Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09805


This item is only available as the following downloads:


Full Text
_
SlJT \?

*
lili IIITIi IDII10 229
r 3.9
titofji* uWkWm
Por trespis aianUds 5$OoO
Ptr tres Mies vencidts 6$ 000
!''U l
I; lf
mu FEIA 4 M 00T0BB0 IIIIH
Per une idiuUdt f 9100 0
Peplefraieeftrtesrteeri|ler.
NCAEeQ4DCSDA.SDMCMFCAO DO NOTI
ParaMba. o Sr. Antonio Alexandrino dt Lina;
Natol, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araca-
y, o Sr. A, d.Lemos Braga; Geara o Sr. J. Jos
da Olireira; aTaranhio, o Sr. Sfanoel Joa ||ar.
tiQi Ribeiro Guimarae.;
fPHKMEBIDES DO MU DS OUTUBRO. i
Par, o Sr. Justino J.
fiianniM. J r\___ I
TahTTIJas us u>HHKiua.
Olinda todos os diaa aa9|l/a hora, do dia.
n,,a?.. 1 Alh0'- N"ar s:;,^^^ ".:' ?- 7 or..": aassss
Ranos; Amatan.., 0 Sr. Jernimo da Costa. A. pV.u Pimf',^0 f ormos<>.".*-rreiroa
lr27A.i f'P.nienle,r" Natal quinta, feiraa
------====^==_______ ao" d""'
PARTE OFFICUL"
tarde.
Prlnoiro as
Segando as
PREAMAR DEHOJE.
4 horas e 54 minutos ds nanhie
4 horas a 30 niatos da tarda.
' OOVERNODAPROYINCU.
Expediento do da fl de outubro de
Offlcio ao coronel commandante das armas__
ZTJrl m}' de V" S- Pracwws do conseho
de guerra dss pracas mencionadas na relagao por
am de serem cumpridas as sen-
cpia
tencas proferida! pelo conseho supremo militar
iiriM '%n*S,hajro ""rector da faculdsda de
ft n ,a'7P6de-. V- S; raaodar f"er concertos
pSnS S-T,a relog, 0"501"!' lasarles,
segundo declarou em seu offlcio de 24 de setem-
bro ultimo, a que respondo.
Dito ao inspector da thesouraria de fezende.
lendo em vista a sua informacio de honlem, sob
rLV'nr -ISO V- S-' mandar Pa" a Guma-
raes & Oliveira a qaantia de ll800rs., em que,
?y?*y.*.CH ,que derolro em doplicata, m
loi remetlida pelo presidente do conseho admi-
nislraliro do arsenal de guerra com offlcio de 16
de setembro ultimo, n. 66. importara os dez 1-
vros comprados pelo mesroo couselho para o cor
po de guarnicao deata provincia.
' Mandou-se tambem effectuar o seguiote paga
ment : r
d.t?, inla,.a,,oal de AlCTedo do Nascime
da de 80 que lhe compete por hsrer, na qual-
dade de recrutador do bairro da Boa-Vista dais
cidade, apre.entsdo 4 voluntarios, que s.senta-
ram praSa no exercito.Commuoicou-se ao co-
ronel commandante das armas.
Dito ao conseho administra tiro Autori
conseho administrativo a comprar para foro
ment do arsenal de guerra os objectos me
nados no incluso pedido. Conmunicou
pedido" '"d. enando-lhe cpi
Ji0 .di'M,or do arsenal de guerra. -Re co i
EEi Tque-tod" '"" ua Pr^9e
urni ?rem concertos nos moris dd pa-
t \ Dre,,deDCia. [enetta a competente con-
ta para ser paga pela thesouraria de fazendj, vis-
vmo,l,"e?d? credi, Para ellaj. nao dere
*?:r?0aXem'M, Das con,as d ministerio da
guerra, que remetler para acorte.
Dito ao mesmo.-Remetta Vmc. com urgencia
.JSuPrYincw da.f. como solicita o
respectiro Etm. presidente, os artigos de farda-
Si..qrUe r aviso de 12 de Junh> Hio se
?.m.Jii fornecer,"0 lepoalto de artigos bellicos
daquella provincia. Officiou-se tambem no
f!Sn Sf id COm refetencia remessa dos ar-
0 e ^rrdameni0' 2ue provincia
..n2i?- GraDda. d0 orle.- Communicou-se s
respectivas presidencias.
Dito cmara municipal do Uecife.Concedo
Jw ,,sao 1"e.Pede a cmara municipal do
? I? MU 0ffie' de t de elombra altimo.
t,,w Par- "Jil^ offerecimento feito por
Kuzebio Napoleao de Siqueira da quaotia de 150
5!T Pr'en,PO.de tres aonos pelos imposloS
do offlcio ,r"' de qUe ,rata aeu ca-
vlV'idire?iorad,s obra* pablieaa.Poraeea
\ me. com brevidade ao commandante do corpo
awL0,1"1*' P"a oae'"50 da secSao urbana os
objectos mencionados no incluso pedido.-Com-
municou-seao commandante do corpo de polica
e ao inspector da thesouraria provincial.
Portara.O -
maodo-se com
dflirn i'J Prohibdo o traaaito da plvora
,,l r^,da C, ilh JrSSKS "?rerao "Blu de rinta mil
rea e oito das de priaao.
ag.?o "|8.B r6708ad" P0, rii-"*! de,,a Poatora cmara muni-
vBP,rL ,a anlCK?'df 5ara flm de dar"lh coo-
d'a PUWicidade para Jnteira observancia
Despachos do da 1 de outubro
de 1861.
' Boer'nientos.
baja v"" Firn,lDa d Luna. Espero que
h!r"!lcl,C0.-Pd,,,Sl de SoataVolle ao Sr. Dr.
chele do polica para que informe sobre-a veraci-
+iS em que e unda a pretaB5ao do
AS? de Mendon9a. Juix la irmandade
nh h ? erecla na 'greJa de N0Ma Se-
nhora do Livramento.-Informe o Sr. Dr. iuiz de
cflpeiias.
Jos Pedro de Andrade e ontros. Em 14 de
setembro prximo finio expedio-se orden para
serem pagos pela collecloria de rendaa do Ouri-
cury os vencimentos do destacamento do Ex
Jeronymo Cesar de Vasconeeos. Remettido
ao Sr. juiz municipal do termo do Limoeiro para
mTSI& d0 di,po,to 00 ,rL d0 arelo n.
817 de 30 de agosto de 1851.
Joao Joaqaim deSant'Anna.-Diriia-ae aoaSrs.
agentes da companhia brasileira de paquetes a
in.Dn!D.!l,.rOHd';uGa,IDao.Coelh0-'- Ioforme o Sr.
inspector da thesouraria provincial indicando a
quaotia que pode se/jabonada aosaupplicantes.
IAS DA SIMARAa
30 Sacaada S. Jernimo b. doutor da igreja.
1 Terga Ss. Virisaimo, Mxima e Julia irs. Ha.
2 Quarta Os anjosda guarda ; s. Leodegariob.
3 Quinta S. Candido m. ; a. Maximiaoo b.
4 Sexta SvFrancisco de Assis fundador.
5 Sabbado S. Placido e eos comp. Ha.
6 Domingo O Se. Rosario de N. S.
Auuit.ftt.iAS DO -TB1BUMAES DA CAPITAL PM^ T------
Trlbanal do eonmareio; seg.nda. a qantaa. ^NCARBECaDOS DASBSCRIPCAO DO Sl
Relaco:tercaa, quintas a sabbados aalO horas.
Paxenda: torcaa, quintase sabbadoa aa 10horas!
Jaixo do eonnercio: qaartas ao nelo dia:
Dito de orphioa: tercas e sexta* as 10 horas
Prineir. rata do sirai: t*rSa a eextasao neio
* al
Seganda rara do aiTBlt
Hora da tarde: v
qaartas a sabbados a 1
dia
j_ _.__. .,-------sr- a*-- JU'luiiit O HU
Swikrsi&vide Has,n, Dou'rea-
rt, y e Roan*y. CQjHa a permiss
dava direito a om represeH"*- --->
ao que
no parlamento e
eyt
exITrior:
obstinadamente desconflsdos, considerando a al-
enir?..?Mt^"0 "" "" ^ira-natura
f. p"hJ,c,d", o o silencio, entre a lux e as
i.r e,l" na-Ca 8eu'Sao lirresdequa
qr ..r 1aD 890ao ('aaodo Tir Inglaterra 1 -
* '2a Franca ""'"ida liberdde
*29 da Soo iord Palmerston encarregou-se
utE?** P.rsa.a Tedaa"'o patrioUsmo bol-
umn dHS ,,D8|et" : era o dfa de sua posee ro-
lemne do i.gar de chancellar e de mirante
SZ& Cinc por,os- E,8a remonia ums
recordacao vaa de aotiga insliluicao da idade me-
sera pavor para readquirir a Norman-
Sao-
OS^jS
junto passoa do soberano
a !" p" inier 0Bd8 oa vlhos costumes
br.no. frTad?'dep0Sde 8eCuloa. h0UTa len-
SfSSSSi**" ,ord Pa'merston o cargo
L2?J2?*h D0bIe ,ord aproveitou-sedo
no! 2P,r* Prod,8s'i"r louros aos voluntarios
seus labios pomposas phrases, como esta : Ver-
u. nque D Pdemoa rivalusr com as poten-
ttSL'S *tife? em D lesoerra milhoese mi-
JiL*,* soldado': da parte dallas aceitamos uni-
famio CO0B fran1ae" a miodireila que nos ea-
E22& a H,Zade' p0is ra" temos
de desronSar dessa mao direita s porque a es-
?." .er,a 8 copo8 da e8P"d" : Porm no
cum Ifc q"e T en)PUDh d*er.s. lou-
de Pa aUrar pa" lad0 escud0 da
Alagoaa, o Sr. Claadino Palcia Dtaai-
Sr. Joae Mentas AlTea;BI. de J
oo Peraira Marttaa.
IM PEINAMBUCO.
Os propretarioe do DIARIO Maaoel
de Faria & Filho, oa saa livraris proea
pendencia na. 6 e8.
SL
So
r. f "ootecimeoto. d, 0 clUdo jorM)i pode.
n. er considerado como o precuraor de tactos
maia graves, no caso de que a Inglaterra obtives-
Rom *Ca wUra" das ,U88 ropas de
Semelbaate noticia parecen muilo obscura
"* '"- -
d
es-
o
da fiSate^ Pnl que 80 refere iolerTonS*
A nota de Ricasoli despertoa oovas coniuncta-
ras sobre a evseua?ao do exrrcito francs. Quan-
iaA?-" fe,peUo 6 In*aterra. a presen;a das
suas torcas oavaes aaa aguas de aples, motiva-
ra aigumaa expticaC6es eotre os sabiriAte. a.
Vienna e de
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAM-
BUCO.
go o
a freguezia de
o 1.a suppleote
Geraldo de Barros
do mesmo sub-
presidente da provincia, confor-
- a proposta do chefe de polica
LSdii ,P'USS PaMado. resolve nomear o
p.v rti .i0 R',bei.r0 da Co8ta Machdo Pra o
a.,grtse -8; 8UPP,en do delegado de policia do
m'MmnX!f deta capiisl.-Communicou.se ao
mesmo chefe de policia.
rloDi8;Tm Pre8iden,e da provincia, conforman-
flo-se com s proposta do chefe de policia n. 96z,
l*RiE!?n9'm9'nnUe conceder a Feliciao
Jos R.beiro ai exoners?soque pedio do cargo de
%J?t.^e,edoaubdelegado do 1." districto da
SSel'i,de Ser.nhiera. e nomeia psra o mesmo
cargo Francisco Luiz Wanderley.
do .!a;^ .PreSden.te da P'o'iocis. conforman-
~*1? P'oposta do chefe de policia n.956.
i. rff k! Passado, resolve considerar vsgo
lugar de subdelegado do districto d
santo Antao e nomeia para elle
Jabeo Goncalves Lima, e a I
Coelho para o de 1. supplente
delegado. r
H*7i2prMde.nl6 da Pr0Tlnc'a. attendendo
ao que requereu o teoenle do batalhao de in-
u)Vl\ Jt "?aoda naciODal deate municipio Ca-
V S .A"^3*0 Ferrf.,ra d Silva, resolve proro-
Sr.?h!"W llCeSa' 1ue lhe foi concedida
em id de abnl ultimo.
?!: ~~ Pre8dento da provincia, attendendo
ao que representaram os juizes dedireito da co-
""" da Boa-Vists, o municipal do termo do
mesmo nome em dstas de 5 e 16 de agosto ulti-
mo, e dispoe o art. 10 do decreto 482 de 14 de
aovembro de 1846, resolve desigosr o f tabelliio
de netas do termo do Ouricury Raflno Jos ds
Lonhs para exercer provisoriamente o offlcio de
tabelhao do registro geral de bypothecas na so-
brediu comarca da Boa-Vista. Fiteram-se ss
communicacoes convenientes.
Ha^iV"?* Sr8, aSente da compsohis brasileira
yP.t2nK-M Tapor ""den dar transporte para
n, v?m- POf eonU d0 "erio d. marinha,
liZ^ tan.r,IaPO-q,le PaS88r Pafa DOrte a0 Ca:
tirio das ordens imperiaes. v.t Wvir na aa!
^.aMq,,!ll^Rro,:lactia- ~ Commuiiieou-se ao
commandante da estacao naval.
Mandou-se tambem dar passagem ao Mferee
Francisco Antonio da Veiga Cabral da Mosquita
Pimenlel e ao msico Jofto Joaquim de Santa
Dte. O preaidente di provincia, tendo em
?tala o que represenlou a cmara muoicipal do
Recife em offlcwe de 9 o 31 de setembro ultimo
sob ns. 50 a 5, resolve approvar provisoriamen-
te os segoinles artigos de postura.
..Vl'ill- *"*"** ?eder plvora, bem como
aa de fabrico do fogos artiBciaes, so se podero
esUbelecer ose proximidades dss tres estradas
ft S"8 "* *WS cld.de par. San?
1. .?.""* Alb0 e Gona. observando-se
as disposicoes seininte?.
ri*nP0d,0 w 'beidss Dadistsn-
acio ; n.0 podando haver nells. em deposito
maU de cmcoeoU libras de plvora, nem noder
conaervsr-ae dentro dea neanas paaoffin.
depots da, tei, horss da tarde. "
.J a Pod4r* aer f"a do (aipa com bsrro po-
^l-"?.6 d lo tnaple.. sendo cob-
tui com laminas de zinco pregadae. ou com te-
!5*. br" '?* "Padtl Irtcar urna ca-
Al&'-i!*0 lw4 de porta "a
Sri i 100,locaao o hales* para a randa, afln
a %* eoa,pra*' **lm entre. *
4 3. Ser painmtdo fazerem sqaellee que o
quixeren. ana peque.. c... do aseasao nodo de-
quelU que data servir de deposito a nergen da
estrada publica, par. aella eftactoaren a venda
3da polrors. w.do que nesees aaeae aio poderlo
teda de nore libran 4a polvera en latas ou
bsaaeida poHd.* Plmara e csrim-
^.rt" V9* infractores incorrerio na multa de
^JJjgjcg. ? oito diss de priaao, e a duplo na
PABIS,
7 de setembro de 1961.
uesta vez poocas noticias
fallare! anda da
q.e.r.!f1,'am-.daaUa completa de publicidad
as suas instituicdes ; da Italia e da iotermina-
HtSPSSSS; da Aa9,ri e dos acon,eci-
mentos da Hungn. e da Croacia : do Nacional-
poderei adiaotar :
Franca, e dos inconvenientes
S au'a iicn. *' *?** da *"** "^rad. RSi?2 T Z
ln7lf s 8llU8cao. igualmente om appel-
L;!!.,.0-.f_op,n",0.PUD,iea. e equidade dos go-
situacao.
\oneln dos departamentos sbri-
51*1 y? 8e.S8oe".II'> desta vez foram prece-
didas de conferencias prefectoriaes instituidas
pab ministro do interior: pela primeira vez tara
bem os conselheiros gerses receberam com aote-
S25i" c2ma,uo'c,,ao do relatorio annual do
prefeito. Esta medida tem facilitado ffirabalbo
das sessoes. tornando mais clara e mala pratica
a ducussao dos negocios importantes e numero-
sos devolvidos aos conselheiros que alm disto
nao tinnan sobre si a missao uoiesmente de pro-
ver aos interesaos locaes, poisque tambem cum-
pna-lbes emitiirem os seus pareceres ; e diga-
mos de passagem que nao estril semelh.nte
prerogativa, porque ama vez emittidos esses ps-
receres haode ser publicados, recolhidos e eslu-
dados para ao depois ser submettidos alteoco
dos estadistas Pela mor parte sao aquellos con-
selheiros habitantes dss provincias, uvera no
meio do poto, e conhecem perfeitamente as ne-
cessidades do psix ; por conseguinte ninguem
melhor que elles pode saber quaes os melhora-
meotos precisos e opportuoos para augmentar-se
a prosperidsde publica, e a instruccao das popu-
lajoes. Comprehenderam porreoturs a sua mis-
sao r E o que nao podemos dizer com toda a
justica.
Os presidentes doseonselhos pronunciaran: ni
seus discursos de abertura um elogio sem reserva
ao gorerno imperial ; consideraran como Ittis-
Sri'-I E*Sf2ldM pel dec8lo de 24 de no-
vembro de 1860 as materiss concernantes are-
formas liberaes, e opporeram o mrito das liber-
5uiseiadaUs gada m6r, dM libardades con-
Depois seguiran-se ss commuoicaQas a^in-
.*.,; n- g,dKaS V0d,s a maneira ac55fea de
m h!?b a forna de Pareceres emittidos,
orr .'T1 qU,lquer ''J ogoverno
Putfi rejhssr. necessidades a sftisfazer
fmSonri.00'?8'?- f~* ^V* > P
gagg** V-,8Um,B0, oulrosim. que os pre-
fetos dessem tao pouca publicidade idelibara-
Qoes dessas sssomblas provincises. f
JjESTX ""POQdencia da tndeptnden-
TZ f 9 .? e*"Man imperial propde-se a enviar
os conselhos do estado nos departamentos un
ta?.r JT,de,audUores coa *>"> d* es
Kinri.Mp,rit0 da2 prOTOCia8. combinar os re-
atnos aposentados peles autoridades prefecto-
X'ffl0 JJflS enlrar B0 conhecimento
m.- i-'-* tendeocias da opiniao a vista de
IwisT1^0 prTTaTel e proxima do corpo le!
fZZZh Com efrlt0 t<>d08 esperavam Tero
anno "" "" n,edida Pa" m do
tA^JlPi!lta .aPP,iene ?a poltica frsncezs qusn-
f"!. "f001? d.a lu,u contina a inspirar a
0?.P'ibDrdM de8CODfli"5aa. A contradice'
feinr, d. I.T ,,a .eolra a ao'macao dada so
reino da Italia em Tunn e a proteccao dispensa-
da ao gorerno pontiQcal am Rnma fax con que
hSTJST ea,ranh0'- Oa AlltnsS pa!
recen rar a cada momento o exercito francez
*?** d0 Rh?o J os Hollandzw espera"
todos os das a noticia da aonexaC5o da Blgica
222?OSSS* lambeni sentir os eus
terrores : finalmente os boatos mais destituidos
dhnn,dlT0,0 e bom 8eDS0 8e h5o leradi a T
thegoria de supposigoes discutiveis.
. .!5tat?r.M r- Rfflback Pretenden excitar
os seus onvintes de Shefield contra a Franca a
IllaVcTorsT"91" c,"en5ao entre N.po5le.S
1..8ena 0.-pre5 da 'cuaclo de Rom. ;
raS.?a.10Cana<>,PrOCUrou *""" o liberali.:
12J2 i?" .ail,esUao PO'aa palavras do archi-
duque Maximiliano em Soutnampton. Provavei-
Se*. SieP?.PrK nS acrad'a'a no que d'zia,
Str^ """i quatMta8 Pla" t o Me-
2S5?i in? Um la? fr,B azlam eslre-
Sfa.r-ii,,i,e,ri; oi a88im qua ogrou o seu
J- W,qM '? P0M' -coatura.do'a encarar
como justo .quilla que do seu interease est
rom.Pa.dh'.S,a julgar Injusto aquillo que ni
n e barnooa com esse interease.
f.M^nU""' 50 facto deu, un desmentido solemne
Tudo istoscontsce porque eom o rgimen ac-
tual da Fran;. oplaUo perd,. o ee. echo, .
que impede oe Ingleses de baeeerem os eaoa seo-
tinentos ees una apreciacioelara das intancoes
ideas e projectos de eeue vizinhes. A despeito
dos terrores briU.alM. allisoes angto^.frTq^
nuto lotar prowrld.de doe o^osTc-vo.
muito aec.ss.na no futuro da civilisaei. aatope
upS??,,j"^ 'J*?**- ef eom 'atfsda el-
ld uteneia deaea allianSa. M.s taae In-
cidenles dio lu^-sr a laatinaMo que a mM,
a ?. *. Pn, mata PWta eiaiwa.
mf? e?CUd0 da,defeia na Ph'ase de lord Psl-
merston sao os voluntarios.
ataTr-lif'- "i paMe0 C0,B toda a Pon>Pa
b i"; q"8 .ba '""enla annos nao rece-
a a honra da visita real.
emn/.Z .c","iao mudar alguns dos seus
n.,t .'/ FraD?a eo"ou Mr- de Lsvalette,
?uui ?,e"-adr ?on8la"opla. par. sob,:
lituir a Mr. de Granont em Roma. Hoave quem
un..,"*8M,e ^ 0bSerTaf qUe e8le Ullim0 0C-
cupar. o aeu poato desde 1857, e que por isso
n?dnia eg,,<,r mu,l re'acionado com ceVtas in-
mod0Qc,r.8eC8e8' 8 *dPtar medida8 diffice' de
maPrfTfTS J1"1?1 eoocluir que a loe81" ro-
mana est pe. to de sua soluco. Mas como e
fu .qe."M0?- Eia <'ae 0De,D PdJ> affirraar
oe ums maneira positiva.
B.?.l8Kd0-dapr0T,lcla8 napolitanas deram lu-
f*i*. wrio BleaaaU paradtrirtt urna outra nota
ovo reino no es-
expoaiQo clara
eotre oa gabinetes de
Pars ; procurou-se saber s rszo
Porque o almirante ioglez fez desembarcar mui-
m pracai da njarinhs sob o pretexto de fase-lee
manot,rarf quando era avlente a intencio de
guardar a cidade de Caatellamare em quanto a
guarnido e a gnrada nacional dessa cidade se
Su !.". moat"na* "Sa dos rebeldes.
Alm disto nha sido remettida a Cialdini urna
rL .' c,nhoea rayados com as muoices
""Peanles para armar o forte de Sanl'Elmo.
Era data de *7 de agosto a esqusdra ingiera
nio tioha anda deixado Castellamare, e .t li-
nn. recebido mais reforjos: tres navios stacio-
navam diante de aples. Teriam j elles todos
ciado ? d A Dieta de Pesth prdlestou contra o rescripto
que a dusolveu ; -eis como cometa o protesto :
> podemos oppor -nos de facto violencia.
indQiCv1,tvTP, de """"."siatencia legal onka e
No dia seguinte deliberoo-se : 1 sobra a aa
gaoisa?io da deles, nacional 2 ,kr. 0r
cessidade da creaco de"m. rra^a ^s" U
a represaatecloda industria gerra.nfca n 22?
sao universal da Londrea era 186Z NessedU
reVaTaU.' "T"}0 m HohenioMer?nS? fo!
anfrfnr P0"?8'108 do 1* o. Hapsburgos no i.
anterior; porm en conpenssco grandes ais-
raussd,enrPa,h' f-r dos
Depois de una terceira sessio a associseio en-
n..r0nUrip"ier2' ,raba,h08.c^ resumo foTinsertdo
de 2*2 \2 col"mn'8 do jornal oflkial de Ba-
e. a den un publico le.temunho do seu reco-
nheciraento ao principe de Saxo-Coburgo-Gotha
?e.ta d..CidDLifi qUe 25 DOme '"*
esia das ideas liberaes e unitarias
Os membros dessa associaco separaram-w
t:,COffl a con;CcSo de V.verem imprimido
L "' 3?2* dedican, um grande impul-
ro.P?/ID d0. flea perseverantes exfor-
vez'all.mi:.,,Un,lda.de C.m a liberdde. Desta
. !"1M! ,aD, d0 8U| como do norte se uni-
da victorfr ? UDS ,0S 0UU0S- Veoha dia
natrbr?-' 6 eMes representsntes ofciaes da
^SlSSSS* M acharao pe,a T0D,ade do do-
to verdsrjeiros representantes deate
a um. circurastsnei. notavel em tudo ialo
que merece a peo. de ser mencionada, a saber
primelros diss
piegne.
de outubro ne centella 4%
G. M.

PEjnj>WBuToT
REVISTA Ollll.
2 S5&%.WLJSSt-
a como recorso s almaa geoeresee w TaiaSL
ItoitiTo ao aeu estado mH."ri^..,|"' ",n*
fcsie senhor js foi connereiante esa swaavaa m
estiva nesta cidade ; seu oooae *,mM22L
entre os seus companheiroa con distiaccao
.molestia horrivet d. X^UmSS^SUS
lhe slgUs ^aeaot caw. j Kaaeo
^m e P^P"8 "P-neneia reeaalaceu .
luefficacia do precoots.do p*rac*r*ri2Z. !
nMraente ao l.i.o da dor Td. -Xri.""^^:
A sorte tem-lbe sido o ra.is adversa .-
Tei poren rastan anda coracoea asn.i7i
par. quen apella en aua dolorosi rttaSn TL
quera ha de por cerlo haver a eolieTudaV'
l'2i d8 ",reler '"**
Quaodo a riqueza eaie.de a
do, fecunda por eata forma oa
existenos aaa
stua';o parece
pro
Ti
form
Pesth
deplorand
o mesmo tempo as desordens descootfanga chegam Vseu
da Hungra, e isto
lar o loglezM atrio
Tenas europeos. Inpossirel"srVio atlandeae
a SUfl VOZ.
O ministro italiano explica quen sao os ho-
rneo, a quem os partidistas do direito dirioo fa-
Himhf.Zr.a ,nJus,iacael de comparar com os
stfh..nd.e" <,ue ?,a araram em faTor dos
d. r. C0 3 ,yendeaoos liis aos Bourboos
1. J,DSV sa0 malfeitores, ao, quSes ae teuoio
una grande parte doa soldados de Francisco il.que
nP.lS, .na0 haT*rem combatido por elle, de-
. 2 V*.m !,8id0 'Bonhos.meote no mo-
?..h? ^ 'V 2naln*De depois de se haverem
deshonrado nio deendendo baodeira borbooia-
na que Ihes Mr. confiada, deshooram hoie a mes-
SI.in2d,Ira-fa*eodo del,a uta emblema de s-
2 2St\ de raP,n8s- S*"1 befes dedicados.
2222? -a0. pa"' batid09 dispersos a cada
momento, j teriam auceunbido de urna vez, se
n"BeDaonr8Mf. conmodo refugio no estado
5e refn.C -lm,le8 flCani Proxinoa. par. alli
se reforcarem e depois con numeroso, soccorros
voltarem s suas depredages costunadas. E'
pois em Roma que se deve ir persegni-los.
U echo produzdo por essa nota retumbou por
loaa a parte. r
resDpnda?.M ardeal AB,onelH P^ara-se psra
Antes da app.ri;o dessas liohss do bario Ri-
casoli falln-ao mnito de am pretendido mani-
teato secreto, para que depois do recoohecimento
HauJ0 /e,D0 Pe.la FriBS. a cOrte romana des-
pedisse os ministros da Russia, Prusa^ Hespa-
nha. Blgica. Baera e Austria. f^""Pa
.Q t!8UndV*e documento a Franca paasariapor
.r .hU,ad0/ lV com a 'n'eocao de ente-
Stn H.hr0D. de,S- Padro ao8 inimigos deste. e
i.i ProfeKe-10 cD,ra e,,es- Proteccao ex-
clusiva do imperador Napoleio III teria feito do
papa urna victima, e nio un protegido : en con-
sequenci. disto o pspa denunciara essa protec-
cao que lhe ata aa noa. protestara contra tudo
2iq8 re J S*0' enregndo-se i proteccao di-
Tina am de faxer entrar no dominio da igreja as
provincias deque oi ella esbulhada, a qualifi-
r22uJ ePhen,era a reserve con que a Franca
reconheceu o hoto reino da Italia. O papa de-
222 mai8 ^,ie Jn'gaTa eaae acto da Fr.nca a
sanecao de todas ss sggressdes injustas dirigidas
n.h6 con,.ra Pa,rimooio de S. Pedro, cono
timben contra sua propria pessoa.
A nthanllcid.de do manifest em queslio
"m .a .UV! ?a' para 1ue 8e ouse acreditar nelie
um so Instante.
Appareceu urna brochar, intitulada0 impe-
rador, Roma, e o rti da Italia.Algunaa pes-
soas suppozeram que esse opsculo teve urna ori-
gen official: emndenos, porm, que elle nao
emanou do goveroo, e o nais que se pode dizer
que nio desagradou ao mesmo goveroo. Eis
aqu cono cooclue a brochura :
a Se e corle de Roa persistir ns sua obsti-
nado, cumprir neste caso appellar-ae para o
povo romano. O plebiscito ter lugar nata do
exercito francez: quem o aospeitar? No dia se-
guate ee o poro chamar Vctor Emmanuel para
remar sobre elle, ee tropas fraocezas serio sus-
Snm1^.016018 8ub8,iludaa pelas tropas italianas,
am de que ss consaaoio fiqoem um s iostaote
io ecaso, e nio possa sobrevir alguna
iron"i0 p
3lLeS?."ii,^L,UCa'' FranciiC0 Ja en- das do sllao7com"o' t.
lorando ao meamo ,mn .n-L-. L-.anU! chegam a seu curauTo,"! mlLn,
populaQe.
.. 2222* j0re,n 8ul,ao a CU8ta ?ae cedendo
as pressoes que o forcarsm a privar-se das l-
zase dos conselhos de KiprisliMehemed-Pacha
i.?.] atr.rePeode-se e admir.-se elle mesmo do
l"d ,ao frac. e de haver sacrificado aquello
com quem poda cootar.
O grio-viisir Aali-Pacha, successor de Kipris-
ii, procurs somente o repouso que a sua mais
querida amb.cao. Por elle j nem mais trata-
.m.d.!!-q.ue,lu0ef de.re'orraas financeiras ; e por
um CHU,V"",e.ID. nao le7e Ja andamento o pro-
e a pragmtica.
Os termos em que se achara concebida essi
mensagem erara dos mais decididos. Nao erara
a resultados que se devia eaper.r. S. M. quan-
do a 0 de outubro de 1860 decidi que todos os
seus povos partfeipariam igualmente da legisla-
Saj-,JBU ,"-".50" em 8ua graciosa beneToleocia
estender a mao de perdi ao reioo d. Hungra
que n urna insurrei5So desastrosa fora arrastado
^hri? dDioe commeUer 8 cr,me8 da 14 de
ont de 1849, sendo
s-j: as %&t!2 Segssvs
orgulho repartiSoes e do das residencias ministeriaei
Procurando urna occasio favoravel para arran-
car aos embajadores das diversas potencias al-
guraas queix.s contra o systema de economa e
221*1 KL2 mesrao despertar atea occaso';
> Aaii-Pach imagioou reduzir *--* -
sold
melado o
dos ofciaes estrangeiros prohibinlo-lhes
todo qu.lquer tr.balho for aaaarrfea militar
SJ2 .Ton.,ada 1"a 0I representantes daquellas
potencies inlerrenhem em faror dos offlci.ee e
edm isso a sua causs ser ganha, as eeonoro'ns
serao condennad.s, e fsr-ae-h omiti comp"
legitimo, que s um mooarcha benefleente d
curaprimenio consciencioso dos seus deveres, S.
M. declara qo. tem feito pela Hungra tudo o
S*J exige a equidade, tudo o que permilte a jus-
X222V?, Pede o desenvolTimento poltico
o necessano do imperio I
nn0noVl.d0 8!.lei?io ?ae quasi s representado
no Reitchsralh nao pode faxer mais do que achar
excelleole a poltica dilada para bem dizer. Foi
votada pelas daaa cmaras ums resposta ao Im-
perador, e os cincoents e quslro membros que
rormam un. n.ioria facticia na caara dosde-
%22E: ?UIieram eaae occaaio fazer algunas
nodiflcacoes. En vez de exprinir sinplesmen-
te a sua saiisacao palas nedidaa adoptadas, qui-
zeram mais declarar-que os haviam commovilo
dolorojamente os aconlecimentos em opposico
sollicitude paternal de Francisco Jos. E soDre-
ludo expresssram o seu germanismo declarando
que continuarao a rapellir com energa todo e
qualquer ataque dirigido contra a unid.de e do "nTI-' "' esiao oesmor.lisa-
oaatra i existencia do imperio, e esperaran ana ta h.m2 .- qUr? C0B,er' eo 80ld0 ,hea n*
senelhantereaolu^onodeixari.XinaSirnili- *&? *"** ln*go P.rece conhecer
lo nos passos da Hungra cono
seno.
reflecte a hondada dadivosa do sor supremo
, "~cpr nofao, loternadio reclaman uasa visiu
Beln. "^ "' *+*" d* 8"to BSB
A pesaos que Uto aoliru, fundamanu asaa -
ic.tacaooe estado Ustinoao das carcas 7 nW
rh0SmT,,e8l.ada- *"" como ina da Vaisa
chamada do Maduro aade j tem cabido sUmm
cavallos. e nio poden p.si.r carro. *^
Examine o Sr. fiscal Mee estado, a d Iba a
.am Fl aPProrado prou#riass..u .m arta
ddicional posturas da cmara de InsMairV
que considere no distrito da S. Joa dJa
madas como terrea de agricultor, aei
nenciooadaa, naia aquellas deaonti
de Jos Nunes Lagen do Agastioho
De Panellaa temoe avista ama carta i
assim se expresss sobre o fado da qna i trata.
o-Vnm1relaCa0 Per8eicao feiu .o' pra*
sor de Qulpep pelo respeciiro enaaalngsX* -
a osle momento sei que o Dr. rrometar m.
Sr,C^,,ieJlH, dC muU "I"**" aKcWaTyTo
Sr. Csmpello urd* contra o prolaMor, pode a xa-
>n aaaj
minar esse parto de escaldad, im.gi.'acio dando
a sua promogao no sentido de se derer ialaar
ira procedente por falta de crimia.lid.da ao facto
atirinnidn. e illegalidade de tal den.acu eara-
brioa.
Avista disto, reja qnaee os
epurae do cla-
hender que as na;oes smigas sio as proprias a
22S2 de8enrol.ren o est.nd.te da
5 !?rS!Pr0g'aDDma ^fa"r soberano renunciar
l!2? 8 a "!&*' Em Pucoa das lera de
expirar o arnisticio concluido entre o eiercito
insurgente dos christio, os mu.oim.no con?
m.nd.dos por Omer P.ch. Segundo os ltimos
desp.chos a campanha tem de comecar sob pes-
simos ausoicioa : a, tropaS esli desmorslisa-
pre o terreno. .
go p.rece conhecer
22J2&H Sa,S e,encias augmentam. O
Vr22? Mon'enegro nao quer soWte a au-
tonomia de seas .Iludo, de Hergegovins, e um
lSiJ> mar Adri.tico. exige agora t.mbem
ama extensao de territorio. Quanto a Omer-Pa-
t'.-P.edl e"e 80CC8rr8. a Porta enviou-Ihe
novas tropas psra comecar as oper.goes contrs
os Mootenegrines. .--
A grave queatao do Syria parece tender sua
so. suspeita de ter subordnsdo por .TqVer" foT- Bulam^tn PaC"a acaba-de ?"'' o re-
, os sold.dos p.r. e.te. nio eumpriram o seu K P orgamsa5ao interior do Li-
fffi SJtt S;UpnrocT.nn9:.edqu.Uoerer.a: didP,0sconac-.7rd,DPerad0r da Ru88ia ""a a
tsdo de cerco. F q M d,daa conciliadoras a reapeilo da Polonia. Pra-
A Dieta da Croacia sn.mr.tf.............: ul8ou. um rescripto contando .
um aviso grave e
Porm as ameacas dos cincoenta a quatro de-
putados allemaes parece ter mu pouco intimi-
dado a Hungra. Oj despachos snnunciam que
a resistencia augmenta e que a Austria v-se
obrlgad. dobrar do rigor. As sessoes do comi-
co de Pesth foram suspeoaas repentinamente.
Atnxaram-se c.rt.zes declarando que toda a pes-
tendencias hostis
maofesta por sea turno urna autonoma
promesas da
mais real, proclamou urna e s-
despacho de Agr.m }JSS52S*2 \ SS. %Zf" \*^f"%
aentado no seio dessa assembla urna araaaa. -t- ..*!?',0'. *. _In.8,a lacao d novo governa-
no sentido de
das resoluedes do
assembla urna proposta
e protestar contra a applicagio
Reichsralh aos p.izes nao re-
dor.
general L.mbert, d sperYoc.Yde? nodifl-
csramia as cousss. Alexsndre II incumbio-o
presentados naq.ielle parlamento"dTienna''ra" 2 2^L??L P/'1 cando o concur-
sabido que troacia nioan-in .uf""'..^!! &do! f,dada?8 aclarecidos. O general estho-
quq s Croscia nio envou depulad'os ao
ftancezfe8C*nde,lte d8 "" anU'a de ori8em
aaHbalaole tudoUto indicios hs que nio con-
22 T2222? e uma cerla a,lacao conti-
nua a mostrar-ae no oeste. Demaia, novas pri-
Tincia m de ief l"gaf 8m Var,0Ta 8 P-
,.I?ACiar e 8 ?zarin" acham-se actualmente as
regios merldionaes do imperio.
nha.Continua a oceupar a atlengio pu-
proxima dissolugio
Heidelberg. Doa lados da i
presidencial, e aombra do estsndarte nacional,
se eleraram os bustos *
desordem.
uu-fitf Itolta Publ?ar4 "o urna concor-
222 a *.?8 P,B"na catbolicaa aobra os
223020". independencia da Santa S
je o esplendor da religiao: e depois o papa ar o
(que quizerficar ou partir.
\ Essa brochura fez echo em muitoe lugares; na
foglsterrs sobretodo produzio mui grande aensa-
Pac. ^nlre"oto o publico nio acharia nao que
l ^.t! fflcial d0 0Tern<>. ectariS
. mnfS. ?* hnhla ,ea P8racer 80bre os fsc-
i2t^!?22*h2 nP'niSesenittidaapelo
auior da neana brqchura.
A. nudanca ministerial, de que se falla ha nui-
ra.25o.WB ,0, aCaba de ,8f Ul 0Q oa'">
ftflf: M'DgneUi,- retira- do ministerio do inte-
2 J xe.n,S,0i.rCUpa interinamente ess, p.".-
ulJ2?^ deCsTour que accumulava quan-
Jl*"*. comnUB,a nabiftdade e coragen ex-
traordinaria.. Esse expediente ter pelo menos
d::"*5 ?e wl'8h*1o aWnete a brigad
de soffrer certas exigeneies dos candidatos. S
a.L "P****. ioraat setot-offlcjal de Ma-
^22L!^lm2ft0Z\ r880,?Wt onWooir para
Reichsrath, (snto que em Vieon. serr i
motivo pars f.ll.r-M d. dissoluco da Dieta de
Agr o}.
O Naconalverein.Em fios de agosto tere lu-
gar en Heidelberg a terceira reuna j geral d. as-
sociaco para a unidade nacional allemio. sob a
presidencia dp M. Bennigten do Hanorer, um dos
mais ardente. defensores da unidade. Ha um
anno as prim.iras conferencias ger.es do Nacio-
nslrerein tu erara lugar em Coburao Euaai.' hiiT/ll" n*"l",HU'a a occ
soci.Sio expellid. de Pr.ncfor "fto comTcom ** *"*** bal da
a aua smbrala absorreodo a Dieta germnica,
foi achar asylo naquella capital do ducado d
Saxo-Coburgo-Gotha. No presente anno porm
? \uAll8m8.a.0 'orno de Bid motirou a es-1
colha de Heidelberg. A populacio deata ultima'
cidade fez um brilhante acolhimeoto aos seus
hospedes patriticos ; todss aa casas se prepara-
ran para recebe-los com o nsior luxo.
* ma1"6. '?g8r na 8ala r*nde do nuseu.
A assembla nio fot tio nunerosa cono en Co-
ir.n,P.0U *U8. Pde Penas contar cerca de qua-
h,?tr Hli'neail,r' : m" na ae deve .ttri- tore fren'
ss essnt- jsw -1 ns-srSusrmo r8or co-a
Durido-nuto que nesae terreno o gabinete nos-
sa marchar anda por nuito tempo.
das cortes. O Donnell que fez uma reroluao
em nome da reforma eleitortl, e neda ansoluta-
f! .? -,refortOU' -ler aaimo de apresent.r-se
aos eleitores depois de os haver illudido ?
Em quanto espera os aconlecimentos o minis-
terio duplica os r.gores nao s cootra a impren-
sa hespanhola cono tambera cootra a imprensa
estrangera. A fronleira foi hermticamente f#-
cn.dsi par. todo o jornal que duvid. d. dur.cio
do gabinete. Re.t.beleceu se o auto de f con-
.? s r08.; fo.ra,n 1uelmadas pela nio do car-
rasco porta d. igrejas muitss obras de ascrip-
A pena de norte continua a aer
oa prisio-
- dos dous soberanos pro-
tectores d associaco o grao-duque de Bade o
o duque Ernesto de Ssxo-Coburgo-Goths. II.
de Bennigten foi o prineiro que fallou : expoz os
progressos do Nacionalvereiu que en dous annos
tSWhl ".F enbros de todas as clase.
loca iioeral desde o constitucoo.iisno dotrin-
no ate o republic.nisno democrtico, e perteo-
nerdo fi0e" Uberae8' A duHria e ao con-
..m.md?!f.8ld"4lM,Uo-"efobre PProrecSode
22 uS?a propo,U Pela conmiaaio caotral.
,TaIIuJ <>ue188 e"a: assembla giU
ias* ?ua aiaU da aituacao interior e ea-
hv ...f S'tri.a d,VOT 'nPerioao de cada nem-
S.ri.ttd. Slnin? 222 t !,U e,t8d0 afl,B d* *** ,eW
22J22*Aa* O^rmtnado. enpreg.r os
^"f?0"^" ptBl ia a^ansnaetnanto na un
9M2?l2il2i* am Pa'l*to-
r.J5?n7i1"1 *do, foal o absoldUs-
ZXF^Jte?****; ep-
^ '.. '.'" *-*" r receaounirt
SnTlL AJV. f
^^ ^""nUnanSal.
.HWMls8tad,'a^ ar d* p-
Sj?ouWTar^Cl"aa},,ua ha da nnosoffe,
recfl so unirerro pja(jq a Uitinat noticias.
Ha hinf6*"11 de um* nala P,bda no Avenitsar
de bootem que a gorerno oppoe formal desap-
urm^h* auP,Poa! aoa commentsrios que
. a b,eCi d,a brochra 0 imperador. Ro-
mIaa'..e.0mda I.laUw8 ^nlretaoto qnalquer que
poss. ser o result.do da nova my.uflfi.cio," lal
os actos sempro un pouco mysteriodld. polti-
ca francez. dio lug.r. o certo' ,o. broebnra
en questto continua o ter ... inporUnoU
il2*2nm* H9P d, denUdo TtSS, &
n.a 3 .C0""8Pod eUa ao s.otimenlo publico
qua deseja une selucio qu.lquer.
.aL'i*/*.6*} ^81 d dirigir todo, os
agente, diptoaatiooa- da aaol. a naa oanaea a.-
trsogetras umaeircular en resposta a nota do ba-
tJ*?2LJ2!2L,2!,^t, **"?
desafts o prasjn.au do cooee ho do ral d. tutu
para farneoer es prov.s 4, MmpUmaada do S
roa |matial oa. da.atd.08Taa baftaraanTa
Italia meridional, 0 almirante del .SSi oitra
Unta per parta da Franeiaoa II, m
noiafPa.u3^gr P*BB,ala ta*JMa
berrimo deounci'ant. porqo.o protosanr i
honra nao deve de.xar smpaaa nma sanalhante
abi,r,fta,.m0ra,fln,e fornac.ndo-lh. a lei *Z2
abafo : o Ul processo foi drama trgico p.r. ea-
?^ceiro8r,WU,: 8i,i?0 ha da fir" "" ^
,'N. o^'ante, ha recelos sobro a exsteari.
do professor. e eu que cooheco o Urreno,V7tn-
dole dos cujos, nio deixo de repnU-lo. fasda
at ceno ponto ; na. nemaa.pc. ntamanT
ndole encootr.m condieea .voraveie da*
Totvimonto. e por isso d.rei qa.raaUna elle.
n.n. w 8umma- me charo, o que o Sr. Can.
SJH^Sl0! P*ra coal Profesw Biearda te
proTocado cootra ai mesno a odios.d.da dan.."
ii quf M mam a". qaa acaben
rc.dp<.x.eCDheCer n>n8t^d.qoe de q"e
H1.F|0.' omMdo delegado litterario da freguesa
Pere,r.V.0a d6 *"* E
Felictanos ao nomo amigo pela eacaiha osn
esse lugar de distinti, coas ourtm kll
lo gorerno. H -aMnap-
r -Sr' Elias Flleo Baato. Jnior acba-se
nmade- para exercer prorisorisnenu os otneos
de partidor e contador do termo de CimareaT^
. ~~. "do aido exonerado por tranaUraaeia da
domicilio o aegundo suppleni. da ..ba.Uci*
nL"- tSr Jo84 Fel,PP" Car.leanti da Alba-
Kre rtfi"-s" "oa > >
Vieira da Caoba, proprietaria do dito
que se achara em perigo de rid. ; a,
atfirmam peaso.s da familia da neam
a huras depoia da chegada do medie,
prego dos renedioa, o perigo baria desap.raciaa.
e a enferma eotrav. en va de restibelecineau
E este naia un tacto da sida medica da ir.*
or. Sabino, que comprara o que j mnita ganu
er. que a homeopalhia naa nios desie inutaa.
re discpulo de Hahoen.nn nio obra saMate
como medicina, mas tamben cano an pradiato
- Foi nome.do o Dr. Jo.o Ribeiro da Casta
Machado quinto sapplonu do deleg.do do pri-
neiro districto deata capital "^
- Ha vendo sido concedida a eieaeracio padi-
da de segundo sopplaaU do sabdslaaadu dssl
meiro districto do Serinhaem ao Sr. FelicUa. 7.-
s Ribe.ro. fo. par. o meamo erg. oonaZd. o
Sr. Franciaco Lina WandarUy. ^^
sr", ,1h!i1!?da,a.d0 Ta' ao*ra aWP^ta No
Sr. r chefe de polica, o lug.r1 de su.del.cado
do districto da freguezia d. Santo Anta. ; pTrao
?." i f ao"M00 9 reapeclivo primeira sapplaa.
teJiihao GooQ.lve. Lina,, que anasSaTn
Sr. Geraldo de Barros Coalao 2mT2!tZm-
mZrt-Acnmaa deid* Pra exercer prariaaria-
mente o offlcio de tibelliio do reaatro eral ato
nypolbecas n. comarca d. Boa Vmu
belliio '
ed. am-
olla.
de notas da Ouricury latino Joa d'ca""
A."LRe'a*0 das peasoaa falleciaas aa fregaaa
Msrcos P.rdo. idada 44 aoaea. soluiro, aacrara
de S.lvino Gullherne da Barra.; tabeo.
C,,00..,oa6 da Coala' Portan ta, iaad. SS ao.
no., solteiro} aoazarca.
Maris, crloola, liberta, idado 4 annos, Alba da
Ano. f.lUcid. i coninlsdas. ^
teltudad, eriouls, idada t anno. Alba i
o., escr.va da Joaqaim Vicente;
Meria Rosa da Gloria Coala, branca. Moda SD am-
os, casada eom Joaqaim Goma, da Cata saa
trolofia.
Eduardo, cabra, idade 30 annos, saltairo, satian
d. Bernardino da Sana Dia. lubarcato. aai.
manaras.
Helena Joaquina Pinto da amina, branca, ida-
de 65 sanos, casada com a cirargtaa Jaa Fraa-
cjeo Pinto; a pe pieria fulminante.
PJ'!
Joaqaim, i
_.
c>P*nnnnnnann1fla1si
la.no..; loterite.
Joaquina rban, ttigola, ldal.50
ra ; asthms.
"noel, parrulo, idada S hars, liba da Harto
*> RwrtQ, aolteira; eapaamo. ^
tolrara...
o. fllho lotitiaM te
Upasoa Axereto Vil-


w i----------m
Bonifacio, crioulo, prvulo,
4* Hiria, africana, libe
Antonio Duarte da Cruz,
uot, solleiro ; febeo.
Anna Mara do Sacfi
nos, solteira ; aalhma
Maria, africana, idade 40 asos, soliera, escrava
dediaimtargador Ftromao Antonio de Saca;
Irmlrearisi*.
Mari, cr ion la, idade 38 aoaec, selleira, esclava
>. Therexa de Jema Paseos; coogeslie ee-
aMeaoo, idad 15 Inoos, folteir, es-
codeo de Manoel Cusoste fefteto Soarea; hi-
wtate ebroeko.
EeBiia Saturnina de Sa. parda, kla-de 28 annos,
asas ira ; la or ulcerado.
Naooet, braoco, prvulo, idade 1 bora, fllho le-
gitimo de Jos Flix da Silva Fragoso; es-
pumo.
Joeopas, africaoa, idade 35 annoi, aolleira, ee-
crava do Dr. Fernando Affonso de Helio; te-
Uao. ,
Jos Antonio de Oliveira, portuguez, idade 41 an-
nos, viuvo ; cerebrite.
Marcelina, parda, idade 13 anuos, edocanda do
collegio das orphaas; apoplexia.
Aprieto, braoco, prvulo, idade 7 dias, fllho le-
gitimo de Joaquim Aotunes de Oliveira ; te-
taoe.
Frsoctaf o. braneo, psrvulo, idade I hora. Gibo
legitimo do Dr. Antonio da Vasceecellos Jue-
oezes de Drumond ; espasmo.
Magdalena, parda, prvula, dada 3 meses, fllha
de Tbeodora, escrara de Pedro Jos Christiano;
coavulsbes.
Francisca Igoez de Jess, branca, idade 98 annos,
viua ; velhice.
Inaagim.otooaao. adodc 8 asan, eoiteW, ee-
cravo do Or. Caetano Xavier Pereir* de Brito ;
phlyiica.
Abertio, crioulo, idade i anno, eacrare de O.
Emilia Gome* Ferreira ; convulses.
Joao Venancio de Oliveira, braneo, Idade 13 an-
oos; aneeica.
Alfredo, braneo, prvulo, idade 3 meses, Qlho
' legimo de Eduardo Wilsou Jnior ; convul-
ses.
liara Joaquina, ctioula, idade 20 anees, soUeir;
anmica.
Antonio, pardo, prvulo, idade 3 annos, lho de
Flonnd Maa da Couceicio ; queiruadura.
Antonio, pardo, prvulo, idade 8 dias, filho legi-
timo de Liborio Vieira Olimpio ; esp*mo
^_i^
BURIO DI mRAMBtJCO. -t^>Ti\ fElU 4JOTAlBRO BE I8ti.
t>?c Asni i
iTiZI
f *?i
presantes os Srs deeeinbar-
va Guimaraes, e os,Srs.?iepu-
', Baa'.os e Sil Vi
vada acta da sessio antece-
H8SV6B53.
Reeprreote, Antonio Goncalves do Reg Vian-
na ; receida, a eessf achia doJsexmros MerW-
moc eTerrestres.
Be Sr. dfesembargaetr Silva Gotaares noflr.
deseaobartedor Valares.
BILKMmClS.
Appellente, Jle de Siqueirs Fertlo e Antonio
te Aze'edo Maia ; appellados, Seulhellfaellore
4 Compaohia.
Vinla as parta:
Appetieote, lanoel Rodrigeos Cosas Vega
Ihiea; appellados, C.irtes Jos Astley & Com-
panhia.
Vista se partes.
Embargante, Dermrdo Jos de Barros ; Embar
gado, Joaquim Francisco de Albuquerque San-
tiago.
Vists as partes.
Nada havendo a trate r, o Sr. presidente encer-
r a seaeio.
CMARA MUNICIPAL DO RECIPE.
SESSAO ORDINARIA AOS 17 DE SETEMBRO
OB18M.
Preiidencia do Sr. Rego e Albuquerque.
Presentes os Srs. Barata, Reg, Henriques da
Silva, e Mello, faltando com cansa os SrarBarros
Rego, e Maia, e sem ella os maissenhores, abre-se
a sesso, e foi lida e approvada a acia da oote-
cedenle.
Foi lide o seguinte
EXPEQIENIE ;
Um oficio do Dr. Hermogeoes Scrates lava-
res de Visconcellos, esmmunicando ter entrado
no dia 16 do correte noexercicio dejuit de di-
reilo da 2a vara desta cnpltal.[nteirada.
utro do iscal da freguetia de M-uribeca,
commuoicaodo ter mandado larar tormo de
infracQao as posturas municipaes, commettida
por diversas peasoas de sua fregaezia cojos ter-
mos, lendo sido por elle apreesotados aos infrac-
tores, este oegaram-se ao pagamento, pelo que
pedia a cmara provideticiasse a respeilo.Que
o procurador remettei.se os termos para o
juizo.
Eotrou era discusso, e foi epprevedo, um
j parecer do Sr. venador Mello, encerregado os
,.ar V **' "0"1-.,dBde M -.0". negocios do maladouro publico, no sentido de se
casada com Francisco Xavier de Lima ; infla-
aeacao.
angailo, africano, idade 35 annos, escra-o dode-
aembergador Caetaoe Jos da Silva Santiago;
pbtysica.
Jos, afriono, liberto, idsde 45 annos, casado
com Tbereza, prela liberta ; estopor.
Cabrie 1 de tal, perteguez, idade 36 aones, soltei-
ro ; afogado.
Isabel, crioaia, idade 60 annos, solteira, escrava
de O. Anna Joaquina Branca; hydropisia.
Baplisados bavidns na fregueiia de S. An-
tonio do Reoife, de 18 do passado a .. do cor-
rete :
Otbarins, bmnea, fllhs natural de Julia Mar-
tlnier.
Maria, branca, fllha legitima de Francisco Virgi-
nio Rodrigues Campello e Maria Prudencia
Vieira.
liasparina, brinca, fllha legitima de Antonio Luiz
dos Santos e liara Luiza Goncalves da Silva
Santos.
Carlos, braoeo, fllho legitima do lente de linha
Antonio Vilella de Caatro Tavares e Carolina
Serefrede de Castro Vilella Tavares.
Firmina, parda, ulna legitima de Antonio Jos
dos Santos e Joaquina Maris do Livramento.
Celeriano, esrdo, fllho natural de Isabel Maria
Joaquina de Oliveira.
Emilia, parda, fllha natural de Maria Catharioa de
Oliveira.
JeroDymo, pardo, e Pascada, crioul, escraios de
Antonio de Moura Rolim.
Mari, branca, fllha legitima de Antonio Jos Ta-
vares e Alexandrina Antonia de Siqueira.
Jos, braneo, filho legitimo de Antonio Freir
Pedrosa e Antonio Mara Freir do Carmo.
Eugenio, braneo, filho legitimo de Manoel dos
Santos Azevedo e Bemvinda Rosa Goncalves dos
Santos.
Cuilhermina, branca, fllha legitima de Guilher-
mino de Queiroz Olimpio de Figueiredo e Silva
e Angelina Correia de Barros Leite.
Galdins, crioula, escrava de Amalia Pereira de
Brito.
Jos, braneo, filho legitima de Jos Joaquim Al-
vts da Silva o Auna Perpetua Alves Mooteiio,
fj (loada.;
Jos, braneo, filho legitimo de Avelioo Jos Al-
ves Pimeotel e Mana Francisca Pimentel.
otonio, braneo, Qlho legitimo de Jos ogueira
de Souza e Heoriqueta Villar ogueira e
Souza.
Jos, braoco, fllho legitimo de Manoel Ferrreira
Pinto e Joanna Villar Ferreira Piolo.
Julia, branca, fllha legitima de Miguel Jos de
Moraea e Antonia Amalia Martina.
Urna filha de Luiz Pereira Simes.
Casamntos:
Miguel Flix de Oliveira, com Maria Joaquina dos
Santos Abreu.
No dia S do correte foram recolhidos
casa de deieoeo cinco homens e urna mulher,
sendo 5 livres e om escravo a saber : 4 s or-
dem do Dr. chefe de dolicia, inclusive o crioula
Tatricio, esravo de Antonia de tal; i a ordem do
subdelegado de Santo Antonio ; e 1 a ordem do
de S. Jos.
Mataram-se para o consumo desla
dia 2 do correte 60 rezes.
M0HTAL1DADE 00 DIA 8.
Ignacio, 20 annos, solleiro, escravo ; febre
amarella.
Joo Jos de Lima, 40 annos, solleiro ; bvpe-
trophia. J
Sabino Arsenio do Rosario, 23 aenes, solleiro ;
'nflammasio.
CHRONICA JUDICURIA.
permettir que Jos Augusto Leal destine a ostro
uiisier. eomo requereu. a easa que fez naquelle
estabelecimento, onde depositara oestrume ex.
trahido do sangue do gado para serempregado
na cultora da canoa de aesocar, e outros ramos
da agricultura ; ficando desonerado da obrigaco,
que se havia sujeitado, de mandar faxer a lim-
peza do caooo de esgolo de sangue do dito esta-
belecimento, sendo-lhe imposta a coodiclo de
pagar pelo terreno occup.ido pela casa urna renda
aonual.Mandou-se conmunicar ae procura-
dor, ao fiscal de S. Jos, e ao administrador do
maladouro.
Acunara deliberoo ofliciar aoExm. presidente
da provincia, dizendo qoe, nao lendo a reparticao
das obras publicas, querido executou o cala-
mento das ras, Augusta, Martyrios e de Hortas,
feilo os pssseios, de cooformidade com a lei pio-
vincial n. 297, de 5 de maio de 1852, se digntsse
S. Exc. de providenciar.
Despacheramse as peticoes de Jos Augusto
Leal, Joao Evangelista Pereira de Lima. Narciso
Joa da Costa Pereira, e outro, elevantou-se a
sesso.
Eu Francisco Canuto da Bds-viagem, oRcial
maior a escrevi no impedimento do secreta-
rio. Henriques da Sika, pr-preaidente.
Barata de Almeide, Reg, Man, Leal Seve,
Mello.
cidade, no
TRIBUNAL 00 COIIERCIO.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 4DE0UTU-
BRO DE 1861.
rRESlDBNCU DO kxm.sr. desehsirsadoi
t. A. DE SOUZA.
As 10 horas da manhia, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Basto, Lemos e Silveira, o Sr. presi-
dente declarou aberla a sesso.
Fui lida e approvada a acta da antecedente.
BXPED1ENTE.
Um offlcio do Exm. Sr. desembargador M. de
J. ValdeUro, de 23 de setembro, communicando
ter entrado em exercicio do cargo de presidente
do tribunal da cre, para o qual fra Borneado
por decreto do 14 do mesmo mez. Accuse-se a
recepeo e archioe-se.
Foi presente as colacio official dos preces cor-
reales da praca, das ultimas semanas.Arci-
s-e-se.
QARTA SESSO ORDINARIA AOS 81 DE SE-
TEMBRO DE 1861.
Pretidencia do Sr. l'earique da Silva.
Presentes os Srs. Maia, Seve. Barata, Reg, e
Mello, faltando com causa o Sr. Reg e Albu-
querque, e sem ella os mais Srs., abre-se a ses-
so. e lida e approvada a acta da antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da provincia,
devolvendo os artlgos de postura que, em cili-
cio de 9 do correulo, foram submetlidosa sua ao.
provagao, aflm de que a cmara os reconsidere,
tendo em vista o que dispe o artigo 72 da lei
do 1 de outubro de 1828, que s autorisa as c-
maras a impor as peoas de mulla, e de priso.
Posto em discusso, deliberou-ao que fotsem fes-
tas as modificaces convenientes, e de nova se
solicitou approvacdo de S. Exc
Entrou em discusso, a foi approvado, om
parecer do Sr. vereador Mello, encarregado dos
negocios do maladouro publico, no sentido de se
aceitar a proposla feita po: Jos Augusto de A-
raujo, arrematante de uioa terca parle da es-
trada do dito estabelecimento, o qual se obriga
a fazer as duas parles, que restam, da mesma
estrada na razao, cada urna, da quantia por que
havia contralado a priraeira, sujeitando-se a re-
ceber em seis prestarles de tres a desoito mezes,
sendo o mesmo vereador de opioio que se nao
devia deixar de acceilar a dita proposta, nao s
porque, aberto o tranziio para a pacsjgem fran-
ca do gado, oto estando feita toda a estrada, ae
arruinara se* durida a parto que esi promp-
ta, como por que entenda ser esta proposta de
vantagern para os cofres municipaes. Mandou-
se pedir auloiisacao ao Exm. Sr. presidente da
provincia.
Oespacbuam-se as peticoes de Antonio Go-
mes da Silva, Antonio Joaquim Pereira de Oli-
veira, Dr. Antonio Jos Pereira Alves, Cunha
Irmaos & C, Domingos Antonio ds Silva Beiriz,
Dr. Francisco de Araujo Barros, Joo Eduardo
Pereira Borges, Joaquim Rodrigues Duarte, Joa-
quim de Almeida Queiroz, Joo Gomes da Costa,
Manoel Antonio, Antonio Soares, Pedro Marques
de Athayde, Rufino Jote Goncalves e levantou-se
a sesso.
Eu, Francisco Canuto- da Boa-viagem, official
maior a escrevi no impedimento do secretario.
Barros Reg, presidente. Cezario de Mello.
Barata de Almeida.RegLeal Seve.Henri-
que da Silva.Melle.
na povosco da mesma freguezia
facilidade a pobreza se pruveast
cisoe pan sua alimeotacJio.^H
deu", e delibsrou que Se offiefasso
de pc-licia, ao subdelegado da re
cal. ,
Estiveram em praca os ira
e foi anesMiad* ser Jos
por p de coeeetre na raC
e 201 re. pelo eoe faltar
anterfeaM.
Niasajureoeao quem qaHzease arreaastare
importo de Ja re. por caaeca de gado, a aauwra
resolreo eBsctar se Exss. presidaote da provin-
cia, peaade autarisaga ora arrecadar admiia%-
trativaseeote.
Despechara m-se as paticdesl de Jos Pereira
Vianna, Severiee QuiaaWr Ajees do Araoje.
Theodoro Benxen dos Santos, e levantou-se a
' wCWBWWe -*OBaiaaisi4
Eu, Francisco Canulo d*a Boa-viagem, oBTcaT
maior a escrevi no impedimento do secretario.
Barros Rego*. presidenteHenriques da Sil-
ra.--Rpgo.~Leal Seve.MellpA .
Correspondencias.
Srs. redactores.\Ci>nleca que mandando e
Sr. major Jaaq.ia de S Cavaicanti de Albu-
querque fazer urna cerca pelo lado do* norte do
sitioAgua do Curralpertencepte ao vinculo
de Paran be de Ciis, de que son administrador,
e devendo dita cerca correr pela borda da aeti-
quissima estrada que sempre servio de divisa por
aquelle lado, entre as terrag do mencionado di-
tio e as de um outro que haje perteoce ao dte
major, bou ve aograo ou erro da parte de qaem
dirigi esse trabalho, apartsndo-se a cerca em
quesio da direegao que devia levar.
Saberjdo mee procurador desta eveetualidade
foi ter-se cora respectivo feiter, e fez I he a
reclamago que em tal caso convinha ; e entdn-
deodo-se depeis com o mesmo Sr. maior, disse-
Ihe esteque oa nselhor boa f estar persuadi-
do de qvra oevea unha corrido pela verdedeira
linha divisoria, mas qoe vista a reclamadlo que
lhe fazia aquello mea procurador, e atlendcndo
a urna caita que nesse sentido lhe havia eu eti-
dereseado, me mandssse dizer que se marcara
um dia, no qual comperecessemos eu e elle ma-
jor, para em vista dos aossos ltelos examnennos
essa estrada aetiga, e asenlarmas oaquHlo. que
fosse mais justo.
Essa diligencia tere lugar na tarde dd dia se-
gunda Teira 16 de setembro oltimo ; e posto que
o sol j estivesse bastante baixo, comtuo sem-
pre livemos o lempo que foi necessario para qoe
o Sr. major Si flcasse convencido de que com
effeito se havia dado um engao contra mira na
factura da cerca a que me lecho referido; e mos-
trando-se o Sr. major possuido das melhores in-
lencoes, alm de outras cousas disse-meem pre-
senga do meu procurador o#Sr. Alexandrino Ay-
res da Paixo Bereoger, que se nao retirava logo
a cerca para fazer por onde devia ella correr,
era isso por dous motivos que se oppaoham :
primeiro, por estar j preparado para botar a
moer o seu engenho ;e segundo, em razio de
pretender Fazer o seu cercado de vallado, o que
teria lugar depoit de pejar o seu dito engenho,
avisandu-me afirn de comparecer no dia em que
se desse principio ao sobre referido vallido : oslo
ucimos justos e concordes.
Confess-i, Srs. redactores, que as boas manei-
ras e pslavras conciliatorias com que ne tratou
o Sr. Si, e as deroonstracOes de boa f que exhi-
bi, foram muito alm da minha especl
por isto entendo que seria faltar justica
remetlesse ao prelo as liabas que se coni
mal redigids correspondencia, que espero da
cordeal bondadede Vmcs. fac.am com que o mais
breve possivel oceupe um caolinhodo stu muito
impoitaote Diario.
Entretanto sou com estima de Vmcs. assignsnte
attencioso e obrigado.
Salvador Coelho de Drummond e Albuquerque.
Pao Aourello 3 de outubro de 1861.

o da AlTaudefca.
omazendas.. 356
om gneros.. 977
om fazendas..
cota gneros..
205
116
1,233
s 374
m boje 4 f oatoavo.
_erthmeraXiriss.
Inga* bnsvtrisao-Jpiter-cae de charca*,
ngatc aaBoriaantcF. Curhingcan**.
* ?**? ^--?rinclpe RT Uno.
Patacee MgleaTJndem-bacaa%t.
larca eglauSkella-idf m. '
Irigue tnglezflatondem.
Bngue ""|" j! -| lliriln l
Bngue Dglearckhillferro.
lanpurUi^sW.
Barca americana Union, vinda da Philadel-
9 m ^ ^m9^mWO AmiD ^ \J. m.UI'
festou o sagaiote :
2,080 barricas farinha de trigo, 150 ba rriqui-
nhas bolachioha, 100 saceos fareUo, 10 caitas
vfrraifigo, 50 alee algodeo azul, 51 ditas cha
12 ditas salsa, 800 resmas de papel de embru-
Ibo ; aos meamos.
cipes qoe no deixario de attender esta recom-
meodacio, empregindo seus esfotcac pera tte
til flm do qual grandes vantagena aerean resul-
tar para o paiz.
Pa;o da cmara municipal do Recife em sessio
pregados provnciaes, vencidos
do mez de setem-
Soeretaria do tbesouraric piovincial de Per-
nambuco 1.* de outubro de 1861. O secretario-
ordinaria de 16 de .eVmbrodaisei^-YuTx7W Pel| ...J^^JiV^*'^.^^^'
cucada Barro, ao^^ente.-l-^c^co a- ud. c ffdcoc o SI
MMi Bosviagaa., JBT aiof alindo o BV, ll&T?Kl'Jffio*.
CSW.-*M. i. (.rm. d. aVr- *"
. i a.
Dia 2 de outubro.
Barca portug.ea f Jar de S. Simio, para Lis-
boa, carregaram :
Carvalho Noguelrs, 4 C.,75 saceos com 375
arrobas de Besucar. 1 dito e 1 barriquiaha com 7
arrobes de eete, W cttotos com 3.000 libras.
Barca iogleza Colima, para Liverpool, carre-
garam :
Johnston Pater & C, 1200 saceos com 6000
vrrobas de assucar.
Brigue portuguer iteJampaoo, para Lisboa,
canegou :
Joaquim Vieira de Barros, 42 saceos com 192 ar-
basde gamma.
ftecebedoria de rendas Internas
geraes de Peruamburo
Rendimento do dia 1 a 2 1:6U498
dem do dia 3......; 473#44t
Readlmento do di
dem de da 3

otI ;
2:087*942
provincial.
7:756*601
1:316*044
9:082*645
Pra$a do JJecife 3 de
outubro de 1861.
\s cuatro horas AaUrAe.
Cotacdes da jauta de corretores.
Cambios :
ente.
Sobre Londres -25 3i8dioheiro por
d/visU.
Leal Sevepresidente
Frederico Guimaraessecretario.
0 90
"I
lbx^ala
Motimentodo porto.
Navio entrado no dia 9.
Rio de Janeiro12 dias, lugre portuguez Julio,
de 280 toneladas, espillo Francisco Antonio
Meirelles, equipagem 13, em lastro ; a Thomas
de Aquice Fonseci.
Nao houveram sabidas.
DKSPACHOS.
m requerimento de Jos F. dos Santos Porto
e Julio Augusto Torres, pediudo o registro do
diatrato de sua sociedade que tinham sob a firma
de Julio Augusto Torres & Compannia. Regis-
tre-se e publique-se.
Outro de Manoel Alves Guerra, pediodo por
certido a procuraco registrada qoe paseara Ha-
noel Joaquim Ramoso Silva.D-se.
Outro de Manoel Ferreira dos Santos Caminba,
Alexandre Ferreira Cominha e Vicente Ferreira
doa Sanios Caminha, pedindo providencias sobre
o uso da sua firma fallida em cumprimenlo da
concordata com os aeua credores.Junto aoa au-
tos de rebabilitaclo, conclusos.
Outro de Joao Jos do Oeuvia, pediodo mo-
ratoria.Homeiam os credorea James Crabtre &.
Compaohia, e Southall Hellors & Compaobta,
para veriucarem o balance aptesetuad, e remel-
la-ae aojuno especial docommercte para pro-
ceder na forma des artigo* 899 e seguinte.
digo coaaercial. m
Outro da Manoel Antonio Marques Boaveolu-
ra da Silva VioJiaa. pedindo carta de registro pa-
ra seu navio Adelaida.Vista ao Sr. desembar-
gador flsosl.
Outro dos mesaos, pedindo peimiaeio pera
eeguir via jem o acamo navio, risloJacbap
prempto e causar-; -o tra;
cwa para obtero reg
Hada mais houve.
QUINTA SESSO ORDINARIA AOS 23 DE SE-
TEMBRO DE 1861.
Presidencia do Sr. Barrot Rego.
Presentes os Srs. Cezario de Mello, Henriques
da Silva, Rego. Barata, Sve, e Mello, faltando
com causa os Srs. Rego e Albuquerque, e Maia,
abre-se a sesso, e lida e approvada a acta da
anundeute.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um oflicio do Exm. presidente da provincia,
remetiendo a cmara para seo conhecimeoto e
execuclo na psrte qoe lhe toca, a copia do con-
tracto celebrado com Joo falqee, e Antonio
Machado Gomes da Silva para o servico de car-
ros de praoa neata capital. Posto em discusso,
deliberoa-se qoe fosse renteitida coamisslo
Publicares a pedido.
ios meas amigos e conhecidos.
Soffreado ha tO annos da terrivel eUphaniiaie
que me impossbiltou de lodo e qualquer traba-
lho, do qual podesse obler recursos para minha
parca subsistencia, e havendo ltimamente exa-
cerbado-seesse mal, fui infelizmente liotbem ac-
commetiido da urna oova enfermidade nos inles-
tinos, qual os soccorros ds medicina tenT ido
improlicuos ; pelo que vivendo desde eolio h
expensas da caridade de alguna amigos e conlieci-
dos, os quaes ao vr-me exponlaneamenle me
prodigilisavam suas esmolas, e porque j me no
dado poder procura-Ios, em consecuencia desla
uova molestia, (lm da vista, que me rai fallan
do) pelo qoe aeho-me laucado em um leilo de
dore miseria, arueagado de perecer, sao s de
meus acerbos malea, como at de (orne, que hor-
ror 1 oeste estado, pois, recorro a esees meus
amigos e conhecidos, afirn de que continuando a
prestar-me to benfico auxilio, se dignera por
caiidade do sabscrever um pequeo donativo
mensal para com este recurso corto subsistir, e
tratar-me dos acaros males que me opprimem,
durante os poucos e amargurados das, que sem
davida me restam de vida.
Tenho tantos amigos e conhecidos, que seria
enfadoabo enumralos, e por isso dirigindo-me
oeste momento a todos, e com especialidad*
aquellos que maisincansaveis lera sido, e j affei-
tos a soccorrem-me, meocionarei os illuslrissi-
mos senhores :
Bario do Livramento.
Joao da Silva Regadas.
Jos J. Tasso Jnior.
Jorge J. Tasso.
Aodr Manoel de Arruda.
Victorino de Souza Travasse Jnior.
Francisco Guedesde Araujo.
Joaquim Filippe ds Costa.
Vicente Ferreira da Costa.
Joio da Cunha. Neves.
Francisco Antonio da Rusa.
Joaquim Mauricio Goncalves Rosa.
Jlo Martins de Barros.
Fernandos & Filhos.
Francisco S. Rabello& Filho.
Manoel da Silva Sanios.
Joo Baplista Fragoso.
Antonio Jos de Castro.
Jos Joaquim da Silva Gomes.
Joaquim Luiz Vieira.
Antonio Jos Bastos.
-Jos Teixeira Bastos.
Manoel Teixeira Bastos.
Caetano Cyriaco da Costa Moreira.
Antonio Antones Lobo.
Jos Antonio Moreira Dias.
Bailar & Oliveira.
Marcellino Jos Goncalves da Fonte.
Joio da Costa Magalhes Jnior.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Jos Burle Jnior.
Eduardo Burle.
Amaro de Barros Correia.
Manoel Gomes da Cruz.
Antonio Jos de Siqueira.
OS 0 -o. K> -!* m O Hora.
te v B c_ e m si I 1 S 1 kthmosphtra O
s - m PJ Direccao. 4 M B ?1 O es Oa ex
V V 1 1 ' Intensidad*. 1 co-S
3 3 2 13 U 1 f ahrtnhtit. 1 H m 9 m o m H O s o ar, s 5 3= o r O B o
S g 3 00 o <3> s te Centgrado.
O O O ao ot -~ -J s? Itygromttro. aa
o o o O o Citttrna hydr mtrica. e-
760, 760, 758,8 -1 o Francs. > 9 o s m
* .8 jS S S u M O ce o *- Inglti.
A noite nublada o vento bonanca do NE al as
9 b 30' e depois vento regular de E a noite clara.
0SC1LLACA5 da har'.
Preamar as 3 h 44' da tarde, altura 6,6 p.
Baixamaras 9h 30' da maohaa, altura 1. p.
Observatorio do arsenal de marinba. 3 de ou-
tubro de 1861.
Romano Steppli,
1. secretario.
(Seve, e Henriques da Silva; para organizar as Antonio Jos Moreira Potes.
fcoitaes.
a demora pre-
||0a,D-se.
SESSAO
rusuisHcui
S6cr$tario,
Ao mel dia, o "Eira,
feo
Sr. presiflente abri
pasturas qce per ventura foseen) necesarias.
tima peiicao, vinda da presidencia psra a c-
mara informar, de Francisco Bolelbo de Aodrade.
na qual o sapplicante aprcaeota a pUata da pon-
te c doka que pretende construir em sed terreno
da rea do Brua. Que e engenhelre cordeador
iuformasse.
Um oflicio do inspoator le eode, aocusando a
recepeo de outro que lhe tora dirigido; ee qoe
acompanharara diversos medicamentos aprehen-
dipos pelo subdelegado da freuzia dos Affoga-
dos a Joaquim de AtmeHa QueirozIateirada.
Oeto do fiscal do fregaezia de Santo Antonio,
acotado houveaae a rearen de mandar ao aeel -
lallvo francisco Jos Cerillo Leal S quantia de
249000, importancia da qaatro corridas sanita-
uriaa qae cosa ella proettdMa nea dias 4. 3 6
da julho e a de agesto oltimos. Mandoa-se
eaeaar mandado.
Ootro dcflacal da Boa-vbta, Inlormsndo que
Jecquim Rodrigues Daarte pedia edificar na ra
de Principe, apa casa de 40 pemos de Trente,
recolhida do aNnbstbdmo la rta 30 palmos, bem
come ocetrarr em dieoe de muro.Coneedeu-
se, mandando dar orBustlfo per* e maro.
Ontre do Banal ds aribjea, remetiendo e nota
do gado moTto para o censamo da mesma Ire-
do-zla, ame 4 eam do mareo agento ultimo
(Idfazea).-AearcbiVe.
Oedro do fiscal de Ja *oatie, comimrnicaodo
que foram Bot4as no aMT Be afecto pasmado 36
reiea para o cotMsno da itita fre
discusso
Policarpo Jos Layme.
Antonio Domfngues de Almeida Por^ss.
Joaquim DiasPeroandes.
Manoel Jov de S Araujo.
Joaquim Crrela de Rezeode Rego.
Francisco Moreira Pinto Barbosa.
Antonio Moreira da Silva.
Domingos Alves Malheus.
Jos Duarte das Neves.
Antonio J. Vidal.
Jlo Lucio Marques.
Salustiano Augusto P. de Soaza Peres.
Campos & Lima.
E todos quantos me conhecem e quizerem con
correr com o seu bolo fie caridade, attenuando
por esta forma os meus males, contem que a ral-
nha gratidao nao tem limites,e s Deus os pre-
miar por lio assigoalado favor.
Assimypois, em poder dos meus amigos e bem-
feitores os Srs. Antonio Jos Moreira Pontee e
Campos & Lima, existe um papel no qual os
meus amigos, coohecidoc e os que senllrem 00
coradlo a caridade chrisUa, lubscreverao tanto
quanto for compattvel em a suas potaos.
Giqoi 96 de setembro de 1861. V
frtmciioo Jott de Paut.
O I>lm. Sr. inspector da Ibasouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 27 de setembro prximo
lindo, manda fazer publico que no dia 17 do cor-
rente se ha de arrematara quem por menos zer,
o fornecimento dos objeclos precisos ao collegio
dos orpbios, os quaes vao abaixo declarados.
Agua por mez........ 19g200
Azeite de carrapalo e velas de car-
nauba idem........ 39P000
Lavagem, engommado e concert de
roupa idem........ 559000
A arrematadlo aera feita por lempo de seis
mezes, a contar do 1.* de norembro do correte
a 30 de abril prximo futuro.
As pessoss que quizerem fazer dito forneci-
meoto, comparecam na sala das cesados da junta
da fazenda, no da cima declarado, pelo meio
dia, o competentemente habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o preaente e
publicar pelo Diario* ^
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 2 de outubro de 1861.0 secretario,
A. F, d'Annunciafo.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda fazer publico para conhecimenlo
dos interessados o srtigo 48 da lei piovincial o.
510 de 18 de junho do correte anno.
ArU 48. E' permitlido pagar-oe a meia siza
doa escravos comprados em qualquer lempo an-
terior a data da preaente lei iodependenle de
revalidadlo e molla, urna vez que os devedores
acluaea desle imposto, o facam dentro do exerci-
cio de 1861 a 1862, os que nao o fiserem carae
sujeiloe a revalidado e multa em dobro, sendo
um tergo para o denunciante. A thesocraria
far aonuDciar por edital nos primeiros 10 dias
de cada mez 4 presente disposicao.
E para constar ae mandou afiixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
uambuco 8 dcjulbo de 1861.O secretario,
A. F. d'Aununciagao.
0 lilm Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, cm cumprimenlo da reeolu;ao de jacta
da fazenda, manda fazer publico, que es arreata-
tacoea dos eeatertos da cadeia da villa de Cabe,
e bomba do engenho Pacllala na estrada do or*
le, foram transferidas para o dia 10 de outubro
prximo vindouro.
E para constar se mandou affliar o presente e
publicar pelo Diario. .
Secretaria da thesouraria provincial da Per*
nambucoSS de setembro de 1861.0 secretario,
Antonio Ferreira d'AnauQclaco.
A amara municipal do Recife faz pubtiee
para conhecimenlo de seus municipes o offlcio
co em 10 do eotembre de 18M.
Acamara munaetpolda etdode do Recife
ve ter noticia dac sosenCedCj civic, atoe actos.
mete agitam os lotad os-Unidos do America do
Itosoa, e qae a guerm antro cues ateodo, ac fl-
ato Oliar de ter nia>sooio grapdemcsne
caeos trabalhos a rcelas, resuliando d'ahi. co-
mo fcilmente se contptosaeode, nlc sd a ocsaa-
sezdos artigos de sua produego, senlo tambem,
1 como eeoeeqaeeeie neeeeearie a eievac.ee de
preco de cada um delles.
Sendo Os Estados-Unidos da America do Nor-
te o pah, o'onde se exporta a maior psrte do al-
godao que alimenta as grandes manufacturas da
Europa, e especialmente as da Inglaterra, e bem
assim o trigo consumido no Brasil, a lata, que
boje pertuba quelles estados, deve necessari-
mente acarretar urna crise, qoe de reeeiar nao
ee faca esperar muito, por isso que, segundo in-
Tormacdes minuciosas, se ha verificado que a cul-
tora do algodlo naquelles paixes lem deOnhado
oonsideravelmente, e a experta;lo do trigo, e de
oulioa ceroaes pareo Brasil tem decreserdo tam-
bem na mesma propor(3o.
Convido prevenir aa serias difficuldades que
semelhanle estado de cousas nos pode trazer,
ven chamar sobre aesumpto lio importante a al-
inelo da cmara municipal da cidade do Recife,
pora qce dando mais orna prora do seu patrio-
tismo, procure persuadir aos lavraderes, seos
raenicipes, a conveniencia, en antes s necessida-
d, de se promover na maior escala possivel;
pao s a cultura do algodlo, qoe esta provincia
j exporta, mas nao em quaolidade correspon-
dente fertilidade e pnrspendade do terreno,
seseo lanrbera a do trigo, que sao satisfactoria-
mente produz nesta provincia, como o tem de-
monstrado diversas experiencias, ponderando-
Ins ao mesmo lempo a opportcuidsde que as
cucumstancias actuaes Ibes proporcionan! de au-
ferirem grandes vantagena e lucros certos dos
esforcos, que empregarem nesse numero de in-
dustrias.
O nosso algodlo, por sua qualidade superior,
gota do maior apveco e procura nos mercados es-
trangeiros, e o trigo que agora convm cultivar,
como urna medida de preveoclo, pode vir a ser
mais urna fonle abundante de riqueza, qne in-
demniaaodo geoemeamaete oa sacrificios que
boje iierem oa nossos lavradores desenvolver!
os recursos do paiz e augmentar no futuro o
bem estar da populacio.
Esta presidencia confia qne a cmara munici-
pal do Recife, acompaubando o governo ueste
pensamento, se sentir bstanle animada para
promover por todos os naeios ao seu alcance o
maior desenvolvimeoto possivel da industria
agrcola do seu municipio, relativamente I cultu-
ra dos dous gneros, que me tenho referido,
cumprindo que me d conhecimento de quanto
fdr obtende em desempenho das recommends-
ces, que lhe Acara transmitas.Antonio Mar-
celino Nunes Gongalves. ~
A cmara municipal da cidade do Recife faz
publico para conhecimenlo de seus municipes
que receben do Exm. presidente da provincia o
oflicio abaixo transcripto, ao qual acompanha a
reanlo dos productos, quepodem ser apresenta-
dos neste municipio, e espere que todos concor-
ram para que o convite do governo da provincia
produsa o dscejado effeito, e est prempta a dar
todos os esclarecimenlos, eapreseotar todo o au-
xilie, que della depender para que so realise lio
a til ensaio, o qual lera lugar no dia 7 de novena-
bro prximo futuro, como fas certo o segundo
oflicio de S. Exc. de 13 do correnle, lambem a-
baixo transcripto.
Pago da cmara municipal do Recife. em ses-
so ordinaria de 16 de setembro de 1861.Luiz
Francisco de Barros Rego presidente, Francisco
Canuto da Boa-viagem official maior servindo de
secretario.
4." se celo. Palacio do governo de Peroam-
buco.em 4 de setembro de 1861. Devendo ter
lugar nesta cidade no dia 2 de dezembro vindou-
ro, no palacio do governo, urna expsito dos
productos aturase e industriaos dests provincia,
e desque lhe alo iimilrophes, ou lhe fleam mais
pr.oximas; de cenformidade com ae ordena im-
periaes, recommeodo a cmara municipal do Re-
cite, que, faxendo chegar eala noticia ao conhe-
cimenlo de todos os seus municipes, procure por
todos os raeios ao seu alcance anima-los do de-
sejo de coocorrerem para a referida exposiclo
com os productos, que all pdem figurar e se
acham especificados no calhalogo annexo as ios-
trucces de qce remelle o incluso exemplar im-
presso ; fizendo-lhes essa cmara ver as grandes
vantagens, que han de resultar de referida exp-
sito, nao s para a agricultura, mas tambem
para a industria do paiz, como um dos mais con-
venientes meios de animacio para o desenvolvi-
meoto de lio importantes tontee de riqueza na-
cional, a que o governo presta a maia seria al-
tencao, cootando com o couenrso de todos os ci-
dadlos, o especialmente daamunicipalidades, no
empenho de preencherem por este modo um dos
principaes fina de sua iustiiuicao.Antonio Mar-
colino Nunes Goncalves.
-4.a scelo.Palacio do governo dePernambu-
co, em 13 de setembro de 1861.Declarando-me
o Kxm. Sr. ministro da agricultura, commercio
e obras publicas em aviso, expedido} em 19 de
agosto ultimo, sob n. 18, que a exposiclo desta
provincia deve ter lugar no mez de oovembro, e
nao e' dezembro, como por engao -ce diz oas
iosiruc*coe, de que remelii a cmara municipal
da cidade do Recife um exemplar impresso em
oflicio de 4 do correte, apresso-me a communi-
car a meama cmara em additamenlo no meu ci-
tado oflicio, que a exposiclo ser aberla nesta
cidade no dia 7 de oovembro prximo vindouro.
Antonio Varcellino Nones Goncalves.
re dono co
i* i Soodelegoeia de freguezia c
eti*'- Recife i.ee*librede IfM.
esto icaso pan ano cor co-
Aatcooo
appcraee
Antonio
rutee.
u -
ne oasce soeocesevo do 4>.
epor ser eococOrado m rea
te : qaem for sea verdedeiro senhor
pesia julio piffi loe sor anlrscua.
Sobdelegacia da freguezia de Santo
do Recife 2 de outubro de 1861.
VillaceSoaaUBjuli.
Por ordem do Ulm. Sr. coronal eemman-
dante superior interino da guarda nacional docto
municipio (seo constar qae aa segunde- le ira 7
do corrento mez beverA iospecee de sendo ato
casa da secretaria do mesmo cemmando, roo do
Livramento n. 31, primeiro andar. Os nter
des comparecam no Indicado dia, as 11
manhia, munidos do seos competentes 1
mentos.
Secretaria do commando superior 3 de oclnbro
de 1861.O eacteu rio,
Firmino Josddd Oliveira.
Cossclho atiainislmliTo.
O conseibo administrativo, pora feroeeicecnio
do arsenal de guerra, tem do comprar o objec-
seguintee!
tos
Declara^oes.
Correio.
Pela administra;io do correio ee faz publico,
que cmaohaa s 2 horas da tarde em ponto fe-
cbar-se-hao as malas que deve eondazir o vepor
costeiro Persinunga, com destino a Macei e
portos intermedios.
Conselho de compras navaes.
Tendo-se de tratar em sessio de 5 do eorrente
mez da compra de cem pecas de cabo de linho,
de urna a seto polegadas, para provimento ia-
dspensavel do almoxarirado de marinha, manda
o conseibo convidar aos qoe pretendere i ven-
da desse objecto, enjeitando-ce fazo-la sob aa
condiges do eslylo a apresenlarem suas propos-
tas naquelle da, at as 11 horas da manbia, em
carta fechada.
Sala de conseibo da compras navaes em 2 do
outubro de 1861. ^
O secretarlo,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
VICE-COMSULADO
Pra o cerno da guarnicio da proviocic do
Cear.
2 caslicaes de lateo.
1 copo de vidro.
4 caldeiras de ferro balido com lampas pera 50
pracas.
4 colberes de ferro.
4 espumadeiras.
2 eochadas.
4 garfos grandes do ferro.
1 prato de louca.
10 ps de ferro.
1 talha para sgoa. ,
Para provimento do armaxom do erseoal do
guerra.
40 meios de sola branca garroteada.
24 eouros de lustre.
18 meios de sola de lustre.
Quem quizer vender toes objectoe, aprsente as
suas propostas em carta fechado, na secretaria alo
conselho, s 10 horas da manbia de dia 9 de
correnle mez.
Sala das sessdes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal do guerra, 9 do
outubro de 1861.
Btnto Jo$i Lamenhm Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Exposico.
A comminao directora da EXPOSI-
QAO' agrcola e industrial, que tera' lu-
gar no palacio do governo no dia 7 de
novembro vindouro, manda pelo pre-
sente fazer publico que no da 26 de
outubro prximo comecarSo a ser all
recebidos os objectos que tenbam de fi-
gurar na mencionada EXPOSIA'0.
Sala das sessoes da commiss&o 20 de se-
tembro de 1861O secretario,
Joaquim Pires Machado Portella.
Por nao spparacer licitantes ao casco do
brigue escuna Xingu', msnda fazer constar o Sr.
capillo de fragata servindo de inspector docto
arsenal, qoe posto eramente em basta publi-
ca, na porta do almoxarifado, em os dias 1,4 c
7 de outubro prximo, s 11 horas da manbia,
sob o valor de 5331333 ris, um terco menos da
avaliacao que lhe ol dada,
Inspeccao do araeoal de marinba de Peroam-
baco em 28 de setembro de 1861.O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
"grIde"
E
Extraordinario baile
NOS
Salties do caes de apollo
Sabbado, o de ootobrt.
favor dos melhoramentos do*
mesmos .saines.
A's 8 horas abrlr-se-ha es saldes, qoe cetario
decorados com a magnifkeneia dos dias de gala.
Alm de toda a iltominaclocommam. estarlo
pomposamente Iluminados todos os difiranlos
qusdros em que transparecem aa agoi&cu vis-
las j conbecidas.
O ultime vspor da Europa trouxe de Franca 00
ricos quadros abaixo designados, a aproase meato
encommeodados pelo administrador deites para
seo completo deceramento; a saber:
1 Eugenia, condessa de Thebas, e Lola Ns-
poleao ;
2a Napoleio III ne acto da coroacio ;
3* Eugenia, impsratriz dos franeexes, 00 acto
da coroacio;
4 Entrevista de Napoleio com os laarchas
do norte;
5 Entrada de Luiz Napoleio em Paria;
6a Morle do general Morceao oa Italia ;
7 Sermio do bispo de Paria a tropeo.
8* Mise por alma dos morloa aa insorrescao
de jacho;
9 Volta de Napoleio 4a ilha eTElba a Pars ;
10 Passagem do exercito franeez ante ao-ery-
ramidea do Egyplo;
11 Entrada do exercito fraacez cea loro
incendio desla cidade:
12 Ratalha de Waterloo pelo exercito ira;
13 Ratalha de 9 da jalao cea Paria;
14" Tomada das bandeirac as aaeoes do
Em
>reew, c
S. N.
DE
II
Vittorie EmaRoele
REIDAITAUA
aa:
Pernambuco.
Tendo-se abarlo na Italia urna aubscripcio para
levantar um mooumeato ao iosigne homem de
estado, e grande patrete, o univeraalmente laa-
timado Conde de Cavonr, a decejeode-ac com
aquelle monumento attestar aoa viadoaroa o re-
conhecimeato doa Italianos pela grande obra da
uoidade, liberdado e independencia da nossa Pe-
nnsula, a qual tanto toas cootriboido com sr sua
vasta intelligenca, con o godcaa do cao aere
pico engento, com a aoa energa da iacrivel sua
a divida de, e com a assiduidade de coco taaaaas,
15* ErUdo-maior de Napoleio ao eotrar a
Egypto.
Urna banda de msica militar completa se-
cutar brilhsctos qaadrilaaa. walsac, eabsUa, etc..
He, e aoa interalos dac dancaa tocar aa "
Ihas de Moscow, Almoster a Badajos,
differentes pedacos das operas tlaUcoca da
fama.
Diversas dea tas pecas de coicas caria 1
das a castanholas, segundo o godo
execotadd em frica.
Ha um creacin numere de coavicOs!
boa oa sexos, qae maito cbrtabaaiarlo a 1
Ser cumplido o regulemooto policial.
Entrada para tenhoras, grano ; pora
*
ATcVMNk

o panl^H_
portaindlcido, pe
ssgue em
uan oarga ao
Ferreira, roa da
na
Rendimento do *1s 1 2"." 35
dem do di ..... 41 i
Tt.UI
-------ixo sesionado, vico-coosui, residente
abano Iraoacnpto.qoe recebeudo Exm. preatdeate te cidade, iastaocia o Ulm. Sr. eacel gerajafl HK
da provincia, e convida-osn que, prestando toda S. M. aoRio doodoetro,ooovida a tedaaqami-
attencio pora a recommeadacao de S. Exc, aoor possoa aun geaeieacmcata oocUa coocor-
Barn que a caltnra do algodao, o do trigo necto mual- de rembobimeato, de se dirigir ao vicoMnoaa-
fdi's de modo ana ncaaO dar uda lado italiano, ra de Tioptehe o. 15, ato e dia 15
I
e^ cidiu te generec deve Tcieottc laotos.
que
A mesma cmara, poli, espera de
us mi
1 rente por diante se pagam oa ordenados dosem- Cdela do Recife n.
I aftli 11- li AnAi
r.-:.




tttftUttO

DiflirGiidiimK
Para.
86-^ie eom brothfsde o veleta) e bem eo&ho-
tdo brlgue-escuna Graciosa, etpitao Joio Jos
do Souza, por ter grande parle do teu carreo-
aaeots prompto. para o rtato trata-se conos
ceastgnatarios Almeida Gomes, Altea di C, roa
ala Cruz n. 87.
Para o Ass'.
(^brigue breslleiro cAdalaide de excsllente
!*; r*l?w^rimpceeriMlBaeBte
BOStes 4 on 5 da pra eeaelle porto, o o mesase
xeceoe carga {reto, para o que Irala-ae con oa
eos consignatarios Bailar & utiveira, ra da Ca-
deia do Real o. 11
Brigue nacional Veloz.
Recabe gneros eatrangeiros para o Rio de Ja-
aotlro
Para Lisboa
Segu Tiagem fmpreterivelmento no da 8 do
prximo ootuqro o brigue portugus Relmpago.
Atada recebe earg e passageiros a quera oueroea
boas accoraodagoes, e Irata-se com o consignata-
rio Tboinaz de Aquino Fonseca, oa ra do Viga-
tio d. 79 andar, ou com o capillo na praca.
Aracaty.
O hiato Anemty, mestre Joio Henrique de
Almeida, segu por estes dous diaa para Araca-
ty: pora carregar e pessageiros, trata-se com Tsa-
ao Irma o.
LEILAO
d-se calcada francs para homem. seaho-
a e ertaaga, por menos de meUde O aeus *m-
m- na rut da ImfMKtit a. tt.
BUMfeM rap aros, gromo a mero groiso
Uros de comadre
Quarta-feiraatjo correate.
O agente Antanea far leilao em 'seu armazem
na ra dt> iasperadat a 32, aa usa* casa da tai-
I ******* a*uad na rea a Espaa;* a. 21,
e, toado a reto-ido casi J palmeo oe
naS
frente e 120 a 131 de fumen, com Bm_
tecactosae dopadra enl de mulle boa orna,
sendo o dita na de costeo proprioe o tenia um
oito de tloio dobrado e um alicerce o a parte
de detrac maia S.000 Ujrtae poaeo mnaaaa M
noo pertaacenta ratertaU caee
Bem como
vender os mesma occasilo trastes de todas a
quatiadee per todo a pre.jo por nao hover limi-
tes, ai 11 horas em ponto do referido dia.
Para
Rio de Janeiro,
pretende seguir com muita brevidade o brigue
nacional Veloz, tem patte de seu cirregaraen-
to prompto : pfra o resto que Ihe falta, trala-ae
com o sea consignatario Azevedo 4 Mandes, no
seo escriptorio, runda Cruz n. 1.
GOIPANHU PBBNAIBlICAIU
DE
Navegado coslein a vapor
O vapor Persinunga, commandante Moara,
segu viagem para os portos do sul de sea esca-
la no dia 5 do outubro aa 4 horas da tarda. Re-
tobe carga at o dia 4 ao meio dia. Bocom-
snendas, passageiros e dloheiro a frete ateo dia
da sabida s 2 horas: escriptorio no Forte do
Maltos n. 1.
Rio de Janeiro
o palhabote Piedade recebe carga e escravos
frete ; a tratar com Caetano Cyriaco da C. M. i
Irmio, no lado do Gorpo Santo n. 23.
COIPAitm. PEMAIBUGA1U
M
Navegado costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
e Acaracu'.
O vapor Jaguaribe, commandante Lobato,
sahir para os portos do norte at o Acarac no
da 7 de outubro as ? horas da tarde.
Recebe carga at o dia 6 ao meio dia. Eocom-
aoeades, passageiros ediuheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas: escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
COMPANHiaBRaSILEIRA
DE
fMHTII & nm&
At o dia 5 do corrate esperado dos portos
do sul o vapor nacional Paran, commandan-
te o capito tenente Jos Leopoldo de Noronha
Torrezio, o qual depoisda demora do costume
seguir para os portos do-norte.
Desde j receben!-se passageiros, e engaja-ae
carga que o vapor poder cooduzir, a qual de-
veri ser embarcar no dia de sua cnegada : agen-
cia ra da Cruz n. I, escriptorio de Azevedo &
Mandes.
Lftiloes.
Hojei do corrente
Kelkmaan Irmios & C, continua rao por in-
terveoclo da agento OHvetra, o sea lefteo de
completo lortimento de fazoadas ao mais pro-
prias do mercado :
Sexta (eir A
do correte, aelO hora da aaashaa, no seu ar-
mazem ra da Cruz do Recife.
Avisos Tersos.
Os Srs. asslgnan tes deste DIARIO
que se achara em atrazo de pagamento
queira m ras ndar satisfazer seus dbitos
vencidos a ra?ao de 6| o quartel como
esta' estipulado para o que nio paga.
rem em lempo, ficando entendido que
mesmo a esse prec,o nao lhes permitti
do juntar dous e tres quartes.
Olegario Saraiva de Carvalho Neiva vendo
no Diario de honlem um edita l de Sr. juiz de
paz da freguezis de Santo Antonio, em que o
considera ausente, apresta -se em declarar que a
muilo tempo nao sahe desta cidade, onde effec-
Uvamente est, sendo falsa a allegagio de Jos
Das Vilella requerimeoto de quem se pissou
dito edital, sendo que o anoenciaate protesta
provar que o dito Vilella Ihe quer roubar a quan-
tia de 10:000. Recife 2 de outubro de 1861.
Alienen i!!
Em resposta ao aanuncio publicado no Diario
de hontem 3 do correte, em come de Olegario
Saraiva de Carvalho Neiva, em que declara que
se acha efectivamente nesla cidade, e que nio
esteye ausente, responde Jos Das xVilella, que
se dito Olegario est presente nesta cidade, que
eettareca ae publico, pericia as aatoridatee,
que muito Ihe desejam ver; e bem assim deve
comparecer pessoalmente na audiencia do Sr.
juiz de paz de Sanio. Antonio, para a qual fei ci-
tado pjti ama conciliacSo, par dest'arte poder
distruir a justifleaco legal de ausencia, que fra
produzida, e poupar as despezas e demora di
mesma conciliacao ; e quanio S. S nao queira
apparecer em publico entao declare, ou alguem
por si, qual o lugar oa escondrijo em que se
acha para ahi se Ihe ir visitar e recoohecer-se a
identdsde de sua peasos, porque do contrario
estar alardeando e escarneceodo daa autoridades
e das leis do paiz. Quanto ao roubo quo diz Vi-
lella Ihe querer f zer, Vilella traoouillo em sua
consciencia, appelia para a deciso que for profe-
rida pelos conspicuos magistrados e tribunses, a
quem foi submettida a queslao, e onde entao se
demonstrar a tBnoceRcta de S. S., que nSo obs-
tante ser bem conhecido por sua acliviiade ex-
cessiva e rara gentilezas, todavia se deixa rou-
bar pelo pobre Vilella. Emlioa aeguio S. S. o a'n-
tigoaooeximChama, antes que le chamem.
LOTERA
Sexta-fei i-a i' corrente' pelas 8
he ras da manda ponto andarSo im-
preterivelmente rodas da oitava par-
te da quartaeq ata da quinta lotera
a beneficio do Gimnasio Pernambucano.
As sortes de 6:QO0# e 3:000^( serao pa-
gas 5 dias deprjis da extraccao e as ou-
tras logo a entrega das listas. Os bilhe-
tes e meios bilheles acliamse ja a ven-
da na ra do Crespn. 15, thesouraria
das loteras e as lojas commissionadas.
O tbesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues deSouza.
Roga-ae a pessoa qao na tardo do dia 1."
do corrente outubro achou a quaofia de 81J000.
sendo 70J em notas de 5, o 11 $ de 1, que fot
perdida da porta da thesouraria provincial at a
porta da loja do Sr. Bezerra, o favor de a restituir
oa mesma tbesuraria provincial, porque a pessoa
qua a perdeu, alem da recompensa devida, ficar
summamente reconhecida. por semelhante eeue-
rosidade.
e mearon; na
da boa f a. 74.
ra da ltnperatrTz, loja
Ao barateiro.
Stirinhascomoiexcelleotes u
1^!2? c^ ?ende-ae no Progreseo largo
Uot 8 Jr*1" como ** >< eiroes
ttn 8 libras por ^f500. e em libra a 320 rs.
, r~ Alug4 -8 o segunde andar e solio com bss-
uoiea commodot. da rata o. 11 da ra da Ca-
aea do Recife : a tratar na mesma roa n. 8 loja.
ou noprimeiro andar.
Vnde-oo tl da liahode coreo e braocos para
veatadaa. safo dimiwle ae,-o de 940 r. o cova-
do, eeassss dessapicaagraulaa a tOOrs. o co-
5*,n.,^,*^p.?,-,1^ >< <> portas.
56, de lltfalhaes $ Men-les.
S*9* 6it *m
. CoH^e Bote. <}*9e!hor#
Precisa-sede orna mulher do ida te
para enrermelra oa governante : prefe- 5
W ra-ae estrangaira. ay
Qaera preeiser erogar o* mulato de M a
20 anaoa de idade, ptimo boleeire a habilitado
outro quslquer sorvico, dirija-se ao eicriptorio
da ra da Cruz n. 45, qao achara cam quem
tratar.
Vendo-ae um elegante cabriolet francez a
orova de molas, todo preparado do novo com
goete osmios, pelo baratiasimo prefode M, e
tambem ae vende com eavello bem tratador,
gordo e de qaalidade, ludo peto prco de 70* .
exposto o a tratar na ooelarra do Sr Qutaleiro,
ra Nev.
Club Gonuercial.
AmanhSa 4 do correte peta urna hora da lar-
de ha sesslo da direcc.o no segundo aadar da
casa n 7. da rata do Vicario.
Para minios.
r ^ mmmmm
Vende-se barato, i
8
D. Jeuuina Uiniz e
mingues da Silva e
silva, Francisco Uo-
Earencio Domiogaes
da Silva muito agradedaW a todas as pes-
soas que assistiram as ceremonias religio-
saa feitea a seu presado- marido e maao e
Dr. Joio Do mingues da Silva, e por meio
deseo toanMestam osan rronhcimento.
_ Vare* pveciser oe unta eme oe leilo pera
criar, poder procurar na roa larga do Rosario
o. 3, loja, ou ra estrena do Rosario'n. 32, no
terceiro andar que achara com quem tratar.
Val praca pelo jaizo de orphios desta
cidade, fiadas 4 audiencia, a requerimeoto do
nvenfrrianle dos beos do finado Domingos An-
tonio Gomes Guimaraes, as seguintes partee de
casas de dous andares; ra do Crespo n. 17
avallada em 37:000# a parte correspondente a
2;250eVi ra -do Imperador o. 23, avaliada em
lB.OOjy a parto correspondente a 4:7518819 rs. :
terca-feira 8 do corrente a ultima praca.
Norberto Muoiz Teixeira Guimaries decla-
ra que arrematou em leilao publico, no dia 11
deseiembro prximo passado feito pelo agente
Coala Carvalho, a armacao com aeaa perlencea
da fabricada prara da Boa-Vista n. 16A, livre
a desembarazad, e por iato pode dispor da
mesma
s
Supertorea capaacompridas de gorgu-
rto rete, aeaietetes asoderBos, t timas
doerose.
*".^..J J ----- irn ,
vestidos da aeda moderno de cam-
Orahaorsedo ditos de-piantasia.
Sediahas do quadrsa, tjresdsaapivs da
cor, moreaotique em rovado.
Camtraias de cores moiierujs, ditas de
lwtras fiogiodo seda. .
Sintos, hques, golliohas e puntos pa-
ra roupao. eopartilhss modernos e pea-
tes de tartaruga.
i.
s
z
Saias oaiau ae tudas aa qualidades,
ansas para sen horas, ditas para, me-
ninos.
Grande laboratorio a vapor
ROUPA.
MUM
3
DE
1M3
LAVADA.
Tarlalana, tilo, musslina, diamantina
eBiatlaho de-cor.
Puleeiras de sndalo, luvas de
e chveos ota aseoras
pellica

Fita
acabar.
Colxa de la e seda proprias para ca-
mas oa cofterta de pino a 5ft.
Paletots de casemira a 10. ditos So
alpaca preta a 5J : roa da Cadeia loia
n. 53 de Gurgel 4 PefdigSo.
Antonio Alves Vilella.
Deca raco.
Joaquim Lopes Machado establecido com
dara ra Direila n. 84, aob a firma Vinva
chado S Filho declara que nao o autor de
annuocto que tem sabido ha algsns das nesta
Diario, e sim alguma pessoa de igual nome.
IW. S. da Concei$M) dos|
Militares. 1
A mesa regedora desta ir man* 0
V dade resol vendo mandar suf ra &
W gar todos os seus irmaos fallec- 9
m dos, convida aos Srs. sacerdotes
W que tenham suas tencoes livres W
9 para que se dignem comparecer O
9 na mesma greta todos o dias @
f| aliiudecclchriiera ueste sent- as?
9 do com a esmola que se acba 9
^ marcada em um Iivro proprio, 9
9 que encontrara o na sacrista.
# Consistorio da irmandade i' >j|
de outubro de 1861.O secre- fl
9 Tario.FrancelinoBernardo Quin- A
db tetro. m
Miudezas.
Francisco de Arruda Ctbrai qaer comprar
a D. Mirla Magdalena Siqueira Maciel urna mo-
rada d casa de taipa tila na roa do Ouro n. 5 da
villa do Limoeiro, a qual perleaseu ao seu falle-
cido pai Faustino Jos Maeiel; se alguem se jul-
gar com algum direito O mesma, queira apre-
senlav-aa ns ra do Crespo, loja n. 16, islo no
prazo de 8 dias, a contar de hoie. Recife 2 de
ontnbro de 1861.
Sitios para alugar
Aluga se um eicellente sitio com boa casa em
BemGca margem do Capibaribe ; outro no la-
gar do* Remedios defroute da igreja ; a tratar
com A. V. da Silva Barroca, do largo de Bemfl-
ca, oa aa roa da Cadeia do Recite o. 4.
A commisso encarregada da verifleacio
dos crditos da massa fattida de Antonio Joaquim
Vidal, prefine a lodos ss senhores que se julga-
rem credoresda mesma massa, para que apre-
seotem teua ctalos no espseo de 3 dias, na loja
de Joio Jos de Figuelredo, ra do Creapo n. 9.
Jos Bento de Souza vai aos portos do norte
Na travessa dos Quarteis, easa o. 39, ha
qual cosiuha e faz o ser-
casa.
mulatinho de 11 annos para
do Jardim, casa n. 30.
Attenco.
Ningaem poder comprar ou bypothecar os
terrenositss na ra da Concordia, Palma, al-
deireiro, perteoceotea ao casal do finado Antonio
Jas de Albuquerque, pois que os mesmos se
acham abrigados pele debito do mesmo finado,
por seoteoca defloitiva que obteve nos tribuoaea
desta cidade.sem qao se emenda m primeiro com
os abano assignados, aob pena de aaaular-se to-
da e quelquer tracweco.
Ahtonio Eoberto Si Filho.
Attenco !
Perdeu-se na noite de 49 de setembro ultimo,
desde o aecco da Lama, do bairro do Recife, at
a igreja do Corpo Santo, urna pulseira de ouro :
I roga-se a qual-iuer pessoa que a leoha achado o
favor de eotrega-la -na uta da Seozalla nova
o. 20 que se Ihe gratificar.
Ptecisa-se de tees cootos do ria premio,
daodo-se por hypotheca um bom sitio nos arra-
baldea desta cidade, cujo valor 6 de mala de vio-
te contos de ris ; no armazem de trastea con-
fronte ao porto das canoas so dir quem faz este
negocio.
Precisa-se de urna ama de Iete
forra e sem illios, branca ou parda :
na ra da Imperatriz n. 53, segundo
andar.
LILAO
Sem limites.
O agente Hyppolito eutorraado pelo Sr. Anto-
nio Duarte Carnairo Viaotta, levar a leilao a
grande exposicao [de candieiros de gaz, sito na
ra Nova n. 21, e bem aaaim grande qaaotidade
do gaz, cadeiras. boleas, quadros para salas de
difireme qualiddes e gosto, existindo eotre
lies um par hitorico, coatureiros, balaios, ca-
ma de ferro, farros paca engommado (econmi-
cos), diversos objectos americanos proprioa para
qualqaercasa de familia a outros muitos artigos
que se torirari eafadonbo mencionar, affian;an-
do seque ludo se vender sem reserva de preco
algura : sexta feira 4 de outubro do corrate an-
ata, aa 11 horas em ponto aa aupracitada expo-
srigo, desde j serio vendidos os mencionados
bjectoa seBKreserva de aooc/).
LEILAO
MOVIS.
Sem limite.
g Loja de marmore.
a Ao bello sexo.
1
8
Recebeu-se grande porqo de f a ren-
das que se haviam encommendado e
continua a vender-se para liquida(o por
preco muito barato, *nlre estas as se-
guinteo-:
c^ara seaho-as
Bouruu* de cachemira do ultimo gos-
to a 10$. \
Ditos para meninas de idades de S,
4, Baaos, tambem le cachemira muito
modernos a 5ft.
Vestido de seda de cores a 30f (eom
algum toque.)
s
Costa Carvalho autorizado per
familia que tem, de he retirar para fbra
da peovinda, tasa,' leilao de todos os
movis, vid to objectot
que serta enfadotlaTjHLtjSunar, no dia
acuna all horas em ponto no 3. a
*< rjr> Krbnrdry d"a ruarltrerta do Ro-
sario n. 10.
Precisa-se de um bom copeiro; na
ra do Viga rio n. 2.
Aos senhores consumidores
de gaz.
!fo armazem de farinla, no cees do Ramos n.
18, est venda, gaz liquido da melhor qaalida-
de e recentmoste chegdo.
Ns ra, do Amorim n, 31 precisa-se de urna
ama para cezrnhar e engommer.
Arrenda-seo-sitio qua foi do fallecido eom-
mendador Antonio- Lulz Oon^atves Ferreira, silo
no Monteiro, o qual tem escolenles proporcaos
para paasar-se a fetta e prodazir lacro : os pro-
leadeatci dirijam-se roa da Imperatriz n. 14,
terceiro andar.
Antonio Urban Gomes de Sampaio retira-
so pora o Rio de Janeiro.
Carlos Henry Lowe vai ao su!.
. Joeejeim do Alouids Salva val ao Paeb
de Camaiagise. v
Escravo fgido.
Deoapparecs*a> casa ila oua.senbecs D. alaxia
Vtctorloo PaasBirreto, devleo dfa*lie seleX
bro prximo passado, o cabrinha Domiogoa, de
de doza asnos de idade, com os signaos seguin-
tea rosto camprido, doates boas a o osso do
nariz quebrad em comequenc
da qoe levos: qaem o aiprshener teve-c
Direita n. 88, qae ser recompensado.
Prscisa-se d umieiro do l* a 14 s-
nos-da tdado, com ptatica JaUbetn* ; ua, ra das1
Otiles n. 1.
Manoel Cardoso de Souza, com loja de miude-
zas na ra do Crespo o. 3, junto ao arco de San-
to Antonio, est resolvdo a vender barato e a
servir bem as pessoas que se digoarem ir ou man-
dar ao seu eslabelecimento romjaex qualquer
qualidade de miudeza, aflancandAHa a maior
boa f e o mdico prec,o das mercwkjrias em re-
lajo qualidade : os preces que abaixo ae no-
lam nao deiiario de egredar: cintas Qoos com
arela dourada e prateade, proprios psra senhora
a 8f e 2#5O0 cada um, linbaa do gaz, novello
grande a 80 rs., e em caixa de 12 aovelloa a 800
rs. a catxa, ditas de dito, novello pequeo a 90.
30 e 40 ra. o novello, e em calas do 50 ditos a
600. 800 e 19 a caixa, ditas da dito de todas as
cores a 30 e 40 rs. o novello, e em caixa de 30
novellosa 800 e 900 ra. a caixa, miadas de linho
para bordar a 80rs., e maaeinhoe com 19 ditasa
600 rs., liabas do carretel de 200 jardas a 60 e
80 rs. o carretel, ditas de dito de 100 ditas a 30
e 40 rs. dito, cartao cana 14 parea de clchete a
60 rs., e em duzis a 600 rs., ditos com 24 pares
de ditos a 90 e 100 rs., e em duzia a la, cordoes
para enQar espartilhos a 60 e 80 rs. esda um,
caixa cora agulhas francezas a 160, 240 e 320
a caixa de 4 papis, carteirae com ditas, supe-
rior qaalidade, a 400 rs., pentes pretos para aliaar
a 240, 280 e 310 cada um, ditos amarellos'a imi-
tacao de uoicorne a 400 e 500 rs., ditos de tar-
taruga pera atar cabello a 4&500 e 58, ditos a
imitadlo de tartaruga, obra boa a 800 e \$, te-
aouraa linas para costura a 400, 600 e 800 rs. cada
ama, ditas para unbas s 500 e 800 rs., ditaa para
costura com toque de ferrugem a 100 e 200 rs.,
folbas de papel bordado e com envelopes a 160
rs. a foiha. dito Oe cores da quadriubos a 100 ra.
o caderno : alem desta mercadorias tem outra
muius que se rendem por barato prego como ao-
ja, fitas de velludo yetas o de cores, largas e
estrenes, franjas do Uoho e da seda, fitas de te-
da, chamelote a oulras qualidades, de todas as
larguras e gostos, bicos, rendas e labyrinthos,
liohas de marea, rotroz de todas as-cores, Mas de
lioho largas e estrellas, braoeaa o de cores, etc.,
etc., o que tudo se vender por meaos preco do
que em outrs quelquer parle.
m^mmmmm mmm #mmmm
COMPAMUA D.4 VIA FRREA
B0
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)
8
Veade-se

Na roa do Hospicio sobrado
de dous andares n. 52, urna
mulatinba de idade de 15 annos
I com urna cria de 3 mezes, sabe
2 C0ler engomma liso e cosinaa o
a
ser
*r
diario fudo sem perfctcSo:
2 qulq+ier dia e hora pode
procurada.
- os daS
A 280 rs. o covado
de cassasfrawcexa de moHo-gealte parea com
[pateros do largar, o peetrfocha. no rus do
Queimino n. 22. ns loja da boa f
Sal de Lisboa
rdo no I agro dallo ; m nir do Vigstie o. tt.
eiro sodtr.
^^^B|e->e um mo?o porlugaez para cal-*
^^^iau, com bstanle ortica. d co-
mentos i aua conducta; a tratar aa ra das
1 Ctuzes n. 31.
Do dia Ia de outubro de 1861 at onlro aviso
havero dous treea para Estada, nos dias de tra-
balhoque partiro.
De manhaa :
Da Escada as 6 horas.
Das Cinco Pontas as 8 horas e 30 minutos.
De tarde
Oa Escada as 2 horas.
Das Cinco Pontas as 4 horas e 30 minutos.
, Nos domingos e dias santos haver o trem do
coatume.
AsslgnadOE. H. Bramah,
Superintendente.
Feitoi\
Precisa-so de um feilor que entenda bem de
jardim e horta; a tratar na ra Nova n. 38.
Aluga se urna boa casa para passar-se a
festa.siu na povoaco do Monteiro, e um sitio
no lugar da Torre com todos os commodos : a
tratar eom o Sr. Jo Azevedo do Andrade, as
ra do Crespo, ou com o proprietario Jos Ma-
riaano de Albuiuerque, na Estrada Nova.
Gabelleireiro
Na ra da Cadeia do Recife
n. 55. prinrieiro andar.
J. Godofredo, artista cabelleireiro acaba de es -
labeler-se na ra da Cadeia do Recife n, 55, pri-
meiro andar," e ahi encontraro oa treguares o
aceio oecessario no desempenho de sua arta.
Recebe eocommendas de eatelleiras, meias di-
tas, chinos, marrara, enchimentos para bando,
crescentes, trancas para aunis, tranceln, ca-
deia^ bracelete etc., etc. Cortes de ea bellos e
frizadoa, lavagem de cabera com a excellente
agua impeaiai. ~r A^r6
Paz se tort legpeto oomum eisellente
cabriolet de 4 rodas para um e 'B-CTrvarrot. e1
urna ptima bueaa pasa o mesmo- tambem ao
vende um tkograarde estro dvidraga com ai
sua compeMufo psrolha: na mido Imperador
a. cochelra.
Predsa-se fallar com o Sr. Joaquim Caval-
,canti de AlbuquerqUeHelio a negocie de seu lr>-
teresse, no becco das Bota n. Id. Nao a% entotr-
de com o pai doSr. Melto fllho, morador na ra
da Cadeia.
40 ria.
70
10S> B
ISO >
80 a
iao8 a
lafoo
19000
21O00
500 >
1*000
o laboratorio
a
LAVAA, CO-
SIDA E
UvCOMMADA.
lr


eacarraa-se
t
>



S".^l*ftmlUa'iodI,*,uw.PCairaBdea e pequeas. .
Roupade navios, vapores e hospttses. .... .
rS??."^^ ifol!d,inaf.le Mmo lMS<>e. 'oa'lhaa 'de mesa'. .*
ttoopa de doente de familia, que Bao seja freguesa......
!iY!J!-1',u*8lgue,n ** m freMI ex'8ir ^u 1"-
urna rende vindo com man roupa......
ma red rsoladamente. ... ........
n5?fi5a-deie?,B*1-t.a"1 *** coin 'a 'rou'pa'. '- '.
um dito dito isoladao-ente Z
Um dito dito de solteiro ou varaoda.' *......'
Um dito dito isoladamente....... ', \ 'm *
a. m.AA* pe9*^ osuio quizerem mandar ngommr toda a'ro'upi
de mandar eogommar as aagulotea peca, pelos seguintes PreCos :
Vestidos lisos .... 600 ris.
Saias........200 >
Camisas de homem. 160
Calcas. ....... 280
Col le tes.......160
Paleto......: 460
Cclarioho......40
O laboratorio eocarrega-se de engommados de objectos de senhora o mais delicadas e >.
It teta tem ja contratado as mais habis engemmadeiras nacionaes e eatrangeiras que'
e i ule ni-
No prego dos engommados de roupa de familia, excepuam-se os vestidos, ollinha
gitos e mais objectos que forem guarnecidos de rendas, babados, patos rifes te ote bes.
mo os cortioadoa de bergo, cama, varaoda. que se pagarlo aegunlo o ej -
Qualquer que exigir roupa someote lavada, ou tambem eogommada cam raaia Wm.u.
qae a designada, pagar mais 25 por cento sobre o prego. B--------- C*M "' "*
O preso na entrega da roupa ser por em quanto 8 dias depoi* do recebi
e eogommada 15.
A roupa de familia ser lavada em machina separada da dos hospilaes o as
regadas doservigo da roupa serao mulheres.
Os proprietarioapagarao qualquer pega que se estraviar, eaflansam que a arao daa achi
ua inicuamente inoffeosiva.
Qualquer que mandar roupa, receber um vale do numero de pegas com a deca recio <
porte da lavagem, o qual ser restituido com o competente importe na occajiao da se ntrecVr a~
roupa prorapta, sem o que esta Acar depositada. "'""
O estabelecimento eocarrega-se de tirar nodoas de qualquer naturas, procodendo saos
Oa proprietario rogam a seus fregazes o obsequio de maolarem roupe avie
bam a lavada, para assim manter a regularidade do servigo.
A entrega e o recebimento da roupa na casa de baahoa, no pateo do Garmo
entre doO
ioaento, a da lavada
peseoas enter-
apoaa rece-
dias uteia das 7 horas da raanhs s 5 da tarde.
em ledos es
Consultorio mcdicocirurgico
3--11\]V1IV GLOiU V CASA BOF^BiO-S
Consulta por ambos os systemas,
Em consecuencia da mudanga para a sua nova residencia, o proprietario desta citabolaii
monto acaba de fazer ama reforma completa em todos os seo medica montas.
O deseju que tem de que os remedios do seu estabelecimento nio se contaedara coa os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que aempre gozaram e gozam ; o proprietario taso testado
a precaugo de inscrever o seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerado coano fa le 6 ca-
llo tedoa aquel les qus foreea apreseoladoa sem esta marca, o quando a peasoa qoe os mandar ojss
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assignada pelo Dr. Lobo Moeeoie o e-
pel mareado com o sea nome. r"
Outro sim : acaba de receber de Fraoga grande porgo de tincturs de acnito a belladona re-
medioa eates de summa importancia e cuja propriedades sao tao conhecidas que os mesaos'sr*
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tobos qur em linduras custario ilo vidro.
O proprietario desle estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos que tem eommodo*
sufncieotes para receber algn escravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alna
operago, afliaocaudo que aer&o tratados com todo o diavelo e proaaptioo costo saben io<
aquellos qae i tem tldo ssersvos oa caaa do anounciant.
A sitaagao magnifica da casa, a commodidada dos banhos salgados sao oulras tantas vsota-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar eom o annunciante devem procura-lode manhaa alII hore
e de tarde das S em diante, e fora destas horas acharo em casa pessoa com auem m oamn
ender : ra da Gloria o. g easa do Puodo. s-iataai tap-
ia. Lobo Motcoto.

ELIXIR DE SAUDE
1
- PrtiS.S( rHaBBBBBBBBBBBBBBBBfc, dP VeR*JMl Oek atT
qaesaiba pumpt nar. Sooooaler, osa-!' Z*1 *^ li^o
Uno toro*r-ee- lio Fecundarla-, e delle asi SaatantC : qrjem se (ulgar Cftm di
poder tratar ns ra da Cruz do ITecrTe. ni
em qualquer dos Tmdsres di cbn.
Jo Portera^,. snodU
vigsm pata aAlagoaf.
fffflrpanhol, segu
Citrolactato de ferro,
ilnixo deposito ] n% botica de Joaquim Manimko
da Cruz Crrela & C, roa do Caboga n. U,
em Pernamboeo.
H. Thermes (de Chalis) aotigo pharmaceatico aprsenla hoje urna nova preparac de ferr
com o nome de elixir de citro-lactato de ferro. ^^
Parecer ao publ ico um luxo emprear-se um meamo medicamento debaixo da arasela t
variadas, maso homem da sciencia comprehende a necessidade e importancia do amo tal varie-
dade.
A fermula um objecto de muita importancia em therapeuteea ; em procrea iaaaaeewe
quando ella, maniendo a essencia do medicamento, o torna agradavel, fcil e poastvel per ledeea
idades, para todos os paladares e para todos os temperamentos.
Dainumerosaa preparagdesde ferro at hoje conhecidas nenhuma rene tao beatas qeeiiOa-
des como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu sabor agradavel, reone o tonar-seta ata pe-
quea dose, e ser de urna prompta e fcil dissolugio no estomago, de modo que cottpletaaaeat
assimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que coolem em sua compesigao, a coaatipacAeata
ventre frequentemenle provocada pelas oulras preparagoes terroginoaas.
Eatas novas qualidades em oada alteram a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo esta
substancia da qual o medico ae nao pode dispeuaaa em aua dioica, de ioeomparavel ulieOO
qualquer formula que Ihe d propriedades taea, que o pratico posea prescrever sem seclo. E* o
que consegaio o pharmaceutico Thermes com a preparagao do citro-lactacto de ferro. Assim cate
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar entre as numerosas preparagea (erroginooas, com o
altesla a pratica de muito mdicos distinctos que o lem ensaiado. Tem aido empregado como iat-
menso proyeito as molestias de languidez (chlorose peludas cores ) na debilidade subsecuente as
hemorrhagias. as hvdropesias que apparecem depoisdas intermitentes oa incontinencia: de orina
por debilidade, as perolaa brancas, na escrophula, no racbilismo, na purpura hemorrhagica, aa
conralescencia das molestias graves, na chloro-anemia das mulheres grvidas, em todos os rases
em qae o sangue se acha empobrecido ou viciado pelas tadigas, sffereoes chronioaa, cachesia taavr-
culosas, cancrosa, syphililica, exceasos venreos, onanismo e aso prolongado daa precaocee aaer-
curiaes.
Estas enfermidades sendo mui frequentes a sendo o ferro a principal abelanoia do eje o>
medico tem de langar mao para as debelar, o autor do citro-lactato alo ferro moroco* leo ver o
reconhecimelo da humanidade, por ter descoberto urna formula pola qual so podo sosa reca
uaar do ferro.
Para tabicas,
Vende-se escomilha da cores Usa, propri pi-
ra forrar chapeos, pelo diminuta proa ata MO
eovado ; na ra da imperatri, taja do 4 porto
a. 56, de Hagalbaes & alende.
Veodem-so 300caibros da mato,
palmos de comprimeoto, da albor q
qae pode haver, e o mais barato que paaii il
a becco des Bar retrae o. tu.
Alaga so um escravo do idade 14
ra o servigo d casa, moam para da rea'
sen lo compativel e atra idade : na roa deC*ei-
mado. loja de fe/regeos n. la, so dir a pesee
para tratar do ajusto.
Jaourio ParroUa. Viceoto d'Aoloaao, sub-
ditos italianos, retiram ae para tara da pwjtitule.
Bma pessoa habilitada e efferece de lt-
ges de primeiras letras, grammetiei
e latina em cesta particulares i
dija-sa-soodo Dr. tiaa Pal
eetreita do ftostrto a. 30, ea qtwrtes o i
1 daa 9 horas do dia a
Exlate habitando es ten choca ao rae de
} Amiiade, aa Ca punga nova, a vto va dealaaetl ata
Aawri*H aao radaaida a mata eaireaae Matea.
[marca a fosa a sada eom 6 iatelrzes libes av-
ahaos. Pede, peta, aa atases earidoeas, qua
doaad por ai
'rtOeaaa t iftaaa eal
UBBBBBBBBBBBa1 ; COta | 0>iXr CjOSta
AlUamasa caaa o
loa a etrea ajtasta.
__superior ao da Par-
lo, em barril de i arrobas, pata I
rcaw-lft a sirobt; Qm m a U
taberna.

MM,
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia; aa praca do Corpo Santo n. t7.
Gertrudea Marta da Conceicao a aua ulna
menor, retira-se para o Ria de Janeiro.
Os abaixo assignados declarara aocommer-
cto desta cidade, que o aceitante de amo letra d
quantia de dous contosduzelos o tantos mil reta
que desencaminhou-se do poderdo primeiro doa
abaixo assignados, nao o Sr. Joto Baptiata do
Reg, caixeiro do Sr. Francisco Joa Germano, a
atm outro de igaal nome, residente na proviacia
da Parahiba. Recife 3 de outubro da 1861.
Itanteire 4 Soares.
Custodio Ferreira Moutinho.
Negocio de interesse.
O proprietario ou irmandade que ti ver alguma
casa terrea desconcertada que queira concertar
para descontar nos alugueis, ou outro negocio
igaal, dirija-se roa da Coucordis, effkaae de
jdprapioa n. 26 : que seja na fregueaia de S. Josi
^ou Santa JtaUoao.
Acha se usta e oonAratada a aaf
a daarmaco da taberna da praca do
a-Vista "T6A, que loi do 9r. B
da. Silva Jnior, cujal
tilia^Qj tatttjqotti'wiittsiti is Barreirp tar cortt
Litraaaotta o. 3S.
ir------;




-----------

Ageocia de pa
CUmdo do Reg
naalalf fcrs do iospori La^SaH
prw,Wf *"M" Pr,it "* *7*r**a**-ajaaaT.
fachygraphia.
O tecbygrapho C. Flelo d lines de toa trie
por mdico prego : pessoas que quierem uii-
lisar-sede teuprestime. feixtm mus nomes e
m?*ajs n. tu. aetreita do Rosario b. 16, onde
charlo aa precisas informscoes.
Ma tn da daniboa do Carao, aobrtdo a. 8,
no segundo andar, precisa-se de duas pretaa que
seiam neis e deligentes para lomaren po-de-J
e doces de vendagem.
S
Mi^Kjpyip||^-^ mniMm MwiciiODiiti^
Jay
m9
cabelleireiro, tran desenhador em cabellos,
conlina em seu eslahelecimeoto na rna doQoei-
mado n. 6, primeiro andar, a exercer aa funecoes
de sua artecom asseio e prouptidio. Tinge ca-
bellos e barbas por um proesso facilimo, extrahe
as caspas por meio do Iricopherous ; este eleel-
lente remedio nao s extrahe as caspas como faz
renasccr os cabellos: isto garante o ann uncan te.
Aluga-ae o sitio n. 3 no Caldeireiro ; quem
o pretender, dirija-ae a ra ds Croa n. 80, eacrip-
tono do Sr. Joio.da Silva Faria, ou a ruado
Mondego o. 51.
Os abaixo asignados teoham a bondade de
apparecer na ra Nova n. 11, toja do Germano.
Jos Antonio Ferreira da Silva.
Francisco Xavier Venancio Pimenta.
Pedro de Asis Campos.
Euzebio Bezerra Cavalcanti.
Manoel Rezendo do Reg Barros.
Alugarn-ae o segundo ierceiro andares
con sotao da casa da ra do Trapiche o. 44 ; a
tratar no mesmo srmazem de fazendas. .
Na ra Direila o. 32, ha para alugar-ie um
segundo andar com bailantes commodoa: a Ira-
^tar-ae no primeiro andar. .
Ensiiio de preparatorios.
O bacharel A. R. de Torres Bandelra, profeasor
de geographia e historia antiga no Gymnasio des-
ta provincia, tem resolvido abrir novoa cursos de
ihetorica, de geographia de philosophia. assim
como das linguas franceza e ingleza, a principiar
do dia 20 do crrante ; na casa, de aua residen-
cia, ra do Imperador n. 37, segundo andar, en-
trada a direita.
CONSULTORIO ESPECIAL HOHEOPATBICO
DO D0UTOR
n SABINO O.L. PINHO.
Ruado Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias atis desda as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiutes molestias :
molestias das mujeres, molestia! das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias sypMliticas, todas as especies ds febrts,
fsbrss intermitientes e suas eonsequencias,
FHABJUCIA ESPECIAL HOMBOrATHICA .
Verdadeiroa medicamentos homeopathicos pre-
{tarados som todas as cautelas oecessariaa, in-
alliveis em seus efeilo, tanto em tintura,como
em glbulos, pelos presos mais commodoa pos-
siveis. r
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
Bracamente vendidos em aua pharmacia: todos
que o forem lora della sao falsas.
Todas as carteiras slo acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor aa seguintea palavraa : Dr. Sabino O. L.
rinno, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carteiras que nao lovarem esse impresso
assim marcado, emboratenham na tampa o no-
mo do Dr. Sabino sao falsos.
Escutem.
O antigo fabricante do pi de folha e massas
boas da ra Imperial declara aos aeus freguezes
que se acha fabricando o mesmo pao e masis
para cha, na sua padaria da ra dos Pires n. 50,
por uso pede aos seus antigos freguezes e mais
pessoas que quizerem Honrar este estabelecimen-
to, quesedirijam ou manden ao mesmo, porque-\
enconirarao tudo com aaseio e promptido, pois
para isto compra sempre as priocipaes farinbas
do mercado.
Precisa-se comprar ou hypolhecar, ou ala-
gar urna escrava de meia idade para todo servi-
do de casa ; na ra das Cruzes n. 22.
Na ra da Moeda o. 33. precisa-se de um
cozoheiro e de um preto para conduzir tabolei-
ros e fazer o mais servico de casa, sendo forros
ou captivos.
LOLYOR E MRITO
Pelo curativo de urna
Grande Insbunatac&o dos olhos.
Eu abaixo assignado declaro que urna mioha
escrava tendo aido accommellida de urna grande
inflara macio nos olhos com dores agutissimas
por toda a cabecs, estando quasi cga do olho di-
teito, achava-se neste estado bavia seis mezes ;
e depoisde applicados varios remedios sem suc-
cesso algum recorr ao Sr. Ricardo Kirie, escri-
torio na roa do Parto n 119, que applicando as
suas etiapas medicinaea a pz perfeitameote boa
no curto espaco de 20 dias. O que verdade e
vai por mira assignado Ra do Ourires n. 227
Rio de Janeiro.Thomaz Alves.
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro, que compre e engomme ; na praca do
Corpo Santo o. 31 se dir quera precisa.
Pedro Gra Foguista, subdito ioglez, retira-
se para o Paran.
No dia 5 do correte mez, as 2 horas da
tarda, em pra^a publica do Sr. Dr. juiz munici-
pal da 2. vara, que lera lugar na sata daa au-
diencia!, se ha de arrematar por venda urna casa
terrea com seu competente aitio, na ra do Gi-
qui, por execuc,lo de Manoel Joaquim Baptista
contra Jos Florencio de Oliveira e Silva, eacri-
v5o Santos, proveniente de letras da compra que
foz o executadoda meama propriedade, que Qcou
especialmente hypothecada ao seu integro paga-
mento.
Aluga-se ama esersva que cozinha o dia-
rio, lava e compra na ra : a fallar na casa n. 1,
ra do Seve ou Uniio, na liba doa Ratos.
Ra Direita esqui-
na da travessa
deS, Pedro n 16.
juissimo sortimento
de tamancos moda do Porto com mais perfeico
e a mesma segurante, asaiso cerno taasancoa de
todas as qualidade* para senhor, homem e me-
nino, que se vende tanto a retalho como peque-
cas e grandes porcoes, por menos prego do que
em outra qualquer parte.
O Sr. acadmico do terceiro anuo
Joo Jote de Moura MagaUtaes, queira
apparecer a ra das Cruzes n. ?*, se-
guttdo andar.
- Na traressa da ra das Cruzes' n.
2, prioieiro andar, continua-se a tingir
com toda a perfeico para qualquer
cor e o mais barato possivel.
Curso de rfa'eto-
rica.
O academice Manoel di Costa Honorato ti
aberto o sea curso partiealar de rhetotica Mi rv.
Deita n. $8, primero aju
Escri ptori
ObacbarelA
no eiercicio da sua pro
ferece-se para dee<
canoemqa^l
mem : pode or.
rus do Imperador, libra
otrada^ dlrekt.
fxposico
INSTM4L
tl. commisso ndarregada
de coi|^|rJar os Srs. inembros
das corporaces de artes e in-
dustrias, desta e da cidade de
Olinda, a prepararen! os tra-
balhos qvto pretenden! apre-
sentar exposico de7.de no-
vembro, suppondo quelguns
desses senhores deixem de
emprehender a realisa^o de
suas ideas patriticas por
falta de meios, convida a
aquelles que es ti ver em nes-
sas circumstancias a dirig
rem-se, no mais breve espaco
de tempo, livraria n. 6 e 8
da praca da Independencia,
afim de que a mesma promo-
va a maneira de ajuda-los
se fazerem representar nessa
feeta das cince irmas. Ala-
go as, Pernambuco, Parahiba,
Rio-Grande-do-Norte e Gear.
S1^ i-------^r~n dt
Rlqi
J| .1--Rua estreita do Rosario-3
# Francisco Pinto Osorio continua a col- ,
locar dentea artificiaes tanto por meio de a)
aj) molas como pela pressao do ar, nao re- aj>
aj) cebe paga algum a aem que as obras nao ej>
aj) fiquem a vontade de seus donos, tem pos a
aj) outras prepara;oes as mais acreditadas aj>
aj> para conaervaco da bocea. m
JO
Altencao.
Manoel Uoreira Campos, participa ao publico,
e com particularidade a aeus freguezes, o.ue os-
dou o seo estabelecimento, da ra da Cadeia do
Keclffl n. 13, para a mesma ra n. 3, loja qne foi
do fallecido Salvador Pereira Braga.
Aluga-se para paaaar a feata duaa casas jun-
to; a povoacao da Vanea ; quem pretender pro-
cure na ra de Hortas n. S, segundo andar.
Precisa-se de urna preta que aaiba bem la-
var ronpa, tanto de aabo como de brrela i a
fallar no Manguinho no sitio do fallecido Dr.
Teixeira.
Vocal e instrumental
Manoel Augusto de Menezes
Costa,
Profeasor da cadeira de muaica do arsenal de
guerra, d licoos de msica por casas particula-
res, quem de seu presumo se quizer ulilisar pro-
cure-o ns ra da Conceico da Bca-viata n. 41
ou do, mesmo srsenal.
A commisso liquidadora dos credores da
casa do fallecido Manoel Buarque de Macedo Li-
ma, roga aquellas pessoas que se julgarem ere-
doras por letrasoucontas de hvros, quesediri-
jam com os seus ttulos i roa da Cadeia do Re-
cife d.26. primeiro andar, daa 10 boras da ma-
nha s 2 da larde,para serem verificados e clal-
sificados pela referida commisso
Precisa-se comprar um almofariz e orna te-
soura com caixa para botica ; a tratar na ra da
Cruz n. 30.
Aluga-se a casa da ra da Roda ?. 31 ; a
tratar na aua da Senzala Nova n. 4.
Becco da Boia n. 2.
Loja de roupa feita.
Caf e Lunch.
No terceiro andar, na mesma casa faz-se
comida para pensionistas,
por prego muito commodo.
Sociedade bancada.
Amorim, Fragoso, Santos & C. 5 cana e tomara
saques sobre a praca de Lisboa.
Roga-se a certo Sr. de engenho
di villa daEscada o favor de mandar
pagar o importe de sua ordem que
mandou dar em fazendas a Silvestre Jo-
s de Barros na ra do Crespo n. 18,
loja de Utogo & Fernandes.
Aluga-se urna casa em Beoeribe : a tratar
com J. I. M. do Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Na ra do Hospicio n. 17 se dir quem tem
para alugar dous esersvos.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Pilho sacam so-
bre Lisboa : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio.
Gabinete medico cirurgico.g
a Ra das Flores n.,37. a>
sj> Serio dadssconsfcltas miidicas-cirnrgi- m
aj) ca pelo Dr. Estevao Cavalcanti de Albu- aj)
aj> querque daa 6 as 10 boras da manhaa, ac- aj)
SJ cudindo sos chamados com a maior bre- s)
aa> vidade possivel. aj)
SI** Partos. aj)
i.* Molestias de pelle. s$
aj> 3.a dem doa olboa. Z
S4.' Idemdos orgoe Reoitaes. j)
Praticar teda e qualquer operacao em a)>
S) sea gabinete ou em casa dos doentes con- sj>
aa forme Ities fr mais convosiente. aj)
| ( T
36, ra das Cruzes de Sanio Antonio, 36,
^1
A. F. Duarte Almeida, socio qtte foi do armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
guezes que tendo separado asociedde que tinba com seu mano, acha-sede novo estapete-
? w l0nUL*CpiaOSw "?* molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
ti d i? ril ai* Pa^ cTira df SllV8; primcir0 na raz0 de Duarte So"*, e o segundo
Ss nn 5? Almtlda Sllya: -e*te9 estabelecimentos offerecem grandes vantagens ao pu-
blico, naoiso na hupeza e asseio com que se acham montados, como em communidade de
preco, pois que para isso resolveram os proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitura, afim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
urem Z ySsZSJr^? T ""V PT ^ 4"* mnt ea Sb q-qu-r parte, por isso *^?
oZ^Z^M^^^uT^1^ g",nUre,n ^ qU,lqU<,r qua,id,d6 de ** S3E em seos srm.ens, e ...im ] podZ Ter o
SL .^^1.^ Sm/1 'adr, rm Pri68808 Puco Ptic>. qlqer um deslesestabelecimentos, que serio o bem Lrvi-
nldimoa a mJoS Jt^T'^ M ^?** DUDC" !charain '"'0 de nossos snnnncios, e assim fundados as vantagens que ofJereo!o
SZ"Stount,!^ *!** **"?* e-ngenh 6 ,avr,dores m"de > *"> encommend.s .' primeir. ve" ? TeSE
vSSmZ nosflo7gene^TTOtW8 ^ d ^ ** n0MS *"** p0r onde ver Bub,ieo Va Tend9mo-^xm\mo, sttJndendo ss boas
Manifo1ml?ngi'eZatfpMU,m"^eS^^^^^ alibrsAcm poreio ter .batimento, reeommend.-se aos apreciadores destete m
MpmfZ a Befl0S eXpe"menl"r- 9,,os de nadaperderWpois paV isso confirmamos o que levamos^i" p"eC,adrM deSttege
f hAh 6Za me,h0r d0 mBK$do 64 a ,ibr o >" raso de 600 rs. a libra
Presunta ",6,h0,d0 ""^ da ,*7t 2f8 eem p0r$i ter *". e.fianea-cs aboaqu.lid^.
rreSUntO nam bre nglez s hamburgus aaOOrs.. libra em poreao 800 rs.
FreSUntOS portugUezeS viadas do Porto de cas. particular a 560 rs. por libr. ateiro a 460 rs.
Warmelada dos melhores autoras da Lisboa premiada as eiposices uaiversaes de Loadres e Parts a 19800 a Uta.
Gaixas com estrelinna pevide e rodinha -y*ftA. *AA
Atc Ha miva P TOUinna a 7000 a caixa e800 r. a libra eem porcao ter abatimento.
Laias ae ameixas tnum ^ cinco Hbra8 a 4OO0 e,Mo0 a |ibr|>
K?Srn?.^ ""^domereado .2*000 e. 400 rs. a libra o caixa de um. arroba a 7*000.
lispermacete superior 730 r.. M c.x.. a 740 .. Hbr.. #
Frvf.^? raQCeZaSDgIeZ*S 6 PO^g^aS.eoOeSOOrsTfr.^.
Laa com boTa^hr^oda 7 ^ *T? "* ^ "*"* qe ,wn ^" "*
Vinho A1UU* ue soua dedivers.squ.lidades, a muito nova a 19*50. e grandes de* a 8 libras de 215011. 4500.
a garnfe^i[l8?dKd* ^^ Por| fino-eBttno. n*". Carcavellos, Madeira secca, Peitoria' Camones Ti4*00 a 1300
Vinho em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 3800 a 4800 a caada.
Latas COm fructas de toda. ., q^Jdes ,M b. m Portugal da 700 a 100U a lata.
rnrintKif^^*8 d" 4 8 HbrM a *tor que w *6** "j" em viudo ao mercado de 49 a 6f a caixa e 1280 a libra.
j^uriiuaias em frascos de 1 1,2 a 2 libras de 1*600 a 2200.
Taf HAi?!/fCIXe SaV6 P6M,da UlrM uuqu'^eso rnaisfcem .rraojado que tem viudo ao nosso mercado de 1*400 a U600
Fiscos de am dqU6 ^ ** "''lib" M ,"*do'
VinAirra L m Cm *Ibr"' pr0prUs P"1 mim08' Por Mrem mai{0 bem enfeitadas e de superior ualid.de a 3 cada um.
Lombos qM lamO tid n a,ere*d0 400 "' g'rrat 2f66 "ntdt-
Vinho BodXm',?0' Ty9' Chnra8 wn]l" *ou,rM qu,Jd,dM' me,hor que pde im*u d* 60 m
V limo OrdeaUX da boa qu.lid.da a 800 e 1 g.rr.f. e de 8*500 a 108000 a du.ia.
tanovlr. em ]T ^ Uma *" d maS >Cred,,ad0 >U,0r de L8b0 e ** a pr inir *, de 18 a 18*80.
fPPVP ia1SL lT 'm P"qaete 6m 'XU de 8 6 16 UbMS me,hor 1 M H desojar.
v?nl^ melhores marcas 500 r,.. pniii. smo. duz. d.ZZ
Vinagre puro de llSboa 240 V. a garrafa Om a caada.
OCe da gOiaba-dff Casca emeixio a l eem porcao a OOO rs
Azeite dOCe purificado 800 rs. g.rr.f. WOO cix. com 12 garrafas.
jOgnac meibor qualidade qua temos no mercado a tfooo a garrafa a 109000 a duzia.
P lJL8mAS(t? i68*'1?8 fll""IW ^ rs e em r** te, batimento, afianca-se .
Genebra de Hollanda OOO rs. o frasca a 6*500 fr.squ.ir. com 12 fr.scos.
railtOS UXaOOS p,r. dente, a 200 160 rs. o maco com 10 macinhos, e flor a 280 rs.
laein dO gaz 3*000 a groza e 280 a duzia de caixas. V
A^jr maSuSllperOr qUe t,n08tid0 "o^cadoportuguez, bespaahol e fr.ucez de 1. l20o\ libra.
toen^*l,?,i,Tlil,m queUn,'ind^no88<>-ado .I8200a,ncore.a do Porto, ..'49600 1..
Aliienaoas chegadas do ultimo navio a 480 rs. a libra e em porcao ter a batimento.
Alpista o maisiimpo que tem vindo ao mercado a 180 rs. a libra e 5500 por arroba.
A tem dos gneros anunciados encontrar o publico um completo sortimento de tudo tendente a molhados.
boa quaridade.
\
.isboa.
Padaria-
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado da ra da Imper&triz n. 40 : a
tratar no mesmo.
Dentista de taris*
15Ra Nova15
rr^arievJaWMrgiiodansrt.fi
.todas aa operacc^a a>^a)sa>art* aeolloca
danusartiieiaas, tudo com a supariori- ,
dadaaprfgioqueas ])6ssoasnundi-
dasIheroconbacem.
r.
m
Aluga-se a padaria da travesa do Tires, a quat
est prompta de tudo, com muito boos commo-
dos, e est aioda trabalbanco, sendo seu aluguel
muito commodo : a tratar na ra da Senzala No-
ra n. 30.
Attenco.
Jos Vaz de Oliveira, natural da freguezia de
Santa Mana Magdalena de Gouviobas, na pro-
vincia do Douro, em Portugal, assisteote no Rio
de Janeiro, na ra do Hospicio n. 42, declara
quetendo nesta provincia de Pernambuco, um
seu to de nome Joaquim Pereira da Cruz, e
nao tendo sua familia recebido noticias suas ha
muito lempo, motivo porque o considerara talvez-
fallecido ; neala incerteza roga o especial obse-
quio alguma pessoa que o conhega ou tiver
coohecido.de dar algumaa informales a respei-
to, neala cidade de Pernambuco, em casa do
Sr. Azevedo & tiendes, ra da Cru n. 1.
Rio de Janeiro 10 de selembro de 1861.
Gaspar Pereira da Silva, portuguez, vai 4
Macei.
Manoel Aires Guerra saca sobre o Rio de
Janeiro.
A commisso liquidadora dos cre-
dores da massa do tallecido Manoel
Buarque d Macedo Lima, pedeaosSrs.
devedores a referida casa que se diri-
am a satisfazer seus dbitos a referida
commisso todos os dias uteis das 10 ho-
ra, da nianhaa as 2 da tarde na ra da
Cadeia do Recife n. 26, primeiro andar.
A commisso roga mais a esse. Srs. de-
redores, que nao a obrigue a laucar
mao dos meios judicaes ou do jornal
para harer estas importancias de que
sao seus deredores.
IOTA
exposicaode candieiros
ECONMICOS
O proprietario deate eslabelecimeolo aviaa ao
ublc que contina lUrgn riquisetmo e va-
ria vel aorliasento de canieiros para todos oaaer-
Jsteaa qae precisar, eoaao om gran., deposito
> A" albor qualidade q*a tem apparacido,
eexperlSDestado peloe cerupradores, conheidas
los a faz.
gw.
Candieiraa ecooomco a gaz!
Candieiros economicoa a ca.
Na roa Hota n. i a 24.
Claudio Dubeux faz sciente aos seus amigse
freguezes de mnibus que de ora em diante ven-
der os bilbetes de entrsda para os seus mni-
bus a 809 ocento, e que a menos porcao que
vende de 15 bilhetes cojos bilheles servirio pa-
ra qualquer dislricto menos o de JaboaUo.
3t&^&tt-taUt
e
Joo Jos de Gouveia
com armazem de fazendas ns ra do
g Queimado b. .9, esquina do Collegio,
avisa ao respeilavel publico que ba re-
formado o seu esisbelecimento, sortin-
$9 do-o tanto em boa qualidade como em
Bb goslo, com as melhores faiendaa ingle-
*" zas, rrancezas, suissas e allemes, achan-
W do-se disposto a vende-las o mais bara-
^ to possivel, e por isso convida aos seus
freguezes e ao publico em geral para o
honrarem com a aoa concurrencia e
9 conflanca.
Aluga-se uma excellente casa de
campo com todas as commodidades de
lamilla, com sitio grande, cocheira, es-
tribara etc., a casa construida ha poa-
co tempo com terraco a roda, sita .
entrada do Poco: a tratar com os pro
prietariosN. O. Bieber & C, successo-
rt*. ra da Cruz n. *.
Jos Carlos do Reg Valenca deizou de
ser caraeiro dos Srs. Barroca & Medeiros desde o
principio de satembro.
Irmandade do Di-
vino Espirito-
Santo erecta no
convento dos religio-
sos franciscanos.
O secretario desta irSBd.de Convida a todos
os seus earlasimos irmas pan comparecerem
domingo, do correte, is10 boraa da zoanhia,
no consistorio da meama, para eleger-se um me-
aario que deve substituir o miso irmio fallecido
Joaquim da GosU Dourado.
Uma pessoa coos aa habiiitacdes nacassa
risa, propoe-ae a amainar a Iingoa portaguaza,
piano e msica, fra da cidade, coas preferencia
em Ssnto Antio : a pessoa que de se
se qoizer ulilisar, dirija-se prija da Ind
denci n. 38.
!?-oftps
3.2
B 2 "
6 2- i
bSj'o
^9 o B
fifi:
-
5
n ^-
.....
Q.
e "
O
O
ce
S00
3 a.
lI7Tsv* ?? ?*?*?*"*?**
ATTENCO.
J'jao Baptista do Reg, caizeiro do Sr. Fran-
cisco Jos Germano, pede sos Srs. Monleiro &
Soarea, e Custodio Ferreira Moutioho, ae dignem
declarar se entende-ie com o annuneiante a de-
claracao feita no Diario de hoolem de ser o mes-
mo annuneiante o devedor da letra da quaolia de
dous coatos e duzeotos e tantos mil ris, e como
nada devs aoa meamos senhores, roga-lbe que
ae digne declarar por eate Diario. Recife 2 de
outubro de 1861.
Depois da audiencia do Sr. Dr. juiz de or-
phaos, no dia 4, tea de ir i prtqt por venda o ai-
tio Bongi, na freguezia doa Afogados* pela quan-
lia de 640*000. a requeriaento do inventarente
Marcolino daa Virgens Ramos.
Cassino Militar Peraambu-
caao.
A directora scientifica a todos os se-
nJaore iocqs que a.partida deste mez
tera' lugar em o dia 19, roga portante
aos meaanya bajar de apraaontar las
propostias tte contites at o dia 8 na ra
Nora n. 4<>, primeiro andar.
Antonio Vilella,
Secretario
Coinba-se e engomma-se com
perfeic- nmodo: na
daCadV
de Barros .loga palo tempo
de fasta o se-s sitio acosa do lsrfoio Mooleiro.
TbomA de Paria saca para o Rio
de Janeiro e Paris, na do Trapiche nu-
mero 40. m
Tiota preta commercial me-
lhorada.
Nenhum trabalho arlistico on indastriaj
ser perfeiio no seu comeco, mormenU
e,les alo ezereidos sem a torca precisa bar
completo dfsenvolvimento: neste caso tas lam-
po, dedicarlo e cuidado pode am parte MSitrikarir
para .u aperfrfcoea.nio. Crendo flra.aaita
em prlocipios lio fuatoe, mpreheauli -flborar
a tinta commercial, lmenle na parle relativa a
sua cor, toreando-a completamente *. Z
quanto em tudo o mais recoaheca oerfeiio a'ceet-
do com o desejo daquellee que, coa peaaa a
tinta gaoham o meio de sabeislentia reaaaa i
gloria Saliafazendo desl'srte o desejo de lodM
que, julgando deleito imperdoavel g tet pretat
azulada que se distingua na Una rnaaqeralal
presistiodo com tudo s. mais eoadlciae ajaaa
tornara aaas recommeodada, aa asaca sao car
dura vel, nao oxidar aa peonaa metlicas aeccar
rpidamente, nio mofar, neas lio pooce 'areaa-i-
tar no fundo dos tinteiros sedimento >lcuai acia
qual for o tempo de sua duracio. Perraafe-aaa
que, ts predicados, ji merecem jostieacio n
K."i? **?"* ]*">< aTeaperi!
i. i nc,Dd. Por*m, a primeira coasttca
abandonada de prova por datar de pouco teesM
as eacnptara;5ea que por vontira se taaikaa Sal-
to com a tinta commercial, am aooo pera aals
tarde teiio a prova da mioba afirmava, par
quanto ba oilo mezes escripterei a folba de bm
hvro com a tinta commercial, escripturaado -
tra tambem com diversa tinta, alias resalada ta-
mo a melhor de noaso meresdo, boje pe*at
completamente satisfailo, noto que so a aliia
desmereceu sua cor primitiva, ao paasa
aquella se ostenta firme e resoluta a vencer oa
lempos doa secnlos viodouroa.
0 fabricante da mencionada tinta resolre de-
posilar amostras em diversas pontos que \uL
aonunciadoa afim de aer ella de nova esperiaieB-
tada e observada com atteocao. podeado os pra-
endenles. no caso de serem saseilos, procra-
la sement em Santo Antonio, ra do Queimade
caaai n. 0 do Sr. Jayme, e em S- iw, Mica ala'
sr. torrea, dnicos encarregadoa da saa veada Aa
garrafas terio uma tarja assigoada em rraou-
cripto pelo punbo do fabricante, evitando assia
que se possa confundir seu producto coa de as-
tros dedicados imitadores.
E' indispeossvel qae os linteiroa destina.los pa-
ra a tinta commercial estejam precisamet-te la-
vados, assim come as peonas e caete, mi cea
ten ha m particulaa de oulrsa tintas, portas aa
poucoa miuutoa ella ae ressenlir, ficando com-
pletamente eatragada.
Quem aouber da residencia do Sr. Manea!
Luiz doa Sanios e Silva, qae se diz ter vindo a*
Rio de Janeiro, favor dise-lo a Caetaaa Piala
...V* *at de*e" lhe wir ou nnaocieper
esta folha. v
Quem precisar de ama molher ale meia ida-
de para ama de casa de pooca familia, dirija-se
a rna de Santo Amaro, loja do sobrada a. 18
Monleiro & Soares avisan ao respeilavel
publico que no dia 30 da selembro pmsJa na.
ado se desencaminhou de seu ealabelecimeato
da ra larga do Rosario a. 46. ama carteara
grande com cento e oitenta a cento a noventa
mil res em dioheiroe, com diversa, letra, e aa
recibo da caixa em commaodila do valor Se
coolo e ciucoenla mil reis n. 239, perleacMle a
Bernardo de Cerqueira Castro Monleiro. Da
dito do escrivo dos protestos de ama ledra sj
oitocentoa e tantos mil reis, saccada por Jos
Eleuterio de Azevedo contra Joio Jorge da Met-
a. Uma letra de dous conloa doxalos a *aa1aa
rail reis, saccada por Custodio Ferreira Maotlaao
contra Joio Baptista do lego, (morador aa pro?
vincia da Parabiba, Vicente Ferrar da Silva
e Joao Bazilio do Espirito Sanio, vencida em
dezembro prximo paseado. Outra dita de aoa
conlo novecentoa viole e qaaUo mil seiscealee
e noventa e cinco reis que eslava em garaalia
as firmas existentes as costas da ostra cima
cuja letra ae venceu era 18 de selembro prximo'
passado. Quttro dita, aceitas por Jacinibe Si-
mpes de Almeide, no valor de duzentoa e doza
mil reis. Uma dita aceita por Antonio Joaquina
Freir, de cento e tanto, mil reis. -Daa dita
aceita por Beralio Bezerra de Araojo, de tinta
cinco mil e quatro ceios reis. Urna dita aceita
por Manoel Sebalde de Marte, de scenla a acta
mil rea. Uma dita aceita por Paulo Francisco
Rezende de nvenla e cinco mil e duzentoa reie
Uma dita aceite por Rofioo Jos doa Sanie* do
cento Iriota e oilo mil res. Quatro dita, acei-
tas por Carvalbo & Mendes. ssccadaa por Migael
dos Santos Goimbr*. no valor de seiscentos mil
res. Uma dita aceita por Migael dos Sanios
Coimbra de duzentoa a tanteo mil raa. Urna dita
aceita por Jos Josqoim de Sanl'Anna Goerra
de cento e tantos mil reis. a diversos documen-
tos tudo existente na meama carteara, coja ao
achara em mi estado. Rogamos as aalorida-
dea policiaes aprehendaos diU carleira oa qual-
quer documento; e rogamo. a qualquer paasoa
que aprehender a dita cartelra coa os documen-
tos, seri bem recompensada.
Attenco.
Na cocheira da ra da Florentina, que foi do
Sr. major Sebastiio, recebem-se carillos do Ha-
to mais barato que em oulra qualquer parte.
O abaixo assignado declara ao respeilavel
publico que deixou de ser caixeiro dos Srs. Pe-
reira & Marques desde o dia i. do correte, o
retira-se para Mamanguapo a negocio. Recito 1
de outubro de 1861.Aotonio Jos Ta vares,
Miguel Antonio Roberto, enearregado da
limpeza deata cidade pretende botar a. mesma.
carrosas que hsvism antigamente ; morador na
ra Nova n. 15.
Boga ae pessoa que tiver a cartelra do
Monteiro & Soares, queira ter a bondade do ajear
com o diobeiro e botar a caiteira com oa doea-
mentos lodos por debsito da porta, visto aada
lhe servir por estar ludo prevenido.
[Apurado gosto.j
[ Gorgel & Perdigao.
1 Receberam pelo ultimo paquete freaeez
} superiores vestidos de seda do cores, do
diferentes goslos e soitioa. manteletes de
novo modelo, cepas compridaa a prophe-
ia o mais rico o moderno qae lea vindo
a eai mercado, superiores cortea da
esmbraia bordados, leqaes de msdrepero-
la de diversos preco, todas eslaa fazen-
das existem em pequea qaaatldsdo,
experiencia para ver te- agradara no mer-
cado : na ra da Cadeia loja a. M.
Por barato preco.-
Colxaa de lia e seda propriae poro ca-
ma e cobertas de pino Sa>, latead.
que pela qaalidada valo 15. follas o
manguito, de fusto, ditas do cambraia
de lioho a 3 o par. punhoa o gollafe do li-
nho ou de rusti bordados proprioa para
roupiu a 3, aaia. balio de msdapoUo a
3g : na loja de Grgol d Perdigio, rao a
Cadeia a. 23.
Esculturatm Marmore
Jardineita. dem idem d. ftOf a 30.
I an.n na UaaB J* aaaaa. oaanua
Consolos liso, do a f.
Mesas redondas de 18 a 15.

r?9H
caraciere. o Uaaakoa daVlOO n. caa
cada palmo em
raa grai
lorae oa car.(
leV
aBaaaaaaHar* collocnr as
qaadro a f.
Concer paaporaoi
Rec*bom-s
si
^Ljj-------------
j. opcional si*,.* francez aa qnelajorr par-
ara dula p >a da Tig.no
|D. 21. loja d'alfa
p\ a.1
I


ni
...
B1AM0 MIMUllCO
Atten^o,
Offerece-te um criado para copeiro oa bollei-
ro : quem da mu preitimo precisar, dirjanse
roa di Aurora o. 17.
Precisa-se alugar ama escrava para carre-
gar Uzeadas com outra pessoa ; na ra do Hos-
picio 0.88. .
lho da Francisco de Viveiros de Mara de S.
Joa&- freguesia d'Alago, ou alguna familia
que lhe pertenca, o aver de dirlajir-ae a aaU ly-
pographia para se lhe dar noticias da parle de
urna heraoca que iha tocou por norte de seos
psis.
Alugau-se trescaeaaem Beberibe, do Por-
to da Hadeira, eom bastantes commodos, leodo o
baoho e leite oa porta ; a tratar na ra do Quei-
mado, toja a. 49.
Para quem pre-
cisar.
Offerece-se um moco solteiro para eosinar pri-
meiras letra! em qualquer engeobj ou casa par-
ticular, pois para isto tea alguna prattca; quem
de tan preetimo quisr utilisar-se, dirijs-se a ra
Camboa do Carao u. 33, ou na cidade de Olioda,
casa pegada ao Aljaba, que achara com quem
tratar.
SElTAlllA4MOUTDMOiHli86i
-3H
Mtenijao,
para
feudo lido oeste jornal um annuncio que sa-
bio no dis i do correte em que ae renda a ca-
sa da ra do Padre Floriaao n. 31, e me perten-
ceodo esta propriedade, para que ninguem ae
chame ao eogano fajo a presente declaracio, que
- nunca aulorisei nem manei expr venda a mes-
roa propriedade. Recite 3 de outebro de 1861.
Jote da Groz Santos.
Precisa-se de urna criada portogueza
eogommar e coser: na ra Nora n. 33.
Precisa-se de dous caiieiroa para Maman-
guape, sendo Um com pratica de fazendas e ou-
tro com pratica de molhados: quem se achar ha-
bilitado para daaempeoliar aatisfactoriameole es-
tes lugares, dirija-se ra da Cadeia n. 22, luja
de Joao Pareira Mouliaho & C.
Alugt-se o Ia andar do sobrado da ra da
Cruz da Recite n. 31 : a tratar no armazem do
mesmo.
Na travesea do Apollo n. 1, deposito, pre-
cisa-se de um menino para caxeiro, que ten ha
pratica de taberna.
No da 4 do correte em praca publica
do lilm. Sr. juiz de paz da freguezis de S. Jos,
se ho de arrematar os bens segaintes :
1 relogio galvaaisado de prata novo pa-
tente horisontal.......................
1 dito de masa da meza trabalhando
ce rio..................................
1 meta commoda em boro estado........
1 marquesa de amarello asento de pa- -
Ihioha.... ................
cadeiras de amarello assento de pa-
Ihinba................................
2 banquinhas em bom estado...........
1 mesa redonda em bom estado........
Cojos bens to i praca por execucao de Joaquim
Fernandes dos Santos, contra Manuel Joaquim
da Silva Guimaraes. o escriplo se acha oopder
do porteo.Serra Grande.
i 840 rs. a libia e em barril s 560 rs.
-
o melhor que ha no marcado a 2*600 a libra.

163000
5*000
85000
88000
lgOOO
48000
109000
Compras.
Compra-se
cabellos compridos.
Na ra doQueimado casa de cabelleireiro. *
Comprase moedas de 20# : na
ruadaGruE n. 48, pagase mais do
que em outra qualquer parte.
Compram-se moedas de 208 a 20*700: na
toja da ra do Qoeimado n. 48.
Compra-se urna preta e urna mulata qne
sajam perfectas cozinheires, eagommadeiras e
costureiras : na ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Azevedo & Meodes.
Compram-se moedas de ouro e patacoe
hespatrhoeseo cuoho de Carlos III e IIII, ni ra
Nova a. 23.
Yendas. "~
Relogios baratos..
Na rae Nova o. 21, ha grande porga o de relo-
gios foliados, dourados e de ouro, patentes e ori-
zontaes, suissos e ingieres, os quaes serio ven-
didos pelos pregos da factora. Cada relogio leva-
r um recibo em que se responsabilisa pelo re-
gulanwnto durante seis meces.
Ciixinhas com msica.
Na loja d'aguia de uro, ra do Cabug n. 1
B, chegado de ana propriancommenda rauito
lindas caixiohas de costura com msica, propria
para mimo, toe se -veade muito barato.
Vendern se os eegeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
(Tagua, sitos na freguezia de
S. Sent comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poueas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
guno tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Lencos brancos.
Vendem-ae teosos brancos proprios para algi-
beira, pelo bafaUsaim* erogo da 2*400 a duzia
na ra do Oueisaido n. 22, loja da boa t.
Aos tereeiros da
veneravel ordem deS.
Francisco.
LargodaPenlia 8
Francisco Fernandes Darte, propietario deste
armazem de molhaJo, pariecipa aos seos freguezes, assim|cbmo aos senhofes da praca, de enge-
ono e la vradores que d?ora em vanle quizerem-se afregueiar neste eelabeleciateuto, que se acha
IVHl ? 0B>P'J* sortlmeoto de gneros os mais novoe que ha no mercado e por seren a nuior
pacje aeiiesvindos de coota propria, est portento rcsolvido a veode-los por menos 19 per cento
Juque em outra qualquer parte, afianzando a boa qualidade e condiciouamento, assim como ser-
vir os portadores meos prattcos to bens, como se os seahores vieauen peaaoalmente, para o que
." *e p4q',r* proprteUrio en prestar toda atteogao, eum ds continuaren! a mandar comprar
sus encomrnendas, serlos de que, toda e qualquer eoeommenda comprada ueste estabelecimento
acompanhar nata coota impressa com o mesmo titulo de armazem Progreaso.
NUatoiga lagUia pititwm fio*. 1#000 f. uu Tende.
ae por este prega umcameote pela grande porcio que tem e sefor em barril se tara abatimento
Hautciga tranceza,
Cha hysson
Wcm VWtO ^eoo a libra.
ViaClJOS ^Tl**4a,g,d0fai#BltllBOTip0rt ^W.
dem prato, ^ iteIro t640 a Ubra>
L SI"SS0 a 40 rs. a libra em porco se faz a batimento.
Pmuto de Hambre ioglM. 700 rl 1bri
Prezuato de \amego, m M Ubrrinleiro. 440 .
* a mais nova que ha no mercado a 160 rs. a libra, e em arroba a 4|500.
Esper msete. 760 ., ^ em caix. a m tu
Latas eom bolaxialia de soda de ae.rentt ,Mlldaae. 11540O
Latas eom petxe em posta de oila8 qutliade,. 1|400.
\zeitonas multo novas. 1S0OO M o bami,. Muih.. 320.. ..!.
Ooee de Wpercue em UM d, 9Ubr por 1#soo
Momitas piri podim a 800 tt a Hbt
^auua de porco refinada. 480 r,. 1brt, em batril.
^iT nUU nT' d0 n,erc,do 900 em lattas de 211bra por 1*700.
~- TODO a prlmeira ver que vieram a eaia) mercado a 640rs. a libra.
Cnonrieas e palos BU|0 nOTOi a ^ M J.7
Palitos de dente UxadosC0B1 ao m.ci.ho. po.aoo r...
Chocolate ftaneez. 1#200 rf.. libr8i diUo portttguex. 800
Harmelada imperial,
. f*~S do "oo Abreu o da outros muito fabricantes de Lisboa
1#000 rt. a libra.
v- gnrraiaaOS Port0f B0rdeaax, Carcavellos, a moscatel a 1*000 a garata.
r. 5 de 500, 5M e 640,, 8""a. m nadas a 3*500 *|00 4*500.
ViaaKTe d Lisboa. .,.,,,,, m .. glm
-, J. da* mais acreditadas marcas a 5* a duiia, e em garrafa a 500 rs.
... para sopa a mais ora que ha no mercado a 640 rs. a libra.
ETvilhastranee*asaMOr..iatt..
Wlolo de amendoa 800 ri. t libra dlta com cam, m
^oies mu,t0 n0Taia m n t llbra>
gstanha8padasa240raiaIibra.
** snuito superiora 240rs. a libra, e a 7 a arroba:
t*1* do tfaranhio a 3* em arroba, e em libra a 100 ra.
ramo americano ...
a* a 1a'fra, sefor em porgo se ferabatimenw.
SevadlnhadeFMncaa240rialibra
sagn muit0 n0T0 a 320 a libra^
oneinno de L,boa a S60 a |0J a m^
Ton^t ^ *"*** -. 160 r. a libra.
ToncinholnglaSOOrialbr8
fassas em caixinV%tn
440 rs.
p respeitavel publico tudo quanto pro-
meoinos a
:a a
Jfaegou a verdadelra estamenha de lia. os
lujada 4 portas, ra do Queimado n. 39, e ae
aprompUm hbitos desta fazeoda a 40*. e tam-
bes ba de algodao que eapromptam a 28$ cada
um, e se vende a fazeoda por mdico prego.
Luvas de Jouvio.
Gonlioua-se a vendar as superiorea luvas da
pellica da Jouvio, tanto para homem como para
seahors ; na na do Quatmado n. a laja da
boa f.
Semeotes de bortalices.
Ha roa da Grux do Recife n. 32, deposito de
pao a bolacha, vende-se mais barato outra qualquer parle, novaa semeotes da horta-
lices^sMd.' quiliOades. os.
He
'rsaaqnat.
* ae mais semen tes
praeisasjjara se ter urna liada horta.
enzaia^Novan.42
broftsua^^^^^^^Hi el a,chicote
l**'***r carro da
tu
Rival
semsegundo
Ja rus do Queimsdo n. 55. loja de miudezas
de Jos de Azevedo Uaia e Silva, tem destinado
acabar.com certas e determinadas miudezas pelos
precos abaixo declarados, a vaoham logo pois
est cabando.
Calzas com agulhus fraocezas a..........
Novellos de lloha para marcar a 20 rs. e..
Ditos de liaba de corea e muito rendes a
Carretel de liuha, auperiar quaiidade a..
Linha branca do gaz a 10 rs. e...........
Dita dita,a melhor que ha, oovello grande
Pares de meias de cores para meninos a
Duzia de meias cruas muio superiores a
Dito de ditas ditas a......................
Pares de meias de cores para meoic
Lioha em cerio Pedro V a..........
Caixas com phosphoros de seguraoc
Caizas de fallas com phosphoros (so
caiza vallOOrs.Ja...................
Duzia de phosphoros do gaz a..........
Frascos d'agua de colonia superiora___
Ditos com cheveos muito finos a........
Duzia de meiss muito unas para senhora
Caizas de apparelhos para meniooaa 240
ra. 0........#t9
Trancas de lia e delinho sortidas a..___
Sabonetee grandeaa superiores s........
Groza debtes pequeas para calca'a..
Grozade boles de Iouqj a..............
Varas de tramoia superior a 120 e........
Grozade penaas de ac a................
Carleiras muito superiores a............
Bwelhos pertuguezes a..................
Tesouraa muito linas para coatura a...
OUasparauulusa240e..................
Baralbos para voltarele a 210 e........
Fraacordehaohadeur$oa...............
Fraseos grandes de lavando ambraada, su-
perior qualidale a....................
Frascoa de oleo de babosa a 320%...."
FraKo* de danha muilo naaiiOa...!
[Agulheiros cam aguihas a...............'.
Novo sortioieato
de cascrfrrilhas d seda,]
franjas e galo com lacos
a & relas.
120
40
40
30
20
00
120
2*400
2*000
160
20
160
100
240
400
500
3*000
500
40
160
120
120
160
500
500
120
400
400
320
6*0
800
50*
390
80
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
4 C. successores ru da Cruz
numero 4. ja^
Vendem-se carros americanos mu Botes
e leves para duas e 4 pessoas e reeobefPie en-
commendas para cujo uro elles possuem map-
pas com varios desechos, tambera vondem car-
rocas ara condcelo de assucar etc.
Cbegouaapreciavel agua bal-
smica para a bocea e
decios
A loja d'aguia branca acaba de receber urna no-
va re messa da mui poveitosa e procurada agua
balsmica para a bocea e deoles. O bom resul-
L* deiUI 8UB J ni0 8offr* duv'da como sa-
oioo pelas immensas pessoasque a compraran)
e que sentiam a falta dalla, e as que de nov
comprarem acharao que o uso delta faz conser-
var os dentes saos, livrando-os da carie, fortale-
cers gengivas e tirar o mi hlito da bocea,
dando i meema agradavel aroma, podeodo-se
cnesmo usar dells nao s pela maobaa como a
qualquer horsL, e coa acert depoie do fumar pa-
ra tirar o cheire do fumo, ou quando se teuha de
san ir para ter-ae a bocea aromtica : para isso
porm, bastam algumas golas dalla em agua pu-
ra. O proveilo d'agua balsmica anda cbesa a
mau. ella serve com acert e premptido para
acabar a dor de dealea, ensopsndo-se nella um
mado de algodao e deitando-o no buraco do
Jente, este adormece e em pooco desapparece a
le obter um frasco de lio prove tos a e
K
de raz de
* minar que ~po oaL.^yenie-Se
mui bonitas
duas e tres
Seon
ZSEEt??* Pf#. ido ellas bastante
S15k-o V,tUu desque aao Saralissimas a
W*.WM: assim bom e barato s na loja
d aguiabrauca, rea do Queimado a. 16.
Borne assim barato
"'** *'* da comprar urna pasta psro pa-
pel por 1*000. Na loja d'aguia branca acb-se
umaporcac-de boas e perfeitaa pasUS paca pa-
pel com calendario perpetuo, e Indicadas festas
mudareis, pelo que se tornan: da rauila otili-
-ade, e o pequeo preca da 1*000 cada urna
l Pro*eir-e da occaaiio em que te
eiuo ellas veodeodo por matada do qua sea-
pre custuram ; .tsim dirijam-ae roa do
KSrt*.1.^ d'igQU brncn- *qu "'
Vestidos brancos
bordados.
Ainda restam alguos corles de vestidos brancos
bordados que contiouam-se a vender pelo bara-
soimoprecode5,eome3babados,de gra-
ca : na ra do Queimado o. 22, na bem conheci-
da loja da boa ft.
Nova
afinazem
PROGRESSO
DE
Jos de Jess Moreira cft C.
Ra estreita do Rotario (esquina
da roa das Larangeiras n. 18.)
. Os proprietarioa deste estabelecimento avisare
a seus numerosos freguezes bem assim aos se-
nhores daeegenho, lavradorea e mais senhores
desta praea que se acham com um completo sor-
timeoto de gneros dos melhores que podem vlr
eate mercado, os quses estao resolvidos vender
maisbaralo do qua oulro qualquer; offerecem
esta vaatagem por vir por conta propria : abaixo
descrevemos alguos driles:
Maoteiga ingleza perfeitameote flor a 880.
wrfBMMl*M0 em b,rril 4*-e um
baMmanto e afian;am a boa qualidade.
Ui hyawn da primeira sorte, o melhor que ha
a 2S70. 2*000 e 2*240 a libra. q
Dito prel a 1*600.
Chocolate francs a 10120.
Dito portiguez a 800.
Prezuoto portugus vindo do Porto o melhor
que pode ha ver a 500 e 440.
Paios e linguijas dos msia novos a 600 res
libra.
Caixiohas douradaa om passas proprias para
Ditascpm ama arroba a 7*000 e 400 rs. a libra,
^oamm massss finas de todas as
nas com
'#"
strewni,
quali-
, pevide e mais massss por 7*000 e 720
melhores fabricantes
ue ha em latas de
Estri
a libra.
Marnsftlata imperial dos
de Liatoa a 960 a libra.
Maisa de tomates o melhor
1 libra ele meia libra a
Vinho Figueira a 600 rs. a garrafa.
Dito Lisboa a 560, 480 e 400 idem.
Dito do Poito em pipa a 720 idem.
Dito engarrafado do melhor que ha a 18000 a
**'">*> uom caadas far-se abatimento.
Caf em caroco do melhor qua ha a 240 rs. a
libra.
Arrdz a 100- rs a libra, e em cuias faz-se abati-
mento.
Velas de carnauba a 440 rs.
Alm destes gneros mencionados achs-se um
completo sortimento tendentes a molhados, que
se procura, os quaes se mnciooario em outra
occasiao: aanga-se a boa qoalidade, bom peso
hoa medida, s no PROGRESSISTA.
Re
!
A loja d'aguia branca aciba de receber um
oavo a bailo aartimanto de caaearrrlbas de seda
cam duas relas ug*do pato, o tibor qua se
poda dar em tal genero vende a 21 a peca, a-
aimcanio franjas de n<8HlvenM coras alar-
f*f<> precos admirsaaloiiria baratos, a
tambera um novissimo galozioho de aeda com
lacas nas o ;- oprios e de muito gosto para
es de aeWi ratera com fo Wi
datla branca costu na a vender os ohjelc4K
.!"--------------- -
limiUcio

apreciavel agua balsmica, dirigir-se com 1* i
loja d aguia braoca, ra do4}aeimado n. 16. ni-
ca parteando ella se vende. Adverle-se que os
irascos vio marcados com o rotulo da dita leja.
Peitos de esguio de algodao
para camisas a 500 rs.
nJ!-L" paitos ae esguiio de algodao para camisas a 500
rs. cada um, dinheiro a vista : na loja d'aauia
branca ruado Queimtdo n. 16. g
Cestinhas de Hamburgo.
S na loa d'aguia de ouro, ra do Cihugi n
S. >B,e,mrl.eeeb,i completo sdfrlSeho de
UadarcesUahas da todos os tamanhoa propria
para meninsadeescola. assim como maiorea eSt
Sl0^*^1*"' c0.?pr"' btl^ioprio,
mullo bonitos psr. brinquedos de meninos di-
SARAO.
ntoa isa aosl
!gxl WaaU
Jl SIS* Icadenmlnt
Ja
os.
Vsnds-re am easa de Johnston Pater & C.,
roa do Vigario n. 3 um bello sortimento ds
rslogiosde ouro, patn te inglez, da un dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambera
UM varitdade de bonitos irancelinspara os
mesaos.
A loja da bandeira
INova loja de funileiro daj
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos di Fonseca participa a
todoa os seus freguezes Unto da praca
cmodo mato, e juotamante ao respeita-
vel publico, que tomou a deliberado de
balxaro preco de todas as seas obras, por
cujo motivo tem para vender nm grande
sortimento de tahua e baciaa, tudo de
dierentes lmannos e de diversas cores!
am pinturas, e juntamente um grande
sortimento de diversas obraa, contendo
baoheiros e gamelas compridas, grandes
e pequeas, maehinaapara caf e cane-
cas para conduzr agua grandes e peque-
as, latas grandes pira cooservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil a
camas de vento, latas de arroba a 1*,
bahs grandes a 4* e pequeos a 600
rs., baciaagrandes a 5* e pequeas a
800 rs.,cocos de na a\ 1* a dzia re-
gadores regulares muito barato, ditos
{raqueos a 400 rs., de todos estes objee-
tos h piolados e em branca e todo mais
se vende pelo menos preco poasivel : na
loja da bandeira da ra da Cruz do Re-
cife n. 37.
IMBKSHHMBaK 9K SH9SKMg
ULTIMA MUDA
40-Rua do Oueiioado-40
Ricos manguitos de cambraia bordados, a ba-
lao, o mais superior que ba no mercado, viudos
oo paquete rancez de 13 do correte mez, e
tambern um grande sortimento de chales de me-
rino de (odas as qoalidade.
Barato.
Lioha de carretel, 200 jardas a 60 r.
Clchete franceze, caixinha a 60 r.
Agalnas francezas, caixinha coro 6 papis [es-
li priocipisdo s errojarj a 120 rs.: na ro do
Queimado. loja d'aguia braoca n. 16.
N. O. Bieber & C, successores, rus da Cru*
n. 4, tem para vender relogios pan algibeirs de
ouro e prata.
Liqutdaca
. NA
lompoljio.
aamo
rtU
lf*, orno
tom de raarmore.
Na leja da marmora venda-se para li-
quidacaopor pr5aa mito barato, uta
sn aJaaurmauto de taaaadaa dama.
I mam e vaetimeola. par. meoiaas e bem I
aaaim quadr lacio A
Japeriore
a iffditaaalcosoadaa multo superfore a^Ti
lo Quejando loja) di boa f.
oa ra
?x{^si^odceotilerias [OriYai sem scirumlo. na
fifias, a ra Nova n. 20.
Neste rlquisairr o estabelecimento se encontra-
r lempre um riquissimo sorlioafnto le en i]
er todo o genero que se pode Imaginar, assim
couto'lambem um riquissimo sortimento de me-
taos Molsimos conhecidos pelo verdadeiro plak
para servido de almoco a janlar, camas d ferro
para casal e seltelra, bandejas a imitacJo de cha-
rio em temos e afolaos, Moas e ordinarias, toda
a quilidade de lou;a de porcelana para cozinha :
oa ra Nova o. 20, loja do Vianne.
Chapeos para senhora.
Ricos chapeos de seda a de velludo para se-
nhora, pelo baratisslmo preco de 15 e 16*: na
ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
i i
com necessarios para costura
Acaba dechegar para a loja d'aguia brinca mui
lindaacaiiiohaa me.izadas.com espelho, tesoura,
caivete,agulhela, agulheiro, dedal e ponleiro,
todoi pratiado e de apurado gosto, emOm urna
caixinha axcellente para um presente, e mesmo
frt* '"a^aer ohora a possuir, e vendem-se a
10* e 12* : na lo.a d'aguia branca,ra do Quei-
mado n. 16.
Lencos de cam-
braia com padrees de se-
da a 2#500 a peca.
Na loja d'aguia branca tambera ae vende mui
bonitos e Onos lencoa de cambraia imitando seda,
iaao pelo baratissimo prego de 2*500 a pe;a de
10 lencos. E' essa ums das pechiochas que custa
apparecer, e quando assim approveitar-se da
occasio, porque elles aervem tanto para algibei-
ra como para meninos, e quem os vir na loja
d'aguia braoca, na ra do Queimado n. 16, tari
vontade de comprar mais de urna peca, tal a
hondada dellea.
Attenco
Bastos & Reg acabara de receber grande
quantidade da roupas para crianca assim como
seja de fuatio e II a de seds, pelo diminuto pro-
co de 2J500, 3* e a 4, vestidos de cambraia
bordados para baptiaado de enancas a 16*. ca-
aaveque e capas de fustio e de brm, para se-
nhora e menina pelo diminuto prego de 3| e 4*,
capas de fustio muito compridas para senhora
a 12*000.
ruado Queimado n 55
defronte do sobrado no-
vo, est vendendo tudo
bom e barassimo,pois
j tm dado provas de
suas boas fazendas, e
por presos que admi-
ran., a saber;
Caivete para apirar penoa a
39
5
gran-
t*t
As melho-
res mschioas
de coser dos
maia afama-
dos autores de
New- York:
vende m -se
unlcam ente
no armazem
de fazendas
de Raymundo
Carlos Leite
Si Irmio, nu-
mero 12, ra
da Imporatriz.
Arado i americano je machina-
par a lavar rouparem cata de S.P Jot
ntton & C. ra daSenzala n.i2.
Macas e uvas de Lisboa mui-
to boas.
ebegadas oo paqaeta inglez, vende-se oa roa
estreita do Rosario o. 11, ettabelecimento de
Sodr & C-
A 2500
Chales de merino estampados, qae em outras
lojas se vendem por 4* e 5* na loja da boa f
ba ruado Queimado n. 22, vende-se pelo bara-
tissimo preco de 2*500.
Ba das Cruzes n. 4,
fabrica de charutos,'vendem-se charutos a 15* o
milheiro, de fumo da Babia, velas de composi-
$ao a 128 a arroba, e em porgio faz-se abati-
mento ; aanr.a-se a boa qualidade.
m
RdlPA FEITA AINDAMIS BARATAS.
9> SORTIMENTO COMPLETO }
01
[fazendas e obras feilas!
Ditos com 2 folhs. moitoUoosa
uno de oleo muito fino a
Tranca de lia com 10 vana, bosnias ca-
t'ranjasde lia com 10 varas, bonitas co-
Sapalos de traoja de algodao a
Diios.de diU fe lia a
Caixas com iscas para charolo a
partas de slllnetes sortidoa franceze
Canas de ditos ditos a 80 r. a
Escovas para limpsr dente muilo fia
*w r. o
Duzia de facas e garfos, cabo prata a
assos com grampas muito boas a
barloes com clcheles a
Dttos com ditos de superior aaaUdada a
pedaes de a;o para aeaboia a
sabooeles muilo grandes a
Apilos de chumbo para cr'nci a
Rialejo para meninos a 40 rs. a
Enliadores para vestidos, agito
des a 60 rs. e
Sapaliuhos de lia pira meninos a
,i.Anr.Vei Un" Vried*de de miudeaas qaa sa-
ris enfadonho menciona-ltl poiss Mita ana
se pode apreciar as qualidades a os presos.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLaWAT.
Hilhares da individuo do todas as naeiea
poden testemonhar as viados deste remedio
incomparaTolo protar om caso noceuario, qua,
pelo uso que del le fizeram lea mu mins
membros i ntei ramete saos depois da ha*ot eaa-
pregado intilmente outroitraUmeuto. Cafe
peasoa poder-te-ha conxencar destat curas ma-
ravilhosas pela leitura dos peridico, ame Ih'ao
relaum lodos os das ha moitos ancos ; a
maior parte dolas sao lio sor prndenlas que
admiran, os mdicos mais celebres. Ooaniao
pessoas recobraran eom este soberano remedia
o uso de seos bracos e porosa, depei dcdoi
permanecido longo tempo no* hospiues, e Me
deviam sofrer a amputar^o 1 Dallas ba mat-
eas quehaveudo deixado estes, atylo depsde-
timentos, para se nao subneteren a essa ape-
racio doloroso foraa curadas eonplatamenia,
mediante o uso desse precioso renedia. Al-
gunas das taes pessoa na enfnsio de se* reee-
ohecinento declararan estes resollados Unei-
cos diante do lord eorregedor e atrae saje
irados, afimde mais autenticaren sus alrna-
tiva.
Ninguem desesperara do astado desande se
tivesse bastante eonflanea para encinar esto re-
medio constan lente seguindo algum tempe *
tratanento que neceutasse a natureza fe nej,
cujo resaludo seria prorer ineontesuvelncnie.
Que tudo cara.
O ungento he mil, amala atrtsen-
larmente nos
Alporeas
Caimbras
Gallos.
Ancerei.
Gorudnras.
Dores de cabera.
das costas.
^los membros.
Enfernidades da eutit
era geral.
Ditas de anus.
Erupajoul escorbticas.
Fistolas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor nas extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Incbacoes.
Inflammacao do Bgado.
A
LOJA E ARMAZEM
DS
iGes k Basto]
NA
alna do Queimado
n. 4$, freate amavella. i
Constantemente emosumgrandeeva-'
i riadosortimento deiobrecasacaspretaa:
SJ"0# dec0r multo fino a 8,
JLi3jJjP*1totsdomemo panno
a S0J.X2I a 14g, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 14p\16# a 18|, casa-
cas pretasmuitobem feilasedesuperior
panoo a 38, 80$ a 85. sobrecasacas de
aaemradeoore mullo finos a 15, 161
e 181, ditossaccos das mesmascasemi-
ra a 10|. IX a 14|, calcas preta de
caaemiraflna para homem a 8, 9, lf
e 11, ditaa decacemira decorea a 71.88.
9 e 10, ditas de brimbrancoa muilo
fla 51 o8, ditas de ditos de cores a
3. 8500, 4 e 4500, ditas de meis ca-
emira de ricas corea a 4f e 45500, col-
letespretosdecasemiraa5 e6, ditos
'da ditos de corea a 4|500 o 5, ditos
brsneo fdo aeda paraeasamenlo a 5
ditos de 6,colletes debrim branco a d
L "o 8500 e 4. ditos de cores a
5O0e3, paletotspretosde merino de
cordao saeco e sobreeasacoa 71,8 eli
eolleteapretospara luto a 4500 a Si'
as preta de merino a 4500 e 6, pT-
, letn de alpaca preta a 8500 e 41, ditos
) sobreeasaeo a 6,7a 81,multo flnocol-
latee de gorgurie de sedado coresmulto
| boafaxenda a 38O e 4|, colloterdo re].!
| lado de ores o pretos a 7 e 8, roupa >
para maninosobre casacadepanno ora-
toa e de cores a 14, 15 16, dito, de
semfra saeco para os mesmos a 6500e
j 7,ditos de alpaca pretos saceos a 3 e
131500, ditos sobreeasacoa a 5f a 5500
{"-Icaade cssemira pretaae decore* a6a! I
}ttWil1, camisas para menino a S
t fel, aatlsas inglezas prega llerar
f muffoiaperlora 81 adaziapar acaba!
.Awaneomotemos una oficina tf#al_
londamaadamo executaitodat aa
^ruridade.
MlaVIMIHIMni
aaaaaaaK
sBsjnintesai <
Inflammafao da boxiga
da matriz
Lepra.
Males das pernai.
doa peitoa.
de olhos.
Mordeduras fe rept.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queinadelas,
Sarna.
Supurac,5es ptridas.
Tinha, en qualquer
parle que saja.
Tremor fe narres.
Ulceras na bocea.
do ligado.
da artiealaces.
Veas torcida oa
dss nas patas.
Vende-se este ungento no eslabetecii
geral de Londres n. 244, aStrand, e aa loja
de te dos os boticarios droguista o outras pes-
soas encarregadas do sua renda en toda a
America do sul, Havana a Hespenha.
Vende-se a 800 rs cada boeetinha contrai
urna nstroceo en portuguez pare explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soom,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 82, ai
Peroambuco.
Pee hincha sem igual.
Cortes de caiga de casemira preta a fe cor en-
testada moito Boa a 4500 ; na loja da Califor-
nia, ra da Imperatriz n. 48, junto a padari
franceza.
Poiassa da Riissia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido a acreditado deposito da rao
da Cadeia do Recife n. 11, ba para reafer a vr-
dadeira potasas da Rusel, nova de Mperiav
qualidade, aasim como tamben col virgen en
podra ; tudo por preces mais barate do *W9 en
ontr qualquerparte.
mmm Low-MotB
Roa daSeiuIla R\ .4$.
Resta estsbslscimento contiena bivet ere
eonpleio sor ti atante dineandaraateiasnoca-
d* para engenho.nachinas de vapor alalia
t farro batido eoado.de todoa ortananbea
para dito,
Superiores organdys a
720 rs. a vara,
Vendem-se finisaiaao organdy da muila be-
nito padroea, pelo barsliaaimo proco TH ra.
L^a"' V"eD/u laa senpta ae veafea par
Ia00, assim pois, quem quhewenorer fazrafe
Bns muilo bonita o nufto barata. ebegar i raa
boa.
^H^Hlkuleirot.funiieir
^^jtetender dirijs
gP eahisay*!
plraWWsaaR^



suta iura i Mitninun
o#
WiftfW*
DE
ROUPA FSITA
ke i
Joaquim Francisco dos Santos.
140 RU4 DO QLEIN4D0 40
Defroate do boceo da Congregado letreiro verde.
Neste estabelecimento hasempre um sortimento completo deroapafeita detodaass
cualidades, e tambara se manda execuUr por medida, a rontade doafreguezes, para
que Um am das melhores professores.
Casacas de panno preto, 40, 35 a 30*000
Fnnetro e vidraceiro.
Grande e nova oflicina.
ItafMrfts.
81RuaDirwtaat.
Attence.
i Vende-se ana machia de _
risootal com todos mu competentes, aendo *
csldeira la preasio da dase a tres aiasasphaeaa
alto conveniente mu amaeohordo engaa*
=
syataoia ho-
8 MIS SI
roanriaa
Para acabar. iMilhoefarelonovo

Sobrecasaca da dito, 35* a 3000
Palitotadeditoe de coras, 353, 30,
155000, 10, 18 e 30*000
Oilo da :simir de corea, 129000,
15, 11, 7 a 9#000
Dito de aleaos apata goila da Tal-
lado, traooetss ligOOO
Ditos de nuna-sUim pretos da
coras, 9fQQa
Ditos de alpaka da cores, 5 e
Ditos de dita preta, 9, 7, 5 a
Ditos 4a brisa d*cores, 5, 4500,
4f000a
Ditos de bramante dalinhobranco,
6^000, 5000 e
JDitof le omin de cordao prato,
15*000 a
Calaras le casimira preta e de corea,
11. 10, 9a
Oilas ie acincea a merino da cor-
dao prelos, 5, $500 a
Dita de brisa branco a decores,
5J000, 4*500 e
Ditas da ganga de corea
GolUtea de vallado preto e de co-
res, lisos e bordados, 12, 95 a
Ditos de easemira preta e de corea,
Usse bordados. 6*. 59500,5 e
8000
3500
3500
3500
4f000
89000
6S000
4500
1500
3gO00
8000
3500
0Q0
woo;
2200$
lglSOd
S2O0}
3|000
mool
Ditos da setim preto
Ditos de seda a setim branco, 6 a
Ditos da gurgurao de seda preto* e
de cores, 7|000,6000, 4
Ditos de trim a tostlo branco.
S500. 25at a
Seroulas de brim de linho, 2 e
Ditas de algodio, 1,500 e
Camisas de peito de fuato branco
da corea, 2)400 a
Ditas de peito de linho 5f, Af e
Ditas de madapolao branco a da
cores, 3$. 2J500. 2
Chapeos pretos de maaaa.f raneares,
formasdauUimamodal0f,8;85O0e7J
Ditos de feltro, 6, 55, 4 e
Ditos deso da seda, ingieres a
franceses, 14, il$, 11J e 7*000?
Collarinhos de linho moito Anos,
novosfe.tios da ultima moda
Ditos de algodo
Relogios de uro, patentas horl-
sontaes. 100, 80, 80 e 70000t
Ditos daprata gairantsados, p-
tentehosontaos. 40J 30000J
Obras de ouro, aderemos e meoa
aderecos, palseiraa, roxetas a
anneis $
Toalhas da linho. duzia 109000 6 a 99000
Ditas rraedes para mesa a 4000 e 5JW0J
Neste rico a bem montado estaheledmnto
contraro os f regueies o mris perfeile, beta- aca-
bado e batato no seo genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS ajas rtraHaaan com a acareada.
B AtSMlRuS de iodos os lmannos.
SBMCUPUS idea idea.
BALDES idean idem.
BACAS idem Ideas.
BAHUS ideaa idean.
FOLH* am erizas de todas as gtoasuras.
FRATOS imitando am perfeicao a boa porcel-
laoa.
CHA LE RAS de todaa as qualidades.
PANBLLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e flandrea para qaal-
quer sor lmenlo. T _
CIDROS em caitas e a retalhe de todos os ta-
mandando-se maohos, botar dentro da cidade,
eoi toda a parte.
Recebem-se eacommendas da eealquer natu-
reza, concertos, que ludo ser desempenhado a
contento.
ttenea*.
a|raadoTrapichan.46,em6asa de Ro r a
Rookor &C. eliste am bom sortimento do 11-
nhaa decorea a brancasemearreteia do melhor
ibricaBteletnglaterraaaqaaea ss-randem poi
dracoa mu ir aros* ais
Viva o paquete das novidades.
Pois est torrando miudezas moito ba-
ratas, aflm de apurar dioheiro para con-
sumo do paquete, ra da Imperatriz n. 54,
luja de Joaquim de Aievedo Pereira J-
nior, declara o seguinte :
Cartoee de colchetes mtiito finos a 40 rs.
Caixaa de ditos da trra a 80 rs.
Linha do gaz a 10,10 e 30 ra.
Dita de carretel, 100 jardas a..30 rs.
Pares de meias eruas e de cores para
menino emenina a 110 rs.
Duzia de meias croas moito Qaas a
2$400.
Dita de ditas entre finas a 2200.
Linha branca em carlo, 200 jardas a
80 rs.
Iscaspara charutos a 60 rs.
Caixas com palitos de Especia a 160 ra.
Frascos de agua de colonia de Piver a
440.
Ditos de chairo muito finos a 800 rs.,
Lnuin .a IgOOO.
Jarros de banha pequeos a 1600.
Ditos de dita grandes a 3J500.
Frascos de banha pequeos a 320,
grandes a 500 rs.
Sabonetes de espuma muito grandes a
100 rs.
Ditos de mompelas a 320.
Duxia de meias cruas para seohora a
240O.
S^yARf^5S*5C/,aS *!
Ditas brancas muito finas a 3$300.
. Fio de raiz de coral muito fino i 700rs.
Espelhos de columna pede ferro a 11500
Carleiras de agulhaa muito finas a 400 rs.
Ditas de marroquim mais finas a 800 rs.
Baralhos porlugaezes a 120.
Ditos francezes a 110
Groza de botdes de louca brancos a 110
Agua de Lavander muito fina a 640.
Dita frambaila a 600 rs.
Tesoaras muito finas para anhas e cos-
tura a 500 rs.
Caivetes del folha a 80 ra., 2 folhas
a 160 rs.
Cabo de marfim a 400 rs.
Meias airas para homem a 1800.
Proco (loo de todas as cores a 400 rs.
Dito grosso idem a 500 rs.
Caixas de papeleo com alfinetes a 120.
Pares de sapatos de lia para hornean
a 1*180.
Tesoura para costura a 200 rs., e gran-
des a 640
Duzia de botoes de louca para paletolt
a 120.
Sspatiiihos de merino a l$50O, e vella-
dinho a S000.
Rosarios e cruzas de coco, 1 a 120 rs.,
eduzia a 14U0.
Caixas com perfumara a 4
S no torrador,
largo do Terco n. 23.
Quem duvidar ven na ver: maoteiga iogleza
flor a Ige a 900 rs. a libra-, manteiga franceza da
mais superior que se pode desdar a 640 ea 600
rs., massas muito finas para aopa a 400 rs. a li-
bra, assim como se vendem ontros muitos gne-
ros por diminuto prego, e nao se diz o preco pa-
ra nao espantar.
Estados
sobre oensino publico
pelo t)r. Aprigio.Justiniano da Silva
Gutmaraes. Segunda publicacao. A
ven la na livraria dos Srs. Guimares &
Olivara, ra do Imperador. Preco de
cada exemplar 2#.
s.
Magalhes Mendes.
Veode-se damasco de lia com 6 palmos de lar-
gura proprio para mess ou coberta a 1 jOO o co-
rado, riseado escocez para vestido de 4 palmos
de largura a 300 rs. o covado, popelina clara a
200 rs. o covadoOriscadiohos de cor a 160 o co-
ya lo, chitas francezas a 220, 240, 260 e 280 o
covado, .liazinha entestada a 400 rs O covado,
pegs de cambraia branca a l60O, ditas finas a
1*500, 8 e 3500, cebarlas de fustie de cores e
brancas para camas on mesas grandes a 5 e 6,
siia balo de 20 a 40 arcos a 3 e 35500; na ra
da Imperatriz, Ioja de 4 portas n. 56.
Superiores charutos da
Havana.
Ao arco de Sania Antonio, na Ioja de Maia Ir-
Kios, ven ieok-ao charutos.da Havana muito fi-
nos por piscos muito inferiores aos regulares ;
entreellea ha aigemas caixas eacangalhadas que
ae vendem ainda por moito menos.
Taixas.
fteducco ein procos para
atiabar.
Tendem-se no rnunn da Braga, Son & C,
na ra dn Maadji,|aixas de (erro cuado, do mu
acreditado avio Haio, a 110 rs. por
libra. 4;
Wftveilosl
8 ass^BBBBBBsV asma,
_____ ______
> mm W
bbbbbbWsbI
a retarti&
aaittdozas ea
tudo : otrail:
Batuca, Mguoda hija.
o o. 38, paasanti
u m ms mbk- mm -mmmm-m
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res a. 47.
Um grande o variado sortimento da
roupas feitas, calcados a fazendas e todos
estes si vendem por precos muito modi-
ficados como de seu cosame,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e casacos feilos peloa ultimoa figurinos a
26, 28. 30 e a 35, paletots dos mesmoa
pannos preto a 16f, 185. 20 e a 14,
ditos de easemira de cor mesclado e do
novos padrees a 14. 16, 18. 20 e 24,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
rea a 9, 10, 11 a a 14, diloa prelos pe-
lo dimiauto preco'de 8, 10, e 12$, diloa
de sarja de seda a sobrecasacados a 11,
ditos di! merino de cordao a 12, ditos
de merino cbinez de apurado gosto a 15,
ditos de alpaca preta a 7, 8, 9 e a 10,
ditos saceos pretos a 4, ditos de palba de
seda fazonda muito superior a 4500, di-
tos de brim pardo e de fustao 39500, 4
e a 4500, ditos de fuslo branco a 4,
grande quantidade de calcas de easemira '
preta e de cores a 7, 8, 9e a 10, ditas
Sardas 3 e a4, ditas de brisa decoros
aas a 21500, 3. 350O a a 4$, dilaade
brim brancos finas a 4500, 5J, 5500 e a
6, ditat.de brim lona a5ea 6|. colletea
de gorgurao preto o de corea a 5J e a "
ditos de easemira de cor a protoa a 4f
oa 5, ditos defusto branco e de
a 3 e a 3*500, ditos de brim lona a 41,
ditos de merino para luto a 4 a 45O0,
calcas de merino para luto a 4|500 e a 5f',
capas de borracha a 9. Para meninos !
de toios os tamanhos: calcas de easemira
prefa e da cor a 5 J, 6 e a 7, ditas ditas
de brim s 2J, 3 e a 3500, paletotssac-
cos ae easemira preta a 6| e a 7, ditos i
da cor a 6 e a 7|, dito de alpaca a 3,
sobracaucos de panno preto a 12 e a-j
14, ditos de alpaca preta a 5, bonete !
para menino de todas asquslidades, es- I
misas para meninos de todos oaUmanhe,
meios ricas vestidos de cambraia fritos I
Sara meoinaa de 5 a 8 annos com aisao
Jfcadoi lisos a Sisa 12f. ditos de qSmJ
rip da edr sde lia a 5 e a., ditssds,
brim a 51, ditos de cambraia rieamoaU
I bordados para baptisados.e muilas ouUaa
I tazenda: e roupaj Caitas qsa deixam
dade ; assim coato receboraagtoda eqaal-
i^zuei eiicommeoda de musas para se
atondar manufacturar e que para este fin) 1
I tamos um complot d*,sHH
is de gosto e nm
m hbil mostr qno I
i^HR 00 perleicao naO^^^H
i
N^va california
3 DE i
Fazendas baratas.
*Na ra da Imperatriz n. 48, junto a*
padaria franceza.
Corles de cambraia branca com aabaoT- i
nhos 4 e 4500 superior 5, csmsrsiali- J
za com 8 lj'2 vara SJ, 8500, e4, ditas de
Escossla 5, o 6, ritos enfeilee pira se-
nhora 6 e65600, sietes os maia daeadas
para senhora 2500.8, chapeltsa'para eri-
ja anca goslo ioglez 3}500, 4, para baptiaado
I 3, cortes de vestido ds seda Eneosana do
bonitos gosto 12 esli so acabando, rl-
coa lencos de Ubyriniho 1, lfHO:ona de sol para seohora de bonilas cores, Usos
5, cabo de marfim 5J500, cortes de ca-
braia brancos com flor de seda 5. riaca-
9 do francez 100 ris o covado, completos
sortimeotos de baldes de arcos 3, sorti-
mentoa de meias para menino o asnina
200 e 240 ris o par. chales de tarialaia
de cores a 640 ris, lencos branco com bar-
f ras 160 ris chitas inglezas a 180 o 200 rs.
fs) dita franceza a 240 e 280 rs. o covado
es pegas de cambraia de forro com 9 varas fj
a 2j): junto a padaria franceza n. 48.

Novas pechincl^s
na Ioja do Pavo. ^P
Vende-se gorgurao da las padroes muito miu-
dinhos proprios para vestidos de senhoraso me-
ninas a 400 rs. o covado, tendo 4 palmea de lar-
gara, aendo tambem esta lateada muitc prepria
para vestidos de passar a feria no campe ; na ra
da Imperatriz n. 60, laja do Gama & Sitra.
Papel para msicas, pa-
pel pautado e riseado
para contas e facturas, papel mata-borrio; ron-
de-sena Ioja d'aguia branca, ra doQueimado
numero 16.
urna s
Ioja da
A1$ o corte
de caiga de meias cssemiras escuras de
cor; na roa do Queimado n. 22, na
boa f.
Gaz liquido.
Em casa de Samuel P. Johnston 4 C, ra da
Senzaia Nova n. 42, vendem-se lataa com 5ga-
loes de Keroaine.
Na ra do Queimado n. 10, Ioja nova
de portas, vendem-se as segu rites
fazendas de apurado gosto, e por
menos pr^qo do que em outra qual-
quer parte.
Ricos cortea de cambraia branca bordadot a
20, 25 e 30.
Ditos de seda de cor a quila a 80 e 00.
Ditos pretos bordados a velludo a 60, 70, 80 e
90000.
Ditos de seda de cores a 20. 25 o 30.
Ditos de dita preta a 20 e 30.
Ditos de barege com bailados a 15 O 20,
Riquissimas capiohas de velludo bordadas
com mangas a 60, 70, 80 e 100.
Lencos de linho bordados a 3. 4, 5 e 6.
Ditos de dito lisos, duzia a 6, 7 o 9$.
Ditos de cassa com bico, um a 120, 200 e 140
ris
Mantas de grosdenaple abortas renda, urna
a 39000.
Chapeos do palha para aeohora, um a 8e 10.
Ditos de pellica Garibaldi, am 15.
Chapeos de sol de seda para seohora, um 4.
Riquisiraos cintos dourados a 3, 4 e 5.
queijos a lf600 ; na ra das
i outra qualquer oanase l atrasar no aterre ds
Boa-Vista n. 51 lojs, aa os riti ds
do Muniz.
S Gama & Silva.
Grande exposioao de fjeoslas
baratissimas, na ra da Im-
peratriz n. 60, Ioja do
PAVA..
Vende se cortes de phanta-
sia, fazenda de muito gosto
coa* babados pelo diminuto
preco de 4#50G; na ra n
Impenatm n. 68, Ioja que tem
um pavo do lado de frr, fis-
to para nao ha ver engaos.)
3500.
Vende-se ricos corlea de cambraia de aeda
com avental oudaas salas a 3g500 : oa ra da
Imperatriz n. 60, Ioja do pavao.
3,200, 3,500 e 4,000.
Vende-se finissimos cortes de cambraia bran-
ca e de cor com dous e mais babados pelo dimi-
nuto prego de 3200, 3S500 e 4|: na ra da Im-
peratriz n. 60, Ioja do pavao.
A 15#000.
Vende-se finicissimos cortos de cambraia bran-
ca com bordado muito delicado proprios para
baile oa casamento o 15: na ra da Imperatriz
n. 60, Ioja do pav|o.
Nova peeMnc\ia.
Vende-se flatesiaas pocas de cambraias fran-
cezas de carocinbos com 17 1[2 varas pelo dimi-
nuto prego de 8$ a poca, ditaa daa mesmas com
8 3|4 varas pelo prego de 4$ a pega, tambem se
vendem das mesmas s 500 rs. a vara, aendo
brancas e de cores ; oa ra da Imperatriz n. 60,
Ioja do pavo.
Puptlina a 2&0 ts.
Vende-se pupelina de quadrinhoa a imitacio
de sedinhas de quadro pelo diminuta prego de
280 rs. o covado: na ra da Imperatriz n. 60,
Ioja-do pavo.
CUa\y a 500 r^
Vende-se chsly muito fino a 500 rs. o cova-
do : na ra da Imperatriz n. 60, Ioja do pavo.
Sedas a covado.
Vende-te grosdenaples preto muito encorpado
a 1600 e 1800, ditos de corea i'zul, cor de roas
e cor de cana mais barato que em outra qualquer
parte ; na ruada Icoperainz o. 60, Ioja do pavo.
Sedas de (\uadrii\\\os
Vende-se sedas de quadrinhoa fazenda muito
encorpada a 500 e 640 rs o covado : na ra da
Imperatriz n. 60, lojs ds pavao,
Cassas com salpico graudo a
200 rs.
Vende se cassas com salpicos graudos e listras
a 200 rs. o covado. fazenda muito nova : na ra
da Imperatriz n. 60, Ioja do pavo.
Cassas pintadas a 240 rs
Vende-se cassas pintadas auito miudinhos
padroes a 240 rs. o covado : na Ioja da ra da
Imperatriz onde est o pavo.
N Sentido ao Pavo.
Vende-se neste estabelecimento um grande e
variado sortimento de fazendas tanto para ho-
rneas como para senhoras, de todas as fazendas
se do amostras com penhor ou mandam-se le-
var em casa das familias pelos caizeiros da casa,
assim como o respeitavel publico achara todos os
dias uteis este estabelecimento aberto daa 6 ho-
ras da manha as 9 da noite.
Cera de carnauba.
A dinheiro.
Vende-se urna pequea porgo de cera de car-
nauba muito boa, que se acha depositada noar-
mazem da Companhia Pernambucana comiso-
do prego.
Baloes para meninas.
Vendem"-se baloes tara meninas, de todos os
lamaahoa, de madapolao e de mussulina a 3jt e a
na ra do Queimado n. 22, Ioja da boa f.
Cortes do sasss francesa de 1 arios e 3 folhoa,
esas 12 a 15 aras a t500 e 41, liados cortea de
lia paca osMaoota 24 cavados s 5, peca de
am lia esas efe 9 rdea a SOO, 3000 e
1144a larsja hatea, covsd a 2U0 rs .
asmas trancota*. corado a 940 : a ellas,
me saVasaf da roso eso sao presa, ponco pode
aturar : na ra do Queimado n. 44.
Attencao
Veode-se confronte o porteo a [fortaleza do
Cinco Ponlaa o seguinte : carrogas para boi, dita
pava cavallos e para agua, carriohoa para traba-
Ihsr na aifaodega e earrinhoa de mi, rodas pa-
ra carrogas o para carrinhos, eixos para ambos,
torradorea para cri com fogo, baccaa da tornos,
baodeiras do arcos de todaa as qualidades, do-
bradigas da chumbos ds todas os tamanhoa.fecha-
duras de ferrolhos, tranquetas, ferro de embutir
ds todos oa tamanhos, ferrolho de chapa.
Lencos para rap.
Vesde-ae muito barata ; os travsasa ds
do Paraso m. U. ranU de sjasraUo.
Vehde-se sos casa ds Adsssaan, Qswls 4
C.ruadoIrspUbs Novo. 41, klseoiloslasjtozso
aertidss, am passesas latas.
Bramante de linho mrite
sBteriof.
Vende-so ssperior bramante de liaaa asea driss
varss de largura, pelo baratisaimo preco dsSMOa
a vara : na rae de Queimads n. 21, as basa m-
nhecida Ioja da boa f.
Superiores tiras
bordadas*
Na Ioja da boa fnarua do
Qeetanaaa o. 22 as estalaei> ssa sari
ment de superiores Usas ricamente
Vendem-se lencos finissimos de linho proprios 4a* vendem pe* barrio proco do
pera es tabaquistas por serem de cores escuras e
flxaa, pelobaratissimo prego de 6 a denie ; na
roa doQaeimadoo. n, aa bemeonheoida Ioja da
boa f.
Nova remessa de maeaes
Nova remessa de maces.
Nova remessa de mames.
Nova remessa de maces.
Sodr & C. receberam nova remessa de ma-
ces, e esto vendando a 10000 cada urna car-
ia com 200 mages: na ra estrella do Rosa-
rio n. II.
Ricos cortes de medina de
seda.
A Ioja da Boa-F na ra do Queimado nu-
mero 22, acaba ds recebar ricoe corles de
veatido de medica de aeda de iindoa padroes,
a fazenda maia fina, mais nova e mais bonita'
que ha no mercado, cada corte tem 20 e H ca-
vados, e vendeis-se pelo baratsimo preco de
250O0 o cort ; as senhoras de bom gosto que
tuerem de aaaiatir a bailes e a casamentos, se
quizerem levar um vestido ds ultima moda
mandarem ver na mencionada Ioja da Boa-F,
na ra do Queimado n. 22.
Novidade do Pavo.
Vende-se finissimos cortes de esmbraia de
babados largse de duas saias faz&nda que ae
veodeu a 10 pelo diminslp prego-de 4: na ra
da Imperatriz o. 60, Ioja de Gams & Silva.
(
- Vendem-se
Cruzes n. 1.
Attenco.
California de fazendas
por Ado preco, na tua
do Queimado b. 45 na
bem eonlieeida ioja do
sertauejo.
Os propietarios deste estabelecimento estn
fazeodo urna Itquidaco sem limite de prego e
porisso previne ao respeitavel publico eem par-
ticular aos seus fregoezes que prestem attengao
para o que vai abaizo transcripto.
Coletea de velludo de cor e pretos a 5, ditos
de gorgurao de seda a 3 e 45. camisas france-
sas a 15280, caigas de brim, de ganga a 35 e 2,
duzias e meias para senhoras a 3 e a 4, ditas
para meninos a 2. ditaa para meninas 2500.
ditas para bomens 15400 o. o par a 140 e oulraa
muitas qualidades por todo o prego, chapeos de
castor branco a 10, diloa de seda a 55, pannos
para meas a 4 com bnlotas.-dilos ditos a 3900
aberturas brancas a 280 desor ,180, chitas
boas a 120 o eovado, obras ferias da todas as
qualidades assim como tambem tem chalin de
ama cor a 540 o covado, manteletes pretos per
todo o prego a 165, chapeliohas para seabora a
5500, enfeites de vidrilho pretos e de cor a 2f,
lencos grandea de gorgsro de seda prelos intei-
rosl600 e 1 $800, grvalas a 640,560 o 320, vesli-
de aeda pretos a 40 fazendaa que eosteu 6O5 e
, assim como tambem de cor pelo mesmo
;o, ditos que nos custaram 140 ditoa borda-
da velludo a 80 e a 60 cada um, assim
como temos vritud* preto a 2*500 a corado, asta
da-corea a 2500, fil bordado s lf a varaTmuUi
ta finse halles- ds, f
asssBsmia e bsaai
o par, ditos d
o psr
T_
_di,
coma les sotes rsaoguitoa a oasrislab
_ idsnHpiee de caces o are tos sstim prc
macas, corles da aassaiina so caras o r,
ridas do bailas, toda por poses *ss coovi
"!* o,sj aa gsraottasosid ejsravadto asi
5*000 ris a pesa, adrnsda se
denme pesa es anda asarla qsess .
andar melhor sesrido sari, ss raa ds
a. 12 na Ioja da Boa-F.
Ra do
idon.
8
Queimai
Ioja de 4 portas.
Vehde-se chapeos de castor branco
pado a 69.
Chapelinaa da aeda para seohora s 8.
Chapeos de palha para seabora a Tra-
vista a 10.
Ditos de pellica a Garibaldi a 14 a 13.
Camisas para aenbora a S.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vlta.
i'
idaco de ^erta
s fazendas finas.
4
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de relroz para grvalas,
tanto pretas como de cores a 500 rs. : na ra do
Queimado n. 22, na Ioja da boa f.
Meias baratissimas.
A 2^WO a duzia de pares de meias brancas fi,
as nflamen: na roa do Queimado n. 22
na loJHHbaj.
RicdTcortesde vestidos bran-
cos bordados.
A' Ioja da boa f na ra do Queimado n. 12,
chegou novo sortimento de ricos corles de vesti-
dos br.ocoi bordados com 2 e 3 babados, os quaes
conlinusm a aer vendidos pelo baratissimo prego
de 5 cada corte : ni ra do Queimado n. 22, na
bem conhecida Ioja ds boa f.
Cassa organdys a
280 rs., na Ioja do Pavo.
Veode-se muito bonitas cassas organdys a 280
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loii
do Pavo.
Para cortinados.
aopavao*.
Vende-se pegas de cassa adamascada propria
para cortinado 20 varas a 8J : na ra da Impera-
triz n. 60, Ioja de Gama & Silva.
vende para paletots.
Liacinha maito miadinhas de cor sacara pro-
pria para caigas, collete e paletota a 400 ra. o
covado: aaiaa da Imperatriz n. 60, Ioja de Ga-
ma & Silva.
Roupas feitas ba-
ratissimas,
NO
armazem de fazendas e
roupas fertas
DE
Raymundo G. Leite & Irmo,
N. laRa da knperatmN. 12.
Neste armazem que ora se acha bastante sortido
de ronpa felta de todas a qualidades, tanto pa-
' *_-.** ** Mda homem cotao para meninos, se esto vsadendo
"r nuito finaa a aa mesmas por baratsimos procos, como se-
RUA DO CRESPO lf. 17. <
Riquissimas chapelinaa de soda para '
aenhoras, de diversas cores a 12.
Cassas de cores bonitos padroes a 240
rs. o eovado.
Cassas e organdys de coros a ISO ra. o
covado.
Chltaa de todaa aa qualidades e precos.
Muitisaimas fazendaa finas que ae ven-
dem por pregos bsratissimos para liqui-
dar, da o-se amostra daa fazaadas.
s que so ven- W
103 para liqui- #
izaadas. da
Superiores organ-
dys.
Na lojo da boa f, na ra do Queimado n. 22,
vende-so Qnissimo Organdys de maito lindos pa-
droes, pelo baratissimo prego de 720 rs. s rara,
fazenda de 1200, e quem nao andar muito de-
pressa flear sem a pechiocba oa ra do Quei-
mado n. 21. oa Ioja da boa t.
ag Em casa de Kalkmann Irmaos
f| & C, na ra da Cruz n. 10, exis>
(tt te constantemente um completo
$ sortimento de
3 Vinhos Bordeaux de todas as
qualidades.
H Dito Xerez em barris.
0 Dito Madeira em barris e caixas.
Q Dito Musca te I em caixas.
A Dito champanbe em gigos.
Cognac em barris.
Cerveja branca.
Agua deSeltz.
Azeite doce muito fino em caixas.m
Alvaiade em barris.
Cevadinha em garrafoes.
%

Vende-ae 016 liao muito fino a
tarlatana braoca maito Bao, Unto ama
mo ostra ao proprias para vestidos, nao s para
bailes como psra aaaistir-se a casamentos, aadaas
sntes que se acabe na raa do Qariasade a. 21
na loia da Boa-F.
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Russia da ass aora a
superior que ha no mercado e a preco ssatto
commodo: no scriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Ra do Queimado n. 19,
Armazem de fazendas.
DE
SANTOS COELHO.
Chales de merino estampados Baos com listas
e franjas de seda a 95.
Toalhas de fuato a 500 rs. cada asas.
Gravalinhaa de cassa moito liadas para ns-
mem e meninas peto barasaamo preco da HJO
rs, cada ums.
Chales de merino lisos'de toaos as cores.
Cortes de pbantszia de seda pelo barato proco
de 8.
Cobertas de chita gosto cbinez a jfSOO.
Lenges de panno do linho a lMt.
Ditos de bramante grandes a 3)309.
Vestuarios de seda paro meninos a saat'
a 88000.
Cortea de easemira finan a 4fS0O.
Capailas brancas para noiva a 5.
Bramante de linho cota 10 palmos a 2f a
Sortimento de baldea psra saaaora a 1
Bramante de algouao coas 10 palasea
a 1280 a vara.
Casemiras a
4.000 o corte, na
Ioja do Pavo.
Vende-se finissimos cortes de
raenfestada de cotes pelo
preco de 4$ o corte para caiqas,
como tem das mesmas para vender a
2#i00 rs. o covado propria* para pa-
letots, calca e collete, recommenda se
muito esta fazenda aos Srs. sItaiates que
costumam a fazer roupa pan render,
porque tao cedo nao acham urna pe-
chincha igual : na ra da Imperatriz si.
60, Ioja de Gama & Silva.
Gravatas da moda.
Vendem-se gravalinhaa eatreitas muite aaaa-
riores, Unto pretas como de corea, palo bararla-
aimo prego de 1; na raa da Queimado a. 12,
na Ioja da boa f,
Raiz de coral.
Na Ioja d'aguia da ouro. raa 4a Csboai a. I 1,
vende-se a verdadeira raiz de coral a Mira, s ie
a^^e^
E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40la do Oueimado-40
Defronte do becco da Congregando> letreiro verde.
VENDE-SE O SEGUINTE:
Para casamentos.
com rasas s capells, a
ir.dltoa de seff lisas paraaenhoni jam r sobrecasacos de panno flno obra inleira-
aasim como bordadoacom bico W mente boa por-aaa feiu a moderna a 265000, di-
tos de panno
pode deseisr
a 185OOO. diU
12000, ditosJl
caaemlra da o6r
HewloAC,
m I
roa
^ona a fik
fioderoMT
r Sopenorea Untas de todas as cores.
Selllns.iilboes, e arreios para sarro oucabriolet.
ciaamlra
fraoc
a obras feitas, as quaes todas
pfegbs multo cmSodoS.
or que aa
mira fiaos
00 gosto a
toletes Be
de brim
2|a00, caicas Oa dita fiaos
1. aaarija^asas^d* abM-
or da atases nao a 8JOO0.
uoiormss dal
Sm
Ricos cortes de vestido de fil ou blond de seda braoca
maia moderno o superior que ha no morcado.
Para bailes.
Liados cortes de vestidos de fil ou blond de seda braoca bordadas
coree.
Ditos da tari Uan branca boradoa a branco e caraav i anlfc
Ditoa ds esmbraia branca bordadas a branco coa moiU eUgancia.
Saias bordadas
ftisaa aaiaa do caatbraia bsaocs boedadas coas o mais aparado gasto i
que na 00 mercado.
Ditas de dita recortadas maja birrias. *
Para baptsatfo
Micos cortes de vestido de cambraia brinca bordados com malta elegancia,
mais moderno e mus sanarior qns ha no mamada.
Manteletes .
Ricoe Daaatesriaa aa soda da soasa a p re toa bordados a Usas esst sassitss, basa \
i oemo erren dadas, por pregos conmedss.
Pecas de cambraia usa larga flaa com
Ricos lencos de cambala de
IssbbB
sea.
!l$ raras, i maito barato.
35,49eS| cada de
re vendem
ME*
II
:


DliftlO
8
n
3$W.
di ntimi^ sext,
AmBAiDIODTBROtftflf
==
Saialilorftia.
Vendem-se corte do eambrala otgandys so
barra 3J o corte ; na rut da Imperalriz n. 48,
Vende-se taberna na ra do Padre FVorieno
n. 74, muito bem afreguexsda o de poocoa fundoa
propria para principlante : quena a pretender, fll-
rljt-se mesma para ver e tratar.
TVende-ae ama eserara invito moca coro to-
das as habilidades ; a tratar na ra da Santa
Croa n. f.
emcawinhatde8el6hbra* omelhor
qeto pt>de desejar neste gnero, ven-
de-se tanto em porfo eomo manan i
nicamente no armazens Progresstro--
ProgressUta no largo do Carmo n. 9 e
roa dasCruzes n. 36.
Cheguemfreguezesaoar-
Inazem da estrella no
largo o Paraizon.44.
Msntetga iogleza flor a 800 rs.. fraoceza a 640,
c,Afw2.0 ** hjumt a 2|5O0, caf lavado
a 260 e 199 rs., toucaho a 320, rroa a 100 rs.,
batatera fjBrs., cebla a 1*880 o cento. esperraa-
ceta a 769, bolactanha iogleza ora a 160 a libra,
barrica a I, sabio mus. a 160 e 200 rs., branco
a 280. queijo* do rapor a 29240, hervhas a 800
rs. s lata, farioha do Mraahao a 200 rs. a libra.
aieite doce J20. de carrapato a 440, vinagre da
Lisboa a 240.
Os senhores donosde co-
eheiras.
Ha mil lio a 3#00 o sacco no arma-
zea d Machado 4 Rodrigues ra da
Madre de Dos n. 6, e o comprador
querendo "mais de 10 sceos faz-se dif-
erenca no preco.
Venda de urna cas-,
Acha-se venda urna casa terrea na \ra da
Alegra n. 42. cosa bastantes oosamodes para
drande ramiiia; quem pretender, dirija-sp a ra
ge SaoU Thereza o. 16.
Convida.
=^=
45 Roa Dir
Magnifico sorti
Spre foseeadsat
|fr.,aeoa.ooallre

______9K4JK
Na ra da Cruz n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos &C, tena ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir movimento, canudos
de borracha de qualquer com-
prime nto e gronura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigo* tomam-se en-
! commendas.
Obi madapolo.
Vendem-aa pecas de adapolao Boa enfeata-
do a 39 a peca, di tai de eaaaaa adamascadas para
cortinados a 3, ditas do cambra ia do aalptcos
grandes o miados a 29 a 3, corlea de chita de
corea gnascoaa 13 corados por 2&500, rateras
de damasco de lia por 4. pegas do riacadinhoe
de cores cora 38 covado por 69, coberlaa do gro-
xe por 89, cortea de cassa com 7 barrea per
2g5O0. di toa de cambraia de babado a 2500. 3 e
35O0; na ra da Imperalriz, loja da 4 portas a.
56, dalsagalbes & Meodea.
10*000
toooo
99500
aooo
8*500
4500
5;
iteiro con oa
... eiro, a proprbrta-
rio deste grande eatabaftfaaHp eaatiawa a of-
lecoeer an nontis, por preeSlaandlcoa naempre
feriares aes de airo, ara bella aortissento
da cateado francs, iatgVaz o braaileira a vejasn :
Homem.
Borieguin* Vctor Emmanuel. .
oaro ale porco. ....
lord Psimerslon (bizarro .
a diverso* fabricantes (leetrej
Joha JUsaell. .....
Sapa lo* a Naota* (balera inteira). ,
> patente. ........
Sapeloa trance (porluguezes). ; .
(l/ancexesl. ....
g entrada baisa (sola e vira}. .
> muito chique (ama sola). .
Senhoras.
Borzeguins primor (Jory)......
brilh satina......
spa alta. .......
baila. ;
31,. 33, 34.....
decores 32,33,34. .
Sapatos com salto (Joly). .....
> francezes fresquinhos. ... 2240
> 31,32, 33 e 34 lustre. IJfOOO
E um rico sortimento de conro de lustre, be-
zerrofrancez, marroquim, sola, raquetas, cou-
rfnhos, fio, taxas etc., por menos do que qual-
quer outro poda Tender.
A vitrva de Manoel Penetra Maia vende
duvs casas para pagar aos credores, sendo urna
na roa do Amparo n. 1, es outra na ladelra da
Misericordia n. 2, todas na cidade de Oliod'a.
Vende-se a taberna sita na tra-
vessa dos Expostos n. 18, bem afregue-
zada para a praca : a tratar na mesma
a qualquer hora do dia.
5f5O0
55600
ai os, roa do Amo riso
Iem-gi
s*rt*aaa*,oae para es>alie e ootrs para
> cuspo um boi novo, mease e malte
odo ; nos Afogadea. ras
o engeabo oraahi, na fregosla do Pao-
d'Alho, vendem>el6be da corris e 16 aoi-
raaas da roda, iffdoa ordos, a dinhe'ro i vista.
Vende-se nasa caaa em Guiante, na ra
do Velo, de podra o cal, bem construida, tendo
3 salas, 4 qoarios. copiar, oozinha patada tora,
quintal murado, com com modos para padaria,
cacimba e estribara para 2 csvalos, tudo em
bom estado ; a tratar no Recite com Guimaries
l Aleoforado, ou em Golanna com Frvncueo
JotdsSilva Peralra: e tambera sluga-se
Tendem-se dona eacravos, sendo om crieu-
lo.idsde 18 annos, e oulro cabra, idade i'an-
nos, smbos com bonita figura ; a tratar no ar-
mazem de Guimaries & Aleoforado n. 34.
Tende-se a caaa da na do Padre PloHanno
n. 54 *, no pateo o Parzo n. 10 se dir quem a
vende.
Na ruado Queinrado, loja de ferrsgens n.
13, tendem-se queijos dovos vindos dos portos
do norte pelo vspor tJsgnartW.
' fende-se um rico presepio obra de bom
gesto e bem construido : na rus da Aurora nu-
mero 66.
Sementes de hortaliza,
Vindas pelo ultimo vapor inglez na
ra da Cadeia loja de ferragens de Vi-
dal & Bastos.
Vende-ae um cabriolet americano de 4' ro-
das : os coebeira do Sr. Barros debaixo do con-
vento de. Sanio Antonio.
Libras sterlinas.
Vende-ae no escrlptorio de Msnoei lgnscio de
Oliveira e Filho, largo io Corpo Sanio.
Escravos fqgidos.
Fugio da fabrica da sabio da ra Imperial o
escravoCarlos.de naci, tendo 00 signaos se-
guintea : altara regular, olhoa grandes meios
coaartos pala paipetra, coso a* urna peraa, etc.,
tai sanara da Sr. Aatono Carlos Francisco da
^aallll^Ball^rZ^MSSI*^BalllllllllllllllllH
o escraro tiraba fugado, pelo qaa ala sa
aassado a esc
fleo 11 da OaflH^
Var ****'
m
cbi
atrdo, daawmaiss......mm__
teiro, claro, alto, seceo, cabellos c-a 1, por-
os s baaSsaU aorapriaas, o com m m^Urmgm
qaw 6 ser esdboto, idade 22 aafoa, pouco
oa araos, sam barba, oficial de pearetra, tam-
be piala, Irabalba om poaeo da foaileiro : o
outro 4 crtoato, ge nomo Eliaa, cor fula, bem
parecido, catatara e eorpo regulares, bem bar-
bado, e4 otlcisl de tsnoeiro : quem ot pagar,
leva a seo senhor o mojor Antonio da Silva Gas-
alo, ra Imperial, que ser bem gratificado, e
Igualmente recommeoda-oa sa autoridades poli-
ca*.
Escravos fgidos.
Fugiram junios no dia 30 de setembro do tr-
renla anuo, oa eacravos Goocalo e Luiz, com os
aigoaes seguintea: Goncalo crioulo, de idade 14
a 15 annoa, seeco do corpo, levando caiga do ris-
esdinho de quadros o camisa de algodio delistrs,
Luis crioulo. bem preto, altura regular, diz que
padree de calor de Osado, lem as verilbas urna
ou duas tulas, filho dss bandas de Pedras de
Fogo, da provincia da Parshiba: roga-se, per-
ianto, a todas ss autoridades policises, capilies
de eampo oa qualquer pessos, que os spprehen-
dsm e trsgam i ra do Queimado n. 10, loja de
Ferrio & Maia, que se dir o dooo dos escra-
vos, e gratificar generosamente.
Escravo fgido.
Tonda sido autorissdo o Sr. alferea Jos Bed
de Atauja por O. Clara alaria da Conceicio, de
ViUa Bolla, para vender a seu escravo Manoel,
crioulo, de 15 annos de idads, de rosto comprido,
cabellos carapiohos, olhoa pequeos, nariz chato,
banca pequea, cor preta a eem barba, signaes
eslesque conatam do passaporte com o que o
mesmo escravo voiode Villa Bella, succedea que
a diioSr alteres Bed tratou a venda do referido
escravo com o Sr. Joaqoim Maria Pereira V ianna,
que ae achata hospedado em casa do Sr. Joko de
ISequeira Ferrio no dia 26 desle mez, e lh'o en-
tregou, maa dentro de duaa horas o Sr. Yianna
procurou Sr. alteres Bedft e declarou-lhe que
redor U a lo a com absise-
1H dito escravo (agido, a tal
^Rbte realssada ; pasa sao a
a. 7f, carta
Oasta ssaa.
aSsaaaisdadsa
a gas sisjlsjyKsfaa\sis pac ventara
onde atiaba tal osera va, en a enearar
quo o prendam a facaos recelaar A ptiata.se
ato ka daaaa cldad-
sua ratidencia na raa do
de que roeompenui
protesta o abafxo-l
que por veotnra o
proceder civil e criminal
Adveda saais abaisa-
lbe assevera referida Sr.
vo amas ssrnaa as peraaa, lavsa v>
misa da algodio branca caica im brisa
do, tendo ssbido sem chapeo.
Sil vina Gailbarma da Barros.
acontado, porqnaalo
ea-
Fugio no dia 17 do
anno do engenho Algodoaaa, sitio da Sai
Francisco Josqaim da Bocha, sam prole do
Alexaodre, do naci Angola, reprsenla 3
nos, alto, seceo, bem preta, pansa barba.
embranquicados, com aignal da ferida no
vello de um doa bracos; qaem o
dito lavrador, que gratificar.
Fugio do dia 29 do [
lato de nome Fernando, baito, graaaa, cabello de
cabocolo, toca violto e r a beca, caeta ajaa Um
urna amasia no Caminbo Novo, a j (ai vista ata
estrsda do Hospicio para Santa amar*: ajnaaa a
prender ser recompensado n raa do Apollo a.
6, deposito da fabrica do bteatoiro.
Desappareeeu no dia 13 do crranlo, aa'mV
tio do S. Joado Haogninbo, o eacrav crioolo,
maior de 50 annos, da nomo Joagaiaa, tasa oa
signaes seguintes: cabellos braacoa, alto, anteo
do corpo, e oaa alpargatas ; este escravo foi pra-
priedadedo Sr. Manoel Jos Pareira Pacheco, da
Aracaty, d'onde veio para aqai fagido : rota
a todaa aa auloridadea policises o a anea ajana
que o encontr, do o capturar o ontroga-lo a*
itio cima citado, ou na toa do Trapiche a. 15.
a Jos Teixeira Basto.


Dos pemios da 2.* parte da 5.' lotera, a beneficio da matriz de S. Pedro Martyr de Olinda,
extrahida em 2 de outubrode 1861.
NS. PREMS.
3
6
7
9
13
17
19
23
26
38
41
43
45
48
64
65
70
77
86
93
99
181
2
3
9
12
13
15
17
19
20
21^
22
27
37
41
43
44
4*
7
54
55
60
62
5
72
73
76
89
90
92
96
99
203
4
.5
'
7
15
20
21
30
31
34
5
10$
5
209
20
sa-
to
5
NS. PREMS.
337 5g
88 -
39 -
43 -
44 -
51 -
53 -
54
56
99
67
68
75
81
87
88
-
20
5S
90
92
93
94
96
98
404
7
8
11
12
13
16
17
19
24
NS. PREMS.
618 5
26 -

aof
5
100
5
20
5
10
5
ios
5
10
5
10f
5
40g
5
37
39
43
46
18
5
55
59
00
67
8
70
72,
74
82
83
89
90
91
94
96
97
* 98
305
j a
t
i
20
29
31
32
33
37
41
48
50
5t
65
66
73
74
76
79
82
83 6:000
86 5
90 -
93 -
9 -
500 -
a -
3 -
6
7 -
11 -
12
18 -
21
25
26
9
86
88
39
41
45
46
50
52
55
59
,W.:,
71
73
76 **
79
81
6f
88
4)9
n
97
-L
100 o
5 600
10
190
5
10|
5
33
37
40
44
45
47
59
61
62
63
65
69
71
75
78
81
88
90
92
04
96
701

6'
9
12
14
16
17
20
21
24
26
27
26
29
32
33
37
39
41
45
47
59
60
61
63
65
75
79
87
88
95
96
800
2
4
5
9
13
16
20
22
24
25
SO
86
38
45
M
58
66
4
71
74
76
78
80
81
sa
86
10
5
5
N8. PREMS.
924 5
29
i 35
| 38
39
42
43
50
59
63
66
67
69
71
84
86
89
92
95
1000
5
8
10
ios tt
40
5
10
5
ios
5
20
20
5
ios
13
14
18
22
26
30
34
35
39
40
42
45
53
54
56
5
19
5
NS. PREMS
1264 5
66
70
78 -
80 20
82
84
86
87
88
90
95
98
1804
6
10
11
13
13
19
21
30
33
38
40
42
43
45
50
56
NS. PREMS INS. PREMS.
5 58
61
62
10
10
5
10
5
10|
5
20*
5f
201
5
65
68
71
79
88
92
1107
8
9
12
14
17
18
19
20
14
27
29
37
49
44
53
55
56
63
69
75
76
78
80
87
20
20{
5
59
61
62
64
65
67
70
71
74
78
79
80
82
88
92
97
1402
14
25
29
.30
34 .- -
35
1543
55
59
*n7
72
76
79
80
84
86
89
91
94
97
1606
8
11
18
21
22
24
27
29
30
31
51
54
56
60
61
63
67
68
69
70
73
75
76
79
82
84
86
89
92
96
99
5 1828
29
30
33
35
38
40
44
46
48
49
50
51
52
54
56
57
58
60
65
66
70
74
73
83
85
87
1903
6
20
5S
10
5
108
5
11
12
13
14
17
18
19
5
y
91 1.000
92 59
99
903
5
9
1
14
98
99
41200
1
5
i
tt
19
20
31

-1 33
36
38
44
47
48
60
61
63
64
65
69
73
76
78
80
81
84
87
10
3
20
59
1702
4
6
8
9
10
16
22
23
24
25
26
as
33
34
35
36
87
40
41
42
47
52
56
59
62
63
10
5
23
31
84
36
39
40
43
46
47
57
58
66
69
72
80
96
97
98
12602
6
7
10
15
20
5

20

69
109 72
59 76
. 80
62
86
87
89
' 99
~- 92
108 94
5 95
_

5 2135
36
201
5
IOS
5
NS. PREMS. i NS. PREMS.
IOS[2437
5 38
40
Z -
10) 2 ~"
ios
5
17
23
24
80
31
34
35
37
42
45
46
48
55
63
64
71
96
80
86
87
92
96
97
99
2105
8'
11
14
15
46
47
50
51
53
62
64
67
76
78
81
82
86
88
92
98
99
2202
4
6
9
11
14
16
22
23
25
37
43
45
47
54
55
57
58
59
62
68
69
77
79
89
91
96
97
98
2303
14
15
21
23
24
32
34
36
21
38
39
45
46
47
52
54
56 .
57
61
62
63
64
67
68
75
76
78
83
93
97
2401
4
T
9
40
ti
n
le
L. fif
30
51
20
40
40
5
20
5
to
59
41
42
44
47
48
50
57
61
62
63
66
67
69
77
79
82
85
93
99
2501
13
15
90
22
25
26
30
31
33
34
39
41
42
44
46
48
53
57
61
71
72
73
' 75
36
83
85
88
91
97
98
2603
4
ios
sJ
40
5
NS. PREMS.
5
10
5
20
5
2722
23
24
27
.29
35
36
41
44
47
56
57
60
62
66 -
69
71
73
77 .
85
86
89
92
94 *
w
2801
3
4
5
6
9
14
16
17
23
24
26
36
39
42
48
50
52
55
56
60
61
20
a
NS. PREMS.
59
40
5f
97
99
3609 - _
18
24 _
33
45 m
49 *
51
56 3.0009
63 5
NS. PBEMS. NS. PREUS.
3257 5J 3518 5
60 20
ao
5$
208
5
10
5
10
5
1091
5
5
7
10
12
13
15
17
18
23
26
27
30
32
33
36
39
40

49f
59
62 108
63 58
78
80 -
82 -
83
85
86
87
92
94
95
99
200
5
44
49
50
54
57
61
71
74
75
78
80
85
ea
90
96
|4sK
11
10
209
58
10
59
205
59
2900
1

4
6
8
9
14
15
19
20
28
80
32
36
87
40
44
47
49
57
58
1
3
68
69
78
77
65
67
68
77
78
82
83
87
88
89
93
94
95
96
97
99
3101
2
8
9
10
13
19
21
23
24
26
29
30
35
37
41
43
44
45
50
i
53
55
61
62
63
64
67
68
69
71
76
76
77
85
.86
88
92
94
98
99
109)3208
* "6
10
-5
10
59
10
5
67
69
71
72
85
87
69
90
91
94
96
3303
4
8
11
12
13
(w
17
19
24
25
28
29
31
38
42
43
44
50
55
58
62
64
65
67
10
59
10
5
23
29
31
32
34
36
37
38
41
43
46
50
51
56
59
66
61
63
67
10
% 5
100
5
10
5
10
5
ios
5
108
io
5
5SM 82 _
10
11
14
16
31
24
25
88
ta-
sa
39
41
48
48
48
71
84
86
87
89
92
94
95
96
-] 97
3401
4
7
8
12
14
17
_ 21
22
28
24
28
81
20 33
36
37
41
47
55
57
58
62
63
64
75
78
77
78
79
SO
82
89
71
75
77
80
84
86
90
94 20
95 5
NS. PREMS.
3838 5
39
41
46 _
47
49
52 10
55 58
61 20
62 58
63
68 " 208
69 10
72 58
9
108
58
89
92
84
8808
3600
2
3
5
9
11
20
25
28
29
32
35
43
50
52
88
80
67
72
73
77
10 79
81
88
90
92
95
3706
47
86
26
28
30
38
37
43
45
54
55
56
57
4
70
72
76
78
80
81
9
84
408 %
- 38
II
-| 15
8Q 10
40
58
10
5
408
58
100
58
10
51
10
59
73
74
76
81
82
86
87
99
92
94
98
97
99
3900
8
23
24
25
26
27
28
31
32
33
36
37
38
43
47
48
51
55
56
69
64
66
78
78
81
84
85
86
87
92
96
98
4004
5
6
7
6
9
10
12
13
14
47
1
20
25
83
101
* 86
36
39
44
46
50
95
56
#S
65
I
101 88
b 74
108
58
10
5
NS. PREMS.
10
10
5
10
ios
4088
95
96
99
4100
1
3
4
6
11
16
24
26
27
28
29
30
37
38
40
43
46
47
53
59
61
63
64
75
78
88
65
88
89
90
91.
96
98
4209
18
14
19
21
22
24
30
33
34
36
89
48
51
55
58
59
61
63
64
76
80
5
NS. PREMS. NS. PREMS.
4366 5 4647 5
20
5
40
ios
lo
5
79
80
83
90
95
98
4402
5
6
7
13
15
16
20
21
22
24
31
36
38
39
45
46
48
49
50
53
56
57
58
60
62
63
64
67
68
80
93
95
96
99
4500
5
ios
10
5
10
5
10
5
200
58
84
85
88
91.
93
87
A *
4901
4
10
H
7
8
12
14
19
21
22
25
26
27
29
39
33
34
37
40
42
44
45
46
49
54
55
56
57
60
63
64
66
67
50
51
54
56
57
59
60
61
62
63
74
83
88
89
94
4700
1
2
3
5
7
8
13
18
21
22
27
30
32
35
37
40
41
46
50
52
55
56
61
63
65
74
77
78
80
83
87
92
4800
1
10
5
10
58
6
7
8
10
12
15
17
20
21
408
58
208
5
40
5
208
59
10
58
40
5
1081
59
208
59
2
5
11
14
16
18
25
31
34
36
37 -
38
39
4
49
50
52
53
51
56
57
62
63
65
66
20
5
10
H
20fl
5
_
10
5f
10
5
44
46
48
49
51
.54
55
16
56
^58
ios
5
NS. PREMS.
4947 58
50
51
60
62 -
63
65
67
82
83
86
89
. 90
93
94
5001
5
108
5
NS. PREMS-NS. PREMS.
22
25
26
28
30
34
35
36
37
40
41
44
45
46
47
54
58
60
62
63
64
67
73
n
78
79
80
81
86
91
92
3.
94
99
5102
4
10
11
12
13
14
18
20
11
92
33
35
28
32
84
*7
42
43
20
58
40
5
IOS
58
10
5
100
5
5175
79
81
82
84
89
90
91
92
95
96
99
5200
I
11
12
14
18
25
35
39
i
43
44
45
46
48
51
52
53
55
57
60
61
63
66
70
71
73
75
81
83
84
85
86
95
96
97
99
5304
7
9-
12
14
16
17
10
5
10
5J
5
109
8
18
19
21
81
83
36
38
41
42
43
44
46
50
51
55
56
59
60
68
69
75
38
89
93
94
95
09
5400
1
2
5
I
T
13
5
ios
5
208
408
5
10
5
5439
40
42
44
49
50
51
57
65
66
69
75
77
82
84
86
88
90
92
94
5501
3
8
10
16
22
27
28
29
31
94
36
37
42
43
49
51
58
55
57
60
81
62
63
65
67
68
74
76
81
84
93
95
97
99
5600
1
2
6
to
12
17
20
14
33
t 48
44
4
5
81
53
57
58
89
81
68
67
68
70
TS
75
18
5|
VI
58 5725
31
iaj
5
18
a
NS. PREMS-
5f

40
5
408
20
a
19
5
48 _
48 -
50 -
51 tOf
5 5f
68
65
67 -
76
78
88 -
83
88 -
88
90 -
82 -
84 -
95
5861
8
5 568
8 5f
19
11
14"
15 -
1
21 M
-I 5f
38
35
17
48
48 40
47 16
48 58
54
58
82
71
71 -
78 .j.
89
81
87
88
91
94
98
5900 -
1 -

18
I 15 89
28 58
89 -
59 17
89 48
58
87
5
18
38
28
48
8
47
48
81
81 18
5
87

;
18
a
Sfl


(8)
"mrMXfMWr ffV^fw^i^LWWPJM .
Litteratura.
Un amor aa Lapoaia.
A' Sr*. eosriissA Lalra S^uowsk*.
(Concluido.)
XXXIV
Ouviodo as palaytnajip roissienatjo.'o* enti-
timetitoa do joven 3 singular
mistura de ternura e de violencia;- de recoohe-
cimento e de colera. Su orgulho irritava-Se
o penssmepto de fugi, por quinto era urna fu
ga que Ihe propurjharn diant de um punhado
Taris: porenf oio esteva menos, tocado
da.vIclair,Qil0 ta0 profuada, do desinterese to
prrp dessa corajosa moga, que no meio de tan-
tas cSiasltoihes e desgrages, sob o golpe da rui-
na quasi completa de it propria e dos seus, se
esquecta. para s coidor nelle. Vendo-a tomar
eoa-o uro secreto prazer em augmentar assim to-
dos 9S dias-sai divida de reconhecimeDto, elle
vii*se forgado a confessar que jamis a pagara.
Norra emlra punha tanta simplicidade e tanta
griga un aervigo prestado, pareca to feliz do que
seu amigo Ihe permitliria fazer, que ora ella na
verdade qnem pareca a obrigada.
Henrick flcou tocado quanto poda se-Io ; pe-
gou em auas duas maos, as quaes apeitoa as
uas com udjj ternura commovida, e acaricioo
sua fronte e'Veus cabellos negros, dizendo-lhe
com esse accento compenetrado, que s o cora-
eo porte dar roz.
Oh 1 Norra 1 querida Norrasinha 1 tu s de
certo a melhor creatura do bom Dpus 1
Grossas lagrimas btilharam pelas faces da jo-
tcd Tapona, e fpi com a mals ardente ternura
que Ihe responden :
E's tu, que s bom de te dignares permit-
ir que eu le sirva.
Nao teodes lempo a perder Imurmurou o
misstonario, que nao sabia bem que semblante
conservasse em presencia desses testemaohos ao
mesmo lempo castos e epaixonsdos de um senti-
ment, que elle era forcado a condemnar e que
quizera aoengoar.Nao tendes lempo a perder:
os quenes podem chegar de um instante para ou-
uo ; talrez que estejam sobre nossos tragos. Coo-
pera que deixemos o paiz, antes que elles te-
nham Udo terapo de descobrir o retiro de Henri-
ck e de Ihe cortar todo o camiuho de volta para
os seus.
Nestas longinquas extremidades do reino a ae-
gio do poder central nao tem mais a torga do se
fazer sentir, ma grande parte dcixada ener-
ga individual; onde o estado pouca cousa, o
individuo deve ser muito, e cada um, sentindo-
se tao poueo protegido, comprehende a netessi-
dade de se defender si proprio.
Onde queres ir?perguntou a laponasinha,
que bem sabia que Henrick devia ir tercom Ed-
wiaa, mas que nao queria pronunciar o nome
de sua rival.
Tinha necessidade,respoodeu o official,
de estar no cabo do norte quinze de julho.
O caminho loDgo e o lempo curto,diz
Norra ; partiremos amanha.
Felizmente a tribu dos Kilpis mais de urna vez
percorrra esse caminho. A donzella foi pois pa-
ra os dus suecos um guia verdaderamente pre-
cioso no meio de todos esses perigos dos panta-
nos da Laponia, tao perigosos e tao prfidos pa-
ra o viajor, que nao os conhece.
Olavo senlia-se cada vez mais desviado de sua
missao; porem era elle tim homem desenso re-
to, ura espirito pratico: labia fazer a parte das
circunstancias. Seus deveres nao eslavam es-
trictamente determinados como os de um cura de
aldeia : deixava-se muito i sua intelligenca e
esponuneidade. Elle comprehendia que nao de-
vn deixar esses jovens; talvez que sua presengs
fosse til Henrick ; mas cerlamente anda ella
sena necessaria Norra. Por de bem que fosse
o carcter do'maocebo, por puras que fossem as
inteoces da donzella, nao hatia por ventura pe-
tigosnessa liberdade da solido, que approxima-
va assim urna creatura, apaixooadamente namo-
rada de um sabio de vinte e oito anuos, o quai
em um momento de esquecimenlo poda Iludir-
se si proprio, e tomar seu reconhecimento por
amor ? r
O bom sacerdote pois resolveu acompaohar
nossos dous beres at o termo de sua viagem e
s deizs-los oo momento era que se separassem.
Camioharam sem incidente durante alguns dias,
nospedando-se, ora, em casa dos camponezes,
quo se abre sempre generosamente para o es-
"aogeiro ; ora, em casa dos sacerdotes da costa,
tehzesde accolherem um co-irmao em perigrina-
C aos quaes o titulo de Henrick iropunha um res-
peito e exigia deferencias, das quaes approvei-
tavam seus dous companheiros. Mas, neseas pa-
ragens longinquas os gaards dos cimponezes, as
casas dos funecionarios, os presbylerlos dos cu-
ras sao mui separados uns dos outros, e nossos
amigos mais de urna vez foram obrigados a se
contentaren com alguma caverna nos rochedos,
com alguma choupana abandonada por pastores
errantes. Huiias vezes roesmo elles nao liveram
outra cama que nio a ierra na, outro abrigo
que no a celeste abobada azul.
Dingiam-se sempre para o ponto da costa, on-
de Henrick sabia que havia de encontrar barcas
ce pescadores para passar o estrello e ebegar
ilna onde est o cabo do norte. Infelizmente po-
rem os fiordt innumaraveis, que penelram s
vezes tao no interior da Noruega e quo nao sao
atraveasados por de qualidade alguma, nao Ibes
permittiam seguir a linha das costas, e condem-
navam-os muitas vezes desvos tao longos quan-
to penireis.
Esaea caprichos do caminho nio tinham so-
niente o inconveniente de demora-ios muito; ex-
puohara-os anda a encontrar algumas aldeias
Immigas.
Com effeilo, as tribus quenes estendem-se na
direceo do noroeste, e Norra, ao tacto de seus
uzos, nao duvidou que elles tivessem sido preve-
nidos do caminho, que tinham tomado. Norra
, que os'conhecia melhor, era tambem quem mais
os temia. Coropreheoder-se-ha desde logo com
que terror ella notou na vespera do dia, em que
juigava terchegado ao termo de sua viagem, que
se achavam justamente as raas do territorio de
seus nimigos. Espios, destacados alguma dis-
tancia, voltaram aldeia para darem o alarma,
e nossos tres fugitivos nao duvidaram que iam
ser perseguidos. Nio tinham que esperar quar-
tel se o encontr tivesse lugar. Quanto resis-
tencia, nao convinha mesmo pensar Bella : o que
podiam fazer dous homens e urna donzella contra
urna tropa?
Norra mais urna vez anda foi a providencia
de nossos amigos. Lembrou-se que viera s
mesmas parageos com sua tribu e que o velho
Peckel Ihe mostrara urna passagem Ira vez da
moDtanha, frequeotada outr'ora pelos lapes,
desconhecida taivez aos quenes, e que po-loa-
a em algumas horas fra de todo o perigo.
A entrada dessa passagem era por detraz de
grandes rochedos, em um bosque de ocluas,
algumas centenas de passos da estrada.
Ja os quenes armados mostravam-se entrada
de sua aldeia, quando Norra e seus companhei-
ros desappareceram no espesso lojo.
Depois de alguns instantes de procura, a joven
lapooa leve a felicidade de encontrar a entrada
da passagem; todos tres nella se introduzlram
resolutamente, e ama hora depois sahiam em um
valle, que pertencia ao territorio noruego: es-
tavam salvos.
Johaosen lancou-se de joelhos em Ierra ; Hen-
rick e Norra o imitaran), e lodos tres renderam
gracis Deus.
Ai havam-se bocea de um dos mais lindos
valles da Noruega. Em parle nenhuma Henri-
ck se lembrava de ter visto maiores rochedos,
nem mais nobres arvores, nem aguas mais abun-
dantes. No mel do valla um pequeo lago lm-
pido, calmo forca de ser profundo, reflectia a
scena encantadora qne o cercava, como para per-
miltir ao olho arrebatado contemplar duas vezes,
e, infiel como um poeta, embellezara-a alada
mais, reproduzindo-a.
Na extremidade deste Talle, que ae eslendia
at o mar, abria-ae a babia profunda, ondeabri-
gavam-se os pescadores, que deviam tomar Hen-
rick no dia seguiole para conduzi-lo ao cabo I
Norra chegara pois ao fim de joa viagem;
cumprira nobremente sua tarefa ; conduzira Hen-
rick ao lugar mesmo, aonde elle queria ir, aem
que elle ahi deixasse um cabello da sua caneca }
flzera-o passar i iravez dos mil perigos4o cami-
nho. ..e agora apenas algumas horas ossepara-
vam anda do eterno adeus I
Quanto i Norra, esss perspectiva desde muito
lempo preaeote ao seu peoaamenlo, mas qu el-
la sempre desterrando, iimais se Haba sppresen-
taao eon tanta forja aeu espirito, anda que
.- eI' ,ccret o ioToIuDtaria
ehegau a senil) -,, tiata^Ea-
tos rrido : desejara ter de recomecar com ella
esaa vida de provaocaa, oade sem duvida Usbarn
ludo a temer, mas onde ao lado dalle ae tcnlia
com forca de affroolar lodo. Ah I que iaaarta o
o junto d'aqaelles quem amamos 1 Ea te-
meite agora que devia-ae lastima-la, afora que
ella pattia, agora qua til ia ear soeroha, loo-
ge delle.
Nada do qua te paasava d'alana da donzella es-
capava i seu coropaDheiro : elle comprtbendia
suas silenciosas angustias, compadeca sedellas,
e se al ento nio Ihe tinha exprimido com um
ardor mais vito toda a pane que nellaa tomava,
a falta cao era sua, mas antes por causa da pre-
senta s vezes importuna, e da vigilancia sem-
pre suspeitosa do sacerdote.
Anda que Johaosen nao fosse naturalmente
muito desconfiado, pareca para elle um. dever
cercar os derradeiros momentos do suas inquietas
precauces. Dir-se-ia que elle invejava pobre
Norra al essas amargas delicias dos adeuzes, que
oem aot alores culpados se recusa na vespera
das separagoes eternas. Era talvez mais do que
ella poda supportar e parecia-lhe que a sorte se
moslrava cruel al a injuslica. Mas era ella urna
dessas almas nobres e altivas que soflrem sem se
qneixar, e cujas dores s conhecem aqueltes que
as sabem adlvinhar.
Nao acbaram oo valle .outro asylo mais qua
urna cabana noruega, situada no meio dos pastos
dos sezters, potica habitacio do estio, que seus
donos abandonam para ganharem a planicie as
proximidades dos mus dias.
Quando os doui homens se rellraram urna
especie de cmara de honra, situada no nico
pavimento da csaa, Norra delxob a cabana e foi
senlar-se s margens do lago, como para ahi en-
tregar-ge inteirmente seus peosamenlos.
Ahi so achava ella depois de algus instantes,
quando ouvlo ao longe os sons de Inur, instru-
mento de msica asss semelhanle ao corno dos
Alpes, muito usado entre os pastores dos scelers, e
cujo som ao mesmo tempo mais agudo e nao
menos suave que o do clavicorne ioglez. Pare-
ca o n concert rustico, que encantava o silen-
cio e que repetiatt 4 porfa os echos da mon-
lanha.
Henrick, agitado por mil penssmentos, e que
nio linha mais do que Norra vonlade de dormir,
ouvio ao longe os sons deesa meloda, ao mesmo
tempo selvagem eencantadora. Levantou-sesem
fazer barulho, e passando por diante de seu com-
panheiro acaurunhado de fadiga e menos po-
tico do que elle, quo dorma com todas as suas
torcas, sahio para o espaco livre. Sua cabeca es-
lava em fogo ; as paredes da cabana o esmaga-
; vam, e faltava-lhe ar na estreita cmara : elle
; errou ao acaso nos arredores, indo ao encontr
? do concert, que tambem camiuhava para elle.
Enconirou-o, e como esses meninos, que a-
companham os toques de urna banda de msica,
elle seguio os dous pastores, que se respondan)
. por notas alternadas. Voltaram ambos ao curral
e cooduzlam-o assim ao som da msica ao lago,
junto do qual Norra viera senlsr-se. Henrick
a via de longe, sem reconhecer principio in-
. teiramento a forma incerta e vaga de aua joven
amiga, meia-occulta pelas longas dobras de sua
capa.
\ Sentado em um tronco de betula, dorribado
pelo vento, com as raizes para cima, e que dei-
xava mergulhar as aguas do ligo sua cabellei-
ira argntea, Norra esta/a u'uma dessas posices,
' que um esculpior desejara encontrar para expri-
mir a dor do abandono.
Henrick comtemplou-a' um instante de longe,
como se hesilasse approximar-se delta. Ah
' nao sabia elle que sua viuda, em vez de couso-
la-la, nio faria talvez mais do que Irazer-lhe
um novo alimento sua dor?
Entretanto, essa piedade profunda e lerna
succedeu logo um senlimeoto mais spero : o
homem quiz gozar dessas lagrimas, que corriam
por elle.
Elle fez pois a volta do lago, despresando o a-
talho ecaminhando pobre o musgo que malava
o barulho de seus passos.
Sem ter sido visto chgou logo junto delta e
Ihe tocou de leve no hombro.
Norra nao tere necessiodade de voltar-se para
adeviohar seu pensamemo, e sem fallar recuou
um pouco e Ihe deu lugar a seu lado sobre o
tronco da betula.
Henrick sentou-se, pegou-lhe na mi, e af-
faslou a capa com que ella envolva a cabeca.
Viu ento seu rosto banbado em lagrimas.
O' Norra I murmurou elle.
Foi ludo o que leve for;*s para dizer-lhe, por
quanto a voz Ihe faltava e elle nao encontrava
mais palavras para exprimir seos pensamenlos
tumultuosos. Nio so engaara sobre a tristeza
de sua companhoira ; sabia desd muito lempo
que poderosos lacos a ligavam a elle ; vira que
prazer ella sentir j muitas vezes sempre que
o deslino, zumbando de alguma sorte de suas
inteoces, os reatara contra sua rootade; mas
nunca se vira em presenca de urna dor seme-
lhanle.
Anterque elle tivesse encontrado urna palavra
Norra passara a mao pelo rosto e pelos olhos ;
comprimir com urna soberana energa as im-
petuosas palpitacoes de seu coragao, e por assim
dizer, torca de violencia, reconquistara sua al-
ma: suas faces hmidas e seu peilo commov-
do podiam sos revelar oque acabara de passar-
se nella.
Henrick mesmo flcou tao sorprehendido desta
sbita metamurphose, que durante alguns minu-
tos ficou silencioso penle ella.
Norra,diz elle no Dm de alguns instantes,
chegamos ao termo de nossa viagem, e vamos
separar-nos.
Bem o sei Henrick.
O que nao sabes, querida menina, o que
naosabera nunca.continuou elle,animan-
do-se talvez mais do que desejara, a saudade
terna e profunda que guardarei sempre de ti peta
dedicacio qne me tetts mostrado.
Oh 1 essa dedicacio, como tu a chamas
tem-me feilo tao feliz I
Assim, m creatura, tirar-me-has at o
prazer de agradecer-te....
Nio liro-te nada, Henrick, e podes agra-
decer-me se julgss que me deves alguma cousa.
Ah eiclamou o mancebo, dominado por
urna commocio que nio pode suffocar e que
| senu logo,nao te deverei e um eterno reco-
nhecimento, visto como tu teas sido lio boa, lio
affeciuose, lio terna para comlgo....visto como
tu me tens amado? '
[ Norra empallidece, poz urna mo no peilo e
! nao respoodeu logo : mas dahi ha pouco como
se se envergonbasse de urna fraqueza paisa-
geira:
i Nio acbae tu.Ihe perguntou ella com
. urna firmeza de accento, que nella nesse momen-
to nao era talvez sem mrito.nao achas tu que
i ba cousas, oaa quaes seria melhor nio tallar ?
Se le lomei,continuou ella,foi um erro, ou
i urna desgraca. e leu dever agora de aiudar-me
r a esquece-lo.
Tens razio,respondeu Henrick deixando
j cahir a cabeca sobre o peito, e eu nunca, nunca ;
perdoa-me e esquece-me.
Ah 1 nao Iexclamou de repente a donzel-
la approxiroando-se delle, e como se quizesse
laucar-se-Ihe sos ps, deixou-se escorregar do
tronco, que Ihe servia de asenlo....nao I repetiu
ella ainda com urna exaltado creaxente, nao me
oceultes nada, dize-me todo.... visto como nio
tenho mais que algumas horas a viver___a vi ver
Junto de ti Henrick,accrescentou ella retratan-
do-se, torna essas horas supremas bellas para
consagra-lhbsau-
tua pobre Norra, Henrick I
dades.
Henrick quiz fallar: a voz. niorreu-lhe na gar-
ganta resequida.
Elle lomou em suas mos a linda cabeca palli-
ds, que se apoiava sobre seus joeltios, e oonche-
:ando-a at o peilo, beijou-lhe a testa como o
aria a urna menina muilo amada.
Em vez de evitar essas caricias, Morra ioolioou
a cabera sobre o hombro, e toda trmula ae aper-
tou contra o (Mito delle....
XXXV
J os rebanhos mugintes, que voltaram dos
pastos, iovadiam o valle ; J de todas as partes,
sobre aa bordas do pequeo lago, fiaos-se grupos
de pastores que entravam. Norra nem pareca no-
tar nsso : dir-se-hia que ella vivia j em um
outro mundo. Os sor risos que Ihe errara sobre
es labios nio era da trra m que estamos, e oa
suaves elares que Ihe treoeiam noa olhoa eram
os reOexoedo estaje.
Henrick achou primeiro do que ella o senti-
esata di rnilriadnr
Vem I i neoeeearie vir,Ihe diz elle pot
duas vezes: reas, vem 1
Morra levantou-se, sacodio a oaheeteom o ges-
to, espantado do dorminhoco qw aeorda brus-
camente ; depois sem dizer sorpitarra levan-
tou-se e acompanbou o mancebo, que camtnhava
dlAQte della 6, pasaos largos.
Henrick comprehendia asis o perigo de laes
scenaa prfe tolr prrc/nga-lti.
No momento desairar na cabana Norra poz
a mi sobre o peilo, ergoeu pira >.
olhos rdante* e disaa baixinho :
Obrigada, mfcu Dees, posso morrer portiue
tenho vivido 1
No diaseguinte ao meio dia Henrick embar-
cava se oo yachi de um pescador norlande
fazia-se.de vela para o cabo.
Os sdeuses foram calmo e dignos.
Olivo Johaosen esperara um acea de deso-
lacio, acompanhad de lagrimase solugos : Dcou
admirado daimpassivel fr to da donzella, to mobil de ordinario, tomara
urna inflexibitidade marmrea ; nem um mscu-
lo sequer estremeceu, nem urna lagrima molhou-
Ihe aa palpebras.
Ella estendeu a mao Hanrck, apertou-a, e
acompaohou-o at o batel, que devia leva-lo ; e
quando vlu tirarem a praocha que servir para
o embarque, voltou-se para o sacerdote, e disse-
lhe com urna voz, cuja calma nada desmenta :
Padre, ludo eal acabado.
Norra acompanhou com a rula alguns instan-
tes ainda o pesado nenio de rea quadrada, de
aiastro pintado de preto ; seus labios eslavam
serrados, seus dentcs fixos.
A' alguma distancia della, Olivo a encarava
com oa bracos crusados sobre o peito : em seu
zelo piedoso preparara para ella um lindo discur-
so ; porm advenhava tambem nella urna dessas
dores, que ninguem poderia consolar, que elle
abaixou a cabe$a e calou-se.
Quando o yacht dessppareceu ae longe as
brumas do mar immeuso, Norra voltou-se brus-
camente da praia e deu alguus passos asss r-
pidamente.
O que vas tu fazer ? perguntou Ihe o mis-
sinario com um terno ioteresse.
Nio sei I responden ella.
E encolheu os hombos com um gesto descui-
dado.
Olavo lirou da algibeira orna comprida bolea
de seda, na qual viam-se brilhar i travs das
malbas pegas 'ouro.
Se nao fris urna moga de senso, um espi-
rito firme e um coragao vleme, diz o missiona-
no, ver-me-bia talvez asss embancado com o
que tenho a dizer-te; mas, Norra, tu sd'aquel-
laa que ludo sabem entender.
Sim, agora, respoodeu a laponasinha pro-
curando seu olhsr
Pois bem I sabes que ests pobre I... e o
estars al qae consigas achar os thesouros de
teus avs e reunir os restos de leus rebanhos.
Oh I padre, nio te embaraces com o meu
futuro.
Bem sei que mais tarde far-ros-hio justica:
nosso glorioso monarcha nio soffrer que laes
attentados contra aeus subditos fiquem impunes:
oque te prtence ser-te-ha restituido..: ao me-
nos em parle.
Bem I bem I diz Norra nio sem urna visirel
impaciencia.
Has entretanto. .
Oh I padre, ainda 1
Sim, ainda I diz o missionario com urna voz
firme, oSr. Sleinborg...
O Sr. Sleinborg !... repetiu a donzella co-
mo um eco.
Esta palavra Ihe parecen estranha de ouvir
pronunciar ; ella nunca ouvira chamar seoio
Henrick.
. O Sr. Sleinborg, continuou o missionario,
oiotem a preteucao de recompensar leus serv-
eos; mas julga-se asss leu amigo...
Nem maia urna palavra, padre, nem maia
urna palavra I repetiu donzella.
E reyelliu com a mao a bolga que Ihehpateu-
dia Johanaen.
Ouro I ourol elle mim l diz ella por duas
vezes.
Um ealafrio passou-lhe pelos membros e fez
tremer todo seu corpo.
Ah I sinto que elle nao linha esse direilo I
diz ella ainda.
Depois ella mudou de parecer:
Da-me I
E estendeu a ralo, lomou a bolga, abriu-a,
lirou urna pega d'ouro, e entregando a bolga ao
padre :
Para aquelles, diz ella com um encantador
sorriso, que leem ainda menos do que eu.
Entretanto nio posso deixar-le sosinha squi,
pobre ereatura I proseguiu Olavo tomando a bol-
ga ; ao menos queria levar-te entre os leus.
Os meus nio existem mais I
A reaposta era lio verdadeira que Johaosen
abaixou a cabeca e nao replicou nada.
Mas o que pretendes tu ? Ihe perguntou elle
no Iuj de em instante. '- .
Escuta, diz ella, vou ficar aiuda alguns dias
entre estes pescadores. Tu sabes que nesta poca
do anno vem aqui um numero asss grande de
lapes para commerciar com os Noruegos e os
Russos. Elles me levarlo comsigo e conduzir-
me-hio costa mais visiuhi do Kilpis; ahi eo-
contrarei sem duvida alguna reatos de minhs tri-
bu. Ento cornegar para mim urna nova vida.
E que vida 1 murmurou o missionario le-
vantando as mos e os olhos para o ceu.
Na grec, de Deus 1 respoodeu a donzella.
Olavo parti ni mesma tarde : elle tinha prea-
sa de continuar seus trabalhos evanglicos e de
eotregar-se Inteirameole ao rebanho, do qual
urna nica orelba o tinha talvez muito tempo
oceupado.
No dia seguinte Norra dava um pescador de
arenques a pega d'ouro, que tomara na bolga de
Henrick, e obteve delle desembara;a-laem urna
-das pequeas bahas da ilba de Magero.
Tu sabes que ella quasi inhabitada I diz
o pescador ; oque pretendes ahi fazer?
Isso me diz respeito. S te pego que ahi
me leves.
A traressia durou todo o dia e toda a noite,
mais ao menos foi bastante fcil. A barca segua
por assim dizer a esleir tragada oa vespera pelo
yacht que conduzta Henrick...
_ Immovel ao p do mastro, Norra nao pronun-
ciou nem urna palana : ora, com os olhos meio
fechados, pareca dormir ou sonbar ; as rezes
tambem olhara as ondas de esmeralda, que des-
feriara ao longo da barca, ou mergulhara o olhar
nos abramos do mar profundo:
Na mesma tarde de quinze de julho, chegaram
elles as aguas da ilha Magra, e colbendo as ve-
las, com o remo na mi, coateram com precau-
gio essa grande praia de rochedos escarpados e
speros.
De tempos lempos esses rochedos entreabr-
am-se e deizavam ver pequeas enseadas, aper-
ladas entre picos cobertos de ueve. De todas as
parles pedagos de pedrs sombros se lerantaram
grandes como montanhas, formando entre ai oa
mais singulares grupos ; quesi sempre esaea ro-
chedos cercaram pequeos lagos, que s tinham
sahida travez das tsndaa e daa rachas.
Esse todo de bacas representara mu bem urna
fileira de crateraa alinbadas, crat.rai romi-
tando ondas em lugar de chammas. Um pouco
mais longe os montes de podra quebrados se
aglomeraran) como um cumulo de ruinas : pare-
ca que a mootanha desabra e que seus restos
cobriam toda a praia.
De repente- a costa parecau semelhanle urna
alta mnralha, formada de carnadas perpendicula-
res ; na baae, bancos de aris e cachopos ; no
cume urna erista accidentada de pontas agudas.
No meio deste boultvard de rochedos Norra viu
de longe urna grande torre quadrada fazendo si-
liencia a flanqueada de espesaos baslioes.
Era o cabo do Norte.
A maesa enorme levantara-se a pique do solo
do mar, sombra, moros, altiva, inibordavel,
mobil como o contraforte de um continente, so-
lida como o arcobotaote de um mundo.
E' aqui I diz o pescador.
E pondo sua forte mi sobre s cana de- leme,
fez virar a barca em ama pequea baha, cavada
e arredondada pela astureza no aeio mesmo da
mootanha.
O cabo lngara sobre o mar sua sombra im-
mensa.
O'pescador aborde*, e pondo sobre o rochedo
0 p cPWaWm croB. o quanto o oatroxava.
se no ftraaJPda barca tremente, tomou a donzella
em seas bragos robustos e a depositou sobre a
praia.
Est bem intendido I queres Bear ?
Norra sentiu a roz ficar presa na garganta, ella
respoodeu apenas com um slgnal de cabeca.
O pesesfs* com a pona do remo empurreu a
barca eganhou o largo.
Ficando s Norra iangou longos olharea em
roda da si: ella acbava-se no seto de urna so-
dio profunda. Ao redor da babia negros ro-
chedos, esm>galbande-se eemo lares que um cho-
que tiresse triturado, desenharsm seus, contor-
nes. A imprsete deste irande natureza apode-
ro u sa de repente da pobre moga; ella, olhoa en
te, viu o enorme montio* de granito e estre-
meceu. ^
Henrick paseen por ali I diz ella com sigo-
como para reanimar aua eoragem.
Mmecjbtilltttttr odetkvlo.
> mar e oa rochedos ama zona de trra
obria-se de relvaj e de flores, horra
ara as flores : eHaeothea rainunculos, madre-
* 2"?lBf!' e ^'"-o-eie nicht. que pire-
nam ateer riesss paragens longinquas para des-
pertar urna saudade alma eiquecida. Entre as
flores e a reWavim pequeo regvlode prataacio-
lillava e mormurara.
Norra sentou-se margem do regalo: ella nio
tinha pressa ; bem sabia agora que o tempo nio
rhe faltaria. Fez o seu bouquet e aspirou o fra-
co, mas suave perfume nessas flores desabrocha-
das sob a nev.
Depois continuou a subir.
Do lado do mar o cabo do Norte cortado
pique ; de todas as parles elle quasi inaecessv-
re ; os declivios sao sempre escarpados e mui-
tas vezes escorregadios por toalhas de musgo bu-
mido e curto, aperlado, elstico e repeltiodo o p
qu nio eoeonlra apoio algum.
Mais de urna vez a pobre moga escorregou,
mais de urna-vez cahio ; porm com urna iodo-
mavel eoragem, levanta-se sempre e nao parava
nunca.
Oulras vezes era-lhenecessrio passar monlea
de podras movedigas, que se desprendiam desde
qu ella as tocava e ameagava arrasta-la om-
sigo. ,.
Aqui e ali, nal anfractuosidades dos rochedos,
que consrvavam ainda um pouco de Ierra vege-
tal, betulas anias tenlavam levantar aua cabega
lacrimla, e logo se debrugavam para o chao para
ahi vegetsrem e rastejarem.
Norra seniava-se em suas raizes, enchugava o
?uor de sua fronte, e em um repouso doloroso re-
tomava novas torgas e partia Ora, as gaivotas,
sentadas em uva ponta de rochedos, a olhavam
com seu olho claro e penetrante, e tranquilizadas
por seu ar pacifico cootinuavam a dormir ; ora,
um pelicano preto, firme sobre um p, com o
pescogo eocolhido e a cabega meltida debaixo das
azas, tomava sua aproximagio um vo peolvel,
elevava-se com urna aza pesada e a persegua
com seus gritos queixosos ; ora, os corvos croci-
tantes, passavam bsixioho pelo chio ao redor
della em turbilhoes sombros, entretanto que nos
cus elhereos os algea brancos e as a guias ma-
rinhasdescreviamseus circuios immensos.
Emfim depois de um longo e penirel caminhar
ella chegou ao derradeiro cume, cobertos de mus-
gos e lichens amarellentos, no meio dos quses,
sobre camadaa de granito sombro, brilhara aqui
e ali a brancura do quartz.
Norra esgotada pela fadiga deixou-se cahir so-
bre o slo n eoceultou a caga as maos ; depois
disso, poz-se de joelhos, e em urna fervehte ora-
gao ele vou aua almazara o Deus eterno e cle-
mente, pae de todas as creaturas.
Depois laogou longos olhares em redor de si :
nio rio maia do que a solideo; escutou, e nio
ouviu mais do que o silencio.
Eslava como perdida no seio do mais horrivel
nada.
Poda ser meia noite.
Entretanto o sol eslava todo sobre o horisonte;
apenas a bordo inferior de seu disco rogara a
crista das ondas purpureas ; elle nao pareca mais
nem subir, oem descer, porm segua linha quasi
recta, destacando seu globo de fogo sobre o azul
do cu como urna pndula de ouro que oacilla
lentamente sobreara globo de lapis.
A medida que elle avangava em sua gloria, na
outra extremidade do horisonto, bella em sua
rosea pallidez, a la fugia e s se deixava ver
atravs do vn diaphano e nacarado das ouvens.
O sopro de julho amornra os gelos do Spitz-
berg, o arrancara da btbia de Magdalena como
pedagos de continente os gelos accumnlados por
nove mezes de invern.
Semelhaoles ilbas fiuctuantes, que por praia
livessem montanhasde cristal, esses gelos cobriam
ao longe o mar, offuscaates em seus esplendores
immaculados; suas massas sob a reverberarlo do
sol obliquo, pareciam rocheadosdepedras precio-
sas, onde todas as diversitade de cores delicadas
e vivas se uniam sem se confudirem no mais ra-
dioso brilho.
Em qua nio a onda mina va suas bises dissolvidas
pelo calor, mais intenso medida que ellas des-
ciam para o sul, essas grandes massas mudavam
cada instante de formas e de apparencias, e
variavam incessan temen te os estylos de sua des
morooante architectura, as agulbas, as columnas,
as pyramides, os frootes gigantescos, as arcadas
colossaes appareciam um momento e cahiam lo-
go no abysmo. -
Irrigados de seus restos agudos, o mar os jun-
tara uns contra os outros e os arremegara praia
onde se quebravam cora um fracasso de raio acora-
panhado de roucoa mugidos. Era um terrivel, mas
sublime espectculo.
Entretanto a donzella flcava quasi insensivel
elle. Immovel oo cume do cabo, ella deixava
aeus olhares errarem ao longe sobre o mar im-
menso.
De repente elles se iixaram sobre um ponto ne-
gro, que logo se tornou dislincto approximan-
do-se.
Era um navio.
Os roastras, os corda mes, o fino casco lalharam
em breve seu perfil sobre o fundo abrazado do
Cu.
No popa do oavio, apoados nm contra o outro,
via-se um mancebo e urna donzella.
Ao bel prazer das vagas, lentamente, com mol-
lea e suaves oodulages, o navio pareca embala-
la-Ios nos bragos um do outro.
Esse navio era o Trollhatta ; esse par ventu-
roso eraEdwina e Henrick.
NouBjaaweconheceu ou adevinhou-os ?
UoH I eslremecimento agitou todo o seu o
eorpo^MPagarrou-ge com urna mao contrahida
ao rochedo, contra o qual seus ros se apoiaram.
De repente a brisa refrescon, as reas indu-
rara e o nario desappareceu do lado do sul.
Norra apertou centra o seio o ramo de madre-
silvas o rainunculos, que colhera ao p da moo-
tanha ; aeus labios murmuraran) um nome. .
Logo ouviu-se um surdo barulho, como o de
m corpo que cania. As ondas eolreabriram-se,
e depois tornaram a juotar-se. O ocano vido
acabava de engolir urna vida de mais : umacham-
ma ardente acabava de exlingir-se sobre as ondas
geladasl...
[Luiz Enault. S. Filho.)
FIM. '
As sociedades secretas julgadas pop si
mesmas.
Os incidentes que acabam de se pruduzir no
seio do Grande-Oriente de Fringa, e que eoou
em toda a imprensa, fizeram rollar a attengio
um ponto muito descuidado taires pela historia
cootemporeoea.
A existencia das sociedades secretas da Europa
um fado que ninguem ignora. Tor mais de
urna rez trahiram-se si mesmas; attentados
iaolados, actos conectivos tem rerelado seu sinis-
tro poder.
Sem carecer recordar uns nem outros, podemos
dizer que ellas teem estado em aegao clara e fran-
camente.
Nao pensamos oa rerdade em confundir a Fra-
magonera, o aobretudo> Framagoneria francesa,
pelo menos do modo porque se diz agora consti-
tuido, com estas teoebrosas sssociagoei sobre as
quaes o puohal ou as bombas teem de res em
quando langado instruetiros elares. Consenti-
mos em que a Framagoneria philantrpica ehu-
manitaria aeja hoje a mais innocente das so-
ciedades secretas : S pois, daa socieJades se-
cretas em geral que queremos fallar.
Em nm lirro que appareceu mui recenlemen-
te, devido um talento vigoroso, a urna peona
implacavel: a Bgrtja. Romana pirante a reeolu-
coo, de Mr. Cretineau-Foly (lirro cujas opioies,
alias, nio parUIhamoa todas), achamoa sobre e
organisacao e influencia deslas tenebrosas asso-
Ciagoes revelagoes de um vivo inleresse e de urna
grande importancia histrica. Deade qae tretas
se da egreja e da revolugao, nao doria o autor
encontrar ineviUvelmentc em aeu caminho aa so-
ciedades secreta! ?
Mr. Crtinesu-Poly comees por mostrar-nos as
lojas magooicas e as sociedades secretas, teman-
do aeb a reatauragao -um augmento coosiderevel
e organiaando por meio da palavra o da impren-
se, um ataque intelligante contra a egreja e os
ihrooos. Nunca, diz, guerra mais encamisada
foi conduzlda de urna maneira maia prfida. Uas
dos principaos objeeloi desta grande coeseu-agae
era acoatumar pouco & pouco i Italia e os Esta-
dos Romanos i re volta, e persuadir aos outros po-
ros que estes estados lioham nsceesidade de urna
revolugao. Um documento amanado de urna oem-
minio ditecidra, tastgnado coa um despacho, e
tendo a dala de SO de outuhro de 18SI, revela es-
te pisno:
Nunca peacaea de rista o que se paisa em
Roms, ahi ordenado. Despopulsrlsae a padra-
na por toda especie de meios; fszel no eeotro do
catholicimo o que lodos, individual oo conecti-
vamente, fazemos nos lados* Agilae, arremessse
ra, sem ou com motivos, poueo imporls, maa
agilae. Nesta oxpressio esli encerrados todos
os elementos de successo. A conspiragao mais
bem tramada a qae rais se agita e compro-
meti mais gente. Tende martyres, victima*,
sempre havemus de adiar p ssoas que saibam
dar isso al necessarlas Ipparencias.
Eis-ahi o santo, o nos sabemos se elle tem si-
do adoptado. Aquelle remonta qusrenta an-
uos ; desde entio, quaot ardor em despopula-
rizar a padraria por loda especie de meios, com
ou sem motivos I Quantas calumnias arremes-
sadas rus I que zlo psrs agitar 1
Desde 4 de Janeiro de 1818, o cardeal Cons-lvi
communicava ao prncipe de Metteruich asinquie-
tagoes que Ihe causavam as sociedades secretas,
e principalmente o carbonarismo, do qual coro-
ludo pouca couss. nesta poca, era conhecida em
Roma mesmo. O principe austraco, que menos
sabia ainda, estir bem disposto laxar de exa-
geradas estis spprehenses. Mas tres annos ape-
nas dopois que a s romana deu coobecer o
perigo, j o carbonarismo eslendia suas ramifica
ces de Palermo Berlina e reuna como n'ura
feixe milhares de adeptos dispersos. De princi-
pio ramo desprendido da arvore das sociedades
secretas, niotardou em absorv-las. Tratou en-
tio de concentrar seus mais enrgicos esforgs no
ponto essencial : a egreja rom-oa o papado.
E' aobretudo para ahi que apona o carbonaris-
mo com urna perfeita iolelligencia das cousas.
Redige portento urna longa insttucgio neste sen-
tido. E' primeiro que lado estsbelecido que
um erro fatal acreditar que a Italia revolucio-
naria s na sombra pode conspirar, distribuir sl-
gumas punhaladas em esbirros ou em traidores,
esoffrer tranquilamente o jugo dos acontec-
mentos.... Os espirtos mais vigorosos das Ven-
das desdenham estes pequeos meios. Teem
notado que no papado tem em todos os tempos
exercido urna aegio decisira sobre os negocios da
Italia ; que cuma alsranca immensa cujo in-
teiro poder s alguns papas teem apreciado. Em
presenga deste facto, que partido tomar ? Ouca-
mos os diefes carbonarios :
Hoje, nao se trata de reconstituir para nos
este poder cujo prestigio esl momentneamente
enfraquecido. Nosso intuito fioal o de Voltaire
e o da revolugio fraoceza, a aoiquilagao para
sempre do calholicismo e mesmo da idea christia,
que, ficando em p as ruinas de Roma, seria
mais tarde a perpetusgo. Ma, psra mais cer-
lamente chegar esle fim e nao nos preparar de
caso pensado revezes que adiam indefinidamente
e comprometiera nos seculos o successo de urna
bs causa, nio se deve dar ouvidos estes Fran-
cezes gabolas, estes bruscos AUemies, i estes
melanclicos Inglezes, que persuadem-se lodos
destruir o catholicismo, ora com urna caugio im-
pura, ora com urna educagio Ilgica, ora com
um grosseiro sarcasmo passado em contrabando
como os algodoes da Gria-Bretanha. A vida do
catholicismo mais vigorosa do que isto...
a ....Importa pois ver um remedio esta si-
tuagao. Achou-se indubitavelmente o remedio.
O Papa, qualquer que seja, nunca ha de vir
s sociedades secretas : toca s sociedades secre-
tas : dar o primeiro passo pira a egreja, com o
Bm de veocr ambos.
a O trabalho que ramos emprehender nio a
obra de um dii, nem de um mez, nem de um an-
no ; pode durar muilos annos, um secuto talvez ;
mas em nossas fileiras, o soldado morre, o com-
bate continua.
Esta pega lio instructira, lio capital, que
quizeramos poder reproduzi-la toda iuteira ; ex-
tremamos ao menos as prncipaes passagens:
Nao temos s preleogio de subornar os Papas
nossa causa, faz-los oeophytos de nossos prin-
cipios, propagadores de nossaa ideas. Seria um
aonho ridiculo O que devenios desejar, o que
devemos procurar e esperar, como oaJudeus es-
peram o Messias, um Papa segundo nossaa ne-
cessidades. Alexandre VI, eom todos seus cri-
mes prirados, nao nos conriria, porquanlo nun-
ca errou as materias religiosas. Um> Clemente
XIV, ao contrario, seria talhado inteiramente pa-
ira nos... Giuganelli ornou-se uro muito grande
Papa. E' quasi nestas coodiges que nos con-
riria uro, se ainda possirel. Com islo, cami-
nharemos com maisseguranga ao assaltoda egre-
ja do qu com oa pamphlelos de nossos frmaos
de Franga, e al mesmo da Inglaterra. Queris
saber a razio ? E' que com isto, para quebrar o
rochedo sobre o qual Deus construiu sua egreja,
nio precisamos mais de rinagre annibaliano, de
plvora, mesmo de nossos bragos. Temos o de-
do mnimo dosuccessor de S. Pedro empenhado
na conspiragao, e est dedo minimo rale para
esta cruzada todos os Urbanos III o todos os S.
Bernardos da christandade...
Vem depois os conselhos praticoa ;
Pouca cousa ha que fazer com os relhos cer-
deaos ou com os prelados, cojo carcter bem
decidido. Convm deiza-los incorrigiveis i es-
cola de Consalvi, o lirar em nossos emporios de
popularidade ou de impopularidade as armas qua
bao de toroar til ou ridiculo o poler em auas
mos. Urna palavra que se inventa hbilmente
e quetem-se a arte de espalhar em certas e de-
termindas familias capazes, para que d'ahi passe
aos cares e dos cafs ra, urna palavra pode al-
gumas vezes malar um homem. Se chegar um
prelado de Roma para exercer alguma fuocgio
publica no centro daa provincias, distingu logo
aeu carcter, seus antecedentes, suas qualidades,
sous defeilos sobretudo.
E' de sntemio um inimigo declarado : um Al-
bani. um Pallotla, um Bernetti, um della Genga,
um Rvarla ? cercae-o com lodos os lagos que
poderes armar debaixo dos ps ; creae-lbe urna
deslas repatagdes que amedroutam as criangas e
as mulheres velhss : pinlse-o cruel e sanguina-
rio ; contae algumas secos de crueza que pos-
sam fcilmente se gravar ni menora do povo.
Quando oa jornaes estrangeiros recolherem por
nos estas narraces, que por sua vez filo de afor-
mosear (loeritavelmente om respeito rerdade,)
mostrae, ou antes maodae mostrar por algn
respeitavel imbcil estas folhas onde sio relata-
dos os nomss e os excessos srranjados dos per-
sonagens. Comd a Franga e a Inglaterra, a Ita-
lia nunca ha de deixar de ter dealas pennas que
sabem se inquinar em mentiras uteis i oda cau-
sa.
Que dizeis deslas liges ? Nio leem sido ad-
miravelmente seguidas para darem sen fruto?
Mas isto ainda nio ludo ; a Vende suprema
continua:
a Esmsgieo Inimigo seja elle qual fdr, esma-
gie o poderoso forca de maledicencia ou ca-
lumnias; mas sobretudo esmagae-o na maia ten-
ra juventude. *E' ao encontr da mocidade que
coovm ir, ella sobretudo que se dere seduzir,
que devemos arrastar, sem qne disso desconfi,
para debaixo da baodetrs daa aociedades secretas.
Para avangar passos contados, mas seguros,
nesta via perigoaa, duaa cousas sio rigorosamen-
te necesaarias. Dereia dar mostrasdeserdes in-
genuos como pombas, mss hareia de ser pruden-
tes como a serpete. Vosss pae, rossos filhos,
rossaa proprias mulheres, derem sempre ignorar
o segredo que guardaes no peito, e se ros aprou-
vesse para melhor Iludir as vistas inquisitoriaes,
frequeotemento confessar-ros, estaeslpor direilo
autoraadoa guardar o mais absoluto silencio
sobre estas cousss.
Ora, pois. psrs Isngsrmos mi de um Papa
as proporges exigidas, trata-ae em primeiro
lugar de ihe tslhar este Psps, urna geragao dig-
na do reinado que sonbamoa.
c eixse de parte a relhiee e a edade madu-
ra ; ide ao encontr da mocidade, e, se possirel
or, st mesmo da miaseis.
c Nanea Ihe facaos ouvir ama expressio impa
00 impura : Mxima dehetur puero reverenlia.
Nunca olridets estas patarras do poeta, pjrque
bio de ros serrir de salvaguarda contra denegra-
menloc de que importa essencialmente se abster
oo mtersseda causa. Para faz la fructificar oo
Uar de cada familia, para adquerirdes direilo
ao asylo no lar domestico, doris spresenur-ros
com todas aa apparencias de homem grare emo
ral. <-.
c Estabeleclda que seja rossa reputagio nos
collegioe, srrenaaios, universidades, copiado que
teohiea a coufianca dos profeeeores e estaantes,
faiel com que aquellas que psrtieularment se
alistara na malicia clerical,gostem de procurares
coorersacoee.
De principio offerecei, mes sempre em se-
gredo, lirroi tnoffensiree, poesas reapleodentes
de emphase nacionaldepois aooco poueo leva-
reis rosaos discpulos o grau de eeanco exigido.
Quando, em todos os pontos no mesmo tempo de
estado eeclesieetteo, este trabalho de todos os
dial Urec espalhidc nonas ideas como a lux, en-
tio poderei
cuja iniciar..
Os autores _
da i seas adepto
tf.lindjearaaata-
"neiosfk de se er-
^ ss iSMlscjin do
W DiHs praanet-
ranjir com pone
bom eattolifo- K^^.
trem-lhes o suecstso: e Lancae roseas rnm ce-
rno Simio Barjene, dira melles: Isaeas-s antes
no fundo das sacristas, seminarios e eenrosjto*.
do que no fondo do mar ; e se Dada* aecelerar-
des, vos promettemos urna pesea mais milagrosa
do que a Sua.... Terete pescado ame rerefegio
de tiars capa, carainhando eom a erase a bao-
deira, uma revqlu^io que s precisar ser usa
pouquinho aguilhoada para por fogo nos austro
extremos do mundo.
Termina vam emfim cora estas exhorUeOes:
c O sooho das sociedades secretas ha de effei-
tuir-so pela mals simples dss razona: i que est
bascado as paixes do homem.
< Nao nos desanimemos pofl com usa uteli-
dade, nem com um revez, nem eom ama derro-
ta ; preparemos nossas armas no silencio das Tan-
das ; sssestemos nossas batirlas, lisongeessoe te-
das as paixes. as mais malignas come as asis
generosas, e lado nos iodaz crer que este ala-
no ha de ler bom xito um dia alm mesmo de
nossos clculos mais improrarets. e
Eis-ahi o progrsmms. o santo eonfiaen eemo
um segredo de estado aos mais rrthssidadares
nss sociedades oeeulUs da Italia. Todas as
rangas qus ron tinha nio de vas se realisar,
tanta arte ostentsds ns calumnia n asas
nao podia lio pouco ficar sem (meto. Uns tal .
thodo, applicado com persistencia durante fea.
renta annos no ostsdo pontificio e em sena tres
milhn* de almas, assim romo ostras ase
viocas da Italia, nio podia deizar de proazir os
efTeitos que temos rislo. Os profundos carbonari
tinham bem calculado e predito eoro^certo.
Psra a realisagio mais segura deste reste pro-
ecto, e em rista de uma direeclo poderosa da
conspiragio. formou-se orna Venda suprema, es-
pecie de academia do inferno, eom posta de ana-
renta personaaens que disfargarsm seos nessas a
ttulos de fsmilia eom nomos speoslos. Sio el-
les que hio de aorernsr s Eerops subterrnea e
enmmandar a milicia da mentira. Soas ordena
hio de ser transmillidas de arus em gras at a
V en da mais recua da. e graca i i aegio latente e
continua de seus milhares de cooperadoras, o
mundo nolitieo a moral ha de conhecer nm dia
que o slo est minado debaixo de seus ps e que
elle rcula sobre sbysmo. .
Em 1825, doui 'obscuros consocios, convenci-
dos de homicidio e consoiragio, sobem ae cada-
falso em Roma ; nm delles exclama :
c Poro eu morro ioooceoie, (ramelo, carbo-
nero e impenitente I
A imprensa revolucionaria clama pele morty-
rio, negando a conspiragao e o homicidio. En-
tretanto, eis-squi o que escrero o ebefe de ella
Venda seu cumplice Vindica:
a Assisli com a cidade ioteira execucio de
Targhioi e de Montanari, mas preGrosua morte
sua rida.... Para pregar pega polica de Ber-
netti, mando deitar florea, e muitas flores, no
fsso ende o carrasco esconden seas restos. Adap-
tamos disposiges em conseqaeneie; recetemos
ver nossos criados compromettidoe so tazerem
este trabalho ; acham-ae aqui Inglezes e jovens
miss romanescamente anti-papistss ; e sio elles
que nos encarregamos desta devota peregrioaco.
A idea pareceu lio feliz mira como as sobredi-
tas joveos louras. Estas flores tingadas durante a
noite nos dous cadveres proscriptos, hio de fa-
zer germinar o eothnsiasmo da Europa revolacio-
naria. Os morios hio de ter een Panlhea; de-
pois hei de ir, de da, a presen lar monstgnor
Piatti meus pezames. Este pobre homem deixou
escapar estas duas simas de carbooari. Empre-
gou, para confessa-los. toda aua tenacidad* la
padre, e foi vencido. Dero por mim mesase, por
meu nome, por minha posigio e sobretodo per
nosso futuro, deplorsr, com todos os carago00 ca-
tholieos, este escndalo inaudito em Romo. Hei
de deplora-lo lio etoquentensente, que espero
enternecer o proprio Piatti. A' proposito da lo-
res, mandamos pedir por um de nossos msis la-
nocentes adeptos da Framagoneria, ao poeta fran-
cez Casimir Detsrigne, ums Mesenianna sobre
Targhioi e Mootansri. Este poete, qae muitas ra-
zas rejo no muodo das artes o dos ssles, besa
homem ; promettea pois fazer ums nenia ana
martyres, e fulminar um anthema contra os car-
rascos. Os carrascos hio do ser o Pspa e os pa-
dres. Serio sempre estas cousss outros tantos
ganhos de cauaa. Os correspondentes inglezes
tambem hio de fazer mararilbs, e conheeo aqni
mais de um que j tem feito soar a pica loba em
honra da couss.
E' comtudo urna obra muito m o fazer as-
sim hroes e martyres, proaegae o chele carbo-
nero, o pinta a impreasio produzids aa mullidlo
e em si mesmo pela morte dos condemnados im-
penitentes. Esta impressao, o conduziu, diz elle.
< reflexes philosopbicss, medicas e sanco*
christiaa que talrez seja mistar utiliasr aa ais
Aqui temos estas reflexes, dignas do proprio Sn-
lanaz:
< Um dia, se triumphsrmos e se, psrs eteri-
sar nosso triumpho, fdr preciso algumas sjdttas
de saogue, nio convm conceder s victimas
designadas o direilo de morrer com dignidad e
firmeza. Nortes sssim s prestara pata cu a o lar o
eapirito de opposigio e dar ao pvn martyres, cojo
saogue-frio sempre gosta de ver ua muexem-
plo : hoje disso tiramos proveito ; mss creio alil
fazer miohas reservas para os casos ulterioras.
Se Targhioi e Mantsnsri, por unf outro mete f n
chiraica tem tantas receitas mararilboaas l] lives-
sem subido ao cadafalso abatidos, effegaotas e
falloa de alelo, o poro nio teria lido d dalles.
c Eu nio nssci cruel, nunca hei de ter, tipa
ro, idde de aangue, ma quem qur os fins qur
os meios. Ors, su digo que em um esee dade
nos nio deremos, nio podemos, mesmo ao iaaa-
resse da humanidad, deizar-noa enriquecer de
martyrea nosso pesar.... Urna droga bem pre-
parada, anda maia bsm sdmioistrada, a qaa de-
bilitasse o paciente at a prostragio, sen, asa
rer.de um effeito salutsr.... >
Eotram.l depois de ter recordado os trismpbos
obtidos pelos msrtyres christaoa no Circe, o cha-
fa da illa Venda accreaceata :
So ealea pobres Cesares tivessem lids a hon-
ra de fazerem parto da alta Venda, ea ter-11
hia simplesmeote podido que Ssesnem o
phytos mais animosos tomsr ama pogio
do o regulamenlo, e nio ter-se-bia mais canta-
do oras conrersoes, porque nio ter-se-hia mala
acbado martyree....
" A reToluCao francesa, dotada como foi de lie
boas qualidades. enganou-se neato ponto. Lnis
XVI, liara Antoneta e a mor parte dea heca-
tombes da poca sao sublimes de resignagio en
de grandeza d'alma. Ha de ae ter sempre em
lembraoga [e minha reina srd por mais de me
rez me fez cborsr m'o conlaoda,) ha de se lar ana
lembranga estas damas qu em corteja aoanip-
nharam a princesa Isabel ao p da gatlholiaa, n
Ihe fizeram aua profunda crtenla cerno em cir-
culo ds corle em Versalhes ; nie rlate) qne nos
convm. Em ums circumstaoda dsda, arraaja-
mo-nos para qne um Papa n doas en tres cr-
deles morram como mulheres rslbss, com ledos
os trances da agona a noa sustos as marte, ntan-
veis de paralyaar os a decios da msstoeeo. Peu-
paea os cor pos, mss extingis o espirito. E' a mo-
ral que nos importe farir___
Nio esta a lingusgsm do genio de mal eacar-
nado ?
A alta Venda, cujo chefe faltara assim, anisa-
ra s Veodas secundarias e s ostras eoedadea
secretas o cuidado de bater ea brecha ae
nos. "
d
lrs sociW.de o PrWe" pam a l^a^c
lojas magooicas. EU nomo en exprimiV
respailo, em uma carta no 18 de Janeiro de
* ludoa oonheddo sob o psesaayao de r.
eolo-Tigto, dirigiudo-se ene agentes de Venda
piemoalez. cajo micteder : -.
c Esls raidade d* aidadio on do
se enfeudar na Framaeoamria tsm
e lio banal a univorsal, ea i
pasmar ante a estupidez huesass. Adssira-a o
alo rer o mande inletxo balar pena dn tame
os reverendos, e pedir 4 ocien ssabsassa honra
de ser um dos ebreiroseecelhido par recene-
irucgo do templo fe Beben
uinmmr-f-ha.)
PERN.TTP, DE M. F, DEf ARIA 4 FILHO. tMI.
ecroias o cuiaaao ue naier ea areea ea lom-
os. Emquinlo i ella, centre a egrrls. contra
papado que dirige todo seas saNane. Ansnaa-
0.0 tempo, se intereesa no racrntaaaento daa on-
oam
r**\ / i l
mmiiMiMiiHi......
BA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPRWIIZSM_L7C5FL INGEST_TIME 2013-04-30T21:42:20Z PACKAGE AA00011611_09805
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES