Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09868


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m
/nno de 1847.
Quarta-fei
O DIARIO publiea-se lodo os das, que nao
de cunrda i o preco da a signatura he de
''non rs. poi qnartel, pagos adiantos. Os ao-
cios dos assignantes sao inseridos < rosno de
5(ui porlinl', sore.emtyro difireme, e as
eljej pela metade, O que nao forem ali'g-
' !,ks pa5aro 80 rs por li.iha, e 181) em lypo
.lillcrente, r*rcd publicacta.
,. 4 ci?c na
a vn.. y,',;

i ua cheia, a aos i8 minutos da raanlia.
Min-oante, a 10, s 2 hora e 18 mo. do man..
i ua"ooT. a 16, s Loras e 47 rain, da tarde.
CYesceute.azo, *J horas 20 aun. da tarde.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahyba, s segundas eiextaifeiras.
Rta-Grande-dn-Norte quintas feiras ao meio-dia.
Cal! Sciinl.cm, Itio-Fonnosn, Porto-Calvo
Macelo, nol., a II e 21 de cada mez.
Garanhuns e Bonito, a 10 e) 31.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
linda. todo* n Hiat
PMEAMAH DE HOJE.
Primelra, s S horas a 18 minutos da manhSa.
Segunda, s 5 horas e 4! minutos da larde.
de Margo.
Anno XXIII.
N.69.
das da semana.
15 Segnd*: 9. Henrique. Aud. do J dos or-
pllo., do J. do c d. 2 v. e do J. M. da Jt
10 Tere. S. Cyriaco. Aud. do J. dociv.da l
v. e do J. de pat do 2 dial, de t.
17 Quarta. S. Patricio. Aud do ). doeiv. da
edoJ.de paz do Idist. del.
18 Quinta. 8. Gabriel. Aud.do J. de orph.,os.
do J. municipal du i vara.
10 esta. 9- Jo*e< EPM0 e l0M" ,e"
nbora. ,
20 Sabbado. S. tocio. Aud. do J. do civ. da
I. v. e do J de pai do 1 dist. de t. i
21 Domingo. S.'Bento.
CAMBIOS NO DA iG DEMARCO.
Cambio obre landres de 10 a 80 P.r.s 31>rs. por Tranco.
o Lisboa 5 de premio.
Dse, de leltras d boas lirin V P-'/o
nroOneasloJpanholaa.... M*000 a
Modas de flOO velh 16(1000 a
de C|l00 nov.. Ufonn >
di 4JO0O..... 9#0P
Prata PalacOes .
i'iOO a
Pesos columnares... 2|00 *
a Ditos mexicanos... i|no a
Miuda............. IJ880 a
Accoes dacoinp.do llcberibede iOfOOO r
aomei.
lafnKo
IfijUIIO
1CI20I)
OJI00
1020
loto
M.0
|910
aoptr.
2*02
|0
DIARIO DE FER&AMBUGO
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO."
Liiboa, 12 de Janeiro de 1847.
Multa gente acredita aqu que, terminada a lula que
cxitle entre o dous partidos, se estabelecer, se fiear
trltiuiphnte (como o fazem crer todas as probabilida-
des) o partido dominante em Lisboa, um governo pura-
mente militar, pelo menos pelo espajo de lie ou quatro
annos. Durante case perioao as provincias serio occu-
padas por columnas volantes de tropas do exordio, que
ser elevado a 30 mil liomcns, para fater cobrar osimpos-
iqs --lo baver corte,eprovavelmente tamben mo
aeconcederliberdade de imprensa! Dlz-sc que he opi-
nio de altas pe sonagens, que quando ha corle, ha lo-
go una revoluco no palz; por sso passou desaperce-
bido o da 2 de Janeiro, mu que no Diario seissese,
' e
l>a
une em cousequencla da circumslancia do paU i
adiavaui as cortes, etc. ou qualquer outra desculp,
desta natureta, para fazer desvaneotr appi ehcnsdes ao
bre a nona fulurasorte,, visto que a carta Constitucio-
nal determina no scu artigo 18, que todos os aunos no
dia 2 de Janeiro se abriam a cortes. Esta oinletao tein
' l'oitij orcr a toda gente, que o poder legislativo nao Mer-
cera por milito lempo as suas allribuijes.
Scni cortes, s'ein liberdade de inipicnsa, coin as pro-
vincia uceupada militarmente, ninguem deixar de.se
jiilgar iob um regimeu absoluto mas custa a acreditar
que alm dos inconveniente que po4e acarretar da
parte dos povos um tal pfocedlmenlo, o governo da ral-
nlia queira apresenUr Europa o aspecto de um paiz
conquistado em Portugal; por isso, pela minlia parte a-
credito que ha exagerajao no recelo que acabo de
enunciar. Nao digo que por alguna mete a autorldade
militar nao ter a preponderancia no governo estou
convencido disso, mesmo porque assiiu ser uecessario
Eara pacificar complelaiuente o paiz ; mas depois, nao
a du vida que as cousas voltario ao scu estado primiti-
vo; isto he, ao verdadeiro syitciua representativo.
Apciar do que o iario diz acerca da boa intelligencia
que reina cnlre o actual governo c. Inglaterra, parerie
cointudo que nao existe a melhor harmona entre a nos-
sa corte c o cncarregado de negocio britanuicos, Mr.
Siiulhrrii. Etnquaiilo lodos os domis diplomatas sao
aduiittido at nos concclhus de estado, Mr. Southern
he excluido de exercor a mais minliua innucucla no
nossos negocios, n que nao pode dcixar de ser estranha-
vel para a Inglaterra, vista a preponderancia de que na
tantos annos goza em Portugal. Parece, pois, que Mr.
Suuthern se queixra ao seu governo do triste papel que
lazia em Portugal; e que o gabinete de A. James resol-
vira nomear mu novo embaixador junto a corte de Lis-
boa. Ignora-se anda rpiem ser o novo diplmala bri-
lannlco; mas diz-sc que he um lord, pertcnccnle ao
partido tory.
Tratando do corpo diplomtico Julgo a proposito com-
muuicar-lhe. que se reltrou desta corte o embaixador do
Ilecpanha, D. LuizGouzale Bravo. O motivo da sua re-
tirada nada lem que ver coin o nossos negocios : o Sr.
Gonzale Bravo sabio deputado nas ultimas cleicie de
I lesjianlia, val lomar assento na cmara, e tratar de ver
se pude anda cmpolgar alguma pasta no iniusterio
hcspanhol, visto qte o actual gabinete parece nao ler
niuitos das de existencia.
Neste ltimos dias teni-se desenvolvido urna activa
perseguirlo Contra os sectarios de D. Miguel, sendo cou-
duiidus para o Limoelro grande numero delle. Alein
du viscoiide de Manique que j llie annunciei poder e-
vadir-se no lliealio de D. Mara II, quando o qiiizciam
prender, foraui presos posteriormente, o Sr. de Pancas,
1). Chrislovao de Vilhcna, c scu irmao D. Sancho lliena, o visconde de llalsemo, o Irmao do barao de Mo-
lollos, o Dr. Beirao, Antonfo Tavorrs Magossi, llio d
general Magossi, e oulros inuilos olliciais superiores do
exordio de O. Miguel, como tambem vanas outra pe-
soase emprrgados de influencia naquolla poca.
Assegura-se que o governo Ibi informado de que estes
inleuolistas lianiavain de accordo coin os das provin-
cias, o que at Wncionavam fater urna tentativa revo-
lucionaria om Lisboa, para o que Jiaviain ja depsitos de
armas e cartucbaine. Alem disso, affunia-sc como posi-
tivo, e o Diario do Goixrno astim o leja, dado a entender
cnialguosdosscusaitigus, que aflAV liouvc urna coii-
venco entro a una suprema do Porto e as frcas mi-
truelista do Macdonal, submettendo-ae estasa junta, sob
varias condces que ainda positivamente se ignoram.
Em vista disto, nao he rstraiihavel que os m.guclislas
sejaro multo mais perseguidos rpuc os setcmbislas.
No dia (i docoirente janlaram no Pa5o, o ministro da
.m o general coin.nandante da pr.ine.ia d visao
fnillun o niaio.-general da armada, o oommandane go-
ale"oi andante especiaos dos balalbOe nacional,
o o-mmandanle da guarda municipal, knmM
das liuhas de dolosa, o impector do arsenal do mariulia
eo. commandales dos navio de gucr.a portuguexe,
STo"am0c"oJneradosde toda, a, ... honra, e merc, o
vi.cu.XT Maiorca c o barao do CaslroDatro, rico.
proprlctariosdas_
volmsus. lgualmoi
exonerados de todas a sua ..-...--
Oclu de dillerentos graduaeOe do oetn na inba.
Ha quem diga, que so lem insinuado a alguna,
poltico que gozan
milla toda a venda de ben empenhadoi ou bypo-
ihecados na dita calxa; e fazendo teiponHivels pelos scus
ben. ao pagamentos que e flzerem, nao i os ditos
coinmssarioi, como tambem todas aquellas pessoa que
fr/eienipagamentos. Determlni-e Igualmente que se-
jam prorogadaa at ao restabeleclmento do governo le-
gitimo todaa a. obrlgacrjes contrabidas pela dita caixa
nlial, pra icrein solvida em dia certo e determinado.
O banco de Lisboa, hoje banco de Portugal, contina
a fater adlantamentos ao governo, Dlx-se que e fez um
ompiestimo clandetlno para atender il despeza da
guerra,. Ignora-se a condices coin que ful fe|.to csse
cinprestlmo. AsnoUldo banco continan! a lofl'rer o
agio de 1^200 rl.
Continuam a demissocs do brlgadeiros, coronel e
majore, e de oftclac subalternos. 0 Diario publica
regularmente urna lista de *esenla ou ictcnta desta
doinisses.
Segundo pailicipacao de Antonio Percira dos Res, a
praca de Yalenca do Minho aeha-se em estado de de-
fensa ; e organla-e all um batalhao movel. O nicsiiio
commitsarlo regio diz que naquelledistiicto se gota de
tranqulllidadc; e que, usando da faculdades que Ihe
foiain concedidas, tletcrniiiiou a aprcenU9ao de todo
os empregados pblicos de 21 a 60 anuo de idade para
pegarem em armas em defesa da rainha c da carta, cou-
slderando-se demltlidos dos seus cargos, todos aquellos
que se n.io apresentarem uoprazo de sois dias ; assiiu o
seriio todos militare! que se conservaren! indiflerentcs,
ou lomarem parle activa na revolta.
O conde das Antas saino de Combra em direccao ao
Porto, c parece que permanecen algum lempo no Vou-
ga. As suas forjas divididas em tres brigadas sao com-
mandadas pelo baro de Fornos-do-Algodei, coronel
Horta e coronel Cesar de Vasconcellos. A* duas priinci-
ras compaeni-se dos regiment 7 c 12 de infamara e
2 c 7Me cacadore, a ultima consta do corpo acad-
mico e Torcas populares, ~ a arlllharla orca-se cm 6 po-
cas e a cavallarlaem 200 cavallo. Parece que as tropas
vao bastante desanimadas, e que a retaguarda e co-
bcrla por forjas populares para evitar a deserco. Alm
disso consta que nao existe a melhor inlclligencia- en-
tre os chefe, que o conde das Antas he aecusado de
traidor e cobarde, por ter entregado o grosso das mas
ficas ao conde de honifim, e nao o soccorrer durante a
aeco de Torres-Vcdras. O conde da Antas val encon-
trar no Porto a sua Joven esposa, a quem inulto ama, c
talvez as supplcas desta o torno desistir de urna resis-
tencia desesperada ; e embarcando-sc em algum dos
vapore ingleze que e achan j naquclle porto pa-
ra reccbcrcm os fugitivos, se IWrar do furor desem-
freado da idcbc no momonlo de crlsc.
Eulrctanto iiianifela-e una cousa nesta luta, e he
certo inulto cordata,quando no Porto exista o visconde
de S da Bandcira que poda conmiandar a urea.
Antonio Cabral de Sa Noguelra parti do Porto para
Londres. Nao se sabe se fol em commissao, se aegoto-
clo gyro qfie tem tomado os negocios
Do Alemlejo consta que o conde de Mello, Mellar.
Nentel.Galambo e Batalha coin as forjas M*J-
iiiamlos se recolheram a Evora. Desta vez os-habilantes
da capital do Alrmljo nao receberam o revoltoso, com
a mesma alacridade que no principio da revolta, por-
que evemprejudicado nos scus interosses. leem a-
inda por vender os seus porcos, trigos c azeites, c lazein
voto para que a pat se restabeleca. ___
O visconde d e Selubal (Schwalback) achava-sc e n Mon-
temr espera de rjas que devia receber de *'.-
flu de operar contra Evora, onde provavclincnic en-
NoAlgarvcaiuda'iinpera a revolta porque o gover-
no nao lem forjas para a dominar. Quem se tem apro-
vrliado disto sao os contrabandistas. Numerlos calii-
ques-de GibralUr desembarcam coiistanteiiiente, cm to-
dos os porlos do Algai ve, todaa classe di gneros, so-
bre ludo tabaco; e tanto o Alemlejo como parte oa i.s-
inrea c o barao uo castro uaiic .<-.
i provincias, por se lerna unido ao re-
lente foram demilldosdo seus posto,e
das a sua honras e merces inulto pf-
dos bous da fortuna, que eriam
Pasen, dnheiro! Duvido de semolhaute vena
"dade^osu. que o slado de penuria em que se acha n
os emT..Pogado. pola falta de pagauentos, pode mullo
beui ju.lrticar taos rumores.
dem, 18.
A capital conservase tranquilla, e a P"8U'f^
tra os nlKuelistas tem socogado mais. Mesmo assi
mendciaif-se uns cenlo o tanto, ou ...ais, o que ,.inw4
a0rdemai. presos politlco, fari talvez un. toUl de 500 a
"'n eoverno civil j modiflcou as las rc.trecae. acer-
ca dle fecharen, a laja, s 8 lima. Actualmente ja
nodom estar abcrU mais urna hora, o que coUcorr,- pa-
ra yrar a capital do aspecto lgubre tjuc apreMnUva,
haEteVqeT.da da diipocoe. dajunU d. Porto,
non cando trc. coinmis.a.ios jnnto la ca.xa fl tal do
banco de Lisboa, o quaos nao so atilorlsou para vota-
rei^na delibeacfies da dU caixa, como tambem pode-
re ex-Vr dinholros, nota., papis de crdito, ele e.i-
doaIm%iuo duas chavos da diucaixa en. seu poda .o
governo-dc Lisboa acaba de declarar nui|os e de ... n-
Smeflclte iodo, e quaequer pagamenlos feto ,.o a
, dita caixa llal, at que e rcslabeleja na clda.le do 1Por-
lo o governo legitimo. Outio si ni, determina que lejam
chefe de todas a forjas ao general Povoas ; mas elle o
reensn.i, ili/.endo que licra milito salsfeilo ciu servir
sob asorden do conde das Antas. Aegura-e queju
tem fgido para o Porto muita gente, tanto ofllclae co-
mo paisanos do partido iniguelista, n'i.ma wi.rriauf ir u
que visita o Tejo, de vot cm riuando, como uo lempo do
cerco do Porto, cm ifvlv e i833. O que reala a lber he
se I). Miguel se conformar cm cr re constitucional,
no caso deque o scu partido triumphe. O melhor quo
ello devia fater era abdicar porque aislm faia calar
multo odios.
O conde das Antas onlroii no Porto, no dia /, ci
.mal fol buscar a Valenja alguma forja que all e ten
reunido, marchava sobre o Porto, donde so se achava ja
bre ludo tabaco; e tanto o Alemlej- .
iremadura. se acham.Inundados dcste geuero. Todos
reconhecciiiquao prejudicial he um .einelhanie estado
de cousa. para o lliesouro que nao cobra um ceitir a
direitos o para o contrato do tabaco que parece ha
multo lempo nao d mesada ao governo, c doclarou-llie
que, se fosse obrlgadn a isso, fariabanca-rola, poique o
que recebe apenas ihe chega para pagar os ordenados
da sua contadoria. .
S. M. a rainha contina a enviar fios eponnosue al-
godao para camisas para os soldado que ic acham nos
liospitaes. El-rel, seu esposo .visita diariamente os
quartois da tropa, trajando o uuiformc de coinmaiidan-
te em chcfodo excrcilo. ,-,.
Corrcu ha dias o rumor de que o general Celestino, o
conde de Villn-Real, Fernando, e mais dous ofl.t.aes
tinham fgido de bordo da fragata Diana. Esta noticia
nao he exacla. ToddH os pi islonoiros da acjao de Tmn*
Vodias se acham ainda a bordo do dito HSvio, gi ai da-
dos por destacamento da guarda municipal, e do ba-
lalbao da carta, o conde de Bombn foi trasladado pa-
ra o castcllo de S.-Jorge.
O. corrcu ltimamente em Lisboa um
reclnenlo! que oceupam bstanle lugar "o loriiae
francezes. Apreseutou-so na luja do IMjWltt
(tocio, que bastante tem lucrado com o agio das nota,
uu. individuo, acompanhado de un. Gallego coiu saccosdcdinheiio, c disse ao cambista que quena co-
pra r 200 pojas emouro, pagando-a em metal. O cain-
disfaiitc sois leguas.
Parece qnc'o plano do niarcchal he atacar de sbito o
Porto, niio dando lempo aos revoltosos para organisar-
sc, c talvez conlie em alguma deoepjo, por compra,
etc. Se consegue entrar no Porto autos que cheguc a
primavera esl acabada a questio c os partidos ven-
cidos mo levantarn to cedo a caboja ; porm se os si-
tiados do Porto tivcrciu recurso o firmeza parase sus-
leiitarcm at viro bom tempo. quando ja os trabamos
da lavoura csliverein concluidos, enlao a pos.jao do
narechal lornai-se-ha critica, porque muita gente que
agora so acha empregada nossos ainaiibos, se formara
cingucrrilhas que iro succcssivainonte ongrosando,
como acouteceu na revolta contra os Cabaos. Enlao o
marechal nao poder sustentar o cerco, e asoneos
guerra se tornar duvldosa. Dii-sc que urna avanjada
das tropa do inare.hal Saldanha apprchrndcra as baga-
gons e archivos dos batalhes 2c7; asvim con.o cont
e tantos armamentos, c 4000 cartuchos embalados.
O prximo paquete iuglct que deve aqu chegar a J,
-Mirar noticias mais circui.istanc.adas acerca da si-
B US
salina, ...i *,. w* ..- .---,-----
seu ervljo meia dusla de populare.
Santaiui, Thomar, brante. Castello-Branco. Leiria,
Figucira c Combra, assiiu cuino todas a demais tr-
ras do districtos administrativa delta comarca ja o-
bedecem ao governo de Lisboa. Dit-e que na Guarda
lamben, houve um pronunciamento a avor do goveruo
da rainha.
O marechal Saldanha foi mullo bein recebido ein Co-
mbra, e nmslrou-se multo lliano e conciliador, duen-
do que nao quera o mal de ninguem, que ora una
desgrasa ver lano amigo, coinprometlido, que es-
lava com os brajo iberio para receber lodos os que se
Ihe (.uitoasein reunir; aflu de se terminar a lula. Ira-
t.icida; por.n., piimeiro que ludo era preciso acabar
coin a anaiohia.
Estas palarrai do marechal parecein Indicar una con-
venjo, porin esto cm contradiejo com o que lem
dito o Diario do (iaverno que nao quor convenejao al-
guma. Entretanto acredlla-se, que o niarecbal bal. a-
uha que era o idolo dos Poi luemes, em 1827, nao ir dar
o golpe fatal uessa cidade, neni queror ceduxir os seus
amigos compiiiheiro do armas a pelor oslado do que
flcarain o miguellsta depois da convenjao de r.vora-
monle, a quem se concedeu os posto legtimamente
adquiridos, e um subsidio para viver. .....
O coronel Wgldeacompanha o marechal, e istb Indi-
ca que ajinal haver cpnvenjao. Os Inglezci qulzeram
ter o go.lo de nos ver fuzilar e baioueUr ; pon que nas
accoes de Vlanna, Valpassos, Ourein. Murja c Torres-
Vodras j teem morrido mais de 4,000 homeu ; e depois
de nos verom bem sangrados, e ainda mais aniquilados,
apparecorao enlao com a baudeira da Misericordia.
O niarcchal Saldanha sabio de Coiinbra, para prose-
guir nas suas operaces comejada sob to felitos aus-
picios. Parece que foi um noviniento sobre adiroita;
isto he, dirigio-sc a Visou para depoi marchar a til-
mari, e rouniudo as forja do barao de Casal c do vis-
conde do Vinhacs.cahir sobre o Porto, bm Combra li-
cou una brigada. O baro doCaial ainda M conurva
em Braga, para llvrar esta cidade de ser novainente oc-
oupada por Macdonal. Rite tinha sabido de Guimaraes
com o rosto da sua forja, dirigindo-sc a Pombeiro c a
Lixa. Dit-se que o visconde deVinhacs hatera o Do rao
de Castro-Dairo, nas iinmidiajes de Villa-Real.
Asseaura-sc queemigraran do Porto para \lgo o con-
des de Tema, os visconde de Scmodaos c de rerreira ,
o bares de Seixo e dcSande, o prcildetile da rclajao e
milito proiuietaiios c negociante.
Parece quo um dos socios da assemolca portuense foi
brbaramente caectado sabida dafliiella rcumao, nao
Ihe valendodou menibros da junta que se achavam na
n.osma caa. O outros socios da assembla forain para
casa acompanbados por escoltas da guarda nacional de
cavallarla. Diz-M que no caes do Porto cstao guardas de
'bista aprcscnlou-lbc as 200 pojas que "'","0"e
pesou cuidadosamente, o depois de as niotier "* :'<-
eos, disse ao Gallego que so to^n^.OambMa
quizdeter o Gallego, porn. o individuo disso- lie qu.
naofizesse bulha que elle Ihe la pagar ein. nela se-
gundo a lei, e tirando da algibeira om *
d., Imnco contou a importancia daspoja, apendow
cavallarla. D1z-m que---------
caeeleiroipara epeiaremapesoas que loreina oruo
Allii ina-se que a casa do baro de Soixo, no Porto, lo-
ra arrombada a golpes de machado, com o pretexto da
prisio de um director do banco, que se duia all estar
escoudido. Parece que os cabos de polica andam ar-
mados de machados, para melhorcs cumprireiu taes vio-
E Diz-* que no Torio ha quatroceuto puso poltico,
os quae sao tratados com o matar rigor, nao Ihe per-
miltindo rrceber visitas, e reiiiccliendo-lhe o comer.pa-
ra ver se vao dentro bilhete. Em Liiboao presos tam-
bem mo sao tratados ca uosamente. Eslao to parados.cs M permitte que sojaui visitados pelas sua
faparecque, querendo a junta,'do Porto mandar mar-
char tropa contra o barao de aul as ordens oftne-
ral miguellsta-Guedes-, a guarda municipalJ"*"'
marchar dizondo que nao audava com flus verme ha ,
nem marcharla s ordeui de un. daqueUei. q "J^J
bombatdcou o Porto. A declsao da junta nao a i
ais cauteloso,
aqu
metiendo er para o futuro
se nos descont.
dem, 20.
O ultimo paquete vindo do Norte, = l- ~-Tn -,39
no dia ,3.roxe noticia |^JJ,'US"S2
li.ili-i-sofeitouina convei.jao cutre o paitido sepirm
bi ueon.igolista; isto'he, una **!;
tidoi. Na oj.i.iiao de algn o convenio es a!aj..ilU
,idn Os n nudistas devtam aceitara nova ordim ue
en. arma els mil homens. Pela suai na te os uu n
bristas roconheciam como re de Portugal D. "
lando ...na constituyo feita por edrte ""g^
Oueromoulro quo o convenio aluda nao estiirsst u.
8mad. u que esta ulli.najo se (torta S''J'
dia 13 Parece que os dous parlidos anda nifo estaiam
a ordo.; non. sobre a forma de gove. no, inemi lobre o
ehefe do estado. O mlguolista queran, ab,<>luame -
cuol com uina nova consliluijao. os .oto.
parte dos iniguelistas.
' OquTpa,.^indbi.ave.heque o. don. partidos ?e
j mo es'to unidos, se rounirao decididamente, c en ao
nao sei para que lado pender a batanea. Esta noticia
causou bastante mpresso no governo de Lisboa c nos
seus sectarios, e apelar de que blasonen! de que a a.la
tauejo Iheveiodar forja moral c physica, c,.nl.ece-se
bem que nao esto convencidos disso, pois j lullain a-
bcrlainente de pedir auxilio Hespanha. Que fara en-
lao a Inglaterra ? Deixar pisar o territorio portuguez
pela hoStes hespanliolas ? l)uvido-o milito.
Nao estou por emqoanlo convencido de que entre
boje no syitema de politioa Inglcz o querer una mu-
daiira de dynaslias na pennsula ; mas pode mullo bem
acontecer isso; nao 6 para que a Inglaterra recupere a
sua influencia lauto em Portugal como na Hespanha ,
mas tambem para tirar a desforra do eeAii que sollreu
com o calamento do duque de Moutpensier com a "rau-
ta de Hespanha. So o lempo he que pode esclarecer qual
he a poltica que a* Inglaterra se propc seguir :.entre-
tanto estou penuaddo que nao perinittira que a Hes-
panha se iniroinetta mo armada uo nonoi negocio
"'Hc'iaii'ibein indubilavel que a rcuniao dos partidos
seiembristaeiiiiguelsia he un. faci prenhe defrau-
des acouteciincutos. Porum lado os sctembrisias os-
lan hoje mullo mais poderosos com tao conslderavel
auxilio ; pois que he iuegavol que o partido migue lisia
he considerabilissimo nas provincias do Norte, e me-
mo uo Alemlejo eAlgarve. Por outro, o partido migue-
lista que at agora se poda *on.lder eoifloumgu+
do morto c sen. futuro agora torna, a .^r d
sua fdrjacomaseivaque adquiri n. junecao Ve desta ve nao lizer abalar o llirono da rainha ( o que
UW1ll.ll. UO-'-' ----"--------- -tala
luajo do Porto, da convenjao com os mlguciisia,
pos.co em que se acha o duque de bal.lanha.
O Diarista parece ler perdido a cabeja com ajunejao
dos setci.ibrlstas coin os mlguelislas Se n un. numero
<|o Diana diz que a rainha .-cechera clementemente os
(iiiellei acon-|allucinados c nrrependidos, no do dia seguinte Ipc de infames, desavergouhados c traidores lano os
soleinbristas como os-miguolistas. .
Corrcu un. dosles dia cm Lisboa o rumor de que a in-
fanta D. ltabel Maria linlia recebido ordem para ic re-
colhor ao convenio do Coraj;.<-do-lcsus (fclrrlfaj. c
que o duque de Palmella la ser exouerado de toda as
suas honras, ttulos, etc. No.ihum dosles boatos se veri-
ficou at agora, c julgo que nao ton. fundamento algum.
O (ovoruo achase lolalmenle fallo de recursos, e ja
deve dol! metes oflieialidadc do excrcilo :.aos cinpre-
eados dcve-lhcs mullo mais. ___
Parece que tem todo o luudainenlo a noticia que me
coin.nuniquei sobre ter-se insinuado a alguns presos
ricos que seriain sollos se dessem dinheiro; e at le re-
fere a soguinte ancdola. Uta individuo foi preso, e
obteve ser solt por unas poucas de inoedas que deu s
corto olhcial do secretaria. Paliado um mez foi nova-
mente preso. He natural quo agora soja mais cauteloso
ein declarar ao seu patrono, que a soltura ( se a oblivci J
he Ilimitada. ....
O conde de Bomlini nao fol transferido para o castello
de Sao-Jorge, mas sim para a fragata do registro. Pare-
ce que os seus- coinpanheiros de desgraja "nao tinham
para con. elle as matares attenjOes.
He lalso que. o marechal Saldanha concedesse aos olli-
iaes prisioueiros cm Torres-Vcdras as suas bagagens.
Tildo Ibes foi tirado. O cavallo de que se servia o conde
de Uon.liui foi vendido ein hasta publica. Dl-ieal que
peta camiiiho os dilos prisioueiros soflreraui bastantes
drsalteiijrji'.- Nao all'umo islo porque nao vi, nem me
consta por boa via. .
Fallecen ltimamente o barao de ilarccllino, man
conliccidn pelaalcunha de Mano. I dos Couto, pela sua
immensa fortuna. J>ou nina grande horanja ; e ouvi
dlzer que liavia legado alguns couto de res ao banco de
Lisboa. ,, .
As noticias de Hespanha continalo a tallar de mu-
danja n.iiiislerl. Posto que a opposijao perdesse ai e-
leijocsconscguioclegerosscus mais notaveis corireo,-
coiiioS. Miguel, Cortina, Lascmae at Salustiano O-
lotaga. Este conseguio entrar cm Hespanha; porem foi
preso om Pamplona. Paeece que o governo hcspanhol
julga queaelcijao para deputado nao o l.vra da aecu-
*acao que sobre elle pesa, de querer obrigar a rainha a
assignar violonlaniontc um decreto, quando foi miuis-
tro. Diz-se cointudo que o governo nao proceder cou-
tra elle ; c o mandar sabir novamente de lieipaulia. A
imprensa da opposijao bcspanliola clama altamente con-
tra este proccdlmenw do governo, a respeito do Sr. O-
lozaga.
dem, 11.
J e sabein ai condicOes com que se fez o cmpreilimo
om a casa inglesa Bariiig, para o pagamento dos divi-
dendo, da divida estrangoia. O decreto de 7 de dncin-
bro s agora he que acaba de publloar-se. e elle vem
ainda aggravar mais os nossos malo. A divida estran-
geira he augmentada com a qua.ilia de 600,000 em
5pliccicoi.iojuro de 4 por /,. Uus aplleos serao
entregues caa Harlng, e dividida ein serles de M,
100, 200, 500 c 1.000 f, as quaos tcra mumm. e serao
einitlidas segundo a carta de lei de. 10 d.' iMHl 1M*.
O motivo por qup a coinpauhta f .aiao-toiomere.ol dei-
xou de pagar os juro estranseiro., tai porque he filta-
ra... a rcmeiiai de fundos que receh.a da, alfan.legas
do Lisboa e Porto. Os rendimontos da primelra dostai
alfaudegas toen servido ao governo para os apuros em
que se ten. adiado; cdo da .egumta ten. lanjado .nao
ajuma suprema do Pollo. Agora hypolheca...-se a oslo
"ovo emprestimo nao l todos o rendimenlo, do cia-
do mas com e.pocialidade os das ditas allandogas, (a
do'Poru'riula obligada a pagar 57,u00#000 reta, ...ai de
metadedosseus rendimontos ) e se o juro nao for re-
gularmente pago, oiiupon icrao admiltidol nas altan-
degas como dinheiro correte.
Quem esliver ao faci doi empenhos ja conlraniao
petas ditas altandega pelo contrato do tabaco, e pelo
demais leiidiincnlos do estado, conhecera desde logo
c e ucsia ve au --- ,r. r-nldns teei a polas ditas allandogas pcio co.uiaiu u uwu., h=.-
inuilo recelo, porque os dra' '*'"'" ^ demais rendimontos do estado, conhecera desde logo
ufavoraopiitaodoipovMqiie^Biohamcwiwtlicm! coiupromellimento vem agg.avu a
de moralidadc e iulelreta. ao V**V*f "u^0 ,'riste lilunjf.o cmque m.s acha.no. ; e icm heslujao se
,iadcdissipador e devor.sta) e para teii^r ^e | deraamjliur qttc 0, rendimenlo da divida interna
ita'de dliilpadnr e devor.sta). he para temor que o|
faja... logo que tenha lugar qualquer acontecimeulo eu-
,0l)UU-'cqueasfrjas setembro-mlguellstas e acham I
poder. atllr.uar qu----------------------
flearo reduzidos nullldade, e muita familiu que so
vivtni dcises rendimenlo ubmergidas na miseria. E-
diddlduem qua.ro br.g.d... i ta|.ql nal. um do,.triste, resultado, da, o,M, oon.inu-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


.!


^
w


&
tres de Vlanna, de Val-Passos, de Torres-Vedras e de Bra
ga, coni o desgosto do corpo commercial que tem sollii-
a grande! prejuizos as mi.k transac{es ; e mais que
ludo cun o mel que fex passar as flleirai da rainha os
rcgimcntos3 e i5 na accSo de Val-Passos. Entretanto os
que conhecein de porto o inarechal duvidam que ellc-
ai i isque um golpe decisivo era frente da segunda clda-
dc do reino; porque um revez llie seria multo funesta,
lie mais provavcl que intente um cerco, o qual efticai-
mente coadjuvado pelo lado do mar pelo bloqueio dos
avos de guerraobrigar os revoltosos a renderem-se pe-
la falta de recursos, i mullido se o mareclial conseguir
....irr ilpMbito :;o\jiio, permanecer all algum lem-
po como lugar --lenle da rainha, alim de paciear as-
provincias do Korte, c dar fArca as autoridades do go-
verno.
0 duque da Tercelra, o conde de Santa-Maria e o ba-
rao de Cainpanha vlro imiuediataineiite para Lisboa
omle os seus amigos Ihe preparam urna recepeo es-
trondosa.
Partiram ullirnamente tres expressos desta c6rte com
cilicios do governo para o duque de Saldanha. Todos
foram por diversos caminhos e o primeiro que entrgal-
os ufliciosao marechal, receber a gratilicaco de 48/000
iris. Ignora-se o contendo dos ditos ofncios; mas sup-
pr-sequehe relativo s diminutas conccsses que o
marechal poder fazer oos revoltosos, no caso de querc-
rcn submelicr-se por capitulo; m.
I)iz-sc lambeiu que partir um vapor com proposlas
do governo para a junta do Porto, c para o conde das
Amas.
Algumas personagens da corte asseguram que SS.
MM. a rainha ecl-rel veem com profunda magoa a con-
tinuaco da guerra e os tristes resultados della. O mc-
llior era nao ter dado causa a ella ; porcm oepois de in-
tenta-la nao ha remedio scuao snbjeitar-se s sitas con-
sequencias.
Parece'que o conde das Antas est decidido a faier no
Porto una rigorosa resistencia para o que tem tomado
todas as providencias. Mandxu reoolher para dentro da
cidade loda a palhaecevada que ha vi i nos arrabaldes ;
einliargou todo o arroz e cereaes que haviam em drpo-
tn, r impoz o tributo de 140 rls em cada alqueire de tri-
go que se exportar. Falla-te tambem de um emprestimo
forrado.
Diz-se que no Porto reina grande enlhusiasmo, e que
us acadmicos andarain ltimamente pelas ras contan-
do canees patriticas, dando vivas a junta-e ao conde
das Aulas, e morras aos cabralistas, e. ale rainha .'
Varios cavalhelros uiiguelislas como o visconde da
Verzea, o visconde da Azciiha, o conde de Aliada e An-
tonio Teixeira e oulros ricos proprietarios j se acliain
no Porto. O visconde de Atcnha que era tencme-gene-
ral no lempo de I). Miguel, acha-se adeudo ao quartcl-
general do conde das Antas. O general l'ovoas ful, se-
gundo parece, reconhecido como tenente-gcncral pela
junta do Porto, c cncarregado do governo da provincia
da Beira.
Parece que por em quanto a junecao dos miguellstas
aosselemb islas tem so por objecto combaler o inini-
go conimum, drixando para o futuro a delucidaco das
garantas dos dous partidos.
O Diaria tem publicado algumas carias das apprchen-
didas em Braga a Macdonal, as quaes compromeltem
alguna cavalhelros miguelistas, entre estes o rico pro-
prirlario Antonio do Lemos, de Cnndcixa.
Macdonal aehava-sc em Amarante, e parece pouco
disposto a abater o estandarte de D. Miguel. Veremos o
que faz depois da entrevista do general Guedes, que Ihe
foi enviado com proposUs da junta do Porto. Em Braga,
acha-se o padre Casimiro com alguns guerrilhas que
provavrlmcntc fugiao logo que all se approxime algu-
na frca de linha.
A casa do baro de Casal em Braga foi destruida pelo
povo, resenlido do que as trupas desle general prali-
< ir.i ni uqurlla cidade. A esposa do general que all re-
sida loi abrigada a fugir c chegou ullimainenle a esta
capital.
As autoridades revoltosas de \ anua, UarcelloS c ou-
tros pontos recolheram todas ao Porlo, em conse<|iiencia
doinovimeiil qucfci o barao de Casal sobre Vainica.
Taiiibem abaudonou a margem do Diiuro, recomend-
se inesuin cidada com a frca do sen cumulando, o ba-
rita de Castro-Dairo, logo que o marechal Saldanha che-
gou a Lamego. Esta cidade, assim cuino Viseu, j reco-
nheceram o governo da rainha, c o brigadeiro Antonio
Con vea de Vasroucrllos iniiiou posse do commaudo da
ti.' diviso militar.
Falla-se de aeco no Almarjo: diz-se que as tropas
lo visconde de Sebubal alacaiain Evora, e furam reprl-
lidas. Ignorani-sc porm os poi menores deste acontec-
Inento.
Parece que o vapor Duque-do-Porloi ordens da junta,
navega as agua de Cascara, para rrcolhcr os individu-
os que quizrrcni transportar-se daqni para o Porto. D-
zem queja tem aprrzado alguns navios menores do go-
verno.
dem, do Io. de fevereiro.
No ultimo paquete inglez chegado do Norte velo a ba-
ronesa de Casal, procedente de Braga, donde sahio
aprestadamente com recelo de que o povo quizesse vin-
gar os maleficios platicados pelas tropas de seu mari-
do naquella cidade, A baroneza fui recebida no paco,
onde parece que disse cousas, que causa rain bastante
impresso, e foram ouvidas com iuleresse.. Entre nu-
tras eousas parece que assrgurn que os Cabraes rraiu
impopulares as provincias. Esta senhora he uioiite-
viileau.l, e tem a energa que d o sangue rrioulo unido
ao hespanhol : ten, milo espirito, e em 1837, por oc-
CMllo da rrvolta dos mairchars, eserevia arligos para
o Xarional, exaltando os servicos de seu inarido que
combata contra riles, e por isso nao duvido que os bo-
letins de Braga, em que se cslvginatisaiu os Cabraes,
durante que aquella cidade foi oceupada pelas tropas do
bario, tenliam sido redigidos por ella.
O que disse .nena dos Cabraes parece confirmar-se
pelo srguinte facto. A condrssa de Thomar, esposa de
Antuiio Cabial, que velo a Lisboa drpois do mov i men-
t de 7 de oulubro, quix ser recebida no pa9o antes di
partir para Madrid, onde seu marido representa a corte
de Portugal. S. M. a rainha resolvru nao a reerber, c
assim osTgniflcou aO seu esmoler mor, I). Marcos, para
o participar condessa. D. Marcos, querendo esquivar-
se a urna missao desagradavel, procurou um amigo da
lunilla, o antigo chrfe da cspionagein cabraliua, Fran-
cisco Benedicto Ferrugento, e o incumbi da missao
Diz-se que a condessa de Thomar se retiran milito des-
pritada pela" recusa, e pela esculla de um espio para
th'a cominunicar.
Parece que, apresenlandn-se ha pomo no pafo Rodri-
go da Fonseca Magalhes, manifestara que se admir.iva
inulto da liga feila entre os miguelistas e os seteinbris-
tas. S. M. a rainha que se acliava presente dizem que
responder:-- Que o Sr. Itodrigo nao se devii admirar
de cousa algtima, e que nunca diiia o que pensara.
O astuto cortrzo relirou-se completamente corrido.
O celebre llebellinho, que foi redactor do Diario do
(orerno, durante os ltimos lempos do predominio dos
Cabraes,que depois passou a fazer a corte a Jos Es-
tevao, e aos Passos, est hoje um exaltado ministerial.
Este pitisco, quando se espalhou a noticia da entrada do
visconde de S cm Santarcm, dizia pelos botequins que
o visconde era unidos mais habis generaes portugue-
ses, e at diicni que escrevera algumas cousas contra o
actual enverno, isto porque rnto o aspecto das eousas
pareca favoravcl aes revoltosos ; porcm desde a victo-
lia de Torres-Vedras mudou de opinlao. Desde enlao
be o duque de Saldanha o mais hbil general portuguez,
como quera bandear-se com o actual governo, ser-
vio-lhe de pretexto a liga entre os setembrisias e os mi-
guelistas, e foi sentar praca, n'uin dos balalhcs nacio-
xiaes. Que miseravel !
Antonio Emilio Brando que foi governador civil de
Vlanna, acaba de ser nomeado governador civil de Co-
iinbra, para onde pai levando comsigo aquauti.idc
20 coritos de rls, e indo acompanliado por 12 soldados
de cavallaria. Ilecia-se inuito que chrgiic a salvo ao
seu destino, porque aperar do legitimo governo da rai-
nha se achar restabelecldo na maior parte das provin-
cias do Norte, e apenas os revoltosos poderem dlspr de
parte do Minho, de parte do Alemtjo, e do Algarvc,.
anda existem guerrilhas por alguns pontos, c nada
mais fcil que una dcstas atacar o novo governador ci-
vil, Indo com una escolta tao diminuta.
'I'eeiii continuado as prses para soldado, e tambem
por opinlries polticas. Assegura-se que Jos Castilho,.
o offlcial de secretarla Luii Jos da Silva, e o celebre es-
crivfio de direito Jos Carlos Freitas Jacome (o poeta)
sollain os presos por dinheiro
Oofficial Je secretarla Carlos Bento da Silva, ex-de-
putado. < que ultlmaueuLe iiua m preso, otiieve a
soltura sahindo para fra do reino, e l foi para Cadi,
no ultimo vapor.
Correu o ruirASr de que tinham apparecido as agoas
de Cascaes dous vapores, e temendo-se que fossem os
que a juntado Porlo tem s suas ordens, e se receiasse
um desembarque, mandou-se'marchar arlilharia e va-
ria tropa para aquella praca. Parece que os rumores
eram infundados.
O marechal Saldanha que tinha marchado at Vlseu,
retroceden para gueda, as alturas do Vonga a unas
20 legoas do Porto. A retrogradarn do marechal srt se
explica pela sua multa prudencia que nSn quer softVer
um desastre que pode ser inuito' funesto, sobre ludo
quando j cmneca a manlfplar-se em grande a deer-
cao dos revoltosos, pois se afrina que 300 soldados de
tropa de linha, fgidos do Porto, cutre elles alguns da
guarda .municipal da dita cidade, se apresentaram ao
marechal, c ao baro do Casal por conseguinte o ma-
rechal espera una occasio opportuna, para levar a ef-
feito com vantagem, as suas opcrayOes.
Da liga entre os miguelistas c os setembristas nada
se sabe de certo, mas parece que nao deu a frca que
se teinia aos revoltosos, porque inultos dos miguelistas
mais punimos nao teem querido annuir s condiedes
do convenio. Entretanto oulros teem annuido, e isso
he bastante para que baja a intervenco estrangeira ;
porcm at agora o duque de Saldanha se tem opposto a
isso ; e s dizem que consentir ctn que entreui estran-
geiros em Portugal, no caso de soffrer um revex, e
mesmo as-im s para oceupar alguns pontos; mas nao
para obrar activamente, porque entao einbainhara sua
espada.
Diz-se que o velho general Pavoas, II. bocho c os
Mimosos foram Guarda para acclainar I). Miguel, po-
rdm os habitantes repugnaram ; mas annuiram a que
s acclaniasse a juntado Porto, e recoulieceram Po-
voas por general da provincia. Comtudo, leudo che-
gado nina frca do exercito de operaedes de Saldanha
restabeleceu o governo da rainha, e sahindo pela estra-
da de Castcllo-llrancn, cm persegulfo do balalho po-
pular da Guarda, ditein que o desbaratara. Porm cs-
palha-se agora que Povoas atacara na Guarda o coro-
nel Sola e o derrotara ; e que depois marchara por C'as-
lello-Braucu para o Alemtjo. Nesta provincia nada
tem occorrido de nolavel. O visconde de Sctubal tor-
uou a levantar o cerco de Evora. diriglo-se a Porlalc-
gre, r dalli rrironradou para as Vendas-Novas. Os re-
voltosos, niinni milailos pelo conde de Mello, saliiram
de Evora, e parece que doininaui todo o alto Alcmlju.
No Algarvc domina a revolta Jos Estevo acha-se
em Faro, organisando, segundo dizem, o balalho de
caladores n. 5. Parece ter tambem nlli chegado Ma-
noel da Silva Passos, com ordens da jimia do Porto,
entre as quaes se conta um decreto para que a alfandc-
ga de Faro admita varias fasendas c gneros, que s
eram admittidos nade Lisboa. Est-medida, elidiendo
as provincias dos ditos gneros e fascudas, causar por
certo grand" prejuizo ao comincrcio de Lisboa.
Corre o rumor de ter tido lugar um- combate, cutre
Vlanna e Camiba, sendo atacado e derrotado o barao
de Casal por tropas sabidas do l'urto, commandadas pe-
lo barao do Alinargem. Parece que. a aeco fui bstan-
le renhlda, e que nellii iiiorreraui o brigadeiro miguc-
lisla Guedes, e oulros ofliciaes do mesuio partido, que
se baterain com inulo deuodo. Entretanto esta noli-
cia carece de cotiiirniaco.
Publiearam-se no Diario varias mercs feilas aos offl-
ciaes que mais se distinguirn! na aceo de Torres-Vc-
dras, c em oulros enmbates da presente lula.
O visconde de Vlnhacs e o baro do Casal reerberam
o titulo de conde, e o visconde de Srtubal foi creado
gro-crui de Avlz. Os coronis llarreiros. Sola e Lapa,
receberain o Ululo de bares, e os coronis Leo Ca-
brelra, Tuborda e Lemos Corle-Real, o de concelheiros.
O baro de Savedra, e -D, Manuel Jcronymo da Cmara,
receberam a cominenda de Torre-Espada, 1). Miguel
Ximenes, a da (onceico,Carlos tamba c Jos Joa-
quini de Carvalliu, a de Cluislo ; assim como se con-
cederain oulras cominendas da Conceico, .Cimstu c
Aviz, c graos de cavalleirus das mesillas ordens e da de
Torre-Espada a varios coronis e officiacs. Ha tam-
bem uniros ofliciaes dos que mais se distiiiguiraiii na
ao.. io de Tnrrc8-Vedras, elevados ao posto un media lo,
entre elles o major Joaquiu llcntu Pereira, a tcncute
coronel.
O Diario contina a combaler o que cscreve o A'acio-
nal do Porto, mas de urna maneira que nao fai muita
honra ao Diaritla ; porm j nao emitlc as meslnas opi-
iiiea que ruiiilio por occasio da publicaco da sus-
penso do jury, segundo oque pareca que i.unos ter
um governo desptico : agora j advoga mais as formu-
las constitu ionaes. Talvez recebesse ordem para isso.
Publicou-sc no mesmo Diario a lei rcgulamentar pa-
ra as elelfdes de depulados, senadores, jul/.es de paz e
inunicipalidades do Brasil.
A junta do Porto laii(ou mo de uns" (iO con tos de res
dos depsitos que liavia no banco comuiercial daquella
cidade, contra o que proteslou a dirceco daqurllc cs-
tabelecimento. Esta medida mustia bein o apuro cm
que se acliain os revoltosos. O banco comiuercial do
Porto nunca se tinha envolvido em transacedes com o
governo, e urna semellianle extorsao da parl da junta,
por certo Ihe allion.it.i a boa vonlade do crpo comuier-
cial, o que por cerlo he nina perda para os revoltosos.
Tem continuado a publicar-se no Diario militas de-
missdes de'julies e oulros empregados, que teem toma-
do parle na revolla.
Por caria de lei de 27 de Janeiro ultimo foram sus-
pensas as g.u amias pelo esparu de tres meses as Ibas
dos Aro res
Publicou-se o legulamentu adtninistralivo do banco
de Portugal ; assim como um mappa demonstrativo de
todas as transaeces feltas desde a creaco dotianco de
Lisboa mi 1822. O agio das nolas^conliiuia a subir, e
aeha-se .actual mente a I/G00 reis. O Diario quer allri-
buir rste auguiriilo do agio a especularan de agiota-
geni ; mas lodos sabem que o mal procede do grande
numero de notas que lia no mercado laucadas alli pelo
governo. Esle lodosos metes alli lauca de 40 a 60 cou-
tos para enviar metal para o exercilo, c quanlo mais
papel houver no mercado menos valor lera, c maior
ser o agio. .
Parece que o conde de Bomfim, o general Celestino
c D. Fernando de Souza llolelho, leiitaram fugir do na-
vio cm que se achnm presos. Eiu consequencia disso,
e talvez (jomo medida de terror o governo os fez trasla-
dar e mais uns 40 ofliciaes para o brigue de guerra,
cun destino a Angola. Parece que este brigue lar es-
cala pela M lien a. e dcixar estes ofliciaes uo ilhco da-
quella ilha, Oiz-se que a duquesa da Tercelra, o almi-
rante Parcher, .Mr. Southern c oulras personagens se
teem cmpenh.ulu para que nao severilique este dester-
ro ; porcm at agora nada tem conseguido.
De Hespauha nada lia de nolavel que possa couiiuu-
nicar-lhc. ,
PERNAMBCO.
SKSSA KM 16 E MARCO DE 18*7.
MESIDKNCIA DO SR. SOUZA TEIXEIRA.
SUMMAK IO. Chamada. ^pprocaedo da$ aelai das tendel I
anltrior. Expediente. Adiamento de ouaro parrc|
r's, e approvacao di dous. -4prienafS> de um projeeto.
Approvacao da projeeto n. 2 em terreira diicunio, e do*
de ni. 5 e 4, em tegunda. NomeacaO de urna depulaeaff
para entregar ao presidente do provincia os autographs das
leis decretadas. Ida e volta desta depulaca.
As II horas e roela da manha, o Sr. I. Secretarlo faz
a chamada, e verifica estarca presentes 21 Srs. depu-
tados.
O Sr. Presidente declara aberta a sessio.
OSr. 2. Secretario l as actas dassSc; sr.ieccdentes
que sao approvadas.
OSr. 1.Secretara menciona o seguinte
EXPEDIENTE.
Um rrquei iinenlo em que Ignacio Bento de Loynlla,
terceiro oflicial da secretaria da assemblca, pede e ele-
ve o seu ordenado a 800/000 rs., vista a desproporcao que
ha entre o mesmo ordenado eo do officlal-maior da re-
ferida secretaria. A' commissto de ordenados.
Outro, ero que a Irma ndade de N. 8, da Conceico, pa-
drorira da matriz de Naiaretli da Marta, pede, que, para
habilita-la a concluir obra da respectiva igreja, e com-
prar as alfaiat neccssarlas, se Ihe concedan 6 loteras de
20:000/000 rs. rada una, ou se Ihe inve air.a qiiota
na lei do orcamento. A' commissaB de faienda e orna-
mento.
Um abaixoassiguado dos habitantes da povoaco do
Crreme, comarca de Garanhuns, pedindoque a mesma
povo.n no seja elevada categora de villa. A' commie-
sa de eslalislica.
Um tillieio do Sr. deputado Laurentino, participando
no.podcr comparecer, por se achar doente. /n(ei-
rada. '
Outro do secretario interino da provincia, trahsmitlin-
do um oMieiu, em que a cmara municipal desta cidade
pede se designe urna quota para ser desde j applicada
limpeza das ras. A' eommissai de nef/ocloi de cmaras.
Outro do inesiuu, participando que foram iinmediata-
nienie dadas as convenientes ordens para seren satls-
feitas as exigencias da asseiuhli a, -manifestadas em offi-
cioque no dia 13 expedir a respectiva secretaria. En-
tenada.
I.ein-se e sao addiados os seguales pareceres:
A coinmissao de peliedes, ailendendo ao que reque-
reu o reverendo Jos Marinho Falco Padilha, professor
de rhetorica e potica do lyceo desta cidade, he de pare-
cer que o peticionario tem djreito reparaco da injus-
tica que solTre em seus vencmentos, nao so por ter sido
prvido antes da lei de 10 de junho de 1837, c dever per-
eeber o sru ordenado e gratificaran Indivisamente, se-
gundo o disposto no I. da lei de 30 de abril de 1839,
como por contar mais de 23 anuos de servico com apro-
veitamemo de seus alumnos, e estar por isso conque
hendido na disposico do 3. da citada lei. Ora, seo
peticionario antes da lei de 30 de abril de 1839 perecida
j TtU'iloii rs. de ordenado, c 250^000 rs. de gratilicaco,
est claro que, pelo tj 1 drssa lei, ficou percebendo am-
bos esses vencimenlos indivisamente, isto he, semdls-
lincco de urdenado e gralllieacao, riendo alni disto'
mais ih- A") anuos de servico, deu-se-llic urna gratiflcacSo
na raso da inetade do mesmo ordenado, conforme dis-
pe o S, 3."; a vista do que entende a coinmissao que na
lei do orcamento se deve alterar a quota designada para
a graiicaen do peticionario, inarcando-se-lhe aquella
a que elle justamente tem drelto.
Sala das commisses, 16 de marco de 1847. Per-
reira Hrrelo. II. Q. da Rocha.
A coinmissao de commcrcio c obras publicas a qiiem
foi submeltida a petico de D. Izabel Maria da Costa Ra-
mos,pedindo o pagamento daquantia de 5:546/000 rs.,
importancia despendida por seu fallecido marido, Jos
Ramos de Olivcira, com a construeco do caes e rampa
da praia doCollegin, junto propriedade do casal da
peticionaria, obra para a qual o fallecido Jos Ramos
de Olivcira fra competentemente autorisado pelo presi-
dente da provincia, examinando com a devida alteiico
todos os documentos apresentados, be de parecer que a
peticionaria est no caso de receber da thesouraria pro-
vincial a i olcrida quaniia de 5:546/000 rs. que se Ihe de
ve : e que portanto se consigne na lei do orea ment que
se lem de conUrerinnar, quota para esse pagamento.
Sala das commisses, 15 de marro de 1847. Yitlelm
Tavares. Corra de Mello, o
' A coinmissao de negocios ecclesiasticos, a quem foi
presente ocomproinisso da irmandade de N. S. da Con-
ceico, erecta na igreja matriz do Bonito, he de parecer
que, antes que esta assembla delibere acerca da appro-
vacao do mesmo compromisso, srja elle reuiettidn ao
Exm. prelado diocesano para approva-lo na parte reli-
giosa, ou indicar as alteracrs que julgar neccssarlas a
bem do culto publico cdisciplinada igreja.
Paco da assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 15 de marco de 1847. Dr. Faria. Ferreira Bar-
rito a
A coinmissao de negocios ecclesiasticos, a quem foi
Kresente o compromisso da irmandade de N. S. do Bom-
espacbo, da povoaco da Alaga-Secca da freguezia de
Nazarcth, he de parecer que, antes que esta assembla
delibere acerca da approvacao do mesmo compromisso,
seja elle remcltido ao Exm. prelado diocesano para ap-
prova-lo na parte religiosa, ou indicar as alteracrs que
julgar uceessarias a bem do culto publico c disciplina
da igreja.
i Paco da assembla legislativa provincial de Pernani-
buco, 15 de marco de 1847. Dr. Faria. Ferreira
Harrelo.
Em seguida saolidos e approvados osseguintcs pare-
ceres :
A coinmissao de commcrcio e obras publicas, tendo
escrupulosamente examinado os documentos que acom-
panhaui o requeriinento do cidado Jos Candido de
Barros, arrematante do lanco da estrada que vai do Pombal para o Varadnuro, e em que pede o
pagamento du material que tem gasto na mesilla estra-
da, e a isenco da multa, cm que incorreu segundo o ar-
tigo 23 du regulanienio das arremalaces, he de parecer
se Ihe detira favoravclinenle, visto que pela negaco do
governo ao pagamento dos proprietarios .do terreno,
donde o arrematante tlrou o barro para a estrada; suc-
cedeu que estes se oppozessem a que se tirasse mais
barro, e impossibllitassem desta forma a continuaco da
obra, (como cm seu requeriinento pondcroii o peticio-
nario ao governo) do que se segu que bao fui por cul-
pa sua que a obra nao continuou, e por 3so nao e Ihe
deve impr a multa : e tendo a lei n. 9, de 10 de junho
de 1835, nos artigos 13, 14 e 15, marcado a forma das In-
deuinisaccsque deveiu ler os proprietarios dos terre-
nos, donde se tirar barro para as estradas, he mais de
pairen- a couuiiisso que na lei do orcamento provin-
cial se marque um quantitalivo para essa iideinui-
saco. "
Saladas commisses, 16 de marco de 1847. i. J.
da Costa. Correa de Mello. Viltela lavares.
" A coinmissao d com'mrrcio obras publicas pres-
in a devida attenco ao requrrimrnlo que fazem a esta,
assembla os moradores du lugar dos Corllius, pedindo
a construeco de urna ponte de uiadeira que conimuni-
3uc os t oelbos com a ra Imperial do Atcrru-dns-Afuga-
os, e nao podendo formar juizo sobre a materia, quer
a ponte srja frita por compaubia, qur |ior conla di
provincia, scui previo exame da localidade e orramcnio
da obra, que nao julga de pouca mon'la, he de parecer
que, pelos canaes competentes, se peeaiii infurmaces
sobre essa localidade, e orcamento da obra.
Sala das commisses, 15 de marco de i847. Ullela
Tavares. J. J. da Costa. Correa de Mello.
He julgado objecto de deliberarlo e mandado impri-
mir o seguinte projeeto:
. A assembla legislativa provincial de Pernanibuco
decreta:
Artigo 1.* Todo o terreno que anteriormente pu-
blicarn da lei n 85, de 4 de malo de 1840, pcrlen-
cia freguezia de Ipojuca, faicndo parte do municipio
de Srrinliein, cqiii a dcnoinlnaco de Jracrn de Ipoju-
ca, prrtrncr uiesina freguezia de Ipojuca, e ao munici-
pio do Cabo i tirando assim Interpretado o artigo 2.' da
lei h. 152, de 30 de marco de 1846.
Art. 2.* Flcaui revogadas todaa a leis e disposiefies
em contrario.
Papo da assembla legislativa provincial dePernam-
buco, 15 de marco de 1847. Joaqun filela. ..
(Con(nuar-je-ha).
TRIBUNAL DA RELACAO.
JULGAKSKTC KO DIA itt DE MARGO DE 1847.
Desemhargador de semana o Sr. Dallos.
Na apprllaco crime em que fSo partes a justica eo
reo Jos Nasario Frazao, rrfonnarain a sentenpa porque
as reo fra imposta a pena de morir, c condeinnaram-no
a gales perpetuas.
Na dita civel entre Tolentinp Bastos Negro-Monte c ou-
tros, c D. Maria Marroqulna de Jess Nazareno, man-
daram averbar dizlmn.
Na dita dita entre JosJoaqnim da Trlndade e sua mu-
Iher, e Pedro de Moraes Magalhes e oulros, inandaraiu
euniprir o accordam de que se appellou.
Na dita dita entre Jos Carasans da Silva Fragoso e""
Angelo Custodio Fragszs, ar.daram dar vista is
partes.
Na dita dita entre rsula Maria das Virgens e oulros
e Antonio Jos Bento da Silva, tambem maudaram dar
visla s partes.
Na dita dita entre Izabel Goncalres de Hungra e Jos
Romo Gonealves Muniz c outros, foi reformada a sen-
tenca, julgando-se nullo o testamento com que que fal-
lecer Francisco Gonealves Rodrigues.
Na dita crime em quesSo partes o juizo e Jos Quinli-
liano da Silva eoutros, maudaram dar vista-espartes.
DIARIO DE PERSAHIiUCO.
AECIFE, 16 SE MARCO DE 18<7.
A ordem do dia da sesso que ainanha ha de ter lu-
gar na assembla, he : continuaco da de hoje, tri-
tura de projeclos e pareceres, c priinclra discusp.ao dos
projrrtos ns. 7, 8, 9 e 10 deste anno.
Destes projeclos, o 1." concede, para acollocaco da
primelra pedia do grande hospital de caridade, aquan-
tla de 4:000/000 de res, deduzida das sobras que ps-
tala haver nos .irligos de despeza ; o 2. declara que
Francisco de Paula Pereira de Andrade, professor da ca-
deira de primeiras leltras de Nazareth, tem direiio a ser
jubilado com metadedo ordenado ; o 3.a determina que
tiquea pertrncendd ao municipio e comarca de Santo-
Anto os terrenos dos engenhos Jaboato, lussra, I.a-
rangeira, Seva, turnas,Contra-Acude, Pimrntele Pimeii-
ta, da mesma forma por que sao possuidos ; e o 4.* reco-
plete no professor de primeiras leltras dr Cmara,
Joo I/.idro Gonealves da Cruz, o mesmo direito que o2."
reconhecra no de Nazareth.
Clirgam ao 1. de fevereiro ultimo as cartas que pelo
brigue Robim, nitrado 'hoje, rcmetteu-nos o nosso cor-
respondente de Lisboa.
Distas cartas publicamos de preferencia as de datas
mais modernas, por seren as que conteem noticias de
maior iuleresse.
As frcas da rainha vao obtendo victorias sobre victo-
rias : Santarem, Thomar, branles, Castello-Branco,
l.eiria, Figueia, Cosrnbi a, Lamego e Viseu j reconlic-
ceram o governo de Lisboa.
A junta do Porto tem-se desacreditado por certos ac-
tos, nao multo dreorosos, e que vo de encontr aos sen-
timentos eminentemente liberacs de que Se proclama
animada; entre esses actos sobrrsahem : o mo traia-
inento que d aos presos polticos; as perseguicei
reiteradas aos que professain um credo opposto aosru ,
o arrombamento de um casa eommercial, onde snppu-
nliam honi iziado um dos agentes da caixa filial do banco
de Lisboa, de quem pretenda obter dinheiro, c a ex-
torsao que de 60 contos de iris, pouc mais ou menos,
fez ao banco c ommercial da mesma cidade, onde se aeha
constituida, e a cujos habitantes devla dar nielhores
provas do iuleresse que diz lomar pela suaseguranca
individual e de propriedade.
A 20 legoas drssa cidade achava-se o general Salda-
nha, para cujo exercito desertavam mullos dos soldados
dos revoltosos, c que prrparava-se para assaltar aquella
praca de maneira a obriga-la a rrndrr-sr n dlscrico.
O nosso referido correspondente oceupa-se limito da
junreo dos selcmbrislas e miguelistas, de que trata-
vamos artigos do Andona/,que transcrevemos em o nos-
so n. 50; e informa-nos de que ella j se acha operada
em parte: mas noticia ao mesmo lempo nao pequeas
derrotas dos partidarios do principe proscripto, ea mor-
te de um dos mais preeminentes drssrs partidarios,
o brigadeiro Guedes.
Tudo concorre para supprmos qne a rainha Ic-
v.ai de vencida os que, leudo alvorado a bandrira da
revolla so'b o pretexto de livra-la da coaeco emque a
conservaram, ja fallam de urna nova dynastia, j nios-
tram desejos dc-subjrllarem-s ao governo de D. Mi-
guel, se elle se resolver adoptar urna consliluicSo.
Isto, porm, uo obstante, conlinavain a ser perse-
guidos todos os que eram suspeltados de adhcrlreiu
ao moviniento revoluciouario ; os empregados pbli-
cos ainda eram obrgados a allslar-se as blriras go-
vemlstas sob pena de perderem o direito aos respecti-
vos ordenados ; tinham ido subtrahldas ao julgameiito
dos jurados c submetlidas ao dos Juiscs as causas civcis
e criiues; as noksB d banro conservavam o agio de
1/600 ris ; mandlRa-sc proceder rigorosauente contra
os logl sias que no rrcebrsseni essas.noias pelo seu va-
lor nominal, e davam-se inultas deinisses.
Haviam sido devidamenle galardoados os bravos que
se distinguirn! na accao de Torres-Vedras, os que se
esforcaram para queTiessrs lugorrs fosse debcllada a
revolta na poca cm que mais altiva se osteniava.
Rara he a rcvoliiro que, ao terminar, nao deixa mo-
livns para que a huinanidadc lamente a perda de um
de seus importantes'mrnihros : a que ora em Portugal
se oprrou, c elijo ocraso mu prximo rnxergainos, oc-
casinnou a morte do Sr. Luis da Silva Mousluno de A -
buquerque, mathcinolhico insigne, habillssiino chimi-
co, e uo vulgar eatadlsla, que, lindo sido ferido na ac-
cao a que cima nos reportamos, expiriHisete das depois
do fcrmenlo, deixando no catalogo dos Porlugurzes
distlnctos uina lacuua que nan ser fcilmente suppnda.
OSr. Mousinho oceupra em poca n3o multo remla o
cargo de ministro do reino, c inorrcu sendo estremoso
setembrista.

Das aotieiM de Uespanha conteidas as prrritadas
cartas, mais que loda avullam : a da victoria que nos
elcices obteve o partido conservado i; a de ter o lado
opposto conseguido fazer rlegcr alguns dos seu inals
denudados clirfes, bem como Olozaga, esse que lora
acensado de pretender Corear a rainha a assignar ni
decreto; e a da probabilidade da dlssolucSo do gabi-
nete.
Alfivitiga.
RENDIMENTO DO DIA 16.......
5:481/846
Consulado.
ttENDMENTO DO DIA 16.
Ocal.............................5:068/921
ProvI'ucUI.................../......,:?%r^n
Diversas provincias................... ll^WO
7:162/078 I


^
*p
W!
,3
llov ment do Porto.
Navio mirado no dia 16.
dina 39 di",' b,ieue portuguez Robim, de 130 tonc-
1 las' capito Antotlio Jos dos Santos Lapa, equlpa-
n 2 carga vlnho c mais gneros do palz ; a Th-
Er" ..'^quiuo Fonseca. Passageiros, JoSo Venancio
adiado da.Paz, Fllippe Carlos Sima dos Santos.
N fiavio ahido o meimn din.
Trieste galera austraca -Fidtie capltao Bartolo Ga-
vu6ni,c,rMsucarb6iroflfa(5
Edilaes.
Miantl Archanjo Mmleiro de Andrade, official da imptral
ardemdaRoia.cavalltirUiadeChrielo litupiclor ia al-
(andera de Pernambuco, porS. M.o Imperador qurDeo
Ku saber que, no da 17(hoJe) do corrente. na por U
da mesnia, ao meio-dia, se ho de arrematar em hasta
publica tres commodas de Jacaranda, no valor de 75/000
is impugnada pelo guarda Antonio Francisco Dia,
['despacho por factura de Jos Antonio de Carvalho :
sendo a arrematacao subjeiu ao? direitos.
Alfandega, 6de marcode 1S47.
Miguel Arekatijo Monteiro de Andrade.
Miguel Archanjo, tic.
Fas saber que; no da 20 do crreme, e hade arre-
matar em hasta publica i porta da snesma, ao inelo-dla,
por conta desta repartlcno 10 arrobas e 8 libra de *inco
10 valor de 32JDO0rs.: sendo dita an
direitos.
i arrematado llvre de
All'.ndcga, 16 de marco de 1847.
Miguel Archanjo Monteiro de Andradi.
Deciaraqs.
-- O arsenal dr guerra compra calxns com follias de
llanilres, cobre velbo, pranches de amarcllo.taboas de
costados de amarello c ditas de assoalho de dito, ditas
de assoalho de louro, ditas de pinito americano, resmas
de papel cartnchlnho, meios de sola e azeite de pehte :
posta em carta fechada directora do mesmo arsenal
at o dia 20 do corrente mez.
Arsenal de guerra, 16 de marco de 1847.
Jpio Ricardo da Silva.
Amanuense.
v- O arsenal de guerra compra 145 raras de brlia ;
40 esleir de perpirl; 40 mants de algodo ; 38 pares
de sapatos : quem tac genero quier fornecer manda-
r sua proposta em carta fechada e as amostras a direc-
tora do mesmo arsenal, at odia 17 (hoje) do corrente
mez.
Arsenal de guerra 13 de marco de 1847.
Jallo Ricardo da Silva,
Amaonensc.
Avisos martimos.
~ Para o Para sahe cotn brevidade a sumaca S,-Ba-
bina: quem nella quizer carregar dlrlja-se a ra do
Quelmado, n-lli, ou a bordo.
= Para o Rio-Grande-do-Sul sahlr breve o brigue
Piralinim, por ler o seu carregameiito prompto ; rece-
be escravos e passageiros : quem pretender pode e-ntcn-
der-se com Aiuoriin limaos, ra da Cadela, n. 45.
I,ei!ad.
- Kalkmanhck Rosenmund, em con-
snquenciada prxima retirada para a Eu-
ropa do sen chefe, o Sr. Kalkmann, teem
deelTeduar primeiramente a venda, sem
limites, de muitas f.iztmdas, para ultima-
rito de certas conta.; e por isto faro lei-
lao, por inlervencau do coretor Qliveira,
hoje, 17 do corrente, s i o horas da ma-
nhaa em ponto, no seu armazem, ra da
Cruz.
Quinla-feira, 18do corrente, ha leilo judicial pe
rameo Sl. Dr. juizdc niphos.dcpois daaudienoia drsle.
das lazendas que Acaram da loja do fallecido Lulz Jos
de So.iza, na 1 u. io Quelmado, n. 10: os pretendentes
dirijam-seo lugar indicado.
,1'vfsos diversos
LOTERA
DAMATMIZ
OACIDAEDA VI TORIA.
Pela ultima.vcz aiinuiicia o thessoiirciro desta lotera
que as respectiva, todas andarao imnreicriveliuente
Mil
niiiiei o
mes-
lodas andaruo iniD/e
fia 15d abril prximo futuro sejaiptal for
de bilhetes que fique por vender ; .-segurando o
1110 thcsoureiio, que as referidas rodas nao Uveram hon-
teui andamento por rsislirem anda bilhetes que moii-
laiiia?:500j' de rs. ; os quaes continuaina estar a venda
nos lugares do cosluuic.
-Prcisa-se d un pequeo portugus de ra an-
uos pouco niaisou menos, que queira ir ser caixeiro
em nina loja de fazendas fra da prach : na ra da ca-
dciaido Recife loja de niiudesas n. 9.
Aluga-se nina ecxelleute casa de 3 armares
un ptimo armazem tita na ra do Vlgario n,
tratar na ra do ( respo, loja 11. 16.
l'recisa-se de um amassador que seja bom ; pga-
te bou, ordenado : no pateo da S.-Cruz n.o.
__Pelo julzo da segunda vara esenvao Cunda se
ha de arrematar a inobilla e escravos constantes do
eseripto em miio do porteiro prnliorados a Joao 1110-
maz Pereira :*pje (17), he primeira praca, a segunda ,
ein20e ater O abati assignado em trrico do arsenal ue
iiiarinha tendo de se retirar para tratar de sua saude ,
avisa as miaoai que lile U-iiliam vendido aleuns gene-
ros para aquella repartico que por causa de esqueci-
menlo nao leein sidii pagos que no prazo de da
scn falla comparecain para serem pagos :
inmundo.
Ber-
UMiXIxBi de Souf Honieiro.
Hiccisa-se de uiiiraixeiioijuetcnha prntieado ne-
na ra Nova (oja de ferragens 11. 25 e dna
, COlll
n. 18: a
Altencao! %, |
^ Ninguem contrate com Antonio Cl
j Manoel Pereira Vianna, marido da, $
jjj abaixo assignada, sobre as. herancas 90
i deixadas por lallecimento deSgcus 58
58 pais, Femando Jos Pereira em- 5
ria do Besgte, moradores que foS j
5 ramnavili^de Vianna, do reino dcW
Portugal, visto que, consistjndodi-^
tas herancas em bens de raz, nao *
podem ser allicnadas sem autorga S
j da mesma abaixo assignadu. Reci- w
I fe, 16 deoarcodei847. 9
Florencia Pereira da Cunha. ja
Sr '
O Sr. Francisco Honorato da Rocha offlelal de
tanuciro venha pagar o aluguel, e entregar as chaves
da loja onde teve tenda na ra das Cruxes: e como se
ignora a sua inorada, se fas o presente aviso.
-- Asna-se justa e contratada a compra da caa da
ra da Conceijao da Boa-Vista n. 45 : quem se julgar
com direito a mesma annuncie no prazo d qualro
das.
Arrrnda-se um sitio no llarbalbo com sulllcinte
casa .estribarla para dous arados alguinas arvores
que daofructo, ptimas trras de multa producco e
3ue he multo peno do rio : a tratar na ra do Quelina-
o loja 11. 38.
Precisa-se de ma ama de leite,
forra ou captiva : na ra do Queimado,
loja n. 6.
Precla-se de uma ama de lelte : na ra do Hopiclo,
n. 4.
Compras.
me
desta data
e nara.nue uo baja duvida fa o presente annun
___flrcifr de Pernambnco, ib de marco de 1847.--
gocio ;
iiuein precisa.
^Tabaiso assignado ,
tendo" convocado seu ere-
dore para o dia 15 lo coi reulc e como nao appareces-
m-m lodos torna a eonvoca-lo para o dia 17 do mes-
Mo ai 4 bora da laixle na ra Nova, n 06 para o
ditofltnjannuiiciado. Domingo da Silva terreira,
__w0 di* r3 do corrente furtaram do sitio da estraila
do Pombal un. pou.o de roupa. >o *l camisas de
homem. 10 de n.nllief 6 trave.telros de^b^ados, 6
leiiosintelros dous dito. Pjrt*. ~" *J2?
iitiin 2 vestidos pequeos 2 toalbas tamban peque
a 3ditas coi" babadas 2ceroula. 1 lenco! peque
no, 'i lr. branca, 3 ditas de brim ; ., n orp*rtr
desta roupa est marcada com a. lettras J. J. L...pede so
a quem descobrir ou que der noticia participe no
mesmo sitio, que ser recompensado.
Antonia Mara de Barro, subdita brasileira, reti-
ra-se para fra do imperio levando em sua companhia
dous filhos de menor Idadc.
Altencao
Vetem-se anjo ricamente armados do melhor gosto
possivel, por preco inulto commodo: na ra do Ca-
bug n. 9 primeiro andar.
Precisa-sc alugar uma preta captiva para andar
coin meninos : na ma da Madre-de-Deo, n. 3, escrlp-
torio de Jobnston Pater le C.
Aluga-se o segundo andar com grande sotan do
sobrado atrs da tnatris da Boa-Vista, n. 44 : a tratar
no primeiro andar do mesmo sobrado Na mesma cata
precisa-se alugar um preto que seja fiel e diligente,
tanto para casa como para ra.
Preclsa-sc de urna mulher para colindar e tratar
de doente e que tenha alguin conhecimentodo mesmo
trato isto he|de portas para dentro na ra da Sen-
zalla-Velha, n. 50, primeiro andar.
-- Jos Ribeiro Barbosa embarca para o Hio-de-Janel-
ro, levando em sua companhia uma sua escrava parda,
de iiome Paula.
JoSo Concalves Lucas Lisbaa embarca para o Rio-
dc-Janeiro o seu escravo crioulo, de nome Benedicto.
-- Quem precisar de uinaiiiulher para casa de pouca
familia, dlrlja-se no Mnnfjtto, n. 70.
Furttram do sitio, onde mora S. P.
Jobnston, na Pbnte de-Ucba, de lepa-
ra i5 do corrente, um vaso para flores,
do feitio de urna cornucopia, azul, com o
p dourado, assente em pedra branca: ro-
ga-se a quem dito vaso seja olferecido, de
0 levar ra da Senzalla-Nova n. 4 2,
ondereceber de gratificacaoa quantiade
to'ooo rs. A mesma se offerece a quem
descobrir o autor ou cumplice do referido
roubo.
Antonio Jos dos Santos Braga, mo
radorna ruado Crespo, n. 21, faz saber
que.cni virlude da retirada de seu sogro
Jos Mara da Costa e Paiva para a pro-
vincia do Uio-Grande-do-Sul, tratar de
sua sade, se a cha autorisado para rece-
berqualquer quantia de que ao mesmo sc-
nborse'u sogro st'jain devedores.
- Pede-se ao Sr. Kstevo Cavalcanli,
queira levantar a suspensao do juizo do
publico sobre a correspondencia do Sr.
Manoel Florentino.
-" O concelho administritivo
da sociedade Phih-Terimchon
convida a todos os seidiores so-,
cios para assembla geral (lioje)
17, s 7 horas da noite.
= Offerece-se, para o servico interno de qualquer ca-
sa capas urna mulher que cose engomma, colinda ,
lava e d fiador a sua conducta : quem de seu presumo
se quizer utilisar dlrlja-se a ra do Rangel, n. 1 que
se dir onde ella se acha.
Na ra Direita n. 2, segundo andar aluga-se
um preto proprlo para ludo o servi{0.
Ras-mundo Pinto de Abreu, vendo no JJnrio de
l'ernambuco n.60 o annuneio de que pelo Juizo de or-
phaos desta cidade ir a praca, no dia 22 do corrente,
una casa terrea sita na ra do Rangel, n. 49 c parte
de um armazem no fundo da mesma casa, que delta
para a ra da Praia, anticipa-se em scientificar ao publi-
co que tetn direito a servir-se de lodo este arinazeiu
ateo anuo de 1849, visto que, por contrato celebrado
com o finado Antonio Joaquim Crrela de Brito e sua
muU'er contina o inesino armazem com a condicaode
se utilisar delle por Canno. Para que ninguem se il-
luda, faz-so o presente annuneio.
--No Alerro-da-Hoa-Vista, n. I, primeiro andat ,
prccisa-e de um preto cozinheiro. oudeum tnolequc la-
dino pagando-se mensalincnte.
___Precisa-se de umhoineni que tenha algtima fie-
euezia para entregar pao: quem cstiver tiestas cireums-
tancias dirija-sc arua dos Guararapes, padaria n..4.
Ouem annunci..u querer comprar urna venda com
os fundos dcGWa 800/rs., dirlja-sc a ra da Unco-
P= D-snedinhel.o a premio sobre penhore- de OUM e
prata hypotheca em casas terreas ou boas hrmas
na ruaesleita do Rozarlo n. 30, segundo andar
.- Quem annuuciou querer trocar um oratorio din-
ja-c a ra Augusta venda por baixo do abdnn. I.
1 Precisa-se de cen mil rs. a juros ando-sc por
seguranca urna escrava : no armazem de taboado de pi-
nito defronle de S.-Francisco, u. 3. p,ri.
Aluga-se u.nacasa ierre, na ruado Padrc-Florian-
uo n. 41 ; a tratar na ra das Crines, n. 11.
- Aluga-se urna boa morada de casa terrea coin.So-
tao e mirante na frente e no fundo con. BtlWbM
couii.iodos, com grande quintal murado e ca ciiba. na
ruada Palma, n. 15, por nreco commodo. a tratar na
rua Ir.raa do Rosario n. 44. ____
Adverte-se ao publico que Antonio Ooiningues
Pinto nao pode vender a serrarla do Monteiro porque
est ella embargada e dada a deposito por csccucao de
Manoel Pacheco de Quciroga : e quem a comprar sera
porque he alent e dVja ter questoe, c nao porque
ignora o litigio que ha sobre a dita errarla; o que de
assaz notorio. ... ,,
O Sr. lente Thomaz Albano fe-
reii a e Silva queira apparecer na rua da
Trincbeiras, sobrado n. 5o, para tratar de
obieclo que Ihe diz respeito.
Sebastlo Jos Crrela Portuguez, reiira-se para
fra do imperio.
Coinpram-se, para una encommenda, escravos de
ambos os sexos, de 1? a 30 anuos: na rua larga do Ro-
tarlo venda da esquina n. 39.
i oinpi'.i-sc urna poican de garrafas tvasias j ser-
vidas, a 40 rs. : na praca da Independencia, lojau. 3
Ccmpram-se esenvos mo-
gos sem vicios nem achaques, com
officios de pedreiro e carpina;
tambern sem habilidades, com i du-
de de 1 a 18 anuos. Na rua Di-
reito, sobrado, n. 29.
Compra-se um iellim de mola usado nao es-
tando roto : na rua da Cruz, n. 43.
C'ompram-se 1,000 a 2,000 tclhas usadas em bom es-
tado, e 3,000 a 4,000 lijlos de tapamento, tambern usa-
dos: na rua da Senialla-.Nova, n. 7.
Coinpram-se dous quartos quecstejam capaies de
fazer qualquerviagem: quem tiver, queira leva-Ios a rua
do Trapiche-Novo, casa n. 8, de Ilenry Forster t C.
Compram-se, para uma encomiiicnda,escra-os com
habilidades u mesmo sem ellas tendo boas figuras;
assim comomoleques ate-20 anuos: na rua Nora, loja de
ferragens, n. 16.
Compram-se moedasd'ouro de 6/40Q: na rua Direi-
ta, sobrado n. 29.
Anda se rontina a comprar cobras de viado
vivas para remedio : na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Vendas.
Cbeguem, freguezes, a comprar o
que reluz : velas de carnauba, que do
boa luz, por preco mu i commodo, de 9
em libra, G, 8 e 7. Tendem-seqa rua
do Mundo-Novo, n. 17.
=Vende-sc urna eterava de elegante figura, de 18 an-
uos, sem o menor vicio, com boas habilidades; urna dita
boa cozinhclra, de nacao, de idadede20annos, por 420#
rs.; umadila, a quem se pode eiiircgar todo o.-uranio
de urna casa, de idade de 24 anuos, por 4601.;uma dita
boa qultaudeira e lavadelra.deldadede29aiinos.por 240/
rs.; urna dita propria para engenho, por WfUUU rs.;
duas pardas com habilidades.de ptima conducta.de ida-
de de 20 e 23 annos, por 840/ rs.; dous lindos molequcs
de l4a 15aniros;uiu escravo proprlo para engenho, c que
tradalha mui bem de pedreiro ; um mulecote de nacao,
de idadede 18 aoiios.por430/rs. uiu pardo que serve bem
a una casa, por 400/000 rs.; um escravo da Costa de 2S
annos, por 350/000 rs.: na^rua das Agoas-Verdes, n. 4b.
=vide-se uma escrava de bonita figura, propria pa-
ra vender na rua, e quehe diligente para o servico de ca-
sa : no pateo do Carino, ti. 7.
- Vndese milito boa sarja pre-
ta hespanhla; selim preto macan,
superior,- dito mais ordinario; los
prelos de linho, muito bous e de
differentes tamanhos; luvas pe-
las de seda, compt idas e curtas ;
meias de seda preta, de difFeren-
tes (jualidades; bnrzeguins para
senhoras; sapatos de lustro, cor-
dovo e marroquins, para ditas;
ricas mantas de seda escocezas ;
ditas desetim; chales de seda de
dieienles qualidades; sedas pa-
ra vestidos, de todas as qualid-
das; cambrai i de listas para ves-
tidos; chapeos de sol de furla-c
res, para h niem e senhora; eou-
tras muitas fazendas por precos
mais commodos que em qualquer
parle : na esquina do Cabug, jun-
to a botica do Sr. Joo Moreira
Marques.
Diccionario portuguez, de Cons-
tancio, teiceira edigo,
de boa dnpressao em excedente papel c com solida en-
cadernaSo : vendem-se na livraria da esquina do col-
P_ Vendem-se 3 lindos moleques de 14 a 16 auno ;
iim dito de 7 auno ; um pardo de 18 annos, ptimo para
nagem e que lie bstanle diligente para oulro qual-
Na na Nova, o. 8, loja A-
maral,
vendem-se arja prcU bespanhola; ricoa veo preto;
mantas chales de seda, todas pretas e lavradas. para
vestidos, chapeos pretos francezes, para homem; Durzr-
guins c sapatos de lustro para senhora; nielas de i*",
pretas e brancas, para ditas; e oulra multas laienitas
de gosto : tildo ehegado pelo ultimo navio francs. Aa-
verte-sc ao compradores que tildo se vender por pre-
cos muito conimodiK. .
Oh que pechinchas lem o anligo
barateiro para as senhoras
do bom tom!
Oh que riqusimas e mimosas fitas tein o ant'K0 D*_
rateiro na sua nova loja deuiiudezas da rua do Collcflo,
n 9, enejadas ltimamente da corte do Rio-de-Jaeiro,
pelo ultimo vapor, as quaes sao da ultima inotU que
te.n apparecido nos ltimosdivrrtlnientos e bailes, que
sao as seguintes: fitas da cinto, para senhora. com
franjas de todas as qualidades da largura do dedo e
mel c de dous dedos ; litas de guarnicao de todas as
cores e da largura de dous a tres dedos com franja s
de u.n lado proprias para enfeltes eguarniere de ves-
tidos ; rquissiiuos educiros para meninos de todas as
cores e coin frajija as ponas de todas as larguras ;
brincos atartarugados, proprios para a Quaresma ; ricas
tiavrssas de tartaruga a 960 rs, o par do ulrno gos-
to ; leques de seda de todas as cores ; bicos pretos de
todas as larguras ; e outros inultos objectos, proprios da
moda.
r Vendc-se tuna preta de nac,o, que lava de var-
rella e tem principios de engomuiado com utn cria de
anno c nielo : na rua do Pilar n. 83.
Vendem-se 5 escravos, sendo 4 pretas de inuilo
boas figuras e mocas. que coscm soll'rlvelmcnte co-
tinham e lavain roupa una das quaes tem nina cria de
8|mezes, muito galante; um pardo d 18 annos de
muito linda figura, c proprio parapagem, ou outro
qualquer servico : na rua da Cadeia de S.-Antonio ,
n 25.
Vendem-se, ou alugam-se duas canoas de carretra,
bem construidas de amarello ; tambern se vende ou
troca-se por outro mais pequeo um oratorio ou sanc-
tuario'de mogno polido obra multo bem feita e de
muito bom gosto feita no Pona : em Fra-de-Portas ,
rua do Pilar, n. l45.
Vciuie-se uma casa terrea sita noareial dasunco-
Pontas, n. 35, com os commodos seguintes : sala ad-
ame c atrs, 2 quartos, cozinha fra, cacimba iudepen-
dente. quintal murado, a qual fas esquina com o becco
do luesino nome cima : na rua de llortas, n. 142, se-
gundo andar.
Vende se. por 500000 rs.,
um piano horizontal, inglez,em meio uso,
e com muito boasvozes : na rua do Cres-
po, loja n. 12, a fullar com Jos Joaquim
da Silva Maya.
Vendem-se pesos mexicanos c pe9as de ouro de seis
mil c quatroceiitos, faltando o seu competente peso:
em casa de James Ryder & C, na rua da Cadcia do Kcctte,
n. 46.
,uers'ervic'o7um iimlaiinhode fl annos pronrio para
nr.lder nuilquer oflicio ; 3 pretas de 20 24 anuos,
cSmdabidcad?., tendo .... leda, bou, leite c urna
rrii do um anno uma preta de idade por20jV... na
%ado Collegio, ... 3,'segundo andar, se dir quem
TeldVendem-c os mais modernos corles dec.ssa-chilas,
por preco commodo ; na rua do Crespo, n. 16, segunda
i0iX Vendem-se cinco escravas de 18 a 25 annos, todas
com ashabilid.dcs queso precisa* para uma casa de ra-
milla, uma das quaes he boa coslureira c cngoinmadci-
ra, e vendc-se para fra da provincia ; un lindo mo-
lenuede lO a 1-2 .unios; um ululato de 18 a20 annos, de
elegante figura; um moleque de 18 a 20 annos, bem ro-
busto : no pateo da matriz de Santo-Antonio, sobrado
a 4.
No Aterro-da-Boa-Visla, loja no-
va n 24, vende-se
superior sarja preta hespanhla a 2/100, 2/800 c 3/rs.
o covado; superior casimira preta a 3/200 rs. o cerra-
do ; pannos pretos; merinas ; alpacas por rnuilo bara-
to preco ; casimira escarale para fazer capas do SS.
Sacramento ; lencos de seda de ci'ii es paia grvalas a
2/ rs.; ditos pretos, a !/, 2/, 4/ eO/rs. de gorgurao;
ditos brancos de cmbrala com bico e sem elle para
mao do senhora ; cambraias lisas muito finas para ta-
zer lencos para cabeca de senhora e outras duenda*
baratas, como srjam : chitas pretas com dslras azues ,
160 rs. ; ditas iiretas achainalotndas fingindo seda la-
vrada a 200 rs. o covado; ditas de cores escuras a 11.
160 200e240 rs. ; inursulliins de cores a 240 ..co-
vado; esta fazenda lie muito bonita, pois lingc seda) as-
sim como meias pelas linas, para senhora e para pa-
dres a 240. o par.
Vende-se cera de carnauba de superior qiialidade,
em porcao e a rctalho por preco commodo : na rua do
Rangel n. 1. .
Vcnde-seceracni velas do Rlo.dc- Janeiro, de su-
perior qualidadc poi-prcco commodo: naruadoRau-
'- Vende-sc ou troca-se um cavado grande pe-
drrz milito bom esquipador por um pequeo, preto
ou castanho, que, sendo tainheni bom uao se duvida
vollar at.' 100/000 rs. : na rua dos Quartcls ns B e 11 ,
.1,->;;tu- de Joo Dubois.
*^&
&'*&!.-
Venilem-sc los de liho pretos bordados
de seda, muito superiores ; sarja de seda
hespanhla legitima ; alpaca preta multo
lustrosa e fina ; ricos cortes de eollete de
setlm preto adamascado; merinpreto inul-
to fino ; casimira franccia elstica e sem
pello; dita inglcza muito superior ; cortes
de caifa de ineia casimira a S^'iOO ;; panno
preto e de cres.dc todas as qualidades, as-
sim como mu completo sorlimento de fa-
tendas: tudo por preco mais em contado
que em outra qualquer parte : na nova lo-
ja de Jos* Moreira Lopes St C, na rua do
Queimado, na casa amarella, n. 29.
Vendem-se cento e quarenta pal-
mos de terreno, em Santo-Amaro, na tra-
vessa do Lima para o Veigas, todo mura-
do, com assenlosem respaldos para um so-
brado, com 3o palmos de frente e 100 de
fundo na esquina do mesmo terreno, com
algumas madeiras, como travs, portas,
caixilhos, &c, a dinheiroou a praio :
a tratar na rua Nova, a. 3, com Antonio
Kerreira Lima.
-- Vendem-se ca deiras de
pinho, a polka para assento
de norias de lejas; um novo
sorlimento de taimas re pinho, do costado e costa-
dinho assoalho e forro para casas e Umbem para
fundos do barricas ; taboas americanas do todos os
com primemos, e at de 3 palmos de largura: atrsdo
thealro, armaiem do Joaquim Lopes do Almeiila,
caixeiro doSr. Joilo Malltcus.
Vcnde-se selim preto, de Macan,
de boa qualidadc, muito proprio para ves-
tidos de senhora e colletes, pelo muito
barato preco de dous mil ris cada cova-
do : na rua do Crespo, Q, 8, loja de
[Campos & Mayas




M
Na lo ja novan. 4, do baratei
ro, ao p do arco de S.-
Antonio, vende-se :
Primor e bom gosto para vestido o covado a
320
5/000
1/00O
1/000
Mantas de cambraia aviadas de seda, a
Hijeados fraiicer.es, o covado a.....
I)itoiargos, a...........
I.uvas protas de aeda, cojii dedos, a .
Cortes de fusta o de la e seda para collcte, a
i)itos de seda e de setim lavrado a franceza ,
gosto asseiado a..........7/000
Chales de loa e seda gosto rico, a 6/400 e 7/000
Gambrldes para caifas flngindo casimira lls-
trad, o corle a...........1/280
Casimira preta superfina, o covado a .... 3/000
Chales de seda de vicos lavrores, de 15/a 25/000
Jlao-se amostras sobre peohores.
TREM DE COZINHA.
Panellas, chaleiras cacerolas e fregideiras de ferro ,
forradas de louca. Oasseioc durarlo dcste trem de co-
zinha rale a pena de ser procurado na ra Nova loja
de ferragens n. 16.
= Veodeiri-se mnendas de ferro para engenlios de as
suenr, para vapor, agoa e beatas, de diversos tamaitos,
por pirco couimodo ; c igualmente taixas de ferro coade
e batid, de todos os[ tamaitos : na jira ya do Corpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. Calmont 4 Companhia, ou na
rinde Apollo, armazein, n. 6.
charutos.
cor de canella da fabrica de Augusto
os melhores que aqni teein apparecido
Charutos
Wettlebn
vendem-se na ra da Crut, *> Becife, n. 26, ou"52.
~ Vende-se, no primclro andar do sobrado n. 3 da ra
do Aterro-da-Boa-Vista, una arroba de prussiato de po-
tassa (t/anoferruro de jwlassium).
No
de-
A terro-da-Iioa-Yi.sla ,
fronte da calinita ,
a dinlieiro a vista, est o barateiro torrando por todo
dinheiro o segulnte : sapatos francezes, de marroquim
e deduraque de todas as cores, para seuhora, a 800 rs.
ditos de setim a I/OOrs. ; ditos para meninas ; botlus
de marroqun e sapatos de clchete para meninos por
todo o preco ; sapalocs inglezes para homeni ; ditos
franceses de lustro de urna c duas palas ; ditos de
entrada baixa ; ditos de marroquim e tapete para ho-
nieni; bonetes de palha, a 120 rs. ; pelles de couro de
lustro, miliio superior qualidade ; cortes de colletcs de
seda de diversas cores, por preco commodo.
O BARATEIRO.
Loja noran. 4, de Ricardo t Companhia ao p do arco
de .-Antonio, na ruado Crespo.
Kstc cstabelecimento abrio-se hontem c como esteja
surtido de fa/eudas todas novas rin gosto, qualidade_e
]iroprias desta praca oft'crccem-se a consideracao
dos freguezes os presos de alguinasdellas mais conhc-
cidns. Adverte-se que os piejos de todas as mais que
existem iiaravilbosamentc sortidas neste eslabeleci-
mento sao porque devem ser nisis cominodos do que em
outra qualquer parte em rasao de serrn compradas a
dinheiro novas e frrsqtiinhas com mJ.hu : leuc.os de
seda superiores a 1/440 rs. ; ditos limito linos da In-
dia, a 2/240 rs. ; brins de puro linho e de ricos padrdes,
a 1/000 rs. avara ; corles de collcte de fusto de ricos
lavrores a 1/000 rs brim branco de linho a 800 rs.
avara; dito rancez estampado tal c qual a casimira
franceza e do mais suprrior linho a 2/000 rs. a vara ;
crlrs de collelrs de srliiii lavrado de ricos padrrs ,
apjfOOrs. ; ditos de l."..i e seda a hfOOO rs. ; madapo-
lo, de 160 at 280 rs. a vara, boa fatenda, c em peca de
5/560 at 5/500 rs). superior fazenda ; cortes de cassa
flngindo chal1, que em goslo levnni vantagrm a todas as
sedas, poissao nina nial avilha de estampado e superior
cambraia a 5/000 rs. ; pannos finos de todas as cores ,
francezes e ingleses f e de lodos os prrfos novos e em
folha ; soi iimrnto de chitas novas c linas; de diales de
la c seda c de seda tudo novo em gosto e padrdes ;
sarjas r setins lisos de cores blancos e pretos de Ma-
ca u superiores e de varias qualidades ; casimiras pre-
tas e clsticas superiores, de 3 a 4/rs. o covado; brins ;
bramantes; brelanhasdr linho; rsguiirs ; manas de
seda ; irlanda, sortiiuento novo em prejo gosto e
3n ilid.-nle ; luvas de algodo e de seda ; ineias de algo-
o e de seda tanto pelas como brancas para ho-
ineiu e senhora ; e outras mullas fa/.cudas que seria
longo enumera-las.
O novo barateiro da loja nova,
ao p do arco de S.-An-
tonio, n. 4,
avisa aorespeitavel publico que tem ricos pannos para
iiie-. i de casimira fina com vistas e passagens hist-
ricas a 25/000 rs. cada mu ; ditos de la e algodo,
cniu ricos desenhos a 4/5000 rs.; pannos finos de to-
das as cores e preto muito superior de 4/000 at
lOs'uitii rs., verde e cor de vinho de lindo panno, a
6/500 rs. dito azul para farda, de4/a C/000 rs, ; luvas,
tanto dr pellica como de srda e de algodo com borra-
cha para liouieiu e seuhora. Do-se amostras sobre
peuhores.
- Vende-se urna canoa aliena grande que pega em
ih.-iU de milheiro de lijlos de alvenai ia ; duas ditas de
conduzir agoa, em bom estado ; un dita lucia abrrta
rectificada de novo propria para familia ou carga pe-
aiien.i ; ludo por preco commodo : no anligo l'oi lo-
as-Canoas a fallar com Joo Esteves da Silva.
N a ra da Cadeia-Vlha, n. 119,
loja de J. O Elstcr,
vende-sc um grande sortimento de pellucia de seda as-
sim como todo p material para fabrico de chapeos.
Vende-se por precisao, urna preta que engomma
multo bem cozinha o diario de urna casa e lava; da-
se muito ein conta : as Cinco-Pon tas, n. 16.
No armazem du Hacelar na escadinha da alfan-
drga vendem-se, a retalho e em pequeas porces ,
caixa* de sabao da mais acreditada fabrica do Rio-dc-
lanciro de vapor, por nrec.0 commodo; para o que tra-
ta-se com Amorim Irmaos.
Parecem de seda.
Vendem-se chitas assetinadas pretas, franeezas,
iroprias para luto, a 260 rs. o covado; pecas de
lamburgo fino, a 3000 rs. cada urna; los pretos.
muito em conta : na ra do Queimado, loja aova n.
II, de Raymundo Carlos Leite.
Attencao.
Na ra Direlta n. 50, loja de pintor e vidraceiro.ha um
completo sortimento de vidros em poi cao e a retalho;
dilos para eiprlho coi muito bom ac.o ; tintas de to-
das as qualidades e oleo : ludo em porcao e por piejos
commodos.
f! Vende-sc azeite lino do gerselim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de carra palo na ra
da Senzalla-Velha, n. lio.
A 10 rs. a caixa.
I*alitospara tirar logo, de pti-
ma qualidade: vendem-se na an-
tiga ra dos Quarteis, na erceira
loja de miude/.as, n. 20.
VELAS DE CERA DO R10-DE-JANEIRO.
Vnde-se completo sortimento de urna a 16' e bo-
gias de 4,5 e 6 : no armazem de Alvcs Vianna, na
ra da Senzalla-Velha, n. 110.
\a ra do Crespo,
loja n. 12, de Jos Joaqun,
da Silva Maya,
vonde-se superior sarja preta hospanhola ;. nobreza
rdxa muito superior e muito propria para capas
do Sr. dos l'assos e outras irmandades; ricos cortes
de seda para vestido de senhora ; meias de seda pre-
las o brancas, as mais superiores que teem appare-
cido tanto para liomem como para senhora ; luyas
de seda; chales de seda muito modernos c de lin-
dos gostos; cambraia de Jinho, muito fina; lencos de
cambraia de linho bordados, para senhora, dos mais
linos que ha por muito barato preco ; esguiao de
puro linho e muito fino; platilha de linho ; e outras
muitasfazendas quesero patentes aos comprado-
res e por barato preco.
Pannos pretos finos
e de cores, e novos na loja; verdadeiro setim e lencos
de Macau; chapeos de sol, de seda; casimira preta cls-
tica ; los pretos ; sarja hespauhola; c todo o sortimento
de fazendas finas, proprias para a Quaresma: na ra
do Queimado, loja n. 11, de Raymundo Carlos Leite.
lina do Queimado, n. 11.
Na loja nova de Raymundo Carlds leite acba-se um
completo sortimento de fazendas finas o mais em con-
ta posslvel; assim como chapeas do Cblll finos e or-
dinarios ; o famoso panno de linho, e as chitas asseti-
nadas pretas ; chales e mantas de seda; corles de cha-
l os mais modernos que ha ; merino e alpaca fina; o
verdadeiro brim de linho de listras,.para calcas.
Gaz.
Loja de Joao C liar don ,
AteiTo-da-IJoa-Vi.sta, n.5.
Nesta loja acha-sc um rico sortimento de LAMPEOES
PARA GAZ cbm seus competentes vidros accendedo-
res e abafadores.
Estes candieiros 5o os memora e
mais modernos queexistem boje: recoinmendam-sc ao
publico, lauto pela segurailfa e bom gosto de sita boa
coiifeci ao como p'ela boa qualidade da luz, economa c
asselo f seu servico.
i\a II)eS 111 a loja s consumidores sem-
preacharo um deposito de GAZ de cujo se afianea a
qualidade, c cm porcao bastante para consumo.
Na ra das Larangeiras n. 14, segundo andar ,
vrnde-se un moleque de 14 anuos coni alguns princi-
pios de cozinha sem vicios iirm achaques e dr bo-
nita figura.
Vende-sc una chapeo armado para ofiiclal de guar-
da nacional, em muito bom uso : na ra da Cadeia do
Recife loja n. 55.
= Vendeni-se 2moleques de 12 a 16 anuos, de boni-
tas figuras c sem achaaues s no pateo do Carino loja
AVISO
aos Srs.de engenho
Ka ra do'Crespo,tajan. 12,
de Jos Joaquim da Silva
Haya, vendem-se
cobertores de algodo muito encorpados, proprios
para escravos; bem como urna fazenda de linho a
imitaqTode estopa, fortee propria para roupa de
escravos e saceos para assucar; tudo por pre?o mui-
to barato.
Na ra das Larangeiras, n. 14 segundo andar
vende-se um molecote de elegante figura c bas-
tante preto de 22 annos sem vicios nrn o me-
nor achaque ; um dito de bonita figura com ofliclo
de ferreiro sem vicios nein achaques ; un mulatinho
de 22 annos, de bonita figura, ptimo para pagem ,
por ser muito activo e boni.cjivalleiro ; urna mulatinha,
com todas as habilidades de bonita figura e muito
moca ; dous pretos ptimos para o trabadlo de campo ,
per seren muito fortes e de boa figura;3 pretos,proprios
para o traballio de campo, por seren bastante fortes ; 2
ditas com algumas habilidades ; una dita de elegante
figura sem habilidades boa para carregar um tabo-
lelro com fazendas e mais alguns escravos que a vista
dos compradores ic mostraro.
l\a ra do Crespo,
loja n.I, de Jos Joaquim
da Mlva Maya ,
vende-se alpaca preta a 800 rs o covado; dita muito
fina preta e de cores por barato preco ; merino
preto, muito superior; panno fino preto e de cu-
res; casimiras elsticas, de duas larguras, para
calcas a 6000 rs. o corto; velludo ; gorguro de se-
da ; setim para collcte; tudo por preco commodo ;
fustOes para colletcs; e outras muitas fazendas,
tanto para calcas como para vestidos do senhora ;
ludo pelo barato.
Vendem-se dous sitios euma
casa terrea nesta praca, lo-
do em chaos proprios :
os si tos sao perto desta praca: o primen o com duas
casas de pedra e cal nina das quaes tem soto, forno,
estribara para dous cavados e outra para gado ambas
com bastantes commodos para grande familia com 5
vvenos de peixe pasto para 8 a, 10 vaccas de leite ,
muito boa baixa para me loes, melancias e capim, an-
imalmente com inultos pes de coquelss, larangeiras c
outras fructclras; este rende 400>0u0 rs. aiinualmrnte :
o segundo ao p do di lo, com cusa de pedia e cal, ni ni tos
pes de larangeiras r outras fructeiras portao na estra-
da ; ambos os sitios teem boas cacimbas de agoa de be-
ber c este rende 200/000 rs. : a casa terrea he sita no
balrro de ^.-Antonio e rende 16/000 rs. mcnsalniente,
Estes predios vendem-se juntos ou'separados, epara la-
to trata-se no Aterro-da-Boa-Visia, n. 21.
Na toja n. 4, de Ricardo ao p
do arco de S.-Antonio,
na ra do Crespo vendem-se lencos de fihlssinia camr
brala, arrendados c bordados, cbm blco cm "volta ,
proprios para mao de senhora de lindissimo gosto, pe-
lo mdico prec-o de640 a 1/380 rs. cada un ; chitas de
cores fixas de ricos estampados a 160, 18O, 200, 220 e
240 rs, o covado.
MIMCVE PRIMOR!
NA RA DOCRESPCOO-
JAN. ll, DE ANTONIO
LUIZ DOS SANTOS
& COMPANHIA.
He incontcstavrl que
em manufactura de gosto
o MIMO E PRIMOR de todas as sedas e sarjas pretas
brancas c de cures > achamalotadas lavradas e lisas
que se annunciam sao merecedores da benigna pre-
ferencia dos amadores do que he bom : assim se rc-
coinnienda e conta-se que a vista da sua especialido.de .
nao restar nada a desejar para possuir-sc com a com-
pra o nirlhor gosto e qualidade em coiletes riqusi-
mos e vestidos para senhora, que satisfac.am o mais cus-
toso porm honesto e primoroso de seus adornos
quaresmaes.
Desenganai-vos, freguezes,
que Francisco Jos Pereira Braga na ra do Crespo .
loja de 3 portas n. 3, ao p do arco de S.-Antonio, tem
novas fazendas c que as vende por todo o preco :
cortes de casimiras muitoriaslicas pelo diminuto pre-
co de 2/800 rs. o covado; dita de cores a 900 rs. ; dita
de algodjo, a 1800 rs. o corle ; merino muito suprrior,
a4/500 rs. o covado; alpaca multo lustrosa a l/i20rs.
o covado.
AVISO
As sen horas do bom
gosto.
Na ruado Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da hilva
Maya,
ha um novo sortimento das ricas mantas de lanzi-
nha eseda para senhora ,as mais modernas que se
usain na Europa, eporisso se tornam recommen-
daveis as senhoras de bom gosto, bem como aquellas
que usam de economa, tanto pela boa qualidade e
ricos gostos, como pelo baratissimo preco de 5000 rs.
cada una ; ha igualmente um rico sortimento do
cortes de vestidos da rica fazenda denominada ba-
zullina. Esta fazenda'he decores escuras, bordada
delistrasequadrosos mais claros, de lindos dese-
nhos, cores lisas e bonitos tecidos, e por isso muito
proprios para o lempo do quaresma e de invern.
Na loja de Francisco Jos Perei
ra lraga, na ra do Crespo,
n. 3, ao pedo arco de S.-An
tonio, vendem-se as se
quintes fazendas:
lencos de setim de cores a 2/200 rs. cada um ; ditos
de cassa para grvalas, a 440 rs. cada um ; ditos de di-
ta para algibeira a 320 rs. cada um ; cortes de chal
de seda a 14/000 rs. cada um: mantas de setim para
senhora a 12/000 rs. ; pecinhas de cambraia lisa a
3/600 rs. cada urna ; e alni destas fazendas ha um rico
sortimento de lazcudas modernas, de que a vista se dir
o ultimo preco.
A i440rs.
Na loja nova n. 4, de Ricardo', na rua Cacspo ao p
Mo arco de S.-Antonio vendem-se cortes de cassa da
afamada fazenda pelle-do-diabo padrdes novos taes
e quaes os da casimira franceza.
A 720 rs. cada um.
Na loja n. 4, de Ricardo na rua do Crespo, ao p do
arco de S.-Antouio vendem-se lcnyos de seda para me-
ninos c meninas prlo mdico prec.o de 720 rs. cada
un.
Vendem-se, na rua do Aragao n, 11 por preco
commodo velas de carnauba do bonita luz e dura-
Uva compostas com azeite dr coco. A ellas, fregucies.
Vcndem-se travs de varias grossuras c compri-
menlos, euma porcao de calinos de boa grossura e
qualidade : no Porto-das-Canuas, no Recife tanque de
agoa.
Vendem-se 3 moleques de 12 annos ; dous mula-
tinlios de la 16 annos ; 3 escravos do servido decam-
po ; 8 escravas moras com varias habilidades ; uin
moleque de 6 annos : na rua Direlta, n. 3.
redundas, freguezes na lo-
ja de Francisco Jos Perei-
ra Braga, na ruado Cres-
po, n. 5, ao p do arco
de Santo-Antonio :
* Vendem-se na rua da Cruz, j
n. 23, brandes de cera, ^
de urna das melhores fabri ($
cas do Rio de Janeiro, e J
por preco commodo. *
Vendem-se riquissimas Utas de seda, do ultimo
gosto, para cintoiroseohapeos ; luvas de pellica,
seda castor e fil, para liomem e senhora, das. mais
modernas; cartas para roltarete i ricos suspenso-
rios deseda com borracha; bcos pretos e brancos
finos; lencos de siila para grvalas, e'para senho-
ra ao ultimo gosto; meiaa de seda, de patente ,
trancase pretas; eoutros muitosobjectos de
na praca da Independencia, n. 39.
le gosto;
Na- rua da Senzalla-Wova, n. 3o,
(padaria) vendem-se juncos de superior
qualidade, em porcao-e a retalho, e por
menos do que em outra qualquer parte.

Chegoit um novo sortimento de fazendas pre-
tas, proprias para a Quaresma, as quaes se ven-
dem por baratissimoprejo s alim de se aca-
bar com ellas na presente Quaresma a saber :
blcos de seda de todas as larguras a 100 320,
480 640, 1^000 e /200 rs. e multo largo a
:S2<10 rs. ; alpaca, a 900 rs. e multo fina a
1/400 rs. ; sarja verdaderamente hespauhola ,
a 2#40O rs. ; pannos finos de 4/500 rs. at 0/
rs. ; princeza da mais superior a 900 rs ; lu-
vas de seda a 400 rs. ; meias para meninas ,
a 200 rs. ; e outras inultas fazcudtfs por baratis-
simo pirco.
Superiores qualidades
de vinho de Malaga dito do Rlieno e licores : vendem-
se na rua da Cruz, n. 10, armazem de Kalkmann & Ro-
senmund.
Vidros de espellio
de diversos tamaitos, vrndnn-sepor prec.o muito com-
modo : na rua da Cruz n. 10 armazem de Kalkmann
Se Rosenmund.
= Vende-se urna casa terrea de pedra C cal sita lia
rua do Jogo-da-Bola em Olinda com duas salas, una
adiante e outra atrs, duas alcovas quintal cercado de
fachina : na rua do Collrgio, n. 9.
Vendem-se dragonas, chegadas ltimamente do
Rio-de-Janelro para olciacs de guarda nacional : na
rua da Cadeia do Recife loja de miudezas, n. 9, de An-
tonio Lopes Pereira de Mella.
~ Vende-se, ou troca-se urna preta de najao de 30
a 35 anuos, que.cozinha, lava de sabao c varrella e he
muito boa vendedeira de rua, por um moleque, tain-
bem de naco que tenha de 10a 16 abos volcndo-
se o que se tratar : na rua do Aragao, n. 8,
Escravos Fgidos.
Fugio no dia, 7 do corrente, urna mulata
de nome Valentina (cuja rscrava perlcnce
aos bens do fallecido Jos da Silva Bote-
tho) com os signaes seguintes : bastante
alta, grossa e bem feita do corpn, cabello
cortado como de hoinein, tendo na frente
mal i alas com pentcs, por isso que o ea
- bello era um tanto espichado, bracos e
maos comprdos e rosto com marcasjpislicsigas ; mi se
pode dar noticia da roupa, visto ella ter levado toda
uanlo tiulia,inclusive IC1190I,iravesseiro,ociase sapatos
orlanto rog-se a todas autoridades, ou prssoas parti-
culares que a encontrarem, facam prender c mandar le-
var na rua larga do Rozarlo, no 1. andar, n. 23, ou
nesta miorraphia, que sero recompensados.
Fugio, no dia 10 do corrente, um preto de nac.o
Calmuda de nome Jos estatura regular, pauca bar-
ba Jii he velho ; tem o pes ochados, rendido de una
-, eril'lia, multo rrgrisla no follar, e talvrz se intitule
forro ; levou ceroulas e camisa de algodSozinho : quem
o prgar leve a rua Dirella padaria u. 40 que sera i;e-
ne 1 usa ni en te recompensado.
Fuglram dous pretos de naci Angola do enge-
nho Piidobiulia na noitc do dia 13 du corrente mez :
um de nome Caelauo, altura regular cheio do corpo ,
pouca barba ; o outro, de nome Joaquim mais alto um
pouco secco do corpo nenhuma barba ; Irvarain
chapeo de palha, jaque la branca e calcas de algodo ris-
cado; desconfa se que vicran para o Recife desru-
caminhados por Joaquim onde foram comprados lia
pouco ; os quaes tiertrncem a um lavradar do inesmo
engenho de nome Joo lenlo Pereira. Roga-se as au-
toridades que os mandrm apprebender e levar ao
rugrnho ou na praca em casa do Sr. .Jos Pereira da
Cunha na rua da Cadeia do Recife n. 14, que se gra-
tificar com gencrosidade.
-- No dia 15 do corrente, fugio um moleque de nome
cortes drcollete dos mais modernos que teem appare- Antonio, idjde de 18 anuos pouco mais ou menos, n
cido pelo diminuto preco de 2/100 rs. cada um Trisca-
dos francezes para jaquela a 240 1. o covado; ditos
com fio de seda imitando bom brim de lislra para ves-
tido de senhora, pelo diminuto prevo de 320 rs. o cova-
do ; lenc-os de seda de padrdes modernos a 1/440 rs.
cada um ; ditos com franja para pescoc-o de seuhora ,
a 1/000 rs. cada um ; chales de cambraia com flores
nat ponas, a 1/0C0 rs. cada um.
Vende-se una preta ci otila de 16 annos, sem mo-
lestias e que cose borda, engomma, ensaboa c en-
lendealguma cousa de cozinha : a tratar com o porteiro
de ua Esc. Reverendsima.
Vende-se urna cabra que cozinha, lava e vendo na
rua dr 30 anuos pouco mais ou menos: as Cinco-
Pontas, ii. 40.
Vende-se chumbo de munico muito bem soni-
do por pceo commodo : em casa de James ydcd Si
Companhia na rita da Cadeia n.46.
/los amantes da- boa pilada.
Acaba de chegar do Rio-de-Jaueiro pelo ultimo
vapor, Urna nova remessa d superior rap Principe
Imperial. He cscusado tecer elogios a este rap, pois
o seu autor he o mais perito fabricante que ha na-
quella corte. Vende-so naslojasdosSrs. Victorino de
Castro Moura na rua dosQuartois ; Joaquim llon-
teiroda Cruz & Companhia, ruado Queimado; An--
Ionio DomingucsFerreira, rua do Crespo, e na de
Francisco Joaquim Cardozo.
cao Angola,' bauo, reforjado do corpo ; tem o olhar
uaixo, beicos grossos, com lodos os deutes da frente,
ps e maos grandes : levou camisa de ujpdapolo, cc-
roula de algodozinho c bonete : roga-s4ps autoridades
policiaes, ou capilaes de campo,que,prgando-u, levein-
uo ao seu seuhor, na ruado Queimado, loja de chapeos,
n. 55, que se recompensara
Fugio, no dia 18 de fcvrrrlro do engenho C-on-
gafaii umescravo dr nome Antonio Pereira altura
regular, corpo icloi jado brm fallante ; o quaL lie na-
tural do serlo, e foi comprado ao Sr. dutor Alrxan-
dre llcruard i no dos Res e Silva : quemo pegar leve ao
dito engenho ouuariialniperi.il, sobrado u. 39 quc
se pagar toda a despeza.
= Etiglo, no domingo, 14 do corrente mar;o, nina
preta de iiomrl.tiduvina.dc idadr de 35a 40 annos pouco
mais ou menos, com Os seguintes signaes: estatura re-
gular, chela do corpo, algum tanto barrrguUa, pellos.*
pes proporcionados; gagurja np fallar; quaudo eoi pee
firiiH', demonstra ter una uemura na cabrea, lew una
mao foveira, una cicalriieiii Ulna peina; sanio com ves-
tido de ganga azul, cabecao de chila a/.ul e j desbota-
do, r um pauno da Costa :i|iiem delta suubcr ou appre-
hrudr-la, leve-a a botica da rua larga do Rosario, n. Jo,
ou nos Remedios, sitio do Sr. l'iiilio lorgcs quesera
gencrosam'enio recompensado.
PERN.
KK TYP. DKM.F. DE FAHIA.-
dfc
SMI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX3KCOCRM_9USW40 INGEST_TIME 2013-04-30T19:48:23Z PACKAGE AA00011611_09868
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES