Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09795


This item is only available as the following downloads:


Full Text

> Ajino XXVf
Quinta-feira 20
partida Ni ooamuo*.
Goianna e Parabiba, segunda! esextas feiras.
Rio-Graude-dn-Noste, quinta felra aomeio-
dia.
Cabo, Serlnhacm, Rio-FormoJO, Porto-Cairo
e Macelo, no 1 .*, a 11, e 21 de cada mea.
Carauhuus e Bonito, a 8 e 23.
floa-Vista e Flore, a 13 e 28.
Victoria, quinta feira.
Olinda, todo o da.
PllASIl DI LDi,
/Mine, a 3, I h. e27 m. dam.
(Nova a 10, !>h. da m.
i Creso, a 16, s 8 h. e 3 m. da t.
(Cbeia a 24, s 11 h. e 51m.dam.
PBEAHAR DI HOJI
Primelra a 1 hora e 18 minuto Ja larde.
Segunda a I hora e 42 minuto da manbaa.
de Junhode 1850.
N. 57.
rRcpos da nBiomujio.
l'orlresnie/.csfadianlad'oi) 4/000
Por seis meze 8/000
I Por 11111 auno a 15/000
DA da ikmasta.
17 Seg. S. Thcrcta. Aud. doJ. dosorf. e m.l.T.
18 Tere. S. Leoncio. Aud. doulianu., do J. da 1.
v. do civ. c do dos (Vitos da l'azenda.
19 guart. S. Juliana. Aud. do J.da2t v.docivel.
20 Quint. S. Silverio. Aud. J. dos orf. c do 111.
da I. V.
21 Seat. H. I.uii Goiuaga. And. doJ.dal.v. dociv.
e dos feilos da fazenda.
22 Sab. S. I'auliuo. Aud. da Chae, e do J. da 2. v.
do 1 un'
23 Doin. S. Joao sacerdote.
CAMBIO KM 1 DE JBNHO.
Sobre Londres. 86/, a d. por 1/U00 r. a 80 das.
. Pri, 346.
o JggfSlSEZ......ono ge
-4^d^i2Sr.:!!Rs:iKJS
. de 4/000........... 9/100 a
/>r*M.-Pataces brasileiros...... JfWO a
Pesos columnanos....... #wj
Ditos ineaicanos..........-,>- a
9/2011
2/lHHI
2)00 I
1/8 i'
PARTE OFFICUL.
TRIBUNAL DA KELACAO
SESSAO DE 18 DE JUNUO DE 1850.
HKSIDBNCI DO BXM. SENHOS CON-
gKLBflKO AZEVEDO.
A* hora do costume, achando-se presen'
teso Sr. desembargado Ramos, Villares.
Ktot, I.rao, Son/.a, Rebello, Luna Freir,
Telles, faltando com caus o Sr. desembarga-
dor Ponce, o Sr. presidente declara abena a
sessao.
IULGMENTOS.
Pelic iiode Jos Carlos Caldas. Foi indefe-
rida
niucsncu.
-4fir.fi/nriVi citis.
Appellante. Joao Baptista Alves Monleiro ap-
pellado, Domingo Carneiro da Gama,_ Fn-
rain recebidos o artlgos de habelitacan.
Appellante, Joaquina Oaldino Alves da Silva ;
[.pillado, llnfino Jos Corra de Almeida.
jMaiidaraiu coui vistaao curador geral.
Fot ssignado o primeiro dia til para o )ul-
gamenlo daseguinte appellacao em que ao:
Appellante, Marcolino JoSo de Quelros e 011-
tros ; appellado, Elias Francisco de Sampaio.
SEVISOES.
Passou do Sr. desembargador llamos aoSr.
desembargador Villares a eguinte appellaco
ein que sao: _, ,
Appellante, Pedro Alve Pires; appellado, Joe
de Araujo Lima.
Passouvdo Sr. desembargador Villares ao Sr.
deieinbagador l,,tb asegrate appellacao
Appe"lantc,' Antonio Kablao de Mendonca c
outro appellados, Estevao Jos Pac. Barre-
to e sua mulher. .
>o mrsmo Sr. ao Sr. desembargador Leao a
eeuinte appellacao ein que sao :
Appellante, bernardo Duarlc Brandao ; appel-
lado, Manoel Joaquim Rabillo.
Passaram do Sr. deiemborgador Leao ao >r.
desembargador Souza as egulntes appellafocs
Appellant"? os administradores dos hospitae
decatida'de; appellada, Rita Mara do Car-
Carlos Jos Gomes e outro ; ap-
Apr
ino.
Appellante, _
pellado, Pedro Jos Rodrigues e sua mu-
AnpeUante. Pedro So.res de Mello e sua mu-
lher, appellado, Jos Marlins Torres,
nellante, Domingos Pire Ferreira ; appella
do, Augusto Fescher.
Appellante, o julio-, appellado. Neutel tos-
trom de Alentar Arsrlpe e o sindico do san-
to lugares
Passaram lo Sr. desembargador I.una Freir
ao Sr. deeuibargador Telles as srguinle ap-
pellacoes eui que sao:
Appellante, o juizo appellados
tomo de Ollveia eoulros.
Appellantes, Jones Paln &C. appellado, Fran-
cisco Joaquim Duarte.
Passou do Sr. desembargador Telles ao Sr. I jmenlo provincial
desembargador Ramosa srguinte appellocao|isggnar esie artigo
Joao Chrisos-
sobre o ar t. 30, i diado da sessiio anterior pe-
hora.
VSo a mesa, e sfio apoiadas para entra-
rem em discussSo, as seguintes emendas:
Supprima-se toda a parte do artigo que
se segu & palavrajublados--e neste sen-
tido reduza-se o quanlitativo.Mtllo Re-
g.
Reqoeiro que seja ouvida a commissSo
deinstruccSo publica acerca do direito que
assiste ao professor de que trata o artigo.--
Mello Reg.
O Sr. Mello Reg oppe-se ao 8rtigo em
discussSo.
O Sr. losi reato sustenta o mencionado
artigo.
Fallam anda sobre a materia osSrs. Cor-
rea de IKito, Francisco Joao, Barros Brrelo
e Jos Pedro.
Encerrada a discussilo, he o artigo sub-
mettido votado e approvado com o arti-
go addilivo do Sr. Floripes, offerecidc na
sessao anterior; sendo rejeiladas as emendas
do Sr. Mello llego. ,.
He lido o apoiado para entrar em discus-
sSo o seguinte artigo addilivo:
a Com o antigo proessor de primeirss
lettrss de Caranhuns EslevHn Soares l.eita
de Albuquerque, oqul Tica jubilado com o
ordenado correspondente a 10 annos de ser-
vico, &c. E neste sentido augmente-se o
quanlitativo.felles.*
U Sr. Jote redro declara, por parte da
commissSo, que aceita o artigo addilivo que
se acba em discussilo.
Consultada a casa he o artigo suhmettido
votacSo, e approvado por unanimidade.
Passa-seao seguinte:
Art. 31. Com a divida dos
eiercicios lindos I
O Sr. Prndente.:-Esle artigo, nSo pode
entrar em discussSo...
O Sr. Jos Pedro :-Esle artigo esta depen-
dente de urna lei especial que ainda hi de
Oxar o quantitttivo que ahi nSo vem decla-
rado. '
O Sr. Presidente:EfitlO fica adiado.
Passa-se ao seguinte :
Art. 32. Com o empresti-
mo que fica concedido a c-
mara municipal desla cidade
psra o cometo do cemiterio pu-
blico, ficando approvados os
empreslimos que conlrahio a
mesma cmara com a thesou-
raria provincial para o mesmo
llm, e para a factura doaque-
ducto dos pateos de S.-Pedro e
Carmo 40:000,000
O Sr. Rarros Brrelo: Sr. presidente,
por vezes me tenlio pronunciado nesta ca
aa contra empreslimos feilos pelos cofres
provinciaes acamara municipal : estou con-
vencido de que nflo podemos fazer empres-
limos. Como meinbro d commissiio de or-
no podia deixar de
: mas assignei-o coro
Anpel'lante, Antonia Mario do Espirito Santo;
appellados, Jos Gregorio Tavares e sua mu-
,ber- Al
Levantou-se a esao ao incio-dla.
PE.>NAMBUCO
e disposlu
volar contra
nao
ASSEMBLEA PROVINCIAL
44- SESSAO ORDINARIA EM 12 DE JUNHO
DE 1850.
SIDEKCI DO SR. PEDRO CAVAl-CAMI.
SummArio. Approtaciio da acta da sessao
anterior.Expediente. Adopcio do proiec
to sobre a pretendo do profesior de primei-
ro Miras de Ponta-de-Pedros, em srgundu
diuMSsio :-do art. 30.' do orcamento pro-
vincial tamban em segunda dtscussio, com
ahumas emendas Adiaminlo do 3\.'Ap
provoeo dos 32.' 33.', bem como do 5.
que fie ara adiado por empate na volacdo.
As 11 horas da monhSa, feita a chamada,
acham-se presentes 31 Srs. deputados, fal-
tando os Srs. Manoel Cavalcanli, Selle e Sa
Pereira. .
O Sr. Presidente abre asessSo.
OSr. 2.9 Secretario le a acta da sessao
antecedente, que he approvada.
O Sr. i.* Secretario le os scguintes re-
querimentos, dos quaes, depois de sunmet
tidos volacflo, he approvado o primeiro t-
rejeitado o segundo.
1. Rcqueiro que, pelos tranmittes com
pelt u'-es, se pergunte presidencia, se exis
le organisado algum trabalho topographici
da planta do municipio do llecife, e em que
eslado de adianUmetilo se acha esse Iraba-
llio.4fe//u Rtgo.
2. Requeiro que se peta ao governo d
provincia o seguinte esclarccimenlos : pri-
meiro, data da nomeaeflo de Alfonso Jos
deOhvcira para professor de geographia
historia do lyceu desta cidade, e se essa no-
meacSo foi feita em virlude de concurso ;
segundo, quo tcmro leccionou ;terceiro,
data de sua jubilacao, e ordenados com que
foi dada.Mello Reg
l'rimeira parle da crdemdodia.
He approvado em segunda discussuo, Man
que alguem tome a palavra, o projeclo so-
bre a prelenc.no do piofessor de Pon(a-de-
Pedras. ,. ,
Entra em discuss3o o parecer adiado da
commissiio de conlsde cmaras acerca dt
abate concedido a uin arrematante.
Depois de algumas reflexes do Sr. Vellez,
he o parecer rejeitado.
Segunda parle da ordem do dia.
Connuac.80 da segunda discussuo do or-
caii.enlo provincial.
0 Sr. Presidente :Contina
reslriccOes
elle.
.Nflu lnverulo mais quem tornea pslavrs
acerca do artigo, hesubmeltido a votaco,
e approvado.
Passa-se to capitulo derimo-primeiro.
Entra em discussuo o seguinte :
Artigo 33. Com aa despezas
eventuaes, inclusive a do eslu-
dante Antonio Ferreira Jacobina
Jnior, e a das impressOes dos
trabalhos das repartieres pro-
vinciaes 20:000,000
He approvado.
Passa-se ao artigo 5 relativo aos proes-
sores de grammatica*latina, e que, com urna
emenda do Sr. Vellez, ficra adiado por em-
pate na votacSo em urna das sessOes pas-
sadas. .
O Sr. Francisco Joao :Sr. presidente,
no sei qual ser o resultado da volicao :
tenho para mim que se elle resentir do ef-
feito da discussuo havida na casa ; e me
n3o levantara para uaar da palavra que V.
Exc. leve a bondade de conceder-me senilo
livesse em vistas lembrar a assembla que
ella, para ser coherente eomsigo mesma,
deve de lomar ueste caso resolucSo idnti-
ca que tomou acerca dos professores de
primeiras leltras; resolueflo mais que
muito justificada pela ailuacao linanceira
da provincia. Altendendo ao trabalho que
pesa sobro aquelles professores e sobre os de
que ora se trata, desejo que a casa proceda
de modo que n3o haja motivo psra que al-
guem crea que as invidualidades pesam
mais em nosso animo do que os principios
de justica. O fado de ter havido empate
na votacSo deste artigo, quaudo o aprecia-
mos peli piimeira vez, prova exuberante-
mente que o negocio nSo est 15o liquido,
como talvez parece a alguem ; ms a vola-
qSo havida sobre os professores de primei-
ras lettas veio constituir-nos na obriacflo
de termos a respailo proced ment idntico
ao que entilo desinvolvemos.
Portento, Sr. presidente, concilio aqu
(cando na esperance de que continuronlos
votar no mesmo sentido, a menos que a
discussSo lome Tace bem diversa da que n
api esentado at agora.
O Sr lloripes :--Sr. presidente, deixana
deinvolver-me nrsta discussSo, se noap-
parecessem as reclamaces do Sr. depiitadi.
que acaba de sentar-se : n3o pretendo di-
rigir a votacSo, nem 13o pouco demonstrar
i rasa que, nSo votando agora como nena
ocasi3o que o nobre depulado se referi,
deixa ella do ser contradictoria ; mas ob-
aerva-lhe-hei que o caso nSo he o mesmo.
Quando deixmos de augmentar os hono-
rarios dos professores de primeiras let
Iras, nSo foi porque lhea descoiihecessemos
direito a semelhante augmento; mas sin
discussSo I porque se procurou eseconseguio fazerctei
que a nossa situacSo flnanceira nos
permittia melhor'ar-lhes a sorle. Entre-
tanto, como votei a favor desses professores
r daquelles de quo ora se trata, parece-me
que procedo muito coherentemente dando-
lhes>agora o meu voto.
Encerra-se a discussHo ; e, submettidss
as emendas vota580, s3o rejeiladas : fi-
-ndo subsistindo a disposieo do artigo.
Psssa-se ao titulo segundo capitulo d-
cimo-segundo.
Entra em discussSo o seguinte :
Art 34. Fica o presidente da provincia
autorisado para effectuar s despezas de-
cretadas nesta lei, e arrecsdsr s rendas
designadas nos paragrapho.t seguintes 1
1. Tres por cento do assucar exportado.
2 Cinco por cento do algodo, caf,
fumo, agoardente e couros exportados.
3. Decima dos predios urbanos, obser-
vndole o capitulo stimo do regulamento
de 16 de abril de 1842, que se ada adopta-
do pelo 4 do art. 35 da lei n. 130, com ex-
cepco do referido capitulo.
4 Dous mil e quinhenlos ris por cabeca
de gado vacciim consumido nos municipios
do llecife, OnJ, lgu*rss, Goianns, Na-
zarelh, Po-1'Alho, Victoria, Cabo, Seri-
nhem, Rio-Formoso, Agoa-Pret : nos 011-
tros municipios s pagarSo este imposto
aquelles que talharem carne para negocio,
i> os criadores pagarSo o dizimo.
5. Dizimo do gado cavallar.
6. Dizimo do capim de plantajnos mu-
nicipios do Itecife e Olinda.
7. Sello de herancas e legados, obser-
vando-seo regulamento de 28 de abril de
1842 sema limilaeBo feita pe) 3 do arl.
35 da lei n. 130.
8. Vinte por cento d'sgonrdente de con-
sumo, ficando a Ihesourana provincial com
a atribuicSo dada s cantoras mnnicipaes
peio art. 8 do regulamento de 28 de Janeiro
de 1832, queseacha adoptado para a co-
lirunca deste imposto.
9, Meia siza dos escravos, ficando este
imposto reduzido a dous por cento, e a mul-
la de que trata o art 17 do regulamento
de 11 do abril de 1842 elevada ao quarto do
valor do escravo
10. Cinco mil ris por escravo despacha-
do para fra da provincia.
11. Emolumentos da polica.
12 Dez por cento dos novos o velhos
direilos dos empregados provinciaes.
13. Tres | or cento dos seguintes esta-
belecmentos, contados sobre os alugueis
das cssasem queellesse acharem, a saber:
botica, loja em que se vender a relalho, de
cambio, de mobilia, armazem de carne sec-
ca.de inadeira, de lijlo, cal, capim e as-
sucar, tavema, botiquim, serrara, olaria,
tyiograplii, cocheira, e cavallarice de alu-
gnel, cas de jogo de billiar, prensa de al
godSo e fabricas. .
14 Imposto sobre o labico, charuto e
cigarro de prodcelo estrangeira, ou de
oulras provincias de imperio, sendo com
ris por libra de tabaco fabricado, sescen-
tos ris por arroba do nSo fabricado, e mil
ris por cada milheiro de charutos e ci-
garros.
15. Imposto sobre as casas de modas.
16 Um por cenlo de cada leil3o que no
fr feito por orden) judicial, sendo motado
pago pelo comprador, e metade pelo vende-
dor, Picando o corretor responsavel por
tolos.
17. Quarenta ris por cada caada de
bebidas espirituosas de producc3o estran-
geira, ou de outras provincias do imperio.
18. Matriculas das aulas do lyceu, se-
minario de Olinda e das aulas de lalim, a
dez mil ris annualmenle.
19. Pedagios das pontes e estradas, sen-
t cobrado esle ultimo as barreiras col-
locadas em distancias de duas legoas as
parles feitas das estradas que se osl3o cons-
truindoj observsndc-seo que se acha dis-
posto no $ 20 do art. 38 da lei n. 224.
20. itendimento do evento.
21. ApprehensOes pela polica.
22. Renda do jardini botnico de Olinda.
23 Mullas por infraeces.
24 Iteposiroes e reslituicOes.
25 Producto da venda dos gneros e
utensilios provinciaes.
26. Metade da divida activa da renda
provincial interior ao primeiro do Jaldo de
1836.
27. Divida activa.
28. Mo sold e sello dos ttulos da
guarda nacional.
29. Rendimenlo da capatazia d
gotlilo.
30. Producto das lotetias do tbeatro pu-
blico. .
31. Saldo do exercicio correnle.
V3o mesa e sao apoiodas as seguintes
emendas:
1, Substitutiva dos 14 e 17 do arl. 34.-
Imposlo sobre o consumo de tabaco, cha-
rutos, cigarros, bebidas espirituosas e sa-
bSo de produecHo estrangeira ou de outras
provincias do imperio, sendo cent ris poi
libra de tabaco fabricado, 600 rs. ror arroba
don3o fabricado, 1,000 rs. por cada niiihei-
ro de charulosou cigarros, 40 rs. porcanada
Jde bebida espirituosa.e 500rs. porarrobade
sabSo ; devendo o governo dar regulamen-
to apropriado para a boa arrecadacSo des-
tas differentes impusieres.-/-rancisco Jo3o.*
Supprima-se o 6.SlanoelJoagmm.
Ao 3 crescente-seficando isenlos os
predios das municipalidades do Reeife e
outros lugares, segundo o orcamento mu-
nicipal.--. R.Manoel Joaquim.
. AoM.*~Em lugar do 5--diga-se 3 poi
etnlo.--Ba*deira.
Meando adoptadas as disposicOes dos
arlgos 4, 6, 8 e9 do regulamento n. 409 de
4 de junhode 1845.-xVflnieira.
Ao 7.-Adoptatlas todas as disposicoes
do regulamento n. 410 de 4 de junho de
1845.Bandeira.
< Adoptado o artigo 8 do regulsmenlo n.
411 de 4de junho de 1845.-as trocas de
escravo por escravo, s se pagar meia siza
do excesso do valorBandeira
O Sr. Bandeira dt Mello : Sr. presiden-
te, mandei urna emenda ao 2." deste arti-
go, qual consiste a retluzir em 3 por cenlo
os 5 por cento que o artigo eslalielece sobre
o algodSo, caf, fuaio. ago'ardente e couros
nxportados ;eo quo devodizer para justi-
ficar esta emenda serve, tambnm pira justiH-
car-omeu voto contra os 13, J4e 17, ede
justificacSo tamliemao voto que dei contra
urna mposicSo de 10,000 rs. sobre earri-
n'iose seges, na occasiao em que seiliscu-
tn o OfQamnnlo municipal do llecife, islo
so passo que votavamos urna ImposieRo so-
bre a carne, que he objecto de nrimeita ne-
cessidade, e j bastante cusloso para o po-
lire; po lendo ilaqui cniicliiii-se que se tlava
mais altencSo a seges do que carne meno
cara.
Temos cliegado, Sr. presidente, a grande
qnestflo da inciinstilucionalidaile <\f alguns
dos nossos impostos; e. emprazado para esta
diSCUSSBO, para a qual me reservei quando
.e tralasse do orcamento provincial, eu devo
declarar com toda a ingenuidade .e que
sou capaz, que nunca tlesejei errar na eom-
liinac.lo de minhas ideias ; qu nunca dese-
je que a minha argiimentacno fosse falsa,
que apresenlasse dofeitos ; mas, na queslSo
suhjeita, eu de todo o meu enramo o tlese-
io. porque n!To achn conveniente apresen-
tar-meconira os interess-s de minha pro-
vincia, privando-a le urna receila de cento
p tantos rontos de ris, o que lano impor-
ta a manifestac.lo da ineonstittirinnalidade
dessas imposir;ops ; e nem s por isso como
lamnem pelo mal que jtllgo fazer a essas in-
tluslrias, porque estes impostos fram psta-
lielecidostambem para anima-las, dando-se
mais fcil extracc.lo a ellas no mercado, do
que se d s de oulras partes
Senhores. cu nao pretendo insistir ni minha
areumeiitacao; talvez que nem replique aos ar-
gumentos tpielorem apreseutados; vou smen-
te dar a raso do meu voto. Sao ineonstitiicio-
naes todos aquelles impostos que prejudicain
as iniposlces geracs: he islo do paragraplio.i.
do artigo lO do acto addlclonal, O que lie pre-
iudlcar as imposicoes peraes do estado ? Por
outra, como lie, 011 quando lie que nos, litando
do direito que temos de impiir, prejudicaius
as imposicoes geraes do eslado? Esta be a
queslao : nos prcjndicaiiios as imposicoes ge-
raes tillando iinpoinbs sobre os inesinos objec-
toi sobre one Impoa I assembla geral. 011 por-
to sobre que impoc :
que alteramos a justa proporcao eiu que esles
impostos geraes j se acliam lancttJos, faiendo
assim nos (|iie,encarecenTlo muito estes produ-
ctos, elles niio lenliam o mesmo consumo, e a
procura delles venha afinal a desappareccr,
como aconleceu com o imposto do sabao por
nos laucado, que allcctou considciavelmenten
renda geral nos direilos que percebia pelo sa-
bao importado; 011 porque.ainda nada se alle-
rando desta proporcao, por seren estes objec-
los susceptiveis de urna iniposicao mais f.irle,
vamos usurpar esse direito assembla ge-
ral e priva-la de mais sobre elles impor lias oc
casioes para ella mais urgcnles.em que sem du-
vida e aguardava para o faer. p;sla doutrina
nao be minha, lie a inlelligciicia dada pelasteis
anteriores a reforma da consliluicao para regu-
lamento dos concelhos geraes de provincia, <
1 un be 111 por leis posteriores a reforma da cons-
tltuicao para regulamento noaao.
A le de 8 de outubro de 1833, declarando
o que seria receila geral e o que seria recel-
ta rrovinciH.diz: ( provincial todos os impostos ora existentes
tillo compre/tendidos na receila geral. A mes-
la lei no art. 41 diz. [I\ nQuando as rendas
provinciaes nSo cliegarem para as suas des-
pezas, os cou-ellios geraes representarno
cmara dos deputados, indicando quaes os
objectus que|lem soffrer alguns impostos
sem maior grvame dos povos, e bem assim
os quo devam ser substituidos por outros
com vantagem da renda e dos cuiitribuin-
tes
A lei de 13 de outubro de 1834, j poste-
rior ao acto addicional diz no art. 36 ( le)
que, emquanlo nSo houver lei geral lixan Ut
definitivamente os impostos para a receila
geral, constar"esta da divisilo ftita na leidt
1833
A lei de 31 Je outubro de 1835, de confor-
niiila.le rom a ilouiriii.i tas leis anteceden-
es, faz divisSoda receila geral e provincial;
especificando acuella diz no art. 12 ( U ) que
tudv quanlo nio fr impotiees comp'ehemli-
dus nos numeres do art 11 be provincial, e
p le a assembls provincial sobre o mais le-
gislar.
lie portanto, Sr. presidente, nestas leis
explicativas do pensamento da constituido
edo acto addicional que nos vemos que nao
levemos impor sobro objeclos que estilo 110
dominio da assembla geral para impor da
maneira que bem Ihe convier, em salsfa-
c.o do dever que lite assiste para prover s
despezas do estado. Por aqui j ve ti.mliem
o nobre relator da commissSo do orgamen-
tn provincial que seguida,esta duulrna, que
seguida esla inlelligencla, no lie exacta a
sua proposigSo por vezes emiltida nesta ca-
sa, de que nos nSo temos impostos que uo
offondam mais ou menos as nnposicOes ge-
raes : 1180, temos muilas imposicoes ; s as
olensivas s3o aquellas que Iflo inconslilu-
cionaes : lemos minias o teremos todas
quantas 1 So versarem sobre objeclos que
pertencem receita geral. Nem be da na-
lureza de nossos impostos ofTenderem ren-
da geral; do contrario haveria um conlra-
senso na lei que suppOe que podemos le-
gislar sobre impostosem prejuizodas im-
posicoes geraes, quando os nossos impos-
tos s3o por nalureza, e n3o por desvio, of-
trasenso. ou alias urna redundancia na le
e por conseguinta um absurdo.se nota c ora
binado o 5 5 do art. 10 com 0 art. 12doac-
lo addicional, quando se diz que s nSo po-
lemos impr sobre a importar;3o.
Sr. presidente, um argumento foi outr'-
ora Irazidoa esla casa, queeu chamarei ar-
gumento al vindicta*. Se disse que nos nSo
leviamos ceder destas imposicOis appelli-
ladas inconslitucioiiaes, porque a assem-
lia g^ral tralava s de declarar nconsti-
lucionaes c irlas mnosicrts do Pernambu-
o, quando outras provincias tinham impo-
sicoes iguaes en prejuizo de nossi agri-
cult-.it-a e indust'ia, o dellas nSo se fazia
mencSo.
Mas, Senliores.eu enlendo quo a constitu- '
cSo be urna o a mesma para todo o Brasil, o
que, toda vez que, urna lei desta ou daquell
provincia he revoada por inconstitucional
por este ou aquella motivo, to las as msis
leis tas outras provincias do mesmo gene-
ro, embora nSo declaradas pela assembla
geral, licam com o mesmo anathema, e, des-
de logo inexeauiveis. Reagie, poi<, s por-
11110 a assembla geral nilo comprehen leu
xprensamenle. as leis do oulras provincia-,
seria inconveniente e i-nproficuo. Se as
nutras provincias, apezar deste anathema. s-v
regerem por leis iguaes, se recalcilrarem
o ti abusos sementantes contra os nossos in-
eresses, sr enlSo de nosso dever repre-
sentarmos contra essas leis. Represenl-
mo-lo desde ,se he islo conveniente : re-
resentemos iambem com o balanco de nos-
sa receila e despeza qual o nosso estado, o
pecamos para que nos ceda alguma dessas
imposicoes quo s3o aevimadas de inconsti-
lucinnaes, como ella j f'Z ceden lo para a
enmara do llio-de-Janeiro o imposto de
10 rs. sobre caada de beb la espirituosa ;
nncaniosos foros de marinlia d nossa pro-
vincia, a decima addicional; emjTm peca-
nos ludo quanlo precisarnos, e fr justo ;
e estou que seremos servidos.
Agora fazendo applicac3o do que tenho
dito ao s 2.' do artigo, eu digo que se devo
reduzir a 3 por cento os 5 alli esta'neleci Jos;
porque os 5 tornara a imppsicSo inconsti-
tucional n 6 do art. S da lei de 31 de ou-
tubro de 183.') diz: I/!) Os dous por loo to
exportarlo de pr.nlucco brasilcira licam
elevados a 7 por culo, abatidos os 5 aildi-
cionnes noque pagarein de dizimo aquelles
gneros quoos pagavam na exportado pa-
ra lora do imperio, cessando qualquer 011-
l'a i mposicSo sobre a incstna exportacao ;
eando o restada quoladis diurnos pertenee.n-
do a renda das respectivas provincias Ora,
esles objeclOS pagavam dizimo; desles tirou
a assembla geral 7 por cento, o que nos
cali'be tres. He ver.lade que uina lei pro-
vincial tle 1844, mostrando muilo respeito
esla lei.e desejosa de seguir, disse que,por
um calculo que linha leilo, nos locavam 5
por cento ; mas eu, por mais tratos que des-
se minha imaginactlo, nSo onde ac.irlar
com esle clcalo. Se o calculo, porem, es-
l exacto, se a inconslitucionalidade da im-
posicSo desapparece por cnnseguinle ; to-
dava nos, reduzinJo esle imposto, fazemos
um bom servico em prul de nossa agricul-
tura edocommorcio.
Voto, pois, contra este 2, e em favor da
emenda que ollereci.
OSr. Jos Pedro faz diversas considera-
res gera's acerca da materia em discussSo,
a sustenta o artigo tal como foi apresentado
pela commissSo.
OSr. Mello liego applaude quo o relator
da cuinmissao de orcamento tivesse aceita-
do a emenda do Sr. Francisco Joo, impon-
do sobre o consumo do sabSo. charutos, ci
garros, ele ele., para dest'arte tirar do
artigo o carcter de inconslitucionalidade
que Ihe notara ; mas, um vez quo o autor
da emenda reconhece com ello orador o in-
conveniente do artigo, alreve-se a podir-lhe
que stipprima as palavras estrangeiro e
de outras provincias, visto que no consu-
mo bSo se pode tlar a distinccSo necossaria
para que o Imposto seja cobrado ; a menos
que se fac como actualmente, procedendo-
se cobranca na alfan lega, ou nos arma-
zens de deposito, com o risco do dar im-
posicBo o carcter que a emenda quiz tirar ;
porque, neste caso, poder ser qualilicada
como de entrada ou mportc3o.
E nem se diga, contina o orador, que s
p le laver imposto de importc3o, como
pensara alguns Srs. deputados, para os g-
neros de prodcelo estrangeira; porque a
assembla geral em diversas occasies o
leiii entendido de maneira diversa. Em 1845
011 18i6 foi revogada urna lei provincial de
Minas por cstabelecer o imposlo de 4,000
rs. sobre besta do bagsgem, que enlrasso
por urna das barreras daquella provincia ;
sendo que os gneros que taes anlmaes con-
iIiizmoi aanianl do Itio-Je-Janeiro, San-
Paulo e Goyai. e por conseguinto, em sua
maior parte, 11S0 vinham do estrangeiro. A
assen:blea geral, porm, qualillcou, e qua-
lificou bem, esse imposto como de importa-
eflo, e declarou inconstitucional a lei quo o
eslabelecera.
Concluindo, o orador faz diversas considera-
crtes acerca de varias rasdes producidas por
aquelles que pretendem justilicar o pensamen-
to que elle combale, com o facto de naverem
oulras provincias lineado graves impostos so-
bre gneros desta; porque pelo acto addicio-
nal sssiste assembla provincial o direito de
representar aos poderes geraes contra esses
impostos, e nao ha motivo para crer que taes
lepreseniacoet sejam desprezadas, visto que
anda iienhMm passo infructfero se deu
a respeito ; e ao contrario he de presumir que,
se o lcnlare.111, surta o devido elleto, aliento o
queproduzio um requerimento de certo depu-
lado por esta provincia sobre o projecto do Sr.
Wauderlcy relativo a algumas das imposicoes

tU3 aiiu |>wi iiavui vs-ca, *. n.n< i"'i ...>>-, vt- ijiiuriicj icitltivu a
Teasivos de ditas impusi^Oes. O mesmo cou-l de que se tem traudu.


OSrBandra i, MeUo da., ,|ca.
4 rt i? das.e""',,,',s P"- elle apresenladas.
,.L /< JoJo:- (Publicaremos em
oul.o numero o discurso do nobre depuladc)
iem dndo a hora.
OSr. Presidente designa a orden do di*.
e levanta a sessJo.
HKOIFE. 19 BB JVKUO DE 185
A asiembla apprevou boje em tercelredlt-
russno o projectn n. 24 .rica da prelencao do
professor .la cadeira de prlmrlras leltras di
povoacao de Ponta-de-l'cdras; o de n 3|
liic designa quola para pacanicnlo de dividas
pri trnrrntes a excrcicios ilud s ; o de n 3.1
que approva o romprnmisso da irniandadc do
Vintissimo Sacramento de Santo-Anto
A demaii, a asiemblca liintou-ie aar.ir-
ciar asrniend.sofrerecldasao projeclo do or-
caiiienio provincial, que injerimos em o n
anlccedenle -----
antecedente ; sendo que entre (odas oceupou
principalmente a alwncao da casa a que re \a-
brlece a Inenecclo do assuc.r e algodSo.
3ned'SCs,;"'K,','S'aU".""a f,"0,"'a '"
I- Mello M, !w'iCO,JoO' Flnri'>-' Gedw
d '< lio. ManorICavalcanii c Si Percra : leu-
do beado con. a palavra o Sr. Corra de Hri.
f *)t','nt0s<,a,;a,a !e"il0 a"ia'^
( u i nc a nicsinu de boje.
Na tsala do jury de hontem foi absolvido
.", ZJr"T" ** tado por uso de a.mas drfesas
.h^Vil',"'j.,''ni ';'"',1,<,,, "<> t aria
i,,.. .1 v c",u,":/"ln te Hibunal pelo
Mime de .,11. nsas phvsicas.
l. ndn !,'V- C0V'P"<'crram V jurados
r cada urmJ",'P",si',''"-"..1lladc en, ,5.000
v,l? ? m MSrt-Jo. Alexandr.;Hbeiro,l,u,
IV1,,al1,,,1.,Dr.A!;os1inl,o da Silva .Nr-
i?'.! i e AnJs Vtelr de
i'.ubuiomcii Francisco de Souia i.
mil res o Sr. Ellas Ignacio de Oiiveira
findega acliialnieote rende mais. Querer o
Sr. inspector attribiiir sao asi ? Quanto as eir-
cumttanclat, que lh'e sao absolutamente ex-
(ranhas nao lera para sso convergido ? E quan-
.i nao concorrerao para [diminuir < a rendn
Rilara mullos actos do Sr. inspector que
clualnicnte tem produzido algum augmento
na renda ? Talvrz que logo tenhamos de apro-
lundar esla quesUo : por ora liinitar-me-licl
a declarar ao Sr. inspector, que anda sendo
exclusivamente devido a elle o accrescimo das
rendas, oque se nao pude admiltir, nao tem
elle por isso bullas para fazer impunemente o
que Ihc parecer. At oulra vez, Srs. redacto-
res.
Jos Candido de Barros.
Recile, 14 dejunliode 1840.

DOCUMENTO. N. I.
Mandado debaixo de vara.
Jos Raymun Aiiioiii
c em .i: t
Correspondencias.
S. redactores.hi estou caneado de es-
perar pelo Sr. inspector Satnpaio Vianna, <
vejo que elle me nao qiier responder: I fo v.-i-
lente e denodado paladino de ce rio conside-
ra in iigno de si, c julga abater-se esque
Cendo su alta calliegora, sua elevada po-
SicBo, e vindo cm campo raso medir suas
armas, quebrar urna lauca rom ISo ignobil
cavalleiro, Iteconheco sua i inmensa supe -
riori.lade, mas loda\ia, embora nio aceite
elle o repto, nilo me retirare! da lica e con-
tinuare! a denunciar ao publico todos os sen-
actos violentos eciiininosos, como princi-
pie'.
\a ininliauliima correspondencia diste, que
leudo requerido por emidao a poitaria de S
de inaiopela qnal oSr. inspector ordenara ao
mu digno e distinrto empregado o Sr. l-
danle do guarda-mor Florencio Jote Carneiro
Hnnleiro, que pi endesse a orden, do Sr sub-
I. logado do Itecife ao rpita,, do brlgue l'cma-
3 mo por (er desdbedecido a iiiesmo Sr. ins-
pector, ainda nao me havia sido essa rertri.
panada | porem agora estou completamente
desengaado de que jmala a obterei ; por-
quanto ohr. inspector querendo laier desap-
parecer todos os vestigios dos s.us crimes exi-
jio do Sr. ajudante do guarda-lllr a portara,
e a sumi nu conserva em seu poder. O esc i-
rao da alfandega dando por certldd asmis
portaras, que requer, astlm sr exprime a rea
pi no da portara em questaoK quanto a por-
tarla deque ra menso o supplicante em ulti-
mo lugar, certifico, que nao se acba rrgislada
ni ni archivada aeata reparlicfio.
Qnantn, porni, rnganou->e o illiislrado Sr
inspector, o boin.in das bahililaces, se pen-
snil, que desfaite me inhibira de provar o
i ii rriuie, c illudiria a sua responsabilidade !
NrgiHlo-se-me a ceitdao perdida liz notlflca
ao .v. ajudante do guarda-mor, a qurm fura a
lil porlana dada, para a esse reapelto prestar
1,111 dl'Pu....."'o a ' coiiiuqiirr que a isso se recusasse, requer
para que roste conduxldo debaixo de vara;
rindo assii.i a juio, e sendo conslrangido a di-
er a vridaUe declarOU, que a portara em
quetto era concebida nos segiiiiues termos--
ii Si. ajudante do guarda-inr Florencio loar
i irnelro Moi lelro rarii prender e rrcolher em
. ustodia a ordeni do Sr. .subdelegado drsta lie-
guexia a Francisco Antonio Simal, capltfio do
biigucbrasllriroPentamento, pordetobedlen-
. i. as ordena .lesla Inspectora, o que cuuipra
Alfandega, 8 de u.aio de I8o0-- declarou maii
que ella lora escripia pelo escrivao da alfan-
dega ; que fura aaaignada pelo Sr. inapectoi
i-om o nome inlcio ; que esse no da tegllile
llia exigir, c com eRVito, notcrcelro
fura entregue, como ludo consta .1
inenlo, que abaixo
lo n. I.
Alt'ni disto tamben, coucorre cerno admini-
culo para provar a existencia da portarla em
qiirtto o laclo de te-la eu pedido porcertidao,
i. ftrindo a sua rntirga, e o Sr. Intpri lor ha-
ve-la mandado passar ; pola se ial portarla au
livesse fxisido, o Sr. Inspector leria carta-
mente fiio aiguina oliscrvajSo a reapelto em
s. ii despacho, c nao licuara IntelrauenV pe-
sar sobre si a grave iinpiitaco de a ter dado
Finalmente no seu officlo dirigido ao Sr. sub
delegado do Recile, (ddcumenlo o. 2) confesas
. I.ramenie or. inspector ter dado a portarla
ci.. nuestSo, quando dliendo, que nao sr pu-
de eliiiiu.il a buido a prisiio do capillo por le
Ole tbido, antes que all cliehgaste a sua or-
deiu, a. rrrstenta n;io obslanle, ja detrrmi-
uei ao.-.juilanle do guarda-inr de o fazer pen
drr e levar a presenca do V, S. pura oproces-
s.r segundo o disposto nos clados regula-
mi nt.(S .
Ora, Sis. redactores; se a existencia dessa
pollera se pode tiio fcilmente provar, se tan-
tas pettoai a viraui e examinara ni, foi sein du-
vida inqualilicavel cobarda, c exlranha estul-
ticia da parle do Ilustrado Sr. inspector so-
n-la _c obstar, que fosse registra ia com n
que nao fez mais duque ajuntar ainda un cri
me aesque ja tnlia coiiimeUdo com aliona-
ra quedera.
Mandando prender em nome do subdelegada
do Itecife expedio o Sr. inspector una orJcm
Ilegal, e consegiiinlcmcnle coinmelteu o cri-
me pievsto pelo art. 142 do cod. penal :
mandando prender Aira da alfandega exceden
os limites das fuiiecrs propriat do seu ein-
prego, que he o crime especificado no art. 139
do luesnio cdigo.' mandaiido prender pelo
crime de desobediencia commettida, noquil
o reo sr llera sollo c su pode ser preso em lla-
grante, infringi osarla. 10U e 133 do cod. du
(.roe. criminal, pelo que coiiimelleii o crime
de prevaricaco, previsto pelo art. 129 *j 2 do
i.lado cod. penal i e finalmente nao conten-
tindo einqiie fosse a porlaria registrada infrin-
giooart. 115 ^ ludo rrgulamenlodas allamlc-
gas.e conseguintemente conimelleu nina outri
prevaricaco da un sma naturea.
d.a Ibr
i sen depoi-
transciipto, docuincn-
O Dr
jnlz municipal siipplemc da segunda vara, nes
! ciuade do Recifa r seu termo, por S. IM. o
Imperador que Dos guarde ele.
Mando aos oliciaes de justica a queni esle
for apresenlado, conduiam debaixo da vara
nilnha presenca as 10 lioras da maiihaa do dia
21 do crreme mez, Florencio Jos Carneiro
Monieiro aflu de prestar um drpoiiuento ,/
perpetuar que foi requerido por Joc Candido
de l:arms Assim o cumpro.
Itecife, 28 da malo de is&o.En Francisco
Ignacio de Altayde, escrivao o escrlvi.Cuela
Menezes.
Certilicamos nsofliciaes dejusica, abaixo
assignados, que em virtudc deste" mandado
supra condiiiimot debaixo de vara a presenca
do lllin. Sr. Ur. juz inuicnlpal da segunda
vara ao supplicado Florencio Jos Carneiro
Monteiro. O referido lie verdade
Itecife. 29 de malo de 1850,-Offlolal djuito,
laaquim fiae ilarltu ; ollicial de justica, l't.
iho Ftmia ilai Cliagai.
Inquirico de leeltmunha.
Asientada.
Aos 29 das do niez de n.ao de 1850, nest.
.id ele cln Recifa de Pernainbilro, ein casa do
Dr. Juli municipal supplentc da segunda vara
Jos Rarmundo da C itaMenexea, ondeen es-
erivi.i de teu cargo me achara sendo ah f..
I nqiiirida.depols de ju ruine litada a l.steinniilia
requerldapor Jote (andido de lanos, Floren-
cio JosCarnei.o Monteiro, ajudante do guar-
da-inr da alfandega, deque lii este termo
Rtti Joao Saraiva d Araujo Galvao, escrivao
nter loo, o cscrevi,
Teslctnunha requerida.
r lorrnco Jos Carneiro Monteiro, branco,
casado, de idade 40 anuos, morador no Po o
da Pancha, vive de ser proprieta rio e empre-
gado publico, lesteiiiiinlia jurada aos santos
vangrlho, que prometteu dizer a verdade, e
do costunie disse nada. E sendo perguutado
i elo coiiteu.lo da pelirfio disse : que tendo
sido cnnsti agido c obliga do a comparecer ues-
te julio, por ter si.lo con.liizido debaixo de
vara, n?o poique iluvldr dizrr a verdade, mas
pela deferencia e consideraran que (ueria ter
para com o chrfe dr sua repartlfo, tnii a de-
clarai o segunde.--Que ein coiisequencia das
ocriiirenras que livrram lugar a bordo do
hrigiir PeneameMo, consignada a rasa di viuva
Ganriinoft Flilm, irdrnoo o Inspector di all.in-
lega verlialmente a elle testeinunlia,.|ue prru-
desse o capilao do mencionado bi igue, por ter
desobedrriilo as suas oidrus, r como elle les-
rmunlia llir prdsseorilem por escripia, deo-
llie o inspector a seguinte porlaria, da qual
lirn elle trstrmunha nina copia, comu COItU-
ma laier de todas as ordena de considrracao c
responsabilidade, em ruja claase enicndeu .lie
tcstemunha achar-se a seguinte portarla.
OSr. ajudante do guarda-inr Florencio
load arneiro .Monteiro, far prender e reco-
llier em eiisiodia a ordrin do subdelegado drs-
ta frrgreiia a FrancilOO Antonio Simas, capi-
tn do brigue br.isii.iio Peeamenlo, por deso-
bediencia as ordens desti inspectora, O que
ciimpra.
i Alfandega, 8 dciqjiodc 1850.
Disse mais elle Irslrinunlia que a referida
porlaria eslava escripia por ledra do es-
crivao da alfandega, liento Jos Fernaudea
llanos, c aiaignada pelo impector rom o nome
intriro-I.iiiz Antonio Simpaio Vianna. D
se mais elle 'I rstrmunha, que recebendo a
mencionada portarla, foi com ella a casa d
supplicante alio, de prender o ...ipradito capl-
tfio, e mi o encontrando, exigi do suppli-
cante que Ihe o entregase, o qual responden
que nao sabia delle. Disse fiunlii.enie, elle
leatemuuba, que na da seguinte depola do oo-
corrido exigi o Inspector que elle testen.uni.a
lite eotregaaie a portarla em queilSo, ecoino
elle tcsiciniiuha a Dio trouxetae na occaslfio
so pode entrega-la no outro dia, e mais nao
ilitse; e lido atsignarain. I'.u JoSo Saraiva de
araujo lialvo cscilvao escrevi.-..oi/n ene-
tei, Florencio Jote Ctrfwira ilunieiro, Joiltan-
ilitlti de llar roe.
Certlllco que nao foi dada a palavra ao ins-
pcclorda alfandega para contestar a teelemu-
pi.r nao tn comparecido.
Rccife, 29 de malo de I8(). Km f de verda-
de.Joo Suraii'u d Araujo (ialeito.
quem esla veha pretende que eu me aprsen-
le qual outro tlgrlquclndomito, quebradas as
cidrias que o prenda fez ser victimado seu
furor aquellri que arlelramente o aprezionou:
ineu finado pal doou a esla velh una negrl-
nhn producto de nina escrava sua logo que
nasceu, a qual foi dada por ella o nome de
Izabcl i o doador passou-lhe um ttulo aub con-
dtionc, de a criar e dar-Ihe toda aeducaco
precisa, servir-sc defla emquanto viva fsse,
c por mortc dcsta, tornar aos seus legitiinos
herdclrospor successo ou por direlto de re-
presentacao, leudo lugar esla doaco no anno
de 1823, vivendo sempre esla velba as expen-
sas dos ni.-ns pas, seus bemfeltores, seus pro-
tectores; depois dec.irridos trea aunoa dadoa-
fo, eniendeu a iiinba boa viflna que com a-
quella negrinba eslava complete o seu mor-
gado, ou que pelo menos poda dispensar a-
lo, ii,-s benelicios que at enlao recebia, reti-
rou-se para a provincia das Alagoas, lempo
em que fallecen mcu pa.
Procedcu-se inventario nos bens do casal,
ficaudo sent a escrava Izabel, tanto porque
nao havia cerina da sua existencia como por-
que iiiih i de innutilisar os dirritos daquelle
lie i .1, ii-,, a quem ella houvcsse de perleocer :
por sso que epor marta della poderla este uti-
lisar-se. Conhcceiido a ininha boa velha que a
sua separacao da casa dos seus bcinfeitores pa-
ra aquella provincia onde ecteve alguna niezes
Ihc era desvaulajosa em rasao de nao ter en-
contrado .-.ir... s lao pios.deleriniuou regres-
iar-ie a casa dos seus beiufcilores, onde con-
tinuoii a receber os mcsnios sutl'raglos. Cli !
ingrata vell.a piraniedes, es um compendio a-
eabado da magl.. Passado olio annos retiroii-
separa abarrado riachao comarca do Roni-
lo .li.taiii.- doze legoas, eiu culo lugar inor-
reu seu finado marido Jos da Silva l'edra no
auno de 1841, c durante este lempo, os pro-
ductos da escrava, a inhiba bnalainpreia inan-
dara-oa bapllaarpor seus Nao tendo riles no
casal iiii,., algum por legitimo matrimonio ;
e aun un natural, esle aprrsenlou-se quando
leve de se proceder o inventario dos bens que
Ihe nao pertenciaui, como Izabel c seus tilhos,
'que nao lome! medidas pervenlivas, em ra-
sao da longitii.le ; a velha negando a legillnii-
dade detle herdeiro, todava elle habilta-se
e vende a suaberanca ao lenle Ricardo Jos
de Abren, ( boa consclencia ) a fala do que
esla furia evadio-se, e.um embargo deste Jui-
M> aconipanbou-a ao lugar AlagOi dos galos,
onde lio.ii,nenie te ve elfeito n'iima cabriiiha
SOMMEftCIO.
ALFANDEGA.
Ken.limnto do da 19..... 17.823,36*
Descarregam hoje 29.
Patacho Sultana mercaJorias o botijas
vastas.
Briguo Katmbow dem.
Ilrigue George-Robinson bicalho.
Patacho Apollo mercadorias.
CONSULADO GERAL.
Itendiroento do dia 1.....1:122,876
Diversa provincias. ..... 17,625
1.140,501
EXPORTACAO.
Despacito martimo no dia 19.
I'araliih.i, brigue inglaz Herald, de 261
toneladas iconduz o seguinte : 80 tonela-
das de lastro de areia.
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rend ment do dia 19...... 568,289
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendlmento do dia 19......1:972,353
t o vi me oto do Porta
DOCUMENTO N. 2,
lilil. Sr.Remello a V. S. o auto de deso-
bediencia c resistencia as ordens dessa inspec-
tora, coiniiultdas pelo oapllao do brigue l'eii-
attiii./o, Francisco Antonio tfiuiai, instigado
pelo Consignatario Jos Candido de llanos.
Bui virtude do ditpoito no art. 85 do regula-
uieiito de 22 de jiinbo de 18:i e 2 do de 29 de
dezeuibio de 1!S:17 liulia ordenado a prompta
plisan dos desobedientes; mas como d'ixasseiii
sabir de bordo o capilio, antes que >lli cln gas-
se'U ininha ordein, oSo fui pqtaivel dar execu-
(o a ella-ufio obstante j detegnlnel ao aju-
dante do guarda-mr de o fazer prendere levar
aprcscnjadeV S. para oprocesiar, segundo
o dsposto nos citados regulaincnlos--cuiu-
prlndo-me mala declarar a V. s. que o
consignatario osCaudldo de llanos, segun-
do V. S. ver do auto e cerld:ioMclia-se igual-
mente no caso de desobediencia.
Dos guarde a V. S. Alfandega de Pernam-
buco, Hde malo de 1850.Illni Sr. subdelega-
do da freguetia de S.-Fr.-Pedro4joncalvei do
lt.cil'e.--0 insjiector, Luiz Antonio Sampaio
Vianna,
K o que a isso responde o seu inspector r
leus admiradores ? beipiao o Africano aecusa-
do de p. .iil.it.i irsp.iii.i. o, que ein um da te-
iiielhanlr a aqurlle em que era acusado tinli.i
i lie vencido Aiinbale os Cartbagnrses ; o Sr
inspector, que pouco dista desse celebre ro-
mano, uiiiijiidu-.i responde a ludo que a al-
II esl bun d'ilre cliarilablc ;
Alais tntert qui, c'esl la le poinl
Cuanlaux iiiy ni>, iln'eneit yoinl
C'ui ne Maura enfin miserable
La fontaiuc I. ti," fbula 12.
Srs. eductores. He bem a ineu pezar que
luje pela vez pi i ni. ira rompesse o rileucio ni
que jazia para prender as vossas attencOea ,
mas o imperioso drvrr, qual o do ineu crdito
atrozmente calumniado, inda que bem conde-
cido neata coi..arca do l'nito onde habito
cincuenta anuos, sem a menor intriga, oceu-
paudo a ii .i,' i annos diversos empregos, j
em crises melindrosas, e j finalmente ua-
, piel les lempos em que o ramo d'olivcira sem-
pre vcrdi java nos campos dcsla bella e heroi-
ca provincia, o ineu bra^o sempre eslava er-
guido a cumprir, c l'a/.er cumplir as ordens
que me eram endrressadas, c nunca enconlrei
un. s individuo que de ineu crdito ouzasse
menoscabar. Una velha ( qual perimedes fa-
mosa feillcelra ) teslemunha dos nieus pri-
uielros das, abusando dos soccorros c|uc lhe
prealavain us nieus pas, c cu mcsiuo ; boje
procura a prolecco de prssoas corniiupidas,
que sein moral, sciu religi^o e sem lei, s lein
em vistas salisfazer seus brulaes caprichos e
iiicsquiuhos Intereses, e sao estas as pessoas a
de nome Viccncia fillia da prela Izabel, occul-
taiido a mesiiia e mu lilho, mais o peso dos re-
uiorfos ueste coracao pc.ycr.ido eram lanos,
que chegou a descubrir ao capito Francisco
Rodrigues Piuhefro, nao perteocerem aquelles
scravos ao lilho do sen marido, e sim a ininha
nial mullid- do doador e seus lilhos, do que
lu logo avisado, e dirigindo-uie pcssoalmente
a Villa do Bonita, fraui-me entregues os es-
clavos que se acliavam ein poder do Sr. len-
te Ricardo, que Informado de ludo amgavcl-
ineote deu-me os litulus que Ihe liavia pas-
tado o herdeiro, o qual provava elle com es-
tes ttulos m i. ni seus us escravos ; mas per-
suadido, ficou ilcc.inii.il ni quando ihe moslrei
acalla enderessad^ pelo Sr. capito Francisco
Rodrigues em que particpa-uie pelo dilo da
velha me prrtriiccr laes escravos, e nao liesl-
lou este I, .i,, homeinlngo m'osentregar. Kesta
uicsuia occasiiio ievei condueco para esla
velha tigaifa, a qual ebegando ao lugar da ini-
nha residencia foi habilitar em um sitio meu
e all fu snpprida de tudo quanto precsava,'
mas nao salislrita anda, qui/que da sua,mal'
vadeza tate sabedor o proprlo sanciuarlo do
Selilior, pedo-ine licenca e transpone em
campanilla dos seus escravos, dos qnaes nao
se poda apartar para a povoacao de S. liento
ouue pudesse asslslir ao culto religioso nos
das semanaes : be quando de novo sou avisado
que (ata hypoc la pretenda libertar a cabri-
tilla Viccncia, a lato allirma-nie o Sr. subdele-
gado daquelle dialricto ( antes denominado ,\la
noel Jos_de Oiiveira, pelos crimes praticadoi
no i..,, dol'eixe, villa de Souza, provincia de
larahiba, ehoje legilinaiiienlc chamado lien
toJosc Alves de Oiiveira,) i......edialanientc
luivc-la, e existe boje em meu poder mas
qual fui o proccdiiuenlo deste lioniem, que
por deagraca nosta, se chaina subdelegado ?
rol duvidar-uie do modo porque Ihc disse li-
nlia sido .loada aquella escrava mal da mula-
nlia.
I'oder-sc-ha tasar de inconscencloio, c como
tal indigno dedesempenhar o lugar que oceu-
pa, a un hornean que forcando ininha u.i
velha de 80 anuos, na occasio em que la |
a povoacao cumprir os odiaos divinos, e ell
coininuiii aecrdi. com esla velha csgolaram a
paciencia de mil.lia mal, para que atllgnaaae
um papel a vonlade dilles querendo usur-
par o duberoalbco, dcsconhcce a mlsso de
i|uese acba encarregado, e que idea dever
fazer o goyerno, c publico sensato, deste sub-
delegado ? se nao de um honiem prevenido
que pur suas artlmanhas pretende lucuplr-
tar-tc a cusa do albeo.
Desic felo lu sabedor logo que chegou mi-
nh i inai daquella povoa{o, c vollaudo para es-
te lugar com dous manos a ver cates inolcque.s
que por direilo me perlenciaui, iuforinaraiii-
nte pessoas fidedignas que riles se achavaiu no
sitio denominado Itrcauto residencia do sub-
delegado (que tanto deve merecer a alienco
do publico) onde linha um casal de escravos,
masque a velha e a prela Izabel nao sabiam
driles ; dirigiiuc ao lal sillo e em urna choupa-
ii i i mu ni, i se all cstavaiu os meus escravos
respoiiderain-ine que ueste dia o sub-delrgdo
os linlia mandado ver por urna patrulha arma-
da, c que a velha se acbava em casa dossenlio-
res Antonio heuto c Luiz Paulino, o priineiro
mana e genio, e o segundo genro smenle do
subdelegado, ambos moradores no lugar deno-
tulnadoFazeada-Nova, onde pude a mulos es-
forvos fallar a velha curandeira de quebranto,
ni is ella descunli, cilla respondeiiinc que all
nada luha, oilciideudo at os manes dos meus
queridos pas, e que ludo quanto eu linha a
tratar era com o subdelegado ; pols que esle
era seu procurador, fiador e defensor, ele, etc.
Nao dcixei de assii-iar-nie pelos mulos pode-
res de que se acbava revestido o seu constiiun-
le; por isso que com inuio menos niariscou
elle .,i-mis no Hlo-do-Pcixe, tralel de faier a-
balativo de riagem para a povoafao onde me
disse o Sr. Luiz Paulino estar a negra e os filhos
ein poder do subdelegado proteclor dos mule-
ques e da velba, o qual me disse que nao cnlre-
gava os escravos, porque cu nao tlnha ttulos,
por onde provasse pertencer-uie e como con-
cilla o Sr. subdelegado o facto de.em priineiro
lugar pariicipar-iue a alforria da cabruha VI-
ceucia dada pela velha, e em seguudo o ataque
ciio a minha mai para passar um Ululo falso
desirsescravos? Ksta he hlln do Uio-do-Pelxe.
Sr. subdrlegido, a bussula de csluplde; des
envolveu-seuesta occasio lembre-se, pos.S.
S. que as leis do declogo rccoiiiuiciidam inul-
to a obse vauciado stimo preceilu. Ninguem
mais do que eu, des.ja v-lu corregido, ja por-
que assui respcilara as propiedades alhcias,
e ja porque iialmcnle saber laier cscolha
daquellaa pessoas que sempre goiaram ds cr-
dito e iuliuenda uo lugar onde S. S boje quer
a lorf a do seu bacamarlc que esla teja exmela-
nos somos mui coubecdos ueste lugar, e S. S.
no Itlo-do-Pdxe que de lveio emigrado por
lacios que desabonan! a sua pessua.
QueihaUi sciihorcs redactores, dar publici-
dade no seu multo conceltuado jornal estas l-
uhas a um lalmigo das ladruelras.
Caracol, u de juihu de IS50.
Fiaviot entrados no dia i 9.
Rio-Grande do sul 2* da, brigue nacio-
nal Piratinim, de 20t toneladas, caplto
Jos Marlins da Silva Vianna, equipagem
15, carga carne, couros e sebo ; "a Amo-
rim Irmlos.
Rio-de Janeiro II das, barca porluguezi
Triumphoda-America, de 314 toneladas,
capitilo Joaquim Jos l'imenta, equipagem
28, carg a.'sucar e couros ; ao capito.
I'assagciros, Manoel Joaquim Coelho, Joa-
quim Goncalves, Jos Riheiro, Julio De-
clueu, l'oriuguezes. Veio arribada com
agoa aberta, e seguia para o Porto.
Alcobaca 7 dias, garopoira nacional San-
t'Anna-do-Sacraminto, de 30 toneladas,
mestre Targino Rorges dos Santos, equ
pagem 7, carga Tarinha de mandioca; a
A mor i ni Ir ml os.
Navio$ tahidoi no mesmo dia.
Iracaly lliate nacional Duvidaso, mestre
Jo.s.Joaquim Alves da Silva, carga Tazen-
daa e mais gneros. I'assageiros, Jos Ma-
ra ila Silva l'ereira, Melquades da Gosta
Harros, Antonio Candido Antunes de Oii-
veira, Jos da Cunha Rezcrra, Joaquim
Jos de Sant'Anna, Antonio Jos de Sou-
za Codito, llrasileiros -Jos Antonio de
Souza, Portuguez ; e 3 escravos a ontre-
gar. .
San-Malheus Patacho nacional Lima, mes-
tie Joaquim do Vale, em lastro.
BaOHBMPal
Para o Rio-do-.iaoero seguir ero pou-
rosdias o brigue-cscuna Henriqueta : anda
p lo receber alguma carga, para a qual
trata-se com o capttio Manoel Joaquim L-
bato, na praga do Gommercio, ou na ra da
Gadeia-Velha, o. i7, segundo andar.
Para o Hio-tic-Janero
iRtie no da 21 do correte o briguo nacio-
nal Maria-1 : para o reato da carga, escra-
vos e passageros trala-sa com. Machado &
Pinhero, na ra do Vi gario, ti. 19.
ParaoCear pretende seguir viagem
com minia brevidade a sumaca nacional
Carlota, mestres Jos Gongalvcs Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-9e com Luiz Jos
Je S Araujo, ua ra da Cruz, uo Itecife,
n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro aegue em pini-
cos dias o patacho nacional I alent, cap-
tilo Francisco Nicolu do Araujo: para o
resto da carga, trata-se com Joto Francis-
co da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
A barca portuguesa Sanla-Crus, 'de
primeira marcha, Turrada eencavilbada de
cobre, chogada a este porto em 9 do corren-
te, sabe para o Porto com umita brevidade,
porque ja tem parte do carregamento
prompto : quem na mesma quizar carregar
ou ir de passagem para o que tem expelien-
tes commodos dinja-se ao seu consignata-
'io Francisco Alvea, na ra do Vigaro,
n. 11, primeiro andar.
Vende-se o brigue-escuna Alegra, che-
gado recentemente do Rio-Granda do Sul,
de lote de 150. toneladas, demanda 181/2
palmos d'agoa carregado, forrado, cavilha-
doe pregado de cobre-, fez coalado liso ha
pouco mais de tres anuos, he veleiro, tem
lincha nova e bote, bons trros e amarras,
e todos os mais arraigos necessarios, promp-
to a fazer qualquer viagem, sem que o com-
prador faca despezas : quem o pretender o
poder examinar ao p das escadinhas de
palacio, aonde se acha Tundeado, e tratar
com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na ra
da Muela, n. 7.
Leilao
KDITAL
- Pela inspectora da alTandega se faz pu
blico que, no dia 21 do corrente, depois de
meio-dia, na porta da mesma, so ha de ar-
remutar em hasta publica, seis vestidos pa-
ra meninos, um 6,000 rs. lotal 36,000 rs. ,
impugnados pelo amanuense Goncalo Jos
da Gosta eSa,no descacho por factura siili
n. 300 de 17 do correnlo : sendo a arrema-
tarlo sujeita a drcitos.
AlTandega de Pernambuco, 19dejunho
de 1850.O inspector, Luiz Antonio de Sam-
paio Vianna.
Luiz l'islor Tari Irililo, por intervenco
.lo corretor Oiiveira, do todos os pertnces
nmobilia d seu estabeleclmento, consis-
ti lo em dois lindos Indures completos de
ludo, baldo grande, mejsa de juntar, ditas
grandes e pequeas, ditas de jogo, cadeiras
usuaes miito boas, ditas de bataneo, guar-
da-roupas, dito pequeo, aparadores, alma-
rio envdracido, relogiosde parede, cartei-
ra do urna Tace, soTs, marquezas, commo-
das, canias grandes, ditas de vento, lam-
peues, casticaes com mangas devidro, lou-
Cas, (aralas, copos, e todo o trem de cozi-
nlia, e igualmente urna porcBo de salinSo
em latas de varios tamaitos: quinla-Teira,
20 do corrente, s 10 horas da inanha, no
hotel d'Luropa, contiguo a Linguela.
..... i iiii ^
Avisos diversos.
Ileclara^es.
0 Sr. director do lyceu manda fazer pu-
blico, quo, tendo o Exoi. Sr. presidente da
provincia removido o professor de primei-
ras leltras da Treguezia de Papacassa para a
cadeira de San-Jos de Rizcrros, ficou aquel
la vaga, e que est oulra vez posla a concur-
so : portanto, os cidadflos brasileiros que
quizeretn oppdr-se a referida cadeira, de-
verlo co i1 parecer da dala deste a 40 d as, nu
sala do palacio Ja presidencia, pelas 9 hu-
as da iianliaa, tendo recolludo esta secre-
taria os seus requeiimentos preparados, oi-
to dias nlesdo referido concuso. Secreta-
ria do lycuu,20de junho de 1850. Janua-
rio Alejandrino da Siha Rubello Caneca, pro-
fessor de desenho e secretario.
0 abaixo assignado, segundo tenenti
encarregado do recotiheciinenlo e tnedicSo
dos terrenos de marinna, convida aos her-
deros do fallecido Jo3o Mara Seve, ou
quem suas vezes lzer, e aoSr. Manoel Jos
Ferreira Machado acomparecerem ni casa
de sua residencia, na tua Direila, n. 78, das
7 s 9 hores da manhSa, e das 9 as A da tar-
de, para darem alguna esclarecimentos so-
bre os seus terrenos da ra da Aurora, afim
deorienla-lo, e desla maneira poder iuTor-
tnar os seus lequerimenlos.
"_____________Antonio Egirlio da Silva.
Avisos UItkTtnt/08.
francisco de ileJciros Cabra!.
I'ara o Aracaty seguir im-
pieterivelmente, a 7 do vindouro
mez, com a carga que tiver o bor-
do, o liiate Novo-Ofinrfa, por j
estar tratador o melho de meio
carregamento quem nele mais
pretender carregar, entenda-se
com o mestre do mesmo, Antonio
Jos Vianna, no trapiche do aJ-
godo, ou na rua da Cadeia-Ve-
lha, n. 17, segundo andar.
-Para o Aracaty segu com btevdade,
por ter parte ila carga protnetlida, o pata-
cho Sanla-Crus : para o rcslo e passageiros,
trata-se ao lado do Corpo-Santo, loja de
niassames, n. 85.
- Para o Rio-de-Janeiro sahe com toda 1
brevidade o veleiro patacho brasileiro Ni-
theroy : para carga, passageiros o escravos,
us piden,lentes queiram dirigir-se ao es-
criptorio da viuva Gsudino & I'ilbo, pract-
uiia do Gorpo-Santo, n. 6(, ou ao capitilo
Antero Jos de Araujo, a bordo do dito pa-
tacho.
-- Para o Rio Grande do Sul sahe em pou-
cosdias, por ter pait* da carga prom'pta, o
patacho iiaciontl L'uterpe, CJpitSo Manoel
Luiz dos Santos para o restante da carga.
passageiros e escravos afrete, trata-se com
Luiz Jos de Sa Araujo, na rua da Cruz, n.
33, ou na rua do Apollo, araiazem u. 14.
Retira-sa para o Rio-de-Janeiro Senho-
i mil i Mu a da Conceico com dous lilhos
de minies Francisco Ferreira Fialho e Um-
belina Leopoldina das Virgens.
Leopoldo da Silva Queroz, Portuguez,
ieliiii-.se pira Tora do imperio.
Fmbarca I). Anna Mara Munis para o
Rio-de-Janeiro a sua escrava de nome Isabel,
do gento de Angola.
-* Manoel Jos Alves relira-se para o Rio-
de-Janeiro.
-<- Itoga-se ao Sr. M. G. M. de ir a rua da
Praia, 11. 17, pagara quintia de 10,800 rs.
que he devedor ha um anno e tantos dias.
--Quinta-feira,6 do corrente, furtiram
iu balaio de urna preta, do l-'oitr-d..-Mal-
los al Fra-de-Porlas, um trancolim de
ouro com urna redoma. Roga-se a qualquer
pessoaaquem fOr offerecido de o tomar e
I,'var a loja n. 5, que faz esquina para a rua
do Gollegio, que ser recompensado.
Precisa-sede urna ama que tenha bom
leite, e que di fiador sin conJucta : na
rua das Cinco-Pontas, n. 80.
Precisa-se do urna pessua que tenha boa
lettra, e que escreva correctamente, para
prem dia urna escripturaco que est atra-
zada, mediante o estipendio que ae conven-
conar: aquem convier, baja de procurar
o commandantedo quinto batalhSo de fuzi-
leiros, em o respectivo quartel, em Fra-de-
Portas, ou annuncie a sua residencia para
ser procurada.
Precisa-se de um sitio para urna fami-
lia cslrangeira, preferindo-se na Capunga
ou Magdalena quem o tiver annuncie, on
dirija-se rua da Cruz, n. 8.
Lyra firasileira.
Com este titulo sahio luz urna colleccSo
de poesas, dividida em quatro partes, n'um
volume de 180 paginas, ntida impressflo,
pelo diminuto preco de 2,000 rs. : acha-se
venda na loja do Sr. Cardoso Ayres, e na
ruadoGullegio, n. 9
Domingos Sonano de Azevedo deixou
de sercaxeiro doSr. Joflo da Silva Rraga,
desde odia 11 do junho do corrente anno.
Precisa-se de urna escrava para o sor-
vico de utna casa franceza : no Murro-da -
Roa-Vista, n. 1.
Um rapaz soltero se offerece para dar
licOes de primeiras leltras o alguns prepa-
ratorios em iil-iiiii engenho, ou Tazenda :
quem de seu prestimo se quizer ulilisar, di-
rija-sn rua Direila, n. 102, ou annuncie.
l'ublicacao religiosa.
O mais pciTdito cathecismo de doulrina
christSa, o decretado pelo sagrado concilio
de Trento para delle fazerem uso os paro-
chos elodos os mais fiis do orbe calholi-
co, sahio luz e acha-se venda na rua do
Encantamento, armazem n. 11, por haixo
do sobrado, onde mora o reverendo vigaiio
do Rccife.
--I'rorisa-se de um sitio as estradas dos
Afilelos, Uelm o llozarinho, c quo tenha
bons cojiuiodos : quem tiver annuncie.
-O Sr. padre Goriolano de Csrvalho man-
de pagar a quanlia do 25,500 rs., que deve
na rua do Queimado, n 30.
Roga-se aoSr.Ped'o Muller, morador
na Varzca, que iva rua da Cadeia do Iteci-
fe, defronle dq Recco-Largo, para realisar
cario negocio que nSo ignora.
Thome Francisco da Costa, alfaate, mu-
dou-se para a rua da Gruz, confronte a sa-
christia do Gorpo-Santo.
No armazem de tsboado de pinito, na
rua de Apollo, n. 34, precisa-sa de dous ser-
I redores.


r
Narciso Luiz Ferreira deixou de ser
raixe.iro desde o da 18 do corrente, de Joa-
ouim Ribeiro Puntes.
precisa-se de um caixeiro para lomar
cont de urna venda : quem estiver nestas
circumstancias, dando fiador i sua con-
ducta, dirjase ao Becco-I.argo, n. 10*.
venda
Fazenvse bolos e cangira de S. Joflo,
niuito bom fpios : em Olinda atrs do Am-
paro, n. 11.
Desapnareceu um papagaio da botica
da na do Queimado, n. 36 : quem o pegar
e quizer restituir, dirija-se a mesma botica,
que ser gratificado.
Moje, pelas 4 horas da tarde, porta
do Si. doutor juiz de orpuflos supplente, na
ra do Livramento, se ha de arrematar de
renda annual, o sitio da finada D. Florinda
Maria de Jess, no lugar da Capunga.
Aluga-ae urna grande casa e sitio que
va i at o rio, na povoacSo do Monteiro : a
tratar na ra de S.-Goncalo, n. 89, das 6 s
9 horas da mahhaa, e a tardas qualquer
hora.
A pessoa que [em annunciado por este
Diario querer alugar um ou dous andares
no bairro do llecife, querendo um eom dous
andares e sotfio. sito ns ra da Cadeia, n.
15, por cima do Sr. Hourgard, dirija-se
ra do Queimado, n. 14.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda, e cun boa conducta : em
J ora-de-Portas, ra do Pilar, n. 137.
Reliram-se para lora da provincia An-
tonio Henriqne Rodrigues e F. Severiano
(tabello Jnior.
I'recisa-se de um homem porluguez
que entenda do negocio do venda permita-
mente, e que d fiador sua conducta, pa-
ra se Ihe entregar urna venda por bataneo,
dando-se-lhe inleresse pelo seu trabalbo de
admiiiistraciJo : a tratar no Becco-I.argo,
venda da esquina da Senzalla-Nova.
--O abaixo assignado, inventariante dos
Jiiiisdo casal do finado coronel Joaquim Jo-
s Luiz de Souza, declara a quem so juigar
credor do mesnm casal, antes do dia 9 de
ma i co do concille anno, que trate de justi-
ficar suas dividas peratile o juizo de or-
1 lios, antes do dia 26 dejunho; do con-
trario, o abaixo assignado, como adminis-
trador de sua mulher, D. Theresa Emilia de
Medeiros Souza so se obrigar pela melado.
Jos Jacorn de Aravia.
Na ra de llortas, casa ds esquina n.
54, fazem-se milito liom feitos bolos de San
Joflo, por preQO maiscommodo do que em
outra qualquer parte.
-A pessoa que quizer propor para a Ba-
ha alguoi navio, existe um carregadorque
tem 25 volumes: quem pretender, dirija-se
ra da Cadea-Velhs, n. 56, loja dfe ferra-
gans. f
Joaquim Antonio Carneiro cohiprou,
por conta do reverendo vigario do Acara-
c Antonio Xavier de Castro e Silva, o meio
bilhete da quarta lotera a favor das obras
da matriz do Cear. n. 5,988.
Oannuncio feto ao Sr. Madureira no
Diario n. 134, nSo seentends por S. L O.,
mas sim por Sebastiao Lopes CuimarSes
Jnior; e einquanlo os cavallos, o Si. Ma-
dureira ajustou commigo, e nSo com meu
pal, e o ajuste foi que se se demorasse s
um dia na viagem, de ida e volta, ma paga-
ra 16,000 rs. ese fosse por das, pagana
9,000 rs. por din, o que S. S. annuio, por
quanlo pretenda demorar-se uns oas; no
enlrttanto voltou no mesmo dia, nega o
ijuste e qur sonriente pag*r 9.000 rs. Sr.
Madureira mande quanlo antes pagar a di-
la quantia, para que nflo esteja passBndo
pelo desgoslo de ver todos os das o mesmo
annuncio ueste jornal.
Sebaitiao Lopes V.uimaides Jnior.
Pede-se aos r ida jilos abaixo declarados,
que fizeram parte da quarta compaiihia do
corpudo voluntarios que, em virtudede
ordens superiores, leiiliam bondade de
dirigirem-se ao lerceiro andar do sobrado
n. 14 da ra do Crespo, das 6 as 7 horas da
manhSa e das 4 s 6 da tarde, am de entre-
garen! o armamento e coi reame da nac.0o
que receberam, quando se alistaram na
mesma companhia, e ah ver inulilisarem-
se os recibos que passaram ao ex-capitflo
Joaquim Teixeira Peixoto, islo dentro do
prazo de oilo das, contados de hoje, ( 10
e lnalisado este prazo, remellrr se-ham os
recibos a autoridado competente, para fa-
zer eflectivo o recebioieiilo do mesmu ar-
menio.
Os Srs.
Joaquim Francisco de Torres Gallindo.
Antonio i iliui co da Cosa Monteiro.
Jos Ribeiro da Silva.
Joo Jos de Capristano.
Joaquim Aleixo de Souza.
Caetano da Silva Guimarfles.
JoSo Baptista llodrigues de Souza.
Antonio Vicente Guimarflcs.
Joaquim Antonio Carneiro.
Cernido Crrela Cima.
Francisco Antonio Alves Mascarenbss.
Pedro II. I lo no Jos da Molla.
Jos Pereira Cezar.
Manoel Martina dos Santos.
Sebastilo Jos de Souza Nofcuoira.
JoSo Ferreira da Cosa.
rsulianoClinode Torres Gallindo.
Vicente hodr'guesSeixas.
Luiz de Franca.
Al.Ion lo Chas de Muris .
JoSo Francisco de Paula.
Manoel Jos Marques Viauna.
Jos Joaquim Borges l'cha.
Jos de Araujo Caldas.
Fredericoda Costa Ros.
Braz da Costa Vellozo Rios.
Justino dos Sanios Cunha.
Antonio Esteves dos Santos (cometa.)
O abaixo assignado pedeao Sr. Madurei-
ra, natural da Baha e alumno da academia
jui idica de Olinda, que queira vira estriba-
ra da ra da Florentina, pagar a quantia de
7,000 rs. resto do alugucl de 2 cavallos, nos
quaesoSr. el guiafraiua villa do Cabo
no dia 24 de abril do corrente anno.
SebastiSo Lopes Guimardet Jnior.
Por engao nSo foi publicado o subre-
nome -- Jnior do aviso supra, na sua pri
meira nseicilo.
Antonio Jos da Cosa IGuimarflcs ven-
de o sua venda da ra da Cruz, n. 28 : a tra-
tar na mesma. O mesmo muda-se para o
becco largo, n. 4.
O abaixo assignado vai a Europa, as
pessoas que se achsrem com direito do rece-
lier ou satisfazer conlas com oditoassig-
nante hajam de comparecerem no prazo de
15 d Ai.Lduardo Gadaull.
Antonio Rodrigues Lima, morador na
praca do Corpo-Sanlo, e que vii(e de com-
mercio, faz publico que nflo he elle o que
foi preso, e'snacha mencionado na parte
da polica publicada neste Diario n. 136.
Atiendo.
Sflo rogados os Srs. abaixo declarados
pira quovenhan, ou mandem saldar suas
contas : attendendo ao lempo que ha decor-
rido, julga-se nSo haver rasflo de queixa,
vejam os annos, e atlendam que um artista
nflo he capitalista para empalar tantas quan-
tias ; e como ignore-se a morada de alguns
destes Srs. por falla de cuidado, sSo por es-
te meio lemiir.uios -. padre (".alisto Correia
.Nobrega 205,830 rs., de 1842 a 1844 ; Dr.
Antonio Joaquim de Figueiredo Soabra, pro-
motor do Limoeiro, 82,480 rs., de 1844 ;
Manoel Joaquim de- Figueiredo Seabra rs.
13,780, de 1844; alferes Reg Brrelo, ou
Carapinima ( no Cear ) 40,80 rs., de 1842;
Francisco Sos res da Silva (no Cabo) 12,000
rs., de 1843 j Jos Thomaz da Silva 17,400
rs., de 1843 ; Jos Joaqun de Figueiredo
( no MaranhSoJ 21,000 rs., de 1842 ; Jos Ro-
drigues Pinheiro 20,610 rs., de 1818; Jo-
s Romualdo Gomes do Santo 6,000 rs.,
1848; JoSo Lete Rodaval ( em Apipucos)
32,000 res, de 1847; lente em com-
missSo Manoel Cavalcanti daSilveira, natu-
ral da Parahiba, 53,520 rs. de 1842 ; Caeta-
no Jos Coelho ( ra do llrum ) 97,180 rs.,
de 1842 a 1845; Manoel Theodoro de Al-
meida Alhuquerque (Parahiba ) 13,000 rs
le 1842 ; Jos do Santo (l.i.noeiro ) 31,000
rs., de 1845 ; Jos Rodrigues Pinheiro rs.
3,500, de 1844 ; Francisco Berenger de Al-
mejda Cuedes 10,000 rs., de 1845 ; Antonio
le Medeiros 8,000 rs de 1815; Manoel de
Oliveira Cavalcanti 3,000 rs. de 1845 ; Jos
Pereira da Costa (engenho Mulinote ) 8,000
rs. de 1843; Manoel Joaquim do llego Bar-
ros 12,000 rs. de 1845 ; Joaquim Kuzebio
7,600 rs., de 1841 ; Francisco Caclano Pe-
reira Guimarfles 22,000 rs., de 1845; Fran-
cisco do Paula Albuquerque Maranhflo ris
18,000. de 1845 ; lenlo Martins Goncalves,
empregado no arsenal de guerra 21,500 rs. ,
de 1844 ; Caetano Aureliauo de Carvallo.
Couto ( empregado no consulado) 11,400
rs., de 1842 a 1813 ; alfares L. J.'C. 10,000
rs., de 1847; advertindo, porm, se nao
mandar pagar sahira o seu nome por ex-
lenco. Os que esliverem comprehondidos
neste mesmo lempo, lero de ser lembrados
a saldarem suas conlas, na ra Nova, loja de
-Ifaiate, n. 18.
Sociedade Harmonicb-Tbeatral.
O primeiro secretario scientlfica aos Srs.
socios, que os bilhetes para a recila de 22
lo corrente, se dislribuirilo no salSo do
iheatro, nos das 21 e 22 ; e previne, tinto
aos Srs. socios, como a seus convidados,
que excediendo o numero do pessoas ao nu-
mero de bilhetes que liverem, passarflo pe-
la desgoslo de Ibes ser negado o ingresso,
em consequencia de, as recitas passadas.
se terintroduzido no theatro numero de
pessoas superior a sua capacidade.
No dia 15 do crranle mez fugio urna
escrava crioula, de nome Monica, com os
signaes seguintes : estatura regular, corpo
fornido ; tem algumas sicatrizes de chicle
pelas costas, cor fula, quanlo anda manca
de uina perna, o que se suppde ser manha ;
levou vestido de xita encarnada ordinaria,
panno da Costa azul com listras brancas,
representa ter 30 tantos annos pouco mais
ou menos : quem a pegar leve-a loja de
fazendas, n. 9, dama do Collegio, que ser
bem recompensado.
Precisa-se de urna ama forra ou capti-
va, que sailia engommar, para casa de urna
s pessoa : no becco da Bomba, n. 1.
Aluga-ae um sitio na estrada do Cor-
deiro, proprio para pessoa que tenha trata-
menlo, qur nacional ou estrangeira ;
bem assiin mais dous sitios, um na ra da
Casa-Forte, e ou tro na Campia : a tratar na
ra do Annii un, n. 15.
Precisa-se, no sobrado n. 59, segundo
andar, da ra da Cadeia-Vellia do Itecife,
de urna ama com abundante leilo para criar
urna crianza : quem estiver nestas circuns-
tancias, dirija-se ao mesmo sobrado para se
ajustar.
A pessos que liver urna prela quitan-
deira, pagando-se-lhe 240 rs. por da e
sustento, annuucie por esta follia para ser
procurada.
No dia 6 de junho desappareceu da ra
da Madre-de-Deos, um quarlo com can-
fealha, rodado, com algumas piulas de pe-
drez, meio pequeo, gordo, carregadnr bal-
xo obrigado : quem der noticia delle na
mesma rus, venda n 36, ser recompensado.
C-iu desoecupada a casa amarella.da
ra da Praia, sonde est o theatro, proinp-
to para qualquer reprcsentacSo, e se aluga
comino.la mente ou para este ell'eilo, ou taoi
t.cm para qualquer repsrticao publica, es-
tabelecimento, fabrica < u sociedade que
pr. cis.r deum grandissimo salilo, alm de
or i os cu:ni.>.I. s mais, para cujo lim se ti-
rar entilo a decorarlo do theatro, pondo-
so a osa liinca : a tratar com Cuilherme
Setto no atierro da Boa-Vista, n. 10.
OSr. Justino Alvos da Costa, que an-
nunciou no Diario de sabbado retirar-se pa-
ra o Rio-de-Janeiro, queira antes de o fazer
vir pagar ao abaixo assignado a quantia de
110,000 rs. e gneros que est devendo.
Anlnio Joaquim de Souza Ribeiro.
Aluga-sH o segundo andar da casa da
ra do Amorim, n. 46 : a tratar ua ra da
Cadeia, n. 18.
-- Oflerece-se urna mulher de bons cos-
lumes para ama de urna casa de homem sol-
teiro, ou casado de pouca familia : na ra
das Flores, n. II, se dir quem he.
I). Anna Francisca da Silva Braga, mo-
radora na cidade de Olinda, previne as pes-
soas de sua amizade, e as que tem eslabele-
eimenlos na meso, i cidade e nesta, que nSo
dem em seu nome, e nein por eseripto, g-
neros, ou quantia alguma ao seu cscravo
de nome Cuilherme, pois desde j allirma
que se nlo responsabelisa por cousa al-
guma.
-- Aluga-se, ou vende- se, por se nflo pre-
cisar delta, urna eacrava crioula, moca, de
hoa figura, que cozinha bem, lava do sabflo,
cose, engomma, he quitandeira, nlo foge,
nao furia e nem bebe, o que todo se alien-
es : por aluguel 12,000 rs. mensaes, e-por
venda 600,000 rs. : tambem se vende urna
mulaliirha de 9 a 10 aunes, lalvez a mais
bonita qiia} appareQa noste genero, e j esta
adiantada em costura na ra do Sor, n 9.
3
~ Rogo ao Sr. AJrmista, que se d ao Achando-se procedendo o inventario
trabalho de estmlar a historia contompora- pelo juizo de orphSos dos bens deixados pe-
nes para n3o cahir em erroi tflo grosseiros
como o em que cabio no seu annuncio in-
serido no Diario de l'trnambuco n. 135. Kn-
tretanto, saiba, Sr Adamista, que Ledru
liolin nao he economista, mas sim poltico e
jurisconsulto; que em Pars ha dous indi-
viduos com o nome de Blanqui ; um be eco-
nomista da escola antiga, e a sua principal
prodcelo he a Historia da Economa polti-
ca na Europa, desde o antigs at os nossos
diat, obra classica por onde se estuda em
Franca a historia da economa poltica ofli-
cial; e o outro nflo he economista ; he ho-
mem do progresso, mas nunca ensinou eco-
noma politica, nom tflo pouco oscreveu
obras sobre semelhante assumpto.
Em conclusSo dre ao Sr. Adamista que foi
muifeliznaescolliadopseudouymo, pois lie
mitterser de urna ignorancia antediluvia-
na, verdaderamente admica, para ignorar
asevolucOes progressivas do espirito huma-
no desde Adflo at a geracSo actual; e fi-
que certo de que, se na em que vive mergulhado, existe em Per-
nambcoquem contiena e sinta a marcha
escencional da liumanidade para a soluto
dos phenomenos da vida dos povos, e faga
Justina ao mrito do l)r. *; e persuda-
se de que as suas facecias aosprogressistas da
Europa, lhes produzirflo o mosmo resultado
que urna gotta de sangue para Ungir o Oca-
no. Um progresiisla.
Aluga-se um pequeo sitio com ex-
celentes commodos, no lugar da Capunga,
defronte do sitio do Sr. Douburcq : a tratar
no mesmo sitio.
-- Faz-se pflo-de-l, bolnhosde bandeja,
bolos de S.-Joflo : ludo muilo bem feito e
com promplidflo : na ra das Larangeiras,
n. 14, primeiro andar.
O abaixo assignado faz scienle aoSr.
thesoureiro da lotera da matriz da Boa-Vis-
ta prxima a correr, que o meiobllhele n
3,800 Ihe foi roubado dentro em um* car-
teira ; por isso haja do nilo pagar o que por
sorto Ihesahir senflo ao annuncianl, qu
he seu ligtimo dono, pois o comprou ao
Sr. Francisco Alves de Souza Carvalho, na
Parahiba do Norte-
Pernambuco, 1.* de junho de 1850.--Jim-
lino da Silva Boavista.
Aluga-se um sobrado recentemenle
acabado, na ra da L'niflo, com os melho-
res commodos para urna ou duas familias,
consistentes em excellentes salas, alcovas,
duas coziuhas, cochoirae grande quintal:
a tratar na ra da Aurora, n. 4.
Roga-so ao Sr. Jos Ignacio de Lira,
oflicial de Justina, que no prazo de 8 dias,
queira ir em certa paite, que nilo ignora,
entregar certa quaulia de urna execueflo
que foi fazer, ha mais de um anno, eque fi-
cou-secomo diaheiro ; na certeza de que,
oJnSo fazendo, se proceder nos termos da
lei.
-- A negocio! de seus inleresses deseja-se
noticia do Sr. Francisco Luiz, da I1,.Iliaca,
dos sitios da Bairrada, districto de Coimbra,
e esteve aqu oceupado na fabrica das Cara-
Cas ; bem como do Sr. Jos Januario Soares
Ferreira, sobrinho do fallecido padre An-
tonio Soares Ferreira, o casado com a Sra.
. Ignacia Joaquina de Jess Ferreira, ou
queiram procurara viuva Gaudino& Filho,
na pracinha do Corpo-Santu, n. 66, ou an-
nunciem suas residencias.
- Manoel de Souza CuimarSes, tutor do
orphiio Luiz, Gibo do tinado Luiz Jos de
Souza, tem de comprar algunas casas ter-
reas para o mesmo orpho, depoisde satis-
feilas as diligencias do juizo de orpliflos;
por isso quem as liver para vender, dirija-
se ra do Rangel, n. 3fi, primeiro andar.
D-se .lilil, i i o a premio cin quanlias
de 20,000 rs. al 1:000,000 rs. sobre penho-
res, boas firmas e hypotheca : ua ra da Ca-
I.-ia-ile-Sauln- Antonio, lio segundo auda
do sobrado da esquina do Ouvidor, n. 14.
-- Jos Joaquim Lopes Pereira Cuima-
rles da l:iiii'j um casas partieolares, anda
mesmo sendo nos lugares, Solidade, Pus-
sagem, Manguinho, etc., por preco com-
nioilo : a trazar na ra liireita, u. 18, se
guudo andar.
-- Precisa-so de ofilciaes de empalhar : as
Cinco-Pontas, n. 58.
Quem deseja saber da morada de Joo
Vendas.
jo finado Manoel Francisco Rodrigues, o
abaixo assignado, tutor das menores, lillns
Jo mesmo, avisa a todas as pessoas que fo-
rero credoras do casal a justilicarem seus
lebilos pelo respectivo juizo ; assim como
roga a todas aquellas que forero devedoras
sallsfazerein suas importancias, entendon-
do-se para este lim com o mesmo abaixo as-
signado. Pedro Ignacio Baptista
O abaixo assignado declara ter dissol-
vido a sociedade que gyravana firma de
Silva 6 Cunha, e no passivo lica obrigado
a pagar aos diversos Srs. credores Antonio
Joaquim da Silva, no mesmo estabelecimen-
lo, pateo da Santa-Cruz, n. 6. Dominaos
Bernardino da Cunha.
Precisa-se fallar, com muila urgencia,
aoSr. Ignacio Correia de Mello : na ra I)i-
rela, n. 6.
Jos Carlos Ferreira Soares Jnior faz
scente a todas as pessoas que com elle li-
ver IransaccOes, hajam de apresentar suas
coolas at o dia 20 do corrente, alim de se-
rem satisfeitas, nilo se respousabilisaudo
por qualquer conta que apparecer depois
desta data.
Quem quizer ajustar leite puro para to-
mar lodo anno a um s preco rasoavel, an-
nuncie para ser procuradu : aliaica-S3 nSo
se entregar adulterado, porm s se ajasla
com quem lomar do urna garrafa para cima
Jiariamenle.
Contina a estar fgido, e desconha-se
que tenha sido seduzdo, o mulatinho Jos,
iue representa ter 14 a 16 annos poueo mais
ou menos, cor avcrmelhada, cabellos pre-
tos e annelados, bucea um pouco ponto la ;
levou camisa de madapolflo e calca do brim
trancado riscado de algodflo : quom o pe-
gar leve-o ra da Aurora, casa inmediata
a de n. 18, que ser bem gratificado.
Manoel da Silva Belloiiionte e Albuquer-
que mudou-se da ra da Roda para a ra
.las Trmcheias, n 4t, sobrado de um an-
dar, aonde contina a exercer suas fuuccoes
de sangrador e dentista. O mesmo applicu
ventosas da maneiVa a mais delicada possi-
vel : ludo com promptidiio c sem exorbitan-
cia ; tambero tem bisas hamburguezas para
alugar, das rr.olhores que ha no mercado,
por muilo barato i rc.,o.
Precisa-se alugar urna preta ou preto
para andar com um taboleiro coro fazendas :
paga-sa niensalinente e d-se o sustento:
quero pretender, dirija-se a ra das Cruzes,
u. 4, ou annuncic.
- Ausentou-s! da casa do annuncianle,
no 10 do corrente, o seu escravo de nome
Jos, de Angola, moco, de estatura regular
e secco lie fcil de ser conbecido por estes
caraclerislicos : lugar dos lornoselos gros-
so, fallo do denles ua frente, e um enciaco
ia testa perpendicular ao nariz ; tom sido
visto na estrada nova, Magdabna e Luca :
quero o pegar sera rasoavelmeute gratifica-
do, levando-o la da Passagera ( ou Cho-
ra-Menino ), casa ii. 3
Antonio de Almeida Gomes comprou
por conta do Sr. Jos Antonio Barros, da vil-
la da Granja, o meio bilhete n. 8131 da 4
olera do Itio-de-Janeiro, a beneficio das
obras da igreja matriz do Cear.
O senlior que levou oceultameuto um
relogo de oum liso, de sabonele curo
mostrador de prata, letras de ouro, de pa-
tente, n. 1,905 ou 1,808, no dia segunda-
reir, II do curenle, da loja de relojo.-iro
na ra Nova, n. 21, tenha a bon lade de
reslitui-lo pela melbor l'rina que lliecon-
vier ; islo no \ raso de 3 das, do contrario
se usara, dos meios competentes e faze.ido
at publico pelo jornal.
Alu.a-se um i pela que seja boa quitan-
leira, pagando-su 13,000 n. mensaes e dan-
Ju-se n Mstenlo: na ra da Assuuipcn.n.tO.
Lino Jos de Castro Araujo, antorisa.io
por Anlonio Joaquim Tavares psra rere-
ber suas dividas, roga a todos os seus de-
vedores de mandarcm pagar o mais brete
possivel, pois que desoja puupar nieios que
nflo sejain amigaveis, ero semclhaiites reco-
bimenios, comquonlo para isso teuba or-
i< ni do son comlltenle.
Prccisa-so alugar uro preto voltio, on
compra se : na ra Hircita, n. 78, reliuaco.
( fferece-se um homem brasileiro, de
40 annos, para administra Jor de qualquer
por tor bastante pratica, ou para
mais mo-
vendein 20
Cadeia-Velba, n.
NOVL1VHODE SURTES.
Depois de um aturado trabalho do mul-
los seclos, e por occasiSo du escavar-se a
cidade do Pompea descobro-so
A UBNA FATAL
DOS
Deslinog humanos
00
Sortes para os diverlimentos
DOS T
D1ASDK SAN JOA' E SAN
PEDRO.
liste importante livro sahio luz pela
nrimeira vez este anno em um bom volumo
Jo 286 paginas, o com 704 versos, quo
abrangomosdesejos dos vvenles, princi-
almentedas senhoras quo tanto ambicio-
nan! saber qual seu destino no anno quo
tem de vir: o que elle conlem he de urna
verdade tal quo quem o consultar deve U-
car persuadido que infallivelroente Ihe su-
der o quo, a sorte Ihe liver prognosti-
cado. Vonde-sea 1,600 rs na livrana ns. 6
e 8 da prca da Independencia.
--Vende-so um adereco com brincse
pulseiras, ludo de fino ouro, e cercado com
Jumantes, do mellior gosto e o -
lernona F.uropa ; tambem so
pipas vasias : na ra da
51, loja. ..
- Contini-se a vender o bom u acreci-
do rap Paulo Cordeiro, o capsuias do
ip.ibasimplose com cubobas, o gamma
kinno : na ra da Senzalla-Nova, u. 40, pri-
meiro andar.
Jogos de visporaa :,ooo rs.
Na ra Nova, n. G, loja d<: Maya
Ramos & Oompanhia,
vendem-se por este diminuto preco para
divertimento das nuiles de San Joflo o san
Pairo.
Aos menles do* bons charutos.
No caes da Alfandega, armazem conlion-
leacscadinha, vendem-se os muito bero
CODhecidos charutos das seguintes marcas:
Libertes de llavana.
Saquaremas.
Saudades.
I'atuscos habanos.
Espeeulacfio.
Mimos Habanos.
Depu lados.
Cavalheiros de llavana.
Aitilliciros.
llega I a.
ludo mais barato do que em outra qual-
quer parle.
Vende-se una casa terrea nos Afola-
dos, uo largo da Paz, n. 46, com tres quar-
tuS, em rhilos propiios, boa cacimba, e com
.las poi tas de frente i no pateo do l'araizo,
n. 47.
Na ra da Cruz n. 14, vende-se superior
fio de algodflo obrado em quatro pernas,
em libra a 480 rs.; assim como fumo da
provincial moito superior.
Vende-seo remedio contra embriaga-
dos, viudo do Itio-de Janeiro : na pruc da
BOS-Vista, n. 32, a preco de 5,000 rs. a gar-
raflnha.
Aos fumantes de bom gosto.
Acabamde chegarda Babia, ra .Nova,
ii. 18, charutos, lano superiores como
mais inferiores, que se venderflo pur preco
mais barato do qu i ero oulra qualquer par-
te, em rasOa de continuar ah ser uro depo-
sito, on le soinpru haveao as moldures qua-
lidades.
Jos de Moraes, drija-se ra da Assunip- .engenho, p
oflo 0 4 caixeiro de venda, ou para outro qualque
' eslab. locroenlo, para o que dar fiador ii
13 ll0 com '-se- [sua conducta : que.,, o precisar, dii ja-se .
ra da orJom lerceir de S.-Francisco, n
X, que so dir quero he a pessoa, ou an-
uuncie por esta folha.
na ra dos Pires, duas vollas de cordilo com
urna escoleta do ouro com a firma de M. J.
P. : roga-se a quem achou, querendo resti-
tuir, de entregar na mesma ra dos Pires,
n. 19, que ser generosamente recompen-
sado.
O padre Leonardo Antuncs Meira llen-
riques advoga no civel ecrime, e ensilla
particularmente thcologia em casa de sua
residencia, na ra das Cruzes, n. 11.
0 Sr. Dr. A. J. de S. G., morador na ci-
dade de olinda, haja de ir loja de fazendas
da ra do Passeio, ii. 21, pagar o saldo .1
sua leltra vencida a 28 de maio de 1839 ; uo
contrario, tera de ver o seu nome por ex-
tenso nesla folha, ate que cu.bolee a ditl
quantia.
Os abaixo assignado, tendo
di.ssolvi lo amigavelmente a socie-
dade que liaviam contrabido na
loja de fazendas, sita na ra do
Queimado, n. 3, e que gyrava s!
a firma I'inho & lastos, assim o
fzem publico, com especialidade
ao couitnercio desta praca, c de-
clarando que lica a cargo nica-
mente do socio Joo Augusto de
Finho a liquidacao da estincta fir-
ma, tanto activa como passiva-
mente, sendo por consequencia o
nico responsavel por todas a>,
transacedes feitas. Kecife, in
de unlio de t85o. Joo Augus-
to de Pinito. Joi Joaquim
Goncalves Bastos.
Precisa-se do um bom amassudor, e de
um preto que entenda de panana, ou mes-
rao sem entender: na padaria defroule da
lo t- l.'7a das Cinco Punas.
--Na ra .Nova, loja n. s, se dir que'-'i
la a juros quanlias de 300, 400, 500, 600 e
700,000 rs. sobre hyrothecas em casas ter-
reas.
-- ii abaixo assignado tero contratado
com o Sr. Joflo Ignacio de Avilla a compra
de una casa terrea no pateo de S.-Jos, n
43 ; por isso se liouver quem tenha direito
a niesroa, annuncie por esta folha, ou en-
tenda-so coro o abaixo assignado, uo prazo
de 6 dias. Paulo iosn Gomes.
Na ra da Praia, becco do Carioca,
1111 .t 11., solo a linlio defronte do porlflo gran-
de, que tem letreiro, eugomma-so toda f
qualquer ronpa, por pre?o commodo, e con
oda a perfeioSo o presteza.
Fanny de nafAo Africana, sollcira, ro-
tira-se para a c lade da Baha.
Compran.
-- Compra-se una escrava do nacilo An-
gola, que seja moca, e saiba fazer lodo o
servio de urna casa, cozer,iignmmar, co-
.sink.r, anda que pouco. e lavar : na ra
dollozario larga, u. 28, seguddo andar, se
dir qnein quer comprar.
-- Compra-se urna b lanca gran lo com
uro le no du pesos dn duas anulas pura
baixo : na ra do Itozario da lloa-Visla, n. 2.
Compra-se urna morarla de casa terrea,
sendo as ras das Cruzes, Itoda, Trinchei-
ras, Larangeiras Aguas-Ver.les, llortas,
Itungel, e nos largos do l'araizo e Carmo
na roa do Itangel, n. 15, sobrado, ou na ra
da Praia, n. 2, armazem do carne.
Compra-se um cava I lo que seja grande
o elegante, mesmo lendo so andares nalu-
i acs : na praca do Corpo-Sanlo, u. 2.
Compram-e 21 ps de fructa-pflo, em
estado dse plantaron : quem liverannun-
cie, ou dirija-se ra das Cruzes, n 41.
Compram-se caixas vasias que foram
de sabflo, a 120 rs. sendo da fabrica du
provincia, e de fra, a 80 rs., e em bom es-
lado : na ra da Madre-do-Ueos, u. 22, ar-
mazem.
Loinpram-sc 4 ps de sapolU : quem liver
annuncie, ou dirija-se ma da Cadeia Velba,
n. 5, loja de ferragens.
i Compra-sc un cabriolet em meio uso,
I com ai icios uusem clles: na ra Nova, n. .l.
Becco do Azeite-de-Feixe,
armazem, n 16.
Vendem-se charutos das melhores
marcas quo vem da Baha, e tambem
os veidaderos San-Felix do Itrandflo,
Z que ludo se vender por preco com-
modo.
m
*

-- Vende-se una negra de bonita figura,
de idade de 14 a 15 anuos, que cose, engoin-
na, lava de salino e co'ii principios de coz-
nna : na ra da Cadeia-Vellia, luja de ferra-
gens, n. 56.
Vende-se o rico elegante sobrado de. 3
andares, rom frente para a praca da Itoa-
Vsta e ra do Aragao, cada an.lir tem
commodos para una grande familia, o ami-
to fresco, COCheira para dous carros, eslri-
I.ana |.sra 4 cavallos, quintal c cacimba;
lio bastante rendse, nflo s pela sua boa
construcefloe repartimento, eomo pels lo-
calidade na ra Nova, n. 67, sedii quem
faz to::.,^) negocio.
-- vende-se un grande sitio na povoa-
Cflo do Monteiro, indo pelo bteco do Quia-
lio al a ladors do Mudo, com casa de taipa
uiuito cxcellenle pela sua posico o im-
rnensidades de fructasde todas as qualida-
des, com duas bonitas baxas para ca|iim de
planta, pasto para duas vaccasou mais, es-
tribara para um cavallo: vende-se polos
donos rio poderero continuar, e por isso
todo o negocio se faz com elle. Igualmonte
vende-se um quarlo carregador baixo,
muilo forte : ua ra da Conceico da (loa-
Vista, n. 9.
Vondem-se aceces da extincta com-
panhia do Pernambuco e Parahiba! na ra
da Ciuz, n 9, escriplorio do Oliveira Si Ir-
mfios.
- Vendem-so duas escravas de bonilas
figuras, sendo urna parda lavadera, o a ou-
lra da Cosa, quo engomma bem e cozinha
o diario de urna casa : na ras. de S.-ltita,
n. 15, primeiro anJar.
Ao respeitavel corpo do com-
mercio.
(1 cdigo coiimierci.il do imperio do Bra-
sil, coro a legislaco de 1850, offerecido ao
respeitavel corpo do commercio : vende-sa
no pateo do Collegio, casa do livro azul.
Cha de S.-Paulo.
F.xccllente cha dcS.-Paulo, a 2,240 rs. a
libra : vende-se no paleo do Collegio, casa
lo livro azul.
Vende-se una inulatinha recolhida, de
14 annos pouco mais ou menus, minio ha-
bilidosa: o motivo por quo se vendo se di-
r ao comprador ; 6 cadeiras com ass6nto
de palhinha, de boa ma lena e muilo fortes;
um bonito porta-licor; 3 candieiros de pa-
ic.le lulo por commodo p eco : na ra
estrena du Hozan.-, n. 20, segundo andar

mi mi Ano


Vendc-se urna pequea por-
cao de carvao, tanto mineral como
artificial, da melhor qualidade :
no escriptoriode A. S. C'orbett, na
ra da Cade-a, n. 48.
Florete de linho.
Covado 300 rs.
Para vestiilos Jo scnhora, roupas de mo-
nillos, pal (As pura hnmem, casacas, ele. :
vende-se na ra do Crespo, n. 11, loj de
Antonio l.uiz dos Santos Companhln.
Loja de modas na roa No
va, ii. 34, defronte da
CoiH'eiylo.
Madama Rosa Hardy,
modista brasileir8, lem a honra de partici-
par a seus freguezes, o particularmente as
senhoras suas patricias que recebeu lti-
mamente de Franca, e vene por preco mui-
tocommodo, ricos capotinhos de gros de
aples furla-cres de diRerenles feitios e
delindissimo goslo ; capotilhos prelos de
rliamalote ; trancas de todas as cores nara
enfeitar vestidos ; bicos de blondo ; fil li-
so ; erepo de cores; selins; camisas de
cambraia para scnhora ; toncas para bapti-
zados : bem como tem constantemente um
variado e rico snrtimento de chapaos da se-
da para senhora a proco de 8 a de 30,000rs.
chapos de palha enfeita.lns ; litas desetim
csapatos: tambem faz vestidos para casa-
mentse para bailes, da ultima moda, com
nmita perleic.lo, e por mais barato preco
(Inqiicem nutra qualquer paito; tambem
faz manteletes, capnlilhos, visitas e min-
ios outrosobjectos de uso de senhora : lu-
do da ultima moda. A mesma modista ven-
de armacoes de chapos de senhora para
cubrir de seda e crep, a 1,000 e 1,500 rs.
Chegiicm ao novo
barate ir o.
Na nova loja do Passeo-I'ublieo, n. 19
de Lomos Amaral k Companhia aeha-s
um completo sorlimenlo ile fazendas, como
sejam madapol.lo milito lino, a 4,200 rs
pecas de chita milito finas ede cores fixas'
a fi.000 7,ino, 8,000 e 8,500 rs. e a 160
00 e-2t0 rs. o covado ; corles de brim d
- linhuede lindos padrOes, pelo diminuto
preco de 1,400 rs. o corte ; ditos de meia
casen-iira, a 1,600 rs. ; chales de isa, e que
i.tiiil i- (i i servem para me si de meio de sa-
la, a 1.800 e 2,200 rs.; cortes de cambraia
de soda, a 4,800 r.; ditos de cassa chita a
2,000, 2,600 e 2,800 rs. ; lencos de Cmbrala
bordados para senhora, a 500 rs. ; e oulras
mullasfaiendas qoa por baratas deixart. de
ser anniinoiadas"; bem como mantas de Il-
ude linho bordadas, a 2,000 rs.
A\ isoao mada mismo
per ambiicano.
Na nova loja do l'asseio-Publico, n. 19,
de l.en.os A"aral & Companhia, venda-s
cassa milito lina para vestido le muito lindos padrrs, denominada Per-
nainburanu, pelo baralissino preco de 780
is. a vara. A ellas, pois a fazenda \Oa ; bem
como chales de 13a de cores escuras, a 800
res.
Vendem-se, ou pemutam-se as hem-
feiloriasde um grande sitio a naigein de
rio Capibarihe, confronte ao sitio do Sr,
Francisco Amonio de Oliveira, com 2 casas
sendo una pequea velbn, ea oulra bas-
tante grande, com 3 salas, 4 qu-irlos, cozi-
nha fra, um grande copiar no oiISo, es-
tribarla para 4cavallos, urna grande baixa
comcapim, e algunias fructeiras : na ra
Nova, n. 67.
Com 8 palmos de largu
ra o novo algodao mons-
ti o trancado california.
Na loja confronto ao arco de S.-AntonioJ
n 5, vende-se o novo algodo monstro tran-
cado, com 8 palmos de largura, pelo barat
preco de 800 rs. a vara.
Atoalhado de linho de
California com 6 pal-
mos de largura.
Na loja de Guimarfles & llcnriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se o novo atoalhado
california depuro linho e com 6 palmos de
largura, pelo barato preco de 1,120 rs ; as-
sim como ha do 5 palmos de largura, a 1 000
rs. a vara.
A ,000 rs. cada um.
Chales de seda grandes
ede bora goslo.
Na loja de Guimarfles & llenriques, na
ra do Crespo, n. 5, vendem-se chales de
seda, grandes, de Imm goslo e de bonitos
padrOes, a 8,000 rs. cada um ; cortes deca-
semira de cores, de muito superiores pa-
drees modernas, pelo barato preco de 6,000
rs. cai 2,500 rs. o covado; dito inglez, a 1,440 rs.
o covado.
Cheguem ao barato.
Vendem-se lencos de pura seda, pelo di-
minu'o preco de 1,280 rs. ; luvas dn pellica
preta e de ponto inglez, a 1,280 is ; linas
I casemiras prelas o de crtres, a 5,000 rs ; go-
linhas e pescociuhos para senhora ; e ou-
lras militas fazemlas baiotas: na ra do
Queimadn, n. 9. l)flo-se as amostras com o
competente peuhor.
Vende-se, ou troca.se por casa torrea
ou qualquer propriedade nesta praca, um
terreno com urna casinha^e olaria, sita na
ra do Seve, com 107 palmos de largura e
ile fundos desde a ra da Aurora at a ra
do Hospicio : na praca da Independencia,
n. 17.
No annazcm de Joaquim d8
Silva Lopes, vendc-se farelo, a
3,ooo rs. a sacca, e farinha de tri-
go franceza da marca Barao, or
preco commodo.
Bichas de Ilambingo.
Vendem-se ss verdaderas Li-
chas de Homburgo, aos centos e a
relalho : tambem se ulugam e vao-
se applirar a quem precisar : na
ra da Cruz, no llecife, n. 43, lo-
j de Joaquim Antonio Garneiro
de Sonza Azevedo.
*
4.
Vende-se cera de carnauba : na ra
da Madre-de-Dflos, n. 3, loja.
Vendem-se osseguintes livros de pre-
paratorios, por preco muito commodo, na
botica do Sr. Jos Mara Garneiro, na braca
da lioa-Vista: Fonseca, diccionario fran-
cez portuguez. ; Vieira, diccionario portu-
guez inglez ; Constancio, diccionario fran-
cez portuguez; Diccionario Magnum Lexi-
cn ; Talemaco em francez; Novo mostr
inglez por Constancio ; Geometra por l.n-
croix ; Arithmetica por Lacrois ; tratado de
clculos por Lacrois ; Manual de geome-
tra pratica; Compendio degeographia uni-
versal ; Resumo de geognphia por Aran jo ;
Atlas geographico ; Kpithome ue gramma-
lica philosophica ; l'onelle, philosophia l-
gica ; Compendio de grammatica portu-
gueza ; Cicero, epstola ; LicOes sobre a teo-
ra lgica ; Pope, iliada; InstituicOes ora-
torias de Fabio Quimtiliano; Fonseca e
Quimtiliano ; Formulario de Prierosem
francez ; Tratado de inflammacOes, prece-
do, phereologia e patalogia ; Itesumo da
historia sagrada; Voltaire, chefes deoeuvro,
4 voluntes.
f*$ 99 9999V99
* ?
Manteletes e capotinhos. @
9 Na loja do sobrado amartillo, nos *
v qualro cantos da ra do Queimado, *
# ii. 29, vendem-se manteletes e capo- t
') tinhos de chamalote preto de seda e ?
guarnecidos com franja de seda, pe- #
lo diminuto preco de 20,000 rs. D

###? 9%999i #> k w
-- Veudem-se queijos londrinhos de 4 e 5
libras, muito frescos-, na ra da Cruz no
Racife, u. G2, armazem de Manuel Francis-
co Marlins.
Para os bollos de San-Joao.
Vende-so manteiga inglcza muito boa, pe-
lo preco de 560 rs. : na ra Imperial, reda-
ra n. 37.
Cheg"em rechincha.
Snpalos do Aracaty a 8oo rs.
cada par.
Na taberna de Mandes & Braga, na ra da
Cruz, n. 36, defronte da Lingola, vendem-
se sapatos do Aracaty, nimio Superiores e
de todos os tamaitos para hnmem, a 800
rs o par; chapeos de palha, proprios para
osemos, a 120 e 200 rs. cada um ; esleirs,
a 320 rs.; velas de carnauba pura, proprios
para quem tem de festejar S*. Antonio, a 80
rs. a libra, ou a 40 rs. cada urna ; ancorlas
com azeitonas muito novas, vindas ultima-
mente no Ventura-Felit, a 1,000 rs., 0 a
240rs. a garrafa ; e outros nimios gneros
em proporeflo. Adverte-sa quo sendo em
poreflo se dar mais barato qualquer ge-
nero.
Attencao.
Vende-se cora de carnauba em saceos de
5 arrobas para cima ; sapalos do Aracaty,
muito superiores; sola;pelles de cabra/
ludo vindo ltimamente do Aracaty no
hiate Duvidoio, o por menos preco do que
em outra qualquer parte : na ra dos Ti-
noeiros, n. 5, armazem de Domingos Rodri-
gues ee Andrade.
Vende-so um piano de mogno, excel-
ente, parase principiara aprender, por m-
dico preco : na ruado Collegio, n. 21, se-
gundo andar.
>f Ff f i^f f e v y yf f f f $' Na loja do sobrado amarello, nos
quatro cantos da ra do Queimado, *<
------------- gULaL>ii
algodflo americano hranco ; pode ser quo
troque de nome o se intitule forro. Roga-so
as pessoas que dclle tiverem conhecimen-
to, com especialidade aos Srs. encarroga-
dosda policiaecapitilesde campo queiram
empregar todos os muios a seu alcance,
aflm de que dito pardo soja capturado e en-
treguea seu senhor, que, alm de pagar to-
das asdespezas quo se fizerem cora a coii-
duceflo do mesmo, generosamente recom-
pensar a pessoa que o levar ra da Al-
fandega-V'elha, n. 36, segundo andar, com
5o,O00rs. Salvttiano de A quino Fonseca.
Gratificaeao.
Fugio, da Cidade de Macelo, no passado
abril, a escrava de nome Colecta, do dou-
tor Jos Tavares Bastos, o gralitica-se a sua
apprehensSo nesta praca, ra do liangel,
n. 36, segundo andar: signaos seguintes :
crioula, moca, disfarcada, boa estatura,
corpo espigado, peitos escorridos, e com
vislvel queimadura no rosto.
i. 29, vendem-se
Chapeos francezes de forma
moderna
Coi tes de calcas de casemira
de padrOPsescnros
Pitos de dito modernos
6,000
Farinha de S.-Matheus',
ile superior qualidade : vende-.-e a bordo do
! alacho S.-Cruz, tundeado em frente do
pteiros.
Moreira & Vellozo,
acabam de icceber o melhor e mais bello
cuuro de lustro que a e-ie mercado tem
viudo ; porque o tamanho das pelles o qua-
lidade do couro he lal quo muito deve agra-
dar aos Srs. n-cstres sapateiros, para me-
lhor seivirem a seus freguezes ; o proco a
vista da qualidades se dir, mas slianca-
se que sera commodo e bem commodo : na
la Aova, loja n. 8, onde se vende nica-
mente o dito couro.
Candieiros para mesa de
sala.
Na loja da ra Nova, n. 11, de Jos Pinto
ilaFonseca e Silva, vendem-se elegantes
candieiros para me-a de sala, de um ma-
cbinismo muito simples u fcil para fazer
subir o azeite, cronseivam urna brilhante
luz por muito lempo.
Muito barato.
Na loja da ra Nova, n. 11, de Jos Pinlo
da Fonseca e Silva, sucessor de Guerra Sil-
v.iiV c vendem-se candieiros de gaz, a
de cOres,
ricos es-
grandes ,
eos doura-
2 Ditos de collele degorgurSo
de seda bordados
Aviso aos Srs. artistas sa-1* *$$8eliin de cre*bor'
e
4
m
4?.
5,000 o
6,000

5,000
> Alpaca mesclada propriss
t> para gndolas e palitos, o
i.* covado
'* Merino preto muito fino, o co-
g vado
^ Dito verde e cor de caf, pro-
)'.,. prio para vestido de mouta-
^ lia, o covado
i> Lencos de seda de cures para
7,000
%
720
3,200
2,500 4
800 <;
A 640 rs. o covado de al-
paca preta lina.
Loja n. 5,
deGuimtrSeSJt llenriques, que faz equina
I ara ra do Collegio, vendc-se alpaca pre-
ta lina, pelo diminuto prc^o de 640 rs. o
covado, preco este por que nunca se vendeu
fazenda igual.
No armazem do baraleiro
Silva Lopes, na porta da alandc-
ga vendem-se gigos com batuUs
novas ; cevada nova e barata :
f<.rtlo em saccas, a 8,o> o rs.
Para quem tem bom
goslo.
Na ra do Queimado, n. 9, existe um no-
vo sortimeiito de manteletes e Capotilhfts de
seda, gorgurao e chamalote preto e de co-
res, os quaes se ven 'em pelo diminuto pre-
co de vinle e dous mil rs. DSo-se amostras
com penliores.
-- O correlor Olivcir: tem ltimamente
concluido avulladas vendas de precioso vi-
iibo do Porto, muilo vollio, restando-lhe
apenas alguna hamlinhos de tete e oito cn>
pipa, mu proprios para mimos : a modo
que os freguezes ja se vilo desengaando
i'inqiianioa sua ptima qualidade; lalve
inultos aiuda choguem Urde paia compra-
ren os poucos que finda restam, e entilo
larde sera o seu arrependimento, saliendo
que se acabara tilo precioso nctar; apro-
veitem, pois, einqurnto he lempo, a occa-
Stfio dse reffzercm de um vinbo que sabe
engarrafado por nonos de 6,0(10 rs. quan-
do qualquer das qualidades do novo, e in-
ferior, que por lili >e vende, he a raso de
12,000 rs. e mais por duna. O mesmo cor-
relor ofjercce vi na 50 barril de chumbo
de mullican, por proco rasoavel.
Vende-se um preto sadio, de bonita fi-
gura, e que nlo be bebadu nem fujSo, pro-
lirio paia padaria, ou sitio, por ser corpo-
*lento una parda moca, com llgumas ha-
bilidades: na rus doltangtl.ii. 38, segn
do andar.
Vende-se um palanquim quasi novo
por 100.000 rs. ; dous pares de bancas com
lampos de marmore prelo, por 100,000 rs. ;
dous trancelins feilos no paiz ; un cnracil
massico; dous annt-IGes; um cordflo lino,
urna medalha massica i ludo de ouro bom c
4.000 rs. a oitava, sem fetio : na ra do
Sol, n. 9.
-- Vendem-se ptimos pianos recente-
mente chegados: na ra da Cruz, n 4s
armazem.
moni, marca, e faz ia-
vnrinio e he de ptima conducta; duas di-
tas com habilidades; e mais alguna escra-
vd.s : na ruadas Lartngeias, n. 14, segun-
do andar.
A cidade de Pars.
Vende-se el apeos do sol, do teda, pre-
los, a 4,500, 5,000 e 5 500 rs. rada um, ar-
mae>o de balota rruilo folies; le gali-
uhas de junco, a 2,5f0 e 3,500 rs. a duziaj
retroi preto muito forte, em porclo e a
relalho : na ra do Collegio, n. 4,
Aos Srs. de ciigenho.
vendem-se cobertores oscuros dealgo-
dSo, proprios par e.>cravos, jor seren de
incita iluracn, pelo diminuto proco de U40
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Na va Ibas de patente.
Vrndem-se naval has linas de
patente para fazer barba ; eslojos
completos de todos os ferros para
cirmgia, obra muito fina, por pre-
(o commodo : na ra da Cruz, no
.Kecife, n. 43, loja de Joaquim
Antonio Carneiro de Sotiza Aze-
vtdo.
Fardo de arroz.
Vende-so esta j tilo cotdiecida quanlo
olil substancia alimentaria rara sustento
de cavallos, em barricas com 4 arrollas para
mala, pelo diminuto preco de 3,000 rs. a
barrica i nos irmezem de Onofre ni ruada
Hidie-de-Dcos, e no defronte do rnafiriz
da ponte Instrumentos tle msi-
ca baralissimos.
cAres ,nra senhora, a 160rs. o par; melas
0e seda pela cuitas para homcm, a 800rs. o
par; lencos de garQa, a 160 rs. ; trancelim
de borracha para relogio, a 80 rs.; ligas de
borracha, a 80 rs. ; jugos de vispora, a 1,000
rs. ; ceslinhas de verguinha para costura e
para fructas, a 640 e 1,280 rs. ; esloirinhis,
a no rs. ; maulas de garca para meninas, a
500 rs.
Na leja da ra Nova, n. 11^do Jos Pin-
to da 1'onsi ea e Silva, vende-se fita do ta-
lag i ca para bordar, a 600 rs. cada vara.
^,A0ka%4jgdi mmmm
cascudas baratas.
:
I:
Na loja do sobrado amarello, nos S
quatro cantos da ra do Queimado,
vendem-se '
(.'orles de vestidos de Jcassa de cores i
Oxia e de lindos padrOes 2,000
Ditos de cambraia com To do
seda 3,000 w
Ditos de chita preta com' flores
brancas e com 11 covados 1,800 i
Chitas fraucezas largas o de
cores fixas, o covado 300 ^
| Canas de cores o de bonitos
*$ padres, a vara 400 e 480 U
I- ( o:tes decalcas de brin bran- il
S codelislrase de linho puro 1,800 35
'): Hilos de dilo de cor amarella 1,410 ij;
J Ditos de collele de fuslSo '{/
J branco 720 %
i Ditos de calcas do IDes escuras 1,600
i$ 10 oulras fazendas muito baratas. g

De patente a lo,ooo ra.
Crande sorlimenlo de chapeos de sol, de
palele inglez, pelo barato preco de 10,000
rs. cada um.com basteas de baleia e de ac;
ditos mais pequeos para meninos ; ditos
do seda preta, a 5,500 rs. ; dilos de cores, a
; 8,000 rs. ; ditos de panniiibo, a 2,800 rs. ;
; chapeos braucos de castor, patente inglez,
grvala
Cortes de collele de varias fa-
zendas 800 e 1,000
E Oulras muitas fazendas finas, co- *-'
o o sejam : panno preto de 3.500 a "*
11.000 rs o covado ; ditos de cores ;
casemira preta elstica ; setim pre- >>
~> lo de Maco ; chales e mantas de se- ^
: > di; cortes de vestidos de seda de co- -
;> res e brincos ; esguiSo finissimo; <;
'-> meiaso luvas do seda para senhora : <'"
W tudo por preco muito commodo. *
^
OAAAisAdSjliiiAJiiiG
Vendem-se presuntos ame-
ricanos, proprios para fiambre,
por barato prefo : no caes da Al-
fandega, armazem de Das Fer-
reira.
- Na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, veudem-se 7 escravos, sendo : 2 lindas
negrinhas crioulas, do 10 a 12 anuos, que
cosem bem chito, fazem lavirioto, luco e
renda, ptimas para mucamas de qualquer
menina ; tres prelas mocas e de elegantes
figuras, que engommam, cosem c3o, cozi-
nliam o lavam de sabSo ; urna dila da Cos-
ta ; um inolecote de nacSo, de 18 annos,
proprio para todo o servicu.
Vende-se um quarto alazSo, em boas
carnes, proprio para carga ; bem como tres
rotulas em bom uso : na ra Imperial,
n. 25.
O 6>
q Toalhado de algodilo o de linho. q
n Na loja do sobrado amarello, nos m
-. quatro cantos da ra do Queimado, ,s
~ n. 29, vende-se atualhado com tres ~
';-. palmos o meio dn largura, a 320 rs. a ZT
*& vara ; dito com 9 ditos, a 1,800 rs.;
5 de jntibo de iS5o.
l'ugio, di villa do Bonito, o esenvo Lou-
renco, crioulo, de 21 innos, biixo, corpo-
lento, cor nfio muito preta nem muito fu-
la ; falUm-liio prte das unhas dos ps em
todos os dedos por causa de bichos que te-
ve em pequeo, e de cin redondi : quem
o pegar leve-o ao vigario da dita villa, o pa-
dre Manoei de Mello Falcflo M. ou na ra
di Cideia do Keeife, n. 24, loja de cambio,
di viuvi Vioin & Filho, que se gratificar*.
Fugio, nodi 12 de marco, o preto Be-
nedicto; crioulo, que reprsenla ter 94 ni-
os, de altura regular, sem barba, cara re-
donda, olhos cirnneudos ; tem os ps um
tinto torios e umi dsspernn: este egera-
vo veiodoMaranhfio para aqu ser vendi-
do por corita do Sr. Dr. Francisco de Mello
Coutinho Vilheni: quem o pegar ou der no-
ticia ni rui da Cadeia do Recie, n. 51, pri
meiroandir, ser gratificado.
-- Fugio, no dia 4 do correlo, o preto
Ventura, de 30 annos pouco mais ou menos,
crioulo, alto, bem preto, com o cabello cor-,
lado, mas com marrafas na fren lo i moda
do ser trio i este esenvo veio do Cear no
vapor Imperador no dia 3 do corrente :
quem o pegar leve-o ra da Csdei, casa
do Sr. Jos Antonio Bastos, que recompen-
sar.
fugio,'do engenbo de Tres-Boccis, no
dia 17 de levereiro passido, um pardo com
os signaos seguintes: baixo, grosso, sem
barb, de 20 innos pouco mais ou menos,
cabellos enroscados, olhos grandes e agi-
ropados, bem feito de corpo, pernis e ps,
niriz chito, beicos grossos, bocea regular e
com todos os denles; intitula-se forro, e
como til vem munido de um pissiporte fal-
so conub qual Iludi as autoridades de
Barra-drande : quem o pegir leve-o ao di-
lo engeho, ou ao Recite, em cisa de Ma-
noei Joaquim llamos e Silva que em qual-
quer dis pirtes ser generosamente recom-
pensado.
--Fugio, no dii22 do pissido do enge-
nho Agoas-Cliras do Uruc, freguezia da
Kscadi, da viuvi Burgos & Filhos, o esen-
vo Luiz, crioulo, que represente ter 17 an-
nos, cor fula, rosto redondo, nariz afilado,
bocea grande, altura regular, orelhas pe-
quenas; levou calcas de algodo de cufiare
j usadas, camisa de algodfio, e cbipo de
palha de abas grandes. Kste esenvo j foi
de Campia-Grande : quem o pegar leve-o
ao dito engenho, ou na praca do Cotnmer-
cio, ii,2, que ser generosamente recom-
pensado.
Fugio, no dia 3 do corrente, da abii-
xoassignidi, a escrava Felicidade, nitu-
ral'do riacho do Singue, serillo da provin-
cia do Cear ; he de estatura regular, gor-
da, rosto redondo, nariz grande e chalo;
tem um dente ni frente partido, peitos
bocea, nulos e ps grandes ; consta que an-
daxa com um papel tirando sohscrpcilo
para so forrar ; suppO0-se ter ido para o
mallo, por ter sido encontrada hi poucos
das adianto do Cixanga em seguimentodo
um comboi de malulos. Roga-so, portento,
s pessoas que dola tiverem conhecimen-
lo, com especialidade aos senhnres encir-
regados di polica queinm empregar todos
os rucios a seu alcance, aflm de que dita
escrava seja entregue a sua senhora, que,
a lem do. pagir is despezas que se fizerem
com a conduccSo da mesma, generosamen-
te recompensar pessoa que a levar ra
O.-. ....w wV... m w.iu.t, a ,uve lo.
. dito de puro linho, com 9 palmos de *
O largura, a 3,000 rs. a vara ; guarda- O da enh 2ra' pnmeiro andar.
O apos do puro linho e adamascados, O Lwiza Frantea de Souza.
O a 10,000 rs. duzia. O I "* nesPPreceU; n manha do dia 13 do
9
O
: corrente, a cabra de nome M.riana ; levou
com pislAes, a 35,000 is ; um bom fagote,
por 30,000; oboes do diflerentes precos;
i ifanos, a 1,000 rs. ; cornetas decobie sim-
ples, n 10,000 rs, J um carrilho, com II
campanillas, por 12,000 rs ; trompas, trom-
bones, clavicor,cl> pas, cirmelasC. violos, rabecas, flautas,
flageolets, flautins, rabecOes o violoncellos.
Ovas do s^rlo,
muito freseaos : vendem-se na ra do Quei-
ii.iln. n. 14, loja do ferragens.
Vende-se um bilhar com pouco uso o
bem conhocido, com lodos os seus perten-
, ees: na ra da Madre-de-Doos, armazem I vendo-se na ra do Queimado, loii de fer
I de Vicente l'crreira da Costa. I ragens, a 14.
9,000 rs. ; bem como um completo sorli-
menlo de fazendas linas e grossas, por mui-
to barato pieco : na ra do Queimado, n. 27
armazem de fazendas, de llayoiuiido cir-
ios Le.t).
Sapales do Aracaty, re-
tos a capricho,
vendemsea 1,000 rs. o par, para liquidar:
na ra larga do Itozario, n. 35, loja. "
Queijo do serlo a iOO
n. a libra :
RflAinOflftA,(iAA &sr\/*r\ *eslido Je gn6 zul. panno da Cosa com
ODOOVOOQOOQO OO03U ^listns enciriiadus e franji, de altura regu-
r res tem todos muita attencao lar, rostoredondo.com todos os denles e
As bellas sortes de San Jlo. k^ chia do corpo; ten uns p.n-
n t / i i "os prelos pelas costas : he moca ; suonOe-
-S^fl.^iLHS; 'P',"- IV" furtad. por no er costme de fu-
vendem, por commodo preco, lindas balas
de estallo, em papel pintado e dourado, com
a mololoas COnfelldaS e do cAio-, com dous
versos cada urna, para introtonimento do
madainismo de bom gosto lia sompre diver-
tida noite de S.-JoSo.
I'ara os bolos de S. JoSo.
Vendc-se manleiga inglcza muito boa, a
480 rs. libra : no Aterro-da-Boa-Vista,
n. 24.
-- Vendem-se pentes de tartaruga da mo-
da, abertose lisos; fazem qualquer obra
deste genero, tinto nova como de concer-
t ; desmancha si-so pentes velos e fazem-
se novos : no paleo do Carmo, loja de lar-
tarugueiro, na esquina di ra das Trin-
cheirus, ii. 2.
Vendem-se duas mulatinhas de boni-
tas figurase sadias ; una parda com cria,
iiiiioi a ilo Iwin 11 > 11 111 >i ...... L i. ;
gir : ni ra di Cadeia do Recife, n. 43, que
ser gratificado.
-- Fugio a preta Hita, de nacSo Cabinda,
idosi ; tem em umi orelha alguna calom-
bos, ibre um pouco a mfio direiia ; levou 3
vestidos 1 prelo, 1 roso com flores encar-
nadas e um dilo brinco, camisa de algodo
trancado o panno da Costa : quema pegar
leve-a a I), llosa, em S.-Amaro, sitio junto
aos Lazaros
-- Fugio, ha tres mezes, a preta Christina,
crioula, de 50 annos pouco mais ou menos,
estatura regular, seios cabidos, olhos hai-
sos, com falta de denles; ha desconfianzas
que esteja mesmo na praca a titulo do for-
ra, por ser muito boa cozinheira : quem a
pegar leve-a ao piteo do Panizo, n. 20, ta-
berna, quesera recompensado.
Fugio, ha 9 pan 10 mezos, o crioulo
rnoc o de bonita figura, com habilidades, o Npbael, de 35 unios, altura regular, auei-
propria para urna casa de familia ; um par-
do de bonita figura, proprio para pagem :
na ra da Cadeiu-Velha, n. 33.
--Na ra da Cadeia do Itecife, n. 14,
ven Je-so urna porcSo de cobro velhode for-
ro de navio.
Ecravos Fgidos
Fugio, no dia 14 do correle, do abai-
xo assignado, o pardo Francisco, natural
do Ico, que representa ter 22 anuos, alto,
sem barba, remrcado do orpo, roslo des-
carnado, pernas finas, fdlla descancada,
lentes limados, nariz afilado, beicos gros-
sos, bocci regular; foi dado em pagamen-
to pelo Sr Roberto Correia de Almeida e
Silva a Joaquim llenriques da Silva, que o
conduzo a esta cidade e o vendeu a Angelo
Francisco Carneiro; levou calcas de algo-
dSo amencauo transado azul, e camisa do
xo redondo, pouca barba, olhos muito vi-
vos; tem nos ps um dedo cortado pela
junta; he serrador; muito rhetorico no
rallar; quando anda empina as nadegas pa-
ra Iras : Miguel, orioulo, aieio fulo, cabello
pintando, de 46 a 50 annos, baizo, com fil-
ia do cabellos quo esla quasi calvo, pouca
barba, queizo fino, olhos vermelhos o arre-
galados, mnilo ladino e conversador, ebeio
do corpo as paz, pernas finas, ps peque-
os; e com o mesmo urna escrava de nome
Rosa, crioula, bem preta, altura regular,
com mirc de fogo no rosto do lido esquer-
do desceiido aos hombros, pa, e braco, em
parles quo parece agoa quente: quem os
pegar lveos ao engenho llha-de-Bello, ou
nesta praca a Antonio Alves de Miranda Cui-
marilos, na ra Direita, n. 69, que se re-
compensara com 30,000 rs. por cada um
*
ftWN. : NI Tf. DB H. 1. DI r*u. -1850
mi mi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZGOHG5E9_9ZBOT3 INGEST_TIME 2013-04-30T22:08:45Z PACKAGE AA00011611_09795
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES