Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09812


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-*
I
Hit XXIT1I IBU10 236
Por lresHazs adiaaUdas 5$0t)0
Pop tres mezes veacides 6$000
He! M '
RCJklEMAMS DA lUBSCRlPCAO DO NORTB
Parahlba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, O Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, Sr. A, de Lomo* Braga; Cear o Sr, J. Jote
de Otivara; Marelo, o Sr. Manoel Jote Mar-
tina Rlbeiro Guimartea; P^r, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS us uutCMItlut.
Olinda todos os diss as9|l/x horas do dia.
aParahiba
eextas-feiras.
Igaarass.Goianna
i as segundas a
S. Antao.Bezerroi, Bonito, Ciriar.AUinho o
Garanhuns as tercas-feiras -
Pao d'Albo, Naxaretb, Limoeiro.Brejo, Pee-
queira,Ingazeira,Florea,Villa-BelJa,Boa-Vala,
Ouricury e Fay as quartai(airas.
Cabo,SertnnSem.Ro Formoso,Una,Barreiros
Aga Preta.Pimenteiras a Natal quinina feiraa
Todos os correiospsrlem|as 10 horas damanbia
SBB1D0 12 IE OUTUBRO II rlfl
Por ano adiantade 19)000
Parle fraiee papa a snbseriater.
AMBUCO
RPHEMERIDE8 BO MRX DI OUTUBRO.
4 Laa nova aa 4 boras 37 mina tos da nan-
10 Qoarto er aseante es 7 horas e 47 mina tos da
tarde.
18 Laa chais as 4 horas e 35 miaatoi da Urdo.
26 Quartomingaanl*ss7 horas e 35 minutos da
tarde:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 10 horas e 54 minutos da manhia.
Segando aa It horas e 18 minutos 6 tarde.
HAS DA SIMARA.
uKAfcfc ACAP1TAL.ENCaRRKGaD0S DASUBSCR1PCAO M SQL
Alagoas, o Sr. Claudrno Paleta Dtaa; Baha,
IAuUltM-iA3 UOb
Tribunal do commercio; segandas quintas.
Kelaeo:tanjas, qaintaa sabbadoa aa 10 horas.!
Paxeoda: tercas, quintase sabbadoaaa 10horas. Sr* ,0"4 M,rtln Alrta; lio da Janeiro, tti
luizo do aommercio: quartas ao meto dia: Joio *'*" Martina.
Dito do orphot: tercas o sextas as 10 horas. ,u Pll(M1Tim
Primoir. r.r. do .ir.,: tarca, o a.xt.o lio P"A>-
dia. I Os proprietarios do DIARIO Maaral Figneire
Segunda Tara do ti val: q.artas a sabbadoa a l| Faria Filh. > >>"" P !<-
hora da tardo: Jpendencians. 6 08.
PIBTE OFFICUL.
aas-iaa-a-a- -ai^aaaaa.aaBNBaMaan-oaa.saaauaaaaa-aaBaaBBafaBatft
OVBRNO Di nOVMCIA.
Expediente do dt* 9 de outubro
le 1861.
OfBcio so Exm. presidente do Paran.Era
additamento ao meo officio de SO de agosto ul-
timo, remello V. Exe. a inclusa copia do in-
terrogatorio (eito pelo delegado do termo de Ga-
ranhuns a Pastora Haria da Conceigo acerca do
indio Mathias Jos dos Saotos.
Diio ao coronel commaodante das armas.
Queira V. S. contraclar o Dr. Joaquim da Silva
Gusmo pira servir ns colonia militar de Pimen-
teiras na quslidade de (scultativo. visto que se
offereceu para isto como V. S. declarou em sua
informaco datada de 8 do correte.
Dito ao mesmo.Polo V. S. expedir as suas
ordena para que seja conlractado com a compa-
nbia de Bebenbe o fornecimeoto de agua polavel
para consumo do hospital militar e quartel do 10
batalho de infantera, o deste pelo respectivo
commaodante e o daquelle pelo director do mes-
mo hospital, como V. S. propoz em officio de 5
do correte, derendo esses contractos ser sub-
mettidos approvaco desta presidencia.
Dito ao capttio do porto.Respondo sos offi-
cios que V. S. me dirigi sob n. 135, 138 e 176
datados de 24, 56 de julho e 16 de setembro l-
timos sutonsando-o nao s a comprar as seis
cadeiras e reposteiro de que trata o ultimo dos
citados ufficios, mas tambem a mandar fazer os
concertos de que necessita o sof e tinteiro dessa
repartiera, e forrar a sala della em que V. S.
aisiste enviaodo-me a eonta de toda s despeza
para ser satisfeita.
Dito ao commandaote superior do Recife.A'
vista do que ioformoo V. S. em data de 23 de
aetembro ultimo sobre o reqaerimento do nego-
ciante mstriculsdo Joio Cardoso Ayres, pedindo
dispensa do servico da guarda nacional para o
aeu caiieiro Antonio Pinto de Silva, que perten-
ee ao 1* batalho de artilharia deste municipio,
mande V. S. dispensar a este at a prxima rea-
nio do conselho de qaalifieacio, a quem dever
elle requerer o sen direito.
Dito so Iospector da ihesonraria de fazenda.
Remeti por copia V. S. o aviso circular ex-
pedido pelo ministerio da juslica em 25 de se-
tembro prximo dado, afim de que V. 5. opor-
tunamente e logo qne termine o respectivo se-
mestre addicional, remeta a demonstrac&o do
?[up se houver dispendido no exarcieio de 1860 a
661 com os differeotes ramos ao servico publico
a cargo daquelle ministerio, como (oi determi-
nado pelo aviso cima citado.
Dito Ao raesoio.Em vista dos inclusos docu-
mentos que vio, cobertos com a copia da infor-
maco ministrada pelo coronel commandanle das
armas em data de hootem. sob n. 1639, mande
Y. S. pagar ao gerente ds companbia pernam-
bucana a quantia do 136^000 ris em que impor-
tara diversas passsgens dadas por coota do mi-
nisterio da guerra nos vapores da mesma compa-
iihia.Communicou-se ao predito gerente.
' Ordenou-se tambem os pagamentos seguales :
A Edmundo Dethao da quantia de 509000 ris,
por haver enVernissdo dus gran les armarios, da
bibliolhecs Aa facutdade de direito.
A' Andrade & Reg, da de 7513000'ris. im-
portancia dos vencimenlas do destacamento de
guardas aaciooaes de Villa Bella, relativamente
ao mez de junco prximo Ando.
Pelos cofres provinciaes decretaram-se os se-
guintes pagamentos.
Ao capuao Jos dos Santos Nunes Lima, da
quantia de 5848000 ris dispendida com o ali-
mento dos presos pobres da cadeia do Ouricury
nos mezes de fevereiro a juoho deste anoo,
Ao director do eollegio dos orphos de Olin-
da, da de 62$O00 rs., importancia das diarias,
relativas so presente mez, dos africanos livres
ao servico d'aquelle estabelecimento.
A Pedro Lene de Albuquerque, dade2960$200
rs., por ter concluido as obras deseu contrato.
Di de 279000 rs. dispeolida com a alimenta-
rio dos presos pobres da cada da Escada, no
mez de julho prximo findo.Fizeram-se a res-
freito desses pagamentos as communicacoes do
costume.
Circular todos os juizes de direito ds pro-
vincia.Para cumprimeoto do disposto no aviso
circular da repariicio ds Justina, de 20 de se-
tembro ultimo convem que V. me envi at o fim
do Janeiro prximo futuro ioformaedea exactas
acerca de todaa as cadas e prisoes civis dessa
comarca, declarando o seu estado, se tem ca-
pacidede para a divisio dos sexos, se estSo cons-
truidas com as oecessarias condicoes de salu-
brtdade e seguranca, qual o numero de preaos
que podem cooler e qual o mximo numero que
tem tiJo, que arrombameatos tugas de presos
se deratn durante o annd e Analmente qual a
< ligislacAo provincial que rege esta materia, os
regulamentos dados a taes prises e os meios
que a assembla tem decidido para melhora-
mento deste importante ramo do servico pu-
blico.
Olflcio ao director das obras publicas. Auto-
riso i Vmc. s mandar entregar ao preso senten-
ciado Francisco Fideiis de Souza, ou a pessoa
3e para isso se mostrar habilitada, a quantia
e 85#500 re., que, segundo consta de aua infor-
ma;ao de 10 de setembro ultimo, acha-se re-
colhido ao cofre dessa reparticao, proveniente
da mtade do salario, que venceu o mesmo sen-
tenciado como seoreote das obrss da casa de
detencio.
Dito aos agentes da companhi brasileira de
paquetes a vapor, A' vista das satoea expedi-
das pelo iospector ds thesoursra de fazenda na
informacio constante da copia junta nao podem
ser pagas por aquella repariicio aa inclusas cun-
tas s que sllude o officio de Vmc. firmado em
3 do correle.
Portara.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor mandem dar trans-
porte no vapor Cruzeiro do Su/ ao menor por-
tuguez Antonio iJoa, que tem de ser remettido
pelo chefe de polica para a provincia da Baha.
Communicou-ae ao mesmo chefe.
Mandou-se tambem dar passagent de estsdo
psra o Ceari, no vapor Jguarait a Luiz Fran-
cisco de saraoaio Silva, offleial da secretaria da
ibesouraria de fazenda desta provincia, e a sua
tnulher.
Despachos do dia 9 de outubro
de 861.
Iieq uerim en toa.
K Bento Jos Ramos de Oliveira.Como requer,
pagos os direitos nacionaes,
Franeisco Fideiis de Souza.Dirija-se ao di-
rector da repariicio das obras publicas.
Joio da Silvs Lapos.Informe o Sr. iospector
da thesouraria provincial.
Nicolao Jos Pereira. Infor-me o Sr. ios-
pettor ds thesooraris do faaeada.
Lida e approvada a acta, o Sr. 1" secretario
deu conta do seguinte
EXPEDIENTB.
Una officio do ministro da justica, datado de 13
do sorrente devolvendo, com as informaces so-
licitadas por esta carnets, o requerimenlo de Ma-
noel Antonio Bastos Ratclif.A' quem fez a re-
quiaicio.
Outru do ministro da fazenda, da mesma data,
enviando o mappa das operaedes occorridas na
seccao de substituicio do papel moeda oo mez de
junho prximo passado.A' 1" com mise o de or-
cameoto.
Outro do secretario do governo da provincia da
Parahiba, datado de 31 de julho ultimo, envian-
do un exemplar do relatoriocom que o 1" vice-
presidente da provincia entregou a administracio
ao actual presidente.A' archivar-se.
Outro do Sr. deputado Araujo Lima, datado
de hoje, participando que por acbar-se de nojo
pelo fallec melo de seu Irmo, nao pode compa-
recer aessio.Mandou-se desanojsr.
Um reqaerimento de diversos negociantes de
agurdenle, moradores no bairro de S. Christo-
vo, pedindo autorisacio para pagarem o imposto
de 20 % e taxi de 40 rs'. por esnada, em lugar de
pagarem por mel de patentes.A' commisso
de fazeoda.
Julgou-se objeclo de deliberadlo e foi a impri-
mir um projeclo da commisso de assemblas pro-
vinciaes, revogando o 14 do art. 3 da le pro-
vincial das Alagoas ti. 5 de 9 de junho de 1839
acerca do imposto de 10 % sobre a exportacio de
madeiras.
ORDEH DO DIA.
Eotrou em Ia discussao o projecto n. 68 deste
anno, mandando continuar em vigor no exercicio
de 1862 a 1863, emquanto nao fOr promulgada a
respectiva lei do orcameoto anterior, e cou adia-
do pela hora.
Orou oSr. T. Otloni.
A requerimenlo do Sr. Pereira da Silva ven-
ceu-se urgencia para que, de preferencia a quaes-
quer outras materias, sejam dadas para a ordena
do.dia da aessio de amaohaa as mesmas materias
designadas para a de hoje.
Foi a imprimir o parecer da 2a commisso de
orcameoto relativo despeza do ministerio de
agricultura, commercio e obras publicas.
Coolinuou a 2* diacusso do ornamento da des*
pezs do ministerio da marinha. e cou adiada
pela hora.
Orou o Sr. Pereira Pinto.
O Sr. presidente di a ordem do dia.
Levantou-ae a sessao ii 4 boras da tarde.
SESSAO EM 1 DE AGOSTO-DE 1861.
Presidencia do Sr. VUetnde de Camaragibe.
A's 11 Si4 horas fez-se a achamada, e o Sr.
presidente declarou aborta a sessao.
Lida e approvada a seta, o Sr. Io secretario den
coota do seguinte
EXPEDIENTE.
Trea requermeotoa de Jacintho de Menezea Au-
para estabeleciment dos trabajadores contra-
ladeo e terminados os trabalhoa para a cultura do
Udeee
privilegio para a exploracio, dentro di
zpoa d. eatrada contratada, das minas que a em-
presa deseobnr principalmente aa de producios
chiaicos naturaee, como o sslitre, nitrato de so-
- :i*t?l; PJend(7ar' eMe flm "Portar o pes-
drade. Eduardo Gravert e padre Custodio Piole M,, michin". q precisar alm do que
ae concede para a estrada, e com as isencoes dos
dlrertos.
c 4.* A planta, aa condicoes da construccio e
o lempo em que devem comeear os trabalhos, o
governo estabeleoari no contrato que celebrar
a empresa, e assim ludo o mats que for con-
Guedes, pediodo seren naturslisadoa cldadios
brasileiros.A' commlsiao de poderes.
Julgou-se objecto de deliberar^ao e foi a impri-
mir um projecto da commisso ds fazenda, dis-
pensando o bacharel Domiogos Gomes Ferreira.
Velloso de restituir aos cofree a quantia de rlal....
1:800, que em 1849 recebeu como juiz muoici-1 CMnte .a mesms. guardadas
pal e de orphos do termo de Pilo
SESSO EM 17 DE AGOSTO DE 1861.
Presidencia do Sr. Vizconde de Camaragibe.
A's 11 horas e 3/4 fez-so a chamada, e o Sr.
presidente declarou aberta a sessao.
Lida e approvada a acta, o Sr. 1 secretario deu
con ta de seguale
EXPEDIENTE.
Um officio do ministro da fazenda, datado de
14 do correte, enviando copias daa duas resolu-
coes de consulta de 13 de julho prximo passado,
tortadas sobre pareceres da seceso de fazeoda de
conselho de eatado, acerca dos acloa legislativos
daa assemblas proviuciaes doCoar e Rio-Gran-
de do Norte, promulgados no anno paseado, e
cooslanles- dos exemplares das respectivas collec-
coes que juntas remelle. A' commisso do aa-
semblas provincias.
Outro do ministro da agricultura, commercio
e obras publicas da mesma dais, enviando urna
representarlo em que a cmara municipal, da
provincia de Minas, pede a promulgarlo da urna
lei que unifor mise os pesos o medidaa do imperio.
A' commisso de fazeds.
Dous officios do secretario do seosdo, datados
do 3 e 8 do correte, enviando : com o Ia, a pro-
posicio do seosdo, declrenlo que, abaolvido o
reo em 1* instancia, aendo interpoata appellacao,
ser admittida Sanca ate deoiaao do recurso; e
com o 2, as emendss do mesmo sensdo feilss i
proposico desta cmara, regulando o accesso aos
postoa de officiaes di|armada.A imprimir para
entraren) na ordem dos trabalhos.
Um requerimenlo da cmara municipal de Pa-
raoagui, provincia do Paran, pedindo a cooces-
so de urna lotera para a concluso das obras da
matriz de Nossa Senhora do Rosario.A' com-
misso de fazenda.
Outro de Domiogos Honorio de Franca, 2 es-
6."
7.
8a
9.
170:0009000
4:O0O$OOO
20:0009000
8:0005000
803:9615714
2,433.0009000
6059681 pea
55:9439300
762:7809000
80:0009000
600:0003000
30:000*900
21:9579000
10:000*000
1,000 OOOaOoO
60:9639000
513:8408000
9
INTERIOR.
BIO DE JANEIRO.
CASARA DOS SUS. DBPTADOS.
SESSO EM 16 DE AGOSTO DE 1861;
Pruidencia do Sr. Kweonds ds Comarayios.
A' 41 o trea quartoa boras fez-se a chamada,
o Sr. presidente declarou aberta sesio.
escriplurario da thesoursria de fazenda da pro-
vincia do Piauhy, pediodo que seja modificado o
decreto que regulou o coocureo para provimento
dos emuregos do tbesouro e thesourariaav- A'
mesma commisso.
Ouiro de Manoel Goocalves Villas-Bdag, pedin-
do ser nsturalisado cidado brasileiro.A' com-
misso de poderes.
Julgou-se objeclos de deliberado e (oi a im-
primir um projecto da commisso de poderes,
autorisando a naturalizado de Joaquim Dia*
Braga.
Foi a imprimir, a requerimenlo do Sr. Pereira
Pinto um parecer e voto em separado da commis-
so de juslica civil, acerca do pagamento recla-
mado pelo cessiooario dos berdeiros do conde da
Barca.
O parecer conclue da seguinte msneira:
1 Que nenhum outro recurso cabe sanio o
da a cea o rescisoria.
2o Que para se o intentar, emquanto ao pa-
gamento dos juros a que (Ara indevidameote con-
demnada a fazenda, deve esta cmara officiar ao
governo para que este aasim ordene fazenda, a
que miocumbe inlenta-lo como parle.
a 3a Que aclmenle contioue o projecto n.
108 em discussao.Souza Dantas.F. /. Fur-
tade.
O voto em separsdo conclue da aeguinte ma-
naira :
a Que ae deve continuar na discussao do pro-
jecto n. 108 do anno passado, e que o poder le-
gislativo deve consignar os fundoa necessirios
para o pagamento do que deve aos herdeiros do
conde da Barca, ou aeus legitimo! cessioosrios,
como foi recoohecido pelos poderes judiciario e
eiecutivo.J. Martioiano Figueira de Mello.
ORDEM DO DIA.
Continuou a Ia diacussio do projecto que man-
da vigorar no anno Qoanceiro de 1862 a 1863 o
orcameoto vigente, e ficou adiada pela hora.
Orou o Sr. ministro da fazenda.
Continuou a 2* discussao do orcsmenlo do mi-
nisterio ds marioha.
Foram lidas e apoiadas as segulotes emendss
dos Srs. Pereira Pinto e Silva Nuoes :
1* Ao9 accreseente-seinclusive a quan-
tia necessaria psra a creacio de urna companhia
de aprendues marinheiroa, na provincia do Es-
pirito Santo.
2o Ao J 62 accresceole-seinclusive a quan- [
lis de 40:0009 para a desobatrueco e caoaliaa;io
da barra de Itapemirim, na provincia do Espirito
Santo.
3 Ao 22 accrescente-seinclusive a quan*
lia de 6000J para a obra de um pharol oa bar-
ra da Victoria, capital da provincia do Espirito
Santo. >
Q Sr. Bello requeran o encerramenlo ds dia-
cossio ; nio ha vendo, porm, numero lega) para
votar-se coolinuou a mesms discussao, que ficou
afloal adiada pela hora.
Oraram os Srs. ministro ds marioha, Zichariss
e Tarares Bastos.
O Sr. presideoledi a ordam do dia.
Levantou-se i sessao i 4 horas da lude.
. de Pilo Arcado, oa
provincia da Babia, para o auxilio daa despezas de
viagem que nesss quslidade leve de fazer.
ORDEM DO DIA.
Contina a 1* discussao do projecto n. 68 des-
te anno, que manda vigorar no exercicio de 1662
a 1863 o orcameoto vigente.
A requerimenlo do Sr. Gasparino foi encerra-
da a discussao, e, sendo posto o votos o projecto.
foi approvado para passar i 2* discussao, dispen-
sando-so o intersticio, a requerimeoto do Sr. Ti-
berio, para poder ser dado para a oriem do dia
seguinte.
Continuando a 2* discussao do orcameoto do
ministerio ds marioha, requereu o Sr. Pereira
Pinto para retirar a aua emenda ao 9 apoiada
em 17 do correte.
Consltala a casa, decidi a fflr mi ti va mente.
A requerimenlo do Sr. Bello foi encerrada a
discussio.
Procedeu-se i votecao, e foi approvado o arti-
go em todos os paragraphos, e bem assim ss
emendas da commisso, seodo rejeiladas ai emen-
das dos Srs. Pereira Pinto e outro ao pareara-
pho82. ... h
Eotrou em 2a discussio o orcameoto da des-
peza do ministerio de agricultura, commercio e
obraa publicas, que do theor seguate :
Art. 8.* O ministro e secretario de estado
dos negocios da agricultura, commercio e obras
publicas autorisado para despender com os ob-
jeclos desigoados nos seguintes paragraphos a
quantia de 7.210:1279020.
A saber:
Secretaria de estado .
Sociedade Auxiliadora da
Industria Nacional .
Melhorameotoda culturada
canna de assucar, etc.
Detcobrimento e exploracio
de minas d carvio de
pedra. ......
5d*a-arsntia de juros la estra-
das de ferro e de roda-
gm.......
Sobveocflo s compaohias
de navegacio a vapor .
Obras publicas geraes, e au-
xilios s provincias .
Telagfaphos......
Repriicio geral das trras
publicas, medicio destaa
e colenisacio ....
10. Cathechese e civilsacio dos
ludios.......
11. Crrelo geral.....
12. Eveotuaes. ..*....
No municipio ds cOrte
13. Jsrdim Botsnieo da Lagos
de Rodrigo de Freitas .
14. Dito do Passeio Publico .
15. Obras publicas.....
16. Corpo de bombeiros .
17. Illuminacio publica .
18 Exercicios fiados....
Foram lidaa e apoiadas as seguintes emendss:
Ao n. 2 Em vez de 4:0009000 diga-se
6:0009. "
Ao n. 3Em vez da cultura da oanna, etc.
diga-seculturas de canna, algodio, trigo o ou-
tros productos agrcolas.
Ao o. 8-Em lugar de55:9439500diga-se
46:0439500. T-
Acrescente-ae: n. 12 Com a remesas de
producios para a exposicio de Londres30:0009.
< Acrescente-se : n. 13Para auxiliar a coo-
tiouacio da obra Brasil Pittoretco6:000$.
Ao n. 12, que passa a ser 14 Em vez de
30.0009-diga-ae-20.0009.
Ao n. 13, que paasa a ter 15 Em vez de
21:9579diga -ae11:0009.
a Ao n. 15, que pansa a ser 17 Diga-se
Obraa publicas, compreueodido o palacio impe-
rial.
c Ao n. 17, que passa a ser 19 Em res de
543:840gdiga-se-469:8409-
c Acresceule-se : n. 20 Com a limpeza e ir-
rigacio da cidade206:0009.
O n. 18 passa a ser 21,
c Para serem coltocadee onde conrier :
< 1.a Fica o governo autorisado para tratar da
novsco do contrato da companhia do gaz, no
sentido de diminuir o consumo que actualmente
ae faz, e a deapeza relativa.
c 2.a Fica o governo autorisado psra adiantar
i companbia brasileira de paquetes a vapor aes
mezes de subvencio com a clausula de descon-
ta-laa nss prestaces meneaos, e para tratar da
oovaco do contrato da mesma companhia, no
sentido de diminuir o numero das viageos e a
despeza relativa.
c Pago da cmara doa deputadoa, em 16 de
agosto de 1861. Pinto Lima. C. Paraoagai.
J. de Alencar. >
c Ao n. 4 : deaeobrimento exploracio da mi-
nas de carvio de podra, acrescente-see outros
minoraos.
Ao o. 6 : em ves de 2,433:0009 diga-se
2,406.0009 em virtude da reduegae de 25:0009
com a companhia Jequilinhonha, exmela.
c Ao n. 13, acrescentado pela commisso: em
vez de 6:0009 diga-se 8:0009 desde j, seodo
4:0009 para por cada volume de texto e estam-
pas, relativo a urna daa provinciaa do imperio.
J. de Alencar. Pinto Lima. C. Paraoagu.
c Ao 7. Sendo 50:0009 para auxiliar a aber-
tura de urna estrada entre a cidade da liabira em
Minas e a provincia do Espirito Santo pelo valle
do Rio Doce.Saialhiel.Silva Nanea. Pereira
Pinto,T. Otiooi.
t Ao 7." Inclusivo a quantia de 200:0009,
sendo 100:0009 para a conlinuacao da airada do
Paasa-Viole, e 100:0009 psra a abertura oe urna,
que, partindo da villa Leopoldina, se dirija ao
pono deS. Fideiis.Lima Daarte.C. Otloni.
Ferreira Lag.Mello Franco.
O governo flea autorisado a approvar a in-
corporado da companhia organisada na Babia
pelo commenddor Antonio Pedroso de Albu-
querque e ooiroa negociantes e propietarios po-
ra a coDstrucso da orna ra de carria de ferro oa
pelo svstems tran-road, conformo mais conve-
niente, entre a cidade da Casheeira o a Chapada
Diamantina, com um ramal para a villa da Pai-
ra de Sant Anua, tem obs elgum real do tbe-
souro, seso subvencio, nem garaolias de jaros a
quaesquer outros favores, excepto aa coneessoes
seguales ^
c Io issafio de todo a qualqaer direito de im-
portado e-ae acpealeaie sabr a material, ma-
chinas, instrumentos o ulaoais necessarios i exa-
cucio dos trabalhos ds empresa ;
as condicoes ci-
ma mencionadas.Fernandes da Cunha. Jun-
queira.Dantas.J. Madureira.Espinla.Ti-
berio Pereira Franco.Casparino.C. Parona-
goi.Saraiva.Pinto Lima.
c O governo applicari annualmente a quantia
da dtuenios conloa de ris cem a coostrnecio de
urna estrada de codagem, que, partindo da cida-
de de S. Joio de El-Rei, passe pela de Gaspar, e
vi-fenecer na de Cuyab, constraindo-se as pon-
te oecessarias sobre os ros S. Francisco, Para-
hiba Cerumbi, bem como nos demaia que se jul-
gar oeeessario.
' c Da consgaselo do 1 sano spplicar-se-ha
lago a quantia de vinte cinco contos de ris psra !
a'eensirucco ds ponte do Psranshyba, no lugar i
denominado Cachoeira no municipio de Catalo.
Arago e Mello.Salathiel. Couto.Cyrillo. I
Gama Cerqueira.Santa Crni.Fleury.
c Para auxilio is obras da cadeia da capital da
provincia de Mato-Grosso rinte contos de ris. !
Lamare.Couto.
Ao 7* acrescente-se inclusivo a conserva-
lo e meihoramento da estrada do Alto dos Bois
Santa Clara.Cruz Machado.Bretas.T. Ot-
loni.Mello Franco.Luiz Carlos.
A discussio ficou adiada pela hora.
Oraram oa Srs. Ferreira Velga, Bretas e Ve-
risto.
O Sr. Presidente di a ordem do dia.
Levantou-se a seasio is 3 3|4 tarss da tarde.
PEHHftMBUCO.
REVISTA DIARIA-
sis minguados, com que se maotivesse e 4 esses
entes, que sempre the foram tio ceros, e que tan-
to lhe devem.
Morreo, fallando no desamparo em que os
deixaya : o que lhe era mais doloroso do que s
propria morte, que sempre consideroa como um
alivio is auas penas.
Celeodo nos ao justo pedido que se nos faz.
recommendamos is pessoss csrrdosas essa infe-
liz familia, que pelo desamparo em que se acha
pode ser victima de muitas infelicidsdes, a que
esti sujeila a miseria. Os que a qnizerem soc-
correr com a sua esmola, podem dirgir-se 4 csss
de sua residencia em Fora de Portas, ra dos
Guararapes n. 57.
SONETOS.
Naace o homem no mundo desterrado
E cresce, e vive, sempre desejando :
A curta vida passa Irabalhando
P'ra viver na opulencia descansado.
Se enriquece, quer ser mais abastado.
Se pobre, vive planos mil formando,
Ricoa e pobres vivem traficando,
Um, ou outro, s vive cooformado.
Todos desejam alcancar ventura.
Pastores, camponezes, e magestade,
Sem lembranca, que a vida pouco dura:
No mundo tudo engao e vaidade 1
Riqueza permanente e paz segura
S poderemos ter na eternidade.
II
Onde pode um mortal viver seguro
Dos golpes do deslino atraicoado.
Se lhe encobre a certeza do su estado
A tenebrosa nevoa do futuro?
Cahe por trra o mais alto, e forte muro.
Como se em nuvens fosamevantado,
O prazer em tristeza tnrnsformado,
Qual aoohado thesouro em carvo escuro.
E quem temer nio deve a tola hora,
A voluvel e rpida mudanca?
Ah desta fortuna que ae vapora I
l
Quem na virtude pe toda esperanca
E desprezando os bens, que o mundo adora
S anhela ancioso a eterna heranca.
Depois de tres diss, pode ser constituido o ju-
ry desta cidade, coja sessao teve hootem co-
meco.
Reclamamos a silencio do Sr. fiscal desta
freguezla para o estado do caes, que fica entre
as duss pootes que ligam este ao bairro do Re-
cife.
Acaba de ser dado luz um epithome da
noass historia geral, elaborado pelo Sr. Salvador
Heorique de Albuquerque, professor emrito de
nstrcelo elementar. *
E urna obra lnteressantissima para o ensioo
publico primarlo, pois que oella eneontram-se
compendiados os principaes fados da historia pa-
tria desde* a descoberts do Brasil at s indepen-
dencia, e deste'ponto a terminar em nossos das.
Tudo ahi exposto com clareza e preeiso, e os
fictos sao distribuidos em pequeos captulos,
como sem duvida coovm para o ensino.
A necessidade de dar-se iafaacia a licco di
historia patria cousa iocoatroversa ; e sob esta
apreciaco o Sr. Salvador fet um servico impor-
tante, pondo ao alcance de iotelligeocias que
despootam os factos em si, sem o emmarinhado
das deduccoea da philosophia da histaris.
verdade que a sciencla, a verdade e a severidade
da historia, dizemos com o parecer da commisso
do conmino director da iastruccio publica, re-
lativo i esta obra, reclamariam essas dedceles
ou o desenvolvimento de ideas da parte do gra-
ve escriptor que tivesse de abrir os nossos an-
naea; mas manifest, que tudo isto seria in-
conveniente em um livro elementar, que deve
ser adaptado ao fim que tem em vista a sua ela-
borado.
Esta obra, pois, sendo submettida ao exame
de urna commissio, como ji aponamos, com-
posta doa Srs. Drs. Soares de Azevedo e Torres
Baodeira, membros do cooselbo director, foi, so-
bre o parecer desla commissio, approvada em
sesao desse conselho do dia 10 do correnle, pan
uso das escolas de iastrucco elementar da pro-
vincia.
Nao cortamente este facto urna deferencia
pessoal havida para com o autor da referida
obra; maa um reconhecimento de seu mrito,
ji manifestado por outras coosposiedes accom-
modadaa ao ensino publico primario.
O Sr. Jos Fraociaco de Lima, na supposi-
cio de que ea refina ao sen estabelecimento a
noticia que oos remetieram aobre sua retinara
da ra Direita, o a qaal inserimos oas proprias
patarras aa Revista de ante-hontem, teve a boo-
dade de mostrar-nos documentas, qae provam o
contrario do que all se aventura, dado o caso
do ter retaca cosa elte.
Propretario da refioaria n. 78, sita aa ra Di-
reita, deixou, por padecimealoa physicos, de re-
unir oease estabelecimento por lempos; maa
nao obstante sempre cooservou-o aborto e com o
mesmo negocio, de oaaneira que anda a 2 de
agosto proumo passado pagou o imposto desea
acra refioacao, relativo ao aeguodo semestre do
anno Qoanceiro d 1860 i 1861. E como quer
que pretenda continuar ns refioacio de assu-
car, e esteja a foroalha deteriorada, alm de de-
ver elevar a maior altura o eano conductjr da
fumaca, isto requereu a cmara municipal, cuja
licenga obtere a 25 da aetembro ultimo, apre-
seotando-a a 26 do mesmo mez ao visto do res-
pectivo Bacal.
Se poia a noticia referia-sp aquello aenhor,
visto qae nio procedo a censura; pois o fseto
ahi Sea consignada tal qual em ai.
Temos noticias do Apody, que chegam
16 do passado.
A comarca respectiva goasva em
pontos da tranquillidade.
. O ve ro maoifeatava-ae, o se nio fOr alm do
seu limite normal, nao ha o que receiar, por-
quaolo o invern collocoa aquellas pootos em
ptimas condiges.
A aalubridado publica era igualmente boa,
visto que baria desapparecido um certo mal que
ae manifestara por all.
Foi aposentado o professor publico da Io-
perairz, na passagem do presidente por aquello
poolo, aendo removido para alli o de 8. Miguel;
e diz-te qae para isto Uvera 8. Etc. boas ra-
zos.
Faiteara no dia 10 do corrate a Sra. D.
Isabel Xtrierde Macado, mulher do Sr. Fraocia-
co Xavier de Macedo, sexagenario, cago ha mala
dol annoa.extremamente pobre o paide oume-
rosisaima familia, composta de oito fllhas, todaa
aolielras, e duaa filhos menores.
Se al agora esta infeliz familia tem merecido
do publico p car id oto auxilio, de que urna daa
aaaia merecedoras ji pelo ara rerdadeiro estado
de misara a- j pelo seu comportameoto honea-
III
Ioexorivel sou, son a tyranna
Qae golpeio os mortaeo em loda idade,
E percussora sou da eternidsde,
Ninguem resiste mioha furia insana.
Da existencia sou arbitra aoberana
Colloco o throno meu na impiedsde.
Dos moosrchts concalco a magestade.
Os pastores derribo na cabana.
Sou quem nos cadafalsos, brandos leitos
Feroz derramo o sangue dos humanos;
Rasgo ssohuda os delicados peitos.
A psres sou, que causo tantos damnos;
T que vos mea poder, meas tristes feilos.
Segu as virtudes, deixa oa vis engaos.
Entrn hontem arribado, com agua aberta,
o patacho nacional Anna, que havia aahido no
dia 9 para o Rio-Grande do Sul.
lo, d'ora aa daoie alada mais precisa della, pri-
vada, como ta acha, dw mais tarto auxilio que
aodia eacoalrar nasas mii de familia, que. ta.
beodoeamareheader sempre os seus jastes a aa-
\ gradea dateras, pardea a vida, j mutto
c 1*. coaeeatio da 20 lagaas de terrenos de-1 petas pnv.oes de toda tarta, no mam eraare e
rolutos ou malas do Orob ao lado 1 iilrirts. I nnarlnnn 1rHiaan pira a iipliiil- th majni u
Ainda acerca do baile do Io de dezembro,
remettem-nos o seguinte :
Sri. Redactores.Tendo lido ns sua bem eon-
ceituada Revista Diaria de 7 e 9 do correte a
noticia acerca dos festejos do dia Io de dezembro
anoiversario da restaurado de Portugal em 1640,
e encontrando nellas algumas Inexactides, spres-
so-me em cnmmunicar-lhe os fados como ellas
succedersm est o ponto em que osscompanhei,
para que ceitos espiritos sempre desejosos do
mal, naovenham a tirar dessas Informales no
futuro, umjogo psra infundadaa censuras.
Eis o occorrido:
Beuoindo-se em fins de setembro um bom
numero de amigos, todos dedicados is recordi-
Qdes gloriosas do nosso paiz e animados a con-
correr com o sen bolo para festejar esse dia
memoravel, que record esse graode facto da
historia porlugueza, era objecto da reaoiio or-
gaoisar um programma para os ditos festejos
e dar-lhe o necessario Impulso.
c As pessoas presentes escolhersm d'entre si
os Srs. Jos Antonio di Silva Araujo, Antonio
Jos de Abren e a roim, (ramio fraco por certo
para lio ardua tarefa), afim de nos entendermos
com pessoas de representacio oesla praca, e le-
vronos a cabo um projecto alli apresentado pe-
los Srs. Arsujo e Abreu de um Te-Dtum e um
baile.
No dia'aeguiote dirigimo-nos ao Sr. Dr. Jos
Heoriques Ferreira, e pedimos-lhe em particular
a sua assigoatura, alieodeodo a populsrtdade de
que gosa entre a maioria dos Portugueses aqu
residentes, e desejaodo mais nessa mesma pre-
ferencia, significar-lheum voto de dedicacio.
Com effeito, mediaram algumas refleides de sua
parte o paseando a snbscrerer, pedio-ntt que o
escusassemos de figurar como eocarregado de
taes oegocioa. Em aeguida fiis ao mister a que
nos impozemos, dirigimo-nos ao Sr. Jos ds Sil-
Loyo. Antonio Baptista Nogueira e Bernsrdioo
Gomes de Carralho, todos respeitaveis e digoos
de geraes sympathias.
Quando nos reunimos, porm, em caaa do
Sr. Gomes de Csrvalbo, pedindo-lhe aua asaig-
natura, o aaimaeio a esta idea, deelarou-nos
elle, que devia ser aquello baile offerecido ao
Sr. cnsul de Portugal aaodo com multo prazer
abracado o aeu pensamento.
c Depois que isto te paasou diversas listst se
distribuirn), afim de obterem asignaturas, por-
que como eu havia dito na reuntio, qeando hou-
vesse o numero de cem subscriptores, alies se-
; risro convocados psra urna reuoiio geral, e eotio
todoa os tena estabeleceriam o melhor meio para que os feste-
\ jos correspoodsssem aos detejos de lodos os Por-
tugaezea.
f c Pelo
mete :
c 1 Qae o Sr. Dr. Jos Heoriques Ferreira,
cunea ageaciou assignaturas, nem pira o baile
nem para o Te-Deum, porque segundo suas pala-
vraa nao poda ntm devia faze-lo, como por
mal informada tem noticiado as duss Reaistas.
S* Que a offerta do baile ao referido doutor
foi lembrada por ama pesaos como j disaemos
digoa de todaa as ailences, tendo este facto la-
gar 10 dias depois daquelle em qae nos dirigimos
a casa do Sr. r, Heoriques Ferreira, psra lhe
pedir aua assigaalura.
Com a publicecio destas linhas nao teaho
em vista seoio fator prevalecer a verdade, pelo
que peco a lstrelo om sua bem eoneeituaaa
Revista, do qus lbt ficartl aummameote obri-
gado.
Son, Sra. redactores, coottants leitor a
criado,
Franeisco Ignacio Ferreira.
10 da outubro de 1861.
Lista dos baptaaoas a cssamea\ot hividos
na frtatela da Boa-Vista no mez de aetembro :
Querna. bronco, niacide a 7 da outubro do anno
passado, filho legitimo de Miguel Jos Barbase
Guiotarias t Rita Margsrda doaPraxtres Gui-
arais.
que expoaho, pois, so deduz clara-
Rita, branca, oascida s 12*de juana da rorreado
anno, filha legitima de Jada Antonio Alvtt da
Silva e Rita Benvinda da Silva Guimaraaa.
LeonilU, branca, naacida a 12 de jaceiro da 1862,
filha legitima de Bartholomeu Tararea da O-
veira e Anna Jerooyma do Oliveira.
Agostioho, pardo, com S asezea da naacida. Use)
natural de Mara eserava.
Joio, psrdo, com 2 mezes de aaacido. filho les-
timti de Luiz Antonio da Racha o Francisco Pe-
reira.
Innoceocio, pardo, com 1 mez de oaseide. filho
natural de Manoels, eserava
Luiz, pardo, com 6 mezas da aaacido, liba aa-
toral de Jovma Mara do Carreo.
Mara, crioula, com um mez de naacida, filha aa-
taral de Mara, eserava.
Joviniaoa, parda, com 4 mezes de naacida, filha
natural de Lucinda, eserava
Maris, crioula, com 4 mezea dt naacida. Dita na-
tural de Porcia, eserava.
Francolino, pardo, com 2 mezes dt oaseide, filha
natural de Melinda, tscravs.
Benedicta, branca, com 5 mezes di aaecida, filha
natural de Mara Joaquina do Soasa.
Artnur. braoco. com 7 meza de aaacsaa, filha
legitimo de Tiboreio Antones ge Oliveira e Al-
na Carolioa Lopes do Oliveirs.
Zulmira, branca, naacida a 10 da juana
rente anno, filha legitima da Dr. M*n
reir Guerra D. Amelia raatlioa R
Guerra.
Marciooilla, parda, naseida i 4 di
no passado, filha legitima de Marcelino Jsa
Rodrigue! visco e Candida Innocencia da SaV>
pa Colaco.
Amelia, parda, tomou Santos leos, naacida ata
17 de setembro de 1856. filha legitima da Mar-
celino Jos da Silva Colaco a Caadiaa liaa-
cencia de Serpa Colaco.
Aquelina, parda, naacida em 11 aasateaabraaa
1858. UHa legitima di aWreetlao Joe Raart-
gues Colaco e Candida Innocencia de Serpa Ce-
lago.
Floraoo, bronco, nsseido 17 di dezembro da
anno panado, filho legitime de Piaiaas da
Albuquerque Mallo Juoior o Marta Isabel data
Saotos.
Joaquim, braoco, nascido em 22 de jilbo da car-
rele anoo, filho legitimo da Taraaa Silvano
de Souza Magalhiea e Feliaaaiaa Fraaciaca Ha
Souza Magalhiea.
Alfredo, braoco, nascido em 11 de abril da tor-
rente eryo, fliho legitimo de Dr. Jsiiasmlat
da Funseca t Candida Joaepbns da OUveira
Fonseca.
Francisco, braoco. nascido tm 6 da dezembro a
1859, Gibo legitimo do maior Jaa Jeaqaiea da
Reg Barros e Carlota Marta do Raga Barrea.,
Hara, branca, naseida em 6 de dezembro da
filha legitima do major Jos Jaaaaia
Barros e Carlou Mara do Raga Bar
Julio, braoco, nascido 2 di abril da t ar rosal i
anno, filho legitimo da Julio da Malla Otaste
Cavalcaati Lina de Mello.
Adelaide, bracea, naacida a 20 de abril da cor-
rete aooo. filha legitima do Jos Aateate da
Silra e Mello Thereza Alixandrma da Barrat
e Mello.
Vicente, pardo, oaecido a SS ds aguata da car-
rele anno, filho legitimo do Vicite Farreara
da Silva e Rosa Francisca di Silva.
Joas, branco, oaecido a 12 do atril da 1853, to-
mou Santos leos, filho legitima da Mi
Mara Rodrigues do Nascimeato Mar
Maris Rodrigues do Nascimeato.
Jades, branco, nascido em 23 da abril i
tomou Saotos leos, filho legitimo da
Mara Rodrigue! do Nascimoalo Margara*
Mana Rodrigues do Nascimento.
Joio, braoco, nascido a 24 de juobo do cornada
anoo, filho legitimo da Jos Martina da Ama-
nen a Emilia Francisca di S a Amerita.
Maria, branca, naacida a 4 di aguato da tama
passado, filha legitima do Joio Aitoaii aa
Reis e Leocadia Thareza doa Rea.
Amaro, pardo, nascido om 29 di janiri da 1884,
filho legitimo de Viriaaimo Igaacio di Coacei-
cio e Florencia Salusliani.
Argentino, pardo, eom 8 mezea da aascida, filha
natural de Mara, eteri*i.
Lidia, branca, naseida om 28 di tbril da carra-
te anno, filha legitima de Thomaz Garrote Aaa-
tolia Lina Garrtl.
Jos, branco, oascido em 28 de feverairo da car-
rente anno, filho legitimo de Domiogos Lapas
de Oliveira e Thereza do Espirito Sallo da OU-
veira Lima.
Leopoldina, branca, mscids a 8 da jaira da
1858, filhi natural da tenenlt-coroiel "
pbo Joio Barata da Almtida a Ubaldina
lit de Mello.
Caaamentoa:
Joaquim Ferreira Penha, eom Isabel Mara da
PuriQcaci, brancos.
Jos de Souza Primo, cem Maris Jtaaiaa da Caa-
ceicio, pardos.
Joio Miguel da Costa, com Aula Maria Esmeril..
pardos.
Maooel Ignacio Bezerra, cot Marta Rodrgala
Aires, brancos.
O capilao Caelaoo Gsapar Lapas da Azarada Tu-
las-Boas, com Felismina Francisca da Silra
Alcntara, brancos.
Beroi/dino Mc-reira de Mallos, com
de Andrade, braocoa.
Jos Narciso Lesl do Barrea, eom Jaaaaa i
* di Picho Borges. braocoa.
Maooel Jeroeymo Ucbi Cavalcaati, coi
de Menezea Moran, braocoa.
Joio Mereira da Carralhi, om Cura Victariaa
Muois, brancos.
Csetsoo Alves do Sacramento Reaat, cata Maria
Salom Ferreira de Moora, braaata.
Paasageiroa do vapor brasileiro Cruxttnd
Sul, sabido para o tal: SsstjBtiit Pata da Saa-
za. Francolino de H. C dt Albaqierqae, Frea-
cisco Antonio da Veiga C. M. Pimeatat, M*aaai
Lourenco de Saasa, Eslavao Jos da Arauja,
capito-tenenle Francisco Jote da Oliveirs. Tha-
reza Mara di Jeras, Aaistacii Jote da Caata a 1
escravo, Manoel Vietr- aaa tea era a 5 i
vot, Balbioi Euxaaia Fariai, D. Aaaa C.
dos Ssntos urna filha menor di 10 aaaaa ai
menor de S tres atroot 1 criada a 11
ralim Francisco do Carralho, Jtasjaim Aa__
Vsnderey, 27 ascravoa di Silviaa PaUaarm da
Barres, Joio Gomes da Agitar, Jala Ja
Sant'Anns, Antooio Rodrgaes dt Fariat 1
guato C. de Castro Feteci a tai aaahara, D.
FeliciaVictorioa J. Agolar, 8 apriadizea da BMri-
nhi. 1 escravo di Antonio Caadida da 84ea, Bw
DmbelUd Joaquina do Reg Seixaa, D. Bsiiia
cis J. Airea o seu filha Aotoaia laagtew Arrat,
Manoel Domingos di S Juiar, lote Aal
Almtida Guies arias a aaa startahe,
Jos Nevos da Andrade, Jote Garata
Silvestre Soasa Nones, cipfUo Flix Jaa da I
i* ana traban o 1 filho da 3 tonca a aaa i
1 escravo da Cselano S. da Silva, 4 i___
Santos Caramba ft Irmioa, 14 rscrasa ata aata
noel Airee Guerra, 2 eecravet da Leal i
2 escravoi da barita da Livrameato,
da Silva Campos, t eacrava da Va
de Azorado ttamnlho, 8 escravo* de l
A aguato Ricardo, t escravo da Jote P.
Lento, 6 tacravo da Simio do Sasapaie
Antonia Gomet Bapiitlt Janior, D. Aaaa 1
a_____
CwU Guimaraei, tescriros da Leapol Oto, Br,


flU Jt ftflg]T?nft Mf I
ra
iario m tMBumanmu. samudo i djj obtubro di igei.

>
Antonio de Carvalho Raposo, 1 eseravo do de-
aerabargador Santiago, 1 aera va e unta filha de
5 aonoa de .Manoel Antonio 9. Leasa, S eacravos
-de Adriano & Castro, Tbetn Nicolao Hola,
9 escravos de Simphronio O. de Queiroga Dr.
Alfredo do R. Bastos e aeu escravo, 1 esorao da
Joaquim Jos F. da Gama, i escravo de Joaquim
U. P. Vwaoa, Manoel BoroGm, 6 escravo de
tsaaaal Francisca Marques, 1 eacravo de D. Ca-
Totios Porciana doa Aojo, 3 eacravos deJoa-
! Joe de Medeiros. 8 eacravos de Victorino
Taixeira Leile, Cmcinsto Julio de Albuqorque,
Cailherme de Seuza Baeto. Domingos da Cunha,
29 rerrutas, Jos G. do Met Piolo, Jozefioa J.
m Araujo, 1 escrava de Jet S. de Bulo
aamtta, 1 escrava da Florn** babel Koolt,
1 escravo de Joa J. Lita* Bayrie. 1 aaeraf de
Maaoel B. de A. Lita a, 1 escravo de Manuel
Francisco Marques. Case Rodolpb Tinhe, 1 escra-
vo de J. L. B. Taborda, Frucluoao Paraire Fre-
an, 1 escravo de H. O. Loars, 1 escravo de
Antonio Leu de Azevedo, 1 eacravo Manoel
Alaes Guerra, alferes Jote Gusmo da Ges, Ma-
ra Soares da Cooceico, DomDgos Aires.
Matadouro publico.
No dia 11 malaram-se para o consumo desta
cidade, 79 rezes.
No dia 10 do correte foram recoihidoa i
casa de delencio 38 homens e 1 mulher, sendo |
livres 36 e escravos 3, a saber: a ordem do Dr.
chele de polica SI, inclusive o pardo Jaa Buri-
li, escravo do Rvd. vigario Camilio de Meodonca
Fu nado ; a ordem do subdelegado de S. Jos 1,
que o crioulo Tbomaz, escravo de Joio Jos de
Rezeode ; a ordem do doa Mugados 5, inclusive
Africano Manoel, escravo de Antonio Seares ;
a ordem do do Poco da Paoella 1, que o criou-
lo Luciano, escravo de Pedreir &Siqueira.
Passagelros do vapor Persinunga vindo de
Macei e portos intermedios ; -- Agoetiobo Luc-
cas Corris e 1 escravo, Jos Mara A.. Carlos
Henriqu Lo\r, Joio Jos de Miranda, major Se-
basliao Antonio do Bego Barros e 1 praca, Gui-
Inerme Baptista dos Santos, Domingos Gomes de
Souza Bastos, sua senhora e dous Qlhos, Silves-
tre Jos Fernaodes, C. B. Finke, Antonio Fevre,
Cuilherme de Souza Bastos, Joao Tbeodoro de
Almeida, Antonio Theoioro de Almeida, Domin*
pos da Silva Torres, major Jos Guedes Nogueira,
Luiz do Paula, Fcaucisco Monleiro. Jos Muoiz
de Medeiros, Joaquim Aoastacio da Cunba, Joa-
quim Jorge da Molla, Constantino Gomes de
Carvalho, Joio da Silva Bego e Mello e 1 cralo,
Joio Huoes da Fonseca Gitvo, Joio Simdes Pi-
menta, padre Gustavo Mauricio Vanderley, Ig-
nacio de Barros Aciole, cadete Jos Ilygiuo Xa-
vier da Fonseca, 4 prscas do cotpo de polica.
MORTAL1DADE DO OA 11.
Augusto Cesar da Cruz, Peroambuco, 32 annos,
viuvo. Recite ; tubrculos pulmonares.
Jeap Francois Eliame Boreur, Blgica, 28 annos,
solteiro. Recite ; afogado.
Marianno Francisco dos Santos, Perasmbuco 37
annos, casado. Sanio Antonio ; bexigaa.
Calharioa, Pernambuco, 8 metes. Sanio Aolo-
olo ; convulses.
Isabel Francisca de Macedo. Pernambuco, 48 to-
nos, casada. Recite phlhisic.
Francisco Ramos Barbosa, Pernambuco, 50 anuos,
cascado. Recite; hypertrophia do corceo.
Manoel, Pernambuco, 1 hora, Recite;; urna con-
geslao.
Rodolpho, Pernambuco. 1 anno, Boa-Vista ; in-
tente aga la.
CHRONICJTlUlUJIRIA.
dem
Ra Direits.
Numero 12. .Maria Joaquina de
Moura, 1 sobrado com 1 loHPe 2
andares, arrendado por..........
dem 18.Herdeiros de Manoel Cae-
taoo de Albuquerque. um sobra-
do com 1 loj e 2 andares, arreo-
Herdairat de Joao igaa-
lego, vado coa 1
2 andar, arreadada por .
.Antonio da Silva Azeve-
aobrado coa 1 laja 9
o*, arreadado por...........
42.Cpella doa Prazeres de
Guararapes, aa sobrado lea 2
loj a e 1 andar, arrendado per .
44.A meaaa, urna casa ler-
arrendada por................
46.A aaaaM, naa aaaa tor-
arreodada por................
dem 48. Geraldo Pereira Dutra,
umja casa terrea arrendada por..
dem 50.Candida Jesuina Fansta
antros, um sobrado coa 1 leja
e i andar e solio, arrendado por.
dem 52.Capella dos Prazerea de
Gurarapes, urna casa terrea
arrendada por....................
IdemiS. Irminlade do S. S. Sa-
cramento de Santo Antonio, na
sobrado ccm 1 loja-e 2 andares,
arrendado por.....................
dem {60.A meama, um sobrado e
1 lo ja e 2 andares, arrendada por.
66. Antonio Lins Pereira
os, um sobrado com 1 toja e
8169000
rea
Ufa
rea
dem
Bas
JURY DO BCIFEU.
4.a SESSO DA 11 08 OUTUBRO DE 1861.
Presidencia do Sr. Dr. Bernardo Machado da
Cotia Doria, juiz de direito da 1* ara cri-
minal.
Promotor publieo, o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmo Lobo.
Escrlvao, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Esle-
ves Clemente.
Advogado, oSr. Dr. Americo ello doMendonca.
Aberla a tesso pelo toque da campalnha s
10 horas da manhia, verilicou-se eslarem na ur-
na 48 cdula, mandou Sr. juiz de direito pro-
ceder a chamada dos jurados, e acharam-se pre-
antes 42 Srs.
Foram multados em mais 20* cada um dos Srs.
multados as sesadas anteriores, que nao apresen-
tarsm escusas, e -tambem em 20$060 os Srs. se-
guinles :
Antonio Jos Leal Res.
Francisco da Bocha Pasaos Lins.
Foram relevados das maltas anteriores por te-
rem comparecido e justificado asfaltas os Srs.:
Joaquim Olinto Bastos.
Jos Antonio Morena Dias
Loira em julgamenlo o reo Manoel dos Santos
Bello, accusado por crime de offeosae pbyaicas
teitas na pessos do africano livre Joaquim da
Costa, sendo defensor do mesmo reo o Sr. Netto
lie Meodonca. -
O jury de senleoca compoz-se daa Srs, se-
guintes :
Jos Gon^alves da Silva Bastos.
Francisco Rodrigues Piuheiro.
Joaquim Olilo Bastos,
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior.
Ai.Ionio Rodrigues Piobeiro.
Jos Alfredo de Carvalbo.
Abdiis Bebiaoo da Cuoh Salles.
Americo Ovidio dos Santos.
Gemioiano Joaqaim da Miranda.
Olympio Dornellas Cmara.
Joao Chrysostomo Victoriano Botelbo.
Justino Marlyr Correa de Mello.
E prestaran! o juramento dos Santas Evaa-
gelbos.
Fui o reo Interrogado e depoia lido o processo.
Feila a leiiura foi concedida a palatra ao Sr. pro-
motor publico, que pedio a coodeanacao de reo
no grao medie do art. 281 do cod. cria.
Oadvo*do deduzio a defeza do reo pediodo a
eaa abselvico.
Fiodos os debales, o Sr. juiz de direito propz
ao jury de senteoca os queeitos segoinles:
i.* O reo Manoel dos Santos Bello ea o roez de
noverabro de 1859 ferio ao preto africano Joaquim I
da Costa ?
2.* Existem circnmstancias altenuanles a favor
do reo?
Recolhido o jury desentones com os quesitos
sala secreta daa coofereoeias, dahi voliou de-
pois de meia hora respondendo pela maneira se-
guinle :
Ao 1* quesitoNao, por unanimidade, e dei-
zando de reapander ao 2o por Bear prejudicado.
Lidaa as respostas do jury oe senteoca pelo
presidente deste, o Sr. juiz de direito pioeno wa
seoteoc absolvendo o reo e condeanaodo a m u-
nicipalidade as cusas.
Lesaoiou a aesso, adiando-a para o dio 12do
correnle pelas 10 horas da maoha, no qual teri
lugar o julgamenlo de Antonio Vctor de S Br-
relo e Manoel Pereira Garca.
2 andares, arrendada por
38. Os menores Joao e Ma-
netos de Antonio Luiz Goo-
Qalves Ferreirs, um sobrado com
lpja e 2 andares, arrendado
i.Bazilio Al ves de Miranda
jao. um sobrado com 2 lujas
ludarea arreadado por........
19.Antonio da Silva Gusmo
or, um sobrado com 1 luja e
dar arrendado por ..........
3. Padre Francisco Muoiz
res, um sobrado eom 1 luja
ndares, arrendado por. .
5. Dr. Joaquim Teixeira
lo de Abren e Lima, um so-
o com 1 loja e 1 andar, ar-
ada por......................
7 Jos Ferniodes da Cruz,
uma casa terrea arrendada por ..
dem 77. Do mi cogos Jos Fer reir,
urna casa terrea arrenda por.....
dem 19. Viuvae herdeiros de An-
tonii Ignacio da Rosa, na sobra-
do :om 2 andares, arrendado
por ..............................
Travessa de S. Pedro.
Numera 8.Manoel Jos da Motta,
urna casa terrea arrendada por...
Largo de S Pedro.
Numer > 10. Ordem 3.' do Carmo,
ama casa terrea arrendada por...
dem Monica Luiza Genc.alves
Rodrigues Franca, e Antonia ala-
lia d) Peo ha, um sobrado de 1
andar e 1 loja arrendada por...,
dem 11.Herdeiros de Manoel Joa-
qun Feraira, urna casa terrea
arrendada por .. .4flk..........
IJem3.Joao Pedro da Rocha
Pereira, urna easa terrea arrenda-
da or............................
Ra da Virace.
Numero 11 Lauriano Candido Rigei-
ra linio Duarte, casa terrea ar-
rela por v.....
900*000
1:440(81)00
BOfOOt
1889000
1689000
2409000
4929000
2409000
9009000
72090O0
9604000
64O30OO
1:088*000
3249000
7809000
5009000
192(000
2609000
l:3O0$000
240)000
2405OOO
5529000
3OO9OOO
3009000
e o mesmo Sr. riguerawalM liana permita- ^mmmmmb^
apreaentar esposieo om uaro m 1. COrrCSDOnflen f^iS
1 da fea a ara aystaaa aae sa frmava em ra- ^** voj/uuurjuuaSi
s qa o iaventor reoatava lavara vea, coaa- frs. radaolam.Londo eu nuil..!
Acta
de
[Continuar-se-ha.)
1929000
da quarla sessao da commisso
Exposico dos productos agrico-
las e induslriaes desta provincia,
e Jas que Ihe m'io liuiilropes ou Ihe
ficuiH prximas.
Reu ridos todos os membros ds commissso, a
excepc iodos Srs. baro de Muribeca e com-
meoda ior Antonio de Souza Leo. na sala de sua
sessdfs s 7 horas da noite de 3 do correte, e
esland 1 presente o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, o Sr. presidente da commissao declaro
aberta a sesslo,
Foi ida e approvada a acta da sesso antece-
dente, e passou-se ao
EXPEDIENTE.
Foram lidos dous oflkios: um da sociedade
Typographica, datado de 26 do mez lindo, em
que esta, aecusando a recepeo do convite que
Ihe fora dirigido pela commissao, manifeatava
seus baos desejos para concorrer com seus traba-
Ihos. ejlsstimava que lio limitado prase fosse
marcado pelo governo imperial para a exposico,
ue Jtalvez a iapossibilitaas de apreseotar
as que salisBzessem aoa desejos da commia-
e um do juiz muuicipal do Cabo, datado de
redo, natural desta provincia, qua Iba feerU dito
ter conseguido, depota de oito anaae Al lahwlaa.
um systema de escripturaclo da llajaa. aartapta-
xa fallada pelos braaileiros, de moja i
lavras eram escripias segundo a _
o que tornera uniforme e fcil a o'rlo
recendo-lhe merecer attencio case trabaih'do
qual liona visto alguna extrata, a arecaacaotaa
que o mesmo Sr. FigueiaalaMM liara aeraoiui-
do
ria
gras fas a (ventor r epata va iavanaveis, coaa-
esnd pelo Iphabeto e laruiaaado pela jraaa
tica.
Teodo a Exa. presidente da provincia posta
dispoaicla da commissao a lado asonrdo do pa-
vimeato terrea do palacio do goveroa %m qa
funeciona a reapeettva aaetetaria, a j aa enea-
do reunidos os objectos qne nelle existsm, S.
Esc convidan os mamhroa 4a aaaajriaaia qua
descessem e percorresrem or aposentos, e fetto
isto, reconheceram todos que com efleito esse
lado do palacio offerecia melhores accommoda-
coes para o fim a que era destinado do que o di-
reito, designado a principio.
Nio haveodo mais nada da que se oceupasse
a commissao, o Sr. presidenta encerrou a aes-
so pelas nove horas da oolte da qual eu, como
um dos secretarios, escrevi esta acta.
Sala daa sessoes da commissao, no palacio
do averio de Pernambuco, 8 de outubro de
1861.
Vconfe de Suaituna.
Dr. Joaqun d'Aqtno F0*1404,
Secretario.
Joaquim Pira Machado PorUlla.
Secretario.
Secretaria da Associaco Typographica Pernam-
bucana 26 de setembro de 1861.
Illms. e Exms. Srs. Ao cooselho director da
Associacao Typographica Parnambucaoi foi pre-
sente o ofDcio que Vv. Exea., como membros da
commissao encarregada de dirigir a exposico
agrcola industrial nasla provincia, se dignaran)
de dirigir & mesma associacio, pedalo coacor-
resse com alguna trabalhosda arle typographica
para a referida exposico, que tere lugar no ia 7
de novembro prximo viodouro no palacio do go-
verno da provincia. O conselho director apres-
sa-seem declarar i Vv, Excs., que coa o aais
especial sgrsdo foi recetado o oflicio citado, que
responde, e qne unmediatamente passou a lomar
as previdencias, que eniendeu neceaaarias, de
modo a serem aalisieitos os desejos aaoifeslados
por Vv. Excs., a quem remetiera coa a mxima
brevidade os trabalhos que Ihe for pouivol a-
presentar digno* de figurar na predicta expo-
sico.
Prevaiecendo-se desta opportuntdsde, o coose-
lho director da Associacao Typograpbia Pernam-
bucana sa congratula com Vv. Excs pela demons-
trarlo de apreco que acaba de dar o goveraode
S. M. o Imperador s dasaea laberioaaa do paiz,
creando lato laborioso incentivo para o deaenvol-
violento e preresso daa artes, at boje ioteliz-
meole votadas mais injusta depreciado, ebem-
dizendo o patritico penaamento do goverao im-
perial, faz oa mais sinceros votos para que seja
elle cordado do mais lisoogeiro resultado.
Deas guarda Vv. Exes. Illms. e Excs. Sr.
Visconde de Suassuna, e mais membros da com-
missao agrcola industrial.
Francisco de Paula e Silva lint,
Presidente*
Juvencio kureliano da Cunha Ctzar,
i." secretario.
Jet Luiz e Franca Torree.
2. dito.
Illms. e Exms. Srs.Acceso a reeepcao do of-
licio que Vv. Excs. se dignaram dirigir-mecom
dada de 12 do correte, relativamente exposi-
5S0 dos productos naluraes, indnetri ae* e agrco-
las, e que deveri ter logar na palacio do governo
no dia 7 de novembro prximo viodouro, segun-
do as inetrueces imperaes de 8 de agosto Ando.
Em resposti teuho a dizer i Vv. Excs. que envi-
darei lodos os meus exforcos para qu* os habitan-
tes deste termo coocorram expoai;o com todos
os productos naluraes, induslriaes e agrcolas qua
por ventura bajam neate lugar, coolribuindo eu
igualmente com lodos aquelles, que posss baver,
eaque serei incansavel em concorrer, quaato ea
mito couber, para o brilbaolismo dessa testa na-
cional, da qual sao Vv. Excs. digoissimos direc-
tores.
Aqu cumpre-me agradecer a Vv. Exea, a su-
bida honra que me fazem. encarregando-me da
alta misso,-e offerecer os meu* ser vicos para o
que Vv. Excs. julgarem convaniente.
Deus guarde Vv. Excs. Villa do Cabo 1S de
setembro de 1861.
Illas, e Exms. Srs. Visconde de Suassu-
na, Dr. Joaquim Pires Machado Portella, Dr.
Joaquim d'Aquioo Fouseca, dignissimos directo
rea da exposico geral em Peroambuco. O juiz
municipal do Gibo, Francisco Augusto da Cotia.
a ciencia medica, em cujo deaenvolvi-
oaaoBaver maior difflculdade.
novas luzes apparecam, e que
Aa tanta importancia chame ao
jensa outrs Srs. mdicos, de cuja
,M expender daa doutrnaa a das ideas
multo pode lucrar a opiniao publica.
a *
** nanas.Londo eu o aaoaaHusaa pa
nodico aaajaaaaado Campeo da 95 do prximo
passada aes, n'elle deparei ua aaaixaassigaaao,
eom o titulo da communicado, no jaaldoM sub-
ditos de sua aaaaatade cathuUea aoae Ma-
noel Barcena, o D. Joio Sbalo de Escndira
chamam a atiendo do Exa. 8r. presidente da
provincia, do Ilion. Sr. Dr. chefe de policia, e
m AH lllliirUlnl aal *" *""- aaaiai 1* -j:_____
------- aapvivvirW| pOTl O U| Ul>OUIUToUa
to, como se exprlmem, que para com ellea Uvera
o subdelegado doa Afogado, varejaado diversas
vezes, e i noite a casa de ana morada, sem oe-
ohum fundamento e attnbalndo-lhe baldos,
que s Ihe sao proprios, Nio pude conservar-
me no silencio 4 vista de tio andas, calumniosa,
e pretendida denuncia publica, contra o muilo
digno subdelegado o Sr. espvtto Jos Frsncisco
Carneiro Monleiro : venho hoje dar um desmen-
tido a eues dona estraogeiro, a fazer publico
tal qual o (acto se den.
Nie verdada que 0 Sr. subdelegado Uvesae
varejado a casa de D. Manoel Barbaceoa, e de
D. Joao Sbalo de Escedeiro, ata a de sua sa-
gra com o consenso oeses seohora, e pe justo
fundamento de achar-ae all urna moca da menor
ida le, que havia sido rsptada diaa antes.
Nao a eacoolrou o Sr. subdelegado ; porque
essa familia astuciosa Unha-lhe preparado urna
csixa grande, dentro da qual, e coberia de vel-
lidos engomados a Unbam eacondido. Varejo
este que foi publico, e feilo com toda poltica,
nio s porque a occasio nio exigia menos, e ser
este o costume detta sutoridade, como pela fran-
queza com que aquella familia preslars-lhe a
casa mostrando qne o fitesse logo.
A' vista da verdadeirrf narracio do caso aqu
exposta ao conhecimento do publico sensato nio
admira que se conserve no cargo de subdelegado
o digno Sr. capillo Jos Frsncisco Carneiro Moc-
telro, por um acto dejusti;a, praticalo com pru-
dencia e moderaeto, em o cumprimenlo de seus
deveres. Admira, porm, que oos Afogados per-
manecam dous instrumentos abjectos, que si-
guem lance mi do seus nomes para insolenta-
mente pretender calumniar urna autoridade a
quera devemos o socego e publica traoqnillidade,
outr'ora bea amear;ada, e desi'arte remove-la, e
ver-se livre deste poderoso obstsculo, que tantas
vezes tem sabido desarmar certos capangas, por
todos nos tio conhecidos.
Assim, pois, Srs. subditos de sua magestade
catholiea, baveis perdido o vosso tempo; vossas
palavraa nio seriojacreditadas; nio estis habilita-
dos para desmoraitsardes a homeoa de reconhecida
probidad?, dignos da elogios, e que aquigosam
sympsthias ; antes deveis corrigirdes vossas ms-
culas que sao bem dignas de censuras e de serem
punidss.
Sou Srs. redactores seu venerador e criado,
Paulino Rodrigue* de Olivtira.
Oeacarragam hoje 12 de outubro.
Barca americanaUniaoliversos ganaros pos
fora.
FJjgue amoricanoF Curhingcarvlo.
Brigue banoveriaooJpiter carne de charque.
Eacuna inglezsPrincipe Realcarvio.
Lugre portuguezJulio sal.
atoeebedoria Aa rajarla latornaa
raes ato Paraambaeo
leodimenlodoialalO. 10:996SI8
Idea do dia 11...... 7S#I77
Consola Aa
aUadimeato do dia 1 a
do dia 11. ,
1L761 Jj7t5
aO:9AS773
MoTmnto do porto.
Navio takido no alta 11.
Portos do solvapor brasiletro Cruzeiro do Sul,
coa mandante o capillo de aar e guerra Ger-
vasio Mancebo.
ai ce Q. m :l floras.
m B Lthmosphtra 0
V V W z P3 Dirteco. 4 m B o ec r. a
V sa 9 1 | Int*n$idadi. <> a 0 l< l
>a ^1 a s -a ao | Fahrtnhtit. 1 e m e : m 3
1* te b 0 to ex sn e Centgrado. t S5
cJ s os 3 -1 4 Hygremitro. O ?
0 0 0 O 0 Citttrna hydro-mt trica.
V 00 -a r -1 85 00 traneet. m 99 0 R -1 5i O a
3 ce O 3 e s e 8 0* 8 Inflet.
taco comparecam na sala daa sesees la rvfari-
da jante, no da cima aeaciaaado, pelo aeio-
dia a competentemente habilitada*.
E para ceostar m msndou afBxar o preaaate a
publicar pelo Diario.
Secretaria da tbeaouriria provincial da Per-
nambuco 4 de outubro da 1861. *
Oatcretaria,
A. Ferretra a'Aanaaciaci.
Ciouiaia asjaasiaai pora a arrraasafafa.
t* As 46* bracaa ou^^raaamU aaV a-
varaos poataa da estrada a f ictaria. seria *w-
cuudos da ceofarmiade ca a aacamenia ap-
provado ala dkauaria anaaMw>, e saWel-
Uda a appsavacio do Um. Sr, anadoaM) da
provinca a i apartasteis A 7:S
d raanla-
PublicQes a peaido.
adM
Para oa Exms. Srs. presidente da provincia e
chefe de polica ierea.
.O individuo Canato Jos Pereira de Lacena,
de idade da SO asnos, pouco mais ou menos,
branca, calva, gaga, excessivamente barbado, e
eom urna perna mais corapnda do qne a outro,
desertor do exercito, e aeha-se actualmente no-
enda urna por;ao de canoas que comprou 00 en-
genho Pares, comarca-de Nazaretb, pertenceote
ao capitao Antonio da Motta Silveira Cavalcanti.
A re Igual para todos (preceito constitu-
cional.)
O ladrio de papis.
CONSULAnOO PROVINCIAL.
Reiaco as casas biixo meocianadas
qoe soffreram alteracoes no presen-
te lancaBcata feito pelo lancarJor
Malta, a saber:
Ra da Uvraraanto.
Numero 7.Francisco Jos Pacheco
de Medeiros e outro, um sobrado
com urna loja a i andares arren-
dado por ......................... 7349000
dem 33. Herdeiros de Antonia
Luiz Goncalves Ferreira, um so-
brado coa ama loja e 2, andares
arrendado per....................
Idaa 37. Rosa Mam de Azevedo
a Antonia Joaquina Pocas, na
sobrado coa urna loja, a 1 andar
arrendado por....................
Ra da Pao ha.
Numero.PintjfRegisdelSouza, um
um sobrado com ama loja, 1 andar
arrendado por....................
Idaa 5.Joaquim Antonio Poreira,
oa sobrado easa ama loja e 2 an-
_ darea arranoado por..............
5* IDomiog* Jaa da Costa,
obrado coa S lajea a wat andar
araeadadapor....................
Idasn .Alexandsina Martina Car-.
raa de Barros, na sobrado coa
3 tojas e 1 andar, arrendada por i
Idaa 11. JosMoxeira da Silva m
obrado com 2 loja e 1 audaz,
,*"****** **....................
l*aa laV-Renvodoa Santo llamos.
asa lbralo de 1 andas 1 laja,
ata-andado por.................?
1:0009000
3849000
4089000
0009000
8669000
4889000
of
sao
19 desje mez, em que prometi envidar estor-
bos pala que concorram exposico muitos pro-
ductos.
Fui lilla tambem urna carta dirigida pelo Sr.
presdante da cmara municipal de Goianna ao
Sr. commendador Manoel Goncalves da Silva de
TI de setembro, em que se diz que j foram da-
dos alguns passos para a remesas oe prodaetos
destinados i exposico, e que se receia que mui-
tos nao aejara estes productos pelas razes que
todos conbecem, e sao as ifficuldades com que
lula a commissao,
Fiodo o expediente, psssou a commissao a seus
trabalhos.
O Exm. presidenta da provincia communicoo
qoe havia recebido odiaos dos presidentes das
provincias de Alsgoas e Parahyba, ea qnefeates
lha diziam que ji oham dado aa providencias
qae Ibes pareciam necessarias para que coocor-
ram productos exposico, e qne havia encemi-
nhado ao goyeruo imperial o oflk-io qua a com-
missao Ihe tioha dirigido pedindo-lbe que hoo-
vesse de espacar a exposic pala razoea apre-
senladas, accrescentando S. Exc. que tinha apoia-
do o pedido da commissao em officio que ao
mesmo governo havia dirigido pelo ultimo va-
por.
Teodo o Sr. padre Francisco Joio de Azevado
a presenta do i considerago da commissao orna
machina de aua iovencao com a qual podiam ser
rpidamente reprodnzidas por meio de caracteres
as palavraa que eram proferidas, foi convidado a
fazer fu accionar aua machina e dar aljamas ex-
plicacoes, e aislo se prestando, nio s reprodu-
ca em aua preseoca algumas phreees que iba fo-
rera ditas, aenio offerereu um aethodo escripto,
que elle denomina chave, e serviii de guia
quelie qne tiver de Nzer funeciooar a machina.
Neasa occasio declaren que, notando daade que
foi aqu iotroduzida a lachygraphia pelo francez
Garret, que esta apreseotava difficaldades relati-
vas i decifraclo qae a toroavam alguaaa veres
cuatosa ou inexacta, foi por isto levado a eetudar
um meio mais fcil, prewpto e exacto de repro-
dnecio doa discursos, o qoe cria que o tioha con-
seguido com a machina de ua era inventor ;
mas ponderoH que, faltando Iba aeies pecunia-
rio para concluir, tao promptamente aaMo
o exigia o curto esp50 marcado para a exposi-
co, alguns accessorios a easa machina qae Ihe
eram indispensaveia, precisa va de ser auxiliado
aflm de poder conclui-los em tempo. Nao toado
o governo imperial poite disposieio daa presi-
dencias das provincias dioheiro destinada a au-
xilio, nio podendo-se considerar como tal o con-
t de ria concedido, visto que esta quautia s
tioha de aer epplicads compra de objectos que
ngurassem na exposico daala provincia e pare-
ceaem dignas da agorar na da corte de imperio
que deve lar lugar aa Dezavnbro, o Or. Aquino
ai que o membros da commissao podam con-
correr com o qne fosa preciso, visto qae nao ara
lavada a quantia deatinada 4 coocluaao daases
coeseorio qae o mesmo Sr. padre Asa vado or-
cava em duzentos mil ri, aando isto apoiado
pelo Sr. Figueirt da Paria, convieram lados em
prestar-te ama daapata, ans vaz ue a machi-
na eacceasorios podras figurar na exposico ;
a avista da renexea 4a Sf. padre Azevedo que
temia uio poder concluir os accessorios de aua
machina at o dia designado para a recepeo dos
productos, Iba foi promettido qne se esperara
pala machio at a dias daoignados psra a vista
doa objectos expostoa, e para man facilitar a
andusaa deesa machina, o Sr. eogennouo Buar-
Communkados.
Alguns amigos do primeiro districto eleltoral
tiveram a idea de iodicar-me como candidato i
assembla legislativa provincial, e com este in-
tuito fizeram muito correr o mau nome, associan-
do-o i tantos qae por ah aspiram essa honra.
Agradeceedo quaoto devo essa desigoacio, que
sobremodo me peohorou, devo fazer urna solem-
ne declaracao que servir de regra de conduela
para aquelles que por ruoi haviam empenhado
as suas boas relacdes.
Quaodo lio crescido o numero de candidatos
que offerecem os seus ttulos ao pleito eleiloral,
justo qne os menos habilitados declioem de si s
responsabilidartequelh.es poderia caber porha-
verem produsido mais ou monas divisso entre os
membros do collegio eleiloral. E'. por tanto, i
bem doa ioleresses do partido que lenho adhe-
rido, que venho manifestar em publico a minha
resoluc.no de nio tomar parte as difficuldades e
perigos do primeiro districto.
Francisco Leopoldino de Gusao Lobo.
A noite clara, vento NE fresco e assim imi-
oheceu.
OSCItlcXO DA AR.
Preamar as 9 h. 30' da meDha, altura 5,2 p.
Baua-mar as 3 h. 44' da tard, altura 1.8 p.
Observatorio do arsenal de msrinhs, 11 de ou-
tubro de 1861.
ROHANO STEPPLE,
1* teoeote.
Editaes.
aaoo
_______ qae a eaavia do tem, praaioaote da pwvincia,
"00 pveaaetten eaaHar o iavaater aiaa de qaa se aio
erante te apa.
O Sr. Dr. quino ceaeiunieoa toa liana sido
procurado pelo Sr. Francisco Antonio a Figui-
_ Agitase entra nt presentemente urna quet-
lio bem imprtame 00 terreno da medicina
legal.
A echada do cadver de urna recem-nascida,
laogado no caes do Ramos, molivou a pesquizas
da autoridade policial aobre o genero de mor te,
em relaco a essa crianca, e anda cobre a causa
eficiente da morie. Proueleu-sea ama ioveati-
ga;o medies per dous peritos os Srs. Drs. Pe-
dro Cesar e Dornellas ; cuja optaia. consignada
no auto do corpe de delicio, eslabelece, como
ponto averiguado e como deducio legitima, que
a enanca au respirara. Entretanto, aio se jl-
gou sufflcieole aquello juico, e unta com-
missao de- peritos, especialmente nonaeada,
leva de responder i que.stio sugeita se a creau-
ca havia ou nao respirado; visto qae as pro-
postc.oes e as cooclusoesdaooPpo de delicto nao
Ihes parecern fundada. D'enlre oa mdicos
consultados, pronunciaram-se quasi lodo contra
o corpo de delicio, excepcao de Sr. Dr. Prxe-
des Pilaaga, que o sasteatou, e do Sr. Dr. Este-
vio Cavalcanti, que vetan contra, porm com
restriccMs, quanto ao faeto da reapiraco.
Oa outros membros da commissio consultada,
os Srs. Drs. Soriano de Souza, que foi o relator,
Silva Santos e Costa Brincante, opiaaram, como
se sabe, em sentido diaaelralscate oppesto aos
dona autores do carao de delito.
Depois disto, cada um por sua vez tea viado
arena do jornaliarao, para defender mas ideas ;
e entre todos, recoobecidamenle illuatrados, a
lulo se lea abarte vigorosa a coa primer. O pu-
blico, porm, fe nos com elle qae nie en te ade-
raos da acieocia medica), applaadindo os ester-
aos dessea diversos combatentes, tio dignas de
respeite, est,, porventurs, anda aa ineertez,
quanto ao ponte capital da quesio; porque,
falla de conhecimenlos, ni sabe como opinar e
decid r-a.
Pareo qua em tal caso n aselarecimenlo, a
elueiacAo, vriam mais facis e mais promptos,
se ouiros igualmente professionaes na matara
ae outro-enriquecidos pela pralica da medicina!
qu leliamento abondam neata capital, ae dig-
nassem entrar na discussio, por amor da propria
scieeia, eem atlencAo i gravidade do aswap-
to. Por noasa parte desejaraaoa, pediriaaes
mesma esse cortearse abe menea valioso de en-
tras iitustracdes ato meaos atroetaa
a6 aaaim poder-te-i ehegar a aae aotaeio aa-
tisfactoria. inda aals a qaeremas, ando re-
flaetimo que o voto deSr. Dr. Pedro Cesar, eo-
ae perito, 4 epatado p*le outro pertt, o Sr. Or.
Dotaelia, coja intalbgaMia reovnbacida e longa
praiK ea audacia parecem-noe e alguma aor-
to facer propender para concUisees o cora
deoettoto.
Ao publico.
Nio foi sem fundamento quaodo o Bevm. Fran-
cisco Verissimo Bandeira em sua corresponden-
cia de 10 de agosto do crrenla anno dissera amo
em Beberibe os crime succediam-se quasi dia-
riamente, aem que a policia do lugar tomasse
ioteiro coohecimeato, por quanto nos consta qu
4 desse tempo para c houveram diverso facios
criminosos, que comprovam o allegado. U'entre
dona metes tem bavido cacatadsa, caaepas que-
bradas, ferimentoa, spreheDQao do armas prohi-
bidas, urna tentativa de aorto, e unalasto um
homicidio commeuido s 11 hora do dia 00 cen-
tro da povoacao l...Muito ganbaria a polica, os
bous Beberibenses, e a sociedade em geral, ae o
hoorado, probo e prestaute Joaquim Correa Lima
fosse o eocarregado da policia, poia veramos os
desertores seus quarteis, recrulas para o exer-
cito e rnariuha, os ladros de cavallos oa cadeia,
os suspeilos criminosos foragidos, o crime puni-
do a o cidadio garantido l...Faliam os fictos, os
ImporUntissimos servicos feitos a polica, aa da-
ligencias arriscadisjeimas, que tea deseapenha-
do 00a feliz exilo hao-lba conquistado ua prea-
tigio, um profuodo respeito, que uaa peesue a
propria policia do lugar, investida de autorida-
de I...E' a vos da vordade, da coasciencia dos
nona Beberibenses. oe assim se exprimam, que
apreciam as boas qaalidades, os merecimentea do
verdsdeire amigo, do prestooto cidadio, pro-
prietano boa pai de familia, de conduela irre-
prehensivel, o de moralidade publica, tao essen-
cil a uasa autoridade !.. Nao o podre inaenso
da lizonja, e sim o verladeiro tributo a quem
merece qoe aove tranca livremento o
m Imparcial.
O ABAIXO ASSIGNADO NEGOCIANTE MA-
IHculado no tribunal do oomznarcio oe Pernam-
buco, onde mora de presente nesta cidade ea
casa de seu rabo Jugiiuiano Nunes de Mello,
ra da Palma Duoiero...., faz aeienleaes devedo-
res da extincto lirma social Candido Nunes de
Mello aCompaahia, qae nao paguem in real a
Francisco ds Rocha Passos Lios, por quanto teo-
do este comprado a ana aaasa comnaercial, e se
retponsabiliaado por nana eacrptura para com os
meamos de Ihea entregar seus ttulos, como de
fado eolregou, mas ficando atada fra algons, e
agora consta que Passos Lins, estoja mancomu-
nado com Wanderley, para facerem todo mal ao
abaixo assigoado, que (ea resposebiltdade im-
mediata sobre oa titulo qae faltonas entregar,
porque elle oso diz e nevo dir nanea que era so-
cio commandilario, precisa com este sononcio at
que se verifique a verdad, acaule.lar c sea pre-
jutzo premeditado per aquel les,sendo eoao cer-
to.que na aabida do abaixo assianado daquella pa-
ra esta praca entregoa a J. da Caoba Wanderley,
letras saccadaa pelos negociantes Sanoders Bro-
thers t% Gempanma, aceitas por Passos Lios, en -
dossadas por Antonio Goncalves da Silva, para
serem trocadas pelas suas, entras aceitas por Fas
sos Lin, sacesdas por Vicente
De ordem do Exm. Sr. director da (acal-
dado da direito se faz publico por esta secretaria
que do dia 15 at 24 do correte oslar 'berta a
segunda matricula de encerramento, de confbr-
midade com o artigo 65 dos estatutos, podeodo
desde j ser effecluado o pagamento da laxa no
lugar competente.
Secretaria da (acaldada de direito do Recite, 11
de outubro de 18*1.-0 secretorio,
Jos Honorio Becerra de Menezes.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 3 do correnle manda
fazer publieo, que ao dia 24 deste mez, peraole
a junta da mesms thesouraria, se ha de arrema-
tar a quera por menos fizer, a obra dos reparos
do empedramento da estrada da Victoria, no lu-
gar denominadoSoocorroavallada na impor-
tancia de 5:1755500 ri.
A arrematacio ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1851, e sob ss
clausulas especiaos abaixo copiadas.
Aa possoaa que sepropeseroa a ala arrema-
tacao comparecam na sala daa aessea da referi-
da junta, no dia cima declarado, pelo meio dia
e competentemente habilitadas.
E para constar se mandou aBxar e publicar
pelo Diario.
Secretoria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 4 de outubro de 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annanciacao.
Clmenla* etpeeiaes para a arremataco.
1* Os reparos do empedramento doSoccorro
sern exeeutadoa de cooformidade eom o orna-
mento apprerado pela directora era cooselho, e
submetndo a approvacao do Exm. Sr presdeme
da provincia Da importancia de 5:1759500.
2* O arrematante dar principio a abra no pra-
zo de oito das e a coocluir no de trez mezes,
contadoa como determina o artigo 31 do regula-
mento daa obras publicas.
3* A importancia da arremataco ser psga
quando a obra for concluida e reeebida.
4a Nenhuma reelsmscio, teodo por lira rece-
ber indemnisacia, ser altendida ualquer qoe
sejs a natureza da allegaeo em que se funde.
5* Em todo o mata que nao vai especificado
naa presentes clausulas seguir-se-ha o que dis-
ee a lei provincial o. 286,
Conforme.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
A cmara municipal da edsde do Recite faz
publico para cooheeiosento de seus municipes
qne recebeu do Exa. presidente da provincia o
oflicio absixo transcripto, ao qual acompanha a
relacio dos productos, qae podeai sor aprsenla-
dos oeste municipio, e espera que todos concor-
ram para qae o convite do goverao da proviocia
produsa o desojado effeilo, e esti prompta a dar
todos oa esclarecimeotoa, e apresentar todo o au-
xilio, que della depender para que ae realise tio
utit eosaio, o qual tere lugar no dia 7 de novem-
bro prximo futuro, como fax corto o aegundo
oflicio deS. Exc. de 13 do corrate, tambem a-
baixo transcripto.
Paco da cmara municipal do Recito, ea ses-
so ordinaria de 16 de setembro de 1861.Luiz
Francisco de Barros Reg prndente, Francisco
Canuto da Boa-viagem official maior aervindo de
secretario.
4.* seceo. Palacio do governo de Peroam-
buco, em 4 de setembro ee 14161. Devendo ter
logar nesta cidade no dia 2 de dezembro vindou-
ro, no palacio do governo, nma exposiebo dos
productos naturaes e industriaos desta proviocia,
e das que Ihe sao limitrophes, en Ihe flcim mais
prximas ; de cooformidade com as ordene im-
peraes, recommendo a cmara municipal do Re-
cite, que, faaeodo ebegar esta noticia ao conhe-
cimento de todoa os seus municipes, procure por
todos os meio ao seu alcaoce anima-los do de-
sojo de concorrerem para a referida exposicio
com os prodaetos, que all pdem figurar e se
acham especificados no calhalogo annexo as ios-
2a O arrematante dari prtncipu a obra no ra-
zo de 10 atoa e a concluir ae de
ambos contados segundo o art. 31
ment daa obras publica*.
3* A importancia da obra ser paga em tre
preatacoes igusea, ooi visto da ajlaotoda do cb-
genbeiro, certificando ter feito o arreaatoate aa
terco da obra.
4* Neobuaa reclamacio, que lenha par la
pedir indemniaacio, aera altendida, qoaesqaer
quer sejam as allegaeoe ca qne ae faode.
5a Em todo o maio, que nao val eapecilcado
na presentes clausula, seguir-se-ha o qae dis-
pe a let provincial n. 286.
Couforme.O secretario,
4. F. d'Annuncimcio.
O Illa. Sr. inspector da Utasewrarte pro-
vincial manda fazer publico para cooheciaaenla
dos ioteressados o artigo 48 da lei previaciel n.
510 de 18 do jaoho do corrate sane.
Art. 48. E* permittido pagar-se a acia siza
dos escravos compradea ea qaalque: toapo an-
terior a dala da presente lei independis do
revalidaco e malla, ama vez qae oa devedor
actuses deste imposta, o faena dentro do exarci-
cio de 1861 a 1862, oa que nao o fizeroa fieario
sujeitos a revalidaco e multa ea dobro, sead*
m terco par o denunciante. A Ibesoarara
fari aonunciar por edital nos primeiro la diaa
de cada mez a prsenle dispasiea.
E para constar ae mandou afBxar o presento
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 8 dejulho de 1861 .O secretorio,
A. F. d'Aununciacio.
O Illm. Sr. inspector da theaonraria provin-
cial, em cumprimenlo da reoolocio da juota da
fazeoda manda fazer publico qoe ao dia 14 de
novembro prximo futuro vai novaaanle a pra-
ca para ser arrematado quea maior preco of-
ferecer o reodimento dos impoetoa d 8 4 /
creados pelos 5 16 e 17 do art. 4* da lei previa?
cial n. 510 nos municipios seguintes :
Bonito.
Garanhuns.
Florea.
Boa-Vieta.
Brejo a Cimbres,
E para cooslar se mandn
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria
oarobuco. 10 de outubro de 1861.O cajetele.
a. F. da Annunciacio.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em viMude da resolucia da jooto da fe
zenda Banda fazer publieo, qae no dia 24 de cor-
renta vai novamente i praca para aer arrematada
a quem por menos fizar a obra do morera da
cadeia da villa do Cabo, avahada ea 808*500.
E para constar so mandou afiliar o presenta
publicar pelo Diario.
Secretaria da theaonraria provincial 4 Per-
nambuco, 10 de outubro do 1861. O secreario
A. F. da Annunciacio.
afBxar o prosele
provincial do Fer-
ia rece-
0 Dr. Bernardo Machado da Coala Doria, Jais de
direito da Ia vara criminal e substituto da es-
pecial do commercio desta cidade do Recito de
Pernambuco, por S H. imperial vconslitacio-
nsl, etc.
Fago saber aos que a presenta carta de edito*
virem e della noticia tiverea, que por parto da
Ferreira & Araujo foi dirigida ao meu anlirrmsr
a petieio do theor seguate :
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz do commercio Di-
zem Ferreira & Araujo, que querem lazar citar
a Francisco das Chsgss Oliveira, par na primei-
ra audiencia deste tuizo ver assigaar aa 10 dia*
da lei a sua ltra da quantia de 1:266*543, a pa-
gar a de 9:067$543, saldo do principal, por ter
dado por coota em 28 de marco OOJ. a em 8 de
maio IOO9, pagando tambem oa reeecti*ee ja-
ros, oppoodo 00 decendio os embargos qua liter,
sob pena de revelia ; e porque o aupplicado ae
acbe ausente em lugar ignorado, vaem oa suppli-
cantes requerer V. Exc. digne-ee adaiiti-leo a
justificar a ausencia, e sendo quanto basto o jul-
gue por senieoca mandando pastar, carta enul
por 30 din, aflm de aer por ella citado o apen-
cado para oa termos da aceto, nomeande
carador inlitem.
Pedem V. Exc. deferimenlo.Esperas
ber merc.Advogado, Dourado.
E mais se nio cootinha em dito peticio aqu
transcripta, na qual eslava o despacho do theor
seguinte.
Distribuida na forma requerida. Recito 10 da
setembro de 1861.Domingues Silva.
E mais ae nio cootinha ea dito despacho, por
forca do qual a meama peticio fora diatribaida
ao escrivao deste juizo Maaoel Mara Rodrigues
do Nascimento ; e tendo oa aupplicantoa pradn-
zido euaa provas qae justificara a ausencia do
aupplieado em lugar nio sabido, subiram os an-
los minha concluso, e oelles diz a oBtenca do
theor seguinte.
Julgo provada a ausencia do justificado para
lugar nio sabido, e mando que teja citado per
ediioa com prazo de 30 das, e pague o justifi-
cante ss costas. Becife 2 de outubro do 1801.
Bernardo Machado da Coala Doria.
E maia se nio continha em dito sentenca aqu
transcripta, e em cumprimenlo da qual o referido
escrivao fez pasear a presente carta da edito cea
o prazo de 30 dias, pelo qual chamo, alo e hei
por citado ao supplicado, para qae dentro do re-
ferido prazo comprela neate juizo para allegar
sua defeza, por ludo o cooteado na peticio ciata
transcripto, sob pena de proseguir a cauta o ana
termos a aua revelia; portante toda e qnalajaer
pessoa, prente, amigo, ou coobecido do referid*
supplicado, poder fazer sciente do que ida*
fica dito.
E para qae chegue ao conhecimento de I
mande! passar o presente, que ser alBxtde l__
lugares do costme e publicado pola iapreaaa.
Recite 7 de outubro de 1861, quadrageaaiBoda
independencia e do imperio do Brasil. Ea, Ha-
noel Mara Rodrigue do Naacimenlo, eeerivae
subscrevi.
Bernardo Machado da Coala Doria.
Wanderlev, para
ser trocad por urna sua com o Sr. Jos lerony-
mo Monleiro, e msis outros de que se oio teeor- truecoe de que remelle e incluso exemplsr ira-
da o abaixo aasigoado, que por isao protesta con-
tra quem pagar a Passos Lins, qualquer da re-
feridas letra, protestando ao mesmo lempo con-
tra Pacaos Los e Wanderley, os quaes voz pu-
blica acredita sssociados nos lucros ds exilada
firma oeprameneionada, assim como igualmente
associodos no depoimento dado contra o abaixo
assignado ; pois que elle entregan do a Wander-
ley oa tituloa sceilos pelo comprador da massa
como dito par serem substituidos por troca,
nao sendo trocadas per Paseos Lins, o pe na res-
poasabilidade de taes ttulos, e isto o qne quer
evitar o abaixn assignado.
Fortaleza, 30 de setembro de 1861.
Candido Nones de Mello.
(Transcripto do jornal Pedro 11 do Cear )
Neo boa qaestlo 6, par corto, mata avenado
na diseaoti larga, Aa urna ampia etaboracae;
le se m attooiav rae f*od-e a* i
COMMKltClO.
Novo Banco de Pernambuco.
O banco paga o 7- difiriendo de 12|
por acco, relativo ao semestre fiado
em 31 de agosto prximo paisa do.
232 867*064
.
Deeiara$oes.
e tVedlmenta 4* atol a
Moa odia 11. .
16.
Movlmenlo Aa alfAssdtoant.
?alaraeeaatfadoacomftendM.. 6
a oa gneros..
Volames sabidoa toa fazendas..
eom gorreros..
presan; fazendo-lhes essa cmara ver as grandes
vaniagens, que hito de resultar da referid expo-
sicio, nio s psra a agricultura, mas tambem
para a industria do paiz, como um dos maia con-
venientes meio de animac.ao para o desenvolvi-
mento de lio importantes fon te de riqueza a
cional, a que o governo presta a mala seria at-
tencao, contando eom o concarao de todos os ci-
dadios, e especialmente daa municipalidades, ao
empenho de preencherem por este modo um dos
principaes flus desoa instituicio.Antonio Mar-
colino Nunes Goncalves.
*.a aeceo.Palacio do governo de Peraamba-
co, em 13 de setembro d61861.Declarando-me
o Exm. Sr. ministro da agricultura, commercio
e obras publicas era aviso, expedido) em 19 de
agosto ultimo, sob n. 18, qoe a exposico desta
provincia deve ter lugar no mez de novembro, e
nao em dezembro, como por engao se diz as
ioatruccet, de que remelti a cmara municipal
ds cidada do Recite ara exemplsr irapresso em
oflicio de 4 do corrate, apressof-me a communi-
car a mesma cmara em adultamente do aeu ci-
tado oflicio, que a exposicio ser abexta nesta
cidade 00 dia 7 de novembro prximo viodouro.
Antonio Marcellino Nones Goocalves.
O IllorSr. inspector da theaonraria pro-
nm*tmai Itoe.,,l,,, TrtU0 ordem do Exm. Sr. preai-
17.S4|674 dente la provinci de 4 do eorretr mas, aanda
tazar publico, qae 00 dia 24 deste mes, peraole
a junta da meama thesouraria ae ba de arrema-
tar a quea por menos fizer, a obra de 480 bracas
de empedramento em diversos lugares da esita-
" J? Victoria, avallada na importancia da ria
7:986J0O0.
A arrealacio aera (alta na fraa da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de aaio de 1854, o sob as
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As petsoas que propozerem a esta arrema-
A directora da caixa filial toa delibrala
marcar o prazo de 30 dias para o reeelhiaeeto
das sedalss de 20*000, fiado o qaaes ettoiio
sujeius ao descont mental progreeeivo do 16 O/f)
de cooformidade cea o decreto a. 2664 de 10 ato
outubro de 1860. Heefe 10 do outubro e fe*,.-.
O aecretorio Interino, Luiz de Maraes Goae Fer-
reira.
CvDseih* adnBistraUv*.
conaelho administrativo para
O
do arsenal de guerra tea de comprar aa ebjectoa
seguintee :
Compenhia de estallara do liaba.
11 espadas coa baiabaa de ferro.
Quem quizar vender toe objeetoe a prevate as
suas propastas ea caria fechada, oa secretoria A
conselho, s 10 horas da maahia do dia 14 do
correnle mas.
Sala daa sessoes do conselho administrativo,
para furoecimeato do arsenal do gama, 7 d
outubro de 1861.
Berilo Joi" lomean* Lint,
Coronel presidente.
Frencieeo Joaquim Pereira Letm,
Coronel vogal secretario tal
280:791*788
997
999
6
469
Vie-consulado de
Hespaoa em Per-
oambuco.
Participo los subditos de S. IL
easalar qoe habieaeV
f.inai fai4eJaairo, aa
fecha aa el ejerca* asta load
roa do Traptcbe n. 18. iwaahasa 7 da
El-Tice-eoaaal 8. M.,
Joan Aoglada Hijo.


w

summmi
m

.
J
I
f
.
Im preter velmente no da 15 do correte, inda
recebe olgumi carga a {reta, e escraeos para am-
bos os portos: trsta-se com os eonsigettactoa
Marques Barros & C no largo do Corso BoaV
lo d. 6.
A commissao directora da Expsi-
ta AO' agrcola emdiNtrtal, que tero' la-
gar no palacio dogoverno no da 7 de
nsombro vindouro, manda pelo, pre-
sente fazer publico que no da 26 de
outubro prximo comecarao a ser alli
recabido o objecto trae tenham de fi-
gurar na mencionada EXPOSIC.A'O.
Sala das tetsdes da commissao 30 de se-
tembro de 1861 .O secretario,
Joaquim Pires Machado Portella,
Trtmayosal alo amrelo
Fel amalara do Iribanal do commercio d
proviacia, da Promboce te faz publico, que
BNla dala Ui inscripto ne litro compeienle o
-Se. JdeMoaiz Teixeira Guimarae, na qualida-
da do agente do leiloes desta praca.
Secrtame do tribunal do commercio de Per-
nambuco 11 de outubro de 1861.
Julio Guimares.
Ottciat-maior.
Conselho de compras navaes.
Ordenando o Eim. Sr. presidente da provincia
que se contrate de novo o fornecimento de pao e
bolacha, no correlo trimestre 5 Andar em de-
zeaabro prximo, pao oa navios da atinada o es-
tahelecimeatoa de marinha, coro quem por meos
-O laca, ser viudo de bao os tesaintes procos:
4J256 pela arroba da bolacha e 4*142 da do pie,
offereeidos par MidooI Antonio de Jesu< ; man-
da cooselbo tiaer publico, qae lera isao logar
em 12 do crrante mez i vista de propostss re-
cabidas- neate da, em carta fechadas, at s tt
hars da manba.
Sais do conselho de compras navaes, em 5 de
outubro de 1864.O secretario. Alexandre Ro-
drigues do Aojos.
tala administracao do correio desta cidade,
se faz publico qua as malas que tem de cooduzir
o vapor Crnxtiro do Sai para o portos do tul,
ser otar hadas hoja aa 3 horas da tarda : os sega-
ros a t 2 hoaas.
A. directora das obras militares precisa
mandar cai&r o quarlel da companbia fixa de ca-
vallaria, e convida as pessoa que desta servio
se queram encarregar a comparecer na referi la
directora com suas propostu, das- 10 horas da
maoha is 9 da tarde nos 11, 12 e 14 do corren-
ta mez.
Directora das obras militares de Pernambuco
10 de ontubro de 1861. O escripturario, Joo
Mooteirode Andrade Malvina.
Por esta subdelegaca se faz publico, que
se acha recolhido casa de detencio o preto Ma-
noel que diz.ser escrave de Antonio Soares, se-
nhor do eogtnho Pioaentas, comarca de Santo
Aotao, e declarou estar fgido a 15 dias: quem
se julgar com direilo comprela munido de seus
ttulos, que lhe serS entregue.
Subdetegacis dos Aogados 10 de outubro de
1861'.O subdelegado,
Jbs Francisco Carneiro Monteiro.
Grande baile
NOS
Saloes do caes de Ap&llo
Sabbado, 12 de ontabro.
O qual dado por um particular, qae espera
grande concurrencia do publico, em consequen-
cia d ter convidado grande Dumero de damas e
cavalleiroi, e empregado todos os meios para o
brilhanlismo desta nnite.
Ser enmprido fielmente o regulamenlo de
Illm.Sr. Dr. ehefe de polica.
Entradas para homens 2JO00 ; para senhoras
gratis.
Atsos martimos. "
Para o Aracaty e Ass
segu com brevidade o'hiate Dous Irmos ;
para carga trata-se com Martina 4 Irmto, ou com
o meslrejjoaquim Jos da Silveira.
Para em dreitura.

Segne com brevidade o veteiro brigue escuna
Graciosa, capito Joao Jos de Souza, por ter
prompta grande parte do earreg%meolo : pareo
o resto trata-se com os consignatarios Almeida
Gomes, Aires & C, ra da Cruz n. 27.
COMPANHU BRASILEIRA
DE
Eipessj-se da tortas i aorta affo dia 19 *
LULO
O agante Hyppefito por ordem tos
** N. O. Bebcr 4 C. succestog-es por
canta e risco de quem pertenece e des-
pacho do Itlm. Sr. Inspector da alfan-
dega levara' a leilSo na porta da alfan-
dega terca-feir 15 do corrente, as 11
os pactas do tul.
ada i* recobem-ae paeisaaau
veri ser embarcada no dia de sua chegada, en
cora meo daa, dinheiro a frote at o dia di sarna*
as 3 horas : agencia ra da Cruz n. 1, eicriptorio
(te AzaveSo & Mendes.
correos a rapar Cruz*ii" d Sul,
o capiasle anee gusaseraz
|ual depotsae demora ocostume seguir para entradtj Oeste poitO em 5* de JUnho dtf
cor hornets de ditos avaiiados a bordo
do patacho americano L. C* Waw
BOTA
exposcfttde candieiros
ECONMICOS
- \*%^&*
O preprietario daaie eemsetei-iiuente avisa ao
o que contina a ter um riquitstmo e va-
horaaen noD*as c obiecto sacuintea :**ilel ,orl*anlode caaduuro para ledueoaser-
7 ~7-~ a!-T^., ZTi.T*^ ," qf Meis* coree om grande Oposito
7 c*ixas>vejm Chapea de palha. 4 dita d* gaz da mofear qnetMaft ejne ea apaatecido,
corrente an na.
CwIPAJflU PRNAffiUCAll
DI
Xaveg8tcsteiraavapr
Parahiba, Rio Grande do Norte, lia-
cao do Au', Aracaty, Ceara'
e Acaracu*..
O rapar alguarass, oommaeosoto Viesa.
sahir para es portos do norte al a Acarac
no dia 22 do corrente mez s 4 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 21 ao meio dia. En-
commeadas, passegeicoe e dinheiro a frote al o
da da aahida as 2 horas: escriptorio no Feria
do Mallos n. 1.
DAS
Messageries imperiales.
At o dia 14 do corrente espera-se da Europa
o vapor francez Bearn, commaodante Aubry de
la No, oqoal depois da demora do costume se-
guir para o Rio de Janeiro tocando- na Baha,
para passagens etc. a tratar na agencia ra do
Trapiche n. 9.
Ayso* 4iyeraos.
A paga da subscripclo deste- Diario 5)
por trimestre, toeote tem lugar decir do In-
dias do primeiro mez, e dspois smente ss rec-
bela 60.
LOTItla
Terqa'-fera 22 do corrente andarSo
impreteiirelmente as rodas da terceira
parte ra prtmeira loteria a beneficio da
matriz de S. Lonrenco da Matta. Os
bilhetes e meios bilhetes se acham a
renda na thesourara das loteras ra
do Crespo n. 15 e as casas commiuio-
nadas. Assortes de 6:000j e de 5:000$
serio pagas 3 dias depois da extraccao
e as outras a entrega das listas
O thesoureiro,
Antonio Jos'Rodrigues de Souza.
Antonio Francisco Crrela Cardse vai aos
portos do norte, a tratar de" negocios.
A conNZMSso liquidadora dos credo res da
casa do tallecido Marroel Buarque de Macedo Li-
ma, roga aquellas petsoss que so julgarem era-
doras por letras oucontas de livros, que se diri-
jan! coa os seus ttulos mi da Cadeia do Re-
cite n. 26, primeiro andar, das 10 horas da ma-
oWa s2 da tarde, paraserem-verificados e clas-
siQcados cela referida commissao
Precisa-se de urna.criada portugueza para
engomrnar coser : oa roa Nova n. ^
Desappareceu do sitio das Roseiras, na es-
trada do Rosarinho um cavallo pedrez, grande,
descarnado, e andador Baiuo ; quem o aprehen-
der, leve-o ao mesmo sitio, que ser recompen-
sado.
Jos Domingues Goncalves, retira-ge para
faro do proTioci.
oeKseekaantaa ploocossasadoreo, coobecidos
vardtdsftausats ecoswmiaes.
CnHeirosisnoaHss a gaz
Candieiros econmicos a gaz,
CaoaUire* econmicos faz.
andieifsa esoootnfsoe s faz.
Candieiros econmicos a gaz.
a roa* aova o. SO a 81.
Francisco de Assis Albuquerque Austria avisa
a qoera iatereeaar posta (fus, (ende, ha anaoa,
algumas iransacges com oSr. Joao Caaemire da
9Hv Machatfo, a quero comprara fazendas, pas-
ee* a este em ajuste d cuntas urna latir da quoe-
lla de 1:3113945. por ser este o saldo que resul-
ta* da coala correte apresentada pelo mesmo
seohor, e havendo-te verificado na metma coeta
crrante, alm de onSroay atn ogao-do 87|0O,
reconhecido pelo Sr. Casimiro, quando lhe fot is-
so observado, sendo qua oenhnms duvida sppoz,
antes terminante coofeasou a veracidada de exis-
tencia des engao, nao se considera hoja deve-
dor ao Sr. Jbao Casimira do total da referida let-
tra, nona un tem em poder de aseis senhor,
valo como, havando pastado eas letlra pele
quaotia de 1:311J>9{5 por ser esta a importancia
do sald que apreseniavam taes Contas, annun-
claote, em viste a reeseftedmeoto feilo pelo
proprio Sr. Joao Casimiro, ase se acha obriwie
seoio a pagar detsa leltra a quantia de 7z4bd4i,
fleande so annunciante salvo seu direilo em re-
taceo a outros engaes.
Recite 11 de outabro de 1861.
Francisco de Assis Albuquerque Austria.
Apromptam-ss bombas de todas as quali-
dadesem cacimbas e nao se recebe o ajuste em
quanto nao estivfr a vontade do dono : defronte
de matriz da Boa-Vista o. 81, o aa Gapeoga ta-
berna grande dos 4 cantos.
Attenco
Precisa-se alagas urna ama detalle, preferia-
do-te escrav : tratar na ros do Queimado n.
, prrmtire andar.
Precisa-se alagar Urna escrava pa-
ra, o trrico da urna casa de familia : na
ra da Cadeia do Recifen. 53, terceiro
andar.
Crftrvalbo, Nogueira C,
aa ra do Yigario o. 9, sacara
sobre Lisboa e Porto.
RE4L rOMPAMUV
DE
Paquetes ingezesa vapor
At o dia 15 do corrente mez espera-ae do sul
Or vapor Tyne, o- qual depois da demora do coa-
lume seguir para Southamptoo, tocando nos
portos de S. Vicente e Lisboa, para passagem
etc., Irata-se com os agentes Amamson Howie &
C, ra do Trapiche Novo o. 42.
P. S. Os embruihos s se recebom| at duas
horas antes de te fecharem as malas ou ama ho-
ra antes, pagando um pataco alm do respecti-
vo frete.
I
{Gabinete medico ciriirgreo. J
Ra das Flores n. 37. s>
Serio dadaaconstUas medlcas-cirurgi- bj
es pelo Dr. Estevao Cavalcsntl de Albu-
Squerque das 6 sslO horas da manhia.ac-
cudindo aos chamados com a maior bre-
vidade possivel.
i' Partos.
2.* Molestias de pella. 0
3.* dem dosolhos. a
4.* dem dos orgos genitaes. %
sj Praticartoda equalquer operagao em %
% sen gabinete oa em casa dos doentes con- %
% forme lhes fr mait conveniente. dj

i
s
a bondade de
do Germano.
Liloes.
.
Leilao
Grande laboratorio a vapor
DE
tamil
MMMU
ROUPA.
DE
Os aballo asstgrrades tenbam
apparecer na ra Nora n. 21, toja
Jos Antonio Ferreir da Silva.
Francisco Xavier Venancio Pimenta.
Pedro de Astis Campos.
Suzebio Bezerra Cavalcanti.
Manoel Rezendo do Reg Barros.
Alugam-se o segundo e terceiro andares
com sotao da casa da rus do Trapiche n. 44 ; a
tratar no mesmo armszem de fazendas.
Ensino de preparatorios.
?> bacharel A. R. de Torres Bandeirs, professor
de geographia e historia enliga ao Gymoasio des-
ta provincia, tem resolvido abrir novos cursos de
rhelorica, de geographia e de philosophia, assim
como das linguss franceze ingleza, a principiar
do dia 29 do correte ; na casa de sua residen-
cie, roa do Imperador n. 37, segundo andar, en-
trada a direila.
Casa de saudc.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier fas sobas
lem reorgaoisade- ave case desande, mi
casa, propriedede da meas i "
o sos antigo ssUbel'.asler-
Bca ao serte da ostra4a d Pi
oa, entre pools grande e pe
menino, oed eeoiiet a ruesber
das as csthegorias, e ambos as sexos, I
o methor trata nenio pelo sseaer prc<
O seu estabelecimeato cae-a moa
ledo aasain na melbor ordem, o pera maia
modidade das postea paaeisras > aserew
para aquellas qua neile te qaiaarss* tratar,
determinado as moi razoaveia diaria abis
claradas,
At opersedes serio justa previameata,
paradamente daa diartas. coelrUm-M
toa por juste, pedesde os dees
bem pala hemeopathia, para aojoe tea
dea reservad.
O serviee medico ser feilo palo dctit
rumias opauder do grande beepttal de c<____
o Illm. Sr. J>ot Francisco PiaU Guimares 9 pe-
lo propnetario do etubelecimeab.
Este estsbeleciment recoststesoevel j pele
boa cssa da que diapoe, e j pela eoosicie by-
gienicaa em que se acb edite*, pe le<|.
qae alem de ser porto da eidade agradavel.
O seu proprieuno espere, pesteale, do samo
amigos, antigw Brsgaszes o maia pessoa, seo
cooperario em bem do progrewo de seo estis)
lecimento, psrallsado por aio poder acharas
testa asile, em virl4e d bver Me su!
lid de urna grave enfeimidads; perem boje ja
se acha completamente rtstabclecrdo, prsmclt
esforgar-sa na boa ardem e directas do tratasstn-
le dos aeentea.-
Diariasescravos fftlti
2.a ordem 3SOS*J.
1.* ordem 3WWO.
Para entrada do doenlea ss derar tratar aa
o referido Dr. Firmo, na casa de sea restdesvia
ra nova de Santa Bita a. 7, com Brete para
ribeira do peixe, ou no sa eslaaelaeimeoto.
_ O aboli asaignado, tsade vendida a sea
lojade mludezas tita aa roa da Imperador, fas
sciente ao publico e sos seas fregases, desa-
dores, qae muitou 1 sus residencia peua raa asa
Trincbeira, sobrado a. 8, primeiro sedar.
Joaquim Henriqaes da Silva.
Quem preciaar de asta eptiate ama pare
servio interno de orna casa da peeci Uat Ja.
inclusivo o engommado, dirija-se a tras
Carmo n. 10, toja.
Pedido.

GOIPANHU PEMAIBCCAA
DB
Navegado cosleira a vapor
O vapor Pcrsinvnga, commaodante Uoura, sa-
hir para os portos do sul de sua eseala no dia
19 do correnta as 4 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 18 ao meio dia. Enconamendas, pea-
8ageiroa e dinheiro a [rete al o dia da sshida s
2 horas : escriptorio no Borle do Mallos n. 1.
Para o Ass
segu em poecos dias e hiate cCamaragibe, mes-
tre Virginio Justiniano dos Santos ; para carga e
passageiros, trata-se na ra do Vigario n. 5.
Para o Aracaty
segu em poucos das o> trate cReberibe, mestre
Bernardino Jos Bandeira ; para carga o passa-
geiros,trata-se na ra do Vigario o. 5.
Cear e Acaracu'.
Segu oestes dias o hiate Sobralense, capito
Ratis, recebe carga e passageiros ; a tratar com
Gaetano Cyriaco la G. M. & Irmao, no lado do
Corpo Santo n. 23.
Sem reserva de \>reeo.
Sabbado 12 do corrente as 10
horas em ponto.
DE
Movis, cabriolet, carros da
alfandega, cavallo e roupa
fetia etc.
Jos Muniz Teixeira Guimares, agento de
leilao prximamente nomeado pelo meretissimo
tribunal do coirrmercio far' leilSo no dia e hora
cima em seu armazem na ra do Imperador
{outr'ora ra da Cadeia) n. 37 de tudo quanto se
achar patente em dito sea armazem coosittindo
em ricos movis, um lindo cabriolet com arreos
em muito bou. astado, carros da alfaodega, um
soberbo cavallo com aodares e que tambem ser-
ve para carro e cabriolet e de um grande sor -
| ment de paletots de panno-fino forrados da so-
da, calcados etc.
Tambern
vender na mesma ocessiao ama escrava com
habilidades mu propria para o servico domesti-
co. O mesmo agente estreando sea tirocinio
nesse emprego espera merecer franca coadhiva-
cao do resaeavel corpo commercial, de aeus
amigos e de todos em g-ra! pelo qae lhes pro-
testa desde ja eterno reconhecimento e envidar
todos os meios ao seu alcance para qa cumpria-
do fielmente os seus deveres jamaos acorra no
desagrado de seus conmtenles.
LILAO
DE
LAVADA.
70
roo
8a
.OD
. i600
. mono
. asooo
500
. 10QQ
40 rl.






LAV\0A, CO-
SIDA E
ENGOMUADA.
160 res.
120
160
900
240
Aracaty.
L0S10
Roapa da familia-, iniiainctimetita, pecas grandes e peqneeas. .
Roupa de navios, vapores e bospitaes........ .
Pecas grandes isoladamente como leocoes, loalhas de mesa'. .
Roupa de doente de familia, que nao seja freguesa. .. .
Boupa misturada que atguem sm ser fregaez exigir que se lave.
Urna rende vindo casa maia roupa.............
IJms rede isoladameote...............
Ura cortinado de cam de casal vindo com mti roupa. .
Um dito dilo isoladameote............,
Um dito dito de solteiro oa varand....... .
Um dito dito isoladamente.........[ \
As pessoas queao quirerem mandar engomrnar toda a roupa, laboratorio encarrega-se
de mandar aogpmmsr as seguales pecas, pelos seguales preces:
Vestidos lisos.....600 ris.
Sai.s.........900
Camisas de homem. 160
Calcas....... 280
Colletes.......160
Paletots......: 460
Colariohos......40
O laboratorio encarrega-se de engommados de objectos de seohora os mai delicados, e pa-
ra ieto temj cooUaladoas mais habis engommadeiras nacionaes e estraozeiras, que entre nos
exisiem.
No preco dos engommados de roupa de familia, excep'uam-se os vestidos, gollinhas, man-
guitos e mais otijectos que forem guarnecidos de rendas, babedos, pafos, rifas, etc., etc., -bem co-
mo os cortinados de berce, cams, veranda, que se pagaro segn lo o ajuste.
Quslquer qae exigir roupa somente lavada, ou tambem eagommtda, com mais brevidade
qae a designada, pagar mais 25 per eeoto sobre o preco. s
O prazo na entrega da roupa ser por em quanto 8 dias depois do recebimento, e da lavada
e engommada 15.
A rouoe de familia ser lavada em machina separada da doa hospilaes, e as
regadas do servico da rouoa aero mulherss.
Os proprieiariusuanaro quilquer pega que se estraviar, eafianssm que aVco das machi-
uas inieiramenle iBoSenaiva.
Quaiquer que mandar roupa, recebnr um vale do numero de pegas com adeelaiacao do im-
porte da lavagem, o qual ser restituido com o competente importe oa occasio de se entregar a
roupa prompta, sen o que eati Qcar depositada.
O estabelecimeato encarrega-se de tirar nodoas de quaiquer natureza, precedendo um
ajuste.
Os proprietarios rogam a seus fregaezes o obsequio de maniarem roupa suja, apenas isce-
bam a lavada, para aasim maater a regularidad do servico. *
A entrega e o recebimento da roupa aa cata de banhot, no pateo do Carmo, em todos oa
dias uteis das 7 horas da msnhs s 5 da tarde.
CONSULTORIO ESPECIAL BOMEOPATHICO
DO DdBJlOR
SABINO O.T. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6\
Consultas todos os das atis desde as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiates molestias :
molestias da* tnulheret, molestias das crian-
eat, molestias da pelle, molestias dot olhos, mo-
lestias syphililxcas, toda as especie* d* febrtt,
ftbrtt intermitientes e sua* consecuencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMP.OPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
falliveis em seus effeitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos preQos mais commodos pos-
tiveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Stbino sao
anicamente vendidos em sua pha-rmacia ; todos
que o forem (ota delta sao falsas.
Todas as carteirss sao acompaohadas de um
Impresso com um emblema em relevo, teudo ao
r6der as seguintea palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
da. As carteiras que nao levaram esse impresso
assim marcado, ambara tenham na lampa o o-
cos do Or. Sabino sao falsos.
O Sr. acadmico do terceiro armo
Jo3o Jos de Moura Magalhaes, queira
apparecer a ra das Gruzes n. 44, se-
gundo andar.
Na travessa da ra da* Gruzes n.
2, primeiro andar, continuase a tingir
com toda a perfeico para quaiquer
cor e o mais barato possivel.
Aluga-se uma excellente casa de
campo com todas as commodidades de
familia, com sitio grande, coebeira, es-
tribara etc., a casa construida ha poa-
co tempo com terraco a roda sita .
entrada do Poco : a tratar eom os pro-
pietarios N. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4.
Manoel AlvoGuerra saca sobre o Rio de
Janeiro. *
Precisa-se alagar um andar de casa, que
familia: aa ra do
O abaixo asignado, teodo ha tres
bado com a sua loja de calcado aita aa rs_.
do Rosario o. 32, e como nao tenha sido postile!1
por mais que tenha pedido, por iresmest,
esta folha, a pesaoaa que a acham a aever
venham pagar auas contat, a coma tcaha _
desprezado pelos seus devedore este pedida, i
isso eat resuivido a chama-Ios par ata M
sendo que nesles oilo dias aio alteada aa sass>
justas recia macoes. Joaquim Bernardo ao Ria.
Aluga-se uma caaa oa ftoavUgem res boee
commodoa ; a tratar oa raa do Imperador a. f?.
Precisa-te de uma ama para ceziaaar ; aa
roa das Crures a. 36.
Precisa-se de uma ama para teda aarsico
de uma casa de pouca familia ;. a roe do Artas
numero 12.
Sitio para a lugar.
Aluga-se o sitio do Moauro, cesa bee sea.
sonde morou o fallecido pai do saaatmaln. test
cocheira, estribara etc. ; a tratar cea saetea!
A Ivs Guerra, na ra do Trapica* a. 14.
Alugp-se a leja do obsedo a. Mae raa da
Imperatnz ; a tratar no mesmo sobrada aaaa
Frederico Chaves.
Sexta-freira 18 do correal, fiada a inaaa
cis do Sr. Dr. juiz municipal da 1" vara, sata ar-
rematado em ptaca publica por venda ai
Aguas Bellas com lodos seu perteace el
proprias, boas malas virgen vaneas para |
taco bom pasto para animaos, perla es praca par
ser oa freguezia do Alonados, casa da atoradla
etc. etc., ataludo por 16.000, por sacacbe da
Jos Pausiioo de Lemot coaira Jos Reditaeea a
Oliveira Lima.
Amoro IrmSos, coasigaatarlos da ansjae
portugaez Margai ida, recealeaseata rasgada de
Lisboa, avisam ao Sr. Jos Antonio Svsrrs. sjaa
no trapiche da alfaadea sisaeot 8 cata
ceblas, 5 ditas coa bateles e X ditas casa
vrndas neste navio, das oasea qaeira
marconta.
aaaaaaa encara tenha bon" commodos para
DCr" Imperador n. 7 2 andar.
0 hiate Aracaty, mestre Joo Benrique de
Almeida, segu por estes dous dias para Araca-
ty: para carregar e passageiros, trata-se com Tas-
so Irmo.
Brigue nacional Veloz.
' Recebe gneros estrangeiros para o Rio de Ja-
neiro.
1L_.....w
O palhtbote nacional Dous Amigos, capito
Francisco Jos de Araujo, segae para a Baha em
poneos dias ; para o resto da carga qae lhe falta,
trsta-se com sea eoosigaatari Fraacitco L. O.
Azevedo, oa ra da Madre de Dees n. 12.
Sr.
Para
No da 14 do crrante.
Evaristo antorisado pelo despacho do Exm.
Dr. jatt de direito e interino do cotnmercio Fran-
cisco Domingues da Silva s roquerimento de Al-
berl Atchoff, far leilao de ama porca de relo-
glos de ouro e prata, para liquiJago do mesmo
Sr. Albert, no aeu armazem a. 21 da fu do
Vigario, aa It horas do da cima.
LEILAO

DE
RiodeJaoe.ro,
pretende seguir com muita bravidade o bxigae
nasioaal Veloz, tem paite desea ctrregamea-
ta prompto : para o resto que lhe falta, trata-t
-casado aeu cootignatario Azevedo 4 Mandes, ao
asa escriptorio, roed Croi n. 1.
Para.
O patacho Emolacia aesjua em dirailora aa
porio iadiesda; ara o piatsjsjl Ibt torte-, tr-
ta-fe cem Moretea & Feneir, ras dar Madre da
naaB. 8. a
o Grande o Sul palo Rio de
i atjji
MOVIS.
Segunda-fetra 14 do corrente.
0 agente Antones (ar leilao em sea srmsxem
na (He cima designado de immensidade de tras-
tes seetero entregues por todo preco obtido por
neo bavtr limites e em razio de esperar ama
nes-s remessa, as 11 horas em ponto do referido
dio.
LEILAO
ELIXIR DE SALDE
Aluga-se.

O husiital militar praelM da am bo-
mem que taiba ler e qae esteja as eea-
diecea de exereer o lagar de ajadaate de
eotermeiro.
DE
Uma armaco.
A dinheiro ou a prazo.
Terca-feira 15 do corrente.
Id tsade efectuado o lelliu
[ros da ra do Anglo n. 1,
n ti hora sm aeato,
eacoDtrado.
Citrolactato de ferro.
llnieo deposito na botica d*s foaquim MarUnuo
da Ctz Corrcia A C, raa do' Cabng n. ti,
em Pernambuco.
H. Thermes (de Chalis) antigo pharmaceatico aprsenla hoja uma ora preparacio de ferro
eom o nome de elixir de citro-lactato de rearo.
Parecer aa publico am tuxo empeazar-ae um mesmo medicamento debaixo de formulas lio
Tarjadas, maso homem da selencia comprehene a necesaidade e importancia de ama tal varie-
dade.
A formula um objecto da multa importancia em Iherapeutica ; am progresso immenso,
quando ella, maniendo a essencia do medicamento, o torna agradavel, fcil e possivel para todas aa
idades, parolados os paladares e par todos os temperamentos.
Das nam-rosa praparaces de ferro al boje conhecida neahuma rene to beliaa qualida-
des como o elixir de citro-laetaclo de ferro. A sea sibor agradavel, rene o tomar-seem uma pe-
quea dose, ser de ama prompta e fcil dlssolueao ao estomago, da modo que completamente
aesimiledo; e nao produzir por causa lactina, que costera em saa esmpoaisao, a conatipacao de
entre (requmenteme provocada pelas outras pceparaeoes terroejiaoeat.
Ettas nova qualidades em oada alteram a aeieacia medicamentosas do Ierro, que tendo uma
sobstancia da qual o medica aa aa pode dteeeesaa em sua, cliaica, de iooomparaaei aMUMe
quaiquer forman qae I be d pro prf edades taes qae o pralieo posta prescreve aem receto. W o
qae coosegaio o pharaaarwataa Thermea com a preptragio do ciUo-Uclacte d feuo, Aaalm eiie
medicamento occntai aejk a. primeiro lugar entre as numerosa preparacee fdrroginosas, com o
bjaTi
gsado peto awior
eatra-
aUasta a pratiea de muito madlcos distinctos que a lameaaaado. Xemado sa"<
aaaaao proveilo naamolesafes de languidez! cblorose paltldas ebrea ) na debilidade subsequente ss
de urinas

aeaiorrhaaias. tu hjtUapesias %ue apparveam depois das nter_
por debrltiade, es arelas braacas, na escropbiala oa rashititma, na poraara
eoavaleseeocia daa maiai taa grase, aa alare aaemia i as, en
em qae o saogue acaa empobrecido ou viciada paita fedtgas. afecee throniaa, mima
capasaav caaaroaa\ *hikiica, tateesua veaamoa, onemsoaae uaa ptaiaogado aaaa
Islas SBsrmidsdes aaadtt mai frqume s eado a ferro a annepal ibcIo que o \ grande da^^^H
mia para aa debelar, o aador do dtaer-Uo W^^~
Urna oasa com grandes commolos para grande
familia na Capunga Nuva, confronte o Dr. Perei-
ra do Carmo, urna dita tambem com muitos com-
modos no principio da estrada dos Afilelos, e
agua de beber; a tratar no sitio do Chora Me-
ninos.
A. commissao liquidadora dos ere-
dores da massa do tallecido Manoel
Buarque de Macedo Lima, pede aosSrs.
devedores a reierida casa que se diri-
am a satis fazer seus dbitos a referida
commissao todos os dias uteis das 10 ho-
ras da manhaa as 2 da tarde na ra da
Cadeia do Recife n. 26, primeiro andar.
A commissao roga mais a enes Srs. de-
redores, que nao a obrigue a lancar
mao dos meios udiciaes ou do jornal
para haver estas importancia de que
sSoseus de redores.
_ Precisa-se de ama ama que compre e co-
tiohe : na daa Cruzea n. 20, primeiro andar.
Na ra da Cadeia do Recife n. 11
segundo andar a prompta se aljmocoe
jantarpara casas particulares; na mes-
ma casa raz-sepastes de nata, pudn,
tortas, pao-de-l,boto inglez, aletria de
osos, anoz deleite, sendo encotnmen-
dado na vespera.
Precisa-te de ama ama de lente forra e aem
filbot, branca oa parda; oa rae. da Ioaperatris a.
53, segando andar.
fcociedakde bancaria.
Amarim, Fragosa,Saetea 4 6% sosa a reaaatB
saque obre a praca da Liaba*
Al**-e ama ca ao Beaeribe: e tratar
eom A. I. H. do Reg, na rae de Irapeae n. t*\
Saqu es sobre Lisboa.
Maooel Igascio de Olve|ra & P'lbe
InfWbM
Preaisa-se de ama ama par o servico Oa
um casa de poica Familia : a raa da I iTiamaa
to n. 9, aegando andar.
Antonio Alberto de Soasa Acaiar. fas acira-
te a quem posea in lar estar qae aae dea e aesa
d seu coosentimsata a Haaerl de Azavaoo Al-
meida, para vender aua Uhero kb qae a sasa-
mo Almeida aalde ana coeta cota a era*iie.
I'reciaa-te de urna ama pera reas de fami-
lia : oa Boa Vista ao voltar para a rae asa Pirra
terceiro sobrado.
Oa procuradores do casal da fallecida JeSe
Henriques da Silva peda aos Sr. piapriaierisa
que tem predios as roas da Aurora. Iotaera-
triz, beeco de Joo Fernaodea Viaira, Arsaj*.
Pires, Carnario, Tambii, Conceicio, airas da
matriz, Hospicio, Santa Croa, praca. adeane e
becca da Bomba, qae aio foreira tm siacat da
N. S. da Conceicio dos Coqueirot, tarea a aee-
dadede maadarem pagar ot (oros qae ettivorea
vencidos do que Qcar agradecida aa anan
tenhoree : no paleo do Carmo a. IS, aa piimth
andar, a quaiquer hora do dia.
S0C1EDABE BAKCAWA
Amorim, Fragoso Santo
Companhia
pagam o terceiro dividendo.
Alugam-se dasscasas na ladeira
douro de Oltoda na. ao e M, s ea
ra de Sania Hit a. 37; aa roa Kara a.
guodo andar.
Preeiaa-ae alagar deas oecravas pera
servio da cata e de roa : a tratar aa raa em
Uta n 79.
Aluga-se orna boa caaa ao Poce da
ra do ttio o. 16, com 9 sala a S
sinha fera.e quinUl grande, pela
nualmeote : na raa do Arajae a. %.
AI nga-a* o na tilia por delrss d* a>laala a
Sr. bispo em Olinda : a tratar aa roa das Goara-
rapes n. 48.
No din 10 do correala esa dlaale achar a
ha toda as amanea junta ae partee da UrJe
daa Cinco Ponas leite pera 3S0 a gazraa, das 1
at as 8 t|2 horas.
do ere-
47. aa-
i roa d*Ses
wmmA
DE
Escultura em Marmore
Caes do Baaos a. 30.
Se fezem atdeaprscoi'arpjaaalaa:
Conaolaa A LeU XV de llf a iS$.
Janlineiraa dem dees- de>9M a M9>
Coasolos la da M a a9f
Hesaa radon asa da ti a 5.
Lavatorios S 19 a 10.
Apsraderes aa9Jj]e9aV ibibbbbbbbbbbV-
Lelra gra
Pedra pera ot
las,
asar te inca
jMm*** n-


auu

*L-
OUAION
AMA.
Preisan de urna ama para cezinhar : na ra
o tingla n. 1,
Ricardo Bourn, subdito ingles, segu para
a Inglaterra. r
Aiuea-te un armazem na roa do caes de
Apollo p ; a traUr oo paleo de. S. Pedro o. 8.
~" Ag-ae urna caa terrea no tugar de San-
l Aona de dentro, cooi coramodos snfflciente pa-
ra grande familia, e o lugar o ruis saudavel
para a saude; a tratar do pateo de S. Pedro nu-
mero 6.
No dia 15 do correte, depoia
do Dr. juii municipal da I.1 rara
da audiencia
ha de
e
.. j.. luuuicipai as i.- Tira se na de irra-
Jr /caae,r*a de jcaranda, meia commoda de
cooduiu, eacrava Beuedicia. peohoradafa
'""c* Megdieleni.por execuyo de D. Maiia
A. reqoerimento de Jes Joaquim da Cunai,
testaaenieiro e inventarente dos bens do finido
Joio da Silva Moreira, tem de ser arrematadalna
rienelra audiencia do juizo municipal da 2.
te, ma casa de sobrado na ra do Raneel n-
valieda em 5:600, da qul uso-fructuario
a-
3,
do
d
ir-
?-
-------- -!- v uu-iiubiuinu uv
Pnwo rodar Domingos Soriano Pereira Sim jes
.'O abaiio asignado seguindo para o Bi(
Janeiro, t nao podeBde pestoalmente despe
e de todas aquellas pesioas que sempre se ( U,
naram hoonrem-m com nrmelo das presentes linhat fazer suaa despe-
didas Sebastio tees de Sousa.
Ama de leile.
Aluga-se urna z>reta para ama de leile, a qual
Wm multo bom leile, e muilo sadia ; a mea na
nao so serr para criar, como para lodo aer i-
co de caaa, pelo baratissiroo preco de 25$ lor
mez ; quera pretender, dirija-ae a Estrada No 'a,
? f. Donib8 grande, a tratar com Domiotoa
de Hollanda Ovalcanti. p
, ~baiao asignado, propietario do en
uno b. Francisco, na comarca da cidade da Vic-
toria, declara que em data de 30 de aetembre n-
do, pagou ao Sr. Joo Pinto de Lemos Jnior
do o aeu debito por letras e coala de livro.
cite 11 de outubro de 1861.
Francisco Antonio Bezerra CavalcantiJ
O abaixo aasignado
Monte Pi Popular Per-
Bambucano.
Domingo 13 do correte haver sesso de as-
aembla geral para te proceder a eleicao do cou-
aelho administrativo que tem de substituir o exis-
tente : devendo comparecer para dito flm os se-
onores socios que esiirerem em dia.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernamboca-
no 10 de outubro de 1861.
Jlo Francisco Marques,
i.* secretario.
Anda ae traspasas a poaae de alguos terre-
nos qne inda reatam na primeia e aegunda ra
projeclada por detraz da ra da Concordia com
frente para a traressa do Monteiro, e outros cora
frente para a travessa do Caldeireiro, contendo 30
palmos de frente e 150 de fundo cada um, offere-
cendo todas as commodidades para ae edificaren):
oa prelendentea podem enteoder-se com o abaixo
assignado. morador na rua-larga do Botarlo n.
18, padaria deManuel Antonio de Jess.
Quem precisar de urna criada porlugueza
para o artico interno de urna casa, menos cozi-
uar, dinja-se a ra de Apollo n. 37, terceiro
andar.
Quem quizer alugar um aitio com boa casa
de menda, baixas com eapim, arvoredos, etc.,
no lugar da Torre, dirija-se a praca da Indepen-
dencia as. 6 e 8.
1;300,000.
d 1:3009 a
em alguma
Na roa Direita n. 3, se dir quem
juros com seguranca de bypotheca
casa nesta cidade.
Na ra de Aguas-Verdes n. 4 precisa-ie de
urna ama.
Precisa-se de urna ama para o semen de
urna casa de urna s pesaos : detraz da matriz de
Santo Antonio, sobrado, primeiro andar.
Offereee-se um moco portugus para co-
cheiro de casa particular, traa bem de um Irear
que se entrega : quem precisar, dirija se a ra
das Cruzea n. 89.
O abaixo assiKoado, morador na ra da C-
dela do Reciten. 42, prefine a os aenhores ourivet
ou outras quaesquer pessoas a quem forera effe-
36, na das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
" largo d
A. F.Duarte Almeid, socio que foido armazem progresso, fa sciei fP
SKSH d STrad SCed*de 1ue tinha eom su "> ach.-s de novo esbeuT-
cido com dous celados armazens de molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gome,
de Souza, e oSr Paulo Ferreira da Silva; o primeiro na razao de Duarte Souza e oteaZfe
Utoo" K S,V*: e8te8 estabeleciTDU,S 0fferecem 8nd uglns'T^.
X nll^^^^ eommodidade'de
em
ao publi
tarem
wmmgmmm
- leudo risto no Dicho recidis algumss colheres de prala para sopa com
fliindl ?***> ditaea da cmara municipal, de I as ioiciaes J. L. V., que teodo sido roubadas ao
ouir.f Si"'1!!fA* P,en,o d 6r. I me8mob*" sigoado, as apprehendam; elbes
oiiirss pTopnedsdea, a de Naxarelh, fez saber A, roga mais que denuociem o ladro ao metmo
7 .?"!*! q,e Dllelro conhecido por ei le j baixo asaignado. ou is autoridades policiaes ;
7n ;C assuas guas. nunca oi Ion i- recabindo aa euspeilae sobre alguos escravoa que
deade^uurn.0?0?^ *lgT8' po" que ab,i" "'"lo Possue, prometle graticar a
ueaae secutes, parte das trras do eogenho Mm- pessoa que descobrir o roubo
ssngana, propriedade do abaixo assignado, q ie '
est promptoa mostrar a sismara pela qual oi
dado dito oiteiro, I i rae de onus, e bera assim
julgados dos tribunaee de primeira e segunda
instancia, reconhecendo ser elle propriedade
d 1861 "' Eogenh0 Mi0n8. 5deoutubo
Paulino Pires Falco.
Asjpessoa8 que tem obras lilas na traresi a
da ra das Cruzes o. primeiro andar, tenhain
a bondade de as Iprocurar at o flm do corren e
met, do contrario sero vendidas.
- Precisa-se de um feitor para o sitio de ui a
esirangeiro : na ra da Cruz n. 4.
Precisa-se de urna ama para casa de pouc s
na traressa do Livramento n. 18, se -
gundo andar.
da-R^L0?':? me,,de d" c"a D' 52' 8ita n '
da Roda : a tratar na mesma.
Aluga-se urna casa com soto no sitio do
Cordeiro, a margem do rio Capibaribe, cora com-
modos pire grande familia, cosinha fora, quarto
?.iini C,Xer,p,r,carro e ""baria para
csrallos. Outra no raesmo sio, a maraera do
r'..eiKm com,nodoi,1 P" 'filia, cosinha fora
Ce?on?5P"" C" : lral" D p,,eo d"
-.C" T*ri00 d, Neres Ferreira da Cunha faz
saber a quera posta interessar que nesta data
23KS Berli" Therfi" da Je. s. de
f.ri ?" rJ,'da Guia D- **, nao e respon-
sibil... pelas dividas da mesma. o faz o presente
cife, 11 de outubro de 1861.
i^J"?"^ dtt" b088 ca"s no CcnDgi a
5!..d "?' ?0tD lenle coramodos. para
e pastar a testa : tratar na rui da
n. 42.
Arrenda-se
familia :
Paz
Antonio llaooel Bastos.
Alugam-ae o segundo e terceiro andares ds
casa da ra do Amorim n. 41, proprios para
grande familia, com viata para o mar ; a tratar
uo armazem da mesma casa.
PADABIA.
Aluga-se a padaria da traressa do Pires, a qual
est prompla de lude, com muito boas coramo-
dos, eest aioda trabalhando, sendo aeu aluguel
muilo commodo ; a tratar na ra da Senzala Nora
numero 30.
'. iT~ 04 J,ciolno R'pozo Bego Medeiros Cas-
tello-Branco, da cidade de Ponta-delgada, da ilha
de S. Miguel, previne ao reapeitavel publico
que niogoem contrate, permute ou afore bens
alguos pertencentes casa vincular denominada
Castello-Branco, existentes os mesmos bena
na dita ilha. e que iudjtdimeule de mi f
administra iotruaamenlHlntonio Moreira Cordei-
ro, intitulado Caatello- Branco, resiliente na
villa kde Jos de Mipib, do Bio Grande do
Norte, por que o aonunciante tem em juizo na
comarca d'aquella cidade e ilha accao de reivin-
dicacaodos mesmos bens pelo cartorio do escri-
vo Luiz Msria de Mora es Jnior com o dilo An-
tonio Moreira Curdeiro, instalada era 31 de ou-
tubro do 1853; por isso que taes bens pertencem
ao annuucianle por legitima successao, como
igualmente eate tem com o mesmo Moreira Cor-
deiro causa de habilitaco appellada no tribunal
da relacao dos Acores pelo cartorio do escrivo
da mesma Jos Pereira da Cmara, com a pena
dse baverem de nenhum efeito aimilhautes
coulralo*. qusndo se attrevam a faz-los. Pon-
iocl ga' ?a ilha de S- Mie'. 7 de agosto de
Bbl.-Jos Jaciolbo Rapozo Bego Medeiros
Csstello-Branco.
apreciadores destete genero que
qualidades de nossos gneros.
Ma2f.^?leZa B,?ecUl,n",e 800 rs. ih.K
dem f experirnenur. ser tos de nada perderem pois pera isso confirmamos o que levamos dilo.
C h h DCeZa a melhor do mercado a 640 ra, a libra e em barra a razo de 600 rs. a libra
PresuKambre10 ll"? *"*d9 ,*7' 2#88 eem pr{i,er,b*,menl0'e**" ***"&*.
Presuntos t 'bimburgez a 900 ,ibn e em Porio 80 "
POrtUgUezeS vindos do Porto de casa particular a 560 rs. por libra e inteiro a 460 rs.
Marmelada dos melhores autores de Lisboa premiada nasexposicoes universaes de Londres e Pa
Gaixas com estrelinha pevide e rodinha a rooo a ix. e soo .
Latas de ameiXaS franceas com cinco libras a 4O00 e 19000 a libra.
Conservas francezas inglezas e portuguezas .
U.rvililas portuguexaa efra
risa 19800 a lata.
a libra eem porfi ter abatimenio.
600 e 800 rs. o frasco.
tncezas a
e 1280 a libra.
per-
travessa das
. mensal ou annualmeote urna
oana no largo dot Coelhos n. 5, com seus
teoces ou sem elles : a tratar
Barreirss n. 10.
.r?.*!aiWM,8na40 ,em JUi, e contratado a
compra da taberna sita na ra Imperial, n 35
pertenrenle .os Srs. Goncalves & C; portanto'
flu.,,k;T.I,0Uterque M POhaa esla compra
oe ou,udbero,adrear,861.Pr" 8 ^ R"ife' ,
Precisa-ae
(preferiodo-se
casa de familia
andar.
de urna ama captiva ou livre
eaptiva) para o servico de urna
na ra do Imperador n. 37, 2o
Attemjo.
Constando que fallecido Joaquim
Francisco de Mello Cavalcanti, de Naza-
reth, e devendo este aos herdeiros e le-
gatarios de Francisco Manoel da Silva
Tavares a qu&ntia de 2:527#7H rs. em
prata procedente de duas lettras, sendo
umadel:188$54* rs. vencida em 23
denovembrodel836, e outra de reis
l:339j2oq, vencida em 19 de agosto de
1837, alm dos respectivos juros na
mesma especie de 2 por ceoto ao mez
desde os das dos vencimentos at hoie,
pelo que fora demandado em 1844, pa-
rando a questo em grao de execucao
por se haver apresentado com prefe-
rencia a fazenda nacional: pede se aos
inventanantes desse casal que se dip.
nem de destinar bens
Milita attencao.
A abaixo assignada faz sciente ao res-
^ peitavel publico e em particular a todas A
aquellas pessoas. com quem Uvera con- *
^v las ou traotaccoes que ella nao tem 5
W presentemente divida de natureza alga- W
^ ma e que algnmas lettras que houvera fM
|a assignado para ai, e se acbsm todas pa- S
J gas, bem como slgumas outras lettras W
V que tem endocedo por favor, a slguns de tt
^ seus Olhos e genros, (nao todos) todas M
k se achara pagas; e como ae considera nao
P dever a mpsuem. tanto de lettras suas, V
fg como por lettraa endocadas a ditos seus A
I tllbos e georos, bem como fiancaa ou 4
F outros quaesquer ttulos, a quaesquer W
W pessoas, por isso faz a presente deca- tt
m racao. No caso porm de nao aconte- aM
9cer assim, o que nao crivel, quem ti- 5
ver alguma leltra ou oulro qualquer do- W
(9 cumento, que se constitua seu credor M
A queira immediatamenle aprsenla-lo 4
J* mais tardar nestea 30 das, na casa de sua
Vi residencia na ra da Aurora n. 64. que tt
m venQcado verdadeiro ser pago em con- m
linele e para que nao apparecam duvi- 5
das para o futuro e mesmo depois de
fg sua morte que faz o presente aonuncio &
ffe e declaracio aolemne para que nioauero
9 eja quem quer for, se chame a tao' W
Efll rancla. Oulro aim, quem quer que se fi
v* julgar credor, ter a bondade de deca- 4
rar por este Diario. Recife 5 de outu- 5
bro de 1861. fjfr
Matia Theodora o'Astumpco. gfe
u..aUl aesse casal que se dig-l *mWW&mm-9$m&-&m^mm
nem de destinar bens para pagamento ~ O Sr. Francisco Ferreira Pacheco de MeHo
deposito em que iguram
diversos.
Aluga-se urna casa na ilha do Re-,
tiro, com coramodos para duas familias1
com bastantes arvoresde fructo em lu-!
gar proprio para se passar a festa : a i
tratar na ra do Mondego olaiia de Ale-''
xandie dos Santos Barros ou no mesmo!
sitio com Jos Jacbinto Ribeiro.
Tn0?^"'* ^laflcsdor. "> na roa da Pal-
3 ? e-PdeV*r ,rocara(l. Para balan-
ces e escnpturaeao pot partidas dobradaa ou sim-
oiiipras.
Lines
Gompra-se
cabellos compridos.
Na roa do Queimado casa de cabelleireiro.
Comprase moedas de 20 : "na
ra da Cruz n. 48. pagase mais do
que em outra qualquer parte.
Brilhantes.
d* lingua nacional, laliro, iolez e francez em ca-
bm parlicularea, sendo aa licesde ioalez e fran- -
cea pelo excellenteracthodo d'Ollendorff, melho-;
^0 pelo qual entinam-se differenles linguas na
Europa4 a verdade
lempo pode ensinar a
o uoico que em pouco
- fallar, escrever e traduzir
ras ssz -svass
trabalho de escripia, wj8 eUe ,u,,Kfor .^J^
P0,,2' "8t ,Ue b,8tn,e ,8a,P ae "a
desempregado, aempreg.f.M como caixeiro de
nadara, ou aneen de Uberoa. pola que
convencido que o trabalho, anda aquello
mnmpr-f "i8 .-m p*r?e r0iela" de brilhantes ou
um psr de boloes ou dous brilhantes sollos do-
rm que sejam iguaes ; paga-.e bem : ni Cara-
boa do Carmo n. 6.
- Compra-ae urna prela que saiba bem cozi-
eatS
que
iuem
nao est costumado, nio o pode deshonrar o
precisar, dirija-se a livraria da praca da'fode-
cendeocia ns. e8, que ah se Ibe dir quera .
v ..T I"50", 9 *e penhores na rain de
Um Augusto Rubira Mavignier veofaam tirar nes-
ea 0110 das do contrario serio Tendidos para o
** paga asento.
Recife. 5 de outubro de 1881.
dailv ai. ?t"bro <* Pri aocomraen-
.!..M n,? ,0,B" Mello, at o do m.jor
Manoel Joaquim Gomes, um formal de paf^B
cSe^u?! U,r Mb,0 VlwraiUiaMd,!
da Cadeia do
nhare eoRommsr ; a tratar na ra
Recife d. 28, primeiro andar,
Compra-s urna preta e urna mulata aue
enin*r.S!. toli?bejr"- engomraadeiras e
Az'evX'i Mende.'. Cr" '' "'W de
.~.C?,DPrai-i moedas de onro e pataces
N?va 5t0 "* C,,0, UI 6 IIH' n> rus
na fundicao da Aurora, a qualqoer hora do dia ;
e^vende-ae urna cano, de carreira era perfeito
eado.
ecompen-
Compram-se escravos
.tri Con,P"-e balenCn grande com pesos
mero"08."; "* P"Ca da Bo*-^
Cotjpram-se IS cadeirat de Jacaranda em
boa etado : a tratar na rua do Vigario n. 8.
Vendas.
Lata con? bofaxii h*T a, **"* """* preparad" que ,em ?Ddo ao raere>do-
Vnho era rrafas n Vo n qU*Udade8' "*" *** W5' graDdeS de 8 ,br"de 2500 *500.
. garr.f%,,37dquUz. ,0' Por, fino'8eDUn. *. Carmellos, M.deir. secca, Feitori. e Camones a 1200 a Ifj
Latas o m PfPa rPrM Par* paM 50 600 "''garra,a ede 3*800 4,80 c"n,d"-
Pera ft UC de l0dM 1u,idad qe ha em Portugal de 700 a 1#000 a lata.
Tnrinth *aS de 4 8 ,ibra* a me,hor 1ue M Pde desJar em vindo ao mercado de 49 a 6| a caixa
J^uriuiDias em frascos de l 1,2 a 2 libras de i600 a 2200.
La tas com Deixe savpl j
Gaf do RioT m.iK u V' mr" mu,us qu"Hdade8 mai8 bem arraDJad0 que t,n vind0 nosso mercad<> e 1 *oo a
pPOJnn j a,oIh0' 1ue ha 240 rs. a libra e a 280 rs. o lavado.
rrascos deamendoa .moiw
Vinajrre hr,n,ft ,,. as'propnas para maM' por Mrem muUo bem eneiudM e de suPeror lSWe a 3 cada
Comioho rervamdoceU9""? ^ *""* a 4 "' a ga"afa e 2560 a eanada'
Vinho Bordeaux 8 m"8 n?0S que ha nmercad0 a 800 a libra do cominho e a 400 "a ^doce-
Massa de tomate
FigOS 110VOS era caixinhas .
Cervejas das melhores marcas ,
Vinagre puro de lisboa
um.
de boa qualidade a 800 e 19 a garrafa ede 8#600 a 10*000 a duzia,
em latas de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pftmeir. ves a nosso mercado, de 1 a i ,280
h!^ m8.l!bm Pr0pr08 Para mm8' Pr 8erem muU fc8" eneitdos de m a 8 40 libra.
600 rs. a garrafa e 5000 a duzia da branca.
- a 240 ra. a garrafa e 19850 a caada.
UOCe da gOiaba da Casca em caixlo a 19 e em porcao a 900 rs.
Azeite doce purificado SOO rs. a garrafa e 99000 a caix. com 12 garrafa?
gnac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e 109000 a duzia.
GenPhrf Un!fn i?*? uUn,amenle 50 e em P0^0 balimento, afianca-se'.
p,nbfl de.HoU*nd* O o frasco e 69500 a frasqu.ir. com 12 frascos.
OS par. denles a 200 e 160 rs. o maco com 20 macinhos, e flor a 280 rs.
a S000 a greza e 280 a duzia de caixas.
boa qualidade.
dem do gaz
Chocolate
o mais
superior que temos tido no mercado portuguez, hespanhol e francez de 19 a 1200 a libra
cuuuas s melhores*e mais novas
Amendoas legadas
a precos
que tem vindo a nosso mercado a 1*200 ancoreta do Porto, e a 29000 as de Lisboa
Aj no ulUmo na ^80 rs. a libra e em por5ao ter a batimento.
A lAm ma8limP 1ue tm viai o mercado a 160 rs. a libra e 59000 por arroba.
------ d0S g*nerog """"Jados encontrar o publico um completo sortimento de ludo tendente a molhados.
Rua do Queimado n. 19,
Armazem de fazendas.
DE
SANTOS COELHO.
Chales de merino estampados unos com listas
e franjas de seda a 95.
Toahes de fuslo a 500 t. cada um.
oravalmhss de cassa muito lindas para ho-
rnera 9 meoinag pe>lo baratisaimo prego de 100
Chales de merino lisos de todas as cores,
de 8 phan,a2ia ae a< Pelo barato prego
Cobertas de chita gotto chinez a 1800.
Lencea de panno de linbo a l90O.
Ditos de bramante grandes a 3300.
a SIOOO*"08 d Cortes de casemira finas a 4)5500.
Capellas brancas para noiva a 5*.
Bramante de linho com 10 palmos a 2* a vara.
Sortimento de baloes para tenhora e meninas.
.i*onn edealgoaaocoiB 0 Palmos de largo
a 10ZOU a vara.
Um rico carro.
Vende-se um rico e elegante carro mui bella-
mente preparado : no escriptorio de Mancel IK-
naci de Oliveira 4 Filho, largo do Corpo Santo.
Farelo,
No eslabelecimooto de molhados da rua da Im-
EK,.%t'.i3.MBIM-dB de farelode
Potes para rap.
Chegoo novos potes com rolhas de tarracba
para contervicao do rap : na rua da Cadeia do
Kecue n. 15.
Bonitas caixiahas
com visporas para entreteoi-
msto.
Ataba de chegar para a leja d'aguia branca bo-
nita! caixiohaa de madeira iovermsadas cora vts-
petae. lendo 38 carlat, e aa pedras numeradas por
ambos os lados, o melhor que pnasivel era laV
genero, e cuta cada urna caixioh* 3. e outras
cobertas de1 marroquim. e a chioeu, e outras qtu-
lid.desa2g.lS500el; o lempo proprTe
por isao dirijam te com dinheiro i rua doOaei-
UHYi Figas de coral.
A loja d'aguia branca recebeu_umi pequea
quaotid.de de bonitas e bem acabada! f,g d
coral, propriaa para enfeitea de enancas, de re-
logios. e mesmo para as voltea de coral, e asesta
vendeodo a 1.00 cada urna ; quem se demorar
nao as achara mais em dita loja d'atuia branca
na rua do Queimado nomero 16. ucica parle qu
as tem. n
Preciosos
extractos para lencos.
Alojs d'aguia branca acaba de deapacbar de
aua propria encommeoda. Unos e preciosos ex-
tractos de novos e escoltados ebeiros como bem
sejam imperatr.ii, D. Januaria. D. Franci.es, ma-
rechai Broquel Real, dilo favori, dilo doa Alpes
dito de Trianou, etc., ele. nio esqo>cendo porm
o estimavel exlratto de aandalo. J se sabe os
freguesa que munidos de dinheiro dirigirem-te
ru. do Oueimido. loja d'aguia branca n. 18.
acharao baraleza, agrado e ainceridade.
Oleo e banha philocome
e outras qualidades.
nt,!lk-H*g,,ta.-b,ioa" ,cab' de d*Pebar una
novo e bello sorlimentode oleo e banha philoco-
me e outras superiores qualidades, ioclasive a
estimada e procurada banba em copos grandes
cuja excelleote qualidade j bem conhecida!
assim como a verdadeira Iranspsrente ; quem
quuer se prover do bom mandar ou ir 4 rua do
Queimado loja d'aguia branca n. 16. que ser
bera servido ; advertindo, porm. que o frasco*
vao todos marcados com o rotulo de dita loja.
Aspas largas
para saias balo.
A loja d'aguia branca acaba de receber um bel-
lo sortimento de mui bem tecidas aspas para ba-
oAn *9 "odendo baratamente a 160, 180
!tinh.i ? T".,ais-,n!" .reciaar dirigir-te com
dinheiro i1 dita loja d'aguia branca, roa do Quei-
mado n. 16, que ser bem servido.
J chegaram
as interetsantes estampas, a morte do
justo, e a morte do peccador.
Ds loja d'aguia branca avsa-se aos senhores
reverendos e oulras pessoas que baviara encom-
nendado estat interettantes estampas, que ellas
acabam de chegar, e quera mais as quizer nos-
suir dirigir te logo dita loja d'aguia branca
rua do Queimado n. 16, poit que a quantidade
pequea, e por agora aioda se venderlo a 23000
cada urna. -vvw
I
Cachimbos de madeira
ftfiSaSSSSS^^ qe 'Mb- uffl P^ "ment
Superiores charutos
da Babia, da fabrica de Jos Portado de Simas, igualmente avisa-se as pessoas que precissrem da.
Esponjas de pinina
qTs^ntL"^ *> d --P- -.mas
Fleur d'Harlebeck
? .^.C0B tUu'i P"a Cg"r0S e, achimb<' en> cinhos pequeos, que se ende or rr,
i0.Sa:"~l,*M,',r Psrit :na loja de Jos Leopoldo Bourgald. rua'd'a Cadei? do'-Recife
sortimento de enfeites de flo-
res para casa mentos
e bailes.
Aloja d'aguia branca acaba de despachar um
lindo sortin.enlo de enfeites que de sua propria
encommeoda maodou vir para casamentoa e bai-
les, e sem medo de errar, pode-se dizer que sao
os mais parfeitoa e delicadoa que at acora tem
viodo. e essa verdade seri conhecida por aquellas
pessoas que sabem apreciar o bom: apesar de
ludo vendem-te baratos em propone 1 perfeicc.
delles. spndo a dinheiro vista 12. 14a e 16*
isao na ruado Queimado. loja d'agu branca ni-
mero 10.
A loja d'aguia branca
receben tambera novaa luvas de fioa pallica, en-
leiiadaa, para casamentos. assim como lindas ca-
pellas. Acommodidade dos precos j bem co-
nhecida por seus bons freguezea. e ter mais por
aqueilaa pessoaa que de noo o quizerem ser da
raer 16* *8U'* brauCa' na rua do Queimado nu-
r,m H\lat f Malr.,yrio, ,aberna 36, chega-
ram as verdadeiras hnguicas do sertao. que s
d7v.ep,orPar0120m0dOPre50' """ f0m0 *>
Attengp, pernambucanas |
A' loja do lefio de ouro.
Na bem conhecida loja doleao de ouro. da Jo-
s Goncalves da Silva Raposo, rua do Cabug o.
1 C. recebeu-se ltimamente pelo navio francs
os melhores sintos de gorgurio com fivelae de
ac de apurado goslo ; vende-te mais barato que
em outra qualquer parte : a elles, antes que se
acanem.
mero 15 no
por menos
nu-
Ceutro commercial.
suitsos a If o cenlo
fe n. 15.
jr
a*
fes flauta de bano appare-
Charutos
na rua da Cadeia do Retir
Fabrica do Monteiro.
Crystalisaijao e refinado
de assucar.
Deposito na roa de Apollo a. 6. e praca
daBaa-Yintaa.26. -
Este importante esUbelecimento contina a
fornecer aos seos innmeros fregueses do alvo e
puro assucar crvstalisado, em p e em pies 1
qualidades, pelo preco de 160 e 200 ra a
libra, e dorefio.do a ICO, 120 e l40a libia; sea?
do que em grosso o comprador tere un detconte
laforavej. Nos meamos depotitoa laabem ae
vende mel de atiucar a 600 rs. a caada, e car-
tJ animal em p a preco commodo.
Para bailes
e casamentos.
Na rua do Crespo esquina da rua do
Irnperador n. 7, vendet-ae enfeites a tur-
ca para bailes e casamentos o melhor
que se tem visto at hoje.
Enfeites a turca.
Chegaram no ultimo navio vindo de
Franca, enfeites para cabeca ao gosto
turco, proprios para bailes e casamen-
tas o melhor e de mais gosto que se tem
visto : na rua do Crespo n. 7, esquina
da rua do Imperador loj de fazendas
finas de GuimrSes & Lima.
Exposico
DE
Candieirosagaz.
Liquidado
NA
Loja de marmore.
Na loja de marmore vende-se para li-
quldacao por precos muito barat, ura
variado sortimenlo de faxendaa da do-
Kf*.Ti.!!Sbor,f*Wttp",,lu M* ho-T
mem e veetimentaa para meninos e bera H
assim quadros a oleo para decoracio de j
. r
i -4BMaaMbtana,S
^v^wianujisasjPBwluT
4ono
59000
6S0O0
81000
109000
131000
148(100
16*0(10
18J000
208000
2S000
30J0OO
Candieiros econmicos..............
Candieiros econmicos..............
Candieirca econmicos.............'.'
Candieiroa econmicos..............
Candieiros econmicos.........,,.,.
1 Candieiros econmicos.............
Candieiros econmicos.............'.
Candieiros econmicos.........1.1"
Caodieiros econmicos___.......','.'.'
Csodieires ecouomicot...........'.'.'.
Candieiros econmicos..........
Caodieiros econmicos....!.".".."
Nesta meama exposico ae en'coii'trarlo to"dc*a ai
pertences para os meemos eaoieiroe. .^n. co-
mo um grande deposito de gaz conhecidolirdS.
barato que se pode encontrar oeate mercado um
n&.U.e dirad "'**> quaSroa Je
phantiiis. e de imagea. ,s* C0B0 t^baa
fo- vffsrf vassstt,u,porgo"
n.""BJ?Sefc gr."nde J,,{0 'ZZ*?!l? 'i, grande ,uaniidade de
&.?""* *?* P>oe rocteiraa!
tarabea vetrtea-ee-duae Me8 qtjB 3^1
Me, uaa delles com a cria j grande, uaaH
m mana* ; a tratar aa ma do lebo a. .
|Loja das 6 por-
tas em frente do Lt-
5 vrameato.
a Roupa feita muito barata.
Paletots de panno fino sobrecasacot,
^ ditos de casemira de cor de fuatao, ditos
am de bnm de cotes e brincos, ditos de
* 8oga, calcas de casemira prelas e de
Q9 cores, de brim branco ede coree, de gao-
gk ga, camisas com peito de linho muilo
\ noas, ditas de algodao, chapeos de sol
$i? de alpaca a 4$ cada um.
Neode^e por preco muito commodo u
toalha de labyriotho toda aberta de estrellas e
esses: na taberna da rua das Cruzes n. ti.
Vende-te duas sacadas de pedra com 2t
palmos, e 1 varanda de ferro com 21 dito ; quem
precisar, dirija-te a rua de Santo Amaro n, 8.
z,T~a ar1n,azen> 01, de Machado & Rodrigues, ainda continua a
ausientar o mercado do-mil no a preco de 3*300
^^a^daas '^-^^
Loja das 6 por j
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de r I paca a 4|. .
Duzii de meitscruat para bomem a
1>800 e o par a 190 rs., ditas brancas
muito fio a a -2$b00 a duzia. lencos de
eaaaa com barra decoret a UO rs. cada
um, diloa brancoaa 160 rt., baldea de
0 "JF0* ^ "'nha para vea-
tidot a 240 o cavado, chales de merino
etlimpadot finos i 5* e ftf. tarlatana
brinca e de corea muito fina com vara
SiTl,dseuUr!,uraa480 c'ad.
fil de linho liso a 640 rs. a vara, pe-
cas de cambraia Usa fina a 3, ctssas
de cores pan vestidos a 200 rs. o co-
vado, mnaaulioa encarnada 320 ra o
cov.do.e>^nb#s para menina de escola
a 15 o par. gravalinha* de trinca a 160
a duaia 2. pecas de cambrai
pico muito
la a
*500.
a de sal-
la de bre-
snhaderoto a 2f, chitas
'.covadev a loja ea
MO e*40 ra.
inaezat
b^rta das 6 hora i da nobaa aa 94*
oite.
., !
asnt.


. :_
?V r
DAM0
U.
1
o o un.
5 *,-.
I

.1
P06ISS0
Lar od Pciiiu _
Francisco Fernandes Duarte, proprietario deste
!.A!,,?feimo,h8do8l.parlecip,",08ieua freueie. assim como aoa seohores da pr.cs, de enge-
.-- f que ? ou em Tnle quierem-e afreguezar neste eslabelecimeuto, que se acha
SLin ompletoaortimeDlo degenero* os mala novos que ba no mercado e por aerem a m.ior
pane aettes vindos de coala proprla, esi portante resolvido a vende-loa por menoa 10 por cento
ao que em outra quriquer parte, flaneando a boa qualidade e acondiciouameoto, assim como ser-
vir os portadores menos pralicos to bera, como se os senhores viessem peesoalmenle, para o que
nao se poyipari o ptopriet.rio em prestar toda llnelo, afim da continaarem a mandar comprar
as eucommeodas, serlos de que, toda e qualquer eocommenda comprada neste eslabelecimento
acompannara. una conta impressa como meamo titulo de armazem Progreaso.
^SSHC l**lew PtiUmcBie fio*. tm r, ,,.
se poresie proco nicamente pela.grande porgo que tem e sefor em barriese fara abatimento
Mtnteiga tranceza. ^ r8.. libr., em b., ^
^!l2 V-8** ? pTeto -">" < ^oo. **o
O 19600, aflanca-se boa qualidade.
8*400 ehegadoa ntite ultimo vapor 2&600, ejes do vapor passado a
Visas de eommodre
" wa^ os mais noroa que ha no mercado em teinnhas pequeas
a 80 rs., ditas de 8 libras por 29500, e em libra a 320 rs.
Franto da tUm bre iogl, 700 .. Ubrt
Prazanta da lamega. 480 r, a libr. taWro. 440 ri
* maU nova que he no mercado a 160 rs. e libra, e em arroba a 4$500,
^ermasata, 760 r,. librli em Ciixa, 740 r8<
Vmm com \,olaxla\ia de sada de latas con *eixe em posta de qu.iid.de.woo.
Wtaaas malta novas. ism ,... barrll,. retilb0. m a g8rrt.
Doea de Moer che em tallM de 2 llbr por lt00.
iiOriatas pttl podi(n, 800 w> a Ubti>
Baaka de parea reflaada. 480 .. 1bfa, em Datril. 440
_ k WalW a maisnova do mercado a900rs.,em latas d21ibra por 19700
lOmOO primaite vez que vieraa oste mercado a 640rs. a libra.
Ctouticas e palos BOil. n0T0S, 560 rf,, libr>
PaUtas de dente Uxndo8comMmacin%OTpor200ri.
Chocolate f ranee*; lwoo .. llbMi diUo por>ggne2 B 80O It>
Mar melada imperial d0 afamad0 Abreu, fc outr01 maUoa fabrlMnte8de U8b08
19000 rs. libra.
IHIOS em P&pa de S00f 560 e 643,,. a girrraj em canadaa a 33500 4J000 4|500
e eja da8 Mait acreditadas a,arca, a 55 a duria> ^ enj garrafa a 500 .
' U** parasopa a mais nova que ba no mercado 640 rs. a libra.
r.,.. n .1 D8arraad. rorto fino, 'Porto, Feitoria e duque do Porto a I*.1
barcaveils,licatel eBordeanx a 1$ garrafa, e em caixa de urna duna se (ara abatimento
"^ mais novo-e limpo que lia no mercado a 160 rs. a Hbra e em arroba a 5f.
^iU. iletrJ^1?r!*1*8 ,TOlhore q ^e podeiB deMar *m meia8 ^"500"
__. e elhor petiicu que pode haver por-estar prbmpto e toda a hora a 19 a libr.
Milo de ameadoa 800t, libr.t lta com ca8ta, 480 w<
Kozes m9ttn 00T a 120 r8 a libW
Castanhaspiladasa240 n^iibtt:
^Aie nniite superior a 240ra. a libre, e a 79 a arroba;
ArrOZ tf0 Maranhie a 99 em arroba, e em libra a 100 ri
Puma americana. n. Hbra 8e Itr m por?s
Se\admaa d6^ranca a240 rr alibrat
S*ft muilo novo a 320 rs. a libra.
Xoneinho de L8b01 a 360 M> t llbrt# tt0J a arrj
Fari.ka .4 MarauMo mltn0T.. ,
Toaemu. mg\*i. ,,.
Pasa em eaUiahaa de8 ,. 1WK, u,
independente dos eneros mencionados encontrar oj
curar tendate molbados.
> se ar abatimento.
Rival
semsegundo
Na rus do Queinudo n. 55, loja de miudezaa
de Joade Azevedo Maia e Silva, tem destinado
acabar com cestas pre^o a baixo declarados, e renham logo pois
est cabanda.
Caizis com agulhss (rancezas a.......^..
Novillos de llnha oara marcar a 20 rs. e..
Ditos de linha de crese muito grandes a
Carretel de liuha, superior qualidade a...
Liaha branca do gaz a 10 rs. e.............
Dita dita,a melhor que ha, novello grande
Pares de meias de cores para meninos
Duzia de meias eruas muio superiores'*
Dita de ditas ditte ..................A......
Pares de melas de cores para meninos*
Linha em cano Pedro V a...............
Caias com phosphoros de seguranca
Caitas de falhas cem phosphoros (so a
caixa ral 100 rs.) a...................
Duzia de phosphoros do gaz ..........
Frascos d'agua de cetonia superior....
Ditos com oheiro* muito Anos ,......
Duti.de meias muito Qoss parasenhora
Caitas de aoparelbospara meniooaa 240
rs- e............
Trancas de lia e delinho sortidas a......
Sauonetes gr.ade. e superiores a........
Greza de botoes pequeos para cal;. ...
Grata de botoes de iouea a..............
Varas de tramoia superior a 120 e.....,,,
Ctom de peonas de sqo a................
Cartekas muito superiores a............
Baratos portuguezes a..................
Tesouras muilo Qoss para costura a....
Dilaa par a unhas a 240 e..................
Baralhua para voliareis a 240 e..........
Frascos Ve bao ha de orco..,.,............
Frascos grandes de lavando nt bread, su-
perior qu.lidaie a....................
Fraseos d oleo de babosa a 320 e......
Fraseos de danha muito flnaaliOe......
Agulheiroi eom agalhas a................
Calcado barato.
Borzeguins psrs senhora por 4J5O0. 5f e 5J5O0
o per. ditos psra menina por 49, 49500 e 59, bor-
zeguins de bomem, espatos re tapete arellud.do,
e sapatos de transa para homem, senhora e me-
ninas, ludo por mdico preco : na ra da C'deia
do Recita 45, loja da esquina da roa da Madre
de Dees.
-
Millio a 2J600 a sacca.
Dito novo muito barato.
Frelo muito baratp.
Arroz de casca a 3j500a
sacca.
Na travesea da pateo do P.r.iio n. 16, taberna
pintad, de.m.rello.
- Vsnde se urna cbr (bicho) com 8 filbos,
om b.t ira satnjeoiar una enanca;
espeitswel publico lado quantc pro-
120
40
40
30
20
60
120
9400
2$000
160
20
160
100
240
400
500
39000
509
40
160
120
120
160
500
500
120
404
400
320
640
800
500
320
80
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
A C. successores ra da Cruz
numero 4.
Veodem-se carros americanos -mui elegantes
e leves para duas e 4 pessoas e recebem-se n-
-oommendas para cujo fim ellos poesuem mep-
pas com varios deseafaos. tambera vendem car-
rocas nara coaducr^ao de assooaretc.
begou|aapreciave) agua bal-
sa m]ca para a bocea e
d entes
A loja d'aguia branca acaba de recebe, urna no-
va remeesa a mui prveitosa e procurada agua
balsmica para a bocc-e denles. O bom resul-
L* de.l8, **at ** nio *offre duvida-como sa-
bido pelas immensas pessoas que a compraran)
e que sentUm a falta ele-lia, e as que ae nov
compraren! acharo que o uso della fax conser-
| var os denles saos, livrtdo-os da csrie^ ortale-
| ceras gengiv^s e tirar o mo balito da bocee,
{dando mesma agradavel aroma, podeodo-se
mesno usar della nao so peta manha como a
qualquer hora], e com scerto depois do fumar pa-
ra tirar o cheire do fumo, ou quando ae tentia de
sahir para ter-se a bocea aromtica : pava isso,
porm, bastam atgumas gotas della em agua pu-
ra. O proveilo (Tagua balsmica .inda chega a
mais, ella serve acabar a dor de denles, ensopando-se nella m
bocado de algodo e deitando-o no buraco do
lente, ste adormece e em pouce desappsrece.
dor. P.r. se obter m frasco de lio proveitoa. e
apreciavel agua balsmica, dirigir-se com 1|
iejs d agula branca, ra do Queima4o n. 16, ni-
ca parte onde ella se vende. Adver4e-se que os
frascos vio marcados com o rotulo d. dita loja.
Vende-se umaporco de chapeos de palha
de Aracaly, tanto a xelalho como em porcao, b-
ralo que admira ; na ra do Cordoniz n. 1.
j T ^SDdem*8e du" c*0" novas, sendo nma
de 1,100 l'jo'ose outra par. capim ; na ra Im-
penal n. 249.
Cestinhas de Hamburgo.
So us loja d'aguia de ouro. ra do Cabug n.
i o, e quemrecebeu um completo sortimento de
lindas cestintus da todos ds tamanhos proprias
para meointsdeescols. assim como maiores com
lampa proprias par. compras, b.l.ios proprios
para: costura,ditos proprios parafaqueiros, ditos
mullo bonitos para brinquedos de meninos, di-
tos maracas piotadinhos que se vendem por pre-
coz maito baratos-
SABAO.
/oaquim Francisco de Mell Santos visa 4
isus treguezes desta praja e os de foca, que tem
ipotlo venda sabia du ana fabricadenominada
Recienoirm.zem dosSrs. Trav.ssos Jnior
4 C, na ra do Amorim n. 58; masss amarella,
ctanha, preta eutras qualid.dee por menor
pref que de outras fabricat. No mesmo rm-
I^HBllo o leu deposito ds velas de carnau-
Sementes de ho tali^a.
Vindas pelo ultimo vapor inglez na
ra da Cadeia loja de ferragens de Vi-
dal d Bastos.
Liquidado de
calcado francez,
ra da Impera-
triz n, 16.
Vende -se calcado francez par. senhoras, me-
ninos e meninas por todo e qualqaer preco, em
razio dos proprietarlos deste eslabelecimonto,
terem de sortir novamenle para a testa e quere-
rem acabar com todo o calcado que no mesmo
stabecimento existir; assim como pedem mui
respeilosamente os seua devedores o obsequio
de virem pagar as importancias de seus dbitos,
visto que do 1* de novembro prximo futuro em
diante serio entregue todss as coatas a um soli-
citador afim de as receber como julgsr conve-
niente ; fazemos portento o presente aonunclo,
afim de que nio baja como houve quem se quei-
xssse do mel que empregames para esse m.
Vestidos brancos
bordados.
Ainda resta m alguna cortes de vestidos brancos
bordados que continuam-se a vender pelo bara-
tsimo prego de 59, com 2 e 3 baba dos, de gra-
ca : na ra do Queimado n* 22, na bem conheci-
da loja d. boa fd.
Relogios baratos.
Na ra Nova n. 21, ha grande porga o de relo-
gios foliados, dourados e de ouro, pateles e ori-
zont.es, suissos e ingieres, os qu.es serio ven-
didos pelos procos da factura. Cada relogio leva-
r um recibo em que se responsabitiss pelo re-
gulamento durante seis mezes.
Vndemete ns prsca d. Independencia ds. 37
e,35, loja de Antonio Augusto dos Santos Porto,
capellas de immortal para 2 de novembro se bo-
tsr no cemiterio publico, cem os nomes secuin-
tes : "
MiBha esposa.
Meu sposo.
Minha mii.
Meu pai.
Mea fllho.
Hioha filha.
lima lagrima.
Eterna aroizade,
Saudades sempre vivas.
Vendem-se osengenhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
d'agu a, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem easa de enge-
nho e poucas obras, porm!
safreja-quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ruada Cadeia do Reoife o.
26, primeiro andar, que aera-
r com quem tratar.
Ruada Senzala Nova n.42
Vende-se m etsad.S. P.IonbtOB4C,
allinsa silhesQglres,c.ndeiro. e.stiga.s
bronzeedos/onasaglezss, fio devsla.cbicoia
paracarros, moni.ria.irr.icspsra orroda
un ele us cvalos r.logio-srje ouro paisnt.
ngiet.
Vamosamassa, que pelo
pre?o quasi de gracia.
Vende-se massa m.carrao. alelria e t.lh.rim .
89500 a caixa, e a libra 40 ; assim como quei-
jos d qaJM 480 a libra ; defronte da matriz
da Boa-Vista o. 88, esquina da ra do Hospicio.
Chapeos para senhora.
Ricos chapeos de seda e de velludo para se-
nhora, pelo baratissimo prego de 15 e 16#: na
ra do Queimado d. ai, loja da boa (.
Aviso os uacionaes e es-
trangeiros.
Cbegaram a afamadoa filtradores inglezes de
patente, prop'ios psra purificar agua, vendem-
se baratos, e sao poucos : na ra da Cadeia do
Recife n. 8, armazem.
Vende te travs e enxames de todoi
o comprimeatos e grossurns, inclusive
urna bonita linha de 55 palmos por
precos comraodos : a tratar na ra ia
Praia n 49 ou 53.
Vende-se arroz do Usranhio a 29 arroba,
e a 80 rs. a libra, azeite de carrapato a 440, dito
doce a 720 a garrafa, menleiga iogleza flor a 960,
dita franceza nova a 720 a libra ; na ra das Cru-
zes n. 22.
Vende-se um prelo possante proprio par*
padaria ou armazem de assucsr, por estar acostu-
mado a estes dous servicos ; a tratar na ra da
Guia n. 9.
160#000.
Vende-se por 160912 cadeiraa, 1 sof e 2 ban-
cas de abrir, ludo de Jacaranda, e em bom esta-
do ; trata-se na roa da Cadeia d. 49.
Lencos de cam-
braia com padroes de se-
da a 2$500a peca.
Ns loja d'aguia branca tambem ae vende mui
bonitoae Unos lencos de cambraia imitando seda,
isso pelo baratissimo prego de 29500 a peca de
10 lencos. E' esss orna das pechinchas que cusa
apparecer,' e quando assim approveit.r-se da
occasiio, porqoe elles servem tanto psra elgibei-
ra como pura meninos, e quem os vlr na loja
d'agui. br.nca.ua ra do Queimado n. 16, ter
vontade de comprar maia de urna pe;., tal a
bondade deltes.
Vende-'se um rico presepio obra de bom
gosto e bem construido : na ra ta Aurora nu-
mero 66.
Vendem-se saceos com mitho novo ; no
armazem ra da Seazala Velha n. 144, com o
Tundo psra o novo caes de Aporto.
O rival sem segundo, na
ra do Queimado n 55
defronte do sobrado no-
vo, est vendendo tudo
bom e baratissimo,pois
3,000.
Saiaiifornia
ja tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por precos que admi-
8
As rrrelho-
res machinas
de cocer dos
mais afama-
dos autores de
New-Tfork:
vendem-se
unicem ente
no armazem
de fszendas
de "Raymuudo
Carlos Leile
& Irmao, nu-
mero 12, ru.
do Impor.triz.
ram, a saber ;
Caivete p.r. .parar peona a 80
Ditos com 2 tolbas m jilo Unos a 320
Frascos de macar perola muilo uno a 200
Dito de oleo muito fino a 100
Tranca de lia com 10 varas, bonitas co-
res a 200
Franjas de lia com 10 varas, bonitas co-
tes a 800
Sapaios de tranca de algodio a 1;000
Ditos de dita de lia lg280
Caixas com iscaa para charutos a 40
Carlas de alfinetes sortidos francezes a 100
Caixas de ditos ditos a 80 rs. e 200
Escoras psra limpsr denles muito finas
200 ra. e 400
Duzi. de facas e garfos, cabo preto a 39500
Hassos com grampas muilo boas a 40
Candes com clcheles a 20
Ditos com ditos de superior qualidade a 40
Dedaes de bqo para senhoia a 100
S.uoneles muito grsndes a 200
Apitos de chumbo para cri.oc,. a 20
Ri.lejo para meninos a 40 rs. e 100
Enfi.dores para vestidos, muito gran-
des a 60 rs. e 80
S.paliohos de li. para meninos a 400
Ainda tem urna varied.de de miudez.s que se-
ria enfadonho menciona-las, poiss vista que
se pode apreciar as qualid.des e os presos.
REMEDIO INCQMPmVEL
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos de todss as nacSts
podem testemnnhar s virtudes deste remedio
incompar vale provsr em caso n ecessario, que,
pelo uso que delle fieeram tem seueorpoe
membrosinteirsmentesos depois de haver em-
pregado intilmente outrosirstamentos. Cada
pessea poder-se-baconvencer dessas curas ma-
ravilhosas pele leitura dos peridicos, que lh'as
relatam todos os das ba muitos annos j e s
maior parte delles sao lio sor prndenles qua
sdmirsm os mdicos mais celebres. Qusntas
pessoas recobraran) com este soberano remedio
o use de seus bracos e pernas, depois dedm
permanecido longo tempo nos hospitaes.o isa
deviam soffrer a mpularao 1 Dellas hs mui-
cas quehavendo deixado esses, asylos depsde-
timenlos, psra se nao submeterem aessaope-
ra;ao doloross forsm curadas completamente,
mediante o uso dessepredjo remedio. Al-
gurnars das taes pessoa ns enTuso de seu reco-
nhecimento declararam estes resultados benfi-
cos disn te do lord corregedor e outros magis-
trados, afimde mais autenticaren! sus s firma-
tiya.
Ninguem desesperara do estado desaude s
tivessebsstante confianza para encinar este re-
medio censtsn temen te seguindo tlgom tempo o
tratamento que necesstassa s naturezs do mal,
cujo resultado seria provsr incontestavelmente.
Que todo cura.
Vendem-se cortes do cambra), organdys com
b.rr. a 39 o corle ; na ra da Imperalriz n. 48,
junto p.d.ri. franceza.
A Na ra da Cruz n. 10, casa de S
Kalkmann IrnaSosdC, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machina* de
engenhos, sendo correias para
transmittir mov ment, canudos
de borracha de qualquer coro-
primentoegroisura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
BJSpSBI 9NSHSSHW HeKSSSSKS
le
-o
-*S 8
*B5'
S""
gB|
C f* O m
Sg s
> B8 Ihida gosem libra. =s
. j susaasi
o 9 BS
2. o C5
P o (^
5 ? p-
0* S
&*
00
(i
n
v
o
"S f
g 5
i Arado i americano se machina-
paralavarroupa:emcasa deS.P .Jos O ungento he til, mais partieu
hston i C. ru* daSenza-la n.42.
At#500
Chales-de merino estampados, que em outra
tojas se vendem por 49 e 59 du loja da boa fe
na ra do Queimado n. 22, vende-se pelo bara-
ta simo.preco de 29500.
Luvas de Jwin.
Cenlinu.-se -vender as superiores luvas de
pellica e Jouvio, tanto para homem corno-para
senhora; na ra do Queimado n. 22, na lojaou
bo f.
Relogios.
" imples :
posifilo.
mUtrs lfiima, como as de
Venda-1, m casa de Johnston Pater d C,
rus doWtgario n. 3 om bello sortimento de
'elogioscVe ouro,paietile inglez, de um dos m.is
/madofl fabrreantes de Liverpool; tambem
a ariedade de-bonitos trancelinspers os
mesaos.
Aloja abandeira 1
gNova loja de funiteiro da
ra da Cnaz do R43cife
numero 37.
Ma-cocl Josd* onseca participa a
todos os eus fregueses tanto da praca
cmodo mato, e juntamente aoreapeila-.'
velpublico, que lomeo a delibetece de
b.ix.r o preco de looes as suas obras, por
cujcioaolivo tem para vender um gr.nde
sortimento de bahs bacias, ludo de
M diTereoles tamanhose de diversas cores
ara pintor*., e juntamente um gr.nde
sortimento e diversas obrss, cootendo
bsnheicose gamelas eompridas, grandes
e pequeas, machinas p.r. caf e cane-
cas para conducir agua grandes e peque-
as. Utas grandes para conservar fari-
nh. e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil e I
camas de vento, latas de arroba a lft, 1
bahs grandes a 49 e peque nos a 600 1
m., baciasgraodea a 59 e pequeas a 5
860 rs.,cocos de wa 19 duzi. re-
gadores regulares muito barato, diloe X
pequeos 400 rs., de todos estes objec- S
tos ha pintadoa e em braoco e ludo mais S
se vende pelo menos preco posaivel : na il
luja da b.ndeira da ru. da Grut do Re- Z
cife n. 37. M
N.-O.fieber & a.,sooees8ores,raa da Cruz
n. 4, tem para vender relogios para algifeeira de
ouro e prata.
Saiasdecordo.
Superiores saias de cordo a 39, 39509 e 49
ditas atcotoadas muito superiores a 59 ; na ru
do Queimado n. 22, loja da boa f.
Tinta preta comnerciai
melhorada.
Acha-se a venda na ra do Queimado n. 8, ca-
sa do Sr. J.yme e na botica do Sr. Torrea em 0.
Jos.
Vende-se caixinhas de charutos s 800 rs. e
19600, esverdadeiros quiris proprioa para em-
presas, srroi pila lo a 100 rs., em arroba faz-ae
abatimento; s o Santos na ra do Cordoniz nu-
mero 1.
larmente aso*
Alporeas
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras.
Dores de cabe.
das costos.
dos membros.
Enfermedades da cutis
era geral.
Ditas de anus.
Erupees escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdado ou falla de
calor as extremida-
al#fA H|g| AmDAiAISfARATAS.
Sm SORTIMENTO COMPLETO
IFazeadas e obras feilasj
k
LOJA E ARMAZEM
DE
IGes k Bastol
NA
Hua do Queimado
1. 4ft, tremi amavella.
Constantemente emosemgrandeeva-,1
rI,do sortimento deYobrecsctpretas,'
de panno e de corea muito fino 58;,
3(JJ e 358, paletots d&s mesmos pannos
a a 2g,228 e 24$, ditoseaccos pr-dtos dos
* mesmos pAnnos a 149.169 lf, casa-
c.apretasmuitobem fritas edesuperior
panno a 289, 80$ o 35, sobrecasacj? de
aaemira de core muilo finos a 159,164
rt e 18f, dito asaceos daa meamaj c.&omi-
ras. IOS, 125 14|, eal?as pr.etas de
casemiranna para homem a 89, 99, 10/
e 12, ditas decasemira decores a 7J.89,
99 e 109, ditas de brimbrencos muilo
fina 5f e 69, ditas de ditos de cores .
39. 39500, 49 e 495OO, dit.a de meia ca-
seratra de ricas cores s 4f e 4f500, col-
leteipr.tos d.cas.miraa 59 e 69, ditos
dadiios de coree a 4|500 e 69, ditos
br.n&a sde seda para casamento r 59,
ditos de 69, colletesdebrimbrescoe d
(uatao a 39, 89500 e 49. di ios de corea a
950O39, paletotipretoade merino de
corda o sacco e aobrecasaco 7f, 89 e 9
cllelespretospara lulo a 49500 e5'
as pret.s ds merino a 4)500 e 5 pa!
I teta de alpaca preta a 89500 e 4$, ditos
sdbrecasaco 9,7e 8|, muito finocol-
l.t.a de gorgurao/iesedsdecorefmuito
bo.r.zend. .39800 e4S. colleteide vel-
lido de crese pretos 79 e 89, roup.
part menino sobre casaca depnoo pre-
tos e de cores a 149.159 169, ditos de
easemira sacco para os mesmos 69500 e
7$, dito.de alpaca pretos saceos a 89 a
IJ500, ditos sobresaseos a 5f e 59500
:lcas9e cssemira pretase de cores 69'
6fS00 e 79, eamisas para menino a 20) '
dezia camisas ingieras prega ilargae !
muiloiiperiora 32 .duziapan acabar. \
Assimeomotemos ama offleine de.N
'tlate ondemandamos axeeut.itodas as
obraaeom br.vid.de.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchsoes.
Inflammacao o figado.
seguintes casos
lnflamma;ao da bexig
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olbos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna.
Supuraoes ptridas.
Tinha, em qualquer
psrle que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figsdo.
das articulares.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Na loja da aguia de ouro ra do
Cabuga' n. i B.
Receberam de sus propria encommsnda os lin-
dos enfeiies tanto para senhora cono para me-
nina que se vende por baratissimo prco sendo
a 29. 2J500. 3J, 49. 59. 69. 1$ e 81. p.lhioh. a
vp, ludo isto muito baratissimo porque se quer
liquidar, pede-se os compradores qoe cheguem
antes queseac.bem : s na loja da guia de ou-
ro ra do Cabug n. 1 B.
Cascarrilhas para enfeites de
vestidos.
S na loja da aguia de curo da ra do Cabug
o. 1 B, e que receberam um completo sortimento
de casesrrilba das mais lindas cores que pos-
sivel para enfeilar vestidos ou ropeoziohos de
enanca queso a vista sjpoderi fazero preco.
Chapelioaspara senhora a 1!
Ns loja da aguia de ouro roa do Cabug n. 1
B.. tem para vender cbapelioas de muilo gosto
pelo baratissimo preco para acbar de 129 a 149.
Ricos enfeites para senhora'.
Ac para balao a
120 rs. a vara.
S na loja da aguia de ouro
ra do Cabug n. 1 B.
Receberam gr.nde sortimento de ateas de to-
das as larguras psrs eoocertsr ou fazer baldes
psra meninas e senhoras que se vende pelo ba-
ratissimo preco de 120 rs. a vara e a peca com
45 varas a 49500.
Vende-ae um bote com mastro e vela por
preco barato ; a tratar na ru. Nova n. 67.
Lumpra-se urna cscr.v. moga parid, e 9
com bom leite : quem tiver e quizer ven- 2
der dirija-se a ra do Hospicio n. 35,
que achara com quem iratar.
Vende-se este ungento no estabelecimenlo
geral de 'Londres n. 244, cStrand, e na loja
de ledos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda
America do su!, Hevana e flespanba.
Vende-se 800 rs., cada bocetinha conten
urna instrooceo em portoguez psrs explicar o
modo de facer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, m
rernambueo.
Pechineha sem igual.
Cortes de calca de easemira preta e de cor en-
testada muito fina a 49500 ; na lojn da .Califor-
nia, ra da Imperalriz n. 48, unto a padarie
franceza.
Potassa da Hussia e cal de
Retroz.
Do fabricante Antonio de C.mpos Navarro, da
cid.de do Porto,' achs-se vsnds no armazem
de Fernandes A Filho, na iravessa da Madre de
Dos d. 12, um variado sortimento de retroz de
todas escores ltimamente despechado, queso
eoa precos razotveii par. fechar copla lo
venda;
Aliento
Vendem-se caixSes vasioi proprios
para bahuleiros.f unileiros etc. a 1 #280)
quetn pretender dirija-t a esta tipo-
grapha, (jue, a,hi *e dir' quem ostem
por vender.
No bem conhecido. acreditado deposito da rae
da Cadeia do Recife a. 12, ha para vender a ver-
dadeira potassa da Ruseia, nova e da superior
qaMlidade, aasim como tambem cal viegem em
pedra ; tudo por pregos mais baratos do que em
ontr* qualgoorparte.
rilNDiClO LOW-MOOB
Roa daStnzalla Nova n.42.
Nst estabslacimenlo contina sbavsrum
completo sorlias.nt) dimoenda .eaieiaEmoen-
dss prsengenbo,achinss d vapor elaixas
te ferro balido e coado.da todos ostamsnbos
para dito,
Superiores organdys a
720 rs a vara.
Vendem-se fioissimos orgaudya de muito bo-
nitos padroes, pelo barstissimo prego de 720 rs.
a vara, fazenda qne sempre se vendeu por
19200, assim pois, quem quizer comprar fazend.
fina muilo bonita e muilo barata chegar roa
do Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Para os bailes e Ihealros.
Riquiasimos clnloa douradoa com lindas fivelas
tambem douradas e esmaltadaa, e com ricas pon-
tas para cabirem sobre oa vestidos; moito pro-
prios para as aeohoraa que liverem.de Ir os bai-
les e theslros ; vendem -se pelo b.r.lisslmo pre-
50 de 49. 5| e 69: n rea do QueimHo n. 22,
oa bem eoobecid. loje daba. f.

O melhor gosto.
9 Chapeos de palha muilo fin. enfeita-
mt laoos trsvist. a 12J e 14f. ch.les de
m quilD 12'15, 20- 25-30- 35- 4. **
^jp 005. enfeites de retroz e outras imites
a fazendas do melhor gosto posaivel e por
|gr baralissimes precos: n. ru. do Queima-
W mado loja de 4 portas de Ferrie & Maia.
To un)* ,D*"Da 8',a D 'us Direiia
n. 113, com bastantes rommodos para familia,
propria para um rapaz principiante com poucos
fundos : quem s pretender dinj.-se a mesma
que aihai com quem Iratar fazendo-se todo ne-
Rorio.
H Loja de marmore.
S Vende-se psra liquid.co casemiras
inglezas de urna rr proprias psrs for-
rar carro a 3J5C0 o covado.
H Loja de marmore. |l
Vende-se para liquidacao meias br.n- *f
S cas inglezas par. homem .39. duzia. <
S*9fcss9i KM; mmurnl
Loja de marmore.
Vende-se par. liquid.co mantas pre-
tas lavradssdefil a 2.
Vende-se
Um esUbelecimento nesta pracs em urna das
melhores mas de commercio, contendo para
mais devinle conloa de mercadorias, sendo orna
terca parle de seu valor a vista e duaa partes em
prszos convencion.dos, rom garant. : a tratar
na ra do Imperador n. 5, segundo andar
Enfeites riqussimos.
Veadem-se ricos enfeites de re tros, sio os me-
lhores emsis modernos que ha ho mercado, pelo
baraUsilaao preco de89; es rs do Queimado
n, 2, BSlofadaboaf.
Loja de marmore.
I Ao bello sexo.
Aocebeu-se grsnde porcao de fazen-
2 das 4ue se heviam rncommeodado e
continua a vender-se para liquidacao por
preco muilo barate, entre estas as se-
guintes:
Para senho-as
Bournus de cachemira do ultimo gos-
to a 109.
Ditos para meninoa de idades de 2,
> 4, 6 annos, tambem de cachemira muilo
' modernos a 5*.
V Vestido de seda de corea a 309 (com
$ Igum toque.)
Aos terceiros da
veneravel ordem deS.
Francisco.
J chegou a verdadeira estamenha de lis oa
loja de 4 portas, roa do Queimado n. 39. e ae
apromol.m hbitos desta f.zeod. a 40, tam-
ben ba de .lgoio que se aproanptsm a 28* ctdi
um, e se vende (azenda por mdico preco.
-Ven4%ve o ol re. aoearea da ra
do Yigro n. 20, e u solo ns freguezia de S.
Jos, onde se aebam edifk.dss 160 casas, com-
prebwdeodp tos. de Santa Rila S. Jo., San-
ta Cecilia. Noguer. Acod|uinbos. ate.; a tfatar
T> ruado Crespo> loja dos Sre. Adriano & Ca-


....
IftlO 01
,<-
l* M OUTCtt* 9M Na*
ARMAZEM
DE
ROUPA FSITA
BDB I
Fnnileiri e Yiraceiro.
Grande ora oflklr
TresMrtas.
31Ruamreita-~31.
Joaquim Francisco dos Santos.
40RUADO QUEMADO 40
Befronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento hasempre utn sortimento completo de roipa fei ta d e toda as
qaalidades, e Unbtm se manda eiecutar por medida, i Tontada doifreguezei, para o
iim tem unidos melbores professores.
Casacas de panno preU, 409. 35 e 30800
?o>racasaca de dito, 85 a SOtOO"
Palitotade dito e de corea, 35, 30,
*5$O00. 109. W e m Dito de iisimir* decores, 2000,
ts. 1*9. t*+ *#oo
Dito de *lpaka*reta goU* de toI-
lado, francesas
Ditos de .aerto-sUim pretos- de
c.res.MWO
Ditos de lp-iku.de cores. 55 e
Ditos de lita p.reta, 9, 7. 5 e
Ditosde briso decoras, 5#, 4500,
igOOO a
titos 4e bramaats aolinhobranco,
IjOOO, 5000 e
i t=*noOva
Galsasie casimira preta e decores,
11*. 10. 9
Oitas de irraejeaa e merino de cor-
dio pretos, 5, 6500 e
Dita de brisa blanco e decores,
5S000, 49900 e
Oitas de ganga de cores
Goliates de velludo preto deco-
res, 1isot>e bordados, 12JJ, 9J e
Ditos de casetnirs preta e de cores,
lisose bordados. 6.5500,5 e
118000
8000
3500
3500
3500
4S0O0
8000
6JOO0
49500
I500
3SO0O
8000
3500
Ditos da setim preto
Ditos de seda a setim branco, 6
Ditos da gurgurio de seda pretos a
de cores, 7S000,6000, e 4
Ditos de brim a fust&o branco,
39500, 28500 e
Seroulaa de orim de linho, 2 e
Ditasdealgodio, 1,500
Camisasde peito de fusto branco
e decores, S9400 e
Ditas de peito de linho 58, 48 e
Ditas de madapolo branco a de
cores, 39, 55500, 2 a
Chapeos pretos demassa.traneeies,
formas da ultima moda 10$,8500e 70C
Ditos de feltro, 6, 58, 4 e
Ditos de aol da seda, inglezea
franceses, 14, 1J, 118 e 790003
Collarinhos de linho multo Anos,
novosfeitios da ultima moda 9&
Ditos de algodo 5
Relogios de uro, patentes taorl-
sontses, tOO, 90, 80 e 700(
Ditos de prata galvanisadoa, pa-
tente hosontaes, 408 300
Obras deouro, aderemos e meios
aderecos, pulseiras, rozetti e
anneis
ToalhasdeHoho.duzial00ftO6 a-
Ditas grandes para mesa a 4*000 e
0<
5000|
svoooj
2SO0}
If-MOi
22O0j
390OO
S000>
Neste rico bea montado eaiabelegunento o.
contrario os fregueses o mais pjerfeito, bem aca-
bado e barato m tea genera.
UNAS de talas aa qualidades.
SANTUARIOS que rivaiis.a coa o jacariadi.
BANHElRuS de todos ps lamanhoi.
SEMICUms Uem dem.
BALDES dem dem.
BACAS idem idea.
BAHUS idem idea.
FOLH A em ciius de todas ai grpisurai.
PRATOS imitando em psreigao a boa porcel.
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idea,
COCOS. CANDIEIROS e flsndtes para qail-
quer sorlimento.
VIDEOS va caias e retalbo de todos es U*
maodado-se mentios, botar dentro da eidade,
esa toda a paria.
Recebeaj-se eocommendu de quaiquer natu
reza, concertos, que ludo ser deiempenhado
contento.
Cera da carnauba,
A. dinheiro.
vende-se me pequea porcio do cera de car-
nauba multo boa, que se ach depositada po #rr
aazem da Companhia Pernambucaoe i oamo-
do presa.
BIoeg para meninas.
Vaedea-se asise*'* meneas, da tolos i
lmannos, de madpolio e de mussulloa a 3 e a
49 : a ra do Quetmado n. 22, loja da bea f.
I Para acabar.
1 ? Cortes de cassa francesa de 1 saias e 8 folhoa,
eom 12 e 15raras a 3*500 e 41, lindes cartea de
la para veatidocom 24 cotalos a 5, peca de
cambraia lisa com 8 et jardee a 29500, 9*099
39500, chita larga francesa, ovado a lo9 rs ,
caisas escuras friocetae. corado a 240 : a atlas,
que em rista da reduele em prego, poico
aturar: na ra de Queimado n. 44.
Manta de retroz para gra-
vatas.
Veodem-aa minias de relroi para grvelas,
tanto pretas cacao de cores a 500 rs. : na ra do
Queimado n. 22, na lpja da boa f.
Meias baratsimas.
A 29400 a duzia de parea de meias brsncas fl,
i, paca bornea : a* ra do Queimado o. 22
na laja s boa j.
Reos cortes de vestidos bran-
cos bordados.
A' loja da boa f na ra do Queimado n. 22,
Attencao.
*MruadoTrapichen.46,em casa daRo r n
Boker &C. enate um bom lortimento de l(-
qoas decores a branca smcartetei* 40 melbor
Dricaeteietaglaterraasquaei saeodm POl
nrecoa muirazoaveis
Fazendas hratissimas
N. 20Ra da iHiperatrizN. 20
Ruarte Borgs da Silva faz selente aos seus antigos e numerosos freguezes e so publico que
na sua lojn ruada Im.peratriz n. "20. acharo sempre o mais corapleto^prliraento de fazendas de
lei pelo menor prego possivel, pois est resolvid a nao deiiar de serpjHo fre{uez que troaser di-
nheiro. lem constantemente roberas de la a 120D, madapolo lao^re 24 jardas a 4800 a pa-
ga. chitasfrancezss a2IO e 280 r3. o covado, ditas estrellas padres bonitos e coris Qias a 120
160 e 200 reis, lenros de cassa e de chita para meniDos a 80, 120 e 160 ris, cassas
fraocezas gostos inteiramente novos 230 e 400 rs. o coado, casemiras ioglezas fazen-
da especial para forro de carros a 1600 rs. o coado que outr'ora se veodia a M, .arios de
cores lioho puro 2$ o corte, -oleados com pinturas riquissimas e larguras de 6 a 9 palmos ao di-
minuto preco de 2> o coado. casias lisas Qnissinnsa 8J a pega ou 800 rs. a vsra, chales de merino
a 2J, cortes de cassa al8O0 e2.oanoosde linho de vsrias qualidades, bramantes, brins tranca-
do de hnho, casemiras de cores a 4, ditas pretas a 5 rs. o corte e urna faaenda especial para
roupa de meninos polo mdico prego de 400 rs. o cotado. Em summa aeharo os predilos fregue-
zes e o respeitavel publico um bello e rstiado sortimento de outras fazendas que iremos men-
cionando. '
Charutos de Jos Por-
tado de Simas
Avisa -se aos compradores destes superiores charutos que a nica parte'onde existe dasta
fazenda na ra da Cadeia do Recite o. 15, no centro comwercial, onde se vende em porco com
abalimnlo suffioiente para os compra lores tornarem a vender, assim como existe grande sorti-
mento de charutos suspiros da imperial fabrica de Francisco Jos Cardoso e Alezandre Pereira de
Araujo, tudo isto no
IM!
i
m
Nova california
DE

Fazendas baratas. S
Na roa da Imperatriz n. 48, junto a*
padaria frajiceza.
Cortes de cambraia branca com bebadi-
,-p.Jjos 4 e 450 superior 5, cambrali-
sa com.8 l|2.var38. 3500\.e4.-di.Us^'W
Escossia 5, e 6, ricos enfeilespara ae- 9
' nhora 69e6J5O0, sintos os mis delicados
para seohora 25O0,3, cbapelipa pare cii-
anca gosto ingles 3500,4, para baptisado
3, cortes de vestido de.seda Encosseza de '
bonitos gosto 12 esto se acabando, ri-
cos lpeos de Ubyriatno 1, lgaoo. chapeo
de sol para senhora de bouitas cores, soa
5, cabo de marm 5j500, cortes de cam-
braia brancos com ffdr de seda 5. risca-
do francez 200 ris ocovado, completos
sortimenios de baldes de arcos 3, sorti-
men tos de meias para menino e menina
200 e 240 ris o par. chales de larlatana
de cores a 640 ris, leogos branco com bar-
ras. 160 ris chitas ioglezas a 180 e 200 t*.
dita fraoceza a 240 e 280 rs. o covad
pegas de cambraia de forro com 9 varas
a 2 : junto a padaria fraoceza o. 48.
chegou novo sortimento de ricos cortes de vesti-
dos braocoi bordados com le 3 baba dos, os quaes
continuim a ser vendidos pelo taratissimo prego
de 5 cada corte : ns ra do Queimado o. 22, na
bem coobecida loja da boa f.
K9K eieeiedtteKdKea^aittMK
gPalelols baratissinos, I
Paletols pretos de caaemira a 159. 188 g
i e 20. ditos4e:cuemirsdecores > 8, 9, 9
12, 16, ditos de bombacioa de cores a
.8, ditos de merino de cores a 9$, ditos I
.de alpaca preta a 3500 e 49500, ditos de A
alpaca de ores e de la escure a 4Jje 58, 0
ditos de alpaca preta para meuinos a 1
49500, ditos de muilo bom brim setim a
59500, ditos de brim pardo a 3500, ditos S
pardos do mais Qno bramante de paro S
lioho com botoes de madreperola a 58. 8
.ditos do brim eo cora do meia lona a 58. *
ditos de brimzipho de lioho de quadri-
nhos para meninos de 8 a 14 annos a 2.
na casacas de panoo fino preto e de cores,
caigas pretas de casemiras, ccdletes pe-
los e de cores de todas as qualidades e
gostos, jaquetas e muitas outras obras
fetas que se veo lem por menos de seu
custo, em consecuencia daliquidago que
se est procedendo, na laja n. 8 da ra
do Cabug, da extinta firma de Almeida
& Burgos.
m
\
Novas pechinchas
na loja do Pavo.
Vende-se gorguro da la padrees multo miu-
dinhos propnus para vestidos de senhorase me-
ninas a 400 rs. o covado, tendo 4 palmos de lar-
gura, sendo tambera esta fazeoda mullo propria
para vestidos de passar a esta no campo ; na rus
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Siira.
A 2$ o corte
de caiga de meias casemiras escuras
cor ; na ra do Queimado n. 22.
boa f.
de
na
urna s
loja da
Bom e barato
S no Torrador
23 Largo do Terco 23.
Quem duvidar venha venha ver: usnteiga rn-
gleza flor a 900 e a 800 a libra, fraoceza da me-
Ihor que se pode deaejar oeste genero a 640 ea
600 rs. a libra, assim como se torram outros
muitos gneros pertencenles a molhados !l!l a
diaheiro a vista.
Veode-se dous pares de rodas novas por
barato preco : na ra Augusta n. 50.
Estados
sobre o ensino publico
pelo Dr. Aprigio Justiniano da Silva
Guimaraes. Segunda publicacao. A
ven la na livraria dos Si-. Gutmaraes &
Oliveira, rua do Imperador. Preqo de
cada exemplar 2$.
VENDE-SE BAHAT0.
Superiores capas cimpridas de gorgu-
ro preto, manteletes modernos, tilmas
de croxe.
Vestidos de seda moderno de cam-
braia bordado, ditos de phantasia.
Sediohas de quadros, grosdenaples de
cor. moreaotiquA em rovado.
Cambrams de cores modernis, ditas de
listras lingindo seda.
Sintos, leques, golhnhas e punhos pa-
ra roupo, esparlilhos modernos e pen-
tes de Urtar.'iz.
Sdias oaio ae txias as qualidades,
camisas para senhoras, ditas para me-
ninos.
Tanaiaua, fil, niuaselina, diamantiua
e lazinha de cor.
Pulceiras de santalo, luras de pellica
e chapeos para aonhoras
PAKA ACABAR
Collas de la e seda proprias
mas ou coberta de piaoo a 5.
para ca-
s
Paletols de casemira a 10. ditos de
alpacs preta %5$ : ras da Csdeia loja
n. 23 de Gurgel & Berdigo.
Viaho do Porto.
Marques, Burros & C tem para vender superior
viaho do Porto, em caitas de duzia.
Vende-se o verdadeiro vinho de Lisboa a
500 rs. a garrafa, vioagre s 200 e 280 rs., e s de
Lisboa, frascos de genebrs a600 rs., que pechin-
chi. vinho do Porto al; s na liberna de Sao-
tos Sl C, ra do Cordoniz ?. 1.
Bramante de linho muilo
superior.
Vende-e superior bramante de linho aom duss
varis de largara,palo baratiasiaso preco de 2^400
a vara : na ra do Queimado n. 22, na bem co-
obecida loja da boa f.
Aos senhores consumidores
degaz.
No armizm de farioha. na eaes do Ramos n.
18, est eo4a. gaz liquido a melhor quajida-
de e receoteaseete chegado.
Peeliineoa seo igual.
A 160 rs
Sialuroes de sJa lia para bomeae e sseni.
njj ; n rus do Crea* n. 18.
s
Acaba d
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-1
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande e variado sortimento de
roupas Tenas, calcados e fazendas e todos
estea se vendem por precos muito modi-
ficados como de seu costume.assim como
sejam sobrecaaacos de superiores pannos
e casacos feitos pelos ltimos flgurinos a
269,289, 309 e a 359, paletols dos mesmos
pannos preto a 16|, 185. *09 > **.
ditos de casemira de cor mesclado e de
novos padres s 149.169. 18. 209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 99,109,129 a a 149. ditos pretos pe-
lo diminuto preco de 89, 109, e 12$, ditos
de sarja de seda a sobrecasacadoa a 129,
ditos de merino de cordao a 129, ditos
de merino cbinez de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79. 89, 99 e a 10J),
ditos ssccos pretos a 49, ditos de palha de
aeda fazenda muito superior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusto a 39500, 49
e a 49500, ditos de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditsa de brim decores
Unas a 28500, 39. 39500 e a 4$, ditas de
brim braacos osas a 49500. 5J. 59500 e a
69, ditaa de brim lom a 59 e a 6J. colletea
de gorguro preto ede coras iS|n 91,
ditos de casemira de cor a pretos e 4{500
e a 59, ditos de (usto branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 41.
ditos de merino para luto a 49 e a 49500,
calcas de merino para luto a 4f 500 e a 55,
capas de borracha a 99* Para meninos
de todos os tamanhos: calcas de casemira
prefa e da cor a 55, 69 e a 79, ditas ditas
de brim a 2$, 39 e a 39500, psletots sac-
eos de casemira preta a 65 e a 7, di toa
de ora 69 e a 7$, ditoa de alpaca a 89,
sobrecasacos de panno preto al29e a
14, ditos de alpaca preta a 59, boneta
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os laman hoa,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Eara meninas de 5 s 8 annos com cinco
abados lisas s 89 a a 125, ditos de gerga-
rie de cor a de lis a 59 e a 69, ditos da
brim a39, ditos de cambraiaricamente
bordados para baptisades.e muitaa entra [
fszeadaa s rowpaafeitas que aroisam de
aer SMoeieaadaa pela sua gran4eqanti-
dada; assim cerne recebe-ieteda qat-
aer eaeosaatoada de roaaa para
mandar masMlactnrar e qne para este Asa
temoa um cmatela artiaranto defamo* I
dae dAgoaio a a me f saade ofO.ia. 4, ,*. i
faiate dirigida por an hbil mestre roa
^ *m*P** 9erlalato nadadel-
xa a deajar. f
Gaz liquido.
Em casa de Samuel P. Johoston Si C, ras da
Senzala Nova o. 42, vendem-se latas com 5 ga-
les de Kerosine.
Na ra do Queimado n. 10, loja nova
de portas, vendem-se as seguintes
fazendas de apurado gosto, e por
menos pr^o do que em outra quai-
quer parte.
Ricos cortes de cambraia branca bordados s
20, 25 e 309-
Ditos de seda de cor a iquila a 80 e 909.
Ditos pretos bordados a velludo a 60, 70, 80 e
901000.
Ditos de seda de cores a 20. 25 e 309.
Ditos de dita preta a 20 e 309. '
Ditos de barege com babados a 15 e 209,
Riquissimas capinhas de velludo bordadas
com maogas a 60, 70, 80 e 100;}.
Loncos de linho bordados a 3, 4, 5 e 69.
Ditos de dito lisos, duzia a 6, 7 e 85.
Ditos de cassa com bico, um a 120, 200 e 240
ris
Mantas de grosdenaple abortas i renda, urna
a 39000.
Chapeos do palha para senhora, um a 8 o IO9.
Ditos de pellica i Garibaldi, um 159.
Chapeos de sol de seda para seohora, um 49.
Kiquissimos cintos dourados a 3, 4 e 59.
A ultima hora.
Acaba de chegsr loja de Gama & Silva, na
ra da Imperatriz n. 60, aonde lem o pavao pin-
tado do lado de fora, as fazeodas seguales:
Ricos cortes de larlatana bordados a seda por
I29OOO
Camisihis com golliohas bordadas e tambem
manguitos, faaenda de muito gosto, que sempre
eevendeu por 109, vende-se pelo baritissimo
preco de 59.
Ditas, guinchas e msngullos bordados multo
fios a 29.
Ditas, ditas ditos ditos a 19500.
Gollinhas bordadas com traspasso a I9.
Ditas muilo finas sem ser de traspasso a 640.
Ditas ditas dito a 500 rs
Manguitos de csmbr Ditos de dita ditos a 800 rs.
Ricos chapeos de sol para senhora s 49.
Lencos de cambraia de linho bordados para se-
nhora a 29.
Ditos de dita dito multo fios a 29500.
Chales de merino preto franja de retroz a 5$.
Mantas de fil preto para senhora a 49.
Saias a 3,200.
Vendem-se saias que fazem as vezes de bslao,
nao leudo arcos de metal e aire do mestno panno,
lavam-se e eogommam-ie como quaiquer outra
saia, pelo qae se tornara muito mais commoda, a
Hez pataca cada ama ; na ra da Imperatriz o.
60, loja do pavao.
Admiravel pechincha
na loja do pavao.
Admiravel per-hinchs, na loja do pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva, vendem-
se Onisiimos cortes de cambraia de aeda com 2
babados a 45500, ditos de a venial a 39900, -ditos
de daas saias s 39500, ditos de cambraia branca
muito fina com babados e deas saias a 49, ditos
brancos, cambraia de seda, eom babados a 69, ti-
tos de phantazla com babados de varan coras a
89000.
Anda o pavo.
Vendem-ae pegas de cambraia dacarocinhos.
fazenda muito fioa, com 47 varea, pelo baratissi-
mo preco de 89 a peca, diue com 8 3)4 varas a
49, pecas da ditaa adamascadas e com ama vara
da largura a 3J500 a peca; na raa da laperstuz
o.aO, loja do pavao.
*9 Em caaa de Adamsoo, Howis & C, raa do
Traptebe Nevo e. 42. vende-se :
Rolhaa de cortina anissimaa.
fcaoa a flele,
fio de vela.
Superiores UnUsda toda a esres.
Mlinstailhoes, e arreioa para carro oa eabrlolel.
Feijao de corda
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se fil liso muilo fino e assim tambem
larlatana branca muito fina, tanto urna cousa co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s para
bailes como para assislir-se scassmeatos, andem
antee que se acabe na ra do Queimado n. 22
na loja da Boa-F. *
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Russia da mais aova e
superior que hi no mercado e a preco muito
commodo: no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Magalhaes Mentes.
Avisam ao respeilavel publico, aeus amigos e
freguezes que se acha collocado em frente de seu
eslabelecimento um retabulo com o dstico de
urna arara, isto para se tornar a loja mais coohe-
cida, e de hora em diante principia a vender suas
(atondas per um p.ego baratissimo.
Principia arara
Vende-se damasco de lia de 6 palmos de lar-
gura, proprio para mesa e coberta a 1*400 o co-
vado. popelina de cores para vestido a 200 rs. o
covado, Ol de lioho de cores a 240 o covado,
cassas de salpicos a 200 rs. o covsdo : ds ra da
Imperatriz, loja armazenada da arara, de 4 por-
tas n. 56.
S arara, viva arara,
Vendem-se pecas de madapolo entestado fino
a 39i pegas de cassas adamascadas para cortina-
dos a 39, ditas de salpicos para vestido a 2 e 39,
cortes de chitas finas com 13 covados por 29500,
cortes de cassa com 7 barras a 29500, ditos de
larlatana de babados a 2j500, ditos de cambraia
a 39. fusto de cores para vestido s 320 o covado,
saias balao de 20 a 40 arcos a 39 e 39500, pecas
de cambraias brancas a 1>600, ditas a 29500, 39
e 39500, cobertas de fusto de cores a 55 e 69 :
na ra da Imperatriz, loja da arara de 4 portas n.
56 ; se do amostras de todas as fazendas para se
ver, na arara de Magalhaes & alendes.
Cassa orgaodys a
280 rs., na loja do Pavo.
Veode-se muito bonitas cassas orgaodys a 280
rs. o covado : na ra da Imperatriz o. 60, loj
do Paveo.
Para cortinados.
AOPAVaO'.
Vendese pecas de cassn adamascada propria
para cortinado 20 varas a 85 : na roa da Impera-
tris n. 60, loja de Gama & Silva.
WMM)
vende para paletots.
Lazinha muito miudinhas de cor escura pro-
pria para calcas, colletee paletots a 400 rs. o
covado: na ra da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silva.
Roupas feitas ba-
ratissimas,
NO
armazem de fazendas e
roupas feitas
DE
Raymundo C Leite <& Irmo,
N. 12Ra da ImperatrizN. 12.
Neste srmazem que ora se acha bastante sortido
de roupa feila da tedas ae qaalidades, tinto pa-
ra hornero como para meninos, se estao vendendo
as meaoias por baratiaaimoi presos, como le-
jana : sobretasa coi ife panno fino, obra inteira-
mente boa por ser fei ti a moderna a 255000, di-
toa de pasmo loperier, obra do melbor que se
poda desejar a 309000, paliti de caaemira flaoa
a ISgOOO, ditoa sacos, obra de moderno gosto
129000. ditos de mei dita a 69000, coletea de
casemira de cores flus a 49500, ditoa da brim
de cores e brancos a 99500, calcaa 4a dito finos
a 35500, 49OWe5900.f^ataaj*aaeosde alpa-
ca obra muito boa earaer da etaaa fina a 85000,
dito dito face a 39500 a 49000, uniformes da
caaemira a ultima gosto, toado preciso aotar
sao da casemira AnHetaia 190*
Attencfto
Veode-ae confronta a porteo da fortaleza das
Cipoo, Poalaa o seguinte : caxrocae para boi, dita
pora carillos e para agua, carriohos pira traba-
Ihar oa elfenilega a carrinhos de mao, rodas pa-
ra earrocs* e psra carrinhos. eixos psra ambos,
torradores para cal com ogo, bocea 1 de tornos,
baodairaa de area de todas as qualidades, do-
bradicas de chumbos de todos os tamaohos.fecha-
duras de ferrolhos, tranquetas, ferro de embutir
de todos oa tamanhos, ferrolho de chapa.
Lencos para rap.
Vendem-se lencos fiolssimos de linho proprios
psra os tabaquistas por serem de coras escuras e
Izas, pelo baratissimo prego de 69 s duzia ; na
roa daQueimado n. 12, as bemeonheeida loja da
boa fe.
Vende-se em cssa de Adamson, Howie &
(..rea do Trapiche Moro n. 42, eiscoitosinglezes
lortidos, em pequeas latas.
ea Vendes aun mulato carreiro proprio para
eogenho ou sitio por entender de plsntsco; a
tratar na ra do Raogel a. 69, primeiro andar.
Urna barcaca.
Vende-se urna barcada do porte de 35 eaizas,
encalhada 00 ealeleiro do mestre carpinteiro Ja-
cintho Elesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
fas, aonde pode ser vista o eliminada pelos pre-
bndenles ; veode-se a prazo ou a dioheiro ; a
tratar com Manoel lei Ciuerrj, ns raa do Tra-
piche n. 14.
Ricos cortes de medira de
seda.
A loja da Boa-F na ra do Queimado nu-
mero 22, acaba de receber ricos cortes de
vestidij de medira de seda de lindos padres,
a fazenda mais fioa, mais nova e mais bonits
que ha no mercado, cada cort lem 20 e 21 co-
vados, e vendem-se pelo baratissimo prego de
259000 o cort ; es seohorai de bom gosto que
tiverem de assislir a bailes e a casamento*, se
quizerem levar um veslido ds ultima moda
mandarem ver na mencionada loja da Boa-F,
oa rm do Queimado n. 22.
Novidade do Pavo.
Vende-se fioissimos cortes de esmbraia de
babados largse de dea* eaias fazeoda que se
vendeu a 109 pelo diminuto prego de 49 r na ra
da Imperatrizn. 60, loja de Gama & Silva.
*
ypH
:daco de certass
1 fazencLUs finas, i
9 RUAIDO CRESPO N. 17.
# Riquissimas chapelinss de seda psra
9 senhoras, de diversas cores a 139. 9
Cassss da cores bonitos padres a 240
W rs. o covado. %
9 Cassas e orgaodys de cores a 580 rs. o 0)
99 covado. %
sa> Chitas de todss as qualidades e pregos. 91
# Muilissimss fazendas finas que se ven- 91
% dem por pregos baratissimos para liqui- 0
# dar, do-se amostra das fszendss. A

Pede-se toda attencao.
So na loja da aguia da ouro raa do Cabugi n.
1 B., leas para vaoer ricos esoalbea com mol-
dura doarada o arasa proprioa para asas, que
visU dos eoaspraderes nie daizari 49 agradar pe- e .
te ezcelieote vidre qae tem a se veads por pre-
go muite ce asmado.
Pentes.
Vende-se oa liados penfes tanto de tartaruga
como de massa para alar cabello, assim como de
borracha para menina segurar cabello a desata-
ba ragar a de eutras mailas qusudadas fue se
vende por precos baratissimos.
Brinquedos proprios para ,
meninos.
Veo iem-se os lindos nonecos com corda que
anda urna milha por ora, assim como de outras
muitas qualidades.
Bandeijas
Vendem-se bandeijas de todos os tsmsnhoa por
pregos que admira psra acabar, assim como para
copos a 200 rs. e a 29 a duzia. <. ,
Capellas para noivas,
Vendem-ae lindaa eapelles brancas muito
proprias psra casamento qae ae vende por
59 e 69 e muito fioa a 109. assim como bicos e
fitas, franjas e outros muitoe mais objeetoa qae
se tornarle enfadonho aonuneiar que se affianga
vender e maia barate qae for poesivel por ae *
querer liquidsr: tudo isto s di loja da aguia de
euro ro do Cabugi n. 1 B.
Taixas.
Reducgo em pregos para
acabar.
Vendem-se no armazem de Braga, Son & C,
na ra da Hoeda, taixas de ferro cuado. do mu
acreditado fabricante Edevio Haio, a 110 rs. por
libra.
Superiores tiras
bordadas.
Na loja da boa f na ra do
Queimado n. 22 se encontrar om bonito sorti-
mento de superiores tiras ricamente bordadas
que se vendem pelo barato prego de 39OOO 49000
e 59OOO ris a pega, advertindo-se que ha mais
de ums peca de cada padreo, quem mais depresea
andar melhor servido ser, na roa do Queimado
n. 22 na loja da Boa-F.
do Queimado n. 10,<
loja de A portas.
Vende-se chapeos de castor branco ra-
pado a 69.
Chapelioas de seda para senhora a 89.
Chapeos de palha para senhora a Tra-
vista a 109.
Ditos de pellica a Garibaldi a 149 O 159.
Camisas para senbora a 39-
Superiores organ-
dys.
Na lujo da boa f, na ra do Queimado n. 22,
vende-se flnissimo organdys de multo linios pa-
dres, pelo baratissimo prego de 720 rs. a vara,
fazenda de I920O, e quem nao andar muito de-
pressa flear sem apechiocba ; oa ra do Quei-
mado o. 22, na loja da boa f.
Em casa de Ralkmann limaos
& C., na ra da Cruz n. 10, exis-
te constantemente um completo
sortimento de
Vinhos Bordeaux de todas as
qualidades.
Dito Xerez em bar s.
Dito Madeira em barris e caixas.
Dito Muscate! em caixas.
Dito champanbe em gigos.
Cognac em barris.
Cerveja branca.
Agua de Seltz.
Azeite doce muito fino em caixas.
Al vaiade em barris.
Cevadinha em garrafbes.
RuaNovan.56.
Garibaldi.
Josquim Ferrelra da Costa, psrtecipa ao res-
peitivel publico e eom especialidade aoa seus
numerosos freguezes Isnto da praga como do
malo, que acaba de receber de Paria pelo ulti-
mo navio urna nova factura de chapeos de senbo-
ra e meninas, como seja veludo, palba e aeda a
lambem ae encontrar um completo sortimento
de chapeos para homem, de feltro copa baixi a
altos, de lontrs, frmcezes, lambetlik, esater
branco prova d'agus, ditos psra a fesla que sao
freacos na cabega e na bolsa, e tambem para o*
religiosos franciscanos, chegados ltimamente
de Lisboa. No mesmo eslabelecimento acba-se
um completo sortimeoto de fumo da Babia qna
se vende por ataesdo e aretalhe, om bom
sort'mento de charutos como seja Havana, ma-
nilha e os afamados flor do Brasil, suspiros a-
praziveis, regala imperial, guanbana, pari-
sienses, e todos os charutos do afamado autor
Simas, e Candido Ferreira Jorge. .
Casemiras a
4.000 o corte, na
loja do Pavo.
Vende-se fntssimos cortea de aasemi-
ra entestada de cores peto diminuto
preco de 4$ o corte para calcas, assim
como tem das mesmas para vender a
2$i0(>vrs. o covado proprias para pa-
letots, calca e collete, recommenda se
muito esta fazenda aos Srs. alfaiates que
costumam a fazer roupa para vender,
porque tao cedo nao acbam ama pe-
chincha igual : na roa da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva-
Gravatas da moda.
Vendem-se gravalinhas estreitis malta supe-
riores, tanto pretas como de cores, pelo baratis-
simo prego de 19 ; na ra do Queimado a. 22,
na loja da boa f,
LOJA E ARMAZEM
a brastf* a Sj

fraAcetas peito de H0J40 maito tas* a
duiia ; ha vendo tambem muitas oulras
o armazesa de Tasso Irmios, ra do Amerirn aqli
95. pregos muito commodos.
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40loa do Queimado40
Defronte do becco da Congregando, letreiro verde,
VENDE-SE O SEGUINE:
Para casamentas.
Ricos cortes de vestido de 016 oa blond de aeda branca com rsmo a eapellj,
mais moderno e superior qae ha aa mercado.
Para bailes.
Lindos cortes de vestidos da fil ou blond de seda branca bordadas
cores.
Ditos de tarlitsoa branca bardados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordadas a bracee com maita elegaacia.
Saias bordadas
Ricis saias de cambraia branca bordadas com o asis aparado gosto a
que ha no mercado.
Ditaa de dita recortadas mais baratss.
Para baptisados.
Ricos cortea da vestido de cambraia tranca bordados coa malla
maia moderno e mais superior ^9 be aa mercado.
Manteletes
Ricas manteletes de seda de cores a pretos bordados o lisos com abitas,
como arraadados, par preces commodos.
3#000 a peca.
Pasala cambraia lia* larga fina com 6 a 6 lia vacaa, 9- mullo btale.
Lencos.
Meas teneos da cambraia da linho bordados a 39,49 e69 eada um.
Chales,
Meaachaleas tesjujaiai aaaaceabordados de ponta redonda de 9 pe*tea.
ajea da I lis Hs lteas ansia a saa aaaa a gas oda easakaasae d* toda,
islUaes. fuaaia a pssetaat saataaac-aa pelo grsnde eapago qaa lamasta,
i
%>1


.V
Tendea
Wr*,ne*,
a loa do 1
kWMW
brancos proories para algi-
Do preco de 9*400 a dszia :
n. 25, loja di boa f.
MTdads do pavao.
A loja de Gama <
Silva, na ra da Impera-
triz a. 60, acaba de che-
gar um novo e variado
sortimento defazendas,
que vepdem por presos
fue faz admirar, como
sejam:
Ua bocilo sortimeate 4a cmm suissas atai-
tifio da cedas de qeadriahoe, quese veodem pe-
Jo diminuto prtfo de 240 rs. o colado.
BrlUtanUna a %%& t*.
Vande-e brilhantina coa quadrinbos da cflr
para vestidos e roupaa de meninos a 940 rs. o
corado : na raa da Imperatriz d. O, loja do
pareo.-
Orgindys ai80w.
Vende-ae oaaaa de organdye da pedrea muito
bOBWoa a aBO ra. o corado : na na da Imparatiiz
d. 60, loja do Patio. v
Chitas a 240 rs.
Vendem-se china fraocezaa oaito miudiohai
fazenda que sempre se venden por una pataca)
e eat ae acsbaodo a doze vileos : na ra da
Imperatriz n. 60, loja do pavio.
Gurguro a 400 rs.
Veode-se gurgarso miudinbo proprio para vee-
tldas e capas para genhqraE e para roupaa da me-
tjdos, pelo dimieuto prego de 400 rs. o corado:
na raa da Imperatriz o. 00, loja do pavio.
Lasa40Ors
TMoa-M aibas eoieaisdas pau vestidos,

. f0.ieadc6aapaeX8tlr.________
Usada enHabeaaaa oaaa ua PAVAO r
de oeste urna lal ea que diz a PaVO
Calcado
45 Ra Direita 45
Magnifico sortimento.
Sempre condescendente e prasenteiro com oa
reguezes que Ihe trazezo dinheiro, o propriela-
no deste grande cstabeleeimento continua a of-
fereeer ao publico, por presos mdicos e sempre
inferiores aos de ootro, o aeu bello sortimento
de calcado francs, inglez e brasileiro e vejam :
Homein.
Boneguloa Vietor EaaaasDuel. 10|000
eeero de porco.....10*000
lord Peleaerston (bezerro 9*500
diversos 'arieantesf.luetre} tpooo
8*500
5*600
- fcaapsaafca-. m retorJaa 96 vav. aar-
tt^StS ,We*a.,.pre*>..69T*W.
* a/.J*?-** aajaaedeav* kmei a 960 a
Joba ReaieD. .
Sapetes Naotea (batera inteira). .
paterna........
Sapatoa tinca (portugueses), s .
(francezest. .
9 entrada bata (sol e vire).
Bailo chique (urna ola). .
Senhoras.
Borzeguins primor (Jola).....
a brilbaulioa.....
aspa alta.
baiza. ...>..
31,31,33.34. .
a da corea 3. 33.34. .
Sepaiea coa aalto (iely). .
francezes resquiohos. .
31.39.33 a 34 lastra. .
E um rico aorlimemo de conro da
55OOO
2J000
15500
55500
3SO00
SfStO
5500
ludezas.
UJLTO -I M>I.
ooaor Cardse de Soma, com roja de miude-
zas na roa do Crespo n. 3, junto ao arco de San-
to Amonio, eaii reselvido a vender barato e a
servir bem ae peseoaa qoo se digaarem tr oo man-
TuJ>eu e8taBelecimerrto comprar qualquer
quaridade de miudeza, afiancando-lhea a maior
"* odlco preco daa mercadorias em re-
acio i qnalidade : oa precoe qoe abalxo ae no-
ta ola deuarao de agradar: rintoa finos com
fivela don rada eprateada, proprias para eenhora
'y'* da um, linbas do gaz novello
graade a 80 rs., e am csiis de 19 noveflos a 800
ra. acalsa, ditas dedMo, nevelra pequeo a 90,
EL* ZLW:. no,e,,. e'*ss de 50 ditoa a
JO. 800 e 1* a cala, ditas de dito de todaa as
-------------------
g W.^dooavM. "* Com barras e babados.
Veode-se finissimos cortea da esmbriias para
reatidos, coa barrare de babador, pelo baratlssi-
I**'**JsW*i 3f a 31500: aa roa da Im-
peratriz n. 00, loja do psvio.
Cassas a 200 rs.
Veadem-aa caasss coa alpieos greudos a 900
ra. o aovado : aa roa delmperatriz a. 00 loja do
pavio. '
Cassas de cores a 240 rs
. Y*S2~** CMM* i% ,re* eda o.uito boai-
U a 340 ra acarado : oa loja a roa da leape-
ralria a. SO, loja do pavao.
Sedas a co\ado#
.v**'*tagroadeBapleapreto' a*ito eneorpado
a 1500. M00 e 1|800, dito azul cor de roa e
cor de caaa a CHOOO o corada, sedea brancas la-
vradsa para veaiidoa de aeiva a 9|t40 e 2*409 o
4*. dit preta lavrada a l#40O, cbaaalote
preto a 9JOO0 o covado : na raa da Imperatriz
b. 60, loja do pavaa.
Enfeites a 25.
Veadea-aa eneites de muilo boa gosto para
senboraa a 9|000 : na ra da Imperatriz o, fio,
loja do pavo.
Efeites a 640 rs.
Vendem-ae eafeitea de froco proprloa para me-
ninas e tambem para aenbora a 040 rs.: na ra
Imperatriz n. 60, loja do pavio.
Chapeos para seuhora. .
Veodea-se chapeo para senhoras, sendo mul-
to bem etifeitados a oa raaie modernos que tem
rindo, pelo baratisilmo pre^o de 10 : na rus da
Imperatriz a. 60,loja do pavio.
Felludb a 2400.
Vendea-se velludos pacto, cor da caf, azul
ferrete, e verde-escuro, proprios para vestidos de
seohora e roupaa para meniooe pelo baraiissiiso
prejo de 9*400o cavado, sendo fazenda que aem-
prese veadeu a 5: na rea da Imperatriz a. 60,
loja do pari.
=
fesCsejBtateeoairesqaalidedes, da tedsa as
larsroraa a gastos, bicos, rendes e labyrinlhoa,
taiea da aerea, retrot da todaa as cores, lias de
Isaalargaae atritss, brancas a de cores, etc.,
ata., a que tudo se vender* por aeaoa preco do
qaeea aatra qaalqaer parte.
Para mimos.!
Sariahas coa oseicallentes flgoa da comadre '
lJf vende-ae no Progresso larga
da Peoha n. 8, aesia eoao se vende aeiroes'
coa 8 libras por 99509, e em libre a 390 rs. >
Aos senhores aca-
dmicos.
A loja do ledo de ouro.
Na bea coobecida loja do leia da ouro, de
Jos Goncalrea da Silva Raposo, rus da Csaogi
o. i C, reeebeu-ee ltimamente da Europa pelo
io, vapor francez segunda remessa daa bellas fitas de
carca a SO e 40 ra. a novello, a ea cala de 80!*o,*,,,*o,,ei,Ter,*,,*r8"rM' P">prias para ear-
*5'00
. 4*500
41000
. siaoo
. 9*940
1#OO0
lastra, be-
zerro francez, marroquia, aola, vaquetea, eoo-
rlnboe, fio, tanas etc., por aenoa do que aual-
qoer outro pode vender.
Vende-ae caf muido a paro a 360, assoear
-----------__-------. t- w.aavc v om lOlia UO JVJ
novellos a 800 e 900 ra. a cSiia, miadas de Rnho
5"' *dar a 80ra., a maaetatMe cora 12 ditaa a
600 ra., lo has de carretel de 900 jardas a 60 a
8* ra. a carretel, ditaa da dito de lOOtltae a 30
e 40 rs. dita, carlio com 14 pares de clcheles a
60 re., a en dazia 600 re., ditos com 94 psres
de ditos a 90 a 100 ra., a em dazia a la, cordes
para eaBar eepartilhee a 60 a 80 ra. cada um
canas cea agulbaa franeezaa a O, 240 e 820
a cana de 4 papis, carteiraa com ditas, supe-
n^8ni,dSk 40 "- p*nle* p'**0* oera 8,iMr
a SMO, x80 e 320 cada um, ditoa amarellos a imi-
tarlo de uoicorne a 400 e 500 rs., ditos de ter-
taruga para atar cabello a 48500 e 58, ditos a
ialtacio de tartaruga, obra boa a 800 e 11, te-
souraa finas para coetura a 400, 600 e 800 rs. cada
owa, ditas para un has a 500 e 800 rs.. dita para
costera eom toque de ferrogem a 100 e 900rs..
fotfaaada papel bordado e com envekipea a 160
Te. a foiha. dito de corea de quadrinhos a 100 ra.
o caderno : alem deetea mercodorias tem outras
muit^s que se Tendera por barato pre$o como se-
je, fitas de vallado pretss a de cores, largas e
eslreitae, franjea de iinbo a de seda, fitas de se-
taa de hachareis, poia devea v'ir comprar quaDlo
antea, qoe aa aeseara, quo 6 a leja de leo de
ouro quea aa tea.
A 280 rs. o covado
de cassas francezas de muito bonitos padrees coa
4 palmos de largura, pechiocha na roa do
Queimado n. 29. na loja da boa f
Libras sterlinas.
Vende-ae no eacriptorio de Hanoel Igoeeio da
Oliveira a Filbo, larga da Corpo Santo.
Escravos fugidosT"
Ero das de jonho deste son desappareceu
ds fazenda 8. Bento. na freguezia do Acari, o es-
cravo crioulo de nome Guilherme, com os signaes
seguiates: preto, idade de 17 annos, alto, aecce,
pouco formoao, olhos, grandes, pernss tinas, cujo
escravo levoa em seu poder ua cavallo alaso
com ua trro no quarto direito e ootro no ea-
querdo, aupp5e-se que este escravo foi seduzido
por alguera pe ser veaoMo aaaU praca aa ao
sul, pertencenle a Laurentino Bezarra de Heae-
zea Galrio. e> roga-ee a lodaa as a toridadea aali-
ciaea e capiOce da aaao a captura do rv/farMo
aJBJPKp. offereceodo-se de grstificacio a qeaetia
de 100a a oaaa o pagar, a lera-la m aa rearida
fazenda 8. Beato, uo Seiid. oa m eapilai da lio
Grande do Norte, em cata do Sr. Joaqaia Aa te-
nes de Olivalrs.
dia 13 da dnembro da 1859, ua
oor aaae Jato Graajaria. iaeaa ae 9* a" 24 eaaea,
bem pieto, altura regatar, alegra a regrieta, eH*
co de rarreiro, o qoal foi preso aa Beata eaFa-
vereiro da 1^60. e remettido para Per aa abac*
ea aa vapor, d'oode teraao a fagir, a aaapti
se estar na Baha ; roga-se aa aatarMaaa pali-
eiaes e capitaes de campo qoe a appribaadaa
a remetUm para Pernambaco a eaaregar aa Sr
Joao Pato de Le moa Jnior, a ene pagar aaal-
quer deapeza qoe ae fiase.
Uabelino da Peala Saaa Leia.
Fugo no dis 7 de catobro do corrate aaaa
do convento da Piedade, fretuezia de Meribaea
escravo crioulo, de nome Marcolino da 99 aaa'ea
de idade, cor preta, cara larga a aa'aiu loatraaa
estatura regular, bracos e mioa aaeoeasa.
grossoa e apalbetadoa, tea a aodar remada
falla muito atrapalbado, foi Itimameate aacraa
do corooel Beolo Jos Lemeoba Dea, levoa rae-
peo de feltro j osado, chapeo da sal aa peasa
preto com barra cor de roae, trea eaaiaaa aaad
urna branca, urna de algodio Iletrado, a caira a
bats verde, duaa calcas, acodo naa azal aaaUa
de brim branco com um tecide amarello, ea ee-
letol de ganga cor da caf, urna iaqaata da tai,
ga quasi prets ; quea o captarar, leva-a aeVea>-
vrnto da Piedade, ou no Reeia. i caaa de dea-
dioo do Reg Lima, na roa da Praia a. 47, que
bem gratificada. ,-"
Desappareceu no dia 13 o crrante 4a> si-
tio de S. Joado Maagaiaha, a aacrave a^teaT
maior de 50 annoa, de noae JaW.a. ^a? ..
signaeasegointes: cabelloa braacaa, alia Mee*
.Si'SV V i",irtta ttaeacr'aai"itiSZ
priedadedo Sr M.noel Ju. Pereir. Pachecof
Araeatj.d'onde veie para aqai fgido: ra.^ae
a todaa a. autoridades policiaea e a a.eaa mJTj
que o encontr, da o captarar e entreca-la m
ss asfcr *<>'*
Dos premios da 8/ parte daM e X da 5.' lotera, a beneficio do gymnasio Peruambucano
' extrahidaem2deoutubrodel861.
NS. PfiBMS.
5901 5
105
5
100
5
NS. PBEaLS.
5497
98
NS. FBEMS.
m
58 5754
58
5581
4
6
10
18
19
99
98
94
5009
88
40*
5f
5f
90 _
93 _
95 _
96 _
5300 _
4 _
8
9 _
11
14 __
15
18
90
98 -_
24
26 _
43 m*
48 _
51
57 s
58
59 105
63 58
69
76
78
83
84 900f
88 58
5401
9
8
7
8
16
19
93
24
25
80
31
- 39 1:6008 II
35
88
33
47
49
88
84
55
58
80
83
64
85
70
79
7*
80
39
49
43
45
47
51
53
56
6
66
68
89
79
77
79
89
81
83
85
95
96
5600
1
8
4
5
6
14
15
18
98
33
35
88
40
44
48
49
51 |
53
54
80
M
63
64
69
78 J
76
78
81
57
79
73
74
77
80 -
81
83
84 198
85 5f
4
93
98 -
97
99
5600 -
8
6
10
18 -
90
84
85
88 _|
88 4
84 ofit
-97 -
5706 -
10*1
94
98
97
9*9
31 10*
88- 5J
88
88
40
49
47
49
50
51
84
87
88
83
64
66
78
77 -
78
89
88
84 10*
18f
86 5*
88
98
5900
8
- 6
7
*4
18
14
16
17
-I 18
91
99
98
95
96
97
-36
4!
108
4
.
M
18 -
99 _
9*
41
4
51
58
46
59
O e*crito, Seoeriam JitUtk Moura.
I
wi
74
7
76
77
88 Sf
98
.9
98
91
*. F. la Fav* 4. JUeW-tttl.
^


(8)
41 tlMJLIBUCOi u- SAMADO 11 M OUTBBRO K 1M1.
Litteratura.
Bispado do Para.
Instrac^o pastoral sobre o pro-
testantismo premunindo os fiis
contra a propasauda que se ien
feito nesta alcese de biblias fal-
siflcadas e outros opsculos he-
rticos.
D. Antonio Macedo Costa, por merc de Deus e
da santa s apostlica, bispo do Gram-Par,
do eonttlho de S. M. o Imperador, etc.
A lodo clero e poro fiel de nossa diocese graga
c paz da parte de Deus Nosso Pae, o do Seohr
Jess Chrislo.
Sendo o primeiro dever d'aquelles que o Espi-
rito Santo poz para regerem a egreja de Dous, I
velar oa guarda do sagrado deposito da doutrina,
repellindo as profanas novidades com que o es- i
pirlu inquieto do erro procura por toda a parte i
alterar a siraplicidade da f, dos nao poneramos,
amados filhos, de modo algum, como vosso pas- j
tor e vosso pae em Jess Christo, deixar de pre-'
rnuoir-vos contra certoe escriptos insidiosos sa- I
hidosdos prelos protestantes, e que soubemos,
com dolorosa surpreaa. se eslo disseminando no*
meio de tos a vil prego e at de graca com o Qm
de corromper vossas crengas e vos fazer aposta-!
tar da egreja cathulici, em cujo gremio morre-,
ram voss-js pae, e fra da qusl nao podis es- j
perar salvago. Sim, irmaos e filhos amados,'
com magoa o dizeraos, o monstro da heresia que I
desde os lempos da conquista lautas tentativas,
eosaiou para abordar uestas plagas abeogoadas
do Imperio da Cruz, adiando sempre nos beroi- !
eos peilos dos Brssileiros a mais invensive re-
plelo, agora envida oovos esforgos, e, i merc
da indifferenga da pocha, procura por todos os
meios infestar esta bella porgo d'America com
8eu hlito pestilente.
Eis por que, collocado como Alalaia sobre as
cumisdss da Jerusalem Sania, vendo o perigo
que ameaga esta e oulras provincias da nossa
chara patria, onde a propaganda protestante, ali-
mentada pelos immeosos recursos das sociedades
bblicas, se vae desenvolveado consideravelaieo-
te, em menoscabo do pacto fundamental do es-
tado, nos levantamos o brado de alarma e clama-
mos a lodos indislinctamente. Alerta 1 alerta I
u Guardae-vos dos falsos prophetas que vem a '
vos desfajados debaixo de pelles de ovelhas,
mas por deulro sao lobos decoradores .
A heresia hbil, irmaos dilectsimos, e sabe
dissimular-se debaixo de mil formas seductoras.
Se ella se dirigisse a vos e vos aissesse sem re-
bugo : < aposlatae da religiao caiholica ; fazei-
vos protestantes, vos a repellerieis com horror
e serrarieis os ouvidos a tao indigna proposigo.
Por isso se cobre com eppatencias de piedade,
como diz o apostlo, e 4 maneira da serpe que
se oceulta debaixo de ores, vae infiltrando trai-
goeiramenle seu veneno mortfero, misturando
astucioiameoto o erro com a verdade, para assim
melhor iliuJir a simplicidade dos fiis. Mas
anda que um aojo do cu vos apparecessesclo-
tillante de lut, pregando urna doutrina diversa
da que Deus vos lem revellado e a santa egreja
tos ensina, oh filhos e irmaos queridos, vos de-
vieis auatbematisa-lo, quaoto mais siguas predi-
cantes sem misso, pelo seu proprio juizo (1) religionarios incouse-
quentes, que ao mesmo passo que nos iuduzem
a regeitsr com horror as ioterpretaeoes as egreja
universal, oo tem pejo de nos imporem arbitra-
riamente as suas, e que em vez do nosso chris-
tianismo catholico do christianismo que contem
a plenituledas verdades reveladas, do chrstia-
nisrao que tem produzido tantos santos Ilustres
em todos os seclos, nos querem dar um chris-
tianismo agudo, diluido, sem consistencia alguma
um chnstianismo forjado a arbitrio do exame
privado, sem dogmas, Uxos, fluctuando a todo
vento de doutrina, e que toroar-se-hia dentro em
pouco aqu no Brasil, como por toda a parle,
urna torree de Babel onde se agasalhariam com-
modamente toda a sorte de treavarios.
O que com effeilo o protestantismo, irmaos
queridos ? Para bem coohece-lo interrogae pri-
meramente sua origem ; depois examinae o seu
principio fundamental ; finalmente os meios que
ello emprega para propagar-se no mundo, e esta
trplice consideraco vos inspirar sem durida um
vivo horror desta seita, ou antes desse acervo
monstruoso de seitas, que se chama protestan-
* A origem. Um mooge apostata, de nome
Martinho Lulbero, foi quem a trezeotos anoos a
esta parte hasteou primeiro na Allemsoha o es-
taarte da reforma. Singular reformador, de
quem dizia o brando Melanchthon, tambem pro-
testsnte e seu amigo : a eu tremo quaado pens
as paixoes de Luthero. E outro prolestaote,
Hospinano : Luthero inchado de orgulho,
O ayogaocia, o seduzido por Salanaz. Singular
reformador, a quem o celebre Erasmo, lambem
protestante onhecido pela raoderago de seu
juizo, escrevia : Gemem as pessoas de bem
avista do schisma funesto com que tul abalas o
mundo, por teu espirito arrogante, deseafreado e
sedicioso etc. Quem oo sabe o casamento es-
candaloso e dopadamente sacrilego desse ho-
resiarcha com urna religosa por elle sedzida, e
a celebre dispensa por elle concedida aa Land-
grave d'Uesse para ter duas mulheres ao] mesmo
tempo, caso inteiraraente virgem no chrisltanis-
mo ? Singular reformador, que depois dos pro-
psitos de mesa os mais licenciosos, pijegava e
escrevia em face do mundo que as boas obras
sao inuteis para a salvago ; que o homem nao
tem livre arbitrio e tudo o que faz, bem cu mal,
feito necessariamenle ;que depois de adquirir-
mus a graga de Beus nao a podemos mais per-
der, por maiores crimes que commetlamos, e
outros funestos principios, que, a serem attroitli-
dos, precipitaran) inrallivelmente n'uma espan-
tosa ruina toda a religiao e toda a moral.! E oa
Inglaterra, quem iotroduziu a reforma ? faenri-
que VIII, que o proprio protestante CobbetLcha-
ma o mais vil e sanguinario dos lyraunos que
jamis desolram a Gram-Bretanha : Henri-
que VIII, o assassino do grande chanceler Tlomaz
Morus e do virtuoso Fischer, bispo de Rochbsler,
dupla mancha de sangue, que, secundo outro
protestante, Burnet, panegyrisla do iyranno.de-
ye-se muito deplorar em sua vida ; Henjrique
\ III, que como chefe da religiao, declarou a nul-
lidade de seu primeiro matrimonio legitimante
contranido, para casar-se successivameulalcom
seis mulheres, das quaes mandou quatro ao ca-
dafalso, s por terem tido a desdia de Iha nao
agradarem mais. Em Franga temos Caltino,
violento e pesverso d se devemoi crer no
teitemuobo insuspeito do protestante Wolmar,
seu amigo ; grande flagello na egreja e crjntra
a egreja segundo Erasmo ; a o mais imperioso,
o mais decisivo, o mais divinamente fallivel no
seu modo de ver, segundo J. J. Rousseau, se-
deado de vinganga e de ssngue segundo Hau-
doio, um dos seus admiradores. Eis o doto
evanglbo, eis os actos dos novos Apostlos,
exclama Bossuet I E a religiao desses bomeos
que se vem pregar as nossas populages calholi-
cas ? Nem se oiga que d'etles sao estes oxeseos,
e nao. da religiao que professavam. Ja (ora triste
que os autores de urna reforma tao precooisaaa,
os homens divinamente suscitados para levanta -
rem das ruinas a egreja caiholica, cabida na ido-
latra e em mil superstiges, como elles dizesa,
offerecessem o espectculo de costumet tio pou-
co evanglicos; maa o que mais triste anda ,
que elles deram taes escndalo em virtude mes-
mo dos principios da reforma, usando das lar-
guezas que Ins conceda a reforma, e pondo era
pratica a mxima da livre ioterpretagio da bi-
blia que estabelece a reforma. Sem dunda gra-
ves crimes se lea deplorado no seio da egreja
calholica ; onde qae entra o ele me uto human
que nao apparegam fraquezas e miserias ? Mas,
estas sao sempre condemoadas pela egreja, que
fica iempre santa em sua doutrina, piameote en-i
caroigada contra os abusos que ella procura des-
arraigar, nexivel nos principios eternos do evan
gelho, os quaes ella nnnea amaciou para conlem -
porisar com ruins paixes. Todas as desordena
e descamiobos da reforma se seguem, pelo con-
trario, naturalmente do principio funesto, que
Ha estabeleceu.
II. (Jual com etteito, o principio fundamen-
tal da religiao protestante? Que a Biblia a
tnica regra de nossa ; que nao ha do mundo
aotoridade alguma religiosa que devamos obe-
decer ; que cada christo, por mais ignorante
que seja, lendo a Biblia tem a inspiragao sufflei-
eote para tirar d'aquelle livro aa doutrioas reli-
giosas que mais conveniente Ihe parecerem. Tal
o fystema do exame privado que lrma a base
meaaia di reforma.
Ora que desastrosas consequeaci nao esli*
(t) To. 1JJ. 11.
dimanando de te imprudente priocipio? cQoa-
lo nao perigosa, diz o sabio llurter, protestan-
te convertido, quaoto nao perigesa a idea de
collocar entre aa moa de todos, sem altender i
capacidade e recildo de voruade de cada usa.
um livro que pode cooduiir o horneas tao fcil-
mente ao erro quaoto ao camioho da salva-
go ? Que de desvarios, que de extravagancias,
que de paixes abnminaveis nao tem adiado sua
jusliQcago na Biblia assim entregue 4 livre
intprpretacao de cds um ?
Uiis leram no Evangelho : Ai dos ricos I e
estabelecerarn que as grandes propriedades sao
urna usurpage impa, que as riquezas devemser
communs e que se deve extirpar os ricos e os
nobres a ferro e a fogo.Foram os Anabalistas
de Muocer.
Outros leram na Biblia que nos somos justifi-
cados pela f, e d'.ihi concluiram a inefflca'cia, a
inutilidade das bdas obras, e que bssta crer em
Jess Christo para adquirir a salvago. Estes
formam a' grande seita latheraoa.
Aquelles viram com prazer oai sagradas pagi-
nas que os anligos palriarchas tioham minias
mulheres, is quaes podiam dar libello de re-
pudio.
Determinaran) pois abracar a polygamia e a
dissolubilidade do matrimonio como dogmas
fundamentaos de sua crenga. Sao os Mormens
mu numerosos nos Bslados-Uoidos.
Oatros vem no Evangelho qae o Espirito
Santo sopra aonde quer: reunera-se pois em
silencio n'uma capella, lem a Biblia e d'ahi a
pouco comecam todos a tremer, julgando-se
ebeios do Espirito Santo : Sao os Quakers.
Uos depois de verera minias vezes repetido
no Evangelho que Jess Christo o Filhg do
Homem, concluiram que elle oo era Deus, mas
um simples philosophp. Sao os Socioianos, seita
numerosissima.
Vieram por Qm outros que asseotaiam que
nem philosopbo, nem homem foi Jess Christo ;
porm um simples myiho, urna imagioagu dos
poros; e sao os psrtidarios do celebre Strauss.
E assim por diaote, discorreodo por todas as
seitas cada urna das quaes vemos apadriohada
com a Biblia e dando como inspirages do Espiri-
to Santo os tristes devaneios de seus cerebros
enfermos. Ainda orna vez, d-se priucipio mais
perigoso ?
Ajoncleraos, irmaos carissimos, principio con-
tradictorio. Os apostlos do protestantismo cla-
mam com todas as suas torgas e em todos os
lons : A Biblia e s a Biblia I Basta a pura
palavra de Deus I Nao se deve pregar ao povo
seoo a pura palavra conlila as escriptu-
ras I Mas vem elles que si estira cootradi-
zendo, e que este mesmo principio que tanto
assoalham nao se acha oa Biblia? Onde que
na Biblia se l que s devemos crer na Bi-
blia ? Onde que se acha l escriplp que nen-
huma palavra de Deus nos foi transmitlida por
tradigo? Evidentemente desde o Gne1s at o
Apocalypse oo se depara um texto resando
semelhaote doutrina. [i] Logo os proies-
lantes pregam cousas que no esto ns Bi-
blia. Logo eslo em cootradigao com o princi-
pio fundamental de sus reforma.
Demos outro exemplo para mais clareza. Os
ministros ne cessam de dizer : A egreja catho-
lica erra em suas inlerpretacoet: nt, ministros
protestantes, que sabemos o verdadeiro sentido
da Biblia.
Muito bem I Mas elles que dizem que nao
pregam seno a Biblia, onde mostram l estas
proposiges ? Oude que se l na Biblia que os
catholicos erraos)} que os protestantes que
acera nr.' E assim todas as mais doutrinas do
protestantismo. Logo, anda urna vez, os pro-
testantes ensioam muitas eousas que oo esto
na Biblia e s para engaar os simplices que
dizem, a Biblia e s a Biblia! Tanto elles nao
se contentara com a Biblia que a acompanham
de fuUielos, de explieages impressas, de predi-
Cas oraes a que convidam os leis etc. I
Para que ? Pois el l-s nao sustentara que basta
a Biblia? Que cada fiel lem a graga do Espirito
Santo para conhecer o verdadeiro sentido da Bi-
blia ? Se para segirem os fiis as interpreta
eoes deste ou daquelle ministro, neste caBo
porque ^ oo segirem antes as da Egreja catholi-
ca? E' o caso d'aqui applicar o que se l em
alguma parte as mesmas Escripturas : Mentita
est iniquitas sibi.
Principio contradictorio : digamos anda, prin-
cipio evidentemente absurdo. Se um principe
redigisse um cdigo e o entregasse ao cidados,
dizeodo :
c Ahi tendea a regra de vosso proceder; sois
bastante razoaveis para coraprehende-la. Nao
baver nem magistrados, nem tnbunaes eacarre-
gados de interpretar este cdigo e deapplica-lo
aos diversos casos praticos; cada um tome-o e
inlerprete-o livremeote. >
Dizei-me, o paiz em que legislasse um tal
principe, nao nos offerecia dentro em pouco o
espectculo da mais perfeita confosio e anarchia.
e este principe nao teria dado prova de urna
insigne loucura? Eousam os protestantes sup-
por que Deus poderia ter obrado desta maneira,
entregando sua palavra a merc de todas as fal-
sas interpretagoes provenientes da fraqueza do
espirito e da corrupgo do coraco humano, sem
deixar tribunal algum no mundo encarregado de
interpreta-la authenticamenle? E elles suppoe
ainda que o homem mais igaorante da religiao
pode de urna leilura da Biblia preferir razoavel-
monte o seu juizo privado ao juizo de toda egreja
universal, de todos os concilios, de todos os
doutores della ?
Mas sao monstruosidades que vos sois obriga-
dos a devorar, vos que sustentaos que o exame
privado a regra nica e infallivel de nossa
f.
Infallivel, sim, para conduztr os fiis ao scepti-
cismo e iucredulidade; e com a maior certeza,
porque se nossa religiao deve ser o resultado do
exame que cada um tem de fazer da Biblia, que
religiao teremos em quaoto dorar o exame? Nao
evidente que estaremos durante este exame
suspensos, na duvlda, e por consequencia sem a
f, que involre um assentimento pleno de ooisa
inlelligencia s verdades reveladas por Deus ? E
quem nos affirma que para muitos esse exame.
oo se proloogar indefinidamente, ou nSo dar
um resultado conforme Ss suas psixes o pre-
conceitos ?
Em fim o principio, protestante ums fonte de
8chisms, de divises, de fanatismo, e nao pro-
prio serao a rniroduzir no seio da egreja a anar-
chia e o radicalismo, diz judiciusamente um
escrptor.
Othae, caros filhos, para as regies devastadas
pelo flagello do protestantismo, e rede se podis
descobnr alguna realhos de christianismo so-
brenadando ainda oo meio do chaos confuso de
tantas seitas diversas, que ss vo cada dia multi-
plicando e subdividiodo impossivel tecer urna historia completa de suas
numerosissimas variaces.
Um jornal inglez, ha mais de trinta annos,
ji dizia :
Nao se pode enumerar sem corar de vergo-
nha k a metade das seitas, que aa Inglaterra
disputam i igreja episcopal o governo das
almas. > (3)
E observa qae todos os gneros de crenga e
de incredolidade acbam em Londres partidarios e
defensores, de sorte que tal boje a disposigo
dos espiritos que todo homem, em estado de
comprar um vestido preto e vestir-se coa elle,
pode formar em roda de si ama seita.
Outro jornal de Now-York, nos deu em julho
do 1857 a lista dasaeitss que eocerra esta cidade
e que orgam 4 74. (4J
(8) A doutrina opposta qae l vem expressa
em S. Paulo aos Thess. cEstae firmes, e obser-
vae as tradiges que aprendeates........ Em S.
Joo que cooclae o seu Evangelho que muitas
cousas reslavam ainda da vida de Jess as quaes,
ae sa escrevasem, nao bastara o mesmo mundo
para conter os livros; e em muitos oatros luga-
res se marca a existencia da tradigo.
(31 Monthly Review, juuho 1830 p. 204.
(4) The church Journal. Bis-aqui esta ariosa
lista: Anabaptistas, baptistes, novo baplistas,
baptistas livres, baplistas separados, baplistas ri-
gorosos, baptislas liberaes, baptistas pacficos,
baplistas gloriaos, halleluiah, baptistas enlistaos,
baptistas de brego de ferro, baptistas geraea, bap-
listas particulares, baptistas do stimo dia bsp-
tistaa escossezes, baptistas da nova commuoho
gerai, baptistas negros, independeras oa puri-
tanos, camerooianos, cripistas, (anclados), .delei-
tas caSbelhtis ou reformados, inhanitas, salta-
dores, ebristaos biblicoa, glapilas ou sandemonia-
nos anligos presbytenaoos, novos presbyterianos,
escocezes congregaoistas, quakers ou tremedo-
res, amigos, unitarios, socioianos, moravea oa
irmaos da unidade, melhodist.s, wesleyanos
methodiatas primitivos, vesleyanos reforma-
dos, calvioista* metbodicos, fraucazes, primai-
ros connexatas, botos eoonexutu, sweden-
Em proaargio, que numero norma na atora
tar Loadrest O prolesUnUsaso tam chegade a
pulverisar-se em tantas fraegos diversas, qoa
n'uma s ra, n'uma s casa, e aa aaesma fami-
lia aa acbam muitas vezes pessoas 4a leligies
diversss, todas estss sahidas da mesma fonte a
livre exame da Biblia.
LeaUarae-vos das tristes dissanges do scalo
pssado, dizia o cloquate Massillon no grande
seculo de'LulzXIV; desde a separagiio de nossos
irmaos, que monstruosa variedade em suas
doutrinas I
Que de seitas tem nascido de urna seita I Que
de assemblas particulares n'um mesmo chisma I
Esse reino Ilustre que por sua visinhanga, seus
infortunios e penhores sagrados e augustos nos
lio charo, a quaotoa difieren tes partidos sobre a
religiao est hoje sujeito ? Essa egreja to ve-
neravel, to fecunda outr'ora em Santos, por
quanlas opioies e seitas est hoje dilacerada ?
Cada um ahi para si mesmo sua lei e seu jaiz :
a a religiao domiaanle por assim dizer, nio ter
nenbuma. (5)
Em urna palavra a Biblia interpretada pela ra-
zio individual toroou-se em poueo tempo, oomo
muito bem se disse, um turnlo, em que o schris-
tianisroo se decompoz 4 ponto de nao apreseotar
seno urna especie de putrefacao de todas as ver-
dades dogmalicaaa moraes, depois urna via poei-
r, depoia nada............ a nio ser um epi-
taphio meio apagado. Eis o lerrivel dissolvente
que se quereria iotrodazir em nosso paiz I E eis
como seja-so romper o mais poderoso vinculo
da nossa unidade nacional, que o amor da reli-
giao caiholica. para atirar-noa peloa mil camiohoa
das seilas nos abysmos do scepticisrao a da in-
differeoga religiosa, ultimo escolho em que vae
necessariamenle parar o espirito humano fatiga-
do pelas oscilligOes e variages iej numero da
razio privada ?
Irmaos, e filhos muito malos, eis o funesto
priocipio protestante, que se procura propalar no
imperio da Santa Cruz, e porque ramos, grande
Deua t pelos meios que sempre empregou a he-
resia em todos os lempos, em todos os paizes.
III. O primeiro a falsificlo das sagradas
escripturas, cujos textos currompem para melhor
faz-los servir 4 don trinas errneas e coodemna-
das pela egreja uuiversal, levaodo-se a tameri-
dade at supprimir livros inteiros, inseridos pela
mesma egreja no cathalogo dos livros inspirados,
s porque os mioislros protestantes tem asenla-
do que esses livros sao apocryphos. Assim em
urna edigao deseas Biblias, que se lem distribuido
nesta! diocese, procurareis em vio oa dous lti-
mos livros dos res, o de Tobas, Baruch, Judith,
Sapiencia, Ecclesiastico e os dous dos Mschabem,
que todava pelo orculo da egreja caiholica oo
ecumnico concilio de Treoto foram declarados
perteucer ao canon das divinas escripturas.
Nos livros que deixaram, muitos textos se
acham traduzidos na sentido prolestaote e com-
pletamente falsificados. Citemos alguna ao aca-
so. S. Paulo aos Hebreus cap. XIII v. 4 : Hon-
roso em tudo o matrimonio*; tradoegio 4 tetra
do original grego o qual exprime o mesmo que :
Honorabile eonnubium in omni isto in loto suo;
o matrimonio bom e santo em tudo o que elle
e. Os ministros que sao inimigos da lei d_conti-
nencia, traduzem : Veneravel entre todos o ma-
trimonio, e em outras versdes : para todos.
S. Paulo aos Corinlhios : Castigo o meu corpo
e o reduzo strvido para que tendo pregado o
Evangelho aos outras, nao venha eu proprio a
ser reprovado. Os ministros que tem horror s
penitencias supprimem o castigo, que no lexlo
greRO corresponde aum verbo que significa fazer
contuzo no corpo com pancada, a adopgio a
idea de reprovado fazendo-lhe preceder da pala-
vra em alguma maneira, dizendo simplesmeule :
Subjugo o meu corpo e o reduzo servido para
que ao$ outros pregando eu mesmo em alguma
maneira na fique reprovado Assim este texto
se acha duplamente viciado.
S. Paulo aos Ephesios cap. V. v 3i fallando do
matrimoniordiz: c Grande este Sacramento.
Os ministros.que nao querem que o matrimonio
seja Sacramonlo, traduzem grande leste myste-
rio.
Eu o digo no Christo e na egreja, continua o
apostlo (porque a so refere ao matrimonio chris-
to que sefiz na egreja): Oa ministros traduzem
digo em respexto de Christo e da egreja, erga
Christum el Ecclesiam e sao in Ckrislo el in
Ecclesia, como est oo original. Assim atnda
neste texto notamos duas falsiQcages.
S. Tiago C. V. v 14 : Est entre tos algum en-
fermo? Chamen ox preskyteros da egreja, e es-
tes facam oraco sobre elle, ungindo o com o oleo
em nome do Senhor ete. .
Todos os interpretes catholicos em todos os
lempos viram oeste texto urna mengio clarissima
do Sacramento da Extrema- Uocgio ; mas os pro-
tostantes qu rejeitaram esta Sacramento, tradu-
zem : c Est entre vos outros alguem doente ?
(primeira falsiflcago : o lexlo grego reza : gra-
vemente enfermo:) Chame a si os andaos da
egreja (segunda faIsifi ago : o lexlo diz: pres-
byteros) e orem sobre elle ungindo o com azeite:
(expressio batxa para remover a idea de Sacra-
mento etc.)
Nos aclos dos apostlos deits falsa Biblia l-se,
Cap. XIV. v 23 : E havendo por commum con-
sentxmento elexlo andaos; esta palavra commum
consentimento ajunlada ao texto, para inculcar
o erro protestante que o sacerdote recebe a mis-
so do povo: andaos est lambe m aqu em lugar
de presbyleros e mi traduego.
E outros muitos exemplos que fra fastidioso
citar, ensiouando at alguns desses textos adul-
terados horriveis blasphemias contra o dogma da
virgindade perpetua de Mara Saolissima me de
Deus I Basta, amados filhos I esla s considera-
gao bastara para nos fazer detestar semelhanles
Biblias onde o protestantismo vasou todo o seu
veneno. (6)
0 segundo meio empregado pelos pregadores
da heresia protestante, e que se pode chamar a
perfidia commum de lodos os bereges, consiste
em usarem das mesmas phrases e locuges da es-
critura sagrada, mas ligaado-lhes 4 sorrateira
um sentido ioteiramente diverso, llaqueando as-
sim a boa f dos eslholicos inexpertos. Este ar-
tificio lio aoligo que S. Iriheo no segundo se-
cuto j o exprobrsva aos herejes de seu lempo .
tiunt. cTodas as heresias, diz preclaramente o
grande 5. Albanasio, (,7) tem por principio e au -
loro demonio pae da mentira, o qual foi perver-
so e homicida desde o principio ; maa envergo-
nhando-se ellas de nomea-lo, ousam adornar-se
fslsamaate eera o nomo adoravel e Saotissimo do
Salvador ; e eofeitam-se com as palavras da es-
criptura, proferiodo as phrases della, mas oceul-
ta ndo-lhes o verdadeiro se olido ; a assim cada
urna capeando insidiosameolo os proprios penss-
mentos, toraa-se homicidia d'aquelles que induz
em erro. E depois de comprorar esta doutrina
com oa exemplos de varias seitas: aceito, {conti-
nua elle, qae taes seitas em sua impiedad* nada
tem decommom com, a escriptura, que coodem-
na inieiramenie suas falsas doutrinas. Ellas, nao
obstante, para enganarem os mais simplicesfin-
gem emoregar e meditar aa palavras sagradas,
mas, ao modo de seu pae o demonio, isto pa-
recendo ter boos sentimentos no som das palavras
para assim ihdazirem os horneas fe abragarem
doutrinas alheias 4 Escripiura sagrada. E con-
clue o sanio doutor exhortando vivamente os
bispos a nio se Harem nos Ariaaoa, dizendo :
Anda que elles tomem emprestadas as palavras
da Esoriptara, repelli todava os seos escriptos ;
e posto que aas palavras se mostrea orthodoxos,
nem assim fallando Ihes deis silencio. Lict
orthodoxa fidei verba protulerint, nec tic lo-
quentesvelitis atlendere. Talvez pergenie al-
guem se asam os bereges dos lestamunhos da
sagrada Escriptura, observava o famoso Vicencio
L-nneuse, oo V seculo, asam sim, a com toda a
torgaPlae utuntur el vehementer. Nada qua-
si dizem de sua cabega que nio se esforcem por
dissimular debaixo de palavras da Escriptura....
Mas tapio mala nos devemos delles acauielar, e
borgianos, irmaos de Plymouth, christios rebap-
tisados, mormoes, kellistas, nuggltpoiaaoa, ro-
msoiaoos perfectionalistas, rogessianos, aecklers,
universalistas, camiabadorea, witlediltas. disc-
pulos, amigos livres, ou agrapempeilas, protes-
tantes fraocezes, reformarlos allemes, ou disc-
pulos de Ronge, novos illuminados, anglicanos
iagies.es, aeglicsaos allemies, anglicanos fraoce-
zes etc. etc. E isto n'uma cidade I a fallando as
seitas protestantes. E o jornal affirma que talvez
passaBse argomsa por alto1
(5) Sermn pour Ib jeudi aprs lea cendres.
(6) O faci da corrupgio das Biblias palos he-
reges incontestivel.
Tertuliano escrevia do lerceiro seculo. Isla
hceresis qaasdam scripturas nao recipt: et si re-
cipti, non recipt integras: et si aliqua!ene inte-
gra* priBstat, nihil omitifcs diversas expasitiones
commeniaU pervertit. > De Prcttcript harel.
(7) Contra Hartes,
lame-Ios. quanto ais profundamente se occal-
tam i sombra da lei divina. >
Recebel, charos filhos, estas saletares adver-
teatnas da veneravel anligoidade chrislis. 8M>
'f* B*''as, a lodos os escriptores dos prl-
meiros scalos da egrej, que assim fallan, a
nunca os filhos da luz esquecerara em tempo
algum dictames de tio coosumada prudencia.
Eslae pois vigaoies, e nao vos deixeis corrom-
per pelos artificios da mentira.
O terceiro meio de cue se servem os apostlos
do protestantismo, mel ji sedigo e gasto, mas
empregado sempre com a mesma pervicacia,
assacar mil calumnias contra a religiio caiholi-
ca, altribuindo-lhe gratuitamente doutrinaaque
Ha nunca ensina nem ensiosri jamsis. Assim
elles nos aecusam de adorar oa Sansos e as ima-
geos ; de ensinar que basta o fado de perteocer
ao corpo da egreja caiholica para ser predestina-
do ; clamara e reclamara que nos nio queremos
que te lea a Escriptura, que somos inimigos da
palavra de Dius, e outras que taes imputages
destituida de lodo o fundamento. A egreja ca-
thoUca, vos o sabis, charos filhos. nao adora
seno a Deus ; venera, sim, os santos como ami-
gos da Deus, e Ihe rende aquellas honras que
elles merecern como modelos que foram de to-
das as virtudes, mas nio oa adora.
c Eqsinando-nos que 4 til orar aos santos, diz
o grande bispo de Meaux (8), a egreja nos ensina
a orar-Ibesnp mesmo espirito de carida de asegun-
do essa ordem de caridade fraterna que nos leva
a pedir aos nossos irmaos vivos sobra a trra que
se inleressem por nos disnte do Senhor. donde
cooclue o calechisrao do concilio de Treoto que
se a qualidade le Mediador, qae a Escriptura d
a Jess Christo soffressa alguma quebra com a
intercessio dos Santos que reinam com Deus,
tambem soffreriam com a iotercessio dosfieis
que vivem comnosco.
Quanto a accusagodeeosinirmos que basta o
facto da incorporarlo 4 egreja para a salvago,
nenhum catholico acreditar, pois pelo contrario
todos os das Ihe inculcada a necessidade das
boas obras e de urna vida regalada pelas normas
do Evangelho para attiogirem o fim sobrenatu-
ral para que Deus os destina. Emfim. irmaos a
filhos dilectsimos, vos sabis porfeitamente que
a egreja caiholica oo vos prohibe a leitura dos
livros sagrados, o qu6 fez somente foi preacrever
regrassaudaveispara que essa leitura vos fosse
sempre proficua. Em lugar de sermos os ioimigos
da Biblia, como elles preteodem, pelo contrario,
segundo nosso ensinocatholicoe a pratiea de to-
do o nosso culto, nio veneramos nada tanto, de-
pois de Jesua Christo, do que sua santa palavra,
do qae a sagrada Biblia. < Tal acatamento e
obediencia tem os catholicos 4 palavra de Deus,
s Escriptura santa, que crem que Jess Christo,
afim de determinar ao cedo onde se asna esta
palavra, conserva-la intacta, propaga-la e ensi-
ai-la puramente, fuodou* urna autordade visi-
vel, infallivel. sem a qual seria esta santa pala-
vra, como o de feito, dilacerada em retalhos,
odiosamente desfigurada, coolradctoriamenteio-
lerpretada e at negada pelos que se dizem seus
defensores. Tal respeito lem os catholicos 4 sa-
grada Biblia, que considerara como um crime
mudar-lhe sequer um til, adulterar o seolido de
um s de seas versculos. Collocam-na nos con-
cilios era um throno de honra; beijam-na cada vez
que a lem nos santos officios ; por loda a parte
lem palpitos para ensioa-la ; representara os
mais sublmese tocantes ensinos delia pela es-
cultura, pintura, buril e a toda a alma que de-
seja l-la com simplicidade elles a offerecem
como um alimento divino. S depoia da appaii-
go da..funesta doutrina do hvre exame. quedes-
troe a f, deifica o orgulho da razio, abala at oa
fundamentos a auloridade da sants Biblia, multi-
plica as ms edices, as tradueges falseadas e as
interpretaeoes contradictorias, poz e egreja algu-
masfracas restriegues leitura da biblia, prohi-
bindo nio todas as verses em lingos vulgar, mas
as que nao sio companhsdas de algumas notas
explicativas que'' esclsregam as difficuldaJes do
texto, a isto no proprio interesae da Biblia e daa
almas orgulhosas e levianas. ()
Ao terminar,esta nossa iustruccao pastoral, ir-
maos e filaos dilectsimos. Nos vos exhortamos,
e vos supplicamos instantneamente pelas otra-
ohas do Salvador Jess e pele amor que tendee
s vossas almas, que nao aceeiteis qualquer -vo-
lme ou impresso sahidos daa prensas do protes-
tantismo, nem os levis para vossas casas, nem
os fgaos 1er s vossas familias. Nio duvidamos
at declarar-vos cora a nossa autordade pasto-
ral que estaes estrictamente obrigsdos em cons-
ciencia e peraule Deus a nao tolerar em vossas
Casas esees livros perniciosos, anles devela des-
trui-los, ou guarda-Ios em lngareajnleiramnle
reservados, para que nao enveoeaem elles as
pessoas que vos sao charas. Escutae a voz de vos-
so verdadeiro amigo e pastor que vela sobre vos-
sas almas como quem tem de dar de lias estrenas
cootas, e que vos repete o orculo Oo divino a-
postolo Paulo : Evilae o homem hereg ; Batre-
ticum hominem... devila\ (l) Sede brandse
cheips de bondade para com qualquer de vossos
irmaos desviados ; mas sede rigorosos e ioflexi-
veis contra os erros que elles pr pagara. Cari-
dade com os protestantes, muitos delles eslo em
boa f, e s a Deus perlence julga-loa I Maa
odio de morie ao protestantismo, horror profun-
do a ue espirito de orgulKosa independencia
que eolloca nossa rtalo individual cima da au-
tordade augusta da egreja caiholica, me denos-
asa almas, que as gerou para Jess Christo, que
aa nutre com o puro tette das doutrinas do evan-
gelho, a em cujo materno sei acharemos sem-
pre a paz, o conforto e a felicidade.
A graga do Senhor Jesjs Christo, e a caridade
de Deus, e a commoicago do Espirito Santo
seja com todos vos, amados filhos, a quem damos
do fondo do corago a beogo episcopal.
Dada em Belem do Para em casa de nossa re-
sidencia sobo signa! e o sello de ossas armas,
aos 30 de agosto (Festa de Santa Rosa de Lima)
1861.
L. S.
y Antonio bispo do Para.
Por mandado de5. Exc. reverendsima.
Padre Manoel de Medtirot, secretario.
Rel'iitaco ae parecer do Sr. Dr. Pitan-
ga, pelo Dr. Carneiro ttonieiro.
- XII
Diz o Sr. Dr. Pitanga: Como os pulmdes boias-
sem em quasi toda a sua tulalidade o meu colle-
ga Dr. Mooteiro decidi ex cathedra a creanca
viveu sem atteeder que este meio era tao preca-
rio que nao deixaria ckegar esta concluso ,
tem o auxilio poderoso de outros dados.
O locaz collega cla.udicou na verdade neate pa-
ragraphooa pulmes oo boiaramem quasi toda
a aua lotalidsde porem tim em toda a sua lota-
lidade, a se um pequeo fragmento deixou de to-
mar a superficie do liquido ; fra por que elle li-
ana paseado por tres pretsdes enrgicas, urna por
inim feta, outra pelo Sr. Dr. Branchanti e a ulti-
ma pelo Sr. Dr. CavalCanli.quando enlio se apre-
entou este phenomeno posto que at eolio boias-
as.Isto explicavel, quando sa tem lembrao-
ga de que os fragmentos dos pulmesque tem res-
pirado quando sio fortemente comprimidos de
modo que se rompam as cellulas broncneas, tea-
do sido expellido o ar alhmospherico, elles preci-
pitara.
A superoatacio dos pulmdes eque oio sao ira-
physematicos.sem insuflados, prova segura,a cer-
ta do qu* houve respiragio. Bate ponto incon-
lestavel; isto o qua. de sciancia ; isto o que
pode ser dito ex-cathedra por quem tem conhe-
cimento da materia e que tem estudado os mes-
tres.
Somos creles qae haveaos desarraigado 'as
objeeges plantadas pelo Sr. Dr. Pitanga. Agora
eumpre-nos demonstrar, porque, tendo bolado os
pulmes em sua tulalidade. affirmamos, que a
recem-oascida havia respirado e civilmente vivi-
do, sem que recorressemos a outraa provas.
Oa dados, que nos (orara (ernectdos pela poli-
ca foram os pulmdes e o coragio. Os pulmes
tendo completamente boiado, provaram physica-
mente que o aeu peso especifico era menor do
que o de igual volume do liquido, em que ae do-
ra o phenomeno : e para este resultado nao
preciso concurrencia de outraa provas, cajo valor
ainda apreciaremos.
Ascausas.que podiam fazer oa palmea boiarem,
sio o emphysema morboao, o emphysema ptri-
do, a iosuflago e a respiragio. Declarei, e con-
cordamos lodos, que nio havia emphysema mor-
boso a que a iosuflago metfaodica, e, capaz de
fazer simular a respiragio oio 6 coohecida pala
gente do poro ; por Unto s nos reslavam o em-
physema ptrido a a respiragio. Concedendo mes-
mo. que houvessem caracteres, que ioduzissem a in.Jf -!.r7J*?e
Crer. nu mi nitlma. .i...m om niii(.~.l. iporui. piel, at
crer, que os pulmdes estavara em pulrefaegio. o
fado de sobrenadareis os fragmentos sajefloa i
compressio riscava a possibilidada de ser a su-
perna tagio effeilo da putrefaego. Logo por ex-
clusio da oulras cansas os pulmdes botavara por
effeilo da respiragio ; porem como, qasndo a su-
pernatagio se di na lotalidade dos pulmdes, mes-
mo separados do coragio e do tbymus, a respira-
gio foi completa, declaramos, que a creanca ha-
via completamente respirado ; mas como a respi-
ragio completa a vida civil.tsto respirar com-,'
pleamente viver civilmente, declaramos que a
crianga havia civilmente vivido.
Se a docimastica hydrostatica nao nos hou-
vesse dado um resultado to satisfactorio, e suf-
ficiente para concluso de juizo definitivo, ou se
o resultado da docimaslica fosse, que nao tinha
havido respiragio, era que deveriamos recorrer
4 outras provas ainda que de muito menor valor,
para a concluso de que a creanca lenha vivido
ou nio ; porquaoto, embora sejs sustentado e
admittido por todos os mdicos legistas, que res-
pirar vivtr ; islo que a respiraeSo completa
e a vida dvil; comtudo, em materia criminal,
pode a creanca ter vivido e nio ter respirado. Fa-
gs-se bem atteogio que nio temos dito que viver
civilmente 4 respirar completamente ; porem que
respirar completamente viver civilmente ; por-
tado esta ultima proposigio, qae acabamos de
emillir, nio se complica com aquella.
Com effeito urna creanga pode nascer implica-
da, e ficar longo tempo nesta posigio sem respi-
rar ; ella pode ser submergida n'agua inmediata-
mente depois do nsseimeoto ; sus [raquera pode
ser tal,.que nio aprsente signal algum de vida
por muitas horas, como nos acoutoce naa asphy-
xias dos recem-nascidos ; pode acontecer que a
lingua seja adherente ao palato ; que o thymus
seja muito volamoso, e se oppooha 4 delatago
dos pulmdes ; que o diaphragma seja a sede de
mores ; que as vias acias aejara obleteradas
por mucosidades, ou por agua de ama>os : em
todos estes casos o feto vive tem respirar.
O medico legista, diz Mr. Bellot, pode de-
arar que ha iufaniecidio inda que a creanga
nao lenha respirado quando demonstrado
pela nalureza, numero e cravidade das desordens,
que leem bavido aeco evidentemente criminal ;
e que, para completar esta primeira presumpgio,
as echymoses e os derramamentos sao por suas
relages e por seus caracteres iocontestavelmenta
altribuidos a sabida do sangue impellido pelos
movimeolus circulatorios para fra dos vasos cor-
tados ou lacerados.
Mr?. Briand e Chaud, fallando da creanga,
que poda ter vivido sera ter respirado, dizem :
E' as desordens maleriaes, resultantes dos fe-
rimeotos ou violencias feitas oo menino, que
preciso procurar as provas da vida...
Prtanlo ao perito, que opinou qae nao tinha
havido respirago, competa procurar provas evi-
dentes e convincentes de qae a creanga tinha ou
nao vivido. Quaes forsm estas provas pesquiza-
das e apooladas pelo collega ? Nenhuma certa-
mente.
XIII
. Alera da docimaslica hydrostatica, offerecem
os autores outros meios, pelos quaes se posss
procurar chpgar ao conhecimeolo de que a crean
ca tem, ou -
raonar ao manas agaal a* ala
alasen., in,.,. ai
Vleaoa, 1824.)
Deste partear de Bernt ae t, qee a anraesj
lerauricular, a o canal alterial ataiaiaai
positivos, pelos quaes aa ajaaaa saber a s rriasjci
viveu. oa nio. Porm. Mr. OrflU. dspata ala bsjbv
cedente discripgio, assim ae exprime :
c Tenho procurado verificar u$ itnrsajim ala
Dr. Bernt e nao poeto ter to es* parecer. (4.
4iom.-2pag.sf2.)
E, depois de referir algamaa pasqaiut, cee-
Seria difcil nao olhar-te cafa carcter cerne
muxto secundario, logo qae elle le '
tro vezes sobre olla.
a Posso hoje ajaatar, prosegee
tor, pae nada mais fcil do qee cornal tr-
ros, quando se procura apreciar a torosa ao camal
arterial.
Em razio da instabilidsde doa resallnoe a
das cansas d'erro, persisto na fiaiio ajam i
Pelo qae concerne 4a mudencas
doburaco interauricular, aaaasMiad .
Bernt, creio, depois de ter procurado em meriftemr,
que elfos nao te operam com botante refidii
para continuar um carcter ato visto extra-ute-
rina. Quando mesmo admitamos, que fem emen-
to, era mitter para at demonstrar um Hataja
de dittecget de recem-nascido, que m mor porU
dot mdicos nao tem.
Mr. M. Briand e Chaud,quando falla
que podem offereear as oMitaracoes das
e vea umbilical, do canal venoso a aiierlal 4c>
buraco de botal, deste moda tm decUram :
< Em resumo, particularmente pato i
mudanzas, que apreseolam oa vaaoi ai
e segundo sua obliteragio mais aa me..
tada, qae se reconheceri, se a respiragio so
effecluado ; e que se tari signes dados s."
duraco desta funego : oa canaes arterial
noso, e o buraco intro-suricular Dio
a este respeito senio indiciot incertot a
accessorios.
Ougamos ainda i M. Orfila em relagio i im-
portancia, que podem ter oe vasos amUliraaa :
A desecagio do cordio umbelical am ahe-
nomeno vital. ^^
c Quaado ae examina um feto, algara le aspo de-
pois do seo nascimeato, oa quando se lesa fsils)
aexhumagio, se elle tras anda sea crelo,
mlster bem observar se elle offerece oa caracte-
res da doaeccagio normal; uto se elle Irous-
salrej arruxoado, achatado ( vrlili ). retoreid*
sime-traospareole; a se seus vasos sea eouia'
doa e dessecados, ou se sio anda mollea, aa 'aa
estado de putrefaego anlogo ao estado geral ato
cadver ; porque, no primeiro caso, a enanca vi-
veu 6 poda ter vivido um oa dous das, pota qae
a deseccagio a lera lugr durante a vida : em
quanto que, no segando caso, s enanca pode lar
nascido mora, ou nao ter vivido senio momeo
tempo. I Ed. 4. tom. 1, pag. 80. ) E oa pag. 7 :
A deaeccagio do cordio pode comecar ae sre-
mir, ao segundo ou mesmo ao guari dia.
D'oodo se deprehende lgicamente que a ato-
seccagio do cordio preva da lar a criaaca vi-
vido ; porm que, quaado mesmo oo eiistem oa
caracteres da deaeccagio, quaodo muito aa ssdsri
affirmar que nio houve nJa por maitoe turna -
porm nao te poder declarar, nam
nio respirado ; e isio porqoe^pode presumpgio, q'uTa crianca tlnhVxZJZdo^moT*
e os ou moes tomem o fundo do i- .*r "" "* xaortm.
(8) Exposition de la doctrine de l'etlitt caloo-
hqne.
(9) Annaes Catholico.
(10) Hebr. XIII17,
acontecer, que os pulmes tomem o fundo do li
quido, em que se baja feito a prova bydroatatica,
quaado mesmo a creanca teoha respirado; o que
lem lugar quando hs immaluridade do recem-
oascido ; hepetisagio dos pulmdes, sobrovioda
depois de estabelecida a respiracao ; pneumona
desenvolvida durante a vida uterina ; coogesto
pulmonar sem inflammago. Estes oulros meios,
que podem ser uleis, nao lem, como mostrare-
mos, a importancia da prova hydrostatica : sao
auperflUus, quando se lenha dado o phenomeno
da perfeita supernalago da totalidade dos pul-
mdes, e que se baja chegado a demonstrar, que
nao ella efsslto do emphysema ou da InsufSsgao.
Diz Mr. Orfila \ aolugio da questao rela-
tiva ao esttbelecimeoto da respiragio repousa in-
ieiramenie sobre o eiame do thorax, dos pul-
mdes, do coragio, do canal arterial, do canal ve-
noso, do cordio umbillical, do diaphragma, da
bexiga, dos intestinos, e segundo alguna autores
de figado.
XIV
EXAME DO THORAX.
E' de dedugao lgica, comprovada pela obser-
vago, qae o thorax augmenta de volume, a mu-
da de forma, quaodo o ar lem peoetrado as ve-
sculas broochicaa; mais ou menos achatado
antes da respirago ; e mais convexo depois.
Daniel propot medir a circunferencia, e a al
tura da porgo dorsal das vertebras, e a distancia,
que as separa do eterno ; as observares feitas
comparativamente em creargas. que tem respi-
rado, e em outras, que nasceram moras, te-
riam podido, segundo este autor, foroecer resul-
tados numricos proprios a esclarecer a dis-
tioeco.
Quaado se reflecte as numerosas irregularida-
des, que offerecem esla parte do tronco em mui-
tos individuos, e a difficuUlade de a.lcaucar-se
dados positivos, coavencer-se-ha de seu pouco
valor. Depois de Daoiel, Mr. Divergi procurou
apreciar o thorax por meio d'um compasso de
expessurs. Os resulta los da experiencia foram
inconstantes; pelo que diz Mr. Orfila (Ed. 4 tom.
S pag.l ~3) c As dx/Terengas, que apresentam as
dimensoes da caixa thoradea, que sao resultados
de molestias, ou do estado mais ou menos pro-
nunciado da flacidez daa carnes, conforme o tem-
po, que tem decorrido.depois da morte & poca
do exame jurdico ferem ettet exames de nulli-
dade.
XV
EXAHE DO CORAgXO, B0 CAIUL ARTERIAL, DO CANAL
VENOSO E DA CORDA UMBILLICAL.
O buraco de Botal existe do feto de tempo,
que oo tem respirado ; o canal arterial, os va-
sos umbillicaes, e o canal venoso nao sao oblite-
rados, quando a respiragio nio tem sido estabe-
lecida.
lato verdade o* generalidade ; por-n, tem-se
observado em aiguas casos o contrario. E de
mais, Mr. Orfila na pag. 208 do tomo 2, ed. 4,
diz :
E' evidente que a occlussio do buraco interau-
ricular, e a oblileragio dos canaes arterial e veno-
so, nio tem lugar, mait das vezes, seoio alguns
diat depois que a respirago i estabelecida. >
Q que cooftrmado por Mrs. Briaud e Chaud
(ed. 6. pag. 200),. quando declarara :
a Que a creanga pode ter vivido muitas horas,
e ter perecido, quer por urna molettia, quer por
um accidente, fuer por violencias mortferas ;
tem que esla obhteraco exista ; porque ella nao
se effectua logo depois do nascimento, l progresi-
va e mais ou menot tenia.
As experiencias de Bitlard ainda confortara o
juizo destas autoridades.
Mr. Orfila aioda depois das experiencias men-
cionadas em folhas 208 4 210, tira as seguiotes
coocluses :
1.a As aberturas felaes sio livres no momen-
to do nascimento ;
2.a Ellas se obliteramem pocas variaveis de-
pois do parto ;
a 3.a O mus ordinariamente to obliterada!
para o oxiavo, ou deexmo dia ;
4 As arterias umbillicaes se obliterara pri-
meiro. e depois, a veia, o canal arterial, e por
fim o buraco de Botal ;
5.a A oblileragio annuncia, qae o feto nasceu
vivo ;
6.a Que impossivel concluir, de que ellas
nao esto obliteradas oue a crianga nao tem res-
pirado, ss
c A disposigo do buraco interauricnlar, diz
Bernt, muito differenta as creaogas nascidas
moras, das que tem respirado depois de parto :
no primeiro caso,- elle exactamente situado oo
centro da fosta oval, mas logo que orecemoaaci-
do tem respirado, elle te torna ao lado direito ;
em algumas aemanas, elle se eleva bastante, e n
edade adulta oecupa o verilee da fosta oval.
Desde que a respiragio comega, ,o orificio do
buraco de Botal marcha progresivamente de bai-
lo para cima, e da esquerda para a direita ;
seu grao de marcha torna-te um indicio da exis-
tencia e da duraco do acto respiratorio.
< O canal arterial cyliudrico nos fetos nssei-
dos morios ; sea dimetro egaal ao do tronco
da arteria pulmonar. Se o recem-nsseido respi-
rou por alguns instantes, este canal ^erde sua fi-
gura cylindrica, e toma a da cone trancado. Se
a vida dnrou muitas horas, oa am dia, ella tor-
na-se de novo cylindrico, e diminue de com-
primento e de largara j e nio tem eolio o disme-
iro major do que o da penna de gango ; por
conaeguint menor que o tronco arterial pulmo-
nar, e quando muito. egaal aos seus ramos. Se a
I vida tem durado muitosdias, eu ama semana, o
canal arterial a tam algumas linhas de largara ;
seu dimetro egual ao da peana decervo; em-
quanlflf que o dimetro doa ramos 4a arteria pul-
XVI
EIASE DA BEIIGA E DOS INTESTINOS.
E verdade que, na maior parte das Tasca, pelo
movimento do diaphragma, ao acto respiratorio
ha coDtracgdea da bexiga e dos intestinos, pel
que escapa a ourioa e meconiam (ferrado); maa
o oio terem evacuado estas materias oo prova
que a crianga oio tenha respirado ; porque mml-
liplicadas causas podem se oppor i sua excrecio :
como bem pOde acontecer, e acontece mal-
las vezes, que a sabida deslas materias ten ha la -
gar antea que a criaaca leona resaltada, cama
muito clara e positivamente ensina M. Orfila m
pag. 114. tom. 2. ed. 4.
TeohJ aasislido a partos da posigio perrisaa.
em qae me*mo no alero a crianga teas laoced
mecooium.
Em geral,dizem M. M. Bri.nie Chaod.o sse-
conium expulso nos primeiroa instantes, a ao
mais tardar as 24 oras, que seguem o aesri
ment : a ausencia do meconiam nos groseos in-
testinos indicio que a creanga viven, sais pre-
senta o'uma porgo dos intestinos afamada ato
anua tender a provar, que a creanga mho viveu.
Entretanto ette tignol s por ti nao dte ser
olhado como urna prova; por que o torraeto pe-
dera, n'um filo nascido morto, ler sido cacea-
do pela cootraclibilidade intestinal; como ana
preseoga oo autorisaria, s por si. o con-
cluir que a creanga nao viven ; pois que 4 elle
evacuado algumas vezes depoie de a tempo
mait ou menos longo. > (Id. 6. pag 194 )
XVII
EXIME DO rCLBUtO.
Ji temos demonstrado quao frsgil o va-
lor da cor e do peto absoluto dos pul-
mes em relagio ao corpo ioleiro e ato rfrats.
O seu volume e situagio nio nos terac-
cerri indicio mais imprtanle, para a sarasa agio
de que o flo tem ou nio vivido; como se apren-
de aa pag. 174 do tom. 2 da ed. 4 de M. Orgia,
quando, depois Ae discrever s differenca de vo-
lume, e de siluagio dea pulmes, qae foram de-
latados pelo ar, dos que o oio foram, diz:__to-
dava resulta das obtervagoot ftitas peto Dr.
Schmttt, que nao te dte olhar astas diferencae
como constantes: com eueilo, ella lem visto
muitat vezes os pulmdes de fetos aaecieoa sne-
los eacher loda a candada ihoracica ;. eaa qeanlo
que, em ora feto, que liaba respirado dorante M
horas, os pulmes eram tio pequeos, sala
que cheios o'ar, que era difficil percebe-lea. a
Quando na generalidade os palmea, que tona
debutadoa pelo ar, enchem a caixa tberacica; e,
quaado oio tem havido nem respirsco. nam ia-
sufflagio, elles nio enchem esis cavidsde.
Este mesmo parecer confirmado por M. M.
Briand e Chaud, quando escrevee : E' nana
presumpgio a favor da respira;, qnanae en
palmees sio muito volrnosos, e cobrem ama
parte do pericardo ; mat nao poma dt pretump-
go. > ^
(Continar-a-An.)
ERRATA.
No Otario n. 234 hoaveram tm seguales _
CoK.t* liona 41, cubacide-menorpor capaci-
dade menor.
Linhas 54, emphyrema por empbysema:
Idem 55, insudarpor inaufflar.
Col. 2" linn 61, docimaciapor docia*asa a
em diversas linhas, imbebigiopor eaBwaecae.
Col. 3 liona 17. medecmVt iWo pTrnan-
decios forense.
Linhas 22; destinguir-sepor distinguir, se.
dem 33, athaespherieopor riraaepa atine
dem 40, ptridapor ptrida.
dem. 48, os uliimoepor as eltimas ; a aa al-
tima, sublitosss infantespor snblelesas iafantiv.
A materia exiatente desde n liona 104 sto f
columna al a 3a da columna terceira faz eainctn
du artigo 4 e da lioha 4 desta ultima colemos
al oDndo artigo 5*.
No Diario n. 235.
Col. Ia linha 7, tilpor tom.
Linhas 14, aguopor agaa.
dem 17, fratementepor fertemeote.
dem 17, Biiardpor Bellard.
dem 23, de apor 4a.
dem 38, segundopor sa qnando.
dem 42, liquido sem por effeiloper ltoaasto
por effeilo.
dem 43, em quepor qae.
dem 64, no tim do vasopor no faeno 4*
vaso.
dem 92, insuflagioper iosnffligio.
dem 117, Roouxpor Ronx
dem 118, Briandepor Briand.
Col. 2> liaba 5, eoeoniro o qaepor encejalro
ae que.
Linhas 68, doemaslicapor docimasis.
dem 91, docimaciapor dociraasa,
dem 116. prorapor prova.
Idea 1*7, eaeure por escoro.
Col 3a tioha 102, applicarper sflelr.
dem 111, Schraicetpor Smidl ; e sta nnaml-
tims, 24 horas :por 24 horas ; --------
Col. 4 linha 38. vedareispor redara
Linbas 52. lopor foi.
dem 56, chega lhe-por ebega em.
dem 64, ranaspor vastas.
dem 71, a Indopor o tanda.
dem 72, determiaer-ee-pnr dilaimiasr. sto.
dem 74, cansaper cenenrs.
dem 77, variaspor rasiee.
dem 88, reoonhecnr aa pee ntmtmmm. as.
dem 91. insufladopor iastaslsnn.
Idom 115, expliqaeipor expliann.
PR1>. TTP. PE M..F,*'TlflTl finisafl MW,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMKACM1IL_HHY540 INGEST_TIME 2013-04-30T21:09:12Z PACKAGE AA00011611_09812
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES