Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09790


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~~
*.
4nno XXVI
Sexta-feira 14
rlBTIDAl SOI OOBBXIOS.
Goianna e Parahiba, egundaeexlai felrai.
RIo-Grande-dn-Norte, quintas feiras aomeio-
dia.
Cabo, Serlnhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Maceta, no 1.', a 11, e 21 de cada mcz.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintas fciraa.
Olinda, todo oa da.
Ming. a 3, i 1 h. e 27 ra. da m.
Nova a 10, s ."> h. da m.
Cresc.aI8,Rh.e3ra. dat.
Chela a 24, t 11 b. e 61 m. da ni.
fRIiaUB DE BOJI.
Prlmeira as 8 horas e 30 minutos da Urde.
Segunda as 8 horas e 54 miDutos da mauhaa.
de Junliode 18.10.
N. 152.
das da inuna.
10 Seg. S. Margarida. Aud. do J. dos orf. c m. 1. v
11 Tere. S. Barnab. Aud. do chae, doJ.da 1.
v. do civ. c do dos tallos da (alenda.
12 Quart. S. Onofre. Aud. do J.da2. v. doclvel.
13 Quiot. >8>B S. Antouio I', padociroda provincia.
M Sext. S. Brazileo. And. do i. da 1. v. do cive do
Mzgoa da najcairpio. I dos feitos da fatenda.
PortresmezesfadtaRfados) 4/uou I15 Sab. S. Vito. Aud. da Chae, e do J. da l.v. do
Por tels mezes 8*uiinj chine.
Porumrodo 15/WdJKi Uom. S. Juao Fraucisco Regi.
IIOS KM 12 BE JUMHO.
Sobre Londres. 2o1/,(jt d. por 1/000 rs. a bO dias.
. Paria, 346.
Lisboa, 105 por cento.
Ouro. Oncas hespanhoes......... 29/000 a 29/50
Moedas de 6/400 veluas.. 16/500 a 16/700
de 6/400 novas.. 16/lnO a 16|2llti
. de 4/000........... 9/10D a 9/20
/V.ils.-Patacoes brasileiros...... l/!80 a 2/HOo
Pesos columuarios....... l/8il a 2/nnii
Ditos mexicano......... stVH i/8''J
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA JST1CA.
AVISO DE 5 DE ABRIL DE 1850.
Jojuii municipal da Urcetra vara da corte, decla-
rando que a tiquidacao da mulla, quando os ro
sejam n ella comdemnadoi, devem-ie faser nojui-
so den taeeuetee do lugar em que 0$ mismos reos
eiliverem.
P.lo-de-Janciro. MinisUrio dos negocios
da justica, em 5 de abril de 1850
Foi reerbido o seu nlBcio de 3 do corrente,
communicando que o juiz municipal de Cam-
pos, em vez de mandar, como V. S. Ihe pedir,
os elementos necessarios para aqni se fazer a
liquidaco da multa a que furam condemnados
algn ritas, reinettidos por aquelle julzo para
cumprirein a pena na casa de correceo, lizera
aquella cidade a liquidaco por meio de arbi-
tramento, e requisilra por carta precatoria
que V. S. o mandasse intimar aos reos; e em
resposla tenho de declarara V. S. qnc, lempre
que os reos fdrem remettidos para cumpri-
mento de aentenca, sein se' ter liquidado a
multa no jaiso que os remelle, deve a liquida-
cao ser lena no juizo d/s execuede do lugar,
em que os mesinos reos le achareui.
Dos guarde a V. 8.Eusebia de Queirot Cou-
Unko Matoso da Cmara. Sr. D. Luiz de Assis
Mascarenha.
AVISO DE 6 DE ABRIL DE 1850.
Hesvlve as utidas suscitadas no juizo /eclesistico
a retpeito da necessidade de conciliario nat cau-
sas ile divorcio.
ilio-de-Janeiro.- Ministerio dos negocios da
juslica, em 6 de abril de 1850.
lllui. Sr. Foi presente a S. M. o Impera-
dor o olucio em que V. Illm. solicita que se es-
labeleca urna regia lixa e invariavel acerca da
necessidade da conciliacao as causas de divor-
cio, expondo as duvida que se teui suscitado
a respeilo no juizo ecclesiaslico, e a opinio
daquelles que amrmam que as causas de di-
vorcio quoad thorum el cohabita tionrm, e anda
nuij as de nullidade de inalrimonio, nao po-
dein as partes transigir, nao sendo por isso nc-
cessario recorrer previamente aos termos con-
ciliatorios; eo mismo augusto senhnr, con-
formando-se com o parecer da respectiva sec-
cao do conselho de estado, manda responder a
V. Illm. que, sendo inconteslavel a utilldade
chrislfia e poltica que da conciliacao pcVde re-
sultar as causas de divorcio, deve ella ser pre
viaiiii'utc intentada as dita causas, nao po-
dendo porin ter mitro ell'eiio que nao seja o
de evitar litigios e continuar a perleita uoio
dos conjuges, o que he conforme nao su
consiituic.no do imperio e legulaeSo civil cor-
respondente, como que rege o bispados do
Brasil. Nao he porin uecessaria a conciliacao
no caso de se pretender ou dever intentar a ac-
eita de divorcio e separaeo pelo motivo da
nullidade do matrimonio, porque enlo pro
cede a rxcepeo rstabeleclda pelo artigo 6 da
dlsposieffo provisoria acerca daadniinistraco
da justica civil, visto como as paites nao po-
ileni transigir a respeilo da nullidade, que nao
he para ellas rcmissivel, como foi declarado no
regiment do Audit. Vedes., til. 2.', I.*, n. 79.
ueos guarde a V. Illm. Eusebia dcQueirot
l'outinho Matoso da Cmara. Sr. monsenhor
vigai io geral da corle.
GOVERNODA PROVINCIA.
LE N. 258.
Jos Ildefonso de Souza Ramos, presiden-
te la provincia de Pernambuco. Faco sa-
ber a todos os seus habitantes que a assem-
bla legislativa provincial decrctou, o cu
sanecionei a Ici seguinte : .
Artigo nico. Ficam elevadas catliego-
rias de cidade *s villas do Rio-Formozo c
Nazareth.
Ficam revogadas as disposicOus em con-
trario.
Mando porlnnto a todas as autoridades n
quem o conhecimento e execuc.no da refe-
rida Ici pertencer que a cuinpram cfac,am
cumprir tilo inteiramente como nclla se
conlm. O secretario interino da provincia
a faga imprimir, publicare correr. Cidade
do Ilecife de Pernambuco, aos onze dias do
mcz do junno de mil oitocentos e cincoen-
ta, vigesimo-nono da independencia e do
imperio.
L. S. Jos Ildefonso de Souza Ramos.
Carla de lei pela qual V. Exc. manda ejecu-
tar o decreto da assembla legislativa provin-
cial, que liouve por bem sanectonar, elevando
cathegoriu de cidade as villas do Ro-Formo
o eNasareth.
Para V. Exc ver.
Manuel Jos Harlins Rbero, a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria d
provincia de Pernambuco, aos 14 do junho
de 185o.
Antonio Francisco Pireira de Carvalho.
Registrada a II. ico v. to livro segundo de
leis provinciaes. Secretaria do governo de
Pernambuco, I2de junho de 1850.
Francisco Ignacio de Torres Randeira.
I----------------------------------------.-----.------Q]----------
TRIBUNAL DA UELACAO'.
SESSAODE 11 DE JUNHO DE'l850.
PRESIDENCIA DO EXM. SKNII0 CON-
SELBF.laO AZEVRDO.
A's horas do cosime, achando-se presen-
tes os Srs. desembargaJores Ramos, Villares,
Hastos, Leo, Souza, Hebello, Luna Freir,
Telles, faltando com causa o Sr. deseinbarga-
dor Pouce, o Sr. presidente declara abena a
sesso.
JULG1MINTOJ.
Appellacocs do juizo do clvel desta ciuade em
que sao:
Appellante, Joo Mallirus ; appellado, Jullo
Pegitimiur. Beformaram a senlenca.
Appellante, Joaquim Coclbo Cintra; appellado,
Antonio Jos l'iuieiiia daConceicao. Rc-
foruiaram a (entenca.
Appellante, lenlo Jos da Costa ; appellado, Jo-
s Joaquim Bezerra Cavalcanll. Couhrma-
ram a sentenca.
Apprllaco criine em que sao:
Appellante, Maris Francisca da Rocha como
administradora de sua Ulna : appellado, Juo
Pires de Aimeida Lopes. Reformaram a
sentenca.
D1LIOENCIA.
AppellacBes civeis.
Appellintes, AnnaOoncalve Vleira, Jos Ro-
drigue Vlelra Jnior e oulros ; appellado,
Pedro Martin de Araujo Vera. Manda-
ran) com vista ao curador geral.
Appellantes, o julzo e Mannel Joaquim Soares;
appellado, Lalham & Qibert. Mandarain
com vista ao curadora heranca Jacenle e a
Sr. desembargador da cora.
Foi assignado o prlmelro dia til para o jnl-
gamento das seguintes appellacfies elveis do
Cabo e Recita em que sao:
Appellante, Jos Carlos Teixeira ; appellado,
Joaquim Jos Pereira de Sant'Anna.
Appellante, Antonio Jos Pereira; appellado,
Luiz Rodrigue Samico.
Apellante, Manoel do Amparo Csj ; appella-
do, Joo Frederico de Abreu Reg.
IVHOES.
Passou do Sr. desembargador Ramos ao Sr.
desembargador Villares a seguinte appellaco
em que sao:
Appellantes, Jonhston Pater fc C; appellado,
Manoel de Souza Guimarae.
Passou doSr. desembargador Villares ao Sr.
desembargador Hastos a appellar.au civel desta
cldrdc em que sao :
Appellante, Jos Rodrigues Ferreira; appella-
do, o juizo.
Passou do Sr. desembargador Souza ao Sr.
desembargador Hebello a seguinte appellaco
em que Sao
Appellante, Luiz Severino Marques Racalhn ;
appellado, Antonio Jos Marques Bacalho
Passou do Sr. desembargador Hebello ao
Sr. desembargador Luna Freir a appellaco
do juizo do civel do Ico em que 3n :
i Pl"n ll.nile. bernardo Duartc Braodo ; appel-
lado, Manoel Joaquim Rabcllo.
DISTIllStICE.
Ao Sr. desembsrgador Souza a appellaco ci-
vel do julzo da (asenda desta cidade em que
sao :
Appellante, o jaizo ; appellado, Francisco Al-
ves daCuuua
Ao Sr. desembargador Luna Freir a appella-
co do julzo do civel desta cidade em que sao :
Appellante, Antonio Francisco Cordeiro de Car-
valho ; appellado, Francisco Manoel da Silva
Tavare.
Ao Si. desembargador Hebello a appellaco
.lo jni/o do civel em que sao :
Appellante, o julio; appellado!, Manoel Jos
Francisco e (uiieria Maria.
Ao Sr. desembargador Trlles a appellaco ci'
vel desta cidade em que sao :
Appellante, Tliomaz de Aquioo Fonscca ; ap-
pel lados, Manoel de Oliveira Faueco e oulros.
AoSr. desembargador Ramos a appellacu
civel do juizo municipal de Peuedo em que
sao :
Appellante, Pedro Alvcs Pires; appellado, Jos
de Araujo Lima.
Ao Sr. desembargador Villares a appellaco
civel do juizo de orphos desta cidade em que
sao ;
Appellante, Joaquim Caldillo Alvcs da Silva ;
appellado, llulino Jos Correa de Aimeida.
Ao Sr. desembargador Hastos a appellaco
civel dcsla cidade em que sao :
Appellante, Joaquim Antonio dos Santos n-
denle ; appellado, Antonio Botelbo Pinto de
Mesquila.
Levanloti-se a sesso a urna hora da larde.
FE NAMBUCO
ASSEMBLA PROVINCIAL.
38.' SESSAO OllDINAniA EM DE JU.MIO
DE 1850.
1'HRSlnF.ncu UO su, MALAQ.UU8.
Sumwkio. Apprmaco da acia da sesso
anterior. -- Expediente. Adiamenlo, pela
hora, do projecto n. 30 com wm requerimen-
todo Sr. Francisco Joto.Adopto dot ar-
tigo* 3 e 4 do ornamento provincial em se-
gunda discusin.
A's II horas da manhSa, taita a cha
mada, acham-se presentes 25 Srs. depu-
tados, faltando os Srs. Pedro Csvalcanti,
barita do Simssiina, Machado llios, Barros
Bar.elo, Manoel Cavalcanti, Souza Hus
Selle. Umhelino c Nomezio.
Sr. rice-presidente declara aberta i
sessSo.
OSr. 9.a Secretario i a arta ds sesslo
antecedente, que he approvsda.
0 Sr. i.* Secretario menciona o seguinte
EXPEDIENTE.
1 m oflicio do Sr. secretario interino ili
provincia, remetiendo, para ser presente i
ssemblca, o parecer do F.im prelado dio-
cesano cerca da pretcncSo do vigario da
freguezia de S, LourenQo da Malta.A' com-
iiiissiio .le negocios eclesisticos.
Outro do mesmo senhnr, tranamittindo o
psrecer do Sr. hispo sobre a pretencilo do
juizemsis irmSos da irmandade de N. S.
de Reberibe A' commissSo de negocios
eccl-'S'asticos.
Um requerimento,de Manoel Jos Fernan-
des de Barros, esen vilo da subdelegacia do
Recita, peiiin.io que na tai do ornamento
municipal se marque quola para pagamento
das custas qce ao peticionario deve mu-
nicipalidade dests cidade.A' commissSo
de orQsmento municipal.
Primeirs parte da ordem do di*. .
Segunda discussSo do projeclo n. 30 que
cria urna froguezia na lilis de Femando de
Noronha.
OSr. Franela Jato :-Sr. presidente, de-
ejo smntnstnenle acompsnhsr aos nobrrs
depulsdos sutores do projecto em discus-
sSo no pensamento, que parece domna-
los, deaecudir urna necessidade espiri-
usl, creando, em virtude de exigencia do
Exm. bispo diocesano, nma freguezia na
illia de Fernando de Noronha ; mas vej-
me um pouco embarazado quando pondero
nos inconvenientes que desse projecto p-
dem resultar quanto i sua parle civil ou ad-
ministrativa.
Creada urna freguezia, Sr. presidente,
proceder-se-ha ahi a urna elen;So; pois
que, segundo as leis reguladoras da mate-
ria, as parochias coiis!itiiom oulros tantos
circuios eleitoraes. E ser conveniente, e
sera mestno rasoavel proceder a urna elei-
qSo na ilha do Fernando de Noronha ? Ntste
presidio militar, habitado, quasi em sua to-
talidade, por pracas de pret, por sentencia-
dos, c por presos polticos ; quero dizer por
gente que, segundo a legislacSo,nflo pule
votar, bem ser votada ? Me parece qua
nflo.
Eslas considersgfles supponho que devem
pe-ar no animo da casa, para que esta nflo
votedesdejj pelt medida proposla.sporque
S, Exc. Itvm. a exigi ; cumpre que onca-
mos a respeilo o Exm. presidente da provin-
cia icerca da conveniencia ou disconvenien-
cia della no que tem de civil ou adminis-
trativo. Eu, pois, me animo a mandar a
mesa um requerimenlo, no qual, smenle
para corlar por essas dilculdades, propo-
nho que peQtmns o psrecer do governo da
provincia cerca do projecto cm discussflo ;
e espero que esta augusta assembla, vis-
ta das breves reflexoes que tenho feito,
digne-se de approva-lo.
Val mesa e admilte-sc discussao o seguin-
te requerimenlo:
Requclro que pelos tranmites competen-
tes se solicite do Exm. presidente da provincia
.si I.ue, memos acerca da conveniencia do
projecto que te acha em discussao. S. R. -.
Francisco ioiio.*
O Sr. f'loripes: Sr. presidente, j disse ou
tro dia nesta casa que a coiuinlssao de negocios
eccleslasticos uo linha interesse alguiii ein
que esse projeclo passasse, ou deixasse de pas-
sar. A commisssio deu expediente a todos os
papis que achou em sua pasta : nao existe ahi
papel algum a que ella nao desse drstino. Ap-
pareceu ltimamente na pasta esse papel do
Sr. bispo diocesano ; e a commisso, leudo da-
do expediente a todos os outros, nao poda dei-
xar de dar a esse do Sr. bispo diocesano ; tan-
to mais quanto S. F.xc. Rvma. queria para oc-
correr as necessidades espirituacs.
V. F.xc. pi iiiiuiii que eu leia o que o Sr.
bispo disse, para vir se vista do que elle pro-
pe, a commisso poda deisar de fazer isso
mismo que le. l-.is o que elle disse. (Li.)
Ora, vista desta rrpresentaco, julgou a
(oiii niisio que era urgente a prese ni.ir un i pro-
jecto nesla sesso, para que fosse decidido a-
gora mesmo ; por isso foi que o meii nobre
collega ou'.ro dia quiz introduzir na discussao
do outro piojecto a materia deslc : portanln
digo ao nobre depulado, que agora acaba de
fallar, que eu no duvidaiei assentir a esse
seu requerimenlo, porque da consulta do pre-
sidente nenhuui iiialveiu: s o que eu obser-
vareis casa he que essa consulta importa que
o negocio fique para o anuo vindouro ; porque
o Exm. presidente he novel na provincia, e ha
de exigir a respeilo IntarmaeOe docomman
dantc do presidio de Kernando-de-Noronha ,
e, no enlanto que v a sua exigencia e venha a
resposla, a assembla se fecha.... O negocio
he da competencia do Sr. bispo, e elle deve sa-
ber bem se o capello all cumpre bem com as
suas obrigaedes ou uo....
O Sr. Francisco Judo: Isso he na paite
ecclrsiaslica; e na civil?
(I St f /io i/ir* : (inanio parte civil oque
poderia dizer o Exm. presidente ? Que nao con-
vel! o vigaiio, e que he bstanle ocapeINo?
Nao; porque o Sr. hispo lie quem pone saber
disso; deinais o capello no est obrigado a
prestar-se a um Iraballio extraordinario, a
prestar-se aos soccorros espirituacs de que
precisam todas essas pessoas que habitam na
ilha i parecc-me que nao tem obrigaco rigo-
rosa disso....
Se. Correa de finio.- Parece que tem: o
seu titulo de noincaco impc-lhe esse deve.
OSr, Florines: Nao somos nos que deve-
nios julgar sobre se elle precnche liem uu
nial as mas obrigaces : he ao Sr. bispo que
isso compete....
OSr. Francisco ioao : Nflo encherga no
proectn esses inconvenientes que Ihe no-
tei?
O Sr. Floripet :--Quaes sita P
OSr. Francisco Joo :--Jusliga ordinaria
em presidio miiilar ?:!.'
O Sr. Floripes :NSo a hsja ; masa ilh
tem populacho sem ser a dos presos : para
la tem ido mui tes familias : all lia urna ge-
r3o nova
O pensamento da commissSo tai este: seu
nico flm foi dar expediente a todos os pa-
pis que tinha na sua pasta ; e, se nisso bou-
ve interesse, foi o de cumprirtnos com as
nossasobrigacOes
Por todss estas rasOes, entendo que o pro-
jecto pode pssssr: depois o Sr. hispo con-
cordata com S Exc e ludo se arranjar.
O relogioda casa marca meio-Jis.
O Sr. Presidente:A discussao lica adiadt
pela hora.
Segunda discussSo da ordem do da.
Continuacflo da segunda discussflo do or-
namento provincial.
Art. 3. Com a secretaria da presidencia
a saber:
J 1. Com 'is em pregados, di-
vi lindo se os emolumentos por
todos em proporfo dos seus or-
denados 10.600 000
t, 2. Com o expedienta e as-
seodacasa 1:900,000
Apoia-se para enlram discussflo a se-
guinte emenda :
Substitutivo ao primeiro Com os
empregados da secretaria, sendo divididos
os emolumentos na proporeflo de seus or-
denados pelo secretario, ollicial-maior. olli-
ciaes, esciiptuiarios e amanuenses--, &c
Vacdo.
O Sr. Jos Pedro, como nico membro da
commisso de orcamenlo, que se acha na
casa, encorregar-se-lia da missSo de justifi-
ca-la.
Existiudo na pasta dessa commissSo um
requerimenlo do porteiro, e oulro dos con-
tinuos da secretaria da presidencia, podin-
doserem admit!ido a parlilhar dos emolu-
mentos daquella repartQo, e parecendo a
elle orador bem como acs seus collegas que
ns peticionarios alguma rasflo tenham, por-
que concorrem com o seu trahalho material
par o de escripia que pro.luz tacs emolu-
mentos resolvern! redi".iro tal C0III0 SC
acha.
O Sr. Soares de Macado : O continuo o o
porteiro da secretaria parlilham do respec-
tivo trahalho como ns empregados de igual
calhegoria tas nutras repartieses....
OSr. Jos Pedro observa que os empregs-
dos das outras reparticoes nflo tecm emolu-
mentos, e que a modula ora proposta, na la
tem de nova ; porque lempo liouve em que
esses servenluarios entraram na parlillia dos
emolumentos.
O Sr. Correa de Rrito :Relea indagar e
apreciaros motivos que aconselharam essa
partilha...
O Sr. ose1 Pedro nflo qtier entrar nessa a-
precilC/So : sabe que leis anteriores admitti-
ram os continuse o porteiro a parlilhar
dos emolum; nlos, e que, leudo clles reqtio-
rido-os de novo, e adiando a commissSo
valiosas as rasOes que allegaran), resolveti
dar-lh'os.
Segundo elle, h; lainanlia a quantia re-
sultante dosaei emolumenlos, que a parle
que delles S" tirar para dsr-se aos continuos
a ao porteiro, |ouca differeflQa Irara ao>
outros.
I Continuarse ha.
iimriii m nmnmi
Htcirr 13 DE JUNHO BE 185.
A assembla apniou honieni alguns pa-
receres da commissflo de contal munlcipses,
validando abates concedidos a varios devfl-
dores da ramara de l'o d'Alho ; e conti-
ntinu a segunda discussflo do ornamento
provincial, a qual chegou at o ai l 3, que
(cou adiado pela hora.
A nr.lem do dia pan a sessfio de aniii-
nhfla (13; he coutiiiiiaco da de hnnlem ;
lerceira discussflo do parecer da commisso
de polici cere da interpretando do art.
129 do regiment da casa --primeira do
projecto n. 85, approvando o compromiseo
da irmandade da matriz deSanto-Antflo.
O vapor fahianu, rhegado hontem dos
portos do sul, trouxe-nos jornaes fluminen-
ses at I, oda Baha at 8 do correnle.
Co ti opa remos por communicar aos leilo-
res quanto colhinos nos primeiros desses
jornaes.
S t. o Imperador e sua augusta familia
ainda se achavain e-n Petropolis no gozo
Ja mais pe taita sade.
O senado approvara o projeclo do respos-
la a falla do llirono, o qual fura redigido
le maneira a revelar pe feito lecOrdo entn
essa cnrporaijflo e ogoverno quanto ao mo-
do como este ha desempeuliado sua missflo
n bem nssm as resoluces, enviadas da ou-
tra cmara, concedendo peosOei *o tenen-
te-coronel Francisco Carneiro Machado
l'.ins e aos orphflos Tilo Machado o Jofl>
.Machado.
A cmara dos deputadns adoptara em
ptimeira discussflo, para a segunda, um pro-
jecto da commissflo d Justina criminal, re-
vogando ns artigns 307 do cdigo crimi-
nal e 99 da lei de 3 de dezembro de 1811,na
parto em que obrigsm as cmaras munici-
paes ao pagamento das cusas nos procesaos
em qu decahir o promotor publico, e das
mcias custas nos dos reos pobres; bem como
emsegonda,para ir terceira.o projecto que
autorisa o governo a fazer as opo'aces de
crdito necessarias para pagam"nlo de em-
prestitnns brasileiros conlrahidos de 1823
1824, e a resnlucflo que declara competentes
para proceder qualquer c!ec.3o de senador,
que .liaja de fazer-se dnranti a le^islaturu
respeitiva, os leitores de parochia eleitos
em vii lude do art. 80 da lei de 19 de agosto
de 1846 discuta um projecto sobre fian-
(as s custas em demandas propostas por
estrangeiros :mandara imprimir outro
do Sr. Mpgalhfles Castro, creando conselhos
cm todss as provincias, compostos dos res-
pectivos vice-presidenles, elevando os or-
denados dos presidentes das de primeira or
dem a seis conlos de ris e a tres os dos res-
pectivos secretarios, e fixando em dnus
annos o lempo da administraeflo resolve-
r o adiamenlo do projeeto de 18t sobre a
ref'ma da guarda nacional, para ser dis-
cutido com o que acaba de offereceroSr
Ferreira Penna :--dicidiVa, a requerimento
do Sr. Paes brrelo, e depois de renhi lo de-
bate em que lomaram parte o sutorda mo-
eflo. eos Srs Carneiro da Cunt, Figueira
de Mello, Moraes Sarniento, Wandotley,
Nabuco, Vianna, Joaquim Villels, Azambu-
js, ,'aciel Monteiro, Pereira da Silva, Son/
Franco, Itocha, Paula liaptista, D. UlDoul,
Dias de Carvalho, l'sranagua, lenriques e
Sayo Lobato, que fosse remeltida a com-
missflo de assemblas provinciaes a resolu-
(8oquercvoga,porinconstitucionaes,as dis-
posictVs da lei provincial deste Pernambuco
que impOe sobre o tabaco, charuto, cigar-
ro, sabflo e bebidas espirituosas de produc-
eflo eslrangeira ou de oulias provincias dn
imperio, para, no caso de entender con ve-
niente, propra revogac^o de todas as Ici
provinciaes queseacham as mestnas cir-
cunistaucias ;rejeitra o parecer da com-
missflo de conslituieflo e poderes sobre o
processo instaurado ao Sr. deputado Paula
Fonscea, e approvara o voto soparado do
Exm. Sr. Souza ftamos, do qual, em resu-
mo, demos noticia aos leitores cm um dos
nmeros anteriores do Diario determina-
ra que, depois de mpressn, eolrasse na or-
dem dos trabalhos, o seguinte projecto de
resposta falla do throno :
Semhob. ') paternal coracao de V. M. I.
revelou-se perfeitamente na expressfio profun-
da de dr com que V. M. I. leve de communi-
car ao carpo legislativo os estragos causados
pela l'.inl epidemia que ltimamente ass.ill m
algumas cidades do litoral do imperio.
.' \ cmara dos deputados acoinpanha a V.
M. I. nos fervorosos votos que dirige ao Todo
Poderoso para que arrede para sempre do Bra-
sil semelll inte ll l-rll i!
Reconhccendo a sotcilude que emrircgotl
o governo de V. M. I. em acudir aos enfermo*
necessiladns. cumpre a cmara dos deputados
um sagrado dever agradecendo a_V. st, I. os
actos de beneficencia particular que V. M. |.
uo cessou de praticarpara allivio da indigen-
i'ia, no poupada pelo soprn fatal da epidemi.i.
c To criticas circumstancias porcertode-
viam influir tamliem sobre o andamento dos
trabalhos legislativos; mas agora que tem ella
quasi desapparecido, espera a cmara que nes-
la sesso completar as medidas que V. M. I.
dlgnou-se leiiitirar-lhe, qu imlu abri a ses-
so anterior.
Com o mais vivo prater reerbeu a cmara
lo deputados a noticia de achar-se pacificada
i provincia de Perfambiico, h vendn-se dis-
persado os grupos de criminnos que se linlian
retrahido s maltas, esilhinettendu se os seus
principad chefes aulorid.ile publica.
(.'onla a cmara dos deputados que o go-
verno de V. U, I. continuar adesvelar-se em
conservar a pan com as potencias estrangeiras,
emquanto poder faze-lo sem quebra da honra
e da digniJade nacional.
Fol-llic penoso saber que hlguns subditos
do imperio, auxiliados por emigrados dos es-
tados vizinhos, conseguirn) formar reunirs,
e entraram armados no territorio alm do Qua-
raim. Felizmente porin as instruernes e pro-
videncias do governo de V. M. I., e o bom sen-
so dos habitantes da provincia de S. Pedro do
sul, terminaran! io desagradareis oceurren-
cias ; e no cessando ogoverno de V. M. I. de
procurara remocSoda causas que Ihesderam
lugar, mais una prova dar da acurada alten-
cao que presta s circumstancias peculiares da-
quella provincia, e da justa aprcciaco das ne-
cessidades do paiz.
o Senhor! A cmara dos deputados, con-
tinuando a prestar o mais franco e lealapnio
ao governo de V. M. I., esl certa de corres-
ponder s vistas patriticas e magnnimas de
V. >1. I no em;.. tiln de reunir a grande fami-
lia brasileira em o pensamento cnmmuiii de
promover a coiKolidaco da ordem publica e a
prosperidade do imperio.
Paco da cmara dos deputados, em 30 de
malo de ISflO. Joo Manoel l'ereira da Silea.
Aprujio Jos de Sou:n. Viciar d Oliveira.'
Nflo concluiremos esta parta di nosso
trahalho de hoje, sem referirmos um facto
i|ue sedera as galeras da cantara tempo-
raria em a sessflo de 22 do passailo. e que,
oor insgnilicinte, deixaria de ser aqu me-
morado, se qflo hoiivessc servido de pretex-
to para que a opposQflo, representada pelo
Sr. Souza Franco, ainda urna vez vociferas-
te contra o governo e seus agentes.
Dotitdesies mocos ardentes que nflo es-
colhem lempo nem lugar pata darem lar-
cas ao genio trubulento lomaram a peito,
por (lelilieracio propria, ou influenciados
pnralgiiem, hatercom os p\ darescarros
a susurrar, sempre que, depois de um de-
putado opposicinnista, tomava a palarra
um membro da matara. Em vita o Exm.
oresiilente da assembla chamara por vezes
ordem a esses dous eslonteados : absti-
nham-se, por instantes, de tflo irregular pro-
ceilim.nto; mas repeiirani-no do quando
em quando. Informado disto, e em conse-
qucticia de requisicSo do S. Exc, o Sr. che-
ta do polica da crtrte fez prend-los, e con-
diizi-los sua presenta em o citado dia 22,
quin lo, depois de Wmm praticado o censu-
ravel acto do coslume, tinham elles deixado
is galeras, o procuravam sabir da casa.
Obrando deste trodo,a polica cumprira um
dever ; mas o Sr. Souza Franco, apenas sou-
be da prisflo dos dous estouvados, ergueu
sua voz na cmara a favor deltas ; disse que
essa nicional; e, no d'a seguinto, avergoado
que o fseto s1? passara tal como 8cb*mos
dediz-lo, perdido por conseguinte mais
um pretexto para as declamacOes do csh lo,
S. S.| para provar sem duvida que eslava
resolvido a nflo abandonar a causa de seus
anillados, apresenlou a 24 a seguinte propo-
sic.'in, que, tendo sido considerada como
requerimenlo, ficra adiada :
Indicamos qu a commissSo de polica
da casa, chamando a si, exclusivamente de
qualquer autoridad externa o direilo de
conservar a ordem na casa, tome providen-
cias fiara que se nflo dem alguns actos de
ilesappi ovaeflo n is galeras, e para que se
nflo repitam mais os escan talos de prisOes
pela polica a pretexto de mo comporta-
ment as galeras da cmara. Sala das sos-
sOos, 2t de mata de 1850.S'nuj Oas de Carvalho.Mello Franco.--A, F, Ra-
mos.
Custa a crer que quatro representantes
la iiae,-, i se idoutificassem desl'arle com a
causa pouco honrosa de dous mocos que,
l'ltnd'> o respeilo devdn aos legisladnrp
brasileiros, o dando pulpa vel prova de ma
educado, uu de incomprehensivel estontea-
uienlii, ousavant moteja-los dia por dia :
'niieinni.i o caso seden, e, quanto a nos,
nflo pode ser explicado se nflo Ihe forem
les,,i!n ir a causal nesso lal ou qual phrene-
si de que se deixsm possuir os homens
quando cunseulem que os domine esse mal-
entendido cspiito de. partido, que os leva a
qualilicar de boas e a justificar todas as ac-
1,'es dos que dizem compartilhar de suas
ideias polticas.
A 29 do passado chegra edrte, sem que
nada houvesse soffrido em sua sade, o
Exm. Sr. conselhciru de estado ilonurio er-
mi'io Carneiro l.eflo. /


E' Termo, e por conseguinte mpossiblita-
do de continuar no ejercicio do cargo de
ministro o secretario de estado dos nego-
cios da justica, o Exm. Sr. Euzefeio de Quei-
roz Coutinho Mattoso da Cmara passra a
respectiva pista ao Exm. Sr. Manoel Vieira
Tosa ; mas, tendo estoadoecldo, iransmit-
lio-a ao Exm. Sr. Paulino Jos Soaros de
Souza, deixando tamhemada marinha que
fora interinamente confiada ao Exm. Sr. Mu-
noel Felizardo de Souza e Mello. Assim se
conservara o ministerio at o da 30 do ras-
sado, e.r> que, havendo-se rcstabelecido, o
Exm. .Sr. Tosa reassumioa direccilo da re-
partalo da marinha, som que'comtudo se
pozesso testa da de justica, que por ei:i-
quaiilo licra sb a inspeceno do Exm. Sr.
Paulino,
Tinha sido publicado, sb o n. 538, o de-
creto que man la vigorar a lei de ornamen-
to de 1849 -1850, emquanto n3o fr promul-
gada a de 18501851
Por deerpto de 20 de maio fram promo-
vidos os olliciaes dos differenles corpos do
exercito, constante da reclamado in/ra :
Pura capiulo da quinta companha do se-
gundo regiment de cavallaria ligeira, o
caMlo graduado do mesmo regiment
loto Severiano Pessoa de Audrade.
Para capitno da oitava companhia do ter-
ceiro regiment de cavallaria ligeira, rom
antiguidade de 1 de setembro de (847, o
tenente do niesmo regiment, Antonio Za-
caras de Jess.
Paracapilfloda primeira companha do quar-
lo regiment de cavallaria ligeira, com a
mesma antiguidade, o lente do segun-
do regiment da mesma arma, Jos Anto-
nio Correia da Cmara.
Para capfflo graduado, com a mesma anti-
guidade, o lente do terse i ro regimen-
t de cavallaria ligeira, Manoel Verissi-
mo.
Para lenles do segundo regiment de ca-
vallaria ligeira. com antiguidade do 27
do agosto de 1S49, o alferes do mesmo re-
giment Pedro Luiz (tzorio, o o alferes do
terceiro regiment da mesma arma Jos
Feliciano Pinto Itandeira.
Para tenente do terceiro regiment de ca-
vallaria ligeira, com a mesma antiguiJa-
Lunas, aproveitan do eita divisao de for-
jas, carregou com 1.200 homeus sobre a que
commandava Joao Severo, que apenas teria
300 ou 400.
k Joo Severo, vendo a lmpossibllldade de
liater-sc com frca lao superior, rctirou-se
rom toda a sua bagagem e cavalhada al este
l.ido do Quaraiin.
Esta retirada operou elle cm tanta ordem
i|iic apenas perdeu 8 homens mis guenillias
pie failain a protecciio da sua retirada.
O li ir.ni tendo cala noticia, tralou logo du
passar para este lado da linha, dispersando a
:;' nic -, e commuuicando isto ao coinmandante
das armas.
Alguns cntnpanheiros de armas do barao,
iiii por Isto levantado na cainpauha algum
i i mil- contra elle ; mas eu nao sel se teriio
rasilo una vez que elle uo deu este paiso sem
condic-des cer4amcnte favoraveis para cssa
inesma gente que o acompanliava. a
Porto Alegre, 1." demaio.
Consta-nos que S. Ene. o .Sr presidente da
provincia, recebeu particpaces da fronteira do
Qnarahlu) milito satisfactorias para a causa
da ordem publica, isto he, que depois da der-
rota, no dia 11 das frcaa de Joao Severo,
m numero de quatro ceios homens, pelas de
Lamas, que eram de mil e iltenlos, se pas-
sra o li.ii.ni de Jacuhy para o nosso territo-
rio, c escrevra iinmediatamentc ao bricadei-
ro Marques, pedindo-lhc que nao perseguisse
asna gente visto que havia conseguido dis-
persar toda a sua frca, e que sscgurra que
partira desde logo para esla cidade apresen-
tar-se ao Sr. presidente da provincia.
dem, de 8 de maio.
ii Cbegoii domingo a eita capital, pelas 7 e
ineia horas da note, o Exm. Sr. bario de Ja-
cuhy antc-hontcm, pelas 11 horas da ma
nha, dirigio-se a palacio, onde se demorn
algiim lempo a conversar com oExm. Sr. pre-
sidente da provincia.n
-- Segundo ouvimos a secretaria do gover
no, os diversos grupos que se recolheram do
Estado orieutal dissolveram-se todos sem omi-
nimo conllicto com ai 1'rc.as da legalidade ,
liorque uns desde logo dispersaraiu-sc, e ou-
tros seguirn! reunidos pur luaia alguuia dis-
tancia, obedecern! em tudo e respeiiaram a
ordens das diversas partidas do exercito im-
perial que fram cspaltiadas por toda a Ironlei-
"a seguiodo ciu ubscrvaco a esses grupos,
(i At agora lmenle consta haver sido mor-
N. 20.--Illm. c Exm. Sr.Tendo dado
parle a V. Exc, em cilicio sob n. 18 de 28
do abril prximo passado, de haver naufra-
gado o patacho SuoiV nanoitede26 daquel-
lo mez, a quatro leguas ao sul da barra,
eumpre-me agora enviar a V. Exc. a rela-
cflo dos objectos que se salvaram. assim
como do que se perdeu, e enviar-lho tam-
ben! u reIm;,"i i das pessoas que pereceram ;
cumprindo-me informara V. Exc. que ten-
do vm lo ligninas pracasa nado pira trra,
apparee.eram-me e inteiramente nuas, e
por issotomei a responsabilidade de man-
dar comprar cincoenta e nove mantas a pro-
co do dous mil e duzentos. ris cada urna,
que fro distribuidas aos que nada tinham,
assim como mandei vestir com cem jaque-
tas e cem calcas azues, e dez camisis do
leposito, esperando que V. Exc. approve
osle meu proceder, atientas as circumstan-
eias em quo seacham estas pracas.
< Quanto aos ofllciaes e tres senhoras que
se salvaram, perdendo tudo quanto pos-
-.uiam, abriu-se urna subscripcSo, que ex-
cele a 1:400,000 rs., e que Ihes be distribu-
la em reanlo s circumstancias de cada
um.
Tambem deprequei marinheiros habis
ao cap tilo do porto, para ver se podan
salvar o armamento e mais trem quevinha
no pin a,i ; masquando estes chegaram ao
ugar do naufragio, encontraram a embar-
carlo inteiramente desfeila, e s se pude-
'a m salvar os gneros constantes da relaco
inclusa, os qtiaes fiz cgnduzir para a barra,
alugando carretas para isso, a doze patacOes
cada urna.
Tambem envo a V. Exc. a relaco dos
objectos que se n3o puderam salvar, e outra
las pessoas que pereceram. Agora son in-
formado que o tenente-coronel comman-
lanl do halalllilo havia licado em Santa Ca-
li arma com cento e lautas pravas para vir
no primeiro vapor.
Deus guarde a V. Exc- Quartel do com-
naii lo da primeira brigada, na cidade do
Itio-Grande, 2 demaio do 1830. lllm. e
Exm, Sr. consellieiro Jos Antonio Punen-
a minha ternura de pai, e nutrindo a espe-
ranza bem doce de salva-lo, pois j'lgava
sua perda inevitavel (que pai nSo actenla e
acarinha semelhanle ideia.'!) como tambem
a minha desolada provincia, dirigi-me ao
Exm. Sr. Goncalves Martins, o commnni-
cando-lhe o meu pensamento, (iva dalle a
promessa de o proteger, no caso que eu o
arrancasse do errado caminho que trilhara,
edea tomar como seu proprio lili.o, inter-
pondo o seu valimento, esousservigos para
obler da inexgotavel munificencia de S. M
urna amnista ou perdSo. Confiei no Exm.
Sr. Concalves Martina, como conliarei sem-
pre.e muito mais confio na immensa clemen-
cia de S. U. ]., que he pai, que he supe-
rior aos partidos, que infelizmented ividem
o imperio.ecuja magnanimidade'nSodeixa-
r sem perdSo a um fi I to, que confiado em
sua clemencia se entregou a seu pai.
Que me censurem, que os homens par-
ciaes me estigmatisem julgando-me como
quizerem, repouzarei na pureza de minha
eonsciencia, formada pelas melhores inten-
ces.De VV. SS., attencioso, respeitador
e amigo, Pidro Antonio Yeltoio da Silveira.
i S. C, 29 de maio de 1850.
A 5 do corren te, pelas 4 1|2 horas da tar-
de manifeston-se incendio no paiol de man-
lmentos da fragata Paraguaisu1; mas, sen-
do o fogo abalado inmediatamente, nao
ilamnificou o navio.
A 5 succumbi'ra grave e prolongada en-
fermidade oSr. brigadeiro Manoel Antouio
Ja Silva.
A 7evadiram-se, por urna mina que ti-
nham aberta por baino de urna tarimba, cer-
ca de 50 presos que estavam na enchovia do
fiarbalho. A polica an lava A cata dos fu-
gitivos ; mas ainda n&o havia poJido colher
ums delles.
Deca raides.
COMWERCIO.
balalhflo ile fuzileiros, ocaiitSo gradua-
do do mesmo bata lilao Jos da Silva Pi-
nheiro.
Para tenente do sexto batallio de fuzilei-
ros. com antiguidade de 27 de agosto de
1819, o alferes do selimo halalhiio da mes-
ma arma Antonio Franciseoda Costa.
Para lente do terceiro bltalbSo de caca-
dores, com a mrsn-a antiguidade, o alfe-
res do mesmo batalho Bento Ferreira
Marques Brasil.
Para tenente do sexlo hatalhfo do cacado-
res, com a mesma antiguidade, o alferes
do segundo balalliio da mesma auna,
Manoel Porfirio de Castro Araujo.
Secrelai ia de estado dos negocios da guer-
ra, em 21 de maio de 1850.--/.oano Augui-
lo da i'.unha Mallos
Dizia- e que e.slavam incomrnunicaveis
Pedro Ivo Vcllozoda Silveira Miguel Alfon-
so Ferreira.
(i Si. caplo de mar e guerra Joaquim
Jos Ignacio fra nomeado inspector do ar-
senal de marinha da corte, em subsIituicSo
do Sr. chefede divisSo Antonio Pedro de
Carvalho quepassia para olugar de in-
tendente da mai iiih.j.
As dalas do Ito-Crande alcanvaeam a 13
do passado.
Felizmente (cara aquella provincia intei-
ramente tranquilla ; pois que, dispersados
os grupos armados, o harflo de Jacuhy se
rccolhra a sua casa, depois de haver confe-
renciado por algumas horas com o Exm
Sr. Pimenta Bueno, que confiava na per
rnanencia da SituacSo, corno se vera do of-
ficio que a Im ixo van os Iranscrever.
N. 39. 111,11. e Exm. SrTorillo a sals
l.iCHo de com ni un car a V. Ex. que esla pio-
vincia adiase inteiramente tranquilla
Os grupos armados que, irritados por
vexame e violencias pessoaes, supposlas ou
reaes.epels destruicSo verdadeira bu pre-
sumida das propriedades que possuem no
Estado-Oriental, haviain perluihado a fron-
teira do Quarahim e invadido aquello esta-
do, vendo-sp abandonaijos do governo bra-
sileiro, e recebendo ordem terminante des-
ta presidencia pata que se desarmassein e
dissolvess in, cumpriram a final, como de-
viam, essa ntimacilo.
Nao resta pois grupo algum nasron-
leims, nem em qualquer oulro poni da
provincia e eu confio na tranquilli Jade del-
la, pois que muito confio no carcter e ton-
tmenlos de ordeai eobediencia que ai>-
inam os Kio-Crtindenses.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do go
verno em Poito-Alegrc, 7 de maio de 1850
--lllm. e Exm. Sr. Manoel Vieira Tosa, mi-
nistro e secretario de estado dos negocios
damirinha."JmAntonio Pimenia Humo.,.
Os parmennres dos aconlcciinentus, que
deram em resultado apacilicacflo dessa im-
porianle provincia, constam dos seguinles
oxtractnsdasgazelasdo Itiu-Crande ePoito-
Alegre :
Rio-Grande, 4 de maio.
Um ollirio que vimos, dirigido ao Sr. bri-
gadeiro Jos Fernandes dos ."aillos Pe eir, em
dala de 10, a respeito dos negocios da campa-
una, diz o seguinte :
Tenlio a satisfazlo coinmunicar a V S
i|ue, ueste momento acabo de teceber um o-
licio do barto de Jacuhy, datado de H do tor-
rente, em que n,e d parte que segua a apre-
seniar-ie ao Exm, Sr. presidente da provincia
de,mu de harer consetuido de ..,,/ rompanfcfiroi
ditperiarcm-ie para iuas catar, prilindo-ii
nieiiuo irniiio que os uo mandaste
guir.
dem, de 7 ,1, m i ..
. Recrbemos noticias da caiiipaulia. cuia
datas alcancam ate 24 do passado J
lin dos nossos correspondentes exprime-
se assim : '
baro de Jaeuliy, depois da conferencia
parece que se deixara possuirde vivo sen
iiinculo: -.i., movimenlos dalii em dian-
tc se inanifestaram pouco activos e pouco ani-
madores. Ja nuil., desapparecido aquelle en-
Ihusiasmo e energa que aconipanhavaiu to
das as suas aeces.
Elle dividi fiialiueiite a columna em
lies divlsoes; una entregou a Hornos, outra ..
Joo Severo, c com a terecira, que eompx
do menor numero de pravas, marcliou para
^iia l.im.ilj.
approvaia tacs
ao
pene-
nao teve perigo.
"; Esto pois as ronteiras, a cainpanha c a
provincia inleira do Itio Grande tranquillas ,
pelo que d.v.iios os mais sinceros emboras aos
dignos Kio-Orandrsea.
Beagracadainente j uo he possivel duvldar
do naulragio do patachoSuti/.ipie conduzirade
Santa Lallnrina para o Itio-Grande do sul ISO
pracas do leitO balalhao de Lacadores ; mas,
giafas a Divina Providencia, as victimas l'eitas
por seiiiell.antcsinistra, nao sao lao iiiimcrosas
como se suppiinha.
As pecas olliciaes, que os leilores vao apre-
ciar iutera-los-liao cabalmeiile deslc fatal
cconteclniento ; bem como da promptido
com que a auloridade publica e os particulares
apressarain-se a soccorrer os que, dentro os
p.issageiros do patacho, lograran! salvar as
vidas.
- N. I.'i2. lllm. e Exm. Sr. Tenlio a pe
sar de informar a V. Ec. que o patacho Subtil,
que transportava de Santa C.itliariua para o
Itio-Grande parte do sexto batalho de caca
dores, naufrago!! na noite do dia 'i de abril,
quatro leguas ao sul da barrado llio-Gr ,nde,
como V. Exc. ver dos ofllcios inclusos,
ii Este naufragio, estando o mar sereno, ven-
to regular c la clara, he lillu de um brutal
descuido ou erro do coiitra-mestre do patacho,
e de urna faeilidade do tenente da armada Sa-
lyro Gomes da Cruz. Este, embora nao tivesse
dormido as duas nuiles antecedentes, certa-
mente nao devera fai-lo na terceira noite.
qunelo devra coiisiderar-se na altura da bar-
ra. Entretanto, dorma, e o ignorante contra-
ineslre varou a barra, e uavegava para a Ierra
com inaxiuia iiieplido. guando o lenle a-
cordou-se, j ouvio a bulla do mar que que-
brava sobre a praia, quiz virar, e iiinnediata-
inenle eucalliou na ai lel.n.i.i. .... ,l mar !
U resultado foi perdereni-sc >s vidas, os
valrese artigos militares que V. Exc ver dos
ollicios inclusos.
Logo que tive noticia de tilo triste acon-
teciiuento pelo primeiro olHcio ilo brigadeiro
Jos Fernsndea dos Santos Pereira, exped
a ordem constante da resposla que incluo, e
nesta data mando abonar pela rubrica de des-
pezas diversas seiscentos mil rs.para auxiliar o
f.irdameolo dos olliciaes naulragados, quecoiu
suas familias etlfioj exhaustos derecurs os certo
dque V. Exc. iufalliveliiieiitc
providencias.
Consia-me que um capilao, cujo nome
ignoro, sacrifcou por vezes a sua vida para
salvar os naufragados, e(que a cllcsedeve cni
grande parle o salvamento : vou inl'ormar-me
do seu nome e da veracidade dos (actos para
rogar ogoverno de S. M. o 1. sua benevolencia,
que nunca se invoca em vo, a prol desse dig-
no olficial.
Ueos guarde a V. Exc.-- Palacio do gover-
iio em Porto Alegre. 8 de malo de 1830.- lllm
Kxiii, Sr. conscllieiro Manoel l'.eli/.ard de Sou-
ia c Mello, ministro c secretario de eslado
dos negocios da guerra. -- Joc rrionio Pimenta
lueno. i
llini. eExni. Sr. Tenho que levar ao co-
iilieciinenio de V. Exc. a triste c dolorosa nar-
ticipacao que no dia 20 do prsenle mea, das
I para II horas da noite, naufragou a qua-
tro legoas ao sul desta barra o patacho Sublit
que condUXia a seu bordo 150 praas do sexlo
balalhao de cacadores : log ,,e (ve parte,
mandil propuicioiiarllie ludo quanto eslava a
meu ; Icance para salvara gente e o trem de
guerra que medizem vein a seu bordo ; assim
tambem o aiuiameiTlo, equipamenloe farda-
inenlo das pracas : e son informado que opa-
tacho, logo que encalhou, se Ihe encheu o po-
ro d'agua, e que a lancha que Irazia a primei-
ra gente de bordo pura ierra se virou e se es-
tragou a ponto de uo ler uiais servenlia, i
que dessa gente pereceram o ciruigio-mr,
o cornela-iiir, mu soldado, um pelo miiri-
iiheiro, quatro seulioras de olliciaes c cinco
criauca, nao apparecendo at boje dousadfc-
res, que se suppoc ler lido igual sorle.
Os i Un i.\. e pracas de pre eslao com a
pon. a roupa com que se salvaram ; isto he,
em camisas u calcas, e alguns inteiramente ns
por virem a nado para a trra ; e V. Kxc. per-
iniltir quese vistam eslas pracas com calca-
e jaquetas que ha nesle deposito, e que sealu-
gue alguma casa por conta da naco para
quarlel doiofnciaes, que ludo perderam.
O reslo do balaliio entrou hontom a
barra a bordo do bnguo Novo Subttl, seni
novidade.
ic Deus guardo a V. ExcQuartel do com-
man.lo daguarnicSo e fronteiri da cidade
do Rio-Grande, 28 de abril de 1850 --lllm
e Exm. Sr. conselheiro Jos Antonio Pimen-
ta Bueno, presidente desta provincia. ,
Joi I crnundei dos Sanios Hereira, brigadei-1
ru. a
la Bueno, presidente desta provincia.Jos
to um individuo desses grupos, o alferes lio- fernandes dos Santos Pereira, brigadeiro.
Horario Jos Silveira, vulgarmente apellidado/ Os fallecidos, alin de tres senhorasedas
cinco criancis, fram os seguintes :
. Crurgiilo-mrSebasliio Jos Gomes, al-
feres Jos Thiago li mas e Pedro da Costa
Chaves, comela-mr, Manoel de Barros Coe-
liiu; corneta, Francisco Antonio Jos da
SilvaSoldados, Antonio Jos da Trindade,
Jos Francisco Cordeiro, Jos de Araujo e
Francisco Pedro
He San-Paulo sabemos que a provincia li-
cra eai socego.
Do 18 at 28 doabril fram acommettidas
pela febre amarella em Santos 22 indivi
duos, sendo 18 do sexo masculino, e do
femenno.Das primeiras, curaram-se 10,
falleceram 5, e ficou 1 em tratamento : das
segundas, restabeleceu-se 1, morreu I, e
conservaram-se em curativo 2.
A Revista Commereial de Santos de 21 det
maiotraz o seguate :
Fui lomado, perto deS.-Sebastio, pelo
vapor iuglez ifieman, a sumaca nacional
Flor-do-Mar, qua costumava navegar entre
o nosso porto e o deUbatuba. Nada mais
sabemos a respeilo dessa apprehensfio. Di
zem que a sumaca, nao obstante ser mu
pequea, j seguio para Santa-Helena.
As immeiiias chuvas que cahiram nos
das 16, 17, 18, 19, causaram Di Sorra va
rios desmoronameiilos e damnos asss con
sideraveis. As agoas sohiram no Cubila.i
at opiimeiro madeiramento da ponte e
corran) em abundancia porcima dosier
rado. Pouco f.ltava por lainentarmos a mor-
le de duas viclimas. Tanto a nova como a
velha estrada eslavam no dia 19 inlransila-
veis. Achava-se no rancho do Miguel urna
Iropa da oito lotes carregada de sal, e nSo
ficou tima s carga.
Do Minas, consla-nos que nada ahi 00-
conra que possa afiVclar a tranquillidade
publica; bem como que, ao receber a ins-
au-ia nova do passamento do Exm. Sr. Ber
nardo Pereira de Vasconcellos, os membros
Ja assemhli legislativa provincial, alen
de suspenderen! a sess3o, tomaram luto
ior tres, das e resolveram fazer exequias
solemnes pe i alma doillustre finado.
O Jornal do Commercio extracta o seguin-
te de urna carta escripia em Buenos-Ayres a
26 de abril :
Est prompta a esquadrilha que com
lano afinco prepara ha tompos o general
llosas.
Comp;-se dos seguintes vasos :
Brigue Estevao, lo pegas e 2 roJizios.
Patacho Portento, 4 e 2 ..
Escuna Adolfo, C e2
Pilot hoat l'erret.... 2
Vapor Curila.....2
lie, coinmandada por Toll, tendo por
1.im e.Iial.i a Fourmentin. As Iripulaces
sao em gran le parle inglezas. Tem lanibem
alguns lieapanliOM. O armamento he bom,
mas todos os vasos estam sobrecirregados
de artilharia.
A opioi5o geral be que esla frca se
destina ao Paraguay. Mas quemsabe oque
'ara O pul ao ?
O citado jornal, referinlo-se a noticias
do Buceo dtalas alOdemaio, dizqueal
0 da 8 nada | o lera o almirante Lo Pi'doui
concluir com o governo de Bucnos-Ayres.
Baha goza do paz.
Tendo o Secuto de 4 do passado publicado
urna carta em que Pedro Ivo declara que re-
cebera do Sr.-Goncalves Martins promessa
de amnista geral, o pai desse olficial, o Sr.
Pedro Antonio Vellozo da Silveira, fez inse-
rir na Tolerancia o queabaixo se vai ler :
Srs. reductores.Tendo lido com des-
goslo a caria que no Secuto de4 do curenle
se vi; assignada por meu lho, duvidei que
ella tivesse sido escripia por elle, e poitau-
to dirigi-me ajrespectiva typogrsphia para,
examinando-, convencer-me da verJade ;
a.io m'a inoslraiain, promettendo-se-meeu-
1 etanlo deixar-me vc-la no oulro dia, adoc-
ci, e no pudo vollar ; entilo agora que mi-
nha saude se restabeleceu, e que he de no
loredade publics^como, e onde foi esla
caria escripia, como o onde, por fascina-
cSo, e com o litn de coa plicarem os nego-
cios, Im aiiaucada a assignalura a meu li-
Hio, julgo domeudever manifestar, para
honra desso benemrito serviJor do estado,
o Exm. Sr. Francisco Goncalves 5lartins,
que uenhuma promessa de amnista, quer
-eial, quer parcial, me foi feita do sua
parte, quando letilei partir pata Pernam-
liuco.
Acabrunhado por mil formas vendo
meu lillio eiiiaranliado em urna guerra infe-
liz, vendo-o perdido, n&o Uendi se ufio
ALFANDEGA.
Itendimento dodia 14.....15:850,051
Descarregam koje 12.
Barca Le-Comte-Rogerfamilia e gurafes
Calera Columbvs ferro.
Barca Santa-Crus mercadoriase vinho
Brigue Herald hacalho.
Brigue lirandy-Wine mercadorias
Patacho Sultana idem.
CONSULADO GERAL.
Itendimento do dia 12.....1:484,284
provincias...... 1,339
Diversas
1.185,623
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 12.
Barcelona, polaca hespanhola Thereiinha. de
186 toneladas : conduz o seguinte :
576 saccas com 3,205 arrobas e 8 libras de al-
godao.
Rio da Praia, brigue portuguez mproviio, de
252 toneladas : condui o seguinte :
1,500 barricas com 11,058 arrobas c 29 libras
de assucar, e i caixas com 260 libras de cb.
RECEBEDORIA DE RENDAS GEBAES
INTERNAS.
Ileudmento do dia 13......578,3*9
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do dia 12.....1:294,214
BIO-DE-JANEIBO.'
CAMBIOS NO DIA DE MAIO.
Cambios sobre Londres ,
n ii Lisboa .
ii ,. Pars .
i. llaniburgo .
Metaos. Oucashespanhlas .
a da patria .
Pecas de (*'lllll. vcllias.
Modas de 4/000. .
Pesos hespanhes. .
da patria .
u PatacOes ....
ApnI ices de 6 por cento .
a jinn inci.ies
128.
31/000
27 3/4 (
92
340
630
30/800
30/800
1U/800
9/000 a 9#200
2/O00
1/025
1/H0
80 0/0
87 1,4a 87 Pela subdelegacia de S.-Jos foi appro..
bandida urna pequea trouxs de roupa, por
su.ipeita de ser furtada : quema mesma se
achar com direilo, apresante-se para, i vis-
ta das provas, Ihe ser entregue.
0 padre Joflo Jos da Costa Ribeiro, pro -
fessor substituto das cadeiras de grammati-
ca latina desta cidade, mora na ra do Qt;e-
mado, n. 37, segundo andsr.
O arsenal de guerra procisa de 3 olli-
ciaes de tanoeiros: a tratar com o ajudaute
no mesmo arsenal.
--Cartas seguris vindas do sul P'Mo vapor
Bahiana, on u de junho de 1850, aera os
Srs. Guilberme Frederico de Souza Carnei-
ro, Guilherme dos Santos Sazes, Henrique
Jorge, Joaquim Jos Pereira Codeco.
Avisos cnaritioios.
Para o Aracaly tem de se-
guir viagem com a possivel Lrevi-
dade o liiate Novo-Olinda : quem
pretender carregar, entenda-se
com o mestre do mesmo, Antonio
Jos Vianna, ou na ra da Cadeia-
Ve!ha, n. 17, segundo andar.
--Psraa Babia segu com brevidade o
patacho /.Ona: para carga e psssageiros,
trata-se ao lado do Corpo-Santo, loja de
massame, n. 25.
Para o Cear pretende seguir viagem
com muita brevidade a sumaca nacional
Cariota, mestres Jos Goncalves Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-se com Luiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, no Becife
n. 33.
-- Para o MaranhRo e Par* gahe, com a
maior brevidade, o brigue-escuna Josefa,
capilSo Jos Maris da Silva Porto : para car-
ga ou passageiros, dirijam-se ao dito capi-
ulo, ou a Manoel Duarte Rodrigues, ra do
Trapiche, n. 26.
Para o Rio-de-Janeiro segu em pou-
cos dias o patacho nacional I alent, espi-
13o Francisco Nicolu de Araujo : para o
resto da carga, trata-se com JoSo Francis-
co da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
-- A barca portugueza Santa-Cruz, de
primeira marcha, forrada e encavilbada de
cobre, chegada a este porto em 9 do corren-
te, salte para o Porto cam muita brevidade,
porque ja tem parte do carregamento
prompto : quem na mesma quizer carregar
ou ir de passagem para o que lem excelen-
tes commodos dirija-se ao seu consignata-
rio Francisco Alves, na ra do Vigario,
n. 11, primeiro andar.
Vende-se o brigue-escuna Alegra, che-
gado recentemento do Rio-Grande do-Sul,
de lote de 150 toneladas, demanda 121/2
palmos d'agoa carregado, forrado, cavilha-
doe prega.o de cobre, Tez costado liso ha
pouco mais de tres annos, he veleiro, tem
lancha nova e bote, bons ferros e amarras,
e todos os mais arranjos necessarios, promp-
to a fazer qualquer viagem, sem que o com-
prador faga despezas : quem o pretender o
poder examinar ao p das cscadiuhas de
palacio, aonde se acba Tundeado, e tratar
com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na ra
da Moda, n. 7.
Leilo.
(Jornal do Commercio.)

*
BAHA.
CAMBISS NO OA 6 DE JUNHO.
I.onOres........27
Pars.........355
llamburgo.......650
Lisboa e Porto.....100 p, %.
metj.es.
Uucas hespanhlas. 30/000 a
> mexicanas .... 30/000
Pecas de 6/400 ..... lOfaOO a
novas...... 16/OOO
Modas de 4/000. .
Pataces brasileiros.
t hespanhes
* c mexicanos.
y/000 a
1/080 a
1/9S0 a
1/960 a
(Mercantil).
30/500
17/000
9/400
2/O00
2/060
i/980
Ocorretor Oliveia fara leilSo, por or-
dem eein presenta do Sr. cnsul da rep-
blica franceza, de um preto doente, um sel-
lim, dous couros, machina daguerreotypa
nova com pertences, urna lanterna mgica,
roupa usada, um bah, um par de castigaea
de praia, algumas correntes de ouro, duaa
espingardas de dnus canos tronxadas, tudo
poitencenteasliquidacOes das msssas dos
fallec ios v.uiiici e Dubois, subditos fran-
cezes : sexta-feira, 14 do corrcnle, ao meio-
dia em ponto, no respectivo consulado, ra
do Torres, no Recife.
" -HMeMS-ajajajJBajfajjajjajJB
tiovimeiito do amoro.
Naoios entrados no dia 12.
Rlo-de-Janeiro c por tus intermedios 10 dia.
e 3 luna i. vapor nacional Bahiana, coin-
mandante o primeiro tenente Jos Segundi-
no de (rumenviro, eqiiipagem 28. Passa-
geiros, para esla provincia, o Dr. John Man-
clly e o Dr. Arthler Mac Ardey e um escravo,
luglezes, Antonio Olavo de Alenla Couta e
um escravo, e Jos Joaquim de Oliveira,
Brasileiros, Antonio Pereira da Silva e um
eacravo, Portuguei, o primeiro cadete Tho-
111 ai Carlos Augusto de Kiguelreilo, 5 (iracas
do exercito, 4 ex-soldadus, e 3escravos a en-
tregar: para o norle ; o lente-coronel Ma-
noel Joaquim de Oliveira, capitn Pedro Af-
fonsoFerreira, Jos Joaquim de Oliveira, pa-
dre Antonio da llocha Vianna e um escravo,
o Dr. Joaquim Jus Heiirir|iie cdousescra-
vos, o aegundo cadele Antonio Fiaucisco de
Oliveira Jnior, o primeiro cadele Jos Anas-
lacio de Carvallio, 12 pracas para o exercito,
e 1 ex-soldadu,
Navios sahidos no mesmo dia.
Tamandar llrigue-etcuna de guerra nacio-
nal Legalidade, coinmandante o caplto-te-
nenle L. S, Araujo Amazonas.
H._B. Bordeja no Lameirao mu navio, dca-
conlia-se ier a corveta Jjhuui ..i sabida dcsle
pono 110 domingo passado.
EDITA L
- Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 14 do correle, sa hilo de
arrematar em basta publica, na porla da
mesma, depois do meio-dia, 53 pecas do
eassas com avaria geral, a requcrinienlo de
seus donos, James Crabtreo & Companhia,
na forma do 4 do artigo 283 do regula-
iiienio : sendo a arrematado livra de di-
rellos.
Alfandega dePernambuco, II de junho do
850. O inspector, Luiz Antonio de Sumpaio
Fi'anne.
Avisos diversos.
--Jos Carlos Ferreira Soares Jnior, ten-
do de retirar-se para fra do imperio, deixa
por seus bstanles procuradores Domingos
Rodrigues de Audrade, Joaquim Munteiro
da Cruz e Francisco Jos Lopes.
Km 15 do crrente no juizo da segunda
vara municipal do civel, seho de arrema-
tar judicialmente, por ser a ultima praca,
varias obras de trastes novos, como sejsm :
cama, sopha, mesa redunda com pedra
marmore, horco, ludo de Jacaranda, mesa
de jantar elstica e de artmello enverniza-
do, em que ja uta 111 18 pessoas.
Ms. J. Slwart retira-ae para Inglaterra
com seus 4 filhos menores e urna criada.
No dia 17 do corrente mez, s 4 horas
da larde, oa porla da residencia do Sr. juiz
de orpililos desta cidade, lem de ir em pra-
ca, a requerimento de Frederico Chaves, a
escrava Joanna, pertencenlo ao casal da fal-
lecida \l .luinna Jess das .Vves.
Os herdeiros do fallecido coronol Fran-
cisco de llredrle o An Ira lo, declaran!
que obtiveram julgamenlo em grao de re-
vista no tribunal da relacSo do Maranhio,
causa que o seu fallecido pai, sogro e
avo dito coronel havia proposto a Sra. D.
Mara de Pinho lloiges, a respeilo da venda
da sua parle no> engenho Calugi, por oujo
julgameulo Ihoscompete haver da mesma
senhora a quanlia de 11:000:00o rs., quo
havia recebilo, epora mo.la da data em
que teve lugar o recehimento que foi em 8
de junho de 182d, cam os juros na mesma
especie desde a mesma dala do recehimen-
to : e por isso que para pagamento dos an-
nuncianles, n3o hasta a parle que a dila
senhora tem no refer lo engenho, e Ihes
consta que protende vender a casa de lies
sobrados na ra do Atierro da Uoa-Visla, e
a mesma parte do engenho : fazem o pre-
sente annuncio, para que ninguoin compre
as ditiscasas e parle doengeuho, pores--
tarem sojeitas a esse pagamento, por forca
dsquelle julgado. Prxedis da Fonseca
Couiinlio.
Aluga-se um sobrado recentemente
acabado, na ra da Uni3o, com os melho-
res commodos para urna ou duas familias,
consistentes em excellentes salas, alcovas,
duas cozinhas, cochoira e grande quintal:
a tratar na ra da Aurora, ti. 4.
Antonio Leite, subdito portuguez, re-
tira-se para Portugal.


Ao publico.
Hriposta ao Sr. padre CoHolano de Carvalho.
Chema-rae em o seu annuocio car di
bronze,* eu drgo-lhe : car* de bronze o bem
de bronze,he quem com tanto descaramen-
to nega o que deve;Jears de bronze e bom de
bronze. he quem na Taita de recursos, pede
fiado, e quer t3j) incivilmente, pelas foihas
publicas, pagar; cara de bronze, e bem de
bronze, he quem dpois de servido quer
pagar com descomposturas, a quem de bo
vontade Ihe conflou a sua fazrnda eoseu
dinheiro rara de bronze, e bom de bron-
ze, lie aquella que deixa de pagar a quem
trabalhn ; cara de bronze. e bem i\p bron-
ze, he aquelle que diz, venhi receber o seu
dinheiro, mandei-lhe a conta com recibo, e
mais i sua caria de conflssao de divida, *
disse-ae ao portador, nflo pago. E ser
isto oque jurou rliante dos altares santos,
pagar a quem deve com descomposturas?
Jote oaquim de tlovaes.
lllro. Sr. Jos Joaquirn de Novaos.-0-
linda, 17 da julho de 1843,-Becebi o seu
recado, e tenho a dizer-lhe que prsenle-
mente nRo lhe posso mandar o aeu dinhei-
ro ; porque me acho aqui sem correspon-
dente, e sem ter a quem tomar empresta-
do pra Ihe mandar; porem mandei um
proprio miaba casa ver os meus cavallos,
e urna poreflo de dinheiro para me apromp-
tar, e logo'que chegue, Ihe salisfarei : pois
que sou pouco inimigo de dever, e mor-
monte a quem nSo pode ter dinheiro por
muito lempo empatado, e o senhnr poda
saber qua se eu ti vesse, j a muito Ihe tinha
mandado : pnis que. eu o anno passado es-
lando a dever ao senhor, logo que tive di-
nheiro Ihe salisfiz, nflo s o importe de sua
divida, como tambem adiantei-lhe dinheiro
para urnas obras que mandei fizer, Sadr
ihe desoja, seu venerador eobrigadoO pa-
dre, Francisco Coriolano de Carvalho.
~ Rofja-seaoSr. Ped'o Muller, morador
na Vanea, que |va i ra da Cadeia do Reci-
te, de fronte do Becco-Largo, para realisar
cerlo negocio que nSo ignora.
-- Roga-se ao Sr. Jos Ignacio de Lira,
olllcial de justica, que no prazo de 8 das,
queira ir em certa parle, que nSo ignora,
entregar certa quantia de urna execugflo
que fui lazer, ha mais de um anno, e que fl-
cou-so com o dinheiro ; na certeza deque,
o nflo rayendo, se proceder nos termos di
le.
No tendo apparecido quem
comprasse a rasa de pasto do Passeio-I'ubli-
co, n. 23, teve de ser desmanchada, e por
issose vendeos pertences cada um de per
ai, como sejam bonitas mesas para juntar.
ricos flteiros nnvidracados por todos os la-
. dos, proprios para loja de miudezaa ; ban-
cas prnprUs para consistorios do igrejas ou
eleigOes, mochos de palhinha, trem de co-
zinha, e oulrosmuitos trastes que se mos-
trarflo aos compradores : tuilo por prego
commodo : nasCinco-Pontas, n. 31.
Publicaco religiosa.
O mais perfeito cathecismo de doutrinn
christila, o decretado pelo sagrado concilio
de Trenlo para dello fazerem uso os paro-
chos elodos os mais fiis do orbe catholi-
co.sahio luz eacha-se venda na ra do
Encantamento, armazem n. 1.1, por haixo
do sobrado, onde mora o reverendo vigarin
do Itecife.
Ueseja-se saber a residencia do Sr. Te i -
xeira quo morn na Trompe, o que tove
venda : annuncie.
I'rerisa-so de um sitio as estradas dos
Afilelos, Helenio Kozarinho, e que lenha
bons commodos : quem tiver annuncie.
-- A negocio de ssus inleresses deseja-se
noticia do Sr. Francisco i.oiz, da l'alhaga,
dos sitios da Bairrada, distrirtn deCoimbra,
o esteve aqui oceupado na fabrica das Cari-
cas ; bem como doSr. Jos Januario Soares
Ferreira, sobrinho do fallecido padre An-
tonio Soares Ferreira, e casado com a Sra
I). Ignacia Joaquina do Jess Fereira, ou
queiram procurar a viuva Caudillo & Filbo,
na pracinha do Corpo-Santo, n. 66, ou an
nunciem suas residei cas.
Aluga-se, ou vendo se, por se nSo pre
eisardella, umaescrava crioula, moga, de
boa figura, que enzinha bem, lava do tabflu,
cose, engomma, he quilamleira, nflo fuge.
nflo furia o nem bebe, oque tudo se alian
ca : por aloguel 12,000 rs. mensaes, e poi
venda 600,000 rs. : tambem se vende um
mulatinha de 9a 10 aunes, l;ilve/ a mais
bonita que apparega nesle genero, e j este
adiantada em costura : na ra do Sol, n 9
-- A pessoa que tem annunciado por est.
follia querer comprar urna negrinha de 10
a 12 Hunos, dirija-se ra liireit i. n. 10.
--OITerece-se urna mulher de bons eos-
turnes para ama de urna casa de homem sol
teiro.'ou casado de pouca familia: na rua-
das Flores, n. II, se dir quem he.
I'rerisa-se de urna escrava para o ser-
vico de urna casa francoza : no Alerro-da-
Boa-Visla, n. I.
Aviso aos fumanles.
Na fabrica de charutos da ra Nova, n. 32
acha se um grande sorlimeiilo do diversas
marcas di'charutos dos priucipaes autores
da provincia da Bahia, como sejam :
Acadmicos.
Os verdadeirosS. F. de llrandflo.
A vista faz f da marca do Franco.
Defensores da patria.
Liberaos.
Cavalheiros.
Saqoaremas.
Depu lados.
Venus de llavana.
Ditos marca de fogo.
Americanos.
Regalos.
Faya.
Afama vl.
Fama.
Emilios.
Cigarros de la llavana.
Regala.
Senadores.
E outras mais qualidades que serflo paten-
tes aos compradores, e que so vndenlo pe-
lo menor prego que polar ser : bem cogi
muito bons cigarros de palha de milho.
- Na ra de Agoas-Verdes, casa terrea
1-2/, entornilla se e la va-so toda a qi.ali
dadederoupa, com todoasseio e prompli-
dSo, por preco mais commodo do que em
oulra qualquer parte.
Patulea.
Pode-se ao Sr. director do theatro a re-
p tigflo da farqa Quem casa fuer caa
om o mesmo desempenho cora que foi na
noitede s do correle ; e a qiem competir,
a prohibicSo do certaa acci-s que appare-
cam na platea, apenas cahe o panno, visto
rilo ser a platea do theatro praca de loaros
O amigo da icena.
Offe ece-se um rapaz brasileiro para cai-
xeiro de escripturaglo, ou mesmo para es-
eriplorio por ter grande pralica, d Dador
de sua conducta : quem de seu proslimo se
quizer utilisar, dirija-se ra da Praia do
Caldeireiro, n. II, ou annuncie para ser
procurado.
Precisa-so de umeaixeiro do 13 a 14 an-
nos : na ra do Bozario da Boa-Vista, n. 53.
Precisa-se de um sitio para tima fami-
lia eslrangeira, preferindo-se na Cipuoga
ou Magdalena: quam o tiver annuncie, on
I irija-se na da Cruz. 0. 8.
Pedro Angelo Evangelista, Brasileiro,
retira-se para o Rio-de-Janeiro com suase-
uiinra i; urna ti'lia menor.
Pede-so aos cidadflos abaixo declarados,
que fizeram parte da quarla companhia do
corpo de voluntarios que, em virtude de
ordens superiores, lenham bondade de
dirgirem-se ao terceiro andar do sobrado
ii. 14 da ra do Crespo, das 6 s 7 horas da
inanhfla o das 4 s 6 da tarde, alim de enlre-
garem o armamentoe correiame da nagflo
que receberam, quando se alistaran! na
mesraa companhia, eahi ver inulilisarem-
se os recibos que passaram ao ex-capitflo
loaquim Teixeira Peixoto, isto dentro do
prazo de oito dias, contados de hojo, ( 10 J
e linalisado este prazo, remetter se-liam os
recibos a autoridaJo competente, para fa-
zer efTeclivo o recebimento do mesmo ar-
aiento.
Os Srs.
Joaquim Francisco de Torres Gallindo.
AntonioTiburcioda Costa Monteiio.
Jos Bibeiro da Silva.
Joflo Jos de Caprisjano.
Joaquim Aleixo de Souza.
Cnet nio da Silva CuimarSes.
Joflo Baptista Rodrigues de Souza.
Antonio Vicente Cumiarnos.
Joaquim Antonio Carneiro.
Coradlo Corroa Lima.
Francisco Antonio Alves Mascarenhas.
Pedro BalbinoJosda Molla.
Jos Pereira Cezar.
Manoel Martins dos Santos.
Sehastiflo Jos de Souza No^ueira.
Joflo Ferreira da Costa.
Uisuliano Cuno ilo Torres Gallindo.
Vicente hodr'gucsSeixis.
Joaquim Ricardo Ferreira.
Maximianode Olivcira Mussurepe.
Francisco de Paula Theodoro Barata.
i.uiz de Franca.
Antonio Elias de Moraes.
loflo Francisco de Paula.
Manoel Jos Marques Vianna.
Jos Joaquim Uorges l'cha.
Jos de Araujo Caldas.
Fredericoda Costa Bios.
Ilraz da Costa Vellozo Bios.
Justino dos Santos Cunha.
Antonio Estoves dos Santos ; cumula. ,
O senhor que levou occultamente um
relogio de ouro liso, de sabonele com
mostrador de prata, letras de ouro, de pa-
tente, n. 1,205 ou 1,208, no dia segunda-
feira, 11 do con ente, da loja de relojoeiro
na ra Nova, n. 21, lenha a bondade do
restilui-lo pela melhor forma que Ihecon-
vier ; isto no praso de 3 dias, do contrario
se usar, dos meios competentes e fazeodo
al publico pelo jornal.
Precisase de um moco, que lenha prin-
cipio de pharmacia ou que queira dedicar-
se a isso : na botica de llartholomeu Fran-
cisco de Souza, ra do Ilusa no larga n. 36.
Sahe pelas 9 horas o primeiio numero. Es-
t intvressanle. Vendo-so na praca da In-
dependencia, n. 33; na ra da Cruz do Re-
cite, n. 14; e na niao dos distribuidores.
Chapeos de sol.
Roa do Passoio, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
sortimento desles objectos do todas as cu-
res o qualidades, tanto de seda como de
panninho, por precos commodos; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : esles chapeos
silo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de seda e pan-
iiiiihus imitando sedas, para cobrir ar-
marles servidas : todas estas fazendas ven-
de n-se em poreflo e a relalho : tamben: se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
haslcas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas : ludo por preco
commodo. Na mesma casa ha chapos de
sol do marca inainr, do panno c de su la,
proprios para ft-itores do engenho por serem
dos mais fortes que se podem fabricar,
lina do Fasseio, n. 5 A.
Joflo Loubet participa pela segunda vez as
pessoas que leeinem sou poder chapeos de
sol para cobrir e concertar, que os vnham
buscar no prazo de oito dias ; do contrario
serflo vendidos pelo importo do concert,
visto j se ter advertido nos ns. 104, 105 e
106 deste Diario.
A ciclad c de Pars.
Fabrica de chpeos de sol, ra do
Collegio, n .').
J. Falque participa ao respeilavel publico
desla cidade, quo elle abri o seu novo es
tabelecimento, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sortimento deates ob-
jectos dos mais modernos e variados, como
sejam : chapeos de sol para homens de se-
das chamaloladase lizas, de cores e pretos,
ditos de armaeflo d'ago muito fortes com
sedas de todas as cores, ditos para senhoras
de sedas Uvradas e lisas, com franjas e sem
ellas, cures muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, com franja esem el-
la, ditos de panninho para homem com ar-
uiac.no rica o ordinaria, sortimento de ben-
galas de todas as qualidades, baleias para
vest, los, col leles eespartilhos pan senho-
ra. Na mesma casa concerta-se e cobre-se
toda a qualidade do cliaj eos de sol e benga-
las, paraos quaes leni boas sedas e pannos
em pecas i todos esles objectos vendem-s;
em poreflo e a relalho, por menos prego Uo
que em outra qualquer parto.
- Na ra Nova, loja n. 58, se dir quov.
d a juros quautiaa e 300, 400, 500, 600 e
700,000 rs. sobre hypothecas em casas ter-
reas.
A pessoa que mora no Mondego, n. 99,
o que annunciou vender urna escrava criou-
la, que cose e cozmha ; bem como urna casa
ua ra da l'raia-de-S.-ltila, n. 44, dirija-se
com a escrava ra do llaogel, n. 36, pri-
meiro andar, e tambem para -so ajuslar a
casa.
O Bello Sexo.
Sahio luz o primeiro numero deste pe-
ridico em livragflo de 16 paginas, com ca-
pa do cor; a sua assigntilura he 1,000 rs
por trimestre, eo numero avulso vende-se
por 400 rs na praca da Independencia, li-
v aria do Sr. Figueira ; na ra do Collegio,
loja n. 9, do Sr. Morol; e no largo do Colle-
gio, em casa do Sr. Dourado, n. 6.
Jos Ignacio Borges tem justoe contra-
fado com Manoel Mara da Costa Pinto a
compra do seu deposito de assucar da ra do
Aragflo, n. 36, livre de responsabilidade al-
gjma ; por isso faz o presente para quom se
julgarseu credor queira, no prazo de 8dias,
ir entender-se com o dito Costa Pinto, no
mesmo deposito.
-- Precisa-se alugar um preto, sendo esta
intelligenle e liel, e que entuma do cozi-
nlia : a tratar na ra Nova, n. 69, armazem.
Precisa-se alugar um ou dois andaros de
um sobrado no bairro do Recifo; quom tiver
annuncie.
Faz-se todo o negocio com a parto de
um silio, e tambem arrenda-se : quem
pretender dirija-so airas da matriz de Santo
Antonio, n. 2.
Agenciado nassaportes.
Tiram-se passaporles para dentro e lora
do imperio, coro presteza o commodo pre-
co : ua ra do Bangel, n. 57.
Lino Jos de Castro Araujo, autorisado
por Antonio Joaquim Tavares para rece-
ber suas divijas, ruga a lodos os seus de-
vedores de mandaren) pagar o mais breve
possivel, pois que deseja poupar muios que
nflo sejam amigaveis, em semelhantes rece-
bimentos, romquanlo para isso lenha or-
doni do seu comiltente.
O bacharel Jos Joaquim Geminiano
de Moraes Navarro ensiua com toda a per-
feicflo e desvelo latim, philosophia e rheto-
rica, na ra da CaTeia-Velua, n. 51, segun-
do andar, onde deve ser procurado por
quem quizer ulilisar-se de sou prestimo.
Precisa-se alugar urna casa
terrea com quintal e cacimba, no
Aterro-da-Iioa-Vista Hospicio,
Solidade, ou na Trempe : no ho-
tel da Europa, na Lingota, n. 3.
Aluga-se o primeiro andar do sabrado
da ra Nova, ti. 65 : a fallar na ra de 8.-
Illlii, o. 14.
Permuta-se por urna casa terrea em
S.-Antonio ou Boa-Vista urna parto de so-
brado de um andar, no valor de 7-20,000 rs.,
sito narua Direila.a tratar na ra da iv-
nha, n. 3, segundo andar.
rierece-se urna pessoa para caixeiro
de cobranzas nesta praca, e que tambem
podo ir algumas vezes ao matto, para o que
tem pratica, e dar bastante conhecimenio
de sua conducta : quem precisar annuncie
Ueseja-se saber se ha alguin embarace
na casa e ierras pertencenles viuva de Ma-
noel dos Santos Lins Uandeira, silos no li-
gar da Boa-Viagein : na ra do Livramenlo,
loja n. 25, ou annuncie por esla folha.
-- Quem achar urna poreflo de chaves
prezas por urna crrenle de latflo, e as quei-
ra restituir mande-as entregar na botica
le Bartholomeo Francisco de Souza, na ra
arga do Rozarlo n. 36 que sera generosa-
uiunio recompensado.
Lem.>r;iii(/.'i
que se faz ao padeiro do Becifo para que
quando houver de fallar a fieguezes que sflo
de seus collegas so sirva dos ineios que qui-
zer, contanto que nflo desgrace mais do
que eslflo os precos dos penetos dos uossos
estabelecimentos ; e lio bom, queS. me.
lenha em vista que quem tem usado de taos
ineios nflo tem lirado bom resultado...
O padeiro mais ofendido
No dia 4 do corrente de 3 para as 4 ho-
ras da tarde, furlaram da ra do Appollo.
sobrado n. 1, primeiro andar, setenta e
tantos volumes das'obras de Waltor-Scott;
tendo arrombado a porta da salla da frente ;
roga-se a quem fr offerecido algum desles
volumes que os apprelreuda, ednolicia na
ra do Trapiche, n. 12, que ser recompen-
sado : advertindo-se quo anda licarain al-
guna volumes por onde so possa conbecer
o furto.
Alugam-se os segundo e terceiro anda-
res da casa do largo da assembla, n. 8: a
fallar comJoaquim Francisco do Alem, no
forte do Mallos.
' Quem annunciou um escravo para alu-
g ir, qua enlcndo de plantajes de sitio, di-
rija-sea ra larga do Bozario, u. iii, venda.
Aluga-se urna cozinheira forra ou es-
crava : ua ra da Cruz no Recife, n. 2.
O Sr. Aleixo Xavier Pereira de Brito
dirija-se ao armazem do Palmeira, largo do
CorpoSanto, para Ihe ser entregue urna re-
commenda^flo de Angola.
Desappareceu, no da 1 do correte
noite, urna negra crioula, de 19 a 20 auno-
pouco maisou menos, de nome Bernaberla,
que foi escrava do Sr. Joflo Paulino da Cu-
nha Lima, morador na Passagem-da-Magda-
lena, eom os signaos seguintes: alta, um
pouco secca, ps bstanlo grandes e largos,
de bonita figura; tem urna marca deempi-
gem no meio das costas c marcas do pan-
nos no rosto ; levou vestido de chita dos-
botada que parece branco e panno preto
bstanle usado ; lovou mais um vestido do
cambraia cor de roza e oulro dito de dita
branca ; desconfia-se estar dentro desla ci-
dade. Iloga-se as autoridades policiaes e
capitfles de campo que a peguem e levem-
na ra do Vigario, n. 13, terceiro andar,
que serflo generosamente recompensados.
Perderam-se, na noite de 5 do corren-
do; na certeza do que d
e meninas.
Dflo-se 400,000 rs. a juros sobre penho-
res de ouro e prata, o a dous por cento ao
mez : quem precisar dirija-se ao pateo do
Carmo, n. 3, quo se dir quem d.
Precisa-se de alguns eslrangeircs oll-
caes de carpinn o do pedreiro para iraba-
Iharem era um engenho perto desla praca :
a fallar narua do Rozarlo eslreita, venda
n. 47.
- Precisa-se ds um homem de
idade, que tenha alguma pratica
de negocio, para um pequeo es-
tabelecimento, o qual de fiador
sua condneta : nos Coelhos n. i3.
Um rapaz solteiro se ollorece para dar
licfles de primeiras lettras o alguns prepa-
ratorios em algum engenho, ou fazenda :
quem de seu prestimo se quizer utilisar, di-
rija-so ra Direita, n. 102, ou annuncie.
--A senhora que niandou fazer urna saia
de bordado desuelo, ua ra da Cruz, n. 68,
queira a mandar buscar no prazo de 8 dias ;
do contrario, sera vendida, nflo licando res-
ponsavel a costureira pela fazenda, visto
ser segunda vez queso I../ o presente an
nuncio. Na mesma casa vende-se boa Ifla
de flor de canna, por mdico preco.
O abaixo assignado faz seiente aos ere-
dores de Francisco Jos Comes de Oliveira,
qucinauJuu proceder a balauco na venda
do mesmo, a qual tem em fundos oque
consta do balanco por exlensnrs. 4IG,770:
qualquer dos Sis. crodores querendo lomar
conta o passar recibo ao annuncante, coni-
; areca para a entrega da mesma, no prazo
de cinco dias, obrigando-se a entregar aos
mais credores a parle que a cada um per-
tencer. -- Victorino Jos Correia deS.
Na casa que se vende sorve-
te, ao enlrar da ra da Aurora,
na Uu;i~Vi.-l i, estar do hoje em
diante sortida com charutos de di-
versas qualidades, excedente caf
a tarde at a noite, com boinhos
e refrescos : tudo com muito asseio
e promptidao.
Compras.
--Compra-se um pouleiro de ouro sem
fetio, e com o peso que tiver i na ra do
Aragflo, n 8.
Compra-se effectivamenre boiOos de
tinta vasms a 210 rs. a duzia, na piaei do
independencia, n. 12, OU lia i un Direita,
loja n. 81.
Compram-so escravos pedreiros o car-
pinas, que sejam mocos : na ra do Itozario
eslreita, venda n. 47.
Compra-se a colleccflo do Diario de
Pernambuco do anuo de 1827.
Na ra do Crespo, n. 9, compra-se um
fulo de folear formigas.
Compra-se um methodo para piano : na
i ua do Cabug, loja n. 9.
-- Compra-so um melhodo de violflo por
Carulli ; na praga da Independencia, loja
de Sr. Meroz, ou annuncie.
-- Compra-se um ou dous sellins ingle-
zes, com pouco uso, com arreios, ou sem
elles : na ra do l'adro-Floiiano, n. 38, ou
a un un c'ic.
Vendas.
?Sollos.
Na livraria da praQa da Indendcncia, ns.
6 o 8, vendem-se folhat de papel com sor-
les a 80 rs. cada um, o os seguintes livros :
Acasos da fortuna, ou livros de] sortes
divertidos ele. a 6V0 ris.
Livros dos destinos para serem consulla-
dos as noites de S. Antonio e S. Joflo etc. a
40 rs
-- Vende-se por 18,000 rs. urna roela cem-
inoda de mogno com Ires gaveles : naTua
do Queimado, segunda loja, viudo do liuza-
rio, ii. 18.
Venle-se urna cama de casal de angico,
nova, por preco commodo : no pateo da n-
hera de San-Jos. n. 5, venda.
Ven ie-se a taberna do pateo de S.-Pe-
Iro, n. I, com poucos fundos, o pintada de
novo : vende-sj por nflo ler commodos pa-
ra familia : a tratar na mesma taberna.
Fazendis biratas.
No armazem de fazendas, de Itaymumlo
Carlos Leite, na ra do Queimado, n. 27, ha
um bello sorlimento de fazendas de ludas
as qualidades, por os pregos mais commo-
dos que se teem vendido, a saber : pegas do
madapoln da India, o.om 21 jardas, muito
fino, a 3,200 rs.; dito muito lino o encorpa-
do, eom 4 palmos u meio de largura, muito
proprio para camisas de escravos por ser de
muita duragflo, a 3,600 rs. ; alpaca do cor-
dflo, de lindos goslos, e de diversas cores,
poprio para palitos, casacas e calcas, a 80o
rs. o rozado ; dita prota muilo lina, a 800
rs.; ptimo riscado fiancezde varias cores,
a280rs. o covado ; cortes de brim pardo
para caigas, a 1,400 rs. ; dilos de quadros
mu 'os. muito bonitos, a 1,000 rs.; risca-
do monstro, 210 rs. o covado ; cortes de clii
ti cliineza, gosto escolhido, a 3,500 rs.
alualhada enirangado con 7 palmus e meio
de largura, a 800 rs a vara.
De patente a lo,ooo rs.
Crande sortimento de chapos de sol, de
patente inglez, pelo barato prego de 10,000
rs. cada um, com basteas de baleia o de ac;
titos mais pequeos para menino-; dito
para n em nu-
lo, 3 puntes do tartaruga, que vinham em- de seda preta, a 5,500 rs.; dilos decores,
8,000 rs. ; dilos de panninho, a 2,800 rs. ;
chapeos brsucos de caslor, paienie ingiez,
ede aba larga, a 12,000 rs. ; dilos de aba
eslreita, a 9,000 rs. ; dilos francezes, dos
melliores, prova d'agoa, a 8,000 rs. ; ditos
modernos, a 7,000 rs.; chapeos do Chile,
pelo barato prego de 6,500, 7,500, 8,000 e
9,000 rs. ; bem como um completo sorli-
mento do fazendas linas e grossas, por mui-
to barato prego : na ra do Queimado, n. 27,
armazem do fazendas, de Itaymuiido Ca-
lo^eit'i.
Vende-se um moleque de nsgflo, de 18
annos, cozinheiro, e proprio para andar
embarcado, por ter pratica : na ra da Ca-
deia do Recife, n. 37.
-- Vende-se um escravo mogo, que se
acha preso na cadeia a ordem do seu se-
nhor, por nflo querer trabalhar em enge-
nho, e pedir que quer servir na praca : para
brulhados em um papel em cima de um ta-
boleirode fazendas ; suppoe-se terem ca-
hido na praca da Boa-Vista, junto da calca-
da da botica da viuva Cunha. Boga-se a
quem os achou, que os levo ra das Cru-
zes, D. 4, quesea gratificado.
Vcenlo embolino Cavlcauti de Albu-
querque, branco casado, de idade 44 anuos
o com pratica de ensinar a 22 anuos ; faz
-cenle ao respeilavel publico, que no dia
segunda-feira, 17 deste correlo mez de
jiinlio, dar principio a ensinar em casas
particulares as primeiras letras, grammali
ca porlugueza e arithmelica, por preco com-
modo : ludo com muita prudencia, adian-
Umentu e respeilo, e indopendenlo de cas-
tigos : quem pretender dirija-se a loja do
Sr. Manoel Figuciroa deFaiia, aonde dei-
xar por escriplo seu nome, ra, numero
e casa de sua residencia, para ser procura-
ii rftvFi
giles a meninos ver, na cadeia, e tratar com o bnga.leiro
Almcnla,que tem procuraeflo para ovender.
Vendo-so um molequo de 17 anuos ;
a urna molooa, por seu senhor relirar-se pa-
ra fura da provincia : na ra Nova, n. 39,
s'_iin.lo andar.
Vendem-se 16 escravos, sendo um bom
cozinheiro, lano de forno como do massas,
do 18 annos ; um dilo pedreiro ; um dito de
tuqiio, bom carpina ; um dilo de 16 anuos,
oleiro ; um dito carreiro, e outros do aor-
vigode campo; varias escravas mocas de
ludo oservigo : na ra Direitn, n. 3.
Vende-se um pardo do 20 annos, de bo-
nita figura, o qual tem principios de alfaiate,
o he proprio para bolieiro por sabor est
ollicio : a tratar na ra da Cadeia Jo Recife,
51.
Para sobre-mesa e outras occasioes ha
chegado ra das Larangeiras, n. 13, o bem
conlicciJo doce do goiaha earag em cai-
x.lo, do engenho Cuorra : a elle, pois que a
venda he prompta o o priigo commodo.
Para os bollos de San-Joo.
Vende-so manteiga ingleza muito boa, pe-
lo prego de 560 rs. : narua Imperial, pada-
ria n. 37.
U barato, e n5o engaar
Obriga a freguezia a comprar.
Na loja do barateiro da ra do Queimado,
n. 17, sflo chegads os novos riscadinhos do
quadros, muito finos, cum qualro palmos
le largura, intitulados Imperiaes, pro-
prios para vestidos e rnupdes para senhora
meninos, a 320 rs. o covado ; meias linas
ara senhora, a 320 rs. o par ; chitas encar-
nadas e adamascadas para vestidos, a 320
rs. o covado ; lencos de seda superior ede
padrOes modernos, a 2,000 rs. ; panno fino
preto, a 2,880 e 3,500 rs. o covado ; brins
trangados de cures, a 160 rs. o covado ; di-
to trangado branco, de lislras de cores o de
puro lindo, a 800 e 1,200 rs. a vara ; cortes
de casimira de cores asmis modernas,
6,000, 6,500 o 7,000 rs. o corle ; damasco de
la e algo Iflo, proprio para coeiros de me-
nino, a 500 rs. o covado ; e oul> as fazendas
por baralo prego, por s; querer acabar com
ellas.
Precos nunca vistos.
A 3,2 >oe a 4o i"s oda corte.
Cortes de casimiras francezas rapadas,do
ulhascr, pelo diminuto prego de 3,200
rs. ; corles decollelode merino decores, u
400 rs. ; longos de cambraia de linho gran-
lese muilo linos, a 800 o 1,000 rs.; grava-
las de setini preto e de cores, a 800 rs. ;
mantas de seda do cures pura grvalas, a
1,000 rs.; manteletes de chamalole pretos,
a 15,000 rs. cada um : na ra do Queimado,
o. 17, loja de Faria & Lopes.
Moroira & Vellozo, com loja na ra
Nova, n. 8, annunciam para vende" pelo
liaratissiino prego de 2,000 rs. chapeos de
maga cobertos do olia lo proprios para a 68-
agflo prsenle; tambem se voudem, na
mesma loja, sapatos de cordavflo e france-
zes a 1,200 rs. o par ; dito do couro do lus-
tros para senhora, a 2,000 rs. ; espartilhos
de puro 11nlio guarnecidos de balehs, nflo
esqueceudo a laiga d fronte, pelo prego
nunca visto de 6,000 rs. cada um : galbo-
loiros com 4 vidros, a 2,500 rs. chapeos do
palha abertos para s ntiora, do varios pregos
i de diferentes (ammlios; ditos de palinha
in lamento enfeilados para meninos e me-
ninas ; franjas de varias cores muito pro-
prias para onfeitar vestidos, a 320 avara ;
muas do garg do muito boa qualidade e
Je bonitos goslos, a 5,000 rs. ; as verda-
deras luvas de trogal com dedos a 1,000 o
par, ditas do pelica para senhora e para ho-
rnera; borzeguins, sapatos de lustro, ditos
de marroquim, tudo para senhora; cha-
i eos de maga francezes, cliegados de proxi-
me, bonitas formas e boa pelucia, a 7,000
rs. cida um ; pentes de tartaruga de mar-
rala ecc; lengos para grvalas ; capellas
de flores para noiva ; corles de sedas bran-
cas o de cores ; esobreludo um bullo sorti-
mento de perfumaras e de outras fazendas
mais que se protesta vender por pregos mui-
lo rasoaveis.
VenJe-so assucar cando a 400 rs. ; as-
sucar refinado fino a 100 rs. ; dilo a 90 rs. ;
tilo a 80 rs ; caf moido, liquido, sem 'ma-
lura a 280 rs. ; dilo com cevada a 210 rs. ;
lito de cavada a 100 rs : est -se torrando,
nflose eugeita dinheiro, da-se tudo a con-
tento, para se examinar o peso : na rena-
gflo da ru do Hurtas, n. 7, ao p do pateo
lo Carino.
JVendem-se queijos londrinhos de 4 e 5
libras, muito frseos na ra da Cruz, no
llcifo, n. 62, armazem de Manoel Francis-
co Martins
-- Vende-se urna preta da Costa, de 18 an-
uos, de bonita figura, e de boa conducta,
propria para se educar, por nflo ser de ra ;
urna patda muilo moga, o de con lucia re-
gular, que engomma, lava de salino, e he
omito saita : o motivo por que se vende he
haver grande precisflo que nflo admiti de-
mora ; um preta crioula do 16 anuos, com
principios de engommar, costura, e quoco-
zinha : ua ra do Kngel, n. 38, segundo
andar.
-- Vendem-se um escravo, mogo e bonita,
figura ; na ra da Cadeia-velha, n. 6.
Vende-se urna barrassa apparelhada,
eom todos os uecessarios para navegar, a
com embonos de cedro novos, a qual pega
em 16 caixas, ou 20 pipas : na ra do Cres-
po, n. 17.
Alinelo ao bom e baralo.
Na ra Nova, n. 71, taberna da esquina ao
p da ponte, vende-se manteiga ingleza
muito boa, a 720 ; dita a 160, 240, 400e 480
rs. ; dila ftanccza,(a 520 rs. ; banha, a 320
rs.; toucinho, a 120 rs. ; espermaceti*, a 720
omiiis. ; cevadinha franceza, a 20O rs. ;
azeiie doce, a 560 rs. a garrafa; paios, a
200 rs.; encneos, a 3C0 rs.; velas do car-
nai'ilii, a 320 rs, ; cha muito bom, a 1,920
rs ; tii oca, a 120 rs.; caf em grflo, a 240
rs. ; dito moido, a 210 rs. ; cevada a 10O
rs. : tamb)m so vendem estes mesmos g-
neros na mesma ra, n. 40, defronle da
Conceigflo.
Vende-KO ou troca-se um lindo escravo
crioulo, sem vicio algum, por urna prela
para vender em talioleiro : faz-seo negocio
vontade dos contratantes a tratar no For-
to-du-Mattos, casa n. 12 da ra do Codorniz.
Vende-se urna canoa do carreira nova,
por commodo prego i na ra do Bozario es-
lreita, n. 16, primeiro andar.
Vende-se urna moenda toda de ferro da
moer rom animaos em bom uso, por se ter
lo assontar vapor: drija-se a botica do
Bai Iholotneu na ra do osario.


Deposito de Potassa.
. Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinho.'
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc Recife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Vendem-se cigarros de palha de milho,
bons, por prego commodo : na ra das Cru-
zas, n. *0.
xmmmmmmmm mmm&mmmmm*
i?
Grvalas de molas.
Grvalas de mola de nova inven- $
(So; lencos de setim preto e de ro- W
res ; ditos de fo da Escocia ; ditos S
teciilo do norte ; chapos francezes; J
boascasemiras ; pannos pretoso de ft
cores; iirins com lecido de lona ; e Ti
1 wlras militas fazendas, nSo s para $
homein como para senhora : ludo f
vende-se ror commodo prego: na j5
ra do Crespo, n. 9, loja tmarella.

I
i
wsKtwrai mwmwmsmfmw
Vende-se muito superior farinha em
meias barricas : na ra da Cadoia do Recita,
escriptorio de DeaneYoule & C., em seus
armazens do becco do Gongal ves.
As novas cansas sublimes
a .240 rs. o corte.
Na loja de GuimarSes & llenriques, na
ra do Crespo, n. 5, que faz esquina para n
ra do Collegio, vendem-se novos cortes de
cassas linas denominadas sublimes, pela
sua boa qualidade e barato prego.
Vende-se um pardinhu de 12 annos ;
urna preta que cose, engomma e cozinlia ;
ito barato que he para liquidar contas ve-
Ihas : na ra larga do Itozario, n. 46, pri-
meiro andar.
"IBP!A unnbeor oiuojuy op
efor ,piape[) ep Bnj bu as-uiapuaA
: -s.i o*9
v. 'ajuo pjnd so q 1110 n
Vendem-se amarras atj larro: na'rus
da Senzalla-Nova, n. 42.
99999 *#ffff ?ff^ ^
Manteletes a 20,000 rs. S
Ricos manteletes modernos, vindos *
de Franca, vendem-se pelo diminuto *
preco defO.OOO rs. : na ra do Gres-
po, n. 9, loja JoSo Antonio Gomes #
GuimarSes, nicamente. <
Farinha de mandioca Te
S.-Catharina.
Chegou em direitura de S.-Catharlna o
brigue nacional Minerva, com um carregi-
ment de superior farinha muito nova, e
chB-se fundeado defronte do caes do Ra-
mos, onde se vende a preco commodo, ou
cm casa de Manoel Ignacio de Oliveira, na
Praga do Commercio, n. 6, primeiro andar.
--Vende-se um dos dous engenhos, Telha
9 Triumphos, sitos na freguezia de Seri-
nhSem, com bastante trra e muito produc-
tiva para criar grandes safras : ambos bons
l'agna, por serem copeiros, e distam do
amliarque duns legoas : a tratar com o pro-
pietario, JoSo Climaco remandes Caval-
canli, ou com Antonio da Silva GusmSo, na
ra Imperial, do Aterro-dos-Afogados.
Corram ao barato.
Na nova loja do Passeio-Publico, n. 19,
de I.ornes Amara! & Cnmpanhia, se esta
vendendo fazenda por todo o dinheiro, co-
mo sejam chitas muito finas e do cores fi-
xx*, a 120, 140,160 e 200 rs. o covado, e a
peca a 5,500, 5,880, 6,000 e 7,000 rs.; brim
do linho miudinho, a 300 rs. o covado ; cas-
tores para caigas, a 200 rs. o covado. A el-
les antes que se acabem. Os novos admi-
nistradores estHo torrando por todo dinhei-
ro, eeslflo resolvidos a acabar com todas as
fazendas para sor tir de novo.
4'
t
?*( Ai**,*****.***
Vendem-se 2 escravos de boas (guias
o proprios para todo o seivigo : na ra da
Cadeia do Recife, n. 39.
Abordo do brigue Aguia-do-rrala, ven-
de-se farinha de mandioca, por preco com-
modo.
(ambredesa f 800 rs,
Vendem-se os hem acreditados cortes de
gambreOts.a 1,800 e 2,000 rs. o corlo de
calcas : esta fazenda torna-se recomrrenda-
vel, tanto por sua qualidade como por ser
de mulla duraco e de bonitos padres : na
ra do Collegio, n. 1, loja.
A ellos antes que se aca-
bem.
Vendem-se sapatOes de couro de lustro,
polo baralissimoprecode 2,500, 3,000 e 4#
rs.; ditos de bezerro francez feitos no pai?,
a 2,500 e 3,000 rs. ; dilns;de bezerro da tr-
ra, com tres solas, proprios para o inver-
n, a 2,200 rs. ; ditos do Aracaty, a mil rs. :
na i mi da Cadeia do Recife, n. 9.
Vendem-se telhas do vidro, prxima-
mente chegadas, em grandes e pequeua.s
porroes : na ra da Cruz, n. 48, armazem.
Na ra da Cadeia, n. 17, loja de
miudezas,
vendem-se luvas de seda com dedos, prc-
tas e com palmas de cOres, pelo barato pre-
go de 240 rs. o par ; ditas de algodSo de co-
res, proprias para montara, com ulguui
mofo, a 120 rs. e sero elle a 200 rs.
-- Vende-se urna escrava de 17 a 18 an-
nos, de bonita figura, bastante habilidosa,
e que lava com perfeigo, cozinba o diario
de urna casa, engomma luupa de homein, e
he boa quilandeira : o motivo por que se
vende nSo be ou tro maisscnSo o propie-
tario tentar oulio negocio : na ra e S.-
Francisco, n. 68.
Vende-se urna terga paite do .sobrado
n. 24 do Aterro-da-Boa-Visla, de duus an-
dares, solSO grande e bom quintal coir. j-
cimba ; urna casa de pedra e cal nos Afoga-
dos, no principio da ra de S.-Miguel, com
duas salas, tres quarlos, cozinha fura, gran-
de quintal e cacimba ; una bumba de ferio
pura cacimba, em muito bom uso ; um pa-
lanquim em bom estado : ludo por prego
commodo : no Alerro-da-Koa-Visla, 11. 17,
Cera de carnauba.
Vende-so cera de carnauba, muito boa,
oni pequeas porgOes : na ra da Cruz, n.
36, taberna de tiendes & Braga.
Vende-se saccas de arroz pilado supe-
rior com 6 arrollas por 10,000 rs. : naiua
do Rosario, n. 1.
Vende-se urna parelha de ca-
vallos mellados, lu ni iguaes e
muito bons de carro, por commo-
do preco por estarcm magros, bo-
je por todo o dia : no Ateiro-da-
lSoa-Vista, n. 10, sobrado.
Vende-se tres cadeiras de pau, sendo
duas differenles, 2 mezinhas,uma marqueza
de pau e duas commodas, sendo usadas : na
ra de San Francisco confronte o theatro
velho, sobrado Vendc-se, ou troca-se por urna preta
que atiba cozinhar e eugonimar, urna par-
da com iima cria de dous aunos, que en-
gomma bem, lava, cozinha e faz todo o iu.h.-
servigo de urna casa : o motivo por que se
vende se dir ao comprador: na ra Impe-
rial, n. 37.
Vende-se urna negra engommadeira,
cosinheira, e coze alguma cousa : na ra do
ucimado, loja, n. 38.
Peehincha.
Na ra doQueimado, vindo do Itozario,
segunda loja, n 18, anda restam algumas
pegas de metim verde c cor de caf, com 20
''ovados, a 2,200 rs. ; cortes de rollles de
setim prrto lavrado, a 1,000 rs.; chales de
seda, a 5,000 rs.; panno de linho suisso,
rom 25 varas a pega, a 6,400 rs. ; panno fi-
no preto muito bom, a 3.200 rs. o covdo ; e
outra* fazendas por prego commodo.
Vende-se, ou troca-se por um preto que
seja moco e possante, una negrinha de 10
a 11 anuos, que ja tem principios de costu-
ra, e he muilo viva : na ra larga do Roza-
rio, n. 16, sobrado.
Ufan tele tes.
Vende-se, na ra do Crespo, loja de qua-
tro portas, n. 12, manteletes de seda fuitu-
cres, de muito bom gosto e de superior
qualidade, chegados ltimamente de IV. n-
ga, osquaesse vendem por menos prego do
que cm nutra qualquer parte.
Pegas de madapolSo com 20 varas, com
algum mofo, a 2.500 rs. e a 140 rs vare-
jailo, proprio para forro eroupa decretos;
esloupa limpa a 160 rs. e rom alguma avaria
a 80 e 120 rs. : na ra larga [do Itozario, n.
48, primeiro andar;
Instrumentos para m-
sicas.
Vendem-se instrumentos para msicas
militares bem como pianos e violos nuii-
tissirnos ricos : na ra da Cruz, n. 10, [casa
de Kalkmann Irmaos.
Cadeiras de palhinha,
e sobas para meninas: vendem-se na ruada
Cruz, n. 10, casa de Kalkmann IrmSos.
Itnrras de Ierro
de muito boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir: vendem-se na ra da Cruz, 11.
10, casa de kalkniann Irm.los.
Charutos re II i vana,
do superior qualidade : vende-se na ruada
Cruz, n. 10, csa de Kalkainaiin IrmSos.
Vinho de Bordeaux,
de superior qualidade vende-se na ruada
Cruz, 11. 10, casa de Kalkmann IrmSos.
I'a niio pardo lino a 4,000
rs cada um cova o.
Na loja da esquina da ra do Crespo, n 5,
vende-se panno fino pardo e fr de caf,
pelo barato prego de 4,000 rs o covado;
dito preto e azul, a 3,000 rs. o covado, ede
oulras muilas cores e qualidades, por dimi
nulo prego.
Ao barato piteo de 140
rs. o covado.
Na oja n.5, oeGuimariles & llenriques,
rendem-fe chitas escuras, pelo diminuto
kirego de 110 rs. o covado, e de oulras mui-
las qualidades por diminuto prego.
Acaba de chegar
a loja da ra do Crespo, n. 6, um
novo sin liini'iiln de fazendas l> i-
--Vende-se urna escrava crioula, de 28
annos, de muito bonita figura, que cozinha
bem o diario de urna casa, engomma liso,
ensaboa ; est gravid, e tem urna cria de
dous annos ; ambas sem achaques: o mo-
tivo por queso vende se dir ao compra-
dor : na ra do Collegio, n. 1*, primeiro
andar.
Deposito de biebas. 3
Na Iravessa da ra do Vi-
gario, n. i,vendem-se bichas
*" de llamburgo, ltimamente
chegadas, a 3o tambem se alugam por mais
barato preco do que em ou- 21
tra qualquer parte.
ratas,
como sejam : cassa-chitas muito finas, de
cores lixas e cm 4 palmos de largura, a
120 rs. o covado ; corles de ditas a 2,uo i
2,400 rs. ; riscado d i linho, a 240 rs. o co-
vado; dito de algodno americano para es-
oravos, a 140 e 160 rs. o covado; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs. ; zuarle azul, a
200 rs. o eovailo ; dito furia cores, a 200
rs. ; chitus do cores lixas o de bonitos pa-
drones, a 160 e 180 rs o covado ; cortes de
litlMUo, a 600 rs. ; (hales ile larlalana, a
1,280 rs. ; meios ditos, a 320 rs. ; coberto-
res deaIgodfio, a 640 rs. ; alpaca preta de
rordo e om sete palmos de largura, a
1,280 rs. o covado; e outras muilas azen-
das em conta.
Vemeni-sfl 6 propriedades as ras
principaes, sendo dous sobrados de dous
andares com bastantes commodos, na ra
Nova desta cidade, ns. 12 e 14 ; duas ditas
modernas na ra da Concordi, sendo urna
de um andere a outra terrea, ns. 3 e 5; 2
Jilas terreas, urna na ra do Rangel, n. 51,
a oura na ra da l'raia, que tem armazem
lecarno : ludo por prego commodo: na
ra Nova, n. 67, su dir quem vende.
Fara as nuiles de S. Anto-
nio e S. Joao vendem-se livrosde
sorles a 3io rs. : no pateo do Col-
legio, casa do livro azul.
Na ra do Cabug loja do Duarte ven-
dem-se luvas de algodlo para numen, a
320 rs. ; u ei s pintadas, as melliores^ic
teem apparecido, a 400 rs.
A triste vida dos caixeiros,
cantada em prosa e verso : vende-
se no pateo do Collegio, casa do I
livro azul.
.Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de d i (Te-
rentes modelo na fabrica de machinas e
fundigSo de ferro, di ra do Brum,
ns. 6,8el0.
e barato.
Vende-se um balcSo e uns canteiros para
pipas, duas pipas queservem da deposito de
ago'ardenlee urna quartolaquD serve para
mol : na ra da Seuzalla-Velha, taberna nu-
mero 15.
NA MJA|D0 CABUGA'
Loja do Duarte vendem-se xicotes ingle-
zes para carro, ditos pira cavallos, fras-
queiros de metal proprios de caca, polrari-
nhosde 2c8iios, chegados ltimamente da
Inglaterra o por prego commodo.
Quem admirar
venha ver e comprar.
Na ra do-Crespo, esquina que
volta para a cadeia,
veodem-se pannos pre.tos, a 3,000, 3,600 e
5,500 rs. o covado; dito azul, a 3,000 rs. ;
dito cor de rap, muito superior, a4,000 rs.;
cortes de casemira preta, muito hoi, a 3,200,
5,000 e 10,000 rs. ; ditos de setim de cures
para colletes, a 1,600 rs.; ditos de gorgu-
ro, a 1,280 rs.; ditos de brim branco de
linho para caigas, a 1,600 rs.; ditos de fus-
tSo para colletes, a 600 rs.; ditos de cassa
para vestidos, de muito bom gosto, a 2,400
e 2.500 rs.; cortes de bi ni amarello de pu-
ro lihlio, a 1,600 rs. ; cassa preta, a 1(0 rs. o
covado ; ditas de cores muito bonitas, a 200
e 280 rs. alpaca preta de cordSo, com 7
paliros de largura, a 1,280 rs. o covado,
sendo esta fazenda muito propria para cal-
gas, sobre-casacas e vestidos, por ser muito
forte econmica em ras," o da largura; ris-
cado de linho azulzinho, a 2(0 rs. o cova-
, o ; longos de seda para grvala, a 1,280
rs. ; ditos para algibcira, a 1,280 rs. ; zuar-
te azul de vara de largura, a 200 rs. o cova-
do ; dito furia cures, a 200 rs. ; riscado
monstro, a 200 rs. ; picote muilo encor-
pado, proprio para escravos,. a 2(0 e 180 rs.
o covado riscado de algodlo americano, a
140 rs. o covado ; corles de brim de listras
decores, a 1,000 rs.; ditos com listra ao
lado, a 1,2a0 rs. ; ditos escuros, a 1,280
rs.; pegas de chitan i,mito bonitas, a 5,500
rs. ; ditas escuras decores lixas pora casa ,
a 160 e 180 rs. o covado ; chales de larlala-
na, a r,280 rs. ; melos ditos escuros, a 320
rs. ; lengos de cassa para gravata, a 320 rs.;
meiaa para meninos, a 100 rs. o par; ditas
muito superiores para senhora, a 400 rs.;
lengos peqnenosde 13a com tres pontas pa-
ra escravos, a 140 rs. ; cassa de xadrez para
vestido a 320 rs. o covado ; pegas de cam-
braia lisa com 8 varas e meia, a 9,700 rs;
dita muito lina, a 640 e 720 rs. a vara ; cha-
peos de sol, de panninho com bastes de ha-
leia, muito bous a 2,000 rs.; e oulras mui-
tas fazendas baratas que a vista dos com-
pradores se farSo os pregos.
Vendem-se duas casas terreas, sitas na
Iravessa do l'eixoto : na pragj do Corpo-
Sanlo, n. 2.
Chegaram novamente i ra da Sen-
zalIa-Nova, n. 42, relogiosde miro e prata
patenteinglez, para homem e sonhora.
Charutos.
Na ra da Senzalla-Nova, n. (2, vendem-
se charutos superiores da marra vicloria.de
llavana; ditos primores e regalos, por pre-
go commodo.
Panno couro a 1/200 e
1,300 rs.
Vendem-se cortes da excellente fazenda
denominada panno couro, a 1,200 e 1,300
rs. o corlo de caigas : esta fazenda he multo!
de bonita figura : na ra do Crespo, n. lo,
loja. ^
Ra do Crespo n. 10.
Loja de viuva FYeitas GuimarSes vende-se
as seguintes fazendas pelos baraliasimos
pregos abaixo mencionados : pegas de pic-
le astil com 40 covados por 4,000 rs ; zuarle
asul com 5 palmos de largo a 160 rs. o cova-
do ; riscado monstro a 200 rs. o covado ;
chales de ISa escuros e muilo grandes a
1,000 rs. cada um ; suspensorios de meia a
400 rs. a duzia ; lengos de seda proprios
para meninos a 320 rs.; mantas de lila e se-
da pequeas a 400 rs.; cortes de brim par-
do de puro linho a 1,000 rs. ; chales de chi-
ta roxoa a 500 rs. e mitras muitas fazendas
que vista dos compradores se vendero
por baratos pregos.
Vendem-se chitas pardas com flore
encarnadas, cores muito lixas, 160 rs. o
covado, e em pegas a 5,800 rs.; ditas roo-
Ihadas de chuva, 120 rs. a retalbo : na ra
larga do Rozarlo, n. 48, primeiro andar.
A 1,000 rs. o corte.
Na luja n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio, vendem-se cortes com 3 cova-
dos e meia de brim de algdSo trancado de
listras e de quadros, pelo barato paego de
1,000 rs. cada um corte.
Na ra Nova, n 6, loja de
Maya Ramos & C.,
vendem-se, pelo antigo prego de 2,000 rs.,
sapatos de lustro francezes, chegados pelo
ultimo navio.
Os amigos riscadosmons-
tros a 12110 rs. o covado.
Na loja de GuimarSes & llenriques, ven-
dem-se ns ndigos riscados monstros, de 5
palmos de largura, e de padrOes novos, a
280 rs. o covado ; riscados california, de cO-
res finas e muito encornados, e tambem de
cores escuras, pelo barato prego de 200 rs.
o covado.
Chitas francezas finas a
O rs. cada um covado.
Na roa do Crespo, n. 5, confronte ao ar-
co de s.-Antonio, vendem-se chitas france-
zas finas e de modernos padrOes aioda nSo
vistos neste mercado, pelo barato prego de
320 rs. cada um covado ; panno preto, pelo
barato prego de 1,600 rs. cada um covado;
lengos de cambraia brancos e abertos pela
lidia, a 2,800rs. cada urna duzia.
Muya llamos & 0,
na ra ISova, n.6,
vendem as verdadeiras navalhas inglezas
do n elhor autor, e caivetes de mola para
penan.
Vende-se traruta, a 240 rs. ; chouri-
gas, a 400 rs.; queijos do reino, a 120 rs. ;
manteiga ingleza, a 400 rs.: na ra Direita,
n. 14 Na mesma taberna precisa-se de um
feilor para um sitio distante desta praga 10
legoas.

| A n'lima moda.
^ Para roupinhos de vestidos veludo
^ de cores, conforme os ltimos figu-
V* rinhos : vomle-se na ra do Crespo,
& n. 9, loja amarella.
9
Vendem-se 2 mulalinhas, urna de 10
annos e a outra de 12, de muilo lindas fi-
guras, com bons principios de habilidades,
e que silo proprias para um pai Tazer mimo
a urna filha, por serem vendijas por urna
grande precisflo ; urna preta de 20 annos,
que cozinba, engomma t lava de sabSo ;
una preta boa quilandeira, com dous fi-
lms, um de 7 annos e o outro de 5 ; urna
escrava da Costa, muito boa vendedeira ; 2
escravos os mais lindos que pode haver
para carregar palanquim a moda da Bahia ;
i dilos para todo o trabalho ; 2 o oleques,
um de 10aunse o outro de 16, proprios
para todo o servigo a que os queiram appli-
car: na ra do Collegio, n. 21, primeiro
andar, se dir que vende.
Vendem-se8 linios molequesde 18 a
16 annos; ( pretos de 24 a 30 annos, sendo
um dellesptimo offiei*l de sapateiro; um
pardo de 22 annos, perito cozinheiro, bo-
lieiro, empalhador, o que he de boa con-
ducta ; 3 pardas de 18 a 20 annos, com ha-
bilidades ; 6 pretas de 14 a 25 annos, com
algumashahdades, oquesSo proprias para
todo o servigo ; na ra do Collegio, n. 3.
Para se acabar.
Vendem-so superiores pannos finos da
chinha ingleza a 260 rg. ; sondo em barrien
anda maia barato ; farinha do Marar.hUn
a!20rs.; assucar a 8o rs. ; arroz a80rs
azeite doce do Porto a 560 >s ; dito de co-
co a 320 rs. ; dito de carra pato a 280 rs
dito de peixe a 400 rs.; cb a 2,000 rs
Ainda ha um resto de canella e cominho m.
ra se vender em libras e a retalho; assii
como azeite de dend, ervilha, grSo de bi-
co, presunto do Porto, Hngoigas, paios
vinhos dechsmpanha, moscatel, bordeaus'
madeira, do Porto, de Lisboa,|figueira o di
Estreilo. Est-se torrando, nao se engeita
dinheiro; nSo se nota, todos os gneros,
nem se declara os pregos, porque nSo s
acredita; o que se diz he, que so da ludo ,
contedlo para os freguezes examinarem as
qualidades, posos e medidas. Alguna dos
genaros estSo-se acabando, e na alfandega
nSo ha para se comprar na ra das Cru-
/. ns, ba i no de Santo-Antonio, primeira ven-
da pintada de azul.
Vonde-se farinha de araruta, ltima-
mente, a 160 rs. a libra : na ra da Cadeia
Jo Recife, n. 23.
Limes de egulha a 4o rs.
Vendem-se limas de agulha : na ra da
Cadeia, loja de ferragens, de Antonio Joa.
quim Vidal; assim como outras ferragens
para ourives, por prego commodo.
Vonde-se a taberna da Iravessa do
Queimado, n. 5, com poucos fuados: a tra-
tar na mesma taberna.
Vndese queijoa a 1,120 r. multo fres-
caes, e manteiga ingleza a 400 ra. : na ra Di-
reita, n. l4.
Folba de latao e de Flandres.
Contina-se a vender folha de latflo ede
Flandres, de todas as grossuraa : na ra da
Cadeia, loja de ferragens, de Antonio Joa-
quim Vidal.
Contina-se a vender manteiga ingle.
xa, a 400 rs. ; cha, a 2,000 rs.; caixOes do
doce de goiaba, de 5 em arroba, a 1,000 rs. :
no pateo do Carino, n. 2, venda nova.
Etcravog Fgidos
">
n.
encorpada, escura o dormita duragSo: na jmelhorqualidade que tem apparecido (pro-
va de limSo) cor de caf, a 4 e 5,000 rs. o
covado ; dito azul, a 3,500 e 5,000 rs. ; dito
preto, a 5, 6, 6,500, 7, 7,500 e 8,0o0 rs.,
qualquer desta.-. qualidades he a melhor
possivel .cortes de casemira de cores mui-
to linas, a 4, 5, 5,500, 6 e 6,500 rs.; ditos de
meia casemirasde ISa, de bonitos padrOes,
a 1,600, 2. 3 e 3,500 rs. ; casimira encarna-
da muito lina, a 1.80J rs. o corado; cha-
pos de massa francezes, do ultimo gosto, a
6,500 e 7,100 rs.; setim preto ni oso mui-
to fino, para collete, a J son, 3 e 3,500 rs. o
covado ; camisas de meia muito linas, a
1,280 rs.; alpaca preta fina, a 640, 800 e
1,000 rs. o covado; piioceza preta, a800rs ;
chales de ISa de superior qual daiie, a 1,600
2,500 e 3,500 rs.; cassa de ramagem gran-
de e de vara de largura, superior fa/enda
para cortinados, a 700 e80O rs. a vara : to-
das estas l'azen Jas sSo de superior qualida-
de a venJein-se por estes pregos para se
acabarem : na ra do Collegio, u. 1, loja da
sstrca.
Na loja de 6 portas, a produccao
de alcaides para luto.
Vende-so cassa preta, a 120 rs. o covado ;
meias prclas dealgodSo para senhora, a
200 rs. o par chales pretos de rede, a 320
rs. : franklim largo, a 480 rs. o covado ; al-
paca do duas larguras, a 640 rs. o covado ;
merino, a 1280 el,600 rs., e muilo fino, a
3,0.0 rs. ; chitas pretas e rouxas, a 160 rs
o covado; e todo o mais surt ment do fa-
zendas Je cores, por prego a convidar a tro-
car cdulas para euroupar as familias.
Isto sim
he que faz conta a ama casa de familia :
caf a 220 rs., macarrSo e lalharim a 160
rs.; e sendo em caixa mais barato ; bola-
rua do Collegio, n. 1, loja.
Vendc-se, para esla provincia ou fra
d> I la, urna preta recolhida de 22 annos pou
co mais ou menos, hem parecida e sem mo-
lestias, que cose bem, corta vestidos de se-
nhora, engomma, cose, cozinha e serve para
lodo o soivigo de urna casa : o motivo por
que so vende se dir ao comprador : na So-
ledade, ra de JoSo-Fernandes-Vieira, no
sitio quo tem 4 leOes na frente, a qualquer
hora do dia.
Na ra Nova atrs da matriz
a, vendem-se barato
caixas de pao para costura de senhora, a
3,000 rs.; rarteiras para viagem, a 4,000
rs. ; estujos com duas navalhas, a 1,000
rs ; afiadures, a 500 e 1,000 rs.; lanternas de
p de casquinha, a 10,000 rs. lengos de fi-
l de linho, a 1,000 rs.; pescocinhos do di-
to, a 2,000 rs.; lengos de seda para homem,
a 1,000 rs. ; ditos para gravata, a 1,000 rs.;
meias do seda curtas, brancas e de cOres, s
1,000 rs ; sapa los de marroquin de cores,
a 800 ; ditus ditos de duraque, a 800 rs.;
lengos de cassa para gravata, a 640 rs, ; ra-
mos de flores para chafos de senhora, a
1,200 rs.; maulas de seda para senhora, a
10,000 rs. cha|esde seda de cures, a 10,000
rs. ; veos de fil de linho, a 5 e 6,000 rs.;
grandes; bonetes para meninos, a 480 rs.;
meias de lio da Escocia, a 1,400 rs. ; ditas
de algodSo com lios de seda, a 1,000 rs., di-
nheiro a vista e nilo liado.
Vende-se sal do Ass ; a
bordo do ltate Novo-Olinda, fun-
deado defronte do trapiche do al-
godao.
Vende-se um mulatinho de 12 annos,
100,000 rs. por ambos, ou 5ojooo
rs. por cada um.
No dia 10 do corrente mez de junho, as 8
horas da imite, fugiram da casa de Jos Sa-
poriti, na estrada dos Afflictos, dous escra-
vos, um pardo e qma parda, ambos do ser-
tSo : o pardo cbama-se Maooel, nativo do
Sobral.de 25 a 30 annos ; foi remottido a
estacidaJe por Manoel Jos de Alboquer-
que, do Cear ; he de altura regular, pei-
tos largos, rosto descarnado), pernal li-
nas, com algumas cicatrizes 1 elas canellas;
tem a mSo direita que a nSo abre bem por
ter dous dedos aleijados ; tem em um dos
pes urna marca de ferida, por baixo da sola
queonSodeixa pisar direito, falla descan-
gada, denles limados; levou urna trouxa
com bastante roupa, camisis de algodflo-
zinho e madapolSo, caigas de brim de diffe-
renles qualidades ede algodlo azul ame-
ricano e riscado ainda novas, chapeos do
seda e de couro certaneja : a parda cha-
marse Irmenia, e responde por Esmeria, na-
tiva do sertSo das llussas, de idade de 25
a 30 annos; foi rcmeltida do Aracaty por
Antonio Jos da Rosa ; lio alta, magra, pel-
los cabidos, cara chata, odios papudos, ca-
bello cortado rente ; tem urna das orelhas
quasi toda rasgada no lugar do brinco ; teui
na frente do peilo duas marcas de feridas,
com outras duas do mesmo lado nus costas,
duas ou tres glndulas no pescogo, falla
desembaragadoe bem fallante ; tem em um
dos ps urna costura bastante funda em ci-
ma do dedo grande e um dos dedos dos ps
mais curto que os outroa ; levou tambem
trouxa om bstanle e difirante roupa, ves-
tidos de chita e de cassa, camisas, pannos
da Costa, sendo um delles novo e francez
com listras encarnadas e franja de algodlo;
pode ser que ambos iroquem de nome a se
inlitulem por forros. Roga-se a todas as
autoridades policiaese capitSes de campo,
que osapprehendam o os levem ao lugar
cima, ou ao Recife, na ra do Trapiche-No-
vo, 11. 18, oui ruada Cruz, 11. 33, a I.uiz
Jos de S Araujo, que se gratificar pi0111-
plaUmente com o prometido.
No dia 1 do corrente fugio um preto de
nagSo, idade 30 e tantos ennos, bem ladi-
no, falla bem, bastante baibado e tem urna
cicatriz junta ao tornoselo da perna direi-
ta, eha na-se. Gabriel, tem o costme de
abaixar a esbega qando falla, gusta de
embriagar-se, veio ha pouco do Rio-de-Ja-
neiro, o por isso deve ignorar as roas desta
cidade ; levou veslido caiga de casimira ris-
cada e camisa de madapolSo, mas furtou
urna Iroxa onde leva algumas caigas o u-
tios objectos, assim como algumas cedie-
res de prata : quem o pegar dirija-se i ra
da cadeia do Recife, n. 21, que seri recom-
pensado.
-- Fugio a 8 do corrente mez de junho urna
preta de nome Joaquina, da nagSo Cagange,
que representa ter 35 a 40 annos, baixa,
eheia do corpo, cor fula, tem as nadegas
um tanto ai -rehilados para Iraz, com carne
sobre es nlhos, nariz chato, com urna cos-
tura na cara no lado esquerdo, faltando-lhe
dous denles, sendo um de cada lado, peitos
muito pequeos e murchos, levou saia de
chita ja usada, camisa do algodSosinho,
panno da costa ; esta preta anda bastante
porca por ter sido da cosinha : roga-se as
autoridades policiaes, capitSo de. campo, ou
qualquer pessoa a prendam ou fagam pren-
der o a leve ao seu senhor Domingos da Sil-
va Campos na ra das Cruzes, 11. (0, que
serilo hem recompensadas.
- Fugio, no dia 29 de abril ultimo, o es-
cravo Joaquim, crioulo, col por ter de
menoso hrago esqueido, representa ter 32
anuos, de altura regular, po.ica barba, ps
largos e com os dedos quasi lodos comidos
de bichos; snniifi'-se que iria para a bar-
ra do prata, comarca do Bonito, de onde he
natural: quem o pegar leve-o ra do Vi-
gario, n. 7, primeiro andar, ou noCordeiro,
sitio da viuva do commendador Antonio da
Silva, que gratificar generosamente.
GratifcacAo.
Fugio, da Cidade de Macelo, no passado
abril, a escrava de nome Colecta, do dou-
tor Jos lavaros Bastos, e grnlilica-.se ana
apprehensSo nesta praga, ra do Rangel,
n. 36, segundo andar: signaos seguintes:
crioula, moga, disfargada, boa estatura,
corpo espigado, peitos escorridos, e com
visivel queimadura no rosto.
1'gnN. : HA TTP. DE H. I. DE FAIIA.- 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN9ROZJO2_HLT7MD INGEST_TIME 2013-05-01T00:25:03Z PACKAGE AA00011611_09790
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES