Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09785


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXIV.
Quinta-feira 6
,L1IIDAI DOS COHBEIOB.
Coianna e Parahlba, segunda, esextas feirai.
Mc-Grande-do-Norte, quintal reir aomeio-
Cabo, Serinhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no i., a 11, e 21 de cada mex.
Garanbuns e Bonito, a8 c 23.
Itoa-VIsta c Florea, a Id e 28.
Victoria, s qulntaa feiras.
OUnda, todo oa dlaa.
..., .^-.^i3a&tiiaMau^ataBaBWMfliawMBariBaawB>Maai
IKIDflBinU.
MIng. a 3, 1 h. e 27 ni. da in.
flova a JO, s t h. da m.
Cresc. al.sHh.e 3 ni. da t.
Cheia a 24, s 11 h. e di m. da m.
imimia o hoje
Primeira a 1 hora e 18 minutos da tarde.
Segunda a 1 hora e t minutos da manbSa.
BBSSBSSBSBSSl^HSSna
limo
de Junhode 1880.
*>
n. nr.
BEpOK DA acBacnsvpAo.
l'ortresinc/.cs(aiiianUiloi) 4/000
Por seis mezes 8/IKI0
Por uui anno 15/000
sefru'.'ifcMUA'ir -jw.to i*iynF>."^-
DIAS DA UHAA.
.'i Seg. S. Ovidio. Aud. do J. dos orf. e do m. 1. v.
4 Tere. S. Qulrlno. Aud. do chae, do.l.da 1.
v. do civ. e do dos feilos da fazenda.
5 Quart. S. Marciano. Aud. do J. da 2. v. do civcl.
(i Quint. Noberlo. Aud. I. dos orf. e do m. da
1. v.
7 Sext. *>B O SS. Coraco de Jess.
8 Sab. S. Salustiano. Aud. da I'tune, c do J. da 2
v. do criine.
9 Doiu. S. Primo c Feliciano.
IIOS KM 5 DE JWHO.
d. por 1/000 rs. a 80 dias.
Sobre Londres. 267,01
Paris, 316.
Lisboa, 100 por cento.
Ovro. fincas hespanhoes......... 29/000
Moedas de 6/400 velhas.. UUSM
de 6/400 novas.. 16/100
d4#)00....4...... 9/100
PrtU.PatacSea brasileiros...... 1/HjO
Pesos columuarios....... IJlinO
Ditos mexicanos.......... 1/820
i^i
a SOjMW
a 1(5/70(1
a 18*200
a 9/200
a 2/0OO
a 2/OUli
a 1/8-ii.
nilMIJIUI SUL.U
PARTE OFFSCIAL.
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 4 DE MA10.
DE 1850.
Ofllcio.Aocommandante das armas re-
metiendo copias do aviso do ministerio da
guerra do 8 de abril nltimo, e das senton-
es i uue elle se refere, proferidas no pro-
cesso verbal, a que responderam alguns dos
officiae* do segundo balalhilo de fuzileiros
pelo desfalque achado no cofre da adminis-
tracSo do roesnio batalhSo.
Dito.--Aoinspecterda thesouraria da fa-
zenda, declarando, que pode expedir suas
ordens, ao inspector da alfandega, para que
consinla no despacho, livre de di re tos de
consumo, deduzentas barricas com cimen-
to, que, segundo consta do olicio, quede-
volve, do inspector do arsenal de niarinha
chegaram de llamburgo para as obras du
niesmo arsenal.
Dito.Ao mesmo para que mande pagar
ao pharmaceulico Joaqun, Jos Pinlo Gui-
marfie, i-vistn dos documentos, que re-
niette, quantia de 91,900 rs em que im-
portaran! os medicamentos por elle forne-
cidos aos enfermos pobres da freguezia de
S.-Antonio dcsta cidade em virtude da por-
tara da presidencia de 15 de fevereiro pr-
ximo Bndo.--lnteirou-se ao referido phar-
maceutico.
Dito.Ao mesmo para que, vista da coti-
la, que remette, mando satisfazer ao Dr.
Joaquim deAquino Foosoca a quantia de
M3,447 rs., saldo que se lhe resta, das des-
pezas fcilas com o hospital provisorio da
Iba do Nogueira, e enterramento dos ca-
dveres couduzidos para a mesmailhs.--
Communicou-se ao mencionado Dr.
Dito.Aocommandante da praca intei-
rando-ode ler S. SI. o Imperador concedi-
do licenca para continuar os estudos dess
arma na es-ola militar ao segundo tenenle
do quario batalhSo de artilharia a r Jos
Feliciano de Figueiredo Carvalho.Intelli-
genciou-se ao inspector da pagadoria mi-
litar.
Dito.Ao mesmo ordenanJo, que mande
addir ao segundo batalhilo de fuzileiros o
tenenlc-aJudanteJos Joaquim de Souza, e
aos Ir nenies Benedito Jos de Barros e An-
tumn aclauu Tuivassos, e Ibes coure la li-
cenca para su prepararen! alini de seguirem
com o referido batalhilo para a corte,Con ,
municou-seao inspector da pagadoria mi-
litar.
l)ito.--Ao inspeelorda thesouraria da fa-
zenda provincial remetiendo o leor das con
dicOes, pelas quaes contratar com Antonio
da Silva GusmSo a illuminacao publica des-
di cidade, alim de que as aprsente ao dito
Gu6mflo, e mande lavrar o competente ter-
mo de banca e o de contrato, se elle aceitar!
as mencionadas condigOes.
Dilo.--Ao mesmo remetiendo a conla do-
cumentada das despezas fcilas com a casal
dedetencSo, alim de que faca acredita'^'
engenbeiro JosMamedo Alves Ferreira n
quantia de 1:973,710 rs., e ordenando qu
mande sdiantarao referido engenheiro mMsj
2:000,000 rs. para conlinuaeflo das obras d
mencionada casa.Inlelligenciou so ao me;
mo engenheiro.
Dito.Ao mesmo envisiWo a conU dasj
despezas feitas com o sustento dos preso
pobres da cadeia de Comuna alim de quej
mando entregar ao alferes Victorino .Muid-
las, e outras quaeaquer Imagens que possua a
referida irmandade.
4. O mesmo presidente conceder tambero
irmandade o uso-fruto do armasein, que lie
ao lado do norte da Igreja da Madrc-de-Deos,
comprebendendo un quintal que servia de ce-
mlterio, e o portan e telheiro, que 6ca ao lado
aa ra da Madre-de-Deos.
5, O mesmo presidente concede igualmente
dita irmandade o uso-inicio de dous quartos
collucadoi ao dito lado da igreja sua escolha,
podendo fazer nelles as obras necessarias para
servirem de guardas de alfalas, e para nelles
fazercni suas sesses.
6. Os materiaea que resultarem da demoli-
lo da capella doSeuhor-lloin-Jesus-das-Porta.s
ntarao pertencendo adininislraco das obras
do melhorainento do porto, que far a deinoli-
cao sua custa, e em indemnisacao dos mate-
riaesdar irmandade a quantia de 2:500,000
rs. Neste sentido fizeram-se as convenientes
conimunicacocs.
Dita. Plomeando nterlnamanle para o lu-
gar de portelro da pagadoria militar Targino
ilverlo de Sauza Magalhaes, visto nao ter a-
ceitado o dito lugar Manoel Pereira do Canto.
Communicou-se ao irtpector daquella repar-
ticao.
Dita. Nomeando subdelegado da freguezia
da Boa-Vista desta cidade ao cidado Rufino
los Correa de Aliueida. Scienlifcou-se ao
chefe de polica.
Dita.Ordenando ao director do arsenal
de guasca, que manda manafacturaa caises
de pinho para o enterramento dos cadveres
de primeira llnha que fallecerem no hospital
militar.
ra de Souza a quanlia de 118,910, emquej
importa a citada conta. Signilicou-se J
chefe de polica.
Dito.Ao procurador fiscal da thesoura-
ria da fazenda.Conslandu-me, que Jos
Francisco Bellom tcm um armazem, que
se acha edificado sobre as muralhas, e ter-
renos oceupados pelo antigo Forte do Mal
tos, e parecendo, que a dita edificc3o fui
frita clandestinamente, e que o dito Bcllen
se tem conservado na posse do dito arma-
zem abusivamente, o por negligencia das
autoridades, a quem cun pro zelarospro-
pi ios nacionaes, e impedir sua usur^acao
por particulares, ordeno a Vmc. que, por
via do arcan oonipetenle, faga com que o
dito Bellem exiba peranle ojuiz dos feitos
da fazenda os ttulos de sua occupacSo das
muralhas e terreno, pertencente ao Forte
do .Mallos, e que exhibidos os ditos ttulos,
niio sendo viles suflicientes, psra lhe trans-
ferir o dominio, liaja Vmc. de revindica-
lo para ter o uso, quo o governo imperial
houver de determinar.
Dito. Ao inspector da pagadoria militar,
remetiendo a conta das despezas feilas com o
nti i ro do finado lente da quarla ciaste do
excrcito Joo Fernandes de Lastro, alim deque
mande pagar ao lente coronel coiniiiandaii-
te doquarto balalhodc artilharia ap a quan-
tia de 17,200 rs. em que importa a mencionada
conta.Iiitelrou-te ao coiiunandanie da praca,
Hilo. Ao engenheiro Jos Mamede Alvet
Ferreira, para que faca com urgencia o oixa-
menlo do caea e rampa do Porto-das-Canas
do bairro do Recife de conformidade coiu a
planta da cidade.
Portarla. 0 Sr. capitn da mar e guerra
TRIBUNAL DA HfiLACAU'.
SESSO DE 4 DE JUNUO DE 1850.
PRESIDBNCU DO EXM. SF.NHOR 00""
SKI.IIEinO AZEVEDO.
A's 11 horas da manilas, achando-se pre-
sentes oa Srs.desembargadorcs Ramos, Villa-
res. Bastos, l.eo, Souza, Rebello, eTelles, fal-
tando com causa os Sis. desembargadores Pon-
ce e Luna Freire.o Sr. presidente declara aber-
ta a aesso.
JULOIHBNTOS.
Apptllacof civtt$.
Appellantc, Jos Antonio Gomes Jnior : ap
pcll.nl.i, -loan Pinto de Lcmos Jnior. Con-
firmada a sentenca.
Appellante, a adnuuistracao do hospital de ca-
rldade; appellada. Bita Mara do Carino.
Vista ao desembargador procurador da co-
ra e ao curador geral,
SEV1SES.
Passou do Sr. desembargador Villares aoSr.
desembargador Bastos a seguinlc apprllacau
ni que san :
Appellante, Joao Malheus; appellado, Juliao
Pegitineur.
Passou do Sr. desembargador Tellcs ao Sr.
desembargador Ramos a seguinlc appella;ao
em que sao :
Appellante, Antonio JosPcrcira; appellado,
LuizRodrigues Samlco.
Niio houverain mais julgaineulos por falla do
Sr. desembargador Luna Freir.
Levantou-se a sessao ao meio da.
EXTERIOK.
i irmandade do Seuhor-Uoni-Jesus.das Porta
um contracto sobre as seguimos bases.
1." A innaiidade ceder a capella do Senbor-
llom Jesus-das-l'm-ias edificada aobre o arco,
em que termina a ra da Cruz ao goveruo para
o faier demolir.
2." As imagens e todas aa alfaias serio reti-
radas da capella, e ella entregue ao dilo Sr.
Inspector do arsenal de marinha, at o dia 9 do
crreme.
3.a O presidente da provincia, autorliado pe-
la lei provincial n. 5o-, concede irmandade
do Senliui-Hiiiii-Jesus-das-Portas o altar-mr
da Igreja da Madre-de-Deos para nelle ser enl-
locada a imagem do Seuhor-bom-Jesus-das-Por-
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PEIIiN'AMBUCO.
Parh, 20 de abril de 1850.
Eis-nos outra vez em plena gitar;ao elei-
toral. Desta vez s temos um representan-
te a nomear em lugar do Sr F. Vidal, que,
eleito om Estrasbourgn e Pars, optou por
Estrasbourgo. Esta eleicSo he importantis-
si na, porquanlo, se o partido anarcliico,
qiin nos venepu o mez pastado, obtivesse
n la vanlagem, sua audacia n3o cunbece-
ria mais lmites; ecada instante estara-
mos expostos a tinu nova e sanguinolenta
insurreigao. Isto posto, de ambas*as parles
P'eparam-se para a lula comsummo arJore
actvdade.
A escolha dos amigos da ordem recahir
em principio sobre um homem quo Icm no-
me celebro e pootilar em Franca, sobre o
Sr. Fernando Foy, filho do general Foy,
que tanto se illustrou n-s guerras do impe-
rio; e que depois, sb a restauraco, ad-
quiri grande nomeada como deputado.
Mas os legitimistas, com os quacs sempre
levemos enlcnder-nos, nSo quizeram acei-
tar essa candidato, por causa m letras par-
lamentares que seu pai susteniou contra a
restaurarlo. Entraram, poi, na busca de
um novo candidato que a todos podesse
convir, e achara m-no. Ghama-se Lcclere;
he um negociatinho de Paris que se distin-
gui por muso acto, lio vertlade, mas por
um acto digno dos mais bellos dias da anli
guidade.
Em o mez de junho de 1848, quando re-
bonlou em Paris una terrivel insurreicSo,
Sr. Lcclere, simples guarda nacional, reu-
nio-so sua companhia com seu filho,
e, ambos denodados, despejaran! suas es-
pingardas sobre as barricadas. Seu filho.
ferido por dezesete balas, calno-lhe morlo
nos Iliacos, i;,se pobre pai deixou as filei-
ras para acomranharao domicilio o inani-
mado cor, o de seu ilho ; mas, una hura
depois, eslava pela segunda vez em seu pos
lo de honra com um mancebo do iKannos,
o dizia ao sen capilSo : Perd meu lilho
Rodriflo mwjjdoro**Z*ffffg!j>"- primognito ; eis o segundo, a quem dei
seal de marinha he eacarrrgado de lazer com *.. .,' .m5 'E ,i;.. .
espingarda de seu irmuo. E durante cin-
co das pai e lilho, concentrando na alma
sua justa dr, heroicamente participaran
dos perigos da horrivel balalha
Tal he o homem que com entbusiasmo
fo cscolhidoe aceito para candidato de Pa-
rs, por todas as fracefies' do partido da
ordem.
Os demagogos tambem h'zeram sua esco-
lha: os delegados, que ellos encarregaram de
examinar o mrito dos candidatos e prufeiii
um juizo a respeito, elles hesilaram poi
longo lempo. Uns queriam elevar a eerto
jornalista, famoso pelo mal que fez a todos
osgNernos; quero dizer, o Sr. Emilio Gi-
rardin. (miros teriam preferido o Sr. Du-
pont de l'l'.un-, antigo presidente do go-
verno provisorio, homem honradissimo ;
mas que mnilo carece de descanso, pois,
conta 83 annos de idade. Otilrosemfim ( e
esses eram os mais decididos) insistiam
em que se nomeasseum simples soldado,
com o fim, mais que muito evidente, de n-
troduzir a indisciplina no exercito. Me-
iihtinia dessas tres candidaturas prevalecen;
mas, emquanlo os delegados deliberavam,
um quarto nomo foi posto na dianteira, e
esso nome rounio de repente a grande maio-
ria dos suffragios. Esse candidato favore-
cido lio o Sr. Eugenio Suo, romancista cle-
bre, uo por t liento,oas pela mmoralidaJe
de suas obras e pelo odio feroz que votou
sociedade.
Itevoltararn-se as pessoas hnralas con-
tra essa candidatura que d do Sr. I.eclere
quasi infalliveis probabilidades de successo
A eleicito de Paris he o que agora nosoc-
cupa mais. Entretanto, una terrivel des-
graca, que acaha de succeder em Angers,
affectou dolorosamente a opiniio putilica
lie Angers cabeca de depart ment a 75 le-
goas de Pars. Um batalho do decimo-
primeiro regiment do infanlaria ligera
vinha presidiar essa cidade, construida as
duas margens da ribeira do Meno ; e tintn
que atravessar urna ponte suspens para
encaminhar-se ao seu quartel. O lempo
era horrivel; easagoas do Meno tinham
luchlo como em mar alto. O balalhilo
acliava se quasi todo sobre a ponte, quan-
do de repente um dos catabres que suspen-
dan) esa ligetra couslruccfio, rebenta com
eslrondo ; os soldados correm para o outro
lado da ponte, mas o segundo catabre que-
bra-se tambem ; a ponte alie, e os pobres
soldados sSo precipitados na ribeira coto
armas e bagagem. O salvamento era quasi
iiiji'i-siv 1 ; e esses infelizes, quasi todos
f rolos por suas propras armas, esfor-
c m-se para evitar a moitc. Quasi todos
morrem.
Dolorosissimo espectculo era esse ; e to-
da a populacflo de Angers eslava as mar-
gens do rio, desesperada e gemente; pois
nenhuma forca humana poda conjurar esse
horrivel desastre. As victimas dessa horri-
vel catastrophe silo 280.
Assim que o presidente souhe disto, par-
ti para Angers, onde anda se acha. Su
presenca prnduzio ptimo effeito : ella pro-
vou sua solicilude pela sorte do .soldado.
Elle visitou os restos desse infeliz batalho,
e iliiu aos quesohriveram as eonsolacoesc
soccorrosdequeprecisivam. Abriram-senu-
merosas subscrpcies em heneliciodos feri-
dos, e s familias dos que sticcumhiram ;
mas quem restituir franca essa brilhan-
le e vigorosa mocidade que um fatal golpe
lhe arrebatou ?
Pouco interessantes foram os Irabalhos de
asscmlila durante esta quinzena, ao menos pa
ra os eslrangeiros Ella continunu a discutir
o budgtl, c um projecto de lei relativo depor-
tacao por crimes politicos, cujo lugar ser urna
das illi is Marquezsi, Vinlenlisslmos foram es-
ses debates, niaisainda no pioduziram resul-
tado.
A praca do Commerclo resentio-se mullo dos
sustos que causou ao publico aelei(aode)0
de marco ; pois os fundos baixaram maia de
cinco francos. Como a candidatura de Lcclere
est decidida, e o partido da ordem tem certe-
za de vencer, nolavel differenca ha lido lugar,
e creio nao lie.ir.i ahi, alm de que o governo
nostra-se leloso c enrgico. O prefeilo da po-
lica adoptou ha pouco una medida que pro-
duzio bom elleito. Os vagabundos formigam
em Pars, bem como homens ja coudeinnados
pelajiittica, os quaes commcitem crimes nu-
merosos, e as levoluces sao os mais resolutos
soldados da aoarchia. Mandou o prefeilo preu-
d-los ; e o tribunal inlerroga-os agora acerca
do seu lugar nativo e seus meios de existencia ;
se nao sao de Paris e nao trabalham. sao esput-
aos chile.
Allemanha, l'ruiiia, Auitria c Ruttia. As
desavencas da Auttria e Prussia acerca da capi-
tularn federal do estado allemo niio eslao
acabadas. A corte de Vienna nao gosla do par-
lamento d'Krfurth. Ella quer absolutamente
o termino desle ultimo acto da comedia dema-
ggica que se representa ha dous annos. I-.I
rei da Prussia parece ligar-se aindi ao seu par
lamento pois foi elle que o ideiot, mas o prn-
prio parlamento procura desgosla-lo ; e isso
por querer obrar sempre mi libiium ; em vez
de seguir a direccao que el-rei quer dar-lhe.
Asiiiu, a maioria acaba de decidir contra o pa-
recer do monarcha e dos ministros, que acei-
tarla a constiluico eingrosso, mas que a revi-
sarla depois: deciso que foi muito mal aco-
Ihida coi Berln. De outro lado o imperador
da Russia sempre induentissimo nos negocio!
alleines, faz enrgicas observaces a Krederi-
co Guilbernie, apoiadas ein demonstraces mu
significativas : pois 100,000 Russos acabam de
poslar-sc na Irouteira prussiaua. Eu nada re*
ceio pela guerra, nao obstante tacs demons-
trares; cstou convencido de que os dous uio-
narchas chegaro a um aecrdo, assim que u
questo for aerlamcnle considerada por cada
um delles ; o que nao parece estar muito Ion-
ge, pois, aiinuncia-ae que ter lugar nos pri-
meiros dias de maiu : haver urna conferencia
em Varsovia entre os dous imperadores c el-
rei da Prussia.
Auini -- O governo federal submclleu-sr
complelaiiienle s justas exigencias da Prussia
e Austria no locante aos refugiados: elle pres-
creveu a clu-oUn, ;io e expulsan das coiporaces
de obreiros alleines, espalh-dos no territorio
helvtico, os quaes nada menos eram do que
conspiradores arregimenlados.
Inglaterra.^Viva he a luta na cmara dos
communs entro o ministerio whigh e os to-
ryes hbilmente dirigidos pelo seu novo
ene fe o Sr. D'lsraeli, relativamente pri-
meira quesillo da inmediata reducto das
despezas,provoclo por urna tnodilicac,3o do
Sr. D'lsraeli : o ministerio venceu-a por tres
votos apenas. Sobre outra queslSo relati-
va aos direilos do sello, em materia de mu-
lilacHo de propriedade, foi adoptada ama
emenda Fory por urna maioria de 33 votos ;
e lord John Utissel fji forgado a realisar o
$90 bul. Entretanto, a dias passados o mi-
nisterio obteve urna pequea vanlagem. El-
le mandou repellir, niio obstante o Sr. D'-
lsraeli, pelices quo solicilavam a abolicSo
do sello dos jornaes e a laxa sobre os an-
nuncios e o papel.
Uespanha.O general Varvaez acaba de
safar-se com honra de urna difllculdaile que
a poltica enreda lena e desleal de lord Pal-
mersloii lhe tinha suscitado. Vmc. lem-
hra-secomo o agenta de lord Palmerslon, o
Sr. Bulvver, fo expellido do Madrid, ac-
ensado de injerir-se nas intrigas e coiisd-
ragOes dos progressistas. O Amliaixador
hespanholem Londres devia, pois, ser cha-
mado; c as duas corles jazam em plena
ruptura diplomtica. Esse ootitetide aciha
de arranjar-se. gracas mediar;.7! i do rei da
Blgica ; mas lord Palmerslon niio obteve
a satisfaeo quedpsejava. Elle quizera que
corte de Madrid fosse obrigada a acolher
como representante de Inglaterra esse mes-
mo Sr. Bulvver que, ella havia expellido. Is-
so niio ter lugar : o Sr. Bulvver ficira etn
Washington, lal he a deoisflo do rei dos Bel-
gas, a qual satisfaz plenamente N'arvaez u a
llespaohs.
liorna.--Emfim he certa a entrada do pa-
pa em seos estados. Um despacho telegra-
pbico ;ii,ntiiii-i-i que o santo padre poz p
na sua capital no dia 12 de abril, entre as ac-
cla macos enthusiastas da populaco. Gor-
respon leticias particulares dilo os detalhes
acerca da jornala de, Pi IX, o qual foi em
toda a parle admiravclmente acolhiJo. O
rei de aples e sua familia aconjpanharam
no al fronteira romana.
PE:.NA:MBUCO
as:
M.
PROVINCUL
SESSAO ORDINARIA EM 31 DE MAI0
*IiE 1850.
paMDMCU B0 Sr. dominos mlqui\s con-
tinuada TELO SE. PEDRO CAVALCtNTI.
(Concluslo.Viie Diario n. 126 )
O Sr. Alel Regn podara deixar tle fallar
sobre a materia em dlscusso, ltenlas as
valiosas co' sideraco. s t|iie acerca della fi-
zera 0 seu nobre collega, relator da commis-
lBo mas, como complemento a cssas con-
sideraces, notar a palpavel conlradicciio
em quea opini.1i> manifestada boje por um
dos iiohres dcpnlalos que conihulerain a
imposiefo de JOO ris por caheQa de gado
consumido, se acha com aquella que elle
midi quando sustenlou o seu projecto so-
bre o mntadouro. Entilo esse nobre deputa
dojulgava que o povo nada soffreria cotn o
imposto de mais 1,000 rs. sobre cada rez ;
agora receia que o de 500 rs. ( motado da-
quelln,) vexe a populac.no a tal ponto que a
con luya ao desespero, e prorompa por con-
teguiltle nos excessos que s'm cotnmet-
ler os quo ebegam a tal estado .'...
Qiianto ao disimo de capim, pede o ora-
dor ao seu nobre collega, quo nSo desista
(elle, pois que niio ha fmpossjibijidade em
extremara renda desse disitno pertencente
ao municipio do llecife daquella que cabe ao
le di n la : mas >."i, dilliculdades que p-
dem ser removidas por quem liver deexecu-
tar a lei.
U Sr. Jos Pedro insiste de novanientn nas
suas i leas, prorura demonstrar que o im-
posto he gravoso, e faz diversas considera-
efies geraes corna da materia.
O Sr. Cuedet mesa aa segnintes emendas i
Em lugar de 500 rs diga-se200 rs.
limbf/ino.
a Por carros particulares de aluguel a rs.
10,000 cada um.~I'ml>elino
Apoiadas entram em discussilo conjunc-
lamente com o arligo e seus paragraphos.
Tambem vai a mesa e he apoiada para en-
trar em discussflo a scguinlfl emenda.
Ao i lfi.F.m lugar de 500 rs.--diga-se
320.--lioripes
O Sr. Carneiro da Cunan : Sr. presiden-
te, eu niio enlrarei em clculos iiiianceiros.
Kstudei, he verdade, economa poltica,
quando frequentei o curso jurdico ; mas de
todas as materias em que fui ah leccionado
esta he justamente a de que menos me lom-
bro. As mtihas rasOes, pois, nSoseroda
naliire/a daqnellas que, por envolvidas cni
termos teclinicos, e s conhecidas pelos
homens da scenca, cscapam ao povo, e no
pdem serpercehidas por elle : cu argumen-
ari'i com os Tactos que eslilo ao alcance di
lodos, e quo poden ser apreciados por to-
dos.
Scnhores, o servco do matmlouro n:1o be
1,1o caro como o nobre deputado suppOe, e
nos que fazer acreditar. Os liomens que del-
la se cncarregam, oque, soba denomina-
co de r.'.'ipn2, estio debatxo da drpeefto
do um tiquemiLlo o titulo de meslre, recc-
hem a paga de seu Irabalho quo consiste cm
limpareni as rezes rara torna-las mais bo-
nitas e vendaveis, noem dinbeiro, mas em
carnes moras, que, segundo as informacOes
que me deu um desses mesmos campia,
sSo reduzidas a certos mullios oque elles
denominan! pr.nhos, oque vndenla prego
tal, que Ibes rende toreada reza quanlia
de 400 rs. Ora, lenlo o nobre depulado es-
labelecidono sen projecto de matadouro o
imposto de 1,000 rs. sobre cabeca de gado
vaceum consumido, dispensados os mar-
chantes do gasto que hoje fazem com os
campias; e creando o $16 do artigo em
l iscussio o de 500 rs que, addcionados aos
400 rs. de que cima fallei, prefazem a sotu-
rna de 900 rs., segue-so que a medida, pro-
posta pela commissSo de que sou relator,
he mas econmica do que a do nobre de-
putado em nSo menos de 100 rs. e por con-
seguinlo mo he to gravosa como se lhe fi-
gurn,'. Eme nao observe alguem que os
marchantes se sujeitarilo mui voluntaria-
mente a esseaccreseimo de despeza de 100
rs., de que lhos resultar n vantagem de te-
rem nos acougues as carnes limpas e promp-
tas, sem que tenham de entender-so com
os campias ou com o individuo que os di-
rija ; mo : esses serventuarios leem a sen
cirgo corta operapSo de que provm gran-
de lucro ao* marchantes, e quo estou per-
suadido mo ser feiln por agentes da cma-
ra municipal ; porque, em ultimo resulta-
do, essa operaciio nada menos he do que um
logro que se prega ao pobre povo. Eu a
testemunhc : consiste em tirar urna porc.lo
Je gordura do hoi que a tem e:n abiin.luii-
cl para com ella om feitarosqtiarlos daquel-
lo quo i n3o tem, e dest'art'i vender quasi
qalo por lebrc ao misero comprador. Eu,
Orno j dsse, vi fazor essa operario niio-
'ente ; e, perguntando ao homem que a pra-
ticou qual o lim della, esse homem aeanhou-
se, torceu-ae um noueo, a alnal cnnteiitou-
''i'im o dizer-me que aquillo apenas ten-
da tornar a carne mais bonita.
Hemais, o resultado dessa imposicSo t m
de ai roveitar smenln aos municipaes do
llecife, porque della resultara cmara des-
ta cidade os meios de que carece para curar
dos beneficios maleriaes a seu cargo; e,
pois, he justo que s elles a paguem. Em
aparte, o! ,oi y.i -o" um nobre deputado des-
te la lo, queso dexam de ser municipaes
as puntes eestra.las i|ite diiopassagem de
lim para oulro municipio, que por outro
meiose n:lo possum communicar. Aceito a
tbeoria, niio obstante resultar della que
inuit'is das nossas csUa.las e puntes devem
de ser reputadas geraes e niio provinciaes :
e pergunto ; lilu cohimunracjlo de um ra-
ra outro municipio as ponles do Recife,
Ba-Vista, AfogadOS e Passagem-da-Magda-
lena '! Facilitan! a passigem >e utn para ou-
tro municipio o caes do Collegio, o da ra
d Aurora, o do porlo das canoas, os calca-
roentos dos pateos do Carmo eS.-Pelroi'
l'arece-me que no. Logo todas essas obras
silo antes municipaes do quo provinciaes; o
entretanto he a costados cofres da provin-
cia que se ellas teem feito, e se continuam a
fazer.
Sr. presidente, o povo pagar satisfeito
qualqucr imposteilo, quando vir que o pro-
ducto della aproveita a todos ; mas mur-
murar, e, quanto a mim, com milita rasilo,
quanlo reconhecer que os dinheiros pro-
venientes dos impostos como que seescam
em o pagamento de um pessoal iminenso^"
em illuminacio para a cidade do Rcife,'
em costosas ponles com grades de ferro pa-
ra a cidade do llecife, em bellos caes para
a c>dadfl do Recife, em passeios e calamen-
tos para a ci.lade do Recife .'...
Remis, se he reconhecida e palpitante a
necessidade da crearmos rendas para a c-
mara desta cidn le, para que no continuo
ella a fazer o papel de filho prodigo que,
com prejuizo dos irmSos.cotisime urna gran-
de parte da fortuna dos pas ; e su essas re-
as se mo piletn crear sen.lo por meio de
ImposicOes, recaam ellas sobre objectos de
industria tes como o gado, em quo a natu-
i e/a quasi que obra por si s, e sem auxilio
dos esforcos do homom.
Eis o que tenho a dizer : fico por emquan-
lo aqu
O Sr. Francisco lona :--Sr. presidente, le-
vantei-me para justificar o pensamnto,
que de algum tr.odoconsigne em urna rnen-
la quo li'. ao 17, e que redgi assim :
Ao 17.-20,000 rs. por cada licenca de
soltar i'o.'o do ar, e 4,000 rs. pelas de fogo
le vista, ou preso.*
Pela ni i ii ha emenda, esta contribuido be
elevada, porquanlo a cotntnissilo a estipu-
Iou cni 1,400 rs.
Sr. presidente, crcio que niio devemos ser
protectores senilo das industrias honestas,
e que mo sejam prejudiciacs saudo e ao
socego publico : sempre quereconhecermos
que do exercieio de qualquer industria nos-
te, O'i naquelle poni resultan! prejuizos a
sadee ao socego publico, ceio que n s
corre ubrigaeo de restring-la tanto quan-
to fr possivel. Eu sei quo no Rio de-Ja-
neiro eem oulros pontos do imperio exis-
em fogueleiros que teem dado largas a seus
estabelecimenlos; mas tambem sei que em
outras parles lie prohibido o fogo do ar,
visto que se reconhece o damno que delle
,'o,l provtr : mo proporei a prohibico
dessa industria, sujeita-la-hei a um impos-
to ; aue ten o por lim, no extingui-ls, mas
eercei-la o mais possivel, para que tambem
sejam menores os males que della pdem
resultar. Isto cabe muito em nossas attri-
huicOes ; e n5o devemos recuar ante as mo-
lidas que houvermos de tomar a respeito,
embora nos tragam por diante a claso dos
logueteiros...
OSr. Guedei de Mello : Porque ho pe-
quea ?
O Sr. Francisco Joflo:Niio, pequeos so-
mos todos mis : quandu temos de adoptar
urna medida que leudo a promover o bem
eral, ou evitar os males que pesam sobre o
o lo, mo nos deve embaracar os interes-
ses das partes. A minha emenda lem por lim
lar verdadeira direcgo a essa industria :
fu; io (fogo preso, o no solt que muito
prejudica. Respondido assim o aparte do
nobre deputado, Sr. presidente, V. Exc. me
permitir queeu, sem terdesejos de offen-
der a ninguoin, declare mui solcmuemenfe
que me sinto disposto a repellir com todas
1'rc.as as insiuuaces de quem quer que,
suppondo so com direito a di reedito desta
casa, e querendo mpor as suas opinlOes,

II FGIVFI


^
tambern se julga atitorisado a passar publi-
cas rppnmends aos scus companheiros
que, slem de Ihe negarem semelhante auto-
ridades, estilo lilo altamente enllocados que
nSo pudein ser altiugidos pe/as suas sellas
Islo prevenido, Sr.presidente, entrarei en>
algumas consideractfes sobre esse novo im-
posloa que o nnbte deputado quo defronlc
de mim se assenla quer sujeitar os carros.
Os carros, que n3o s3o objecto puramen-
te de luxo, o que tambem servnm para com-
moddadeda vid, ja pagam una imposicilo
geral. Se islo nSo for, eu acompanharia ao
nobro deputado em seu pensamenlo ; mas,
dada esta circunstancia, parece-me que a-
penas nos reta dirigir uma representar-o
ao governo geral, solicitado-llie providen-
cias que tendam a restiluir s municipali-
dades esta n outras imposices que, para as-
simdizer, Ibe Tram usurpadas. E nessa le-
presentacil que, dealgum modo, eu estou
comprometido a iniciar, n1o lio possivel
como parecen ao nobre deputado, pedir
medidas contra o deleixo dos cocheaos
porque ellas estilo inseridas as posturas
rminicipaesje, senilo tem produzido o seu
eneito, be porque essas posturas nSo tem
lulo a devida execuco.
Teilas estas rellexoes, Sr. presidente, eu
passare a outras sobre o imposto de 500 rs
sobre cabera de gado consumido.
Para sustentar essa imposii-So baslam as
rases que rom tanto acert presentaram
o nobre relator da commissflo de orcamcnU
municipal e seus coegas : eu, pois, nata
addilare a este seu trabalbo, que, por bem
acabado, nSo precisa da mu,lia fr.ca coad-
jiivaciln; apenas quero communicar casa
o que be o meu pensamenlo de cada dia, o
meu sonlio de cada noite ; quero dizer o
desejo que tenbo de dirigir os impostes de
modo que a renda de cada un delles lenlia
uma applicxco especial, e no va parar to-
da aos cofres da provincia, para constituir
urna reccita usurpada, e causar graves in-
convenientes.
( Trocam-si Jircrioi apartet, e/re 01 Sr.-
Hur pe, o Orador e i\xud*s de .Vello ).
O Sr. Presidente observa que quem
tem a palavra be o Sr. Francisco Jlo.
O r. Francisco Jodo laz mais urnas breves
n llexOes, e conclue o seu discurso.
Subniettida a considerado da casa a e-
menda do Sr. Francisco Julo, beapoiada,
e entra em discussflo juntamente cum a
oulr.
, O Sr llandeira di Mello : Sr. presiden-
te, ii.lodesconbecoa necessidade de se im-
prtr, puraque seaugmentem s rendas mu-
nicipaes; porque be por falla de reudas
que ellas no pdeni fazer muitasobrasa
que estao obrigadas. Entrando nesla rasa
porm, en nao Irouxe a intenrilo de volar
por novas imposices, porque receiava que
ellas apenas seiviriam para o augmento de
ordenados a empreados pblicos ou para
despezas sem proveito: felizmente esle meu
receio se vai desvaneceodo ; creio que o
criterio da casa nao consentir que ao ac-
crescimo de salarios se Mcriflquem as ne-
cesidades publicas, unicas que tdeui au-
lorisnr a creacJJo de imposlos. Islo posto,
abalanco-me a propdr urna nova iroposiciio
e he o que consigno no ait. addilivo que"
ora mando mesa.
Vai a mesa e be apoiada a seguinle e-
n.enda :
-< Por cabera de gado suinoaoo rs. ove-
Ihuin 100 rs. as cidades do Itecife e Olin-
da, este imposto sera cobrado pela entrada
desse gado ; nos inais municipios se cobra-
ra pelo consumo por venda a retallio --
llandeira.
Encerrada a discussao, approvou-se o art
com os seus paragraphos, excepto o 16
ea primeira parte do 17.; o be... assim o
art. addilivo do Sr. Bandeira de Mello e
uma emenda do Sr. Castro l.eilo ao ti 10 '
O mencionado 16 e a 1." parte' do'n
licaram adiados juntamente cun a emenda
do Sr. Francisco Juflo, por ter bavido em-
pate na vi tacSo.
O relogio da casa marca niais de tres
horas.
O Sr. Presidente designa a ordem do da
e levanta a sessao.
Exm. presidente da provincia, para lva-
lo ao conhecimento da assembla dests pro-
vincia, afim d'ella resolver conveniente-
mente.
Foi lambem lido, e ficou adiado at que
consto que a assembla provincial marenu
gratiicajlo para os liscaes suplientes,
quandoesliveiein emexercieio, outro pare-
cer da mesma commiss3o sobre a idonei-
lade dos individuos, que requereram di-
tos empregos.
Sendo lido um otlicio do advogado da ca-
sa, que se achava adiado, citando a lei,
que trata sobre o ordenado que devem per-
ceber aquelles que servem os lugares de
depulados, que silo empregados pblicos,
durante o lempo das sesses. deliberou a
cmara que o porteiro que se achava fazen-
do as vezes de secretario, percebesse o or-
denado deste por inloiro, eoajudante do ..
porteiro mais antigo, o ordenado deste, alto de reuniSo dosque se destinavam ex-
pnncipiar do primeiro de Janeiro do cor- Ipedicflo
rento anno,-Mandou-secomruunlearao pro- o coli
a
da, em vez da de 21, para oaxercicio dos di-
reitos politicos ; que alm disto se exigira
lambem a residencia de tres anuos no mu-
nicipio, e cria-se que uma multa seria im-
posta aquelles que, sem motivo sulliciejite,
se abslivessem de votar.
as noticias dos Estados-Unidos alc.aiic.ani
17 de abril.
O gabinete de Washington achava-se em
erise. Corria que lodosos quatrosecretarios
dariam a sua demissSo dentro de poucos
dias, equeseriam substituidos : o do esta-
do, por Mr. entienden ou por Mr. Bell; o
do thsouro, por Mr. Ceorge Erans ; o da
guerra, por Mr. itenlry ; e o da marinha,
por Mr. Tilomas BulterKing.
Omovimento intentado contra ailhade
Duba anda no tinha sido abandonado, pe-
lo contrario ia .'om progresso. O porto
boasdeamarello, 10 paco tes fio porrete, i
piano com seus perlencese 1 retrato.
Santa-Calharina, brigue nacional Concii
cao, de 192 toneladas : conduz o seguinle :
30caixasdoce, 20 pipas vnbo tinto, 10
harris manteiga e 50 barricas farinha de
trigo.
RECEBEDOBIA DE RENDAS CERAES
LNTERNAS.
Rendimento do dia 5......556,435
CONSULADO PROVINCIAL.
Ilendlmento do dia 5......,1:292,897
5.* Para tudo mais que no estiver de-
terminado as presentes clausulas, seguir!
se-ha iuleiramente o que dispon o mencio-
nado regulamento de 11 dejulhode 1843.
Recife, 7 de maio de 1850. O enge-
nheiro do termo do Reeifo, Joi Mamede Al-
vei Ftrreira.
de Chagces no isthmo de Ranam era o pon-
' pro
curador e con-tador.
O vrreador Carneiro Monteiro, encarre-
gado de ultimar a compra do terreno desig-
nado para o cemitorio publicoapresentou a
respectiva escriptura de venda, lavrada no
dia 25 do correte, com a qual despendou a
(juaulia de 10:633,720, a saber : com o custo
do terreno, siza, escriptura, distribuicilo,
sello, e procurado ; igualmente apresen-
tou documentos legalisados, pelos quaes
mostrou ter despendido mais a quantia de
766,880 rs. com as despezas da obra do aque-
duclo do palco do Carino, e com as ferias
dos trabajadores do sitio um que est si-
tuado dito cemiterio : em virtudo do que
considerou a cmara o dito voreador deso-
nerado, tanto da quantia de 10:6(10.000 rs.,
que havia recebido do procurador para con-
cluir a compra do referido terreno do ce-
milerio romo da de 800 000 ris que se ti-
rara do cofre, ese Ihe entregara para acu-
dir as despezas da obra do mencionado
aqueducto, como ludo consta da acta de 19
do corren te; os quaes documentos foram
entregues ao procurador para instruir as
suas cuntas, mandando a cmara remelter
a cunladona a copia dosupradila escripia-
colera tinha rehentado em llavanna.
Por noticia de Venuzuela abemos que a
cidadede l.aguayra fra inteiramente con-
sumida p?lo fogo, escapando smenle dous
edificios A perda ho avaliada em 2:000,000
de dolais.
0 congresso de Venezuela decretou a sol-
tura do general Paez.
Em Londres os consolidados ficaram de
95 3|4 a 95 7|8 ; as apolices do banco de206
a 207; os fundos brasileiros aS6 1|2; os
cinco por cento portuguezes a 85 1|2 ; eos
quatro por cento ditos a33 1|4.
Corespoiidericia.
Sr. redactor.Bastantemente me sorpren-
den a corres pondencia do Matulo da Ei-
cada, inserta no n. 71 do seu Diario NSo
pensei.no retiro em que me acho, queal-
guem commigose mportasse. para me ala-
ear da maneira por que o fez o seu corres-
pondei.te, nao dandoeu para isso motivo
algum.
Infelizmente estamos, Sr. redactor, em
umn poca, em que nada se respeita : ha na
ra, para della extrahir as notas, que devem laclualidade uma tendencia para se desacre-
ser lancadas no livro do tombo. Hitara outrem, quo por mais que este regu-
Poucu depois o procurador participou [le suas accCes, e as ponha em harmona com
que liavia recebido do dito vereador Car-
neiro Monteiro, em documentos o valor de
775,650 rs., leudo restado ao dito vsieadoi
a quantia de 9,370, excesso da despeza feta
comparativamente com odinlie'iro recebido.
Desiactiaram-so as pelic,oes de Antonio
Joaquiui Ferreira de Souza, de Antonio Ro-
drigues ISanelo, de Jos Francisco Marinho
e outros/de Jos Antonio de Araujo, de Joa-
quim Jos Carneiro Monteiro, de llanoel
Jos Patricio, de Manoel Domngues Janua-
rio, de Jos Antonio de Azevedo, e levan-
lou-sea aessfio,
Eu, Manoel lerreira Aecioli, secretario in-
terino a escrovi. --Mamle, pro-presiden-
e. Yianna.-Carneiro Monteiro.Moiues
l/enrii/ites da ilca.
DiilRIO 1)1! P8H5l.W8L1C.
asleisdopaiz e amoral, nSo escapa dos
//o/doseu inimigOv nesse caso estuu eu
para com o Sr. Matvta da liscada.
Cheguei.Sr. redactor, a esta provincia no
anuo de 1837 com a d-libcraco formada
l.ijni estabelccer o meu domicilio : nesse
proposito ainda me conservo, e para prova
ilisso declaro aoSr. Malulo da liscada, que,
ha bastante teirrpo, trato do me naturalisar
cidadobrasileiro, eespero ter a distncta
honra de conseguir esta gia^a; graga que he
oiilnorgada ao estrangeiro pela coiistituicSo
polica do imperio, quando este quer adep-
tar o Brasil pur sua patria.
Por ahi, pois, se v, Sr. redactor, que
nunca quz Iludir ao Exm. prelado dioce-
no, que bem sabe, que por ora sou eslran-
LIVERPOOL, 3 DE MAIO DE 1850.
Mercado do algodo.
Firram-se avultadiiiimai iransaccocsnrstr
genero. O mercado esi bailante animado, e
us especuladore anda raiao mil animados.
0 mercado acha-9c l>as(auleinenl aupprido,
c fechou-se firme eom um uginen]o de l8 d.
por libra, segundo aa ultimas quotaedes dos
algoddes da a merlca.
Os algodes do Egypto tinham attrahldo a at-
tenco dos eipeculadorc e foram mullo pro-
curados no mercado com um augmento de 1H
d. por libra.
As tranaaces dos algodde do Brasil foram
consideraveis, adquirindo elles um augmento
de l/l (I. por libra. Os algodes de Surrate fo-
ram omito procurados pelos especuladore, e
oliliveram um augmento de 1/1 dlnbeiro por
libra. .As vendas da semana montain a 90,o40
saccas incluiudo 13,640 aaccas da America,
3,040 do Egypto. 2,820 do Brasil, 190 das Indias-
Ocidentaes, t 16,980 de Surrate para especula-
cao e para exportac.io 1,750 da America, 2,470
de Peroainbuco c .mu de Surrate.
Total das vendas ate boje 768,890; 1849 no
mesmo lempo 75,042. Tolal das vendas desla
semana 90,640 saccas.
Oltotal da Importacao deita semana he de
3o,2/3.
A Importacao at hoje moota a 575,2181849
no mesmo lempo 794,836. A importacao tolal
em 1849 orcava por 1,731,656.
A exporlacao desle auno al hoje he de
50,440. 184a, no uiesino lempo he de 59,856.
Esliuia-se o deposito at hoje em 532,000.
1849 na mesma data he de 600,000. l'ara con-
sumlo al ota data 466,600 1849 na uiesina
data 528,000.
Em eipeculaco al esta data 251,955 saccas
Em 1849 175,960 saccas.
Deposito em Liverpool em 31 de deicmbro
de 18JU; 468,175 saccas.
Em 1848; 399,530 saccas.
1 >i tu i mi 11, : parada com a do anuo passado 219,618 saccas.
Diminuicao da exporlacao 9,410 saccas.
Diminuico do deposito68,600 saccas.
Diiuinuieo docoinsuinmo (il,4u0 saccai.
llcclara^oes.
HOVIKeiltO
w
do *orto.
CMARA MUNICIPAL Du RECIFE.
SSSAO EXTfIAOBDINARIA DE 29 OE AERIL
OE 1850.
Presidencia doSr. Ollviira.
Presentes os Srs. Mamede, Carneiro Mon-
ten o, lir. Moraes, Vianna, Pires Ferreira
ellenriques da Silva faltando os mais s-
niores, abno-se a sesso, e foi lida e appro-
vada a acta da antecedente.
Foi lido o seguinle expediente :
Um cilicio do Exm. presidente da provin-
cia communicando ler dado as precisas or-
dens para obstar a que se lacam drspeios
pblicos no lugar do Hospicio.-InleiraoV
Outro, participando que a assamhli !e-
gilaliva desia provincia, conformando-se
com o parecer da respectiva Ci.mniissiJo de
rendas municipaes, orcamenlos, e exames
de contas, tinha approvado as emitas desla
cmara pe tencentcs ao anno de 1848 a 1819
segn.>u Ihe consta do ollicio do primeiro
secretario da mesma assembla, dirigido ao
da secretaria da presidencia.-Inleirada, e
que se cuminuncasse ao procurador eao
contador.
Outro do fiscal interino de S.-Jos, par-
ticipando que a importancia das multas
dadas na mesma ficguezia desde 16 do cr-
reme li boje era de 200,000 ris, segundo
s nolas. que entregara contadona.-ln-
teirada.
Outro do fiscal dos Arrogados, dizendo
que os multas dadas desde o mez de Janei-
ro deste anno, alo o corren te mez, inipoi la-
rain em 122,000 rs -Inleirada.
Outro do cidadio Jos Justino de .Sooza
ao presidente desta camaia, participando
queacceilavaa nnmoarno de proffessor in-
terino da cadeira de primeiras letias da rre-
guezia dos Aftogados, durante o impedi-
mento do respectivo proffessor propicla-
no.--l;cou inteirada.
Oalro docidadfio Pedro Jos Pereira dos
Sanios Alvaronga.regtnte intei inoda cadeira
de primeiras letiras dapovoacao do Lorlto
participando que o res|,eclivo proffessor. d
padre Jos das Candelas e Mello, fallecer
no da 24 do crreme, e que elle continua-
va a regera misma cadeiis.-Mandou o pre-
sidente participar to governo da provincia
Foi lino eapprovado um parecer da com-
nussito depetiQo relativamenlea do actual
arreinalanle das affericoes, pedindo que a
Ci mar | rovidenciasse sobre afferi8o das
alalinas.--.Mandou-se expr o netucio ao
BECIFE, 5 DI JUNHO DE 1850
A assembla approvou hoje a niocao em
que oSr. Francisco JoSo propoxque seouvlsie
p Iai.i. presidente da provincia acercado pro-
jccio que cria freguexla na ilha de Fernando-
ae-Aoronha ; em segunda discussao o pro-
jecio n. 28 que valida o coinproiniuo da Var-
zea com algumas alteracOcs: e de lerceiralo
Chlai de SantC-AlllSo e Be/ciros.
Em seguida oceupou-se com a segunda dis
cuss.io dos artigo 5. e (i. do orcainento pro-
vincial que licaiain adiados: esla nela hora e
aquelle por empale na votacao.
A ordem do diapara a sessao de amaulia
( o ; he a mesma de hoje.
Pela barca Columbus, ehegada lioje del
pool, recebemos o 7'imn de 19 de abril
de maio
Li ver-
il al 3
prximo passado, e bem que inio nos
siji mais possivel. por falla de lempo, dainios
ni Ite numero todas as nollcil que licite cn-
ci.Hilamos todava apressaiiio-nos em publi-
car asseguinlcs para coiilieciiiienlo de uossos
leitoies.
No dia 1." de malo pelas 8 horas c 17 minu-
tos da manbaa, a lainha de Inglaterra deu
luz no palacio i!c buckingli.ini a un principe,
0 qual Acara emperfeila saude
A noticia do nasciuiento do real infante fui
annunciada cidade pelo rebombo dos ea'
nlioesdo Parque c da Turre.
O cicebispo de Caoluai ia, recebeu ordem de
preparar urna furnia de oraeo para ser reci-
tada i ni indas as igrrjas da Inglaterra e do
palz deGaes em ac;ao degracasao Oiunipo-
lenle por un to feliz aconteciuienlo.
Na franca os socialistas liearaiu oulra \ii
vicioriosos na ultima campanha eielloral, Mr.
Eugenio Sue lu eleilo incinliro da assembla
legislativa por 125,351 votos, leudo oblido o
candidato moderado, Mr. Lccicic, (dente
1 i/i 1/7, inclusive os votos do exeroito, o qual
se dividi ,,Uasi Igualmente entre ambo os
candidato pois Ura ,67i votos ao candidato
socialista, et,.'iOS ao moderado
Logo c|uc foi conliccida a noticia da victoria
no socialistas, os tundo fianceies baixaram
eonslderavelmcnte
Mr. Mot, Mr. Tbiers, Mr. Hcriyerde Mon-
lalembeii, e os generaei 5. Prioste Grammont,
luram chamados ao l.liseu e pciinauccciam
cin conferencia durante inulto lempo.
Oonia que o ministro seria mudado, ou que
pelo menos seria modificado. Fallava-sc em
duas soiles de coinbiiiacocs ; tuna de um ca-
rcter enrgico, outra "de um carcter conci-
liatorio. A primeira devia ser COrnpOit de
un o.tun. da direia, a segunda de ineuibios
docriiuo csqueido. Se a pnmeira fosse prefe-
rida julgava-se provavel que llr. Uarocbese-
ria cullocado asna frente j se porm, loise
preferida a segunda, jutgava-se que os Ho-
rneados seriajn os cidadaos Dulaure, Lamarti-
ne, Perilgny ,M\loskowa ( ej ) ce.
lodavia nada de positivo era anda aflirma-
madu.
geiro, embora lenba um curacSo com sent-
nvntos talvez mais brasileiros que o Sr.
Malulo da Eicada, meu gratuito inimigo.
N/Jo serei eu nunca, Sr. redactor, quem
conteste as excellentes qualidades de meu
mano, o reverendo Sr. Manoel Jos Pereira
Tinto de Lentos ; pelo contrario em qual-
quer parte em que esleja, sendo atacad sua
reputacao, no deixarei do apresentar me,
defendendo-o de qualquer arguico que se
Ihe faca, e por isso julgoque o Sr. Malulo
da Escoda nada conseguio por este lado. O
Sr. padre Lemus nao lbe lcou por isso obri-
gado.
Podia, Sr. r dador, rcpellir deviiamente
as expresses grosseiras eiperlezut e Ira-
muas, que setcliam na correspondencia
lo Sr. Matulo da Escuda nas nilo o faco,
porque no costumo contonder com quem
se cobra com a capa do annimo. Se o Sr.
Malulo da Escada quer entrar em uma dis-
cussflo seria a respeito de minha conducta,
assigne o seu nomeque me achara prompto.
Ilogo, Sr. redactor, o obsequio de mserii
estas hullas em seu cooceituado jornal:
seu, ele. O padre Cuelano Pinto de Lemas.
^mmmmm
IteparQao da policia.
PAUTE HO DIA 3 DE JUNHO.
Fura preso, ordem do delegado do pri-
meiro districlo deste termo, a preta Roma-
na da Costa Monteiro, porcrime de offmsas
physicas : ordem do subdelegad da fre-
gue/ia de S -Frei-Pedro-Concalves do Iteci-
fe.olnglez William.por ssm o haver requi
.sitado o respectivo cnsul: ordem do
subdelegado da Treguezia de S.-Antonio, a
prela Joanna Baptisll e Maria Joaquina da
Conreicilo, por desorden); i- dous escravos
de nome Joilo, um por suspeilo, e outro
por andar fngnlo : a ordem do subdelega-
do da rreguezia do S.-Jos, o preto Joilo
escravo de Luiz Comes, pelo mesmo moti-
vo ; o Domingos, escravo de Jos Dias Si-
in-s, para averiguacOes policiaes : e a do
subdelegado da lieguezia da Ba-Vist
crioulo lenlo Jos da Silva, por se term
adiado diversos objectos fuados em sua
casa.
rVaeof entrados no dia 4.
Liverpool30 dias, barca ingleza Colum-
bus, de 319 toneladas, capitao Richard
(oble, cquipagem 21, carga fazendas; a
Me, Cal moni & Companhia. Passageiros
os Inglezes, William Ford e William
Power.
Val-Paraizo 54 dias, barca franceza Pal-
las, de 278 toneladas, capitSo Person,
equipagem 16, carga cobre ; ao capitao.
Conduz 12 passageiros. Vem refrescar
e segu para Marseille. Fundeou no
Lameiro.
dem Barca fianceza Atalaya, de 155 to-
neladas, capito Michel Etienne, equipa-
gem 10, carga diversas fazendas ; ao ca-
pitao. Vem refrescar e receber vveres
para seguir para o Rio-Grande. Fuu-
deuu no LameirSo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro e portos intermediosVa-
por racional Imperador, commandanle o
primeiro tenento Jos Eugenio Tavares
Alm dos passageiros que trouxe dos por-
tos do norto para os do su I leva a seu bor-
do : para Macei o ex-soldado Joaquim
Soares Pinto : para Itahi, Manoel Ansel-
mo Veira: madame Defroy com 1 filho
menor e Jos Domingues Pereira dt
Mallos.
Rio-Grande do Sul Patacho nacional Emi-
liano, capito Valontim Ribeiro dos San-
tos, carga 'assucar. Passageiros, I). Rita
com 1 cscrava o 2 escravos a entregar.
Angola por Mossamedes Escuna nacina.
Galante-Maria, capitao Jos Mendo do Soi -
za, carga ago'ardente, mel e varios geni -
ros. Passageiros, os Portuguezes Frai -
cisco Pinto Barbozi e Lirio do Souza
Ass Brigue nacional Espirito-Santo'ct-
pitflo Claudino Jos Raposo, em lastro
Em commissao Escuna de guerra nacio-
nal l.\nfio\a, comiuandanto o pillo Mo-
rctra.
Obstrcacdo.
Levantaran) ferro do LameirSo para 0
Mosqueiro a barca ingleza Irene e o brigue
Irancez Pauline
Por ordem deS. Exc. o Sr. presidente
da provincia lie deuenlium offelto o n-
nuncio, que punba a concurso -"9tdeira de
pnmeiras letlras de Panellas, a qual adia-
se provida e em exereloio ; e por ordem do
mesmo Exm Sr. o Sr. director manda por
a concurso com o prazo de 80 das da data
desle a cadeira de primeras letlras d'Agoa-
Preta, por liav-la abandonado o respectivo
professor ha mais de tres annos. Lyceu, 5
dejunho de 1850. Januario Alexandrino
da Silea Rabillo Canica, professor de dese-
nlio e secretario.
--OescrivSo, servndo de administrador
da recebedoria de rendas internas genes
Jesta cidade, avisa a todos os proprietarios
o adminislradores de escravos, que, flndan-
do-se no corrente mez dejunho o prazo
marcado para a matricule dos mesmos, de-
vem comparecer na mesma reparti den-
tro do dito mez, munidos das relieves ,
que contenham os nomes dos ditos escravos,
sexo, cor, natural dado e offlcio, para serem
iiovamente matriculados, nSo sendo admit-
tidos depois desse tempo escravo algum
matricula sem que seu dono aprsenle o ti-
tulo porque o possup, assim como flearfio
sujeitos a mulla de 10,000 a 30,000 rs. por
cada um o dono oo administrador dos es-
cravos queosnSo tiver matriculado : lu-
do na forma do regulamento de 9 de abril
Jel8i2.
- O escrivSo, servindo de administrador
da recebedoria de rendas internas geraes
testa cidade, avisa a todos os llovedores de
impostes de tojas aberlas, carros, barcos do
interior, laxa de escravos, perfumaras, mo-
das, calcados, e segunda depfma de miio
mor, que venham pagar o que estive-
rem a dever proveniente dos ditos im-
postes, relativo ao anno liiiance.no de
1849 a 1850, por tolo o corrente mez do ju-
iilni, lindo o qual tempo, e depois de esgo-
tadas as diligencias amigaveis nos domi-
cilios dos dilos devedores pelos recebedo-
res para isso creados, serilo remettidos seus
dbitos para juizo; bem como se vai j pro-
ceder contra os que, tendo-lhe j sido apo-
sentados os recibos do primeiro semestre
do imposto de lojas, vencido em dezembro
prximo futuro, o nao tem querido pagar.
Pela segunda seceso do consulado pro-
vincial se faz constar a todos os senhores
proprietarios de predios urbanos dos bair-
rus desta cidade e povoacau dos Afogados,
que do lia 1." de juaho prximo viudouro
se principia a contar os trinta dias para o
pagamento, bocea do cofre, da respectiva
derima do segundo semestre de 1849 a 1850,
incorrendo lodos os que deixarem de pagar
nesse prazo, na multa de 3 por cento, sD o
valor de seus dbitos, sendo de prompto
executados.
Obacharel Francisco de Assis Oliveira
Maciel esl em exercicio da primeira vara
do juizo municipal desta cidado, e rese
no oitSo da matriz de Santo-Antonio, sobra-
do n. 14, segundo andar.
--Por suspeilo de serfurtado foi por esta
subdelegada de S. Jos apprehendido um
estojo para barbas: quera ao mesmo se
acbar com dimito comparece na mesma pa-
ra, vista dos signaos que der, Ihe ser en-
tregue.

(
t
KDITAL
A Prut* .ii mu lli.ii a ao povo que nao com-
parecetsc no Hotel de Villa na occasiao de pro-
clamarse o candidato vencedor, aliuidc evitar
tuda a occasiao de colliso.
Os cheles socialistas empregavam lodos
Os estoicos para Cunler os seus subordina-
dos alim detiraiom as autoridades, como
elles dizem, ludo o pretexto plausivel de
pralicarem um golpe de estado. Com ellei-
lo corria que se algum disturbio tivesse lu-
,ar, Pars sei ia imiiiediatameiile declarado
em estado de sitio, e que se as cousas se
toriiassem mais serias, uma dictadura sena
proclamada.
U governo eslava sriaoieute oceupado
em preparar una nova lei de elcices, ou
um reforma da que actualmenle existe.
COoflfti^cItj,
10:578,092
ALFANDEGA.
Rendimento do dia [5.....
Detcurrcgam hoje 6.
Patacho -- Valente mercaduras.
Barca -- Le-Comte-ltoger dem.
Brigue /> Sumaca Tru-IruUkui fumo e charulos
CONSULADO GERAL.
Hendimeulo do jjg 5
Diversas provincias .
1 274,858
42,085
1:316,913
EXPORTACAO.
Despachos mariimtu no dia 5
Rio-Grande do Sul, brigue nacional D101 -
te-huarde, de 138 toneladas : conduz o se-
guinle :
670 barricas com 4,410 arrobase 14 libras
de assucar, 3,600 cocos com casca c 100 bar-
riliiihoscom doce.
Rio dc-Jauelio, polaca nacional Socieda-
de-lelit, de 169 toneladas: conduz
guinle :
o se-
O Illm.-Sr. oflicial-maior, servndo P
inspector da tbesouraria da fazenda provin"
cial, em cumprimento da ordem do Exm
sr. presideUTo da provincia de 7 do correo-
te manda fazer publico que, nos dias 4, 5
c6dejunh,o prximo futuro, r i praca,
peranle o tribunal administrativo da mesma
inesourari, par sor arrematado a quem
por menos l.zer as obras do caes e rampa
no I'orto-das-Ganas do bairro do Recite
sob as clausulas especaesabaixo transcrip-
tas, e pelu preso de 3685,000 ris.
Aspessuasquese propozerem a esla ar-
rematarlo comparecam na sala das sesses
do sobredito tribunal, nos dias cima men-
na0b'!ntadsPel0 me-d"' comP*^
E para constar se roandou alTixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da lliesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 8 de maio de
1850. o secretario, Antonio remirada
Aununciacio.
Thcalro de S. Iza bel.
QARTA RECITA DA ASSIGNATURA.
Sabf/ado, 8 de jun/tode 1850.
Representar-se-ha o interesssnte drama
em tres actos.
A GARGALIIADA.
Terminar o espectculo o gracioso pro-
verbio em um acto
Quttn caa quer caa.
Comecari s 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
costume.
O empresario nSo se poupando a fadigas,
para bem cumprir sua missao, aoha-se em-
penhado na promptilicasSo do scenario e
vestuario, para o grande drama moral
Pedro Cen, queja leve e agora nao tem ,
que inuito breve subir scena.
Publicacad litterari;
1.
lUphael, paginas da juvcritude.
Esta excellente obra de Mr. Lamartine,
ehegada recentemcnle do Rio-de-Janeiro,
vertida em bom portuguez, e precedida de
um interesssnte prologo do traductor, da-
se venda, pelo mdico prec,o de 3,000 rs. ,
com encadernaeflo ingleza, na ra da Cadeia
do Recife, n. 38 e ra Nova, n. 11.
O mrito da obra he altestado pelo nome
do autor : nella depara inslruc^ao e deleite
o philosopho, o romancista, o poeta, e ge-
ralmente quem quer que queira apreciar
um bello escripto.
Avisos DQaritimos.
Coma que a id.de de USnR & O.M 2S tmST VS T
Clauulai ispeciaii da arrematando.
I.' As obras do caes e rampa do Porto-
das-Canas serSo teitas de conformidade
com oorcamento nesta data apresenladoac
Exm. Sr. presidente d provincia, pelo ore-
CO de 1^i85,000 rs.
.2.' lisia obra ser principiada no prazo
de dous mezes.e concluida no de seis me-
zas, ambos contados conforme o artigo
10 do regulamento de II de iulho de 1843
-Jlr "8 Plmenlos da arrematado se-
raofeitosdainane.ra determinada no arti-
go 15 do supraeilado regulamento.
4.' Todos os materiaes serio previa-
mente examinados, e approvados lancar-
se-ha ti.n termo, em que assgnarSo o arre-
mataiiioeoeugenhciro.
Para o Rio-de-Janeiro seguir em pou-
cos dias o brigue-escuna Hmrigueta, por es-
tar quasi completo o seu carregamento:
quem nolle pretender ca regar e remelter
escravos, enlenda-se com ocapilflo Manoel
Joaquim Lobato, na praca do Commercio,
ou na ra da Cadeia-Velha, n. 17, segundo
andar.
para o
1 carea
A escuna nacional Emilia, de quo he
capitao e pratico Antonio Silveira Maciel
Jnior, segu impreterivelmente
Geai no dia 15 do correle, com
que nessa data tiver a seu bordo.
Para a Babia segu com brevidade o
patacho Urna: para carga e passageiros,
Irata-se ao lado do Corpo-Santo. loja de
massame, n. 25.
Para Loanda sahir at o dia 10 do
corrente o patacho rorluguez Andorinha do
'Jo; tem bonscommodos para passageiros:
quem sequizer trauspoitar, poder tratar
com o capitao ou calxa no armazem do Pal-
meira, largo do Corpo Santo.
Para o Porto pretende sahir no dia 12
Jocorrente mez o brigue porluguez Ven tu-


>

mm

ra-Feli*. forrado e pregado de cobre, do
qual hecapilSoZeferino Ventura dos San-
tos: para carga epassageiros trata-ge com
o referido capilo, ou com o consignatario
Joaquim Ferreira Mendes GuimarSes, na
ra da Cruz, n. 49.
Para o Ceara pretende seguir viagem
com muiU brevidade a sumaca nacional
Carlota, mesfres Jos Goncalves Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-se com Luiz Jos
deSAraujo, na ra da Cruz, no Kecife,
n. 33. _.
--Pira oMaranho e Para sahe, coma
maior "Qfbvidade, o brigue-cscuna Josefa,
capitSo Jos Mara da Silva Porto: para car-
ga ou passageiros, dirijam-se ao dito capi-
tulo, ou a Manoel Duarte Rodrigues, ra do
Trapiche, n. 26.
Para o Rio-de-Janeiro se-
gu cm poneos dias, por ter par
te de sua carga prompta, o brigue
nacional Maria-Primeira, forra-
do e pregado de cobre, de lote de
sete mil arroba : para o resto da
carga, escravos e passageiros, tra-
ta-se com Machado & Pinbeiro,
na na do Vigario, ii. ig, ou com
o capilao na piara.
-- Para a Babia segu no dia 12 do corren-
to a sumaca Tres-Irmdoi: quem na mesma
quizer (carregar ou ir de passagem, trate
coro Machado & Pinbeiro na ra |do Viga-
rio, n. 19.
Leilo.
Russe.ll Uellors & C. farao leil.lo por
intervencSo do corrector Oliveira, de um
sorlimento de fazendas inglezas, todas pio-
prias do mercado: segunda-taira, 10 do
crreme, as 10 horas om ponto, no seu ar-
uiazum, ra do Trapiche-Novo.-*
a)J^^H
Avisos diversos.
Manoel Alves Barboza vai Parahiba.
--Peranteolllm. Sr. Dr.juiz deorphAos
supplente, no pateo do l.ivramento, quinta-
re ira 6 do corrente, se hSo de arrematar, por
n9o ter sido effectuada a praca annunciada
para segunda-feira prxima psssada, as 2
casis terreas de pedra e cal, urna dita de
taipa e um mocambo coberto de palba, si-
tos no lugar do Catuc, na povoaciio dos
Afogados, e um oratorio anligo com algu-
nas imagens e 1 cordSo de ouro baixo com
urna cruz ; sendo osles bent os que licaram
or fallecimenlo de liabel Francisca de
Jess.
Furto escandaloso-
Do porto da$onte-Velha, na Boa-Vista,
furtaram, na endiente da mar, das tantas
da noite do dia 3 para 4 do corrente, urna
canoa grande o nova, com um letreiro na
popa, um tanto apagado, que diz--once/-
(So-de-Maria cuja canoa eslava carrega-
da com mil e tresentos lijlos dealvenaria
grossa, barro d'agoa-dnce, da olaria da Es-
tancia, adiante do Giqui, que he bem co-
ndecido; e n.lo reala duvida que- existo o
lugarem que eslava dita canoa amarrada ;
pode ser que a agoa ou o venlo valhesseao
conductor : a sobreJita canoa e lijlos per-
tence a Theofilo de Souza Jardim, o qual ro-
ga a quem della souber de dirigir-se aos
Afogados, padaria nova, ou no Itecife, ra
do Livramenlo, n. 36, cas do Sr. Manoel
Duaite de .MaceJo Lima, que ser bem re-
compensado.
Pedro Ignacio Baptisla, tutor dan me-
nores, ulnas do Mamio Manoel Francisco Ro-
drigues, autor isa-1 o pelo juixo de orphSos,
convida a quem convier permutar por algu-
mas propriedades nesta cidade um terreno
sito no lugar da ('.aponga, margem do rio,
com 100 palmos de frente e quindenios de
fundo, com alicerces para duns casas de vin-
te e cinco palmos cada urna, ou urna s
grande, murado em grande paite, cacimba
com excedente agoa, e varios objectos para
construcrSo das ditas casas, como sejam :
soleiraade pedra, janellas, portas, caxilhos,
eo mais quesera presente, sendo que o di-
to Ierrenj he prnprio : quem pretender, di-
rija-sc pra?a da Boa-Vista, sobrado n. 7,
que ahi achara o dito tutor.
Pelo juizo de orphSosse ha de arrema-
lar, no dia 11 do corrente mez, armaglu ce-
ra e mais objectos da loja do Tinado Manoel
Francisco Rodrigues, sita na praca da Bou-
Vista, o. 17, e juntamente os trastes perten-
centes ao mesmo : quem pretender, comp-
rela, no dia cima, no referido lugar, que
he a ultima prac,a.
No dia 4 do corrento de 3 para as 4 ho-
ras da;tarde, furiaram da ra do Appolio,
sobrado n. 1, primeiro andar, setenta e
tantos voluntes das'obras de Walter-Scott;
teodo arrombado a porta da salla da frente ;
roga-se a quem frofferecido algum destes
volumes queosapprehenda, e d noticia na
la do Trapiche, n. 12, que ser recompen-
sado : adverlindo-se que anda licaram al-
guna voluntes por oudo se possa conhecer
o furto.
-- A pessoa que pretenda comprar urna
parda de nomeGerlrudes, que ia ser rema-
tada em iraca na portu do juiz do civil no
dia 18 de maio, e que deixuu de ser rema-
tada ueste dia ; se anda esliver de aecrdo
de comprar dirja-se ra das Cinco-Pon-
ts, n, 27, segundo andar que achara a
venda,e se declarar as habilidades que lem,
cujas na occasio da praca ella as negou.
1.en branca
que se Ui ao padeiro do Recife para que
quando bouver de fallar a fieguezes que sao
de seus collegas se sirva dos meios que qui-
zer, contanlo que n.lo desgrace mais do
que estilo os precos dos geneos dos nossos
estabelecimenlos ; e lio bom, queS. me.
lenha em vista quo quem lem usado de taes
meios uta lem lirado bom resultado...
O padtiro maii offendido.
Offerece-se urna ama para cozinhar,
lavar e engommar por nome Izabel Mara da
ConceicSo : a pessoa que precisar procuro
nos Barros-llanos, ao p do forte, caaa n. 2.
l)eseja-so saber se lia algum embaraco
na casa e Ierras perleucenles viuva de Ma-
noel jilos Santos l.ins Bandeira, sitos no li-
gar da Boa-Viagem : na ra do Livrameoto,
loja n. 25, ou annuncie por esta folln.
-- Quem adiar urna porcSo de chaves
prezas por urna corrente de lalSo, e as quei-
ra restituir, mande-as entregar ift botica
de Bartholomeo Francisco de Souza, na ra
larga do Rozario n. 36, que ser generosa-
mente recompensado.
-- Precisa-se de um moco estrangerode
16 a 20 anuo--, para criado de libr, distan
le ,esta praca 8 legoas: quem pretender,
entenda-se na venda da ra da Penba de
Joo Pinto Regs Sousa.
A pessoa que anunciou querer comprar
um cavallo gordo e de bons andares, e
sem achaques : dirja-se a ra doQueimado,
n. 19.
Pe le-se ao Sr. Manoel Marques da Cos-
ta Soares, queira por sua bnndade 10 me-
nos responder alguma das curtas, que a
mais de quatro anuos lhe escreve quem
coma manir satisfacao e possivel aclivida-
de, agenciou-lhe suas demandas nesta cida-
de : comludo, esta pessoa nSo se considera
completamente lograda ; porque anda con-
fia na probidade do Sr. Marques, e talvez
lenha liavido em todo esse lempo algum
justo impedimento, que o inhabililassede
escrever..
Retra-se desta cidade para a da Para-
hiba Luiz llypolito Mariano, crioulo brasi-
lero, a tratar de seus negocios.
-- Jos Goncalves Viila-Vrde subdito
porluguez retira-se para o Rio de Janeiro.
A pessoa que annunciou querer com-
prar urna secretaria de Jacaranda usada : di-
rja-se ao passeio publico, loja, n. 13.
Alugam-seos segundo e terceiro anda-
res da casa do largoida assembla, n. 8: a
fallar comJoaquim.Francisco do Alero, no
forte do Mallos.
i'ermuta-so por urna casa terrea em
S. Antonio ou Boa-Vista urna parto de so-
brado de um andar, no valor de 720,000 rs.,
sito na ra Direila : a tratar na ra da Pe-
nda, n. 3, segundo andar.
(ilierere-se urna pessoa para caixeiro
de cobranzas nesta praca, e que lambem
p le ir algumas vezes ao malto, para o que
Um pratica, edar bastante conhecimen'o
de sua conducta : quem precisar annuncie
Tilomas Harkness, subdito britannico,
retira-se com sua senhora e duas Tildas me-
nores para Inglaterra.
-- James Ilenry Taylor retira-se para In-
glaterra.
Precisa-se aliigar urna casa
terrea com quintal e cacimba, no
Aterro-da-lioa-Vista,. Hospicio,
Solidarle, ou na Trempe : no ho-
tel da Europa, na Lingoela, n. 3
Aluga-se o primeiro andar do sabrado
<$
da ra Nova, n. 65 : a fallar na rua'dc S.-
Itita, o. 14.
O pequeo brasileiro que aununciou
no Diario n 126 querer ser caixeiro do ven-
da, dirija-se ao Aterro-da-Boa-Vista, n. 80.
A cidade de Pars.
Fabrica de chapeos de sol, ra do
Collegio, n. 4-
J. Falque participa ao respeilavel publico
desta cidade, quo elle abri o seu novo es-
tabelecimento, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sorlimento destes ob-
jectos dos mais modernos e variados, como
aejam : chapeos de sol para bomens de se-
das chamalotadas e lizas, de cores e pretos,
ditos de armacno d'aco muito fortes com
sedas de todas as cores, ditos para senhorss
de sedas lavradas e lisas, com franjas e sem
ellas, cores muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, com franja esem el-
la, ditos de pa n niiilio para lioine.ui com ar-
tmefo nra e nr linaria, sortimenlo de ben-
galas de todas as qualidades, baleias para
vestidos, cohetes e espartldos par.i senho-
ra. Na mesma casa concerta-se o cobre-se
toda a qualidade de chapeos de sol e benga-
las, paraos quaes lem boas sedas e pannos
"in pecas : todos estes objectos vendem-st
em porco o a reta Ido, por menos pceo o
queemoutra qualquer parte.
Pela ultima vez se roga aos Srs. Ber-
nardo RamiSo Franco, Francisco Xavier Car-
niro da Cunda C mpello e Jos Xavier Car-
neiro Rodrigues Campello de ireo ou man-
darem la da Cadeia do Recife, loja n. 50,
de Cunda & Amorim, ao flm que nao devem
ignorar.
-- Alugam-se os 2. e 3 andares da casa
da ra do irapiede, defionte do trapiche no-
vo, na esquina : a tratar com Thornaz de
Aquino Carvalho, na Ponte-Velda, na lloa-
Vista, ou com Jos Moreira da Silva, na ra
do Rozario eslreila.
10,000 rs. de gratificado.
Kua do Trapiche, n. 36, segun-
do andar.
Desappareceu, no dia 31 do mez passado,
um caedorrindo de cor castanho-escuro, de
i ien de rato, com ossignaes seguales : to-
do da mesma cor, menos as palpcbras que
s0o amarellas; tem a cauda e as orcinas
comp illas, acode pelo nome de Mylord, de
tamanho ordinario, est muibsj/ein tratado,
pelo que se pode ver, nunca sabio ra
a pessoa que o levar ou der noticias exacta.-,
onde elle est, receber a gratifcacSo a-
cima.
-- Piecisa-se de 4 trabalhadores forros
ou captivos, para trahalharem com carri-
ohos em um atierro que se precisa fazer em
um sitio na passagem da Magdalena.dando-
se de jornal 640 rs. por dia, ou 440 rs. al mo-
co e janlar,e dormindo no mesmo sitio, ceia.
Os prelen,lentes i dem dirigir-se a ru>
larga do Itozario, padaria, n. 18. que se 1 tu
dir com quem se deve entender.
O o
<> I). W. Baynon, cirurgio dentista, m
( l es| eiio,mi,ente I li I Olma 80 pudlCO f\
j desta cidade, que elle pretende bre- p.
n veniente retirar-se deste imperio ;e
,-.} as pessoas que anda necessilam de
X seus servidos, durante este lempo, X.
q serSo attendidas, procurando-o no J
^f seu domicilio na ra do Trapiche-
2 Novo, n. u. O
- Precisa-se alugar urna prela que venda
na ra, responsabiiUando-se seu senhor.
pela (Jila venda : na ra estrella do Razario,
n. 43, primeiro andar.
- Antonio Joaquim Vidal perdeu, desde o
ihealrod'Apollo at sua caaa, um meio bi-
Ihete da lotera do Kio-de-Janeiro : quem o
ongondo Curja-'le-Baijo, sito na fregue-
zia de S.-Amaiu-Jaliosl3o, o escravo Jos,
de nago Benguda, que repeseuta ser maior
de 40 anuos; diz ser escravo de urna se-
nhora viuva de nome I) Francisca, mora-
dora no Recife, e que ignora o nomo da ra,
porque morando sua senhora no mallo,
mudou-se entilo para o Recife. No entretan-
to quem so julgar com direito a elle, diri-
ja-se ao referido engenho, na certeza de que
o abaixo assignado nSo se responsabllisa
pela fuga do mesmo. Joi\t'raneisco d Sou-
za Ledo.
Cobram-se dividas dentro e fra da
cidade amigavelmente ou josticialmente
com toda a presteza, para o que se oflerece
fiador aos seus valores : na ra de S.-Rita,
n. 92.
Al te 11 ('fo -
A bem condecida agencia da ra do Ran-
gel,"Sobrado n. 9, convencida da confian-
za que sempre apresentou durante o espa-
go de oilo annos, faz publico que contina
a tirar passaporte para dentro e fra do im-
perio, despachar escravos, correr rolhas
agenciar ttulos de residencia, com a pres-
teza devida, e por muito mdicos ajustes
quem, pois, pretender, drija-se ao refer-
do sobrado a qualquer hora do da, ou
mandar os avisos para ser procurado.
_- O Sr. Aleixo Xavier Pereira de Brito
dirja-se aoarmazem do Palmeira, largo do
CorpoSanto, para lhe ser entregue urna re
commendacSo de Angola.
- Precsa-se de um homem porluguez
que entenda do negocio de venda perfeita-
menlc, para se Iho entregar urna por balan-
do, e dando-se-lde interesse pelo seu traba-
Ido e administradlo : a fallar no becco Lar-
go, venda da quina da Senzalla-Nova.
Na livraria da praca da Independencia,
ns. 6 e 8, existe urna carta para o Sr. Fran-
cisco l.uiz. Ilonealves l'erreira.
O abaixo assignado roga a todos os Srs.
delegados, subdelegados e mais agentes
policiaes do malto, que tendam a bondade
de observareai e examinarem mesmo, se
por seus dislridos passa, ou apparece resi-
dindo a titulo de forro um seu escravo par-
do claro de nome Miguel, o qual ausentou-
se de casa noadia 28 do prximo passado, e
tem os signaos seguinles: he pardo claro,
moco apeoas com ponta de barba, alguma
cous baixo, cheio do corpo, mas no mui-
to grosso, cabellos proprios de sua quali-
dade, poreni um pouco castandos, pliisio-
nomia naturalmente carregada, nariz acha-
tado, rosto redondo, testa curta, sendo o
signa! mais saliente o do estar una vez por
outra a repuxar os hombros, abaixaudo ao
mesmo lempo o pescoco ; gusta de fumar
charuto; de ofTicial de alfaiate, e tam-
bero carreia e corla de macbadn C eneho;
entre a roupa que levou, vai urna jaqueta,
que o pode fazer condecido, por ser de um
gazinete do 13a e de cor rouxa quasi encar-
da. Quem o pegar leve-o ao engendo da
Torre em procura do sitio onde reside o
abaixo assignado, que promette recompen-
sar com al(,uma generosidade. l'edro
audianno de Hutis e Silva.
Jos da Silva Campos & G.
julgam nada dever da estincta fir-
ma de Cimba & Campos ; mas,
comliido, quem se julgar crcdoi
mesma firma, aprsente seu ti-
tulo no prazo de 3 dias para ser
pago.
Precisa-se de urna ama para urna casa
de pouca familia: prefere-sc escrava : ua
ra dohangel, n.17.
--Aluga-se, ouvend?-se, a dindeiro ou
a troco de lijlo, urna canoa em muito bom
nso, de carga de 2,000 lijlos : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Praia, n. 41, ar-
iii.i/eiu de Antonio Pinto de Azevedo.
-- O dono do hotel da Europa, na ra do
Trapiche, n. 3, achando-so doeute, deseja
vender dito esladolecimenlo com todos os
seus perlences : quem o pretender, dirja-
se ao mesmo para se ajustar.
JoSo Vignes tem franqueado sua casa
na ra larga do Rozario, n. 28, primeiro an-
dar, a seu amigo pianista e compositor, pa-
ra elle principiar as ligues de piano aos Srs.
queja teem convencionado, no dia segun-
da-feira, 3 do corrente, o sucessivamente
em todos os dias uteis, as 6 doras da tarde.
Perlence ao Sr. Jos Antonio Barros, da
villa da Granja, o meio bilhele n 1916
15* lotera a beneficio das obras du casa de
correcto da Corte, comprado por Antonio
de Aducida Gomes, que Id'o remelle.
Grande vantagem !
Dos fundos do engendo Aldeia, da co-
marca do Rio Formozo, existe desmemlira-
da urna propriedade de trras, denominada
Palmeira, com as melhorcs proporefies tara
so levantar um engenho. visto ter quasi tres
quarls de legoa de fundo, e oilocentas
bragas de frente, contendo em si as me-
lliores mallas, que porventura exislfio
naquella comarca, sendo a Ierra de excel-
lento qualidade, eat hoje rSo trabalbada,
pelo que offerece os maiores inleresses na
agricultura do assucar. Quem quizer pro-
pr-se a levantar all um engendo, nesla
typographia se dir com quem deve ser
tratado o negocio, cujas condices serilo
olferecidas mediante as mais rasoaveis
proporcOes.
Aluga-se o primeiro andar da casa n.
36 da ra ireila, com commodos para
grande familia, cozinha fra bem arejadj,
quintal para estribara e cacimba com boa
agoa : a tratar no terceiro andar da mesma
casa.
Os berdeiros do fallecido coronel Fran-
cisco de ItrediAJfl e Andrade, declaram
que obtiveram julgamento em grao de re-
vista no tribunal da relucho do Maranbflo,
na causa que o seu fallecido pai, sogro
a vi'i d i lo coronel havia proposlo a Sra. I)
Mara de Piulio lloiges, a respeilo da venda
da sua parle no engendo Calugi, por cujo
julgamenlo Idos compete liaver da mesma
senhora a qoantia de 11:000:00o rs., que
liavia recebido, epora moda da data em
que leve lugar o recebimentoque foi em 8
de junho de 1820, com os juros na mesma
especie desde a mesma dala do recebimen-
to : por fsso que para pagamento dos an-
nunciantes, nao basta a parte que adila
senhora tem no referto eugenho, e Ido
consta que pretende vender a casa de tres
sobrados na ra do Atierro da Ba-Vista, e
tarom sujeitas a esso pagamenlo, por forca
daqudlo ulgado.
Deseja-se fallar aos Srs. Manoel Tei-
xeira Barcellar e Manoel do Nascimento
Bastos; na ra Nova, loja do ferragens,
n. 16.
--Sr. B.F.C. queira ir pagar o alugucl
da cas i em que morn na ra Helia, n. 8 ;
do contrario, ver o seu nome por extenso
nesta h la.
Passa portes.
Tiram-se passaportes para 'dentro e fra
do Imperio, despacham-se escravos, tiram-
se ttulos de residencia para sempre : para
este fim procura-se na praca da Indepen-
dencia, livraria ns. 6 e 8, e na ra do Ouei-
mado, n. 25, loja de miudezas, do Sr. Joa-
quim Monteiro da Cruz.
Quem annunciou um escravo para alu-
gar, que enlende de plantacoes de sitio, di-
rija-se ra larga do llozario, n. 46, venda
Compras.
~ Compra-se quatro carnudos de mSo
na ra do l.ivramento, loja n. 34.
Compra-se urna cadeirinda de menina
de escolla em domuso: quem tiver leve
ra doRingel, n. 91,
Compra-se una secretaria de Jacaran-
da ou de outra madeira, que seja boa, j
usada, mas em bameslado: quem a tiver
annuncie.
Compra-se um relogio de ouro, paten-
te inglez : na ra da Senzalla-Velba, n. 50,
se dir quem compra.
--Compra-se um methodo de violSo por
Carulli ; na praca da Independencia, loja
de Sr. Meroz, ou annuncie.
-- Compra-se urna machina de copiar car-
las : na ra da Cadeia-Velba, armazem de
fazendas, n. 37.
Compra-se urna corrente de ouro de
lei j de uso, em segunda mio por ser mais
em conta : quem tiver para vender, pode
dirigir-se ra do larga Itozario, n. 22,
que adiar com quem tratar, ou loja de
Victorino & Guimartles.
Compra-se urna armacSo de amarello
ou de louro foldeada com parle das pra-
teleiras envidracadas, leudo 26 e meio pal-
mos de rumprmento e 21 de frente ; isto
pouco mais ou menos : quem a tiver annun-
cie para ser procurado.
Vendas.
PJovena de San-Joo.
Vende-so na praca da Independencia, li-
vraria, ns. 6 e8, a 320 rs
~ Vende-se una escrava de nacSo Costa,
le idade de 22 a 21 annos, bonila de cara, r
Dsora, sem vicios nem achaques, ptima
achou e o quizer restituir, pode entrega-lo a mesma parle do engenho: fazam o
na ra da Cadeia, n. 56 A, loja de ferragens. sent annuncio, para que ninguem compre
- Appareceu.uodia 26 do corrente, no as ditas casas e parte do engendo, por es-
ensaboadeira e muito fiel, e se vende por
nilo querer oslar em casa, e sini vender na
ra : na ra Augusta n. 17.
Palba de carnauba.
Na ra do Itangel, armazem, n. 36, ven-
de-se palba superior,' 400 rs. o molho, e
arroz de casta a 320 rs. o alqueirc medida
vclha.
Sor tes.
Na livraria da praca da Indcndcncia, ns.
6 e 8, vendem-se roldas de papel com sor-
les a 80 rs. cada um, e os seRuiitos livros :
Acasos da fortuna, ou livros de sorles
divertidos de. a 610 ris.
Livros dos deslino* para seren'consulta-
dos as noites de S. Antonio eS. Joo ele. a
610 rs.
-- Vendem-se 6 propriedudes as ras
principaes, sendo dous sobrados de dous
andares com bastantes commodos, na ra
.Nova desta cidade, ns. 12 e 14; duas ditas
modernas na ruada Concordia, sendo urna
de um andar a outra terrea, ns. 3 e 5; 2
ditas terreas, urna na ra do RaiiRel, n. 51,
e a outra na ra da Praia, que tem armazem
de carne: ludo por prego commodo: na
ra.Nova, n. 67, se dir quom ven le.
--Vendem-se, ou permiitam-se as bem-
feitorias do um grande sitio a margem do
rio Capibarihe, confronte ao sitio do Sr.
Francisco Antonio de Oliveia, com 2 casas,
sendo urna pequea veldn,ea outra bs-
tanle grande, coup 3 silas, 4 quirlos, cozi-
nh fra, um grande copiar no oitio, es-
tribara para 4 cavallos, urna grande Uaixa
Cimcapim, o algumas rructeiras : na ra
Nova, n. 67.
Cbeguem antes que se acabem
Vendem-se mlhos de relilas
e ditus solas, vindas de Lisboa
no correnle mez : no armazem
que foi do fallecido raguez, ao
p do arco da Gonceicao.
Para as noites de S. Anto-
nio e S..Jo3o vendem-se livros de
sorles a 3io rs. : no pateo do Col-
legio, casa do livroazul.
Vende-se ago'arJente do reino, gone-
bra, a.o'aidimite da aniz, e licores : na ra
da Praia-de-S.-ltita, defronte da nbrira ns
10 e 12. Na mesma casa tambemse venden)
50 cascos de pipas.
Vende-so um cavallo alazo, bastante
gordo, por 130,000 rs., o qual amia bem di
carrego e esquipa admiravelmente, e he no-
vo : na ra Imperial, n. 191, labrica de cal-
de ir i ro.
Charutos.
Na ra da Senzalla-Nova, n. 42, vendem-
se charutos superiores da marca victoria,de
Havana ,- ditos primores e regalos, por pre-
co commodo.
Vende-se un famozo rscrovo muilissi-
uiii pToprio para um aenbor de engenho,
por ser muito dabilidoso, bom pagem buli-
eii ii. pescador, e enlende de doria e jardim,
be catador, e tem muito mais dadilidadcs,
enlende de tratamento de vaccas, tanto di
tirar leite como de as curar, e ile cavados,
ripal-os, s com a visla se dir a rasflo por-
que se vende, e suas raridades de serviros,
quem quizer annuncie.
Fumo em foi ha.
pelo daratissimo precode 2,500, 3,0)0 e *//
rs.; ditos de bezerro francez faltos no puz,
a 2,500 e 3,000 rs.; ditos de bezerro da tr-
ra, com tres solas, proprios para o inver-
n, a 2,200 rs ; ditos do Aracaty, a mil rs. :
ua ruada Cadeia do Recife, n. 9.
Sluscaspara piano.
Na rua Nova, n. 11, loja de Jos Pinto da
Fonseca a Silva, sucessorde Guerra Silva v
Companhia, vendem-se as seguinles mus-
CUS *
Bibliotheca classica dos pianistas, em 12
volumes. obras escoltadas de Beetdovom,
Cramar, Clementi, Hummel, Weber, Mozart,
llaydn, Dussek, Field o Ries, Steibelt, e E.
Bach.
A Filha do regiment, opera italiana com
acompanhamento de piano, msica de Do-
nizelto.
Os Martyres, opera italiana, com acom-
oanhamenlo de piano, msica de Donizette.
Ronds, variarles, pbantezias, romances,
cavatinas e oulros muitos e lindos pedacos
de msicas para piano, dos melhores au-
tores.
Quadrildas, valsas, polkas e mazurcas pa-
ra piano, de autores modernos.
Seis recroacOes e doze pedacos para or-
So.
Stabit do Mtenle Pregles, transcrip-
to para oreSo, por F. Monten.
Differentes pegas de msica para canto,
em italiano, com acompanhamento de pia-
no, extrahidas de varias operas do autores
modernos.
Msicas para rabeca e para flauta.
Vende-se iim preto da Costa, de 20 a
22 annos, do muito bonita figura : vende-
se por seu senhor relirar-se: na ra do
Queimado, n. 44.
Vende-se urna preta de 30 a 40 annos,
sem vicios nem achaques, e que he ptima
oara todo o servico de urna cas : na ra do
Tollegio, n. 15, segundo andar
Methorios de msica para
differentes instrumcnios.
Na ra Nova, n. II, loja de Jos Piulo do
Fonseca e Silva, vende-se o spguinte :
Metlio lo especial de piano para as meni-
nas, priineira esHgujida partes, por Wolfart
Dito completo e progressivo de piano, de-
dicado aos professores, por II. Bertioi.
Dito igual em hospiobol.
hilo de rabeca dedicado aos conservato-
rios de msica da Europa, por L. Spohr.
Dito pequeo para rabeca, or C. E. Roy.
Dito completo e progressivo de rabeca
em despatillo! para uso do conservatorio,
por II. Alard.
Dito completo de flauta, por Devinne,
com lieOos para a nova (lauta de Boehm.
Hilo completo de flauta, por T. Berbi-
guier, primeira e segunda partes.
Dito para odo, coru inglez e barylnn, por
II. lirod.
luto completo de corneta de chaves, por
Coletti.
Dito para corneta a 2 e 3 pistons, por P.
J. Bouch.
Dito de tiompa, por Gallay.
Escalas de flageolet.
Collecco de cstudos para piano, por Ilen-
ry Bertini.
Fsludos oara piano com 42 exerdeios,
por J. ii. Cramer.
Saludos caractersticos para piano, por
II. liavini.
Ditos 1., 2 e 3. annos de cstudos dito,
por ||. Bertini.
Ditos elementares, 25esludos, pelo dito.
Erercicios diarios para alcancar e con-
servar o mais elevado gran de perfei^o n
piano em 4(1 estudos, por Ch. Czeruy.
Esereicios em forma de preludios para
jiano, por Jean Nep. Hieger.
Fsludos para meninos, primeiro e segun-
do livros contendo 50 estudos de piano, por
Ilenry l.emoine.
liuiiilimento do pianista, ou reunio de
ejercicios os mais indispensaveis para ad-
|nirir perfei la mente agiliJade, por II. Ber-
tini Jeune.
Ejercicios de canlo para tenor ou sopra-
no com acoinpaiiliamenlo de piano ad lilu-
lum, por Dunzelli.
Lices de vocalisii;o para os 4 princi-
paes gneros de vozes, por F. Danzi.
Novo methodo de canto fcil com acom-
paiidainento do piano, por II. Servier. _
Solfejo, ou novo methodo msico de Ro-
lolplio.
.Methodo de orgilo espressivo, por A. Min.
Acaba de chegar
a loja da rm do Crespo, n. t, um
novo sorlimento de fazendas ba-
ratas,
comc*sejam : cassa-chitas muilo finas, ;de
cores fixas e cura 4 palmos de largura, a
1-320 rs. o covado ; cortes de ditas a 2,000 e
2,400 rs. ; riscado de linho, a 240 rs. o co-
vado ; dito de algodSn americano para es-
cravos, a 140 e 160 rs. o covado; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs. ; zuarte azul, a
200 rs. o covado dito furia cores, a 20O
rs. chitasdo cores filase de bonitos pa-
drOes, a 160 e 180 rs o covado; cortes de
lustao, a 600 rs. ; chales de tarlatana, a
1,280 is. ; meios ditos, a 320 rs.; coberto-
res de algod.lo, a 640 rs. ; alpaca preta da
coriio e com sete palmos de largura, a
1,280 rs. o covado; e oulras umitas fazen-
Jas em emita
Vende-se urna morada de casa terrea
no beceo do Lobato : na ra do Livramen-
lo, n. 22.
Vende-se urna
Vende-se fumo em folha para edaruto, de
primera, segunda e lerceira sorles, lauto
em fardos como a relaldo, ror preco com-
modo : na ra estrella do Rozario, n. 45, fa-
brica.
A el les antes que se aca-
bem.
Vendem-sosapatdes de couro de lustro,
negrinba de 8 annos:
na ra do l.ivramento, n. 33.
Vende-se um sobrado de um andar na
ra do Pilar, n. 13, em cdflos proprios: a
tratar com o dono, no mesmo sobrado.
-- Vende-se para fra da provincia ou pa-
ra fclgum engendo uma boniti escrava, cri-
oula, moca, que cozinha muilo bem o dia-
rio ue urna casa, he muito fiel, nSo bebe es-
pirito de qualidede alguma, nunca fugio,
o que ludo se alianza debaizu de palavra :
oiiHa de.iiae.iu, bonita figura e piopria
para engenho ou quitanda : na ra larga do
llozario, n. 48, primeijo andar, todos os
das das 6 lloras da manliSa s 10 edas3s
6 da (arde.
V'cnde-se uma negra de naco Costa,
lii.inta figura e 18 annos de idade, a qual
lava, engomma ,o cozinha o ordinario de
una casa na ra da Aurora, n. 50.
Vendem-se queijos londrinhos de 4 e 5
libras, muilo frescos -. na ra da Cruz, no
Rwcite, ii. 02, arniazemde Manoel Francis-
co Martins.


--Vendem-se 10 lindos moleques do 8 a
II annos ; 8 pretos de 20 a 25 alios, sendo
um delles oplioio sapateiro, e outro rlllcial
de, alfaiatc; 2 pardos de 18 a 20 annos, sen-
do um delles perilo cozinheiro, bolieiro.
empalhador, e qnnho de l>o,i conduela; 3
pardas com habilidades, de 18 e 20 anuos;
6 pretas de 14 a 25 annos, com algurras ha-
bilidades, e que silo prnprias para lodo c
servigo : na ra do Collegio, n. 3.
Para camisas, a 280 rs.
o covado.
Vendem-se finse argos risendos tran-
cos rom lpicos de cores, muito proprios
para camisas de hornero, pelo haralissimo
prego de 2S0 rs. o covado : na ra do Cres-
po, n. 11.
Na loja franceza na ra Nova atraz d*
matriz, lem bonitos jarros de porcellana,
lantemas de p do vidro, ditas de easqui-
nhn inglezas, ditas frarnezas, candieiros
para sala, ditos de lalSo para esturiantrs,
bengalas de cana, bandejas finas, chapeos
de sol de seda de cores para hornero, fundas
para os quebrados, chapeos francezes de bo-
nitas formas, lencos de seda de 1,000 rs. at
5,000 rs. para senhora e homrns, ditos de
morsulina, e outras muitas fazendas : sa-
patos de duraque de edres para senhora a
SOOrs., ditos de coro de lustro a 2.000 ra.
Assim como roja aos seus devedores que
Ihe vam pegar, para nflo mandar tantas
vezes os seus caixeiros em suos casas.
~ Chegaram novamente ra na Sen-
zalla-Nova, n. 42, rtlogios de ouro e frita
patente inglez, para lionicm e senhora.
Capas para,invern.
Vendem-se capas de panno fino e barre-
gana e mais qualidades, para invern, ror
preco commodo : na ra rio Crespo, n. 11.
--Vendem-se saccas com arroz, a 1,200
rs. a ai roba : no caes da Alfandega, erma-
zem do Sr. Annes.
4
Vendem-se cigarros de palha de milho,
hons, por prego commodo : na ra das Cru-
zes, n. 40.
+mmim#*>& **&mmmB.mm&.
-i
n
-->:
I
Grvalas de molas.
Grvalas de mola de nova inven- $
cilo ; lencos de setim prelo e de crt- $
$ res ; ditos de fio da Ksroria ; itiloa I
,: leciilodo norle ; chapeos francezes; $
#| boas casemiras ; pannos prelnse de
S cores; brins rom lecido de lona ; e f.
' outras muitas fazendas, nao s para $
; homem como pura senhora : tudo |
f: vende-se ror rommoilo preco: na jf
*f ra rio Crespo, n.9, loja i marella.
*?
m^m^^tmm twmwKmmim*
Vende-se muito surcrior farinha em
mrias barricas: na ra ria Cadeia do Itccile.
escriplorio de DeaneYoule & C. c-m seus
armazens do beceo do Congalves.
As novas cansas sublimes
a .Q40 rs. o corle.
Na luja de CuimarSes & Henriques, ni-
ra ra do Collegio, vendem-se noves corles de
cassas linas denominadas submes, pila
sua boa qualidade e barato prego.
-- Vende-se um lardinho de 12 anuos ;
urna prcla que cose, f ngon ma e COZoha :
islo barato que he para liquidar conlas ve-
Ibas; na ra larga do liozario, u. 46, pri-
nieiro andar.
"PiMA I"!"')BOf oiuojuv op
efo pia|>[) pena bu as-iuapuA
: -.i 0*9
11 '9JB0 Vd\'d SOI|flIO|f
-- Vendem-se amanas ae ierro: na rus
da Senzalla-Nova, n. 42.
Vende-se espirito de 36 graos, a mil
rs. a caada: no paleo do Paraizo, n. 20,
taberna.
#!
Manteletes a 20.000 rs. (F
lucos manteletes modernos, vindos *
de Franca, vende m-se rolo diminuto '
preco defO.COO is. : na ra do Cres- *
po, n. 9, loja Jofio Antonio Con es @
Cuimaifies, nicamente, m

Vendem-se 110 Atierro da BOa-VisU, n
1, manlellctes e rapolinlie.s de seda prcla,
e de cores, das ullimiis modas de Paria.
--Vendem-se, na ma do Caboga, leja 1I1
qualropoites, doliuaile, caiotiiibos e ro-
meiros de fil c seda, e touras de selim pa-
ra baplisados.
-- Vfiule-se urna prcla ciioula, de 22 an-
nos, de bonita figura, sem vicios, e <;ue en-
gorrma, lava e faz todo o seivico de tn.
casa : na Ponti-U'lha, n. 33, taberna.
Vende-se umsobradinbo de um andnr,
rectificado de novo, na ra da Calcada, cu-
jo rende um por cenlo ao mez ; urna cas
terrea na na do (.lualo ; um tanque de
pao para 30 cu 40 pipas de liquido; un
deposito de fero que leva duas pipas, e que
pode sen ir | ara oleo ou azeile : na ra uas
l.arangeiras, ti 18.
-- Vendem-se qualro terrenes na ra da
Auroia, sendo um de frente, e tres un im-
< 1 ili l' I i'l.l, /ll.l. r i ci.-.-l dn .Sr. Jofll
Vieira da Cunba : na ra da Praia-de-S -Hi-
la, n. 1.
Vende-M un a parda n uilo moga, de
bonita figuia, com principios riu engum-
niado o di-roMuia ; lie de I 011 lisura, .ven
vicio nem achaques: o motivo por que ai
vende he | or lia ver grande prcciafio 1 um-
bern se \( ndi- i.ii 1 lela de nato Costa, di
18 anuos, de elegante figura : na 1 ua <>o Han-
ge!, n. 38, segundo andar, se dir quen
vende.
Vcndem-se 2 esrravos de boas figuras
o pioprios pera lodo o amigo : na ra da
Caricia 1I0 Itecife, n. 39.
Jina do Crespo, n. ti.
Vendttm-tfl guardanapos de linlio adamas-
cados, fazenda a mais lina que ha no mer-
cado : pelo diminuto preco te 10,000 rs.
duzia.
Vendem-se chapeos de palha de Mani-
llia, n 11 no linos para homem ; cana riu India
verdaiieira, propria iar lar galas, de una
se pode la,ei dua> 1 na ruu .Nova, loja n. 2,
atias da matriz.
--Abordo do brigue Aguia-tlo-l'mta, ven-
de-ye ^farinha de mandioca, por pre^o coni-
oodo.
m
Cascmfra preta a I,H00
o covado:
vende-se no Aterro-da-l!oa-Visla, n. 18,
loja.
A 3,000 rs. o barril de cal do Lisboa.
Vende-se, par:i fechar rootas, um restan-
tes de barri^de cal virgem de Lisboa, de
presente afra: na ra da Caricia do Iteci-
fe, n. 50.
Urna pessoa chegada ha pouco de urna
das provincias do imperio tem para vender
urna porciTode toalhas e fronhas de brela-
nhB lina e lavarinto do muito bom goslo
moderno, por muilo barato preco, por ter
de relirnr-se para tora do imperio : na ra
Nova, n. 34.
Farinha de mandioca de
S.-Calliarina.
Chegou em direitura de S.-Catharina o
brigue nacional Minerva, com um carrega-
mento da superior farinha muito riova, e
acha-se fondeado defronle do caes do Ra-
mos, onde se vende a preco commodo, 011
em casa de Manoel Ignacio de Oliveira, na
praca do Commcrcio, n. 6, primeiro andar.
--Vende-se um dos dons eiigcnhos, Tellia
B Triiimihos, sitos na frepuezia de Seri-
ob.lem, com bstanlo trra e muito prodiic-
liva pira criar grandes safras : amboa bona
l'agoa, por serem copeiros, e riislam d
nmharque duas legoas : a tratar com o pro-
pietario, JoSo Climaco l'ernandes Caval-
canti, ou com Antonio de Silva CusmSo, na
ra Imperial, do Alerro-dos-Afogados.
Corra m a o barato.
Na nova luja do Passeio-Publico, n. 19,
de l.ercos Amaral k Companbia, se esta'
vendendo fazeiida por todo o diuheiro, co-
mo sejam chitas muito finas e dccdrrsfi-
xas, a 120, 140,160 e 200 rs. o covado. e a
pee a 5,500, 5,800, 6,000 e 7,000 rs ; brirn
de linlio miiidinho, a 3(10 rs. o covado ; cas-
tores para calcas, a 200 rs. o covado. A el-
les anle< que se acabem. Os novos srimi-
riislredores eslio loraudo por torio diuhei-
ro, e estilo resolvidos a acabar com lorias as
l'azendas para so tir de novo.
Pee hincha.
Na ra do Queiii ario, viudo do ozario,
segunda loja, n 18, inda rrstam algumus
pt'Cas de melim verde e ci'ir de caf, com 20
eovados, a 2,200 rs ; cortes do col leles de
selim prelo lavrado, a 1,000 rs. ; chales de
rom 25 varas a pea, a 6,400 rs. ; panno li
no p'eto muilo bom, a 3.2(0 rs. o covado ; e
nutras l'azendas por preco commodo.
Vendem-se 12 escravos, sendo 4 mo-
leques de 14 a 20 annos, de entre os quars
um he 1 om cozinheiro e outro carreiro o
6escra\as : na rus Direita, n. 3.
Vi nde-se, ou (re ca-se por um preto que
seja moco e possanie, urna uegrinha de 10
a 11 annos, queja lem principios de costu-
ra, c be muilo viva : na ra larga rio oza-
rio, n. 16. sobrado.
Vendem-se c alupam-sc bichas de;ilani-
biirgn, as meiliores possiveis, lano em la-
mando como em qualidade: no Atirro-dn-
Boa-Vista, venda nova ao p da refinacffo
n. 70 : lan bem se vende manteiga, a 400 e
560 rs. can ais superior, a 610 rs.; cha, a
I 800 rs. cdo mais superior, a 2,200 rs.
Joos de vspera a 1.000
n.
Hamos ?v Companlua,
vendem-se por este diminuto preco, par;
riiverliDienlo das noiles de S.-Antonio e S-
Joffo.
Vende-se urna morada de casa terrea
na ra da Pri.ia-de-S -Hila, n. 44, em Chfloi
proprios, e que rende 8,coo is. menaaes;
urna prela crioule, de bonita figura, de 25
annos, boa rostureira, cozinheira, e que
engomma | erfeilamenle, ensaboa e faz lo-
rio maisservico ue una casa: na ra do
Monriego, n 99.
Ulank-Ielcs.
Vende-se, i a ra rio Cfespn, luja de qua-
lro portas, n. 12, manteletes de seda furia-
corra, de muilo bom goslo e de superior
qualidaaV ebegados ltimamente de Fran-
ca, osquaesse venricni por menos pree;o rio
que em oulra qualquer parte.
Vende-se graxa do Ilio-
.i .nilr a '|.o(io is. a arroba : na
Vende-se
flozario, n. ti
um
(--------r,
palanqun): na ra do
^ Deposito de bichas.
> Na travessa da ra do Vi-
-& gario, n. i,vendem-se bichas
* de Hambtirgo, ltimamente
iy chegadas, a 3o * tambem se aliigam por mais H
:>
barato prero do que em ou- v
tra qualquer parte.
>
>
:>
O
Vende-se um pardo moco e de bonita
figura, perito ofllcial de alfaite : na ra da
Cadeia do Itecife, n. 39.
Vende-se a lenha tirada- dos
arvoredos do sitio destinado pare
o cemiteriode S.-Amaro, propria
para reinacoes, otarias e padarias:
a tratar com o procurador da c-
mara municipal desta cidade, das
io horas da manlia a urna da lar
Sementes de horlaiicc.
Vendem-se sementes de bortalice, muito
novase chegadas ltimamente de Lisboa
na ra da Cruz, armazem n. 62.
A 1,000 rs. o corte.
Na loja n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio, vendem-se cortes com 3 eova-
dos c meia de. brirn de algod.lo trancado de
listras edequadros, pelo barato paec;o de
1,000 rs. cada um corle.
Ria ra Nova, n. 6, loja de
Maya Ramos & C.,
vendem-se, pelo antigo preco de 2,000 rs.,
sapatos de lustro francezes,- ebegados pelo
ultimo navio.
Os amigos riscados mons-
fcrog a !80 rs. o covado.
Na loja de CuimarSes & Henriques, ven-
dem-se os antigos riscados monstros, de 5
palmos de largura, e de padroes novos, a
280 rs. o covado ; riscados california, de co-
res finas e muito encornados, e tambem de
cores escuras, pelo barato preco de 200 rs.
o covado.
Chitas trancezas finas a
856 rs. cada um covado.
Escravos Fgidos
de, no paco da mesma cmara, ou
r,' Na ra do Crespo, n. 5, conlronte
measadesua residencia na ra lCo de S.-Antonio, vendem-se chitas
Veli
a.n.
6i.
Vendem-se diccionarios da lingoa por-
luguez, por Constancio : na ra do Sol, n.
I, em casa de Mas llaplista da Silva, aonde
tambem se vendero duas columnas de ferro
e um fogo de dito.
-- Vendem-se livros para copiadores de
artas, tinta para copiare papel de copiar,
rm resmas : ua ra rio Trapiche-Novo, n.
18, primeiro andar.
Grande sortimento de
Na la Nova, n. 6, loja de 3\lava
ua da Praia, n. 32. Na mesma
casa existe urna ctrleira, que foi
adiad, com alguna papis de cir-
cunislancias : qtiem fr sen dono,
dando es signaes cei los, *lbe ser
entregue.
Vei dem-se duas rasas lencas, siUs na
Iravissario Peixoto: na piac do Curio-
Santo, n. 2
Vendem-se meias bar
com faiinlia gallega, a melho
sivel ; caixas com velas de es-
eimcele americano de diversos
lanianlios : na ma do Trapiche,
n. 3G escriplorio de Mathens
Anslin & C.
rnca."'
r pos-
Panno p.-:r o ino a 4.000
rs cada um tova o.
Na loja da equina da ra do Crespo, n 5,
vende-se panno fino paido c cor du caf,
pi lo barato preco de 4,000 rs o covado;
dito preto c azul, a 3,000 rs. o eov8do, e de
outras multas cores e qualidades, por dimi-
nuto prego.
Ao barato preco de 140
rs. o covado.
Na loja n. 5, deCuinuifes & Henriques,
vendem-se rhilas escuras, pelo diminuto
prego de 140 rs. o covario, e de outras mui-
las qualidades por diminuto prego.
Vende se una morada ria casa no lu-
gar do Remedio, em rhilos proprios, muilo
bem relia, com dous quarlos, sala adiaule,
atrs, e quintal : na praga da llua-Vista, u.
luja de colgado. I
mosteas
Acaba de rrcebera casa do hvro azul, no
pateo rio Collegio, n. 2, para piano, as se
guirles pegas:
La Fidanzala corso, musir del M. Ci
Pacini.
Nova Castro, drama heroico, posto em
msica e olTerecido ao condedo Farrobo.
Kobetlo devereux, msica del M. I)o-
nizetlj.
Cristina di Svczia, del M Alessandro.
L'Esule di liorna, melodrama heroico
posto em musir porC. Ilonizelli.
La ligua del reggimenlo por Ilonizelli.
liondelmoiite por Ceovanni Pacini.
Esterina Cornaro, musir do Donizelti
Clemenza di Valois, msica deCsbussi.
Obeilo contedi S. Bonifacio, C. Verdi.
Mana regina d'inglaleira, msica de C.
Pacini.
Filena da Mire, msica de Mercadanti.
Cianiii di Parici, msica de Donizeli.
Esmeraldi, msica de Alberto Mazzucato
I duesligaro, msica de Speranza.
La Piicioue di Fdimburgo del Frederico
Ricci
/un, msica del Mercadanti.
Souvenirdas operas modernas por Doni-
zelti. Merendante, llelline, Verdi, e ou-
tras pegas, duelos e rrquenas msicas pe-
los mesmos'cuniposilores.
Charutos de Ha va na,
de superior qualidade : vende-se na ruada
Cruz, n. 10, e mi rie Kalkamann IrmSos.
\inlio de Bordeaux,
de superior qualidade vende-so na ra da
Cruz, n. 10, casa de Kalkmann IrmSos.
lusti lmenlos para m-
sicas.
Vendem-se inslrumcntos para msicas
militares ; bem como pianos e violOes niuj-
tissimos ricos : na ra da Cruz, n. 10, {casa
de Kalkmann IrmSos.
Cadeiraa de palhinha,
e sobas para meninas: vendem-se na ruada
Cruz, n. 10, casa de Kalkmann IrmSos.
Itnrras de Ierro
de muilo boa qualidade, e com segredo pa-
r as abrir : vendem-se na ra da Cruz, n.
10, casa de Kalkmann IrmSos.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de diffe-
renles modelos : ua fabiica de machinas e
fuuriigao de fino, na ra do lirum ,
ns. 6, 8e10.
He barato.
Vende-se um balcSoeuns canteiros ptra
pipas, duas pipas que servem de deposito de
ago'aidenle e urna quarlola que serve para
mel : na ra da Seuzalla-Vellia, taberna nu-
mero 15.
Na fabrica de chapeos de sol, da rus
do Passeio, n, 5, vende-se chapeos de sol
para liouiens, si nlioras e meninos, lano
de seda como de rjanninho, por | regos mais
commodos doqueem oulra qualquer par-
te : vende-se sena e panninhos para cubrir
armagOes de chape >s de sol servidos.
Vendcm-se coudreas e ces-
tinliis linas para costuras de meninas e se-
nhora ; ceslinhas com azas para meninas de
escola ; balaios com ( para cima de mesa ;
ditos pequeos para brinquerio de meninos;
assafates brancos, grandes e pequenos ; di-
tos pintados ; cestas com lampa e aza para
compra de ra : cassalis para n cuinos an-
tfsrem ; esleirs finas de cores ria India ;
quaitinhas, moiingos, jarras grandes e pe-
quea linas, nlguiriares vidrados de lodos
os tamanhos : na ra da Cadeia do Itecife
n. 5.
NA IlUAgllO CABL'CA
Loja rio Duaite vendem-se xicutes ingle-
zcs para carro, ditos pura cava I los, fras-
queiros de metal pioprios de caca, polvari -
nhosrie 2 canos, ebegados ltimamente da
Inglaterra o por piego commodo.
- Vende-se urna borLba de ierro, muito
boa para cacimba ; um palanquim ero bom
uso : ludo por prego commodo : no Aterro-
da-lloa-Vfela, n. 17, fabrica de licores.
--Vend-se, na praga da Independencia,
livrarians. e 8, um habito da ordem da
llosa, por 14,000 rs.
Vende-se sebo refinado,
propiio para velas de carnauba :
na ra da l'raia, n. 32.
ao ar-
, -.... Trance-
Izas finas e de modernos padrOea nimia nSo
vistos neste mercado, pelo barato prego de
320 rs. cada um covado ; panno preto, pelo
barato prego de 1,600 rs. cada um covado;
leugos de cambraia brancos e abarlos pela
beira, a 2,800 rs. cada urna duzia.
Moya llamos&C,
na ma Nova, n.6,
vendem as verdadeiras navalhas inglezas
do melhor autor, e caivetes de mola para
pennas.
Vende-se araruta, a 240 rs. ; chouri-
caa, a 400 rs.; queijos do reino, a 120 rs. ;
manteiga ingleza, a 400 rs.: na ra Direila,
n. 14 Namesina laberna precisa-se de um
feilor para um sitio distante desta praca 10
legoas.
Vende-se urna vecen torina,
muilo boa leiteira, vinda ha pou-
co de Lisboa, com urna cria de (
mezes; no Hospicio, sitio n 8.
Vende-se missa de Kequiem
tre voce pieno com ac-
compsgnamento d'organo, com-
posicao de Cherubini : no pateo
do Collegio, loja do livro a,zul.
Vende-se a obra P.ecreagSo philosophi-
ca pelo padre Tlieodoro de Almeida : na
ra Nova, n. 16.
Na ra Aova, loja, n. 2,
airas da Matriz,
recebeu-se um sortimento de encerados
pintados, proprios para mesas de jantar,
por ser de largura de 6, 5 e 4 palmos; man-
gas para castigaes; chapeos de seda para
linmem, ditos de n amina, ranas verdadoi-
ras da India para bengallas, a quede urna
se faz duas; lengns de cambraia rie I i n lio ;
candieiros para sala, ditos de corda, lengos
ile seda, a 1,006, 2,000 e 2,400 rcis ; frascos
l'agoa de colonia, a 2,000, 4,000 e 6,000 rs.;
agoa para linpir cabellos, espelbos peque-
nos, a 2,000 ris ; chapeos de palha para
senhora, sapatos de roiio de lustro, a 6,700
ris ; riiio- de marroquim, a 1,500 ris;
ditos de lustro, a 2,000 ris ; bolins gas-
peados para senhora, a 5,000 ris, ditos de
cores para meninos, a 4,000 ris; c peles de
couro de lustro fianrez.
-- Vende-se um lindo mulatinho, pro-
prio para aprender oflicio, ou para pageni ;
um relogio sabonete de prtla e horizontal
um dito de cima de mesa : na ra de Aguas
Verdes, n. 5.
-- Na ra dasCruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 6 escravas, sendo urna
crioula, recolhida, de 18 annos, que en-
gomma, cose cho, cozinha e lava ; urna di-
ta de elegante figura, com as meamos ha-
bilidades ; urna dita de nagSo, de 24 annos,
com as mesinas habilidades ; urna dita d
nagSo, que coziiiha, lava e he ptima qui-
landeira ; urna dita da Ccsla ; um moleco-
te de nagSo Angola, de 18 a 19 annos, de
inda figura, e que he proprio para qual-
quay servigo.
| A ultima moda*, o
' Para roupinhos ele vestidos veludo j
2? de cores, conforme os ltimos figu- O
V* rinhos: vende-se na ra do Crespo, <3
:v n. 9, loja amarella. O
O 0
ugio, no diaSOdo prximo passado
o mulatinho Jos, de 14 a 16 annos pouc
mais ou menos, cor avermelhada, cabellos
pretos e annelados, beigos grossos, bocea
um pouco pontuda; levou camisa de ma.
dapolSoe caigas de brim trancado de algo-
dSo riscado : quem o pegar*lere-o i ra da
Aurora, casa immediata ao n. 18, que sera
gratificado.
I)o engenho Beberibe fugio o escravo Vic-
torino, crioulo, de 30 annos pouoo mais ou
menos ; he carreiro: quemo pegar leve-o
ao dito engenho que ser gratificado.
--Fugio.nodiall do prximo passado,
urna preta de 30 a 40 annos, de nagSo {Con-
go, baixa, gorda, cor retinta, bexigosa,
olhos pequenos ; tem em urna das faces um
signal de carne, andar atrapalhado, porque
puxa por urna perna ; he bastante desem-
Oaragada no fallar, bastante ardilosa e ca-
paz de Iludir qualquer pessoa que a nSo
conhega bem ; sabe de quasi todas as po-
voagOesda provincia, porterandado a ven-
der miudezas pelo mallo, de cujo saber
talyez se tenha servido para melhor Iludir
vigilancia das autoridades, porque ja de
oulra vez que fugio foi encontrada com um
balaio de miudezas para comelle aubir pa-
ra o centro ; chama-se Maria Joaquina ;ja
ro escrava de um senhor de engenho, cha-
mado Manoel Buarque; levou vestido de
chila azul, panno da Costa, camisa de al-
godfloznho e maia urna trouxa com um
vestido branco, umasaia preta de lila, um
panno preto, um vestido de riscado escuro,
um irasco d'agoa de Colonia, urna faca de
mesa, de cabo branco, urna tigella peque-
a e urna colber de cli. lioga-se, portanto,
as autoridades policiaes, capitSes Je cam-
po e outras quaesquer pessoas, que a appre-
hendam e levem-na a ra dos Quarteis, lo-
ja de miudezas, n. 22, que serSo recom-
pensados.
[\a roa do Crespo, n. 11.
vendem-se Maguuin Lexicn novos, a 5 e
6,000; Charnia novo, por 4 e 5,000 rs. ;
Ceographia'Ie Vellez nova; Chronologia ;
Ituy o esciideiro, conlo por Mousinho de
Alhuqucrque ; Discurso apresenlado a me-
sa da agricultura sohre a construcglo dos
edificios ruraes, jor Jos Felicitno Fernan-
des Pmbeiro, com 40 estampas; Horacio,
Tilo Livio, Salustio, Virgilio, Fbulas de
La Fontaine, Cornclio, Fbulas, Selecta,
Telemaco, Diccionario de Vieira : todos es-
tes livros se vendem mais barato do que
em nutra qualquer parte.
Vendem-se 2 mulatinhas, urna de 10
aunos e a oulra rie 12, de muito liodas fi-
guras, com I mis principios de habilidades,
je que silo propiias parn um pai fazer mimo
a urna lilha, per serem vendidas por urna
grande precisSo ; urna prela de 20 anuos,
que cozinha, engomma e lava de sabilo ;
urna prela boa quitandeira, com dous li-
nios, um de 7 annos e o outro de 5; una
escrava da Cosa, muilo boa vendedeira ; 2
escravos os mais lindos que prie haver
para carregar palanquim a moda da Baha ;
2 ditos para todo o Ha lu lio ; 2 o.oleques,
um de 10 anuos e o outro de 16, proprios
para lodo o servigo a que os queiram appli-
car: na ra do Collegio, n. al, primeiro
andar, se dir que vende.
Vende-se urna grande commoda de an-
gico, i.or 40,000 rs. : pera ver.no becco da ;
viccn, ii. 35; e para tratar, na ra rio I
I/lozano, n. I.
200,?000.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Hio-de-Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao annos pouco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado;
o outro de nome Euzebio, criou-
lo, de 24 annos poucc mais ou
menos, estatura alia; levou Calcas,
camisa e bonete azues. Roga-se as
autoridades policiaes e capitaes de
campo, que os apprehendam e le-
vem-nos ruado Trapiche, n. 34,
casa de Novaes & Campanhia, que
recompensar.
Nodia 19 do passado fugio da casa de
Guilherme Marques de Souza, morador em
Olinda, um cabrinha de nome Domingos, de
16 a 18 annos ; levou caiga de algodSo Iran-
cado azul, carniza branca e bonnel prelo;
he feio, de estatura baixa, urna arranha-
dura na testa e falta de cabellos dos lados
junto s orelhas: quem o pegar ser gene-
rosamente recompensado.
Fugio, mi da ultimo do passado, a es-
crava Halbina, baila, grossa, cara redon-
da e Instante talluda as faces e testa, sig-
naes de sua nagSo, por ser da Costa, | rc-
nherie8para 9 mezes; levou vestido de
chita branca com palmas encarnadas e ro-
tas, e panno da Costa j usado ; he muilo
eonhecida por vender leite, oilys e mais
fructas em um laboleiro : quem a pegar le-
ve-a a ma Velba, n. 83, ao padre llacalho,
que gratificar.
Fugio, no dia 29 de abril ultimo, o es-
cravo Joaquim, crioulo, col por ler de
menos o braco esqueido, representa ter 32
annos, de aliura regular, pouca barba, pes
largse coro os dedos quasi todos comidos
de bichos ; suppe-se que n ia para a bar-
ra do peale, comarca do Bonito, de onde he
nalural: quem o pegar leve-o a ra do Vi-
gario, n. 7, primeiro andar, ou noCordeiro,
sitio da viuva do commendador Antonio da
Silva, que gratificar generosamente.
-Fugio, no dia 21, as 9 horas, um mo-
leque de nome llmale, de 14 annos pou-
co mais ou menos, preto, bastante magro,
cara descarnada, olhos brancos; quando
olha para a genle he um pouco espantado,
cabello um tanto crescido; tem algumas
pelladuras na cabega ; levou caigas do al-
godSo de liatras e camisa de madapolSoque
Ihe fi'ca grande por nSo ser delle : quem o
pegar leye-o ra do Livramento, n. 1*.
Fugio, da barcaga Joitphina, onde an-
dava embarcado, um prelo crioulo, de no-
me Antonio, de 25 anuos, de estatura re-
gular, pouca barba, rosto comprido; he es-
cravo do Sr. Antonio Joaquim de Souza,
morador em MacaodoAss; levou camisa
de baieta azul o caigas de algodSozinho :
quem o pegar leve-o a ra da Madre-de-
Deos, casa de Jos Antonio da Cunba & Ir-
mSos, que recompensar.
-- Fugio, no dia 26 de Fevereiro do cor-
rente anno, do engenho Aguiar, termo da
villa delguarass, o esrravo 'Ilion c, alto,
magro, cor fulo quejparece cabra, olhos pe-
quenos, cara comprida, orelhas pequeas,
com muito pouca barba, pernas finas, ps
grandes. Incoados e cinzentng que parece
solTrerde calor de ligado ; he fallador e re-
grista; quando foge inculca-se forro; ha
noticias de ler andado por Po-do-Alho e
Limoeiro, principalmente nos dias de feira,
e tambem eostuma alugar-se para o servigo
de campo. Hoga-se as autoridades policiaes,
capitaes de campo e pessuas particulares,
que o apprehendam e levem-no ao dito en-
genho, a ontreger ao rendeiio, Torquato
llenrique da Silva, ou nesla cidade na ra
de Dorias, sobrado n. 22, de Agostinbo llen-
rique da Silva, que serSo recompensados.
GraUicagao.
Fugio, da Cidade de Mncei, no passado
abril, a escrava de norne Colecta, rio dou-
tor Jos lavares Bastos, e gratilica-se a sua
apprehensSo nesta praga, ra do llangel,
11.30,:segundo andar: signaes seguales :
crioula, moga, disfargada, boa estatura,
corpo espigado, peitoa escorridos, e com
visivel queimadura no rosto.
I

rsw.: na Trr. de h. t de mu. -1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJZQ5RJ2S_JJG582 INGEST_TIME 2013-04-30T23:26:03Z PACKAGE AA00011611_09785
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES