Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09883


This item is only available as the following downloads:


Full Text
illl XZZ7II IDIUO 2S1
Poctre#pMastailadas *tm
P#r tre aun vencidos 6)000
ODIITA FEHA S 1E DEZEMBRO
PranBt4Mltd19|000
Ptrte fmet ttri iitoerifWr.

E.MCARREGADOS D^V SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaadrino de Li-
is ; Ntal, o Sr. Antonio Marques da Silva
Aracaty, o Sr. A. de Lamo* Braga; Cear o Sr
f. Jos 4 Oliveira; Maraohio, o Sr. Maooel
Jos Martina Ribeiro Guimarae; Para, Justino
J. Ramos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Coala.
---------
PARTIDAS UUa.CHHKlu.
Olinda todos os dis as %% horas do da.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sellaa-feiras. ----
S. Antio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altioho
e Garanhuns as tergas-feiras.
Po d'Alho, Nazarejlh. Liraoeiro, Brejo. Pes-
. ieira, Iogazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouncury e Exu oas qua.tis-eira.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso, Uoa.Barreiroa
Agua Preta, Pimentelras e Natal quintas feiraa.
(Todoa os correioa parlem as 10 horas da manha)
EPHEMEEIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
1 La nova aa 11 alora* 57 min toa4a tardaJ
9 Quarto erascent aoa 50 minutos ra mantea '
17 La ebaia a* 5 horas e 32 niatos da tarde.
Oaarto mingoaita as 7 horas eM minlos
da tarde.
31 La or as 11 horas o 35 minlos do man:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 7 horas e 42 minutos da manhia
Segando as 8 horas e 6 minotoa da tarda.
DAS DA SEMANA.
2 Segunda. S.Bilbina *. m.; S. Adria m.
3 Terca. S. Francisco Itavier ap. das India*.
4 Quarta. S. Barbara v.m.; S. Pedro Chrysologo.
,%5 Quinto. S. Gorafde are. ; 8. Sabas ab.
6 Sexta. S. Nicolao b. de Mira ; S. Leooiaaa m.
7 Sabbado. S. Ambroxio avdoot. da agrej*.
8 Domiogo. Concedi do Roosa Senbora.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : aegundas o quintas.
Relaco: tercas, quintes e sabbados asO horas
razenda : torgas, quintas e sabbados aa 10 horas'
Joizo do commercio : qnsrtss ao meio dia.
Dito de orphaoa: tercas e sextaa aa 10 horas.
Priroeira rara do dril: tercae aextas ao meio
da.
Segunda Tara do civel: quarlas o sabbados a 1
horada tarde.
mn officul.
ENCARREGADOS DA SBSCItIPCAO DO SL,
Alarias, o Sr. afcino Falcio Dias ; Babia.
* EM PERNAMBUCO.
!!I'a:AF,lt0' """ P" da Iodeoen-
GOVERNO DA PR0VISC14.
Expediente dogoverno do di 30de
__ noTOmbro de 1 SO I
Offietq ao 8xm. presidenta das Alagoas.lta-
e'i J-Y* Exc- como me ''quwitou em seu offl-
co de 13 do correte, orna copla, do-- relaiorio
apreteotado pelo raajor Sebastian Antonio do
Reg Barros cpm referencia ao quarlel militar
deata provincia.
Dito ao commaodante daa armas. Pela leitu-
ra de seu oficio de hojesob n. 1W2. Aquel iotel-
rsdo de que por deflciencia de Torga s tomarlo
parte na parada do dia 2 de dezembro prximo
viodouro o 4 batalho de arlilbaria, e a compa-
nhta de artfices.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S. para seu
coQhecimento e direegao que neala data expeco
as convenientes ordena para que o director do
arsenal da guerra race beodo do conselho admi-
nistrativo os objectos constantes do pedido que
acompanhou o offixio desse commaodo de 19 de
outubro ultimo eob'n.1,-737 para a escola ele-
meotar do 10 batalho de infantaria no correte
semestre os faca entregar ao respectivo quarlel
mesire, meos as 12 grammalicas portuguezas
por Monte Verde e outras tantas srilhmaticas por
Avilla, as quaes por nao exislirem no mercado
nao furam aioda compradas, e vao ser substitui-
das pelas que seacham approvadas para as esco-
las deinstruegao elementar.Commuoicou-se ao
director do arsenal de guerra e ao conselho ad-
ministrativo.
Dito ao mesmo.Passo as mos da V. S. o pro-
cesso do conselho de guerra do capitao da com-
panhia de cavallaria Manoel Porfirio de Castro e
Araujo, fim de ercumprida a aeoUuca prefe-
rida pelo cooaelho supremo militar de jutlica no
mesmo proceaso.
Dito ao mesmo.Em visla dos inclusos papis
relativos ao pagamento que pede o teoenle do 9*
batalho de infantera Maooel Diooizio de Souza
proveniente de aluguWe bostas de bagagem e
diarias abonadas a tres sentenciados, os infor-
me V. S. se sao de justida ou militares os en
teociados de que se trats, o emquanto montam
essas dianas. ^J
Dito a thesouraria de ffazenda.Constando de
aviso do ministerio da fazeoda de 16 do correte
que fora approvada deliberarlo que tomou *de
mandar pagar aos empregadosda recebedoria de
rendas internas desta provincia o augmento de
vencimeotos que Ihe fui concedido pelo artigo 12
3 10 da leio. 1,114 de 27 de setembro do aono
passado, assim o commuoico a V. S. para seu eo-
nhecimeoto e direegao.
Dito ao mesmo.Para poder cuaprir o dispos-
to no aviso circular do ministerio da marioha de
4 de outubro ultimo, faz-se preciso que V. S. me
remella com urgeocla urna relagao dos proprios
nacionaes que nesta provincia estiverem sob a
admioistrago daquelle ministerio, com declara-
cao dos respectivos valores, estado de conserva-
cao, serticos a que esto afleclo, se publico ou
particular, e po ultimo caso se por locaco ou
coocessflo gratuita.
Dito ao mesmo.Transmiti por copia a V. S.
para seu eonhecimeoto e devida execugao, o aviso
de 9 do crreme em que o Exm. Sr. ministro da
guerra declara que S. M. o Imperador atteodendo
benignamente ao que da novo representaram Ve-
nancia Mara do Valle e suas irmas, bouve por
bem determioar que ficaodosem effeito o aviso
de 33 de agosto ultimo, se cumpra o disposto no
de 15 de maio anterior, pagando as aupplicaotes
1:000>, em mais dependencias do que a apreseo-
tago da carta de liberdade do soldado Antonio
Jos de Oliveira, a qual ca archivada na secre-
taria desta presidencia, conforme ae determina
no primeiro dos citados avisos.
Dito ao mesmo.Commuoico a V. S. Dar seu
eonhecimeoto e afim ae que o faga constar a quem
competir, que com aviso de 8 do correte remet-
teu-me o Exm.Sr. minialro da fazeoda o titulo
pelo qual fui nomeado Antonio Pedro Vaz para
o lugar de 4* escriturario da alfaodega desta ca-
pital.
Dito a thesouraria provincial.De cooformlda-
de com a sua ioformacao de hontem sob n. 604,,
mande V. S. entregar a Antonio da Cruz Ledo a
quantia de 3:0009000 por conta do fornecfmenlo
por elle felto aos collegios de orpbos nos mezes
de setembro e outubro desle anoo.
Dito ao meamo.Devolvo a1 V. S. a conta em
duplcala a que se refere a su iuformacao de 26
do corrente, aob n. 596, aflm de que as maode
pagar a Pedro Paulo dos Santos, conforme requi-
sitou o chefede polica em officio de 2 desle mez,
n. 1,093, a quantia de 519000, proveniente do
curativo da re Rita Marganda; da Cooceico exis-
tente na cadeia de Caruar. Communicou-se ao
chefe da polica.
Dito ao mesmo.Acceso recebido o oficio de
hootem sob n. 602, em que V. S. communica que
indo a praca os impostos de que tratam os para-
grapbos 16, 17, 31 e 42 e augmento de cioco por
ceoto comprehendido no paragrapho 13 e o de
109000 res no psragrapho 7, os quaes devem ser
cobrados na cmara da Boa-Vista, offereceu 509
mil ris a Antonio Ferreira Lustosa pela renda
que elles produzirem no exercicio corrente e no
seguiote, fieando eata quantia depositada nessa
thesouraris para garanta da srremataco, e em
resposta leobo a dizer que pode V. S. acceitar
ease offerecimento em vista das razos expendidas
no citado officio.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
Vmc. entregar ao oficial que por parte do coro-
nel commaodante do quarto batalho de artilha-
ria a p.ahi se apresentar oito boceas de fogo pa-
ra a parada do dia 2 de dezembro prximo vin-
douro.Communicou-se ao commandanie das
armas.
Dito ao commandanie do presidio de Fernan-
da.Accuso recebido oficio de 15 do correte,
sob numero 120 com que Vmc. me eoviou urna
tabella estipulando os precos dos gneros de pri-
meira oecessidade, que devem ser enviadas a re-
talbo oesse presidio, e em resposta julgo copre-
(tiente remeller-lbe por copia para seu cooneci-
mento e devida execucao a ioformacao ministra-
da a ease reapoito pelo inspector da thesouraria
de fszenda.
Diio aos agentes da companbia Brasileira de
paquetea i vaporPodem Vmc. fazer seguir pa-
ra os porlos do norte o vapor Paran proceden-
te dos do sul, a hora iodicada em seo officio de
29 do crranle.
Portarla.Os aeohorea ageotes da companhia
Brasileira de paquetes i vapor, maodem dar pas-
aagem de proa para o Rio de Janeiro no vapor
Tocantint, em lugar destinado para passageiros
de estado a Filippe Dom o seus dous Albos por
serem todos desvalidos.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana, mandem transportar para o Rio Grande
do Norte oa primeira opporlubidade os medica-
mentos que para ease Um Ibe serio mandados a-
preaeoUr por parte do director do araeoal de
guerra com destino a enfermarla militar daquella
provincia.Communicou-se so director do arae-
oal de guerra o ao commandanie daa armas.
Diu.-O presidente da provincia atteodendo
o que requeren, o commissario vaccinador pro-
Tioclal Dr. Joto Neponueano Da* Fernaadea, re-
v concader-lhe trea mozos da iiceooa com or-
dooasfc para tretar de sua saude fora desta ci-
Expedieute do Secretario do
gaverao.
Officio theaoarara de fazeoda.O Exm. Sr.
preaidente da provincia manda traosmittir V.
S. aa oito inclusas orden do thaaouro nacional,
seodo sale da numero 177 a 183 e urna reservada
asem numero.
-
Despachos do da SO de novemsro
de 1861.
Aeauernsntoa.
A nIonio da Cruz Ledo.Dirii a -se a thesouraria
provincial.
Jerooymo Melquades Ferreira da Silva.In-
forme o Sr. inspector do arsenal de marioha.
Maria Joaquina Ribeiro.Informe o Sr. direc-
tor geral da instrueco publica.
dencia na. 6 e 8.
em aples, depois Roma, e em ultimo lugar
Veneza ; isto pode ter sido lgico, To Uvis no
torio qu esta combioacio se malogrou, que a
questaaUliaaa_em'Tez d'avancar, tom retro-
gradado, e que a Italia est mais fraca hoja do
que o ara ba 6 mezoa ou um auno. Porque ae
oao varia de plano? Aa circumstaocias modifl-
oam rauitas vezas as combinagee humanas.
Porque ae nao comecar por Venez T Hoie
a corporacao da Hungra certa. Pdder dizer-
ae que d aqui a 8 mezes acontecer o mesmo, e
dtum Ron dtliUrat, Saguntum ptrit, aoa
Hungra se perder usase intervallo, as.forcas que
se oblerio de aples compensarlo a cooperario
pedida da Hungra ? aples o Roma, nao daro
Veneza Italia, aa a Haogria ae perder; mas
duas bstalhas simultneamente ganhas no P e
Daoubo reso'
b**' u.jurycvao puoiica. no Danubio resol varia aa 4+*m aUtoiM > .
r TXlZT* ?dilht Wumby.-IaIoreo to de Veneza^ a d" .oe. e otT ***"
' ur* cnele ** PoUcu- D*o w Daoobfo.'O estou to carta dioso co-
^______.____i____ m A n mi n ka > *- _" ________. a*
EXTERIOR.
Russia.
Em execucao do decreto do logar-teoente do
imperador, em que se promulga o estado de si-
tio na Polonia, o goveroador militar de Varsovia
pubiicou o seguinte decreto :
Vista a proclamado do lagar-tenente do im-
perador, o general conde de Lamber!.
Vulas as leis relativas ao estado de sitio que
ali sao recordadas, levamos ao eonhecimeoto dos
habitantes de Varsovia as seguiotes dispnsices:
1 E prohibida as ras e naspracas publi-
cas qiialquer reunio de mais de qustro possoas.
2Q Todas as porlaa exteriores daa caaaa e
quaosquer outras devem estar fechadas s nove
horas da ooite.
3 No caso de tumulto ou alarme, nioguem
deve sabir da sua casa ; as pessoas qae oesse mo-
mento se acharam na ra ao convidadas a reco-
Iherem-se s casas mais prximas onde teoham
coobectmenlos. Nestss circumstanciss as portas
das caaas devem ser immedialameote fechadas,
para que os perturbadores da paz publica nao
possam ali encontrar refugio.
4o Para evitar o tumulto, e nao embaracar a
ac$8o dos commandaotes militares, sao prohibi-
dos os ajuotamentoa no caso de incendio, a per-
manencia as ras na occasio de passagem de
tropas, e qualquer outro ajuotamenlo.
5* E' prohibido afflxar e destribuir cartazos
U im.prrf.MOS 8em aulor>ao previa da polica.
_ < 6 E prohibido vestir quaesquer (tos de fei-
tio desusado, assim como qualquer outro emble-
ma sedicioso.
7o O oso de bsngallas de estoque, de ben-
gallas forradas, chumbadas, em urna palavra de
qualquer bengalla groasa, tambem prohibido.
8 Dapoia das nove horas da noite, neohum
habitante, excepcio dos militares, deve sahir
Coaniem Tir n,UQd0 d0 un laoterna accesa.
9 E prohibido aos rapazes aahirem ra,
no caso de cootraveucio. sero re^poosaveis os
paes e tutores, ou os amos e patres em casa de
quem estiverem empregados.
c 10 t.' prohibido. aos estudaotes e aoa cole-
giaos aahirem aero necessidade, ou freqoenlar os
pasaeios e os lugares de reunio. Os paes. tuto-
res ou correspondentes desses mancebos sao con-
vidados, a vigiar omito particularmente a sua con-
ducta, tanto em cass como fora dalla.
11 Os fabricantes ou patres que tiverem em
aua casa operarios ou apreodizes nao devem dei-
xa-|os sabir sem motivo algum serio, e sem pre-
texto depois das 9 horas da ooite.
12 S os pareolea dos defuntos sao autori-
sados a acompaohar os enterros.
< 13 E' prohibido reunirem-se nos cemilerios,
os quaes devem alem disao ser fechados ao por
do sol.
14 Delermina-se que sejam fechados os
ciubs, principalmente os dos oegociaotes e oa
dos proprietarios.
15 Sao tambem fechadas at nova ordem aa
lojas de aguardantes, e aa sallas destinadas a di-
verlimentoa das elssses operaras.
t 16 Os commercios de vinho, pssteleiros,
restaurants, cafes, jardins pblicos etc. nao se
abrem antes das 6 horas da manha, e sero fe-
chados s 9 horas da noite.
a 17 E' severamente prohibida a venda publi-
ca de quaesquer publicases, brochuras, hyranos
etc., mpressos, lithogrsphias ou escriptos feitos
mao.
sob pena de se mandar fechar os seus armazeos,
expr J venda objectos de lucio, fatos inslitos
bonets quadradoa, polacas, cintos, lagos nacio-
oaes, boies, anneis ou dislioctivos ornados com
sguias. ou que teoham as armas unidas da Li-
thuania e da Polonia, etc.
c 19 A' excepeo doa homens do campo, que
veem para a praca, qualquer individuo que en-
trar na cidade ou sahir, derer estar munido
d um passaporte em regra.
20 Qualquer habitante que possuir armas
brancas ou de fogo. deveri deposita-las na poli-
ca no praso de 48 horas, depois da publicaco
do presente edital. Sao exemptos 'desta medida
os militares em activo aervico, ou reformados,
os empregadoa civis al i quinta classe inclusi-
vamente, os (uoecionariof russos, os alfsode-
gueiros, os empregados oas conlritmiges indi-
rectas e os conductores do correio.
Varsovu, 14 de outubro de 1861.
O goveroador militar de Varsovia, general aja
danta de campo
< Gersienzweig.
mo da mioha existencia, porque no Danubio e
nao no P que a questo italiana pode receber a
sua soluco definitiva. ,. ,.
Podem gaohar-se balalhas no territorio ita-
liano, mas s no Danubio que.se pode alean-
Car ama victoria estratgica, que produsa urna
solucao. No na Italia que Annibal foi venci-
do, a Italia foi libertada por Scipio. Todava
eao povoe ao governo italiano que cumpre de-
cidir. Eu direi aos meus amigos da Escosaia e da
Inglaterra; appressae rudo, o aniquiae a causa
da Italia, de maneira que auxiliis e ajudeia a
causa da Hungra. Os nossos interesses sao ide-
ticos e a nossa cansa a meama..
Sou etc.
L. Kotsuth.
Sobre os acontecimentos de Varsovia, traas-
crevemos o seguate que faz parte de urna carta
escripia Patrie:
Davidamos que nmaeldale, a menos que
nao seja lomada de assalto e entregue ao saque,
naja sido mais ultrajada.
Quem poder representar este quadro ? O
povo que reza oas igrejas cercado de tropas; os
cossacos, sem offictos, percorrem como selva-
geos as ras e praess, dastruindo ludo quaolo
encontram ns sua passagem, e conservando, du-
rante vinte e quatro horas, a povoaco encerra-
da as igrejaa espera da morte ; o ataque
tunoso desses soldados contra o povo, reaoido
em frente dos altares ; os homeos, as mulheres
e os sacerdotes sao brbaramente atropellados.
Corre o saogue, e o pavimento sagrado est co-
berto daa vestes e ornamentos sagrados. A sol-
dadesca cga de furor, apprehenda urnas 2.000
pessoas, enchendo-as de injurias, oconduzindo-
as at cidadella. E todas estas violencias, lo-
dos estes aotos.de barbaridade, ao praticados
para castigar os habitantes por haveretn cantado
hyrunos religiosos e patriticos que a igrejt an-
toras, e que o uso lera consagrado.
< A indigoaco chegou ao extremo na Polo-
nia. Os polacos deixaram-se maltratar, ultrajar,
o levar at pristo sam resistencia, e dtsseram
que queriam ter paciencia pela ultima vez.
Comprehendemos que a paciencia termine
em presenta de aimilhantea auioridadea, e que
este povo ae veja obrigadoa algum acto de des-
es^eraeo, sem se preoecapar do xito, e sem
mesmo pensar oo futuro. Diremos al'm diaso,
que nao conbecemos um povo de to incontesta-
vel bravura, capaz de demonstrar ama paciencia
to christa.
E' preeiso ter urna f mui ardente, e grande
conanca na justica da sua causa, para preseve-
rar, succeda o que succeder, na tranqaillidade e
trabalbo, e nao responde aos ultrages mais san-
guinolentos, seno por meio de snpplicaa e hym-
oos religiosos. E todava pedimos aos ooasoscom-
patriotas que ae nao deixem arrastar pela des-
esperaco, qae oo cessem de dar aos amigos
ds Polonia este heroico oxemplo de magoanimi-
dade, e nao submioistrar aos inimigos pseUxto
algum paranoros rigores.
A polica nao a deixa de aer obedecida, mas
e objecto de insultos quotidianos. A tropa cha-
mada para reitabelecer a ordem publica tam-
bem insultada. Em tola a parte ae encontram
publicasoee e menaag^oa dirigidas i afio, qual
dellas a mais profoendora. Sob pretexto de ce-
rimpoiaa religiosas teem lugar manifeitagoes po-
lticas, e deata maneira que, quaodo se rerl-
flcou a transladacao dos restos mor la es do arce-
bispo de Varsovia, foram levadas proeessiooal-
menta diversas insignias sediciosas, recordando a
uniao da Polonia e da Lithuania. Gracaa i in-
dulgeocis o ao concurso crimiooso de alguns ec-
cleaiaaticos partencentes ao clero catholieo ro-
mano, oj saocluarios deste rito lornaram-se la-
gares de manifestafes hostis ao governo.
Ecclealasticos, do alto do pulpito, prgam o
dioo e despreso da autoridad suprema. Na
igrejas a fon dellas canlam-se hymoos prohibi-
dos pele governo, recebem-se collectas e dooa-
tivos para'tos revolucionsrios ; finalmente, n'al-
guns poitos, as supplicas dirigidas ao co no dia
de galla ofOcial em honra de S. M. o imperador
e rei, forom sapptantaias pelos cnticos desses
nyma*-hibidoa.
Tolos estes fictos coostituem urna serie
de actos criminosos,' que nao podtam aer tole-
rados. Mao teodo-se continuado as elleicoes
para os couselbos de districto e municipalida-
des, obrgaram-ma a diffsrr ao*emprego da me-
didea de:i3ivas para obstar a quo deixasoem de
se por ao pratica' as ioslituicoes outorgadas o
Todivia a marcha das eleicoes nao correspon-
deu mtaha espectativa. Em muilaa localidades
chas, e aos reverendos superiores das comou-
nidades religiosas de Varsovia.
Varsovia 16 de outubro.
* *BI Prenca dos actos de profanado com-
metiidos esta noite na igrej metropolitana do S.
*oao e na dos padres Bernardinos, o administra-
dor da diocese da Varsovia, decidi que aquellas
auas igrejas fossem fechadaa, e que lli se nao
podesse celebrar officio algum antes da sua pu-
nficaco.
t Alm disso, o administrador da diocese, te-
mando com razo que semelhaotes attentados se
commettessem naa outras igrejas, ordena que de
arnaohaa por .dianteas igrejas parochises, as das
comunidades, assim como as capellas fossem
lechadas emquanto se nao tomaase outra resolu-
eao, uto at que se teoha obtido urna garanta
cena de que as igrejas ealo ao abrigo deseme-
jantes profanares, e qae os fiis podero com
toda a seguraoca reunir-se e orar all.
Assignado -.
O abbade Sieklucki.
[Jornal do Commtrcio de Lisboa.)
PERNAMBUCO.
REVISTA OIARIA.
Perante o Sr. Dr. chefe de polica, foi dada
pelo Sr. Dr. promotor publico ama denuncia con-
tra Manoel Marques Soares, pelo facto crimiooso
de haver o mesmo deflorado Innocencia de tai,
levaram-soa efoUo7b" io^encTa'dVum'a'prel- \ "0'de 17 "D0, e,filh' de Andr U"C01 Go*
mesmas manifestagoes
alo moral, no meio das
hostis ao governo.
* Os elaitores esqueeendo, qae os direitos que
Ihe forsm concedidos se limitam eleigo doa
raembros dos candidato* para osconselhos de
districto e municipalidades, assignarem peticoes
e mensageis prohibidas pela lei.
c SemelSantes actos que comegim aniquilar a
auloridade legal, e que tem tidoem reaultado in-
zir a anarchia no paiz. obriga o governo
mes, pessoa miseravel.
O collegio eleitoral de Garanbus, perten-
i cente ao 4. circulo, deu o seguiote resultado :
Antonio Josquim de Castro Nuoes..........
Dr. Francisco de Paula Bspata............
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimares..
Dr. Antonio Raogel de Torrea Baodeira.. .
Joo Braulio Correa e Silva..................
Dr. Jos Barboza Cordeiro..................
Miguel Archanjo de Menlonca..............
""""' uarcnia no paiz, ooriga o governo a r.;,s o.' .,*",..........
recorrer nedidas mais decisivas dos que aquel- n ? 2 'rwcioco Raphaol de Mello Reg.,
las que tem sido empregadas at agora. Por con- Fraoc,sco Peixolo Duerte..............
A Pertevaranza publica duas longas cartas de
Kossutb, oas quaes o enligo goveroador da Hun-
gra continua a expor a necessidade qae ha para a
Italia, de se associar ao aeu paiz.e de o auxiliar a
sublevar-secontra Austria, atacando aquella
potencia as suas pkVesses venezianas. Eis a
coocluso d'aquellas commuoicacoes que agora
oceupam muito toda a imprensa italiana.
Veneza nao para sa veoder, nem a Austria
i vender. Alm disso ama loucura comprar
Mr. Kossuth dirigi a Mr. Mac-Adam, de
Glaigow, a respeilo da situago dos negocios po-
lticos n Europa, a seguinte carta, qae reprodu-
zimos do Sun:
Verdaderamente, digo que um derer de
honra nacional para o povo ioglez fallar alto.
Nao besito em recoohecer que, por algumas ra-
spea que intil desenvolver aqui, temos neces-
sidade da Italia ; mas por outro lado, ouso dizer
que a cooperacao da Hungra tambem neces-
saria Italia.
a Os quinzo milhes de hngaros desligados
nao s das torcas do inimigo, maa juotoa s tor-
cas da Italia, foram ama differeoca de trinta mi-
lhes de hemens as probabilidades de xito
diOereoca maior do que a de toda a Italia, ae es-'
ttvewe anida, o que aioda nao est. Os princi-
pad bomeos de estado da Italia deviam conside-
rar bem que ha nisto olo s materia de aympa-
tbia o de oeoevoleacia fraternal, oas que um
assutnpto de interesse vital para a naco italiana
nao ae expr a perder a cooperacao oa Hungra.
c E' fasil dizer; .quo o Hungra tem oa aeus
negocios suspensos; que oipera quo a Italia pos-
ea desembaracar-ae de outros negocios de que
estio tralando. O faci que a Hungra nao pe-
dera esperar por moka) tan po. A crse ialo-
leravel, e oo pereailttdo a poder algum huma-
no prolongar urna cria iudenuideoMole. De ama
ou de outia maneira doro cessar.
c Tomem os principa homeos de estado oa
conta que a Hungra nao perca afina! toda o con-
nonca oo progroaso na vitalidade da caaaa ita-
liana, Deem lempo Austria para paraljaar a
Hungra o arraata-la nos perigosos Dos de um
compromisso.
c As cosequenctas serifm iocalculavei para
o futuro da Italia. Primeiro, o partido adoptado
urna parte da Italia.
c Falla-se de indemnisar a Austria no Orien-
te. Mas, na nossa poca, nao ae pode dispor de
um povo sem sua vonlade, o oa povos orien-
taos nao querem ouvir fallar da Austria. Servios,
habitantes da Bosnia e da Herzegovina, acceiti-
riam antes Bslzebuth para sua soberana, do que
a Auatria.
< A queato de Veneza nao pode pois aer re-
solvida aeoo pelaa armas.
Que deremos pois fazer ? diris ros. En von
dize-lo.
c Em primeiro lugar necessario intarvir,
procurando obter Roma antea de libertar Vene-
za ; necessario tratar quelo de Veneza pri-
meirimante, e reaolve-la de accordocom a Hun-
gra. E' necessario nao esquecer que o que
possivel boje, digo-o com cerless, pode aer ab-
solutamente impossivel d'aqui a alguns mezds.
Se a Italia, eonseguindo reprimir a reaco em
aples, o levar a bandeira tricolor ao capitolio,
chegar a perder o appoio da Huogria, nao s nao
possuu Veneza, mas proael que perca Ro-
ma, Napolea, e maia alguma cousa.
a Pelo contrario, libertando Veoza e deatruio-
do na Hungra, e por meio da Hungra, a torca
da Austria, a reaeco, no mesmo momelo, ser
soffocada em aples e Roma, como um fructo
amadurecioo.
a Peazo poit em primeiro lugar I E' mi-
oha opioio. Nao tendea as torgas necesasriaa ?
Dtrigi-vos Hungris, o olla vo-las dar, o mais
coosideraveia do que qualquer onlra potencia.
Veoeza em primeiro lugar Ke oenbnns obs-
tculos encontrareis em Pars.
Veoeza em primeiro lugar d'ontra maneira
a Huogria pode perder-ae, e ento o futuro da
Italia iocerto, porque a Italia ficar roduaida a
eota alternativa ; reoccoo ou revolngao, e a Aus-
tria poder aproveitar tanto de urna como de
outra. Repito pois: Veneza em primeiro lu-
gar I
Genova, 30 do setembro do 1861.
. Kosiuth.
Publicamos em seguida a proclamacio pela qual
o geoeral Lambert estabeleceu o eatado de aitio
ao reino da Polonia : "
Habilantee do reino da Polonia.
Depois de tomar a meo cargo a administra-
Cao do reino, esperara restabelecor por meio da
medida aaavea a tranqaillidade alterada no paiz.
Os inimigos da ordem publica, attribaindo a con-
ducta moderada do governo, oo s suas ioteo-
coes benvolas, mao sem duvida sua falla de
torca, tornaram-e todos o dias mais audacio-
soa. tiiupos composto da populaca daa -rus
paoetraa vioUntimente naa habitaede do ci-
dados pacficos, quebrara, torean, aa tojas o oa
estabeiecimentoa, roubam 'principalmente o es-
traogoiroa eatabeleciloa aqni, o oaforcando palo
terror de domioir a notado doa homens do to-
das a classes, chegam at a ultrajar a digoida-
de piKopal, Uo respailada na naco.
qaeucia para aasegurara tranquillidade dos habi-
tantes do paiz, e restabelecer a ordem publica,
Oca o reino da Polonia, am virtude de urna ordem
superior de S. M. o Imperador e rei, sujeito lei
marcial, e isto oa cooformidade dosregulamentos
publicados simultneamente.
Convencido todos os habitantes do reino, que ]
deiejam a paz, a paz, a nao darem ouvidos s
excitaces dos factos e desordena, a desprezar as
suas ameagas, que desde este momento deixar de
ter valor, e a auxiliar o governo afim de garantir
a prosperldade geral. j
Convido os doooa de casa a empregarem urna
estricta vigilancia sobre saaa familias, e aciacl-
palmente aobre seus filhos menores, que, por le-
viaodade principio da aua edade, poiem expor- '
ae as consequencias das lela marciaes, aa quaes
urna vez empregad a torca armada por reprimir
as desorden dss suas, compreheader todos sem
dislioeco de sexo ou de edade. >
Polooezes I
Pelo comprimento de vossos deveres para
com o vosso soberaoo, pela voaaa conflsnga as
suas intenges benvolas e vossa aubmisso s
autoridades estabelecidas por elle, aproximae o
momento em qae me bid ser promettido inter-
ceder junto de S. H. para a suppresso das leis
marciaes, e para oreslabeleciraeotodoslrabalhos
destinados a desenvolver pelos mais legaes as
ioslituicoes graciosas,ontorgsdasao reino da Po-
lonia.
c Varsovia 14 de outuoro de 1861.
Assignado o commaodante do primeiro exer-
cito, desempeobando as fancedes de logar -tenente
do reino.
Conde Lom&er.
Dr. Rodrigo Castor de Albuauerque Mara-
_ nh.( .....................................
Capitao Luiz Paulino de Hollaoda Vlenla..
Dr. Lourengo Francisco d'AlmeidaCatauho..
Dr. Marcos da Cmara Tamarindo............
5
4
3
No COllegio de Papacaga obliveram voto :
Mello Reg.......... 31
Dr. Witruvio........ 32
Dr.Citaobo.......... 32
Dr. Castor............ 32
Miguel Archanjo...... 32
Padre Duarte........ 32
No dito de S. Beoto :
Mello Reg........'.. 29
Dr. Cataoho.......... 29
Padre Tito........... 29
Dr. Marlios Pereira.. 29
Miguel Archanjo.... 29
Padre Duarte........ 19
Or. Castor............ 15
Dr. Witruvlo........ 15
Dr. Bandeira........ 15
informara-nos que o director da sociedade
recreativa JVora Harmona, mal foi divulgado
nesta cidade o fallecimento de S. M. F. o Sr. .
Pedro V., convocara oa membros da direcgo da
mesma sociedade, e propozera a iolerrupco da
partida de recreio, que tinha de dar-se no mesmo
da ; ao que todos annuiram uniformemente.
Igaal procedimeoto tireram as sociedades tam-
bem recreiatiras denominadas Bella Harmona e
Corybantina.
Alem disto, somosioformados tambem, deque
no corrente mez pretende a Vot>a t7armon'o
mandar celebrar um faoeralem hoora do augusto
fallecido, deven 1o all comparecer oo s os res-
pectivos membros, como aquellos das outras duas
citadas sociedades, que sero coovidados oesse
sentido.
A seguiote nota foi enviada ao logar-tenenta
general conde de Lambert, pelo administrador da Sao actos estes que honrara i quem oa prati-
diocese de Varsovia, em coosequencia dos acn- ce, e que revelara a popularidad* do neto do
tecimeotos dos dias 15 e 16 do mez passado.
c Os actos de profaoago commettidos hootem
na noasa cathedrai, oa igreja dos padres Bernar-
dinas, e na dos misionarios, pelos soldados mos-
covitas, eocheram de indignago e de horror os
habitantes desta cidade, e de todo o paiz, seja
qual for a religio a que pertengam.
< Em preseoga de aemelhantes factos, eu nao
poderia guardar silencio.
Collocado taita do clero deata diocese, do
meu dever indicar V. Exc. toda a gravidade do
altentado commettido naa igrejas, quando, no
fundador augusto desle imperio.
Sabbado, 7 do corrente, vespera de Nossa
aenbora da Conceicao, casa-se na capaila de S.
Exc. Rvma., no palacio ds Soledade. a Exma.
Sra. D. Maria Egyciapca Accioli Lina Vuelta, fi-
Iba do Sr. Dr. Jerooymo Vilella de Castro Tava-
res e de sua aeohora D. Aona Accioli Lina Vilella
com o Sr. Joaquim Francisco do Reg, filho do
fallecido advogado Sr. Joaquim Francisco do Re-
g e de sua seohora D. Francisca Joaquina do
Reg. Sao padriohos os Srs. Francisco Accioli
Gouva Lins, e sus Exm, Sra. D. Ignaz de
exercicio do aste sacrificio, ae entoavam caoti- Barros Wanderler Lins, Alexandre Rodrigues dos
eos religiosos approvados pela igreja. Aojos e aua senbora D. Fraocisca Camello Pessos
i.\ "^ d0 Seon,or o1 cercada d tropas, per- dos Adjos- O sacerdote que celebra este secre-
to de 2,000 pesaoaa foram retidas all deotro du- ment o Rvm. Sr. deo da a da Olinda Dr
raote um dia e urna ooite sam alimento e sem Joaquim Francisco de Paria
respeilo, pelas necessdides que podessem ter ; a De Garanhuns temos noticiss, que chegam
porta do templo fechada, a casa de Deus invadi- 25 do passado, e que do-oos o seguiote :
a noite por soldados armados o de No dia 21 do correte eocerraram-ae os traba-
da duraote
. .-- ------------- --- --- -** viicuto ui>ciraiaiu-ii] oa iraua-
oarretiaaa oa cabega, que acommattiam aquelles lhos da segunda aesso judiciaria do jury neste
que nao queriam sahir com receiosde serem pre- lermo, presidido pelo jaiz de direito interino da
SOS narn I in aalaa nm f.oina ....un.....;. *,... n. i .. .
sos na ra ; ao estes os factos inqualiflcaveis ,
sao urna vergooha para o soldado de um governo
catholieo, e faria acreditar no regresso de lempo
da Attila.
c Em presenga de factos semelhantes, o quin-
do os soldados ameagam comas suas bayooetas
um povo desarmado, devo eu, conformaodo-me
com as intenges da igreja, tomar medidas qu,
atristando da terstvel tentaco do desespero dea-
te povo iodignado, to justamente exasperado,
Ihe fago com tudo profuodamenta sentir a barba-
comarca o Dr. Joo Duarte, sen lo promotor pu-
blico o Dr. Costa Dourado.
Foram julgados os reos seguiotes:
Manoel Rodrigues Correa, por crime de homici-
dio, em segundo iulgamento porappellaco do
juu ; abaolvido.
Lucio Jos Rodrigues, ferimeoto grave, em se-
gundo julgameoto, por appellaco do juiz; ab-
aolvido.
Vicente Ferreira Lima, ferimento grave, em ae-
gundo julgameoto por appellico do juiz; ab-
ndads dos actos verificados. W I solvido. -----
c Jolguei, dWs, dever ordenar que ae fechas- Antonio Cardim de Mello, aesuada, em segundo
aem aa igrejaa de Varsovia, e prohibir que se ce-
lebrassem quaesquer oficios.
Que coosequeociaa tem para os espirito j
to profundamente irritados, serem privados de
toda a coosolaco o de todos os soccorros reli-
giosos ? Nao o posso prever. Mas o que sei ,
que oo poda haver cousa alguma que renovas-
se mais os lagos de desconanga entre o governo Igoacio Lopes da Silva, estellionato, eoodemna-
e os governados, lagos tantas vezese lio cruel-1 do 6 aonoa de priso com trabalbo e multa
mente quebrados. de 20 por ceoto.
c Espero do governo garantas rases e arias, Anscleto Jos da Fooseca, ferimento, eondemna-
que espero hio de dar aeguraoga aos fiis as do um mez de priso o mulla correspondon-
egrejas cootra os attsotadoa da torca militar. I te i metede do tempo.
c Assigaado, o administrador da diocese de Manoel Francisco dos Santos, tentativa de homi-
julgameoto por appellago do juiz ; absolvido.
Pedro Jos de Mello, assuada e homicidio, em
segundo julgameoto por appellaco do juiz :
abaolvido.
Antooio Jos das Neves, homicidio o tentativa
deste crime, em segundo julgameoto por appel-
laco do juiz; abaolvido.
Varsovia, i cidio, condemoado 6 anoos de priso cem
c Bialohoxeeki. trabalbo.
_ Jo*? Fagundea do Araojo, tentativa de bomici-
Km seguida publtaamna aa ordena que a autori- dio, absolvido; sppellou o juiz.
dade da diocese dirigi aos curas. Joo Felippe ds Silva, ferimeoto grave, absolvi-
a Do coosistorio geral de Varaovia ao cooego i do ; appellou o juiz.
Witmaoo, decano do capitulo de Varsovia. | Antonio Bernardo da Silva, ferimeoto grave,
condemoado nm anno de priso com trabalbo
Varsovia 16 de outubro.
c Em coosequencia dos actos de profanagao
comraettidoa hootem na igreja metropolitana de
S Joo, e na dos Bernardinos, o consistorio ge-
ral, por ordem do administrador da diocese, con-
vida O decano a fechar immediatamente aquellas
duas igrejas, especislmente a de S. Joo, com
aaaisteocia do guardio, o a doa Bernardinos, em
presenga do superior da communidade, deveado
a multa correspondente i metade do tempo ;
appellou o j uiz.
A afamo.
Julgamento........... 9
Reos....................
fleiulado.
Absolvido em 2. julgameoto..........
Coodemnadoa...........................,
dese acto formular um procetso rerbaljque devem Condemoado haveodo appellaco d juiz
Abaolvido hsvendo appellaco do juiz
ser traosmittido ao coosistorio.
Assignado
t O abbade Sitkluchi.e
reos.
3 t
1
8 c
Foram sollos ameote os 6 reo absotvidos es
O consistorio geral da diocese de Varsovia di- segundo julgamento.
rigi o seguiote aos Tanararai curas das paro-1 Relacio da pewoaa fillacilaa as mez de
novembro do corrente aono oa fregaezta da Boa-
Mnnl*.?"DC'8Ca dos s",0'.Prd, Modo 60 ao-
no, viuva ; anasarca.
Joaqaitn, braoco, prvulo, tdade 2 .onos. filho
cooaer"tar. ^^ J"0 **mlt* ai"^
Luiz Moreira, portugus, idade 50 annos, tuto ;
gastro lotente chronico. '
Diogenes branco. filho legitimo de Jos Francia-
co de Mattoa; deotigo.
rniVpada? p,"S'*'id,de 8 flha deCa-
rolma Mana da Concetcio, solteira ; tosi con-
QISs.
Manos Leda Goncalvoa, branco, idade 71 anno,
casado ; cephalita.
Mariana Monteiro de Lima Reg, branca, idade 26
aono. solteira ; hypetrophia oo coracio.
*t.w^' i" *' '-^ 9 an"os' a,ha WU"i de
Sabino Pereira de Caatro ; hepalite.
Marcelina Antonia Bandeira do Mello, branca,
solteira ; urna qaeda.
Cooslaoca de Oliveira, branca, prvula, idade 5
annos. recolhida do collegio daaorpbias: bro-
cho espbalite.
Maooel, pardo, pirvalo. idade 8 diaa. filho de
Belarmina Mana da Conceicao, solteira : es-
paamo. ^^ *
Maris africana, liberta, idade 90 annos, solteira;
hydropeais. *
Jos, braoco, prvulo, idade 8 dias, filho de Fir-
mina Gomes Wanderley; eapaemo.
Joaquim Manoel Goncalves, portugus, idade 31
annos, solteiro; febre perniciosa.
Zeaobio, branco, prvulo, idade, 5 annos, filho
legitimo de Jos Franciaco de Pala ; sarnaa ro-
coNiidas.
Manoel, pardo, prvulo, idade 7 mezas, filho lo-
gttimo de Antooio Joa Baplista ; ioterite a-
guda.
Maooel, braoco, idade 1 hora, filho legitimo de
Francisco Tiburcio de Souza daa Neves : es-
pasmo. '
Aotooia Maria da Conceicao. crioiria, idado 35 an-
oos, solteira ; molestia interna.
Fehcidade, preta. idade 28 annos, solteira, esira-
va de Joo Claudiaoo de Nojosa ; hydro-
pBfllfl .
Mara, braoea, prvula, idade 11 mezes. filha de
Marta Carolina da Silva ; dentigio. '
Herculana, crtoula, idade 9 anoos, filha de Sabi-
na Felcidade; pulmonite.
Ovida. crioula, idade 10 anno, eserava do coro-
nel Franciaco Antonio Pereira da Silva : febre
peroicioaa.
Augusto, pardo, prvulo, 6 mezoa, lho de Luiza,
eserava de D. Maria Aotooia da Cruz; den-
tiCo.
Maria, crioula, prvula, idade 1 anno, filha do
Lina Maria da Cooceico, solteira ; dentigo.
Lauriana. branca. parvoU, td*d 18 oces, Qiha
legitima de Antonio Melquades da Silva ; den-
tigao.
Servuto, branco, prvulo, idade 11 mezea, filho
rijj ^ Jo, F8I ae 01i*" ; den-
Modesta, parda, livre, idade 18 aonos, solteira ;
phtysica.
Rsymuoao, cabocolo, idade 17 anoos, aoltairo:
phtysica. '
Be1fce,1!ct. crioula, prvula, idade 18 mezes, fi-
lha de Heeriqueta, eserava de Joaquim Perei-
ra Arantes ; espasmo.
Maria, crioula. prvula, id-de 5 mezes, filha de
Henriqueta. solteira ; espasmo.
rsula, crioula, idade 26 annos, eserava do te-
nente-coronel Antonio Carneiro Machado Rios;
ulceras na bocea.
Josquim de Paula Lope, portugnez, idade 51 an-
oos, casado; meninge pertonite.
Anns Maria da Conceicao, crioula,idadefli anno.
solteira ; estupor.
Jos, branco. prvulo, idade 10 mezes. filho legi-
timo de Pedro Raposo do Amaral; dlarrhea.
Francisca, africana, idade 75 aono, eserava da
viscondeasa de Goianna; indigesto.
Bruno, branco. prvulo, idade 4 aonos, filho le-
gitimo de Jos Francisco de Paula: bydro-
peaia.
Ignacio Jos Franca, braoco, idade 30 annos, sol-
teiro ; inQamago chronics.
Maria Joaquina, parda, idade 35 aooos, solteira ;
tubrculos pulmonares.
Emiliano, psrdo, prvulo, idade 2 mezes, filho
de Clara Maria da Cooceico. solteira ; es-
pasmo.
Joo Ignacio Rodrigues da Costs, portuguez,
idade 82 annos, caaado ; febre cerebral.
Paulo Affooso do Rogo, branco, idade 11 anuos,
filho legitimo de Gustavo Jos do Reg; co-
xelgia.
Joi Joaquim de Lima, branco, idado 62 anno,
casado; apoplexia.
Maria, crioula, idade 40 annos, eserava do maior
Jos Joaquim Antunes ; frialdade.
Eugenio Lecomte, francez,idade41 annoaxasado:
hydropeaicardia.
Maria, parda, parrla, idade 1 dia, filha da Ma-
na Francisca da Concego, aolteira; es-
paamo.
Emilia, parda, parela, idade 8 mezea, filha le-
gitima do Constancio Goncalves Medina; es-
pasmo.
Affonso, branco, prvulo, idade 20 mezes, filho
legitimo de Franciaco Antonio Vioira da Silva ;
pneomonia.
Manoel, pardo, prvulo, idade 12 dias, filho le-
gitimo de Felippe de S. Figoeiredo Rosaas con-
vienen.
Cathsrina, africana, liberto, idade 75 annos, sol-
teiro ; gastro bepalit*.
Maooel, branco, prvulo, 3 mezea e meio. filho
legitimo de Antonio Fernandea da Silveira; de-
stnteria.
Maria, Augusta do Vaacooeellos e Albnquarque
Maranbo, branca, idade 96 annos.solteira ; tu-
brculos pulmooarea.
Felippa, parda, prvula, idado 7 meses, filha le-
gitima do Maooel Benedicto Salom; diar-
rbea.
Maria, parda, parrlo, idado 18 maces, filha do,
Isabel Maria de Souza, aolteira; vermaa*.
Joaquina Maria de Jequs, branca, idade 90 annos.
viuva ; apoplexia.
Coronel Joo Francisco da Chabi, idide 75 aooos,
caaado; apoplexia. A
Joviniaoa, parda, prvula, idado 7 mezea, filha
de Lucinda, eserava do capitao Marcelino Joa.
Lope ; erisipela.
Maria, branca, prvula, idade 9 mezea, Blha le-
gitima de Alvaro Joo de Souza ; deoticio.
Forana recolhido o casa de detengan non
diaa SO do mes paasado o l*.do corrente 13 ho-
mens e 1 mulher, sendo 12 livros e 2 escravoa a
saber; a ordem do Dr. chefe de polica 5; a or-
dem de Dr. delegado da capital 3, inclusive o
crioulo Joaquim, escravo de Joaquim Thomiz, o *
Affooso, escravo de Jos Franciaco Pinto; a or-
dem do subdelegado do Recito 1; a ordem do do
S. Joa 2; a ordem do da Capunga 1 ; e a ordena
do do Poco S.
Foram rocolhidoa a neama no dia 1 do cr-
rante, 7 hosaooa e t mulheres, sendo 8 liana o t
eecrivo, a aaber: a ordem do Dr. chele de poli-
eia 1; o ordem do subdelegado do Reclfe t m
o crenlo Vslentim. escravo do Joao Luiz Fer-
reira ; a ordem do de S. Jos 4; e a ordem do do.
Poco t.


\#f i? nmw ii i mi mm
URIO M HfilAJf 1Q0O. QWKTA F1HU
DK DtZrLMBBO
ftl 1861.
I C
umi MR4
s
Foram recolhidos Mmk, na **<*: Estrada de Balen.
correle. 5 homena Q^W^^tVf,^15r~*lMoQ'0 Carpate,ro da
aaber : a ordem do Br. tOFWOa pMlCia i ; a or- Sirra, proprielario de urna cata
aten do subdelegado do Recife g ""fon. rtf *lf .. Ulia arrendada por.....
Boa-Vista 1, que o pardo Caetano, eicravo de Estrada de Joto de Barros.
*" '~"*i ** Na3*sitssr
*etAUMDE o* u 4. oara casa- terrea arrendada per
le tal, fricas 38 mmw, solttirc, Santo Ita* 11.Vfova d* RuQoe Gomes
i; sagren a uu estrofa. da FbocaWijroprttttPfl d* uasa
si o*, lalleceu a*entrar-n. hoss*ll,
o. B*a-Vista (e oeste ot* comi* a
60OS000
500|a*
coi 3 ssem;ilaciti dlarrhaa:
er
omomcA 1DDICIJIRIR.
do Reeife.
DA' 3.
Pruidencia do Sr. Dr.jui: municipal da 1.* vara
e juiz de dircilo interinSdat.*, Hermogtntt
Socratei Tvares de Vasconcellos.
Promotor publico, o Sr. Ur. Francisco Leopol'di-
dioo de Gusiiao Lobo.
Escritao privativa, o Sr. Joasulm Francisco d*
Piala Esteres Clemente.
Reas JoieJoao(anbaldi), Bertsrdino da Cos
ta Lrt. Aatenra Joaqun Airea Pereira, e
Aatooio Gomes Sena.
Terminados os debata, a resumida a diaoussie
oral, -e-Sr. ureslduutrdo jurjrpropoz ao con se -
lho de sentsuca os quesilos especUe a resoei lo
de cada um dos reos, ioterrogaodo-o soDreta
eubiracco dos saceos da cobro, a violencia (eita
ciuaa sobre as agravantes da noiie, entrada em
esa do Hendido, e ajusto entre maia de dous
individuos, e ao meamo lempo sobre a-eiisteocia
ato ciromstaocias aUenuaoies.
E cada a senleoca que, julgan lo aos quairo tos i*-
cursos no grao amoo do srt. 269 do cdigo
cnminO, condemna cada um 4 pena de 8 aonus
legales para Fernando, e multa de 20 por canto
sobra o valor do objecto roubado.
Levanta-se a seasio.
cae terrea arruf pm
Idd*rl hMi Js- d*- Ateved*
Sansa e**e* de Aseved* Soaze;
pr**ieta*1e* de'vuH is*sr%iirer
Idea 14vBtigad'etr'o Jo a quisa Ber-
nardo dePigueiredo, propietario
.. de um sobrado da.
Manoel dos Santos Nunes de Oliveira.
Antonio do Reg Medeiroe.
Dr. Jos des Santos Nuees de Oliveira.
Do Manoel de Figueire feria.
Gaelaoo da Silva Aievedo.
Joao TefjssSjrd. Sene.
Maooel jCiaiortt Costa Bit***.
Or. Ciernen*. Ja* lerreirrd* Dr. CosarM4MrHflra.
Joio Fnwets'SI Otiveiratr
l^raieifl rag*luquar irea -in_glexrflffYan'a, para Liverpool, carie-
2,400 saceos coa
0,1,400 uM'7,f0t'trr<
Psocis***
drrdTl
a niVssifi/ifi
iiwflow
8009000
1.0003000
Antonio Un** d*A*4ra*< Luoa.
Red; LuarUSreira.
ttorind rVerelra Callo.
Jos Luis Pereira Jnior.
Augusto Cesar da Silva.
----------------------Mornoaso,
ers & C,
Mancar.
Barca iogleza lmogene, para Liverpool, carre-
de rendas lat
Pernssfcamsi __
1.3; **ra*?r
VPK.......l:358|Kr9
"2JJ31
r*
DI 4.
PretiaUnsiado Sr. Dr juii municipal da\* vara
e juiz de direito interino da.V, Hermogente
Soeraits Taparee de VaeeonctUpe,
Promotor publico, o Sr Dr. Francisco Leopoldino
de Gusroao Lobo.
F.scrivo privativo, o Sr.- Joaquim Fraaeisco de
Paaia Eateves Gleesente.
Advogado, o Sr. Dr. Americo Netto de lien-
doea.
Hateado numero legal, abre-se a sessao.
Eutra em ulgameoto o processo em que reo
Josa Raymuado da Silva, acensado por baver fe-
rido levemente Manoel Bautista do Espirito-
Santo, na esta;ao da Cabaoga em 25 de julho do
corente a o 11 o.
Propostos os quesilos, o conselho de sentenca
recline -se 4 sala das conferencias secretas.
Em vista das respostas de Jury, o Dr. juiz de
diretto aeblioa a seoteoca, iulgandoao rea io-
curso no grao maitmo do srt, 201do cdigo cri-
miual, coademia-o a soflrer a pena de um mer.
le arisao simples, e 4 multa correspondente
metade do lempo. '
Les anta-so a aeseo 44 2 l[-2 horas da tarde.
NOVO BANGO DE PERNAMBGO.
Balando do Noto Banco de Per-
Bambuco
em 30 de uovembro de 1861.
ACTIVO.
Apolices" da divida publica ......
Estrada de ferro de Pedro II......
Estrada de forro ds Bahia........
Depsitos.........
Joins depositadas. ......
Lctias caucionadas......
Let'as descontadas......
Letras protestadas.....
Letraea receber..................
Rt-meesas........
Baen da Bahia S/C ....
ios Antonio de Pigueiredo J-
nior ("io de-Janeiro) .
AluRuel do cas*......
Forneciinenlo.......
Juros..........
Premios de Ututos de garants. .
Des peas geraes.................,
Caixa..........................
Ris.
PASSIVO.
573:800(000
104000fl000
. 99:1769796
811:0009000
5:735g280
4:530$0O
2,667:145"05
105:701*323
2:00uj000
55:066 J889
18:160 $m
1:5459444
78750O
7:7669485
9769158
14-677I7
4:6799688
579:640 J532
dem 21.Antonio Jos da Assump-
cro'Nves, prbprtetario de urna
casa terrea arrendada por .
dem 7V Francisco Cavalcao de
Albuquerque Los, proprielario de
urna casa terrea Arrendada por .
dem 34. Dr. peodoro Uipiano
Coelbo Catanho, proprietaijo de
urna csss terrea oceupada pel
m,esmo, avsliada em. ... 600JOOO
Estrada da Cruz de Almas dos Prazeres.
N. 4.Jos Gomes do Albuquerque,
proprietano de urna cas terrea
arrendada por....... 154#0OO
Estrada dos AfSictes.
N. 11. Joao Fernandes Prenle
Vlanoa, proprielario re urna casa
terrea arrendada por............. 300JOO0
dem 19. Antonio Msgalhaes. da
Silva, proprittario de urna caja
terrea arrendada por............. 240$000
dem 20. O oiesmo, proprielario
de- ua casa terrea arrendada por. HO9OOO
dem 21. 0 meamo, proprielario
de urna car; terrea arrendada por 7(09000
dem 24.Manoel Ribeiro da Cu-
nta, proprielario de urna casa
terrea arrendada por.........\... 2409000
dem 26.Josephiaa Sebastiana Cj-
valcanti de Albuquerque, proprie-
tano de urna casa terrea arrenda-
da por............................ 24O5OOG*
dem 37.Manoel Marques da Cu-
nta, proprielario de urna casa
terrea arrendada por............. I8O3OOO
dem 31.Josepha Marta d'Almei-
da, proprietaria. d urna casa.ter-
rea arrendada per................ 3OO9O0O
dem 47 Joao Goocalvea de Ol-
veira, proprielario de urna casa
terrea arrendada annualmente por 3009000
Estrada de Sanio Amaro.
N. 14. Irmandade das almas da
matriz de Santo Antouio do Re-
cife, proprietarla.de urna casa ter-
rea arrendada por................ 25O9OOO
Ra ds igreja de Santo Amaro:
N. 7.Juao Francisco de Oliveira,
proprielario de urna casa terrea
arrendada por.................... 4009000
Estrada de Luiz do Reg.
N. 8.Antonio Jos Gomes do Cor-
reto, proprielario de urna casa
terrea aneada da por............. 500$000
dem 13. Joao da Cunha M*ga-
Ihaes, proprielario de urna casa
terrea arrendada pnr............. 300*000
dem 16.Viuva eherdeuoa de Mi-
guel Arclunjo Fernandes Vianna,
proprielarios de urna casa terrea
arrendada por.................... 4009000
dem 17.Os mesmos.proprietarios
de urna casa terrea arrendada *
por ............................... 3609000
dem 23.Hauoel Rodrigues Pi-
nheiro, proprielario de urna casa
terrea arrendada por. .... 2009000
dem 25.Fraocisco Marlios Repo-
zo, proprielario de urna casa meia
agua terrea arrendada por. 609000
dem 26. O mesmo, proprielario
de urna casi meia-agua terrea ar-
rendada por:....... 608000
dem 27. O mesmo, propnetarlo
de uita casa meta-aguaterrea ar-
rendada por. ....... 6O5OOO


: 10-
Con
4,325:3859226
2I000:000000
1,474:490$000
80:000g000
47:334g010
421:3249982
49:2549513
5:735$280
57:8619684
3:2259731
2:4389000
1:6239000
2,048731
1:4499557
Descntos.......".................. 177:6999705
Ris. 4,325:3859226
Capital.........
Emissao........
Depsitos da direccio..
Letras por dinheiro recebido
juros ........
Conlas correales cora jures .
Fuitdo de reserva.....
Ttulos em cauco ....
Banco da Bahi N/G .
Knowles & Foster (de Londres)
Dividendos.......
Descernios de notas ....
Juros da garanta de emisso .
Premios de saques e remessas.
AVETnTn. Sral.
D. Rila de Cassia Pereira Vianna.
TX Francisca F P. Anoa FoTtunala dos Sanios Pimental.
D. Hara Isabel da Silva;
D. Isabel Carolina da Veiga.
D. Maria Isabel Nupea.
D. Hafald Pilalug Coelbo Ciatrs.
D. Umbelioa Candida da Silva Azevedo.
D. Clementina Ferreira da Costa.
4). Ma:ia AMompcao A4rde La*.
D. Basilia Ferreira da Cesta.
D. Maria Leopoldina de Souza.
D. Leocadia Rosa de Castro Araujo.
D. Emilia Auusta de Souza.
D. Joaquina Hara Velloso de Azevedo.
D. Eoiha Gaudida de Mello Luna. ,
D. Emilia Bornes iniz.
D. Muia Marceonla Pereira.
D. Therosa Leopoldina Jacome da Silva,
D. Isabel Maria das Cbagasuimaiee.
D. Emilia Amslia Lasserre.
D. Carlota 11 arcolioa da Fonseca Soases.
D. Carlota Maria de Carvalho.
D. Rtia de Cassia Coelbo Cintra.
Juizei protectores,
s lllms. Sr.. :
Msjor Jos Joaquim do Rege Barros.
Rvd. Fre Jorge de Santa Anna Locio.
Frinciaco Gomes da Silva Saraiva.
Commendador Jos Pereira Vianna.
Juiz Perpetuo.
O Exm. e Rvm. Sr. D. Joo da Puri&cacio Mar-
ques Perdigio.
A eleicae est sssigosda pelo Rvm. Sr. ?i(ano
da fregueziada Boa-Vista.
Recebl do Sr. Jote Joaquim d Gaita
Leite, a quantia de7:093/(250 cm rjar-
celas constantes da conta que nesta data
ote entregou, sendo proveniente por
parte do dote que o mesmo Sr. e sue
senhora concordarara dar a sua fillia
Isabel Maria daTrindade Leite, con'a
qual me liguei em matrimonio. Recite
10 de marco de 1857. Manoel Fer-
nando Silva. Como tertemunha, Fran
cisco da Silva Bo& Vista, Manoel d'Aze-
vedo Pontes.N. 48160. Pg centoe
sessenta rs. Recife 26 de marco de 1857,
Carvalho.Callara. Reconheco as tres
asignaturas supta : dou Recife 12
de marco de 1861.Em testemunhode
verdade.O tabelliao publico, Luiz da
Costa Portocarreiro.
Rendimento do da 1
iaaWB d 4- .-
protlmtl.
'
4:4979479
8:899TO
MdtiiMemo ao pono.
Navio entrad* no dia A.
Londres64 dss escuna hotlandexa Kliiabeth
Telena, de 234 loeelada, capillo R. Coer-
kamp, equipaaoro 7, carga azeudas e outros
gneros ; a Rothe Btdoelac.
Navioe tahida no mesmo alta.
LosndaBrigue porluguez Kioj'anle, capitao Joa-
quim Jos de Freias, carga agurdente e aa
suesr.
Canal pela Parahibhbarca iogleza inne Scott,
C-ipilao C. Di.wfll em lastro.
r r
I forai,
I
a
(Con(tnuar-se-na.)
Comraunicados.
Bf v

kthmotphera
DirstffSo.
m
* I /nienstio.
S.
00 00 qo -1
I Farhtnhiit.
I
S 8
-a S Centgrado.
m *. i
^ ^~8^S~1T 1 Bygr penetro.
I detenta nyatra-
malrtco.

"2 8
g

3
8 8
S 2
Franeex.
Inglez.
O IIIm. Sr. inspector da thesourariajle fa-
zenda deala provincia manda lser ptibiioe> em-
conformidade da orden do triDunal do thesouro
numere 182 de 16 de novembro ultimo, quera
dia 26 do corrente mez haveri concurso nesta
eaoraria para preenchisaento do \Ufe* vsgo de
onfeial da secretaria da saesma, entre os empre-
gadoa do ihesouro, das theaourarias, alfaadegaa e
receaedorias da classe isa mediatamente superior
a de pratisanies.
O une versar aebre as segaintet msterirt:
Principios geraes de geographia e historia do
BrH, Iradur^ao cotrecta das linguisfrancesa e
incleta, algebra al as equacoes do segundo gcao,
prsWea do servi?o pocaliar da repartfeie emejjo
o eespregado estiver serviodo.
Secretaria da thesouriria de azenda de Per-
namDuco,-'a doootemoro oe luol.BH5erriodo da
official-maior,
Uaaeel Jos Pinto.
i1a*.
Declarase*.
DENOHIrTAgAO DOS ACTOS.
I.->|r0(ia*a ou pstibule.
2.*Carta por carta.
9^& PERSONAGENS.
O
O!
M
SC
-<
II
o a
c*
H
t
99
PJ
O
r-
o
c-.

Estado da caixa
Emouro amoedado..... 10:0009000
Em notas do thesouro menores
de 10*000....... 3:1:19*000
Ero ditas do outros valores 363:31O0U0
Em notas da caixa filial do Ban-
co do BtbsI...... 79:190*000
Em notas do No-
vo Banco de
Pevnambuco :
sendo do va-
lor de 2001(000 42:600#)00
dem do valor de
1000000....... 67:4-00*000
dem do de 508 11:8509000
dem idem 2u 20*000
dem idem 10* 90*000
Prata e cobre
121:900*000
2:041*532
Ris, 579:640*53-2
Dcmoustracio da emisso.
4267 notas do valor de
4646 > >
3060
36 >
277 a
200g000
100*000
503000
20*000
OIOOO
853 400*000
464:6003000
153:000*000
720*000
2:77ugn00
Ris 1,474:490JOCO
O guarda livros,
Frascisco Joaovim Pereira Pinto.
CONSULADO PROVINCIAL
Relacao das casas abaiio mencionadas
tertenceotes ao municipio de dia-
da, q'oe soffrerara alleraces no pre-
sente lancanienlo feito pelo lauca-
dr0emelpio de Gnsmao Coelho. '
Ra daSinzaila do Desterro.
Numero 7 Joan Neporoueeoo.Coe-
Ino da Silva, propnetarlo de urna
casa t-rrea arrendada uor. ,
dem 14,Viuva de Manoel Gon-
calves Pereira.proprietaria de urna
casa tortea arrendada por .
Ba dos Arrombados.
N. I.Herdeiros de Frtnciico Esta-
nislao da Costa, proprietarios de
urna casa Urrea arreodda por
dem 20.T-Ignacio Antonio Borges,
proprielario de urna casa terrea
arreodada por,......
dem 27. Pelfsbino de Carvalho
Raposo, proprielario de ama casa
terrea arrendada or.....
Idefc SrXb'quim ,Loper de Al-
3el la, propietario de ama casa
ftiia arrendada pot ....
dem t.Jos Joi de AorIm.
fsroprietario de urna cata terrea
arrenda Jpor, ,..,,..
36*000
300*000
96*000
60J000
OBIWO
Ao Illm. Sr. Dr. Tristo de Alencar Araripe me
dirijo para publicamente agradecer-lne as ma
neiras attenciosas, com quesempre sedignou tra-
tar-me, na qualidade de chefe de polica da pro-
vincia, obsequiando me sempre, e rom dignidade,
com aquella dislinecao, que tanto lem distingui-
do S. s. quer como simples' cidadio, quer como
auloridade superior, quando lem de relacionar-
se com os seos amigos, e subordinados.
Palmeira de Garanbuos. 25 de novembro de
1861.
O subdelegado
Miguel Reinaux Duarte.
Pablici^oes a pedido.
leiQodos jui^es, juizas, es-
creves e mais pessoas que
tem de festejar a Seohora
da Soledade da capella de
Santo Amaro das Sallinas
no annode 1862.
Juiz por eleico.
O Illm. Sr. Jos Pereira Vianna Jnior.
Juiza por el"igio.
A Exm.* Sr.* D. Lenides Albuquerque Ferreira.
Juizes por eleicao.
Os lllms. Srs.:
Carlos Luiz CartTbronne.
Coronel Higino Jo Coelbo.
Ludgoro Teixeira Lopes.
Manoel Custodio Peixoto Soares.
Maooel Coelbo Cmira.
Canillo Pinto de Lemos. .
Juizas por devoro.
As Eimas. Sras.:
D. Aurelia Teixeira Lopes Camboim.
D. Mara Augusta de Oliveira Mello.
D. Anna Emilia de Souza Lemos.
D. Maria Rosa Goncalves Ferreira.
D. Maria Francisca de Ca.lr0 Araujo.
D. Guilbermina Augusta Pereira.
Escrivao por eleicjio.
O Illm. Sr. Marcolino Jos Puppi.
Escritas por eleijao.
A Exm.* Sr.* D. Urbina Aleandiina de Carvalho
Guimaries.
Escrivaes por devecao.
Os lllms. Srs.:
Dr. Antonio Epaminondas de Mello.
Tenente Higino Jds Coelho Juoier.
Luiz Augusio Coelho Cintra.
Antonio Teixeira Lopes.
Jofto Silverio de Spuzs.
Tristo Francisco Torres.
Escrivas por devo^io.
Ala Exmas. Sras.:
D. Josquioa Emilia da Silveira Coelbo.
D Mana da Conci(o Silva Fuupi.
D. Virginia Amelia de Lona.
D. Mara da Conceicao Vanos.
D. Maria Emilia da Fonaeco Soares.
D. Fraocehna Umbelioa Andrade Lana.
,i Procurador geral.
O Ilim. Sr. Manoel Goncalves Ferreira Costa.
Procuradores.
Os lllms. Srs.:
Jotquim Das dos Santos. >
Domingos da Silva Ferreira Jnior.
II. Fernando de Souza Lobo.
loloht Teiaeira Lpes. ,
igenio Goncalves Cselo,
iracio Walfredo Peregiiao-da Silva.
illam Ranbiaison
ji Thesoureiro.
O Illm. Sr. Joaquim de Oliveira Mello.
Mordosaes.
i Os Illme. Srs. j
las Urbano da Costs Carvalho.
apitao Manoel Puriiru> de Castra Arauja.
oaquim Francisco Mello Santos.
"J^ da Stk>a Ferroira Jnior.
Adulpho Rubeito Idoop.
LAatonio da Silva Azevedo.
Por despacho do Exm. Sr. presidente
da provincia, de 2 de outubro prximo
pastado, foi concedido o theatro de
Santa Isabel, por 6 mezes, a partir
de 3 do corrente, ao Sr. Antonio Jos
Duarte Goimbra, e at hoje esse despa-
cho nem foi reformado nem catsado,
pelo que ignora-se com que ordem ou
licenqa continua o Sr. Germano a dar
repreWntacOes. Seria directora do
mesmo theatro quem deu esta facul-
dade, calcando aos ps o despacho do
Exm. Sr. presidente; or sera' favor
feito por alguem, sob o norne do mes-
mo Exm. Sr. ? Isto deseja saber os a-
mantes da
Escola moderna.
A noite clara, vento NE varlavel de intensi-
dade e assim amanheceu. -
OSC1LACA0 DA HAR.
Preamar as 5 h. 18' da larde, altura 7, p.
Baixs-mar' as 11 h. 6' da manha, altura 0,8 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 4 de de-
zembro de 1861.
ROMANO STEPPLE,
1* tenente.
Oiiaes.
COMM*ifcftO.
NOVO BANCO
M
Prnambuco.
EM 4 DE NOVEMBRO DE 1861.
O Banco desconta na presente semana a 9'/,
ao anno at o prazo de 4 mezes e a 11 */ al
o de 6 mezes,e toma dinheiro em contas correntes
simples on com juros pelo premio e prazo que se
convencionsr.
Alfandesja*
Rendimento do dia 1 a 3 .
dem do dia 4.....,
41982*664
37.692*952
79 675*616
Movlmenlo da alfandesra,
Volamos entrados com tazendas.. 113
> a com
Volames sabidos
c
gneros..
com (azendas..
com gneros..
99
261
133
212
394
De ordem do Illm. Sr. inspector da slfan-
dega se fas publico qee no prazo de 30 dias con-
tados desta data se hao de arrematar em hasta
publica porta desta reparlicao 12 caixas da mar-
ca diamante M ns.'1307, 1313 1308. 1314.1309,
1315,1310,1316, 1311.1317, 1312,1318. conten-
do perfumarlas nao classiticadas de 12 garrafas
cada urna, 144 garrafas liquido nao verificarlo 192
libras a 1*333 por libra, total 255$936, abando-
nadas por N. O. Bieber & Successures, nos termos
dos 2* do art. 301 do regulamento, sendo a ar-
remaiaeaolirre de direiios ao arrematante.
Allandega de Pernamboeo 4 de d>zembro de
1861. O 2o escripturario,.
Maximiaoo F. P. Duarte.
son*aal,'"U Ju** ** Co,V Silva.
jzsflrW! Joo,tlm Lopes Machado,
Descarreaam ffoj 5 de dezembro.
Barca hamburgueza Emmadiversos gneros.
Galera francezaAdelemercadorias.
Sumaca hespanholaMaria Sleberasviohos.
Escuna hollandezEiisablhmercadorias.
Brigue francezNeptunosal.
Brigue brasileiroB^beribecharque.
Galera francezaRaouldiversos gneros.
Hiate americanoL A. Johnstono resto.
Barca francezaJoaooe Cutecarvo.
Brigue italianoDinomercadorias.
Importacao
Hiate americano L. A. Jonoson, viodo deNew-
Yoik, consignado a Saaoders Brothers & C, ma-
nifestou o seguinfe :
39 volumes caodieiros glibo examines, 167
caixas azeite, 40 "itas cha, 20 ditas e 150 barra
banba de porco. 700 barricas arinha de trigo, 30
volames faeendas d**|aigodao, 1 caixa espoleta,
50 (apios estopa, 2 caixas camisas reffeioa e pe-
sos, 2 ditas e 1 fardo, obras de folba. 45 dnzias
de ps, 3 ditas de fseede*. 8 caitas ferragens, 3
caixas, 1 langa e 1 ro>ia carro e pertences, 2 gra-
des machinas ; a Henry Fster Si C.
100 volums algodozinhos, 1790 saceos milho,
87 caixas e 150 barrfs baoha de,porco, 3.0C0 rea-
mas de papel. 50 barricas fdriuba de trigo ; a
Saunders Brothers & C.
11 caixas medicina ; a R. C Leite & C.
2 caixas sabio ; a F. A. de Pinho.
10 ditas salsa, 1 dils plalas, 1 dita xarope, 2
ditas abo, 1 dita pentes, 25 ditas azoite de car-
rao, 200 barricas cimento ; a D. P. Wild & C.
Brigue inglez undymede, vi,110 de Terra Nova,
consignado a James Lrabitee & C, manifeslou o
seguinte:
2595 barricas bacalho ; aos mesmos.
ExporUcao.
Da 3 Oe ei^uibro.
Barca americana imperador, para Philadelphia
carregaram :
Matheus Auslin & C, 2,400 saceos com 12,090
arrobas, da aasuear.
Brigue porluguez Jfsrcnro, pan o Porto, est-
regaras ;
Tbumaz de A. Fonseca Jnior. 207 barricas e
700 aaccos com 4,942 arrobas e 15 libras do aa-
suear.
i Domingo Rodr'^oea de Andrade, 21 saceos
com 68 arrobas de nomina,
Barca portegaota Sffnpaihia, ara o Porto,
earregou :
Jos Feroaades Ferreira, 20 pranches de vl-
nhaiicn de douaoostadoo casa uro.
Patacho nacional /i*o, nasa o Porto, carre-
garanj U
Parate Visooa & C, 218 saceos con 8tf r-
robss e 27 libras de gomma.
De ordem do Illm. Sr. Dr. procurador fis-
cal da thesouraria provincial, aviaam-se aos de-
vedoresde dcimas e outros impostos, que asre-
lages respectivas se acham <*m juizo, e sos mes-
mos se concede o prazo de 30 das, contados de
hoje, para solicitaren* as competentes guias no
escriplorio da ra do Imperador o. 41, das 9 1(2
da maoha s 3 da tarde. Recife 28 de novem-
bro de 1861.O solicitador da azenda provincial
Joo Firmioo Coneia de Araujo.
i- O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimeolo da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, manda convidar as pes-
soas que qoizerem contratar a conslrocco das
pontes nos lugares indicados na nota abano co-
piada, a apresentsr na mesma thesouraria aa
suas propostas, sendo os contratos effecluados
sob as condiQes seguintes :
Primeira. Que a importancia das obras con-
tratadas correr! por conta dos contratantes, nao
sendo em caso algum por ellas responsaveis os
cofres da provincia.
Segunda. Que o goveroo garantir a percep-
5S0 do pedagio pelo tempo tar, com tanto que os conlribuintes do pedagio
nao paguem em cada barreica.mais do duplo do
que se arrecada as existerrrm como receita da
provincia.
Tere-ira. O numero de annos para a percep-
Qo do pedagio sera regulado em attenglo fre-
quencia do transito que possa haver a importan-
cia e difSculdade da obra.
Quarta. Que as ponles serio construidas,
segundo as coudicoes, planos e orcamenlos apo-
sentados pela directora das obras publicas.
Quinta. Que, em quanto nao Ondsr o prazo
percepcio do pedagio, o empresario ser obli-
gado conservar a obra em perfeito estado, aoq
pena de serem os reparos Decenarios feitos por
ordem do governo cusa do mesmo empresario,
que, alm diste pagar urna multa correspon-
dente decima parle das despezas que com isso
se fizerem.
Sexta. Que as obras serio inspeccionadas
pelos agentes do governo, nao s quanto a sos
construegao, como no que diz reapoito aoa traba-
Ibos de conservarlo.
Sptima. Que qualquer das obras, embora
emprehendida por particulares, aer considerada
de uiilidade pnbKcs, para que possam ler lugar
as desappropiiacea de qae por ventora dependa
a sua lealisacao, e pur isso gosar dos mesmos
privilegios que as de mais obras da proviocia.
(Jitava. Que os contratos assim feitos ticarao
sujeito* i approvacio da aasembla provincial
com excep^o uoicameote daqnetles qae veraa-
rem sobre obras de um valor equivalentes tres
conloa de ris, ou em que se estipular pedagio,
que nao exceda de um anno, osquaes produzirao
logo os seus etfeitos.
Nota doe lugar onde devem eer construida!
a* ponte.
1 S. Joan, .na estrada dePo-
d'Alho sobro o rio................ Capibaribe.
1 Tuibs, na villa de Pao 'Alho dem.
8Cspunga dem.
4 Motocelomb, estrada do sal.. Tijipi.
5 Engeaho Trapiche, estrsda do
Cabo......,......ti............. Pirapama.
6 Trapiche de Ipojuea........... Ipojura
7 Porto de Pedra................ Serinbem.
' 8 Duas-Barras................... dem.
9 Villa de Barrairoo............. Una.
10 EnaooboJuatdli............... tem.
11 Escada........nvrrrr/riTim.. Ipojuea.
12 Amarigi....................... Aanargf.
13 Geoipapo...................... Sibir
As proposlas serio recebidas at o Ota de de-
zembro do correte anno.
E para oooatar se maudoQ sffltsr o presente e
publicar polo Diarto.
Secrenria da irsesokjrsria- provincial de Pr-
nambuco, 7 do novembro de 1861.
O secretario,
tent Ferreira d'AnnuBeisco.
O Ule. Sr. inspector oa thesouraria provin-
cial, em (umpnaeoto da' resulocso da junts de
azenda, mande (zer publico que a arremamcao
da rendadas oeaas do p^trimoato Sus orphos,
fui transferida para o dia II do rorrete.
E para consta se manan* aflhsr o presente e
publicar pelo Diario.
Sretaria d* thesouraria provincial; 3 do de-
zembro oe 1861.O secretario, Antonio Ferreira
da AanuBCiajao.
O lllra. Sr. inspector da thesonferia provin-
cial manda fazer publico que dr/dia 4 do corren-
te por diante, pagam-se os ordenados dos empe-
gados provineiaes, vencidos no mes de novembro
ultimo.
Secretaria da thesouriria provincial de Pr-
narnbueo, 3 de deiembro de 1864.O secretaria,
Antonio Ferreira da Annunciaco.
Conselho de compras navaes.
Tando de contratar-se sob as con)i(5es do es-
lylo, per tres mezes fiados em mareo vindooro, o
fornecimeoto de vveres eontros objectos de coa-
sumo, error do Maraarhio, agurdente branca de
20 graos, assucar branco grosso, azeite doce de
Lisboa, bolacha, bacalho, carne secca do Rio
Grande, caf em grio,,carnauba em velas, carne
verde, cangica ou milho pilado, arinha de man-
dioca, eiJBo, manteiga franceza, msJ/, pi, ssbSo,
toucioho de Lisboa, velas stearinase vioagre de
Llabfta, assim como o fornecimentq tambem de
dietes : araruts, aletria, assucar branco refinado,
bolachlnha, cevadinba, des galltnhas, manteiga
inglesa, tapioca, e vinho de Lisboa ; para'os na-
vios da armada e estaoeiecimentos de marinha, e
todos os obiectos da melhor qualidade ; convida
o conselho aos pretendenies a apresentarem soas
propostas em carias fechadas, no dia 5 de dezem-
bro prximo asobeo-1 Inoran O* m* o haa.
Sala do conselho de comprss navaes em 30 de
novembro de 1861.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Pela subdelegada da freguezia de Santo An-
tonio do Kacife se faz publico que foi encontrado
vagando pelas rusa desla cidade na noite do dia
2 do corrente, um crioulinho que representas
idade de 6 anuos, pouco mais ou menos ; quem
se julgar com direito a elle, comparece na mesma
subdelegada, que justificando quanto baste, lbe
ser entregue. Reeife 4 de dezembro de 1861.
O subdelegado su .> pen te,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
Consulado provincial de Prnambuco.
Pela mesa do consulado provincial te faz pu-
blico aos proprietarios dos predios urbanos das
fregueziasdesta cidade e da dos Afogados que os
trinta dias iiteis para cobrao;a, a bocea do cofre,
do 1* semestre da decima do anno fioanceiro cor-
rente 1861 a 1862, se principiara a contar do dia
3 de dezembro vindouro ; e qae tambem no mes-
mo dia principia ecobranca do primeiro semes-
tre do imposto de 5 % sobre as rendas dos beos
de raiz pertenrentes a corporales de mi mora.
Ilesa do consulado provincial 23 de novembro
de 1861.Theodoro Machado Freir Pereira da
Silva,
Santa casa de misericor-
dia do Recife.
O Illm. Sr. thesoureiro esmoler interino da San-
ta casa de Misericordia do Aecife. man la fazer pu-
blico que no dia 10 do prximo futuro mez de
dezembro pelas 10 horas da manha, ua casa dos
expostes, paga-seis respectivas amas que forem
acorapanhadus oes creancas as mensalidades ven-
cidas al 30 de setembro ultimo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Becife, 27 de novembro de 1861.
F. A. Cavalcanti Coueteiro,
Escrivao.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que no correte mez se linda o
prazo da cobranca no domicilio dos conlribuintes
dos seguintes impostos pertencentes ao exercUio
de 1860 a 1861: rendas dos proprios naciomes,
foros de terrenos de marinha, decima addieional
de mi morta, imposto sobre lujas e casss de
descont, dito especial sobre casas de movis,
roupas, etc. fabricadas em paiz estraogeiro, im-
posto sobre barcos do interior e laxa dos escravos
depois do que seguir-se-ha a cobranza execu-
liva.
Outro sim que no referido mez se fiada o prazo
do pagamento na reparlico do primeiro semes-
tre, hvre de muUi, dos impo tencentes ao exercicio de 1861 a 186z, decima
addieional de n,3o mora, imposto sobre lojas,
casas de descont, etc., e imposto especial sobre
casas de movis, roupas, etc., fabricados em paiz
estrangeiro.
Becebedoiia de Prnambuco, 4 de dezembro de
1861.0 administrador, Manoel Caroeiro de Sou-
za Lacerda.
Consellio administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimeoto
do arsenal do guerra, lem de comprar oa objectos
seguintes :
Para a fortaleza do Brum.
1 bandeira nacional de flele pequeni.
1 adrica com 32 bracas.
Para o almuxarifado do presidio de Fernando.
4 livros em branco de papel pautado de 150 fo-
lhas a 200.
Para o registro da guarda nacional de Santo
Anlio.
2 livros em branco um com 300 folhas e outro
com 200 ditas.
Quem quizer vender laes objectos aprsente
is suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manbia do dia 11 de
correlo mez.
Sala daa sessoes do conselho administrativo,
para fornecimenio do arsenal do guerra, 4 de
dezembro de 1861.
Bento Joei Lamenha Lint,
Coronal presidente.
Alexandre injusto d Fros \iltar,
Itajor vogal secretario interino.
Correio.
Pela administradlo do correio se faz publico
qae, as m*las que de>em cooduzir oa vapores
rosteiros Periinunga e Jaguaribe, aquelle cum
destino a Macelo e porlos intermedios, e este ao
Cear e porlos tambem intermedios, serio fecha-
das ambas no da 9 do correnle a urna hora da
larde em ponto.
Affenso AnneaWKPl ~ Germn*.
Aatook Conii. t Nonos.
D. Antonio de Portegai Visan*.
D. Rodrigo doSaoza .... Tettarra.
D. faacisco.r*'IMtv VaM*.
D. Gencalo d*Atkajrd* Revesando.
Jernimo, o lavrador. Bayaj*do.
Fernando, o tafead**- VaeJav
O masaje danatro.....Tmeiva.
D. Dfoga d-mununv SaaU-Ross*
Nuri ds Cuntes......Campa*.
D. Msria de Portugal D. Manoela.
Laura,'* italiana.....A bnneficrada.
Violaote........D. Jesuina.
Um capitao do terco da aroaba-
zeiroa........ Leite.
Convidados, serventes, escudeiros. pagens, da-
mas, arCabuzeiros, etc.
eodo este um dos dramas do insigne escriptor
Meados Leal Janier, que mala tea agrada
todas as vezes que ba sido representado, os
beneficiados muito se lisongeatn de o poder apr-
sente aos seos convidados e ae publico em ge-
ral, certoe de qne satisfar a tonos.
mas,
#'
Terminar o espectculo
media em um seto.
com a graciosa co-
Quem casa quer casa.
Os beneficiados espersm pela primeira vez me-
recer a profcelo do respeitsvef publico, pelo
que desde j se confessam gtatos.
Cornejar s 8horas.
Avisos martimos.

Rio Grande do Sortee
Segu com brevtdade o hiate Sant'nna, para
carga e passageiros trata-so com Gurgel Irmios:
na ra da Cadeia do Becife n. 38, Ia andar.
Porto
Segu no dia 12 do corrente a mni veleira bar-
ca portuguesa Sympathiaa per ter a sua caga
prompta, somente recebe pasasenos ; a tratar
com os consignatarios Bailar & Oliveira, roa da
Cadeia n.12.
Rio Grande do Sal.
Segu com brevidade o brigue nacional Firma,
anda recebe alguma carga frete : a tratar con
os consignatarios Marques, Barros & C, largo do
Corpo Sanio n. 6.
O gerente da Cempaohia Peroambucaoa, a
pedido, transferio a sabida do vapor Persinun-
ga para o dia 9 e ni* 3 como tem enunciado.
mm
GOlPimU PERIMBUCiM
aa
Navegado costeira a vapor
O vapor Persinunga, commandante Moura,
sabir para os portos do sul de su i escala no dia
9 de dezembro ss 5 horas da tarde. Recebo
carga at o dia 7 ao meio dia. Passageiros a
dinheiro a frete at o dia da sahida as 3 horas :
eseriptorio no Forte do Maltos n. 1.
Para as condic;5es, fretes e passagens trata-so
na agencia.
COIPAMIa PE MMBUCm
M
Navegaco costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
e Acaracu'.
O vapor cJaguaribea, commandante Lobato,
sahir para os portos do norte de sua escala at
o Acaracu no dia 9 de dezembro as 5 horas da
tarde. a
Recebe carita al o dia 7 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorro no Forte do
Mallos n. 1.
D
THEATRO
DE
Santalsabel
Companhia dramtica sob adireccao da
artista Germano.
Beeiti extraordinaria
tU BKHSVICtO DA ACTRIZ
AHINA
E DO WLITETBIRO
iS/e*io Sabe com toda a presteza o veleiro brigue por*
tuguez Mercurio por ter a maior parte do car
regamento promplo ; para o resto e passageiros,
trata-se com o consignatario T. de Aqnino Fon-
seca Jnior, na travesea da Madre de Dos n. 7,
primeiro andar, ou com o capitao na praca.
Para o \racaty.
Sahe at o dia 9 do correnle, o hiate Nicolao /,
quem quizer carregar ou ir de passsgem trata-se
na tua daCadeirn. 57.
Para
em direitura.
Segu para o indicado porto o bem coahecido
brigue escuna Graciosa, capitao Joo Jos de
Souza, por ter parle de seu carroRamooto adian-
tado; para o resto trata-se com os consignatario*
Almeids Gomes, Alves & c., roa da Crac n. 27.
Rio Grande do Sul
PELO
Rio de Janeiro
segas brevemente o brigue necienil Adelaide,
de superior marcha, por ter alguma carga ji en-
gajada : quem no meamo quizer carregar ou ir
de passsgem, dirija-se a Baltar & Oliveira, ra
da Cadeia do Becife a. 12, oa com o capitao na
pr$a.
Para Lisboa
O patacho brasileiro Julio pretende seguir
para Lisboa oestes oito das, tea parta de seo
csrregamento promota : para o resto qne lhe
falta. Irala-so com os Seas conoignatarios Aie-
vedo & Meodes, no seu escriplorio ra da Croa
numera 1.
Maranho.
Segu em peucos dias o palhabole nacional
Santo Amaro, capitao Maooel da Silva Santos,
para algauM carga que aioda pode receber trata-
se com o seu coosignitario F. L. de O. Aievedo,
ra da Madre de Dees a. 1*.
SABBADO 7 Dfi DfiZEM^fcO 081861.
A orrhestra dirigida pelo Sr. Colis, etecular
* brilhaot* ou ver tur a
Marco Spada
que servir de lotvodurciti representsclo do
excetleote drama em tres artos, original porlu-
guez, do Sr. Mendea Leas) Jnior,
D. MARA DEILEHCASTRO.
Babia.
Para a Bahis spgue em poocos dis a escuna
nocional Carlota, capiio Luciano Alves di Con-
eeicio, rara alguma cafg fue airid recebe tra-
tarse com o seu consignatario Frapciaco L. ds O.
Azevedo, roa da Miare de flioan. flE^
Para o Rio de Janeiro sahra' bre-
vemente o brigue nacional Maria Isabel,
de primeira classe, recebe carga e Irete


'< aa fa>..^i nB,i>i -a *
1'* <-ii'.-y
omHUwuH sjhw--
wniugwTer-
reir Maia, ra to Apollo n. 8.
Rio de Janeiro
Para a Rio de Janeiro sane com llrtfvidide o
*fgae nacional Catiro, j lea -parte da seu
earregameeto proar*o. .para. restante e eacra-
?o a treta, trata-ae com. o capillo com David Ferreira Bilar na ra do Btum n. 66.
pira vureiii

lio de Janeiro
pretnle seguir com mova bretidade o brigue
eacuaa aJovea Althur,lem paite de seu carrega -
meato promplo : para o raito que lhe falta, tra-
Si-ae eam o eea, consignatario Azevedo 4. Me-
bs, no mu escriptorio ra da Gru o. 1.
Rio de Ja-
neiro.
t nacional Almiranteo pretende seguir
com muita brevMade, tero parte da seu carrega-
mento pronpto, para o resto que lhe falta peih-
feiroa e escravo a frete, para o que tem assW-
do coa modos, trata -ae com os seos consignata-
rio sen eacriptorio raa da
i
ros Arevedo
Crax n. 1.
6>
Rio de Janeiro,
eegae ana poucoa diaa o brigue racional Crnzei-
ro do Sol, de primeira cianea e boro verelro, por
ter parta de seu carregameoto promplo ; recebe
passageiros a (reta, para de quaes tem commo-
dos, assira como para escravo : a tratar com
aeus consigoatarioa Antunes Guimares & C, no
Forte do Mattoi ns. 15 e 17.
Maranho e Para.
Segu com brevidade o hiate Lindo Paque-
te por ter grande parte de aeu cirregamealo
contratado ; para o reato trata-se com os con-
signatarios Almeida Gomes, Airas & C, raa da
CruiniBr.
O Sr. William Reid, gerente antigo
da caa comnaetcul do* Sn. /daawon
Howle-A ., tendo ordeqad/x t!ajue t
ztie por interven^So do agente Oli-
vara, o leil5o da mobilia que fora do
Mu uso antes de partir para Inglaterra,
consittindo em lofis, consolos, mesas
redonda ecomprida para sala, cadeiras
de encost, de braco, e ate bataneo
americanas, e oftras uiuaes, guarda
vestidos, commoda secretarias, mar-
quezas, apparadores, lindas mesas com
imbutSos para jogos de gamo edamas,
leitos de ierro, e de madeira de diffe-
rentet tamanhos, lavatorios com espe-
llio, toucadoret, banheiros, porta-toa-
Ibas, carteiras portateis.ie entre nume-
rosos outros objectos, serao vendidas al-
gumas obras de prata inclusive um
lindo faqueiro para sobremesa, um p-
timo carro coberto para 2 pessoas com
pouco uso de 4 rodas, com eixos de
patente e arreis para um cavado, de
encoramenda manufacturado dos me-
Inores materiaes em Londres ; tera'lu-
gar o mesmo leilSo
* Sa
docorrente, as 10 tiaras damanhaa, no
terceiro afedar da casa, ra do Torres*
n. 42," por cima do armazem de fazend as
dos referidos Srs. Adamson HowieA C.
h)T[.Tllr3Z,~p
sob o furnia rento ele que nao
se ach* n^&fr ni# que toos *sfcsa.gMii-
tes que nao quraersftisfazer o
importe de sua assigftatura
dentro dos primeiros 15 dias,
devero a&sjgnar o documen-
to que ln ser^presentado
pld cottdo%obriioao-se
pagar 6$Q,00 nofimdo quartel,
afim de obviar contest ac es
que.se siAspitain diariamente
Aprovei4mo8 occasio para
pedir, nossos trssignantes de
fra destacidade,mandem pa-
gar o importe de suas assig-
uaturas, para evitarem a sus-

(
Leiles.

LEILO
Terca-feira 10 do corrente.
O agente Pinto far leilao a requerimenlo de
Arckwigtu Si G e itor mandado do Iltm. Sr. jurz
especial do commercio, das fazendas, armario e
mi i objectos arrala dos a Braga & Lima, exis-
tentes na loja tita na ra Direita n. 68, as 11
horas em ponto do dia cima mencionado.
Leilao
Sexta-feira 6 do corrente.
DE
Um soravo de 18 annos.
O agente Gamargo levara' em leilSo
no dia mencionado na ra da Cruz n,
19, segundo andar, um excellente es-
cravo de 1 8 annos, sem vicios e com al -
gumas habilidades.
pensao da remessa.
Grande laboratorio def-j
vagem
Os donos da ronpa dos nmeros tbaiio decla-
rados podem mandar buses-la que e acha prora -
pta : 251, 476, 128,163, 225, 228, 279, 132,*03j|
242. 147, 0, 1T5,168, 1M, 23. 264, 269,99.
Fafinha de trigo
avariada.
Sexta-feira 6 do crvente.
_KrabbTham & C. farao leilao por interven
cao do agente Pinto e por cunta e risco de qnem
perteocer, de cerca de 250 barricas com farioha
de trigo superfina e extra Baltimore rcenle-
mente descarregadas do brgue americano Cha-
tanooga, indo de Baltimore, |aa II horas do
dia cima mencionado, na escadinha em frente
do armazom do Sr. Vicente Ferreira da Costa.
LEILAO
Taberna confronte a igreja de
S. Jos do Manguiuho
Quinta feira 5 do corrente.
Antunes Cara leilao a raquerimeato de Antonio
de lloura Fernandos de Almeida e despacho do
Ilion. Sr. Dr. juit especial-do commercio. da ta-
berna sita em S. Jos do Mangumho confronte a
greja, perteoceotea Antonio da Aadrada Cor-
del ro, no dia cima referido as II horas em
ponto.
Grande pechincha
Antunes far leilao em seu armaiem roa do
Imperador o. 7J, dos predios que peruneerem a
Jos Luiz Pereira Jnior, 01 quaes sao os se-
guales :
. A 3a parte do sobrado de 3 andares n. 19 aito
na ra do Vigario.
A 3* parte do sobrado de um andar e sotaon...
sito na ra do Livramento.
A casa terrea n. 62 sita na ra das Aguas-
Verdes, as 11 horas em ponto: sexta-felra 6 do
correte.
Sexta-feira 6 do corrente.
Antuaes far leilao em aeu armazem ra do
Imperador o. 73. das joias ? mis alguos objec-
tos penenceotes a massa de Siqueira & Pereira,
sllhoraaem ponto do referido dia.
ILMILM
PELO AGENTE
DE
Fazendas, roupas feitas ej
ricos objectos de gosto.
Jos Joaquim Horeira far leilao por interven-
co do asente Cost~Caralho em sin loja da ra
Nora o. 8, de todas aa fazendaa existentes na
mesma constando de camisas para horneo), ricas
chapelinas para seohora de seda e palha, ricos
vestuarios para meninos e meninas, seroulas oe
linho e algodao,grvalas, chapeos de sol, neo-
galas, candelabros, serpentinas, numerosa quan-
tidade de perfumarlas dos primtros autores de
Pranga e Inglaterra, leos jarros de figuras, es-
cotas, pentes, esearradeiras, siotos para seoho-
ra, ealgados para seohora, homem e menino e
outros mu i tos objectos de gosto que ludo ae ven-
der ao correr do martello a dioheiro vista :
q-i'nta-feira 5 do correte das 11 horas da ma-
ntisa as 2 da tarde e a tarde das 4 horas as ,8 da
noite.
LEILAO
Sexta-feira 6 do corrente as
11 horas em ponto.
DE
MOBILIA.
O ageute Cmargo a reque-
rimento do testamenteiro do
fallecido padre Jos Leite Pit-
taOrtigueira e por de_spacho
do Illm Sr. Dr. juiz municipal
da segunda vara, far leilao
dos movis do mesmo falleci-
do, consistindo em urna rica
mobilia de Jacaranda, apara-
dores, cadeiras avutsas, se-
cretaria, mesa para escrever,
louca e vid ros, urna grande
quantidade de enfeites para
mesa, venepiina,muitasobras
de ouroe prata e outros ob-
jectos que sao desnecessarios
mencionar visto tjdos sabe-
real que era urna das casas
mais bem moblhadas, epor
isso o agente convida as pes-
soas qoe gostam do.bom e
barato de apfesentarem-se no
mencionado dia na ra da
Cruz n. 19, segundo andar,
Qnmta-feira 5 do corrente.
O agenta Costa Carvalho a requerimeoto de
Antonio Rodrigues Pioheiro como testamenteiro
e inventarame de D. Luiza Thereza de Jess,
por despacho do Ulm. Sr. Dr. juiz municipal da
segunda vara, far leilao na casa terrea sita na
ra Nova de Santa Rita o. 35, com 20 palmos de
frente e 141 ditos de fundo e mais um graode
terreno no fundo e caes pertencente a mpsnj,
foreira a terreno de msrioha, o dito leilao lera
lugar quinta-feira 5 do correle, aa 11 horas da
manha na dita casa.
LEILAO
Terca -feira10 de dezembro corrente,
andarao iaipreterivelmente as rodas,
da quinta parte da non* lotera da ma-
triz da Boa-Vista desta cidade no concia
torio da igreja de N. S. do Rosario de
S. Antonio, pelas oito koras di ma-
ntea. .Os. bilhetes emeiosacham se desde
ja' a -venda sotneate atsegunda-feira 9.
Os premio serao pagos como de eos-
turne.
O thesoureiro,
A. J. Rodiigues de Souza.
Ama.
Precisa-se de urna molher forra ou escrava,
preferiodo-sa esta, que enteoda bnm de corinha :
se agradar pags-ae bem : na ruado Queimado
o. 37,ae dir quem quar.
0 Sr. Joaquim Vicente Marques tem urna
carta na roa do Queimado n. 37.
Aluga-sa urna preta moga e sadia, sem vi-
cios nem achaques, cotinha. engonrma, e lav
bem, tanto de sabo como de varrella, preferia-
do-ss alagar para casa estrangeira : a tratar aa
ra ao Sebo n. 20.
O Rvd. padre Pedro, braaileiro, vai para o
provincia do Rio Graode do Nfcte, o vapor Ja-
guaribe.
REMEDIO INCOWPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos da todas as nacoes
podem testemunhar as virtudes des te remedio
incomparavale provaremeaso necessario, que,
palo uso que delle fiseram tem seuoorpoa
membr os i n tetra mente saos depois d harar em-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessascuras ma-
ravilhosas pela leitura dos peridicos, que Ih'ai
relatam todos os dias ha muitos annos; a s
maior parte dellas sao to sor prndenles qui
admiram os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraran) com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dador
permanecido longo tempo nos hospitaes.o tas
deviam soffrer a amputa;o I Dellas ha mui-
easquetavendo deixado asses, asylos depada-
timentos, para se nao submeterem a essaopa-
ragao dolorosa forana curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa ns enfusao de seu reco-
nhecimentodeclararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim le mais autenticaren) sua afirma-
tiva.
Ningaem desesperara do estado desaude ss
tivessebastante confianca para encinar este re-
medio eonstantemenleseguindo algum tempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
eujo resultado seria provar incontestavelmente.
-Que tudo cura.
O ungento he util, mais particu-
larmente nos segalntescasos.
Alporcas
Caimbras
Callos.
Aneares. ,
Corladuras .
Dores decabeaa.
das costas.
dos raembros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Eru pedes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchaces.
Inflammscao do figado.
!
I
Costa Carvalho depois de vender a
casa da ra nova de S. Rita n. 35,
vender' tambem um escravo proprio
para servlco de campo per estar a isto
aleito: as 11 horas em ponto.
Avisos diversos.
Inflammaco da bexiga
da matriz
Lepra.
Maleadas pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Pica-fura de mosquitos.
Pul mees.
Queimadelas,
Sarna.
SupuracSes ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, cStraad, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespsnha.
Vende-se a 800 rs cada bocelioha contm
urna instruceao em portuguez para explicar o
modo de fazar uso daste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 92, em
Pernambueo.
BARATO
sem igual, s na ra do
Queimado n. 40.
Luvas de seda de cores para homens, senhorae
e meninas, o par 400 ra,
Leocinhos de seda com franja, Gnos, para me-
ninas e senhoras bolarem no pescoco, um 500 rs.
Chapeos de sol de seda para meninas de esco-
la, um 1600.
Grvalas de seda de ponta larga, outr'ora do
valor de 4 a 9$, pelo diminuto preco de i$ urna.
Diversas fazendss de Isa e seda para vestidos
do aenhora, que outr'ora m vendam por lf 280,
pelo diminuto preco de 500 o ovado.
Sedas de cores superiores com pequeo toque
pnmA cp noria pc. de mo(o *w ovado.
CUlla9.se ama es Superiores a afamadaa peonas de ac denoai-
*wvp>, H" u Peca de cass risa com tO varas de largura a 4|
dO faltam apenas algUQS dlHS Vealem-se gtooospara candleiros, e bom-
^--. -KltA A* ,.i:.'bss de jal, mais barsto do qoeem outraqaal-
para # COmpletO OO Ultimo ^t*r*Tr na matara do Rosario, o. 84.
GOPAIUnADAYU-Rllli
leeife a Sao Fraseisco.
(limitada.)
Attenco
Nos domingos come^SDdo do dia 8 do crrante
aia outro aviso, os bilhetes de ida eTaita das
Cinco Ponlaa 4 Estada serio vendidos pelo preco
dos de siogela ; a saber .-
1* classe 69500
2a classe 40500
8* classe 39000 i ,
Apartida do trem ser como- de eoatume de*
manhia, das Cinco Pontasai7 a30 minutos o de
tarde da Escala as 4 horas.
S Atteaco
0 D. Mara Joaqeia dos Santos Abreu,pelo
presente) previne sos seus inquinos das
tasas terreas na ra da Maogueira do bi-
irro da B Ja-Vista n'"5, a ra dos Pires o.
21, e no barco do Peinho nobairro de S.
Antonio o. 31, que nao paguem os alugaeis
90 marido da snnunciante, Manoet Flix de
OtivettS e Silva, ou qualquer outra pessoa _.
que ae aprsente a recebe tos sem procu- 41
ragao espacial da mesma ansaaeiaote eam
9 a data posterior ao prseme annuocio ; por
9 jio que % annunciante fol forjada 'petos
ff mos tratamentrs que tem soffrido do re-
0 fondo aeu marido a tratar de divorsiar-se
delta, aipela eacriptura ceiebrada na Dota
do tabellio Almeida, do contrato ante- 9
8 nupcial rom que caaaram, aaod.a nnnn- SJ
ciante tmente qae entro* com bens para aj
9 o consorcio, Uca a mesma annunciante na %
S-posas e admiuistracao dos aeus bens desde #
j independenta de despacho, ou sentenca $
judicial como coasla da mesma scriptura. %
Outro sjra, e pela razio dita previne a an- $
nuociante que nioguem faga traDsaccao de #
qualilade alguma coaa o dito aeu marid-s
ou alguma outra pessoa aioda que ae apre-
sante com procurado da annunciante, que
desde j declara, que falaa a reapeito nio
s daaditaa caaa*. seja de venda, hypothe-
M ca ou permuta, ou mesmo qualquer outra,
tcomo a respailo de letras inclusive a do Sr.
Jos Alfonso de Azevedo Campos, e outras
que sejam relativas ao casal da annuncian-
te, aioda sob o pretexto de reforma ; por-
que todaa transaeco a amelhaote res-
peito perleoce a anouncianle aioda mesmo
no caso de perd> da letra; e assim lam- #
bem previne, que nioguem compre ao so- 0
bredlto aeu marido qualquer bem movel 0
como mobilia; etc.; porque loso quaoto 0
existe na casa em que moravam.e o que para 0
em mao do seu marido, da annunciante 0
com que entrouparao consorcio, isto co- 0
mo avlente da esetiptura referida: e %
desde j protesta promover os meios e ac- %
(des judiciaes cootra as pessoas quo nao SJ
oblaote eale annuocio, pagarem ou Bze- 0
rem qualquer transargao ou compre ao su- S]
pradito seu marido ou qualquer outro por laj
elle aororissdo. al
Mara Joaquina dos Santos Abreu. SJ
-#*
Roga-se
s todas as pestoas que devem massa fallida de
Antonio Joaquim Machado Brandan, de virera
pagar seus dbitos no prazo de 30 dias. na ra
Direita n. 73 ; ae no competente prazo nao satis-
tizerem, serao cobrados judicialmente.
Roga-se aos senhores abaixo mencionados o
favor de viren a ra do Crespo o. 8 A a negocio
d6 seus ioteresses, visto ato se saber de suas
moradas.
Dr. Pedro Gaudiano Ralis e Silva.
Padre Francisco Alves branles
Pr. Joo de Santa Cecilia.
Capito Antonio Fernando Rasouro.
Acurcio Jos de Medeiros.
Francisco Jos do Amaral.
Francisco de Paula Cavalcanti Wanderley Lioa.
Flix de Aranjo Albuquerque.
Jos Guilherme dos Reis.
Joaquim Pedro do Reg Barreto.
Mauoel Duarte Ribeiro Jnior.
Maooel Aoiooio Barbosa.
Miguel da Purificarlo Gomes.
Jos Gorgooio Paes Barreto.
Alexandre da Silva Tavora Veneno.
Joo Baptista Moreira.
Francisco Jos Alves Gama.
Joaquim Ignacio de Carvalho Hendooga.
Os abaixo asssigoados participara ao respei-
tavel publico e ao corpo do commercio que dis-
solver a m amigaveimeote a aociedade que tinham
na loja de funileiro e lampista na ra do Raogel
o. 1, que gyrava sob a Qrma de Carmina & Perei-
ra ; Qcaodo a catgo do socio Carmine todo o acti-
vo e passivo da extncta firma.
Jos B-nto Gil Carmine.
Jos Joaquim Ptme niel Pereira
Consulta por anbs scfstMns/
Em caojefluencla da mudanga para a sua nova residencia, o proprietarlo deale estabaleci-
^* ^rj^qr^oe^e^s^r^^ etm e* da
nenhum outro, visto o grande crdito de que aempre gozaram e gozara ; o proerie.tario tem tonada
a precaufao de insdrevero aen neme em lodos oa rotlos, devendo ser considerado Como falsifica-
dos todos aquellos que forem apresentados sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo a em pa-
pel marcado com o sea nomo. >
Outro slm : acaba de receber de Franca grande porcao de tincturi de acnito e belladoaa, re-
medios estes de summa isaporUocia e cujas propriedades sao tao conhecidas que os stesstoe Srs.
mdicos allopatbas eropregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsoaqur em tobos qur em linduras custarSo a lf o vidro.
O proprietariodeste estabelecimento afnuncia a seus clientes e amigos que tesa aomnaodoa
sufflcieotes para receber alguna eacravos de um e outro sexo doentes ou qae preeiaem da: algum
operagao, afflaogando que serao tratados com todo o disrelo e promptido, como aabeaa tedios
aquellas que lateas ttdo eacravoa aa caaa do annunciante.
A aituagao magnificada casa, a commodidada dos banhos salgados sao ostras tantas vassta-
gens para o promplo restabetecimento dos doentes.
As pessoas qoe quizerem fallar com o annunciante devem procuA-lode manhsa at 11 horas
e de tarde das 5 em diante, a fora deataa boras acharao em easa pessoa.com quem se podero
ndar : raa da Gloria o. 3 casa do Fandao.
Dr. Lobo Momcozo.
i
DODR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PLUS DE
COPAHU
DEPURATIF
dn SANG
PARA O TRATAMENTO E SMPTO CURATIVO
DAS ENFERMIDADES SEXDAES, DN TODAS AS AFFECCOES CUTNEAS, VIRDS
Citrato de ferroChablc.
Xarope mu preferivri ao
Cipahiba e as Cube-
bai, cura immediatamen-
te qualquier purgagao ,
relaxaeio e debilidad*, e igualmente fluios e
flores brancas das mulberes. Saujcac ae
chabte. Esta iejecco benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna vez
de manba, e ama vez de urde durante tres das;
ella segura a cura.
E ALTERACOES DO SANCCE-,
Depurativo S aifr.
Xarope vegetal semaaer-
eurio, o aaico coubecido
e approvado para curar
con prompda e radf-
p. .i.......-,,.,.-., pjaiMlaa, biapaai siaaa.co-
mixOs, acrimonia e alteracfs viciosas do sm-
gue; virus, e qualquer aflecao veneres. bb-
atBAM aoMeraea. Tomlo-se dous por Wana, ae-
puindo o tratamento dfporativo.--a#>aiaaBaa>-
Uberpetiea. De um rimo ouravilhase as af-
fecdes cutneas e comixoes.
MemarrenMaii.Pomada que as cuaa em 3 dias.
O depotito na ra larga g Rosario, botica de Bartholomeo Wrtneiteo 4e 8*uta, 90.
-
PftBaaresT.
Grande expusico de fructas doces e qneijos.
Sodr & C, na ra estreita do Rosario n. 11, tem um grande sortimento de tudo quanto-
bom para a (esta :
Fructas.
Peras graudas.
Peros.
Majaes.
Uvas.
Abacaxf.
Melaocias.
Meles.
Caslaohas.
Ditas confeiladas:
Ameodoas.
Nozes.
' QueijoSa
Flaraengos.
Serlao.
Londrino.
Doces secos
Goiaba em caixoes e em latas
mailo fino.
Figos chelos.
Ditos estrellados.
Ditos em ceiras.
Passas de alicantl.
Amerxas.
Sapot.
Abscaxi. ,
Limao.
Cidro.
Laranja.
Caj.
Doce de
calda.
Chocolate
de todas as qualidades.
Sspnlf.
Aoacai.
Limo.
Birinbi.
Laratrja.
Cidro.
Grosellas.
Marmelada.
Caj.
Geleia de marmelo.
Pitanga.
Bolachinha
de todas as qaalidades.
Sorvete ao meio dia e a noite.
Aviso.
Nao sendo possivel conti-
Quar o abuso, posto em orti-
ca por alguDs de nos sos a asig-
nantes, de nao pagarem o im-
porte da ssiguatura deutro
dos quiaze dias do primeiro
mei !o qaartel pelo prego de
5^000, pretextando faze-lo no
fm6|m
tipuladJ e,

Luiz Pinto, subdito portuguez, retira-se para
fora da provincia.
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro p. se escrava: na ra Direita o. 55.
Aluga-se o segundo andar e solio, da casa
da ra da Sanzalla-Velha n. 22.
Aluga-se o armazem do sobrado da ra do
Apollo n. 47 : quem pretender dirija-se a Jos
Antunes Guimares; e aa chaves se acham no
depoaito, ra da Sanzalla-Velha n. 48 para ver.
Companhia do
Beberibe.
O caixa desta companhia com-
mendador Manoel Goncalves da Silva,
acha-se autorisado a pagar o 27' divi-
dendo na razao de 3$200 rs. por accao,
o mesmo Sr. caixa adverte aos Srs.
accionistas, que parte se acha em cobre
que tem receido dos arrematantes.
Escriptorio da Companhia do' Bebe-
ribe 25 de novembro de 1861.
O secretario interino,
Justino Pereira de Faria.
Alia-te para alugar o primeiro
andar do sobrado da ra da Aurora n.
44: juein pretedHer dirija-se a ra
Nova loja de Bastos & Reg.
Attenco
Antonio Pereira Vanna, subdito da
macao Portuguesa, reside na ra da
Imperatriz casa n. 29.
Escravo fgido.
No dia 2 do torrente fugio o escravo crioalo
por nome Paulino, que fot do angenho Caoabra-
va naa Aluoas, do Sr. Dr Antonio Joaquim Buar-
que Nasareih, de meia idade, barbado, porm
quaodu fugio foi de barba feta, levou camisa de
alsodao com lila azul, caiga de camisa cor de
caf, recommenda-se as autoridades policiaca e
capites da campo a captura do meamo, levando
ra do Crespo n. 14, que ser generosamente
recompensado.
Precisa-se de urna ama para cozinhar: na
ra das Laraogeiras n. 36
Precisa-se da um rapaz que tenha de 14 a
16 annos de idade para catx'-iru de taberna, an-
da que aeja dos ultimameote chegados, mas que
possua as enndices necessariaa para tal empre-
go : n largo da SaoU Cruz n. 16.
Hospital Portuguez de Be-1
neucencia.
Be ordem do Sr. provedor do Hospital Portu-
guez de Beneficencia oeata ciiade, convido a to-
doa os senhores socios do mesmo Hospital reu-
nirem-se no lugar do costume, pelas 9 horas da
manha do dia 8 do correle, para, em sessao
de assembla geral, cumprirera o determinado no
3." do art. 17 dos respectivos estatutos.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia 5 de dezembro de 1861.
Joaquim Ferreira Mendes Guimares,
1. secretario.
ndice alfabtico
das leis, decretos, avisos, e consultas do conselho
de estado aobre as assemblas proviociaes, por
Ovidio da Gsma Lobo, bacharel em ciencias ju-
rdicas e aociaes pela Faculdade do Recife, e se-
cretario do governo da provincia do Maranho.
Assigna-se na liraria da praga da Independen-
cia ns. 6 e 8 a 23 o exemplar.
Precisa-se de um preto escravo para o ser-
vico de ama casa, e que tenha alguma pratica de
padsria : quem o tiver snnuncie para ser procu-
rado.
^iga-se urna casa para passar a festa ou
por asno ; em Smt'Anna de dentro, a fallar com
Joo Venancio ds Paes.
Joao Casemiro da Silva Machado avisa ao
Sr. Antonio Pedro Martins ou a qualquer outro
que tente comprar a liberna do Sr Joo Duarte
Maginario, o nao fagam sem que eite tenha jus-
to suas coolas com o annunciante, o que nao tem
podido conseguir anda, mesmo iodo para esse
flm em sua casa conceculivamente oo espado de
seis mezes, e cootiot a ir diariamente.
lila preparatoria
O acadmico Alfredo Sergio Ferreira
$@ tem desde o dia 2 do correte mez aber-
i loa sua aula de ioglez era casa de sua.
residencia pregada Boa-Vista n. 19, se-
gundo andar, das 8 as 12 horas da ma-
9 Dnaa dos dias uteis. Declara tambem
k> que nao se negar receber em outra
? qualquer hora aquelles estudantes que
O oo poderem frequenlar aquella aula
b por causa da hora.
'
Attenco
o
O Sr. f ortunato Ferreira da Silva,
nao se pode retirar para Macei sem
satisfazer a quantia que deve, (que nao
ignora) ao abaixo assignado, no caes
d'Apollo n. 39.
Miguel de Almeida Gomes.
Aioda eat para alugar o armazem, primei-
ro andar e soto do sobrado o. 61, sito aa ra da
Guia : quem pretender dirija-se ra de Horlas
o. 14, i tratar.
O padre Francisco Joo da Azevedo de via-
gem pira a corte pede desculpa a todos os seus
amigas por sao ter ido pessoalraeate despedirse
e eupera Me-la urna vez qae easa viagem foi re-
solvida de momento.
dktagam-se duas essa trras na Pisssgem
entre as duas pootes : a tratar oo a>aleo do C ar-
mo loja de lartarugueito n. 12, ou no aillo do
Cajueire a. 1.
Fornece-se comidas em Casa como para
fora, com mullo asseto ugiMttttlUade : no largo.,
da Assembla n. ti. Na mesma casa precisa-se-
de um cozlnheiro.
Aos senhores marchantes do
municipio do Recife.
Avisa-ae que o pagamento do impoeto sobre o>
gado. feito tn conlinenti, sem o que nao I has-
sero concedidas aa competentes gulas, sen-io-
Ihes aprehendida a carne. Ene aviso entende
se com alguos que desojan], e lam obtido nao
pagar immediatamente oque se tem lomado abu-
sivo.
Outro sim, os Srs. cobradores das freguezia
de fra da cidade oo podaro Qar o refer Jim-
posto, com especialidade o da freguezia do Poco
da Panella, que por isso nao presta regularmen-
te aa auas cootas.
Os que se acham debitados devem at o dia l>
do corrente solver seus debitas, do contrario se-
rio lirados mandados eseculives como concede
a lei.
Recife 4 de dezembro de '861.
Certificado de cura de inliam-
maco e grande dor de
peito.
Eu abaixo assignado certifico que um mea es-
cravo tendo padecido de iullammacu e graodo
dr de peito, a qual llie reapoodia as costas,
tanto que nao poda trabalhar pelo eu offtcio dn
pedreiro, recorr ao Sr. Ricardo Kik com escrip-
torio os ra do Parto n. 119, e este senhor Iha
applicou as suas chapas medicioaes, as quaes o
pureram ioteiramenie bom.
E por ser verdade lhe assigoei o presente cer-
tificado. Ra da Gloria n. 72.Luiz los da
Costa.
Para asencommendas ou tnformaedes dirija-se
pharmacia do Sr. Jos Alexandre Ribeiro, ra
do Quimado em Pernambueo n. 15.
No botequim da aguia de ouro da roa es-
treita do Rosario n. 23, precisa se de um caixei-
ro que seja diligente, preferiodo-se portuguez or
bespanhol.
O abaixo assignado assevera que o aviso
publicado no Otario de 6 do corrente propia-
mente seu. Eogenbo S. Paulo 19 de novembro
de 1861.
lzidoro Camello Pessoa de Siqueira Costa.
A mesa regedora da irmandadede N. S. da
CouceiQo dos militares roga a todas os morado-
res da ra Novs se digoem de illuminar as fren-
tes de suas casas as noites de 7 e 8 de torrente
afim de abrilhantar os actos da vespera e Te
Deum da mesma seohora.O thesoureiro Jos
da Crin Sanio;.
Precisa-sede dous amasssdores : na pada-
ria da ra dos Pescadores o. 1 e 3.
Traducces <|e Inglez e
francez.
Urna, pessoa recentemenle chegada e com-
petentemente habilitada, como interprete jara-
mentado pelo tribunal do commercio da provincia
da Baha, offerece-ae aos Senhores negociantes
deta cidade para toaas as traducces nos idio-
mas cima ; pode ser procurado no bairro Santo
Antonio, ra do Crespo n. 25 lerceiro andar.
Licoes de inglez e fraricez
Urna pessoa devilamente habilitada para
ansino de ambas aa Itoguas cima, se propoa a
dar lices aos aenhorea estudantes desta cidsda
aaa horas que ae convenciooaram, para tratar,
ao bairro de Santo Antonio, ra do Crespo n.25
terceiro aodar.
EscripturaQo mercantil.
Aos Senhores negociantes desta arac ae of-
fereee urna pesaos devidameate habilitada para
escripturar livros por pulidas obradas, nao 6
em portuguez, como ingle a francs, podendo
ser procurado no bairro de S. Antonio, raa do
Crespo o. 25. lerceiro andar.
Hoje S do correle deaoie 'audiencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de paz do segunda diatricto de
Santo Aotooio, eero arrematadas os g-.neros
seguintei: 4 barricas com bacaifiaa a 88000 cada
urna ; e douscoslaescom8 arrobaade carne tcea
vulgo caroe do cear a 29500 a arroba penhoradoa
por execacode Jos de Jasas Horeira.& C. con-
tra Manoel Beierra Leite.
U
$ '


w
m
I M DEi&MBRO DE 1811.
=c
-;,

SAME
Citrolactato de ferro
Huleo deposito na botica de Joaquina MaTiafeo
da Cru* Crrela., tua do Cabag n. 1A,
m Pernambaeo.
0 Dr. H. Thermes (de Cha le) antigo tiharmaceutico aprsente hoje urca nova pre^aracio
da (errooocn o nomo de elinir de ciiro-lactaio da ferro. e .
Parecer ao publico um luxo emprear-e um meamo medicamento debaixo de frmela lio
variadas, maso horneen da aciencia compreheade a neeessidadee importancia de uma.tal ve*ie-
dade.
A formula um objecto de multa importancia em therapeulica ; um progresso 4mmeaso,
quaodoella, maniendo a ossencia do medicamento, o toroa gradare!, faeil e possivel para todas as
idades, para todos os paladares e para todos os temperamentos.
Das namerosas preparages de ferro at hoje conhecidasneakurna rene lio bellas calida-
des como o elixir de citro-laclado de ferro. A sea sabor agrada el, rene o tomar-seem urna pe-,
quena dose, e ser de urna prompla e fcil disaoleeeo no estomago, de modo que completa mente
aimilado;eo nao produtir por causa da lactina, que cootem em sea eoroposicao, acouatipacaode
?entre freqoeotemeole prorocada pelaa ootras prepararles terrogioosas.
Estas aovas qualidades em oada alterara a cieaci'a medicamentosasdo Ierro, quesead* urna
substancia da qual o medieo ae nao pode dispeusaa em aua clnica, de incomparavel utilidade
qualquer formula que Ihe d propriedades taes, que o pralico possa prescrever sem receio. E' o
qtte* cooseguio o ptlarmaceutico Thermes com a prepsracao do citt e-laclado de ferro. As sisa este
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar entre as numeroaaa preparacoes ferroginosas, tem o
atiesta a pratica de muito mdicos distinctos que o tem ensaiado. Tem sido empregado como im
menso proyeito as molestias de languidez (chlorose paludas cores ) oa debilidade subsequeite as
hemorrhagias. as hyJropesias que apparecem depoisdaa intermitentes na incontinencia: deerina*
por debililade, as peroUs brancas, na escrophula, no rachilismo, na purpura bemorrbagica, na
convalecencia das molestias graves, na chloro anemia das marherea grvidas, em todos os casos
em que o saogue se acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, alTeccoes chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancross, syphililica.excessos venreos, onanismo e aso prolongado das orecaucoesmer-
I corisea. _
Catas enfermidadea sendo mu frequentes sendo o ferro a principal subslancis de que 0
medieo tem de laucar nao para as debelar, o autor do cilro-lactato de ferro merece louvores e o
recooheclmento da aumanidade, por ter descobetto urna formula pela qual se pode sem receio
do ferro. r
Traspissa-ae o* arrenda-se a padaria da caixa
d'agua n. W, da fregezie da Boa-Vista, prempter
e trabaibaodo, e per arec.0 eommodo p compra
por os dbnos'se-quereYem mudar da csss, lee'
cssa de morada paraOfjoem precisar.
Precisa-te de duae amas, sendo urna para
IrsUr le nenios, e owtra era tozinrMtt e en-
gommar : n tea da Caseia do Recife, ljr o. 50.

JARABE DO IORGET.
Este xarope esta approvado pelos mais eminentes mdicos de Parte,
_ :dmo sendo o melhor jara curar constipacoes, tosse convulsa e outras,
aflecees dos broocbos, ataques de peito, irriucoes nervosas e insomnoleaeias: urna colberada
pela mr.h, e outra a norte 6o sufcientes. O dteito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
lempo o.doenle e o medico.
O deposito i na ra larga do notario, botica de Bartholomto Francisco de Souo, n. 36.
APPR0VAC40 E AlTORISACiO
mmmm mimmim mmm
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
chapas mmmuu
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-elbctro-magneticas-epispasticas oblem-se urna cura radical e in-
fsllivel em todos os casos ra inflammaco ( cansado ou falta de respiracao ), sejam internas ou
exlernas.como do Ggado, bofes, estomago, bajo, rins, ulero, pello, palpitado de corado, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumalismo, paralysia e todas as adeces nervosas, etc., ele. Igual-
mente para as diferentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual r o seu
lamanho e profundeza por meio da suppuracao sero radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselbado e reeditadas por habis e distincios facultativos, sna effieaia in-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianea do publico
que j tem a honra de merecer, depoisde 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripio, tendo todo o cuidado
de fazer as neeessarias explicacoes, se as chapas sao para hornera, senhora ou enanca, decla-
rando a era que parle do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia: e sendo inchsces, feridas u ulceras, o molde do sen
amanijo era um pedacp de papel e a declaracao onde exislera, afim de que as chapas sejo da
torraa da parle affectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As Chapas Serao acompanhadas das competentes explieaces e tambem de lodos os i
orlos para a collocaco dellas.
Consulta as pessoae que odignarem honrar com a sua confiaBca, em seu esariplorio,
se achara aberto lodos os dias, sem excepjo, das 9 horas da manha s 1 da tarde.
]|9 Ra do Parto ||<)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
os acces-
que
BMM
Para as encommendas ou informaces dirijam-se a nharmaei
ra doQbeimadon. 15.
exandre R'beiro,
o.
o

S-T >
s-g-
ire-rB'is
I o o 3
i 3 o
-T3
a> "i -
O- <* S
2
garSkr-o
4-
o
Pdaria.
=^=
i;
particular de rhetoriea.
T^fc'danfton- anoel da Costa Honorata tem
abertoAs aulas d eloquenetse potica nacioasl
tW!'HtylteA) das tataseles qee qulrerem
restar xame da diUa materias no futuro mez de
arto na ra Diraita b'. *. prftseiro aaiar.
i
3~Ru estreita tft Ho6tri>-3
( Francisco Pinto Ozono continua a col-
locar denles artiOcisea tanto por meio de
% molas como pela pressao do ar, nao re-
S ceba paga alguma sem que aa obras nao
flquem a rontade de seus donos, tem pos
1 outras preparacoes as maia acreditadas
|para coservago da bocea.
Preciss-se de um menino psra caixeiro, de
idade de 12 a 14 annos ; na ra da Imperalriz
numero 78.
Ainda se precita de urna petsoa
para distribuidor deste Diario em Olin-
da : na livraria n. 6 e 8 da praca da In-
pedencia.
Preclsa-se de um feilor para um silfo de
pessoa estrangeira, em Sani'Anna : a tratar na
rna do Trapiche Novo n. 4J.
Precisa-se de no rapar de 15 annos, mais
oo menos, livre eu escraro, psra aervico de casa
e ra : na ilha dos Ratos, roa do Seve ou Unio,
casa n. 28, com porto ao lado, visinha a ponte
que se est fazendg da roa da Aurora*para o
Campo das Prineezst.
Aluga-se o terceiro andar da casa
n. 37, sita na ra do Amorim : a tratar
na ra da Cadeia n. rj2.
Quem quizer arrendar ou comprar o engenbo
Itapirema do Meio na comarca deGoianna ou ar-
rendar o engeoho Sooza na fregufzla da Taquara
ni provincia da Parahyba, ou mesmo comprar
mais de metade deste eogenho, pertencente aos
berdeiros do finado coronel Esleso Cavalcanti
d'Albuquerqua, dirija-se a ra estreita do Rosario
n. 10 3* andar ou ao engeoho Tab oa freguezia
da Taquara.
Atten^o.
A antiga coebeira d'alem da ponte da povoscao
de Beberibe contioa a receber carros e cavallos.
Um segundo
andar.
Aluga-se o segando andar da pragadaBoa-
Viata : a tratar oa loia de calcado na ra da Im-
apertriz n. 46.
Aluga-se ama cssa na povoscao do Mon-
teiro para se psssar a testa, e tambem um ptimo
sitio na Torre com o bsnho ports, e outras com-
modidades : a tratar com o Sr. Jos Azeredo Ao-
drade, na ra do Crespo, ou com Jos Marianno
de Albuquerque.na estrada oova do Cachano.
9i5SKeiKK ewswsK msmm
Consultas medicas,
Serio dadas lodos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereira no seu escriptorio ra 9
da Cruz n. 53. desde s 6 at s 10 boras 8
da manhaa menos aos domingos sobre'
1.* Molestias de olhos. 3
i.' Molestias de coragao de peito. tt
3. Molestias doa orgos da geracao e <
do anus.
O exame dos doeutes ser eito na or- 5
dom de su as entradas, comecando-se po- K
rra por aquelles que soffrerem dos !
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos e op- S
ticos sero empregados em suas cnsul- J
ta;es e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obter certeza, oa ao menos
probabihdade sobre a sede, natureza e
causa d* molestia, e dahi deduzir o plano
de tratamento que deve destrul-la ou
curar.
Varios medicamentos serio ambem*
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeiraqualidade,
* promptidio em seus effeitos, e a necessi-
dade do seu emprego urgente que se usar
delles.
Praticar abi mesmo, ou em casa dos
doentes toda e qualquer operacio que
julgar conveniente para o reatabeleci-
mento dos meamos, para cujo fim se icha
prvido de urna completa colleccao de
instrumentos indispensarel ao medico
operador.
Precisase de urna ama de leiie, mesmo qu
tenhs fllho a mamenlar ae faz negocio ; quem se
julgar nesta circumstancia dirija-se ra dos
Pescadores n. 35. ao p da fabrica de sabo, que
achara com quem tratar.
Attenco
I I >,
i>fiJlJ'"|i
Na raada Concordia n. 37 nrecias se de dous
crfaSos pertuguezes, da l 16 snnos : paga-se
bsm.
Aranaga, Hijo & C. sacam sobre
Rio de Janeiro.
h
P <|) l ),,
CONSULTORIO ESPECIAL H0HE6PATHIG0
I'' i aoUTOR -/T
D SMIMAO.L.P.INH0.
ftuade Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
' Consultas todos os dias a teisdesd as 10 horas
at meio dia, cecea das seguiotes molestias
molutiai datmulheret, molestia das crimn-
Si, molettiae da pelle, molestias dos olhos, mo-
tas sypMUticat,toda* atetpteiu de [tbrts
febrts intermitientes e tuai consequtncias,
PHARMACIA BSP801AL HOMIOrATH1CA .
Verdadeiros medicamentos homeopatbieos pre-
P"ads som todas U cautela s neeessarias, in-
'luvaU em seus effeiros, tanto em tintura, como
am glbulo, pelos presos maia commodos pos-
N. B. Os medicamentos do Dr. Sttlno sao
anicamante rendidos en? Sua pharmacia ; todo
que o forem fra della sao falsas.
Todas as earteiras sao acompanhadas da um
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor aa seguintes palavras : Dr. Sabino 0. L.
Piano, medico braaileiro. Bate emblema posta
igualmente oa lists dos medicamentos que se po-
de. As earteiras que nao levaram esse lmpresso
tssim marcado, omborateaham na lampa o no-
na do Or. Sabino sao falsos
8
g
g
Furtaram do abaixo assignado um re-
logio de ouro patente inglez. coberto de
n. 7191, autor loah Peulingtoo e um
traocelim do ouro: quem delle souber
ou der noticia dirija-se ao largo do Corpo
Sanio loja de cabos de Antonio da Costa
e Silva Maduro, que ser generosamente
recompensado.
i
X
Mestre para o
mato '
OXferece-se para fjain engenho, orna pessoa muito habilitada a tratar
na ra ae Aoollon.43, com Henrique Sarsira de
Arujo e Mello.
Jos Dias Brsndio, achando-se baoslaote
encommodado de sua ssude, retira se para fra
da provincia, e por isso veode o seu estabeleci-
mento de molbados, cito ra da Lingoeta n. 5
Esta casa j pela sqa boa localidade, por ser ao
p da estacao do desembarque, aonde concorrem
mannheiros de todas aa na(6es, lorna-se de mui-
ta vantagem para qualquer principiante, mesmo
por que tem poucoa fundos.
Precisase de um
caixeiro
. D^,e. 8(>ci*a,,e um P*soa que tenha pra-
tica de loja de miuleza, comanlo que o seu
comportamenloassim o eilja ; quem pretender
dirija- se a ra da Impentrlz o. 46, loja:
A pessoa que precisar de om moco que af-
HaoQa a sua capacidade para to-tar co'nta de al-
gum negocio nesta praca, eu fra della, ou co-
branzas pelos centros por ter pratica : dirija-se
praca da Boa-Vista loja H. 9, que achara com
quem tratar.
Precisa-se de urna criada portngueza para
coer, eozinher e engommar, para urna familia
pequea, paga-se bem e aflsncs-se bom trta-
melo : quem esiaer nestas cireumslancis, di-
rija-se a rus Augusta n. 49.
Gabinete medico cirurgico.
sj> Ruadas Flores n. 37. 2
9 Serio dadascons.ltas medlcas-cirurgi- #
cas pelo Dr. Estevao Cavalcanli de Albu- SJ
querquedasB as 10 horas da manh*a, ac-
1 cudiodo aos chamado com a maior bre-
vidade possivel. m
Partos. X
0 2.' Molestias de pelle. Z
SJ 3.* dem do olhos. aj
sj 4.' dem dos orgos genitaes. aa
fj Praticar toda e qualquer operaco em aj
sj seu gabinete oa em casados doanteacon- m
aj forma Ihes fr mais conveniente. aj

O d%ntista Numa PompiUo^
Ra estreita do Rosario a. 32, pri*
mefo andar.
planta dentes pela pressao do ar, por molas o li-
gadurae, o faz todas aa operaces de ua arta.
Aloga-s o segundo andar da casa n. 183 da
rna Imperial, e o tegundo da ra da Imperalriz
i tratar as ra da Aurora o. 36.
Manoel
bre Lisboa
Saque sobre Lisboa.
el Ignacio de nveira A Pilho sa
_. sacam so-
no largo do Corpo Sanio o. 19.
KHSJUtdD anir
Spbre a viagem ao Brasil em 1852,1
DE
Carlos B. Mansfield.
POR
A, D. DE PASCUAL.
Acba-se noramente abarla a aasigaatura para
esta excelleoteobra em dous volueaes,ntidamen-
te mpressos, dos qoaea o primeiro est j publi-
cado. As pessoa que deaejarem possui-a po-
'* dingir-seao escriptorio da rna da Cruz n.
45, 1 aodar. Preco da obra completa 5J000, que
serio pagos entregs do primeiro volume.
Sociedade bancada.
Amorim, Fragoso, Santos & C.sacam e tomam
ssques sobre a praca de Lisboa
Agradecimeilo.
O amaizo sssignsdo, summamente grto aos fa-
vores yeobldos, faHaria 10 cumprimento do seu
mais rigoroso,dever se deixasse de sgradecei ao
Illm. Sr. Dt, flufiao Angosto de Almelds, mui
digoo administrador ds tasa-de deteocio, ac ma-
oeiras delicadas- a s sfllicikUb) com que susi-
sava os armrgors d'sfnl ebearcerado, as atlen-
com com ua saasiveafttoa sws amigos e familia
ao abaixo asignada o lio salientes que jamis
podem ealsr o vesdsdeire reeoabetimeoto, pelo
que o mesmo Sr. Dr. Rufino m teas ornado dig-
no do logas- que aeupa. receba per tanto os meas
sincero agradecimeotos de verdadeiro reconhe-
cimenio e gralidao.
Recife 4 de dezembro de 1961.
n c, J2 Antonio da Sil Aradlo.
- Os Srs.|Jos Hara de Mello, e Amador de
Araujo Pessoa, marchantes da freguezia do poco
ds Panella queiram dtrigir-ae roa da Cotcei-
gao n. a negocio jae lhea alfa; reapaifo.
- Aluga-se ums preta quiseja escrava, que
saiba cosinhar e engommar,e fazer todo o sni-
co domestico : na ra da Reta o. 36.
Compras.
Companhia
DE
J. FERREIRA VILLEIA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba do Cabuga n. 18, 1.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por ambroiypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, aobre talcp, eapeciaea para
pulceiraa, alflnetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe om completo e abundante sortimento
da artefactos frsncezes e americanos para a col-
locadio dos retratos. Ha tambem para asta mes-
mo fim csssoleta e delicados alOoetes de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
personagens da Europa ; stereoscopos e vistas
stereoscopirss, sssim como vidros para ambrotypo
e chimicas pbolographicas.
gwBWsjSW inn. >Slrv^sr9^^/OTMvRBvWBWWR^ft
Dentista de Pars.
15 Ra Noy* 15
FradericGautier,cirttrgiaodentist,fti1
(odas as operaces da sua arta ecolloc
dentes artificiaos, tndocom a superiori-
dada aparfeijo que a s pessoasan tendi-
das lhereconhtcem.
roas igua e psdentifriciosete.
Na botica do Pinto ra dos Quarteis acaba
de receber a iojeccio de Brow infallirel e preser-
vativo nos esquentamentos recentes ou chronicos
e o xarope de Lobelonije contra molestias do co-
ragao, as hydropesias e as affecQes do peito.
i STAHL & G.
|bETR\TISTA DE S. M. O IMPERADORf
* Hua da Imperaitii
g numero 14. m
Tencionando retirar-se proxt- J[
| mmente desta praca psrticipam
* a seas freguezes e amigos como
' em geral a todos que podem
precisar do seu pfficio, afim de
P que aproveitem do pouco tempo
' que os annunciantes podem ain ^
W da dispor para a execuc3o das W
encommendas com as quaes
quetiam honra-Ios. O
9 Agradecendo nesta occasiao 9
W ao ilustrado publico desta capi- eB
9 tal o bom acolhimento das suas 9
B obtas, decidiram se a por estas C
O ao alcance de todos introduzindo $
9 urna considera ve! baixa na maior |
g| parte dos seus preces e esperam |
9 que o desfalque que disso Ihes |
P resultar sera' compensado por $
um augmento de concurrencia, i
Seguros Utilidade fublic*.
Nio (endo hoje comparecido numero sufScienle
de seohores accionistas dests compaohia, para
haver sessio, foi deliberado peloa senhorea pre
sentes que se Qzesse novo convite para o dia 6
de derembro de 1861 ao meio dia.
Recife, 30 de novembro de 1861.
Os directores,
Jos P. da Cuuha.
Thomaz de Paria.
Publicacoes do Iostituto Ho-
meopathico dio Brasil.
THESOIRO HOMEOPATHlfO
ou
YADE-HECaDO HOMFOPATHA.
(Segunda edic^o consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de met i cia lio-
meopathico
PELO ER.
SABINO O L. PINHO.
Continuam aa assignaturas para eaiaa obras a
209000 em brochura at dezembro. Desse tempo
em diante as assignaturas sero elevadas a rs.
259OOO.
Ra de Santo Amaro (Hundo Novo) n. 6.
Antonio Jos' Rodrigues de Souza
aluga seu sitio do Monteiro, o qual e
bastante fresco e tem bons commodos :
a tratat ns ra do Crespo n. 15.

bachsrel Witruvio po-
de ser procurado na m
Nova o. 23,sobrado da es-
quina que volts para a
camboa do Carmo.
I
1

0

9
0
0
paga-
Aluga-se por aono ou por mezes para pas-
ear a feata, urna casa terrea em um doa melhores
lugarea de Olinda (pateo de S. Pedro Apostlo),
acabada de novo, com asseio e reparlimentoque
offerece commodos ; alem disso fresca e peno
do banbo : a tratar no sobrado junto a mesma-
Attenco.
Preciss-se alugar nm sobrado de um andar e
solio que tenha quintal com cacimba : quem li-
vor pode ae dirigir travesea doa Acouguinbos
n. 20, que se dir a pessoa que quer.
Ana.
Precisa-se de ama ama secca, captiva, ou forra
para comprar e cozinhar para casa de pouca fa-
milia : a tratar oa ra do Imperador n. 54, loja
de livros. '
*&
2 u Pede"8e ao Sr Dr- Juaquim Elvitio de m
Moraes Gsrralho, que quando vier ao Re- SJ)
cife faca favor de dirigir-se ra do Gres- SB
SJ) po n. 8. Z
9m*ctt9m*Wf
u abaiio aaalaoado avisa asa aenboras es-
ludantes que tranferio aua casa de eosino par*i
.icular para a ra da Santa Cruz n 66, assim co-
mo que esli abortas as aulas de latim e francez
para os que se quizerem preparar para marco.
Luis Emigdio* Rodrigues Vanos,
Simio de Sampaio Leile vai au Rio e Ja-
neiro.
Na comarca de Porto Calw>, termo de Ca-
maragibe, vende-se o engenbo Dous Irmaos, si-
tusdo i margem do rio tismaragibe, com aafra
criada para 2,500 piea, e lerraa para safrejar fol-
gadimente3a 4. O engenho tem duas casas de
venda, aoibaa cobertaa de telhas e em bom es-
tado ; a casa de engenho, que unida a de pur-
ear, de taipa coberta de telhas : os pretenden-
tes dirijam-se ap referido engenho.
Preciaa-se de um cozioheiro forro ou es-
cravo ; oa ra dos Pescadores ns. 1 e 3
se-lhe bem assim agrade.
Precisa-ae de urna ama que tenha bom lei-
te; na ra Imperial n. 49.
* Precisa-ae alugar urna escrava fiel para to-
do servico do casa : na ra da Roda o, 54:
Ama.
Precisa-se de urna ama forra, prefere-se de
meia idade : na ra do Crespo n. 10.
Quem precisar alugar um esersvo para o
Irabalho de sitio ou corheira, dirija-se a ra dos
Pirea n. 54, junto a caixa d'egna ; o alusuel me-J
al de 16.
Aluga-se o segundo andar com solio do
sobrado n. 33 por cima da loja ds tres estrellas,
na ra larga do Rosario: quem a preteoder para"
alugar, entenda-se na mesma loja, que achara
com quem tratar.
Sr. Joao Hyppolito de Meira Li-
ma, queira apparecc nesta typographia
que se Ihe precisa fallar.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar
e lavar : na ra do Rangel d. 7, segundo andar.
Precisa-se de um moco desempeiido para
oceupar o lugar de 2o-caixeiro de urna padarla;
que saiba ler e eacrevere que tenha algoma pra-
tica deale negocio, que para substituir a falta
do 1 as suas moleatiaa ; quem se acbar neslas
circunstancias eofferecer Mador a sua conducta,
pode dirigir-aea ra larga do Rosario padaria d.
16, junto da polica, que achar com quem tra-
tar. Tambem se admillem dous amassadores de
profissao.
Precisa-se fallar
aos Srs. Salustiano Ferreira de Moraes Reg e Al-
ves Nogueira & C, para se Ibes entrpgarero dif-
fereotes objectos : no escriptorio de Almeida Go-
mes, A1j>s& C, ra da Cruz n.27.
Est para alugarse o 2 andar do aobrado
quasi no pateo da Santa Cruz oa Roa-Vista e o
1" andar do sobrado da ra das Agoas Verdea:
quem preteoder falle na ra das Cruzes sobrado
b. 9, quem vean vai da ra do Queimado para S
Francisco, lado direito.
O escrivo doa protestos modou o seo es-
criptorio para a ra de S. Francisco, lujas do so-
brado o. 6.
Antonio Pedro Hartins tem justo e coolra-
tado a taberna da ra do Rangel n. 10, com o Sr.
JoaoDuarte Maginario, quem se julgar com di-
reito a dita, eompareca no praao de 3 diaa a con-
tar d data do preaente. Recife, 3 de novembro
de 1861.
Preciss-se alugar urna casa terrea ou um
andar de 5 a 6 aalaa e qosrfoa a beira do rio on
na ra da Aurora, pelo lempo de S mezea; a fal-
lar na ra do Trapiche Novo o. 18, earriptorio.
Urna mulher portuguesa ae offerece para
ama de um moco solteiro ; quem pretender, di-
rija-se a ra do Sebo n. 8.
Compram-se aeces do novo banco de Per-
nambuco : no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo S.nlo.
Compram-ae 12 cadeireae 2 consolo, ten-
do lampo de pedra, leodo de Jacaranda, embora
tenha algum uso ; annuocie psra ae procurar.
Compram-se moedks de ouro de 209 bra-
silein e pega de 16j) portuguesas : 00 escriptorio
de Manoel Ignacio deOliveira & Filho, largo do
Corpo Sanio. H
Vendas.
Manual decontas
feitas
para compra e venda de assucar e oulros objectos
obra muilo ulil a todos os negociantes e aos se-
obore de engenhos; polscom om lance da vis-
ta podem saber o importe de qoaesqoer quanli-
aade de arrobas e libras : veode-se aa livraria
econmica ao p do arco de Santo Antonio, 1 vo-
lume encadernado pelo preco de 5$.
AUenca, atlencu.
Na roa DireiU a 60, 2 andar, vendem-se os
objectoa seguintea, a saber: um par de consolos,
urna mesa de meio desala com lampos de mar-
more, e um par de bancas, ludo de Jacaranda -
em bom estado; tambem se vendem urnas musia
cas e uos methodos moderos, urna serpentino
de bronze e orna banca de amarello, ludo por
preco eommodo. v
Vestidos de casamento.
Ricos vestidos de blondo
capella e saia de aelim.
com manta,
Precisa-se de urna ama de Ieite na
ra estreita do Rosario n. 41, segundo
andar.
Superiores
vestidos de seda, de cambraia bordado,
de phaotaaia, chapeos de pslhs, en frites
modernos para cabeca, capas e mantele-
tes con pridos o mais moderno, sedas e
la de quadrioho, cambraias de cores, es-
psriilhos, siotos, leques, ssias* bailo,
meiai elsticas e camisa de linbo para
senhora, fil e tarlatarm para vestidos,
chales de ponts redonda e manguitoa
modernos.
Roupa feita.
Caiga, colletes, palelotae aobrecasacoe
de panno, casemtra, chapeos de castor,
bolinas de Meli.
Para acabar.
Colchas de li e seda propria para cama
ou coberta de piano a 5S, maogoilos e
gollas bordadas de linho e de futlio a 29,
seda de quadhobos a lgzOO, liazioha a
I 640 rs. o coado : na loja n. 23 ra da
Cadeia confronte ao becco largo de Gurgel
& Perdigio.
mmimmiKm mmmmmS
Entre-meios bordados em
cambraia transparente.
Na loja da aguia branca vende-se ntremelos
bordados em fina cambraia transpirenle a 1 a
peca de 3 varas, preso eala porque a se scha em
dita loja da aguia branca ra do Queimado n 16
Adveiteaeque de cada padrio tem bastantes
pecas para vealidoa.
Caivetes fixos paraabrir
latas.
Chegou nova remesss desses preciosos cai-
vetes fixos para abrir latas de aardinha, doce
bolacbmhas etc., etc. Agora pela fesla cmese"
muito dessis cousas e por isso necessario ter
um desses esnivetes cujo importe I, compran-
do-se ns ra do Queimado loja da aguia branca
o. 16, nica parle onde os ha.
Escencia de ail.
Para engommado.
Vendem-se frasquinhos com escencia de ail
cousa excellente para engommado porque urna
gota della batanle para dar cor em urna bacia
de gomma tendo de maia a maia a preciosidade de
nao manchar a roupa como multas vezes acon-
tece com o p de ail Cuela cada frasquinho
500 rs. : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca o. 16.
Attenco.
Vende-se um sobrado de dous'andares e um
aolao em urna das prioripaes ras da freguezia
de Sanio Antonio, que di de rendimento 1 500.
Vende-se tambem oa mesma freguezia alguna
terrenos proprios para edificar, lenrlo duas fren-
les : quem pretender dirija-ae ao Forte do Mal-
lo, no largo da Assembla, sobrado n. 10, se-
gundo andar.
Fiaiio.
Vende-se um piano de armario com pouco uso
e bem construido : ns ra do Livramento o. 31.
seguodo andar.
Industria americana-
Calcado barato para homem.
-Na ra estreita do Rosario, loja de calcado cou-
fronte a igreja onde foi confeilari, vende a di-
uheiro somentesapatnscordovao rasos abortos na
c lAs 2S<00' "Poea de lustro, forma mellis
a 550O. analos de entrada b^iza com aslto, a
48oO, diios^Jilos sem sallo a 33000, borzeguios
de bezeiro s 6000. diios de lustre 6^000, aapa-
toea de bezerro a 38500, ditos de vaqueta e be-
zerro a 4*500 e asOOO. Para meninos, botina de
bezerro a 9*500, oiios de dito de batera a 3000
ditos de lustre a S*300. ditos de bezerro abotina-
dos tem salto a 3*400, ditos de dito dito com sal-
t a -2J70O. Para senhora botinas de corea sem
sallo a 3*000, ditas de ditas com salto a AlQO
ditas de aetim branco sem salto a 6JO0O aapales
de dito dilo a 3afl00, bolinea d marroqu aem
salto a 2J000, ditaa ditas de sola grossa a 2J500
sapatoa de cordevio com sallo a 1*500. '
Vende-se brau era barris : na roa da Ma-
dre de Dos n. t.
Vende-se a armacio da loja de ourives que
foi na ra Direita n. 81 e aluga-se a loja: a
tratar na mesma ra n. 85.
Distante da cidadede Olinda menos de 400
braca, i bira da estrada do norte, vende-ae um
aillo com boa baixa para capta, ca* para fami-
lia, e esta para taberna con armacio, na melhor
localidade que possivel para negado, boa casa
lano pira beber como para lavagem etc.. tam-
bem se sluga : quem pretner dlrjaae i in-
da a enteuder-se com o Sr. tenle Manoel Dio-
nisio Gomes do Reg.
. Vende-se urna canoa para familia qna car-
rega dez on doze pessoas; 01 ra de Pogo D. 33.
* s


DIARIO B rUNlJUCO QUINTA FEI.U 5 I DEZBMftRO DI 1S61

Raa Dirtta -^ 4$
OugartiL OuaML
O traste m4mp*bmt1 a temes civiliaado 4
sen cootredico epato 1 E' ella lio necessa-
rio cano p estoaasgo. Tolera M um
chspdo iacau ubi casaca de ajusta r laaoado :
un resudo destetado ; mt o aapito acalca nba-
do a roido, i botina sem lustra e i descosida
ama indecencia, um insulto 10 orgio visual de
usa ehrleieo. V por lio grates consideracoes
qua_ o proprieta rio oeste estableciemo.
acabando de recabar aa msgoico sorlimeoto.
roga aos seus fregueies sa apressem em renovar
o calcado velho, falo estar prxima a testa;
Homem.
MIL1ES (chsgre prmlegia'do) frascos co-
mo a agua do- Prata. ..... 145000
BORZEGUINS.ttricos (Rocthlld) 9*500
diversos fabricantes. 89OOO
c lustre pechincha. fifOO
Sapatoes nsntes batera. .....
* fnez,........
Nsntes meninos.....
. lastre (sola e vira.....
(urna sola).....
de tranca porlugueza. .
francesa. ;
Senhoras.
BOTINAS gaspa alta e lsco inglezes de
durago incalcularel. .
rsucezaa (laco). .,...;
* eemlaco........
gaspa baiza.......
oolroa (32, 33 e 34). ; -
Sapatos (JolyJ com salto......
( ) sem salto......
tapete. ,......
lastre (31. 33, 84).....
econmicos para casa. .
Alem diaso nm variado a abundante .
ment de tudo o qae 6 oecessario a sapateiro pa-
ra ezecutar qualauer obra.
Fuoileiro e vidraceiro.
Grande e nova oflicina.
Tres portas.
S000
49500
35500
52O0
3J000
2J000
19500
31 RuaDreita31.
Neste rico a bem montado estsbelecimeoto en-
contrsrio os freguezea o msis perfeilo, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todss as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIRuS de todos o lamauhos.
SEMICUPUS tdemidem.
BALDES idem dem.
BACAS dem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em cazee de todaa aa grossuras.
PRATOS imitando em pereico a boa porcel-
ana.
GHALEIR4S de todas as qualidades.
PAN ELLAS idem idem.
COCOS. CANOIEIROS a flandrea para qaal-
quer sortimento.
VIOROS em caitas e a retalho de todos os ts-
mandaodo-semaobos, botar dentro da cidade.
em toda a parte.
Recebem-8e eacommendas de qualquer natu-
reza concertos, que tudo ser desempenhado a
contento.
R^IiiUnillKr.aUt
Hasta astabalocimanto contine a haver ubi
mpteto ortigan tosmoendt semeias moen-
das para engerjho.aehinas da vapor etaixas
ia farro batido a eoado.de todos ostamanhos
para dito,
Potssa da Russi
Lisboa.
lio bem conhecido a acreditado dsaositoda raa
da Cadeta do Recite n. 1, ha para vendar a ver-
dadeira petassa da_Jtunia, aova da superior
qualidade, assim fimo tambem cal virgem em
padra ; tuda par procos maii baratos do que em
ostra qualquer parte
Por '450^000 dinhero eu a
TJPflu
-#'VMtVie' qu,rVaWr1e e> toS sitio
moderna casa de vireoda de pedra e cal, leudo
FOr cjtavedps 7 a,uarto|/|Tslaa, cozin/is tora,
coeneira e estribara, cacimba d'ag*a doce, ato.,
situado no ameno logar do Peres, coofronte o
eogeoho do Sr, Unoik esqua o Reg Alba-
querquera tratar nt^uVdd Imperador n. 37,
armazem da lellao.
H?
V*^
ft
<>?
B
Aviso aos fumantes.
Na loja de Nabaco & C. na raa Nova n.
2, vende-se fumo de differentes qualida-
des para cachimbos e cigarros a saber:
Fumo caporal masaos grandes a 2*.
Dito dito pequeos a 19.
Dito de flor de harlebeck a 240 rs.
Dito americano a 240 rs.
Cigarros bota fog do Rio de lanelro a _
200 rs. ]f
Ditos de Havana a 240 rs.
Ditos turcos em caitas de 100 a 2.
Boleas de borracha para fumo a lj. X
Bocees, para charutos e cigarro*.
Cachimbos de gesso.
Ditos de massa.
Ditos de espnma do mar.
5 E oulros muitoo objectos proprios para K
as os fumantes. S
Roupa feita. %
Na loja de Nabuco <& C ns ra Nova n. |
2, vette-se um homem dos ps at a ca- au
beca por diversos pregos. tt
MMKMHttt MMWaWM9SI6M9f
Aviso aos amantes dos I
i
|
Vende-se na ra Direita n. 95 orna porcao
de formas pasa velas, sendo de 6, 6. 10 e 13 em
libres, e juntamente os bancos com aparadores
para fazer as mesmas.tudo quasi novo e bem fe-
tos, e se vende muito barato : quem pretender
appareca. Tambem se vende a retalho.
I l
pre sopes,
Na loja de Nabaco & C. na ra Nova n.
2, vende-se ercHlentes pandeiros para
presepes por prego com modo.
Fabrica do Honteiro.
CrystasaQao e refinacao
de assucar.
Deposito na raa de Apollo a. 6, e praca
da Ba-vista n. 26.
Este importante estabelecimento contina s
fornecer aoa seos innmeros freguezea do alvo e
poro assucsr crystaKsado, em "5 e em pies, 1.*
e 2.* qualidades, pelo preco de 160 e 200 ra. a
libra, e do reunido a 100,120 e 140a libra, sen-
do que em grosse o comprador ter um descont
favoravel. Nos mesmos depsitos tambem se
vende mal de assucar a 600 rs. a caada, e car-
vio animal ea p a prego commodo.
* Fumos de seda.
Yendem-se fumos de seda elstica para cha-
peo ; na ra do Crespo n. 21.
Fazenda modernissima para
vestidos, na loja do pavo
Acaba de ebegar a este estabelecimento pelo
vapor francez um liado otlimento de gorgurdes
de seda, fazenda ainda nao vista neste mercado,
qae se vende por preco baratlssimo, por estar
muito prximo a testa, assim como lindas mar-
quezinhas ou ehapeozinhos de sol para senhora :
na ra da Imperatriz n. 60, loja de Gama A
Silva.
f #** ,* wmm
9 Em casa de Kalkmann Irmaos ^
^ & C., na ra da Cruz n. 10, exis- $
| te constantemente um completo 4Sk
^ sortimento de
| Vinhos Bordeaux de todas ai m
^ qualidades. g
Si Dito Xerez em barris. &
Dito Madeira em barris e ca xas. t
Dito Muscatel emcaixas.
Dito champanhe em gigos.
Cognac em barris.
Cerveja branca.
Agua deSeltz.
Azette doce muito fino em caixat.S
Alvaiade em barris.
Ceradinha em garrafes.
Importante
Aviso
Na loja de!4 portas dama do Queimado n. 39,
acha-se um grande armazem com todo o aortl-
mantode roupas feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna officine de alfaiate, estando encarrega-
do della um perfeito mestre rindo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda e qualquer obra que t lh-
ancommende ; por isso que faz um convite espa-
cial a todaa at pesaoas com especialidade aos
Illms. Srs. oCQciaes tanto da armada como do
xercito.
Faz-ae fardas, farddes com superiores preparo!
e muito bem feitas, tambem trata-se fazer o far-
damenlo todo completo conforme ae osa no Rio
de Janeiro, tanto que tem oa figurinoa qae de
U vieram ; alm dlsso faz-se mia casaquiobaa
para montara, frdelas ou jaquetas, bem como
callaUa a militar para os Srs. ajudsoies de eata-
mejorada eavallaria. quer aeja singlos oa
bordadoa a espequilha deouro ou prsts, tudo ao
goato da Europa, tambem prepara-se becas para
desembargadores e da qaalquer juiz aegundo o
cstjlodeGoimbra aonde se fazem as melhores
onbecidaa ate hoje, assim como tem muito ricoa
deaeohoa a matiz de todaa as cores proprios para
fardamento de pagens ou criados de libr que se
tari pelo gosto franceza. Na meama casa en-
carraga-ae de fazer para meninos jaquetas a
franceza bordadas ao mesmo goato. Amaneando
que por tudo sa fie respoosavel como seja boas
fazendas, bem feito e bom corte, nao- se falta no
da que se prometter, aegundo o systema d'onda
wio o mostr, pois esp.ra a honrosa visiU dos
dignos senhores visto que nada perdem em e*.
parimantar.
Na loja d'sguia de o uro, rus do Cabogi n. 1 B,
receben um completo sortimento de gojlipbas de
misaanga, sendo de todas ascores
Esto se acabando, a 16$.
Paletots deanno flno forrado de seda : na rus
do Queimado n. 47.
A 600 rs. a vara.
Flld liso brinco de linho, manteletes de leda
da ultima moda a 149 18| e *0#: na roa do
Queimado n. 47.
Champaoba superior, atacado ou a retalbo ,
vende-se na cass de James Crabtree & C. n. 4S:
ra da Cruz.
O rita! sem segund, na
ruadoQueaMdon 55
defronte do sobrado no-
vo, loja de miudezas de
Jos de Azevdo Maia e
Silva, esi disposto a
continuar a vender pe-
los precos abaixo de-
clarados, que na vr-
dade bom e baratis-
Liquidaco sem li-
mites.
Na loja da arara da ra da Imperatriz n. 56,
vendem-se todas as fazendas por preco baratissi-
mo, a ser: ricoa cortes de organdys com duas
saiase com 24 covsdos por 109, ditos a8|, ricos
padroes de organdys a 18120 a vara, grosdenaples
de cores para vestidos a 1J800 o covado, crino
lina com palmas e malisada para vestidos, fazen-
da nova, a 18280 o covado. S arara vead cor-
tes de riscadoa para vestido* Garibaldi a 28800,
ditos riscado chinez 2f 500, cortes de chitas
Anas com 13 eovados a 2J500 etSjtOO, ditos de
chita ingleza a 1J500. pecas de cambraia de sal-
picos com 8 1)2 varas a 49, ditas de carociohos
fioas a 4J500, cassas adamascadas para cortina-
dos com 20 varas for 9J. ditas com 10 varas a
49500, ditas a 39, e outras muitas fazendas que
se vende sem reserva de preco : na ra da Im-
peratriz, loja da arara de 4 portas o. 1>6, aonde
tem o retabulo com a arara pintada, e a noite
um relogio com letras que diz arara tu 56, de
Magithes &Meode.
Port bouquets,
Dourados com cabos dema-
droperola.
Chegaram opportunamente para a loja d'agnia
branca os bonitos port bouquots dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propria encommenda, fleando assim remedia-
da a falta que havia deeses port booquets de gos-
to, os quaes chegaram bem a tempo para os di-
versos casamento e bailes qae se contarn esses
das, por isso as pessoas que por elle? espera va m
e as que de novo os quizerem comprar dirigi-
rem-se munidos de dinhero loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado n. 16. que encontrarn obra
de bom goato, barateza, agrado e sioceridsde.
Vende-se urna negra lavadeira, cozinheira,
a excedente quitandeira, queda 1*000 pordis ae
genho : na ra nova de Santa Rita n. 65.
500
800
500
160
320
500
240
500
320
900
900
400
200
lOO
20
30
60
30
40
160
120
2U0
GELO.
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defronte do theatro a A$
a arroba, meia arroba a 2#500
e a 160 rs, a libra.
Feijo de corda.
No armazem de Tasso Irmaos, ra do Amorim
numero 35.
Souhsll Mellors Si C, tendo recebido or-
dem para vender o eu crescido deposito de rslo-
gius visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portento, s pessoas que quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-ae da op-
portunidade sem perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prejo no seu escriptorio
ras do Trapiche n.28.
Na ra da Cruz n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos &C, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, propro para machinas de
engenhos, sendo cormas para
transmittir mov ment, canudos
de borracha de qualquer com-
primento e groisura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
Vende-se urna preta que eoroha eennom-
ma com pereico. caja se vende por circomstan-
cias a tratar na roa do Imperador n. 73, tercei-
ro andsr.
Vende-se urna preta criouls de20 a 25 an-
nos, multo boa cozinheira e lavadeira, sem vicio
de qualidaderalguma, muito sadia e robusta : oa
roa da Prais n. 25, casa terrea logo pasaaodo a
ribeira do peixe.
Veode-ee ama esorava boa cozinheira* qui-
tandeira, com trila o tantos aooos de idade :
qoem a pretender, dirija-ae sa Cinco Puntas D.
7&I qus sear coa quem IraUr.
simo.
Frascos com agua Alavande embreada a
Ditos superior. Irasco muito grandes
Duiia de sabonetes muito fino a
Sabooeies inglezes da melbor qualidade a
Ditos muito grandes a
Frascos de agua celeste muito superior a
Ditos com ebeiro muito fino a
Ditos com banha de urco a
Ditos com oleo de babosa a
Ditos muito superior a 240 e
Ditos com banba muito fina a
Ditos com opiata de Lubin a
Ditos de dito de Pvera
Ditos com banha transparente a
Ditos com oleo philocome a
Dtios com superior agua de Colonia
Ditos com macaca perola a
Ditos com ditos (o leo) a
Nvelos de linha do gaz de cores a
Ditos de dita encerada muito boa a
Ditos da melhor qualidade a
Carnteis de liona de corea com lOOjerdaa
Nvelos de linha do gaz para marcar a
Pares de meias de cores para meninos a
Ditos ditos para meninas a
Ditos ditos croas para meninos a
Duziss de meias cruss muito eocorpadas a 2$400
Ditas ditas brancas para SJftkora a 3000
Canas com pbftphoros de segranos a 160
Ditas de folha com phophoro a 110
Duzia de phophoros de gaz a 240
Dita de ditos de vela a 320
Pessas de Inora de la de todas as cores a 40
XMBUQMSfiN M8CK eONIKflKK
4 lAlO sisa lioii/lAinii
Nova loja de funileiro daa
ra da Cruz do Recife %
numero 37. 5
Msnoel Jos di Fonsecs participa a |
todos os seus freguezes tanto da praca 8
cmodo mato, ejuntamente aorespeila- 1
velpublico, quetomou a deliberaco de 8
baixaro pre?o de todas assuas obras, por S
cujo motivo tem para vender am grande!
sortimento de bahs e bacas, tudo de
di (Te rentes tamanhose de diversas cores!
sm pinturas, e juntamente um grande 1
sortimento dediversas obras, conlendo 8
banheiros e gamelas compridas, grandes *
e peqaenas, machinas para cafe e cae- 8
cas para conduzr agua grandes e peque- X
as, latas grandes para conservar f.ari- 4
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil ett
Mea Mfiisimas.
A 2*400 a dazide parea de meffa brancas fl,
as pan bomam
nalojjiaboaj.
Vende as nm rico e elegaate carro mu bella-
mente preparado : do escriptorio de Msnoel Ig-
nacio de Oliveira 4 Filtro, largo do Corpo Sanio.
ais
Attencao. ...
Vende-se a eocaeira da ra da Pa* n. 1 A, 11-
vre das condceoes que por escriptura flzers o
proprietario da caaa com o Sr. Jos Gorgonio
Paea Brrelo j a tratat na roa da Praia n. 19.
SYSTE MA MEDICO HODELLOWAY
PILLAS HOLLWOTA.
**l inestimavel especifico, composto inteira-
menle de hervss medicinaes, nao contera mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Be-
nigno mais tenra infar.eia, e a coropleicio mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desaneigar o mal na coropleicio mais robusta;
en tai ramea le innocente em suas opera^oese ef-
feitos; pois busos e renov as doencas de qual-
quer especie e grao por msis antigs e tenazas
qu^ sejam.
Enire mimares de pessoas curadas com este
tamedio, muitas que j eaiavam. s porus da
morie, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a ssude e-forcis, depois de ha ver tenta-
do inoftimente lodos os outros remedios.
As mais siluetas nao devem entregar-te a des-
esperacao; fagara m complanle ensaio dos
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se 'perca tempo em tomar este remedio
psra qualquer das seguintes enfermidades:
Febrelo da especie.
Gotta.
Heraorrhoidas,
Hyropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mraac5e!.
Irregularidades de
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Mancbss na culis,
Abslrucco do ventre.
Phiysica ou consiimp-
go pulmonsr.
Hen^o de ourina.
Rheumatisrao.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
Areiss( mal de).
Asthma.
g Clicas.
g0 Convulses,
310) Oebilidade ou extenua-
0 cao.
Debilidade ou falta de
foreas para qualqqer
^cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidado no ventre.
Ditas no figado.
Di las venreas.
Enchaqueca.
iBerysipela.
Febre biliosa.
I
_ do Brasil
camas de vento, latas de arroba a 1},
bahs grandes a 49 e pequeos a 600 8
8- rs., baca grandes a 59 e pequeas a 5
800 rs.,cocos de aza a 19 a duzia re- *
gadores regulares muito barato, ditos 3c
pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
tos ha pintados e em braceo e tudo mais S
se vende pelo menos preco possivel: na if
loja da bandeira da ra da Cruz do Re- ao
. cife n. 37. M
Febre inlermiienie.
Vendein se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, aSlrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregsdas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Herpanha.
Vendera-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instruc^o em porlu-
guez para explicar o modo de se usar destas pt-
lulas.
O deposito graal em casa do Sr. Soura
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
\. vefdadtwa liquida- J
jsko de todas at ia-1
zendas, roupas ti-
tas i miudezas da
ma do Cabusa .<
S
Burgos Ponce de Len, liquidalario 1
da exmela firma de Almeida & Burgos, $
tendo de satisfaier a segunda prestaco 4
aos credores ds mesma firma, d'ora em
diante passa a expdr a venda ainda por '
menos do que tem annuuciado, com maior i
abalimento do custo, tmenle para
apurar dinhero*, grande sortimento de 5
fazendas para senhoras, homens e
crean;as. 6
E' sproveilsrem-se para a fesla.
N. 20Ra da Imperatriz-N. 20
'O barateiro Duarte acaba de recebar novo sortimento de fazendas que retalha sendo a di-
nhero aos seguintes pregos como sejam : cassas brdalas propnas para cortinados, babados ou
mosqueteros a 1S600 a pee, cambraia grossa com 8 varas cada peca ptima fazenda para neoeiras
mosqupteiros. salas e forro de vestidos a 1900. musslins's largas das seguintes cores verde azul'
prea. roa, encarnada e branca a"* rs. o covado, cortes de riquissimss lns escuras com babados
contendo cada um carie 24 corados a 109 o corte, velludo de seda das seguintes cores cinzeolo,
verde azul epreto, excellente fazenda para vestidos de senhora e roupinha de enancas pelo baiz
preco de 2W)0o covado cortes de cambraia fina com salpico miudinhos a 59, liras bordadas e n-
tremelos al J a pega, golltohas bordadas muito finas a 1, chitas com algum toque de mofo a 160
rs. ofovarii, peitog pra camisas branros e de cores a 160 rs.
KKUA DO QUEIMADO N?46
SRANDEMTIMEiTO
30
'%
fu. ^2l c52i w-Dpe? i 1,c*r"co de PDD0 269, 289. 309 e 359. casaeos muito bem
taitas a 251, 2M. 30g e 83$, paletots acasacadoa de panno preto de 16 al *59. ditos de caaemira
de cor a 159.181 e Ot. paietola saceos do panno e casemira de 89 at 149, ditos saceos df alpaca
2L.f,l.2 tJ'^f ** *' '2*** 2* *lpaea n-"'110 d# 7 > 0, calcas pretas de casemira de
* 1 *' C0,v,e7*-a, iQt' roupas para menino de lodos oa tamanhos. grande sorti-
mento de roupas de brto como sejam alcas, paletots e collaUs* sortimento de colletss pre tos de
setim, asemlr e velludo de 49 a 9|. ditos para casamento a 5* e 69, paletots' bra neos de bra-
mante a 49* ol, calcas brancas moilo finas a 5|,eum grande sortimento de fazendas fins e mo-
dernas, completo sorlimeoto de easemiraa inglezas para homem, menino t senhora, seroulas de
linho eaigodao, chapeos de sol de seda, luvaa da aeda de iowin para homem o aenhora. Te-
moa urna grande (sortea de alfaiate onde recebemos aneommendas de grandes obras, que para
isso est sendo administrada por um hbil mestre de smelhante arte nm pesioal de mais de
cioeoents obrrtro^eseolfc'.doi, portsoto ejecolsmos qualquer obra com pcpmplidSo e mais barato
do que ero outra qualquer cas.
Joaquina Francisco dos Santos.
#--! do 0ueiniad~-4O
Defr&nte io becco da Congtegagdo, Utrtiro verde.
VENDE-SE 0 SEGINTE:
Para casamentos.
Ricos cortes de vestido de fil ou blond de seda branca com ramo e caeells o
mais moderno e superiorque ba no mercado. '
Para bailes.
Lindos cortes de vestidos de fil ou tlond de seda branca bordados a tranco e
cosos.
Ditos de tariatana branca bordados a branco e corea.
Ditos de cambraia branca bordados a branco coa muita elegancia.
Ditos de barege de seda de cores com barrea e lalas, oovos gostos americanos.
Saias bordadas
Ricas sai as de cambraia branca bordadas com o mais apurado gosto a mais finas
que na no mercado.
Ditas de dita recortadas mais baratas.
Para baptigados
Ricos cortes de vestido de esmbraia branca bordados com milla eleeancii o
mais moderno e mais superior qn'e ha no mercado. **.
Manteletes. '
.mllj.C0, ?"lel6lM de "d* d* Core e Pretos bordados e lisos com enfeites, bam
como arrendados, por pregos commodos.
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linho bordados a 39,49 e5> cada nm
Chales,
Ricos chales da touquim brancos bordados de pona redonda e de 4 pontas
Alem das fazendas scima mencionadas tem nm graode sortimento de (odas aa
qualidades, que nao possivel mencionar-se pelo graade espaco qae tomara.
Mexoyaa
SABAO
jCaes do Apollo armazem n. 67,
Deposito do sabio fabricado na sabana
DA
Os proprietarios deste estabelecimento, o pri-
meiro neste genero e o mais antigo da provincia,
acabam de e&tabelecer no arunzem n. 67 do caes do
Apollo, um deposito de seus bem conhecidos pro-
ductos, consistindo em um vsriado sortimento de
sabo.desde amarello commum at o superior e ver-
t adeiro massa a preco de 100 a 200 rs a libra con-
forme a qualidade
E' intil dizer-se que o sabo fabricado neste es-
tabelecimento, tem a propriedade de lavar perfeita-
mente a roupa, sem causar-lhe o menor damno. o
que nao acontece com muitos outros, que detrioram
o panno diminuindo assim a dura cae, averdadedes
ta asserco est comprovada pi la preferencia que
lhe do os consumidores, nielhorameoto este devido
ao processo ultimameute empregado na manipula-
o pelo actual fabricante
Para conhecimento dos compradores declara se
que as caixas contem o seguinte letreiro em forma
ovalFabrica de sabo nacional ra Imperial Per-
nambucoe se vende qualquer quantid&de de urna
caixa para cima.
ARMAZEM
ROUPA FEITA
MHZ
Joaquim F. dos Santos.
40-Bua do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre nm sortimento completo de *roupa falta de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida i vontade nos frestue-
zes pira o que tem um dos melhores professorss.
Casacas ue panno preto a 40S.
35| e '
Sotrecasacosde dito dito a 359 o
Paletots de panno preto e de co-
res a 359. 80, 25, 10, 189 e 203000
Ditos de casemira de corea a 229.
15f, 12. 7 e
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo fraacezas a
Ditos de merino sem pretos e
de cores a 9f o
Ditos de alpaca de cores a 50 e
Ditos de alpaca preta a 9, 79 58 e
Ditos de brim de cores a 51,
4*500. 49 e
Ditos ds bramante de linho bran-
co a 6. 5 J e
Ditos de merino de cordio prato
al59e
( Calcas de casemira preta ede co-
res a 119. 109, 95, 79 e
Ditas de prioceza e,merino de
cordo preto a*59, 69500 e
Ditas de brim branco ede cores a
59.49500 e
Calcas de gaaga de eeress
Gollete de velludo preto o de co-
res lisose bordados a 12,99 e
Ditos da caaemira preta o d co-
res lisos e bordados a 6.
59500,59
309000
30JOOO
9*000
10000
85000
S500
3f500
39500
49000
8000
6*000
4*500
SI500
3*000
8*000
Ditos de setim preto
Ditos de seda e selim branco a 6 e
Ditos de gorgurdoyde seda pretos
e da cores a 7*. 6*, 4 e
Ditos de brim e fuslao branco a
81500. 2*500 e
S*roulsa d* brim de linho a 2* e
Ditas de algodio a 1600 e
Camisas de peito defustao branco
ede cores a 24400 e
Ditas de puto de linho a 59, 49 e
Ditas d* madapila brancas e de
cores a 89. 2500, 29
Chapeos pretos de massa franceza
forma da ultima moda a 10
8S500e *'
Ditos de fellro a 69. 5*, 4* e
Ditos de sol de seda ingleses e
franceses a 14J, U9, nj a
Colarnhos de linoo muito finos
novotfaitios ds ultima moda a
Ditos de algooio
Relogios de ouro patente e hori-
zontal a lOOf, 90* 80J e 70J000
Ditos de prata galvanitados pa-
tente e horizontaea a 409 30|00o
Obras de ouro, aderecos e trelos
adereces, pulceiras, rosetas a
anejg a y
Toalhas de linho,duiia iOf, 6* e 9|000
dJ500 Ditas grandes para mesa urna 3* e 480005
5KOO0
58000
5*000
3*noo
200
19280
2200
3a>000
1S6O0
7*000
2000
7*000
*800
500


lO m sarunrj
ii.t uHut m rtia'i ..T.. i, i,. ,,^-^n.
-->-
Francisco Fernandes uarle
LargodaPenlia

l\Wi.V'-'f^
Caridieifos a gaz,
Continuarse a vender neste
O proqrteterte di nova fcl'dioiigao doa candiet-
roa gasrisatee.poti4ae tempre-aatudooom graade e varitvel swtiaeolo
de.caedtairet deed* o maie atara to a t ata i* car p,
aatim.aoaae aa grande dtpootta desjai verdaderamente econmico, reconhecido verda-
deir.as.ale por do. or ceasumNotes : ni. ra
Nof a di. 10 e 24, Caroeiro Viaooa.
Nesta metra a eipoaicio ae encentrara um va-
riare! mntetuo de rlquieatmos qatarot da todas
armazem de molhados o* 2.W^^
ma*Uaae ee taz er c^< vepmv eepiogara* Ide
doui canos-tronxadae e de elraoce, roappae del
mundo, e outroa muitot objectoi que te venden)
jpo pregos diminutol para acabar: ra era
eumetO20. i., I ^
Capeos 36 pfta para os v .
melhores gneros que Tea ao mercado, a por multo manos prego do que em oatra qualquer parte, TJmqtSfttrtas, eontende -entre Mas rrquitsioiet
para o que recebe o proprietario em todos os vapores da Europa, a maior parte de aeus generoi,
escolhdos por petaoes encarregadas, para este flm ; por ttso novameote participa aoeeens regaeaes,
on a aoa Srs. da praca como de engenhoa e lavardores, que quelram seguir em piegretoo, que
alo deixem ao meaos de comprar a primeire Tes suas eneommendat, eerte de que aso de gestar,
para o que ose ae pooparlo es preptietarios, em prestar toda attengio, e mesmo era serviros por-
ta-lores meees ptatiees, to bem come se visssem os Srs. pettoalmeBte; e abaixo meosionsrtnet
os pregos de siguas gneros, por onde aa pode julgar que rendemos baratissimo.
lliaikleiga lglexa ntit gaperior qne ha no mercado a 800 rs e 1000 a libra em
barril ae fari abatimento.
lauteiga irnneezaJ-MlUo n0Tt, 640 tl t Ubrt e #m ^j t g^, ri
Cfok pro.a, hyssen e preto M B,, u?9ti0U do mercado um.
e 19600 rs a libra e afianca-ae boa qualidade.
Quecos do reimo.,^^
39000.
Quecos UhItuos de
enteiro te* faz abetimaato.
Preinnto ingVex
manto.
Prezunto do Tritio
WO-rs.
1. OUfc\lll|4 IngleZ enccacado e coatelletas proprias para fiambre a 800 r. a libra.
aaiaiutj o melhor petisco que pode haTer por estar prompto a toda a hora a 19 a libra.
V ouelnho 4o Tolmo ,S60 M Hbfi e arroU t9f500
Cnouticas o palos mmlUt n0T08 a 560 r, 1brt.

ultimo vapor a 39200, ditoi do vapor pastado
superior qualidade e muilo (rescaes a IgOOO rs. a libra, e
proprioa para fiambre a 900 ra. a libra, em. porgo se far abati-
o que ha de bom neste genero a 480 rs. a libra e inteiro
mas alva que ha no mercado a 480 ra. a libra
IIauna do porneo retinada a
eem barril a 440 ra. ~
Vzeltonas multo novas. lso0o ..ntoret.,. g.rr*. sm r..
Latas con nolaxlnna de soda conlendo aiffenle, qu8lld.dej mw.
m porgao te far a bat melo.
iliaca Oe tnate a maia n0Ta d0 mercad0 em tatlg de ama ibra por ojo rs., chus de
duas ditas por 1*700.
>\.VVlttClhda imperial d0 aamad0 Abrett de oulrog nailoa fabrfcantet de Utboa
a 19 a libra, em lstat de 2 librat por 1&800.
UiVWinaS traneeZaS as meihore, que se pode dMejar em meiat latas por 5#0 rs.,
tatnbem tem poriugueza me latas enleiras a 610 rs.
Vjnocoiato w\ncex t haf8anhol chegad0 neila nUimo Tapor a l20o a ubra.
r &SS&S proptias para podim a 800 rs. a libra.
D OCe AO alperOne em lal de 2 libris elegantemente enfeitades a 11200 cada urna.
Ei tpermaSOte auperor de 4, 5 e 6 em libra a 760 rs. e em caixa a 740 n.
Latas compeixe emposta
\mends canfcitadas
:a480>rs.
IXoxes e castannas
LstreWinha
Metria, macando ota\htlma4oors.iibr.e emcixa.o.
aevaOinna frnceza muito ora a 240 rs. a libra.
Farinna do MaTantaao Mo.lf..ehtJrai,116oIi.
W lulllf*. do eogommarffqueaep6ie desejar por ser muito alva a 100 rs. a Ubra.
-% y lSiTl amjio DOV0 e iimpo a |60 rs a libra e em por;ao se far abatimento.
J vfi o respeitsvel publico, que afiao^ando-ae a boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende mutto barato, e palos quaes se peder julgar lodos os demais que nao foram an-
nunciados.
das melhores qualidades que ha em Portugal %
alga libra, ditas em milo a 801) r., dita com casca
-piladas muito novas a 100 rs. a libra,
para sopa a 640 ra. a libra e em caixinhas de 6 a 8 libras se far abatimento.
SAL.
Vende-se sal muito alvo o grosso, a prego com-
modo ; a tratar na xua 4a Madre de Dos o. 2.
Mantas de retroz.
Vendem-se mantas de retroz para grvalas a
500 rs. : na ra do Queimado n. 22, na loja da
boa f.
3S2I6 SD6SI6 5W -SS3fe3 ?6 H6&I& Ht
"-- vutw "tovj <>WVfBV^t>V Vlllm WrnW WwK ts**BVt7ffVV
Vende-ae na loja de Nabuco & C. na J
I ra Nova n. 2. os mais modernos chapeos S
8 de palha a Traviata para senhoras, ditos I
** a Garibaldi, ditos a Cavoar, ditos de seda *
Je a turca para meninos, ditos de palha a 32
9 Garibaldi, ditos a heapanhola, e de ou- j
I tras multas qualidades tanto de seda co- |l
S raudo palha que se vendem mait barato X
i do queem outrs qualquer parle.
s4i?i&iie tsadswie Be^
B .Niburo & C. com loja na ra Nova o. M
5 2, receberam pelo ultimo navio um lindo g
sortimento de enfeiles de [roco com vi- mt
drilhos, ditos de retroz preto e de cores, 5
ditos de fitas e flores, ricas grinaldaa pa- *
ra hoas, e outrus mullos enfeiles que .
se vendem barato. efi|
\mmmm aH3K enKrieaw|
Hap francez, s
Yende-ae na loja de Nabuco & C. na
ra Nova n. 2, rap francez a 39 a libra.
Nabucu Qi C. com loja na ra Nova n.
2, cbm de receber pelo uliimo navio
francez um lindo sortimento de vestua-
rios para meninos de 2 a 6 aqnos, como
sejam vestuarios de velludo, ditos do se-
da, ditos de rcerio. ditos de fustio bor-
dados e de oulrss muilas qualidades que
se vendem mais barato do que em outra
qualquer parte.
assaaSSStaUlS &r&2s2aafe2ial
awawvOT wtfltr vsm 9b"SsNreapvftwj
Smtos pora senhara.
Ven te-so na loja da Nabuco 4 G. na
ra Mova n. 2, ricos aintosdouradoa, di-
tos praleados. ditot de filas de teda e de
velludo, tudo por prego commodo.
iOSOOO.
E' na roa do Queimado o. 39 loja de quatro
poris que se vende os m*rhores chapeos de se-
da de formas mais modernas e bom goato.
Na ra de S.
I Jos n. 2.
Vende-se muito bons gneros aonde annuncia
os seguintes: vioho do Porto a garrafa 800 rs. a
I caada a 6J000, Figueira a720 rs.. Lisboa 600 rs.,
ditos mais baizos a caada 3{600 rs., nitos em
I garrafado do Porto 1(120 rs., ditos baizos 500 e
56u rs., vinagre de l.wboa 320 a caada 29400
rs., marrasquinho 19400, vinho Bordeaut a 19,
marmellada de 2 libras a Ii900 rs., ditasjdje libra
e meia a 1$600 rs., fructas de calda a l^rjD, pe-
ras, ginjas, peces e rainha Claudia latas de pei-
ze grandes a I98OO rs., msssa de tomate 1S000
a libra, manteiga ioglea 800 rs., dita f/anceza
720 rs., banha refinada 560. queijoa do reino
298OO rs., fiambre inglez a 720 rs presento do
reino a 480 a libra ; compram-se cobres velhos,
aa pessnas que tiverem dirija-se a mesma que pa
gar-te-ba, comoestiver cha hyson t 29800ditodo
Rio em lat* a libra 29300 e 2?I00 rs., caf em
carolo a 320, 380 e 260, assim como todos mais
gneros, vende-se maia baratos do que em outra
qualquer parte, assim como hnguict do terto a
a 400 rs. libra.
OOOOOOOO OOOOOOOOCO

^raaaejrqudaoao da Carros e carros
l^ja^oPavo,
Wartt^dTmperatriz n. 60
Silva.
Acaba de chegar a este ettab^laciteeote um
grande e variado aortlmentode fazendaa proprias
Da.ra '* '1'i'f ajqaos resolvern veoderem-
nat por probos baralitsimot por estar no flm do
nao e quererem apurar diahelro. como tejam :
.,-.,;/issas. /.
Um lindo tortimenlo de cassat de varias cores
e qualidades, que vendem a 240 e 280 rs. o co-
rado.
Brilhantrna.
Vende-se brilhanlina de qoadriabos a 240 rs.
6o, loja do
egantas
Em casa de N. O. Bieber
A G. successores ra da Cruz
, numero 4.
Veodeal-fe erro americanos nrttlel
a lavas para dea* e 4o*mm* raeel
cetaaaeaaea paca cuja flm eUes poetaeta
pas com varioa desenhot. tambem Tendera car-
rocaa para conducan d (acrete.
50 Ra da Cadera do Recife50 A.
A400rs. o co\ado.
Venda-ae ama grande qeaaHdade da moris
teszz'm*i-"-^-
vavatorioa pTa quartea (gMto-ekiBet)^ um Tteia-
lel sortimanto de.balaiotoom todos, os preparot Chltaa O 9A/V
par viagem. couieado pratos, facat, copos e oo i, | (: iViMIJlty, iU/4<*U.
rae! SaTwP.eS?i %'\l .*.Sr' V*od,*,e floS8,B" ^ f"ncM" escu"
f. alegret, (azeoda-qt^aenpra te Tendea por
na
1
rj ----- wjf ii
i C8JU.8.
Nt lej da tus do Csbugi o. 8, tindt aV sgaos
chapeos da palha hamburgueses dot que ee tem
aonunciado a 19 cada um ; nada ha de mais ba-
rato, est se acabando.
Ganga amarlta daladia. "f
1^280 e i$300 a,.pecoha.
Na ra oo Cabug. loja n. 8, venlem-te peci-
nhas'de gangs amarella di I^iia, sendo de llstras
ede adros < e-19*80 e 19WO. Coa ti o dimi-
nuta quantia tenate 6om e bonitas calcas.
A-&30D a caixa
de charutos suspiros tuperiores da Baha, aendo
caixia de 50 charatas, vendem-ae em porcio eu
a retalho. por este barato preco, eae frescos : eo
aterro da Boa-Vista p. 12.
Cambra Va Usa.
Veode-se catmbria lisa fa ni prente muitof fi-
na, pelo barato praco de 4 a 51 peca com 8 112
varaa, dita tapada .muito superior, pera de 19
varas a 61 : na ra do Queimado a. 22, na loil
da boa f.
Bramante o atoa\nado do
linno.
Vende-te superior bramante depuro linho oom
duas varea de largura a 20400 a vara.ataim como
atoalhado adamaacado tarsbem de puro linho,
com 8 palmos de largura a 2S500 a Tara : na ben
conhecida loja da boa f, na ruado Queimado na-
na ero 22.
Cortes do caiti.
Vendem-ie cortes' de caiga de meia casemira
de cores escuras a 25 cada corte ; aa loja' da ~boa
f, na ra do Queimado n. 22.

Muitaattenca.
O
Nova california
DE
8
Fitas de chamelo-
te multo boas e
bonitas.
A loja d'.iguU branca acaba de receber pelo va-
por iogle aua encommenda de bost, bonitaa e
largas Ota de chamalole brancas e outrat cores,
as quaes sao excellentet para cintos, laces, etc.,
de vestidos para.estamentos e bailes, assim como
para lace* de boaqnetet, cinteirot de crianzas e
muilas oulras diversas eouaas, e como de teu
cosiume os preces sao menores do qae em outra
quslquar psrie; atsim quem munido de dinhei-
ro, oirigir-se a.rus-do Queimado loja d'aguia
branca n. 16, ser bem aervido.
lunvaa do louvin.
Vendem-se at verdedeiras latas de Jouto, che*
gadaa por rale ultimo paquete da Kereoa : na
na loja aguia de ouro, ra do Obug n. 1 B.
Vende-se um cavallo gordo e novo, com
nona andares : na traresta do arsenal de guerra
n. 7.
Fazendas baratas.
Na ra da Imperatriz n. 48, juato a*
padaria franceza.
Cortes de cambraia branca com babadl-
' nhos 49 e 49500 superior 59, cambraia li-
| za com 8 1i2vara3j. 39500, 49. ditas de O
' Escossia 59, e 69, ricos enfeiles para ae- J
' nhora 69e6J500. sintos os mais delicados
' para aenhora 29500. Ss.chapelina para cri- O
| ansa gosto ingle 3o50, *8, para baptisado O
I 39, cortes de vestido de aeda Escoaaeta de O
bonitos gotto 129 etto se acabando, ri- O
? eos lencos de Ubyrintho 19.1|200. chapeo O
i de sol para aenhora de bonitas corea, liaos O
I 39, cabo de marfim 59500, cortes de cam- O
t braia braneot com flor de aeda 59, risca-
r do francez 200 ria ocovado, completos tj)
? tortimeotos de bal&es de arcos 89, toril- #
r memos de meiaa para menino e menina #
I 200 a 240 ria o ptr. chalet de tarlatana
( de corea a 640 ris, lencos braneo com bar- 9
I rat 160 ris chitas inglezas a 180 e 200 ra. #
I dita francesa a 240 e 280 ra. e covtdo O
t pecaa da cambraia d forro oom Oraras O
t a 29 : junto a padaria francesa a. 48.
Noaraazem de fazendas de Joio Jos de Gou-
veia, rut do Queimado a. 29, outr'ora n. 27, tem
para vender fumo de borracha para luto, pelo
baratissimo preco de 500 rs. cada um.
Tita preta paraescrever
Vende-se excellente Unta preta para eterever
a 6u0 rs. agarrafa ; na hvraria as. 6 e 8 da pra-
ca da ladepandencia. .
pechincha.
Pecas de cambraia lisa de 8 1(2 varas a 29500:
na ra do Queimado n. 44.
Ra da Imperatriz n. 76
Veode-se ama araiacio propria para qualquer
negocio : quem a pretender, dirija-se a mesma
casa, qae encontrar com quem tratar.
Veodem-se duas casas terreas com urna
mei-aguanos fundos, quintal e cacimba, terrenos
proprio*. quintal murado al o mel, situados na
ra di E-peranca ou Caminbo Norteado bairro t*
Boa-Vista : a tratar oa aeaoia ra n. 45.
Tricopherous.
Uaico preservativo das caspas
e da ealvice.
Continua-se a encontrar : na roa do Queima-
do o. 6.
Agulhas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'agu branca, lendo em vista sempre
vender o bom, mandou vir de teta conia essas
superiores agulhas imperiaes. as quaes acbam
de chegar (pela primeira vez) tendo os fundos
douradns e pontas mu bem tiradas, e custa eada
oapel 160 rs. Cozer-se com urna agulha assim
boa, anima a adiantt 4 juem irabalha, por isso
dirigiremse ra do Queimado loja d'aguia
brenca n. 16, que serao bem servidos.
orna
roa da
I
(ataca e acaba-ae a 240 u. o corado
tppacatria tu 6Dj loja do Paveo.
Musselma a duzentos rs.
ocovado.
ende-se'musselina branca com 4 e meio pal-
mea da largura 80t> reit o eevrio e dihs de
ceras matizadas largara de chita a-200 reis o co*
vado na ra da Imperatriz n. 60.loja do Po?o.
" o Pavo em li^
quidaco.
Cassas Ga r i bn l din as.
Vendera-se caesat t 200,240 e 280 o corado,
ditas muito finas a 3i0 360 o corado, lazinha
pare vestido a 280 ocovado, ditas chinezaa eo tes-
tadas a 400 rs o covtdo, satas de cordio que ser-
ve de balan a 29400, ditos de madapolao a 39,
chitas a 160,180 0*200 ra. o coado, ditas frau-
cezas a 220, 240 e 2 peratriz, loja) da arara de 4 portas n.66, de Mai
galhiea & Mandes.
N. o. Biabar & G. succetsoret, ra da Craz
a. 4, tem para vender reloglos perraelgibetra da
ouro a preta. '
Ruada Senzala Novan.42
Vaada-se am casada S. P .Jonhstorj C,
tllinse lilhasaglezes.candaairost eastieaes
bronceados,lonas agieses, fio davala,chicote
paracarros, e montaa,amiofpara carro da
asi e (out cvalos relogio sda ouro patenta
nglaz.
Vendo-seaalitre de primeira qualidade por me-
nos do que em outra qualquar parte : no arma-
zem de Antonio Cetario Moreira Dias, no Forte
do Metlos, roa da Hoeda n. 27.
Importante
Annuneio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ic>
mao, na ra do Queimado n. 65.
Cartdet de colchetesfrancezes com 14 pares a
20 ra.
Pentea de maesa dourados multo finos imitando
tartaruga a 640.
Ksoanilhos paia aenhora, que sempra ae ven-
dersm a <9, por 2500.
Trancas de 13a para vestido, a pe;a a 40 ra.
Lia otra bordar muito fina e lindas cores, a li-
bra a 79.
ataeaoa com grampoa a 40 rs.
Linhas para bordar, a miada a 40 rt.
itas de peto muito finan, miada grande a 240.
Franjas de lintio para vestidos, a vara a 120.
Afparrrhos de porcelana ptra meninos, pinta-
dos e dearadoe a 1)600. fl|.-9M0 e 3.
Cartas-cotnalfluei-s i 100 rs.
Taaeiecotn alftnetea aabega chata a 40 rs.
Eofeitas pura aenhora mallo linos a 3, 4 o 79,
Sintos mosto fiaos pare eedhora a 29 e 29500.
Mena de lala e prp( p*ra padre que temare
se venderam a 29 a 640= rt.
Enfeiles com flores 1 ara seohora a 1J.
Colherea de'metal muito finia para sopa a IOS
ra. a duzia.
Garlos do mesmo metal a 49000 a duzia.
Assim como outrat multas miodetat finase ba-
ratas, que deiamoa de mencionar, pera nao ae
tornar unta m*aada.
Ricos sintoa dourados lisos e com liatinhis a
295OO, calcinhaa bordadla para meninos a I9OOO,
gollinhas com manguitos a lz>600, golliohia de
traspatso a Ig, ditas aem ser de tratpaaso a 500
rs. lavas de sede em permito estado a 500 r. o
par, chapeos de sol de seda com franja muito de
licados para snhora a 39500, chalea grandes de
merino a 29100. ditos de rede bordados a 3 cada
um. manguitos de cambraia bordados muito finos
Va 800 e 18. eofeites para cabera a 25, para me-
ninas a 640 rs.
Parahomem.
Vende-se oa loja de Parlo um completo sor-
timento de roupas, como s-jam : palitos de pan-
no o casemira de todas 8 cores, caigas de case-
mira preta e de cores, ditas de ortm de todas aa
qualidades, camisas francezas tanto para hornera
como para meninos por pre;os mais commodos
do que em outra qualqner parte. Do-se amos-
tras de todaa asfizendaa que em nossos annun-
cios se v, deizaodo ficar peohor : na raa da Im-
peratriz n. 60, onde tem am paveo pintado do
lado defora, e para crio haver engaos denoite
tem um dstico por meio de urna luz em que diz
O PAVAO.
Lazinhas a 280 rs. o
eivado.
Veodem-se lazinhas de quadros para vesti-
do, fazeods de apurado goato a 280 o corado;
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
La chmeza a 400 rs.
Vende-se lazinhas entestadas a 400 rt. o co-
rado: na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Gambraias de seda.
Veodem-se flnissimos corles de cambraia de
aeda cora dous baados e de apurado gosto a
4900 cada corte: na loja do Pavao.
Vestidos brancos.
Veodem-ae flnissimos cortes de cambraia ta-
rrada com babados e duas salas, fazenda que se
rendo em qualquer parte a 89OOO rs o Pavao
ett torrtndo por quatro mil ris, ditos com bsr-
raa bordadoa a 2g500, 39 e 39500: na roa da Im-
peratriz n. 60.
Gambraias de sal-
picos a 4$0()0.
Vendase cambraia branca com salpicos miudi-
nhos, tendo 8 % varas cada corte, pelo baratis-
simo preco de 42000, sendo fazenda que sempre
se vendeu a 79000: na rui da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
CASSAS LAVRADAS.
Venue-se cassas lavradas fazenla do ultimo
goslo pelo baratiaaimo preco de 39500: na ra da
Imparaliiz n. 60, loja do Pavao.
Sedas a covados.
Vende-se grtdeosoles preto muito iocorpado
a I96OO, 19800 e 29000, dito cor de rota, azul e
amarello, sarja branca tarrada para vestidos de
noiras, e outras qualidades de sedas por precos
baratsimos : na rus da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
CHAPELINAS
a 6#000 xcada urna.
Vende-se chepenas modernas enfeitsdas com
muito gosto para aenhora a 69000 cada urna: na
ra da Imoeratriz n. 60, loja do Pavao.
Lencos para mo.
Vendem-se muito delicados lencinhos de cam-
braia de linho com labyrintho a 2|500, ditos de
muito gosto a imitacao de labyrintho a 800 e
IgOOO: oa ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao.
Li<| uidaco
dC arfMtS Mfenos.
Mtnoel Goncalvfa de Oliveira Santos rende
velludinho de raatagans decores, que sempre se
vendeu a 19 o corado, a 400 rs.
50 ARa da Caricia do Red fe-50 A.
Leilo para^icabar.
^ A 3,000 re.
Cortes de vestidos brancos Com 6 e 10 ordena
de babado a39090.
Generas baratos para quem
passaafesta.
Maoteiga ingleza" flor a fTJO ra. e 720. trncete
a 610, cha parola a 3J. byston a 2*700, caf a
280 e 240. qutfjos do vapor a 29500, paaaaa em
.. caixaseoraitadaia.tgsOO, latas com boUchioha
deseda d. 2800 e 13400, ervilhaa a 800 rs. a
lita, talhacBBxe alettia a 480, arroz a 100 rs. a
libra, tonciuho a 320, batatas a 60 ra., eaperroa-
cate a 760, vinbo do Potlo a 800 ra., engarrafado
de Lisboa a 480 e 400 ra., vinagre a 210, aaeile
doce a 720, carra pato a 440, cebolea a 19 o cen-
lo, e oulros muitos geueros : quem quizer tppa-
reca noarmazem da estrella, uo largo do Peraizo
numero 14.
Veade-se urna preta de 18 aonoa, que cozi-
nha, lava e cose aoflrivel : a tratar na ra do
Rngel n. C9.
Vendem-ae chechoa, sabias, bicodos, pa-
talivas e outroa muitoa passaros ptimos; a tra-
tar na ra da Cruz, armazem n. 21.
Veode-se ao armazem de Jote Antonio Mo-
reira Dias & C, ra da Cruz n. 26 :
Safraa e tornos- para ferreiro.
Ferrosuecioem barra.
Linhas de carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
Espingardas franeczaa muito finas em caitas de
per ai.
Ferros de lati para engommar.
Pregos fraeeezesde todeeos tamanhos.
Ditoa batel grande.
Ditos de conatrnocao.
Bragos grandea para balanza.
Espingardas lazarinas.
Clavinotes iaglezes.
pechincha
Cortes de barege de seda com 30 covadoa a 129,
Cortea de lia cum 24 coradot a 5J, aae de seda
com. liadas floree a roaUz, -cevade a 800 ra -
ciahat de eoiremeiot com 3 1(2 varaa a 192004
fino fuato da eellele a 19200 : a rea do Qaei
mado n. 44. ,
Madapolao enfestado a
tres mil ris.
Vende-se pegas de mtdapolao eofestado com
12 varas a peca: na ra da Imperatriz n. 60 loja
do Pavao.
Phantasia asis mil ris
Vende-se multo ricos vestidos de fantazia com
babados de muilo bom gosto,azen Jas de 129000,
por 60000, oa ra da Imperatriz n. 60 lujado
Pavao.
Filos.
Vende-se fil de linho bordado fazenda muito
fina a 19000 a vara, dito lito a 800 rs., tarlatana
branca e da todaa aa cores a 800 rs. a rara aa
Loja do Parao.
Vestuarios a cinco mil
ris.
Ricos vestuarios de seda para meninos, fazenda
de 129 por 59OOO ; na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Cambrcas lisas.
Vendem-se pecas decambraias lisss, fazenda
muito fina, rom 10 e meia vara cade pega, pelo
prego de 59000 a peca, ditas de 8e mera varas a
29W0, 99. 89500 e'4J, ditot de'6 em-eUTaraa 29
e 295OO a oega, ditot para forro com 8 e meia ra-
tas a 1J600 e 29 : na ra da Iraperaitiz, loja do
Pavao.
Baldes sem ferro a
3$200.
Vendem-ae muito superiores saias de cordo
que faiem aa retes de balao, tornando-ae mais
reeommendaveis por ae poderem larar e engom-
mar, a 39200 cada urna : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pareo.
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BUSTOS & RE60
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande e variado sorllmento de 9
roupas eitas, calcados e fazendas e todos &
I
I
Taixas.
Haior reduccSo nos presos para acabar.
Veadem-ee no armazem de Brega Son 4 C.
oa ra da Moeda, Uixaa de ferro cuado do mu
acreditado fabricante Btwin Mrsr a 100 ra. por
Ubre,-es acemas que ee vendate por 120 a.
rrande e
feitas, calcados e fazendas e todos
estea aa vendem por precos maito-modi-
ficados como de seu coatume,assim como
sejam aobrecasaeos de auperiores pannos
e casacos feitoa peloa ltimos figurioos a
269,289. 309 e a 359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16g, 18g. 209 e a 249,
ditos de casemira de cor msela do e de
aovos ptdres a 149. 16, 189.209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 99, 109,12 o a 149. ditoa pretos pe-
lo dimiouto prego de 89, 109, e 12j, ditoa
de sarja de aeda a'sobrecaaacados a 129,
ditos de merino de cordo a 129, ditos
de merino chinea deapurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditoa de palha de
aeda fazenda muito superior a 49500, di-
tos de bhm pardo e de fusto a 89500, 49
e a 49500, ditoa de fusto braceo a 49,
grande quaotidade de caigas de casemira
preta e de corea a 79, 89, 9j> e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditss de brlm de cores
finas 2S500, 39, 39500 e a 4$, ditas de
brim brancos finas a 49500, 5J, 59500 e a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6<, colletes
de gorguro preto e de cores a 53 e a 6f,
ditos de casemira de cor e pretos a 4J500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 4|,
ditoa de merino para luto a 49 e a 49500,
caigas de merm para luto a 45500 ea5f,,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de casemira
prefaeda cor a5jj, 69 e a 79, ditas ditas
de brim a 2J. 39 e a 39500, paletota sac-
eos ae casemira preta a 6J e a 79, ditos
de cor a 69 ea7|, ditos de alpaca a!39,
aobrecasaeos de panno preto al2j>e a 1
14, ditos de alpaca preta a 59, boneta S
para menino de todas as qualidades, ca- p
misas para meninos de todoa oa tamanhos, S
meios ricos vestidos de cambraia feitot l|
para meninaa de 5 a 8 aonoa com cinco o
babados lisos a 89 e a 12g, ditos de Koran- i
rao de cor e de la a 59 e a 69, ditoa de 5
brim a39, ditos de cambraiaricamente 3
bordadoa para baptisadoa.e muitaa outras
fazendaa e roupaa feitas que deizam del
ser mencionadas pela aua grandequanti- &
dade; assim como recebe-setoda equat- |
quer encommenda de roupas para ae S
mandar manufacturar e qae para este flm i
temos um completo sortimento defaten- S
das de gosto e urna grande offleina da al- fi
aiate dirigida porua hbil mestre que
pela auapromptid eperfeigo nadadei-S
xa a deaeiar. If
Aliento
Vendem-se caixoes vastos proprios
para bahuleiros.funileiros etc. a 1 $280:
quera pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem os tem
para vender.
Veodese

na r ua do Queimado n. 19
o seguinte.
Pegas de cambraia fina adamascada para corti-
nado com 81|2 varas, pelo barato prego de 59(00.
Toalhae de linho adamascado ptra mesa a 49.
Cambraiaa de aalpiros graudos muito lindas a
59 P*S. ditas de ditos miudinhos finas a 9500.
Lencoes de bramante de linho a 39000.
Cambraia ailada para forro de vestido, com
8 1|2 varas a pega por 29.
Grandes colchas de fustio lavradas a 69.
Chapeos enfeitadoa multo lindos, proprios para
meninos a 79eada um.
Cobertet de chita, gesto chinei, e ftJM.
Ricas capelUt para Boira, de flor d# laranja.
Algneio com 7 palmos de largo a 600 re. a vara
Uopoea de panno de Herjo a 19900.
Vende-se
Arete de deod.
Azeite de amendolm.
Azerte de peta.
ede ne Verte do Mattoaoa Urge da Aitem-
bMa m. i.
tureirst,*tuntes ptta lirf oa, JecieUriaa, cooao-
loa, commodaa ceea ernmiot, eaptrrtdoret, b-
ete para ioae, ipuattiSattttwntaatttsraa^ oMtd 0-
raa, eamaeee caaal. cota asede a, te., IC, acedo
estee obteettt inimratnente moernes. euer pre-
oe anata em cenia, en easaoele Jv Crpriaoo
-Aataaem rea de impesador a. 78.
~,N ",4o Sebo. Uberna n. 5*. reade-** se-
ment da taita muito aova, viada ao Pnfto pelo
ulojo navio. "
,-- ..Aos taltacruiataa,
Vendesn-te superio.es lencas franeetes a iml-
tago dot de linho, muito propriot para es tabt-
qu'ttat por terem de coret etcuratj fiias.-pelo
baratissimo prego de 5 e 6| a duzll: aa ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida laja 4a boa f.
Fil liso tarlatafta.
Vende-se superior fil lia tariataaa arenca
e de corea, pelo baratissimo prego de 800 rs. a
raja; aa bem conhecida loja de boa f, na raa
doapieimado o. 22.
Toalhas para maos.
Vendem-se multo boas toalhas para mos pelo
barato prego de 59aozta ; na ra do Queima-
do n. 22, na loja da boa f.
Ricos encestes.
Veodem-se ricot a awperioret eofeites na tala
moderooa que ha, pretos e de cores, pelo bara-
tissimo prego de 6 e 69500 : na loja da boa la-
na ra do Queimado n. 22. w
' Cambraias de cores.
Vendem-ae cambraias franeetea de liadas co-
ras, pelo baratissimo precede 28 o corado ; na
ra do Queimado n. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Na taberna da praca da Boa-Vista a. 16,
veodem-se batatas ltimamente desembarcadas,
multo grandea, em gigoede neta arroba, pelo di-
minuto prego de 19280.
Cambraias trancezas finiasimas.
Superiores cambraias francezas muito finas, de
muito bonitos padree, peto barato prego de 700
rs. a vara : na toja da boa f, na me do Qneima-
de a. 22. <.
Vendem-se os engeDhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correales e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ruada Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Atten-?o
36-Hua Noira-3G
Nesta catt eecontrario sempre um grande sor-
timento de relogios de algibeira, de oure e-de
prata, patentes e horlsontaes, suissos; assim co-
mo um completo sortimento de relogioa de pare-
de ede bancas, dos melhores fabricantes potsi-
vel. Faz tambem qualquer concert de relogios,
seja qual for a qoatidade, e o estado de ruina, os
concertos sao aQaogadoi.
Veude-ae confronte o porreo da fortaleza das
Cinco Pontas oaeguinte : carrocas para boi, di-
tas para estallos para agua, carrioho para traaa-
lhar na alfmdega, ditos de mi, rodas para car-
rogas e carrinhoa, eixoa, torra4oret de cat com
fogao, boceas de forno, baodeiraa, -ferros de vol-
ts de todas as qualidades, dobradigaa de chum-
bar de todos os tamanhos, fecbaduras de ferralho
ferrolho de chapas, ferro de embutir de todos os
tamanhos, e portaode ferro.
O rival aem segundo na roa do Queimado nu-
mero 56. est qoeimendo aa teguintet miudezas
por pregos que a todoa devem admirar tanto pe-
las suas qualidades, Gomo tambem petos pregos.
A ellas entes que ae aoabem.
Grozaa de penos da ago a 400 rs.
Ditas de maozinha, muito Onaa a 500 rs.
Caitas com agulhas francezas a 120 rs
Csixas com aparelhos para divertir neniaos a
240 rs.
Ditas muito Anas e grandes a 500 rs.
Crozas de botes de osso pequeos a 120 rs.
Ditas de ditos de louca a 120 rs.
Duiias de baralhos porluguezesa 19400.
Tesouras muito finas para unhasa 400 rs.
Dita para costures muito Osas a 400 rs.
Baralhos muito finos para vollarete a240rs.
Agulheiros com agulhas a 80 ra.
Caivete de aparar pennas a 80 rs.
Ditot com duaa folbaa a 160 e 240.
Pegas de traoga de la de todas as cores a
200 ra.
Pegaa de franja de lia de toda at cores a 800 rs.
Sapatos de traoga de laa finos a 19280.
Cartas de alQoetes francezes a 100 rs.
Caizas de ditos ditos a 60 rs.
Escoras para limpar denles n-uito finas a 200 r.
Massos de grampos superiores a 40 rs.
Cartas com colzeles com deleito a 20 rs.
Ditas ditas superiores a 40 rs.
Ordaes de ago para ten horas a 190 rs.
A pitos de chumbo para meninos a 20 rt.
Enfiadoret para vesiidoa com 4 varee a 80 rt.
Canas com clcheles francezea a 40 ra.
Cartas de a I (metes par armador a 100 rs.
Fios de coral de raz a 840 rs.
Charuleiras muito finas a I9OOO.
50 A-Rua da Cadeia do Recife-50 A*
500, if, tf50G,[
4500 eh$.
Manoel Gongalvee de Oliveira Santos,
ataba de arrematar urna porgao de fa-'
zendas muito barato e por isto vende ba-
rato para vender muilo, rende atoHo pa-
ra vender barato grvalas de sedt 500
is., enfeit de vidrilho qne se tem vend- '
do por 49 a 19, chapeo de sel para a-
ora a 29500. dtJ de cabega a garlbal-
a 49500 e 5f, veoham a ette ettabele-
eimeoto ver estas pechlnehas que admira.
19.
If
ff ci
Relogios.
Vende-se emeasa da Jobnston Paler i C.,
raa do Vigario n. 3 ara bello sortimento de
relogiosdeouro,patente ingles, de um dot meis
afamados fabricantes de Liverpool; tanbam
asta variedade da bonitos tranceliespaTs os
meamos.
Attenco.
!> roa io Trapicli Ht, em casa e Boeker
Roeker Se C. existe um bom sortimento da tin-
haa de corea e brancat e em carretets do melhor
fabricante de Inglaterra at naet te venda por
prees ni retonreis.


A
,mh m c^wssia a ahisi atei-jo .Q&jakUMii ic o? ma
arfimemadfe-
para limpar
dente*.
Na verdado mninia para apar peales e
sempre neceese-rl qoalquer teacedor, com
eapecialidade no da senhora que preza o aasete,
e pan que elle eeja perfeilo mandar comprar
bm deeeae eecaaa 4a tabo de marflsa 0 ni-
dreeerola que eurttaa *e 3 ra., ns loja d'sguia
brinca, oa roa rea da Qaeimade d. 10.
A?jra bales;
Rap de Lisboa.
Vende-je rap de Lisboa ; na roa larga do Ro-
sario, passando a botica a segunda loja de miu-
deaaa d. 88. Na mesma loja vendem-se multas
B,* m C0DUI> e l i di o prefo
de todo,
lwallias ffa com cabo de marfi m.
Vende-sa oa laja d'aguia branca mui finas na-
valbae d'aco reoado com caboa da maraa, e
ra aaseguier-se a bondade deltas basta dizer-
qua alo doa afamados e acreditadea fabrican-
tea Rodgers & C cusa cada eatojo de duas na-
valhas 810004 aa ra de Queima Jo, loja d'aguia
branca,.o. 16.
I'eflDas galvanisadas.
A loja d'aguia branca receten estas pennts
galvantsedas, de novsima e mol boa quslid.de,
e as est tendeado a 20000 aesixioha com urna
groas. As prmetras deseas peonas foram offe-
recidas Garibaldi, e por isso traiem o sea re-
tracto, e as referidas caixas se encentra o dis-
ticopeonas Garibaldi.
S ae enconlrim na na do Queimado, loja
d'agaia branca n. 10.

Touquinhas de setim, sa-
patinhos de dito bor-
dados, e meias de seda
para baptisado.
Aloja d'aguia braoca acaba de deapacher de
sna propria encommpnda, um bello sorlimeoto
dos objecloa cima, a de rauito bons gostos, sen-
do aa touquinhas de setim mai bem enfitadas
de filas e florea a 68000, indo cada urna en eua
caixioha, sapatinhoa de aatim. branco muito bem
bordados a 3$ ra-, e meias de superior quattdade
tanto brancas como cor de carne e pintadas a S|
rs. o par: quem muoido de dinheiro dirigir-ae
ra do Queimaoo, leja d'aguia branca n. 16, nao
deiiar do comprar.
Cassas garibaldi-
nas na loja do
Pavo.
Vendem-se fioisaimas cassas garibaldinas sen-
do estas rassaa aa mais modernas que tem che-
gado a 380 rs. o covado : na ra da lmperaliiz
n. 60, loja de Gama & Silva.
Attencao.
Ra da Imperatriz
numero 49.
Acaba de abrr-se este novo estabelecimento
de moihados. e nelle os (regaezes encontrarlo
manteiga ingleza de superior qualidade ao preco
de 800 rs. libra, dita (raoceza muito boa a 640,
cha hysson do melhor que ha a 2*880 a libra, e
outros muitos gneros que se venderlo por me-
nos que em outra qualquer parte.
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Russia da mais nova e
superior que hi no mercado e a preco maito
com mol: no escriplorio de Manoel Ignacio d.
Olireira & Filho, largo do Corp Santo.
gciEQ3Dsag.^cgiaa a^aaijjaaaiag
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4jj|.
Duzia de meiascrusa para hoeoem a
19200 e o par a 120 rs., ditas brancas
muito finas a 25500 a duzia, lencos de
eassa com barra de corpa a 110 rs. cada
um, ditos brancosa 160 rs., baldes de
20 e 30 arcos a 35. lazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos a 59 a 6}, larlatana
branca e de corea muilo fina com vara
e meia de largura a 480 rs. o covado,
fil de linbo liso 640 rs. a vara, pe-
cae de cambraia lias fina a 39, cassas
de cores para vestidos a 200 ra. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 rs o
coado,calcinhas para menina de escola
a 1{ o par, gravatinhas de tranca a 160
rs petos para camisa a 200 rs. cada
um duiia 29, pegas de cambraia de sal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
taoha de rolo a 29, chitas francezaa a
220 e 240 ra. o covado, a loja eat
a berta das 6 horas da nianhaa as 9 da
noite.
Ra do Queimado n. 10, loja
de 4 portas.
Vende-se paano verde, prete, asel e cor de
caf, covado 39.
CsaemirS arela superior qualidade covado
19600 e 11800. .
Chales da tooqaim para aeabVr a 10,15, SO,
30 e 408
Superiores cortes de seda o mais moderrr que
lera viado ao mercado a 90, 100 e 1208.
Sedinhai de qoadrlnhar e-feres, superior fa-
zenda e moderno gesto, corado 800.1 e 19400.
Chary, superior (xmM; covado, 500 rs:
Mimo do co, lazeooTpara vestido de senhora,
orado 500 rs.
Talmaa e manteletes pretos i 18, 20 e 259.
' Superiores vestidos brancas bordados a 20, 25
e309.
Cassas francezaa finar, corado, 240 rs.
Cortes da cassas He aalpicos. uan 3 e 3J500.
Cortea de seda ateta a%f. 30. 35 a WJ.
Lencos de seda a 6f0e 800rs.
Lia da qusdros para vealido de senhora a rou-
pa de meninos, corado 240 rs.
Grosdenaple pfeto, corado 19280.
Chles de merino bordados a 45-
Chitas francezas escuras, corado 240 rs.
Meias de stgodao cr para home-m a 48.
Cortes de velludo para eollete a 3(600 a 49000
Paletots de brim a 3 e49
Chapeo* de sol do sede para senhors e meni-
nas a 3 e 45.
Lequet para senhora e meninas a 3 e 49.
Eapartilhos para aenoora e meoioas a 8 e 49.
Chapeos de pellica para mentos e meninas.
Chapeos de pal ha para senhora.
Ch'apelinsade seda para senhora a 8 e lOf.
Camisas abertas de renda para senhora a 29 a
35DOO.
Grosdeosple amarello com um pequeo toque
de mofo, corado 600 e 700 rs.
Paletot. caiga a eollete de casemira, pelo bara-
issimo preco de 29(9
Ceroulas escocezas, urna 19200.
Cortes de barege com duas saias a 8 e 100.
Cortea de seda escoceza, superior fazenda, com
13 e 15 corados cada um a 109-
Camisas inglezas com peiles de Hnho e com um
queno mofo, duzia 25$.
Palptots de alpaca, um 99.
Cortea de casemira um 39500:
Chales de laa e seda, superior fazenna, a 29500
Lencos de cambraia de liaho bordados com bi-
co, a 39. 5, 6 e 89.
Ditos de dita para homem, duzia, 69, 8, 10,12
e 149.
Setim preto mec'o o melhor que tem appare-
cfdo, covado 33.
Chapeos de sol de seds para homem um 69-
Dilos dito de dita iugleza para homem, um 99,
10 e 129.
Baldes para senhora, um, 3 a 49.
Panno de lioho do Porto com 12 palmes da lar-
gura para lences, rara a 39200 e 39400.
Lencos de cambraia bordados com Meo, duzia
r28500.
Gollinhas de cambraia bordadas, urna 32Q rs.
Manguito* de dita ditas, um 19-
Caraisaa para menino*, duzia 159.
Fil de lioho bordado, vara I92OO.
Dito da dito liso, rara 19800.
Cortes de brim de lioho, um 19600.
50 ARa da Cadea do Recife50 A
c^- 5 e 5#500.
Maooel Goocslves de Oliveira Santos rende
esta pechincha: pegas de cambraia branca tapa-
da com 10 varas e urna rara de largura a 5|, di-
ta de dita de apurada finura a 59500 a peca.
Potassa americana.
Vende-se potaasa americana muito nova a de
superior qualidade: no escriplorio de Manoel
Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo San-
to n. 19.
Taboas.
-*+-
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
& tovas de
Arado s americano le machina-
paralararroupaiemcasa deS.P. Jos
hston & G. ra da lnzala n.4-1.
Leques.
Vendem-se lindos leques de madreperols, o
mala fino possivel: na loja d'aguia' de onro, ra
do Cabug o. 1 B.
Lent;o bramcos muito
ftOS#
Vendem-se lencos brancos muito finos, pelo
diminuto preco de 29400 a duzia, graude pe-
chincha : na loja da boa f, na ra do Queimado
numero 22.
Farinha de mandioca.
Vende-se em saceos, propria para animaes :
no becco Larga a. 6.
Vende-se madeira de pinrin muito
bareta para fechar contat.'no armazem
do gelo ra de Apollo n. 30.
50 ARa da Cadea do Recite50 A
Vende-se
urna mobilia de amarello consistindo em 6 ca-
deiras, 1 sof, urna mesa redonda, um par de
consolos, 1 lavatorio, 1 toucador, 1 caaoa e urna
mesa de jantar, ludo em muito boro eatado e
por preco commodo: aa raa das Aguas-Verdes
n. 21, loja.
de cambraieta.
Vendem-se superiores saias de cambraieta mui-
to fina, com 4 pannos, pelo diminuto prego da
99; a ellas, que aao muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na b m conhecida loja da boa f-
Paletots
brancos.
Vendem-se superiores paletots de brim branco
da puro hnho, pelo baratiaaimo prego de 5g : na
ra do Queimado o. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
S3 MA DIRE1TA 53
Grande armazem.
V erra gen e touultzfcs.
Sem bandejas, sem colheres, aem garfoa e fa-
cas, impossivej passar a festa 1 neile armazem,
oois, enconiraro as familias o melhor e mala ri-
co sorlimeoto por precoa inferiores aoa de pri-
meira mo, e reparem.
Bandejas recortadas a finas a 19600. -
Ditas ditas a 29.
Ditas ditas 3J.
nutras (sultana valid) 68. 5 o 4.
Faq.ieiros a 6$. 49 33600 e 39-
Culheres principe (aop) f e 49500.
Ditas dita (che) 3 e 25500.
Salitre, ferro, trena de cozinha, eludoquanto
pertence a teTrsgens baialisaimas.
Camas d *enlo de louro a 48800, e de ama-
rallo a 59500.
Na travesea da Madre da Dos n. 7, primei-
ro andar, vende se superior vinho do Porto che-
1 ado pela aSympathia, em barda de 5.*, 8." a
lid..
Grande
Superiores paletuta de panno prnto muilo fino,
obra muito bem feita, pelo baratiaaimo prego da
20f ; na ra da Queimado n. 22, na bem conhe-
cida. loja da boa f.
Manteiga ingleza Mpacialmtnteescollhida a 800 rs. a libra e era poeaa a 750, recommenda-se aos apreciadores destele genero que
mande ao menos experimentar, serlos de nada perdsrem pois para isso confirmamos o que levamos di lo.
Idein fraOCeza a malhar do mercado a -640 rs. a libra e em barris a razio de 600 rs. a libra
QueijOS flameDgOS Chegadoc no ultimo vapor a 21600 a 2*800.
yebOllas SOltaS nova e grandes a 800 rs. o cento e a 69 o mimefro, aflanca-se qne tisu de qualidade ningnem deixar de comprar
zSatatSS gg08 com um> arrobaf as naelhores que ha no mercado a 11 o gigo, a ero porcio de 10 para cima a 800 rs.
Lastannas verdes as mais perfcilss que-temos lid no mercado cbtgadas no vapor OneiJa a 240 rs, a libra e em porjo lera aba limen to.
MOZeS as mais novas que existem no mercado a SOO rs, a libra e de 89 para eima a 160 rs., afwnja-se a boa qualidade.
Mascas talhaiim, macarrao e alelria as mais novas do mercado a 480 rs. a libra e 89 a caixs.'
Champaohe das mareas mais acreditadas de 139 a 209 o gjgo e 19500 i2jji garrafa.
Bolachilha ingleza a 320 rs, a libra e 42 a barrica, afianza-si sera melhor do marcado,
ArrOZ o melbor do morcado a 100 rs. a libra e 21700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do do Mardnhao,
Cha hySSOQ e pretO o melhor do mercado de 19700 a 29880 e em porco leri abatimento, e afianca-ce a boa qualidade.*
PreSUOtO fiambre n^ez hamburguez a 90rs. a libra e em porco a 800 rs.
Presuntos portUguezeS yindos do Portada casa particular a 560 rs. por libra einteiro a 460 rs.
Mar/melada dos melhores autores de Lisboa premiada as sxposices universaes de Londres e Pars a 19800 a lata.
CaixaS CODl estrelinha pevide e rodnha a 79O0O a caixa eSOO'rs. a libra o em por^ao tari abatimento.
Latas de ameixas francesas comeinco libras a 49000 19000 a libra.
PaSSaS em eaixinbas de oito libras, as melhores do marcado a 29600 o a 500 rs. a libra e caixa de urna arroba a 89600.
Espermacete Superior a 740 n. em caixa a a 76011. a libra.
Conservas francezas inglezas e portuguezas a 600 e soo rs. o frasco;
ErvilhaS portuguesas e francezas a 800 rs; o frasco afianca-se serem as mais bem preparadas que tem vindo ao mercado.
Lata COm bolaxnha de SOda dediversas qualidades, a muito nova a 19450. e grandes de 4 a 8 libras de295C0 a 49500.
Vinho em garrafas DuqdHe Porto, Porto fino, genuino, nctar, Carcavellos, Madeira saeca, Feitoria e Camones a 19200 a 19300
a garrafa e a 139 a duzia.
I Vinho em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa e de 39800 a 49800 a caada.
Latas COm f nietas de todas as qualidades que ha em Portugal de 700 a 19000 a lata.
Pera em CaixaS de 4 a S libras a melhor que so Dde desojar e tem vindo ao mercado do 49 a 69 a caixa e 19286 i libra.
Gornthias em frascos de 1 1 |S a 2 libras de 19600 a 29200.
Latas COm peixe Savel pescada a ouiras multas qualidades o mais bem arranjado que tem vindo ao nosso mercado do 19400 a 19600
Ara ruta a melbor que se pode desojar a 320 rs. a libra, e 120 rs. a libra de gomma.
FraSCOS de amendoa com 2 libras, proprias para mimos, por serem muito bem enfeiladas e desuperior qualidade a 39 cada um.
Vinagre branco o melhor qoe temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa o 29560 a caada.
ComiIIno e erva doce os mais novos que ha no mercado a 800 a libra do cominbo e a 400 rs. a eeva doce.
Vinho BordeaUX de boa qualidade a 800 e 19 a garrafa e de 89500 a 109000 a duzia,
MaSSa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira ves a nosso mercado, da 19 a 19280.
Caixas SOrtidaS com ameixas, araendoas, passas e figos, o que ha de mais proprio para mimos, de 19000 a 59000 is. per caixa de 2 &
12 libras, e 400 rs. a libra dos figos.
CervejdS das melhores marcas SOO rs. a garrafa a 5 e 69000 a duzia da branca.
Vinagre puro de US boa 240 rs. a garrafa e 19950 a caada.
Doce da goiaba da CaSCa emcaixao a 19 e em porgo a 900 rs;
Azete doce purificado a 80O rs. a garrafa o 99000 a eaixa com 12 garrafas.
GognaC a melbor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa a 109000 a duzia ;
QuijOS SUSSOS chegados ltimamente a 500 rs. e em porco ter abatimento, afianza.se a boa qualidade.
Genebra de Hoilanda a 600 rs. o fiasco a 695OO afrasqueira com 12 fraseos. #
Palitos UxadoS para dentes a 200 e 160 rs. o maco com 20 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz a 39000 a greza e 280 a duzia de caixas.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercado portuguez, bespanhol efraneez de 19 a 19200 a libra.
AzeitonaS as melhores e mais novas que tem vindo a nosso mercado a 19200 a aneoreta do Porto, e a 29000 as da Lisboa.
AmendoaS chegadas no ultimo navio a 480 rs. a libra e em pore,ao ter a batimento.
Alpista o maislimpo que-tem vindo ao mercado a 160 rs. a libra e 59000 por arroba.
A lera dos ganaros annunciados encontrar o- publico um completo sortimento Je ludo tendente a moihados.
"Mj*-"&i
Acabarn de ehenar pelo ulmo vapor para a
loja d aguja branca, na roa do Queimado n. 16,
aeade de todas as cores.
Esponjas finas
para o rosto.
Vende-se inui finas especias para resta, a 29
cada Urna : aa ra do Qoeiaiado, loja d'aguia
branca n. 16. B
Leite virgiial
infallivel remedio para
sardas e panos.
01,e,?.-filP1"1 '* nm coobecido como reme-
dio infallivel para aardaa e pannos, vende-se a
Zg rs. o raaco na ra do Queimado, loja d'ania
branca n. 16. .
Attencao.
43 Roa doAmorim43
Venden-M batatas aovaa, aigoa com Orna ar-
roba, pelo barato preco de 840 rs.
Grvalas da moda.
Ns loja da boa f, na roa do Queimado n. 22,
ae encontrar um completo sorlimeoto de grva-
taa de seda pretas e de cores, qoe se vendem por
precos baratsimos, como sejam: eaireilinba*
pretas e de lindas cores a 19. ditas com ponas
largas a 1&500, ditas pretas bordadas a I96OO. di-*
aa pretas para duas ollas a SJ na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Meias para senlira.
Vendem-se superiores meias para aenhora pe-
lo baratiasimo preco de 39840 a duzia ; oa loja
da boa f, na ra do Queimado n. 21.
Na taberna da ra da Aurora o. 48, vnde-
se urna saces de cera de carnauba, e urna laboa
de lazer velas, assim como ama pprcao de gar-
rafa! varias que se di a 19 o cento, na mesma-
caaa vende-se orna bomba para cacimba.
Mi as cores.
A loja d'agaia branca acaba- de receber esias
procuradas micaogas miadas qoe servera para
pulceiraa e ouiraa cousas, e por isso avisa as
peaaoaa que ellas espratelo e aa que nvame ote-
quitaren) comprar que munidoa de 500 ris com-
praro um masso muito maiordo que os amigos,
liso somente na loja d'agaia branca, roa do Quei-
mado n. 16.
Ullima moda.
QRa do QueimadoAO
Ricos manguitos de cambraia bordados a balito
o maia superior que ha no mercado, vindo no pa-
quete francez de 13 do correte mez, granda
sortimento de chales de merino de todas as qae-
ildades.
Escravos fugioos.
I Esperaba. I
Ma lo ultimo paquete, 1
ga do Rotarlo n. 35.
Adduoco.
Chegadas pelo ultimo paquete, yende-se a ISO
rs., na roa larga de Rosario n. 35.
Recebeu de sus encommenda pulcai- "
^ raa de cabello que veode por 109 o par, {
am braceletes de mosaicos a 69 cada um, s
T agulhas victoria a 120 rs. o papel, peo- j
9 les de tartaruM a 8. 10 e 125. P"Cos "
g porque niDgaem pode veoder (bos fa- I
zenda) estes artigos nao se encontr em .
loja uenhuma porisaovoa ruadoQuei- *
QP mado n. 38 A, loja da Esperanca. (
EsperauQa reduz a expres-
2 sao mais simples. j
(A* DINHEIRO.) 1
^ Todos os artigoa que esto na loja |
maito barato qoem quizer comprar e ,
ver : rus do Queimado n. 33 A, Guima-
B raes & Rocha. I

Na roa da Csdeia de Recife n. 96, tem para ven-
der, perteneeDte a urna ceaaoa qoe se retira para
a Europa diflVrents obras de gratado Perla, oomo
sejam jarro e bacia, salvas de d'fferenlea taaaaahoa
garfoa, facas e colheres de sopa e cha. mais al-
gumaa pegas de luso, qne aos pretendeotes ae
mostrar, o ae teda se vende por commodo
prejo.
Attencao.
^.. -^^ --. ti j, i,mm,_,
ivu 1 ua uu ^aoeiusvuu n,j wv iviivgeuv ut w^
veada-seivsavaade laite, 7 beia mancoa e 5 00-
vilhoUa e 7 animaes savallacs, propiius para en-
|Mka
Cal virgen de Lisboa en
pedra.
Vende-ie a mais aova que ha no mercada por
,preco maito commodo ; nicamente no largo do
Corpo Saolo n. 19, trapiche da companhia.
Putea da Kussia.
Vende se em casa de N. O Bieber &
C, successores, ra da Cruzn. 4-
S6 arara en liqnidacao
V-dm-se aseas de madapolso fino enfdo
S 39. cortea de cmuih preU para calca a 3*500.
diu eafeatada 4e aorra a 4*600. sortea de fuatao
par* calca a 1#U0, ditoa de brim de cotes a 19,
1*3*0 e 1|900; na loja arara n. 56, .
4 mnsselina do Pavo a
2001% o covado.
Vende-se musselina branca com 4 1|2 palmos
de largura fazenda muito fin pelo diminuto pre-
go de 200 rs. o covado, cortea de chita ingleza
com 10 covados cores Osas a 1*500 rs., ditas de
maaselina branca com 10 covados a 29. ludo
para apur.r dinheiro : na raa da Imperatriz n.
60, loja de Gama Silva.
vendem-ae librea sterlinas ; no escriptorio
de Amorim Irmes. ra da Cruz o. 3.
Liquidaco
de fazendas para senho-
ras.
Vendem-se gollinhas fina a 500 rs., dita a com
boiaosinho a 640, tilas de iraapaaso a 1$, mo-
gilos bordados a 720, manguitos o gollaa com
botounho muito tinos de hnho a 2g500 e 3J, fil-
loa de fuatao a 3*, camisas bordadas para seuho-
raa a 4*. ricos sintoa douradoa e melisado* a
2*500e 8*. ricoa eneitea a Garibaldi, pecas de
liras barandas e entrraieioe a 1*. corpiauos para
menioos a 640 cada um.
Para horneas.
Veadem-se paletuta de casemira de cores e
pretoa a 10 e 12*, ditos de brim para lodosos
precos, colleles de diversas qualidades, calcas de,
casemira de rores a 6 e 7$, ditas de brim p gan-
gas a fi* e 28500, ditaa de riscadirioa a 1|0UQ e
1*600 : na ra da Imperauiz. loja da arara de
4 ponaa d. 56, da aUgalhs di UVndes.
r Veodem-aa xloua parea oe radas novas para
carroca : na ra Augu.-la n. 59.
A 3J000.
Chapeos de palhloha fina enfullados pia me-
ninas ; oa roa do Crespo o. 10.
Attencao.
a
Chegou ns rus do Queimado n. 39, loja de 4
portas melpomeoe imperial com 6 palmos de lar-
gara a 3*600 o co>ado. o mais moderno e apura-
do Rosto que se pode encontrar para vestidos de
senborea e meninaa.
Na \oja do Vapor
Ba Nova rt 9.
acha-se barato graodaoriimento da calcado frsn-
cez e inglez, roupa feila e perfumaras muito
finas-
Chitas largas a 220 rs.
na loja do Pavo.
Vende-se finissimaa chitas francesas com pe-
queo toque de mofo, afflancando-se soltar o
mofo logo que se lavem, por serem de cor fixs
a 220 ra. o covado : na ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Opiata ingleza
para dentes.
Eat finalmente remediada a falla que ae sen-
ta deaaa apreciavel opiata inglesa lao proveilo-
sa e neeaaaana para os dentes, isso porque a lo-
ja d'aguia branca acaba de recebe-la de aue en.
commenda, e continua a vende la a 1*500 ra. a
caixa : quem qnizer conservar aeus deoles per-
feiros prevenir-ae mandando-a comprar em
dita loja d'aguia branca, ra do Quaimado n. 16
<*
gLja das 6 por-8
ta9 em frente do Li-
%
vra ment.
Roupa feita muito barata.
s

Paletots de panno fino sobreoasecos,
ditos da cssemira de cor de fuatao, ditos aj|
de brim de cores e brancos, ditos de T
ganga, calcas do casemira pretas e tal
cores, da brim braaco e de corra, de gao-
g, camiaaa com peile de linbo muilo jg|
finas, ditas de algodo, chapeca de aol ~j
de alpaca a 4* cada um. 9
**
Ra da Seozalla Nova n. 42.
Neste estabdecimento vende sr: ta-
chas de ferro coa do libia 110 rs. idem
de Low Moor libra a "120 r$.
Urna barcada.
i Vende-sa ama barceca do porte de 35 caii/ia,
eocalhada no ataleiro do mestre carpinleiro Ja-
clalho Elsabao, ao p da fortaleza das Cinco Pun-
tas, sonde pode ser vista o examinada peloa pre-
leudentea ; veode-ae a prazo ou a dioheiro ; a
tratar com Manoel Aires Guerra, na ra do Tra-
piche n. 14,
Nova exposico.
Ra Nova n. 20.
Biqustdmo aortimento de culileras em todo
o genero, assim como um riquissimo sortimento
de louca de porcelana para coainha, riquissimo
ortimento de melara, riquissimo sortimento de
miudezaa, jb oulros rouitoa artigos. aue com a vis-
ta do comprador se poderlo apreciar : na ra
Nova n.*20, loja de Caroeiro Vianns.
Bonubas de japy.
Ra Nova n. 20. loja de Carneiro Vlanna.
Canos de chumbo.
Ra Nova n 90 loja de Caroeiro Vianna.
Em differentea ruaa e bairroa deala cidade
vendem-ae algumas casas terreas ; a entender-
se com Actonio Joaquim Pereira, ra da camboa
do Carmo n. 7, nos fundos da caaa do Dr. Dor-
nellaa.
Vende-se o grande sitio denotr inado Caia-
na, aito na freguezia da Varzea, de muito boaa
terrea, que tudo qoanlo ae planta d urna grande
quantidsda, com urna caaa de taipa j caberla,
urna dita defazer ftrinha, grande qusnndade da
pea de oafezeiroa, com diversos pea de frurteiraa,
como aeja larangeiraa, coqae'roa, etc., etr.; e
lambem veodem-ae duaa vaccaa que dio baalan-
va leite, urna dellaa rom a cria ji grande, e um
burro manad : a tratar na ra do Sebo n. 20.
Libras sterlinas.
Vende-se no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira e Filho, largo do Corpo Santo.
SABA.
Joaqaim Francisco de Mello Ssntos avisa sos
seas fregueses desta praca e oade fra, qoe tem
exposto i vende aabaode au a fabrica denominada
Recifeooirmaiem doaSrs. Travaasos Janior
di C, na ra do Amorim n .58; masss smsrella,
caatanha.preta a outras qualidadea por menor
preco que de oatrasfabricas. No mesmo srma-
bem tem feito oaeu deposito develas de carnaa-
xa simples sem mistura alguma, cono as de
eomposicao.
Lindas flores.
Na loja d'agoia de ouro, roa do Cabug n. 1 B,
rearberam da asa proiria aarommeoda um com-
pleto sortimento de florea, o mala fino que pos-
sivel euconirar.propnea praenfeiies de rabees ou
elido, couta muito chique, que ae vende por
preco que admira, sendo a 800 e 19 o cacho.
0 Pava.
Vende-se calcinhas bordsdss para meninas a
19, luvas de seda tanto para aenhora oomo para
homem fazenda em pnfrito estado a 500 rs. o
par, sintos de lodsa aa qualidadea para senhuras
e meninas e ssiss bordadas com muito guato :
oa ra da Imperatriz n, 60, loja de dama &
Silva,
Fugio no dia 20 de novembro o scravo Ca-
nuto, crioulo, de idade 50 annos, poueo mais oo
menos, de estatura regalar, tem o andar compas-
eado, inclina o corpo um pouco para a oireita
qaando anda, tem urna cicatriz no lado direito
do rosto proveniente de um talho, e oulra no
peito proveniente do um caustico, tem pooca
barba e poucas veres a faz, toma tabaco e traz
caixa de chumbo, tem ocostume de se embreagar
e andar da caiga e eemisa.e levou chapeo de pa-
Ihaordinaria com abaa grandea : roga se, per-
ianto, a quaiquer pesaos que o apprehender, o
favor de o levar casa de sen senhor Miguel Jos
de Almeida Pernambuco, no pateo do Carmo, so-
brado n. 28 ao p da oroem terceira, que zei
recompensado.
Na noite del ir do corrente, fugio
do engenho Jardim comarca de Goi-
anna, um escravo crioulo de nome Fer
nando, estatura pouco mais de regular
corpolento, tem um ou dous dentes c-
bidos na trente, os beicos um pouco
grossos, barbado e quando sabio tmha
teito a barba e deixandr/o bigode, ca-
bellos cortados e raspado o cogote at
bem cima -da nuca tem por signal
abaixo do peito erqtierdo ou direito
urna sicatriz de urna estocada que se
acha bem veziveJ. levou duas celouras
de algodao da Baha, duai camisas de
algooaozinho branco, urna calca azul, e
chapeo de.palha de arroz ja' usado ; e
muito prosista, e muito bem pude
inculcarse forro: rogase por tanto a
todas as autboridades policiaes e capi-
teles de campo a apprehencSo do dito
escravo, e o levarem ao engenho cima
meccionado, ou ao Sr. Joao Pereira
Moutinho no Recife, ra da Cadeia n.
22, que sera' generosamente recompen-
sados.
Fogio do engenho Mussumb, comarcado
Goianoa, no dia 21 do mez de outubro do corren-
te an no, o escravo los, e connecido por Jos
Malao, de idade 38 annos, pouco mais ou menos,
cioulo, tem pouca barba, muito ladino, cara
grande e carranruda, de estatura regular,, cheio
do corpo, levou roupa de algodg da Baha :
quem o prender levar, ao dito engenho, ou ao
escriptorio doa Srs. L*al & Irmao, e aera bem
recompensado do seu trabalho.
Fugio do edgenho das Maltas, comarca do
Cabo, no dia 28 oe setembro de 1861, un escra-
vo por nome Joao, crioulo, vermelho, altura re-
gular, grosaodo corpo, espadando, idade de tra-
la e tantos annOs, melteu-ae naa malas do enge-
nho do Monte, al que lbe liraram urna puga
que leva va. e logo que te vs sem ella dizem que *
furtou um qoarto mellado com cabellos pretoa,.
e rom principio de carrego, e lambem fez um
pequeo roubo de roups : desappareceu o caval-
lo a 17 de oulnbro. Este negro j lem sido pre-
so no Recife duas vezes, a primeira ves iraba-
lbando com'umacarroca. e a segunda vex fol
preso trabalhando em um armazem de assuear
como forro : quem o pegar leve ao engente ci-
ma, que ser bem recompensado.
Fugiram do enaenbo Conceicao, sito na fre-
suiia de Tracunhaem da comarca da Nazareth,
no dia 4 de novembro de 1860, doua e.i ravos
mulatos com os nomes a sigo ees aeguiutes : um
do nome Paulo de 45 annos de idade pouco maia
ou menos, ofRcial da pedrtiro, sapaleiro e pti-
mo bolieiro, de <6r anaranjada, cabellos carapi-
nbos. resto descarnado, olhoa brancos, nariz e
bocea reculares, um pouco secco e Oe estatura
media, o qoal tem dous dedoa da mi direita
aleijados de um panarico, e tem lambem o dedo
mnimo da mo eaquera com igual oof-ito, e
cima da sobrancelha de um doa olhos urna cica-
triz, proveniente de um talho, e oulra sicalrix
com um carocinho cima da mesma, rom um
Coa dents oa frente quebrado,quando *e embria-
ga loroa-ae arroaaote. Esse escrao j foi ser-
rado e consta andar jeto Recife, Undo sido visto
para aa bndas Oa Soledaoe e Santo Amaro por
ate ama* peesoas, a quem tem dito hwer-re liber-
tado. O outro, de nome Felippe, de cor triguei-
ra, cabellos carapinhot, eatatura baixa, ou regu-
lar, bem barbado, um pouco secco, bem fallante
e cantador, rom 30 annos de idade, anda ligeiro
e muito despachado no servico de enxatla e foi-
ce, com falla de dentes na frente, rom olhos um
pooeo epiton bados e cajiongns Qu-m appre-
hende-ls leve-os ao dito engenho ao seo senhor
o tenente-coronel Jlo" Csralcanti Mauricio
Wanerley, qoe generosamente recompensarv


Litteratra.
Carta Basural d excelleiliuM e n>
vereudissiai Sr.. bisi 4 aUraiht
sacando e dirigil^gtyuus eUr-
tacee.saos seusdioce
bom fim Luit da Obee
de Dio e .Vento Se
Maranho, do corutlfto de S
ele, etc., tic
A lo Jos os oossos dioceasqoa, i
gao era Jotr. Chr<
solajo do Espirito Sa<
9t:tusi.} ]
Agradecendo a Deb os .
os das recebis, tutftnhau
B T**, maestre (ttnfHtt que por elleefettss res-
Sadas da real vil e despreeivel coodico dees-
vas, para aerdei cordadas com ea tiMtJfJMfi
mies e esposas, dobra os roasose joelhos
deate Redemptor, lestemuohando-
0 profundo rtcoohecimenlo, porque
ha distinecao otra o homem e a
ua corpo en Jess Christo (26). d
ridos ter (oda a docuru, e a rnais
para com auaa esposas, e estas su
Ii.lule para com seus maridos (27
- Em preseoca de tanta caridad
Redemptor, nosso espirito se confunde, nossi
DIARIO 01 rlUUMBtJCO. as
QUINTA IBA 5 DI DEZBIIBRO K 1811.
.'. M* ai i in ^a-4-
??^t^,Tfi&S4#t 2S!!rti*>^lfrtiWf*, d-Waa MCfi-RiieT) oltriaTtoao o fxiai>lo e a medida de aeu gost
en-
te o-
racao se humilha, e poi eser amor iBtinilp^qhf
sempre solicito e cheio le ternura o oompvalel*
:ia para chamosco, nos dus espantamos cheio de
tf mor, e nao echamos seno o silencio como o
(nico hyrotrS digno deile : Sittntium Ubi leus
| Deus in Sion.
napreaencai vottag Diga aos pois con o a poetlo : Ckrtuit hwri
ter o reconhecmealo adoraeao digna dr/tedemp- e hodie et x"se in *ea(28). Brotando
tor, e a com are hender os preceHoa do ebristia- "
nlseuo, vos Ihei proporcin,, res os relos para ae
salvaren), e, mortraao tea ao mesmo lempo
quaes os meios que os derem noaduzir para pro-
curar a felicidad* temporil, ros os pederis ios-
truir com o xemplo de Nosso Senhor Jeius-Cns-
to, que, obediente-** | anorte, seetpre a* distin-
guio e assigcalou em todos oa das da aus vida
raorisl pelo resuello, sabmissio fldelidade os
poderes da Ierra, pregando a tndos^s seus ver-
dadoires seguidores: cDaekDeua o que de
Deus, e a Cesar o que de Cesar (17).
Esta Ooutrina. irmios e flihos enjuto amados,
ensioada pela egreja e recommeodada pelo prin-
cipe dos apostlos, cros dirigir para exhortar-
mos a todos, conlirmeado-os oa f, aflm de que
a Tocacao de cada um se faga certs, mediante os
infinitos merecimaoloa do Nosso Seahor Jess
Christo. Ella nos entina anda iodos os prefcel-
ios para regular oossas acedos, presentando-nos
por modelo urna moral purissima e urna caridade
admiravel. Quando o Divino Mesire nos falla,
nos exhorta do seguale modo1: c aquella, diz
Jess Christo, que gusrdar os meus maedaraen-
tos o que me ama, elle ser amsdo de meu Pae,
eu mesmo o amarei o me farei delle coobecido
(181. Nioguem ama verdadeirameote a Deus, sern
que ame a seus irmaos. aos eatrangeiros e aos
seos proprios ioirolgos J19) E apresentapdo-
nos o motivo, diz-nos: < Amae aos vo'ssos ini-
migos, aflm de que aojaos flihos do Pae Celeste,
que fas bem todos (20) >. Que o homem nos te-
cha e olhe como ministros de Jesas Christo, e
dispensadores dos misterios de Deas pois que
estabeieceu os bispos par* regerem a egreja de
Deus (21).
8. Maiheus declara que tudo quanlo elle li-
garen, oa desligaren! sobre a trra, ser ligado
ou desligado nos cus (22). Se porm Deus, en-
carregsndo a todos os apostlos que ensioassem
a todas as asedes, e que pregassem o Evaogelbo
a toda a craaiura, eomeotteado-lbea a autoriSa-
de deeosinar, oque Importa a de julgar qualquer
doutrna conforme ou ooutraria de Jess Chris-
to, appro?aodo a- primeira'e repproando a se-
gunda, nao encarregou a Podro somante estas
funecoea, maa a esta diz mais : c apasceolae os
meus cordeiros o as miohas oeihas (23) ; em
presenja desses preceitos. na, irmaos e flihos
muito amados, atamos Tifamente esperancosos
que como boos chrislaos ouvireis, coa docili-
dade recebareis a oz do pastor que Deus esco-
lbeu para reger eala ana egreja : poia que Jess
Christo disse a aaus apostlos: c gusrdie fielmen-
te a doutrlna que roe tenhoconfiado, e ensiaae-a
aos oulros (24).
Nao delxamos de comprebender que urna dou-
tnna revelada qae contraria tanto os preconcei-
tos e as inchuaces da natureza, quanlo subiuga
o espirito e aperfeieda o coracao nao podo deUar
de ser impugnada por todos os borneas de espi-
rito vo, e obstinados em tudo subordinar as re-
gras de urna philosophia errada e bltaz. e em lu-
do discutir com a razio desairada. Esses po-
rm. aasira comd sao rebeldes as doutrinaa puras
do chnsiianismo, nao encontram lambem iecon-
venieBle para repellir as doutrinaa de qualquer
reiigiao, de qualquer seita ou escola philosoyhica.
Vao podendo ouoa, oem harmooisar-se
Deus, que summa verdade,
proprios pensamentos,
lula cootinua, cahiodo
com
era com oa seus
com os quaea vivem em
de coDtradiccio em con-
tradicgao, prcipitam-se debrucos a.o abysmo do
erro da descrenja, da hereaia, da blaavhemia,
eludo arvoram esa ayetemaa de crencaa, Uo
multiplicados como as legioea das trevas. Ee-
thasisstas adoradorea da razio humana, lio or-
luihosa como traca, inventara motivos para sua
e, faniaalam systemas e opimoe. u,u.;.o,
subsutuem e preferem por fluiauas luzesa razio
diyioa. Esta sedicio e rebeldia focomprehensi-
vel, que cooslitue a baae e o fundamento do pro-
testantismo, vae desgranada mente inficionando a
muilos dos catholicos incautos ou insipientes, os
quaes, aeemelhaoca dos seus infelizes aectirios,
nao creem seoio no que Ihes agrada e no que co-
nhecem, amoldam, apalavra de Deus a aua inlel-
ligencia, a seus caprichos, e, o que mais hor-
rivel, oh I Santo Deus aos seus proprios vicios I
Espirito satnico, que urnas vetes orgulhosamen-
te esposa ludas as herasias, e outras panilha mi-
saravelmente todos os erros philbsophicos, atUi-
gindo a egreja, que v tantos Albos perdidos pa-
ra si e para Deus r
Espirito satnico, que, destruindo, diz qae re-
genera ; que, tntervendo ludo quanlo ha de pu-
ro e de santo, chama a piedade baizezs, a cons-
ciencia escrpulo, a modestia misantropa. A
caridade chrislia, chama-Ibe humanidade, be-
oefleeucia ; ao amor do prximo, philaotropia ;
devassidao, prazeres da vida ; disciplina ec-
clesiastica, opioioes ultramontanas ; as penas ca-
nnicas, ao zelo, abuso de jurisdieco, impruden-
cia ; ao suicidio, herosmo. Ousam alaem peio
remontarem-se aos primeiros dias da .egreja cs-
cenle, e a ver nos apostlos qusudsdes difieren-
tes e caracteres contradictorios ; elles os enzer-
gam cheios de profunda estupidez, e de urna
grosseria desmedida, dotados ao mesmo lempo
de prudeociaconsummada e deumacoragem he-
roica, um fanatismo intoleravei e um zelo solici-
to para a gloria de Jess Chisto, urna cega am-
bicio, e uro deaejo arden te para o mariyrio 1
Seita deaastrosa, que naacida de perversos e
sanguinarios, funda-se em pensamentos desvai-
rados. e extravagantes, e se propaga insidiosa-
mente as familias, iosinuando-se pelas trras
daigoorancia, e pela indifiereoca descuidosa dos
tempos noa nimos incautos, tomando como a
serpete do peccade as formas seductoras. Fugi,
irmaos e filbos muito amados, fugi desses pro-
pheias falsos, e embaidores, que se iotroduzem
no rebanbo disfircadoscom aa pelles das ovelhas,
mas sio lobos decoradores.
Contra eisa soberana da razio sera a revela-
gio proleatam os erros dos profundos polticos,
dos grandes philosophos, e dos sabios historiado-
res. Os males que ella tem produzido contrastara
com os bens que o catholiciamo tem feilo. Sao
admira veis os effeit os ci vis e poli ticos que o ebris-
tianismo tem feito nascer em todas asnacoea que
nao tido a (elicidadeo prender. Diz um grande
escriptor que a elladeveaos a decencia, a honra
e a docura dos costumes ; que as seas verdades e
principios, quando bffm gravados no corceo do
homem fortificara matosnossos senlimeotos.pa-
ra comprehendermos os deveres de cidadio.doque
a falaa honra das monarchiaa, aa virtudes huma-
naa das repblicas, o o terror servil dos estados
despticos (25). A religio chrtaUa pois, fado
admiravel I que parece nio tor outro objeclo quo
a felicidade eterna, 6 seso duvida anda o mais
forte e melhor apoio para a noua felicidade ces-
ta vida.
Nenhuma oulra linguagem podemos ter, repe-
timos, porque esta 6 a lioguagem da egrejs, fra
da qual nao ha aalvacao. So por estas revelacoes
pdde o homem saber de onde sanio, para onde
caminha o para o qae destinado ; s ellas lhe
poderio mostrar, que j eslava desviada dsa re-
velacoes primitivas a sita origen, e. qual devoser
sua existencia oa relaeio vos Una de sua crea-
cao, e liberta-lo deseas pandea huailhanles, qae
a philosophia tanto engraatleeia e alimentara por
mel dos systemas tio absurdos, como contradi-
ras, attribuindo ao acaso a origem desla erealu-
ra racional e livre, marcando o Sentimentalismo,
como a nica esphera e limites da sua Ifberdade,
e o nada como o fia da existencia; e mostrar-lhe
toda a sos grandeza, habilitndo-o a ver era um
dia essa face lamieosa, que toda amor e mise-
ricordia, por meio de um. moral tio para, sinta
e_sublime como a dtvindade de sea autor.
Msth. c. 21 v. U.
cheios de fervor para o obefs visivel da egreja,
com o mais.vivo doloroso sentimento que em
oessos eoraedes produr a peraeguigao sempre
crescente, para fazer sossobrar a apparedemente
frgil barquinha do chnslianisao, que dio lea
seno ao cu o soccorro para sua salvacio,' nio
podemos deixar de pedir a todo o clero e fiis de
nossa dicesi-, que dirijam aos cus preces ioces-
aantes.para que Deus faca serenar a grande tem-
pestada, que a impiedade snb os trajes da polti-
ca tem agitado, ellas que sio o balearte mais
ioexpugosvel contra as teotativas do inferno sem-
pre inquieto, e que hoje sob aappareacia de urna
obedieocia illuaoria e falsa liberdade exeree bma
pressio mais lerrivel que em lempo algum .o
aaudaudo-o com as demoostraedes de nossaa pu-
ras e inalteraveis convieces digamos :
a Saotissimo Padre. Nos vos reconhecemos
como o Chefe visivel da egreja catholica, Pae
commum e centro da unidade ; que do cu ama-
oou vosso poder, o que distribuido pela trra
com suavdade, unecao e valor1. Sim, Beatsi-
mo Padre, o vosso poder todo celestial faz abarla
as potestades infernaos, e estas, gfUdas,' procu
ram abalar essa rocha vira para a quil coa ver-
ge m todos oa coracea Catholicos. Nos cooHa-
mo poder, necessario par a conaervagio e direc-
cao da egreja, para o bem da humanidade, e para
o augmento edi/icanle do mundo moral e intel-
ectual, nio seja abalado, qualquer que aeja o
pretexto queasirasiofernaea procuraos o Samissi-
mo Padre, s_ o vosso poder se eslende para o
bem da humfnidade, para o bem da religio, e
para o bera da scieocia ; se sois o representante
visivel de todo este grande movimento, preciases
de nma independencia temporal, para bem de-
sempenhardes lio augusta miasio. Se a Divina
Providencia vos conQou tio subido designio so-
bre a trra, em seus divinos arcanos eslava com-
prehendida tambera a concessio de um territorio
aonde lilemente pudesseis desempenhar fiioc-
edes lio augustas. Digamos de urna vez, Sao-
tissimo Padre, sois rei na larra, cora um territo-
rio designado, assim como sois Pontfice supre-
mo, e pos8uidordas chaves do principe dos apos-
tlos, e o orgio da egreja uuiversal.
Por todos estes ttulos nos vos reconhecemos
e vos saudamos, prestamos as uossas homena-
gens, e como Minos obedientes para com roaaa
santidade pedimos e esperamos vossa bencio
apostlica.
Dada na corte do Ro de Janeiro, SI de oulu-
bro de 1861.
f LUIZ, bitpo do Maranho.
O padre-mestre, Frei Bento da Trindade Corlex,
Secretario interino.
v.a, uasgonhe, Koassellosi o*
zes de'loda Kfc~
S*' ,11"^. *2iJW? Jf^ ?ilMJ^!:> ttulos basta lembrar :
latlm, fallara hoje poeto aais oa M Mimoin Haaf
camente a lingua qae fatlavam, ha de ua borj
nos, os Celtas, seus aniapauados. de rent (l
lava-se na Italia e at as portas de RMa,
Dea dos ^priafairos imperador.'
ro de algaravias asss diversas eo-
soraente esfs nao 'vinham do la-
ara ja fornecdo, e forncfarn anda*
um grande numero de palavras. i lingua latina,
enys d'Haliuaroasse, qu. passou toda 4 sua
vida era Roma, a QuiotiPano esto conceraVs
oeste ponto, a A liogua em uso hoje entre os Ro-
manos, dii o primeiro nio barbara, nem com-
pletamente grega ;-, mas participa de ama e de
Otra.
(Antiquet. rom., 1.91.)
O testeaaoho de Qintltisno nio menos pre-
cise, c As palavras, diz elle, pascerjm cora a
liogua latina, ou lhe sao eatraohse...... Chamo
eatraoha as que aos vieram de quaai todas as ua-
fides. Poi da lingaa grega que a nossa se for-
mn em grande parte. Iast. Orat.. I 6.)
Quaes eram eeses barbirot tdioaaaa, rae ser-
virn para formar a lingua latina ? Eram aa al-
garavias, oa frase dos contemporneos, e princi-
palmente d'Aulu-Gelle, cujas'palavras sio as
seguales : e Quando dizemos que alguem com-
mette um iarortimo, Dio quet isto dizer que
jtO vicio do discurso vara d'um modo de fallar
arbaro, mas de um modo de fallar rustic ; e
diz-se dos qua commattem barbarismos, al-
ando, que fallam a maneira de campooezes,
rusttee loqui.t
[ Noel, atlte. XIII.C.) i
Hara pois parallelamente na Italia, no tempo
da mais bella latinidade, ho'meBs taeoeoao Te-
reoem, Virgilio, Horacio e Cicero, que fallavam
latim eos>Roma, e horneas laes como os campo-
oezes, que fallavam alcacavia oas aideias. Era
conforme ao qua vemos em Fraoca. onde depois
de Moliere, Hacine. Bouaauet e Voltaire ; eode
mu g/ado os thealros, a universdade, os lyceos,
aa escolas primarias, oeommercio de lirros e a
mos na Divina Providencia, que vosso Sacratissi- diffusao dos jornaes. falla-se sempre algaravia
O latn e o francez.
S
18
2U
21
22
23
24
r
S Jlo C. 1| v. II.
S. Lacas c 10 v. 31.
S. Hatbeus c. S v. 45.
Act. c 20 r. 88.
S. Ilath. e. 18 v 18.
S. Podro c. 5 v. 1.
Ttmoth. 2 v. .
Esp. das leis 24 e 3 a 9.
Se ha urna queslio que por sus natureza per-
teoce essencialmeote i historia, saber-se em
que proporcio a lingui latina tem contribuido
para formar a francesa. Urna liogua sendo sem-
pre ao mesmo lempo a expressao a mais alta e
exacta do espirito moral e do genio d'um povo, a
queslio que acabamos de estabelecer redoz-se a
saber em que proporcio a civiliaecio romana
contribuiu para produzr a franceza.
Um tal problema perlence eminentemente
como dizamos, scieocia histrica ; e. todava,
at aqui nio se confiou geralmente o seu exame
e slucio aos philologos e grammaticos.
Como naturalmente dever-se-hia prever, oa
philologos e grammaticos eslabeleceram habi-
lualmenie de ama maneira acanhada urna ques-
lio que Ihes nio complste, e cujos elementos os
ni priacipi ato poj.uerrf. Raciucinaram
sempre assim pouoo mais ou menos R.m i.iim
lobo ae diz lupus, campo se diz camput, mo se
diz manas, pao se aiz panit, rio se diz fluviut ;
logo estas palavras francezas se derivam de pa-
lavras latinas, e o francez em geral nao psssa do
latim corrupto.'
Alguns espiritos muito eminentes, entre oulros
Leibnitz, eslabeleciam d'outra maoeira e mais
largamente a queslio, e perguolavam se as pala-
vras que tea uo latim e 00 francez urna forma
vi8ivelmeote ideotica, nao teriam sido dadas a
urna e oulra dessas duas lioguas por urna tercei-
ra muilo mais amiga e geralmente fallada, em
urna remota antiguidade ; pela lingua cltica,
de que derivariam, como oulros tantos dialectos,
nio somante por urna multo grande parte o pro-
prio latim, mas o italiano, o hespanhol, o porlu-
guez, e todos os idiomas do meio dia da Galia, o
provincial, o languidocio, o gascao e o baixo bre-
tao. Na queatio assim estabelecida muilos des-
ses bons espiritos, occupanlo o primeiro lugar
Leibnitz e seguindo-se Adeluog e Alfried Meiller
eram de opiniio afflrmativa. tiles peosavam
que o francez nio era de molo algum derivado
do latim corrupto, e que este em grande parte
vinha de celta purificado. A coosequeocia a
mais geral dessa doulrioa dava urna base to lar-
ga quanto nova ao problema histrico das orgens
e relac5es primitivas dos povos europeosafl col-
locava a grande naci cltica, a naci que lmoa
e incendioa Roma, do tempo de Gamillo, qae
ameacou Delphos e que felicitou Alexaodra por
seus embaixadores do berco da civllsacio mo-
derna.
Collocando-.nos no ponto de vista de Lefbnitz,
e reduziodo o problema a urna queslio poltica,
queremos proseguir nesse grande e curioso pro-
cesso do latim e do francez, poroccasiio de duas
sabias obraa publicadas por Mr. Roget, bario de
Belloguet, e intituladas, urna Ghitarlo gaulex ;
a outra Elhnologia gauleza.
No Gloitario gavies, a melhor em nossa opi-
niio dessas duas obras, Mr. de Belloguet consi-
dera como muito conlestavtl a opiniio que faz
vir do latim as palavras que lhe sio comrauos
com o velho fraocez ; e accrescenta : lando proras para combaler esta opiniio assim
como para defende-la, ordinariamente tenho-me
abatido de o fazer. Bem 1 Sao essas proras,
esses factos materiaes de que Mr. de Belloguet
considerou carecer, que queremos dar a coohe-
ear.com o deaejo de concorrer para separar em-
fim da philologia e da grammatica urna vasta e
bella queslio que perlence essencialmente his-
toria.
Leabremos primeramente os dados do pro-
blema que sao estes:
Um oumero muito grande de palf vrasse acham,
com urna forma idntica, d'um Lado no latim ;
d'outro nos idiomas populares da Italia central e
septentrional e noa da Franca e Hespanha ; idio-
mas que formaram tres muilo grandes linguaa
Iliterarias, o italiano, o fraocez eo hespanhol.
Qual a origem dessss palavras eommuos ?
Seguiodo urna opiniio muito adoptada, o latim
t-ias-hia dado a esses idiomas, qae neste caso
seriam urna continuaco do latim degenerado e
corrupto ?
Pelo contrario, teriam essas palavras perten-
cido em todos os tempos a esses idiomas, ramos
da aotiga lingua cltica, muito anterior ao latim,
ao qual a liugua cltica t-las-hia dado ?
E' esta ultima opiniio, adoptada por Leibnitz
e por muilos oulros grandes espiritos, que que-
reriamos fazer pasear pelo estado de theoria his
toricameote justificada.
Seria claramente astabelecido que os idiomas
ds Europa meridional, dialectos os aotiga lingua
cltica oio prorm do latim se coa bam xito se
polesse provar duas coasas:
Primeiro, que hsvia desde o tempo de Augusto,
tres on quairo sculos antes da corrapcio do la-
tim, ama liogua cltica fallada al is portas de
Roma, e cujoa dialectos se dividlam pelo Vale do
P, Galia e Hespanha.
Segundo, que esses dialcticos cltico, fallados
ao tempo dos primeiros Czares, eram neasa -
poca exactamente os meamos que os que se fal-
lam prosete mete em Turio, Milito, em Proven-
f) a. Paulo c 3 v,r18.
(27 Coll. e. 8 v. 18,
(28 Ad Hsbrsd 88;
nos campos. Aioda maia: nunca as algirsviit
foram maia vitas e cultivadas que buje i os no-
lavis poemas de si. Frederico Mistral, de M.
Roumanille, e de M. Jasmln elevaraa o proven-
cal e o languidocio a um nivel luterano qne oi*
fra attiogido no tempo dos proprios antigs
trovadores provencaes.
Eotre as algaravias que se fallavam os Italia,
tres eslavam cima d>s outras : o osque, o tos-
esno e o gualez.
i. Os que era fallado al pels mocidade Iliterata
de Roma, que no lempo de Tito Lirio represen-
tara comedias escripias nesle idioma, e que se
chamaram teltanai (Hisi Vil. 2.)
O toscano era muito provavelmente o que se
cooservou em Florenca, so Pisa, em Sienpe. ialo
o italiano propriameoie dito, liogua que Dauta
Petrarca e Ariosto flzeram adoptar na Italia in-
teira.
O gaulez fallava-se priocipsmenle no valle do
P, desde Turim at Verooa e o Adritico.
Oa testimuohos relativos existencia do idio-
ma gaulez oa Italia, e ao coohecimeoto relativa
que delle tioham os Romanos, sio enumera-
reis.
Oque prova que o poro romaoo estara em es-
tado de comprehendero gaulez, que o impera-
dor Csllgula teodo querido triumphar dos Alie-
mies sem te-Ios oem vencido, nem combatido,
escolheu gsulezes de alta estatura, que elle dea-
farcou em Alremes, depois deter-lbes feito en-
ainar a lingua teutnica (Sueton.Ciligul 47),
aflm de que nio fossem reconbecidos.
Segundo Hadrien, cerca de 130 annos depois
da era valgar, o idioma gaulez era egualmeote
fallado oa Italia, por que, como diz d'Aulu-
Gelle, um advogado tendo pronunciado no Fo-
rumalgumas palavras tiradas por Plaute do ao-
tigos algsrarias, os ouviotes creram quo elle
fallava gaulez. _
(Noct. attic. XI7.)
Segundo Alexandre Severo, cerca de 225 an-
nos depois da era vulgar, a lingua gaulsza era
alada muito usada no imperio ; por qae Ulpia-
no o'ura fragmento conservado 00 Digesto, deci-
dlo que os fidei-commissos seriam raudos quan-
do fossem escriptos em latim, grego, pnico,
gaulet e qualquer outra lingua. (Dlgest. lib.
XXXII. leg. XI.)
Segundo Honorio no fim do quarlo seculo, a
lingua gaulezaj anda exialia, porque Sulpicio Se-
vero liotroduiio kem seua dilogos um peraooa-
gem que diz a oulrn : falla < >., v~,
terea, oaulez, cootanlo que falles de S. Marli-
oho. (Oalog I 27.) I
Em Um 00 tempo do concilio havido em Tours,
em 813 os diversos idiomas da liogua gauleza
estavam sempre em uso, pois que o concillo or-
deoou aos bispos que tradurissem suas homilas
em lingua romana rustica, isto em algaravia.
A lingua romana nio era, como o dtsseram e di-
zem ser provas, urna lingua especial derivada do
latim, o fallada aqai ou all: estas palavras de-
signaran) a lingua rustica ou algaravia d'uma
provincia qualquer, do Norte ou de meio dia, por
oppoaicio liogua latioa.
Em resumo, segue-se pelo rasto, da his-
toria, a liogua |gauleza desde Augusto al Car-
los Magno ; e ella nunca cessou da ser fallada,
parallelamente ao latim at a poca em que toma
oas obras dos antigos trovadores proveocies' o
brilho qae Uvera oas poesas dos Druidas. Qual
era essa liogua gauleza ou cltica cootemporaoea
de Augusto f Era em seus termos e at em sua
pronunciado, a mesma liogua que ainla re-
presentada pelos idiomas populares da Italia, Es-
panha. Provenga,.Uascooha do Languedoc e Au-
vergoe.
E' ao meaos o que nos resta a estsbelcer,
1. Granier de Casiagnac,
Deputado ao corpo legislativo.
(ConiliiionneAndrade Luna.{
Variedades.
O rei Voltaire.
Por Arsemo Houssate.
Permitli-me qne vos entretenha com alguns
autores e algumas obras de que mal raramente
vos oceupaes, quer para isso falte-voso tempo ou
Inflar, quer antes nio coslamels desee/ nos baixos
da litteratra. Entretanto hs aht influencias pe-
rigosas, |(ue se eslende ao looge e fszem cada
vez mais progressos. Nio til combate-las?
Nao de ve ser o mal peraegaido onde quer que se
occulie ?.
Curapre supportsr as preteoces Iliterarias de
certas goales que elevam aaa importancia o mais
que podem, e nio passam de odros cheios de ren-
to ? Que dizer, por exemplo, do Dr. Veron. que
de oitoem oito dias maoda para oJConrfttuctonnei
artigos incrireia de faluidade f
Hootem eserevis elle um rtico para o alma-
osck de Maiheus Laaosberg, e offereeia-o como
novidade aos assigoaotes do Constitucionnel.
De que trata, com effeito. este elevado doutor ?
Dos psssatempos dos res, imperadores e nos-
sos horneas d* estado.
Leu-se algum dia cousa tio pueril? e o doutor,
no meio de tudo isso, acha o aeio de ser tio agu-
do cortezo quanto corpulento. Tal hroe 00
homem de estado diverte-ae com os dados, tal
outro com os ganizes, etc.
Nio se lngara o doutor, aioda bem recente-
mente, na lilieratura clavetea ? Serva-se deste,
daqoelle, como ae os tivesae conhecido particu-
larmente. Porm a moeda altera va-se depressa
passando por suas mios... Este verso de Ju-
venal :
Orndoos est ut sil meas sana in corpore sano
Toroara-se...
Orandum est ot sit meos sana la sanocorpore.
Que poeaia I que gosto I Recordamo-nos da
um aotigo condiscpulo que recitara sosia os dous
versos de Hacine :
Aax petlts de oiseaux il doone Is p&ie,
Et sa bd e'tood sur la nalure enre.
Nunca pode compreheoder que tiohs dito al.
O doutor tem pro*avelmente mais aptidio para a
pbaraacia que para a poesa.
Nio fallamos de sua proas, visto fatsr-se-s sem
o saber e sem o querer. Acaso serla a medicina
o maior monto do doutor ? Mr. Veron toi por
muilos annos medico dos musis, isto prova-
velmsnle, comeado para corar de rheamalism.QS
so Lsocoonte e so Apollo do Belvedere. Porm,
seu titulo principal i admiracio dos conteapo-
raoeos, esperando a da postendade, a teneros*
protec^io com que se aproare honrar as letras,
julgindo-ie um doto Mecenii, jasado (azis con-
iroeoMde Par (Memorias
t da^Pa,) e Cinq cent milli franei
ioheotos mil francos de readimento).
io esquocamos o juntar estas galhardias
cdtto Blog de lf$%ard (Elogio de Regnard.)
apresentado em 185, ao concurso para o preco
do eioqueocie coofrffdo pela academia franceza.
Impossivel uielclonar esta composico sem
queso se retorde dTs severas palavras de Mr. Vil-
lemaio ao requerimente do amavel doutor, qae
nio yira fio successor de Mollete; seoao um epi-
CuriSla seosual, morto de iordgestio depois-de
ler*le (fiado Jle um manjar de sua iovencio :
Salchichas de verdelhdes com suecos deamen-
doas e ananaz., (Textual.)
A mocidade contempornea est na verdade,
em boas mi*.
Se as obras e o primeiro Pars de Mr. Yeron
nao preparem para o futuro urna geragio ornada
ale Ufas as virtudea, preciso desesperar da
Tratemos agora de oulra celebrdsde, cujos es-
cripios, sem aerem obras primas, teem todava
mais alcance e sio por coosequeocia mais pert-
gosos qd os pobres escriptos sobre os quaes aca-
bo de fazer urna ligeira critica ?
Um aotigo administrador da Comedia Fraoceza,
um poeta cuja musa indecente (dcollete) nunca
Iraospoi senio o limiar dos camarina, Mr. Arse-
mo uoussaye, porque fumpra chsma-lo por seu
no me, fez um llrro para ressuscitpr o defunlo
Voltaire, e apreaeoU-lo doracao do poro que
gosta de se proclamar o mais espirituoso da Ier-
ra ; e este liVro j leve trea ediges. lotitula-se:
< O rei Voltaire, sua mocidade, sua corte, seos
ministros, seu povo, suas conquistas, sua mora,
aeu Deas, sua dyoastla.
O aulor principia assim :
5 A dyosstia de Voltaire precede a dos Pha-
ras. .
Os Latinos diziam : Ab jove princfpium ; aua
velha formula, que j acabou seu lempo, subsli-
Uamos esta : A diabolo prineipium, e o prelu-
dio de Mr. Roussaye seri iocontestarel.
Nio se pode estabelecer melhor como princi-
pio a tradcio do peccado original.
Com efleilo, recetando sem duvida que o le -
tor illuda-se sobre a verdadeira geoealogia do rei
Voltaire, seu panagyrlsta exclama algumas liohas
mais looge :
Voliaire tere muitas extsteocias. Como Sa-
tanaz, encarnou-se em lodos os espiritos ; reve-
lou-se em todos os seculos em q ie a idea huma-
na lulou contra a lyrannla dos deuses, o espirito
dominou o coracio, a razio reinou sobre o senti-
mento.a
Vos o ouvis, Voltaire Sataoaz ; rnenle no
vocabulario volteriano pars uso do povo francez
regenerado pelos principios de 1789, Sataoaz a
razio, a razio para, desembarazada dos precon-
ceiios qae por tanto tempo offuscaram.
Preciso acresceotar que, debaixo da expressao
geral da precooceitos. compreheodida a reli-
gio, confundida aqui, nio.sem inlencio, com o
sentimento, e dada como a ioimiga natural da ra-
zio e a moral que viver nio pode com o espirito
mais que o coracio.
Aqui os deuses significara Deus, esse tyrsnno
monstruoso da idea humana que procede de si
mesma, ou de Voltaire, ou de Sataoaz, opcio.
Embora, gosto da^ranqueza, e nao hei de ser
eu quem reprehendan!. Housaaye por ter inge-
nuamente divulgado as tendencias satnicas de
seu here, de oos ter de algum modo auloriaado
a personificar no semi-eus do mundo moderno
a trplice oegacie de toda s f, de toda esperas-
es, de toda caridade.
Eis para a geoealogia de Voltaire. Quanto
sua mocidade, quem nio conhece-a? Superfluo
era ao-U paleotear aooo per anuo, adulacao por
adulajio, impiedade por impiedade, baixeza por
baizeza, impureza por impureza. Bastara dizer
que em todo lugar e lempo mostroa-se o digno
afithado de Nioon de Lelos, e recordar a siois-
tra prediccio do P. Pore seu respeilo. A apo-
trse tentada pelo moderno cortezo de S M.
Voltaire prova sobejsmeote que a bom jesuta leu
no futuro com um olhar propnetico-
Sua corte, vos imaginaos fcilmente o que isto
significa.
Parece que neste capitulo aobreludo Mr. Uous-
saye lenhs querido mostrar-nos que o papel sof-
fre todas as liberdades, todos os deseofreamen-
tos. Isto termioa-se por esta phraae disparatada:
< A seohora du Chasielel morreu. A mocidade
de Voltaire morreu com ella. Elle julgou que
para elle era tempo de fazer um tlm ; fez um ca-
aaiuolv uo miau wasuu-30 COm a phl loSOpIlla )>
De corto, aioguera ha de vir a idea de aehar es-
te casamento inconveniente, e o fim em deaac-
cordo com o principio.
Seus ministros sio os res da Europa. Eu oio
contraro tal, e, i julgar dos ministros de Voltai-
re pelo mais nolarel dentre elles, Frederico II,
chamado o Grande, o seclo do philosophismo
nio offerece dignidade humana de que enso-
berbecer-se.,
Para com sea povo, sabe-se como Voltaire ae
comportou: um homem tio bom, ura rei lio
desioleressado passou toda sua vida, oio bene-
faciendo, fazendo bem, porm realisaolo lucros,
uto emprestando por poucas semanas e com
desmarcada asura aos mais distinclos de seus
subditos.
As conquistas de Voltaire sio bellas I a revo-
lucao fraoceza, o direilo da torca succedendo
fr;a do direilo, em virtude da iofallibilidade
universal residente em cada individuo, etc., etc.;
quaoto sua morte, foi ella o complemento de
urna vida que a fra urna perpetua blaapbemia.
Porque nio declara-lo? de si mesmo seu pro-
prio Deus, sua dyosstia, vo-la dou para adevi-
nhardes----; sao, quem ousaria duvidar, visto
aulrma-lo Mr. Houasaye? sio___ os Napoleoes!
Por ventura oio a cooclusao digna de exor-
dio?
Logo, outro Deus nio ha senio Voltaire, e Mr.
Arsenio Housaaye seu propheta. Adoremos a
deusa razio; em oulros termos, sejamos nos
mesmos os arbitros de nossa crenca: tal a lei,
lei catural, ae em tempo algum tenha existido, e
desembarazada das trevas da sapersliQio. Beba-
moa fresco e comamoa quenle, tal a morsl, mo-
ral simples e ao alcance de todo o mundo, ex-
cepto comtudo dos que morrem fome e sede.
Mas, que importam os indigentes ao pbitoaopho?
A supersticio, traduzia religio, ahi eal para
consola-ios e imped-loa de vollarem-se. Por-
quaoto bem entendido fica que religiio boa
para o povo. O rei Voltaire mesmo dignou-se
outorgar esta restriccio algures. Isto oio impede
s pessoas de bem (outras pesaoas de bem oio ha
senio os philosophos) de so terem um brado, um
santo, um fim :
a Esmaguemos o infame I
Julgo ter sudlcieotemente desembarazado o
sentido e o alcaoce do ditbyrambo voltairiaoo de
Mr. Houasaye.
Nio me reala mais que fazer julgar do estylo
por alguns pedacos.
Nuoca obra alguma prorou melhor qae em lit-
teratra, como em toda parle alias, o fundo su-
pera a forma.
Ua primo com irmao de nosso bistorigrapho,
livre pensador 00 mesmo gru que elle, o pro-
fessor Michelet, exclamara, ha doze annos no col-
legio de Fraoca:
Jacob Voltaire; Voltaire Jacob: como
Israel, Voltaire foi multo contra Deus I
O htetorigrapho officioso d'Israel-Voltaire ex-
clama de seu lado :
Fot Voltaire quem adaviohou a trra pro-
mettida, e quem para ella ha de coaduzir o povo
de Deus. Mas j Moyss-Voltaire nio er oa Ier-
ra proaettida e nio lhe ha de ser permlido pe-
netrar nella. a
Ser, por acaso, que Mr. Housssye restrve-se o
papel de Josu 1
Ouvi aioda isto :
< Na Biblia, esta patria de todas as idaa e to-
dos os g'oios, Voltaire comprehendeu a sympho-
nia da confuido dos lincuas; (I) falloa polo la-
bio desencantado de Salomio o o desespero re-
votado de Job; parti das voluptuosas oslacoes
do Cntico dos Cnticos para ir verter suaa la-
grimas de aojo rebelde aobre ease montare de
Job, em quo reconheceu o leito da humanida-
de.
E depois isto:
< Na India, Voltaire cantou os esplendores vi-
viris da creacio, e lombou eom aeu riso aioda
candido ( por ventura ura mu trocadilho de pa-
lavras?) dos abstractres de quinta easencia qae
promettiara a vida futura aos que nio vivtamsaa
vida terrestre.
Era Voltaire, julgo eo, sim era ellemesmo
que, oa leitura dos elogios emphaticos, capola-
dos, do Sr. Thomaz, fasta esta reflexio mui judi-
ciosa:
a Se nao isto uto sraozel (galimatas, Galli
Vainita), pelo pujaos um GaUi-Thomai,
r
Se Voltaire ressosdtasse em caroe e Os, te-
guodo os deaejos de seu officioso o fantico hia-
lonador, pergunto de bafl orno podkriallle
daixar de ,rr em preseset dastd eflf l(-His-
saye?
Notae, sq sor de vasa grado, que as poupo
vosaos loilores certas pssasgens que ouridos cas-
tos derem ignorar. Cooteotar-me-he com deixar
rer,de que modo o aulor mistura algumas vejes
a blasphemla coro a chocarrice.
< Voltaire,. exclaizra, dizla pela bocea de S-
crates : Se alguem qaiier saguir-me, veaha atraz.
de mim trazando aua cruz.
Na rerdade, uca-se embascado i eate'iasgo'd.
erudicaoe b6a f I,
Paja acabar com Mr. Arsenio Houspaye e sua,
voltairmania, tomo ao prefacio de sua terce'ra
edicio sale aphorismo, que infelizmente muito
apreasou-se era esquecer:
S convm sir voltairimno com a condico
de ter tanto eipirito como Voltaire.
Qae desgrasa oio ter c o moca 0,0 pondo em pra-
(ica urna Uo bella maxiaW a Franca contara
um conlra-senso de menos e um chriatSo de
mais.
Henriqle De Vebnat.
(Le Monde.H. Chavei.)
UMA CACADA DE MARINHE1R0S.
Esperava em um caf de Seuthampton a partida
do vapor que me.devia condazir ao Havre.
Era urna mesa prxima a mioha conversavam
e bebiam seu grog um velho piloto e um joven
mdshipman.
Penao que era^a primeira vez que eate ultimo
Vesta a farda, leo nova eatava. Era um bello
mancebo Iouro, delicado alto, com todas as
Sppareocias de um geotleman de boa familia, e
nao esperando sem duvida mala do que embarcar,
para martimo.
. O piloto eorugado, bronseado, ainda hoje me
fazsuppr quo os nossos visiohos d'alem-Mancha
tem um processo qualquer por meio do qual
curtem a pelle sobre a carne vira.
Bob ora o ooma do piloto ; o mancebo chama-
va-ae Mr. Spriog
Ha vinte cinco annos, dizla Bob, eu era
timooeiro a bordo do brigue Norfolk... Par.tidos
de Portsmoulh sem termos podido completar
nossa equipagem, acabavamos de aocorar, a
noite, na entrada de urna pequea eoseada pou-
co affastado de Coik. sobre as costas da Irlanda,
quando o teoeote chamou-rae.
Timooeiro, me disse elle, julgo que con he-
ces Cork ?
Sim, meu lente.
Eolio sers dos oossos; prepara-te para
partir j.
A prespectiva de ir a trra senhor Spriog
sempre agrada vel a um marinheiro : amamos ao
Ocano mais qae ludo; porm desejamos ter
sempre urna ou outra occasiio de ausentar-
mo-nos delle por alguos iostsntes.
Uns vinte marinheiros eacolhidos e armados
at os denles descerara chalupa e deizaodo-nos
em trra a mim e ao teente, se dirigiram por
mar, sempre costeando, para Cork, cuja estrada
seguimos no mais veloz galope de dous
pony1.
Oa expedicio projttada eu s sabia que della
fazia parle; mas presenta urna aventura, o, a
nio ser a arfagem do cavallo a que nio eatava
habituado, julgar me hia verdadeirameole
feliz.
Era j dia quando chegamos ; os oossos ma-
oheiros pela grande volta que deveriam dar, s
deveriam chegar a noite.
Agora, disse o lente, dorme, dansa, pas-
seia, faze o que quizerea at as quatro horas da
tarde ; entio vir-me-has procurar na eatalagem
do rei Jorge. Se chegares alguns minutos mais
cedo nio aeras por isso censurado ; mas ai de ti,
se ebegarea um segundo mais tarde 1
Que bisarro, disse Mr. Soriog.
Alm disso, continuou Bob, tinha urna voz
de ba'xo e grandes favoritos cor de fogo ; mas era
no fondo o melhor homem do mundo...... um
coracio de ouro em ferro........
Toma essa irouxa, me disse elle quaodo
cheguei ao lugar marcado, e reste-te.
Em um abrir e fechar de olhos eslava
prompto.
Muito bem I exclamou elle; nio ha quem
senio engae; impossivel parecer mais natu-
ralmente com um radio.
Como nio houvesse motivo de agradecimento
calei-me.
, Palla ainda teres urna face mais cheia do
que a outra. me dase Ha.
Comprehendi a historia e deitei na bocea
ama porco de tabaco.
Deve harer aqui, continuou elle, desertorea
doOreoon. navio da compaohia das Indias. Ha
toda a presumpgao de que elles se refugiaram
em urna dessas larernas subterrneas, onde os
freguezes de ifl especie tem rempre certeza de
achar proteccio em quanlo tiverem a bolsa re-
cheiade. Eocarrego-te de prenderes todos anee
vadlos,
Mas isto fazer de mim um espito, meu
teoeote.
Como ?
Digo meu lente que........ E como oio
acabasse a frase, o teoeote acabou por mim :
Queres dizer que a tarefa te desagrada, e
qae recusas fazer este servico ?
Nao, meu teoeote, nio recaso ; mas......
parece-me que o servico nunca deveria ordeoar
couza alguma que fosse de encontr s leis da
honra.
E fosle tu quem fez as leis da honra ?
Nio, meu tenente.
E s tu quem tem o direilo de julgar os
superiores o crimioar-lhes a conduela ?
Nio, meu tenente.
Desejas por ventura ser acoulado e passar
alguos mezes no grande cesto de gavea ?
Nio, meu teoeute.
Elle comecava sempre por grosserias e aspe-
rezas, oontinuou Bob mas acalmava-se logo, bem
como o leite quaodo se tira do fogo.
Tua franqueza oio me desagrada, disae elle
no flm de alguns instantes, por duas razos : pri-
meira por que estamos sos, e posso se assim eoo-
vier, permittir que falles francamente ; segunda
por que pens como tu. Mas que queres, meu
bravo, a lei veio antea de nos e nio podemos
muda-la.
Segundo as leis da moral a commissio de que
se me eocarregava era pouco honrosa, sem duvi-
da; mas seguodo a lei ingleza e mesmo a opi-
niao dos marinheiros, ella nada tinha de desleal
nem de degradante.
Acabei portento com oa meus escrpulos, e,
penetrando no qnarteirio mais povoado, dirigi-
te para um pequeo farol que avistei de looge
na extremidade do caes. Era a taboleta de ama
tasca perfeitameote escura, e com effeito nio po-
de haver um lugar mais capaz de ser um covil
de bandidos e vadios de toda a especie. A porta
deale chiqueiro era baixa o arquiada, o na altura
de um homem, havla celia um buraco em for-
ma de porliohola, onde iotroduzi a esbeca e
gntei :
Oh I l de dentro I
Nio me respooderam :
Neaaaa tascas, onde se teme incessautemeote
visitas jadicieos, nuacs se spressam em vir abrir
a porta ; dahi essa especie de porliohola de que
ha pouco fallei, e por onda so observa o ioimigo.
Mas, meu pobre Bobaanterrompeu M. Spriog,
nio deras estar muito a la vontade.
. Muito pouco, eu o confesso, cootioaou o
piloto, e deixaria a commissio, nio obstante o
grande cesto da gavea e o acaule de cabos, so
nio avistatse 00 flm da ra o tenente pasteando
de um lado para outro. eom as mos as algibei-
rss, e aoprando tranpillamente para as creos
aa bofaradas deseo charuto. Asna vista criei
coragem... E foi por isso que de novo g'iteiaba-
lando rigorosamente a porta. Immedtataraeoto
ouvi ana pasaos ligeiros o ama figura appareceu
portinhola.
Qoem bate ? que quer o senhor?
Quero nio dormir aa- prisio ofugir das ron-
das que poderio prendor-tue.
Sinto muilo, mas oio posto....;
Como ama voz tio melga o um coracio
tio duro I
Se ao meos se sabotee o seahor d'onde
vem..., quem... poder-se-hie...
Sou, disse ou, abaleando a vos, um infeliz
marinheiro... nosso navio eati aneorado no porto,
e....
Comprehendo agora ; entre... me diste t
rapariga.
E, sem deizar-ae acabar, abri a porta, mas
soaeote quanto foi neceastrio pira que ea p-
deos* poetar tem fictr iateiraaente reduztdjo ao
oslado do Igo.
Logo que cabi dentro aporta fechoo-aa cam
ua ferrolho, ua cadaiado depois coa uaa gros-
st traoca de madeira, e ea penetre! emfla na
cozioht. Ma
landa, mesmo na
viajtotes ou oa fi
to areiedo coa esmere, o
de ama brilhaole e rica baixell*lMs
relagtt dt parada, oetwitoi t u A ,
ra, porm aira como leite, tal o\
deaaea eevia.aatrecotojioi "
A extremidade da mesai eslava
ira f r-
>X2 J
strhjcido
iho, um
rrottti-
habitaal
o dono lo al-
bergue, especie de selvagem vestido dt lrlandez,
cuja flgura rermelha. animada; balda', era pena
nao sarvisse de taboleta. a aua iaeca...
A posicao acaban* por tornar-ae iacomvno-
da, onservou o midshipmao.
E'proravel que elle fumaste nn s ca-
chimbo, cootiouou o piloto: mas, a julgar-polas
espeseea nuveos de que elle eslava rodeiado, pa-
reca que fumara mullos ao meamo tempo.
Juote-se a isso urna duzia de marinheiros quo
se entregavam ao mesmo exerciciqtkt aqueciam
os seus vestidos hmidos em um boarugo de lur-
te, d'uode exhslava um vapor espeaao e alcatroa-
do, que se amntoatai como am De*oeiro em ci-
ma de urna lampada suspensa no tocto,que alm
da frsea claridade que'dava, eapestava-oos com
o seu fumo acre e nauseabundo.
Era um abafar.
Eata a atmbsphara dea marinheiros, M.
Spriog. Por isso. me fazem rei quando me dizem
que o ar ae compe exclusivamente da oxy...
nao me lembra o diabo do aome.
De oxygeoio e azote.
A alaoaphera das marinheiros. M.'Spriag,
comp5e-se de" alcatrio e tabaco. Eu continuo :
Segui, nio oem difflculdade, atravs delta luz
teoebrosa, e bordejaodo difficilmtote entre es-
ses etcolhot de embriagados, cujs penas te en-
trelacavam s miohas para facilitar-me a pas-
sagem.
Eolio, mea rapas, ma ptrguotou o patrio.
donde vena?
Pouco le importa doode venho, repliquei fa-
zendo soar meus tcheliogs, coa Unto que beba e
pague.
E para oode vaes ?
Dir-lo-bei quaodo aouber. No entretanto
maoda-mo servir grof, assia como a esses bra-
vos, e lembra-te qae deve ter estas proporcoes 1
gin como agua e agua como gin.
Este chiste foi acolhido por urna geral boorra.
S bem vlodo, continuou o patrio, tu e tua
algibeira que me parece estar bem reenviada.
Toquei o copo em roda, tirei o meu cachimbo
que eslava amarrado na fita do chapeo, e depois
de ter tambem pela micha parte eogrossado o oe-
voeiro:
Carneradas, disse, voces deven sea duvida
ier desejo de oavegar ?
Se tenho tido algum desejo, disse um, nan-
ea fei por certo este I
Para um homem que entende tio bem de
grog, disse outro, eala asna perguota est-
pida 1
Navegar I disse um lerceiro ; sim, em um
vaso de rhum com o copo na mo.
Sou ioteiraaeole do aeaao parecer, conti-
nu! por mioha vez ; mas neste caso se devem
conservar alerta e virar de bordo.
Entio porque, rapaz ?
E' meu parecer.
Ms porque ?
Nio ha nioguem domis? perguoteiodian-
do em torno de mim ; algum falso carnerada?
Ah I Bob I iolerrompeu o midshipmao em
tom de censura.
Todos somos desertores 1 exclamaran) elles;
todos trancos como ouro I
Pois bem 1 conlinuei, que 1 fet-a est aa
cidade, e eu acabo de escapar de uos vinte caca-
dores de homena que eslavam vidos por me apa-
charen}. Se nio fosse a volta da roa e esta alea
obscura...
Esta noticia foi recebida por urna serie da im-
precarles e blaaphemias. Em um instante o tu-
multo e a confusio chegaram a sen auge. Todos
se levantaram como poderam, derribando os ban-
cos, deitaodo por trra os esngires; un ajus-
taodo aua cunta com precipitaeio, oolroa lascan-
do-te aobre suas trouxas para fugirem o mais
depressa possivel doum perigo imaginario queeu
acabara de ooticiar-lhes.
E para onde ras tu ? ae pergootou um ve-
lho lobo do mar.
Para Core, onde vi car o pavilhio azul, o
que. como derem saber, indica que nio ae trata
de Uva por em quaoto.
Tem razio, disse um delles.
Eotio desejo me segurar a snas amarras e
navegar em aoa compaohia, disse outro tio em-
briagado que parecia-se coa a ancora sobre sua
banqueta.
Um velho marinheiro, a quem o rhum dava ac-
ceasos de aeosibilidade, abraeou-me nervosamen-
te e jurou-me choraodo que puxaria o cabo o-
migo.
Nos o seguiremos I exclamaran) lodos.
E foi tal a algazarra, tal a desordem de pa-
tarras incoherentes, de phrases incompletas e
aioda peiores, que foi com diffiroldade que pode
fazer-lhes compreheoder que nio conviria sahir-
mos em multidao, pois seriamos infallirelmeole
reparados.
Dei-lhes por ponto de reuniao a eslalagem Te-
te de Bois em Core, e cada qual parliu para seu
lado, descreyendo curvas, meias curvas e rig-
xags.
" ^nMe <,'a disse ro'dshipmsn, nio te cha-
maras Bob, esim Judas.
Dizendo a esses pobres diabos que vira icar
em Cove o pavilhio azul, prosegua, Bob nao os
engaara totilmeote; mas sabia que elle fra ar-
riado algumas horas depois para por esse meio se
advertir s pessoas de bem, que a leva estava
aberta, aflm de nio se ligarem coa os vadios que
frequentam certas tabernas ..
Antes desla expedicio confeaso que tinha escr-
pulos. Parecia-me ver em cada nurem o grande
olbo de Deus qne me filara com ar descontente ;
ia a essa cacada como para um supplicio. Mas
quando cooheci a especie de homens com qnem
rre tinha de haver, pareceu-me que todos os meios
eram boos para livrar delles os graodes centros
de populacao.
Alera disso fazendo-os rollar a vida do mar.
fazia-os entrar em sea elemento ; s tli, grecas a
disciplina e ao castigo, elles poderiam tornar-se
sobrios, honestos e laboriosos.
Continua, dase o midshipman.
Fui procurar o tenente, tomei o mea uni-
forme, e depois de nos termos reunido i gente Ua
nossa cbtlupa no lugar marcado, deixmos dous
homens para guardar esta e partimos para Cove.
A eslalagem da Tele de Boii, se assim se pode
chamar a urna especie de cabana immunda, onde
pareeia s poder-se virer de qaatro ps, eslava
situada no meio de cabanas nio menos habita-
veis, e na extremidade de am becco lamaceoto
que dava para o ceotro da aldeia... urna madonna,
aldeia, cujo principal ornamento eram ot charcos
eaverdiohadot.
A' medida que nos tpproximamoa, estrellra-
mos o nosso circulo, e aceeoderamos algumas
lanlernas. Bem depressa foi cercada a cabana.
Seis dos oossos marinheiros mais rigorosos eolio
caram-se dos dous lados da porta, proaptoo a
entrar; oulros, distribuidos em torno, deveriam
prender os fugitivos, qae por ventura no esca-
paasem.
O tenente avancou s o baten, mas nada do
reapoata.
Batu de novo; o mesmo silencio.
Abalou fortemente a porta.... Eslava segura
como todos os diabos.
ftapazea, gritn o lenle, a ella I
Todos os marinheiros te aproximaran) ; &
preparamoa at armat.
Pat-Doolao! gritn de novo o tenante feto
o oome do ealalajadeiro) vem depressa abrir
quando nio demoliremos o paiot ( m
Nada de respotla.
Pelat feodtt da porta vamos que havia lu u
dentro.
J comecevaaoa a ltsanta-la sobre os goosos
quaodo ouvimos estas palavras pronunciadas
coa voz trmula :
Que significa todo este alarido? que qat>
rem? vem taabem para a vigilia dos aortos ?
j sabem que morrea a velha Catharioa ?
Poia quel reaoondeu o tstente, morreu
essa pobre aulher?
E' verdade I
Ohl sioto maito.... quando ?
Pela machia.
K'uaa grandedaagracs, proselo o teoeote;
ama aalber honrada I
* A quem quer o seahor dixor ? v
Onde eati Pat-Doolsn ?
Foi procurar choceluinat de aldeit e agur-
denle para vigilia.
(Cotinuar-ee-ha.)
PERN.TYP. DE M. F. M PARIA FIEH0.1W1,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWXNN3EIK_UST1NN INGEST_TIME 2013-04-30T23:47:23Z PACKAGE AA00011611_09883
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES