Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09803


This item is only available as the following downloads:


Full Text

.
mi iiiTii iemo 227
Por lresexes adaUdos 5$000
P*r tres Mezes vendas 6$000
OQiETl FEJBA 2 11 OIBM
Pfrr annt adiaaUck i 9 f 00 Q
Pwle fraiet par t nbscriaUr.
NCARREOAD09 FA 8B8CIPCAO DO HORTI
Paralaba, o Sr. Antonio Aleandrino da Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marqaes da Silra; Araca-
y, o Sr. A, da Lomos Braga; Ceara o Sr. J. Joa
de Olireira; Maraohio, o Sr. Manoel Jote Mar-
tas Ribeiro Guimaries; Para, Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo daCosta.
1

pakiidas uva ooKhtuua.
Ollnda todos os diaa as 9J1/2 horas do dia.
iguarase.Goianna Parahiba ais secundas
sextaa-feiras.
S. Antao.Bezerros, Bonito, Canarfi,AUinho
Garanhons as tergau-feiras
Pao d'Alho, Naiarath, Limoeiro.Brejo, Pos-
queira,Ingazeira,Florea,Villa-Bella,Boa-TisU.
Ouncury eFxnasquartistoiras.
Cabo.Serlohiem.Rio Formoso.Una.Barreiros
Agua Preta.Pimenteiraa Natal quintas feiraa
Todos os correios partem|aa 10 horas damanha
EPHEHERIDES DO MIZ DB OUTUBR.
4 La ora as 4 horas 37 minutos da man.
10 Quarto reacenU.M7 horas e 47 minutos da
tarde.
18 La choia as 4 horas e 35 minutos da tarde,
s Quarto minguanteaa7 horas e 35 minutos da
tarde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 3 horas e 18 minutos da manilla.
Segando as 2 horas a 54 minutos da tarde.
IAS DA SIMABA.
30 Segunda S. JeronlnW b. dootorda igreja.
1 Terca Sa. Viriaimo, Mxima e Julia irs. Mm.
2 Quarta Os anjosda guarda ; s. Leodegariob.
3 Quinta S. Candido m. ; Maxialano b.
4 Sexta S. Francisco de Assis fundador.
5 Sabbado S. Placido e seus comp. Mm.
6 Domingo O Ss. Rosario de N. S.
PARTE OFFICIAL.
Auui&fiblAs ou& IRlBhAgS DA LAM al.
tribunal do commereio; gandas quintas.
Relagao: tercas, quintas a aabbadoi ai 10 horas.
Fazenda : tercas, quintas* sabbados as 10 horas.
Juico do commereio.: quartas ao mel dia:
Dito do orphaoa: tercas o sextas as 10 horas.
Primeira rara d ojival: largas s txtau o meio
dia.
86K"i7r" d*ti"i &** MkMos a 1
ora da tarde:
ENG4RRBGAD08 DASBSCRIPCAO DO SDL
Alagoaa, o Sr. Claudino Palas Diaa
Ministerio da guerra.
* Lei n. 1,143 de 11 de sefem&ro de 1861.
rrxa as torgas de trra para o aono fmanceiro de
1862 a 1863.
D. Pedro II, por graga de Deus e unnime ac-
ctamaeao dos povos, Imperador constitucional e
defensor perpetuo do Brasil.
Fazemos saber a todos os nossos subditos, que
a assembla geral decretou e nos queremos a le
seguate :
- ,Arl:. Kate fo.r?a8 de 'erra para o anno fioan-
ceito de 1862 a 1863 constarlo :
$ Dos offleises dos corpos movis e de
guaroigao. da repartigio ecclesiastica. e dos cor-
pos de saude. do estado maior de primeira e
segunda classes, de engenheiros, e do estado-
msior general.
2." De 14.000 pregas de prel de linha em cir-
cumstancias ordinarias, e de 25,000 em circums-
tancias extraordinarias.
Art. 2. As torgas flxadas para circumstancias
ordioanas serao divididas em 10,000 pracaa de
pret dos corpos moris,
guratelo.
Art. 3." As forcas litadas no 2 do artigo 1*
serao completadas por eogajamento voluntario e
pelo recrutamento, nos termos das disposicoes
que existirem. *
Art. 4. A respeito dos individuos que assents-
rem praga roluntariamente ou forem recrutados
0 5Tr",e"h3 as ,e8uintes diaposigoes :
9 i. Os voluntarios servirlo por seis annos e
os recrutados por nove.
de 1861, 40 da independencia e do imperio.
imperador, com rubrica e guarda.JoaqvimZo-
te Ignatxo.
Sr. Jo t Martin, Airea ; Rio da Janeiro 7.
JoaoP.ralraM.rtl,.. Jtra. ,
EM PEBNAMBUCO.
Os propriatarioa do DIARIO Manoel Figurina
de Para Filho, na sai livrara praca da luda
pendencia ns. 6 8.
Ej
primeira praca, emquaotoforem pragas de pret,
GOVERNO DA PROVINCIA.
podiente do dia S8 de setembro
de 1861.
OIHcio ao Eim. presidente da Baha.Atten-
deodo ao que expoz o capillo do 8 baUlhio de
infantina em guaroicao nessa provincia Antonio
llana de Castro Delgado no requeriraento cons-
tante da copia junta, resolv, em vista da intor-
magao do coronel commandaote das armas e do
parecer da junta militar de aade, tambera por
copia inclusos, conceder-lbe permissao para de-
morar-se nesta proviooia at que chegue decisio
do governo imperial acerca de urna policio em
que elle empetrou tres mezes de prorogaclo da
licenga com que veio para aqui. O que commu-
meo V. Exc. a flm de que ae digne de o fazer
constar ao predilo 8o batalhio.Coramunicou-ae
tambem ao commaodante das armas.
Dito ao coronel commandante das armas.To-
mando em consideragio o que V. S. expoz em
e 4,000 dos corpos de' 5eu mc}0*6 10 do correte, sob o. 1,473, e ten-
do em vista o que a esse respeito informou a lhe-
sourana de fazeoda em 25 desle |mez, o autorise
a maodar contraclar com Aguiar Ramos & C a
lavagem da roupa do hospital militar a razio de
/u res por cada urna pega iodistinetsmeote, e
mediante as condiges constantes da proposta
que devolvo, coberta com officio do director
d aquello estabelecimento, s quaes se addicio-
nara a clausula de pagarem os prononentes urna
i (que ser convenientemente arbitrada) no
as condiges
submettido mi-
1. Os voluntarios, alm da gralificagao dia- $aso de na*eun>pnrem fielmente
igual ao sold inteiro, ouaomeio sold de ?Me contacto, que devera ser su
nha approvacio
conforme tiverem ou nao servido no exercito o ao caPltao d0 porto.Fago apreseutar V.
lempo marcado na lei, perceberio como premio b' Pfra erinaPeccicnado, o recruta Autonio Ber-
de,?nR8lmento urna graticaglo que nlo exceda D". Vle!r-
a 41W000 para os primeiros e a 300*000 para os -. !.l ao lD?Pector da thesourarla provincial.
segundos, paga pelo modo que for estabelecido JeDao em T,sla as f"as inforroagoes de 12 e 11
nos regulameotos do governo ; e quando forem gorrcnle. son oumeros 443 e 452 auloriso
escusos doservigo, se lhes conceder! as colonias v s' mandar pagar ao escriturario da 3* aec-
S, rJt* ou de naC'0'ea um prazo de ierras de 5ao da secretazia do governo Jlo Manoel de Cas-
2-2 500 bragas quadradas. tro e ao amanuense da mesma aecglo Jos Ro-
3. Os recrutados e voluntarios poderlo exi- ber! d* Conha Sales a graticaglo que lhes com-
mir-se do servigo militar por subslituiglo de in- pellr. P,r. "averem exercido desde 8 al 31 de
aividuos que'teoham a idoneidade precisa para o 1gos, U,U010. o i* as fuocges de chefe. eo2*
meimo servigo. de esenptunrio d'aquella secgo.
Art. 5. O goveroo Oca autorisado adestacar Dito ao commandanle da estagio naval.P-
t:?-.""c:ml Pra5a..da guarda nacional em cir- ? :iS;.fazer,8.e8u.ir P_a Bahia ao dia indica-
cumstaacias extraordinarias.
Art. 6. O gorerno Gca desde j! autorisado a
transferir, os ofllciaes do exercito no primeiro
posto de urna para outra arma, devendo oofJleial
transferido considerar-se o maia moderno da
arma para que passar, conforme
conveniencias
o em seu offlcio de 27 do crrante a canhonei-
ra Igualemy.
Expediente
ao go
requererem.
o exigirem as
do servigo o a aptidao dos que o
do secretario
remo.
__ Dia 28 de setembro de 1861.
utlicio ao director do arsenal de guerra.O
tiro. Sr. presidente da provincia mana arcniar
.ti. 7. Picam revogadas todas as dlsposigdes recebido o offlcio de 14 do crreme em que V S
... JU lhe CJmmunicou ler eariado para esta provincia
a todas as autoridades a no vapor Cruzexro do Sul os obiectos menciona.
SSr aun'? enn", ^T *' wl55 lei *" 0a "'r"580 *a* mp.Sho? o cilJao So
perieucer, que a cumpram etagam cumprir e os quaes foram eotreanea no ai
em contrario.
Mandamos porlanto
entregues no arsenal de guerra1
uella secn- sem falta alguma, como melhor se v do offlcio
do respectivo director constante da copia lunta.
Dito ao capitao do porto.-O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar A Y S
que por despacho desta data concedeu o prazo d
quinze das ao recruta Antonio Bernardo Vieira
para prorar a isengo que allega.
mSJi!. Pea ^VosTa MigeVtadelmpe- ^StSSSXgSS ^S"^
nal manda exeautar o decrelo da assembla ge- rar V. S., que pe.oaeu offlcio de hontam aob
?nL?ULh0U'6 POt bem forja, de trra para o anao luanceiro de 1862 a na mesma data o exerciode seu empego renu
Haela mnA -..a. j_ *__ D.
guardar o inteirame'ote con
tm. r
O secretario de estado dos negocios da guerra
a aga imprimir, publicare correr.
Dada no palacio do Rio de Janeiro, aos 11 das
do mez de setembro de 1861, quadragesimo da
independencia e do imoerio. Imperador, com
rubrica e guarda.Mrquez de Caiias.
1863.
i P2ra Yossa Ma8stade Imperial ver.Jos Car-
ios de Almeida Torres a fez.Francisco de-Paula
de Negreiros Sayio Lobato.
Sellada na chancellara do imperio, em 13 de
setembro de 1861.Josino do Nascimeoto Silva,
egistrada.
Foi publicada a presenta lei na secretaria de
estado dos negocios da guerra, em 19 de setem-
x>ra de 1861. Vicente Ferreira da Costa Pira-
gibe.
Registrada a fl. 256 v. e 257 v. do livro de leis
" 1 nmeira diiectoria geral da secretaria da
estado dos negocios da guerra, em 19 de setem-
nro de 1861.Manoel Joaquim do Nascimeoto e
ciado deste modo o resto da licenga de tres me-
zes que lhe foi concedida.
Despachos do da 88 de setembro
de 1861.
Requerimentoi.
Antonio Dernardo Vieira.-Concedo o prazo de
quinzedias. r
Tenente Gamillo Augusto da Silra.Passe por-
tara prorogando a liceoca por seis mezes.
Francisco Ferreira da Paixio.Prora
UMflHL
o., que
IHTCBIOR.
RIO DE JAMIIIO.
17 de selembro.de 1861.
Recebemos folhas de Minas Ceraes
panhs at 30. e Diamantina at 31
do. Nada contm de interesse
leitores.
pira
t : da Cam-
do passa-
os uossos
Ministerio da mar nha
IEI N. 1,142 DK 4 DE SETESIBRO DE 1861.
*\xa a forga naval para o anno fxnanceiro de
1862 a 1863.
u. redro II, por graga de Deus e unnime ac-
clamagao dos poros Imperador constilucional e
deensor perpetuo do Brasil, fazemos saber a lo-'
K.r^ -igreja p.rochUl do
U dos navio, e estado maior dasdivisoe, na- leir'?Vs?".0tSS^^0ff
2 Tm eircumstaneias ordinarias, de tres mil' pr0T,DCIa' Padre Manoel Vieira da Cruz.
ES SSSSSif^ naviKmXe'tr.n' Jl **Z*JLbmmk ^
portes, e de cinco mil em circumstancias
traordiaanas.
20
Foi nomeado cavalleiro da ordem de S. Bento
de Aviz o capillo Jos Mara Jacinlhb Rabel lo.
Foram exonerados, por decreto de 11 do
crreme, o capillo de mar e guerra Eliziario An-
tonio doa Sanios, do lugar de inspector do arse-
nal de mariaha da proviocia de Peraambuco, co-
mo pedir ; e o capiUo-teoente Hermenegildo
Antonio Barbosa de Almeida, do de capillo do
porto do Maranhlo ; e nomeadoa, por decreto
daquella data, pira este lugar o capillo de fra-
gata Jlo Baptisla de Olireira Guimares, e por
aviao da mesma data o referido capitlo-teoente
Barbosa de Almeida para servir interinamente o
emprego de inspector do araenil de Pernam
buco.
21 *
Por decreto de 18 do correte, foi exonerado
do cargo de presidente do Imperial Instituto Per-
nambucano de Agricultura, o bacharel Ambrosio
Leilao da Cunha, e nomeado para aubslitui-lo
o bacharel Antonio Marcelino Nunes Gongalves.
presidente da proviocia.
22
. -Os ordem do dia n. 182. publicada em data
de 19 do correte pela reparligao do aiudante ge-
neral consta o seguinte :
Tendo chegado ao coohecimento de S. Exc. o
Sr. leoeote-general marquez de Caxias, presi-
dente do conselho de ministros, mioistro e secre-
tario de estado dos negocios da guerra, por cor-
respondencias impres8as naa gazelas da provin-
cia do Rio Grande do Sul, reiteradas queixas
contra a osuOiciente alimentaglo daspragas dos
corpos estacionados na mesma provincia ; e sen-
do a avaliacao das ragdes diarias da estapa, feita
pela respectiva thesouraria de fazenda sob exac-
to coohe.cimeuto de valor que teem no mercado
das diversas localidades da proviocia os gneros
alimenticios que entrara na composlgio das ra-
goes, araliaglo que de ordinario augmentada,
na definitiva flxago do valor da etape. pelo ar-
redoodamento das quantias propostas pela the-
souraria, nlo razoavel presumir que a insuli-
cieacia da alimentaglo das pragaa saja prove-
niente da insufficiencia das quantias fixadas para
tai flm ; tacto mais quamo se v das cootas dos
conselhos econmicos da maior parte dos corpos
all estacionados que j mandaram as do 1.* se-
mestre deste anno que todos elles teem avultados
salios na verba do rancho. Colligiodo-se pois
d ah que as* quantias flxadas para as rages de
elipe sao sufllcienles para a alimentaglo das
pragas, forgosamente se conclue que, a dar-se o
caso de ser m essa alimentaglo, provm isso de
ponco zelo da parte dos Srs. commaodsotes dos
corpos na flscalissglo da gerencia do rancho das
pragas do seu colmando, sobre o que lhes cum-
pre velar com tanto cuidado como sobre a manu-
teftgao da respectiva disciplina ; ou eolio de que
elles sacrificara a boa alimentaglo daa ditas pra-
gas vaa ostentaglo de accumular saldos na
cana do rancho. Nao obstante, porm, as incon-
cusas razoes ponderadas, S. Exc. o Sr. minis-
tro, quereodo arredar todo o pretexto de queixa
de insufflcieole alimento das pragaa m ton*
existentes na citada proriocia do Rio Graode do
Sul, determina quo do 1." de outubro prximo
futuro al ao flm do correte semestre, o valor da
ragao de etape as diversas localidades da moa-
tna provincia aeja regulado pelo Diado para o
i. semestre deste annate recommenda mui ex-
pressamente aos Srs/*W5mindaotes dos corpos
loda a vigilancia ni administragao do rancho,
para que nao deixem as pragas de ser bem ali-
mentadas, empregando-se para isso-toda a quao-
Ua destinada, sem distrabi-la aob qualquer pre-
para a csixa de economa* licitas, oem
referido batalhao Joa Urbano Pacheco de Mello,
como requereram.
Da ordem de dia n. 283, publicada emdata
oe nootem pela mesma reparligio. constara as
Nomeagdea.Do Sr. capeHio-tenente da re-
paittgo ewleaiaatica padre Hanrique Josino
Ferreira pftr servir no 3. batalhio de arlHharia
a pe.
Do Sr. capelllo alteras da repartiglo acelesias-
Uca padre Francisco Pedro da Silva Nolasco. para
servir no 11. batalhio de infamara. P
Do Sr. a.ferea do corpode guaroicao do Araa-
zonas Liureotioo de S. Pedro Neves, para servir
ntermameate de secretario da inspeegio dos
corpos e pontes fortificados di mesma pro-
vincia. r
Do Sr. alteros reformado Jlo Caetano da Sil-
va, para exercer as fuocges de quartel-meitre
no as/lo de invlidos da corte.
Tere lugar hootem
l- VIS ,oauurado recebeu em seu seio a
S2S Majxnktxro. Diques e imperiaes mi-
!!?! aU P"nciPa. os iodispeosaTeis
fuf.?iS a* ex,8tenc'". do desenvolfimeolo, do
futuro da nossa armada, e com elle da prepon-
""'d. i^lp?0: ss .integridadev gloria de
suas armas. Oh I assim seia I
c Em ame pois do muito alto e do multo po-
deroso Seohor D. Pedro II, imperador constitu-
cional e defeosor perpetuo do BrasiV, est inau-
gurado odiquo imperial.
P d Utel SU* Ma8e3tad* Imperador o Sr. D.
Viva a augusta familia imperial I
Viva a coosltuiglo do imperio. I
Estes vivas encontraram vivo echos em todos
os espectadores..
S. M. o Imperador respondea nos termos se-
guinles :
i *,Eo<:arre80-T08> Sr. mioistro, de manifes-
tar a briosa manrrtia brasileira oa rotos que sem-
fifi fanhn IniA '.. i______ .. .
no fundo tem soffrido a damoosa operario da
querenagem. a qual, muito sptcialmeme nea
vaporea, do Unto dispendio, a caos, Dreoria
embarcagao Unta arana, que na reaUdadeTae
torna muito damooaa. *'*ummm se
Reconhecida mesmo antes da concloslo do Mi-
metro dique a inmensa ranUgaaa que deve se
im penal, aob o actual mioialerio. uaa senada
dique parallelo ao primeiro, que sendo
servigo de embareages menores, tai
dimensdes inferiores ao actual.
Esti Bova obra deve
dentro de 4 annos.
O Sr.. Law ao fazer
para*
pelo contrato ser feita
iuasMageslades Imperiaes. Ao nm &. a u_.....:._., _____ .
Fei urna -verdadeira fesla, efiem era de crer
que por outra forma fosse celebrada a terminacao
deisa bella obra. v
SS. MM. Iljtendo embarcado no arsenal de ma-
rinea depoiajm assisiirem fesla na igreja da
yn, .chegarlfJT i ilha das Cobras 1 hora da
tarde, all foram recebtdas pelo Sr. ministro da
minnha, por varios offlciaeageneraos da armada
noi0a0,eK?r,0d,0S?e,peclCul- "u,,a-1 Apeis este deixou a entrada
va o povo, e em baixo grande numero de pessoas tripulaco da correta lmoeriai M
fS2,g" re8e",d0,08 conWdados Sr^^ffi^STfl!!
Fluctuavam sobre o dique bandeiras de
Aoaom enuo do hymno nacional executado
por duas bandas, vollaramSuas Magestades ao
seu pavilhao, tendo S. M. o Imperador dado or-
dem oara se introduzir a aguacho dique.
a? ? 1//i noras da tarde. quando as prmei-
ras golphadas do mar se estenderam como um
alvo leogol por aquello rallo espago onde o Ira-
baino humano em cada degro deiiou ioscripta
urna honrosa pagina.
o
ports
fraoca subi a
Marinheiro is
.- rlvas soltados
peto seu commandanle ; imtantes depois esUva
toda a guarnigio a poslos e a correta enlrou ao
dique.
Digoaram-se entio Suis Magestades aceitar
um copo da agua offerecido pelo Sr- Law, ocoo-
vidaram a asseotarem-se sua mesa os seus se-
manarios, os ministros, os officiaes generaes da
armada, algumas pessoas gradas que achavam-se
presentes e o Sr Law.
Terminads a refeigao, o Sr mioistro da mari-
. todas
asnagoes, loca'a dentro de lie urna banda mar-
cial ; em urna das exiremidades esUva formado
o corpo de fuzilairos naraes, e do lado do mar
e-guia-ae o ligeiro pavilhao destinado i receber
a, MM. II. e a sua c6rte.
A guarda de honra era feita pelos aspirantes da
armada.
Quando Suas Magestades chegaram ilha ha-
via anda no dique 11/2 p de agua devdo a um
; ligio do ajudaote general' em"dVtTdYlTdo l"~-
ex- rente consta o seguinte :
3 Do corpo de imperiaes marinheiro,, das J**ffi^m*&v& UMt **
rapanhia, de aprendizes ma,inlBro, e^i. ^1.*.??^
de aprendizes marinbeiros creadas
pelas lea anteriores, do baUlhio uarel, do
corpo de Imperiaes raarinheiros da "
Malo-Grosso,
va-los ao seu
Art.
bata-
enaea marinheiro da oroviacla de islo' lm'^.l&^T de.2,d! de""'"o *>
fi13 rl SI ta on.in h fo^:. l ". aa soore consulta do conselho suoremn mitii.r
613 de 21 de agosto de 1851.
Art. 3o O governo autorisado para crear mais
urna companhia de apreodiies marioheiros na
provincia que melhor convier.
Art. 4* Pica desde ji considerada permanente
a disposiglo do 2o do art. Io da lei n. 694 de
10 de agosto de 1853, na parle que fin o nume-
ro das compaohias de que deve compr-se o cor-
pe de imperiies raarinheiros.
Art. 5o Os aipiraotei reprovadoi urna vez rus
materias do Io aono da escola de marinha, e1
a juellesjiue, em virlude do Io do art. 41 do'
reguUmgfeto que baixou com o decreto n. 2,163'
de Io de maio de 1858, perderem o mesmo anno '
poderao repeti-lo^omo alumnos externos, e aer'
de novo adraitlidoi ao iuleroato ae obtiverem ap-
prevagoes pleou e forem eaorea da 18 annos.
Art. 6* Os aspirantes que tiverem baixi por
motivo de reproragoes, e que forem posterior-
mente approradoa nos tres icooi do curso po-
derlo ser admittidos ao aerrico da armada como
euardaa-marinnai, ama rea que se Unham dis-
tinguido pelo aeu bom procediojento aa aujei-
tem s condteoes, estabelecidas para os tameos
internos no citado regulameolo do Io de malo de
1858.
Art. 7o Ficm revogadas todas as dispoiige
emcg*t""i
Manamos portento a todas as autoridades a
quem o coohecimento e exeeugao da referida lei
pertencer que a cumpram fagam cumprir e
guardar lio inteiramente como nelia ae contera.
O secretario de estado dos negocios da marinha a
laga imprimir, publicar e corrar.-
Felaclo do Rio de Janeiro, em 1 de setembro
.. conselho supremo militar
Nome.gea -Do Sr. f lente do corpo d.
engenheiros Vicente Pereira Diaa, para car i
d.sposigao do Exm. Sr. ministro dos negocios
estrangeiros, aflrn de ser empregado nos traba-
mos da commissa.) demarcadora dos limites do
imperio com o Per.
Do Sr. pharmaeautico alfana do corpo desau-
de do exercito Manoel Francisco de Oliveira,
para servir na provincia de Matto-Grosso, em
ubeutuicao do pharmacaoiico que all serve
DgSJSUOa
18
Temos dalas de Matto-Grosso at 4 de iulho.
do Paran al 27 de aguato e de S. Paulo at 15
do correte.
Njb duaa primeiras provincias nada occorrera
de importancia. Af noticias d S. Paulo cons-
tara da caria que publicamos no lugar compa-
l>^
A escuna dinainarqueza Nordtop. que sabia
hoBtem para Hasaburgo, achaudo-se em risco de
ir sobre as pedral do coitio da forulza de Santa
Cruz pedio aocc<.rro. Nesta occasao bordeiara
unioem. aflm da sabir para Santos a barca {rao-
ceza Lopface, e em um dos bordos foi enwcima
da escuna. ^T ,
O dous nsrio Acarara algans minuloi enris-
cados, a barca achou-se tamban em perUto de
bter naa pedral. r w
OsBoeeqrrosniose demoranm multo : al
aos da barca do wccorro, sabio o rapor de robo,
queque tirn aquellas nrios de todo o pertgo
tendo somente i esauna aofTrido pequeas ara!
ri em consequenca do ibrtameuto.
texto
amesquiohar os alimentos so com o flm de croar
e maular saldos meramente oslentosoa.
S. Kxc. recommenda tambem aos Srs. com-
mandantes daquolles corpos que do fundo geral
do raocho auppram com economa e criterio a
despeza de alimentaglo dos pequeos destaca-
mentos para os quses muitas rezei nao ser bas-
tante somonte o importe da etape correspondente
ao pequeo numero de pragas de que elles se
compoem.
Recommenda finalmente aos Srs. inspectores
dos corpos que examinem com minuciosidade,
naa inspecgoes que passarem, a gerencia e ap-
plicagio dos fundos do rancho, para se preve-
nirem as contrariedades que pdem resultar da
mproflcua accumulaglo de saldos do rancho e
da indebila transferencia de quantias proceden-
tes desta especialidade para os fundos de econo-
mas licitas.
Por esta occasio S. Exc. manda advertir aos
50,n,nan 8' "2r* regiment de artilharia a cavallo, e do
,a re8,mei>to < cavallaria ligeira de que
ale ao prosete ainda nlo foram recebidos nesta
secretaria de estado os rotatorios semestraes dos
respectivos conselhos, isto do primeiro desses
2&1" de,Ae 1859 e 2 3 desde junho de
1860, e do 4 e do 1. semestre do correle aono ;
e determina que quanto antea aatisfagam esse de-
ver de seu cargo, e no futuro o fsgam ponlual-
menle as pocas determinadas, sob pena de se-
ren efficazmente. responsabilisados se o nao fl-
zerem, por isso que de lemelhanta falla reaultam
embaragos Qscalisagio geral daa deapezas mili-
tares.
Ha ven do tambem S. Exc. noUdo que a facul-
dade de ser paga por cooU do estado metade da
despeza do iranaporte dos officiaes e soas fami-
liaa, quando sao aquellos transferidos, a pedido
seu, de uns para outros corpos, nlo so acarrla
grande dispendio dos dinbeires pblicos, mas
anda acorojoa pretencesde transferencias, fun-
dadaa asm razoes especiosas, multas vezas frivo-
laa e de ordinario nocivas adminiatragao inter-
na e .disciplina dos corpos, determina por isso o
mesmo Exm. senhor que fique revogada a dispo-
lnd7 "' 9l. das DW de 24 de julho
7~'j" Pa' relalira ao pagamento da me-
lado da deipeza de traosporte dos officiaes e fa-
milias no caso sopposlo, o em inteiro vigor as
dieposigoea do aviso circular de 14 de Janeiro de
icao, eatahelecendo que taes transportes corran
por conta dos officiaes transferidos, sendo sd-
mente por conta do estado os dos que o forem
por convenieacias do servigo ou por accessos.
Nomeagoes.Do Sr. alferea do 4V batalhio de
infamara Roque Soares da Silva, para ioatructor
desta arma na escola auxiliar militar da prorio-
cia de S. Podre do Rio Graode do Sul. /Aviso de
16 do correnle.)
Exonoracio. Do Sr. capillo reformado do
exercito Joaquim Xavier de Araujo, do cargo de
instructor da arma de iofaoUria na eacola auxi-
liar militar da provincia de S. Pedro do Rio Grao-
de do Sul. (Aviso de 16 do corrale.)
Transferencia.Para a 2. compaobia do'cor.
po de Guarniglo do Mtaselo o Sr. capillo do de
Mioas-Geraes Xilderico Cicero do Aleocar Arari-
pe. (Decreto de 14 do correte.)
Para a flleira do 5.a batalhio de infamara o
Sr. tenente qusriel-meslre do mesmo baUlhio
Manoel. Joaquim Relio ; e para o dito lugar de
quartel-meatre o Sr. tenente da flleira do referi-
do battlbae Leonardo Luelano da Campos, como
requereram. ^u
Para o jcorpo
esgoto por meio de grandes esforgos empregados
pelo Sr. Law e seus Irabalhadores, auxiliados
pelos Srs. Miers e seus operarios. Este traostor-
no causou alguma demora ao cornejo dos traba-
Inos da inauguragio.
Apeoaa estove secco o dique, desceram Suas
Magestades ao seu fuado por urna escada all pos-
la pra. a occaaa e s- o Imperador, acom-
panhado peloSr. Law, por todos os membrosdo
ministerio e por muitos officiaes da armada bra-
sileira, examinou os trabalhos internos percor-
rendo o vio de urna a outra extremidade.
Seve eolio lugar a ceremonia religiosa da ben-
t?0nje fui celebrada pelo Sr. bispo eleito do
Termtsada isla o Sr. conselheiro Joaquim Jo-
s Ignacio, minUtro da marinha, dirigi a S. M.
o.Impera'* w aeguiole discurso:
S' ur 10 sagrado pontfice da religiio da
Cruz acaba de chamar as bangios do co sobre
esta immenea mole, cujo aeio vai pela vez pri-
meira abrir se pira receber os filhos do ocano.
E no dia da Cruz, no dia em que os hymnos
dos Leritas do Deus rivo subirm. ha poucosios-
tantea juntos com os vossos, senhor, ao throno do,
AltUsim); no dia da Cruz, plantada sobre as
quaes echos animados de
novo correspondern!.
As 4 horas da tarde retirram-se Suas Mages-
lades, recebendo era aua rolla ao pooto de em-
barque iguaes demoostrages de amor e de res-
peito.
S. M. o imperador mostrara-se satisfeito da
obra do Sr. Law,
Dara esta ter sido concluida em dous annos e
meio, porem pelos imprevistos transtornos so-
brevmdos no seu decurso exigi a sua termina-
gao mais de tres annos.
Tem o dique 305 ps de comprimento sobre 92
de largura e 33 de profundidade, com um cala-
do d agua de 28 ps, termo mlio. 23 aa baixa
mar, que permiti eotrarem nelle as embarca-
cpai de primeiras em todo o estado da mar.
Eocho-ae era 3|4 de hora, e estando cheio esgo-
ia-se em 5 1(2 horas para receber urna fragata
de primeira classe. B
O esgoto feito por meio de um tnel, que
commuoicando com um pogo aeia ps sbatxo do
dique, onde esto as bombas, facilita que elle a
j todo o lempo fique inteiramente aecoa,
A sua entrada de 70 ps, dimensio superior
de qualquer outro construido at hoje.
A junegao que forma
does, que nos mostrara a estrada da honra e da "la semelhanc. S UbS LL! f' I
obras da tetra da Cruz! Assim o escrevers aquelle
que d o dia e a noite, que fez o firmamento e os
vastos mundos que o povoam, e que para felici-
dsde do imperio de Santa Cruz coostitui-ros se-
nhor, o chefe, seoio o pai deste povo brioso, que,
cheio ce enthusissmo, ros cootempls, e dirige
preces so Altissimo para que sejam comvosco e
cora vossa augusta familia repartidas essas hen-
eaos que reverentes acabamos de ouvir pronun-
ciar.
Seohor! Nesle ngulo do rosso rasto impe-
rio, celebre J na historia da navegagio, por ter
prestado ao Insigne Coolc os meios de querenar
aua crvela, quando aocahir do seculo paseado
lenta va pela segunda vez derasssr os arcanos dos
tnare nunca d'antet navegados, e de que existe
perdumral memoria oease madeiro de nossaarir-
gens florestas, ou, como a tradiglo o afflrma nas-
cido na piocaro do monte que nos fica fronteiro,
e no aonel de brooze que ha quaai um seculo ain-
da se conserva adherente a rocha : aqui onde
existe um baluarte que o patriotismo dos officiaes
soldados e da illuatre guarda municipal de 8,000
Fluminenses arrancaram a Iresloucadosiosurgea-
tes, que eris entio bem joven, ameagavam des-
truir este bello torrio que nossos aotepasiados
resgataram, fiis ao re, patria e le, do po-
der dos Francos, que por um instante o araisa-
laram ; aqu, onde acha lenitivo a dor dosbraros
da marioha, sobre quem a mao da Providencia
descarregou irada o flagello da molestia ; aqui,
seohor, se passa oeste momento um facto
Os lados desle sio curvos para acompanharem
a lorm da embarcagao que nelle deve entrar ; e
tem em toda a aua exleosio degrios que ao lem-
Pejflue facilitara o escoramento da embarcagao
posta a secn formam escadas em tola a sua ex-
tensao para servigo dos operarios.
Alm desses degros tem dous corredores em
lodo o seu sentido longitudinal e dous grandes
vaos que o tornam especialmente proprio para
receber vinotes de rodas.
Estas ultimas particularidades que nlo tem
aidodesempenhadas em nenhum outto dique sio
invengio do Sr. Law.
A obra loda feita a pido sobre a rocha vira,
sendo o nico exemplo dessa especie. Existen
diques construidos em rocha, porm estes sio
fetosem urna exeavagio aobre podra de auali-
dade inferior, que depois rerestida com canta-
ra de urna pedra que ofierece melhor resis-
tencia.
E' o oosso dique urna obra de tal valia que
tem merecido oa louvores de todos os coostruc-
tores em pedra de caotaria que at eala data te-
moa lido.
O pegio ao lado do mar foi feilo de cantara
desde 25 ps abaixo da superficie do mar, por se
ter encontrado inesperadamente urna caverna
que era posigao em queso calculara haver 15
ps de rocha solida deixou entrar a agua, sendo
na maior parte devidas a esta circomstancia a
demora bavda na concluslo desta obra e as
htttoripath.Mmmmor.rToran^ que consta ter soffrido o sea em-
ca-lhe mais um paaao largo no camioho do pro-
greaso e da civilisaglo por cosequencia.
c E' de 21 de setembro de 1861 em diante que
presarlo.
O machinismo est todo montado dentro de
um edificio construido de cantara rusticada e
defeodida por urna coberta melallica de coostruc-
gio inteiramente ora e applicada pela primeira
vez pelo Sr. Law.
Aa dnss bombas de esgoto da torga de 40 ca-
rillos tem 2 1/2 ps de dimetro e 9 de jogo, e
devora dar 14 revoluges por miouto.
Os nabos [pfonoeons] sio de bronze msssigo
^^ZU^^^B^ [oYpCto^^u=e^t
o fundador de S P.J.burgo. Ibe^aSo, K.eiM?f.%,K rSVi^io" 11
o porto do Rio de Janeiro, o mais seguro, o maia
ampio, o mais ameno entre os melhores portos
coohecidos, ra tomar o lugsr que de ha muito
lhe estara reservado.
c Faltara ao destruido baixel o mel de repa-
rar suas araras e de preparar-se para novos em-
bates com o poderoso Atlntico. Ei-lo, esse lei-
tasa
Sr.
membros gangrenados e lhes restituirlo a perdi-
da saude. D'ora arante menos temivel se toroa
percorrer esse espago de milhares de leguas que
cada ama, o de construegio toda mo-
interpoe-se entre nos e a reina Europa, e a larra I chibas teham or
de Peno e Pitl.de Washington e aeV.nlrio, e Tazado os P|r
,SrV,L\?lli"?!- JLSWS*1: d Pelo empr.t"
de guarnlgio do Paran, o Sr.
alferea do do Amizpnaa Antonio Jtu daOUveiri
Sampaio, por assim o haver pedido. .
Para a flleira do 4.* baUlhio de artilharia a n.
o Sr. a. tenente aecreurio do mesmo balaltt
Joiquia Ferreira de Paira ; e ara o dito
coroio ser igualmente o abrigo das tormentas, e
o lugar commodo fcil de reparar os estragos
por ellas prodoxidos, e, quem sabe I um dia tai-
vez, o mais brilhante destino lhe esteja prepa*-
rado.
c Fundador immortal do imperio, a quem fi-
nalmente fes fustiga o povo que Tos deve a patria
ea liberdadel E' este o primeiro monumento le-
rantsdo vossa memoria. Sele lustros l rio
npaobia do'cor- perpassados pelo estrello orificio da ampulhela
do tempo desde que concebestes. ordenaatea, e
desles comego a este immoredouro artefacto. Ele-
va-se alli bem perto nma estatua, mas o pedestal
dessa esUlua por sem davieAo que Dio conce-
bsu o artilla, que do brooze a extrahio ; esta
bra gigante o titulo maior de vossa gloria, de-
pois do cdigo sagrado eom qu dotaste a nielo
qoe-vos deu o ser.
Navegantes brasfleiros, exulta! de prater I
A regenaaagao de nasaa marioha comega desde o
ioai.ot. 'eaa que as aguas da gentil >iliherday
larem banhar eaU rocha, a quem mi iiUlli-
gente daaite traaafarmou no mais bello monu-
menU da America Meridional. Armada brasil
i. -. **ws. .a. ^ xa. viserc "." ^rsevs u&
WJ Dee proteg* o Brasil, e no da dalnroea-
T0| \)t'j
valloa
derna.
De vemos aqui observar que, embora estas ma-
or vezes soffrido slguma arara
trabalhos, foram encommenda-
prazario para serrirem de mode-
los de construegio dessa classe, deixando elle
ao fabricante ampia liberdade quanto ao seu
custo.
Infelizmente a espectatira do Sr. Law nio foi
correspondida.
Fecha-se o dique por meio de um porta-caixao
de urna applcagio especial, de iarengio do
mesmo empreitefro ; sio coohecidos outros por-
ta -candes, porm de encaixo, systema que por
exigir muila exactidio torna a manobra, por mul-
lo apparatosa e difflcil, onerosa.
O systemas de comportas sobre gonsos esti
hoje cahlndo em desuso em conseaoencia d
graode difficuldade que ha em tarar sob elle
quaesquer reparos necessarios no flm de algum
lempo, e por s poderem ser esses feiloi por
meio do sino bydrauUco.
O porta-caixao por rato systema quando care-
cer de concert faelmenU querenado, um de
nenhum modo ao linar a sal forma e durigi
A iotrodueclb d lunta por meio da eatKcfw*
tambero invengio to Sr. Lsw, como tem si-
do^presenciada perfella.
Bstaobra pide se conrldfrar eom ais ira-
portauWda marinha deste impicrio; sem ella
194 IMabaroagio qu CTew it ^ wBtlo
os deaenhos para se-
gundo dique os dispoz de maoeira que as mes-
mas machinas e pogo que serrase ao primeiro
podem tambem satisfazer as necesidades de se-
gundo, estabeleeendo por essa forma notare!
economa oa nova construegio.
Dever mediar entre oa dous diques um OMaco
de 60. pea de largura na exteuMo de 3t"aot!r7o
quat serao construidos os edificios para denosta
e prepsrsglo das madeiras que foreaa easere-
gadas no concert das embarcacoes que nelle* en-
trarem.
O novo dique lera 225 ps da cuaapraeolo
sobre 25 de profundidade e 50 i atraa
Esta obra foi contratada por 855:000,' qutotia
que, apesar de maior do que o custo do contrata
do primeiro dique, a elle proporcional, cosm-
dirando-se a grande quanlidada de pedra que
est sobreposU ao mesmo, e teri de ser resao-
JSL*Va!i ent""os em considaracoaa sobra a
utilidade do emprego doa diqoes, sendo ella i
lao geralmente reconhecida e apregoada.
Outro meio ha de efleetoar-ae o concert do
fundo das embarcigdes, que o uto das morlo-
nas da qoal j temos um exemplo em pequea
esca a oa ilha do Mucaogu, devido pelo muito
hbil constructor da armada brasileirs o Sr. Ra-
poleao Lerel. ----------
Somos tambem informados de que o Sr H
Law acaba de contratar, e j dea principio a
urna morlona propria para auspender embarca-
coes de 1,000 tonel de lotacio, para a Companhia
Brasileira de Paquetes i vapor!
Nesta obra emprega elle melhoramealos por
elle inventados (e dos quaes posaue carias de
privilegio) que nunca foram ocupadas e que pa-
la sua muita muita slmplicidade lomara evideata
a economa tinto em lempo qaaato em custo
que baver em orna operadlo al hoje beiUaie
onerosa.
Esta obra foi ajustada por StthOOOf. dorando
ser nelia empregados os maleraes de maior du-
ragao, como a pedra de cantara, a al vesana e o
ferro.
O melhoio de auspensao 4 ama machina loco-
movel em lugar do que at hoje Um-se empre
gado com machinas fixas ecorreles.
Esta applicagio torna a operacio do encalhar
os navija mais fcil, prompu econmica.
Deve essa obra ficar concluida dentro da 18
mezes.
A existencia desles meios de auxiliar as em-
miS!Soe,.qw '" o ocano atlntico
menoiooal e um melhoramanu ba mullos auaoa
recoobecido pelos horneas praticos como de ab-
soluta neceaaidade. e qu* levar o porto da Rio
de Janeiro ia devida poaigio de porta de
primeira classe, Uoto de abrigo como comaser-
E cumpre-nos aqui consignar ama circenis-
Uncia lisongeira : depou de bom a JiaoUde
nosso primeiro dique e de eitar iniciado o cha-
ralo para urna morlona, emprebaadea ama aa
nagoes mais comraercues da Europa obras da
igual natureza, emp'regando para oMe-laa o*
Srs. Law e seus socios. Beferimo-nos 4 Portu-
gal que pela primeira vez encela a censtruc-
Lisbos DM D *" POfl Mtoe,M| *
O que, pois honUm rimas admiramo
para nos mui grande valor, assim a dase
conselheiro Joaquim Jos Ignacio, quando _
da retirada de Suas MagesUdea voltou. acompa-
pbado pelos Srs. chata de eaquadra Parker
inspector do arsenal de marinha. outro* ana-
caos de altas pstenles so pavilhao armada jauto
so dique, onde sffluiam ainda os coavidaaaa, a
all propoz um briode ao Sr. eogenheiro law
dirigindo-lhe os maia honrosoa coaprmeatoa*
aa mais affectuosaa feliciUgoea. *
A eue brinde, nio estando presente Sr Lew
respondeuem seu nomo o seu ajuaaaU CUeaeas
Wilmot exprimindo o seu mullo recoahecimaato
por tio distincta honra, os seus seotimeaue a
gratidio ao paizquo to bem o tem ecolhido aa
intengao em que ae acha de dar todo a seu pres-
umo enviar todas u forcee de que dispoe para
o bem estar e progresio dessa grande naca, do
as-
Entrando hontem do Rio da PraU trouxe-oes o
paquete frincez Saintongt data* de Brrara Ijtss
at 15, e de Montevideo at 16 do crrante.
A questao argentina Acara no asea ase p ; ae-
nhum combato ainda se dera entre as torgas a
Buenos-Ayras e as da repblica. Os alsdini
portenhos apenas sabem dizer-noa qua aaa pria-
cipios do mez o exercito^aalra de Rajas de-
manda do ioimigo, qjpegando as ultimas Ba-
tidas, Acara entre OcTJueU e Cmada da Cabral
a olto ou dez legis las usa vanguardas, com-
mandadaa pelo general orianUI Floras.
Urna carta escripia ultima hora tallara da oa
recontro entre ss guardas arincadas,
Cooslava que o exercito de Urqutza abaadoa-
ra o sea acampamento de Paron, marchando aa
dtrecgo do Rio Tercero, segundo uns para reca-
bar novos reforgos, segundo outros como mori-
meoio estratgico.
Quanto s esqusdras, Acara a argaatiaa na par-
to do Rosario debsixo do fago das bateras a a
portanha a nma milha de distancia.
Um decreto do dia 9 declerou a cidade de Bue
nos-Ayres em estado de sitio, raalaaaa o ceas-
mando militar ao ministro da guerra Gllr r Obaa.
que logo tratoude eobrir com a foreaa deque
dispoe, uot 5,000 horneas, as Unkaade forttR-
cagio.
Na respera tnha-se procedido s eleicoes para
integrar as cmaras, aahinda taitas sWaaorw
p. Valentnn Alaina, D. Francisca Muaiz. D. Tam-
tura Boah, D. Ruao Elizalde e D. Jas Manuel -
e deputados D. Emilio Castre, D. Jes* Mari* Cas
rll0D' C?'1,0'- Zefedor- D- ,* TU G.lforS:
D. Manoel Qoiauna, D. Maaoal Moates de Oca a
D Hctor F. Vrala.
O gorarnador do Gordo va, que j hara i
vido a cmara provincial, ras lili! prea
o Paran oa depuUdoa qee preieaUram coaira
semelhaate acto, prooadeu agora da anama rc-
ma a respailo da uaunicpalideaa, aaviaudo |
o exercito os mambros que iiifssum ban i
osea posio.
Em Tucurain honra aove a maia rieleaU tu.
eeodio, em Metdexa saolitam-sa aaros (reara-
res de trra que flzaram Bardar a ultima essa-
ir ^-------------------------
0p
congressi
om urna
robre os quaea \
r^*?,.??f, !?.
nhi.i ierl pubWP,*r,iai
DaiaUlmu noUcUs 4o Twagaay aUisa.-.
fV afjl
^ I


IMBU
prtame a rklafaMKAi ^removida
or D. Bil|H| UbpoUq-
ciario argentino, p- ^^B|b'Assnmp-
co expliceqes poi do o Dr_. Lo-
renio Torres oo ca oto confidencial
da provincia de Buenos Ay res. Te ve porm D.
Baldomcro de co ten lar-se com ai erpiceces
que fl mlaislro de etlipantiioa de Lcper, H*a deu
Gamegira f teabalhar a estrada de ferro.
Na estajo ientol nada oeeonera de i m partan-
wpoltica e olgumis quebras commerciaes po-
rpo, enlre ti'quaes se apoutavara as de D. Jai-
me Crucety & C. e D. Freoctoco de ta Serr, tra-
sto* obreaajlada a clsse mercantil.
Reunios a se**ie_legislativa eatraordioaria
- para, comear 01 dous membros que alUvam para
iBtaajBM o tribunal de juetica, e (oran designados
para ata cargo oa D;. D. Marcos Vaera e D. Ra-
mn Vilerdeb.
A noticia de estar o general Flores eom um
ominando no ejercito de Butms-Ayres obrigou
o governe orieatal, receloso de urna invaso, a
postar sobre as margeos do Prata e do Uruguay
nm corpo de 200 guardas naciooaes.
A respeito dai reclamaces aoglo-francezas,
carece ter-se concordado n'um juro annual de
5 "/o ncando adiada ai* ereuole das cmaras a
designado da,randa que tem de ser bypothecada
ate pagamento.
Resta*eleceu-8* nodis 12 a illaminago da ca-
pital a gat.
Teodo o vigaro apostlico destituido de seu
molu proprio o oura reilor da matrii, provocou
ate incidente orna troca de notas enlre elle e o
ministro do governo. N
Na madrugada do da 13 (oi a populaco sbi-
tamente despertaba por urna Torilsima canho-
nadana baha. Eran as fragatas inglesa e (rao-
ccza, que a tiros dn pega rompiam urna enorme
manga o'agua ou tromba marinha que do sul vi-
nha sobre ellas. Ilouve porm quem duvidasse
da realidade do pheoomcoo.
Noticias do Chile referem ter sido eleito presi-
dente da repblica .D. Joaqun Prez por 199 ro-
tos d'entre 216.
24 -
Foram no meados :
Chefe de polica da Baha, o juii de direito
Joo Antouio de Araujo Freitas Heoriques, sendo
exonerado daquelle cargo o juiz de direito Jos
P. reir da Silva Moraes ;
Juiz municipal a de orphos do termo do Rio
Claro, oa provincia do itio de Janeiro, o bncha-
el Francisco de Salles Pereira Pacheco;
Foram removidos:
O juiz de direito da comarca de Sanios, Vicen-
te Ferreira da Sila Bueno, para a de Campias,
ambas da provincia de S. Paulo, por assim o ter
pedido;
O juiz de direito da do Parar.ybuna, Joao Ig-
nacio Silveira da Molla, para a de Santos, na di-
ta provincia ;
O juiz de direito da do Ico, no Cear, Joo de
Souza Res, para a de Goiana, em Pernam-
bade;
Para a guarda nacional dos municipios de Vas-
souras e Iguass, na provincia do Rio de Janeiro,
oram Borneados:
Teneote-coTonel chefe de eslado-maior do
commaodo superior, o capilao quarlel-mestre ge-
ral Antonio Cortea e Catiro Jnior;
Capilaoquarlel-meslre geral do mesrao com-,
mando, Beroardiuo Rodrigues de Avellar;
Hsjor ajudaote de ordeos, o capilao secretario
geral Loureoco Luiz de Alhayde ;
Tenente-coronel commandante do balalho o.
13 da.reserva, o major Jos de Avellar Almeida ;
Ti vera m merc:
Antonio Raymundo da Oliveira Brito, da ser-
venta vitalicia dos ofQcios de labellao e esca-
rio de orphos do termo do Rosario, na provin-
cia do Marauhao ;
Antonio Fabioda Silva Pinheiro, da dos mea-
mos officios no termo da Garoliua, na mesma
provincia ;
Eugenio de Santa Uatis, da dos mesmos ofli-
cios e escrivao do juizs municipal de Guarapua-
va, na provincia do Paran ;
Joao de Oliveira Evora, tobelliao do termo de
l.orena, em S. Paulo;
Gabriel Ramos de Abreu, partidor do termo de
Jacarehy, na dita provincia ;
Jos Antonio Pereira Tinoco, labellao e escri-
vao de orphos da Itajahy. na dita provincia ;
Augusto Ruoo de Almeida, dos mesmos o lu-
cios no Rio Pdrmoso, em Pernambuco.
Fui aceita a desistencia feili por Ionocencio
Brasilio dos Santos, do oficio de eicrivode or-
phos de S. Luiz de Pirahylinga, em S. Paulo.
Obliveram perdo: Bernardo Jos Pereira de
Figuciredo, da pena de 4 mezes de priso. im-
posta pelo juiz da direito intariuo da segunda va-
ra crime da corte : Jos Luiz da Silva, do resto
do lempo que Ihe falta para cumplir a pena que
fflra" condemuado.
Foram commutadas : em 400$ para o Imperial
Instituto dos Meninos Cegos, a pena de quatro
mezes de priso imposta a Francisco Lopes Bap-
tista; em 100$ para o mesmo Instituto, e de dous
mezes de priso imposta a Joo Pereira Cardo-
zo ; em deportarlo para fra do imperio, o resto
da pena imposta a Joo Jos Viaona ; em 100$
para a casa de caridade da cidade de ["orto-Ale-
gre, a de tres mezas de priso imposta ao coro-
nel reformado da guarda nacional do Rio Grande
do Sul, Joo Luiz Gomes.
DIARIO DI fiaiUMBUCO. <- QUtiA FKIRA i 01 OUTUBRO 1E 1811.
im mn
f
u
commisso do arsenal de mari*
_
xa mi na
n ha da corle.
cr Bordo dp referido surto no Rio de Janeiro, 11
de setembro de 1861. /own* Me. Guin, chefe
engenheiro.
Segu-se o exnme
< Em cumplimento do despacho supra certifico
qua revendo o livra I l termos de examas das
barcas de vapor mercante*, encontr! o seguala :
Aos 14 das do mez de alambro de ttjdl,
comparece* a botd* do^apor Tbcanitnt, a com*
mssio encarre gada de examinar as machio as,
calderras. casco amarras e aocoraj dos bateos de por que na-
veiram dentro e lira do porto deata corte, eem
reaultado dos diferentes minuciosos nM
fettos no que diz reapeito cada examhiador, a
! commisso vendo le lulo eslava em bomatado,
de parecer unnimemente que o vapor em
! qoestio pode seguir viagem.
Em firmeza da qual lavrou-se o preiente ter-
rno que assigoamo..Francisco Eduviges Brido,
capilo-tenente, aldanle presidente. Carlos
Braconnot, V lente engeriheiro ajudaote do
director dai offleinas de machinas. Napok&o
Joo BmptUla Lewl, director des construecei
navaes.
poca dos neraes paesou. Certos nomes j nao
Morrena abalados no
WTMnaejta nao que tratam as questes mais
i a pais. Delxa-los na pez beatifica do
em-ee nos ltalos com que os
unifleeocia imperial.
c Se nos licito ilguma cous lembrar neite
to dietinelB adrrrMstradac da proviaaa!
provckkaaBM ocasi a o para dtev-lb que
rtaiiadt,{t** ipor diante o estsada b
agalarra, na Franja, Portngal os
governoa .teas Hendido ao grande m da n
xposiaao aa arta, nomeando para aa oraaaa-
soea homens datadas as classe sciaotiflcas,a-
nufactureiros e induitriaei.
As coramisaes representa sala o penaa-
dt> por numerosos eapecbadorea, entre oa quaaalmento em toda a plenilude ; nada ctasae inta-
gados entre nos; porqueioda nao chegarao
reprova^ao abioluta desta sublime a celaste vir- podem faur gaaratofalta
tnde christs. Embora a experiencia ttnki
ramenleprovado que o numero 4ot ^esret
i medid que ie criam recurmpara -fia
responden offlcialmente o governo dc^kW
certa occasio, todava isto nao nos impede
proseguir em noasa abra. Os i
dos aos pobres nao augmentara saeaera
a ni feaia-os apeaaa.
Quaado oio aeja am deve icclat, 4 um de
religiosa* que da brairleiroa sem repugnancia,
nos sujeilamoa, o ,de soQaarvet os desvalido*;
porque -a corece s maia ntimos sentiaaenloa
a'alma nos taousaoi iaam,
Ha maahaa do da J3 j* tinha havido na igreja
da Piedade um mu tocaata acto, que fui
O lyco lubsiiluido por urna escola de bellas
artes. Nao posso alada manifestar-lhe um juizo
acerca desle projeclo, que s hontem oi publi- Aoha-se designado o dU 10 do carrate para
Cana na flmrtn a rnia nianuacan lom ifaita nrrap .____<_ W_ __ ri.____%_ ._*i_t.__ r .
cado no Diario, e coja discussao lera dada lugar
a contlnuaco das sceoas que j lhe descrevi.
A nomeaco do Sr. conselheiro Anto para pre-
sideola da provincia, oio ol recebida com salis-
acio. Preteria-sa sutes que o Sr. Br. Chave!
baaSdad.
Por decretos de 18 do correle concedeu-
e ao conselheiro Zacaras de Goes e Vasconcel-
los a demisso que pedio do lugar do membro ef-
fectivo do conselho naval; e foi demittido o Dr.
Aurelisno Candido Tavares Bastos do emprego de
I* oicial da secretaria de estado dos negocios da
marraba.
Por urna carta de Ouro-Preto consta que
pelas noticias alli recebidss da votaco do segun-
do districto pareca fra de duvida a eleigo do
Sr. Fonseca Vanos para deputado por esse dis-
tricto.
Foi oomaado professor honorario da seccao
de pintara da Academia das Bellas Arles o pin-
tar histrico Viclor Meirelles de Lima.
O vapor Tocanlint sahido do nosio porto
para Montevideo e escalas no da 16 do correnle,
anibou oo da 19 liba Grande, onde se con-
serva.
O seguate extracto de urna carta escripia por
um passageiro, refere as causas di arribada e a
posico em que actualmente se acha o vapor :
Angra, 20 de selembro. Depois de andar-
ros malroca, entregues a Dos e i sorte meta-
de da noite de 16, e lodo o da 17 e 18, hootem
(19j s 11 horas da noite fundemos fra da bar-
ra do sul da Ilha Grande, ondo nos conservamos
seguros quaulo Ss vida? mas aem poder dar um
paseo, porque cora o po**~^iino panno que tem o
vapor, nao podemos I so-,.ira da Ierra despegar
o Tocanlint da ancora sem risco de dar contra
alguma das costas que nos cercam 1
As caldeiras deata ratoeira eslavam em tal
estado que apenas navegou sete boras a vapor,
rebeotando logc*oa tubos e vasaudo-se toda a
agua das caldeiras oo poro, de onde foi tirada
m parle a baldes, por ji virem as bombas en-
tupidas.
as sete horas que navegamos libamos ven-
to a favor, e o mar pouco picado, de sarta que o
desarraoju das calderras foi cousa t devida ao
seu pessimo estado e nao a qualqucr causa ex-
trema.
. Veja com que seguraoce se aventurara tan-
ta vidas s eventualidades do mar!
Coate-Ibes todo isto para que nos auxilie no
pedido que fazemos de outro vapor que aqu nos
venbs lomar e conduzir para o Rio-Grande.
'. Paulo. +
S. Paulo, 15 de selembro de 1861:
Hoje o da da eleico de eleitores de Soro-
ca ba. O que estar alli acontecendo ? Nada
per certo a nao ser alguma trica ou alguma du-
plcala. Be ferro assTmdere acontecer peta so-
lugao imprevista a extempornea do governo so-
bre a eleico municipal daquella loealidade as
perladas" vesperas de urna lula desesperada.
Dous resultados pode causar a deciso : 1*. pro-
dusir urna duplica ti : 2o, prodasir m ka ralbo
a ti m de evitar-se que a eleico ae laca cem juiz
de paz conservador. Nao aprecio nem deaejo
qualquer doa resultados; esle meu parecer po-
rm todo individual; ninguem po te penetrar
es arcanos.
O Monitor de r.ontem aahio ii.teiramenle
em opposicao admlnistra^o actual; ao porm
,lo pueris as secusaces que pouco devem in-
commodar o Sr. Dr. Joaquim da Mandones: toda
s provincia o applaude como ptimo administra-
dor, sendo que peucos tem lido a felicidad* de
um apoio e sympathia lo-geraes.
Que importa c invectiva desle oa daquella in-
dividuo, deste ou daquella peridico? Desdeoe
o governo tem per si o bom seoso e pratica das
negocios, nada deve recelar, pof que a verdadei-
ra opioio publica o julgar.
Oque lamento este syilema de intrigas de
partido: cada parcialidade quer potar a braaa
para sua sardioha, e dahi os ealeios de que ro-
deara o presidente da provincia. Os peridicos
respectivos fszem eco lr.i de palacio ; os arligoe
bombsticos e enfeltadosile rectlmioacdes serias
oa ridiculas ajudam a digeslo da Intriga cimen-
tada per algum espertalbao. S o governo per-
de oeste jogo, por que atlnal tem conquistado
os odios de muitos.. Um governo partidario
preferivel para o bomem honesto que se dedica
vida publica: se apona ao dedo- os ioiraigos,
v tambem ao seu lado amigos, eoio simples iti-
leressados ou magnetisadu.'es.
Voltan Jo ao Monitor, observo que a Imprenta
Paulina segu conduela diversa : se nao applau-
de ou se nao apoia, tanibem nao aggride :-ha
sem duvida plano em toda esta conduela politice!
Parece que o partido liberal deslacou o Monitor
aflm de observar a imprassao qu a invectiva
produziria no animo publico, e ao mesmo lempo
que a Imprenta Pautista faz as vezes de aza de
morcegul E' estranha essa ttitude, e demonstra
fraqueza de partido ; mas o que certo que e
Conttitucional demonstra-se em posico esquer-
da, nao compreheodendo a situaco : no numero
de hontem ameacou o partido liberal com a de-
fesa do presidente da previncis, ao que a Im-
prenta Paulista nao ae oppori totalmente por
que nao ha de destruir seu piano ae campanha
em vista de um: simples ameaca de deffss.
Anda nao pode funecionar o jury desla ca-
pital por falta de numero I Sempre o mesmo, e
nem um to lastimavel faci tem produzido urna
reforma til I
O Dr. Carlos Ralh estabelecea nesla cidade
em sua casa urna sociedaie particular para dar
representares dramticas em ailemao. Nao sei
se hontem, apesar da chava, houve o primeiro
espectculo.
Os disturbios e ferimentos na (reguezia de
Peona prodaziram dous processos de importan-
cia, um promovido pelo eidado Feiieio l'agun-
des e ouiro palo soldado Carvslho.
Noticia e Corrtio Paulitlano que no Alam-
bary, fazeoda no municipio de Botucat, os in-
dios atacaram e deram om asealto, matando a
esposa e cinco fllhos de Fortunato da Silva Bue-
no, Dcando tambem muito maltratada urna moca
que alli moravae quena occasio eslava com
nma criaoca oo pello. Houve tambem roubo na
forma do cosame.
Dando essa nuticia, o Comi Paulitlano rele-
re-se a urna correspondencia publicad* no mes-
mo numero e assigoada por Jos Antonio de Oli-
veira Marques, na qual ae invectiva por modo
atroz o tenente-coronel Jos Joaquim Alves Ma-
chado, director dos indios oaquellas cidadee 1 O
que poderia fazer esse dislinelo cidado? S a
paixo poderia produzir aocuaacao te banal. As
correras de iodios sao innmeras durante o anno
em qussi todas as provincias onde elles existem,
e por isso nenhum director ainda foi censurado,
por que todo o mundo sabe que o indio e inir#
tavel, e to ingrato as ponto de assassvnar e roa-
bar os proprios berofetores.
Creio que a cachese dos indios alguma pe-
chincha, e por isso nao admira que osfuneciona-
ries actaaea sejam invectivados para que atinal
deetu lugar a outros. Mas e governo ba de in-
dagar o facto, e ba de ver que o aceusador nao
poderia substituir convenientemente o aecusado
em assumpto to importante da administrado
publica.
Hontem foi laucada a podra para urna ca-
pe la, sob a invocaco de Nossa Seahora dos Af-
ililos. A esea ceremonia religiosa, bem como a
todas, estove presente o Sr Dr. Jacinlbo de Meo-
dones. Houve msica e guarda.
Nao lem havido espectculos, e creio que a
publicaco das partes poh'dies vai produzindo
eslutar eflVito no animo dos turbulentos da pla-
tea, per que o negocie nao ser mais de segredo
para oa pais e familia.
(Corto particular)
se notavam aa principase autoridades da pro-
viecia.
Quero fallar da primeira communho dos alum-
nos do Gymoaeio Baaiana, coilegio modelo do
Ilustrado Sr. Dr. Abilio.
O Sr. padre meslre T. Fiuza abri o acto com
um ercetlente discurso, notavel pela, phase co-
mo pelos sublimes pensamentoa que desen-
volved.
Depois desle discurso e durante tuda a solem-
nidade os alumnos do Gymnaaio cantaram bel-
lsimos hy.mnos com acompanhamento de um
magnajeo harmnico que produzia mui agralatel
effeito. Estes canlitoa sagrados, de ama meloda
arrebatadora demonstraran! o adiaotamenlo dos
J^^^Oaf "^t Oav'^tWOflf^'iWD '&VL oUDIrijVV 01**9 "WV"^*l*tl
sica.
No fim da mise S, Exc. Rvm,* o Sr. arcebis-
po, Bao pudenda conter a sera emocao, dirigi
em despedida a aqueiles meninas urna allocuc,o
breve, mais eloquente e proprla para gravar-Ibes
no corago oa mais salularee principios.
A' tarde oe meninos toroaram ao meamo lem
po, para faaer acoslumada cenmooit-2e coosa-
graco a Mara, que tambem eeteve locante.
Manifestou-se nesla capital e igualmente j
em algn* lugares da reeaaeava como Maragogi-
pe, Nazarelh, Malta deS. Joao etc., a epidemia
da varila que aem feilo alguna eatragas, espe-
cialmente nos esecavos vindea do interior e de
Sergipe para cerera remanidos para o Rio de Ja-
neiro.
Todava nao tem ella esta exteocao que parece
indicar oe artigos publicados nos jornaes d'aqni
eo Sr. vice-presidente lem dado mui salularee
providencias para promplamente aUlhar o seu
desenvolvimento.
B' o que noa falta va. Ceasoo febre amarella.
mais appareoeu logo ouij-a peale para a substituir.
Eu nio me admiro diese, como j lhe disae urna
ves, oae pessimad condicgoea tiygieaioae em que
vivemos, a paste devia ser enlre dos permanen-
te, porque aceio e limpeza publica, causa que
ainda nao saDemos o que seja.
Na manhaa do dia 20 descojj^^ee junto a
praia do mar grande um navio Wtei maetree
em perigo.
Promplamente foram soccorre-lo laochis do
arsenal com o Sr. patro-mr a a laucha e esca-
leres da corveta Dous de Julho.
Soube-st d'abi ha pouco que era a galera in-
giera Fimandra de mais de r^OOO toneladas, car-
regada de carvao de pedra e a moiio esperad
ueste porto.
O capito diz que pensando demanda-la ea
regra, fui despertado da conQaDca em que nave-
gara por urna forte pancada que e aaviu deu em
ueaa pedra que ihe (ez um grande rombo. Boto,
reccnhccendo que a agua era invencivel resolveu
vsra-lo em cima do banco em 'que eslava para
nao ir ao fundo.
&' utna perda inexplicavel; porque a barra
da Baha pJe ser demandada por um ceg,
principalmente em urna noite daquellas, ni que
brilhava um esplendido luar, e soprava ama vi-
radlo branda.
A companbia de seguros deve investigar bas-
tante este negocio, qua me parece urna especu-
larlo vergonzosa.
Em ordem i satisiazar orna conveniencia pu-
blica muito desejada estabeleceu a presidencia
urna laxa para os carros, quer em passeios, quer
nos en trros.
Nesta capital apenes o Sr. Ariane tem um
estabelecimento bem montado de vehculos pro-
prios para um e outro fim, e defacto exerce um
monopolio terrivel; porque tem matado todas as
empresas rrvaeeque exieiram. Os precos exigi-
dos era ni exorbitantes, e desgranada a familia
que tinha de fazer um enterro ; porque fiestas
depennada. ,
ressada na grandeza, no movnento da exposi-
-jio. -Cade peseua iiumeadapiM a commisso di-
rectora tem por ella dedicago.
Entre nos o pnmetro ensato. NSo flqoe
elle desacreditado pelo desanimo. Veoham pee-
a artas q
eee na adminiatracto. vieto que conhece
quegoverna,aaa Bastante inleUigaacia,
a al reatado de promover a sea
o. Anim patato o Rio Grande de Sul o
illente admlniatrador, ea Baha tamban,
duasgrandaa provincias terao de saflrer
anlagens de la novo aprendizsdo. Nio
beodo que poltica ita seguida par
o governo geral.
Temos carga para ah o
Slydia, e o brigue Felicidade.
O-eeeabte sobre Londres flea 25 1|2, 25 5|8 ;
sobre Pars a 370 o franco ; sobre Lisboa de 114
a 115 por cento.
A alfandega rendeu at hontem 297:4479466,
e da sus consequenle entrega naquelle mesmo es-
paco ; tata qua disto poesivel.
a reuBIo da segunda eeeeo judiciaria do jury do
termo da OUnda.
Esta sesso presidida pelo Sr. Dr. juiz de di-
reito d 2* Tfim, MrtJ
O fiscal deata trege tea da Saajto Antonto
leaabra aos dono* da estabetswtaserta* ato portaa
ebtrtaa e da e*a)eAn, bata-eom* nos ssebris-
tea, coiimriBaasjto doe 81 a 1 do art. 5a das
partnaau addteiatnes e 2o de ovembro de 1855.
Eetoa S3 irtimiaa ao i obriajaeio fmpeata a taao
piaaaae deitar*j| arre m teatrttos doaraa-
pectivoa eatabeleeiaeatos, krlg de-as de poto
dista.
A satos i* toase di aparte d ponida aem a multa
eoaa que se hourem com a idea di exposicao, e e a recebedoria de rendas internas 27:695j[128.
que trabalhem para ella. Ha necessidsde mais
que ludo, nao de titulares, mas de homens de
pensameniu e aeco. >
Com effeito o Sr. Dr. Chaves comraetteu um
grsnde erro procurando para dirigir esta festa
artstica e industrial sos grandes homens de nos-
sa Ierra, que Bao sabem O que nobililar o tra-
DIARIO OE PERNAMBUCO
Anda assim a tabella concede auferit-gidu-
DE PER-
Ainda nio podemos chegar & cidade de Angra,
e provavelrceote l nao iremos porque o vapor
alo tem panno para isso. Ao menos estamos
tundeados parlo de ierra, e livres dos profundos
abjsmoe, aos quaes eslavamos eujeilos a descer.
c O commandante foi incansavel, e quiz a
principio arribar para ah, porm desisti porque
osperigos podiara de um a outro momelo tor-
narem-se irremediaveis.
Amanha is 7 horas da maaha sahir o rapar
lmptrador aflm de conduzir paca o sul a maia e
os pasesgairos do Tocanlint.
Hootem, 27* anniversario do fallecimeoto de
S. M. I. e Sr. D. Pedro I, fundador do imperto,
estiveram embaadeiradas maia pao as fortale-
zas e vasos de
qua rio em qoa
cao foi feilo c
CORRESPONDENCIA DO DIARIO
NAMBDCO.
Baliia, S? de setembro de 18ti 1.
Como lhe noticiei na minha ul.ima correspon-
dencia, leve efectivamente lugar na noilo de 23
deste mez oaoncerto dado por algomas lenho-
ras das mais dislioclas desta capital, no grande
salo do pago da cmara municipal, em beneficio
das orpbas desvalidas, recolhidaa a Casa da Pre-
videncia. Para cima de 300 seohoras, e de cem
cavalheiros honraram esta festa da candada, que
nao ad pdz em relevo os generosos seotimentos
d'alms das distinctas bablaoas, que, veocendo o
natural acanhameato, lomaram parta neese con-
cert, como a pericia dellaa no canto e na exe-
cuQo do piano principalmente, que foi primo-
roa. Aliaos artistas de mrito, como o Sr.
Amador, Barelgaluppi e o Sr. Muniz filho se as-
sociaram ella a exe de msica.
A Exm.a Sr* D.Clara Bandelra, flha do Sr.,
viseando dos Pises e esposa do Sr. Bandeira, ri-
ca de todos os bens terrestres ; porm anda maie
rica por suas solidas vir luden, -conservou-se des-
de o principio da reuniio at o m na porta da
entrada com duas orphas pera recebar o dona-
tivo dos convidados, que preduzio urna boa re-
ceita. Esta jovem senhora secretaria da con-
trara dasaenhoras da caridade, e urna daa mais
incansavtis na mieso sublimo de que se incum-
bi esta aasociaco.
Ainda que neo conhecamoe o pauperismo he-
diondo que devora a Inglaterra, que nao lenha-
mos um Ghetto, por em qua alo em cada povoa-
o, esses quutefres maldiolaa qua ae eocon-
tram na maior parte das cidatles maie ricas e in-
dustrilas da Europa, oomludo j txiele entre
nos pobreza, tmida por ara, eavergonhada a
quem nio devemoe desempatar.
des lucros e deve mais tarde soffrer novareduc-
co, para commoJidade publica, vis ~oi o oso
dos carros se vai'generalisando, iiiv ^q.ie
desapparecem ae commodas e baratas Buwi-
nhas, meio de transporte, que digara o que qui-
zerern, o mais propre para.nossas latfei-
ra. Has os carregadores africanos teem cimi-
ouido muito, os crioulos ao os qaerem sibsti-
lur, e pde-se "calcular que, nestee doie ou
quando muito quinze anuos havor quem se
empregue neste servido, calculando que os ac-
tuaos tenbam pelo menos de 37 35 anos de
idade.
Depois do incidente occorrido na assenbla
provincial que lhe refer, tem-se paseado bella
couzsa muito singulares. Parece qua os nosaos
joveos deputsdos se combinaran para desacredi-
tar esta bella instituir o, que, em lugar da cui-
dar de fazer o bem da provincia s ea occapa em
prodnzir escndalos 1
A situaco econmica da Babia asss melin-
drosa, e exiga urna seria consideraco da assem-
hla para nao se aggravar maia Pois bem, em
lugar de supprcsso da despezas acoaselliadae
pela presidencia trala-se de augmentar o orde-
nado dos empregadoa provmoiaes, e decriar
oovos eocargoi I
Nao duvido que esle augmento seja necesia-
rio ; mas inopportuuo.
~~ O pai de familia regrado quando est onirado
de dividas, e v seus rendimeutos embaracados,
esforca-se em diminuir a despoza, e aguarda
lempos melhores para salisfazer certas neoassi-
dades, ainda qua elle e toda a familia soffram
enlao privaces.
E' certo que tambem assim deve proceder o
estado, que nao mais do que urna grande
familia.
Nos brasileiros somos um povo {que temos
precooceilos mui prejudciaes. Mandamos edu-
car nossos fllhos, forma-Ios, ainda qua coa sa-
crificio em alguma dae [acuidades de direito, o
que mu louvavel; mas apenas o joven oblem
urna carta de bacharel, entendemos que Ins
devemas entregar os deslinos do paiz, immedia-
tamente os constituimos legisladores, esforzan-
do-nos para fase-Ios deffulads provmciaes logo,
quando nao temos influencia para leva-Ios
assembla geral.
Ah que est o nosso grande erro.
Em nosso orgulbo de pai esquecemos que
nosso filho, embora desse provas de eapacidade
oa academia, foaie um dialiacto asludante, aso
lem comludo recebido a ioatrucc&o que s a
experiencia do mundo lhe pode dar.
O moco sahido das bancos da escola com anas
theorias abstractas, vendo-se repentinamente
collocado na grave posigo de legislador, presu-
me demasiado de ai, nao tem a idade da reflexio,
fcilmente se inflamma, ou cede pedidos in-
discretos, e cada dia maia se aggrava a sorte da
provincia, cujos destinos esto confiados, nao
aos maii capazes della ; porm aos mais novoa.
Sendo quasi tados es depulados da mesma
idade, conlemporaueos da faculd-ade, nenhum
teem bastante prestigio para, collocado oa pre-
sidencia da assembla, conter a ordem, reprimir
os escndalos, a por isso cada vez ellas se tornara
mais frecuentes.
Sou eothusiasta da mocidade; porque tambem
son moco, e recanheco qua o Brasil lado deve
esperar della; potm nem por isso posso deixar
de recoobecer o perigo que corramos se conti-
nuarmos 4 seguir este deploravel eystenu que
ecnsuro-.
Mullo mal parada veto a nossa expoeicio, e
presumo que ella ser ama daa maia pobree,
quando a provincia tem productos a alimentes
para a tornar urna das mais ietiocles.
viscondedoePUas que pediu die-
balho ; nem honrar e animar
gente, pagando-lhe bem ama obra da guato a
perfrese.
Elles compram alguma couea, mas depois de
regatear batante. Deus permitta que S. Exc.
lenha ainda dispertado lempo, a que aa nevos
comorisserios com seo ardor e dedicado reparem
a iodiffetenca de* que e escusaram. Temea ar-
tistas notavis entre nos em todas as profissee,
priocipalmente na marcenara ; porque nio se
escolher algum para a commisso ? Porque nao
se inflmasela tambem oalo das eeuhoras para
nos descobrirem esle* verdadeiroB primores da
agulha e da paciencia, que aahem das maos de-
licadas de oossas peincias, e que sao dignos de
figurar na mais explendid eiaajaico.
O brasileiro hbil e inlelligente ; mas mui
modesto : duvida do valor do seu trabalhe, e te-
me aprcseota-lortMuizo de urna exposicao.
Devenios anima*] I para pnarecer, anima-lo
mais ainda depois pera aperfeicoar-se, por molo
de estimulo, da emulaco dos premios, que se
devem conceder aoa mais dislioctos.
Todo o resultado da exposicao. porm, depen-
de da escolha de um* commiafo. Um hornera s
como o Sr. Dr. Lagos, que reuni, condozio e
classificou varios productos importantes da in-
dustria de Cear, a as revelou & populac.Su nacio-
nal a estrangeira da corte, que absorta os exami-
na sem fartar-se de contempla-los, vale mais do
que urna dazia de figaroes emproadosde nossa
aristocracia, que s copiam da estrangeira oa ait*
defeitos, e oio 4 imitam nss suas cobres acedes.
No meio destes motivos de desprazer, que nio
podem deixar de incommodar 4 todo o brasileiro
que, como eu, ama a sua patria, a a deaeja'ver
elevada i posicio que compele, doce observar,
anda que raramente, um fseto honroso, que pa-
ga-a impresees fortes produzidas por aqueiles.
Agrande ingratido que commettemos para
com o immortal fundador da nossa oaciooalidede,
o iocaosavel obre.iro de nossa emancipaco pol-
tica, exige per adm duvida urna grande reparacao,
e nos nio hesitamos em patenlea-la ao mundo ; o
que dos acredita muito.
A posteridade per sea bocea severa e impar-
cial fas plena, juatica ao nosso primeiro impera-
dor, ao principe, cuja vida foi um modelo novo,
um type de es tu lo a presentad o pela longa histo-
ria da haaaaoidade.
A sociedade 21 de selembro, que se eocar-
regou aqui da beata miase de auffragar aonaal-
raeole nesso dia, oio s a alma do Sr. D. Pedro
como as dos veteranos da independencia que o
icompanharam, e alm disso de elevar um mo-
numento logo que possa, em honra desle grande
priocipe, para perpetuar sos memoria, fez cele-
brar este a-uno taes suflragios na igreja matriz de
de S. Pedro Velho, por star em obras o conven-
te de S. Francisco, onde habilualmeote os manda
celebrar. As 10 bares da naohaa, achando-se no
silio o Rvm. Sr. arcebispo, e nos lugares de hon-
ra designados, os Srs. vice-presidente, coraman-
doote daa armas, commandante da alacio, effi-
ciaes da armada e do exercilo, clero, coosales
I'rancez o Portaguez, um numeroso concurso de
pessoas gradas ; assim como os orphos do coi-
legio de S. Joaquim com seu provedor o Sr. Go-
dintio, comee ram as ceremonias religiosas, acom-
pauhadaspor urna eicellente msica, apropriada
Pelo vapor francs Guienne, recebemos jornaea
do Rio at 25 e da Babia at 29 do correte.
Em outra parte encootraro os leitores ludo
O artista iotelli- quanlo ba de mais importante.
ao acto.
S. Etc. Rvm. efficieu no memento, que se se-
gu* 4 missa, que foi dita pelo Rvm. deao, assis-
*ido das Srs. cenego Joo Nepomaceno Rocha e
Santos Pereira. am.
No corpo da igreja se ermvi um cenotaphio.
simples, mas degoeloe elegancia, no qual se va
o retrato do imperador ae meio de um tropho
de armas. Como a sociedade est Tesolvida 4
principiar quanto antes os trabalhos para o le-
vaniaraento da estatua do impender oo Campe
Grande, por isso resolveu acertadamente Dio
dispensar muito oeste movimento provisorio.
orador da sociedade Sr. cooego fonseca
Lima, um dos seus fundadores; mas estando elle
oa corle, ella recorreu a arios oradores sagrados
para eubstiii-tor os quaes se eeeuaeram sob fri-
volas prelextoa. Sabendo disso quasi na occa-
sio da missa o Sr. coaego Rodrigo, levado de
um nobre impulso offeraceu-ea para preeocher
esta lacuoa.e subindo 4 tribuna, proferto de im-
proviso urna allecuco sublime, que durou urna
hora, e mereceu os applausoe de todo o audi-
torio.
Explicando a causa da queda do Sr. D. Pedro
I, o orador estove elaquentiasimo ; e estigmati-
sou com expressoes adequadaa 4 estas harpas
que no soppedaneo do tareeo concorrera para a
sua queda ; assentaado-a sobra voluQes em lu-
gar de conserva-lo sobre os coraces dos poros.
Ocoaseth directorio da sociedade immediata-
meate reunio-se quando sa finalisaram as ceri-
mooias religiosa, e resolveu, por uoanimidade
de votes, efferecer ao Sr. coaegt Rodrigo o titu-
lo e orador honorario da aoctodada, e o diploma
de socio, em prov de sea agradecaseoto.
Urna Brigada com mandada peto Sr. coronel
CtrvaUwl fea as honras devidas na porto da agre-
ja, a durante tado o dia oa navios da guerra a
mercantes naciooaes e partugoezes, a a fortaleza
do Mar conservaran! a bandeira a meio pao, dan-
do esto tiros de das em dea mioutoe, slam das
tres salvas, urna ao amanhecer, outra ao meio
dia, e outra o pdr do sol.
lioje segua pera esse orto brigue escuna
oaciunal Eolo em viagem de iuslrucco, o via-
gem de instraeco com effeito para os nossos
officiaes de marinba, que se insubordinados,
coas* os que ltimamente eslavam na crvela
Ooai de Julho, qua o Sr. ministro da marinha a-
certadameate transferio da estacao da Babia,e
os mandou para aa outras seperaodo-os. Agora
no Bolo vio o 1 tanle Ricarda da Silva No-
ves para servir no Marauhao, a Dr. Francisco
Ignacio Salvador Cardim para embarcar no bri-
gue escuna Fidelidade, que sa acha ah eetacio-
n ido.
Tambem sabio na meamo dia o brigue mcm*
nal Marta Itabel com 9,1 Ot) arrobae de camn
charque do Mi Grande, que tocen aqu pora
observar o mercado, e vai consignado ao Sr. Do-
mingos Ferreira Maia, negociante dtssa praca que
estimo ver ssaim rehabilitado com esta illimia-
da prova da conanca da cesa do Sr. Bravea do
Rio da Janeiro; porque um hemem ho-
Dbuo.
W
Amanheceu fundiado o porto o paquete fran-
cez, a vou accresceolar o que lhe ten he anda a
dizor para approveita-lo.
O Sr. vice-preaidente resolveu, depois de ou-
vir o engenheiro fiscal da illumrnacao 4 gaz, e
outros, que os lampeos fosseaa collocado* em
urna dietancia variavel da 175 200 palmos, em
lugar de 120 marcadoe no contrato. Desagradou
bastante esta deliberarla o, porque se diz que as-
sim Qcaremos com urna illaeeiascao, que pouco
illumioard aa ras ; mas o engenheiro fiscal de-
fende esto aedida.
Foi nomeado o toaeato coreael Egas Moiniz
L-se no Jornal do Commercio:
Bueno8-Ayres, 14 de selembro de 1861.
-Cambio.As operacee de cambio por este pa-
quete foram muito diminutas, nio excedendo o
total dos saques a 26 15,000 enlre libras sterlinas
a francos.
Regulou o cambio pela forma seguinte :
Inglaterra, 63 '.,' sh.
Fringa, 80 a 80 lp2 fr?.
Hamburgo, sem tmnaacedes.
Rio de Janeiro, dem.
Montevideo, ao par de 1(4 a i [2 de descont.
Fretes.Inglaterra, couros seceos 50 sh., sal-
gados 30 sh., a fardos 25 eh. com 5 |0 de capa.
Havre, couros seceos, 80 rrs., e fardes 45 frs.
com 10 0|0 de capa.
Merselha, couros seceos, 80 frs., e fardos 45
frs. com 10 0(0 de capa.
Estados-Unidos, nominal.
Alm das causas puramente commerciaes que
durante a quiozeoa influirn) para a completa
apalhia em que tem-se conservado o mercado,
pdese aitribui-la em grande parte 4 falto da
seguranza da situaco poltica, pois que asamos
em vesperas dasucceasos de sarama importancia,
que conservam e commercio e as domis classes
em anciosa espectativa.
Os negocios da quinieaa foram pois insignifi-
cantes.
Agurdente.Nao tem haviio vendas. Coto-se
nomiaalraente a 60 pa. f.
Assucar.dem. Cota-se o de Pernambuco
branco 15 rls. f.
Carne secoa.Durante a quinzena nio se rea-
lisou oenbuma venda da desla provincia.
Da de EnUe-Rioa pouca se vendeu a 19 rls. f.
a bordo.
Apazar das noticias da Uavana darem o artigo
em raelhor posico, os nossos compradores nao
teem-ae amostrado dispoetos at hoje a entrar no
mercado.
O deposito mais ou menos o mesmo que ha-
va 4 sabida do paquete ioglez, visto quem as
mataocas da quizena esli reduzidas a urna cifra
insigaificMle.
Ce uros salgados A escasses desle artigo tem
impedido as transaeces, vendeodo-ae apenas um
pequeo lote de 260 couros, sendo 156 de nov-i-
lho a 45 rls. e iOi de va cea a 38 rio.
Ditos seceos.Venderam-aa 10,000 para a Al-
lemanha de 49 a 46 rls., dcando em ser 12,000 ;
5,000 para Genova dos classiQoados para os Es-
tados-Unidos, de 36 a 37 re., ncando 10,000 em
ser, e algumas partidas para Hespaoha de 47 a
44 rls., a para o Havre e Mirselha de 40 a
42 re.
Montevideo, 15 de setembro de 1861.
Cambio.Londres 40 1|2.
Franga e Genova 80 1(2.
Rio da Janeiro 110,500 e 31*.
Fretes.Inglaterra, couros salgados 40 sh., e
fardos 30 sh.; Havre, cauros salgados 50 frs.,
secos 80 frs. e fardos 50 frs.
Marsellia, couros salgados 30 frs., seceos 60
frs. e fardos 45 frs.
Poucas sao as transaeces que temos a noticiar;
o nosso mercado est na maior ioactividade, e
assim se cooservam oa da conederaco argentina
em razo do estado de guerra em qua se acha
essa repblica, e da accumulaco de artigos que
temos tldo e de todas as procedencias, estando
quasi de todo interrompidas as remessea para
Buenos-Ayres.
-Dureote a quizena effectuarara-se as vendas
seguales:
Assucar.Venderara-se do Linda de Beirit do
Rio 285 barricas do mascavo de 12 l|2rls. desp.,
e do Btberibe a mesma procedencia 658 a 16 rls.
desp.
Rio de Janeiro, 24 de sftembro de 1861.
Cambio.Londres, 25 1(4 d. a 90 das.
Pars, 375 rs., a 90 das, hontem.
Boletira de 7 4 24
Desde a sahida do paquete inglez Oneida tem-
se pautado a procura dos principaes artigos de
i mporinco, dos quaes os compradores esto regu-
larmente suppridos pela satisfago das immedia-
tas necessidades do consumo.
Era tal situaco pouea alteradlo tem em geral
soQrido os aeus precos, exceptuando os da fari-
nha de trigo e do sal que declinaran.
as ultimas vendas de vioho tambera nao hou-
ve espirito de especularlo.
No mercado de exporlacio cresceu consdera-
velmeote a procura do caf depois da entrada do
paquete francez Guienne que nos trouxe noticias
mais favoraveis dos mercados consumidores, e
realisaram-se vendas im porteadles a precos que
estabelecem urna grande alta sobre oa que vigo-
ravam 4 sahida do Oneida.
Nos ltimos das porm tornou-se o mercado
inactivo.
As vendas de assucar foram regulares, e na
maior parte para o consamo.
Abrio-so o cambio no dia 12 do correte a 25
d. para o paquete francez Guyenne efectundo-
se a esse algarismo saqus regulares e diminu-
tos a 25 1|8 d.
Nos dias 19 a 20 subi o cambio a 25 1 [4 e 25
1)2 d. em consequencia da aurms;o que produ-
zirem no mercado de caf as noticias trszidas
pelo paquete francez ; flnctaou depois, passado
esse movimento, entra 25 3i8 e 25 1|4 d., Ar-
mando-s emflm a este ultimo algarismo as
transaeces fechadas boje.
Sobre Franca e Antuerpia sacou-se aos extre-
mos de 370 a 377 rs sobre Bremen a 1$545 por
thaler, e sobre Hamburgo a 703 re.
Sobre Lisboa a o Porto regulou a tabella se-
guinte :
116 O/o...... avista.
113 0/0...... a 30 das.
14 O/o...... a 60 a
113 0/9...... a 90 a
A laxa do descomo conserva-se aos bneos a
9 Oto; e na praca de 9 1|2 a 10 0(0>
Negocia rara-se as apolicea geraee de 6o(Oa
94, 94 1|2 o 95 oO, e as provincia es a 90 o-
As oncas da patria foram negociadas no dia 21
a 30f500.
Sahiram pera Pernambuco : 4 19, o logre
portuguez Julio, 4 20, a "barca /formo.
patacho nacional -de 5*900, que duplicar na reincidencia
Hoja raalisa-sa d consumo atoa aartaa exis-
tentes no correto, pertencentes ao mez de se-
lembro do anno Ondo.
Hefa pelas 8 horas da mardhia ea ponto,
qo consistorio da igreja da N. S. do Livramento
ee deveri extrair a 2* parte da 5* lotera em be-
neficio a motriz de S. Pedro Martyr de Oiind.
- No vapor francez eeguio boniem para a Eu-
ropa o Exm. Sr. cooseibeiro Francisco Xavier
Paes Brrelo.
S. Exc, foi acempenhado por nemorosos ami-
gos, e nos deeejamoa-lbe prospera viagem.
Chegaram Jav corte os Eims. Srs. cense-
lbeiroa S4 e AlrJQqaerqoe, cooego Piolo de Cam-
pos e Melle Raga, depotadee per ato provincia.
Sejam bemvldoa S. Exc. sua provincia natal.
Foi exonerado, a pedido, de inspector do
anenal de marinha, o Sr. capito da mar
guerra Eliziario Antonio doa Sanios, sendo de-
signado para servir interinamente este lagar O
ea pifio lente Barbeta da Almeid*.
Chamamos a alteoco da autoridad* com-
petente para urna pobre nrolher qne existe n
ra Imperial, perlo da estrada de ferro, em co-
lado de completa miseria, sem se podar mover,
e quasi que i morrer de tome, 4 oio ser a mi-
sericordia de visinhos caridosos. Seria conveni-
ente remetler essa infeliz, enoquanto d torno*
para o nosso hospital, afim de evitar-* que>
morra no desamparo.
Matadouro publico.
Malaram-se para o consamo desta cidade o
da 29 de setembro ultimo, 98 rezes.
No dia 30,99 ditas.
No dis 1 de oalubro, 95 ditos.
Foram recolbidos a casa de detencio o din
30 do passado, 3 homens e 3 snoiberea, sendo 3
livres e 3 escrevos ; a ordem do Dr. juiz munici-
pal da Ia vara 1; a ordem do subdelegado de S.
Jos 1, que o pardo Alexendre, escravo de Mi-
guel Baptitto da Oliveira ; a ordem do da toa-
Vista 2, que sao os pardos Joaquim a Rila, esta
eacrava de Bernardina de Jesas Taixeira a aquel-
la de Tbereza Adelaide ; a ordem de ato Mari-
beca 2.
Passageiros do vapor francez Guienne, en-
trado dos portes do sul:Joaquim Pinto de Cam-
pos. F. R. de Mello Reg, Jos daa Chaga* An-
drade, Joo Eslevio de Oliveira, Vercker o ana
senhora, Domestique de M. Pinto Campa*, atote
Mara e Vincent, Augusto de Oliveira, Mataeus,
Milito, Antonio Coelho de Si Albuqoerqaw, F.
Miguel de Nossa Seobora do Carmo, Jerooym*
Jos Telle, Estevio Jos Arozs, David, Jos Lean-
dro Mallos a um filho, Antonio Tararee da Silva
Godioho, Antonio Heory Dovro Godea.
Passageiros do vapor francas G*itn*. sabi-
dos para |a Europa :Conselheiro Francisco Xa-
vier Paea Brrelo, Gustavo Honnegger, a tapio-
Henriques Rodrigues, Bernardioo Lopes de Oli-
veira, Thomaz Pereira Cardoeo de Andrade, Sa-
veno Pewico, e Braga Pevico.
MORTAMDAOB DO DA 1.
Maria Fraocieca, natural da Luz, 30 asaos, sol-
tetra, Boa-Vala ; ttano.
4 mezes, Afolados
es-
Joo, Pernambuco,
pasmo.
Isabel, Pernambuco, 80 annos, solteira, escrav*.
Boa-Vista ; bydropesis.
David, Pernambuco, 11 annos, escravo, Boa-Vis-
ta ; phtysico.
Maria, Pernambuco, 1 hora, S. Jos; congealao
cerebral.
Maria Umbelioa da Gonceicio, Pernambuco, 3C
annos, solteira, Santo, Antonio ; Cerebrite-
agada.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Italanyo ero Novo Banco ale Per-
nambuco
em SO de aeteimtoro ale 1861.
ACTIVO.
Apolices da divida publica ...... 573:800fOOO
Estrada de ferro de Pedro II...... 104:600000
Estrada de ferro da Baha........ 89:26*9267
Depsitos......... 80:0009000
Joias depositadas...... 5:735f2SO
Letlas caucionadas...... 4:53OJ00O
Lettas descontadas. 2,677:57uBf77
Letras protestadas t H8:2l59SaS
Reraessas........ 19:3919479
Banco da Baha S/C 28:1591209
Aluguel de casa...... 7879500
Forneciraeoto....... 7 7660485
Juros.......... 3869806
Premios de ttulos de garanta. 14 672a"l7
Despesas geraes................. 1:1129726
Caixa.......................... 6l7:918f02O
Ri. 4,373 3119312
PASSIVO.
Capital..........2,(K:000|000
Emissao.........l,48r5MM00O
Depsitos da direceo .... 80:000|00O
Letras por dinheiro recebido 4
juros......... 63:5211540
Coatas correntes com juros 475:1489492
Fundo de reserva...... -49:2549513
Ttulos cm cauco *. 5:735fJ80
Banco da Baha N/C 50:8489324
Knowles & Fosler (de Londres) 3:2259734
Jos Antonio de Figueirede J-
nior (Rio de Jaoeiro) 8:5399334
Letras a pagsr....... 3009000
Commisso do fiscal.............. 1:5009000
Dividendos........ 17:6669000
Descontos de notis..... 1:3649000
Premios de saques e reraessas. 1:1409699
Descontos......................... 130:5279396
Ris. 4,373:3119312
Deiuonstracao do estado
Bm ouro amoedado .....
Em notas do thesouro menores
de 109000 .......
Em ditas de outros valores .
Em notos da caixa filial do Ban-
co do Brasil ......
Em notas do No-
vo Banco da
Pernambuco :
sendo do va-
lor de 2009000 87:8009000
dem do valor de
1005000....... 59:2009000
dem do de 50g 6:1009000
dem dem 209 IOO9OOO
dem dem 109 2409000
13.7009000
18:3459000
3789109000
81:340000
Alm do Sr.
Ptb" < commiaaio, procederam da meeme sor- { Barrete de Arago par* membr ato cmmiesio
vaidado cooda* muiUs oreaturas te oSr. bario -to Maloim, o Sr. Argollo a o Sr.Ua xpoaicio dos productos nstaraae e iadae-
e arimaira falle, k vezea produzi-1 Pedcoso, e am logar desloa cavalleuoe foram no- irises, o Sr. presdante delerminoa que ella -
vasea toga* no salaa do Lyco.
feda-se-i
xvme, et
dofav 1
< DecVaro qu
guale Tocanlint se scham
,e'Di^mmmml
^^Ble ter
permittio a
em
^^ptasdopa-
Ho da aerara
O laxo e a
ragee, da urna primeira falle, 4s vezea produai
da pelo amor, ao vicio e ao me a eelas desgra- ***> o Srs. pa. Saleattona Soato, Joaqun
cadw criancaa, quu sao o Iw?to inesperado, mis Botolio,,e Rodrigaes, medica d^Unotos e raa-
Levitovelotsatrtotas.iigaees, rtfeclsa*ach.r eathusiaeUa das bellas ideas, a do pro-
toroar parto 00 banquete Por canta destoa ibcbb* a*jBPa| JoMania do
entra nos, ha um Ibatorpost? par
K Aa horriveis theorias de M
i
Jruecrevem a caridad* como ata* de c
miseria, nao ppdem ser seoiuaoTeramnte jal-
verdadeiraa, que en miaba menta jibene
mbem feilo, e em qua ta toen estos lnaa ex-
prssaivae :
< Daatagaoe-ee o Eim. Sr. vice-praiden4e. A
A cammjsao aapacial da aaatnblaa va**oclal
nomeada para examinar o regulameot Ofgintoo
da rnattaceto publica offarece* no dit 4-do cor-
rate um peofactb MBoOtalitos qod tteterva aa a
acrevea m artigo chai* dacanaidera- oselas normaos a ini*roates tteum a outro 1
xo; mas eilingue o lyco,ttdad ao cteirai Oo
mema secundario, menos -anjwna* oto la (i ai qne
manda coaacrvst, coma outr'ara.'.naa tragaeiiai
mais popal usas da capital.
PEHMWBUCQ.
REVISTA DIARIA
, O Sr. Br. Joo de Soasa Reis acha-ae re-
movida pea* logar de juiz de direito da comar-
ca de Goianaa, do que foi exonerado o Sr. Dr.
Frertes Heoriques por haver sido nomeado chefe
de polica da Babia.
Foi nomeado o Si*. Augusto Rufino de Al-
meida escrivio de orphos e labellao do termo
do Rio Formoso.
Multa) coofltmot na exacBdie do Sr. ad-
ministrado do cortero ta ptevtBota da Parahyba ;
nos o*n a bm vuntode oto un fuuccionario 4
muits* tases amniloada por oio orresponderem
aa tos Mbtrf roadoa s vala* deata boa vonre-
*, d*tnmot actotAMea-v* de qa d-te easa hy-
poinealT com relacio a villa de Patos, donde
sasgB*la etaes 00a vitan de reotberem os
Ptaraao ttjto 9 Otas de daleoga oo-t"H
Prata e cobre
153:4409000
2:1839020
Rit, 647:9189020
Demonstrar. ala
4269 notas do valor de 200|000
lfKtoOOO
4656 > >
3220 > a a
45 I
324 . 1
863 8009000
4tt:6099000
1613
a 1,484:54*9000
O guarda lino*,
FaAscitco Joaocib Pxuiba Porro.
Communicados.
Iste potl, rog
ten Udo^l^BWltvaotd^Wal
notavel quanto oto mttmo
tito* el
eo revendo Sr. adminis-
mos todavi.
^BBBBBBnmmmami
da
fim ktMtfaMmt at) resMitarel BtMkt.
>cio do Forte do Multo.
boato da q*e por parto toa
do Porte do Mallo Mft*-
strtottnta* d Se. Jtoai
Ha
predi
curvea tentar
Maittoi do
como fund
Sr. Hart.-I
HH-Htl
dina
.
honra e
t firmas na
r do algodio,
s haver o
recebido i g*-
li lelgaaiat.
do Matio.iatoaoed. bu
|q0 falisnanle
de tou
8% al I ITII A sT\


-
\v
Miau- amtmoD* +. qua&i* wwu "Tirm
julgaram de sea dever reqaarer ao IHm. Se Dr.,
chele de polica que a bem de aso direitoi do
conhecimento d verdsde, arese de chanta* a
sua preieuQa os Srs. Martin e* Pile e inlem-
ga-los a respeito.
Publicando hoja as dous interrogatorios feos
a esses senhores, eotendem o abaixo asaigoslos
que por ellas conhecer o publis, e etp>
mela coaaMcit, qis os prosriaa i ote nega-
dos ao os proprios a declarar o contrario d'aquaV
lo que se dizia haverem elle propalado, com que
Be firmara to desagradare! boato.
Quaaqnerque trese lid usa acuito com qv
te fez apparecer lemelhaote boato, e sejam quaes
forem os meios a qae se teoha de recerrer para
comprometer aos abaixo assigoados, jamis po-
derlo disria-loa do proceder regular, qne at
floie honram-se de haver tido.
Protestara igualmeate que em qualquer sltua-
So, em que procuren) colloca-ios, estaro sem-
pre promptos a recorrer ou a Impreosa por es-
criplo, firmado com suas assigoaluras, ou aa au-
toridades competentes a lim de destruir quaea
qaer imputicdei oensires de sou carcter eilg-
oidad Aproveitando a occasia declarara os abaixo
assigoados que rjenhuma parte tem tido nos es-
cristo* publicados no jornal Campen sob o ti-
tule de Lantenra mgica, em que se tem feito al-
luses a pessoas que pelo commercio do aigodo
acham-ae em relaces maia ou menos directas
com os abaixo assigoados. a.
Recite 30 de setembro de 1861.
Jos Luii Guaiaco,
/ Joo Baptista de Medeiros.
Manoel Antonio Ribeiro.
Illm. Sr. Dizem Jos Luiz Guaiaco, Joao
Baptista de Medeiros, Manoel Antonio Ribeiro e
Manoel Itidoro d'Olireira Lobo.que precisara que
V. S. se digne mandar dar lhes certidao do theor
da deciaracoes (eitas peraute V. S. por Jos
Martios do Rio e Francisco Aires de Moraaa Pi-
res : asilm o pedem i V. S. IHm. Sr. Dr. chefe
de polica Ibes detira na forma requerida.
ER. M.
Sim. Recife 10 de setembro de 1861. Alen-
car Araripe.
Em cumprimeoto do despacho supra do Illm.
Sr.Dr. chele de polica : certifico que as decia-
racoes de que fazem meoco os supplicantes sao
do theor seguinte :
Termo de declaracao foita por Francisco Ai-
res de Moraes Pitea.Aes tres dias do mez de
setembro do anno do Desciment de Nosso Se
nhor Jess Chnsto de mil oilo cenlo e sessenta
e um, oesla cidade do Recife de Pernambuco o
secretario da polica, aondu se achara o Dr. Tris-
to da Alencar Araripe" chefe de polica desta
provincia comigo amanuense da mesma secreta-
(ia a seu cargo ao adame nomeado, ah com-
pareceu Francisco Aires de Moraes Pires, casado
de quarenta o tres anoos de idade, coinmercian-
ie e residente oesla cidade, o qual depois de per-
guillado, declarou o seguiute.
Disse que nunca disie a pessoa alguma que seu
cuah^do Jos Martius do Rio corra risco por
parle de preusarios de algodao do Forte do Mal-
ta assignaiarios da peticao que Ihe lida e nem
elle declarante presume que ellos queiram ten-
tar contra a vida do dito aeu cunhado, limitan-
do-ae toda a malquerencia & discusades verbaes
'competencia no commercio de que tratam.
Disse mais, que sabe que apparecau* urna carta
annima, em que se prevena seo cunhado, de
que o pretendiam assassinar por causa do nego-
cio do algodio mas elle declarante acredita que
essa carta s tioha por lim intimidar a seu cu-
nhado, e elle declarante tere conhecimento dessa
carta por Ihe haver dito sua rms. E como na-
da mais declarou, nem Ihe fui perguntado deu o
mesmo Dr. chefe de polica esle auto por fiado,
que depois de lido e achado conforme assigoou
com o declarante. eu Candido Autran da Mu-
ta e Albuquerque amanuense o escrevi.Alen -
car Araripe.Francisco Aires de Moraes Pires,
Candido nutran da Malta e Albuquerque. Auto
de perguntas feitas a Jos Mirtina do Rio. Aos
quatro dias do mez de setembro do anno do uas-
ci ment de Nosso Seohor Jess Ghristo de mil
oito centos e sessenta 6 um nesta cidade do Re-
cife de Pernambuco, aonde se achara o Dr. Tris-
tao deAlencar Araripe chefe de polica da prorin-
cia comigo amanueaae da mesma secretarias aeu
cargo abaixo nomeado, compareceu Jos Marlins
do Rio a quem o masmo Dr. chefe de polica fez
as seguioies perguntas. Perguntado, se receiara,
que alguem, ou algum dos assignaiarios do re-
querimento que Ihe acaba de ser lido, teotasse
contra a sua existencia. Responded, que sao, e
posto que elle interrogado recebesse urna carta
annima que agora aprsenla, e na qual se dizir,
que seu cunhado Francisco Alvea de Moraes-Pi-
res quera mandar tirar-lhe a vida, todava elle
interrogado nanhuma importancia deu a isso e
est convencido, que da nihguem tem a receiar
cousa alguma, e e'O quanto aos assignaiarios do
requenmeato, elle interrogado, tanto nao teme
mal algum quaoto-diariamenle com ellos vive em
relaces de negocio, e os considera ioeapazes de
tentar contra a sua existencia. E como nada
mais disse, nem Ihe foi pecgunlado, deu o mes-
mo Dr. chefe de polica esle auto por lindo, que,
depois do lido e adiar conforme assigoou com o
respondenle. E eu Candido Autran da Malta e
Albuquerque amanuense o escrevi.Alencar Ara-
ripe.Jos Marlins do Rio.Candido Autran da
Matts e Alburquerque.
E para que o referido conste aonde convier flz
passar a presente nesta secretaria da polica
de Pernambuco aos onze dias do mez de setem-
bro de mil oilo centos e sessenta e um.__Eu
Rufino Augusto d'Almeida, secretario da polica
tubscrevi.
Jarzca de devoslo.
O Illm. Sr. caeRe Antonio Gedes Crrela
Goneo.
A Illas. Bxom. Srs. D. G Adida Alexandrioa
Taratesde stW. 5 ^^
EserivSesde eliicao.
O Illm. Sr. lente Jos Lins da Silva.
llama, e Rima. Sra. D.l RitafCttollot Tararee
arete.
Eserires de darafae,
O Illm. Sr. Dr. Joo Jurehcio Ferreira de
Aguiar.
M Mras. e lima. 3ra- D. Francisca Rom le S.
Jos.
Mordodios.
Os Illms. Srs. :
Commendador Joao Joaquim da Cunha Reg
Barros.
Rvm. padre Luiz Jos de Figueiredo.
Dr. Joaquim Francisco CavalcaBti Lins.
Dr. BelsrmiooCorreia de Oliveira A.
Capito Antonio Pioheiro de dendonra. ".
Capilo Beato Archelo V escurado.
Teoeote Manoel Rodrigues Lima.
Tenente Francisco de Paula Rodrigues.
Candido Moreira da Costa.
Thom Rodrigues Charos.
Mathias Jos Aires de Araujo.
Jos Joaquim Tarares.
Hordomas.
As IIImas. o Exmas. Sras. :
0. Ignacla da Cunha Rabello.
D Aons da Cunha Reg Barios.
D. Mara Jos da Silva.
D. Genovera Caroeiro da Cucha.
D Anna Joaquina de Barros Houra.
D. Marianna Felicia de Houra.
D. Margarida America da Silveira.
D. Emilia Aires de So*ua Mello.
D. Hermelinda Maria de Jess.
D. Antonia Leopoldina Roma Figueiredo.
D. Mara Serafina d'AaaumpcJM).
D. Maria Isabel de Lima.
O rigario Domingos Alvares Vieira.
COMIBRCIO.
*" -^tfaviot tahuas no dia SI.
Buenos-Arressumaca hespanhola Esmeralda,
capillo los Milak carga aasucar e aguar-
ATavioi tntraot no diarl.
Rio da Janeiro e Babia6 dias, rapar freoeez
Gutenm de 1,167 toneladas, capitio Hypolito
Enout, equlpagem 12Vantsoas.
Terra Haea 30 dias, patacho inclez ndent de
15* toneladas, capitn James Hiffeman, equi-
pagem 8 pessoas. c a raja t,355 barricas e 69 oai-
xoes com bacalhio e600 barricas con farinha
de trigo; a Saaoderr Brothers & C.
Terr or 44. dias brtgue inglez Pftonloi de
201 toneladas, capito John E. Hortery, equi-
pagem 10 pessoas carga 3,150 barricas com ba-
calho ; a James Crablraa & C.
Terra Nova38 {dias, barca iogleza Slclla, de
218 toneladas, capito James AnJrews, eqai-
psgem 1* pessoas, carga 2,670 barricas com
bacalhio ; a Saundrs Urolhers &C.
Rio de Janeiro16 das, brigua braetUiro 5guei-
ra, de 199 toneladas, capitio Francisco Jos
GoncatYes, equipagem ti pessoas, carga 10,000
arrobas de carne sesea: a David Ferreira
Baltar.
Navios sahidot no mesmo dia.
Bordeaos e portoa intermediosvapor fraocez
Guiennt commaodanle Hypolito Enoul.
Novo Banco de Pernambuco,
O banco paga o 7* dividendo de 12$
por accao, relativo ao semestre findo
em 31 de agosto prximo passado.
Gaixa Filial do Banco.
EM 1 DE OUTUBRO DE 1861.
A caixa desconta as letras de prazo maior de 4
at 6 mezes a 10 */ a anno, e as de 4 mezes a
9 / e toma dinheiro ao premio de 7 /,.
NOVOBANCO
M
Pernambuco.
EM 1" DE OUTOBRO DE 1861.
O banco desconta na presente semana a 9 ,/
ao anno at o prazo de 4 metes e a 10 ,/" at o
de 6 mezes, e toma dinheiro emeontas correles
simples ou com juros pelo premio e prazo que se
conrencionar.
Al tandee a,
Readimento do da 1 .
Otfstratotio do arsenal di sarlob, 1 de ou-
tubro de fSW.
ROMAXO STEfPt,
"* 1.* ed 1861, 40
Brasil.
da

independencia e do Imperio db cumprnd qae me d
- : lfOr oblando eoi deaasapanbo das reeommenda-i
wa. 'd* CK?*'ho p* d'Aodrade, scri- des, que in tanj ti rnlttida. Antonio Mar-
*** laBetrevi. alio K*n*$ Gonaltrtt. ,.
- o nim "!*? j'ad<>^a Costa Doria. i -De ordem So IlUn, Sr. n*ectar intenso
-~. Ylttm fc.tMpswtor ilfaetenserin pro- da thesourana de fazeoda de Peroarobow se
.a.ll.8im CunipriB,enl0 da reoluao dajqota faz publico, que tendo de proceder-se a arrema-
f*.'"."?'1*' "daiBMpuMiao, que se arroaaa- tagio peanla eals (hesouraria do arrendameoto
=
fiditlMaV.
O capitao Jos Luiz Pereira Jnior, caralleiro da
imperial ordem da Rosa, e juiz do paz do 3/
anno com exerclcio no t.\ do 1. dtstricto da
freguezia do Sooliasimo Sacramento do bsirro
da Santo Antonio da cidade do Recife da pro-
vincia de Pernambuco, em virtude da lei etc.
Paco saber aos que a presente carta de editos
Jirem, que por parte de Jos Das Villela, me foi
feta a peticao do theor seguinte:
Illm. Sr. juiz de paz da freguezia de Santo An -
tonto.Diz Jos iae Viilelawque quer fazer citar
a Olegario Saraira de CafJ Bb Neiva, para na
pnmeira deste jnizo, anflBl o conciliatoria-
?nm re?tiluir o supplllire a quanlfa de rola
10:0009, importancia da sorte grande que o aup-
plicaote tirou o anno prximo passado no bilhe-
n. 3362 da lotera da matriz da Boa-Vista, e
16:841*603
Movlmento da al fandefea,
Volumeientradoscomfazendas.. 73
> com gneros.. 67
Voluntes sahidos

com fazer das..
com gneros..
== 140
51
370
421
Desearregam boje 2 de oulubro.
Galera francezaBerthmerca dorias.
Brigue americanoF Cerhingearrio.
Brigue porlugaezMirgaridapedra.
Brigue hanoveriano Jpitercarne de charque.
Escuna inglezaPrincipe Realmercadorias.
Brigue oglezBarckhillmercadorias.
Patacho oglezDodembacalhio.
Birca ioglezaSlellai lera.
Brigue oglezFbatondem.
Recebe doria de readas Internas
geraes de Fernambaco.
Rendlmento do da 1..... 722f00
Consulado provincial
Reu lime oto do dia 1 .....
Odia 1/ dedezembro.
Harer algum fllhO da patria do grande Luiz de
Camoes, que nio sinta jubylo e contentamento
no 1er, pronunciar ou ouvir este nome Io de
dezembro ?
Poriuguezes I sede reras o sois, upi-ros m
de solemoisar este dia de to gratas recordares,
o dia da nossa independencia, finalmente o dia
em que o intrpido patriota Joo Ribeiro Pinto,
com um ponbado de bravjs, pode dar viras ao
duque de Bragaoga, e despedazando os grilhftes
que nos prendam ao jugo do fero caslelhano,
mostrou ao mundo ioteiro que ainda haviam
Poriuguezes, que, fiis ao seu re e sua patria,
morriam no campo da honra combalendo pela li-
fterdade. Liberdade I compreheodei bem esta
palavra, e sentiris apoderar-se de vos esse fogo
Vivo do eothusiasmo : liberdade I e ha quem du-
Tideque ella seja o bem apreciare! da crea-
4ura t
Nos, Poriuguezes reunidos, e festejando longe
da patria, o aoniversario da nossa independencia,
mais um brado de indignagao contra a Uoio
Ibrica, que junto com o de nossos irmaos resi-
dentes no solo patrio, ir echoar perto do leo,
nue rugir por ver ugir-lhe a preza que nao po-
ne alcaocar.
Recite 2 de outubro de 1881.
,JMM,I_ m L, A. S. Jnior.
Correspondencias.
17:1631206
1:2790050
6319709
2:3043818
1 06J756
577*985
RENDIMENTO DA MESA DO CONSULADO PRO-
VINCIAL EM O MEZ DE SETEMBRO DE 1861,
A SABER :
Direitos de 90 rs. por fj) do as-
sucar exportado.........
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dento, etc .....".................
Dito de 7 0Iq do mel........
Dito de 8 por cento de couros
seceos, verdes e espichados.....
Dito 2 01o idem do algodao expor-
tado ...............
dem dem de 5 idem dos mais
gneros exportados.......
Capatazia de 320 rs. por sacca de
aigodo exportado....... 36J480
Decima dos predios urbanos 14:007$336
10 por cento de novos e velhos di-
reitos dos empregados provin-
ciaes............... 238$859
209 rs. por meia siza de es-
cravos.............. 4:088$700
Escravos despachados............. 3:39i)a000
Passaportes....................... 12$600
Selfb de herancas e legados. 6:528g593
Dito de 12 0[0 sobre lojas a reta-
Iho, etc.......:...... 2:0989320
Impsto de 4 por cento sobre
diversos eslabelecimentos..... 7560240
Imposto sobre carros de particu-
lares............................ 2129000
Dito de 2 0(0 sobre os premios
maiores das loteras............ 2439000
Meio 0)0 sobre o producto de ca-
da leilo........................ 524)645
50$ rs sobre casas de modas,
pertuinirias, lojas de chapees
estrangeiros etc................
Imposto sobre carros de aluguel.
Multas por infraeges ......
que o supplicanisypedido do supplicado Ihe em-
prestara para elro^stabelecer urna sociedad* em
urna loja de fazendas sita na ra Nova, com Ter-
tuliano CandidoRamoa, porislo requer V. S. se
digne mandar citar o supplicado sob pen a de re-
relia ; e por que o supplicado se auseolasse ha
dous dias para lugar que se ignora, por aso re-
quer o supplicante i V. S. se digne mandar pas-
sar caria de editos por 10 das, depois de justifi-
cada pelo aupplicante a ausencia do supplicado,
aflm de por meio de editos ser o supplicado cita-
do para o referido fim, dando-se-lbe certidao no
caso de revelia. Nestes termos : Pede V. S. de-
ferimeoto E R. If.-Adrogalo. Catanho.
Na qual peticao dei o despacho que se se-
gu :
Justifique. 1. districto da Santo Antonio, 27
de setembro de 1861.Pereira Jnior.
Em virtude do qual despacho se procedeu a
oquerico de teslemuohas, que depozeram sob o
juramento aos Santos Evangelhos a respeito 4a
ausencia e incerteza do lugar da residencia do
justificado Olegario Saraivs deCarvalho Neiva ; e
sendo ludo authoado e preparado me focara os
autos conclusos, e por mim lidosnelles profer a
seotenca do theor seguinte:
Julgo por sentenca a juslificacio de folhas para
produzirseus effeitos*. o escrivo passe a carta
requerida com o prazo de dez dias, e pague o
justificante as cusas.
1.' districto da freguezia de Santo Antonio, 28
de setembro de 1861. Jos Luiz Pereira J-
nior.
Nada mais se conlinha em dita sentenca dada
nos autos, por bem da qual se pasin ao justifi-
cante o presonte edltal com o prazo de dez dias,
pelo qual se chama e cita o referido justificado
Olegario Saraiva de Cirvalho Neiva, para que
deniro dos dez dias cofflpsreca por si. ou por seu
bastante procurador, para se proceder aos ter-
mos de conciliario na forma da peticao, a a qual-
quer outra pessoa, para que Ihe faca saber desta
mesma cilaco, afim de que elle nao fique indo*
fezo.
O porteiro interino deste juizo publicar esle
nos lugares mais pblicos desta districto, e o af-
luir passando curtidlo em forma.
Dada e passada ueste t* districto da fregoezla
6109893 do Sanlissimo Sacramento do bairro de Santo
Antonio da cidade do Recife provincia de Per-
numbuco, 28 de g Itero de 1891.
Ao sello 300 rea |ra1ha sem sello ex-causa.
Pereira Jnior.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivo que o es-
crerl.Jos Luiz Pereira Jnior.
E nada mala se continha em ditos originaea a
que me reporto e dou f ; e val a presente sem
cousa que duvida fac,a na forma do estjlo, e por
mlm escripia e assigoada. ~
1.* districto da freguezia do Sanlissimo Sacra-
mento do bairro de Santo Antonio da cidade do
Recife, 28 de setembro do anno do nascimento de
Nosso Senhor Jess Ghristo de 1861, quadrage-
si ^ o da independencia do Brasil.
Escrevi e assigoei. Em f de verdade. O es-
crivo, Joaquim da. Silva Reg.
tjeles doa coocartos da cadeia davilla do Cab,
e bomba dten|eahoPaulina na estrada do nor-
te, foeam transferidas paca o di*. 10 de outubro
prximo viodouro.
6*P*r* *enstar se mandou aSxar o present e
publicar pelo Diario.
Secretaria da theeouraria provincial da Per-
nambuco 26 do setembro de 1861.0 secretario,
Antonio Ferreira d'AnnunclaQo.
O Dr. Bernardo Machado da Costa Doria, juiz de
direilo da Ia vara criminal e substituto da do
commercio desta cidade do Recife e sea termo
capital da provincia de Pernambuco, por S.
M. imperial e constitucional, o Senhor D. Pe-
re II, que Dsus guarde,, ere.
ac saber pelo presente'que por te juiro e
carloriodo escriva ojue este subscreveu, corre
uma'execucio de sethlenca entre parles exe-
quiate Maaoei Antonio da Silva Moreira, e exe-
cuiados os herdeiros do finado Manoel do Nas-
cimento e os doutores cura-ior geral e procura-
dor fiscal da fazeoda provincial, que teudo-se
feito penhora em dinheiro que se acha recolhi-
do ao deposito geral na quantia de 799J65 per-
tencenU ao exeeutado, em audiencia do dia 12
de setembro do correte anno,por parte dosolici-
tador Joaquim Ionocencio Gomes, procurador do
exequeote, me fra fito o requariaaento seguin-
te : Anno do nascimento d Nosso Senhor Je-
ss-Caris!, do 1861, ao 14 de setembro do dito
anno, nesta cidade do Recife de Pernambuco,
em publica audiencia, que ao feilas a partes fa-
zia o Dr. juiz de direilo criminal da 2* vara a
substituto da do commercio Frabcisco Doraiogues
da Silva, nella pelo solicitador que mostrou ser
do exequeote Joaquim Ioeocencio Gomes, foram
aecusadas a penhora falla aos herdeiros do finado
Manoel do Nascimento e igualmente as citaces,
aos doulores curador geral, procurador fiscal da
faxanda provincial para os termos desta execu-
cao ; requerando nao s ficassem assigoados a-
quelles herdeiros do exeeutado es seis das da
lei como 10 aos credores iocertos, visto como
parte de semelhante penhora tenho sido efleitua-
'da em dinheiro, passando-se os oditaes do es-
tilo.
O qne onvido pelo dito juiz asaim o deferio.
Extrahi o presente do protocolo das audiencias e
junio o faitedo mandado da penhora e a procu-
rarlo do exequente de seu puoho. Eu, Joo Vi-
cente de Torres Bandeia, escrevente juramen-
tado o escrevi.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivo o subscrevi. Por torga do deferimento
dado a eslecequerimenlo, o escrivo respectivo
fez pas3ar^H>resente pelo theor do qual sero
citados os^i'Wores incerlos por todo o contedo
no requerimenio aqu inscripto a flm de queden-
tro do prexo praso de 10 dias, compare^am oes-
te juizo allegando o que Ibes for a bem de seu
direilo e Justina, sob pena de revelia.
E para que chegue noticia a quem interesar
possa, mandei pafsar editaea que sero afilia-
dos e publicados pela impreosa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco aos 27 de setembro de 1861, quadra-
gesimo da independencia e do imperio do Bra-
sil. Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
escrivo o sobscrovi.
Bernardo Machado da Costa Doria.
De ordem do Illm. Sr. inspector se faz pu-
blico que no dia 1* de outubro prximo vindouro,
depoia de meio dia, ae bao de arrematar porta
desta repartico quarenta a um paos da pind
com casca, de diversos comprimeotos e grossu-
ras, avaliados lodos em quarenta o um mil rise
abandonados ao pagamento dos diieitos por Luiz
Borges de Cerquera.
Alfandega de Pernambuco, 28 de setembro de
1861.O segundo escripturario, Maximiaoo F. P.
Duarte.
Directora geral da instrueco
publica.
Faco saber de ordem do Illm.Sr.Dr.director geral,
que S.Bxc. o Sr.presdeote da provincia declarou
por offlcio de 23 do corrente, baver approvado a
celiberacao tomada pela junta dos proessores do
juros eommercial Pernambucaoo em sessio do
dia 11, de prorogar-se at o ultimo de Janeiro
prximo viodouro, o prazo de que trata o art. 36
ado regulameoto interno daquelie estabelecimen-
|o, de l de dezembro do anno passado, afim de
^aa possam os respectivos estudantes fazer os
exame de preparatorios a qae eslo obrigados.
E para que chegae ao coohecimento daquelles
aquem intereasa, mandon-se publicar o pr-
senle
_Seeretaria da iostraccio publica de Pernambu-
co, 25 de setembro de 1861.
O secretario-interino.
Salvador Henriqu de Albuquerque.
do terreno qne existe deroluto junto ao edificio
em que fuocciona o tribunal da relacio, fleam
marcados os dias 28 deste mez, e 2 de outubro
prximo futuro para a referida arrematado,
pudendo as pessoas que a elle quizerem concor-
rer apresenlar-se na mesma thesourarie, nos
mencionados dias.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 24 de setembro de 1861.
Serviodo da ofBcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
O Illm. 8r. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimeoto da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 14 do corrente, man-
da fazer publico que al o dia 17 de outubro pr-
ximo viodouro estar aberta a concurrencia para
o contrato da collocacio de carris de ferro deno-
minadostrilhos urbanosa partir desta cidade
al a povoaco dos Apipucos. O contrato ser
feito nos termos da lei provincial n. 518 de 21 de
junho do corrente anno.
E para ceosta-r se mandou afOxar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 17 de setembro de 1861.O secretario,
A. P. d'Annunciscao.
Rio
w
Janeiro
Declarado**.
oMlhabate Madede receba carga a_______
We ; a tratar com Ceatane Cyriaeo a CU. &
Irmio, no lada do Corpo Santo j
Ro de Jafleiro
a rehira e bem coohecida barca na alea al
lia, pretende seguir com muila brevidad, am
parte de aeu carregameolo prora po ; para vas-
to que lbe falta, passageiros a escrave, ara a
quaes tem excedentes commodos. trsta-sn enea
es seos consignatarios Azevedo & Mes
sou escripterio ra da Cruz n. 1.

O fiscal dasta freguezia de Santo Antonio.
seienliQca i todos os proprietarioa de eslabele-
cimentos de portas abortas de qualquer oalureza,
ofllcinas, e aos sacristies de rejas qne as dis-
posigesdo art. 5." ^ 1. e 2, das posturas addi-
cionaes de 20 denovembro de 185-5, continuara
em perfeito vigor, e por consequencla al as sete
horas da maohaa devero mandar varrer as tes-
tadas de seus eslabelecimentos e officinas, al O
meio da ra, e a irrigar nos dias de sol as mes-
mas testadas immedialameote que forem varr-
das, ludo sob a mulla de 5g e o duplo na reinci-
dencia.
Fiscaiisscio da freguezia de Santo Aolonio do
Rcefe28 de setembro de 1861.O fiscal, Manoel
Joaquim da Silva Ribeiro.
Expsito.
A coramisao directora da EXPOSl-
QAO' agrcola e industrial, que tara' lu-
gar no palacio do governo no dia 7 de
novembro Tndouro, manda pelo pre-
sente fazer publico que no dia 26 de
outubro prximo coinecarao a ser all
recebidos os objectos que tenham de i
gurar na mencionada EXPSITA'O.
Sala das sessoes da commissao 20 de se-
tembro de 1861.O secretario,
Joaquim Pires Machado Portella.
Atsos maritimos.
COUTAPIHU rKKUBOCAIU
i
Navepcaocosteirmaisr
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Auu', Aracaty, Ceara',
e Acara cu'.
O vapor cJaguaribe, commandaata Labaaa.
sabiri para os portos do norte at a Acarar ata
da 7 de outubro as 4 horas da larde.
Recebe carga al o da 6 ao meio dia. Eaeaai-
mendas, passageiros e dinheiro a frele al odia
da sahida as 2 horas : escriplorio to Forta do
Mattos n. I.
I
ftMEUL
COMPIIimiBRkSILEIRi
ppipiitrii k nm*.
Ate o dia 5 do correnta eaparado dos partea
do su! o vapor nacional Paran.----iriadsa
te o capitio tenente Jos Leopoldo da Naranka
Torrezio, o qual depois da demora do caslai
seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros, a angaja-
a carga que o vapor poder eoadazir. a qual d
ver ser embarcar no dia de sua chafada faga
ca na da Cruz n. 1, escriplorio de Azavada *
Mendos.
Leudes.
Contifliiaeao do leilo
DE
Cus tas
Juros da decima.
1:3009000
72*000
177#252
1221H00
19296
57:345*975
Mesa do
de 1861.
Srs. redactores. Na puslicaco que Vmcs. fl-
zeram do artigo que hontem mandei para o seu
jornal, declarando que nao sou candidato i depu-
la;ao provincial, e recommendando i benevolen-
cia dos meus amigos do 5" districto deala provin-
cia, d nome do muito respeitavel e digno vigario
da Villa Bella, houve ama faifas, que carece ser
corrigida.
O rigario de qae se trata chama -se Manoel Lo-
pes Rodrigues de Barros, e como no artigo que
foi publicado se Dio eocoatra este ultimo appel-
lido, jultjuei qne nodevia dpensar-me de fazer
a presente reetificacio, para remover qualquer
duvida, que da futuro poesaser suscitada.
Peco-Ibes, pois, que pabquern esta linhas do
aeu ele. etc.
Francisco Carlos Brando.
Recil [0 de 1861.
rabilciij8ieft a pedido.
CIDADE D 60IAI1NA.
Dos jolies, escriviei e mgrdomos da
festa de Nossa Stahgra ds) Anaaro
no anno de i 862.
Jlil
Sai Mi gesta de a Sn,
celta, hnperatriz
O Illm. Sr. caminan
asa.
k IUnw. e Ex mi. 9
nete.
consulado provincial Io de eulubro
O escripturario,
Joaquirn de Gusao Coelho.
Mo Yimenio do porto.
a
* 5
6roro.
b a
n T
P3
33
ia>
? 3
kthmosphtra
Birteg&o.
I t? sff
s ^
a
Qi
iAtentidad:
ct
s
09
33

| Pahrenheit.
Cbrisliaa, ter-
apexior Antonio Airen
fna Bezerra de Me-
5T ir
)5
%o
18

a s ,g_a
I
g

M
"2

Cinltoraddf
ayarovnitro.
. Cif ternay aydr-
tatriea.
vi
g .y
ranas*.
fiifJex.
o
r
o
s
O
3
m
-5
S
O Dr. Agostinho Ermeiino de Leio Juoior, ca-
valleiro da ordem de Ghristo, e juiz municipal,
de erphos e ausentes do termo de Oliode, por
S. M. I. e C, que Deus guarde, etc.
Fago saber, que tendo fallecido D. Joaquina
Malaquias de Moraes Mayer, sem ler deizado
herdeiros conhecidos neste termo, e se produzido
por este juizo a srrecadaco de sua heranca : e
de conformidade com o art. 32 do decreto o. 2433
de 15 de junho de 1850 por meu despacho profe-
rido nos respectivos autos mandei passar o pre-
sente, qae ser affixado no logar publico do cos-
tme e publicado pela impreosa da capital, pelo
qual se chamam aos herdeiros da dita finada para
que no prazo de 30 dias comparecam a procede-
rem na forma do citado decreto.
E para qne anegue ao coohecimento de todos
se passou a presente, que vai por mim assignado
e sellado com o sello deste juizo, valendo sem
sello ex-causa aOs 16 do setembro de 1861.
Eu Francisco das Chagas Cavalcauti Pessoa,
escrivo de orphos e ausentes o subscrevi.
Agosliobo Ermeiino de Leio Juoior.
O 11 tai. Sr. Inspector da thesouraria pro-
vincial manda fazer publico para conhecimento
dos inlereseados o artigo 48 da lei provincial n.
510 de 18 de junho do correcto anno.
Art. 48; E' permiltido pagar-se a meia siza
dos escravos comprados em qualquer lempo an-
terior a data da presente lei independante de
revalidars e multa, urna vez que os devedores
actuaes deste imposto, o facsm dentro do exerci-
cio de 1861 a 1862, os que nio o fizerem fio rao
sujeites a revalidarlo e multa em dobro, sendo
um terco para o denunciante. A thesouraria
tari annnnciar por edital nos primeiros 10 dias
de cada mez a presente disposicio.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 8 diulho de 1861.O secretario,
A. P. d'Auauncia-cao.
O Dr. Bernardo Machado da Costa Doria, Juiz de di
reito da segunda vara criminal e substituto da
do commercio desta cidade do Recife eseu ter-
mo, capital da provincia de Pernambuco por
Sua Magestade Imperial e Constitucional o Sr.
D. Pedro II, qae Dos guarde etc.
Fago saber pelo prsenle, qae no dia 2 de ou-
tubro do corrente anno se ho de arrematar em
prega publica deste juizo i quem mais der, de-
pois da audiencia respectiva, os objeclos se-
guiotes :
50 ">* "'albas finas a 4, avaliadas em
avallada a 4g a duza 89, 201 dalias' de verru-
o

'p*s*tt*Tlttra'ubrs: a'
A cmara municipal do Recife faz publico
para conhecimento de seus municipes o oQicio
abaixo transcripto,que recebeu do Exm. presidente
da provincia, e couvida-os a que, prestando toda
a alleacao para a recommendacao de S. Exc,
facam de sua parte quaato lhes for posslvel para
que s cultura do aigodo, e do trigo oeste muni-
cipio se desenvolva de molo que possa dar um
resultado satisfactorio, visto como pelas disencoes
que se tem manifestado nos Estados-Unidos da
America do Norte, a cultura destes gneros deve
necesariamente proporcionar grandes vantagens
aquellos que ella se dedicarem.
A meama cmara, pois, espera de seus muni-
cipes que ojo deixaro de atlender i esta recom-
mendjgo, empregando seus esforcos para lio
til flm do qual grandes vantagens devem resul-
tar para o paiz.
Fago da cmara municipal do Recife em sesso
ordinaria de 16 de setembro de 1861.Luiz Fran-
cisco de Barros Reg, presidente.Francisco Ca-
nuto da Boaviagem, official maior serviodo de
secretario.
Quarla seceo..Palacio do governo de Per-
nambuco em 10 de setembro de 1861.
A cmara.municipal da cidade do Recife ji de-
ve ler noticia das diseaedes civis, que actual-
mente agitano os Estados-Unidos da America do
Norte, e qne a guerra entre elles aleada, nao po-
de deixar de ler prejudicado grandemente todos
os seus Irabalhos agrcolas, resultando d'ahi, co-
mo fcilmente se comprehende, nao s a escas-
sez dos artigas de sua produego, seno lanibem,
e cerno coasoquencia necessaria a elevaco do
prego de cada um dalles.
Sendo os Estados-Unidos da America do Nor-
te o paiz, d'onde se exporta a maior parte do ai-
godo que alimenta as grande manufacturas da
Europa, e especialmente as da Inglaterra, e bem
assim o trigo consumido no Brasil, a lata, que
boje perto bo quelles estados, deve necessaria-
mente acarretar urna crise, que de receiar nio
s faca esperar muito, por isso que, segundo in-
formages minuciosas, se ha verificado que a cul-
tura do aigodo oaquelles pases lem debnhado
coneideravelroente, e a exportaco do trigo, a de
outros cereaes para o Brasil tem decrescido tam-
bera na mesma proporgo.
Convido prevenir ae serias difficuldades que
semelhante estado de cousas nos pode trazer,
vou chamar sobre aisumpio to importante a at-
tengao da cmara municipal da cidade do Recife,
para que dando mais urna prova de seu patrio-
tismo, procure persuadir aos lavradoma, seus
municipes, a conveniencia, ou soleas aecessida-
de, de se promover na maior escala posslvel;
nao so a editora do algodao, qoe esta provinc'.d
j exporta, mas ote em quantidade corrogr^ii.
dente-i fertilidade e prosperidad doAgn-eno,
seno lambem rdo trigo, qne to nflacloria-
mente prodax oesla provincia, co- 0 a tem de-
monstrado diversas experienci' ponderando-
lhes ao mesmo tempo a oi}pox(vn\a*o que as
circumstancias actuaes lh^s propotcionam de au-
ferirem grandes vao)geas e lutros certos doi
esforgos, que erarjjiprer* nesse numero de in-
dustrias.
O nosso algooao, por ene qualidade superior,
goza do mafor apreg e procura nos mercales ei*
transreirbs, eb~trigo que1 egon cotffetn cultivar,
ama ssedida de prevenco. pode vir a ser
O palhabote naciooal Dous Amigos, capito
Francisco Jos de Araujo, segu para a Baha em
pouoos dias ; para o resto da carga que Ihe falta,
trata-se com sea consignatario Francisco L. O.
Azevedo, na ra da Madre de Dos n. 12.
Baha.
Segu a sumaca Hortencia, capito Belchioi
Maciel Araujo ; para o resto da carga que lbe
filia e passageiros, trata-se com Azevedo & Meo-
des, ra da Cruz n. 1.
ParaoAracaty
Recebe carga e passageiros o hiaie Santa
Anna a tratar com Gurgel Irmos, na ra da
Cadeia do Recife n. 28 1 andar.
Para o Rio de Ja-
neiro
Pretende seguir com muila brevidade o brigue
escuna Joven Arlhur, para o resto da carga que
Ihe falta trata-se com os seus consignatario!
Azevedo & Mendes, no seu escriplorio ra da
Cruz n. 1.
Para.
O patacho Emulacio segu em direitura ao
porto indicado, para alguma carga que Ihe falta
trata-se com Moreira & Ferreira, rus da Madre
de Dos n. 8.
Para Lisboa
Segu viagem impreterivelmente no dis 8 do
prximo ontuqro o brigue porloguez Relmpago.
Ainda recebe carga e passageiros a quem offerece
boas accomodages, e trata-se com o consignata-
rio Thomaz de Aquino Fonseca, na roa do Viga-
rio n. 79 1* andar, ou com o capitio na praga.
Mercadorias americanas.
Quarta-fara 2 de outubro.
O agente Anlunes continuar a vendar en
leilo urna immensidade de objectos asaertcasaaa
como sejam obras de metal pratead do ssa-
deira, malas para vigeea de toda* as taeaenfce
e saceos, arreios, sellas, silhei e atrae aaitas
artigos de gosto que se torna enfadooho mencio-
nar, as 11 horas em ponto do referido da na raa
da Cruz armazem n. 15.
LEILO
Sem limites.
O agente Hyppolilo autorisado pelo Sr. Anto-
nio Duarte Carneiro Viaona, levar a WUaa a
grande exposico de candieiros de gas, sita aa
ra Nova b. 24, e bem assim grande quaalidaaV
de gaz, cadeiras, boleas, quadros para salas d-?
difTerentes qualididas a osle, aziasaad entra
elles um par histrico, costuraros, batatas, ca-
ma de ferro, ferros para engommado (irsaaati
coi), diversos objeclos americaaos proprias par.
qualquer casa de familia a outros maitoa arl*
que se tornara enfadonho mencioaar, sIBsncsai
do seque tudo se vender sea reserva a s*ac
algum: sexta feira 4 de outobro do cerra ata sai-
no, ss 11 horas em ponto, na snpraeilada es*a-
sigo, desde j serio vendidos os meadoaaaV*
objectos sem reserva do prego.
LEILO
m
Farinha de trigo.
Por ordem dos Srs. Heory Forater 4 C.
agente Hyppolilo levar a leilio qaials taita .;
do corrente as 11 horas em ponto ao araaasaaa
dos meamos senbores no caca do lasa a. par
conta e risco de quem periaacer 4 9BS) VM>H^
com farinha de trigo, a qual ser vendada par
todo e qualquer preco,oede portala a agent*
scima a concurrencia recabares padeirot.
5> _^
Aracaty.
O hiale Aracaty, mestre Joo Henrique de
Almeida, segu por estes dous dias para Araca-
ty: para carregar o passageiros, trata-se com Tas-
so Irmo.
Para
RiodeJaueire,
pretende seguir com muita brevid' .
nacional Vetoza, tem parte de <
de o brigue
to prompto : p, resto qu^. ij^^UaU-.e
com o seu cor > ]^e l'l^ *
sen escrlptori e3>
no
Anoile clara/vento Blboaaoea que rondn
parao terral ao amaohecer.
lH BURS'.
P srtie. altura 5.8" p.
Baixamar as 8 h 6' ds maihi, altura 1,4 p.

T7
------
unisirna lote abuadaate de riqueza, que lo-
:.^.S!l!^iKitf.eJ^em^^ami,a9-485^ diqsassnodb generosamente os Menucios que
V2&W^~ *m& PH2*nttl***V** bJDSsyRzetBO os oosaoa lanaderaa deaenvoWer
B0 *510 ** eraaWe 4 Feliciano *#-a recursos d Bat n augmentar no fatore o
!^V..^^.Mi,l*,,,i*w>*^P d^snt'd* lunles sern arrematados oelo BttprsUeta< canda qa. cmara mnnic-
irr^dbsdjadlca^o-rjtrm d M\tm*tAv db'lei. i patn tbietfe, aaomapaobaaso o ora asile
K para que chegue a noUeU na*m convfer, ^enaamebio, aa santir. baUate animada para
S!^MMl),,e*' 1'* *!,0001 ? T^!41**0*?1* *Jatnal ?!**^ ""^ **"*i*sni peesWet da Indusiria
.k P""? lfl sljeda.pep- aricla do aeu mwices, relaUvamente culiu-
if setembro ds ta dos dous geasrosTs qus me tsnho referido,
C0IP4NBU PEKUMLUIC4IU
DI
IMavegac costeira avapor
O vapor Persinunga, commandante lloara,
segu viagem para os portos do sul de sua esca-
la no dia 5 do outubro as 4 horas da tarde. Re-
cebe carga at o dia 4 so meio da. Eocom-
mendas, passageiroi e dinheiro a (rete ateo dia
ds sabida s 2 horas : escriptorio no Forte do
Mattos n. t.
m"e r,,,o,u ~-ov^r.^^
em seu armatess na rna do Imperador a. 35
Tambem vender
Vor mandado do Illas. Sr. Dr. jais aaeiriee! da
segunda vara um esersvo anos reserva
LEILO

DE
\
Rw Grande k M pelo
Rt-cte Janeiro,
a barca brasileira Reetaurago segu oom bre-
vidade ; reoeb* caiga a {rete-a eacravea para
aaaboa as portoa : trata-se en oa conafgoalarios
Marque, Barras & C, largo do Coreo Santo nu-
mero t.
Queijos flamengos
Terr;>i-fira 1* do outubro.
# agente Pinto fara' leilo por cosita
e risco de quem pertesacer de 80 caan
com queijos flamengos chegados no va-
por, os mais frescos que ba no merca-
do as 11 horas em ponto do din saris
mencionado no armazem do Sr. Annes
em trente da alfandega.
Leilo
No 2 de outubro,
Kalkmaao Irmlos & C, faro lailaa par
vnnqan do agenta Oliveira, de (randa
de fazeodaa de algodan. Masan, U a dj|
conbaeWsa de sana naiesaan tragas
convida para
dn oalnbro, as H aa*^ 4, sanaaia oa san ac-
mazem. ra da CrJt do g^u ^m cano
que flcarlo anlteitoa eam .' (ranqaexa.
/
- \
I" ^saa. m if-


w
PUMO M F1MMUMW00. -.. QU^AijEiaA a.j^QjaiMPiDB lll.
MOVIS.
Sem limite.
Costa Carvalho autorisado por urna
familia que tem de e retirar para fora
da provincia, taca' leilao de todos os
movis, vidros e outros muitos objectoe
qua seria enfadonho mencionar, no dia
cima as 11 horas en ponto no andar
do Obrado da ra .estreita do Rosario
n. 10.
LEILAO
O agente Hyppoto levar. leilo sem limite
de prego algum 600 quintae.de ferro em barras,
vergas e vergalhes, que se acham depositado!
oo armazem o. 1 da ra do (Trapiche : quarta-
feira 2 do correle, s 11 .horas em ponto, oo
mencionado armazem.
Alisos diversos.
Os Srs. assignantes deste DIARIO
que se acham em atrazo de .pagamento
queiram mi ndar satistazer seus dbitos
vencidos a ra*ao de 6$ o quartel como
esta' estipulado para o$ que n&o paga.
rera em tempo, ficando entendido que
mesmo a esse preco nao Ibes perjnitti-
do juntar dous e tres quarteis.
LOIKItll
pelas 8 horas da mauhaa em ponto, an-
darao impreterirelmente as rodas da
segunda parte da quinta lotera de S.
Pedro Mattyr de Olinda, pelas 8 ho-
ras da manhaa. As sortes de 6:000$ e
3:000$ serSo pagas 3 dias depois da
extraccao e as outras logo a entrega
das listas. O resto dos bilhetes achata-
se a venda na thesouraria das loteras
ra do Crespo n. 15 e as casas cotn-
missionadas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Precisa-sede urna pessoa activa
para se encarregai de cobranzas miu-
das nesta cidade dando flanea : dirija-se
aliviana n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia.
0 abaixo assignado remetteu pelo
paquete Tyne para serem vendidos na
corte pelo seu commissionado os bilhe-
tes e meios da segunda parte da quinta
lotera de S. Pedro Martyr de Olinda e
os da oitava paite da quarta e quinta
da quinta loteria do Gymnasio Per-
nambucano cuja numeracao se aclia af-
ixada na tbesouraria das loteras.
O thesoureiro,
A. J. R. de Souza.
O conselheiro Francisco Xavier
Pa^s Bai reto nao tendo podido por fal-
ta de tempo despedir-se pessoalmente de
todos os seus amigos, o faz por ete
meo, oferecendo-lhes os seus servieos
na Europa para onde segu.
Precisa-se de urna ama de leite
forra e sem filiaos, branca ou parda :
na ra da emperatriz n. 53, segundo
andar.
Vende-se a taberna sita na tra-
vessa dos Exposto n. 18, bem afregue-
zada para a praca : a tratar na mestna
a qualquer hora do dia.
FIGOS.
Novos ohegados no ultimo paquete
em caxinhas de 8 e i 6 libras o melhor
que se pode desejar neste genero, ven
de-se tanto em porcSo como a retalho
nicamente nosarmazens Progressivo
Progressista no largo do Carmo n. 9 e
ra dasCruzes n. r
Os senhores Joos de co-
cheiras.
Ha tailhoa jSiOO oVsacco no arma-
zem de Machado IVuarigues ra da
Madre de Dos n. (k eo comprador
querendo mais de 10f saceos faz se dif-
Oh! maJa|it)lo.
Veodem-.e pecas de madapolo'floo entesta-
do a 3 a pega, ditas de cassa adamascada* para
cortinados s 3, ditas de cambraia do salptcos
grandes e miudos a 2 e 3, corles de chitas de
cores finas coa 13 corados por '2*500, cobertas
de damasco de lia por 4, petas da riscadiohos
de Cores com 38 corados pon/6;*, cobertas de gro-
*e por-8, cortea de cassa cem 7 barras por
28500, ditos de cambrala de babudo a 4*500. 3 e
39300; oa ra da Imperatriz, lojade 4 portas o.
96, de Msg.lhes <& Mendes. '
Vendem-se duas carrocas oras com todos
c-s seus perteoces, orna para cavallo e outra para
boi, aaaim como uro boi noro, maoso e muito
gordo, por preco commodo:; nos Afogados, roa
de Motocolomb n. 39.
Vende-se urna escrara muito moca com to-
das as habilidades ; a tratar oa ra da Santa
Gr*z n. 9.
fina das Cruzes n.4,
fabrica de charutos, veude milheiro, de fumo da Babia, reas de composi-
cSo a 129 a arroba, e em porcio (az-ae abati-
meoto ; afianga-.e a boa qualidade.
Na ra da Destino, pnoieiro portao juoto a
casa terrea n. 2, reode-se muito bom leite liqui-
do a 320 a garrafa.
Precisa-se comprar um almofaiiz e urna te-
soura com caixa para botica ; a tratar na roa da
Cruz n. 39.
Aluga-se a casa da rus da Roda n. 31; a
tratar na roa da Senzala Nora o. 4.
Aluga-se um mulatiobo de 11 annos para
todo serrino ; na roa do Jardim, casa n. 30.
Qoem precisar de urna mulher de meia ida-
de para ama de casa de pooca familia, dirija-ae
a ra de Saoto Amaro, loja do sobrado o. 18.
Atteneo.
Ninguem poderi comprar eu hypothecar os
terreos sitos na ra da Concordia, Palma, Cal-
deirelro, perteocentes ao casal do finado Aotooio
Jos de Albuquerque, pois que os mesmos se
acham obrigados pelo debito de mesmo finado,
por seoleoca definitiva que oblere nos tribuoaes
desta cidade,sem que se eoleodam primeiro com
os abaixo aasigoadoa, sob pena de annular-se to-
da e qualquer transsecao.
Ahtuoio Roberto & Filho.
Cheguem freguezes ao ar-
mazem da estrella no
largo do Paraizon. 14
Manteiga ingleza flor a 800 rs.. fraoceza a 640,
cha perola fino a 35, hyssoo a 29500, caf larado
a 260 e 100 rs., toucinbo a 320, arroz a 100 rs.,
batatas a 60 rs., cebla a 18280 oceote.eaperma-
cete a 760, feolachinha Jogleza ora a 160 a libra,
barrica a 3.sabo malsa a 160 e 200 ra., branco
a 280. queijoa do"vapor a 252*0, herrilhaa a 800
ra. a lata, farinha do Maraoho a 200 rs. a libra,
azeite doce a 720,de carrapato a 440, vinagre de
Lisboa a 240.
Superiores charutos da
/
te renca no precfcL < >
Monteiro <&..Sjje^es a.am o respeitarel
"publico ugn0 at& 30 da seleo3tf0 Psimo pas-
sado se osencaminhou de seu et_*labelecimento
da ra larga do Rosario o. 4j fflS carleira
grande com ceoto e otenta/a centoeSfi0*80'8
mil reis em dioheiroa, com dirersas letrasSp um
recibo da caixa em commandjia do ralor de
coulo o cioeoenta mil reis n. ^9, pertencenleT
Bernardo de Cerqueira CrgsYro Monteiro. Urna
dita do esenrao dos protestos de urna leltra de
oitocentos e tantos tjrll reis, saccada por Jos
Eleuleno de Aseved.tf cootra Joao Jorge ds Mot-
ta. Urna letra de dcjus conloa duzeotos e tantos
mil res, saccada po. Custodio Ferreira Moutlnho
contra Joao Baptiza d0 Reg0> vieenle Ferrer d
Silva ejuo Ba^Ho do Espirito Santo, rencida
em dezembro^'.roxirro passado. Outra dita de uro
cont novelelos rite e quatro mil seiscentos
noventa? e cioco reis que estara em garanta
as firmas/ existentes as costas da outra cima,
cu i a lefra se renceu em 18 de setembro prximo
passado. Quatro ditas aceitas ui jaw>.*t>o si-
mees de Almeid*. no ralor de duzentf* doze
mil reis. Urna dita aceita por Antonio Juaquim
Ferreira, de ceoto e taotos mil reis. Urna dita
aceita por Beralta Bezerra de Araujo, de rite
cinco rail e quatro ceotos reis. Urna dita aceita
por Manoel Sebalde de Harte, de scenla e aete
coil reis. Urna dita aceita por Paulo Francisco
Jtezende do oorenta e cinco mil e duzentoa rei.
Urna dita aceita por Rufino Jos dos Santos, de
cenia Irinta e oito milis. Quatro ditas acei-
tas por Carvallo & Mendos, saccadas por Miguel
doa Santos Coimbrs, do ralor de seiscentos mil
reis. Urna dita aceita por Miguel dos Sanios
Coimbra de duzeotos e tanto*mil reis. Urna dita
aceita por Jos Joaqun de Sant'Anna Guerra,
ale cento e tantos mil reis. e dirersos documen-
tos ludo xiatente na meama carieirs, cuja se
achara em mi astado. Rogamos as autorids-
v*e policiaes apreheodam dita carleira on qual-
quer -documento; rogamos a qtalqtwr pessoa
que aprender a dita cartel/a com os doaximeo-
los, ser beSarecompensada.
Na rifa touerial o. 27. ha um escravo para
se singar, para to Quem precisar" -de uar piano inglez forte,
ptimo para aprender,* niirija-se na ra da Im-
peratriz d. 2-2, segur!do aflOr, que i dir qum
rende. i
Havana.
Ao arco de Santo Antonio, na loja de Maia Ir-
mos, rendem-ae charutos da Havana'muito fi-
nos por pjecos muito inferiores aos regulares ;
entre ellesba algumas caixas escaogalhadas que
se vender ainda por muito menos.
Venda de urna casa.
Acha-se i renda urna casa terrea oa ra da
Alegra n. 42, com bastantes com modos para
grande familia.- quem pretender, dirija-se a ra
de Santa Thereza d. 16.
3,000.
Sa california

Vendem-ae cortea do cambrala organdys com
barra a 35 o corle ; na ra da Imperatriz n. 48,
junto a padaria fraocezs.
Compram-se moedas de ouro e pataceS
hespanhoesao cuoho de Carlos III e lili, m ra
Nora n. 23.
Preciaa-sede urna ama de meia idade que
saiba cozinhar o diario de urna casa de pouca fa-
milia, podeodo ir dormir em sua casa ; no Reci-
te, ruja da Cruz o. 31.
Atteneo.
O Sr. thesoureiro das lot4y-
ras previno as pessoas qe
gostam de comprarem biKie-
tes a ultima hora que a extrae-
cao comec/ar s 8 horas em
ponto, e que os bilhetes Bo-
rnate estaro venda nos
pontos at as 7 1^2 horas, e
dessa hora at o momento de
prin6ipiar o anda ment s es-
thro na thesouraria e na ra
Direitan. 3 botica do Sr. Cha-
gas. Oescrivo,
Severiano Jos de Moura
MUUtf ttltltttK
Convida
Vekde-se a taberna na ra do Padre Floriano
n. 74,1 muito bem afreguezada e de poucos fundos
propraa para principlante : quem a pretender, di-
rija-se, a mesma para ver e tratar.
Attencao !
Perdeu-se na noite de 29 de setembro ultimo,
desde i becco da Lama, no bairro do Recife, al
i do Corpo Santo, urna pulaeira de ouro :
a qualquer pessoa que a teora achado o
de entrega-la na ra da Senzalla ora
n. 20 ( ue se lhe gratificar. _
Atiendo
sa-se de um cozinheiro perfeito para um
a tratar na ra estrella do Rosario, o. 20,
igrej
roga-a
favor
Prec
hotel
loja dej relojoeiro.
- O abaixo
assignado
roga adSr. thesoureiro daa loteras que perdeu
um me o bilhete o. 2850 ~ da loteria que cor-
re boje 2 do correte ; pede o abaixo assigoado
ao Sr. fiesoureiro que nao pague dito bilhete
por estar firmado pelo mesmo abaixo assigoado e
por Emjilio Hilario de Sena. .
Fidelis de tal.
ecsa-se de trea contos de ria premio,
e por hypotheca um bom sitio nos arra-
esta cidade, cujo ralor de mais de rio-
s de ris ; no armazem de trastea con-
o porto das.canoas se dir quem faz este
P
dando
baldes
te cont
fronte
negocia;
- O
U0MP.MHIA DA VI i FRREA
DO
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)
Do dia t* de outubro de 1861 at ontrQ arito
harerao dona freos para Escada, nos dias de Ira-
balho que partirlo.
De manhia :
Da Escada as 6 horas.
Daa Cinco Ponas as8 horas e 30 minutos.
De tarde
Da Escada as 2 horas.
Das Cioco Pontea aa 4 horaa e 30 minutos.
Nos domingos e dias santos harer o trem do
coatume.
AssignadoB. H. "Bramah,
Suoerintendente.
No pateo do Paraizon. 17 preci-
sa-se de urna ama de leite sem filho, li-
vre ou captiva, que seja carinhosa.
Na ra Direita d. 32, ha parajApgar-se uro
segundo andar com bastantes cmanlos : a tra-
tarse no primeiro andar.
Ama.
Na ra do Imperadora. 40 loja de al-
fsiste, prteisa-se de urna ama boa cosi-
iiheira.
Pechincha sem igual.
Cortes de caifa de casemira pret e de cor en-
testada muito fina a 44500 ; na loja da Califor-
nia, ra da Imperatriz o. 48, junto a padaria
fraoceza.
Vandem-se queijos a 1|600; na ra das
Cruzes n. 9.
Francisco de Arruda Cabral quer comprar
a D. Ifaria Magdaleoa Siqueira Maciel urna mo-
rada de casa de taipa sita na ruado Ouro n. 5 da
villa do Limoeiro, a qual pertencea ao seu falle-
cido pai Faustino Jos Maciel; se alguem se jul-
gar com algum direito i mesma, queira apre-
sentar-ie na ra do Crespo, loja n. 16, ato no
prazo de 8 dias, a contar de hoje. Recife 2 de
outobro de 1861.
Sitios para alugarj
Aluga-se um excellente sitio com boa casa em
Bemfica 4 margem do Capibatibe ; ootro no lo-
gar dos Remedios defronte da igreja ; a tratar
com A. V. da Silva Barroca, no largo de Bemfi-
ca, oo na ra da Cadeia do Recite n. 4.
A commiaao <
dos crditos da maaaa
Vidal, prerine a todoa os senhores que se julga/-
Em praca publica do juizo dos feitos da
fazeoda prorinciel ae ha de arrematar a quem
maia der os beos seguintes:
Urna caaa terrea na ra do Bom-Gosto, fre-
guezia doa Afogadoa n. 19, com 18 palmos de
frente o 50 de fundo, pequeoo quintal em abor-
to, em chioa foreiros e araliada em 50$.
Outra dita oa mesma ra n. 21, tendo 18 pal-
mos de frente e 50 de fundo, quintal em aberto,
chios foreiros e araliada em 50$.
Cujas casas foram penhoradas por (execucio da
fazenda proriocial cootra os herdeiros de Joa-
quina Cae tao da Luz.
Urna olaria na ra da S. Miguel n. 6, sobre
pilares, coberta de telhas. com competente foroo
e um quarto, em bom estado, araliado o aeu
rendimeoto aonuafe|m 600$.
Cujo rendimendj I penhorado por etecuQao
da fazenda provirwi r contra Jos Buarque de
Macedo por Manoel de Souza Jardim.
Um carro de 4 rodas piolado de rerde e ara-
liado em 4009.
Outro carro de 4 rodas com todos os seus per-
ELIXIR DE SAUDE
Citrolactto de ferro,
\3nUo (\e90ftU0 ha botica U Joa^uim Marmbo
da Crai Concia & C, *aa do Cabuga n. II,
em Pen&ambaeo.
H. Thermea (de Chalis) aotigo pharmaceutico aprsenla hoje urna ora preparado de forra
com o nome de elixir de citro-lactato de ferro. r*wv *m
.,.H.P.mcer i Publi um ,ux. ernprear-ee um mesmo medicamento debaixo de formulas Uo
ranadas, maso homem da sciencia comprehende a necessidade e impcilancia de urna sal rane-
A formula um objecto de multa importancia em^therapeutica ; 4 um progresao imaaekao
2u. .,: .56D a, e?8eocU do meaicameoto, o torna agradarel, fcil e posairel psra todas as
idades, para todoa os paladares e para todoa oa temperamentos. ""
,M ""D,m?0,"s^rep,,ra5e8d.e ferro at he conhecidas neohuma rene ao bellas qualida-
f.? h? i h cUrolac,cto d farro. A seu sabor agradarel. rene o tom.r-se em m-
2..1mtiS.'A Hma pr0mp,a e facil, di"'"5*o no etomago. de modo que compleU.exHe
ni ?;.. P.rdUZlr Pr1caus1a da '"tina, que cootem em%ua composicao. a cona ipKaodn
reotre frequeniemeDle prorocada pelas outns preparsea "~
tences, n. 44, em bom estado ^Savaliado em 6OO9.
Cujos carros foram penhorados pela fazenda
prorincitl contra Augusto Ficher.
A renda annual do sobrado no largo do Parai-
zo n. 49, com commodos para familia, araliada
em 2503.
Cuja renda foi penhorada por execucJio da fa-
zenda provincial contra a riura e herdeiros do
marquez do Recife.
A renda aooual da casa terrea no Poco da Pa-
nella o. 75, araliada em 72{.
A renda annual da casa terrea no mesmo lu-
gar n. 76, araliada em 48$.
A renda annual da casa terrea no mesmo lu-
gar o. 77, araliada em 48$.
A renda annnal da casa na Casa Forte n. 4,
em mo estado araliada em 36$.
A renda anaual da casa no mesmo logar n. 5,
em mo estado, araliada em 36$.
Cujas rendas foram penhoradas por execuc.o
da fazenda provincial contra a viuva de Miguel
Franciaco Gomes.
A renda annual da casa terrea na ra Direita
dos Afogados o. 35, com 2 quartos, 2 salas, co-
staba fora, quintal com cacimba, araliada em
969000.
Cuja renda foi penhorada por execugio da fa-
zenda proriocial cootra Antonio Vas Salgado.
A renda annual da casa terrea no Campo Gran-
de n. 5, araliada em 96$.
Cuja renda foi penhorada por execuclo da fa-
zenda proriocial contra Paulido da Silva aln-
delo.
A renda annual da casa terrea no Monteiro n.
17, com aoto e ailio bem plantado, e tendo cm-
odos para familia, araliada em 5009
Cuja renda foi penhorada por execugo da fa-
zenda prorincial contra Antonio Pinto de Barros.
A renda annual da casa terrea na ra do Qua-
tro Cantos, em Olinda, n. 4, com commodos pa-
ra familia e um pouco arruinada, araliada em
^68000.
. X Cuja renda foi penhorada por execuc&o da fa-
r?fjr* 1 .venacaT oda proriocial contra os herdeiros de Antonio
.fal.ll.d,_.e.^.n,.0 /oa(ui'/ Jos de S Araujo.
A renda aonual da casa terrea na ra de S.
terroginosis.
lubaUSL *? TIlld,*dc8 em -nada a.,leIfin 8cieDC'a medicamjptoaas do ferro, qoe sendo ui
?*Sl!^*l2n?\$iea** Da S26 d8Peusaa o citaiea. de incompar.r.l Vtl
ualquer formula que lhe d propriedadea laea. que o pratico posaa prescrerer sea receta. %'
eutico Thermea com a preparaco do cilro-laclecto de ferro. Aitim este
JLfi!lmei'. Iu?ar enlre nanie'osas preparacoea ferroginosaa, com 0
mdicos distinctoa que o tem eosaiado. Tem sido eapregado come isa-
qualq^
%^&$^&W ?* ..Preparado do tro-lSct.c.'o8 de SZT
altala a pratica de muito
^^^r.ut0Da8^ni?,e8tia.8 de lanRuidei ("efitarwe^tmdTrcOTM )" u deWltaTdelikeea.ei
Hebtede JltlZ&r' qUe aPP*recem Jepoisda. intermitentes na inconlineE^^S^
por debUHade, as perohrs brancas, na escrophula. no rachitismo. na perpura hemorrbaaica
conr.lescencia das molestias grsres. na chloro anemia das mulhers grvidas embode. aV^Zf.
em que o aangue se acha empobrecido ou rielado pelas fadigas. "ff!oei"hron^
cuta,.., cancro... syphililica, exceso, renereos. enante so rfcKU?Sne^.iS23S^Sl
Estas enfermidades sendo mui frequenles
medico tem de laucar mo para as debelar, o au..
u.arDdoTrro. hun,anldade. P< descoberlo urna formula pela qual
e sendo o ferro a principal substancia de que o
0 a" 0T. do citro-lactato de ferro merece lourores e o
ae pode sem reces
Consultorio medico cirurgico
3-.V\tjABA GLORIA CASA BO FlJNBAO-3
Consulta por ambos os sjstemas,
...BS^g^Jgg; g?>f? ^^, -**. -.... mtm-
nhm .e, q"e.tem de q.ue 8Jremedi0 *o seu estabelecimeolo nao ae confundam com os de
-Ul*0,*I', gMDde Credil de I""" ?o"rm gozam ;o proprietario tesa tomado
dnP, tftKnftCr"efr0 S6U Dme em* todos os rotulos- deTend0 ,er considerados como f.Wfiea!
drV^"fr.q,"elleqUe f,rem P'""'d> s<"m esta marca, e qu.ndo a pessoa qoe os mandar com-
K"mrc.rSolecoSr.Vuenoeme.'COmpanhar """T *D'* "* Dr ^\ouozo LVt
m,.,11."1 8im : bede receberde Franja grande porao de tincturs de acnito e belladona ra-
^do..Hn.e.hUmma ,n,PrUncia e"Js Propriedadessaoto conhecidaa que oa meVsnw'sr
medicoa allopathas empregam-as constantemente. "b 01.
Os medicamentos srulsos aur em tobos qur em tincturas coslarlo a 11 o ridro.
...m. iP P n0idesle,e8labelec,iaeDt0 annncia a seus clientes e amigos que tem com
sufflcieutea para receber algn, escraros de om e outro sexo doentes ou que precisem de V
%23&.Sfflanand0I9u era(> deudos com todo o disvelo e promptidao. como ..bem
aquellea que i tem tldo escraros na caaa do anounciante. -
A aituagao magnificada casa, a commodidadados banhos salgados sao outras tantas ranta-
gens para o prompto resUbelecimento dos doentes. -
a a* i.A P*M0" qne qrem fallar com o annunciantedevem procura-lode machia at 11 horaa
Dr. Lobo Mocoxo.
Iguana
todoa
ivao
^ilra Reg.
Ms a juros de
o urna pro-
ra do
r quem
l'erece-se urna pessoa para leccionar a
lingua nacional etc e francez em qualquer par-
le lora desta praca: a tratar na ra do Vigario
n. 21. loja o'alf.iate.
Gaspar Pereira da Silva, portnguez, vai
Macelo.
Parante o juiz de paz do 2 distiieto da fre-
guezia Ue S. Fre Pedro Gor salves tem de aer
arrematado no dia 2 do correte ( outubro ) finda
audiencia, os bens seguintes : 1 commoda de
jgfaarand com tres gavetas grandes e tres peque-
nasTrWJanca de qualro ps de smarrllo, um bah
de courl ^roxea jo e 1 relogio de prata com cor-
rente foi jaV1 e urna chave, peohorados Conra-
do Augt slr/ Farios Por Satyro Serafimda
Silra.
?t t
dOUS pO Ce..
priedade : quem ..
quartel 0. 12, taja a*> ...,
prelente, ou annuncie. --*
Fi ivloa-oo !. por .l-6u.l| urna > "!
quesaibi pumprar e cosinbar. Se. conrier,
lario tar iar-se-baquestso secundaria, e delta s
ppder ratar na roa da Cruz do Recife, n. 17,
em qual luer dos andares da caaa.
Pr icisa-se de urna preta que saiba bem ta-
rar roupa, tanto de sabo cjmo de brrela : a
f.ilar no Manguinho no sillo do fuljecilo Dr.
Teixeira.
Jos Porlella, subdito Hespanhul, segu
viagem para, as Alagoas.
Ai Ionio C. Gomes responde pessoa (o Sr.
Joao Simoes Pimeota) que o cbaruou pelo Diario
de Pernambuo, de 30 de sotembro, para por em
dia urna escripia por elle principiada, e cuja for-
ma ninguem pode entender, perguntando-lhe
se lhe dere algama coua, se fez contrato em-
prest.rflhe seu. serricea. Em quanto a forma
que ningnem entende, cao tem culpa de sua
ignorancia, a daa petsoan com quam tem coo-
sultado, mormente harendo-lha fornecido ex-
plicecds sufficisntee para qualquer outren con-
tiauar-lhe o trabalho. Pode tarar asante suaa
ameacak ; porm tambre-se que tara aconlsci-
do, as rezes, qae muitos que rao buscar li,
roltam toiquiado.
Auga-se para passsr a festa duas casas jun-
to a pdvacio da Vanes ; quem pretender pro-
cure na ru e Horlss p. 2, segando andir.
rem credoreada mesma massa, para que apre-
senlem seus ltalos no espaso de 3 dias, os taja
de Joao Jos de Figueiredo, rus do Crespo o. 9.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
riocial manda f.zer publico, que do dia 2 do cor-
rente por diante se pagam oa ordenados dos em-
pregados prorinciaes, rencidos no mez de setem-
bro prximo lindo.
Secretaria da Ihesouraria proriocial de Per-
nambuco 1.* de outubro de 1861.O aeeretario,
Aotooio Ferreira d'Annunciscao.
rede se ao Illm. Sr. Dr. chefe de polica
que tenhs a bondade botar suas ristaa sobre um
homem morador na ra Direita, pola sendo um
homem sem vida, s trata de andar insultando
e provocando a toda-a visinhaoca com patarras
obsenas e injuriosas, do contrario harer mais
um caso sinistro entre a sociedade, poia tendo
este homem assigoado um termo de bem riror
para com a riainhansa perante S. S., pouco caso
tem feito disso e tem cootinuado na mesma ;
poia urna fra de lingua tirina como esta deria
ser encerrada em nma gaiola, e ser depositada
na exposlsao para um dia nao servir de desgrasa
a quem ande socegado. Isto pede
Um dos offendidos.
Jos Rento de Souza vai aoa portas do norte
Na-travecsa dos Quarteis, casa n. 39, ha
urna ama para casa, a qual cozinha e faz o ser-
vico ordioario de urna casa.
Preclsi-se comprar ou hypothecar, ou ala-
gar urna escrava de meia idade para todo servi-
So de casa ; na ra d&s Cruzes n. 22.
Fugio da fabrica de sabio da ra Imperial o
escravo Cartas, de naco, tendo os signaea se-
guintes : altura regular, olhos grandes e meios
cobertos pela palpebra, coxo de urna perna, etc.,
foi escravo do Sr. Aotooio Carlos Francisco da
Silva, tendo-se oceupado oulr'ora em veoder
fructas 00 Recite : quem o apprehender, leve-o
ao Passeio Publico, ou a ra da iurora o. 80.
Na ra da Moeda n. 33, precisa-se de um
cozinheiro e de um preto para condozir tabolei-
ros e fazer o mais servido de casa, sendo forros
ou captivos.
Ao publico.
Por deliberaco da Cmara municipal desta
cidade na aessao de hoje, faco publico que as ar-
remataQdes doa impostos pertencentea mesma
cmara, foram transferidaa para o dia 3 da ou-
tubro prximo riodouro em razao de os licitan-
tes nao se haverem apreseotado habilitados ua
forma da lei. Olinda 30 de setembro de 1#61.
Camillo da Silveira Borges Tavora Iodigena,
Secretario.
Vendem-se dous escravoa, sendo um criou-
lo, idade 18 annot, e outro cabra, idade 2? an-
nos, amboa com bonita figura ; a tratar no ar-
mazem de Guimare. & Alcuforado o. 34.
Vende-se urna caaa em Guiante, na ra
do lleta, de podra e ctl. bem construida, tendo
3 sala*. 4 quartos, copiar, cozinha puiada fora,
quintal murado, com commodos para padaria,
cacimba e eslribaria para 2 cavallos, tudo em
om estado ; a tratar no Recife com Guim.raes
Icoforado, ou em GoLnna com Francisco
Jos ca\8ilra Pereira: e tambem aluga-se
e-ae a caaa da ra do Padre Florianno
n. 34 ; no -teo do Paraiio o. 10 se dir quem a
rende.
Les.
Magalhes Me
Vende-so damasco de lia com 6 palmoa^lalar-
gura proprio para mesa oa cobetU a IfSOO
vado, riscado escoces para vestido de 4 palm
de largura a 390 rs. o ovado, popelina clara
200 rs. o corad*, riscadiohos de cor a 160 o co-
rado, chitaa francezas a 220, 240, 260 e 280 o
corad, lawinha entestada a 400 rs o corado,
pec.s de oamaraia branca a 19600, ditas fiuss a
9500, 39 e 99500, co>erUs de fuslao de cores e
brancas pare camas oa mesas graodes a 59 69,
aaia bello de 20 e 40 arcos a 39 a 8fo00; na roa
ds JmpertUii, loji'sjf portal o. Mc
Pedro Martyr, em Olinda, n. 4. araliada em 96g.
Cuja renda foi penhorada por execugo da fa-
zenda provincial contra Maria Elias do Carmo.
A renda annual da cisa^ejtxa na estrada de
Joao de Barros, n. 3, avaajfJKm 1209.
Cuja renda foi penhorada^br execucSo da fa-
zenda provincial contra Alexaudrino Ignacio.
A renda annual da caaa terrea na ra dos Pra-
zerea freguezta da Boa-Vista n. 14, com sufil-
ciente commodo para familia, avaliada em 120$.
Cuja renda foi penhorada por eiecugao da fa-
zenda provincial contra o vigario Feliciano Pe-
reira de Lyra.
A renda annual da casa terrea na Capunga n.
61, com 2 salas, 2 quartos e sem costana, toda
arruinada, avaliada em 8O9.
Cuja renda foi penhorada por execuco da fa-
zenda provincial contra Manoel Camello Pessoa
por Ivo Correia do Nascimento.
A renda annual da casa terrea na ra doQuia-
bo n.56 freguezia dos Afogados com commodos
para pouca familia, em mo estado, avaliada em
409000.
Cuja r-nda foi penhorada por execuco da fa-
zenda provincial contra os herdeiros de Jos Vi-
torino Correia.
Urna caaa terrea no largo do Amparo n. 1, com
21 palmos de frente e 53 ditos de fundo, com a
frente de pedra e cal e os oitdes de taipa, ara-
liada em 1509.
Cuja casa foi penhorada por execugao da fa-
zenda proriocial contra a irmandade do Sr. Bom
Jess da Grasa do Amparo.
Os pretndanles comparecer as 10 horas do
dia 3 de oulubro do correle auno oa sala das
audiencias, que a ultima praca.
Sitio na Capunga.
Aluga-se o sitio oa Capunga Velhs do Sr. Br-
tholomeu Francisco de Souza, perto do rio. e
com bastantes commodos ; cocheira, e quartos
para pretos.com arrored, parreiral, etc., etc. :
quem o pretender, dirija-se s rus largs do Ro-
sario n 34, botica.
Feitor.
Precisa-so de um feitor que entenda bem de
jardim e horta ; a tratar oa ra Nora n. 38.
T ^al* Pra5a Pelo juizo deorphaoa desta ci-
dade, Qndaa tres audiencias, a requerimento do
inventariare dos bens do tinado Domingos An-
tonio Gomes Guimaries, as partes daa casas de
dous andares da ra do Crespo n. 17, araada
em 2:2509. e ra do Imperador o. 23, avaliada
em 4-751J819, sendo o total da avaliaco da 1.a
2:0009, e da 2.a16:0009.
O abaixo assigoado, sendo depositario da
preta Thereza, africana, preaeniemente grvida,
com 30 a 40 annos de idade, a qual litigara por
meio do Dr. curador geral da cidade do Recife a
favor de sua liberdade, declara ao reapeitarel pu-
blico que a dita preta seduzida lalrez por alguem,
desappareceu de sua companhia hontem as 4
horas da farde ; pede, poia, s pessoas que por
rentura a encontraren), que se dignem de lve-
la ao mesmo abaixo assignado. na cidade de O-
linda, no sitio fronteiro igreja de N. S. do Gua-
de-Lupp. Cidade de Olinda 30 de setembro de
1861.Conego JosDionizio Comeado Reg.
Preciss-se de um caixeiro com pratica de
taberna, e que seja capaz d3 tomar coota de urna
por bataneo ; a tratar no largo da ribeira da S.
Jos n. 1, esquina de Santa Rita.
Alaga se ama boa casa para passar-se a
festa, sita na poroaso do Monteiro, c um sitio
no lugar da Torre com todos os commodos : a
tratar com o Sr. Jos Azevedo de Aodrade, na
ra do Crespo, ou com o proprietario Jos Ma-
riaono de Albuquerque, na Estrada Nova.
Acham-se fgido doua escravos, sendo um
pardo, de nome Luiz, conbecido por Luiz Mon-
teiro, claro, alto, secco, cabellos cachi.dos, per-
nea bastante compridas, e com um maior signal
que ser carinlo, idade 22 annos, pouco mais
ou menos, sem barba, oficial de pedreiro, jara-
bem pinta, e trabalha um pouco de fuoileiro : o
outro crioulo, de nome Elias, cor fula, bem
parecido, estatura e corpo regulares, bem bar-
bado, e official de tanoeiro : quem os pegar,
tarea seu senhor o major Antonio da Silra Gs-
telo, ra Imperial, que ser bem gratificado, e
igualmente recommenda-oa as autoridades poli-
ciaes.
Remigius Kueipp, faz sciente ao
respeitavel publico e seus freguezes, que
se acha habilitado fazer escadaria re-
donda, segundo o mais moderno e ele-
gante gosto, e pelo preco o mais rasoa-
vel possiyel, garntindo sempre solidez
e bemfeitoria as suas obras: quem
pois de seu prestimo precisar, dirija-se
a oficina do mesmo na ra da Impera-
triz n. 25.
Precisa-se de um pequeoo de 12 a 14 an-
nos de idade para caixeiro de taberna, o qae U-
nba alguma pratica deate negocio : na refinaco
da ra da Gloria o. 114.
Acha-se justa e contratada a reoda da ar-
masao da taberna da praca da Boa-Vista n. 16,
pertencente a Manoel Dominguea da Silra Jnior:
quem se julgar com direito a qualquer reclama-
cao, dirija-ae a taberna da esquina do becco dan
Barreas ; a tralarf.com Joao Jos Lopes da
Suva.
S. Jos d'Agona.
O secretario da eoofraria de S. Jos d'Ago-
nia, convida a todoa os irmos a co opa recercan
terca-feira 1* de outobro e todos os dias conse-
cutivos pelas 6 horaa da tarde no consistorio da
contraria para discusseo do novo compromisso.
Manoel Francisco dos Santos e Silra.
OfTerece-se urna mulber para ama de cas.
a qual compra ecostaba : ama nove ata Santa
Rita n. 34.
t No engenho Curaahi, na freguezia de Pio-
a Alho, rendem-se 16 bota de correia e f6 aei-
maea de roda, todo, gordo., a dinhe ro rtata.
\m mtmm mmmmmmm
[Apurado gosto.j
Gurgel & Perdigo.
Recebera m peta ultimo paquete francez
superiores reetidos de seda de cores, de
dillerentes gostose feitios, manteletes de
noro modelo, capas compridas a prophe-
ta o mais rico e moderno que lea rinde
a eale mercado, superiores cortes de
cambraia bordados, leques de madrepero-
la de dirersoa presos, todaa ealaa latea-
das existem em pequea quaotid.de, 4
experiencia ptra ver ae agradam 00 mer-
cado : na ra da Cadeia loja n. 23.
Por barato presjof"
Colxss de la e aeda propriaa para ca-
ma e cobertas de piano a {atonda
que pela qualidade rale 159, folla* e
manguitos de fusto, ditas de cambraia
de linbo a 39 o par. puohos e gilas de 1-
nho ou de fusto bordadoa proprios para
roupo a 39, sai.a balio de mad.polio a
3$: na loja de Gurgel & Perdigo, ra da
Cadeia n. 23.
Claudio Dubeux faz sciente aos seas amigos e
freguezes de mnibus que de ora em diante ven-
der os bilbetea de entrada para os seus mni-
bus a 8O9 o cento, e que a menos porgo que
rende 'de 25 bilhetes cojos bilhetes aervlrio pa-
ra qualquer diatricto menos o de Jaboalao.
Precisa-se de om rapaz oue tenha pratica jy q
de pharmacia e b6s conducta, e que d fiador ; a
tratar na ra Nova n. 51.
Joo Jos de Gouveia
com armazem de fazendas na ra do ^
Queimado o. 29, esquioa do Collegio, tj
avisa ao reapeitavel pblico que ha re-
formado o seu eslabelecimento, sorlin- tflP
do-o tanto em boa qualidade como em &
gosto, com as melhores fazendas ingle-
zas, francezaa, suissase allemaes, achan- "J
do-ae diaposto a vende-las o mais bara- (9
to possirel, e por isso convida aos seus ata
freguezes e ao publico em geral para o j
honrarem com a aua concurrencia e V
0 confiansa. tffe
*#* *m& **
Aluga-se urna excellente casa de
campo com todas as commodidades de
familia, com litio grande, cocheira, es
-baria etc., a casa construida ha pou-
co tempo com terraco a roda, sita
entradWo Poco: a tratar com os pro
prietariost, O. Bieber ti. C, successo-
res, ra da Cruz n. A.
JoaCsrlos do Reg Valenea deixou d
ser caixeiro des Srs. Barroca $ Mederos desde o
principio de setembro.
Cabelleireiro
ra da Cadeia do Recife
d. 55. primeiro audar.
J. Godofredo, artista cabelleireiro acaba de es-
tabeler-se na ra da Cadeia do Recife n, 55, pri-
meiro andar, e ahi encootrarao os freguezes o
aceio necessario no desempenbo de sua arte.
Recebe encommendas de cabelleiras, meiaa di-
tas, chin*, marrafas, ehebimentoe para bandos,
crescentes, transas para anneis, tranceln., ca-
deia, bracelete, etc., etc. Cortea de cabellos e
frisadoa, lavagem de caneca com a excellente
agua imperial.
Augusto Spiner e sua mulhtr, subditos fran-
cezes, reiir.m-se psra o Rio de Janeiro.
Precisa-ae alagar urna escrava para o aer*
vi;o de casia : na ra do Cabug o. 18, primeiro
andar, entrada peta pateo da matriz. -
Precisa se fallar com os Srs. Antonio Joao
da Silva e Vicente Eloy da Foossoae Silva, ou a
alguem por elle, a negocio de seus intereeies :
na rea do Crespo jota o. 14.
Paz-se lefio negocio com um eiselleota
cabriole!.de 4 rodas pera um e dous cavalloa. e
urna oplinkBkJiurra para o. mesmo, tamben se
vende urfjpb agrande carro de, vidraga coma
aua competente parelha: na rfla do Imperador
n. 12,.cochelre.
Preciaa-ae fallar com o Sr. Joaquim Gavel-
canti de Albuquerque Mello a negocio da sea lo-
teresse, no becco das Rolas i. 16. Nio se enten-
de com o psi de Sr, Mello filho, morador na roa
da Cadeia.
Barbeiro e sangrador.
Na ra d'AssumpsSo n. 14, corla-se cabellos
e friza-se a 200 ra., fai-te barbas a 100 rs., das
6 as 8 da manhia e das 3 da tarde eso diente
tudo com brevidade e perteicio.
Precisa-se comprar um preto eosinbeire
que entenda bastante desta arte: quem o liver
nestas condicQdes dirija-se a roa da Cadeia da
Recife n. 12, escriplorio de Bailar & Oliveira.
Em virtude da deliberarlo dos
credores da massa fallida de Siqueira &
Pereira, em reuniSo de hontem, sao con*
vidados todos os Srs. que se julgarem
credores da dita massa a a presentaren!
seos ttulos no piazo de 3 das na. loja
de Jos Horeira Lopes, afim de podo
rem ser verificados e habilitados a votar
e ser votado*. Recife 28 da setembro
de 1861.
Barthotamea Cempodonico, aubdito italiana,
relira-ae para Maceta.
DB
Escultura em Marmore
Cfietdo Ramo n. 54}.
Se fazem palos precos seguales:
Cooeoloe 4 Luis XV de ltle 15.
Jardinelreaidem dem de20f a 30.
GoaaolM liso, da 9$ a.
Mesas redondas de 18 a 25.
Lavatariotde l*t> a %
Aparadores de 20f a 351.
i L 1 oa embutidas 1
2>Lm ,*lc,r,c^es e umsohos de 100 re,
ama s 1.
Pedra para
l.
rta-se alabaj
|b
a oa nao de trastes, ainda m ebradaa.
o^aUui^LiuV-
K

li ^sa.sTm a asa L


DiaUIO M f
O QUARTA FKIRA
**
.
.
V
Agencia de passaporje.
ClauoinodoRego Lima tira pftseporte para
dentro Jora do imperio por coaaauodo .pr$o e
presteza: di ra da Pitia o. 47, prineiro andar.
Taehygraphia.
O tachvgrapho C. Falcio dlicSea de aua ane
por,mdico prego: aa petacas que quierem uii-
lisar-sede ;eu preatlmo. deiwm mu n ornee e
mondaa na roa estrella do Roaarto B. 16, a onde
acharao aa precisas ioforms;5ea.
Na roa da catnbaa do Careo, sobrado n. 8,
no segundo andar, precisa-se de duaa pretaa que
sejsm fiis e deligentes para tomarem po-de-l
e doces de rendagem.
Aluga-ae urna caaa
bons commodoa : quem a
na do Imperador q. 67.
Boa-visgem,
uirija-se a
na
pretender,
com
Jayme,
Funileiro e lam-
i
Ba do Bangel n. 1, fim
da ra do Queimado.
Neala noa fabrica offerece-ae para fszer-se
qaalquer obra, concernente a dita arle, aaaim
como ae concerta obras de (o I ha a zinco, porce-
lana, cryslal, candieiroa (azeite ou gaz) candela-
bros ; broozeia-se tambera qualquer obra, alan-
ternas de carrol ; azem se marcas para cortare
furar bolaxss e bolaxinhaa, e tambero se fazem
com lellreiros, brearse alphabetos e algtris-
rnos, e chapas para marcar caixes, etc. Sendo
toda o trabalho com muita perfeico.
O prego ser (afrate! a vista do trabalho e
promptidao, sendo a'divisa a pontaalidade.
cabelleireiro, trancador e
desenhador em cabellos,
contina em sen astabelecimento na ra do Quei-
nido n. 6, primeiro indar, a exercer aa funcces
de sua arte com aseeio a promptidao. Tinge ca-
bello! e barbea por un procesio acilimo, extrahe
as caapas por meio do tricopheroas ; este expel-
iente remedio Dio s extrlhe aa caspas como faz
reoasccr os cabellos: isto taranteo annvodante.
Aluga-se o sitio n. Sao Culdeireiro ; quem
o pretender, dirija-se a tua da Cruz n. 30, escrip-
torio do Sr. Joo da Silra Feria, ou a ra do
Mondego o. 51.
Oa abn'io asignados tenham a boodade de
apparecer na ra Nova n. z!, toja do Germano.
Justino da Silva Mata Juntar.
Luiz Francisco da Veiga.
Jos Antonio Ferreira da Silra.
Justino da Silva Haia.
Francisco Xavier Venancio Pimenta;
Pedro de Assis Campos.
Buzebio Bezerra Cavalcanti.
Hanoel Rezendo do Reg Barros.
Alugam-se o segundo e terceiro andares
con soto da caaa da ra do Trapiche d. ?*" ; a
tratar no mesmo armszem q> fstodas.
Ensino.de preparatorios.
O bacharel A. R. de Torrea Baodeira, profeisor
de geographia e historia antiga no Gymoasio des-
ta provincia, tem reaolvido abrir novos cursos de
ihetorica, de geographia e de philosophia, assim
como das linguaa franceza e ingleza, a priocipiar
do dia 20 do correDte ; oa casa de sua residen-
cia, ra do Imperador 0. 37, segundo andar, en-
trada a direita.
CONSULTORIO ESPECIAL B01EOPATHICO
DO DOUTOn
SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos oa das uteia deada aa 10 horaa
at meio dia,acerca das seguintea molestias :
molestias dasmulheres, molestias das crian-
gas, moUitia* 4* ptllt, moltstias doi olhos, mo-
lestia* syphilitieat, todas as especies de febrts,
febres intermitientes t suas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa pre-
parados som todas aa cautelas necessariai, in-
falliveis em seua effeitoa, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos precos maia commodoa pos-
ai veis.
N. R. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
anicamente vendidoa em sua pharmacia; todo*
qne o forem fra delta sao falsas.
Todaa aa carteiraa sao acompanhadas da vm
impresso com um emblema em relevo, tendo ao
redcc* "aa seguintea palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema poato
igualmente na lista dos medicamentos qua se pe-
de, As carteiraa qne ro levarem esse impresso
assim marcado, ambora tenham na tampa O no-
ma do Dr. Sabino sao falso*.
' w>
36f ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
Manoel Horeira Campos, participa ao publico,
ecom particularidade a seus fregueze*. que mu-
dou o seu ectabelecimento, da ra da Cadela do
Reclfe n. 13, para a meama ra n. 3, loja qne fol
do fallecido Salvador Pereira Braga.
Obilheten. 1,497. da quinta lotera de S.
Pedro Mariyr de Olinda, cuja extracto ter lu-
gar 2 de outubro prximo, perteoce ao Sr. ma-
jor Joo Antonio Vax Portella, i quem foi elle
remettido para o Maraojio, pelo Cruzeiro do
Su/.
Lava-se e eagomma-ae com toda perfeico,
por commodo preco: na ra do Nogueira n. 42
M galhes & Silva, fazem .acieote ao res-
peitavel publico, 6apecialmenteaocorpodocom-
meroio, que tm justo e conlraclado a venda sita
no Pateo de Sao Pedro o. 1 perleocenle ao Sr.
Jos Antouio da Cuoha : quem se julgar com di-
reito a meama appareca no prazo de 3 diaa na
ra Direita n. 30.
O sbaixo-aasignado faz pubico que perdeu
o meio bilhete n. 2267 da segunda parte da quin-
ta lotera de S. Pedro Mariyr de Olinda que cor-
re no dia 2 de outubro vindooro ; roga-se ao Sr.
thesoureiro de o nao pagar seno so abaixo-assig-
nado no caso que saia premiado, cujo bilhete es-
t assignado.
Jos Ferreira alendes Guimares.
Vocal e instrumental
Manoel Augusto de Menezes
Costa,
Professor da cadeira de msica do arsenal de
guerra, di licdes de msica por casas particula-
res, quem de seu presumo se quizer utilisar pro-
crelo aa ra da Concedi da Boa-vista n. 42
ou no mesmo arsenal.
Acha-se justo a compra da armaco e seu
pertences da taberna da Praga o. 16 A livre e
desembarazada: quem se julgar com direito a
meama queira declarar neates tres diaa.
Frederico Chavea aluga seu sobrado aito no
Pojo da Paoella, com muitos bons commodos
para familia, cocheira, estribara, casa para cria-
dos, jsrdim aos lados, cacimba, e bom terreno;
uem o pretender, pode-se dirigir-se a ma da
mperatrzn. 19.
Alugam-se duss das mlhorea casas no
Cachang: a tratar na roa da Paz n. 42.
Aluga-se o primeiro andar de obrado da
roa da Cruz do Recite n. 31 ; a tratar no arma-
xem do meamo*
A commissao liquidadora dos credorea da
casado fallecido Manoel Buarque de Macado Li-
ma, roga aquellas pesaoaa que se julgarem ere-
doras por letras ou contal de Irnos, que se diri-
jam com os seus Ututos ra da Cadela do Re-
cite n.26, primeiro andar, das 10 horas da ma-
nhia s 2 da (arde, para serem verificados e claa-
siOcados pela referida commissao
1
I
. O bacharel Witru vio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23, aobrado da es-
quina que volta para a
cambo do Caa.
I
*a)sf>*>>
Publicares do Instituto Ho-
meopathico lo Brasil.
THESOURO HMEOPATHl 0
O
YADE-MECl'MDO HOMFOPATHA.
(Segunda edc deravelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de medicina lio-
meopalhico
PELO DR.
SABINO 0- L. PINHO.
Cootinuam as ^signaturas para estas obras a
208000 em brochura at dezembro. Desse tempo
em diante as assignaluras sero elevadas a rs.
250OO.
Ra de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Aluga-se urna escrava que cozinha o dia-
rio, lava e compra na ra : a fallar na casa n. 1,
ra do Seve ou Unio, oa Ilha doa Ratos.
Sorveles.
Todoa os diaa de trabalho. das 6 12 boraa at
8 horas; na ra da Imperatriz n.3.
Ra Direita esqui-
na da travessa
deS. Pedro n 16.
Riquissimo sortimento
de (amneos moda do Porto com msia perfeico
e a mesma seguraoca, assim como tamaocos de
todaa as quahdsdes para senhora, homem e me-
nina, que se vende tanto a retalho como peque-
as o grandes por^dei, por menos' prego do que
em ontra qualquer parte.
. Q Sr. acadmico do terceiro anno
Joao Jos de Moura Magalhaes, queira
appareeer a ra das Cruzes n. 44, se-
gundo andar.
Na travessa da ra tU Cruie*| n.
2, primeiro andar, continua-se a tingir
com toda a perfeicSo para qualquer
car e o mais barato poewYel.
Curso de rheto-
rica.
O acadmico Manoel da Costa Honorato tem
aberto o sen curso particular de rhetorica na rs>.
Dlietta n. 88, primeiro andar.
Esciptorio d< >cacia
O bacnarel A. R. de T ra costina*
no* >T
faiaca-se para desempen: ia cidade.
%comoemqualqu
afean-:, p r^d?*fa**
ra do L^^^^Hp T, sajron Jo aAdar
entrada *Hfr,
Becco da Boia n. 2.
Loja de roupa feita.
Caf e Lunch.
No terceiro andar, na mesma caaa faz-se
comida para pensionistas,
por preco- muito commodo.
Sociedade bancaria.
*"'" *?"Bu>rSantos & C. sacam e tomam
saques sobre a prui *, Usboa.
Roga-ie a certo o-, ae cumIm
da Tilla da Escada o favor de mandar
pagar o importe de sua ordem que
mandou dar em fazendas a Silvestre Jo-
s de Barros na ra do Crespo n. 18,
loja de togo & Fernandes.
Aluga-ae urna caaa em Beberibe : a tratar
com J. I. H. do Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Na ra do Hospicio o. 17 te dir quem tem
para alugar dous escravoa.
O abaixo assignado comprou ao Sr. Manoel
Jos de Alraeida Jnior o seu estabeleciment
commercial n. 15, da roa das Convertidas, in-
clusive as dividas activas, fleando o mesmo Al-
meida Jnior obrigado a pagar os dbitos respec-
tivos al a qunnlia porque me foi vendido o mes-
mo estabeleci ment. Parahiba 16 de setembro
de 1661.JoSo Jos Solsooa.
O abaixo assigusdo vendeu ao Sr. Joo Jos
Solsoua o seu estabelecimento commercial n. 15
da raa daa Convertidas, inclusive aa dividas ac-
tivas que lhe sao correspondentes, ficando o
mesmo vendedor responsavel pelos dbitos do
mesmo estabelecimento at a quanlia da res-
pectiva veudn. Parahiba 16 de setembro de 1861.
Manoel Jos de Almeida Jnior.
S0C1EDIDE ACADMICA PROMOTORA
DA
Bemissao dos captivos.
De ordem do directorio participo aos Srs.
socios activos, que quinta-eira 3 de outubro, aa
10 horaa da machan, na ra do Hospicio n. 29,
ter lugar urna sessao extraordinaria da assem-
bla geral, allm de eleger-se o presidente hono-
rario, que tem de presidir a sesso magna do
primeiro anniversario da inaugurarlo.
Secretaria da sociedade Acadmica Promotora
da Remissao dos Captivos28 de setembro de 1861,
Manoel Pereira Guimares,
1. secretario.
a -
f Gabinete medico cirugico.g
ajj Ra das Flores n. 37. aj
# Serio dadaconstltaa merjlcas-cirurgi- ajy
el ca pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Albu- f>
querque daa 6 aa 10 horas da manbia, ac- ej)
cudindo aoi chamados com a maior bre- al
vidade poaalvel.
! Partos.
2." Molestias de pelle.
aj> 3.* dem doa olhos.
a) 4.* dem dos orgos genitae?. ._ #
ej> Praticarloda equalquer opera^o em l
fj aeu gabinete ou em caaa doa doentea con- a)
S forme lhea fr mais conveniente. 0
aeaaiABialel ftaftAAB
A, F. Duarte Almeida, socio que foi do armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
guezs3ti q\ie tendo separado a sociedade que tinha com seu mano, acha-se de novo estable-
cido com dous aceiados armazeus de molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
de Souza, e o Sr. Paulo Ferreira da Silva; o primeiro na razo de Duarte A Souza, e osegundo
na de Duarte Almeida A Silva: eites estabelecimetos offerecem grandes vantagens ao pu-
blico, nao s na liwpeza e asseio com que se acham montados, como em communidade de
preco, pois que para isso resotyeram os proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitura, afirn de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem oflferecer
ao publico ama .vantagem de menos 10 por canto do proco qua possam comprar em ouira qualquer parte, por isso desejaudo os proprietarios acredi-
taren) seus estabelecimetos tem deliberado garantiris toda e qualquer qualidade de gneros vendidos em seus armizens, e assim j poderi ver o
publico que pode mandar suas encommendas, mesmo por pessoas pouco pra ticas, em qaalquer um dcsles estabelecimetos, que serio tio bem servi-
dos como se viessera pessoalraente, na certeza de nunca acnarem o contrario de nossos annuncios, e assim fundados as vantagens que ofierecemos,
pedimos a lodosos senhores da praea, senhores de engenho elavradorea que mndeos ao menos suas encommendas a' primetra vez, afim de experi-
mentar, certos de continuarem, pois que para isso nao pouparo os proprietarios forjas para bem sarvirem aquellas pessoas que frequentarem nossos
estabelecimetos, abaixo transcravemos algumas adicoes de nossos pneos, por onde ver o publico que vendemos baratissimo, attendendo as boas
qualidades de nossos gneros.
Manteiga lUgleza tnecialmenteescollhidaa 900 rs. a libra e em porrao ter abatimento, recommenda-se ao's apreciadores destele ge
ero que mandem aojl Is experimentar, sertos de nada perderem pois para isso confirmamos o que levamos dito.
dem franceza a mJrWdo mercado a 640 rs. a libra e em barris a razio de 600 rs. a libra
(. n nySSOn e pretO o melhor do mercado de 15700 a 2800 e em por$o teri abatimento, e afianca-ce a boa qualidade.
Presunto fiambre ingles a hamburguez a 900 rs. a libra e em poreao a 800 rs.
Presuntos ^rtuguezeS vindos do Porto de casa particular a 560 rs. por libra einteiro a 460 rs.
Marmelada dos melhores autores de Lisboa premiada as exposic,s universaes de Londres e Pars a 19800 a lata.
GaixaS COm estrelinha pevide e rodillha a 7#000 a caixa e800 rs. a libra e em por^o ter abatimento.
Latas de amexas francezas-com cinco libras a 490J e lfOOO a libra.
FaSSaS em caixinhas de oito libras, as melhores do mercado a 2000 ea 400 rs. a libra e caixa de urna arroba a 7*000.
Espermacete Superior 720 em caixa e a 740 rs. a libra.
Conservas francesas inglezas e portuguezas eoo soo rs. o frasco. .
CrVlinaS portuguesas e francezas a 800 rs. o frasco afianca-se serem as mais bem preparadas que tem vindo ao mercado.
Lata COm bolaxinha de SOda de diversas*qualidadeS, a muito nova a HM50. e grandes de 4 a 8 libras de 25C0 a 4500.
Yinno em garrafas Duque do Porto, Porto fino, genuino, nctar, Carcavellos, Madeira secca, Feitoria e Camones a 1200 1|300
a garrafa ea 139 a duzia.
Vlliho em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 3*800 a 4800 a caada.
Latas COm fructas de todas as qualidades que ba em Portugal de 700 a UOOU a lata.
r era em Caixas de 4 a 8 libras a melhor qu Se i de desojar e tem vindo ao mercado de 4* a 6| a caixa e 1*280 a libra.
GorinthiaS em frascos de 1 1(2 a 2 libras de 1*600 a 2*200.
I^1^ peixe Savel pescada e outras muitas qualidades o mais bem arranjado que tem vindo ao nosso mercado de 1*400 a 1*600
Caf do Rio o melhor que ha a 240 rs. a libra e a 280 rs. o lavado.
dSLOS ue ameil (loa com 2 libras, propnas para mimos, por serem muito bem enfeitadas e de superior qualidade a 3* cada um.
Vinagre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 2*560 a caada.
Lombos de porco, paios nativos, chouricas murallas eoutras qualidades, o melhor que se pode desejar de 600 a 1*280 a libra.
VinnO BordeauX & boa qualidade a 800 e 1 a garrafa a de 8*500 a 10*000 a duzia,
afaSSa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira vez a nosso mercado, da 1 a 1 *280.
FlgOS nOVOS chegadosno ultimo paquete em caixas de 8 e 16 libras o melhor que se pJe desejar,
CervejaS das melhores marcas 450O rs. a garrafa e 5*000 a duzia da branca.
Vinagre puro de sboa 240 rs. a garrafa e 1*850 a caada.
Doce da gOaba da Casca em mxo a f* e em poreao a 900 rs.
Azeite doce purificado a 800 rs. a garrafa e 9*000 a caixa com 12 garrafas.
Gognac a melhor qualidade que temos no mercado 1*000 a garrafa e 10*000 a dazia.
OniJAc si]eia^BjB^i.vfiJos ultimamenie a no ____ -. v .-_ ... ,
7* j m, j m Dorcao lera abatimento. afi'"' -*" "'>'"''''>
(jeiiebra de nmanda a 600 rs. o frasco a 6*500 a frasqueira com 12 frascos.
Palitos lixados para denles a 200 e 160 rs. o maco com 20 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz a 3*000 a greza e 280 a duzia de caixas.
CllOCOlate o mais superior que temos tido no mercado portuguez. hespanhol e francez de 1* a 1*200 a libra.
AzeitonaS as melhores e mais novas que tem vindo a nosso mercado a 1*200 a ancoreta do Porto, e a 1*600 as de Lisboa,
AmendoaS ehegadas no ultimo navio a 480 rs. a libra e em poreao ter a batimento.
AipiSta o maislimpo que tem vindo ao mareado a 180 rs. a libra e .5*500 por arroba.
A lm dos ganaros annunciados encontrar o publico um completo sortimento de tudo tendente a molhados.
45 Ra Direita 45
Magnifico .sortimento.
Sempre condescendite e praxentetro ceas m
fregoezei qwe Ihetraiem dinherro, preffieU-
rio deste grande ealabeleciaaenle contiaa a ef-
ferecer ao publico, por precos mdicos e aempr*
inferiores aos de oulro, o sea bello sortimeoto
de calcado francez, ingles e brasileiro o vejaaa:
Homem.
Boneguina Vctor Emmanuel. .
couro de porco.....
lord Plmeraton (beiarro .
diversos abricaBlca(laalrf)
John Riistell......
Sspatoea Naotas (batera inteira). ,
> patente.........
Sapatos lian51 fportugueses). : .
> (trnceles). ....
g entrada baixa (sola vita). .
muito chique (urna sola). .
Senhoras.
Borzeguins primor (Joly)......
> brilhantiaa......
gaspa alta.......
> baixa...... .
I 31, 32.33. 34. # .
de corea 32,33.34. .
Sapatoa com aalto (Joly). .
> francezes fresquinhos. .
31,32. 33 34 lastre. .
E um rico sorlimealo de coaro de lustre, te-
zerro francez, marroquim, aola, vaquetas, eou-
rinhos, fio, laixaa etc., por menos do que qaal-
quer outro pode vender.
5"
t|0QS)
8500
&960S
5f00
2joea>
11500
&*
3|0Ot
5|300
&*MO
9t
*&t
Na ra da Cruz n. 10, casa de
Kalkmann IrmSos &C, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas d
engenhos, sendo correias para
transmittir moTimento, canudos
de borracha de qualquer com-
prime nto e grotsura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
Feijao de
no armazem de Taaso Irmios.
n. 35.
corda
roa do Asteria
O rival sena segundo, na
ra do Queimado n. 55
defronte do sobrado no-
yo, est \ endendo tudo
bom e baratissimo,pois
j tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por pre ra m, a saber;
Padaria.
Aluga-se a padaria da travessa do Pires, a qual
est prompta de tudo, com muito bons commo-
dos, e est ainda trabalhando, sendo seu aiuguel
muito commodo : a tratar na ra da Senzala No-
va n. 30.
Attemjo.
Jos Vaz da Oliveira, natural da freguezia de
Santa Mara Magdalena de GoUvinhss, na pro-
vincia do Douro, em Portugal, asistente no Rio
de Janeiro, na ra do Hospicio o. 42, declara
que tendo nesla provincia de Pernambuco, um
IOTA
exposicaode candieiros
ECONMICOS
O proprietsno deste estabelecimento avisa ao
"ublico que contioa a ter um riquissimo e va-
riavel sortimento de candieiros para todos os ser-
vicos que ae precisar, como um grande deposito
seu to de nome Joaquim prera" l'CrW, e j de gaz da melbor qualidale que tem apparecido
nao tendo sua familia recebido ooticiss uas ha e experimentado pelos compradores, conhecidos
verdaderamente economices.
Candieiros econmicos a gar.
Candieiros econmicos a gaz.
noticias gusa
muito tempo, motivo porque o coosideram lalvez
fallecido; nesla incerteza roga o especial obse-
quio alguma pessoa que o conhe;a ou liver
conhecido, de dar algumas informales a respei-
to, nesla cidade de Pernambuco, em caaa do
Sr. Azevedo & alendes, ra da Cruz n 1.
Rio de Janeiro 10-de setembro de 1861.
Atten
Candieiros econmicos a gaz.
Candieiros econmicos a gaz.
Candieiros econmicos s gaz.
Na ra Nova n.''20 a 2*.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam so-
bre Lisboa : no largo do Corpo Santo, escrip-
Todas aa pessoas que estao a dever quantias i ,0,o
antigs ao eslabelecimento de seceos e molhados
ao largo do Carmo, esquina da ra de Hortas n.
2, tenham b bondade de mandar pagar seus d-
bitos, do contrario tero de ver seus nomes nes-
la folh.
Manoel Aires Guerra aaca sobre o Rio de
Janeiro.
9
0 Aluga-se o primeiro andar do SO*
b.rado da ra da Imperatriz
tratar no mesmo.
n.
40
Na noile de 21 do corrente desde o
thealro at ao Hospicio sitio n. 10, per-
deram-se doas almofadas de u.Vrrro :
roga-se a quem as achou manda-las
entregar no referido sitio ou na ra do
Trapiche n. \, primeiro andar, que se-
r gratificado.
Compras.
_____
Compra-se urna negra que sej a prendada e
bons costumes : na ruadla Imperatriz n. 12.
SI
IDO
20
800
1100
ira
4
100
XrS3
Caivete para aparar peona a
Ditos com 2 folbss moito finos a
Frascos de macaca perola muito Sao a
Dito de olee muito fioo a
Tranca de la com 10 varas, boailae ce-
res a
Franjas de la com 10 varaa, bonitas co-
rea a
Sapatos de tranca de algodio a
Ditos de dita de ISa a
Caixas com iscas para charutos a
Carlas de alfinetes sortidos francezes a
Caixas de ditos ditos a 80 rs. e
Escovas para limpar dentea moito finas
200 rs. o
Duzia de facas egarfos, cabo prelo a
Massos com grampas mullo boas a
Cartes com clcheles a
ueaaes ae a;o para seanora a ?
Sabonetes moito grandes a.
Apitos de chumbo para cr'aoca a
Rialejo para meninos a 40.rs. e
Eufiadores para vestidos,'muito gran-
des s 60 rs. e
Sapatiohos de la para meninos a
Ainda lem urna variedade de niudezas qae se-
ria enfadonho menciona-las, poisao viata que
se pode apreciar as qualidades e os preces.
35M
m
M
Dentista de Pars.
15 Ra Nova15
tajes aa oparacoes da sua arte estoca;
denteiartilciaei, lado com a supariori-
[ dadeiiparfaicioqueas pessossantandi-
gradsricGatier.ctrurgiiodenJ^l
al lo
4*> lto rormhm'a
A cornuiisao liquidadora dos ere-
dores da massa do fallecido Manoel
Buarque de Macedo Lima, pede aos Srs.
devedores a referida casa que se dirir
am a satisfacer seus dbitos a referida
\ commissao todos os das uteis das 10 ho-
ras da manhaa as 2 da tarde na ra da
Cadeia do Recife n. 26, primeiro andar.
A commissao roga maisa esses Srs. de-
vedqres, que nao a obrigue a tancar
mao dos meios judiciaes ou do jornal
para ha ver essas importancias de que
sao seus de redores.
Precisa-se de um criado para o servico de
homem so!teiro : a tratar no becco de Santo
Amaro casa n. 38.
Antonio Rodrigues Paria, su i 'jei,
retira je pira o Rio de Janeiro.
ra-se
cabellos compridos.
Na ra do Queimado casa de cabelleireiro.
Compram-se eteravos crioulos de 14 a 23
annoa : na ma da Imperatriz o. 12, loja.
Comprase moedas de 20$ : na
ra da Cruz n. 48, paga se mais do
que em outra qualquer parte.
a* Na ra da Cruz rj. 48, comprase
moedas de 20$pagando-se mais do que
em outra qualquer parte.
Compram-se moedas de 209 a 20*700: na
loja da ra do Qwirnado o. 46.
Comprarse urna preta e urna mulata qne
sejam peneUs coznheirn, engommadeiras e
costureiraa : na ra a Cruz o. 1, escriptorio de
Azevedo & Uendes.
Comprase urna escrava de cor preta bu
muala, de 18 a 20 iftos de idade, e qua seia
perfeita costureira e ebgpmmadeira : na roa da
Aurora taberna n. 48.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contrarlo oa freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no aeu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIRuSde todos os tamanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas as grossuras.
PRATOS imitando em perfeico a boa porcel-
lana.
CHALEIRAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e flandres para qual-
quer aortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandando-se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, coocertos, que todo ser desempenhado a
conteni.
# m*m
^ Em casa de Kalkmann IrmSos |
^ &C, na ra da Cruz n. 10, exis- f
^ te constantemente um completo g|
d sortimento de
Yiohos Bordeaux de todas as
qualidades.
Dito Xerez em barris
Dito Madura em barris e caixas.
Dito Muscatel em caixas.
Dito champanhe em gigos.
a Cognac em barris. .
Cerveja branca.
Agua de Seltz.
Azeite doce muito fino em caixas.
Alvaiade em barris.
tCevadiuha em garrafdes.
tOL'PA FEITA ANDAISBAIATAS.;
SORTIMENTO COMPLETO
[fazendas e obras feilas.1

3
Se
%
PUARlUM-BABTHOLalEe
Rulara do Rasara a. 36
tobl'ASectaur.
Pilulaa de
Pilulasa
mita]
zoo.
i'I'.' ..": .
LOJA E ARMAZEM
IGes & Basto!
NA
Hua do QueVma\4o
m. 4, tremte xmatellA.
Constantemente emosaaigraadtf -
IciadosorlimenABkdesobrecaaacsfpreU
de panno e deWrt mallo Cao a S-,
801 e 35f, pletots doa soasas paaaee
a t0f,12feS4f, ditos saccespreieadM
meamos pannos a 14a. 1*1 18f. case-
ca pretasmuilo bem feiUae da superior
panno a 58, 30| e 35, aebrecasara* i*
easemira de core mallo I nos a 15, Iff
e 18|, ditossaecoa daa aseas&aseaaeBai-
raa a tOf, 1S| e 14|, calcha pretaa de
casamira fina para bomeau a 8, ti, ](ia
e II, dilaa dacasemirs decores a 71.8a,
9|et0a.4itas de brisa braaees maiie
una a 5| e 6*, ditas de ditos de cores a
3|, 3*500, 4a e 4500, ditas de veis ca-
semira de rieae torea a 4| e K$M%, cel-
leteapralo dacaaesairaa Sf-al. dilae
da ditos decores a 4fM a?-*, ditw
branco (de seda psracaseaiai* ta>,!
di toa de 6, colletes ebrias kreaee e e
ateo a 3, 88800 e Af. di toa de carea a
500e3, paletets?rateado aaeriadde
f orlo saeeo e sobreeasacea 7f, &?,
coUatespretoapartlalo a 4fMa> iaV
a arelas de merino a 4880 *. a-
1 tota deaipaca preta a 88800a 41. liles !
obrieasaeo a 8,7*a 8f, aiaito laecel-
ateadefforxuraodesedadecerefBieito
joatai>ndaa3|8QOe4|, caDa^aaWa)*.
lado de orea e pretoa a T 88. msh
para mea^oeofcreeaaaMeWpaaawtra)--
tos e de cores lasfia
easemira saccoparaoa meamos a884W)
osde alpaca prejoaa
58500, Utos aobroeasacea a------
L^b^bb^bbWI a *f 4
Vende
muito sdio
2*. prirxelto andsr.
bonito e eicellente moleque |
: a tratar na ra de Hospicio
'endem-se
i iapi, mal
candieiroa,
lae em out
i sobres* f 11881.1
semira P retafl^^^^^Ma. 1
assssssssnssssnsr':1
Jll Cfl\/C\


m-f
'"!>

' I
'I
***- iJMmen*oiuu.
ROUPA FEITA
[ (DE |
Joaquina Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 40!
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Neste estabelecimento hasempre i m sortimento completo de roopa feita de toda.a.;
Neste estabelacimento ha sempre iim sortimento completo la roop a feita d e toda.a.
qualidades, e tamben se manda ere :utar por medida, i Tontada dosfreguezee, para o
que tem um dos melbores profe.sor >s.
Casacas de panno preto, 40, 35 e :0000
Sobrecasaca de dito, 35 3000
Palitotsdeditoe de coras, 85, 30
155000. 10, 18 e
Oito-do:simira da cocea, S2000,
15JL^S, 7
to ilo
Dito aloalta preta folla da vel-
ludo* freocezas
Ditos de n-rio-sitim pretos da
cores, 9J000
Ditos de alpaltt da cores, S e
Ditos de lita preta, 9, 7, 5 e
Dito* de brim ia lores, 5|, 4500,
4JO0O
Ditos de bramante dalinhobranco
631)00, 5000
; Ditos 1o ra-mn de cordao prato,
15000 6
; Calaas le casimira preta a de cores,
lij.10, 9e
)ils de jciaceza e marin da eor-
dio pretos, 5. 650O
Dita debrimbranco da cores.
5J000, 4*500 e
! Ditas da ganga de corea
' Goliates de velludo preto o do so-
res, liso e bordados, 128, 9J a
Ditos de casemira preta e de cores,
Usse bordados, 6.5500,5e
205000
1*000
igooo
8000
85O0
3500
350O
4|000
8?O00
oJOOO
4500
*500
33000
89OOO
35500
Ditos da setim preto
Ditos do teda o setim branco, 6
Ditos da gurgurao do soda pretos o
de cores, TfOOO, 6000, o 4
Ditos do brim o ust&o brisco,
3500. 255OO t
Seroulaii de brim de linho, 2 o
Ditas da algodao, 1,500 o
Camisas de pello de fusto branco
decores, SfcOO
Ditas da peito de linho 55. 4j e
Ditas do madapolo branco o do
cores, 3, 2*500, X
Chapeos pretos de raassa,franceses-,
foroMBda adtimo m oda 10ff,SB0Oo
Ditos da feltro, 6, 5J, 4 o
Ditos deso do seda, inglese o
francer.es, 14, 1$5, US o
Collarinhos de linho muito finos,
novosfeios da ultima modo
Ditos de algodao
Relogios de ojo, patentes horl-
sontaes, 100, 90, 80 o
Ditoa de prata galvanisados,
tente hoaontaes, 40$
5OOOS
59OOO;
8*000*
2200j
i|t80S
3000<
l6O0<
pa-
Obras de ouro, aderemos e molos
aderecos, paloeira, rozetas
aoneis
Toalhas da linho. duzia 10*000 6* a
pitas graedes para mesa a 45OOO e
88005
70000]
S00O0
-lu:
a.
a
83o
-a 8
* a a 6
o o o m m !m
Viva o paqo ete. das riovidades.
ba-
ln-
54,
Ju-
nara
Pois esti torrando miodezas muito
ratjs, aflu de apurar dinbeiro para
sumo do paquete, ra da Imperatriz a.
loja de Joaquim de A.xevedo Pereira
nior, declara o seguale :
Carles" de clcheles muito finos a 4( rs.
Caixas de ditos da trra a 80 rs.
Linha do gaz a 10, 80 e 30 rs.
Dita de carretel, 100 jardas a-30 es.
Pares de meias cruas e do cores
menino emenina a 120 rs.
Duzia de meias cruas muito Coas a
2S100.
Dita de ditas entre finas a 25200.
Liaba branca en carlo, 200 jardas a
I 80 rs.
lacas para charutos a 60 rs.
Caixas cora palitos de Especia a 161) rs.
Frascos de agua de colonia de Firer a
440.
Ditos de cheiro muito finos a 800 rs.,
Lunin a IgOOO.
Jarros de banha pequeos a 1600.
Ditos de dita grandes a 3$500.
Frascos de banha pequeos a 320,
grandes a 500 rs.
Sabooeles de espuma muito grandes a
100 rs.
Ditos de mnmpelas a 320.
ry^u4fe^ffl*Vfll Bars.-8en.hora a
Ditas brancas muito finas a 3300.
Fio de raiz de coral muito fino a 700rs.
Espelhos de columna pede ferro a 1J500
Carteiras de agolhas muito finas a 400 rs.
Ditas de marroquim mais finas a 300 rs.
Baralhos portuguezes a 120.
Ditos franceses a 240.
Groza de botes de lauco broncos a ItO
Agua de LaTander muito fina a 640.
Dita frambuzia a 600 rs.
Tesooras muito finas para unhss e cos-
tura a 500 rs.
Caivetes de 1 folha a 80 rs.. 2 folhas
a 160 rs.
Cabo de marfim a 400rs.
Meias alvas para homem a I58OO.
Froco fino de todas as cores a 400 rs.
Dito grosso idem a 500 rs.
Caixas de papeleo com alfloetes a 120.
Pares de sapatos de 13a para homem
a 1280.
Tesoura para costura a 200 rs., e gran-
des a 640
Duzia de botoes de louca para paleto!)
a 120. y y
Sipatinhos de merino a 1500, e vellu-
dinbo a 2000.
Rosarios e cruzes de coco, 1 a 120 rs.,
eduzia a 15400.
Caixas com Derfumaria a 4
ante
Aiisu
gMMiKR ttewKM mmmm mmminm>m mhkskskm
Atteneo
[Fazendas e rou-
pas feitas baratas
NA LOJA DE
1 Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
48- Ra da Imperatriz48J
Jauto a padaria franceza.
Acaba de chegar a este estabeleci-
mento um co'npleto e variado sortimento
deroupas de diversas qualidades como
sejam : granlo aortimeoto de palelols
de alpaca preta e de cores a 3 e 3*500
ditos forrados a 4 e 45JL ditos france-
ses fnends de 105 a 69^f? ditos de rae-
o1'Lprel.0 aJ-6' dil0 de brm Prdo a
38UO e 4. ditos de brim de cor a 350O
ditos de ganga de edr a 3*500. ditos de"
alpaca de laa amarella a imitaco de oa-
Iha desedsar3|500e 4. ditos de meia
casemira a 4500, 5g e 5500, ditos de
Ca?irAsac?s 13* dit0 obrecasacos
E8''dlt0' m. de bramante a
gaOO, 3. ditas brancas a 3 e 4#500 di-
tas de meia casemira 1 350Q. ditas d
casemira a 65O0. 7|6O0 .V dita nr
t.sa4po.7500.S. 10. eofiSleS d
2S800.dltosbraacosa2g800 e 3. ditoa
de set.mpreto. 3*500 4500. di od!
gorgurao de seda a 4500e 4 ditos da
casomn preta e da cores a 4Sflfl \
ditos da velludo a Z*.,8t e 9. **'
Completo- sortimento de roupa Dara
mellaos comosejaq, calca,, coletee, !-
letols. camiaasal80OWdiuX~tm?,-
a2500, chapeo* fr^Si ?62!
fazeo-la superior a 6500 8B5nn !nJ
ditos de s^afif e 6*500!' SL^SL
V.mta se-
S no torrador
l*rpdo Terco u, 23.
Q
Btr
jrs., mistas
Um grande e variado sortimento de
roupas feitas, calcados e fazendas e todos
estes sa veodem por procos, matto modi-
tlcadoscomodeseucostume.assin cono
sejam sobrecasacos. de superiores pannos
Ir^qTqa.'0* S?,0> ultimos fi8"rnos. a
26, 28, 305 e a 35, paletots dos meamos
pannos f reto a 16g, 18g, 20 e a 24
ditos de casemira de cor mesolado ede
noTos patlroes a 14. 16. 18, 20 e 24,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 9. 10. 125 e a 14, ditos prelos pe.
lei diminuto preco de 8, 10, e 12, ditos
de sari de seda a sobrecasacados'a m.
ditos de merino de cordao a S, ditos
eje mermo cbinez de apurado gosto a lfii.
ditos de alpaca preta a 7. 8, 9 e a 10
ditos saceos pretos a 4, ditos de paltia d
. seda fazeuda muito auperior a 4500, di-
8 }m pardo e da fu3ta a 3500, 4
e a 45500, ditoa de ustao branco a 4*
grande auaalidade de calcas de casemira
preta e dt coros a 7, 8. e a 10, ditas
ardas a e a 4. ditas de brim decores
oaaa2|500, 3. 3500 e a 4g, dita.d!
brim braacos unas a 4*500. 5|. 3500 e a
6.d.Ue,cebnmU>ua 15 a a 61, coUetea
de gorgur.10 preto e de coras a^g-e a t
ditos de cisemira de cor pretos a 4S500
e a 5, ditos de fusto branco e de brim
a 3 e a 3500, ditos de brim lona % 4?
ditos de merino para luto a 4* a a 45fl)
ealgasde merino para hito a 48500 aT^t*
capas de borracha a 9. Pa'ra doJ
de todos os lmannos: calcas de casen!
prefa oda cor a5g, 6 e a 7, dita^ i.
de brimt 2\ 3 ea 3500. palelo'.sa"
eos de casemira preta a 6g e a 7 ditn.
deora6 ea7J, ditos dealpaca.
sobrecagaeos de panno p.reto a 12!*
14, ditos de alpaca preta a 5, bonets
para menino de todas a.qaalidadei1 fia-
misas para meninos de todos os tamanbda
toeosnccs resdos de cambraSitSL
nara meninas de. 5 a,8 annos oa eeS
Jabados \m, a 8e a 12J. ditosdVgog^
rao de oer e da las a 5* e a 6. d*tJTd. .
Ntdtdaf (ara h*ptl*a0*,e nuio:f '
ser mafleic nadas pel suaTgcMdMaiDi-
dade; asslm como recebe-atodj^-.J .
quer encgmmenda de ro.u|^sMaSlI
mandar manufacturar e temos um tompletptU-l
das degost
-------"",piidi
Na loja de)4 portas da ra do Queimado d. 39,
acha-se um grande armazem com todo o aort-
manto de roupas feitas, para cujo lioi tem mon-
tado unta offlcini do alfaiate, estando entarrega-
do della um perfeito mestre indo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda equalquer obra qoe se Iba
encommeode ; por isso que faz* um convite espa-
cial a todas ss pessoas com especialidade aos
lUtt. Srs. offlciaes tanto da armada tomo do
exercito.
Faz-se fardas, farddes com superiores preparoa
o muito bem eitas, tambem trata-ee razar o far-
damenlo todo completo conforme se usa no Rio
de Janeiro, Unto que tem os figurines qee de
la vieram ; alm disso faz-se mais casaquiuhas
para montara, frdelas on jaquetas, bent como
colletes a militar para os Srs. ajudaotes da esta-
do maior e de carallaria, quer aeja singlos ou
bordados a espequilha de ouro ou prila. Ludo ao
gosto da Europa, tambem prepara-se becas para
desembargadorea e de qualquer juiz segundo o
estylo de Coimbrs aonde se fazem as melhores
eonhecidas at hoje, assim como tem muilo ricos
deseohoa a matiz de todas as cores proprios para
fardamento de pagens ou criados de libr que se
far pelo gosto francesa. Na mesma casa en-
carrega-se de fazer para meninos jsquetas a
franceza bordadas so mesmo gosto. Afianzando
que por tudo se fies responsavel como seia boas
fazendas, bem feito e bom corte, nao se falta no
da que se prometter, segundo o systema d'onde
reio o mestre, pois esptra a honrosa risita dos
dignos sanhores visto que nada perdem era ear
perimentar. fK
Na loja d'aguia de ouro, rea do Gaboga n. rt
recebeu um completo sortimento de gollinhaa d
miSMDga, sendo de todas ascores
Na ra do Queimado n. 10, loja nova
de 4 portas, vendem-se as seguntes
n!eSo,^-^8 mfa^JTJg^ "^
quer parte.
Ricos cortes de cambeata
20, 25 e 30.
Ditos de seda de cor a quil a 80 e 90
Ditos pretos. bordados a relludo a 60, 70 80 e
905OCO.
Ditos de seda de cores a 20, 25 e 30.
Ditos da dita preta a 20 e 308.
Ditoa de barege com babeos a 15 e 20
Riquissimas capiohas de velludo bordadas
com maogas a 60, 70, 80 e 100.
Lencos de linho bordados a 3.4. 5 e 6.
Ditos de dito lisos, duzia a 6, 7 e 8g.
Ditos de cassa com bico, um a 120, 200 e 240
a fiie* d6 grosdei"'le abeft" reno, m
Chapeos do peine pare seohora, um a Se 10
Ditos de pellica Garibaldi. nm. t5. 9
Chapeos de sol de seda para senhora, nm 4*
Kiquissimos cintos dourados-a 3. 4 e 5.
h7rfVeSde'sluni terreno Prnprio. junto* cam-
branca bordados a
^^^LaaaV
Atteneo.
GaVVtornift d tazeiidas
p>r to preo, na m
ao Queimado 45 na
bem eanneeida loja do
seTlauejo.
Os proprietarios deste esUbelecimeoto esli
fazeodo urna hqaidaSio sem limito de preco e
porisso previne ao respeita*| publico e em par-
licnlar aos seus fregueses que prestem alinelo
ipsra o que vai abaixo transcripto.
. Coletea de velludo de cor e pretos a 5. ditos
VieeS? d?Mdf *.** *!. camisas france-
ras a 1|80, caigas de brim, de ganga a 3g e 2
duzasde meias para senhoraa a 3 e a 4* ditas"
para meninos s 2. ditas para neniaa2500
ditas par. hbmens lgtOO o o par .14^oottras
mu tas qualidades por todo o proco, chapeos de
castor branco. 10*. ditoa,de *M pVnoS
para mesa a 4 com bototos, ditos-dto* 35809
aberturas brancas a 280 e de cor a 280 hitas
boas a 120 o corado, obra, feita, de toda. J
qualidades aim como tambem tem coaita d"
umacora540ocevdo. maoteletea pretos por
todo o prego a 16S, cbspelioba nara *- .
f600. afeites de'Vidrilho piSlT^SKy
lenS JK*oaM ^Ofgnro de seda pre4i!ie?:
**W*>*-itim. iveatosva 640.660o Slt.
rios de seda pretos a 40 fazendas que custou 60fi .
70. assim como tambem de cor peto mesmo
uSS-M" fv *ultD too bordado, com hirn .
me um 100 rs., dito. deUnbo,a eOOT.^^s.
^lm como tem golas manguitoa, a ealaiBhlL oft^'a**,,,v'
Igrosdeneple. de cores o pX* SSFSfc wl^^Ito#MC0/
trsafcJT w"*^^ ^'''t "i* roa do
Bolha.de eortiJsflniM
Ajdda restara alguns terrenos para vender
EnsMlra o segunda raa projectada por detraz
mfVUfrrXti'*01* P"* a travs do Mon-
no Laiderofro e para as ras projeetsdas:
oBTe^dentoakijam-ae a ra larga do Rosa-
<. 8, que sebelo com quera tratar. Na mes-
ma precisa-se de am ou dous amassadores de
pao que sejam pesOitoi u arte.
S Gama & Silva.
6rande expsito de fazendas
baratissirnaa, na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do
Vende se eortes de phauta-
sia, fazenda de muito gosto
bahados pelo tfimrrato
preco le 4#504>; na raa da
Imperatriz n. 60, loja que tem
m pavo de lado de frr, (is-
to para Do hayer engaos.)
5#50a.
Vende-se ricos corles de cambraia de seda
com avental ouduassaias a 3J500 : na roa da
Imperatriz n. 60, loja do pavao.
3,200,3,500 e 4^)00.
Vende-se aissimes corto de cambraia braa-
ea e de cor com dous e mais bsbados pelo di mi-
nlo proco de 3200. 3g5O0 e 4|: na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavao.
A 15#000.
Vende-se finicissimqs eortes de cambrsia bran-
ca com bordaste asalto delicado proprios para
baile ou casamento a 15: na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
Noyapecaiiicna.
Vende-se Qnijmgs pecas de cambraias fran-
cezai de carocJdl Bom 17 1(2 varas pelo dimi-
nuto pre^o de mBFet. ditas das mesmas cosa
8 3|4 varas pelo preco de 4j[ a pe?a, tambem ae
veodem dos meamaa a 500 rs. a vara, aeodo
brancas e de cores ; na raa da Imperatriz a 60.
toja do navio.
VuptUaa ASO *s.
Vende-se pupelina de quadrinhos a imitagao
de sedinhas de quadro pelo diminuto preco de
280 es. o covado: na roa da Imperatriz n. 60
loja do pavao.
Cnaly a 500 ts.
Veode-w ehely moito Uno a 500 rs. o cova-
do : na raa da Imperatriz n. 60, loja de pavao.
Sedas a ewvade.
Vende-te grosdenaplea preto meito encornado
a 1*600 e 1800, di los de cores azul, cor de rosa
e cor de cana mais barato qee em outra qualquer
parte ; na na da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Sodas de nuadrluAvos
Vende-se sedas de qaedriohos fazenda muilo
encorpada a 500 e 640 rs o covado : ata ra da
Imperatriz n. 60, loja do pavo,
o$sas eom salpico graudo a
200 rs.
Vende se cassas com .lpicos graudos e lis tras
a 200 rs. o covado, fazenda muito nova : na roa
da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Cassas pintadas a 240 rs
Vende-se cassas pintsdaa n.uito miadinhos
padrees a 240 rs."o covado : na loja da ra da
Imperatriz onde est o pavao.
Sentido ao Pavco.
Vende-se neste estabelecimento um grande e
variado sortimento de fazendas tanto para bo-
mens como para senhoras, de todas as fazendas
so do amostras com penhor ou moodam-se le-
var em casa das familias pelos caixeiros da case,
assim como o respeitavel publico achar todos os
dias uteis este estabelecimento aberlo das 6 ho-
ras da manha as 9 da noite.
Cera de carnauba.
A dinheiro.
Vende-se urna pequea porcao de cera de car-
nauba muito boa, que se acha depositada no ar-
?o proco." rnmn"nhi T gambucana commo-
Baloes parUneiiinas.
Vendem-se baldes para menin.a, de lodosos
lmannos, de madapolo e de mussuloa a 3 o a
4 : aa ra do Queimado n. 23, loja da boa f.
Mantas de retroz para gra-
vatas
Vendem-se mantas de reros- para grvalas
tanto pretas como de cores a 500 rs. : na ra do
Queimado o. 22, na loja da boa f.
Meias baratissimas.
A 2400 a duzia de pares de meias brancas
as para homem : na ra do Queimado n. 22
na loja da boa j.
Ricos cortes de vestidos bran-
cos bordados.
A' loja da boa f na ra do Queimado n. 22
chegou novo sortimento de ricos cortes de vesti-
dos brancos bordados com 2 e 3 babadoa, os quaes
continu.m a ser vendidos pelo baratissimo preco
de 5 cada corte : na ra do Queimado n. 22 na
bem conhecida loja da boa f.
Para acabar. iMilhoefarelo novo
Cortes de cassa franceza de i saiaa e 3 folhos,
com 12 e 15 vsras a 3MO 41, lindos cortes de
laa p.ra vestido com 24 cofa* a 5, peca de
cambiaia Hsa com 8 e9 jardaa a t500, 3000 e
apna chita larsja trmeos, covado a 200 ro,
cassas escuras francesas, covado a 240 : a ellas,,
qne n vista da rs decae tm prego, pense poda
atorar : na ra do Queimado n. 44.
Atteneo
Vende-se confronta o porto da (fortaleza das
Cinco Pontos o seguinto : carrocas para boi, dita
paracavallosopera agua, carrinhos pira trsba-
thar oa alfaodega e carrinhos de mi, rodas pa-
ra carrocas e para carrinhos, eixos para ambos,
lorradores pera caf com fogo, boccatde tornos,
bandeiras de arcos de todas as qualidades, do-
bradtsas de chumbos de todosos tamaahos fecha-
duras de ferrolhos, trsnquetas, ferro de embutir
de todos os tamaohos, ferrolho de cftepa.
Farioha de mandioca a 1 a sacca : nos ar-
mazens de Tasso Irmos.
A 1000.
Dm resto de latos de mermelada de Lisboa e
do Rio Grande do Bul, do 1 112 libra a 2 cada
teta: na preco da Independencian 22.
Mova remessa de macaes
SJ
Nova remessa de maces.
Nova remessa de maces.
Nova remessa de maces.
Sodr & C. receberam nova remessa do ma-
caos, e esto vendendo a 10000 cada urna cai-
ra com 200 majaes: na roa estrella do Rosa-
no n. 11.
Ricos cortes de medina de
seda.
mnl0la d' B*"!6 Mttt* Queimado nu-
mero 22, acaba de receber ricos cortes de
vestido de medina de seda de Imdos psdroes
a fazenda mais fina, mais nova e meisbonito
que ha no mercado, cada corte tem 20 o 21 co-
a000 o cort ; es senhoras de bom gosto que
tteres de aesisUr a bailes e a caaameatos, se
qnueram levar um vestido ds ultima moda I
mandarem ver na mencionada loja da Boa-F
na ra do Queimado n. 22. '
Novidade do Pavo.
Vende-se finissimos cortes de cambrsia de
babados largse de dnas saias fazenda que se
venden a tO pelo diminuto preco de 4 r na ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gams 4 Silva.
AI20 rs. opapel.
Agulhas Victoria
vndese ni loja Esperanca ra do
Queimado n. 33 A.

Vende-eo srHo barato ; na traveseare aoteo
do Partir 16. fronte do amareiro.
Vende-Mam caos da Adamaos, flewto 4
C., raa do Trapiche Mero n. 43, blscoiloa tnfloxea
sonidos, em pequeas latas.
Bramante de linho moito
\
e
superior,
Vende-se superior bramante de linho coi
varis de largura, pelo baratissimo preco do
a vara : na ru do Queimado a. 22, aa bem co-
nhecida loja da boa f.
Superiores tiras
bordadas.
Na loja da boa f na roa do
Queimado n. 22 so eneontrari benito Mrtl-
maate de superiores tires rieses apto boedMao
que ae vendem peto barato proco do 9&m$ 4H80
e 500O ris a poca, advertiaoo-s* eje la moto
de urna pe?a dcada padreo, queso aso '
dar mehhor servid ser, na raa de
a. 22 na toja da Boa-Fe.
gRua do Queimado n. 10,<
loja de 4 portas.
' Vende-se chspeos de csslor brsoeo rs-
V pedo a 6.
Jh Chapelinas do soda para seohora s 8.
s Chapeos de palha para seohora a Tra-
2 *i*ts s 10.
Q| Ditos de pellica a Garibaldi a 14 e 13.
A Camisas para senhora a 3.
*q wmmm
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se fil liso muito fino e sssim tambes:
tarlatsna branca muilo fina, tonto ama causa co-
mo outra sao propriaa para vestidos, aa so
beiles como para assistir-se s casamento,
antes que se acabe na roa do Quelm*
na loia ds Boa-F.
Potassa da Russia.
i
jdaco de ^certasj
; fazendas finas.
RA DO CRESPO N. t7.
Riquissimss chapelinas de teda para
I senhoras, de diversas cores s 12. 9
Cassas de cores bonitos psdroes a 240
vj rs. o covado. Z
Cassas e organdys de cores a 280 rs. o
SJ corado. Z
m Chitas de todas as qualidades e precos.
9 Muitissimas fazendas finas que se ven- )
8 dem por precos baratissimos para liqui- sb
dar, dao-se amostra das fazeud
Supe
ores organ-
dys,
MSj&aiKi s sansa *
droes. pelo baratissimo preco de 720 rs a vr.
prasTucal I?200' 6 fiiSA
Cassa organdys a
280 rs., na loja do Pavo.
Vende-se moito bonitas csssas organdys a 280
do P.?|o. '" Ua "" d" Ia,'era,riz n' 0. lojs
Para cortinados.
AOPAVAO'.
Vende-se pecas de cassa adamascada propria
para cortinado 20 vara, a 8f : na ra da Impera-
triz n. 60, loja de Gama 4 Sifra.
vende para paletots.
Uazinha muito miudiohss de edr escara pro-
prn para calcas, colletoe paletots a 400 rs. o
ma&Silva1 fUa d" Imperatriz n' ty ,0 6*-
Roupas feitas ba-
ratissimas,
NO
armazem de fazendas e
roupas feitas
Kaymundo C. Leite&Irmo,
N. 12Ra da ImperatrizN. i%.
Kesto armazem que ora se acha bastante sortido
de roupa feita de todas as qualidades, Unto pa-
ra homem come para meninos, se estfio vendendo
as mesmas por haratiseiroos procos como se-
CLk 8MMCtt,td?'*nnofll"- obr iotoira-
mente boa por ser feita a moderno a 25f000, di-
tos 00 panno snperior, obra do melhor que se
?.jL,eJr 300D0, palito, de cosemirs finos
obra da moderno gosto o
j dita a 6; DO, coleles de
Wat de c6o3s.ltaa a 4*800. dHos da brim
a 300, 49000e 5000, paletos cauco..d
^aja-mnito br pot-ser de alpaca osiMfr
dito dito eacco a 8500 e fOOsX nitormoo
ito, seno n-
seo do eosemira finiselma a 2j^H
aocezaa peito de linho muito OnotT
na 5 haranda tambem moitos outra___
t*raAtoeo> as. qmes todo* so- fendem
pregos omito com modo
Bales.
mSB** ,0J" e fazendas da ra da Cadeia
doRecifen.45 esquina da raa da Madre de
eoj novas saias balao de cordao para 3 urna
enfe.tes finos e bonitos a 6, borzeguins de se-'
Sl*5 4^59' ^ ***** na me8l= loja
tem un completo sortimento de calcado de tran-
ca de Lisboa para homens, senhoras e meninos.
Atteneo.
o.!,ai,ru",dT"pichB-4*'0,ne" Ro rn
Rooker &C. existe m bom sortimento deli-
iifri!.iC.W ,brJanc"rreel do melhor
.bricantedelngla4erraasqo.es se vendem por
drecos muirazoaveis F
Vende-ae potassa da Rasis da aieoeva
superior que ha no mercado e e preco
commodo: na eecriptorio de Maawal ig
Oliveira & Filho, largo do Corpo Saato.
Ra do Queimado 1.19,
Armazem de fazendas.
DE
SANTOS GOELHO.
Chales de merino estampados finos coa listo,
e franjas de seda a 9f.
Toalhas de fusto a 500 rs. cada ama.
Gravaliohas de cassa muito lineas para fco-
mem a meninas pelo baratissimo proco do 100
rs, cada urna.
Chales de merino lisos de todas as cores.
Cortes de phsntazia de soda poto borato proco
Cobertas de chito gosto chines a IfSOO.
Lences de panno de linho a 1*900.
Ditos de bramante grandes e 3900.
Vestuarios do seda pora meninos e meninas
a 8J0O0.
Cortes de cssemirs finas s 4f500.
Capellas brancas para noiva a 5.
Bramante de linnoeom 10 palmo* a 2 a Tara.
Sortimento de baldea para seohora e meninas
Bramante de algodao com 10 palmos do largo
a 1280 a vara.
Casemiras a
4.000 o corte* na
do Paro.
Vndese finissimos cortes de sanwi
ra entestada de core* pelo tUkmt
preco de 4# o corte par calca*, assim
como tem das mesmas para vender a
2i00rs. o covado prspriaa para pa-
letots, calca e collete, recommenda se
muito esta fazenda aos Srs. alfaiateque
costumam a fazer roupa para Tender,
porque tSo cedo nao acfaam urna pe-
chincha igual : na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva-
Gravatas da moda.
Vendem-se gravrtiohas essreUas marte mroe-
riores, tanto pretas como de cores, pele baratia-
simo prego del; na raa do Queimado n. t3
na loja da boa f, ^
Vende-se orna escrava poca, idede t mi-
nos, perita cosinheira e engommadotra, coso
chao, coro urna cria de 14 meses, moito liada -
os preteodentes dirijam-se s ras do Soto a. t3
a qaalquer hora do dia.
loja
LOJA ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos
40loa do Oueimado40
Defronte do becco da Congregando, letreiro verde.
YlNDE-SEOSEl!irH:
Para casamentes.
m.. R'c? corles de'do de fil ou bload de seda branca com ramo caoolU i
mais moderno e superior que ha no mercado. ramo capotuda;
Para bailes.
cores. rte"I<,V*lrt*08defiI Ditos de tari ataa branca bordados a branco a core*.
Bitoo de cambraia branca bordados a branca com muito elegancia.
_, Saias bardadas.
iq*ml-^S,i2mS.etBbwUbri,ICa bort* ^ o ault^Hatto i*ila a moio
Ditos de dita recortadas mato baratat.
Para baptisados.
..:. *>COi corlej d Te8ld. Je cambraia branca bordado* com mana
,*Mi* moderno e mam aaperior que he no mercado.
Mantrietes.
col2I?.!!,ele* ** ?* Sore*"" ptel0 *"iri*i o Usos coa el
c*m* arrendados, por precos commodos.
3j00OaDeca.
Pe?asde cambraia lis* larga fina eomfi 6 t| raras,
Icos leogos de cambraia do liosiai^^^^Hsa Ai d&a
abaita barato.
Bam asa.
T
raCi\/cri
^



MAeMOflll
>*
-"
I
t>
*
Ld
Papel pata msicas, pa-
pel pautado e riscado
Sara eontaa fjctaras,>apelmat-borrao. vea-
e-eena toja rtgiiL orante, ni'-ffi Q&1ii3o'
numero 16.
A 2$ o corte
de arica de mein caseairss aJcthra e urna i
cor; na roa do Queimado n. 22, di loja da]
Vendem-ae onixe vasioa
>.-OUilTA
largo da Penlia
Francisco Fernandes Duarte, proprietario deste
fUlrfih.?,;'**rl*Cp**#,*N^ fw*0M. aiii|como aos eeoboTes da praca, de enne-
?*. e l,frad9re d'oaa vente quixererh-e
para vender
Gaz liquido.
cJM"d#s^*-^ns. Semiu Nova o. 42, veodem-se latai com 5 ga-
Ioh de Keroiine, "
Lisboa.
Ro bem ooltecidoe acreditado deposito da na
da Gadeu do Hecife a. 1, ha para Teodor a ver-
dadeira potasaa da Russis, ora do superior
qualdade, aasim comotambeaa cal virgen em
podra ; ludo por presos mal barato do que em
outra qualquer parle.
FUNAICIO LOW-1O0I
Ra daSenzalla Nova n.42,
Wesu istabelecimenlo contina a haverus.
completo forlimentodemoendasaneiasmoen-
d*s ptraangenho.nacb.inas de vapor ataixai
te ferro batido e coado,.le todos otamanhoi
para dito
Superiores organdysa
720 rs.avara^
Vendena-se finissimos orgaudya de muito bo-
nitoa padroes, peto baratissimo preoo de 780 rs.
i k'* "* azeDaa .ue aempre se vendeu por
1J>300, asaim pois, quem qoiier comprar fazeoda
nna muito bonita e muito barata cbegar ra
do Queimlilo n. 22. nacern cooheciaa loja 6t
boa f. '
chegados neste ultimo vapor a 2*400.
1600 rs. intefro a 40 r. a libra.
100
afreguezar neate ostabclecimeuto, que se acha
no mercado e por serem a maior
nde-los por reno* 10 por cerno
aoondicionamento, assim como ter-
rea viasaem peasoalmenle, para o que
u, ES, a "a1"** P"ar toda atiensio, afim dt continuarem a mandar comprar
JcSmnanh^ .?.8''er,l' de que toit e *l oompannara urna conta impreasa com o meemo titulo de armazem Progresso.
J!2 l**Xf/tA ***.-* no. imo rf. libra, Teode.
apoTottoproco noicameote pera grande porcn qoe tem selor em barcil se lar abitiaesto
WAiiUliitx trauco. 6W .. IibI.. em btil
PdUssa da Russia cal Je ?? hygs?,i Beihor < w. u^
Queijo. do reimo
Idempravto,
em smsso, 640 r8 a libra em porfiSo ge Ut a btliBBto>.
Prezuato de fiambre ilht.
Prezaato de lamego, tm ,,,. lotrir(,, m ,
' mala ora que ha no mercado i 160 ra. libra,."ero arroba a i J590.
Esper msete. tw,.. ,,,,.. ,,0 .
Latos com bolaxli.ua 4e soda.. 4llmM. ,,4s^.,
LatoB con a*e em posto., ,,.,, J P
Lzettoaal, muito aovas. 0 .,,,. t.talh0. m .,
Ooca de A lperebe ,.., 4.,Ubt ,,, 11SOT #
V* ^* Para podim a 800 ra. a libra.
Uanua de poreo retinada ,Dn
n&aesa 4e tomate
l%^- 9 maianorado mercado a 900 rs., a em latas da 21ibra por 1700
Paios de.omnonl ,
t prlmeira re que tieram a este mercado a 640rs. a libra.
CTiouricAs c>MMI moito nOTOS, 560 .,
SBST 4 CUte UXad08com2Om.ciot. perora.
Relogios baratos. mem^*^^*-'^^
Vinhoa engarrafados ,
%r4MV.^a *"*,,,B Porto, Bordeaux,iarcaelloa, e moscatel a 1000 a garata.
w nnos em pina *> *.*..- ^
Vtnagyj- ii i k *g,rrafa'em eanad"35004S00 ,500i
^ ?^ oa 0 mtiHU|Wrior a ^o :, garraffl>
^stwilHiiV"*"CrediU(,"Brarc""8*'du,ia'e ein*"raf' "500 w-
t 11. a* >ara "P" aai ""a que ha no mercado a 640 rs. a libra.
mita tranceos llllBilllllli
tolo deamendoa.
a
Para bailes o ca-
lamentos.
t^%>5?a?%\"* *[ *. W 4H-
to. ditoa de merino bordados eos delica-
ne& 8iW '** *"' Ia,p*,a,ri w toi* de
Borne assim barato
niil"rrtV.a dS c.omPTH "" P" Pra pa-
pel pet 1|O00. Na loja d'aguia branca acba-se
umaporcao de boaa o perfeitas pastas para pa-
pel com calendario perpetuo, e ndice daa festss
mudarera, pelo que se lomara de rauita utfli-
oaw, eopeqaeoo preco de 13000 cada orna
*ooTda a aproeitar-se da occasiio em que se
ernao ellas rendando por melado do que sem-
pre eusturam ; assim dirijam-se a roa do
armado, loja d'aguia branca n. lfl, que IserS
oem aemdo.
Vestidos brancos
bordados.
Anda re-Um alguna cortea de vestidos brancos
bordados que continuam-ie a Tender pelo bara-
tisaimo preco de 5, com i e 3 babados. de gra-
S: na fu do Quelmado n. 22. na bem conheci-
Ioja da boa M.
Novo armazem
DE
80
Na roaNoa o. 21, ha grande porco de relo-
gios foliados, dourados e de ouro, patentes e ori-
zonlaes, suissos e iogleiea, os qaaes sero Ten-
didos pelos presos da factura. Cada relogio leva-
r um recibo em qua se responsabilisa pelo re-
gulamento durante seis mezas.
Para os bailes elliealros.
Riquissimos cintos dourados com lindas Uvelas
tambem doaradas e esmaltada, e eom ricas pon.
las para cahicem sobre os vestidos, muito pro-
pnos para as seohorag qoe tiverem de ir aos bai-
les e theatros ; vendem-sepelo baratissimo pre-
co de 4y, 5ge6l: oa ra do Qoeimado n. 22.
na bem connecida loja da boa f.
Vende-ae carne do sertao da mais nova que
na no mercado e tambem superiores lingolcas
por prejo commodo: na ra da Senzala Nova
D 1.
Raiz de coral.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B,
vende-se a verdadeira raiz de coral a 900 rs, o fio.
Caixinhas com msica.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1
B, e chegedo de sua proprta encommenda muilo
lindas caiuohas de costara com muaica -ropria
para mimo, que se rende muito barato. '
Vender seosengeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Beato comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoras,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
so safreja dous mil pes:
quem pretenderlos dirija-se
a ra da Gadeia do ftecife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Lencos brancos.
Vendem-ae lencos brancos proprioa para algi-
beira, pelo baratissimo prego de 21400 a duzi
na ra do Oueioisdo n. 22, loja da boa f.
As lerceif es da
veneravel ordem deS.
Francisco.
Jachegou a verdadeira cstamenha de la, na
loja de 4 portas, ra do Queimado n. J9. e se
apromptam hbitos desta fazenda a 401. e tam-
bem ha de algodao que se apromptam a 28S cada
um, e se vende a fazooda por mdico preso.
Luvas de Jouvin.
Gontinua-ae a Tender as superiores luvas de
pellica de Jouvin, Unto para homem como para
senhora ; na ra do Queimado n. 22, na loja da
boa
Semeites e hrlalices.
Na raa da Craz do Recife o. $2, deposito de
pao e bolacha, veode-se mais. barato do que em
outra qnalquer parte, novas gementes do horta-
licea, sendo coavea de toda* as qaalidades, na-
bos brancos, roso o eoearoaao, rabanetas de dif-
erentes cores, feijo e ervilhas de diversas qua-
2&'*2l3!2** i2,d" m aemenles
prertss para seter ova riada borta.
Ruada Senasaia Nova n.4
Tdnde-iean. ea8rUa.P.Jonb#iaBc
eliiHM hawgl#r4s,eitwifMl*i
bromeados,ionasHglam, fio *.Tel.,Chieot.
paraedrroa, amoBMuria,arraioaf>ua carroda
u"u*iou *.o o^ttrt-ainiaii
Leite
'a do Ara
Jos 4e Jess Moreira A C.
Ra estreita do Rosario (etquina
da ra das Larangeiras n. 18J
Os proprialarios deatoeatabeleciment avisam
a seus numerosos freguezes e bem assim aos se-
nhores de engenho, labradores e mais senhores
aesia prag que te acham com um completo aor-
, limeoto de gneros dos melbores que pqdem ir
a ete mercado, os quaes estao resolvidoPender
maisbaralo do que outro qualqaej; offerecem
esia vantagem por vir por conta propria : abauo
detereveroos alguna delles:
Manteiga ingleza perfeitameote flor a 880.
Dita francesa a 640 rs., em barril fas-se algum
abaUmentsmafiansam a boa qnalidade.
%&&msz& """" "
Dito preto a 1600.
Chocolate frasees a 1*120.
Dito portugus a 80O.
nf.lDlOHP^r,0gue,!.vTO410 d0 Port< o "albor
que pode haver a 500 e 440.
libra* 1Dguia,Ml0, mau noTO *00 rea a
^mimo" ajlm" Cm pM,M propri"8 **"
Ditas osa urna arroba a 71000 e 400 rs. a libra
d d* Cm >*aM" flna* e loda' *8 quali-
Eatiaeba), pevido e mais massaspor7||000e 7904
Mar amada imaerial
Na loja de marmore.
CVendesa pira liquidago meias
cor a 31 a duzia.
lozes
800 rs. a libra, dita com cana a 480 ra.
multo oovaa a 120 rs. a libra.
atnaS piladas a 240 rs. a libra; ,
muito saperiora 240rs, a libre, e a 7* a arroba:
L do MaraDhaoa 31 em arroba, e em libra a 100rs.
nmo ameneano, lf a
evadinha
la
1** muito novo a
1 oncinho
. V L-* 860 ,lb^a "10* o>.
anana do MaranMo
eneran* raslez- 9ftn
-iJ w 00 ra. a libra.
is em eaixVnhasde
libra, se for em porgo se far abatimente.
de Fransa a 240 re. a libra.
320 rs. a libra.
l%
1

Rival
semse
120
40
40
30
20
60
120
21400
25000
160
160
100
240
400
500
3*000
a ?*. d? QQeiB,ado 55. loja de mrudezaa
ae J n de Azevedo liaia e Silva, tem destinado
acal ir coro certas e determinadas miudezas pelos
pre? isabano declarados, e venham loga pola
est acabando.
Caix s com agulbas francezas a..-........
No vi los de liaba ara marcar a 20 ra. e..
Dito de lioha de cores e muito grandes a
Carr tolde liaba, superior qoalidade a..
Liobp branca do gaz a 10 ra. e...........
Ditaflita.amelhorquelra, novello grande
Pare* de meias decores para meninos a
Duna da meias cruas eiuio superiores a
Dita de ditas ditas a......................
raros de meias de cores para meoinesa
Liaba em carleo Pedro V a..............
Caias com phospboros de segaranca a
Cana de folh.a coa phosphoros (s a
CaUa val 100 rs.) a....................
Duzia de phospboros dogas a..........
ruacos d agua de colonia superior a....
Uitoa com cheiros muito fiaos a........
puza de meiss muito finta para senhora
Canas de apparelhos para meninos a 240
Trancas de lia e deinbo sorWas a..!. J
Sabooetes graadea e superiores a........
Groza debotoea pequeos para calca a..
Grourdeboteea de lonjas..............
Varas de Iraaaoia superior a 120 e........
Grosade peanas de ac a................
Cartairas muUo superiores s............
Baralhas portugaezea a..................
TesourasaBuito finas para costusaa....
Dftaapara unhsa240e
Baralbes para voltarete a 240o..........
Frascosdeheoha de reoa...............^
iroaaaja graadea da lavandeam breada, su-
periar qualidaie a.................... gi
frasea > eleo de baboea a 310 e...... 800
Braaca_dadaobasaultofiDaaa40...... 820
Agalheuos con agulbas a................ g)
Novo sortimeEto
de cascarrilhas de seda,
franjas e galo coto lac^s
na.8 relas.
A loj-^galtr"?:a "c,b,, tf reeeber umi
doto e bello sortimento de tascarrtrbas de seda
omduag relas flngrndopafo, o mrhot qoe se
pe lar em tal gener e Tendea 2f a peca, as-"
^omofranjaadeaedadedlTemacoraelar-
ftfjfo* -e4MN (4 osete baretes,
noTissi ao galtMtobo de
6
r
Carros e carrosas:
Em casa de N. O. Bieber
4 C. successores ra da Cruz
" numero 4.
Vendem-ae carros americanos mu elegantes
e leves para dnas e 4 pessoas e recebem-se en-
commendjs para cujo fim elle possuem map-
pas com rarloa desenhos, tambem vendem ear-
rocas para eonducsSo de assuearetc.
Chegou a apreciavel agua bal-
smica para a bocea e
den tes
A loja d'aguia branca acaba de reeeber ama no-
va remesas da mui proveilosa e procurada agua
balsmica para-a bocea e denles. O bom resul-
tado de tal agua j nao soffre durida como sa-
oido pelas mmensas pessoas que a compraram
equeseotism a falta della. e as que de nov
comprarem acharao qae o us delta faz conser-
var os denles saos, livrando-os da carie, fortale-
20 ner Ia 8fDffT e tirar o meo hlito da bocea
I dando i mesma agradavel aroma, podendo-se
mesmo usar dells nao spela manba como a
qualquer hora, e com acert depois do fumar pa-
ra tirar o cheiro do fumo, ou quando se tenfaa de
aahir para ter-se a bocea aromtica : para isso,
porm, bastara algumas gotas ella em agua pu-
ra. O proveito d'aBo h.iumio. -,-^. _u._*l .
500
40
160
120
120
ICO
500
500
120
400
400
320
40
d agua balsmica sinda cheg'a a
f5?;Je,la,89r!e om ace e promplidao para
di. aOT ,de d.aDlei ensopando-se nella um
bocado de algodao o deitando-o no buraco do
aente. este adormece e em pouco desapparece a
Jor. Para se obter um frasco de 18o proveilosa e
apreciaTel agua balsmica, dirigirse com 1 &
toja d*aguta bracea, ra do Queimado n. 16 ni-
ca parte onde ella se vende. Adverte-se que os
frascos v&o marcados com o rotulo da dilaloja.
Peitos de esguiao de algodao
para camisas a 500 rs.
Na loja 'aguu branca vende-se mito bes
ra. eadaum.dipheiroa vista: na loja d'iouU
bracea ra do Queimado n. lfi. ^ *
Cestinhas de Hamburgo.
S ua loja oTaguU de oaro.rua da Cabug D.
I B, quemrecebeu um com plato aortimenlo da
Uudaa ceeUnhas da todos oa Ununhoa prorSe
para meomeadaeacola, aasim.comoMioro.oo
Umpa propnaa ara compras, balaioa prooria
PB,,H'0Hlu"'t0* ^0,,riM 1*^Ve&oar!S
multo bonUea par. brinquedos da me^aoaL; 5C
oe ha em lalas de
IgOOO a
. dos melhores labricantes
de Lisboa a 960 a libra. ur.ean.es
Massa de lomatea o melher
1 libra ele meia libra a 9
Vinho Pigueira a 600 rs. a garrafa.
Dito Liaboa a 560, 480 e 400 dem.
Dito do Pollo em pipa a 720 idem.
Dito engarrafado do melhor que ha
arrala, a em caadas far-se abaliment."
Uf em caroso do melbor que ha a 240 rs
libra.
Arroz a 100 rs a
manta.
Velas de carnauba a 440 ra.
Alm deales gneros mencionados achs-se um
completo soriimento tendentes a molhados, que
se procura, os quaes se mencionarao em oulra
occaeio : afianga-ae a boa qualidaJe, bom
e>*oa medida, s no PROGRESSISTA.
libra, e em colas faz-se abati-
peso
Relogios.
Janda-se emeasa de Johnston P*Ur & C.,
ruaMo Vigario a. 3 um bello sortimento da
relo afamados fabricantes de Liverpoob ttmbem
uia variadade de bonitos traneelinspara oa
meaaioa.
aiMgsaaiMi mm tmmmmn
4 loja dabandeira
ova loja de funileiro dai
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos di Fonseca participa a
todos os seus freguezes tanto da praca
cmodo mato, ejuntamente aorespeita-
velpubhco.quetomoua deliberasao de^
baiiar o preoo de todas assuas obras, par.1
cujo motivo tem para vendar om grande
-aortimenlo de batas e bacas, tudo do
differenles lmannos e de diversas eores,
m pinturas, e juntamente am grande
! sortimento de diversas obras, cociendo
bacheiros e gamelas compridss, grandes
e pequeas, machina para caf e cane-
cas para condurir agua grandes e peque-
as, lalas grandes psra conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao oso do Brasil e
camas de Tent, ratas de arroba a tf,
aah8greBdesa41 a peque noa a 600
l'tU DJa a grandes a 51 e pequeaaa a
800 rs.,cocos de ata a ti a duzia re-
gadores regalares muito barato, diloa
pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
los ba pintados e em braceo e todo mais
se Tende pelo menos preso possivel : na
loja da bandeira da ra da Gru do Re-
cite n. 37.
IW8MBl.aV.BM as 8IB9iaSHe.lt
ILTlfflA UM
40-Rua do Queiuiado-40
Rieoa manguitos de cambraia bordadas, a ba-
lao, o mais iupeMor que ha no mercado, Tindos
oo paqueteTrancez de 18 do correte mez, e
tambem um grande sortimento de chales de me-
rm de todas as qualidades.
linalo
nha de carretel, 200 jardas a .80 rs.
Coleneiea. rancezes, caiiinha a 00 rs.
Aguihastrancezas. caiiioha eom 0 papis (es-
li principiando a ferruiar) a 120 rs. : na ra do
Queimado, 1oJa d'ajoia bracean. 16.
N. O. Bieber S,C, auccesaores, ra da Crea
n. 4, tem para render relogios para
ouro aprata.
relogios para algibeira de
iiquiuaeo
NA
Loja de marmore.
N*>ia.d marmore Tepde:ae paca U-
S!fo%V^0,-m-nitq>r^ow
da fazeodaa
[oupa feila
ira meni
xposkao de cutilerias
linas, na ra Nova n. 20.
i riquisatnra eit.betetal mt
rd seavpra um riquisaiac- aarHlltelllulIfcl
eatodo a gaswto que aa podw Hasflaar, aisla;
ceno tambeea am riqaissimo aortimeoto de me-
Uea finissimos conhecidos pelo verdadairo plsk
paraserviso de almoco a jaatar, camas de ferro
Ma casal a aolteiro, bandejas a imitacio de cha-
''m terna avalaos, finas e ordinarias, toda
a qaihdade de louga de porcelana pera coiioha :
na roa Nova n. 20, loja do Vlannt.
Chapeos para senhora.
Ricos chapeos de seda e de velludo para se-
nhora, pelo baratissimo preso de 15 e 161: na
ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Ludas caixinhas
com necessarios para costura
Acaba dechegar-paraa loja d'aguia branca mui
liodajcaixinhaa madzadaa.com espelbo, tesoura,
caivete,agulheta, agulheiro, dedal e ponteiro,
tudopraliado e de aperado gosto, emOm ama
asuene excellentepara um preaente, e mesmo
Par* qualquer senhora a possuir, e vendem-se a
ItHe 121: oa lo^a d'aguia branca, ra do Quei-
mado a. 16.
Lencos para rap.
Veodem-se lenjos fioissimoa de linho proprios
para oe Ubaquiatas por serem de cores escuras e
fizas, pelo baratissimo preso de 61 a duzia na
ra do Queimado n. 22, oa bem connecida loja da
boa f. '
Lencos de cam-
l)raia com padroes de se-
da a 2$500 a pef;a.
Na loja d'aguia branca tambem se vende mui
bonito e finos lengos de cambraia imitando seda,
isse pelo baralissimo preso de 21500 a pesa de
10 lenco. E' essa urna das pechiochas que cusa
apparecer, e quando assim approveilar-se da
occasio, porque elles servem tanto para algibei-
ra como para mecios, e quem os vir na loja
d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16, teri
vootade de comprar mais de urna pee*, tal a
boadade delles.
Tachas e moendas
Braga Filho C temsempre no seu depo-
sito da ra da Monda n 3 A, um grande sor-
menio do tachas e moendas para engenho da
muito acreditad o fabricante Edwin Maw atra-
tar no mesmo deposito on na rna do Trapiche
n. *.
de S
Altenco
Bastos'& Reg acabara de recebar grande
quantidade de roupaa para criaoca aasim como
seje de faslio e li e de seda, pelo diminuto pro-
co de 2f 500, 31 a a 41, vestidos de cambraia
bordados para baptisado de enancas a 161, ca-
sa veque e capas de fuslo e de brim, para se-
nhora e menina pelo diminuto preco de 3| e 41,
capas de fuslo muito compridaa para senhora
a 121000.
As melho-
res machioas
de coser dos
mais afama-
dos autores de
New- York :
vendem-se
unicam ente
no armazem
de fazendas
de Raymundo
Carlos Leile
& Irma o, nu-
mero 12, ra
da Imperatriz.
Vende-se um excellente sitio no lugar do
Peres, freguezia dos A togados, distante desta ci-
dade ronco mais de urna legua, com urna grao-
de casa de pedra e cal ha pouco acabada, muito
bem construida, eom quatro quartos, duas salas,
gabinete, sotio no interior da mesma casa com
janellai para os oites, cozioha independen te,
cocheira, estribarla, casa para criado, cacimba
com agua de beber com tanque para banho e
bomba, n orado pela frente, e peles lados cerca-
do com Uni, muito bem plantado de diversas
arVores fructferas todas novas, como sejam, boaa
larangeiras selectas e de umbigo, fructa-pao, 20
ps de coqoeiros, sapotis, e outras maltas que
enfadonbo se tornada menciona-las ; o lagar.em
que est cofloeado este sitio o mais bello do
lugar por ser muito sadio; tem excellente banho
pela frente do rio Tijipi ; este sitie se vende
por precisio, pelo que nao se dovldsri dar por
muito menos de seo valor : quem o pretender
ectenda-se com Manoel Joaquina Ferreira Esteves
na ra Imperial n. 40.
Arado s americano te machina-
par a lava rroupa: emeasa de S.P Joi
rutn 4 C. ra daSenzala n.*2.
'MacAas e uvi s de Lisboa mui-
to boas.
chegadas no paquete icglez, vende-se ha rna
eatreit do Rosario n. 11, estabelecimento de
Sodr & C.
Manteiga ingleza
flor a 1,000 a libra,
franceza a 640 rs., loucinho a 860 rs. a libra,
arroz a 100 rs., caf a 240 rs., e tambem carne
e lioguica do aerlao : na ra daa Cruzea n. 24,
esquina da travesa do Ouvidor.
Vidros para vidraca.
Vende-se por preso eonmodo, na offleina de
funileiro da ra larga do Rosario o. 20 em por-
fo a a retalho, por ler recebido grande quanti-
dade de todas aa marcas.
A 2.J500
Chales de merino estampados, que em outras
lojae se ronden por 41 a 51, na loja da boa f
na ruado Queimado n. 22, vende-ae pelo bara-
tissimo preco de 21600.
Atten^o.
Vende-se ama machina de vacor sysiema ho-
risontal com todoa seus competentes, sendo a
caldeira da prassao de duas a tres atmospheraa
moito conveniente jiara um seohor de engenho
ou outra qualquer offleina a tratar no aterro da
Boa-Vista n. 52 loja, ou no siti do viveiro
do Mans.
Ra da Cadeia do
Recife a. 50 A.
A i$ e 1000.
Manoel taoncartee de Olive.* Santos avisa i
Ro.
*sVS*i004l.
200
den
ra 1
dita
Nofa california I
I Fazendas baratas. Z
lia roa da Imperatriz a. 48, jaita af
: jMularia fraace. ,
Cortea de cambraia blanca cea bibadi #
m nhos 4 e 41500 so|.erior|J Sbv.Ult
5 Uceme 5, e 6y, rieoa enfrita aar* #-
nhor. Jiaeiso, n,,^ o naiTtisnaia?
par. .enhor. 21600.St,cbia^iailntaa"
I I5* K?940 j8le> Sj50. a^|s5nli
31. cortes de vestido de ieds EacoaWl.
bonitos gosto 121 estto s aeakaaul.
co. lencos del.byrintb? l" Smt&
U, obo de marfim 5|B0O, cette d'tnS!
bra,. brancoacom ffr de seda M. rtoea-
do fi-flccez 200 rrs oeevado, eVmplato
sortimenros de baldes de sreoV sarH
200 e 240 res o par. chales de taralan.
de rores a 640 ris, lencos branca ran^bV
ras 100 ris chiu. icgle^.w^So^.-
dita fraoeeza a 8if osa J-^
- Peca. dee.mbiifl6ror^e7VV.rM
amU2sr-ipadaria'"-1*
Novas pechinchas
. na loja do Pavo.
Vende-se gorgurio da lia padroes
oinas a 400 ra. o corado, teado 4
gura, sendo tambem esta fazenda
SariVn4l da Imperatnj n. 60, loja de Gama 4 Silva' rM
nfeites riquissimos.
ii Jendem-se ricos enfeites de retroz sa
Ihores e mais modernos que "
barnisimopresodeai: na
n. 22, na loja da boa .
n"^lLn,a d0 OBf?",<0 loa arrafe. a
13, vendem-se queijoa oovos vindoa doT aVrt-.'
do corle pelo vapor tj.gnarjbe. mm Mrt#"
Gravatinhas de raiz de
coral,
o melhor que possivel. Yende-se nai .on,.
faiVi" de raiz decoraI dw. e tre.
*?' Ponas, sendo olla. bastanS
*fww e d aguia branca, roa do Queimado n. 16. l
uilo aais-
senhoras e ata-
o corado, teado 4 palmos do lar-
> jetroz,
ha*lo nereado, pala
do Qaeinadn
raa
Escravos fgidos.
Gscravos fgidos.
igoaesseguiotes: Gonsalo crioolo, de idada 14
.Hir.l^0'' Sec,C0 d0 corP' ,eT5Dd0 l* de ris-
cadinfao de quadros e camisa de algodio de lialxa
Luiz cnoulo bem preto, altara regalar, diz
padece de calor de ligado, tem osa verilbaa
ou duas Bitulas, filho das bandas de Pedra,
F.g,?l'da.pI0TOCia da p"hU: roga-se, por.
laclo, a todas aa autoridades policiaes. caiUea
de campo o. qualquer pesso, que os apreaan-
R^ila'S'' ruad0 Qm.do n. loTujo an
ferrao & Mala, que se oir o dono dos serav-
vos, e gratificar geoeroaameate.
rio da 17 deste crtente mez. taaio do ea-
genho Ar.ribs da Pedra freguezia do Cabo, usa
cabra cnoulo de nome Simio idsde de 35 acoes
pouco mais ou menos; escravo do Maa Sancha
fl^'r?1'"0 Ca",e"fc. os.igaaeaaeg.i~
tes alto, seco de corpo, rosto descarnado, poa-
ca barta, conservsndo easaa. e os cabellos da
cabeCa crescidos; foi vestido com camisa e calsa
de panno azul e chapeo de palba: qualquer pes-
aos que o eppreheoder, leve-o ao dito eoffoho
cima mencionado, que ser bem recompensado.
Escrayo fgido.
Teodo sido sotorisado o Sr. alfana Jos ssaat
de11Ar"J Por D. Clara Mara da Ceiiceicn
Ha Bella, para vender o sea esWln
crioulo, de 15 anoos de idade, de rosto coaanrid
cabellos caraninhos,clbos pequeos, ..nx clno'
bocea pequea, cr preta a san barba, rg.acn
estes que conatam do paaaafnrta can na
mesmo escravo veiode Villa Bella sue
o diio Sr alteres Bed tratou a venda
daretenn
escravo com o Sr. Joaqun Mara Pereira viaBB,
que se schava hospedado esa casa da Sr. Jan da
Seqoeira Farrio no da 26 desta nez, alba ea-
Sr. Viaoaa
Un en
se
tregou, mas dentro da daaa horas
pracureu o Sr. alterca Btd a tan
o escravo lioha fgido, pelo qae
passado a eacriplara enem laito aw
licou de neohum effeita o conUatada venda
eolio tubsUbeleceodo o Sr. alteren s>ad4 a nraT
carasio no Sr. alteres Manoel Joaquim n OuVai-
ra Coxatrus, por ter aquelle de retirar aa dtsU
pras, o aovo procurador tratou can a abaise-
assigoado a venda do dito escravo latido, a tal
venda foi defiaivamente realisaaa ; pela ana n
abaixo-aniguado previne s autoridades policiaes
e 11 quaeaquer pessoaaqaa nnr ventara saaberesa
onde aiiatn.tai escravo, on o anean4rntaaarMr?
que o prendsm e tacan reeolaer nrMn. oa ia>
isto fra den cidade, eaa.iolaven caaann
ana residencia na roa do Iaaporaaar n. 7. catn
de que recompensar devidsmente. OaUe asi
protesta o abaixo-assignado contra qaen nar
que por ventora o tenha aeouUdo. porqueaia
proceder civil e criminalmenU.
Adverle mais o abaixo-assignado que. setnndn
ibe assevera o referido Sr. Vanos, tan a escra-
vo urnas sarnaa as percas, e levo vestido ca-
misa de algodao branco acalca de brise daanota-
do, tecdo sabido sem chapeo.
SilTino GaUberme de Barra
Desappareceu no da 13 do corrate, do si-
tio da S. Jos do Maogaioho, o escravo criaola
maior de 50 anaoa, da nono Joaonin, eom a
sigcaes segoiotes: cabellos brsncos, alte, aeree
do corpo, e asa alparajMaa; este escravo foi nrn-
pnedadedo Sr. Manoel Jos Pereira Faeheee, n
Aracaty.d'onde velo para aqai fagldo : rana-an
atOdatasaotoridades policiaca e a aen aaei
que o encontr, da o capturar a entrega-la t
"'o? a citado, o a ma d> Trapiche a. ]*
a Jos Tenoira Basto. '
Escravos fgidos,
Fugiram juntos, no dia H de agosta, na escra-
vos Pedro e Joanoa, lendo a ornis en signa*
segalntes : criouls. de idade de 20 sanee, penco
mais ou menos, cor preta, estatura alta, coran
aecco, rosto comprido, denles limados, lean n an-
do mnimo de urna das naos anzolado da n ta-
ino que levou sobre o mean o dedo ; lavan nana
trouxs de roupa, contante on en*le anearnadn
de franjas e bordsdos brancos, um Ucee bra ac,
um cobertor nTo, dous Tenidos da cia dar.
asados, e um novo cor da ross. algomae canhua
de algodiozlnho e madapolio, anda ^itwWt
idade de 3S^H
tuern fugio, de neme Pe
escravo com
Ibranco, de
meaos, estelara mais que w
e bracos seceos, cabera rotSMI
cabellos corridos
godos, anda
frente,
snnoia
n, sarsajx
rflWfft
attVosx^pBsjMin.SS.
sera vi cono palo
nJ L\l 1T lll
a r\


MAWQDI
- QAtTA IMa, t M OOTOMaM ilM:
Litterl
Imcasa
i
Em urna de miohas viageos de Gamuih) a Va-
leoc, succedeu-me uro tnteressawliaatm* caso,
que ora vou contar com toda a fidelidade de es-
eriplor coDSCieocioso.
s que laes volta de mim esperando o meu
sonto, Dio jolgueis que fossem as teiticeins, que
a deshoras me fizeaseni retroceder por caminhes
e alalhns, aliado comigq a algura lago ruysle-
rioso. Nada uisso, o aeu caso mais simples, e
eu nao o coolaria, se o mesmo nao tivesse acos-
tedlo a muitos outros.
Com passo vagaroso, camiohava de ha muito
e animal, em que en montava, e ao entrar na fre-
guezii de Campos atrouxou de lodo ; parando no
meio de um regato d'agua, do qual me foi im-
possivel tir-lo para continuar jornada.
Estar resolvido a apesr-me ali mesmo, quan-
do om homem, talvez de cincuenta annos, vesti-
do patriota, isto decaiga e aqueta de sarago-
fi, ru dissenao desea I
E como sahir d'aqui perguntei.
Espere,E o bom do homem atirou agua
algumas pedras, dizendo-meagora I
Apenas salte! para a estrada, pediu-me o
oro lavrador, que, visto o animal nao poder se-
guir viagem, ftcsse em sua casa aqnelli noile, e
seguase no dia seguate:
Por serios motivos, acceitei com recoohecimen-
to lo generoso convite. O aol eslava preales a
estooder-se"o horsonle, e pelo mu estado doa
caminhos nao era conveniente viajar de noite e a
p
A casa ficava perto de lo desastrado acontec-
ment : ao enlrarmos inlicou-me o to Pedro (as-
si m rhamavam ao lavrador) urna caletre de cou-
ro'com laxas amaradas, cujo feilio flzeram o'ou-
----------------------------*-
Depois que o cirargiio ei eateve ltgou,
sinlo-me mais allitlado ; as d6res sao muios
fortes.
Nao sabe o qusnto estimo; agora beba este
ciMo, qne slot certa Ihe (ari hom.
Isabel pistara i so ios 4o oficial a enarena
do caldo, qoando Mlou que ello olhava; abai-
xou seas bellos olhaa negro, eorou, e dlspu-
nha-se a retirar, qoanJo elle.Ihe disse :
Venhaver mea miudo, sim ?
Ella sut rio, retirando so sera responder.
O tio Pedro, esae nunca era contente de dinr
a todos que tinha em sua osa um honrado
militar, que elle tratava com todo o cuidado, e
d'aqui proveio que rlcssem as noiles siguas dos
seas visiohos a sna casa cora e sent lo de lobri-
gsrem o oficial; mas elle, q le os percebeu,
dsva-lhes pouca atiendo, permilliodo apenas o
iugresso a dous amigos, qae di/.ia lerem verda-
deiros, e com quem s ooites se enjretioha o
doente conversando ou jogaodo.
Isabel, por sas parte, toda a noite pensou no
seo hospede chegindo at a embalar-se am
soobos domados.
Gomo elle me olhava I djtia ella ; qae ser
o que en slnto quinao estou junto delle ?
amalo-hei ?
E a pobre moca derramis lagrimas, como
nunca o fizera em toda a sua vida decreaoca I
Ao stimo dia o oficial levaotou-se, viddo
respirar a brisa da tarde em um pequeo jardim
da casa, Julio, que assim se chamava elle, chi-
mou por Isabel, que trabalhava perto, e tirando
do dedo um pequeo anual Ihe diese :, J
Kecubi Isabel, receba esta lembranga como
prora da syrapalhia que soube inspirar ao pobre
rerido, que sea pie recolheu : mais alguos das,
e estarei a caminho da minha tirr*.
Eolio parte ?! disse ella com os olhos
humedecidos.
E que fago eu aqu? ji nSo puuco o tra-
balho que Ihe tenho dado ?
A mira 1 e falla-me d trabalho, a mim
tro lempo as delicias de nossos avs.
Sentei rae e analisei o resto da moblla, qae se j que......
ompunha de mais algumas cadeiras, duaa arcas iga Isabel, diga que...
de pu, duas mesas, leodo urna um pequeo ora- 3
torio, e am tesr.ao canto da sala, no qual punha das palavras que soltava.

Nada Sr. Julio, disse ella como arrependida
o ultimo fio & lea urna linda rapariga de djesete 3
annos.
E' sua (Iba aquella menina?
E a mais nova. ,
Entao anda lem outra? j
Casida l para Aveiro : foi um ptimo casa-
ment, disse o ti%Pedro esfregando as maos.
Foi feliz, j8 vejo.
Muito ; viram-se, amaram-se e em oito das.
tioham o meu consentimenlo.
Em oito das I deve ser curioso ; se me
contasse ?! disse eu a meia voz, raceioso se agra-
dara o pedido.
Cont, cont, e porque nao ? quem ha por
ah que ignore como foi o casamento da minha
Isabel 1 Olhe que a minha filha, disse elle com
vivacidad, foi educada no convenio por urna lia ;
aquilo 16 por um livro como o melhor letrado.
Vamos ceia e conversaremos depois.
Sobre urna alva'toalha de linho pousava urna
travessa com boa gallinha de arroz; capaz o chei- .
ro, que rescendia, de abrir o apetite a qualquer
d06uie com fastio de vinle diss.
Esta boje a nossa ceia, disse o Sr. Pedro;
se o meu amigo est afeito a outras mais lautas,
tem de se sujeilar ao que manda a palrda e
apontara para sua mulher.
Agradec tantos favores, elogie! o pablar da
cozinheira e conversamos derois sobre a moles-
tia das viohas e do prejuizo que ella causava aos
fazendeiro8.
Ao (Indar da ceia deram-se gragas Deus, a
creada-levintou a mesa, e em seguida contnu-me
o tio Pedro o casamento de sua fllha. Logo que
elle termioou, recolhi-me ao meu quarlo, tomei
na carleira os meus apootamentos, no dia segua-
le montei a cavallo e continuei viagem.
Nesse mesmo dia & noite, escrevie eu o se-
guint:
II
Era em 1847,anno memoravel para esta boa tr-
ra de Portugal, em qae urna guerra intestina a
fazia parar na estrada do progresso, emquanto as
outras najos caminhavam por ella a agigantados
passos.
Nada mais dafiohador para um estado do que
as discordias e as lutoscivis 1....
Bem sabemos que os povos podem nao querer
sa governanga taesou qua.es hornees que los ve-
lara ; mas tambem sabemos que mal vae aos^reis,
se nao escutam a voz da naci que pede aej res-
pe.! ido o decoro nacional; livrando assim o paiz
de urna dissolucao social.
Foi qiasi ao fin Jar deasa guerra fralrici Ja, que
teve lugar a nossa pequea historia.
A praca de Vlenos continuava a susteotar-se,
zrpezsr do cerco que Ihe faziam os corpos volun-
tarios da patuleta.
Estovara oestes termos, qusndo a3 dejunho a
guarrigao da praca epoiada pelas tropas heapa-
sholas qae baviam desembarcado na yespera, fi-
zera m urna pequea escaramuza aos sitiantes.
Houve morios e feridos de parta a parte, reti-
rando depois os voluntarios, tomando uns a es-
trada de Braga e outros a de Caminha. Nestes
ltimos visha um joven offlciil do batalhao de
Aveiro, que tendo sido ferido em urna peroa, ca-
miohava a cuatoapoiado por dous compsnheiros,
Ao chegarem a Campos, disse o f ari lo nao
poder seguir viagem, porque as dores o elormen-
lavam e Ihe pedissem por ali abrigo por aquella
aoite.
Oh Isabel I levo d'aqui partido o corceo.
Porque? disse ella com viraeidade.
Porque a amo e nao son correspondido
Nao correspondido l quem Ihe o disse?
O coracio l
Pois enganou-o.
Isabel, ser certo que me amas ?
Nao Ihe o dizem os meus olhos 1
Obrigado, obrigado.E neste delirio suave
levava aos labios a mao de Isabel.
Para dentro, Sr. doeote, nao v qu Ihe
pode fazer mal o orvalho, ioterrompeu o tio Pe-
dro com ar prasenteiro; vamos menina, andar,
andar.
O que mais se passou-entre os dous igno-
; rsmo-lo nos, s o que sabemos que no dia
immedialo, pedia Julio a mao de Isabel a seu
pae, que Ihe a concedeu da melhor voolade, mas
um pouco receioso de sua volta 'Aveiro.
UI
V ai grande revoloc&o em o isa de tio Pedro,
aquillo entrarem uns e sahirem outros ; nada
menos de tres criadas depenam galianas e pa-
tos ; o pioheiro estala no forno e as frigidetras
chiam a bom chiar.
Que isto nesta casa?' pergunlava um*
veiha a outra.Pois nao sabe? a lsabellinha
que casa hoje.Com quem?Com um militar
do cerco de Valonea.
Jess, com um militar 1 disse a velba ben-
zendo-se tres vazes, porque era avessa s
fardas. "
Verdade mas dizem ser rico em Aveiro
foi paixao pela pequea. Que sejaan felizes,
mas dovido.
Ho de ser, disse o tio Pedro mettido na
sua casaca azul de botes amarellos, nao de ser,
sua bruxs, looge va o teu agouro. E passou
adiaote.
E aqai termino o meu cont, sera soltar urna
s queixa contra o animal em que tinha montado
que se elle nao fra, perderla o assnmpto pan
mais um romance.
Romeo Jnior.
A louca d'alda.
i.
Ao toque das Ave-Maras na freguizia de **
recolhla-se para sua casa o Sr. Andr, de seus
trabalhos do campo.
D'enxada ao hombro, chapu na mo e o pen-
ssmento em Deas, segua o bom homem o seu
caminho; sem outras ambi{es, qojs nao fossem
as d'um bom anno de colheitas, das quaes sus-
tentava sua familia. Tinba elle feito o signal da
cruz e posto na caneca o seu chapu de Braga,
quaodo va correr na estrada, a toda a pressa,
urna mulher, que se encaminhava para elle.
Que isso Sra. Joanna? Porque rem assim
a correr? Qua novidadas temos?
Estas tres perguntas eram dirigidas por Andr
mulher que Ihe vioha ao encontr.
A Sra. Joanna, lavada em suor, e tomando a
cusi a Irespiraco, mal pode pronunciar estas
palavras:fuja Sr. Andr, fuj, que o querem
prender. E delxou-se cahir aobre a relva.
Fogtr 1 disse Andr carregandoo sobi'olho,
prenderen)-me, a miml e porque?
Nao sei, eit sua porta o regador com
P'ndo coa passo firma "or entra o povo, disse
com sM it Que aerem orsimnorevds mldha casa ?
Preode-lo ordem do Sr. administrador,
disse o regedor, e voltando-se para os cabos.
continuou :evem esae honre mi
Prenderen-me? I e de que maaccusam?
De pissador de dtoheiro falso, disse um
dos cabos.
E' monlira. filso.idisse Aodr com toda
a forija dos seus pulmoes, eu passador de diolni-
ro falso 1 I
Se o ou nao, ha-de a Justina dize-lo, an-
de l, e juitiflque-se depois.
Vejam-se-lhe > bjlsos, disse o mesmo
cabo.
Sim, veja-se, que nem dioheiro trago co-
migo, e metiendo a mao na algibeira do collete
tirou Andr, com grande pasmo seu, dous pata-
cos falsos.
Aoir estiva como petrificado, nao ouvia nem
va o que se passava i roda d'elle ; os cabos met
teram-n'o no meio, sem que os rogos e as lagri-
mas de sua mulher e fllha podessem commover
aquellos coragoes.
Os visiohos diziam com grande seatimenlo un
para os outros Pobre Andr, o fim da vida I
. UI
A's dez horas da noite do dia seguate, bata
porta de Andr um mancebo de viete e dous
annos.
Quem est ah? pergnotaram de dentro.
Abra tia Anglica, que sou eu, o Cirios.
A Sra. Anglica apressou-se s abrir porta, e
apenas o rapaz eotrou, langou-se-lhe chorando
ao pescocol Que seri de nos Carlos?'
J sei tu.lo lia, j sei tudo I Andr ha-de
ser sollo em breve, assim o espero em Deus.
E como, Carlos, se ha provas ? squelles
malditos patacos falsos, que elle ttnha no bolso !
All anda por forga a mao de Aoastacio,
disse Carlos, se elle jurou a nossa p^djfao por
o tio nao Ihe tr cedido a mo de Thereza.
Andar, andar, nao duvtdo.
Has aonde est Thereza que a nao Tejo, tia
Adgelica ?
All, n'aquelle quarto.
Doente I aiod ?
Sim, a pobre rapariga nem se pode levan-
tar, continua a soffrer, e desde qeopae foi pre-
so, nao faz seoio lamentar-se.
Thereza Theresa I
Quem me chama ? disse orna voz dbil.
Sou eu o Carlos.
Ah! s tu Carlos? veni para aqu, senla-te,
se soubesses quinto soflro 1 E deixou pender a
cabera y travesseiro.
Slr* sei, Thereza,
fazer ?
E meu pae, Carlos meu pae, preso por mal-
vado.
E' innocente.
Bem ose!, masignera-o a justics.
Sahirem breve, para abeogoSfo nosso ca-
samento.
Thereza meneou tristemente o cabeco, como
signal de duvida do qae elle dizia.
Se soubesses o sonho que tive esta noite,
disse ella.
Qual foi ? pergnntou Carlos vivamente.
Que te baviam matado.
E choraste muito, Thereza*? pergunton elle
em tom de meiguice.
.Ai, que sim I
Nada de tratelas, tornou Cirios simulando
contentamente, seremos todos felizes. Amauhai
c estou bem eedo, para ir onde est o tio Andr
e convencionar com elle o que taremos. Adeos
Thereza, sonha esta noite, mas um sonho mus
feliz que o da noite passads.
*
L est ella,- com os seos tregeitos e momos,
pobre rapariga I
ella f perguntaram urnas mu-
o marco da estrada.
Quem
lheres.
Pois nlo onhecem a doud, que vaga dia e
noite por essss estradas ? Olhem, sontem o que
ella diz.
A pobre louca, sentada
rodeada de rapazes, duia :
' Cs'so hoje, o mao noivo, esperadme daqui
pouco na egreja ; pois rrio couheem o meo
rapaz ? ali! ab 1 nao o conhecem, esta gente
deuda.
E soltando gargalhadascoraegou de correr pela
estrada, ao som dos assobios des rapazes.
Pobre Thereza, dissersm em coro as mu-
lheres, ntoguem pobre senao de juizo.
ROMEO JC5I0R.
(Otario Mercantil, do Porto.)
Histeria da tachigrapliia tu steuogra-
phia.
Desde quaod se conhece a steoographia, e
qual o povo a que se deve a sua invenco.
mas que haremos de
letras iniciaos,
reuniio de phr
frar, quinto se
ordem arbitraria.
meoie |
lavsjpwju
E assim fallando sahiu de casa de sna tia".
IV
Bateram porta de um lavrador, que nao s o dous cabos de polica, fuja ou vai esta noile dor-
recebeu da melhor vontade, como prolestou que mir na cada
d'ali nao sahiria sem ser curado ; porque sym-
patisara, dizia elle, com o 8r. tenente.
O honrado homem, mandou logo fazer a cama |
com os seus melhores lenguas de linho, e orde-
bou malassem urna galiohi das mais gordas. Foi
chamado o cirurgiao, que examinando a ferida, |
disse nio havia perigo, se a curassem todos os
A'gara fajo, mulher, quem nao deve nao
teme. E continuava o seu caminho.
Oh Sr. Andr I por alma de quem l tem,
sua mulher que o manda avisar: nao v para
casa ou est perdido.
Debalde a Sra. Joanoa pedio, rogou, lameolou
a sorte d'Andr, mas elle, firme na prlmeira re-
dias e nio caminhisse sobre a peroa. (solucio que havia lomado, e forte da sua coos-
No dia seguinte s oito horas da manhia, urna ciencia, repela a cadi momento na sua, ida para
linda rapariga de desoito annos, trouxe ao quar-' casas o que Deus quizer, quem nao devenio
to do ferido urna chicara de caldo, que estriara' teme, t'
Antes que passemos adianle, diremos quem era
Aoastacio, a quem se altribuiam as deavecluras
daquella familia.
Anaslacio era um mo rapaz do lugar ; era ra-
ro o anno em que nao fosse preso duas ou tres
vezes.
Por d c aquella palha, fazia logo gyrar
no ar o seu vara pao ; resultando disso o sa-
hirem siguas da contenda com a cabeja que-
brada.
Um dia viu elle em urna pomada a fllha de
Andr ; ganhar araizade rapariga e decldir-se a
casar cora ella, foi tudo obra de alguos mo-
mentos. Pediu-a ao pae, que Ihe disse estar pro-
mettida a Cirios. ^
Jurou elle por qaaoto havia, que seri sua on
se viogaria atrozmente. \ "
O pae nio ae intimido* com a ameagn. Anas-
lacio procurou Carlos, disse-lhe eatar resolvido a
casar com a fllha de Andr, que cedesae, por
quanlo da mi de Thereza ou elle nio seria tam-
bem sen esposo.
Obtida de Carlos a mesma resposla que Uvera
de Andr, resolveu viagar-se deale aecusando-o
justica de passador de cobre falso, e mellen2o-
Ihe na algibeira dons patacos.
Seguiremos agora o fio da nossa historia.
Poucos mioutos baviam passado desde qae Car-
los sabira de casa de sua ta, quando se ouviram
dous tiros disparados um ps outro.
Alguns vizinhos correram ao lugar e tiohim
ellesj encoulrado um corpo estendido no c"hio,
mas nao o poderam reconhecer pela escandio da
noite.
Neste momento, a la que passsra tranquilla
pelos campos do cu, deixou ver a fice por en*
Ir nurens allumiando com sea pallido clario
aquella triste acea.
Haiaram um dos melhorea rapazes da fre-
guezia, disse um velho, prendam o assassino.
Quem mataram, Sr Amonio ?
Carlos, o noivo de Thereza I
Com efeito, eslendido no chao, e coberto de
sangue, que Ihe corra de duas feridas do
peilo, jazia Carlos, sem o menor sopro de
vida.
V
Alguem tem pretendido deduzir do psalmo46,
citado por Koppe,lingua mea catanius teriba
velociler scribenlis(* peona do escriptor mais
veloz do que a minha lingua), que j no lempo
de David se escrevii to depressa como se falla-
va : porm Koppe que atiribne a suppressio dos
vogaes a velocilade da escripia a que diz allu-
dir-se no citado psalmo, nao nos declara se esta
escripia era uoiversalmenle coobecida, ou se al-
gumas pessoas someote a praticav-.ro.
Seja como for o que geralmeote ae sabe que
os sacerdotes usavam de urna escripia secreta, a
qual RabbiNalhan deu o nome danotariacon
(da palavra latina nolarius) e que consenta em
escrever nicamente a primeira ou a ultima le-
tra de cada palay^g^Juntavam-se depois estas
do que resulava urna
o mais dificeis de deci-
collocar as letras por urna
Um tah metliodo de escrever,
posto que infinitamente rpido, nida tem de com-
mum com a steoographia propriameote dita,
comtudo ella urna prova daj^necessidade que
houve em todos os lempos ^escrever lo de-
pressa como se falla.
Parece-nos pouco razoavel a opiniio dos que
suppem que a steoographia foi conhecida dos
aotigos Egypcios, porquanto os hierogliphicos,
assim como os sigoaes hieraticos, ou domsticos,
de que usavam os sacerdotes do Egypto oa es-
cripta de seus livros sagrados, sio muito pouco
proprias por seu numero e pela forma difficil de
seus caracteres a corresponder a simpli^idade e a
brevidade dos caracteres steoographtcos.
Sem coohecer de urna maneira exacta os pro-
cesaos semeiographicos, ou oxigraphicos dos Gre-
gos, nao podendo tambem marcar a poca em
que elles secomegaram a usar, sabemos com-
tudo que honveram na Grecia habis semeiogra-
phos, ou oxigraphos ; se porm j os havia an-
tes de Xeoephonto, ou se como pretende Oioge-
nes Laercio, Xenophoole foi o primeiro dshodos,
pouco importa saber; oque cerlo ,qunlguas
discursos de Scrates que ebegaram al nos"fo-
rsm escriptos com o auxilio da semeiographia.
Hoje apenas nos restam dous monumentos des-
ea arte, um dos quaes existe na bibliotheca do
Vaticano, e outro na bibliotheca de Pars: o pri-
meiro conlm as obras de Deoiz o areonagita, e
o segundo a rhetoriea de Bermogenes e alguns
fragmentos diversos.
De Alhenas passou a semeiographia para Roma
onde veio a ser no lempo e por influencia de Ci-
cero, nao someote urna arte da modi, mas anda
urna profissio lio vautajosa como considerada.
Tiroo, liberto de Cicero, e que souba alcangar
toda a confianza e amizade de seu senhor fot o
mais famoso dos notarii romanos.
mente as letras do alphabeto stenographieo de
Tirn, que sendo mallo semethantea aa do al-
phabeto migar eram por isto mallo complicados
e difflcieii de traear; em segundo lugar Tirn
t-nha aprendido o methodo grego de Xenephonte
O esto methodo apropriado a lingos latina era
tapio ala defoiluso per isso que em lugar de
melhor o systema de Xen*honte, Tirn se con-
tentara era firmar ama tabella de mil e cem pa-
lavras qae elle arbitrariamente eacrevia.
Tendo sido maja aperfeicoado e simplificado o
methodo de Tirn por Perianto e Aquile, Ihe jun-
taran novos tigosei. propgou rpidamente. O
mesmo imperador Augusto o aprenleu, e foi um
hibil slenographo, etioto bastou para que a ar-
te trium phssse dosjprejuizos que Ihe podiam oppor
a ignorancia e a preguiga. Animado por Mece-
nas e por ludo quando h>ivia de mais Ilustre em
Homa, a steoographia tornon-ae em pouco lem-
po urna arte de moda, e com maior promptt-
dio ae espalhou por lodss is clanes da socieda-
de, dentro de poucos anooa contaram-se trten-
las escolas 6m que se ensioaram as notas ti-
ronlas.
Nio estamos nos loriga de acreditar, que esta
escripia abreviada foi o qae mala poderosamente
contribuiu para nulificar as numerosas e en-
cllenles obras que tinto illustraram osen-
lo de Augusto. O que principalmente coa-
corre para fortificar esta opiniio, que poucos
horneas celebres houve nessi poca, ou por seus
talentos, oa por suse> fuocedes que nio livessem
secretarios sleoographos. Ninguera ignora, que
em urna poca difireme PliviooMogo teval
sempre junto a ai notario para o eotdjuviren*
em seus trabalhos, e que e'.li nio emprehendeu
urna s viagem sem ser acompanhado deura se-
cretario hbil que soubesse escrever medida
qae se lbe fallasse.
Entre os notarios que molificaran] o systema
de Tirn ha dous, que devem ser especialmente
citados : Sneca o rhetorico que elevou a 5,000
o numero das palavras arbitrariamente escripias ;
e S. Cypriano que luntou a aquelle numero mais
8.000.
Offerece-se porm a este respeito urna ques-
tio : As notas tironiaa qua nos ltimos lempos
chegsram a 13,000, conaistiam nicamente em
um vocabulario de palavras representadas por
outros tantos signaos abreviados, ou eram eserp-
las com ss letras de um alphabeto regalar esub-
jeito a principios certos? A primeira supposi-
cio que lem sido sustentada por alguas escriplo-
res.nos parece todava innadraissivel. porque
em til caso a steoographia romana sena bem
complicada e dific, por nio dizermos imprati-
Variedades.
NOTICIA DE CARLOS DE BDlOw
Carlos de Rudlo, o ex-cumplice, de OrsUi aa
allantado do mez de Janeiro de 1858, est actual-
mente em Inglaterra.
, Depois da sua commutigio de pena, foi envia-
do Toulon, e d'ihi Ciyaone, d'oade ugia I
9 de dezembrd de 1859, i bordo de nm poqeena
narco.
Rudio deu, era nma das ultimas noiles, em
Birgmioghim um serio deleilura.no qal tratou
de fazer a apologa das ideas que o sssoeiaraas a
Orsini, e Ihe fizarais tomar parte no atlentado
de 1858.
Posto qae a reuniio havia aido anauociada por"
cartazes, poucas pessois coznpartearan.
A' ahida do meetlng alguna amigos da Radio
orgaoisarsm urna subscripgio em sea farori
eom lodo o cuidado, sentada perto do leito. O
fovenjoficial, examinava a pbysionomia daquella
moga ; quando se vio obrigadoa responder a
esta pergunta :
Ainda Ihe de muito
II
peroa ?
A' porta d'Andr l eslava nm ajuntamenlo de
povo, e encostado aos humbraes d'ella o rege-
dor com os seus dous cabos. Viu-os o bom ho-
mem, nias nao vacillou um s instante, e rom
lomirii]
pi
ADVM4D4SPER0US
POR
A. DMAS F1LH0.
Andr sahiu final do prisio, mas a lembran-
ga de j ler sido preso, e os desgoslos de sna fa-
milia, o levaram em breve sepultura. Anasta-
cio, pelas ultimas noticias, soube-se ter fallecido
das carneiradat, no sen degredo em frica.
Parece com tudo que a steoographia eslava
muito longe do grao de perfeigio a que lem che-
gado nestes ltimos annos. O que vos confirma
nesta opiniio, que no da em que Catio devia
orar com toda a energa contra as providencias
que Cesar havia proposta rea ti va mete a conju-
ragaewle Catilina, Cicero, afim de que se nao
perdesse urna s patarra proferida por aquella
grande homem, teve o cuidado de dispor varios
noltrios, ou sleoographos em diBerenies lugares
do senado, e a estes que se deve aquelle nico
discurso que nos resta de Cilio.
Tal era a importancia qd Cicero dava a steno-
graphia, que nao obstante ser elle mesmo sle-
nographo nao po lia passar um s dia sem Tirn
ou para os seus improvisos, ou para trabilhar no
gabinete; a Ainda que me queira persuadir,
meu caro Tirn, Ihe dizia Cicero em urna de suas
cartas, que posso fcilmente passsr sem o vosso
auxilio, recoohego que isso me impossivel, pou-
pai portanlo a voasa saude, e acreditai que por
mais importantes que aejam os servicos que vos
devo, nenhum recoaheco tanto como aquello qae
me podis prestar passando bem.
Se carecessemos de outras proras para mostrar
a importancia que os Romanos davam a arte dos
notarii poderiamos citar Ovidio e Prudincio, o
primeiro dos quaes nos dix que Julio Cesar ea-
crevia em caracteres slenogrsphicos, e o segun-
do que S. Cissiano, que viva no reinado de
Decio e Valeriano era mestre de slenogtaphla, e
havendo sido condemnado a morte por nao que-
rer sacrificar aos dolos fot entregue aos seus dis-
cpulos, que o mataram com os sletes, ou pune-
coes com qne escreviam.
cavel ; pois que memoria haveiia tio feliz qae
podsse reter 13,000 sigoaes diversos, e recordar-
se distinctamente de cada um dellescom promp-
tidio e velocidade iodispensaveis ao slenographo
que tem de acomoanhar com a escripia o orador
que est fallando? Devemos pois crer que as
notas tironias eram formadas de caracteres com-
muos e regulares, posto que tacilimos de escre-
ver, maneira do aystema presentemente se-
guido.
A steoographia depois de ter constituido parte
da educacao nos bellos dias de Roma cahio em
esquecimoto com a decadencia das letras, e a
perja da liberdade. Do sedado e do forum, on-
de j era intil passou aos templos dos christaos
e tambem participou das honrosas perseguigdes.
E' a ella que devemos as actas dos marlyres. os
improvisos de Orgenes, as obras de S. Jerony-
mo, que nio tinha menos de 10 secretarios, 4
para tomar nota das suas idss e 6 parajescre-
ver em vulgar ; as de Santo Agostinho que ti-
nha 8 sleoographos os quaes se rendiam de 2
2 para qun nada fosse omillido, ou alterado; fi-
nalmente Santo Anselmo nos refere que S. Joio
Chrisostomo servia-se constantemente de steoo-
griphos para accelerar os seus trabalhos.
. Ouso da steoographia tio utl aos padres da
egreja perdeu-se a pouco e pouco e desappareceu
completamente no fim do secuto X.
Alm da protunda ignorancia em que a socie-
dade se achiva submergida, e que tornava esta
arte intil, a supersticio tambem concorreu
para o sen total esquecimoto perseguindo-a co-
mo perigoss.
No secuto XI mais de um steoographo acusa-
do de nigromancia, ou de pralicassecretas com o
demonio expiou no logo o crime irremissivel de
nio participar da ignorancia Rersl ; e como a
proOssio da steoographia nio oferecia nenhuma
das compeossedes de enthusiasmo que convidas -
sem ao martyrio, ella poda continuar e foi ex-
tincla.
E' ao sabio sbbade Trltme que ae deve o re-
nsseimento da steoographia. Triieme muito es-
timador dos livros divertia-se s visitar as biblio-
theca!, e examinando a de um convento de sus
ordem, encontrou um velho caderno escripto em
ootas; a sua anliguidade e o poucu caso que
delle se fazla o tinham feito laogir em um moo-
lio de papis iouteis.
Pouco tempo depois elle descobriu na biblio-
theca deStrisburgo um psalterio egualmeote es-
cripto em notas, fui desla ultima obra que Tr-
teme colheu o alpbaoelo tironeo, e o Inserio em
sua pollgraphia.
viu
[Continuaco.)
Eu eslava ali. Amara essa mulher; obedeca
eegamente tem saber onde me lerariam as exi-
gencias desse anur. Sou andaz em lado; joguei
tudo por tudo; ou me ipossariadessepensamen-
to inleiramente, at apagar o vestigio de outra re-
cordago ; ou, partlodo, a duquesa nao levara
comaigo nada qu me perlencesse, e talo entro
nos estarla acabado......
Eu amara, tinba ciumes at do passado, prin-
cipalmente do pateado ; era egosmo, era o que
quizeres; era, eis o que certo, um sentimento
natural, rerdadeiro, por que eu obedeca elle,
sou homem as condiges humanas
Madei bruscamente de conversa, e encetei ou-
tra sobre o assnmpto de que tratara um visitan-
te ordinario. Anaelte voltou-se, como se volta-
ria um individuo, que, no meio de um dia arden-
te de agosto, sentisse nove nos hombros.
Adeus. disse-lhe eu.
Como! adeus.... jal Nao o rerei antes de
partir?....
Sim, roltarei.
Promette ? disse ella estendendo-me a
mo.
Promello.
Paisaremos essa ultima noite juntos?
Se isso Ihe causa algam prazer....
Vira cedo ?
A' hora que roc indicar.
A's setehoras.
Bem.
Beijei-lhe a mo, e dispuz-me a sahir. Ella
lelervm
a^M
ou ce^H
Jt Ihe
Entio
At!
Ellas
para
que al
"Tvi
gando i ra, voltei-me ; ella estara janella e
sorria para mim : s desappareceu quando nio
pode mais vr-rae.
Saba Deus que reflexio eu fazia, appareotando
razio I Tomava as mais bellas resolugoes que se
parecem s decorages dos iheatros ; lera aveni-
das irjbmeosas, prospectivas infinitas, que se dar
um primeiro passo, da-se com o nariz de encon-
tr jum panno fluctuaste. Entretanto, repito-te,
havii alguna cous verdade: ra nss minhas re-
flex s. Chegando ao ar Itvre, escapando ao cir-
culo estreito que traga em torno de nos a mulher
ama a ; procurei expelltr a sua influencia, e dis-
se ci migo mesmo:
Para que hei de eu tomar ao serio o passa-
tem o que urna fidalga quer ter com um artista
pela rariaade do fado? Sou por ventura amante
dell ? Amar-me-ha? Tenho eu certeza de ama-
la ? O sentimento que experimenta por mim va-
ler! a recordagio de outro? A iropresso que lbe
Com tudo as notas tironias assim chamadas do
liberto Tirn, poato que nio foase elle o seu in-
ventor, eram como j indicamos muito imperfei-
tas na sua origem. Concorriam principalmente
duas cousas para esta imperfeigao: primeira-
Segundo o exemplo de Tritme, muitos sabios
se enlregaram a um exame profundo das nolis
tironess; comtudo, ainda qae bebessem as
mesmas fooles, estes diversos commentadores
nao foram concordes e cada um publicou
alphabeto tironeo lotalments diftereote.
(Gonrtntsor-se-Aa.)

JARD1NS FA1NSE.
A proposito destes jardins, comprados pr
250 mil francos, por eonls particular do impera-
dor dos Francezes, eii-aqvi alguna pormenores
extrahidosda Corruponitnc lilttraxrt:
Os jardins que peitajiciam ao rei da palas,
formiram um feudo dependente da papa, dah
proriera grande numero de difflculdadesque foram
felizmente aplanadas.
O prego da renda foi empregado na compra de
coosolidados romanos, que rao ser immobilisa-
dos por um brere do papa ; lato Francisco II
muda a propriedade desloa jardins por asna randa
de cerca de 15,000 francos, a qual se toma toado
como elles eram.
Os jardins Farnse, qne tem 6 hectrea f7 ares
e 93 cenliares de superficie, occupim todo o la-
gar de Roma primitiva, da Roma quirala de
Romulus, e a maior parte do palacio doa impera-
dores ramanos.
Comprando-os o imperador, nio Uva por fim
nico o descobrir ah estatus e objoctos d'arte ;
elle qner fuer rerolrer toda a ierra e descobrir as
ruinas do palacio doa Cesares, como so dsaciarla
o forum ds Trajaoo e nma parto do forum ro-
fflsnum.
Este ser certamente o mais bello, o mala in-
teressante e o maia grandioso monamealo da lo-
ma antiga.
O prego de 250 mil francos pequeo. O jar-
dins esli n'um ponto admiraral.
A entrada de magnifica architetara da recat-
enla.
Tpes dos maiores artistas desse tempo, S. Gallo,
Miguel Angelo e Vigoole ah Irabilharam.
A propriedade recebe 23 onjia d'agas, riada
de um dos pontos mais elevados de Roma. Oa
Farnse ahi Azarara outr'on execatar escavanos,
mas ao acaso ; certo que shi se encontraran
monumentos interesssntes.
A parte do monte Palatino que ao eoearoa
rerolreu, porque tem perteoetd sempre a parti-
culares, a Villa Milli ; ba ahi jardins Fir-
nse-
Eita Villa comprada ha alguna annos pelea ra-
'igosos da Visitseio foi paga por 32 mil escudos
(cerca de 172 mil francos).
Nio eootm aenao 2 hectrea o C5 rea (quasi o
(erco da superficie dos Orti Farnetiaat] o nio
lem agua.
Se se descobrir alguma obra primorosa, aera
enriada Pars ; mas todo qne nio fr do im-
portancia eapital, ao ponto de rieta d'arte, aera
conservado no seu lagar.
As ruiass do palacio dos Cenares tornar-so- hio
assim um rerdadeiro musen, um masn qaa ser
conservado com cuidado.
O individuo encarregado da ana consorracio
aera Mr. Pietro Rosa. Harer ontro encarregado
tomado entre os aotigos sob-oficiies do corpo de
oceupaco.
Finalmente os Orti Farneaiane serio carcaele e
rigiadoa.
1
>
seu
can ei ha alguns din durou al hoje por causa do
loe dente da ceia : sobrevivira ainda nm mez ?
Nii me preveniram j da leriandade dessa mu-
Ibe? Haveria loucura era esperar quiquer
coi sa. Irei eu prender o mea corago ao vestido
de sa mulher que parte esta noite, e quem nun-
ca maia lornarei a rr, ao paaso que o recuso a
mt lber quo ama-me, o que nio pensa em dei-
xa-me? Nio, assim nio ha da sari E' intil
mi smo discutir com a minha resolugao; nio de-
ve pensar mais em Annetle, nio devo mesmo re-
a mais___Partir aem tornsr-me a ver.... Vou
s:rever-lhe para que nao be espere.... ele...
Tu sabes o que um homem hesitando entre o
aore o despeito. Eu me atordnava, quera pu-
nir a duqueza pela recusa que me tinha feito, e
en eu, bem o conhecia, quom mais ia soffrer com
eiia punic&o. Todava obitloei-me, como as
ci snljai qae recusara um bolo quem lh'o dea
q ando queriam, e que chorara por nao l-lo to-
a ido quando veem oulro como-lo. r
Com efeito, ainda que Anaelte. nio livesse ca-
ri ciar egusl ao meu, recebendo a minha earta,
ti ipeito de culo aontido de certo so nio engaaa-
rl i, partira, levando o dimito de penaar quo eu
se incommo-
zoareis; mas ve l se a razio parlilba de um
homem de nossa edade! Eu nio admillla nem
combinago nem probabilidade: raciocioava com
a minha paixao offendida, o que quer dizer, que
nio raciocina va... Um homem que nio amasse,
ou um rou de quarenla anuos, teria esperado ;
mas eu era moco, amava e nio tinha paciencia I
Entretanto, eu bem o sents, bastara um mo-
mento de irsqueza ou de remorso para mudar a
minha resolugao ; assin quia por-me na neces-
sidade de sostente-la todo o trance. Eacrevi
duqueza que urna eircumstancia independenie de
minha vontade dispunha de mim n'aquella noi-
te, que nao a tornara a rr senio quando regres-
sasse, se regressasse....
Envie-lhe essa carta, o para tirar mim mes-
mo todo o meio de arrepender-me, fui casa do
madama de Wiue, quem disse: *
Venho jantar com voc, e lera-la esta noi-
te ao espectculo.
ElUaaltou-me ao pescogo de conteni. Serae-
Ihante promessa foita urna mulher que ama a
prisio mais esueita em que ae pede entrar. Eu
linha toda a certeza que nlo delta aahlria.
Que noile, meu amigo 1 Como me ram insup -
portareis as attengoes, os olhares, os sorrlsos de
madama de Wiae l como a achava eia, tola,
desastrada I como desejava que aievinbasse o
meu pensameolo e me expellisse de sua presen-
ga 1 como teria corrido at s jan ellas da casi de
Anaelte 1 Cada minut que voiva, tovava comiigo
urna serie de eaperancaa e de certezas... Ella par-
te esta noite! essa palavra apparecia-rntedetio
tormidavel, resela proporgio qu eu me apro-
ximava do momento do sua realiaicio... Vinle
rezas estire quasi abrindo o camarote do theatro
em que eslavamos efugiada scarreins. Mada-
ma de Wine ouvia a pej diverta-ae. De rez
em quando procurara a mioha mi e apertava-a
aorrindo-me por traz do binculo. Que sap*
pllciol i fjlO.l
A' meia noite saturnos do theatro. Nio hara
tilo
ais esperiaja. A duqueza derla ter par ,
duas horas antea, porque parta a dea. Trcoxe
Cirota para casa o subi com ella. Quera ama-
neo era homem bem ednoado/ No da eguioie, la todo o custo. Roera dar prjbeifa mulr
taa eu bem adiantado I Ao passo qua, rollan-j que me appsrecesae a superabundyiciajle senb-
d >como promMM
ar com ella
mim dJ^H
tes ltimos
los qae havia em mea carasio. Fiquei om
A%SS &*
abafirl Preriria andar ragando pot tatso
a supportir por nm minuto
Jes amor ] complelsminte
palatrt, como to foge de mu
xiado. Precisava de ar, precisara de estsr s, de
caminbar, de ver pessoas que nio me amassem
Descl s escada, pensando no que ia fazer. No
momento em que punha o p oa ras, pareceu-
me oavir urna voz fraca que me chamava ; vol-
tei-me, vi urna mulher coberta com um vu,im-
movel como urna eslstua. Ful ao encontr deasa
mulher.
E' a mim que chama, mioha seohora ? per-
guntei eu, nio suspeilaodo o que poda ser.
A mulher ergueu o vea. Era a duqueza, pal-
uda, cambaleando... Eu julguel estar sonhando.
Voc! vocl balbuciei pegando-lhe nss
maos trmulas.
Fui i sua casa, disse-me ella com voz mal
segura, disse que precisara fallar-lhe immedia-
tameote. Diaseram-me que roc talrezestivase
nesta casi, rim procura-lo ; responderam-me
que tinha saludo com urna senhora cujo nome
me disseram, mas do que nao me quero lembrar.
Esperei-o, nio roltou s, nio poda por tinto
fallar-lhe. Esperel-o de noro, e eapera-lo-hia
at amanhecer, porque quera "v-lo o fallar-lho.
E o que quera ditec-Eqe? perguntei com
urna anciedade cheia de amor.
Quera eotregar-lbe iato. disse-me ella.
C estendeu-me urna esixinha ; abri-a ; estira
dentro o annel. Eu abalara e as lagrimea rie-
ra m-me aos olhos.
Oh 1 tome o annel I disse-lhe; tul um tolo,
um mu em lh'o ter pedido I
Nao, disse-me ella com urna especie de re-
signsgo e com um tom de quem tinbs combali-
do por multo lempo comsigo para resoiver-se
semelhante sacrificio ; nio 1 roc durida fcil-
mente. Um dia talvez acredilasse que eu nio
Ihe treuxe esae annel senio com s esperance de
que m'o restituira. Exijo qua elle fique em sua
mo. Nio ihe peco o juramento de conserva-lo,
porque fiz esse juramento e vejo que se pode fal-
tar elle, porm, ae algara da o der. faga-o de
modo qae euoSosiiba, porque me causara mul-
ta pena. E agora, vamos andando, porque estou
com muito Irio. -
A iulooagio que deu estas tres ultimas pata-
rras impossirel de exprimir. Gandaos. a.-CM-
sara mais merecida, a conflssSo mais clara, o
perdi mais fraaco. S as mulhores Babean dar
urna alma a nasa nota do sua voz, o de mala oseas
is conserva vara sua sigoicacaottBi
a ra silera deserta essa hola." Ella nio
[Commercio do Parlo.)
mulher que combnteu obscuramente um senti-
mento que acabo" por venc-la. Olhava-me com
urna especie de terror. Acabiva de dar-me a
maior prora de amor que en podero pedir-lhe,
sacrificando-me o nico objecto. recordagao ma-
terial, que lbe reatara doa dias felizes de sea co-
rago de outr'ora ; amara-ose portanlo, e seu
amor nio tinha expanaio nenhuma. A dignidade
vencida no paaso que dra, a confiaaio tacita que
acaba va de fazer ainda vibra vara nella, como nma
flecha de acojogada rigorosamente ribra no obs-
tculo em que se empregou, antea de nello ficar
eternamente filada.
Voc nio partir I disse-lhe em voz biixa.
Psrlireil
Eu lhesupplico.
Porque ?
Porque amo-o muito para nio ser sua, eser-
me-hia impossirel sor sua oeste momelo. Nao,
continuou ella com acento de resolugao I quero
partir nesles das. Veja oodo rim procara-lo,
que porta eaperara-o esta hora .. En I porta
de outra mulher de cajos bracos roc sihelI
Ser-me-bia impossivel acreditar no que voc ore
dissesse, depois das reflexoes que fiz qusndo o
eslava esperando. E entretanto esperel-o I Era
urna couaa maia forte do qaa eu... Maa necea-
sario que eu parla, que fique longo de voc por
algum tempo... talvez esquega eolio esta noite.
Se Deus fosse bom, peraittiria que en tambem
esquecesse voc I Quo de desgranas que me
preparo, abandonando-me assim voc, que tia
prompto em duvidir I Emfim o meu destino,
segundo parece, porque apezar de tudo, eu o
amo. Veja ae tem corigem de me fazer soffrer.
Ah! ainda quando viva cem annos, hei de
lembrar-madesaa noite; mas nio posso contar-te
a historia delta, exacta, clara, delalhada. A emo-
gao que hei de conservar eternamente deaeaaduas
horaa.de mioha vida corta, vibrante, palpavel
pira mim; mas s recordagio que mena olhoa e
meus ouvidoa desejulam conservar 4 raga,, mo-
rediga, difficil de apanhar como a. aombra que
nos envolva.
Cimiohamoe al p amsattocor, som dooMno.fi-
aa voaeorWa mleutoasom aoo l-
gads, sahir de casa do outra, polo enterneca
to que me caneara a maneira simples, tocante,
com que esse annel me ere ofleracido, caelavi-
estuti, m que se eitre qoial g morrer *?bi- nU mo ; parecU entregue 4 e\c*o 4o
lw4eT\ (aHt4o-nos por asooooytaDoa que a
a oitu?5o tornava comprehenstvota; o> qaa oes-
te momento oiohaoi seniido teriira
O cerebro fatigado pela vigiiancin,
as.
me a dar corpo e forma todo o qne aa
as minhas sensages gyravam, por aaaii
em torno da cabega em lugar de nata se I
claramente, e por i oslan lea aa ebegara a po
lar mim meamo o qae finamos a eioaeer
em urna noite oseara o (ra naa groado*
desertas de Paria.
Voss ha de escrerer-me, disao-lbe on coas-
prehendendo que ella qaeria partir o qua en par-
tira.
Sim. E ross ?
Todos os' dias.
E nio tornar maia a rr aquella mulher ?
acrescentou ella, porque era o ten panisaste
continuo, incesssnte.
Aiadi o pergunta !
Emfim reremoa para o futuro I
O dia ii raiar. Tiohamos porcorrdo oa beotlo-
rards, tiohamos rttltado polo* cae*. As i
ras ji nio nos parclito bastante graodoi
lante arejidas, tinta oppressio baria eos
peitoa. Lerai-a porta do sna casa.
mos meia hora conversar na* primeira* h
bras da primeara aira. A nitarasa qa amo I
d em reilidede por dia senio ama corta
de sensages, readqalria oa seas diraita*.
Tiohamos febro, libamos fro. Proloagan-
do easa situacio, ulrez ao* taaas*aiaaaa rldfcolus
nossos proprios olhos. Era-no* nariaairte
cada um d* no* am poaco do fsaanao, **ni* 4*
somno, para no* lornaroaoa a ror mato laeiisr<
mente ama ultima rea atoa 4* saa portada.
Separamo-noi.
Tomei v-la somoot* dez minutos.
Se ross sao vallar t disse llm aa.
Ser-ma-ha posaivel ala tonar a
restondeo-me olla.
E partiu.
Voltei para-casa, *mbratacido, |
mim meme a quo tari
dia* desea aet
papel
moraeati
h*,
FARIA <& r
km itT/li Ann


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJMFC5ZG8_67RTY9 INGEST_TIME 2013-04-30T21:57:51Z PACKAGE AA00011611_09803
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES