Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09882


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Y
'
mi niT/f nmi 280.
Pr tr8*ii diaaUds 5$0$0
Ptr tres oeies vencidos 6J000
mt m
QiRIA fEIll 4 II
P*r aoitadiiiUd* 19f000
P#r le fraict fin t ntoeripttr.
ENCAllREGAOS DA SUBSCRIP.CA.0 DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrio de Li-
ma; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Cear o Sr.
f. Jos da Oliveira ; Maraohio, o Sr. Haooel
Joa Martins Ribeiro Guimaraes; Para, Justino
J. Ramos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PAtlMUAS DUSiCKKkU.
Ooda todos os dias as 9)4 horas do dia.
Iguarass, Goinna, e Parabyba as segundas
e sextas-feiras.
S. Antio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altiabo
e Granhuns naa tercas-feirai.
Pao d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex as qua> tis-feiras.
Cabo, Seriohiem, Rio Formoso, Una.Barreiros
Agua Preta, Pimeotelras e Natal quintas feirss.
(Todos os correios parten as 10 horas da manha)
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
1 La nota as 11 horas o 57 minatosda (arde.
9 Ouarlo rscenla aoa 50 mDutoada manha.
17 Lisa chala as 5 ho-ras 31 minutos da tarde.
25 Qnartominguante a 7 horas e 31 minutos
da tarde.
31 La ora al 11 horas e 35 niatos da nao:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 6 boras e 54 niatos da manha.
Segando as 7 horas e 18 niatos da tarda.
DAS DA SEMANA.
2 Segunda. S. Balbina v. m.; S. Adrla m.
8 Terca. S. Francisco Xavier ap. das Indias.
4 Quarta. S. Barbera r.m.; S. Pedro Chrysologo.
5 Quinta. S. Geraldo are. ; S. Sabas ab.
6 Sexta. S. Nicolao b. de Mira ; S. Leonissa m.
7 Sabbado. S. Anbrozio b. dout. da egrejs.
8 Domingo. Conceigio de Nossa Senhora.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e qaintaa.
Relaco: tercas, quintas e asbbadosaslO hora,
Fazenda : tercas, quintas e sabbadosaslO horas.
Juizo do commercio : quartsa ao meio dia.
Dito de orphios: tercas e sextas aa 10 horas.
Primeira Tara do dril: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do cirel: qoartas e sabbados a 1
hora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCBIPC DO SL,
Alagflas, o Sr. C'audino Falcao Dias; Babia,
o Sr. Jos Martina Airea; Rio de Janeiro, o Sr.
Joio Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
Os propietarios do pukio Manoel Figuelrda de
Paria & i'ilho, na sus Imana prega da Iodeneo-
dencia ns. 6 8.
PIRTE OFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do governo do dia S9 de
Jaovembro de 1861
Officio a" cnsul de Portugal.Techo presente
o officio do hontam datado era que o Sr. Jos
Henriques Ferreira conaul de Portugal, me trans-
mute a iofauat* noticia do fallecimeoto de S. M.
Fideliasima o Sr. O. Pedro V, que sucumbi no
dia 11 do correte a urna grave enfermidade de
que fora accommetlido. Aprsenlo ao Sr. cn-
sul de Portugal a dolqrosa expresso de meu pro-
fundo sentimento por to lameotavel successo,
cumpre-me sigoiBcar-lhe que aguardo as ordens
do governo imperial para as ultimas demonstra-
Cdes do publico pesar de que ae acba possuido a
populagao-desta cidade, por to inexperada no-
ticia. Renov ao Sr. conaul de Portugal os pro-
testos de disliocta considerado e estima.
Dito ao Exm. presidente do Maranhao.Con
a inclusa caixa de tubos capilares de paz vacci-
ico satisfago a Tequisico de V. Exc. couda em
seu officio de 1 do correte*.
- Dito ao Exm. presidente da provincia da Ba-
ha. Communico V. Exc, que segundo consta
de officio do coronel director do arsenal de guer-
~ ra datado de boje, segu no vapor Tocantins um
caixao contando fardamento para a msica do oi-
tavo batalhio de infantaria em guarnic.au nesaa
yroviocia.
Dito ao coronel cammandante daa armas.De-
claro V. S. para seu conhecimento e direccao,
que nesta data recommendo ao inspector de>* ar-
senal de marinha que mande apresenlar V. S.
o* artfice d'aqaelle arsenal Luis Francisco de Pau-
la Albuquerque. Marinho. afim de ser alistado
como voluntario no nono batalhao de infantaria.
Communicou-se ao insnnctor do arsenal de ma-
rinha. w
Dito ao chele de polica.Ao seu officio n.
1183 de 27 do correte, respondo-lhe dueodo-
ihe que dove V. S. ftzer sentir ao delegado do
Ouricury, que pelas razos expostaa em seu offi-
cio, e que na tabella orgsnisada em 11 deietem-
nro ultimo, para execugao do artigo 22 da lei pro-
vincial n. 510 de 18 d*e junho deate aono, ae coo-
sigoou para sustento e curativo doa presos po-
bres i verba de 7208200 r., da qual jamis se
dever exceder em vista da destribuigao (eita pe-
la meama tabella : conviodo que se exorna a rnais
escrupulosa acyadicancia para que sejam someo-
te alimentados pelos cofres pblicos os presos
que forem reconhecidamenle desvalidos.
Dito ao inapector da thesouraria de fazenda.
Restitao V. S. os papis relativos ao pagamen-
to que pede Heorique Jos Vieira da Silva, pro-
veniente de passagens e retes no hiate Sergipa-
no desta capital para Fernando e vice-versa, allm
de que mande pegar somonte a quantia de 7700
ra., conforme inlica em aua.inormaco de hon-
teni sob n. 1155.
Dilo ao mesmo.Transmiti V. S. para o
fim conveniente as coutas documentadas pelo co-
ronel commandante das armas interino, com offi-
o de hontem sob o. 1978 relativas a receita e
despeza do hospital militar no mez de outubro ul-
timo, as quaes vio acompanhadaa de copia do pa-
recer da junta militar de saude, que as exami-
B00.
Dito ao mesmo.Visto que segundo constado
sua informagio de hontem aob o o. 1153, nao ha
inconveniente no pagamento que pede o gerente
da companhia pernambucana na importancia de
4469800 rs. de passagens dadas por conta do mi-
nisterio da guerra nos vapores da mesma compa-
nhia, como se v dos documeotos que devolvo,
autorso V.S. a mandar effeciuar esse paga-
mento. Commuoicou-s ao gerente.
Dito a thesouraria provincial. Certo do con-
leudo do officio de hontem sob o n. 599, em que
"V. S. me parlecipu haverem Molla & lrmos,
dando por fiador Jos Marlios, da Silva arre-
matado por 5O2SO0O ra. annuaea a renda do so-
brado de um andar n. 63 da ra do Azeite de
Peixe, pertenceate ao patrimonio dos orphios,
tonho a dizer. em resposta que approvo essa arre-
matagio.
Oilo mesma.Fica approvada a arrematadlo
nue fez Francisco de Paula do Patrocinio da ren-
da da easa pertencente ao patrimonio dos orphos
ji. 67 da toa da Cacimba na razie de 82J000 an-
duaes, aendo fiador Jos Joaquim Dias Fernan-
dos, o que communico V. S. em resposta ao
aeu officio de hontem sob n. 600.
Dilo ao mesmo.De conformidade com a in-
formacao do director geral da instruccao publica,
datado de 25 do crreme sob n. 353, dada com
referencia a requisigio do director do collegio dos
orphios de Olioda, manda V. S. comprar sesseo-
la e nore pares de sapatoa para os educandosda-
quelle collegio.Commuaicou-se ao director ge-
ral da instruegao publica.
Dito ao director daa obras publicas. Mande
Vmc. fornecer ao administrador da casa de de-
teogio, conforme requisitou o chefe de polica
em officio de hontem sob n, 1195, urna barrica
com cimento para ser applicado aoa reparos de
que necesritam os pavimentos de algumai clu-
las daquelle estabeleclmento. Communieo-se
ao ebefe |de polica.
Dito ao director geral da instruegao publica.
Em vista de sua informaco de 728 do correte sob
a. 353, mande Vmc. admittir no collegio dos or-
phos o menor do nonie Joaquim tiltio de Mara
Francisca dos Aojos Curado.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Manle
Vmc. fornecer bo director do hospital militar am
Ierro com ascoodiccoes e seguranza precisas pa-
ra sustentar a siheta daquelle estabelecimento, e
bem assim urna corrente para a mesma, ludo
constante do pedido junto.
Dito ao mesmo.Concedo a autorisac&o que
Vmc. pedio em seu officio de hontem sob n. 339
para'mandar eliminar da companhia de aprendi-
zesdesse arsenal, os menores cooslantes da re-
lacen que acompanhou o citado officio, viato que
por doentes neuhum servico podero elles pres-
tar esse estabelecimento e desta minha delibe-
rado acabo de dar sciencia ao Exm. ministro da
guerra.
Dilo ao director das.obras militares.Reipon-
endoo seu officio de hontem, sob numero 136,
tenho a dizer que approvo o contrato qua Vmc.
elebrou com Antonio Pereira Lagos Guimarea,
para fater, mediante a quantia de 5009000 a pin-
tara das pegas, reparos e mais objeclos bellicos
da fortaleza do Bruna. Communicou-se the-
souraria de fazenda. -
Dito cmara municipilda villa de Agua Pre-
ta.Pelo officio que me dirigi a cmara muni-
cipal da villa de Agua Preta, em 12 do corrento,
llquei inleirado de acbar-se a mesma cmara
-empossada e no exercicio de suas funeges.
Dito aol agentes da companhia brasileira de
paquetes vapor. Podem Venes, fazer seguir
para os porlos do sul, i hora indicada em seu
v officio de hoje, o vapor Tocantins, procedente
dos do norte.
Portara.Os senhores agentes da companhia
brasileira de paquetes a vapor maodem dar urna
passagem de estado para o Maranhao, com pre-
ferencia a outra qualquer, ao juiz de direito da
comarca de Oeiras, bacharel Antonio Borges Leal
Castello Branco.
Dita.Os senhores agentes da companhia bra-
sileira de paquetea i vapor maneen dar trans-
porte para Babia, em lagar destinado para pai-
sageiro de estado, ao slferea do dcimo batalhao
de infantaria Luis Antonio de Menezes Santos.
Dita,Os senhores agentea da companhia bra-
sileira de paquetes vapor mandan receber do
baro do Livramento e transportar para o Rio de
Janeiro, no vapor Tocantins, e i dtspoaigo do
Exm. Sr. ministro da agricultura, commercio e
obraa publicas, dous candes contendo objectos
que se desimana i exposigSo central da corle.
Dita.O presidente da proviacia resolve, de
cooformidade com o artigo 5* do regulamento
annexoao decreto numero 1090 de 14 de dezem-
bro de 1852, nomear ao major Alejandre Augus-
to de Fras Villar, para aervir intsrinameole de
vogal do conselho administrativo do arsenal de
guerra, viato ter fallecido o coronel Joio Fran-
cisco Chaby.
Dita.Os senhores agentes da companhia bra-
sileira de paquetes vapor maodem tranaportar
para a curie, no rapor Tocantins, a dispoaicao do
Exm. Sr. ministro da marinha, urna porgo da
madeira denominada pao setim que tem
de ser enviada pelo inspector do araeoal de ma-
rinha.Communicou-se ao inspector do arsenal
de marinha.
Despachos do dia 9 de uovembro
de I86O.
Ilequerimentns. *
Dr. Augusto Caroeiro Monteiro da Silva Sao-
tos. J foram aceilos os servigos gratuitos de
outro.
Padre Francisco Pi Pereira Campos. Sellado
eate e o incluso reqaerimeuto, volte. *
Padre Jos Malhias Ribeiro. Declare oaup-
plicante a quem deixa para o substituir.
Mara Francisca dos Aojos Curado.Etpedio-
ae ordem para aer admittido o filho da suppli-
cante. r
Manoel Igoacio de Avila. Informe o Sr. en-.
genbeiro director da reparlicio das obras pu-
blicas.
Sociedade Philarmonica.O decreto citado pe-
ta supplicante approrou somante o compromisso
de Santa Cicilia, e nao os eslatutoa do Monte Po
Philarmooico, osquaes devem ser alterados de
conformidade com o disposlo no decreto numero
2,711 de 19 de dezembro de 1860, afina de seren
approvados e poder o referido Monte Pi conti-
nuar a funecionar.
Trajano Augusto de Carvalho. Ioforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Piemoore calcou aoa ps o direito das gentes des-
pojando o papa das provincias, onde este.era so-
berano ; finalmente no Sul a revolugio nao foi
um movimeoto nacional espontaneo, foi pelo con-
trario imposta ao reino de aples pelos bandos
de Garibaldi, e pois foi urna guerra civil que nao
est anda terminada, a
E' eate juizo do Sr. Guizot ama das negativas
mais ioiquas da juatigs ; porque ae a revolugo
italiana repouza sobre um sentmerto verdadeiro
e profundo dos Italianos, se do espirito delles se
tem apoderado necessidade de conatituir um
povo, ae oelles forte a consciencia da unidade
litfcn italiana como sa Roma nao existase, re-
nunciando pelo menos temporariamente idea
de oentralisar os negocios da Pennsula no Qui-
rinal. Assim, poi, Ricasoli sa v em apuros;
porm o seu carcter de todos respeitado Ihe di
di am prestigio e forga moral, que quando me-
nos aervem para sustenta-lo.
O parlamento itlico que .devera aer convocado
para odia 16dfeate mez, o seri para o fim do
mezde 20 a 15: es demora tem por fim dar
lempo a derenvolver-se a sitnacio diplomtica-
mente, aendo possivel. Ricasoli, que nio parti-
a dst velleidadea daquelles que querem vottar
EXTERIOR.
nacional, por mais que clamem e demonstran os sobre Vencza o eaforco immediato do patriotismo
theoricos polticos, nem por isso ella deixari de '
entrar no numero dos fados que tendem a cons-
tituir a Europa moderna.
E' realmente curioso de ver-se a inpossibili-
dade em que aa achara a miior parte dos horneas
de admittir os factoa que os conlrariam : parece
que a sua sympathia a medida do verdadeiro e
do falso, daquillo que real, e daquillo que o nao
. Nao ha erro mais fatal para o estadista do que
aubmetter os (actos da hiatoria contempornea i
formulas inventadas de proposito.
Se apparece um Hugueoote defendendo o po-
der temporal do papado, taobem se erguem con-
tra esse pode, muilos catholicos no proprio seio
da igreja : este um dos indicios que asstgnslam
a poca actual.
A brochara do padre Passaglia Aos bispos
catholicos pela cauaa italiana acaba de mani-
festar-ae na Franja.
Essa obra tem de importante que sabe das
mios de um homem, o qual. sendo nombro da
companhia de jeaus, sacerdote irreprehensivel,
sabio de urna reputagio europea, foi tambero du-
rante dez aonoa, e mais, theologo e orgio offi-
cial da curte de Roma, intimo conselheiro de sua
santidade Pi IX, merecedor de sua 'confianga,
admitti*o nos segredos do seu peosamento e do
seu coragio, e accumolido das proras as mais
preciosas da sua extrema amizade.
Se pois a roz de semelhante hornera podesse
ser suspeita no desgranado conflicto que se ha
auscitido entre o papado e a independencia da
Italia, s-lo-hia cortamente de parcialidade a fa-
vor da corte romana. Pois esse homam, sem des-
merecer cousa alguma de sua reneragio, reco-
nhecimento e fldelidade, procurou demonstrar
que o poder temporal tomava em certas almas o
crdito de um dogma, e que as illuses dos su-
persticiosos perdiam a igreja.
Com effeito ha na historia paginas que se nao
podem apagar.
O papado appareceu pobre no mundo, no meio
de ama sociedade opulenta, e essa pobreza era o
meio mais efficaz para persuadir e chamar as al-
mas a si. Foi tambem nesse periodo de pobreza
que elle se ostentou no seu mais puro brilho, e
que teve a immarcessivel gloria de contar em seu
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Paris 9 de novembro de 1881.
A Italia e a Allemanha coolinuam a absorver
a poltica europea; a Italia com as questdes ro- se, tantos santos quantos foram os pontfices,
mana e veoeziana ; a Allemanha com a attitude Era necessario que o papado aeinass pa idade
da Prusaia, Austria, Hungra, e al mesmo da Po- nedia, porque aquellas tmpos de violenciaa e
looia. brutalidades tornavam-ae sensiveis ao apparelbo
Sio paseados ji tantos mezes a eaSe ainda o da fora e ao prestigio da na agestado real. As
objecto das prebecupagoes publicas quer en Pa- aua* transformegestemporaes lera sempre sido .jutra'
ria quer em Londres.
Na Franga o senado tem de ser convocado para
o dia 11 deste mez no intuito de modificar-se as
alirlbuigoes do corpo legislativo por meio do se-
natus-consulto.
Ti a la -se da conceder a eaaa assembla permis-
sao para volar por captulos a lei do ornamento,
e de fixar-se um subsidio annual para cada um
dos seus membros. *
O projecto ha de ser examinado por urna com-
misso ai hoc, a qual apresentari com urgencia
um relatorio ou exposigo respeito : outrosim,
o presidente Troplong seri o eacarregado desae
trabalho ; e desde ji coota-ae com urna discus-
so que dar alguma escpula para o terreno po-
ltico. 1
Corre o boato de que nos prmeiros das de Ja-
neiro vindouro leri lugar a abertura da sessio de
1862, e que o projecto da lei do orgameoto geral
da receita e despeza discute-se j 00 cooaelho de
estado, podendo desta sorte ser presente ao cor-
po legislativo logo noa prmeiros dias da sua aber-
tura.
Observam mais que a cmara reunindo-se no
comego do prximo vindouro anoo poder termi-
nar os seus trabalhos li para o fim de uaio, de
nodo que as eleicoes' sarao en junho poca
mais favoravel em todas as provincias agrcolas e
iodustriaea.
Talvez que ludo isso nao passe de eonjectu-
raa: em todo o caso saberemos muito breve com
certeza o que ha de ser.
A circular do ministro do interior a respeito
dos estabelecimeotos decaridade suscitou oa im-
prensa ultramontana interminaveis e longas po*
lemicas. ,
O carie que seria nailo mais para desejar 1
que o Sr. conde de Persigoy se cecordaase dos
exemplos de liberdade que elle proprio obaervou
na Inglaterra, onde aa asaociag&ea de candado
nao se acham absolutamente cotlocadas sob a vi-
gilancia do governo: seria para desejar que ti-
vase mais conOanga na forga.e no espirito mo-
derno; finalmente que respeitasse as conquisiaa
da liberdade sobre a lei como urna pedra funda-
mental, urna esperanga no futuro, e um motivo
ulterior de reviodicago geral.
Como quer que seja, a Franga marcha para ama
renovagio da auas ideas polticasrenovaglo que
se torna necessaria, se o genio francez tem afl-
o'uma estreita relago com o espirito e as neces-
sidades do seclo : urna nova transformaco esti
prxima e imminente; e esse poder que'nasceu
e cresceu pode tambem diminuir e acabar-se,
sem que por isso sofra a aatoridade espiritual
do supremo pontfice.
Assim que a queslao se acha collocada no sea
verdadeiro terreno: nao ae procura saber se o
papa deve ou nio.conservar o seu poder tem-
poral, porm trata-se dos meios de Asegurara
sua independencia. O padre Passaglia nio fez
appello is paixdes nesse seu trabalno de pa era-
diegio e tranquilla indagagio; sob o impulso de
sua peanaa fallam a f e a razio; e as pro-
mesaas do seo titulo sao fielmente conservadas.
E' um sacerdote catholico que se dirige aoa bis-
pos catholicos. Que acolhimeoto tero aa suas
palavras convincentes e ungidas com o espirito
christao?
italiano, cuida em consagrar a inteira actiridade
do sen governo na organtsago do reino da Ita-
lia, tal qual se acha ; oceupa-ae em regalar para
aa differantea provinciaa a lista dos prefeitos e
sub prefeilos; prepara am systema de imposto
uniformes para toda a Italia ; e cuida do arma-
mento e dos 300,000 soldados de que precisa a
Peaiosula l para o mez de margo do anno vio-
doaro.
Para ordem do dia da prxima sessio do parla-
meato exista am bom numero de leis examina-
das, e cojo projecto foi j publicado e distribuido ;
entre ellas citaremos as seguintes: lei sobre a
beoeceocia publica, dem sobre o contencioso
administrativo, idem sobre a seguraoga publica,
dem sobre a organisago judiciaria, etc.
Falla-ae muito de constituate, e semelhante
idea acha echo n'um circulo de homeos intelli-
(tentes; outros querem urna assembla legisla-
tiva ; emfim muilos estio de accordo sobre a ne-
cessidade de urna essenbla permanente, ao me-
aos at que sejam votadas todas as lea de pri-
meira importancia. Alm do orgsmeatu mais da
cea leis teem de ser votadas ou reformadas.
Ha um projecto de cdigo civil que deveri ser
examinado ; esse cdigo applicavel a toda a Ita-
lia ha de ser quem verdadeiramente consagre a
unidade: ora, tem lie para serem volados e
discutidos cerca de dous mil artigos. Seria mes-
mo de palpitante necessidade a approvagio de
alguna captulos desse novo cdigo de preferen-
cia aos outros, especialmente o capitulo que diz
respeito ao casamento civil. N prxima sessio
deve tralar-se da iei sobre a organisago inte-
rior, discutir-so os desesete projectos de impos-
to do ministerio das fioaogaa, as leis de compa-
tibilidade, e dar-ae uniformidade aoa cdigos pe-
nal e do pro ceas o civil, etc., etc.
O gabioete, preoecupado desde j com os pe-
rgos que podero provir das intrigas ante-ita-
liaoas dos grandes digoatarios da igreja, acaba de
publicar urna circular dirigida a arceoispos, bis-
pos e vjgartos capitulares fazendo-lhes saber que
est decidido a recorrer d'ora em diante i vin-
dicta das leis para reprimir os atteotados que
elles commetterem contra as institaigoes da
patria.
Allemanha.Berln se acha ainda aob a pres-
sio do enthusi-srao suscitado pela feala que o
marechal duque de Magenta offereceu ao rei e
rainha da Prusaia. Antes do representante dt
Franga a embaixada da Austria -llera urna
festa i que asaistiram a corte e era-
O reconhecimento do novo reino da Hulla eat
prximo. Notou-se com pasmo que Guilberme
I admiite-se s testas de Kiemgsberg o principe
Cario. amigo de Fraocisco II de Bourboo
ontribuigio pessoai e finsneeira, organisagio e
oeneflceoeie publica,reforma nosystema do credl-
s \'iritn!>0feiro ,d,Bnttic* "ccessiva e gradual das
esse fado nao ten importancia Igums, poia nio ," 00,n."'?. decrescimento do -porte as vas
baixadores, isto no dia 27 de outubro, e a 28 o
general Del la Rocca offerecera um jantar diplo-
mtico no hotel da Inglaterra. Foi 00 dia que
aeguio (29) que o marechal Mac-Mahon abri oa
seus sales.
Laeaioa palvilhados, vestindo urna bonita e ri-
ca libr, ae achavao postados no vestbulo, e em
cada degro da escada que conduzta sala de
recepcao. No primeiro aalo estavam o mare-
chal cercado dos sena officiaes e addidoa da em-
baixada, e a senhora duqueza de Magenta. Qua-
tro sales grandes precedan a pega que foi trans-
formada em sala do tbrono : um salo verme-
tho outro verde com flores de ouro ou-
tra amarello, e oatro mais pequeo decora-
do com os retratos dos soberanos francezes.
A orchestra tocara completamente oceulta to-
das as vistas,
Desde 9 boras e meia que os ricos uniformes, e
Appareceu Igualmente urna outra brochara do restimentas bordadas brilhavam no meio dos des-
genio
nal de produzir aquillo que sent, que quer com
todaa aa torcas, e que to imperfetamente mani-
fest u at agora, islo a liberdade : e na pro-' dio devira a Italia -acrescenti
prla circular do ministro que se pod tirar argu-! rindo-seacatholica !
monseohor Liverani intitulada a A cOrte romana
e os jesutas amas ella de pouco lnteresae,
porque limita-se a ama defeza do prelado contra
os jesutas que e atacaram na sua Revista da Ci-
rila cathoiica.
Nio obstante semelhante brochura nao deixa
de ter urna importancia real encarada no ponto
de vista da aituago actual da corle de Roma ;
pois demonsta ua grande irritagio da parte do
monseohor e de seus amigos, e um vivo ressen-
timento pela influencia preponderante que os
jesutas exercem no vaticano nio so sobre Pi
IX, como tambem sobre o seu ministro Anto-
riel li; revela tambem a divisio, rivalidades de
influencia e desharmonia que se rii operando no
clero romano.
O padre Passaglia de estatura alta, tem a fron-
te e o crneo bem desenvolvidos, o othar pene-
trante mas suave, os labios finos, e sympathica
a phyaionomia. Anda viajando, e acha-se pre-
sentemente em Turin.onde teve nma larga con-
ferencia com o bario Ricasoli. A sua viegem
tem sido urna ovagao continua; em Perouse,
Sienne, Floreoga rio-se cercado das aympathiaa
de todos, com se levassem a peilo fate-lo esque-
cer as perseguiges da polica romana. Entre-
tanto rai mostrando por toda a parte urna reser-
va cheia de digoidade, e evita com cuidado ludo
quinto pode despertar a maligoHade dos seus
ioimlgos: mantem-se nos limites de urna ortho-
doxla irreprehensirel; e quando como aconteceu
em Sienne, nio pode evitar os brados da mull-
aenpre sor-
mentos a prol da decentraliaagao.
Em opposigio aos jornaes nltra-catholicos, as
folhas intituladas liberaos com discussoes mais
que bostis aos estabelecimentos de earidado nao
feito urna mortal iojaria a essa nesma liberdade,
que elles pretendem defender.
Forte polmica se tem suseitado entre-dous
jornaes sami .officiaes0 Constitucional e a Pa
tria: a questio romana reio frente nesta oc-
caaiio.
No primeiro desses joroaes appareceu o Dr.
Veron pronunciando-se centra a soberana tem-
poral ; e no segundo 0 visconde de la Gueron-
niere col locando-a abertamenle aob a bandeira
pontifical.
O Monittur, jornal oficial, conserva-se no ma
entapelo silencio entre aqaelles dous orgios : ps>
rece esperar que a queslao eslea sufficientemen-
te dilucidada para resumir entio os debales.
Os contendores nio caogaram ainda. O Sr. Gui-
zot, protestante, ae erigi em defensor da sobe-
rana temporal: esse bom'm de consciencia li-
vre pretende que os eltados da igreja nao podem
desligar-se do papado para rauoir-ae a reino da
Italia aem prejudicar a liberdade dos catholicos :
e sustenta semelhante tese estraoha por s, e so-
bre ludo por vir da sua penpa, no lirro intitula-
do :z A-igreja e a sociedade christia. a
Esse livro, que deve ao ooma do sea autor a
celebridade de que goza, um pamphleto contra
a causa italiana : o velno estjdiata tem contra el-
la queixas numerosas,
Ougamo-lo:
Os Italianos nio contentes com a independen-
cia quizeram a liberdade: nio satisfeitos com a
confeeragobradaram peta unidade. E' por ea-
aa causa que se deapertarsm as revolugoea: no
Norte o direito dos povos entrn em conflicto com
o direito dos principes; no estados d igreja o
Finalmente diz que no caso de morter o papa
pelo menos metade dos cardeaes italianos eetio
promplos a sacrificar o poder Ipmporal s exigen- saram-se de novo para s sales onde Hcaram
lumbraotes toilettes das aeohoras cobertas de dia-
mantes. Todos os convidados Irsjavam a corte
embaixadores, enviados, grandes da corta etc. Os
jovens officiaes da embaixada extraordinaria fa-
ziam as honras com a mais discreta e encanta-
dora corieaia.
A's 9 horas e tres qaarlos eotraram o rei e a
rainba, eata alando o brago ao marechal, aquelle
i duqueza de Magenta. A rainha trajava um ves-
tido de rendas, levava urna coroa de diamentes,
e as insignias reaes, a aguia negra, o cinto cor
de laranja, e a estrella de diamantes.: Guilher-
me I vestia o uniforme d'Uhlan da guarda. Se-
guiam-se o principe herdeiro, a princeza real, os
principes da casa de Hohenzollern, o duque e a
grSa-duqaeza de Saxe-Weimar, o conde de Flan-
dres, o principe da Uohenzollern-Sigmatiogeo, o
principe Guilherme Mecklambourg, os camaris-
tas, o miniatro da casa do re o Sr. de Schlei-
nitz, os officiaes do palacio, aa damas de honor
da rainha e da princeza real.
- A's 11 horas e meia o duque de Magenta con-
duzio os seus hospedes atravez dos saldes i sala
deatinada para a ceia, urna maravilba de pintu-
ras as maia esplendida, onde se va palmeirasde
ouro, caprichosos arabescos, grandes e pequeas
cscalas, gnualdas de florea as mais raraa. Por
toda a parte se ostentara ama illumioagao fingi-
do flores e estrellas.
O rei e a rainba oceupsrara o centro de um dos
lados da meza : a rainha tlnha i sua direila o
duque da Magenta a quem seguia-se a gria-du-
queza de Saxe-Weimar ; do outro lado achara-
se a marechala entre lord Clarendon e o duque
de Oisuna. Essa ceia de.grande etiqueta durou
hora e meia ; depois do que o rei e a rainha ps-
elas nacime.
Como quer quejejs tem-se quasi adquerido a
certeza de que o afu quo ae conserrar por
ase lado : e o gabinete italiano que nao sabe se
pode ou deve apreseotsr-se perante o parla-
mento sem lerar-lhe urna decalo qualquer a
respeito das questdes essenciaes, de que depen-
dom ainda a conclusio da obra da Independencia
unidade italianas, talrez que na falta da ques-
tio romana cuide da de Vneta. Ten corrido o
boato de que a Franga tomara a iniciativa de urna
negociagao com o gaoinete de Vieuna no intuito
de conseguir a ceasio amigavel:-esse boato
abri vasto campo s conjertnras. Que compen-
saces terrltoriaes 00 Danubio serio offerecidas i
Austria? E que acolhimenio lh'as far ella? O
seu desarranjo interior torna-la-ha mais accessi-
vel ? Como as potencias europeas encararam es-
sas combinarles? Os incidentes qu9 occorrerem
as margeos do Danubio nao despertaran] a ques-
tio do Oriente?
E' assim que a attengio publica, depois da seo-
tenga lavrada contra o movimento nacional pelo
obstculo romano, procura de outro lado um
ponto fixd e elementos positivos : o que nio im-
pede todava que o bario Ricasoli se agarre cada
vez mais a sua obra, e ao seu miaislerio. Tor-
qam-se difficeis as modificagQsa.de gabinete.
Ratazzi moitra-se satisfeilo com a viagem que
fez a Franga ; mas tem dado a entender que nio
deseja tomar parte na direcgo dos-negocios, em-
quaoto a sua entrada no gabinete nio poder aer
astignalada com um acto qualquer de approxi-
magio de Roma Italia ; e isto talvez porque
ainda por algum tempo, testemuohando a sua sa-
tisfagao pela raaneira lio festejada porque erara
recebidoa : at mesmo na espootaneidade de um
primeiro enthusiasmo Guilherme I despachou
para Napoleao III um telegramma datado do ho-
tel da embaixada no qual eiprimia-lhe o quanto
se achava peohorado pela linda festa que ihe of-
ferecera o marechal. Pelas 4 horas da manha
foi servida a ultima e terceira meaa.
Quasi ao sahir das fastas da coroago a Prus-
aia vai passar pelas commoces e lutas das elei-
coes graes : os partidos ae preparan). De am
lado se acha o partido feudal que compensa a
sua fraqaeza numrica pela unidade que nelle
reina : do outro lado o partido liberal fracciona-
do em centro esquerdo, ministerial da esquerda,
e partido democrtico propriameote d'to. Nao
se acham a em campo os interesses peculiares
da Pruasia, appella-ae tambem nes eleicoes para
a queatio da anidado allemia : e para bem dizer
essa questio tem creado raizes oa poltica inte-
rior da Prusaia, de sorte que se a poltica se tor-
nar aberiameote progrestiva e liberal a anidado
allemia dar um grande passo.
Nos termos daadeclarages formaos do governo
as eleicoes devem ser completamente livres. Gra-
gas i essa liberdade a luta sera euipeohada tan-
to mais aeriameote qoaoto trata-se de decidirse
d'ora arante Prasaia seri ama realesa consti-
tucional assenlada sobre bases democrticas, ou
se infiel ao espirito dos tempos modernos rolla-
r ao absolutismo monarchico de envotta com os
privilegios feudaes. Tambem aa eleig&es deci-
dirn) se a Prussia deve adoptar nma llnhs po
na aua entrevista com Napoleao III eate, Ihe llitica mais aggreseiva contra a dieta, germanice
acouielhaise que dirigase presn.teaeole 4 po-19 suas calculadas prolongacoei
impedio que o soberano cooatitucioaal da Prua-
sia trataase de igual modo, e recebeeae com aa
raesmas honras os enviados do aperador dos
francezes, da rainha da Inglaterra, e'do rei da
Italia.
O governo de Berln entrou em ajuste para a
venda de 10,000 espiogardas, que preciitvam de
concert, pelas quaes Ihe tiaham offerecido am
prego vantajoso ; porem aabeodo que os com-
pradores eram agentes legitiraistas dissolveu o
ajuste. Isto muito significativo !
Finalmente diziam em Berln que na entrevis-
ta do rei da Prussia e do imperador da Austria,
Qxada segundo affirmam para 12 ou 13 deate
mez em Breslao, questio da Venecia ser tra-
tada por Guilherme I. o qual era virtude dos de-
sejos expresaos por Napoleao III insistir com
Francisco Jos para abandonar essa provincia, e
nio Ihe dissimular a resolugio em que est de
recoohecer o reino da Italia : accrescentam que
este passo nio pode dixar de exercer alguma
influencia no espirito do joven imperador, e que
o exemplo da norte de Berln ser seguido effec-
livamenle por outros gabinetes allemies, de mi-
neira que resultar desses indicios multiplicados
a importante sigoificagan de que a Allemanha
nao se considera obligada por interesse algum
quanto aoa negocios da Italia. Seria esse um
golpe decisivo para as prelenges da Austria so-
bre a Venecia.
De ludo isto concluem certos jornaes que Fran-
cisco-Jos lomando em consideragio a critica si-
tuagio de seu imperio, e para nio achar-se ao
mesmo tempo bragos com os Italianos e com
oa Huogaroa, devera decidir-se a abandonar as
provincias venezianas mediante certas compen
sages ; o que assegurando-lhe o apoio moral da
Allemanha lorna-lo-hia mais forte contra a Hun-
gra.
Foi abundando nesaas ideas que um jornal de
Milao avangou que o gabinete de Vieona prelen-
deodo negociar um empreslimo com alguna bao-
queiros ioglezes, belgas e allemies, Ihe foi por
estes declarado que promptamente se encarrega-
ram do emprestimo sob a condigao de que a Aus-
tria adoptara francamente o rgimen constitu-
cional, e concedera Hungra a independencia
reclamada, sua dieta propria, emfim todas as
garantas exigidas pelos Hngaros.
Relisadaa estas condieges, (cando a existen-
cia do imperio austraco livre de qualquer outro
compromisso, os bsnqueiros em questio sobscre-
verism para o emprestimo mediante vantageos
ainda mais favoraveis ao imperio do que as exi-
gidas pelo gabinete de Vienna.
Accrescentam, outro aim, que os ditos banquei-
ros conselharam ao governo austraco que ae
desfizosse da Venecia a prego de dioheiro, oa me-
diante urna corapensago territorial, visto como
emquaoto a Austria teimar em conservar aquella
provincia ver-se-ha continuamente exposta s
revolugoes. s guerras, e outras peripecias de to-
dos os generes que arruinan as suas ('nangas, e
tornam-lhe imposaivel qualquer empreslimo.
Estes fados parecem inveroaimeis primeira
vista; mas podem ser explicados pela desordem
Qnanceira em que se acha actualmente a Austria,
vista da qual nio para admirar que os
ovemos sejam tratados pelos emprestadores de
diuheiro como de igual a ignaL
Corre o boato de que o marechal duque de Ma-
genta salando de Berln tem de dirigir-se a Vi-
enna encarregado de urna missio do governo im-
perial : e este boato tem relaco com ama longa
entrevista havida entre o Sr. de Mouslier, emba-
xador da Franga, e o Sr. Rechberg, ministro dos
estraogeiros da Aasia.
Deixemos que essea rumores tenhsm urna con-
firmagao mais ou menos provavel, e digamos al-
guma cousa a respeito da Hungria.
Esie paiz ten do recusado sabmetter-se ao im-
posto, prepsra-se para nio consentir no recruta-
meoto militar. O presidente do comicio de Grao
foi o primeiro que declarou essa nova manifesta-
gao contra a autoridade austraca. Nao a o car-
deal Szitoaski repelle o pedido que Ihe flzeram
de preatar o concurso do comicio para o recrula-
mento como tambem prohibe que os outros co-
mios auxiliem.
Nio sio as questes hngara e veneziana os
uoicos embaragoa com que luta a casa dos Haps-
bourgs : escrevem de Trieste que tambem na la-
tra vai lavrando o descontentamento. Essa pro-
vincia qaeixa-se deque a Austria arruinou a sua
navegagio de longo corso a sua marinha de
cabotagem.sacrificou o seu commercio cercando-o
de urna rede de alfaodegas allemies, acabru-
nha-a de impostos, e Ihe quiz roubar a sua liogua
materna : e como afiosl de contas essas popula-
ges sio italianas de origem e de linguagem vai-
ae formando no centro deltas um partido que di-
rige as suas valas para Vctor-Emmanuel.
Espera-se pela volts de Francisco Jos a Vien-
na para as deliberaces do conselho do minis-
tros : continua a tralar-se de mudaogas ao-gabi-
nele: ainda que techa completamente abortado
o ayalema de unificago do Sr. de Schenerliog,
todava nio a queda do ministro do interior,
mas sim a do ministro de estraogeiros que pare-
ce mais inminente. Conta-se que o Sr. da Anes-
perg ser presidente do conselho, e o conde Mau-
ricio Estherazy ministros dos negocios estrao-
geiros.
A agitacio augmenta na Roasia, e essa agita-
gao io parece ser promovida por um facto so-
lado, mas sim corresponder a um verdadeiro mo-
vimento de opioies. A populagio tomou o par-
tido dos estadaates oa ultima revolta daa Uni-
versidades ; tanto que enchau-se de milhates de
atsignaturas um reqaerimeoto em qae se pedia a
liberdade doa eatudaotes que.tinham sido presos;
e tamben a coacessio de una coastituigio. Per-
sooegens consideradas e importantes tomaram
parte nessa demonstragio ; e provavel que o
regresso do czar d lugar a mafestacoes da parte
do povo.
Na Polonia a oppressio ruasa augmenta seus
rigores, o paiz moatra-se ioabalavel no sea pa-
triotismo, porque sabe que a sua ressorreigio
somante queslio de tempo.
Para mais embarago ditem que a agitagao sue-
ca vai tomando carcter, e qae o espinto de in-
dependencia se maniafesla entre aa popalages
das ilhas Flandesaa, as quaes manifealan fran-
camente o desejo de unirem-se i Scandinavla.
Na Blgica ser o reconhecimento do novo ni-
o da Italia a base para reorgaoisacio do mirrn-
terio : Frere Orban as finangas, Alp Vanderpe-
erboom no interior, Rogier nos negocios estrao-
geiros, Vanderslichelnn oas obraa publicas. Cha-
sal na guerra. Deste modo a significacio do ga-
bioete reconstituido toroa-se francamente liberal.
O programma da nova adminiatragio ser de urna
exteoaao e variedade capaaea de resolver en dona
anuos todas as discussoes da legislatura e da im-
prensa.
Entre outras cousas citaremos a reforma da lei
sobre a instruegio primara que permute ao cle-
ro catholico a inttrvengao no ensino pelo reata-
belecimeoto da censura ecclesiaattca aobre os II-
vros, e da inapeegio das escolas sob o mesmo lit
,tuto que a autoridad civil. Virio depois a re-
forma eleitoral, e a das. leis da milicia, ofganlsa-
, gio da poder jadioiarto, revisoda leis, edo co-
ldigo penal militar, ume divisio ais exacta di
de rommuoicagio, e mitra oras medidas.
V-se por aqui que Frere Orbao prepara gran-
de aaaumpto para os oradores daa camaraa bel-
gas, qae mal terio lempo de deseancar.
G, M.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
A' sciencia do publico damos a rotagio dos col-
legiea seguinte, pertencentes ao 3? dislricto elei-
toral da provincia, aeodo esse resallado aulhen-
lico e conforme as respectivas actas.
Eicada.
Padre Antonio da Cunha Figueiredo........ 43
Tenenle-coronel Jos Antonio Lopes.... 38.
Dr. Manoel Busrque de Macede.............. 3i
Dr. Alvaro Barbalho Cavalcanti Ucb....... 32
Dr. Manoel do Nascimenio Machado Portel la. 32
Dr..Rufino Augusto deAlmeida.............. 32
Dr. Gaspar de Vaacoocellos Menezes de
Drummood................................ 24.
Dr. Ignacio de Barros Brrelo.............. 2ra
Dr. Loureugo Avelino de Albuquerque Mello 2u>
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leio......... 20
Dr. Antonio doa Saotoa de Siqueira Ca-
valcanti ................................ so
Major Paulo de Amorim Salgado........ 20
Dr. Manoel Netto de Soasa Bandeira........." 1&
Dr. Pedro Affonao Ferreira................... 15.
Dr. Guilherme Coelho Cintra................ 35
Dr. Jos Mara de Albuquerque Mello.........3.
Major Jos Joaquim do Reg Barros.......... 3>
Rio Formoso.
Teoente-coronel Jos Antonio Lopes........ 6*
Major Paulo de Amorira Salgado............ 64
Padre Antonio da Cuoha Figueiredo......... 58)
Dr. Luiz Felippe de Souza Leio.............. 50
Dr. Manoel Buarque de Macelo.............. 50
Dr. Pedro Affonso Ferreira................._ 48.
Dr. Garpar de Vascoocellos Menezes d
Drummood............................... 4$
Coronel Ferraz............................... j,
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portell* 42
Dr. Rufino Augusto de Almeida............., 40
Dr. Ignacio Joaquim de Sooza Le3o.........? 22
Dr. Maooel Nello de Souza Bandeira........ 22
Dr. Jos Mara de Albuquerque Mello.... 20
Dr. Antonio dos Santos Siqueira............. 10
. Alvaro Barbalho Cavalcante Ucba...... 10
Dr. Bartholomea F. de Souza Silva........ 10
Major Jos Joaquim do Reg Barros........ 8
Dr. Loureogo Avelino de Albuquerque Mello- 7
Dr. Francisco Alvea Maciel.................. ^
Henrique Augusto Milet...................... 4.
Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva........ 1
Dr. JoSo Hircaoo AlvesMaciel............... 1
Do 4* distrieto eteitoral temoa notician do
collegio do Buique, qae dio o seguale resal-
tado : -
Dr. Antonio Witrario Pinto Bandeira e Ac-
cioli de Vasconcelos...................... 2
Dr. Loureogo F. de A. Catanho.............. 2hV
Francisco Raphael de Mello Reg.....^_____ 28.
Dr. Rodrigo Castor do Albuquerque Mara-
nhao '......................................w
Tenente A. Vilella de Catiro Tarares........
Padre Francisco Peixoto Duarle..............
Dr. Francisco Jos Fernandes Gitirana......
Dr. A. R. de Torrea Bandeira................
2S
1
19
11
a
40
40
36,
U
28
28
20
13
Tomou-se em separado a seguinte volagic*:
Fraocisco Raphael de Mello Reg............
Dr. A. R. de Torres Bandeira.. .............
Luiz Paulino de Hollaoda Valen^a..........
Dr. Rodrigo Castor de Albuquerque Mara-
nhao.......................................
Dr. Aotooio Wilruvio Pinto Bandeira eAc-
cioli de Vascoocellos......................
Dr. Lourenco Francisco de Almeida Catauho
Padre Francisco Peixoto Duerle..............
Padre Tito de Barros Correa...............
No collegio de Aguas-Bellas, pertencente i>
4 diatricto. bonve duplcala na eleigio. dando
em resultado:
Primeira (Aqoino.l
Mello Reg.......... 34
Dr. Castor............ 32
Antonio Vilella...... 3t
Dr. Catanbo.......... 30
Padre Duarte........ 25
Dr. Francisco Gilirana 21
Segunda (Marques.)
Mello Reg.......... 40
Bandeira ............ 40
Luiz Paulino ........ 36
Dr. Castor............ 34
Dr. Wilruvio........ 28
Dr.Cilaoho.......... 28
Padre Duarte........ 90
Padre Tito........... 13
Miguel A rchanjo...... 1
No collegio de Aguas-Bellas breram rotos :
Mello Reg.......... 28
Dr. Wilruvio ........ 28
Dr. Catanho.......... 28
Dr. Caator............ 25
Aotonio Vilella...... 20
Padre Duarte........ 19
Dr. F. Gilirana...... 12
Bandeira ............ 8
Contando a primeira tfuplicta, e os coilegios
de Grvala, Bonito, Carnar, Buique 9 Aguaa-
Bellas, e a freguezia deo Bezerros, fica assim
composta a lista dos votados :
Mello Reg.......... 161
Dr. Catanho.......... 161
Dr. F. Gilirana...... 123
Dr. Castor............ 115
Dr. Witrario ........ 100
JoioBraulio.......... 85
PadreTito............ 78 ,
Antonio Vilella...... 75
Dr. Bandeira........- 74
Luiz Paulino........ 33
Contando com a segunda:
Mello Reg.......... 167
Dr. Catanho;......... 141
Dr. Witruvio........ 8
Dr. Caator............ 124
Dr. Bandeira ........ lti
Dr. F. Gitirana...... 104
PadreTuo............ 91
Luiz Paulino ........ 69
A. Vilella............ 44
A nova cmara municipal da villa de Agua-
prela acha-se empossada, e ji entrn em exer-
cicio das reapeclivas fuocgdes.
O Sr. major Alexandre Augusto de Priaa
Villar foi nomeado para exercer interinamente o>
lugar de vogal do-cooselbo administrativo do ar-
senal de guerra, que vagou por fallecimeoto do
coronel Joio Francisco Chaby.
A acertada escolha do Sr. major Tries Villar
para esse lugar Ihe tambem muito tisongeire,
porqaanto assim manifestada a importancia quaj
aos seas servigos liga o presidente da provincias
Ra de esperar, poia, qae o governo imperial em
aua sabeoria approve essa nomeagao, tornan-
do-a eflecliva ; com o que far um testemunho
de reconhecimento aoa servigos do mesmoaenhor
major.
Activa* convocada paca hoje urna twiiaa.


lEi
X

ti

MIMO M riftlAMOCO. > QQifiTA f EIRA .4 AI DIZEMBRO B 180;
______________________________________________________

i
ilTIl-I VU
extraordinaria da aetodacio o
eenle, aflm de tratar-te de negocios leodenlea to
melhoraanenlo do edificio d meam aMaett^f.'
Remetieran-aoa Mioiate noticia toar* o
attimo concert do Sr. Helmold.
Sra. redactores da m"*j''i\ 9MwT P~iMjaal
anea, pela segunda Ha, ao concert pelo' dsfocto
i o Sr. Helmelrl, auomaiaa no aillo do
\ Isabel a Mtte da 38 do comete, e,
fla oaaaatal, otase soeJtt. na* pdeme*
*'f 4 render in Km rswsvdJo trttmlo swi
maVmo ardat.co do Snfdjafll Mm, j& w, c9*
*mad*etre nos; irjsvteesee que, so Ser por
ata inesaitar aquella jo eerUnta es se
**m fette ir, coa jmldeaee, en dtrersee
Balro da Enrosa, serrlri penas de mero io-
re pita qe cevtreue na tara de eu te-
tarlo.
Om effeiio, i tfesrrea e agilidade reunidas i
urna eaecuQo limp, a facilidade em reocer as
iovet imclda<*er, a expressao do toque, e o
modo finalmente de tacar o toro do piaoo, que
mas retes vibrara forte que abara, ootrss re-
re caotiva doce e plangeule como urna harpa,
toda concorria para que o instrumento fallasse
ao Agradou-nos su ruma mente a ourertara de Na-
bvcodooosor a quatro mos em que foi *com-
panhado pelo Sr. Smollz; a grande polka de
oueerto, a Bamboula e a ouvertura da Gaita-
Ladra a doos piqos em que toroou parte a Sra.
B. C. de A. C. VarejSo. O alao se achara cheio
o publico Ihe (ez justiga applaudiodo-o, como
repetidas rezes foi.
* digna Alba df/Sr. Carralho se Taz credora de
lodo o elogio pela boa rontade com que se pres-
tou a auxiliar seu irmao d'arta ; e pelo bom dea-
,ienhoque deu aot difieren tes pedacoa que Ihe
oube execular esta noite. Em tua dale o que
ella aprsenla o preludio de ura talento, que
promelte muilo ; e por isso non podemos deizar
ata admirar o bom melbado de aua ezecucio, e o
nodo porque reoce igualmente as difficuldades
la msica.
Louvores a seu digno pai que com ella se
tareta.
O Sr. SmolU que deleita tempre captira com
* magia da) en toque, auiilieodo seu irmo
a'arte oo concert desta noite, nos proporciooou
anais urna occasio de apreciar o teu talento na
re que profesta ; pois que se faz digno de bem
merecido louror. i
O Sr. Salustiano no do brilhante para flauta
piaoo deseropenhou de modo que Dada deitou
desejar i todos que o ouviram.
Os demais, que tomaram parte no concert
deaempenharam mais ou menos srtisfactoriamen-
te at suat parles. Serriram para o concert ot
pianos da casa do Sr. Joao Pedro Vogley. A es-
colha que fazetn tempre desloa pianos oa con-
certistas mais distiaotos, que aqui se tem felto
urr; sua roz doce e barmooiosa, o nomo, que
tem na fcuropa, e o crdito que j gozam igual-
mente entre nos, quer na cidade, quer no campo
Mide tem prorado de raodo lio saliafctorio, da-
pensando todo o elogio se fazem cada res mais
Tecommendareis pelo aperfeigoameoto de sua
coDstruccao, eleancia de forma o solidez.
Um espectador diletanli.
PeJem-oos a Iranscripgo do seguate:
No rapor Tocanlint parti para acorte o Dr.
aurmiuo Antonio de Souza Jnior, que dalli lera
te aegur para Quelur, termo da provincia de Mi-
nas G^raes, onde rai eiercer o cargo de juiz mu-
nicipal a de orphaos, para que foi ltimamente
despachado.
A fina educaco, delicaias maoeirat, par
de toda circumipergo, honradez, gravidade de
carcter, mu boa ndole, bastaote inteligencia,
aecurada spplicac.o e outrat preciosas qualida-
de*, que possue o dito Sr. Dr. Firmino Antonio
de Souza Jnior, como todoa aqui nelle sempre
observaran), sao mui valiosos ttulos para abonar
a aua acertada uomeacao para aquelle cargo, e
ao mesmo lempo assegurar aos poros daquella
localidaip, que encootraro, nesse magistrado
verdaderamente integra e illustrado, a mais ple-
na manutengo dos seus mais precilos direitos
de honra, rida e propriedade.
Assim* pois, anhelando de lodo corceo
tao distinelo caralheiro a mais prospera riagem,
e renturoso porrir na tua ora carreira, nao nos
possirel deizar de felicitar aos habitantes di-
quee termo pela feliz acquisico de um juiz tao
tigoo, e com justica superior todos elogios.
Fizeram ezame de rhetorica no da 29 de
sorembro de 1861, 12 esludantes :
Approrados plenamente O
dem simplesmenle...... 1
Reprerados....... 5
Fizeram ezame de rhetorica
o o Terebro de 1861, 7 esludantes:
A pprorado plenamente.,
dem simplesmenle......
12
no dia
1
4
30 de
Reprorados.............. 2
Fizeram exame de philosophia no dia 29 de
aovembro de 1861, 6 esludantes :
Approrados plenamente 2
I lera simplesmenle..... 2
Reprorados.............. 8
6
Fizeram exame de geographia no dia 29 de
noretnbro de 1861, 6 esludantes :
Approrados simplesmenle 2
Reprorados............... 4
6
Fizeram acto na faculdade de direilo no dia
3 de dezembro de 1864, os seguintee esludantes:
Io anno._
Joaquim Antonio de lia
galhes Cisiro Jnior. Reprovado.
Jos Pedreira Fraoca Ju-
oior.................. Approradoplenamente.
Wanoel Paulino Cesar
Loureiro.............. dem idem.
Jos Alfredo de Olircira dem simplesmenle.
5 anno.
Vigarlo Fraocisco Jorge
de Souzs.............. Approrado.plenamente.
Manoel da Cunha Figue-
" Antonio de Padua Hol-
landa Caralcatl...... dem dem.
Jote Josquim Baeta Ne-
*e................... dem idem.
Lista dot ba plisad os da freguezia de Santo
Antonio do Recite de 30 do passado a 1 do cor-
rerte.
Adriano, branco, fllho legitimo do Dr. Francis-
co Goncalres da Rocha a D. Catharina Francis-
ca do Reg Rocha.
Adolpho, pardo, fllho natural de Felicia Haria
da Cooceico.
Adolpho, pardo, fllho natural de Luciana Mara
da Conceicao.
Argelina, parda, escrara delguacio Luiz de Bri-
to Tsborda.
Anos, branca, fllha legitima de Floriano Correa
de Brilo, e AonaCndida deAlbuquerqueMar-
tins Brilo.
Boaienturs, crioulo, escraro do Dr. Peroando de
Si Albuquerque.
Cosme, patdo, escraro de Fraocisco de Olireira
Franco
de Joanna Tiburcia
escraro
filhs legitima de Jote dos
Olireira e Gelicina Coelbo
Christovo, crioulo,
da Carralho.
Cecilia, parda, fllha le Antonia Mara Joaquina
da Conceicao.
Ermelioda, branca,
Sanios Ramos de
Ramos de Olireira.
Francisco, semibraoco, fllho legitimo de Fran-
cisco Lins de Souza Couto, e Francisca Rodri-
gues de Souza.
Francisco, branco, fllho legitimo de Firmo Can-
dido da Silreira Jnior e Clara Mara da Con-
ceicao Cabra 1.
Francisco, branco, fllho legitimo de Francisco de
Olireira Franco e Mara da Luz de Olireira.
Francolina, parda, fllha natural de Feliciana Ma-
ra da Conceicao.
Idalina, parda escrara de -Domingos Jos Tarares.
Joo, branco, filbo legitimo de Joao Antonio Pe-
reir Monteiro, ji finado, o Carlota Joaquina
Pereira Monteiro. ,
Joao, branco, fllho legitimo de Antonio Tiburcio
da Coata Monteiro e Anna gnea doa Santos.
Jos, branco, filbo legitimo de Franciaco Jos
Baptista e Isabel Feliciana da Fonceci Botas.
Jote, branco, fllho legitimo de Joaquim Baplitta
da Silra e Guilhermina Cae tana Lopes da
8i|r.
Manoel, pardo, eterno de Joanna Mara Pi-
nheiro.
Maaol, braneo, fllha legitimo de Anuncio Goda-
irado Lucti a Haria Sererana da Concelclo
ra, crieula, fllha nataral da Carolina Mara da
Coucefcao.
Pdro, parlo, fllho legitimo de Flix Antonio Tei-
eira, j fallecido, a Guilbianina Pereira Vel-
loso.
laphael, erioalo, escraro da Jas Josquim Airas.
Sergio, erioalo, escraao de Bitt Joaquina de
Mandoaca.
SerpJe, pardo, esenro da> Br. Ferntnd de S
Alboqaaerqoe.
SaluslMM.criwalo. erar* a Ale xa narra. Car-
ila do S. ata itara.
Tlnaperio, parda, exposto eii ata de Mara Cut-
todra ata Cooeeicao.
?irgitfa, psrda, fllha tmlaral do Harto Bcaneaca
da Coaoeicio,
Zilmrra, branca, fllho legitima de Jagota Laiz
doa Ssolos o Emilia Julia dos Santos.
. Casamentos :
Antonio Teixeia da Fonceca com Anna Comea
de Olireira.
Cyrillo Ferroira das Chagas com Muia Joanna da
Silra. '
Joaquim Francisco do Reg com Marta Egypiciaca
Accioly Lint Vilella.
Laurino de Olireira Cabral com Jaciotba Mara
do Reg Nillar.
Antonio Manoel do Sacramento com Haria do Ro-
sario Ribeiro.
Antonio Jos Aires de Carralho com Marja Ama-
lia Candida de Si.
Salrador Coelho de Drummond com Jaciolbi Ct-
. tharioa Illuminata.
Sereriaoo Rodrigues dos Santos com Psnlina de
Barros Pimentel.
Alexandrioo Calisto Nunes Soares com Leopoldi-
na Seraphina Guedet.
Leandro Aprigio da Puriflcaclo com Mara There-
sa de Jess.
Morimento da enfermara di casa dedeteo-
go do dia 3 de dererobro de 1861.
Tere batxa para enfermara :
Jos Barbota do Natcimento Bexigas.
Tireram alia da enfermara:
Joaqaim Jos llibreiro, por ter ido a presenca do
subdelegado de Munbeca.
Romao, escraro do Sr. Manoel Leito da Cotia
Figueira.
Mappa demonslrativo do hospital de N. S.
da Conceicao dos Lazaros do 1* ao ultimo de no-
remoro de 1861.
Eiistem 33 enfermos,,sendo 19 homens e 14
mulheret.
Paisageiros do rapor francs avarre, rin-
do do Rio de Janeiro e Babia :
Joao Ribeiro Pinto Coimbra, Joio Pereira da
Costa Molla, Fabio Ceaino Bastos da Silra, Anto-
nio Augusto de Biltaocourt, Joaquim Mara Fer-
reira de Si, Tbomaz Jeffries, Joao Antonio Mal-
los, Dragn Jetn, Joseph Lemann, Aodreu Tar-
tezio.
. Passageiros do cter nacional Emma, rindo
do Penedo:
Jos Domiogues Gencalres e o preto liberto
Augusto.
Matadouro publico.
Mataram-se para consumo desta cidade no dia
29 do correte 80 rezes.
No dia 30103.
No dia 1104.
No da 2101.
No dia 3-93.
MORTALIDADE DO DIA 3.
Silvestre, Pernambuco, 1 aonos, Jaboalo, apo-
plexia.
Leopoldina, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista,
meleslia interior.
Haria do Rosario da Costa, Pernambuco, 50 an-
nos, Boa-Vista, riura, pfalysica:
Jerooima Mara da Conceicao, Goianna, 20 annet,
tolteira, Boa-Vista, diarrba.
Zulmira, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos, diar-
rba.
Theopezio, Pernambuco, 6 mezes, Santo Anto-
nio, deoticao.
Antonio, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista, an-
gina.
Florentina, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista,
angina.
chronicT~j1juTcuri*.
Tribunal da Rclaco.
SESSAO EM 3 DE DEZEMBRO DE 1861.
RESIDENCIA DO EXH. SR. C0NSBLBE1R0 RRMEL1N0
DBLEAO.
As 10 horas da manhaa, achando-se prsen-
les os Srs. desembargadores Caetano Santiago,
Silreira, Gilirana, Lourengo SaotUao, Molla, l'e-
retii, Accioli, Uclida Caralcanti, Assis e Guerra,
procurador da corda, foi aberta a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribui-
do.*, procedeu-se aos seguinles
JULGAMBNTOS.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Jos Antonio
de Barros.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados vos Srs. desembargadores Peretti,
Caetano Santiago a Assis.
le?
! Escrlrio priratlfo, o Sr. Joaquim FreoCtao de
Paula Btteves Clemente.
Venfica-se a presenca da 47 juttea 4 lado, o
berta a settao.
Entra em julgamealo o tummariaostaataCom
que reo o preto Ismael, eicrar,4fratalai
Mara Ballet, secutado por crime de homicidio e
pianciado porajste fufai tai
193 do cod%o carmina.
Bopok da eeosacio o dettw oo
da polo miau. Dr. AoAonio J da Co
beta, drfatowiato tat o itlaaaiU do
reoefJiea o eonaeBro ao roa hor
coa o ^aoiios awopoatao.
ata ota aoMpaaoaavdo juy,~foi o reo _
roo a teataota jtdfMenio. appellaodoo juiz
deaaa aenteaca para o superior tritaaat da re-
lacio.
UaVBaV
PreUdendaioSt. Dr juiz municipal ia V tara csco Gomes de M.Uni!
Z de d\rcito\nter\no daV. Htrmnn%es wi_____ ~".
juiz de direilo interino da 2", Jformooeaet
Scrates favart de Vatconcellos.
Promotor publico, o Sr Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmo Lobo.
Escririo priratiro, Sr. Joaquim Francisco de
Paula Etteres Clemente.
Htrendo numero legal, abre-se a sessao.
Entrando em julgameoto a r presa Maris Da-
mazia da Conceicao, pronunciada em crime de
roubo, aflaal asol*ida, appelltido 0 juiz da
----------------- -tarr-*---' vjtot*.w tjrj coa
seiueoca abaol>iterU pan o auperior Iribuoel da Antdo.
recorrido, Jos Antonio
Improceden
Recorrenle, o juizo
da Silra Araujo.
Relator o Sr. desembargador Ucha Caral-
canti.
Sorteados os Srs. desembargadores Accioli,
Aisis e Lourenco Santiago.
Deu-se provi'mento.
Recrreme, o.juizo; recorrido, Jos Gomes
Coimbra.
Relator o Sr. desembargador Assis. '
Sorteados s Srs. desembargadores Gilirana,
Silreira e Peretti.
Improcedente.
APPELLACES CRIBES.*
Appellante. o juizo ; appellado, Domingos Mar-
lins de Olireira.
A noro jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos, escravo,
e Mara Flonnda.
Improcedente.
APPELLACES CITIS.
Appellante, Vicente Ferreira Guedes GoDdim ;
appellado, Antonio Rufino Monteiro.
Maodou-ae rernetler para o commercio.
Appellante, Joo Augusto Henriques da Silra ;
appellado, Miguel Jos Barbosa Guimaraet.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Manoel Vieira de Azeredo ; ap-
pellado, Boareotura Aires da Fouseca.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Poociano Rodrigues da Silra ; ap-
pellado, Caetano Rodrigues da Silra Aragao.
Desprezaram-se os embargos.
Appellaote, Joaquim Francisco Duarte ; appel-
lado, Joao Pinto deMendooca.
HABEAS-COn'piS.
Concedeu-se ordem pedida em babeas-corpus
por Joaquim Gomes Coelho, em peticao para ser
apresentado em testo de 7 do correte.
DILIGENCIAS CRIBES.
Com rista ao Sr. desembargador promotor da
justi$a, as appellace8 crimes:
Aupellante. ojuizo; appellado, Rufino Jes
Pacheco de Medeiros.
Appellante, Joo Bernardo de Sonsa; appella-
do, o juizo.
Appellante, e juizo ; appellado, Rufino Mar-
coa de Castro.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Ja-
cinlno de Sampaio. '
Appellante, o juizo ; appellado, Roberto Fran-
cisco da Silra.
Appellante, o juizo ; appellado, Belarmino Fer-
reira Calado.
DKSIGNAQAO DE DIA.
Assignon-se diapara julgamentodasseguintes
appellacoes crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Guilherme Jo-
t da Costa.
Appellaote, Antonio Marques Portugal ; ap-
pellado, Filippe da Silra Costa.
Appellanle, o juizo ; appellado, Bernardo Jos
da Rocha
Appellante, o promotor ; appelltda, Alexan-
djaoa Mara da Lu.
^ As appellacoes cireia :
Appelleut, Francisco de Paula MarlnhoWaa-
derley; wppelido, Paulino Augusto da Silra
Frer*.
Appellante, Antonio Jos Gomes do Crrelo ;
appellado, o solicitador de residuos.
Appellante, Jos Beuto de Mello ; appellado,
Manoel Francisco de Reg.
A' 1 hora da tarde encerron-ie iierslo.
Jiry dtReeife.
5. SESS10.-DIA 29 Dfi NOVEBBRO DB1861.
Prtsdtncto do Sr. Dr.juix municipal da pri-
meira vara, $ juix de direilo interino da se-
gunda, Hermaeyenet Scrates Tavaru da Vat-
concellos.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Guarni Lobo.
relaco.
Leranlt-sa a sasaio ia 2 Iji horas da tirde.
DIA 2 DE DEZEMBRO.
Presidencia do Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara
e juix de direilo interino da 2*, termgena
Scrates Taares de Vatconcellos.
Promotor publico, o Sr Dr. Francisco Leopoldino
da Guarni Lobo.
Escriraj priratiro, o Sr. Joaquim Francisco de
Paula Esterea Clemente.
Verifican lo-se harer numero legal de jurados,
entra em julgameoto o reo Joaquim Iguaci da
Silreira Borges, accasado por crime de ealellio-
oato, sendo aflnal absolrido, e conformando se o
juiz cora essa aeotenca.
Leranta-se a sessao is5 1|2 horas da larde.
n DIA i.
Presidencia do Sr. Dr.juix muuioipalda i." vara
e juix de direilo interino da 1<\ Hermogenes
Scrates Tavartt de Vatconcellos,
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopoidi-
dioo de Gusmo Lobo.
Etcrivo priratiro, o Sr. Joaquim Francisct de
Paula Esteres Clemente.
Adrogado, o Sr. Dr. Domingos Monteiro Peixoto.
As 10 horas da maohaa, reriQcando-se esla-
rem proseles joizes de fado em numero legal,
o juiz telara aberla a sessao :
Sio reUradosdas mullas impostas em das an-
teriores, os Srs.:
Jote Caetano Medeirot.
Pedro Duarte Rodrigues Franca.
Jos Lopea de Oli Cepito Jos Luiz Pereira.
Sao dispensados de serrir na presente sessao,
sendo to mesmo lempo releradot daa multas em
razo de hararem offerecido escusa legal, ot
Srs. ;
Joo Francisco do Nascimento Feitota.
Commeodador Manoel Gamillo Pires Falcio.
O Dr. juiz municipal da 2.a rara, comparecen-
do ao irib nal, aprsenla oa dous seguiolet pro-
cetsoa deridamente preparados, em ordem i 4o-
rem tubmeliidot esa julgameoto :
Autora, a Justina publica. Roo, Ignacio Jos
Rsmot, crime de reobo.
Autora, a justica publica.Reo, Antonio Rodri-
gues Pinheiro, crime de morte.
Entrando em julgameoto processo em que
tao reos Jos Joo, contiendo por Garibaldi,
Bernardino da Costa Leite, Antonio Joaquim Al-
res Pereira, e Antonio Gomes Sena, sendo todos
censados como autores do roubo commellido
26 de julho do correte anno no armazem de
Jote Duarte daa Neres, silo na freguezia de S.
rret Pedro Goncalres, proceda-te ao aorteia-
raento do conselho de senleoc, depois do que
sao os reos interrogados cada um de per si.
Sendo quatro os roa submettidoa i julgamen-
lo, o Dr. juiz de direilo deu aa necessarias prori-
denciasem ordem evitar que os reos percebes-
sem as respostas dadas por seus cmplices aos
interrogatorios.
Depoit da leitura do processo, i cuja intlruc-
cao praaidira o Ezm. 8r. Dr. enere de polica
[Alencar Aranpe), loi deferida o patarra ao Dr.
promotor publico, que moreu a aecusaco contra
os reos, procedendo noramente a leitura de qutl
si todo processo.
Segue-ae a deeza i cargo do Dr. Domingos
Monteiro Peixoto, que a desenrolreu lucida-
mente.
Atienta a hora adiantada em que o conselho
d sentenca se recolhe i tala dat conferencias,
onde tem de responder um grande numero doa
queaitos, descrimioando as su as respostas con-
forme a criaiioalidade de cada um dot reos, nio
nos possirel iraoscrerer a sentenca Anal, que
sem durida ser publicada i tal hora, em que o
presente numero do Diario estar no prlo.
Amanha, daremos em resumo o resultado do
julgameoto, como tempre procedemos.
PubliciQoes a pedido.
Tenho recebidu do Iilm. Sr. Germano Fran-
cisco de Olivelra, empresario do thealro de Sania
Isabel a quantia da o tocen los mil ris, dinheiro
desle imperio, producto da recita do primelro de
dezembro correte, para ser por mim dirigido
secretaria doa negocios estrangeiros, e por este
entregue a Sua Mageslade a Imperalriz nura. a-
flra de que a mesma senhora appliajue as obras
de caridsde que julgar conveniente.
Recife, 3 de dezembro de 1851.
J. Henriques Ferreira.
Cnsul.
Recebi do Sr. Jos Joaquim da Cota
Leite, a quantia de7:093#250 em par-
celas constantes da conta que nesta data
me entregou, sendo proveniente por
parte do dote que o mesmo Sr. e sub
senhora concordaram dar a sua ilha
Isabel Mara da Trindade Leite, com a
qual me liguei em matrimonio. Recife
10 de marco de 1857. Manoel Fer^
nando Silva. Como testemunha, Fran
cisco da Silva Boa Vista, Manoel d'Aze-
vedo Pontes.N. 48160. Pg centoe
sessenta rs. Recife 26 de marco de 1857.
Carvalbo.Callaca. Reconheco as tres
assignaturas supra : dou fe. Recife 12
de marco de 1861.Em testemunbode
verdade.O tabeiSo publico, Luiz da
Costa Portocarreiro.
COMMURCIO
Gaixa Filial do Banco.
EM 8 DE DEZEMBRO DE 1861.
A caiza descoma as letras de maiorprazo.de 4
at 6 mezes a 10 / o anno, e as de 4 mezes a
9 %i o toma diuheiro ao premio de 7 "/,.
Alfandega.
Rendimentododia 3.....41.981^664
Movlmento da al tandeara.
Volameaantradoacomfasendas.. 349
> > oa ganaros.. 565
Volamos tahidoa eom fazendas.. .138
> com gneros.. 250
Deacarraaam boj* 4 do dezembro.
Brigue francezNeptunadirirtoe generot.
Galera francezaRaoulfarioha.ecomelo.
Barca francezaArlhurcaro."
Barca francezaJoaane Cotocarreo.
Galera francezaAdeliamercadoriat.
Brigue brasileiroBebentecharque.
Barca hamburgnezaBmmamereadoriat.
Hiale americanoL. A. Johnstooidem.
Brigue inglesRamynidbacalhio,
Brigue italianoJame-dirertoi gaoeroi.
914
388
Importaco.
ir oacBoaal Bmma, rindo do Penedo. con-
# O^oaoiUio Francitco Goocalrea Torres,
BaoiitUao eguinte:
jota lee de ricino, 53saceos arroz, 16 d-
Wjao, ditos farinha de mandioca, 100 pe-
draa de amolar, 850 esteiras de perpery; ao
"""
ortoz pilado, m deo trelo oo te;
to Ferreira.
sietaao de perpery ; a Wraltee Laiz do
Aawodo.
tal Santa ntm, rioito do Afocaly,
Curgel & Irmio, meoafeetoo o te-
co
guite
41 saccp gamma ; a Joai oet Uito Jooior.
12* molboo pelle de cabe, W cauros ottmdao.
15 saceos ota de caroaoto; a Gurgel & li-
maos.
!9 cairas Tetlrs de cera de carniuba ; a Fr*o-
15
155 taceos gomma, 1 lardo penntt de emma,
molhos etieiras de palha; aTaao4Ir-
maos.
13 molhos esleirs de palha, 31 saceos gomma;
a Cosme Jos dos Santos C.llado.
84 meios de sola ; a Vianna & Guimaraet.
56 saceos gomma ; a Parela Vianna & C.
53 saceos cera de carnauba, 31 mtioa de sola ;
a riura Moreira 4 Filhoe.
68 courot salgados ; a Domingos Rodrigues de
nata-aria
20 molhos de palha do carnauba, 29 taceos de
cera de dita ; a Manoel Ignacio Bszerra.
Exporta cao.
Da 3 de dezembro.
Barca franceza Sphere, para o Htrre, corre-
gir m :
Tisset Freres 110 taceos com 314 arrobas e 15
libras de cera de carnauba.
Brigue nacional Julio, para o Porto carregou :
Aotunes Guimaraes 77 couroa salgados com
M libres.
Brigue portuguez Via/ante, para Londres car-
regara m:
Thomrz do A. Foneeca 8 rfarriquinat e latas
com 44 arrobas e 17 libras de assucar.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Feraambuco.
Rendimento do dia 3 1:07'2|531
CoiiHulatdo provincial.
Rendimento do da 3.....4:497|479
MoTiaieiito do porto.
Navios entrados no dia 3.
Tarragona38 da.*, sumaca hespanhla Haria
Llobtrat, de 105 toneladas, capito Gerardo
Maritany e Mora, equipagem 9, carga 332 bar-
ricas com farioha de trigo, rnho e outros g-
neros ; a Aranaga Hijo & C.
Terra Nora30 dias, brigue inglez Agnts, de 177
toneladas, capitao James Ferris, equipagem 8,
carga 2,690 bsrricas com bacalhio ; a Sauuders
Brothers & C.
Seguiopar aBahia.
Penedo7 dias, cter bratileiro Emma, de 66
, toneladas, capito Francisco Goo;a I res Torres,
equipagem 6, carga diferentes gneros ; ao
capitao.
Rio de Janeiro Brigue brasileiro Norma, de 226
toneladas, capitao Jos de Abreu, equipagem
13, carga 4,200 arrobas de carne secca e outros
gneros ; a Domingos Ferreira Haia.
Obaerracao.
Apparece ao norte urna escuna.
Horas.
o
B
B
U)
Z
A.thmospheru
Dirtceao.

a
5
a
s
* I
3 | Intensidad*.
S 2 g S? \Farhtnhtit.
I

o>
o I
"oo
I Centgrado.
8
y
Hygrometro.
.. o
.2 2
a

a
00
I Citterna h'jdre-
J_ mtrtcit.
I
Francex.

i
Inglez.
c
es
v.
n
te
<
8 5
B 5
2 3
M t"
SE
s
r-
o
en
B
A noite clara, rento NE rariarel de intensi-
dade e asaim amanheceu.
OSCILAQlO DA HAR.
Preamar as 4 h. 30' da tsrde, altura 7,2 p.
Baixi-mar aa 10 b. 18' da manhaa, altura 0,7-p.
Obserratoro do arsenal de marinha, 3 de de-
zembro de 1861.
HORADO STEPPLE,
1* teoente.
Edtaes.
De ordem do lllm. Sr. Dr. procurador fis-
cal da thesouraria prorincial, arisam-se aos de-
redores de decimas e outros impostos, que asre-
lacoes respectiras se acharo em juizo, e aos mes-
mos se concede o prtzo de 31) dias, contados de
boje, para solicitarera as competentes guias no
escriplorto da ra do Imperador n, 41, das 9 Ii2
da manhaa s 8 da tarde. Recife 28 de norem-
bro de 1861.0 solicitador da fazenda prorincial
Joo Firmino Coneia de Araujo.
Em rirtude do ofllcio do Ezm. Sr. presiden-
te da provincia, datado de 25 do correte, estaro
pela segunda rez em prego, peraote a cmara
muuicipal detta cidade, ot seguinles impostos quo
fazem parle das randas do patrimonio da mesma
cmara, nos dias 5, 12 e 19 do mez de dezembro
prximo futuro : o dizimo de capim de planta,
araliado por 609 annuaes, e os impostos de gado
ovelhum e cargas de farinha e legamet, com o
abate legal como determina o Ezm. Sr. no refe-
rido officio.
Paco da cmara municipal da cidade de Olinda
29 de norembro de 1861.O secretario.
Gamillo da Silreira Borges'Trrora Iodigena.
__ O lllm. Sr. inspector da thesouraria pro-
rincial, em cumprimento da ordem do Bxm. Sr.
presidente da provincia, manda convidar as pes-
soas que quizerem contratar a construeco dat
pontes nos lugarea indicados na nota abaizo co-
piada, a apresentar na mesma thesouraria as
tuas propoatas, sendo os contratos eftectuados
sob as condicoes aoguintes :
Priraeira. Que a importancia das obras con-
tratadas correr por conla dot contratantes, nao
sendo em cato algum por ellas respontareis oa
cofres da provincia.
Segunda. Que o gaverno garantir a percep-
c.o do pedagio pelo lempo e forma que contra-
tar, com tanto que os conlribuiotes do pedagio
oo paguem em cada barreira mais do duplo do
que se arrecada as existentes como receila da
provincia.
Terceira. 0 numero de aonos para a percep-
cao do pedagio ser regulado em atleoco i fre-
quencia do transito quepossa harer a importan-
cia e difQculdade da obra.
Quarla. Ojio aa pontea aerSo construidas,
segundo as condicoes. planos e orernoslos apre-
tentadoa pela directora das obras publicas.
Quinta. Que, em quanto nao Andar o prazo
percepeo do pedagio, o emprezario ser obli-
gado i conserrar a obra em perfeito eatado, aoq
pena de serem os reparos necessarioa feitos por
ordem do gorerdo i costa do mesmo emprezario,
que, alm disto pagari urna multa correspon-
dente i decima parle das despezas que com isso
se fizerem.
Sexta. Que aa obras serio inspeccionadas
pelas agentes do gorerno, nio s quanto ana
conalruccio, como no que diz respeiirraoe traba-
lbos de conserracio.
Sptima. Que qualquer das obrsa, embora
aprehendida por particulares, sari cootidsrada
de utilidad publica, para que postara ler lugar
o desappropiiaobos da que por rentura dependa
a tua lealiiteao, e por-ieao goaar doa meamos
pririlegioa que aa de ma ebrat da provincia.
iuva. Que ot coat ates mim foitoa otario
sujeitot i approraco da taiemble prorincial,
com excepeo nicamente daqoeRee qjoo versa-
ren) sobre obraa de um ralor equiraJentea i tres
contos de rit, ou em que se estipular pedagio,
que nio exeeda do um anno, os quaes prodazirio
logo os seos e Bel los.
JVofo dot lugares onde deoem ser construidas
affmut.
1 S. Joio, m estrada de Pie-
d'Alho sobro orto................ Cajaaria*.
Tutbi, no iUs do Fio d'Alho Idoa.
8 Cspunga > idea.
A Motocolomo, estrada do tul.. Tijtat.
5 Eoseoho Trapicha, ettrada 4o
- C"0-.......................... Plweiat.
6 Trapiche ia Ipojuca........... Ipofoco.
7 Porto de Podra................ Seriuhem.
8 Duat-Barras................... Idea.
9 Villa de Barreiro............. Un.
10 Eogooho Jundli............... Uem.
Escd......................... Ipojuca.
"^ Ameiigi ........,.......... Amarigi.
13 Genipapo...................... Siblr.
As propostas serio recebidas al o fim de de-
zembro do correle anno.
B para constar se mandou fBiar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorincial de Per-
nambuco, 7 de norembro de 1861.
0 secretario,
Antonio Ferreira d'Annuncisco.
O Dr. Agostinho Ermelioo de Leio Jnior, ca-
va lie-ro da ardeos de Christo e juiz municipal
e de orphioe do termo de Oliodt, por S. M. I.
e constitucional, que Deo guarde, etc.
Fago taber que por este juizo te proceden e in-
ventario dos bees deixada por fallecimento de
Feliciana Luisa dos Santos, e sendo nelle des-
crpto como herdeiros de dita finada sena netos,
Clhot do fallecida Manoel Felit da Paixo Tei-
xeira da Cunha, residente que (oi no Curato do
Bom-Jardim da rulado Limoeira, e como conste
do mesmo inventario a incerteza do domicilio de
ditos herdeiros, e para que chegoe a noticia del-
les, maodei por meo despacho proferidos no dito
inventario que e pattatae eteripto do edital,
para chamar-se diios herdeiros ausentes, como
chamados sao pelo presente para no praso de
trinta dias compareceris por si oo por pottoa
que os represente em dilo inrentario. E para
que chegue ao conhecimeoto de todos te patsou
o preaente que ser ffixado no lugar publico do
costume o publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cioade de Olinda, tob
man signal e sello deste juizo, raleado sem sello
ex-cauta. Olinda, 28 de outubro de 1861.
Eu Francitco dat Chagas Caralcanti Pessos, es-
crirao o escreri.Agostinho Ermelino de Le8o
Jnior.
Ao sello trezentoc ris. Valha tem sello, ex-
causa.Leio Jnior.
0 Dr. Tiislao de Alencar Araripe, ofllcial da or-
dem da Rosa e juiz de direito especial do com-
mercio desta cidade do Recife, por S. M. I., etc.
Fac.o saber aos que o presente edital vuem e
delle noticia lirerem que no dia 16 de dezembro
ae ha da arrematar por renda a quem mais der
em praca publica detle juizo na tala dot audito-
rios irezentas e cincoeola garrafas de rnho do
Porto, aralitdas a 600 iis, 2I0# os quaes sio
pertencenles i Jes Joaquim da-Coala Alaciel e
rio a praca por execucio que Iba morem Tra-
vso Jnior di C.
E nio havendo iaacador, a arrematarlo ae fari
pelo prer,o da adjudicaco com o abalimeoto da
lei.
O presente ser afiliado nos lugares do costu-
me a publicado pela imprensa.
Recife, 86 de norembro de 1861.Eu Manoel
Mara Rodrigues do Nascimento, escririo, o es-
creri. Triaio de Aleocar Araripe.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria prorin-
cial, em cumprimento da resolucao da junta de
fazenda, mande fazer publico que a arremaiaco
da renda das casaa do patrimonio dos orphios,
foi transferida para o dia 12 do correle.
, Epara consta se mandou affizar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorincial, 3 de de-
zembro de 1861.O secretario, Antonio Ferreira
da Annunciaco.
O Dr. Trittao de Arencar Araripe, juiz de direi-
lo especial do commercio detta cidade do Re-
cife e teu termo, capital do provincia de Per-
nambuco, por S. M. I. e constitucional o Sr. D.
Pedro, que Dos guarde, etc.
Faco saber pelo presente que oo dia 16 de
dezembro deste anno te ha de arrematar por
renda, a quem maia der, depois da audiencia
respectiva na aala doa auditorios, o escravo de
nome Liberato, pardo, cem idad de 21 anuos,
araliado em 1:200$, o qual pertencenle a Ma-
noel Tbeodoro Rodrigues Pinto e a este fra pe-
nborado por ezecucio de Serrulo Pereira da Sil-
ra, e na falta de licitantes ser arrematado pelo
pre;o da adjudicaco com o abvtimenlo da lei.
E para que a noticia chegue a quem ioteressar
possa, maudei psssar editaes qoe serio affixados
nos lugares do coslume e publicados pela im-
preosa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aoa 3 dias do mez de dezembro de
1861, quadragessimo da independencia e do im-
perio do Brasil.
Eu, Manoel de Carralho Paes de Andrade, es-
cririo, o escreri.
Trislao de Alencar Aralipe.
Deeiaraco^s.
Conselho administrativo.
O conselho administratiro, para foraecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar oa objec-
loa seguinles:
Para o 2* batalhio de infantaria.
213 bonete.
142 3|4 coradoa de panno preto.
71 3(8 corados de hollanda de forro.
1240 raras de bnm branco.
1242 J|2 raras de algodiozioho.
40 grosas, 3 duzias e 10 boies pretos de osso.
Para a guarda' nacional ae Santo Antio.
2 iivros em branco, sendo um de 300 folhas e
outro de 200 ditas.
Quem quizer render taes objeclos aprsente at
mas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da manhia do dia 4 de
dezembro prximo riadouro.
Sala das sesses do cooselhp administratiro
para fornecimeato do arsenal do guerra, 25 de
norembro de 1861.
Btnto Jos Lamenha Lint,
Coronel preaideote,
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel rogal, secretario interino.
* O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda'fazer publico que do dia 4 do corren-
te por diante, pagam-ae oa ordenados dos empre-
gados proviociaes, vencidos no mez de norembro
ultimo.
Secretaria da thesouraria prorincial de Per-
nambuco, 3 de dezembro de 1861.O secretario,
Antonio Ferreira da Annuociacio.
Conselho de compras navae&.
Tendo de eonlratar-se tob as condices do es-
lylo, por tres mezes findos em marco rindouro, o
fornecimeoto de vi reres e outros objeclos de con-
sumo, arroz do daranhao, agurdenle branca de
20 gr-os, assucar branco grosso, zeite doce de
Lisboa, bolacha, bacalhio, carne secca do Rio
Grande, caf em grio, carnauba em reas, carne
verde, cangica SVi milho pilado, farioha de man-
dioca, fejio, manteiga franceza, mate, pi, sabao,
touoinno de Lisboa, velas stearioas e rinagrede
Lisboa, assim como o foraecimento tambem de
dietes : aramia, sletria, assucar braneo refiuado,
bolachinha, ceradinha, dez gallinhas, manteiga
lgleza, tapioca, e rnho de Lisboa ; para os na-
Tios da armada e estaoelecimentes de marinba, e
todot ot obiectoa da melhor qoalidade ; conrida
o conselho aos pretndanles a apretentarem tuas
propostas em cartas fechadas, no dia 5 de dezem-
bro prximo at a 11 horas da manhia.
Sala do oooselbo de compras naraes m 30 de
norembro do 1861.
O tecrattrio,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Consulado de Portugal.
Jote Henriques Ferreira, consol da naci pof-
tugueza netta provincia, conrida a todos oa sub-
ditos da mesma naci I quem o coobecimenlo
deste chegar a reunir se nos saldes do Gabinete
Portuguez de Leitura no dia 2 de dezembro pr-
ximo, pelaa 7 horas da tarde, para ae tratar de
aasomplo que dit reapeito a todoa oa portu-
guezet.
Contula do provincial de Pernambuco.
Pela meta do eonawlado rTncll m fax pu-
blico aoa proprieltriot dos prediot arbanoa da
fregdezias detta cidade e da doa Afogadot qaa os
Mata iat ataHt para eabataoct, a bocea do cofre,
do 1* emeatre da decima do anno finmeeiro cor-
real* 861 a 1862, ae priocipiam a contar do dia
3.de dezembro rindouro ; e que tambem no ms-
ate dia ptoaiait a eobaaatjtv do primeas semes-
tre do imposte o 5 % solare ts tomaos do* nena
do raz pertoocootes a eoravoracoei do aoJw mora.
ateas oo eaUio paoriaoiad gao nmmiro
fe 186l^.rti,iu Maotmie Preste Peaaira da
Bu,
Sania can k Imrktr-
dia io Recife.
O lllm. Sr. theioureiro esmoler interino da San-
ta casa de Misericordia do Recife, manda fazer pu-
blico que no dia 10 do prximo tature mex de
dezembro pelas 10hora*da manhia, na casa doa
expetloa, paga-ses respectiras amts que forero
acompanhadaa daa creancasas mentalidades ven-
cidat at 30 de telembro ultimo.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 37 de aorembre da 1861.
F. A. Caoalcanti Coutseiro,
Etcrirao.
Companhia do
Beberibe.
O caixa desta companhia eom-
mendador Manoel Goncalves da Silva,
acha-se autorizado a -pagaro 7* divi-
dendo na razo de 3$200 rs. por accao,
o mesmo Sr. caixa adverte aos 9rs.
accionistas, que parle se acha em cobre
que tem recebido dos arrematantes.
Escriptorio da Companhia do Bebe-
ribe 25 de noverabrerde 1861.
O secretario interino,
Justino Pereira de Faria.
THEATRO
DE ,
Santa Isabel.
Companhia dramtica sob a direceo do
artista Germano.
Q4JARTA-FEIRA, 4 DE DEZEMBRO DE 1861.
BENEFICIO DOACTOO
RAYJIllltfDO,
Subir i scena o ntuilo desejado drama em
tres actos e quatro quadros, de coslumes milita-
res, com todo o seu spparato de tropa e m-
sica,
29
ou
H0NR4 E GLORIA.
Terminari o espectculo cora a muilo tpplau-
dida comedia original doSr. Besonl,
NESTE CASO El HE C4S0
ou os
Os Estudanles do Recife.
O beneficiado conta com o auxilio e protec;ir>
do respeitarel publico em geral.
Os bilhetes acham-se i dispoticio do publico
em caa do beneficiado na ra Bella n. 28.
Comedir is 8 horas.
Armes martimos.
Ra Grande do Vorte e
Ass.
Segu com breridade o hiale 5ant'inna, para
carga e passageiros trata-se com Gurgel Irmos:
na ra da Cadeia do Recife n. 28, 1* andar.
Porto
Segu no dia 12 do correnle a mui releira bar-
ca portugueza aSympathiaa por ter a aua caga
prompta, somenle recebe passageiros .* a tratar
com os consignatarios Bailar & Olireira, ra da
Cadeia n.12.
Rio Grande do Sul
Segu com brevidade o brigue nacional Firma,
ainda recebe alguma carga A frete : a tratar com
os consignatariot Marques, Barros & C., largo do
Corpo Santo n. 6.
O gerente da Campanbia Peroambncana, a
pedido, transferio a sabida do vapor Persinun-
ga para o dia 9 e nio 5 como tem annnociado.
1 \ 1^ \
C0MT4NBIA nRIUODGARI
DI
iavegaci costeira a vapor
0 rapor Persinungat, commandante Moart,
sahiri para os portos do sul de sua escala no dia
9 de dezembro ss 5 horas da tarde. Recebo
carga at o dia 7 ao meio dia. Passageiros e
dinheiro a frete at o dia da aahida as 3 horts :
eteriptorio oo Forte do Mallos o. 1.
Pera as condiesoes, fretet e pasaigena trata-so
na agencia.
te
COMPANHU PEWIA1BIJCA1U
>
Navegado eosteiraavafor
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do A,*, Aracaty, Ceara',
e Acaracu'.
O rapor Jaguarb, commandante Lobato,
sahiri para os portos do norte de aua etcala at
o Acaraed no dia 9 de dezembro as 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o da 7 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiros a dinheiro a frete at o ola
da aahida ae 3 horas: escriptorio no forte do
Mattos n. I.
Sabe com toda a presteza o rehiro bitgee por-
tuguez Mercurios por ter a matar porto de ear-
rega ment prompto ; para o roste e eoongelaos.
trata-se eom o contlgnatario T. de Aqnlno Fon-
eeca Ja mor, no travesea de Medie de asee a. 7,
piimeire aader, ee oem osoptieaai


umm mi
Mi ARTA
Para o Rio de Janeiro sahira' bre-
vemente o brigue nacional Mara Isabel,
de priweua classe, recebe carga e frete
eescraros; tratase com Domingos Fer-
reira Aftaia, ra do Apollo n. g.
Rio de Janeiro.
Paca o Rio de Janeiro nbe cota brevidsde o
brigue aacienal aSiquetra. ji toa parto de mu
mnautfo prompto, para o restante escra-
tm a fre e, traU-ee com 0 capillo da mesmo, oa
com Darid Ferreira Bailar oa roa do Bru>?L
4 DI nUBTMlM M tUf -
Ib de Janeiro
prelacia seguir com muita brevidade o brigue
escuna Joven Arthur,iem parle de seu cirraga-
menlo prompto : para o reato qoe Ihe falla, tra-
ta-se com seo consignatario Acerado & Man-
das, oo seu escriptorio rae da Cruz n. I.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue nacin*! Almirante pretende seguir
com nuita brevidade, toa parle de seu carrega-
rnento prompto. para o testo que Ihe falta passa-
geiros e escravos a frete, para o que tem asseia-
loa coa modos, trato-ae com os aeui consignata-
rios Azevedo & tiendes no sea escriptorio rae da
liras n. 1.
Para
Leite Pitta OrHjrueira, firn^kilo dos
moris, oomistindo em rica mobilia de
Jacaranda', cadeiras avuIcas,mesaeU>u-
ca, e muita quantidade de ornaaentos
de mesas, renisianas, muitas obra de
prata e ouro, e outros objectos que s3o
desneoessanos mencionar, Tin, lodos
saberem que era urna das cata* mais bem
mobilhadaa, coavida aos Srs. pechin-
cheiros para este leilao ao correr do
martello na ra da Crac 19, segundo
andar*
Leilao

segu em poucos das o brigue nacional Cruzei-
ro do Sula, de primeira classe e bom veleiro, por
lar parto de seu carregamento prompto ; recebe
psssageiros a frele, para os quaes tam coramo-
dos, aaaia como para escravos : a tratar com
eus consignatarios Anlunea Guimarea & G.. no
Forte do Millos as. 15 e 17.
Maranho e Para. TabernaconfrAnteaigrejade
S. Jos do Manguinho
Quinta feira 5 do corrente.
Antones fari leilao'a requer melo de Antonio
de Moora Fernandas de Almeida e despacho do
Illa; Sr. Dr. jui especial do commercio, da ta-
berna sita em S. Jos do Manguinho confronto a
igreja, perlencent a Antonio de Andrade Cor-
deiro, no dia cima referido as 11 horas em
ponto.
Grande pechincba
Sega coa brandado o hiato Lindo Paque-
te portar grande parte deseo carregamento
contratado ; para o resto trato-se com os con-
signatarios Almeida Gomes, Aires A C. rus da
Craz a. 37. '
Para Lisboa
O patacho brasileiro aJulio pretende seguir
para Lisboa oestes oito das, tem parto de s%u
csrregameoto prompto : para o resto que Ihe
a' ,r?,"e B9m w "ew consignatarios Are-
vedo & Meodes, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Maranho.
Segu em poucos dias o palhabote nacional
Santo Aman, capitio Manoel da Silva Santos,
para alguma carga qoe ainda pode receber trata-
se com o seu consigqatario F. L. de O. Aievodo.
ra da Madre de Daos a. 12.
Baha.
Para a Baha segu em poucos dias a escuna
nacional Carlota, capito Luciano Alves da Con-
ceicao, para alguma carga que anda recebe tra-
ta-sa com o seu coasignatario Francisco L. de O.
Azevedo,. ra da Madre de Daos n. 12.
Para
em direitura.
Segu para o indicado porto o bem conbecido
brigue escuna Graciosa, capilao Joao Jos de
Souza, por ter parte de seu carregamento adian-
tado; para o resto trata-se com os consignatarios
Almeids Gomes, Aires & C., ra da Gru n. 27.
Rio Grande do Sul
PELO
Rio de Janeiro
segu brevemente o brigue nacional Adelaide,
de superior marcha, por ter alguma carga j en-
gajada : quem na mesmo quizer carregar ou ir
de passagem, dirija-se a Bailar & Oliveira, ra
da Cadeia do Recite n. 12, ou com o capito na
praca.
Leude*.
A 7 do correute.
O Sr. William Reid, gerente antigo
da casa commercial dos Srs. Adamson
Howie & C., tendo ordenado que se
fizesse por ntervencao do agente OH-
veira, o leilao da mobilia que fora do
*eu uso antes de partir para Inglaterra,
consistindo em sof, consolos, mesas
redonda ecomprida para sala, cadeiras
de encost, de braco, e de balanco
americanas, e outras usuaes, guard'a
vestidos, commodas secretarias, mar-
quezas, apparadores, lindas mesas com
imbuttdos para jogos de gamo e damas,
leitos de Ierro, e de madeira de diffe-
rentes tamanhos, lavatorios com espe-
lbo, toucadores, banheiros, porta-toa-
Ihas, carteiras portateis, e entre nume*
rosos outros objectos, ser5o vendidas al-
gurnas obras de prata inclusive um
lindo faqueiro para sobremesa ; tera'
lugar o mesmo leilao ,
Sabbado 7
terceiro andar da casa, ra do Torres,
n. 42, por cima do a rmazem de fazendas
dos referidos Srs. Adamson Howie 4 C
WXLM.
PELO AGENTE
Sexta-ferra 6 do corrente as
11 horas em ponto.
Sexta-feira 6 do corrente.
DE
Um escravo de 18 anuos.
O agente Camargo levara' esa leilSo
no dia mencionado na ra da Cruz n.
19, segundo andar, um excedente es-
cravo d 18 annos, sem vicios e com al-
gumas habilidades.
LEILAO
O agente Pestaa continuar o leilao dos sal-
vados do brigue oriental Alfredo, coosistiedo
ea ana percio de massaae, ancoras e eevren-
les de ferro, asslm eoao do casco forrado do co-
bre com mastros reaes, vergas, urna ancora e
corrente "o outros perteoces existentes a bordo,
juntamente com lodo o carregamento consislin-
em 159 toneladas de ossos em canellas in-
do
teiras
Hoje 4 de dezembro
pelas 10 horas da manha no armazem do bario
do Livramento no caes de Apollo.
HE
Fazendas, roupas feitas e
zea na roa do Imperado/ o. f7 no-di. actaa, de
urna canoa qae arcommad* 16 a SO peuoss,,sa-
bida ha poma do fabrico, toda pregada e encaH-
Ibada da cobre, forrada de zioco, seodo canslrui-
dii tolda para abrigvde passagelroi ele. : para exaae
da mesma, os pretndante* deretio fallar ooSr.
Jos Ctralho da Poaceca, coa eataleiro na fue
da Concordia confronte ao sobrado a. 34 onde
ootr'ora ai* armazem do sol, e para informa-
caes com o referido agento.
0*

Quarta-feira 4 do corrente.
PELO AGENTE
PESTAA.
No referido dia pelsa 10 horas da manba o
gente Pestaa tar leilao ao artaueu da rus
do Vigarfo n, II
DC
Movis, loucas, cryataes, quadros o uaa drer-
sidade de objectos qoe se rendero por muito
barato prato.
Avisos diversos.
Aviso
Precisa-se de urna ama que r
.-i.-, v ^__ .. e aprsente a
lenna nom leite, paga-se bem: "v especial da m
na ra do Crespo loja n. 13.
Aviso..
Nao sendo possfvel conti- .
nuar O abuSO, POStO em Orfll i- 5 > "lapendenle de despacho, ou
<* i. J K*" m Jidicial como consta da aesaae.
ca por alguns de nossosassig-
nantes, de nao pagarem o im-
PQrte da ssignatura dentro
dos quiaze dias doprimeiro
mezdoquartel pelo precode
5^000, pretextando faze-ld no
fim 6^000, como se acha es-
tipulado ; e, ao depois, quan-
do faltam penas alguos dias
para o completo do ultimo
mez, pretendem pagar 5#,
sob o fundamento de que nao
se acha Ando o quartel; preve-
nimos que todos os assignan-
tes que nao quizer satisfazer o
importe de sua assignatura
a UnCro dos primeiros 15 dias,
deairo assignar o documen-
. i i" "u.vi|uioi aaiisiizer o
TICOS Oi^eclOS de gOStO. importe de sua assignatura
Jos Josquim Moreira far leilao por interven- Ao****^ A^-----:____;____TZ .
cao do agenteosta Carralhe em sua lujada ra
Nova g. 8, de todas as fazendas existente* na1
mesma constando de camisas para hornea, ricas
cbapehnaa para senhora de seda e palha, ricos
vestuarios para meninos e meninas, seroulas de
liono e algoaao, graatas, chapeos de sol, ben-
g*Ji candelabros, serpentinas, numerosa quan-
tidade de perfumadas dos primeiros autores de
Franja e Inglaterra, ricos jarros de figuras, es-
coras, pentes, escarradeiras, siotos para senho-
ra, calcados para seohora, hornera e menino e
outros muitos objectos de gusto que tudo se ran-
dera ao correr do martello a dinheiro fista
quinta-feira 5 do eorreoe das 11 horas da ma-
nhia as 2 da tarde e a tarde das 4 huras as 8 da
noite.
LILAO
DA
Lojo'de fazendas da ra
da Cadeia n, 24.
Quarta-feira 4 de dezembro
as 11 horas em ponto.
Costa Carvalho por mandado do Illm. e Exm.
Sr. Dr. juiz lie orphaos far leilao no dia e hora
cima mencionado da armacSo e fazendas exis-
tentes na lojada riura Silra Aalunes & Filhos.
LEILAO
Quarta-feira 4 do corrente.
Aotunes far leilao em seu armazem ra do
Imperador n. 73, dos predios que periencerara s
Jos Luiz Pereira Jnior, os quaes sao os se-
guintes :
A 3a parte do sobrado de S andares n. 19 sito
na ra do Vigario.
A 3* parte do sobrado de um andar e soto n...
silo na ra do Lirramento.
A casa terrea n. 62 sita na ra d e Aguas-Ver-
des. As 11 horas-em ponto.
LEILAO
DE
O agente Ca margo autorisado pelo
testanwatciro o fallecido padre Jos
Qmnta-feira 5 do corrente.
O agenta Costa Carralho a requerimento de
Antonio Rodrigues Pinheiro como testamenteiro
e inventarame de D. Luiza Thereza de Jess
por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da'
segunda vara, far leilao na casa terrea sita na
ra Nora de Santa Rita n. 35. com 20 palmos de
frente e 141 ditos de fundo e mais um grande
terreno no fuodo e caes pertencente a mesma,
foretra a terreno de marinha, o dito leilSo ter
lugar quinta-feira 5 do corrente, as 11 horas da
maobaa na dita casa.
LEILAO
DE
Joias e mais algnns objectos pertencen-
tera mana fallida de Siqueira 4 Pe-
reira, feito pelo agente Antunes em
sea armazem fu do Imperador nu-
mero 73.
Quarta-feira 4 do corrente as
11 horas.
LEILAO'
to que lhes ser apresentado
pelo cobrador, obrigaudo-se a
pagar 6^000 no fim do quartel,
afim de obviar contestaces
que se suscitam diariamente.
Aproveitamos a occasio para
pedir, a nossos assignantes de
fra desta cidade, mandem pa-
gar o importe de suas assig-
naturas, para evitarem a sus-
penso da remessa.
LOTERA
Tenja -feira 10 de dezembro corrente,
anda rao mpreterivelmente as rodas
da quinta parte da nona lotera da ma-
triz da Boa-Vista desta cidade no conci
torio da igreja de N. S. do Rosario de
S. Antonio, pelas oito horas da ma-
nha. Os bilhetes emeiosacham se desde
ja' a venda somente atesegunda-feira 9.
Os premios serao pagos como de eos-
turne.
O thesoureiro,
A. J Rodrigues de Souza.
U. Mitoiles Joaqulua Frauda Sul^ueitu,
Francisco das Chagas Satgueiro, D. Rita
Joaquina Franca Salgueiro. suas Qlhas e
genro Francisco Alexandrino de Vasconcel-
losCallacs, cordialmeole sao muito gratos
a todoa os respetareis senhores, a muito
raneravel confraria de S. Pedro desta cida-
de, aquellos que caridosamenle digoaram-
se assislir na dita igrejs as exequias pelo
repouso eterno de seu muito amado e aau-
doso consorto, irraSo, sogro e av, assim
como acompanbar ao cemiterio publico, e
particular meosao fazem do muito caridoso
o Rvm. Frei Pedro Carmelita, que aconf-
panhou ao dito finado com verdadelro es-
pirito evanglico at os ultimes momentos
de seu passameoto, e de novo rogam sos
mesmos senhores para no dia 7 do corren-
te assistirem na dita igreja a missa do s-
timo dia pelas 8 horas da manha.
I
ae
DE
Na ra eslieiia oo llusaiiu u. 1, precisa-
de um caixeiro que teoba pratica de taberna.
Roga-seao Sr. Fortunato Ferreira
da Silva, que antes de se retirar para
Macei ve.nha sastirazer o que no igno-
ra na ra da Cadeia do JJecife n. 41.
Ainda se precisa de urna pessoa
para distribuidor deste Diario em Olin-
da : na livraria n. 6 e 8 da prac,a da In-
pedencia
MMPAMIA DA YU FRREA
DO
Recife a Sao Fraacisce.
(limitada.)
Attenco
al
Nos domingos cotnecando o dia 6 do corrente
ouiro aviso, os bilhetes de ida e volta das
Cinco Fontaii Escsda sero vendidos pelo preco
dos de siogela ; a saber ; r Y.
1a classe 6#500
2a classe 4500
3* classe 39000
if^* do **'*. qoom deeostumede
T'a~' a8 tJoco Po**7 e 30 minutos e de
tarde da Escasa as 4 horas.
s Attenco
# D. Maria Joaouiaa dni Suntna A
D. Mara Joaquina dos Santos Abreu,pelo
presevtej previne aoa seos inquilinos das
f*""*,ereM rU8 da Msogueire do ba-
" Boa-Visla n 5, na ra dos Pires o.
21, e no berco do Pecinho nobairro de S.
Aolono o. 21, que nao paguem os alugueis
so man lo da snnuuciante, Uaneel Flix de
Oiiveira e Silva, ou qualquer oulra pessoa
e se aprsente a recaba sos sem procu-
lesna sonunciante com
preseote annuncio; por
isio que a anounciaote foi forjada pelos
niSos traUmenioa que tem soffrido do -
indo seu marido a tratar de divorsiar-se
elle, e pela escriptura celebrada na nota
10 tabelliSo Almeida, do emirato ante-
nupcial com que casaram, seodo a anoon-
Mante somente qua entrou com beoa paca
consorcio, Uca a mesma aonoociante na
J administraeao dos seus bens desde
senlenca
.- escriptura.
tulro sim, pela razio dita previne a ao-
ninciante queoinguem faga trensaccao de
qialidade alguna com o dito seu marido
oa alguma oulra pessoa ainda que se apre-
W wote com procuracao da anouneiante, que
desde ji declara, que falsa respeito nao
so dai ditas oasas, seja de venda, bypothe- #)
ca ou permuta, ou mesmo qualquer oulra, m
como a raspeitoda jelras inclusive sdoSr. #
Jos Affonso de Azevedo Campos, e ootras 0
que sejsm relativas so casal da anonadan- 0
te. ainda sob o pretexto de reforma ; por- #
que toda a traosaegio a semelhante res- $
peito perlence a amanerante ainda mesmo #
no caso de perds di letra ; i assim tam- *
bem previne, que nioguem compre ao so-
bredlte seu marido qualquer bem movel
como mobilia, etc.; porque tudo quanto
xisle na casa em que mora vam.e o que para
*m mo do seu marido, da annunciante
com que entrou para o consorcio, visto co-
mo evidente da escriptura referida: e
desde j< protesta promover os meios e ac-
edes juciciaes centra as pessoss qno nio
obstante este annuncio, pagarem oa flze-
rem qudquer transa'ceio ou compre ao su-
pradilo seu marido o qualquer oulro por
elle autorisado.
Mara Joaquina dos Santos Abreu.

s
No da 4 de tozembro correte se hao de
arrematar por venda um terreno e o dominio di-
recto de d#us solos na propriedade Passo do'Gi-
quii, por xecocao de Mtnoel Joaquim Baptista
contra Jos Florencio de Oliveira e Silva, com
nypolnecf na mesma propriedade, cuja prga te-
r lugar is 2 horas da tarde, na sala dan audien-
cias, deptis da do
escrirao Sales.
juizo municipal da 2.* vara,
Ama..
Precisa-se de urna ama de leite na
ra estreita do Rosario n. 41 segundo
andar.
D. Amalia Antonia de Montes
Chaby pelo presente, convida a
todos os amigos do seu fallecido
esposo, o coronel Joao Francisco
de Chaby,- para assistirem a missa
do stimo dia que tera' lugar na
matriz da Roa-Vista no dia quarta
eira do corrente pelas 8 horas
da manha : desde ja' agradece
a todos os que se prestarem a hon-
rar a assistencia deste acto.
No stimo dia do fallecimento
do coronel Joao Francisco de Cha-
by, depois da missa, que tera' lu-
gar quarta-feira pelas 8 horas, se
dar' a cada pobre a esmola de l
matiz da Roa-Vista.
na
Roga-se
tima canoa nova para
familia.
Quarta-feira 4 de dezembro at 11 horas
O gente Guimsraes fsr leilao em sea arma-
3--Rua estreita de Rosario-3
Francisco Pinto lorio continua a col-
focar deotes arrifleises tanto por meio de
moles como pela pressio do ar, nao re-
, cebo paga algnma aam que as obras nio
flquem a vontade de seus donos, teta pos
_ outras preparactes as mais acreditadas
ipara eonservacio da bocea
i
..T ^reS'5*"*.,.d" um me'1oWpsra iiiToTde
idade de 12 a 14 snoos ; os ru da Imperetris
numero 19.
lodsilas pesioas que devem massa fallida de
Antonio Joaquim Hachado Brand&o. de virem
pagar seos dbitos no prazo de 30 dias. na ra
pieila n. 73 ; se no competente prato nao satis-
Urera, serio cobrados judicialmente.
Roga-se eos senhores sbaixo mencionados o
favor de virem a ra do Crespo o. 8 A a negocio
d6 seus ioleresses, visto nio se saber de suas
mortd.is.
Dr. Pedro Gaudiaoo Ralis e Silra.
Padr Francisco Alves branles.
Fr. Joao de Santa Cecilia.
Capilao Antonio Fernando Rasouro.
Acurcio Jos de Hedeiros.
Francisco Jos do Amaral.
Francisco de Paula Cavalcanli Wanderley Lins.
Flix de Araujo Albuquerque.
Jos Guilherme dos Reis.
Joaquim Pedro do Reg Brrelo.
Mii.oel Doarle Ribeiro Jnior.
Manoel Antonio Barbosa.
Miguel da PuriQcagio Gomes.
Jos Gorgonio Paes Brrelo.
Alexandra da Silva Tavora Veneno.
Joo Baptista Moreira.
Francisco Jos Alves Gama.
Joaquim Ignacio de Carvalho Hendonca.
Os abaixo-asssignados participan aorespei-
tayel publico e ao corpa do commercio que dis-
solveram aoiigaveimenle a sociodade que tinham
na loja de funileiro o lampista na ra do Rangel
n. 1, que gyrava sob a firma de Carmina A Perei-
ra ; icando a cargo do socio Carmine lodo o acti-
vo e passivo da extincta firma.
Jus Beoto Gil Carmine.
Jos Joaquim Pimeotel Pereirs.
0 Sr. Josa da Silva Ferreira tea urna carta
vioda do Porto, oo escriptorio de Bailar Si Oli-
veira, ra da Cadeia n. t2.
Precisa-se lugar urna escrava fiel para lo-
do servico de casa : Ama.
Precisa-se de orna ama forra, prefere-se de
meia idade : na ra do Crespo n. 10:
Tjuem precisar slogar am escrivo para o
trabalho de sitio ou cocheira, dirija-se a ra dos
Pires n. 51, junto a caixa 'agua; o aluguel men-
sal de 169.
Aluga-se o segundo andar osa solio do
sobrado n. 33 par cima da loja dst tres estrellas,
na ra larga do Rosario : quem a pretender para
alugar, entende-se na mesase toja, que acbar
com quem tratar. -
Sr. Joao Hyppolito de Meira Li-
ma, queira apparecev- nest tvpographia
I que se ihe precisa fallar.
Codsiofo mediccr-crirfico
3-RVA.DA GLORl V CASA BO F\3T\ AO-3
Consulta por amos os systemsrs,
O desejo que ten de que os remedios do seu estabelecirnento nio se ccrotunal.m *. *-
dos todos aquel es que forem aoresentadoa am nt* m^7. I a coas,aerB'los como falsiHca-
mdicos allopathas empregam-as constantemente qu8 "o Sxa
n^neBdrUu^!LS..V.Ul.90K V\r em.,al>os qur em tincturas custario a fa o ridro
'^^"XPrs!a1^sis,^';232,dw',m' "i,d"1 -"-^
Dr. Lobo Moicozo. x
nnniio mww@
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
s
AS ENFERMIDADES SEXOAES,
PLUS DC
COPAHU
Cita-ato de Terra Chable.
Xarope mui prefervpI ao
Copahiba e as Cu be-
bas, cura inmediatamen-
te qualquier purjjacao ,
relaxacao e debilidade, e igualmente fluxos e
flores brancas ias'muHieres. mjem *r
ChaMe. Esta injetcio benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna vex
de manka, e urna vez de Urde durante tres dias:
ella segura a cura.
rAIA O TRATASJENTO E PRHHO CCSATIVO
IW TODAS AS ATECCOES CITANEAS, TIROS E ALTEHACOES DO SASCOT.
DEPURATIF
du SAIVG
XV-puratit de anur.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico coobecido
e approTado para curar
con promptrdao e radi-
calmente nnpigens, pusitrias, herpes, sarna, at-
mixoss, acrimonia e al taraces viciftsas do Ma-
gue ; virus, e qualquer aOecJo venrea. BSm-
hoi mineraes. Tomo-ae dous por semana, se-
ftuindo otratamento -*-r-----'~n a~iaa ui
iberyetiea. De um efTeito maravilhoso as af-
feces cutneas e comixoes.
n ... lSenirrhiaui.Pomada que as cuaa em 3 dias.
U depotito e na ra larga do Ttotario, botica de Bartholomeo Francisco de Souta, n. 6.
pasa a miL
Grande exposicao de finetas doces e (jriios.
bom pa'a fesU*" "* e*lreU d Ro"rio l' Hm om 8f,nde ortimento de todo quaot
Fructas.
Peras graudas.
Peros.
Macae$.
Uvas.
Abacsxis.
Melancias.
Meloes.
Castanhss.
Ditas confeiladas.
Amendoas.
Nozes.
Queijos.
Plamengos.
Sertio.
Locdrino.
Doces secos
Goisba em caiioes e em latas
muito fino.
Figos chelos.
Ditos festrellados.
Ditos em ceiras.
Pastas da altcsntl.
Ameixas.
Sapol.
Abacaxi.
Lima o.
Cidro.
Laranja.
Caj.
Chocolate
de todas as qualidades.
Doce de
calda.
Sapol.
Aba cai.
Limo.
Biribi.
Laranja.
Gidio.
Grosellas.
Marmelada.
Caj.
Geleia de marmelo.
PiUBga.
Bolachinha
de todas ss quslidades.
Sorvete ao meio dia e & noite.
Precisa-se de urna ama de leite, mesmo que
tenhs filbo a mamentar ae faz negocio ; quem se
julgar nesta circumstaocia dirija-se ru dos
Pescadores n. 35. ao p da fabrica de sabio, que
achara com quem tratar.
Attenco
Furtaram do abaito assignado um re 9|
logio de ouro patente ioglez. coberlo de i
n. 7191, autor Iosh Peulioglon e um 1
trancelim do ouro: quem delle souber V
ou der noticia dirija-se ao largo do Corpo U
Santo loja de cabos de Antonio da Costa 1%
8e Silva Maduro, que ser generosamente
recompensado.
8
S
Attenco.
Vende-ae a cocheira da ra da Paz n. t A, li-
vre das condic;des que por escriptura flzera o
proprietario da casa om o Sr. Jos Gorgonio
Paes Brrelo : a tratar na ra da Praia n. 19.
mmmmmm -3m$m%mxi6mu
Vetide-se na loja de Nabuco 4 C. na
ra Nova n. 2. os mais modernos chapeo
a i
de palha a Travista para senhoras, ditos 8
_ aGaribaldi, ditos a Cavour, ditos de seda a turca para meninos, ditos de palha a fi
Garibaldi, ditos a hespanhola, e de ou- *
tras multas qualidades tanto de seda co- II
modo palha que se vender .mais barato 2
do queem outra qualquer parte.
Nabuco & C. com loja oa ra Nora n.
** S, receberam pelo ultimo navio um lindu
sortimenlo de eofeites de troco com vi-
xm drilhos, ditos de retroz preto e de cores,
ditos de filas e flores, ricas grinsldas pa-
ra aoivas, e outros muitos eofeites que
8 se vendem barato. i
Smmmm omm mmmm
| Rapfrancez,
2 Vende-se na loja de Nabuco & C. na '
ra Nova n. 2, rap francs a 89 a libra.
Vende-se
8
S
urna mobilia de amarello consistindo em 6 ca-
deiras, 1 sof, urna mesa redonda, um par da
cousolos, t lavatorio, 1 toucador, 1 cama e urna
mesa de jaotar, tudo em muito bom eetado e
por prec> com modo : na ra das Aguas-Verdea
n. 21, loja.
Aviso aos fumantes.
Na loja de Nabuco & C. na ra Novo n. m
2, vende-se fumo de differentes qualida- %
des para cachimbos e cigarros a saber:
Fumo caporal massos grandes a 2J.
8 Dito dito pequeos a 13
Dito de flor de harlebeck a 240 rs. 9
Dito americano a 240 rs. |K
Cigarros bota fugo do Rio de Janeiro a ***
|| 200 rs.
* Ditos de Havana a 240 rs.
K Ditos turcos em caixas de 100 a 29.
8"m Bolgas de borracha para fumo a ly.
Bocaes para charutos e cigarros.
I Cachimbos de gesso.
g| fotos de massa.
8 Ditos de espuma do mar.
E outros mallos objectos proprios para
9 os fumantes.
SfiiSdKeKaassie mmmmm
H Roupa feila.
S2 Na loja de Nabuco & C. na ra Nova o.
45 2, veste-se um homem dos pea al a ca-
32 beca por diversos precos.
|swBaKSie mmm gissinn
8 Aviso aos amantes dos
presepes,
Na loja de Nabuco 4 C. na ra Nova o.
2, vende-se excellenles paodeiros para 3
presepes por prego commodo.
Nabuco & C. coto loja na rus Nova n.
2, acabam de receber pelo ultimo navio
fraocez um lindo sortimenlo de vestua-
rios para meninos de 2 a 6 annos, como
sejam vestuarios de velludo, ditos de se-
da, ditos de merino, ditos de fustio bor-
8 dados e de outras muitas qualidades qua
se vendem mais barato do que em ootra
a qualquer parte.
KMSC^atiMSaalS SaJ&StiSSaS&attaBaS^
SV WeSrW aIBS 0^PV ^Sas^ VtW *;/ cmv "IW WsT^^SW j
Sintos para seuhora.
Vndese na loja de Nabuco & C. na
$ ra Mova a. 2, ricos siotos dourados, di-
tos prateados. ditos de fitas de seda e de
velludo, tudo por preco commodo.
Na taberna da ra da Aurora n. 48, vnde-
se una saces de cera de carnauba e urna taboa
de fazer velas, asiim como urna porcao da gar-
rafas razias que se di a 1) o eeato, na mesms]
casa vende-se urna bomba para cacimba.
Venie-se sai cavallo novo, gorda e boa an-
dador: a mtheira da ruada Guia n. 5, a traUr
no primeiro andar.
50 ARa da Cadeia do Recife 50A
c=r 5$ e 5#600.
Manoel Goncalves de O*Mtra anlos vende
esta pechincha : pecas de cambraia branca tapa-
da com 10 varas e urna vara de largara a 59, di-
ta de dita de apurada finura a 59500 a peca.
Ultima moda.
40Ruado Qneimado40
Ricos manguitos de cambraia bordados a Dalia
o mais superior que ha no mercado, vindo no pa-
quete Trances de 13 do corrente mez, grande
sorlimento de chales de merino de todas ss que-
ildades.
InjeccaoBrow
Remedio infallivel contra as gnor-
rheas antigs e recentes. nico depo-
sito na botica franceza ra da Cruz n.
22. Preco 5ff-
BARATO
1 sein igual, s na ra do
Queimado n. 40.
Loras de seda de cores para bomens, senhoras
e meninas, o par 400 rs.
Leecinhos de seda com franja, fiaos, para me-
ninas e senhores botarem no peseoQo, um 500 rav
Chapeos de sol de seda para meninas de esco-
la, asa 1600.
Grvalas de seda de ponta larga, outr'ora da
valor de 4 a 69. pelo diminuto preco de I mar.
Diversas fazendas de lia a seda para vestidas
da senhora, que outr'ora se vendan por 1|S80.
pelo diminuto preco de 500 o covatro.
Sedas decores superiores cosa pequeo taque
de mofo a 800 rs. o cavado.
Superiores e afamadas peonas de ac denerai-
oadas langa, groza 600 rs.
Pe as de cass lisa con 10 varas de largara a 4g


w
DiatO M fEUJUiMOCO. QUaRT*. RIsU 4 DC DEUM1RO M Mili
ELIXIR DE SAUDE
i
MM
63
Citrlactato de ferro,
Vnico deposita na botica de Joaquina Martinlio
da Ctiu, Correia., ra do Cabag n. ii,
cm Pernamaaco.
0 Dr H. Thermei (de Chalis) antigo pbarmaceutico aprsenla boje uma nova preparacio
de ferrocoa o nome de elixir de citro-lactato de ferro.
Parecer a o publico um luto emprear-ie um meamo medicamento debaixo de formulas lio
Tarjada, mato hornera li aciencia comprehende a neceasidade e importancia de. urna lal varie-
dade.
A formula um ojelo de multa importancia em therapeulica ; um progresso immenso,
quando ella, maniendo a esseocia do medicamento, o torna gradare!, (acil e possivel para todaaaa
idades, para todos os paladares e para todos os temperamentos.
Das numerosas preptraces de ferro at boje conhecidasneohuma rene lo bellas qualida-
des como o elxir de citro-lactacto de ferro. A geusabor agradavel, rene o tomar-se em ama pe-
quen* dose, e ser de uma prompta e fcil dssolueso no estomago, de modo que completamente
assimilado; e o nSo produzir por causa da lactina, que contem em sua compoaicao, a constipado de
ventre frequeolemente provocada pelas outras preparaedes lerrogioosas.
Estas novas qualidades em nada alterara a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo urna
substancia da-qual o medico ae cao pode dlspeusaa em aua clnica, e de iocomparavel utilidade
qualquer formulaajue Lhe d propiedades taes, qu o pratico possa prescrever sem receio. E' o
que consegu o pnarmaceutied* Thermea com a preparacio do citro-lactacto de ferro. Asslm este
medicamento oceupa hoja o primeiro lugar entre aa numerosaa prepacacea ferroginoaaa, xom o
altala a pxtica de muito mdicos diatinctoa que o tem ensaiado. Tem sido em pregado como im-
menso proveito naa molestias de languidez (cblorose patlidas corea ) na debilidade subsequente as
hemorrtngiaa. naa hydropeaias que apparecem depoisdas Intermitentes na incontinencia: de urinas
por debiliiade, as perolaa brancas, na escrophula, no rachitismo, na purpura hemorrnagica, aa
convalesoeocia das moieatias graves, na chloro anemia das mulheres grvidas, em todo os casos
em que o saogue ae acha empobrecido ou viciado peles fadigas, affeceoes chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancroaa, ayphlilica, excessoa venreos, onanismo e uso prolongado das precauces mer-
curiaea.
Estas eofermidades sendo mui frequeotes a sendo o ferro a principal substancia da que o
medies tem de lanQar mo para as debelar, o autor do citrp-lactato de ferro merece louvorea e o
reconlweimento da humanidade, por ter descobarlo urna tormuia pela qual se pode sem receio
do ferro.
Sirop du
DrPORGET
JARABE DO I OKGET.
affeceoes dos
pela inanh, e
Este xarope est approvado pelos mais eminentes mdicos
como sendo o melhor para curar conslipacoes, tosse convulsa
de Pars,
_ e ouiras,
broncbos, ataques de peito, irritac&es nervosas e insomnolencias: uma colherada
lutra a noite so sufQA<
lempo o doenie e o medico.
satisfaz ao mesmo
outra i noite sao sufficlentes. 0 riflo deste excelente xarope
O deposito i na ru torga do Rosario, botica de Birtholomto F'ancisee de Souza, n. 36.
APPR0VA(.0 E AUT0RISAC40
DA
E JUNTA CENTRAL OE HYGIENE PUBLICA
mmm medigmaes
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Cora estas Chapas-elbctbo-magneticas-epispasticas obtem-se uma cura radical e in-
allitrel era todos os casos da inflamraago ( cansado ou falta de respiraro ), sejam internas ou
extornas,como do Ggado, bofes, estomago, bajo, rins, ulero, pello, palpilaco de coracao, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affeceoes nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as differentes especies de tumores, comolobinhos escrfulas etc., leja qual fr o seu
lamaBho e profuadeza por meio da suppuraco sero radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e reeditadas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, eas innmeras curas oblidas o fazem merecer conservar a confianea do publico
que j tem a honra de merecer, depoisde 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer as neeessarias explicaces, se as chapas sao para hornera, senhora ou erianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, sana cabeea, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia: e sendo inchacOes, feridas ou ulceras, o molde do sen
fatnanho em um pedaco de papel e a declaracao onde exislem, afim de que as chapas sejo da
torma da parte affectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas sero acompanhadas das competentes explicaces e tambem de todos os acces-
orios para a collocacio dellas.
Consulta as pessoae que o diguarem honrar com a sua confianea^ em seu esariptorio, que
se acbar aberto todos os das, sem excepto, das 9 horas da manhaa Is 2 da tarde.
H9 Rua do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para as encommendas ou nformagoes dirijam-se a
ra do Qbeimado n. 15.
pharmacia je JosAlexandre R'beiro,
p. 9
3 a
-2.3
B ? 3
s* >
a
a-n p
a o <* -
|o"?-3
S =
- o ft
s -
8 a Z o Si3
i c n o ~ so
.p B- fi9 PJ
'O ,,
5. 2.
3^ o cr m .
* o- a HT 2 = >!W t o
cr S o o B 5c o- ~
S-i S S 8-g g^S ff
_B So g..O;g g_s
2.5: 2>J2 a
a-- 5 S o
fi
i B a

O
9
a
812
re
3
u
-i
re
re
O.
S9
-1
s ^
5"ff
8
re
sr
B
i s -.
c- 3 B
O B> O-
re 2 o **
Jt s a
2 o 2
a. "! o O
(O
s.8
3
B
o_
O O.B_
-a g-^
S g s
S21
re cr S
rf <-t-
1
t? C X
re o
isa
re o Q
i a 5
1 1"SS 2 3
.S-3.-B 3 2
'2 2 cr
a p re os
as p O
* --O0
S B S 2.
g o o c ^
a, -s -r 5
5'^ g-
3 -
ttS
13
g%g
i c
o en
s-1
2 ?. B 5 = S.
2.51,1 -"O cr" cr
2^ 8e-a.
re
re
M O
O
S-. 2. t 2
re c>3
O* S'S 3
. 5.
re _, cd o
re c a.
n S 3 B S
3 "O B
3 s; i o. -
2 B. r o
= < a y
- S -" a o b
o
c
3-t
3r2
c
B9
S3
as
3
3
o
&b
l?-o
e- tu
g"
C3
=
3
5
g"

re
B
ai
3
n
a
o
Precisa-te de uma ama que saiba coziohar e
engomaur, preerind-ae eacrara ; no pateo da
ribeira n. 5.
O abalxo asalgnado tendo tido conlaa com
Manoel Aires Ferreira desde junho de 1857 ao
ultimo de ooveinbro deste anoo, acaba de aa aal-
dar com o meamo Pmeira por le dher elle ha-
bilitado para proceder a liquidacao da aua ceaa ;
aasim. pea, o abati aasigoado deade j declina
de ai toda a retpooeabilidade que deste pagamen-
to possa prorir para a firma aocial Manot-1 Altes
Ferreira & Lima. RecifeSO de uorembro de 1861
Paulino Prea Falcao.
Precisa-se de um feitor para um sitio de
peasoa eatrangeire, em Sani'Anoa : a tratar na
ra do Trapiche Nora n. 41.
Precisa-se de nm rapas de 15 annoa. mala
ou menos, lirre eu escrato, para aervigo de casa
e ra : na ilha doa Ratos, ra do Seve ou L'uiao,
casa n. 28, com porlio ao lado, tisioha a ponte
que ae est faiendo da ra da Aurora para o
Campo daa Prihcea.
Collegio de Bemfica.
Este estabelecimeolo nao d ferias, Suaa aulas
continuara como al agora, aem interrupcao para
todoa os aeua alumnos.
Alem disto, desde o principio de desembre, ha-
tera um curao separada de philosophia, reloori-
ca, geographia e geometra para os esludaotea
que quizerem fazer exame dos ditos preparalonot
oo comeco o prximo anno lectivo.
Aluga-se o terceiro andar da casa
n. 37, sita na ra do Atnorim : a tratar
na ra da Gadeia n. 62.'
Quera qutzer arrendar ou comprare tngenho
Itapirema do Meiria comarca de Goianoaou ar-
rendar o eogenbo Souza na freguezia da Ttquara
ni provincia da Parabyba, ou mesmo comprar
mais de melada deate eogenho, pertencente* aos.
herdeiros do finado coronel Esteto Caraleanti
d'Albuquerque, dirija-se a ra estreita do Rosario
n. 10 3' andar ou ao engenbo Tab na fregueiia
da Taquara.
Arrendamento.
Traapassa-se o arrendamento do aobrado e ar-
mazens da ra do Trapiche o. -40, encllente pira-
qualquer eatabelecimento commerclal de a-
zendas : trata-sena meamacaaa.
Aluga-ae um armazem na ra do caesde
Apollo o. 7, aom commodos aufficientes pira
qualqner eatabelecimento : a tratar no pateo de
S. Pedro n. 6.
Frederico Charos aluga aua casa de soVra-
do sito no Poco da Panella. com muitos boas
commodos para familia, jardim aos ladoe, teiri-
co, casa para criadoa, coebeira e estribarla, peto
do banbo, e multo freaca : a tratar na rui da 1 n-
peralriz n. 19.
Offerece-ae um rapaz para caixeiro de o
branca, dentro e fora da praca : quem pretender
dirija-se a praca da Independencia n. 10, em car-
ta, com aa iniciaes A. S. D. G.
Attenco.
A anliga coebeira d'alem da ponte da poroacta
de Deberibe contina a receber carros e cavados.
Preciaa-ae de uma ama, que saiba coozi-
nhar e Comprar: na ra Nova o. 33 %
Aluga-ae o eeguodo andar da caa n. 15 da
ra do Vigario, com baataote commodc e mdico
aluguel ; a tratar na mesma ra n. 15, taberna.
Um segundo
andar.
Aluga-se o segundo andar da praia da Boa-
Vista : a tratar na loja de calcado na na da Im-.
apertriz n. 46.
O abaixo aasigoado tem mudado siacass de
drogas bomeopalbicas da casa n. 13 do pateo do
Paraizo para a casa n. 8 no mesmo pateo.
Augusto Xavier de Souza F o tueca,
NOVO METHODO PRATICO-THERICO
PARA'
aprender uma logua em seis mezes.
APPLICAOO AO FRANCEZ,
segundo o facilimo syatema allemao do
Dr. HJ CMlendoff,
POR i
Cicero Peregrino.
Obra inteiramente- nova e uoica, escripia em
portuguez por aquello ystema, approvada pelo
conselho director de instrueco publica deata pro-
vincia, em aesso de 10 de outubro ultimo; 2 vo-
lumes de quasi 500 folhas em 8 francez 7|000.
Recebem-ae aasignaturas na ra do Queimado
n. 26, primeiro andar.
Aluga-ae ama casa na povoaco do Moi-
leiro para ae passar a festa, e tambem um ptimo
sitio na Torre com o banho porta, e outras con-
modidades : a tratar com o Sr. Jos Azevedo An-
drade, na ra do Crespo, ou com Jos Hariacoo
de Albuquerque.na estrada nova do Cachang.
Precisase de 700$ a premio de 2 OiOao
mez, portempode 6 mezes, pagando-seo prenio
todos os mezes. sobre nm ou dous escravos que
custaram 3:2009; na ra do Raogel n. 31 se lira
quem quer.
Consultas medicas. 8
Serio dadas lodos os das pelo Dr. Coa* S
me de S Pereira no seu escriptorio, ra 1
da Cruz n. 53, desde s 6 at. s 10 horas 8
da manhaa menos aos domingos sobre: U
1.* Molestias de olhos.
2.* Molestias de coracao e de peito. tt
3.* Molestias dos orgaos da geracao e
do anus. ||
O exame dos doeutes ser feito na or- g
dom de suss entradas, comecando-se po- Ir
rm por aquelles que sofrerem dos **
olhos.
Instrumentos chimicos,acsticos e op- S
ticos sero em pregados em suas cnsul- f
ta jes e*broceder com todo rigor e pru- Ib
dencia para obter certeza, ou ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza a J
causa da molestia, e dahi. deduzir o planj S
de tratamenlo que deve deslrui-la ou jf
curar.
Varios medicamentos sero ambem S
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeiraqualidade, S
promptido em seus effeitos, e a necea- *
dade do seu emprego urgente que se usir I
- delles.
Pralicar ahi mesmo, ou em casa dos I
doentes toda e qualquer operadlo que i
julgar conveniente para o restabeleci- m
ment dos mesmos, para cujo lim se acha S
prvido de uma completa coUeccao de ]f
instrumentos indispensavel ao medico 9
operador. |l
KMSSWaH 9Maal9-9e69l6M6MeMSXI
Ama de leite.
Precisa-se de uma uma que tenha maito e bom
leite : na ra da Cruz do Recife n. 57.
Mestr para o
mato
Offerece-se para ensinir meninos em algum
eogenho, uma peaioa muito habilitada : a tratar
na ra ae Apollo o. 43, com Henrique Sarsiva de
(Thtrftujo e Mello.
Jos Diss Brandio, achandp-te baoslan
encommodado de sua saode, retrase para fr.
da provincia, epor isaovende osea eatabeleci-
mento de molbados. cito ra da Liogoeta n. 5.
Esta casa jl pela sua boa localidade, por ser ao
p da eataco do desembarque, aonde concarrem
marinheiros de todas asnaedes,torna-sede mui-
ta vantagem para qualquer principiante, mesmo
por que tem poneos fundos.
Precisa-se de um
caixeiro
Dase soeiedade a uma pessoa qae tenha pra-
tica de loja de miudezaa, comanlo que o mu
comportamento aaaim o exija ; quem pretender
dirija-se a iva da Impertira o. 46, loja.
se de dous
paga-se
lobre
particular de rhetorica.
O acadmico Manoel da Costa Honorato tem
abarlo as aula de eloquencia e potica nacional
para habilitaco doi eatudantas qee quizerem
prestar axame de ditas materias no futuro mea de
margo, na ra Direita n. 88, primeiro andar.
- Na padaria do leo do norte, ra do Coto-
vello, preciaa-ae de um boa trabalhador de mai-
aefra.
Menead
Na ruada Concordia n. 37 precisa
criadoa portuguezes, de 12 16 annos
bem.
- Aranaga, Hijo & G. sacam
o Rio de Janeiro. r ifa
CONSULTORIO ESPECIAL HOlEOPATfflCO
DO BOtiTOB.
n SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
ConsultasHodoa os das alis desda aa 10 horaa
at meio dia, acerca das seguintes molestias
molestia! da$ mulheres, molestias das crian-
tas, molestias di pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias syphiliticas,todas as esptoies de febres
febres intermitientes s suas consequencias,
FHARBACU KSH.UT. HOM0FATHICA .
Verdadeires medicamentos homeopatnicos pre-
arados som todas aa cartela a neceaaariaa, in-
lliveis em seus effeitos,tanto em tintura, como
em glbulo, pelor presos mais commodos pos-
slveisl
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino aio
nicamente vendidoaem aua pharmacia ; todoa
que o forem (ora della ao falsas.
Todaaascarteiraa sao acompanhadas da nm
Impresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro'. Este emblema poato
Igualmente na (isla dos medica meatos que se pe-
de. As carteiras que nao lerarem esse impresso
aaaim marcado, ambora tenham na lampa O Do-
me do Dr. Sabino sao falsos
Gabinete medico cirurgico.
Ra das flores n. 37.
9 Sero dada sconsSiHas medlcas-cirurgi-
Cas pelo Dr. Estevao Cavalcaotl de Albu-
querquedas6 as 10 horas da manhaa, ac-
cudiodo aos chamados com a maior bre-
9 vidade possivel.
Partos.
% Molestias de pelle.
% 3.a dem do olhos.
fj 4.a dem dos orgaos genitaes.
aj Pralicar toda e qualquer opera^o em
aj seu gabinete ou em casa dos doentes con-
a forme lhe fr mais conveniente.
a
l
i FERREIRA YILLELA
RETRATISTA
DA ,
AUGUSTA CASA IMPERIAL,"
Bna do Cabug n, 18, t.a andar,
entrada pelo pateo da naa tris.
Retratos por ambrotypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaos para
pulcelras, alQoeles on cassoletas. Na mesma
caaa exiate nm completo e abundante aortimento
de artefactos francezes e americanos para a col-
locacio dos retratos. Ha tambem para sale mes-
mo flm cassoletaa e delicados alnetea de ouro
de lei; retratos em photographia daa principaea
peraonagens da Europa ; atereoacopoa e viataa
stereoscopicas, assim como vidros para ambroiypo
e chimicas pholographicas.
O dentista Numa ompilio.
Ra estreita do Rosario n. 32, pri
meiro andar.
planta denles pela presase de ar. por molas e li-
gaduras, e faz todas aa operarles de tua arte.
Aluga-se o segundo andar da caaa n. 18.1 da
rnai Imperial, e o aegundo da ra da Imperatrizfrigor da lei contra a pesaba que a tiver coutaJa.
n. 188 : a iralar na ra da Aurora o. 36.
O
agente fiscal da provincia da Parahiba
aeata cidade, Bernardo Jos Martina Pereira, mo-
ra na freguesia da Boa-vista, ra da Uoiao n. 50
onde pode ser procurado.
Saque sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho sacam so-
bre Liaboa ; no largo do Corpo Santo n. 19.
SISMA} aamm
Sobre a viagem ao Brasil em 1852,
DE
Garlos R. Mansfield.
POR
A. D. DE PASCUAL.
Acha-46 novamente aberta a assignatura para
esta eicellente obra em doua voluraea, ntidamen-
te impreaaos, dos quaes o primeiro est j publi-
cado. As peasoas que desejarem possui-la- po-
darlo dirigir-se ao escriptorio da ra da Crus n.
4o, Ia andar. Preco da obra completa 5S000, que
sero pagoa entrega do primeiro roame.
Soeiedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Santos & C. sacam e tomam
saques sobre a praca de Lisboa.
Attenco.
Fngio no dia 2 do crrante uma eacrava de no-
mo Benedicta, oe 29 a 30 anoes de idade, per-
teocente ao capilao do 2. batalhio de iofantaria
Joao Theodoro Pereira de Mello, coa os aigoaev
seguintes : erioula, natnral do Rio" Grande do
Sul, baita, malfeita de corpo, cara redonda, olhos
pequeos, com falta de denles da frente na ma-
Dubula superior, caballos muito finos, muito con-
versadeira, foi vista com um vestido'de corpo de
chita ou caasa cor de ros, a asta de chita cam-
po branco com salpico pardos, levando um nai-
de de carregar agua pintad de amarello escaro.
(abe bem fazer qualquer trrico de uma caaa
de fsjpilia, e eogommaodo. lavando e cosando
perfeTtsmente ; suppda-se ter seguido para fora
da cidade induzida por alguem, ou acontada nes-
ta cidade ; gratifica-so bem a quem leva-la ao
seu senhor na traveasa de S. Jos n. 35, primei-
ro andar: aasim como proteata-n cora todo o
Companhia
DE
Dentista de Paris.
15Ra Nova15
PradaricGautier,cirurgiiodentista,faz
todas as operacoes da sua arta acoloca
damas artificiaos, tndocom a sopariori-
dadeeparfeigoqueas pessoasantendi-
daslhereconhacem.
Tes agua e psdantifriciosatc.
i
Na botica do Piolo ra dos Quarteis acaba
de receber a iojecco de Brow infallivel e preser-
vativo nos esquentamentos recentes ou ebronicos,
a o xarope de Lobelooije contra molestias do co-
racao, as hydropesias e as affeceoes do peito.
Seguros Utilidade Publica.
Nao tendo hoje comparecido nnmero sufficiente
de senbores accionistas desta companhia, para
haver sesso, foi deliberado peloa seohores pre-
sentes que .se fizesse novo convite para o dia 6
de dezembro de 1861 ao meio dia.
Recife, 30 de novembro de 1861.
Os directores,
-Jos P. daCnoha.
Thomaz de Faria.
Publicacoes do Instituto lo-
meopathico do Brasil.
THESOURO HOMEOPATHIO
ou
YADE-MECl M DO HOHFOPATHA.
(Segunda edieco consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diecioario popular de medicina ho-
meopathico
?ELO ER.
SABINO OL PINHO.
Cootinuam as assignaturas para estas obras a
209000 em brochura at dezembro. Dease lempo
em diaote as aaaignaturas sero elevadas a rs.
25*000.
Ra de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Antonio Jos Rodrigues de Souza
aluga seu sitio do Monteiro, o qual
bastante fresco e tem bons commodos :
a tratar ns ra do Crespo n. 15.
Simo de Sampaio Leite vai ao Rio de Ja-
neiro.
Precisa-se de m caixeiro de 12 a 15 an-
nos, nacional ou portuguez, para taberna, dando
fiador a sua conducta : Ha ra do Imperador nu-
mero 83. 1) i ,
Aluga-ae por anno ou por mezes para pas-
sar a feata, uma caaa terrea em um doa melhores
lugarea de Olinda (pateo de S. Pedro Apostlo),
acabada de novo, com asseio e repartimento que
offerece commodoa ; alem disso fresca e perto
do banho : a tratar no sobrado junto a mesma-
Hotel de Apipuco?.
Precisa-se de um bom cozinbeiro.
Aluga-se o andar terreo n. 21 da ra da.
Imperatriz : a fallar na mesma casa.
Padaria.
Traspassa-ae ou arrenda-se a padaria da caia
d'agua n. 50, da freguezia da Boa-Vista, prompta
e trabaibaodo, e por preco commodo na compra
por os donos ae quererem mudar da casa, tem
casa de morada para quem precisar.
O Sr. Goilherme Besson de Almeida tenha
a bondade de apparecer ni ra do Brom n. 63, a
tratar de negocio que o aenhor nao ignora, pois
o lempo j rouilo sufficiente.
Precisa-se de dnas amas, sendo uma para
tratar de meninos, e outra para coziohar e en-
gommar : ns tua da Cadeia do Recife, loja n. 50.
Na comarca de Porto Calvo, termo de Ca-
maragibe, vende-se o engenbo Dous Irmaos, si-
tuado margen) do rio Camaragibe, com aafra
criada para 2,500 pes, e Ierras para safrejar foi-
gadamente3a 4. O engenbo tem duis casas de
vivenda, ambaa cobertaa de telhss e em bom es-
tado : a casa de engenbo, que unidafa de pur-
gar, de laipa coberta de telhss : os pretenden-
tes dirijam-se ao referido engenho.
Precisa-te de um cozinbeiro forro on es-
cravo ; na ra doa Pescadores ns. 1 e 3 ; paga-
se-lhe bem assim|agrade.
7- Precisa-sede uma ama qne tenha bom lei-
te ; na ra Imperial n. 49.
bach arel Witrutio po-
de ser procurado na Tua
Nova o. 23,sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
I
*
0
i

0
0
0
0
0
! STAHL & G.
RETRATISTA DE S. N. 0 IMPERADOR:
a. Una da Imperatriz \
narnero 14. i
Tencionando retirar-se proxi- ^
P mmente des ta praca participara '
' a seas freguezes e amigos como ^
| em geral a todos que podem i
[ precisar do seu olicio, aim de I
* que aproveitem do pouco tempo ^
' queos anndhciantes podem ain i
f da dtspor para a execuro das i
i encommendas com as quaes i
queiram honra-Ios.
r Agradecendo nesta occasiao
} ao Ilustrado publico desta cap- 4
> tal o bom acolhimcnto das suas i
I obtas, decid rain se a por estas
i ao alcance de todos introduzindo 5
i uma contjderavel baixa na maior i
i parte dosses pretps e esperam -
\ que o desfalque que disso lhes i
\ resultar sera' compensado por i
um augmento de concurrencia.
Preciaa-se de uma boa criada que saiba en-
gommar e tratar do servico interno de orna casa
de pouca familia : na ra das Cruzes n. 20.
Attenco.
Preotss-se slugar um sobrado de um andar e
sotao que tenha quintal com Cacimba : quem ti-
ver pode se dirigir traveaaa doa Acouguinhos
n. 20, que se dir a peasoa que quer.
Ana.
Pede-ae ao Sr. Dr. Joaquim Elviro de
Horaea Garvalbo, que quando vier ao Re-
Precisa-se de ama ama secca, captiva ou forra
para comprar e eoziohar para casa de pouca fa-
milia : tratar na ra do Imperador o. 54, loja
de livros.
cife faca favor d drigir-ae ra do Cres-
00100000 00a>4| 00000
O abano isalguado avisa Sos senboras es-
tadantes que tranaferio sua casa de ensino par-
acular para a ra da Santa Cruz n M, assim co-
mo que esli abortas as aulas de latim e francex
para que se quizerem preparar para marco.
Lutz Emifdio Rodrigues Viaooa,
Na travess da ra das Cruzes n. 2
primeiro andar, tinge-se com perfeico
para qualquer cor e o mais barato
possivel.
Asssociaco com-
mercial benefl-
cente.
A dirccQan da associacio commercial benefi-
cente, a requerimento de numero, snfficienle de
socios, convoca a reunio extraordinaria da as-
sembla geral para o dia 4 do correte ao meio
dia, senda o objecto a tratar-se do melhoramenlo
da casa da mesma associacio.
Sala da associacio commercial benefkente 2 de
dezembro de 1861.O secretario, -
Manoel Aires Guerra.
Precisa-se de urna ama que aaiba cosiobar
e lavar: na ra do Rangel n. 7, segundo andar.
O abaixo aasigoado tendo pedido demissio
do emprego que exercia na casa de detencio, e
em cujas funecoes teve a immerecida honra de
ser demasiado delicado e civilmente tratado por
aeu chefe o Dr. Rufino Augusto de Almeida, fal-
tara ao enmprimento de um imperioso dever, se
nao viesae publicamente significar seu recooheci-
mento as muitas attenedes bondadosas, que lhe
foram disperdicadas.
Ni carencia de outro meio por que faca conhe-
cer sua gralidio, vem pedir ao mesmo Illm. Sr.
Dr. Rufino Augusto de Almeida, venia para offe-
recer-lh j aeua limitados prestimoa e a S. Exma.
familia, em qualquer lagar ou condigio, a que o
destino sujeite o meamo abaixo aasigoado.
Recife, 4 de dezembro de 1861.
Joaquina Custodio de Oliveira.
Precisa-se de um moco desempedido para
oceupar o lugar de 2 caixeiro de uma padaria,
que saiba ler e escrerere que tenha algum a pra-
tica deste negocio, que para substituir a falta
do Io oas suas moieatias ; quem ae acbar neslas
circumstanciaa e offerecer fiador a sua conducta,
pode dirigir-se a ra larga do Rosario padaria n.
16, junto da polica, que achara com quera tra-
tar. Tambem se admitiera doua amassadores de
prossao.
Precisarse fallar
aos Srs. Salusliano Ferreira de Moraes Reg e Al-
ves Nogueira & C, para se lhes entregaren) dif-
ferentes objeclos: 09 escriptorio de Almeida Go-
mes, Ales& C, ra da Crua n.27.
Est para alugar-se o 2 andar do aobrado
quasi no pateo da Santa Cruz na Boa-Viata e o
1 andar do sobrado da ra das Agoai Verdes:
quem pretender falle na ra daa Cruzes sobrado
n. 9, quem vem vai da tua do Queimado para S.
Francisco, lado direilo.
O escrivo dos protestos mudou o sea es-
criptorio para a ra de S. Francisco, lojaa do so-
brado o. 9.
Antonio Pedro Martina tem justo e eonlrs-
tado a taberna da ra do Rangel n. 10, com o Sr.
Joao Duarte Maginario, quem ae julgar com di-
reilo a dita, compareca no praao de 3 dias a con-
tar da data do presente. Recife, 3 de novembro
de 1861.
Precisa-se alagar ama casa terrea- ou um
andar de 5 a 6 salas e qoartos a beira do rio on
na ra da Aurora, pato tempo de 2 mezes; a fal-
lar na ra do Trapicho Novo a. 18, escriptorio.
Urna mulher porlugneza se offerece para
ama de um mogo aolteiro ; quem pretender, di-
rija-se a roa do Sebo n. 8.
Compras.
Compram-se acjoes do novo banco de Per-
nambuco : no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Compram-se 12 cadeiras e 2 consol, ten-
do lampo de pedra, aeodo de Jacaranda, embora
tenha algum uso ; annuncie para se procurar.
Vendas.
Cbampaoha superior, atacado ou a retalho:
vende-se na casa de James Crablree & C\ n. 42,
ra da Cruz.
Attenco
36-Hua Nova-36
Nesta casa eocontraro sempre um grande sor-
limento de relogios de algibeira, de ouro e de
prata, patentes e brlsontaes, auissos; assim co-
mo um completo sortimento de relogios de pare-
de e de bancas, dos melhores fabricantes possi-
vel. Faz tambem qualquer concert de relogios,
seja qual for a qualidade, e o estado de ruina, os
concertos sao aflaocador.
Attenco.
Vende-se confronte o porlio da fortaleza das
Cinco Pontas oaeguiole : carrocas para boi, di-
tas para cavados para agua, cariinho para traba-
thar na alfaudega, ditos de mo, rodas para car-
rocas e carriohoa, eixos, torradores de caf com
fogio, boceas de forno, baodeiras, ferros de vol-
ts de todas as qualidades, dobridicas de chum-
bar de lodosos tamanhos, (echaduras de ferrolho,
ferrolho de chapas, ferro de embutir de todos os
tamanhos, e porlio de ferro
Vende-so na ra Direita n. 95 nma porcio
de fr mas para velas, sendo de 6, 8, 10 e 13 em
libra, e juntamente 03 bancos com aparadores
para fazer as mesmas.tudo quasi novoe bem fe-
tos, e se vende muito barato : quem pretender
appare;a. Tambem se veede a retalho.
Ra da Imperatriz n. 76
Vende-se amo armacio propria pars qualquer
negocio : quem a pretender, dirija-se a mesma
casa, que encontrar com quem tratar.
Vendem-se duas casas terreas com uma
mei-agua nos fundos, quintal e cacimba, terrenos
proprios, quintal murado al o meio, situados na
ra da Etperanca ou Caminho Novo do bairro da
Boa-Vista : a tratar na meama roa n. 45.
Vende-se uma preta que cozinha e engom-
ma com perfeico, cuja ae vende por circumslan-
cias: a tratar na ra do Imperador n. 73, tercei-
ro ander.
Tricopherous.
Ucq preservativo das caspas
e da calvice.
Continaa-se a encontrar : na ra do Queima-
do' n. 6.
Agulhas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca, tendo em vista sempre
vender o boro, mandou vir de sua coota easas
superiores agulhas imperiaes. as quaes acabara
de chegar (pela primeira vez) tendo os fundos
dourados e ponas mui bem liradas, e custa cada
papel 160 rs. Cozer-se com uma agulha assim
boa, anima e adianta quem trabalba, por isso
duigirem-se rus do Queimado loja d'aguia
brenca n. 16, que aerio bem servidos.
Fitas de cha malo-
te muito boas e
bonitas.
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo va-
por inglez sua encommenda de boas, bonitas e
larga fitas de chamalote brancas e outraa corea,
as quaes sao exceltentes para cintos, lacos, etc.,
do vestidos para casamentse bailes,assim como
para lacos de bouquetes, cinteiros de criaocas a
moitaa outras diversas couaat^e como de aeu
coatume os precoa sao menorea do que em outra
qualquer parte; aasim quem munido de dinhei-
ro, dirigir-se a roa do Queimado loja d'aguia
branca n. 16, ser bem servido.
M isangas miudas de todas
as cores.
A loja d'egoia branca acaba de receber sam
procuradas micaogas miudas que serven) para
pulceiraa o outras couaas, e por isso avisa ar
peasoas que ellas esperaum e aa qne novamente
quizerem comprar que munidoa do 500 ria com-
praro um maaso muito maior do qae os sntigos,
Isso sosente aa loja d'aguia branca, raa do Quei-
mado n. 16.
l^ttvas de Jouvin.
Veodem-se as verdadains luvisde Jouvin, che-
gadaa por ata ultimo paquete da Sarama : Ba
na loja aguia la uro, ra do Cibsg d,1B,


DUUO l FUtNlatUCO ~ QUARTA FEIRA 4 I DEZEIURO DI 1161.
,
\
Gateado
45 Ra Direita 45
Ougam!.. Oucaro/..
O traste indispensavel o homem cirilisado
sem contradico o apilo 1 E' elle tao oecessa-
rio como o pi o estomago. Tolera e um
chapeo jaea ; urna casaca de ejuatar tabeado ;
um vestido desbotado; mas o aapato acslcaot.a-
do e rodo, a bolina sem lustre e ji descosida
urna indecencia, um insulto ao orgio visnal de
um christao. E' por to graves coosiderac.de
que o propietario deste eatabelecimenio.
acabando de reeeber um magnifico sortimenlo,
roga aos seas tregete* se apreasem em renovar
o calcado velho, ^jsto estar prxima a testa ;
vejam:
Homem.
M1LIES (chigre privilegiado) frescos co
\efit*ei\
i
tmum L0w-i Rut daSenzilla Raya n.42.
Ueste stsbelec i manto contina a h avaro.
somplsto sortimento damoendalemeiat moen-
dasparaangenho.saachinas de vapor etaixas
ie ferro batido e cosdo.de todos stimanhoi
para dito,
l Potassa da*Bussia e cal de
mo a agua do Prata.
BORZEGUINS.intrneos [Rocthlid] .
diversos fabricantes. .
a lustre pechincha. .
Sapatdes nantes batera.....
x jnglezea.......
Nantes meninos. ,
lustre (sola e viri. ,
> (ama sol). ,
de tranca portuguesa. ,
v > francesa. ,
Sentaras.
BOTINASgsspa alta e lago inglezes
duraclo incalculavel. .
fraocezas (laso). .....
sem lago. ........
gasps baixa.......
. outros (32, 33 e 34). : .
Sapalos (ioly) com salto......
( > ) sem salto......
tapete. ........
lustre (32. 33, 34).....
y econmicos para casa. .
Alem disso um variado e abundante
No bemeonhecidoa acreditado depositoda ra
i da Hdea do Recife n. 11, ha para vender a ver-
| dadeira potasaa da Runii, ora a de superior
I qualidade, assim comotambem cal virgen em
14*000 podra ; tudo por precos mais barato* do qne em
9*500
5*200
3|000
SfOQO
15500
de
6f000
aneo
5|000
48800
48500
3*100
ifooq
800
800
500
sorti-
mento de tudo o qae necessario a sapaleiro pa-
ra executar qualquer obra.
I *
e vidraceiro.
Grande e nova offic'ina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contraro os (reguezes o mais perfeilo, bem aca-
bado e barato no sen genero.
URNAS de todas asqualidades.
SANTUARIOS que rivalisam como Jacaranda.
BA.NHEIRUS de todos o* tamauhoi.
SEMICUPIAS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem idem. i I
BAHUS idem idem.
FOLHA em caitas de todas ss grossuras.
PRATOS imitando em parfeico a boa porcel-
lana.
CBALE1RAS de todas as q%lidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS. CANOIEIROS e Qandrea para qual-
quer aorlimenlo.
V10ROS em caias e a retalbo de todos oa ta-
maodaodo-se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, concertos, que tudo ser deaempenbado a
conteni.
PHVUMVCIVBVUTIIOLOMEO
Roa larga do Rosario n. 36
Rob l'Affecteur.
Pilulas de Allexou.
Pilulas americana?.
Vermfugo inglez.
- Pilulas Holloway
Uogueoio Holloway.
Veodem-ae globos para candieiros, e bom-
bas de japi, mais bsrato do que em oulra qual-
quer parte: na ra larga do Rosario, n. 34.
Ruadas Cruzes u.4,
fabrica de charutos, vende-se charutos a 15* o
milheiro, de fumo da Baha, velas de composi-
gao a 11* a arroba, e em porcao faz-se abali-
mento; afianca-se a boa qualidade.
Ultima moda
italiana,
vindo no ultime vapor francez
40 Ra do Queimado 40
Lindos cortes de vestido de seda de cores a ita-
liana.
Ricos manguitos cora gollinhas- de cambraia
branca bordados balao.
Um grande aorlimenlo de chales de merino de
todas as qualidade?.
Ricos veos de fil de seda branca bordados,
grandes, para casamentos.
Tarlatana de cores bordada, 8 palmos de largu-
ra, covado 1*.
omtra qualquerparte.
Fabrica do Monleiro.
Crystalisaco e refinaco
de assucar.
Deposito na roa de Apollo n. 6, e praca
da Boa-Vista n. 26.
Este importante estabelecimento contina a
fornecer aos aeu* innmeros freguezes do alvo e
puro assucar crystalisado, em p e em pes, 1.a
e 2.a dualidades, pelo proco de 160 e 200 rs. a
libra, e do refinado a 100, 120 e 140a libra, sen-
do qae em grosso o comprador ter em descont
favoravel. Nos mesmos depsitos tambem se
vende mel de assucar a 600 rs. a caada, e car-
vio animal em f> a prego commodo.
Fumos de seda.
Vendem-e fumos de seda elstica para cha-
peo ; oa ra do Crespo n. 21.
Fazenda modernissima para
vestidos, na loja dopavo
Acaba de ebegar a este estabelecimento pelo
vapor francez um lindo sortimeoto de gorgurei
de seda, fazenda ainda nao vista neste mercado,
que se vende por prego baratlssimo, por estar
muito prozimo a testa, assim como lindas mar-
quezinhas ou chapeozinhos de sol para senhora :
na ra da Imperatriz o. 60, loja de Gama &
Silva.
Por 450#0Q0 adinheiro oua
prazo.
Yende-s a quarta parte de um sitio com
moderna casa da viveoda de eedra e cal, tendo
por commodos 7 quartos, 1 sala, cozinha lora,
cocheira e estribara, cacimba d'agua doce, etc.,
aituado no ameno lugar do Pares, confront o
engebho do Sr. Manoel Joaquina do Reg Albu-
querque : a tratar na ra do Imperador n. 37,
armazem de ItUao.
Esto se acabando, a 16$.
Paletota deanno fino torrado de aeda : na ra
do Queimado n. 47.
A 600 rs. avara.
Fil liso branco de linho, manteletes de seda
da ultima moda a 14a 188 e 10 : rua do
Queimado n. 47. \
' Na rua Direita n. Si ha para vender boua
cylindroa americanos para padaria, novamehte
ebegadoa, por preco commodo.
Q rival sem segundo, na
rua do Queimado n. 55
defronte do sobrado no-
vo, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e
Silva, est disposto a
continuar a vender pe-
los precos abaixo de-
clarados, que na ver-
dade bomebaratis-
simo.
Meias baratssimas. ;
A SJMOO a dasia.de parea de meiaa brancas fi, i
as para hornee : na rua do Queimado o. 22
na loja da boa j.
Um rico carro.
Vndele-un rico e elegante carro mui bella-
mente preparado : no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Sanio.
Vende-se a taberna aila na roa Volha n. 27,
com poneos fuodos, e afregoezada : qoem a pre-
tender dirjase a mesma.
STSTEIA MEDICO HODELLOWA Y
PILULAS HOLLWOTA.
Este inesiimavel especifico, composta iuiei ra-
mete de birvas raedicinaes, nao conira mercu-
rio nem al juma oulra substancia delecteria. Be-
nigno ma's tenra infancia, e a compleicao mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desaneigaro mal na compleicjio mais robusta;
enteiraminte innocente em suas operando* e ef-
feitos; po'e busca e remove as doencas de qual-
quer espeoe e grao por mais antigs e lenazes
qu9 sejam.
Entre nilhares de pessoas curadlas com este
remedio, militas que j eslavam s portas da
morie, preservando em seu uso consegutram
recobrar a saide e torgas, depois de haver tenta-
do inuUimenb todos os oulros remedios.
As mis alucias nao devera entregar-se a des-
esperacao; /acara um competente ensaio dos
efficazes eeitos desia assorabaasa medicina, e
prestes sjruperaro o beneficio da saude.
Nao sa perca lempo em tomar este remedio
para qiaiquer das segu n les enfermidades :
m
Em casa de Ralkmann Irmos
&C, na rua da Cruz n. 10, exis- Q
te constantemente uta completo g|
sortimento de $
Vinhos Bordeaux de todas as
qualidade*. A
Dito Xerez em barris. m
Dito Madeira em barris e cantas. A
Dito Muscatel em caixas. a
Dito champanhe em gigos. a
Cognac em barris. a
Ce r ve ja branca. m
Agua de Seltz. a
Azeite doce muito Gno em caixas.a
Alvaiade em barris.
Cevadinha em garrafees.
Liquidaco sem li-
mites.
Na loja da arara da rua da Imperatriz n. 56,
vendem-se todaa as fazendas por preco baralissi-
mo, a ser : ricos cortes de organdys com doas
saiaa e com 24 covados por 109, ditos a 89, ricos
padrdes de organdys a 19190* vara, groadenaples
de cores para vestidos a 1J800 o covado, crino
lina com palmaa e matieada para veatidos, fazen-
da nova, a 19280 o covado. S arara vende cor-
tes de meados para vestidos i Garibaldi a 2S800,
ditos rlscado chinez a 21500, cortes de chitas
linas com 13 covadoa a 28500 e 29400, ditos de
chita ingleza a 19500, pec^s de cambraia de (l-
picos com 8 1|2 varaa a 45, ditas de carocinboa
Qnas a 450O, cassas adamascadas para coilina-
dos com 20 varas per 99, ditas com 10 varas a
49500, ditas a 39, e outras muitaa fazendas que
se vende aem reserva de preco : na rua da Im-
peratriz, loja da arara de 4 portas o. 59, aonde
tem o retabillo com a arara pintada, e a noite
um relogio com letras que diz arara o. 56, de
Magilhaes tMendea.
lili
Port booquets,
Dourados com cabos de nia-
dreperola.
Chegaram opporlunamenle para a loja d'aguia
branca os bonitos port bouquols dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propria encommenda, Qcando assim remedia-
da a falta que havia desses port bouquels de gos-
to, os quaes chegaram bem a lempo para os di-
versos casamentos e bailes que se contam nesses
das, por isso as pessoas que por elles esperavam
e aa que'de novo os quizerem comprar dirig-
rem-se munidos de diobeiro loj o'aguia bran-
ca, rua do Queimado n. 16, que encontraro obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
Vende-ae urna negra lavadeira. cozioheira,
a excellente quitandeira. queda 19000 pordia de
gnno : na rua nova de Santa Rila 0. 65.
Frascos com agua Alavande ambreada a
Ditos superior, frasco muito grandes
Duiia desabneles muito fino a
Sabooetea inglezes da melbor qualidade a
Ditos muito grandes a
Frascos de agua celeste multo superior a
Ditos com ebeiro muito Gno a
Ditos com banha de urco a
Ditos com oleo de babosa a
Ditos muito superior a 240 e
Ditos com banba muito fina a 240
Ditos com opiata de Lubin a 500
Ditos de dito de Piver a 320
Ditos com banha transparente a 900
Ditos com oleo philocome a 900
Duoe com superior agua de Colonia 400
Ditoa com macaca perola a 200
Ditos com ditos (o leo) a 100
Novelas de lnha do gaz de corea a 20
Ditos de dita encerada muito boa a 30
Ditos da melhor qualidade a 60
Carhteis de lioha de cores com lOOjardas 30
Nvelos de lioha do gaz para marcar a 40
Pareado meiaa de corea para meoinos a 160
Ditos ditos para meninas a 120
Ditos ditos cruas para meninos a 200
Duzias de meiaa erais muito encorvadas a 2J400
Ditas ditas braneaa para senhora a 39OOO
Caizaa com pbophoros de seguranza a 160
Ditas de Xolha com phophoro a 110
Duzia de phophoros de gaz a "- 240
Dita de ditos de vela a 320
Pesias de traoca de laa de todas as corea a 40
KM8MSM6MI mmmmmmm
i
Nova loja de funileiro da
rua da Cruz do Recife *
numero 37. 5
Manoel Jos da Fonseca participa a J
todos os seus freguezes tanto a praa ]
cmodo mato, e juntamente aoreapeita- *
p vel publico, que tomou a deliberado de la
SZ balzaro prego de todas aasuaa obras, por
g cujo motivo tem para vender um grande 1
-sortimeoto de bahs e bacas, tudo de
B dffereotealamanhoae de difaraaa cores
Bem pinturas, e juntamente am grande
sortimento dediversas obras, contendo
banheiroa e gamelas comprida.groodes
epequeas, machinas para caf e cane-
cas para conduzr agua grandea e peque- j
as, latas grandes para conservar fari- jf
nha e re gn dores a o uso da Europa, ditoa
S grandes e pequeos ao uso do Brasil el
camas de vento, latas de arroba a 19, 1
bahsgrandes a 49 e pequeos a 600 I
S rs., bacia grandea -a 59 e pequenaa a 9
m 800 rs.,cocos de aza a 19 a duzia re- 9|
gadores regulares muito barato, ditos x
pequeos a 400 rs., de todos estes objec- 1
tos ba pintados e em branco e ludo mais
se vende pelo menos preco possivel: oa
loja da bandeira da rua da Cruz do Re- Z
cife n. 37.
Accideiies epilpticos.
Alporas.
Ampoks.
Areiss( mal de)\
Asihrri.
Clica..
Convuses.
Importante
Aviso
Na loja de)4 portas da rua do Queimado o. 39,
acha-se um grande armazem com todo o sorti-
mento de roupas feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna officina de alfaiate, estando enesrrega-
dodella am perfeilo mestre vindo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda e qualquer obra que se lh-
encommende; por isso que faz um convite espe-
cial a todas as pessoas com especialidade aos
Ulms. Srs. officiaea tanto da armada como do
exercito.
Faz-se fardas, farddes com superiorespreparos
e muito bem feitas, tambem trata-se fazer o far-
damento todo completo conforme e usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figurinos que de
li vieram ; alm diaso faz-se mais casaquioba
para montara, frdelas ou jaqueles, bem como
colletes a militar paraos Srs. ajudantes de esta-
do maior e de cavallaria, quer seja singlos oa
bordados a espequilba deouro ou prata, tudoao
gosto da Europa, tambem prepara-se becas para
desembargadorea e de qualquer juiz segundo o
estylo de Coimbra aonde se fazem aa melhores
conhecidas at hoje, assim como lenrmuito ricos
desenbos a matiz-de todaa as cores proprios para
ardamento de patena ou criados de libr que se
fari pelo goto i fraoceza. Na mesma casa eo-
carrega-se de fazer para meninos jaquetas a
franceza bordadas ao mesmo gosto. Afilan cando
que por tudo se fica responsavel como seja boas
fazendas, bem feito e bom corte, nao se falta' no
dia qae se prometter, segundo o sysletna d'onde
veio o mestre, pois espara s honrosa visita dos
dignos senhores visto que nada perdem em es-
peri mentar.
Na loja d'aguia de ouro, roa do Cabog n. 1 E,
reeebea um completo sortimenlo de gollinhas de
ttissanga, sendo de todas ascores
500
800
500
160
320
I95OO
500
600
3201 Debilitado ou exienua-
500 5o.
Debilicade ou falta de
forjas para qualquer
coisa.
Destilera.
Dor e garganta,
de barriga.
ns rins.
Duraa no venire.
Enfirmidade no venlre.
Dita: no Bgado.
Diia venenas,
tncaqueca.
Berysipela.
Pebre biliosa.
LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Frantcisco dos Santos.
40-lu do Oueimado40
Defronte do becQO da Congregaco, letreiro verde.
VENDE-SE O SEGUINTE:
Para casamentos.
A loja da bandeira
Febrelo da especie.
Golla.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
InflammaQes.
Irregularidades de
menstruaco.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
Abstrucjo do ventre.
Phlysica ou consump-
fjao pulmonar.
Retengo de ourina.
Bheumalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Febre internilente.
Vendem e estas pilulas no estabelecimento
geral de Loidres n. 224, Slrand, e na loja
de todos os boticarios tlroguisu e outras pessoas
en carrejadas de sua venda em toda a America
do Sul, Habana e Hespanha.
Vendem-;e as bocetinhas a 800 rs., cada
urna delias contem urna insiruc;o em portu-
guez para explicar o modo d se usar destas pi-
lulas.
0 deposito giaal em casa do Sr. Soum
pharmaceuico, na rua da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
A ^eidaAtiraUq^iAa- j
tao de todas as Va- @
xendaf?, roupas i't\-
tas miudezas da ||
tua do Cabug n.9
tW Burgos Ponce de Len, liquidatario 5
da extincta firma de Almeida & Burgos, "89
lendo de satisfazer a segunda preala;ao ^
aos credores da mesma firma, d'ora em a
diante paasa a expr a venda ainda por *
menos do que tem annuuciado, com maior v9
abalimenlo do custo, tmente para ^
apurar dinheiro, grande sortimento de
fazendas para senhoras, homens e
cieangas. ^
E' aproveitarem-se para a testa. s&
GELO.
Vende-se na rua do Apollo
d. 31 defronte do theatro a 4$
a arroba, meia arroba a 2#500
e a 160 rs, a libra.
Feijo de corda.
No armazem de Tasso Irrcaos, rua do Amorim
numero 35.
Souhall Mellors & C, tendo recebido or-
dem para vender o seu crescido deposito derslo-
gios v{sto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, porlanlo, s pessoas quo quizerem
possuir um bom relogio de ouro otwprata do c
lebre fabricante Koroby, a aproveitar-se da op-
portunidade sem perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prejo no seu escriptorio
rua do Trapiche n.28.
CKM6W 9K ewoieMsaHM;
Na rua da Cruz n. 10, casa de |
Kalkmann IrmSos &C, tem ex- \
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir raoviiaento, canudos
de borracha de qualquer com-
primentoe groisura, pannos de
borracha, rod tas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
N. 20Rua da Imperatriz---N. 20
O baralejA Duarte acaba de reeeber novo sortimento de fazendas que retalha sendo a di-
nheiro aos segurarles precos como sjsm : cassai brdalas propriss para cortinados, babados ou
mosqueteiros a IS600 a peca, cambraia grossa com 8 varas cada pega ptima fazenda para peneiras,
mosqueteiros, saias e forro de vestidos a ltfSOO, musaalinas largas das aeguintea corea verde, azul,
preta, roza, encarnada e branca a 200 rs. o covado, cortes de riqoiasimas los escuras com babados
contendo cada um corte 24 covados a 10# o corte, velludo de seda das seguintes cores cinzento,
verde, azul o relo, excellente fazenda para vestidos de senhora e roupioha de criaogas pelo baixo
preco de 2$600 o covado, cortes de cambraia fina com sslpicos miudinhos a 5$, liras bordadas e en-
jremeius i l(i pega, gollinhas bordadas muito linas a la, chitas com algum toque de mofo a 160
rs. o covado, peitoa para camisas brancos e de cores a 160 rs.
Veoie-se" superior sebo em pes para ve-
las e sabio, latas com salmeo ; no caes do Apo-
dlo armazem n. 67.
Vende-se urna preta crenla de20 a 25 an-
uos, muito boa coiinhelra e lavadeira, sem vicio
de qualidade algum, muilo aadia e robuata ; na
rea da Praia n. 25, eaea terrea logo passando a
ribeira do peixe.
Vende-se urna escrava boa oozinheiraa qui-
tandeira, com trinta e tantos aonos de.idade :
quem a pretender, dirija-ie aa Cinco Ponas D.
75, que achara com queso tratar.
RUA DO QUEIMADO N?46
GRMDEMTIMEKT0
SortimenU completo de aobreeasacos de pinno a 250, 283, 309 e 359. ctaacoa muito bem
feitas a 258, 28f, 30ge-85|, paletota acasacadosde panno prelado 16 at 259, ditos de casemira
de cor a 159, W e 202. paletols saceos de panno e casemira de 89 at 149, ditos saceos de alpaea
merino la e 49 at 69, sobre de alpaca e merino de 79 al 109, calcas pretaa de casimira de
89 st 14J, ditos de cor de 79 at 10$, roupas para menino de lodos os tamaohoa. grasde sorti-
mento de roupas de brins como sejam calcas, paletols e colleter, sortimenlo de colletes pretos da
setim, casemira velludo de 49 a 9|, ditos para casamento a 59 e 69, paletols brancos de bra-
mante 49 5#, caigas brancas muilo finas a 5f, e um grande sortimento de fazendaaflni s e mo-
derna* completo sortimento de casemiras inglesas para homem, menino aeohora, seroulas de
linhreaigodi, chapeos de sol de seda, luvas de seda de Jouvin para homem e senhora. Te-
mo* urna grande fabrica de alfaiate onde recabemos encommendaa' d grandes obras, que para
iio est sendo administrada por um hbil mestre de samelbante arte e um pessoal de maia da
incenla obrairos escolhidof, portento emulamos qualquer obra com promptidlo e mais barato
do que em outra qualquer casa.
Ricos cortes de vestido de 61 ou blond de seda branca com ramo e capell), o
mais moderno e superiorque ha no mercado.
Para bailes.
Lindos cortes de vestidos de fil ou blond de seda branca bordadoa a branco e
cores. 1 *
Ditos do tarlilana branca bordados a branco e cores.
Ditoa de cambraia braoca bordados a brinco com muita elegancia.
Ditoa de bsrege de zeda^de cores com barras e listas, novos gostos amerieanoa.
' Saias bordadas.
Ricas saias de cambraia branca bordadas com o mais apurado gosto o mala finas
que ha no mercado.
Ditas de dita recortadas mais baratas. *
Para baptisados.
Ricos cortes de vestido de cambraia branca bordados com malta elegancia, o
mais moderno e mais superior qae ha no mercado.
Manteletes.
Ricos manteletes de seda de corea e pretos bordados e liaos com enfeites, bem
como arrendados, por precos commodos.
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linho bordados a 39,49 e 59 cada om.
Chales,
Ricos chales de tonquim brancos bordados de pona redonda e de 4 ponas.
Alem das fazendas cima mencionadas tem um grande sortimento de todas aa
qualidadea. que nao possivel mencionar-se pelo grande espaco que tomara.
* T

Vi
SABAO
Caes do Apollo armazem n. 67.
Deposita do sabio fabricado Ba saboaria
Os proprietarios deste estabelecimento, o pri-
meiro neste genero e o mais antigo da provincia,
acabam de estabelecer no armazem n. 67 do caes do
Apollo, um deposito de seus bem conhecidos pro-
ductos, cbnsistindo em um variado sortimento de
sa bao,desde amarello commum at o superior e ver-
dadeiro massa a prego de 100 a 200 rs a libra con-
forme a qualidade
E' intil dizer-se que o sabo fabricado neste es-
tabelecimento, tem a propriedade de lavar perfeita-
mente a roupa, sem causar-lhe o menor damno. o
que nao acontece com muitos outros, que detrioram
o panno dimiauindo assim a dura^o, averdadedes
taasserco est comprovada pela preferencia que
lhe do os consumidores, melhoramento este devido
ao processo intimamente empregado na manipula-
cao pelo actual fabricante
Para conhecihiento dos compradores declara se
que as caixas coutem o seguinte letreiro em forma
ovalFabrica de sabo nacional rua Imperial Per-
nambucoe se vende qualquer quantidade de urna
caixa para cima.
&2
5<
TV?
ARMAZEM
M3
&3
ROtJPA FUTA
Joaquim F. dos Santos,
40-Rua do Oueimado40
Defronte do becco da Congregacao letreiro v^erde.
Neste eslabelecimenlo ha sempre um sortimento completo de roupa faita de
todas ss qualidadea e tambem ae manda executar por medida i vontade dos fregue-
zes para o que tem um dos melhores professoras.
Calacea ue panno preto a 408,
35g e 309000
Sobrecaaacosde dito dito a 35$-e 3OJO0O
Paletols de panno preto e deco-
res a 359, 309, 359.109,189 e 209000
Ditos de casemira de cores a 229,
15J. 129.79 e 99000
Ditos de alpaca preta golla de
velludo frascezas a 10#000
Ditos de merino setim pretos e
de coks a 9f 81000
Ditos de alpaca de corea a 59 e 39500
Di tos de al paca preta a 99,79.59 e 31500
Ditos de brim de cores a 5f,
49500, 49 e 3950%
Ditos de bramante de linho brin-
co 69. a| e 9000
Ditos de merino de cordao preto
al59e 89000
Calcas de casemira preta ede co-
res a 1*9, 109, 9f, 79 e 69OOO
Ditas de prioceza e merino de
cordao preto a'59, 690OO e 495OO
Ditas de brim branco de cores a
59. 49500 e 2|500
Calenda gaqga de eores a 3|000
Colata de vellido preto e de co-
rea lisose bordados s 129,99 e 89000
Ditos de casemira preta d co-
res lisos e bordados a (9,
59500,59 3J500
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorgurao de aeda prelos
e de cores a 79, 69, 49 e
Ditos d brim e fuatao branco a
38500, 29500 e .
Ssroolas da brim de linho a 29 e
Ditas de algodao a I96OO e '
Camisas de peito de fusilo branco
ede cores a 29400 e
Ditas de peito delioho a 59, 49 e 3*000
Ditas de madapolAo brancas e de
cores a 39. 29500, 29 e
Chapeos pretos de massa franceza
? forma da ultima moda a 109,
8J500e
Ditos de feltro a 69, 59, 49 e
Ditos de sol de seda ingleses e
francezea a 14$, 129, ltf o
Colarinhos de linho muito Anas
novos feitios da ultima moda a
Ditos de algodao
Relogios de onro patente e hori-
zontal a 100J, 909. 80f e 70f000
Ditos de prata galvanisados p-
tente e horizontaes a 409 e SOfOOo
Obras de ouro, aderecos e meies
adereces, pulcelras, rosetas e
sneis a 9
Toalbas de linho duzia 105, 69 e 98000
Ditas grandes psra mesa um a 39 e 41
59000
51000
59OOO
39000
29200
19280
29200
15600
79000
29000
79000
9800
9500


MAMO DI lUIOiWO QVUk TORA 4 M DHEMHK 01 lltl*
BOM E BARATO SO NO
Francisco Fernandes Duarte
largodaPenlia
Continuarse a vender neste armazem de molhados os
melhores gneros que vem ao marcado, e por muito menos prego do que em ouln qualauer parte
par. o que recebe o proprietario em todoa oa vaporeada Europa, a m.iorpartedeZmm!
asco!hido por peisoas encardadas, aara salen nnr u.A -- ';,:L."r?.f??TlT?'
ospreeoe de tigam gneros, por onde ae pode jolgar que Vendemos baratissimo."
^^bS?! .u^SenS:ta 8UP6riQr qe h' 0 "-a* "&
Mantua Cr aueex* mttit0 D0Ta. 640 a 1Ibra e #m bml t ^
GUproU,liy880Il ptete., ^p,^,,^,, 2O800. ,,600,
1|600 ra a libra e afianga-se a boa qualidade.
^'l^01*0 "gado, este
31000..
QUei0!n,e!r!*a^ldteo.,H,PerIOr "i,Made """ea l* '' ^
Prezunto inglez
mente.
PfezuiUo do reino
4*0 rs. *? 1uaa bom neste genero a 480 rs. a libra e inteiro
_ enccacado e coatelletas proprias para fiambre a 800 rs. a libra.
a nie^ ^^ ^ TC oneinho do reino 860 ri. Ubr. e arr0Da .9>500
CWitas e palos MUo novo$. 56e a librt
auna de porco retinada. m
e em barril a 440 rs.
Apitonas muUo novas, |efJ00
Latas eom noiaxinha de soda.
' am porco m far .batimento ^^ i,tUnnlu qa,Idaoe9 a 1W0 e
' duas dH??700.aS D0Ta d merC,,d0 em UU" de am IB" Pr m M- dil"
Marmelada imperial,
a 1 a libro i.i>. Ho < do aramado4 Abreu e de outros muitos fabricantes de Lisboa
a llD". em latas de 2 libras por 1*800. .
r\iinas f raneezas maXhn
i.mh... i~ .. melhores que se pode desojar em meias latas por 500 rs..
tamben ten portugueza me latas enleiras a 640 rs.
Chocolate f raneez
Passas
ultimo vapor a 3*200, ditos do vapor pasudo
propiio* para fiambre a 900 rs. a libra, em porcio se far abati-
o que ha da bom neste
i ais alva que ha no mercado a 480 rs. a libra
a ancoreta, e em garrafa 350 rs.
e hespanhol chegado neste ultimo vapor a 15200 a libra,
proprias para podim a 800 rs. a libra.
Doce de ainerene
r "*- em latas de 2 fibras elegantemente enfeudas a 1^00 cada urna.
P Sete .uperior de 4, 5 e 6 em libra a 760 rs. e em caixa a 74 rs.
L 1*400. melhores qualidades que ha em Portugal a
libra, ditas em milo a 800 r., dita com casca
piladas muito oras a 160 re. a libra.
Amendoas confortadas. 1c.
a 480 re. 1 '
Roz.es e eastannas
.... para 8Pa a 64 a 1bra e em calxinhas de 6 a 8 libras se far abatimento.
AAetna, maearro e ta n*rim. ,m ,.
Aainna franceia mal0 n0Ta a ^q r9 a llbra>
Farinna do Marannao ,,,.,
&nuunw muitoaUa echeirosa a 160rs.
deengommar, o que se p Je desejar por ser mnilo aira a 100 rs. a libra.
MpistaBU0il(>V0,
KNWJ.
ido
Candieiros a gaz,
O.proqrietario da ora exposicio dos candfel-
roa a gaz avisa ao publico em (eral, qaa ae acha
aempre aortido-com grande e rariavel aortimento
de caadieirof dtstfe o mais barato at4amis caro,
;" omonm raudo-deposito de gaidrogenio
verdadetramente econmico, reconhecido verda-
deramente por todos oa eonsumidorm : na roa
Nova ns. 20 e 24. Carnairo Vianoa.
lfesfi mesma expsito se encontrar! om -
riarol sorttomto de riquissmos qu^dr de tedas
aa .sxlidarfes qM por gesto ao poda aprocaarM
aeus desrabo*, um riqaiaamo sortsaDlo 4*
quioqoilnarias, contendo entre ellas rqutssimos
vavatorios para quartos (goato chinez), um taria-
ltl aoriiaranto de balaros com todos os prepares
para Tiageaa, cooteado pratos, sacas, coaoo e -
troa frascos para condicionar, ferros de eogonv-
mar a rapor, machinas de bater ovoa a vapor,
msehioas de fstor cari rapor, espmgirdas do
dous canos tronxadas e de alcance, maspaa del
mmalo, e eulros moitos objactos que m rtodotn
jpo procos diminutos para acabar: raa Nora
BiimeroSO.
Para a parada de daos de
dezembro.
LuTas brancas a 160 n.
Haveod grao<*4|aitidade do Ivris braacas
propriss para os disliaclos hu jrdia natUnaaeisc-
apresenUrem cm ellas no dia do fulejriiaeio-
ooI, se ha resolvidoa venderle a 160 ra. par
a 200 re. das mats tinaa: na raa do Gabasi, lo-
j de tascadas n. 8, do largos.
Chapeos de palha para o
cajs.
Na loja da roa do Cabugi n. 8, anda ha aguoa
chapeos de palha hamburguezes dos que setem
anounciado a lj cada om ; nada ha de mu ba-
rato, est se acabando.
Ganga amarella da India
l$280ei#300apecDha.
Na roa do Cabugi, toja n. 8, Tenem-sepod-
nnas de gangs amareila da Iodi*. sendo do IMres
o de quadros a 1|280 o a 1300. Com tio dasi-
uta quantia tem-se boia e bonitas caigas.
A 2,300 a caixa
de charutos suspiros-superiores da Bihia, smdo
caixas de 50 chantos, vendem-se em porcl ou
a retalho por este bsrato prcco, e alo frescos: no
aterro da Boa-Vista n. 12.
Cambrala Usa.
Vende-se cambraia lisa transparente mnitc fi-
ne, pelo barato preco de 4 o 5g a pega com 81|2
varaa, dita tapada muito superior, peca da 10
varas a 6J : na ra do Queimado d. 22, m lora
da boa f.
Bramante e ataaVVwdo de
linno.
hmpo a 160 rs. a libra e em porcio se far abatimento.
J v o reapeUavel publico, que afiaflgando-aea boa qualidadeate
nunciados P*[0' qUaeS ,e poder ***"^lodos ^
s geaeros cima mencio-
emais que nao foram an-
Giiimaraes k Villar.
Ra do Crespo numero 17.
endem liaraf issinio.
Vende-so superior bramante de pao linho com
duas varaa de largura a2d400a rara,aasim como
atoslhado adamascado tambem de poro linho
coro18 palmos de largura a 29500 a rara : na bem
conhecida loja da boa f, na raa do Qteimado no-
moro 22.
Cortes de cal$t.
Vondem-a* cortes de caiga de
de cores escaras a 2J cada corte ;
f, na ra do Queimado o. 29.
meii caaemira
oa oja da boa
a 70 a peca de 9 varaa.
Cambraias brancas bordadas para vestidos de seohoras
Organdys de cores delicadas a 500 ra. o covado.
Cassas de cores faxeoda fina a 240 e 280 rs. o covado.
Manguitos e gclliohas pars senhoras a 2 o par.
GUliahas ultimo gosto a ltf.
M.inguilos a 39 o par.
ntremelos riramente bordados a 2j>
Lut"UaIa e}"f" bordada" Para enfeites de vestidos de 2J a 5S a peca,
aaias bordadas da 4 pannos a 4. v v '
Saiss bordadas de 3 pannos a 2*500.
Saias balo de musselioa com babados a 6j
Chapeos de palha delialia para senhora a 28
Ditos de seda para aenhora a 12$.
Manteletes de seda
o que ha de maia moderno de diversos precos.
Ditos de fil muito bonitos a 30J.
Vestidoa brancos bordados a 20.
Ditos brancos bordados a 7. +
xull* f"nwzas d" K> Madapolao de,todas aa qualidades a 4, 4500, 5 e 7 a peca.
Uulra9 multas fazendasde gosto e pregos baratos.
io'ooo.
E na ra do Qaeimado n. 39 loja de quatro
portes que se vende os malhores chbeos de se-
da de formas mais modernas e bum gosto.
MI.
Vende-se sal muito alvo o grosso, s prego com-
modo ; a tratar na ruada Midre de Dos n.2.
Mantas de retroz.
Vendem-se mantas de retroz para grvalas a
500 ra. : na ra do Queimado n. 22, aa loja da
boa f.
Nova california
DE
Fazendas baratas.
Na ra da Imperatriz n. 48, junto a*
padaria franceza.
Cortes de cambraia branca com babadi- *
nhos 4 e 4500 superior 5J, cambraia li-
za com 8 1i2 vara 3$. 3500, e 4. ditas de
Kscossia 5, e 68, ricoa enfeites para ae-
nbora 6e6j500, sintos os mais delicados 9
para aenhora 29500. 3ft, chapelioa para cri-
anga gosto inglez 3*500,4, para baptlsado
3, cortes de vestido de seds Escosseza de
booitos gosto 12} estao so acabando, ri-
TVT. ,. O S SS ltn?os de ^yntho 1. 1$200. chapeo
\ rill 1P *4 de sol para senhora de bonitas cores, lisos
.1CI 4a UC &, \9 5, cabo de marfim 5*500. cortes de cam-
braia brancos com ffdr de seda 5*. risca- 9
do fraocez 260 ris o corado, completos
sortimeotos de baldas de arcos 3, aortt-
meatos de meias para menino e menina
I 2M o 240 ris o par. chales de tarlatana
de cores a 640 ris. lencos brancocom bar- m
Oar" 160 ria chitas inglezaa a 180 o 200 rs.
Jos o 2
Vende-se muito bons seeros sonde sonuncia
os seguiotes: vioho do Porto a garrafa 800 rs. s
caada a 6|000, Figueira a720 rs.. Lisboa 600 rs.,
ditos maia ositos s caada 8g600 rs., ditos em
garrafado do Porto 1J120 rs., ditos baixos 500 e
560 rs., vinagra de Lisboa 820 a caada 2*400
rs., marrasquinho 1*400, vinho Bordame a I*
marmellada de 2 libras a 1|900 rs., ditas de libra
v e meta a IgfiOO rs., ructas de calda a 1$000, pe-
ras, giojas, peceao e raioha Claudia latas de pi-
xe gandes a 1*600 ra.. masaa de tomate 1J000
" ',br. nanteig ingleza 800 rs., dita franceza
20 re., banha refinada 560. queijos do reino
2*800 rs., fiambre inglez a 720 ra., presunto do
reino 480a libra; compram-ae cobres velhos,
es pessoas que tiverem dirija-se a mesma que pa
gsr-se-ha. comoestiver cha hysnn a 2*B00ditodo
10 UL" libra 2*300 ^^ ". c >
caraeo a 320 380 o 260, assim como todos mais
gneros, vende-se maia baratoa do que em ootra
aU4Wre! uf "*" Mmo llogu*e* w" "
lita fraoceza a 240 o 280 rs. o covado
pecas de cambraia da forro com 9 raras
^ s 2* : junto a padaria frsnceza n. 48.
.:
N. O.Bieber & G. soccessores, rna da Crns
. 4, tem para rendar reloglos para algibeira do
nro e prata.
Cassas Garibaldiaas.
Vend
o
o aro
Muita attenca.
No armasen de fazendas de Joao JotS de Gou-
vea, ra do Queimado n. 29. oatr'ora t. 27, tem
para vender fumo de borracha parlalo, pelo
bar.iissimo proco de 500 rs. cada um.
Vende-ae um cavallo ordo novo, com
bons andares : oa traveaaa do arsenal da guerra
n. 7.
Tinta preta para escrever
Vende-se excellente tinta preta para escrever
a 600 rs. a garrafa ; na lirrara ns. 6 e 8 da pra-
Qa da Independencia.
peehincha.
Pegas de cambraia lisa de 8 1[2 varas a 2*50.):
na ra do Quaimado n. 44.
Amarga? nao!
No estabelecimento sito rus larga do Rosario
n.35, tudo doce, vend6-ae ameodoas confeita-
das a 1* a libra ; ditaa concitadas a chocolata a
800 rs,; ditas dito a caoella a 800 rs.; coofeitoi a
640 rs. ; assucar candi a 600 ra.; caatanhs con-
feitadas a 800 rs.; bolliahoa de limio a 1*; vacas de gosto lisbonense a If; latas com 5 libras
de doce de calda, de sbacaxy. aapoly, laranja
cidra, birimb e grozella a 2*500; xaropes de ab-
caxy. grozelt, Urania a 500 rs. agarrafa; assu-
car retiido fino a 140 ra a libra e 4*160 a arro-
ba ; dito baixo a 120 rs. a libra e 3J520 a arroba ;
dito grosso de raas qualidades, caf, cha e ou-
tros gneros proprios ao estabelecimento.
RaadaSenzalaNoTan.42
% Vando-Si am casada S. 1. Jonhston 4C,
allinsa silhesnglazes.candaairosa casticias
bromeados,lonas nglazas, fio davala,chicote
paracarrot, aaoataria,arraiotpara earreda
u aioai cvalos ralogio ida ouro paiaata
nglaz.
iamWim.
V ende-se salitre de primeira qualfdade por me-
nos do que em ontra qualquar parte : no aana-
zem de Antonio Cesado Horeira Das, no orte
do Natos, ra da Moeda n. 27.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimarae Ir-
mao, na ra do #uemado n. d5.
Cartoes de clcheles francezes com 14 fres a
20 rs.
Peales de massa dourados multa finos imitando
tartaruga a 640.
Esaartilhoa para aenhora, qaa sempte se van-
dersm a 6*. por2500.
Trancaa de lia para-vestido, a pega i 40 rs.
Laa para bordar muito fina o lindaseores, a li-
bra a 7*.
Masaos com grampos a 40 rs.
Liohaa pare bordar, s miada a 40 rs.
Ditaa de paso muito finas, miada grande a 240.
Fraajas de linho para rostidos, a vara a 120.^
Apparelhos de porcelana para merinos, pinta-
dos o dourados a 1*600. 2, 2*500 e 3*.
Cartaa com alfinetea a 100 rs.
Papis com alfloaUs aboaa chata a 40 re.
Enfeites para aenhora multo finos a 3, e 7*.
Sintos muito finos para saonora a 2* e 2*500.
Meias de laia e pretaa para padre que semore
se venderam a 2* a 640 rs. p
Enfeites com flores para senhora a 15.
Colherea de metal muito finas para sopa a IOS
rs. a duzia. *
Garlos do meimo.metal a 4*000 a duzia.
Aaaim como outras muitaa miudezes finase ba-
rates, que deixamoa do mencionar, para nao aa
tornar tanta maaaada.
A grande liquidacao da
loja do Pavo,
Na ra da Imperatriz n. 60
DE
Gama Silva,
rHbi 4ft Cheg"' Mt# Ubtlaclaatato am
granoa e variado aorHmento de fazendas proprias
are a feata, e seosdonos resolveram veoderem-
naa por prejoa baratiaaimoa por estar no fia do
anno e qaererem aparar dinbelro, camo aejam:
lassas.
Dm lindo sortimento de casias de varias cores
e qualidades, que vendam a 240 e 280 re. o co-
rado.
Brilhantina.
VauderSo brilhaarina de quadrinhos a 840 rs.
o corado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
"ara,
Chitas a 240,
Vende-se fioissimss chitas francezas eacoras e
alagras, aiaod qaa seapre se renden per ama
pataca a acaba-se a 240 rs. o covado : na roa da
Imperatriz a. 60, loja do Pavio.
Musselina a dazentos rs.
o covado.
Veiae-M aaaewlia branca coi 4 a bmo pal-
moa da largura a 200 reis o corado o ditas de
cores matizadas largare de chita a 200 reis o co-
vado na rna da Imperatriz o. 60 loja do Povo.
S o Pavo em li-
quidacao.
Ricos sintos dearadas lisos a com listiahss a
2*50w, calciohaa bordadas para meninos a 1*000,
golMnhas#com manguitos a 1*600, gollinhaa de
tracaasso a If, ditas aem aer de traapasso a 500
re. Lavas de seda em perfeito estado a 500 rs. o
psr, chapeos de sol de seda com franja muito de-
licados para a*nhora a 3*500, chales graodes de
merino a 2*500. ditos de rede bordados a 3 cada
um. manguitos de cambraia bordados muito finos
a 800 e l. enfeites para cabega a 2*. para me-
aiaaa a 640 rs.
Para homem.
Vende-se na loja do Pavo um completo sor-
timento de roupas, como aejam : palitos de pan-
no o casemira de todas as cores, caigas de case-
mira preta e de cores, ditas de brtm de todas as
qualidades, camisas francezas tanto para homem
como para meninos por pre;os mats commodos
do que em outra qnalqner parte. Do-se amos-
tras de todaa as fazendas qae om nossos annuo-
cies se v, deixando ficar penhor : na raa da Im-
peratriz n. 60, onde tem um pavo pintado do
lado de fora, e para nao haver engaos de notte
tem um dstico por meio de urna luz em que diz
O PAVAO.
L'azinhas a 280 rs. o
covado.
E pechiocba
em-se cassas a 200.240 o 280 o corado,
ditas muito finas a 320 a 360 o corado, liazinha
para resudo a 280 o covado, ditas choezas entes-
tadas a 400 rs. o corado, saias de cerdeo que ser-
ve dr balan 2*400, ditos de madapolao
2m'!2? "" T**0' i%" f"u- com ,inoa flore" **. coad a 800 rs..
?.t ii?1?. 80 V7ail*: "L!1** Im" cinhM de ntremelos com 3 1.2 varre a l2O0
ESK aiuS-T"de *99tlu w'e "" iiVdof"-rtl?.de eollete '** nrad0 S*'
Corles de barege de seda com 30 corados a 12*
a 3*,' cortea de la com Si corados a 9|, gsse de seda
n. 44,
Vendem-se laazinhas de quadros para vesti-
do, fazenda de apurado gosto a 280 o covado ;
na raa da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
La chineza a 400 rs.
Vande-se laazinhas entestadas a 400 re. o co-
vado: na ra da Imperatriz n. 60, leja do Parad.
Cambraias de seda.
Vendem-se fioissimos cortes de cambraia de
seda com dous babados e de apurado gosto a
4*500 cada corle: na loja do Pari.
Vestidos brancos.
Vendem-ae fioissimos cortes de cambraia la-
vrada com babados e duas saias. fazenda que se
vende em qualquer parte a 8*000 rs o Pavao
est torrando por quatro mil ris, ditos com bar-
ras bordados a 2S500, 3* e 3*500: na ra da Im-
peratriz n. 60.
Cambraias de sal-
picosa 4#000.
Vende-se cambraia branca com aalpicos miodi-
nhos, tendo 8 % varas cada corle, pelo baralis-
simo prego de 4*000, sendo fazenda que memora
ae vendeu a 7*000: na ra da Imperatriz n. 60,
loja de Cama 4 Silva. '
CASSAS LAVRADAS.
Vende-se cassas lavradas fazenla do ultimo
goato pelo baratissimo prego de 3}500 : na ra da
Imperaljiz n. 60, loja do Pavo.
Sedas a covados.
Vende-se gradenaoles preto muito Tocorpado
a 1*800. 1*800 e 2*000, dito cor de rosa, azul e
amarello, sarja branca lavrada para vestidos de
noivas, eoutras qualidades de sedas por pregos
baratissimos : na rus da Imperatriz n. 60. loia
do Pavao. J
CHAPELIIAS
a 6^000 cada urna.
Vende-se chapelinas modernas eofeitsdas com
muito gosto para senhora a 6*000 cada urna: na
ra da Imperatr n. 60. loja do Pavo.
Leu eos para mo.
Vendem-se muito delicados leocinhos de cam-
braia de linho com labyrintho a 2*500, ditos de
JiS? n 8st0 a D,itacao ae labyroiho a 800 e
IJ000: na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Madapolao enfestado a
tres mil ris.
Vende-se pegas de madapolao enfestado com
z varas a pega: na ra da Imperatriz n. 60 loja
do Pavao. *
Phantasia asis mil ris
Vende-se muito ricos vestidos de fantazia com
fnA muil Dom 8st. beodas de 12*000
por 6*000, na ra da Imperatriz n. 60 loja do
Filos.
Ven2^ni6 de linho bw'lado fazenda muito
Carros e carrpeas.
Kmisasade N. O.Bieber
A C. successores rnt da Cruz
numero 4.
Vendem-se carros americanos mu elegantes
e torea pare duas e 4 pessoas e reeebem-se eo-
commeudaslpara cajo fim ellea possuem map-
paa com varios deseobos, tambem vandem car*
rogaspara condueco de assucar etc.
50,A--Ra da Cadeia do Recife50 A.
A 400 rs. o covado.
Manoel Gongalves da OUveira Santos rende
velludinho de ramagens de cores, que sempre se
vendeu a lf o cavas]o, a 400 rs. :
50 ARa da Cadeia do Retfe-50 .
Leilo para acabar.
!^A 3,000 rs.
.as: ssi- fcrane-eo* 10 *
Gneros baratos para quem
passa a festa.
. iDteL8a io,ea fll* W 720. franceza
a640, cha parola a 3*. hysaoo a 2*700, caf a
280 a 240. queijee do vapor a 2*800 pasosa ere
caixaa enfeiladila a 24500. latas com bolachinba
deaoda de2*800e 1*400. ervilhaa a 800 rs. a
ble, talhanm e aletria a 480, arroz a 100 rs. a
libra, toiiclaho a 320. batatas a 60 re., esperma-
cetii 760, rinho do Porto a 800 rs., engarrafado
de EmbMb 480 e 400 rs., vinagre a 210, azeite
doce a 720. carrpalo a 440, ceblas a 1* o cen-
to, e outroa muitos gneros : quem qulzer appa-
rega no armazem da estrella, no largo do Psraizo
numero 14.
Vende-se ums preta de 18 annos, que coii-
nhs, lava e cose soflrivel : a tratar na ra do
R aogel o. C9.
7- Vendem-se chechos, sabias, bic.dos, pa-
tattvaa e outroa muitos passaros ptimos: a tra-
tar na ra da Cruz, armazem n. 21.
Vende-se no armazem de Jos Antonio Ho-
reira Das & C, ra da Cruz n. 26 :
Safras e tornos para ferreiro.
Ferro suecio em barra.
Liohas de carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
Espingardas francezas muito finas em caixas de
per si.
Ferros de lalo para engommar.
Pregos francezes de todos os tamanhos.
Ditos batel grande.
Dito, de coostruegio.
Bracos grandes para balanga.
Espingardas lazarinas.
Clavinotes inglezes. .
mmmm mm mmtmm*
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
BASTOS REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
grai
1 fe; l
Liquidacao
de movis americanos.
Vearte-ee 00a granja q.inlidade d. movis
americanos, como aejam: reos guardarounas
de mogoo, mesas redeudas. dUaa elaatJeaa, cos-
tarelrss, eatanUa para livres. aecreUrias, ceaaa-
iea. commodaa cosa armarios, aparadores, hn.
caa par. jogo< port.-loalh.s/ertrfrasrioa^
rea. camas de caaal, coanmodaa.etc. etc.. sea do
estes objecto. inteir.mente moierne., eioTSZ
goa muito em coala, am casa da Jo rVm.n
Antunes. rna do Imperar a! T%. *"* ^V*"
Naira do Sebo, taberna n. 5|, vende-ae l-
enle da salsa muito aova, vloffa do PoToelo
ultimo nario. **
Aoi tabaquista^.
Vendem-ae superiores lencos fuacezea a laai-
tagao dos de liobo, muito proprias para os taba-
queas por serem de cores escura, e flx.s, pelo
(taimado n. 22. na bem conaedda laja da boa f.
Fdo liso e tarlatana.
Vende-se superior fil liso e tarlatana branca
o de cores, pelo baratissimo 1
rsra ; na bem condecida loja
do Queimado o. 22.
Toalhas para w&oa.
.n^JS? -" ,0'",,8 P"a- B,*".M
do n.l
prego de 800 re. a
' da boa f, na ra
barato prego de 5* a dozta ; o. ru do Qoeima-
, na loja da boa f.
Ricos enfeites.
Vendem-se ricoa a .aperiores enfeites os mais
modernos que ha prelos e de cores, pelo ai"-
iiMimo prego de 6 e 6*500 : Ba bj. da
na raa do Queimado n. 22.
Cambraias de-cores.
rp.Ve^lemK,e.;M"br,M '""<** d* nodaaco-
IVL'Fn b,rl,"onpo de 280 o covado
daboafl?" "^ 'bem conbcia'
Na taberna
boa f,
; na
loja
8
Boa a 1*000 a rara, dito lizo a 800 re.7 taVlTaa
7.1aVi.^"wt800"-iw":"
Vestuarios cimo mil
ris.
Ricos resuiarios de seda para neniaos^ fazenda
loja1 co p'EiS000 rUa dS IlBpe"U D- W'
Cambraias lisas.
-S al1""" pe% wbMias lisas, fatenda
mnilo fina com 10, mal. vm wda p8Ci pelt
2fcJ0, 8*. 3*o00 e if, titos de 6 e meia- ra-a 2
t.vfmZn!:*^*0'pa,a orr. Pavo. e **: M tn a lapatatriz, loja do
Bffloes sem ferro a
3^200.
Veodem-se muito superlotas, >aias de cordo
que razem as vezea de balo, tort*odo-ae maia
recommeodavets por se poderem la%ar e eoaom-
6o.r[o!.85o0P.,S,oa. "M! *rua at **^
Um grande e variado sortimento.da
roupas te;tas, calcados e fazendas e todos
estes se vendem por pregos muito modi-
ficados como de sea coatume.assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos,
a casacos feiios pelos ltimos figurioos a
26*, 28*. 30* e a 35*. paletota dos mesmos
pannos preto a 161,18f. 20* e a 24*,
ditos de casemira de edr mesclad o a da
novos psdrea a 14. 16*. 18*. 20* e 24,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
rea a 9*. 10*. 12* e a 14*. ditoa pretos pe-
lo dimiouto prego de 8*. 10*. e 12|, ditos
de aarja de seda a sobrecasacados a 12*,
ditos de merino de eordo a 12*, ditos
de merino cbinez de apurado gosto a 15*
ditos de alpaca preta a 7*, 8*, 9* a a 10*'
ditoa saceos prelos a 4, ditos de palha de
seda fazenda muito auperior a 4*500, di-
tos de brim pardo e de fuslo a 3*500, 4*
e a 4*500, ditos de fusto branco a 4*
grande quaotidade de calcas de casemira*
preta e de cores a 7, 8*. 9* e a 10, ditas
pardas a 3* e a 4*, ditas do brim de cores
finas a2S5O0, 3*. 3*500 a a 4., ditas de
brim brancos finas a 4*500, 5J, 5*500 e a
6*, ditas de brim lona a 5* e a 6. colletes
de gorgurao preto e de cores a 52 e a 6J,
ditos de casemira de cor e pretos a 4J500
a a 5*, ditos de fuslo branco e de brim
a3*e a 3*500,ditos de brim lona a 42
if ditos de merino para luto a 4* e a 4*500*
P caigas de merino para luto a 42500 e a 52*
JC capas de borracha a 9*. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de casemirs
rafa da cor a 5|, 6* e a 7*. ditas ditas
de brim a 2$. 3 e a 3*500. paletots sac-
eos de casemira preta a 6 e a 7, ditos
deeor a 6 ea 72, ditos de alpaca a|3*.
sobrecasacos de panno preto al2*e a
14, ditos de alpaca preta a 5*, bonets
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamanhos
melos ricos rostidos de cambraia feitos'
para meninas de 5 a 8 annos com cinco
babados lisos a 8* e a 125, ditos de goraa-
h'ri. -"Sre' Sil6 laj 5* 5 a 6' ditos d S
brim a3, ditos de cambraiaricamente 1
bordados para baptisados.e multas outraa S
fazendas e roupasfeitaa que deizem de S
ser mencionadas pela sua grande quantl- fl
dade; assim como reeebe-se toda eaual- 9
quer encommeada de roupaa para ae M
mandar manufacturar e que para este fim S
temos um completo sortimento" de f azen-
fVii^0,lS.a ttma grande offlcin da al- 1
n.i.* dirigid" porum hab tre que 8
S d,e.aePiarmPlld 6 V**0 M* J' 5
Atleafo
Vendem-se cax5es rasios proprios
para babuleiros.fanileros etc. a 1A280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem ostem
para vender.
Vende-se
na raa do Queimado b. 19
o seginte.
n,lde cambraia fina adamascada para corti-
.CS?.8H,,?-*ir",,pel karat0 Prego -"Jk"-dei,0h0, ."""cado paramessVI
5* a pega, ditas de ditoa miudinhoa finas a 41500
Leocoe. de bremanle de linho aSMOO *
R & !VM,,a'a pa hm VWlido, com
8 1|2 varaa apega per 2* i
Grandes colchas de fusto lavradas a 6*.
m^oo:.%V,.:a.da0m.0uil0 ""?" P^
n0!'?fta8_de.CBUa' O01 chines, a 1*800,
da prega da Boa-Vista n. 16
vendem-se batata, ltimamente desembarc das,'
muito grandes em gjgo.de urna arrobe, pelo di-
minuto prego de 1*280. F
Cambraias trancezas finissimas.
_^**|WP' "mbraUs francezas muito finas, de
muito bonitos padrees, pela barato prego de 700
do' d. M? : D" J* d" "0a "' tBa WEeW
Vendem-se osengenhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeirb tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja "dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a rua da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Vestidos.
Ruada Cadeia n
vestidos de seda, de
23.
Ricos vesuuos ae ceda, de cambraia
bordados e de phsntazia, laziaba de co-
rea.aedaa de quadrinhos e de listas, cas-
sas de cor modernas, cambraias com lista
do cor e bem assim outraa fazendas oro-
pnas para vestidos.
Manteletes e chapeos.
Superiores capas comprfdas de gorgu-
rao, manteletes, taimas de crox, de fil
e de outras aouilaa aalMades, aaperiores
chapeos de palha enfeitados
nbors.
para se-
Taixas.
Novidade.
Modernos enfeites de cabeea, luraa de
en.,Ca adB. J.00Tn' leq"e*' ePrthos,
pentes de tartaiuga, saiaa bailo, camisas
para aenhoraa e meninos, sintos, meias
nglezaa para aenhora, manguitos e golas. K
pulceiras de sandadalo, chapeos de palha* &
Boupa feita.
Completo-.ortimento de caigas colle-
tes, palelots, sobreessseas de panno, case-
mira alpaca etc.: na rua da Cadeia n. 23
loja de Gurgel di Perdigo.
iMmam^^9e8-9KM39Kg
500e400.
O rival sem segundo na rua do Queimado nu-
mero 55. est queimando as seguiotes miudezas
por pregos que a todoa devem admirar tanto pe-
a -!i"V ,>0,llda',*. co n>bem pelos precos.
A ellas antes que se acabem. ^
Crozas de peonas da ago a 400 rs.
Ditas de mozioha, muito finas a 500 rs.
Laixas com agnlhas francezas a ISO rs-
Laiias com aparelhos para divertir meninos a
w rs.
Ditaa muito finas e grandes r500 re.
mVLdM>0l/9,de 0,* Pequeos a 120 re.
Ditas de ditos de louca a 120 rs.
Duiias de baralhos porluguezes'a 1*400.
Tesouras muito finas para unhas a 400 re.
Ditas pra costuras amito-finas a 400 re.
Baralhos muito fios pare voltarete a 240 rs
Agulheiros com agulhas a 80 rs.
Caivete de aparar peonas a 80 rs.
Ditos dbm duas folhas a 160 e 240.
re2o ^ tranS* Ce Ia ** %ttM 8* COre" '
Pegas de franja de la de todaa as cores a 800 rs.
bapatoa de tranga de lia finos a 1*280.
Carlas de alfiaeles francezes a 100 rs.
Caixas de ditos ditos a 60 rs.
Escoras para limpar dente muito finas a200rs.
Hassos de grampos superiores a 40 rs.
tartas com colzetes com defeilo a 20 rs.
Ditaa ditas superiores a 40 rs.
Didaes de ago para senhoras a 100 re.
A pitos de chumbo pars meninos s 20 rs.
Eofladores p.ra vestidos com 4 varaa a 80 rs.
taixascom clcheles francezes a 40 re.
tartas de alOnetes pan armador a 100 rs.
ios de coral de raiza 640 rs.
Charutairasmoito finas a 1*000
Maior reducto nos precos para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Son & t.
oa rua da Moeda, taixas de ferro cuado de mal
acreditado fabricante Edirin afaw a 100 re. por f Tu
libra, u mesmis que m rendas por 180 rs. I bala a
*,pen,,par? D0lTa- de rf<*dalaraoja.
Algfldio com 7 palmos de largo aOOOrs. a ra
Lenooea de panno de linho a 1*900.
nde-se
50 A-Rua da Cadeia do Becie-50 Aj
500, i$, 2^500,1
4^500 e 5^f.
Manoel Gongslres de Oliveira Santos,
acaba de arrematar urna porcio de fa-
zondas muito barato e por iato vende ba-
rato para vender moito, vende muito pa-
ra Vender barato gravatas de seda a 500
rs.. eofelle de vidrilh* que se'tem vendi-
do por 4* a t*. chapeo de sol para se-
abora a 2*500, ditas de cabega a garibal-
di a 4*500 e 52, venham a eate estabele-
cimento ver estas pechiochas que admira.
Azeite de dend.
Azeite de amendoim,
Azeitejle peixe.
no Forte do Mallas ou Iirgo da Ausm-
Relogios.
Ven da-se ameasa da Johnston Pater d C,
raa do Vigario a. 9 am bailo sortimento aa
relogios de ouro,patente ingles, danm dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; lampen
urna variedad, de bonitos (rance.i para ai
masas.a.
Attenco.
N; raa do Trapiche n. 46, em casa de locker
Rooker t C. exista am bem aortsaaeate e li
has de cores e brancas e em carreteta da melaer
fabricante de Ioglaurca a. qaaea se raadeai aar
I pregos saui raioareis.


QUBJ* 3* MMtMftOCa QUAKA FEttA 1 M 1E3BMBBO 1161.
Delicadas escovas
cabos de marfim e madre-
perola, para limpar
den tes. '*
Na verdade ana estova pira limpar pastea
aempre aeeeaaarJa en qualquer toucador e can
eipec.lld.de nd da senhora que preza o aaaeio,
e para quo ella seja parfeito mandar comprar
Acopara bales.
Rape* de Lisboa.
Vende-se rap da Lisboa; na roa larca do Ro-
sano, paseando botica a segunda toja de mio-
SEf Na ""> l0i adem-se multas
e (de? *" COBU' vi,U ,e dir pre
Navalhas d'aco
com cabo de marfim.
Vende-ae na loja d'aguia branca mai floas o-
vainaa eraeo refinado com caboa de marfim e
para aesegurar-se a bondade dellaa baila dizer-
ae qoa alo dos afamados e aereditadcs abrican-
i. SIL* C eu',a e, eBtoo *> loas oa-
brancl, Vu! "" FU* 4 QueB,ao' lfl4 ,8ui"
Peinas galvanisadas.
A loja d'aguia branca receben eassa peona
galvanizadas, de aovissima e mni boa qualidade.
e as eett rendando a 30000 a caiiinha com urna
etoff' f*,P7D*"a desaas peooaa foram offe-
recidas Garibaldi, e por isso trazem o aeu re-
tracto, o as referidas caixas ae encentra o dis-
tico peonas Garibaldi.
S ae encontram na
d'aguia branca n. 16.
roa do Queimado, loja
tea u. iv.
Touquinbas de setim, sa-
patinhos de dito bor-
dados, e meias de seda
para baptisado.
Aloja d'aguia branca acabado despachar de
sus propria encommenda, um bello aortimento
dos objectoa cima, e de mnito bona gostos. sen-
do ss touqulohas de setim mui bem enfeiladas
de fitas e florea a (UjOOO. rindo cada ama em sua
catataba, sapatiohos de setim branco muito bem
tortlades a 85 re., e meias de superior quadade
tanto brancas como cor de carnee pintadas a M
rs. o par: qaem manido de dinheiro drrigir-se
cenar de comprar.
Cassas garibaldi-
as na loja do
Pavo.
HIt?.de?"8e flDM,aa garibaldinaa sen-
d'I!' "? modern qa tem che-
gado a 360 rs. o corado: na roa da Imperaliiz
n. 60, loja de Gama & Silva. ^
Vende-ae oleo de llnhaca em barra, or
prejo commodo: na roa da Cruzn. 61.
Attenco.
Ra da Imperatriz
numero 49.
A^t^M"M,. *"' .nQ"> tabelecimento
ae momaaos, e nelle os freguezes encontraro
manteiga iogleza de superior qnalidade ao preco
de 800 rs. a libra, dita franceza muito boa a 640,
cha hysson do melhor que ba a 2(880 a libra, e
outroa muitos gneros que ae vendero por me-
nos que em outra qualquer parte.
Potassa da Russia.
Vende-te potassa da Russia da mais nova e
superior que hs. no mercado e a prec.0 maito
commodo: no escriptorio de Manoel Ignacio d.
Oliveira & Pilho, largo do Corp Santo.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Liyramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4|.
Duzia de meiaacruaa para bomem a
19^00 e o par a 120 re., ditas brancas
muito unas a 2J500 a duzia, lencos de
cassa com barra de corea a 120 rs. cada
um, diloabraacosa 160 ra., baldea de
20 e 30 arcoa a 3g, lazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos a 53 e 6, tarlataoa
branca e de corea muito fina com vara
e meiade largura a 480 ra. o covado,
fil da linbo liso 640 ra. a vara, pe-
gas de cambraia lis* fina a 3, cassas
de cores para vestidos a 200 ra. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 ra. o
covado, calcinbas para menina de escola
algo par, gravalinhaa de tranca a 160
rs., petos para camisa a 200 ra. cada
um duzia 23, pecas de cambraia de sal-
pico muito fina a 3|500, pecas de bre-
taoha de rolo a 2*. chitas francezaa a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
aberta das 6 horas da tumba as 9 da
noite.
Arados americano le machina-
paralavarroupa:emcaiadeS.P.Joi
hton & G. ra datenzala n.42.
Legues.
Veadem-se lindos leques de. madreperola, o
mais fino possivel: na loja d'aguia de o aro, roa
do Cabogi o. 1 B.
Lencos tanteos muito
unos,
Veodem-ae lencos braocos muito finos, pelo
diminuto preco de 29400 a duzia, grande pe-
chincha : na loja da boa f, na roa do Queimado
numero 22.
Farinba de mandioca.
Vende-ae em saceos, propria para amanea *
no boceo Largo n. 6.
Macas,
lio ultimo paquete, <
g* do Rosario d. 35.
Amubco.
Cbegadaapelo ultimo paquete, vende-te a 120
rs., na roa larga Jo Rosario o. 35.
Na roa da Cadeia do Recife d. 25, tem para ven-
der, pertencente % urna pessoa que ae retira para
a Earopa dtfferentea~obraa de (tratado Pinto, como
sejem jarroe baca, aalvsade difTererilee tamaitos
garfoa, facas ecolheres de sopa e cbi, e mais al-
gomae pecas de loro, qno aea pretendeotea ae
mostrar!, o que tudo se vende por commodo
preso.
Attenco.
Na roa do Quaima'do loja de ferrsgena n. 4,
venda-te 3 vaceaa de leite, 7 bois mancos e 5 no-
vunotaa e7 sniaaaaa cavallaes, proprioa para en-
geono.
Liquidaco,
Ra doUueimado 11. 10, loja
de 4 portas.
Vende-e panno verde, preto, ul a cor de
caf, covado 3.
Cseni oreta superior quadade covado
1600 e 11800.
Chales de touquim para acabar a 10,15, 20,
30e40 -
Superiores cortea de aeda o mais moderno que
tem indo ae mercado a 90, 100 e 120.
Sedinhaa de quadrnbaa e flores, superior fa-
zenda e moderno goato, covado, 800. lg e 1#400.
Chaly, superior fazenda, covado, 500 rs.
Mimo do cao, fazenda para vestido da aanbora,
oaado 500 ra.
raimas e manteletes prelos a 18, 20 e 25.
Superiores vestidos brincos bordados 20, 25
30.
Cassas (rancezaa finas, covado, 240 rs.
Cortea de cassas de aalpieos. um 3 e 3$500.
Cartea de aeda preta a 251. 30, 35 e 40.
Lencos de seda a 600 e 800 ra.
Lia de quadroa pata vealido de acabara rau-
pa de meninos, covado 340>ra.
Grosdenaple preto, cavado 1280.
Chsles de merino bardados a 4f.
Chitas francezaa eacuraa, covado 240 ra.
Meias de algodo cr para bomem a 4.
Cortea de velludo para Gollete a 3*500 e 4000
Paletola de brim a 3 a 4.
Chapeos de sol de seda para senhora e meni-
nas a 3 e 4f.
Leques para senhora e meninaa a 3 e 4.
Espartilhoa para aennora meninaa a 3 e 4.
Chapeos de pellica para meninoa e meninas.
Chapeos de palha para senhora.
Ghapelinaa de seda para senhora a 8 e lOf.
Camisas abertas de renda para senhora a 2 e
SJOOO.
Grosdenaple amarello com um pequeo toque
de mofo, covado 600 e 700 ra.
Paletot, caiga e collete de easemira, pelo bara-
issimo preco de 25
Ceroolas escocezas, urna lj)200.
Cortes de barege com duas saiaa a 8 e 10.
Cortea de seda escoceza, superior fazenda, com
13 e 15 covadoa esda um a 10.
Camisas inglezas com peilos de lioho e com um
qaeno mofe, duzia 25$.
Paletots de alpaca, um 94.
Cortes de easemira um 3500:
Chales de lia e seda, superior tazenna, a 2500
Lencos de cambraia de liaho bordados com bi-
co, a 3. 5, 6 e 8.
Ditos de dita para hornera, duzia, 6, 8, 10,12
e 14.
Setim preto maco e melhor que tem appare-
cido. covado 3.
Chapeos deso de seda para homem um 6.
Ditos dito de dita tngleza para homem, um *,
10 e 12.
Bales para senhora, um, 3 e 4;
Panno de linho do Porto com 12 palmos de lar-
gura para leoces, ?" a 3200 e 34400.
Lencos de cambraia bordados com bico, duzia
a 25500.
Gollinhss de cambraia bordadas, ama 820 rs.
Manguitos de dita ditas, um 1.
Camisas psra meninos, duzia 15.
Pil de linho bordado, vara 1200.
Dito de dito liso, vara IJfSOO.
Cortes de brim de linho. um 1600.
- Veode-se um eavallo muito gordo com 7
palmos emeio de altura, um doa melborea para
cabriolet: na roa do Rangel n. 14, ou pateo da
ribeira n. 5.
Potassa americana.
Vende-se potassa americana muito aova de
superior quadade: no escriptorio de Manoel
Igoacio de Oliveira & Pilho, largo do Corpo San-
io a. 19.
Taboas.
Vende-se madeira de pinho muito
barata para fechar contas.Jno armazem
do gelo ra de Apollo n. 30.
50 ARa da 480 rs. e 7J000 rs.,
o corte.
E' de admirar!!!
Cortes de vestidos de lias de cores lavradaa a
7 o corte, cambraia de cores a imitacio de or-
gandys a 480 rs. a vara, venham ver para saber
o atar.
de cambr aieta.
Vendem-se superiores saias de cambraieta mui-
to fina, com 4 pannos, pelo diminuto prego de
5; a ellas, que sao muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da boa fe*
Pletots
brancos.
Vendem-se superiores pletots de brim braaco
de puro liaho, pelo baratissimo prego de 5$ : na
roa do Queimado n. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
S3 RA DIREITA 33
Grande armazem.
F erra gen* e mUulezas.
Sem bandejas, aem colheres, aem garfoa e fa-
cas, impossivel passar a festa I neste armazem,
poia, encontrario aa familiaa o melhor e mais ri-
co sortimeoto por precos inferiores aos de pri-
meira mi, e reparem.
Bandejas recortadas e finas a 1600.
Ditas ditas a 2.
Ditas dftaa a 3f.
Outras (sultana valid) 6, 5 e 4.
Paqueiros a 6|, 4. 3600 e 3.
Colheres principe (opa) 65 e 4500.
Ditas dita (cbi) 3 e 2500.
Salitre, ferro, trens de cozinba, e tudo quanto
pertence a ferragens baratissimas.
Camas de rento de louro a 48800, e de ama-
rello a 55500.
Na travesea da Madre de Dos o. 7, primei-
ro andar, vende-se superior vinho do Porto che-
gado pela aSympathia, em barra de 5.*, 8.*e
10..
Grande
Superiores paletola de panno preto muito fino,
obra muilo bem feita, pelo baratissimo preco de
20 ; na ra do Queimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Gal virgen de Lisboa em
pedra.
Veode-se a mais aova que ha no mercado por
preco muito commodo ; nicamente no largo do
Corpd*"SaolQ a. 19, trapiche da companbia.
Potassa da Russia.
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C, euccesaore, ra da Cruzn. 4-
S arara em liquidaco
Ve-dem-se pecas de madapolio fino entestado
a 3, cortes de easemira preta para calca a 34500,
dita entestada de corea a 44&00. cortee de tualio
KSe^ "Ji*110 f l" *"" W 5fc Chspeos de palbioba fina eofqatidos para me-
i280 e l|6O0: na loja arara n, 50. ninas ; na raa do Cieapo 10.
36, na das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESIVO
750, reeommenda-se aos apreciadores destele genero que
imns k ana Iaubvmao JCt*.
J!!fm.0* "Peo,,B"fnleieonhid4 800 rs. a libra e
dem fr MparUM0U** ^to* da n'd, P"*" P para isso confirmamos o que levamos dito.
Ou flC6Za a me,hor m'cd< 640 rs. a libra e em barra a rnao de 00 n. a libra i
ffleb'i?S eDSS eg-dos no nllimo tepor a 24600 o 2fitJ0,
Batatl*8 SltaS B0VM e gnnd" 800 w* cent0 e ^ mUbef0 *&*W 1 '^ quadade ningnem deiiar de comprar
TflKt h 8'88 Cm Uma arroba ** melhorM M h* no marcado a i o gigo, e em porco de 10 para cima a 800 rs.
Nozes S T6rdM ,n0S Perett8 qM tem8 ,d B BWC*d eh'g,dM A "'" ***** S4 a ,ibr* m H* a abatinento.
^8 as mais oras que existem no mareado a 200 rs? a libra e de 8 para cima a 160 rs,, afianca-se a boa qualidade.
raa S as ulhaiim, macarro e aletria as mais novas do mareado a 480 rs. a libra e 89 a caixa.
Lnampanhe dis marcas mais acrediudas de 15 a 20 o gjgo e 1S00 a i& a garrafa. '
OaChlllha ingleza a 320 rs, a libra e 4 a barrica, afianca-si ser a melhor do mercado,
Arroz o melhor do mercado a 100 rs. a libra e 2700 a arroba do da India a 120 rs. a libra.do do Mardnbio,
tila nySSOQ e pretO 0 melhor do mercado de 1*700 a 2880 eem porfi teri abatimenio, e afian^a-ce a boa qualidade.
Presunto fiambre nojez a hamburgoez a 900 rs. a libra e em porco a 800 rs.
Presuntos portugueses ^^ do Porto de casa partiealar a 560 rs. por libra aiateiro a 460 rs.
31armelaaa dos raelhores autores da Lisboa premiada nasexposices universaes de Londres* Paria a 19800 a lata.
CaixaS COm estrelinha pevide e rodinha 7000 a caixa e800 rs. a libra eem porco teri abatimento.
Latas de ameixas francesas com cinco libras a 49000 e 19000 a libra.
rassas era eaixinbasdeoitolibras, as melhores do mercado a 25O0.e a 500 rs. a libra e caado uma arroba a 89500.
Espermacete Superior 740 n. em caixa a a 760 rs. a libra.
Conservas francezas inglezas e portuguezas eoo a 800 rs. o fraseo.
firylnas portuguesas e francezas a 800 ra. frasco afianca-se serem as mais bem preparadas que tem rindo ao mercado.
Lata COm bolaxinha de SOda de diversas qaalidades, a muito nova a 19450. agrandes de 4 a 8 libras de 25 00 4500.
VinllO em garrafas Duque de Porto, Porto fino, genuino, neetar, Carcavellos, Madeira soeca, Fetleria e Gamones 119200 a 1360
a garrafa e a 13 a duzia.
Ylalho em pipa proprios para pasto de 500 a 800 rs. a garrafa edo 39800 a 4800 a caada/ *
Latas COm fructas de todas as qaalidades que ha em Portugal da 700 a 100U a lata.
rera em caixas de 4 a 8 libras a melhor que se pode desejar e tem vindo ao mareado de 49 a 6 a caixa e 19280 a libra.
Lorinthias em frascos de 1 li a 2 libras de s600a 29200.
COm peixe Sa Vel pescada a outras muitas qaalidades o mais bem arranjado que tem vindo ae nosso mercado da 1400 a 1600
Aranita a melhor que so pode desojar a 320 rs. a libra, o 120 rs. a libra de gomnu.
OS 06 amendoa com 2 libras, propria s para mimos, por serem muilo bem enfeiladas a de superior qualidade a 39 cada um.
V magre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 2560 a caada.
Ominno e erva doce os mais novos que ha no mercado a 800 a libra do cominho e a 400 rs. a eeva doce.
VinO BordeaUX de boa qualidade a 800 a 19 a garrafa ede 8500 a 10000 a duzia,
M a SSa de tomate em latas de uma libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira vez a nosso mercado, de 1 a 1 280.
ffk SraS e.?.3?6'*" amendoas, passas e figos, oque hade mais proprio para mimos, de 19000 a 59000 rs. por caixa de 2 a
az lloras, e 400 rs. a liara doa figos.
Cervejas das melhores marcas 8eo rs. a garrafa a 5 a woo. *w. ^......
Vinarr puro tlt. llhrn ,. garrafa e jnann ....a*.
Doce da gOaba da CaSCa em oaixao a 19 a em porco a 900 rs.
Azeite doce purificado 800 rs. a garrafa a 99000 a caixa com 12 garrafas.
IxOgnac a melhor qualidade que temos no mareado a 19000 a garrafa a 109000 a duzia 7
QUIJOS SUSSOS ebegados ltimamente a 500 rs. e em porejio ter abalimenio, afianca-se a boa qualidade. J #
Genebra de Hollanda a 600 rs. o fraseo e 695OO a frasqueira com 15 frascos.
FalltOS lixados para denles a 300 e 160 rs. o maco com 30 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz > 3O0O a groza e 280 a duzia da caixas.
Ln0C0la*e o mais superior que temos tido no mercado portuguez. hespanhol efraneez de 19 a 1200 a libra.
Azei tonas as melhores e mais novas que tem vindo a nosso mercado a 1200 aancoreta do Porto, e a 29000 as de Lisboa.
Amendoas cfaegadas no nllimo navio a 480 rs. a libra e em porco ter a batimento.
Arpista 0 m,;, imp0 que ,el ,nd ao mercado a 160 rs. a libra e 59000 por arroba.
^ l*rn dos gneros annunciados encontrar o publico um completo sartimento de tudo tendente a molbados.
fiyTeranca.
Receben de ana encommenda pulesi- '
O raa de cabello quo vende por 10 o par, {
dea braceletea de mosaicos a 6 cada um, t
f sgulhas victoria a 120 rs. o papel, pen-
P tes de tartaruga a 8, 10 e 12$. precos i
SJ9 porque ninguem pode vender (boa a- (
dA zeoda) estes artiges nao se encontr em .
^ loja uenhuma porissovoa ruadoQuei- '
49 mado a. 33 A, loja da Esperance. 1
Esperanza reduz a expres-2
sao mais simples. i
(A' DINHEIRO.)
9 Todos oa artigoa que esli na loja |
Jjs muito barato quem quizer vi comprar e
* veri : rus do Queimado o. 33 A, Guima- '
q raes dt Rocha. <
A musselina do Pavao
200 rs. o covado.
Vende-ae musselina branca com 4 1|2 palmos
de largura (zeoda mnito fina pelo diminuto pre-
co de 200 ra. o covado. cortes de chita ingleza
com 10 corados cores fizas a 18500 rs., ditas de
musselina branca com 10 covadoa a 2, tudo
para apur.r dioheiro : na rea da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Vendem-ae librea alerlinas ; no escriptorio
de Amorim Irmios. ra da Cruz n. 3.
Liquidaco
de fazendas para senh-
ras.
Vendem-se gotlinhas finas a 500 rs., ditas com
botaozinho a 640, ditas de traspaseo alf, man-
guitos bordados a 720, manguitos e eolias com
bototinho multo finos de linho a 2J500 e 3|, di-
tos de osto a 3, camisas bordadas para eeaho-
ras a 4. ricos siotos donrados e matizados a
2*500 e 3, ricos enfeites a Garibaldi, pegas de
tiras bordadas e entremeioa a 1, corpiahos para
meninos a 640 cada um.
Para homens.
Vendem-se paletola de easemira de corea e
pretos a 10 e 13, ditos da brim para todoa oa
precoa. colleles de diersas qualidadea, calcas de
casemiras de cores a 6 e 1%, ditas de brim e gan-
gas a S e 8g500, ditas de riscadinbos a IfOOO e
1600.' aa ra da Imperatriz, loja da arara de
4portas n. 56, de Magiiaaes l Mendes.
Vendem-se deus pares ae redas novas para
carraca : na ra Augo.la a. 59.
A 3$000.
Attenco.
*
Ghegoa na rna do Queimado o. 39, loja de 4
portas melpomeoe imperial com 6 palmos de lar-
gara a 58600 a covado, o mais moderno e apura-
do gosio que se pode encontrar pera vestidos de
seaborss e meninaa.
Na loja do Vapor
Ra Nova n. V.
acha-se barato grande aortimento de calcado fran-
cez e inglez, roupa feita e perfumaras muito
finas.
Chitas largas a 220 rs.
na loja do Pavo.
Vende-se finissimas chitas francesas com pe-
queo, toque de mofo, afflancando-se soltar o
mofo logo que se lavem, por serem de cor fizas
a 220 rs. o covado : na rus da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
Opiata ingleza
para denles.
Est finalmente remediada a falta que se sen-
lia dessa apreciavel opiata ingleza lio proveito-
sa e necesaara para oa denles, isso porque a lo- i
ja d'aguia branca aesba de recebe-la.de sos en-
commenda, e continua a vende-la a 1JJ500 rs. a
caiza : quem quizer conseriar seus dentes per-
feitos prevenir-se mandudo-a comprar em
dita loja d^uia branca, roa do Quaimado n. 16.
gLoja das 6 por-|
tas em frente do Li-
S vramento.
Roupa feita muito barata.
Pletots de panno fino sobrecasacos, ,
A ditos de easemira da cor de fualao, ditos
de brim de cores e braocos, ditos de
ganga, calcas de easemira pretas e de V
9 cores, de brim braaco e de coree, de gsn- ft
ga, camlaas com peito de linbo muito a
finas, ditas de algodo, chspeos de sol ^
fP de alpaca a 4 cada um. A
#!
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende se: ta-
chas de ferro coado libra 110 ra. idem
de Low Hoor libra a 120 rs.
Uma barcada J^
_ Vende-se ama bsreaca do porte de 35 caizaa.
enceldada no eaUleiro do meslre carpinleira Ja-
cinlbo Elesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pea-
tas, sonde pode ser vista e examinada pelos pre-
tendeotea ; ende-aa a prazo ou a dioheiro ; a
tratar com Manoel Airas Guerr, na rna do Tra-
picha n. 14.
Nova exposico.
Ra Nova n. 20.
Riquissimo aortimento de cutileras em todo
o genero, asaim como um riquissimo sortimento
de louca de porcelana para cozinba, riquissimo
aortimento de metaes, riquissimo sortimento de
miudezas, e oulros muitos srtigos. que com a vis-
ta do comprador ae podero apreciar : na ra
Nova n. 20, loja de Garoeiro Viaona.
Bombas de japy.
Rna Nova r). 80, loja de Carneiro Vianna.-
Canos de chumbo.
Ra Nova n 20. loja de Carneiro Vianna.
Em diflerentes ras e bairros desta cidade
vendem-se algumas casas lerreaa ;* a entender-
se com Actonio Joaquim Pereira, ra da camboa
do Carmo n. 7, nos fundos da casa do Dr. Dor-
nellas.
Vende-se o grande sitio denominado Caia-
na, aito na freguezia da Varzea, de muito boss
trras, que todo qnanto se planta d uma grande
qusntidade, com uma casa de taipa J coberta,
uma dita defazer rinha, grande quandade de
ps de cafezeiroa, com diversos ps de frocteiras,
como seja larangeiras, coquearos, etc., etc.; e
tambem vendem-ae duas vaccas que dio bastan-
te leite, uma dellaa com a cria j grande, e um
burro manso : a tratar na roa do Sebo a. 20.
Libras sterlinas.
Vende-ae no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira e Filho, largo do Corpo Santo.
SABAO.
Joaqaim Francisco da Helio Santoa avisa aos
seasfraguezesdesta praca e oade fra, que tem
ezpoato venda sabio de ana fabricadenominada
Recifenosrmazm doaSra. Travaaaoa Janior
C., na rna do Amorimn.58; maaaa amarella,
caatanha, preta eoatraa qualidadea por menor
praco qaa da oatraafabricas. No mesmo arma-
bam temfeito oseu deposito da velaa da carnu-
za simples sam miatara algama, como as de
omposicao.
Lindas flores.
Na loja d'agaia de ouro, ra do Cabogi a. 1 B,
receberam de sna propria encommenda nao com-
pleto aortimento de flores, o mais fleo que pos-
sivel encoatrar.propiiaa para enfeites decabecaon
vestido, consa mnito chique, que ae vende por
pre^o qne admira, sendo a 800 e 1 o cacho.
0 Pavo.
cada
As verdadeiras iuvas de
Jbvi.
iaft d,Uoda,lVe.'.rQ, d* QOeln,,d D' 16'
Esponjas finas
para o rosto.
ye?,l"8e m0i flo" e8Pn'* P" rosto, a 2
Leite virginal
infallivel remedio para
sardas e panos.
*S?*1-I?H*slnal Decon!recldo como reme-
iio iofal ivel para aardaa e panno*, vende-se .
bfa"c. n! 6? "" <,0tteI"<. ><] d'gia
Attenco.
43 Ra do Amorim 43
Grvalas da moda.
Ns loja da boa f. na ra do Qoeimido n 25
encontrar um completa aortimenTo de gr'.va-'
SrltM iTlf^,m0*- C0B?8eJn.: estreitinbas
Para- t eama d,*eo,e" *" eem pontas
arg a 1J500, ditas pretas bordadas a i600. di-
oiPda r,!" dU" T2"a^ : "eadooada
loja da boa f, oa ra do Queimado n. 22.
Meias para sei&Wa.
Vendem-se superiores meias para aenhpra pe-
L uWi ti"1"0 pre5 J?e 8W0 a d0li na loja
da boa le, na ra do Queimado n. 2t. .
Escravos fgidos.
Vende-se calcinhaa bordadas para, meninaa a
1, lavas de aeda tanto para senhora como para
bomem fazenda em parfeito estado a 600 rs. o
par, aintos de todaa aa qualidadea para aeahoraa
meninas a saiaa bordadas cosa muito goato:
na rna da Imperatriz n. 10, loja de Gama &
Silva.
Fugio no da 20 de novembro o escravo Ca-
nuto, crioulo, de idade 50 annos, pouco mais ou
menos, de estatura regalar, lesa o andar compas-
sado, inclina o corpo um pouco para a direita
qnando anda, tem nma cicatriz no lado direito
do rosto proveniente de um taino, e ootra no
peito proveniente do um caustico, tem pouca
barba e poucaa vezea a faz, toma tabaco e traz
caiza de chumbo, tem ocostume de se embreagar
e andar da calca e camisa, e levou chapeo de pa-
lbaordinana com abas grandes : roga-ae, por-
tento, a qualquer pessoa que o apprehender, o
favor de o levar a casa deseuaenhor Miguel Jos
de AlmeidaPernambuco.no pateo do Carmo so-
brado n. 28 ao p da ordem terceira, que 'ser
recompensado.
Boga-ae aos capitiee de campo e a toda e
qualquer pessoa a apprehensio do moleque de
nome Manoel, de idade 12 annos, cor preta le-
vou caiga de algodo azul, camisa de rtacado am-
bem azul, e tem oa signaes segointes: uma ci-
catriz e um tallio por cima de uma daa aobranco-
lnas, tem nm lado do peito direito mais alto
do que outro, eos olhos aperlados, magro e meio
cangulo; a pessoa que o apprehender, leve
ra da matriz da Boa-Vista n. 5, que ser4 bem
recompenaado.
Na noite de Ib do corrente, fugio
do engenho Jardim comarca de Goi-
anna, um escravo crioulo de nome Fer.
nando, estatura pouco mais de regular
corpolento, tem um ou dous dentes ce-
idos na trente, os beicos um pouco
grossos, barbado e quando sahio tinha
leito a barba e deixando o bigode, ca-
bellns rhrtaftn a -J- w -
Deto cima da nuca tem por signal
abaixo do peito erquerdo ou direito
uma sicatriz de Uma estocada'que se
acha bem vezivel. lerou duas celouras
de algodSo da Babia, duas camisas de
algodao'zinho branco, uma calca azul, e
chapeo de palba de arroz ja' usado ;
muito prosista, e muito bem pode
inculcar se forro i roga se por tanto a
todas as authoridades policiaes e capi-
taes de campo a appreheocao do dito
escravo, e o levarem ao engenho cima
meccionado, ou ao Sr. Joao Pereira
Houtinho no Recife, ra da Cadeia n.
22, que sera' generosamente recompen-
sados.
Fugio do engenho Mussumb, comarca de
Goianna, no dia 2t do mez de outnbro do corren-
te anno, o escravo los, e conbecido por Jos
Mslao, de idade 38 annos, pouco mais ou menos
crioulo, tem pouca barba, muito ladino, cara
grande e carrancuda, de estatura regular, cheio
do corpo, levou roupa de algodo da Bahia :
quem o prender levar ao dito engenho, o ao
escriptorio dos Srs. Leal & Irmao, e aera bem
recompenaado doseu trabalbo.
Escravo fgido.
Estevao, crioulo, de estatura biza, corpo re-
gular, acha-se com a cabega raspada a navalha
por ter sabido da casa de aetencio, no dia 28 do
corrente mez de novembro, cor fula musculosa,
cara um pouco redonda, pescoco curto e grosso,
por fgido eslovena casa dedetengo trea mezes,
e lornou a fugir na mesma occasio em que sania
da olla casa, correado da ponte da Ba-Vista em
direceo roa ao Cano e pateo do Carmo, dessp-
pareceaviodo scompanhado com seu senhor mo-
go : quem o pegar, pode o entregar ao Sr. Luiz
Antonio Annes Jacome, no seu armazem defron-
te das porta da alfandegs, ou no aobrado dos Coe-
lhos junto ao hospital, oo na padaris da ra do
Socego, no Campo-Verde n. 50, da freguezia da
Boa-Vista, que ser recompensado.
Fugio lo edgenbo das Matas, comarca do
Cabo, no dia 28 de aetembro de 1861, um escra-
vo por nome Joo, crioulo, vermelbo, altura re-
gular, grosso do corpo, espadando, idade de tra-
la tantas annos, melteo-ee as malas do enge-
nho do Monte, al que Ibe. tiraram uma pviga
que levava. e logo que se vio sem ella dizem que
furtou um quarlio mellado conTcabellos prelos,
e com principio de csrrego, e tambem fez um
pequeo roubo de roupa : desappareceu o-caval-
lo a 17 de outnbro. Este tegro j tem sido pre-
so no Becife duas vezea, a primeira vez Iraba-
lhando com amacarroca, e a segunda vez foi
preao trabalbando em um armazem de assucac
como forro : quem o pegar leve ao engenks ci-
ma, aue ser bem recompensado.
Fugiram do engenho Coocei$ao, silo na fre-
guisia de Tracnobiem da comarca de Nazareth
no da 4 de novembro de 1860, doua escravos
mulatos com oa noroea e algoaes seguintes : um
de nom Paulo de 45 snnoa de idade pouconais
ou menos, offlcial de pedreiro, sapatefro e pti-
mo bolieiro, de edr alaractjada. cabellos carapi-
nhoa. roalo descarnado, olhos brancos, nariz e
bocea reculares, um pouco secco "e de estatura
media, o qual tem doua dedos da mi direita
alaijadoa de um paosrico, e tem tambem o dedo
saSoimo da mao esquerda com igual deleite, e
cima da aobraocelha de usa des olhos uma cica-
triz,'proveniente de um taino, e ouira, cicatriz
com um cerociobo cima da mesma, com um
dea Sents oa trente quebrado.quasdo se embria-
ga toroa-se arroaante. Eaae eacrao j foisur-
rado e consta andar pelo Recife, Undo aido visto
para aa bandas da Soledaoe e Santo Amaro por
elsumee pessoas, a quem tem dito haver-ae liber-
tado, O outro, de nome Felippe, de cor triguei-
sa, cabellos earapinbos, estatura baixa, cu regu-
lar, bem barbado, um pouco secco, bem (allanta
e cantador, coa 30 annoa de idade, anda ligeiro
e muito deapacbado oo se meo de erizada e fui-
ce, com falta de dentea a (reate, com olboa um
pouco apitoinbadoa e capiosgoa Quem appre-
hende-loa leve-os ae dito engenho ao aeu aenhor
o tenente-coronel Joio Cavsleanti Mauricio*
Wanderley, qaa generosamente recompensar.
J^~T


8
DIARIO MMUONGO; QUAtTA fliBA 4 M DEZUBRO K I8f i.
LUratura.
-a
f

Conclosao da optara* sobre o trbala
doSr Miagietti.
Pra completar o poder que lio extensa i al*
tributados devem dar i provincia, a execocio das
deliberages do. conselho provincial psriencer
nao eo representante do governo, como-oa Del-
gice, Franca e Italia, mas a depulago provm-
cial e aoseu presidente. .
Al aqui ter-se-ha observado qde o prefeito
pouco pparece ; todava elle te no systema
irojectado urna importancia e autoridade que nao
he do os 'systemas centralsadores. O direito
de exame, e o poder tutelar que ordinariamente
reservado em materia administraba ao minis-
terio, ao prefeito que em grande parle Mr.
Ilinghetli o coofere, conservando, bem enten-
dido, o ministerio seu direito de exame supremo.
O prefeito anulla ai deliberagoea que to irregu-
lares pela forma, que exceder as atlribuicea do
municipio ou provincia que tomou-as, ou que
nao sao conformes com as leu. Commanicadas
ad prefeito uito das depois de sua data, essas de-
liberacoes tornara-se execulorias quando nao fo-
rem annuladas pelo prefeito no decurso dejum
?tez para as materias ordinarias e de dous para
as de fioancas. Certas deliberagoea para aerem
ejecutorias neoesaitam de aua approvaco positi-
tiva ; sao as que estabelecem o orgameolo de re-
ceila e deapeza provincial e as que excedem o
que os legistas cha mam a simples a dminislra-
co de capitaes ou bens municipaea o provio-
ciaes. Giras deliberacoes relatj[vea a os regula -
minios que lei permita que .'o municipio'e a
provincia eslsbelegam quer relativamente a crea-
(o de feirase mercados, quer ainda a mudanzas
as cassilicaces das estradas, devem ser appro-
radas pelogovernador da regio.
Peto que respeila aoa cooselhos de munici-
pios, a deputaco provincial partecipa com o pre-
feito do exame de seus actos ; nesle sentido que
a lei submelte sua approvaco as deliberacoes
desses cooselhos relativas ao uso de bens muni-
cipaes, e seas orinientos, qaaado a proviacia
nelles flgura por subsidios concedidos, ou quan-
do elles sobrecarregam em certas condigoes por
cntimos adJiciouaes i cootribuico directa.
Ao prefeito seriara dirigidos os recursos dos
cidadaos que se julgassem tasados era seus direi-
tos pelas deliberagoea muoicipaes e provinciaes.
O municipio e a provincia podem recorrer ao go-
bernador contra as recusas de approvagao do pre-
feito, que devem ser motivadas; podem lambem
recorrer ao rei contra os actos da autoridade ad-
ministrativa qae julgassem etlentatoriis de suas
attribuicoes.
Em geral a prefeilura fiscalas a acjio do
municipio e da provincia no ponto de vista da lei
e dos interesses de urna ordem superior, substi-
tue m eoutro nocumprimento deseas deveres
essenciaes, quando elles nao o fazem. O prefei-
to auxiliado por uro coosalbo de prefeitura cu -
"o carcter profundamente modificado pela abo-
igo do contencioso administrativo, proposto por
Mr. Minghetti no sentido que vamos dizer.
Essa reforma, inspirada pela tendencia toda
liberal que fax com que desapparecam cada tez
ruis as jurisdiegesexcepcionaes, tem por objec-
to encaminhar aos Iribunaes todos os negocios
contenciosos que podem entrar em suas attribui-
goes, e deixar os outros 4 decisao absoluta da au-
toridade administrativa, lomando as oecessarias
precaucoes para conciliar os interesses privados
com o interesse publico.
Cumpreem primeiro lugar, segundo o minis-
tro, dar ao poder judiciario sua competencia nos
negocios que naturalmente Ihe pertencem, e que
foram separados de sua jurisdigao somente pela
insuficiente razio de que a administrado era
considerada urna das partes interessadas.
Em segundo lugar a propeoso que lodos os
corpos constituidos tem para exceder de suas at-
tribuicoes oormaes, tendo feito allribuir aos con-
seibos de contencioso o coohecimento de alguos
negocios que sao pera e simplesmeote da jurs-
diego administrativa, convem submelter cs-
ses negocios lirre aeco da autoridade ad-
ministrativa. Para prevenir desta qualqaer de-
cisao arbitraria se estabeleceu que seus de-
cretos seriam motivadoa e entregues, depois
que os inleresiados e os conselhos munici-
paes ou provinciaes tivessem dado seu parecer.
O conselho de estado conservar aua autoridade
suprema sobre os grandes interesses actualmente
A dfficuldade consiste em uoimunum vans
os negocios que devem ser eocaminhados quer
aos tribunaes, qaer pura.esimplesmente adaii-
nistragao; o que vera a determiaar os limites
respectivos do poder executivo e judiciario. O
ministro separa d'ontre as questdes que sao da ju-
risdicco do poder judiciario todas aquellas em
que se trata do direito de propriedade, u dos di-
rcitos que delta derivara, do estado das pessoase
de outro qualquer direito privado, fundado sobre
o direito commum e sobre a legislaco civil. As
oatras questdes sao confiadas adniioistrago,
ob as condigoes qua j dissemos.
< As particularidades dadas mais cima sobre
a organisaco da proviacia, ainda que necessa-
riameate incompletas, permittem apreciar o ca-
rcter de autonoma dada provincia pelos pro-
jectos de lei de Mr. Minghetti.
Porm ramos mais looge. Para todo o ser
indivividual ou collectivo, cuja existencia le-
galmente recoobecida, ha um direito que com-
pleta o direito liberdade, porque fornece os
xneios de asar dellacom mais poder: o direito
de assoeiago. O muoiepio e a proviacia nio de-
rem portaoto ser privados delle. lia interesses
que excedem os de urna e outro, e cuja espbera
ao mesmo tempo muilo razoarel, para que se
possam referir a um systema territorial fixo, tal
0,010 o da provincia ou regio. Carlos trabalhos
de utilidade publica, certas iosliluiges conside-
ra veis estonesle caso. O estado devendo s en-
carregar-se do que pertence directamente a na-
gao toda, esses objeclos sao em geral confiados
no plano do ministro a associages que podero
ou devero ser formadas entre as divises terri-
toriaes que esses meamos objectos ioteressam. O
antigo carcter administrativo italiano fornece
ueste sentido urna excedente instituir o, princi-
palmente em uso al aqui para as estradas e ros,
e que pode ser confirmada e estendida instruc-
co publica, obras pias e trabalhoa pblicos de
urna certa ordem. Essa instituico a do con-
aortitn. O contorlium assoeiago applicada
as entidades terntoriaes, em vista das vantagens
econmicas e moraesque deriram da assoeiago.
Estabeleceu-se a principio que as provincias,
os municipios e particulares podisra constituir-
se livremente era contorlium pira qualqaer ob-
jeeto de olilidsde publica, ou commum, compre-
hendtde nos limites de suas attribuicoes.
< Mas ha contorlium qua a lei deve tornar o-
rigatorios. Para cujo effeito nao parece* neces- 41ra qae at aqui oo tem dado a conbecer, mas
sario declarar obligatoria a assoeiago em certa
coaduxidas por mao firmo as rias di instruc-
casos determinados, e faze-la eolio realiaar offt- gloe do trabilho; que al iatervenges le offl-
ctalmente era caso de necessidade ; o ministra co reservados los fuoecionario em caso de inac-
achou preterivel que a le determinando osob-' ci das populages pareceram a estes mais re
fOLHETIll
A DAMA DAS PEROS
roa
1. DMA3 FILHO.
XXI
(Continuago.)
Depois da partida de Jacques, eu fOra duas ou
tres rezes ao campo v-la e nones achara. Es-
tar sempre em Paris. Todava em Paris nio
tioha msis casa. Eu j nio sabia onde baria de
t5-1. Eolo me escrevera ella pedindo-me per-
di por nio t-la achado em casa quando eu l
fra, e convidaedo-me para jsntar d'ahi dous
dios. Aceitei o convite com tanto mais prazer,
quanto fazia um lempo magnifico. Por todo o
rtminb,o ia va pensando nesse pobre rapaz de
quem neisa mesma maohia,' eu recebera noticias
e queseguia lalvez ama impossibilidade por es-
tradas ridas, ao passo que poderla flear no meio
de nos a gozar das realidades que toda aprima-
vera traz mocidade. Eu dizia comigo queqaal-
qaer qae deresse ser o resaltado de sua rlagem,
talrez fosse melhor para elle acompaohaT-me
com madama de Wine pelo braco, essa. casa de
campo qae eu ia sozinho, jantar alegremente,
ouvir um pouco de musics, rollar nolte fuman-
do o sea charuto no camiohode ferro e de rollar
Paris, estar com Carlota, qae era em summa
ama bella creatara, e com quem o amor era tanto
mais agradarel quanto niotinha perigo oenhum.
Era o que eu ia dizendo comigo seguindo o lindo
trilho que cima procure! descrever e que rae de
Versantes i casa que mademoiselie de Norey en-
tao habitava. Quando cheguel a essa casa, achei
outros dous conviras qae eram madama de Wine
e o Sr. Gobert de quem s tire occasio de fallar
uma rec, no principio deste livro. Etisabeth,
Carlota e elle passaiavam conversando no jardim.
Mademoiselie de Norcy retu sozioha ao meu en-
jeclos suscepiiveis de eonfortwm obrigatorio eo
modo de parlilha das rendas correspondentes,
desee aos interessados o direito eos metas de fa-
zer reallsr effectivaraentaocoiMorlium. E* an-
da uma homenagem tributada a espontaneidade
do iniersse particular. A vigilancia da autori-
dade; junta a S6us podares", garante alias em to-
dos os casos a reahsagao' de consortium obriga-
lorios.
c Eolre os interessados qae formulara urna pro-
posigo motivada de consorlium obrigatorioi e
os que a lia oppoem observages egualmente
motivadas, o juiz natural a autoridade que da-
pee de melhores meios de consulta techoica,
de pubiicidade|e averiguacio. O ministro propoe
prtanlo que a competencia neasas conlroveraias
seja attribuida ao prefeito em prioieira aleada, e
ao governador da regio pelo recarao, de tal sor-
te que um recurso ao govajao central jamis ao-
ja necessario, a menos qu% nio se trate de pro-
vincias pertencentes a regidos diversas o contor*
tikm, sendo declarado obrigatorio, os interessa-
dos nomeam urna deputaco encarregada de exe-
cuta-lo e administra-lo.
c Sio obrigatorios para as circumscripges
respectivas os consortium relativos a cooalruc-
go de estradas proviocises, muoicipaes e dis-
trictaes, ao rgimen dos rios de toda a sorte, que
exigem ama administraclo nica, e se ligara ao
mesmo avalenta hrdrographico. esgotamenlos
de pantanos, portos e pbaroes de uma certa ca-
tbegoria, estabelecimeolosde inilrucgao publica,
anoexadoa em certos casos pela le a muitos mu-
nicipios ou a muitas provincia.
< Taas sio os tragos principa** do plano propos-
to para a orgaoisagao dos contorlium ; esse
plano nio poderi receber os deseavolvimeotbs,
que comporta, seno guando os ramos do aervigo
publico, em que elle toca, lirerem recebido uma
reorganisago definitiva ; mas desde j elle esta-
belece as bases d'um systema fundado aob esta
idea liberal que o desenrolvimeoto do espirito
de assoeiago, nos limites dos direitos e interes-
ses especiaos da cada individualidade, o meio
mais seguro de tirar da descenlralisaco todas as
vaotagensque a ellaae prendera.
Examinemos ainda, no menor numero de
palavras possivel, uma das leis que completara o
todo da orgsnisagao proposta por M. Minghetti.
Fallo do projeclo de lei relativo administrago
das obras pias.
Talvez oo neja paz algum, onde as insli-
tuigdes de beneficencia sejara msis numerosas e
ricas que na Italia. Cumpre que a sua admi-
nistrago seja efficazmeota fiscalisada. O pro-
jeclo de lei sobse as obras pias, define o carcter
os limites dessa QasalisagSo, e o localita, isto
que um grande numero de actos que at aqui
deveriam aer approradM pelo goveroo podero
effectuar-se inteirameote no proprio circulo do
municipio, da provincia ou regiio.
O ministerio sem duvids conserva seu direi-
to de vigilancia ni execugo das leis. Quanto ao
mais, ludo o que diz rospeilo administrago
dos reodimentos das obras pias posto sob a di-
recgo da represeatngo municipal ou p'oviocial,
urna vez que o estabalecimeoto interesse ao mu-
oicipio ou provincia ; e ludo quanto toca a con-
servago dos capitaes da fuodaco submettido
vigilancia do goofaloneiro oadadeputago provin-
cial e decisao do prefeito. A fundago e osregu-
lamentos dos estabelecimeotornovos derem ser ap-
provados pelo governador; as leisespeciaes era vi-
gor relativamente s proprietades de mo-morta
e aos corpos moraes previnem todo o abuso do
goveroo nesle genero.
O projecto estabelece tambem as regras que
se devem aeguir para a transformago dos esta-
belecimeotos, que cessaram de corresponder s
nessidades das populagoes, para que foram ins-
tituidos. Concedendo por um lado ao fundador
de uma instiluigao de beneficencia uma gran-
de liberdade na determinago dos estatutos da
obra, assegura para outro lado a conservaco
desses estatutos emquanto se allinge o fim da
instiluigao, e regula a faculdade da modificago
para o caso em que se nj leona altingido esse
2\yeS&A*_Saneij_a_ mais conforme s inlences
ser observadas, entre outras a" que ordena a p-
blicidade das cootas das admimstragoes das obras
pias, e a que autorisa a formago de commissdes
para recolher e distribuir subsidios em coopera-
gao com as tnstituigoes de beneficencia, o que
um encamiohameuto para a substituigo da be-
neficencia espontanea caridade legal.
c Ao mesmo urstema, de organisaco adminis-
tra ti ti va se prerJrom ainda a lei sobre a seguran-
gi publica, que acaba de ser apresentada, e as
leis relativas as jerarchias de empregados da pro-
vincia da regio e do governo, que o goveroo deve
apresentar na prxima sessao.
Como se tem visto -no todo deste esbogo, as
altribuigoes de muilos mioisteiios sao conside-
ravelmente redutidas pelos projectos de lei de
Mr. Minghetti. O ministerio do interior deixa de
reger o qae diz respeito a salubridade publica e
theatros; s insiiuigdes de beneficencia, flores-
tas, asylos de alienados e casas de expostos;
resta-lhe smenle as secretarias do jroveroo na
capital e provincia, a seguranga publica e as pri-
soes. O ministerio da ioslrucgo publica deixa de
administrar a instruccao primaria, coofida aos
municipios, inslrncgao secundaria, entregue
provincia, e a superior, confiada regiio ; ape-
nas conserva o exame e a dtrecco geral dos es-
tados.
Ao ministerio das obras publicas lirar-se-hia
pouco mais oa meos ludo o que respeila s
aguase estradas, conservarla a direegao dos ca-
minhos de ferro, lelegraphus e a manutengan dos
portos e praias.
corre a sea respeito como te ello fosse id tai-
migo do bem publico, qae elle tem o deleito de
crer muilo na espontaneidade prirade,'qie as
populaedes de urna graade parta da Italia tem
necessidade ser nio entregues a ama initia-
xatorios que nao se-lo-hia a iniciativa Ornada
de antemo pelos mesmos funccionarlos ; que o
governo se despoja de ludo quanto pode torna-lo
agradavel, a beneflcencii publica por exempiq, e
s conserva o que pode fazer'com que parega pe-
uivel a sua sego, como o imposto, a cooscrip-
Co, etc. Os amigos do ministerio responder que
para um goveroo um triste meio do popalari-
dade sujeitar-se s pessoas que servem; que es-
tas poderiam moito bem sejeitar-se ao melhor
contrato psra ellas proprias ; que quando se
fies reduzido a ser governado pelos funetioaarios,
nio se .mais um povo livre, nem mesmo, se as-
sim sa pode direr, um poro,do sawde ; que a
ioraso dos empregos, a corrupgo entrega s
podem ser prevenidas pela liberdade adminis-
trativa e descenlralisagao dos proprlos empregos;
qae conveniente que O mais alto era pregado do
governo comegasse por ser um empregado, um
representante do municipio e da provincia; qae
e assira somente qae o estado, em vez de re-
pousar cobre um funesto jogo de intrigas a am-
biges estabelecendo entre cada localidade a o
governo central, ser um edificio harmooioso cu-
jos sudares, menos pesados proporco que mais
se tproximam do cimo, aerio lio completos e
independemos como um systema pode se-lo,
quando s a parte deum systema mais vasto.
Como quer que seja deve-se tributar home-
nagem ao paiz, onde o poder esti penetrado des-
tes escrpulos salatares, desses recetas de regu-
lar e ordenar muilo;.devo-se tributar homeoa-
gem a tase respeito, ainda que fosse exceisivo do
direito individual e da liberdade humana. Se ha
nieto um erro, praza aos cus que os governos
nao commettam outros de hoj em diante I O
que se deve observar finalmente que ests per-
sistencia do seotimenio da liberdade no meio das
provas porque psssa a Italia um ayraptoma ad-
rairavel do poder e da vitalidade real do movi-
mento italiano.
Sea mudanga que se opera e a anisada nio
aahissem do mais profundo do solo da paoiosula,
se a consciencia nacional nao the dsse ama tor-
ga invencivel, seria impossirel a um ministro so-
nhar somante a menor das reformas to ouaada-
mente propostas por M- Mingetth.
_ i Segundo as velhas i leas, certos espiritas se
inclinara ainda a crr que o poder mostra fraque-
za, quando se despoja das prerogatlvas de uma
certa ordem: pelo contrario um signal de tor-
ga. Se cerlos governos e phemeros, qae appa-
receram oa acea poltica na aessenia annos,
principalmente emFrange, nao poderam nem uos
nem outros resolver-se a deseentralisar, que el-
les se sentiam muito fracos para gorernar sem
os meios e artificios da ceotralisaco.
Sem durida a uoidade nacional deve ser
precisamente respeitada em seas elementos es-
senciaes, o cdigo, o thesouro, o exercito e ss
iostituices polticas ; mas dere-se guardar ama
proporgo entre a concentrago excessiva o a re-
laxagio dos lagos polticos e sociaes. Como o de-
clarou o mioialro escamaras, os orgaoisadoresda
Italia acham-se collocados em face de dous sys-
temas oppostos, eolre os quaes preciso acbar
um meio conveniente : a centralisago francesa
e a federado administraiiva da Suissa e dos Es-
tadas-Unidos. Os projectos de M. Minghetti,
tem por objeclo indicar este meio termo entre os
dous regimens extremos do maneira a conciliar a
uoidade do todo com a liberdade das partes. O
ministro nao podia pretender determinar de an-
emao e d'um modo absoluto todas as particula-
ridades da nova organisago : a questio muito
complexa, e muitos elementos devem concorrer
construir o edificio, para que seja possivel pre-
cisar com certeza os pontos om que se deve fixar
a legislaco italiana, abstendo-so dos exiremos
de que se acaba de fallar. .Mas M. Minghetti deu
uma base solida e sena s discusses que decid-
rao deste grave assampto. tragando um plano ge-
ral, que determina os traeos priucipaes da obra a
coocluir, e que oo repelle as modilcagoes se-
cundarias, que pule receber a applicago d'um
principio, al o mais Qxoe o mais unnimemente
recoohecido.
Alberto White.
-------'^t^Debatt.Andrade Luna.)
Carta pastoral do excellentissiuo e re-
verendissimo Sr. bispo do Ufaranho
saudando e dirigindo algamas eihor-
taces aos seos diocesanos. -
Dom Frei Luiz da Conctigao Saraiva, por merei
de Dos da Santa Se Apottolica, bitpo do
Maranho, do conselho de S. Jf. o Imperador
etc., etc., etc.
A todos os nossos diocesanos, aaie, paz e ben-
Co em Jess Christo. nosso redemptor, e con-
solajao do Espirito Santo.
Dura a carreira que hoje se abre dianle de
nos, irmios e filhos muilo amados, como diffi-
cil e arduo o ministerio que havemos de exer-
cer. Quando consideramos que sprouve ao prio-
cipe magnnimo,-que manda sobre o vasto im-
perio da trra da Santa Cruz, designar-nos na
obscuridade do nosso claustro, para spascntar
uma parte do rebaoho dcil de Jess Christo, na
diocese do Maranho, e entrando profundamente
em nos, nenhuma rirtude nos reconheceraos pro-
pria e edificante, no exemplo, na palavra e na
aibedoria, para aasegurarum'successo feliz a essa
nossa misso, qte nos primeiros das do Chris-
tiaoismo nenhuma outra recompensa tinas, que
nao o marlyrio ; oo podemos oecultar-Vos a di-
versidade de pensamentos contrario
que nos as-
salta m o espirito, e prostrados aos ps de Jess
Christo eotramos em muila atribulago e temor,
Todas esses eltorecoes trariam ama diminu- de que na escolba de um indigno pastor queira o
Cao multo notavei no osamenta do estado e um Seohor exercer o mais tarmidarel .castigo aue
augmento de importancia para os orgameotoj
dos municipios e das |provincias. Nao iocri-
vel qu esse systems, uma vez adoptado, traga
uma redueco at ao numero dos ministerios,
por que alguos d'enlre estes nio seriam na rea-
lidade mais qae simples direccoesgeraes.
* E' inconlestsvel que graves objeegoes podem
ser oppostas so plano
uma idea aproximada,
c Dizem e dirio que o proprio
de que se acaba de dar
ministerio dis-
ixj vide o Diario d. 17."
con tro, e as primeiras palavras qae proferiu fo-
ram pedindo noticias de Jseques.
Informo-me j do Sr. de Feuil, para que
fallemos pouco nelle em presenta de Cirlota.
Creio que ella nio lhe perda essa viagem. Po-
deria fallar de Jacques com certo azedume, e
melhor que nao sejamos toreados a defende-lo ;
mas eu desejava ter noticias delle. Nao lhe con-
traria jsntar cora Carlota e com o Sr. Gobert?
Nio ; mas confesso que se podesse suppor
que madama de Wine esteva aqui, nio esperara
encontrar p Sr. Gobert e julgava que a seohora
apenas o conhecia.
Elle reiu visitar-rae muitas rezes.
E dizendo essas palavras mademoiselie de Nor-
cy aorria.
Isso uma historia muito comprids, conli-
nuou elle, que logo lhe eoatarei.
Ei seohora feliz? perguolei eu.
Ainda nio sei, disse-me ella dando ao rosto
a expressio de melancola costumada. Hei desa-
be-lo amanhia.
O qae aigniflearia isso.
O jsntar foi muito alegre na apparencia. Ma-
dama de Wine ria moito, porm antes para me
mostrar que ria, do que por estar alegre. O que
acabou de me convencer disso, foi que oo disse
ama palarra respeito de Jacques. Se fra se-
riamente indifferente sua lembranga, como
affectava, ser-roe-hia pergunlado noticias delle
n esses termos simples e francos que do ira me-
diatamente o tom dos senmentos verdadeiros.
Nao, como os leilores virara, madama de Wine
nunca tivera por de Feuil um amor profundo ;
mas tendo-o amado quanto era possivel sua oa-
lureza toda superficial, era por isso mais acces-
sivel aos pequeoos rancores que succedem essas
ligagoes; e se alguem no mundo desojara que a
aventura de Jacques. nio terminasse como elle
espera va, era certa mente madama de Wine, O
Sr. Gobert esse tambem Diera o seu pequeo ro-
mance, sem que o descoofiassem ; com essa dis-
crigo que a ultima qualidade social dos ra-
aos, discrigo que resulta naturalmente >da ti-
midez a qual sao forgados a restringir-ie, sob
pena de ridiculo. Quando o nosso provinciano
rira outr'ora, mademoiselie de Norcy em caaa
de madama da Wine, Eltsabeth fizera, segundo
... .castigo que
contra um poro pode extrahir dos Ihesouros de
sua jujtigj. A obediencia porm, que por um
rolo solemne haramos professado, nos nao podia
aconselhar a renuncia i rida da graga, a que
Dens peta oraculoto soberano nos chamara.
Novel, qual outro Samuel, as revelagoes di-
vinas, por nao conhecer a voz do Seohor, esta-
mos coofundido, e tremendo diante do peso que
tamos de carregar, confiando s naquelte, que
todas as rezes que qaer, mostra as maravilhas
osWpoder. A nossa iodignidsde pois ser a
I lada a nossa aoiicitode, esperando
lo tu toda torca, toda a virtude e todo o sa-
lar para cumpriranos oa aeus santos designios.
irtmos sjorveotura illudidos? Ah A Pro-
tdensla de Deus, immensa e sempre adorarel
em todos os temos, tem ostentado seu infinito
poder para confundir os grandes do mundo, ser-
vindo-se dos msis pequeos e humildes, fra de
toda a comprehenso da. sabedoria e prudencia
humana, para saiisfazer e completar os iuefaveis
flus da creagao. Nio podemos deixar de ficar
extaaiado e cheio de adrairagio e espanto diante
deste assombrosoe incompreheosivel poder, que
faz do fraco instrumento poderoso do trabalho e
da fortaleza, que eleva a humildade ao sublime,
e confia ao que nao merece a matar dignidade e
graodeza. Temos dianle dos olhos o grande facto
do Christianismo para abonar quanto ros havemos
dito, e mostrar-nos que a Deus grande. Sa-
bemos que antes desto estupendo succeaao toda a
sabedoria dos philosophos e dos sabios se que-
brava at dianle do dogma da tidade do Ente
Supremo, dogma que por ser emioenlemente
philosophico nos mostra at que grao de desrai-
raraeoto susceptivel a razio humana. Foi pfe-
ciao qae Jess Christo nos moslrasse a luz pelo
infinito sacrificio do Calvario, o quo, rehabilitan-
do a humanidade aoa favorea da ana misericordia,
pudesse reconciliar o homem perdido com o seu
Eterno Pae. Consuramado lado, e depois de Ira-
zer-noa eala redempclo que ha quarenta secutas
fra tantas vazes promettila, ficamoa aptos para
sermos salvos. Se o oascimento, vida, pregagio,
morie, e finalmente a reiurreico deste divino
Messias fra precedida o acompanhada de prodi-
gios, nio menores prodigios segoiram aoestabe-
lecimenlo do cbrisiiaoismo. Deisemos que os
sabios digam se semelhanle empresa poda ser
obra de entos mortaes: elles que com pare m os
meios de que esta sabedoria increada se servio,
com os resultados do successol Se' doze apos-
tatas tirados de entre o poro msis detestado e
despresivel, leudo por condlgio a humilde pro-
fisso de pescadores, rudas e excessivamante igno-
rantes, sem outras armas que o marlyrio. sem
outros talentos que a luz divina, sem oulras ri-
quezas que a f, podiain, a oo ser obra de Deus,
levar o Evangelho aoude nunca as aguias afama-
das dos aoberbos Romanos puderam chegar; e
elles comnosco, Irmios e Filhos muito amados,
oio podero flear mudos, exclamando cheios de
recon hecimenlo e adoracio com o Apostlo: c Oh I
iocomprehensiveis juizos da Deus I quio investi-
gareis sio os rossos caminhos 1 >
Nao podemos, nem devemos occullar-vos a
nossa iodigoidade. Aquello que perscruta os rias
e os corages, que serve-se dos traeos para coa-
fundir os fortes, que at das proprias pedras pode
forrasr os fllhoa de Abraho, ser uossa nica es-
perance a consolaco. Se ros confessamoa com
tanta franqueza quanta ingenuidade o espaoto e
temor que oes cauaou esta inesperada escolha
para o episcopado, porque estamos imraeosa-
mente impressionado pelo enorme peso que te-
mos de carregar, peso que na phrase do prophela
(I) tarmidarel aos mesmos aojos. Assira,- ama-
dos Filhos, como poderemos prescindir de todos
ros, o daquelle concurso to importante como
voluntario que temos direito d esperar de rossas
luces e de rosss piedade?
E' pois so IIIm. e Rvms. Cabido, que por es-
cala jerarebica devemos primeiro exhortar e diri-
gir nossas primeiras expresses de cordial affocto,
atlm de que deste estreitamento no amor de Je-
ss Christo, trabalhando no espirito da egreja,
cuja bandeira a uoidade da f, possamos levar
a consolaco ao afflicto, e assim, colheDdo os
fructos abengoados, nos fagamoa verdadeiros her-
deiros dos thesouros immortaes.
E como poder esta corporagio, que comme-
mora a mala honrosa e monumental antiguidade,
e que nos primeiros tempos do christianismo dis-
linguiu-se eotre os mais devolados christos da
egreja nascecte, e representa ainda hoje o amor
da f christa e o amor da creoga deste enligo
presbyterio, conservando ahila que sob forma
diversa, toda a pureza do espirito da egreja, que
o da paz, da caridade e da harmona, como po-
deri recusar da melhor vontade suas luzes para
direcgo de nossa intelligencia.suas virtudes pa-
ra animagao de nossa fraquezs, seus esforgos pa-
ra auxilio de nosso ministerio, queo ministerio
de Deus ? Se no espirito do concilio de Treoto
os cooegos sao os olhos do bispo, comocaminha-
remos nos sem elles ? Porque nao soccorrero
elles nossa iutelligencia no que ha de mais dif-
ficil e oceulto nos livros santos, na maravilhosa
serie da tradic'go, as immemoraveia e sapien-
:_-------*--'"** <1ii. ~..,ii-lltiis a ua innatos pa
nuces e as doutnnas dos santos padres, qu
com tanta pericia quanto talento se oceuparam
das mais abstractas e difficeis questdes de con-
troversia, abrangendo com luminosa peoetrago
todo o dogma, toda a moral, e coadjuvaram po-
derosamente egrej na direcrio suave dos des-
tinos de seus filhos, desforraodo-or da tyrsnnia
e da mi f dos herges, dos sophistas e dos in-
crdulos? Como alada recusar o amor, a sabe-
doria e o exemplo a todo o clero e poro de nossa
diocese esta Ilustre corporagio que ornada
com o titulo de senado da egreja, e deixar de
distribuir a virtude aos coracoes perdidos, o sa-
ber aos ignorantes, o pao ao faminto, o vestido
ao que est n?
E pois com as mais fundadas e poderosas uzes,
e cheio do mais viro amor e consolaco, que
vos saudamos, esperando de vos todo o allivio s
fadigas de nosso minislerio. E' despido de todo
aquella espirito de domioacio, que o apostlo lan-
o esligmalisa e condemna (2), e cheio do desejo
de ganhar almas para o cu, antes cora a teroura
de pae, que pelos deveres de autoridade, que nos
dirigimos e recommendamos aos reverendos pa-
roehos, nossos compaonliros na distribuigo do
pasto espiritual, que, como^guardas avaagadas,
oa phrase do prophela, e poslados dia e noite dian-
te dos muros da cidade santa (3), nao cessem de
pensar no tremendo encargo que contrahiram na
direegio de suas parochiss. Nao ros sao desco-
nhecidosos anathemasque oa livrossanios fulmi-
nara inceasantemeate contra os pastores negli-
gentes, que, esculando mais os seus commodos
que ss necessidades do rebanho. deixam as almas
confiadas aua solicitude expostas roracidade
do lobo, para ros nio esquecerera rossos santos
deveres, porque no dia tremendo daris comnos-
co conts do rebanho que nos foi confiado.
Nos nao nos podemos escusar deasa solidario-
dade ; ella aera a balanga onde o premio e o cas-
Ti) Isaas, cap. LV, r.O. ^
(2) Act. c. 9 r. 16.
(3j Isaas c. 6 r. 6.
parece, grande impresso sobre elle. A's escon-
didas indagara da aua vida, de seus habitas, de
sua familia ; soubera dos seus amores com oSr.
Jorge, e sem que uioguem podesse desconfiar das
ideas qua tivera ; tornara a partir para Bagnres.
depois de duas ou tres visitas s duas amigas.
De Bagnres escreveu algumas rezes madama
de Wine e aempre perguntra, o que era multo
natural, dolidas de Etisabeth. Ora, esta tenha
cabido doeote, e Carlota em uma das suas res-
postas informara jjgr. Gobert desie faci. ,0 bora
homem aera mais demora, largaran para Pars.
Levara os seus bilhetes de visita casa da joven
sonhora, e quando ella pode receber visitas, pe-
dir para ser recebido. L tioha ido tres ou qua-
tro "rezes. Durante esse tempo, lomara novas in-
forraages, soubera a verdadeira causa da eofer-
midade de mademoiselie de Norcy, o seu rompi-
mento definitivo com o Sr. Jorge, e decidir-se a
patentear nio propria Etisabeth, mas i madama
de Wine. Fra grande a admiraco desla, quan-
do ouvia dizer-lhao relhoque tioha mademoi-
selie de Norcy, a maior affeigo, effei;o toda
paternal e como convinhi sua edade; que ti-
oha coohecimento da ligacoque bavia oceupado
a ana vida, que a respeita*a, e nao tioha a pre-
tengo de lh'a fazer esquecer, mas que ella ainda
era joven, sem apoio, sem familia, que nio era
de natureza a deixar-se consolar por outro amor
daquelle aue perda ; que elle lambem era s,
que sua filha, que agora eslava casada, despreza-
va-o alguma cousa ; que elle precisava ainda
mais de. amar alguem do que se ser amado. Pro-
puoba, pois, mademoiselie de Norcy esposa-
la, e que se traoquillisasse ; o lugar que ella ira
oceupar seu lado seria o de sua filba ausente e
oo o de sua mulher mors.
Etisabeth estava muito looge de suspeitar se-
melhanle proposta, e quando ouviu Carlota fazer-
Ih'a seriamente da parte do Sr. Gobert, nao pode
deixar de rlr, o que nao \hc aconteca havia mui-
to tempo. Entretanto o Sr. Gobert era um bo-
rnea de bem, assim como ella era uma moga de
nobres seotimentos. Ella arrependeu-se logo de
s ter visto o lado jocoso da proposta, e conheceu
depressa a iotenco honrosa ; encarregou-se por-
| tanto de responder em pessoa ao Sr. Gobert, e
1 tendo-o convidado a ir vi-la ao campo, tranca-
u
tigo darem aer repartidos. E para excitar o nos-
so zeta e amor paternal, quio bella tocante nio
, irmios muilo amados, aquella imagera do pas-
tor solicito aps da ovelha deagaerada, e que de-
pois d a ter encontrado, regosija-se do a trazer
nos hombros com a maior e maiafaslivsl demons-
trarlo de jubilo e cootanlamento 1
Quio digna nio lia de nossa constante me-
diiagio, pois que representando o pastar dos pas-
tores, Jess Christo, emfim, nosso mestre e nosso
seohor, como moleta nos faz sentir ao mesmo
tempo 'importancia de nosso oQicio, despertando
e revelando-nos o zelo que devemos empregar
para a salvagao das almas 1
Se era todas as pocas a,egreja de Deus tem
sido cruelmente atacada, e se era todas tem ella
victoriosamente vencido, porque Deus tem pos-
to uma barreira invencivel s tentativas do erro e
da mentira, para assira rectificar suas eteroas
promessas. O cea e a trra paasaram, mas nun-
ca nenhuma das suas pilavras (4). Se durante
dezenove secutas tem ella guardado com toda a
pureza o grande deposito da f e dos costunMS a
despeito das perseguiges e heresias, porque
sempre fiel is suas promessas lio magnificas, co-
mo consoladoras, tem constantemente suscitad<
apostlos, evangelista, pastores e doutores, qu&
depositarios da sciencia e verdadeiros estrs da
moral, bio esclarecido os povos, enaioando-lhes
os caminhos do cu para honra, gloria e aantifi-
cacao do corpo mystico de Nosso Senhor Jess
Christo (5). Hoje, porm, irmios e filhos muito
amados, quo a santa immaculada egreja se r
amparada contra os innovadores, grecas ao ulti-
mo concilio geral, qua, fiel interpreta de todas
as verdades eatholicas, estabeleceu os meios de
vencer e destruir o espirito das trovas, deseoga-
nando-o da improficuidade de lodoa oa seas in-
tentos e esforgos, que devemos desanimar da
quelle zelo, que lautos triumphos tem produzido,
e que fecundando a aemente da divina palavra,
tem livrado de morte eterna a tintos miniares de
almas perdidas?
Nio, nio esperamos de ros este procediraento
nem lio rergonhosa negligencia, maa confiamos
que poohaes em pratica a regra que nos aconse-
lba o Evangelho, nica que nos pode elevar i al-
tura dos nossos deveres, fazendo-nos verdadeiros
cooperadores dos interesses do reino de Deus.
Nao nos licito hoje nenhuma ouira esperance e
consolagor
Aucioso, pois, por conhecer-ros, sentir de
perlo o refiexo de vosso saber, e de vossas virtu-
des, que j nos foram repreaentadaa no illusire
e virtuoso pastor, qua aoube iospirsr-ros tanta
tristeza, quando de vos se separou, para por seus
preclaros e elevadissimos roerecimentos oceupar
a s metropolitana desta imperio, s esperamos o
momento Cliz de ver-nos entre vos, para, sem-
pre dcil ao prazer que agora nos anima, seguir
os restigiosdas virtudes e exemplos que recebas-
tes, e poder salisfazer nossos deveres. Oxal pos-
samos levar algum lenitivo a taota tristeza, e que
alegre presenciemos que os deveres do vosso offi-
cio sao perleramente aatisfeitas com agrado de
Deus e aproveitameoto de nossas ovelhas, e que
vos sempre solicitas oa administrago dos Sacra-
mentos, no exercicio de todas as obras de cuida-
de, prolegendo os pobres consolando os ptclos,
visitando os enfermos, e por lodos pediodo a
Deas no sacrosanto sacrificio da missa, fagaes des-
cer do cu a graga que os encaminhe a serem
bons christos, bons paes, bona filhos, bons cida-
dSos, fiis o reverentes subditos do raonarcha, que
felizmente oceupa o throno brasileiro. Sao estes
os nossos votos que esperamos ver realisadoa no
procedimento dos reverendos parochos e sacerdo-
tes seculares e regulares que peta seu ministerio
sao outros tantos cooperadorea da vinha do Se-
ohor.
A todos lembramos que se a elevagio do vosso
ministerio se revella com tanta brilho pelos ac-
tos de caridade e pela orago, que sem ella ne-
nhuma misericordia possivel, que oo cesseis
de faze-loj companheiros inseparaveis de vossas
pregages, revestindo desle modo a palarra santa
cora aquella belleza e sublimidade proprias da
verdadeevanglica. E pois que vos,Srs. Brega-
dores, sois os encarregados, na phrase do Homem
Deus, de sahir a semear a palavra divina (6), e
sois o sal da trra, na expresso do nosso Salva-
dor (7), nio ros deveis esquecer que, como o sal,
tendea a misso importantissima de conservar os
saos, e.preservar os j locados da corrupgo que
lavra. Por mais adornada que for a vossa pre-
dica, as galas do estylo, na lougania da phrase,
na elegancia e sublimidade dos pensamentos, to-
da essa pedraria multicr brilhar apenas sos
olhos dos ouvintes, mas nunca ser um espelho
de las h> oida a santldade da rirtude ou a nedinniiai do
vicio ; e nem vingaro as sementesque hourer-
des semeado, se ellas nao rierem fecundadas
pelas obras e pelos exemplos rivos, nicos que
faroque a rossa elocuencia desga cheia de un-
gi at o fuudo dos rossos corages; porque o
melhor cooceiio que encher de empbase os ros-
sos discursos ser certaraeoteo conceito que de
vossa vida fizerem os ourintes.
Nao ros esquega que nao foi o estalo da funda
de David quem derribou o gigante, mss a obra da
sua pedra. E quando o Creador resolveu con-
verter o mundo, mandou seu Filho feito homem.
O Filho de Deus, emqaaoto Deus, a palavra de
Deus ; o Filho de Deus, porm, emqaanto Deas
a Homem, a palavra e a obra de Deus junta-
mente (S) ; dr modo que at de sua palavra des-
acompaohada de obra, reflecte um preclarissimo
theologo (9), nao fiou Daus a converso dos ho-
rneas, antes na unio da palarra de Deas com
sua obra fez consistir a efflcacia da salvagao do
mando. E com effeito, de que sirrari, e que
fructo produzir a palavra divina, se o pastar que
a repartir oo tirar a convico profuoda de sua
alta misso, ou nio estiver* revestido e ornado
com todas as virtudes proprias do seu santo sa-
cerdocio ? sem uma vida para, aatorisada por
actos constantes de virtude, elle nio far mais
do que pregar aos sentidos, sera mover o cor-
ceo : em lugar da chammar os peccadores ao ar-
rependimento, autorisa los-ha no vicio e no cri-
me,tornando se desprezivel aos olhos das proprias
ovelhas, qoanoeoxergaro neste ministro seno
um indigno pastor, que no publico representa
miseravelmente um papel da cmico, e por seus
escndalos profana a casa de Deus.
E para ros propor o modelo de om bom pre-
i) S. Marc. c. 13 v. 31.
5) Ad Ephea. c. 4 r. 11 e 12.
(6) S. Matb. 133.
(7 S. Math. 5.
8) S. Joio 114.
9; Vieira, Sermdas.
mente lhacommuoicra a tango com que estava
de passar retirada o reato de sua vida; offerece-
ra-lhe uma boa amizade, nio recusara de ir com
madama de Wine passar um mez ou seis sema-
nas em Bagnres, e em todo o caso, tioha-lhe
pedido, que em quaoto estiresse em Paris fosse
v-la qua n tas rezes quizesse.
O Sr. Gobert nao tivera remedio seno conlen-
tar-se com isso, j que nio havia meio de ter
ontra cousa, e ia muitaa vezes visitar mademoi-
selie de Norcy, que percebeu pouco pouco que,
por toda a casta de attencoes e da assiduidades, o
velho esperava faze-la revogar a primeira recusa.
Ah, comegsva talvez o ridiculo de uma obstina-
gao que nio fra desculpavel seno em um man-
cebo, e que dava de rez em quando mademoi-
selie de Norcy, como o fizera diante de mim, o
direito de rir ionoceotemeote. Ss Elisabeth dsse
ouvidos & Carlota, nao teria hesitado e teria ca-
sado immediaiamonte. Esta tioha feito valer uma
porgo deJjoas razoes. Nao ha no mundo po-
siges felizes, s'eno as posiges bem estabeleci-
das. Desenvolveado essa theoria conhecida,
aconselhava sua amiga eom a autoridade de uma
mulher que sempre esteve em uma posico re-
gular ; daodo-se mesmo por exemplo, possa re-
tar os direitos qae d eteroameote uaia mulher
essa primeira base que se chama casamenta.
Nenhura raciocinio tere poder sobre mademoi-
selie do Norcy. Sustenten o que principio dis-
sra. Ento nao nos admiraramos de que procu-
rasse fazer desviar sobre si as ideas matrnoniaes
d velho. Todo o que podemos dizer que tere
para com elle atteoges, cuidados, diremos mes-
rao casquiiharias capazes de voltar o milo ao po-
bre homem, se elle tivesse a velleidade de pro-
curar em outra parta o que lhe recusara made-
moiselie de Norcy.
Carlota ainda era moca, liada e elegante ; o Sr.
Gobert oo era moco nem bonito ; mas am Sum-
ma oo era repeliente, e seria um uarldo, iato ,
o direito em carne e osso, de ficar, de entrar mais
e cora mais seguranga em uma sociedade donde
senta lodos os dias a neceaaidade de relirar-ae,
se nao quizesse que o Uzesemos retirar; porque
os diferentes amores de Carlota comegavam a aer
ador semear a patarra de Deus.contemplemos,
restos e filhos meito amados, aquella venerando
Baptista. o qeal. se pregara a penitencia, mostra-
ra do dascernado cerno o retrato rude da aspe-
reza. S* exhortara ao jejum oa a abstinencia,
sea sustento eram os gafndoles eo mel silves-
tra ; e quando auas patarras cendemnaram a so-
berna, ou reprehenda^ a rardsde das galas e
pregavam o desapego do mundo, panha no exem-
plo dianle dos olhos dos ouvintes o hornera ves-
tido cora as cordas a o cilicio raz das carnes,
abandonando as cortes e os palacios pelos deser-
tos eas cevas.
Se esta diocese nao estivesse lio pacifica, como
sabemos, nio seria alada assim esta occasiio op-
portuna para fazer-ros sentirs obrigsgoes parti-
culares decida um. Todos ros deveia estar bem
inteirados nbs deveres impostas pelo Concilio Tri-
denlino, a lodos os quo eaUo encarregados do
officio decurs das almas, para ros nio illudirdes
com a paz que actualmente goza este nosso re-
banho.
Em todo o tempo devemos estar vigilantes e
sempre fortes na f, resistiodo so adversario qae
nio deixa de cercar-nos. Nao seja nosso silencio
ansa do desvio do rebanho que Jess nos con-
on, e motivo para nos mesmos nos reprehender
mos, semeihaoga do prophela, Va m\hi qui
tacui (10). o nio imatar- mos os pastorea de Israel
que o mesmo prophela (11] qusndo os descrere
tanto os censura.
Fagamos como trombetas sosr as nossas rozes
(12), e esperancosos as luzes e rirtudes do Es-
pirito Santo, para o perteito deaempenbo de nos-
sos dereres sacerdotaes, nio suspendamos o nos-
so fatigoso, mas glorioso trabalho, fazeodo-nos
por merecer, afim de podermes contribuir psra
a salvagao das almas. Sendo estes os deveres
do sacerdocio de Christo, nio podemos ter para
comvosco lioguagetn diversa. Todos nos deve-
mos saber o que Jess Christo exige de um sa-
cerdote, que por ser o ministro encarregado dos
rerdadeiros interesses do cea, nio deve autorisar
cora seu exemplo qualqoer procedimento que ef-
fenda os seus mandamentos. Ungido com o oleo
santo, dispensador do adoisrel e preciosissimo
sangue do Redemptor, nio deve condemnar-se,
profanando o aeu carcter, e robatxando um sa-
cerdocio que os proprios aojos invejam.
lllustrae rossa intelligencia, pnriflcae rosso
corago, e s assim poderefs ser a laz do m uado
e o sal da terrs. Nio deixemos de ter dianle dos
olhoa por um s instante aquellas sereras pata-
rras do prophela. quando exprobara os peccados
dos pastores de Jud, e confiados na misericordia
do Seohor, imploremos-Ibes a graga de nao per-
miltir que se verifique em nossa diocese aquellas
dars raprehensoes, e que o santuario nao seja a
origem dos peccados do poro. Regrem a nossa
vida as boas obras ; procuremos para- as nossas
acedes todo o possivel merecimento na pratica
de actos inspirados pelo amor e temor de Deus,
qae influe em nossos corages, sem que perce-
bamos, fortificando-nos na caridade por meio de
boaa obras, pela frequentaco dos Sacramentos,
pela lembranca dos seus beneficios (13) em velar
sobre esta rebanho de Jess Christo que elle tan-
to amou, para santfica-lo, e toroa-lo em egreja
gloriosa, sem mincha, sem deleito, mas .santa e
immaculada (H).
Assim j vimos, irm3os e filhos muito amados,
qae Deus estabelecendo esta religio, quer qu
todos os vveates se apreveitem do beneficio qua
Jesus-Christo nos trouxe, e com o fim de salvar
a todos, confioa aos seus discpulos o poder de
ligar e desligar, deixando-nos lodos os meios de
salvco; e que esta sua egreja seja a sociedado
dos fiis de todo o mundo, unidos pela mesma
proflsso de f, participaodo os mesmos Sacra-
mentos, e com submisso aos pastores legitimo?
especialmente ao soberano Pontfice, que goza
do primado de honra e jurisdiego.
Se pois o Salvador quer que a sua egreja seja
uma, Santa, Catholica e Apostlica, confirmando
esta verdade, quando represeota a egreja como
ara reino, cujo chefe o soberano Pontfice, sd-
vertindo-nos que um reino dividido destruido
(lo): se elle nos diz : En ainda tenho outras
ovelhas que nao sao desle curral, preciso que
eu as conduza, e eotio nio lera mais que um s
curral e um s pastor (16) >; se Pedro represen-
tado como o pae de familiaa sempre amoroso e
solicito no cultivo de sua vinha. quando pede a
todos conta dos seus servigos, fazemdo de todos
os fiis uma s familia completamente unida a
Pedro ; como ros uio despertsrei, paes e mies de
familias, e fiis deata nossa diocese. para cada
vez mais estreitardes esta vinculo, e fazerdes-vo3
agradareis a Deus, que quer que rossa santifica-
gao seja a expresso fiel e estricta do vosso
bsptismo e de vossa f ?
De ros a relgiio espera ludo; de vossa
umao malrimonial devem nascer todos os bens
espirituacs e teraporaes para a egreja e
conhecidos
nos
heridos (Wladlrair tioha dado com a lingua Voltei pola e soube.
dentes esse respeito); o marido de quam ellar o qae ?
se dizia viura oio fra muito risivel e desappa-
receu muito fcilmente quando curiosidades um
pouco tenazas srranhavam-lbe a aulhenticidade.
Em breve estara reduzido nada, e seria um bom
negorio tez um marido rerdadeiro para collocar
no lugar daquelle que nao poda mais servir. Fal-
la va aera cessar diaote do Sr. Gobert do seu gosta
pela solideo, de seu desejo de deixar o rauodo e
de relirar-se em uma affeigo tranquilla, em h-
bitos harmoniosos. Dizia que nunca ae divertir
Unto como dorante o lempo que estivera em Bag-
nres, e nao havia dia em que no meio de sua exis-
tencia ruidosa de Paria as recordacoes desses se-
ries tranquillos lhe aconselhassera uma vida se-
dentaria, muito mais do seu gosto do que todas
as sgitaces que ama mulher da alta sociedade
se sacrifica forgadamente. O Sr. Gobert oo leve
de lutar contra aa auas tentativas, e nem sequer
as suspeitou : um bello dia, sera transigo, mas
vendo qua nunca teria xito, madama de Wine
disse sua criada :
Quando aquello sugeilo relho rior ci diga-
Ihe que nao estou em casa.
E' o Sr. Gobert, senhora ?
Justamente.
O bom relho apresentou-se duas ou tres rezes,
e nunca echando ninguem, deeidiu-se i nao rol-
lar mais, sem suspeitar a causa de sua desgraca,
assim como oo sospeitira as razes do sea favor.
Mas nao antecipemos o futuro, em rez da fallr-
teos dos acontecimentos presentas. Voltemos i
elles.
XXII
Como Jacques m'o pedir, mandei-lhe noticias
de todos em primeira linhs, e tiz-lhe a narrago
do jantar, no fim do qual mademoiselie de Norcy
cooira-me o que, como se acaba da lar, dizia
respeito pessoalmeote ; dtJMte tinhamos fallado
do viajante, e, quando oa awmento de nos sepa-
rarmos ella me pedir que voltasse e qae eu lhe
dissera : Tenho rindo duas ou tres rezes sem eo-
cootra-ls em casa, a senhora que nunoa devia sa-
hir ; ella me responder :
Pola bem, renba ver-rae anda,e eu lhe dl-
rei onde estava, porm hade aer com a condigo
de que nio zombari muilo de mi,
estado:
para o
por quanta, nao representando vos nada
menos do que aquella egreja domestica de quo
falla o apostlo S. Paulo, deveis ser os primeiros
dispensadores do alimenta espiritual, que tanto
avvenla o corago e a alma, como o leile nutre
o corpo, concorrendo, por meio de uma educago
religiosa para a felicidade desla rida da familia,
que dopende de am amor to paro, e todo seme-
lhanle ao smor que Jeaus tem sua egreja.
Inslruidos rossos filhos nessas verdades, ani-
mados pelo amor e temor de Deus, oo podero
deixar de ser bons christos, e bons cidados
tanto para garanta da ordem publica, como para
satiafagSo dos deveres para com Deus, que provi-
dencialmente confiou aoa vossos cuidados essas
suas innocentes creaturas, para glonflca-lo, a
honrar a patria por suas virtudes polticas e
chrislas.
Desengaa-vos; fra da egreja catholica nen-
hum bem solido e santo possivel. E' s nestas
verdadea emanadas do cu nocumprimento exac-
to dos preceitos do Evangelho que as tribulages
as privagoes a angustias desta vida podem encon-
trar o conforto, e lenitivo, pois que a desespera-
Co insepara/al da descrenga e da iocredulida-
de.
Conintuar-te-ha.)
(10) zalas 63.
(11) 56-10-
(12) Isaas 581.
(13/ S. Joio c. 14 r. 21.23. M.
(U) Ad. Ephes. 5,85. 27.
(15) Math. c. r. 25.
(16) lisias c. 10 r. 161.
Oh I meu Deas I laso se adevtaba.
Emquanto o invern durara, emquanto fra
como que uma moldura i ana tristeza, emquanto
deitando os olhos em torno de si, mademoiselie
de Norcy vira a natureza despojada, triste e does-
la como aua vida, como seu corago. como seu
pasamento, conservra-se firme em sua resolu-
go de desesperar, a tomando emprestado a deso-
lugo exterior com que alimentar a-sua, julgava ter
amontuado um thesouro capaz de enlutar o resto
de seus dias; porm qaaado as primeiraa folhas
tinham rebeotado as arvores, quando os passa-
ros haviam comecado seus oinhos, quando rira
essa natureza i qual riera pedir a aolidio e o an-
oiquilamenlo,estremecer de prazer aob asprirrei-
raa caricias de abril, e enfeitar-se de folhaa e flo-
res, eomo uma casquilha, para agradar ao sol.
seu eterno amante, de cujas infidelidades temos
feito os oossos iovernos e cujos remoraos sio as
nossas primaveras; quando virs e sentir todaa as
coasas reoascerem em torno de ai e negarem to
victoriosa manta quaoto um mez antes haviam pa-
recido oegar vida, comegra a duvidar da eler-
nidade de ama dr que podia bem ser em sua
vida o que o mesmo era na natureza, a irausico
ioeritavel de uma estago i outra, o contrapeso
necessario oas harmonas naturaes. ,
Entretanto fizera teoeo de nunca mata amar
nem eaperar, porque a alma queaofire crea fcil-
mente para si essas exigencias. J que a aolido
que ella havia escollado, eochia-se da ruidos e
convidava-a a envolver-se nelles, foi procurar ao
retiro definitivo dos mortos a irisleza cuja neces-
sidade seimpozera. Paasou dias inteiros enj um
cemilerio visioho de sua casa ; mas ah, como em
toda a parte, talrez mais que em qualquor outro
lugar, devia encontrar a invaso da vide sobra o
nada. Alm das flores novas que ali Levara a re-
ligio dos prenles, poc todos os lados crescia a
erra, os psssaros carjtavam, os tmulos deaappe-
reciam sob as folhaa e as cruzes de madeira ne-
gra misturaran) o verde desmatado da primavera
i cor sombra do seu luto.
(Co*fnitar-e-A,)
PERN. TYP, DE M. F. DE FARIA & HLBCvWU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKGDAM9QN_TTYD3L INGEST_TIME 2013-04-30T20:16:02Z PACKAGE AA00011611_09882
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES