Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09819


This item is only available as the following downloads:


Full Text
- -- -- -"

.

h- t
l
*.
I
lili IIXTII IDIUO 243
15 Oh-J:
SEGUIDA FEI1A 21II OTBBO II lili
?

fcr 4rw*pHt iiaiiidos 5{00
Pr tres ces veicilts 6J0W
Ffr aiM adiutifr 19|00 O
Ptrte frnet t*rt sikseri pUr.
NCARREfiADOS'DA SBSCRIPCA DO NORTE
.?^ t; 1.1
Parahyba, o Sr. Antonio Alexindrino de Li-
ma; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra;
Araealy, Se; A. da Leaos Braga; Cear o Sr.
3' '"? ** H'ra; Maranhio, o Sr. Maooel
Jos Martias Ribeiro GuimarSes; Psr, Justino
i. Ramos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
PARTIDAS UjJs C'BKpltf.'
31
Olinda lodo os das as 9^ horas do dia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
sextas-feira.
S. Antlo, Rtenos, ontto, Caruat, Altioho
e Garanhuns as tergas-feira.
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoelr, Brejo. Pea-
queira, Iogazeira, Floras, Villa-Bella, Boa-Vala,
Onricnry e Ex as qartas-feiraa.
Cabo, Serinhiem, Rio Formoso, Uoa,Barreiros
Agua Prta, Pfmentelras e Natal quintas tetra*.
/(Todos ot correios partem as 10 horas da manhaaj
EPHEMERIDES DO MEZ DROTBRO;
tU. _.M -. 1..-.-- n-r _.,.

4 Laanova as 4 horai a Sfmi
10 Quarto erascents as7 horas e 47 n
tarde.
18 La a chala aa 4 horas e 35 mina toa da larda,
36 Quarto minguen teas 7 horas e 35 minutos da
tarde;
PREAMAR DE UOJE.
Primairo aa 6 horas e 6 Minutos da'manha.
Segando aa 6 horas e 90 ainatoa ala tarda.
DAS DA SEMANA.
SI Segunda. S. rsula e suas corop. asm.
I Jerga. S. Mara Salom ; S. Verecundo b.
3 Ouaita. S. Joo deCapistrano f.; S. Joo Rom.
44 tjuinta. S. Raphael archanjo; S Fortanato m.
25 Sexta. Ss. Crispim e Crispiniano ira. asm.
26 aabbado. S. Evaristo p. m.; S. Rogeciaoo m.
97 fomingo. s. Etesbie Imperador; S. Captnlina.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL. ENCARREGADOS DA SRSCRJPCAO DO SUL.
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Relacio: tercas, quintaa e asbbados as 10 hora?,
Fazenda : tarcas, quintas e sabbadosaslO horas.
Juizo do commereio : qnartss ao meio dia.
Dito de orphloa: tergas e sextas aa 10 horas.
Primeira rara do civil: trras sextas ao meio
dia.
Segunda rara do civel: quarlas e sabbados a 1
hora da tarde.
Aleadas, o Sr. C'audino Falca* Das :
o Sr. Jos Martina Aires; Rio de Jaoairo o Sr
Joo Pereira Martina.
Eli PERNAMBUCO.
O propietarios do pumo Maooel Figueirde ate
ira Fiiho, na ana Imana praca da Iodepca-
>.ncia na. fi a S
OFFICIAL
Faria'i
Idencia os
6 e 8.
v^WVEBW DA PROVINCIA.
Expediente do da 17 de outubro
de 1861.
Offlcio ao Exm. presidente das Alagoas.Para
essa capital segu ao vapor Periinunga Luiz Ao-
tooio de Meoezes Sanios con cinco pracas de
pret, cooduziodo 1*000$ e dona caixes com me-
dicamentos destinados ao corpo de guarnicio des-
ta provincia.
t Regi V. Ec. que se digne de expedir as conve-
nientes ordena para aer eaae oficial seja transpor-
tado com as referidaa pracas e caixes em um dos
vapores da compaohia Bahiana at cidade do
Penedo OIkiou-se thesouraria de (azenda pa-
ra entregar aquella offlcial a predita quantis, bem
como adanur -Ihe os sidos e msis vantsgena
correspondentes ao presente mez e ao de novem-
D{0 viodouro.
Dito ao coronel commaodante das armas.Po-
da V. S. mandar substituir porootro offlcial, como
propoz em seu oflicio de 16 do torrente, o 2o te-
nenie do 4o batalho de artilharia a p Jos Ur-
bano Pacheco de Albuquerque, que se acha des-
tacado na freguezia de Aguas Bellas e foi despa-
chado secretario do vesmo batalho.
Dito ao mesmo.Pica approvado o contrato de
M*- S. me remelteu copias com o seu oflicio
d 12 do correte celebrado com o Dr. Joaquim
da Silva Gusmo para prestar os aeus servicos ni
qualidade de facultativo da colonia militar de Pi-
ntenteiras, de conformidade com o regulamento
de 9 de oovambro de 1850. o que V. S. Ihe tara
constar, recommendando Ihe que solicite o res-
pectivo titulo, saa de entrar em eiercicio.Re-
metteu-se copia do termo Iheaouraria de (azen-
da, e lavrou-ae portara de nomeagio d'aquelle
doutor, fleaodo exonerado a aeu pedido Francisco
Marisono de Araujo Lima.
Dito ao mesmo. Respondo ao seu offlcio, n.
1,700, de 16 do correte, declarando-'.he que de-
*em aer recolhidis ao arsenal da marinba as
Africanas livres, que forem dispensadas do ser-
vico de la vagara de roupa do hospital militar.
Commuuicou-se ao inspector do arsenal de raari-
nha.
Dito ao chefe de polica.Remeti i V. S. pa-
ra seu conhecimento copia do mappa explicativo
do estado dos processos dos presos perteocentes
ao termo do Ouricury recolhidos i casa de de-
teoco desla cidade, mioistrado pelo respectivo
juiz de direito em dsta de 14 de setembro ultimo.
Igual ao juiz municipal da primeira vara.
Remelteu-se tambera quellea magistrados co-
pias da ioformsco prestada pelo juiz de direito
de Tacaratu com referencia ao reo Manoel Fran-
cisco dos Santos, existente na casa de deteoco.
Dito ao mesmo. Devolvo V. S. o requeri-
mento e mais papis relativos ao pagamento que
requer Jos da Rocha Paraohoa pela desinfecto
feita no quartel do corpo de polica para que avis-
ta do que pondera o inspector da thesouraria pro-
vincial no offlcio Junto, V. S. mande proceder a
novo arbitramento por outros peritos.
Dito ao commandaote da eataclo naval. Ex-
peca V. S. as seas ? -yt para que o comman-
daote do brigue-barca i* A raed transporte a aeu
bordo um volume contend artigos de fardamen-
to destinados is pracas do 10 batalho de iofan-
tara que se acbam destacadas no presidio de Fer-
nando.
Dito ao inspector da thesouraria da fazenda.
D V. S. as providencias necessariaa para que as
pracas do 9o batalho de infantaria, que destaca-
ran! para a villa do Bonito aob o commando do
capilo Antonio Franciaco de Avilla sejam pagas
dos seus yencimeptos a contar do dia 16 deste
mez em diante pela collectoria de rendas geraea
daquella villa, visto que, segundo declarou o co-
ronel-commandante das armas, nao teva lugar o
adiaotamento que mandei fazer s referidas pra-
cas por offlcio de 12 do correute.Communicou-
ae ao commaodante daa armas.
Dito ao mesmo.Ao 2 sargento Joaquim Cy-
priano Baierra de Mello Jnior mande V. S. pa-
gar, conforme requisitou o commaodante superior
de Bonito em offlcio de 4 do correte, nao s6 os
vencimentos relativos ao mez de setembro ulti-
mo, do destacamento de guardas nacionaes da-
quella villa, maa tambem a importancia dasdes-
pezas faltas no referido mez de setembro como
fornecimeoto de luz e sgua para o quartel do
meimo destacamento, ama vez que eatejam noa
termos legaea os inclusos documentos, que acom-
pannaram o citado offlcio.
Mandou-se tamben pagar a Joo Francisco
Anlunea a importancia de dous dos sete mezes
que elle pede da illumioacao da cidade de Olinda.
Pelos cort-s provinciaes decretou -sa o seguate
pagamento :
Ao conego Joaquim Piolo de Campos, da quan-
tia de 82g500 de aeus vencimentos, a contar de 4
at o ultimo de setembro como professor deelo-
quencia e potica do gymnasio.
Dito ao commaodante do presidio de Fernando.
Ao offlcio que Vmc. me dirigi, sob n. 72 e da-
ta de 11 de agosto ultimo, respondo declarando
que ji aolicitei do goveroo impenal a remesas de
somantes de algoda, de boa qualidade, as quaes
serio enviadas opportunameote para esse presi-
dio por intermedio da aociedade auxiliadora da
industria nacional. Officiou-se tambem ao di-
rector do arsenal de guerra para enviar ao mes-
mo presidio sementes de fructas pedidas por
aquella commao Jante em seu offlcio de 8 de agos-
to ultimo.
Dito ao mestno.Recebi o sea oflicio numero
96 do primeiro de outubro ultimo, e ficando in-
teirado de quinto me eommuniea relalivimeote
apprebeaseo das bebidas espirituosas, que fo-
rana encontradas no carregamento do Rate Bom-
Amigo, teoho a diser-lhe em resposta que a to-
das casas bebtdaa deve Vmc. dar o mesmo desti-
no, que tiveram aa que forana apprehendidas as
tabernas deas* presidio, diatribaiado-aa pelos sen-
tenciados empregados no serrino do campo no
tempo de invern.
Dito ao Inspector do araenal de marinha.De-
feriado o requeritnento do nsestre da oficina de
carapina dessa arsenal Pedro Jos de Freitea so-
bre que Vmc ioformeu em oflicio de 9 do cor-
rete, conced-Ihe permisslo para comparecer
Masas araenal urna hora dapois da que est mar-
eada fiara o ponto.
Bita ao raeemo.Mande Vmc. substituir por
entra a africana livre Hara, que se acba ao ser-
vico do collegio das orphias.
Uto ao director daa obras militares.Recom-
soando V.nc. que me envi umorcaraeoto daa
deapezaa a fscei-se com a oseada e respectiva
tarta, de que necessita o quartel do 9* bata-
tfeaa e ofantaria, derolrendo os oficios n in-
lusos remeti. ,
Dito ao gerente da compaohia Pernaaabacana.
Par conta a> ministerio ds guerra mande Vese.
dar passagem par. Macei np vpor Pniinunfu,
ao pUeres dcimo batalha de infantina Uta
Mo de Moezes Santos, ate vai a servioo i
i de TseaMta, aeo.mpiobado de cinco pravas
iret e de nos csixoes da medicamentos daati-
s ao carpo' di guratelo desta provincia.
Dito directora do theatro de Santa Isabel.
Attedeado s> que requereu o artista dramtico
Aaionio JosDuartaCoimbra, e a laformifio mi-
nistrada par ** directora conlida apa seu oficio
de 7 do crrante, resolv cooeeder-lhe parmu-
sio para dar espectacalofl no mesmo theatro por
tempo de seis mezes principiando de 3 de dezem-
bro viodouro em duole, aem subvencao, com a
eondigio de entregar o theatro ao empresario logo
que este se presentar para flnaliaar o aeu con-
trato, pdenlo continuar a preencher os aeis
mezes, depois d findo o prazo da empreza ly ri-
ca ; o que commnico a meama directora para
seu conhecimento e direccao.
Despechos do da 19 de outubro
de 18411.
Requerimentos.
Antonio Feliz Gomes da Silva.Como requer.
Antonio Torquato de Almeida.Devolvido ao
Sr. r. juiz municipal do termo da Escada para
curaprir o diaposto no artigo 12 do decreto n.
817 de 30 de agosto de 1851.
Antonio Pergenlino Moreira de Souza.Re-
medido ao Sr. Dr. juiz municipal do Rio Formo-
so, para eumprimeoto do disposto no art. 12 do
decreto n. 817 de 30 de agosto de 1851.
Padre Antonio Malaquiaa Ramos de Vascon-
cellos.Nao ha que deferir.
Alexandrina Mara da Conceicio. Pode se-
guir.
Antonio Jos Duarte Coimbra. Dirija-se
directora do theatro de Santa Isabel.
Antonio Goocalves Cruz.Nao tem lagar o que
requer.
Dioiz Ferreira da Cruz. Informe o Sr. enge-
nheiro director da reparticao das obrss pu-
blicas.
Francisca Pialo do Nascimeato. Como re-
quer.
Francisco Antonio de Hagalhes Bastos.
Informe o Sr. inspector di thesoursria ds fa-
zenda.
Felippe Soares de Ssota Rosa. Pode seguir
com seas filaos meaores
Francisca de Assis Domingues Carneiro. Re-
manido ao Sr. Director geral da instruecao publi-
ca para attender aupplicanta nos termos de
saa informaco de 12 do correte sob nu-
mero 319.
Generse Maris do Nascimento. Como re-
quer.
Emilia Mara Monteiro.Pode seguir.
Conego Joaquim Pinto de Campos.Dirija-se
thesouraria provincial.
Joao Francisco Aotunes. Dirija-se thesou-
raria provincial.
Ignacio Marcelino Bezerra do Amaral.Remet-
tido ao Sr. Dr. juiz municipal do termo de Igua-
rass' para cumpvir o diaposto no art. 12 do de-
creto numero 817 de 30 de agosto de 1861.
Jos Romo des Santos Banleira. Informa o
Sr. inspector da thesouraria proviocial.
Joo Francisco de Souza. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria proviocial.
Joio da Silva Lopea. Remettido ao Sr. ins-
pector da thesouraria provincial para attender ao
supplicante como for de justica.
Joo da Costa Reg Lima. Opportunamente
ser attendido.
O promotor publico Jos Antonio Coelho Ra-
malho.Nao tem lugar.
Joo deiAraujo Cesar.Remettido ao Sr. direc-
tor geral da
daa bayonetas, mas sob o peso da reprovaco uni-
versal.
c Mas o latrocinio ausciton urna novs ques
tao, urna questao toda de civllisscio e debusaa-
nidade.
a A Italia poderla conter a impaciencia que
sent, para plantar a bandeira tricolor no capito-
lio, atao momento em que a opinio publica,
manifeatando-ae de ama maoeira solemne e tor-
oaodo-se irresistlvel, provocasse a ruioa do poder
temporal.
O estado nao soffrora com isso, porque, es-
perando, organisava-se, augmentara as suas mi-
licias, consoldsva as suas iostituicoes, protega
todos os interesses da paz e da naciooalidade. O
governo pontificio, nao pdenlo resistir por mais
tempo a altitud, acabara por desapparecer e por
adiear, vendo-se privado do apoio das baionetas
fraocezas, queso tornvam inuteis, por isso que o
governo italiano oflereceria ao Pontfice tollas ss
garantas de liberdsdee de independencia que se
podessem desejar.
c Mas, cono poderla a Italia resolver-se s es-
perar a solucao que o tempo indica, se de Roma
partem as excitsces, os soccorros, e as beucos
para os salteadores ?
c Roma, tornando-se o asylo sagrado da reae-
cio contra a Italia, desafia os povos italianos van-
gloriando-se do apoio da Franca, satisfazendo-se
mesmo de fizer orna affronta i grande naci que
derramou o seu sangue, desprendeu o seu di-
nheiro pela causa tao atacada do governo ponti-
ficio.
c O presidente do conselho expoz os fsetos, e
deduzio delles considencoes, a que nao sabere-
mos o que poder responder-se.
Bxistem os (actos ? Sim, aem os detienes
mesmo se cancam em nega-los, pois aega-los
cousa intil, attendendo a que sao evidentes co-
mo a luz do sol.
Pois bem : se os factos nao podem contestar-
se, necesaario aceitar as considerares em que
ellesse apoiam.
< O honrado ministro dos negocios estrangei-
ros absteve-se com o maior cuidado de indicar a
consequenca que se deduz dos factos expostos,
e daa coosideraedea desenvolvidas, a saber, que a
Franca prestarla um novo e assignalado serneo
Italia, apressando-se a retirar as suas tropss de
Roma, mas quer 1er a nota comprehende esta
concluao.
Queria-seagora fazer acreditar que se a Fran-
ca relirasse aa suas tropaa, a Heapaoha e a Aus-
tria as substituiriam.
E' apenas necessaro fazer notar o absurdo
que ha em tudo isto. A verdsdeira razio porque
a Franja fez a expedicAo de Roma, foi impedir
que os Austracos all fossem. Mr. Tocqueville,
em urna carta publicada na sua corresponlencia,
declara aos seus amigos que esse llnha sido o
projecto do goveroo:
E se foi um erro porque a Franca nao poda
substituir-se i Auslris, a Franca lem na Europa
urna misso inteiramente opposta a missio liber-
tecida e reaccionaria aempre, e por toda a parle
consumada pela Austria.
< As controversias que
instruecao publica para attender o
supplicante nos termos de sua informaco de 12 -e do*e annos provocado, explicsm a incerteza de
do corrente. que parece dominado o governo fraocez na ques-
Joanna Dutra de Morses.Como requer.
Jos Joaquim da Silva. Remettido ao Sr. di-
rector geral da inatraeco publica, para attender
o supplicante nos termos de sua in'ormaco de
12 do corrate soba. 316.
Bacharel Manoel Ferreira da Silva.Nao p le
o romana.
< Se a Franca livesse podido prever a longa
serie de difficuldades de que est cercada, teria
ella nunca resolvido a sua expedico favor do
Papa ? V V
a E agora que se (rata de oortar o n da ques-
era todo o mundo produz a osperanca das ioces-
sanies insinuarles napolitanas Um dos exilados
que eu coaheco, e que nao via ha mais de um
mez, encootrou-me hontem e disse-me: Muito
lem I Q jando eu vas dizia que estaramos de
volta em aples com o re, para a testa de Pio-
de-Grota, (S de setembro)....a
A polica da commiaao italiana de Roma, vi-
ga activamente os passos e a maneira de proce-
der de todo esse partido do Quirioal.
a Fieeu oestes ltimos tempos sorprendido e a
esse respeito dirigi urna especie de memoria ao
govetno de Turin, memoria, que julgo ser trans-
mitida para Pars. Tive occaaio de saber o re-
Escrevem de Turim, ao jornal o Ttmpt :
tou a heranga do conde Caour. manifestei eu al-
gamas duvidas sobre o bom accordo dourado eo-
tre o carcter franco e determinado do novo mi-
nistro, e a allitude forcada ou voluntariamente
prudente do goveruo frsncez. Estea preaentl-
mentos psrece conQrmar-se hoje : e ae a opinio
publica sa nio aasuala por ora, nao deixam de
apresentar symplomas ioquielados.
c A circular tio discutida de Mr. Ricasoli nao
foi communicada antes da sua publicaco ao ga-
binete das Tulherias ; e aem duvida n'esta cir-
cumstaocia que necaasario procurar a explica-
cao das mwdao(as que a este respeito fez o Cons-
sumo deste documento, o qual o seguinte :
1* O rei Francisco II, mostrando nao se oe- I Ututionnel. Seguramente, nio haveraniato'mis
cupar de cousa alguma, encontra os chafes e anl- do que um aymptoma pduco concludenle, se ou-
Marcado, um dos mais activos, vai ao tros incidentes mais graves lbe nao lizassem al-
guma autordade.
ma-os.
Quirnal quasi todos os das. Cocchetti, aotigo in-
tendente de aples, desppareceu da Roma ;
assegura-se que foi para a Sicilia provocar aub-
levamentos ; ora, negocio averiguado que foi
visto muitas vezas com Mr. del R, durante quin-
< Mas fra datla a duvida qne a missio de
Mr. Benelli a Turin nao leve por fim especial a
evacuacio de Roma, e esta deva prolongar-se por
um tempo indefinido. E'certo que Mr. Bene-
as. O conde de Trapan, lio do re. est ditti se mostra mediocremente satisfeilo, das ma-
> relacio permanente com os'neirss maisindependentes de Mr, Ricasoli. Ap-
ter lugar o que requer. a vista da lei provincial lao> a6fa que argente urna soluco, possivel
o. 502 de 29 de maio deste aono.
. Mara Nobra do Nascimento. Pode seguir.
Trajano Pereira de Oliveira.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Tente Ttiomaz Rodrigues Pereira.Devolvi-
do ao Sr. Dr. juiz municipal do termo da Escada
para fazer juntar certidio de idade eeumpriro
disposto no artigo 12 do decreto n. 817 de agosto
de 1861.
EXTERIOR.
Italia.
que venha idea de um governo europea ou de
um diplomtico sensato suscitar ama nova com-
plicaco, propondo urna guaroicao mixta hiapa-
oo-austraca ?
Mas a Italia nao quer estraogeiros no seu
paiz ; a Italia quer a liberdade de Roma, e nio
urna mudanca de guarnicio ; a Italia pede para
poder ferir no coracao o latrocinio, e combateria
aquelles que procurassem dar torga a este ultimo,
sob pretexto de defender o Papa.
c A fbula absurda das folhaa clericaes nao
desanima a Italia, nem pode inquietar a Franca,
nem a Inglaterra.
a A Ilespanha e a Austria teem muitos emba-
razos vencer dentro em si par irem procurar
A Opinione publica o seguinte artigo i respei- outros ao estrangelro, e incitar urna grande na-
ciooalidade sustentada pela revolucio.
O apoio que Roma concede ao latrocinio o
golpe supremo dado no poder temporal.
O governo pontificio, derrabado moralmente,
deve cahir tambem na ordem publica. E* esta a
coosideracao que faz nascer a leitura da nota cir-
cular de 24 de agoato, que produzio entre nos, e
devia produzfr em toda a Europa urna profunda
impressao.
positivamente em
Napolitanos exhilados em Roma, especialmente
com Spagnoli, que fabrica as bombas de Orsini
para os Abruzzus : com Tecchettaoi, qu acaba
de ser encarregado de urna missio secrets jnato
de Chiavone.
< Finalmente nio pode haver sombra de duvi-
da sobre a permanente conjurarlo do Quirioal,
apezar de todaa as negativas.
c 2* O Vaticano trabalha de accordo com o
Quirioal. As entrevistas de Mercado com Mr.
Berardi, sub-secretario de estado, com Moas-
Nardi e com o chefe de polica de Roma, nego-
cio aabido. O chefe secular da polica, abaixo
do celebre moosenhor Maltenci, cojo nome
Pasqualuni, assiste s reunibas dos agentes na-
politanos no palacio Faroes. Vai ao Quirnal
todas as manhaas.
t 3* O palacio Faroes, propriedede do rei de
aples, rornou-se um faco de conspirado fla-
grante. Ali convocaram-ae os montanhezes e os
operarios do caminho de ferro para os alistamen-
tos. Para campo del Fiori, e depois para Piazza
Montenara vo agentes, expressamenle, e coodu-
zem os mancebos ao palacio Faroes, onde sao
inscriptos. (Eu vi effectivamente isto com os meus
proprios olhos, nio a inscrip;io, mas a ida e vin-
da desses msncebos ao palacio Farnea).
c 4* A commtssio apoota ainda commisses
parciaes borbnicas, as quaes lomam parte al-
gunsfrancezes Sao estas as informagoes que ex-
poe a nota expedida para Turim, assim como pa-
ra Pars, sobre as intrigas napolitanas em Roma.
Nao ha duvida de que estas informaedes obrigam
Mr. Ricasoli a pedir cada vez mais forte; ou que
a corte napolitana seja affastada d Roma, ou que
a questao da capital com a guaraicJjjajjeja, quin-
to possivel cedo suscitada. JH Wr *'
Lemos aqu com admiragaBjfn extracto da
Independencia Belga, segundo 0 qual bavia em
Roma quinze cardeaes, treza doa quaes' se incli-
na vam para um accordo com a Italia^' Nta
este erro tem ha mais^ae.podesse dizer com maisinexactfdid. "Em^rV
mefro lagar ha 27 cardeaes em Roma ; e depois,
deas* Wf, alo ka um nico que se nio leona
mostrado partidario de um accordo. Todos ln-
gara fogo e shammas, compreheodeodo Mnr. Ma-
rini, contra Victor Emmanuel e cootra o impera-
dor Napoleio etc.
* Nao existe um que nao esteja as ideas da
Armona de Turio, e do Jfunds de Pars. Sio
homens de espirito mediocre, inteirsmente do-
minados pelas ideas tradlccionaes. Vivem em
um phanatismo mstico sem pensar no futuro.
Todos elles aem |excepcio, prodazem pela sua
esndura, um effeito de e&tupefaccio aos horneas
esclarecidos que o ceream. Igaoram o que se
passa e de que ss trsla. Dizer que existe um
partido no seio do cardinalato para as coocessoes
um absurdo. Ha ioimigos de Antenelli, ver-
dade, como horneas iaimigos do Corsia no tem-
po de Benedicto XIII. no ultimo scalo. Estou
admirado com o que li a esse respeito no extrato
dosjoroaes. Essas allegacdes demonstam urna
ignorancia absoluta do estado real da corte de
Roma.
pruximae dos termos lio precisos da circular do
ministro, essa circular indeterminacio dos coo-
flns napolitano? e pontificios que recente apre-
aeotou na sua presonca os corpos francezes e pie-
montezea.
a Accrescentae s isto a permanencia prolon-
gada da esquadra ingleza nasaguaa de Napolea ;
e de lodos estes factos, couclulmos talvez como
eu, que, perdendo a esperance de se entender,
quer seja na poca, quer oaa coadigdes da eva-
cuacio, com o governo francez. Mr. Ricasoli quer
tentar forga-lo ; sublevando por um lado contra
o governo romado a opinio publica ; poroulro,
apoiando-se oassympalhias inglezss.
Um grave incidente, cuja noticia chegou hoje
a Turin por um despicho de Napolea, parece-me
esclarecer a situacio oeste sentido. Aos ofle-
reciraentos de servico de slguos deputados e se-
nadores da maioria, respoodeu o general Culdini:
< O vosso apoio foi fuoeato aos meus predeceso-
res ; a vossa opinio deve fazer-me um grande
bem na opinio publica .
< A franqueza d'esta linguaguem, e atm dioso
todos os outros actos do lugar teoeote aples
revella suficientemente urna tendencia em se
appeiar to elemento revolucionario ougaribal-
dino, que, como ae sabe nio admita traostecio
sabr a questao romaoa. Se o goveroo de Turin
nao desapprovar as palavras do general Cialdini
evidente que elle procure as sympathias do
partido avaogado, um concurso mais eficaz do
que da timidez parlameotar.
Quereria o governo francez aceitar esta sol-
dariedade com a revolugo, diante da qual nio
parece recuar o ministerio italiano ? Ou ser elle
levado pelas exigencias d'este ultimo, a mais
iraca sympathia pela corte de Roma ? E' este
evidentemente, na mioha opinio. o dilemma a
que ae circumscrevea Mr. Ricasoli. Em todo o
caso, se a queatio nao eativer resohrida quaado
se abrir a prxima sessio do parlamento italiano,
t para duvidar que o ministerio ali encontr uro
apoio resoluto pela sua poltica avenluross ; e
desde ja aa podo prever para essa poca, e disso-
luco do parlamento ou a qula do mioistro Ri-
casoli.
< Os membros da maioria a que se dirige a
apostrophe de Mr. Cialdini flearam surpreheo-
didos. Um dos homens fiis mais moderados,
Mr. Hassir, escrevia ainda esta manhi, fallaodo
do lugar teuente general: c Cahiu anda mais
baixo do que Garibaldi a.
wiski. Duraote ima longa aerie da Irabalbos
de vicissitndea, foi quasi seaapre como a atiaba
mao direits, ioabalavel oaa provacoei, pode was-
pre o derer cima doexiio e das esperaocas. lote
mesmo concurso, dari elle a meu filbo LadtaU*.
e a recordacio dos aoaaoa 30 annos de irabaib
commuua mantera, uoidoa no aervico da patata os
seu coracoa e os aeua bracee.
Se no decurso dos meas eilorgo tea ha i
tivamente podido prestar algn atrviea i
nacional, se s s coustaoeia desasa esforeM.
mo sem attender aos seas resultados, tai da i
ta til id ade para o paiz, de vo -o priocipalan
ao concurso que recebi dos naos amigos, de-
suelles que tomaram parteaos meas trabstl**.
Uasj desceran ao tmulo, deixando ssawsisan-
timeotos aempre vivos ; outros, opprniaos pela
idade, nao dio meaos ao servico a patria na-
to dss suas torcas ; ontros floalmeate, que es>-
mecaram a trabalhar ultima hora, provam q
todas as geragoes comprehendem igaslaeota
dever commun.
Nnhum dalles., tanto na boa fortuna coma an
adveras, rae abaodooou, nem aa recutou san
concurso dedicado, iulelligenle e desioteresaado -
tambem espero, que oeehum delles abandonar
meu filho, nem recuaari tonar parte ae
obra ulil e honrosa;
Dous pensamentos, igualmente verdadelros
e igualmenta importantes me guiaran senpre
na vida ; recordei-me senpre que lotea nan-
ce da uoidade. e que o hornea abandonado
perteoce i desgraea. bogo o primeiro danta*
peDsamentos a minha familia o aos aeus esa
panheiros, e o segundo a aeu filho Ladislao.
< Km lodos os pontos da Polonia, ha boasna
a quem me uoem os lagos preciosos do muco*
da amizade e das antigs e raeessaotea retacle.
Nao me permittido noaea-loa; e portauto que-
ra que elles soubeasem qual- A o profoado reco-
ohecimeoto que eu profeaso pelo que tea feto
por mim, ou para melhor dizer contigo pelo pan.
c Tenho muitaa vezea levantado a minha vez
para recordar aos meua compatriotae os seus ae-
rares urgentes, as necessidades a oe pergos da
causa. Estas necessidades e estes deveres si*
hoje igualmente comprebeodidos, o os borneas
que s naci, com tao justo titulo, cerca ata ve-
nera gao saberao em todaa aa cireuaaataaeiaa asen-
tar no paiz urna iodiapeosavel uoidade u ao* ea-
forgos urna direccao coaaua.
< Comtado, importa qud a par destas preoecu-
pagoes tao uteia e lio importantes, se ao parca
de vala que ana parte easeocial da obra nacio-
nal deve cumprr-se noestraogeiro quo essa pan-
to nao podara aer deaprezedo aea o grande asa-
no para a causa, e que, para os levar a effeito
com xito, a emigra;** nao poda pasear da acti-
va cooperario do pas.
c Com profundo seatiaeato de humildad* a 4e
ternura, agradeces Deas par ae ha ver permit-
tido viver at ao momento oa que e futuro da
minha patria comoca a aclarar-se depota de as*
scalo de incertezas.
c Na mioha longa carreira tenho adquirida a
conviegio de todaa as vese* qne a aba da Daca
se estende sobre nos, nio pars aos perder.
mas para noa lomar aaelberes lauararaei poto
na aua misecicerdia, espreme* na ietarcuaais ata
oossa raioha celeste, a ea cada aa ata* araos
actos, teodo antea ea vista o triaaaee ilusa.
do que o parece prometter na xito panagmia.
Que a vossa vootado seja feito. Seo Bar Den*
Todo Poderoso.
cAssignede -
a A. Czartorytki. >
(Jornal do Coavmercio-, de Lisboa.
to da eircular do bario de Ricasoli
< A nota circular do bario de Ricasoli, ama
eloquente apologa da poltica italiana. Pode di-
vidir-se em duas partes : na primeira define a
natureza e o carcter do latrocinio que reina em
algumas provincias napolitanas, para deduzir na
segunda a necessidada de por termo ao poder
temporal do Papa.
a Esta nota tao explcita, to justa e tio mode-
rada no sea ulgamento e oa lgica das suas de-
dugoes, to prudente os separacio que eslabelece
entre a causa do Pontifico, de que nio deixa de
fallar com veneracAo, e a do seu governo, que
com rszio suscita tanta antipatbia, essa nota de-
ve dissipar os erros, e vir em auxilio effiesz sos
amigos da noaaa cansa contra a reaegio, que con-
cluio ama alliaoca defensiva e offensiva com os
bandidos.
c A Armona, teodo apenas lido a curia analy-
se que o telegrapho nos deu dessa nota, exclama :
c esti dado o ultimo impulso; veremos quem se-
r o vencedor.
a A Armona comprehende a importancia do
acto diplomtico do presidente do conselho, mas
mostra principalmente haver a crise chegado ao
ponto em que se torna inevitavel urna so-
lacio.
A retirada da subveneio $oNaxionalt, ea car-
ta mgica do general Cialdini a Mrs. Bonghi,
Niulta, Vacca e Piaanelli, que Ihe ofiereceram o
seu concurso em Nspoles, criticando niguas dos
seus setos em Turim, produzio grande sensagao.
Bis o cooteudo da carta :
Senhores.
t O apoto que tendes prestado aos meus pro-
decessores foi-laes muito funesto para queeu
possa commetier o erro de a aceitar.
c Se verdaderamente desejaes qne a misso
de que estou eucarregade tenha bom xito, teodo
bondade de fallare de escrever contra mim. A
voasa opposigo deve fazer-me muito bem na
opinlio do paiz, e ser-vos-hei per Uso muito re-
conhecido.
c Pego-vos, senhores, que scceiteis a seguran-
c Queramos estar ao ponto de tocar essa sola-' < da mioha considerado muito distinetn.
o, como acredita a Armona ; queramos que
osae poaatvel deatruir completamente os saltea-
dores, ferodo-os no eoracio, extirpando-oa o as
*Cialdini.n
O general Cialdini fez espalhar a ordem do dia
provincias poBUQcias. desta maneira.provocaodo em que agradece 4 guarda naciooal, a boa attitu-
1 manifestacio sotamne da opinio publica a de qua tomou em presenga da situagio daa pro-
favor da liberdade de Roma ; queramos que ces-
sasse toda a besitago, que a Franga se resolvesse
a fazer o que ainda nio julga poder praticar,
porque o momento opportuno nio chegou por
ora.
c As aecusages faltas pelo baro Ricasoli con-
tra Roma, ao graves, taris intil dissimula-lo.
Mas quem ousaria assumir a reaponsabilidade de
as refutar, qusado etistem proras inconlestaveis
das intrigas, dos manejoa, dos ramas que se ur-
dem em Roma cootra a tranquillidade e seguran-
ce do reine da Italia 1
A Franga, que emprega ama guarnicio conai-
deravel aa defeta de Papa, a Franga que organi-
sou ama poltica perspicaz e iotelligente, nao po-
de ignorar que o latrocinio ae alimenta ese re-
forja peioa anbdKoa de teda a qualidade que re-
cebe do Francisco 11, assim eomo do goveroo pon-
tificio, qoa es horrores com rosnidos pelos ban-
didos, ea severidad* das repressoes sao inteirs-
mente imputareis aquelles que de Roma se ex-
forcam por alear a guerra eivil ao reino.
' c Em preaeoca de urna sBtaocA* tio difficil, que
conataange o gorerno. italiano a concentrar as
profieeia* meridionaes.uraa torca armada consi-
deravel para proteger a vida e a prosperidade dos
cieeaaos pacficos ameacadas pelas hordas
Tincias napolitanas. Este documento diz
c Sr. general Tappott.
< A guarda nacional de aples cooduziu-se
oestes ltimos das de urna maneira natural, e
qua Ihe altrahe cada ves mais admiracio do go-
verno e de toda a Italia. A tranquillidade solem-
ne conservada no meio da agitacAo de um povo
tio numeroso, e certamente devida ao perfeito
accordo da guarda nacional coa o mesmo povo
de que elle forma a dieta. A sua atlitode mar-
cial, a aua brilhante apparencia, a aua marcha
activa fazem-me julgarque esti ao nivel dos ba-
lalhdes melhor organismos.
A 7 de setembro, anoiversario da entrada
nesta cidade do celebre dictador, e a 8 eomme-
moraciu da excellente victoria alcancada aobre os
Austracos, a guarda naciooal e o povo renova-
ran lodos o memoravel plebiscito de outubro, e
deram um nolnvei desmentido is aspirscoes de
hosaeni inrejosos e oceultos, que se mostram lo-
dos os dias mais indignos de ter s Italia por pa-
por pa
acceitais ai
tria.
a Peco-vos, seahor general, que
miabas felicitados-.
CiaWtai.
Nspoles 10 de setembro de 1861.:
. dos
celerado* ^em preaeoca de umaieoospiracao que, De um joroil que temos presente extrahsu
PU de tarimsyenpatenento nese anaca- I parte seguinte de a* correipondents qus
rs, se glora em face da Bur pa de alimentar e eomquanto nio tenha urna data muito rcenle,
egitacao, e espalhar a carnagen na Italia, qual refere eomtudo os-factos muito depou de tarta*
o dever do goveroo italiano, qual dever da cooheeidos. A correspondencia diz:
Fraoga, cosee amiga oesaeaUiada. I c O principal aefoeta de aoaeoto, a dupla
Dtaaaaosqoea qaestao de Roma moral, e jexaltacAo, aegio, iotrigas, noCobleaU napoliuno
tro* o poder temporal deve cahlr, nao aos golpes I a Roma, Dificilmenta ImaginareU o eOeilo que
Das Nationalitat, extrahimos a seguinte carta
que o povo de aples dingio ao general Gari-
baldi :
O povo de aples ao sen Garibaldi
Todoa os dias, todas as horas, todos os mi-
nutos te bem dizemos, charo Jos, nosso pai ; tu
reinas no nosso eoracio ; os nossos fllhos appren-
deram a pronunciar o leu nome, e usam delle em
todas assass oragoes.
< Tu s pai do povo, s tu sem te {aquietares
das fadigas e dos obstculos, sem pensar no inle-
resse, teos derrsmado o leu sangue precioso. As
nossas esperances em ti eterns, assim como a
nossa gratidao.e ha de trsnsmittir-se de pai pars
fllhos eternamente. Posssm os ventos levar a
Crapera o echo das nossas acclamages : Vira
Garibaldi. i>
Publicamos este documento, nio pela sua im-
portancia, que na nossa opiniio nio tem, mas
pels originalidade.
< A corte de Roma est hoje, como sempre,
eco uma situagio, de espirito que eu resumo ds
maneira seguinte':
c Tenho absolutamente razio.
c Trumpharei d'esta vez como teoho triampha-
do das outras.
Ss estes fllhos psrversos, que me sgitam o
espirito, me obrigam a obrar, eu os exeommon-
garei e dentro em pouco.
E' eSle o sentimeoto unnime. Antes de squi
se fazer mesrdeal, trata-sede se ssber primeiro
se elle de boa tempera. Lembrae-vos de Ros-
minie ; a pesar da saa ortholoxia, nunca Po IX
quiz decidir-se por elle, mesmo em 18*7 1848.
< Estando nestaa disposigoes, como que a
corte de Roma poda ehegar, nio digo a verificar
um accordo sincero ( que ella nio far nunea )
mas s a aceitar espontneamente um eompro-
misso ?
a O grande negoeio depois ds aclividade reac-
cionaria em volta do Quirnal, a questao das
relages do povo romano com as tropas fran-
cesas : a qaestao da disposigo dos espiraos no
exercito fraocez.
< A eate respeito existe ama Iota profunda.
Cada um dos dous partldoa quer ver as caigas es-
carlatas pelo sea lado. Os pratriotas italianos
dizem que Mareado ea polica romana qaerem,
na primeira occasiio, ter asestes no povo, e fa-
zer ferir algans soldados francezes, psra acredi-
tar que o partido italiano quer um exercito de
oceupagio, e para excitar estes cootra a cauea
italiana.
< Pela sha parte, os pontificios e os napolita-
nos vio dizeada aos fraonezea qne as eommlsses
italianas na* os querer* nunca; queMaztioi quer
a sns retirada o* ameaca ou lser attacar, etc.
c Na ano de lude tato existe um certa eco do
qu* eacneve oa tas escrutar Mar.iio, sobre a
necessidade de obrar, de perturbar, asaras* o ix-
treUo franesa, por neto d* nsevinaatoa cenli-
nuos. A com missio director* rsgaili absoluta
menta) esta exortace* o* Muatrii : mas tacil-
ento a* coaprehende que Momee transpira s-
game sjoana.
* De resto, declaro qoa aeeAo aazzinUta so-
bre duposicio dos espiritas e m pouco maU
ssesirel presentemente do que ouit'ora .
Polonia,
Dosjoroaes polacos do gram-ducado de Posen,
publicamos o seguiote documento que contem a
ultima vontade do fallecido priocipe Ccartoryski :
a Montfermeil, prximo de Pars, 14 de julho
de 1861.
a Querendo assegursr no futuro a marcha re-
gular do aervico publico na emigracio, e evitar
que em caso algum essa marcha seja embaraga-
da, resolv deixar consignados alguns dos meus
pensamentos. Recomaendo-os a attengio da
minha familia e dos meus compaoheiros de tra-
bslhos.
palavra aos meus compatriotas, hoje o paiz que
tomou a aua conta a direegio da sua cansa ; elle
mesmo dirige os seus esforgos, condece o seu
fim, escolhe o caminho e accelera oa modera a
sua marcha, segundo as suas torgas internas e a
opportuoidade de saa applicacio.
a A emigragio hoje pertence expdr e interpre-
tar ao eatraageiro o t rabal no da emigragio, def-
fender os nossos direitos em face da opiniio pu-
blica, e em face dos governos da Europa, e fi-
nalmente crear oa desenvolver junto das puteo-
cas eatrangeiraa as relages que possam auxiliar
o libertamento da Potooia, e a consolidado no
futuro da sus existencia e da sua aeco indepen-
dente. ^
Entendidas e cousammadas assim ascouas,
os deveres da emigragio entrara oa obra nacional,
e aqoelles que at agora teem d ese m peo hado
fuocgea nio podero ser levados por qualquer
acontecimento, por qualquer cireumstancia lavo-
ravel ou infeliz, em qua uto s Polonis livre e in-
depender, nao tiver por si propria indicado os
seas representantes no estrangeiro.
N'eslas provsces, as ultimas talvez que o
paiz vae por em pratica, cada um deve contar
consigo o pesar na sus consciencia quanto faz pe-
la patria, e o que pode fazer na posicio qae oc-
caps. E qusnto mais S Polonia viver uma vida
franca e maoifesta, mais lambem o aeu servico
no estrsngelro deveri augmentar em energa, e
affeicoar-se a uma orgmuago uoica, hierarchics
e regular. Sem ests ordem tndispenssvel, sem
um trabalha bem dividido, sem posicoes franca-
mente determinadas, sem uma solidariedade in-
tima, o zelo individual, o mais generoso mesmo,
poderla muitas vezes ser prejudicial.
Vi com inefavet satisfacio que meu filho La-
dislao, no dia em que chegou idade madura,
se entregou todo ao aervigo publico, fazendo delle
o seu nico fim e a aua oceupagao exclusiva. Es-
pero que persistir nesle caminho, que nenhuma
consideragio ou cireumstancia o deteri, e que o
pas lera nalle sempre um servidor til. E' pois
para elle que ea appello para continuar a obra a
qne, aem vistas de ambigio para mim nem para
mioha familia, eu consagre! todos os meus dias ;
e fago-o cora tanto mais seguranga, quanto i
pela sua aclividade e relages, elle tem adquirido
no estrangeiro uma posigo que Ihe permittodes-
de logo occapar-se utilmente das necessidades
internes do paiz, e tomar a aua parte na, tarefa
actual da emigragio.
Supplico a meu filho mais velho Wilhold que
at agora com uma iogennidade iocemparavi,
tem feito consistir a sua ambigio em sustentar aea
irmo, que continu a dar-lha no, futuro proras
dessa metros dedicacio Uto nobse e a conservar-'
lbe a terna solicitada que constantemente o lem
cercado. Procedeodo desta- maneira, ter ainda
um vasto campo para aettist o paiz, e pella aes-
ao encontrar a ana recompensa. Sei qne tra-
gando estas linhas, nio digo cousa alguma qne o
teu excelleofe coraeho lbe nio tenha li dUndo :
mas quiz fazar-lha cenheeer que esta era igual-
mente o meu poosaaeato.
c Drente a talaba carreira enUlta ninguem
me tem dad* mata provea de po* inabaiarel
constancia c^mo o meu sobrinh 6 general ib-
FRANCA.
O gabinete de Madrid e a is
eao de Lejn.
Na occasiio presenta, a corte de Madrid o e
mundo poltico esli ea visgea ; s raioha Isa-
bel vuita as corles do Oceaoe, a receida os*
Santander, como reales* seapre recosida ea
Hespanha no meio daa acclamaces e Ofacoe* po-
pulares. -*-r--
Tudo esti pois trsnqcillo appareotaeeate ; a
todo da situago porm, nao dexa do efferacnt
as suas obseuridsdes. Ni* vadea, aee escrevia
recentemente aa haspaahol de ideas livres, aaa
vades at ao ponto de tar a grande ririasissds
de saber o que fazemos. ou para ende vaaoa t
Em todo o caso uma curosidade que exceso *
oossa. Pala nossa parta estamos ha auile lem-
po acostumados a nao saber aoade estaos, ansa
para onde vamos.
Achsmo-oos psssada a insurrei;io de Leja.
insurreicio muito extraordinaria de qae se nio
faz aegredo, e de que a* espera a represea*. Ji
ae nio fuzilla, executa-se per asi* de farra**
vil quellea que aio reputado* chelea e aa se
podem spprebender ; orelo mandado para aa
presidios.
Da nossa politica externa, o que ha vaos de
aaber ? Ficsreaoe ea pas coa Marrocos. qaa
nio salda a indemnieacio proaetUde? Rucea*
cuernos a guerra? No aaoe psassds. anca aaa
fazerem aceitar a pas sem conquista territorial,
diza-ae-nos que Teloao era un tti porta, aaa
campo ominoso, qua mau valia ama grosea sa-
ma, que accommodarla as noaaa
co mega -sa a dizer-nesque Tetuao seria ai
ciosa possessio s conservar i falta de
Na America lemoa com o Mexica e
gocioa desagradareis,, qu* aio ternieaa
nossa honra exige, eu melhor dizer ana i
nnoca.
Na Europa, escrevemos despacha* a favor
poder temporal do papa o teoa jaat* a* Pra
cisco II um embaixador qae o aotigo rei a* Ra-
ples fez principe. Paternos vota* esteris sal
que se ac bou, e temos mi huaor, taabea a-.
teril, pela Italia.
O nosso gsbinete, que preside a lade tata, fas
dizer (cousa perigoaa) peloa sena aaigns. qua *a*
s providencia da moaarchia, o ueste aiaiaa*
rio possivel, e spesar de ludo, sea qu* baja ac-
to palpavel, approxima-se ledo* es dias aaa vaga
ioquietacio. Tudo se fss debis* d'esta
isto nao pode dorar ; oe negocios a*
tristemente condnzidos, ou anta*, al*
duzidos de maoeira alguaa marean aafii
lurs e as aventarse levm-eos aa
de que Deusnos livre I
.! Tenues a voasa parle a'ease tu*
de appreheoses. Nio porque se '
mente que a-Franca tenha un d'eaM
dir-nos a* provinciaa do Site. I* asa
nada que se pacha da balaba dotan*en I
segundo ss cireanatancU*. AqusRe* qaa i
can as coosas saoem qae a Fraaea ala
en tal. Alm o'isso, o aossa miaaplnie a i
Iber smigo do imperador. Kan pal* aa al
rer.vr algans amigos agitar ajena* de ai i
quesi&ee ainda qae una a outros >
sobre eousss maiio diferente*.
B' isto qne sprevsta. ao nasa
, que Ihe di un ar 0 defenece di
ci. nacional aaeacada, e quanlo U (ora jaW
goem rgoronmente pela sao pelitka taguas* a
contradictoria, estas severidades sin islilla
mente o fado de ana coaapiracA* sdrenstassa I
Ha quant,o tanpo dura esta estado t
qqs is|e ha de dorar, at qae em
avalie de outra maoeira. Esta** ea* i
5ne ente* nos nade* ho*rej un
errabsssae nm ministerio oa qaa 1
W aa'tMIilcR, BUBCI hoUTS


u nVJOTr/il A r\r\ L
J


Wt li omnih, u -s mal .aum.
MIRIO M tlllMBDQa. SEGUNDA
que
que fsierdo eleicocs, nao encontratse no parta-cha o caes por traz da roa do Imperador,
analo urna maioria dcil, ^floni***, |M^I^,l tranaito por all.
perieocUe, se usam o eYp*WjM,"M WMrvf ^iU'toKrjlain-DOS que as dera ordem para qae
quecem os costees tM^M(Pte Cdjt ft)9Mr:iHWt vio ao Apipocoi, flquem na fralda
utao. em tbi de se foilahacerem, e o rgimen da roonUoaa, deecendo e subiodo os pessagelroa
constitucional est a rnerc *" '--11inla astil
reflectir-se.
aterio. MMMtl.tejriji eedid* xer-
Mtade ^JHwAatencM, e ferer muio
lente, -ni* he nenio 'at*er~ tafias
s aessas dividi** poeqae toaW e*tarso* di-
-tdtalos, Deauis, dit-ae entre aee, noten ga
kiaaAe nio ive seoao pelo preaiente, que
urna cabes* politice do te un chefe
r; o* outrae ainiasree cabea na iaslgni-
ae*acia, tal vea per i*e que e taque de Te-
tan as censar vajBBtoati.
O aaaaa ministro d iatericr o Sr, Pesada Her-
reTa, arfe aob o pero das leis de retorna que
devla Uier. q" ffifW o perlrnunlT, a
jue nao sostetitou ate o flm.
O Sr. Caldern, aoaaia om ama togeneldwe verbosa que com
Ufflcuiqade istioMla a falta de luda idea, 9
jue se converle em lodos os lujares communs.
O Sr. Negrete, ministro tas jufilicai. trata ale-
gremente doa negocios da sua reparligo. O mi-
nistro das obras publicas,, o mareuez Corvera,
perturba a cada lottaale es eu* sollegas pela io-
genuidade daa auas coniidt s as cmaras, e a
ministerio, ha trez adnos, oso tem conseguido
m*is orear una partido do que dar-se urna poli-
sica.
^-tt partas aiiBisierial e rasa reame o de no-
mens de (odaa as opinioes que Tolam exatamente
come ae quer, e quoeatao nos capingos oa es-
pina, a ellee. Pastare! agora a aaaa pequea
historia irreverencio**. Ha algn lempo, ana
dos ooteoa oradores quereode definir o partido
aniaislarial desse que qaereado definir o partido
(BioUtacsal, disseque n'umu das suaa viagens,
lando em Londres, tinhs viste asta palanas
em um carlaz : feliz familia. Quis saber quem
era aquella familia que ntela urna tal preten-
sas, e eutrou.
< O dono da casa mostroa-lbe urna jaula qae
centiab* os iaiaice mais ncarnioW na or-
an zoolgica, que, devido aa seu cuidado ao
sea cuidado, viviam na mais perleita intelli-
800 ca.
Todo o segreo do dono da casa consista em
,nao consentir que a (orne se apoderaste nunca
des seos educandos. Era esta a familia feliz.,..
Tal boje s ituacio da onio iheral para com
O seu ehee, accresoentou o orador. Esta exprs-
sao conaeeea-ee. Eu nao direi que aeja absolu-
tamente justo, porque em summa oecessario
ter em conta o bem ; mas d urna idea das nos-
jas polmicas.
coaita ae de pe reas i
aa altura qae iaraswada i Mastite,
tmenme aerne-eee, toeeaalie etc^ ubrisjando
os paaehaia a deesa rasa a eaiesjfc, eu a ficaaea
asaporeorlMdas. Sari* ceeveaieate que o* Sr*.
ftaaae3 t re aaaa u a peoce *a cuitde-. asa* res-
paile.
Nos Mas 1, 17 e 18 do correte Area re-
O Aboco, como no-lo appieseatam, de um
Juuco vivo ellectlvamente, e nao um amigo,
as cooclue-se que as cousas nao sio da ma-
ueira para siena doa Pyrinos a quo a Hespa-
*ihi se envolvecada vez mais em urna d'esses ti-
uagoes que cooduzem a urna crize, quando eio
se renovados a proposito pela iatelligeocia de
40i chele hbil. Um dos fac os mais curiosos se-
guramente na poltica actual da Peoiasula, o
da insurreicjio que rebeutou recenlemente em
Loja, oa Andaluzia. Este acto nao liaba nada de
serio, ae pode diier ; nao eslava oigaaisada,
nem sufficieolemeola armada, nao linha nem
palavra de ordem nem lim determinado. Os par-
tidos activos da Pennsula parece lerem sido es -
trar.hosa este movimeulo, cujo principal chefe,
Raphael Prez lamo, era um crrador de Loja.
A iu&unei$ao uo chegou meemoa dar com baile
c. uao se sabe a razio por que as tropas manda-
das contra ella nao entrarasa logo oa oidade por
um momento oceupada, mas pouco depois aban-
donada peloa insurgentes
Este movimenio em si suQocado ao seu ger-
men nada linha de serio ; tem cocotudo alguma
cousa de grave pelo carcter novo que resullou.
Al agora quasi todas iDsurreic.oes eram effecti-
Tameoie militares. As resaldeles que se succo-
detatn em Hespaaba, nao liaham outro carcter
e oulra origem quejoso fosse uaaa parle do exer-
ciio, Traslado pelo seu chefe. Pela primeire vez
talvez, se vio urna inaurreicio, teodo O'alguma
raaneira urna cor civil, um chee de urna classe
inferior collocado 4 testa de paisanoa sublevou
6 ou 8.000 homeoa...
Seja como for, a repressao comeQou; al-
guna dos cheles pereceram de arrota ; outros,
* soaior numero, foram mndalos pava os presi-
dios. O governo foi tomado de improviso, nao
ae esperara esta explosao, e empregou-se tanto
rigor oo processo, como facilidsde se havia dei-
xado em ser atrrpteheadido.
Ha aiuda uan cousa mais grave, cedendo
uf pouco ao susto O'este pbanUama do socialis-
mo, o ministerio deixa-se ir voluntariamente
n'essa corren te ala reaego que produz um re-
ceto exagerado, Durante algaoe diaa a impren-
sa de Madrid tratadacomo.os insurgentes de Loja.
Todos os jocotes, opposeao. taederados, pro-
gressistas ou demcratas sio perseguidos e insul-
tados. Alguns san sesmo obrigados a cessar a
sua publicaeao
0 mioisterio nao ehegou a ver que fixava mais
efScazmentea aua existencia e o*seu poder com
tirmesa liberal e vigUanta.'Pfrsneio d'um impul-
so iniis largarnenle intelligente, em urna paia-
vrs, por meio d'uoia politice frasca e clara, que
iracaase um camlnho regular para todos os inte-
resses lrberaes de Hespanha. >
)Revu des Deux Mondes.)
nano lugar, com bastsnte incommodo. Nio se-
r isso usb absurdo ? Que responda quem deu
a asaos.
ajntre aja, nossos Uberneirw
amostra, aaa su as
Appellante, B. Joaquina Mari
na ; appellado, /bs Joaquim de
Appotlaate, los Thootonio d
appellado, loko Duelas da Silva
Appellante, Jos Feliciano
lo, Antonio Fraocitco Paz.
DistiMBuigas
M. OQTVnO M 1861i
S QlllTJt VJIII illi
se nio tioharecebido commu-
lEnss, preatdefiU da provincia
e a exposicio, havia lldo
adow
cotbidaaeaaa da *Hencio 16 boatens A mu*^
Iheres, sendo 15 livret e 5 escravos, a stber a
| ordem de Pe. chale da pelieia 1, inaluaiva o pir-
do Fellt ou Jos, escravo de AntonioTerrelra do
Nascimento, a ordem da subdalegado do Recie
3, a erdem do de Santo Antonio 4, inclusive os
pardos Justino Eloy a The reza, escravos, o 1 de
Jos Gados Figueira, o 2 de Pedro de Oliveira;
Coelho a a 3a de Antonia Jos da Casta Reg ;
a ordem do de S. Jota 5; a ordem do da Boa-
Vista 4; a ordem do dos Affogados 1, que o
preto Simio, escravo de Bruno Aires; ea or-
dem do do Poco S.
Passagiros do vapor i'ersiaunga sabido
para Maceio e portoa Intermedios.
Padre Salvador da Rocha de Oliveira, Jos
Mana Ramos orjlo, Manuel BernardacUSilva,
alteres Luiz Antonio Menezes Santos e 5 pragss.
Jos Haia da Rocha, padre Getulio Vespasiaoo
Angosto da Costa e 1 criado, Antonio Franco da
Silveira Lias, Dr. Jos Paulino de AAbuquerque
Sarment, la senhora e tres escravos, Arlme
Fvre, Jos Joaquim de Oliveira Barros, Fran-
cisco Augusto de Oliveira Barros, Antonio Fran-
cisco Maia Antonio Teiteira Pinto, Jos Cundes
Nogueira, Sebastiio Accolly S. Ramos. Candido
C. 6. Alcoforado, Maooel Policarpo Moreira de
Azevedo, liultherme Baptista doa Sintus, Agos-
linho Lucas Corris.
Matdouro publico.
Mataram-se oo dia 19 para o coasumo desU ci-
dade 102 rezes.
M0RTAL1DAOE DO DIA 19.
Florencia, Pernambuco24 annos solteira, S. Jos;
parto.
Manoel, Pernambuco 1 hora S. Jos; espasmo.
Hara Joaquina, Pernambuco 44 annos, soluira,
phthisica.
Henriaue, Pernambuco 7 mezer, Boa-Vista ; coa-
geslio cerebral.
Maooel, Pernambuco 1 hora, S. Jos; espasmo.
Falleceram durante a semana 44 pessoas,
sendo: 9 homeos, 10 mulheres e 13 prvulos,
livres; 3 homens, 4 mulheres e 5 prvulos, es-
cravos.

CHRONICA JUUILURII.
.estando aatiafeito porque entre i
ana pessoas que poderian prestar
"iananflaaE <
mmunlcoa fo bavia recabldo
iflta or de tea* amagos ttiu pro-
Ino completo pita cha. aaaa '
quarS las e ms copo da loucaaMaVasada Mac
^m! f5***i,,,:her "u,ot jaAi-:
ha Mata o AUrn. presidente atntavinela na
primeirs sesf"
Aprtente, o jaizo ; apnelladta, Luciano Pa- xposicao nio asKorresse laa^igajaj, i
ifSS^oTSSA' BiewWt illesal UrnWM^
Comraunicadi^^g
rand
0
i-Utatiofl ISaai- ao
-H I*
m itUda, Amonio Alvos
dwfs^eifvVrtsiapp
aira atsaaig.
AppnUante, ojuzo appellado, Ant
calves Pereira.
- Appellaate, a juiaa t apaaUada, Aoteuie Faaa
ttno Oa atolla. -"-------**-----------
macia, e aboso de joizes de oaz,
iomnando a
ros medicoi,
ndo qae
to outubre.
Astro.
dorias.
F[uviur bacalbio.
a Syreno bacalbio.
taan,
tem sido
e prepa
teas) que nio a^BaasBU
d.commi..So,elitanqun.o4 **do- alP-
Mcorresse Inunjjaajit. Ule snra-
otaria a detjw trata.
O Sr. Dr. Satsneoio leu
Ignacio de Mendon?a em qu este -
de
PERNIMBUCO.
REVISTA DIARIA.
No dia 12 leve lugar a remocio dos apreodizes
meoores do arsenal de gnerra para o novo sobra-
d construido pelo actual director, lenle co-
ronel Leal.
A este acto estiveram prsenles nio s o Exm.
Sr. presidente da provincia, como tanibem os
Srs Dr. chefe de polica, secretario da presideo-
oa, ajudante de ordens, e outras pessoas mais
de cousiderso. Um dos aprendizes menores
dirigi a S. Exc. ata allocuco, aps a qual
prorompersm em vivas ao mesmo Exm. Sr.
Illm. Etro. Sr.Algtr a mioha fraca voz
para tributar trm vol de gratido a V. Exc.
dever daquelle que constantemente recebe das
roaos de V. Exc. ama nao vulgar aolickude e
zelo para com as desrallldos fllhos da misera hu-
manidade.
Que de prazer se nio devem encher nossos
corajes, quando temos atiesta de nossos desti-
nos, aquerte que' Dio cessa de promover o nosso
bem estar e a nossa felicidade l
Exm, Sr. presidente, se a mioha iotelli-
gencia pobre para em nome da companbia dos
apreodizes menores desle arsenal manifestar a
magnanimidade de V. Exc, somos ricos para
Iributarmos sos ps de V. Exc. os nossos res-
pettosos agradecimeotot, e as nossas homenagens
a Receba, pois V. Exc, jssd como o Illm.
Sr. director om brsdo arrancado do fundo dos
nossos coraefies, e pttmitta que digamos.
Viva o Exm. presidente da provincia l
Este novo sobrado urna obra mui importante
de cujs execocao lis multo careca o arsenal pel
crescido numero de menores, que Ora cpmpdem
a respectiva companhia.
Consta 0'a.dfflcfo de dous saloes, e nellea exs-
tem cento e vlnte leitos numerados distribuidos
para cada menor.
ft'mais urna prova do zelo, que deseovolve o
referjdo tenente coronel Leal no deaempenho de
soa nrisso, tornando-se esda vez maia recom-
mendavel a gtatldlo dos seus subordinarlos.
A superitsndencia da via frrea acaba de mar-
car om prazo. que chega at.3l do futuro mez
de dezembro, para secem sitisfeitas as entradas
ematrazode varios accionistas, cujas apolices
ao mendonadat peta nnmerasao no aviso da
referida superintendencia.
Findo este limite seB/ejue bajam-sido realisa-
cs as otradas, ser^o as resectivaa apolices
onflscadss para directora, epoforme dupejn
os esta tutor.
Hootem celeBTau o'
nlversarfo de sea insJtnr
nettura vhjta do Bub.,,..
st fot ctn effeito niriner,
ment achava-se em condic5<
dt)minUtracto ftifi&rl
Acha-se designado o'-"
o, an-
va
fl JWUteleci-
revela o zelo
Ttm a reanilo da hn!.
r>7 da comarca dn^V
i Amtaolria peluahpra
JoeSr*

TRIBUNAL BA RELAQAO.
SESS10 EM 19DEOUTUBRODE1891.
tRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELUEIRO KRMEUHO
DE LEO.
s 10horas da manhaa, achando-sepresen-
tes os Srs. desembargadores Caetaoo Santiago,
Silveira, Gitirana, Loureoco Santiago, Motta,
Peretti, Uchoa Cavalcanli, Assis e Guerra, pro-
curador da corda, fallando com causa o Sr. des-
embargador Rocha Bastos, foi aberta a sessao.
Pessados os feitos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguintes
JULG AMENTOS.
RECURSOS CR1HES.
Recorreote, o juizo ; recurrido, Aotonia Ger-
mano Alvea da Silva.
Relator o Sr. desembargado: Caelano San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
a Peretti.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Jos Silvestre
de Lyra.
Relator o Sr. desernbargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Assis e
e Uchoa Cavalcanli.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Miguel Ferrei-
ra da Silva.
Relator o Sr. desernbargador Gitirana.
Sorteados os Srs desembargadores Ucba Ca-1
valcauti, Caelano Santiago e Assis.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Antonio Joa-
quim dos Santos.
Relator O Sr. desernbargador Louraogo San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
Assis e Peretti.
Improcedente.
A.GCRAVO DE PET1QO.
Aggravante, Estero Jos l'aes Brrelo ; ag-
gravado, o juizo.
Relator o Sr. desernbargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Peretti,
a Assis.
Deu-se provimeoto.
Aggravante, Francisco Pereira de Carvalho ;
aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desernbargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Uchoa Ca-
lalcao e Peretti.
Nao se fez aggravo.
appej.la.q5es chimes.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Lopes
Barbalho,
A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Pedro Joaquim
da Campos Feneire.
A novo jury.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Igna
ci.
Improcedente.
Appellante, o promotor ; appellado?, Joaquim
Tavares Sarinho.
Nao se tomn conhecimento.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Pedro
da Silva.
A' novo jury.
Appellante, o juizo : appellado, Francisco da
Rocha Wanderley.
A'nnvo jury.
Appellante, Dr. Gaspar de Menezes Vasconcel-
los de Drummond ; appellado, Francisco Antonio
Baodeirade Mello,
Improcedente,
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Jos
Piobe'ro.
Improcedente.
Appellante, Epiphanio llenrique da Silva ; ap-
pellado, o juizo.
Reformou-se a pena para o grio minimo.
APPELLAQES C1VE1S.
Appellante, RuQna Mara da Coacaijio ; ap-
pellado, Luiz Gonzaga dos Santos.
Reformada a seoleucn.
HABEAS-CORPUS.
Concederam ordem de habeas-corpus pedida
por Alexandre Bezerra de Albuquerque Barros,
para ser apresentsdo em sessao de 26 do correo-
te, s 11 horas de dia, ourido o delegado de po-
lica.
DILIGENCIAS CIUMIS.
Com vista ao Sr. desembaxgador promotor da
justica, as appella^oes crimes:
Appellante, o promotor ; appellado, Joaquim
Vicente da Silva.
Appellante, Luis Antonio dos Santos ; appel-
lado, Manoel Themoteo de Moraes.
Appellante, o juizo appellado, Pedio Diaa
do Natcimento. '.
Appellante. Francisco Mamede de Carvalho :
appellado,-Guiiherme Jos da CosU.
Appellaole. Domingos da Cotia Silva; ap-
pellado, Angelo da CosU e Silva.
DESIGNAf.AO DE DA.
Assignou-se dia para julgamenlo dasaeguiniea
appellaces crUnos:
AnnelUnte, Jone Visita Bnzetade; appellada, a
justica.
Appellanle, o juizo; appellado, Maooel, es-
cravo. .
AppellaDU.Fraaeisco Antoaie dos Santas: ap-
p ella do, o juizo.
; Aopellaote, Manee] Vicira de Lacerda ; appel-
laao.oinizn, ^ ,,.
^#PUante,Mta 4MUO; poellado, Emiliano C*a-
CM, fatapip..- -b->
rmnartaa. Farreara dat Paatea ;
Ao Sr. desenjbargador,Gitirana, as appella(des
Appellante, o juizo : appellado, Vicente Fer-
reira da Cunha.
Apoellaate, o ulza ; appellado, Theopompo
Cava I cao ti Marqtuta Gaimaraea.
AppelLaote, o juizo ; appeUado, Luiz Antonio
Pereira.
Ao Sr. desernbargador Lonrenco Santiago, as
appellacdofl timos :
Appellaole, o jauo; appellada, Anna Caval-
canti de Albuquerque.
Appellanto. Joie Ftaoaiaao Pereira loMotaoa :
appellado, o julio.
Appellante, o juizo; appeUado, Bonifacio Pe-
reira Santiago,
A appellacao civel :
AppelLaote, Joo Tavares de Mello Jnior ;
appellada, a preta Thereza.
Ao Sr desembargado! CosU Motta, as appella-
;oes crimes :
Appellanle, Sebalo, escravo ; appellado. o
juizo.
AoneUante. o juizo ; appellado. JfelU Anto-
nio .de Soma.
0 recurso rime :
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Maooel de
Assis Santiago.
Ao Sr. desernbargador Peretti, a sppellacdes
cimes:
Appellanle, o juizo ; appellada, Jos Bernar-
dino dos Santos.
Appollaote, n juizo ; appellado, Jos Ribeiro
Campos.
O recurso crine :
Recorrente, o juizo; recorrido, Estevo da Ro-
cha Los.
Ao Sr. desernbargador Uchoa Cavalcanli, aa
appellaraes crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Joseph Ro-
drigues de Oliveira.
Appellante, o juizo; appellado, Francisco An-
tonio de Moura.
Appellaate. o promotor ; appellado, Antonio
Joaquim da Silva.
O recurso crime : >
Recrrante, o juso ; recorrido, Joo da Silva
Loareiro Torres.
Ao Sr. desernbargador Assis, as appeUacoes
enme:
Appellanle,,o escravo Luiz; appellado. o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicenta Fer-
reira Pires.
O recurso crime :
Recorrente, o juizo ; recorrido, Francisco Joa-
quim da Silva.
A' 2 oras encerrou-se a sessao.
coronelTtorencio JosCarneiro Monteirq."admi-
nisiraor da caaa do deteoeo, oa ecio de
suaa inlenQes, desiste do proposito em que es-
'* *e nao4r para a expoSifSo urna laboa da
grande sapveaia, que existe em seu engenho
mas que levar A.efTeo sua iotencAo, para a pri-
haverem arjtaenUdocuraM Amaspe
tbkoa ; mas, send iatta Ultafai, porqnaato a ein-
VBMa A permiltido o naMfcata da oaodiaiua aw de
- de seus ramos smi lar ttulo legal ,*vte nio
sao esses aiiestados de frecuencia da cursas,ha-
oteaathieoa. revendo cessar o procedimento
alesaes juizes de paz que, sera atteuderem soqne
flispe o art. 145 do cdigo criminal, condemnam
' a pagamento pessoas que a lato nio esli abriga- J
' Asa, entretanto que atleodem a exigencias de i%-
dividuot, que com as mesmas petiges qu Iban
rntalra'exposi_co_gera quVhovM^
^smoT^ Sfrmen^ ^
Incumbidos da dislribuicao doa productos"toi 1 sL*,0"- I* deCre' "v8^ ae29,d "'bF d*
amostras de tanda,. oitural qeffoott!I Josid" I *8*-1' J?'iP>-conveniente publicar ealae liobas
settmbro de
etalaeUobts
os extractos que ss acompanham. Dio t6 para
* atnl iiuai l. at .. .^ 1____________ ^ Kl- .__ *
Siquetra Pitaaga eaeoatirou eaaeamadas ao p de
i.;t. *;.^ i___________ --;** *. *,,t,, rB'Ff,l orst materia, senio pan
tlHrtB Ott fD C
nos desta cidadedo Reoifa ; aeraste*too que
o dito Siqu.'ira Pitanga chegira a este rfaullado
pedindo uma agulha pera pregar um bota que
se bavia desplegado em sea vagem, pota que,
podno-a sobre urna meta onde se achava urna po-
dra destaa, a agulha (Ora atUahida pela pedra e
ihe cra adherenle, pelo que tioba trando gran-
des pedacos doa quaes s Ihe reglaam oa dous
que entregara.
0 Sr. Dr. Portella communicou que liaba visto
linha extrahido de ps de ananaz abacacby que
devia gurar na exposicAo, e o Sr. Dr. Gervasio
Csmpnllo disse que tratara de oblar o mtsmo
producto da raacahibelra, aQm de ver ae poda
ser appiicado com vaulagem a cerles usos.
0 Sr. Dr. Sarment propoz que ae pedase ao
Exm. presidente da provincia para qae mandaste
que o Rvm, regador de Gymneeio provincial re-
menese pare a exposicio a objeclos que exis-
tem do museo diquelle estabelecimento Ilitera-
rio, vindo non nropaios armarios era quaee acbam,
e S. Exc disse que o pedido seria satisailo.
O Sr. Dr. Gervasio Campello, como um des
membroa eocatragados do arraojo dasalas desti-
nadas Exposicio, communicou que os eaxilhoa
tioham os vid ros muito sujos, fallandoalguna e
extslindo outros quebrados, a pedio que S. Exc.
maoJasse limpa-los, e substituir os que faltavam
ou etlavam quebrados, visto que tazando estas
eala* paite do palacio da presidencia, poda S.
Exc prestar-se ao pedido.
Convidado o Sr. engenheko Buarque, am de
dizer se o padre Azevedo estava tratando de con-
cluir sua machine para que asta ligurasse na ex-
posicio, communUou que'os operarioa estovara
trabalhando e que elle esperase qae a machina
etlivease concluida no prazo que Loe foi designa-
do, e disse que j bavia adiantado a quantia de
cera mil tais.
Nio haveodo mais nada de que se oceupasae
a comaissao, o Sr. presidenU encerrou a ea-
so pelas nova horas ds neite da qual eu, como
um dos secretarios, escrevi esta acta
Sala das sestees da commissao, n palacio
do governo da Pernambuco, 10 de ourubro da
1861.
JURY DO RCIFEH.
4.' SESSAO OlA 19 Dfi OUTUBRO DE 1861.
Presiencio do Sr. Pr. Bernardo lachado da
Costa Doria, juit de direilo da V vara cri-
minal.
Promolor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmo Lobo.
Escrivo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Este-
ves Clemente.
Advogado, o Sr. Cali Guerreiro de Castro, sa-
ludante do 3 anao da Faculdade de Direite.
Aberta a aessio pelo toque da campalnha _.
10 horas da manha, verificoa-se eslarem na ur-
na 48 cedulasHmandou o Sr. juiz de direilo pro-
ceder a chimada dos jurados, e acharara-te pre-
sentes 38 Srs.. ..
Foram multados em 203 todos es jurados qae
faltaram.
Entra em julgamenio o rio Ignacio Gomes Mo-
reira, aecusado por crime de homicidio perpetra-
do na pessoa de Joa Marcelino, tendo o mesmo
tp.o por aeu defeuaut u Sr. Cilio (iucrruiro.
O jury de sanlenoa compoz-se dos Srs. se-
guintes :
Innoceucio Antunes de Farias Torres,
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Antonio Cordeiro da Cunha.
Americo Ovidio dos Santos.
Francisco ds Bocha Passos Lins.
Francisco Antonio de Almeida.
Candido Autran da Malla Albuquerque.
Joaquim Olalo Bastos.
Francisco Rodrigues Pinbeiro.
Francelioo Xavier da Fonseca.
Bento Joaquim de Miranda Henriques.
Joaquim Pereira de Meadooc^ Jnior.
E prestaram o juramento dos Saatos Evan-
gelhos.
Foi o reo interrogado e fez-se a leitura Ao pro-
cesso.
O Sr. promotor pedio a eondemaaco do reo
no grao mximo do art. 193 do cod. crim.
O advogado dedazindo a defeza pedio a absol-
vicao do reo.
Findos os debates, o Sr. juiz de direito propdz
ao jury de sen tenga os quesitos egainies:
1.* O reo Ignacio Gomes Moreira, no dia 13 de
juoho de 1852, no lugar denominadoCapim de
Cheirodeste termo, matn cora ara tiro a Jos
Msrcelioo ?
2." O reo commelteu o delido com a circums-
tancia aggravante de estar superior em armas de
modo que o offeodido nio poda defender-se com
probabilidade de repellir a offensa ?
3. Existem circumstancias attenuanles favor
do reo ?
Becolhidu o jury de senlenca com o processo e
quesitos sala secreta das conferencias, dahi
voltou depois de urna hora respondendo pela nia-
oeira seguinle :
Ao Io quesiloSim, por 9 votos,
Ao VShn, por 7 votos.
Ae 3*Sim, per 8 votos.
Lidas as respostas pelo presidente do jury de
sentones, o Sr. juiz de direito publicou sua sea-
teng condemnando o reo a pena de doze annos
de priso com trabslho e nos cuslaa do processo
Levantou a sessSo s 3 horas da tarde, adian-
do-a para o dia 21 do correnle pelas 10 horas da
manhaa.
l'wconde de Suassuna.
Dr. Joaeuim d' A guio Faneca,
Secretario.
Joaquim Pires Machado Portilla.
Secretario.
Palacio do governo das Alagoas, 26 do setem-
bro de 1861.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra
de commuoicar a V. Exc. era resposta ao sen o(-
ficio datado de 5 do correte, que par portara
desta data, nemaei os cidadios constantes da
s relaco junta, para membros da commissao en-
carregada de colligir os producto* desta provincia
que teem de ser remedidos para a Exposicio nea-
ee capital.
A's autoridades lenbo feilo as recotnmendeces
convenientes para que sejam pramptamente sa-
tisfeitas aa vistas do governo imperial esta rs-
peito.
. Dos guarde a V. ExcIIlm. Sr. Dr. Antonio
Marcelino Nanea Googalres, presidente da pro-
duca de Pernambuco.
Antonio Al ves de Souza Carvalho.
Relaco dos cidadaos que por portara
desta data, foram Horneados iuein-
bros da commiso que tem de di-
rigir a Eiposieo no dia i de norem-
bro vindouro.
Bario de Jaragu : presidente.
Antonio da Silva Lisboa.
Umbelioo Guedes de Mello.
Dr. Antonio de Carvalho Raposo.
Dr. Manoel Sobral Pinto.
Maooel Jos Teixeia de Oliveira.
Maooel de Vascoucellos Jnior.
Dr. Flix da CosU Moraes.
Commendadoi Rodrigues Antonio Bratikiro
Maceio.
Secretaria do governo em Macei, 26 de
setecobro de 1861. Possidonio de Carvalho
Moreira.
csclarecimeoto dos que igoiam asdisnosigoeale-
ue exs-
que nio
conlmuem a proceder como tem procedido esses,
qae Qogem ignorar emas disposicfos e resolu-
ctaeta, am Ae poderem preatar-se exigencias de
: patentes e amigo* que iofriugem aberta meo te a
le e regulameoto supracitados, e chamamo para
isto a atteoco da autoridade, a quem compete O
coobecimento desse* fados.
Ninguer pode exercer a medicina ol a pbarma-
cia aem ter titulo legal conferido pelas escolas de
medrcfoada impone, oo per eecolat estraogeiras
conhecidas, aendo asee lita Ves verificados por
aquellas, ou estando registrados no* livros das ca -
omm muojKipaea, aeguotao tfetermioa a arl. 35do
regulamento de 29 a* aetemttro do 1851. Niognem
pode fotSMCor nediaacateatos, mesmo soa> a dno-
mtnacAe de doses homceoMlhieas, sem ter carta
de pharmacia passada ou rerifkataa pelas mesmaa
escola* do imperio, o registrada nos livros fas
camaraa municipaes ou da inepeccAo de aauae pu-
blica. Neonatal taealutivo pode forneeer reme-
dio* a seus tteeotes, nem ter octadade para isto
com pharmaceutico algum, nem indicar a botica
em que quer que sejam preparados oa medics-
rnetalee que rasero**. Oa que exercem medi-
cina ou pharmacia aem Ululo, nio exceptundo-
se oa que exercem a heaootopaihia, incarram na
multa de cem mil seis, a, na reincidencia, na de
duzeolos mil ris, e eu quinze diaa de prisao.
Os facultativos que fornecem remedios aos seas
deentes, mesmo sendo dses homeopathicas; os
que tem sociedada pata tato com pharmaceulico
on iodicam as boticas em que devem ser .prepa-
rados os andicamentos que presorevem, iecorrem
oa multa de duzeotos mil ris, e, na reincidencia,
nada aname quaniia,o etn quinte das da pristo.
Ansian, pota, oa juise* de pax, que tem con-
dena nado alguma* pessoas a pagamento de hono-
rarios mdicos reclamados por individuos oao
habilitados com titulo legal a esetcer medicina,
D>smo pelo yslema homeeopathico, tem iacor-
rido no crime da responsabilidade, e pdeos ser
pracasaados ; nio precisando para isto mais do
que a intervenido do promotor publico que, diri-
gindo-se os registros e archivos desses juicos de
paz. encontrar prova suficiente.
19 de outubro de 1861.
Lei deZie ouiubro de 1832.
Art. 13. Sem titulo conferido, eu anprovado
pelas ditas Faculdadej (de medicina), ninguem
poder curar, ter botica, ou partejar, em quanlo
diapoaices particulares, que regulem o eiercicio
da medicina, nao providenciarem a este raapeito.
Nao sao comprehendidoa nesta dispoaicao, oa
mdicos, cirur^iOea, boticarios e parteiras legal-
meute auloritados em virtude de lei anterior.
PU 19 DE OUTIJBRO DK^HCI.
A'S 8 HORA BA TARDE.
Revista taMiaf.
Cambios S*ceoo-*e sobre LooArata
i/t, 25 J/4. d. per BBJOM
sobre Par* a 375 r. i
co. obre Li*bo de If 111
per cento de premio, regalan-
do se 30,000 os aque Aa tata-

Aguardante -
Couros-
Carne secca- -
2.a secQio.Palacio do governo da Prahiba,
17 de selembro de 1661.Illm. e Exm. Sr.Ac-
ensando a recepcio do offlcio de V. Exc. de 10
do crtente, em additamento ao de 5 do mesmo
mez. Acerca da exposico agrcola, que por or-
dem do governo imperial tem Ae ser aberta neasa
capital, cumpre-me em resposta declarar que
cabo de nomear de cenformidade com o pedido
deV. Exc. nata commissao composta do Dr.Mano-
el Correa Lima como presidenta, do commeoda-
dor padre Liadokfo Jae Correa das Heves, com-
mandador Francisco Alves de Souza Carvalho.
padre Francisco Pinto Pessoa, padre Felippe
Benicio da Fonseca Gal rao, Francisco Xavier de
Abreu e Frnockco Manoel Carneiro da
Cunha.
Deas guarde a V. Excilla. Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de Pernambuco.Francisco
de Araujo Lima.
,lte^T*lJerfeaTta.
inte, o juizo; a se aliado, Jes Bariti,

Itnte, JoA PMk Lima ; pneilado, o
va ofDctAo. entat Wta.de IX deeetemtarn cent
aunicao>^>a-anea ataapts^sataarMdas
Acta da quinta sessao da commissao
de Exposico dos prodoctos agrco-
las e ifldustriaes desta provincia,
t das que Ihe f o limitropes oa Ihe
lica prximas.
Reunidos todos meetbrot da commistio, a
excepgo dota Srs. bario Ae Muribeca Dr. Bar-
ros Brrelo. Marques de AxQoriao a Ferretea Bor-
ges, e de Sr. eommaadador Mantel Goncalvca
da Silva, por* achar-se incommodado, e estando
preaaate o Exm. Sr. preaident* da provincia, o
Sr. presidente da commiaaao declstoe abeita
sessao.
Foi lida e approvada a acta da sessao antece-
dente, e passou-ae ao
EXPEDIENTE.
Foram lidas dous oficios Ao Exm. presidente
da provincia : o primeiro A 5 de correle, m
que coaamaateava que o Exm. presdante da pre-
vi ocu de Alagdaa Iba havia oficiado com data
de 26 dn om pessado txaasmatucdo-lba a lista,
qu pornonfa mettia, das peaaeas <|u eUe tt-
nba. aootearoe pata cerntsassia ncarregada A
agenciar productos que devem figurar un rirnAi'
tico quo t*m deffefier-a neata oidade ;e o
tgBdo. Ae 1 Anata m>, rizia aea
'!*** #>2tnadtaytaia^bnlita ib bai cies de atiniatcrin da aan^tt-ata de de gesto
Illm. Sr.Tendo o governo imperial determi-
nado, que e ftzesee ne dia 7 de oovembro de
correla aone, na capital da provincia de Per-
nambuco, nma exposicio dos productos natnraes
e artiticiaes daquella provincia, e das que Ihe
sao limitronbes, julgou convenieote o Exm. pre-
sidente da provincia nomear urna commissao
nesta cidade para prora ove e exposicio di pro-
vincia, remetiendo os seos productos A commis-
sao central instituida na tardado do Recite, sob a
preeidMcia do Exm. senador viscende de
Suassuna.
Deaejando nos, membroa desta commissao
corresponder A connanea da governo, a faser,
quoto eco oa couber, para que a provincia le
CeasA teaba "mai urna oeeoiiata solemne de ma-
nifestar a riqueza do seu solo e a industria de
eu* habitante*, temos rslvido olllcitar e au-
xilio daa peasoaa maia illuatradas e consideradas
da provincia, entre as qoaes temo* a atiataco
de contemplar A V. S. etaerando deata forma
sapprir nio insuficiencia de nossas exforgee
censo a iosuffieieocia de tempo, de que dis-
pomos.
Cooiados ne reeonhecido patriotismo d V. S.
eaeeramos, que empregarA a aua merecida in-
Quencra, para que m teja remettida a maior
qoaotdada e melhor qualidade des productos
dessa iocalidade, convlodo, que V. 9. faea senttr
aos afectivo* a i psito re, que eile nAo per-
dem os objeclos, que etpoeevem por qaet*
tan devolvidos' se a tetra a qaizerem.
Remellemos A V. S. um exemplar das inslruo-
flej;ufomnto de 29 de selembro de 1851, man-
dado xecutor pele decreto N. 828 da mtsma
data*
Art. 25. Ninguem pode exercer a medicina, ou
qualquer de seus ramos, sem ttulo conferido pe-
las escolas de medicina do Brasil, nem pode ser-
vir de perito ou passar certificados de molestia
para qualquer flm qae seja. Os infractores in-
correrio oa mulla de cem mil ris pela primeiro
vez, e, ou reincidencias, em duzeotos mil ris e
quinze dios de cadea.
Ari. 39. Nenhum facultativo poder preparar
e nem vender remedios ou orugas, excepto noa
lugares onde nao bouver botica aberta; e nem lio
pouco poder em hypothese neohuma ter socie-
dade ou fazer contracto com boticario ou dro-
guista sobre objectos relativos s suas profissoes ;
e nem lmpor aos doenles a condico de comprar
os remedios em certa e determinada botica. As
infraccoes serio punidas com a multa da duzeo-
tos mil ris pela primeira vez, e na mesma quan-
tiai e quinze dios de cadea ds reincidencias.
Iflm. e Exm. Sr.Tendo-se ettabelecido nes-
ta corte um curso particular le medicina pele
systeme homeeopathico ; e podendo alguem erra-
damente soppor que o citado curso legitimo, se
nao para constituir doulores em medicina, ao me-
nos pora habilitar individuos, que exercam bo-
mccopaihia ; e querendo S. M. o Imperador que
em objecto de tanta gravidade se removam todas
as duvidas; manda declarar a V. Exc, para sus
iotelligencia e governo. que os certificados do re-
ferido coreo homaopethrco nio tem o carcter
dos titulo*, a que allud.e o artigo 14 da lei de 3 de
outubro de 1832, e que por tanto nio estao com-
preheodidos naquella diapoaicio legislativa, nem
podem habilitar alguem, que oao aeja medico, ou
cirurgiao para que exercam a bomceopallua, que
ali* s pode ser exercida por mdicos, ou cirur-
gioes formados nas.nossas escola*, ou que, tendo-
o sido em escalas estraogeiras, se teaham sugei-
tado s pro'as exigidas na citada disposjcao le-
gislativa ; cumprindo por tanto que V. Exc. ex-
peca a* mais terminantes ordena s autoridades
poticiaes, para que procedam contra os que exer-
cerem a arte de curar sem se acharem legalicen-
te habilitados para taie-lo ; bem como contra os
quo veodem e deatribusm remedios secretos;
contri es mdicos, e cirurgies que fornecerem
aos seus doenles os remedios, de que estes pre-
cisan); contra os boticarios, que aviara receilas
ojo awignadas por medico, ou cirurgiia ; e fi-
nalmente contra as pessoas Ilegitimas, que com-
poem e vendem medicamentos. O que ludo se
ha por muito recommandado a V. Exc. Deua guar-
de a V. ExcPalacio do Rio da Janeiro. 26 de
agosto de 1846 Joaquim Marceino de Brito.
Illai. e Exm. Sr.Cooslando ae governo que
em muiloa lugares das provincias ae acham al-
gumas pessoas exercende a arte de curar sem ha-
verem proeuchido aa disposi^oes da lei da 3 de
outubro de 1832 qne nos arts. 13 e 14 s permute
semelhanle uso os que tem titulo conferido, p-
provodo en verificado naa respectivas academias:
Ha por bem S. U. o Imperador que V. Exc. faca
cumptir aquellas dispesic/Ms, nie coosentiodo
que coolioeem a exercer a medicina individuos
que nao estejam cempatealemente habilitados.
Deu* guarde e V. ExcPalacio de Rio de Janei-
ro, 26 de julbo d 18*8.Jes Pedro Dias de Car-
valho.
Algodao---------.No dia 14 vndense nana pe-
quen partida l|6t0 te. per
< rreb; leoe
res is noticias tas
tador o vapor tra
do nesse dia a Urda e,
tornou-se anlmado.eSretaaram-
se argomas vendas de 101000 a
lOjOOO r*., lallao-**
AOfAOB r*. per r
de-aa faite nma -ata a
oceulto. Oda Maeeid
de ICfttOO a 11*000 rv. per
arroba po*to a borde, tatt
Parahiba a ItjOOO rs.
ae merend 587 atecea,
71 procedente* 4 Rie
do Norte.
Assucar .... o branco veeden-M de
a 4200 re. aer arroba.
menoa de 2f6O0 a tO00 rs ,
aaeoavado purgada d 2*150 a
2300 rs., e broto IfRjOa
lf900 rs. per arroba.
Veodea-eo de 00 a 65J00O nv
a pipe.
O* seceos salgadea
se de 170 a 175 rs. a libra,
do poico procurad**.
Arroz------------O da India vendea-*e '
rs.. a o do Maraabo de i
39000 r. per arroba.
Xzoite doce-------O da Eatreilo vendea-M
20700, de Liaboe de SfBBt a
3*000 r. por galio.
Bacalbio--------Veodea-ae am atacado a 10fMO
rs. por barrica, a a reUlba de
10^000 1 12I0OO rs.. eanee
ea aer. 10,000 bertteM.
BaUtas----------Venderam-ae Ae X% a IfAOf rs.
por arroba.
BoUxinha--------Vendee-se de 4*000 a 4*500 rs;
a barriquioh*.
Cal-----------------VnAu-*e de 5*600
rs. por arroba, haveod
ar cerca de 500 aaceae.
ChA---------------dem de 2*300 a 2*500 nv
por libra.
Carvio de pedra Vendou-ae de 14*000 a 14
rs. a tonelada.
Cerveja- Veadeu-ae de 3*800 a
a duzia de garrafa*.
- Aiada est bem aaaesda i
cado, por quanlo boje
ea er 80 mil arrebata de Km
Grande, e 11 mil Aa Rie Aa
Prata. tendo-te relalbado da
2*400 3*300 re. per rreba
primeira, e de 2*000 a
rs.da legonda.
Parinbe de trigo- Tivemo* trs carreg**
netta semana, dea quaes
segaio per* Rita Ata J*
ouiro para Ha vana.
ro procedente de Pbiladelabia,
que flcee acate serta. lela-
lboa-M a attfOOO a barrica da
sUohaoad. 101000
de PhiladelphM' U
de Balt a 3J*0I0 a $
Trieste; meando en aer 1 10
barricas de priaetra. 17,400 da
segnada. 1.000 da teVceira, a
5,500 da quera.
Folba de Fltndres-Vendeu-se de 20*000 a 23* rs.
a caita.
Geaebro-----------Idea a SAO rs. a botija, a 5f
rs. a fraaqueira.
Louga- a ingleza ordintria vendea-se
com 820 por canta da proaaie
u obre factura,
Manleiga A francesa vendea-ta a 540
rs. por libra, a a ioglcza a
a ABO rs., fletando d'aejeeeaa
cerca de 2,000 barrita per va-
der.
Oleo de linba(- Vendeu-se da 1*100 a 1x5*0
rs. pro gallo.
Queijos -:--------QS amoagoa venAra-M da
2*000 2*400 rs.
Toucinho- O de Lisboa venden se a 8*5*0
, r. por arrobe.
Vinagra----------O de Portugal vnda- Ata
Vubos-----------O de Lisboa vendea-ta* 4* 200*
a 250* a pipa, 0 de eetroe pet-
zes de 200 a 26 OJIO I r*. a
Velas-------------As de composeAe veaderai
a 680 a 720 rs. a Ubre.
Fretes .... Do lastro para e Canal a
para Liverpool a |40; Ao
dio a 3/4 por libre.
Descont- O rebate de leilraa regatea da
6 a 12 por cento ao hm, re-
bateado a eaisa cerca Ae 300
cont de reis, letua de 4 a
6 aeaas de prase, de 8 a 9 per
cento aa r-
Pr* eopannasae ne eia rortscla tea* da Apre*entmtJa3Mi-lfj*f. e^rebeMo* de dosm
enenrre*jar-aa4 Un1 aajteteu u sb t%r Atalincla^conaideracAe.---------
teas.
*"t ti 111a Aaa A* rRiiiinl nmtma
tniuAo tata* mu tiaMhav
O Exm. n-s.oeu* t> aiju oa
^AbsaOf
d wlaaate de tOM>-'
mingo F,
fu harv reala>4a Axao. prat^depta da pin- Dr. JoeA Liberal. Barrote.
tela do Maraohaa em que ate Iba ilabtiBiaiJi.
havi* nom*d*> ammbttt para ai.i' de
a4a Mattel; pr a apetaicaa, rsatande-
irtlcacAu I fe por et'tmoon 1, t>ifjLcr<'ea cent^t^
Ao corrente anno, para que V.fJ. aethor albt
pretUr-noa o auxilio, qne ollicitamoi.
Uta-
A V,m,AeV4Frtaima, 17
AeiJOAa utm. 9*. WietaxaxPce*tsta

Dr. Jote Louranee Ae Caatroe Silva.
Maeo*t SnareaOtla BOlMtf/'
Atatoo de OHvei largM.

COM111A.A1CAO.
No\o Banco de Fernambuco
O banco paga o 7* dividado de 12$
por acio, relativo ao emetre fiado
em 31 de agosto prximo pastado.
- A deetoria o *iM^itaA teadUbeade
marcar o prase a* 80 dia* pare .0 reeolhimento
daa adulas de 209000, fiado o* qaae* oaUri*
sujeita ao Aetconto maosal peogresMve Aa AO IVO
de cooforaidade om e dnwata n 2AOA de 10 do
outubro da 1860. Recite 10 do mstusra o 186L--
0 *eeteUri lnuriae, Luis de lAnraan Gamea Fetv
'!* wvaicqml Jn-ta
.c- 1 s muti neait : q ctym
aaAOtaJaabSkSjao ..-.i"; io
Ieadbatate A HarA daM. o:i
dea AeaAia i<$\ *i.ojif.;;,Ji 1. ^*a*Si7^
' hMjtovq e etiv aj:1-
irii no. i
^Mai-lMaHSri
VloaeentTtA*e
> tea genere*..'
Volaj sthidee AmfltO0l*T.* '*
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
r'oufa dos preces dos gneros sujeos i 4
de exportacao. Semana de 21 a 20 ate
ontubro de 1861.
Mercadorias. DniAadaa.
Abano.....: .
Agua rdente de cana. .
dem resillada ou do reino.
dem caxaca......
Mem genebia ....-.
dem alcool ou espirito la
agurdente...... ,
Algodio em cauroo arroba
dem em rama ou em la.
Arroz com casca..... >
dem descascad* en puado. .
Aisucar mascarada ....
dem branco ......
Mem reinado...... >
Azeite de amendoim on moa-
dehim........
IdemdeeAc .... 4 .
dem de memoaa ....
Batatas alimenticias ....
Belac ordinaria praacia para
embarque. ......
dem Una. .......
Cal boa...... ;
! Idea taceana aa restotbta .
dem terrado.....1
Caibrea ^ ...... .
VaWe. I
branca......
Caaneneena eberatta.
Urvao.agetal. -*.;..
Cera de carnauba em broto. .

Idean tataa en-veAtau s
Cawavtrtea. .0 r; ,
sde'bei satgeAes
eeeeota aaiatu
?****>_ V
i-dei
a.

libt#
ceartta
9 -
oneJtiTdta
T~T


mto
Estoupa nacii
Fariuaa de
dem de
Feijao de qa
Frechaes........
Truno em foiaa bom. .
Sifli^iMiotiMr-. =
I9* > t
JJWphit e estelos.
n-ov-miacr
juiz de
bstituto
Recife
ernam-
Consti-
SOJOOO
caad MD
1UIK-.E-------* -' canaaa ze
de filtrar
dem
dem rebolo
Pi aseara.
, .....molhfts
ou cMres de raccas e
......cento
de amarello de
000
800
fflOOO
1J2C0
200
no-rilaos
Pfanchoes
don* distados. .
dem lotiro. .
Sabfa. ...;'
Safeapamlha ...'.*
Sebo em rama. .
Sola ou raqueta .
Moas de atoarello .'
fdemdirersas.....
8S : .....
Sfc*'--
. ama

libra
arroba
I
dunas

arroba
urna
cento
caada
5}0W
189000
8JO0O
100
709000
39800
89000
8396
9280
?,?? de PefMnjbuco 19 de outubro de 1881
o prmeiro confereote. Manoel Caldas Barre-
ro. o segundo conferente, Jos Miguel de Lira.
h,rf?2; A,f"gdn Pern.mbucot de ouiu-
bro de 2861.Barros.
ConftrmB o 3. eswipturario. -Jlo Jos Pe-
dir de Fana.
O Dr. Bernarda
reltpy
buco, por Sua MagesMde Imperial
oes a profioea por sea procurador dirigirsmao
orMiSni. h* Dr*,n,z d0 conimercio. O
do Br.iln.. ^.re8.da.Ca" FiUal d0 Bico
loria ?. ,n.MU Cldsde '?nd0 herido a preca-
Fr.nMUj Pa aaf cUado aeu deudor JoSo
Francisco de Barros, na villa de Agoa-Preta
piicantes faze-to citar poreditos, e querem diao
e requerem V. Eic.. que se d gne de admt lir
a respeelin jusliflcacio para que julg.do w 0
suppl.cado citada poTcaIa .dftaacoB o prS da
le para todos os termos da caus sua exMucio
al .alegra eabolco do. soppllc.nte. as", ter-
mos: escrlro Paes de Anirade.-P.de v
ft.wii sa: -* -*/
cho do theor seguate :
18l .^AsS.?'rSm' ~ R*Ce' ai de ^0
pUd' e8,VtUnh4 en"-U> <"*<>. T
En !? !.?" ^er tu. tenh.m os sppli-
ttWm^isgs\
tttSST&SSS ssjsstr
El VTCff B,yn?a1"B P. 4 ratH'Mt-Mto-
TTi w M '*"**>. libra de cubeton em e
or
aqui
o despe-
nantes proposto
Moyiracato do porto.
m. Navios entrados no dia i9.
Wio-Grande do Norte-4 di, taen, brasileirs
i* *,fl,?-C#,**. d. 54 toaeladas, capitao
Jos Silreirs Mariante, equipagem 5, carga
*ao-Brasil; ao mesmo capitao.
______.
x: a \mmo' sahxdf* *e*m. ***f"*fcTr** portugus Relmpago, capitio
Juao Aerier da Fooseca, carga diferentes mer-
Cadortw.
Blei e portos intermedios-Vsper brasileiro
Fertxnvya comosaBdant. Manoel Rodrigues
dos Santos Uuura. '
Coiid. Pero.udo de NoronhaBrigue barca- br a*
leiro de guerra It amar ac, commandante t;
eapiuo toiMMte Berna Obserrafio.
irundew m> lamaro um patacho americano
m.s nao tere commuDica$*e com a trra.
ioo FraBCisce de Barros
tue
urna acao de dez dias
c
a. o
-ar-
ca
Foro.
1
a
B
I
1A
kthmosjthira
I Bines
ao.
I Intensidade.
I
ppll
e outros pela quanS
bIp^; 4i e oao P***6" citado o up-
j*oad..4clm, Prw"am o sopplicaate. .X
?!' prTram do justiflcalo
SL!?af. nao" competentemente .ell.do. fbra-e concluso
iodo 252T d oao e maneira seguale :
Julgo prorada auseoca do iusticsd oam
editae. com prazo de 30 dias. e paguen os iust-
1861 "n." CU,S,- R^'fMO de outunro de
1861.-Bernardo Hachado da Costa Doria.
J"1" 8e nao coot.oha em dita tentteca aaei
SePr.r:ieKm DU,U,le da 1ual escrTiS5MJil
ri?, c, $ \f' COm. PrMO 80 d'. Plo theor
cado Joao Francisco de Barros p.ra que deoiro
do referido prazo comp.reca oeste *
legar a sua defesa por todo
peticao cima transcripta, sob
bolo aadCa1M T8 lemos "'rpTr'
etente do que cima Oca dito Pmm *"r
oaa.i>r"J,1iqiUe Ch6gue *. olici* andei
Pessar editau aue serio affixadosnos lusares dn
costme e publicado pela impreoia. d
..mi P""* "l cidade do Recite de Per-
es mbuco aos 18 de out.bro de 1861.-u M.-
goe de.CarralhoP.es d. Andc.J?, edcririo o
de f2h,;. ?! de ,abaap "dicinal. 12 garrafas
Cas dS"f'n,01^1; de acid0 cf"o"dio! 4 on-
2 ih,..?0^0' 4 onCas de acido su phuri-
*Tm JSf'? 1Bl" tf8C"harida.,2 raras
Heos de Vienna, meia ooc de oleo de crotn
meta ongade ergotina. 4 oness de gommagut 8
oncas escamonea, 8 oncas deJalapa?24 trascol1 "do
^i? 1 hk'4 if V "bra upn'S d8e mag*
nesia, 4 libras de soda, 24" francos de dtratOdt
brs, i?J.i! a?bc"bona, d< Potassa. 2 li-
orasdecr.aor d. Url.ro, mei. libra de Rhui-
d.-0.. Pei 6 1brfM da f,lM *?". 2
5! ?; *4 irwr> o'* ricino, 4 oncas
de coIpnMleoe bem loradoo, 2-gMr.fM d..o-
ni.eo l.,u,do, 4onc de mSSSSSiSS
libra do guac, en p, 4 onca.de
extraejo de dito, 1 libra de ferro em p." m.&':
o, 2 libras desulph
fa?nfeAeIriyilr0ge,l'0' 2 libra8 de""'Phlo "de
S t^?-,*h** . 4 enea, de
aleta^rr kM SM d T.7rJnSM"d
?r.,1,deC.humt>0.C,hrys,'tsa,,(>.* libras de ex
bn mfi! t8,KUrni' ibra"de "donato de chum-
bo, meia libra de alumeu calcinado, meia libra
rrltW"rM t*?*-1 >'> de deoro chl
atto, 1 oneo de deule 10Jrelo de dito, 4 oncas
a, 4 oncas. de sulphato de cobr, 2 hbras de
de poUss>, 24 frascos de phosphato de
de Lesa, 24 irascos de iarops de
. ...rrn da Rln..rf a 1:1___
de iode
comnnu peraibucaiu
^ega0(!teiraavapr
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cao do Aiu'. Aracaty, Ceara'
e Aoaraou'.
2i? C0"M,B 4 horas ds tarde,
cerned"rg*',6vd,*,l, >*.. Eo-
10
da

COMPANHIA PJ5KUMBCANA
do referido agente, 00 mencionado ..pela.
UdootiMMt^QV teude-
- -,lidades, cosarias e ferrageo.
Son. nr8n e,8a'' Perfuraaria. PaP e todos osB.r-
lo toril PhLdP',,e,Crip,urM' eima9 e C4bido
a. torro, b.odeja. fin., o. liodiseimos gostos
itXVirV i 1 8 B*a iMde do
-Os nmuetiante. esper. a conwreecia *4
seo, numeroso, fregueze, e .migoeTTsKloT
poMante sortimento que lhes oftWce em expo-
LEILO
Segundar-feica 21 docorrente.
PELO AGENTE
bl.etes | mdjo. bfhete. se 4^
venda ra thesourarsi dn I
nadai. Assorte de 6:001^ e de SOOOf
tero pagas 3 dias depois da extraer*
e as outras a entrega das listas. ^^
AMtbaioXjs ldrgriH de fon.
DE
iodureto .
ferro solurel
Ife^A* i? f'Bl.uc.VdTsTbr.s pe tintura
^ | Fahrtnheit.
| C$ntigrado.
TS
gromttro.
| CiiUrno hydra-
mttrica.
Franctx.
Jnglex.
AillUllsilOTl reato B regular
nhaceu.
e assim ama-
o
te
. v.
H
^ o
iS
juizo paca
O con leu lo na
sob pesa de prose-
ubscreri.
Bernardo Machado da Cosa Doria.
Pela secretaria do
Para conhecimeoto de
que se acham em concurso
gorerno se fas poblico,
quem ioteressar possa,
dous officios de
os
OSCIXACXO DA AR.
Pregar a, 4 h ** i\ lard^atur. 8,6 p.
.-mar as 10 h. 32* da manhia, altura G .
ratono do arsen.l de m.riha. 19 de
Baia-
alm". 10Jh- S2> da n>nh5a, altara 0 9 o
Obserratono da un.i a. _..:_"" "r P*
tubrode 1861.
ou-
ROHANO TErrLE,
1" ente.
Editaes.
mu-
S?f r'toeiaco A"8uo da Cesta, ju
niCipal, e Dreoarailna A*. -----------'-'..!
deata villa
e C. que Dos guar-
Pernambaco'. ?0?SVf Ca-b' pr"incia d
de 4.
JSSl B,bw que Kf10 Dr* u,z d8 direito ds
marca Francisco Elias do Reg Dantas, lhe
ce-
foi
Eo1^'"'^^^^
da mnha.rd. CKr?Di a00' Pe,aa 10 "oras
SI d P "r!r a fle8und sesso ordina-
. oud;>IVZW ,rabs'bara ** d conseeartro..
qZh^.,?d0 Procedid orteiodasquarent
Ve ?' q" em de 8ervir na "">"> <>-
sao, em conformid.de .os artigos 326, 8*7. e
1842 er!ll\m^V- 120de3 de laeiro de
ISJioS" 8ortwados agnados s ciadios
Frjuszt'a do Co6o.
Jos Joaquim dos Santos Cah.
Ignacio Velho Brrelo.
Antonio Francisco Caralcanle.
Antonio Baptiats Teixeira.
Braz Carneiro Leao.
AD,oni2L."fenco Rodrigees Lima.
JBento Rlbeiro da Silva.
raetiBo de Pa.la Seuza Leao.
Jlo Gomes fer.ira.
Vtenle de Barres Franco.
Ignacio Vaieraoo Soares de Freites.
Alvaro Barbalho chda. "
Antonio Gavalcante de Souza.
Jizequiel dos Santos Aguiar.
C audtoo Bezerra.de Jtjbuauerqae.
Dr. Manoel Netto Carneiro Soez. Bindeira
Joaquim Ferreira de Heanat.
Aotonio Vieira de Lira. -
JostiMane te Mendooea Lina
I ?h?5, dlW' d64S,3uelra Caralcante ,6'
inomaz de Afumo de Barros.
Antonio Francisco do Reg Barros.
Menee! C.rdose de Terne.
AtK.oio Florencio de Barros.
Miguel Ferreir. dos Santos.
Joao Ctimac. Xiojeoes.
Flix Francisco dos Santos.
Antonio MerUns dos Santo*. '
*.Utiyo<. Reg Barros e Araum.
MKtot ateeqnee 3ilta Valdorno.
Lo^5oW^e Welra Car.lc.ote Jnior.
Jlo de Atl.mio Ctonelro'.
fVtL4* **dd8rola.
Jone Baptteta -JCiewoes.
.Frnttetoeo n 8oej,a yien,
Joeqwns Marte*. d.SilrB.'
J*o Carlos Becerra Car.lc.ote.
fneatia^e .He. Abroo.
rendoi um accumular as uncedes do carao de
contador e o outro as de distribuidor, a Sm de
os pretndeme* se habelitem, e apresentem ll
TJT-?'}10^10'' i^truidos'n. fofm. do decre
do vlIa"3 La88l d 1851. e 1.2 n 252
Cosos SS5?..-- I' Po de 60dia?
Jeao Rodrigues Chaves.
zed0<,Iii?, Sr-.,M.Pector da thesonraria de fa-
rTJl^AA Pro,"ne,a. manda fazer puplico de
iHS Diur v; b 5SSS tas
SeeolS dP."elmrCbUneDl0 ^ ^^ df*-
d?rite preteDderem ">r admitttdos ao concurso
deverao apresentar nesla secretaria os seu n
querlmeotos instruidos de d-.."-." ,,e",-,"
re i wrem la anuos eompletos de ioa
50 vid ros de pilulas de Vallet, 50 ridros
ethe^iL** BianC1fdi 'idrosdeperol.sde
crZ'A SSU-Jtn 8U,phato de ZQC. 4 oncas de
creosoto, 2f ridros de balsamo opodeWok, 24 vj!
SntnaaftSSr D,UU0- 4 libra de ^'"
fanTnu!* ? fKV*d?" ^ paradP. 2 oitavas de
solomos, 1.libra de emplastro de vigo, 8 libras
Sumh^4- mer?*'u[- 2 on?a. de iodureto de
chumbe. 4 oncea de cilla em po, 2 oOSa. de e"
garrafas d. Untura de dita,
tracto de
garrafas de Untura de dedaleira, 4 oncas de deJ
lihr.8t?.P', *.0aC48 d9 "lract0 dfl dedaleirs,
L-^.-6. Bi,r*l.d8 P,aa. 2 libra, de hices-
Navegar^o oosteira a yapor
Parahiba, Ro Grande do Norte, Ma
cau do Asu\ Aracaty, Ceara*,
e Granja.
..h,7Pr ,auarlbe. commandante Lobato,
sahir para os portos do norte de sua escala atf
a^ran,* no di. 7 de aof.mbri" Kll *f
mpRn^.e.be "^ ,l6 *!? 6 i0 me,< EnCOSB-
?. m pa8sa,8e'ros e d'"heiro a rete at o dia
."oso!" hr": e8Cr,Plori "o Forte d"
Para Aracaty e Ass
segae eom breridade o hiele Douslrmaos
para catg. trat.-se cem Martina IrmSo. ou
com n mostr Joaquim Jos da Silreir..
O hiate Sergipaoojuegue para Fernando
quera quuer carregar, tendo licenca do gorerno'
!;8o-8caPTPe.<,0,ra,,ehe d" **. '*

Para o Aracay
Sr. Ma-
referido
^. coaadp agento antorisado pelo
npi Pedro de Olir.ira, (.r leiloPno
da pelas 10 horas 4a monan
DE
\Tmas3ko, gemiros e pw
tenees da taberna n.
1A tUnialMi-eita,
conforme o balaoco em poder do mesmo agente
e der.odo etiectuar-.oA n dita Qn. B
taberna annunciada.
FERBEIBA VILLELA
DA
AUGUSTA CASA
na do Cabuya n.
entrada n>e>lo
Retratos por ambrotypo, por
IMPERIAL,
8, t.
meUi.olrpo, oo-
eoperiaen mmtm
propri.
LEILAO
c^de ^^^^^idoVa^ic^a:
fias de acido acitioo. 2 oitavas do
oHava d. oxido de prata, 2 libras
ia onca de chlorc, meia libra
acooelioa, 1
de cal viva,
da iode, 16 li-
estarem lirres de culpa e pee.
comportameoto.
Oa eiamee
4 3'
ter.m bom
rersarao sobre leilura, anilysa
fh^uadCa1' 0llh0.h"Phia e arithme ica atf"
theen. das proporedee inclusivamente
Secretaria da ll.esourarja de fazenda
nambuco 18 de outubro de 1861.
Serviodo de oflBcial-maior
Manoel Jos Pinto.
de Per-
Deciarag>3es.
Conselho admiuislraivo.
.".S? &*&&& P fornecim
seVuSl.de gU9r"'- d-omprar o.eobSs
cscadoros do Rio Grande do Norte,
loob covados de panno azul,
f 48 3|4 corados de panno preto.
1455 covados de hollanda de forro.
1/7 varas de anisgem.
3350 raras de brim branco.
aK>2 varas de algodaozinho.
letra S.btM enan de me,aI >n,ar8" com a
2763 ditos pequeos do mesmo metal e letra
89 grosas de ditos pretos de osso.
& pares de clcheles pretos.
*>5 beoets.
Para a compsnhi. de eagadores do Rio Grande
0^ dp forte.
/* de panno azu!.
5 1(2 ditos de dito preto.
321 lj2 dito, de hollanda de forro.
M varas de aoiagem.
780 varas de brim branco.
585 vares de slgodjozinho.
lOfiboto.s grande, d. metal amarello lisos.
708 ditos peqaenos do mesmo metal lisos.
21 grosas de ditos de osso.
78 pares de clcheles pretos.
40 covados de oleado.
78 booets.
J*8" q"ifer 'Miar taes objsclos aprsente as
fSiSr**"^ Carta fechada na secretaria d"
JMlOh.n.d.w.u, d0 di. 30 do
nJnitri 88?e!. d con,lh<> dminisUaro
asedo r,en*1 d*gueH* ^ d
Dent Jote Lammha Lins,
Coronel presidente,
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel rogal. secretario interino.
GoiselHo aministraliv*.
do .!1!!0 admiaitraiiro p.r fornecimeoto
egunte. ^ """"* ^ da MtD^ objeto,
Para a enfermari; a cargo da companhia de ca-
adores do Rio Grande do Noria?
mo.na> d? 0P.10 brut0l 00fi'd extracto aom.
& L .6 ?P1 ,.D5a de exlracl aqiinao. aSE
T de sulphato de morphina, 2 oara. d cvdro.
1&& vt ao'^' i Hbr. d Tintur. o lie
teM'^i^^^^yd-nkam.lon?.^:
EL2* **lM,)r'K> ShrT^' 1,llbdodo rubro de mercurio^
a. de'IPhrelo de potassa. 2 oncas de nitra
at.fur.adidnhrfi,rt"d0^ *,*" de Dilra,0de
f"1',0; 16 libras de uleo de amendoas do-
cos s oncai de kermes mineral. 4 ongas de en-
2? df Kurad0 d<,L ant<"onio. 1 libra de submitra-
eW df' eXl"?t0 ,da r8t,nhia. C de ei-
Seiro S.^QneS,'a'n16 Ubr" de flore d^ s.bn-
BU f altha. 1 citar, de arseoato de soda. 1 li-
ieadne? 2SliS "> 4 0Q5a? de wf'
genciana, 2 garrafas d'agoa ingleza, 24 seriosas
de borrachasort.das 50 sauguesugas/l copla,
duado, 2 eapatolas, 1 libra Je gu.s, a, 16 libras
bl!*l" 12 idr08 >>">>><" do VicnJ. 8 l"
ae cacao, 4 libus de extracto de murung
Para o hospital mtliUr.
lOelsnca romana com os competentes pesos.
yuem quizer vender taes objectos aprosente
a. suas propostas em carta fechada na secTeUri!
SrSff meV 10 h0rM d" m'Qbaad0 d2S
Sala da. sessoes do conselho ad* 'istratiro
para fornecimenlo do arsenal de g a 18ae
antubro de 1861. -.^ 8 a. 15^
K Bento Jos Lamen ha Lins
,. Coronal bnj..i. *
/roncisco Joaqmm Pereira Lobo,
Coronel rogal secretario interino.
UBselho admioistraUvo.
Mn ,SlnVi,!ft admiolraUo, para (oroecmento
SS& :gUerr8' tem ^ CmPrar 8 bJ
Para fornecimento da pharmacia do hospital
militar,
lidad" awuear refioado de primeir.
2 copos de graduar de 16 onca?.
j ditos de graduar de 8 oncas.
4 libras de no. de gelhe.
lidde b'M d8 Th<> branC de Primeira Va-
rara prorimeoto do armazem do arsenal de
, .. guerra.
I machn, para brocar ferro.
0 libras de esmeril.
12 arrobas de tinco em barra
10 milheires de prega, ripaes'da terr*.
l ditos dp ditos balis pequeos.
1 arroba de zarceo.
Bernardmo Jos Bandeira ; par* carga e passa-
geiros, trata-se na ra do Vigarfo n 5
i
O hiale
Almeida.
Aracaty.
d>ea aeguepor estes dous dias para Araca-
ty. Pra carregar e passageiros, trata-se com Tu-
so irojo.
I
HrYn?a2!8bl0l?iDrfaCi?n*, EEfS ,08 dB AtJ'. P Bahli em
poueos dias ; para o resto da carga que lhe falta
trata-se com sea consignatario Francisco va
Aievedo. aa rus da Madre de Dos n. 18.
l.o:
jea-
qua-
Para
mm
Rio de Janeiro,
pretende seguir cem muita breridade o bricue
nacional Veloz, tem pa.te de aeu ccreaaman-
to prompto : para o resto que he falta,Trata-se
com o seo consignatario Azeredo & Mendea. no
sen esenptorto, ru. da Cruz n. 1.
m& ,.
Rio de Janeiro
segu com muita breridade por
ga tratada o palhabote Piedad
Quarta feira23docorente.
Costa Carvalho fara' leilSo no dia
cima as 11 horas em ponto em seu ir-
mazem na ra do Imperador n. 35, de
urna casa terrea sita na ra da Alegra
D.42,com4quartos. 2 salas, cosinha
tora.com iuintal e cacimba estandj
peifeitamente nova.
isiia
Quarta-feira 23 do corrente.
{.N 0" Bjeber c. successores, (ario leilao por
n! eDC? d aSefl,t *otuDes Por cenia do
quem pertencer de nma grande quaotidade de
calcad paja homem e aenhara, excellentes se-
ns e silhoes, varias quslidades de chicotes etc
eic, em sea armazem ra da Cruz do Recife as
horas em ponto do referido dia.
bre panno encerado, wbre Seo
pulfce.ras. .Iflnete. ou caseoiaU.
Casa ex uta no> completo e abuod.nl.
de ar efactos fr.nceze. am^caaoV* ,
locado dos retratos. Ha mfcSa?Mf^l-"
mo flm csasoleu. e delicado. .SoUm
delei-.reir.tosemphotogr.pbU
peraoQ.geo. da Enropa
da.
pn.
e chimtcas pholographicaa. ir^J
O Dr. Mereir. Guerr.,
cul.r doagrs. .lomos
Direito, presta-s anda
clonar nos pontos dos actos. iw\lt% '^m
do seu preitimo M quta.^ 3S? 2!!
oolubro de iSSt.
etplieador parti-
da Facoldad.d.
este .nao a l*e-
cife, 19 de
O Dr. Iloreira eZenTZl c
no^ru.d..C1oiVV7.dT1'*
do sobrado n.
pretender
10.
11
ter parte d car-
.. Visan.: par, ^^"dV^g.^Sao.';
7mi,-WaU;* comJCa8,ano Cyrico da C. M &
Irmio, no lado do Corpo Santo n. 23
Brigue nacional Veloz.
^Recebe gneros estrangelros para o Rio de Ja-
LEILAO
A 21 do corrente.
.*&Z3*~* >* eilSo por ntervencao d
agente01iveira.de grande sortimento de fazen-
das inglezas as mais proprias do mercado :
Segunia feira 21
do corrente, 4* 10 horaa da manhSa, em seu ar-
mazem, na ra da Cadeia do Recife.
Transferencia
fer-
Alugara-seas loj
41 na ra d'Aurora: quem
dinja.iea' mesma ra casa n.
Pi Popular
nambucano.
Ouarla-feira 23 do correle ha ver ssuSarn
iraordinana da aswmbl. geral pri hS
oa&! d8 eaUlt" o. enhoria^Sl
queiram comparecer pe., 7 har 4. -Ju*!
eferido da, aflm de lomare* port ZLZtZ
Iho. certo de que logo que chJJ ? TTZfSZi
cad. comecar.o oa trabalhos da J^L .Jl
nio compare*, mnitoa sodos. *~
n Qir!,*r'a.dOu,,0nl- Pi0 p*ar Pern.nn..
no 20 de outubro de 1861. ""
Jlo Francisco Marques.
1.* secretario.
CASA.

ae Apollo n. 2s\_.ue lie. cm trente da dmu
1
Para a companbj. de avallara de liaba.
I espadas com bainhas de ferro.
Quem quizer vender taes objectos, .presente as
an..l?KlP04'ta!Ae?carU f0chada -retariad
corrente'mL10 hrM *' miDb" d di 21
^ridacio, 6 frwoos da X.ropol dio. libra
Jos alte *.#mr tinmk Jaifior
Jos*.-fleten &k*lS!r*-
Antonio Jos Pires Jnior.
?^#.t**Vi.>eefc *m de peni, bem; &*??*
cerne a tedoaoi
rlda pita etnth.
mdprt, sal da.
IWftqnillo. 1 libra de nn^ento^p^ieo 1Mu
de tintura.de aoonito, lonc. dAuSte^u!
codeaoonuo, *, ano*. 4* eakMlo otoohc?d.
plastro de dita, 1 oac* da acido oruaaiiM modi!^
naiaoAca. ^Joi^^S^9c!,h
JteBSftissap' 5a. ferSen ^-Atts
Sala das sessoes do conselho administrativo
SATuiSrd0 ,r8ena, de guerra> 14d
BsntoJosi Larnenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel tor.I secretario interino.
Directora geral da instruc-
?o publica.
Por esta repartigSo se fsz constar a aquellos
dos senhores professores e professeras, directo
res e directoras de estabelecimentos particulares
aa oslruccao primaria e secundaria da provincia
que anda nao maedaram os raappas de seus
alumnos, relattros ao terceiro trimestre prximo i
lindo que o derero impreterirelmente fazer at
o flm do correte mez, sob peQa de serem mal-
SfUtSm d art: ^ da lel lamenta
n. 889 de 14 de mate de 1856.
Secretaria da inatro'cao publica de Pernambu-
col5 de omubro de 1861.-0 secretario iaterino,
SalraSor Henrique de Albuqaerque.
Exposico.
A commissao directora da EXPOSI.
VAO ajrncora e industrial, que tera' lu-
gar no palaaodogoferno no dia 7 de
njs-embro rindouro, manda pelo pre-
ente fazer publico que no da 2t de
outubro prximo comecarSo a ser aili
rebebidos os objectos que tenham de fi
gurar na mencionada, JCXPOSICA'O.
Saladas sesees da commissao 20 de se-
tembro d*!*^.^Oeeeirio,
Joaquim Pirea Macbado Portel!
O vapor aguatibe da companhia
fernambucana, na sua prxima futura
viagem a 7 de novembro a Grania com
escalas, tocara' no porto do Aearacu'
para largar aJH .qnaWr porcao d
carga e pasgigeiros.
s* "
Lailoes.
Ilota parte de um sitio
cm caga de vivenda, e
de um eseravo.
Ter?a-feira 22 do corren-
te, s 11 horas em ponto
PELO AGENTE
GMARAES.
mT5 a^Dl,e 5* fa "nazem na rea d.
Imporador o. ST. far liln ^i. l._____.= "
leilao do sobrado da
ra da Cruz, segundo an-
dar n 8.
Terca-feir 22 do corrente.
O agente Anlunes autorisado por urna pessoa
?nhr!5 h1" Paa 5" da VioriacU. render no
sobrado da ra da Cruz o. 8, segundo andar, to-
mVt? BJV-,S ahi exilenle orno sejam : rica
,?,.. jacaran(, com lampo de marmore,
una outra de seregeira tambem com pedra. cal
rrMhnf61"8' m"a.1a!"'c. loucas. ridros, ap-
parelhos para cha e janlar, candelabros, serpen-
tines, aparadores, treos de cosinba etc.,
A.Sftim como
urna escrsra !de muitos bons costumes moca
perfeita cosinheira. engomm.deir. e doeir. as
It beras em poeto do referido dia. uut,e,ra' "
LEILAO
DE
Segunda-feira 21 do correte.
O geme Anlunes far leilao em seu armazem
oa ra do Imperador n. 73, das diadas parten-
cenes a Mo Paulo de Soma, \\ horas em
ponto do referido dia. ""
LILAO
MOFIS
- caee
r, com emnrao^s pm g^7nde^.ViHaP*".,f.n,;
na ra larga do Rosario a! 84. '
Sitio na Capunga.
Aluga-se um sitio ns Caponga-reth. dSr
Bartholameu Francisco de Souz., port1 *?"
55!St *rt,,*,e rna ,ar*a +ST
t-~Z.k peMoa a au**> Wten orna cabra no da
Precisase de urna
rara oa nnringn...
Precisi-se de um pnrtagaei'eV'u nlCM.
noii par. ea.i,. de ueero.. J.! V,*
ca da meam. : fy. ., CriJ.T^^ "
,,7 h/rua d? AUIh "- 3. a' da eai. '..
g Ia 9An. alugar-.e am eaeailesiio
prrtwiado-M>
Os abano awiRnados d.claram oa
nos silos as ras da Coacordia Peseaa ir!!!!!"
a do Pocinbo. perlencenTS72 mJuS^
. r Jos Aonao A35 ^SbTS**
(atereuar, que o terreo de Apipueos
do .mo dozooqu. Ibe port^..P.P-^
all pode Ur.r barro se ortee. 2; ua-W
rl? *?!' eHUr au?'** ignorania eseZ'
reno esi arrendado ao Sr. aSdi.l^oetr
Precisa-ae de urna ama
e comprar; na ra Nora n
qne aaieo ceamhar
- Aluga-se um utota 4o 19 ..o.g,imi,
- o diario de asna eaaaC
que cozioh. soffrtrelmeato
mrleTa'nd:5tt,P're* hMni ^^-"-"^
j-7 *cha:e contratada por venda a e*M a ru
do Gotorello o. 18, q .e acb. de or. retaS!
da o .em numero ; a pessoa que tirer do oaelc
Igum. durkl. eM. negod.* lriia-M e nTL
Ar.gaon. II, 0 prato dTtrda..
Alug.-ae o segundo sod.r
Pag.-se bem
a um rape* do pmm Mae>
sira serrir d. criado nma pooM. eoft*-
rieen*
O referido agente esa seo
iaUidi0d*0?.'?t Wod* na"siaIfoaUndo em ricas mbiliea. guarda i
i parte da um sitio cm casa d. '""Ca. lar.torios, camas francezas. secretarias e
Tsrga-feira 22 do corrente.
Costa Carralho fai leilao no dia cima as 11
oras em ponto, no sobrado do pateo do Terco o.
O, de todos os moris que all se encontrarem
o W A PCada ha';' para lannos .m
^^t0ha*CoCoeira. cacimba d'agus docflTpor-
baoho ir.rg'(e|(mtt,a,' a"0rea D0T*8 fr-eTOfrea.
Danno, etc., oto., e d. am escr.ro ptimo roei-
ro4 que entende perfettamente de maesas,
^ t%nvbem
de tttdo qu.oto se echar patente eme dito seu
armazem, cootiatiodo em moris, perfum.rias
ojas. roup (iu, e mnttss ooiras censa. '
esselhos.cadeirasarulsas, louca, ridros, direr-
soa objectos de ouro que seria enfadonho men-
cionar,,.asegurando que ser entregue ao correr
do marteUo.
cente a marinha, advertiado-oe ae quaiquer recrut.meolo, podendo de toe
qu.Bodo1h,.pPro.rer: M3 ffZ
-- Forteram da estribara do escrieteri* da
conteod.s (oa rla-ferrea) ni madragHs t:Mdo
correte, um rallo ruco em beaa^are'eeT 2
tsmaoho regular, e peo grandas, teodo
queao inch^o no lugar da sella, bocea o
pretos, cauda comprida, com a aonialo
de ferro no quarto direlto. O ladra, ere*. -
mis. branca e ele. prel. : q.e(
dito crallo, seri bem gratificado.
Alaga se para pastar a feeta
terrea na poroacio do af.at.ire, coa. 9
quariot. cozioh. fura, cacimba, qoattoa
crarot, I quiotaet murado?, com
ro : quem pretender, dirjale .o o
Trartsso Jnior iC., na ma da Seto e. 41.
Precisa-se de urna ama pata TarlnSiaf to-
rio de uma casa do penca familia
ra da Cruz do Recito n. 31.
4
pereee-
tratar m

Avisos dirersos.
nblica-Ti
^-^swaa&

2 ollar as
/arado, sos
.eto linca 4a liottaraae
de anonoi.ru. i iieie datan-1'
TU, 2 oncas

0. St a
3 < St .7
.
no
transferido para o
iar ao na I* Os
perfumaras,
T$a..teira 2? do co^nte.
PltO^A*lEf MeUo Lobcr^^ irtdwilo.pot intemacJK)
Hatendo inconveniencia jia Tenda dos
bilaetes no dia da extraccao arma-seto
pespettare* publico qile de bora em
dlante nao baverao bilbete a vgnda nos
referidos das de andamento das rosles
lmente at a veipeea a 1 horas da
^Wra, O Aesouiwo,
A. J. R. de Sonta.
L01KKI1
* Annabaa fift do corrente andarlo
mpretenvelmente arroda da terceira
partei da priinsMralojma a beneficio da
mttrtz de S. Lourenco da Matta. (h
M
Escultura em Marmore
Caes do Ramos n. 30.
Se fazem peloe precot ttalaIm :
Consolos Luiz XV de 12f 1SL
Jardineira. dem dem de SOf a tQe.
Consolos lisos de 9J a !J|.
> a 15.
Mesas redondas de 184
Lavatorios de ita a 30.
Aparadores de 10$ $5|,
Letra, gr.r.da. douradas oa ombotla*
s caraetarea a taenaaloa 4o 14 rs.
urna a 13.
Pedr. p.ra eelloear aa ditan,
f u.dro a 1.
Coocorta-ae alabaatre, Joapec,
Reoet>em-ee peeraa nanai ese troco.
m. ou oao de tratita, .
Alug.-ae o segoado ai4er 4a caaa a.


<*)
mu
Grande laboratorio a vapor
DE
ROUPA.
MU
DE
Roupa de (mili, iodialinctamente, pecas grandes e pequea. .
Ronps de narios, vapores e hospitaes........, .
Pegas grandes isoladamenle como lengoes, toalbas de mesa. .
Roapa de doente de familia, que nao seja fregueza......
Roupa misturada que alguem sem ser freguez exigir que ae lave.
Urna rende rindo com raaii roupa...........
Urna rede isoladameote...............
Um cortinado de.cama de casal viudo com mais roupa.
Um dito dito isoladao.eute.............;
Um dito dito de solteiro ou varaoda..........
Um dito dito isoladamenle.
LAVADA.
40 ris.
70
100
110
80
11900
19600
1*000
2*000
500
1000
a


>
>
a
LAVADA. CO-
SIDA E
ENGOMMADA.
160 ris
120
160
soo
240 >
{
As pessoas que nao quizerem mandar engommar toda a roupa, o laboratorio eoearrega-sn
de mandar ogommar as seguales pegas, pelos seguales pregos :
Vestidos Usos. .... 600 ris.
Sai.........280
Camisas de homem. 160 >
Calcas........200
Colletes.......120
Paletots......: 460
Cclarinhos..... 40
O laboratorio eocarrega-se de engommados de objectos de senhora os mais delicados, e pa-
ra isto tem ja contralado as mais habis engommadeiras nacionaes e eatrangeiras, que entre nos
existem. ......
No prego dos engommados de roupa de lamilla, eicep uam-se os vestidos, gollinhas, man-
guitos e mais objectos que fu tem guarnecidos de rendas, babados, patos, rifas, etc., etc., bem co-
mo 08 cortinados de bergo, cama, varaoda, que se pagsro segn lo o ajusta.
Qualquer que exigir roupa aomente lavada, onumbem engomando, com mais brevidade
qae a designada, pagara mais 25 por cento sobre o preco.
O prazo na entrega da roupa ser por em quanto8 dias depois do recebimenlo, e da lavada
e eogommada 15.
A roupa de familia ser lavada em machina separada da dos hospitaes, e as pessoas encar-
regadaa do .ervigo da roupa .erio mulheres.
Os proprielariospagaro qualquer pega que se estraviar, eaQangam que a agio das machi-
nas ioieiramenle inoffensita,
Qualquer que mandar roupa, recebar um vale do numero de pegas com adeclarago do im-
porte da lavagem, o qual ser restituido com o competente importe na occaaio da se entregar a
roupa prompta. saoi o qae esta fiesta depositada.
O eslabeleamento eacarrega-se de tirar nodoas de qualquer natureza, precedendo um
ajuste.
Os proprielarios rogam a seus fregaezes o obsequio de manlarem roupa suja, apenas rece-
ban: a-lavada, para assim manter a regularidade do servigo.
A entrega e o recebimenlo da roupa na casa de banhoa, no pateo do Carmo, em todos os
dias uleis das 7 horas da maohs s 5 da tarde.
As caspas e a calvice.
O soffrimento do couro cabelludo mollas vezes
tem originado aol.stus quaei iocuraveis, fazen-
do que carnada* euperpostss a elle deaanvolvam
progresaima manta a slopsia, nal eite que infe-
lizmente vemos demonstrado no maior numero
de pessoas que babiiaas coa especialidade os
paizes qentes, nao i como resultante da pre-
disposicio orgnica de cada individuo, como tam-
be por preceder as rezes o pouco asaeio, e o
meio preventivo at entao deaconhecido para in-
nutilisar os etleitos que diariamente eoconlra-
mos as cabecas das damas e ceralleiros. O iri-
copberous, preparagio norte americana tem o fe-
liz effeito de iazer com que essas secregoes se
dissipem, empedindo o continuo deseorolvimeo-
to, fortificando aa rsizes dos caballas, trazendo
por sao modo a Umpeza da cabece, e garanlindo
com especialidade o bom resaltado, sem que na
extraegao das caspas se possa temer soffrimeotos
consecutivos, devido sem do vida a pureza de sua
composigo. Recoomendamos portento esaa ex-
cellente descoberta, afim de qae possam as pes-
soas quesoffrem de calvice originada pelaa cas-
pas, e a aquellas que embora nao soffram de cal-
vice, veem-se atormentados de lio incommoda
secrego, procurarem o preconisado tricopherous
na ra do Queimado u. 6.
Aluga-se urna casa com aolo no ailio do
Cordeiro, a margem do rio Capibaribe, coa sora-
modoa para grande familia, cosioha fora, quarto
para criado, eoxeira para carro e estribara para
carelios. Oulra no mesmo sitio, a margem do
rio, com commodo* para familia, cosioha fdra
e estribara para cavallos : a tratar no pateo do
Carmo n. 15.
Preri.a-ao de ama ama captiva ou livre
(preferindo-se a captiva) para o servigo de urna
casa de familia: na roa do Imperador n. 37, 2*
andar.
Precisase de am rapaz que entenda andar
com candas, preferindo-se que seja do mallo e
solteiro : no sitio da Tacarona, pagando-se oui-
to bem.
Vo a ultima praga no dia 22 do correnle na
sala das audiencias, pecante o juizo de orphos,
para aerem arrematados por execugio que move
Manuel Martina Fiuza contra o casal do fallecido
coronel Francisco Hamede de Almeida os escra-
voa aeguintea: Thereza de naci, com53auoos
de idade, avahada em 600$, Josooa, criouls, com
25 annos de idade, avahada em 1:4004, Hanoel,
Mucernbique, com 40 annos de idade, avaliado
em 8009, e ara apparelho de cb com as pegas
seguintes : bule, caeteita, assucareiro, liteira,
ligella e prato, com 1,330 oitavaa de rata a 200
rs.,266jf. "
Aliiga-i. tim sitior "
oa Torro i margem do rio, com boa casa de so-
brado, estribara, cocheira, cacimba com bea agua
de beber, coa bomba de putar agua, mullas
frucleirae, capim para 3 ou 4 cavallos, exw lente
banhodo tio, ele, aeodo para familia capaz, e
que queita morar uella ludo O anno, aluga-se
asilo barato ; quem pretender, dirija-ie a ra
Nova n. 15, primeiro andar.
Uanoel Airea Guana aaca aobre o Rio da
Janeiro.
PADARIA;
Aluga-se a padaria da travessa do Pirea, a qual
eali prompta de ludo, com muito bona comino-
dos, e esl anda trabalhando, sendo seo aluguel
muito commodo ; a tratar na ra da Senzala Nora
oumero 30.
Os abaixo assignados lenham a bondado da
apparecer na ra Nora n. 21, loja do Germano.
Jos Antonio Ferreira da Silva.
FranciscoXarier Venancio Pimenla.
Pedro de Asis Campos.
Buzebio Bezerra Cavalcanli.
Uanoel Rosendo do Reg Barros.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Santos & C. sacam a tomam
saquea aobre a praga de Lisboa.
Aluga-se ama casa em Beberibe : a tratar
coa J. 1.11. do Reg, na ra do Trapiche o. 34.
Quem preciaar de urna criada portuguesa
para o servigo Interno de urna casa, menoa cozi-
nhar, dinja-se a ra de Apollo n. 37, teiceiro
andar.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recite a Sao Francisco.
(limitada.)
Pela superintendencia desta companhia ae
communica sos Srs. accionistas possuidores das
aeges cojos nmeros vio abaixo designados que
pela directora fica marcado o prazo a contar
desta data at 31 de dezembro do correte anno
para aattsfazerem aa respeclirss entradas em
atrazo, e que Bndo case prazo sem a realisagio
das entradas serio ditas segos, de cbnformidade
com os estatutos, confiscadas pels directora de
accordo com os annuncios j publicados.
Aviso.
Sitio para alugar.
Aluga-se o aliio do Mooteiro, com boa casa,
aonde morou o fallecido pal do annunciante, tem
cocheira, estribara etc. ; a tratar com Manotl
Aires Guerra, na ra do Trapiche n. 14.
50,349
48,240
48,378
48.895
52.176
52.286
>
>
D

a
ELIXIR DE SALDE
jjk:

Citrolactato de ferro,
\jnieo deposito na botica de Joaquina MaTtinAio
da Cruz Correia., rua do Cabxig n. II,
tm PernamYmco.
0 Dr. H. Thermee (de Chalis) antigo pharmaceulico aprsenla boje urna ora prepara cao
de lerrocom o oome de elixir de citro-lactato de ferro.
Parecer ao publico um luxo emprecar-se um mesmo medicamento debaixo de formulas lio
variadas, maao homem da sciencia compreheooe a necessidade e importancia de urna tal rarie-
dade.
A formula um objecto de muita importancia em therapeulica; um progresso mmenso,
idades, para todos os paladares e para todos os temperamentos.
Das numerosas preparages de ferro at hoje conhecidas neohuma rene tao bellas quahda-
des como o elixir de citro-laclacto de ferro. A seu sibor agradavel, rene o lomar-se em urna pe-
quea dose, e aer de urna prompta e fcil dissolugo no eitomago, de modo que completamente
assimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que conten em sua composigo, a cooslipagio de
ventre (requentemenle provocada pelas oulras preparagoes lerrogioosas.
Estas novas qualidades em nada alleram a sciencia medicamentosas do ierro, que sendo urna
substancia da qual o medico se nao pode dispeusaa em sua clnica, de locomparavel utildade
qualquer formula que lhe de propriedades taes, que o pratico possa prescrever sem receio. E* o
que cooseguio o pharmaceulico Thermes com a preparagao do citro-lactacto de ferro. Assim este
medicamento oceupa hoja o primeiro lugar entre as numerosas preparagoes ferroginosas, com o
atiesta a pratica de muito mdicos distinctos que o tem eosaiado. Tem sido empregado como im-
meoso proveito as molestias de laoguidez (chlorose paludas cores ) na debilidade subsecuente as
hemorrhagias. as hydropesias que apparecem depois das intermitentes na incontinencia: de urinas
por debilidade, as peroles brancas, na escrophula, no rachitismo, na purpura hemorrhagica, na
convalesceocia das molestias graves, na chloro anemia das mulheres grvidas, em todos os casos
em que o sangue se acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, aftecees chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancroas, syphililica, excessos venreos, onanismo e uso prolongado das precaugdes mer-
curiaes.
Estas enfermedades sendo mui frequentes a sendo o ferro a principal substancia do que o
medico tem de langar mi para aa debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece lourores e o
reconhecimento da humanidade, por ter descoberlo urna formula pela qual se pode sem receio
usar do ferro.
CONSULTORIO ESPECIAL HOHEOPATHICO
DO OOUTOR
SABINO O.L. PINHO.
Rua de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas lodos oa dias uteis desda aa 10 horas
at meio dia, acerca daa seguales mo> eslas :
moUstiat dai muida re, molestia! dat crian-
zas, moiesfiai da pellt, molestias do olhos, mo-
lutiai syphililicas, todat a$ especia dt febrts,
ftbrtt intermitientes < luai consequenciat,
PHABUACU ESPECIAL H0ME0P ATH1C A .
Yerdadeicos medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
fallireis em saus etleitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos pregos mais commodos pos- |
airis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente rendidos em sua pharmacia; todos
que o forem (ora della sao falsas.
Tudas as carteirss sao acompanhadas da um
impresso com um emblema em relero, tendo ao
.redor as seguintes palarraa: Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lisiavdosmedicamentos que se pe-
de, As carteiras que nio lerarem esse impresso
assim marcado, emboratenham na tampa o no-
mo do Dr. Sabino sao falsos.
Gabinete medico cirurgico.J
2 Rua das Flores a. 37. 9
aj) Serio dadascoostltaa medicaa-cirurgi- aa
d) cas pelo Dr. Este vio Gavalcanti de Albu- am
aa querque das 6 as 10 horas da manhia, ac- da
gj cudodo aos chamadoa com a maior bre- as
a* ridade possivel. m
m !* Partos. M
j 2. Molestias de pella. m
afB 3.* dem dos olhos. gj
djp 4.* dem dos orgios genilaes. gk
d) Praticartoda equalquer operagio em ai
da seu gabinete ou em easados doantes con- gj
ga> forme Ibes fr mais conveniente. al
i
Attenco.
T
Constando que fallecido Joaquim ^
Francisco de Mello Cavalcanti, de Naza-
reth, e de vendo este aos herdeiros e le-
gatarios de Francisco Manoel da Silva
lavares a quantia de 2:527^74-4 rs. em
p> ata procedente de duas lettias, sendo
urna de 1:188^54-4- rs. vencida em 23
de novembro de 1836, e outra de res
1:339^200, vencida em 19 de agosto de
1837, alm dos respectivos juros na
mesma especie de 2 por cento ao mez
desde os dias dos vencimentos at hoje,
pelo que fra demandado em 1844, pa-
rando a questao em grao de execucao
por se ha ver a presentado com prefe-
rencia a azenda nacional: pede se aos
inventariantes desse casal que se dig
nem de destinar bens para pagamento
dessa divida, lembrando se de que ha
um termo de deposito em que iguram
diversos.
Alaga-se um segundo andar com pequeos
I commodos, piolado de novo, na rua do Encanta-
mento, e urna casa terrea na rua do Mondego ou
Cotovello : a tratar na rua da Cadeia do Recie
... 'i!,, rnw i o. u. oo.
Muita attenta.
A abaixo assignada faz aclente ao res- ^
peitavel publico e em particular a todas >j
aquellas pessoss, com quem Uvera con- g
tas ou transacedes que ella nio tem Jj
presentemente divida de natureza alga- 1
ma e que algumas letlras que houvera
asaigoado para ai, e se acham todas pa- *
gas, bem como algumas outras lellras *J
que tem endosado por favor, a slguns de |
seos Olhos e genros, (nio todos) todas 4
se acham pagas; e como te considera dSo 1
de ver a niuguem, tanto de lettras auas, V
como por lettras endonadas a ditos seas (
lilhos e genros, bem como llancas ou i
outros quaesquer ttulos, a quaesquer '
pessoas, por isso faz a presente deca* (
ragio. No caso porm de nio aconte- |
cer assim, o que nio crirel, quem ti-
rer alguma leltra ou oulro qualquer do- '
cumento, que se constitoa seu credor,
queira immediatamente apresenta-lo o .
mais tardar oestes 30 dias, oa casa de sua
residencia na rua da Aurora n. 64, que
veriQcado Terdadeiro ser pago em con-
tinente e para que nio apparegam duvi-
das para o futuro e mesmo depois de
sua morte que faz o presente annuncio
e declaragio solemne para que nioguem,
seja quem quer for, se chame a Igno-
rancia. Outro sir, quem quer que se
julgar credor, ter a boodade de decla-
rar por este Diario. Recite 5 de outu-
bro de 1861.
Alaria Theodora d'Assumpgio.
30 aeges de 49,316 a 49.345 inclusive.
10 50.340
30 > 48.-11
10 48,319
50 48,846
12 52.165
45 52,242
E. H. Bramah,
Thesoureiro.
XSfOflrftSttgftft* 9M9KM9 'S-aWiftl
Consultas medias.
Serio dadas todos os dias pelo Dr. Cos-
me de Si Pe rer a no seu escriptorio, rua
da Cruz n. 53, desde is 6 at a 10 horaa
da manhia menos aoa domingos aobra:
1.* Molestias de olhos.
2.* Molestiaa de coracio e de peito.
3.* Holestias dos orgaos da geragio e
do anus.
O exame dos doentes ser feito na or-
dem de suss entradas, comegando-se po-
rm por aquelles que soffrerem dos
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos e op-
licosferao empreados em suas consul-
tares e proceder com lodo rigor e pru-
dencia para oblar certeza, ou ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza e
causa da molestia, e dahi dedozir o plano
da tratamento que deve destrui-la oa
curar.
Varios 'melicamentos serao tambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de suaverdadeiraqualidade,
promptidio em aeus erTeitos, e a necessi-
dade do seu emprego urgente que se usar
delles.
Praticar ahi mesmo, ou em casa dos
doentes toda e qualquer opersgao que
julgar conveniente para o restabeleci-
mento dos meamos, para cujo flm se icha
prvido de urna completa colleagio de
instrumentos indispensarel ao medico
operador.
Desencaminhou-se ama trouxa cea rariaa pe-
gas de roupa com aa marcas F. B. a J. N. B.r
cuja trouxa foi entregue ha am aez a taata asa
canoeiro do Porto das Canoas para emiregar SMS)
Apipucos, a urna lavadeira por oome lasa : gra-
tiQca-se bea a queo aouber ou noticia dar da
mesma roupa na rua do Imperador casa a. 48.
3* andar.
Quem anouacioa rendar urna preta boa
quitandeira : dirija-se i rua de Sania lila a. C5.
Aos credoret^ do
Buarque.
Os abaixo assignados, credores a encarregodM
da liquidagio da aassa do finado Manoel Boar-
pue de Macedo Lima, nio podendo at a presen-
te dala liquidar negocio algum da masas, per
embaragos que se apresenlam proreniaertee das
Iraosacgoes do fioado, que di pretexto aos dere-
dores a se oegarem ao pagamento ; nio po-
dendo os abaixo assignados, rala disto preea-
eber a aissio de que esli encarregados, wt a
porque se faz r reciso usar doa meioa judiciaee.
urna rez que os deredores da referida maesa aa)
oegam por bem pagar, como porque oa abola)
signados nio podem por em pratica a cobra oca
judicial pela falla de meios pecuniarios : assiaa
assentsram convocar i todos os credores, para
oo dia 23 do correte, i 10 boraa em ponto, aa
acbarem no escriptorio o. 27 da na da Cadeia
do Recite, e de commum accordo deliberarea a
quelacbaram mais justo.
Recite, 17 deoutubrode 1861.
Prxedes da Silra Guarni:
Gurgel f\Perdigio.
Lourengo Luiz das Neree.
Aluga-se o segundo andar do sobrada da
travessa da Madre de Dos o. 7 : a tratar aa
mesma rua, armazem n. 17.
Aluga-se a loja do sobrado n, 25 sito na
rua da Praia de Santa Rita : a tratar na rua de
Cadeia n. 62 segundo sodar.
Jos Uuniz Toixeira Guimaraes, agente
de lellao prximamente nomeado pelo
meretissimo tribunal docommereio ees-
tabelecldo com escriptorio e armszem na
rua do Imperador (oulr'ora roa di Ca-
deia) n. 37, offerece aeus servigos so res-
peitavel corpo commercial, a seus amigos
e a todos em geral que quizerem non-
ra-lo cem sua confianga, assegurando-
lhes cumprir bem e fielmente as funegdes
inherentes ao seu emprego, para o que
nio poupar esforgos a bem dos ioteresses
de saus commiteotes.

Aluga-se o 1.' andar da casa da rua da Ca-
deia do Recite n. 52, muito proprio para escrip-
torio, ou moradia de pequea familia : 4 tratar
no primeiro andar da casa a. 50, da mesma
rua.
Dentista de Paris.
l> Rua Nova 15
riMn.a!..,-:>;s~an lisia .f azi
todas as operaces da sua arta a col loes j
dentes articiaes, tudocom a supariori-i
dada eparfeicio qae as pessoasantaadi-J
das lhereconhecem.
Tea agua e posdentifriciosete.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, ten-
do reorganisado a sua casa de saude sita
na Passagem da Magdalena, tendo de
visita-la diariamente, all dar' consul-
tas todos os dias das 8 horas da manbaa
ao meio dia e acudir' a qualquer cha-
mado, sendo as consultas e os remedios
dados aos pobres gratuitamente.
Attenco
Preciaa-se alugar urna ama de meia idade, que
saiba cosinhar bem, para urna casa de pouca fa-
milia : a tratar na rua do Trapiche n. 18.
| Urna mulher de boos costumes offerece-re
| para administrar urna casa de familia, ou mesmo
de homem solteiro : a tratar na roa do caea de
Apollo 0.17, segundo andar.
Precisa- ai.e.r m r,rpio escravo para
i.du servigo de urna casa estraogeira ; na rua da
Imperatriz, loja n. 9.
A capella de Santa Cruz e de
Nossa Senhora das Dores
em Olinda.
Alaga-se o terceiro andar da casa n. 37,
aita na rua do Amorim ; a tratar na rua da Ca-
deia o. 62.
8
8
Drama original brasileiro em 5 actos
por Astolpho Franco Pinto Bandeira,
assigna-se na rua Nova n. 11 a s por
exemplar.
Importante
. Aviso
Anda esl por alugar o sobrado na rua da
Trempe n. 7, que se tioha annunciado oeste Dia-
rio : quam o quizar alugar dirija se i rua do Co-
tovello o. 49, que achara coa quem tratar.
Attenco.
ilbaquerque Mello ll-
ura a rua larga do Be-
Jesquim Cavalcanti de.
too mudoo-sua ralWWcl
*ario n, 38, i" andar.
Ea abaixo assignada participo ao respeita-
rel pobtse* qe oiogueaa contrate ou faga qual-
quer negocio coa a casa terrea aita ni rua Ais-
ut n. 3i, pertencente a meu georo Joio Luiz
<6 Baat Jnior, porque a dita casa acba-ae san
en poder hypotbecada pof escriplura publico e
junl.mecu raateda cosa uSa-a tauaHd.df do
le, o qual prenoo ao publico para nio se ebft-
narj a ignorancia. Oulro slm. declare que nio
responsabiliso-me por qualquer divida contrahi-
Na loja de'4 portas da rua do Queimado n. 39,
clia-se am grande armazem com todo o sorti-
mantode roupas feitas, para cujo flm tem mon-
tado urna officina de alfaiate, estando encarrega-
do delta um perfeito mestre vindo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda e qualquer obra que se lhe
encommende; por laso que faz um convite espa-
cial a todas as pessoas com especialidade aos
lllms. Srs. officiaes tanto da armada como do
exerclto.
Faz-se fardas, farddes com superiores preparas
e muito bem feitas, tambem trata-se fazer o far-
dameoto todo completo conforme se usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figurines que de
li vieram ; alm diiso faz-se mais casaquiohas
para montara, frdelas ou jaquetas, bem como
colletes a militar para os Srs. ajudantes de esta-
do maior e de cavallaria, quer saja aingeloa oa
bordados a eapequilha de ouro ou prals, tudo ao
goato da Europa, tambem prepsra-se becas para
desembargadores e de qualquer joiz segundo o
estylo de Coimbra aonde se fazem as melbores
conhecidas at hoje, assim como tem muito ricos
desenhos a matiz de todas as cores proprios para
fardamento de pagana oa criados de libr que se
fari pelo gosto i uanceza. Na mesma casa ea-
carrega-se de fazer para meninos jaquetas s
{ranese bordadas ao mesmo gosto. Afflangando
qae por tudo ae fica responaarel como seja boas
uzeadas, bem feito e bom corte, nio se falta no
dia qne se prometter, segundo o systema d'onde
reio o meatra, pos apara a honrosa risita dos
digno* senbores visto qae nada perdem em ei-
perimenfar.
Na leja sVsgaia da oaro, roa do Cabana n. 1B,
recebe* ua eowpiete eormento e gellinhss de
missaoga, asado de todas acorra
35-Rua larga do Rosario-35
Francisco Jorge da Silva Prannos, dentista de
Lisboa, colloca denles articiaes terrometallicos,
iocorruptiveis por todos oa systemas, acera e
endireita os disformes, assim como faz todas as
operaces da aua arte o que execula com a maior
delicadeza, perfetgio e primor para o que pode
ser procurado tanto para a capital como para fora
della.
Armazem na rua da Madre de
Dos n. 6, de Hachado & Rodrigues,
ainda continua a sustentar o mercado
do milho a preco de 3#500 por sacco,
sendo por cao isz-se dilFerenqa.
I aJ I------------------------------------l

Quem precisar de urna ama com muito bom
leite, airija-se a rua do Amctim o. 10.
Antonio Jos Alvares, propietario do en-
geuho Canha, na comarca de Santo Ant9o, faz
publico, que no dia 8 do mez correle fugira do
seu engenho o escravo de oome Damasio, criou-
lo, de idade de 25 annos, cor preta, com os sig-
naes seguintes: altura regular, corpo groaso,
olhos grandes, begoa grossos, com um olhomais
vermelho qne outro por molestia que soffreu no
mesmo, tem urna unha de um dedo da mi a
cablr oa cnida, quando anda parece marojo, e
puuca barba ; quem o apprehender o cooduziri
ao dito seu senhor oo referido engenho, e ser
gratificado com 50{>. Ha noticia que este escravo
aoda pela cidade do Reeife.

aj Aloga-ae o sitio que foi do fallecido SJ)
dj commendador Antonio Luiz Gocgalvea a|
j Ferreira, silo no Hooteiro, o qual lem ex- aj)
aj) cellentes proporgoes para passar-se a fes- j)
9 ta e produz lucro: os pretendenlea diri- aj)
aj) jam-se a rua da Imperatriz n. 14, terceiro aj>
ai andar, ou a rua Augusta n. 43, segundo aj>
aj) aodar. aj)

Aluga-se urna escrava, que cosinha, lavae
compra na rua : oa Ilha dos Ratos, rua do Ser,
ou rua da Uoiio casa n. 1, ritioha ao grande
edificio que se est fazeodo para o Gymnasio Pro-
vincial.
Precisa-se dedous contosde ris aobre hy-
potheca em um predio nesta cidade, pagando-se
um e meio de premio : para ioformages trata-
se oa rua da Imperatriz loja de selleiro deliaooel
Coelbo da Silra.
Ama de leite.
Aluga-se urna preta para ama de leite, a qual
tem multo bom leite e muilo sadia ; a mesma
nio so serr para criar, como para todo o serri-
go de casa, pelo baratissimo prego de 259000 rs.
por mez : quem pretender dirija-se i Estrada
Nora, junto i bomba grande tratar com Borain-
gos de Uollanda Caralcanli.
9 #@# <$*& OM
%-> Pede-te ao Sr. padre Abran-
tes que tenha a bondade de vir 0
a rua do Crespo n. 8, loja, a (f$
negocio de seu grande inte reste. @
Aluga-se
O abaixo assigoado declara ao respeitarel pu-
blico que esta ermida, edificada pela piedade do
fioado Rvm. Sr. Dr. cooselheiro Antonio Jos
Coelho, se acha sob os cuidados do mesmo abaixo
assigoado pelo louvavel offerecimento que della
Ibe fizeram os seus uui digoos prenles. Aqnel-
las pessoas, portento, que tiverem votos a cum-
prir, e mesmo que quizerem concorrer com al-
guma esmola de dinheiro ou material para maior
amplidao e aformoseamento deste edificio, po-
dem dirigir se a elle, d'hora em diante residente
no coosistorio da mesma capella : e para maior
seguranca o podem procurar das 11 horaa da ma-
nhia at as 3 da tarde.
Conego Joio Chrisostomo de Paiva Torres.
Curso (Talgebra.
O profeasor de malhematica do gymnasio pro-
vincial pretende abrir no dia 4 de novembro um
curso d'algebra ; os Srs. estudsntes do Curso
Commercial que quizerem frequeots-lo, dirijsm-
se i casa de sua residencia na rua Direita o. 74,
Pa serem matriculados. O exercicio d'aula
principiar no dia indicado, havendo numero
sufficiente de alumnos, eseride manhia.
urna casa na Torre para passar-se a testa, coa 2
salas, 3 quartos, copiar, coiioba, e quintal mu-
rado, com estribarla, verlo do banbo; quem a
pretender, dirija-se so mesmo logar, a fallar coa
Francisco Jos Arantes.
J tempo meus senhores 11
Os senhores Jos Florencio de Oliveira e Silva,
Uanoel Joronimo de Albuquerque e Henrique ala
Ponaeea Coitinho, sao rogados a concluir o ne-
gocio que nio ignorim, na rua do Crespo, loja
numero 20 B.
No boceo da Roa n. 2, no Forte do _
precisa-se de um bom cozinheiro oa cotinheira.
A. J. Pereira Leite retira-se para o Mara-
nbao.
Precisa-se de nm caixeiro que entenda de
taberna e que d fiador, assim como nio se pora
duvida em dar-lhe sociedade na caaa que tenha
algum rundo : a tratar na roa da Santa Cruz nu-
mero 10.
Aluga-se a casa da rua do Cotovello n. 12,
reedificada e pintada de novo : a tratar no largo
do Paraizo n. 14.
Roga-se a pesaos que achon a papegaio
oo pateo do Psrsizo, ou ea suas iaaedieges. o
favor de lera-io no mesmo pateo sobrado o. 4 f
andar, que alm de se agradecer se gratificar ge-
nerosa mente.
Precisa se de um forneiro : na padaria da
rua dos Pescadores.
>s rua das Cinco Ponas coiinha-se para 3
ou 4 pessoas. afiangaodo-se ser coa muita lisa-
peza e perfeigio ; as pessoas que quizerea, di-
rijam-se a casa o. 75 confronte aa casas queima-
das, que achario com queo tratar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrade n.
22 na rua da Senzala relha ; quem o pretender,
pode ver aa chaves na mesaa rua n. 48, no de-
posito.
PliBLICACU LITTER4RI4
ACHA-SE NO PRELO EM MARANHAtV
9 mmm tim
DE
S 3-Ltna estreita do Rosarit~3
' Quem quizer dsr a premio a quantia de
500O0O, ofTerecendo-se por garanta duasescrara,
pegasaonuncie.
Ama.
Precisa-se de urna escrava que aaiba engom-
a a eol-,aa osar bem atiabar : aa roa da Seazala Veiha
a. 67, segundo aodar.
adaptada as
locar dentea articiaes tanto por meio de
molas como pela pressio lo ar, nao re-
cebe paga alguma sem que aa obras nio
flquem a voznada da aeus doaoa, Um pos
outras preparagQes as maia acreditadas
para conaervagio da bocea.
Predsa-ee alogar urna preta. ou preto, que
aalba reader oaraa, para ua sitio ; aesia como
compra-se am negro relho, que seja robusto :
na rua do Rangel a. 59, loja.
MartaaaMtM ,.I.Wiu,~ 6l,"to' ** u*"- 4
Ao amanhecer de dia 16 do correte furia
ram do eogeoba Utrnga V baiao, dous poltros,
sendo ua mellado, de dina canda brancas,
os dea* ps braceos at o meio das eaoellas,
frente aberla, esl faspndo a ai tima muda ;
outro rozo foveiro, tem a frente bem aborta, os
quatro ota arroga gado, sondo orna mi menos
branca, cali em a segunda muda, e asesino tea
manchas pelo eacego : oa quaes tetaa flbega-
ao.O<^aW 4ertao, e pertaacem ao pro-
pnaUrip do mesmo engenho eeiaa.
Atiendo
rosos.
Faz-ae tnjalo negocia V Macaninho (vic-
toria) de 4 rodaa, que ainda nio prestou servigo
alfvm, casa nasa tioajparalkajlf earillaa relos
e oreos : qaea flofzar paasar 1.41 Jtesi taes
objectos por prg toerJico; pod* tr Tef d-Hratar
os cocheira da roa do. Imperador o. 12.
?
. a precisar de ama negrinha para dj
ama de eaaa de ponca familia, dirija-se a fa
rua do Hospicio o. 64.
Lembrancas Brasileiras,
BDD'iD'JSi1A3)iii i SSdlMIPViiS IPuUD
Dr. Cesar Augusto Marques.
Este trabalho, feito a imilago doa Almanak de lembrancat do Dr. A. de Castilho reno ao-
bre fados da Autora do Brcuil, colligides em livros memorias e chronicas aatigaa, muita. daa
quaes de difflcil acquisigio, o que foram consultadas em varias bibliothecas de muilas provincias do
imperio, onde esteve o autor, r
E' um meio fcil de derramar-se pela populagio, menos lids e mais pobre, os (ellos heroico*
de nossos antepassados. *
E' um meio proprio de se ir infiltrando no animo dos meninos a lingasgea
suas aeanhadas indiligencias ideas que lhe serio de proveito. e de despertar osa saus
goes o amor pelaa reinas cousas da patria, que em geral aodam esaaecidae ouaado lea
deriam ser. ^^
Ahi se encontrar para cada dia do anno urna oo mais dalas, qae desperlea a Labreaca O
qualquer cousa creada, fundadajou estabelecida ea igual dia de annos anteriores.
Logo abaixo dessa tphemtritt estar um artigo, onde se descrere o aaaabolorjacato alo t-
goma villa ou cidade, de templos e conventos, de repartigoea publicas, jardn, botnicos ausoaw,
passeios pblicos e hospitaes, a biographia de alguna brasileiros Ilustres pelas scieaciaa e l.ttra.
artes e armas, a fnndaglo das diversas academias, de sociedades scieotifieaa a lit ter arias, da aacoaas
e bibliothecas, descripglodealguns vegetase braeileiros, seos usos a utilidada : oaawMSeo, aaaa
e costumes dos indgenas em suas aldeias, na pesca, na guerra a na paz ; a ira bal bao apaaaalitaa
dos jesutas, noticia de maltas minas d'ouro, prate, cobra e outroa metaes, de alguasoa grnlao o eos
aeua descobridorea e explor.dores, urna ou outra poesa rara ou iaadicta,'uaa oo aira .aidatli
algumas loadas e tradiegoes populares, e moitis oatrss leiturss todas fallando da aoaea patria.
Recebem-o asslgasiuras a 2j> cada etemplar, bem impresto em boa papel n.d fMta>
pogr.phia do Sr. coamendador Flgoeiro. da Paria e livraria universal de Guirasrirs "
Psgaaeoto a* eecaollo d. entrega.
J eetiem andamento o 9* rolme ; o autor cheio de prazer e cooflaaea coavido I
tataib Mo rorrOcta e das outras do imperio, ate mesmo o* curiosos, para ano os
Alaga-se um armazem aa rua do eses da
Apollo n. 7 : a tratar no palca do S. Poda su I.
tilica, dessa poli
or q
oonOenca em todas .. casas, qu para todos seja bemvindo, e que seo considara
artigo, qae trate de aol
oem tamoeay tiuaoe* pesaOaet, porque o aut
itica, qu tbdb amesqoinba, todo cenfuade taoo deatra"., a
quer que o seo livrioho seja reoaaioo asa aa-
.i bemvindo, e que se o considara coa o aestgo alo-
ro, coa quem ae conrerSa, aborto o cor.gio, depoia das arduas (adigas do dia para dar laos
espirito a alivia aos desgoatos lio ccmp.nheiros da rida e nio deaej. rer trastadas as aaiaaoiaa.
ais e.orugada o fronte dos que se entregarem a esas rpida laltara.
a reco
DMOojaotoitta-te o. irligot, e para alies esl aberto spago con u ttadjcitaj

^ _^ X


DiA-UO DI FEkNAMJCCO SEGUNDA flUU ai *E.QUTU1RP DI 1861,
Compras*
...
Compra-se um eseravo mogo, ui'io e de
boa figura sen vicios preferiado-se da Coita : na
ra do Trapiche n. 18 3 andar.
ra-se
>s compridos.
Na roa do Queimado casa de cabelleireiro.
Comprase moedas de 20$ : na
ra da Cruz n. 48, pagase mais do
que em outra qualquer parte.
Compra-sa uua preta e urna mulata que
sejam pereitas eozinheiras, engommadeiras e
costureiras : na ra da Cruz n. i, eacriptorio de
Azevedo & alendes.
Compram-se moedas de ouro e palacdes
hespanhoeaao cunho de Carlos III e IIII, ni ra
Nora o. 23.
Aviso.
Compra-a* para urna eneommenda do Rio de
Janeiro doua moleqoes robustos e benitas figu-
ras, de idade de 15 a 20 anoos, paga-se bem :
a tratar na raa da Cruz do Recife n. 63, rma-
zem jauto ao Corpo Santo.
Compram-se escravos
mocos e boaa figuras, pagam-ae bem : na ra da
Imperatnz n. 12, loja.
Compra-se um cofre seguro que no seja
caro ; a tratar na thesouraria das loteras, roa do
Crespo n. 15.
Compra-ge um eipadim em bom estado, em-
bora nao o esteja baohia : na lirraria da
da Independencia na. 6 e 8.
pra;a
Vendas.
Vende-ae urna loja de miudezas em urna
das pnucipies ras desta cidade, e faz-se todo o
negocio, com tanto que haja| garanta : quem a
pretender annuncie para ser procurado.
A16#000.
Paletots de panno fino preto, forrado de seda :
na ruadoJQueimadoo. 47.
A 240 o covado.
Casia toda preta. fazenda boa: na ra do
Qaeimado n. 47.
Milho.
Potassa da Russia.
Vende-ae potassa da Russia da mais nota e
superior que ha no mercado e a prec.o multo
Commodo: no escriplorio de Maaoal Ignacio de
Olireira & Filho, largo do Corpo Santo. ^v
Plvora.
Vende-se plvora de superior qaalidade e
chumbo de munigo, por menos do que em ou-
tra qualquer parte ; a tratar no eacriptorio de
Antonio Cesarlo Moreira Das, no Forte do Maltos,
ra da Moeda n. 27.
Vende-se
n.4.
a taberna do becco do Campello
Vende-se superior milho recentemeote chega -
do do Maraohao; na ruada Cruz n. 27, escripto-
io. Pode ver-se no trapiche do Cunha.
Ultima moda
italiana,
vindo no ultime vapor francez
40 RoadoQueimado 40
Lindos cortes de vestido de seda de cores a ita-
liana.
Ricos manguitos cora golliohas de cambraia
branca bordados balo.
Um grande sortimento de chales de merino de
todas as qualidades.
Ricos veos de Ol de seda branca bordados,
grandes, para casamentos.
Tarlatana de cores bordada, 8 palmos de largu-
ra, covado 19.
BARATO
sem igual, s na ra do
Queimado n. 40.
Luvas de seda de cores para horneas, senhoras
e meninas, o par 400 rs.
Lencinhos de seda com franja, finos, para me-
ninas e aenhoras bolarem no pescoco, um 500 rs.
Chapeos de sol de seda para meninas de esco-
la, um 19600.
Grvalas de seda de pona larga, outr'ora do
valor de 4 a 6$, pelo diminuto prego de 13 urna.
Diversaa fazendas de Ha e seda para vestidos
de senhora, que outr'ora se veodiam por 1J280,
pelo diminuto preco de 640 o covado.
Sedas de cores superiores com pequeo toque
de mofo a 800 rs. o covado.
Superiores e afamadas peonas de seo denomi-
nadas laoca, groza 600 rs.
Pegas de cambraia lisa fina e larga, pega 3$.
ftetroz em carretel.
Na loja d'aguia de ouro, vende-se muito supe-
rior retroz proorio para coser era machina, ou
para qualquer costura, por baratissimo prego de
320 o carretel, ou caixinha de duzia a 3J500 ; s
na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B.
Barato para acabar.
Ra da Imperatriz n. 40, es-
quina do becco dos Fer-
reiros.
Sediohasde quadros encorpadas. covado a 640
rs., chitas de cores fixas, covado 160 e 180, ditas
francezas, covado a 220. 210 e 260, saias de cri-
nolina para balo a JOO, baldes de 18 a 35 as-
teas dos melhores, por prego commodo, cortes de
cambraia bordados a ij}600, cortes de cassa c'e
bonitas cores com barra a 28D0, riscadinbos
francezes em cambraia, covado 280 rs., guardana-
pos adamascados, duzia 25500, cobertis aveluda-
das com frocos para cama a 99, manguitos para
seohura a 29500, goliohas bordadas de ponas a
800 re.
Bieos de seda.
Bicos; rendas e labyrin-
thosdasllhas.
A lojs d'aguia branca acha-se recentimente
provida de um bello sortimento de finos, alvos e
bonitos bicos de seda, e das differeotes larguras
di 1 dedo at mais de 112 palmos, e os baratos
prejoa por que se esto vandendo animam ao
comprador: assim como os fortes e muito dura-
veis bicos, reodas e labyrlnthos das libas, Igual-
mente baratos como eoobecer o compridor.que
munido de dioheiro, dirifrir-se a roa do Queima-
do, loja d'aguia branca n. 16.
Queima-tudo
Serve para ae deitar nos castigaos e segurar a
vela de espermacete, fazeodo-a qaeimar at o
fien, e preservando os mismos de se aaebrarera
com o calor da luz: vende-se a 500 rs. cada
queima-tudo, na ra do Queimado, loja d'aguia
bravea n. 16. T
em carreleis
para coser-se as machinas.
Veodem-ae carreteia com retroz de cores, pro-
prios para as machinas a 320 cada um ; na roa
do Queimado, loja d'aguia branca o. 16.
Vende-se a refloaco estabelecida na casa
d. 201, sita aa ra Imperial, assim como urna,
canora bol bem gordo ; a tratar oo largo do
Carao com Narciso Jos a Costa Pereira
PHA8ltCU-l
Rm larga do Rosario 1.36
tob i'Affectear.
Plalas aAilesoo.
Plalas americanas.
DPfMBto Bslrotray.
,50 A-Kua da Cadeiado Recife 50 A
Para montara.
A 680 rs 3,000 a 3,500.
Riquissimas alpacas inglezas de seda
de differentes cores escuras para vesti-
dos de montara de senboras a 680 rs. o
covado, riquissimas golliohas e puohos
com tres boies de apurado gosto a 3| e
3500, dito de dita a 500 rs., dito de li-
nbo e fusio com puohos e manguitos de
apurado gosto a 2f.
Coral.
Vendem-se fios de coral lapidado a 19200 e
19400, ditos de raiz a 19, maotinhaa dos ditos de
duas voltas a 29, e de tres voltas a 39 : ni loja
d'aguia de ouro, ra do Cabug o. 1 B.
Flores.
Vendem-se ramos grandes de flores muito fi-
nas pelo baratissimo preco de 19 cada um ; a el-
los, antes que se acabem : na loja d'aguia de ou-
ro, roa do Cabug n. 1 B.
Espelhos para cima de
mesa.
Vendem-se espaihos com columnas de excel-
ente vidro a 49, assim como mais pequeos a
39: na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug nu-
mero 1 B.
Souhall Mellors & C, lando recebido or-
dem para veoder o seu crescido deposito de rslo-
gios visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, porlanto, s pessoas que quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-se da op-
portunidade sem perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prego no seu escriptorio
ra do Trapiche n.28.
jVeode-se por preciso duas escravas. sen-
do urna crioula com um filho de tres mezes e com
muito bom leite, eogomma e cozioha com per-
feicao, e oatra de meia idade boa quitandeira,
por (jar duas patacas por dia ; lava bem o cozi-
nha o diario de urna casa : garante-se ambas
nao lerem vicios : quem precisar annuncie, para
ser procurado.
i A 29000 o corte
de calcas de meia casemira escuras de urna s
cr : na roa do Queimado n. 22, na loja da
Boa-
.
Boa fama n.
35.
semsegundo
Na roa do Queimado o. 55. loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, teta destinado
acabar com certas e determinadas miudezas pelos
preces abati declarados, e venbam logo pois
eati acabando.
Gaixas com agulhas francezas s.......... 120
Novellosde linha para marcar a 20 rs. e.. 40
Ditos de linha de cores e muito grandes a 40
Carretel de linha, superior qushdad a.. 30
Linha branca do gaz a 10 rs. e........... 20
Dita dita ,a melhor que ha, novel lo grande 60
Pares de meias de cores para meninos a 120
Duzia de meias croas mulo superiores a 29400
Dita de ditas ditas a...................... 29000
Pares de meias de cores para meninosa 160
Linha em carto Podro V a.............. 20
Caixae com phosphoros de seguranza a 160
Caixas de folhas com phosphoros (so a
Caixa val 100 rs.) a.................... 100
Duzia de phosphoros do gaz a.......... 240
Frascos d'agua de colonia luperior a___ 400
Ditos com cheiros muito finos a........ 500
Duzia de meiaa muito finaa para senhora 39000
Caixas de apparelhos para meninosa 240
_ e ........... 500
Trancas de lia edelinho sorlidasa...... 40
Sabonetes grandea e superiores a........ 160
Groza de botos pequeos para caiga a.. 120
Croza de botes de lou$s a.............. 120
Varas de tramoia superior a 120 e........ 160
Groza de peonas de ac ................ 500
Carteiras muito superiores a............ 500
Baralhos porluguezes a.......... ....... 120
Tesouras muito finas para coatura a.... 400
Ditaa para unhas a 240 e.................. 400
Baralhos para voltarele a 240 e.......... 320
Frascos debanha de urco a................ 640
Frascos grandes de lavaade ambreada, su-
perior quslidale a.................... 800
Frascos de oleo de babosa a 320 e...... 500
Frascos de danba muito fina a 240 e...... 320
Agolheiros com agulhas a................ 80
aKai aasatt- aiSM mat^jattiuii
isnoaaarv vsfa>vBiu sssswa
Acaba de
chegar
noy armazem
DE
BASTOS A REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. -47.
E ARMAZEM
mo-
Vendem-se sintos de fitas de seda a 29.
Ditos dourados muito bonitos a 49 e 39.
Ditos de palha com fivels de aro, gosto
derno a 59.
Eufeites de retroz muito bonitos a 49 e 79.
Dilns de palha muito booitos a 10$.
Ditos de flores brancas para uoivas, o melhor
que tem vindo ao mercado a 9 e 129 : na ra
do Queimado, loja de miudezas n. 33, da boa
tamal
I ST4HL & G. J
Retratista de s. m. o imperador!
$ Hua da Imperattiz i
numero 14. i
Tencionando retrar-se prnvi- J
' mmente desta praqa participam J
P a seas freguezes e amigos como !
9 em geral a todos que podem J
w precisar do seu ofiicio, am de I
w que aproveitem do pouco tempo *
s? que os annunciantes podem ain- '
qa dispor para a execucao das (
O encommendas com as quaes i
? queiram honra-Ios. S
9 Agradecendo" nesta occasiao *
^ ao Ilustrado publico desta capi- i
9 tal o bom acolhimento das suas i
obias, decidtram se a por estas i
ao alcance de todos introduzindo
urna comidera vel baixa na maior t
O parte dos seus preqDS e esperam t
^ que o desfalque que disso lhes
^ resultar sera' compensado por <
um augmento de concurrencia.
Vendem-se casaveques de fusto para me-
ninas de 6 a 10 annos, ditos para senhoras, golli-
ohas de cambraia bordadas, ditas com manguitos
e camiainhas, gravatinhas de velludo e de seda,
lencos de cambraia de linho bordados, ditos lisos,
ditos de palha da India, e um sortimento de sin-
tos dourados e de seda com fivelas de aro, tam-
bera se vendem as fivelas solas ; na loja deNa-
buco & C.,ni ra Nova n. 2.
Attenco,
Vendem-se caranguejos de Fernando, tanto
em carits como s duzias : na ra do Queimado,
loja o. 4.
O bazar da ra Direita da loja
numero 103
Vende-se para acabar, e quem comprar se ha
de admirar :. lioba do gaz preta e branca a 20 e
40 rs. o novello, tesouras Qnissimas propriaa pa-
ra aparar unhas e costuras finas a 240 rs-, em
duzia a 29, jarros moostros, cousa admira vel, a
29,4, 6 e 109 o Pr. sapstiahos de lia para en-
anca a 210 e 400 rs. o par, mangas com flores a
49500 o par, cartdes de clcheles a 40 rs., e mul-
tas cousiohas para eofeites de mesa.
Vende-se urna negra de idade, pouco mais
ou menos, 20 annos ; a ver, na Trempe. sobrado
o. 72, que faz quina pira a Soledade ; e a tratar,
na mesma casa, ou no Recife, ra do Amorim n.
54, no armazom de Guimaraes & Alcoforado.
Vendem-se 12 cadeirascom pouco uso : na
ra Nova n. 16.
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40M do Oueimado40
Defronte do becco da Congregago, letreiro verde.
VENDE-SE O SEGUINTE:
Para casamentos.
*..<. RC0 corte*,le 'estidode fil ou blond de seda branca com ramo e capells, o
mais moderno e superior que ha no mercado.
Para bailes.
..-.L,n<,0 cortei de Tli<>0 d fi'6 ou blond de seda branca bordados a branco e
cores* *
'los de tarlatana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordados a branco com muita elegancia.
Saias bordadas.
i.?'5,'"i"?ecanibrai"br*nca bordadaa com o mais apurado gosto e mais finas
que na no mercado.
Ditas de dita recortadas mais biratas.
Para baptisados.
Ricos cortes de vestido de cambraia branca bordados com muita elegancia, o
mais moderno e mais superior qoe ha no mercado.
Manteletes.
L Rlco' mfB,elele de aeda de corea e pretoa bordados e lijos com enfeites, bam
como arrondados, por precos commodos.
3^000 a peca.
Pegas de cambraia lisa larga fina com 6 a 6 i\t varas, muito barato.
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linho bordados a 39,49 e 59 cada nm.
Chales,
Ricos chales de tonquim brancos bordados de ponta redonda e de 4 pontas.
,.A*fm quaudades, que nao possivel mencionar-se pelo grande espado que tomara.
as
8
8
Loja de marmore.
Vende-se para liqoidacao casemiras
inglezas de urna s cor propriaa para for
par carro a 3J500 o covado.
H9SNM0 mm mmm
Loja de marmore. 8
Vende-se para liquida$o meias bran- "T
cas inglezas para horaem a 39 a duzia. ffi
mmmmmmm mmm
Loia de
ja ae marmore.
Vende-se para liquidaco mantas pre-
tas lavradas de fil a 29
l
Vende-se carne do fertio muito gorda|a 320
a libra, lioguicas dem a 320 a lian, vinho hes-
paohol e da Figaeira a 400 rs. a garrafa, e em
caadas a 3f000: no Recife, rna da Saozala-Ve-
Ihs n. 102, esquina do Becco Larg.
Lady Macdonald.
I
A )oja de mvrmore
rende para liquidadlo, por melado
seu valor, rios bournas de veludo
cores, gostoLady Macdonald. A
s
Um graode e variado sortimento do
roupas feitas, calcados o fazendas e todos
estes se vendem por presos muito modi-
ficados como de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e casacoa feitos pelos ltimos figurinoa a
269,289, 309 e a 359, paletots dos meamos
pannos preto a 16|, 18f. 209 249,
ditos de casemira de cor mesclado e de
novos padrdes a 149.169, 189.209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 99.109,129 o a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto pre;o de89, 109, c 12g, ditos
de sarja de aeda a sobrecasacadoa a 129,
ditoa de merino de cordo a 129, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palba de
seda fazenda muito superior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusto a 39500, 49
e a 49500, ditos de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
prdas a 39 e a 49, ditas de brim de cores
tinas o jtM. q*. 5,rnn o <<><-
brim brancos finas a 49500, 5J, 59500 e a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6$, colletea
de gorguro preto e de cores a 5$ e a 6f,
ditos de casemira de cor pretos a 4S500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a 39 e a 395OO, ditos de brim lona a 4f,
ditos de merino para luto a 49 a 49500,
calcas de merino para lulo a 4J50O e a 5f,
capas de borracha a 99* Para meninos
de todos os lmannos : calcas de casemira
preta e de cor a 5$, 69 e a 79, ditaa ditas
de brim a 2$, 39 e a 39500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6$ e a 7, ditoa
de cor a 69 e a 7g, ditos de alpaca a 3,
sobrecasacos de panno preto al29e a
14, ditoa de alpaca preta a 59, bonela
para menino de todas asqualidades, ca-
misas para meninos de todos os taman hos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
para meninas de 5 a 8 annos com cinco
babados lisos a 8;>e a 12$. ditos de gorgu-
ro de cor e de la a 59 e a 69, ditoa de
brim a39, ditos de eambraiaricamente
bordados para baptisados,e muitas outraa
fazendas e roupas feitas que deizam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-ae toda e qual-
quer eneommenda de roupas para se
mandar manufacturare que para este fim
temos um completo sortimento de fazen-
das de gosto e urna grande offleina de al-
faiate dirigida por um hbil mestre que
pela sua promptidoe perfeico nadadei-
xa a desejar.
MBHisjiaasN MeasMM*Kj
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecidoe acreditado deposito da ra
da Cadeia do Recife n. 12, ha para vendar a ver-
dadeira potassa da Russia, nova e de superior
qaalidade, aasim comotambem cal virgem em
podra ; tudo por presos mais baratos do que om
outra qualquer parte.
ICIO LOW-MOOR
RaadaSeazalla Nova n.42.
Reste astabilecimento contina ahavaiujs
completo sor ti asento demoendaeiaeiasmoen-
ia$ paraengenho.saachinas da vapor etaixas
(forro batido coado,da todos ostamanhos
para dito.
^ Em casa d Kalkmann Irmios
^ & C., na ra da Cruz n. 10, exis-
te constantemente um completo
Q sortimento de
Vinhos Bordeaux de todas
sj| qualidades.
^ Dito Xerz em barril.
Dito Madeira em barris e caixas.
^ Dito Muscatel em caixas.
sm Dito champanhe em gigos.
sm Cognac em barris.
Cerreja branca.
m Agua de Seltz.
gk Azeite doce muito fino em caixas.
gm Aivaiadeem barris.
a Cevadinha em garrafoe.
Cal de Usba.
Vende-se da ultima chegada, e de superior
quaHdade ; no moli acreditado deposite da roa
as Jirum d. 96.
Abaixo o pavo e Arara
VIVA SI >II'KI
A Encyclopedica
DE
Glima res j[ Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Ninguem duvide venha ver as fazendas boas e baratas.
Cambraias da China brancas bordadas com 9 varas para vestidos de senhoras, a 79 e 49 a
Organdys de cores fazeoda floissima a 500 rs. o covado.
Cutas de cores flxaa a 240 rs. o covado, s na Enryclopedica.
Manguitos bordados muito bonitos mangas a balo a 3$, s se vendo.
Tarlatana d r-'- l>.a I.-.J.4.. 1 n nado.
Cfiitas francezas muito Boas a 260 e 280 rs. o covado.
Chapeos de seda brancos ede corea para senhora, a 129.
Ditos de palba de Italia ricamente enfeitados a 28J.
Gollinhas e punhos bordados com riquissirdos boies a 29, isso parece incrirel.
** S na Encyclopedica.
Baloes de musselioa com babados a 6$ cada um.
Castas decores lndiraimos padres a 280 rs. o covado.
Entremeios bordados e tiras estreitas bordadas por 29 a peca
Madapolea fios e entre finos a 4J500, 59, 69 e 7$ a pec,a.
Riquissituos manteletes de seda bordadoa a 30* e 35*.
Riquissimos manteletes de Gupour Noir a 35J ultimo gosto de Paris.
Riquissimos vestidos brancos bordados a 79, 209 e 309 cada um.
Riquissimos roupes de cambraia bordadoa a 809 cada um.
peca;
ARMAZEM
ra
ROUPA T
"ara
as
i
Joaquim F. dos Santos.
40 Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste eslabelecimenlo ha sampre um sortimento completo de roupa ftita de
tod's as qualidades e tambem se manda execular por medida & vootade doa fregue-
zea para o que tem om dos melhores proessores.
Casacas de panno preto a 40$,
S5| e
Sobreeaaaeosde dito dito a 359 e
Paletots de panno preto e de co-
res a 359. 309, 959. 109.189 e
Ditos de casemira de corea a 229,
155.129. 79 e
Ditos de alpaca preta golla de
velludo francezas a
Ditos de merino setim pretos e
de cons a 9f
Ditos de alpaca de cores a 59 e
Ditos de alpaca preta a 99,79. 59 e
Ditos de brim de cores a 5f,
49500. 49 e
Ditos d* bramante de linho bran-
co a 09, 5 J e
Ditos de merino de cor dio preto
a 159 e.
Calcas de casemira preta e de co-
res a 129. 109, |, 79 e
Ditas de princeza e merino de
cordio preto a 59, 69500 e
Ditaa de brim branco ede cores a
59. 49500 e
Calcas de ganga do cores a
Collele de velludo prelo e de co-
. rea Usse bordados a 129,99 e
Ditos da casemira preta e d co-
res IsM o bordadoa a ,
59500,59
309000
30)000
209000
99OOO
IO9OOO
82000
39500
38500
395OO
49000
89000
69000
49500
2J500
8f000
*f
3f,500
Calcado
45 Ra Direita 45
Magnifico sortimento.
Semprecondesceadeoto eprazenleiro cosa m
reguezes que Ihe trazem dioheiro, o proiiU-
rio deste grande cttab.lecimento continua a of-
ferecer ao publico, por precos mdicos e se atoro
inferiores aos de oulro, o sen bello foriiatraio
de calcado francs, ingles e brasileiro e : vejisa
Homeni.
Borxeguins Vctor Emmaauel. .
' ,co".r dB Prco.....
lordPalmerslon(bezerrs) .
diversos fabrican les (lustre)
JohnRussell. .
Sapaloes Nanles (balera iuteira).
patente. ....,.'..:
Sapatos nanea (portuguezos). .
(francezes). .
9 entrada baixa (sola o Tira). .
muito chique (urna sola). .
Senhoras.
Borzeguins primor (Joly)......
brilhantioa.....
gaspaalla.......
* baixa......
31.32,33,34. .
decores 32,33.34. .
sapatos com sallo (Joly).....
franceze fresquiobos'. *. '.
31.32.33 e34 lustro. .
n rico sortimento de cenro do
109000
109090
29609
ttooo
8&0
59500
2ffJ0
3J0O0
5fMt
SfOOt
1SS
4fOM
3|200
19<
nonos, fio, tanas etc., por ataos O m'C
quer outro podo veoder. q
nOLPA FEITA ANDA 1AIS BABATAS.
SORTIMENTO COMPLETO"
om
Fazendas e obras feilas.
LOJA EARMAZEM
DI
Ges k Basto!
NA
feua do Queinado
a. 46, trete a areVU.
Constantemente emoiangrande e va-
iriadosortimento desobrecasaca>pretaa
1 de panno e de corea multo fico a 5tj
30g e 359, paletota doa meamos panres
a 20$,zS e 4|, ditos saceos pretos dc-a
mesmos pannoa a 149.109 181, cssa-
caapretaamuitobesn feitas ede superior
panno a 289, 30f o 359. sobrecassraa dr
casemira decore muito finos a lf lf|
e 18f, ditos saceos das ssesmssca*fsci-
ras a 10J, 129 e 14f, caicas r rfi.-.. f
casemiraflna para homrm a 8|, 99, 10/
e 12, ditas de casemira deeorea a T|.8>,
99 e 109, ditaa de brizo branroa soaito
fina a 5f o 69, ditas de ditos de corea *
39, 39500, 49 e 49500, ditaa de veia ca-
semira de ricas core a 4| e 4f50O, ro!-
l etes pretos decaaemirea 59 9,' ditos
do ditos decoros a 4f 800 o 59, ditcs
branco tde seds para casamento ?|
_ ditos da 69, colletea dt brim branco c ct
fusto a 39, 3$500 e 49. ditos de erres a
' 3500 e 39, paletotsprotoade men.-. t
cordao sacco e sobrecaaacoa "|, f; tij
colletea pretos paralelo a 4|50O S9
as pretaa do merino a 495C0 e 89. ra-
il et ots dealpaca preta a 89500 e 4f, ditca
sobrecasaco a 69,79 o 8f, ssuito Do o col-
latas de gorgoreo deaedadecorer maito
boafazenda a :1980o e 4f, collete id o vel
ludo de corea e pretoa a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaea depaooo pre-
tos e de cores a 149.159 o I69, ditos ale
casemira saccoparaoameamos a$95C0 t
79,ditosde alpaca pretossaecoa a 3* t
119500,ditossobrecasacos a 5f e 59500,
<:al?asde casemira preta e decore a 69)
! 6g5~00 o 79, camisas cara menino a 2f
I a duzia,camisaa inglezas prega ilargaa
. muitosaperiora 329aduziaparaacabar.
I Assim como temos urna encina daal-
: tate ondemandamoa execatartoda* a
( obraacom brevidado.
enbtTtos odesoobdrtosr paqueaos e graudos, da
ouro patente ingle?, pita boaano siabori di
ua dos msihorssfibiiantdsl.i1vetpool,vin.
des alo ultimo piquito icglsi : ea citad
SoDtbal) Mallor d C,
Ditos de setim preto 59000
Ditos de seda e setim brinco a 6 e 59000
Ditoa de gorguro de teda pretos
e de cores a 79, 69, 49 e 5J000
Ditos de brim e fusto branco a
32500, 29500 e 39000
Stroulas do brim de linho a 29 e 29200
Ditas de algodao a I96OO e I928O
Camisas de peito de fusto brinco
ede corea a 294OO 29200
Ditas de peito de linho a 59, 49 e 39000
Ditas de msdapolo brancas e de
cores s 39. 29500, 29 e lg600
Chapaos pretos de maaaa fraoceza
forma da ultima moda a 109,
88500 e 790OO
Ditos de feltro a 69, 59, 49 e 29000
Ditos de aol de seda ingleses e
franceses a 14J, IJ9, llf e 79000
Colarinbos de linno muito finos
novo feitioa da ultima moda a |800
Ditos de algodao 9500
Relogios de ouro patento o hori-
zontal 11008. 909. 80f 70|000
Ditoa de prata galvaniaados pa-
tente e horizontaes a 409 o SOfOOo
Obras de ouro, aderecoi e meios
derecos, pulceiras, rosetas o
soeis a 9
Toalhas de linho duaia 10J, 69 e 9f000
Ditas grandes para meaa urna 39 e 4*000
Lindos quadros.
Vendesu-ae ou troeait.se oa liodos quadroa
cos riese estampes de autos dae iovocacoea San-
to AolMio, 8. loeqao, Rani'Aaaa. S. ioe, M.
8. do Gsrmo, edo tosero, di Coooolcio, cor-
elo te Mira, cotkso 4a Jess. S. Franclaco de
Asaia edo Senhor morto a 109; ai loja d'aguia
de ouro, ra do Cibagi 1.1
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova oflicina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecianealo ea*
contrario os fregueses o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seo genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rvalissm com o jaearaid.
BANHEIRUS de todos os lmanlos.
SEMICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLI1A em caixas de todas aa groaiuras.
PRATOS imitando em perfeicio a boa forcel-
lana.
CHALEIRAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS (landres para qaal-
quer sortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de lodos u-
mandando-se manhos, botar dentro ala cidae>,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qealquer sala
reza, coocertos, que lodo suri deaesaponbade a
contento.
Z^nf4
Exposicao
DE
Candieiros a gaz.
Caodieiros econmicos..............
Caodieiros econmicos..............
Candieiros econmico..............
Csndieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmico..............
Candieiros econmicos..............
Csndieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Caodieiros econmicos..............
Nesls mesma expsito ae encontrarle
perteocea para oa meamos eswJliIrsjn. a
odo um grande deposite do fot eanead
deiramente primaira qualidado, ueia arree
barato que so podo eieoatrar niele marcaia>
riquisaimo evarvaeto sor ti meato *o ejaai
ptianUzia. o da iaagem. aaaiaa caaaa te
grande aortimente do lutnqaaaartaa. aaa
to se pode ver ; oa ras (tova a. 24,
Urna barcada*
eftiaixaa.
Jav
wcalhaaa oa UUiro da mitU
cintho Elesbao, aa p ds loiUlni _
Us, sondo p9di sir vala a examinada pelas pre-
tenden tes ; vende-se prszo aa a ~ "
tratar com Manoel Airea Gierr, aa raa de Tra-
piche o. 14.

^T\ #r-iL


\


Fil l$p e tarlata-
nrbranca a 800
rete a fara.
Vende-te fflS'lM muito floo e assim tamben
tarletsna braeea mate na.l.oto ama couta eo-
lio ootra aao proarias pan vestidos, nao s para
bailes cono pan ssslstir-se a casamentes, aodem
ME^re "" d0 QMhnad0 n-
1 Paletols baratissiiDos,
Paletotspretosdeeasemira'a 15. 188 2
20, ditosdeeasemudecOres b 8J, 9, ll
|2S, 16, di lo* de bom harina de cores 5
99, ditos de merino de cores a 9fl, dit a
de alpaca preta 3*500 e 4*500. ditos os
elpaoa de cores o de lia escara a 45 e de
ditos de alpaca preta para meninos ,a
'4*500, ditos de muito bom brim aetim a
5*500, ditos de brim pardo a 3*500, ditos
pardas do mais lino bramante de puro
lioho com botes de madreperola a 51,
ditos de brim eocorpado meia lona a 5J,
ditos-de brimzioho de linho de quadrl-
nhos para meninos de 8 a 14 annos a 2*.
*ha casacas de panno Ooo preto e do cores)
calcas pretas de casemiras, colletes pre-
tosedeeores de todas as qualldades e
gostoe, j-aqoeta. e muitas oulras obras
fetss qaeae veolem por menos de seu
custo, em eonsequencia da liquidacio que
se est procedendo, na Ibja n. 8 da ra
do Cabug, da extinta firma de Almeida
& Burgos.
**m**v *l*m*mu.WuTkm road.m-
e CDisaimos cortes de eanrhrar *#Mfia eom *
babado. a 4$500. ditoa de arental a 3*500, ditos
de duas saiaa a 3*500. ditos de cambraia braoca
maito fina com babados e duas aaiat a 4*. ditos
brancos, cambraia de seda, com babactos a f*. di-
tsde phantazia com babados de raas cores a
WWO. <
Taixas.
i i 3 4 ..f *#
i
Aiada o pavao.
Vendem-se pojas de earobraia de carocinhos.
fazenda mullo fina, com 17 raras, pelo baralissi-
mo prego de 8* a pega, ditas com 8 3(4 varas a
4*, pegas da ditas adamascadas e com ama rara
de largura a 31500 a pega ; Da ra da Imperatriz
O. 60, loja do pari.
Em casa de Adaewon, Howie A C, ruado
Tnpiche Novo n. 42, rende-se :
Sellins.ailhoes, e arreioa para carro ou cabriole!.
Bolhas de cortiga fidissimaa.
Lona e fille.
Fio de tela.
Superiores tintasde todas as cores
Baloes para meninas.
Vendem-se baldes cara meninas, de todos os
Umanhos, de madapolo e de musaulina a 3* e a
* : na ra do Queimado n. 22, loja da boa .
Roupas feitas ba-
ratissimas,
NO
armazem de fazendas e
roupas feitas
DE
Raymundo C. Leite&Irmo,
N. 12Ra da ImperatrizN. 12.
Neate armazem que ora se acha bastante sor ti do
de roupa feita de todas as qualidades, tanto pa-
ta homem como para meninos, se estao rendendo
as niesmas por baratsimos precos. como se-
jara : sobrecasacos de panno fino, obra ioteira-
menle boa por ser feita a moderna a 252000 di-
tos de panno superior, obra do melhor qu se
p(i'1oeiU^'a-r 30#00. Plil0* de casemira ilnoa i
a 183000, ditos sacos, obra de moderno gosto a
12*000, ditos da meto dita a 6*000. coleles de
caseraira de cores Bas a 4*500. ditos de brim
?* 1 braacos a 2g500. caicas de dito finos
a 3$o00, 4*000 e 5*000. paletos casaeos de alpa-
ca obra muito boa por ser de alpaca fina a 8S000
dito dito secco a 3*600 e 4*000. uniformes d
casemira a ultimo gosle, sendo preciso notar que
ao de caseraira fioiasima a 26*000. camisa,
rapcezas peito de linho muiti finas a 35*000 a
duzia ; hareodo tambera muitas outras fazendas
obras eitaa, as quae todas se rendera
presos muito cora modo.
Reducco ein presos para
acabar.
Vendem-se no armazem de Braga,, Son & C,
na roa da Moeda, taixas de ferro toado, do mui
acreditado fabricante Edorin Maio, allOrs. por
libra. r
Gravatas da moda.
Vendem-se graratiobas estreitas muito supe-
riores, tanto pretas como de cores, pato barata
simo preco de 1* ; na ra do Queimado n. J2,
na loja da boa f,
Fabrica do Monteiro.
Crystalisago e refinajao
de assucar.
Deposito na roa de Apollo n. 6, e praca
da Boa-Vista n. 26.
Este importante estabelecimento contina a
rornecer aoa seus innmeros freguezes do alto el
puro assucsr crystalisado, em p e em pes, 1.
e 2. qualidades. pelo preco de 160 e 200 rs. a
libra, e do refinado a 100,120 e 140 a libra, seo-
do que em grosso o comprador ter um descont
favoravel. Nos meamos depsitos tambem se
vende mel de assucar a 600 ra. a caada, e ear-
rio animal em p a prego commodo.
!
36, una das Crtraes de Santo Antonio, 36,
A. F.Duarte Alnida, socio que foido armazem progresso, faz scientet
^!fiU^n^-1!Pared0 "*** que tinha com seu maue/acha-se de novo esabele-
prego,
ion nafa. -^waw wiwtcdu giauues vantagens
^^.^^^kWMeawwocomqjwge achara montados, como em commodidade de
q dirt uvftfinA 7 resalveram os Pf oprietarios mandaren* yir parte de seus gneros
Pf m!T? i* ?T de terem 8empre coraPlet sortimento, como tambem poderem offerecer
Si^siKR^n^ assrrn afearpor isso desei"io N**K2T
publico que pode mandar sUaSene^miA!^^ q q L ecJ K^i^ISHr V* P"1]098* *! W** um is encommendas .' primeira vez, afim de experi-
rvirem aquella, pesaos, que freqaentarem nosaos
publico qae Tendemos baraus.irao, attendendo as boas
Luvas de pellica de Jou vio
Na roa da Cadeia do Recife n.
55, em casa de Figueiredo & Ir- %
9 mao, chegadas pele- ultimo pa-
' quete,
por
8j0O0
69000
59000
3500
3J500
5^000
55200
1000
720
49OOO
Liqaidaco.
Na loja da ra do Livraroento n. 19, rendem-
e os seguales calcados francezes :
Borzeguins para bomem. de ante.
Ditos para dito, franceus
Ditos para dito ditos
Ditos para senhora o. 32, 33 e 34
Sapatoes de bezerro de Nante.
Ditos de dito de l.'qualidade
Ditos de dito casiadoa de 2 solas
Spalos de tranca para homem e senhora
Ditos de tapete para hornern feitos na trra
Sapaloes de castor de tranca
Kua do Queimado n i9,
Armazem de fazendas.
DE
ANTOS COELHO.
Chales de merino estampados finos com listas
e franjas de seda a 9$.
Toalha. de fuslo a 500 r.. cada urna.
Graratiohas de cassa muito lindas para bo-
mem o mecidas pelo baralissimo preco de 100
rs, cada urna.
Chales de merino lisos de todas as cores.
Corles de phantazij de seda pelo barato prego
Cuberas de chita gosto chinez a 1J800. '
Leones de pjuuode lioho a 199J10.
Ditos de bramante grandes a 39300.
o en^HarOS de 8ell<, para mninos e meninas
a 8J000.
Cortes de casemira finas a 4J500.
Capellas brancas para noira a 59
Bramante de linho com '0 palmos a 29 a vara.
Soriimenb de baldes para senhora e meninas
Bramt>iedealgoaaacom 10 palmos de largo
. 19-30 a rara.
Um rieo carro.
Vende-se um rico e elegante carro mui bella-
mente preparado : no eacriptorio de Mane el Ig-
nacio de Oliveira 4 Filho, largo do Corpo Santo.
ALMtk DE LEMBRANC4S
L-BRASILEI0
DE
Pechincha sem igual.
Cortes de caiga de casemira preta e d cor en-
testada muito fina a 49500 ; na loja da Califor-
nia, ra da Imperatriz a. 4S, junio a nadari
franceza.
AS IKlBJAlBlEIt&S
luvas deJouvin
chegaram no vapor franca, per a loja d'ag-uia
braoca, ra do Queimado n 16.
I Vende-se na ra da Cruz do Recife. arma-
zem n. 63, juoto ao Corpo Santo, muito boas Ga-
langas decimaes chegadas fela ultimo noria fran-
cez. por prego commodo, sendo de 300. 500 e 100
kills.
Veode-.e o encobo Sania Luzia, sita na
freguezia de S. Lourengo da Malla, com casa do
rivenda, urna moenda toda defiero, casa de pur-
gar e de caldeira, tachas, assentamento, um par-
tido de canna criada prompta para moer, lem
muito boas Ierras para plantsclo, muito boas
matas, tea um agudo noro para mee* com agua
mas para acatar, lersda aberta, mais outras
obras para acabar ; todas estas obras esli em
bom estado, e lem muito boas proporgoes para
moer com agua ; este eogeoho offerece muitas
raotagens por ser muito p>rto desta praca e ser
a margem do no Capibaribe, est lirre e desem-
baragado de debito ou hrpoibeca, ou oulro qual-
quer onus : as pessoas que prelenderem com-
orar, dinjam-ae a reB naci da tua de lortas b.
7, das 10 horas s 4 da tarde, a tratar com o dono
genero que
o. f renrielarios acredi-
pedimos a lodo, o. mh Tt! 2^^hT *UUW d<> T' "nane0S' e "*'*- nao T.nugen. qM ofiT
ChAhw n"Ibri9a,ercad* W(>ta*aUbr'e embarr>> raz5ode *'
Presunto fiamC. "^d *"** W7' 2*88 eem*"*'**,b,llilaen,0' 9***ta!<*
pS^^s^*Tn T' ,ibr> e em por?so 8o -
IVarm^U^ FriUUeZeS "<* do Portado emparticalar 569 rs. por libra o nteiro 460 r..
Caim rom tTil^Cl!ldi^,b01 ^m*VBas 9XP036es uniwrsaes d ^* Ps a 1800 a la...
LaixM com aatrelinna pevide e rodinlia a 79000 a om
Lata* de ameixas fr.ncez.s com cinco libras a 49000 o 1*000 a libra.
Bonito*
* \\\
com;
para entreteni-
mento.
me 4 Moaivol aai tal
pow.io_
ambos-oa lados, o mel
genere,^^
cobert
lidadeaazj
por isso dirijam-se coa diohtiro *
as
e 806 r. a libra e em porgo ter abalimento.
Passas
n eawba.deoito libras, as melhorasdo mercado a 2000 e a 400 rs. a libra
ca xa i urna arroba a 79000.
que tero vindo a o mercado.
f.tn^ **** *nezas a S00 ra. o I ^ ^ preparwll
Lata con? bolaxioha de soda a j TT, t*
Vinho -m -.-#:. .." SaS <*u,,hWm' muil no' W50. e grandes de 4 a 8 libras de 26500 a 4600.
as qualidades que ha em Portugal de 700 a 1606U a lata.
que se pode desojar e lem indo ao mercado de 49 a 61 a caixa e 16280 a libra.
2 libras de 19600 a 25200.
Ricos sintos.
Vtlldf IU-B OS TICOS Slulus do p.lliinl.. ooni 0-
rela de ago, de gosto mais rico que tem appare-
cido nesla praga, chegados neste ultimo vapor,
assim como tirelas sem sioto: a na loja d'aguia
de ouro, ra do Cabug n. i B
Suspensorios,
Vandem-sesupensorios tanto para menino co-
mo para homem, pelo baralissimo prego de 200
e 320 o par ; s na loja d'aguia de ouro, iu* do
Cabug n.Jl B.
Alten^o.
Chegou das Alagas urna barcaga nova, carre-
ga 600 aaccas, e rende-se por prego commodo :
quem pretender dinja-se ra da Gruz n. 68
que achara com quem Iralar.
Nova remessa de maoes.
Nova remessa de macaes.
Sodr&C, receberam nova remeasa.de ma-
ga e, e estao rendendo s caitas, sos centos e
retiiho : na ra estrella do Rosarlo n. 11.
Um fogo econmico.
Vende-se barato um excedente fogao de ferro
com muito pouco uso e tem a rsotagem de cozi-
nhar com muito pouca lenha : narua do Impe-
rador o. 46.
Negocio.
Lata con? bolaxioha de soda dadim
^rS *o9 dria^ POrl' Por{ofln,*8enuno. nctar, Cafcavellos, Madeir aecca, Feitoria e Camones a 1200 a 16300
^^SftCJS^para pasto de 50 m **tnu a de moQ48 <
Latas COm lTUCtaS de todas as qualidadc
Pera emcaiXaSde4,8Kbras. melhor
LOrinthiaS em frascos de 1 1,2
Cafc dft Kirf 1Xf SaVel Peseada e ou'ras jwiitas qualidades o mais bem arranjado que lem vindo ao oosso mercado de 16400 a 19G00
PnlX, A meIhi2,ie ha 24*S- *librt e 4 a80 hado.
rrascos de ameadoa .m i*l
Vinagre h,.n. .u 'f r0p"aS P"a m,B10S' V*** raiobem eafeiudas e desuperior qualidade a 39 cada um.
Comoko2OTd5w"lM,0.i,Ma n0DMrCad0' A*rs- "fc-w~
Vinho Rnrd^fliiv m8'S D0V0S qu* h' M marc,ldo 800 a lib" do comitt,,0 e 40" era doce.
Masa* rtP fAmSk b0> quaUd'd* 80fl *garraf> e *8500 a ,0000 du.
Figos noVos -T'? Uma Hbr"dtt mais acreduad0 ao,or de "*-e vind"' Pf imei"VM ~ *.da a 19>M.
Gervejase^Sr^miw^^**""^pr """"^**"en,,adosde 1,M4a4*ea40rs'alibra-
Vno prQ^! ulll f^S i,0* ,g,rrafa e 50O0aduz. d, branca.
Doce da goiabadacasca*.\V.'5?.\7Sfc
Azeite doce purificado SOO r.. agarrafa .Wi. .i cora 12 garrafas.
txOgnac a melbor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa 109000 a diuia
AzeTtona^ l"1SS ^ ^^ ^ fflerCadPrtu^- besp.nhol efr.acez da 19. 1200 a.ibra.
A W n naV' 48 Hbra e em W'0 terf a balm^.
Alm ??T qU<> l6m Vi?d a matCadoa ,60r8-8 *rae 59000 por aob..
------klm ^os .nnunctados encontrar a publico um completo sortimento de ludo tendente
do Porto, e a 20O0 as de Lisboa.
amolnados.
para isea.
Vende-se na vraria econmica junto do arco
de Sanio Antonio.
Verdadefra gomara de
araruta.
Sodr & C, ra ealreta do Rosario o. 11, tem
um grande deposito desta gomma, e ests ren-
dendo 406 rs.a libra, e em arrobas da-so por
menos, garantiodp-so ser da melhor quali-
Cama franceza,
Vende-se uma .cama, francesa de emarellocoa
lastro de palbioha. sem um alua, obra muite
bem acabada, o prego commodo: na roa do
Imperador o. 46.
Na ru do Moeda.o, cuso. 2, lem para
Tender aeoMoles de oostalica.noras. chegada de
Lisboa pelo ultimo vapor, sendo, couo repalhu-
da, dita 6ot> nabo, esboca gtaodo, nabigi., raba-
noado does qualUkaaat, aaDoulae. aaelcaa, salga,
tomata, graasdes, aMMtaraa.erTilba Usa, tjio,
cartapaip oolfaa.i aaBoadi.^sw
no
n. 35.
Feifa dft corda,
*rmm*nr***h*&*4: %* 4o >morim
Maateim ingles flor
SBft ris
fraflcaia.ejt^DArWdMCijitM n:W, esquina
da f.areisa do Ouridor. ^^^ ^ ***
Vende-se a bem conhectda e afregue-
zada loja de loura sita ,a ra da Ca-
deia do Recife n. 8, irt jBm conequen-
ca de seu dono ter de retirar-se para a
Europa a tratar de sua saude : nuem
pretender dirija se a raesma.
Cortes de vestidos
por metade de seu va-
lor, na loja ao p do ar-
co de Santo Antonio
Vendem-se corles de pbanlbazia com babados
por 108000.
Ditos de ia e seda com babados a 12>.
Ditos de tarlatana braacos bordados sed. a
Ditos de cambraia e seda a 10}.
Manteletes de seda de car com pequeo mofo
a 56000.
^Ctmisinha. bordadas pan .euMra %\%v%,%
?afeites de flor *.#.
elludilho com flores, corado 600 rs.
Dor de denles.
Uoioo remedio para dor de denles, rende-se
00 fi*?arda fua do Imperador a 500 rs. e a lj> o
acto de
calcado francez.

Madapolo
da arara.
Veodetn-ae pegas de madapolo, panno entes-
tado 3S, pegas de cambraia de salpicos a j e
3J, pegas de cambraia branca a IgfjOO, 2J500 e
39, ditas para cortinado a 3J, cortes de rostidos
de phantazia com 22 corados por 126. cortes de
cassas iraocezas com 7 bsrras por 2S500, dito,
de tartatana a 28500. ditos de cambraia de baba-
dos 3f, cortasoVcbilns finas .con 16 corados
paraiIfl0S BPr^MO, ditos de rUcsdo chinez
por 2g600, corte. d# fil de linho o2|500. de co-
res para vestidos : oa roada Imperatriz. loja
armazeoada da arara de 4 portas n. 56, de Maga.-
lhaes & MendestJ40ude ae ach a noite um relo-
gjo Mu letras da cores em que diz arara n. 56
wmmmmmMmimmm
I I oja de inarmore
Novidades despachadas
para 1 i quid a gao.
Para o bello sexo.
Mani* de cachemira gosto almirante
BruitaaOtf.
Mantiihoa de cachemira gosto emnee-
za Clotildes a 156.
Rondsde cachemira gosto Ladr Mae-
donald a 20|.
Ditos do dita goato eoadac.de Joce-
lyo a 200.
aaC0'd6 dU* *,to riOb* YicU>ti*
Dito, de dita gosto imperatriz Eoge-
Da & 2u&, _
MssMfits^MB-Mi mmm___
Vende-aeo grande ailio denominado Gaian-
na, sito oa freguezia da Vanea, de muito feo.
ierras, que ludo quaoto se planta da em grande
quantidade, com uma casa de tatpa i a eo berta
urna dita de fazer iarnha. grande quantidade d
ps de caiezeiros, com drerao. ps de ructeiras
como seje-, laraogeiraa, foqtifiiro., ate. etc., e
tambem lendem-se duas raccas que dao baatle
laite.uma dellas com a cria j grande. e um bor-
ro manso ; a tratar aa ra do *
^^B^al s
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de
_ retroz para grvalas,
tanto pretas como de cores a 500 rs. : na ra do
Qneimado o. 22. oa loja da boa f.
Vendem-se chapeos de seda
homem a 7> : na loja de
Nova n. 2
francezes para
Nabuco & c, n. ra
Vendem-M n. loja de Nibaco&C, na ra
oran. 2. camisas de cambraia bordadas
senhora a 59 cada uma.
para
Ra da Imperatriz n. 16.
Vende-ie calgado francez para homem, senho-
ras, mscioosa maainaa. or todo mulqoer
proco, em ina do. nroprieUrto. djtVe*23t
lecimento terem de sorlir novamenle par. a fas-
ta o quererem acabar com todo o calgado que no
mesmo es^afed^awrfeeaiatir, aillo fomo pe-
dem mu respeilosameote aoa seu. devedore. o
obsequio de virem pagar a. importancia, de seu.
dnana. iaia toado.primaifo da najWahjili jro-
*n (aaoAhtm> djo^((ao a****** .toda. *
oont^a ^Mhsdor 6m teM^aatM eamo
* coas*ioaie, lazme, no raala gnai oto
?nnnaeio afim da.ue aao baja aan* Jioaa*
*nr,M aatruniM do ass oUa eaonauomoa
MMM do mt
para e.te fia.
ojUa empogumos
Reaaedio iafairel contra ac or*
rhearantfgat t Tecentet. Btmco depr>
sito na, bo^frww^a .ruf46rT&na n.
3!5. frec* fi- --,|f ?J cti-'l
Lah^tboai!.
v.^.^ l^pininaa a radas a lnegiM
oa:nd an^ojf (trican ouro. na do WS
mero 1 B. 1^u"wm
Ferro < Maia^
Rua do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-ao chitas trancezaa muito fina, de co-
mo xas, covado a 240 rs.
Chita tngtezaa, covado a 160 rs.
^Lssaa. iraocezas muito fina., corado a 220
Beinj branco do poro linho, v.r. a 1*
a 3W00. Terde* Cr d6 C,' ml 9' C0?,<1#
40Ceh5ooo.8 a duz0""']^* mei*8 de,180(1*0 cr P" homem,
Visitas bordada, a matiz, uma, 8$ e 101.
tamisas par. aenhora, uma, 2.
Corle, d casemira de cor. superior fazenda, a
Velludo de todaas cora., covado. 86 o 41.
ba.ariores paletols de caaeoaira. de corea a 141
45^'50a^m*S ctfiin,,,fl bodM para sonora a
Rjquissimos manteletes prelo. bordados a 35 e
Hiquisaimoa cortes de anda preU a 40, 50 e 601.
Ditos dilo.de cambraia branca bordado, a SO,
na. JtJ, 85 e 40a.
facJ^'to^B*aHapada, .oporior fazea-
Corte. de reliado de core, pac coTIate 46e
ofooo. ^
Gollinhas de cambraia bordadas, urna 320 rs
e ty0O0.,OreS CMM,if" d# corea* eor*do S^
Penta. virados de tartaiuga a666
lengos de linho, duzi a5a6.
Camisss de linho, duza, a 85. 40 e 45 ,
^emir^prot. auperior f.d.. cor.do a
Cortes de cambraia bordados a 1*800
ilos de dita de salpicosaM;^^'
leqaea a 36. **'-
ClMoaoa.^artoaimaU.viatftia.ifi!!.
- ornuao escocezss,-ma l#q. V!"
Tari.taoa do todaa'a^eoTayTioa r..
aflate maU ja aaatediio aattanaata da fe-
tandas que
Veodem-ae pombos de boa qualidade e di-
versas cores, casaes e solteiros ; na ilba dos Ra-
los, ra do Save ou Uoio. casa n. 16, vizioha ao
grande ediQcio que se est fazendo para o Gym-
nasio provincial. v 3
m Vende-se um sellim com pertenees, ludo
.m Dom uso, para montara de menino : na ra
lova, cata de esquina, taberna a. 69.
Liquidado
NA.
Loja de marmore.
Na loja de marmore vende-se para 11-
quidagao por pregos muito barato, um
variado sortimento defa.eoda.de mo-
das para senhoras, roupa feita para ho-
mem a vestimentas para mecios e bem
assim quadros a oleo para decoragSo de
aalas e capailas.
A ultima hora.
lado do lado de ora, aa fazendas seguinles :
126000 Crle*del"UUn" I*01***0' eda por
Camisinha. com gollinhas bordada, o tambem
manguitos, fazenda de multo goato. que aempre
sevendqupor 10. vende-so pelo barstissioo
e manguitos bordados mullo
preco de 5a.
Ditas, gollinhas
finos a 29.
Ditas, dita, ditos dito, a 1|580.
Gollinha. bordada, com traspasso la
UUa muito fina, sem sar de traspasso a 40
Dttas ditas dito a 500 ra. WMpM, a *w-
Manguitos de cambraia bordado. la
Ditos de dita ditoa a 800 ra. *
^Lencojde cambraia da lioho feordadoi>ar.
Ditos de dita dito mullo fino, a 2*500
Manta, de fil prelo para aenhora a 46.
3Th. ir?^mm w***k*r' ""
8)0110;
aem-.e Uta. pira Caita, de b.chrai. a^ a ara.
Etiste n. lojh d
ta-p nmnti
neo 4 C oa roa Rota
toar
A toja d'aguia branca receben nata paaneaa
quantidade de bonitas o bem nr'brda flaaa 6a
coral, proprUa para enfeite. da eruacM, ro-
logios, e mesmo par. ai rollas ia coral, o asenta
rendendo a la.iOO cada uma ; quem se dim.int
aao as achara mais em dita loja dpai. arae,
oa ra do Queamade nomeio 16. njjaa parto qn
Preciosos
extractos para lencos.
A loja d'aguia branca acaba da -ijirlj. 6a
yua propri. encommeoda, finos e pracioaaa -
rsete, de novo, e eacolbidos nh.ia.. caaaa feaaa
tejam, imperatriz, n '------rii.t Trinclnaa, aan-
rechsl Bruquet Real, dito favor!, dita doa Alpet
dito de Trianou, etc., etc. nao saneeando nara
o eatimavel extracto de sndalo. J oa tata, aa
freguezes que manidoa do di esotro d*rigtcaa-oa
i roa do Queimado. loja d'aguia branca n. M
acbaro baratezs, agrado a ai
Oleo e baoha pkilocome
e outras qualidades.
A loja d'aguia branca acaba Ja despachar
noro e bello sortimento de olea a buba nailaea-
me e outras superiores qualidades, iadaaiva a
estimada e procurada banfea em copo, grandes
cuja excelleote qaalidade j bem coa batida [
assim como a rerdadeira transparente ; ajan
quizer se prorer do bom mandar oa ir i'randa
Queimado loja d'aguia branca n. 16, qna atrf
bem serndo ; adrartinda, nofaa, oaa oa frnacao
vio todoa marcados eom o roalo do dita laja.
Aspas largas
para saias balo.
A laja d'aguia branca acaba da recebar m bol-
lo sortimento do mui bm teeidas aspa, nava ba-
lao. e as est rendendo baratamente a MO, 180
e 200 rs. a vara ; quem p-rrisaf diriair-so cent
dmhairo i dite lojadSgaia fernaen, raa do Qi-
midon. 16, que ser bes sarvida.
J chegaram
as nteressante estampa, a morte do
jutto, e a morte do peccador.
Da foja d'aguia branca avisa-sa aaa
reverendos e oulras pessoas qna hariaaa
acodado essaa interessanie. ostenaaaa, i
acabam de chegar, e quem mal. aa quizer
suir dirigir-se logo 4 dita loja d'aguia
roa do Queimado n. 16, pois que n aaaa
pequeaa, e por agora nana aa venderlo n
cada uma.
sortimento de enfeites de flo-
res para casameutos
e bailes.
A laja d'aguia branca acaba do despachar oaa
lindo sortimento de enjertes qoe 4 son praavla
encommenda nandou vir para casamenta, a bal
les, e sem nen da errar, paite a diar aaa aba
o mais parfeitoa e delicados que at agora tena
rindo, e essa verdade ser conbetida por aqnolioe
pessoas que sabem apreciar o boa. : .pasar
tudo rendem se baratos em proporgio a pertoeao
delles, sendo a dioheiro vtsta 12a 14f e W
isso na roa do Queimado, loja d'aguia branca no-
mero 16.
A loja d'aguia branca
recebeu tambem novan lava, do Ana pslen, m-
reitadas, para casamentos. assim eoaso lindan ca-
pellas. A commodidade doa preces jbemca-
nhecida por seus bons fregoasea, osar asis par
aquellas pessoas qne do novo o qu ir eres ser da
dita loia d'aguia branca, na-roa do Qna
mero 16.
i
dndmdaiam^
|Loja das 6 por-]
tas em frente do Li-
J vramento.
djsa Roupa feita muito barata.
Paletols de panno fino aobrecasa
h11<* ** caewBr a oe brim de eores o brancos. ditos de T^
* ganga, cal?s de casemira pretas i til
9 cores, de brim branco e de coro., deesa- m
fe ga, camisa, com peito de liono molla a
W fina, dita de ahjodao, chapeo, da aol
V de alpaca a 46 cada um. #
*mp-* #ej esomm
vende-ae em cas. de Ad.msoo. Bowie &
L. ra do Trapiche Noron. 42, biacoiloa iaglaxaa
sonidos, em pequeas latas.

Loja das 6 por-j
tas em frente do
Livramento.
Chapeo de sol de alpaca si 4|.
,.Puzia de meiascruas para hosaess a
16600 e o par a 110 rs.. dita branca
muito finas a 2J5O0 a duzia. lencos da
cassa com barra de cores a 160 ra. cada
um, ditoa brancos a 166 re., barbea da
SO a 30 arcos a 3f. laaaiaaa ana vaa-
Udos a 240 o covado. chale de asarin*
estampados fino, a 5J e #. tarlateaa
branca o de cores rosito fina ceas vasa
"" J> laara 486 rs. casada,
fil de linho liso a o rs. a vara, na-
de corea para veslidoa a 200 ra. o ca-
vado, muasulioa ertaaraada a 666 rs
covado, calcinhasaau rintar da escal
a i$ o par, graratiohas de traa
rs patea pe
>m dna 2S,
s:
ra
n
leo mata fina' VM, cacas bra-
tanh. dtalo a H. chitesIraaaaaaaa
266 a 140 ra. o r~
a beata ida. 6 becas
aojta.
laja aatf
6 da
adas*
NAlojada hO*Jg mtua do
[(ananado n. "*
aaanaa de ~,
a um.1 *
J. Vando-.e oes ewta patete ioaloi de 4 .
*5*^>
ffitnML*
Meias baratissimas.
A 26406 a dasia da nana da
as para hornea : na raa do Qneiatado
n.loj.dabo.j:
*


$
DIAftIO 01 Ift&MNIOt. RG1HA >IIUU M a*aaUj*Wll|-|l
largo da Penlia
Francisco Fernandes Duarte, proprieUrio deste
Sh??h!t!i!S!??d0,J.parteeIpt ** n" freu. rtTeomo aos seohores da prsea, de enRe-
Sm s-!S2fAB.6,fcr*.ei5 "nle Sw *B52SS!wJrlmeat0 de ,eMro' os m,, "o*0 1" <> mereado'a per erem a maior
SnJTu r .e conla P^P'1" e,li Ponalo reaolvido a vende-los por meno* 10 por cento
%*** tSgU" q("Iier parte, flaneando a boa qualidade e acondiciouamento, asarto como ter-
5a AP ?? "Mnospraticoa to bera, como se os seohores vtossem peacoalmente, para o qae
en^apata pftpr et,ri0 em DresUr ,oda *. m da eontinuarem a mandar comprar
rme,.^niBieo4as,Mct',a*qua' ** ulqr eocommenda comprada nesle estabelecimento
acorapannar urna coala impresas coao me.mo Ululo de armazetn Progresso.
^^HS.11^11*" *** m ui. *.
ao^J prego uoloaownte pela.grande pergao qae ten o aefor cm barriese fara abatimento
NUutelga traueexa. g40 ., 1IbIt, em bmlli mn%
V^S V"-** ? t,t0 Ba,h0"* b" -k ***
e 19600, afianga-se a boa qualidade. ^
OtlftaAall i(i rcinn
^ ^00 "'""'ehegadoiBut. ultimo v.por29600, eos do rapar psisado a
*i80S ^.Tilfd! 8 SL ror^oS,0;0:.^. r "do -,e,riBb"peawBM
FrmtUo de ftaatm,.,..,. 700 tlibr..
PrzMt *e Urneg* ,48o,,.. llbr, intero. M0
* i auU nova que ta no mercado a 160 rs. a tibrs, e em arroba a 41500.
^periaasete. 760 rl t nbrli em caixa a m
L,atas con bolaxlnliA de soda d. ^tas coa\ peixe em posta de mu5t qnaIiddei. woo<
XOl OHaS UIUUO IlOVaS tjooo rs. o barril, a ret.lho a 310 rs. a garrafa.
Doce de Wpetcne em It(l di 21ibr por m
COtiH.taS pt podim a800 rs. a libia.
******* orco refinada. m .. llbBi em barril a m
_ i iv miUnora do mercado a 900n.,i em lillas d 21ibra por 1#700
a. J^ l0B**0 a primelra vez que vicram a este mercado a 640r. a libra.
Cnonnas e peas nuUo n0T0S a ^ llBlf.
PaUios de aenleUxadoscoml0maciah0,poT200.
Chocolate ttaacez. IWM a llbra> ditl0 portugaez a ^
Nlar melada mpeTial d0 tfain.d0 Abreu t de outro, mttil0lfabrianl8dt U8boa
a 1)000 rs. a libra.
\ nnos em pipa de 500 5M e 640r, a garrara> em eanadat f 8J50O4JMO 4500i
eri eja da, ma8 acreditl(iaB Batca a ^ a dllzflt e em garra[a a 500 r#
__, J ? L ** noya que ha no mercado a 640 rs. a libra;
\inno do Port
r.,Qn u ^i*io. Porlo flno, Porto, Feitoria e duque do Porto a 1M00.
Carelos, Huscatel e Bordeaux a i$ a garrafa, e em caixa de urna duzii se ar batimento
f. J* ais novo liapo que ba no mercado a 160 rs. a libra e em arroba a 5J.
f^Kt.s ^L.*****1*8 meIh0re' q"e W PdeB d68eiar em B,eiaa lata* a 500r'-
Vk al n m n
# o melhor pet'uco que pode haverpor estar Jrompto a toda a hora 3 lj a libra.
Milo de ameadoa. 800 tl.. libra. dBi tom cam. m m
mozes mqIt() D0Tag a 120 rl a libra>
Clastanaas pilada8,240 t libra:
ale j,,^,, perora 240ra. a libre, e a 7 a arroba:
A.ffoz
*"* do Maranho a 3 em arroba, e em libra a 100 r. ""
_. *J***I*** a lfa libra, seforem porjaose far abatimento.
Sevadiaaa de Pr,n5. ,2W r. alibrt>
^^K** muito nofo a 330 rs. a libra.
X oneinhe de Litb0, a 360 ri# t llbM t m t tnoU^
Fariaua do Uaraaaae
,_, amaisnoTaal60r. a libra.
TCoaciaae iag\ezaS!00rt alibta
Passas em aimta,aRuhr. ^MA 4
.___. ****" de8 libras a SJ500 cada urna.
eros mencionados encontrar o respeitavel publico tado quanto pro-
Em casada N. O.ffi^er
^.flucTOOTfijres iurda Crnz
nmero 4.
rendem-eerro#,*ercaao,mni elegantes
lerea para daaa e 4pesaoas e recebem-se en-
eommeadas para cojo Sa etles possvam saap-
psscom Tarioa deseaboa, tambem Tendem car-
rocas pata conduccao de aaaucar etc.
I
8
t
rt^mtwam&M&.
%
s
% curar tendente a molhados.
Fazeiidas baratissimas
N. 20Rua da ImperatrizN. 20
Sfjyjy* p"5? PM'/1. P<"s est reaolwdonaodeiiarde serfir ao fregus que trouxer di-
elfWrtit!.7r.C,n.8 temQae C,^rl48 de l" 'J1200' PoUU A" com 24 jardw^ 48O0 a pe-
ai Sfanf-e,'f S 24 l.n,., ..!' e'!5-08 de .cas" e deiliu.par* "aninoi 80, 120 e 160 ris, cassas
iKfflm nov08 a.200 e *-ra- COTad0' or*Dy a"n(la ptim p--
clrrcl i Vja^hiadVl00r,-oeo.*.ado' caien,ir" D8l" e"J eapoclal para forro de
Sr^ inSS?.* 9 C0Tado V8 Qutr>r Vendia 2. Ples de brim de lioho a Sfl. olea-
dos com pinturas nqossimas e larguras de 6 a 9 palmos ao dimlouto preCo de 2a o corado, chales
de STraa ae 'Z k 'AS** CB!.-<,e CaM a 1800 e 43" d' oaSriX 'prefi J
de cores a 4 e 5g, nscadioho de hnho de algodao. ganga amarella e de corea a 160. 200. 240 o
fn,h0I?^'0r,anl0 deA "e,0da8 ^.'"opaf.roup. de escraTos, dito de panno.de
Iinbo bramante de hnho com 10 palmos de largura, pannos finos de diversas eores, cambraiaa li-
sas ditas com aa pieos, ditas lutradas, breUnhas de lioho e de algodao, ludo barato
dinneiro na predita loja cima.
para apurar
Bom e barato
S no Torrador
23 Largo do Terco 23.
Quep dnridar venha renha rer: manteisa in-
gleza fir a 900 e a 800 a libra, franceza da me-
lhor que se pode deaejar ueste genero a 640 a
600 rs. a libra, assim como se torram outros
muitos gneros pertencentes a molhados lili a
dlaheiro a viita.
Pechincha sen igual.
AI60rs.
Siaturas de seda e lia para bomeos e meni-
doo ; aa roa de Crespo a. 18.
Vendern-ae bonitas llanas de SO palmos de
comprimeoio e 9 a 10 polegadas de grossura, as-
sim como travos de 40 palmos, lodo de madeira
de qualidade, e recebem-se encommendas de ma-
deiras, qua e rnandam bascar com presteza e da
qualidade o dimen.&o pedida: quem precisar,
P'oaawo na travessa do Carioca armazem n. 2. ou
na roa Imperial acatado n. 87.
Vaue-ao a muita.acreditada loia dar. sawdaia
sitaMiaardateparaarit .. 80, saude oat*o
urna cm aelaona toaaliaadM, marto propria pa-
ra v*\q* pamxrkml; r* roader-ao eoa o
sorUasaajto, aImsm aua-ojoonscoaiprador precisar comprar ; veode-se a praiot eoorarnW
saunnaaar r UM ,i masms roa %. 46.
JojSi. r-->bjio*l *u(vp! a tul ?oq no nm
Attd^o-
'M|l Rookar 48. exista aa bomsortimento tfall-
nha decrese braaeaamearrotela do melhor
iHiiHtiiinminmiliHi h tib fe
tafias moiraxao^s
Loja de raarmore.
Ao bello sexo.
Recebe.ie grande porfo de faien-
n que te haran encommeodado
eoDtiauaareDder-sepira liqoidacao por 0
mv> muito barate, aire estas aa se- m
gaiates:
Para seuho-as J
Bouroua de cachemira do ultimo eos* m
= U s 10. O
m Ditos p.ra meaioos de idadeade *,
54, 6aoDoa, taaabem de cachemira m*ito
moderno a 5.
Va.iido de teda de aereo a 30 (casa
algum toque.)
faWttM
Sementes de hortaliza.
Viada* pelo ultimo vapor mglez "Ba
rua da Cadeia loja de ferragens de Vi-
dal & Bastos.
Relogios baratos.
Na rua or. o. 21, ba grande porcao da relo-
gios foliados, domados a de ouro, patelos a ori-
zonlaea,auissos e inglezes, os quae tero ren-
dido pelos pregoa da faciera. Cada relogio lera-
r um recibo a qua se reapoosabiliea oslo ro-
gulamento daranta aeis mezea.
i
I
Vendem-se na praga da Independencia ns. 37
e.33, loja de Antonio Augusto dos Santos Porto
capellas de immortal para 2 de norembro ae bo-
tar no cemiterio publico, com os comes aaguio-
Hinhs esposa,
Heu esposo.
Minha mJ.
Meu pai.
Heu filho.
Mloha fllhs.
Urna lagrima.
Eterna amizade:
Saudades sempre viras.
Vendem-se os engeDhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
dagua,sitos na freguezia de
S. Beato comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de eoge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a rua da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
r com quem tratar.
Ruada Senzala No ya n .42
Vende-se em casada S. P Jonhston C.
ellinsa silh5sngl2,endiro castice.
bronxado,loaaogl*, fio davla.ehiaat
aracarros, a montara,arroiospara carrada
vm doui cvalos relogio ids ouro puants
Dglaz.
Relogias.
Vende-se m casa de Johnston Pattr c C,
rua do Vigario a. 3 nm bello sortimento d.
relogios de ouro, patenta i Dglez, deum dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
oaa rariadade da bonito* iraneelins par 01
mearnos.
Chegouaapreciavel agua bal-
samica para a bocea e
dentes
loja d'aguia branca acaba de receber uai no-
emessa da mui proveitosa e procurada agua
amica para a bocea e dentes. O bom resul-
i de tal agua j nao aoflre duvida como sa-
bi(o pelas imraensaa pessoasque a compraran),
e ( ue seotiam a falla dalla, e as que de novo
co nprsrem acharao que o oso della faz con.er-
vaj os dentes saos, livrando-os da carie, fortale-
aLa 8en8is e tirar o mo hlito da bocea,
dando mesma agradavel aroma, podeudo-se
meamo usar della nao s pela manhaa como a
qualquer hora, e com acert depois do fumar pa-
ra tirar o cheiro do fumo, ou quando se tenha de
sabir para ter-ae a bocea aromtica : para isso,
porm, bastara algumas gotas della em agua pu-
ra. O proveito d'agua balsmica aluda chega a
me s, ella serve com acert e promptido para
ac >ar a dor de dente., ensopando-ae celia um
*>cido de algodao e deitando-o no buraco do
le te, este adormece e em pooco desappareea a
Jor Para se oblar um frasco de lio proveitosa e
fr. "f!.*1. **.' balanlic. dirigir-so com lp
lojid gula branca, rua do Queimado n. 16, uni-
1 *Te_Btfe *" "* nde. Adverte-se que o
fru eos vio m.rcidfls com o rotulo jd* dita laja..
aoa
A loja da bandeira
Nova loja de funileiro d
rua da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Foneeca participa a
todoa os seus freguezes tanto da praga
cmodo mato, e juntamente acrespeita-
vel publico, que tomou a deliberado de
baixar o prego fle todas assuas obras, por
cujoi motivo tem psra vender um grande
sortimento de balrua o bacas, tudo de
differentes t.manhose de diversas cores
. am pinturas, e juntamente um grande
sortimento de diversa* obraa, contendo
banheiros e gamelas compridss, grsndes
e pequeas, machina* para caf e cane-
cas para conduzr agua grandes e peque-
as, latas grandes pira conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil a
camas de vento, latas de arroba a 1},
bahs grandes a 49 a pequeos a 600
rs., bacia grandes a 5a e pequen ae r
800 rs.,cocos de aza 1 1} a duzia re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeos a 400 rs., da todos estes objec-
tos ha pintados e em braoco e tudo mais
se vende pelo menos prego possirel: na
loja da bandeira da rua da Cruz do Re-
cife b. 37.
oaaaim Francisco da Halla Saate. avisa ai
seai pagete* dasUa4)a,oa>daaaa. *
"EP"??.*-T,B* **a-d*iMfaarieadaaoaBi
fr+9mnmiM9n rwaaaaa aaadarl
raa.dp-Aaoaiaan,;,. ,MRe preu a auirao jaeaideaaaa.por moaer
> aaaa daaaasta davwiaa aaarea.
** ataiara alga", aaaaep ea ate
para seAota.
atteiudan,2>IljaaK. ^
rua
N. O.Biebj& C, ucceuorea, rua da Cruz
o. 4, tem para vender relogios para algibeira da
ouro e prat.
Rices cortes de medina de
seda.
A loja da Boa-F na rua do Queimado nu-
mero 22, acaba de receber ricos cortes de
vestido de medina de seda de lindos padrees,
a faaenda mais fina, mais oovs e mais bonita
que ba no mercado, cada corle tem 20 o 51 co-
rados, e vendem-se pelo baratsimo proco de
258000 o cort; as seohoraa de bom gosto que
tirerem deo.sistir a bailes e s caaementos, se
qatzerem levar ua vestido da ultimo moda
aaadarem ver na mencionada loja da Boa-F
na rua do Queimado a. 12.
Attenco.
Vnoeae a verdadeira palbs de carnauba, tan-
to ea parti como a retalho ; na caaa de Santo*
& C, rua do Cordoniz n. 1,
'.apa-.i *''
nape irancez.
VUna-so raaOraneez em libras
*ta*a rjm loja d> Kabuco & C. na r
deNibuco
""vsfi
...aatt-
ora n. 2,
a rua

as, e
'OS.
dos Blir.dores inglezes de
', tetidem-
>di. da
, armazem.
Ne rua da Cruz n. 10, casa de I
Kalktnann Irm&os AC, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostra de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engeohos, sendo cor reas para
transmittir movimento, canudos
de borracha d qualquer com-
primento e groisura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
Mmmmmmum mmmmm
Libras sterliuas.
Vende-se do eacrlptorio de Manoel Ignaeto da
Olir.ira o Filho, largo do arpo Santo.
A 280 rs. o covado
de cassas francesas de muito bonitos padrea com
4 palmeado largura, pechiocha. na rua do
Queimado a. 32. na leja da boa .
Lodijos de cam-
braia com padroes de se-
da a 2#500a peca.
Na laja d'aguia branca Umbem se vende mai
boniloa e finoi lengos da cambraia imitando seda,
iaso plo baral'issiae prego de 2*500 a paga de
10 lencos. E' essa urna das pechiochas que costa
apparecer, a quaado aaaia approveitar-aa da
occaaiao, porque alies servem tanto para algibei-
ra coma para manios, e quem oa vir na loja
d'aguia branca, oa rua do Queimado o. 16, lera
rontade de comprar maie da urna pega, tal a
boodade dellee.
Vendem-ae saceos com milho novo ; no
armazem da rua da Sensata Velha n. 144, com o
fundo para o novo caca da Apollo.
A* melho-
res machinas
de cozer dos
mais afama-
dos autores de
New- York :
vendem-se
unlesm ante
no armazem
de fazendas
de Raymundo
Carlos Le i te
& Irmao, no-
mero 12, rua
da Imperatriz.
Arados americano te mchina-
paralavarroupa:emcaadeS.P .Jos
bston & G. rua daSenzala n.42.
Lencos brancos.
Vendem-se lengos brancos proprios psra algi-
beira, pelo baratissimo prego de 2JM00 a duzia :
na rua do Queimado n. 22, loja da boa f.
Novidades do pavo.
A loja de Gama (L
Silva^ na roa da Impera-
triz n. 60, acaba de ebe-
gar um novo e Variado
sortimento de fazendas,
que vendern por primos
qae faz admirar, como
sejam:
Um bonito soTtimento de cassas suissas a imi-
tagio de sedas de qoadrinhoe, que se rendem pe-
lo diminuto prego de 240 rs. o corado.
BTYhanna a 140 ts.
Vende-ie brilhantioa com quadrinhos do cor
para reslidot e roupaa de meninos a 240 rs. o
na rua da Imperatriz n. 60, loja do
O rival sem segund, na
ruado Queimado n. 53
deiVonte do sobrado no-
vo, est vendendo tudo
bom e baratissimo,pois
j tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por precos que admi-
ram, a saber ;
,inJj|! HJ
Caivete psra aparar penca a
Ditos com i fothss moito finos a
Frascos de macagi perola muito fino a
Dito de oleo moito flno a
Tranga de lia com 10 varas, bonitas c-
rese
fraojas de lia com 10 varas, bonitas co-
res a
Sapitos de trsnga de algodao a
Ditos de dita de lia a
Caixas com iscaa para charutos a
Cartas de slQnetes sortidos franceses
Canas de ditos ditos a 80 rt. e
Escoras psra Hmpar denles mullo Cos
8-0 rs. e
Duzia de facas e garios, cabo preto a
asaos com grampas muito boas a
Gartoes com clcheles a
Dilos com ditos de soperior qualidade a
Uedaes de sgo pars senhors a
Sabonetes muito grandes a
pitos de chuabo para crianga a
Rialejo para meninos a 40 rs. e
cofiadores psra vestidos, muito
dea a 00 rs.e
Sapaliahos de lia para meninos a
_ Amia lea urna varledade de mfndezss que se-
na enfadonho menciona-las, poiss vista que
* pode apreciar as qoalidades e os pTegos.
gran-
80
320
too
100
200
800
19000
15280
40
100
20O
400
3?50O
40
20
40
100
200
20
100
80
400
e
Attenco
Vendem-se caixoes Tastos proprios
para bahuleiros.funileiros etc. a 1280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir* quem ostem
para vender.
Tinta azul que fica
preta. M
A loja d'agoia branca receben nova remessa
deesa excelleole ti ola azul que fies preta, o con-
fina a vender os boies a 500 rs. : na rua do
Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
VENDE-SE BARATO.
Superiores capas compridas de gorgu-
rio preto, manteletes modernos, taimas .
de croze, e chapeos de palhs. '
Vesimrs de seda moderno de cam-
9 braja bordados, dilos de phantasia. |
9 Sedinhas de quadros, grosdenaples de i
aa cor, moreantique em covado.
Cambraias de cores modernas, ditas de
. listras flngindo teda.
^ Sintos, lequea, gollinhaa e punbos pa-
m ra roupao, espartilhos modernos e pen-
: tes de tartarugt,________________
S Saias balo oe todas ss qualidsdes,
9 camisas para senhoras, ditas para mc-
A nios, chapeos para senhors.
O

Tarialana, i, musselina, diamantina
e lazinha de cor.
Pulceiras de sndalo, luv.s de
e chapeos para senhoras
pellica
rARA ACABAR
Colxas de li e seda proprias para ca-
mas ou coberta de piano a 59.
Palelola de casemira a IOS. ditos do
alpaca preta a 5$ : rua da Cadeia loja
o. 23 da Gurgel & Perdigan.
Por baixo da bt eca.
Rua do Queimado u. 6.
Vendem-se manguitos bordados muilo Anos
para seofaora a 1$, calcinbas bordadas para me-
ninos a 19.
t
do n
_.Jad
ara patrens.
covado
pavio
Ofgandys a^Or,
Vende-se caaaa de organdya de padroes muito
bonitos a 280 r. o covado : na rua da Imperatriz
n. 00, loja do Pavio.
Chitas a240rs.
Vendem-se chitas francezas muita miudinhas
fazenda que sempre sevendeu por urna pataca,'
e est se acabando a doze vinleoa : na rua da
Imperatriz n. 60, loja do pavio.
Gurguro a 400 rs.
Vende-se gurguro aiudinho proprio psra ves-
tidos e capas para aenhoras e para roupas de me-
ninos, pelo diminuto prego de 400 is. o covado :
na rua da Imperatriz n. 60, loja do pavio.
LAas a 400 rs
Voodem-se Hazinbee enfeatadaa para vestidos,
fazenda de muilo bom goslo, pelo diminuto pre-
go de cruzado o covado : na roa da Imperatriz
n. 60, loja do pavio.
Com barras e babados.
Vende-se Dnissimos cortes da cambraiaa para
vestidos, com barras e de babados, pelo baratissi-
mo prego de tyOO, 3$ e 3J500: aa rua da Im-
peratriz a. 60, saja de paro.
Cassas a 200 rs.
Vendem-se cassas com lpicos graudos a 200
rs. o covado : na rua dalaperalriz n. 60 loja do
pavio.
Cassas de cores a 240 rs,
Vende-se csssas de cores fszenda muito boni-
to a 240 rs. o covado : na loja da roa da Impe-
ratriz n. 60, loja do pavo.
Sedas \ covado.
Vende-te grosdenaples preto maito encorpsdo
13500, 19600 e 19800, dito azul cor de rosa e
cor de cana a 25000 o covado, sedas brancas la-
vrsdss para vestidos de noiva a 28240 e 29400 o
covado, dita preta lavrada a 19400, cbamalote
preto a 2J00o o covado : na rua da Imperatriz
n. 60, loja do pavio.
Enfeites a %$. .
Vendem-ae enfeites de muita bom gasto para
senhoras a 21000 : na ra 4a Imperatriz o. 00,
laja de pavio.
Enfeites a 640 rs.
Vendea-ae eniaites de froto psaprios para me-
ninas e tambe pra aenbora a 640 r.: na rua
Imperatriz n. 60, loja aa pari.
Chapeos para seuhora.
Vendem-se chapeos para senhoras, sendo mui-
lo bem enfeitados e os maia modernoa qua lea
vindp, pelo baraliuluo prego de 10| : na rua da
Impel*itiH|,lpa, do.pwio.
Vel ludo a 2$400.
Vepdem-se velludes preto, car ue caf, all:
fetrere, e verde- eaeuro, oroprlos psra vestidorde '
srhOT* e rotrpaa par ietrki, pelo trraJisimo
t, io, de P SWWtfcorso, senfo fazenda que sem-
laboa de t>rta vrtWrt 5#: na rurd Imperltrlz n. ,
i com ca-ilo^'wflVo.
A %e tourtestai1 rttefiesa se dio mcafrs tfel-
,7xsoda flear penhor, aasim cuan tem multas od-
Ml^'ffceWaa qae se tornara enT.dorilro 'mencionar, todas trodefiflo-so mirls Varato qne
aaao
: Nova calil'ornia s
DE
Fazendas baratas.
:
:
gjNa roa da Imperatriz n. AS, jaato aj
padaria franceza.
Cortes de cambraia branca com babadi- 9
l nhos 49 e 49500 superior 59, cambraia li-
l l com 8 II2 Tara 3> 3*500. <. ditaa de
Escossia 59, e 69, ricos enfeites para se- *
9 nhora 68 e 6J500, sintos os mais delicados
P para aenhora 28500. 38, chapelina para cri-
anga gosto inglez 3*500, 49, para baptisado
59, cortes de vestido de seda Escosseza de
bonitos gosto 129 esli se scabando, ri-
tj eos lengos de labyrintho I9.1JJ200. chapeo |
9 de sol para senhora de bonit.a cores, liaos 1
SJ 59, cabo de marfim 5*500, cortea de cam- m
9 braia brancos com ffr de seda 59. risca- !
% do irancez 200 ris o covado, completos 9
f> sorlimeolos de baldes de arcos 39, sorli- 2
mentos de meias psra menino e menina 2
200 a 240 ris o par. chales de tarlataoa 2
de cores a 640 ris, lengos branco com bar- 2
raa 160 rts chitas inglezas a 180 e 200 rs Z
dita franceza a 240 e 280 rs. o covado 2
pegas de cambraia da forro com 9 varas 2
*&_: jonto a padaria frsnceza n. 48.
O melhor gosto.
Chapeos de pslhs muito fina eufeita-
lados a traviala al2g.a 14g chale do
51quB! a ,2*16' a6-38 >* *' *
50$. eofeite. da reUaa outraa auitoa
fazendas do Melhor goato paaatvoi a aor
baraiissimoa proejo : aa roa o Ooeiaia-
madoJoja_de 4 paataa de Vonao Maia.
!
Atso
Ao respeitavel corpo acad-
mico e a rapazead em
ge ral
A encyclopedica a i ida vive
LOJA DE
Guimares Villar.
Rua do Crespo numero 17.
Vendern barato a baratiuimo : camisas ingle-
zas auito finas, aerovas, meias, chapeos, pali-
tots, sobrecasicos, psletoU de bros, gravatoa.
calcado Meli, lengos o finalmente veadem a
bella perfumara. Os proprielsrioa pedem a pro-
te cgo. r
Nabuco C, coas leja aa rua Nova >. 2,
acabam de receber pelo ultimo navio a sorti-
meolo de roupas feilas para hornea, cobo sejaa:
Paletats do panno preto floo.
Dito, de alpaca preta e de cor.
Ditos de brim e de fostlo branco da car.
Caigas de casemira preta decores.
Ditas de branco ede coras.
Colletes de seda e de ceseaira.
Ditoa de casemira branca para noiroi.
Ditos de brim e de faatao.
Camisas finas inglezas, de linho, pregas largas.
Dilaa frsneezss.
Ditas de fo.tio de car.
Ditaa todaa de chita.
Oroulas de linbo e do algodao.
Ditas de acia.
Camisas de aeis ede Asuella.
E outraa auitas obraa que se rendem por pre-
go com modo.
Enfeites para vestidos.
Vendea-aa a linda, roas* de oda para cata-
tar vealidoa ou roupoos, coaaa da asiogaata ia-
leiramente novo : na loja d'aguia da aro, raa
doCibug d. 1 B.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaries Ir-
mao, na rua do Queimado a. 65.
tta lasa, par
14
na rua
Meias de cores psra horneas
a 140 rs.
Cartdes de clcheles rancezes coa
20 rs.
Feotes de massa doaradoa muito finae iaitaaaV
lsrurugsa640. -"^s
Essarlilboa pata aenhora, qua soasare ae ven-
deram a 69. por 2500.
Trancas da lia para resudo, a peca a 40 ra.
Las para bordar muito fiaa e liada*] mu, -
Oro s 79*
Massos coa grsapos a 40 r.
Liohas para bordar, a alada a 401.
Ditas de peso moito finas, miada granea a 1M
Franjas de linho para vestidos, a vota a 12. "
Apparelbosde porcelana para ao enlato,
doa e dourados a I96OO, 2f. 29500 3|.
Carita coa alfinelea a 100 ra.
Papis com alfinelea cabeea chata a 40 rs.
Enfeites para senhora muilo finta a 3, 4 e Tg.
Sintos muito fiaos para senhora a Sg Tgjfol
Assim como outraa muilaa aisdenaa ios ba-
ratas, que deixamoa de mencionar, para ala na
tornar taois massada.
Escravos fogicos.
Paraosbaiesetlieatros.*
Riquissimos cintos dourados com lindas Arelas
tambem deuradas e esmaltadas, e com ricas pon
tss para cafairem sobre oa vestid, auito pro-
prios para aa aooboras.que tiverem de ir aos bal-
lea e theatros ; vendem-se pelo baratissimo pre-
go de 48. 5J e69: na roa do Queimado n. 22
na boa conhecida loja da boa f.
Pechinchas
, na loja da arara.
Vende-se fil de linho de cores para vestidos*
240 o covado, riscados finos para vestidos de 4
palmos de largura a 260 o covado, crinolina de
cores psra vestidos com 4 palmos de largura a
400 r*. o covado, llazinhas chinezss psra vesti-
dos s 400 rs. o covado, sedinhas de quadros a 640
o covado, cassas de salpicos a 200 rs. o covado
chitas para vestidos a 160, 180 e 200 rs. o covi-
do, dtles franceses a 220, 240. 260 e 280 o cova-
do, popelina de cor para vestidos a 200 rs. o co-
vado, isia balio de 20 a 40 arcos a 3g e 3$500
de todas ss fazendas se dio as amostras, dentu-
do penbor na rua da Imperatriz, loja da arara d
4 portas d. 56, de Msgslhies & Mendos.
Bengalas finas a 1^000.
Vendea-se bengalas eom castoes de muito
to pato baratissimo prego do Ifi IgSOO: na
d'agoia de ouro, roa do Ctbog n. 1B.
Vende-se papel do quadrinboa-muito superior
quaiidado a 4|O0 ajama, dito pasa paretina
oja
'S3S^^
a O^ito aperioj a 39500, dito gravo proprio a-
rasaciataus.SAaiaooulraa aaaa qoittdsaa,
au*a veod aaiio ta coot. : M leja 4'goia
de ouro,ruadaCahug4n. 1 B.
' Fara Ierro de salas.
Vtode-s ja
lea, pero barjtt
ou 14 acTsddapara Dqal
tafo, raa tfo Cabagt n. 11>.
i nal a
alj,
Acha-se fgido da caaa do ana aaobor Hot-
culano Antonio de Monea o Silva, o cabra S-
vioo, de idade de 18 anaco poaco asa a ae
aos, altura e corpo regulare*, cabello* carsai-
nbos, testa pequea, nariz grande a chato, recto
compridoecom eapinbaa soeces, boieoo osa ooa-
co grossos, um dente podre, minaaia.eas o ao* s
compridos, ps grandes, leude obra o potto aa-
querdo um sigoal liso do tamaahe d'aa ata* *
qutl oppe-so ter ido paro beata trabalb'ar
na estrada de ferro : quem o apprehender, pota.
e leva-lo aos Afogadoa, caaa a. 54, ac lasa aza-
tiOcado. "^
Atso.
horas da
tt* MO-
NO da 17 de outubro de 1861, aa 8
noite, ausentou-se da caaa do aaedxa
o n aecravo cabra, por o o ao Coat
do de a 92 auno*, altara regalar,
lando, rosto redondo, tea falta do acato* a al-
guna podres, o rosto era vado da jarea a be li-
gas, ps chatos, soffreu ata peataaa oeau
dura desde o qoeixo direito at a barriga,;
do-lbe o peito direito todo, o alada
costura, na bocea de atol
ventosa, I ero porcao do i
roga-se aa autoridades policiaco, <
pe, e a qualquer pesaos
irar, da o pegarem e levatete-ae 4 \
do Recife u. 42, tojo da chapeta, ai
gratificados.
Aatoaio Maoool _
Fugio aa saanaoo do Ha 13 do eorn
enaenho Ctnetlla, coauorco do rSosorea, cota
de noaae Hercolano, idada do 90 a
to, seeco, caboila tirideo
rosto comprido, nwartopaaea
dtoles na frente, ps grande*
ea ota doa quae* tsvn oaj
ba poucoa-dia*. peto qaa ;
do calo de eaaestiro da car,
lio, palelot oToto reino, av
alta a fita larga, toaoa dlrooco da i
estrtds do Po-d'Alho, onda t6ra
raitoacaacaaaaaodiataooaai
ao rcterao agoaoo, apa* sor A I
atraaaraoato.
Fugio da aaaankada abasa
113 de deseabro da 1838, aa
dia
por aoa Joio Graforia,
aoa pseto, aUora rogos*,
da ae carreivo, oqoal aaipraa* a*
vereiro de 1^60, arsaalaiaa
ata um vaaor.d'oaa* tosaaai
acatar mti BaW; saga-a a
ciaea o cpitaos tocasapa qoo o
a raaciwraptao^rkaiiabau a-
Pisrto ao Uaoaiaatna, a aa
TJmbellno de rala Saau Uaa.


t_-

(8)
DiaiON
oo. w sigua ruii M n vmmo icwu.
fet
Litteratura.
*?0U
Ao Sr. Frju)**** inicio Ferreira, ptr
ter o aoHr-4 a bella ttesia, qie
Ihc offereceu, sob o titulo deRec-ife.
1 perfumoao canto
graste.deabril flha,
idas que deu-le o aojo
le vale que em .ti brilha.
Foi urna chisma detsa luz ardecte
Que arde oo cerebc aorque ama a vida
"Egaa e sent, qual nao ante a turba
Que iodtntoeote vega ahi perdida. _.
Foi uoia rosa, que se abriu o riso
Be utn gpdKVpraDha que bemdiz a trra
4}ueabre-lhe o seio,d-lh vulto' crngas,
E os soahos dour que au'alma eocerra
Foi ara mut raalo He serena vaga
Que sobre a ara gtmedora rola :
Foi meio aecealeque en sombra selvas
Por entre oa ramos suspirn a rola.
Fost voan lo, o'um Iyrismo Basado,
T onda 01 dias im aeu arrebol
, o que cantaste, oram phrases d'ouro
Com o fogo escripias, que roubasle ao sol.
11
Obrigado I obrigado 1 Eu desae canto
rico sabendo que me falla o eucanto
Das tuas harmonas.
Cantas melhor que Raphael pintara,
Tu que na lyra que Garret pulsara
J preludias.
Obrigado I obrigado.O teu psalterio
Tem as ootae (agradas do roysterio
Quo deslumhra a razo.
O dedo do Senhorlocou-te a mente,
a idea borbalboa como torrente "
Que arrebata o tufo.
Podes cantar ; que as eras mais remotas
Ho de escutar as perfumadas notas
Que tu sabes ferir.
Tu cantas 'uuraa lingua pura e bella.
Que dous povos marmuram, to siogella
Que os aojes soem ouvir.
Podes cantar ; que eu fleo-me entre o poro,
Qxe ssda o brilhar do astro doto
Que desmonta no cu.
Acompanno dolar desconhecido
Os vos do teu genio quB atrevido
No Iyrismo se ergueu.'
J houve un tempe.... Podes ir; que importa
A esp'ranga de poeta eu teoho-a mora,
Fot sooho que perd I
Arcordei la illuso, quebrei a lyr ;
se hoj o corceo inda suspira,
Obrigado 1 por ti 1
Suspira, porque v que desse encanto
. Veio fallsr-lbe o primoroso canto
Que lhe havias sagrado !
Nao desanimes ; na embriei da gloria
Podea contar com um brado de victoria....
Obrigado 1 obrigado I
1861.
Ctzario de Azevedo.
Em urna carta dirigida de Chamooix ao Mo-' i00' no lrnarea10
nitor da Alta Saboia l-se r, .Pomni* nos0, Pbres companheiros
o seguinte:
fue). Yon summariameote ceflerir-vosaasatCnl
taetropb. segaado a acaba de ouvir da lestea*.
aba de tal seccesso.
, < Tif hamos partido da CbamoqU a* sexta fei-
ra 18 de agosto de 1820. conta Joaepb Mari
CenMei, con o Dr. Himel. o coronel Aoderson
um de seos amigos, todoa tres ioglezes. Des
gaias a quem eu dirig e alguna carregadore
cocnpuDharn urna caravan'j de 15 a*l6 pessoas,
Pilemos a pr|rceira alia pos rophedos dos frands-
Sfxiles.' 0 lamp-o. amcsdor, que se livantoa
ao segufnle dia, nos obrigou a urna demora de
24 hars nse ettscao. O dia da doralogo nao
se anlolhava melhor, mas o Dr. Himel, que nao
fluerja perder, dizia elle., o.grjelo esaiviagem,
Toi o unic quo insisti para seguirms, tarando
oossos recoius de pretendidos e ex'gef dos : che-
'gotf ufe a chararfos"eo'vdrdee. Fizemos voliar
para traz tres de entre d, designados pela sor-
te, aflm de irem a Cbaranix buscar supplemen-
to as provizoes, e o resto da caravana composta
de dez pessoas, seto guias a Ires viajantes, pos-
as a camiuho as quatro horaa da'madrugada.
Das cinco oa seis horas em diante principiamos a
trepar a encosla da grande planurs, no andando
seno com muito costo em urna nev cabida de
fresco ; junto ao circo achamo-nos ioteiramente
debaixo o vento e ameacados maii do que nun-
ca pelas massas de nev. Segaiamos em urna s
linbs, descrevendo de lempos a lempo curras
para evitar aa ftidas do gelo.
Estamos perdidos, sntei eu, ouvindo um
horrivel estaldo cima de noesas cabecas...No
soube mais o que succedeu ao partir deste mome-
lo ; senti-me arrebatado com s rapidez do raio,
e abri os olbos a mais de duzeulos metros abat-
i do lugar de onde apercebi meu companhei-
ros, que derribados lambern, porm. nao aca-
balados como eu, tinham-se levantado, edespu-
nham-se a soccorrr-me. Apercebi entre esse
grupo e a borda do abismo aonde eu lio milagro-
samente liona Qcado, dous bracos que se mo-
viera cima da nev : apenas desembarazado,
chego primeiro que os outros junto a esses dous
bracos ; ouco gritos suflocados, e reconheci a voz
de meu irmo David Coultel.
aE os oulros ? Pergulou-me elle. Eslavam
adianto de ti.Nao vejo seno tres l em cima
junto dos taes senhpres; lhe respond, eslo
sem duvida perdidos, urna vez que lu vistea se-
rem os primeiros, que oram arrebatados.
Os oossos companheiros e os viajantes che-
Rarsm aonde estavamos, e ento nos cootamos.
i Pedro Bilmat. Pedro Carrier e Augusto Tsirraz
jfaltaram a chamada. Apezar da gravidade de
nossa silujcao {estavamos todos mais ou menos
pilados), ensaiamos urna sondagem sobre toda a
exleosoda enia inteiramente lapada pela mae-
sa de gelo, que nos tinha a todos mais ou menos
| arrebatado.
a O coronel AuJerion torca.os bracos com de-
sespero.Eu tnho visto muitos campos de ba-
talha, dizia elle, assisti a urna verdadeira malan-
ga de homens a bordo de um navio de guerra,
jamis soffri, o que aioto em presenga desta lula
horrivel I
O Dr. Himel impassivel, contentara-se com
animar-nos framente, repetiodo or:Silba-
mos dous, talvez seja ainda lempo de aalrarmos
os outros tres.
< Os nossos bastes ferrados carregando-se de
nev gelada ecristalisada, no poliam mais ser-
vir para a aondagem. e alm disto linhamos os
!' dedos errigados pelo fro, de sorte que nem mes
mo os podamos fechar.
E" ioulil, meus amigos, disse Mr. Aoder-
ver ueste mundo
sorredouro no
$$S&2?
dtscur*o que Andrieax ciUvaTM
tncTaf-dt} l#nu *,5tf 1
nuamenle qw a samfert* erm.nma arma aUfHf Pradt ntftxm ama verdadeira uvacao. Crita-
upodt nrvxrcom bom xito. Nio caasar* ad- raa r-'YrV1* abbade de PradM ^Tiva o arcabU-
miraco que, fallando de M. tfopin, lembf-me 1*4 APMr^odoao reUuo am arradloao.o
por algn momentos de Cicero. pre!do Muda va o povo ; e, na verdde, le nio
chocsfrelro e topAiiot; recelssse tornr- iid|ele >e.|o-hi bencoado,
como outr'ora o cardeal de Retz, ao sabir da as-
semblasda cmara de parlamento, b
A 15 de agosto a sahida da missa cantada e do
T Denin, ohegou um guia a casa da cmara
(matrie) de Cbamonix
no-Ios entregara com vida, nada mais podemos
fazer por elles.
cooduzindo destrocos hu-, ""'""A''L"\""...................".....^"-
manos que o acaso acabava de fize-lo descubrir T o .. lempo algum pense!, senhor,
sobre as geleras (glacierj dos Bosons, e afirma-
ba que estes restos humanos perteociam as victi-
mas da terrivel calaslrophe de 20 de agosto de
1820. Uaia investigagio minuciosa, aberta ira-
mediatameole pelas autoridades locaes, demoos-
trou a verdade das presumpedes do guia. O Dr.
Forbs, sabio gelogo iuglez, autor de importan-
tes estudos sobre as geleiras (glaciers) e s ja mar-
cha djscenlenle continua, havia dito na ultima
^iagem que fez aChamooix (1858). que no lhe
causara sorpreza ae no Qm de trinta e cinco ou
quareola annos, as victimas desse terrivel acoo-
tecimeoto fossem depostas pela geleira em suas
bszes extremas no valle, e eis que com 41 annos
de distancia, qujsi dia por dia, o sorvedouro ro-
mitou a preza ; a terrivel morlalha de nev e ge-
lo abiio-se para mostrar sea cruel poder de con-
servacao.
Acabamos de ver os destrocos humanos que
foram achados. Mais de tres quartos de dous
crneos' com oa tegumentos; loda a parte maxi-
lar guarnecida de bellos e alvos denles ; muitos
tufos de cabellos louros e negros adberentes ao
coiro cabelludo, recobren) os fragmentos dos cr-
neos ; um ante-braco e a mo adherente, a qual
nao falta seno um nico dedo: o brago e a mo
revestidos de carnes, porm com vestigios san-
guinolentos da cortadura de um dos dedos, e con-
servando certa fUxibiltdade nai articulares.
Ao lado desses restos p le-se ajunlar grindes
pedacos de pannos de l oa de veludo, indican-
do os primeiros a forma de ama vesta, e os se-
gundos a de um collete de dentro; urna luva de
pellede gamo, fragmentos de dous saceos de pal-
les de diversas cores, um chapeo de fellro preto,
um gancho de ferro com quatro dentes e dobradi-
ces para preader palios sob o calcado, urna Iao-
terna de folha de (landres amassada e achatada,
porm deixando claramente reconbecer t sua for-
ma primitiva, a das lanternas redondas do paiz.
Nada se deve desprezar em urna averiguaco, e
este ultimo objecto apanhado ao lado dos destro-
zos humanos, que se deicobriram, fornecu urna
prova irrecuaivel da realidade das primeiras
apreciaedes.
Dos Ires guias da caravana do Dr. Hamel, que
pereceram to trgicamente em 1820, um, Pe-
dro Balmat, era louro, e o primeiro crneo que **Vlir; "
se achoa tem muitos tafos de >- i 80" *
ajuntou Couttez, que antes de partir deate mun-
do polesse apartar ainda urna vez a mo desses
excedentes carneradas, a mo desse pobre Bal-
mat I
i E o bom velho apertava essa mo gelada, le-
vantando o braco lvido de seu cantarada.
Tal a narraco authenlica da cataslrophe,
confirmada ainda por um oulro guia sobreviven-
te, Julia Desvonassoux, velho octogenario.
/ulgai da emoco produzida em Chamooix por
tsl aconleciraenlo. Todos os despojos foram in-
ventariados miouciosamente em um processo
verbal, instruido pelo commissario especial, as-
sistido de um medico, o doutor Million.
O cnsul inglez em Genova, o Sr. Mackensie,
achando-se em Chamonix, forneceu-me urna no-
ticia que aceito con. sofreguido para rectificar
urna parte da narrar defoullet : O doutor Ha-
mel russo e nio inglez. Veio a Chamooix em
1820 com urna misslo especial scieotifica do im-
perador da Russia, e habilou Londres toda a aua
vida.
Este facto cima referido vem em soccorro da
sciencia para confirmar a theoria, j pouco con-
testada, da marcha constante dos gelos por
sua forca de expanso, ou sua dilataco. Agas-
siz, Escher de la Lioth, Charpeotier, Forba e
rosso Ilustre compatriota Moas. Rendu, ad-
, miliem uuanimemenle o principio,variando sobre
1 o dado dos periodos de progresso. Esses des-
trocos humanos acabam de ser expellidos por
j urna fenda, pouco mais ou menos 3,000 metros
' abaixo do lugar da queda dos corpoa(l).
[Ferreira YiUela trad.)
Memorias de M. Diipin.
[Conclusao.)
II
Lembranas da advocada.
M. Dupin nui diz que elle nanea estudou um
arrazoado para proouocla-lo na audiencia.
a Henneqaim no foro, Martigoac no palacio
Bourbon e no Luxamburgo, acresceola elle, liam
o que hsvtam escripto com tanta naturalidade,
attractivos e encantos que tomar-se-hia por um
Havia ji poucas davidas sobre "idenlidade'd!! ..S" "^f!SMde discar*os t,criPlot nham por
attribuico deeses primeiros despojos, quaodo se l0 m6O de ,er our,dos com lun> satisfa-
poude obterdo guia-chefe da caravana, Joseph "
Maris Coutlet, septuagenario, que ainda vire, ej t\\ Novas nesrmi*** tinham (r>.Hn rtflaP
rf Bmarte Vhf^ "T'? ,ff! F" ^ ^X\5Z sobre o
pbenomeno da rarefaccao do ar oas regioes ele-
Tadas, aoodo leve lugar o terrivel accidente.
Acabo- de interrogar esse bom velho, que foi
um dos primeiros a correr a contemplar os des-
pojos reunidos sobre a mesa da casa da cmara,
transformada oesse dia em casa mortuaria (mor-
IOIJILTIM
ORIGINAL DO DIARIO DE PxRNAMBUCO-
mmmmmtmL
LXXXIII
Sumario.Um drama do mar.'Romance
original.
Estamos na mes de juoho de 1848, deste anno
famoso em que os Ihroaos rscillaram sobre seus
alicerces, profundamente salapidos pela anar-
chia ; os res tornaraaa-se humildes, e receberam
aa imposices dos poros, que, inflsmmado, pos-
suidos do um longo delirio, da embriaguez de
um primeiro trumpho, assumiram a sua terrivel
soberana, exerceram com urna tyraonia ainda
mais violenta do que a que acabavam de des-
truir, para pouco i pouco deapojarem-se delta, e
receber de novo as cadeias da compresso.
Os dramas da revolnfo repreaentados no gran-
de iheatro da velha culta Europa violentamen-
te abalam o universo, e veem agitar tambera os
povos da America, como se um continente j es-
tivesse ligado ao oulro per esae fio elctrico sub-
marinho, quo mais tarde s doria pronunciar
ama paUtra, para piovar positivamente a possi-
iilidade da xecaeio desta grandiosa e fecunda
idea.
A bamanidade ceatioa i mrchr, encontrn-
do cada fasso um obstacalo, queso um lago de
saoguepde dissolrer, e asiim cumpra o destino
que Um foi Huoslo netta peregrinarlo ioces-
sante.
Por toda a parto a guerra civil parece omnen-
lo, o a gasira externa 4 o pesidello dos homens
^ie aaUd*. O oanhio resOa, so eloquencia
vltimarntio doo rom o dea poros.
MootevWfle, eotasma Troya, coa um illua-
trado aoerlpioc aptKopriadamenta a deuomioou',
pporla anda o sea longo aitro, asm qae a for-
e qae, pleiteando por ama cansa que aooiidora
origera dessas penuas, quando urna
carta do doutor Hamel veio dissipar todas as du-
vida e precisar um novo facto. Um dos Ires
guias sabmergidos pela massa de gelo oa fenda,
tinha em um paneiroumpombo.queleraramcom
a intenco deestudar a natureza e a direeco do
vo nessas oras rogioes.
Cicero tambem era
talvez fosse em sou lempo mais citado pelos seos
bons di loe e sareasmot que p#a eos ^loqafi
jj Nial* U. Dapn nao e parece com Cicero ?
Verre, como so sabe, foi defendido pelo coleare
Hortensius, e este recebera daquelle como pre-
sente uraa esphenge de um precioso metal, rou-
bado por esse detestavel pretor da Sicilia : Nao
domprehando o que acabaes de pronunciar. E
todava, tendes em casa a esphenge.
Um mancebo, acensado de ter envenenado seu
pai em um bollo, se encolerisna contra Qieejo,
e o ameacava com injuria: c Receio menoe (o
injurias do que teu* aoffo.
Publius Goal, omito ignorante, aiada qae se
Considerasse um sabio jurisconsulto, chamado
am dia por Cicero, como testemunha, respondeu
que aada santa : Rtceiaet talvez, lhe dix Cicero,
que voi interrogue tobre o direiu 1 *> \{
Metellus Nepos perguntiva a Cicero qaem era
Jeu pao : c Grecas a oaaa me, responden este,
cariis mais embarazado do que eu para respon-
der a aemelhante perganla.
Neste estudo de Mr. Dupin tambem pojaramos
cnlher quer em seos atrazoado, quer em seu3
discursos polticos, vivas zombariss, felizes chis-
tes, replicas offensivas, prmpta e inesperadas*
como o relmpago.
Mas de>o principalmente terebrar que aa per-
sonalidades offensiraa eram j na anliga Roma,
como em oossos dias em Franca, um complemen-
to da arle oratoria, nm complemento da eloquen-
cia di advocada.
A ReaMauraco, o Cem-Dias e a rolla doa Bour-
bons em 1815 deram joven advocada a mais
illuslre clientella. Jovens adrogados foram ento
encarregados de defender homens de guerra ce-
lebres pelos seus faites d'arma, pelas suas vic-
torias e homens do lottras, leruados populares
por suas opioioes polticas e pelos seus es-
cripto.
Qoasi todos os advogados antigos se declararam
ento realistas e levaram a mal o enligo rgimen
e o parlamento. Para crer-se no mais exaltados,
devia-se at rtscar da taboa os que baviam defen-
dido acensados polticos.
Opioioes to injustas, to apaixonadas, inspira-
ram a Mr. Dupin esta obra: 4 fiera defeea dos
aecusados, que appareceu em outubro de 1815.
O nome do marechal Ney era o primeiro ins-
cripto no artigo primeiro da disposico de 21 de
julho.
Em 11 de novembro de 1845 ama disprsicao
real conceda o j-ligamento do processo i cmara
dos pares.
Mr. Berryer, pae, foi eucarregado da defeza,
Mr. Dupio, muito mais mogo (s tiuha ento 32
annos), uniu-se a elle, para ajuda -lo ca averi-
guteoes; at convencionoa-ie em quo elle re-
plicara ao procurador geral; mas Mr. Berryer,
tendo sido interrompido em sua defeza, a replica
no pode ter lugar.
O partido da emigracio quera a perda do ma-
rachal Ney e de lodos os compromettidos na dia-
poslco de 2i de julho; os homens qne haviam
imposto esta diaposicao ao rei Luiz XVIII, eram
os proprios a cuidar em sua execussao.
Tenho de Mr. Duque Decazea, eotao ministro
da polica, os seguintes tactos particulares cau-
sa de Mr. de Lavalette, mas que provam a fatal
intervengo dos autores de categoras em todos
procesaos polticos.
Luir XVIII, disposto a ser indulgente, no se
senta bastante forte para perdoar a Mr. de Lava-
lette. Recejara multo urna exploso, que derri-
bara o ministerio, e subslitui-io-hia por homena
escolhidos peta maioria da cmara de 1815.
Mr. Decazes, que j gozava muito da estima de
Luiz XVIII, tere ento a lembrsaga de fazer com
que madama duqueza d'Angoaleme pedlsse o
o perdode Mr. Lavalette. Orel epprovou a idea,
que lhe pareceu excetlente ; mas convinha que
fosse commuaicada a madama por urna pessoa
amiga, em quem ella depositasse confianza ; Mr.
duque de Richelieu aceitou esta misso.
Madama, commovida a ponto da chorar, pro-
metteu, reservando-ae todavia a consultar seus
amigos. Todo esse plano fdra concordado entre
Mr. Decaces e o marechal Marmonl; mss, logo
que o marechal chegousTuileries, dando o tra-
go i Mr. de Lavalette, o guardado corpo de ser-
vico doclarou qae nao tinha ordem para deixar
entrar as seoboras.
No a tendes tambem pira deixar-me en-
trar?
No, marechal.
Pois bem I Entro I Exforca a paisagem, le-
vando comsigo madama de Lavalette.
A duqueza d'Aogoulmd experimenta urna
grande perlurbago vista da sapelicaote; a
pbysionomi* da filha de Luiz XVI exprime-lhe
um vivo inlerease ; mas seus olhoa encontrara
olhares que retera o impulso de seu corego ;
ella guarda silencio; o rei no se sentindo se-
guro, recebe o memorial, o di urna' respost
evasiva.
Mr. de Lavalette, como sabe-so, mais feliz que
Noy e Labdoyre, foi salvo por sua mulher, per
Mra. Baudus e Bressoo.
No dia em que o marechal Ney chegava a Pa-
rs, fusila va-ae o coronel Labdoyre.
Diaa nefastos a que o duque Decazes leve a
coragem e a honra de por fim, fazendo com que
Luiz XVIII, sem participaco do conde d'Artoi*,
assignasse o decreto de 5 de setembro de 1861,
dissolvendo a cmara.
Sob a restauraco os processos da imprensa
duraram anda mais lempo que as aecusacoes po-
ltica*. Inventara-se aob a restauraco procesaos
de tendencia.
Mr. Dupin tere que defender muitos homens
polticos e muitos jomaos por delicio de im-
prenss ; teve que defender entre oulros o abbade
de Pradt, aotigo arcebispo de Malmes, ante o
tribunal de correico, em 28 de agosto de 1820.
A causa de Mr. de Pradt, dizem. fra precedida
d'um processo de genero bem difireme, quere-
mos fallar do de urna meretriz, apellidada a co-
quelte aecusada de ter dado gritos sediciosos em
um corpo de guarda.
As requisicoes de Mr. Vatimeinil advogado ge-
ral, e o arrasoado de Mr. Dupio foram publica-
dos sob o Ululo de processo completo de Mr. de
Pradt.
A declaraco do jury, como em muitos ootros
processos polticos desle genero, foi negativa so-
bre todos os pontos.
Mr. Dupin reprodus em suas Memoria a pero-
^oaooKcTa*
por M. Ca-
jasta, rae produzindo comtudo a ruina da patria
commum, sobre cujos despojos parece querer e-
tabelecer o sea dominio.
Como sao loncos os nomens em sacrificaren)
assim ambicio, sede do mando nma multido
de ioteresses ; o que mais, o saogue generoso
de cidadoa, que devia correr por urna causa mais
nobre 1
Nesse tempo baria oo porto desta bella sultana
do Prala, da rival preferida de Buenos-Ayres, um
grande numero de navios de guerra das and-
onas militares do Brasil, Hespanh, Sardenha,
Franca e Inglaterra, qoe ae balougavam nessas
aguas lo cobicadas; mas to prodigaa de peri-
gos para oa hospedes que recebem em seu dorso
e embalara nos seus momentos de calma.
Estas esquadras, bem que preoecupadas com
os successos da patria respectiva, assistism com-
tudo s peripecias desta longa lula de dez anuos,
que pareca chegar seu termo.
Rosas, o ero dos lempos presentes, via eaca-
par-lhe a presa que j coolava empolgar com
certeza, e multiplicara de eaforgos, para dar mais
certeiro golpe.
Umi mocidade brilhaole, vida de prazexe,
pertencente i flor da sociedade d'aquelles paizes)
formava grande parle da officialidade de lodos es-
tes vasos de guerra, e ao v-la asilar alegre no
molhe Victoria, oa mais intima unio, contrater-
oissndo o brasileiro com o heipanhol, o inglez
com o france/., parecera ser toda descendente da
mesraa na gao.
Em lugar do came nacional, qu deveria na-
turalmente brotar, s s notava nSs jovensof-
ciaes a mais,nabre emmulaeo para apresentar
cala qual sea navio mais lindo, seu trajar e seu:
proeatmaoto mais irrepceheniivel.
O hotel la, Baslie o roal pola miobia, ero-
quaala os escaleees-chegavam par recooduzi-io
i borda, o eatio, ae meio de ama partida de M-
Ihar, o perfumado chocolate, eu da fu macal de
um bom charuto, elles faziam-se uns aos ootros
semi-coofldaiici;;, raUtstram mis I apraziveis
aventuras da vespera.
' Diste modo eram estimados por todas u fami-
Has; querido extremosamente por calas formo-
tai Orientaos, em coja coapaania as boros da
OJrmffo em provincia, de Mr. Joay, o Es-
pelho, redlgido por Mr. (Je'Joy, Arrraot, Du-
pat/e Gosse, foram tambem defendidos por Mr.
Dupio. e todos estes acensado foram absol vid os
cae plau$u em primeira instancia o aobre o
appello.
O poeta Beranger foi temado nissa apoca do
etime de ultrajes aos bons costumes, de offenta
para com a pessoa do rei e de provoca cao ao pu-
blico por um signal exterior de tombaria no
autoruado por lei. O grave e aevero Marchan-
ay deaeovovea com espirito o babilidade o aya-
tema deaecusacio. Mr. Dupio fra encarregalo
da defeza. Beranger s foi condemoado ao me-
nino da pana ; tres mezes de priso e 500 fran-
cos de multa. Mas seraelhantes condemnages
tornavim-sa um triumpho popular para aqualles
a qaem ellas tocavam ; o interesse do publico
para esses proeessos foi tal, que o Sr. presidente
do tribunal de correico e aa dos ceuselheiros
foram obrigados a entrar pela janella pora sala
da audiencia. o proprto' Beranger pot tois qoe1
dlasesse : Eu sou Beranger, sou o roo, aoo o ac*
cusado, tem-se oecesaidade de mira I Teve
mior difficuldade possivel em apparecor aote
seus juizes.
Mr. Dupin tambem foi nearregado de defen-
der o Conatttuctonai o'um processo de tendencia.
e o Jornal dos Debates pelo artigo : Infeliz rei 1
Infeliz Franca!
Mr. Berln pae, foi condemnado em primeira
instancia a seis meses de priso ; mas ante a
corte real foi absolvido aos applausos, bravos e
gritos da multido.
Era por taes ovaces que terminavam ento as
grandes lulas sustentadas pela liberdade da im-
prensa.
Mr. Dupin e lodos os advogados dessa poca
mostrara-se desinteressados para cora os es-
criptores e jornaKstas a qaem foram defender ;
mas estes em reconhecimaoto do que os indem-
nisavam por urna numerosa pubhcidade e perse-
verantes elogios.
Todos os qae souberam, collocar-se em bom
p nos jornaes. d oppoaico conseguirn) sob o
reinado de Luiz XVlil o de Carlos X celebrida-
de, fortuna e fama.
Nao receio dizer aqoi que vi taccederem-se
muitos governos, e jamis vi, que por multipli-
cados processos de imprenst, se chegasse a aug-
mentar as forcas cooservadoraa, a dilatar a esla-
bilidade dos governos antigos ou novos. Entre-
tanto aa leis sobre ou contra i m prensa no f-
zem falla em nossos cdigos; porm as penas
muito severas no So impostas, e as ligeiras
aproreitam aos joroses em vez de prejudica-los.
Quer por arestos muito austeros, quer por penas
quasi lucrativas, nos muito numerosos processos
de im prensa, os governos dispendem inullimente,
e at acabam por consumir seu capital depopu-
laridade e poder.
Quando se tem experimentado em urna granle
escala os amores proprios, as vadades, as sus-
ceptibilidades e as ambicoes dos artistas, poetas,
oradores, at doa partido e dos homens de es-
tado, todos to irritaveis e iradveis ao menor ata-
que d'um jornal, comoadmirar-se que os gover-
nos que tem o dever de se fazer respeitar a lei
e defender a sociedade, se tenham sempre pre-
oceupado da polica da imprensa, e se tenham
defendido contra o poder dos jornaes, to peri-
goso quando, apoiados por facedea, pregara a des-
ordena e a coospiracSo ?
O numero de cansas civis as quaes advogou
Mr. Dupio, ou foi consultado considerare!.
Em 1830 se elevava mais de quatro mil. Que
carreira de advogado foi mais completa I Nesse
trabalbo assidao Mr. Dupin achou a considerado,
a importaocia, a eslima publica e urna vida feliz.
Elle advogou pela execuco do testamento de
Luiz Felippe, morto em luglaterra; advogra
pelos executores testamentarios de Napoleo,
morto em Santa Heleno.
Advogra pelo apaoagio do duque d'Orleana em
1818 ; foi nearregado de concluir em 18*1 o
apanagio de duque de Ghambord. Suum cui-
que Forum etjus.
Em um dos seus ltimos testamentos o rei Luiz
Felippe nomeou Mr. Dupin um dos seus execu-
tores testamentarios, c Alegro-ae muito, disse
a raiohi Amelia a Mr. Dupin, em vos traosmittir
as palavras que mea mallo amado e venerado rei
rfi^ .m*era 25 ta se aproximar o termo de tua vida. E Mr.
Dupin publica a facsmile das ultimas palavras
de Luiz Felippe.
Rogo que a rainha e meus filhos dem de
minha parte urna lembranca ao presidente Du-
pin, como testemunho de minha amizade por
elle
Assigoado rom mo trmula. Luiz Felippe. >
Alguos lempos depois o duque de Montmo-
reney remetteu M. Dupin da parle da rainha e
de seus Qlhos tres retrato em porcellaoa, repre-
sentando o rei, a rainha e a princeza Adelaide,
cora esta inacripeo em baixo de cada um delles :
lEaBRANCA ASS1C5A0A. PELO REI LlZ FBLIPE
a' M. Dupin pae.1850.
III
CARREIRA poltica.
Lembrancas parlamentares.
A carreira poltica d M. Dupin comecou em
1815; foi eleito ooa Cem-Dias representante do
Chteau-Chinon. Advogra em 1809 urna gran-
de causa ante o tribunal desse districto : e ahi
deixara lembrangas e alguns amigos. M. Dupio,
representante, pediu logo, que o juramento s
podesse ser exigido por meio de urna lei.
Era 8 de juoho, um de seus collegas, tendo
proposlo conferir Napoleo I o titulo e Salva-
dor da patria, M. Dupio o releve por meio desta
phrase : c Esperae^que elle a salve l
Depois dos Cem-Dias, M. de Serr, ento guar-
da de-sedas-, fez M. Dupin brilhantea offereci-
roentos : sub-secretario de estado da justica com
o titulo de referendario, e em pouco lempo o de
conselheiro de estado, com o ordenado de 40.000
francos e morada na chancellara. A' conselbos
de seu pae M. Dupin recusou.
Era 1827, o aotigo representante de Chatean-
Cbinon attingiu a edade de quarenta annos ; foi
eleito deputado pelo districto de Mamers; mas,
loo do sido a cmara diasolvida por um decreto
de 5 de novembro, aa eleicoes geraes tiveram lu-
gar em 18 deste mez. M. Dupio, desta vez, toi
eleito no s palo districto de Ma_
bem.pelos quatro diatrictee da Ni*
em dous collegio oieMaraaa. Bita
paiz natal. Foi Msaetituidoi M
millo Prier, irmo da Carfanlro
ministrlo interior, foi U*o*wm%ff*n^
que de cholera ; o ral preprn AM; Dupin para
substituir M. i MoMivute^nKio da im-
trueco publica e dos cultos, passando o ultimo
para o do interior. M. Dupin recusou.
Ero l d'abril, o almirante de. gagriy vem aa-
nuocaar M. Bupio qae o rei Im onVece oe sel-
lo : mesma recusa. Depois da morle de Ca-
simiro Prier. havia aioda mjoutros, mas oo
ministerio. Todas as tentativas feitas em abril e
majo, e continuadas em setembro, s polem ser
consideradas como urna nica e mesma crise,
que s lermioou pala formaco definitiva do mi-
nisterio de 11 de outubro.
Duraote toda esta crise, o rei e oa homens in-
fluentes d'eo to Qzeram ssmais instantes sollici-
tacoes i M. Dupio para que acceitasse ma pasta.
Emflm, o celebre ministerio de 11 de outubro foi
constituido sem H. Dupio, a aeu pae lhe escrevia
ento ; c Seja Deua lonvado 1 Acaba, .meu ami-
go, de aliviar-me de moitaes inquielacoe, re-
cusando definitivamente o ministerio.
Na abertura dasesso, era 1832, M. Dupio, de-
pois de ter sido por tres vetes vice-presidenle da
caraira, foi eleito presidente no primeiro torno
de escrutinio por 236 votos sobre 378. Lafilte
pode obter 188.
Duraote todo o decurso da esies, que era
de doua mezes e mais, de 1832 18*0, lodos os
dias o presidente, M. Dupin. dava um jantar de
45 coberlas ; i noite os sales eslavam abertos,
como hoje, aoa mambros das duas cmaras, aos
funedonarios publico, e todas a notabili Jadea
com as quaes o presidente tinha relacoes.
Dava dous graades bailes por sesso. A' ex-
cepeo de cinco ou seis membros do extremo es-
querdo, quem nunca convidara, e que de mais
oo lhe haviam pago visitas, M. Dupin professa-
va e pralicava a mais inteira abnegadto de espi-
rito de partido. O palacio d presidencia era um
terreno neutro.
Em 1832, o desembarque di Sr. duqueza de
Berry oas costas de Fraoga, sua presenge *
Vende inquietaran! o goveroo ; rouitas petiedes
foram dirigidas cmara dos deputados : uns
queriam que a duqueza fosse inmediatamente
posta em liberdade, outros que fosse conduzida
Pars, e julgada pela cmara dos pares. Pas-
ou-se a ordem do dia para e simplesmenle.
Nessa sesso, M. duque de Broglie foi de opi-
nio que os partidarios da duqueza affluiram por
centenas de milhares em sua passagem, e M.
Thiers, outro ministro, accresceotoa que seria
preciso armar sessenla mil homens para coodu-
zi-la Paria.
Sahindo da sesso, M. Dupin dizia c Deve-se
coovir em que os sessenla mil homena de Thiers
erara muito necessaros para cooler os tresentos
mil homens do duque de Broglie. > M. Dupio
se declara em suas Memorias mais sincero parti-
dario do que oulros que chamaram-lhe com af-
fectaco o governo parlamentar; mas elle se
apressa accrescentar que estes mesmos corrom-
piam o governo pot suas caballas e zombavam o
mais possivel das suasprerogativas. a Presi-
dente e deputado, diz elle, fallei em publico e
oo em aegredo ; meus discursos sao fados : sao
a minha propria pessoa. Sim, M. Dupin, ex-
ceptuando sua voz sonora e metlica, aceeotuada
e forte; exceptuando essi physiooomia austera,
enrgica, de olhar penetrante e altivo : M. Du-
pio mostrou sempre firmeza eotre as rebellioes e
os rebeldes.
..*.
01
I*' .
U,cosiatis aaa 4o darJ
iff'tnarla L,
Anda qe*dta#otea* de t
mais altarpfijcoa* formava
sen tranMatsbmeote.
Elle um dia at chegoo a perder a
Ma em que foi toreado a aaeeilar o rntaiili lie >
dotoarfi 4M44>, M. TkUm, PrmU**U *
eosuelko.
M. Thier, como sabido, liana iavestedtaaata
doutrina : O rei reina < nao aaraM. Illa iaa-
pirava um til terror oo castetlo, um
mioisterio de 13 de maio de 1S38,
pois de urna rebelt, foi iascripta aoaa saai
oome no Monitor, aa amas doa masas eria-
cipes o das pequeas prioeexas da familia ato Or-
leam, por oeemio da visita do medica, ama-
migo, M. Blicnhe, diiMrm-4ne:
Ah I doutor, vamoa hoja mallo nem : M
Thiers oo ministro I
Coava dizer que De pin daitava
ama appareocia da deseolere
teriaes. Elle sem duvida liaba I
gredo. A cadeira da praridancla. em q cato aa
julgara fizo, oo era mais olida do qae av-
enlo do ministro f
Assisti a essas omedias da palada a ato i
te como philosopho. aldeio, aa to
mas de Morrao, como duque
guez.burguez da eaneca at oap(e tota ato-
gio). burguez de cosame, caltivada, ato "
simple e severo*, pareeda sanie a Bacana i
esses magistrados da anliga lempira, tan vi
raveii quinto sabios.
Mootesquion disse de Cicero : c Granee
ma, porm que foi algurna vezas frmem.
possivel que M. Dupio, om aaa la
poltica, no tenha tido tambem, como filia
algumaa fraquezai.
Aquelle que no lem peceaa lhe ante amri-
metro pedra.
L. Veros, deputado do corpa rYffrfafisi.
{Monde.Andrea* Luna.)
" I
o erna antana-
Variedades.
MONUMENTO AO lEI-SOLDADO.
O navio franeez Reine du- Monde,.
ceber a seu nordo no Havre, para
Rio de Jcneiro, a colloual estatua o qnaaira. a
pedestal do monumeoto do imperador D.
I do Brasil e IV de Portugal. Todna atea aa
mea volames vieram do pelado da iipnstrle i
Bellas-Artes dos Campos Elysnaa. Oaarw i
vioa vo seguir este, levando na ootraa i
que devem completar aata notavel tr
esculpturi. O carregment completo deve nr-
gar por 250 metros cbicos da bn
O eminente artista a quem (ni contada a i
cugo d'este monumeoto, Mr. Lois Rncant, tea-
ciona egualmente partir para a Bin de Janeiro,
levando comsigo ama numerosa rmpannl ae
operarios, que o devem ajudar a acabar ali a a
elevar este gigantesco monumento, qua nao aa-
contra egaal na Europa.
noite voavam nestas agradaveis tertulias, que
sao a alma, a animago das fras noites do inver-
n neila afortunada regio.
No havia tambem eatacao naval maia desejada
pelo* officiaes de marinha do que a do Bio da
Prala : elles all eocootravam urna sociedade que
tinha oa maiorea encantas, para quem sent naa
veas referrer-lhe o sogue da mocidade, e passa
o melhor de sua vida no meio do ocano, ac*
brochado de fadigas e cercado de perigo.
Entre o navios de guerra franoesai um havia
todo pintado de negro, com apena alguos filetes
de um verde escuro oa popa, qae logo chama va a
alteogao pelo aeu ar severo e marcial; maa o
mesmo tempo elegante. Ao olhar exerdtado de
um homem do mar, qae nunca se engaa, elle
revellava logo que era comraandado por" um offl-
cial de marinha, que entenda perfeitamente de
sua prn&teo, e que mantinha o aeu navio no
mais conveniente estado.
Com effeilo, suas vergas bem direitas, seus ca-
bos lesos, panno bem forrado, suas macas arru-
madas na melhor ordem, como om colar de pa-
rolas em torno do gentil eolio de ama moga ve-
lida de negro, aua flmula e baodeira. disparadas
ao vento, portiohola hortseolodad, ludo indicara
que um Mame ioielligepte, matfadico o vigilan-
te, presidia todas as disposicoes; que urna von-
tade firme e dedicada anima va esta machina de
guerra. E assim era.
Este brigoe chamara-ie arufbur, e tinha seis
esnhoes por banda : quem no se recordar an-
da dalle oo Rio da PraU f qaddembssos officiaes
que all o viu neasa quadra, o equeceu?
Seu commatdnle era o capito da fragata Al-
fredo de Horran, descendente de ama nobre. maa
pobre familia breta.que quasi toda ta havia da-
4W W '>* Cornac.- Eraam homam
nimiamente dpaixonado por aaa profitao, e que
amara aeu bivio com aata amor aiogular, ouj.
ongem aioda nioguem no mando pdde desoorti-
jur.aqnapor mpito lampo sari para oi um
ficto oexplicarel, mas ocooteatavelmeote rail.
Todoa aeu. cuidados, pou, al hora e que
comecou a historia tocante que vetaos refer aos
oossos leiterM, ae raoirtUm eom seu bivio, e
con iu boa mi, sceLleaU aaohon, i quem
Desde 1848, desde o fim do governo parlamen-
tar que degenerara em banquetes, e que teve por
desfecho urna revoluco, tem-se estudado com
mais oa menos imparcialidade e justiga o gover-
no de julho, tem-se descoberto essas intrigas de
corredor, essas lulas excessivas contra o poder
real para conquistas de pastas.
Mr. Dupin. em suas Memorias, nos mostra o
goveroo parlamentar levando suaa intrigas al o
palacio das Tuileiries, contrariando o rei at em
seu gabinete, isolando e coodemnando-o inca-
pacidade durante as crises ninislerlaes.
Que comedias que chaos nesses dias de crise I
Que idas e rindas I Que bilhetinhos a todos es-
ses que se sabaram de alguma acgo sobre a
maioria e at a essas individualidades despresi-
veis que tinham a audacia de se locupletarem !
Qae entre-vistas pela manha, tarde e at
noute I Os soccorros do campo eslavam fracos.
Tudo se tinha previsto : este sahia por urna
porta particular, para nio eocontrar-se com a-
quelle que devia entrar a urna hora ajustada. O
re so presava as conversagea de hornera para
homem ; com sua habilidade de obserrago e pe-
rspicacia, que ia sempre ao fundo doa co-
ragoes e das cousas, quera cootessar cada um
era particular. M. Dupio prefera deliberagea
em commum : solar assim as pessoas, diz elle,
no era o meio de reuni-las.
Todas as vises ministeriaes offareciam as mes-
mas scenas, e laziam passar dante do rei os
mesmos actores.
M. Dupin, sem ostentar a prelengo de fazer
retratos, todavia d o esbogo de alguns desses
homens polticos, canditados nascidospara todas
as mudaogas de gabinete.
Principia pelo velho marechal Soull, corlezo
incansavel, sempre aolado do rei, e recrutando
por toda a parle collegas, tendo sempre em sua
algibeira urna lista prompla, masexcluindo para
sempre dellas M. Thiers que, como Alexandre
corpo re parvus erat, dizia: a Ha um abysmo
entre mira e este pequeo homeui
Depois tratoa do misterioso M. Passy tremen-
do por ouvir M. Sauzet dizer em voz alta : Esta-
mos prestes a entrar sem M. Thiers e poodo-
lbe ento dous dedos nos labios. M. Passy, qae
esperava tudo conciliar, e chegar ao Dm de tudo
para maior triumpho do tercelro partido. N'uma
crise em que este phantasma de-partido teve al-
gumas probabilidades de ser bem succedido, e o
foi por am moar nio : Palet i muito incerto,
tina elle, mae irei ter eom Mina. Pelet que ae-
cxdi-lo-ha. > As propriis malberes tambem
nesses dial representaran) sea papel.
O aloquen te e espirituoso M. Thiers presuma
que, para formar um gabinete, no tinha neces-
sidade de pessoa alguma. Posso passar sem
lodo o mundo, pensara elle, a no se pode pas-
sar sem mim. Quando faltavam-lhe nomes
langava mo mui aimplesmente do Almanak
real para nelle procurar e encontrar collegas.
O rei na meio de tantos lagos, llogimentos e
astucias, guardara tambem seu segredo ; conta-
ra, por assim dizer, nos dedos todos os partidos,
elle renda um culto quasi religioso, e que o es-
perava todos os dias em urna das praias da Bre-
tanha ; por que o aeu tempo de eatacio na Ame-
rica estava lermioar.
De Morrao tinha somonte 35 annos de edade :
alto, bem feito, de ama constituigo robusta, e de
am rosto sympstbico pela franqueza e aincerida-
de que nelle se lia, era homem que agradara lo-
go primeira impresso ; depois. sua conversa-
gao amena, sea olhar vivo, lmpido e expressiro
mais prenda a attenco, e elle dentro em pouco
adquira n amizade das pessoas em cujo circule
era admittido.
Tinha momentos de grave melaocholia, qae
ninguem poda comprehender, nem explicar;
por qae elle era feliz, e no havia at ento aof-
frido reveses ; mas era proveniente isso de seu
carcter aammsmente impressiooavel e recto.
A' esta alma fundida para aa docuras do lar
domestico (altara alguma cousa, que ella no po-
da devinhar o que era.
Esta circumstaocia do carcter deste official
maia atarease indlava aeu favor, o le elle oo
fra maia do que modesto, ae teria apercebido
doa seolimeotos temo que maia da urna linda
aenhorita lhe consagrara no corago.
Mas de Moran ara incapaz de comprehender
om galanteror trb-itfstetrtif feste loroeios de
amor, to chotos da aeduccoes e di perigos ; e
nunca tranapunha os limites da maia aparada po-
lidez.
Quantaa vezes no recebera elle nana flor com
manifest iprenge le saa doadora de pateotear-
lhe o estado de aeu corgo, pela aigoificaco que
se lhe empreiliT, o disiimulara com orna
irigenuidado admirare! o effeilo do golpe que Iba
Tinh*. porlanto, o corelo altioto vlftem ; -
inda no havia loado tu* hora de amar, e todoa
Jrs& &?$&o oi&e^o p;s
dominivi, 4 saudade de w tile, que o pun-
g. *M
Alm datdhrtraoc*o, o da que anua trabalhoi
lhe eooeediam, 16 chin prazK ov cuidar de
alguos passarinhas, cujas gaiolas se viam de-
penduradas na cmara, e qae com seus trinados e
gorgeios lhe daram verdadeira e placida felici-
dade.
E' intil accrescentar que de Morran era esti-
mado por seus carneradas, e mui amado por seus
marmneiros. Uns e outros riviam satiafeiton sob
seucommindo* por que sabiam por experiencia
qoe elle era justo, bravo e perfeilo homem do
mar.
II
Quantss vezes um .insignificante successo nao
tem em nossa vida urna Influencia decisiva, que
logo no Ibe recoohecmus f
Entre factos nos quaes no parece existir liga-
gao alguma, ha em certas circumstaocias urna
aniso intima, que s mui tarde se nos revela.
E assim que, em quanto de Morran psseia-
va oa tolda de leu brigue ii 10 horas da ma-
nna do da 15 de juobo, observando com um
orgulno e satisfago interior mui juslificavel o
aceio e ordem que reinara por toda a parte ; o
movimento methodico de sua guarnige, o pen-
sara na probabilidade de reuresasr em breve i
esta Franga, que deixava tranquilla e orescenle
db o governo do Napoleo da paz, e qae agora
experlmentavo.de novo os desatinos .da republi
ca, que a iam
mirante la P|
Imma4tJtt^H
ese dirlgiu pata ba
ordem para seguir _
Ayres, ala da otca
to potase faita slmwtai
lo4 fes a fragata al-
buIm:
elle aMoar a ca,
f#l^.'.'*ade recebeu
Jeguinie para Bueooa
no btoqoeio d'aquel-
--------------jente pdis torgas na-
wea da Frarma akMblaVerra. 'W eraa fti
mtit+rasuuvtevot^tf^peritttu fa
"JJS^aaai iPnlaatig^r am sarvigos' naa a vista, m
JflH ^-Wt***. a at no comal- taaU. aductor.
(aa-dMal lbe Tubera ""
LONGO QUABTO DE SENTINELLA.
Em 1807 o marechal Davooat occapava
parte da Pomertoia at a ilha da
colloeara um destacameoto. Bata r
de evacuar a ilha, e retirando e
deixou ali, por esquecimenlo, ama i
O pobre soldado fartoa-se de pastear par
horai, at que perdendo a paciendo, i
corpo da guarda ; acbou-o deserta, na
maradas haviam embarcado, a o misen
se s, ficou iocoosolsvel, porque, alm ao i
dono, receou ser considerado daeerlaff aa aaa
regiment.
Foi para cidade, e coatoa a aaa biatoria a am
homem honrado, qae o coosnlen o n
seu servigo. Com o lempa eatrdUraa
relagdea, e o aoldado veiu a casar com i
dono da cala.
Decorreram cioco annos. Urna carta msala
appareceu ama frota no canal, n a aalid correa
de que eram oa franeezea qae aportaran ai toa.
Estou perdido I Esclaanr o soldado, va
prender-me como desertor I
Depois acode-lbe nma inspiradlo: Yaato a aaa
uniforme, pega na espingarda, o carra para n pon-
to oode cinco aanos antas os
tinham abindooado.
Oa franeezea desembarcaran!.
Quem vive ? Grita a oldido.
um oflldal Que
Francs ? I reeponde
fazei vos aqui T
Estou de sentinella.
De sentinella I Desde qaaaao f
Desde 1807.
O oflldal flea admirado, aoldado arpiara aa,
e contado o caso ao almirante, asta esa aa gerna-
Ihadas, e mandn im mediatamente pastor
baixa em forma ao noaao hornee
sentinella desde 1807 at 1812.

NEVOEIRO EXTRAORDINARIO.
No dia 28 do mes fiodo boom am Maisataa na
neroeiro de tal ordem, qae os navios anea aa
porto, no podiam fazer manobra alguma. anea-
do tantos, como eram naquella occasta, para
evtarem os abalroameoloa os homens, qoe a di
vara de guarda, precisaran da estar a gritar, a
os com mandantes dos paquetes taziaa oavir a
assobio das machinas de vapor.
Esta sceoa fazia om effeilo fJngalar, o a cen-
tello d'If, ituado como se sabe a'aaa ilha en-
trada do mesmo porto, estava envolvido ea ama
escurdide to profundi, qua a aoaa i
se poda distioguir objecto algara.
Um forte noroeste veio depois levaalar ao i
vens, e restituir a cidede ao san amado
(Jornal do Commereio, ato Parta.)
vergoohosos pracoaceitoe da aa raigo Igaoraats
e fraco.
De Morra o recebeu a noticia desta partida caen
tristeza; dissimuloo, pora, saaa '
quaodo chegou i seu borda, a dea
immediato pan preparar o navio para exacatar
a commiisio na manh seguate, alagasen na-
dera descobrir em sua phisionomia na trata aa
quer destas impreasoea.
Sahir do porto de Montevideo,
marinheiroa eram rocamdcacaaenaaaaoai
toree, para. Meqneiar o de laenaa Ayraa,
tinha, certaaente, de agradavel.
Maa una e ootroe se aaato paaaaraan. am
vam-e coa canteUa de dize-lo.
to do dever, esta grande virtnda
zia calar todas aa nutran ceaeidorecre O s>
predtara d'aqaelle aarvica; ara i amen. Qm
importsvam sacrificio*, a nrivacoaa. aa aa nar-
reapondia ao appello da
ama ordem superior 1
Era assim que
dados no mar e aoa .
dos o delicados nos alona.
Educados ea urna dtadplian______
mesmo forte, por qae se fandava aa
Tet-
gaam fatoava _
oeeeaaara ratventir a______
lata para esto nin aaatir n
para tugir aa aaiaaa danfea braaai aaa aa aaa-
. lator fiarte;'>iW
._ ertaaMIa* qo agora c%
laea quavdo lito Tai d#elrda esta Ordem T :
Foi couta qua 6 mati Urde da Motrab a&de
s&ttwsttemtpssas
da vida, avisa qua, dalxamda aMpparaibian-
meatotoear-oea, eaafiaodo aampra na aeasa baa
Oa idaocoa
cont ; maa naa par _
xo u de fuer-so a anto aa
lhe foca ordenado.
aai.aar a kj
wmmem
ranapr-uea, eaaoinao aampra na naata boa f --^
aitretl, eeacaraago w preasaattmsatqs OaabEFIRN. TYP, DI M.F.MFABA&
:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU865YD4H_PRRN0R INGEST_TIME 2013-04-30T19:49:03Z PACKAGE AA00011611_09819
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES