Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09798


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI
Ter^a-fera 2$
METIDA! SOI COBBIOI,
Goianna e Parahiba, segundas e sextas feiras.
IUo-Grande-dn Piortc, quintal feiras ao melo-
da.
Cabo, Serinhem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macri, no l., a 11, e 21 de cada mcz.
Garanhuna e Bonito, a 8 e 23.
Hoa-Vista e Flore, a 13 e 28. '
Victoria, as quintas feiras.
Ollnda, iodos o* dia).
m*-J-'r'' eirtu.
irUMIBIOIi.
Miog. a 3. i lli.c 27 in. da m.
Nova a 10, s 5 h. da m.
Crefe. a 16, s 8 b. e 3 m. da t.
Cbeia a 24, s 11 h. e 51 ni. da ni.
VBt.iMin DE HOJE.
Primelra as fi horas e 18 minutoi da manha.
Segunda as 5 horas e 42 minutos da larde.
VREQ03 DA HDOSCKIpio.
Por tres ine/.cs(au'lonladoi) 4/000
Por seis uiezet 8/1)00
Por um anno 15/000
de Jiinhode I8>0.
' DAS DA SSVAI7A.
24 Seg. iff>ff Nasciinento de S. Joo Hablista.
25 Tcrf. S. Guilherme, Aud. do chae, do I. da 1.
v. do civ. i do dos fcilos da faxenda,
2( Quart, S. Virgilio. Aud. do J.da2. v. docivcl.
27 Quint S. Ladislao. Aud. do J,-dos orf. e do m.
d< I. v.
28 Seal. S. I.eao. Aiid. do J. dal.v. do civ. c dos
feilos da fazenda.
29 Sab. >)<* S. l'edn.e S. Paul o.
N. f*0.
30 Dom.
A Pureza de Nossa Seuhora.
CAiamoi :.-. 22 BE JUMno.
Sobre Londres. 2Gy.a27 d. por 1/000 r a 00 das.
. Taris, 316.
Lisboa, 105 por cento.
'Juro.Oncas hespanhocs......... 29/000 a 20/5Ti>
.icdad./100velhas.. l6fVin a lli/TOO
de 6l4uo uovas.. lo/UK) a IB|200
de 4/1100........... 9/100 a 8f200
/Vate.Palaces braslleiros...... l/8ii a 2/ihm
Pesos columiiarios....... l/!'80 a 2/0"'i
Ditos mexicanos.......... I/K20 a 1/840
1L11'"" 1 ii~ nimia 1" a 1 iiiiiinw 1 iifwnaii 1 h'ihiiiiTmiii i mbj
PARTE OFFICIAL.
TRIBUNAL DA ItELACAO'.
SESSAODE 22 DE JUNHO DE 1850.
PaBSIDBKCIA DO CXM. SrNHoil CON-
SK1 III lito AZEVKDO.
A's horas do costume, achandn-sc presen-
tes os Srs. deirmbareadores Ramos, Villares,
Hamos, I.eao, Souza, lie helio, Luna Freir, e
Telles, faltando com causa o 8r. desembarga-
dor Ponce, o Sr. presidente declara abena a
esso.
JULG1MINTOS.
Petlcao de Jote Francisco de lili ve i ra Mendes
em que pedia urna ordrm de llabras-corpui.
Ao houveqne derirpor ocarcereiro apresen-
tarcertido doobilo do peticionario.
relleno de Jos Simdes da Silva em que pedia
Ulna ordem de llabeas-corpus. Foi concedida
iiiaiid>ndo-se ao carcereiro que apresentasse u
paciente na scsso ele 20' do corrente ao tribu-
nal; e ao subdelegado da reguciia de San-Jos
que desse al este mesmo dia todos os csclare-
cimentos que legalizassem a priso do paciente.
Petlcao de Joao bernardo de Medeiros em
que pedia urna ordem de Uabtas-eorpui. Fol
concedida para o dia 25do correle ouvlndo-
se o juii municipal da primeira vara.
Appcllaco civil.
Appellantes, Marcolino Joo de Queirox e ou-
tros; appcIKido, Elias Francisco de Sampaio.
Confirmaran) a srntcnca.
DILIGEMCIi.
Appellante, o juizo de auzentes; appellados,
Cosme da Rocha hezerra e outros. Manda-
rain com vista ao curador nomeado e jura-
mentado, c aoSr. deseinbargador procurado-
da cora.
Foi assignado o priineiro dia til para o jul-
gamen 10 d.nseguintes appellacesem que sao:
Appellante, Catharina Francisca do F.spiilo
Santo ; appellado, Joo Leite de Azevedo.
Appellantes, Jonhston Paler liC.f outros; ap-
pellado, M 1.101 I de Souza Guimaraes.
Appellante, Luiza Francisca da C'onceico ; ap-
pellado Antonio Bernardino dos Res.
Appellante, Domingos Pires Ferreira ; appella-
do, Augusto Ficher.
pe;;nambuco
sevuOes.
Passou doSr. desembargador Villares ao Sr.
desembargador llastos a seguinte appellaco
em que sao :
Appellantes, Manoel Lulz da Costa e outro ; ap-
pellado, o juizo.
Passou do Sr. desembargador Bastos ao Sr.
desembargador I.eao a seguinte appellaco
em que sao:
Appellantes, Joao Gomes Jardlm e outros ; ap-
pellado, o juizo.
Passaram doSr. desembargador Souza aoSr
desembargador Itebcllo a seguinte appellaco
em que sao:
Apellantes, Jos Vie ira Brasil e outros; appel-
lado, Jos Fernando da Cruz.
Appellante, os administradores do hospital
ds lazaros desla cidade; appellada, Itita Ma-
ra do Carino.
Appellante, Pedro Soares de Mello e sua inu-
lher, appellado, Jos Marlins Torres.
Appellantes, Carlos Jos Gomes de Oliveira e
outro; appellados, Pedro Jos Rodrigese
SUa mullo 1 .
Appellante, o juizo-, appellado, Nenie I Nos-
trom de Alencar Araripe.
Passaram co Sr. desembargador Rebello ao
Sr. desembargador Luna Freir a seguinte
appellaco em que sao :
Appellante, Antonio Gomes Villar ; appellado,
Joao Pires Ferreira.
Appellaute, Francisco Joaquim Lardoso ; ap-
pellado, Francisco Ferreira da Silva.
Appellante, Joao de Allemo Cisnciro; appel-
lada, D. Anna Joaquina Lins Wanderley.
Passaram do Sr. desembargador Luna Freir
aoSr. desembargador Tellcs as seguintes ap-
pellicoes em que sao:
Appellante. Manoel Pereira Muniz c outro; ap-
pellada a fazenda publica.
Aopellaute, Joaquim Lopes da Silva ; appella-
do, Luiz Custodio Pereira.
l'.i-.-ii.im doSr. desembargado!-Tellcs ao Sr.
dcs/iiibargador Ramos a seguinte appellaco
cu/que sao :
Appellantes, Jonesi'aton &C appeiiado, iuu
cisco Joaquim Hilarte.
Appellante, Tliomaz de Aquino Fonseca ; ap-
pellados, Manoel de Oliveira Faneco e outro.
Appellante, Justinianuo A ntouio da Fonseca;
appellados, Joo Keller <\ C.
Appellante, Anselmo Goucalvcs Pereira ; ap-
pellado, Joaquim Camello Leal.
ASSEMBLKA PROVINCIAL.
SESSA ORDINARIA EM 15 DE JUNHO DE1850
FRKSIDEKCU DO SR. PEDRO CAVMUMl.
SummabIo. Approraco ta acta da esso
anterior. Expediente. Pa receres. J dia-
mento, pela hora, do parecer da commiiiu
de initrucedo publica sobre a pretenedo de
al'iunt profeiiore de .primeiras Ultras o
aui/meirto de ordenado.Adoprdo de urna
emenda substitutiva do arl.- 36 do proiecln
do orcamento provincial em legunda discus
t3o Approvacao dos artigos 37 a 42, e de
um addilivo.
A's 11 11-.! horas da manhiia, feita a cha-
mada, aeham-se presentes 29 Srs. deptita-
los, faltando os Srs. Manoel Gavalcanli,
barilo de -Siiassiina, Milaquias, Sette, Reis e
Silva e S Pereira
O Sr. Presidente abre a sessiio.
" Sr. 2. Secretario le a acta da sessSo
antecedente, que he approvada.
O Sr. i.' Secretario menciona o seguinte
EXPEDIENTE.
Um ofticn do Sr. secretario interino da
provincia, devolvendo um ejemplar de'cada
urna das leis, qun em duplicata fratn re-
medidas sanecao A archivar.
Silo lido? e pprovalos os seguintes pa-
receres :
A eoicmlltfio de contas e orcamento
municipal, examinando a preteneflode An-
tonio Jos Pereira, proprietario do terreno
denominado Passagem-do-Juazeiro, he de
voto que seja o supplicante indeferido, por
ser a autorisar;o por elle pedida contraria
a expressa ilisposieo dos artigos 43e 44 da
lei do primeiro de outubro de 1828, e con-
traria s regras de conveniencia publica, p
da sciencia ecconomiea ; porquanlo nao he
do monopolio, e si ni da competencia que se
pode esperar 011 um msior preco sobre o
valor oreado para tal arremataQlo, 011 ga-
randas mais seguras o menos gravosas para
os contrihuintes que desta Pass8ge:n-do-
Joazeiro venliam a prpeisar.
Sala das commissoes, 14 de junho de
1850.Joie llandeira de Mello.--.VanoelJoa-
DISTBllPtfdM.
Ao Sr. desembargador Leo as seguintes
pelico e appellafoes em que sao :
Pctifode Uubeai-corpui de Joao einardinode
Mrdeiros.
Appellante, Jos Paulino de Mcssias ; appella-
do, o juizo.
Api" II me, o Dr.Joo Ferreira da Silva; ap-
pellados, Caelano Pinto de Veras e outros.
Ao Sr. desembargador Soma as KgululCl
ieli{o e appellaces un que se sao:
'etican para llubeas-curput de Jos Simes da
Silva.
Appellanie, o juizo ; appellado, Antonio Joa-
quim d'Annuucia^ao.
Appellante, Gervazio de Souza Raposo ; appel.
lado, Manoel Ferreira do ftascimcnto.
Ao Si. desembargador Rebello seguinte ap-
pellaces em que to :
Apellante, o juizo de direito ; appellado, Ma-
noel Ventura e outros.
Appellante, Joaquini Pereira llomeni ; appel-
lados, Jos Leopaldo da Silva e outros.
Ao Sr. desembargador Tellcs o seguinte re-
curso em que sao :
Rccorrenle, o juizo de direito : recorrido, lle-
nu 10 lose de torres.
Lcvanlou-se a sesso a urna hora da larde.
quim Carneiro tlaCunha.francisco Haphael
de Mello llego.
A coinmiss.lo de negocios pcclasiaslieos
he de parecer que sejam archivadas na se-
cretaria desta assemhla as duas informa-
rles juntas do Exm. prelado diocesano, len-
denles suppressilo das freguezias de Cru-
ngy e Panellas, e revogacOes de algumas
divispes ecclesiasticas ; e bam assima exi-
gencia do mesmo preUdo, tundento a crea-
cilo de urna freguezia em Fernsndo-do-.No-
ronha.
Sala das commissOes, 15 de junho de
1850.Gilirana Queiroz ionceca.
Segue-se a discuasSo do parecer da com-
miss.lo de negocios das commissoes acerca
da 1 leteneao de Francisco Jos de Paula, o
qual he approvailo com a seguinle emenda
a Sol si 11 na 111 -so as palavras que seguem-
se ainunicipxlida.le do Iteciii;pelas se-
guintes-para que a tome na devida consi
tiilerMSO deferindo como fr de juslica.
Mello Pego.
S3o lidos, oficam adiados por haver pe-
dido a 1 alavra ns Sis. Mello llego qtianto ao
primpiro, e Francisco Jo3o quanto ao se-
gundo, os seguintes pareceres :
A cotnmiss.lo do nslrucefo publica,
considerando o requerimeoto de Joaquim
Leocadio de Fieilas.professo' publico de pri-
meiras lt liras jubilado na cadeirade Pasma-
do, pm que 1 ude que a assemhla i'eclare
que elle lem direito a perceeber.n ordenado
correspondente aos anuos queseivira sem
interruiQo, tssioi como que se Mo mande
indemnisara .lill'ei enea dos ordenados atra-
sados desde o dia de sua jubila<;ao, que en-
dividamenle llie nao fram pagos, ciilende
que o supplicante deve ser favoravelmente
deferido, e em aptiiu do que di/ olTercce as
seguintes considerares, Osupplicaulu fui
providu em 9 do julho do 1833 jubilado a S
de abril de 1844, quandoj servia ha 10 an-
uos e 9 mezes incompletos, (lia, devendo-
se concluir do espirito do art. 10 do cap. i
da lei 11 4.1 de 15 de outubro de 1837 que a
j 1.lnI jeilo do supplicante devera ser propor-
cional nao a 10 anuos, porm sim ao lem; o
por que elle tiuha servido, succedeu que se
Ihn dsse a juliilarflo como lendo servido
smentc 10 anuos. Isto mostra a justica da
1 reieiic.01 do supplicante ; e ella mais cla-
ra se torna vista da dispotieilo do arl. 2
da lei n. 209, que determina expressamente
11 o citado arl. 10 da referida lei compre-
hen le o direito jubilaran com o ordenado
proporcional o lempo porque so tiver ser-
vido ; c a niesma ilisposiSoso cha no arl.
I Oh le 11. 250 de 21 de junho de 1849.
PortHiilo, parece commissao sem duvida
que o supplicante nao podia ser jubilado com
o ordenado proporcional a 10 anuos, e que,
tendo-o sido deve-se reconhecer qnc elle
tem direito a pciccber o ordenado coirespon-
denle aos anuos que servio, c consegiiinle-
tnenle a iudeiiiiiisacao da ditlrenoa dos orde-
nados atrasados desde o dia da sua jubilacao,
que indevidamenle se llie nao pagaram, eco
raso de ter sido jubilado na lrma referida,
como j se acha disposlo na lei citada n. 250.
Sala das commissoes, de 14 junho de
1850. 111: Paulino Cavatianii. Vcllet ItUue-
vara.--l'litianno Cunta t flriio.n
a A commissao de ordenados, ei.tcndeudo
quo o requerimenlu de 1). Alexandrina de Li-
1111 e Albuquerquc, prolessora de primeiras
letras da Ireguczia de Santo Antonio desla ci-
dade, deve ames ser sujeito ao juizo da com-
miasao de insliucco publica, coulorme os pre-
cedentes havidos 11a casa, devolveo mesa,
para ter o conveniente deslino,
Sala das coiuiuissei, 14 de Junho de 1850.
Manoel Joaquim Carneiro da Cunha.
(jurrfes de Mello. >
Entra em discusso o parecer da commissao
de inslrilecao publici .iuei e i da preleiu ,10 dos
3 professores de piiiuciras letras.
Sr. Presidente : Tem a palavia o Sr.
Carneiro da Cunha.
O Sr. Carneiro da Cunka : Sr. presiden-
te, a iii.l.i > ron ihi-s.nl i|n iisIturqo publi-
ca hade permittir-me que cu vote contra o
parecer...
Vozes :F.st no sen direito.
O Sr. Carneiro da Cunha : Eslou no meu
direito,e no meu rigoroso dpver.porqu nfln
s nilo rec inlieei que os professores de pri-
meiras loltras estivessum mal pagos,mis al
a esio respeito teuho dito Iguma eotlM qaa
mostra estar eu persuadido do contrario,
pois alliniiei que a surto delles nilo era tilo
m como sa quera fazersappOr. Ecsta mi-
nhl opiniSo foi sustpnlada pelo noliro de-
DUtadn queso assenla def'onle de mini' o
Sr. Jote Pedro) quan lo ilemonstrou aqu
mui clara e conclu lenlemeute que a posi-
eilo dos professores de primeiras Icllras bem
longe de sor ma, era multo boa ; porquan-
to com 12 annos de servico tinham aug-
mento do vencimentos ; com 20 011 25 an-
nos, jubilaclo, e com 30. o duplo dos venci-
mentos. Estas vantagens sao muilo reaes,
e nilo cabem aos dentis empregados, cuja
sorte he multo mais precaria do que a
Jelles.
Nao digo que seja milito o ordenado que
lilles teem. Se fos em que o atigmeniassemos ; mas, nao o san-
io, visto como nilo lie milito boa a nossa
siluacilo financeira, llroitr-me-hei a con-
etvar-lhcs os vencimentos que actualmen-
te percebem
Sr, presidente, nohes para impugnar
o parecer que me ou levanto ; mas tamben)
nara mostrar que, a.-ear dodisfarca com
que elle apiesenta a quesillo, nilo me collo-
cou em posiQlo de dar-ltie o meu voto. Ain
la conservo-me no meu posto : nilo votare
por augmento de ordenados sean depois
da convencido, por demonstradlo evidente,
da Justina daquelle que o prelen ier. Me es-
la a ni mlia opiniSO, que se acha exarada nos
jornal da casa. Desde o dia em que pela pri-
meira vez consideramos o prnjecto de orea-
ni iil'i, as.un iiiain -ii-i meu pensamenln:
e, como quero ser coherente contmigo mes-
mo, nilo posso deixar de votar contra o pa-
recer.vistoque.em uiiiilia opiniSo a pretpn-
qiTo dos professores,abi mencionados,' So he
baseada na justica. Sim, como ja di>s^, sua
posieo nilo he peiordoquea dos outros em
pregados, ao contrario he at Dielliordoque
a dos militares,os quaes,para terem reforma,'
precisam de mais alguns requisitos do que
aqueiles que se devem dar nos professores
para poderem recebera jubilacao. \ pri-
meira vista parece pequeo o ordenado des-
ses professores, e por conseginte menos
vanlajosa a sua situaeo ; mas, quaiulo se
considera nos benelicios d-i que ellos go-
zam, nilo se pode deixar de reeonheeer que
sua condrc,So he mais que sollrivel...
OSr. Floripes :-\ pintura que o nobre de-
putado fez esta bonita...
O Sr. Carneiro da Cunha : Nilo sei so Ih
urna pintura bonita ou l'uia sei que disse a
verdade. j
Sr presidente ; pelo parecer da commis-
s3o d-se urna gralilicacilo de 200,000 rs.
aos professores porque teem um grande nu-
mero de alumnos; porm nao se designa
esse grande numero, uem se aprsenla do-
cumento que O atieste.
Enx riO anda no parecer o perigode se
Slabeleeer a doutrina d;queos professo-
res so seriio obrigados pelo ordenado ja li-
xado a ensillar tantos alumnos quantos has
lem para a existencia da cadeira, se poi
acaso se llie nilo concederem ossas gralifl-
cOes; doutrina tanto mais con lemnavel,
quanto leude a desligar esses professores de
ubrigarOes que se sujeilaiaui, quandu ob-
liveram as respectivas cadeiras.
Sr. presidente, limito-me por agora ao
que levo dito : dtsejo o melhoramento da
sorte (lestes empregados. mas nao posso ac-
uieicera que pedeui, porque nao iCllOJUS-
li^a em aua preleneSo. E nada tnaisac-
crescenlarei a respeito, excepto se a discus-
so por algum incidente me ohrigar a to-
mar outra vez a palavra.
O relogio da easa marca meio-dia.
U Sr. Prnidente:K discussao est addiada
pela hora.
Segunda parle da ordem do dia.
Continuacao da segunda discusso do pro-
jecto do or(ainento provincial.
O Sr. Prtiidenle continua a discussao acerca
do art. ,'lii, adiado da sessiio anterior; cl:iu
a palavra o Sr. Jos Pedro.
O Sr. Joi i'euVo diz que considera resolvida
a questao dr que se trata.
l'edindo disculpa desla asseifo, declara i|iir
o podia dispensa-la sendo toreado a loiuai
parte na discussao ; puiquc nao ignora o qui-
se passa na* ante-salas.
Faz militas consideracocs geraes acerca da
materia com o liin de sustentar o artigo do pro-
jeclo, c concille votando contra a emenda.
Oraiu os Srs. Francisco Joao e Mcneies de
Drumond, cojos discursos publicamos cui ou-
tro numero.)
OSr. M Un Reg confessa ter incorrido en.
erro de calculo ao confeccionar a emenda que
se acha em discussio, leasesl rcsolvido acur-
regi-la pela que vai mandar i mesa.
Hespnudendo ao Sr. Jos Pedro, o orador
nota conlrxdiccao entre a opinlo que o nobre
deputado inanilesla agora c a que emittira lia
sesso de 24 de marco de 1840, quandu se tra-
tou de couceder abate aos arrematantes do lili*
postu de 2,500 rs : l alguns trechos do discur-
so que elle cutao proferir, e conclue por sub-
ini i le cousideracao da casa a emenda que
por ultimo se rcfciio, e que he a seguinte :
iNa emeuda prupostaao art. 3U, em vez de
37:30(3,168 rs. lea-se33:998,335 is.-.Wi l Itiyo. -
Apoiada, entra em discussao
O i'r. undiirn di Millo: Sr. presidente,
nao leneionava fallar sobre esta questao; tinhc
resolvdo votar simblicamente sobre ella
Naoestudeia questao, c por eonsrgiiinle n i
estou habilitado para bem lrata-a. E entre-
tanto, em virlude do que se Lem dito na casi,
julgo dever dizer alguuia cnusa ; porquanto se
tem censurado aqueiles que, havendo resist
do a augmento de ordenados, teem concedido
abates a arrematantes de uipostos de cantaras,
e \ i >l iin agora por esta emenda, di/.eudo-se que
se negou o pao aos pobres, e se quer beueli-
ciar aos ricos,
Eu, Sr. presidente, oppuz-me a todos os aux-
ilenlos de ordenados a empregados pblicos
em altencao deficiencia das rendas publicas ;
entretanto nao demitli de uiini o direito de
augmentar qualqucr venclmento por qu ilnuer
titulo, quando nis fosse demonstradasjustic i;
eme parece que nina emenda que mandei
mesa, pira se dar non gratificacRo aos profes-
sores de primeiras ledras da cidade do llccifc,
que alni dr seu conhecidd lelo, tlvessein mais
le 45 alumnos prova esla minha asserr.ao. As-
signei t nuliein o parecenla enmuiissao de con
las inunieipaes em que se conceda 0U Bppro-
vava o abale que certas municipalidades ii-
nham concedido a diversos arrematantes, de
suas rendas. E nao me arrependo de o fazer,
porque eslou convencido de que nos somos os
competentes para conceder esses abales, e nao
o poder judieiario como acabei de ouvir. Islo
est prvido e rcsolvido ni lei que vou citar,
que be a de 22 de dezembio de ITfjl que diz as-
sim n art 34 : (l.
< Prohibo da mesn sorte, que da publica-
cao dcsti lei em diante se possa fa/er an-ema-
taco ou contrato algum sobre rendas dos tieus
e diieilos da ininlia corda, sem i|Ue se estipule
por clausula lillerainieute expri-ssa, queoaso
bredilos rendeiros e contratadores renunciam
todos OS casos fortuitos, ordinarios ou eMraor-
dinaiios, e todos os casos solitos ou inslitos,
cogitados ou nao cogitados, e que em todos e
cada um delles fnarao sempre obrigados sem
delles se poderem valer, uem os podereui alle-
gar em lempo algum, e para algum elleit i,
quab|iier que elle seja. A quil il.iiisuli con-
vencin, i se cumprira sempre na sobrcdila for-
ma lltterahuentc assiin como ibr estipulada,
iem que imah se possi eonlruverlev em juizo ou
[<>ta ilelle a sua ritlliiliute. .
E aluda isto nao he ludo. Esta mesuia lei diz
no artigo 35: (Ir.)
Porque, porm, pode baver entre o sobre-
ditos casos alguns que se facain dignos da mi-
nha religiosa e Indel'ectivel clemencia, reservo
ptra o meu tmmetlialo eonheeimenio a deeisii Jos
casos em para miles mondar proceder, romo achai (ne mais
lieuslo, sem que comtudo esle remedio ealr.ior-
dioario possa servir de Impedimento aos meios
ordinarios, com que, na forma desta lei, se
proseguir em a Oieciir.ao. eiuquanlo nao hou-
ver iininedi.ua e especial ordem minha para
nellasse obst.u- cui lodo, ou cui parte."
Por estes arligos se v que, nao coinpeiiml
nunca por pretexto algum ao poder judieiari
conbecerde motivos que seriain mui atlendi-
veis parase dar abates aos arrematantes e con
tratadores de rendas publicas, lodavia algn
podia baver de lao clamorosa juslica* nuc o
r queiu a elle se soccorresse ; c o re, fa/.endo
issiiii nina dispensa na lei, usara de um direi-
to que Ibe era proprlo, porque uaqucllas era
em suas nios eslava o poder legislativo ; ma
boje, seobores, o rci somos nos ; rni olijei los
provineiaes, eompeliiido-uos legislar, nos per-
tcnce esse direito de dispensar na lei, e de con-
ceder estes abales aos arrematantes de rendan
provineiaes ; e s perleuce a no*, eooi exclusSo
do poder judieiario, paraciuem vigora em tod.i
SUa pleiiilude a disposicao do ariigo 31 da lei
citada, que llie prohibe absolutamente conhe-
cer e aduilttlr questes de abates. Porlanlo
uo me arrependo de ter ussiguado o parecer
da couiinissao de or^auenlo municipal sobre
laes abales agora censurados porque jiilgo
que estara em meu direito para o fi/.er, e que
uiilito bem e no uso do seu direito aprovou es-
la cas i semelhantes abates. NeiU isto lie cuu-
19 nova nesla assembla.
Agora, Sr. presidente, nest questu dos ar-
remataotes de 2,500 rs. por cabeca de gado, eu
uo sei (|ueui tem rasan: se os arrematantes
nao aSsigoando as letlras, se esti asseinbla
resciudiudo o contracto de propria autoridadi .
NSosciquem lem raso; porque, no priineiro
c'So, vejo c|ue os arrematantes foram eoltoca-
dos em uma alternativa muio perlgosa para
elles : ou tinham de assiguar novas letlras, e
uuseguinle correiiaiu por sua conta so-
uicukjl os iucoiniiiodos e despezas por deiuan
las proven i en les daslcitras extra viadas,*mas que
-lies liguraui como respuusavcis ou devedo-
res ; ou rescindir e dar por acabado o contrato,
a que eslivcsseiu prevenidos para islo, leu-
do felo despezas, das quaes procuiavain iu-
deinuisar-se pela cobranea de rendas ou im-
poslosa vencer. Nao sei qual esoolba era mais
favoravel, uem luesuio sei para que esta exi-
gencia de novas letlras quando a thesouraria
linh.i SUI si os ttulos dos comalos paia proce-
der a cobranea ; linba us termos das aVreiu.-t-
taces, que sao documentos de divida lio va-
liosas, como casas letlras extraviadas, A meu
ver, em lugar desla posifo desesperada, em
que firan collocados os arrematante, elles de-
vi no ser citados para nao pagaren! a quein
quei-que Ibes apresentasse as ledras extravia-
das di tbesouraria, sob pena de pagarem duas
vezes, c de seren execululus nos pra/.os ajus-
tados por esses termos de arrematacao, que
sao cxcellenles lilulos de divida; podendo des-
de logo os arrematantes dar o cuntalo cuino
res. ludido, se ussim u oalSSMfM.
U Sr. Mrntzes :Enlao o procurador fiscal
errou a acciiu ?
U Sr. Samltira ile Mello :-Nao digo que o
procurador liscal errou a aeco ; a ei rana cu.
porque, se fosse procurador fiscal, era assnn
que liria de obrar.
O Sr. Jos Pedro : Equem nao cncherga que
o pretexto do extravio das letlras servia paia
i o |iagar ?
O Sr. llandeira de Mello : Conservado o ti
lulo da arreiualaco, com elle se exigia u pa-
gamento devido, aecusaudo se a icscisao do
contrato. A tbesuuiaiia nada linba a perder.
Demais, senhores, eu enteudo iiuc se os
contratos devem ser religiosoineute guarda-
dos, se a boa vonlade c coininiiui accordo de
ambas as parles conlralaules presideiu, ao seu
principio e sua existencia, pela mesilla ina-
ne! ra elles se devem extinguir; tambem me
parece preciso que acabem por mutua VOnla-
de das paites conlralaules, e nao por iinposi-
cao c so querer de urna de lias.
Portanto, Sr. presidente, no SSbendoquera
lem rasSo, mas vendo que he caso provado que
os arrematantes teem tldo prrjuieos*, cntendo
que elles devem ser Indetnniaados. Sobre i
quanlia da indcmnUicao vacillo milito: nao
Sel se ser exactamente esti que esta no pm-
jeelo, ou se n nulra da emenda, Para mim se-
ria ficil justificar ojuc o prejuisn dosarrema-
unies i i excederla de 26 a 27 contos, pela
llfiVrenc' existente entre urna e outra arrema-
laco ; porque, Sr presidente, eu nao sei da
rasao por que a outra arrcinatacjln se fez por
menos 20 contos por auno, f|uandn be cerlo
que nenhnina arreinatacSo se deve fazer por
menos preco daquelle di immedlata arrema-
I IcAo ; e e-M dilleiencn faz dar por averiga-
lo que a thesouraria sem duvid i reinulieceii a
prejulzo dos arrematantes ain qnestSo, ecal-
eulou estes prcjuUos i'iu 20 conlos por anno,
para base de uini nov arrem nica o.
OSr. JiJ Pedro:A difierenca da arreini-
tieo provelo do estado di nrnvin da : tevep r
iiij i a guerra que nella appareceu.
iTSr. Il'indi'ia de Uelto :A ser pois n pre-
juizo, cuj iiideinuisacao se pede, de 26a 2?
< Onl i>, nao terla lauto escrpulo de volar, de
lar o meu vol ueste sentido ; mas quanto no
pedido de 3? contos, desejava ver priineiro li-
quidad-i este prejulsa : desejava que se espli-
easse melhor isto ; que ni houvessc uma Ideia,
nina proposta a til respeito,
Quanto ao direito une temos por ooneeder
ibat-s, est ni persu idido que elle nos compele,
e s a nos como ja disse ; porin, quanto a
quanlia deste ahile, eu sii teuho por base rs( i
differenca de nina arreinatacSo a respeito da
outra, ipie pelo meu calculo nao p le exce-
der de 20 a 27 contos de ris.
O Sr. Carneiro da Cunha :l'eli n palavra,
Sr. presjdente, para declarar que nilo vol
p'-ll pelo arl'go em discussilo, non pela
amen la do nobre segn lo secretario o Sr.'
Mello llego ; mas que, lodavia, tonllO para
mim que o arrematante desto co-'trario,
po pede asscmbli'.-i remedie sena malo*,
t-'ve, e tem justa risan para o f./r. Ra
commisgSo de fiz-Mi la e ore. amento, il i qu al
he relalot o nobra inspector da thesouraria,
o reconliepeii ronce 'en lo-lha um ahile ;
as, para fazer essa concessflo. adoptou
base que pode 8f innilo boa, porm (Jtlfl eu
nilo compreheti'len lo, e menos aiiuli o uso
que dell i se f'Z.
Tambem no'sou da opinifio d-> n'ibrn dn-
ou la do quo lano se CSforQOO por prov'ar
qua a assemhla provincial tem poder do
ii'scin Mr contractos fetnsom cnnsi'qucnria
le suas I. is ; islo he de f ize'r novas leis. em
virtllde 'fas quaes se qiiehrnm dirnitoi o
obrigacAes c intrahidas por U\rc las pri-
meiras, e se eslipulem con liefles que nao
fram arbitradas nem ao menos previstas
no priineiro contrato.
Sr presidente, para rescjslio de contratos
a logisIsfSo do paiz teo estabelecido regras
flxas, declaran lo qusesos tribunsas eom-
pe ten les para appiica-las; esses Iribunaes
s.io os jn lieiurios.
O Sr. Franrico Joo :--Mas ha dilTerenca
entre esses tribunaesjudiciarios o os admi-
nistrativos.
O .Sr. Carneiro da Cunha :-0oiicnr lo, mas,
no caso de que tralo essas lunero s cabem
aos tribunaes judiciarios ; azer leis s-
mPiile para di-truir os elTiMlos d mitras em
ipiiifieio exclusivo de urna das partes con-
Irnl mies, como aconlec o qu indo a asse r-
lla, erigindo-se em poder judieiario, ohr -
;ou o arr'mulante do imposto de 2,500 r'l
a rescindir o contracto, ou essignar novas
lettr-s, he pralicar um ac'o de clamorosa
njustlca, e dar lugar a que contra elb* re-
clama o ofTendido, como agora scontece.
i: pode a assemhla provincial constiluir-se
uma especie do tribunal, que nao be pu-
ramente judicionsrio, nem legislativo,
m is sim administrsetivo; e como al-
auns querom, destruir os contratos, ou exi-
gir novas garantas, a ale estabelecer no-
vis ohrigm-o s, como suecodeu no caso em
UPStaop Anda nao aceito e ti opiniSo se-
llo par.i argumentar em meu'favor. Es-
tilo porventura estatuidas as regras pelas
luana devenios formular nosso proco lim n-
to noexercicio defunccOes? NBo, Noen-
tanto ""i.s silo mais que precisas. E sonde
as reinos buscar 1' Nos conselhos quo dilo
as deesa opiniSo que euaoailei poromquan-
to. os quaes queretn que uma cootmistSo
iu(a ambas as partes inleresssdas, o com o
resultado de suas pesquizas traga ao conli -
einicnlo da asssmbls 0 jtliZV que fonnou
icere.i da lid9, para etn dlSCUSSO sereai no-
vamente aprecalos os fundamentos do
pleito, e julgJilo este sem se faltar a juslica.
i: foi assiin que se proceden com o arrema-
tante que ora aprsenla suas queixas? Da
cerlo que no. S a thesouraria provincial
foi novilla o ait-ndida, sendo seos procura-
dores, representantes e joizes os irfembros
da assembla provincial Bque bella dis-
iribuieao de justica nao proveio ililii!.'!| E
pod ra islo ser negado, ou sttenoado ?
O Sr. Jos Pedro:l)a um parlo que, por
nuilo extenso, uo podemos transcrever.
O Si. Curdciro da Cunha :~Kss -i ( rofun lu
ipaile ou senlenea do nobre deputado, me
faz acreditar o quo euj sabia; isto he, que
s assembls collocou o arrematante n'uota
illernativa deficllliina! disse-lhe: Kicai
sem o contracto, ou asslgnai novas letlras,
porque a* oiiiims fram roubadas e falcilca-
las. i> Entretanto, nfloestava entSo, como
amia boje nao est decido>es3o ciim ef-
leito falsas essas letlras extraviadas ; entra,
nulo nos tribunaes judiciarios, enoaas-
lembla comuete proferir urna deciso a.
rcspeilO. A aSSOmblS, porm, nilo esperan
por esta dcciso.coilou por urna lei a ques-
illo ; eho islo o quo olla nao podia, nem
,.do fazer.
O Sr. Mcnezes d um aparte.
0 Sr. Carneiro da Cunha.-O nobre deputa-
do lia pouco scenfidou tanto rumos a p;n les;
igora quer ila-los aos seus coliegaa! Eu os
acceito; oto ine|,encoinmodo com elles;
LADO


mas nlo quoro que o nnbre deputa lo se
arrozun um prcvilcgio ; porque todos aqui
tem iguies direilos. |>de pois o nobre di-
putado continuar c >m os ppartes; mas cod-
ce!*a me o direilo de lli'os dar quando hou-
ver de fallar. Como j disse, Sr. prcsidcn-
le, a> assembla, airogando-se o diroilo de
rescidir o contrato que a tli-sonreria cele-
brara com o atremalanto di imposto de
2,500 ris, pralcou acto tanto mais injusto
e violento, quanto lio certo que, abundo
lova praga para csse contrato, e lendo adia-
do quem oquizesse, creou immensas lif-
ficuldades ao mesmo arrematante; nsm
ao menos Ihe deixou lempo para quei-
xnr-sc, e para procurar fazer valer un di-
reilo le que com muita rasSo se suppunha
espoliado.
E, a proposito drsia segunda praca, srj.i'-ine
I- i nuil. *. lamentar que haiivessc quciH n ella
couiparccrsse; que houvcsse ijiirin della se
aprovritassr para arrematar o imposlo d 4,500
rs. sobrc.n gado de consumo, c o le dilimo.
Emoutro palz luecederia o contrario: todos
dirimn ihesnuraria : Nao queremos contra-
lar com Dina repartirn que nao guarda tilo rc-
ligioiamente, como lhe compre, a fe dos con-
tratos ; que|iier obrigar um arrematante as-
signar novas lettrasantis de lerein sido decla-
radas falsas pilo poder competente aquellas
que ja cuo obligados, c que eonsUluein a prl-
ineira edicao dessas que ora se lhe exigcm ;
que, bem longe de te esforcar pela punirn da-
liielles dos respectivos empregados |iie pni
seus actos contribuirn paia esse estado de
cousas, cita o infeliz arrematante para proce-
der ;i essa nova assignatura, ou ver rescindir o
sru contrato, aopasso que os particulares, por-
tadores dessas leltrai a substituir, o acciouam
por sen turno pata que Ules pague a inipoi Lan-
cia (Irll.l V"
Slm ; e dest'arte se houvesse prooedldo, tal-
vez que para o liante nao tivessemos de ver a
assemblca provincial decidir questao taoTni-
pnrtanle le maneira a dar motivo para que al-
guein a compare com o leo quando, fa/.endo a
pardilla de certo olijecto, tomou para llutua
parle como socio, oulra por mais un tillo que
se arrogou, e a ultima como re dos bixos.
Opp, ndo-ine i que o ai t go, que se discute,
passe tal como se acba reuigido, en nao quero,
como a algiiem approuve di/er, distribuir fofo
pao-de-l por amigos ou afeicoadoi: cedo aos
niesmos principios porque llies teolio guiado
sempie que ne.st.i casa se ha tratado de despe-
gas, icio lie, deixo-me Miliordinar pelos pre-
celtol da jiistica. E se alguina ve me lenlio
aparl-du delle, lem sido por erro de iulelli-
gencla e nao por erro de vonlade.
Eslou persuadido de que a nssembla nao
prncideu curialincnte, mandando juco arre-
matante assignasse novas letras: lauto mais
quaoio no contrato nao bavia una so condirno
que aulorisnsse stmelliante acto, e cssa dccis.io
fui proferida rm poca em que a lliesouraria
se achara ein decoiiiposicao. K ligo que ella se
? prescnlava Ul'ise estado para esquivarme le
qualilicar le nutro moito a Situadlo laslimavil
em que eiiio eslava cssa repartidlo, e que os
triliun.iis do paiainda nocapitularan)..,
Ii ir. iteni-.es : J foi julgado e...!
I) Sr. CWiiciro da Cunha : Ainda no. O
que o nobre deputado apretrutou aqui lie a
s. nteiica de Uinjulz, o qualtcni cima de si os
liiliuuaes supeiioics lo paiZ, que nao deveiii
merecer menos atientan do que elle ao nobre
deputado; sentenca que su deve de ser conside-
rada como ti ni jiilgaineiito linal depois de con-
tinuada por cases Iribunaes caso a parle recor-
na> hwbhj.'mhwi
Cunha; e, fazcm'o algunas considerares
s ibre sua juslica, concluo volando por
ella.
0 Sr. Corra de Ilrilo pronuncin-se a fsvt.r
la emenda suprnmencionada, e compromet-
le-so a votar por ella.
Encerra-so a dscuss.to.
O .Sr. Mella Reg pede permisslo para re-
tirar a sua emenda.
A casa nssente ao podido do Sr. depu-
tado, e approva a emenda do Sr. Carnei-
roda Cunha. O artigo fica, pois, prejudi-
cado.
Em seguida >5o approvados sein discussao
os seguimos artigos :
Art. 37. Bario vendidos em hasta publica
o Jordiin botnico, e piaesquer oulros pro-
prios provinriaes, que nao tenlio de serappli
caaos a satisficao de alguuia necessidade pu-
blica.
Arl. ,18. As rendas das collectnrias de Ga-
ranliuiu, Flores e Hoa-Yisla, sero arremata-
das conjiinctamenle com o imposto de ,.)00
rs. e o diziino do gado vacum denlas comarcas.
Art. 3:1. Pica o presidente da provincia en-
torilado a fazer a despeza precisa com grati
licacaoqucse fuer neei -s.ii i i dar a.s emprega-
dos do consulado las Alagoas, pelo Irabalbo da
cobranra dos direilos du algodo desla provin-
cia all exportado,
At!. 4u. Para acobranca dos direilos pro-
vhiciaes seriio qualilieados oassucar c o algo-
cio ein lanas luabdades quanlas sao as adop-
tadas no consulado gcral.
n Ari. 41. A referida qualifl.'aco ser Ada
[icio meiii ion ido consulado,
Art. 42. Kicam ein vigor as disposiyiies das
leis de orcanientos anteriores, relativas aco-
branca, arrceadacao c aJniinislracao -da ren
das, c rcvogidas as em contrario presente
le.
Tambera be approvado scni discusso o se-
guinte artigo addilivo :
Pica concedido a Joaqulin Cocido Cintra
pagar em las prestadnos annuaes aquanlia de
4:2(13.040 rs., <|iie deve a I i/.enda provincial
como h niiii' lo arrematante Jos* Alves He/.erra
Cavalcante.--Jos Pedro Canos Rancio, u
Sao lidos e appoiados para entrarem cm dis-
cusso os seguidles artigos additivos :
Art I. rica oreada na lliesouraria da fa-
zenda provincial mais una seccuo de contas,
ipie ser a li'rceira da iiiesina lliesouraria, pas-
saudo a terceira c quera, i/ue ora eAislem, a
leiiioiiiiiar-.se quart.i e i/iiinta,
rluel-
i 2
Art. 2. Esta secrao ter, como scu pr
pal (rabalbo, a lil|Uda(ifo da divida activa e o
exaine das comas bis responsaveii por despe-
gas, e cobranca da renda provincial.
- Arl. 3. Coustaia esta KOcSo de un prl-
nirlro escrlplurarlo, un segundo e un ter-
ceiro, venci'iido os dous primeiros os niesmos
ordenailos pie venceui os einprrgados da men-
cionada Ibesouraiia qneteem igual graduarao,
e o lercelro csciipluiario o ordenado do pri-
meiro Amanuense.
Art. 4. Os amanuenses que actualmente
cxisteiu empregados na referida lliesouraria
passarain a ter : graduaeSo detercelroa eicrln-
i ni ii es. mu que si'jain obrigados a tirar no-
vos litulos.
Art. .ri O empifgos <|iic ficain creados
por ("ta le sero piulidos iuilepcudculc de
concurso.--Jo l'edru da Silva,
OSr. Fiiinrisrn loio uppoe-se appresenta-
:o los artigos aditivos, e manda mesa o se-
guidle requerimiento :"
a Rcqueiro o adlamento do prnjecto do Sr
los Pedro, sendo oinesino remi'ltldo para a
di-euss'io ordiniria.-Fianriien.lono. u
Encerrada a discussao sobre o piimeiro arli-
go addilivo ; be o reqicrinienio sumeltido
rotelo, e regeitado.
A ilisciisso liea addiada pela hora.
O Sr. I'rtiidmti designa a ordein do lia e le-
vanl.i a sessao. (Erain quasi 4 horas da tarde. 1
DMRNI >(l PIKW41BIM.0.
t
r.i della, ou depois de reconheeido que essa
mrtma parle lia' deniittidu de si o direilode
iuterpor o i curso. Dcmais deque dala be cssa
sentenca?
O Sr. Mennn : |)e 17 de maio ultimo.
O Sr. Carne,ni da Cunhi : Ora, a sentenca
be de 17 de malo ultimo; he. para assiin
ili/n, le nutro lia, e o nobre depulado j a
con-idera como linal I ..!l
Mas dei emos de parle este incidente sobre o
pial supponhn ter dito bastante : vullemos
queslao principal, (j rremaiantc entendeu
que tinba podir para remediar o mal qiieui
Ih'o baria causado, e foi por laso que nos balen
.i porta desta casa. Poique nao consenlio .. as-
srnibla provincial que a queslao fosse Hatada A assemblca deiXOU de funrcionar no da
no foro ? Porque nao driza que a iheiouraria, -2 do crrenle, por falta do numero lega
acompando a jusdea al ao ultnu tribunal,
obtiveise senienca que coinpelisein o arre-
matante a aislgnar novas letras? Porque nao
ordenou que isso se lentasse ? Poique decidlo
o negocio por si niesino, inlervindo mlle di
maneira abusiva ? E note a casa uue cssa ques-
tao ainda pode ser decidida de modo a pro-
duilr gravissimos Inconvenientes. Supponha-
ieqnea lliesouraria perde o pleito : liear o
iiiulrato reviigado para os nov s aireniatiiiies'
' retoque slm relies nao iciiam.....ita raso
i qurUar-ae, parque se Ibes poderla dizer :
" \ culpa hO vossa ; porque, leudo triste >
nidoezeinplo noproccdiinento deaia repartido
c m os voaso antecessores, vos auiuiaslei a
contratar com ella.
O arirmatante, sruhnres, pede soccorro
quein lb'o pode dar. E porque cu nao drarjo
que se lhe de de mais, assiin temo nao quero
que se lhe d de menos; e porque me nao pa
rece segura abase que recoireu a romniis-
-o de [aseada c orcainento ; e porque, flual-
nieii fajo vaios para que a queslao se decida
de nuforiiii.lade com os plillclplol le ligorosa
jusllca, resolvapreieutai a srguiule emenda:
rica reconheeido o direilo que l-m o
arrematante doiminsto de3,300rs., Fran-
ciico Carneiro da Silva, urna itfuernvisa-
5io coi respndeme a pi rda quesoffreu pi i.
rescisAodo ronlraclo, a qm sera ajusiad
a Iniiiislralivaniente pelu tribunal da tbe
souraria provincial, cuja decisflo de ccor-
do rom a paite ser onlirmada pelo Exm
.presidente da provincia; fleandosuspenso
qualquer procediniento judicial al con-
eiusTio drsse ejusie. ^o caso de divergen-
cia das partes ser o negocio airelo a M-
s niblea provincial.
Adoptada esla medida, as palles litigan-
tes | oderfluchegar a um aecordo, e conven-
cionar na impuilancia da imdemnisa(8o a
queumasejulga cum ducilo, oque pela mi-
li a ja fii concedida, se b ni que em escala
menor do que a desejada pela sua conten-
dora.
I'rncedenilo desl'aile, eu n.to dislribun
pflu-di'-l; ao contrario conservo-me no
nn u posto : rcconhe<;o qu> lia utr, prejuizo
mssdeiZO ao poder competente o avallar a'
maneira de resarei-lo completamente, a
tribunal administrativo, cun os nu-ius pro-
batorios, com os documentos, com as infor-
nafoes, ludo ,-e concluir. I. quando isto
no seja possivel, esses documemos, esaaa
inforniacOes viiu ter a nowaa nius ; e nos
em uliiii... inslanc, decidiremos a ques-
18o.
Lis aqui a minlia Opinifio : a casa a adop-
lata, ou rrgeiata, como inelbol' lhe pare-
cer. Ouamo a (mu, be oto o nico meio
de resolver o negocio de modo justo, e sa-
tisfactorio,
Apoiad, entra em discusso
do Sr. Catneiroda Cunha.
O Sr. Frentico Jeto ;--i/Publicaremos em
oulio nlimero u discurso do uubiv depu-
ta In.J
0br. Iloripes demonstia a :.onveiiiencin
a emenda apresontada peloSr, Carneiro du
BCClrC, 24 DE JDNHO SE 1810.
0 jury desta cidade absolved em a sesslfo
le. 21 do cutenle o Sr. general Jos Ignacio
de Abren l.inin, acensa 'o de haver tomado
parte na revolta Ie18i9,e cujo processo,
por'lecisfio ds relacflodedist'iclo, foi su li-
me ti ido a novo julgamento.
O Sr. Abren c Lima di ciaron que limilsvs
sui Jefes i as raifies com que o Sr. juiz de di-
reilo Jos Thomsz Nsbuco deAraojoappel-
lara ex offleio da sen'en;a que o condemn-
ra a pri-no perpetua,
Deixarnm de comparecer i esta sessllo, e
lina ni mullidos em 15 mil ris cada um, os
Srs. Jos AlexMi liellibeiro, Antonio Pedro
las Neves, Joo Carduzo Ayrvs, Francisco
Jonquini Pereira Lobo e Elias Ignacio de Oli-
ven a.
E pois,per concesso ao extremo alineo,
\o voto infatigave 1 da provincia,
i)ITertaiu1o-te o nosso amplexo amigo,
Permilte recor.lar-le,
Que para leu ingresso no senado
l'jrnainbuco sen sanguoha tributado.....
Da publica oblacfto t er.is digno !
Inda o s; e que o sejas sempre, aguarda
Esto ninhode lirns, leaes, conspicuos,
nosso I'crnambuco;
I.;io denominaJu ca do norte,
Bellicoso, orlhodoxo, egregio, o forte.
Vtime da opini.lo .' T vas sem nodoa
Teslidcar aos teus,o aos teus contrarios,
Esse carcter providente o recto,
Afagador e probo,
Que ha de impr as faecesem desavenca
Di justica, e equi lulo a nobre crenca.
\h Contempla o Brasil!.. V bem, medita I
\OSSS patria, li" ver.la li' ; be inJf,.. lid. lile,
Disse livre, e prosi era, e cresos, e avulta :
A grei da monarchia
lies lo frgido l'rata, ao Amazonas
l'ein tnanlido a unidadeem tantas zonas.
Paren, d'um solo d'ouro, o da victoria
l'alvez proecdo s esses progressos !...
0 Imperio do Ipiranga deve a origcm
A ardite eutbusinsino.
Principios lo momento trasplantados
Silo alguns, aos coslumes encontrados.
Consignar sob leis justos direilos,
liar aos develes norma, ao genio stimulo,
Ao commercio espao^So, impulso s arles,
A' libcrda.le, esleios,
Poder ao t'irono, ao novo garanta, ..
lissSo de Dos !!! S t, sabedoria !
The on.le he meo arrojo, e que moJelo
\' lautas concepefles encontrar posso ?
tcrusMos de Dracoa austendade,
Licurgo, be pouco honesto,
/.roastro, Soln, Confucio o ntigo
Vote nossas paixcs P...0 que consigo ?
(,'eneroso BAItAO! Volto ti mesmo :
(I genio Id forniou, seras do seculo !
A presuma-So. o orgulboameiicaiio
Hepugna, que o assombro
A mesma sapiencia, a optimidade,
llunra a modestia, quer fralernidade.
Fralernidade !. Equem.'Quem heseu typoP
'.lucio mais potado lia sido em seus altares?
.Mein, en ii seu rstar.daite ha mais obtido
Alien.Tin de contrarios .'...
r.staco da calumnia os gneos carros,
Deixatn seguir ovante MECO BAB.K0S !
i:ia, parte, legisla, e volta o mesmo,
0 hornea) popular, o boinem do sorti !
A misa&O que indiqurj. dars effeito ;
Prescrutei tua ideia.
Indulto, indulto ao estro, que levanta
0 veo, que Involve os fados, que j canta !
Se ha nestes versos pouco romantismo,
lia conceitos ; verda Jes sobre Indo :
.i.i.in lo um mortal assumo grito renome
(ii ni il las valem pnuco :
Nova luz, outra espbera, maior gloria
Doa-lbe a Musa, e lhe cleroisoa historia.
Por Joo BaptiiladeS.
I'ublicu^ad a pedido.
Ao eximio Pcrnnmbnenno,olUiu,
Kxm. Si-. Praiieleco lo lleg:j
Barros, Bnio dn iloa-Visi,
scntMloi*lo Imperio pela hhh pro.
vi iiciit. ilc. <(., na ooensido (le
partir liara a corte tomar as*
scuto pela prlmcira /, na ren
liectlTu cumara.
SAUDACAO.
a emenda
Generoso bario! Kis lesada
Antigo*encomiasla as musas dado
Ksse, que outr'hora a inlriija fraudulenta
Teu infenso pintava
Porm sua adheso, 0 lempo, e os factus,
Tem j pulverisado esses boatos,
Generoso barbo Altos futuros
Nos fastos do Brasil se desenvolvetn !
No curso extraordinario dos lucassoa
Tu, nosso liomem histrico
Vas na lide loa ar assidua parte.--
Descrever-le no afn, be ja cantar-te
Pililo de Msuiica ornis dilecto,
Quando lhe minoraste o aspecto gotbico
Mais que a calumnia, a inveja delraliio-le
I--a poca hornlica
Da rebelda foi prinieini suco,
Quoalllige, mas mo mancha Pernambuco
Nos das de terror, quando revoltas
Mil ignobeis paixOes, hotnens ignaros
I', ni.iv, ni derrorar-ie aura bem ganha,
A pattia te i, unUva :
;\em o poder, que ai mave o teu discrcdito
l'i'i ic riscar a idea do leu mrito.
Ousam Vates, d'hcres tentar os brios ;
i i- ja lnspira<}fio,que os divniaa.J
lio .MlCetlas, Virgilio mi una o goslp,
Ca inoes prometa louros
Ao uioiiarcha, que indouta valenlia
lO-lo perder o tluono cm Barbaria
Ueparticfto da polica.
PARTE DO DIV 20 l)K JUMIO.
lllin. eKxm.Sr. Segundo as coimnunica-
cas pie acabo de me ser dirigidas,' forain
presos ordaui lo delegado do priiueiro dis
tridto leste ti'riuo, os portuguezes Prancisco
Josc da Silva Katis, e Joaquini Amonio Gon-
calve Sanios, por peilurbarein o socego
no tboalro publico ; ordeiii do Juta muni-
cipal da piiuieira vara, pulano de Torre3 han-
ileira, sem que o moiivo me livesse sido ileclarado ,* ordem do subdelegado da fre-
i^iie/.ia le Santo Antonio, .losd daSilva )loreira,
e iManoel Malaquias la Silva, por haverem lo-
uiado um preso do poder de mu inspector de
quarleiro ; orileui lo subdelegado da fre
guezia de San-Jos'\ o preto Manosl, escravo
de Joaqiiiin Jos de Miranda, por furto e lri-
ca ; c do subdelegado da freguezia.da boa-
vista, o pardo Jos, escravo de Bernardo An-
tonio de Miranda, por uso de faca de pona, e
Henrlque. escravo de Nicolao Juscs por se pre-
sumir fgido.
IDKM DO DA 21 DE JUMIO.
Participo i V. Exo. que fram hontein pre-
sos ordem do delgado lo primeiro districlo
desle termo, o pardo Jos, escravo de Jos 5a-
poriti, |>or aslill o haver requlsitado seu se-
nhor aordem do subdelegado da fregueziade
Santo Antonio, Miguel Francisco de Lima, por
desobediencia; e ido subdelegado da fregue-
iia da Roa-Villa, o nieto Alexandre, escravo
de .losIgnacio da Concrlc.ao por andar fgido
O subdelegado da frrgnezia de San Fre Pe-
dro Goncalve commuiileou ao chefe de polica
que esta madrugada baria ido roubada no
Forle do Mallos, a prensa de Joaquini Jos
l-'erreira, da qiial levaram trinla e lanos mil
ic'ii ein la/.endas, e quarenla e tres mil ris
em dinheiro, iguorando-se quaes os autores de
seuielhaute atlcnlado.
quinismo, t moenda de ferro, 27 caixas ra-
p, 3 ditas clchete, 2 ditas fazendas, 1 di-
ta vdros, 1,000 lijlos, t cixas cha, 60 di-
tas espermacete, 12 botijas Oleo, 1 caixa e
l paeoles far.cndas, 4 caixas xarope de bos-
que, 1 dita espoletas, 1 dita espingardas, 4
ditas espiito de abslnto, I pacota sulla de
lustro, 2 caixas man, 1 dita candieiros, 1
ai Lio chapeos de palha, 1 fardo papelHo, 1
ciriao peluciaa.
Para o Ceara : quinse pipas, seis barris e
tres gigos vinbos, onze caixas che, 1 di-
ta enxofre. 3 barricas alpista, 6 canaslras
alhos, 26 ancoretas azeitonas, 19 voluntes
papel, 19 ditos especiarlas, 4 caixas phos
plioros, 26 volumes cerveja, 28 ditos gene-
bra, 15 ditos presuntos, 9 barris azeite-doce,
24 ditos manleiga, 2 cestos conservas, 15
barricas bacalho, 13 caixas espermacete, 1
barril arenques, 20 barricas firinha de trigo,
10 gigos batatas, 25 garrafO-'S vasios, 6 far-
dos papelilo, 7 caixas drogas, 2 volumes
chumbo, 3 ditos cabos e moitOes, 1 caixa
cha) eos do sol, 1 dita chapss, 3 boiespas-
sas, 147 volumes ferragens, 34 ditos miude-
zas, 1 barril graxa, 1 dito copos, 1 oratorio,
i Caixas utensis para cha pelen os, 7 caixas
artnss de fugo, 150 volumes fazendas, 47 pe-
cas de cubre, 1 caixa cera em velas, 30 cai-
xas sabSo, 6 barricas assucar, 1 barril espi-
nto de vinbo, 23 caixas charutos, 1 dita
com 1 violo.
Para o Para :(300 barricas com 1,561 arro-
bas e 30 libras de assucar, 15 barricas caf,2
caixasdoce,15rebolos de amolar, 6 fardos ta
bacoem folha, 1 embrulhu papel, 2 latas fa-
nnhade milbo, 2 caixas e 1 banica ferra-
gens, 2 cafxas fazendas, 1 luslro de vi.lro.
Porto, berginlim porluguez Ventura-Fe-
ti : conduzo seguinte : 1.125 barricas e 200
fechos com 12,117 arrobas o 21 libras de as-
sucar, 165 saceos c.'i barris arroz, 500 um
i luis piassava, 220 couros espichados, 4
nielas pipas e 1 barril mel, 2 saccas e 8 bar-
ricas familia, 32caixotes, 2barricas, 1 h-
cela 1 cutihete doce, i barricas cobre e la-
ifiovelho.
LsIij, brigueportuguez Tanjo-Tercena,
de 338 toneladas conduz o seguinte : 35
caixa.s. 741 barricas e 885 saceos com 12,198
arrobase 13 libras de assucar, 300 couros,
120 saceos arroz, 100 pedras de amolar, 21
caixas rap arruinado, I banrojjpn feita.
KECEBEDORIA DE HK.MIAS U.HAKS
INTERNAS.
Iteudimentodo dia 22......698,049
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do dia 22......1:168,274
PRACA DO RECIPE, 22 DE JUMIO DE
1850. A'S 3 HORAS DA TARDE.
Rcvitta semanal.
Cambios Pelo paquete Linnet fize-
rani-se saques avulladosa
26 3|4e27 d. por 1,000 rs
Assucar- Semallera$ao de | reco.
Foi pouco procurado e as
estradas mui limitadas.
AlgodSo---------- Entraram 903 saccas. As
vendas regularan) a 6,600
rs. a arroba do de primeira
sorle, o a 6,200 rs. o de se-
gunda.
Couros Inda conservaram os precos
de 102 1|2 a 105 rs. por li
bra.
Arroz Vendeu-sede 7,600 a 8,600
rs. o quintal do pilado a va-
por.
Bacalho--------Retalhou-se de 9,500 9,800
rs a barrica Kicaram em
ser cerca de 4,000 barricas,
inclusive um carregamento
entrado esta semana.
Carne sufra A existente monta a 30.000
arrobas, inclusive um car-
regamento ebegado esta se
mana. As vendas conti-
ntiaram de 2,300 a 2,800 rs
a arroba.
Farinha de trigo Nflo houve entrada. O de-
posito andar por 7,500 bar-
ricas.
Manleiga Ven leu-se de 380 a 400 rs.
a libra da franceza.
Plvora dem de 280a,300 rs. libra,
direilos por cotila do com-
prador.
Kicaram noporlo cerca 44embarcares,
a saber : 3 americanas, 1 austraca, 21 bra-
sileiras, 2 dinaniarqueziS, 1 ha*uveriana, 2
francezas, 2hes panholas, 5inglezas, 5 por-
tuguezas e 2 suecas.
Navio anido no dia 24.
Porfjo B'iguo portuguez Ventura-Feliz,
capiUo Zelerino Ventura doe Santos, car-
ga assucar, arroz e couros. Passageiros,
os Portuguezes Jos da Ttindade Lo es o
Antonio l.eite.
Thcatro de S. Izabel.
SEXTA RECITA DA ASSIGNATURA.
Quarta-feira, 26 de junho de 1850.
Representar-se-ha o muito interessante
trama moral em 5 actos e 1 prologo
PEDRO CEM,
que ] levee agora ti do tem.
Comecar is 8 horas.
Os bilhetes acham-se a venda no lugar do
cistume.
PublicaGOt's ]tieraris.
Acbam-se venda na loja do Cardozo Ay-
res, n. 31, ra da Cadeia-Vclha, 1,000 ris
o exemplar:
MARA JOANNA
ou
a mulher do povo,
trama em 5 actos e 6 quadros, tradticcSo do
Sr. Cermano Francisco de Oliveira.
THBftEZA,
drama em 5 actos.
Este inieressanlissimoeo mais moderno
dos romances de Eugene Sue, isto he do
conhecido autor dos Mysterios de Pars e
lo Judeu Errante ; he publicado actualmen-
te como follietim no jornal da corte Correio
Mercantil. A publicaran dos Mysterios do
Povo comefou no lia 1.1 de maio desle an-
uo, e tem excitado summa curiosidade.
O Jasmim.
Sahio luzo Jatinim, peridico recreati-
vo, dedicado ao bello sexo. Subscreve-se a
1,000 rs. por urna serie de 12 numoros, e a
80 rs avulso. Acha-se venda na praca da
loJepen lencia, loja de livros, ns. 6 e 8, e
em casa doSr. Cardoso Ayres, ra da Cadeia
do Recife, on le igualmente so toinatn as-
signaturas, e em (Minia, na botica do Sr.
Uraz, ra de S. liento.
Avisos martimos.
l'ara o Aracaty seguir im-
preterivelmente, a 7 do vindouro,
o liiate Novo-Olinda, por j ler
tratado mais de mein carga : queo,
ncilc mais pretender carregar, en-
tenda-se com o mestre do mesmo,
Antonio Jos Vianna, no trapicho
do algodo, ou na ra da Cadeia-
Vellia, n. 17, segundo andar
--Para o Rio-de-Janeiro segu infalivel-
inente a 28 do presente o brigue-escuna
lleiinqnela, o pial s pille receber algunia
carga miuda at 26 e escravos a frete : os
oretendentes entendam-se com o capitfio
Manuel Joaqnim Lobato, na praca do com-
mercio, ou na ra da CaJeia-Velha>.n. 17,
segutiilo andar.
l'ara o Aracaty segu com muita brevi-
dade o patacho Santa-Crus, tem maior par-
todo carregamenlo promplo : para o resto
e passageiros, trata-se ao lado do Corpo-
Santo, loja do massames, n. 25.
Pra o Rio-Grande do Sul sahe em pou-
cos das, por ter parte da carga prometa, o
patacho nacional Futcrpe, cpilo Manoel
l.uiz dos Santos : para o restante da carga,
passageiros e escravos afrete, traa-serum
l.uiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz, n.
33, ou na ra do Apollo, armazem n. 14.
~ l'ara o Cear pretende seguir viagem
'
Cl
o.
6.948,326
ALFANDECA.
lien (lmenlo do dia 22.....
hetcarreqam koje 25.
Patacho Sultana o resto.
Patacho Apollo botijas vasias.
barca Trhimpho-da-America couros sec-
eos.
Rrgue llaimbow carvSo.
Escuna Aurora mercaduras e queijos.
CONSULADO (ERAL.
Rendirneuto do dia 22. .
Diversas provincias \
1:116,866
10,665
1:127,531
EXPORTACAO.
Despachos maiitimoi no dia 22
l.oandu, patacho portuguez .4n/oririAa- Trjo, d" 219 toneladas : conduz o seguinte :
156 pipas e 12 meias lit. s igo'ardeute, 100
latas com 10 arrobas de assucar, 11 pe-
dras do liltrar ago, 8 caixas cha, 80 barris
cerveja,.2 caixas com latas de sardiuhas, 1
lita mangas de vidro.
MaranhSo, bngue-escuna Josepha, de 133
toneladas couduz o seguinte : 83 pec,as ma-
OVslJUl'JO dO 1'HlO.
'avioi entrados no dia 22.
Parabiba 3 das, hiato nacional Espadar-
le, mestre Victorino Jos Pereira, c ros de mangue. Passageiros, o Portuguez
Ji s Baplsla de Quenoz e o nacional Uer-
nardino Jos liaudeira.
Val-Paraizo 68 das, galera ingleza Tyre,
de 350 toneladas, capitfio James Gourcy,
equipagem 18, c pitn. Fundeou no Lsmeirflo e man-
ilou o bolea Ierra. Vem refrescar e se-
gu jara Liverpool.
Navios sonidos no mesmo dia.
Havre Rrgue fraurez lleuvjeu, capit3o
Surmont, carga assucar e algodfio. Passa-
geiros, o Suisso Augusto Sillen........ os
Francezes menotcs Vctor Roulitieau,
Joo Emilio Chardon e Pedro Eugenio
Chardon.
Parahiballiate nacional Tres-Irmdos, mes-
Ir Eustaquio Mendos da Silva, carga g-
neros do paiz. Passagera, urna escrava a
entregar.
Navios sahidos no dia 23.
Loanda Patacho portuguez Andorin/ia-do-
Teio, capitflo Po Martina de Miran la, car-
ga vinhos, cerveja e mais gneros.
Lisboa Brigue portuguez Tarujo-Terceiro,
capillo Francisco Antonio de Alineida,
carga assucar, couros e arroz. Passagei-
ros, D Maiia (iertrudes Ferreira com sua
familia, naeiouaes, e os portuguezes Ma-
noel Jos da Silva Pinto, Vicente Alves
Res, Jos Amonio dos Santos, Francisco
Alves de Piuho e Jos Carlos Kerruira Soa-
res Jnior.
Cear e porlos do norte Rrigue-escuna na-
cional Josepha, capito Jos Mana da Sil-
va Porto, carga fazendas e assucar. Pas-
sageiros, os Pottuguezcs Francisco Coe-
Iho da Fonseca e Antonio Joaquim de
Barros, e os naeiouaes Antonio Ricardo
Jnior, Antonio Concalves Justa com I h-
Iho, Manuel Cavalcante de Albuquerqne e
Manuel Nunes de Mello, e o cnsul iuglez
Delinque llellery coin sua genhora e I es-
cravo.
com muita brevidade a sumaca nacional
Callla, mestres Jos Connives Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-se com l.uiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, no Recife,
n. 33.
Para o Rio-de-Janciro segu em pou-
eos dias o patacho nacional \ alent, cap-
tilo Francisco Nirolu de Araujo : para o
resto da carga, trata-se com JoSo Francis-
co da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
A barca porlugueza Santa-Crus, de
primeira marcha, forrada e encavilhada de
cobre, chegada a este porto em 9 do corren-
te, sabe para o Porto cum muita brevidade,
porque ja tem parte do carregamento
promplo : quem na mesma qui/er carregar
ou ir de passagem para o que tem exceden-
tes cominodos dirija-se ao seu consignata-
rio Francisco Alves, na ra do Vig..no,
n. 11, primeiro andar.
Vende-se o brigue-escuna Alegra, che-
gado recentemen'.o do Rio-Grande do Sul,
le lote de 150 toneladas, demanda 121/2
palmos d'agoa carregado, forrado, cavilha-
do e prega o de cohtv, fez costado (ixo ha
pouco mais de tres anuos, he veleiro, lem
lancha nova e bote, bons ferros e amarras,
e todos os mais arranjos neressarios, promp-
lo a fazer qualquer viagem, sem que o com-
prador fat;a despezas : quem o pretender o
poder examinar sop das escadinhas de
palacio, anude se acba Tundeado, o tratar
com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na ra
da Moda, n. 7.
Le I
OI!S.
JoSo da Cunha Res l'.ua Ieil9n, por in-
tcrvencSo do corretor Oliveira, de cerca de
20 cavallos de sella e de carro, do carro que
fui do Sr. Juan Keller, com arreios para um
e dous cavallos, e de um excedente mole-
que : lerca-feira, 25 do eorrente, s 10 ho-
ras da maullan, na ruchen a por detrs do
tbeatro velho.
Ilenry Cibson far leililo, por interven-
rau do cnrretor Oliveira, de grande e ex-
plendido sortimento de fazendas inglezas as
mais proprias do mercado : quarta-feira, 26
do correte, s 10 horas em ponto, no seu
srmazom, ra da Cadeiado Recife.
'-
Avisos diversos.
fazer urna
embarca
Joo Leonardo l.twerer vai
viagem ao sul.
Angelo Francisco Carneiro
para o Rio-de-Janeiro o escravo crioulo
Quintiho, do cunta de .Manuel Ddarte do
Valle, do Maranho.
MUTII ADO



Retira-so para o Rio tha Doyle oo* suas d-ias lillms menores.
Jflrge Francia, tendo de fazer urna via-
gem para fra do imperio, doixa a sua cas
entregue aoSr. Jos Rodrigues de Andrade,
para vender e comprar debaixo da mesma
firma ; assim como rog a lodos os Srs. que
so julgarem scus credores, de apresentarem
suas conlns no prazo de tres dias.
JoSo Eduardo Chardon retira-se para
fura do imperio, deiando por seu procura-
dor bastante, dui ante a sua ausencia, o Sr.
Ilenrique Augusto Millet.
Quem tiver sapalos de eouro feitos pa-
ra meninos.com sola dobrada, propriospa
ra o invern : annuncie para ser procurado
~ Offerece-se um rapaz hrasileirn, que
sabe 1er, escrever e contar, para caixeiro,
linda mesmo de qUalquer engenho, oqual
d fiador a sua conducta : quem o preten-
der, um andar, confronte a ribeira da mes-na, ou
annuDcie para ser procurado.
O Patulea.
Esl a venda hoje o n. 4. qumdo multo, ao
melo-dia ; na jirafa da Independa, n. 33, e
ra da Cruz do Keclfe, n. 14. Val em progresso.
Gaipar Anlnnio VielraGulmaraej declara
que em lugar dos blllietea, ns. 4,445 e 5,672,
mencionados no Diario de 22 do crreme, deve
ler-se 4,465 e 5.6
precisa-se de um homem de meia ida-
de, que lenha alguma pralica de negocio,
para um pequeo estabelecimento, que de
fiador a sua conducta : nos Coelho?, n. 13.
Aluga-se osegundu andar por cima da
botica que foi do Sr. Pimenla. na ra da Ca-
ricia do Recite : a tratar atrs da matriz de
Santo-Antonio, segundo andar, n 18,
-- Pede-ip ao Sr. Germano, que leve a ace-
a o drama, Conde de villa-nova, cala rica
prodnecao.
Negoci > interessante.
Fax-se todo e qualquer negocio com duas
leltras de 493,024 rs., vencidas ha mais de
seis annos, declaram juros de2 por cento
ao mez, aceitas pelo Sr. capitflo Antonio |>e-
reira Freir, que morou no engenho Cainha,
e que ha 3 ou 4annosse mudou de Taqua-
ratinga para Quebrangullo, comarca de Gs-
ranhuns: na ra da Cadeia do Recite, toja
n. 50, a Tallar com Cunta Se Amorinv
Aluganj-se os segundo e terceiro anda-
res da casa do largo da assemhla, n. 8: ai nominada
Tallar com Joaquim Francisco do Alem, no
forte do Mallos.
Aluga-se una cozinheira Torra ou es-
crava : na ra da Cruz no ReciTe, n. 2.
I'recisa-se alugar um ou dois andares de
um sobrado no bairro do ReciTe; quem tiver
annuncie.
-- Quem annuncioupor este Diario ven-
der leile puro, queira dirigir-se a casa gran-
de do Tallecido Julio Maria, na ra do Seve
na freguezia da lia-Vists, a qualquer hora
do dia, pi ra i r.it;i r o Tnrecimento anunal
-- Antonio Joaquim Dias Medronhas, Bra-
sileiro, vai ao Riu-de-Janeirn.
--Na roa Imperial, n. 167, deseja-se fal-
lar aSnra. viuva de Antonio Manoel Bias
Paredes, ou annuncie sua morada.
--Jos Antonio Rastos embarca para o
Rio Grande do sui o prelo l.uiz, de nagflo
Gento.
Ilesa opa receu urna correte de ouro de
lei, da casi sita no pateo do Paraizo, n. 4 :
quem da dita correnle tiver de posse, que-
rendo entregar, ser bem recompensado o
mesmo nflo a tendo, porcm dando indicios
esclarecidos aondo esteja, sendo que venha a
inflo, tambem se recompensar. Adverte-se
que esta correnle desapareceu na vespora
de S.-Antonio, e pertence n Francisco da
refinado.
.Na ra Nova, n. 58, na loja, se dir quem
d a juros quantiasde 400 e 500,000 rs. a
juros, com hypolheca em Casas terreas.
Aluga-se urna casa com armagflo de
venda, e que serve tamhem para botiquim,
ou charuleiro, na esquina da ra do Csldei-
reiro, perlo do embarque, o milito bom lo-
cal para negocio, pelo barato prego de 8,000
rs. mensaes : na livraria n. 6 e 8 da praga
da Independencia.
~ Joaquim de Oliveira, tendo de ir a Por-
tugal, declara nada dever, ge alguem, po-
rui, se julgar seu credor, aprsenle sua
conta na ra do Amorim, n. 36, para ser pa
ga, no prazo de 6 dias a contar de hoj (25;;
assim como pede a quem Ihe dever que s
pague aos seus bastantes procuradores
Antonio Joaquim Vidal & Compsnhia,
-- Aluga-se o sobrado n. 10, com lojas,
na ra dnsQuarteis, por prego cu m modo.
- Prerisa-se alugar uinH e-crava de boa
conduca, e que saiba cozinhar, rngom-
mar, ensaboar e Tazer o mais arraujo de
urna casa de poica Tamilia : paga-so bem :
na ra do Trapiche-.Novo, n. 18, segundo
andar.
Deseja-se Tallar Coin o Sr. Manoel Pe-
reira de Sa e Silva : na ra No>a, n. 44.
Precisa-so de um rapaza!uno pequeo
para loja : na ra Nova, u. 42, se dir quem
precisa.
- Os Srs. officiaes de juslirja que ficaram
ilevendo ao bilhar du l'asseio, queiram vir
pagar suas cuntas, na ra eslreila do Roza-
lio, n. 20, segunoo andar ; do contrario, ve-
rflo seus nomes por extenso nesta Tulla.
Faz sua Telicidade.
Precisa-se de um perito caixeiro pira ad-
ministrar a primeira loja de Tazcndas de
Macei : ii."io se olha a ordenado: li ata-so
na ra do Crespo, u. 16, loja.
Um rapaz brasilciro chegado ha pouro
de Franca, se offerece para caixeiro fura da
provincia, ou mesmo para algum engenho
distante, obrigando-se a ensinar a lingo
Tranceza : quem de seu (resumo se quizrr
ulilisar, dinja-se ra das Flores, u.. 19,
que se dir quem ho.
--OSr. M., ollicial de armador, e o Sr.
V. lu riel do segundo batalllo de ai tilda-
ra, queiram ir pagar n que ficaram a de
ver na casa de bllhar do l'asseio, na ra es-
trella do Rozario, u 20, segundo andar* do
contrario terfio do ver os seus nomes por
extenso nesta folha.
Na qualidade de arrematante do im-
posto provincial de 1 por cento sobre o po-
duelo de todas as vendas em leiles com-
merciaes, autoiiso aoSr J. J. Tasso Jnior
para arrecadar este imposto sobre aquelles
que Tiem Teitos de gneros do trapiche, ou
chamados de estiva independente da nter-
vengo do corretor Oliveira, e possam ler
lugar do primeiro de junho de 1850, at 30
de junho do anno viudouro de 1851, poden-
do dito Sr. Tassu Jnior passar os recibos
e quiUges respectivas que leriio igual va-
lidado como se passadus pelo mesmo arre-
matante. francisco (jomes de Oliveira.
DiTo-se 400,000 rs. a juros sobre penho-
res de ouro o prala, e a dous por cento ao
mez : quem precisar dirija-se ao pateo do
Carmn, n. 3, que se dir quem d.
Aviso aos fumantes.
Na fabrica de charutos da ra Nova, n. 32,
acha-se um grande sortimenlo de diversas
marras d<) charutos dos principaes autores
da provincia da Baha, como sejam :
Acadmicos.
Os verdadeirosS. F. de Brando.
A vista faz f da marca de Franco.
Defensores da patria.
I.iberaes.
Cavalheiros.
Saquaremas.
Deputados.
Venus de llavana.
Ditos marca de logo.
Americanos.
Regalos.
yaya.
Afama va.
Fama.
Emilios.
Cigarros de la llavana.
Regala.
Senadores.
I. outraa mais qualidades que serSo paten-
tes aos compradores, e que se vendero pe-
lo menor preco que poder ser: bem Como
muito bons cigarros de palha de milho.
-- Lino Jos de Castro Araujo, autorrsado
por Antonio Joaquim Tavares para rece-
ber suas divi Jas, roga a lodos os seas de-
vedores do mandaren) pagar o mais breve
possivel, pois que deseja poupar meios que
nfio sejam amigaveis, em semelhantes rece-
bi memos, comqutnto para isso tenha or-
.lt ui do seo cornil tente.
Por causa de molestias e nao peder o
seu proprielarin exercer o seu ofllcio, por
isso quem quizer arren lar o dito ollicio de
cscrivSo de orphflos da villa da Anadia, na
provincia das Alagas, dirija-se ra da
Cruz, n. 6, que ah achara com quem tra-
tar, ou na cidade de Macei, ao Sr. doutoi
Fernando Affbnso de Mello, que se acha au-
torisado p'ra o dito fin.
Quem i|iii/er comprar urna fazenda de
criar gado, com casa e curral, com meia
egoa de trra, no sertlo de Garanhuns, Barra-da-Chata, e.-t bem de-
marcada como consta da escriptura, por
prego commodo, dirija-se ra da Cruz,
O.6.
Tlieatrofl A commissflo administrativa da compa-
nha de accionistas avisa a lodos aquelles
Srs. que anda nSo fram receber as suas
apolices do segundo imprestimo, que o seu
primeiro secretario est autorsado a fazer
entrega desses ttulos al 4 do prximo mez
de julho, e para esse fnn convida ns proprios
possudores dirgirem-se com os respec-
tivos documentos que comprovem a sua
propriodade, todos os dias uteis, desde o
meo-dta s 3 horas da tarde, casa n, 6,
defronte do Trapiche-Novo.
--O Sr. JoSo Joaquim Rabello haja de
dirigir-se ra da Cadeia do lenle, n. 35,
a negocio de seu interesse.
--Aluga-se um aruiaicrn na loja e outro
no Tundo do quintal, com trente para o mar,
propiio para alguma fabrica, ou deposito
de Tardos : a tratar no Aterro-da-Boa-Vista,
n. 45, sobrado.
I'recisa-se de um homem de
meia idade, que cntenn de ne-
gocio, e d fiador sua conducta,
para um pequeo estabelecimento;
no.s Coeltios, n. i3.
A |essoa que exige do aba i y. o assigna-
do, no Diario de Ptrnambuco de 20 do cor-
rente, que no prazo de oito dias se dirija
sua morada, afim de pagar-lhe certa quan-
tia, que diz lhe ser devedor, tenha a bonda-
de de declarar se em seu poder nflo existe
um vale da quaotia correspondente divi-
da ; e porque ras3o, morando oabaixo as-
signalo na ra da Senzalla-Nova, n. 32, del-
xou de mandar cobrar o referido valle ?
Jet Ignacio de Lira.
--Aluga-se um primeiro andar, ni ra
da Penha : a Tallar na ra do Cabug, loja
n. 1C.
Offerece-se urna mulher, propria para
o governo de casa de homem solteiro ou
viuvo, c que enlende do diario de urna cas,
coze, engomma e lem habilidades para edu-
car criangas, e ensinar a ler, tanto para a
praga, romo para o malo : quem precisar
annuncie.
O bacharel Jos Joaquim Ceminiano
do Moraes Navarro ensina com toda a pe -
Teigflo e desvelo latim, philosophia e rtelo-
rica, na ra da Cadeia-Velha, n. 51, segun-
do andar, onde deve ser procurado por
quem quizer utilisar-se de seu presumo,
-- Antonio Rodrigues l.ima, morador nes-
ta praga, junto ao Corpo-Santo, e que vive
de c'iii inei co, Taz publico, que nSo he elle
oqueToi preso, e se acha mencionado na
parle de policia, publicada nesie iario n.
136, e nem o prezo se chama Antonio Ro-
drigues Lima, e sim Antonio Joaquim de Li-
ma, e he marujo.
Ao Publico.
Nos Coelhos, n. 13, deTronte do hospital
novo, acaba de abrir-se um estabelecimen-
to para a confecgflo completa de carros de
todas as qualidades : os modelos sSo sem-
ine do ultimo goslo, ou segundo vontade
dos freguezes. Todas aquellas pessoas que
se dignarem honrar este estabelecimento
com a sua confianga, ser.lo servidas com
promptido e seguranga, tanto a respeito de
obra nova, como relativamente a qualquer
especie de concert ou troca ; guaruigOes,
pintura, arreios Neste estabecimenlo a-
( ho ni- so a venda duas carruagens notas.
Sociedade Ilarmonico-Thealral.
Por motivos imprevistos fica transferida,
para quando se annunciar, a recita u.arca-
da para o dia 22 do correte.
Precisa-se de um bom forntiro : na ra
do Rozario, n. 13.
-- Joaquim Jos Rodrigues da Costa ro-
ga os seus devedores que Ih vilo pagar o
que estilo devendo na ra estreita do Roza-
rio, n. 20, segundo andar, pois basta o lem -
poqueselhes lem esperado ; do contrario,
verlo seus nomes por exleuso nesta tolhn
JoSo Joaquim Kabello declara ao publi-
co que vendeu a sua venda da ra da Lid:
goela, n. 3.
--0 Sr. padre Coriolano de Carvalho mau-
^
de pagar a quanlii de '.'.i,500 r<., que deve
na ra do Queimado, n 30.
Ah'om-SJ Urinas para biThetfli de visa ,
a 3,500 rs. com a maior perfeigilo e em
qualquer carcter de Ictlra, o da mesma sor-
te chapas para carles, com Urjas ou sem
ellas: ludo a contento dos que encommen-
lurem: quem pretender estes objectos,
dirija-se praga da Independencia, loja de
livros, ns 6 e8
O Sr. sacerdote que se quizer propor a
ser coadjutor do vigario da freguozia de Ga-
ranhuns sb condigOes mui vantajosas, di-
rija se ra atrs da matriz da Roa-Vista,
casa do Sr. lente-coronel Antonio Carnei-
ro Machado Ros, onde se achatiospcdado o
mesmo vigario, afim de entrar em ajuste.
Sociedade Apolinea. .
A commi.ss.ao administrativa convila aos
Srs. socios a remetterem as propostis para
convidados para a partida do da 6 de julho
prximo futuro al o dia 25 do correnle,
ilepoisdoqual nflo ler mais lugar concede-
rem-se taes convites.
ituubaram, da travessa da ra das Cru-
zes, venda, n. 8, o seguinte : em dinheiro
de 80.000 a 90,000 rs urna calca de case-
ir.ira prea, urna dita azul com listras ver-
des, urna jaqueta de merino, 1 rollete de
setim com urna nodoa de cera, 1 lengo de
lito prelo, 1 dito de panno, 1 dilc roxo, 12
camisas, algumas com as leltras A J C, 3
pires de ceroulas, 2 chapees, sendo um de
imem e outro de menino, diversos pares
de mcias com as mesillas leltras cima, 1
caiga e 1 jaqueta do merino, 2 leuges com
a mesma marCJ, 1 caiga, 1 Silva de prata
com 50 oitavas, 4 colneres de dita com 114
oitavas, 100 pares de sa patos pouco mais ou
menos, e mais alguna objectos: Roga-se as
pessoas a quem fr offerecido ditos objectos,
OS ap relien loo e os leve a seu dono, ni ca-
sa cima mencionada, que seiflo gratifi-
cadas.
-- Aluga-se o armazem do Forle-do-Mal-
los, n. 20, onde, leve prens Aloxandre Lo-
pes llibeiro, confronte a ra da Madre de-
Deos, tendo de frente 71 palmos o 110 de
fundo : quem o pretender, enienla-.se com
Manoel Alves Cuerra.
lia quinze dias, pouco mais ou^menos,
que appareceu na camboa do Moudego, com
a endiento da mar, urna canoa de carreira :
quem fr seu dono, deve a vir reclamar, n a
ra do Mondego, fabrica d rap, qoanto
antes, porque sa nflo responsabilisa pi
ella.
Urna mulherde meia i lade se offeiece
para ama de urna casa de pouca familia, ou
de homem solteiro: na ra das Flores, n. 11
Aluga-se una casa terrea na ra da
Uniflo: a tratar com A. L. Sanios, na ra
do Crespo, n. II.
Aviso a pobresa.
Aforam-se o arrendam-sc trrenos a bei-
ra da estrada, com 100 palmos de frente, e
400 de fundo, trras agrcolas, a 1,000 rs
por mez, nos Remedios : a tratar com o
proprietario Macambira, no mesmo lugar.
-Jos Saporiti embarca para um dos
portosdosul oseuescravu pardo donme
Manoel.
-- Precisa-se de una prssoa forra on cap-
tiva, que saiba com perfeigflo Tazer velas de
cera : ni praga da Roa-Vista, n. 7.
Segunda-Teira, 17 do correnle junho,
perdeu-se on Aterro-da-Boa-Vista, nina es
pora de prata anliga, com um trangado de
fio grosso e carrancas, sendo o cao una ca-
bpga de bicha coherta de escamas, e cabio
as 6 horas da tarde, houve quem avisse ca-
hir, e quem a apanhou, pois ainda era din
claro, mas nflo o conheceu : quem a apa-
nhou deve restituir ao ahaixo assignado,
que dar bom adiado, e recommenda-se aos
Srs. ourives a nflo comprem, e apprchen-
dam a qoem Iha oflerecer entregando-a ao
Sr. subdelegado da freguezia aon le for ap-
prehendida. Antonio Manoel de Moraes da
Mcsquila Pinten tel.
Precisa-se de um caixeiro que tenh;
praticade negocio, p#referiudo-se que en-
ten la de relinagflo : tambem se prensa alu-
gar um preto possrnte : na ra Uncid, n.
78, relinagflo.
Perdeu-se un lengo de lavarinlo com
bico pregado, de casa lisa de algodflo
quem o achou, tendo consciencia, dirija-se
ra da* Cruzes, n. 4, que ser gratificado
generosamente.
Lyra Brasileira.
Com esle titulo sabio luz urna collergflo
de poesas, dividida em qualro partes, u'uiii
volume do 180 paginas, nitiJa impresso,
pelo diminuto prego de 2,u00 rs. : acba-so a
venda na loja do Sr. Cardoso Ayres, e na
ra do Collegio, n. 9
-- Precisa-se de urna escrava para o ser-
viga d0 urna casa Trancen : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. t.
Quem .deseja saber da morada de Joflo
Jos de Moraes, dirija-se ra da Assump-
gflo, n. 4.
Denles artifciaes.
J. A. S. Jam, dentista tem a hunra de
avisar ao respeitaviT publico quo contina
a por denles artifciaes de porcellana ; co-
mo bem tira as carias dos naturaes, que
tanto damnifica os denles e coopera para
o mo alito da bocea, nflo sendo tira-
da cagaos denles furadus com ouro ou
prata, para prevenir as dores e a coutinua-
gflo da raria. O annuuciante assevera a to-
das as pessoas que se quizerem uAilisar dos
seus servigos, que nSo exige paga alguma
nflo Picando os denles Iflo bem postos que
nflo se possam dill'erengar dos proprios na-
turaes, e podendo mastigar com os mes
mos[toda e qualquer comida sem sentir a
menor dr o nem receio de os quebrar, e
por isso garante a todos quantos de seu
prestimo se quizerem ulilisar, quebflo de
tirarsatisfeitus, a vista dos inuitos exemplos
que tem dado s pessoas que o tem apatro-
ciuado. O annuuciante mora na ra estreita
do Rozario, n. 16, primeiro andar.
l'ublicaco religiosa.
O mais perfeito calhecismo de doulrina
christfla, o decretado pelo sagrado concilio
de Tiento para delln fazerem uso os paro-
chos etodos os mais fiis do orbe catboli-
co, sahio luz e acha-se venda na ra do
Encantamento, armazem n. II, por haixo
do sobrado, onde mora o reverendo vigaiio
do Rccife.
Narciso l.uiz Ferreira deixou de sci
raixoiro desde o dia 18 do correnle, ce Joa-
quim Kibeiro Pontos.
Precisa-se de um caixeiro para tomar
conta de urna venda : quem esliver uestus
circunstancias, dando fiador sua con-
ducta, dirija-so ao Becco-Largo, n. 104,
venda
Ilesappareceu um papngaio da botica
e quizer restituir, dirija-so a mesma botica,
que ser gratificado.
Alugi-so urna grande casa o sitio quo
vai al o rio, na povoagflo do Monteiro : a
tratar n i ra de S.-Gougalo, n. 29, das 6 s
9 horas da mantilla, e a. tarde a qualquer
hora-i
-- A pessoa que tem annunciado por este
Diario querer alugar um ou dous andares
no bairro do Recif, querendo um com dous
andares e sotflo. silo na roa da Cadeia, n.
15, por cima do Sr. Bour^ard, dirija-se
ra do Queimado, n. 14.
Precisa-so do um homem portuguez
que entend do negocio de venJa perfoita-
ment-, e que d fiador sua conducta, pa-
ra se lhe entregar urna venda por balango,
dando-se-lhe interesse pelo seu Irabaltio de
administradlo: a tratar no Becco-Largo,
venda da esquina da Senzalla-.Nluva.
A pessna que quizer propor para a Ba-
ha algum navio, existe um carregador que
tem 25 volumes quem preten ler, dirija-se
ra da Cadeia-Velha, n. 56, loja de ferra-
gans.
A pessoa quo tiver urna preta quitan-
ileira, pagandii-se-lho 210 rs. por da e o
sustento, annuncie por esta Tulla para se
procurada. t
F.sl desoecupada acusa ama relia da
ra da l'raia, aoude est o Iheatro, piomp-
to para qualquer representagflo, o so aluga
oommo lamente ou para este efTeitO, ou tam-
hem paia qualquer repartidlo publica, es-
taiielecinieiito, fabrica i u sociedade que
precisar de um graiidissimt) saldo, alm de
outros cnminodos mais, para cujo liin se ti-
rar entii'i n decoragflo do thealro, pondo-
se a casa limpa : a tratar com Guilhcrmc
Sotto no atterro da Boa-Vista, n. 10
-- Alupa-so um sobrado recentemente
acallado, na ra da L'niflo, Com os uiellio-
rescommo los para urna ou duas familias,
Consistentes em excellentes salas, alcovas,
Juas cozinhas, coclioiri o gran lo quintal:
a tratar na ra da Aurora, n. 4.
A cidade de l'aris.
Fabrica de ebajios de so!, ra do
Collegio, n. 4-
J. Falque participa ao rcspeitavel publico
desla cidade, quo ello abri o seu novo es-
tabelecimento, ondo se encontrar senipre
um grande e bonito sorlment destes ob-
jectos dos mais modernos e variados, como
sejam : chapeos de sol para hoinens de se-
das chamaloladas e lizis, ile cores c pretos,
ditos de armagflo d'ago muito fortes coni
sedas de lo las as cores, ditos para senhoras
de sodas 11 viadas e lisas, com franjas e sem
ellas, odres muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, com franja e sem el-
li, ditos de pannintio para homem com ar-
magflo rica e ordinaria, sortimenlo de ben-
galas de lo las as qualidades, halcias pira
vesti los, collcti's e espartilhos para s nno-
ra. Na mesma casi concertase o cobre-se
toda a qualidade de chai eos de sol e benga-
las, pira os quaes tem boas sedas e pannos
em pegas : todos estes objectos vendein-se
em porgflo e a rdalho, por menos prego do
Que em oulra qua'quer parte.
Oabaixo assignado pedcao Sr. Madurci-
rs, natural da Rabia e alumno da academia
jurdica de Olin la, que queira vir a estriba-
ra da ma da Florentina, pagar a quantia de
7,000 rs resto do alugucl de 2 cavallos, nn>
quaes o Sr. el gula fram a villa do Cabo
no dia 24 de abril do crrente anno.
Sebastido Isipes Guimari/s Jnior.
Quem quizer ajustar leile puro para to
mar todo anuo a um s picgo lasoavel, an
nuncio para ser procurado : afianga-se nflo
se entregar adulterado, porm s se aju..|
com quem lomar do urna garrafa para cime
diariamente.
to peixe, onto o tantos psde coqueiros,
nina grande planlagllo derapim que sosten-
a 2 cavallos lelo anuo, 2 existentes casas,
que a sor na praga valiam ambas 4:000,000
rs. : ludo se vendo por 800,000 rs. ou me-
to, e tamben aluga-se agradando o inque-
Imo. Ven Icin-sa mais -2 barcacSS novas,
urna de 24 caixas e oitra de 18, lulo por di-
nheiro, ou lettras do boas firmas, ou (roe -
se pnr casas na praga, lazendo oon a ao com-
prador. Tambem vende por barato prego um
n*gio velho quo d scus consolos aquem
lelies precisar.
Vende-se um molo^uede bonita figu-
ra, poro Sr. retirar-se para fra da pro-
vincia : na ra Nova, n. 39, segundo andar*
-- Vendem-se 16 escravo*, sendo : um do
l8annos,bom cozinheiro, tanto do Turno
como de massas ; um dito pedreiro ; um di-
to do nagflo, bom carpina ; um dito do 16
nios, (iimo : un dito carreiro j um dito
lo servigo de campo ; varias escravas mo-
gas para todo o sorvigo : na ra -Oireii.i,
u.3.
Vendem se 8 lindos moloques de 8 a 16
annos, tendo um delles principios do car-
pina ; 4 pretos de 20 a 25 annos, sendo um
bom cozinheiro, e nutro ptimo sapnleiro ;
un pardo do 22 anuos, perito cozinheiro,
bol eiro eempalhador; 3 pardas do 18 a 25
anuos, com habilidades ; 6 pretas do 14 a
25 annos, com algumas liabili lados, e quo
lo proprias para todo o servigo : na ra
lo Collegio, n. 3.
Vendcm-so sarcas corp Tarinha de 8.-
Gtthai'.na, com alqneire, ineiiida de tros
q jaitas e meia a borlo, prego de 3,000 rs.
com sacra ; ditas a 2,200 rs.: mi becco do
Carioca, armazem de Antonio Pinto Soares.
Na loja de Maya Hamos & llom-
" panhi i, ni ra Nova, a 6,
vendem-se caixas com tintas para despulios
le differentes qualidades papel paulado
para msica ; palhetas para clarinetaso re-
quintas : tu lo por prego rasoavel.
N.i loja de May* humos & Gom-
panbia, na ra Nov, n. 6,
'endem-se as mais superiores navalhas in-
dezas, Cab,i de marlim ; caivetes linos pa-
ra pennas ; estojos completos para barba;
litos para costura, rom inos'ca ; ditos do
'iialhemalica ; ditos le limpar denles; es-
covas paia denles, cabello o rou; objectos por prego commodo.
Milho novo.
Na ra do Ran^el, armazem n. 3(5, ven le-
so milho novo, por prego coinm >do.
Na ra Nova, n. 38, venda de Antonio
Ferreira Lima & Coinpanliia, vendem s1
charutos a 3 e a 5,000 rs. a caixi : rosaon-
le-se lela quali lade.
As mclhorcs
cassas francezas a/(Si) rs. a vara.
Vondem-se as mais mu lernas cissas Trn-
celas, de bonilos padrOes e cores muito
lindas, pura vesti los de senhora, pelo ha-
ratissiino preg de 480 rs. a vara ; chales
grandes de gorgurfio de alto Iflo e bonitos,
a 2,000 rs. ca la mu : na ra do Queimado,
n. 8, loja confronta a botica.
-- Na ra das Cruz.es, n. 22, segundo an-
dar, vende-sa urna linda negrinha rrioula,
le 12 annos, muito bem educada, e quo co-
se rhflo e faz renda ; 3 preta*, sendo duas
crioul, s o urna de nagflo, quecosem chflo,
engoiumam, cozinham e lavam do sabflo;
las ditas, urna da Costa e outra de Ango-
la, que cozinham, lavam do sibflo, o silo
ptimas quitaudeiras.
Confiaras.
Compra-se urna morada de casa terrea
senlo as ras das Cruzes, Roda, Trinchei-
ras, Larangeiras, Agoas-Verdes, Hortas,
liangil, e nos largos do l'araizo e Carino :
na ra do Raugei, n, 15, sobrado, ou na rus
da l'raia, n. 2, armazem do carne.
Gompram-seCaixas vasias quo fram
de sabflo, a 120 rs. sendo da Tabica da
p ovincia, o de fra, a 80 rs. e em bom es-
tado : na ra da Madre-dc-l>cos, n. 22, ar-
mazem.
Compra se nina canda .iberia que carre-
gue mu milheiro de lijlo e que esteja em bom
Catado, ou una canoa de carrrgar agua ; quem
a (iver > i.iiTi 11. u- para sor pennirado.
-- i inii|" a-so urna caixa de ferro com se-
g.odo de lotlras : quem tiver annuncie.
Compra-se um relogio do o uro, pateu"
te ingle/. : na ra da Seuzalla-Velha, n. 50,
so dir quem compra.
Vendas.
Casemira preta.
Ven le-so casemiin prela, muilo boa, pe-
lo diminuto prego de 1,400 rs. o covado :
no Aterro-da-Boa-Vista, n 18.
Quatorze vinlens
E tres lustSes,
Chitas francezas
De lindos paiiroes.
lio o que p le ser do barato .' um covado
docilita Tranceza da largura quasi do vara,
rom modernos desenos, e cores (xas, ; ni
300 e 280 rs : na ra do Crespo, n. II.
A 8oo c i,ooo rs. o covado
de seda escozessa, de todas as cores, o de
muito bom gosto para vestidos do scnho-
ras : na ra do Crespo, n. 11.
Joaquim llibeiro Puntes, na ra da Ca-
deia no ReciTe, loja n. 54, vende um aderc-J
go, brincos, alunlo do peito, 2 pulceiras.
ludo perlencenle an mesmo aderego sendo
cravado com podras de diamantes do inelhor
e mais moderno gosto da ICuropa, polo di-
minuto prego de 350,000 rs. ; assim romo
20 pipas vazias paumpt's a cncher de ago-
arJenle, ou oulra qualquer omisa quo quei-
ra o comprador. I ma ilha de nomes S.-
Joflo entre a ponte dos A Togados e Reme-
dios, cun 2 grandes viveiros, um com mui-
A 320 rs. o covado.
Vndese morcelina de 4
palmos de largura, cores i-
x.-is e padres inteiramente
novas, proprios para vesti-
dos e cortinados; cassis mili-
to finas, a 64prs a vara, as
5 quaes se vendem geralmen- ;.y
9 teaBoors. : no ra do Qui- O
^ mado, n. io, loja nova de l\
portas.
O

o
o
300<50000000000
Vendem-se dous traneellloa,dous cor les,
nina lriinli na do Miuino-llcos, um rozario,
dous relogloi patales, iluis correnles. botes
de |.noli", dilos de berturu, um f.iqiieiio de
prata, um apparclho para cha. dual duilai de
lacas, duas ditas de sarba, res, urna dita para lirar sopa, uoi par de ser-
pentinas, hu galhetelras nina/ruteira, um sos-
ia, tres salvas, um espevitadnr, dous pares de
caslicnes una bride e oulras obras de ouro e
pral ; assim como mu bandeira nacional:
na ra eslreila do llosario, u. 2S, segundo an-
dar. Na lucarna casi se dir quem da dinheiro
a premio.
-- Vcnde-se una boa machina do moer
cana com animaos, he de tambores com hu-
cha do madoira, cineta de Trro, rruzeta do
ferro, bionzes, e paraTuzos de aportar, dous
rodetes de madeira iguaes, gigantes, arpas,
ilmanjarras, etc ven le-se muito em conta,
lor 300,000 risa mola, e a prazo para a
seguinte saTra por 350,000 : no eugeuho
Vovo do5luiibeca.
Xa ra Nova, n 6, loja de
a llamos & C.
A o barato.
Vendem-se luvns do pellica, para meni-
nas, senhoras e homens, a 400 e 6t0 rs. o
pai ; jugos de vispora para divert ment, a
t.000 rs.
Vepdc-se na casa de residencia do f)r.
I ou o ou Trigo de l.ouroiro na ra da Sau-
dade, freguozia da lla-Vista, a segunda se-
ne do Indico Lhronoiogico explicativo e
romessivo da legislagflo brasileira de 1850,
e.i'ii|ii oln u leu.lo O COdigO do Coiiimeicu
do imperio ltimamente sanecionado: o
prego ho cinco mil res.
Vende-se foijflo preto muito bom e ba-
rato, a 6,000 rs. o alqueire: no caes do
Ramos.
Vende-se urna casa terrea sita na ra
do Mondego : na ra Augusta, n. 50, a fal-
lar com Joaquim Toixeira Peixoto.
Vende-se espermacete de segunda sor-
te, a 480 rs. a libra: no pateo do Parairo,
n. 20.
Vcnde-se um violflo de excellentes vc
zes : na ra doNogueira, n. 18 casa da es.
quina.
Hay;
ILEGIVEL
i


!/
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ba muito
tempo se o;*o vende: nc iecifc,
ra da Cadeia,armazemn. ti.
Vendem-se cigarros de pallia de mi I lio,
hons, por prego commodo : na ra das Cru-
zes, n. 40.
Vende-se muilo superior farinha em
meias barricas : na ra da Cadeia do Recite,
escritorio de DpaneYoule & C., em scus
aimuzcns do becco doCongalves.
As novas cassas sublimes
a ,240 rs. o corle.
Na loja de GuimarSes & llenriques, na
rua rio ra do Collcgio, vendem-se novos cortes de
cassas finas denominadas sublimes, pela
sua boa qualidade e barato prego.
"IBP!A UI!l,DBOf !uluV 3P
l'|bj ,,JtapB[) V|> 1,'tl.I BU 9S-UI3DU9A
: -.i or
V. 'OJVO VdV S()||||()||T
Vendem-se a carras ae rro : na rua
di Senzalla-Nova, n. 42.
Abordo do brigue Aguia-do-l'rata, ven-
de-se F.-ir iiilia de mandiuca, por prego com-
modo.
Ciambrccs a 1.800 rs,
Vendem-se os bem acreditados cortes de
gamhredes, a 1,800 c 2,000 rs. o curte de
taigas : esta fazenda torna-se recommenda-
vel, tanto por sua qualidade como por ser
de rnuilu duragSo e de bonitos padres : na
rua do Cullegio, n. 1, loja.
A el lea antes que se ac-
bem.
Corram o barato.
Na nova loja do Passeio-Pubco, n. 19,
de Lentos Amaral & Companhia, se esli
vendendo fazenda por todo o diulieiro, co-
mo sejam chitas muito finas < do cores fi
Tas, a 120, 140,160 e 200 rs. o covado, e
pega a 5,500, 5,800, 6,000 e 7,000 rs. ; brin
lo lili to miudinho, a 300 rs. o covado ; cas-
lores para caigas, a 200 rs. o covado. A el-
les antes que se acabem. Os novos admi-
nistradores estilo torrando por todo dinhei-
ro, e psISo resolvitlos a acabar rom todas as
fazendas para sortir de novo.
Ulan tele tes.
Vende-se, na rua do Crespo, loja de qua-
tro portas, n. 12, manteletes de seda fuita-
cres, de multo bom gosto e de superior
qualidade, ebegados ltimamente dol un
ga, os quaes se vendem por menos prego do
quecm nutra qualquer parle.
-- l'cgas de madapolSo com 20 varas, com
ligua mofo, a 2,500 rs. e a 140 rs vare-
|ailo, proprio para forro eroupa decretos;
esloupa linij a a 160 rs. e com algum avari
* 80 e 120 rs. : na rua larga do Itozario, n.
*8, primeiro andar.'
Panno pardo fino a 4,000
rs cada umcova o.
Na loja da esquina da rua do Crespo, n 5,
vende-se panno lino pardo e cor de caf,
pelo barato prego de 4,000 is o covado ;
dito preto o azul, a 3,000 rs. o covado, e de
nutras muitas cores e qualidades, por dimi-
nuto prego.
Ao barato preco de 140
rs. o covado.
Na loja n. S.Mie Cuimsr.les t llenriques,
vendem-se chitas escuras, pelo diminuto
prego de 140 rs. o covado, e de oulras mui-
(as qualidades por diminulo prego.
Acaba de cliegar
loja da rua do Crespo, n. 6, un
novo soitmenlo de fazendas ba-
I
rutas,
Vcndeni-scsnpales de couro do lustro, /corno sejam : cassa-ebitas muito finas, de
pelo haratissimo prego de 2,500, 3,000 e 4/
rs. ; ditos de bezerro fiancez feitos 110 pai/,
a 2,500 e 3,000 rs. ; ditos de bezerro da Ier-
ra, com lies solas, pruprios para o inver-
n, a 2,200 is. ; ditos do Aracaly, a mil rs
na tua da Cadeia do Itecife, 11. 9.
-- Voiiilem-se telhas de vidro, prxima-
mente ebegadas, em grandes e lequenas
porrOes : na rua da Cruz, n. 48, armazem.
Limas de agulba a 4o rs.
Vendem-se limas de agulha : na rua da
Cadeia, loja de IVrragens, de Antonio Joa-
ijnuil Vidal ; issim como outras ferragens
para ourive, por prego commodo.
Chegaram iiovamente a rua di Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogins de ouro e prala
patente inglez, para homem e senbora.
Chitas traneczas finas a
3*20 rs. cada um covado.
.\a rua do Crespo, n. 5, confronte ao ar-
co de S -Antonio, vendem-se chitas f ranee-
zas finas a de modernos padioes anda niiu
vistos nesle mercado, pelo barato prego de
320 rs. cada um covado ; panno preto, pelo
barato prego de 1,600 rs. cada um covado;
lencos de i'iiinlira 1a brancos c abeilus pela
bera, a 2,800 rs. cada una duzia.
Ao bom e batato.
Na rua do l'asseio-l'ublico, loja n. 9, de
Albino Jos l.eite, vendem-se neos cortea
de cassa-rhitas com C vaias, a 2,210 is.
lengos grandes de seda, a 1,000 rs. chitas
de cures fixas, a 140, 160, 180 c 200 rs. o co-
vndo ; riscadiihosde linho muilo fino, a
440 rs. o covado ; dilo de algodSo, a 160 rs.
0 covado ; castores para caigas, a 160 rs. o
covado : lengos de cambraia com bico a
roda, a 480 is. ; cha) eos de sol, de panni-
nho, rom basteas de baleia, a 2,500 rs. ;
curtes d>- brim trangado branco o com vi-
vos, a 1.280 rs. ; [ogas 3,500, 4, 4,500, 5 e 5,500 rs., muilo lino;
alpaca de eies para fono, a 160 rs. o cova-
do ; dita prela tina, a 800 rs. o covado ;
cortes de pelle do dialm, a 1,280 rs. ; brim
blanco superior, a 1,400 rs. a vara ; e ou-
Iras 11 uilas fazendas 1 or prego mus barato
do que em nutra qualqner p. 1 li\
Farclloa3,5ooris.
Vende-se sacciis grandes com farello, a
3,500 rs., chegado ultiri ament de llamhur-
go : no ariiiaze.m junto a bolica do arco da
ConceigSo, que foi do Calecido lraguez.
arinhade mandioca de
S.-Calharina.
Chegou em din llura do S.-Clhafina o
Liiguu nacional Minerva, com um carrega-
niciito da superior farinha muito nova, e
acba-ae fuicado defronte do caes do Hu-
mos, onde se vende a preco commodo, ou
em casa de Manuel Ignacio de Oliveira, na
Praga do Commercio, 11. 6, primeiro andar.
-- Vende-se 11111 escravo de ludo o sei vico
por barato preco I na rua de S. Francisco,
11. 10, ao |>da cadeia.
-- Veude-se um carallo com todos os andao
res, muilo gordo c milito bonito, proprio |>ara
eohora por ser muito manso e pequeo : na
cocbclra do Sr- Pessoa.
Vende-se urna gamella grande de ama-
relio da Babia, nova e quo muda hilo fui ser-
vida, piupria para hunlio ; um tlgui :ar vi-
drado glande e de gomos ; um violfio ; 2
asacas : ludo por picgo cumiiiodu : na ixa
da SenzallaNova, n.96.
--Contina-sea vender cnxadas calgadas
ile ago : na rua Nova, 11. 20, loja de Joao
1'eriianilcs Prenle Vianna.
Venuc-se um apparelbo para oflUial $u-
1. lio 1 mi da guarda nacional, muilo entonta,
quasi novo: na rua IVova, 11. u.i.
-- Vende-se 12 caxilhos com vidros, propiios
1 .11 a pin II.is : na rua Nova. n. Ul.
Veude-se saecas com urrot a 1,200 rs. a
arroba: uo palco do l'araizo, n. 20.
lie multo barato.
Cassas a Napoleao.
Vendem-se as ricas cassas francezas de
gustos intcirameiile novos, pelo muilo ba-
rato prego de 480 rs. a vara : na rua do
Crespo, n. 14, na loja do prio ciro sobrado
de 3 andares, viudo da rua das Cruzes.
-- Vende-se o muilo a ciedilado p,1o de
Provenga : na rua l>irvita, n. 79. Itoga-seaos
freguezes que al leuda 111 a ba qualidade de
lamilia 0 asseio com que he feito.
corea fixas e OoOJ 4 palmos de largura, .
320 rs. o covado ; cortes de ditas a 2,000 e
2,400 rs. riscado d l lilil o, a 240 rs. o co-
vado ; dito de algodSo americano para es-
clavos, a 140 e 160 rs. o covado; dilo mos-lJ>anil rniirn i 1 tro com 4 palmos, a 200 rs. ;zuarte azul, a *a""u *-" *,-*" f
200 rs. o covado ; dilo fulla cures, a 200
rs. ; chitas de cures lilas e de bunilos pa-
drOes, a 160 e 180 rs. o covado; cortes de
fustflo, a 600 rs. ; chales de tarlalana, a
1.280 rs.; meius ditos, a 320 rs.; coherlo-
res de algodSo, a 640 rs. ; alpaca prela de
romn e com sele palitos de largura, a
1,280 rs.o covado; e outras mullas fazen-
das em coma.
I ns!tumi 11 tt s para m-
sicas.
Vendem-se instrumentos para msicas
militares ; bem como pianos e violesmui-
tissimos ricos ; na rua da Cruz, n. 10, [casa
de Kalkmaiiu Irnifios,
Cadcra* de palhuiha,
e sohs para meninas: vendem-se na la da
Cruz, 11. 10, casa de Kalkmann IrinSos.
Itnrias (fe ierro
do muito boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir : vtudem-se na rua da Cruz, 11.
10, casa de ka Ikmann Irmos.
Charutos de Ha va na,
de superior qualidade : veude-se na ruada
Cruz, 11. 10, esa de Kalkumaiin IruiSos.
V'inlio de Bordeaux,
de superior qualidade vende-se na rua da
Cruz, n. 10, casa de Kalkniann Irmilus
Vende-se um elegante escravo, pardo,
de 25 a 30 anuos, de boa estatura, bem re-
forga 'o, sem deleito algum e hsbil para lo-
do servigo : preferindo-se para engenbo :
no Recite, rua do Trapiche-Novo, n. 18, se-
gundo andar, das 9 horas da oanhilu at s
3 da tarde.
Vende-se una preta-crioula, boa cozi-
nheira, engummadeira e tai todo o mais sr-
ralijo de urna casa de familia, para fura da
provincia uu para o malo : 110 l'asseio-l'ubli-
co, loja n. 5.
Arados de ferro.
Vendem-se arados do ferro de dilTe-
renles modelos': na fabrica de machinase
fundiglio de ferio, na rua do lirum ,
ns 6, 8e10.
Para se acabar.
Vcndcm-se superiores pannos linos da
melhor qualidade que lem apparecido (pro-
va de liniflo) cor de cafe, a 4 o 5,000 rs. o
covado ; dito azul, a 3,500 c 5,000 rs. ; dito
preto, a 5, 6, 6,560, 7, 7,500 e 8,0o0 rs. ,
qualquer denlas qualidades he a rnelhoi
possivel ; cortes Uecasemira de cores mui-
lo linas, a 4, 5, 5,500, 6 e 6,5U0 rs. ; ditos de
meis casemiasdelBa, de bonitos padies,
a 1,600, 2. 3 e 3,500 rs. ; casimira encarna-
da muitu (na, a 1,800 rs. u covado; cha-
peos de massa franceses, do ultimo gosio, a
6,500 e 7,' 00 rs. ; setim preto macao mui-
to lino, para collete, a S.bOO, 3 e 3,500 rs o
covado ; camisas de meia muito tinas, a
l,8l) rs. ; alpaca prcta lina, a 040, 800 o
1,060 rs. o covado; piinccza prela, a 800 rs. ;
chales de lila de superior qualidade, a 1,600
2,500 e 3,500 rs.; cassa de ramegem guin-
de e de vara de largura, superior fa/enda
paia cortinados, a 700 e 00 rs. a vara : to-
das eslas fazendas sao de superior qualida-
des vendem-se por estes pregos para se
acabarem : lia rua do t'ollegio, 11. 1, loja da
estrella.
No ermazcm da rua do Trapiche, n. 46,
icha-se a venda, todas ss msDhfia sl s 10
horas, leile da melliur qualidade, e pur hora
venue-sc muilu em cotila.
Ca rualSova, n. 6, loja
de M ya Itamos & C-,
vendem-se ricas bandejas de todos os ta-
maitos, com guarnigo du lina cusquinha ;
ditas scni guarnigoes ; gnnaldas para noi-
vas; floie brancas, rosa, laranja e avellu-
dadas ; trngas de de diffcrcnles cores e
larguras ; e outras muitas fazendas para
enleilos de .senbora : ludo muilo em cunta.
-- Veudeoi-se duas ec botillas figuras, e urna deltas lem urna cris
de ma is de um anuo : na Travessa du Veras,
I n. 15, na 15oa-\iali.
Quem admirar
venba ver e comprar.
Na rua do Crespo, esquina que
volta para a cedeia,
veodem-se pannos pretos, s 3,000, 3,600 e
5,500 rs. o covado; dtoazul, a 3,000 rs. ;
dito c6rderap, muito superior, a 4,000 rs.;
crtesdecasemira prela, muilo boa, a 3,200,
5,000 e 10,000 rs.; ditos de selim de cores
para colletos, a 1,600 rs.; ditos de gorgu-
ro, a 1,280 rs.; ditos de brim branco de
linho para caigas, a 1,600 rs.; ditos de fus-
tSo para colletes, a 600 rs.; ditos de cassa
para vestidos, de muito bom gosto, s 2,400
e 2,500 rs.; cortes de brim stnarello de pu-
ro linho, a 1,600 rs. ; cassa preta, a 140 rs. o
covado ; ditas de cores muito bonitas, a 200
e 280 rs. alpaca prela de cordSo, com 7
paltros de largura, a 1,280 rs. o covsdo,
sendo esta fazenda muito propria para cai-
gas, sobre-cuacas e vestidos, por ser muito
forte econmica em rasilo da largura; ris-
cado de linho azuiznho, a 240 rs. o cova-
po; lengos de seda para giavala, a 1,280
rs. ; ditos para algibeira, a 1,280 rs. ; zuar-
te azul de vara de largura, a 200 rs. o cova-
do ; dito furta cores, a 200 rs. ; riscado
monslro, a 200 rs.; picote muito encor-
pado, proprio para escravos, a 240 e 180 rs.
o covado ; riscado de algodSo americano, a
140 rs. o covado ; cortes de brim de listras
decores, a 1.000 rs.; ditos com lislra ao
lado, a 1,280 is. ; ditos esenros, a 1,280
rs.; pegas de Cirila* i.iuilo bonitas, a 5,506
r.s.; ditas escuras decores fixas pora casa ,
a 160 e 180 rs. -o covado ; chales de tarlala-
na, a r,28i) rs. ; melosdilosescuros, a 320
rs. ; lengos de cassa para gravata, a 320 rs.;
mei'S para meninos, a 100 rs. o par; ditas
muito superiores para senbora, a 400 rs.;
Iigos peqnenos de lila com (res ponas pa-
ra escravos, a 140 rs.; cassa de xadrez para
vestido a 320 rs. o covado ; pegas de cam-
braia lisa com 8 varas e meia, a 2,700 rs;
dita muito fina, a 640 e 720 rs. a vara ; da-
teos de sol, de panninho com bastes de ba-
lea, muilo bous a 2,000 rs.; e outras mui-
tas fazendas baratas que a vista dos com-
pradores se farfio os piegos.
Charutos.
Na rua da Senzalla-Nova, n. 42, vendem-
se charutos superiores da marca victoria,de
tliivaiei ; ditos primores e regalos, por pre-
co commodo.
Tapioca.
Vende-se farinha de tapioca, por commo-
do prego, para fexar conlas : no becco do
Azeite-de-Peixe, armazem, n. 16.
-- Vende-se um escravo de nagSo, mui-
to bom : na praga da Boa-Vista, n. 13, ta-
berna.
A 1,000 rs. o corte de
calvas*
Vendem-se brins trancados de
listras ao lado, dos mais moder-
nos padifies, tendo tambem cor
de ganga, a l,ooo rs. o corte de
calcas : na rua do Queimado, n.
8, loja confronte a botica.
?
1 Casamento e baile.
,. Ilicos vestidos de blonde, ultima S
0 modd pe Franga : esta linda fazenda
he de variadas cores, como branca, :
5 cor de ciavo, lilas, violeta e rosa:
* vende-se na roa do Crespo, n. 9, loja #
*JB deJoSo Antonio Gomes GuimarSes. (p
1,300 rs.
Vendem-se corles da escellenle fazenda
denominada panno couro, a 1,200 e 1,300
rs. o corte de caigas : esta fazenda he multo
encorpada, escura e de muita duragilo : na
rua iin G Urgi, n. 1, loja.
Vendem-se chitas pardas com flores
encarnadas, cores muilo lixas, a 160 rs. o
covado, e em pegas a 5,800 rs.; ditas mo-
hadas de clin va, a 120 rs. a retalho : na rua
arga do l'ozario, n. 48, primeiro andar.
A 1,000 rs. o corte.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio, vendem-se cortes com 3 cova-
dos c meia de brim de algodSo Irangado de
listras e de quadros, pelo barato paego de
1,000 rs. cada um corte.
Os amigos riscados mons-
trtis a 'JJO rs. o covado.
Na loja de GuimarSes & llenriques, ven-
dem-se os amigos riscados monstros, de 5
palmos de largura, e de padrrjes novos, a
280 rs. o covado ; riscados california, de co-
res finas e muilo encorpados, e tambem de
ci'ires escuras, pelo barato prego de 200 rs.
0 covado.
Vende-se caf em griTo de segunda
qualidade, a 4,000 rs. a arrulla: no arma-
zem de DiSS l'erreira, no caes da Alfandega.
A 2,000 rs.opar.
No Alerro-da-Uoa-Visla, n. 58, loja de
r lirado, vendem-se sapalos de couro de
lustro para senbora, a*2,000 rs. o par ; ditos
1 ara homem, a 4,500 e 5,000 rs.
A 520 rs.
Vendem-se bonetes para meninos, a 320
rs cada um: no Aterro-da-oa-Vista, n.58,
lojn de i'.lirado. #
Vende-se um sobrado de um andar,
por 700,000 rs. o qual rende 10,000 rs
mensaes : na rua do l'asseio, ti. 13, se dir
quem vende.
--Vendem-se muito em conla, antes do
IIm desle mez : ferro inglez, em barras, ar-
cos c folha ; ferro da Suecia em haira ; lo-
nas inglez.s, largas e estrellas; brim de
vela, Ci-rnu de vaca salgada, chumbo de
munigSo, ago da Suecia, genehra muilo
boa : em casa Me. Cal moni & C, praca do
Corpo-Sauto, u. 11.
Cbeguem freguezes.
Lslao-se acabando.
Na lojadeViuva FreitasCuimariles, ven-
dem-se cortes ile fustilo de cores a 240 rs
cada um ; lengos de fil de linho patentes,
a 320 rs. ; algodSo azul do ladres, a 100 rs.
o covado ; cortes de cassas pintadas a 1,000
rs ; meias de senbora muito boas a 3,00o rs.
o mago ; suspensorios de meia a 400 rs. a
duzia ; poililhos para vestidos de senhora a
20 rs cada o ni; curtes de brim branco de
listras de. 2 varas u urna quarla a 1,000 rs.;
dilos de brim trangado pardo a 1,000 rs.;
sedas brefecas de superior qualidade a 640
rs. o covado; superiores cobertores de lila
a 1,400 rs.; brim pardo liso a 100 rs. o co-
vado, e oulras mullas fzendas que se estflo
vendendo por baratissimo prego.
Vende-se una armago de urna casa no
becco da i.uguela, e juntamente os gene-
ros que esislirem dentro : ludo proprio pa-
ra venda, ou qualquer outro eslabelecimen-
lu : quem pretender dirija-se au mes.nu bec-
co, ii 2, que achala cun quem tratar.
Vende-se a lave na ua travessa da rua
do Queimado, n. 5, com poucus fun los, e
que lie alreguezuda para a Ierra : a tratar
na mcsina.
Na rua da Senzalla-Nova, n. 23, con-
fronte a padaria americana, vende-se urna
escrava : a tratar com Mana Bernarda.
Vende-se a fallado tlirono do anno de
850, por 500 rs. : ua rua Jo Itozario, n. 2
Vende-se urna escrava de Angola, bo-
nita figura, moga, boa quitandeira, e sena
li-
le I
lie
achaques, pois nSo bebe espirito de qua
ikdif alguma, nunca fugio, o que ludo
Mrancji dehaixo de p'alavra, seu prego
Bom e barato.
Na rua do Queimado, vindo do Itozario,
segunda loja n. 18, vendem-se lengos de
selim decores para grvala, a 640 e 1,000
rs.; ditos pretos com algum mofo, a 500 rs.;
pegas com 26 varas de panno de linho, a
4,400 rs. ; e oulras muitas fazendas por
commodo prego.
Vendc-so um aderego com brincos e
pulseiras, ludo de fino ouro, e cercado com
diamantes, do melhor gosto e o mais mo-
derno na l.uropa ; tambem se vendem 20
lipas vasias : na rua da Cadeia-Velha, n.
54, loja.
i.iiutn ii i-sr a vender o bom o acredi-
tado rap Paulo Cordeiro, e capsulas de
cop iba simples e com cubebas, o gomma
Kiuno : na rua da Senzalla-Novt, n. 40, pri-
meiro andar.
Jogos de visporaa 1,000 rs.
Na rua Nova, n. 6, loja de Maya
Ramos & t^ompanhia,
vendem-se por este diminuto prego para
divertimentodas noites de San JoSo e San
Pedro.
A os amantes dos bons charutos.
No caes da Alfandega, armazem confron-
te a escadinha, vendem-se os muito bem
condecidos charutos das seguioles marcas :
l.iberaes de llavaua.
Saquaremas.
Saudades.
I'atuscos habanos.
EspeculagSo
Mimos Habanos.
Depulados.
Cavalheiros de,llavana.
A rlil lenos.
Regala.
Todo mais barato do que em oulra qual-
quer parle.
Vende-se una casa lerrea nos Afoga-
dos, uo largo da Paz, n.46, com tres quar-
tus, em chSos proprius, boa cacimba, e com
duas poitss de frente no pateo do Paraizo,
n. 47.
Na rua da Cruz n. 14, vende-se superior
fio de algodSo dobrado em quatro pernas,
em libra a 480 rs.; assim como fumo da
provincia, muito superior.
Vende-seo remedio contra embriaga-
dos, vindo do flio-de-Janeiro: na praga da
Boi-Vista, n. 32, a prego de 5,000 rs. a gar-
ralinha.
? *^4k4lt* $!$#
9 ? liecco do Azeite-de-Feixe, ?-
armazem, n. 16.
400,000 res livres : na rua larga do Itozario, Leeros por prego rasoavel: na rua de S-
0.48, primeiro andar. |j08, n. a, ubema da esquas, com portas.
Vendem-se charutos das melhores ?
marcas que vem da Babia, e tambem
q os verdadeiros San-Kelis de llrandSo, a
p. que ludo se vender por prego com- I
I modo. X
S9999S19$99 M M a
Vendc-so nina negra de bonita figura,
do idade de 14 a 15 anuos, que cose, engoui-
na, lava do sabSo e com principios de cozi-
nlia : na rua da Cadca-Vellia, loja de ferra-
gens, n. 56.
Vende-se o rico elegante sobrado de 3
andares, com f eme para a praga da Roa-
Vista e rua do AragSo, cada and.tr lem
commodos para urna grande familia, e mui-
lo fresco, cocheira para dous cairos, estri-
bara para 4 cavallos, quintal e cacimba ;
he bstanle rendoso, nSo s pela sua boa
construcgSoe repaitimento, como pela lo-
calidade : na rua Nova, n. 67, se dir quem
faz lodo o negocio.
Vende-se urna preta de nagffu, de 20
anuos, engooimadcira, co/inheira, e que
faz pSodde-l, doces, entende de vender bo-
linhos, e lava de sabSo, com una cria parda
du 2 anuos; urna parda com algumas Habi-
lidades; un pelo possaute, proprio para
padaria, multo sadio, e ouo nSo foge nem
bebe : na rua do Itaugel, n. 38, segundo
andar.
Borne barato, a dinbeiro a vista.
Vende-se a melhor mantega que so pode
encontrar para bolo, quo se dar amostra a
quem quizer comprar, pelo diminulo pre-
go de 460 rs. a libra ; assucar refinado mui-
to alvo, a 90 rs. ; dilo blanco fino, a 80 rs.;
dito mascavado, a 60 rs.; espernucelu de
nrimeira qualidade, a 750 rs. a libra; cha
hysson muito superior, a 1,800 r.; azeite
le. Lisboa, a 500 rs ; vinho de Lisboa, a
200 rs. a garrafa, muito ba pinga, e em
canuda a 1,500 rs.; logo da India le (ri-
meira qualidade, a 250 rs. a carta ; azi ite
decarrapato, a 260 is. a garrafa; bacalbao
novo, k 80 rs. a libra ; feijSo novo, a 360 rs.
a cuia; lumo superior, a 280 rs. a libia;
bolacha muito boa, a 120 rs. ; vinho bran-
co de Lisboa, muito auperior, a 240 rs. a
garrafa ; anoz, a 320 rs. a cuia, do Mara-
uhSo, muilo graudo e alvo, a 60 rs. a libra;
pinie .ta iiova.a 240 rs, a libra; charutos,
marca estrella, a 1,800 rs. a caixa, que se
responde pela qualidade ; suban, a 130 rs.
a libra ; ago'ardente de caima, propria para
abrir vontade de comer, a i2 rs. a gar-
ufa; carne do Ceara, que he como a do
seriSo, a 120 rs a libra ; e todos os mais
ua rua
--|Vende-se urna casa de sobrado de um
andar com muilos commodos para granda
familia, muilo perlo desta praga, com ter-
reno para quintal, viveiro de peixe'eq) pro-
ducgBo, e porto de embarque, proprio para
qualquer fabrica, pela sua construcg&o ser
muito forte e bastante espacoso : este pre-
dio vende-se por prego muito barato, por
sor para liqudago deconlas : a tratar com
Manoel l.uiz da Veiga, ou com Antonio Au-
nes Jacome Pires, no caes da Alfandega, ar-
mazem n. 5.
Vende-se um mole'cSo de 20 annos, of-
licial de alfaiale, sem deffetos: o motivo
por que se vende se dir ao comprador: na
rua do Collegio, n. 3.
O vapor liahana trouxc do Rio
osseguintes livins :
Cdigo commercial do imperio do Brasil
com um ndice chronolbgicn, explicativo e
remissivo da legislagSo brasileira em 1850.
Praxe forense ou directorio pratico do
processo civil brasileiro, conforme a actual
legislagSo do imperio, por Carvalho.
Aponlamentos sobro o processo criminal
pelo jury, pelo desembargador Piuenla
Bueno.
Formulario ou guia medica.
Hislory of Borne.
The vicarofW.kefielJ.
Vendem-se no paleo do Collegio, casa do
livro azul.
Vendem-se sapalos do Araoaty, de su-
perior qualidade, a 1,000 rs.; couro de lus-
tro superior, a 4,000 rs. ; chapos de palha
vindus do Aracaly, a 200 e 240 rs, cada um;
sola e couro curtido ; tamancos ; bonetes
para homem; bezerro francez ; marroquim*;
e outras muias couzas, por menos preco do
queemoutra qualquer parle: na rua do
l.ivram'enii), na entrada do becco do Padi,
loja de couro, junto ao barato. Na meama
loja compram-se obras feitss na trra, tan-
to de homem como de senhora.
Vende-se arroz de casca, a 2,000 rs. o
alqueireda medida velha ; arroz pilado, a
8,000 rs. dito; sacras com farinha de S.-
Catharina, de alqueire o de superior quali-
dade : na rua da Praia, becco do Carioca,
armazem de Antonio Pinto Soares.
Hua N ova, o. 34.
M; Jama Rosa Ilardy, modista brasileira,
acaba de receber de Franga liados capoli
nhos de fil preto para senhora e meninas,
os quaes vende muito barato.
Fazendas baratas.
No armazem de fazendas, de Raymundo
Carlos l.eite, na rua do Queimado, n. 27, ha
um bello sorlimento de fazendas de todas
as qualidades, por os pregos mais commo-
dos que se teem vendido, a saber : pegas de
madapolSo da India, com 24 jardas, muilo
fino, a 3,200 rs.; dilO muito fino o eucorpa-
do, com 4 palmos e meio de largura, muito
proprio para camisas de escravos por ser de
muila duragSo, a 3,600 rs ; slpaca de cor-
dSo, de lindos gosto, e de diversas cores,
proprio para palitos, casacas e caigas, a 800
rs. o covado ; dita preta muito fina, a 800
rs. ; opti mo riscado fiancezde varias cores,
a 280 rs. o covado ; corles de brim pardo
para caigas, a 1,400 rs. ; dilos de quadros
muidos, muilo bunilos, a 1,000 rs.; risca-
do ruonstro, 210 rs. o covado ; corles de chi-
ta cbineza, gosto escolhido, a 3,500 rs. ;
atualhada enlraugadocom 7 palmos e meio
de largura, a 800 rs. a vara.
Escravos Fgidos
No da 20 de junho desappareceu um
preto, de nome Benedicto, natural do scr-
tSo, do estatura legular, secro do corpo,
magro do rosto, pouca barba ; levou caigas
novas de riscadanho de algod.lo, camisa
branca de algodSo trangado: quem o pe-
gar leye-o ao Alerro-da-Roa-Visla, n. 66,
padaria de Andir ;.\auzer, que recompen-
sar.
No da I o corrente fugio um preto de
nagSo, idade 30 e tantos annos, bem ladi-
no, falla bem, bastante barbado e tem una
cicatriz junla ao lmeselo da peina direi-
la, rhama-se Gabriel, lem o coslume de
abaixar a cabega quando falla, gosla de
embriagar-se, veio ha pouco do Rio-de-Ja-
neiro, e por is.mi deve ignorar as ras desta
ciliado; levou vestido caiga de casimira ris-
cada e camisa de madapolSo, mas furtou
iiiiin iioxa onde leva algumas caigas e ou-
iros ohjeclos, assim como algumas collie-
res de prala : quem o pegar dirija-se rua
da cadeia do Recife, n. 21, que ser recom-
pensado.
00,?000.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Kio-de-Janel-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de 20 nnnos pouco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Fuzcbio, criou-
lo, ilc '...'| annos poucc mais ou
ments, estatura alta; levou calcas,
camisa t- bonete azues. Hoga-se as
autoridades poliriaes e capitesde
campo, que os pprebendam e le-
veni-nos ruado Trapicbe, n. 34,
casa de Novacs & Compaa, que
recompensar.
No dia 22 de junho ausenlou-se um
pardo de nome JoSo, queja para aqui tinha
fgido du Ito-Grande do norte, viudo por
tena com urna carta titulo de vir a man-
dado iin m ii.iu sur pegado, e agora la-
zendo o mesmo nSo so sabe que drecgSo
tomou ; he baixu, magro do rosto ; emen-
do de allaiate ; he muilo ladino, mas um
lano callado e muilu humiIJe; perlence
ao Sr. Dr. Vietor de Castro Barroca, do Rio-
Grande do norte ; cujo escravo andou aqui
ua praga procurando Snr. porm nunca
achou, enconsequencia de uSu agrauar a
comprador algum. Itoga-se as autoridades
policiacs c capitScs du campo, que os ap-
prehendam e levem-no a seu senhor, no
Itio-Gran le do norte, ou ao Itecife em casa
de Joaquim llibeiro Puntes, ua rua da Ca-
deia, u. 54, que recompensara. j
PaaN. :tu w.. di h. di mu.1830
ILEGIVEL
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGIHYGPS5_RPFB3R INGEST_TIME 2013-04-30T23:10:07Z PACKAGE AA00011611_09798
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES