Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09817


This item is only available as the following downloads:


Full Text

bbbbTJ ^-- ^
illl XIIWI NUIO 241
Per tresMBCzfts idiwUdw ttfOeO
Pf tres MU veicUts 6|000
SEXTA FEIIAI8II 0T0BR0 II ItlI
PraBEtadiutt(U19$O0O
nrtt traiet ari safcscripUr.
tCARRtGADf>S DA bomguvcao do hohtb
Parahiba, o Sr. Antonio Ala xa nd rio da Lima;
N itii. o Sf. Antonio Marques da Silva; Araca-
y., e Sr. A, da Lamas Braga; Cearl o Sr. J. Jos
da Oliveira; Maranho, o-Sr. Manoel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimaraes; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo daCosta.
rAKTlDAtt DOS CUKeUUS.
OUnda todos oo das aa |l/2 horai do da.
IgBarau.Goianna a Parabiba nn egandas
sextas-feiras.
S. Antio.Beierroa, Bonito, Ctraar.AUinho
Garanliana as terces-feires
Pao d'Albo, Nataroth, Liaoeiro.Brejo, Pee-
queira,Ingazeira,Florea,Villa-Bene,Boa-Visto,
Ouncury Pi as quarta(airas.
Cabo.Serlohlem.Rio Formse, Ona.Barreiroa
A|na Preta.Pimenteras a Natal quintas feira
Todo os crrelos partam|as 10 horas damanha*
BIASDASEMlHA*
KPHEMER1DES DO MIZ DK OUTUBRO.
4 La non ag 4 horas a 37 minatos da man-
tarde"0 ,r"CenU "7 horM e i* '*!. S. C
18 Lu chai aa 4 horas a 35
. minatos d tarde.
Cuarto mingwantea7 hora e 35 minutos d
Urda.
PRBAMAR DEHOJE.
Primeiro ss 4 horas a 6 minatos da'manhia.
Segando as 3 hora e 42 mnalo da tarda.
HBTE OFFICIAL.
Ministerio da Caneada.
Peertto n. |,14 da 21 de setembro de 1861.
Determina que a lei n. 1.114 de 27 de setembro
lea **cr-*-da P o exereicio de 1861 a
;?* conlina m rigor no anno Onaoceiro de
1862 a 1863, em quanlo nao for promulgada a
lei do orga ment deste exereicio.
Hei por bem ssneeionar e mandar que se exe-
cute a resoluco aeguiote da auesnbla garal le-
gislativa :
Art. 1. A lei o. 1,114 de 27 de setembro de
1860, decretada para o exereicio de 1861 a 1862
ooniinuar em vigor no aono floaoceiro de 1862
a 1863, em quinto oo for promulgada a lei do
orcamento desse exereicio, coosiderindo-se como
parte da mesma lei as despezaa nao contempla-
das nella, mss autorisadas.por outras leis ante-
riores e posteriores presente ; exceptuaodo-se
os crditos abortos para servigos limitados ao
exereicio da referida lei n. 1,114, os quaes uo
continuarlo alm do seu termo, e modiQcando-
se algunas dassuas disposicoes oa forma dos se-
guiotes paragraphos:
1. Fica revogada a autorsaco coaceiida
pelo 10 do art. 11.
?2. O goveroo desde j autoriaido :
Para P*gr as dividas de exercicioa fiados
liquidadas e as que se liqaidarem no corrate e
futuro exereicio.
2. Para rever o regulameoto do imposto do
sello, mandado executar pelo decreto o. 2,713 de
26 de dezembro de 1860, nao podendo augmen-
tar as laxas era amplia-las a obiectos selle nao
compreheodldos.
3." Para incumbir os escrives do civel, cu-
mulativamente com os labellies de notas e es-
crives dos juizes de paz, sem dependencia de
dretribuicio, de lavrarem as escripturas publicas
de compra e venda de osera vos. Nesle docu-
mento nao ser transcripto por extenso o conhe-
cimento do imposto, declarando-se someote o
seu numero o data, a quantia, e estaco arreca-
dadora.
Art. 2. Fieam revogadas as disposicoes em
contrario.
Jos Maris ds Silva Prannos, do meu coose-
Iho, ministro e secretario de estado dos negocios
da fazenda e presidente do. tribunal do thesouro
nacional, assim o tenha entendido e faca exe-
cntar.
p,lo do Rio de Janeiro, em 21 de setembro
de 1861, 40 da independencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o imperadorJos Maria
da Silva Paranboe.
Registrado no livro do registro dos decretos do
poder legislativo. Secretaria de estado dos ne-
gocios da fazenda, dm 23 de setembro de 1861.
Jos'Francisco de Souza Bracareose.
Franeiico de Paula de Negreiros Sayo Lobato.
Traositou oa chancellara do imperio em 23 de
setembro de 1861.Josino do Nascimento Silva.
Publicado na secretaria de altado dos negocios
da fazenda em 26 de setembro de 1861.Jos
Se venino da Rocha.
Ministerio da jontica.
2 scelo.Ministerio dos oegocios ds Justina.
Rio de Janeiro, 30 de setembro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Levei ao alto coahecimeato de
S. M. o Imperador o officio dessa presidencia, sob
n. 277 e data de 30 de outubro do anno passado,
acompaohsndo por copia um officio em que o
juiz de direito interino da comarca da Impera-
triz consulta a V. Exc. se tioha procedido em re-
gra, ordenando que Joao Jos da Silva Rea e Je-
remas Rodrigues Barbosa nao exercessem o pri-
meiro as funeges de vereador da cmara muni-
cipal de S. Francisco, por ter aquello sido con -
demnado em seu juizo e appellado, e este sido
absolvido pelo jury e tambera appellado ex-officio;
e adeciso dada por V. Exc, approvaodo o pro-
cedimento do referido juiz, porquaato Silva Res
s poda, por se acbar suspenso, exercer ojuiza-
do de paz, no acto da eleico, conforme os arts.
2 e 39 da lei de 19 de agaslo de 1846, e Rodri-
gues Barbosa, embora absolvido, nao poda exer-
cer funcQo alguma, por depeader a absolvigao
de appellagoiaterposta, e istoem vista dos arts.
165 2 do cdigo do processo e 293 do regula-
memo n. 120 de 31 de Janeiro de 1812, e aviso n.
201 de 3 de novembro de 1854. E o mesmo au-
gusto aenhor houve por bem, por sus imperial e
immediata resoluco de 9 de fevereiro ultimo,
lomada sobre consulta da secgo do imperio do
conselho de estado, approvar a resoluco dessa
presidencia, conforme me foi cora momeado pelo
ministerio do imperio, ao quil V. Exc. tambera
se havis dirigido.
Deua guarde a V. ExcFrancisco de Paula de
Negreiros Sayo Lobato.Sr. presidente da pro-
vincia do Cear.
2* seceo.Ministerio dos negocios da justiga.
Rio de Janeiro, 27 de aetembro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Teoho consaltado a essa pre-
sidencia o segundo supplente do juiz manicipal
e de orpbos do termo de Simio Das se a deci-
sio do aviso n. 115 de 15 de margo de 1856, que
trata do pagamento de cusas nos procesaos cri-
mes instaurados ex-oflicio, applicavel ou nao
aos procesaos crimes promovidos por qualquer
outrs parte queixosa que nao a justiga ; e lendo
V. Etc. respondido, como o participou em officio
de 28 de maio ultimo, sob n. 105, que o aviso em
qaestao, embora falle de procesaos instaurados
ex-offccio, eslabeleceu cocotudo como regra inva-
riavel que o pagamento das cusa nos proesssos
crimes s se pode considerar devido quando taes
procesaos hoaverem obtido senleng final e irre-
vogavel; e que a razio nao foi oatra, como ae v
expresso oo dito aviso, senio porque a proouocia,
anda que sustentada, podia flesr infirmada pela
decisao do jury, rasio que igualmente se di
nos procesaos crimes, onda nao a justiga, mas
um particular o aecusador, segatodo-seque a dis-
posigao do aviso pode ser applicada a todos os
processos, anda que alo ex-oflicio, por isso que
oode ss di a mesma ratio so di a mesma dispo-
sigo ; eibe-me commonicar a V. Bio. que, ten-
do apresentado i altt considerar; de S. M. o
imperador a solugo dessa presidencia, houve 0
mesmo augusto senhor por bem approva*la.
Deas guarde a V. ExcFrancisco da Paula de
Negreiros 8*yio Lobato.Sr. presidente da pro-
vincia de Sergipe.
GOVBRNO DA PROVINCIA.
expediente do da 16 de outubro
de 18C1.
Officio a Exm. visconde da Boa-Vista, vice-
presidente do directorio do Instituto agrcola.
Participo f. Esc, para aeu conhecimento que
por decreto de 18 da setembro ultimo me foi con-
ferida a oomeacao da presidente do imperial ins-
tlalo de agricultura.
Dita ao Exm. presidente do Maranhio.Accu-
so recabido o officio que V. Exc me dirigi em
5 do correte commuoicando-me os nomes dos
cidsdiospor V. Exc nomeadoa para a commissao
qaa tem de cooaliair neis provincia o centro de
direccio doa productos agrcolas destioados a ex-
posicao, correspondente coa' ss commisses
araea daa provincias, oode aa toas da abrir a
referida exposi;ao.
Dato m otoal commaadsde das armas.Que-
ra V. S. maodar per a disposicio do Dr. chefe
de polica no dia 19 deste mes a torca que for
precisa para escoltar os sentenciados ao presidio
de Fernando.Commuoicou-se ao chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Transmillo I V. S., para le-
rem o conveniente destino, as relacoes de alte-
racoes occolrioaa com diflerentes militares dos
corpos em guarnirlo nesla provincia indicados
em a nota constante da copia junta.
Dito ao mesmo.Tendo-me o Exm. Sr. mi-
nutro da guerra communicado em aviao de 26 de
setembro ultimo que uessa data expedir ordem
para o alferes do 8* batalhao de infanlaria Pedro
de Alcntara Tiberio Capistrano continuar na
commissao em que se acha na provincia da Ba-
ha ; assim o fajo constar I V. S. para sea co-
nhecimento.
Dito ao mesmo.Passo as maos de V. S., pa-
ra ter o conveniente destino a certido dos as-
seutamenlos do lenle do 1 batalhao de infan-
tera Joaquim Rodrigues de Souza, que perteo-
ceu ao batalhao de catadores da proviocia de
Matto Grosso.
Dito ao mesmo.Sir* um official para levar dinheiro ao major com-
mandanle do corpo de guarnidlo desta provincia
e ao collector da villa do Ouricury, a Um de oc-
correr s despezaa a fazer-se com elle, devendo
o referido official aeguir viagem por Buique, a
flm de entregar na respectiva collectoria a som-
ma, que psra all tem de remellar a thesouraria
de fazenda, destioada a supprir as despezaa com
a forrea destacada n'aquelle termo.
Dito ao ehefede polica.Ao officio de V. S.
o. 944, de 24 de setembro ollimo com referencia
so destacamento do termo de Santo Antao, res-
pondo dizendo-lhe que em 3 do correte, msn-
dei destacar all seis pracas do corpo de polica
commandas porum inferior.
Dito ao mesmo. Tomando na devlda consi-
deragao, o que V. S. expdz em seu officio de 7
do correnlo sob n. 1007, a que veto aaoexo o or-
gamento da pintura de que precisa a casa de de-
tengao acabo de recommendar ao inspector da
thesouraria provincial que faga entregar ao admi-
"'"dor d'aquelle eatabelecimento a quantia de
739S920 ris, em que importa o mencionado or-
gamenio, e bem assim ao director da repartigo
das obras publicas par maodar armar os neces-
sarios andames, a flm de que possa ter lugar essa
pintura. Fez-se o demais expedieote oeces-
sario.
Dito ao eapitao do porto. Mande V. S. por
em Iiberdade o recruta Antonio Bernardo Vieira
que provou isengao legal.
Dilo ao commandante da estagao naval.At-
iento o que V. S. expoz em aeu officio de 16 do
corrente teoho a recommeodar-lhe a expedigo
das convenientea ordens para que o brigue bar-
c* HamaracA siga para o presidio de Fernando
al o dia 19 do correte, levando os officiaes,
empregados.;familiase sentenciados, ficando dis-
pensado dessa commisses o brigue escuna Fi-
delidade, visto nao ler a capacidade precisa para
transportar as familias e o grande numero de
sentenciadoa destinados ao mesmo presidio.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
naja V. S. de habilitar-ma com a ana informa-
gao d modo a poder aalisfazer o que exige o
Exc. Sr. mioistro di agricultura, commercio e
obras publicas oo aviso consta ole da copia junta
com referencia ao incluso] requsrimento do ge-
rente da compauhia pernambucans.
Dito ao mesmo.Estsndo nos termos legaes a
inclusa conla em duplcala mande V. S. pagar
a Loureogo Puggi a quaulia de 15J, por deser-
mar e armar os corlioados das janellas do pala-
cio da presidencia para o cortejo no dia 7 de se-
tembro ultimo.
Dilo ao mesmo.A'
coronel commandale
1* Teree, s. Thereza de Jess t. c. fandadora.
18 Quarta. S. Martiniano m.; S. Gallo ab.
17 Quinta. S. Eduviges viuva dnqaeza.
18 Sexta. S. Lacas Evangelista; S. Trifona m.
19 Sebbado. 8. Pedro de Alcntara f.
]20 Domingo. S. Joao Cancio adrogado.
UO XHliHjhAfcb DA CAPITAL?
Tribunal do eommereio ; segnndaa a quinta.
Relagao:torgas, quintas e aabbados aslOhoras
Fazenda: torgas, qnintase sabbados as 10horas.
Juizo do commercio: quarta ao mel di:
Dito de orphaoa: torgas e sextas es 10 horas.
Primeira Tara do ai val: tergae .xtas.o meio
Segunda
he
r a d a'uJdV-1! *"*** ,*bfcdo '
ENCARRECADOS DA8UB8CR1PCAO DO SUL
Alagoaa. o Sr. Clandino Faleo Das Bahl
Sr. Joa Martina Alva.; Wo it Jia-r
Joao Paraira Martine.
EM PERNAMBUCO.
Os propriataries do DIARIO Maneal Figneiroa
de Paria & Filho, na sea livrsris praga da Inde-
pendencia ns. 6 e 8.
psz da sobredita povoago da Pedra e parta do de
Tari, dividindo pela estrada que vem de Gara-
nhuns para Tari at a fazenda de Panellas, e dahi
a encootrar com a estrada da referida povoacio
da Padra. *
Despachos do da IS de outubro
del86l.
Requerimentos.
Henrques Jos Vieira da Silva.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joao Evaogeliata de Jess.Ioorme o S>. Dr.
chefe de polica.
Joanna Baptista Pereira de Lagos.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Jos Maria Carneiro de Lacerda.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Joio Carlos Vidal.Informe o Sr. inspector do
araeoal de marinba.
Lourengo Pugi.Dirija-se i thesouraria de fa-
zenda.
Rufino Marques de Castro.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Vicente Ferreira da Porciuncula.Passe por-
tarla concedendo a liceuga pedida aem veoci-
ment03.
EXTERIOR.
vista do que requisitou o
das armaa em officio de 14
do correte recommeodo V. S. que mande en-
tregar ao commandante interino da companhia
m ^",all!,ria 2:250|000 para effectuar a com-
pra de 17 cavallos, que sao para remonta da res-
pectiva cavalhada.
Dito ao inspector ds thesouraria provincial.
Transmillo i V. S. o incluso requerimento do
professor publico da freguezia de S. Jos desta
capital Joaquim Antonio de Castro Nones relati-
vamente ao aluguel da casa em que funeciona a
aua aula, afim de que alteada ao supplicaote i
vista da ioformaco junta por copia ministrada
pelo director geral da mstruegio publica em 6 de
setembro ultimo, sob o. 275.
Dilo ao mesmo.Respoodeodo o officio de 9
de setembro ultimo, sob a. 440, com que V. S.
trouxe a meu conhecimento a relagao daa casas
perteocentes ao patrimonio dos orphaoa e cujos
alaguis deixaram de aer arrematados por falta
de licitantes, lenho a dizer que qusnto aotes tor-
ne effeclivo peles meios competentes o despejo
dos iaquilioos de taes casas, e logo depois de ter
isio lugar, d seleocia a eata preaideocia para re-
solver os noros cootratos.
Dito ao conselho administrativo.Recommeo-
do ao conselho admioistrativo que noa termos do
regulamento de 14 de dezembro de 1852, compre
para a pharmacia ds enfermara militar do Rio
Grande do Norte os medicamentos e mais objec-
tos mencionados na relagao junta.communicou-
ae ao Exm. presidente daqMella proviocia e i the-
souraria de fazenda.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do. Recebi o seu officio de n. 73 e data de 13
de agosto ultimo, e teoho a dizer-lhe em respos-
ta que approno deliberago, que Vmc tomou,
de mandar appreheadera distribuir em rac&o pe-
los sentenciados nos diaa chnvosos, 40 % caca-
das de agurdente, que estarn exposta i veoda
oesse presidio.
Dilo ao theaoareiro daa lotera.Remetta-me
Vmc urna nota de todas as loteras concedidas
pela assembla legislativa provincial com delibe-
rago daa que ji foram extrabidaa no todo ou em
parte.
Dito ao juiz manicipal da primeira vara desta
cidade. Traosmilto por copia i Vmc. para ler
execugao na parle que lhe toca o decreto de 2 do
corrente pelo qual S. M. o Imperador houve por
bem perdoar a Fraocisca Matia de Jess o resto
do lempo que lhe falta para camprir a pena de
20 anno de priao a que foi coodemnida pelo
jury do termo de Cimbres.Communicou-se ao
respectivo juiz de direito.
Dito ao inspector da aade do porto.Para que
eu possa resolver acerca da materia de que traa
o aeu officio de 4 do corrente mistr que Vmc.
declare se a lancha qu* barra tora faz aa visitas
das embarcagoes por parte deasa repartigo a
mesma emprogada oo aervigo dentro do porto, ea
que allude o final de aeu citado officio.
Dilo ao vigrio de S. Pedro Marlyr de Olioda.
Pan podar deliberar icerca do que Vmc. ezpoe
em aeu officio de 12 do correle, cumpre que me
remella urna exposigo minuciosa das obras dessa
matriz com declaragin do que se tem feilo, do
que resla fazea, e da applicagao que leve o pro-
ducto da ultima lotera, devendo a mesma expo-
aigo vir acompaokada da um orgamelo deta-
Inado daa deapeaa que aioda ae toroam neces-
aaciaa.
Portara.0 presdanla da provincia, confor-
m"5R?""* j #repeata dp chefe de polica,
n. 879, de 6 de setembro prximo Sudo, reeolve
crear um districto de subdelegada de polica no
termo do Buique, toado par ede a povoacio da
Pedra e Taricem e denominadlo de diatricto
da Pedra, que comprehenderi todo o diatricto de
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAUBUCO.
PAB1S.
*3 de setembro.
A poltica europea passa em lodos os paizes por
m periodo de paralisagio, ao menos no que diz
respeilo aos factos; e por um pheoomeno quasi
universal a opiniao publica excitada ao ultimo
ponto, v-se hoje condemnsda a nutrir-se de no-
ticias duvidosas e contradictorias. Ne*te tempo
de supposigoes altribuem ao governo na Fraoga
ideas pouco liberaos sobre a publicagao das obras
impressas. etc.: parece que ha em geral como
que um refluxo contra a iniciativa, que foi no ex-
terior demoustrada pela guerra da Italia, e oo
h ar2np famo, decreto de 24 de novembro
de 18oO.
Ao passo que a Italia conla com a aua nnifica-
gao, oi poye francez tem anda muito que esperar
a Iiberdade do suffragio univeraal empenhada
nos limites prefecloraes, a liberdade da imprensa
impedida pela tutella administrativa, a liberdade
individual que constilue a da commnna, emfim a
dissolugao do corpo legislativo, e a opiniao do
paz alta e livremente consultada.
E' verdade que as cousas assim devea mar-
char; e o goveroo, que ae proclam* testados
negocios democrticos, nao tem querido admittir
pticamente esta verdade: que a democracia
o desenvolvimeolo social e a participagao de to-
dos vida uiellectual e moral, a coopartc j de
lodos para o progreaso geral.
Em Paria falla-se muito que a convocago daa
caanra ter liagar em fina da dezembro em vai
de aer aa mez de fevereire : e que a vista dessa
abertura intempestiva da eeaso parlamentar o
conaelho do Estado oceupava-se desde j, e ape-
52i feria*' eo> Preparar o orga ment para
l0J ; oulro sim, que o imperador decidira que
de ora em dianle aa leis sobre fioaogas senara
discutidla no corpo legislativo immediatamente
depois da resposta i falla do throno.
Tatnbem espalhou-se o boato de que o celebre
economista Miguel Chevaller. lomar coala da
pasta da agricultura, commercio a obras publicas
no primeiro de outubro prximo vindouro, dia
em que comegari a ter pleoa elecagao o tratado
commercial com a Inglaterra.
Monsieur Miguel Chevalier um dos mala for-
tes partidarios da permuta livre, e um dos auto-
res do tratado anglo-fraocez : ir pois como mi-
nistro defender a sua obra contra os iodustriaes
francezea que esperam anulosamente os eileitos
da oova regulago das relagea iodustriaes e
commerciaes da Fraoga com a Inglaterra. O
mesmo acontece qusnto ao tratado franco-belga.
A entrevista de Napoleao III com Guilhermo I
vai definitivamente determinar o tratado de com-
mercio franco-prussiaoo.
Cooclue-se agora tambem um oulro tratado
commercial franco-italiano sob basesinleiramen-
te reciprocas: para a Italia moderna este um
oovo peohor de sua apparigio oo numero das
principaes nsges.
"Jjjra em Londres a exposigio universal
>2; haveri grande iaieresse em moslrar-se
cooperar com o chefe espiritual psra a salva-
flri*' ?upa." a Ti#,,n* dos ioteresses da ro-
tigiao catholica.
.^f^ PVte d* cdade et9rna' ser designada, aua santtdade seri considerado o
fhi!.0.'.'!?18 e?Pirilual ** odas as potencias
" "? C,J^d0 "oierso. e gozsri das immunida-
'bu'da, os oulapa soberanos taes como-
Sa'noi'i ." d0 '"rit>o. jurisdiccio in-
dependenie, etc., etc.
lhm.aim'.,.err' Ta,0r. de utn 'dadeiro
Sr \ ce f0Ma r9Pellld- o governo it.-
liano faria Europa um supremo appello. dan-
do.4 siber ao catholicismo amaneira porque
julgaque pode estabelecer aa relagdes da naci
italiana com o papa.
Para o birio Ricasoli praticir deste modo
oreeocher um dever, arredar a queslao do ter-
reno vago de certas negociagoes diplomaticaa ;
etinalmente levar a Europa ao extremo (de pro-
nuaciar-se.e decidir se as garantas offerecida
sao aufficientea para acabar com os receios chi-
mericos.
O procedimeoto tao iodepeodeotemeote do
successor do conde de Cavour nao tem agradado
muito a Napoleao III, ao menoa por emqaaolo:
existe como que urna pequea desconfianga as
relagoes do oovo reino da Italia com o imperio
rrancez ; o principal motivo foi a falta de com-
municagao anleeipada sobre a circular tao discu-
tida. Mostrou-sequea misso de M. Benedetii
enviado da Franga emTurio, nao teve por flm
especial a evacuago de Roma, e que a sua eata-
da deve prolongar-se indefinidamente. ,
Ao passo que M. B-snedetti se mostra dvjuco
satisfeito com a altitude do chefe do
llano, a preseoga obstinada da ar
as aguas de pales um motivo de i
apprehenges politices. Alguns echos da ppi-
aiio publica concluv>m que M. Ricasoli, perden-
do as esperangas de entender-se com o governo
francez quer sobre a aclualidade, quer sobre a
evacuago de Roma, procura obriga-lo a lomar
umaresolugao ; e excitaodo por um lado a opi-
niao publica contra o governo romano, e por ou-
lro apoiando-s sobre as sympalhias inglezas.
pretende collocar o gabinete das Tulherias neste
dilemma:ou aceitara solidariedade com a revo-
lucao, perante a qual lhe parece nao recuar
elle, ou testemunhar i corte de Roma mais fran-
cas sympathias.
Erfl lodo o caso, se a qeestio nao for logo re-
solvida, muito duvidoso que na prxima aber-
tura do parlamento italiano o goveroo encontr
all um apoto decidido i sua poltica, e desde
j s pdeprever.para esse tempo a dissolago
do parlamento, ou ento a queda do ministerio
Ricasoli.
E4te ministerio predestinado para to iaevita-
vel experiencia ae acha oovameote alterado : o
general Della-Rovere oceupa a pasta da guerra ;
Ricasoli accumula a de estrangeiros com a do in-
terior al que ej i abarlo o parlamento, e os
amigos do mioistro nao se mostram ioquietos. Se
Ricasoli a oingaem quiz confiar a pasta dos oe-
SocioS estrangeiros. foi porque igualmente a nin-
Igera quiz ceder a honra e a gloria, sem fallar
na eterna popuUridade, que lhe resultarlo de
levar a um xito aatisfaclorio o triumphocomple-
lo da uoidade italiana. Se por um caso impre-
visto vler a naufragar aa sua missotambem
oao transigir, pois que nao elle homem para
reunir e coordenar pacientemente os restos de
suas esperangas frusladss ; solicitar entao a sua
demissio, e sem esperar mesmo que lh'a deem
correr a encerrar-se oo interior do seu castello
de Brollo.
Noticias mu recentes ailestam que M. Bene-
detti tem de Jazer urna viagem da Turio a Pars,
devida essa viagem a urna resolugio do gabinete
liano de responder por um manifest s re-
para delle se
-v-
>*ra aelle se aproximar, mas obteve a sRuinte .n .... A
eeposte bem significativa. o apoio que pres- f h-V., ilP-7 !' fl 'I 5 qe rel 0u"hme
aates .. m.... a-------------,L.V .*! ever tomar outras medida, se quizer ver um
ssia enllocada na ordem daa priocipaes
tastea aos meus predeceaaores lhes foi "bastante
lunesto para que eu caia no erro de o aceitar:
se realmente desejsis ver-me sabir bem da ml-
nha missso. tende a bondade de fallar e escrever
contra mim ; pota que a vosss opposieio scre-
aitarme-ha na oploiio publica, e por ella aer-voa-
bei asss agradecido.
Em summa a situago se acha iocooteatavel-
mente melhorada; a auloridade conserva-sede
cima, nao s as lulas cootra os salteadores ( o
que nem por isso grande vaotagam J como
marea na f nacional, e na confiaoga popular.
Nioguem na Italia duvida mais. todos ae julgam
protegidos: o povo e o governo estao de accordo
e prestam-se um apoie mutuo. Pode-se dizer
que a solemoidade de 7 de setembro foi um bel-
lo da para a unidade italiana ; e se o governo
francez fker depender da falsificagao das provio-
cias napolitanas a solago definitiva da questo
romana, essa solugo nao se far esperar muito
tempo.
Haviam dito que o cardeal Antonelli respon-
dera a circulrr de Ricasoli com ums oulra cir-
cular ; mas assim
Roma limilou-ae
do minalo italiano. .
r>e por sua dignidade oo devia responder a ella.
Kis-aqui como ae exprime o orgo official do go-
verno pontificio :
Muitos jornaes estrangeiros poblicaram a cir-
i a i ao R,CMoli dirigida aos seus agen-
L .alc8 i n6? Prem "o quizemosmen-
hooestas
dia
nao acooteceu. O Jomal de
a declarar calumniosa a nota
accrescentaodo que a Sania
iMbinau ?. c'?ar."s documento que as pessoas hoi
mada in.U ?j ufflc'n'en>eote jalgado. e apen.
i! L?*" ,,"'"> declarar que as aseercoae do mi
relativas altitude
penas nos
assergoasdo mioistro
. da Santa S despojada pelo
riemonte de urna maoeira barbara e injusta, sao
um tecido de calumnias. Mo proprio de nos-
sa digoidade occuprmo-nos um momento em
demonstrar a falsidada dessas asserges affirma-
das com tanta impudencia no documento em
queslao ; cootentar-nos-hemos em sppellar pa-
ira a lealdade do exercito francez, que pela posi-
gao em qae se acha nos Estados pontificios pode
muito e muito provar a falsidada de taes insina-
goes.
Essa escapatoria de dignidade offendida de
um uso muito frequente, e de urna
mais commoda do que convincente
apparencia
culo porem muito
com esse pouco.
Por outro lado n'uma allocugao, pronunciada
em hoora dos misionarios que receberam aoti-
gamente no Japio a palma do martyrio, se de-
clarou nada urna vez a impossibilidade de qual-
quer transsegao entre a cflrte de Roma e o reino
da Italia. E' um continuo combate contra a ne-
cessidade inexoravel I
Questo allema.- Francisco Jos a 8 deste
mez deu um indicio bem expresso de approvar a
poltica do seu goveroo, e os meios coactivos ne-
ceaiano. p.r* trl.mpho dcSSa polilic. pro
metiendo circumscrever essea meios nos mais
restrictos limites : mas quera ser o juiz desses
limites ? S aos acontecimentos pertence deter-
mina-los, e de represso em represso o gabine-
le de Vienna poder ir muito alem do que de-
aeja. *
Em todo o caso o goveroo austrisco ter que
vencer multas resistencias antes de chegar sos
resultados que tem em vista. O auccesso du-
vidoso, e qusodo mesmo o consigsm, custar oe
vencedor um tal deaperdicio de torgas que por
muiio lempo ver paralysada a aua aegao no ex-
terior do imperio.
Es como Francisco Jos respoodeu ao eodere-
go da cmara baixa do Reichsrath: < As pata-
rras que acabo de ouvir me coafirmam oa grata
clamagdes suscitadas pela ultima circular do ba- convic?au do que depositaos coofianga em minha
a convincente : o nosso se- auella naria V.. J v ..."..u.enn
sceptico par. contentar-se -'a ". S?TAl "":e. "."f ?. *"-
rao de Ricasoli. Este, segundo affirmam, se de-
cidira a pedir no manifest o libertamento da
populagao romana aendo retirado o exercito de
oceupago francez.
M. Ricasoli para dar esse passo frs incitado
pelo goveroo ioglez, e pelos horneo mais in-
fluentes da Italia central e da meridional. No
manifest dirigido particularmente Franga
pessoa, que to fiel se tem conservado conaii-
tuigao. A cmara fizando oa meus principios
sobre a independencia legal dos paizes ligados
entre si por urna uoidado natural comprehende
que essa independencia s pode resultar do
cumprimento consciencioso de poderosos deveres
para com um todo igualmente poderoso. A exe-
cugao desse principio em relagao
a aquelles que
governo italiano obrigar-ae-hia perante aYuropa 7,.,, ,Dservam sni controversia urna necea-
a impedir toda e qualquer iovasio cootra os es- !1 q eu e?Pero todsvia circumscrever nos
o progresso consumado pela industria depois de
18ol e 1855.
Na Fraoga tanto se preoecupam, e tambem
compreheudem o alcance deuas exbibiges, que
alm da ioicialiva governamental trata-se do pro-
jecto de orgsnisago de urna exposigio uoiversal
permanente: foi proposta j a coostruegio em
Paria de um palacio para esse fim destinado.
Na opioio das notabilidades iodustriaes, que
cooceberam esse prejecto, as exposiges peri-
dicas nao correspondeos ioteirameote ao aeu ob-
jecto, e nem revelan: suficientemente a indus-
tria a ai meama e ao publico : por outro lado os
exforgos excepciooaes que fazem os productores
em viriude dessas solemnidades extraordinarias
aem sempre dio urna idea exacta da produeco
correle.
All mostra-se antes equlllo que se capaz de
fazer, do que aquillo que ae faz habilualmeote.
A exposigo continuada garantir tambem a coa-
iinuagao doa exforgos, e impor coocurren-
cia coodicgea de sioceridade at aqu deaconhe-
cidas.
Assim pois das mais eoaeahosas a combiua-
gao que deve realisar em Paria o projecio em
queslao : os homena que eatio a aoa testa nao
teem precisao de recorrer a capitaes, e nem crear
rendimeotoa eslabelecendo pregoa de entrada
nicamente recorrem ao aluguel do lugar ou ea-
pago distribuido a cada producto, cabeodo aos
expositores fazerem as descreas di exposigio ;
cujas honras e proveitos tambem a ellos caberao.
Contar aasim exclusivamente com a iutelligencia
dos propnos interseos, a quem se quer servir,
nao calcular mal; as adheses serio para bem
dizer obngalorias, o determinarlo urnas s ou-
tras.
O productor expositor ter multa vantsgem so-
bre o nio expositor; e a exposigio nao seri ao-
menle univeraal por aeu plano se-lo-ha tam-
bem pela unanimida je das adhesae.
Questo italiana.Dizem que Ricasoli, prose-
gualo na marcha indicada na aua ultima circu-
lar, acaba de dirigir ao governo pontifical urna
nota aobre os meios de constituir c a igreja livre
co Estado livre segundo a formula do conde de
Cavour.
Nesae documento o ministro itiliano indica
mu simplesmenie as coodices de urna reconoi-
liagio entre a Italia e o papado: pede a abdica-
gao do poder temporal, e offerece em troca todas
as garantas que podera exigir a independencia
da grej e o ejercicio do poder espiritual do
chele do catholicismo: prometa a Po IX com-
pleta liberdade as disposigoes ceecerneolee ao
movimeoto religioso, urna posigio pessoalacom-
pauhada de quantos esplendores o segurangaa po-
dem reclamar para o sea Pomifice neo s os fiis
da Ilalis como tambam es do reato da Europa.
Paree at que offerecea urna parte da cidade de
Roma, na qual elle poderia exercer os seus direi-
toa de soberana, e estabelecer-se com o sacro-
tados-pooliflcaea ou por tropas regulares ou
por,bandos irregulares. O povo romaoo seria
livre oa demoostragio dos seus votos ; e smente
depois de um suffrigio geral, a que ae nao deve-
ria oppor a auloridade pontifical, o meamo go-
verno italiano pedira entio i Europa a solugo
da queslao nesse p collocada.
Ser para conferir aobre tu lo ialo com o gabi-
nete das Tulheriaa que ee ailribue essa fallada
viagem de M. Beoedetti.
A 15 de aetembro Vctor Emmanuel, acompa-
nhado do chefe do seu gabinete, insugurou em
Florenga a primeira grande exposigo italiano :
foi esplendida easa solemoidade. S. M, respon-
deu ao discurso do marquez Ridolfi, preai lente da
commissao, que ee julgava muito feliz por inau-
gurar a primeira exposigo realiaada oo bergo daa
arles e daa sciencias; que e eua principal aolici-
tude era eslabalecer a unidade da Italia; e se
toda a obra gigaolesca nao se achava anda con-
sumida, pelo menos
mais restrictos limites. O resultado provar a
forga invencivel de sua verdade e justiga.
O imperador coocluio agradecendo aos deputa-
dos a aua leal notitlcagio.
Suppoe-se que o Reichsrath nao chegar a oc-
cupar-se da dlscussao do argamento. Se oa c-
mara dos deputadoa ha homens dispostos a ul-
trapassar as attribuigdes do Reichsrath e oceu-
py-ee desde j da questo fioaoceira, poderlo
elles lembem deizar ao cuidado do governo o
decretar directamente a lei do orcamento. A
maioria quer que todos os paizes, que derem ser
representados na assembla, sejam convidados
primeiro a enviar deputedos seus. Somente de-
pois de assim salisfeitas as exigencias da cons-
lituigao que a mesma assembla poder deli-
berar aobre objectos qae sao de sua compe-
tencia r
Nestas circunstancias o primeiro dever e o
mais urgente do governo seri completar o Rei-
h do melhor modo possival, envidando os
potoncias martimas da Europa.
A visiu de Gurlherme I a Napoleio III se acha
prefixada par o dia 6 de outubro vindouro, e
ter lugar em Compiegne : essa visita muito tem
2IBCiCi.Up,0 fM} P-Wica i Polacos li-
gam-lbe b..tinte Importancia, e esperam que
della resultar o reeoahecimento do reino da ta-
la pela Prussia ; e mullos at pensam que resul-
tara algum proveilo para a unidade allema o
para a concluso da questo dinamarquesa. Se
tratarem dessaaduasquestes de esperar que
o re Guilhermo I conserve Igama reserva nao
dueitos doa outro priocipea allemes. e do re-
ceto queja, em B.de maoifealnu por vez as suas
otengoes descoohecidis pela descoofianca com
2eo "o" ober,no, odos os actos do
n,.t rP0iU que o re da Dinamarca descontente com o her-
deiro que a ai mesmo dea em sea testamento de
MR acha-se prompto a aubstitui-lo pelo re da
buacia com asseotimerito das poteociss. Ests no-
ticia est em relagao com tudo o- que ae tem dito
ltimamente ao mundo scaodioavo.
. ?rl Len*ln, qo, segundo annuoeiam,
entrar brevemente para o ministerio dioamar-
quez. e na Dinamarca o representante do partido
que repelle a unidade do reino da forma porque
tem ella sido praticada pelos diversos gabioete
que se nao auccedido em Copenhague depois da
ultims paz com a Allemanha. Elle quer a auto-
noma do Nolstein am de melhor assegurar a
independencia da Dinamarca propriameote dita
em relagao Dieta de Francfort. Fazendo o
MUiewig parte da Dinamarca, a confederagao-ger-
mnica perdera todo o pretexto de iosurreicio-
eos negocios ioleriores do governo de Copenha-
IV' i AOalSibem qoe M- V,n N". Presidente
actual do gabinete dinamarquez, tem proseguido
liiico>,inenle *'Um ,enli0 0D<>"De essa po-
Neste ponto as cartea rindas ds Allemanha fal-
lam unnimes da ioquietaco que causara no nor-
te da Europa $ vistas gigantescas da Suecia, oa
para melhor dizer do eacandioaviamo. Tem-se
tallado muito de urna allianga immineote eatre
" nagio podia ver naquella -.r ---.--------------
occasiao renovado o seu voto solemne, porquanto S, i i ?0 p,ra qu" ieJam aUl Pretenladas a
era all toda representada, teatemuoha de sua SjZt e Cro,cla : m como conse-
vootade de ser unida. Nessa sesso de inaueu- i, .
regio foi urna cantata desempenhsda pela insic- po.1' dlMol,,d dieta de Peslh muitos
oe cantora Marietla Picioloinini, depois mirqueza "80al hngaros que nao haviam conseguido
della Farnia, cuja bella voz produzio um effeito .?"".* "ua Pl,,,ca da poltica do paiz, ae bem
immenso, especialmente neetastrophe sobre Ve- Sl .S0 ao par,,do conservador, empre
* garam grande esforcos para levar a effeilo algum
projecto de Iransacgao. O goveroo austraco que
nao perde de vista os perigos da vereda, em que
ha proseguido, longe de desanima-los neues es-
forgos. ao contrario os tem acolnido e no caso de
tereffeito urna mutua concordata o seu resulta-
do dar por base s futuras relegos entre a Aus-
tria e a Uaogria nao mais a cooatituigo de fe-
vereiro, porem sim o diploma de 20 de outubro.
Como peohor da sua boa vontade o gabioete de
Vienna est disposto a consentir n'uma prxima
convocsgao da dieta ; e depois de muitaa confe-
rencia do eonde de Forgach com oa magotl
dispostos a transigir asseotou-se em convocar
prximamente as duaa eamaraa magyares em Pes-
th. Nesse intuito lentar-se-hia oa mei s de ar-
redar dor clubs todas as possoas coohecidaa por
sua opposigo a patente de 28 de fevereiro.
Todava, apessr dos esforgos do conde Forgach
e seus agentes, duvidoso que o resultado das
eieiges mais ou menos proximss corresponda a
esse enrgico systema de aeleego. A phalan-
ge dos funecionarios demittidos vira de certo en-
grossar as flieiras de, ama opposigo resolrida a
todos os extremos. O recebimento dos impostos
soffre grandes difficuldadea; os offlclos prose-
guem as execagdes oo s para cobraoga dos
impostos correles, como dos atrasados e cusas.
Tudo isto nao coostituo um meio ou symntoma
de conciliago.
A maior parte dos ministros na Prussia acha-se
de volta do campo, tendo reassumido os seus tra-
balhns. A attenglo do goveroo contina a con-
centrar-so naa questes que ee sjiscitaraj. Ju-
mamente em Berln, Uto e, questes de marinha.
Parece que havia a iatengao de crear-sa um per-
to militar na riba de Rugen ; porm novoa jetu-
do fizeram que fosse abandonado esse projecto,
e que se decidisse por emqusato o augmente da
porto Slralsund. As subscripges abertaa para
augmento da mirtnha pouco teem correspondido
aeza :
E Venezia... io riva almore
Siede, guarda e el ciel si duole
E conforto sver noa vuole
Perche figli piu noa ha
O que l'arn.i e a fulminore
Torna, O* R, nel tuo eenliero
Dove regna lo Slraniero,
Va ti mostra, e fuggira 1
O sen gesto, e o seu bradojpartido do corago,
provocaram applausos immensos e formidaveis.
A mullidlo esteva anhelante e enihusiasmada ;
ssudava e acclamava a Vctor Emmanuel.
As construcges'e terrinos consagrados exhi-
bigio italiana alo situados fra da Porta al Prato.
antes de chegar ao celebre pssseio de Csscines ;
compreheudem urnaexteosio de 120,000 metroa
quidrados; tem ume cert eppsreocia sublime
que nio fica muito aquera das recordagoes de
Londres e de Pars. Os expositores foram em
numero de 6,000, oe objeetoa expoatos muito no-
tareis em mrito e no pregomovis, mosaicos,
tecido, etc etc.
Festejou-se em aples eom toda a pompa o
anniversario da entrtda alli de Garibaldi, que j
nao vai mais para a America. Eme festejo deu
tugara viva meoifeetage, e e que se arvorassem
bandeiras sobre as quaes achva-sa inscripta esta
legenda : c A' Roma I
O general Cialdioi no meio de todas as intrigas
oio perde a consciencis que tem de si mesmo e
de suas rasoluoes. Aps as commogdes polti-
ca, quaesquer que sejam a aua origem coase-
queocies, o qae hade mais perlgoso para a nova
ordem de cousas 4 o grande saque a que ee pre-
cipita a mente dos ambiciosos que andam a esta
de logaree e de dinheiro. O general mostra-se
si certa do rei di Dioamarca, que lera por con-
sragencia immediala a rauniio daa coraa doa
tres reinos na cabega do rei Carlos XV. A ewio
ae LMmar est pois a pooto de renovar-ae, po-
rem em sentido inverso so qae no aeu temoo-
proseguira Margarida Waldemar; a idea do es-
caodtnavismo umtsrio est agora mais que nun-
ca Da ordem do.dia.
A liuguagem do rei da Suecia na occasio de
receber o eaviado italiano marquez de Torreara
foi bastante sigoiflestiva. O que mata recetam
i!-,}em.an e unbem na Pruasis. a uniar
. fi-!.i Ft,C do escandinavismo lendo &
sua freute o neto de Beroadotle. AccrescenUm
os allemes que essa combinsgo poderia n'um
tetara mais ou menos distante aniquilar a sua
allianga com os Vctor Emmanuel do norte.
A Franca aenbora dotreito de Sund seria
desde enlao urna ameaga formal para as meri-
ohas da Russia e da Prussia, e grave motivo de
oquietagao para a Inglaterra. -
Em Montenegro comegam as hostilidadea. O
gabinete de Coastaolioopla dirigi urna nota a
lodos os seus agentes diplomticos ezpoodo as
causas da aua contenda. Nesse documento pro-
cura mostrsr o ministro dos negocios estrangei-
ros do sultao que a Porta no deaejo legitimo de
assegurar a tranquillidade de seus subditos vst-
anos do Montenegro levou aos ltimos a coodea-
cendencn e moderago a reapeilo desse peque-
o principado, que nao quiz fazer caso dos seus
arenos e atenges pacificas: invoca a esse res-
peilo o testemuoho da commissao europea ea-
carregada de resolver os limites da frooteira. Os
membros dessa commiaso, diz o ministro atto-
mano, derem reconhecer qu" do lado dos Mon-
tenegrtoos est a obstinaco, e a m vootade,
tanto que elles proprios chegaram a convencer-
se de que nao se podia levar esees montanhezes
a uma composigo seuo usando da forga. E
pois annunciando o comego daa hostilidades ap-
pella elle ministro para a justiga da Europa, que,
espera, apparecer a su conducta.
A Europa sabe o juizo que deve formar dessas
populagoes sublevadaa para defeoderem o que
possuem de mais caroreligio, familia e direi-
tos que Ibes tilo outorgado certoa manifest* ot-
tomsoos para ficarem ao depois em estsdo de
letra mora.
Sao ms as noticias que temos de Constantino-
pa ; as promeasaa do aovo reinado nao tiveram
efleito, ao cootrario prosegue-se as tradieges
de Abdul-Hedjid. A maldiglo do despotismo ca-
bio sobre o soberano actual, e os favoritoa gover-
nam como no passado. Se a tudo isto accres-
ceutarmos a siluagio das provincias slavas do
imperio Ottomano,chegaremoa a conclusdes as-
sustadoras.
As ultimas noticias attestam que em Compie-
gne se succederam as visitas reaea durante o
mez de outubro. Alm da prxima vinda do rei
da Prussia, ji decidida, do rei deHanovre e do da
Hollanda, de que se tem tallado bem como da
do Grao-duque de Bade. di se tambem cerno
certa visita do rel da Dioamarca: cartsa vio--
das de Bruzadas chegam at a aonunciar a do rei.
Leopoldo. Entretanto eata ultima noticia nio pa-
rece ser muito certa.
G.M.
collegio todo. b. l-occ^^^^
-1

PERNtWBUCO.
REVISTA DIARIA-
Foi nomeada uma commissao, composta doa
engenheiros Martioeau, Buarque de Macado, a
Rodriguea Cxnpello, para dizer a reepeito dos
pregoa que Mr. Cambroaoe, empresario da lim-
peza deata cidade, indica para os apparelhoa, qaa.
tem de empregar neme aervigo.
Tendo aido exonerado, i proprio pedido, do
cargo de subdelegado de.Buie.ue o 8r. Ivo Rodri-
gues Los de Albuqoerqae, foi para esse logar
comeado o Sr. Antonio da Hollando CavalcaatL.
Ao Exm. Sr. bario do Rio Formoso foi coa-
cedida a exonaragio do lugar de i* supplente do.
Juiz municipal e de orphloa do termo de Igua-
raaa.
Por portaria de>14 do correle foi nemendev
para provisoriamente exercer os officios de porta-
dor e distribuidor do termo de Cimbrea o 8c,
Francisco Maooel Accieli e Silva. .
Depois d'amaahla deve eer queimido o sos-
co da embarcaglo Emna Eugenia ; o qual acha-
se em desmancho as proximidades do ilha da
Noguelra.
Acha-ae mareado o prazo do fift dias, con-
tado de 19 do corrente, pare a habililagio o
a presen tgio doa requerimentoa dos preteadaa-
tes aos dous officiu da partidor notamente croa-
dos oo tormo de Garanhuns.
Um dessas oficios aecumuiari o de contador,
e o outro o de*ditribuidor. wtv
A instrucglo dos requerimentos deve sor ao
forma do decreto nomero 817 de30 d Mtodo
Sko "tm de 304* *?""> i t8M. ou-
BtOTO O2,
ira


____i______ I
a.
, ,--
Tl IJ
1 .-.
I

uaio di
ehefe e DoTTcta
al

Sobre proposta do Sr. Dr. el
foi creado um diilciclo da
no termo do Buique ; o qtrar
*oado de Pedra e Taj,
t)eoomioa-se eate*WKo Fflra, lea por
limite* todo o districto de paz data paveado, 64
parte daquelle oe Tar, divioiodo pela estrada
que vaa de Garanhi
zead* da PanelleaM
taifa da peee.
Pelo artiKo
en*, prohibido o fu:
" Paraiatoeom
ni a perda da im

rt^oe *igl
desse artigo, poia
den eepportar o c
alala
coeva ss-
^ edr,
ios* linha 4f Mi-
se dentro doams-
oa de expul-
adl entrada: mas
JURY DO RCIFEk.
4.* SKSSAO.- DA 14 D OTBIO DE 1861.
Pruimeia do Sr. Dr, Bernardo Machado da
' tum Dotia, juiz 4t direito da 1* vatru ori-
minal.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
a1Ml*Pau!*la*-

osto de mo-
i'esj effeert* a exe'Ceo
wo que alH viajam, po-
ro e a (umaca do fumo, sen-
da Silva Jacome
toqu v^fteott-sd eslarenfia ur-
o Sr. jais de diidlt* pro-
a'ebVmada? dos jurados, e acharana-s pr*-
_.s WSrs. .-
Fora* Aullados e 20* cad* um dos*9. j*r-
rHfai multados nos das aMeriors, e mala os Sr.
qd* fjltaram heje.
sisans o eftuso, como dem o exempro da lo
trace**, apilar d* collottadOs' fdtr doS otn-
nibu*.
Esta prtrhincttf est mesmo noinUresse dos
ajantes, aqoim flid pode ser dettimentosa e
menea odiosa.
Hontem o Sr. Dr. chefe de polica fez a ?isit
meosal a caa de deleoco, examinando com nii-
oociosdade todos os ramos do servico, ouviodo
i muito dos presos ali recolhidos, e coasultaodo
os seus issentameotos de priso; retiraodo-se
as 4 horas da tarde. _^
flootem aaaumio o carg' de sdodelegado
da freguezia de Santo Antonio e ruarlo suppleo-
te da meslfif d Sr". Ha'odl Antonio ff Jess J-
nior, morador na. ra.larga do Rosario, no segun-
do andar da casa d. 18, por se acbar incommo-
dado em sus saude o subdelegado o Sr. Manoel
Ferreira Antunea Villaca.
No ala 1$ do corrate procedern), os alum-
nos do 5.. sopo da oossa Faculdaa* de Direito, i
eleicie de um de seus collegas para agradecer a
collacao do grao de bacharel, que Ihes deve ser
conferida no fira dos actos do respectivo aono, e
sahiu eleito o Sr. Joao Aotonio de Souia Ribeiro
Jnior, natural do (lio de Janeiro.
O Sr. Perix Venancio de CanUlice informa-
nos que a preta de quem tratamos esa nossa Re-
vista de tiontem, nao era castigada, quando len-
to precipita r-ie da vsraoda, maestra que ha -
pretenda de novo fugir langaodo-se da varanda,
sendo nessa occaaio Agarrada por diversas pes-
aeas, e oso pela sesbora.
Lembramos i qaem compete Isnce soas
vistas para um cortume de couros que existe per-
te da ponte velha do Recife, contra dtpressa de-
lerainacao da postara municipal, cansando ma-
les innmeros aos visinbo, que soffrem de dia e
de noile 0 mi cheiro dos bahs e dos couros
cnrlir,
Ds cidsde de Caruat temos as seguintes
noticias, cuja data chegam a 5 do correte.
A saluridade contina sem atteraco.
* Os gneros alimenticios apparecem com abun-
dancia na feir, a carne verde est a qoatro mil
ria, e a secea a 280 ris por libra; a farioba a
200 res, e o milho a 320 coia ; o assucar bran-
co a 5! 20 por arroba, e o mala a proporco.
c O jury foi transferido para 6 dia 4 de novem-
bro, e a cadeia acha-se coa grande numero de
presos, guardados pelo diminuto numero de 13
pracas de pohcia, de que consta actualmente o
destacamento e pelos guardas naeionaes qu tem
sido atropellados sem perceberem sold, e que
eatio preteridos de gsohar a vida por oulro meio;
sendo para desefar que te a provideocie a res-
peste
m. No dia 28 de selembro ultimo,foram pronun-
ciados pelo delegado supplente major Joao Fran-
cisco Florencio, os Srs. Dionizio Rodrigues Ja-
cobina e outros censo autores das mortesdo sub-
delegado do Allioho Thomaz Duro, e Joao Moc;
mas no dia 3*do correle foram despronunciados
postos em liberdade pelo Dr. juiz municipal
Freir Gameiro.
O Dr. promotor publico recorreu da decisao
do juiz municipal para o Dr. juiz de direito in-
terino.
Passageiro do cter nacional Emma, sahido
psra Penedo :Jos Domiugues Goncalves.
Parsageirosdo hiele nacional A'rataly, sa-
hido para o Aracaty :Joaquim Rodrigues Fer-
reira e Pedro Antonio da Silva.
Escrevem-nos de Garanhuns, em data de
10 do correte:
a Em a noite 8 psra 9 do correte Quiotillano
de tal. conbecido por Tlico, farriel do batalho
gaardi nacional desla villa, fstao*o em sua casa,
situada na nueva do Flsmengo, a meia legua
desta villa, soffreu um tiro de emboscada, que
qoasi o mata.
Jt polica est em campo e j5 capturou um
individuo suspeito, mas o verdadeiro criminoso
nao anda conhecido.
a A polica esta em campo, repito, e diipoita
responder com vigor esse repto que parece
qaererem lancar-the os |malfeitores.
a Anda questo da guarde nacional, segun-
do creio Ormado no que sei e tenho ouvido
dizer.
a O indivdso que est ferldo levemente,
um agente de confianza e i pouco deu excellen-
te prora do sen elb e vigilancia na condugao
da reos sentenciados para essa capital, para on-
de devia partir no dia seguate ao daeatastropbe,
cemmandando urna escolta que devia cooduzir
os tres presos de Aguas-Bellas existentes na ca-
de* desta villa e outras.
Matadouro publico.
MaUram-se no ia 16 para o consumo desta ci-
dade 97 rezes.
No dia 17 54 ditas.
MORTALIDADE DO OA 17.
Miguel, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio ;
ama hydrocephalo.
Amer Mirhs, Belga, 30 annos, solleiro, Recite ;
hydiopisia.
Joaquim, Peruambuco, 5 mezes, Santo Antonio ;
entente.
Benedicto, Perosmbuco, 12 bdoos, escravo, Boa-
Visla ; tetaao.
i., i_
CHR0N1CA JUDItURtt.
elees feita na pssoa de Cypri'ano Tose de San'la
Anos-, sendo defensor do mesmo reo o Sr. Msao*!
da Silva Jico me Pesaos
O jury de sentenca compoz-se dos Srs. se-
fotates:
Francisco Epifsnie de Soaza.
lono.cencio Aolupes.de Fariaa Torres.
Bent'o Joaquim de Miranda Henriques.
Francisco da Bocha Passos Lias.
Joao Joaquim de Siqueira Varejo.
Fraocelino Xavier da Fooseca.
Dr. Antonio Joaquim Ayres do Nascimento.
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior,
Joaquim PeVKa d ffeadeoca Jnior.
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Joa Alfredo de Garvalho.
Antonio Jos Leal Res.
E prestaran) o juramento dos Sanios Evan-
gelhos.
Deferido o juramento ao jury de senttoc* foi o
reo interrogado e fez-se a leitura do procesen.
0 Sr. promotor publico pedio a condemnaca
de reo no grao mximo do art. 201 do cod. cri-
minal.
O advogado deduzindo a defesa pedio a absol-
vilo do reo.
Findos os debates, o Sr. juiz de direito propz
ao jury de sentenca os quesitos seguintes :
1. O reo Damiao Goncalves Pacheco, em 22
de dezembro de 1860, fez na pessoa do soldado
do corpo de polica Cypriano Jos de Sant'Anna,
o feriueoto constante do eorpo de delicio ?
2.* O reo commetieu o delicio com a circums-
tancia aggravante dar noite?
3.* Existem circumstaocias aenuaotes a favor
do reo?
Recolhido o jury de aeoten^a sala secreta das
conferencias, dab vollou depois de mera hora,
reapondeodo pela maoeira aeguinte :
Ao 1 quesitoNao, por 11 votos, deixaodo de
responder aos outros per flesrem prejudicios.
Lidas as respostas pelo presidente do jury de
sentenca, o Sr. juiz de direito publicou sua sen-
tenca absolvendo o reo e condemnando a muni-
cipalidade as custar.
Levanlou a sesso, adiando-a psra o dia se-
guinte pelas 10 horas da manha.
- S*XTa\ FURA ig DB TUBRO DI 1861;
Ihi OUfiBI -uixii L
' 5 xistem eircumslanclas
do roo ?
Recomido o iory de sentenca
quesitos i safa secreta das
voltou depois de meia bora reapond
neira aeguiot
Ao 1 quesitoSun. por uosmidade.
A
. Ao
A
L!
pa
pella
as
vendo &
dista**
LovaotbtJ a sessao s .T horas da tarde, adita-
nha.
afclW
do jor^ 4tV
"dtrdeciie'do'jury fin Vaperi^i/S^
tjjft), e fbttm sV* sentenqa a%sOl-
'ectMtWmnaWsM a rnirteipalidade
DA 15 DE OUTUBRO D 1861.
Presidencia do Sr. Dr. Bernardo Machado da
Costa Doria, juiz de direito da l* varo cri-
minal.
Promotor publico, b Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmao Lobo.
EscrivS.i, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Este-
ves Clemebte.
Advogado, o Sr. Dr. Amerito Ntto de MenJonea.
Aberta a sess&o pelo toque da campainha s
10 horas da manba, verl&cou-se eslarem na ur-
|.na 48 cdulas, maodou b Sr. juiz de direito pro-
ceder a chamada dos jurados, e achatam-se pre-
sentes 41 Srs.
Foram multados em 203 os mesmos senhores
dos das anteriores, os que fsltaram hoje.
Entra em julgamento o reo Jos Braz da Cu-
aba, aecusado por crime de Heneas physicaa
feitas na pessoa do africano livre Manoel Pedro
Pereira, aendo o reo menor foi nomeado seu cu-
rador o Sr. Dr. Ameriro Nelto.
O jury de sentenca compoz-se dos Srs. se-
guintes :
Francisco Enllanto de Soma.
Jos Goncalves da Silva Basto?.
Macoel Joaquim da Silva Brasileiro.
Innocencio Antunes de Farias Torres.
Joao Joatuioa de Siqueira Vareio.
francisco da Buena Passos Liui.
Jos Mara Geraldes.
Miguel Lucio de Albuquerque Mello;
Justino Martyr Correa de Mello.
Joaquim Pedro da Costa Moreira.
Jos Alfredo de Carvaho.
Aotonio Cordeiro da Cuoba.
E prestaram o juramento dos Sanios Evan-
gelhos.
Foi o reo interrogado e fez-se a leitura dopro-
cesso.
O Sr. promotor pedio a condemnaca do reo
no grao medio do art. 201 do cod. crim.
O curador do reo deduzindo a defeza do mes-
mo pedio a sua absolvilo.
Pitidos os debates, |o Sf. juiz do direito propz
ao jury de sentenca os quesitos seguintes :
1.* O reo Jos Braz da Cunha, no da 10 de Ja-
neiro do crtente anno, no caes do Ramos, fez na
pessoa do africano livre Manoel Pedro Pereira o
ferimento constante do corpo de delicto ?
2. Existem circa'mstsncias atlenuantes a favor
do reo?
Recolhido o jury de sentenca com os quesito
e processo sala secreta das conferencias, dahi
vollou depois de meia ora respondendo pela m-
neira seguinte :
Ao 1* quesitoNao, por 9 votos, e deixaodo de
responder so 2o por flear pfejudicado.
Lidas as respostas pelo presidente, do jury de
sentenca, o Sr. juiz de direito publicou sua sen-
tenga absolvendo o reo e condemnando amuni-
cipalidade as custis.
Levanlou a sesso 1 1/2 hora da tarde, adian-
do-a para o dia seguinte pelas 10 horas da ma-
nha.
Quilherme Soares Bote-
uma casa terrea arrendada
_ TfttBONftL 00 COMERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 17 DE OUTU-
BRO DE 1861.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESKNBARGADOR
F. A. DE SOUZA.
s 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
dos Reg, Basto, e'L'm's, b Sr. presidente de-
clarou aberta a sesso.
Foi lida e approvada a acta da antecedente.
DESPACHOS.
DIA 16 DE OUTUBRO DE 1861.
Presidencia do Sr. Dr. Bernardo Machado da
Costa Doria, juiz de direito da 1* vdra cri-
minal.
Promotor publico,.o Sr. Df. Francisco Leopoldino
de Gusmao Lobo.
EScfivSo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Este-
ve* Clemente.
Advogado, o Sr. Dr. Antonio Jos da Costa Ki-
beiro.
Ab'eria a sesso pelo toque da campainha s
Um requerimentb de nnS Mara Pioheiro da ^ horas da manha, veriflcou-se estarem na ur-
Francs, satisfazendo o despacho do tribunal de> na ^ cdulas, ma'ndou o Sr. juiz de direito pro-
o'-se. ceder a chamada dos jorados, e acharam-se pr-
10 do correte.Regislre-^D.
Ootro de Jos Soares Pint Correia, pediadb o
registro da novaco que fez com seus redores.
Como requer.
Oulro ae Alexandre Ferreira dos Santos Cami-
nha e outros, replicando do despacho desle Iri-
bunal de 19 de selembro ultimo.Junto ao autot
de rehabilitacao, eenclosos. .
Sendo conclusos i autos de moratoria de An
ionio Botelhn Piato de Besquil, foram com visti
ao Sr. deaeaieasitaaor Bacal.
Oulro requerimeqlo de Jos Antonio Basto
pedio;o o registro da urna caeriplura de hypo-
Ibeca que ajunta.Cpmoj.equer.
Ootro de Aranaga Hijo i'Com'paabia, succes
sies e liqaidatsrios de Aranaga & Brian, pedin
do ^por certidlo o registro desta sciedade.-
rTe-se.
Nada mais houve.
i
8K8SA0 JDDKfARIA EM 17 DE OOTUBRO
DE MSI. '
KtkSlfcilrilSBO kxjl.'Slt.tlla*iV(lADOa
SttntdrK, ***> Palmamw.
dtelo lav,: #!Exfei. K presidente abri i
sesso, acbando-se presentes ps Srs desembar
gris* ftllafes e Silva Gimrli-s; e yiW.'epu
taMHtdgo;- MikfdM vmnm'mfimtoJ9i. m
ItTT.
por ..
dem 7
lho,
por .........,....................
dem 13. Antonio Alves Duarte,
urna casa terrea arrendada por..
dem 21.Joaquim Das Fernandos
urna casa terrea arrendada por...
dem 25.Luiz Gomes SiWerio, ama
casa terrea arrendada por........
dem 29.Ordem 3a do Carmo, urna
casa terrea arrendada por.........
dem 43.Ftancisco de Paula da
Paixo, casa terrea arrendada por
Ra do Forte.
N. 6.Luiz Gomes Stlverio, um so-
brado com urna loja e um andar
arrendado por....................
dem 14. Irraindade deS. Joi do
convento do Carmo, urna casa
terrea arrendada por.............
dem 22.Mara Joaquina de Pau-
la Chaves, urna casa terrea arren-
dada por..........................
dem 26. Manoel Camillo Pires
Falca o, urna casa terrea arrendada
por...............................
dem 28.Manoel Joaquim Rodri-
gues de Souza, urna casa terrea
arrendada por....................
dem 32. Alexandre Norberto dos
Santos, urna |casa terrea arrenda-
da por............................
dem 34.Manoel Gomes da Silva,
urna casa terrea arrendada por...
dem 36. Manoel Medeires, urna
casa terrea arrendada por........
dem 5.Fraucisco Soares Botelho,
urna casa terrea arrendada par...
Ra dos Acouguioaos.
N. 10.Recolbimento da Cooceigo
de Olinda, urna casa terrea ar-
rendada por...................;...
dem 14.Auna Kd uarda Alves Fer-
reira, ama casa terrea arrendada
por ..............................i
dem 16.Herdeiros de Jos Mina
de Jess Hahiz, urna casa terrea
. arrendada por.....................
dem 26.Joaquim da Silva Lopes,
urna casa, terrea arreodada por...
dem 19.Anoa Jaeiniha
COlTCBLmr PRUVlHU&L.
Relacao das caas *\m\tv Mencionadas
que soffreraoi alteraces 10 presea-
te laucamente feito peto aneaitor
Coeltio, a saber:
Rus o Padre Morisno.
N. 50. Joaquirp Mauricio Goncal-
ves Rosss,sobrado com 1 loja el
, andar, arrendado por............ 396*1000
dem 5.Jos Pinto d Magalbes,
. casa Urrea arreodada per...... 19S|006
dem W.^- Joaquim Jos Ferreira
Penha, urna casa terrea arren-
d.fla por.......................... 3603000
Mam 58. Jos Ribeiro da Silva,
urna casa terrea arrendada por... J40000
dem 79.Padre Jos d* Jess Ma-
ris de Vasconcellos, urna casa ter-
rea arrendada por................ 1449000
dem 72. Manoel Jos ata Molla,
ama casa ierres arrendada per .. 3008000
dem 7. Joaquim Jos Se Mello
Pimenfel, um sobrado com 1 loja
el andar arrendado por.......... 4803000
dem 9. Ordem 3.a do Carmo,
urna casa terrea arrendada por... 300000
dem 15.Antonio Alves d Foose-
ca, urna casa terrea arrendada por 192000
dem 19. Francisco Jos Das da
Costa, urna casa Ierre* arrea-
dada por.......................... 1203000
dem 53. Narciso Jos ds Costa
Pereira, urna casa terrea arren-
dada por........................... 2103000
dem 59. Viuva e herdeiros de
Luiz Francisco Ferreira, casa ter-
rea arrendada por................ 240J00O
dem 67. Jos Msria Ferreira da
Cunha, A. JOs de Faria Lima eou-
to's, casa terrea arrendada por.. 2475000
dem 69.Marcelina Rita de Meti
Oltveira, umJsobrado com 1 loja
1 indar, arrendado por 3723000
dem 73.Jos Goncalves Salgado,
uma casa terrea arrendada por... 192J0O0
9 Ras dos Copiares.
N. 4. Manoel Joaquim Bap'.ista,
om sobrado com 1 loja e 1 andar
e ioto, arrendado por.......... 3843000
dem 8 Damiana Thereza de Mello,
Casa terrea arrendada por.,.... 210JOOO
dem 10. Thereza francisca de
Jess.e Matia Joaquina d Con-
ceico, urna casa terrea arrenda-
da por............................ 180SOOO
Mera 1.Dr. Francisco Goncalves
de Moraes, um'a casa terrea ar-
rendada por...................... 54O3OOO
dem 5.Irmandade do Santissimo
Sacramento de Santo Anlonio,
casa terrea arrendada por ........ 2405000
dem 23.Joaquim Goncalves Sal-
gado, uma casa terrea arrenda-
da por............................ 3OO5OOO
Ra do Jardim.
N. 14. Jos Joaquim Goncalves
Bastos, uma casa terrea arren-
dada por.......................... I925OOO
dem 16 Jesuino Eutsquio Gomes,
casa terrea arrendada por........ 668000
dem 30. Liz de Franca Souto,
tima casa terrea, arreodada por.. 3003000
dem 42.Manoel Joaquim da Sil-
veira, uma cass terrea arrenda-
s 34,^JaadaCroz Motu, ama
m lrte* arrendad por_______
9n de Saota Rita.
^M Pedro Gaio deAlmei-
fflP wsa terrea arreodada
por......................
e el tajar Santos, ul
latMVaM*MKMa por......
IdstVH AsMS Benedicta Gomes},
traWAna tdrt*M arrendada ajaan
IdetaVgfc. "Joto-Francisco de Soasa
Xavier os menores Joaquim Ma-
noel e Ansa, ama casa terrea ar*
rendada por.................-..
dem 62. -Aatwtio Luciano dM ato-
rses, urna cata terrea arrawfada
P VMflm W,-,VI a\-a--z^ ^^ a _- ,
TBTlV, ama CsT teTfea arrendada
por................M:^.;.i.'..v.rt'
dem 76.Joao Joaquim de Castro
Mouts, Udla casa terrea arrendada
f*t................................
dem 78. Manoel d Nascimento
Santos, uma casa terrea arrenda-
da por...........................
dem 90.Joaquim Aotonio de Oli-
veira, uma casa terrea arread* por'
dem 94.Manoel Ignacio de Afra-
da, uma casa terrea arrendada por
dem 96.Joao Pedro da Rocha Pe-
rfiLTA uma ta>i,r&ja rfniJairta
*^*" im cuco otiTjuuvua
por...............................
dem 5.Francisco Jos Vanos a
Jos Domingos Codeceire, um so-
brado com uma loja e um andar
arrendado por....................
dem 11.Domingos Antunes Vil-
laca, ama ca* frrea arrendada
P<>r...............i.v.,.t.nu....
dem 49. Anlonio Joaquim dos
Sanio* AnJrade, urna casa terrea
arrt ndada por.,.................,
dem 55. Francisca Candida da
Silva, ama caaa terrea arreodada
por...............................
dem 57.O menor Manoel Joaqun
da Silveira, urna caaa terrea ar-
rendada por.......................
dem 59.Roa Mara da Cenceicao,
Luiz Candido Ferreira e Joaquim
Francisco de Albuquerque Santos,
uma casa terrea arrendada por....
dem 65.Paulo los Gomes, uma
casa terrea arrendada por........
dem 81.Urcula Maria das Virgeos,
uma casa terrea arreodada por...
dem 91.Joao Antonio Lopes Cha-
ves, ama casa terrea arrendada
por................................
dem 93.Joaquim Anlonio de Oli-
veira, uma casa terrea com doos
quartos no quintal arrendada por
dem 97.Francisco Jos de Arau-
jo, orna casa terrea dividida" com
porto arrendada por.............
dem 99.Joao Malheus, ama casa
terrea arrendada por.............
Ra Nova de Santa Rita.
N" 6.Qerdeiroa de Maria Francisca
de Almelda, ama caaa terrea ar-
reodada por.......................
dem 14. Padre Jos I.eile Pit
Ortigueira, uma casa terrea ar-
reodada or.......,..............
dem 30.Gertrudea Gomes, um so-
brado com uma loja e um andar
arrendado por...................
5285OOO Oliveirs, ama casa terrea arren-
dada por.......................... 1403000
216|000 dem 12.Anna Maris de Soaza,
ama casa terrea arrendada por.... S40fOW
dem 1.-Mara Joaquina Vianna, .
uma casa terrea arrendada porv... 1309X101
1443000______ Hdew^^alcio.
m 'Masa *.Jaeiniha H*rt rSoocef
.^^, ga. urna casa larrea arrendada
,mmman Maar8.-ManoeMaaajinr Baajtiat,
oMWOOO ama casa terrear arreodada sor..
lasada Palas.
Idea 2.Viuva a Herdeiros de Joo
^ de Soaza Teixeisav ama osas ter-
3O000O rea em caixao, 00a uaa telheiro __
dentro, arrendada por............ 180|BOO
nnrt 'M*l 28-Pr"ncl,c, b*resa Bitan-
1913000 curt, uma casa terrea arrendada .
: par....._.................... 1681000
dem 32.Maaoel Fernandes Maaca-
2405000 reohas, a ata casa terrea arrenda-
ba sor-........ ............... 3603000
.ru.nnn ^ieoa 36-Antonio Pinto de Barros,
3008000 urna casa terrea'srrendada por.... 1441600
dem 38.O mesmo, ama casa ler-
,~.wvn res arreodada por................ 1419000
2409000 dem 40.O mesmo. ama cass ter-
rea arreodada por................. 1449000
2403000 dem 56.-Joao Piolo de Quelroz,
ama casa terrea arrendada por... 120J000
1449000 dem 58.Jos de Madeirot Tara-
rea, uma casa terrea arrendada
por................................ 3009000
1209000 dem 5 Jernimo Pereira Villar,
orna cosa terrea arreodada por... 4563000
A lai
aaaaet.):
igual para lodos, [Preceito constitu-
O Jadro ds papis.
CffWMIfiltC.IO.
Novo Beo de Perbiico,
banda*fajajp o 1' acdaV avlntivo aoi ttmqre fiado
em 31 de agoato prximo yxrJo>
4563000
2049000
1683000
3OO9OOO
2409000
4245992
3OO9OOO
3OO9OOO
3009000
3603000
4089000
1449000
I2O9OOO
1445000
2643000
- A tiiitadM atais dial tasa dMiberado
marcar o oras rsaalidmanl,
daa sedulra de 20900, dado oa qaaasat eaaUvfto
sujeitas ao descont meosal progressivo de 10 0/0
de conTormidade com o decreto n. 266t da 10 de
outubro de 1860. Recife 10 do outobro do 1861.
O aecretalo ioterino, Luiz da Maraes Gomes Fer-
reira.
318:8089023
135521562
tsndimento do da 1 a 16.
idsm do dia 17,
332:3589609
Hovlmeuto da alfandegra.
Volamos antradoaaomfaieBdsa-..
a > om gneros..
Volamos sabidos
c r
com fazendaa..
com gneros..
202
Relacao das casas abaixo mencionadas
que soffreram alteracdes 10 presen-
te lancamenlo feito pelo lancador
Malta.*
atfa. V al o maj or
Lida, foi approtarJa I 8t da se*** Slece
O Bxm. Sr. preslerTte B!ei ao Irm
coiser*e l>resrd*bte da relcao reqoisita
SSS. 'AWBWR^W^ '<"
*ppelliDte, DomrbgrJS A1v**M*the6 ; appel-
lado. AatdB-LnriTt Otrvera'Art9e
osdo o dia de*bj
e por aaberyV^ rorsi Me
rt*JJJ^f^9fr, o Sr. presidentaencer-
---------.--------,------------------r. -------... -----------------. de Jess
sentes 44 Srs. Goncalves, uma casa terrea arren-
Foram multados em 205 todos os jurados que dada por.........................
faltaran. dem 23Antonia Marta de Paula,
Entra em jalgameoto o reo Francisco, escravo uma casa terrea arrendada por...
de Miguel Tolotioo Pires Falcao, ecusado por Ra do Nogueira.
crime de homicidio perpetrado na pessoa dpre- N. 16.Bento de Freitas Guimares
to Benedicto da Costa, sendo defensor e curador e outros, uma casa lerrea arreo-
do ro o Sr. Dr; Costa Ribeiro. dada por............,..___.......
O jury de sentenc* compo-ae dos Srs. a- dem 20.Jos Bernardo Juinte's : uma casa terrea arrendada por...
os Mara Geraldes. dem 26.Carila Esmeoia dfc'Con-
Joqolm Pedro da Cosa M o relia. ceicao, um sobrado Bm uma loja
Miguel Lucio de Albuquerque Mello. e dous andares arrendado por....
Joao Chrysostomo Victoriano Botelho. dem 30.Joo Ignacio Rodrigues
Jos Goncalves da Silva Bastos. da Costa, uma casi terrea 'arreo-
Antonio Jos Rodrigues de Paula. dadapor,.....................
islfo Alvares de Miranda Verejab. dem 32.Joanna Nepomocena S1-
FraricTsco entonto (|e Almeioa. va, uma casa terrea arrendada ppr
Francisco de Salles Andrade Luna. .dem 42. Finios de Carolina de
Olymptb oroeHs Cmara, Brilo Carvaho, uma casa torrea
Fraocelino Xavier da Fooseca. arrendada pdr.......... .........
Angelo Custodio Rodrigues Franca. dem 13.Joo Pedro da RochaPe-
E prestaram o juramento dos Santos Evan- reir, uma casa terrea arrendada
Toi o reo fritrrogaq e fez-s allturaopro- Idefa 2^.Jos do'i'&aloa SevesI
*eA j i *j sobrado cora uma loja e um
i.iLS; iff'?in?,0i Peo'O condemnaca do reo *odar. arrendado por......,.v.*.
^BW^^xTmo o art. 193 do cod. crim. dem 29.Antonio Ferrels Pinto,
i^suISl fcC0 ^ .v'^'M0 a defeza, pedio a urna casa terrea arrendada "por...
L?0,TS#'.. ... '.i... Idam4g, ^-Joaquim Frapciaco da
.Azarea* e Jeaqsim Jos.de4vze^
red; tima caja terri
300*000
24090C0
1923000
3843000
1929000
1449000
24090O0
2888000
2163000
2169000
1929000
1449000
1685000
1809000
2169000
1201000
1689090
i
192000
2403000
1209000
1925000
2164000

2889000
2163000
00
2165000
1200000
3O0900
terrea arreo Jada
Ma/a' .T'soows'afA'-.
uma casa terrea aireo
,VMd" Cloc-
lo da .Costa com
Yiajjaclado
^aKmJ*
em Breas e
Rlp*oula.d7eD-,
denlr a offenaa ? orna casa terrea too toteo usa*
to com sorpresa 1, < mtt'-^^a^Sia. aMa^ afreadaa*
N. 6. Joaquim Antonio Csrneira,
ahora do Livramanlo uaa aasa
i tortea 4&ev~ue-***.--;
dem 27.Jos Berosrdioo Alaes
flua da Viraco.
Numero 23 Antonio de Medeiros
uma casa terrea arrendada por.... 2409000
dem 25.Viuva de Andr Goncal-
ves do Cabo, uma casa lerrea ar-
reodada por....................... 300*000
Idea 31.Antonio Joaquim da Soa-
za Ribeiro, om sobrado coa uma
toja e 1 andar,arrendado por..... 4923000
dem 37.Manoel Ferreira Antunea
Villaca, uma casa terrea arreada*
da por.......................,... 1569000
Travessa Oa Vlracao.
dem 2.Casimiro dos Reis Gomas
da Silva, uma casa tortea arreada-
' da por............................ 1443000
dem 4.Padre Joaquim Nuoes de
Olireira, ama casa terrea arreoda-
da por................*........... 1929006
dem 10.Jos Joaquim Goncalves
Bastos, ama casa terrea arreoda-
da por............................ 1803000
Roa das Agoas- Verdes.
dem 2.Antonio da Silva Gusmao,
om sobrado com ama loja e 1 an-
dar arrendado por................ 4449000
dem 14 Manoel Ferreira Antunes
Villaca, 1 sobrado de 1 andar o
uma loja arrendado por.......... 5289000
dem 18 Irmandade da S. do
Rozario, uma casa terrea arrenda-
da por............................ 2409000
dem 28.Domingos Pereira Lagos,
ums casa terrea arrendada per.... 3009000
Idsm 32.Ordem 3a de S. Francis-
co, ama casa Ierres arreodada
por.............................. 3603000
dem 40. Padre Joao Capristaoo
Nognotrs, ums casa terrea arrea-
dada por.......................... 1908000
dem 3Viuva de Brinco Jos Aze-
vedo, ums casa terrea arrendada
por................................ 2403000
Hua de Horras,
dem 4.Antonio Jos Rodrigues de
Souza, ama casa terrea arrendada
par................................ 3OO90OO
dem 6.Victorino Oomimraes Al-
ves Maia, orna casa lerrea arrea-
dada oor.......................... 200JOOO
dem 24.Jos Pinto da Costa, um
sobrado com ama loja, e 2anda-
res arrendado por................ 7683000
dem 30Joaquim Pacheco da Sil-
va, om sobrado com urna loja, e
1 andar arrendado por............ 7003000
dem 50.Vicente Ferreira Gomes,
um sobrado cora ama loja e I,
andar arrendado por.............. 8969000
Id.ro 72.Antonio Pereira de Oli-
veira Ramos,um sobrado com uma
loja e 1 andar arrendado por.... 5763060
dem 78 Antonio Goncalves de
Moraes, uma casa tena* arrenda-
da por............................ 3OO5OOO
dem SI.Joaquim Coelho Cintra,
uma casa terrea arrendada por.... 965000
dem 35.Andr de Abreu Porta,
orna asa terrea atrfcodada por.. 180ft000
Rus de Saota Therera.
Idea 12.Irmandade de Santa An-
na da Canclelo do* Militares,
uma asa torrea arreodada por.. 2409000
dem 12.A mesma, uma casa ter-
rea arrendada por.*.............. 2409000
dem 16 A mesma, orna casa ter-
Tea arrendada por................ S40JOOO
dem20 A. mesma, uma casa tar-
rea arrendada por............... 2409000
dem 24. Antonio Goncalves de
Moraes, uma casa lertea arrenda-
da or.........................>. 2409000
Idea 32.Irmandade do Divino Es-
pidi Santo, uma casa terrea ar-
reodada pon.,.-..,'............... 3605009
dem 34.Ordem 3* do CaroVo, unta
oasa terasjaarrendada.par........ 3069600
dem 38.-^Joaquim Francisco da
Silva Coeiho, urna asa terrea ar-
} rendada por;.,.................... 3129000
dem 48.Dr. Francisco de Souxa
Giras Lima, ama cesa terrea ar-
reodada por............... JOO9OOO
IaemOOi-Iraandsde de N. 3. 00
Terco, uma caaa terreaarreodsda
fpnr.....i^-*.. 1. a i.a.v...'.........
Idm O.-Aatonra Jos Du*r*e, atea
-asas larras arrendada por......
dem 13. Franeise Gatee de
Aaara^itnaaasaHaiiajaarraialal1'
. ds^or....4i.jaB*tv...... 24O10CO
,2 Mad S7.-aamaeU>l>rsdciae* tni-
..,! n>*nMailmeWerr*!!*r**aD*r. 1*49600
30090 14aaM-^Aaastitn:Raa1ia-#fi|a,
aaa cass Verme ssreededi por... 215M0
Travesea da Lobato.
Idea 4.*-Psdra Jsaaatet UMaa de
Communicados.
Candidatura provincial.
Os cinco distrctos eteitoraes desta provincia
de Pernambuco sao chamados para elegerem no
dia 20 de uovmbro os cidados que os devem
representar na assembla legislativa provincial.
Sabem todos que limitadas as func;5es do le-
gislador provincial, este s tem de oceupar-se
dos inleresses moraes e materiaes da provincia,
vigiando a marcha de sua administradlo interna.
Na Sctualrdade da provincia, quando mesqui-
ihos inleresses pessoaea ae chocam; quando
autores das desordens de hoje procurara emba-
caropaizcom progressos extemporneos a fa-
taes ; tenho conscienci de poder ser til, tendo
um assento na assembla legislativa provincial.
Estou informado qu cada um dos cinco dU-
tricloa carrega hoje com o peso do innmera veis
pretendentea ; mas devem elles ter o preciso di-
ceroimento para destingoirem o mrito da es-
pecolsgao.
O que sabemos, e vemos, 4, que Pernambuco
em feito de ioteresses domsticos ha muito sof-
frldo e se acha muito a quem das provincias do
Rio, Minas, Baha, S. Paulo, Rio Grande do Sul
e mesmo Cearfi ; de muitoa annos s se tem oc-
cupado de querelas iudividuaes. o que nao pode
deixar de ter atetado seu crdito, o seu verJa-
defro progresso.
Entrado precipitadamente em grandes e im-
portantes trabalhos materiaes, que exigem seria
attenco e muita Oscalisacao, cumpre a provin-
cia escolher para sua assembla legislativa pro-
vincial caracteres que se achem ni altura daa
novaa neceasidades, que comprehendam esses
trabalhos, e se nao deixem arrastrar por psla-
vriados ioterstseiros, origem constante de tantos
beneficios pessoaes, e de tantos maleficios p-
blicos.
A deploravel siluacao flaanceira da provincia
prova de como suas rendas teem sido malba-
ratadas ; portaoto maia ama razo pooderosis-
sima para os seus eleilores darem muito tent a
escolha que vso fszer.
Afastado dos negocios e sem reeommendacao
e proleCQo alguma, eu conheco qao arriscada
minha pretencao, todava propoobo-me, contan-
do com 1 boodade e solicitude dos amigos, ecom
o patriotismo dos eleilores, que se nao deixaro
subordinar a poni de Ihes nSo ficar liberdade
para escolherem ao menos um para o completo
de sua lista.
E como mais probabilidades tenho no 2 e 5*
districlo, vou por esta excitar a alteuco dos meus
amigos de Olinda, Iguarass, Goiaaaa, Nazareth
e Limoeiro, que esto comprehendidos no 2*
districlo, e dos meua amigos do 5a districlo que
comprehende o Brejo, Pesoueira, Ingazeirs, Flo-
rea, Villa Bella, Tacarat, Cabrob, Ex, Ouri-
cury e Boa-Vista ; e assim me dirijo pela diffl-
culdade que tenho de escrever a cada um dos
eleilores, nao tendo conhecimento de seas
nomes.
A situicao provincial est definida, tenho
coDsciencia de ser bam conhecido em toda a pro-
vincia, e portaoto nao careco exhibir proras de
miohas habihtagoes, cada um faca o seu dever.
Se merecer a honra de sentsr-me no numero
dos legisladores provinciaes de Pernambuco, to-
do empenhirei por mostrar-me digno da esco-
lha, e ento meas actos serio o melbor agrade-
cimento que poderei dar a provincia, por se ter
dignado elevar-me a alta digoidade de sea le-
gislador.
Recife 17 de outubro do 1861.
Dr. Antonio Borges da Fonseca.
230
Descarregaa hoja 18 de outubro.
Brigue ioglezAooa Syrenebacalho.
Barca ioglaiaFavoritamercadariaa.
Brigue ioglezSyreneidea.
Hiato brasileiroDuas Luizascharque.
Barca americanaAzelia farinha e msroadorias.
Recebedoria.de reacias lateraas
aieraaa la aPasfaaaafcaaa.
Rendimento do dia 1 a 16. 23 689J888
Idsm da dia 17......: 8:0169362
26:706*220
Consulado
Rendimento do dia 1 a
Idea do dia 17. ,
proal acial.
16.
26:17031.31
l:24Tf55
277t68t
MoTimento do porto.
Naviot entrado no dia 17.
Terra-Nora33 das, barca ingleza Fleeiwittm,
de 241 tooeladas, capitao John Toeker, a.ui-
pagem 13, carga 2,931 barricas com bacalho ;
a Saundera Bralhera & C.
New-York48 dias. aumaca hespaobola Cari-
osa, de 106 tooeladas, capitao A'sioa, equl-
pagem 8, carga 1,900 barricas e 70 meias di-
las com farinha de trigo e outros gneros ;
ordem.
Navios sahido no metmo dia.
Rio-Grande do SulPatacho nacional Relmpa-
go, capitao Antonio Travasso da Rosa, carga
assucar.
PenedoCaler nacional Emma, capitao Fran-
cisco Goncalves Torres, carga differentea g-
neros.
Canal Patacho bamburguez Fanory, capitao
Huer, carga a mesma que trouxe do Rio-Gran-
de do Sol.
HavanaBrigue hespanhol Moralidad, capitao
Domingos Jeronymo Mir, carga s mesma que
trouxe de Santander. Suspendeu do lamaro.
BahaBrigue ioglez Titania, capitao Congdon,
carga a mesma que trouxe de Terra-Nova.
Suapeodeu do lamaro.
Aracaty pelo AssHiato nacional Aracaty, ca-
pitao Joo Henrique de Almeida, carga diffe-
rentes gneros.
Observacio.
Apparecem ao norte uma barca e ao sol um
patacho.
Correspondencias*

H,
oras.
P3
g
(O
kthmotphira
Dirtcfio.
so
o
3
90
en
9 I
S .-
I Intensidad!.
I ____
ce 00
2
23 y I FaAranfcsil.
10

g
?o
. I Cantiyrado.
i

ca
^ s
ao
o
I iT/jjroelro.
*s
8009000
8409000'
11
'816900Q
360000
Sr. Redactare*.Um fseto importaste aeaba de
se dar oeste cidade de Carnar.o qual merece ter
pleoa puWicidsde. Ei-lo
Tendo-se recolhido essa da cmara o Sr. Pe-
dro Paes de Sonta juntamente com seu espoleta,1
o cabra Antonio Vnal, ambos pronunciados pela
morte do infeliz major Joo Guilherme de Aze-
vedo por denuncia dada por um dos Qlhos do in-
feliz major, que, com perigo de sua existencia
nao recooo em reclamar justica contra os as-
sassinos de seu infeliz pai, foram estes pronun-
ciados, um como mandante e ootro como exe-
cutor. desta pronuncia recorrersm os mesmos
para o juiz municipal, o Dr. Gamero ; mas este
digno magistrado sustenten a pronuncia, pelas
exuberantes proras dos autos, e de valiosos de-
poimentos de oilo testemunhas.
INesta colliso tornaran) os mesmos a recorrer
para o juiz de direito interina do Bonito, o Dr.
Figueiredo, que, sem pejo de suaconsciencia e
do lugar que oceupa, e em menoscabo da mora-
iidade publica despronotietou nao s ao Sr. Pe-
dro Paes de Soaza, como aO proprio assassioo
Antonio Vital, que, pelos jornaes j foi repeti-
das rezas indignado como asassino de profis-
so
Mas tudo isto val Dada, visto que psra o Sr.
Dr. Frgueiredo a le sua voritade. Infeliz e
bem infeliz a trra qne o lera tido por juiz
Nao admira, 8rs. Redactores, que o Sr. Paes
de Souza fossfe recolhido i casa da cmara : o
qae foi repugnante a at escandaloso foi o pro-
prio Antonio Vttal ter es mesmas honras de seu
amo, a o pasto qae vemos homens de oatrss con-
siderarles, como os Srs. juizes de psz do Alti-
nho.Diouirio Rodrigues Jacobina, alferes da guar-
da nacional e juiz de paz da ntestoa freguezia
Antonio Aires da Costa Cauto, e o ex-sabd*ele-
gado Joaquim Bazilio de Barros irem para as
eoxoviaa da cada desta cidade.
Aprecie 0 publico a forma pdr qae ral cami-
nhando a jnstiga desta localidade III
Ficemos ca expectativa, esperando das aoto-
ridsdes prlncipaes da provincia as providencias
qu > reclam m semelhantes fados.
Tanham paciencia o reSigoaco os Srs. Jaco-
bina, Couto e Barros, do tofrimeoto injusto qae
padecem, eiemisaim oa Hhds do Infeliz major'
pelo deigosto e iojuslicas por qne acabara de p'as-
aar, visto que se os seus inimigos trio soflraram
a oeOa da lei, loffrerlo, sefduo' publico, em
la bolsas. '
Oaeira-m, Srs. Redactor, darem publicar-loa
afta* Imhaa de qu* muito gtJo Ihe ser
t> olho lo ttrolW.
Caruar, 25 de setembro de 1861.
- 1 -r
So -a 5 -a

00 te a>
s 8 O' 0
c S ** s
Cisterna Aydrs-
metrica.
Franet*.
fnglet.
A noite chavosa, vento ESE variavel de ioten-
sidade e assim amaohaceu.
OSCILACXO DA MARB.
Preamar as 3 h. 6' da larda, altura 6,2 p.
Baixa-mar as 8 h. 54' da manha, altara 0.9 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 17 de ou-
tubro de 1861.
robjmio STErrut,
1* ente.
Ediiaes.
i
ablicaces a pedido.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em rirtuae de resotaco, da junta da fa-
zeade, manda fazer publico, que ao dia 24 do
corrate, perante a referid* junta, ral novaaea-
te pracs para ser arrematado akqaea por me-
nos zer n forneclmento das fazendaa e objectaa
abati declarados.
300 varas de paano de lioho.
200 toalhaa de rosto a de basti.
200 fraohas.
10 duzies do lencos brancos.
9 ditas de guardonapoa.
100 cobertores de algodo.
12 pratoa (ditos traveseo) forradoa do louc* ri-
drada.
1 moinho de caf.
1 balance para pesar a carne e o pi.
24 bacUs de foiha piolada paca lavar rosta.
24 pratoa de folhs para finaba.
4 bseos da 4 oa 5 varas de ceapriaeole.
E para constar se msodoa affixar a preseats a
publicar pele Otario.
Secretaria da tbesoarsria protiocial da Per-
nambuco 12 de outubro de 1861.
O secreUrie,
A. Ferreira a'Anoadaco.
O Illm. Sr. inspector da .thaaoararia pro-
vincial, em cuatprimeolo da rsaolafka da jaala
da fazeoda, manda faaar suMise aos as dia 24
do correato parante a es as jansa asi
mente a prea para ser arretaalads ai
Sreco efferetar, ua piano qaa eabie ao
as orphas.
E para constar ae maadeu affixar o presento
publicar pelo Diario.
V Secreurta U | Moras\4 ftradbtil 4a Per-
Dambu^.^tlorpa^ro^l^ ^1,^,3
A.'eW
u -OWm.9e.Hail
t crsi, em earaprtrmsni
fawoda aad* lader-faMlea a.ar%o dia H
..u .'''. J ligjitt-------' noVemaro predraas ftuTa l>Vftfh
20090001 Pafft ns EtBS. SR. BTCSidvJfl.e d OTO- apara ser *rrdm%t*l- qeaaad*
aieojoool ^ YJBcia C ccft e foSo^fOj' ,,' crTMaa^yX^V' >VtalffZ-
BofeHd.
1 viBGia e chcft de foiioit lerem.
O toaivideo canuto Jaa-rarsaradsainMMa, da
idade da trila annoa poueo mais ou madiad
braooa, calv*. fago-, ^teaastvaaaiefato a*r*do e Osratfttao.
ca ama per* asa aeaarvda-da-aa a s**rf ota*.
* deeertar dd tjMfNH*, iMMaa aaavaldiMto Joa^Ftata.
aiaeardo aaaad^a^awaj djaj^aanipaoa-a rafaettmafes,
engoalr *atd#a,'omert de Nsssaetl, ertaa* Kparacodatoraaando*
ceoteao otpRla AtUOoio da otts Silveira a- publicar pelo Diario.
vslcsati, I Secretaria da tbesourark
-*
i
- i


A

;


HH|
v
tiaUtltl
**mm
V&2\,f ** *rt*bro d *>-* SSnretario,.
A. F. da Annueciacao. ^
PVM secretaria do gdverno so fu publico,
para conhecimeato da quem interessar posea,
que ae acjum os concurso os doas officioi de
adospela,
aono de-
tiJMMOBWH t#m
Fe
ei

Tendo um eecamula* as uoeenea do cargo de
coolador e o omito es 4 diatriamidor, fia de
oa pret errflanSM n -kebeli ten, e a ir Moten os
to o. 817 de SO de acost de ltN, e aviso o. 252
de 30 de dezembto do Stti, na .tazo de 60 tas,
cootadoa dcsta dala. '
foto Rodriga as Chavea.
A Ui municipal da ciando do Recite faz
panuco sera ceontoimenlo de seui municipes
que recebeu do Exm. presidente da provincia o
oSUw ebait transcripta, o qual acompaarha a
relacao dea producloe, que podem sor apreaenla-
oi acete asuoieipie, e eapea que lodesHoseor-
ram para que t convite do goveroo de provincia
preduea o dasejedo offeilo, e est prompta a dar
lodos oaseclereeiceentos, e apreaeolar lodo oau-
-XUie, que dalla pender pera que ae raaliae leo
Ml eossio, o qual lera lugar no dia 7de oeeeaa-
bro prximo futuro, como faz cerlo o segundo
offlcio deS. Etc. de 13 do correle, tambem a-
Baiio transcripto.
Paco da catMw eaunicipal do Reclfe. em ses-
aao ordinaria de %6 de setembro de 1861.Luiz
Fraocisco de Barrea Reg presidenta, Francisco
Canuto da'Boa-viagem offlcial maior serviado de
secretario.
4. aecaie. Palacio do governo de Pernam-
'*o, a >4e elembre de 1881. Deveodo ter
juagar nesta cidade no dia 2 de dezembro vindou-
*0, no palacio do goeerao, urna exposicao dos
produetee neturaes e iadoelriaes daata provincia,
das que ittm ao limiirephes, ou lhe ficam mus
proxtmae ; de conformidad* coro aa ordens im-
periaes, reeeanmeado a camera municipal do Re-
ejfe, que, fazeodo ebegar esta noticia ae conbe-
cimemo de lodos os seus municipes, procure por
iodos os meiaa ao sea alcance anima-los do de-
sojo de concorrerem para a referida exposlcao
com os productos, que all pdem figurar e ae
achata inejisjeiilcadoa no calhalogo annexo as ins-
trecces de que remeti o incluso exemplar im-
psesso ; fnendo-lhes esaa cmara ver as grandes
entegeee. que bao de resultar da referida expo-
eicao, nao s para a agricultura, mas lambeta
?era a industria do paiz, como uro dos mais con-
anienles meios de animarlo para o desenrolvi-
meoto de lio importantes fonles de riqueza ua-
eional, que o goveroo presta a maia seria at-
"tencio, contaado com o coucurso de todos oa ci-
dados, e especialmente das municipalidades, ao
empenho de preencherem por este modo um dos
principaea ios desua iusliiuicao___Antonio Mar-
colino Nuaes Goncalvae.
4.* serbio.Palacio do goveroo dePernambu-
co, em 1$ de setembro de 1861. Declarando-m
o Exaa. Sr. ministro da agricultura, commercie
e obras publicas em aviso, expedido] em 19 de
agosto ultimo, sob n. 18, que a exposicSo deela
provincia deve ter lugar ae ae* de nov'embro, e
oeoem detembro, como por engao se diz oas
-ios truecoei, de que remetti a camera municipal
da cidade do Recite um exemplar impresso em
offieio de 4 do correte, apresso-me a eommuniT
car a mesma camera era additamento no meu ci
Udoe^eie, que a exposicio ser aberta nest
Cidade no dia 7 de oovembro prximo viodour
Antonio Marcellino Nunes Goncalves.
a* A cmara municipal do Recite faz publi
ara coshecimeoto de eeus municipes o offiei
oaixo traoacriplo.qee recebeu do Exm. presiden
a provincia, e convida-os a que, prestando to
atleocao para a recommeodacio de S. Exc
ecam desua parte quauto lhesfor possirel para
que a callara do lgodao, e do trigo oeste muni-
cipio se deseovolva de modo que posaa dar urn
resultado satisfactorio, visto como pelas disencos
que se tem manifestado nos Estados-Unidos ds
America do Norte, a cultura destes gneros derla
necesariamente proporcionar grandes vantagens
quelles que i ella ae dedicarem.
A mesma cmara, pois, espera de seus muni-
cipes que ojo deixarao de attender i eetarecorn-
mendacio, em pregando seus estreos para la o
uta Bm do qual grandes vantagens devem resu -
lar para o paiz.
Paco da cmara municipal do ftecife em sessi 9
ordinaria de 16 de eetentero de 1861.Lmz Frai
cuco de Barros Rtgo, presidente.Francisco Ci -
nulo da Boaviagem, official maior servindo d a
ecreLario.
QuarU aeccaa.Palacio do averno de Per -
Bambuco em 10 de selemoro se 1861.
Acamara municipal da cidade do Recite ji de-
ve ter noticia daa disences civis, qae actual-
mente agitam os Estados-Unidos da America d >
Norte, e que a guerra entre altea aleada, nao po-
de deixar de ter prejudicado graademenle todos
o seus irabalhos agrcolas, resultando d'ahi, co-
mo fcilmente se eomprehende, nao s a escaa-
aezdosartigos desua produccao, senSo tambera,
e como coosequeocia neceasaria a elevac&o do
preco de cada um delles.
Sendo os Estados-Unidos da America do Nor-
te o paii, o'onde ae exporta a maior parte do al-
go dio que alimenta as grandes manufacturas da
Europa, e espeoialmente as da Inglaterra, e bem
assim o trigo consumido no Brasil, a lula, que
taoje portaba iquelles estados, deve necessaria-
mente acarrelar urna crise, que de recetar nao
ea faca esperar muito, por isso que, segundo in-
formales minuciosa, se be venQnado que a cul-
tura do algod&o oaquelles paizes tem deflohado
-consideravelmeote, e a exporlacao do trigo, e de
outros aerate para o Brasil tem decreecido tam-
bem na mesma proporco.
Convido prevenir as seriaa ditficuldades que
semelhanle estado de comas nos pode trazer,
vou chamar sobre assumpto lo importante a at-
tencao da cmara municipal da cidade do Recife,
para que dando mais urna pro va do sea patrio-
fimo, procure persuadir aoa labradores, seu
inicipes, a conveniencia, cu antes a necessida-
, de se promover na maior escala possivel;
o s a cultura do algodao, que esta provincia
ji exporta, mas nao em quanlidade correspon-
dente fertililade e prosperidade do terreno,
seno tambem a do trigo, guo tao satisfactoria-
mente produz nesta provincia, como o tem de-
monstrado d versas experiencias, ponderando-
Ins ao mesmo lempo a opportuuidade que as
circumstancias actuaos lhes proporciouam deau-
ferirem grandes vantagens e lucros certos dos
esforcos, que empregarem nesse numero de in-
dustrias.
0 nosso algodSo, por sua qualidade superior,
gozs do maior apreso e procura nos mercados es-
trangeiros, e o trigo que agora coovm cultivar,
como urna medida de prevencio, pode vir a ser
mais urna fonte abundante de riqueza, que in-
demnisando generosamente os sacrificios que
noje fuerera os nossos lavradores desenvolver
os recursos do paiz e augmentar no futuro o
bem estar da populscio.
Esta presidencia confia qae a cmara munici-
pal da Recife, acoapsahendo o goveroo neate
pensameolo, se sentir bastante animada parra
promover potito dos Os meios ao sea alcance o
maior desenwlvimento possivel da industria
agrcola do sea municipio, relativamente i cultu-
ra dos dous gneros, i que me tenho referido,
umpnade que ate d coahecimento de qoante
fr obleado em desempenho das recommends-
coes, que Ibe ficam transmitlidas Antonio Mar-
celino Nunet Gongalves.
FrtuMeo Jomgttim fmim lobo,
_, ** w<^ araiae inteczno.
Pala subdalegacia 4a aiagaacia 4a 8aaio
iliHlj loReelea aeha-ae reoerbido i oaaa *e
ooaeacia laroarda, quaOrt ar anean ae.laiaai
no de tal, por andar oa leafila 4a sanasan faianao
**?*** i!*'-1* ot*r do i8/-*Oeub
deinfaio, Vtafa.
Directora de indruceo ptrbiica.
Por eati teparlicao se faz confiar s aquelles
dos senhores professres e prdfesscras, directo-
res e directoras de estabelecimeotos particulares
da iostruccSo primaria e secundaria da provincia,
que anda nao maedaram os mappas de seus
alumnos, relativos ao terteiro trimestre prximo
Ando, que o deverio impreterivelmente faterat
o Bm do correte mez, sob pena de serem mul-
tados na forma do art. 100 da le regulamentar
n. 369 de 14 de maio de 1855.
Secretaria da iqstruccao publica de Pernambu-
C0'f5 de ouiubro. del86l.O secretarlo ioterino,
Salvador Henrique de Albuqaerque.
Exposieao.
A commisso directora da EXPOSI-
EAO' agricola e iadusteial, que tera' lu-
fiar xio .palacio do goveroo ao dia 7 de
njvtmbro vindouro, manda pelo pre-
sente facer publico que no da 26 de
outubro prximo comeqarao a ser alli
recebidos os objectos que tenham de fi
urar na mencionada EXPOSHJA'O-
aladas sessdes da commissSo 20 de ie-
tembro de 1861 .O secretario,
Joaquim Pires Machado Portella.
Pala administracio do orreio ae faz publico
que as malas que deve conduzir o vapor persi-
nunga, com destino provincia de Macei e por-
tos intermedios, fecham-se amanbaa (19) s 3
botas da tarde em ponto.
Declaragori.
Para ATweaty Assii
eegue eom brevidade o biate Douslrmos :
para carga trata-se com Martina 4 lrmao, ou
om o Beitre Joaquim Jos da Silveira.
Para em direitura.
Segu com brevidade o veleiro brige escuna
Gracioea, capito Joio Jos de Son, por ter
prompta grande parte do carregameoto : paran
o resto trata-se com os consignatarios Almeida
Gnmea, Mn tC, roa da Cruz n.t7.
CoBscIht administravo.
O conielho administrativo, para foraecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar oa obiec-
oa aegutataa:
Para tornacimanto da pharmacia do hospital
militar.
12 arrobas de asaacar refinado de primeira qua-
lidade.
2 copos da graduar de II oaces.
2 ditos dejraduar de 8 oocaa.
4 libras de nos da galba.
2 ditos deradu>
de vioho braaeo de primeira qua-
).ea
Sala das sea
part orneciro
eulubro de 1
Beato /a*- asHann* lina
coajseefco admiaiatraUvo,
aiatnal de guerra, 14 de
(MPASHIA PER^ASIBLCANA
^avegaco costeira a vapor
O vapor Persinunga, commandaote Houra, sa-
nir para os portos do sul de sua escala no dia
19 do correte as 4 horas da larde. Recebe car-
ga al o dia 18 ao meio dia. Encommendas, pos-
sageiros e dinheiro a frele at o dia da sahida s
2 horas : escriptorio no Porte do Mallos o. 1.
0 hiele SergipaooJ|segue para Fernando :
quem qaizer carregar, leudo licenca do goverao,
dirija -se ao p do trapiche de algoiao, a fallar
com o capitio.'
Rio de Janeiro
segu com maita brevidade por ter parte da car-
aja tratada o palhabote Piedades, capitio Mar-
ques Visnoa: para o resto da carga e escravos a
frele, trata-se com Gaetano Gvriaco da C. M &
Irmio, no lado do Gorpo Santo o. 23.
Brigue nacional Veloz.
Recebe gneros estrangeiros para o Rio de Ja-
neiro.
Para o Ass
segu em poucos das o hiale Camaragibe, mos-
tr Virginio Justioiano dos Santos ; para carga e
passageiroa, trata-se na ra do Vigario o. 5.
Para o Aracaly
segu em poucos dias o hiale Beberibe, mestre
Bernardino Jos Bandeira ; para carga e paisa-
geiros, trata-se na rus do Vigario n. 5.
Cear e Acaracu*.
Segu oestes dias o hiale Sobralense, capitio
Ralis, recebe carga e passageiros; a tratar com
Caetano Cyriaco da C. M. & lrmao, no lado do
Corpo Santo o. 23.
Aracaty.
O hiato Aracaty, mestre Joio Henrique de
Almeida, segu por estes dous dias para Araca-
tjt: para carregar e passageiros, trata-se com Tas-
so Irmio.
*)[> 1
0 palhabote nacional Dous Amigos, capitao
Prancisco Jos de Araujo, segu para a Bahia em
poucos dias ; para o resto da carga que lhe falta,
trata-se com seu coasignatario Francisco L. 0.
Azevedo, aa ra da Madre de Dos n. 12.
Para
Rio de Janeiro,
pretende seguir com muita brevidade o brigue
nacional Veloz, tem paite desea cirregamea-
lo prompto : para o resto que lhe falla, trata-ae
com o seu consignatario Azevedo & Mendos, oo
sea escriptorio, ru da Cruz n. i.
40 libras
iidade.
Para rotimeoto do armazem do arsenal de
guerra.
1 machina pira brocar Jarro.
5 libras de esmeril. .
12 arrobas de linee em barra.
10 milheires de pregas ztpaaa da trra.
10 ditas de ditos balis pequeos.
1 arroba de xarco.
Para a cooxpaiihiaTle cavaariada liona.
U espadas com balaras da farro.
Quem qauer Tender tana otyeeieevaprsente a
auas propoatas em carta fochad*. awaecrataria de
Jtn,Jn,10,hprM da maania do dia de
Ilom.
m
VE
MOVIS.
KO
Segundo aadar do sobrado da
ra das Cruzes u. 88.
Costa Carvalho honrado com a coo-
fianca do Sr. .Pedro Tbeodoro Jacobi des
Marteaux fara' leilao de lodos os seus
movis consistindo em guarda louqa,
aparadores, guarda vestido com espe-
Ibo, cama fraaceta eom oolxao de mo-
ja, cadeiras avulsas, commodas, cande
labros, eipelbos, qudros e outros mui-
tos objectos que estarlo patentes no
acto do leilao no dia de
Sextafeira 184o correute as
11 horas em pauto,
tambem vender' um carvallo coro an-
dares e um escravo proprio para seTvi-'
90 de campo e diversas obras de ouro e
duas ricas espingardas de S canos.
*%.
COIPANHU PBRIHAOUCA1
em
Navegaca costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cao do Asia'. Aracaty, Ceara'
e Acarcu .
O vapor algnaresa, commandaote Viaaoe,
aaairi para na portea ido arte etd o laarart
no dia 22 do corrate anee c t horas da larde.
Recebe carga aleo dia 21 ae aoeie dia. Ka-
aoaameauUa, feanageiree dianeiee a Irete at e
diadaaaanda aa2horea: eecrif>toro no Pacta
do Maltes o. 1.
Sabe impreterivelmente evo dia 21 do oer-
Teole, pera Areeaty hiato imtmcil, pH Ser
amaier parte de e Mingamiam paaeniba i
amagar na ir de aantageen, darf-
ley aVae.aa)a,a^lia-aeJheejffiftfnndar^ a ***' 5? guintal .
tratar con Joj Joaqoim Alred*eWeK *? perfettamente nova,
Em lotes a \ oatade ti o
eompraAoT.
Sexta-feira 18 do corrente as 10 oras
em ponto ao correr do maptello.
O agente uimeraee, nle hiendo realisado
como annuuciou para o dia 12 do corrate, a
venda de um cabriole! com arreos, de dous car-
ros da alfandtga a de alguna palitots que ficaram
de resto, de novo levari ludo isto em leilao no
da e hora cima indicado em seo armazem na
roa do Imperador (oetr'ora ra da Cadeia) n. 37 ;
Ysrm como
de urna fardara le chapelinas de apurado goeto.
propnas para o tempo da festa, e urna porci
dejotea de ouro oonaisUodo em lindos asis com
inscripcoee, palceiraa, rosetas, alneles, botdes
oe abertura e puohos, correntn e diversas pre-
ciosidades. r
Tambem
offerece aos concurrentes um completo aorti-
meotodei perfumarlas dos oielhores fabricantes e
terminar o seu leilao com diversos movis so-
bresahindo entre ellas urna riquissrma cerne'mo-
deraa de mogoo de apurados lavroree propria
pora noivoe qae queiram posaoir tio importaote
pera.
Leilao
A 19 do correte
Matneus, Austin 4 C, ario leilao por nter-
venci do agente Oliveira e por coeta e risco de
quem pertencer, de cerca de 380 barricas de ta-
nnha de trigo de diferentes marcas averiadas a
bordo da barca americana Union, capitio
Heard.nasua recente viagem de Phadelphia
com destino a este porto;
Sabbado 19
do corrente, ao meio dia em ponto, no armazem
dos mesmos sito na rus da Senzala Velba a. 106.
LEfLO
Segunda-feira 21 deoorreate!
PELO AGENTE
PESTAA.
O meocionadp agente aulorisado pelo Sr. Ma-
pel Pedro de Oliveira, tari leilio no referido
da pelas 19 horas da maeMs
DE
\rmao>o, generes e per-
tenees Aa t\berua n.
VV;iiUr\uvl>ireiia.
conforme e balaaco em peder do mesmo agente
e devendo effecluar-se o dito leilao na propria
taberna annuociada.
Conliuuaco do leilao
SEM LIMITES.
Sexta-feira 18 do corrente.
RA DA CRUZ N. 15.
O agente Antunes continuara' a ven-
der sem limite de preco para acabar o
resto dos objectos americanos como se-
jam : dous carros para passeios, carro-
cas, machinas diversas, bombas para
jardins e cacimbas, lanternas, lampides
de todos os eitios, malas, saceos para
viagem, ricos apparelbos de metal, fru>-
teiras, copos, porta-licores, garios, fa-
cas ecolheres pinteadas, secretaria, ca-
mas para catal, cadeiras Je pao e palha-
marquezas, sabao em caixinbas, sabo,
netese
TAM BEM
relogios suissos e charutos de Havana.
No dia cima designado as 11 horas
em ponto. ^^
IOU0.
O agente Hyppolito tara' leilao sab
bado as-11 horas da manhSa, na alfan-
dega desta provincia, por conta de
ojuem pertencer em presenca do cnsul
de"S. M. Britannica, de urna partida de
faxendas averiadas vindas de Londres
na barca ingleza Lima, condemnada til-
tintamente.
Ha vendo inconveniencia ta venda dos
bilfaetes do dia da extracco avisa-se ao
PPtavel publico que de hora em
diante nao havero bilhetes a venda nos
referidos das do andamento das rodas e
somente at a vespera as 10 hora* da
noite- O thesoureiro,
A, J. R. deSouza.
aLOTlRIi
Terqa-feua 22 do corrate aodarao
impretei ivelaente as rodas da terceira
parte da primeira lotera a beneficio da
matriz de S. Lourajoco da Matta. Os
biHietes e meios bilhetes se acham a
venda na thetounaria das loteras ra
do Crespo n. 15 e as casas commissio-
nadas. Assortes de 6:000 e de 3:000^
serio pagas 3 dias depois da extraccio
e as outras a entrega das lisias.
O thesoureiro,
Antonio JosJlodrigues de Souza.
Curso d'algebra.
0 professor de mathematica do gy/nnasio pro-
vincial pretende abrir no dia 4 de oovembro um
curso d algebra ; os Sr. estudantes do Curso
Commereial que quizeram frequeota-fo, dirijam-
se oaaa de sua residencia na ra Direita o. 74,
para serem matriculados. 0 eiercicio d'aula
principiar no dia indicado, haveado numero
sufficieote de alumnos, e ser de machia.
Aos credores do
Buarque.
Os abati asaignados, credores e 6ocarregadoa
da liquidago da massa do finado Manoel Buar-
pue de Macedo Lima, nao podeodo at a presen-
te data liquidar negocio algum da massa, por
embaracoa que se apresealarm provenientes das
transaegoes do finado, que d pretexto aos deve-
dores a se negarem ao pagamento "} e nao po-
dando os abaixo asaignados, vista disto preen-
cher a misso de que esto enea r regad os, ngo s
porque se faz preciso asar dos meios judfcGiaes,
urna vez que os tfevedores da reerida massa se
negam per bem pagar, como parque os abaixo
signados ao podem pdr em pralica a cobran;*
judicial pela falta de meios pecuniarios : assim
assentaram convocar i todos os Credores, para
oo dia 23 do corrente, s 10 horas em ponto, se
acharem no escriptorio n. 27 da ra da Cadeia
do Recife, e de commum sccordo deliberarem o
qe|achar.'m mais juste.
Recife, 17 da outubro de (861.
Prxedes da Silva Gusmo.
Gurgel ^Perdigao.
Loureaco Luiz das Neves.
Acha-se fgido da casa de aeu seohor Her-
culano Antonio de Moraes e Silva, o cabra Sil-
ioo, de idado de 18 aonos pouco taais ou me-
nos altura e corpe regulares, cabellos carapi-
nbos, testa pequea, nariz grande e chalo, rosto
conapridoe cora espinhas aeccas, beijos um pou-
co rosaos, denles perfetos, mios grossas e dedos
cornprtdos, ps grandes, teodo sobre o peito es-
querdo um signal liso do tamaoho d'um bolo, o
qual soppe-se ter ido para a Escaa trabalhar
na estrada de ferro : quem o apure hender, pois.
an **.*l Afogados, casa n. 54 ser bem gra-
tificado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
travesea da Madre de Dos o. 7 : a tralar na
mesma ra, armazem n. 17.
i Quem precia** oe u,. iUn, R... .i..,
. banUnte leile. dirija-ae ra doCabug n
uga-se a loja do sobrado n, 25 silo na
Praia de Sania Mita : a tratar na ra da
Cadeia n. 62 segundo andar.
SYSTE11 MEDICO HODELLOWA Y
MLmJS HOL^WQYA-
H MrajveUspeeatap, oMoaf |oeira-
meaw de rresVas meyicinaes, nJo caVtavB mercu-
rio nem algima outra substancia delectara. Be-
nigno mais lenra infancia, e a compleijao maid
delicada, igualmente prompto e seguro para
desawafcar o mal os oomplei(ae ajis lotusta;
enteieamsoie inaotente em luis operasoas e ef>
taoe;.poU busea e renov as doancas le qunl-
quer especie e gtio por mais amigas e tenaies
qu^ sejara.
Entre milhares de pessoas curadas eom ette
remedio, rauitas que j estavam s portas da
morte, preservando em sen neo consegu rara
recobrar a saude e (oreas, depois de haver tenta-
do inultimente todos os outros remedies.
As mais Olidas nao devem entregsr-sea des-
esperarlo; faga ni um competente ensato dos
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarn o beneficio da sauda.
Mi se perca tempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades ;
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
A reas ( mal de) .
Asth ma.
Clicas.
ConvuUoes.
Debtlidade ou extenua-
?o.
Debilidade ou falla de
forcas para quaiquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza oo ventre.
Cnfermidade no ven tre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enehaqueca.
Herysipela.
Pebre biliosa.
Febre intermitente.
Febreto da especie.
Gotla.
Hemorrhoidas.
Hylropesia.
Ictericia.
Indigesloes.
Inflsmmaooes.
Irregularidades de
menstruacSo.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abslrucoao do ventre.
Phtysica ou consump-
co pulmonar.
Retengao de ourina.
Rheuraatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Domingo, 20 do correte, as 11 horas da ase-
nhaa ha ver seaso extraordinaria
director.
Secretaria da Associaco 1
nambucana 17 deoMtiabao df
i. >
do coaedho
raphica Par
Roga se
lie tenh
ireita o
ta, visto
sido iocerla.
Attenco.
Francisco Jos da
Costa
lade de apparecer na rea W
u indicar aoa moradia cor- #
junho prximo paseado ter
Pubica^es dcTlnstato Ho-
meopathico do Brasil.
thkoiiihi noiEormiirt
ou
VADE-MECII DO HOIFOPATHA.
(Segunda edic^o consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de nedicia hs>
raeopatkic
raxo na.
cSBIN0 0 L. PIHHO.
CooiiDuao, migoarares p,r. 09fm .
2000 em brochura al dezembro. Desee tent
ardante aa aasigoaturaa serio elevadas are.
*********<> fMoode Nove) n. .
K9N6WSIKN fiK9K9n MKsBe
Consultas medicas.
Serio dadas lodos os diaa pelo Dr. Ce-
me de Si Pereira no seo escriptorio, roa
da Cruz n. 53, desde s 6 at ia 10 horas
da manhia menos aoa dominios sonre -
1.* Molestias de olhos.
Molestiaa dos orgaoa da
do anus.
geracio a
Vendem-se estas plulas no estabeleciraento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinbas a 800 rs., cada
urna deltas contem urna instruccao em portu-
guez para explicar o modo d se usar destas p-
lulas.
0 deposito g'aal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 12 em Per-
narabuco.

J Quem precisar de urna negrioha para #
0 ama de casa de pooca familia, dirija-se a #
9 ra do Hospicio o. 64. m
Aluga-se um armazem na ra do caes de
Apollo n. 7 : a tratar no pateo de S. Pedro n. 6.
O exame dos doentes ser feito na or-
dem de suss entradas, comecaedo-eo pe-
rm por aquelles que soCTrerem dee
olhos.
Instrumentos chimicos.acaaticoa e p-
ticos serio empregades em anaa coosul-
ta;6es e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obter certeza, oa ao aenea
probabilidade sobre a sede, aatoresa e
causa da molestia, e dani dedazir o plsao
de tratamenio que deve deatrai-la ae
curar.
Varios medicamentos aerio tambem
empreados gratuitamente, pela cer-
teza qne tem Se sea verdadsiraqualidade,
promptidio em saos effeilee, a a neceasi-
dadedeseo empregourgenUque ae usar
delles.
Praticar ahi mesmo, oo em caaa dea
doentes toda e qualquer operace que
julgar conveoieate para o reatabelaci-
mento dos mesmoe, para aje fas ae mJm
prvida de urna completa olleccao de
instrumentos indispensavel ao medico
operador.
| 18. loja.
/ Alu
\l ra da I
adeia o.
Aliento des poderosos.
.Faz-ae todo o negocio com ura carrioho (vic-
toria) de 4 rodas, que anda nao presiou serrigo
algum, com urna ricaparelha de cavaltos pretos
0 gordos : quem qulzer passar a festa com taes
objectos por prego mdico, pode ir ver e tralar
oa coebeira da raa do Imperador n. 12.
Oh! que desafo!
0 quartinheiro j tem urna caraira de burro
para se mascarar na occasiao do duelo rom o co-
raje, que ter lugar dentro d6 ume grande jarra
de barro, oo tbeatro de Apollo pede-se a con-
currencia dos senhores socios de urna celebre so-
ciedade de bilhetes de lotera do Rio de Janeiro.
Aosenhor, um quelevou
um bo.o.
Pege-lhe petquantas qusrtiohaa techo quebra-
do que nao torne a fazer escriptos como os que
tem feito, pois quaai que me ia sulcidaodo no
gargalo de urna quartioha... faga idea meu ami-
go porque trances tenho passado, j nao durmo...
j nao como... j oao rio .. ji nao fumo... Uto
vai mi I.. leaha compaixao do seu amigo,
O quartinheiro.
O abaixo assignado, escrivio da irmandade
do Seohor Bom Jeaua das Dores, na igreja de S.
Goncala, tendo aeterminadoo da 20 do correte
mez para a festa do Seohor Bom Jess dos Po-
bres Afflicto3, sendo a vespora ao meia dia ao-
ounciadacom urna banda de msica do 2." de
fuzilaito, nova, do autor Pinto, execotada pelo
professor loio Marcelino Ribeiro, pregadores o
reverendo padre mestre Leonardo Joio Grego, e
o reverendo padre mestre pregador da capella
imperial Fr Joaquim do Espirito Santo, e illumi-
naco romaotesca : portaoto o mesmo convida a
lodos os irmos e devotos do mesmo Seohor pa-
ra o referido dia.O escrivio,
Joio Manoel Lins da Bocha.
Urna molher de bous coatomes offerece-te
para administrar urna casa de familia, ou mesmo
de hornero solteiro : a tratar na roa do caes de
Apollo n.17, segundo andar.
Precisa-se alagar om preto escravo para
todo servigo de urna casa estrangerra ; na ra da
Imperatriz, loja o. 9.
Pela subdelegada da fregaezia de Santo An-
tonio acha-se recolhido preso na casa de deten-
gao por ser encontrado na madrugada do dia 17
deste mez dormindo em cima da umaa madelras
existentes ao caes do Rmea, pareceodo estar f-
gido, o preto Justino, que disae aer escravo do
Sr. Joio Carlos Figueira de Siboia.
A capella de Santa Cruz e de
Nossa Seahora das D jres
em Olinda
O abaixo assignado declara ao respailare! pu-
blico qae esta ermida, edificada pela piedade do
Qoado Rvm. Sr. Dr. cooaelbeiro Antonio Jos
Caalho, aa acha aeb oe eesdadoa do meare* abaiio
asaicoado pelo louvavol offerecimeoto que della
lhe flzeram os seus mui dignos parantes. Aquel-
las peasoas, portant), que tivevem votos a cum-
prir, e mesmo que quUerem con correr com al-
gaaae eeraola de dinoeiro ou material para maior
amplidao e aformoseamento deste edificio, po-
dem dirigir ae a elle, d'hora em diaote residente
na ceoetatorio da aaeeaan capella : e pava maior
aaguranea o podem procurar das 11 hacas da ma-
leas t as S ds tarde. L.J .
Conego Joio Chriaostomo de Paita Torres.
Ao aaaaaieeat 4* dia edee corrente farta-
wi do aoaandaa L'aga Uaeiap, doux peltres,
lendo um mellado, de clina e cauda brancas,
sdous paoroneea at meio daa eaoelles,
a Brrloaa anda ; o
rreaieje aberta. s
Consultorio medico cirurgico
3--K\]V1IV GLORLV CVSV OO \3NOO-3
Consulta por ambo os systcmas,
Emconsequencia da mudanca para a sua aova residencia, o propietario de
ment acaba de fazer urna reforma completa em tedos os seos medicamentoa a^aaesamB-
O desejo que tem de que os remedios do seu eatabelecimeoto nao ae ceoiaadam com oa m
nenhum outro, visto o grande crdito de que aemore gozaram a geeam ,o pro o mata rio talooa.
a precaucao de inscrevero seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados coma ateiie
dos todos aquelles que forera apreseotados sem esta marca, e quando a pessoa aue oa m*o4TrmL
prar queira ter maior certeza acompanhar urna coca assigoada pelo Dr. Lobo MoseoeeVVaaTL
pe marcado com o sea nome. tu *-
e eetladoae, ro-
see Sr.
Quarta feira 23 do corrente.
Costa CarTallO ra' leito no a
cima as l hora* em ponto em aeu ar-
macem na ma do lmpr?rndor n. 55, de irB,u "." sWi laissHra
urna casa terrn sita aa ra da YUeria S2 *^xeveire,tem a hw,------------
,a *T4C" lT^>rua-qa Alegra uateo peearm*eadoa, sendo ama nio mensa
m. *x, omm 4> ^oartas, M sans, esanoa fcraoca, eat sem a segunda moda, a nenia tem
cacimba *rtand>; t^JtStX^S^m
ohafs-
ao-Bsn-
algaaM
Outro sim acaba de receber de Franca grande porco de tinctars de acnito
meato* estes de summa importancia e cujas propriedades aio lio conhecidaa qae i
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos aur em tubos qur em linduras caslario a 1 e vidro
O propnetano deste estabeleciraento aonuocia a seos clientes e amigos ana tem eaa
sufficieotes para receber alguna escravos de um e outro sexo doentes ou que precuera de
operacao, affiaocando que serio tratados com todo o disvelo e promptidio. como sebee
aquelles que \ tem tldo escravos oa caaa do annunciante.
A situacio magnifica da casa, a commodidade dos banhos salgados sie
gees para o prompto restabelecimento dos doentes.
a A! P6"0!9 que qoizerem fallar com o annunciante devem procura-lo de manhia al 11 hor
e de tarde das 5 em diante. e tora destas horas acharan em casa pessoa com quem ." piderto JT
ender : ra da Gloria n. 3 casa do Fundi. snoooooa oss-
Dr. Lobo Moteoto.
outras tantea *aaU-
'aanassaei
APPROVACiO E AIT0RISAC10
DA
kummk mnmi u i e o i c i t
^ E JUITI CENTRAL OE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS EDI61AE8
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPA9TICAS
De Ricardo Hirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com eslas Chapas-elbctbo-magneticas-epispasticas obtem-se urna cora radical e i-
fallivel em todos os casos de inflammaco ( cansado ou falta de respirarlo ), sejam iaai
externas,como do Ggado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, paito, palpitacae de corsea
gaa, olhos, erysipela, rheuraatismo, paralysia e todas as aSaeces nervnant. etc., ese.
menta para as differentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., neja creal fr o sea
tamanho e profundeza por meio da suppurac,o sero radicalmenle extirpados.
O uso dellas aconselhado e receiladas por habis e diinelos faculutivoa. .
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar s eontanea de
que j tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pralica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripio, toado tofo o .
de fazer as necessarias ezplicaces, se ss chapas sao para hornera, senhora oa crianes,
rando a em que parte do rorpo asiste, se na canaca, pescoco, braco esta, farsa, ai, sa
do corpo, declarando a cicumfereneia: e sendo inchacoes, feridas ou olearas, a molde
famanho em um pedaco de papel e a declaracao onde existem, afJm da qne as chapas saje a>
lorma da parta affectada s para serem bem applicadas no sea lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
Aa chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e tambem de ladee es acces-
orios para a collocacao dolas.
Consulta as pessoae que o dignarem honrar com a sua eorrfianca, an sea earipearie, ajan
se achara aborto todos os dias, sem excepto, das 1* hora da manhia s da aves.
||9 RA BO
PERTO 00 LARGO DA CARIQjJA
t
Pera i naa ninas in cu
ra do Qbeimado n. 15.
rijam-se s anarstasia ds JeeAanaadra
Jll
l\ /
r-i L


'-

BBBBBnannnnnvnnaaBnUBnnl
nttim
* ttlTl JeVAsV U DCOUffGiftO BE I MI.
DE
vapor
G(DIGM(D
DE
ROUPA.
mwm,
DE
1MM
<&(.
LAVADA.
roupa.
40 ria.
70 a
100
130 >
80 s
11900
1600
1JW00
28000 o
500 .
1000
laoorilotio
LAVADA, CO-
SIDA E
ENGOMMADA.
160 tis
120
160
500
S40


>
>

a
Roupa da familia, iodistinctamente, pecas grandes e pequea. .
Roupa de navioa, vaporea e hospitaes........, .
Pepa grandes isoladanente cono lencoes, loalha* de meta. .
Roupa de doeote de familia, que nao aeja (reguera......
Roupa millarada que alguem ten ser freguez exigir que ae lave.
urna rende vindo com maia roupa...........4
Urna rede iaoladameole...............
Um cortinado de cama de caaal Tiodo com maia
Um dito dito isoladamente........
Um dito dito de solteiro ou varaoda. .
Um dito-dito slidamente...........'. .
As peuoes que nio quiterem mandar eugommar toda a roupa, o laooratoro t arregi-se
de mandar aogommar aa segualas pecas, pelos segudtes precos :
,,T Vealldoa lisos.....600 ria.
Salsa........280
Camisas de hornero. 160
Calcas. ....... 200
. Colletes.......120
Paletots......: 460
Colarinhos......40
O laboratorio encarrega-se de eogommadoa de objecloa de aenhora os mais delicados, e pa-
ra isto tem ja contralado as mais habis engommadeiras nacionaes e eatrangeiras, que entre nos
exiatem. *l'
No pre?o dos engommadoa de roupa de familia, eicepuam-se os rostidos, gollinhaa, man-
guitos e maia objectoa que forem guarnecidoa de rendas, baados, pafos, rifas, etc., ele., bem co-
mo os cortinados de berco, cama, varaoda, que se pagarlo segn lo o ajusta.
Qualquer que exigir roupa sement lavada, ou tambera, engommada, com mais brevidade
que a designada, psgari maia 25 por canto sobre u prego.
O prazo na entrega da roupa ser por em quanto 8 das depois do recebimento, e da lavada
engommada 15.
A roupa de familia ser Uvada em machina separada da dos hospitaes, e as pessoas encar-
regadaa doaervico da roupa serio mulheres.
Os propietariospagarao qualquer pega que se eslrariar, eaQanjam que a acao das machi-
nas inleiramente inofensiva.
Qualquer que mandar roupa. recebar um vale do numero de pecas com a declaraco do im-
porte da laragem, o qual ser restituido com o competente importe na occasio de se entregar a
roupa prompta, aem o que esta flcar depositada.
O ealabelecimento enearrega-se de tirar nodoas de qualquer nalureza, precedendo um
Os propritarios rogam a aeus freguezes o obsequio demanlarem roupa suj, apenas rece-
ban) a lavada, para assiro manter a regularidade do servico.
A entrega e o recebimento da roupa na casa de banhos, no pateo do Carmo, em todos oa
diae-uteis das 7 horas da maohis s 5 da tarde.
ELIXIR DE SALDE
Ctrolactato de ferro.
Vnito deposito na botica de Joaquim MartinVio
da Cruz Crrala., ra do Cabag n. 11,
ea Penvambuco.
0 Dr. H. Thermes (de Chalis) enligo pharmaceutico aprsenla hoje urna nova preparacao
de errocom o nome de elixir de cilro-lactato de ferro.
Parecer ao publico um luso emprecar-ee um mesmo medicamento debaixo de formulas lio
variadas, mato homem da aciencia comprehende a necessidade e impottancia de urna tal varie-
dade.
A formula um objecto de muita importancia em therapeulica ; um progresso immenso,
quandoella, maniendo a easeocia do medicamento, o torna gradavel, fcil epossivel para todas aa
idades, para todoa os paladarea e para todoa os temperamentos.
dos como o oiiiirdo Uro Ud.cio de ferro. A aeu sabor sgradavel, reone o tomar-se em urna pe-
quea dose, e ser de ama prompta e fcil dissolucaofo estomago, de modo que completamente
assimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que contem em uacomposicio, acooatipacao de
ventre frequentemenle provocada pelas outras preparacoes lerroginosas.
Estas novas qualidades em nada alteram a aciencia medicamentoaas do ferro, que sendo urna
substancia da qual o medico ae nao pode diapeuaaa em sua clinica, de incomparavel utilidade
qualquer formula que lhe d propriedades taes, que o pralico possa prescrever sem receio. E" o
que conseguio o pharmaceutico Thermes com a preparacao do cilro-lactacto de ferro. Asslm este
medicamento occupa hoja o primeiro lugar entre as numerosas preparacoes ferruginosas, com o
atiesta a pratica de muito mdicos diatinctoa que o tem eosaiado. Tem sido empregado como im-
menso proyeito naa molestias de languidez (cb I o rose paludas cores ) na debilidade subsequente as
hemorrhagiae. naa hydropesias que apparecem depoiadaa intermitentes na incontinencia: de urinas
por debilidade, as perolaa brancas, na escrophula, no rachilismo, na purpura nemorrhagica, na
convalescencia das molestias gravea, na chloro anemia daa mulheres grvidas, em todoa os casos
em que o sangue m acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, adecenes chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancross, syphililica, excessos venreos, onanismo e uso proloogado daa precauces mer-
curiaea.
Estas enfermidades sendo mu frequenles sendo o ferro a principal aubstancia de que o
medico tem de lancar mo para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece louvores e o
reconhecimento da humanidade, por ter descoberlo urna formula pela qual se pode sem receio
usar do ferro.
CONSULTORIO ESPECIAL HOME0PATHICO
no DOUTOR
n SABINO O.L PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os diaa uteia desda aa 10 horaa
at meio dia, acerca das seguales molestias :
molestias das mulheres, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias syphiliticas, todas as especies de febres,
febres intermitientes a suas consequeneias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA .
Verdadeiroa medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as cautelas necessariaa, in-
falliveis em seus effeitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos procos maia commodoa pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia; todoa
que o forem lora delta aio falsas.
Todaa aa carteiras sao acompanhadas de um
impresao com um emblema em relevo, leudo ao
6dor aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema poeto
igualmente na liata dos medicamentos que se pe-
de, As carteiras que nao lerarem esse impresto
assim marcado, ambora tenham na tampa o no-
me do Or. Sabino sao falsos.
O abaixo assigoado tem justo e contratado
com a Sr.* D. Umbelioa Gadault, compra de sua
loja sita na ra No A n. 11 ; quem se julgar com
-direito a algama reclamacio, dirija-se ao abaixo
signado na roa da Imperatriz n. 46 nestes 3
das.
Recite, 15 da outubro de 1861.Joao Luis V-
anos.
As caspas e a cahicc
O soIrimanto do couro cabelludo guitas vetes
(m arigioaalo moleaiUs quaai iaaualteia, laxen-
do que cadjMias saperaaslis a ella deaaovol'ata
progressinunente r abata; asa) alte qua infe-
lizmente vemos demonstrado no maior numera
de pessoas que habilam com eapecialidada os
paitas quentes, nao s como resultante da pre-
disppiicio orgnica de cada individuo, como tam-
bera por preceder as vezes o pouco asseio, e o
meio preventivo at eutio desconhecido psrs tn-
nuliltsa* os efieitos que diariamenla encontra-
mos as cabecea dasdamaa e cavalleiros. O tri-
copherou*, preparacio norte americana tem o fe-
liz effeito de fazer com qua estas secrecoea se
di.iipem, empediado o continuo desenvolvimen-
to, fortificando is railes dos cabellas, trazendo
por ease modo a limpeza da caneca, e garantindo
com especialidado o bom resultado, t*m qae na
extraccao daa caspas se possa temer aoffrimentoa
consecutivos, devfdo sem duvida a pureza de sua
compoalcio. Recommendamos portento essa ex-
cellente deacoberta, afim deque possam as pes-
soas que aoffrem de ealvice originada pelas cas-
pas, e a aquellas qua erabora nao eofTrarn de eal-
vice, veem-aa atormentados de to incommoda
secreco, precurarem o preconisado tricopheroui
na ra do Qoeimado u. ff.
Os administradores da mana tal-
uda de Siqueira A Pereira, convidam a
todos os Srs. credores a apresentar-lhes
os seus ttulos de crdito, afim de pode-
re m cumprir o que determina o art.
859 do cdigo do coinmeveio, deresdo
ter lugar dita apresentacao no estabe-
lecimento de Jos Morena Lopes, no
prazo de 8 das. *
Alnga-se urna caaa com solio no sitio do
Cordeiro, a margena do rio Capibaribe, com cora-
modos para grande familia, cosinha fora, quarto
para criado, coxeira pira carro e eatribaria para
cava los. Outra no mesmo sitio, a' margem do
rio, e com com modos para familia, cosinha fra
e estribara para cavaltos : a tratar no pateo do
Carmo n. 15.
Precisa-se de urna ama captiva ou llvre
(preferiodo-se a captiva) para o servico de urna
casa de familia : na ra do Imperador n. 37, 2
andar.
( Aluga-ae urna casa terrea no lugar de Sao-
t'Aona dedentro.com commodoa sufikiente pa-
ra grande familia, e o lugar o mais saudavel
para a saude ; a tratar no paleo de S. Pedro nu-
mero 6.
Attentjo.
Constando que fallecido Joaquina
Francisco de Mello Cavalcanti, de Naza-
retb.e de vendo este aos herdeiros e le-
gatarios de Franciiqo Maooel da Silva
Tavares a qu&ntia de 2:527$7ii rs. em
pt ata procedente de duas lettras, sendo
urna de l:188#5ii rs. vencida em 23
denovembro de 1836, e outra de reis
l:339/j[200, vencida em 19 de agosto de
1837, a lea dos respectivos juros na
mesma especie de 2 por cento ao mez
desde os das dos vencimentos at hoje,
pelo que fra demandado em 1844, pa
rando a questSo em grao de execucao
por se haver apresentado opm prefe-
rencia a azenda nacional: pede se aos
inventariantes desse casal que se dig-
nem de destinar bens para pagamento
dessa divida, lembrando se de que ha
um termo de deposito em que iguram
diversos.
Alaga-se um segundo andar com pequeos
commodos, pintado de novo, na ra do Encanta-
mento, e urna casa terrea na ra do Moodego ou
Colovello : a tratar na ra da Cadeia do Recife
com Valle, Porto & C; o. 33.
Joa Munit Trixeira Cun,.,;.,, ,8.i
de leilo prximamente oomeado pelo
meretisaimo tribunal docommercio ees-
tabelecldo com escriptorio e armazem na
ra do Imperador (outr'ora ra di Ca-
deia) n. 37, offerece seos servicos ao res-
peitavel corpo rommercial, a seus amigos
e a todos em geral que quizerem non-
ra-lo com sua conflsnca, assegurando-
Ihes cumprir bem e fielmente as funeces
inherentes ao seu emprego, para o que
nao poupar esforcoa a bem dos interesses
de seus commilentes.
Drama original brasileo em 5 actos
por Astolpho Franco Pinto Bandeira.
assigna-se na ra Nova n II a 3# por
exemplar.

Furtaram um avallo castanbo rutilho. no en-
genbo Arana- da baixo a qual muito cooheci-
4o por tea sido da partlaa do carro do fallecido
eommendMi Antonio Uiz 0acJves Ferreira:
quem o p^gaf genho ou a ra do Livrsmento d. 38 que ser re-
compensado.
Aluga-se um sitio
oa Torre i margen do ria, con boa casa da o-
ftraeTo.estriiaria.eocheira, cacimba com boa agua
de beber, com bomba de puxar agua, mullas
Cracleiraa. capim para 3 ou 4 cavalloa. excelleote
banho do rio, etc., aendo para familia capaz, a
que queira morar uelle ludo o anuo, aluga-se
muito barato ; quem pretender, dirija-se a ra
Novan. 15, primeiro andar.
Maooel Airas Guana saea sobre o Rio da
Janeiro.
4I PAARIA.
Aluga-se a padaria da travesss do Pires, a qual
est prompta de ludo, com muito bons commo-
dos, e est anda trabalhaudo, sendo aea aluguel
muito commodo ; a tratar na ra da Senzala Nova
numero 30.
Oa abaixo assignsdos tenham a bondade de
apparecer na ra Nova n. SI, Ioja do Germano.
Joa Antonio Ferreira da Silva.
Franciaco Xavier Venancio Pimeots;
Pedro de Asis Campos.
Buzebio Bezerra Cavalcanti.
slanoel Rezendo do Reg Barros.
. Sociedade Saneara.
Amorim, Fragoso, Santos & C. sacam e tomam
saquea aobre a praca de Lisboa.
Aluga-ae ama casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. do Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho aacam ao-
bre Lisboa : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio.
Quem precisar de ana criada portagaeta
para o servido Interno de urna cass, menos cozi-
nhar, dirija-ae a ra de Apollo n. 37, terceiro
andar.
Sitio para alugar.
Aluga-se o sitio do Monteiro, com boa casa,
aonde morou o fallecido pai do annunciante, tem
cocheira, eatribaria etc. ; a tratar com Msooal
Alves Gaerra, na ra do Trapiche n. 14.
Mtv9-9ft 999
S Muita aencao.
A abaixo assignada faz aciente ao rea- &
qp peitavel publico e em particular a todas f$
am aquellas pessoas, com quem Uvera con- a.
7 tas ou transaeces que ella nao tem 1
W presentemente divida de nalureza alga- V
^ ma e que algumas lettras que houvera g
assigoado para ai, a ae acbam todas pa- Z
gas, bem como algumas outras lettraa P
9 que tem endolado por favor, a alguna de 49
seus Olhos e georos, (nao todos) todas fe
w se acham pagas; e como ae conaidera nao 2
dever a ninguem, tanto de lettras auas, wP
^ como por lettraa endocadas a ditoa aeus k
am Albos e genros, bem como fiaocss ou g
' outrns quaesquer ttulos, a quaeaquer
*& pessoas, por isso fat a preaente deca- i$
cer aasim, o que nio crivel, quem ti- JJ
ver alguma leltra ou oulro qualquer do- W
aa| cumento, que ae conalitua seu credor, A
a& queira immediatamente apresenlalo o g
^ mais tsrdar nestes 30 das, na casa de sua V
sjp residencia na ra da Aurora n. 64, que $$
jk verillcado verdadeiro ser psgo em con- h\
mbx linete e para que nao apparecam duvi- ;
P das para o futuro e mesmo depois de V
4jp su* morte que faz o preaente aonuneio M
afe e declaraco aolemne para que ninguem, gn.
J aeja quem quer for, se chame a Igno-
9 rancla. Outro aim, quem quer que ae e$
jk julgar credor, ter a bondade de deca- gm,
rar por este Diario. Recife 5 de outu- ;
bro de 1861. &
@ alaria Theodora d'Aasumpco. ijt
. Precisa-se de 1509 a jaros quo se conreo-
cionar, dando-se para garante do dinheiro urna
escrava que sabe coziohar o diario de urna caaa,
lavar e vender na ra, cujo servico flcar para in-
demniaacSo da quantia e juros ; a tratar na ra
do Fogo o. 22.
Aluga-ae metade de una loja tita na ra
da Roda o.52: a tratar na mesma.
Lines
de liagua nacional, latim, ingles e rancet em ca
parUca^^Hte ee Iic6aa4e tagUs a tran-
ces pala eisjsajlia sMaodo d'Olteudoiff, netbo-
4o pelo qual ensinam-se differentes linguas os
laropa ; na vardade i a nico qoe am pouco
lampo pode aasinai a faltar, eaerever e traatasir
a na Hja eairauha eom p e r fnco: aa da na-
trit da Boa-Vial a
Aluga-; ro andar da sobrado o.
21 na raa da Senzala velha ; quem a preteaaer,
pode ver aa chavea na mesma ra h. 48, ne de-
posito.
Pergunta-ae ao imparcul Beberibeose ae o
seu ao publico .no Diario de Pernambuco de
sabbado 12 do corrente met, pagina 2, ae ae en-
tende com o lente de guarda nacional Joaquim
Correia Lima Waoderley, conhecido geralmenle
por Quincas do paaaarinbo ; e ae aqui temoa
santoa Deoa, aantos fortes, santos immortaea, mi-
serere nobis.
Antonio Fevra vai Macelo.
Perdeu-aa urna letra da quantia de 1181000
aaccada em 8 de agosto de 1861, a doua mezea,
por L. Pugy, e aceita pelo Sr. Miguel Baptista da
Costa, vencida emSdeste met de outubro, a ejeal
tica de neobum valor, tendo j prevenido ao
aceitante e o secador de nao a pagar ne caso que
apparaca.
AVISO
O secreta no da irmandade de N. S.
do Terco convida a todos os irmaos da
mesma para reunio de mesa geral, do-
mingo 20 do corrente, as 10 horas da
tranhaa, no consistorio da igreja, afim
de se proceder a eleicao da mesa rege-
dora que tem de funccionar no anno fu-
turo.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, ten-
do reorganisado a sua casa de saude sita
na Passagem da Magdalena, tendo de
visita-la diariamente, all dar' consul-
tas todos os das das 8 horas da manhaa
ao meio dia e acudir' a qualquer cha-
mado, sendo as consultas e os remedios
dados aos pobres gratuitamente.
Escultura em Marmore
Caes do Ramos n. 30.
Jardioetras idem dem do Di a *
Consolos liaoa de 8 a 14.
Aparador* da SOR a |.
Letraa grOvadaa douraAaa om anaarllaac CM-
forme ea caract*rea a taaaaoktoa do 1*0 sa, caaa
urna a i|.
Pedra para collocsr aa ditas, cada palno tai
qasdro a 1|.
Conearta se alahaatra, jaspe a#orcalaaa.
Recbeos-se pedrea andas em traca, aer ga-
na oa nio de traatea, alada msaaia aaabialu.
Aluga-ae o regaa)* radar da eaaa a. ttfe
ra do Vlgario : a tratar aa saesna raa a. II ta-
berna.
Precisa-se de un
gommar para casa da
Hospicio n. 48.
MM
ama para easiakar a ea-
poaca fanilia : aa raa *
VteHktriUtUJ+

bacharel Witrutio po-
de ser procurado na ra
Nova o. 23, sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
Dentista de Pars.
15 RuaNova15
FradericGautier,cirurgiiodentista,fai3
2| todas as operacoes da sua arte ecollocaj
dentesartilciaes, tudoeom a superiori-i
dade opcrfeieao que as pessoas en tendi-'
dss Ihereconhecem.
Ten agua e psdentifriciosetc.
Gabinete medico cirurgico.J
^ Ruadas Flores n. 37.
49 Serio dadsacooa<aa medlcas-cirurgi-nj
OS cas pelo Dr. Estevao Cavalcanti de Albu- S
41 querquedasatlO horas da manhaa, ac- m
dj cudindo sos chaados com a maior bre-
Sridade poseivel. Z
!- Partos.
O 2.* Molestias da pelle.
aa 3-* Iden doaolhos.
Si.* dem dos orgaos geoitaes. a>
s Pratieartoda equalquer operaco em sa
aj> seu gabinete ou en cas dos doentes con- S
4) forma Ihes Mr maia conveniente.
..fiAMITE PORTUGUEZ
DE
Por saasaua; afc5s3La1aSa eoneelbo
deliberativo ta convidados o* liaaisiss ooasa-
ao* de oattibro da 1981.
fteaakco> Inaeia Ferreira,
! setrelafio.
ez i
naa te.
Leftara,
Importante
Aviso
a loja da4 portas da ra do Queimado 3gi
ia-se om grande armazem com todo o sorti-
mkntode roupas feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna offleina de alfaiate, eataudo encarresa-
dohdella um perfeito mestre vindo de Lisboa, pa-
ra jdesempenhar toda e qualquer obra que ae Iba
eotommede ; por isso que la* um convite espe-
ffl' lda as P^80 com especialidado os
lllrias. Srs. oQiciaes tanto da armada como do
exrcito.
Haz-se fardas, fardos com superiores preparoa
e muito bem feitas, tambem trata-se fazer o ar-
daajeoto todo completo conforme ae usa no Rio
dJeiro, tanto que tem os figurinos qae de
l vieram ; alm disso faz-se mais casaquiohas
para montana, frdelas ou jaqueles, bem como
collbtes a militar para os Srs. sjudantes de esta-
do maior e de cavallaria, quer aeja aingelos ou
bordados a. eapequilha de ouro ou prsla, tudo ao
goatb da Europa, tambem prepara-ae becas para
desembargadorea e de qualquer juiz segundo o
esiylode Coimbra aonde se fatem as melbres
conhecidas at hojo, assim como lem muito ricos
desechos a matiz de todaa as cores proprios para
fardamento de pagens ou criados de libr que ae
tari pelo goato franceza. Ha meama casa en-
!*rf2,"8e de Mer Pf Meninos jaquetas a
"** bordadas ae mesmo gosto. Affiancando
que por todo se fiea responaivel cono teja boas
azendas, bem feito e bon corte, nao Aa atta no
"J qJtr,r<^,,flw UDd sjatema d'onda
vaio a meatre. pota espara a honroaa viaita doa
dignos seahores visto que nada perdem em es-
peri mansar.
Mii toja d'agoijr de ouro, ruado Cabug n. 1 R.
recebeu um completo sortiment de gollinhaa de
mtsaaaga,aenda de'
soe
lile
aiilev
Aaaato Colanafet
em Fraojf.

vai faser
rilstjniio,
eixaadacomo
In pfotaracio
ana viagem
35-Rua larga do Rosario-35
Francisco Jorge da Silva Paranhos, dentista de
Lisboa, colloca denles artiflciaes terrometallicos,
ncorruptiveis por lodos os aystemas, acera e
endireila oa diaformea, assim como faz todas aa
operacoes da sua arte o que executa rom a maior
delicadeza, perfeicao a primor para o qoe pode
ser procurado tanto para a capital como pira fora
lana,
Alugam-ae as casas n. 13 da ra da Cruz,
n. 2 B da ra de Apollo, e n. 193 da ra Impe-
rial : a tratar na ra da Aurora n. 36.
Preciaa-ae de urna ama, preferindo-ae es-
crava ou portugueza : no pateo do Terco n. 26.
Aluga-ae paia paasar a feata urna excelleo-
te casa na freguezia do Poco da Panells, situada
entre os sobrados ds viuva de Joao Pires e Prede-
rico Chaves, a qual tem duaa grandes salas, oiio
quartos e dous quinlses : quem a pretender, po-
de dirigir-io a ra do Imperador n. 83, primeiro
andar, Armazem na ra da Madre de
Dos n. 6, de Machado & Rodrigues,
a inda continua a sustentar o mercado
do milho a preep de 5#500 por sacco,
sendo porcSlo tszse dilTerenca.
Attenco
9
Precisa-se alegar urna ama de meia idade, que
aaiba coainhar bem, para urna caaa de pouca fa-
milia : a tratar na ra do Trapiche n. 18.
Precisa-so de urna ama para cozinhar e en-
gommar : a tratar no Beco-iargo, n. 1. seguodo
andar.
Antonia Francisca Bandeira e Rosslins Fran-
cisca Baodeira retiram-se para o Rio de Janeiro.
Se o annuncio inserto no Diario de Per-
nambuco do boje, em que pede ao Sr. Francisco
Joa da Coala de apparecer na ra Direita n. 55,
enlende-se com o coronel Francisco Jos da Cos-
ta, elle mora na ra dos Prszeres, na Boa-Vista,
onde pode ser procurado, e furta-se ao trabalbo
de procurar ao annunciante, pois crer nao ter ne-
gocio algum com pesaoa que mora na ra Direi-
ta, e pede ao meamo annunciante, para evitar
*,-S"7**;.fc'-*i" ''* *",,V" imm le rpfsre.
Oa abaixo aasigoados tendo justo a casa de
pasto e taberna sita no largo da Assembla n. 16
sendo estas vendidas pelos Sra. Andr, Branco &
Justo, avisam a aquellas pessoas que tenham al-
gumas inlervencdes por donde possa impedir di-
tos negocios compsrecs eos termos da le.Joao
Antonio Goncalvea & Francisco Roraeu.
O abaixo assigoado declara que o annuocio
que sahio no Diario n. 238 de 15 do corrente,
talco e por isso que o annunciante nio se despe-
dio nem tal annuncio fes e menos ordem para
isso. r
Recife, 16 de outubro de 1861.Antonio Pedro
Martina.
Aluga-se um quarto independeote, muito
rresco proprio para dormida on mesmo moradia
de um rapaz solteiro sito ns ra nova de Santa
Rita: pira ioformacio na ra Direita numero 16
loja.
Precisa-se de um bom trabalhador de ma-
ceira : na padaria do Leao do Norte.
Predsa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra comprar, cozinhar e engommar: quem tiver
dinja-se a ra da Pai n. 34.
O hospital militar precisa de um homem
para aervente.
. Os annuucios que tem sahido neste Diario
de Pernambuco chamando Franciaco Joa da
Coala ra Direita n. 55, nao se enlende com o
I llm. Sr. coronel Francisco Jos da Costa.
Precisa-se de um criado livre ou captivo,
de ISannos de idade, paga-se bom ordenado : a
tratar na ra Augusta n. 17.
AUenco.
Aluga-se metade do grane armazem do ces
do Ramos n. 28 ; a tratar no mesmo, ou na ser-
rara n. 59, onde se vende caibros, enxameis,
Uoa traveseas e travejameolo, maia barato do
que tem vendido.
Precias-se de orna ama para todo servico de
casa de duas pessoas, e que ssia a ra ; na ra
alas Cruxes n. 23, taberna.
Goncalvts C, abaixo assigoados, leudo
_ Aluga-ae o terceiro aodir di
aita na ra do Amorim ; a tratar na raa
deia n. 62.
Aluga-se
urna casa na Torre para paaaar-se a feata,
salas, 3 qusrlos, copiar, eotiuba, o aiatal
rado, com estribarla, yerto do baoao; queaa a
pretender, dirija-sa aj> meamo lugar, a tallar coas
Francisco Jos Arantes.
Aluga-se orna escrava noca a sadia, ajan
sabe fazer todo o servico de urna casa, anata co-
mo um moleque de 12 a 14 anaas : quem Salina
precisar, dirija-se a rus ds Imperatriz a. 98.
J tempo meus senhores !!
Os senhores Jos Florencio de Oliveira a Silva,
Manoel Jernimo de Albuqaerque e Henriqae da
Fonaeca Coitinho, ao rogadoa a coaelair o ne-
gocio que nio ignorara, na ra do Crespo, loia
numero 20 B.
No becco da Boia n. 2, no Forte do laltoe,
precisa-se de um bom cozinheiro on eosinheira.
Attenco
Os Albos e herdeiros
Monte Lima aua mulh
doa
. -ulner D.
ascimento previne a todoa
Na ra das Cinco Ponas cozinha-se para 3
i 4 pe3soaa, aancando-se ser com muita lim-
peza e perleicao ; aa pessoas que quizerem, diri-
jam-se casa n. 15, confronte ss casss queima-
d". que achario com quem tratar.
allecidoe Jone da
Ansa Jninin *
oa licitentee naa aa
mitas denominadas Zumby, no lagar da Ibura
onde se acha edificado o engenbo Agasa-Beilen
de Jos Rodrigues de Oliveira Lima, quo tem da
ir praca no dia sexla-feira 18 do correnta, ana
ss ierras em que se acha edificado o dita ausVu-
nbo, da poese e domioio doa annauciaatea ana
houveram por heranca do aaue fallecido* pata a
nio pertencem ao dito executado Jos lodrigca
de Oliveira Lima, como declara oa mnanclee da
praca, publicados no Diario de Pernambaco ; a
que em lempo competente os meamos aoBonciaa-
tes o provario com aeaa titaloa, a por iaso diada
j previne a quem o arrematar, e protestas da
ir haver suas Ierras de quam aa tiver judicial-
mente.
Os abaixo aaaigoadoa, de romanee accordo.
diisolveram a sociedade que desde detonara 4a
anno p.ssado gyrou neata praca debaixo da fir-
ma de Joio Aotooio Gomea Guimaries 4 C, fi-
cando a cargo do socio Henriqao Adoar o activo
e patsivo da meama firma. Recife 16 do oolabra
de 1861.Joio Antonio Gomes Guimaries, Hea-
rique Adour.
Ama.
Precisa-se de urna ama ; na roa das Laranati-
ras n. 5, segundo andar.
Precisa-ae de 200g a jures por etpaeo da
dous mezes, dando-se onro e prata por garaatia:
quem tiver aonuncie ou v a ra daa Craxes nu-
mero 5.
PLBLIC4(JiO L1TTERARIA
ACHA-SE NO PRELO EM MARANHAO'
i ayaaaM hostdioIisd
DE
lio
I-
S
ir. I (h
o ^P" Vyixnggay O

/ oaoiie) ^
o^ o 0
sa
I
"2
J 3-Rm estreitt d Rostpia-_3 i
Franciaco Pinto Osario continua a col-
al locar dantas artiflciaes tanto por meio da
saolaa como pola preaaio do ar, nio re-
WfiMtowaeaique as obras aio
au> fiquera. a vootade de. seus donos, ten pon ,
Soutraa preparados aa maia acreditadas
para coaaervacao da bocea. **
no Diario de Pernambuco de hoje 15 do corren-
te, um annuncio do Sr. Joaquim de Oliveira Maia
acerca da venda feila pelos abaixo assigoadoa de
seu estabeleclmenlode taberna, responder a di-
to Sr. Maia, que os bens e estabelecimenlo da re-
ferida sociedade nio cali augeilos a pagamentoa
de dividas particulares de um dos socios (e con-
tratadas antes da sociedade), como expresso no
art. 292 do cdigo do commereio, e s poderi o
Sr. Maia ter direito ao quiohio liquido do socio
seu devedor depois de satisfeitas todas as obri-
gacas sociaes.Goncalvea A C.
Una aenhora que d fiador a sua capseida-
de offerece-se para ama de caaa para engommar,
e coser, o que faz todo com perfeicio e por com-
modo preco : a tratar no Becco Largo taberna nu-
mero 2.
Precisa-se alugar urna prea coaioheira, pa-
ga-se bom : quem tiver annuncio ou dirija-se
para tratar a ra da Cre do Recife o. 17.
A abaixo assignada declara a quem posss
interesssr, que nesta data rendeu com o coosea-
timenlo de seus credores a sua loja aita oa ra
Nova n. 11. ao Sr. Joio Lait Vianua.
Recife, 15 de outubro de 1861.Umbelina Ga-
dault.
Qeem precisar de orna ama com muito bon
leiie, dirija-se a fu do Amorim n. 10.
Autopio Jos Alvares, propietario do en-
genbo Canna, na comarca de Santo Aotao, fax
publico, que no dia 8 do met corrente fugira do
seu engenho o escravo de nome Damaaio, criou-
lo, de idade de 25 annos, cor preta, com oa iig-
naea seguintes: altura regular, corpo groeao,
"'d grindei, bi;os grostos, com tita olHomaia
vexojelho ano oulro por molestia que loOreu no
meamo, tem urna anata de um dada da mi a
cabir ou cabida, quaodo anda parece marojo, e
pouca barba ; qeen o aparehender o oonutiri
ao dito aeu seobor no referido engenho, a ser
gratificado com 5QS. Rs noticia que este escravo
anda pela cidado do ftecife.
Hoja depoia da audiencia dq Dr. jnis muui-
f i i* li !'" T,i P"*!* '*' arrena-
tadoa 7 cadeirss do jacarindi, meia connada de
ooodur, a nna escrava de nomo Banedteta, de
l'*lf# 50.'DDOf' oco mii menoavw
5h da D. Maris Lbenla aWaleiro.
Lembrancas Brasileiras,
l(D(D3ia)3j.t3)i\3 3 13GMQIP98 PllnJ)
Dr. Cesar Augusto Marques.
. ?,leJlr,^.a!.ho! fet0 a in}4C*o doa lmanaks de lembrancas do Dr. A. de CastJlke tema aat-
brefactos da ffu/or.aa-0 Brait/.colligidas em livroa memoria. e chrooicaa aailgM JS' VZ
menroSZo'& qUebmm ,ta*" '" biblio.heca. d. mS&'nr.if^'Z
de nei^id.'- der"mar-e ^ ^^' n"n" Po*.. Misa heroico,
E'um meio proprio de se ir infiltrando no animo dos meninos em linnaaneea adaotaaU ..
suas acanhadas inlelhgencias idea, que lhe serio de proveito. e de deaparte tm ten? tacare.
Coes o amor pelas velha. eousas da patria, que em geral anda esquecidaa q.aodo llon I
eara-
deviam aer.
Ahi se encontrar para cada dia do anno urna oo mais dalas, qae despert a leabraaca da
qualquer couaa creada, fundadalou eatabelecida em igual dia de annos anterioras
.m. .ii.n^%T 'Ptomeride estar um artigo, onde se descreve o Habereeimento U al-
guma villa ou cidade, de templos e conventos, de rep.rtices publicas, jerdias botnicos, monea
pisseoi pblicos e hospitaes, a biogrsphii de ilguns bnsileiros illuatrs pelas scieoeias a lettraa!
*r!e?,a ",""' 'ond.clo das diversas se demias, de sociedades adentfficas e litterarias de oecataa
e bib lotecai. a descripcio de signos vegetase braaileiros, seus osos e uUlidade ; t heeitae nona
e coiiumes dos indgenas em suas aldeias, na pesca, na guerra o na pac; os traaetboa acoetoHcaa
dea jeauias. nocia de muitas minaad'ouro. prata, cobra e oulroa meUaa. da alconas cruUa a alaa
aeus descebridores e exploradorea. ama ou outra poezla rara ou inadicta, urna ou nutra aaedVu
algumas lendas e tradiccd.es populares, emuitas outras leituras todas fallando da noeaa Mirla""
Recebem-se aaaigoaturaa a 2 cada exemplar, bem impreaao en aa panel a nraiaie na Iv-
pographi. do Sr. commend.dor Figueiroa de Faria e livrarla universal de Guiarles Oliveira
Pagamento na occasiioda entrega.
J est em andamento o 2o volume; o autor eheo de praxer e cooflaoca convida todoa aa lit-
erato, deeta provincia e daa oolrasdo imperio, al mesmo oh carlosoe, pareqoeTewinda V islan
traeedo queira envi.r-lhe seus artigo., oacemmunicar-lhe ..lguma noticia ntil aanShisVi
o que dando realce a Uo improbo perm avovetuao tr.balho. preaUrlo importanto errica ..' to
tras patrias, sos estudosoe e aea nninos. Previne-se desde j qae alo ttit nonin *
por maior que saja o esforc empregado, s bellota da serile, o a osleo do fadivMaa
artigo, que trate de polltrca. nema poltica, que todo iteeiquinha, ludo confunde etoaV
ero tambem alluadea pesise, porque o autor quer que o sea livrioho aoia rocoMdo m-----
confianca en todas aa casas, atrt para lodo, aeja bemviodo, e quo se n cooriderewa o en Ma-
cero, cu qae so eoavera., anorto o eoraclo, depoie das .rdaaa fadfg.. do Unmn a faanb aa
espirito a aUtioaoa daagaatoa tio cempaahairos da vida e nao desera va"fro.UoaVaa sea nenian, a
nata enraajsaa a fronte do. que .entregar. e enea rpida tta,V ^
maanaaWA^00 M *' P'" *"* *H **** "* "'
i ii r-av-%\ #I l


DU*#* itfctMKMGO *- MITA IIlsU lt M^DTIWIO 011161.
Compras.
Compra-se ota escrsvo mogo, sitio a de
boa figura saa vicios preferiodo-ss da Coila : na
ra do Trapiche n. M 3* andar.
Compra-se
cabellos
Na na do Qaoimsdo
Compra-ae me j; na
ruadaCrui n. 4$, paga-te mais do
que em outra qualquer parte.
Compra-se ata Ka mulata que
sejem perfeitaa cozlnaeirM, safMsmadeiraa e
casUueuas: na na da Cre n. 1, eecriplorio de
Azeveao 4 Meados,
ompraa>-ec saoedes do ooro e patacea
hespanboeaao cimho de Carlos III e IIII, ni ra
Nora a. 23.
Compram-se escravos
mocos e boaa finara, pagam-ie bem : na ra da
Imperatriz n. 1. loja.
Compram-se ponto* de marfim ; na prici
da Independencia na. 18 e 90.
Compra-ae ura cofre seguro que nao aeja
caro ; a tratar na thesouraria das loteras, ra do
Crespo B. 15.
Vend
as.
Milhares de individuos da i ^^^|^|
iu > aaaaBBBi
r*-
Liquidaco de
calcado francez.
Ra da Imperatriz n. 16.
Vende-so calcado francez para hornem, seoho-
ras, meninos e meninas, por todo o qualquer
prego, em razio dos proprietarios diste estabe-
lecimento terem de sortir novamente para a tes-
ta e quererem acabar com todo o calcado que no
mesmo esiabelecimeotoexistir, assim como pe-
dem mu respeitosameote aoa seua deredores o
obsequio de virem pagar as importancias de seus
dbitos, valo qoe do primeiro de novembro pr-
ximo futuro em diante sero eotregues todas as
conlas a um solicitador afina de as recefcer como
julgar conveniente, faiemos portento o presente
annuncio aflm de que nao baja como houve
quem ae queixasse do meio que empreguemos
para eate flm.
Ferro < Maia-
Ra do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-se chitas (raocezaa muito finas de co-
rea flxas, covado a 240 rs.
Chitas ingleza, covado a 160rs.
Cassaa francesas muito finas, covado a 220 e
240 rs.
Brim branco de paro linho, Tara a 1$.
Panno verde, cor de caf, azul e prcto, corado
a 39000:
Chelea de touquim a 159000, 10, 15, 30, 35,
40e5tt*0OO. ....
Superiores meias de algodo cr para hornera,
a duzia 45.
Visilaa bordadas a matiz, urna, 89 e 10$.
Camisas para senhors, urna, 2$. _
Cortes de casemira de cor, superior fazenda. a
3*500. r
Velludo de todas as corea, corado, 39 e 4g.
Superiores paletota de casemiras de corea a 14$.
Riquissimas capinhas bordadas para senhora a
45 e 50$.
Riquissimos manteletes pretos bordados a 35 e
Riquissimos cortes de seda preta a 40,50 e 60*.
Ditos ditos de cambraU branca bordados a 209.
25. 30. 35 e 40a.
Chiles de merino eslampados, superior uzea-
da a 49.
Cortes de velludo de cores para collete a 4a e
5*000.
Gollinhaa de cambraia bordadas, urna 320 ra.
Superiores casemiras de cores, corado a 2*800
e 39000.
Pentes rirados de tartaruga a 6 e 89.
Lencos de linbo, duzia a 5 e 65.
Camisas de linho, duzia, a 35, 40 e 45$.
Casemiras pretas, superior fazenda, covado a
19600 e 18800.
Cortes de cambraia bordados a 1 $800.
Ditos de dita de salpicos a 39.
Leques a 3$.
Chapeos a Garibaldi e traviata a 10, 12 e 159.
Ceroulas escocesas, urna 1*280.
Tarlstana de todas as cores a 800 rs.
Existe maia um esplendido sorlimente de fa-
zeodas que seria enfadonbo menciona-las, e que
ae rendem por muito menos prego do que em
oulra qualquer parle.
Na loja de Nabuco & C, na ra Nora n. 1,
vendem-se as mais modernos chapeos de palha
de Italia a Garibaldi para aeohora, ditos de palha
rajada a Cavour, ditos de feltro a Fgaro, dilos de
palha de Italia para meninos, ditos de feltro, di-
tos de seda e merino enfeitados a Turco ; e tam-
bero um grande soriimento de gorros e bonets de
velludo, de seda e de palha, ludo por prego com-
modo.
Existe na loja de Nabuco & C, na ra Nova
n. 2, um lindo sortimento de vestuarios para me-
ninos e meninas de 2 a 6 annos, sendo os mas
baraloa de 2*, e os mais caros de 3T$ cada um.
Vendem-se capellas brancas finas para noi-
ras a 5 e 89 cada urna, ditas de cores para bailes
a 3S cada urna ; na loja de Nabuco C, na ra
Nova n. 1.
Vendem-ae cesaveques de fuslo para me-
ninas de 6 s 10 annos, ditos para seohoras, golli-
nhas de cambraia bordadas, ditas cora manguitos
e camisinhas, gravatiohas de velludo e de seda,
lencos de cambraia de linho bordados, ditos lisos,
ditos de palha da India, e um sertiaaento de lin-
ios dourados e de seda com fivelis de sgo, tam-
ben) se vendem aa fivelas solas; na loja de Na-
buco 4 C, os ra Nova n. 2.
Vendem-se na loja de Nabucofc C, na ra
Nova n. 2, camisas de cambraia bordadas para
senhora a 59 cada urna.
Nabuco & C, eom loja na ra Nova o. 2,
acabam de receber pelo ultimo navio um sorti-
mento de roupas feitas para hornea), como sejam:
Paletots de psnno preto fino.
Ditos de alpaca preta e de cor.
Ditos de brim e de fustio branco e de cor.
Caigas de casemira preta e decores.
Ditas de branco ede cores.
Colleles de seda e de casemira.
Ditos de casemira branca para noivos.
Dilos de brim e de fuaiao.
Camisas tinas inglesas, de linho, pregss largas.
Dilsa francezas.
Ditas de fuslo de cor.
Ditas lodas de chita.
Ceroulas de linho e de algodao.
Ditas de asis.
Camisas de meis e de fienella.
oulraa muitas obras que se vendem por pre-
go commodo.
. fendem-se chspeos de seda frsncezes pera
horneas a 79 na loja de Nabuco & C, na ra
Novad.
Para pagens.
V?lt6ff" IoJ* "* "atondo'* C, na rea No-
va o. 2, chapeos de oreado para pageos a 29.
Rap fraucez.
Vende-se rap francez em libris e meias li-
bras ; aa loja d Macuco & C., na ra Nova,a. 2.
Vend-se da loja de Nsbuco & C, na ra
Nora n. 2, fumo eoporal para cachimbo, dito de
orde Harlebete, dito americano, cachimbos de
gesso, estrada de ferro, ditos de maesa com ca-
nudo de borracha, ditos de madeira, ditos de es-
puma do mar, ditos de imtacio, e ootraa multas
qualidadefl, que se veadesa oasis barato do que
em oulra qualquer parte.
Aviso aos buhareis.
Na laja de Nsboco & C, es ru Neva o. 2, rea-
ffl-ee lite para cartas de beehsreii o 89 a vara,
peloSB
merabrosi
pregada intilmente
passa poder-ie-ln coo
ravilhosas pala leitura dos p PHHpm
relatara todos o das ha Tffnuos annos; e a
msior parte 4as sao fio sor prendentos que
admiran os mdicos mais celebras. Quantts
pessoas racobraram com tete soberano remedio,
o usa de seus kragos a pernas, e'pois dedur
permanecido longo tampo nos hospitses, o tas
deviam soffrer a amputsgao I Dalias ha antu-
cas quehsvendo deixado asses, asylos depade-
timentos, parase nao submaterem a assaope-
rario dolorosa foramcaradas completamente,
mediante 0 oso dessepraoioso remedio. Al-
gamas das taas passoa na anusio de seu reco-
nhecimento deca raram estes resultados benfi-
cos disnte do lord eorragedor e outros magis-
trados, afimde maisautenticaremsua a firma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado dessude se
tiresse bastante confiante para encinar este re-
medio eanstantemantesaguindoalgam lempo o
traUmento que necesstaasa a natureza do mal,
cujo resultado seria provsrincontestavelmsnte.
Que tudo cura.
O ungento beatll, mais particu-
larmente nos sefrulntescasos.
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras.
Dores de cabegs.
das costas,
dos membros.
Enfermidades da c
em geral.
Ditas de anus.
Empees escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiras escaldadas.
Inchaces.
Inflammacao do figado.
Inflammagao da bexig
da matriz
Lepra.
Maleadas pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelss.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulaces.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no es la bel ec i ment
geral de Londres n. 244, tStrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas enearregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Yende-se a 800 rs,, cada bocelinha contem
urna instruegao em portuguez para explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, em
rernambuco.
Coral.
Vendem-se Dos de coral lapidado a 19200 e
IJfiOO, ditos de raiz a 19, manliohas dos dilos de
duas voltas a 29, e de trea roltas a 39: ns loja
d'aguia de ouro, roa doCabugi n. 1 B.
Flores.
Vendem-se ramos grandes de flores muito fi-
nas pelo baraliasimo prego de 19 cada um ; a el-
les, antes que se acabem ; na loja d'aguia de ou
ro, ra doCabug o. 1 B.
Espelhos para cima de
mesa.
V..1.. .. 1 Tl| .1tl .1 -- -.1----------------------
lente vidro a 49, assim como mais pequeos a
39: na toja d'aguia de ouro, ra do Cabuga nu-
mero 1 B.
Souhall Mellors & C, tendo recebido or-
dem para vender o seu crescido deposito de rslo-
gios v^to o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portento, s pessoas quo quizerem
possnir um bom relogio de ouro ou prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-ae da op-
portuoidade sem perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prego no seu esciiptorio
ra do Trapiche n.28.
Vende-se por preciso duas escravas, sen-
do urna crioula com um lilho de tres meces e com
muito bom leite, eogomma e cozoha com per-
feicao, e outra de meia idade boa quitandeira,
por dar duaa patacas por dia ; lava bem o coz-
oha o diario de urna casa : garante-se ambas
nao terem vicios: quem precisar annuncie, para
ser procurado.
Manteiga ingleza flor
800 res
francesa, 600; na ra das Cruies n: 24, esquina
da travessa do Ouvidor.
A 29000 o corte
de caigas de meia casemira escuras de urna s
cor : na ra do Queimado n. 22, na loja da
Boa-f. '
120
40
40
SO
20
60
120
29400
29OOO
160
20
190
100
240
400
500
39OOO
500
40
160
120
120
leo
500
500
120
400
400
320
640
800
500
320
80
Boa fama n.
35.
Rival
msegundo
Nema do Queimado n. 55, loja de mludezas
de Jos da Azevedo Maia e Silva, tena destinado
acabar com certas e determinadas miudezas pelos
precesabaixo declarados, e venham logo pola
est acabando.
Caixas eom agulhss francezas a..........
Novellos da linha nara marcar a 20 re. e..
Ditos de liaba de coree e muito grandes a
Carretel de linha, superior qoalidade a..
Linha branca do gaz a 10 rs. e...........
Dita dita, melhor que ha, novello grande
Pares de meias de corea para meninos a
Duzia de meiaa croas muio superiores a
Dita de ditas ditas a......................
Pares de meiaa de cores para meninos a
Linha em cano Pedro V a..............
Caixas com paosphoros de seguranca a
Canas de folhaa com phoaphoros (s a
caixa val 100rs.) a...................
Duzia de phosphoros do gaz a.,........
Frascosd'agaa de colonia superior a....
Ditos com cheiros muito tinosa........
Duzia de meiaa muito Una para senhora
Caixaa de apparelhos para meninos a 240
_ .........., .
Trancaadelia e delinhosortidasa......
Sabon e te gra ndes e supe rio re a........
Groza de botos pequeos para caiga a..
Grozade boloes de lougs a..............
varaa de tramoia superior a 120 e........
Grozade peonas de ago a................
Carteiraa muito superiores a............
Baralhos portuguezes a..................
Tesoaraa muito flnss para coatura a....
DHaaparannhssa240e..................
Baralhos para voltarele a 240 e..........
rraico deban ha deurgo a................
Fraacoe grandes de lavando a m breada, eu-
perior qualidale a....................
Frascos de oleo de babosa a 320 e......
Fraacoe de danha muito fina a ttOe......
Agulheiros com agulhas a................
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande e variado aortimento de
roupas feitas, calgados a fazendas e todos
estes ss vendem por procos muito modi-
ficados como de seu costume.aeaim como
sejam sobrecasacos de superiores pannoa
e casacos feitos pelos ltimos figurinos a
269,289, 309 e a 359, paletots dos mesmo
pannos preto a 16|, 18|. 209 e a 249,
ditoa de casemira. de cOr mesclado e de
no vos padroes a 149.169, 18, 209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
rea a 99,109,129 a a 149, ditoapretoa pe-
lo diminuto prego de 89,109, e 12$, ditos
de sarja de aeda a aobrecaaacadoa a 129,
ditoa de merino de cordo a 129, ditos
de merino chinen de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditoa de palha de
seda fazenda muito auperior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusilo a 35500, 49
e a 49500, ditos de fuslo branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de cores
brim brancos'finaa a 49500, 58*59500 e'a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6|, collete
de gorgurao preto e de corea a 5 j e a 6
ditos de casemira de cor pretos a 4850
e a 59, ditos de fustio branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 4|.
dilos de merino para luto a 49 a 49500,
caigas de merino para luto a 4$500 e a 5$,
capas de borracha a 9J>. Para meninos
de todos os lmannos: caigas de casemira
prefa eda cor a 5g, 69 e a 79, dita ditas
de brim a 2, 39 e a 39500, paletots sac-
eos de casemira preta a Cf e a 7, ditos
de cor a 69 e a 7f, ditoa de alpaca a 39,
sobrecasacos de panno preto al29e a
14, ditoa de alpaca creta a 59, bonets
para menino de todas aaqualidades, ca-
misas para meninos de todos os lmannos,
meioa ricos vestidos de cambraia feitoa
Eara meninas de 5 a 8 annoa com cinco
abados liaos a 89 e a 128, ditos de gorgu-
rao de cor e de la a 59 e a 69, ditoa de
brim a 39, ditos de cambraia ricamente
bordados para baplisados.e muitas outraa
fazendaa e roupas feitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade ; assim como recebe-se toda e qual-
quer encommenda de roupaa para se
mandar manufacturar e que para eate fim
temos um completo sortimento de fazen-
das de gosto e urna grande officina deal-
faiate dirigida por um hbil mestre que
pela sua promptidoe perfeigo nadadei-;
xa a desojar.
E ARMAZEM
DE
Joaquina Francisco dos Santos.
40Sua do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco, letreiro verde.
VENDE-SE O SEGU1NTE:
Para casamentos.
Ricos cortes de veatido de filo.ou blond de seda branca com ramo e capelli, o
maia moderno e auperior que ha no mercado.
Para bailes.
Undo cortea de vestidos de fil on blond de seda branca bordadoa a branco e
corea.
itoa de tarlstana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordadot a branco com muita elegancia.
Saias bordadas.
Rica saias de cambraia branca bordadas com o msis spurado gosto e mais finas
que ba no mercado.
Ditas de dita recortadas maia baratas.
Para baptisados.
Ricos cortes de vestido de cambraia branca bordados com mulla elegancia, o
mais moderno e maia superior que ha no mercado.
Manteletes.
Ricos manteletes de aeda de cores e pretos bordados e lisos com enfeites, btm
como arrendados, por pre?os commodos.
3#000 a peca.
Pecaade cambraia lisa larga fina com 6 a 6 1|2 raras, muito barato.
Lengos.
Ricos lengos de cambraia de linho bordados a 39,49 e 59 cada nm.
Chales,
Ricos chales de tonquim brancos bordados de pona redonda ede 4 pontas.
Alem daa fazendas cima mencionadas tem um grande sortimento de todas aa
qualidades, que nao 4 possivel mencionar-se pelo grande espago que tomara.
45 Ra Direita 45
Magnifico sortimento.
Sempre coadeacendente e orasen!iro reas *b
reguezes que Iba irazesa dinaaira, o proprieu-
rio deste grande eatabetocisseoto amSaT
ferecer ao pubco. por preces moatow ."!>
inferiores aoa de oulro, o sen bello aiTrii.
da calcado r.ocex. ingles e Sli,?:**
Hornern.
Boneguios Vietor Emmanuel
conro de parco. *
' Sspatea Nenies (batoria'intera "
patente. '*
Sapatos nanga (portutuetea)'. '; *
(franceses). .'
> muita chiqua (uan aola). ,
Senhoras.
Borzeguina primor (Jalrl. .
brilhautine.......
aspa alu. ..'..'
baixa. *
31,32.33.34. .' *
de corea 32.33 34 *
Sapatos com salto {JoU) *
! f.rn,e- iraaaaiabM'.
i ni mm w
Morra o Pavo e Arara
VIVA
A Ineyelopediea
Vendem-se sintos de fitas de seda a 29.
Ditos dourados muito bonitos a 49 e 39.
Ditos de palha com fivelis de ago, gosto mo-
derno a 59-
Enfeitea de retroz muito bonitos a 49 e 79.
Ditos de palha muito bonitos a 10$.
Ditos de flores brancas para uoivss. o melhor
que lera vindo ao mercado a 9 e 129 : na ra
do Queimado, loja de miudezas n. 35, da boa
fama.
Poiassa (la Russia e cal de
S STAHL & C.
^RETRATISTA DE S. M. 0 IMPERADOR?
m Hua da lmperaVTii 9
numero 14.
Tencionando retrar-se proxi- J
I mmente destapiara participara J
' a seas freguezes e amigos como j
W em geral a todos que podem g
P precisar do seu officio, afim d g
9 que aproveitem do pouco tempo
I q ue os annunciantes podem a i o- V
I da dispor para a execuqSo das *
* encommenidas com as quaes
9 queiram honra-Ios.
Agradecendo- neta occasio
9 ao Ilustrado publico desta cap-
9 tal o bom acolhimento das suas
J obias, decidiramse a por estas
9 ao alcance de todos ntroduzindo
O urna comidera re baixa na maior
0 parte dos seus precos e esperam
9) que o desfalque que disso Ihes
8 resultar sera' compensado por
um augmento de concurrencia.
3,000;
S a California.
Vendem-se corles do cambraia orgsndys com
fcerra a 3f o corte ; na roa da apatslris 0. 48,
junio a pedirla fraseis.
No bem conhecido e acreditado deposito da rsa
da Gadeia do Recife n. 12, ha para vendar a rer-
dadeira potassa da Russia, ora e de superior
qualidade, aasim como tambera cal virgem em
podra ; tudo por prego maia baratos do que em
oatr* qualquerparte.
DE
Gu im a raes & Villar
Ra do Crespo numero 17.
Ninguem duoide venha ver as fazendas boas e baratas.
Csmbraias da China br ancas bordadas com 9 vras para vestidos de senhoras, a 79 e 49 a peca.
Organdys de cores fazeoda finissima a 500 rs. o eovado.
Castas de edres flsss a 240 rs. o covado, s na Encyclopedica.
Manguitos bordados muilo bonitos mangas a bailo a 3$, s se vendo.
^iaViWd&AJ>fclR?S SfiJ8rf'Hlb'e Htf fKVAauT"uu"
Chapeos de seda brancos ede cores para senhora, a 129.
Ditos de palha de Italia ricamente euieiladoo a 28J.
Golliohas e punhos bordados com riquissimos botde a 29, isso parece incrivel.
*^ S na Encyclopedica.
Baldes de musselina com babados a 6$ cada um.
Castas decores linditsimos padroes a 280 rs. o covado.
Entremeios bordados e tiras eatreitaa bordadas por 29 a peca.
Hadapoles finos e entre finos a 4|500, 59, 69 e 7$ a pega.
Riquissimos manteletes de seda bordados a 3U9 e 359.
Riquissimos manteletes de Gupour Noir a 35J ultimo gosto de Pars.
Riquissimos vestidos brancos bordados a 79, 209 e 309 cada um.
Riquiaaimosroupoesde cambraia bordados a 309 cada um.
ARMAZEM
ROtJP AFEITA
Joaquim F. dos Santos
40 Ra ilo Oieimio-40
Defronte do becco da Gongregaco letreiro verde.
Neste eslabelecimenlo ha sempre um sortimento completo de roupa frita de
todas as qualid*deae tambem ae manda ejecutar por medida i vontade doa fregue-
zes para o qae tem um dos malhores profaasorss.
5|500
5f00O
49500
41000
3|200
29240
rinhos. fio, ta5! 2 ,- Ti5"to. "
|I0UPA FEITA AINDAMISBAIATAS.
SORTIMENTO COMPLETO
Fazendas e obras feilas
a
ikS&GIA
na
fNDICO LOW-MOOB
Roa daSenialla Ko\a n.42,
Neste sstabelaciment contina a havaiura
completo sortimento dimoendajasieissmoen-
i*s psrsengenho.asachinss da vapor stsixsi
te ferro batido e coado.de todos oatamaabos
para dito.
9.9 9
Em casa de Ralkmann limaos aj|
% &C, na ra da Cruz. n. 10, exis-
te constantemente um completo A
a sortimento de a
^ Vinhos Bordeaux de todas as fe
tt qualidades.
Dito Xerez em barris.
Dito Madeira em barris e caixas. i
Dito Muscatel em caixas.
Dito champanhe em gigos. 2
Cognac em barris. !
Cerveja branca.
Agua de Seltz.
Azeite doce muito fino em caixas,2
Alvaiade em barris.
Ceradinha em garrafbes.
pyiMf-ajajsia^itsfg
Cal de Lisboa
Vende-se da ultima ebegada, o de superior
qualidade ; no muilo acreditada deposito da
fle Brasa s. 66. .*; e
I
Casacas de panno preto a 408,
35g e 301000
Sobrecasacos de dito dito a 359 e 30)000
Paletots de psnno preto e de co-
res a 359, 309, 259 e 209000
Ditos de casemira de corea a 229,
151,129 e 99000
Dilos de alpaca preta golla de
velludo a H9OOO
Ditoa de merino selim pretos e
de coro a 9| e 81000
Ditos de alpaca de corea a 59 e 89500
Ditoa de alpaca preta a99,79, &e 32500
Ditos de brim de cores a 5#,
_ 49500, 49 e 395C0
Ditoa da bramante de linho bran-
co a 9. S| e 49000
Ditos de merino de cordo preto
ei59e 89OOO
Calcaa de casemira preta e de co-
res a 129. 109, QS e 69OOO
Ditas de princeza e merino de
cordo preto a 59 e 49500
-Ditaa de brim branco ede cores a
59. 49500 e 2J500
Calcis de ganga de cores s 3J000
Gollete de velludo prelo e de co-
reo liaose bordados a 189,99 e 89OOO
Ditos da casemira preta e d. co-
rea lisos e bordados a 69,
MU
Ditos de selim prelo 59000
Ditos de seda e selim branco a 6 e 59000
Ditos de gorgurao de seda pretoa
e de cores a 79, 69 e 5$000
Ditos de brim e fuslo branco a
31500e 39OOO
Siroulaa da brim de linho a 29200
Ditaa de algodao a I96OO e 19280
Camisas de peito de fustio brsnco
e de cores a 29500 e 29300
Ditas de peito de linho a 69 e 3*000
Ditaa de madapolao brancaa e de
corea a 39. 29500, 29 e lgSOO
Camisas de mala a IgOOO
Chapaoa pretos de msssa franceza
forma da ultima moda a 109,
8f500e 79000
Ditos de feltro a 69. 59, 49 e 29OOO
Ditoa de sol de seda ingleses e
francezes a 145, 129, H| e 79000
Colarinhos de lineo muito fines
novo feitios da ultima moda a I9OOO
Ditos de algodao 19500
Relogio de ouro patente e hori-
zontal a lOOf, 909. 80| e 70J0OO
Ditoa de prata galvanizados pa-
tente e horizontaes a 409 e 301000
Obrea de ooro, adereces e meios
aderecos, pulceiraa, rostas e
ansia a
Toalhas de linho duzia 129 e f
HEIMD*
eobertosedescobertosrpef nenas e grandes, de
ouro patente ingrez, toara hossem e seshora da
oai dos malabres fabrican tai de Liverpoo^vin-
dos palo ultimo paquete ingles : aa easede
'-WlMeltoeiC.
OfOOO
Lindos quadros.
Vendem-se 01 trocaswe os lindos qaadros
8. do Car sao, e de locarle, aja Coececio. cora-
fio de Maris, corado da Jeaos. 8. Francisco -de
sais e do Seahor aserto a 10; n. loja f afu>a
la oaro, tus do Csbsg i. II. .7-'
LOJA E ARMAZEM
DI
IGes k Basto!
NA
Una do Quetaado
n.4tt,frente anareUa.
| Constantemente emosimgrandeeva-
riado soriimento desobrecasacatpreUa
de panno e de corea mello fine a Sfr.
80g 359, paletota doa meamoa panaca
a 20g,22g e 24$, ditoasaccoa preto dos
mesmos pannoa a 149. 169 181, caaa-
ees prataamuito bem feitaa ede superior
panno a 289, 30$ 859. aobrecassra de
caaemira da core mello finos a 15{.ldf
e 18$, ditos saceos daa mesase ceas-i-
, ras a lOg, 129 e 14g, calcasprrta de
I caaemirafina para bomrm a 9, 99, I17
e 12, ditas de casemira decorea a 71.81.
99 e 109. ditaa de brim brancos nsi
fina a 52 89, ditaa de ditos de corea
39, 39500, 49 e 49500, ditas de seis ca-
semira dricas cores a 4f e 4|5f 0, col-
1 lele pratoa de caaemira a 51 e 69,' dili
1de ditos decores a 4J500 e 59, ditis
branco ida seda paracaaameDio r J>.
\ ditoa de 69, eolletes de brim branco e oe
[tustao a 39, 39500 e49, ditos decores a
; cordo sacco eaobre*aiua if.ey v.
collete pretos para lulo t 4l50( t 5.
1 aa pretaa de merino a 4|5( 0 e (9. ;,.
i 1 tota de alpaca preta a 89500 e 41, di les
1 sobrecasaco a 63, 79e 8$, muilo ddocoI-
1 letesde gore/urao desedade coroacuio
boatazanda a 33800 e4g, colleteade vel-
lido de corea e pretoa a 79 e 89, ronca
para menino sobre caaacadepannopre-
1 tos e de cores a 149,159 e I69, dito de'
I casemira aaccoparaoameamoa a 69500 e
79,ditos de alpaca pretoseaccos a 3 ,
13500,ditos sobrecaaacoa a 5g e 59500,
1 :al?asda casemira pretas e decores a 89'
j 8g500 o 79, camiaas para menino a 2t ;
I a duzia .camisas ingleza prega tlargaa
1 rauitoseperiora 329 aduziapari acabar
J A.ssimeomo temos urna officina de]-
M ilata ondemandamoa ezecatarloda as
obraacom brevidade.
FuDileiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado eatabelecimeolo eo-
contrsro os freguezes o mais perfeilo, bees aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas aa qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda
BANHE1RUS de todoa oa taraanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem dem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas as groaauras.
FRATOS imitsndo em perfeicao a boa porce-
lana.
CHALEIRAS de todas aa qualidades.
PANBLLAS idem idem.
COCOS, CANDIBIROS e Osndrss para sjsat-
quer sortimento.
VIDROS em caizaa e a retalho de todos es te-
mandando-ae maohoa, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qoalsaer aatu-
reza, coocertos, que todo ser dasassaanheds a
contento.
Expsito
DB
Candieiros a gaz*
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Csndieiros economices..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Csndieiros econmicos..............
Candieiroa econmicos..............
Nesta mesma exposicaose encontrarlo todos sa
perteoces psra os mesaos caodieiras, asis* es
s
11
li
mo um grande desocase de gas siBawsMs isad,
deiramenle primeire qualisada, pae rece asalto
barato que se pode eoaoatt-ar easi
riquissimo e'ariado serii anela
phantaiia, e de imageaa, aaaiaa .-
grande aortimento de quinquilariaa, ajas sor fse-
to se pede ver ; as xas Ns va a. 24.
JJma barcada.
^m de mesti earp44etve J.*-'
J m das Qaca r*-
.. Jonde pode ser vista s 1 latinada peles ere-
esdentea ; veada-ss a praso sa a diaaeirs ; s
tratar cora Haatol Airas Gsarrs, na ras se Trs-
pfche d. 14.
a
cia

II FCV/CI i





ni ii iiiinwmii
'*'** > tai
6
u 7*MBgranwn uMwimmm.
Fil ly^e tarlata-
na branca a 80)
res a vara.
Vende-se Al Sita-amito Uno e atim tamb sm
tarlatana branca multo Boa, tanto ama couaa so-
bo oatra sao (Hostias para vestidos, nao s (ara
bailes como para *eeUr-tea casamento*, ant em
antea que ae acabe, s a iu do Qaaimado o. SI
na loia da Boa-F.
m mmmm mmmmnfx
jPaletols barassimos* j
PaleloU pretosde casemira a 159, 18$ a
" e 20a. ditoa da casemira de cores b 8&, 9, !
12*, 16, diteedo bombazina de cores 58 <
89, ditos de marin'corea a 94, dit a I
da alpaca areta a 3*508 a 4S500. ditos os
alpaca de cores.e de lia oscura a 4$ e de
ditos de alpaaa teta pira metimos
4*500, ditos de multo bom brim setim
5*500, ditat de brim sardo a 3*500, dito
pardos do asaia fino bramante de puf
lip.no com botos da madreperola a 5|,:
ditos de brim encorpado meia lona a 5f,
ditos de briratiarro tfe lioho de quadri-
nhes para, manios de 8 a 14 aonos a 2*,
ha casacas da panno fino preto e de cores, j
caigas pretaa de-case miras, colletes pre-
tos e de cores datadas as qualidades e
ostos, jaquetoa a araras outras obraa
feitas que se venlam por menos de seu
cusi, em coasequeacia daliquagao que
se est procedeoao, na lofa a. 8 da ra
do Cabug, da extinta firma de Almeida
& Burgos.
s
Anda o pavo
Vendem-se pecas de cambraia de carocioiios,
fazeoda mailo fina, com 17 raras, pelo baratissi-
mo prego de 8* a pec,a, ditas com 8 3|4 varal a
4*. pecas de ditas adata sacadas e com ama rara
de largura a 31500 a paca ; na ra da lmperatriz
o. 60, toja do pavo.
Em aaaade Adamsoo, Howie & C., ra do
Trapiche Noro a. 42, vende-se :
Sellios.silhoes, e arroto* par*-carro oa cabriole!.
Rolhas da cortija oissimas.
Lona e firere.
Fio de vela.
Superiorestintasdetodas as cores.
Balespara meninas.
Vendem-se bales cara meninas, da todos
tamandoa, de madapolao e de mussulioa a 3* e
4* : oa ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Roupas feitas ba|-
ratissimas,
NO
armazem de fazendas i
roupas feitas
DE
Raymundo C. Leite A Irmo
N. 12Ra da lmperatrizN. 12.
Neste armazem que ora se acha bastante sorlido
de roupa feita de (odas aa qualidades, taoto pa-
ra liomem como para meninos, se eslo vendeodo
as niesmas por baraliasimos procos, como se-i
jam : sobreeasacos de panno fioo, obra inteira-
mente boa por ser feila a moderna a 2520U0, di-I
tos de panno superior, obra do melhor que se
pode desojar a 30*000, palitos de* c/semira finos
a 18J0OO, ditos sacos, obra de moderno gosto a
12*000, ditos de meia dita a 6*000, coleles de
casemira de cores fluas a 4*500, ditos de brim
de cores e brancos a 2fl500, calces de dito finos
a 3S500, 4*0U0 e 5*000. paletos casa eos de alpa-
ca obra muito boa por ser de alpaca fina a 82000
dito dito sacco a 3*500 e 4*000. uniformes d
casemira a ultimo gosto, sendo preciso notar que
sao de casemira finissima a 26*000, camisas
francezas peito de lioho muit> finas a 35*000 a
duzia ; havendo tamben) piuitas nuinc f7on,i,
precos muito commodos.
Saias a 3,200
por
Liquidadlo.
8*000
6*000
5*000
3*500
3*500
5*000
5S200
Na loja da ra do Livramenlo n. 19, rendem
se os seguiotes calcados francezes:
Borzeguins para homem, de Nantes
Ditos para dito, francezes
Ditos para dito ditos
Ditos para aenhora o. 32, 33 e 34
Sapatdes de bezerro de Nantes
Ditos de dito de l.aqualidade
Ditos de dito caxiadoa de 2 solas
Sapalo de tranca para homem e senhora 1*000
Ditos de tapete para homem feitos na trra 780
Sapatdes de castor de tranca 4*000
Ra do Queimad n 19,
Armazem de fazendas.
DE
SANTOS COELHO.
Chales de merino estampados flofJs com listas
e franjas de seda a 9J,.
Toalhas de futaos 500 rs. cada urna.
Gravaliohas de cassa muito lindas para ho-
mem e meninas pelo baratissimo preco de 100
rs, cada urna.
Chales de merino lisos de todas as cores.
Lories de phanlazia de seda pelo barato preco
de 8*
Coberlas de chita gosto chinez a 1 $800.
Lences de panno de lioho a 1*900.
Ditos de bramante grandes a 3*300.
vsl'lrio3 de seda para meninos e meninas
fl oftUUu,
Cortes de casemira finas a 42500.
Capellas brancas para noiva a 5*.
Bramante de lioho com 10 palmos a 2* a vara.
Sormentj de balees para senhora e meninas.
Bramante de algodo com 10 palmos de largo
a 1*280 a vara.
D.m rico carro.
Vende-se um rice e elegante carro mui bella-
mente preparado: no escriptorio de Haooel Ig-
nacio de Oliveira 4 Filho, largo de Corpo Santo.
ALHAN4H BE LEIBttf fjiS
LUSO-BR ASI 1.EIRO
DE
Pata ifclM*.
Vende-se na livraria econmica junto do arco
de Santo Antonio.
Para bailes
e easamentos.
Na ra do Crespo esquina da ra do
Imperador n. 7, vende-seafeitesa tur-
ca para baile. easamentos o melhor
que se tem visto ate hoje.
Na ra do Hondego, casa a. 2, tem para
vender se mete do horUlica.oovaa, obeladas de
Lisboa pelo ultimo vapor, sendo, coove repoihu-
da, dita flor, abo, cabeca grande, oabicis, raba-
nosde duas qualidades, seaoulaa, saeteas, salea,
tomates grandes. mesUrda,orwlha tiata, eijio,
carrapato a alfaco arrendada.
Fejo de corda
no armazem deTaaso trataos, roa o Amariro
Raa das Cwcs a. i
sacis?-* ***
Vendem-ie setas ne fazam aseas* a hallo,1
nao taado-arcos de metal e sim do meamo panno,!
lavaro-se e eogommam-se como qaeia.uer oatra
eala.peT fte se torna multo toas ebmmoda.a
dez pataoaa cada ion ; oa r da lmperatriz *.
60, loja do parlo.
fVdmiravel pechiueha
na loja do pavo.
Admiravel pechincha, na iota 0o paria, raa
da lmperatriz n. 60, de Gama & Silva, veadem-
se flnissimos. corles de cambraia de seda com 2
baba dos a 40500, ditos de a venial a 3*500, dito
de duas saia* a 3*500, ditos de cambraia branca
muito Boa com bbadose duas saias a 4*, ditos
trancos, cambraia de seda, com babados a 6*. di-
tos de phanlazia com babados de varias cores a
8*000.
Pentes.
Vende-se os lindos pentes tanto de tartaruga
como de massa para alar cabello, assim cosoo da
borracha para menina segurar cabello e deaem-
baracar e de outras muitas qualidades que ae
rende por precos baralissimos.
Brinquedos proprtos para
meniuos.
Vendem-se oa lindos bonecos com corda que
anda urna milha por ora, asslm como de outras
muitas qualidades.
liandeijas
.
Vendem-se bandeijasde lodosos tamanhos por
pregos que admira para acabar, assim como para
copos a 200 rs. e a 2* a duzta.
Capellas para no ivas.
Vendem-se hndns capellas braneaa mailo
proprias para casjmeoio qui se vende par
5* e 6* e muito fina a 10*, assim como binas a.
filas, franjas e outros muitos mais objeclos que
se tornara enfadonho aununciar qae ae afnanca
vender o mais barato que for possivel por se
querer liquidar: lado isto s na loja da aguia de
ouro ra do CabugS n. 1 B.
Taixas.
Reducco em precos para
acabar.
Vendem-se do armazem de Braga, on 4C,
na ra da Moeda, taixas de ferro cuado, lo mui
acreditado fabricante Edevin Maio, a 110 rs. por
libra.
IJWr^ va:*X
Vesdem-se grava lionas estroilas multo supe-
riores, tatito pretas como de coras, pelo barat-
simo preco de 1* ; na na do Queimeo n. 22,
na loja de boa f,
abrica do Montelro. '
CrystalisafS'o b reina^ao
de assucar.
Deposito na roa de Apollo n. (>, e praca
da Boa-Vista n. 26.
Este importante estabeleeimento contina i
fornecer aos seut Innmeros fregueses do alvo e
puro assucsrcrystalisado, em p e em paes, 1.a
e 2.a qualidades, pelo proco de 160 e 200 rs. -
libra, e do refioado a 100, 120 e 140 a libra, sen
do que em grosso o comprador tara *im doacont
favoraval. Nos mesmos apositos tambar se
vende mel de assucar a 600 rs. a caada,orear
vio animal em p a preco eommodo.
W06BESSISTA
?, ra das ruzs e Santo Antonio.
!
Bonitas
com vigporas para eutretem-
merrto.
Acaba da chagar para a loia
ovUaoasaiaihM dentad^
pnr*,adoahrUar
poaaivalaaB tal
ambos os lados, o meih
.genero, e costa cada ama caixUk* JaV a
cobarlaadaaBarraaoiaa.aa cUaoaa.aaartrM
dadaaaS|.lo.i; oll J^
mado. loja d'aguia branca ,
servidos.
Figas de coral
. F. Du-arte Almeida, socio ^ue foi do armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
gaezes que tendo separado a socledade que tinaa com seu mano, acha-se de uovo estabele-
oido oom dous celados armazens de momados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
de Souza, e o Sr. Paulo Ferreirada Silva; o primeiro aa raeo de Duarte A Souza, e o segundo
na de Duarte Almeida A Silva: estes estabeiecimentos offereoem grandes vantagens ao pu-
blico,naosnaliaapezaeas6eiocom*uese aCham moutadoB, como em commodidade de
prego, pois que para issoTesolveram os proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitura, afim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
ao publico uim vanugem de merm10 por eento rio preeot}aa possara comorar em outra qulgaer parle, por isso desejando os proprietarios acredi-
tares! seus esubaiacinaontoe tem deliberado garantirem toda e jualquer qualidade de gneros taadirjos em seus armazens, e assim j poder ver o
pnico que pode mandar suas encommandas, mesmo por pessoas poueo pratica, em qualquer un dcslesestabeiecimentos, que serlo tao bem ni-
dos como ae viessam aanaiaaa>a* ^nMi^nn.,^.,^ L.-...L- j. *__._._.:.. ...:_._._,______'_*.
rteateu ama
be
-------.,__ r_------- ouaa OIlcululuail,JOB, moasH, Fur pe^oas poUeo praucas, em qualquer un dcslesestabelecimentos, que serio to bem servi-
do como m viessam Jfcasoalmante, aa carleta de nunca achorem o centrino de nossos annuncios, e assim fundados as vautageoa que oflerecemos,
pedimos a tonos os enawres da pnea, anmoros de engenho e lavradores que mandem ao menos suas encommandas a* primeiravez, afim de experi-
mentar, certos de coatinuarem, poisque para isso nao pouparo os proprieiarios forcas pra bem sesvirem aquellas pessoas que frequenlarem nossos
estabelec.menios, abaixo traoscravemos alguoaaaadtSQes de nossos procos, par onde veri o publico que vendemos baratissirao, attendendo as boas
qualidades de nossos gneros.
Manteiga lOgleza eapaeialmente eieollhida a 800 ra. a libra e em poroSo a 760, reeommenda-se aos apreciadores destele aero que
manfBm ao mmo' expenmeuur. serios de nada perderem pois para isao confirmamos o que levamos dito.
dem raUCeza a nfllor rJo mercado 6i0 ra. a Ubra e em barris a razio de 600 ra. a libra
l na UySSOn e preto omelherdo mercado de 1&700 a 2880 e em porjao lera abatimento, e afianra-oe a boa qualidade
FreSUntO fiambre inglez hamburguez a 900 rs. a libra e em porSo a 800 rs.
FreSUntOS portUguezeS vindos do Porto de mu particular a 560 M. por libra e .tetro a .460 ra.
Marmelada dos melhores autores de Lisboa premiada as expos$5es uuiversaes de Londres e Pars a 19800 a lata.
GaiflfflS C0m-6trelinha pevide e rodinha a 7000 a caire 800 re. alibreeem porcio tere etaiimen.o.
LatW.de ameixas francezas com cinco libras a .4*000 e 19000 a Ubra.
Fusas era caixi*asdeoiio libras, as melhores do mercado a 2*000 e a 400 rs. a libra ecaixade urna arroba a 7&000. |
Espermacete superior 720 ra. em Jaix. e a 740 ra. a libra,
onservaslfrancezas kjglezai e portuguezas eoo soo rs. o fraaco.
rVIlnaS !Jrjl,,''" 800w. o frasco afianca-se serem as mais bem preparadas que tem Tindo aoraereado.
Lata COm bolaxinha de SOda de diversas qualidade, a muito nova a 15450. agrandes ded a 81brasde2500 a 4J500.
. T,!I!1|.^rr'"oL>U?U? d* Por,' poo fia, genuino, neetar, Carcavellos, Madeira secca, Feiloria e Camones a 1200 a 1*300
agarrafaos 13* a dazia.
Vlllho em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa .e de 39800 a 4*800 a caada.
jertas COm fructas de todas as qualidades que ha em Portugal de 700 a 1*000 a lata.
era em Caixas de 4 a libras a melhor que se pode desejar e tem vindo ao mercado de 49 a 0* a caixa e 1*280 a libra.
LOrinthiaS em frascos de 1 l[S i 1 libras de 1*600a 29200.
r Iri i\ n P Savel pescada e outras muitas qualidades o mais bem arranjado que tem vindo ao nosso mercado de 1**00 a 1*600
n Late dO KlO omelhorquehaa244VTS..alibraea280rs.olavado. '
mprador lera ^m doaconto'TraSCOS (le amen do nm^ i;v... .' L ....
aoa depositas tambera e Vinnw "va coros libras, proprias pra mimos, por serem muito bem afeitadas e desuperior qualidade a 39 cada um.
"*'- r -gri? branco r n"hor que temos ,Id0 no men** *00 "*' 256 mmu.
WWW WWmm &W9&W&W V^T R e,erVad0Ce os mais n LuvaS de pellica deJoU Vn ^0r(leauX de boa qualidade a 800 e 19a garrafa ede*500 a 10*000 a duzia,
( Massa de tomarte eralalasdeuma libra do mais acreditado autor de Lisboa evinda a primeiravez a nosso mercado, de l*al280.
IgOS T10VOS am caixinhas de 4, 6, e 8 libras proprios para mimos, por serem muito bem enfeilados de 19500 a 4 e a 400 re. a libra.
Cervejasdas melhores marcas .8oors. garrau 59000.dzi. d.branca.
VinacfTm r.irn Ip. lshnn --.J --. w___- -^
Doce fia gOaba da CaSCa emoaUo a 19 e em poreao a 900 rs'.
Azeite doce purificado ,800 ti... garrafa e 99OOO a caixa com 12 garrafas.
LrOgnac -a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e 109000 a duzia.
QUIJOS SUWSOS chegados ltimamente a 500ts e em poreao ter abalimenlo, afianca-se a boa qualidade.
GenebTa de Hollanda 600 rs. o ftascoo 69500 a frasqueir, com 12 frascos.
railtOS UXadOS oara denles a 200 e 60 rs. o maco com 10 macinhos, e flor a 280 rs.
dem dO gaz a3*O00 a greza e 280 e duzia de eaixas.
A^t^lf2 maiS sup8riar ,ae ,em8 tid0 B "erMd0 por,U8uer'hespanho1 e frtnMZ de 1S m i*".
Z^^lJh0W,B,i,M,, q^''ndo a nosso mercado a 1*200 aaacoret. do Porto, e a 29000 as de Lisboa.
Amenaoas chegadas no ultimo navio a 480 rs. a libra e em poreao ter a batimento.
AlpiSta o mais lirapo que tem vindo ao mercado a 160 rs. a libra e 59000 por rroba.
A i dos laneros annunciados encontrar o publico um completo sortimento de ludo tendente a molhados.
A laja d'igaia raa*a
qaintidade de bonitas a
COtal, propriaa para arfa-------
logioe, e meamo para aa valla* da
veodendo a 1*500 cada nasa ; faeat aa
oao as acbar mala em dita loja d'affaia
na roa do Oualiado naaaero 1*.
aa tem.
Preciosos
extractos para leos.
A loja d'aguia branca acaba de i
sua propria encommaada, fiaaa a .
tractos de povoa.e eaaalhidaa cbaire
sajai, iaipealrii D. aoaria D Fraa
rechai Bruquet Real, dilo favo'ri,' dito doa leaa.
dito de Triaoou, etc., etc., nao eaa.areaen'
o eitimavel extracto de asdala. Jaoi
freguezes qua manidos de ifiaaaJM diaii
ra do Queimada, laja trtafaia kraasa a. tf,
acbaro barateza, agrado e sinceridaa.
Oleo e bmta pbilec*
e outras qualidacks.
A loja d'aguia branca acaba de dea**
novo e bello sortimento da oleo a beaba
me e outras superiores qualidades, iacla
estimada a procurada btnba eaa caaos gri
cuja excellente qualidade ji bem caen.
assim como a verdadeira trsaspareBla ; ajawaj
quizer se prover de bom mandar oo ir raa o
Queimado, loja d'aguia branca a. 1$, aja* sari
bem servido ; advertiodo, porea, qaa aa gana
vo todos marcados com o rotulo da dita leja.
Aspas largas
para saias balo. .
A loja d'aguia branca acaba do recebar aa> bel-
lo soriineato da mui *m lechees sesos pasa ba-
lan, a aa est vendando baratraseete a 100, 180
e 200 rs. a vara ; quem precisar dirigir-as esas
dinheiro i diu loja d'agaia bfasea, raa i"
msdo n. 16, que ser bem servido.
chegaram
Ta rua da Cadeia do Recite n.
55, em casa de Figueiredo di Ir-
9 mao, chegadas pelo ultimo pa-
9 quete,
Pechincha sem igual.
Cortes de caiga de casemira prela e de eer en-
testada muito fina a 4500 ; na loja da Califor-
nia, rua da lmperatriz n. 48, junto a padarie
(ranete.
Escrava i venda.
Vende-se urna negra crioula, idade de 30 an-
uos, pouco mais ou menos, sabe cozinhar o dia-
rio de ama casa e lavar roupa : a tratar na rua
o Pilar, era Fra de Portas n. 74.
Ulcas botinas
de setim branco, chegadas de novo, para senho-
; na loja do vjpor, rua Nova n. 7.
as vuAflunriAs
luvas deJouvin
chegaram no vapor francez para a loja d'aguia
branca, rua do Queimado n 16.
Com toque.
Madapolao com pequeo toque de averia a 3j) e
38500; na rua do Crespo n. 8, loja de 4 portas
Luvas de
Jouvin.
Acabamos de receber pelo paquete chegado no
da 15 um sortimento de luvas de pellica muito
frescaes ; na bem conhecida loja da boa fama nu-
mero 35, rua do Queimado.
|dacao de certas
I fazeiuks finas.
S RUA DO CRESPO N. 17.
Riiuissimas chapelinsa de seda para
9 aenhoras, de diversas corea a tt$.
Caesas de cores bonitos padrees a 240
9 rs. o corado.
Cassas e organrjys de cores a t80 ra. o
s> orado.
:
:
Chitas de todas as qualidades e precos
Muitrssimas fazendas finas que se ven-
Sdem por precos baralissimos pata liqui- fh
^ar.^dao^se^amostra^das fazendas. %
Cortes de vestidos
por meta de de seu va-
lor, na loja ao p do ar-
co de Santo Antonio.
Vendem-se cortea de pbanibacia com basados
per 10*000.
Ditos da.lia e seda com babados a 19i.
"Bitoa de tarlataoa braacos bordados a sedas
109000.
Ditos de cambraia e seda a 10).
Manteletas de aeda de cor com pequeo mofo
a 5J0O0.
Cimislohas bordadas para seuhora e II, 2 e
3*000. TJ "^
Eofeiles de flor a 1*.
Velludilho com flores, corado 600 ra.
Dordedeates.
o reate o parador de deataa, sende-aa
?*iWJ*****laapeMrde; SMn. e a la a
Madapolao
da arara.
Vendem-ee pegas de madapolao, panno entes-
tado a 39, pecis de cambraia de salpicos a SJ e
39. pegas de cambraia branca a IJOOO, 2*500
3*, ditas para cortinado a 3J, cortes de vestidos
daphantazia com22covados por 12J, cortes de
cassas irancezas com 7 barras por 25500, ditos
de tSTlatana a 2*500, ditos de cambraia de baba-
dos i 35, cortes d* chitas finas com 13 covados
para vaatdos por 2*500, ditos de riscado chinez
por 25600, cortea de (116 de lioho o 2*500. de co-
res para vestidos : oa rus da Impratriz, loja
armazeoada da arara de 4 portas n. 56, de Maga-
lhes & Mandes, aoude aa acha a noite um relo-
gio com letras de corea em que diz arara n. 56
Vende-ae em casa de Adamsoo, Hovrie &
C.ruadoTrapiche Novon. 42, biscoitosingleses
sortidos.em pequeas latas.
Attenijao.
Vende-se o verdadiro cha malte em p e em
folha, est qoeimando a 200 e 240 rs., s Santos
& C, ruado Cordoniz n. 1.
Vende-se verdadeira vela Be carnauba re-
finada a 440. sal refinado a 320a caa, verdadi-
ro fumo delata a 600 ra., pataco a 160: s San-
tos AC, rua do Cordon n. 1.
I oja de marmore
^ovidacles despachadas
para liquiaoao.
Para o bello sexo.
gosto almirante
prince-
Mantos de cachemira
Brmt a 20*. .
Maotilhos de cachemira gosto
za Clotildes a 15*.
Roods de cachemira gesto Lady Me-
| "donald a 20*. ~
^^'o^dedita goaio eondsga de Joce--
1 Tfo a 20*.
Casacos de dita gosto rajnba Victoria
1 a "205
Ditos de dita goato lmperatriz Euge-
nia a 20*.
Mantas de retroz para gra-
vatas
Vendem-se mantas de retroz para gravitas,
lano pretas como de cores a 500 rs. : na rua do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
200 e Na rua do Queimado n. 10, loja nova
Je portas, vendem-se as seguales
fazendas de apurado gosto, e por
menos preco do que em outra qual-
quer parte.
Ricos cortes de cambraia branca bordados a
20, 25 e 30*.
Ditos de seda da cor a iquiia a 80 e 90*.
Ditos pretos bordados a velludo a 60, 70. 80 e
90*000. '
Ditos de seda de cores a 20, 25 e 30*.
Ditos de dita preta a 20 e 30*.
Ditoa de barege com babados a 15 e 20*,
Riqusimas capinhas de velludo bordadas
com mangas a 60, 70, 80 e 100*.
Longos de linho bordados a 3. 4, 5 e 6*.
. Ditos de dito lisos, duzia a 6, 7 e 85.
Ditos de cassa com bico, um a 120, 200 e 240
rea
Mantas de grsadenaple abortas renda, urna
a 3*000.
Chapeos do palha para senhora, um a 8 e 10*.
Ditos de pellica Garibaldi, um 15*.
Chapeos de sol de seda para senhora, nm 4*.
Riquiasimos cintos denrados a 3, 4 e 5*.
Vende-ia o grande sitio denominado Galan-
es, sita na irageezit da Vanes, de muito boas
Ierras, que ludo quaoto ae planta d em grande
quaotiiade, com urna casa de taipa j caberla,
urna dita de fazer farioba, gran te quantidade de'
ps de cafezeiros, com diversos ps de fructeiras,
como saja, larangeirss, coqueiros, etc., st, o
tambem vendem-se duas vaccas que dio bstanla
leile, urna deltas Com 1 cria j grande, e um bur-
ro manso ; e tratar na rua do Sebo a. 20.
Attencjo.
Nove modelo de sndieiro a azt ssrvaade -
riedade de uteftcltis pata cozinha ; na raa No-
va, loja de ferrageoa a. 8. por baixo do sobrado
do IIIm. Sr. jau de rafeaos.
50 A-Rua da Cadeia o Recife*^0 A
.r'lKo*lr Gffjatves de
Mete fWo MMiMrMftMo 0 rt.
*m. 'v <. te M

Enfeites N turca.
Chegaram no ultimo nato vindo de
Franca, enfeites para cabeca ao gorto
turco, proprios para bailes e easamen-
tos o melhor e de mais gosto que se tem
visto : na rua do Crespo n. 7, esquina
da rua do Imperador loja aie fazendas
Unas de GuimarSes & Lima.
Liquidacao
NA.
Loja de marmore.
Na lofa de marmore vende-se para li-
quidaeo por pregos muito barato, um
variado sortimento de fazendas de mo-
das para senhoras, roupa feita para ho-
mem e vestimentas para meoioos e bem
assim quadros a oleo para decoracio de
salas e Capellas.
Pechi nchas
na loja da arara.
Vende-ae fil de linho de cores para vfealidos a
20ocovado, riscaeos finos pata vestirlos Oe 4
palmos de largura a 260 o corado, eriaolioa da
cores para vestidos com 4 palmos de largara a
400 rs. o corado, laartnha chionzas pafa rbafl-
des a 400 rs. o notado, sedio-has se e^iadrosa 640
o covado, cassas de salpico* a 200 rs. o ovado,
Chitas para vestidos a 160, 180 e tOO rs. 0 cova-
do, dilas francezas a 220. 240, 200 e 280 o cOva-
ds, popelina de cor para vestidos *200 r*. a co-
rado, saia balio de 20 a 40 arooa a 3 e 3*500,
detbdas aslatendas se alo as amostras; afras-
> peohor na rua da tmperalriz, loja da arara da
portea n. 56. de Hegeibaes A Masdes,

para


A ultima hora.
Acaba do cbegsr loja de Gama & Silva, na
roa da lmperatriz n. 60, aonde tem o pavao pin-
tado do lado de fora, as fazendas seguiotes :
corlea do tarlataoa bordados s seda per
Camisinbas com golliohas bordadas e tambem
manguitos, (atonda de muito gosto, qae sempre
eveodeu por tOj, vende-se pelo barseiesime
preco de 5*.
Ditas, goHinhas e manguitos bordados multo
unos a 29.
Ditas, ditaa ditos ditos a 1*500.
Golliohas bordadas com traspasso a 1*.
Di les muito Anas sea ser de traspasso a 640.
Ditas ditas dito a 500 rs.
Manguitos de cambraia bordados a 1*
Ditos de dita ditos a 800 rs.
lliooa chapeos de sal para senhora s 4*.
LeQcosde cambraia do Hsho bordado* para se-
niles de dita dito mallo finos a 2*500
Chales de merino prslo frssja da retroz 5*.
Mantas de fil preto para aenhora a 4.
Para acabar.
1** Par* vestido ceta 84 corados a Sf, eea e
WAti lwg* ^nceitrcsvfoY I re*
cassas etcuris fraoeesu, eofado. a 240 : a ellas.
as interessantes estampas, a _
justo, e a morte do pecesdor.
Da loja d'aguia branca avisa-ss sea
reverendos e outras pessoas que h*via_
mendado esaas interessantes e;l*aspas, ajas
acabam de chegar, s quem maia aa farar
suir dirigir-se logo i dits loja d'aguia bv
roa do Queimado n. 16, pis que a qsar"
pequea, e por agora ainda ae venderlo
cada urna.
MILU
sortimento de enfeites de flo-
res para easamentos
e bailes.
A loja d'aguia branca acaba de despachar -
lindo sortimento de enfeites que da aoa
encommenda mandou vlr para cassaesle
'*.- ;* c',*H aiaar ajas
oa mais parfeitos e delicadoa qae al apata
vindo, e esaa verdade seri conhecida per ssm
pessoas que sabem apreciar o bom : apesar de
ludo vendem-se baratos em proporcao a aawlcseio
delles, sendo a dinheiro vista 12|, 141 e Mt
uso na rua do Queimado, loia d'aguia brescasa-
mero 16.
A loja d'aguia branca
recebeu tambem novas loras ds fias pellica, aa-
feiadas, para easamentos. assim corno liadas ca-
pellas. A commodidade dos preco j deseacs-
nhecida por seus esas freguezes. e seri sala per
aquellas pessoas qae de nevo o qaiseisas ser da
dita loia d'aguia branca, na ras do Qeeiasads Be-
mero 16.
f ff eoo aaeaa
|Loja das 6 por-f
tas em frente do Li-
vra ment.
Roupa feita muito barata.
Paletots de panoo fioo esaeseasaess,
djp ditoa de casemira de cor de fusio, ditas sm
gp. de brim de coras a branco. ditos de 5
J gaoga, calcas de casemira pretas e ds w
9 cores, de brim branco e de coree, de gas- *B
gL ga, camisas com peito de linho meete 4
r finas, dilas de algodo, chapeos da sol
de alpaca a 4p cada um. 4M
^mmm-mmm
Veode-ae por preco mailo camassaa ansa
loalha de labyriniho toda a berta ds estrellaa a
ssea: na taberna da raa das Crasas s. 22.
lasV Vffiarflf:*^
Vende
Has na teafl
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca & Af.
Duzia de meias erass para kastssa a
1*200 e o par a 120 ra., ditas srascaa
muito finas a 21500 a duzia, teacae de
cassa com barra de corea a 110 rs. esas
uro, ditos brancoss 160 ra., baldes de
20 e 30 arcos a 9$. naetaas para ros-
tidos a 240-o corada, chale* da asertad
estampados fines a 5S e 6j, urlalasa
branca s de corea muito flaa coa rara
2.?".,"^*,,^, <00 rs. s carada.
fil de linho liso a 640 rs. a rara, pe-
cas de cambraia lisa fina a 3, cassas
de corea para vestidas a 900 rs. o ca-
rado, useulina encarnada a 320 rs s
corado, calciha para asesina ds escala
a 1f o par, gravaliohas de trasca a 1M
rs., pelee para camisa a 201 rs. ases
nm duzia 2. peen da cambraia es sal-
pico muito fina a 3*500, (ac* de ftse-
(aoha de rolo a 2, cUlaa fraacaxao a
910 e 240 r. o orada, a leja asa!
aberla das 6 hora* da Basabas as 9 da
Che.
Superiores tiras
bordadas.
Na loja da boa fe na ras da
**, is ^
a SkOst) ress a peca, advertisdo-ss essa I
saattSaVr
a. 92nalojadaBea-F.
A ^a W* ampare. A aa**aa asm
aaL.
a raa do
II Cf^lV/iTI


DtitlMOfci
K ~ flEXTl. 9UU tt ^WDBM IIIIti.

Carros e carrejas, pa aas naconaes c es-
Fmca(ie it o.fcieierr; _. traigeiros.
numero 4.
Largo da Islilla
Francisco Fernandes Duarte, proprietario deste
armazem da molhados, parleoipa aos seus fregueies, assim'como aos seohores da prars, de enge-
nho e lavradores que d'ora era vante quizerem-se afregaezar oeste eslabelecimento, que se aeha
com um com^lelo aortimeoto de geeeros os mais noroo que ha no mercado e por serem a maior
parte dollesriudoe de coola- propria, est poriaoto resolndo a rende-los por meos 10 por eebto
do que em outra qualquer parte, aOungando a boa qealidade e acondiciotiameoto, asaim come ser-
vir os portadores:mease praticos to bera, como se os seohores visases pesooslmenle, para o qoe
nao se poupari o proprietario em prestar todaatieneSo, aflm da continuaren a mandar comprar
tuas eocommeodas,serlos de que, toda e qualquer encommenda comprada nette eslabelecimento
acompanhar orna conlairapressa com o mesmo titulo de armazem Progresso.
Mavtoig* ingUxa oerte ilameiUe fio. i|00e .. llbr., Dae_
se por este preco nicamente pela grande porco qae tem e efor em barriese fara abatimento
nAtntoig* raaeeza, 6W .libIt e em btrri, a 560 ^
Ctt* perOUft mySSOtt ptetO 0$ mejores q*" na n mercado" a 2800, t#600'
19600, afianza-se a boa qualidade.
^lUCVJOa <0 TeatO chegtd0, nMtt uUiBl0 T8por a 2$go0, eos do vapor paseado a
r IgO d5 eOmiftOdre osrasisnovos que ha no mercado em seiriDhas pequeas
a 80 rs ditas de 8 libras por 39500, e em libra a 320 rt.
PrexuiUo defta-mbre,.,,.700r..i.
Prezunte 5 l&mego a 480 rii a Ubra ntero a 4M ri#
devana a mais ora que ha no mercado a 160 rs. a libra, e em arroba a 4J500.
iS\cr msete a 7M ra>, libra> em eaixa a 7W rgi
Latas com bolaxlatai de soda de aer,rente qualId,d, lgWo
Latas com f eixe em posta ue moitasquaud.de.. moo.
\zeltonas malte novas. ,SOoo n. 0 b.rm.. r.t.iho. 320 rs.. g.n....
Doce de \lperc\ie am ,a 4.2 libr por 1|M0.
^^tllt^S para p0dim 8oo rs. libra.
Baaba de porcoretinada. 480r8. a,,., em b.rm. 440.
11*$* de tomate a malsnovado mercado a 900 rs., a em latas de 2libra por 19700
PatOS de lOn\DO a priaeiia vez que vieram a este mercado a 640rs. a libra.
Cnouricas e potos muil0 n0T08 a 560 ., ,ibr8<
Palitos de dente Uxados
Choco tate froneez a ,,200 rs
SHarmetada tmpertal d0 afamado Abreu de outros muitos fabricantes de Lisboa
a 19000 rs. a libra.
V tnOOS em pipa de 50o, 50 e 640r. a garrafa, em caadas a 39500*5000 4*500;
^Cl; VCja das mag acreditadas marcas a 59 a duzia, e em garrafa a 500 re. -
HiSlrClllUaa parasopa amaif oova que ha no mercado a 640 rs. a libra.
II mnO dO PortO engarrafado. Porto fino, Porto, Feitoria e duque do Porto a 19200.
Carcavellos, Moscatel e Bordeaux a 1$ a garrafa, e em caia de urna duzia se far abatimento
iVipiaia 0 ma8 novo e ijnjp0 que ba n0 mercado a 160
I&rvitnas trncelas
ditas inteiras a 640 rs.
adame 0 melhor petiico que pode baver por estar prompte a toda a hora a 19 a
Mielo de amendoa a
\\0C maUo D0Tag a 120 r># a u
Gastanbas
ViOte muji0 gtperiora 240rs, a libra, ei7| a arrobe:
ia.rrOZ Jo jf araDi,0 a 39 em arroba, e em libra a 100 rs.
Fnmo americano a xi a 1bra> 9e for em por5lo se far abalimeB,0>
SeVadinba de pr,,^, aa40 ri. alibra.
Sa^n moito DOTo a 320 rs. a libra.
x oncinbo de Liiboa a 360 ri, librtt a l091 arrobl>
Fartnna do Maranhao.mai,nofaalMr, alibr,
Toncinh tngtez a 200 r< llbra
Passas em eatxnhaade8UbraiaW00cadauni8#
Independente dos a;eneros mencionados encontrar o respeitarel publico tedo quaoto pro-
curar tendente a molhados. -
tendera-te carroa americanos mu slegantaa
e UVes para dss e 4 posaoaa e recebem-se eo-
conraaendta para cujo fita elle* possuem maa-
pas com varios desenho, tsmbem vendem car-
rocas tara conduccao de ssuoaretc. .m
mee #
Loja de inarmore.
Ao bello sexo. S
Roceheo-ae nado porcao de fazeo- m
daa que se haiam encommeodado e 1
coolioua a eoder-se para liquidadlo por
preco muito barate, entre estas as
guinUe:
Para seaho-as *
Beuroua de cachemira do ultimo gos- 2
to a 109. V
Ditos para meninos da idades de *, A
' 6 anuos, tambera de cachemira maulo
'com 20 macinhos por-200 rs.
a libra, ditto portuguez a 800 rs.
s
8
modernos a 5ft.
Vestido da seda de cores a 309 (com
A lgum toque.)
**mmmmm*mQ9** a
Sementes de hortaliza,
Vindas pelo ultimo vapor ingles na
ra da Gadeia loja de ferragens de Vi*
dal & Bastos.
Relogios baratos.
Na roa Nova n. 21, ha grande porcao drelo
gioa foliados, douradoa e de ouro, patentes e ori-
sontaee, suissos e iogleses, os qaeea aero ven-
didos pelos pre'cos da factura. Cada relogio leva-
r um recibo em que ae responsabilisa pelo re-
glamento durante seis meses.
se baratos, e sao poocoa
Recife n. 8, armazem.
na roa da Cadeia do
Cru
Na ra da Cruz n. 10, casa de
Kafkmann IrmSot&C, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir movimento, canudos
de borracha de qualquer com-
primento a groisura, pannos de
borracha, rod tas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-ie en-
commenda*.
rs. a libra e em arroba a 5}.
as melhores que se podem desejar em meias latas a 500 rs.,
libre.
800 rs. a libra, dita com csea a 480 rs.
piladas a 240 rs. a libra:
Fazendas baratissimas
N. 20---Ra da Imperatriz-N. 20
Duarte Borgos da Silra faz sciente aos seus anligos e numerosos fregueses e so publico que
na sus loja ra da ImperMriz n. 20. acharo sempre o mais completo sortimento de fazendas de
lei pelo meoor pTeco possivel, pois est resolvido snodeixarde servir ao freguez que trouxer di-
nheiro. tem constantemente cobertas de 15a a 1&200, madapolo fino com 24 jardas a 4*800 a pa-
ga, chitas francezss a 210 eMOrs. o covado, ditas estreitas padrSes bonitos e cOres fizas a
160 e 400 res, lencos de cass e de chita para meninos a 80, 1*0 e 160 rts, cassas
francezas gostos ioteiramente novos a 200 e 400 rs. o covado, organdys fazenda ptima pa-
ra vestidos na actualidade a 200 rs. o covado, casemiras ioglezas fazenda especial para forro de
carros a 19600 rs. o covado que outr'ora se venda a2J, cortes de brim de fioho a 2, olea-
dos com pinturas riquissimas e larguras de 6 a 9 palmos ao diminuto preco do 2$ o covado, chales
de merino lisos e estsmpados a 29 e 4*. cortes de eassa a 19800 e 29. coftea de casemira {preta e
de cores a 49 e 5f, riscadiobo de inho de algodao, ganga amarelli e de cores a 160, 200, 240 e
320 rs. o ccado, sortimento de fazendas de algodlo para roupa de escravos, dito de pannos de
linho, bramante de linho com 10 palmos de largura, pannos Bnos de ditersas cores, cambraias li-
sas, ditas com salpicos, ditas liatradas, bretanhas de linho e de algodo, todo batato para
dinbeiro na predita loja cima.
apurar
>
Bom e barato
S no Torrador
23 Largo do Terco 25.
Quem duridar venha venha ver: manteiga in-
glesa flor a 900 e a 800 a libra, franceza da me-
lhorque se pode desejar neste genero a 640 e a
600 rs. a libra, aarim como se torrara antros
muitos gneros perteocentes a molhados lili a
diaheiro a vista.
Pechincha sem igual.
A160rs.
SioturSes de seda e lia para homeos*e meni-
nos ; na ra do Crespo n. 18.
Pede-stoda atten^o.
So na loja da agola de ouro ra do Cabugi o.
1 B., tem para vender ricdS espelhos Ccm mol-
dura doarada ou preta proprios para salas, que
vista dos compradores nao aexar de agradar pe-
lo eiqelleate vldro qae tem e se vende por pie-
co moito commodo. .
Chegouaapreciavel agua bal-
smica para a bocea e
denles
A loja d'agoia branca acaba de receber urna no-
remessa da mui proveitosa e procurada agua
Vendem-se na prsga da Independencia na. 37
e 39, loja de Antonio Augusto dos Santos Porto,
espedas de immortal para 2 de novembro ae bo-
tar do cemiterio publico, com os nomes seguio-
tes :
Bllnha esposa. v
Meu esposo.
Hinba mi.
. Meu pai.
Meu fllho.
Mioha filha.
Urna lagrima.
Eterna amizadr:
Saudades sempre viras.
Vendem-se os engenhos
S. Pedro e Espirito Santo,am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Ruada anzala Novan. 42
Vanda-sa em casada S. E.Ionhstoo 4C.
ellinsa silhoasnglezes.candeeiro.' easticaas
bronzaados,lonas aglezes, fio devela,chieota
para carros, a montar i a, arre ios para carro da
oja alom cvalos relogio ide ouro patenta
DgltE.
Relogios.
Vande-ia am casa da Johnstot Pater & C.,
rna do Vigario n. 3 am bello sortimento de
ralogios de ouro, paten te inglez, deum dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tanabem
oaa variedide da bonitos tranceln? para os
masaos.
Libras sterlinas.
Tende-se no escriptorio de Manoel Ignacio da
Oliieira e Fllho, largo do Corpo Santo.
160^000.
Vendase por 1809 12 cadeiras, 1 sof e 2 ban-
cas de abrir, todo de Jacaranda, e em bom esta-
do ; traa-se na ra da Cadeia-o: 49.
Len$os de cam-
braia com padres de se-
da a 2$500a peca.
Na loja d'agoia branca tambera se vende mui
bonitos e Anos lencos de cambraia imitando seda,
isso pelo baratisaimo preco de 28500 a pega de
10 lencos. E' essa urna das pechinchas que eusta
apparecer, e quaodo assim approveiUr-se da
occasio, porque elles servem tanto para algibei-
ra como para meninos, e quem os vir na loja
d'aguia branca, na roa do Queimado n. 10, ter
vootade de comprar mais de urna pega, tal a
bondade deltes.
Veodem-se saceos com milho novo ; no
armazem da roa da Sensata Telba n. 144, com o
fundo para o novo caes de Apollo.
O rival sem segundo, tita
rua do Queimado n. 55
defronte o sobrado-no^
vo, esl vendendo todo
bom e baratissimo,pois
j tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por precos que admi-
ramt a saber;
Caivete para aparar penna a
Ditos com S folhas muito tinos a
Frascos de macaca parola muito fino a
Dito de oleo muito fino a
Tranca de lia com 10 varas, bonitas co-
res
FraDjasde Ha com 10 varas, bonitas co-
rea a
Sapnos de tranca de algodo a
Ditos de dita de lia a
Cains com iscas para charutos a
Cartas da alfinetea sortidos francezes a
Canas de ditos ditos a 80 rs. e
Escoras para limpar denles muilo finas
S00 rs. e
Duzia de facas e garios, cabo preto a
sfasaos com graropas muito boas a
Candes com clcheles a
Ditos com ditos de superior qualidade a
Dedaesdeaco para aenhora a
Sabonetes muito grandes a
Apitos de chumbo para crianQa a
Rialejo para meninos a 40 rs. e
Bufiadores para vestidos, muito gran-
des a 60 rs. e
Sapatiohos do lia para meninos a
Anda lem ama variedade de miudezas que se-
ria enfadonho menciona-las, poissi vista que
ae pode apreciar as qualidades e os prego.
As melho-
res machinas
de coser dos
mais afama-
dos autores de
New- York:
vendem-se
unlcamen te
no armazem
de fazendas
de ltaymundo
Carlos Leite
& Irmao, nu-
mero 12, ra
da Imperatriz.
80
3M
S00
100
200
800
1*000
1SW0
40
100
200
400
3?500
40
20
40
100
200
20
100
80
400
AUenco
Vendem-se caixoee vasios proprios
parabahuleiros.funileiros etc. a lj280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem oatem
para vender.
Tinta azul que flea
preta.
A loja d'agaia branca receben no*a remessa
dessa escolente tinta a?ul que 11c preta, e con-
tina a vender os boies a 500 rs. : na ra do
Queimado, leja d'aguia branca o. 16.
Arados americano e machina-
par a lavar roupa :em ca$ a de S.P .Jos
hston k C. ra daSenzala n.42.
Lencos brancos.
Vendem-se lencos brancos proprios para algi-
beira, pelo baratissimo preco de 2j400 a duzia :
na rea do Queimado n. 22, loja da boa f.
Navidades do pavo.
A loja de Gama Sil va, na ra da Impera-
triz n 60, acaba de che-
gar um noy e variado
sortimento de fazendas,
que vendem por presos
que faz admirar, como
sejam:
Um bonito sortimento de cassas soissas a imi-
lacao de sedas de quadriohog, que se vendem pe-
lo diminuto preQo de 240rs. o covado.
i
Venderse utva taAat oa rom daftalveal
poucea fandoa, proprta para principiaste'; quom
preasader irtja-aaj ar*r ao*aajel, 4t de lou'-
Venda de toja.
ra
balsmica para a bocea e denles. O bom resol-
tado de tal agua j nao soflre davida como sa-
bido pelas immensaa pessoasque a compraran),
e que sentiam a falta dalla, e aa qae de novo
comprare achario que o uso della fat conser-
var oa denlea aoa, livranda.os da carie, fortale-
cer as gengivas e tirar o mo balite da hoeca,
dando mesma agradavel aroma, podendo-se
meamo usar della nao s pela maoba como a
qualquer hora, a cosa acert depon do fumar pa-
ra tirar o eheiro de fumo, ou quinde se tenba de
sabir para tar-se a bocea aromtica : para isso,
porm, bagtam algumas gota* della em ages pu-
ra. O proreito d'agoa balsmica anda chega a
mais, ella aarv com acert e promptido pava
acabar a dor de denles, ensopando-se nella fltti
bocado do algodo e deilando-o no buraco do
lente, este adormece e em pouco dswpparece a
dor. Para ae obter am frasco de to provaftosa e
apreoiavel agua balsmica, dirigir-se com 1
loja d'aguia branca, roa do Qoeimado o. 16, ant-
ea parle onde ella ae vende. Ad*erte-ao qwe os
fraseos va mareados ton o rotulo da dita loja.

A loja da bandeira
jNova loja de funileiro daS
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
todoaosseus fregueses tanto da prega
cmodo malo, ejuntamente acrespeita-
velpublico, que tomou a deliberado de
balsar o prego de todas as suas obras, por
cujo motivo tem para vender um grande
aortimento debahe e bacas, ludo da
di rieren lea tamanhoae de divareas corea
em pintaras, e juntamente um grande
sortimento dediversaa obras, contendo
banheiros e gamelas compridas, grandes
e pequeas, machinas para caf e cane-
cas para conduzr agua grandea e peque-
as, latas grandes pira conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil a
camas de vento, latas da arroba a la),
bahs grandes a4| e peque nos a 600
rs., bacia grandes a 59 e pequeas
800 rs.,cocos de sza a 1 a duzia re-
gadores regulares multo barato, ditos
pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
tos ha pintados e em braneo e tudo mais
se vende pelo menea preco possivel: na
loja da bandeira da ra da Cruz da Re-
cife d. 37.
VENDE-SE BARATO.
Superiores capas compridas de gorgu- \
rao preto, manteletes modernos, tilmas
de croxe, e chapeos de pal ha.___________ '
Vestidos de seda moderno de cam- '
braia bordadoa. ditos de phantasia. I
Sedinhas de quadros, grosdenaples de \
cor. moreaotiiiue em covado.
Cambraias de cores modernas, ditas de
listras fiogindo teda.
Sintos, leques, gollinhas e punhoa pa-
ra roupo, esparlilhos modernos e pen-
tea de tartaruga.____________________
Saias batao de todas as qualidades,
camisas para senhoras, ditos para me-
ninos, chapeos para senhora.
Tarlalana, tilo, oiusselina, diamantina
e laazioha de cor.
Pulceiras de sndalo, lavas de pellica
e chapeos para senhoras
1 PARA ACABAR
! Celias de la e seda proprias para ca-
i mas ou coberta de piano a 59.
Paleois de casemira a 10)1. ditos da
alpaca preta a 5$ : raa da Cadeia loja
I n. 23 de Gurgel & Perdigao.
Ricos enfeites para senhora.
Na loja da aguia de ouro ros do
Cabuga' n. i B.
Recebaran) de aua propria encommenda o* lia-
dos enfeite Uoto para senhora coaao para me-
nina que se vende por baratiasimo prvee seodo
a 2. -2S500. 3|. 4, 5. 6. 71 a 8f, p.lhi.ha a
9, tudo lato muito baratisaimo porque se qeav
liquidar, pede-se os cosopradorea qoe ebeguem
antes que ae acabara : s aa loja da aguia da eu-
ro roa do Cabug n. 1 B.
Cascarrilhas para, enfeites de
vestidos.
So Da loja da aguia de ouro da ra da Cabug
n. 1B, e que teceberam um completo sotlimaoio
de cascarrilha das mais lindas cores qae pos-
sivel para enfeitar vestidos ou ropaatiabaa da
crianza queso a ritta aapoder fazero preco.
ChapelinasparasenhoraalSJt
Ni loja da aguia de oro raa do Cbog* n. 1
B.. tem para vender ebapalinaa de muito goato
pelo baratissimo preco para acabar da 129 a 14.
Ac para balo a
120 rs. a vara.
S na loja da aguia de ouro
ra do Cabug n. 1 B.
Recebf raro grande sortimento da asteaa da to-
das as larguras para concertar ou tasar baldes
para meninas e seohoraa que aa vende pelo ba-
ratissimo preco de 120 rs. a vara e a peca coa
45 varas a 44)500.
O melhor gosto.
SJb7 Chapeos de palha muilo fina enfeita-
k lados a traviata a 12g e 14J. chales da
touquim a 12,15, 20. 25,30, 35. 40, 45
$p 505. eofeites de retroz e oulras muilaa
Q fazendas do malbor gosto possivel a por
bsralissimos precos : na ra do Qacima-
W mado loja de 4 portaa da Perrio dt Mala.
wm !
A 280 rs. o covado
de casias francezas de muito bonitos padres coss
4 palmoa de largura, peebiocha. na ra do
Queimado o. 22, na loja da boa .
:
Ricos
J-oaquim?
san freguezi
Helio Santos avisa aos
5a e oa de tora, qu tem
, na rui
turfui
i*
h *
jk C, na ra do imorim5^58: massa amareHa,
rata a outfa ibaUdadas pftr menor
-Je ostras fabricas. No meamo ajma-
Vende-se a muito acreditada toja fle fctoazaal btn tem falto o seu deposito de vela* de carnaa-
^SS^^XSS^B Chapeos para senhwa.
precisara comprar ;vebde-ae a praao. cootorme} aUaosb4aa,,dAa*da>a4# vallad wa ^e
e eonveauoBsi--a tratar na mesmi Ttnt n."to, (ahora, pelo baratisaimo jue.<4e>a5e4ii#: oa
<< I roa do Queimado n. 22, loja da boai.
v*
N. O.Bieber& C, saccessoras, ra da Cruz
n. 4, tem para vender relogios para algibeira de
ouro e prata.
Vende-se
Um eslabelecimento oesla pr?a em urna das
melhores ras de eommercio, coateado para
mais de viote cootos de mercaderas, sendo urna
teroa parte de sea valor a vtata a daas paites em
praaos couvencionados, com garanta : a tratar
na raa do Imperador n. 15, segundo andar.
Attencao.
Pa|ruadoTrapichan.46,emcasa da Ro r a
Rooker &C. exlate um bom sortimento da II-
nhas decores a branca semearreteis do melhor
ibrleantcdelnglaterraasgusas aavaadam poi
draos mulrazoaveis
cortes de medina de
secta.
A loja da Baa-F na roa do Queimado nu-
mero 22, acaba de recebar ricos caries de
vestido de medina de aeda de liados pldroea,
a faaaata iwls fina, mais nava e maMlbonlts
qua ha aa mercado, cada corte tem 29 e 51 cc-
vados, veodom-sapaio baratissimo pre^o da
9fi|CB9sju adrtd; a* avatioras ie hom goato que
tirerem de assislir a bailes e a casamentoa, se
quisarem levar am vesMoo de ultima moda
MiMsmaa eaj a ssMi*fwda laada BaHP,
na ra do Queimado n. 22.
SaCCDS a ajOOO.
Yeodem-ae mujia auaaasareaaaooas eosasarava
fj**rtaa>.aa rlagemw t^lodiaraelaaisaa. ataoa-da
aliada a waa acaabac t ,aa laja a-agaie da au-
w,tuaHiaCabmj4ii.iB. ^^ .

Br\\\iai\Una a c140 rs.
Vende-se brilhanlioa com quadrinhos de cor
para vestidos e roopas de meninos a 240 ra. o
covado : na roa da Imperatris o. 60, loja do
pavao.-
Organdys a180r<.
Vende-se cassa de organdys de padres muito
bonitos a 280 rs. o covado: ns raa da Imptrattiz
n. 60, loja do Pavao.
Chitas a 240 rs.
Vendem-se chitas francezas muito miudinhas,
fazenda que sempre se vendeu por urna pataca,
e est se acabando a doze vintens : na raa da
Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Gurguro a -400 rs.
Vende-se gurguro miudinho proprio psra ves-
tidos e capas para senhoras e para roupaa da me-
ninos, pelo diminuto preco ie 400 rs. o corado :
na raa da Imperatris o. 00, loja do pavao.
Las a 400 rs
Vendem-se laazinhas entestadas para veatidoa,
fazenda de muito bom goalo, pelp diminuto pre-
go de cruzado o covado : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
Com barras e babados.
Vende-se flnissimos cortes de cambraias para
vestidos, com barras e de babados, pelo baratissi-
mo prego de 2*500, 3S e 3|500: na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavao.
Cassas a 200 rs.
Vendem-se cassas com salpicos graudos a 200
rs. o aovado : oa ra dalmperatriz n. 60 loja do
pavo.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas da cores fasenda aaito boni-
to a 240 ra. o covado : na loja da raa da Impe-
ratriz n. 60, loja do pavao.
Sedas a eovado.
Vende-tegrosdeneplea preto matto encorpado
a 19500, 19600 e 18800, data ssul cor da rosa a
cor de ana a 2*000 o covado, sedas brancas la-
vradas para vestidos de noiva a2#240 a 2S400 o
eovado, dita preta lavrada a 1400, chamalote
preto a 2|000 o corado : ns raa da impera tro
n. 60, loja do pavo.
m $nfeite*a2.
Vendem-se enfeites de muito bom gosto para
senhoras a 2000 : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do psro.
Enfeites a 640 rs.
Vendem-se enfeites de Troco proprios psra me-
ninas e tambera para senhora a 640 rs.: na ra
Imperatriz n. 60, loja do parto,
Chapeos para seuhora.
Vendem-se chapos psra senhoras, sendo mui-
to bem eofeitados e oa mais modernos que lem
rindo, peto berafflMlmo preco de 10 : aa rus da
Impera'.riz n. 60, loja do 'patio.
Feilutie a 240.
Vendem-se velludos preto, cor de caf, -azul
ferrete, e verde-escuro, proprios para eetHee de
senhora e roupas para meninos pelo neratisetmo
preca sal 2a^flftaioevaatvaeado {aneada *\m eem-
weaa vendeaaJk: na rasa da lojpaaalta a. OQ,
ia|s-dapa>iaa.
Btv toctaeasta* sasaraana ,se.do amoalssaulei-
aveatde tlaac penaa^ aeeim aaaaoaa muitaav ou-
lras iaasndaa ojas aadaaroasaa auilaiasM da.as
mencionar, todaa veodando-se mala baratoeme
am outra qualquer parta na raa da lsojeteiriz
n. 60, k^daaWe^S.Ha. saada. aa uaba aol-
locado urna taMata com am PAVAO .pialado a
aa.o<*sa*JaB**m*ii*-^ofAS&,
Vende-se um cabriole! com os competen-
tes arreioa, todo novo, e um escolente carallo
para o mesmo ; quem o quizer ver o comprar,
dirija-se a ra de Apollo, armazem n. 14, que
achar com quem tratar.
Vende-se carne do serlo muilo gorda a
320 a libra, linguicaa de dito a 320 a libra, vioho
hespanbole da Figaeira a 400 rs. a garrafa, em
caadas a 3$: no Recife, ra da Senzala Velba
o. 102, quina do becco Largo.
l
Nova california
DE
s
:
Fazendas baratas.
INa rna da Imperatriz n. 48, junto a
pallara franceza.
8 Corles de cambraia branca com babadi-
nhos 4 e 4500 superior 5a, cambraia li-
za com 8 1 ]2 rara 3J. 3500, e 49, ditas de
Escossia &a, e 69, ricos enfeites para se-
nhora 69 e 65500, sintos os mais delicados
para senhora 29500. 3, chapalina para cri- IJ
anca gosto inglez 3>500,49, para baptisado.#
I 39, cortes de vestido de seds Escosseza de tj
bonitos gosto 129 esto se acabando, ri- m
eos lencos de labyriotho 19,1(200. chapeo t)
de aol para seobora de bonitas corea, liaos
59, cabo de marrn 53500, curtei de cam- m
braia brancos com ffdr de seda 59. risca- gj
do francs 2tJ0 ris o covado, completos j
sortimentos de baldes de arcos 39, sorti- gj
mentos de meias para menino e menina Z
200 a 240 ris o par. chales de tarlalana Z
de cores a 640 ris, lencos braneo com bar- m
ras 160 ris chitas inglezas a 180 e 200 rs. X
ga dita franceza a 240 e 280 rs. o covado
O pegas de cambraia de forro com 9 varas
a a 29 : junto a padarla franceza n. 48.
* *
Faraosbailesetheatros.
Riquiaeimos cintos douradoa com lindas Arelas
tambem douradas e esmaltadaa, e com ricas pon
tas para cahirem sobre oa veatidoa, muito pro-
prios para aa senhoras que tiverem de ir aos bai-
les a theatrea ; veadem-ae pelo baratissimo pre-
go de 49, 5$ e 6*9: na ra do Queimado n. 20,
na bem conbecida loja da boa f.
$$ mmmw $$$$
Ra do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vende-se chapeos de castor branca ra
pado a 69-
Ch*pelioae de seda para senhora a 89.
l Cbapeas de palha para aenhora a Tra-
viata a 109.
Dilos de pellica a Garibaldi a 14 a 159.
S Camisas pata seobora a 39.
'
Bengalas finas a 1$000.
Vendem-se bengalas com casloas de muito gos*
to pelo becalissimo prego de le 1J200 : aa Toja
d'aguia de ouro, ra do Cabug n.l B.
ore.
1 casemiras X
Loja de marmore.
S Vende-so para liqaidacio
ioglezas de urna s cor proprias para for- 8
a rar carro a 3J5C0 o corado.
8 Loja de marmore.
Vende-se psra liquidadlo meiaa braa- *
cas inglezas para homem a 39 a duzia.
Loja de marmore.
Vende-se para liqaidacio manas pre-
las lavradas de fll a 29
Atso
Ao respeitavel corpo acade-
. mico e a rapazeada em
ge ral
A encycloiedica anda vive.
LOJA DE
Guimares Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Vendem barato e baratiaaimo : camisas ingle-
zas muito finas, seroulas, meias, chapeos, pau-
tla, sobrecasacos, paleiots da brins, grvalas.
calcado Meli, len
bella perfumara.
teccao.
os a finalmente renden a
h proprietsrioa peder s pro-
s
i
Vende-se pspel de quadrinhos maito superior
quatadada m dijaOOo reama, dito do posa parolina
e maaaaaasaaaior a 29500, dito gtave proprta pa-
ts secretaria a 59, e de oulras asis qualldadaa,
que sa vende muito em conta : a* loja d'aguia
Oe oaso, ruada Cabug o. 1 B.
Para f?rro desalas.
. Veader*,p*pel;par* rorro dealasou gabiae-
ias.^elo b apra^oda apecaaam 1 _________
Vaaae-aa apa mulaUaha de 18 snnos oa
Usaa hakiidades ; sa F6xa de PWis, tm+>
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Russia da mala nova a
superior qoe hi no mercado a a prego malta
commodo : no escriptorio da Manoel Ignacio de
Oljreira & Filho, larga do Corpo Santo.
[30 A-Roa da Cadeia do Recife-50 Al
A 2$. 2g800, 5jjf, 800 e 900 r.
tt^.Manoel Goocalvaa da Olivoira
Saetea avisa a seas amitos a freaueuea
que esl vendendo collarinbos, punhoa,
manguitos de fustn a linho para senho-
ra a 29, saias bordada* dos ricos borde-
dos a linha a 2j800,rolletes de casemira
de differentea corea moito fino a 39, cam-
braia branca transparente com 8 li2 va-
ras a 39 a peca, dita organdys da apura-
do gestea 200 a 000 re. a vara, hataioa
para menlaas a 39.ditee pan aenhora a f
a38500, graraua eetreita da uttima sao-
da a 500 rs., o mais fazendas que se rea-
de barato ai I I _
Enfeites para vestidos.
Vendem-se as lindaa rosas de seda>para enfei-
tar vestidos ou roupes, consa de marte guato ia-
teirameete ora ;- as toja d'aamia da ara, raa
da Qchag n. 1 B.
Escrayes fagidos.
Fugio do eDgeobo do abaixo sssignado. no
da 1S de desastre de 1*350, asa malagaecriaala
perneare Jeo Gregorio, Idada e>)a*4 anuas,
bem preto, altura regular, alegra a refrala, asn-
ero de carreiro, o qual fol preso ns Babia em Fe-
vereiro de 1W0. e remetiido para Pemanbale
om asa vapor, d'ende tomo o a fuglr, a saaaOa
se estar na Babia ; roga-se s autoridades poti-
tvaee e esptaos de cenrpo que o sppreheadam a
o remettam para Pernambaco a entregar aa 8r.
. oo flota de Lemoa Joalor; a que pata** W*l-
quer despera -que se Bwr.
Umbellno da Peala Oaatm'liet.
Hontem 9 do torrante, pelas Hit* atoras da
tarde, fugiram doaa mulatos na acensaos da fresa
para ser mostrados no fteeKo a mmpiaaJai
para o do Janeiro, deoomes Froreacsa a Le-
eodro, aqutfle afra e^aarOV, rapldaba lar Oa
32 annoa a 35, leroa rostido, camisa da algadaa-
xtoftn, eetodta comprrda a Chapeo Oa eoaro ; a
sale reprsenla Jar 40 anuos, pouco mala ou sso-
noa,f*eie-do cerpoeaem herbas, Mvou vrsttdo
^tBa Oa aaraaOa.
taVHa%ro*0f o ItaaVm e eun-
TO, aaa#-flotle-!f6. rri eada as desmata an
toran ; ga'-se as totovWsOes parieiaes esM.
ora-loa a leva-ros I rus t
Imperador n. 45, que


(8)
DUE M riUUIBUQO; *> SBXT1 riJRV 1S R OOTUBRO M 1H1.
Litteratura.
Refotaca* atfireor d Sr. Dr. Pitan-
8
O Dr.
Tel da
guineo,
pehrftr. Carelw lonleirt.
(Conliibcaeo.)
! xvni '
BIAME W) TUSADO"* ""'
indicou como ciucler ioalli-
Ifc o desengorgitamento ttn-
. coosidetarel e rpido, hafido no
Ogado em consequencia da respiracao ; e que
esle orgsm diaiaue de tal modo de peso, que
su relagao CMflBawiolal do cqrpn d nos t-
tos,*que tem re* fttdo, proporgas tSo diferen-
tes das que eoabwrvam sobre os fetos nascidos
morios quepnnc podem ioduzirem erro. Mas
M. Orla depois di spreciagio de 22 experiencias
concia e: 1* quto peso do Ogado era muilo
mais conslderavel nat creangas, que teoham rea-
pirado perfeitameole, do que as naacidas mor-
tal ; 8" que relilo entre o peso total do cor-
po e o do Ogado era muitas rezes mais fraca nos
caso de r|BJxelo perfeila, do que quaodo as
|ntn lvido ; o que deera ser o in-
verso se 1 rcao emittida pelo Dr. Marc. e de-
pois pelo DT. Bernt. fosse exacta.
M. Bnand inda corrobora o parecer de Mr. Or-
illa, contrariando a opioiao do Dr. Bernt, quaodo
": 9 desengorgtemeeto sanguneo do figado
e a dioiinuigo do aeu peso e do seu volume sao
phenomenos coostaolea, desde qua a circularlo
se pstabelece; porm em vo se tem querido sub-
metter ettat mudangas clculos exactoi. Este
clculos t tem (presentado incertezas e irregu-
laridades.
Temos trazdo ao alcance de todas as intelli-
gencia, que estas proras sao mu secundarias e
atacareis ; e que s por ai trariam a durida ao
espirito reeto, e se prestaran) ao capricho dos
oteresses e da corrupto.
Rstam-nos por tanto a docimastica hydro-
statica e o exarae do diaohragma.
XIX
Examedo diaphragnaAntes da respiracSo.a
face inferior do diaphragma, diz Mr. Orflla. (Ed.
4 tom, 2 pag. 217) muito mais conrexa do
quodepois ; por que o thorax ae delata em lodos
os sentidos, e sobre ludo de baixo para cima, a
medida, que a cranla tem respirado; e que
necessariaraeote o msculo, de que fallo, deve
se achar repellido para o abdomen.
Este mesmo phenomeno appresenlado por
Mr. Briaod.
Mr. Ploucquet propoz um meio de apreciar a
arapliacao do peito ; e de comparar o resaltado
havido entre a creanga,que tem respirado e a que
nasceu morta, para servrem estes dados de juizo
diUnitivo 4 existencia ou nao do acto respirato-
rio. r
Em verdade, que este phonomeno, quando
possa ser apreciado, prora, que a caixa thoracrca
fora_ ampliada pela respiracao, ou pela ensuf-
laco ; porm no caso, que fax objecto da preste
discussao, sua apreeiago nao era possirel; por
que o tborax j tinha sido aberto, e exlrahidos
os nceras thoracicas ; e por consequencta elle
se hara nulliflcado. Assim s nos restara a
apreeiago do docimastica hydroslatica.
Este foi o meio, a que recorremos, e a que re-
correra todos os peritos,que eslivessem a par do
que tem escriptos os mestres.
XX
DOCIMASIA HTDROSTAT1CO.
A docimasis bydrostaca ae basea na modifica-
sao, que a lotredugio de ar noa pulmes, traz no
seu peso especifico : mais denso do que a agua no
estado normar e antea da respiracao seu tecido
toroa-ae mais raro e leve pela introducto do ar,
ou gazes.
Dous phenomenos por tanto pode apparecer
pela esperiencia* hydroslatica ; ou os pulmes
boyo, ou rao ao fundo : no ultimo caso- elles
podem ir lentamente ou precipitadamente.
Se a masa pulmonar em toda a sua totalida-
de rai ao fundo, prora de que a creaoga nao
respirou; exceptuado porm se os pulmes sao
sede de estado mortoso.como hepatissgao sobre-
rinda depoia do nascimento.ou pereumouia adqui-
rida durante a vida uterina.
Se os pulmes boyo, elles fornm delatadoa
peto ar athemospherico quer pela respiragio,
quer pala iosufflagio; ou n'elles se nolam phe-
nomenos de imphysema. Quando se tenha pro-
vado que nao existe imphysema, o que fcil,
comoj mostramos, e que nao houre insufflago
como aonuiro todos os peritos, a supernalago
dos pulmes prov positiva, inabalarel e ple-
namente satisfactoria para que ae pona dizer
ex cathedra a creanga respirou, e se a su -
pernatagio completa, a ereanca viveu civel-
menle.
XXI|
Harendo nos concluido, que os pulmes foram
lela lados pelo arahmoipherico, lgica e pfiysi-
camente demonstrada como Qca a verdade da
nossa conclusao, s urna objeegao seria se pode-
ris erguer contra a dedaegio, qu della tiramos;
a qusl foi que, a ereanca houvere completamente
respirado, era que a aupernataglo completa doa
pulmes poderia ser effeito da insufflago.
Tendo dito, que havendo todos os peritos, in-
clusive o Sr. Dr. Pitanga, ao menos na primeira
reuoio, concordado, que a insnfflagao melhodica
era deeconhecida para quem nao da sciencia, e
a ella nio deviamos altribuir a superoatagio, 0-
con destruido este obstculo; porm como pode
acontecer, que alguem nao queira concordar com-
hosco, offerecemos a tal respeito algumaa coosi-
derages.
Billard se oppe a que a iosufflagio possa fazer
com que oa pulmes sobrenaden) em todos os
seus fragmentos. Tendo insuflado, durante lon-
go lempo e com bastante forca, Qpi meio de um
tubo de vidro primeirameole, e depois com um
folies, na trucha-arleria de tres fetos nascidos
morios, nm de cinco annos, outro de seis, e o
terceiro de sete, preseociou, destacando os pul-
mes, que elles s crepitavam no bordo arterior,
e no vrtice ; e que s os fragmentos correspon-
dentes a estas partes boiarao.
Em urna outra experiencia, elle extrahio do tho-
rax os pulmes de um aborto de quatro mezes e
meio, os insufflou separadamente, elles augmen-
tavam de volame, e depois se reduziram ; tods-
via lscalos o'agoa boiiram, porm eortados
a frapnantot, as partas correspooiMts a* pon-
i posterior a a bateganharam o fundo do vaso.
. A iossf&ac de ais asaca de lampo tor-
neceu resultado anlogo ; posto qua oeste ultimo
caso hara ama graada parto a patalo, que'ao-
brenedava....
Eatretanto Mrs.* OrOla, Deatgle Briand e
Chande, opinara qae a insufflfcWpdt offerecer
,os meamos pbenompnos, que p acto respiratorio;
e.queuaVhaalgQaea positivos e hiMireis, pelo!
quaes se possa reconhecer a insufflace; que
quindo muite, com ai outras pravas accessorias
se poder chegar a presumpQo.
Mr. Briand, porm, na pag. 214 da aoa Ed. 6,
declara : que raramente a iosufflicaVo $ feita com
bastante cuidadp, raramente assaz completa,
para que b ar penetre em todas as parles do pul-
mao. E Mr. Derergie na pag. 218. tom. 1,
Ed. de 1837 escreve que na Materniti ae pratica
frequentemente a inaufflacao por meio do tao
laryngianno, com o fim de chamar as creancas a
vida ; e elle tem sempre observado, que nunca o
alia completa; que as porces anteriores dos pul-
mes eram penetradas; em quanlo que a metade
posterior offerecia um tecido nao delatado pelo
ar ; nao obelante ser sufficieote para operar a su-
peroatacio a quantidade do ar iotrodaztdo.
Segue-se d'ahi, que, quinto a resairacio hou-
ver aido methodica, e de modo, que o ar penetre
era toda a'maaaa pulmonar, como possirel. pos-
to que nao fcil, o juizo defiailivo de qne a
cranla tem reapirado pode aer prejudicial em
duaa circumstancias: primo, quando alguem, que-
rendo fazer ama -aecusaco da infanticidio, naja
pratiesdo a ioaufflacao n'um feto naacido mono,
com o flm de provar, que a ereanca nasceu vUa ;
secundo, quando urna nsae em um parlo clandesti-
no, naja tentado, por meio da insufflagao, chamar
a vida a aeu Olbo, naacido morto: a que a ternura
maternal toroe-ae a origem da prova de aua cul-
pabehdade, a vista do parecer dos peritos. No
primeiro caso a demonstrago da que a creanga
vtveu civiloTente nao nem prova, oem indicio
de infanticidio, quando nao ha traeos de violen-
cias mortferas; accresceodo, que, nio sendo o
parto_ claadeatino, as provas teatemunhaes nao
faltarao para depr a favor. No segundo caso
anda mister, que exislam os caracteres do in-
fantecidio por commissio.
Se nos apreaenlarem um faci, em que una
meteveum parto clandestino, dando a luz algu-
ma creanga, que morre por effeito do parto, offe-
recendo entretanto leaes, que ioduzem a crr se-
rem consequencias de violencias iofantecidas ; e
que por desrello materno pratica aiosuffliQo, ou
alguem por ella, de tal modo, que penetra o ar
era toda a massa pulmonar teremos um caso dif-
ificil em verdade, porm podemo-lo dizer imagi-
[oavel, ou que quando muito demonstra a impo-
tencia humana.
Se levarnos as questes crimioaea a este grao
de apuro phsntaaeando hypotheses para nulliflcar
| os dados comprobatorios do crirae, ficer leltra
! morta o cdigo criminal. As illuses de ptica
nullificarao os valores das testemuohas oceulares e
' anda melhor a prria existencia de testemaobas
' falsas. A allucinaco provocada pela perseguicao
ou pelo terror da accao da justiga nolIiQcaria o
peso que possa ter a cooflssao do reo.
Em que deapsradeiro nao iramos nos.
A apreciacao das circunstancias do facto. se-
gundo opina Mr. Drergle, attena a difficuldade,
que a naufflaco poder trazer. Assim diz elle :
Um menino, que se langou vivo sobre a nev
do Sena ; vivo, porque aprsenla todas as desor-
dens, que podem resultar de semelbaola queda ;
ara outro, achsdo n'agua contido em um sacco,
eosido hermticamente ; um terceiro, laagado m
ra junto a um canto com urna rolha de panno
no pharynge; um quatto, que flucta junio a
praia em urna caixa de papellao envolto em mui-
los pannos aperlados de modo, que Ihe vedam o
accesso do ar; um quinto, lancado nos (osos da
letrina ; um sexto corlado era pedacos, e achado
enterrado era um lugar inhabilitado nao *3o eo-
$os, emque a mae tempralicado ainsufflacao com
o fim de chamar a vida ao /i/no.
P mesmo modo diremos nos, em um menino
ulho dos erros do amor, e a mais das vezes da
concupiscencia, que se pretende encobrir ao
mundo por meio de um parto clandestino, e que
nasce naturalmente morrendo, nao se tena cha-
mar-lhe a oda com a insufflacao: e quando esta
mae tem aquilatado a aua barbaridade, mandan-
do tancar ao mar em um vaso de fezes o fruto de
suas entranhas, bera manifest que desapparece-
ra toja a presumpgo de que se houvesse pralica-
do a insufflacao.
Portanto, tora de durida que a creanga respi-
rou e viveu. Cabeynos demonstrar que houve in-
fanticidio. (*) /
_ / XXII
Nj soIuqSo da/questao de eofantecidio, mis-
ter decidir, se k morte foi natural, ou resultou
de violencias eiercidas na creanga.
A morte natural pode ter sido, ou durante a
vida uterina, au durante o lrabalh.o do parto, ou
Analmente depois do oascimento.
As violencias mortferas podem ser ejecuta-
das, quer durante o trabalho do parlo, quer de-
pois do oascimento da creaoga.
Todos concordamos, que o meaioo nao morrea
durante a vida uterina ; isto que nao morreu
antes de comego de trabalho do parto, este pon-
to, por tanto, nao faz objecto de diverso.
Harendo nos provado, que a creaoga respirou
completamente, eque por consequencia viveu ci-
vilmente, tinhamos feito desapparecer a hypo-
these, de que a morte tivesie lugar durante o
parlo; porem como o collega nega, que o meni-
no tenha vivido, apezar da evidencia do faci,
apreciaremos, se admittiodo, que nio podesse-
mos ter provado, que a creaoga viveu civilmen-
te, a demonstrado offerecida por S. S. para sus-
tentar, que a morte fora naturalmente darante o
parto, e de tal modo, que faga desapparecer a
enminalidade, pode aer apoiada pelos mestres a
entendidos na materia.
Trataremoa de mostrar al a evidencia, que
(*) Tendo de refutar o parecer do Sr. Dr. Pi-
tanga por parte da commiasao de que fago parte
lere a linguagem ao plural; porm o Sr. Dr. Pi-
tanga em alguns pontos do seu parecer indiriduou
s miDha pessoa; nestes pontos para evitar ambi-
guidade conservei no singular.
nlo houve mora natural depois 4o nuaU|*ftf'.*
qua a creaaca foi victima 44 Vastara* vWaocta*
infaolecidai.
XXIII
Da descripcao do cadver" ftiu aa ootaao da
axhamagio, qua uvera lugar o dia II > tnez
prximo paisido ae r: qua o eorpo palo seu
todo mostrara ser de um recem-nateido i ler-
mo ; era perteitamenle organtsado e maturo ; as
aberturas n atarais erm todas regularmente con-
formadas, as unhas, quer das roaos, quer dea
'ps, eram consistentes, largas e todas chegaram
s cabegas dos dedos ; a pello tinha a consisten-
cia da do feto maturo, era branca e apreseetava
am grande parte de aua superficie tirorea cada-
vricos.
Eslava preso ao annel umbelical am pedago do
cordao do mesmo norae, tendo meio palmo de
comprimenlo; hivia, porm, um outro pedaco
do mermo cordao separado, e asta tinha pouco
mais ou menos um palmo de comprimenlo. To-
dos os trea extremos doa dous pedacos. do dito
cerdeo apreaeotavam irregularidades, que indi-
cavam terem sido feitas por traeco e de manea-
ra nennuma pefo corle regular de um instru-
mento. As membranas inroLventes dos raos es-
tarom podres ; mas os rasos esiavam perfeitos e
perrios, de maaelra, que por lies pde-ae io-
troduzir ar por meio daioiufflaglo, serrindo-se
deum tubozioho metallico, feito para taesexpe-
riencias.
A cabega era toda coberta de cabellos pretos,
espesaos, estirados e tendo pouco mais oa me-
nos urna pollegada de exleosao ; ella era de ta-
manho ordinario e reju/armenfe conformada,
sendo completamente arranjada ao estado na-
tural.
Depois da dissego do conro cabelludo notou-
se urna vasta ecchymase, qua oceupava ajaasi
loda parte posterior da cabega : ahi havia derra-
mamento de sangue, estando a nator parte dil-
le coalhado, esses coalhos eram de formas irre-
gulares, mas geralmente debaixo da forma alon-
gada ; todo O couro da cabega correspondente
eala parle eatava profundamente contuzo: a sua
face interna ou craniana era de cor muito escu-
ra, a aproximsndo-se quasi ao preto. Retalha-
da esta meama parte do conro caballuio e lava-
dos estes pedagos, reconheceu-se estarem bem
injectados; na parte esquerda da eabeg, isto ,
na regiao temporal eaquerda eatava o couro ca-
belludo no mesmo estado : as outras partes da
cabega o couro nao apresentava nada que se pa-
recesse com o que acabase de descrever.
Todos os ossos da cabega esiavam normalmen-
te dxspostos, nao havia nelles, nenhuma sofucao
de conttnutdade : nao esiavam cavalgados em
parte alguma, o nem se observava nenbum ves-
tigio de injuria, que offeodesse os ditos ossos.
As fontanellas esiavam em seu estado normal,
sendu porem a posterior ou occipital de cor mais
escura, que a anterior. .4* meninges esiavam
pallidas, sem nenhum vestigio de leso, ioteira-
mente despegadas da face interna doa ossos. A
massa eocepbalics eslava toda fluida, de consis-
tencia de xsrope ; desorte que rompendo-se as
membranas ella corra derramando ae por cima
do mocho. Na face nada eucootrou-ae de ex
traordioario, qua fizesse suppr a existencia de
offeosas, physicaa praticadaa sobre ella ; eatava
iochada, a epiderme exfoliada, e os beicos gros-
sos virados para fra.
No pescogo exteriormenle nada se notoo de ex-
traordinario ; eslava apenas a pelle e a epiderme
exfoliada, o que era devido a pulrefacco. En-
tretanto estendia-ae pelo pescogo aquella vasta
ecchymoae, notada quaodo fallamos da parle pos-
terior da cabega.
Dissecada a pelle desta parte verificou-se que
a ecchymoss, de que cima fallamos, se esiendia
at a parle inferior do mesmo pescogo. Esta ec-
chymose comprehendia todos os msculos da
parte posterior do pescoco, e todos esiavam to
profundamente contundidos e alterados, que qua-
si se Ihes nao poda conhecsr a forma natural; e
lodos indicavam ter soffrido alio grao d$ aperlo,
pois esiavam como que pitados. Ilavii ahi al-
gum sangue derramado, parte fluida queenbebia
os tedios e parle em pequeninos coalhos.
A face interna da palie era de cor roxeada in-
tensa ; della cortado um pedago e arado, pte-
se verificar, que ettava ella contusa.
Este estado dos msculos do pescogo, e o mais,
que se acha mencionado, ae extenda ao redor,
porem ia diminuindo de intensidade a proporgo,
que se caminhava para a parte anterior de modo,
que na risinhanga da larynge j nao havia nada,
que se parecesse com o que exista os parte pos-
terior.
As vertebras cervicaes nada offereeiam de anor-
mal, quer nos ossos, quer nos ligamentos.
Nada se observou no larynge, suas paredes es-
iavam integras.
Na parte inferior daa parnaa as regies maleo-
lares se notavam duas eccbymoses profundas,
que comprehendiam toda circunferencia da per-
na ; a da direita se estendia al quasl o joelho ;
a da eaquerda sendo porem muito menor. Oa
msculos do reato daa pamas o coixas estavam
perfeitameole conservados ; eram de cor branca
ligeiramenle rosada, formando assim ura verda-
dero contraste com os do pescoco. Havia por
baixo da pello dos mambros urna grossa carnada
de tecido adiposo que eslava tambera perteita-
menle conaervado.
Desta discripgao manifest, que no cadver
existiam offeaaaa pbyaicas mais do que iulucien-
tes para ciusar a morle a um recem-oascido ;
por tanto chegando a demonstrar,que ellas s po-
diam ter lugar durante a vida e que a difficulda-
de d'um parto laborioso nao as explica aatiafato-
riamente, teremos chegado a jusliflcagio da ter-
ceira e quarta eonclusea do parecer da commis-
sio : isto que a causa da morte foram os
damnos existentee no pescogo $ parte posterior
da cabeca ; e que provavelmente foram produxi-
das por mo criminota.
A evidencia do iofantecidio no presente caso
tal, que oo duvidariamos atsupprimir, opro-
vavelmente.
- XXIV
AS LESES ENCONTRADAS SO' POMAS! SER FIITA3 DU-
RARA A VIDA.
Se v da deacripgao da autopsia ha vida oojpare-
cer da commissao, queurna vasta ecchymose
oceupava quasi toda a parle posterior da cabe-
FOLHETIM
A DAM4 DAS PEROUS
POR
A. DUMAS FILHO.
XI
(ConliDuagio.)
Vladimir tinha pouco 4 pouco readquiido san-
gue fri, e era fcil ver qua preparara urna re-
presalia esse ataque virel de madama de
Wine.
Paria mal 6m nao recebe-los, micha se-
ahora, disie-lhe.
Ento porque?
A conversago deases Russoe poda aer mui-
to otil.
Cono?
Podem informa-la, de grata, respeito daa
peiioas, coja vida particular a eeobora tem in-
teresa* esa coabecer. Assim eu, pelea meus com-
patriotas, tenho sabido muita cousa que muita
gente Ignora.
O que foi?
Nos outroa estrangeiros. desojamos ser es-
clarecidos 1 respeito das mulheres. por exemplo,
aCm de nao sermos muito eogaaados.
E' muito natural, respondeu msdama de
.Wine, olhiodo filamente para Vladimir, como
para ler no rundo do seu espirito a inlenco da
suas ultimas palarras.
Mas Vladimir cooiinuou com o loa mais inno-
cente deste mando:
Assim, imagine, minha senhora, que lti-
mamente uve um capricho por ama Parisiense
multo bonita.
Loura %
Morona.
Que genero do malbor?
Genaro amphibio, como roa ver. Sua no*
lher qua Um um nomo do nobrexa. paasa por
vjtftslai
Desta vas foi madama de Wine que corou H-
geiramenia. ,
E rio4? wplieeo dl, affoctudo indiffo-
renca. Vivo alada o marido?
Basa marido nunca vio. Ora, osa marido
quaoooca Im pdtfo oocapar o lugar da um
^l^It*]j** o boau. Entreunto
'fWMKii'l i I ..... sociedad
das Qnancas e da burguezia, onde ama mulher
com mocidade, desembarazo e fortuna, pode aem-
pre introduxir-se, mas que, no dia em que ae sa-
be a verdade, torni-se mais desapiadada, quando
nao tem, como a aristocracia, direilo de perdo
por direilo de naaclmenlo.
E todos julgam que esta senhora ca-
sada?
Todos. Julgam-a at rica.
Enioo ?
N5o. Tem muito dinheiro, mas nao tem
fortuna, por que esse dinheiro Iba vem de ama
pessoa que amanha pode nlo lh'o dar mais.
De am prente, talvez ?
Nio, de am amante.
A colera expelliu a primeira emocio de mada-
ra Wina m ma. *----- ai-. MI .
corar.
Amante muito rico, aatrangeiro, diasa Vla-
dimir, amante que. como acredita que ella
uva, qne tem mdo de compromett-Ia, que
emprega oa meios mais delicados, aakondo que
ella nao tem fortuna, para (az-U aceitar una
parte da aua ; porm, por outro lado, esse aman-
te julga-a aizuda, a so aoubesse que o engaa
poderia bem abandona-la.
Cabe 4 ella tomar as auas precaagoos, e ha
precauges que urna mulher sempre pode to-
mar.
Quaes alo?
r- As de nio eacrevar cartas que, confiadas i
amigos falsos, podem tornar-ao perigoaaa, e ca
wrem as mos do marido ou do amaote respon- desejava mais nada. Entendeu que
avel.
Assim, as cartas que ed Ihe pego, minha
senhora....
Pico com ellas, meu charo Sr. Vladimir.
Nio as rompeu ento?
O Sr. bem. sabe. Nao valora a sena toma-
las para anniquila-las.
E, sean indiscricSo, poseo pergeniar o que
tanciona Uitt? f
TencioDO fazer o que o Sr. fax dando-sa'aa
.endono (azar mal i algaem, 4 meos qae nio
as reslilua ao Sr. da Feuil, dUendo-lhe que aa
receta da aa a ia a o. ^H j
summa, melhor tomar o partido das pessoss da
bem. Hei de restituir essas carias ao Sr. de Feuil,
por que essa duqaeza torna-ae-me sympathica
somonte pelo mal que o Sr. Ihe quer fazer.
Adeus, Sr. Vladimir, pens que nunca mais nos
reremos. Pego-lhe perdi por deixa-Io lio de-
pressa, mas tenho alguem no meu qaarto, alguem
que chega da Inglaterra, acrescentou madama de
Wine com um sorriso irnico, algaem que jul-
gar qua aou viuva, at que receba urna carta
anooyma.
E madama de Wine despediu o conde, que,
vetando para casa nio tere animo de ir levares,
sa respoata 4 prima da duqaeza, o que easreveu-
Ihe aimplesmente que as carias Ihe linham sido
tomadas, e que com rande pozar seo, nio ssbia
""" k" piiiuvira oaroeso ae maaa- """"i que cora ranae pozar seo, nio sabia
ma oa Wine: o por tsso empatlideceu em vez de 1u? Am havlam lavado. Informada densa respos-
COrar. la Annatlo nnnfn aa naA..M... .... .11. -_:
la, Aonelte pouco se preoecupou com ella. Acei
tava, como tinha dito 4 sua prima, t jdas aa con*
sequencias do seo amor por Jacques. Senlia-se
eom torgas para lutar contra lodis, e quem aabe
se, com sua o a tu reza franca, alm da loda a as-
preoaao, nio deaejana meamo que essa amor
dsse muilo que fallar, fosse muito coohecido pa-
ra que quando chegasae aeu pao, por mais com-
placer que fosse o marido, ticasse, sob pena de
ridiculo, oa impossibiiidade de vier com ella, O
que querii Aonetle? dar toda a sua vida, perten
cerUvremente 4 Jacques. Para isso, lodosos
melos erara>ooi e o melhor seria o que tivease
bom xito. Pouco Ihe importara a opiniao do
mundo. Amada e eslimada por aeu amante, nao
nem ao me-
eo
alai, eotre nasas cartas, algunas ha que
nao dizem raipoito ao Sr, de Feuil.
E' verdade. Ha aqiretlaa qae a duqaeza es-
craveu ao aeu primeiro amante quando elle foi
oocootra-la oa Rusel a, o 4 raotn o senbor servia
sm seaamorea O eenhor, sog-mdepareoe. fio-
mam pora essas eousaa. Porm Beata ultima eir-
oaasataaMia, reprasontou um papal moHo feio.
forif olartaatgo pota naio o Asta maher- nio
do tetro, o estimo muito nio o Ur Mu. En
nos deria fallar desie incidente 4 Jacques.
Eu ignorara todos esses detalhes que vim
depoia a Sabar, quando, no dia seguate 4 scena
qae cabo da contar, acquea appareceu-me em
casa a disse-me:
Recebi urna carta de madama do Wiae.
O que te diz ella ?
Nada, aeoao que desoja yer-me para tazar-
me am aervieo-
Iris?
Nio.
Porque?
Porque ella nio tara servtgoa a fazer-ma.
E" asa pretexto pato, me tallar do paseado, talvez
para dizer-me mal da duquesa. E' mUI var-nos.
Ha dezenve probamladadoa sonto vmte,
para qua seia wrdada o qae disser: mas ha ana
Km que ella nio te miota. Es ton logar, es
a.
Mi.
Ha osa meio tal voz do arraajar tado.
Qoal? '
DvaorM muita adeaolsalU do Norcy,qoo
Lr J V* *o darramnmanto da sangue,
> mmt parte delU coagulado; que
uEZjS?*!??10* PO'^ioru do pescoco estavam
Mg. 1843 t SB.pag. t69: c .SQiepandenlemente
na tntengio criminal, qae revelara algumaa retes
a uatureza, e aseda doa ferianentos observados
no cadarer, elles sao acompanhados de um phe-
nomeno particular, que nao se observa, sendo
quando os fermentos (em sido ftifo durante a
vdoa coagulaco do sangue.
Pode-se causar sobre um cadver, poaco
lempo depois de sua morte, certas leses eme-
nantes as que sao taitas durante a vida, por
exemplos pancadas violendas podem produzir
ecchymoses ou infillrocto de sangue nos tecidoa
aubjaeootos a pelle ; porm sempre o sangue es-
traoasado i liquido ; sua coagulaco nio tem
lugar oa profundeza dos orgos.ou sob a pelle, ae-
oao quando a aegio violenta, que determtoou a
enusao sangunea, foi feito durante vida.
Mr. Orilla fez duas experiencias psra apreciar
a nierenga dos resultados das coetuies feitaa no
vivo o no morto e as offerese na pag. 885 do to-
mo 2, ed. 4.
Experiencia primeira.Deu-.e urna violenta
pancada com ccete na eoixa d'um cachorro vi-
gb iul foi morto viole minutos depois : oa
abertura do cadver, faita no dia seguinte, se rio
que o tecido cellular subcutneo, correspondente
a parte ferxda, eslava infiltrado de sangue na
extensio d um centmetro e meio ; a largura da
ecchymose era de 7 a 8 centmetro, como a do
caceie; a derme nao pareca alterada ; o tecido
cellular tntermuacular estara ligeiramenle infil-
trado de sangue emporte coagulado al noa fel-
xes musculares profundos. *
#Derenc'a secunda.A coixa de um ci,
morlo antes vinle minutos, tendo sido contundi-
da eom muitas cacetadas, nio apresenou ne
nnuma tnfiltrac de sangue; posto que o fmur
n*i\ 8'd0 1ueD,eld0 em muitos fragmentos.
O Dr. Chrisliaoo, depois de diversas experien-
cias, feitaa com o flm de obler dados differenciaea
daa leaea feitaa durante a vida, e depois da mor-
te, concluio:
1.* As paocadaa violentas dadaa muitaa horaa
depois da morte deixam aobr o cadver iragoa,
que, em relago a cor, nao differem dos que re-
sultam das pancadas recebidas pouco lempo an-
tea da morie. A mu Jang de cof, em geral, do
mesmo modo, que a lividez cadavrica, sao pro-
duzdas por eflusao de urna carnada exclusiva-
mente delgada da parte fluida do saogue na su-
perficie da pelle, sob a epiderme; mas algumaa
vezes tambera pelo derramameuto do sangue, e
urna carnada aensivelmente espessa no tecido
mesmo da pelle. Em flm saogue negro e liqui-
do pode aer iotornado no tecido cellular subcu-
tneo, nos lugarea, que sio a sede da mudanga
de cor, ao ponto de tornar rermelhos ou mesmo
negros os septos membranosos, que separam as
cdulas ; moa esta ultima coloragko nao oceupa
nunca um grande espago.
aquellas,que seriam o resollado de leva conluses
reeebidaa durante a vida ; digo leves porque se as
violencias houvessem sido fortes teriam podido
produeir effeitos, que nao podem ser ocasiona-
dos depois da morle.
< Esiea effeitos sio :
c A.Urna lumefagao mais ou meos conside-
ra re, o era relagao com a extensao da eflusao
saoguioea.
B.Una ecchymose com suas dirersas colora-
Ces, sobre ludo se a cooluaio fora muitoa das
antes da morte.
CA PRESENCA DE COALHOS SANGUNEOS NO TE-
CIDO CELLULAR SUBYACENTE COH, OU SEM TUME-
FAfJO.
-A estensao do derrsmameoto sanguneo no
luzido lumiooao; porque quasi impoasiel
de ueterminar sobre o cadarer, em urna parte
pouco susceplirel de ioflllragao por causa de
sua silaagio, e posta longe da vizinhanga de
urna grossa veia, una eflusao profunda de san-
gue liquido, que encha, e distenda as cellulas
do tecido laminoso.
E.A incorporado do saogue cora o tecido da
palle em toda a aua expeasura; o que aug-
Senta a iua deosidade, e sua resistencia, e
e d a cor negra, que se observa; nio se
produz nunca sobre o cadver nada da seme-
Ibante.
(Transcrpl. na o?, de Mr. Orfil. ed. 4a, tora.
i' pag. 587.)
Mr. Devergle ebegou a escrever: c Que ae, em
urna creaoga naacido de lempo, exiate urna ec-
chymose consideravel do couro cabelludo, com
coagulago do sangue, urna fractura d'um dos
ossos oo crneo, urna dilaceracio da dura-maler
no ponto correspondente a fractura, um derr-
mamelo sanguneo oa superficie do cerebro,
rupturas do figado com effusio de sangue no pe-
ritoneo, saogue em parte liquido e em parle coa-
gulado, haveria quasi certeza, que a creanga
estova viva no momento do crime, quando as
provas docimasticas attestassem, que ella nao
tinha respirado.
E' rerdade que Mrs. Briand e Chande contra
riam d'algum modo a opioiio de Mr. Devergie ;
porque para estas autoridades a prova hydros-
latica de grande valor.
Do que temos exposto ca claro e positiva-
mente provado, que aa leaes encoolradaa no ca-
dver nio foram, nem podiam ter aido, feitaa
depoia da morte da creanga ; e por consequen-
cia, que foram ejecutadas, quando o menino go-
sava de vida.
XXV
AS LESES ENCONTRADAS NAO PODEM SER EXPLICA-
DAS COMO EFFEITO DE U PARTO LAS0R10S0.
Os obstculos matetiaes, que, muitas vezes,
lornam o parto difficll, ou imposiivel sem o soc-
corro da arte, sao oumerosos. Ellas dependem,
quer de circumatancias maternas, quer felaes.
Entre as primeira, ha os vicios de conformagao
oa de direegio do canal pelo qual o feto tem de
airaessar; vicios esies, que podem existir, quer
por anormalice, quer por molestias. Entre as se-
gundas, as molestias, as eooformagea vicosas do
feto, e as poiices desfavoraveis, em que elle
pode apreaentar-se na abertura da bacia.
sempre tem sido lii amavel comligo : vae v-la.
Ella est em muito boa harmona com madama
de Wine : talvez aaiba o que esta quer contigo,
Vae visita-la.
Tens razio. Irei.
Com effeflo, Jacques dirigiu-se 4 casi de ma-
demoiselle de Norcy, quem oio tinha visto ha-
via tres semanas.
Mademoiselle est dnente, reapoodeu a
criada.
Seriamente doente ? pergnotou Jacques com
tolreme.
Est am pouco melhor hoje; mas tem-nos
causado baataotes inquietares.
Esi de cama?
Sim, senbor.
Ha muito lempo ?
Sim, senbor.
Nio recebe visitas ?
Nao, aenhor.
Entregue-lhe o mea bilhete. Virel ama-
nbia aaber noticias della.
No dia seguinte, Jacques roltou. Tinha grande
sympaihia por essa moga, e por outro lado, deae-
jara saber o que quera com ella madama de Wi-
ne. Deaaa vez foi recebido. Mademoiselle de Nor-
cy estar deitada. Nio pareca a meama, lio pal*
lida e magra eatava. Sorriu i Jacqu.a com o
triste sorrlr dos enfermos, eslendea-lha urna
mao comprida e braoca que elle apertou doce-
mente, e fez-lhe aignal que ae aentasse ao p do
leitO.
Recebo muilo poacas visitas, disse-lhe el-
la, por que eatoo muito fraca; mu qoii vft-lo,
pensando que tinha alguma cousa para dizer-me..
Palenlos da senhora, em primeiro lugar. O
qae tea f
Pif ltimamente urna viagem que me fatigou
muito. Apanbei um defluxo no peito, e tenhn sof-
frido muito: mas emfim vou saolhor. Racalteu
ama *WU de Carlota ?
"*>%'. vordade.
'Ella disse-me qne Ihe tinos escripto. Se
vtasse cinco minlos antes, Ur-se-hia encontrado
com ella. Vem ver-rae duaa reos por dia. B'
realmente urna boa psasoa, a qua o amara bs-
tanle.
A quem sma agora ?
^- No graceje j Un nunca a moa sanio ao
senhor.
Entretanto tea m.a'mMU 1
Grato qae nio. Eiti sempre S ; psssa nms
parto eVeeapo em minha apa.
Bsafiae, pouco Importa. Isso nlo me diz rea-
pntto. Esnrfvao-me qne quera faxor-me na ob-
sequio. Desojan, bem ftMrqntl elle 4 tos da
Em ragra. todoa oa valos do contrnaselo n de
direegio. trazando obstculo am razan dn diai-
nutr o dimetro do canal, peU qusl toa o fos-
ear o feto, as lasos cooaoenUvas serio aeao-
Ihantea, ou idnticas, qae podem apparecer, quan-
do o canal, conservando sus capacidad, normal,
entretanto o (ato, polas auas excessivas di moa-
soes traz deaccord no trabalho.
Na creanga, poitaoio, deven ser encontrados
estes caracteranTqua dennvMtetn S eatiarasofria
de proporgio; devendo aer lano mais enrgicos
os vestiglos das leses, quanlo maiot" houver
sido a desproporgio.
Assim poderemos, reaumindo, omgrupar as
causas dos partos laboriosos do seguate modo :
1 Parto laboriosa por deaproporgu dos di-
metros do felo para os dimetros do canal de
iraosmisso da vida uterina.para a vida civil.
-2 Parte laborioso por molestias.
3* Parto laborioso por accidentes.
No primeiro caso, temos desproporgio de di-
metros com posigio natural; isto o felo se
aprsenla na pesigio normal; porm, ou seus
dimetro sio maiorea do que deriam aer, em re-
lagao ao correspondente do canal, por onde tem
de paasar, ou, aeodo oa dimetros do feto oatu-
raea, ha deounciagio nos dimetros correspon-
dente do canal; ou eolio teremos desproporgio
de diamatroa por vicio de posigio, o qua cons-
tiiue posiges viciosas.
XXVI
4." Hypotliese
PARTO LABORIOSO POR DESPROPORgAO DE DIMETROS,
COM POSigO NATURAL.
Procuremos levar ao conheeimento dos nio en-
tendidos e a evidencia para com oa entendidos,
qae, o parlo laborioao por esta eauta nio pro-
duz aa lesei encoolradaa na infeliz creanga, cu-
ja causa da morle se busca tornar manifesta ;
quaodo, a par de enormes estragos encontrados
as partes molles da cabega e do pescogo, nio
ha vestigios da falta de proporgio entre a cabega
do feto e oa d'amelros pelvianos.
No parlo laborioao, diz Mr. Velpeau no seu
tratado de parios, por pouco lenta e dificultosa
que tenha sido a paasagen da cabega no canal
pulviaoo, forraa-se quasi sempre um tumor do
couro cabelludo, que oceupa, em geral, a parle
do crneo, que lem oocupado o vazio da baca,
duraoU o tempo do trabalho, ou um dos pon-
tos, que tem sido mais looga e fortemente com-
primidos entre o abgulo aacro-lombar e o pubis.
Elle formado ora por serozidade avermelhada,
ora por saogue puro concreto ou quidol; algu-
maa vezes por mistura dealee doua fluidos; e
seu volune varia desde o d'ana noz ao de um
ovo de gallinha. Ora diffuao, ora circamscripto,
por vezes fluctuante, mais daa vezes elaatico e
pastoso, elle se dissipa ordinariamente por si;
algumaa vezea,eotretantosuppura, ese forma um
verdadeiro abeesso, que pode trazer adenudagio
e a necrose doa ossos do craoeo. >
Independenle dcste tumor do couro cabellu-
do, dizem M. M. Briand e Chaud, pode accon-
tecer, n'um parlo laborioso e longo, mesmo ter-
minado sem o auxilio de torgas eatraohas, que a
cabega do feto comprimida d'uma parte pelos es-
foreo conlracteis do tero, e oncalhada, d'outra
pela proeminencia muito grande do aogulo sacro-
vertebral C a'engage ) se olroduza difScilmente;
que o osso, se flexivel, se deprima no ponto de
contacto a saliencia, que Ihe faz resistencia, oa
que se fracture. Algunas vezes eolio a cabega
alongada no aeu grande dimetro, achatada no
dimetro transverso, franquea de repente o obs-
tculo, e a creaoga nasce em um estado de stupor
com urna epresso ou urna fractura do craoeo.
Se ella rigorosa, e se o trabalho oio tem dura-
do muilo longo lempo, estas leso '9 curam-se es-
pontanea, e fcilmente ; no caso contrario, a cre-
anga morre durante o trabalho do parto ou logo
depois e a atopoiia demonstra :
Io. Urna tumefaego com infiltrando serosa e
sangunea nos tegumentos das partes, que pri-
meramente se apresentaram.
2*. Sobre a porgo de osso parietal, que apoia-
va contra a saliencia do ngulo sacro-vertebral,
ora urna simples depresso circular, ora urna
fractura longitudenal ou angulosa, que se pro-
longa algumas vezes al o osso frontal. No mes-
mo tempo se acha as conmensuras membranosas
sobre ludo a mediana, mais ou menos relacha-
das; algunas vezes ha ruptura d'esta ultima
membrana, congeslo sangunea dos vasos cere-
braes e derramamento de sangue na superficie ou
as cavidades do cerebro. O que importa notar
, que sempre a depresso e a fractura aiu na
regio, qua se apoia de encontr a saliencia sa-
cro-vertebral ; e que os ossos da base do crneo
nio apresentam alteregio alguna, nem na sua
continuidade, nem as auas onnexes a. ( Ed. 6
Pg. 2iO ).
c Em reaumo. continuam M. M. B*iand, e Chau-
d bem que a presen tem -ae casos em que seja di r-
cil deslioguir estas desordens, estaa leses das
que reaullariao de violencias criminaes. nio se
deve perder de vista que o tumor do couro ca-
belludo existe o mais ordinariamente novertico,
e que as fracturas e ai depressoes dos ossos do
crneo causadas pela saliencia sacro-vertebral
nao devem existir senao sobre dous pontos oppos
tos diametralmente.
c Por consequencia se o craoeo da creanga
regularmente ossificado, ae a bacia da mi re
gularmenle conformada, se as leses sio en di
versos pontos do crneo, se atumefrago e in/if-
trago do couro cabelludo sao irregulares, pro-
fundas estensai de presumir que a creanga foi
victima de violencias.
Devenoa ajuatar, que os parios, nos quaes
o feto soffre semelhantes leses, sao sempre muito
longos e muito peniveis, para ser clandestinos.
Se pois se as observa em urna creanga, cuja mi
pari s e secreta mente, haver lugar presumir-
se, que ellas sao effeito de violencias. Estas di-
versas presunpges de enfaotecidioinsufficientes
por si, adquirirao um bem alto grao de certesa,
se os pulmes submettidos a prova hydroslatica
sobrenadam ; porque bem difficil.que am me-
nino morto durante o trabalho do parto, tenha
assis completamente respirado para que os pul-
mes boiem.
Em fim, quando as conluses ou os tumores
do couro cabelludo sao phenomenos accidentaes,
resultados immediatos d'um parto laborioso.
apresemUm ateas car
toek aUeufio
1\
* croenrt>e*.
Mo. u*o ai cotan
Irenmaartptao. aaai. i.
diado ssaatranina
temor.
e'grf )*' dl-E- (
E- vsrdade que as. Orfil. na pag. W o i

(:l eo oonsequ-u-i. rm airo Islsiiili.
con. qa-: ajHlte ^ eraue/*/Cayo*.
poderi ser um vermelho violeta e cerno m
porm aleada oatraa lesoos. a a
tor refere, que assisteaVconin ao di
fracturas dos panelees a do frental
eogorgitamento sanguneo don vanen 4o am
do cerebro, o dos plexoa chorotdce : 'oi
cisanenta deveria asistir, quando boavanaV
parto lao laborioso, que o eoare canvtlndo o
dos os msculos posterior! do
Sido contundidos.
O parto on foi caphalco oa poiviano isto 4
creauca ou nasceu pela cabeca on palos nos i
Ihos ou nadegas. r."-
N'um parto cephalico lio laborioso
mister, para produzir profunda* taa.
ria, alm do tumor saoguiaeo, cvala
osso do crneo, o deaforaida^o ao k.
abobada craneana : a as lasos i4 acioaa
oadas, a pelos mestres ailestadae.
Ora, nio exista no cadver da
umor saoguiaeo, nem savalgai
craneanoa, auca aifficaM.no M do-
eo, segue-se lgica e preciaanaontaTajajo san)
bou ve parlo laborioao coa a laranonliLaUi-
beca, sendo a cansa da riiflnildaoo s
desproporgio do dimetro, haveado as
natural. Logo aa aooraas oTaatsaa OO
Oelludo e dos msculos peotanana sio i
nio sio effeito desle accidento.
No parto pelvianno, qae, naafocsno M
abrange aa trea ponges don autores.
nadegas, pelos joelnoa pelas atea, u
que o progoostieo nio 4 muito fWravet ai"
Hde. Lachapelle tem axagorado auio o sacian
a mortalidad, quando diz qae a aprecialaeaeai
sptimo. Segundo o depoiaeoto do M. Peal Do-
ooia, baseado as minutas do hospirio a Metter-
nit, a apreciagao das cifraa damoosu. oao n
mortandade 4 de um para onxn.
Gomo quer que seja, o qae 4 fra de enaltla
gao que a mortandade 4 maior, quauo a pa-
sigao pelvsoa, oo que quando ce.naltca oan
que pode aer avallada ea ua para rinenaala"
que nos incumbe verificar ae esta cucan
cia ple aer favoraval ao juizo i aterido na
cer do Sr. Dr. Pitaoga.
a Tem-ae por longo tempo pensado qoo o foso
se apreieniaodo por aua pequeaa "'rraidada'
cada parte, aeodo aaia votuaoa. do qao a nu
lenha precedido, lioha oovaa reaisteociao 4 na-
cer ; e que por comequenci* aouuia nnsn carta
compreasao ; e que cata comproaain, an asatnta-
do debsixo para cima, devia----------iiasaU ra-
chagar os lquidos a produzir a rr-atsria cere-
bral, cujos signaes anatmicos ao apealada
pela autopsia do pequeo cadarer. Esta taconeo
nao aJmissirel : 1", porque o clo do lisie*4
alteroaliramente em estado de contraseo) o oo
relachameoto, e para o explicar era anator naso
conlracgao permaneca ; 2*. porqy-, t-o* mais
forte que possa aer esta conlracgao, ala sao sari
bastante para comprimir os grosooe r.sas aaataa
na epessura dos nembros e oo centro das gran-
des cavidades ; 3*. porque, eala, so san Insn-
brarmos, o que ha as .proseolacdos a vavtic*
da cabega e da face, reremos que nio 4 anata an
partes conlidss anda, e coapriaidsa sa -j-falc
uterina, que ae deveri fazer na afumo saais con-
sideravel de lquidos', porm sia santo an partoa
que, j deaafogadas, sio subtrabidaa i lala caa-
preasio.
< A compreeso do cordao explica, cantinea n
mesmo autor, esta eongeslio aortal d'aa. ana-
neira muito mais satisfactoria. Depois da sabida
das nadegas, o cordio umbilical, lesdida da nsn-
bigo i sua iosergio placentera, aa acha ponto na
excavagio e na cavidade uterina entra a parada
da bacia e o tronco oa corpo do feto ; a aonaa.
um pouco mais larde, entre esta parado psdfisan
e a cabeca da creanga. Coaeeno-aa frrtlaaala
quanto ella exposto i aer eoapnaiOO ; a as-
mo a aahida daa partas superiores do feto, o pria-
cipalmente a cabega, difficil 4 ae operar osaVs
compresso pode durar bastante longo toanna
Esta compreasao intercepta nacesaan.acnia a
circulagio do cordio. Ora 4 geralmente adaitti-
do hoje, que a placenta 4 a sede da reapiracia da
lelo, ou, para melhor dizer. qao o singue do I4tu
e posto na placenta na contacto saeenuta c
aaogue da mi, e qae resalta para rilo
conucto urna modificacio poaco a ais on n_
anloga i que o aaogue do adalto retira san pal-
moea, pelo seo* coniacti coa a ar ataaounaasien *
a circulagio, sendo iolorceptaaa no corono, o to-
lo se sehs na condigio d'ua adulto privada eTnr
respiravel ; morre asphixiado, e i sabido que
um dos phenomenos anatmicos, mate chutan-
tes da asphyxia a congestio cerebral l l Trea.
mS' "' pr"U de l'srl n cco'i d* *. psn>
4"o. o
Na pag. 496 contina anda o acamo autor :
< Coocebo anda d'uma outra aaoeira esta as-
phyxia do feto, o creio qao olla podo lar lagar
sem que seja o cordao necease ria aeote eoapri-
mido. Temos ji dito que, quaodo a casaca sn
otroduzis oa excavagio, au restara aaia parta
alguma do feto na cavidade uterina ; a asara ra-
aio neceasariamente contrabe-se ; o osla rsatiaa
gao determina, todoa o saben, o deacollaaeaio
da placenta. Ora, a placenta, aeodo descaanla
os vasos utero-placeolarios sao irsriisanaaanta
rompidos, e o feto se acha na aeosaa caadieia,
que se o cordio fosse comprimido; o, par paasa
!|ue seja demorada a expolsio ds csbr.es, pide o
io morrer sspbyxisdo.
( Contimuar-se-ha. )
ir 4 casa della ; porque nio tenho vonlade de rea-
tar as antigs relages. Confesao, pois, ter viudo
tambem 4 aua casa, com o fim de saber o que ella
tinha para dizer-me.
Quii realmente fazer-lhe um obsequio.
Que obsequio I Separamo-nos de maneira
tal, que creio nunca procurar occaaiio de me
ser agradare!.
Engana-ie, Carlota tem-lhe muita amlzads,
e, sanamente, sem paixio, sem pensamento re-
ssrvsdo, quer esclarece-lo i respeito de certas
coosas.
iT Q"f C0,M8, ? Fallemos francamente. Quer
fallar-me da duquesa, nio 4 aaiim?
Sim.
So para dizeVme bem. nio me dir tanto
quanto ea peaao, ae 4 para dizer-me mal intil
que ou ma encommode.
-- E' para dUar-lhe a rerdade.
Nesse momento tocaram devagarinho na porta
do aposento, mademoiselle da Norcy estremecen
e levou o leago aoa labios para extinguir ama toa-
aeziph. aecca. Appareceu a criada particular ;
porm, easa aimplea apparigio dizia o nome do
visitante, aegundo parece, porque uio Ihe foi ne-
oessario pronunciar uma pilavra, para qua a en-
ferma, qae liaba empalidecido mais ao ve-la.
Ibe diasesse ;
Est bom. Diga-lhe que vou melhor.
A eeobora nio quer recebar ?
r- Nao.
Jacques fez aa movimeoto pars se retirar.
-r Pique, pelo contrario, diaaa madeaoiselte
de Norcy.
Jacques comeeou a aer que a molestia da aa-
demoiaelle de Norcy tinha outra causa, que uio
a que ella Ibe dtosera. Finga todava nio com-
prebender. equsjido a criad ao rasirou. conlan-
tou-se com olbar lecnaaente para esa. pobre en-
ferma, 4 quem uma asagio eiattei otrigoo a 11-
car aileociosa poc slguos momentos. Quando viu
a porta fechar-se airaz da pessoa que tiara, ella
continuou :
Continua a ter amixade coa o Sr. VU-
dimlr ?
Nio, nlo o procuro mais.
.r: Tea> r*o, um ma hornea. So Carlota
atada nio Ibe fez mal, ato tem sido por culpa
dense Vladimir.
Que mal poda oHa tazer-me T
Podia fazo-lo i pessoa 4 quena o aenhor
"aralo:
Poie oris. Ella lea am asas ales cousa
coa An podo onaproaetie-lo.
adaaa do Wine ?
Carlao.
Do quem ?
Da duqaeza.
Dirigidas i quem ?
A' Vladimir.
E que Vladimir dsu i
Sim.
E' impossivel
J4 as vi.
De qae se trata nensss eartss ?
Do senbor.
Coahego essas cartas ; nsda toa ajan com-
prometa, e de maia, que importa 4 daqaaaa nao
sejam conhecidas ?
Maa ha outras em qne sn trsU do outra pon-
soa.
De quem.
T4 fallar com Carlota. Soa aloncao d ros-
tituic-lho teda aaaa carsOspsatsnsla.
Nio tenho necOsetdado de va
Wiae ; irei procurar VlaaHmir. dofow
ve essas cartas, e dar-lbe-hoi qostro i
restuuir-aa'as. E eslimo boa poder
esse tolo pretencioso o ala.
Madama de Wine nio lao i
cartas, a a prova qae. ncgon-lh'ao entre daa,
quando elle as foi pedir para rostitni-las i Sa-
quen.
A duqueza nio ma falln nisso.
V ver Carila. TJaa visiu nio n satis* i
cada. Ao menos fleari sabondo o qua doto lser.
Depoia, ser semprs tsapo do so sal
Wladimir, bom qne esta nio Daoroen
preso.
Verei madama de Wine, diasa Ji
esta va multe eneoaaodndo coa enea i
cortas reclamadas peU dnqaata, m
lasos nisso, s oads so tratara da
era lie.
O qus slgneava Insto Uso T
bsvii mstsrin'4 spola n i i
corf*
di
P
LAalVl.llaallBBBBBBBBBBBBL
do um penco ; pronNs^H
^v^Snfl
anlinawir so heh\

PK1N. TTP. DE M. P. MsUaati. A FllOO. L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK3LEPZHG_DRPYRM INGEST_TIME 2013-04-30T22:04:18Z PACKAGE AA00011611_09817
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES