Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09787


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
Anno XXVI,
Segiinr lafcira 10
rABTirAi no ohmio.
r i.n> e Parahlba, segundas esexlas Cairas.
^XnOeVNorte, quinta, felra. o mel-
r.abo.'serinhacm, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
^Macelo, no I II. e SI dec.damer.
Garanhun.e Bonito, .8 a.
Boa-Vista c Florea, a lo e .
Victoria, s quintas feira.
Ollnda, todoa o dias.
immaiii i. 0
Ming. a 3, lh e27 m.da m.
Nova a ni, a 5 h. da m.
Creic. a ll>, s 8 o. e 3 m. da t.
Chrii 94. >< II h l ti m ih ni
PufUUU
(Chela a 24, a 11 h. e 51 m. da ni.
PU.ES.MAR DI OJK.
Primeira as 4 horas e 30 minu oa da tarde.
Segunda aa i horas e 54 ininut >s da manba.
de J un lio de 1850.
N. 120.
*.,.*
pRtpoa Di anaicaipqio.
Por tres mezes (adianlodo.) 4/WH)
Por seis mezei 8/000
Por uin anno ____15/000

DAS DA UH1V1,
10 Seg. S. Margarida. Aud. do J. dos orf. e tn. 1. v,
11 Tere. S. Uarnab. Aud. do chae, do J. da 1.
v. do civ. c do dos feilos da fazenda.
12 Quart. S. Onofre. Aud. do J.da2, v. docivel.
13 Quint. 88 S. Antonio f. padociroda provincia.
4 Sext. S. Biazileo. And. do J. da 1. v. do cive do
dos feitos da t'aienda.
15 Sab. 8. Vito. Aud. da Chae, e do J. da 2,v. do
criine.
Dom. S. Joo Fraucisco Regii.

CAMBIO* KM 8 OE JUNHQ.
d. por 1/000 rs. a SO das.
Sobre Londres. W/JM
. Paris, 346.
. Lisboa, 105 por cento.
Duro.Oncas hespanhoes......... 29/000
Moedas de 6*400 velhas.. 16/500
. de 6/*i0 novas.. Ib/100
de 4/000........... 9/KW
PMU.-PalacSe. brasileiros...... MW
Pesos columnarios....... fin
Ditos ineilcanos.....- l/n-0
a 29/50
a 1G/700
a 16*500
a- 9/200
a :!'">
a '.'
a 1/840
u
DIARI0
PARTE OFFICIAL.
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 7 DE MAIO.
DE 1850.
Officlo Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda.Tendo dispensado no mu do mezpas-
aado aos mdicos e phannaceulicos da commis-
ao, de que se havia encarregado por portara
de 15do inez de fevereiro de tratarem aspes-
toas pobres desla cldade que enferinassem das
febres reinantes, e fornecerein s mesinas os
medioamentos precisos, haja V. S. de abonar
cada uin dos dito mdicos a gralificaco dedu-
tentot rollaris por cada uin inez durante o
teinpo em que estiveram encarregados da dita
commissao. Neate sentido expediram-se ai
convenientes cominunioacdes.
Dito. Ao inspector da pagadoiia militar,
ordenando que maude para bordo do brigue-
escuna Catiope cen saccas com farlnha, selscen-
Us pira o Pirapama, e tresentas para o arsenal
de marinha, aflu de que sejam conservadas em
deposito at serem remedidas para a ilna de
Fernando. Expediram-se as oonvenienles
taras.
Dito. Ao mesmo, remetiendo a oonta m
duplcala das inadeiras compradas para ai
oba. a fazer-se na liba de Fernando, afim de
aue mande pagar a Antonio Dias da Silva Lar-
deal a quanlia de 348,000 rs., em que impor-
tara referidas madeiras. Intelligenciou-
le ao Inspector do arsenal de marinha.
Dito. Ao mesmo, inteirando-o de que na
ausencia do coinmandante das armas he suffi-
clenle o atlestado do coinmandante da prac3,
para que S. me. abone aos offilaes do exercilo
a consignaco marcada para casas dos meimos.
CommunlcQU.se ao referido coinmandante
da praca. ...
Dito. Ao administrador das obra, publi-
cas, re metiendo as conta. das despezas feila
8 de abril ultimo a 4 do crreme com as obras
da concluso do-19. ianco da estrada do Pao
d'Alho, anm de que mande acreditar o enge-
nlielro Milet na quanlia de 513,140 rs.; em
que importara as mencionadas conlas. lnle-
rou-se o dito engenheiro.
DUo. Ao inspector da thesouraria da fazen-
da provincial, remetiendo competentemente
approvado o orcamenlo para edlficaco de um
caes e rampa no porto das canoas do bairro do
Rccifc, anm de que faca por em arrematacao a
dita obra. Nonicou-se o engenheiro Mamede
para assistlr factura da obra cima raencto-
Dilo. Ao mesmo, para que mande adiantar
ao engenheiro Jos Mamede Alves Ferreira a
quanlia de 3:000,000 rs. afim de lazer preparar
o thealrn puUJico para ter lugar a primeira re-
cita no dia 10 do correle. Inlelligenciou-sc
ao mesmo engenheiro.
Dito. Ao mesmo, enviando a relacao dos
membros da assembla legislativa desla provin-
cia, que compareceram sessao ordinaiia de /
de .ilnil ultimo al hoje.
Hito. A* cmara do Recife. Em resposta
ao ollicioque Vinca me dlriglram com dala de
de abril ultimo lenho adizer-lhes: I", que
em conformidaue
8 de
perlrncendo a cssa ornara
do disposlo no artigo 2. da le provincial n.
91, a inspeccao docemilerio. so a ella compete
por mel de ans agentes administrar, e dirigir
a inesmaobra : e 2.. que nao tendo a Interven-
go da adu.inlstracio dos estabelecimentos de
caridad* na mencionada obra oulro fin, senao
o fornecimento de fundos, e havendo ella de-
clarado nao ter ineios para o fa.ei, lem cessa-
do essa nlerveiicao, e o cemlteno deve ser fe-
to cusa do emprestimo sollicitado por este
governo assembla legislativa provincial se
ella a issoannuir.
Portaria Nomeando olicial da secretaria
do governo o amanuense da mesiua Francisco
Ignacio de Torres Bandeira.
Dita Noineandoarcliivista da secretaria da
presidencia o olllcial da mesma Joao Valentiin
ViHela. i ,f j
Dita. Transferindo de guarda da alfande-
ca desla cidade para amanuense da secretaria
do governo a Joao Manoel de Castro, e desti-
nara aquello lugar a Joao Xavier e Silva. ti-
ieram-se as convenientes cuinuiunicacors.
Dita. Mandando passar patente de major
do segundo balalho da guarda nacional do
municipio de lKuarass ao capilao Alexandre
de Alcautara Ferreira. Communicou-se ao
comoandante superior respectivo.
Dila Nomeando subdelegado do primeiro
dstriclo da freguezia da escad. o cidadao Can-
dido Jos Lopes de Miranda. Inteirou-se ao
clicfe de polica.
Dita Transferindo o guarda da alfanjcga
e.la cldade Luiz Heierra Mootciro Padilna
'al, c para
consula-
o ll.l-
verem pedido. Fiteramse as coiuinunica-
ees do e.tvlo.
Comniando das armas.
D'ordem do r. marechal de campo gradua-
do Antonio Correa Sera coinmandante d-s ar-
mas de.la provincia, sao chamados ao seu quar-
trl general sem perda de lempo, osseuborcs
olliciars abaixo declarados. ....
Tcnentc-coronel do estado maior da prunei-
a classe Antonio Pedro de S brrelo.
Tcrceira clatn do Extrcilo.
Capilao, Joao Francisco do Reg Brrelo,
ilo, sebaslio Antonio do llego Barros,
l'riineiro-lenenle, Joao Mariuho Cavalsanli de
Albuquerque.
Alferes,Gamillo terreira Madeira.
Si-cundo-leneute, Jos de Baiiu Lavalcauti.
Dito, Sebasuo Jos do ltego Brrelo.
Quartel general ua cidade do Ilecife, 8 de ju-
" franciico Carlos Bueno Deschampa,
Capilao ajudanlc d'ordens.
TRIBUNAL DA KELACA".
SESSAODESDEJUNHODE 1850.
palSIDBNCU DO BX>. SENHOS COK-
8KLMBIRO *2VFD0.
A's horas do costme, achando-se presen-
tesV. L" de.embargadore, ^
aandRoecbomc'u.Ual"ffi desembarg.dor Pon-
esta cidade Luiz Heierra Mootciro i-i
para marcador do consulado provincial,
auuelle lugar o marcador do referido coi
do Joa.iuim da Molla e Silva, por as.im
1. ....-',,...!.. QB ,,.1111111
JULOIHINTOS.
A petlcao para J/a6 Lopes. Foi denegada.
Aggravo do juizo do civel dest a cidade em
que sao: ,'
eitravante, Joao Francisco Ferrel ra sggrava-
do. Jos de Medelros Tavare... Negaram
provlmento ao aggravo.
Recurso criine do juio de dir ello desla ci-
Recor'r'entc!' Jo3o Dapllsta Perel ra Lobo re-
corrido, o juizo. Julgaram i >ela Improce-
dencia do recurso.
Appellaco do juizo do civel de.sta cldade em
que sao.* _
Appellantes, Joao Pcreira Lagos eoutros; ap.
pellado, llartholomeu Francisco de Souza.
Confirinaramascntenca.
Appellatao do juizo do civel desta cldade em
Appe'aiite; Nuno Mara deSeixa.; appellado,
De Coussencourt gerente do consulado fran-
cez. Confirmaran a sentenca,
Appellaco do Juizo do civel desla cldade em
que sao:
Apprllante, Agostlnho Tavares Rodovalho; ap-
pellado, Joaquim Perelra llomein. Foram
desprezados os embargos.
DILIGENCU.
AppellncCiei civtil.
Appellantes, EstcvSo Cavalcantl de Albuqucr-
que; appellados, Jeronyinode Alo uquerque
Oltveira esua inulher. Mandara,m pagar a
dizima.
Foi assignado o prlmeiro dia ulil para o-jnl
gamento das scguliites appellafdes era que sao:
Appellante, Joao Matheus; appellado, Juliao
Pegitineur.
Appellaco do juizo do civel desl a cidade em
InneUate, Joaquim CoelboCintru,-appellado,
Antonio Jos Plmenta daConceicao.
Appellaco do juizo do civel desla cidade
em que sao :
Appellantes, o juizo e Manoel Joaquim Soares
appellado, Lalham O. Iliberl.
Appellaco do juno do civel desta cidade em
que sao: ,
Appellante, Bento Jos da Costa ; appellado, Jo-
s Joaquim Bezerra Cavalcantl.
Appellaco criine em que sao.:
npellanle, Mara Francisca da Rocha como
administradora de sua ftlUa : appellado, Joao
pires de Aducida Lopes.
EV1SES.
Passaram do Sr. desembargador Villares ao
Sr. desembargador Bastos as appellafdes el-
veis em que sao :
Appellante o juizo; appellado, Antonio Alves
deMiraudaGuimares e curador a heranca
jacenle de Jos Francisco Colares c o Dr.
procurador fiscal. __
Anpellante, Catharina Francisca do Espirito
Santo; appellado, Joao Lelle de Azevedo.
Passaram do Sr. desembargador Bastos ao Sr.
desembargador Leo as seguintes appellaces
em que sao :
Appellante, o juizodo civel do Ceara -, appella-
do, Neutel Nostrom de Aleucar Araripe e o
sindico dos sanios lugares.
Appellante. Pedro Soares de Mello Jnior; ap-
pellado, Jos Monteiro Torres.
Appcllanle, Domingos Pires Ferreira ; appella-
do, Augusto Fescher.
Passaram do Sr. desembargador Leo ao Sr.
desembargador Souza as seguintes appellaces
em que sao:
Appellante, Alexandre Jos Gome. ; appellado,
Jos Antonio Gomes Jnior por si e por seus
Appellante, Joao de Allemao Cisneiro; appcl-
lada, Anna Joaquina Lins Wanderley.
Appellante, Luiza Fiaucisca da Conceicao; ap-
pellado Antonio Bernardino dos Res.
Appellante. Francisco Joaquim Cardoso ; ap-
pellado, Francisco Ferreira da Silva.
Passaram do Si. desembargador Souza ao Sr.
desembargador Rcbcllo as seguinles appella-
ces em que sao: .....
Appellante, Joaquim Rodrigues de Almeida ;
appcllada, Auna Thereza de Sena Coulo.
Appellantes, a santa casa da Misericordia de
Lisboa e Antonio Alves Vianna ; appellada, a
fazenda publica.
Appellaate, Jos Carlos Teixcira; appellado,
Joaquim Jos fereira deSaut'Anna.
Passaram do Sr. desembargador Rcbcllo ao
Sr. desembargador Luna Freir ai seguales
appellacdcs em que sao ;
Appellante, Jusllniano Antonio daFonseca;
appellado, Joo Keller te
Appellante, Jos Aflbnso de Macedo e outros
herdeiros de Rita Rosa de Macedo; appella-
do, Luis Gomes Silverio.
<>assnu do Sr. desembargador Luna rreir
ao Sr. desembargador Telles aseguinle appel-
laso em que sao :
Anpellante, Antonia Mana do Espnlio Sanio ;
appellado, Jos Gregorio Tavares.
DISTBISUI'dES.
Ao Sr. desembargador llastaa o seguinle:
llabeai corpui de Jos Moreira Lopes.
Ao Sr. desembargador Souza o seguinle ag-
gravo do juizo do civel desla cidade em que
sao : ,
Aggravaiitc, Joao Francisco Ferreira; aggra-
vado, Jos de Medelros Tavares.
Ao Sr. desembargador Villares a appellaco
criine do jury de Saii-Matbeu. em que sao :
Appellaules, Manoel Lula da Costa e oulro; ap-
pellado, o julio criminal.
Ao Sr. desembargador Luna Freir o seguin-
le recurso do Rio-de-Janeiro em que -.so i
Recorrenles, Jos Telles eoulros; recorridos,
Kelly t asidlo 8tC. e oulros.
Nao houveram mals julgam'nto. pela falla
do Sr. desembargador Ramos.
Levaulou-se a sessao depois do meio dia.
por conseguinte mo no pode suppor o de-
sejn de a protellar vendo-me sgora usar da
pnlivra para jnslillcar o srligo de que se tra-
a : ella reconliecer que assim procedo
(oreado pelas observarles que acaba de fa-
zeronobre depulado que o impugnou, e
que teritiinou o seu discurso com una es-
pecie de protesto contra a commissao de or-
namento municipal, queren lo como queac-
us.-la de propor-se a subtrahir do orea-
provincial imposto* cujo rendimento
ntar a 30 contos de ris, e dest'aite
PE NAMBUCO
ce e Ramos, o Sr. presidente declara abena a 1 ^^ ^^ ^ diSCUssSo deste projecto, v
senao.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
36.a SESSAO ORDINARIA EM I DE JIWIIO
DE 1850.
rnF.sinESC.iA do sa. rcoao cavalcantl
(Concluslo.fid Diario n. 128.}
O Sr. Melh Rtyo :Sr. presidente, a cas.
ha de tor notado que me lenho abstido de
ment
diz montar
spresentsndo-a como menos zelosa dos in-
teresses da provincia do que a de fazenda
ornamento, deque he membro; entretantoe
que, coma mona consciencia, posso asse-
verar casa que, como membro da commis-
sao de contas municipses, tenho tanto in-
teresse ,na conservaeo da reoila provincial
como elle ou qualquer oulro dos mous il-
lustres collegs.
Em toda a sua argumentacSo o nobre de-
pulado deixou aperceber a crenga em qup
est de que a commissSo de contas munici-
paes quiz orivar a provincia da renda resul-
tante das mposicOes mencionadas no arti-
go ,- mas, se o nobre depulado bouves9e ti-
do a bondado de ler esse artigo rom a devi-
da reflexSo, reconhereria que o pensament
da commisaHo he hem diverso d.) que Ihe
empresta. Eu vou referir tudo quanto ha a
respailo.
No relatorio, que ltimamente aprespntnu
assembla gpral legislativa, o Sr. ministro
da fazenda pedio a revogacSo do imposto do
ssb3oedefses oulros a que o artigo se re-
porta. Attendendo a este pedido do nobre
ministro, o Sr. Wanderleyapresentou na c-
mara qualrienal um projecto comprehensivo
das ideias queS.Exc. manifestara a respeitn!
j.se, como presumo,esse projecto frappro-
vailu, a tliesouraria da fazenda provincial
deixar de arrecadar a renda proveniente
de semelbantes mpostos. Iteeeiosa de que
isto sa dsse quando j nilo funccionas.se
assembla legislativa provincial, e nao hou-
vesse por conseguinte quem decretasse me-
didas tendentes a removerem das imposi-
(Oes esse carcter de inconslitucionalidade
queselhes enxerga ; prevendo os inconve-
nientes quenecessariamente resultariam de
deixarcm ellas de ser cobradas durante um
anno, resolveu a commissSo redigir o arti-
go tal como se acha.
E nflo seldiga que dessa resluc< nao
provm beneficios provincia. Se ella nlo
fra, a passar o projecto do Sr. WanJrley,
durante o tempo a decorrer entre a presente
sessiloeadoanno vindouro, licariamos in-
teiramente privados do rendimento de laes
mposicOes; mediante ella, porm, esse
rendimento he transiendo para os cofres
de urna municipalidaJe que pertence
provincia ; e, quando nos reunirmos em
1831, poderemos providenciar para que elle
reverta aos cofres provinciaes, sem termos
de lutar com os embaracos que de ordina-
rio seencontra na arrecadaco de um im-
posto qualguer, quando o povo o paga pela
primeira vffz, ou quando se lem deshabitua-
do de paga-lo.
Foi este o pensamento da commissSo,
msis que muito justifica lo pelos termos
se porventura cessarem--. por que comee
o artigo. Kntretanto devo declarar que,
em miiilis opiniSn, esta medida he secun-
daria, e que a propuz com os tneus nobres
collegas da commissao, smente para evitar
os inconvenientes que me parece devem de
resultar da suspenso do pagamento dos
imposto! em quesillo, e que acabo de enu-
merar. Quanto a mim, oalvilro a aJoptar
para conservar provincia esses 60 contos
de que ella tanto necessita, e cuja falta
muito deve de aguravar a sua sitiiac.iio li-
naneeira, fra o de dar-se ao artigo do or-
camenlo provincial que trata de semelban-
tes mposicOes urna redacto tal, que nilo
deixassea menor duvida de que ellas reca-
hiriam sobre o consumo, e nflo sobrea im-
porlacSo, e por conseguinte rada teriam de
offensivas ao arl. l do acto addicional;
hypothese sb a qual o nobre ministro da
fazenda exigi que as revogasse o poder
legislativo gcral. E, se nflo sguardei a
segunda discussSo da lei do orcamenlo pro-
vincial para, om urna omenda, incarnar-llie
este pensamento, foi smente porquo o no-
bre depulado tem doclarado em mais de
urna occasi3o que de lodos esses impostes
smenle o do sabio Iho parece inconstitu-
cional ; e, firme como be em suas opimOes,
n3o delxaria passar inclume a minha mo
cao; gucrrea-la-bia, mats-la-hia mesmo
O Sr. Velles :Sr. presidente, depois das
considerarles feitas pelos dous nobres de-
puiados que' ltimamente fallaram, pego
permissSo a casa para reli-ars minha emen-
da, e substitui-la por oulra que vou ler, e
que aptuas diz respeito s cmaras do Ile-
cife e.Olinda.
A casa convem na retirada da emenda do
Sr. Vello/ e apoia segunda para eutiai
em discussSo.
Encerrada a discussao sobre o artigo ; e,
submellido elle votacSo, he r jeitada ; fi
cando prejudicada a emenda.
Entra em discussao o arl. 2* :
Art. 2*-. A porcentagem do procurador da
cmara municipal do Recife nunca exceder
a quanlia de 1:800,000 rs.
O Sr. Bandeira d* Mello :-Sr. presidente,
eu iulgo que esle srligo esta prejudicado.
Eu pretendo, em a lerceira discussao, apre-
senlar urna emenda quo ja cshio em segn -
da quando o nobre relator propz urna re-
ducto nos vencimenlos do procurador da
cmara.
OSr. Carnelro da Cunha :Eu nao propuz
tal reducBo.
O Sr. Bandeira ds Mello :-Pos nao propz
a reducQo dos f. por cento da porcentagem
a 5 ? I.ogo reduzio os vencimenlos.
O Sr. Carneiro da Cunha :Nio, senbor ;
porque, augmentando a receita, elle vinhn
a ter tanto ou mais do quo tem actual-
mente.
OSr. Barndeira de Mello :Eu, pois, que-
ro propr que a cmara contrate com osen
procurador a porcentagem quo Iho deve
competir, no exceJeiiilo esta de dous con-
tos de ris; quero isto que lio o mesmo inr
pretendo a nobre commissao; mas que-
i"<> o pelos meios competentes, isto que seja
acamara que o contrate, porque he a ella
que isso compete; a lei Ihe da a iniciativa
ueste negocio ; e, sem que usurpemos urna
attribuic^o alheia, uo devenios ja definiti-
vamente marcar o salario do procurador da
amara, como fez o artigo fixando a quan-
lia de 1 800,000 ris para seu9 vencimenlos.
O que nos compete ser smente insinuar
samara esta medida, e he o que pretendo
fazercomo urna emenda na tercoira discus-
slo. cuja idiii no dev reviver agora, por
ler sido despresada.
Voto, pois, contra o artigo em discussao
O Sr. Gutdei de Mello requur a suppresso
do artigo ; porque enlende que, restringin-
lo-se a porcentagem do procurador, tam-
ben) se restringe a renda da cmara, vislo
como est ella na rasfo da diligencia, e
sta na rasflo da porcentagem.
Julgada a male.-ia discutida, be o artigo
submettido votsciio, erejeitado.
Entra em discuss&O o art. -25.
Art. 25. As cmaras municipaes do lleeife
e Olinda ficam isentas do pagamento da
decima da predios urbanos.
Vai mesa c bu apoiado para entrar
em discussilo o seguidle :
Artigo substitutivo. As cmaras muni-
* sua tbeoria sobre o crdito, disse quo a c-
mara nflo otinba; n3o querendocom isto
referir-se ao crdito pessoal que resulta dn
honra que tem to lo cidadao, ou aquello quo
possa ler acamara municipal pela sua in-
teiresa como coi poraqSo ; mas sem a conli-
cilidades que lentia o individuo de satisfa-
zer os empenboa a que se sujeita, sendo que,
nao posstiindo a cmara os meios de salis-
l'.izer os onipcnhos a que por ventura con-
trahisse, no linha cielito nesse sentido.
Agora que isto DS > se d, que a cmara mu-
nicipal j vai augmentando de rendas, deve
na mesma proporQo augmentar em cre-
do.
Demais como poder o nobre depulado asse-
veai-nos que o matailouro que se lem de
lazer ha de ne-essariaiuente importar ciu
Iiiu nonios de rs. ? Quera disse ao nolire depu-
lado, que no matadoiiro, requerido pelas nos-
s.is necessidades preseulos- e futuras, nao po-
der ser oblido senao com toda essa quanlia, e
senao dcbaixo da forma que llic aprouve Ima-
ginadlo ? Quem disse ao nobre depulado quo
o crdito nnancclro da cmara nao offerece
esperancas de inelhorainento, e f|ue nao a ha-
bilita a conseguir o empresiimn r Oueiu disse
ao nnbrc depulado que o projecto que elle
aprrsentou hade por forra passar? Eu nao sel
se assim acontecer, poique nao consi'lerei is-
to ; porm acho mais que injusto que a c-
mara soja espoliada de Ulll (lireilo pie Ihe
pertence ; e porque estou sol o dojiinio deale
;ien-. iiiieni.i, levanto iiiiiilia fracavo/.. cempre-
li ineiis debis e>furcos a favor da a(itoris^ao
que o nobre depulado quer retirar ; enipe-
nlio-nie para urna attribiiico que lbe cabe; tanto mais
quanto enipreguei diligencias para bablta-la a
salisfazer esta grande necesidade publica; o
pie presumo ler conseguido criado-lhe urna
renda permanente que a dispense de estnul-
lar a cada passo, qinndo eniincici e live a
i\l LIUIJ M liillllliv.i i\s umiinma uiiitii- j r
cipa, s ficam isentas do pagamento de de..- '^^^^Z^^tf-^:^
mi.l-loripci.
Depois de brevesVeflexes, be approvado
o artigo substitutivo.
Entra em discussao :
Art. 20. Ficam autorisadas as cmaras
municipaes para applicarem as obras de
urnas verbas para otitras, dando disso conta.
Vai mesa, o lio apoiada para entrar
em discussao, a seguinle emenda :
Menos as verbas dad .s tara melbora-
mentos materiaes.Bandeira.
SHo havendo quem acerca do artigo per;a
a palavra, be approvado com a emenda of-
l'erecida.
Entra em discussilo :
Art. 27. Ficam em vigor as dispusieres
dos artigos 20 e 21 da le municipal n. 1 -iI
de 19 de maio de 1815 e dos j>i 23c2id?.
lei municipal n. 231 de 22 de jiiho de 1810.
O Sr. Joi Pedro oppCe-seao artigo por
que revive o vigesimo-primeiroila le ti. 141
do 19 de maio de 1815 que autorisa a cma-
ra a contrahir un emarestimo para a fac-
tura do maladouro, e por conseguinte tende
a resolver urna questSo que depende de
um projecto que se acha allecto ao conlic-
cimenlo do Casa.
Pondera que os rendimentos da cmara
jamis a habilitara a construir esse mala-
duuio com dinheiros seus, nem Ufo pone-
a oblar por emprestimo do que precisar par.
tal lim, e faz diversas coiisiJeruces geracs
sobre a materia.
OSr. Carneir da Cunha :Sr. presiden-
te, parece-me que toda a argumeiitaco do
nobre depulado leuJeiia, quando muito, a
provar que o artigo cm discussao deveria
ser adiado ; be a concluso que se pode ti-
rar do seu discurso ; mas tal adismento he
prohibido pelo regiment, porquo no
lixa lempo certo, e o deixa dependente da
discussao, apiirovacu ou rejeicilO de un
projecto que esta na cas, que fui distribui-
do, be verd>.de; mas que se nflo sabe que
resultado tei. No seijiiiesmo so elle esta
na mili ni do dia.
N.lo so pude negar que cmara pertence
a eepuomia e polica sobre o maladouro i
e, pois, nao se pode rejeitar um artigo oes-
tes na lei do ornamento s porque existe
na casa um projecto ueste sentido, e de que
ella lian I.....ou Cunliecillieilto senao mull
peifuiicloriamcntc cm primeira discussao ;
istn quando o artigo nao prohibe que os
contratailoies vam ter com a cmara muni-
cipal. Eupedireiao nobra depulado tenba
uiii pouco mais de humani Jade para com
aquella pobre cmara : deixe-a contratar ;
deixe-a a administrar suu pati imonio ; dei-
xe-a usar do seu direilo. M3u sel para que
espolia-la do que Ihe perlence.
O Sr. Jote l'edro da um aparte quo nao ou-
vimos.
O Sr. Carneiro da Cunha :-Aonde est a-
qui a olt'ensa ? I'ois pedir ao nobre depula-
do que tenba um pouco mais de lium
dade para com a cmara be olTende-lo ?
pedi-lhe que, por sua hondada, deixasse a
camsra a iaCUldade de contratar para verse
o pedera fazer .'.' / Encarei at a questfio
debaixo de oulro ponto da vista. Disse que
as oliservaces do nobre depulado smenle
podiam valer ao adiamento do artigo, mas
ue este n8o poda ter lugar em censequen-
cia de ser indeferido, e depender do resul-
tado de um projeclo que anda nao linha
soflrido bs 2 ultimas discusses. Isto pos-
to; onlendo que o artigo deva discutu-se
e ser approvado, porque leude a reviver a
disposicao de urna lei que pude ser cumpli-
da de diversas maneiras; ou fazeno a cu-
maia esta obra directamente por si, caso te-
lilla fundos, ou conlraluudo emprestimo se
adiar quem Ih'o lat.a ou tur nicio de em-
presa, &.
Ha um aparte que nao ouvimot
Mas quem disse ao nobre depulado, que
acamara n9o achara neobuoia destascuu-
?
munlclpalldade um direlto que Ihe compete.
Se o nobre depulado acaso me mavldassc i
eiperaruios o clleilo destas medidas, para,
em vistas do coinportainento da cmara, re-
tenannos nos a confianca que nos devia ella
inspirar apc/.ar delta tudo me merecer desde
j, eu esperarla : mas alropellar tudo e arrau-
car-llie desde j attribuicao que pertence.
A cmara deve ser nuvida a respailo : raso
tem ella para se queixar, seo nao fr; mas,
em resposta ao nobre depulado que disse n:io
hivia maladouro algum, eu j observei que ba-
ria iini tal, ou qual maladouro ; sebem que
nao to bom como he para desejar.qne ella o
laca com 01 meios que Ihe damos meios que
iinpoitan, nao em 10ou 12 COntOS de rs. como
o nobre depulado disse, mas lim 20 ou 25 eoli-
tos ; porque, nlm da Imposlfio debOOrs que
nao se cobrar s no Recife, mas em lodo o
municipio pois abrange povo.ites muito im-
portantes taes como l'oco, Monli-iro, Casa-For-
te, Muribeca, Jabnato, etc., tem mais o d-
/.inin do capini, a IseinpcSo da decima urbana,
o imposte) sobre o gado langero e suno ; arti-
o. todos que devem formar nina cifra igual i
de 25 con tos de que cima fallci. Ora, se ella
lem podido lazer lace a sua despeza ordinaria
COIII as rendas que at aqu ha tido, lie de sup-
pr que agora que tora novos e mais abun-
dantes meios, possa eniprchender obras que
oulra oecasio disse nao eram tentadas
por falta al de animo o qual nao poda nas-
cer senao das rendas que ora se Ihe propor-
cionara ; e, assim mudada lace liuanceira da
cmara, nao liavrr injusties em tnlh-la de
empregar una inancia congruente, ao aug-
neiilo de seu palriinouio e goso de seus iiiuiu-
ipes o producto destas novas rendas ?! llave-
ra por certo, se se consegnir a pretencSo de es-
paliar a cmara da l'eilura do maladouro. ( //a
um aparte que mo ourimuj J dij;o que sim ; por-
|ue esbulho tambera se d quando se obsta
por i' Hipo determinado, ou indeterminado, o
uso do direilo que alguein lem sobre qualquer
cousa. K bem pode succeder que a cmara,
listamente resentida, diga : os nOSSOS liscaes
nao enlraro nesse maladouro isso nos nao
pertence ; a assembla que nos despoja do nos-
so direilo, sem nos ouvir, que pro veja a Rsca.ll-
sacSo Como melhor entender; nossos eiupre-
gadOS nao enlraro nesse edificio ; porque, se
e nos nao pertence para o mais, tanibein nos
nao (leve pertcncer para o menos.
O Sr. Jote Ptin: Demonstre que esta jen-
da be capa/, de garantir o einpicsti'iio.
O Sr. Carneiro da Cunta : O nobre depula-
do quer inelter-nieera crculo de ferro, sup-
pnndo forcar-mea entrar em Ulna argumenla-
era que me esmagne ; Dio quero sc-
seu conselho, nao queio o terreno
enllocar. Nos desa-
ellc me quer
cao
gulr
em que -
los mesmo nao sao os contendores qne mar-
cara o terreno lie aos padrinhos que isso com-
pete, como pessoas estranhas ao caso. L, se
assim he, nao lera agora o terreno de ser mar-
eado pelo nobre depulado escolhevci n ina-
neira de considerar a qursto debaixo de seu
verdadeiro aspecto, a mais f.iyoravel oplnlio
que defiendo. Continuando, pois, perguntarci
anda : sabe o nobre depulado se llavera al-
gum cidadao pre.lativo, que seja capaz de aju-
ilnr a cmara ueste einpenho, percebendo que
j por esta assembla principia ella a ser atlen-
chda, e considerada ? Pode mesmo o nobre de-
pulado alurmar, se os brios e patriotismos
desta corpoiacao que tanto tem sido excita-
dos, j pela discussao e censuras quo aqui lera
ti.lo lugar, j pelos ineios com que a temos ha-
bilitado para vitar vida que se siula, nao a
levaro a estender estes ineios, e. procurar
novos para ellrcluar esta obra que o nobre
depulado parece desejar mais do que todos ?
K. Sr. presidente, nao se diga que o raatadou-
ro exilente nao satisfaz de iienlium modo as
necessidades presentes ; porque eu aflirmo que
sim ; o que mais Ihe talla he a cobern dos
curraes e a agua para o gado : com isto as
necessidades presentes licam um pouco reme-
diadas, e com os meios que damos ae,ora i c-
mara pode ella inelhorar e muito esle eslabe-
leciiuculo, e mesmo procurar fazer oulro me-
lhor.
Por todas estas pequeas considerarles ; cn-
tendo que deve passar o artigo.
O Sr. Bandeira de Afelio : --Sr. presidente, a
discussao que se agita he para mim uinaques-
tao deordem ; isto he, se este ai ligo deve ser
dimitido discussao, cxisludo um piujecto
t

SSS l.enibru-ino muito bem que o nobre lem discussao: be esla una qucsio que per-
depulado, expondo aqui em oulra occasio Itcnceria a V. Ec. dccidi-la. Este artigo
VEL


quanto a mim, deve pasaar porque nos n,...
sabemos o resultado desse projecto do m.-ita-
louro; mas, querendo prevenir todas as hv-
potliesei. querendo nicsmo que o projecto nao
i.io, ra, eu pruporei que paasc .. artigo, sc?K
prejulxo do projecto e neatc sentido vori man-
dar uiii.'i emenda.
Val ti mesa, c he apolada para entrar em
dtscussno a segtiinte emenda.
Salvo o projecto do maladouro, 011 qual-
quer outra medida sobreveniente.--Bandeira.it
Sao tres linras da tarde.
O Sr. 'rndenle designa a ordem do dia e le-
vanta a sesso.
IIHHIfJ l)E PKBNAIBOGO.
Magalhiles, fiquei devendo algum dinheiro
quando aqui estive pela primeira vez ; po-
ror promptamonte Ihes paguei quando me
foram apresentadas as contas ; eomo lie o
met costume ; mas ao m/srao tempo que
issim obro com quem na verdado devo ; n3>
concorro para um crime, que pretende cotn-
metlnr quem exige um novo pagamento, lie
por ora o quo direi. resorvando-me para
mai', quando a occasiSo permittir.
Qucira, Sr. redactor, publicar em sen bem
conce'tuado jornal estas linhas, que muito
obrigari ao seu, etc., etc.
Recife, 5 de junho de 1850.
Padre Francisco Coriolano de Carvalho.
M
UKCII-X, 9 DE JUMHO DE 1859
A nsscmhlca approvou hontem um reque-
rimento pelo qual o Sr. Menczes de !)ru-
mond propz que, pelos tramites compe-
tentes, sepedisseuma copia da sentenca l-
timamente proferida pelo juiz dos feitos da
fazenda na lide que pende entre a tliesuu-
raria provincial e os arrematantes do im-
posto de 2,500 rs. sobre cabeea de gado vae-
CUm consumido, cujo contrato fot" rescin-
dido ; adoploii varios pareceres de commis-
ses, e contintiou a segunda discussao to
projecto decrcmento provincial al o art
17.
liepartico da polica.
PARTE 1)0 DIA 8 DE JUNHO.
Das parles bontcni c linje rrcebidas nesta
repaitif ao, consta tereiti sido presos ordem
do jim de direito do civel o crioulo Antonio
do Monte, por nao ter dado conta do deposito
que Ihehavia sido confiado ; n ordem do dele-
gado do pruneiro distrelo dcste termo, o por-
panbolas, 4 nglezas, 5 portu guezas, 1 br-
mense o 1 sueca.
*?ovimento do Porto.
Navios sahidos no dio 8.
Liverpool pela Parahiba Barca ingleza Ce-
neviete, capi'.Ao Castio Cowper, em lastro-
Passageiros, James llenry Tay lor, Wllliam
Hughes, Claudiano Jos Cox, Inglezes.
liahia lliate nacional Socicdade, mestro
Francisco de Castro, carga varios gone-
ros. Passageira, urna escrava a entregar.
. Navio entrado no dia 9.
doinni' o indicado no oicaniento apreientado
Apreciando esse artigo, que (rala da segu-
raba publica, o Sr. Francisco JoSo, com
loda a frca oratoria que nos coroprazemos
de reconbecer-lhe, deu resposta solemne c
catbegorica a quanto, com referencia a as-
seaibla provincial do Pcrnambuco, disse o
Sr. Sotiza Franco na cmara temporaria,
quando justificou a inocuo que elle e mais
tres deputados apresentaram contendo in-
lorpellacOes ao governo acerca da amnista
rejeitada por Pedro Jvo e Miguel Alfonso.
O Sr. Francisco Joflo defendeu tilo bem
dignidade da assembla; desaggravou por
tal forma os briol dos filhos desta provin-
cia, ultrajados pelo Sr. Souza Franco, quan-
do Ibes emprestou sentimentos do ferocida-
de ; demonstrou 13o palpavel econcludcti-
tementeo nenbum fundamento dessa inju-
ria atroz, cuspida na faco do heroico e be-
nelcente povo pernambucano, que, duran-
te o scu bem deduzido discurso, fo entu-
sisticamente applaudido pela casa; e, ter-
minado elle, logrou o prazer de receber fe-
licitacijei agradecimentos de muitos de
scus collegas felicitacoes por ter orado de
maneira a consolidar a reputat.no quo ha ad-
quirido na tribuna pernambucaia ; agrade-
cimentos pela nobreza com que soubere-
pellir as oflensas graves que o Sr. Souza
Franco se arriscou a fazer a este Pernam-
buco as pessoas de seus representantes ;--
a esle Pertiambueo, quo 13o bondoso e ca-
ritativu tein sido para com o Para, onde es-
so Sr. nasceu, e que, s por esta rasfio, cato
nutras llie DSo occorressem, devera mcre-
cer-lhfl mais alguma consideraro, como
muito bem observou o iiossodislincto com
provinciano.
A ordem do dia para a sess.lo de anianhfiu
iO; he continuado da de hontem.
-i ordem do subdelegado da freguezia de Santo
Antonio, Kuzebio da Boa-Vista, por ter sido
encontrado fura de horas ordem do subde-
legado da fregueiia de San-Jos o p> et.i Urba-
no \ cente rrelra, por briga, e Francisco,
escravo de Viri.simo dos Santos, por estar fu-
5 '!..or,,cm d" subdelegado da freguezia
da HOa-TilU, o pardo Manoel Corra, para a-
verlguaces poliches ; e do subdelegado da
'rcguezia da Vaizea, Joaquim Jos de Jess,
para o mcsiiio lini.
O delegado do termo deC-aranhuns em ofli-
co Uo primeiro do corrente, participou
que na freguezia de Papacaca, bavia sido leri-
do Antonio Luii Fcij com um liro que Ibe d-
ra Joaquim Jos de Sania Auna e que no
diltrcto de Correntes, o portuguez Manoel
Gines da Silva namos, tentara matar a Joa-
quiu^Ooines da Cotia Villar, deseancganclo
sobre elle um tiro, sendo que os autores aca-
tes emites se acham couipcteiiteiuente procos
sados, lendo-se evadido o primeiro.
Porto 26 dias, barca portugurza Santa-
Cruz, de229 toneladas, capitflo DamiSo
da Costa llosa, equipagem 2-2, carga vi-
nbus, ferragense mais gneros; a Fran-
cisco Alves da Cimba. Passageiros, os Por-
tuguezos llernardino da ,Costa, Antonio
Joaquim Maya, Joaquim da Silva Roa-
Visla, Antonio Ferreira de Souza Caslel-
lo e Jos Antonio Vaz.
Navios sahidos no mesmo dia.
Itio-de-Janairo Corveta Januaria, com-
matulanle o capit3o-tenente Francisco
Xavier de Alcntara. Conduz para a
corte 85 recrutas.
Parahiba lliate nacional Parahibano, mes-
Ira Nicolao Francisco da Costa, carga va-
rios gneros. Passageiros, Jos Jacintbo
do Res, Portugus, Manoel Francisco da
Silva Couto, llermogenes Norberto e l.mz
Vieira do Sacramenlo, llrasileiros.
Observando.
Fundenu no Lameirflo a barca americana
FranciiW'atlin, de 225 toneladas, com 4.'
das, capitSo S. Bernsec, eguipagem 12, car-
ga farinha de trigo ; a Deane Voule & Con i-
panbia, Conduz o capitSo o equipagem
da barca americana franklin, capilflo M.
Cowper, quo perdeu-sea 70 milhas ao nor-
te, e que segua para os Estados-Unidos car-
regada de azeile de peixe.
nr^tn d. ita approvacn do Exm. Sr. presiden-
te pelo preco de 7:Oi2,O0O ra.
2." As obras prlDcipiarao no praso de um
mea, e eoocluir-se-bao no de nove mezes, am-
bos con tados na conformidade do artigo 10 do
regulan lento de 11 de julho de 1843.
u 3. O pagamento realisar-ac-ba em quatro
prcilac' Jes iguaes.
4." Para ludo o mais que nao esln deter-
minado n.is preaentes clausulas aeguir-ae-ha
inteirau tente o que diipe o rcgulanieulomen-
cionado de II de julho de 1843.
lUcife, 10 de abril de 1850.
O engenheiro,
J. L. Viclor Leulier.
onim. Sr. ofllcial-maior, servindo de
insp ector da thesouraria da fazenda provin-
cial,, em virtude da resoluc3o do tribunal
adr jinistrativo do 23 do.corrente, manda fa-
zer publico, que nos dias 10, 11 el2deju-
nh- a prximo futuro, ao meio-dia, perante o
miismo tribunal, se hflo de arrematar em
ha sta publica, a quem por menos lizer, por
te mpo dti um auno, a contar do 1 de julho
dj 1850 at 30 de junho de 1851, os contra-
as da illuminacao publica seguinles :
Do caes do Collegio e palacio do governo,
uvaliado o costeio diario de cada lampefio
por 231 rs.
Da freguezia do Recife, dem por 178 rs.
Da freguezia de Santo-Antonio, idem or
178 rs.
Da freguezia de San-Jos, idem por 178 rs.
Da freguezia da Roa-Vista, idem por
1'78 rs.
Da povoacSo dos Afogados,
141 rs.
Da freguezia da s de Olinda,
140 rs.
idem por
idem por
ID1TAES.
'.
ERGIO.
ALFANDEGA.
Bendimento do dia 8......19:256 736
Deicarregam hoje 10.
Barca Le-Cumte-Hoger mercadorias.
Ilrigue Vauline idem.
Calera Colitmbvs idem.
Patacho -- Tlente idem.
CONSULADO CERA...
Bendimento do dia 8.
Diversas provincias .' '
762,170
54,263
816,433
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 8
Barcelona, sumaca hespanhola Dichoso,
de I l'l ton dadas : conduz o seguinla :
400 saeeascom 2,201 arrobas e 28 libras
de algudo.
Trieste com escala p-la Parahiba, brigue
iinamarquez lides, de S4I toneladas con-
duz o seguiule :
Lastro de areia.
Rio-Grande do Sul, bergantim nacional
ana-l.xbanta, de IOS toneladas : conduz o
seguinte :
859 barricas com 6,677 arrobas e 11 libias
de assucar.
Core
spondencia.
Sr. redactor. He inteiramente contra o
meu genio descer a arena com urna pessna,
cuja posifjflo social be na realidade desprc-
sivel; poim os set.limentos de honra <
probidade me animam a astear a minha lau-
ra contra nm detractor, indigno per sem du-
vida de nome Lusitano. Lendo o Diario de
qnarta-feira, e de luje, vi um annuncio
u.cu respeito, nigindo de mim fosse ragar
a quantia de 25,500 rs Que devia desdo 1843
na casa n.30da ruado Queimado, e para
que o publicse convence do contrario, d
que diz este infamador, direi 0 Oecorrido
I m 1813 mandel fnzer por i m alfuiatt de no-
me Novaes. ( aquem ittribuo os annuncio-
semnomes) urnas obras, e nfiopiguei iin-
nedialnmenle, por esperar rnl3o algum di-
nheiro de casa para meus arranjos; mandou
o Sr. Novaos exigir di|a quanlia de mim em
Olinda, poucos dias depois de me ter entre-
gado as obras, e eu respnndi-lhe por inia
caita,que apenas rhegasse odioheiro que es
perava, o embolsara ; p8S^ando-se algum
tempo o Sr. Pfovacsque muito precisava,
ii aiiilnu a minha casa um sujeilo, cujo no-
me me nSo lembro, receber de mim o itnpor
te do que Ibe devia ; promplamente paguei
peranle o filho do tenente-coronel Bar-OS
do Ricjo-Crande, e muito longe eslava de
pensar que liouvesse homrm de carcter tflo
vil e abjeclo, que, i.< n til exigisse um no-
vo pagamento (taquillo queja linha lecebi-
do, e queso pelo esiaco de lempo quede-
corria suppuiiha n3o baver de minha paite
lembranca de ter pago. Foi, porlanlo, este
Sr. a o mil i casa, um mez depois de "minha
chcgada nesla praga, exigir de mim a quan-
tia annunciuda, e eu Ibe disse que nada Un
devia ; porquanlo ja tinha etnbolcado ao sen
olh'cial.quo me tinha apresenlado, por sua
ordem, aconta do que Ibe devia A'vista
disto, elle prelendeu apresentar-me o olli-
cial, por.quem tinha mandado leceberdita
quantia, e poucos dias depois, indo minha
casa, levou um n minha presenea, a quen,
pergunlou seeu Ihe tinha entregado a quan-
tia que dizia, porcm o odictal, cuja consoi-
encia nSo he lisnada, disse que nunca mi
linha visto, afora aquella vez ; e isto disse
perante o padre Manoel Antonio Thoinaz de
Aquino ; nunca mais apiesenlando-ine o ol
licial por quem dizia ter mandado rccebei
de mim esta quanlia, que agora exige, de-
vendo daqui se tirar urna illacSo, que o de-
tractor so quer de mim exigirsegundo pa-
gamento, inlimidaudo-me com os scus re-
pelidos allliuncios, sem querer apresentai
aquella que promi-lamcnte o desmascarai ia:
purem pode ccililicar-se que a minha cons-
(leticia lianquillisa a tal lespeito, e nflo tre-
pida dtanle dojierigo. Ao Sr. Manoel Joa-
RECEBEOORIA DE RENDAS CERAES
. INTERNAS.
Rendimenlo do dia 8......468,360
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimento do dia 8......1:370,516
PRACA DO BECIFE, 8 DE JUNHO DE
1850. A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios llnuv.ram transicces re-
gulares a 26 3.4 d. por 1,000
res.
Algodflo----------linconseqiicncia das noti-
cias de subida na Europa
f"i muilo procurado, o ob-
teve 7,000 rs. por'arroba o
de pi inieira so te e 6,500 rs.
o de segunda. Vieram ao
mercado 459 saccis.
Assucar- Pequeas entradas. -- As
vendas do oncaixado regu-
la ram de 1,000 a .ioo a ar-
roba sobre o ferro; doem
barricado e ensaceado bran
co de 1,950 a 2,200, qnuli-
dades baixas ; 2,400 a 9,500
rs. os finos.-O mascava
do obteve de 1,500 a 1,600
r<. por arroba.
Couros Sem BlteratjSo de preso.
Alfazema Vondeu-se a 2,200 rs. por
arroba.
Bacalhao--------O deposito esta leduzido a
4,700 barricas. Bruihoa,
s de 8,800 a 9,500 rs. poi
barrica.
Carne secca Vendeu-se do 2,300 a 2,8i)ti
rs..por arioba. Fica'ram
em ser cerca de 40,000 ar-
robas, iniLisive tres caire
gainenlos entrados nesta
semana,
'"arinha de trigo Ycndcu-se a 18,00o rs. por
barrica da de llicbmond
14,000 rs. da de llallimore
14.000 a 16,000 rs. da de
l'hilidclphu; ris 18,600a
19,000 da de Trieste, marca
SSSK. O-jIeposilo be de
9,000 barricas, inclusive
500 barricas da franceza,
marca Barn.
Manteiga Idem de 460 a 480 rs. por li
biadu ingleza, e de 380 a
400 rs. a da Franceza.
Oleo--------------Idem a 1,700 rs. ogalflo em
cascos de madeira.
I'aios de Lisboa btem a 2,200 rs. a duzia.
SabSo Idem de 100 a 105 ts. por li-
bra do nacional, ede 200 a
205 rs. do Mediterrneo.
Vinbos- Idem a 88,000 rs. a pipa do
de HarseJIie.
Velas -----------Idem de 570 a 600 rs. a li-
bra dasdecomposieflo.
O lllin. Sr. ofllcial-maior, servindo fie ios-
pretor da thesouraria da fazenda provincial,
em cumpriinento da ordem do Kxm. Sr. presi-
dente da provincia de 10 do corrente, manda
fazer pubico que nos dias 10, !I e 12 de juulio
prximo futuro, iro praca, perante o tribu-
nal administrativa da mesma thesouraria, para
seren arrematadas a quem por menos li/c r, as
obras abai&o declaradas
Stimo lauco da estrada do sul,
avahado em 15:015,256
040 bracas de cicada de barro
na estrada do sul (primeira parte)
avalladas em 3:887,840
2,000 bracas de calcada de barro
na estrada do sul (segunda parle)
avahadas em 9:022,000
2,000 bracas de calcada de barro
na estrada do sul, (lerceira parle)
avahadas em 7:942,000
As arrematacoes se rao feitas sb as clausu-
las especiaes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a estas arre-
inalacocs, comparecam na sala das sesses do
sobredilo tribunal nos dias cima menciona-
dos, pelo meio-dia, competentemente habilita-
das na forma do artigo 24 do regulauento de 7
do correiitamez,
E para constar se mandou nfljxar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da faienda provin-
cial de l'ernaniliuco, 14 demaio de 1850.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annuneiacuo.
Stimo 1 ni- .1 da estrada do s-il.
" Clausulas especiaes da arrimatacao.
" I,* AS Obras do stimo lanco da estrada do
sul serao executidas de conformidade com a
planta, orcamento, risco e perfil, c para esse
lim organisados c approvados pelo Eim. presi-
dente .sendo as ditas obras avahadas em ris
15:645,936.
"2.* As obras principiarla no prazo de um
mez, serao concluidas no de 15 irfties, ambos
contados de conformidade com o artigo 10 do
reuiilainenlo das armiialacdes.
' 3." A importancia do preco da arrcmalarao
ser dividida em quatro prcstacdei de igual va-
lor ; as quaes serao pagas ao arrematante, se-
gundo ilispoe o artigo 15 do reglameuln ci-
ma mencionado; a primeira depois de feita a
terca parle das obras, a segunda depois de se
acliarriu concluidos dous tercos, a terceira de-
poia do rect'bimenio provisorio, c a derradeira
denois da entrega definitiva.
" 4." O ptaso de responsahihdade ser de um
anuo pelas obras de ierra, c de trea annos pe-
las de pedreiro u
5.' Para ludo o que nao est determinado
nas prsenles clausulas, seguir-se-hao as pret-
er pcoes do regulameiilo de II de J 111.lio de ISi.'l
" Recife, 22 de abril de 1850.
u O eiigeiibeiro da estrada do sul,
II. A. Ililel..
940 bracas de calcada de barro na estrada do
sul (primeira parte.)
Clausulas esieeiaes da arremalaco.
" i.' As obras para o calamento de 940 bra-
{DS das areias da estrada do sul, serao fritas do
modo indicado 110 orcaiiieuto apresenlado nes-
ta dala apprnvaco do Exui. Sr. iiresidVntc
pelo preco de 3.887,840 rs.
" 2.* As obras principario no praso de um
mez, e concluir-se-hao no dsete, ambos con-
tados na conformidade do artigo 10 do regula-
iiienio para as arremataos de 11 dejulho de
1843.
" 3." O pagamenti da arremalaco realisar-
se-ha em quairo prestaces iguaes.
' 4.* Para ludo o mais que nao est determi-
nado nas presentes clausulas seguir-se-ba io-
teirameute oque dispe o regulaiuculo men-
cionado de II dejulho d.c 1843.
" Recife, IU de abril de 1850.
O engenheiro,
J. L. Vctor Leulier.
2,000 bracas de calcada de barro 11a estrada
do sul (segunda parte)
Clausulas especiaes da arremalaco.
I." As obras para o calcamento de 2,000 bra-
cas de areia da estrada do sul, serao feitas do
modo indicado no oicanicnlo apresenlado nes-
ta dala a approvaran do Exm. Sr. presidente
pelo preco de 9:922,000 rs.
2.'As obras principiarlo no praso de um
meie concluir-se-ho no de 10 mezes ambos
contados na conformidade do artigo 10 do re-
ulamento de 11 de julho de 1843.
3.' O pagamento realisar-se-ha em quatro
prcUacOes iguaes.
4. Para ludo o mais que nao est deter-
ninado nas presentes clausulas seguir-ie-ha
Hiten ament oque dispc o rcgulainento men-
cionado de 11 dejulho de 1843.
Bccile, 10 de abril de 1850.
O engenheiro,
J- V. I.rulier.-
2,000 bracas de calcad, de barro na estrada
do sul (lerceira parle.;
Da fregnezia de San-Pedro-Martyr, idem
por 140 rs.
As pessoas que se propozerem a estas ar-
rematares comparecan na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias cima indica-
dos, com seus fiadores, competentemente
habilitadas.
E, para constar, se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pcrnambuco, 25 de maio do 1850
O secretario, Antonio Ferreira d'Annun-
c 1 ardo.
-- O lllm. Sr. ofllcial-maior, servindo de
inspector da thesouraria da fazenda provin-
cial, em cumprimento da resoluclo do tri-
bunal administrativo, de 23 do corrente
manda fazer publico, que nos dias 10, Jl
12 de junho prximo futuro, perante o mes
mo tribunal, se ha de arrematar, a quem por
menos lizer, o fornecimenlo dos medica-
mentos etensis para a enfermarla da ca-
deia desta cidade, pelo tempo de um auno
a contar do l." de julho de 1850 a 30 de iu-
nhode185l.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematarlo comparegam na sala das sessoes
dosobredito tribunal, nos dias cima indi-
cados, pelo meio-dia, com os seus fiadores
competentemente habilitadas, que ah lh
sero presentes o formulario e condices da
arrematarlo.
E, para constar, se mandou aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 25 de maio de 1850.
-O secretario, Antonio Ferreira d'Annun-
eiaedo.
O lllm. Sr. ofllcial-maior, servindo de
inspector da thesouraria da fazenda provin-
cil.em cumprimento da resolucflo do ti i
bunal administrativo de 6 do corrente,
manda fazer publico que a arrematoslo da
obra do caes e rampa no Porto-das-Caoas,
no bairrodo Itecife, foi transferida para o
dia 12 docorreute.
E, para constar, se mandou aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 8 de junho de 1850.
O secretario, Antonio Ferreira d'Annun-
Para o Cear pretende seguir viagem
com niinVi brevidade a sumaca nacional
Carlota, Diestros Jos Goncalves Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir u
passagem, pode entender-se com Luiz jos(-
deSaAraujo, na ra da Cruz, no Recife
n. 33. '
-Para o Maranhflo e Par aahe, com a
maior brevidade, o brigue-escuna Joiefa,
capullo Jos Maria da Silva Porto : para car-
ga ou passageiros, dirijam-se ao dito capi-
tJo, ou a Manoel Duarte Rodrigues, ra do
Trapiche, n. 26.
Para a Baha segu no dia 12 do corrnn-
te a sumaca Tres-lrmdoi; quem na mesma
quizer carregar ou ir de passagem, trate
com Machado & Pinbeiro na ra |do Viga-
rio, n. 19.
lira o Rio-de-Janeiro segu em pou-
cos dias o patacho nacional \ alent, capi-
tflo Francisco Nicolu de Arsujo : para o
resto da carga, trata-se com Jo3o .Francis-
co da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
A barca portugueza Santa-Cruz,
primeira marcha, forrada e eneavilbada de
cobre, chcgada a este porto em 9 do corren-
te, sabe para o Porto com multa brevidade,
porque ja tem parte do carregamento
prompto : quem na mesma quizer carregar
ou Ir de passagem para o que tem excelen-
tes commodos dirija-se ao seu consignata-
rio Francisco Alves, na ra do Vigario,
n. 11, primeiro andar.
A escuna nacional FJmilia, de que he
capito e pratico Antonio Silveira Maciel J-
nior, segu impreterivelmente para o Cear
no dia 15 do corrente, com a caaga que nes-
sa dala tiver a seu bordo : quem na mesma
quizer carregar o dever fazer at o dia 12,
depois do qual nada mais recebar, poden-
do para ssodirigir-se ruada Cruz do Re-
cife, armBzem, n. 13.
Leilo.
Russell Mellors & C. farSo leudo por
ntervenQo do corrector Oliveira, de um
sortimento de fazendas inglezas, todaa pro-
prias do mercado: segimda-feira, 10 do
corrente, as 10 horas em ponto, no seu ar-
mazem, ra do Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
ciafilo.
O milagroso S. Antonio
do arco da ponte,
Festejar-se-ha no dia 13 do corrente pelas
S horas da man lula na igreja de San Francis-
co com missa cantada, sermSo e muzicas
o linda a solemnidado da igreja saldr o san-
to em prociss3o para o seu nixo, carrega-
do pela milito Ilustre irmandade do divino
espirito Santo e acompanhada pela commu-
nidade dos religiosos de Santo Antonio e
Dassar nicamente pela ra das Cruzes a
entrar na do Crespo, roga-seaos Srs. mo-
radores dellas o obsequio de as mandar var-
rcr e amar suas janellas com colxas para
maior solemnidado do acto com o que da-
rdo urna prova de sua religiosidade.
Irmadade do Divino
Espirito Santo.
Estando a actual mesa regedora da irman-
dade do Divino Espirito Santo a finalisar o
anno de sua administracl, e precisando
fechar as suas emitas, roga a qualquer pes-
soa que porventura se julguc credora da di-
ta irmandade, baja de presentar as suas
contas ao respectivo thesoureiro Manoel Pe-
reira Lemos, paraserem promplamente pa-
lieclaraces.
--0 Sr. marechal jle campo graduado,
Antonio Correia Sera, commandante das
armas drsla provincia, aulorisado pela pre-
sidencia da mesma, tem de contratar nos
t-Tmos da lei, mediante o estipendio de se-
tenlamil ris mensaes, um facultativo com
as precisas habilitaras, para servir tempo-
rariamente no oitavo batal'ilo de caladores,
destacado na comaica do Rrejo. Os Srs. que
ij li/ivcm, eseacliaiem nas circunstancias
de bem deseinpenbar este servico, queiram
comparecer na secretaria militar, s 10 ho-
ras da mantiaa dos dias uteis, afim de se le-
var a elTeito semelbante contrato. Recife, 7
de junho de 1850. Francisco Camello Pes-
soa de Lacerda, capilSo-secretario do com-
mando das armas.
Pelojuiz dos feitos da fazenda a 11 do
corrente as 4 horas da lar le na ra das Flo-
rea se ha de arrebatar de renda au iu -1 urna
cisa terrea na ra d'Alegra 11. 16 por 60,00o
rs ; por venda a 1 arte de urna casa de s 1.
brido na ra de llortas, avahada em 3:0o0/
rs. ; um e.-cravo crioulo, avahado em 40j|
rs. e urna vaca por 30,000 rs. penhorados-a
Jos Duarte Itangel j um escravo crioulo de
16 annos de i lade, avahado | or 400,000 rs ;
urna i-i da da 'osla j vellu por 120,000 rs ;
dita calabar por 130,000 rs e urna peque-
a mobilia penhorados a Elias Coelho Cintra
ludo por exi cucSo da mesma fazenda.
O bacharel Francisco deAssts Oliveira
Maciel esta em exercicio da primeira vara
do jui/o municipal desta cidade, e reside
no oil3o da malriz de Santo-Antonio, sobra-
do n. 14, segundo andar.
--Por suspeito de ser furtado foi por esta
subdelegada de S. Jos apprehendido um
oslojo para barbas: quem ao mesmo se
achar com diroitocompareca na mesma pa-
ta, vista dos signaus queder, Ihe ser en-
tregue.
-- Vicente Umbelino Cavalcanti de Albu-
querque, branco casado, de idade 44 annos
e com prahea de ensinar a 22 anuos I faz
scienle ao respeitavel publico, que n dia
segunda-feira, 17 deste corrente mez de
junho, dar principio a ensinar em casas
particulares as primeiras letras, grammati-
ca portugueza earitbmetica, por preco coni-
modo: ludo com muita prudencia, adian-
tamento e respeito, e indopendente de cas-
tigos : quem pretender dirija-se a toja do
Sr. Manoel Figuoiroa de Faria. aonde dei-
xar porescrtpto seu nome, ra, numero
e casa de sua residencia, para ser procura-
do ; nacetteza do que da lices a meninos
e meninas.
~ Do-se 400,000 rs. a juros sobre penho-
res deouro oprala, o a dous por cento ao
mez: quem precisar dirija-se ao pateo do
(.armo, n. 3, que se dir quem d.
Est desoecupada a casa amarells da
ruadal'raia, aonde est o theatro, promp-
to para qualquer representarlo, e se aluga
oommodamente ou para este efleito, ou tam-
hem para qualquer repartirlo publica, cs-
tibelecimento, fabrica iu sociedade que
precisar de um grandissimo sabio, alm do
outros commodos mais, para cujo lim se ti-
rar entilo a decorarlo do Ihealro, pondo-
II a casa limpa : a tratar com Gutlherme
Avisos martimos.
Ficaram no porlo 51 embarcarles, a sa
ber : 2 americanas, 1 austraca, 31 brasi
leir.., 1 taJft, 3francezas, 2bes-|br;;rdrar;rre?,r.drrr.:.e
Clausulas eipeciaes da arremalaiao.
1. As obraa para o calcamento de 2,000
Para a Babia aegue com brevidade o
patacho Lima: para carga e passageiros,
trata-so ao lado do Corpo-Santo, luja de
massame, n. 25.
Para o Porto pretende sabir no dia 12
docorrente mez o brigue portuguez Ventu-
ra-leli, forrado e pregado de cobre, do
qual hecapitfloZeferiiio Ventura dos San-
tos : para caiga e passageiros tratase com
o referido capiiao, ou como consignatario
Joaquim Ferreira Mondes Guimaraes, na
ra da Cruz, u. 49.
Sute no atierro da Boa-Vista, n. 10.
Oabaixe assignado faz scieate aoSr.
thesoureiro da lotera da matriz da Ra- Vis-
ta prxima a correr, quo o mieobilhete n.
3,800 Ihe foi roubado dentro em una car-
teira ; por isso baja do mo pagar o que por
sntio Un-sabir seiiBo so anuunciante, que
lie scu ligilimo dono, pois o com pro u ao
Sr. Francisco Alves de Souza Carvalho, na
Parahiba do .Virio.
Pernambuco, 1.* de junho do 1850. Juj-
tino da Sl'.a Boavista.
Aos I unanles.
Joaquim Bernardo do liis avisa aos fu-
mantes que gostam da boa fumaca quoa
sua fabrica de charutos da ra larga do Ro-
sario, .11. 32, acba-so um sortimento de
cbarulos de boas qulidades, fabricados nes-
ta provincia e assim como da Baha, como
novos e diversos e que se vndenlo por pre-
o commodo ; tambem vende-se cigarros
de palha de milbo, a 480 rs. o cento.
Fumo em folha.
Superior fumo de primeira, segunda e
tercena soi le, tanto em fardo romo ai -eta-
Ibo, por preco commodo, na ra larga do
Rosario, 11. 32.
A peasoa que precisar do urna ama de
leite : dirija-so ra da Concordia, n. 5.
Ritira-so desia cidade para a da Para-
hiba Luiz llypolito Mariano, crioulo brasi-
leiro, a tratar de seus negncios.
-- Jos Concalves VilU-Verde subdito
porluauez retira-se para o Rio de Janeiro.
1 liornas Haikness, subdito brilannico.
retira-se com sua senhora e duas filhas me-
nores para Inglaterra.
MELHOR EXEMPL


r*-


A pesaos que mora no Mondego, n. 9t
e nueannunciou Tender urna escrava criou-
Ih que cose e cozinha ; bem com urna cas
parta da Praa-de-S.-Rita, n. 44, dirija-se
com a escrava a ra do Rangel, n. 36, pri-
meiro andar, e tambem pora se ajustara
casa. _
O Recreio das Bellas
srlu-se o venda na loja do Sr. Dourado, os
ns. I.2e3 jreimpressos.
Un assignanteda Saudade, com sauda-
de de seu dlnheifo, pergunle aos redacto-
res da Sattdadequtl a rasilo porque termina-
ran) com a Saudade; pois que na[verdade
admira a insensibilidade com que assim o
fizaram, sem que scntissem saudade da Sau-
dade e deixassem tambem com saudade a to-
das aquellas pessoas favoritas da Saudade;
sendo a Saudade uin tSo digno peridico,
que, pelo seu titulo Saudade, tornava-se
appreciavel ao publico. O saudoso.
Precisa-se de um meniuo para caixei-
ro de loja de miudezas, com pratica ou sem
ella: na ra larga do Hozario, n. 35, ledir
quem precisa.
-Pede-se aoscidadffos abano declarados,
que fizeram parte da quarta companhia do
corpo de voluntarios que, em virtude de
ordens superiores, tenham bondade de
dirigirem-se ao terceiro andar do sobrado
n. 14 da ra do Crespo, das 6 as 7 horas da
mandila e das 1 as 6 da tarde, afim de entre-
garen! o armamento e correiame da nagSo
que receberam, quando se alistaram na
mesma companhia, eahi ver inutilisarem-
se os recibos que passaram ao ex-capit3o
Joaquim Teixeira Peixoto, islo dentro do
prazo de oito dias, contados de hoje, ( 10)
e llnalisailo este prazo, remoller se-ham os
recibos a autoridad competente, para fa-
2er effectivo o recebimenlo do mesmo ar-
mento.
Os Srs.
Joaquim Francisco de Torres Callindo.
Anlonio Tiburcio da Costa Monteiro.
JosRibeiroda Silva.
Joiio Jos de C.apristano.
Joaqun) Aleixo deSouz.
CaeUnod* Silva CuimarSes.
JoTo Raptista Rodrigues deSouza.
Antonio Vicente Guimarfles.
Joaquim Antonio Carneiro.
CeraldoCorreia Lima.
Francisco Antonio Alves Mascarenhas.
Pedro RalbinoJosda Molla.
Jos Pereira Cezar.
Manoel Martins dos Santos.
SebastiSo Jos de Souza Nogueira.
Jofto Ferreira da Costa,
rsulinode Torres Callindo.
Vicente hodriguosSeixas.
Joaquim Ricardo Ferreira.
Maximianode Oliveira Mussurepe.
Francisoo de Paula Theodoro barata.
Luiz de Franca.
Anlonio Elias de Mota es.
Manoel Antonio Alves Mascarenhas.
JoSo Francisco de Paula.
Manoel Jos Marques Vianna.
Jos Joaquim Borges l'cha.
Carlos Jos Lopes.
Jos de Araujo Caldas.
Fredericoda Costa Rios.
Itraz da Costa Vellozo Rios.
Justino dos Sanios Cunha.
AntonioEstevcs dos Santos (corneta.)
. Lyra Brasileira.
Com este titulo sanio luz urna collercSo
de poesas, dividida em quatro partes, n'um
volumede180 paginas, nitiJa impressSo,
pelo diminuto prer;o de 2,000 rs. : acha-se i
venda na loja do Sr. Cardoso Ayres, e na
ra do Collegio, n. 9.
Precisa-se de urna mulher de 35 annos
para cima, que saiba cozinhar e engommar,
para servir em casa de um rapaz solloiro
fra dcsta provincia : no caso de agradar o
seu servico promette-se t-la por toda a vida:
a tratar na ra do Rangel, n. 11, primeiro
andar.
Antonio Joaquim da Costa e Silva faz
sciente as pessoas que teem penhores em
seu poder, que no prazo de oito dias, conta-
dos da data deste, os vilo tirar, na travessa
da Cruz, n. 8 ; do contrario, ser3o vendidos
pura seu pagamento, flcando o mesmo ci-
ma sem responsabilidade alguma. Recife,
9 de junho de 1850.
-Urna pessoa hab lilaila pela Iheoria
pratica d principio a ensinar grammalica
porlugueza, latina e franceza ; como tam-
bem msica vocal e instrumental de flauta,
violfio e alguns rudimentos do piano : no
bairro da Boa-Vista, ra da matriz, u. 5.
O Sr. Miguel Francisco de Souza llego
Monteiro queira ter a bondade de ir pBgar o
que deve oa ra do Rangel, n. 36 ; do con-
trario, lera de vor sempro por este jornal o
seu oome.
Na ra da l'raia, n. ,3i, de-
seja-sc fallar com o Sr. Juliao da
Costa Monteiro e com o Sr. Pom-
peo liorna no de C'arvalho.
Roga-se ao aulor do annuncio inserido
no Diario n. 121 a respeito de quem anda
cobrando dividas que Ins nSo pertence, se
se cntende com Flix Cypriano da Silva
Teixeira.
O abaixo assignado, presbtero egresso
da onlem de S. Francisco, mora na ra das
Cruzes, no primeiro andar do sobrado n.
18, e alii lein aberlu um curso de geographii
e historia, eoutro de rhetorica e potica :
as pessoas que quizerem frecuentar qual-
quer dcstas disciplinas, o poderSo procurar
na mencionada casa a quarquer hora.
Padre Joao Capislrano de Mmdonc,a.
Jo.uj Francisco da Lapa & Malbias
Jos da Lapa em rcsposla ao annuucio do
Sr. Jos Mara da Lapa, scienlicam aos
seus amigos eis pessuas com quem lem ti-
do relceles enmnierciaes, eque talvez pos-
sam fazer algum juizo desfavoravel.a res-
peito publica o no liianu de sabbadu, s3o apre-
seulados como maos pagadores, que esse
auuuncante lio iranio legitimo dos respon-
dentes coui|quem elle se achaui deshavidos,
sendo que para os uflender se soccorre a esse
meio assas reprehensivel, eainda mais re-
vollante | urque os respondentes nada ab-
solutamente llie devein. Esse barril de
vinho e essa cera fram comprados ao Sr.
Jo5o Joaquim Itabello, como so ve da res-
pectiva cunta, que envin aos responden-
es, aos quaes he devedor tambem o mesmo
Sr. Itabello, como consta de dous docu-
mentos, que serlo encontrados com aquel-
la cunta quando aprnuver ao referido Sr.
Uabello.
-0 coronel Bento Jos Lemenha Lins previ-
ne ao publico que nnguem aceite o traspas-
so do seu engenho Junqueira sem o onus de
entrega-lo 'Ando o arrendamento) moente
e corrente com agoa, as obras em bom es-
tado, e mais clausulas estipuladas na es-
criptura passada em 1842 ao fallecido Flix
AugustoScola, acujaescriplura sesujeita-
ram os negociantes M. Calmon & C, s com
o accrescimo de mais annos, porissoque
o annunciante tem de haver o cumprimento
da dita escriplura daquelle rendeiro que ti-
ver delhe entregar o dito engenho. Outro-
sim, previne maia que ninguem compre e
nem faca IransacaSo alguma'com os herdei-
ros do dito fallecido Scola com os escravos
seguintesFrederico, Francisco, Jolo, A-
maro, Romualdo, Gerlrudes e fillios, Joa-
quina, Feliciana e filha; os quaes s3o de
propriedade delle annunciante, por os ter
comprado no engenho ConceicSoao Sr. Jos
Francisco Pereira da Silva, do que tem ti-
tulo legal, enlo s3o incluidos no arrenda-
mento do mencionado engenho.
Fugio a 8 do corrente mez de junho urna
prela de nome Joaquina, de nacuo congo,
que representa ter 35 a 40 annos, baixa.
chea do corpo, cor fula, lem as nadegas
um lauto arredilados para traz, com carne
sobre os olhos, nariz chato, com urna cos-
tura oa cara no lado esquerdo, falUndo-lhe
dous dentes, sendo um de cada lado, peilos
muito pequeos e murchos, levou ssia de
chita ja usada, camisa do algodSosnho,
panno da costa ; esta prela anda bastante
porca por ter sido da cosinha : roga-se as
autoridades policaes, capituo decampo, ou
aualquer pessoa a prendan ou facam pren-
er e a leve ao seu senhor Domingos da Sil-
va Campos na ra das Cruzes, n. 40, que
sero bem recompensadas.
Precisa-sede 250,000 rs. a juros com
hypolhaca em metade de urna casa que ren-
de 10,000 rs. : quera quizer dar, dirija-se a
Camboa-do-Carmo, n. 27.
Precisarse fallar oom muita urgencia ao
Reverendo Snr. padre Luiz Carlos Coelho
da Silva : as Cinco-Pontas, n. |6G.
James Ilenry Taylor retira-se para In-
glaterra.
Francolina da Silva Collares retira-se
para o Rio-de-Janeiro.
Precisa-se de urna mulher forra ou cap-
tiva, que tenha bastante leite, eseja cuida-
dosa comacrianca de que esteja incumbi-
da : quem estiver nestas circunstancias, di-
rija-se ra Direita, n. 89, segundo andar.
Jos Comes Moreira embarca para o
Rio-de-Janeiro a sua escrava Joanna.
Quem quizer urna ama de leite, dirija-
se ra do Caldereiro, n. 88, casa deporta
e janella.
Precisa-se de urna ama que tenha bom
leite, e que afiance a sua conducta: na ra
do Livramento, n. 36, loja de cera.
Precisa-se alugar um preto, ou homem
forro, para trabalhar em um sitio em Olin-
da : a fallar na mesma cidade, sobrado de
varanda de ferro, atrs do Amparo, e no Ite-
cife, loja de livros da praca da Independen-
cia, ns. 6 e 8.
-se cen mil ris a premio sol pe-
nhores de ouro : na ra do Cabug, n. 1 C,
se dir quem d.
D-se al a quantia de 450,000 ff,, com
penhores de ouro ou prata : na praca da
Boa-Vista, botica n. 6, se dir quem da.
O Sr. Luiz Pires Ferreira queira quan-
to antes mandar pagar o que ha mais de 3
annosdevem certa botica desta cidade;
certo de quo, cmquanto o no fizer, andar
seu nome nesta folha.
0 Sr. Joaquim Jos dos Santos (Barraca
queira ir ou mandar pagar a quantia de rs.
33,460 na ra da Cadeia de s.-Antonio, u.
13; do contrario, lera de ver sempre seu
nome por esta folha.
Arrenda-se urna grande campia, pro-
pria para plantarles, e pastagem de gadus
de todas as qualidades, na estrada nova,
Ingar denominado Lucca ou sitio do F.nfor-
cado : a tratar na ra do Vigario, n. 7.
--Aluga-se a casa da esquina da ra do
Caldeireiro com arinac9o para venda e com-
modos para familia, com quintal, cacimba
e portSo para a travessa, a qual pelo local
oflerece muita vantagem : na praca da In-
dependencia, livraria ns. 6 e 8.
Na ra de Agoas-Verdes, casa terrea
n.26, engomma seelava-se toda a qiali-
dadederoupa.com todo asseio e prompti-
dSo, por preco mais commodo do que em
outra qualquer parte.
O Sr. lente Paulino dirija-se ra da
Cadeia de S.-Antonio, n. 13.
Oescriptorio do agente da companhia
dos paquetes de vapor mudou-se para a ra
do Traatxe, casa n. 40. segundo andar.
--.Na rus Nova, loja n. 58, se dir quesi
d a juros quantias de 300. 400, 500, 600 e
700,000 rs. sobre hypothecas em casas ter-
reas, ou pequeos sobrados/
--Alugam-se os terceiro e quarto anda-
res do sobrado da ra largado Rozario, n.
36, juntos ou separados : a tratar na botica
de llartholomeu Francisco de Souza
Quem quizer arrendar um sitio na
Magdalena.com boa casa toda envidracada,
com soto, cocheira, cavalharice, casa de
pretos, dila do feitor, jardim com todas as
qualidades de flores e roseiras que ha aqui,
com arvoredos de todas as qualidades,
grandes baixas para capim, e terreno para
plantar, dirija-se a Prxedes da Fonseca
Coutinho, no consulado geral.
No dia II de junho crrente, porta
doSr. Dr. juiz de'direito da primeira vara
do civel, na ra das Flores, n. 1, pelas 4
horas da tarde, se ha de arrematar por ven-
da um grande armazem com grande telhei-
ro no fundo do mesmo, e porto de embar-
que, sito na ra do Apollo, n. 32, penhora-
do a Manoel Antonio da Silva Motta : quem
o prttonder comparuca, que he a ultima
praca,
O Sr. Dr. A. J. de S C, morador na cida-
de de Olinda, haja v|p ler a bondade de ir
loja de fazendas da ra do Passeio, n. 21,
pagar o saldo da sua letlra, vencida a 28 de
maiodel839.
No dia 31 de maio do corrente anno,
furtaram um relogio hoiizontal, com caixa
de ouro, ponteiros e mostrador de prata
com algariamos a romano, tem vidro, sem
lampa de ouro ; he francez n. 18301 ; le-
vou urna corrente Una de ellos sobre com-
prido e com ganxo de prender na casa do
rollete, que lera de peso duas oitavas e
um quarto de ouro ; auppOe-se ter sido
furtado por um preto que foi levar a casa
do abaixo assignsdo um par de mangas de
vidro, e quando sabio entrou por engao
no quarto que tem porta junto a da escada,
onde eslava dependurado o relogio, e sen-
raap
luda
do visto por urna pessoa da casa quando sa- trabalhar om algum sitio perto da praca:
hia do quarto, rjjpondcu o preto, como me nasCincos-Pontas, taberna n. 82.
O Sr. Antonio Jos Toixeira Castro tem
urna caria do Araraty, na na da Cadoia-
Velha, n. 17, segundo andar.
No dia 1 do corrente fugio um preto de
naoao, idade 30 o tantos annos, bem ladi-
no, falla bem, bastante barbado e tem urna
cicatriz junta ao tornoselo da perna direi-
rhama-sc Gabriel, lem o coslnmu de
abaixar a cabeca quando falla, gosta de
embriagar-so-, veio lia pouco do llio-de-Ja-
neiro, o por isso devo ignorar as ras desla
cidade ; levou vestido calca de casimira ris-
cada e camisa do madapolo, mas l'urtou
urna troxa onde leva algumas calcas n ou-
tros objectos, assim como algumas colhe-
res do prata : quem o pegar dirija-so ra
da cadeia do llecife, n. 21, quesera recom-
pensado.
~ A pessoa que ha lempos procurou sa-
ber onde existia um filho da Cabriel da Cos-
ta Calvo e de Anua Joaquina do Espirito-
Santo, por nome Virissimo, dirija-ge ra
lo l'adre-Florianno, u. 38, que sedarSo in-
forinacdes a respeito.
Precisa-se de um fornciro que seja
desembarazado na sua arte : nflo se olha or-
lenado : na ra dos Cuararapes, em Fora-
do-Portas, n. 4.
Aluga-se um primeiro andar de um
sobrado, sito na ra da l'enlia a fallar na
ra do Cabug, n. 1C, loja do Cuarto.
Com o premio de 2 por cenlo ao mez
sobre penhores de ouro ou prata d-se a
quantia de 50 a 60,000 rs : na ra do Mun-
do-Novo se dir quem os d.
I'recisa-se de urna ama que tenha bom
leite, equeafianco sua conducta : na ra
do Trapiche, II, 40, segn lo auto-
--OTerece-se um pequeo brasileiro pa-
ra raixeiro de venda, do que lem pralica ;
lie bastante activo, de boa conducta, para o
que dar fiador, se o exigirem : quem o
pretender, annuncie.
O bacharel Jos Joaquim Cojniniano
de Moraes Navarro ensina com toda a per-
feiCjiloe desvelo latim, philosopliia e rheto-
rica, na ruada Cadcia-Velha, n. 5t, segun-
do andar, onde deve ser procurado poi
quem quizer utilisar-se de seu prestimo.
Aluga-se una preta para o servico di
casa, que saiba cozinhar e seja fiel, prefe-
rindo-se captiva : na ra do Queimido, n
15, loja de fizeudas.
enganci na portilla escada. Roga-so a to-
dos os Srs. relojoeiros, e mesmo a qualquer
pessoa que souber deste roubo de partici-
par ao abaixo assignado, na ra de Apollo,
n. 24, que agradecer com a gratificaclo
merecida. Jos Antonio de Sousa Machado.
-- Aluga-se um sitio nos Afogados, com
bastantes commodos para qualquor familia,
e cora varias frucleiras: a tratar no largo
da Paz, D.21.
-- O Hoverendo padre Thiago de Pina Ca-
bral tem urna carta, vinda do Rio-de-Ja-
neiro no paleo do Crarmo, n. 17.
-- O Sr. tenente llemeterio Jos Vellozo
daSHveira, dirija-se ao pateo de S.-I'edro,
a. 5.
Precisa-se alugar urna escrava que en-
tenda de cosinha, pagando-se bem : na ra
larga do Hozario, n. 48.
Jos Fernandes Povoas & C. vende-
rn hoje a sua taberna, sita na ra do Cor-
doniz, n. 10, no Forle do Mallo desta ci-
dade, aos Srs. Mcndes & Macieira, com a
lonilico, porm, que os mesmossenhores
rom quem ultimaran) a referida venda so
obrigarSo a pagar todas as dividas, que a
mesma extincta firma estava devendo a es-
ta prac,a at ecta dala : e por ser verdade
fizeram a presente declarac,ao. Itecife, 27
de maio de 1850.
Quem precisar de urna ama forra para
casa de pouca familia, dirija-se ao largo da
Itibeira, n. 5.
Precisa-se de urna mulher capaz para
ama interior de urna casa de pequea fami-
lia : na ra do Queimado, loja n. 32.
Alugam-se o armazem do sobrado da
ra do Sol, n. 23 ; urna mei'agoa com bous
commodos, no becco do Quiabo, n. 13 ; ou-
tra dita, na ra da Cuia, n. 41 : a fallar com
Jos Cypriano de Moraes Lima, no Forte-
do-Maltos, defronle do cbafariz, n. 8, se-
gundo andar.
Precisa-se alugar urna preta captiva,
que saiba engommar, para urna s pessoa :
no becco do Bomba, casa n. 1.
No dia 6 do corrente, pelas 2 horas da
tarde, desappareceu um menino semi-bran-
co, de nome Carcia, de idade de 5 annos,
n edescalco, cabello curiado rente, com
uro talho na barba e algumas marcas de
sarna abaixo do sovaco direito ; este meni-
no he forro, e desconfia-se que esl oceulto
para ser vendido como escravo, bem que el-
le seja forro e claro; por isso protesta-se
perseguir a quem o tiver oceulto, equem
delle der noticia na ruaestreita do Rozario,
n. 12, segundo andur, ao poda botica du
Sr. Paranhos, ser recompensado.
~ O abaixo assignado ruga aos Srs. Jo,1o
Francisco da Lapa e Matbias Jos da Lapa
que venbam ou mandem pagar o importe
do barril de vinho e a sacca de carnauba,
que ludo orea em 58,180 rs.; pois ja he bas-
tante a nian^aro, e assim no se faz, prin-
cipalmente quem arrota ler bastante di-
nheiro, porm isto faz quem est com a bar-
riga cheia como os Srs., (cando certo que
emquanto nSo vierem pagar verDo os seus
nomes neste Diario todos os dias.
Jos Mara da Lapa.
'egocif) inleressante.
Faz-se todo e qualquer negocio com duas
lellras de 493,024 rs., vencidas ha mais de
seis annos, declaran! juros de 2 por ce t
ao mez, aceitas pelo Sr. capilSo Antonio Pe-
reira Freir, que morou no engenho Cainha,
e que ha 3 ou 4 annos se mudou de Taqua-
rjtinga para Quebraugullo, comarca de Ca-
ranhuns: na ra da Cadeia do Recife, loja
n. 50, a fallar com Cunha & Amorim'
Lino Jes de Castro Araujo, autorisado
por Antonio JoaOjtiim Tavares para rece-
ber suas dividas, roga a lodos os seus de-
vedores de mandarem pagar o mais breve
possivel, pois que deseja poupar mcios que
no sejam amigaveis, em semelhautes rece-
bimenlos, comquvrilo para isso tenha or-
dem do seu comittente.
Precisa-se de um amassador : na ra
Direita, padaria n. 82.
Precisa-se de una ama forra para o ser-
vico de urna casa de pouca familia : na ra
largado lio/ano, n. 48.
-- Precisa-se alugar um moleque possan-
te para o servico de urna casa, e que seja
fiel : na ra larga do Rozario, n. 32.
Na casa de cambio da ra da Cadeia do
Recife, n. 34, acba-se urna peca de chita,
cujo dono ignora-se.
Sr. Antonio Jos Ferreira da Silva Gui-
mariles haja de apparecer na ra da Praia,
n. 5, sobrado de um andar, para se llie en-
tregar 200 caixascom charutos, que vieram
JL
Compras..
Compram-fc, para una eiicnmmenda,
escravos de aiihos os sexos, do 10 a 40 an-
nos : na ra do Itangel, u. 57
Na loja de livros da pra<-a da Indepen-
da, ns. 6 e 8, compram-se os 3." e 4 volu-
ntes do romanse Conde do Monle-Christo
--Cnmpra-se um niutholu de violo por
Camili : na praca da Independencia, loja
deSr. Meroz, ou annuncie.
Compra-se una mcia commoda ^de
amarello, com algum uso : quem tiver an-
nuncie.
--Comprase o9.volume da historia do
Brasil, tradusida do francez por Pedro Jos
de Figueiredo : quem tiver annuncie, ou di-
rija-se ra das Cruzes, n. 18, primeiro
ndar
--Compra-se urna negrinha de 10 a 12 an-
nos, mesmo sem habilidades : na ra da Ca-
deia de Santo-Antonio, no segundo anda:
lo sobrado da esquina do Ouvidor.
Venda
s.
Sor(cs.
Na livraria da praca da Intendencia, ns
6e8, veodem-se folhas de papel com sor-
tea a 80 rs. cada um, c os seguintes livros :
Acasos da fortuna, ou livros dcjsortes
divertidos etc. a 6i0 ris.
Livros dos destinos para seren consulta-
dos nas nuiles de S. Anlonio c S. Joo etc. a
640 rs
Vendem-se um escravo, mocoe bonita
figura ; na ra da Cadeia-vellia, n. 6.
Cera de carnauba.
Vende-se cera do carnauba, muito boa,
em pequeas ponyes : na ra da Cruz, n
36, taberna de Mondes o Braga.
Vende-so saccas do arroz pilado supe-
rior com 6 arrobas por 10,000 rs. : na ra
do Rosario, n. I.
Veudom-se 16 escravos, sendo : 3 lin-
dos niolequesde 13a18annos, enlro ellos
um cozluheiro e outro oleiro; dous ditos
carreiros ; un dito carpina ; i escravos de
todo u servigu ; 2 mulatos de 18 a 21
no biate l'lor-de-Cururipe da Uahin ; quan-lannos ; 4 escravas morcas, sendo una delu-
do no, serao vendidas para pagamento do
fele e mais despozas.
Tiram-se passaportes para dentro e f-
ra do imperio, ecorrem-se folhas, por pre-
co commodo e presteza na ra de S.-Jos,
n. 44, ou na ra estreila do lio/ario, casa
de Jos Anecleto, dentista.
- Da pnvoaciio da Muribeca, desappare-
ceu, no dia 27 de maio proimo passado,
um pardo pertencente ao tenenle-coronel
Jeronymo de Albuquerque Mello ; he de
altura e grossura proporcionada, corpo di-
reito, cor alaranjnda, cabellos crespos ap-
proximando-se apichaim, cara grande, com
marca de feridas na> pernas, de 20 annos
pouco maisou menos : quem o pegar leve-o
a dita pnvoa<;3o, que receber 100,000 rs.
de gratificarlo.
O Bello Sexo.
Sabio luz o primeiro numero deste pe-
ridico, e osassignantcs podem procura-lo
nas livianas des Srs, Figueroa,' Dourado e
Morel. Nestes mesmos lugares conlinua-se
a receberassignaturas, e vende-se o nume-
ro avulso por 400 rs.
Precisa-se de um caixeiro, que seja
desembarazado, tenha pratica de venda e
Bance sua conduela : se llie faz bom orde-
nado : no pateo do Carino, venda nova, nu-
mero 2.
G. Belenot comprou ao Sr. Manoel Con-
Calves de Moraes a fabrica de charutos da
ra do Aragao, ii. que foi do Sr. lian
cisco do Val.
O Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
tem urna carta em uiilu de Joaquim l'inheiro
Jacotne.
Precisa-se de dous Portuguezes para o
servico de campo .- na praca da Boa-Vista,
a. 1, segundo andar.
O padre Leonardo Antones Me ira lien-
riques mudou a sua residencia para a rita
dasTrincheiras, n. 17, ao p do Sr. escri-
vSo Reg.
--Offerece-seum homem porluguez para
negrinlia de 14 annos : na ra Direita, n. 3
Vende-se, para-esta provincia ou fra
della, urna pela iee luida de 2:2 anuos pou
co maisou menos, bem parecida o sem mo-
lestias, que cose bem, corta vestidos de se-
ni ora. eiigonuna, cose, cozinha e serve para
lodo o servico de urna casa : o motivo poi
que so vende se diru ao comprador : na So-
ledado, ra de Jo3o-Fernaiules-Vieira, no
sitio que tem 4 leOes ira frente, a qualquei
hora do da.
Na iua Nova atrs da matriz, n.
a, verulem-se barato
caixas do pao para costura do senbora, a
3,000 rs. ; carteiras para viagem, a 4,00n
rs. ; estojes com duas navalhas, a 1,00(1
rs.; afiadores, a 500 e 1,000 rs ; lanternas d
p de casquinha, a 10,0(10 rs. ; lencos de fi-
l de linbo, a 1,000 rs. ; pescocinhos de di-
to, a 2.0CO rs.; lencos de seda para homem
a 1,000 rs. ; ditos para grvala, a 1,000 rs .
meias de seda curtas, blancas o de cores, -
1,000rs.; sipalos de marroquim de cores ,:
a 8O0; ditos ditos de duraque, a 800 rs..'.
lencos de cassa para grvala, a 640 rs. ; ra-
mos do flores para chapos de senhora, l
1,200 rs.; mantas de seda para senhi ra, a
10,000 rs. ; diales de seda decores, a 10,000
rs. ; veos de fil de hubo, a 5 e 6,000 rs. ,
grandes ; bonetes para meninos, a 480 is
meias de fio da Ksrocia, a 1,400 rs.; dita-
de algodSo com lios de seda, a 1,000 rs., di
uheiroa vista e mo fiado.
Vende-se urna prela da Costa, do li
annos, que cozinha, lava, e he muito boa
quitandeira : na ra de S.-Amaro, n. 16.
Vendem-se cintas pardas com flore.-
encarnadas, cores muito lixas, a 160 rs. (
covado, o em pecas a 5,800 rs.; ditas mo-
ldadas dechuva.a 120 rs. arelalho : na ru
larga do Rozarlo, n. 48, primeiro andar.
Vende-se urna preta crioula, do 24 an-
nos, de bonita ligura, que cozinha, lava,
cose e engomma : na praca do Corpo-San-
to, n. 23, loja de cabos.
Chapeos e bonets.
Vendem-.'-o os mais modernos e upnrio-
res chapeos franenzes, chegados jltim:'-
mente de Paris, a 8,500, 7,500 e 7, )00 rs ;
chapos de palhinha com enfeitos para me-
ninos ; bonete para enancas, daaui lindos
tenidos do palba e cabello ; dilos dn eabel-
O o de outns qualidades para homem, pro-
arlos para andar em casi por serem fresco.-
na ra do Queimado, loja de chapeos, nu-
mero 38.
- Vende-se um mulalinho de 10 a 11 an-
nos, muito hbil, por isso ptimo para pa-
gem : na ra do Trapiche, n. 11, armazem
lUia do Crespo n. 10.
Loja de viuva Freitas Cuiniarilcs vende-so
as seguintes fazendas pelos baretisslmos
oreos abaixo mencinalos : pecas de pce-
te sul com 40 covados por i.ono rs ; zuarte
HSUl com 5 palmos de largo a 160 rs. o cova-
do ; riscado monstro a 200 rs. o tova lo :
bales ilc 13a escures u muito grandes a
1,009 rs. cada um ; suspensorios du nvia a
400 rs. a dtizia ; lencos de seda proprios
para meninos a 320 rs.; mantas de 13a e se-
di pequeas a 400 rs. ; cortes de brim par-
do de puro linhu a 1,000 rs. ; chales de chi-
ta roxos a 500 rs. e nutras umitas fazen las
'iiie a vista dos compradores so venduio
por baratos precos.
Vende-se urna preta muito moca e do
bonita ligura, propria para lodo o servico :
quem a pretender, dirija-se ao pateo do Ter-
co 0. 2. _
Milho barato.
Na ra do Rangel, armazem n. 36, vende-
se milho, a 2,800 rs. a sacca.
Arroz pilado.
Na ra do Rangel armazem n. 36, ven-
de-se ai rnz pilado em saccas de 5 arrobas,
por 8,500 rs.
Na loja de 6 portas, a producco
de alcaides para luto.
Vende-se cassa preta, a l'O rs. o covado ;
meias pretal de algodfto para senbora, a
200 rs. o par; chales pretos do rede, a :uo
rs. : franlilim largo, a 480 rs. o covado ; al-
paca de duas larguras, a 610 rs. o covado ;
merino, a 1280 e 1,600 is. e muito fino, a
:!,0 0 rs. ; chitis prelase rouxas, a 160 rs.
o covado ; e todo o mais sortimento do fa-
llidas de cores, por pi eco a convidar a tru-
car cdulas para enroupar as familias.
AlicncSo ao bom e barato.
Na ra Nova, n, 71, taberna da osquina ao
p da ponte, vende-se manlciga iugleza
muito boa, a 720 ; dita a 160, 210, 400 e 180
rs.; dita franceza,(a 520 rs. ; banha, a 320
rs.; louciuho, a 120 'S. ; espermacet1, a 720
eSOlrs. ; cevadinlia francez 1, a 200 rs. ;
zeitedoce, a 560 rs. a garrafa; paios, a
00 rs. ; elimneos, a 300 rs. ; velas de c >r-
fiadba, a 320 rs ; cha muito bom, a 1,920
is; tapioca, a 120 rs.; caf em grfio, a 240
rs. ; dito moi to, a 240 rs. ; cevada a loo
rs. : tamb -m se vendem estes mesmos ge-
ni-ros na inesina ra, 11. 40, delronte da
ConceicSo.
Vendem-se 15 arrobas do carnauba:
ni ra do Aterro, n. 18, primeiro andar.
Vende-se um nulatiubo de 12 annos,
le bonita figura : na ra do Crespo, 11. 10,
luja.
--Vende-se urna barcossa apparclhada,
com todos os necessarios para navegar, o
0111 embonos do cedro uovos, a qual pega
em t(i caixas, uu20 pipis : na ra do Cres-
po, n. 17.
Moreira Vellozo, com loja na rus
Nova, n. 8, annuncium para vender pelo
baraliasimo preco de 2,000 rs. chapos de
maca coberlos de olia lo proprios para u es-
lf&o presentej tambem se vendem, na
mesma loja, sapa tos de cordavfio e Tranca-
zos a 1,200 rs. o par ; dito do couro de lus-
tros para senhora, a 2,000 rs. ; espartilhos
de puro 1 olio guarnecidos de balel-s, nflo
esqueceodo a larga d fronte, pelo preco
nunca visto de 6,000 rs. cada 11111 : galbe-
teiros com4vidros, a 2,500 rs. chapos do
pal lia ahertos para senhora, de varios preces
e de diferentes tamanhos; ditos de palinha
11 lamente enfeitados para meninos e me-
ninas ; franjas de varias cores muito pro-
piias para enfeilar vestidos, a 320 avara;
mantas de gaiaja de muito lua qualidadca
le bonitos gustos, a 5,000 rs. ; as vorda-
Jeiras I uvas de trocal coip dedos a 1,000 o
par, ditas do pellca para senhora e para lio
nem ; borzegoins, sapatos dejustm, ditos
le marroquim, ludo para senhora ; cha-
pos de maca francezes, chegados de proxi-
ue, b nulas formas e boa p. lucia, a 7,000
rs. cada um ; penles de tartaruga de mar-
rafa e cc ; lencos para gravatas ; capellas
le flores para noiva ; cortes de sedas bran-
cas e de cores; esobretudo um [bello sorti-
uienlt) do perfuma)das o do outras fazendas
mais que se protesta vender por precos mui-
to rasoaveis.
Aos fabricantes de velas.
Veniie-sc cera de carnauba : na
ra Diieito, n. 36, primeiro an-
dar.
Ven Jcm-se duas lindas mulatinhas da
10 a 12 annos pouco mais ou menos, com
habilidades, por isso propiiis para qual-
quer casa de familia j urna parda com um
hlho, de bonita figura, sadia c com habili-
dades precisas para o bom arranjo do qual-
quer casa : na ra da Cadeia-Velna, 11. 33,
se dir quem vende.
Vende-se para fra da provincia ou pa-
ra algum engenho urna bonita escrava, cri-
oula, moca, que cozinha muito bem o dia-
rio ne urna casa, he milito fiel, nao bebe es-
pirito de qualidade alguma, nunca fugio,
i que ludo se smica debaix.i de palavra ;
e nutra de naco, bonita figura e piopria
ira engenho ou quitanda : na ra larga do
Rozari 1, n. 48, primeiJO andar, lodos os
dias da 6 horas da in nlia as 10 o das 3 s
>la larde.
Vende-se ago'ardenle do reino, gene-
bra, ago'ardenle de aniz, e licores : na ra
la Praia-de-S.-Rila, defronte da ribeira ns.
10 e 12. Na mesma casa tambem se veudem
50 cascos de pipas.
Vende-se um par de mangas do vidro
bordadas, pouco servidas : na ra do Ran-
gel, 11. 57.
Vende-se um sobrado de um andar na
ra do Pilar, n. 13, em chitos proprios : a
iratar com o dono, no mesmo sobrado.
Veudcm-KC queijos londrinhos de 4 e 5
libras, muito frescos: na ra da Cruz, no
Recife, u. 62, armazem de Manoel Francis-
co Martina.
_AR ENCONTRADO



a.
M
Vende-- um relogio sabonet-, caix
dnurada, hcrisontal, muito bom regulador,
com corrento do ouro : ludo por prego com-
niodo : no Forte-do-Meltos, ra do Codor
diz, n. 10, venda.
Vendem-se sapa tos do Ara-
caly, proprios para tropa, pelo ba-
rato preco de 800 rs. o par, sendo
em poican; na ra da Cadeia do
Itecife, n. ai.
Fabrico nacional.
Cunha& Amorim, na ra da Cadoia do
Recife, n. 50, venden) potassa branca, fa-
bricada no Rio -de-Janeiro, a mais nova que
ha no mercado, e a mais superior que, ha
nesle genero, por prego rasoavel.
--Vende-se a bem conhecida taberna da es-
trella, na ribeira da Boa Vista, com poucos
fundos, e commodos para um homem sol-
leiro : faz-sc todo o negocio com o com-
prador .- a tratar na mesina venda.
Florete de linho.
Covado 300 rs.
Para vestidos de scnhora, roupas de me-
ninos, palitos para homem, casacas, etc. :
vende-se na ra do Crespo, n. 11, loja de
Antonio I.uiz dos Santos & Companhia.
Loja de modas na ra No-
va, 11. 34, deronte da
Coneeico.
Madama Rosa Hardy,
modista brasileira, tema honra de partici-
par a seus freguezes, e particularmente as
senhoras suas patricias que recebeu lti-
mamente de Franga, e vente por preco mul-
lo commodo, ricos capotinhos de gros de
aples furta-cres do difieren tes feitios e
de lindissimo gosto ; capotudos prctos de
rhamalote ; trangas de todas as cores para
enfeilar vestidos; bicos de blonde; tilo li-
so ; crep de cores; selins ; camisas de
cambraia para scnhora ; toncas para bapti-
zados : bem como tem constantemente um
variado e rico sorlimento de chai ot de se-
da para senhora a prego de 8 a de 30,O0Ors. ;
chfeos de (alba enfeitaJos; fitas deselim
esapalos: tan.bem faz vestidos para casa-
mentos e para baiUs, da ultima dio la, com
muita perfeigflo, e por mais barato prego
doqueemoutra qualquer parle; tambem
faz manteletes, capotilhos, visitas e mui-
tos oulros objectos de uto de senhora: lu-
do da ultima moda. A mesma modista ven-
de armages de chapeos de senhora para
coluir de seda e cete, a 1,000 c 1,500 rs.
Farfolla de mandioca.
Na ra do Livramcnto, n. 14, vende-se
boa farinha de S.-Calbarina, em saccas de
3 quillas e meia, medida de bordo, c mais
barato do que em outra qualquer parte.
Com 8 palmos de largu-
ra o novo algodao mons-
tio trancado california.
Na loja confronte ao arco de S.-Anlonio,
n 5, vende-se o novo-algodflo raonstro trau-
gado, com 8 palmos de largura, pelo barato
prego de 800 rs. a vara.
4
Atoalhado de linho de
California com 6 pal-
mos de largura.
Na loja de GuimarSes & Henriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se 6 novo atoalhado
california de puro linho e com 6 palmos de
largura, pelo batato prego do 1,120 rs ; as-
sim como ha de 5 palmos de largura, a 1,000
rs. a vara.
A 8,000 rs. cada um.
Chales de seda grandes
e de bom gosto.
Na loja de Cuimarfles & Henriques, na
rua do Crespo, n. 5, vendem-se chales de
seda, grandes, de bom gosto e de bonitos
padrOes, a 8,000 rs. cada um ; corles de ca-
semira de cores, de muito superiores pa-
drees modernas, pelo barato prego de 6,000
rs. cada corle; panno preto tino francez, a
2,500 rs. o covado; dito inglez,a 1,440 rs.
o covado.
Obras de borracha iinper- O
q iniaveis* >
) Suestes ou chapeos proprios para S
q quem anda embarcado; ricas capas ~
r para a cstsgflo invernosa, as quaes *
Cbeguem ao novo
barate ro.
Na nova loja do Passeio-Publico, n. 19
de l.emos Amara! & Companhia acha-s
um com lelo soitimenlo de fazendas, como
sejam : madapolflo muito fino, a 4,200 rs
pegas de chita muito tinas e de crtres lixiis '
6,000 7,4iiO, 8.00O e 8,500 rs. e a IGo'
200 e240 rs. o covado ; cortes de briol de
linho e de lindos fadres, pelo diminuto
liego de 1,400 rs. o corte ; ditos de meia
casemira, a 1,600 rs. ; chales de 13a, e que
lambem servem para mesa de meio de sa-
la, a 1,800 e 2,200 rs.; corles de rambraia
de seda, a 4,800 rs. ; ditos de cassa chita a
2,000, 2,600 e 2,800 rs.; lengos de cambra'ia
Lordados par senhora, a 500 rs. ; e outras
niuilaslazendasque I or baratas deixam de
>er annunciadas; bem como mantas de ti-
lo de linho bordadas, a 2,000 rs.
Aviso ao madamismo
pen ambueano.
Na nova loja do l'asseio-l'ubliro, n. 19,
de temos Anaral & Corupanliia, vende-se
cassa muito lina para vestido de senhoia
de muito lindos padrOfs, denominada I'er-
namhucana, pt lo baratissinto prego de 780
is. a vaia. A ellas, pois a hienda \a ; bem
como chales de 13a de cores escuras, a 800
jis.
Na ra do Cabug, loja de rjua-
Iro portas, doDnarle,
vendem-se lesouras propriss de alfaiate;
ditas para costura de senhora; ditas pai
unhas todas fabricadas |elo melbor auloi
de Guimarfiea, por picgo commodo.
Vende-se um sobrado de um andar por
700,000 rs., e que rende 10,000 rs. mensl-
menle : na ra do Passcio, n. 13, *|0ja jc
fasendas, se dir quem vendo.
Candieiros para mesa de
sala.
Na loja da ra Nova, n. 11, de Jos Pinto
da Fonseca e Silva, vendem-se elegantes
candieiros para mesa de sala, de um mi
chinismo muito simples e fcil para fazer
subir o azeite, oconseivan urna brilhanle
luz por muito lempo.
Aluilo barato.
Na loja da ra Nova, n. 11, de Jos Pinto
da Fonseca e Silva, sucessorde Guerra Sil
va&C. vendem-se candieiros de gaz,
7,000 rs.; lamparillas de cryslal de cores,
lambem para gaz, a 3 e 4,000 rs.; ricos es-
pelhoscom molduras douradas, grandes
de 8 a t 20,000 rs. ; ricos aderegos doura-
dos mi.Mando perfeitan ente os de ouro, n r
que ha de meltior neste genero, de 6 n 8,000
rs.; suspensorios de seda e de borracha, r.
600 rs. ; luvasde algodflo do r mem, a 160 rs. o par ; meias de algodflo de
cores jara senhora, a 160 rs. o par; meiat
de seda prela curtas para homem, a 800 rs. o
parlengosde gaiga, a 160 rs.; tranceln)
de borradla para relogio, a 80 rs.; ligas de
borracha, a 80 rs.; jogos de vispora, a 1,000
rs. ; ceslinhasde verguinha para costura t
para frucUs, a 640 e 1,280 rs. ; esloirinhas,
160 rs ; mantas de garga para meninas, a
500 rs.
Na loja da ra Nova, n. II, do Jos Pin-
to da Fonseca e Silva, vende-se fita de ta-
lagaaga para bordar, a 600 rs. cada vara.
Continua-se a vender velas de car-
nauba, das melhores possiveis, por terem
ciicgado agora do Cear : na ra de llortas,
n. 110, casa sonde semprese vendern) asi
(Jo Sr. Loureiro. I
\ nlo pode penetrar aeoa ; bolas a Na- O
X poleflo, que chegam muilo cima dos O
) joelhos, e podendo-se com ellas )
Jj? transitar por dentro dorio, sem que Q
*^ oslse pernaa sintam hmida le; O
9 erribornaes para conduzir manlimen- G* tos ; frascos paia qualquer liquido, /
V utilissimos para quem viaja por lor-
ra, ou para os amadores de caga; 5?
0 ditos para deilar esponjas. ?
3 Salva vidas. ^j
O Qua pode conter 5 pessoas, Bem
v nunca se afundarem, custa esta ex- {)
O ci lenle invcngflo um prego diminu- j
'$ tissimo em vista do seu grande pi es- /'
Q to;o: qual ser, pois, o capitflo de n\
q navio que deixe de ter a scu bordo X
rj a seguianga de seus das a troco de 'i
a algumas patacas ? Jj
(3 .Machinas para nadar.
Q Quem dcixa de comprar um collete q\
q huanle para com elledeitar-se a su- X
n perdeie d'agoa e nadar as horas que
q he parecer, sem a menor fadiga e J
sent de morrerafogado? Alm des-
Jr tus c outras muilas obras feitas que g
i por seu numero enorme deixem de g
v ser annunciadas. O
Amazona de borracha
q de ri^r aiul, verde, preto e cinzento. 5,
~j leudo Inda ella O leeido de merino, e X
n sendo forrada de um bello rscocez *jj
miudinho ; he ptima, nlo s para *?
^ rapas, como para japonas, sobretudo ^
"** palitos e casacas para fri: vendo-
*j* se na rua do Crespo, n. 11, loja de fa- Q
V zendas. >
'i> No armazcm de Joaquini da
Silva Lopes, vende-se (arelo, a
3,ooo rs. a sacco, e farinha de Oi-
go franceza da marca Bar3o, por
preco commodo.
Vende-se una escrava moga, de boni-
ta*liguia : na rua da Cadeia do Itecife, loja
deJoiioJos de CarvalboMoraes.
Hichas de llamburgo.
Vendem-se as verdadeiras bi-
chas de llambiirgn, aos caitos e a
rclalho : tambem seelngnmc vao-
se applcar a quem piecisar: na
uta da Cruz, no Uecile, n. ^3, lo-
jn de Joaqnini Antonio Caineiro
de Sotiza Azevedo.
Vendem-se, na cocheira da rua da Flo-
rentina, 20 burros muito bonitos e novos,
viudos de l'iienos-Ayres.
Farinha de S'-Malheus,
de superior qualidada : *ende-se a bordo do
patacho S.-Crux, tundeado em frente do
caes do Collegio, ou ao lado do Corpo-San-
to, loja de massames, n. 25.
Vendem-se escravos baratse sem mo-
lestias, como sejam 5 pretos mogos, pio-
prios para o campo,, ou outro qualquer ser-
>ig" ;4|relas que servem para o servigo
de campo, entre ellasalgumas quilandeiras;
dual ditai que engommam e rozinham ;
urna parda que corta e faz vestidos de se-
nhora e camisa de homem, marca, e faz la-
varinto e he de ptima conduela ; duas di-
tas com habilidades ; e mais alguns escra-
vos : na rua das l.arangeiras, n. 14, segun-
do andar.
A cidade de Pars.
Vende-se urna pequea por-
cao de carvao, tanto mineral como
artificial, da melnor qualidade :
no escriptoriode A. S. Corbett, na
rua da Cadeia, n. 4&-
Vende-se urna preta moga, que cozinha
o diario de urna casa, tem principios de en-
nominado ; n.lo tem vicios neni achaques :
aefronte da ribeira do peixe, n. 3.
Na rua do Cabug, loja de qua-
tro portas, do Duarte,
vendem-"s botOes de Pedro II; ditos para
(avallara ; ditos para infamara ; ditos pa-
ra estado-maior ; ditos para cagadores ; di-
tos para palitos ; ditos de diversas qualida-
des ; ditos para libr de ppeos, por pre-
go mais commodo do que em outra qual-
quer parte.
Na ma do Cabug, loja de qua-
tro portas, do Duarte,
vendem-se toncas de 19a ; barretes de dita
para homem ,* ligas de seda com borracha
para senhora, viudas ltimamente de In-
glaterra gravatinhas deselim para senho-
ra ; Irancinhas de 19a para enfeites de rou-
pas de meninos, a 80 rs. a pega ; trangas
e franjas para cifeiteide manteletes e ves-
tidos de senhora.
A 640 rs. o covado de al-
paca preta tina.
Loja 11. 5,
!r Cu i maraes o; Henriques, que faz esquina
para rua do Collegio, vende-se alpaca pre-
ta fina, polo diminuto prego de 64o ra. o
covado, prego este por que nunca se vendeu
fazenda igual.
Qucij< s londrinos de \ a
5 libras
mullo Irescos : vendem-se na rua da Cruz
do Itecife, n. 62, armazcm de Mauoel Fran-
cisco Martins & Irmflo, por prego commodo.
O corretor Oliveira tem ltimamente
concluido avulladas vendas de precioso vi-
nhodo Porto, muito velho, reslando-lhe i
apenas alguns barrilinhos de sete e oito em
pipa, mu proprios para mimos: a modo'
que os freguezes j se v9o desengaando
cinquanto sua ptima qualidade; talvez
niuitos anda cbeguem tarde para compra-
icrn os poucos que tinda restam, e ento
tarde sera o seu arrependimento, sabendo
que se acabara 19o precioso nctar; apro-
veilem, pois, emqurnto he lempo, a occa-
si9o de se refazerem de um vinho que sahe
engarrafado por nenosde 6,000 rs. quan-
do qualquer das qualidades do novo, e in-
ferior, que por ah se vende, he a ras9o de
12,000 rs. e mais por duza. O mesmo cor-
retor offerece venda 50 harria de chumbo
de muncSo, por prego rasoavel.
-- Vendem-se 40 saceos com tremossos :
na rua da Cruz, no Itecife, n. 47, taberna.
Farelo de arroz.
Vende-se esta ja t9o conhecida quanto
ulil substancia alimentaria para sustento
de <-a va I*).--, em barricas com 4 arrollas para
mais, pelo diminuto prego de 3,000 rs. a
barrica: nos armazens de Onofre na ruada
Madre-de-l)cos, e no defroute do chafariz
da ponte do Itecife.
Vende-se um bom pardo ofilcial de sa-
pateiro, pelo prego de 700,000 rs., ou se
troca por urna escrava de habilidades, e
mesmo quitandeira : na rua Direila, taber-
na de Joao Hiplito, se dir quem vende.
Pcchiiicha.
Vcndem-se coeiros de casemira borda,
dos,-pelo barato piego de 800 rs. cada um ;
lengos de cambraia de linho lino, a 1,000
rs. ; manteletes prelps achamalotados, a
14,000 rs. ; corles de rolletes de velludo de
cores, a 3,000 rs. : na rua do Queimado,
- Vendem-se'pegas de chitas parda*, c-1
raallxaa, com palmas encarnadas, a 5,800 '
ra. e a 180 rs. a relalho : na rua larga do Ro-
zarlo, n. 48, primeiro andar.
Vende-se a casa de pasto do
Passeio-Pubco, n. a3, por pre-
co commodo ; o lugar convida : a
tratar as Cinco-Pontas, n. 91.
Aviso aos Srs. artistas sa<
paleiros.
Iloreira & Vellozo,
acabam derecebero melnor e mais bello
couro de lustro que a este mercado tem
vindo ; porque o tamanho das pelles e qua-
lidade do couro he tal que muito deve agra-
dar aos Srs. mestres sapaleiros, para me-
lnor servirem a seus freguezes ; o prego a
vista da qualidades se diri, mas afianga-
se que ser commodo e bem commodo : na
rua Nova, loja n. 8, onde se vende nica-
mente o dito couro.
Na rua do Crespo, n. 10,
sobrado de 4 andares, vendem-se as seguin-
les faiendas abaixo mecionadas, que por
suas ptimas qualidades tornam-ae bara-
tsimas : chales de 19a de quadros, a ria
1,280; cortes de brim linho cor de cinza, a
1,000 ris ; cobertores de 19a, a 1,450 ris ;
suspensorios de algod9o, a 800 ris a duzia;
renda larga eestreita, a 80 ris a vara ; blco
blanco de todas as larguras, a 80 ris a
vara; pannos de bancas pequeas, cada um
240 res; challes chila roa, a 80O ris ;
brim de palha e linho, a 320 ris; lengos
de nj de linho de tres ponas, a 400 ris
cada um ; camisas de meia de 19a proprias
para fro, a 2,500 ris; lengos pretos de
cambraia, a 240 ris; cortes de cassa de
lista, a 2,000ris; ditos de cambraia com
lista de seda, a 2,000 ris; ditos de dita
bordadas de agulha, a 3,200 ris; cortes de
Instan para rollete, a 240 ris ; luvasbran-
cas proprias para soldado de eavallaria, a
160 ris; camisas de meia pam meninos
de 15 das, a 240 ris ; lila trangada cor de
ralle, 240 ris o covado ; riscado moostrn
i com 5 palmos de largura, a 240 ris o co-
vado; camisas de meias azues para escra-
vos, a 500 reis ; mantas de seda com toque
de mofo, muito boas, a S.OnO ris.
Vode-se malte de superior qualidade :
na rua de S -Rita, reslilagSo de Frajica &
Irmflo.
Cera de carnauba de pri-
men a sorle,
e toalhas de lavarinto: vende-se na rua da
Cruz, no Recife, n. 24.
Vendc-seum preto de 20 a 24 annos,
ganhador de rua e trabalhador de ciliada ;
rio tem vicios nem achaques : na rua da
Cadeia de S.-Antonio, defronte da orden)
terceira de S.-Francisco, n. 9.
-- Vendem-se cento e tantos meios de
sola do Aracaty, chegados ha poucos dias,
por prego muito em conta, para se liquidar
urna conta : no liecco-l.argo do Recife, n.
1, segundo andar.
Ovas do sertao,
muito frescaes: vendem-se na rua do Quei-
mado, n. 14, loja de ferragens.
Sapaloes do Aracaty, fci-
tos a capricho,
vendem-se a 1,000 rs. o par, para liquidar:
na rua larga do llozario, n. 35, loja.
HMBWg^gg^ajal
Na roa das rotes, n. 22, gegndo andar
cnden-se7 escravas, sendo urna crioula'
de eleganlo figura, que engomma, cose, co-
zinha e lava ; urna dita de nagflo, com os
mcsinas habilidades ; urna parda de 30 an-
nos, que cozinba, lava d" sabflo e faz bem
renda ; urna preta da Costa; 2 lindas ne-
gnnhaadelOa 12 annos, muito bem edu .
cadas, que coaem ch9o, fazem lavarinto e
sao ptimas para mucamas de qualquer me-
nina; um molecote de.nacSo, de 18 a 19
annos, proprio para todo o[s*?igo.
Vende-se um preto da Coala, de 20 1
saannos.de muito bonita figura: vende-
ae por eu senhor retirr-se : na rua do
Queimado, n. 44.
, ,r yeoem-sei ou permutam-se as bem-
reilonas de um grande sitio a margen) do
no Capibaribe, confronte ao sitio do Sr
Francisco Antonio de Oforeira, com 2 casas,
sendo urna pequea velha, e a outra bas-
tante grande, com 3 salas, ? quitos, cozi-
nha fra, um grande copiar no o}to, es-
tribara para 4 cavallos, urna grande baixa
com capim, e algumas fructeiras : ua rua
Nova, n. 67.
Vendem-se trombetas acs-
ticas que dSo ticas a quem he
moco : no pate do Collegio, casa
do livro azul.
As obras de Bourdalouf, con-
tendo sermoes para a quaresma,
para todos os Santos eoraedes f-
nebres : vendem-se no paleo do
Collegio, casa do livro azul.
Yerdadeiros pratos de Uons-
tantinopla.
Na rua Nova, n. 11, loja de Jo-
s Pinto da Fonseca e Silva, ven-
dem-se pratos para msicas mili-
ta res, dos fabricados em Constim-
tinopla.
Vende-se urna preta de 30 a 40 annos,
sem vicias nem achaques, e que he ptima
para todo o servigo de urna casa : na rua do
Collegio, n. 15, segundo andar.
Vende-se urna scrava de nagflo Ben-
guela, com bom leite para criar, e que en-
gomma, lava de sabflo e varrelU : em Fra-
de-l'ortas, rua do Pilar, n. 85, loja.
Escravos Fgidos
Vende-se chapeos de sol, do seJa, pre-
los, a 4,500, 5,000 e 5,500 rs. rada um, ar-
mag.- de laica muilo fortes; bengali-
nlias de junco, a 2,500 e 3,500 rs. a duzia;
relroz prelo muito forte, em porgflo e a
relalho : na rua do Collegio, n. 4.
-- Vende-se urna porc9o de gado, como
sejam: vaccas pandase mojadas, garrotas
e garrotes, novillias Je casta tourina o no-
bre, por prego con modo : na rua Ha Con-
cordia, quem vem da.ponte, direita, pri-
meira casa.
Vemiem-sc4 molccolesde 14 a 18 an-
uos, sendo um delles bom cozinheiro ; 6 es-
cravas mogas, de bonitas figuras, que la-
vm, cozinham bem o diario de urna casa;
urna pan'a moga, ptima para andar com
meninos ; dous mulalinbos de bonitas figu-
ras, proprios para pagera : na rua Direita,
n 3.
-- Vende-se um rico apparelho para le-
nente-coronel da guarda nacional, tendo al-
gumas pegas novas, como sejam asadrago
as: na rua Nova, n. 43, loja.
n. 17.
Aos Srs. de ciigenho.
vendem-se cobertores escuros de algo-
dflo, proprios para escravos, por serem de
muiladuragflo, pelo diminuto prego do 640
rs. cada um : na rua do Crespo, esquina
que volla para a cadeia.
Vende-se um quarlo melado c novo,
iropriu para cangalha : na rua Imperial,
n. 25.
No armazem do barateiro,
Silva Lopes, na porta da alfande-
ga vendem-se gigos com batatas
novas ; cevada nova e barata ;
farelo em saccas, a 8,000 rs.
Agencia de Edwin ifaw.
Na rua de Apollo armazem n. 6,de 11. Cal-
mont; Companhia,acha-se constantemente
um grande sortimenlo de ferragens nglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixas de ferro coado e batidode dif-
lerentes tamanhos e modelos, moendas
de dito,tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para anmaes e agoa, ma-
chinas de vapor de frga de 4 cavallos, alia
pressflo, reparlideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado.Na mesma agencia acha-
se um sortimenlo de pesos para balancas,
escovins paia navios, ierro em barra, tanto
quadrado como redondo, salra para ferrei-
ro, e urna porgflo de tinta verde em latas:
ludo por barato prego.
--Vende-ae, tarua das Grates, na pri-
meira taberna nova e pintada de azul, caf
em carogo do mclhorque ha no mercado, a
220 rs.; canella em porgflo e a relalho ; pre-
suntos do Pono; p.iosilingoigas; herv-
Ihas grflo de b.co, vinbos, manieiga ; mas-
sas ; cerveja em garrafas e meias ditas; e
todos os mais gneros : ludo por prego mais
commodo doqueemoutra qualquer parte,
por ser taberna nova e nlo ter freguezia
--Vende-se urna escrava|de nagflo Costa,
de idade de 22 a 24 annos. bonita de cara, e
"gura, sem vicios nem achaques, ootima
ensaboade.ra e muito fiel, e se vende por
nao querer estar em casa, e sim vender na
'ua : na rua Augusta 11.17.
Vende-se um lindo escravo perito olli-
cial de carpnteiro: na rua do Itangel,
-- Vende-se bolacha de milho, a 80 rs. a
libra ; cafe em gr9o, a 160 rs. e mais ba-
rato sendo em porgSo, por se querer aca-
bar depressa: na rua larga do Rozario,
Instrumentos de msi-
ca, baratissimos.
Na loja da rua Nova, n. 11, de Jos Pinto
da Fonseca e Silva, sucessor de Guerra Sil-
va & C. vendem-sa cornetas de latSo de
chaves, proprias paralemos, a 16,000 rs. :
ditas de cobre com chaves, a 12,000 rs. ;
bombarton, ou balea de harmona profundo
com pistes, a 35,000 rs ; um bom fagote
por 30,000; oboes de diflerentes pregos
pfanos, a 1,000 rs. -cornetas de cobre sim-
ples, a 10,000 rs.; um carrilh9o, com 11
campainhas, por 12,000 rs trompas, trom-
bones, clavicor.clarina lisos e a pistn,cam-
pas, clarnetasC, violOes, rabecas, flautas,
ilageolets, flautins, rabecOes e violoncellos.
Queijo do sertao a 200
r?. a libra :
vendo-se na rua do Queimado, loja de fer-
ragens, n 14.
-- Vende-se urna escrava crioula\ moga,
de bonita figura, boa engommadeira, cozi-
nheira de forno, cose ch9o, faz varas qua-
l-dadesde doces e refina assucar: na rua
da Concordia, ultimo armazem do madei-
ras, junio a ponte/inlia.
Vende-se,ou troca se por casa terrea!
ou qualquer propriedade nesta praga, um
terreno com urna casinha e olaria, sita na
rua do Seve, com 107 palmos de largura e
de huidos desde a rua da Aurora at a tua
do Hospicio: na praga da Independencia,
n. 17.
Papel para forrar sala.
Acabadechegara loja da rua Nova, n. 11,
de Jos Pinto da Fonsoca e Silva, sucessor
de Cucrra Silva & C., um completo sorti-
menlo de muito lindo papel para forro de
salas, guarnigOfse barras, ludo do melbor
gosto possivel, tendo algum dourndo deli-
cadamente, proprio para adorno de salas ri-
cas, capellas, ou consistorios e duas salas
de paisagens, por prego commodo.
- No Atierro da ila-Vista, n. 1, existe
para vender umso lmenlo de chapeos de se-
nhora, cabegOes o mantas de bico, lengos
de pescogo e de mflo, cambfaias impressas,
lilas, collaiinhoseeamisinhas bordadas, e
mais fazendas baratas* da ultima moda.
jNavuIhas de patente.
Vcndem-se navalhas finas de
patente para fazer barba ; estojos
completos de todos os ferros para
ciruigia, obra muito fina, por pre-
co commodo : na rua da Cruz, no
Hecife, n. 43, loja de Joaquim
Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo.
Vendem-se chales de seda prela, gran
des, pelo diminuto preco de 6,000 rs.
rua da Cadeia-Velha, n. 33.
- Noda primeiro de maio do corrento
anno, fugio, da cidade de Coianna, da rua
da Praia, n. 15, a preta Lolza, (gg) de ea-
talura regular, .corpo secco, bragos finos,
com um pequeo signaj na testa mais pre-
to que a cor, beicuda, representa 30 annos;
he bem ladina levou vestido de chita j
usado e patino da Costa azul: quem a pe-
gar leve-a ao dito lugar, ou nesta praga, a
Boa-Vista, ruada Matriz, n. 5, em casa de
Pedro da Silva Brand9o, que se gratificara
generosamente.
-Fugio.no da 26 do prozimo passado
maio, da .Magdalena, o escravo Luiz, de na-
go, que representa 50 annos pouco mais
ou menos levou caigas de algodflo azul e
camisa de dito brauco com orna lstra em
urna das mangas, e chapeo de palha; tem
os dedos mnimos torados e nos peitos urna
cicatriz ou enruga : quem o pegar leve-o
rua do Queimado, n. 38, loja.
Fugio,;do engenhode Tres-Boceas, no
da 17 de fevereiro passado, um pardo com
os signaes seguiotes: baixo, grosso, sem
barba, de 20 annos pouco mais ou menos,
cabellos enroscados, olhos grandes e aaa-
ropados, bem frito de corpo, pernas e ps,
nariz chato, beigos grossos, bocea regular e
com todos os dentes ; intilula-se forro, e
como tal vem munido de um passaporte fal-
so com o qual Iludi as autoridades da
Barra-Grande : quem o pegar leve-o ao di-
to engenho, ou ao Recife, em casa de lia-
noel Joaquim llamos e Silva que em qual-
quer das parles ser generosamente reeosi-
pensado.
-Fugio, no da 7 do correte,a preta
Flonnda, baiza, grossa, cor fula, cara lar-
ga, olhos grandes, ps chatos; levou vesti-
do de chila rousa com babado por baixo,
panno da Costa azul e um laboleiro que an-
dar vendendo; costuma guardar o labo-
leiro, mudar a roupa e andar pela Boa-Vis-
ta. Roga se as autoridades policiaese capj-
t9es de campo, que a appreheodam e levem-
na i rua da Cruz, n. 53, que serflo genero-
samente recompensados; assim como se
Erolesla contra quem a liver oceulta, e co-
rarse dias de servigo.
Fugio, no da 22 do passado do enge-
nho Agoas-Claras do Uruc, freguezia da
Kscada, da vuva Burgos & Filhos, o escra-
vo Luiz, crioulo, que representa ter 17 an-
nos, cor fula, rosto redondo, nariz afilado,
bocea grande, altura regular, orelhas pe-
quenas; levou caigas de algod.lo de cufiare
j usadas, camisa de algodflo, e chapeo de
palha de abas grandes. Este escravo j foi
deCampoa-Crande : quemo pegar leve-o
ao dito engenho, ou na praga do Commer-
cio, n.2, que ser generosamente lecom-
pensado.
- Fugio, notlia 28 do prximo passado,
o prelo Jos llacei, conhecido por esle
nome por ter vindo daquclle lugar ja ha al-
guns annos ; levou camisa de algotio bran-
co, e .algas de riscado americano,- he de
estatura regular ; representa ter 40 annos
pouco mais ou monos; custa a perceber
quando falla, parecendo lemorato; tem as
candas das pernas signaes de ftidas ; he
segunda vez que se tem ausentado, n9o
tendo saludo do Itecife, do qual agora mes-
mo se leve noticia 3 dias depois da falta o
desde enl9o n9o se pode colher mais noi-
cia algom ; julga-se ter ausentado para o
mallo. Roga-se as autoridades policiaes e
capit9cs de campo, que o apprehendam e
levem-no a rua de Apollo, n. 12.
-- Fugio, no da 12 de margo, o preto Be-
nedicto; crioulo, que representa ter 24 an-
nos, de altura regular, sem barba, rara re-
donda, olhos carrancudos ; tem os ps um
tanto torios e urna das pernas : esle escra-
vo veio do liaranhflo para aqui ser vendi-
do por conta do Sr. r. Francisco do Mello
Coutinho Vilhena: quem o pegar ou der no-
ticia na rua da Cadeia do Recife, n. 51. pri.
meiro andar, ser* gratificado.
ILEGVEL
.: ua m. de .". db mu.1860


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA3SGRT3Y_0SN1A8 INGEST_TIME 2013-04-30T23:33:31Z PACKAGE AA00011611_09787
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES