Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09884


This item is only available as the following downloads:


Full Text

na ixini imiio 282
OI/Mll

.> trw wm mi}i Ufa
mmm
SHTA FEIIA 6 II DEZE1BB0 II Itfl
EWWlflftkOTiifA BBSCBIPgrtfl M WftBTff
Paraby**, o Sr. Antonio Alexandrlnb de Ll-
ESi:7'1K ^^^'S*t da STa,
f.*!* J* :V Sr!Vno '*
Guimares; Para, Justino
ras
P(J|M#A4odia.
tabyba naitegunda*
eierroi; Bonito, fcaruru, AYtiaW
b 1
^rj" 3 tM "t fiera* *.&pb*u[4l*riiL,)
==^________ i(todo.o.c?f^^e.:.AasSss pss:sssr:sasaat; -
ffl&foSm W MEZ DB DEZEBRO.
MI1L0FF1CIIL
das da semana.
de
ab i uf)
WfHm DA PROVINCli.
.xpedieMe do*uverno do da 3
e^! L0 d" *"" de estado dos.na-
ft!JS2il-, *? *"*atai.-4e M 8 *-
v>o !#! 4dacKlt naaero 1875 de 21 de
I6 de J3. W con.id.r.do effectiro
o leote nlenoo da eadeua oVeloqoenca sagrada
espirito Sioto, assim o communico V. Exc.
; para ten eonbecimemo, e aflm de o fazer
constar ao agraciado que de ve pagar na repart -
Cao competeuta oa imposto de quelrata a nota
lUul PC CP" P1" Podarteceoer otespectiro
Hemoro V. Exc. Arme, ot meas protestos
. souraria de faieoda.
1 de novembro ullimo, pao aa rao de V. S.
pera tet o conveoieole desuno a inclusa certido
Je assentameut* do alferes Jos Lucas Soares
apozo da Cmara, que seodo do quinto bala-
ggy 4 >e**siai,a de tazend* copias dos
obKs!1'* ^n'r,B Portris.~pf*ei4s*te a proviniia. atteoden-
oo aoou* ihe represeotou a enmara munieipel
do Recite, esa officio de 18 de outubro ultimo,
resol* approrar temporariamente es artigo* >-
ira transcriptos do projacu de postaras, conloe -
conado pU mesma can ara, de rendo aa qe ee
segnemi do artigo 9o em Oante aetom siametiadus
ao coaecim*nio 4a asasmMa legislativa pro.
nncial, por nao ser a sus materia urgente, dos
termos do artigo 2 do decreto de 25 de outubro
oe io.il.
Artigo 1.* As osas da cidade do Recife sero
conserradas iimpss, sssim como tambem os res-
pectiros quintaes.
A,,l 2 O moradores dss ditas casas deverao
varro-las urna re por dia, eoa quintase ao me-
nosuan ves por sema ; os propietarios de-
verao manda-las caiar urna rez por aooo, e pio-
lar de quatro em quatro anuos pelos menos, at-
lerraodo tamben com areia grossa oa quictaes
m que Qcarem estagoadaa as aguas plu.iaes; |os
a malla de lOfOOO e o
lki. j- ...*. > n uuiutu i/ata-
lbao de ofaotaria foi transferido para o segando
da mesma arma.
Oilo ao meamo.Transmita) 4 V. S. para ser
arcnirado conforme determiooa o Exm. Sr. mi-
nistro ds guerra emlSde novembro ultimo o in-
cluso processo de conselho de inTestigacio a que
respoodeu o segundo teoeote da compaobia de
arliflcea Antonio da Rocha Bezerri Caralcaoti:
Dito ao esesmo.Sirra-se V. S. de informar
acerca do que expde o inspector da thesouraria
oe uzeoda, relateramente ao pagamento que pe-
de o alferas do corpo de guarnicao desta prorio-
cia Jos Longuioho da Costa Leite, como se r
oos inclusos papis que me serio ddrolrldos.
Uilo ao mesmo.Com a inclusa copia do aviso
do ministerio da guerra de 29 de outubro ultimo,
transmuto V. S. um exemplar impresso das
nslruccoee que regulsm Da corte o serrieo e s-
caiisasao do coasumo de gaz nos edificios da re-
pariicao da guerra, aflm de que indique as mo-
dilicBQoes de que coQTm fazer-se___Communi-
uImui* e,",'^e"ri0,d* '"""linaco a gaz nes-
Dito so mesmo. Mande V. S. postar urna
guarda em casa do Exm. Sr. desembargador
Francisco de Assis Pereira Rocha, presidente no-
meado para a pro?iocia do Hm GsMdo de Sul.
Uito ao mesmo.Em vista do ue V. S. infor-
mou em seu offlcto a. 1090 de 30 de noTembro
ultimo, com referencia ao requerimeoto do sol-
dado da sexta compaohia do batalho numero 9
de infantera, Ma/cotioo Evangelista da Paixao,
o utoriso a mandar dar-lbe baixa acceitando em
lugar delie o paisano Joaquim uos Santos urna
Tez que fot julgado apto para isso.
Dito ao chete de polica.Expega V. S. ai su as
orden para serem capturados, caso apparecam
nesta provincia o desertores da armada Felicia-
no Jos do Amparo e Jos Antonio do Espirito
>inio, cujos signaos caractersticos constam das
notas juntas por copia, que me foram remeltidas
Pelo Exm. Sr. ministro da mar.nha em aviso de
14 de oorembro ultimo.Communicou-se ao ca-
pito do porto.
Dito tbesouraria de azenda.Por arito de 13
de oorembro prximo ndo, sob numero 49, par-
(icipou-mei Exm. ministro da agricultura com-
mercio e obras publicas, harer solicitado naquel-
la data do ministro da fasenda a expedicio das
precisas ordena para que nessa thesouraria se a-
bone e continu abonar ao segundo escripturario
dessa reparlifio Jos Francisco de Salles Barie-
rs, encmegado da rerifleacao das cootas di es-
trda de ferro desta prorincia a graliflcacao meo-
sal de 30j>000 rs., em quaoto estirer encarregado
desse trabalbo, o que communico V. S. para
seu coobecimento.
Dito ao mesme.Communico 4 V. S. para sea
conbecimeoto, que por portara de 29 de oorem-
bro ultimo., oomeei o major Alexandre Augusto
de Frtas Villar, para exereer interinamente o la-
gar de vogal do conselho administraliro para for-
necimenlo do arseoal de guerra, risto ter falleci-
do o coronel Joo Francisco de Cbaby.Commu-
nicou-se ao presidente do conselho adminis-
traliro.
Dito ao mesmo.Communico i V. S. para seu
coobecimento e direccao que o Exm. Sr. minis-
tro da marinba deelarou em ariao de 8 do cor-
rete, que proced muito bem eoneadendo pnsa-
gem al a prorincia do Maraohao ao capito de
trgala Joo Bapiista de Olireira Guimares, e a
ana familia menos os esersros, o qual vai exereer
all o lugar de capito do porlo.
Uuanto purm ao abono da ajada de custo que
pedio esse official nao pode ter lugar, por quan-
to nao ha lei que o aatorise.
Dito ao mesmo.Pode V. S. conforme indica
a conUdona dessa tbesouraria no parecer a que
se refero a aua informado de 30 de novembro ul-
timo, sob numero 116!, mandar pagar ao segun-
do teoeote qusrtel mostr do quarto balalho de
aitilhana s pe Ujgioo Jos de Olireira Coelho a
quaolia de tJfrJUO rs. proveniente de forrageos
para duas beatas de bagagem, sendo urna para a
TMgem que fez ale Baique, e a outra para con-1
ducao de fardamento e armamento como te r :
doa documentos) que derolro. Communicou-se
ao com manda ote dos arma*.
Dito tfeesouforia pretocia1.Tertdo em rts-
ta a aua informacao de 36 de oorembro ultimo,
sob numero 591, autoriso 4 V. S. a mandar pa-
gar ao pharmaceutico Jos da Rocha Prannos
someole a quantia de 300*000 rs: pela desinfec-
r'ao que fez oo cuartel do corpo de polica.
Dito ao capito do portoCom este sero a pre-
sentados 4 V. 8. para o serrieo da armada o re-
crulaa Joio Martn da Silva Jos Muir de
Santa Anna, que me foram remettidos pelo che-
fe de polica, com officio desta data, sob n. 1208.
Communicou-se ao chefa de polica.
Dito ao director das obras publicas. Conrea
que Vmc. r tessoalmente essmiotr a obra ds
bomba dmsetimo lauco da estrada do norte, e in-
forme sobre a que acerca dells expende o coronel
Joaqun Caralcaoti de Albuqoerqu no incluso
officio que me aer devolvido.
Dito ao mesmo. Recommendo 4 Vmc. que
mande fazer com urgencia os concertos de que
precisa urna das bombas do raio do sul da casa
de deteoco. a qual ae cha itntlisada. segundo
consta de officio do chele de potteia de 30 de no-
rembro ultimo, sob numero 1204.Commoni-
cou-ae so chele de polica.
Ditoao Dr. Joaquim Jos de Campos.Cons-
tando de participado da secretarla de estado dos
negocios da juanea, de 12 de oorembro prximo
Dado, que por decreto de 9 do mesmo raer Sus
Magostado o Imperador houre por bem oomear
4 Vmc. secretario da reparico da polica desta
prorincia, o que Lhe communico para seu conhe-
cimeDto, e aUm do que eotre logo em exereicio
independeote do rtale, que spresentarl no prazo
de trea mezo.Communicoa-se 4 thesouraria de
fazeoda.
Dito ao conselho 4* compra Pode o conte-
lbe de compras effectuar pelos procos menciona-
dos em seu oficio de 29 da nerembru ultimo, a
compra dos bjectos constantes do mesmo ficlo
Art. 3.o Os rasos em que se depositarem aa
matertss fecaes quer liquidas, quer solidas, e tam-
bem as aguas ptridas nao ppdem ter na base
mais de palmo o meio de dimetro, nem mais de
dous palmos o meio desliara, e serlo feitos de
madelra com arcos do ferro, ou todos de ferro
de modo apropriado 4 este serrieo, tendo lampas
que os dererao fechar de sorte que nao exbalem
mao ebeiro, Qcando prohibido desde ji o uso de
barril de maoteiga para tal Qm ; os contraven-
tores psgaro de mulla 59000 e o dobro na rein-
cidencias.
Art. 4. Estes ratos sero despejados e lasa-
dos o oito em oito das pelo menos, sendo con-
dumios aos lugares para isla designados, a noite.
depois das 9 horas, ou pela madrugada al as 6
horas da manha. Os contraventores pagarao a
multa de 108 e o dobro oaa reincidencias.
Art. 5." O lixo das casas ser conduzido a qual-
quer hora do dia ou da noite, em caixoes, assira
como as aguas serridaa que nao exhalem mo chei-
ro em casos semelbantes aos do artigo 3o, sendo
uns e outros cobertos de sorte que nao se reja o
que alies contm. Os contraventores pagarao de
mulla SJfOOO e o dobro as reincidencias.
Art. 6." Os lugares de despejos para as mate-
rias ccaes, aguas ptridase lnos, aero prori-
sonamente as seguiotes :
1." Nj bairrodo Recite a praia do Brum tan-
to do lado do mar como da mar.
2. No bairro de Santo Antonio a praia a
late da fortaleza das Cinco Ponas, o alagado a
"avW0 CP'DarDe defronte dos Coelhos.
9.3. No bairro da Boa-Vista o alagado que
ra Para o cemileno publico, e o que Oca oo lu-
gar dos Coelhos a margem do Capibariba 5 os
que Qzerem despejos em outras partes pagarao a
? teodez mil ris e- Art. 7. A cmara municipal mandar ncsr
neste lugares postes queiodiqaeo seu destino.
Art. 8.a as aguas eropregadas oos mistares do-
mesticas, e que nao exhalem mao cheiro pudero
poderao ser lanzadas ao rio om qualquer parle.
KvpetlienteJ do ecretario do
. #5o*rzo.
Officio ao presideote da relaco.Consta de
psrtecioa;o da secretaria de estado dos negocios
da justica de 19 de oorembro prximo fiado que
por decreto de 15 do mesmo mez, S. M. o Impe-
rador houve por bem oomear o juiz de dreito Joa-
quim Firmino Pereira Jorge para am lugar de
desembargador desse tribunal ; oque communico
a V. S. de ordem de S. Exc. o Sr. presideote da
prorincia.
Oito a thesouraria de fazeoda.De ordem do
Exm. Sr. presidente da proriocis, transmuto a
V. S. as duas inclusas ordena em duplicis da
repsrtico do ajudaote general sob n. 291 e 292.
Dito a mesma.S. Exc. o Sr. presidenta da
prorincia manda transmillir a V. S. as cinco in-
clusas ordeos do thesouro nacional, sob ns. 185 a
1S7, 190 e 191.
Dito ao Dr. Francisco Teixeira de S. juiz de
dreito interino de Pao d'Alho.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provinoia manda aecusar recebldo o
officio de 28 do mez paseado em que V, S. psr-
ticipou que por molestia deixou naquella data o
exereicio do cargo de juiz de dreito interino des-
sa comarca, e o psssou ao juiz muuicipal sup-
lente Chnstorode Hollanda Caralcanti deAl-
buquerque.Commnnicoa-se a thesouraria de
azenda.
Dito aoDr. Firmino Antonio de Souza Jnior.
S. Exc. o Sr. presidente dt prorincia manda
remettera V.S. o incluso officio que lhe dirigi-
do pelo Exm. presidente da proine!a de Minas
Geraes.
Despachos do dia 5 de dezemmro
de 1861.
Requerimentos.
Amaro Francisco de Moura.Entregue-se o
requenmento a que allude, nao hareodo incon-
reniente.
Aotooio Jos Gomes 4 Crrela.Informe o
br. inspector da thesouraria de fazeoda.
Padre Calmon, lazaritaInforme o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Domingos da Silva Campos.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazeoda.
Joio Matoso.Informe o Sr. commandante da
estacao naval.
Joo de Araujo Cazar. Remettido ao Sr.
juu municipal do termo de Nazareth para fazer
fiillV ?0CLUS0 ffquorimeoto e juntamente cer-
idao de idade, e informar opporlana e circums-
tanctadamente de conformidade com o rtico 12
do decreto o. 817 de 30 de agosto de 1851.
Maooel Cypriano Ferreira Rabello.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazeoda.
Manoel Barbosa da Silra.Informe oSr. Ins-
pector da Ihesourarit prorinctal.
Capito Manoel Pereira de Souza Burili.Infor-
ma o Sr. inspector da thesouraria de fazeoda.
illi
luaoe aaas Mese. A nomeacio o *tDttw d
repsrtico rsmnwo 1oda a saspeita.por ase -lb#;
visto ter racahido oo illastre Dt. Silrerrt dt Met-
a, qoe a um talento gertlmeote recoahevidortw-
!"* j**?* Ttsudo telo pfio serTtbo
*" f-*0 < Mpattsclo wd oMieeraf .rnSb
iranU* lacuna a aomeaco prooMtte boo reberl-
Datado de 2 de norembro correte, pablieM-
euso refulamento par a extracr.io d tros lo- .
lenas snouaes, cejo prodacto ser empregado as* minora d
coowrtoj da matrizes que so acham, feralmente
fallando, em mo estado. O total di rotera im-
porta em 30:000|; sendo o premio maior e
8:000) o cuitaodo cada bilhele 10|06O.
Nao sei que rsealtado trar este meio de bene-
ficiar os templos ; comludo de suppor que seja
bem coito pela populaeo, que acode sempre
que ae trata do dar. explebdor ao culto.
O muilo conhecido moedeiro falso Jas Mara
Caodido Ribeiro, qoe cuopria senle^a de degre-
do em Guarapuara, auceumbio na Tilia de Ponta-
uroaaa em a tarda do domingo ullimo. 1
Em lula reohida por largos anooa com as leis.
poz termo a seus das comraetteado msis um
crime-o suicidio. Tem sido recolhido 4 cadeia
desta cidade, por sospeitas de teotar fabricar
meeda, era agora remettido para Guarapuava,
onde ia reaponder a um procesto por este crme,
juntamente com Serafim de Curalho Biptiita
que nessa corte fora preso e para c enviado.
Eia mais oo menos os pormenores do aconteci-
mento.
Logo que ehegaram Poota Grossa. pedio Ri-
beiro oermisto ao aargeoto que commandara
a escolta, para sitar o rigario, o Rrd. Anacleto
UM Baptista. Obtida a permisso, encaminhou-
se logo para a casa do rigario, o ahi, depois dos
primeirot cumprimeotot, dirlgtV converaaco
pera os effeitos de urna machina lectric, que
possne o rigario. pastando depois a pedir-lhe
cyanureto de poUssio para, segundo elle efflrma-
ra, dourar a moldura de um espetbo, qaando che-
gasse ao aeu deslino.
O rigario, que por eurlosidade di-se ao ettudo
da chimica, possuindo a substancia pedida, deu-
Ihe eeres de quatro oitaras. Poucos minutos de-
: pots despedio-se Ribeiro, dizendo que rollara
I com mais vagar para conversar.
No camioho ingerio mais de tres qaartos do re-
I neuo, morreado logo que chegoa em cas.
Crio qoe praticou esle acto por estar soffren-
do de affeccao mensal; tendo j tentado conau-
ms-lo aqoina capital. Morrea oa estrada, relho,
decrepito, cercado de guardas, um horneas que
poda pelo aeu taleoto ler sido muito til socie-
dadee4sua familia : a vida, finit ita.
O juiz municipal do termo de Paraoagu fez
este mez urna importante diligencia, preadendo
no dislricto de Guaratuba a Jos Francisco de
Souza e cioco tilho, que ealo indigitados como
autores e co-ros do aasassinato de Maooel /Vnas-
lacio da Silra, perpetrado naqaalle dislricto em
das do mez de agosto ultimo.
Foi oomeado director ioterino do ncleo colo-
nial do Aasamguy o 8r. Raymuado Ferreira de
Olireira e Mello, que consta-rae ser pessoa que
tem habiltta^M aufficieotes para exereer bem o
lugar.
O lyco acaba de soffrer am golpe profundo no
seu pessoal.
O Sr. presidente da prorincia supprimio todas
as cadeira que eram Interinamente regida, con-
aerrando s as tres que teem professores rita-
liciot.
Aioda assim, creio que flcaram reduzidas a
duas, porque o profassor de urna deltas, que

?"d*- S- WHbi t. m.; s. Adria m.
8 #ofgo. S. Frapciico. XgTi'er sp. das Indias.
iris. S. Barbara r.ea.; S.Pedro Chrysologo
S. Geraldo are. ; S. Sabas ab.
S. Nioolo b. de Hirt; S. Leonusa a;
Ssbbado. S. Ambrozio b. dout. da egreja.
8 ssbmingo. Gonceicltt d Nosst Senhora.
____* -.1 -
mt:
AUDIENCIAS DOS TRJ^BUNAES DA CAPITAL.
Tribonal do commercio : segundas e quintas.
Reiaeio: tercas, quintes e sabbadosn 10hora1,
Fazende: tercas, quinta e sabbadosss 10 irbr!
Juizo do commercio : qaertas ae meio dia '' ~'
Dito de orphaoa : tercas e sexta a f horat.
o?,61" T,r" d CTl: wr*M ,M,M meio
Segunda *tr 66 civel
horada tarde.
quera e tabbados 1
ENCARR1GAD08 DA SBSCMPCD DO SL.
Alsgta, o 8r. Osudlno Falcas Das % Bahia.
IM PIWAMtfiO.
dF2?c9i.^:,rrr,"u""ri'pr-s'd^
r!4, designado para a apuraco dat auteo-
Ucaa na cmara municipal da capital; os vinte e
lotados no primeiro districto pira deputs-
seplTrTinciaes nao sabem quaes sero os doze
bemetarados ; e eu adirinhoqueoscooserrado-
res mMdaro ao recinto da atsembla proojncial
nore deputados, que eom os onae do
3 dUtricto Tormaro maiotia. C->mo Jaso pftde
er oque murta gente ignora ; mas eu*j haria
*lf ,nle",8a suppre murtas rezes a
mona des rolos.
. PmJ?"6* d,,WB <*** a eamra municipal pre-
otMe-bSo apurar os rolo da authenlica de Ali-
oaia por uspeita de frsade ; pens que oem a
**P*,K bTer questao, porque a cmara muoi-
*' "pe competente par proferir juizo e tomar
coobecimento da validado ou illegalidade de quaes
,?l?aCOM rt0 *'" PPfhensaes que nao
se justilcam no bom seoso e nt razo : os cooser-
vadoresdariam prora de summa inepcia se psra
ldUtem suas Tistes. E de cerio, como
ZZ
INTERIOR.
PARAIIA'.
Coritiba, 12 de novembro de 1861.
Um acto importanlissimo, sobremodo fecundo
em'resultados benficos acaba a presidencia de
pralicar dando execugo a urna lei que manda
organisar a estalislica da prorincia. A falta de
elementos estticos um dos escolos que tor-
naos irregulare morosa a marcha administrativa
aqui, alli, em loda a parte onde ae reriflea ella.
No 6 de mister a prallea dos negocios pblicos,
nao necessario ter-se encanecido na contem-
placo do mecanismo administrativo para raco-
nhecer-se as van (geos que se originar o esta-
do dot elementos di provincia.
E' om rerdade etta que 4 priori te concebe.
Reallsando portento o Sr. Dr. Gomes Nogueira
este melborsmento, iniciado na lei de 12 de mar-
co de 1857, abri 4 adminlslraco da prorincia
ma fonte perenne de dados convenientemente
coordenados, que a tirar da posico perigosa de
andar tafeando na treras, e obrando por meras
informales, sempre incompletas, e s rezes
falsas,
Isso porem nao foi todo.
Poderla S. Exc ter emprehendido a oreacae da
repartico mas serem pottetiormente desrir-
deixar contar os votoi de urna aithenlica ?
aeria rMencia estpida que traria ineritarel-
mente a reaponsabilidade criminal dos Toreadores
tom oebahegos da auspenso e da malta.
Sei que o mal nao eit no collegio de Atbala,
e sim em oulro, tambem completamente liberal,
que os liberaos suppem estar muito em regra,
e oe'! te lorprehendrao completamente no
dia da apuraco, nada podando oppor 4 argu-
meotaclo lgica doa conservadores. Em tempe
opportoeo lhe commuoicarei o qoe hourer; nada
doro arenturar por ora.
A cmara municipal publicou am edtateos-
ridatido os municipet a mandarem productos na-
conaes 4 exposieo desss corte ; julgo que pouco
ter adiantado, porque quasi oioguem os man-
dar, mesmo porque nao bt productos que alrsiam
atlenco. Todaria, partlcalarmente sei que
o Sr. Pmheiro, de Mogy das Crozes, mandar
nono e aguardante de ara fabricados no paiz :
o nano de Mosy dasCruzes, feilo de uva ame-
ricana, um excellente Bordeaax ; ha de aer apre-
ciado oeasa corte.
Continuam os RR na faculdade de dreito ;
os saludantes rao excommungaodo lentes e
gererno, porque esta o acismaodo que tu tostruc-
Coes reservadas do goreroo para aquello resal-
Jao. E' am engao : a radiaco que foi mui-
to grande ; a poltica, os jornses, e es espect-
culos, os actores e as actrizes qutai que exclu-
sivamente oceuparam a atteocAo da mocidade
acadmica, e se nao que o digam ot pobret psit
logo que rirem as contas dat deapezat de seas
ik: *f6r" qae a*,rain contrshndo dividas
s 4, 5, 6, 7, 8,9 e 10 por eento ao mez, sobre-
carregados anda com penhores de jotas o lirros I
Lamento esia des regra ment, porque na actuali-
dade um filho bacharel em direilo importa a rui-
na da fortuna inleira de urna familia ; e conheco
esludante cuja formatura acarretau a despeza de
mais de 50 conloa de ris I
O exeaplo de uns desotrslisa ot outros ; o
filho do militar, do adrogido, do hornero de es-
tado, quer gastar como o filho do bsuqueiro ou
do fazeadeiro rico.: o contagio do eabanjamento
e da depravarlo. E' iadeclinarel para o gorer-
oo imperial a neceisidade de attender para ettet
tactos, estadando os meiot de extirpar oa venenos
qae cootaminaro oq futuro a aociedade brasi-
lera, j quasi deeprandida daretigio e da moral
pela inoculaco e realita^o pratica de algumaa
ideas moderoas. Infeliz paiz I
Otfazeadeiros do Campias ealo, segundo
refere o Correio Paulittano, muito coolentes,
porque a estrada de ferro de Santos ir al alli,
e nao to amente at Jundiahy
nar' PimiuP..i^dade-em q,Ue esl,T< de 0CCU~ P*ltano annuncia que quetlao decidida es e
SenTa das hr^Vn8 l0"' '""^ '? 'T"" P'olongsmenlo. Essa Vstrad. dere chegar at S
donar ,Ue "" otnio '-joo do Rio ClaVo pf um lado, e at a Franca
Comquanto eu tenha maltas etper.ncts no ly- ZT 8er ^"meira elrad' de fe" *>
co de Coritiba, comludo auppooho que actual- I rnn(- .r n ,
mente era improductira a despeza que fazis com '* T* *?*} nua- ImPrn^ Pauhrta tan bicadat
improductira a despeza que" fazis com
liniatraco actual; e pens que breremen-
o sea pessoal.
Demais.se se attender ao eipirito econmico '.^Sf'""'*,?? fi'0' porqBa elw
da presidencia recoohecer-se-hs que o acto era "e9cem e muliiplicam-ae por modo espantoso.
necessario, em face do pouco milo qoe os cofres 8? Te,n,0Je,J B0 Cwreio Paulitlano de hoje
guardam no rentre. ; autonsag?o dada pela presidencia ao cjmraan-
Este acto foi geralmeote lourado; mas eu nao d,nleK acompanho os sentimentos de muitos que se pro- "" ,era' eMe ac-? Dor cerU) MrA cen,u-
nunciam por tal modo, risto como s ot more no oe ||s.1,oepaee, comoj o Gteram para com o
urna guerra de exterminio do eatabelecimento e "nselheiro Hennques a proposito do fardamento
nao se importam com as razes qae compellirsm musc balalho ; tomaram tal birra a esse
a presidencia a assim proceder.
O qae tora de durida qae nem remotamen-
te ae colheria o resultado da grande despeza qae
estara fazendo.
Aos bem combinados esforcos da presidencia, f-,omou 8obre ,eu* ."ngadoa hombros : a
corpo, que oem o querem ver apparelhado con-
venientemente.
Agita-se presentemente urna questao acerca
do cemiterio publico ; e o Dr. Pinto Jnior
colheu-ae alguma cousa para a'expsito. Relali- que,*,ao Ter8a S0Dr* a Polci daquellerepoaso dos
II?.e." A i0-"91"'. m.ul pouco creio que tem | "Afflrma o Dr
apparecido e apparecer, como antevi; mas pelo
que loca aos productos natarses o mesmo nao se
pode dzer do Paran, qae os tem em grande quan-
tidade. Entretanto bom dizer qae nao se dere
basear am juizo menos farorarel aos recursos das
provincias pelo que ella expde detla rez. O lem-
po para a procura dos objectot foi exiguo, e a
extenaao do territorio nlo fcilmente psreor-
nj|a.
O tystema que psra o futuro se ht de estsbo-
>r neste serrieo. dar urna rerdadeira idea das
.. Pinto Jnior que no dia da tras-
ladado da imagem do Seohor Cruxificado em
procisso, nao foram reapeiiadas ss sepulturas
submdu muita gente sobra ellas para ourirem o
pregador. Eu nao o contesto porque isso rer-
dade ; mas o que fazer-se ? Cootara a polica
que tal facto se dara f Cootara a cmara ran-
municioal que o poro nao raapeitaria ns morios
naquella occasio aolemne ? Emendo que isso
nao cousa que mereca at htnrat de urna ques-
tao, Qcando no entaolo prevenidas a polica e
municipalidade
riquezas que contm este proTiocte, o qaVeon- I! "Iideda a respailo desse mo habito de
ainde rirgeos da antlyse da explo-
serram-se
rsco.
A. rllla de S. Jos e a freguezia do Iguass re-
cebiram ltimamente oSr. presidente da prorin-
cia, que examino os pontos das estradas que fo-
ram concertadoa, e aa pontea qae Urerem re-
paros.
S. Exc. examinon a cata da cmara, a matriz e
cmuerto de S. Jos, fazende o meamo ao cern-
terio a 4 matriz de Iguass.
Dix o Correiti Official que na riagem colheu o
ar. or. Gomes Nogueira muitas informacea 4cer-
ca da poasibilidadede naregago dot ros Iguass
e Banguy. praza a Deus que se effeclue algam
metnorameato nesse sentio.
O Dr.jalz municipal do termo de Marre tes pe-
dio demiseao, e obtere, do lugar de delegado de
polica.
Ha lempos que dei noticia de qae se exportar
horra mate pelo rio Uruguay, e agora possoasse-
gurar este boato.
Sei de pessoa fidedigna que exiatem em eons-
troccao trea grande falas, e que a quantid.de
ae herra que se estar preparando suba a i2 000
orrobis*
Etta questao de summa importancia enan-
ca ser de mais o cuidado que lhe conceder o go-
veroo.
Mais um suicidio.
Tendo fgido urna escrsra de Antonio Francis-
co Teixeira, foi encontrada morts a peodura el
algumat legoas distante deata cidade.
E' um episodio que dere ajuotar s aceas da
estraridao.
S Pamlo.
S. Paulo, 10 de novembro de 1881.
Uta correspondente re-se em apurot para dar
noticia locses, desde que cesta o tempo dst elei-
coes ; parece que todos se retrahem, ninguem
falla, ninguem agita, todos querem parecer mo-
derados depote da lats, e quem lucra eom ludo
uso o goreroo que errosegue sua carreira e sua
om,^d.do^X2cidoi"0 e "**>*<"*
To4.t, tromda j se annenc. UW#>liil wW|^^^
e sobre as sepulturas.
' Houre anle-bontom a espectculo mu
applsudide : foi em beneficio do artista Paul
Julien, grande rabequista (raucez ; as rarisces
tobse o hymoo nacional agradaran muito
-15
Bem lbe disse em carta anterior que nisto de
eleices nao ha que fiar, o melhor caslello des-
truido s um sopro, e apoarecem imprevistamen-
te resaltados que rayatificam oa mais sabios e oa
mais espartos: a arlo da guerra poltica est
muito aperfeicoada, entrelem-ae o ioimigo por
um lado para staca-lo convenientemente por ou-
'tro I Tambem muito applaudido o renoedor
quaodo aasim prosede com tanta tctica a em-
basbaear o adtersario.
Hontem tare lugar a apuraco geral das au-
tenticas dos collegios eleitoraea de primairo dis-
tricto detta provincia, para membroa da attem-
bla legislativa provincial: a cmara municipal,
apezar de qoe te dizit e propalara, procedeu com
toda a lizura, nao adaittindo a traoagresto de
um s ponto da lei numero 387 de 19 de ageato
de 1846, e doa avisos ragulamentarmeote expedi-
dos liara sua fiel execueao.
Ot liberaos esperara que a cmara municipal
detta capital, em aua meioria conservadora, nao
apurara ot votos dos collegios de Alnaia e So-
rocaba. isto por ter funecioaado no dia 18 de ou-
tubro, quaodo o da designado era o 15, e aquel-
lo poraupeite de fraude atteuta a demora da pa-
blicecio de teu resaltado e da remessi das copias
autheolicas respectira. Mal a cmara municipal,
conreocida de que toa mtiso na apuraco ae li-
mitara t sommaros rotos das difieren tes authtn-
ficet, nao podendo, nt conformidade doa aritos
da t de ferereiro e 1* de marco da 18*8, tomar
eonheoimeote e proferir juizo sobre a validada ou
illegalidade de qutetquer collgios, nem outro-
tim. como deelarou o iriso de 5 de ferereiro de
1849, entra no coobecimento do motiro porque a
oleicao se fex em dia diverso do designado, apu-
rou estes fotos tem a menor impagoaSo.
Rjaa reaotuCo da cmara municipal sereoou
os espirito* aasaz prevenidos para resoluclo op-
posta, 4o ponto de relirarem-ie ds sala dat sas-
nham ido assistir apuradlo geral lio mal agou-
rada pera os seos amigos ; os proprios adversa-
rios eiogiaram o procedimeoro dos vereadores
conserradores que. apezar de nao terem anda
recebldo o offlcio do goreroo expedido sobre re-
presentaco do candidato mais infeliz da chapa
liberal, subordinaran!-sa doutrrna expendida
nos arisos citados, apurando as authenticas de
Atbala e Sofocaba.
Note-te que antet de comejtr o processo ds
spnraco o rereador Dr. Mondes de Almeida pro-
poz que ae executasse fielmente as deeises do
goreroo imperial relativamente 4 apuraco em
separado dos rotos dados individuos com ot
noraes, tobreoomet e appellidoa trocado! diroi-
nudos ou augmentados e a cmara municipal in-
tetra, com excepcao do rereador Dr. Leandro de
Toledo, approrou aquella proposl, comjfletamen-
te undada oos arisos de 18 de setembro e 6 de
outubro de 1849. e no mais terminante delles de
4 de ferereiro de 1853 2. Essa deliberaco af-
lectara a um conservador dislincto, o r. Sebas-
Hao Jos Pereirs Jnior ; que em alguos coll-
gios fora rotado com a dimiouico do Jnior ;
aneciara porm tambem ao candidato liberal Dr.
Antonio Carlos Ribeiro de Aodrada Machado e
Silra, que tambem em alguos collgios fora rota-
do com a dimiouico do e Silva.
Os conservadores nada perderam, porque o Dr.
Seba8tio Jos Pereira Jnior oo podia mesmo
contados englobadameote todot os rotos, ser con-
templsdo no numero dos doze deputados prorin-
cisesi ; e o mesmo se pode diter do conservador
Dr. Francisco Emygdio da Fooaeca, com muilo
menor rotceo daquelle que o rolado oo col-
legio de S. Roque com o neme de Francisco
tmygdio da Fooseca Pacheco : outro taoto po-
rm nao aaonteceu aoa liberase qae, por aquella
deliberarlo da cmara muoicipal, riram naufra-
gar dous de seus candidatos predilectos, o Dr.
Antonio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e
wlra, e o escriro Francisco Emilio da-Silva Le-
me, tendo sido este rolado em Iguape com o ti-
tulo de doutor, talrez por entenderem os eleito-
res que, teodo os liberaea urna fabrica de fazer
doutoret do p para a mo, nao hariam ter dei-
xado aquello seu smigo sem esse titulo. Resol-
tara de tudo isso que eram depntador prortn-
ciaes. apezar de ludo, e mesmo aparados os ro-
tos do collegio da cidade do Il qae foram toma-
dos em separado, os da chapa conserradora, Dra
Jos Aires dos Santos Jnior o Joo Mendes de
Almeida.
Mss os vereadores conservadores neo se con-
tentarsm com isso ; o risto como eram ameaca-
do com a reaponsabilidade criminal se trsosgre-
dissem a lei para crear na assembla provincial
urna maioria artificial da aua parcialidade, trata-
ram de executar fielmente aa disponeos* legaet
fosse em beneficio ou em prejuizo de quem quer
que foste. t
Assim, tendo sido aberta a copia da acta do
collegio eleitoral da cidade do li, reconheceu-
te que nao etttra autnanticada como o exige o
*aS 19 da lei numet0 ^ 9 1846: e, poie, a cmara municipal, por iodicaoo
fundamentada do rereador Dr. Mendea de Al-
meiia, deixou de apura-la, porque esas corpo-
rago aomeote pode e dere apurar authenlica e
nao qutesqoer papis sem forma jurdica, e sem
aa solemnidades que a leieestylo requerem. ps-
ra que como autheolicas possam ser considera-
das, como expretto no arito de 9 de agosto de
1847.
Nao importara iaso proferir juizo sobre a ral-
dade ou illegalidade daquelU collegio, poia que
a cmara muoicipal nao diste que era nulla a
eleigo, mat cingio-se t suas attribuicee nao
dando ralor jurdico a um papel sem forma legal,
despido da formalidade substancial de authentici-
dade, formalidade qae a cmara municipal nao
poda dispensar por oo ter competencia para
isso. Em meu parecer, e no parecer de todos os
horneas imparciaes e entendidos oa materia, a
cmara municipal bem procedeu : consta porm
qae alguna prejadicados j anderecaram denuncia
ao juiz de dreito, Dr. Tararea Bastos, que corta-
mente se suspeitar por inimizade com alguot
vereadores denunciado!.
Nao tei em que bate legal podar assentar a
denuncia, porque a lei nao ealilalo debalde e
ioutilmente aquellas solemnidades ; a cma-
ra municipal rer-se-hia entre dous fogos se
apurasse et votos do collegio eleitoral englobada-
mente com os dot demaia collgios do districto,
porque, nao podendo ditpeottr na lei, conside-
rara amlhenlico um papel oo tirado o oo con-
certado com todaa as formalidades que requerem
a lei e o estylo, infriogindo assim a decisao
do goreroo imperial exarada oo aviso de 9 de
agosto de 1847 ; os prejudicados conserradores
tambem podiara dar queixa ou denuncia contra
os vereadores Iransgressores da lei. Sao assim as
cousas deste mundo, preio por ter cao, e preso
por nao o ter.
A apuraco feita pela cmara muoicipal dea o
seguiote resultado:
1. Dr. Joo da Silra Cirro (liberal)....
2. Padro Scipio Ferreira Goulart Jun-
queira..............................
3. Dr. Jos Aires dos Santos Jnior....
4. Dr. Joto Mendes de Almeids........
5. Dr. Eleuterio ds Silrs Prado.........
6. Teoeale-coronel Claudio Jos Pereira
7. Dr. Americo Brasiiiense de Almeida
Mello (liberal).....................
8. Dr. Delfioo Pinheiro de Utha Cintra
9. Dr. Francisco Leandro de Toledo (li-
beral)...........................!..
10. Commeodador Manoel Innocencio da
Rota...............................
11. Major Gabriel Marques Ctntioho.....
12 Dr. Antonio Francisco de Paula Souza
(liberal)............................
Dr. Maooel de Almeida Mello Freir
(liberal)............................
Dr. Francisco Aurelio de Souia Car-
relho (liberal).....................
Dr, Maooel Jacintho do Araujo Ferraz
(Hbwol)............................
Dr;..Jo*.Tobi,s de Agujar Catiro
(''M............................
Dr. Vicente Eufrasio da Silra Abreu
(liberal)............................
(*) Escriro Francisco Emilio ds Silra
Leme (liberal)......................
(*J Dr. Joaquim Mariaoo de Almeida
Morae (liberal)....................
Dr. Antonio Carneiro de Campo....
Dr. Jos Candido de Aievedo Mar-
ques........
(*) Dr. Amonio Carlos Ribeiro'de Aodra-
da Machado (liberal)................
Dr. Sebaatio Jos Pereira Juoior...
Dt. Francisco Emygdio da Fooseca..
Dr. Seb'stio Jos Pereira...........
Dr. Antonio Carlos Ribeiro de Andra-
da Machado e Silra (liberal).......
Dr. Francisco Emygdio da Fonseca
Pacheco...........................
Dr. Saltador Jos Correa Coelho.....
Dr. Jos Antonia Vas da Camines
Joo Hauricioda Silra Franco.......
Dr. Joo Gutlhermo Whitak.tr (1U
be-ral)....... ...................
Dr. Frentico Emilio da Silra Lema
Dr. Joi do Amara] Grgol iliberal!
Joa Va de Almeida....'...,.....
Dm?er|?FraBci*00de MU*
M*1)............................ 6
t
I
t
1*
1

n
i
Jo Poopeu de Carneo* H {li-
beral)..-----------,.............J_
Dr- Do*gos de Almeida Campos
Dr Caetaoo Marqser ees Santos (li-
beral)................
Dr. Joo Aire* de 9iqueira Batea tu.
beral) _.............).
Sr. Jet Bonifacio de Aodrade e Sil-
ra (liberal).......................
Dr. Joo Aurelio de Souza Carralho
(nao exilie)................
JuaMartinsBouilha (liberal)..;;";*
' *#"'<> Antonio de Morae Salles
(liberal)................w.......
./". ** >oi*.de^
)?. Pr Mte P"*"""0 oiatreto eleitoral,
Xuti0"' \ 'W' prorinciali V
o que o liberaea nao qaersm e elles psssersm
^'i4.5!0 d* coUe' *l*itoral do Itk tomede,
em separado, a aeguiale :
^'Ca'fo..............27
Dr. Paula Souza.,......27
Dr. Ajmeida Morae.... 27
Dr. J. Tobas...........rf
Dr A. Carlos.......... 27"
Dr. Vicente Bufrazio.... 27
Dr. Mello Freir........ 27
Dr. A Bratiliense......27
Dr. Ferrsz.............. %
Dr. Francisco Aurelio.. 26
Dr. Leaodro de Toledo. 25
Escriro Leme......... 24
v i .. Dr Wn'1*"'.......... 6
bogloba-M essa rolaco aoa candidatos libe-
raea assignalados oa apuraco supprs com (*), e*
iA L qU.8,a pwar dt>" "'0'0, d0 colleo d0
ti deP"Uoo*.prorincises puros e mui legi-
Vuo1' pad.e S?^ii. D'- *'" dot Santos
;"kI 1Dr-*i do Almeids. E'oque-
os libertes tambem nao queriam, elles ttnhtm
lAIdlO.
I* .oec?*iSo_ apuraco das authenticas hou-
ve episodios brleteos, que lhe communiesria se
honres** tempo e espago. Felizmente houre
calma e prudencia : os dous Isdos polilicos mi-
[,ma?"8!.e?di.,Uacia 'Pai'osa; nem pareca
um da de batalha, porque a diplomacia desem-
penhou sua miaio com todo o auceeo. Agora
chegoa a rez da imprensa, e detgragados Torea-
dores, leam que outIt aorss de seos aros torios I
-- O gorerno imperial tem necessidade de at-
tender seriamente pera a adroinitraco da jasti-
S- ?." C0JB*L" de Depetininga, onde o juiz do
dreito Dr. Olegario Herculano, est processaodo-
quanio conserrador ha por aquellos arredore.
Na Faxina, no Botacat e em Tatuhy, locali-
adea compleumente cooserradorai, tem harido
urna completa risoura ; os processot multipli-
cara-sede aos me,0 inscreditarel. Attribue-se
a nuintdade de esforcos por parto dette magis-
trado em faror de candidato! liberaea na pastada
eleic.ao de 15 de ouiubro I
Apezar de me merecer toda a f a pessoa que
me communicoo todos esse facto, tenho cuita-
do a acreditar qae um magslrado assim proceda
lao mconrenientemente; creio que ha talrez
despeno, e que ha fundamentos mui legaes par
toda essa chusma de procesaos de respoosabi-
dade; mas seja como fdr, o gorerno imperial
tem necessidade de syudicar dettet boatos, que-
tanto compromet.m a dignidades eaimparcia-
iidade da magistratura, gurando-se o juiz inci-
tado a Tingarse de eleitoret que oo lhe deram
leus rotos pera amigos aeus. Ser4 urna clamo-
rosa injuslica ; mas o publico a parte conserrado-
ra da populaeo daquella comarca precisam ser
tranquilizadas, para qne nao ae deem acea*
desagradareis e dignaa de represao. Urna da
principies attribuices da autoridade auperior 6
a de preremr os deudos; e ahi est quasi sem-
pre o segredo da paz domestica e da trsnquilli-
dade publica.
Continuam ot RR ni faculdade de direilo c
e no memorarel 3o aano, onde elle affluem. No
Qm dos actea remelter-lho-hei a relaco doa ap-
prorados e dos reprorados; a remis* parcial;
podena levar algum engao que affligiaie as fa-
miliaa dos examinadoi, o eu nao goito de cansar
amarguras a pessoa alguma.
Nao escreri-lhe hontem pelo Pirantf.
Al breve.
159
157
155
154
152
151
151
149
149
148
147
147
145
143
142
138
137
128
127
125
118
85
79
73
67
62
44
27
20
20
15
12
8
6
calma, a popalaco s*>
regeneraco aera com
Feroet opus / Ceaaoa a
agita, e certameote ana
plea deata rez.
A apuraco dat autoridadet de primeiro dis-
tricto tem sido a cauta de lodo esse xurn-tum ;
uns opinando pro, e outros cootrs, nao harend
porm remedio para o mal ou para o bem feilo s
o que tioht de aer j soou, agora s a assembla
provincial decidir o pleito
Em sarta peaaada j Iba impuz o resaltad de
apurarlo referida ; e agora cumpre-me noticiar-
me algumat de auat consequeociss, que no en-
tinto eram j previstas.
O gorerno foi tornado responsiva! pelo facto,
risto que abstere-ae do ioterrir na apuraco. ce-
rno lhe cumpna em rirtude do ariao de 19 d
marco do aono .corrate, e do anterior de 26 de
ferereiro deste mesmo anno, quaodo, legando o>
desejo dos liberaos, elle dorara ter iotinnado &
cmara municipal que apuris a copia ni* au-
thenlicada da acta de coUogo da It, aUspenaan-
do aaaim oa lei, e no caso qae o* vareadores re-
sistissem, como seria certo. eatiode eacadado
ooa preceilos legaes. dareria ee*V*ndA-lot chs-
mando os tupplenles para retolverem o pro-
blema.
Etse plano porm ole piaso* de nata atpira-
cao aerea ; e para que esle resaludo a aupen-
sao da cmara montcipal fosee obttoe, o Dr. An-
tonio Carlos Ribeiro da Andrada Machado o Silra
dea queixa contra ella a* juiz de direito, Dr. Ta-
rarea Bulos, que hontem ao meie-dia jurousus-
peicao, deatrutado assim todo os ctileltot edi-
ficadet aobre a esperase* de saa pronuncia, ta-
bora illegal.
Convem notar-** que tqaelle juiz da direilo)
precipitadamente procedeu aoiitando aquella
queixa para aer o saa jutgador, o qse collocou os
querellados em complata deacooflinea, augmen-
tada olla pelo* boatos que na cidade ae aepalha-
Tam ; enlo, um dos meemos querellado, o Dr.
Meodes de Almeida, requeren a larceiro sup-
pteote do juiz muoicipal, por. suipeicao do *Wec-
ttro, impedimento do primeiro. e auseeeia do ae-
gundo, a eitaco daqsaU* magistrado pera asii*-
tlr 4 inquirico de Ustsmuahat que iam depot ds
inimizade entre amboa, aflm da aer dada a queixs
em tempo opportuoo.
O Correio fautano, de bootem, noticin o
ficto, o opinoa pela luspeico do joiz de direito.
tendo etse o retallado de todo esta barulbn fo-
rense.
Tambem a luspeicae jurada fas eeaaar jeati-
fleaco no juizo municipal; a hoja qneixa con-
tra a cmara municipal para conclusa aoa sun-
plentes do juiz da direilo suspeilo.
Mat o deuoireo doa naufrago! oo 4 completo :
a Imprenta Paulitta, a par de aila injuria con-
tra aUun reroa aeus cmdidnos a* apreaeatirae no recinto dr aa-
aambla prorincial, d'onde gorerno o* soderft
mandar aipellir 4 baionela. se asata o resolrar I
A inlimaclo solemne; poism Mita coa tanta
lecedaaou, pdso que seri toa rwlUdo.af.


a jgki tfm
UJO M ri&lUliUCO. SfcXTA lElRA 6 ft* MZEMIRO fcg 1S61.
i ----------------- n i|iU|, JJ'l(ttwr* -
ncomo Toi o tomtlto prepsrsdo pit WKt | Msltos Telle....... dem dem.
Todava'aa leis tm previsto wMpW^Wfi\_ Wfa iT." .."...!. Reprovado.
ti o ari. 104 do cod_.
vuor (acilitaado'ao govern os
m ira4qui1lida.de no recinto d
eiaL____
lie qu
1m
FaMuex
as para
ilii f Otario
Nao per certo.
radares eslo ou
~3ri
fia
la
lp
14 aqu
IjMtfHeocleoiano
de Albuquerque dem.
5.a aono.
Jos Aoionio de Paita. Approvsdo plenamente.
para o gdvi
nidad
ir dot" M fa-
dos negaws j.ao e
M*
ah f d culpar
"^-"ffl nlriBi.hiir..inm.pM Tn.
dtstrlciu da Woru

I4ai idas
Mtae ingle liVsafJavne
I ptt IkaceafeleneiK Jolina 6e*
laptiata.
Passageiros* da barca franceza SpAere, sihi-
da pire o Batas pela Panaiba 1 Jai* Barros da
~l?sdVVoto, e eu tria
verdadeiro ; e pois os conservadores BcarSb na
aasembls provincial cora 26 denotados, 9 pelo
1 dislricto. 6 peto*,e'U p*I4 8.
: Est a proriocia aocioaa pelo bispo que o
t**e*p iwperial etreo-, e cojo merita o, vi
oes 40 too mado--applaude. Qusudo.vira S
Rn. 1
m
ou Caalho, maoame jorep
NodU^o^'/fre^Jfra'to^^nWo i
casa de detei >, inte: vo*dmoe4)r.P*iiee de polis;
or(tem,^8 4}eg8MWsw,er*V !,.(! 4 o-pardoi
Libralo, *C|%Tw(f.4a^oel Tbeodor Rodngo*
Pinto.
tfoRTLIDADE IfO DU 5.
vahado por
dem SI. D. (Miopa Comea, pr
prieta ra de urna, casa Ierres arJ
rendada por.....................*
dem 34.Antonio Jote" Gomes do
Correio, proprieta rio de ama casa
larrea arrendada
K. t
de
fltiem
de
dem
Gu
m 7.-Gilhea:
pnetario de una casa, terrea
rendada por.......................
Ideni 8. O mesmo, proprieiario
ala urna aaaa tenas aiisadadeps
uech e anrmtrir dem 9. tj
de urna
"leu-se em camera s res-
posta da otfmr^Msfoasjajeaeffgsfta pela nossa bju-
oaipalidade de obtec finm. A .devida venia, a pro-
tcccio de *. A> i-.e^afncete rD. Isabel pata o
haaptial de lazaros.que .aqu, se ral fundar.- Essa
Uo valiota proteos^ ni Besaatta, orno ere de
ajcrar. ......... .....
O officio da eommiseao era sesigasdo palos
conselheiroa Fraoristo Oiogo Psreira 44 Vascou-
efjas e Antonio Jos Henriques; q Ratea, bispo
eleito nao.Orsasigoaa poc Me* tmpeeeitiiiUdo
dio por molestia, de.g)luis,segundo communi-
acao leita 4 caaaara asooaeipal o* mesma occa -
i*. ...............
Continuara os K ne licoldade de direito ;
o o quarlavaaeo lea. asesado sem mancha a (gu-
arstodos. ple.qam.ep.te. .
TH Np i* 3 te desamare S. Su. a Sr. presi-
dente da profiHcia 44 na palaeio do goferno um
Buajpiuoso aila.para soleaaiser o aonivereario
ua*alicio de S. M. o Imperador. E* na da 3, por-
que no dia 2 o cortejo impossibilita de preparar-
seicom tempd as salsa.
[Cari parlicularti.)
{Jor.aad.do Commereio do Rio.)
sueo. 50
0I11CI UtXIX III.
uasmo, proprieUrioi
i tema arrendada
BnteaSebs>OaDps.d.a,MoiMH trMb
annos, tIuts, Igusrsssu, apaplecia (ulmi-
nsnle.
MlfcaiiIaaa, aHWjeoj-flalliannff,- *t>tea7 i3 inM, so'teirs BOi-.rista,
esersfa, friajdade.
Antonio, frica, soltelro, 30 annos, escraro, Ra-
Cffe, tubrculos pulmonares.
Cathsrins Ferreira de Aodrade, Peroapibuco, 35
annos, casada, Recite, febre perniciosa.
Manoel oaquim VerJas, Pernambuco, 54 annoi,
riuro S, Jote, apoplena fulminante.
Emilia, Pernambuco, 9 metes,.Recite, convulsoes,
Tfiere'zf, frica. ?0 aonos, solteira, escravs, S.
' ,Jos.gaslro interite-
Tlaesouraria provincial.
DEMONSTRADO DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA
DO EXRRC.IC10 UE 1861 A 1862, KM 30 DE N0VE1BRO
Saldo em 31 de oulubro
prximo passado 45 495#665
Receita de. 1 a 31 de
oulubro 7". 65 7569165
mesmo, proprTetario
css| .ierra* af/eodada
por. '
dem 11. p m
; de urna casi'
; par |i r.''i'-; W*l
dem 14.Q maama, trarietark>
. de um sobrada, bu uaj^pUar arv-
Wa^W.^RariaSe^ho^ribVitoi*
ttamaatof- ptaaaakalr*-d4 a*
c*J#fim 'JrnKHdi) Wr>'......
m*8mai propfielarja
S009f|| *estir-m
| portar no ai
iDcessantemeflaMbica
Airea Ferreira.
Achava-rae pota firme em
ase
2009000
tMfDW
llaisoiB ao coracio da meu
eoiao disse, essa desejo de pa-
r a Tardado dos factos adre-
or ama estodada linguagem, que
socio ia ji correndo pela bocea
atnda o nao
desejo
atticula
Ta que ro
urna aoei
o corpo do
do neg<
races era
enca lio eca
amargo
propi
resultado queoffereci em 15 mtxu M'JUiwt: e.k -a u. rv.a^. Jjalo aVPaut Ai Biiri
elle o,..,i por cerlo. t.,0 como eo^jH M# ^^.rWf^ol^^^TATo'^.
noel AItss nao poder4occalisr o aetiTo de nossa ^ M^r -y-f^-- -*-"*--*-' >- ferro, X>
casa, fszendo gmente coohecidoo paaaiTO, com barricas a 100 meias Tsaiaa, 60 barris toucioho.
icou em seu
a guiar eo
qae ignora m
eu^^smnnicsdp^Mjn o^^LQm^iicu aatadW)
n!f2 Hili,fl &a!S W**^ .nSaTfe
a jtf 44 aacnptaaa|4o4lip^ ordeas aadtre
ajMMn
zndo que aMntci aaaa a /Crasa da eaac
de lel*m*cettm ptr aWsiWot
de letra4 fat**f, son afwe
omeli a
/luido
le panei c,
peuoat no t>as#aVl-047Stg5l
Eis Ires verdades tisosdss com a perversida-
sia ana aaaa aaahor uu Pinito de t da UU.6JlUltoJjLag:taTSaixia^^ a esltaa
ensatadla I a
do ta i .
tmWB
proposito, mas
noT
aleirosias-devlu*i4o.aipda^4 me-
urrencias, nao s cas o inluilo de Uu-
mui cslcuialsqieale
dlr o incaotu.^dW,a'. nii
pata terir ora gtaTtfJtniAa. iU rapiaU-
cid-"preroeado asalm de' urna
sitiTa. nao me
SrfrW
tlem |85.~A
__"de" urna
ifa',!^,, *^r*> f ata j
dem 4.A meama, pruprietana
da urna casa terrea arreadada
Idea 31Cusipdio AWes Rodri-
gue*J* Costa, proprietano de urna
casa ierres arrondada par .
Ida 33.0 mesmo, proprie-tario
de uiua caaa leriea arrendada
144/000
IdCy.-O ^ '
Despezaidem .


111:2515830
70:467g437
Saido.
40:78iSO3
DEM059TRASAO
ESPECIAL DAS
1861.
Saldo em 31 de oulubro
prximo passado
DO SAL DO EXISTENTE NA CAIXA
Ai'OLICES EM 30 DE N0VEHBRO DE
REVISTA OIARII.
Honlem praVbd4b-se so concurso para prati-
cantes para trieiouraria de fazeoda desta provin-
cia com a pres4n;a de tres concurrente*, os Srs.
Eleuterio Roberto do Espirito Santo, Uanoel Ko-
mo Correa de Arsujo Jnior, e Antonio de Al-
anaida Barrete.
Examinaran os Srs. Antonio Egvdio da Silra,
Miguel Archanjo Mindero, e Dr. Antonio AVilruria
Pinto Bandeira Accioll de Vssconceilos.
Foram approrados temporariamente algaos
arligos de posturas, qae a cmara municipal
desla cidade subraelleu a approtacao da presi-
dencia acerca da lmpeza das casas etc.
Da ojos o resultado d.a eieicio de deputados
provinciaes pela 4 circulo, conforma a votacao
ale lados os collegios, e sot u diflerenUs hypo-
iheses :
(Seo a freguezia de Buique )
tipilo Francisco rta^hacl de Mella Reg.. 196
Dr. Lnurencn Francisco d'Almeida Qatattho. 195
Dr. AnlonioWilru?io Pinto Bandeira Acciuli
de Vasconcellos.......................... 147
Dr. Rodrigo,Castor do Albuquerque llara-
nlia o..................^..,,,.,.,.,....,,. i k o
Vigatio Tito de Barros Correa.............. 117
Dr. Antonio Raogel de Torre* Bandeira.... 113
Joao Braulio Correa e Silra................. 109.
Dr. Francisco Fernandes Gtlirauas......... 103
(Com a freguezia de Buique.)
Captlo Francisco Raphaf I destella Bego.. 236
Dr. Loureoco Francisco d'Almeida Cala a no. 223
Dr. Rodrigo Castor de Albuqueiqua Mars-
P*180...............e'**i." ..........* ^^
Dr. AntonioWiiruvio Pinto Bandeira Aocioli
de VasconceJIoa........................... 175
Dr. Antonio Rangel de Torres Bandeira.... 143
Vigario Tilo de Barros Correa.............. 130
{Cantndose nicamente oseleiloresapproTsdos
pela cmara dos deputsdes.)
Capitao Mello Rrgo.... 1U8
Dr. Almeida Cilaaho... 127
Professor Braulio...... 104
ViganoTitOw........... 97
Dr. Bandeira........... 86
Dr. Witr*Tlo........... 85
Dr. Caatar.............. 88
Dr.Cosdeiro............ 80
Receita de
oulubro
1 a 31 de
18 600*000
Dcspeza dem
18:6001000
9
Saldo
;
18:6005000
DEMNSIRACAO DO SALDO EXISTENTE KA CAIXA DE
DEPSITOS EH 30 DE NOVKMBRO DE 1861.
Saldo em 31 de oulubro
prximo passado 237:3639719

mesmo, proprietactQ
4411 Wrre* arrendada
Receita de
oulubro
Despeza idein.
a 30 do
6:67750O
244:041*219
45U#000
Saldo.
2l3:591il9
DEMONSTRA^AO DO SALDO EXISTENTE KA CAIXA DO
PATRIMONIO DOS RPHOSNO EXERCICIO DE 1861 A
1862, EM 31 DE KOVEXBRO DE 1861.
Saldo em 31 de oulubro
prximo passado. 21:575*066
Receita de 1 a 31 de
oulubro......1:790*083
Deapeza
23 365*649
2:051gj73
Saldo
21:314*076
DEMOXSTRACO DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA BE
Al'.nRTISA{O DAS APOLICES E PAGAMENTO DO RES-
PECTIVO ZURO EM 30 DE NOVKMBRO DE 1861.
Saldo em 31 de oulubro
B'oximo passado 4:769j69i
Reeeita de
oulubro
1 a 31 de
Despeas idem.
4:679*694
Saldo.
4:769*694
DEMONSTRACAO
CALCAMENTO
NOVEMIIRO DE 1861.
Sslde eo 31 de oulubro
prximo passado
DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA DO
DAS RA S DESTA CIDADE EM 30 DE
Receita de
oulubro
1 a 31 de
897*470
8760
Na Crut, lc-ae o seguale sobre o dioheiro
do, 6. Pedro:
A archicoofraria do dinheiro da S. Pedro em
Roma acaba de celebrar na Baslica Eudoxisaa o
pruneiro aMaiterrario de ana fundaeso Por
esta ocoaaio um prelado romano, moosanbor
lSardi, orn uncin um discurso sobre aorlgem de
diaweiro de S. Pedro. Fez saber que em dous
anuos este dioheiro lem dado ao papa mais de
quatro milhoes de escude*, dos qaaaes 8.000:000
trasteos ao procedentes de Franca ; 1,775:000 de
Irlaoda ; 2.000.000 das provincias allemaes da
Aaalria ; 100:000 llonns da Hungra ; e 1,500:000
francos das dioceses dos Estades-Ui.idos da
America.
Em onze mezes a srchiconfraria do dioheiro
de S. Pedro recolheu em Roma 37:000 escudos,
ou prximamente trala- e oilo cootos de
rs.
No rce=ma jornal colhemos o seguinte sobre
o numero dos empregados leigos do papa :
O conselho de estado conla 3 ecclesissliees e
10 leigos. O ministerio do interior coat 22
eoclenaatices, 1,4*1 leigos. U ministerio das
iaancas 3 eedesiasticos, 2,017 leigos. O minis-
terio da polica 2 ecclesiaatieoe, 404 leigos. O
ministerio das arms nem um s ectesiasii -
co* O ministerio da juslica 59 ecclesiaatieoe, 927
letgna.
-*. Amanha odia escolhido pela soeiedade
Berta Harmona, para a sua partida de encerra-
meni dos trabalhos neste aturo, em a noa casa
lo eo a sede, na ra da CadCia do RecMe n. 51,
prtaaeiro andsf.
A csSa acha-se mui bem decorada, e nos affir-
joaos ter havido escolha ecuidado nos convites,
atara de presidir ella todos oe requisitos ne-
cessanos do nome qae seus socios tem sabido
manter illeso al o presente.
A profusas a o bom goato, que ha presidida s
son precedente*, reuoioes, pro melle orna noute
deliciase para aquelles n.ae forem contemplados
n nunierodos conTidadSis.
Em consequencia das razoes ponderosas,
aprasentailes ao Etm. Sr. Dr. Ambrozio Leitao
aCunha, hoove per bem S Etc., por despache
de 5 de abril pronroe passado, conceder-nos um
psaso de dez mezes para a conclusas da ertatis-
tiee, da protinct, cuja inspresso contratamos,
caja ara so ae Onda em 9 de ferereiro prximo
* radon ro.
- 'Rrzavam exama de geometra no dia 30 de
novembro de 1861, 5 esludanles :
Abprovadossimplesmeote 2
Reprorado............... 3
Despeza idem.
898#230
*
Saldo.
898*230
DEMONSTRAQAO DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA ESPE-
CIAL DA DIVIDA PUBLICA EM 30 DE NOVEMBRO
DE 1861.
Saldo em 31 de oulubro
prximo passado 7:750$000
Receita de 1 a 31 de
olubro...... g
--------1---------7:750*000
Despeza idem.........
de uma
por. .
Idea 36. Josqim Jos Pereira
Uagalrtaes, pruprielario de una,
casa terrea arrendada.por........
dem 43.Gregario de Araujo pro
prieta rio de urna casa Ierres ar-
reodada por, ^......
dem 48.Jos Goocalres Ferreira
Coala, proprietano de una casa
terrea, arrendada por, ....
dem 49.O mesmo, roarietario de
de ama, casa terrea arrendada
P*r................................
dem 51.O mesmo, propriataria
de urna osa larrea arrendada
por?...............................
Raa da Puudicao. ^
N. 1. Jos GoQcaWea Farreara
Cosa, proprietario de uma ceas
terrea arreodada por.............
dem 2. O mesmo, propietario
da uma casa lerrea arrendada
P*i^..............................
Travesea do Coste.
dem 1.Jos Goncalves Ferreira
Costa, proptietaiio de. uma casa
terrea arreadeda por.............
dem .. O mesmo, proprietano
de uma casa Ierres arrendada
Per................................
dem 3. O mesmo, proprietsno
de uma casa lerrea arrendada
por............;....................
dem 4. O meseao, proprieiario
de asa eses terrea arreodada
por................................
Ideas 5. O mesmo, preprielario
da uma cesa- lerrea arreodada
par................................
dem 6. O uieaoio proprieiario
de urna casa, terrea arrendada
por................................
dem 7.O mesmo, proprietsrie
de uma casa terrea arreodada
por...........,...................
dem 8.O sesmo, proprieiario
de uma casa lerrea arrendada
por...............................
dem 9. O mesmo, proprieiario
de uma casa terrea arrendada
por...............................
dem 10.O masaso proprieiario
de uma casa lerrea arrendsda
por.....,......v.v........
dem llO mema, preprielario
de uma casa lerrea arrendada
por................................
dem 12.O mesmo, proprii-.iarlo
de uma caaa terrea arrendada
por................................
dem 13.O mesmo proprieiario
da uma casa terrea arrendada
por................................
dem 14.U inusmo, proprietano
de uma casa leirea arrendada
per................................
Eeirada de Pombal.
N. 1.Padre Vicente Ferreira de
Siqueira Varejao. proprieiario de
ueaa casa terrea arreodada por
dem 2Ignacio Jos do Coulo,
proprietaria de uma cass terrea
arrendada por.......
dem 3.Gestadlo. Manoel Goncal-
ves, proprieiario de uma casa
lerraa arrendada por. ....
dem 4.D. Maris da Cooceice
Soares Brandio proprietaria de
uma casa lerrea arrendada por..
maoelra lio po-
saos como sin>
o, deixsrde
re presei,a
aodtMMfhda* ee*ee*n*e*rid(JB-44V3 a vasras-'
cao le soeiedade semdMial' consignar com
erdsdeiro criterio rr
e aasBte, e qeat o
lidee e petdl P
! -AnaHsefcM pefstaiTs;umr"per- sus ew para
melhormeote ser coDhecida a innocencia de meu
Para demonstrar a primelre das tres proposites
Iqai repreduiida, o silencio' seria baMante.se nm
-r eecripio aaetts fossa lido por homens de
commereio, que nso s conhtcem do imprtanle
BMvaimenio de nossa casa comtnercial, mas aioda
nao Ignorara qaaI o recurso de que se cosiuma
Uses mi. quando as soramae em caixi nao sao
Randimento do da 1
Idjm dv dta 5 .
preyelnrtaai.
a 4 8:191*292
" RSTJSQS
_
,
rl:3y8j8M
brou n Sr. Maooel a Ir Parmir, flm d que os. JLo luomento uflitwla-a atudwaoaeoraproaHs-
sds, ou mesmo amanter os fofnecimeotos aquel-
los 0003 quam se est os relacoes de negocio de
somelhaole oitureza ; mus convindo eiplicacoes
Sos demsis, afflrmarei, e nossos livros o provaa,
la de toda eaas somma descantada por litlos
le#aes oda proprtedade de nossa osrterra, nem
aioda a mais iawigatfiaaoie parcella oi applicada
a oegac atheio de essa cass, e aim reclama-
de pela' fores das transaeces qu eatao- movia-
mos, e daa quaes resultaram oa interessea que ad-
quirimos, interesses qaa boje peta pares que nel-
les de direito .ose eabe, ale o maier entrare com
qiMae aulToca meu aocio.
Qaiaalo porm as lettras a que por favor foi
prestada a nossa firma socisl, eu quero ser msis
franco, iodo mais alem do que o Sr. Manoel Ai-
ree, aseegaraado qaa a somma dallas vito e
omito excedeu i quantia referida em seu com-
moniesdo; por qusnto essa somms foi pouco
mais ou menos a representativa da quanlidsde
garantidas diversos fregaezes nossos, que por
iodicacao do Sr. Manoel Alvos Ferreira, foram
considerados dignos de tal (avor ; mas se alten-
der-ae aquella a que, sem'inleressae para nossa
casa, e s per mera condescendencia e obsequio
prestado per mea soctefaseus amigos eu fui cons-
trangldo a Armar, por certo que avultari a mais
do duplo da priraeira : Eslou disto to can ven-
cido oque nao passara sera justiflcaco, se o Sr.
Jos Moreira Lopes, espeeialissimo amigo do Ma-
ooel Al ves Ferreira, quizer dizera parle que go-
zou nesse beoellcio, beooficio pera elle da msior
Vaalagam por figurar nossa firma da aceeitante
em alguma deseas letras, quando toda a utilida-
da le resultsnte d'ellas era somente em fsvor do
Sr. Moreira Lo pea /
Como estas, e por idnticos motivos, outrss
muilasjletras se descontaran! a com firma social ;
e a pezar do habito inveterado que lem o Sr. Ma-
noel AlvesFeneirs.de faltar verdade, com lu-
do o empraso a desafio desde j a que apreaente
uma s de]taes telrssem que se aehe nosss fir-
ma, cuja traosaccao fosse era pro vello de amigo
mea, ou sem proceder accordo com meu socio
quando importara negocio relativo freguezes
da casa.
De igual jaez tambem a ultima proposicao,
que diz respeito vafes ?uepasse com a jlrma a
divertat penos, proposito esta que smente
se recente de inexatidao no tocante a somma
ahi determinada : porque ella em resillado foi
muito e muito cima de tal cifra, se bem que
sempreem relacao com as necessidodes do mo-
mento. E se toda essa somma de emprestimos
nao figura em nossos livros, porque Jamis con-
sent nter/por demora em os satisfazer, lanzando
apenas iquellas que por prximos aos fechamen-
tos mensaes da caia, nao podiam deixar de ser
notados como psrte integrante dos respectivo
balanco. '
Teaho pois consciencia de que assim cumpria
o meu dever de gerente, e que aos olbos do pu-
blico, para onde o Sr. Manoel Alves me forcou a
trazar esta exposiclo.ser ioconlestsvelmenieesse
meo procedimeoto antes digno de loovor, do qne
de censura, porque deass sorte eocobris as preci-
s es da casa com favores que obiinha de meus
amigos, e prestsva servicos reaes nao s i soeie-
dade, msate em particular a meu socio, eom o
expor-me eu s ao pejo de eootribuir esses en.-
prestimee, deitando ocenlte o orgolho do Sr. Ma-
noel Alves Ferreira, em cejas occaaies, pelos
modos menos grosseiros eem que eolio me tra-
tara, dar bem a conhecer a satisfacao de que se
possuia, vendo par mim vencidos obstculos, que
multas vezas elle jnlgsva insuperareis.
Meooel da Costa Lima.
(Continuarte ha).
lailaaea peassm jalgar com
JOOO paao4er**ao o direila que
k W'M si* ndito que deveaj meracer se vocifera-
:i toaajde .# otio.-
72|000 | .mcaeei hisierisndo :
M#o estranho a commereio desta praca
t'*v.pvejui.quo. aoffri em uma soeiedade de
360*000 araazem oe asauoar, qn tiva se a razio da Li-
ana & Braga, pelo que foi obrigado a entrar en
accordo com meus credo res, dea quaes obti ve
300909 oacesseea regulares, lauto quanto comporaava o
eslado de ase auea e faieado-sa por isao
preciso dar garaota 4 parle da meu debito ; fraoi-
3009000 ca e generosa mente se presiono me* amigo o Sr.
Jone Are- Barbosa, cea quel me achata j
contratado formar sociedad mercantil.
43i000 Occupava-wa ealreaolo coas aquidsce de
exliacta Qrmra, pera mais livremente entrar em
aoerecoes da noa seciedase, quando ae meapre-
96OO0 senta o Sr. Jos Moreira Lopes prapondo-me um
negocio, q4 ule dizla ser de grande asnlotam, a
ponto de can breve poder eu reesarcir oa prejaizos
1805000 quaacabeva de soTrer.
Tenho]um amigo, me diz elle, qae quer reti-
rar-se por mol-stia, e psra isao Ihe mistar asi
I8O9OOO sociar-se com pessoa liibiliiada a tomar conla
gesit o negocio, e leu Jo elle de Vine, perfeito
coabecimeolo, eecolhe-o para esse flm
72|900 Reepoodi-lbe, que por mais vaotajeso que fos-
se o negocio que rae pvopuobo, aie me era licito
acortar, visto como, me acbava j couvencioua-
dp e compiaaaeUidoco o Sr. ioa AWes Barbo-
ISOflOOO a, que alem disto tioha hypolheoade oaiuha
gratioao.
Ento o Sr. Moreira Lopes tomando-me o brs -
216|000 co fea queeu o aoompanhaase casa do Sr. Bar-
bosa, e ahi repeli a este senhor o negocio que
me ha va proposlo, o as raolagenaque irte eran
inherentes.
180*000 O Sr. Barbosa, anuo assim como eu, ignorara
aioda dequem se trata va, respoa leu-lhe queal-
te-iti a utilidad de interesses de semelhante ue-
180$O0O ocl otferecilo, de bom grado ello ceda do que
eomigo havia tratado ; campvindo-lhe porm ad-
vertir queseodo elle o meu gsrante, neeeaaario
180J>000 era .u* *asa pessoa que cornija sgers se queria
associar, o desonurassa e tarases a si essa abr-
gscao cootrahida. .Vaa ka a menor duvida e
180JOOO "t j iito eslava previsto, foi a ultima respos-
la do Sr. Moreira Lopes.
Volta esleaeoher 00 dia seguate a fazereffec-
725OOO tiro convenciooado, a quando me revela ser
o Sr. Manoel Alves Ferreira a pessoa designada
a eomigo associar-se.
7S00O Nao oppuz reflexao algma, menos anda quan-
do mais larde me foram opresenladas as bases do
contracto social, formuladas per mea sacio de
I8O9OOO accordo com o Sr. Moreira Lopes, nio tomando
cu nisso ouira parle mais que o le-las reduzdo a
escupi em limpo.
180)000 Gomecou a fnoccioaar a nova soeiedade no pri-
meiro de novembro de 1858, e o Sr. Manoel Al-
ves Ferreira em campamente condigno crevia-
1809000 mente estabelecida por meu amigo o Sr. Jos Al-
ves Barbosa, garanti aos crederea da exliocla
firma de Lima & Braga, letras pela mesras acei-
I809OOO I* ol importancia de 8:534)610 rs., e em agosto
de 1859 gara alio-me uma oulra letra aceita por
mim no valor de 4:000$, e por tanto fas o total de
72*000 12:5349610.
Eu amadas trammutaces do coromunicado do
Sr. Manoel Alves Ferreira, no qual procuroaoc-
7?000 cullar o8 incidentes que se derara e que o coos-
tituiam na obrigacio de garantir essas lettras pa-
ra s (azer cr an publieo que a isso se prestara
144M00 Pr me satisfazer a vontade, e lalvez mesmo em
razo ds sua coohecida bonhomia e generosa i
condescendencia : mas isla ainda o monos car-i
1449000 re&ado do quadro, e por tanto, prosigamos na
demonslracao da fallas linguagem desae aranzel
par mais o mais admirar*se a fanfarronada do
meu socio.
4OO9OOO ^lz ,e"e no coramunicaJo que me rero que
MoT?. ________________________________*__________________________\______________________________
* r Netoitw tktroe a* dio-b.
Maranhao19 diae, palhate braaileko .Varaa,
de 1S5 toneladas, capila Antonio Maris da
Costa, eqnlpsgem 12, carga farinha de. mandio-
ca, sal e otftroi generes ; a Marques Barros
dsC.
Liverpool30 dias, barca ingleza Bonita, de 2S9
loneladae, eaeitae-WiHiaes O'Dnntjalt, etrotor-
gem 14, carga fazendas o ontros ueros ; a
ordem. 101
Boslon29 dias, patacho OBlaalercy, da 114
toneladas, caprraa R. D. PlTitrpps, equipagedjk
7, carga galo, madeira e oetsoe Maerea ; a D.
P. Wild.
Navios sahidos no mesmo dia.
ingleta Miranda,
em laetro de assu-
Liverpool por MariBarca
capitao John W. Symons,
car.
Havre pala Parahibs Barca trancare Sphere,
capitn Ribee. carga algalio e cauros.
Macei Brigue ioglez liumnymede, capitao Sa-
muel Prooze, carga parla da que troaxa de
Terra Novs.
Cear pelo Araeaiy Hiate brasileiro Aracaty,
capitn Joo Heanque de Almeida, carga difi-
reme gneros.
a, a
Horas.
0 V n e a e - c c m O kthmosphsra
V m r m e Direce o. ^ H
* w =0 oa Ci a =0 e s o 1 Intentiimde. 1 H c
-4 00 00 il 1 | far/im/iitl. 1 -1 m m 0
en 1 .8 aa W "eo | Csnftorasto. * H i m
s
I
o
0
8 3 2 a I *Tyor O O
Cisterna Aydre-
metriea.
g SJ
00 _V
"a
a 2.
00
Francex.
-I I -s !/.,.
s s

o
s
o
A noila clara, vento NE regular que gradual-
mente abooaocou e roodou para o terral.
0SC1LAC0 DA HSR.
Preamar as 6h. 6' da larda, altura 6,6 p.
Baixsmar as 11 b. 54' da maohaa, altura 1, p.
Observatorio do arsenal de marinha, 5 de de-
zombro de 1861.
ROMANO STPFLS,
1* leoeale.
icataes.
Saldo.
7:7509000
DEiiONsrriAC\o
AHORTlZAr.XO
DO RESPECTIVO
1861.
Saldo em :il de oulubro
prximo passado. .
Receila da 1 a 31 de
selembro. .
00 SALDO EXISTENTE NA CAUCA DE
DA .DIVIDA. PUBLICA E PAUAMKMO
JUROS EM 30 DS NOVEMBRO DE
Publicagoes a pedido.
3604000
360JOCO
240SOOO

(Continr-ss-Aa.)
Correspondencias.
3569013

Despeza idem.
3569013
I409437
Saldo


25lo576
O thesoureiro,
Thomaz Jos da Silva Gusmo.
O- escri vio,
Antonio i/aria de Faria Neves.
! f
- ;:' 5
-* Waeraea -ew*e tte philosophia 00 dia 80 de
noem*ro de tBM-, 2 esludanles :
epoaeee<....i......... 2
Frer eesa de inglez no dle 30 de
DevesallrO'de'tSil; 7 aaseMaetea1 r
App#vsdopleteavnfile.. t
dem simplesmeDte..... 8
Mapreredoe.............. 3
__
- Fizeram exame de geographia no dia 30 de k%,'.^i^'^yf^ifp^
neveost.ro ee861,'6 eettaetanies-: pr.eiaritfdb uma case terrea sr-
Appravadossimplesmei>e S
Reareesdos............... 8

Fizarem seto-na Uealdade dtvdireito ola
4dedazembredel81,oaaegin>eaeetadsnlee':
j-- 1." mu. s a
L*a Asatenio Perralrw >o>(
Sent Jnior....... Approradd siesplssmsnte.
FrfMiBso Xavct a%"
CONSUDO PROIINCIAL
Relacao das casas abaixo mencionadas
peitencentes ao municipio de Oln-
ila, qne sotTreram alleraces no pre-
sente lancamenlo fcito "pelo lanca-
dorDeiuetrio de Gnsmao Coelho.
Estrada t(ova.
No-mero 1.Jos Goncelves Ferrei-
ra. Cosa, proprieiario de uma
caes terrea arrendada por .
dem 2.O'mesmo, proprietro de
casa terrea arrendada por. .
dem 11.D. Francisca Maria deJe-
sns, proprietaria de urna casa
terrea arrendada por.............
dem 15.Jos Gonfstves. Ferreira
Costa, proprieiario de um sobrado
de'nmandar arrendado por; .,
dem 16.*0 mesmo, proprietsno de
um sobrado- de um andar'arren-
dado por. 4QPI0O0
dem 17.Jos Augusto da Coala
Otlimsrea; Pranclsco e A'oguslo
da Costa Gaimares, Joaquim de
Oliveira Mello e D. Herniina da
Costs GuimarSes, proprietarios
de uma casa- terrea arrendada
por...............'.......'.........
Mam 19. ti. Maris Antonia da
, Cruz, proprietaria de uma Casa
terrea arrendada por....
3609000
3609000
200$000
. :
n!n A
O *tor da Chronica Jndiciaria publicada em
sao Diario de hornero, roferindo-se so julga-
mento de Jos Raymundo da Silva, que compa-
r ce u barra do tribunal do jury, no dia 4 de
correte, escreve o seguiote : c o Or. juta de
direito pablics a senteuca, jalgaodo ao reo in-
curso no grao mximo de art. 201 do cdigo cri-
mioal, coodemoa-oa sofTrer a pena de um mez
de priso simples multa correspondente
metade do lempo.
O ebrenista d demonslracao de qae ignora o
disposto no art. 201 deeodige criminal. Cumpre
que reparemos aaus falta.
A pena deum mez de prisie simples, e a
mulla correspondente 4 metade do lemponao
dorio mximo,porm a domnimodo
art 201 do? cdigo criminal. Haveria erro grave
da parte do Dr. juiz de direite interino de2 va-
ra, presidente do iribanal do jury, se, julgsndo
o reo iDcuraooo grao mximo, como diz o chro-
nisla, n cendsmnasae a selrer essa pena, por
isso que o raaxirno do artigo eilado filmina a de
um anno de priso e 4- malta correspondente s
metade do teasp 1-
O Dr. juiz de direito interino da 2* vera pro-
ceden' cobo acert ,- jolgou o reo inewrso do grao
naiwmo do art. SOI ; e oairo neo dever ser o
julgaueou, havpudo es 8r. jurados repellido as
circumsiancias agererantee, que O illostre orgo
da jusbea publica addieioeou ao libello aecusa-
lorio.eaeeiio as sMenoentes "Wfereeidae em fa-
vordo reo. A conHadloeao pe1s que se observa
na chronica pertence ao sen autor. Com que
visaos da dizer o4o lesnas en vista fazer cotn-
primeutoa ae Im, Sr.r.-UTZ de direito interino
da Severa, qae alias nos ntereee paiticular elri-
ma o'conatderacao : nosso flm reslabelecer a
verdade dos {atlas, ao qae nos juigsesos obli-
gados, porque foon>s o sdaogado de Raymundo.
Qaelrsas., Srs. redactores, dar puMicidade a
estas liabas, ds int^lligeerla de qae multo obri-
gsrio ao seu dedicado leitor.
Amerito- Neltode Mendonta.
Recia 4d* noven* le 1861.
Oc. 1 "- f ,'a-. i 11 1 _
odiooo
savfl
rendada por.
dem 25.Manoel Custodio Peixolo
Soares. proprietanov de uma cata
de sobrado de um andar arren-
dsda por..........
dem 26.O mesnro, proprifttrio de
dem 27.O-mesmo, proprietrlo
i de um sobrado 'o' un) andar a-
'.
8001000
l:S00VOO
no balanco dado por mim em sua casa na oeca-1 ;
sido que della tomei conta como tocio, b ten ac-1 -Clte,
tiro era de 280:9679090, sem quo houvesse fra
titulo algum de divida directa ; e com quanto
estioesse retponsavel por 10U:959580, ainda
quando obrigado a solver este debito Ihe(icava um
saldo a favor de 190 0619510.
Kespoaderei a esta coartada : mas antes de fa-
zo lo, seja-rae permitlido uma ingenua declara-
ao. A nao ser a grande oaleoiacao qae o Sr.
lanoel Ai ves Ferreira mostra querer fazer de
seus possnidos, irazendojao publico as cifras do
esta lo figuradamente lisuogeiro de sua casa com-
mercial, antes da minha entrada para a soeieda-
de, com o flm nico de, em srgoida, poder com
vantagem apparenle, detrahir da marcha que te-
ve o negocio em soeiedade sob a minha gerencia;
por cerlo que jamis me abalanzara a dar expli-
cacee sobre tal aasumpto por mui inconvenien-
tes sempre a quera as revela ; mas a precedencia
que nisso tomou o Sr. Manuel Alves, e a formal
provocarn que atiroa ao meu Drio, digoidade e
huora, me desafor de todo o escrpulo, e assim
explicare! qusquando eotrei psra a soeiedade
nao dei balanco s transaeces havidas al ento,
por que era isso impossivel, aliento o grande
atrsze e icregularidsde em q' se aehava a escripia;
(orroulti nti apenas um extracto, qae me pare-
ceu aproximado, do activo e paaivo, sujeilo a,
omtsses que da por dia so foram descobriodo e
s em agosto de 1859 consegu eu qae esse ba-
lanco se organisasae, achande-se j ento trtns-
poitada para os liaras da soeiedade a liquidar-so
da extincta Arma do Sr. Manoel Alves Ferreira.
Quem pas recorrer a esses livros e examinar
asse titulo-de liqnidaee, ot-servar palpa belmen-
te as avultadas qnanitaa qae a firma social tova
de sstlsfazer por compromissos ds extincta, as-
sim como a grande quantidade de letras, que ha-
vendo sido descontadas' pelo proprio Sr. Maooel
Alvea, Qguravaasem seu activo cearprehendidas
na somms de seosdevederes, eem que por titulo
algum o liquido desses desceios se actuase re-
presentado no seu passivo ; e eis a razo porqne
o Sr. Msnoel Alves vem alardeando o seu impor-
to ote activo con um passivo quasi imperc'plivel;
nao sendo menos para notar a alluviede letras
por elle garantidla da faor a diversee amigos, e
que apenas coustavam 80 sao particular re-
gistro.
Mas prosegue o 9r; Manoel Alves Ferreira em
seuceanmumoado dizendo que sm 15 mezes e
17 diat livera eu a habilidade de constituir a
nona casa devedora de 206 6229001.
Aqui quizara eu dirigir-me ao proprio Sr. Ma-
noel Aires psra Ihe afllrnTM que nao foi habili-
dade minha, foi sim a realidade das transacedes
que se acham exarsdas em nossos livros, qne o
levou o essa deroonsingo, coas o qae muno me
felicito, porque jamis occultei aos lancamentos
quaesquer transaeces, qae corre ram sob minha
direceso ; e se outro tamo nio tinha feto o Sr.
Maoo lveo no teropo que dirigi o seu nego-
cio, foi cousa de que penco ou nada me interessou
Saber, e muito mvnes agora de Ihe o fazer notar,
Recebi do Sr. Jos Joaquim da Costa
a quantia de7:09o$250 em par-
celas constantes da conta que nesta data
me entregou, sendo proveniente por
parte do dote que o mesmo Sr. e sue
senhora concordaram dar a sua /ilha
Isabel Mara da Trindade L. i te, com a
qual me ligue! em matrimonio. Becife
10 de marco de 1857. Manoel Fer-
nando Silva. Como testemunha,Fran
cisco da Silva Boa Vista, Manoel d'ze-
vedo Pontes.N. 48160. Pg. centoe
sessenta rs. Recife 26 de marco de 1857.
Carvalho.Callara. Beconheco as tres
assigoaturas supra : dou fe. Becife 12
de marco de 1861.Em t es tem un ho de
verdade.O tabelfaao publico, Luiz. da
Costa Portocarretro.
OMHI.KiO.
Alfanctega.
Rendimentodo dial a 4 .
dem do dia 5 .
79 6754616
43 992J606
123 668^222
Moviraento da alfandeaja.
Volumes entrados com fazendas.. 117
> com genero.. 360
Volames sabidos
com fazendas..
com eneros..
S32
238
ATI
470
%fmmpt-ff. ttaiUDel Aires Ferrete
Muito ha que eu dessjava trazar 4 luz da pu-
blicidade a narrativa Hele circomstsaeiada de to-
das as oceurrencias que mo'araa, o pleito, qu*
no juizo cQin,m'ercjal desta cidade cerro entre ombv
e meuaogrp o Sr. Manoel Alvep Ferreira ; nio4. jorque eolio ludo corra s por sua propris cor-
Para Que a;desprfcteDco nao deixasse lomarla-, as, o que se nao dae, neoroe- desde que eomigo
>%?vir#*P'a> as inda otea, e 4 preciso mais, ae aasocioa ; e praiaalnaadi qae s escriptura^so
pdr era relevo o'procedimeotoioqualiiicavel des-
te meu socio, que com mgicas, palor raa e aJei-
vosas insinuacea se. quer fazer acreditar como
victima em urna causa, ua qual elle e selle o
verdadeiro islruoitinto, sempre disposto a ferir
de nossa cata ten ha 414. aoje seguido o systema
que nella eslsbalect, porque simales aclaro ser
tambem o eilraCio de movimento mercantil des-
de o uIUbo bataneo que dei, e do cajo movimen-
to, pela coAftesca que lenoo ase teta do pala, e
mea crdito e meus interesses, se meara o lempo 4a rerlioeodea jarizW da causa a4j pleiteamos,
que .por oisar-.ftg> pugnar pela su atenta cae de sm dta tereide laaaar esirertss sontas so Sr. Ma-
ura direito todo legal e constituido, me aura a noel Alves Farreirs ; gasean ndo-1 he oorm des-
ama Iota, que para fianquillidade de aspirilo, eu 4e j que nio me aiierraroi, cerno 9mc, ales
Malo desojara sriisr, se os seolimantos da honra muiiv ssiimaretse a soama do passivo or dpli-
Desearregam boje 6 de dezembro.
Barca hamburguesa Emma o resto.
Brigue fraocezNepUinosal.
Brigue italianoDafaogneros para fra.
Patacho bollandez Elisabtlh ferro para- a
ponte.
Sumaca hespanholaMaa Sleberasfarinha.
Gs*wt frsneetaA^le-*mercadoria.'',,***^*pw'
Barca francezaJoapoe Cutecarvio.
Brigue brasileiroBeberibecharque.
Galera francezaRaool farinha e cemento.
Hiate americano L A. Johrmooo resto.
Importaco
Brigne sardo Daxno, vinoo de Genova, consig-
nado ordem, mamfestou o segu'iDte :
50 pipas e 95 barris vinbo. 2 ditos vinagre. 250
harneas farinha de irlgo, 36 saceos ervilhas, 30
ditos al pista, 12 ditos cominhes, 80 csixas smei-
xas, 50 ditas figos pssssdos, 1 cajxioha azeitona
em sal, 2 calzas sardinhas em azeite, 3 ditas sala-
mes, luz ditas massas, 110 Islas conserva de to-
mates, 1 cexto formas de queijo, 21 jarras de bar-
so, 1 csixa estatuas de madeira, 119 pecas de ca-
deiras, ditas de balanco e sofs, 12 simofarises
de marmore, 150 cji pedras de dito para di-
versas obras, 1 olume e 5 caixas chapeos de par
Iba, 40 ditas 10 fardos e 8 balas- papel de es-
crerer e de embrnlbo, 77 csixas man, 4 ditas
incens, 0' saceos aenoe ; i ordem.
Brigue nacional Norma, vindo do Rio de Ja-
neiro, manifastou o seguiote :
250 barris bsnha de porco, 300 meiu barricas
vasias; s Anlunes Cuimaraes & C.
55 caixotes vinbo ; a Blandin Am.
5 caixoes papel ; a los de Vasconcellos.
l dito
Anejo.
charutos ; a. Francisco Jote da Cotia
O Dr. l'risiao de Akeacar Araripe, official da im-
perial ordena da Rosa, e jais de direito espe-
cial do commereio, deata cidade do Recife e
sea termo, capital da provincia dt Pernambu-
co, por S. si. I. o C. o Sr. D. Padre If, que
Deus guarde, etc.
l'aco saber pelo presente, que no dia 16 do
correnle mez se bao de arrematar em praca pu-
blica desta juizo, a quem mais dar, e na aala dos
auditorios, os objectos seguales :
1 mesa elstica avahada por 60f; 1 dita pe-
quea, avallada por 30; 9 marquesas euipalha-
das, avalladas em 10} cada uma ; 2 ditas em mo
estado, avalladas em 59 cada uma ; 1 guarda lou-
ca, avahado por 5C#; 1 per de mesas volteadas,
avalladas por 16; 1 mesa quadrada de collum-
na, avahada por 16$; 1 dita de abas cgm gaveta
a rallada por 2*; 1 cabide avallado por 83 ; 1
espelho com moldura dourada, grande, em mi
estado, avahado por 20f; 1 mesa redonda els-
tica em mi eslado, de madeira branca, avallada
por 6#; 1 jogo de bsgatella eem mees e tsbe-
leiro, bolita, etc. avallada por 7ttt; 3 mesas re -
dandaa para aeiede sala, avahadas em 12 cada
uma ; um aparador para quarlinhas, avahado por
8f ; 1 relogie de parada com aa Ultras do mos-
trador esmaltadas, avalido por 25; 36 cadeiras
com assento de palhinha, avalladas em 3 cada
uma; 9 ditas de madeira branca de encost re-
dondo e assento de palhinha, avahadas em 3
cada uma ; 6 lavatorios de madeira, avallados a
3$ cada um ; i canoa de ferro, avahados a 10
cada um; 8 baoquinhas, avahadas a 3 cada
uma; 2 cadeiras de balanco, de madeira amarel-
la, em bom estado, avahadea em 208 cada ama ;
3 cadeiras de balando americanas, em mi esta-
do, avahadaem 5 cada uma; S sofs avahados
em 252 cada um ; 1 mesa redonda coa taapo de
marmore branco, avahada em40; 1 par de con-
solos dilos, avallados por 5Ufy aeode tedoa este
objectoa de madeira de amsrello ; 39 garrafas ta-
pizadas do vidro branco, avahada-a 1$ cada ama ;
8 calix para champagae, avallados em 18 cada
um ; 12 casaes de chicaras a pires de porcellaoa,
avahados por 4; A dalos es mo estado, sen
valor; 4 maotegueiras. sem rslor; 1 bule, ava-
hado por 610 rs. ; 2 balea de natal, avahado
por 2; 2 galheiteiras, avahadas em 6 cada um:
lO calix pare.violto, avahados por 2; 1 campo
teira de vidro, avallada por 18 ; 9 frueteiraa de
porcellaoa, avahadea em 21 cada uma ; 3 dilas
quebradas, sen valor; 2 vasos de pareellana
para Dore, avahados em 88; 16 garrafas de rae-
lal bisoco, 17 culheres de dita, 4 aitsa para ar-
roz, 4 ditas para tirar sosa, avahado todo por
iOS ; 2 espelhos grsndes de moldura prala, ava-
hados em 8$ cada um ; 1 lavatorio de liendres,
avahado por 6 ; 1 par de jarros dearado, ara-
liados por 5g ; 1 par da laniernss de vidro e cas-
llcae, avahadas por 6$; 1 par de dilas solas,
avahadas por 2; 1 candelabro de vidro sen
laniernss, avahado por 88.
Os quaes beoa vio i praca por execucio do ba-
charel N*or Carneire Bazerra Catalcsnti, contra
Mariano Sanchos de B.iod e Gvsiave Bubuia, e se-
rio arrematados, na falta de licitantes, pal* preeo
da adjudicacio coa o batimento- da lei.
E para que ea.ea.ue aa>.oanheeimeato de todos
te andel pasear edtteee qae sarao atusados e pu-
blicados pela imprensa.
Dado e panada neats cidade do Recife, aos 4
diaa do mez de dezembro de 1861.
Eu Manoel de Carvalho Paea de Aodrade, es-
crivao o aubacrevi
Trislao de Alencar Arsripe.
De orden do Illm. Sr. inspector da alfan-
dega se fsz publico que na prese de 30 din coo-
tados desta data se bao dd arrematar en basta.
publica i por la desta reperticao 12 caixas da mar-
ca diamaie M os. 1307.1313 1308, 1814. 190:
1315, 1310,1316, 134!. 18W, 13W, t318. con tan!
do perfumaras- neo clajsitkadas de 12 garrafa
cada ana, 144 garrafas lieuido nao verificado 192
libras a 1333 por libra, total 2558936, abando-
nadas oorN. O. Bieber Saecessores, nos termos
dus 2o do srt. 301 do regolaneoto, sendo a ar-
remaiacio livre de direitos ao arremataate.
Alfaudega de Peraamnice 4 de dezembro a>
1861. 0 2 enripturario,
Maxiasaoo F. P. Duarte.
: De orden do lilm. Sr. Dr. procarsdor fis-
cal da ihesouraria provincial, svisam-s aos de-
v odores de deototas e oa tres i n pestes, qne aa re-
legos respectivas saacnam em juiao, e aos mee-
nos se concede o prszo de 30 das, contado de
aoje, para soirciuran se caaiuelaaSas guisa.o
ascrtpiorio da raa doluaverador n. 41, daa 9 1^
da manhaa s 3 da urde.1 Recita 2 de novem-
bro da 1861.O soliaitader da laceada provincial
Joto Firaiao Conea de Artejo.


cial. em CiWllA7<7^ii fc^^ manila User paUioe ees a erreesatacao
?* *^**^ *. -*t paarieseais dos orpkaos,
foiraot6iH> m 4ia M sensata, "
Secretaria o. ih*orria, proviacial, 3 da ea-
rihco 4* 1*81.-10 seris*, ateni. Ferreira
Annanaiace.
O JUa. Sr. inspector eU 4*eeourariel*ef*-
zenda deata proviocta manda {ases puelieo en
CM(orniitete testen da tritoiMl a-theeouro
bu mero 182 te 18 te ooaeeatra atua, ornao
-- cartate *ne* he r atenaceito saeta
- *** preeeshimseto Oo tajar vaga de
alda eereUm te aseos., maltn.
; *ojteo|wo. 4* iheeeareria, aliftedegea e
recaaetjorfas da claata immediaiameale superior
ate pralicantea.
0 same versar sobra as seguiotes materias:
Pnooipie gamas de gsegrephia e historia do
Brasil, traducc/o correcta das lioguis francesa e
sanaca, alosara et as eqejQoes te segando grao,
rabea da ser ico peeuiur te reparticao em que
-o aapteajaeo eetiver aaratado.
oratoria aaiheseerari de weofi's. ler-
aMBjfeaao, 4 te teses.*, te 1M1.-Serrines te
ofncial-maior,
S. Maeoel Joee Kete.
0 Illas.' fir. iaasjacter da Utaoararia tete.
asada desta proviecis, de aeeoroe com o fficio
*JJJ^ew, deheaae.ia, Materaeer
peatice que bo dt. 14 te cerreete etet, pefaaS
horas 4a larde, arrematar-te-ha peraote a aaas-
ma tbesouraria 1 sellim, 1 brida, i par te asi ri-
bos e outros objectos que forafa appreheadidoa
da bagagem do alferes Joaquim tes Luii da Sou-
za, que desertara eom dioheirote fazeada.
Secretaria da thesouraria detfazcoia de Per-
nambuco 5 Pinto, aerriate de official-maiar.
A
Dedara$des.
O 111 m. Sr. inspector di thesouraria provia-
cial manda iazer publico que te dia 4 do correa-
te por dianavpagam-aa-ea ordenados dos empre-
gados proTlaaiaes, vencidos no mee de novembro
ultiaao.
Seceetaria te thesouraria provincial de Per-
ii a rebeco. 3 de deiembro de 1861.O secretario,
Antate Ieiseara da Annunciarjio.
Companhia do
Beberibe.
O caixa delta companhia com-
mendador Manoel Gorrcalves da Silva,
acha-se autor isado a pagar o 27- divi-
dendo na razao de o#200 rs. por aeco,
o meimo Sr. caixa ad verte aos Srs.
accionistas, que parte e ada em cobre
que tem recibido doi arrematantes.
Escriptorio da Companhia do Bebe-
ribe 25 de novembro de 1861.
O secretario interino,
Justino Pereira de Faria.
Couselho de compras navaes.
Teodo de contratir-se aob as condices do es-
tylo, por tres atetes flodas em arco vindouro, o
foraeeimeoto de virereeeoutros objectos de con-
sumo, arroz de klaranhao, agurdente branca de
20 graos, aaauear braoco grosso, azeite doce de
Lisboa, bolacha, bacalho, carne aecca do Rio
Grande, caf em grao, carnauba em reas, carne
verde, cangica ou milho pilado, farinha de man-
dioca, fejao, maoteiga franceza, mate, pao, sabso,
daeeieho 4e Ltabee, telas steerioas e vinagre de
Lisboa, assim como o fornecimeoto tambem de
dieles : araruta, aleiria, aasucar branca refinado,
bolaehiohe, eevadinha, dez galllnhas, maoteiga
inglesa, tapioca, e vioho de Lisboa ; para es na-
vios da armada e eslaoelecimentos de marinha, e
todos os obieclos da methor qualidade ; coovida
o cooselho aos pretenderes a apreseotarem auas
proposlas em cartas fechadas, no dia 5 de dezem-
bro prximo at as 11 horas da manhaa.
Sala do caselho de compras navaas em 30 de
novembro ae 1661.
O secretarlo,
Alcxandre Rodrigues dos Anjos.
>Pela subdelegada da freguezla de Santo Ao-
tonio do Ractfe se fas publico que foi encontrado
vagando pelas ras desla cidade na noite do dia
2 do correte, um triouliaho que representa a
idade de 6 annos, pouco mais ou menos ; quera
se julgar com direilo a elle, compreos na mesma
subdelegada, que justificando quaolo bast, |he
aera entregue. Reeife 4 de dezembro de 1661.
O subdelegado su ptente,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
Consulado provincial de Pernambuco.
Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
blico aos propietarios dos predios urbanos das
freguezias desta cidade e da dos Afogados que os
trinta dias utels para cobranca, a bocea do cofre,
do 1 semestre da decima do anno Qoanceiro cor-
rele 1861 a 1862, se principiara a contar do dia
3,de dezembro vindouro ; e que tambem no mes-
mo dia principia a cobranca do primeiro semes-
tre de imposto de 5 % sobre as rendas dos bens
de raiz pertencentes a corporacoes de mo mora.
Mesa do consulado provincial 13 de novembro
de 1861.Theodoro Hachado Freir Pereira da
Silva,
Santa casa de Misericor-
dia do Reeife.
O IUm. Sr. theaoureiro esmoler interino da San-
ta casa de Misericordia do Recite, manda fazer pu-
blico que no dia 10 do prximo futuro mez de
dezembro pelas 10 horas da manhaa, na casa dos
expostos, paga-ses respectivas amas que forem
acompanhadas das creancasas meosalidades ven-
cidas at 30 de setembro ultimo.
Secretaria da Santa Casa d Misericordia do
Reeife, 27 de novembre de 1861.
F. A. Caualcanti Cousseiro,
Escrivo.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que no correle mez se linda o
prazo da cobranca no do.nicilio dos contribuintes
dos seguales impostos pertenceotes as exercirio
de 1860 s 1861: rendas dos proprios oacionses,
foros de tarreos de marinha, decima addiciooai
de mi morta, imposto sobre lojas e casas de
descont, dito especial sobre caas de movis,
roupas, etc. fabricadas em paiz estraogeiro, im-
posto sobre barcos do interior e taxa dos estratos
depois do que segur-se-ha a cobranca execu-
iva.
Outro sim que no referido mez se fiada o prazo
do pagamento na repartirlo do primeiro semes-
tre, llvre de multa, dos impostes seguintes, per-
pencantes ao exercicio de 1861 a 186z, decima
addtcionsl de m8o mora, imposto sobre lojas,
casas de descont, etc., e imposto especial sobre
casas de movis, roupas, etc., tandeados em paiz
estrangeiro.
Recebedoria de Pernambuco, 4 de dezembro de
1861.O administrador, Manoel Carneiro de Sou-
Z. Lacerda.
'Ceeselht administrativo.
0 eooselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os obieclos
eegoinles :
Para a fortaleza do Brum.
1 bandeira nacional de filete pequea.
1 adrtcs com 32 bracas.
Para o almoxartfado do preaidio de Fernando.
4 livrosem braoco de papel pautado de 150 fa-
inas a 200.
Psra registro da guara nacional de Sanio
A ota o.
2 livroe en braoco um com 30D felhaa e oulro
oso 300 ditas.
Quem quizar vender tses objectos aprsente
s anas propostas em carta fechada na secretaria
do cooselho, is 10 horas te manhaa do dia U de
corren te mez.
Sala das sessoes do eonselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 4 de
dezembro de 1861,
/tallo Jott Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Alttnnirt uguo te Ftiu Vtor,'
Major rogal secretario Interino.
Tr*Mite
Pelaaearaua do tribunal te c
proviete de reraambeeo te la*
moteaaeparde tes sacies da ftasaa
dlisyaeftsaVjgi ti te outaro u
a caigo de aocio Antonio Marques de
l"l^fvlH,d0 acM PMio da mceeaa.
, >N/do tribunal do co matate da pro-
vinciate tarnambuto 90 da no aseara de 1861.
i JJJHhlif n i
TrbuuraaV*ebmmercio
Pela secretaria do tribunal do commercio da
aaotoca. te P.rasaathioo .a, fs puate da>- "b
.BOHObih
>)a>
4ss.

osee baatatete o UtmSmtl'***, saq
ai tnate Gaaete te cM*a: US, aadar.
cialrodo contrato de societede feito em 16 de
novembre do eorretrre snno por Joto JusrMar-
ques a Christova tiesos* Paaeira, solidarios re-'
poiuavais, e Jos Jaaeaitt de Feos Mechado,
commanditario, domiciliados a eatabaaepidos ees -
le oidade com laja te faieodae em groase aa re-
tajho aob a Brasa daJtesqeas Gomaa A C, da
qual so podem usar n 4as primairos. daveado
a mesma sociedade durar por lempo de 6 anuos,
contados datfste do dle cootrMo, eom o capital
da 12 eOOf, Mroaeitee 10:00# pela eocta eom -
mandtorio, e l0f per ceda um dos dewo sali-
darioi. a
Secretaria do tribuaal te commercio de Per-i
nsmbuco 30 de novembro da 1861. -
JuliotJatmares,
Olflcial-maior.
1 I .11
THEATRO
"
Companhia dramtica sob adireccao do
artista ienuit.
1S

%
Sahe at o dia 9 do corrente, o hiate Nicolao l
M"* arteiar ee ir de tessf-M
aaseadaCateias.67.
0
re
Segu no dia 12 do corrente a mui veleira bar-
ca portugueza cfivmpalltla por ter a sus caga
FT^ptaj'tiirente recete pastageiros: a tratar
cornos conaigoaurios Bailas 4 4Mstetrs, ra 4a
Kiq uafi^EoJSul.
os consignatarios Marques, Banoi 4 C., largo do
Corpo Santo n. 6.
_
te.
a
esas brevidada ohtata cLfnte Paque
aigealaswa Akaseite tieaes. Alves 4 C, ra da lndo aqueiro para so&remesa.

n. o.

Navegacaocosteiraavapor
Onvapsr PersinuDga, commaiidaote Maura,
sahvr para oa portee dosel te sel escala no dia
9 de desambva aa 5 horas te tavde. Raeebe
argaas o dia 7 ao aoei* da. Paasageiros e
dllsslrou#save at o diada aahida as 3 horas :
eseriptorie no Forte do Mallos o. 1.
Pava as coedieetes, frote* e pasaagens trata-se
oa agencia.
fionpa feita, mer-
cadarias e outros mui-
tos objectos.
Moje, 6 do corrmte,
Costa Carvallio, continua lioje o k
Ifio na soja da ra Nova n. 8, em re-
srevade preco.
" i mbem
o sqmaJsi
SEXTA-FEIRA. 6 DE DEZEMBRO
DE 1861.
EHEncio no Aerea
.oois
HlVfU\l>0.
Subir acea o muflo desejado drama em
tres actos e quatro quedros, de costumes milita-.
res, com todo o seu apparato de tropa e mu-3
atoa,


H0NR4 E GLORIA.
Terminar o espectculo com a multo applaa-
dida comedia original do Sr. Besonf,
EVESTECVSO EIME C4S0
ou os
Os Estudanles do Reeife.
0 beneficiado conta com o auxilio s preteceao
do respeitsvel publico em geraL
Os bilhetes acham-ae disposico do publico
em cata do beneficiado na roa Bella n. 28.
Comecar 6s 8 horas.
Becita extraordinaria
EM BENEFICIO DA ACTRIZ
AlfMA CHAVIS,
E DO BILHETEIRO
iS&n/twto e/a (awn&x.
SABBADO 7 DE DEZEMBRO DE 1861.
A orchestra dirigids pelo Sr. Colas, ejecutar
a brtlhaate ouverlura
Marco Spada
que servir de introdueco represents^o da
excedente drama em tres actos, original portu-
gus, do Sr. Mendes Leal Jnior,
D. MsBU DEiLENCiSTRO.
DENOMINagAO DOS ACTOS.
I.-Fortuna ou patbulo.
2.' Carla por carta.
3.*Peeeado e Justina.'
PERSONAGENS.
Alfonso Annes......Germano.
Antonio Cuati.......Nones.
D. Aotonio de Portugal Vicente.
D. Rodrigo de Souza .... Teizeira.
D. Francisco de Mello. Valle.
D. Goncalo deAthayde Raymondo.
Jeroojmo, o lavrador. Raymuado.
Fernando, o mercador Valle.
O monge da serra.....Taizeira.
D. Diogo deMenezes .... Saota Rosa.
Nuno da Cunha......Campos.
D. Mara de Portugal. D. Manoela.
Laura, a italiana.....A beneficiada.
Violante........n. Jesuioa.
Um capito do terco de arcabu-
">ros........Leile.
Convidados, serventes, escudeiros, pageos, da-
mas, arcabuzeiros, etc.
Sendo este am dos dramas do insigne escriplor
o Sr. Mendes Leal Juoior, que mais tem agrada-
do lolss as vezes que ha sido representado, os
beneficiados muilo se lisongeam de o poder apr-
sente aos sens convidados e ao publico em ge-
ral, cerlos de que satisfar a todos.
Terminar o espectculo com a graciosa co-
media em um acto,
Quem casa, quer casa.
Os beneficiados esperam pela prineira vez me-
recer a protegi do respeitavel publico, pelo
que desde j se confessam gratos.
Comecar s 8 horas.
Saldes do caes de Apollo
O grande baile em solemnisaco da indepen-
dencia de Portugal do jugo hespanhol, que devia
ter lugar no 1.* do corrente foi transferido para
aabbado7, vesperada Conceigio.
Todo o brilhaotismo annunciado pelos avisos e
cartazea ser ezecutado rigorosamente.
As pessoas que se julgarem no caso de ter in-
gresso neste baile lodo particular, qneiram di-
rigir-se ra do Imperador n. 52, primeiro an-
dar, e recebero do administrador o competente
car ti o gratis.
ay&os martimos.
Rio de Janeiro
0 hiate Novaes segu com bravidsde, recebe
alguma carga e escravos a frete } trala-se com os
coosignatarios Marques, Barros 4 C, largo de
Corpo Santo n. 6.
Naranhao e Para.
O patacho Paulinos segu com brevidade, o
pode receber alguma carga: treta-se com os con-
siRnstarios Marques, Barros 4 C, largo do Corpo
Santo n. 6.
Rio de Janeiro
O brigue aCruzefro do Sul recebe tambem g-
neros esirangeiroa a frete : a tratar com os coo-
signilarios Aotunes Gtilmariea 4 C.
coiPAium
. isa*


\avegacao costeira a vaper
Parahiba, Rio Grande cau doAssu', Aracaty, Ceara',
e Acaracu'.
O vapor Jagusribe, commandante Lobato,
sahir para os portos do norte de sua scala at
o Acaracu no dia 9 de dezembro as 5 horas da
tarda.
Recebe carga at o dia 7 ao meio dia. Eocom-
mendas, passageiros e diuheiro a frete at odia
da sahida aa 2 horas : escriptorio ae Forte do
Mattos n. 1.
Sahe com toda a presteza o velelro brigue por-
tuguez Mercurios por ter a maior parte do car-
regamanto proaqpto ; para o resta e passageiros,
trala-ae eom a consignatario T. de Aqnino Fon-
seca Jnior, se travesee te Madre de Dos n. 7,
primeiro andar, ou com o capito na prara.
Para
emdireitura*
Segu para o indicado porto o bem conhecldo
brigue escuna Graciosa, capillo Jlo Jos de
Souzs, por ter parte de seu carregamento adian-
tado; para o resto trata-se com os consignatarios
Almeds Gomes, Alves 4 C., roa da Cruz o. 27.
Rio Grande do Sol
PELO
Rio de Janeiro
Para.
5i *

-L_
Lr-l6>3.


.....


CoBtiinico do leilao
DE
madera de d
rentes tamanhos, Javatorios ootn espe-
rotos outros objectos, sera vendidas at-
sive una
timo carrcfiobeHo fjaw?* paaioae ttftJ 9 <*
pouco uso de 4 rodas, copa mfi de '
pgate earrei as para* um cavallo, de
encommenda manufacturado dos me-
Ihores materiaes *m Londres ; tera' lu-
gar o mesmo leilao
Sabbado 7
do correo te, .as 10 horas damanha, no
terceiro andar da casa, ra do Torre,
n. 42, por cima do armazem de fazendas
dos referidos Srs. Adamson Howie & C.
vender' a armacao propria para qual-
quer tabelecimento importante^
LEILAO
Icf^a-feira 10 do eomtQ.
O agente Pinto fari leilio a requerimento de
Arckwight 4 C s por mandado do Illas. Sr. julz
especial temnereto, da faseadas, armacao e
maia objectos arreatados a Braga 4 Lima, exis-
tentes oa loja sita na ra Direlia n. 68, as 11
horas em ponte do dia cima mencionado
.
Farinha de trigo
avariadt.
Sexta-feir.a 6 do corrente.
KrabbTham 4 C. fario leilio por interven-
gao do agente Pinto e por conta e risco de quem
perteocer.de cerca de 2S0 barricas com fsrinha
de trigo anperiina e extra Baltimore receote-
meote descarriadas do brigue americano Cba-
taoooga, vindo da Baliimore, |as 11 horas do
dia cima mencionado, na escadioha em frente
do armazem do Sr. Vicente Ferreira da Coala.
segu brevemente o brigue naeionil Adelaide.
de superior marcha, por ter alguma carga ji en-
gajada : quem no mesmo quizer carregar su ir
de passagem, dirija-se a Bailar 4 Olivefra. ra
da Cadeia do Recite n. 12, ou com o capito oa
prasa.
Para Lisboa
6 patacho brssileiro Julio pretende seguir
para Lisboa nestes oito dias. tem parte de seu
carregamento prompto : para o resto que lhe
Taita, trata-se com os seus consignatarios Aie-
vedo4 Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Maranho.
Segu em poucos dias o palhabole nacional
Santo Amaro, capito Manoel da Silva Sanios
para alguma carga que anda- pode receber trata-
se com o seu consignatario F. L. de O. Asevedo
ru> da Madre de Daos n. 12.
Babia.
Para a Baha segu era poucos dias a escuna
nacional Carlota, capito Luciano Aires da Con-
ceico, para alguma carga que anda recebe tra-
ta-se com o seu consignatario Francisco L. de 6.
Azevedo, ra da Madre de Daos n. 12.
#Para o Rio de Janeiro sahira' bre-
vemente o brigue nacional Maria Isabel,
de primeira classe, recebe carga e frete
e escrvos; trata-se com Domingos Fer-
reira Maia, ra do Apollo n. 8.
Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro sahe com brevidade o
brigue nacional Siqueira, j tem parte de seu
carregamento prompto, para o restante e escra-
voa a frele, trata-se com o capillo do mesmo, ou
com David Ferreira Bailar na ra do Brum n. 66.
Sexta-feira 6 4o eoifcente.
Aolunes far& leilao em aeu armazem ra do
Imperador n. 73, daa joias e mais alguos objec-
tos pertencentes a massa de Siqueira 4 Pereira,
s 11 horas em poni do referido dia.
MM
PELO AGENTE
Sexta-feira 6 do corrente as
11 horas em ponto.
DE
Rio de Janeiro
pretenle seguir com muila brevidade o brigue
escuna Joven Arthurs.tem parte de seu carrega-
mento prompto : para o resto que lhe falta, tra-
ta-se com o seu consignatario Azevedo 4 Men-
des, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro.
0 brigue nacional Almiraotea pretende seguir
com muita brevidade, tero parte de seu carrega-
mento prompto. para o resto que lhe falta passa-
geiros e escravos a frete, para o que tem asseia-
dos commodos. trata-se eom os seus consignata-
rios Azevedo 4 Mendes no sen escriptorio ra da
Cruz o. 1.
Para
Rio de Janeiro,
segu em poneos dias o brigue nacional aCmzei-
ro do SuLe, de primeira classe e boa veleiro. par
ter parte de seu carregamento prompto ; recebe
paasageiros a frete, para os quaes tem commo-
dos, assim como para escravos : a tratar com
anua consignatarios Antunes Guimaret 4 C. 00
Forte do Mattos ni. 15 e 17. '
MOBILIA.
O agente Cmargo a reque-
rimento do testamenteiro do
fallecido padre Jos Leite Pit-
ta Ortigueira e por despacho
do Illm Sr Dr. juiz municipal
da segunda vara, far leilao
dos movis do mesmo falleci-
do, consistindo em urna rica
mobilia de Jacaranda, apara-
dores, cadeiras avulsas, se-
cretaria, mesa para escrever,
louca e vidros, urna grande
quantidade de enfeites para
mesa, venesWna,murtas obras
deouroe prata e outros ob-
jectos que sao desnecessarios
mencionar visto t)dos sabe-
rem que era urna das casas
mais bem mobuhadas, epor
isso o agente convida as pes-
soas que gostam d) bom e
barato de apresentarem-se no
mencionado dia na ra da
Cruz n. 19, segundo andar,
para verem correr o martello.
LEILAO
DA
Taberna confronte a igreja de
S. Jos do Manguioho
Quarta feira 11 do corrente.
Antones far leilio a roquerimento de Antonio
de Moura Fernandas le Almeida e despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, da ta-
berna sita em S.Jos do Manguioho confronte a
igreja, pertencente a Antonio de Aodrade Cor-
deiro, no dia cima referido as 11 horas em
ponto.
LEILAO
A 7 do correute.
O Sr. William Reid, gerente antigo
da cata commetcial dos Srs. Adamson
Howie 4 C-, tendo ordenado que se
fizesse por intervenci do agente Ol-
reir, o leilSo da mobilia que fora do
eu uso antes de partir para Inglaterra.'
consistindo em sofit, consolos, mesas'
redonda e comprida para sala, cadeiras,
de encost, de braco, e de balanco
americanas, e outras usuaes, guarda
Leiio
Sexta-feira 6 do corrente.
DE
escravodel8 annos
O agente Gamargo levara' em leilao
no dia mencionado na ra da Cruz n,
19, segundo andar, um excedente es-
cravo de 18 anuos, sem vicios e com al-
gumas habilidades.
Avisos diversos.
i
3-fttt estilita' 69 Rtutrh i
8= Fraucsc Pinto Oiorio continu a col- m
locar denles articiaestanto por meio da S
mola* como pela prsalo do ar, ieifte I
- ceba paga alguma sem que as obras ce. 2
flquem a vootade de seus donos, tem pa Z
outras preparac&es as mala acreditadas !
para conserrajo da bocea.
Aviso.
Atugsm-seduas casas no sitio do Porto da Ma-
deira.em Beberibe, para pausar feMa, ou mesmo
auuu.il : a tratar na ra do Queimado o. 48.
Precisa-se de 700 a premio de douspor
cento ao mez, dndose ara secura oca daos es-
CraToa que custaran. 3:2009, pagando-se o pre-
mio todo* os mezea pqr lempo .de seis mezes v na
ra do Rangel n. 31 ae dir quem quer.
Arisa-se ao respeitavel publico que naju*
eslreits do Rosario o 12 ha grande fornecimentu
de comida barata e feita com muito asseio e lim-
peza, e tambem cha e caf, o lanche a toda a ho-
ra do dia e de noite, e sabbados mao de raaasMlas
2 horas at as 9 do di.
8
Consultas medicas. 1
Serioda*9tawlost)*e^t44llOrlos- fff
me de S Pereira no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 53, desde s 6 at s 10 horas
da na tahas meaos aos domingos aobre:
1.* Molestias ds) olhos.
2.a Molestias de eeracao e de peito.
3.* Molestias dos orgos da gerac e
do anos.
O etame dos doentes ser feito na or-
dena de suss entradas, comecando-se po-
rm por aqudles que soffrerem dos
olhos.
Instrumentos ch i micos, acsticos e op- %t
ticos sero em pregados em suas cnsul-9
ta;oes e proceder com todo rigor e pro-'
dencla para obter certeza, oa ao menos'
probabilidade sobre a sede, naturea e
causa da molestia, e dahi deduzir o plano
de tratamento que dere destrui-la ou !
curar.
Varios medicamentos serio Jambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeiraqualidade,
promptido em sens effertos, e a necessi-
dadedoseuempregourgentsque se usar
detles.
Praticar ahi mesmo, ou em casa dos X
doentes toda e qualquer operacao que S
julgar conveniente para o restabeleci- JP
mente dos meamos, para cujo flm se acha *S
prvido de urna completa colleccao de jg
instrumentos indispensaiel ao medico >
v opesador. Jt
aw ^^w. .w la^w. ^rap. sftpm ^aw. hm ^e^tf -r ^acw
Arrenda-se ou rende se lima proptiedsde
que d um magnifico eneenho pan moer com
agua, o qual i crtalo pela ra Terrea junto em
Nao sendo possivel conti-
nuar o abuso, posto em orti-
ca por alguas de nossosassig-
uantes, de nao pagarem o im-
porte da assignatura dentro
dos quize dias do primeiro
mez do quartel pelo preco de
5#000, pretextando faze-lo no
fita 6^000, como se acha es-
tipulado ; e, ao depois, quan-
do faltam apenas alguos dias
para o completo do ultimo
mez, pretenden* pagar 5$,
sob o fundamento de que nao
se acha Ando o quartel; preve-
nidos que todos os assignan-
tes que nao quizer satis fazer o
importe de sua assignatura
dentro dos primeiros 15 dias,
devero as9ignar o documen-
|a mip iVipe copa anpocantaiin I m dos pontos iutermedisrioe da 3.a sesso: a
10 que mes sera apreseuiaao | tratar no engenh0 RlbeirSo.
pelo Cobrador, ObrigaDdO-Se a Precisa-ae deuma ama, ou escrara de boa
ni\r\\ o j .i conducta, que saiba-bem ensaboar e engommsr
pagar OSUDO UO Um dO quartel. roopa ; na roa Augusta, casa terrea n. 84.
afim de obviar contestares *
que se suscitam diariamente.
Aproveitumos a occasio para
pedir, nossos assignantes de
fradesta cidade, maudem pa-
gar o importe de suas assig-
uaturas, para evitarem a sus-
penso da remessa.
Grande laboratorio de la-
vagem
Podem mandar buscar a roupa lavada ra ds.
228, 90,175,163,134, 23, 279. 203, 132, 176.
Engommada.
Ns. 46, 275, 52.

bacharel Witruvio po-
de ser procurado na rus
Nova o. 23,sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
I
III
I
O t>t. Joo Duarie Magiaario nao pode Ten-
der a sea taberna sita na ra do Rangel n. 10
aem sjuslar contaa cora Joaquim Pinto Alves.
Atusjem-se o primeiro e seeundo andares
do sobrado na ra do Amorim n. 39 ; a tratar fia
traveeta da Madre de Dos b. 15.
Ni padaria do leso do norte, roa do Coto-
vello, precisa-se de umbom trabalhador |de mas-
seira.
I Mo de vacca. 1
Terqa -feira 10 de dezembro corrente,
a n da rao impreterivelmente as rodas
da quiuta parte da nona lotera da ma-
triz da Boa-Vista desta cidade no concis-
torio da igreja de N. S. do Rosario de
S. Antonio, pelas oito horas da ma-
nhaa. Os bilhetes e meiosacham-se desde
j
8
S
S
i
Domingo 8 do cnrredte das 5 horas da
manhaa em vante. haver mi de vacca
ra ra de S Francisco n. 50, o proprie-
tario deste eslabelecimento lem envidado
todos os recursos ao seu alcance para
que os concurrentes flquem sallsfeitos j
no aceio de seu servico, como na per-
feico de lio confortativo petisco, qual al
a mo de vacca bem feita. ^
ja' a venda somente ate'segunda-feira 9. dwi;.,, j^ ti;*.,a i
O. premios serao pago, como de eos PubllCfl5oef d Instituto Bo-
meopathico do Brasil.
THES01R0 HIHIEOPATHIfO
ou
VADE-MEClM DO IIOMFOPATHA.
(Segunda ediceao consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diecionario popular de nedicina l*o-
meopatbie*
turne.
O thesoureiro,
A. J. Rodrigues de Souza.
O Sr. Joaquim Vicente Marques tem urna
carta na ra do Queimado n. 37.
Tendo-se desencaminado urna leltrazda
quanlia de 490^104 rs, aceita por Joaquim Eze-
quiel Barboza, negociante na Parahyba, a favor
de Diogo & Feroandes, aceita em 21 de novem-
bro oroxirao passado, a vencer em 21 de julhu de
1862; ruga-se ao aenhor aceitante, de nao pagar
dita lettrs, e nem fazer iranaaccao alguma se
nao com os abaixo assignados.
Diogo & Feroandes.
Na ra da Imperatriz n. 23, primeira an-
dar, precisa-se de um bom ofllcial de marci-
neiro.
A mesa regedora, da irmandade
de Nossa Sen hora da Conceicao dos Mi-
litares, roga a todos os moradores da
ra Nova, se dignem Iluminar as
frentes de suas casas, as noites de 7 e
8 do corrente, adm de abrilhantar o
acto da Virgem, e Te-Deum da mes-
ma Senhora.
mo ce.
SABINO 0 L PINHO.
Continuar as asslgoaturas para estas obrase
2O9OOO em brochura at dezembro. Desse lempo
em diante as assignaturas sero elevadas a rs.
250000.
Ra de Santo Am'sro (Mundo Novo) n. 6.
Na travess da ra das Cruzes n. 2
primeiro andar, tinge-se com perfeicao
para qualquer cor e o mais barato
possivel.
i^Guimaraes & Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Vendeiii baratsimo.
o o mais rico sorlimento de fazea-
Cambraias da China bordadas a 71 apee
das finas para senhora e meninas, dj-se amostras. '
Manteletes e Capas e gro, pret0 bordados, o que pode haver de mais gosto e precos
eommodos.
Chapeos de seda para senhora de Moit0 bom gostom ca. um e de p.ih* de
Italia ricamente "ofertados a SB| pera acabar.
Camisas ingUzqp pata homein ihrho.asead. multa boa palos preco. *etin-
tes a 35 e 40 s duxia.
IlOUpaS eXtOS ptra horneas e msfliao*, sobreessaeo, paletots, calcas, roulu, metas etc.,
ele. e outros muitoi artigo*.


&_
* wifcwu mwiw^
^^^
*tt i OllltO
? & Cw^rA ,,^ IA,
m WoT^tX^^^;^^ ?' W oot. Prep.r.5i.
i .o pAlco ua luto e'f43!.tt u '
lee importancia de ma'lal varie-
Tntpaasa-se o arreada-a* a padarla dan***
d'agua n. 50, da freguezia da Bo*Vi*ta, prometa
cata de morada para quem prttsar. ***J
nade.
ma. o kn.- da .ciencia ta^.TtaSSaA?*^^-- ^ ***?**
t
a a
ades
progresso immenso,
possivel para todaaaa
4a .u. ...i.nHn i- '1* T"?1* Importancia em therapeutica : tu
SfflKf paa. ti^sass*0- tor' f^-f,cu >
ntumnMniKi <*ar**,e(jPa" 'odoa os temperamento*.
*L ~aV.iuIa ^eprac>,jfi!e ferro ate hoje coobecidas nenhuma rene to bellas qoalida-
^nX- ""rae tUro-ladacto de Trro. A seu sabor gradare!, rene o tomar-se-em urna pe-
2-.ii." ** Va', Pton,PT o cil dlssoluclo no estomago, de modo que completamente
imIm^ ,nao 0air P" causa da lactina, que contera m aua composicao, conalipaciode
vetre frecuentemente provocada pelas nutras preparaba lerrogioosas.
. nova qaaUdade* em nada alteraos a sciencia medicamentosas do (erro, que sendo urna
BUDsiaocia daqual o medico se nio pode dispeusaa em sua clnica, de incomparavel utilidade
quaiquer formal* qa* lhe d propriedadea U, que o pratico posta ptescrever aem receio. E* o
qujBpasgi pnaraaeeutice Thermes com a prepararlo do citro-la*t*cto de ferro. Aulm este
maKRearneato oocuaa hoj* o primeiro lugar entre as numerosas preparares ferruginosas, com o
itant a ortica de muito medios distincto que o tero enaido.# Tem ido empregado como im-
no prorett naa molestias de languidez(cblorose paludas corea ) na debilidad* ubeequente as
nemorrtiagias. na hydropesias que apparecem depoisdas intermitentea na incontinencia: de urinas
por deoiTilade, oas parolas brancas, na eacrophula, ao rachitisme, na purpura hemorrhagica, na
conalescencia das molestias graves, na chloro anemia das multieres grvida*, em teda* os caaoa
en que o saogue acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, afteceoes chronicas, cacheiia luber-
calosas, cancros*, syphililic*, excessos venreos, onanismo e aso prolongado das precauges mer-
BsUs enfermidades sendo mu trequentes seado o ferro s principal substancia do que o
medico tem de lancar roo para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece louvores a o
recenheciment da humanidade, por ter descobarto urna formula pela qual se pode sem receio
ero tarro.
Consultorio medicocirurgico
3--WU A.BL QL.OR1A CASA DO 13NHlkO--3
Consulta por ambos os systemas,
Emconsequenciaa mudanca para asnanova residencia, o proprietario deste eatabeleci-
mento acaba de azer ama reforma completa em todos os seus medicamentos.
O deseio que tem de que os remedios do seu estsbelecimeuto nao se confnndam com os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre goza rara e gozam ; o proprietario tem tomado
a precaucio de inscrevero seu nome em todos os rtulos, deveodo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelles que forem apreseotados sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira lar maior certeza acompanbar urna conta asignada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
pel marcado com o sea nome. > ow Va
. !^e^dV8Ummt,mport*DC'aecui,8propriedade"t>150 conhecidas que os meimos s"
mdicos allopathas empregam-as constantemente. sr,#
Os medicamentos avulsos qur em tobos qur em tincturas custarao a 1 o vidro.
.mi. ifIP 'i?e8le,e8labelecilDent0 nn"ncia a seus clientes e amigos que tem commodos
V2?!?mnn?bat a,'u? e8CMT0 u ou'ro sexo doentes ou que precisem de alnma
!1"S.'- "??nd?,?ue 8erao lraUd08 com l0,,0 aiTe, e promptido, como tabem todos
aquellas que i tem Udo escraros na casa do aonunciante.
n. ^^"iS!0 ma*niB,c?a1 commodidads dos banhos salgados sao oulras tantaa ranU-
geos para o prompto restabeleciment dos doentes.
e de iari.PSLS,i,,!li!e,!f? UU!t' ?m. annuncianl d"em procura-lo de manha at 11 horas
Dr. Lobo Moscozo.
firaode exposicao de frucas doces e queijos.
bom pSI fcife:** "' e8,re"" d R0Mr tl' tem um gr,nde ,orlB,enl de ^o quanto
Doce de
calda*

Pactara.

Precisa-se da daas mu, feeado ama pira
tratar de menino*, gomntr: na ru* d C*eia do Kaaite, lojaln. 50.
Precisa-* d* um aaeniao para oaisairo, de
idad* de 12a 14 annos ; na raa da lmperatiiz
numAfn'M-
Ainda se precisa de urna pessoa
para distribuidor deste Diario em Olin-
da : na livraria n. 6 e 8 da praca da In-
pedencia. |(l!i(|
Precisa-se de um faitor para am sitio da
pessoa estrangeira, em Saot'Aoaa: a tratar ns
ra do Trapiche Noto, n. di.
Praciaa-se de um rapaz de 15 annos. maii
ou menos, lirre eu escrato, para trico de-casa
o ra : na ilha dos Ratos, ra do Seve ou Unio,
casa d. 28, cero porlao ao lado, isinha a ponte
que se est fazendo d ra da Aurora para o
Campo das Prineezas.
Aluga-se o tercei.ro andar, da casa
n. 37, sita na rita de Athorim i a tratar
na ra da Cadeia n. 0S.
Quera quizer arrendar ou comprar o engeobo
Itapirena do Helo na comarca deGoiannaau ar-
rendar o engeobo Spuza na freguezia da Taquara
nt provincia da Parahyba, ou mesmo comprar
mals de metade deale eogenbo, pertencenta aos
berdeiros do finado coronel Estevio Cafalcanti
d'Albuquerqae. diriia-se a ra eatreita do Rosario
n. 10s* andar ou ao engenho Tab na freguezia
da Taquara.
Attenco.
A anliga cocheira d'alem da ponte da f)o*oCo
de Baberibe continua a receber carros e caralfos.
Um segundo
andar.
Aluga-se o segundo andar da praga da Boa -
Viata : a tratar na toja de calcado na ra da Im-
apertrzn. 46.
Aluga-se ama esta na povoacao do Mon-
teiro para se passar a fests, e tambem um ptimo
sitio na Torre com o banho porta, e oulras com-
piodidades : a tratar com o Sr. Jos Azevedo Au-
drade, na ra do Crespo, ou com Jos Marianoo
de Albuquerque.na estrada ooa do Cachaog.
Fructas. Doces secos
Peras graudas.
Peros.
Majaes.
Uvas.
Abacaxis.
Melancias.
Meles.
Caalanhas.
Ditas coofeitadas.
Ameodoas.
Nozes.
Queijos.
Flamengos.
Serto.
Londrino.
Goiaba em caixdes e em lataa
muito fino.
Figos chelos.
Ditos estrellados.
Dilos em ceiras.
Paasas de alicantf.
Ameixas.
Sspol.
Abacaxi.
Limo.
Cidrao.
Larapja.
Caj.
Chocolate
de todas as qualidades.
Saputf.
Abacaxi.
Limo.
Biriobi.
Laraoja.
Cidro.
Grosellas.
Uarmelad*.
Caj.
Gelea de rurmelo.
Pitanga.
Bolachinha
de todas as qualidades.
Sorvete ao meio dia e a noite.
COMPANHIAPA VIA FRREA
DO
Recita a Sao Francisco.
(limitada.)
Attenco
Nos domingos comecando do dia 8 do correte
at ouiro a?io. os bilhetes de ida e olta das
Cinco Ponas Eseada serio vendidos pelo preco
dos de siogela ; a saber :
1* classe &S500
2* classe 45500
a" classe 3^000
A partida do trem ser como de costume de
manha, das Cinco Ponas aa7 e 30 minutos e de
tarde da Eseada as 4 horas.
Roga-se
a toda as pesioasVe deem massa fallida de
Antonio Joaquim Hachado Brandan, de virem
cagar seus dbitos no prazo de 30 dias. na ra
Direita n. 73 ; ae no competente prazo nao satls-
fizerero, serao cobrados judicialmente.
Roga-se aos aenbores abaixo mencionados o
aor de virem a roa do Crespo n. 8 A a negocio
de seus interesses, visto nao se saber de suas
moradas.
Dr. Pedro Gaudiano Ralis e Silva.
Padre Francisco Alves branles
Fr. Joo de Santa Cecilia.
Capilo Antonio Fernando Rasouro.
Acurcio Jos de Medeiros.
Francisco Jos do Amaral.
Francisco de Paula Cavalcanti Wanderley Lios.
Flix de Araujo Albuquerque.
Jos Guilherme dos Reis.
Joaquim Pedro do Reg Brrelo.
Msuoel Duarte Ribeiro Jnior.
Maooel Aotoulo Barbosa.
Miguel da PuriQcacio Comea.
Jos Gorgonio Paes Brrelo.
Alexandre da Silva Tavora Veneno.
Joo Baptista Moreira.
Fraociaco Jos Alves Gama.
Joaquim Ignacio de Carvslho Mendonca
Aluga-se urna preta moca e sadia,
cos oem achaques, cozioha, engomma,
bem, lano de aabio cmoda varrolla, prefera
do-se lugar para casa estrangeira ; a tratar na
ra do Sebo o. 20.

I
sem vi-
e lavs
Ama.
Frcis*-se de ama molher forra ou eaeravs,
preferindo-se esta, que entenda bsm de cozioha :
se Mudar paga-se bem : os ra do Queimado
d, 37, s* dir queso quer.
Attenco
Antonio Pereira Vianna, subdito da
ma^ao Portugueza, reside na ra da
Imperatriz casa n. 29.
a-ee*e#dja.tf)Cdj
Attenco
D. Maria Joaquina dos Sanios Abreu,pelo A
B prsenle previne aos seus inquilinos das aj
*jf casas terreas na ra da Hangueira do ba- m
9 irro da Boa-Vista n 5, na ra dos Pires n.
9 21, e no betco do Pocinho no bairro de S. tt
9 Antonio o. 21, que nao paguem os alugueis
5 8.
9 Oliveira e Silva, ou quaiquer oulra pessoa $
que_ se aprsente a recebe los sem proco- V,
S ragao especial da mesma annunciante com *
atj a data posterior ao prsenle annuncio; por
sso que a aonunciante foi Toreada pelos
9 mos tratamenlos que tem soffridodo re-
9 fndo seu marido a tritar de divorsiarse
9 delle, e pela escriptura celebrada na nota
fft do tabelliio Almeida, do contrato ante- 9
9 nupcial com quecasaram, sendo a annun- 9
9 ciante smenle que entrou con. bens para 9
9 o consorcio, Uca a mesma annunciante na 9
9 posse e adminiatrac.au dos seus bens desde 9
% j iodependente de despacho, ou aenlenca 9
9 judicial como consta da mesma escriptura. a
9 Outro sira, e pela razao dita previne a an- 9
9 nuocianle que ninguera faga iransacjao de 9
9 qualidade alguma com o dito seu marido 9
9 ou alguma outra pessoa atoda que se apre- 9
9 set|te com procurago da annunciante, que 9
9 desde j declara, que falsa a respeito Do 9
9 so das ditas casas, sejade venda, hypothe- 9
9 ca ou permuta, ou mesmo quaiquer outra. 9
9 como a respeito de letras inclusive adoSr. 9
9 ss AfTonso de Azevedo Campos, e oulras 9
9 'Jue tejam relativas ao casal da aonuncian- 9
9 le, ainda sob o pretexto de reforma; por- 9
9 1u. lod a transaccao a semelhante res- 9
9 Peilo perlence a annunciante ainda mesmo 9
9 D0 caso de perds ds letra; e assim tam- 9
9 bem previne, que nioguem compre ao so- 9
fbredllo seu marido quaiquer bem movel 9
como mobilia, ele.; porque ludo quanto 9
existe na casa em que mora vam.e o que para 9
I em mo do seu marido, da aonuociaote 9
8 com que entrou para o consorcio, visto co- 9
mo evidente da escriptura .referida : e 9
9 desde j protesta promover os meios e ac- 9
9 {des judiciaes contra as pessoa* quo nao 9
9 obstante eale anuncio, pegarem ou fize- 9
9 rem quaiquer transaccao ou compre ao su- 9
9 pradito seu marido ou quaiquer outro por 9
Lelle autorizado. a
___^M^^J^a^ui^a_dos_SantosJkbreu.
0 Rvd. padraPadro, brasileiro, Tai para o
provincia do Rio Grande do Norte, no vapor J-
guarib*.
Pede-se ao Sr. Dr. Joaquim Elvirio de _
Moraes Carvalho, que quando vier ao Re- 9
cife faca favor de dirigir-se ru* do Cres-
po n. 8. Z
C9999 99999-*99995
Attenco
Fornece-se comidas tanto em casa como para
fora, com muito asseio e poalualidade : no largo
d* Assembls n. 12. Na mesms casa precisa-se
de um cozlnheiro.
Hospital Portuguez de Be-
neOcencia.
De ordem do Sr. provedor do Hospital Portu-
guez de Beneficencia nesta cidade, convido a to-
dos os aenbores socios do mesmo Hospital reu-
nirem-se no lugar do costume, pelas 9 horas da
manha do dia 8 do corrente, para, em sesso
de assembla geral, cumprirem odetermioado no
3.* do art. 17 dos respectivos estatutos.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia 5 de dezembro de 1861.
Joaquim Ferreira Mendes Guimaries,
1.* secretario.
ndice alfabtico
daa leis, decretos, aviaos, e consultas do coosslho
de estado sobre as assamblas provinciiea, por
Ovidio da Gama Lobo, bacharel em sciencias ju-
rdicas e sociaes pela Faculdade do Recife, e se-
cretsrio do goveroo da provincia do Maranhao.
Aisigna-se n livraria da praca da Independen-
cia ns. 6 8 a 9f o exeropiar.
Precisa-se de um prelo escravo para o ser-
vico de ama casa, e que tenha alguma pralica de
padaria : quem o tiver annancie para aer procu-
rado.
Aluga-se urna casa para passar a festa ou
por asno ; em Sint'Anna de denlro, a fallar com
Joo Venancio ds Paes. *
Joao Caemiro da Silva Hachado avisa ao
Sr. Antonio Pedro Martina ou a quaiquer ouiro
que tente comprar a Uberna do Sr Joo Duarte
Maginario, o nao facam sem que este tenha jus-
to snas contas eom o annunciante, o que nao tem
podido conseguir ainda, mesmo indo para esse
firn em sua casa conceptivamente do espago de
seis mezes, e conliot a ir diariamente.
Precisa-sede urna ama de leite, mesmo que
tenhi Albo a mameolar so faz negocio ; quem se
julgar nesta circumstancia dirija-se ra dos
Pescadores o. 35. ao p da fabrica de sabo, que
achara com auem tratar.
rhetorica.
particular (Je
O acadmico UaU' aberio as aulas de eloquencia a potica nacional
para hahiliUco- 4 esudaat** aea qaia*rem
Htar xama da ditaa maleriaa no fuauro mas de
margo, na ru DireiU n. 88. primeiro andar.
Na ra da Concordia n. 37 precisa se de dona
criados portuguezes. de 1S k 16 aonos : paga-se
bem.
Acanaga, Hijo & C. sacam sobre
o Rio de Janeiro.
CONSULTORIO ESPECIAL H01EIPATHIC0
Jat0*0T>llH0.
Ra de Santo Amartf (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os diaa tela dead* as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiatea molestias :
nto tai, moUtliat da {*, moiasliau 4o$ olhot, mo-
Uttxat iyphiliticat,toda$ ai ttptaitt dt ftbrtt
ftbru MUermiUntt$ $%a$ conuqutncxai,
HURJUCU BMKCUL H0a0r*THIC*
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pra-
?,-' som todaa a* cautela s necessariaa. in-
falUveis em seus effoitos, tanta am tintura, como
m glbulos.pelos presos mais commodos pos-
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
ncara*nte vendidos em sua pharmacia: todos
qo forem tora della sao falsaa.
Todasscarloiras sao acompanhadas d* am
impratso com um emblema em relavo, toado ao
roaor aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Ptnho, medico braaUairo. Kata emblema posto
almanta na liata dos medicamentos qua se po-
do. As carteiras q*e nao levaram esa* impresso
assim marcado, asboratenham na tampa o no-
no do Dr. Sabino sao talaos
immiM.
Gabinete medico cirurgico.j
Ra das Flores n. 37.
1 Serio dadssconSaltas medicas-cirurgi-
1 cas pelo Dr. Estevio Cavalcanti de Albu-
querque das6 as 10 horas da maDhia, ac
1 cudiodo aoa chamados com a maior bre-
1 vidade possivel. ,
? Partos. (
1 2." Molestias de pello. 1
1 3.* dem do olbos. 1
1 4.# dem dos orgos genitaes. 1
\ Praticartoda e quaiquer operaco em 1
seu gabinete ou em cass doa doantes con- 1
1 forme Ibes fdr mais conveniente. 1
*
8
8
Attenco 8
Furtaram do abaixo assignado um re-
logio de ouro patente inglez, coberto de
o. 7191, autor Iosh Peuliogton e um
tranceiim do ouro: quem delle souber
ou der noticia dirija-se ao largo do Corpo
Santo loja de cabos de Antonio da Costa
e Silva Maduro, que ser generosamente
recompensado.
J FERREIRA YILLEL4
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba do **><. n. 18, 1/ andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por mbrotypo, por melainotypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaos para
pulcelraa, alflneiea ou caasoletaa. Na mesma
casa existe am completo e abundante sortimento
da artefactos Irancezes e americanos para a col-
locaco dos retratos. Ha tambem para alo mes-
mo fim cissoletai e delicados alune tes de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
persooagens da Europa ; stereoscopos o vistas
stereoscopicas, assim como vidros para ambrotypo
e chimicas pbotographicas.
Dentista de Pars.
15RuaNova~ 15
FrdricGautwr,cirnrgiodentisu,faz
todas as oparaces da sua arta acolloca
deotes artificiaos, ludo com a supariori-
dadaoporfaicioqaoaspessoasantondi-
das lhereconb*cem.
Tosa igua e posdentifriciosatc.
i
O dentista Numa Pompilio.
Ra estreita do Rosario n. 32, p.
meiro andar.
Pisla deates pela pressio lo ar, por molas o li-
gaduras, efaz todas as operacoes de sua arle.
Aloga-s* o segundo andar ds cas* n. 183 da
ra Imperi.l. o o segundada rus da lorperalriz
188 : a tratar na ru* da Aurora a. 36.
Saque sobre Lisboa.
aftas s&AJEi.'srw-
c BHnffi(Cimri(E
Sobre a viagem ao Brasil em i 852,
DE
Carlos B. Mansfield.
JOR
PASCUAL.
nte abena a assigoatura para
Mestre para o
mato
Offerece-ae para ensimr meninos em algum
engenho, orna pessoa muito habilitada : a tratar
na ra ae Apollo n.43, com Heorique Sarsiva de
Araujo e Mello.
Jos Dias Brandio, acbando-se baoslante
eocuratnodado de sua saude, relira-se para fra
da provincia, e por isso vende o seu estabeleci-
menlo de molhados, cito i ra da Liogoeta n. 5.
Esta cata j pela sua boa localidade, por ser ao
p da estago do deaembarque, aonde coocorrem
marinheiro* de todas aa naces, lorna-se de mui-
ta vantagem para quaiquer principiante, mesmo
por que tem poucos fundos.
Precisa se de um
caixeiro
Dase sociedade a urna pessoa que tenha pra-
tica de loja de miudezaa, comanlo que o seu
coro por lamento assim o exija ; quem pretender
dirija-se a ra da Imperatriz n. 46, loja.
A pessoa que precisar de om moco que sf-
flanca a sua capacidade para tomar co'nta de al-
gum negocio nesta praca, ou fra della, ou co-
branzas pelos centros por ter pratica: dirija-se i
praca da Boa-Vista loja n. 9, quo achara com
quem tratar. /
Precisa-se de urna criada portugueza para
coser, cozinhar o engommar, para urna familia
pequea, paga-se bem o afianca-se boa trata-
mento : qu*m. estiver neslas circunstancias, di-
rija-se a ra Augusta n. 49.
Aluga-ae o armazem do sobrado da ra do
Apollo n. 47 : quem pretender dirija-se a Jos
Anlunea Guimares; e aa chaves se acham'no
depoaito, roa da Sanzalla-Velh* o. 48 para ver.
Acha-ie para alugar o primeiro
andar do sobrado da ra da Aurora n.
4*: quem pretender dirija-se a ra
Nova foja de Bastos & Reg.
O Sr. Joao Hyppolito de Mera Li-
ma, queira apparecc nesta typographia
que se lhe precisa fallar.
I STAHL & C. S
|retratista DR S. M. 0 IMPERADORf
$ Hua da ImperatTiz |
g numero 14.
Tencionando retirar-se proxi-
mmente desta praca prticipam
* a seas reguezes e amigos como
em geral a todos que podem
' precisar do seu officio, afim de
P que aproveitem do pouco tempo
' que os annunciantes podem din W
W da dispor para a execucao das W
encommendas com as quaes
queiram honra-Ios.
Agradecendo nesta occasiao
t ao Ilustrado publico desta capi-
tal o bom acolhimento das suas
0 obtas, decidiram se a por estas
ao alcance de todos introduzindo
9 urna considera vel baixa na maior
parte dos seus preces e esperam
9 que o desfalque que disso Ihes
^ resultar sera* compensado por
um augmento de concurrencia.
* *V **v j^t. .can. m. ^-, > _- ...
O
Aluga-se por anno ou por mezes para pas-
sar a festa, urna casa terrea em um dos melhores
lugarea de Olinda (paleo de S. Pedro Apostlo),
acabada de novo, com asseio e reparliSeotoque
ollerece commodos ; alem disso fresca e perto
do banho : a tratar no sobradojuntc a mesma-
Attenco.
Preciss-se alugar um sobrado de um andar e
sotao que tenha quintal com cacimba : quem ti-
ver pode se dirigir travessa dos Ajouguinhos
n. o, que se dir a pessoa que quer.
Attenco
O Sr. Fortunato Ferreira da Silva,
n5o se pode retirar para Macei sem
satisfazer a quantia que deve, (que nSo
ignora) ao abaixo assignado, no caes
d'Apollo n. 39.
Miguel de Almeida Gomes.
Ainda est para alugar o armatem, primei-
ro andar e solio do sobrado o. 62, aito na ra da
Guia : quem pretender dirija-se i ra da Hortas
n. 14, i tratar.
O padre Francisco Jlo do Azevedo do via-
gem para s corle pede descolpa a todos s seus
amigos por nao ter ido passoalmente despedir-so
e espera obte-la urna ves que cssa vigem foi re-
solvida de momento.
.... ._ iT _.-" "mvh iguaiura para
esta excellenteobra em dous volumea, ntidamen-
te mpressos. dos quaes o primeiro est j publi-
cado. As pessoas que deaejarem possui-la po-
dorao dingir-se ao eseriptorio da ra da Cruz n.
4b, i andar. Preco da obra completa 51000, que
serlo pegos I entrega do primeiro volme.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Santos & C. sacam a tomam
saque* sobi* a praca de Liaboa.
Na comarca de Porto Calvo, termo de Ca-
maragibe, vende-s* o engeorto Dous Irmaos, si-
tuado margem do rio Camaragibe, com safra
criada para 2,500 pies, e trras para sefrejar fol-
gadaraenteSa *. O engenho tem duas casas de
vivenda, ambas coberUs de tenas e em bom es-
tado; a casa de engenho, que unida a de pur-
gar, do taipa coberta de telhaa : os prelenden-
tes dinjam-se ao referido engenho.
Ama.
Precisa-se de orna ama forra, prefere-se de
meia idade : na ra do Crespo n. 10:
Urna mulher porlugueza ae offerece para
ama de um moco solteiro ; quem pretender di-
nja-se a ra do Sebo n. 8.
Ama.
Precisa-se de urna ama de leite na
ra estreita do Rosario n. 41, segundo
andar.
Aos seohores marchantes do
municipio do Recife.
Avisa-se que o pagamento do imposto sobre o
gado, fetlo n continenli, sem o que nao Ibes
serao concedidas as competentes guias, sendo-
in.es aprehendida a carne. Este aviso emnde-
se com alguns que desejam, e tem obtido nlo
pagar im mediatamente oque se tem tornado abu-
sivo.
Outro siro, os Srs. cobradores das freguezias
de fra da cidade nao poderao flar o referido im-
posto, com especialidade o da freguezia do Poco
da Panella, que por isso nao presta regularmen-
te as suas cootas.
Os que se acbam debitados devem al o dia 15
do corrente solver seus dbitos, do contrario se-
no tirados mandados ezecutivos como concede
Recife 4 de dezembro de 1861.
Os Sw.'.Jos Maria de Mello, t Amador de
Araujo Pessoa, marchantes da freguezia do Poco
da Panella queiram dirigir-se ra da Concei-
cao n. 6. a negocio que lhes diz reapeito.
Certificado de cura de infiam-
macao e grande dor de
peito.
Eu abaixo assignado certifico que um meu es-
cravo tendo padecido de inilammaco e Brande
dor do pello, a qual lhe respond* naa costas,
tanto que nao poda trabalbar pelo aeu officio d
pedreiro, recorr ao Sr. Ricardo Kirk com escrD-
torio na ra do Parto n. 119. e eale senhor lhe
appiicou a sua* chapas medicinaes, as quaes o
puzersm inteiramente bom.
E por ser verdade lhe assigooi o presente cer-
tificado. Ra da Gloria n. 72.-Luiz Jos da
i.osta.
Para as encommendas ou Informar-oes dirija-se
pharmacia do Sr. Jos Alexandre Ribeiro, ra
do Queimado em Pernambuco n. 15.
No botequim da aguia de ouro da ra ea-
treita do Rosario n. 23, precisa-se de um caixei-
ro que seja diligente, prefeiindo-se portuguez ou
hespanhol.
O abaixo assignado assevera que o aviso
publicado oo Diario de 6 do corrente propria-
menie seu. Eogenbo S. Paulo 19 de novembro
ufl loo!.
Isidoro Camello Pessoa de Siqueira Costa.
Aluga-se uma preta que seja escrava, que
saiba cosinhar e engommar e fazer todo o ser?i-
co domestico : na ra da Roda n. 36.
Traducces de Inglez e
francez.
Uma pessoa receutemente chegada e com-
petentemente habilitada, como interprete jura-
mentado pelo tribunal do commercio da provincia
da Baha, oflerece-se aos Senhores negociantes
desta cidade para todas as traducces nos idio-
mas cima ; pode ser procurado no bairro Santo
Antonio, ra do Crespo n. 25 lerceiro andar.
Licesde inglez e francez
Uma pessoa devidamente habilitada para o
ensioo de ambas aa linguas cima, se propoe a
dar licoes aoa senhores estudantes desls cidade
as horas que se coo*enciouarem, para tratar
no bairro de Sanio Antonio, ra do Creapo n.25
terceiro andar.
Escripturaeo mercantil
Aos Senhores negociantes desta praca se of-
ferece uma pessoa devidamente habilitada para
escripturar Irnos por pulidas dobradas, nao '
em portuguez, como inglez e francez, podendo
er procurado no bairro de S. Antonio, ra do
Crespo o. 25, lerceiro andar.
Precisa-e de urna ama para cozinhar: na
ra daa Laraogeiraa n. 26.
Prerisa-se de um rapaz que lenba de~i4 a
16 annos de idade para caixeiro de taberna, ain-
da que seja dos ltimamente chegados, mas que
possua as enndicoes necessariaa para tal empre-
go : no largo da Santa Cruz n. 16.
Rega-se ao aividuo .qu#vjom a envaran
dmn fea inseraw no Oiart de Pere.mbVco
de 2 doaorreote am afanando todoheio de X.
ma, r. ando a quem qaer qe seja de cavalleiro
de industria, l.drlo de eserrvos, ibado dos af-
ilelos, etc., ate.; qne tenha a bondade d de-
clTar eiprasMmente a quem ae feferem todss
liii ".'Y"',ob peo" de em-ttie devolvidos
intacto* todos os pitheloe com %a qotV taimo-
loara esse i cogollo '' '
Z t!!'*M om' e,M com hoM'sitlb todo mo-
t^ tendo m lmmeosifl.de da.rvores fructi-
^ata^o. c.pg. fHh. conteodo a casi 2 salas
poco o agua de beker eom urna bomba, tajado
para bnho oeheir. essribaria quarto para
pr*toa, e 1.trina : iraUr na ru.' I. VSmK!
4l,oo na ra Nova 0.3. B,D'
Simio d Sampaio Leite vai ao Rio de Ja-
neiro.
O Dr. Joaquim Joa de Campo*, eeretario
da reparticio da polica, contina a advogar nes-
ta praca, e deve ser procurado em sua casa n. 33
da rada Imperatris. antea daa 9 horas o meia
ds maobia, e depois das 3 e meia da tardo dos
dias uteis.
Aluga-se o andar terreo n. 21 da ra da
Imperatris: a tallar na ntaema cas*.
D. Thereza Maria de Jeaus. mulher do Boa-
do lenle Jos Mircelioo da Costa, agradece a
todas as pessoas que lhe fizeram o obsequio do
aasiatirem o funeral de *ou marido.
T
0.
J
>
Am
re
cj< 5
> *
en s. e> $
o. i 1
e '
1
i*
tq Se o
eo
s
3 fc
5* os s
9> a
00 a> Ck.
-o o
"O ** 3
o CC
3. o 8 $
a
D O. H
E3 Lk C

1 r-

Compras.
Compram-se acedes do novo banco de Per-
nambuco : no eseriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Fiiho, largo do Corpo Santo.
Compram-se 12 cadeiraa e 2 consolos, ten-
do lampo de pedra, sendo de Jacaranda, embora
tenha algum uso ; annuncie par* se procurar.
-a Compram-se moedas de ouro de 20 bra-
sileira e peca de 16* portuguesas: no eseriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo.
Vendas.
Um adereco.
*
Vende se um lindo adereqo por preco
muito commodo, no atterro da Boa-Vis-
ta n. 52,
AuIsl preparatoria
O acadmico Alfredo Sergio Ferreira
tem desde o dia 2 do correte mez abor-
to sua aula de ioglez em casa de sua
residencia praca da Bo-Vista n. 19, se-
gundo andar, das 8 as 12 horas da ma-
nha dos dias uteis. Declara timbera
que nao se negar, receber em oulra
quaiquer hora aquelles estudantes qne
nio poderem frequentar aquella aula
por causa da hora.
A loja da baedeira
tem para vender de boa
jjflualidade de folha, esa-i
"| nho e bacas de
I senecupa prego favorito.
Nova loja de funileiro da,
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Mnoel Jos di Fonseca participa a
todos os seus fregaezes tanto da praca
cmodo mato,ejuntamente aorespeita-
velpublico, que tomou a deliberado de
baixaro preso de todas aasuaa obras,por
cujo motivo tem para vendar nm graDde
sortimento debabs e bacas, tudo da
dirTerenles tamangos e de diversas cores W
*m pinturas, e juntamente am grande I
S sortimento de di veras* obras,contendo S
S banheiros egamelas compridas,grandes I
o epequeas, macbinaapsra caf ecane-
m cas para conduzr agua grandes e peque-
Snas, lataa grandes para conservar fari-
oha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil e
camas de vento, latas de arroba a 1*,
bahsgrandes4} e peque nos a 600
rs., baca grandes a 5 e pequeas a
ib 800 rs..cocos de aza a 19 a duzia re-
g gadorea regulares muito barato, ditos
H pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
5 los ha pintados e em braoco e todo mais
j| se vende pelo menos prego possivel : na 1
8 loja ds bandeira da ra da Cruz do Re- S
cife n. 37.
Luiz Piolo, subdito portuguez, retira-se para
fora da provincia.
Precisa-se de uma ama para casa debomem
solteiro paraoservico interno o externo, prefere-
se escrava: oa raa DireiU o. 55.
Aluga-ae o segundo andar e solo, da cas*
da ra da Sanzalla-Velha n. 22.
Uma casa em Olinda.
Aloga-se ama excorenle casa em Olinda, sita
na ladeira do Varadouro, pelo* tres mezes da fes-
ta, teodo grandes commodos par* familia : a tra-
tar no Recife, ru* Nova o. 50, primeiro andar.
Thomaz Texeira Bastos em seu armazem
fazendas, miudezas, perfumaras, crystaea ele
ele, na ra da Cruz do Recife n. 14, tem para!
vender chegado recentemente de Paria, uma rica
e excellente cadeira de ferro toda franjada e es-
tufada a seda, igual a que estere aqu em pala-
cio no toilete le S M. a Imperatriz, obra do
mais apurado gosto e riqueza e bem assim cama-
ps e cadeiras de ferro de differentes feitioa pro-
prios para jardios, camas de ferro com eolebo
elstico de difTereotes tamanhos e qualidades, to-
dos estes objectos e todo* os maia qua se ven-
dem no dito armazem sao por presos mu ra-
zoaveis aQm de fechar conlas. -
Aos Srs. bahuleiros".
Vende-se grande porco de caixes vazios de
excellente madeira para fabricaco de bahs:
vende-se barato na ru* da Cruz no Recife arma-
zem n. 14
Aos Srs. fabricantes d'agua de
colonia.
Vende-se uma porco de garranchas razias
para agua de colonia por preco muito barato:
na ra da Cruz no Recife armazem n. 14.
Luvas de Jouvin.
Vende-se luvas de Jouvin as duzias e por mul-
to menos do custo para se fechar conta : no ar-
mazem de Thomaz Teixeira Beatos na ra da
Cruz no Recife-n. 14.
Pentes para prender cabello
de seuhora.
Sao os mais modorooa chegados e de gosto
muito legantes, vende-se mallo em conta por
se quarer fechar conUs : no armazem de Tho-
maz Teixeira Bastos na ra da Cruz no Recife
d. 14.


*4t NWIPWQM1T|I|BIA i M
WltMlt
HfiJf
iwK
45 RwDirdto W
O traste isMliaxteataveJ ao bornea ei'Hitado
sejaceatradicMoawpttol B'elle, leo Mcewa-
rio como o pi o estomago. TUra um
UB'j?t? UM inull o orgio visual de
umcaristio. E' por o graves eonsderacoes
5* Pfoprtelario deste elabeleclmenlo.
a^ndo d rotetwr om oagoiflco sortimento.
rogo lot leus fregaezes it apreisem em renovar
o cefgede relho, vitto estar prxima feia ;
Tejan: r
Homem.
M1LIES ^chigr.6. privilegiado) frascos co-
B^ZEGINS>te?i5o'i (Rocthlld) '. '.
divertot fabricantes. .
lustre pechiochs. .
Sepaloe* motea btela......
-el........
* p,?le.- enino- ....
lustre (sola e vlri. ....
(amasla).....
de tranca portuguesa. .
*".....
Senhoras.
BOTINAS gaspa alta e lago ioglezea de
149000
9500
8*000
5|500
S|500
5000
dorado ioealcultrel.
francesas (lago). .
lago.
a bais
*
gaaa baizt. ....
ou'Upa (32. 33 a 34). .
Sapatos (Joly) coa salto.....
(Mffl salto.....
tapet......
lustre (3*. 33, 34). .
econmicos para casa.
f *
CfOOO
51500
5|000
4g800
4g500
39200
SfOOO
800
800
500
Alem disto am variado e abundante sorti-
mento de tudo o que necessario a sapateiro pa-
ra execotar qualijuer obra.
Fonileiro e vidraceiro.
Grande e nova oficina.
fres portas.
31RuaDireita31.
Neite rico e bem montado estabelecimento en-
contraro os fregueses o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas asqualidades.
SANTUARIOS que nvalisam cora o Jacaranda.
BANHEIRUS de todos os tamaitos.
SEUICUPIAS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS Mem dem.
BAHUS dem idem.
FOLHA em oaixss de todas as grossuras.
PRATOS imitando em perfeicao a boa porcel-
lana.
CBALEIRAS de todas aa cualidades.
PANELLA.S iVam idem.
COCOS. CANDIE1ROS e andres para qoal-
quer sortimento.
VIDROS em caitas e a retalho de todos os ta-
mandando-se maohos, botar dentro da cidade.
em toda a parte.
Recebem-se eocomtneodas de qualquer nata-
reta, concerlos, que todo ser daaempenhado a
contento.
Aviso aos fumantes.
Na loja de Nabaco & C. na ra Nova n.
t, vende-te fumo de differentes qualida-
des para cachimbos e cigarros a saber:
Pumo caporal masaos grandes 2f.
Dito dito pequeos a 19.
Dito de flor de harlebeclc a 240 rs.
Dito americano a 240 rs.
Cigarros bota fogo do Rio de Janeiro a
200 rs.
Ditos de Havana a 240 rs.
Ditos turcos em caixas de 100 a 2*.
Boleas de borracha para fumo a 19. .
Bocaes para charutos e cigarros.
Cachimbos de gesso.
Ditos de massa.
Ditos de espuma do mar.
E outros muitos objectos proprios para
os fumantes.
Roupa feita.
Na loja de Nabaco & C. na ra Nova n. 1
2, vette-se um homem dos ps at a ca- u
_beca por diversos pregos.
Aviso aos amantes dos
presepes,
Na loja de Nabaco 4 C. na ra Nova n.
2, vende-se excellentes pandelros para
presepes por prego commodo.
Vende-se na ra Direila n. 95 urna porgo
de formas para velas, sendo de 6, 8, 10 e 13 em
libras, e juntamente os bancos com aparadores
para fazer as tnesmss.tudoquasi novoe bem fet-
tos, e se vende muito barato : quem pretender
apparega. Tambero ce vende a retalho.
Importante
Aviso
Na loja de'4 portas da ra do Queimado o. 39,
acha-se um grande armazem com todo o sorti-
mtnto de roupaa feitas, para cujo fim tem mon-
tado orna officina de alfaiate, estando encarrega-
do delta um perfeito mestre rindo de Lisboa, pa-
ra deaempnhar toda e qualquer obra que se Ih-
encommende; por isso que faz um convite espe-
cial a todas as pessoas com especialidade os
Illms. Srs. officiaes tanto da armada como do
exercito.
Faz-te fardas, fardos com superiores preparos
muito bem feitas, tambera trata-se fazer o ar-
damento todo completo conforme ae usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figurinoa que de
li vieram ; alm disso faz-se mais casaquiohas
para montara, frdelas ou aquetas, bem como
coetes a militar para os Srs. ajudantes de esta-
do maior e de cavallaru, quer seja singlos ou
bordados a espequilha de ouro ou prsi, tudo ao
gosto da Europa, tambera prepara-se becas para
desembargadores e de qualquer juiz segundo o
estylode Coimbra sndese fazem at melhores
eonhecidas at boje, aaaim como tesa muito ricos
desenos a matiz de todas as cores proprioa-para
fardamento de paseas ou criados de libr que se
far pelo gorto frsncezs. Na roesma casa eu-
arrega-se de ater para meninos jaquetas a
raocoza bordadas ao mesmo gosto.' Affiaocando
que por tudo te flea responsavel como seja boas
fazendas, bem feito e bom corte, nlo se falta no
dia que seprometter, segundo o tystema d'onde
velo o mestre. pois eaptra a honrosa visita dos
dignos senhores visto gue nada perdem em es-
perimentar.
Na loja iTaguii de ouro, ra do Cabog n. 1 B,
receben um completo sortimento de golliohas de
jniasang, sendo de todas iscorea
.fffi oJMWMIAfvSaj.oT
O
0 LOW-IWOR
eualla Rov *J&
Ueste stsbslecimantecontina i hitarua
omplato sorliaea to dtmoenda t eaeias moea-
d"paraengoiho,Hachinasde rapo/ staixas
ie forro batido eoado,de todoa ostamanhos
para Tito,
Potassa da Russia e cal de
Vende-se a quera
noderia faja-de vlw
por comnbos 7'qusr
fot.
9 opa
dejinj jsjo com'
tendo
for,
jas rttlD
Lisboa.
engeoho do Sr. Manoel Josquim do Reg Albu-
querque : a tratar na'ra do Imperador n. 37,
armazem jo|e|l|aj,- V) :-|i .7
Meitt torsimas.
A 1*400 a fru de patej de taeias brancas fi, j
ii> para homem : na roa do Qneinuulo n. 221
w
No bemeonhecldoeecreditado deposltoda ra
da Cadeia do Reciten. 1*,k itra vender a ver-
dadeirapolassada Russls, ora o de superior
qnalidade, aasim comotambem ctl virgem em
podra ; tudo por pregos mais baratos do que em
oatrtqualqaerparte.
Fabrica do Honteiro.
Crystafsajo e reflaQao^
de assucar.
Deposito na roa de Apollo n. 6, e traca
da Boa-Vista b. I.
Este importante estabelecimento contina a
fornecer aos seut innmeros reguezes do alvo e
puro assucsr crystalisado, em po e em pies, 1.a
e 3.* qoalidades, pelo prego de 180 e 200 rs, a
libra, e do refluido a 100, 120 e 140 a libra, sen-
do que em grosso o comprador ter am descont
favoravel. Nos mesmoa depsitos tmbeos se
vende mel de assucar a 600 rt. a caada, o car-
vio animal esa u prego commodo.
Ftimos de seda.
Vendem-se fomet de seda elstica para cha-
peo ; na ra do Crespo n. 21.
Fazenda modernissioia para
vestidos, na loja do pavo
Acaba de chegar a este estabelecimento pelo
vapor fraocez um lindo ot limen to de gorgures
de seda, fazenda sinda nao vista oeste mercado,
que se vende por prego bsralissimo, por estar
muito prximo a esls, assim como lindas mar-
quezinhaa ou chapeozinhos de sol para senhora :
na ra da Imperatriz o. 60, loja de Gama &
Silva.
na roa
de seds
ra do
Esto se acabando, a _
Paletots deanno Sno forrado de teda
do Qoeimado o. 47.
A 600 rs. a vara.
Fil liso branco do linho, manteletes
da ultima mods a 149 *8J e 20$ : na
Queimado n. 47. rr.'i
Vende-se uros canoa para familia que car
rega dez ou doze pessoas: na ra do Fogo n. 33.
O rival sem segundo, na
ra do Queimado n. 35
defronte do sobado no-
vo, loja de miudezas de
Jos de Azeyedo Maia e
SHw> est disposto a
continuar a vender pe-
ios precos abaixo de-
clarados, que na ver-
dade bom e baratis-
simo.
500
800
500
160
320
19500
500
600
320
*i<-iiir
Frascos coas agua Alavande mbreada a
Ditos superior, frasco muito grandes
Duzia de sabonetes muito fino a
Sabooetes ioglezea da melbor qualidade a
Ditos muito grandes a
Frascos de agua celeste muito superior a
Ditos com ebeiro muito fino a
Ditos com bache de urgo a
Ditos cous oleo de babosa a
Ditos muito tuperior a 240 e
Ditos com banba muito fina a
Ditot com opiata de Lubin a
Ditos de dito de Pivera
Ditot com banha transparente a
Ditos com oleo pbilocome a
Ditos com superior agua de Colonia
Dito* com macaca perola a
Ditot com ditos (o leo) a
Nvelos de linha do gaz de cores a
Ditos de dita encerada muito boa a
Ditos ds melbor qualidade a
Carriteis de linha de cores com lOOjardas
Nvelos de linha do gas para marcar a
Pares de metas de coree para meoinos a
Ditos dilos para meninat a
Ditos ditot cruat para meoinos s
Duzias de meias croas muito encorpadas a 2J400
Ditas ditas brancas para senhora a 3&000
Caixas com pbophoros de seguranza a 160
Ditas de folha com phophoro a 110
Duzia de phophoros de gaz a 240
Dita de ditos de vela a 320
Pesias de tranca de la de todas as cores a 40
na loja daba* j.
* UmheoUM.
Vend ., um rico e eteta** tur* bella-
mente preparado : no etcnptoio de Maooel Ig-
nacio do Ohveira 4 Filfao, larg% do Corpo Santo
Attenoo.bf!R^
Vendo-se a cocheira de ra dt Paz n. 1 A, li-
vre das condiegoes qde no escriptura flzera o
prtprietario da casa com o Sr. Jos Gorgonlo
Pses Brrelo a tratar na rta da Praia n. 1.
8YJTEIA MEDICO HODELLOWAT
PILLAS HOLLWOIA.
t-ste nestimavel especifico, cranoslo nteira-
raenlo do hervts medicinaos, nao contera mercu-
rio tem algasia ootra substancia delecten. Be-
nigno mais toara infancia, a corapleicao mais
delicada, igualmente prompto o seguro para
desaneigar o mal na corapleicao mais robusta;
iteramente innoeento em soas oporsges e ef-
feilos; pois busca o renov as doencas de qual-
quer especie e grao por mais amigas o tenues
20)9 aejam.
Entre mimares do pessoas cundas com este
remedio, muilas que j eslavara s .portas da
merlo, preservando era seu uso oonseguiram
recobrar a taude e forjas, depois de baver tenta-
do inultimenle todos os outros remedios.
As mais ifflictas nao devem entregtr-seg des-
esperacao; fagara um compleme ensato dos
effieazes effeitos desia assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da sande.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguinies enfermidades:
Accidentes epilpticos
Alporcas.
Ampolas.
A;eiss( mal de).
Aithma.
Clicas.
f CoMuUoes.
201 Detilidade ou exienua-
Em casa de Kalkmann Irmaos ,
9 &C, na ra da Cruz n. 10, exit- a)
^ te constantemente um completo fife
Q sortimento de a
^| Vinhos Bordeaux de todas as am
fa qualidades. a
^ Dito Xerez em barris. g
M Dito Madeira em barris e caixas. A
0 Dito Muscatel em caixas.
a^ Dito champanbe em gigos.
ej| Cognac em barris.
A Cerveja branca.
am Agua de Seltz. ..-.
0 Azeite doce muito fino em caixas.2
a Alvaiade em barris.
a Cevadinha em garra'oes.
Liquida cao sem li-
mites.
Na loja da arara da roa da Imperatriz n. 56,
vendem-se todas as fazendas por prego baratisst-
mo, a ser : ricos cortes de organdys com doss "ouj cose sounveimeni
saiase com 24 covados por 10$, ditos a 8S, ricot do Recite, escriptorio n. 41.
padroes de organdys a 18120 a vara, grosdenaples -
de cores para vestidos a l$8O0 o covado, crino
500
320
900
900
400
200
100
20
30
60
30
40
160
120
2o0
lina cora palmas e militada para vestidos, fazen-
da nova, a 19280 o covado. S arara vende cor-
tes de rucados para vestidos Garibaldi a 2J800,
ditos rlscado chinez a 2$ 500, cortes* de chitas
unas com 13 covadot a 2$500 e t*400, ditos de
chita ingleza a 19500, pegas de cambraia de ral-
picoB com 8 1(2 varas a 49. ditas de carocioboa
finas a 4(500, cassas adamascadas para coitioa-
dos com 20 varas por 99. ditas com 10 varas a
49500, ditaa a 39, e outras muitas fazendas que
se vende sem reserva de prego : na ra da Im-
peratriz, loja da arara de 4 portas n. 56, aonde
tem o retabillo'enm a arara pintada, e a noite
um relogio com letras que diz arara n. 56, de
Magilhes & Mendes.
Porl bouquels,
Dourados com cabos deraa-
dreperola.
Chegarara opportuoamerjle para a loja d'sgnia
branca os bonitos port bouquots dou/adot e es-
maltados, com cabos de madreperols, conforme
sus propria encommenda, ficando assim remedia-
da a falta que hsvia desses port booquets de gos-
to, os quaes chegaram bem a tempo para os di-
versos casamento* e bailes que se cootsm nesses
dias, por isso as pessoas que por elles esperavam
e as que de novo os quizereni comprar dirigi-
rem-se munidos de dinheiro loja o'aguia bran-
ca, ra do Queimado n. 16, que encontraro obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
Vende-se urna negra lavadeira, cozinheira,
a excedente quitandeira. queda I9OOO por dia oe
genho : na ra nova de Sania Bita o. 65.
GELO.
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defronte do theatro a $
a arroba, meia arroba a 2^500
e a 160 rs, a libra.
Feijo de corda.
No armazem de Tasso Irosos, ra do Amorim
numero 35.
Souhall Mellora o C, tendo recebido or-
dem para vender o seu creacido deposito derslo-
gius v|slo o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, porlaoto, s pessoas que quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-ee da op-
portunidade sem perda de tempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prego no seu escriptorio
ra do Trapiche n.28.
Na ra da Cruz n. 10, casa de tt
t Kalkmann.Irmaos &C, tem ex- '
posto um completo sortimento l
de amostras de objectos de bor- 1
racba, proprio para machinas de
engenhos, sendo crrelas para
transmittir movimento, canudos
de borracha de qualquer com-
prime nto e grossura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
Vende-ae orna preta que cozinba e engora-
ras com perfeicao, cuja se veode por circunstan-
cias; a trslarna roa do Imperador n. 73, tercei-
ro ander.
Vende-se urna preta crioola de20 a 25 an-
oos, moito boa cozinheira e lavadeira, tem vicio
de qualidade alguma, muito tadia o robusta ". na
ros da Frita n. 25, casa terrea logo passaodo a
ribeira dopeixe.
Vende-te omt eterava boa cozinheira o qui-
tandeira, com trinta e Untos aooot do idade :
quem a pretender, dirija-se st Cinco Pontos d.
75, que icbar conj quem tratar.
Potassa.
Na ra de Apollo n. 20, armazem de Amorim
Alfonso & G. ha para vender potassa da Russia
de superior qualidade.
Presuutos.
Vendem-se superiores presuntos inglezea para
Hambre a 600 rs. a libra : no armazem de Tasso
Irmaos, roa do Amorim n.35.
Vende-se urna escrava moga tadia, de mui-
to boa figura, sabendo bem eogommar e lavar ;
o tambera cose offrivelmente : na ra da Cadeia
Batatas.
O gigo a If, com 30 librst, novas : na ra do
Imperador n. 83.
Malheus 4 Rodrigues, em seu escriptorio
na ros do Vigano n. 10, tem para vender;
Ricos e elegantes pianos.
Superior vicho do Porto em cairas de urna duzia
Balangas derimaes.
Superiores charutos da Baha dos primeiros fa-
bricantes.
Fumo em folha superior.
Pregos e emulas portuguezas ; cujos artigos
vendem por pregos mdicos.
se
Attentjao vantagem.
Com abate de 30 por ceoto se faz todo o ne-
gocio com uns carros de passeio alguns novos, e
outros em bom oso : na ra do Imperador n. 12,
primeiro andar.
Febrelo da especie.
Gotla.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmacoes.
Irregularidades de
mensiruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal do podro.
Manchas na cutis,
Abslruccjio do ventre.
Phtysica ou consump-
go pulmonsr.
Retengao de ourina.
Rheuraalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
po.
Debidade ou falta de
forcas para qualquer
csusa.
Desiiieria.
Dor de garganta.
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfarnidade no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
He-ysipela.
Fetre biliosa.
Felre intermitente.
Yendem se estas pilulas no estabelecimento
gerd de Londres n. 224, Slranda, o na loja
de udos os boticarios droguista e outras pessoas
enearregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana o Hespanha.
Vendem-se as boceiinhas a 800 rs., cada
umi dolas contera urna insirucgiio em portu-
gue para explicar o modo de se usar deslas pi-
lulas.
0 deposito graal em casa do Sr. Soura
pharmaceuiico, na ra da Crnz n. 22 em Per-
namboco.
99 9999999%
9 \ Yettla&tira liquida- j
9 jao de todas aa a- ^
zeadas, roupas ti- 9
tja^ tas a miudezas da g
9 tua do Cabug n.#
i
eXST Burgos Ponce de Len, liquidslsrio
da extincta Arma de Almeida Burgos,
Hg tendo de satisfazer a segunda preslago
A aos credores da mesma firma, d'ora em
* diante passa a expr a venda ainda por
9 meoosdoquetemannuncisdo.com maior
A abatimento do custo, fomente para
apurar dinheiro, grande sortimento de
fazendas para senhoras, homent e
f$ creangas.
3 E' aproveitarem-se para a fests.
N.
20Ra da Imperatriz~N.
KtPilnin nmilik .kA* J_ .._____ ..*.. ...
O bareteiro Ouarte acaba de receber novo sortimento de fazendas que retalha sendo a di-
nheiro aos seguintes pregos como sejam : cassas brdalas propnas para cortinados, babados ou
mosquetearos a 1J600 s pega, cambraia grossa cora 8 varas cada pega ptima fazenda para peneiras
mosqueteiros, satas e forro de vestidos a 1600, mussalinas largas das seguintes cores verde, azul
preta. roza, encarnada e branca a 200 rs. o covado, cortes de rlqoissimas los escuras com babados
contendo cada um corte 24 corados a 10 o corle, velludo de seda da seguintes cores ciozento,
verde szul o preto, encllente fazenda para vestidos de senhora e roupinha de criangas pelo baixo
prego de 2&600 o covado. cortes de cambraia fina com sslpicos miudiohos a 5*. tiras bordadas e n-
tremelos ai ig a pega, golliohas bordadas muito finas a 1, chitas com algum toaue de moo a 160
rs. o covado. peitos para camisas brancos e de cores a 160 rs.
a
DE
Joaquina Francisco dos Santos.
40-lt do Oueimado40
Defronte do becco da Congregago, letreiro verde.
9TTBIJU VENDE-SSEGtJUfTE:
Para casamentas.
Ricos cortes de vestido de 016 ou blond de seda branca com ramo e capelh 0
mais moderno e superior que ha no mercado. '
Para bailes. *
Lindos cortes de vestidos de fil ou blond de toda branca bordados a branco e
coros*
Ditos de tarlitant branca bordados a branco e cores.
Ditot de cambraia branca bordados a branco com muita elegancia.
Ditos de barege de teda de corea com bsrras o listas, novos gostos americanos-
Saias bordadas
Ricassaias de cambraia branca bordadas com o maissporadorosto 0 mal* finas
que ha no mercado. ,,... .. "
Ditas de dita recortados mais biratas. <*>*,*.*"
Para baptisados.
. Reos corteado vestido de cambraia branca bordados com malta .egaocia o
man moderoo e man superior que ha no mercado.
Manteletes.
^mARJpC,?n?.aAl!let6, de ,6d' de <5J0re8 6 Prelot >ordaidotj e lisos com enteites, bem
como arrendados, por pregos commodos. *
Lencos.
Ricos longos de cambraia de liobo bordadoa a 39,49 e5| cada nm.
LiDaiPS,
Ricos chales de tooquim brancos bordados do ponta redonda o do 4 ponas.
Alem das fazendas cima mencionadas tem um grande sortimento de (odas aa
quauaaaet. que oso possivel mencionar-se pelo grande espago que tomara.
SABAO
[Caes do Apollo armazem n. 67J
Deposito do sabio fabricado na saboaria
DA
Os proprietarios deste estabelecimento, o pri-
meiro neste genero e o mais antigo da provincia,
acabam de estabelecer no armazem n. 67 do caes do
Apollo, um deposito de seus bem conhecidos pro-
ductos, consistindo em um variado sortimento de
sabao,desde amarello commum at o superior e ver-
dadeiro massa a preco de 100 a 200 rs a libra con-
forme a qualidade
E' intil dizer-se que o sabo fabricado neste es-
tabelecimento, tem a propriedade de lavar perfeita-
mente a roupa, sem causar-lhe o menor tlamno. o
que nao acontece com muitos outros, que detrioram
o panno dimiouiado assim a durago, averdadedes
taasserco est comprovada pela preferencia que
lhe do os consumidores, melhorameato este devido
ao processo ltimamente em pregad o na manipula-
cao pelo actual fabricante
Para conhecimento dos compradores declara se
que as caixas cootem o seguinte letreiro em forma
ovalFabrica de sabo nacional ra Imperial Per-
nambucoese vende qualquer quantidade de urna
caixa para cima.
ARMAZEM
ROUPA FUTA
k RA DO QUEIMADO Hf46
P/trjpEANDE20KTIMEHT
Sortimento completo de sobrecasacos de psnoo a 25*, 28*, 309 e 359. caaacos muito bem
feitas a 35g, 28g, 30g e 35g, paletota acasacados de panno pretode 10 al 159, ditos de casemira
de cor a 159,18g e 20|. peletots saceos do psnoo e casemira de 89 at 149, ditos saceos de tlpaea
f '5 89 *t 148. ditos do coroo79 at IOS, roupaa para menino de todos ot tsmanhot. grande sorti-
mento de roupaa de brina como sejam caigas, paletots o colletes, sortimento de colletes prelos da
selim, casemira e velludo do 49 a 9g, ditos para canmento a 59069, paletott brancot de bra-
mante a 49*5/, caigas brancaa muito finas a 5g, e um grande sortimento de fazeodat flnt 1 o mo-
dernas, completo sortimento de csaomiras inglezas para homem, menino o senhora, teroultt de
linho ealgodio, chapeot do todeaeda, luvaa do teda de Jouto para homem o aenhora. Te-
moa urna grande fabrica de alfaiate onde recebemot encommendaa de grandes obras, que para
isso esta tendo administrada por am hbil mestre do semelhante arte o um pettotl do mait do
clneoeola obrairoa eseolhidos, portanto execolamos qualquer obra coro proroptidao e mais barato
do quetm oolra qualquer casa.
Joaquim F. dos Santos.
40Ra do Queimado-40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre am sortimento completo de roupa feita de
todss ss qualidades e tambem se manda executar por medida vontade dos regue-
zes para o que tem um dos melhores profettores.
Casacas ue panno preto a 40g,
ue panno preto a
35g e
Sobrecasacos de dito dito a 359 o
Paletots de panno preto e de co-
res a 359, 309, 259.109.189 e 20*000
Ditos de casemira de cores a 229,
15g.129.79e
Ditot de alpaca preta trolla de
velludo fraocezaa a
Ditos de merino selim prelos e
de corts a 9g o
Ditos de alpaca de cores a 59 e
Dilos de alpaca preta a 99,79.59 o
Ditos de brim de cores a 5S,
49500, 49 e
Ditos ds bramante de linho bran-
co a 69, 5g e
Ditos de merino de cordio preto
a tU a
Caigas de casemira preta ede co-
res a 119. I09, 9g, 79 o .
Ditas de prinueza o merino de
cordio preto a*59, 69500 o
Ditaa de brim braoco ede coros a
59. 495OO o
Caleta da ganga do corott
Collete do velludo preto o de co-
ree lisos e bordadoa a 129,99 e
Ditoa do casemira preta o d co-
rea lisos o bordadoa a 61,
59500,59
Ditos de tetim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorgurio de sed*, prelos
e de cores a 79, 69, 49 e
Ditos de brim e fustao branco a
3J500, 29500 e
Stroulas d* brim de linho a 29 e
Ditas do algodio a I96OO o
Camisas de p'eito de fusilo branco
ede cores a 29400 o
Ditaa de peito de linho a 59, 49 3*000
Ditat de madapolio braocas e de
corea s 39, 29500, 29 a
Chapeot pretot de masa frsnceza
forma da ultima moda a 101.
8g500e '
Ditos do feltro a 69, 59, 49 e
Ditoa de sol de aeda ingletet e
frtncezesal4g, 119, llg o
Colarinhos de linho muito Unos
noros feitioa da ultima moda a
Ditos de algodio
Relogios de onro patente o hori-
zontal a lOOg, 909. 80g e 70J0O0
Ditos de prata galvanisados pa-
tente e horizontaea a 409 e SOgOOo
Obrtt de ouro, tderecoa e meiot
aderecos, pulceiras, rozstas e
sneis a 9
Toalhaa de linho duzia lOg, 69 o 9gO0Q
3|500 Ditas grandes para mesa ama 39 e 4OOo
309000
301000
99OOO
109000
84000
39500
3J500
395OO
49000
89000
69000
49500
2g500
39000
89000
59000
5000
59000
39000
29200
1280
29200
lg600
79000
29000
79OOO
9800
9500


46
mimmii mmmnm*i *MU.tiimoi niMynig mimi.
<,

Francisco Fernaodes Durte
LargodaPela
Continua-se a vender neste armazem de molhados oa
melhores genero que vem ao mercado, e por muito meaos prego do que em outr qualquer porte,
pira o que recebe o propietario em todo* os vapores da Europa, a maior parte de eeus ganaros,
eseolhidoi por peasoas encarregadaa, para este um ; por isso novamente participa aos teas freguezes,
ooi a nos Srs. da praga como de eogeohos e lavar Jores, que queiram seguir em pregreao, que
nao deixem o meos de comprar a primeira Tez suas eucommendas, certo de que bao de gostar,
para o que alo se pouparSo os propietarios, em prestar toda atteocao, e mesmo em seriros por-
ladores meos pralicos, lao besa como se visasen) os Srs. pessoalmeote; e abaixo menstonamoe
os precos de signos gesteras, per onde se podo ulgar que rendemos baraUssisae.
Mamtelga l\gVeWI mals superior ene ha o marcado a 800 rs e 19000 a libra em
barril ae fari batimento.
ova a 640 rs. a Ubre em barril a 600 rs.
2*800,
1|609,
Candieiros a gaz,
O proqrielario da nova eaposica dos candiel-
Hget avisa ao publico em gersl, qua se acha
re sordo com atando e raare! sortimsoio
bdleiros desde 6 mais barato at o mais caro,
TeXtdrtrsmente ecoooftico. reeonhecfdo verde-
deirameote por todos os coosumideres : na ras
Nov ns. 20 e 2, Citneiro Visos.
fiesta mesa etaosigo ae encontrar* no vs-
riaaroiserssrasatoB eaanssiaaaa .acasos nadas
aawiaalHMideB im per #}** aa pode apreciar ea
leus deseohos, um rlqtjisioao sortimeoto 4a
quioquHhariai, conendo entre ellas riquissimos
vava torios para qaartes {gesto ehinat), uo vari'
le sertimeaae de baiaips os ladea os preparos
paja viagea, contando pretoa, facaa, epos e ou-
tros frascos par* opicionar, lejo da engasa-
mar a vapor, machinas de bater otos a vapor,
seeniaaa de fevet caf a vapor, espregerdes -Ae
doua canos tronzadas e de alcance, ana pajea da
atando, outros uitot objectos qae se adem
jbo precos diminutos afra acabar: ra Nova
ea mero SO.'
I grande liquidaco da
loja do Pavo,
Na ra da Imperatriz n. 60
DE
Gama Terreno na ruadoBrum.
2
A/sebe de bagar a erfe >st.b>lMeato um
grande e variado sortimeaio da (aseadas psapriss
psra a fests, e seusdonos resolveram veodoreos-
nas por presos bsratissimos, por estar no flm do
anno e queraaera apenar diafcako, cano sejam :
lassas.
Um lindo sortimeoto de cassaa de versea coras
quatiades, qoe vendem a 140 e 180 rs. o co-
rado.
tUrUhontinai >-/ n O
' Veode-se brilhaotios de quadriohos a 240 rs.
e-covado : aa ra da Imperatriz a. 60, laja do
Pavo. i
Chitas a 240.
Vende-se nissiinas chitis (rancezas escuras e
alegres. Uzeada que sempre se venden por urna
pitaes a acaba-e a 240 rs. o catado : na .ra da
Imperatriz n. 60vloja do Pavo.
Musseiina a duzentos rs.
loa naate ultimo vapor a 3#900, ditos do vapor paseado
tercado a 480 n. a libra
ManteAgpt traneeza muiUll
Cha perola, Viysson e preto M m,ia iaperores do mercad0
a f|6G0 rs a libra e afiangs-se a boa qualldade.
Quecos Ao raimo hegtd
39000.
QlieiJOS Van itinoa de ,perlor qualidade e muito trescaes a 1*000 ra. a libia, o
enteiro ae faz abatimeolo.
P t eiUlila \HglvJ2. propiioa para fiambre a 900 re. a libra, eos porcia a tari abali-
mente.
Pr^XUlltO do W1M 0 ,ue ha da bom oeste genero a 480 n. a libra e inteiro
40.
a OUCllllll lllgVt Zi encctCid0 e coslelletss proprias para fiambre a 800 rs. a libra.
SAlADKi 0 ueifcK petitco que pede haver por estar prompto a toda a har a 19 a Mbra.
T oueinho lo reino 360 rs Ubri e arroba ,9,50o
Cnouricaa* paios *, now, ^.. ubtl.
H&n\ia Ae poreo refinada, Bail alva ,M ha n0
e em barril a 440 ra. .
A.ZetonaS matO llOVaS 1J000 rs. a ancoreta. e em garrafa 310 ra.
L.atft* COm boVaxinVia A* SOda canlen(l0 gerente, cualidades a t440 e
em posco ae far abatimecto.
fld.5.ja a \OafaaliO a raas no?a d0 vacnAo em lats de urna libra por 9M rs., ditu de
duas ditas por l7O0.
VariUeada mpOTial d0 afamad0 Abreu e de outros mullos fabricantes de Lisboa
a 19 a libra, em latas de 2 libras pdr 1*800.
EiTVllaS iraiieezaS melhorei que se pode desejar em ueias latas por 500 rs.,
tambera tem portugueza me latas enleiras a 640 rs.
C.nOCOlatQ IraneeZ 9 hespanhol ehegado peste ultimo vapor a i$200 a libra.
I r SStS j^pM,,,,, Moim a,8oo rs. a libra.
UOCC dO alBerehO tn ut88 de t ,ibrag elegantemente anfetlsdas a 10200 cada urna.
ISpermaSete |Uper4or de 4, 5 e< em libra a 760 rs. e em caixa a 740 ra.
LiataS CORl peiXe CM WOSta das melhores quaUdades que ha em Portugal a
1*400. .
iVmendoas confetdas, 1S.librai dlagemml0l0,mttum om ca8Ca
a 480 rs.
iVOieS O CaStaahaS piladas muito novas a 160 rs. a libra.
LiStTailiaiia para 80pa a 610 rs a libr, e em ctixiDhas de 6 a 8 libras se fet abatimenlo.
Mttria, macaTTao e ta\h% tim a m rs, Ubr. i e .,.
Scvadimha
Faraha
" OHia ,je engommar, o que se pie desejar por ser muito alva a 100 rs. a libra.
.ipis**a muito novoelimpoa 160 rs a libra e em porcio se far abstimento.
J ve o respeitsvelpublico, qoe afianesndo-se a boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende muito barato, e pelos quaes se poder julgar lodos os demais que oio foram an-
nunciados. .

CamhTaVa Ua.
Vende-aa cambraia Usa transparente muUe flj-
ns, pelo barato preco de 4 e 5| pe?a com 8 i|2
varase dita tspsda muHo superior, p*ea de 10
varas a M : as ras da Qaaieaade a. 11, na loja
dabosf.
U ramaatfi aVa\hada de
Vvuao.
Venda-aesaaarterbraanaale de paro UqbO c*m
duss varas de largura a.laiOO a vara, assim como
stoslhado adamascado tan be m de puro liobo,
cora 8 palmea de largara a 2*500 a vara: na bera
coohecida loja da bea na ra do Qaaimado aa-
mero 22.
Cavias de ca\j&.
Vendera-aa cortes de cal;a de meta caaemira
de cates escarss a 2$ cada corte ; aa loja di boa
f, na ra de Quelmedo n. 29.
Disleote da cidade de Olioda meaos de 400
bragas, bfira da estrada do norte, vende-ie um
sitio com boa baia para capiw. casa para fami-
lia, e casa para tabaraacom armaco, oe oeihor
localidade que poaaUel para negocio, baa caa
tanto para beber como para lavagem etc., tan-
tem ae aluge : quem pretender dirija -ae Olin-
da a eatender-ee com o Sr. tenente tlaaeel Die-
nizio Goaiea aa i Reg.
ocovado
francesa rouito nova a 140 rs. a libra.
do Murando
tuulto alva echeirosa a 160 rs.
Aitenco.
V^nde-sa um sobrado de dous andares e um I
solo em urna das priocipaes ras da freguezia na rua do Queimado n. 89 loja de quatro
de Santo Antonio, que d de reodimento 1 500*.' portes que ae vende os melhores chapeos de se-
Vendo-se tambem na raesma freguezia alguosj da de formas mais modernas e bom gosto.
terreos prounos para edidear, lendo duas fren- i
tes : quem pretender dirija-se ao Forte do Mal-
los, no largo da Auembla, sobrado o. 10, se-
guodo andar.
Mantas de retroz,
Vendem-se msnlas de retroz para grvalas a
500 rs. : na rua do Queimado n. 12, na loja da
boa f.
Mai&asaMasaasaa mauuaiiaiuaajraw
S Veode-se na loja de Nabuco & C. na Ot
% rua Nova n. 2. os mais modernos chpeos S
{ de palha a Traviata para aenhoras, ditos tt
a Garibaldi, ditos a Carour, ditos de seda
a turca para meoioo9, ditos de palha a 9a
Garibaldi, ditos s hespanhois, e de ou- J
Ir.is muitasqualidades tanto de seda co- la
modo palha que ss vendem mais barato S
do queem outrs qualquer parle.
'&&rrK,yfc>%& tM'St^SHb QaB^srg^asB
, ^T3J^ UIUV W*WP l*l w*m*0 KV WW WWW M^ g^
Nabuco & C. com loja na rus Novs o. aa
2, re.ceberam pelo ultimo navio um lindu ?
sortimenlo de eofeites de troco com vi- Sh
drilhos, ditos de retroz prelo e de cores, X
ditos de filas e flores, ricas grioaldss pa- Jg
ra noivas, e outros muilos eofeites que
l se veodem barato.
|*fcWOtR, rfmd^SrV Srs*AasnBSf ftIPtfry,vSrKf
Rap franceZa
Vende-se na loja de Nabuco & G. Da
rus Nova n. 2, rap francs a 3* a libra.
Nabuco & C. com loja na rua Nova n. ]
2| aesbam de receber pelo ultimo navio |
fraorez um llajdo sortimeoto de vestoa- 3
ros para meninos de i a 6 annos, como
sejam vestuarios de velludo, ditos de se-
da, ditos de merino, ditos de fuslo bor-
dados e de oulras guilas qualidsdes. aue
se vendem mats barato do que em outrs
qualquer parte.
kask2aa2ktfaafjfi fiflBfil&^ttaflSSlSl
I WWsf WWmzfttn n^mWl^m W!m Wiro W IsWrw P"Jw J
Sintos para senhora.
Vende-se oa loja de Nabuco & C. na
l rua Movan.2, ricos aiotos dourados, di-
Etos prateados, ditos de fitas de seda e de
velludo, ludo por preco commodo.
Na rua de S.
Jos n. 2.
Veude-se muito bons gneros sonde anuncia
os seguales: vioho do Porto a garrafa 800 rs. a
caada a 6(000, Figueira a720 rs.. Lisboa 600 rs.,
ditos mais baizos a caada 3J600 rs., ditos em
garrafado do Porto 1J110 rs., ditos baixos 500 e
560 rs., vinagre de Lisbda 310 a caada 1*400
rs., marrasquinho 1*400, vinho Bordeaui a I*.
marmellada de 2 libras a I $900 rs., ditas de libra
e meia a 1J600 rs., frucias de calda a lgOOO. pe-
ras, ginjas, pecego e raioha Claudia latas de pei-
xe grandes a 1*800 rs., masa de tomate 12000
a libra, manteiga ingleza 800 rs., dita f/anceza
720 rs., banha refinada 560. queijos do reino
2*800 rs., fiambre ingles a 710 rs presunto do
reioo a 480a libra ; compram-ae cobres velhos,
as pessoas que tiverem dirija-se a mesma que pa
gar-se-ha, comoesliver cha hyson a 2*800ditodo
Rio em lata a libra 2*300 e 2* 100 rs., caf em
caroco a 320, 380 e 160. asstm como lodos mais
gneros, vende-se mais baratos do que em outra
qualquer parte, assim como ltoguica do serto a
a 400 rs. libra.
*
Nova california s
Industria americana'
Calgado barato para hornera.
Na rua estrita do Rosario, loja de calcado con-
fronte a Igreje onde fot onfeitaria, rende t di-
uheiro aomenteaapatoscordovo rasos abarla as
frente a 28400, sapatoes de lustro, furnia mais
a 5*500, sapatos de entrada baja com asi, a
48800, ditos ditos sera salto a 3*000, borzsjuios
de besatra a 6*000. ditos de rastrea 0*000,sapa-
tes de becerro > 8S500, ditos da vaqueta e be-
zerro a 4*500 e 5*000. P<" meninos, botas de
bezerro a 2*500, oitos de dito de batera a 3*000
ditos de lustre a 3*300, ditos de bezerro abotina-
dos sem salto a 2*400, ditos de dito dito com sal-
lo a 28700. l'ara aenbora botinas de cores sem
sallo a 3*000. ditaa de ditas oom salto a 4J0O,
ditas de aetim branco sem sallo a 6*01)0, aapates
de dito dito aSSOOO, botinas de raarroquim sem
salto a 2*000, ditas ditas de sola grossa a 2|500,
sapatos d eordovao oom salto a 1*500.
Tinta preta para escrever
Vende-se excellente tinta preta para eeerevtr
a 600 rg. a garrafa ; na linaria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia.
Rua da Imperatriz n. 76
Vende-se urna armario propria para qualquer
negocio : quem a preleoder, dirija-se a mesma
casa, que encontrar com quem tratar. )\
Veodem-se duas casas terreas com urna
mei-agua nos fundos, quintal e cacimba, terrenos
propros. quintal murado al o meio, situados na
rua di Esperanza ou Caminho Novo do bairrs da
Boa-Vista : a tratar na mesma rua n. 45.
Vende-se muselina branca coas 4 a meio pal-
mos de largura a 200 reis o covado e ditas de
corea matizadas largara de chita a 200 reis o co-
rada na rua da Imsaratriz o. 00 laja d Povo.
S o Pavao em li-
quidaco.
Ricos sintos dourados liaos e com listinhas a
a9500, esleinhas bordadas para meninos a 1*000,
gotlinhas cora manguitos a 1*600, gellinhas de
trsspasso a lf, oitas sem ser de traspasso a 500
rs. loas de seda em perfeito estada a 500 rs. o
par, chspos de sol de seda com franja muito de-
licados psra senhora a 8*500, chatos grandes de
merino a 2*>00, ditos de rede bordados a S* cada
ara, manguitos de cambraia bordados muito finos'
a 800 e 18- enfeitea pera eabeea a 1*, para me-
ninas a 640 ra.
Para homem.
Vende-se na Toja do Pavao um completo sor-
timeoto de roupas, como sejam : palitos de pao-
no e casemira de todaa sa cores, caigas de case-
mira preta e de cores, ditaa de brim de todas as
qualidades, camisas francesas tanto para homem
como para meninos por pre;os mais coamodos
do que em outra qualquer parte. Do-se amos-
tras de todas ss fazendss que em nossos annun-
cios se v, deixando ficar penhor : na rua da Im-
peratriz n. 60, onde tem dm pavo pintado do
lado de fora, e para nao haver engaos de noite
tem um distico por meio de urna luz esa que diz
O PAVAO.
Lazinhas a 280 rs. o
Vende-se nm excellente lerreno na rua d
Brum.jaolo a fabrica e fun*c.o a^M. ao lado
doQaraa|omo palmes de lapmaVtetado seu
compfmento e 300 palmos dVfcnddTAteTfa'o!
perfeitaaMMe, cora caoo da esgota e eaae m uito
propriTpsrs edileacea daam grande a rana era
de sssucar quem o pretender dirija-se mes-
ma fabrica.
' '-<-*> Veade-se ora eserardffs ids and M,,
rtbusHa booiu flgsxs, aera sioioa e aa aen a-
ques : na rus de Aguss-Verdes n. 13, sobrado.
Canoa e espirito.
Jeade-se aguaraextla da caaaa engarrafada a
rs. a garrsfs, afprrMa de a4oh>HroOa ca-
ada ; di travessa do paleo do Paraizo o. 18, ta-
berna de duas portaa.
Grande pechindia na Ca-
lifornia.
Biscado de quadriohos azul e brancos, proario
psra rouaa de ascravos a 160 rs. o covado : aa
rua da Imperatriz n. 48, jante a padaria fraooeaa.
Vende-se urna morada de casa terrea sita
no becco do Pociohe. freguezia 4a Smio Amo-
nio, com bastantes mmajados, a par mdico pre-
co : quem preteoder dirija-se ao mesmo becco,
cata a. 10, que achara com quem tratir.
pechincba.
Pe^as de cambraia lisa de 8 4\1 varas a 2*500:
na rua do Quaimao #,44.
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
A G. successores ru da Cruz
numero 4.
Vaodera-secarros americanos mol elegantes
a Uves para duas e pessoas recebem-ee en-
commendaepara oaja flaa eHaa pasaueaa map-
pas com varioa desenos, tambem vendem car-
rocaa oara conduces o de assucar etc.
Na rua do Sebo, taberna o. 54, vande-ae ae-
mente de salsa muito nova, viuda da Porto pelo
ultimo navio.
Veaoe-M no armacem da Joa Antonio Mo-
reira Dias \ C, rus da Cruz o. 16 :
Safras a tornos para ferreiro.
Perro anecio am barre.
Liohas da carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
Espingardas francezas muito finas em caixis de
par si.
Perros de lati para engoramar.
Pregos francezes de todos os tamanhos.
Ditos batel grande.
Ditos da conslruc^ao.
Bracos grandes para balanza.
Espingardas lazarinas.
Glavinatea ingleses.
contas
nhores de engentas; polscoas aa, lae.ee de vis.
ts podem saber o Iraoorte da tjaastaqaer qasoti-
ale de arrobas a libras ; vaaaN-aa avHria
eceneratca top do arca do OaaloAatoara, 1 To-
lame aoadernsdo pelo pre^o de a*.
,atteD0.
covado.
9
DE
Fitas de chamalo-
. te muito boas e
bonitas.
A loja d'aguU branca acaba de receber pelo va-
por ioglez sua aneommeods de boss, bonltss e
largas filas de chamelote brancas e outras cores,
as quaes sao excedentes para cintos, lieos, etc.,
de vestidos para casamentse bailes, assim como
psra lagos de bouquetes, cinteiros de criam
aauitas oulras diversas CQusai, e como de seu
costume os precos sao menores do que era outra
qualquer parle; assim quem munido de dinhei-
ro, dingir-se a rus do Queimado loja d'aguia
branca o. 16, seri bem servido.
ViUVaXta t\ sJtmv\al.
Veadesn-so as verdsdef ras luvss de Jen vio, che-
gadas por ale ultimo paquete da Europa : rja
afloja guia de ouro, rus do Cibofi n. B.
Fazendas baratas.
Na roa da Imperatriz n. 48, junto aj
padaria franceza.
9 Cortes de cambraia branca com babadl- J
nhos 49 e 4500 superior 50. cambraia li-
9 za com 8 1|2vara3S. 35O0, 40, ditas de J
I Escossia 59, e.63, ricos enfeites para se- J
nbora 6JK e6S500. sintos os mais delicados
9 para senhora 29500,39, chapelioa para cri- '
anQa gosto ingles 3>oO0,4J, para baptlsado
39, corles de vestido de seda Escosseza de 9
bonitos gosto 129 oslao se acabaodo, ri-
eos lencos delabyriotho 19,1J100. chapeo
de sol para senhora de bonitas cores, liaos
55, cabo de marfim 59500, corles de cara- #
braia brancos com ffdr de seda 59. risca- #
do francez 100 ris o covado, completos dj
sortimeotos de baldes de arcos 39, sorti- 0
meotos de meias para menino e menina (J
100 a 140 ris o par. chales de tarlalana
de cores a 640 ris. lengos branco com bar- CJ
ras 160 ris chitas inglezss a 180 e 200 ra. dj
dita franceza a 240 e 280 rs. o covado fj
pecas de cambraia de forro com 9 taraa dj
a 29 : junto a padaria frsocezan. 48.

CassasGaribrildinas.
Veodem-se osases a 200,240 e 280 o covado,
enancas e { ditas muito finas a 320 360 o covado, Isazieha
para vestidos 280 o covado, ditasenoezas entes-
tadas a 400 rs. a covado, saias da cordo que ser-
ve de balan a 29400,. ditos de madapoln a 39,
hitas s 160,180 e 300 rs. o covado, ditas frsu-
cezss a 220, 240e 2U0 o casado : oa ruada Im-
peratriz, loja da arara de 4 purtas o. 56, de Ha-
galbaes & lleudes.
N. U.Bieber & C. successores, rui da Craz
Tricoptieroiis.
Uqco preservativo das caspas
1 e da calvice.
Continua-se e encontrar : na rua do Queima-
do o. 6.
Agulhas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca, tendo em vista sempre
vender o bom, mandou vir de sua coota essas
superiores agulhas imperiaes. as quaes acabam
de chegar (pela primeira vez] lando os fundos
dourados e pootas raui bem tiradas,-e cusa cada
capel 160 rs. Cozer-se com urna agulha assim
boa, anima e adiants i quem trabalha, por isso
dirigirem.se rua do Queimado loja d'aguia
brenca n. 16, que aero bem servidos.
RaadaSenxalaNoTan.42
Venda-sa em easadaS. P.Jonhston 4C,
sitiase iilh5esuglezes,eandeeroecastices
bromeados,lonas nglexes, fio devela,chicote
paraearrot, a montana ,arrio*para arroda
un alous cvalos relogio ida ouro psunte
nglai.
iayjnpias.
Vende-se salitre de primeira qualidade por me-
nos do gue era outra qualquar parte : no arma-
zn de Antonio Cessrio Moreira Dias, no Forte
do Mallos, rua da Hoeda n. 27.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraet Ir-
mao, na rua do Queimado n. 65.
Cartdei de clcheles francezes com 14 pares a
20 ra.
Pentes de masss douradoa muito finos imitsado
tartaruga a 640.
Esjartilhospaia senhora, que sempre se ven-
dersm e 6f, por 2O500.
Trancas de lia para vestido, s pega a 40 ra.
Lia cara bordar muito fina e lindas cores, a li-
bra a 79.
liassoscom grampss a 40 rs.
Liabas atara-bordar, a. misda-a 40 rs.
Ditas de peso muito finas, miada grande a 140.
Franjas de lioho para vestidos, a vare a 120.
Appsrelbos de porcelana para meninos, pinta-
dos* dourados a 1900, 2f. 29500 e 39.
Cartas cora abneles a 100 es.
Paoeis com aloetei clbeca chata a 40 rs.
Eofeites pareaaohera muito finos a 3, 4 e 7*.
Sintos muito finos para aeohora a 2k e 29500.
Meias de laia e pretas psaa padre que sempre
se veoderam a 19 a 640 ra.
Eofeites com flores 1 ara aeohora a lf.
Colherea de metal muito floa para sopa a 10}
ra. a duzia.
Garfos do mesmo metal a 49000 a duzia.
Assim como outras muitas miudezaa finas a ba-
ratas, que deiamos da mencionar, para oio sa
tornar tanta znasaads.
Veadem-se lazinhas de quadros para vesti-
do, fazenda de apurado gosto a 280 o covado;
na rua da Imperatriz o.60, loja do Pavao.
La chineza a 400 rs.
Veode-se lazinhas entestadas a 400 rs. o co-
vado: na rua da Imperatriz o. 60, loja do Pavo.
Gambraias de seda.
Vendeas-ae finiaatmos coates de cimbris de
seda com dous baados e de aparado gosto a
4}OO cada c6rte : na loja do Pavo.
Vestidos brancos.
Vendem-se flnissimos cortes de cambraia la-
vrada com babados e duas saias. fazenda que se
vende em qualquer parte a 89000 rs o Pavo
eal torrando por quatro mil ris, ditos com bar-
ras bordados a 2g500, 3} e 39500: na rua da Im-
peratriz n. 60.
Gambraias de sal-
picosa 4#000.
Vende-se cambraia bracea com sslpicos miudi-
nhos, lendo 8 X *aras cada corte, pelo baratis-
simo preco de 48000, sendo fazenda que sempre
se vendeu s 79000: na rus da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
CASSAS LAVRAOAS.
Vende-se cassas lavradas fazeoea do ultimo
gosto pelo baratissimo prego do 3J500 : na rua da
Imperatiiz n. 60, loja do Pavo.
Sedas a covados.
Vende-se grsdensoles preto muito incorpsdo
a 19600,19800 e 29000, dito cOr de rosa, azul e
amarello, sarja branca larrada para vestidos de
noivas, e outras qualidades de sedas por pregos
baralissimos : na rus da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
CHAPELIHAS
a 6^000 cada urna.
8
I
E pechincha
Vende-se chapelinas modernas enfeitadas com
muito gosto para senhora a 6?000 cada urna: na
rua da Imperatriz n. 60. loja do Pavo.
Lencos para mo.
Vendem-se muito delicados lencinhos de cam-
braia de lioho com labyrintho a 1$500, ditos de
moilo gosto a imitsco de labyrtotho a 800 e
IgOOO: na rua da Imperatriz n. 60, loja do
Pavo.
Madapolo enfestado a
tres mil ris.
Vende-se pecas de maddpolao enfestado com
12 varas a peja: na rua da Imperatriz n. 60 loja
do Pavo.
Phantasia asis mil ris
Veode-se muito ricos vestidos de fsntazia com
babados de muito bom gosto, fazendas de 129000,
por 69OOO, na rua da Imperatriz n. 60 loja do
Pavo.
Filos.
Vende-se fil de linho bordado fazenda muito
fina a 19000 a vara, dito lizo a 800 rs., tarlalana
branca e de todas as cores a 800 rs. a rara; aa
loja do Pavo.
Vestuarios a cinco mil
ris.
Ricos vestuarios de seda para meninos, fazenda
de 119 por 59000 ; na rua da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Gambraias lisas.
Vendem-se pecas de caasbraias lisas, fazenda
muito fina, rom 10 e meia vara cada peca, pelo
preco de 59OOO a peca, ditaa de 8 e meia varas a
19500, 89, 39500 e 4g, ditos de 6 emeia ara a 29
e 19500 a peca, ditos para forro oom 8 e meia va-
ras a 15*00 e 29 : na rua da Imperatriz, loja do
Pavo.
Baldes sem ferro a
* 84200.
Vendem-se muito superiores saias de cordo
que fezem aa vetes de balo, tornando-se mais
recomraeodavets por se poderem lavsr eeogom-
mar, a 89200 cada urna: na rua da Imperatriz o.
60, laja do Pari.
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
B4ST0S k REG
Na rua Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res u. 47.
Ora araode a variado sortimeaio da
roupas Taitas, calcados o fazendas e todos
tes se vendem por preces mnito modi-
ficados como e de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
a cosacos feitos pelos ltimos figurines a
269,289, 309 e a 359. paleto ts dos meamos
pannos preto a 16|, 18|. 209 a a 1*9,
ditos de casemira de cor msela do e de
novos oadres a 149.169. 189.209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 09. 109,129 a a 149. ditaa pr el os pe-
lo diminuto preco de89, 109, e 12$, ditos
de sarja de seda a sobrecasacadoa a 129,
ditoa -de merino de cordao a 129, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
ditoa de alpscs preta a 79. 89, 99 e a 109.
ditos saceos pratos a 49, ditoa de palha de
aeda fazenda muito superior a 49500, di-
toa da brim pardo e de fusto a 39500, 49
a a 49500, ditoa de fusto branco a 49,
grande quanlidade de calesa de casemira
preta e de carea a 79. 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de cores
finas alJ500, 3>, 3*500 e a 4g, ditaa de
brim brancos finas a 49500,5f, 59500 a a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6f, col le tes
de gorguro preto o de cores a 5g e a 6f,
ditos de casemira de cor o pretoa a 4f,500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 4|,
ditos de merio para luto a 49 e a 49500,
caigas de merio para luto a 4$500 ea5$,
capas de borracha a 99* Para meninos
de todas os tamanhos : calcas de caaemira
prefa e da cor a 5g, 69 e a 79, dilaa ditaa
de brim a 2, 39 e a 39500, pal tota sac-
eos oe casemira preta a 65 e a 79, ditos
de cor a 69 a a 75, ditos de alpaca al89,
aobrecasacoa de panno preto a 129 a a
14, ditoa de alpaca preta a 59, boneta
para menino de todaa as qualidades, ca- 1
misas psra meninos de todos os tamanhos, S
meios ricos vestidos de cambraia feitoa 1
para meoinaa de 5 a 8 annos com cinco o
babados lisos a 89 e a 125, ditos de gorga- %
rao de cor e de la a 59 e a 69, ditos de

brim a 39, ditos de cambraia ricamente 8
bordadoa para baptisados,e muitas outraa !R
fazendaa e roupas feitaa que deizam de
ser mencionadas pela sua grandequanti- 1
dade ; assim como recebe-se toda equal- i
quer encommenda de roupas para ae
mandar manufacturar e qua para este flm i
temos um completo sortimeoto de f azen- m
das de gosto e urna grande officina da al- S
faiate dirigida por um hbil meatre que lf
pela auapromptid eperfeico nadadei-S
zaa desejar. m
dK:iesie^-;is-;teraeK^M;g
Na rui Direiti a 60, 2* andar,, veadeawe as
obje.ctos seguales, a saber: ueaw de eeosales,
urna mesa de meto de sala com Umps da saet-
n ore, e um parda blocas, luda da jaweenaa-
em bom estado; tambem se vendem asnas atusia
cas e uos melhoAos modernos, ama serpealioe
de bronze e ama banca de parlaallo, todo por
preco commodo.
Aoa tabaquistas.
Venllem-se superiores lencos trncales a lral-
tacio dos de Kobo, cavile proprios para os taba-
quistas por seren de cores escaras e flus, palo
baratissimo preco de 5 e 65 a duzia : aa rua do
Queimado n. 22, na bera coohecida lija daboaf.
Fil liso e tarlatana.
Vende-se superior filo liso e tarlatana branca
e de cores, pelo biratiaairoo prego de 800 rs. a
vara ; na bm coohecida loja da boa f, na roa
do Qaeimado a. 21.
ToaWias *tt* mao a. .
Veodem-se moito basa soarbas para mos pelo
barato prego de 59 dada ; na na do Qaeima-
do n. 22, na jeja da boa f.
Ricos enleiti.
Vendem-ie rices a superiores eofeites oa mais
modernos que ha, pretoa e de cores, pelo bara-
tissimo preco de 6 e I9SOO aa loja da boa f,
aa rua do Queimado n. 2.
Cambraia de core.
Vendem-se cambraisa francezas da lindaa co-
rea, pelo baratissimo preco de 280 o covado ; na
rua do Queimado o. 22, pa bera coohecida loja
da boa f.
Cambraia* franceza* finitiyaaai
Superiores caasbraias francezas muito fines, do
muito bonitos padrosa, pelo barato preco da 700
rs. a vara : a loja da boa f, na roa de ?atina-
do n. 22.
Vendem se os erigen hos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moeutes e correntes e
(Tagua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de eoge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a rua da Gadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Atteocao
36-Kua Ntvva-36
Aitenco
Corles de bareg de seda com 30 covados a ltf.
corles de lia com 24 covados a 55, Rsse de seda
oom lindas.floras a matiz, covado a 800 rs., pe-
cinhas de ntremelos com 3 1)2 varas a 19200,
n. 4, lem para vender relogos para slgibeira da uno fusto de collete a 19200 ; na ra do Quei-
aaw puta. nudo a. 44.
Taixas.
Maior reducqao no* preqos para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Son & C.
na rua da Moeda, taizaa de ferro cuado do mui
acreditado fabricante Edwin Miw a 100 rs. por
libra, as mesmi* Vendem-se caixSes vasios proprios
para baliuleiro,unileiros etc. a 1$280:
quetn pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem ostem
para vender.
Vndese
na rua do Queimado n. 19
o seguinte.
Pecas de esmbrafa 6na adamascada para corti-
nado com 8 \[t varas,pelo barato preco de 59(00.
Toalhaa de liaho adamascado pars mesa a 49-
Csmbraias de salpico (raudos muito linda* o
99 a pe?, ditas de ditos miodiohos Anas a 9500.
Leocoea de bramante de limho a 99000.
Cambraia ailada psra forro da veatido, can'
8 112 varas a peca por 29.
Grandes colchas de fusto lavradas a 09.
Chapeos enfeitados muito lindos, proprios para
meninos a 79 cada' san.
Cobertas de chita, gosto chioex, a 11000.
Ricis apellas para noiva, de flor de Israoja.
Aicodao cora 7 palmos de largo a 600 rs. a vara
Leocses de panno de lioho a 19900.
Veude-se
Axeite de deude.
Aieiie Oe amendoim.
Aseile de petre.
Tudo os Porto do Uattos ou larto da Assejn -
bloa a. I.
Nesla casa eocoolraro sempre um graadt sor-
timento de relogios de elgibeira, de ouro a de
prala, patentea e borlsantaes, suissos; assim no-
mo um completo sortimenlo de relogios da para-
de ede bancas, dos melhores fabrcenles posai-
vel. Faz tambem qualquer concorlo de relogios,
spja qual for a qualidade, e o estado de ruina, ss
concerlos sao aangidos.
Atteocao.
Wude-se confronte o porto da fortaleza das
Cinco Pontaa oseguiote : carrosas para boi, di-
tas psra cavallos para agua, carrinho para traba-
Ihar oa aHaodega, ditos de me, rodas pera car-
rocas e cirrinhos, pisos, torrsdores de caf com
tc-gao, boceas de torno, baodeiras, ferros de rol-
las de todas as qualidaJes, dobridicas de chum-
bar de lodosos taminhos, fechaduras de ferrolbo,
ferrolho de chapas, ferro de embutir da todos os
tamanhos, e porto de ferro.
S00e400.
O rival sem segundo na rna do Queimado nu-
mero 55. est queimando as seguales miudezas
por pregos que a todos devera admirar tanto pe-
las suas qualidades, como tambem pelos pregos.
A ellas sotes que se scabem.
Crozas de peonas de ac a 400 rs.
Ditas de mozinha, muito Anas a 500 rs.
Caitas com agulhas francezas a 120 rs
Caitas com aparelhos para divertir meninos a
240 rs.
Ditas muito finas e grandes a 500 ra.
Crozas de boloes de osso pequeos a 120 rs.
Ditas de ditos de touca a 120 rs.
Duiias de baralhos portuguezesa 19400.
Tesouraa muito Qnae para unhas a 400 ra.
Ditaa para costuras mullo finas a 400 rs.
Baralhos muilo finos para vollerele a 210 ra.
Agulheiroa com agulhas a 80 rs.
Caivete de aparar penosa a 80 ra.
Ditos com duas folbas a 160 e 240.
Pegas de t ranga de lia de todas ss cores a
200 ra.
Pegas de franja de la de todas aa corea a 800 rs.
Spalos de (ranga da 18a finos a 19300.
Cartas daalfioetes francezeaa 100 rs.
Caias do ditos ditos a 60 rs.
Escoras para limpar denles muito fiaas a fOOrs.
Massos de grampos superiores a 40 rs.
Cartas com colietes com defeito a 20 rs.
Ditis ditaa superiores a 40 rs.
Didaes de ago para seohoras a 100 rs.
Apitoa de chumbo para meninos a 90 ra.
Enfiadores para vestidos com 4 varas a 80 rs.
Csixas com clcheles francezes a 40 rs.
Cartas de alfineles para armador a 100 rs.
Fios de coral de raz a 640 rs.
Chsvuteiras muito unas a I9OO.
[50 A-Rua da Cadeia do Recife-50 AJ
.500, 1#, 2^500,1
4#500e5#.
Naooel Congilves de Oliveira Saaloe,
acaba de arrematar urna porcia de fs- '
sendas moito barato e por iste vende ba-
rato para vender moito, vende muito pa-
ra vender barato gravitas de seda a 500
rs., enfelle de vidrilho qnn se tem vendi-
do por 49 19 chapeo de sol para ae-
ohora a 29SOO. ditas d cabeca a garibal-
di a 495OO e 55, venham a este esiabele-
cimento ver estas pechiochas que admira.
Relogios.
Vsnda-aa emeasa de Johnston Patar 4 C,
rua do Vigario n. S um bailo sortimeoto lo
relogios da ouro, patele ingles, deute doamais
afamados fabricantes de Liverpool; tamben
ama variadada da bonitos triBcaliaspara os
mesaos.
A t tencao.
Ns rua do Trapiche n. 40. em cisa do lockor
Rooker C. eiiste om boa lortssalo do sia-
I has de cores e brincas a om satrotota do asotaor
fabricante de Inglaterra asquees sa vaadeapor
I precos asi ralbarais.



-
Delicadastmvasl

..jmiar.jpuK.'4iBovhr u*-Men*** n. mm
de 4 portas.
Ve****** da*** verde, preto, mi cor da
{.lites.
Mi WrirtWi mora pira limpar pentes
aee**aria qaafqtttr mucador, e com
alldade to :&&#*$&; rsr
Navalhas d'aco
com cabo de marfira.
Venda-a* amfacja d'aguia branca mu Haas na-
!
ora cabes de marflove
vajhasd^c* ,
para acseguxar-s*. a. bandado. deUaa Mato daaei*.
f* VW<#WM* ,ajwa4trdeslo*rioaav.
teRod2T2fc**i^ *** Mtojt dMeee amad.
iMaMUO: uarua.dfl Quaigaal, laja drsgwa
* ItU 163 SX-, ,OlHo Ol
Aloja dfrgiiia l*M*rrCbu< esSas pannis
g*lv*W*4a*i d* evissidja e aroi boa qoalid.de,
a a eati readrad* a 2*000 a csixluh. com um i
grs.t |jrrt*>*lraa destar peonas forar* off-
reciJas i Mtrbaldi, e por isso traxem o nt re-
tracto, as referida* catn se encentra o ds-
tica eaoaaa rlbalet.
TouquinLas de setim, sa-
patiiihos de dito bor-
dados, e meias de seda
para baptisado.
A loja d'aguia branca acaba de deapachar de
sm propria encenagada, un bello sortimento
do* cajelos cima, de mu rio boos gostoa, sea-
lo as touquiohas de setim mu bea entalladas
d itos a floras a CJOOO, rindo cada urna ero sa
caixieba, eaaalinaoe da setim braneo muito bem
bardado* a 3| rs., e meias de saperior qaalidade
tanta brancas como cor de carnee piotadaa a 2J
rs. par: qaem manido de ainheiro dirigir-se
ra de Qaeimeee, loja i'aguia branca n. 16, nao
deixar de comprar.
Cassas garibaldi-
nas na loja do
Pavo.
Vendem-se finissimaa cassas garibaldinaa sen-
do eitas cassas as mais modernas que tem che-
gado a 310 rs. o corado : na ra da Imperatriz
c. 60, leja de Gama 4 Silva.
Semanal ue quauriuu. onnn, lufti
zeede e madera gfelos co*aak>v 886. t e
Chaly, saprior> ratead*, oovado, 540 rs.
. IMw do cesa, fauada , prrttt, axal
"A.emira pela adperior qaalidade corado
1*600 a 1#800.
Chales de touqolm para acabar a 10,15,10,
Superiores corlea4a anda > mais moderno que
tem viada ae mateado a 90. 104 a 130.
Sedinha de quadriohaa aflore*, auearior a-
14400.
ra.
aaiabaaau
*tVj*54tt** !' *:
, Taimas maoteletts acetona 18, 34 *:
Rper4oa reaUdos brancas bordados a >u\ 24
30.
Gaaaaafraaaaaaa fiaas. carado, 340 rs.
Cortea da cassss de salpicos, um 39* efeOO.
Carta. 4e anda rteia 45|. JO, 35 a 40
Lencos de seda a 600 e 800 rs.
Ua de auadraa para reatada 4a seahora-a roa-
pa> aaenmoe, carado iMOis. .
GroVdenapre re, au*a 44244. r (Molar
Chales de merino bardad*** 4*W >it -
Gaitas vraoceza escara, carado 240 is. '
Meia salgad** *n* pasa harnea a 49-
Corles de velluda para ealtate a 8)004 a 44004
Vette 4a brim a *e 4
Chapws d* aal do aeda para aabar* e sseai-
nasa3e4f.
Leqaea par*, aeahara e envaina a 3 44.
IdpfllWoiqfetWPaenaoTB a meninas a 3 e 4#.
Chapee* Je aetflce paraanaaUna* a anima.
Chapeos de paJrHi par aaateara.
Cbapelina da a*4a'aMa^a*bara ato i4f.
Camisas abettas da renda para saabora a 34 a
mam
Grosdenaple amararla caaa am paquea* teaae
de aofo corada 060 a 740 ra.
Fiiratoi, cal? crrete da case mira, palo bara-
iaaimo pre^o de f&f
Ceroulas eacoeaa, ama 10300.
Corte* de baregeeom duas saiaa ata 104.
Corles de seda eacocesa, auparior fazeoda, coa*
13 e 15 corado cada um a 10.
Camisas fngtezas com peitoa de linho e com nm
qaeno mofo, duaie tif.
Paleto la de alpaca, um 94.
Cortes de casemira um 35O0.
Chales de lia e seda, superior fazeona, a 34500
Ra da Imperatriz
numero 9,
Acaba de abrir-se este noro estabelecimento
de molhados, o nelle os freguezes encontrario
manteiga iogleza de auparior qualidade ao preco
de 800 ra. a libra, dita francza muito boa a 640,
cbi hysson do melhor que ba a 29880 a libra, e
outros muitos gneros que se reoderio por me-
nos que era outra qualquer parte.
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Rusaio da maia ora e
superior que ha no mercado a a preco malto
commodo: no escripiorio da Manoel Ignacio 4.
Olireira & Filho, largo do Corp Santo.
.laih?'i^Wffy^*,t '!*^ 'jjr^'ja4JH4cIBB^B
oja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a -i#.
Duzia de meias era aa para homem a
15200 e a par a 130 ra., ditas brancas
muito finas 2g500 a duzia, lencos de
osssa com barra de cores a 130 rs. cada
om, ditos brancosa 160 rs., baldes de
30 e 30 arcos a 3f. lazioha para rea-
tidos a 340 o corado, chales de merino
estampados finos a 55 e 69, tarlalana
branca e de cores muito fina com rara
e meia de largura a 480 ra. o corado,
fil de linho liso a 640 rs. a rara, pe-
c.aa de eambraia Has fina a 34, cassas
decores para rostidos a 240 ra. o co-
rado, mussulina encarnada a 330 rs o
co fado, calcio has para menina de escola
a 1J o par, graratinhas de tran;a a 160
rs., petos para camisa a 200 rs. nada
um dusia 24, pecas de eambraia d sal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
taoha de rolo a 39, chitas francezas a
230 e 340 rs. o corado, a loja est
a berta das 6 horaa da manhia as 9 da
noite.
LeDcos da eambraia de liaho bordados com bi-
en, a 39. 5, 6 a 89- ..
Ditos de dita para homem, duzia, 69, 8, 10,12
a 149.
Setim preto macan a melhor que tem appare-
cido, corado 39. .
Chapeos da sol de seda para homem nm 69-
Ditos dito de dita iaaleza para homem, um 95,
10 a 129.
Balocs para aenhora, um, 3 e 49.
Panno de linho do Porto com 12 palmos da lar-
gura para lences, rara a 39200 e 34400.
Lencos de eambraia bordados com bico, duzia
a2J500. ^
Guillabas de eambraia bardadas, ama 320rs.
Manguitos de dita ditas, um 19.
Camisaa para meninos, duzia 15J.
Fil de linho bordado, rara 19200.
Dito d dito liso, vara I98OO.
Corteado brim de liaho, um 19400.
50 ARa da Cadea do Recife 50 A
c=y 5# e 5#500.
Manoel Goncalves de Olireira Santos rende
esta pachiocha : pecas de eambraia branca tapa-
da com 10 raras e urna rara de largura a 59, di-
ta de dita da apurada fiaura a 59500 a pega.
Potassa americana,
Vende-se potassa americana muito ora e de
superior qualidade: no escripiorio da M*nee)
Ignacio de Olireira & Filho, largo do Corpo San-
io n. 19.
Taboas.
awg-gwaiuii-UiiTiaT''
Arados americano se machina-
par alara rroupa: em casa de S. P Jos
listn & G. ra da>eazala n.42.
Legues.


-i*q tofr^fgoiq ao eot\>) a
I ai n* oqios o nado* 0100*
fi'.ia'fwb loam ab
aob e teetu aib oM
na >,fp t, .aaoijtfrai n> al9*
om a uaeardhila 1 t 3>u
\


a eup 1
r -l lirt|
M" laq att eai s3i'3 1 <
:
te verigdelras levas de
M, ruadas CFzes d Sto Antonio, 36,
'.
; "
anu 'i ni h: cu-iam
-e 3 .
.otabiji
-isldi sogn) e s ,Iflriiv ilduq -
^"iliam < *q a-aiasiq IfrieeO'imi A olla
l'aieq o?ari98do 1
*r. ... 4 im .i-mi'iin
rusoiro o a
franceza
raseij ru^
I
a r. V'iaq,
S3nJ, |)V

b-
novaa e grandes a 800 rs. o canto a s 69 o mifcefro, affinca-so que avista da qualidade ninguem deixar de comprar
i

Venden-aa lindos laquee de madreperola, o
maia fino pesairel: na laja d'aguia da onro, ra
do Cabug n. 1 B.
Lencos rameos mullo
Unos.
Vendem-se lencos brancas rooito finos, pelo
diminuto preco de 19*00 a darse, grande pe-
chiocha : na roja da aoa f, 9 ra do Queimado
numero 22.
Entre-meiosbordados em
eambraia transparente.
Na loja da aguia branca vende-se ntremelos
bordados em fina eambraia transparente a lj a
peca da 3 raras, pre;o este porque s se cba em
dtla loja da aguia branca rus do Queimado n. 16.
Adrarte se que de cada padro tem bastantes
pegas para vestidos.
Caivetes fixos paca abrir
latas.
Chegou nor remesa* desses preciosos cai-
vetes fixos para abrir latas de aardinha, doce,
bolacbiohas etc., etc. Agora pela fasta come-sa
muito deis cauta* e pr isao ^jitcasaafio, ter
um deises canivetesxujo importe lp, compran-
do-sena ra do Queimado loja da aguia branca
n. 16, alca paMP**** *>.
i de awi. "i
Pawengomrat(r>.
Vendem-ae fraaquinbos com eaeencia de ail
censa eicelleote para eogommado porque urna
gota dalla bastante para dar rOr em urna hacia
de gomma tendodemais mais a preciosidade de
nao manchar a roupa como maitaa vezea acon-
tece com o p de ail Cns|p cada frasquiobo
bOOea i na tu* da (frlimad* leja da agaia ara*
Vende-se madeira de pinho muito
barata para fechar contas.f no armazem
do gek> roa de Apollo 30.
50 ARa da Cadea do Recife50 A
Vende-se *
orna mabilia de amareUo consistind* aa 6 ca-
deiras, 1 sof, urna mesa redonda, um par de
consol*, 1 lavatorio, i toucador, 1 caaa a urna
mesa de jantar, tudo em muito boro estado e
por preco commodo : ama daa Aguas-Verdes
o.2i, loja.
de cambraieta.
Vendem-se superiores salas de cambraieta mul-
to fina, com 4 pannos, pelo diminuto prego de
59; a ellas, que slo multo baratas: na roa do
Queimado n. 29, na bea eonhecida tejada toa fe
Paletots
brancos.
Vendem-ae aoperiores paletots de brim branca
de puro linho, pelo baratisaimo preco de 5$ : na
ra dd Queimado n. 22, na bem eonhecida loja
da boa fe.
33 Rli MANTA 33
Grande armazem.
FeTaragtns e miudezas.
Sem bandejas, sen aolheres, sem garfoe a fa-
cas, i!npos8irel passar a festa I ueste armazem,
poie, encoDtrerao aa familias o melhor e mala ri-
co sortimeolo por prego inferiores aos de pri-
meira mo, e reparem.
Bandejas recortada* e finas a 19400.
Ditaa ditas a 29.
Ditas ditaa a 3.
Outra (sultana valid) 6, 5 4#.
Faqueiros a 60. 49. 39400 e 39.
Colheres principe (aopa) 6j e 49500.
Ditas dita (chi) 39 e 29500-
Salitre, ferro, trena de cozinha, eludoquanto
perience a ferragens baralisaimas.
Qamasde ventode louroa 448OO, e de ama-
reUo a 54500.
Na travesea da Madre de Dos n. 7, primei-
ra andar, vende aa superior rinho do Porio ehe-
ado pela Sysspathia, m barris de 5.', 8. e
lOk*.
____.__ J ^.

eiiu
uJ 10] jQ a'
as o esmi"
j ao mei
9. espeeialmante escollhirla a 800 r*. a lfcra e em porcia a 7110, retommeioVse a*s apreciadores destete genero que
exparioanur. saxts da nada pardsrern pois para isso confirawmo 4 (fue levamos dito,
a melhor do mercado a 610 rs. a lrbra e 6* barris a razie d* 004) r*. libra
VU^IJOS llamengOS Chara..* *o altino v*t a 29600 e SOfcOO,
bollas softas
, *** 'gos com urna arroba, as melhores qo* ba no mercado rifo* jigo, e em porfi de W prr etaia a 800 rs.
LaS Qhat^yrjrdee as raa pwreiraa i\OZeS as mais novas que existem no marcado a IOOjs. a libra eda 81 para cima 160 rs., afianea-sa a Boa qaaKdade.
Mascas ulhatlm, macarrao e aletria as mais novas do mercado a 480 rs. a libra e*a eafxa.
'llm ai li
guampaIIne das marcas mais acreditadas de 159 a 209 gjgo e 19500 a i# a garrafa.
Bolachlllha ingleza 320 r6,s br* e 49 a bauiu, ttonfru ser a melhor do marcado,
ArrOZ o melhor do mareado a 100 rs. a libra e 29700 fl arroba do da India e l JO rs. a libra do Ao Msrdnhao,
Cha hySSO e pretO o melhordo mercado de 1700 a 24880 e em porcia tari abatimento, eafiastea-e* a boaqualidadi.
Presunto fiambre in^er. < hamburgOez a 900 ra. a libra rem por?ae a 900 ra.
PreSUDtOS portugueses vvadordo Fono de casa particular a &60 rs. por libra ainteiro a 400 ra.
Marmelada dos melheres autoras da Lisboa premiada nasexposices universaes de Londres a Pars a 19800 lata.
CaixaS COm estrelinha peVde e rodinha a 79000 a caixa eSOO rs. a libra em poreio ter abatimento.
Latas de ameixaS francezas com cinco libras a 49000a 1*000 a libra.
PaSSaS em eaixinhasda oito libras, as melhores do mercado a 39800 a 500 rs a libra a caixade urna arroba a 89800.
Espermacete Superior a 740 rs. m caixa a 760 rs. a libra.
Conservas francezas inglezas e portuguezas a eoo a soo w. o fraseo.
E r VII has portuguesas e francezas a 800 rs. fraseo afianen-e* seren as mata bem preparadas que ten viudo ao mareado.
Lata COI bolaxiha de SOda de diversas qualidade, a omito nova* 19450. e grandes d*4 a 8 fibras de 99800 a 49500.
YinhO ara garrafas Duque da Porto, Porto fino, genuino, nctar, Carcavallos,- Madeira seeea, Feiloria e Camones a 120O a 19360
a garrafa e a 139 duzia.
Viriho em pipa propro* pwa pasta da 500 800 a garrafa a de 39800 a 48800 caada.
Latas COm frUCtaS de todas as quandades que ba em Portugal do 700 a 1900U a lata.
Pera em CaixaS de A a 8 libras a melbor que sa ide desejar e tem viudo a* marcad* de 49 a 69 a caixa e 19280 a libra.
CornthaS era frascos de 1 li3 a 2 libras de 19600 a 29200.
Latas COm peiXO Savel paseada a owras mutua qualidadeso maisbem arranjado que tem viudo a* nosw marcado da 19400 a 19600
Araruta a snalhor que se pode desojar a 320 rs. a libra, e 120 rs. a libra de gomma.
r raSCOS de amenuOa com 2 libras, proprias para mimos, por serera muito bem enfeitadas a de superior qualidade a 39 cada um.
Vinagre braneo o melhor qua tamos tido no marcado a 400 rs. a garrafa a 29*60 a caada. *
Co Ol ho e erva doce aa man nevos que ba no mercado a 800 a libra do eomiaho a a 400 rs. a e*va doaa.
Vinho BordeauX d* boa qualidade a 800 a 19 a garrafa e de 89500a 109000 a duzia,
IxfaSSa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor da Lisboa a viuda a pr i meira vez a uosso mercado, da 19 a 19280.
Ca 1 xas SOrtldaS com ameixas, amendoas, passas e Sgos, o que ba de mais proprio para mimos, de 19000 a 59000 rs. por caixa de 2 a
12 libras, e 400 rs. a libra dos figos. ^
CervejaS das melhores marcas a 560 rs. a garrafa a 5 a 69000 a duzia da branca.
Vinagre puro de lsboa a S40 rs. a garrafa e 19050 a caada.
D0Ce da gOaba da CaSOat *m caixao a lp aa po^ao a 000 rs;
Azete doce purificado a 800 ra. agarrafa e 99000 a cabra eom 12 garrafas.
Cognac a melhor qualidade qua temos no marcado a 19000 a garrafa o 109000 a duzia.
QUJOS SUiSSOS chegados ltimamente a 500 rs. e em porcao ter abatimenio, afian^a-se a boa qualidade.
Genebra de Hollanda a 600 rs. o fiasco a 69000 a fraaquaira eom 12 fraseos.
Palitos XadOS para denles a 200 a 160 rs. o nuco com 80 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz S9000 a gma a 280 a duzia de caixas.
Cnocolate o mais superior que temos tido no mercado portugus, hespanhol efraneez de 19 a 19200 a libra.
AzeitonaS as melhores e mais novas que tem vindo a nosso mercado a 19200 a ancoreta do Porto, e a 29000 as da Lisboa.
Amendoas chegadas no ullirao navio a 490 rs. a libra a em porcia ter a batimento.
AlpiSta o mais limpo qua tem vindo- ao mareado a 160 rs. a libra a 59000 por arroba.
A lm dos gneros a anunciado encontrar o publico um completo sortimento da ludo tendente a molhados.
JaUJVlJJ.
i ic-jaa aguia branca, ua roa do Queimado n. 16.
aendo de todas aa corea.
Esponjas finas
para o rosto.
Vende-ae moi Boas esponjas para roato. a 24
cada urna: na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n.,14. .
Me tirpil
nfalli^l remedi para

sardas e^nps.
O leTfe v.rgfnal j bao canneeida a
mo loJamvel1 para ardes _e naanoe,
eaaaa reme-
_.anoa, vende.se a'
branca0! JE* "* W4 9wm^ **>**


Attenco
43 Ra do AmoriBa 43
raba, pele barato paec* do 8041*.
Grvalas da moda.
aa
N loja dr boa f, na ra do Queimado n. 22.
se encontrar nm completo aoriimeato de Krara^
tas de seda preta e de cores, .que se vendem por
E..-"u 2""01' coao Man,i esireinna*
Ur !wd!!.CCfW ^ dU" com pont4*
largas a 1&500, ditas pretas burladas a 19400 di-
las pretas para duas voltas a 1$; na mencionada
loja aa boa f, na ra do Queimado n. 22.
Mei* para senh ra.
Vendem-se superiores meias para aenhora pea
lo baratisaimo preco de 99840 a dusia ; na ja
da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Na taberna da roa da Aurora n. 48, vende-
se urna sacca de cera de carnauba e urna taba*
de faser velas, assim como urna porreo de gar-
rafas vazias que se d4 a 13 o cenlo, na meema
caaa vende-se urna bomba para cacimba.
Mifjangas miudas de todas
M as cores.
^ja d'ageia branca acaba de receber essss
procuradas aricaagaa miada* qae servem para
pukeiraa e eatrae caaeas, a per lasa avisa as
>aee qae ellas esperaran) e aa que novamente
quuerem comprar que mantoae da 590 tis com-
prarlo um masao muito maierdo que os antiges,
taso aomente na leja d'aguia branca, roa do Qaei-
mado n. 16.
Rico* vestidos de blonda
capella e saia de setim.
Esperanza.
Receban de aua pnrnmmpnrt

Recebeu de sua encommenda pulcai- *
ras de cabello que vende por 109 o par, {
braceletes de mosaicos a 69 cada um, g
agulhas victoria a 120 rs. o papel, pan- '
W les de tartaruga a 8. 10 e 128. precos I
sjp porque ninguem pode vender (boa ta- (
gaa, senda) estes artigos nao se enconlra em (
' loja ueohuma por isso to a ruadoQuei- '
O mado n. 33 A, loja da Esperaoca. (
Esperauca reduz a expres-1
sao mais simples.
(A' DINHEIRO.) (
0 Todos os artigos que esla na loja)
asa muito barato quem quizer v< comprar e
ver : rus do Queimado n. 33 A, Guima- '
95O raes & Rocha. (
b 1
Attenco.
Superiores paletots de panno preto muito fin,
obra moho, bem eita, pelo baratisaimo prer^o de
ffl^dVi. Seta'd0 n- "benvcoDhe-
Cal virgeni de Lisboa em
..
Vnde-se a maia aova que ha no mercado por
prejo muito-commodo ; arjicamente no largo do
Cospo Sapto n. 19, trapiche da companbla.
Potassa da, Bossia.
Vende-se ero cas* deN. O Bieber &
|C.. M^sore; rua da Crtit n. 4-
a a.
_,^e-dem-ie pe{as_d'e msdapolo fino entestado
Amusseliaa do Pavo a
200 rs. ocovado.
Vende-se musselina branca com 4 112 palmos
de largura fazeoda muito fina pelo diminuto pro-"
co de 200 rs. o cavado, cortea de chita iogleza
com 10 coradas cores fizas a 19500 rs., ditas de
musselina branca com 10 corados a 29. tudo
para apur.r dinheiro : na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Vendem-se libras sterlinas ; no escriptorio
de Amorim Irmoa. ra da Cruz n. 3.
Liquidaco
de fazendas para senta-
ras.
Vendem-se gollinhas finas a 500. rs., ditas com
botiozinho a 640, ditas de trsspaeso 4 \$. man-
guitos bordadoa 730, manguito e gollaa com
bolaouoho multo fiaos de linho a 2$500 e 38di-.
taa de tala o a 39, camiaaa bordadas para aea ae-
ra a 49. rico, sioiag dourados e matizado *
24500 e 39, (KQ* afeites a Gariealui. peleada
lirae boruada entreaaeios a 1*\ corpinhoa pera
menioos a 640 cada um.
Para homens.
Vendem-se paletoU da casemira de canea
prefoa a ID e 9. ditaa de bzim.psra todo* oa Mrt^lilwra
prboa, colleles de dirersas qualidade*, calcas da- lae LlOW noev IiOfa
Hi.
'4\
CMP"La*^S '%*? 6#7fc ditas.de brim a gan-
gas a 2> a 28500, ditas de riaoadnk** a-1(000 a
19000 : na ra da Iap*rUis, loja da, arara de
4 portas n. 56, de Itagaleaea 4 Mandes.
Vendem-se dous pares de rodas nava* para
carroc*:,a iua*.w,a4a:n,o0.
A3J000.
Chapaos de palhioba fina enfstad*i
nina* ; nata*do Creepo o. 10.
Chegon na ra do Queimado n. 39, loja de 4
porta* melpomeoe imperial com 6 palmos de lar-
gura a 25600 o.corado, o mais moderno e apura-
do gosto que se pode encontrar para vestido de
senhoras e meoinaa.
Na \ja do Vapor
Ra Novas sa. V.
acha-sa barato grande sortimento de calcado fren-
cez e ioglez, roupa feila a perfumariaa muite
finas.
Chitas largas a 220 rs.
na loja do Pavo.
Veode-sa finissimas chitas francesas eom pe-
queo loque de mofo, affianeande-ae soltar e
mofo logo que se larem, por serena de cor flia*
a 220 rs. o covado : oa ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Opiata ingleza
para dentes.
Est finalmente remediada a falta que sa sen-
lia dessa apreciavel opiata inglesa tao proveito-
sa e naceasana para oa denles, iaso porque a lo-
ja d'aguia branca acaba de recebe-la de sos en-
commenda, e eonlinua a vende-la a I9SOO ra. a
eaisa; queen quizer conservar seus eoios per-
feilos prerenir-ae mandando-a comprar em
dita toja d'aguia branca, ra do Quaimado n. 10.
f Loja das 6 por-2
tas em frente do Li- J
i
vrameoto.
S Roupa feita muito barata.
Paletx)is da panno fino aabreceeaoos,
aj| diloe de casemira da cor defuai, diloa
da brim de cores a braocos, ditos de
ganga,calcha de oaaemira prelaa o de
r0 cores, de brim bronco e da coras, de gan-
ga, camiaaa com paito de linha aaeita sm
, finas, ditaa de aIgodao, ebapeoe de sol 2
de alpaca a 49 cada um. 9
Ra da Seozalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
s
a 120r..
i* j
psraaaa-
Vende-se ama barese* de parle da 99 caixas^
easalhada oe aaUlairo do rnasUe carfialeMo Ja
aiaUbe Sleabao, a pa da forlatesa daaGinooirme
taa, eooae poda ser vala o examinada a*laearre*
teaadealee ; ende-sa a ptaso au a diakwiro ; a
iraur sem llanoel Aires Guerra, na raa da Tra-
piefa*-* 14.
Nova exposico%
Ra Nova n. 20.
Riquissimo sortimento de cutilerias em todo
o genero, assim como um riquissimo sortimento
de louca de porcelana para cozinha, riquissimo
aortimenlo de metaes, riquissimo sortimento de
miudezas, e outros muitos artigos, que com avis-
ta do comprador se podero apreciar : n raa
Nova n. 20, loja de Carneiro Vianns.
Bombas de japy
Ra Nova n. 20, loja de Carneiro Vianaa.
Canos de chumbo.
Ra Nova n 20. loja de Caroeiro Vfanoa.
Ven4e-se bren em barris : na rna da Ma-
dre de Dos n. 2.
Vende-se a armacSo da loja de ourives que
foi na rna Dlrelta n. 82. e aluga-se a loja: a
tratar na mesma rus n. 85.
Vende-se o grande sitio denominado Cata-
na, sito na freguezia da Vares, de muito boas
trras, que todo qnanto se planta di urna grande
qusnlidsde, com urna eaaa de taipa ja coberta,
urna dita defazer ftrinha, grande quantidade da
ps de eafezeiros, com diversos pea de fracteiras,
como seja larangeiras, coqueiros, etc., etr.; e
tambero vendem-se doaa vaccaa que dio bastan-
te leite, orna derlas com a cria ji grande, e om
burro manso : a tratar na ra do Sebo n. 20.
Libras sterlinas.
Vende-se no escripiorio de Manoel Ignacio de
Olireira e Filho, largo do Corpo Santo.
SABAO.

Joaqaim Francisco de Mello Santa* avisa-aoa
asua freguezes deata prac* e osde fra, qae tem
exposto a venda aaeede eeaabricadeouminada
Recifeno armazem doaSra. Traraaaos Janior
4 C, na ra do Amorimn.5; maesa maulla,
castanha, prata a outras qualidadea por menor
prec* qua de oatrafabrica. No meemo artna-
bam tamfeito oses deposito dvelaa de carnea-
xa simples sem mistara alguna, como nade
compaaicao.
Lindas, flores.
Na loja d'aguia de ouro, ra doCabusji n. IB,
racebervm da sea propria o*cumaajenaa*m atri-
ple lo aottimeoto da floree, a mala loe si vel eaaeoDtrar.prepTiaa paraeofeites deeabecVou
reaiido, ouaa meito cbiqoe. qua se vende pe
prego que admira, sendo a 800 e 19 o cacho.
li lan&n
Vestidos de casamento.!
calidos de blonda com manta,
saia de setim.
Superiores
veatidea de aeda, de eambraia bordado,
de phaotaaia,chapeos de pslht, enf.ites
modernos para cabera, capes e mantele-
tes con pndos o maia moderno, sedas e
la de qaadnoho, cambraias de cores, es-
partilaros, simo, leqaes, salas balao,
meiai elsticas e camisa da linho para
aenhora, fil e tarlalana para vestidos,
chales de ponti redonda e manguitos
modernos.
Roupa feita.
Galeas, colleles, palelots e aobrecssscos
de panno, caaemira, chapeas da caelor,
bolinas de Meli.
Para acabar.
Colchas de li e seda propria para cama
aa coberta da piano a 59, manguitos e
gollss bordadas de linho e de u.-tu a 29
aeda de quadnnhos a IftOO, lazioha a
440ra, acetada: na loja a. -23 ra da
Cadeia confronte ao becco largo de Gurgel
& Pereigo.
I
Piano.
i
!
Ve*de-a aalcmhae brdelas para sseninac a
19\ lova? de sed tanto para aeebora como pasa
bomm fazeoda em perfeito estado a 500 rs. o
par, siatosuertodse ae qweKeaaaa para araaras
e menina e aaiae bordad com muito gosto :
aa raa. 4a imperalrls d. 60, loja de Gama di
8Sv*. -
Vende-se um piano de armario com pouco uso
e bem construido : na ra do Livramento n. 31,
segundo andar.
Escrayos fugi0o~
Fogio no dia 20 de novembro o escravo Ca-
nuto, crioalo.de idade 50 aonos, pouco maia ou
menee, de eslalura regular, tem o andar compaa-
sado, inclina o corpo um pouco para s direita
qnando anda, tem ama cicatriz no lado direito
do rosto proveniente de nm talho, e oulra no
peilo proveniente do um cauatico, te^n pouca
barba e poucas veies a faz, toma tabaco e Iraz
caixa de chumbo, tem e costume de se embreagar
e andar d calca e caejisa.e levan chapeo de pa-
Iha ordinaria com abas grandes : roga se, por-
tsnto, a qualquer pessoa que o apprehender, o
favor de o levar easadeseuseokor Miguel Jof
de Almeida Pernambuco, no pateo do Carmo, so-
brado n. 28 ao p da ordem terceira, que ser
recompenaado.
Escravo fgido.
No dia 2 do forrate fugio o escravo crioulo
por oome Paulino, que foi do engenho Onabra-
va as Alagse, do Sr. D Antonio Joaquim Buar-
que Nazaretb, de meia idade, barb*do, poim
quando fugio foi de barba feita, levou camisa de
alftodao com tinta azul, calca de camisa cor de
caf, recommenda-se as auloridadea polieiaes e
capitaes de campo a captura do mesmo, levando
ra fio Crespo n. 14, que ser generosamente
recompensado.
Fogl do edgenho das Mallas, comarca do
Cabo, no dia 28 de selembro de 1861, um escra-
vo pornome Joo, crioulo, vermelho, altura re-
gular, groaso do corpo, eaaadaudo, idade de trin-
ta e lacios annoa, metteo-se naa malas do enge-
nho do Monte, ataque lbe liraram urna priga
que levava. e logo que se vio sem ella dizem que
furtou um quarto mellado oom. cabellos pelos,
a com principio de carrgo, e tambero fez um
iequeno roubo de roupa : desappareceu o caval-
o a 17 de ootubro. Este negro ji tem sido pre-
so no Recife duas vezes, a primera vez traba-
lbando com uma carrosa, e a segunda vez foi
Ereso trsbalbando em um armazem de assucar
rim'forro : quem o pegar leve ao engene* ci-
ma, que ser bem recompensado.
, Fugiram do engenbo Conceiio, sito na fre-
guizla de Tracuobem da comarca de Nazaretb,
no dia 4 de novembro de 1860, dona eac-revos,
mulatos com os nortes e sigeaes seguidles: um
de Dome Paulo de 45 aunes de idade cu meos, offlcial de padrtira, Mpaierro a pti-
mo bolieiro, de ror lranjada. cabellos carapi-
nbos. roato descarnado, olhoa brancoe, nariz e
bocea reculare, nm posea secco e Oe estatura
media, o qual tem doue dadoa o*, rato direita
aleijados de nm pansricn, e tem Umben o dedo
minimo da mi eaquerda com igual defeito, e
cima da sobrsbceiba d*um das elhoe urna cica-
Iriz, proreoienla de um Utao, a abra cicatriz
com nm carocnbo cima da mesma, com ura
do* denle* da frente quebrade^oaaoo se eabria-
ga torna-se arroaaole. Esse eaarava j foi Bur-
rada a conste andar pelo Recita, Lude aide visto
parase bandeada Soledaoe a Santa. Amare por
alaueaee pasaeaa, a quam tem dUo ha ver-so liber-
tado. O outro, de oome Felippe, de cor triguei-
rt cabelles eerapinkoa. catalura baixa.au rega-
lar, bem barbada, um pouca aecco, bem fallante
e cantador, com 30 andos de idade, anda igeiro
e muito despachado no ser rice de en zade e loi-
ca, com falle de de o tea pa frente, cor*, oihoa um
pouco apitombadoa e capioogoa. Qu*m appre-
bende-loa leve-oa achilo engenho ao era setihor
o lenepte-coronel_ Joio Csvalcaoli Mauricio
Wanderley, que generosamente recompensar.
J ^1-----TV
TlT


*
:==
-------M+i
N>* *i*
O MU*
Im r.ossa poca fe sea*:
as rimo? surgir uma doutrina singular, que pa-
re ce *r Hoje braAoV por ftftfo* a doutrioj
e>#ro|2*fewo
O philosophoa do-geclo de*6ito a precdul-
ea.ni ; Gpndorcet a present delta urna bwnula
.i esaos diag as eitasTociilisls*; polilicas,
hi! ^trapicas eecarbJmifcas a elevaram digoi-
ifte de dqgrna aocial.
.O progresso-** que fallamos o indefinito. De
- *tfe verrf ? I? verdade que I comegar d'e Adi.
ajfumanidade se cha o uma va de progresso
ostente e inderecUteJL ? O trfaaoufo das gera-
**PS ""-Ittiitifff0 seguodo
na progrefl aritmtica 7
A doulroa do progresso ama doatrina pan-
therst* ; e nio pata .admranos ella m apre-
' seotesse afes esplrilos em um Lampo como este
asso. O carcter fatalista d* progreseo ,-ebenla
de lodos os U1os. Po*s que I A humaoidede
se aperfeico* neeessa ra mente I A sua grandeza
moral em vez de adpiar-se aos seus esforcos
ser ofrinto de lempo I A moralidede, a iotel-
Hgencia e a verdade sero tambem questea de
lempo j-r\ i"tT '
Em ludo Uto bem reooohece a doutrina de
transformecao populariaada na Allemanha pela
escota de U*el. Saga a Jo essa doutrina cada
mega perfeito-, -tdo se acha em va de forma-
ci perpetua de desenvolvimeoto iodeflnito.
lis o que expyaem os booa Allende* quaodo
diiem que Dos se deseurolva oa humaoidade, e
ajee este urna faoccao de Dos. Deoa que co -
aaegou per um tere ehegou de progresso em pro-
gresso a ser aquillo que Temoi e sabemos.
A serle de taes evolucoas dias conslitue o
progresso. Ha Disto ama progressao regular :
esda momelo de duragio traz o accreacimo de
ama qaantidade aempre igual. Onda eataria a
razo de ama differenca de spreciecao sen Jo a
um s titulo divinas todas as maoiiestagdea da
natureza humana T
A doutrina do progresso lio eslranha idea
*e verdade, quanto de moralidade. A verda-
de suppoe a Qxidade e a iomutabilidade. Os
fantheislas qoe oegam a substancia, agarrndo-
se successao dos phenomenos, nao podem coo-
ceber a verdade absoluta ; e a coocebem-oa
orno relativa, movel, e variavel. Quantas Te-
ses nao tembs ros ouvido dizertal cousa era
feos, tal idea eicellenle enligamente I
Os Hebreus iguoraram a doutrina do progres-
so : a sua historia um aoccedimento de vicis-
atluffes determinadas pela maior ou menor a i he-
sen que professavam sua lei : oa observacao
esta, que nao era auscepti'el nem de modifi-
ecao, nem de progresso, fazism consistir ajner-
fcicao.
Os Gregos e oa Romeos, tio orgulbosos que
tamouuca cuidaran peasa pretendida aupe-
akkridade doa contemporneos sobro os antigos :
cootririo oa seus esenptores bradavam per-
petuamente contra a decadencia em que iam, e
invocaran a todo o proposito a gloria dos ante
passados.
A idea do progresso transpira em Roger Ba-
con : sao curiosas de citar-so as palavras desao
ilustre franciscano :
<-. Para as graodea descobertss um seclo nao
bastante. O futuro aera o que ignoramos, e as
gerecoea vindouras sbysmadas flearo de que
ats iKoorasseraos as eousas que sero para ellas
familiares.. Nao ha fim para a iovencao dos li-
me ns, quanlo mais elles se succedem no mundo,
sent mais se toraam habis e esclarecidos, por-
gue succedendo-se a todas as geracoas anterio-
res recolhem os bens accumulados pelo trabalho
eos scalos. ( Opus tnajus. )
Pascal nao fez maia do que iraduzir Roger Ba-
sen dizeodo : a o suecedimento dos homens no
orrer dos seculos deve ser considerado cono un
sesmo homem que subsiste sempree que apren-
de continuamente.
Esta proposigio ser verdica ? Ser possirel
esse legado da setenis traosnittido de uma a
utra gereco ? Um sabio pode legar a seu filho
brbliotheca que possue ; mas poder tambem
legar-lhe a sciencla f E quanlo a Ttrtudeser
lia igualmente hereditaria ?
Nao sei mais razoarel auppor-se que cada ho-
aaem recomer por si mesmo o trabalho anle-
sior do aperfetcoamento moral ? O povo progrl-
de na virtudenao o faz por uma lei heredita-
ria, mas por um esforco sem ceaaar renasceote.
Aquelles que se coolenlam com palavras affir-
am muitas vezes que o christianismo marcha
em progreeso sobre a antiguidade : um erro.
O christianismo nao ven da antiguidade ; nao
complemento nem desenvolvimento da idea pa-
gaa ; pois que i revelado e o seu credo immu-
tavel. Neste ponto falham a serie e a progres-
sao ; porqumto a f religiosa nao augmenta co-
sto a progressao 1, 2, 3, 4 eet.
U progresso suppoe urna obra imperfeita, mal
comecads, que quotidianamente narcha para o
seu Um, sem attingi-lo nunca. E no systems
pantheista a couaa mais simples, se bem que
lie repugna essencialmente com a idade de chris-
tandade.
E* cerlo que os povos christos sao mais felizes
moralisados do que os poros pagaos: isto-vem
da differenca quee entre elles ha de principios
sociaes. Longe de progredir o
sido ao contrario negado, comb
do : un outro principio tomn
produzlo os effeitos qoe ni
A atlocucio pontifical de 30
1861 termina no seguate pensa
tigio calholica roalde por excel1
da felicidade da pazat me*
cidadea terr poraes > Guarde
buir a um progresso imaglnari
aeficios que a igrej prodigalisa aos
eria verdade e ingraU '"
O progresso envolvs,
quat um meio prp
o precede e aquello que o segu: porem
berdade humana nao perm
envolverise deaia (olma,
lo de progresso Oevariam
superiorWade do* tempe*
gaos : essi superioridad*
e nada tam da commuk
Mis depois da era chr
homens
l^ai^qI
a o segu: porem a li-
gar para o progresso
christianismo torna
tuuB veio depoia alalias, nao s*i
so* a coortt$a_
ea*a fidelidade conserva por ventura o nesmo
fervor em todas as phases da historia 1 Quem
ousaria pretende-lo ? Os vicios, os crines e as
paixdes deshooram os povos christos, e em par-
te snnullam oa effeiloa temporaea do christia-
nismo.
A Franca christia ha mil e oitocentos annos], '
as sua* virtudes chrialas teem sido sempe em
augmento ? Aqui que est todo o problema.
Se elle apraaenta. como 6 incontestavet, os seui
lados faceta e difficeis, se os homens tem mais ou
meaos correspondido graca, evtdenle que oa
beneficios temporaea da religiao lerao passado
por atteouaces e ioterropsoes.
Occorre-nos fazer uma observacao : havia alli
uma sociedade chriaia ; nossos costumes, leis,
e instiiuicoes reconheciam Nosso Senhor Jesu-
Chrisio ; a aociedade civil accomuodava-se com
a sociedade religiosa, de sotte a formar um s
todo animado de espirito thristao.
Tal era a condicao de todos os povos europeus,
especialmente da Franca. A mor parle dosses
povos foram violentamente arrancados ao stio
da egreja, e entre aquelles que fieia se conserva-
raraa aociedade civil rompeu com a sociedade
religiosa ; e quasi por toda a parle o racionalis-
mo toroou-se a lei social.
A doutrina do progresso foi inventada para tri-
butar urna homenagem razo humana, e nao
ao christianismo.
Esamioemo-la histricamente.
Qual o progresso dos povos asiticos? Todos
convm em que oa Chioezes e o* Japonezea nao
sao para substituir os Persas, Assyrios, Pheoiclos,
Hebreus, e tantos oulroa povos que floresceram,
e sao j desapparecidos. E o quo diremos da
frica? A nossa colonia porventura tio flo-
resceole quanlo o foi a repblica de Calhargo?
O Egypto dos pachas est mais adiaotado do que
o Egypto que foi dos Pharas? At na America
descobrem-se ruinas magnifica de uma civili-
sacao superior dos Estados-Unidos.
provaveis
f
continuo
substituida por uma serie de opinioes
(ue succadm-aewam lntlrrup;io.
lfhsds; julga se superior i multidio de geracoes que o
recMpranv Niaa. i*m que orgulhr-se; a
ViasWgeal: airiza-ae Rimado pen-
iioadiaote. Quem nao tem ou-
vidol ar4 Franca os/erna, da 'Bupa mo-
o progresso no seu germen, do gr-
i passa. Anocrdadanea do seu di-
reito. Se o seculo dezeuove superior a todoa
osi ou tro, *j6^a*MMue veio depoia ^U*s,
, ao.pwrauo >
iro tambem
. Bjpajgajjtgover,
pretexto de que saonais mocos que
E foi isto mesmo oque acontece
revolucao aupprimiram i iutoridade
un ministro da repblica e 18i8 (lidlous mo- _, A riqueza
tdade franmtvla por Jr fiilo ab qiiipzf abbp> [fallos imp
ifMMrevQMdaal perimental:
TTeacofrTO progfe"ss6 decotih#vj tealrnefi- u
WP>l*i >oi* ..ie esta pata
in todos os progressoe par-
' > pouco aobre o corpo social:
sciaocias poderlam desen-
da naior decadencia doa
ento dsa id*a doa enti-
pela f religiosa. A que se
i que a si attribuem oa mo-
mos da actividad* humana f
sSosafistas eeio sempre a imitar os anti-
'goSi e peNtido sempre a esperaoca de eguala-
los. Os nossos philosophos depois de se haverem
er2?V** j2.w* lneorias da-.Crecia abaodonaram
* f^1'0,l,h*." e se rJao a ootra.s pecupa^oes.
Talvez nos respoddaal que pouco importa que
os modernos nao se distioguam pelo genio; pois
o bem material augmenta, e o essmcial. Coo-
cebenamos a objeccio se tosse fundada : lefeltz-
roente porm nao passa de una simples proposi-
cAo destituida de proras, inda qde -a academia
taaha concedido mtaitos premios a ajriptores
Jprse rVa|eneSrregdo de demonstrar Msluida-
e riqueza dos horneo* de boje obre os de to-
.. das i meato porqne os pramadoa sonante em hypolUses ba^
0 MaX*"U"ld"aM"t'*^M' Oaeo modo de ra-
ctodrlajpvfjbte: os homens marchara em progrea-
ao ; o progresso incootestavel ; logo___ E as-
sim concluem do progresso para o progresso.
publica variavel, a a longos inter-
posslvel aprecia-la pelo meihodo ex-
: qualqaer observacao parcial in-
ifDciente, e a reuniao de documentos teroa a
queilo djfflcii militas vazea. aemento pelas
IXw: iL:sr:Lo,.!?s2,.e"Jf!?iv >ch-
seus paesI
as lea da
paterna: e
WW(,0J1U'2; A alIoccao pontificar de J8 de intiiuiQoes, e por certo* (actos geraetque sasche-
merco de188t eondemda o proor****; o lfmn- ga'-formar orna idea approxlmada da riqueza
m*>j (i a cteitiiacoo modera. A coherencia; ajas naca*.
entre eslas tres patarras salta evidencia : o li
--.>-""> >- h'"" sana a 13viueucia u n- gricouura enonraaa tiorescente n um
berahsmo, que a equaciodo bem a do mal, frt paiz, ficae persuadido da queesse psizton vivido
DarlO da dOlllrina dn nriisraui ni> otK a ora. na nhnmlinrii na ind.c .. ....... e\ i______i
FOsLMETlM
1D4H4 DAS PEROL iS
POR
A. DUMAS FILHO.
XXII
(ContinuaQo.)
36 na nalareza teria lutado contra a correte
o perdi, da mocidade, da renovacao ? Tioha
corrido o homem quem amava ? Nao. Ama-
ts-o anda? Sim. Encerrou-se no seu quarto loo-
ge daa influencias do exterior; relu as cartas do
aeu amante. Em cada palavra palpitava um pe-
sar, nma promesas, uma doce recordaco do pas-
ando, uma alegre confianca para o futuro. Bis-
sava-lhe dizer uma s palavra e o amor reoas-
eeria e as alegras novas cobririam o tmulo ima-
ginario que ella se aprouvera cavar. Como
tioha feiio a trra, eis aqui i sen turno estreme-
aia seotiodo aprozimar-ae delta o amor, ease sol
das almas.
Sua abstenQo no meio da adheso universal
eho pacsava de orna obslinacao de seu amor pro -
prio, e Deuspun-la-hia cedooutarde.se penis-
tir-se em atrophiar-ae nella. J que ludo Ibe
dizia que ama&se, amando ella, o que espera-
va? O mesmo lugar que escolhera toroar-se-hia
inhabitavel, se ihiTicasie sozinhs. A resurrei-
cao annual da natureza to poderosa e to ad-
miravel, que s dous podem bem comprehende-
la e upporta-la. Depois, como os sentimentos
mais prsperos alma prec'sam de vez en quan-
do de seapoiaren sobre o exenplo de nna reali-
dade, no neio dos cooselhos vagos que Ihe ca-
ban) das folhas e das estrellas, que Ihe vinham
-daa flores, com que a aqnecia e queimava por ve-
tea o sol, ella pensara em Jacqoes e na duqueza,
m ama separsco forjada; e dizia comsigo que
bem bastara eslarem sojeitos aos perigoa de se-
rem separados pelos acontecimeotos, sem creaiem
por ai meamos esses perigos ; que era livre, qne
bastava-lbe dar un pama para tornar ana vida
'outi'ora, e que seria malslonca do que culpada
em hesitar. Tioha assin chegado ease limite
em que a alma nao jalga mais seoio pela aeoaa-
t'i, e obedecendo-lbe cegamente a de repente,
aasi sen saber o que faz, salta por sobre os ul-
timo* obstculos que Ihe oppde os hbitos, oa
sentimentos frios, sen saber positivamente se
do ouiro lado da barreira que aalta encontrar tor-
ra, oa vacuo.
Uma manha, aps uma noite tem somno, Eli-
aabeth parta resolutamente para Pars. Is oirei-
to rasa do 8r. Jorge, Oque lbe la dizer, o que
ia fazer? Nao oaabia. Quera velo. Precisara
v-lo. O trem eamlnhava maito devagar para os
eos deaejos.
Mas ha maito que alie nlo Ihe escreve?
Porque o repel, porque elle nio sabia mes-
mo onde au eslava.
Mas pode ter-se consolado.
Qaal 1 E suas cartas ternas, supplicantes e
desesperadas I
Mae, se mame oulra ?
t*) Vida o Diario o. S*.
.
Passemos agora para a Europa. A Haapanha
de note a mesma de Carlos V e de Filippe II?
A Italia abysmada m coospiracoes e sociedades
secretea aprsenla o espectculo to glorioso
que apresantava no lempo de suas repblicas tri-
umphante* pelas artea, [ajBralura e commercio ?
A Grecia nao existe acaso somente em no me, e
a Turqua nao um cadver? A casa de Hsps-
bourg marcha porventura em progreaao, e o san-
to imperio eat prestes a erguer-se do tmulo?
Os membros despeos da Polonia agitara-se
procurando reunir-ae de novo: a Suecia nao
mais a Suecia de Gusiavo-Adolpho e de Carlos
XII: emiim a Blgica e a Hoilanda podem ter se
como illustres mais pelo que foram do que pelo
que hoje sao.
Someote tres oacoes resistiram a todos os em-
bates, e domiusm o mundo : a Rusaia, a logia-
trra e a Franca. A Russia ainda muito joven
O j enferma: a Inglaterra muito poderosa; a
causa do sea poder nio procuraremos indagar.
Anda mesmo que fosse lo feliz quanto 6 po-
derosa, nem aaaim se poderia austentar quo hou-
vesse melhorado a condircio da especie humana
porque esta nao formada de trinta milhes de
Ioglezea.
A Frange nem por isso tem mullo que gloriar-
se dos seus p'ogressos, porquo nao readquiriu
anda a supremaca que exerceu uos seculos Ir-
ze e desesete, supremaca que Ihe era umver-
salmente recoohecida. As artes e a lilteralura
nao progredido ? A queato de antigos e moder-
nos foi discutida no seculo dezeseto: era bem
boa occasio de ae invocar a lei do progresso
niogaem disto se lembrou I O debate versara so-
bre a superioridad de una ou de outros.- A
poesa doa Gregos poda valer mais do que a nos-
sa, sem que por isso se concluisse que a socieda-
de pagaa esti'esse cima da sociedade christa :
pois a inferioridad* dos nossos poetas em na-
da poda prejudicar a excelleucia do christia-
nismo.
Foi sob este ponto de vista que se collocaram :
eram lides como eternas as regras do gesto o do
verdadeiro, e nao se julgava a verdade progres-
siva mais do que o direito. Um philosopho n-
glez partindo deste principioque a rerdade de
um aconlecimento decresce medida que se
afasta a epocha em que se elle psssou, fixoa o
lempo no qual a batalha de Waterloo nao paasa- ..
na de urna fbula i Dssorte que a histeria a mais para a exteouaco radical!
verdica vina a ler o val>r de uma flcQo : a sua Ou eolio ser progreso Indo o
parto da doutrina do progresso, qe exalta o pre-
sente (qualqut que sejaf como a expressio su-
prema da verdade di jua/ica.
O qire chamam civilisa^ao moderna uma reu-
niio da productos intelletuaea o nioraes das
duaa causas cima mencionadas. Esta palavra
ctvilisacao pagaa : applica-se ceocepoe/ que
do os legistas ao estado da natureza, quando
appoem qoe os homens, principio selvagem e
solados, reunen-sa para viver em connumda-
de. A civilisaco pois, o progresso de socia-
bilidade que as leis desenvotvem entre os be-
neos por natureza refractarios ordem so-
cial.
Os doutores da poca creen que a sociedade
se aperfeicoa por meio de revolu(es. o que a
civilisaco cresce por um mofimento de ideas e
intereases que se transformara e se modificara
sem fin.
Os peros christos concebersm a orden social
sob ama forma defOnltiva, por principios fixos e
immutaveia: at 6 mais exacto fallar-so da ao-
ciedade christa do que da civilisaco christia.
A aociedade christia, naacida da principios
christos, s pode aperleicoar-se em ai mesma
pela applicaco cada res mala perfeita de seus
proprios principios: o circulo da sua iniciativa
nio ae estende aos elementos qoe a constiluem,
e que formam a porco divina da ordem social.
A independencia da egreja, o direito de pro-
priedade, e a autoridade paternatio os traa
pontos em que nio Ihe permillido tocar.
O chriatlaniamo nos colloca em frente da um
ideal perfeito, do qual nos approximamos mais
ou menoa, e para o qual inclina-ooe sempre a
aossa coosciencia.
A philosophia e a poltica modernas substi-
tnero a idea de perfeicio pela de aperfeicosmen-
to. Ora, a perfeigao uma idea precisa e deter-
minada, que nos fornecida peta propria idea da
creacio do homem no oslado de innocencia, e
pelo typo divino que o Evangelho aprsente
nossa imitacio : o aperfeicoamento indefinito
uma idea vaga e incompleta, que nunes chega
realiaagio, porque parte da aelvageria e da im-
perfeico absoluta; oas suas lentas evoluces
julga-se despojar do aeu carcter de imperfeicao,
mas para ae dirigir a um fim descoohecido'em
busca do ideal.
A philosophia aotiga engendran trinta mil sys-
temas sobre o bem supremo ; mas o christio nio
perde o seu lempo em examioa-loa, porque sabe
que para elle o baamsupremo est na couforml-
dade da sua vida daquelle que esse mesmo
bem, e nosso modelo perfeito.
Apezir dos defeiios, vicios e crimes da huma-
oidade, a sociedade christia existi. A coofuso
de erros o males que nella se descobria nio nos
autorisa a despresa-)a> Para o calholico a me-
lhor aociedade aquella qu* realisa em mror
escala oa principios de virtude e de jusiica, que
emanam da religiio : a aisim peosaram aempre
oa apologistaa christos. A philosophia nod*(n>
combateu esta opioio geral ; e com tal habilita-
de, que nio possivel oegar-lhe, dea questao
urna especie de obscurdade para seduzir alguns
espiritos honestos e bem intencionados. A his-
toria foi explorada contra nos.
Hoja por uma sorte de ecclectismo os doutores
modernos admitlem que a aociedade christia foi
um progresso effectuado aobre o paganismo ; mas
para' chegar a semelhante conclusao que a po-
ca revolucionaria serve de ponto culminante da
civilisaco. A sociedade civil o9o mais chris-
tia ; rompeu como sobrenatural que repelliu do
direito publico desterrando-o para o fundo das
conacieociaa. A secularsacio um progresso ?
No caso affirmativo seria um progresso para a re-
ligiio o enfraquecer-ae gradualmente, e marchar
**>) Ailonnaen **iIm>I I
J? impossive!.
Se encoolraeee ama amante em casa delle
quando o fuste procurar?
Ella a rilara para fra.
Perdoar-lhe-hia dessa vez ?
_ Deata ves seria por anona culpa. Porque
nio Ihe perdoei im mediatamente?
Aaaim, eal tu lo previsto ?
Sim, porque o amo 1
Pois bem, r !
Elisabeth chegou Pars, tomou um carro a
correu casa de seu amante. Nio seria necea-
bario explicacio nenhums, saltar-lhe-hia ao pes-
coco e estara ludo acabado.
Como I havia sacrificado ludo esse homem,
familia, reputacao, innocencia, futuro ; como I
durante esse amor ella nio amara, nio rivera,
nio pensara, nio obrara senio com elle e por elle,
e por um precedo leve que este havia commetli-
do, por uma pequea mentira qne Ihe Un ha con-
tado, por um capricho accidental dos seus senti-
dos, por uma phaotasia sem raizes, sem resolta-
dos que por acaso sorprender, porque ae nao II-
vesse ido i caaa delle, se nao ttvesse achado eeaa
carta, senio a tlvesse lido (e flzera mal em l-la)
nunca teria sabido oada dessa historia; fra Deus
que a punir, etc., etc., emfim, por uma .lotice
dessa qualidade. quasi morrera, recuara-lhe o
perdi, e quaodo volta a primavera, quando lu-
do ama e ri na natureza, continuara a estar s, a
desespersr-se, a recusar a ventara que se apr-
senla, a expellir as recordacoea qua a cbamam, a
fogir das esperancaa que a aitrshem que loucu-
ra I e como delta riram ambos J
Emfim, chega a corre para a etetda.
Onde vae aenhora ? pergunta o porteo
que eslava a Terrero vestbulo.
A' casa do Sr. Jorge.
Elle nio est ah.
E onde est ?
No campo.
Onde?
Nio sei.
Quando rolla?
Nio o diese.
Oode est o seu criado ?
Ve todas as semanas buscar as cartas.
Ah I meu Dana I eiclamou Elisabeth, estoo
perdida I
B toroando a subir para a sua carruagem, fez-se
conduzir casa de Carlota, e toda em lagrimas,
lanca-ae noa bracos da amiga, que nada compre-
hende dessa ddr matinal e*que acaba por di-
zer-lhe:
Poia bem, eaerera-lho dizendo que venha
v la e elle ir.
Elisabeth escreveu. Depois rolln duaa vezes
Paria, toi durante esse lempo qne fui procu-
ra-la intilmente. Foi dorante ease lempo que
o Sr. Gobert qaiz casar com ella. Pobre ho-
mem I
E no dia em que eu jantava em sua caaa, ella
recebera ama caria do Sr. Jorge, annunciando
que ira visita-la ne da saguiote.
Quando mandei contar & Jacquet etsas oovi-
dadea, ainda nio linhs coohecimeoto doa resulta-
dos da visita qoe mademoiselle de Norcy es-
perar*.
Oleitor tari portanto como Jacquea ; conten-
tar-ae-ha per ora com o qoe ea sabia.
Torcemos ao nosso hera. Saa demora em
Plata derla str de quinte dias. Qaantlo me ea
que nio ree-
crerra, s tinha a eaparar treze dias. Derla ah
chegar todas as maohias, uma carta da duqueza
Hecebeu uma no prmeirodia ; no segundo, nio
recebeu, e por isso o dia Ihe pareceu comprido.
Nao poda ler, nio podia Qcar sentado, escreveu
ama carta de qualro paginas Annelle, esahiu
para ir deitar elle mesmo essa carta na posta, que
era na sala de espera da eslacio. Ahi chegava no
momelo em que se fazia sigoal do trem de Vieo-
oa. Esperoti. Etse trem nio Ihe era indifferenie:
vinha da cidade onde eslava a mulher i quem
amavs ; talvez o visse partir, t si ver viesse nelle.
Ha esperances que atraveasam de repente o cora-
?ao, mas como alravessa uma flecha, sem dei-
xtr outros vestigios de aua paasagem alm de
um buraco o uma dr.
Nao havia nem um s rosto conhecido entre os
viajantes que deviam passsr em Pless para f.
terern risar os aeus passaportes e almogarem.
viu esses individuos passeisrem, comerem, fu-
marem, e depois vtu-os tomar de povo o carro e
aoguiren seu canioho. Chegavan assim dous
trena por di*. Poderi* ser uma distrarcio para
Jacqoea durante tod-j o lempo queeslivesse nes-
* aldeia. Nio havia mai* ninguem en torno de
i. Accendeu um charuto, tornou a por at mios
as algibeiras e aeguiu para a ana estalagera. Era
neio da. Eslava acordado desde s seis horaa da
manhia.
Deusqueira que me escrera amanbia, di-
zia elle comsigo.
Eoirou para o aeu quarto, deltou-ae e abriu
um livro. Leu durante uma hora;apena* nao
virar* a primeira pagina, nem comprebeadera
urna, palavra do qua lira. Tenlou dormir. Dorma
de notle, ao era para dornir de dia. O lempo
ealara muTO bonito; sahiu de novo. Atravessou
a planicie em toda a saa eHenaio. Eocontrou
meninos qua fugiram rindo-ae delle. Deacobriu
ama pequea comporta. Que bella couaa I Esteva
a olhar paraja agua meia hora, e nella destingaiu
elleitoa de luz muito curiosos.
Vollou eslatagem ; eram quatro horas. Um
doa uihoa do estalajadeiro eslava doente. O me-
dieo eslava presente. O tal medico tinha boa fl-
gora, mas nio pareca muito sabio. Fallara en-
tretanto eom grande seriedade. O estalajadeiro
eaculava-o com silencio, quaei com devocao.
Lomo esse estalajadeiro pareca homem de beme
tioha>Bttencoas para com Jacques, este devia
passar quinte diaa em saa caaa, o nosso amigo
pargunlou-lbe eom interesa* noticias do menino.
Os ieilores sabem que allemio fatlava Jacques
Ao ouvi-io, o medico voltou-ae a Ihe disaa em
iraucez :
O Dhor francee?
Sim, senhor.
Gosto muito da Franca.
Jacques fez-lheum comprmanlo.
Fallo alguma couaa a saa lingua
Parece falla-la muito bem.
Era um comprmanlo poaco merecido, porque
Jacques devia ter pereetido que o Or. Hosensa-
hta-se tao mal das phrases francesas que pronun-
ciara, como elle das phrases alientas que tinha
s imprudencia de comegar. Nem por isso deixa-
Jam da iravar conversa. O dootor, sebendo qoe
Jacq* devia demorar-se em Pless quinte das,
pediu-lh* lieeoea para ir re-lo, eonftando-the
ingenaamaote quo eria com a experiencia de
eurcllar-sa em ama lingua que nunca tirara oc
tu
prec
at i
ecoot
vdi
plrb.
o,
daa
deacreveu o parallelismo Jas
fon dador das cidadea, e
|aa gg6as.
Se a agricultura
honrada florescente n'um
na abundancia de todas as cousas. 0 desenvol-
vimento da industria tambem um sigoal de ri-
queza, mas relativa e aleatoria. E Analmente os
monumentos pomposos a de aceto publico indi-
can quo o auperfluo da rlquea pede ser empro-
gado sem inconveniente em trabalbos improduc-
tivo.
Os povos que canaliaaram o Euphralea o Ni-
lo con un Un de irrigagio sem duvida nada te-
liam que aprender dos nossos eomicioa e institu-
tos agrcolas. Os monumentos soterrados no so-
lo dC Egypto atteatam que aquello pait tinha
mais vveres do que habitaoles ; o que contraria
por certo o famoso principio de Halthusque
medida que a populacho cresce o alimento di-
minue.
Que espectculo nos offerecem as sociedades
chrlstiaa da edade media ? A Europa estava co-
berta de monumentos inabalsveis erguidos pela
arte e piedade das populagdes : o que delles res-
ta a principal gloria artstica das naces moder-
nas. O furor esiupido dos revolucionarios/lo-
men do progretiodestruiu uma parte I A al-
deia mais humille possuia um primor d'arte :
nem meamo a arte grega ornara o paganismo
com maia profusio.
As condiccoes da edificagio 'dos Pharas para
c parecem immutaveia: preciso alimentar o
operario, que vive do aeu trabalho e nada ajunta.
Se queris saber o que custou NolreDame de
Pars calculae em quanlo montara hoje a ana
edificagio. Pode-se fazer ama idea de que foi
as diversas pocas da nossa historia o salario do
operario representado em gneros alimenticios, e
por uma combinaco acha-ae que o operario da
da edade media trabalhava muito menos o era
alguma cousa mais bem remunerado do que o
operario moderno emancipado pela revolucao
(ranceza. Os trabalbos duravam seculos, por
que os povos trabalhavam paia gloria de Deas, e
nio fixavam limites a extensio dos seos sacti-
Santo Agoalinho
duasetdadw.
Nascem eom Caim, o
Abel, pastor.
A'cidade, repblica, se prendera a corrup-
cio, a escravidao, o reinado da forge. A' vida
pastoral e agrcola perteacem todo* o* verdadei-
ros bens da humanidad*, a paz eo rescimento
as familias, a riqueza ahondante e legitima, a
mmutabilidade das iradtcoes e dos costumes, a
influencia dos dogmas religiosos.
Roma, a cidade por excelleneia, concentra em
todo o orguiho da Ierra ; domina pela forga
i suss armas e leis. O que suas armas abatoram,
as? leja impedem que se reaUbelege.
Todo o soldado romano ao mesmo lempo sol-
d e legista. A astucia, a agudeza, a m f ca-
ractersam as conquistas de Roma.
Por toda a parle onde peoetra destre a torca
ital, a deixa aubstetlado um mecanismo de
estado e de cidade. Obstinase contra os Judeus
Gaulezes, nicos oovoa religiosos que eocontra
n sua carreira. Afogi. emquanto pode, nosao-
gue, o judaismo, o druidismo e- o christianismo.
Nio obstanle Voltaire louva sua toleraocia.
Roma estendeu s naces o seu direito de ci-
ado, o seu direito commuoista da agualdada ci-
licio*.

As insliluigoes nio eram s favoraveis i agri-
cultura, eran tambem fundadas sobre a meama
agricultura. O poder publico deriva va do direito
de propriedade. A lei era autochlhona ; propria
do paiz, confunda-ae com oa costumes. Aa guer-
ras sociaes destruiram em parte essas iostitai-
(des; e nos modernos applicamcs a todo o passa-
do a quatiOcagio de enligo rgimen. E' cerlo que
a Fraoga foi pobre nos seculos XVII e XVIII; mas
engao crr-se que o foi muito mais do que ho-
je. Batamos habituados a crr fcilmente nos
boatos, movimeoto, reclamacoes agiotagem :
oa realidade a modestia o que nos convm. Os
quadros estalislicos bao demonstrado que a Frin-
ga nio produzia todo o sen alimento em graos e
emgado : as declamacoes nao podem obscurecer
semelhante faci.
A aulhenlicidade da nossa indigencia est cla-
ra a todos.os respeitos. Se os economistas nos
objectarem aue nos tornamos graodea consumi-
dores, respo der-lbes-hemos que ao contrario
somos mui propensos a crr que nossos antepas-
sados consumiam mais do que nos. Vemos, ou-
tro sim, por documentos, e mil circunstancias
da vida privada que a forga physica nao vae em
augmento. Fei preciso mudara eatatura dos nos-
sos conscriptos, o nio ser o rgimen industrial
que a hade restabeleeer.
A poputagio, que crescera depois das guerras
ao imperio, tenue a paralysar-se : um movimeo-
'o retrogrado temaidoassignalado. A ultima es-
tatistica nio fui ainda publicada : nao bom sig-
oal. Emfim a poputagio dos campos mingos
apeaar das palavras animadoras prodigatisadas
agricultura I
Essa lei do progresso material uma chimera ;
nao o confeasamos porque queiramos langar o
odioso nossa poca ; nella, como em quaiquar
oulra, ha bonse cts : maus inquestionavel que
casiio de fallar. Jacques aceitn. Erasmpre uma
distracgao.
O doulor offereeeu-lhe dsrem um paaseio : de-
pois propoz- Ihe f a zer-lhe viriles, em um dos diaa
soguiotes nos arredores que eram encantado-es
segundo dizia. '
Sabe jogar xadrez ? perguntou-lhe o me-
dico.
Nio.
Que desgraga I Pois aqui jogi-se muito.
Sabe msica ?
Alguma cousa, respondeu Jacques. sor-
rindo.
Eolio pode tocar e cantar com o commissa-
no e com mioba mulher.
Quem ease commissario ?
E' o inspector dos passaportes. Fall 0
francez I
E a Sra. Hoaen ?
Nao.
O que que loca o commissario.
Rabeca.
E a seohora ?
Caota. Eo senhor ?
Eu toco piano.
Tenho um piano. Nio li muito bom, maa
emfim otea elle qu* neuhum.e o anteo que ha
aqu. Reuoimo-noa muilaa vezea.
Eolio ha sociedade em Pless ?
Certameote. Foi au quem creou essas pe-
queas reunioes,
-F- Ha mutio lempo aue o senhor habita em
Pless?
Quioze annos.
Quinze aonos I Has viaja alguma* vezes ?
Nunca.
Assim, ha quinze annos...
Nio tenho sahidodesla cidade. Sou a nico
medico daqui.
E nao ae aborrece ?
Nio.
E mdame Hoaen ?
Educa seas lilhos.
E lem mullos ?
Sote : quatro raparigas, e tres rapazas.
Jacquea olhou com admiragio para esse homem,
que pareca feliz.
O que o habito I dizia elle com sigo. Quin-
ze aneo* em Pleas I e eu que nio sei como hei
de passar aqu quinze diaa I
O doutor instatiu para qu* Jacques fots* jan-
lar com elle. Jacquea recusou obstinadamente ;
maa nao pode recusar ser apresenia.do madama
Hosen, e passar 4 note urna hora em casa do
medico. Este ni* se aborreca em Pese, mas nio
deixava de eatimar a dietraegio que Jacquea po-
da proporciouar-lhe.
O doulor conduziu o nosso viajante i uma ca-
zinha de linda apparencia emeomparacio da suas
visinhas. Tioha um andar. Era mobiliada aim-
plesmente, maaeom^aeeio ; tinha atraz um pe-
queo jardim.
Eis-aqui mlnha mulher, dlsse o doutor i Jac
quet, apreseotaodo-ltae uma mulherzinha gorda,
naonba e bonita, dessa belleza loura, rosada e
brenca, que paree* perteoeer especialmente 4
Allemanha.
Ella ficou toda corada so ver um extranho que,
apesar de preoecupada come estara, olhava para
com ella com prater. Agrada sempre ver uma
mulher bouit. Jacques comegou a comprehen-
der porquejrazio o doutor nao aa ebhorreela. Con
nossa geragio ae deix seajuzir pelo abeaMalar
progresso majeriaL .,~ w
Ante***}, clvflisaae. n*gaaMeJ daco*-
e p*graaso des la., erraajal|go I As
loccepagoes publicas traecen^afa rez mais :
o acolo XVII conservaram-a* tbeologicaa ;
seaotoJCVIlI lori.er.m-** philatophiea*;
?nomTtas no seculo XIX. Cada quaf cuida da
la e das sua* difOcaldedas Os economittas
reinsm por succesaao aos theologns, e pbiloso-
0 seu gtosseirC cherllarilsmc disperta a
tteuQo proclamando a vida facjl e com moda.,.
Coqi-lle.
,0f ,. > j ,|a3___Itfonde.SUvtra.)
A revolacig.
s facas contemporneos allamiam o passado
explicara a hiatoria.- m '
Vemos que se acabara as differangaa da iote-
resse e opiniao, e que todas as controversias ra-
duxem-ae a estes dous tormos a bem e o mal. A
ande lula da verdade e do erro oceopa a vida
nages, edos individuos; maa eono pre-
sentemente fcil dedozir delta a frmala hist-
rica '
I
dado
vil.
Continuar-ee-ha.)
Variedades.
UMA CACADA DE MARtNHEIROS.
(Concluido.)
Tomaremos parta n'esse seto, responden o
official ; nio me pezi prestar este ultimo aerrigo
a essa excedente. .. Como a chamas ?
Catharioa. -
A essa excellente Catharioa ; abre-nos a
porta.
Entramos, nem uma alma n'essa miseravel
cabana, alm do relho rebugenio que veio a-
brir-noa a porta. Un esquife desesngava aobre
douacavalheles, e sob a salva-guarda de um
prato cheio de sal, destinado a suprestigio po-
pular, a expellir o eapirito daa Irevas. A es-
querda estava uma pequona porta, cuja entrada
eslava tomada pelo esquife.
Ah ? Bob, ioterrompeu,rindo-ae o midship-
mao, at aqui me tens satisfeito ; mas agora te
descuidaste.
-- Me deseuidei ? perguntou o piloto.
Est discripgao me parece muito rida; oo
tiras toda a vantagem que li offerece o tea es-
quife ?
Q meu eaquife M. Spriog ?
Em semelhante caso, bravo Bob, accres-
centa-se sempre :
Fra o vento soprava com todo o sea furor;
um catavento rangia sobre o telhado e fazia re-
cuar que a alma da defunta nao tuesse que dar
no cu terrveis cuotas ; espessos frocos da nev
entraram pela porta, qu* ficava aberta, e cobria
o chio de uma vasta mortslha ; uma velha lam-
pada de ferro eaiava pendnrada no lelo e pro-
jectava aqu n-ali sombras fantsticas .
Mis o_ lempo eslava pelo contrario aecco,
senhor Spring, e a noile muito calma.
Que imporli meu velho Bob.
E a verdade ?
Essa boa I um pouco de chuva e de nev,
um catavento em nada prejudicam a verdade, ao
passo que dio cor.
E se eu accrescenlasse alguos relmpagos
que rompiam as nuvens? perguntou o pillo.
Nao produziria mo eReito Bob; maa o
que disse suffioiente por esta vez.
Neste-caso, prosigo:
Essa pequea porta no limiar da qual pareca
montar guarda o esquife, despertou minhas sus-
peitas.
D. quarto, perguntou o lente.
Ah I senhor nio coatumo intrometter-me
no que diz respeilo aos visinhos ; uma pergun-
ta indiscreta que me faz V. S.
Poia bem I permiti que arredemos um
pouco este esquife eom ledo o respeilo que se
deve aos morios...que esli mortos ..e carread-
remos com as consequencias de noasa indiscrip-
gio.
_ V. S. vae de encontr a jusliga; porquanto
nio se viola assim um domicilio...
Levanten), ordenou o official.
--piabo I disaa urna velha Gatharna pesa
gatllhada, avangoo s para o meio.do ufarte.
\amoa, roeus bravos, diia-tbe aidgiodo-
rLt0.' de,e,to/S*,.pJwtwWade, invada
podessemo ver, sabemos uueTeago aqi"3fl-
treguem-se ; toda a rerirtecia'sera nu^.XrV
que somos engrande numero e bem armeiog:
graoV0'3 m r d ^ fcdfoea.*' W
Nenhuria resposla a sta inlimaclo. Gafa-
nos cuchichos e palavras animadas pronunciadss
era voz baixa...Nomos tolos delUiemuta/
Trouxemm ento urna luz a vimos ob pobres
diabos asseplados em suas trouxas, unidos aos
eos outros e tio aturdidos tamo ratos presos as
retoeiras.
Passoo-se-lhes por debixo dq^ago um pao
amarrado com cerdas, lies comrgaram a des-
filar um aps oulra pela porta da casiohola tio
fastosamente decorada com etifut* de estala-
gem, quaodo drigindo-me ao official.
Meu teotate, pergaatet-lhe, pjfcando-lhe
um olho, permilti que deixe ficar uma baila as
taboas deste esquife?
Como quizare,. t1, 5rfcflJ,,l
Como assim isto ana indignidade ex-
clamarain todoa, um infame sacrilegio I
E elles tinham resto! disaa o midshipmen.
Esperae M. Spring I eu liaba nm projeoto.
Matar um morto, continuei, grande desgrecs!
Uemais para que este pralo ebeio de sal ?
Para affsstar o demonio.
Pois bem I aa bailas darem ter a mesma
propriedade, e se o demonio ahi eativer, nc-
crescentei armando minha pistola, que dirig va-
garosamente para o esquife, podem flcarcerlos...
De repente a tampa saltn, e vimos levantar-
se um vigorase g*roto que vinha do ootro mun-
do em perfeita sado.
Amarraram-no como oa outros, sem que desse
uma ptlavra.
~" "a easa gente era mansa coma cotdeiro
disse M. Spring ; deixava-se prender e amarrar'
que-era um gosto.
Todas as levas uo sao tio pacificas, meu
ollicial. Muilas vezes volta-se deltas com os ros
em conserva. Algumas vezes at nio se volta.
i- e o qu* oos teria acontecido se nos nio apres-
.sassemos em partir.
Entie os cordeiros eram lobos desfajados.
Nio senhor Spriog; mas os habitantes acor-
dsvam, as janellas e aa portas cemecavam a
abrir-se. Um rumor surdo circulava na aldeia,
e formavan-ae j ajuntamentos na praga...Os ca-
tavento*, os frocos de nev, o vento...* loa...
Enlo que isso? perguntou o midship-
man.
Nio me disse, senhor Spriog, que convi-
nha dar cor.
Cortamente Bob; mas nio se deve abusar.
Da mais as cores rarkm segundo as circunstan-
cias.
Julgava...
' Compreheodes, por exemplo, que qusodo
a scem se passa en pleno dia, dere-se renun-
ciar a la.
E' substituida pelo sol ?
Naturalmente. O quadro aprasivel, pro-
seguio o raidshipman, que se diverta um pouco
com a imbecillidade do velho piloto, deixas na
palheta os relmpagos e aa geadas ; as tempesta-
des se mudam em agradareis blandicias dos ze-
phiros...
Zephiro ? nio cohego.
...a nev, em rerdora; oa cstaventos que
rangem em toutioegraaj e piscos que eantam na
florala...
Comprehendo.
Assim, no caso presente...um rumor popu-
lar, nao iato?
Sim, M. Spring.
Poderias ter recorrido tempestado que
brame, s ondas agitadas, e ao ribombar do tro-
vio.
Muito bem, meu official. Emfim uma mul-
tidio de vadios ji comegava a rodeiar-nos com
ar ameagador, e nao havia um momento a per-
der para alcncennos a chalupa. O fim de nos-
sa estagao as costas da Irlanda eslava preen-
chido, por tanto o Norfolk fez-se de vela...Eis o
que os maritimoa chsmam uma leva.
O que mais me admira em tua historia,
Bob, disse o mldshipman, aeres lu quem m'j
cont.
Porque M. Spring?
Porque parecia-me que ella devera termi-
nar-se assim : As victimas do timoneiro Bob les-
temunharam-lhe o seu reconhecimento," lsngan-
do-o ao mar, apanhalando-o, es'.rangulando-o,
ou de qualquer ootra forma aemelbante.
_ Ah ah I replicou o piloto, o senhor ainda
nao coohece o homem do mar, neu official...
Nossos recrutas ainda nio hariarn navegado dona
diaa ji tinham esquectdo totalmente a m peca
que lhes pregara.
No momento em que Bob acabara a sua nar-
ragio soava a bordo do vapor o sigoal da par-
tida.
Eis como trouxe esta historia para Fraoga, ao
mesmo tempo que algumas navalhas de Man-
cheeter e em waterproof do Liverpool.
Pail Normano.
Siicle.Uline*.
versou um pouco com madama Hoaen, que era-
pregou a melhor vontade em compreheode-lo,
maa em cuja bocea olhoa, elle encontrara sem-
pre prestes a escapar esse sorriso zombeteiro que
o seu allemdo disperlavaj em toda a parle. A
hora que ali passou foi a maia curta do dia.
Quem ousaria neger-lheo poder da mulher?
Essa creatura joven, linda, alegre s com a tua
apparigio langsva uma especie de raio de lux
eotre Jacquea f a sua tristeza.
De volta estalagem, jantou com muito ape-
tite. Estiva acabando de jaotar quaodo o dou-
tor o foi buscar e disse-lhe :
Vse fazer conheclmenlo com toda a socieda-
de de Pless ; com o commissario que de um ca-
rcter um pouco taciturno, e com um joven eni-
pregado de uma casa de Iraoaito, que um rapaz
encantador.
O commissario era um homem de seus quaren-
ta ennos pouco mais ou menos, com easa destine
cao de sorte que d a pasaagem de uma grande
dr. Esse homem devia ter soflrido, maa nin-
guem conhecia a natureza dos seas soffrimentos
passados. E' verdade que ninguem Ih'a pergun-
tava, nao por indifTerenca, porm, por discrigio,
Os Allemies nio sao pergontedores. Vivem to-
dos um pouco pe* alma, e deixam 4 cada um o
aegredo de aua vida intima. Nunca cruzam como
nos a curiosidade com o nome de ibteresses. Um
soffre, quanto basta para qua o eatimen ; a
causa nio lhes importa. Durante o tempo que
Jacques passou em Pless, ninguem teve sequer a
idea de Ihe perguntar o que ali ia fazer, comqaan-
to aua praaenca prolongada oesse paiz perdido,
podease dar lugar i todas aa supposices.
O commissario viva sempre s. Urna vez por
semana, quando maito, ia isitsr o doulor e sua
mulher. Todo o tempo qoe Ihe deixava o seu em-
prego, passava-o a ler e s tocar. Nunca recebia
carias nem as escrevie. Nio lho cooheciam p-
renles. Nao se havia ausentado um s dia nos
oito aonos que ali eslava. Em Frange diriim que
era um espiio. Na Allemanha,diziam : cE' o com-
missario. Fra delle que fallara o Sr. Deifosas
como da nica pessoa que fatlava francez em
Pleas. Com effeito, fatlava o muito" correcta-
mente como o inglez e o italiano. Tioham-Ihe
proposto un lugar mais lucrativo en ana grao-
de cidade e elle havia recasado ; Jacques nuces
soube porque razio, nen eu tio pouco.
O enpregado da caaa de transito tinha viole e
dous annos e j a gravidaoajda edade madura,
gravidade precoce que a Allemanha, com aeus
eatudoa arios, d seus lilhos maia obscuros, os
quaea sao sempre mais instruidos do que ot nos-
sos joveos mais destnelos. Assim esse mancebo
ceixeirtf de mil fraocos ppr anuo, fallera o inglez
orno sua lingua materna, conhecia admiravel-
meoto a hiatoria euroja aotiga a moderna, era
muaico, aabia um pofllb do medicina, de phyaic*
e de chimice, esteudi* cada dia aa seus cenbeci-
mentos sem alargar por iaso aa suas smbigdee, *
so para a aatitfacloue sus vida interior, intil aoa
outros na apparencia, adquira pouco 4 pouce os
elementos inlellecluaea qaa fallan entra as.
aquelles da qaam qualqaer protecgiu fez pro
maturamente homeos publico*. A educagio al-
ienis, amootoendo assim nos espirito* a melor
qaantidade possivel de riquezss, pfie-oa preven-
tivamente em estado de lular contra as adversi-
dades provaveis d vida. Aqu a Ustrocfio se,
d e se. toma principalmente coa um nade atl-
Itdade geral; l domina a razo privada. Aquiins-
iraimo-noa para os outros, l elles se instruem
para si sos; o que d a Allemanha esse pro-
gresso quottdiaoo e esse producto incessante e
simultaneo do peosameoto. Ella nio avance
como nos, vaidades, ioapirages, ou temeri-
dedee, que nos forgam muilas vezes a tornar
atraz e a fazer assim o duplo do camioho; cava
com pacieocia, caminha eom certeza, nio enalte
aenao o que adqnire ; e quando diz que umacou-
za e. verdaderamente, e por isso o gnnde
contraste de Europa e ali que o ouro descien-
cia e da philosophia vem fazer-se experimentar.
Nao existe na Allemanha a centralisagio da
intelligencia. Cada qual fez sua obra e a proJuz
onde est. Tendo cida Individuo recebido, quar
na familia, quer na universidade, a somma de
conhecimentoomp*tivel com a *ua orgaoisa-
C*o, leva-a para onde bem Ihe parece. Por mais
longe que esteje, un* rod do mechanismo ge-
ral ; e quer guardar para ai o qu- sabe, lem an-
da o mrito de estar apto para comprebender lu-
do o que se diz, se escreve e se faz no seu paiz
oa no* oalros. H* pequeo burgo o* Allemanha
onde tres oa quatro individao* muito modestos e
insignificantes na apparencia poderiara sustentar
quelquer dlscussio com qualquer academia. Em
cerlaa pocas fixas, a sciancia presta suas contas,
laz-seo total, pdem-se em commum as acquisices
le tas e continua-se.
Ser necessario dizer tambem que oa Alie*
misa, ser por natureza, ser por neceasidade,
lem simplificado enormemente o lado e paixio
da vidajr? Raras vezes sao jogadores, oso amam
aa mulheres, a amam sua mulher. Noivoa mui-
to -mogoa, casera doa viole aoa vinte ioco sa-
no*; nascerain paea de familia, so-o com intel-
igencia, e urna res cesados, nanea maia lem
amantes. Antes do casamento, quando muito
lem uma boa amiga. Esludem a aua lilteralura
e terio uma prava do qua avaogo. Esta epraz-ae
ni pintura daa maia mipocioaaa alegras domes-
ticas, aquece o corogio do fogo dolar,aenta-se com
oooceute alegra i mea* hospitaleira da familia ;
lorna-se de vez em quando um pouco pesado na
cootemolagio de detalhea insignificantes i forea
da leouida le ; naaca abre as eortinaa aa alcor
nem para etlaa olha. Aqui e ali alguns alegres
quadros de bebedores, algumas cances joviaes.
cujo estribilbo o choque dos copos, porque o
velho Rheno atraveasa aempre a poeaia que
fecunda com auas aguas najestos** e alegra
coto seu vinho acintillaote, mas d'abl nio
passa, aio os seus nicos debochas. A psycho-
logia allenga vae at o ultimo limite dos soti-
meotos, e reprodu-los por maia fios e delicados
que *ej*m; mas como oaeguerrevJtypo, nio apa-
nha aeo&o o que eat aocegado. Pira na,naitao
que nao p4e descrever.porqu* nao a camprehen-
Ue. Quaauai lie aa aventara, para damoos-
trar-lhe fmpoasibilidade, local, como em Wer-
ther. onde a exagera e oao lbe chaotltr* solu-
caosePM ositclui.
(Continuar-**-*.]

^
MRN. TYP, DE M. F. DI PARIA X FlLHO.lBot
* .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ7ZNWVPB_O8HYV5 INGEST_TIME 2013-04-30T22:57:30Z PACKAGE AA00011611_09884
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES