Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09783


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXIV.
Terga-feira -i
F1ET1DU DOI COBBIIOI.
Goianna e Parahiba, segundas e ritas feira.
Rio-Grandedo-tSoile, quinta feiraaomelo-
da.
Cabo, Serinhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macri, oo 1.*, a 11, e 21 de cada Diez.
Garanbun e Bonito, a 8 e 23.
Boa-fiata e Flores, a 13 e 28.
Victoria, as quinta feira*.
Olinda, todo o dia.
Phisis di LITA.
irur.arniDEi.
Ming. a 3, 1 h. e27 m. da m.
a a 10, as Iih, da ni.
. a I6,i 8 h. e 3 m. da t
24, a* II h.e 51 ni. da ni.
PBEUUK BE HOJI.
Pritnelra a II hora 42 minuto da manbaa.
Segunda a 12 horas 6 minutos da tarde.
de mili o de 1830.
N. 12$.
CAMBIO* EM.
3 DI JBSIHO.
d. por 1/000 r.
rasos ba 8uascnigo. i
Portresmezesfad'ianlad'oiJ 4/U00l
Por seis roezes 8/0001
l'orumanno 15/000]
DIA BA aitSCAT* A.
3 Seg. S.Ovidio. Aud. do J. do orf. e do m. 1. v.
4 Tere. S. Quirino. Aud. do chae, duJ.da 1.(Sobre Londres. 267,64
v. do civ. c do dos fcitos da fazenda. Pars, 346.
5 Quart. S. Marciano. Aud. do J. da 2. v. do civel. I > Lisboa, 100 por rento.
O Ouint. Mobcrto. Aud. J. dos or. c do ni. da[ Orno.Onca hespanhoes......... 29/000
1. v. Moeda de 6/400 velhas.. 16/500
7 Seit. 9'90 SS. Coraco de Jess. de 6/400 novas .. 16/1(10
8 Sab. S. Sfluslianb. Aud. da Chae, e do da 2. > de 4/000........... 9/100
v. docrline. Prata.Patacoes brasileiro...... 1/JJ8J
9 Dom. S. Primo c Feliciano. Pesos cotumnarios....... J/JJu
Ditos mexicanos.......... 1/820
m
a 60 dia.
a 29/50
a 16/700
a 16/2011
a 9/200
a 2/WlO
a 2/000
a 1/840
INTERIOR.
IUO-DE-JANEIRO.
cmara nos sns. DEPUTADOS.
SSSO DE 13 Mil O.
Frcsidtnaia do Sr. Gabriel Hiendes So Sanio.
HEQIIERIMENTO SOBRE A AMNISTA AOS SR*.
PKDRO IVOK MIGUEL AFFONSO.
(CoWnuof4o do n. 124. )
O Sr. Angelo Ramos (para una urgencia):
Eu pedi a palavra para requerer urgencia afim
de se dimitir o requeriinento que, no sabba-
da, eu e o ineu amigo apreienlmo consl-
derncao da cmara. Entendo que eate negocio
lie multo importante, que elle prende hoje a
attenco publica ; chama aattenco nao a da-
quelles que apoiao aogovernoconio dos que ca-
tao na opposicao e ineamo dos indiil'e rentes; he
urna questao i'm que e envolve interesse trans-
cendente para o paiz. Porlanto, deiejava que
V. Exc. aubmeltetse cata o ineu requeriinen-
to; espero que ella nao le recusar a prestar-
Ihe o eu apoio, por iso que he negocio que
ou devr ser lugo discutido, para que se infor-
me o publico do.quc trm bavido de positivo,
ou ento, adiaudo-ae, nao baja mais (obre elle
diicusiao.
O Sr. Presidente: Vou lubmelter a votaciio
da cmara o requeriinente do Sr. deputado;
mas, para direccao minha, deiejava saber se a
urgencia que pede he para se diecutir o reque-
rimrnio na primeira parle da ordem do dia ou
at terminar a diicnssao do meimo rrqueri-
llii'lllo....
0 Sr. kngelo Ramos: At terminar a dls-
cussao.
Consultada a cmara a este respeito, decide-
sepelo requeriinento do Sr. Angelo Ramos.
O Sr. FtrnnndiS Chaves (pela ordem): Creio
que el discuisao est. (Vira da ordem. O no-
bre deputado pelo Para fez um requeriinento ;
ana pergunto eu a materia que faz o objec-
to deste requerimento pde-se considerar co-
mo propriamente de um requeriinento ?
Creio que nao lapoiados.) Segundo os notaos
estyloi parlamentare? julgn que nao ser erra-
da esta definido de requerimento que se
pude entender como tal sempre que se pedem
documentos ou esclareciinentos para resolver
ajina questao. Ora, o que o nobre deputado
pelo Para pede no sao nem documentos, nem
verdaderamente esclareciinentos ; do que elle
trata he laciamente de resolver a questio.
. O Sr. Soma franco: Peco a palavra,
O Sr. Fernandei Chava: Eu -iao quero pri-
var de inaneira alguma a opposicao de fallar
sobre questao tan importante: anula me re-
cord das vexacoei que sufl'ri durante a presi-
dencia do tinado Sr. Chicliorro (riladat); por
isso no poaao querer privar aos meus adversa-
rio de um direito que aeinpre prrzel; o que
pon'-in desejo he que a opposicao use deste di-
reito dentro dos limites,pela furnia marcada no
nosso regiment. Ora, o regiment fax dislinc-
c; 111 entre requerimeuto e interpellaco, e esta
materia nao he, como acabei de mostiar, objec-
to de um requeiiineiits, mas de una interpel-
laco. Pedia, poli, que o nobre deputado re-
dlgieo leu prnsainento de outro modo, que
llie dsse a forma antes de urna interpellaco
que de um requerimento.
Ero cunclusao, parece-me que V. Exc. nao
devera ler iibmettido discusso da casa esta
.naleiia coinn requerimento; mas, jaque ella
chegou a este ponto, a inaneira mais apropria
da de sahirmos do embarazo, he que V. Kxc.
pruponha acamara se julga o que est em dlsr
cussiio materia de um requerimento ou de uma
interpellaco. Se te decidir que he uma nter
peiiacao, cin lempo competente acra apresen-
lada; a opposicao nao licar privada dos unios
de fallar....
O Sr. Sayn Lobato: Depois da dlscussao
liavida, uo interessa t opposicao fallar. (A-
jtUos.)
O Sr. Fernanda Chatti: O que eu quero he
que se d a esta discuiso mais solcmnidade,
que nao seja de alguma sorle como que sor-
prendida a cmara ; desejo que estejam pre-
sentes os ministros, que todos nos emn nos
preprenlo para semelhantc discussao : cala
solemnidade nao pdehaver si-nao por ineio de
. uma Interpellaco.
O Sr. Presidente: O regiment nao marca
quae a materia que devem ser objeeto de
um simples requer .ni uto ou de uma interpel-
laco. Creio que he direito de cada uin.Sr. de-
putado fazer da materia de que quer tratar, ou
requerimento ou interpellaco. 0 que ueste
caso tne guin fol o artigo 125 do regiment
passoa ler este artigo, e por elle o nobre depu.
tado ver se a mesa marchou em rrgra ou nao.
(Li.) A' vista desta dlspoiico, entendo que o
nobre deputado pelo Para poda fazer da ma-
teria que propz objeeto ou de um requeriinen-
to ou de urna, interpellaco. Como sao infor-
inaces ou esclareciinentos que pede, nao pos-
so deixar de considerar a sua moco como re-
querimento, na forma do artigo 1*5 que acabei
de lr.
Tein a palavra oSr. Angelo Ramos.
O Sr. Sayio Lobato: Eu tambein pedi a pa-
lavra a favor do requerimento....
O Sr. 'rendente: lallou o Sr. Goncalves
Mai lins contra, segue-se o Sr. Angelo Ramos
pi ....
O Sr. Soyao Lobato : -Tambein a pedi a favor.
O St. Presidtntt: Na relacao que o Sr. se-
cretario fez est o nenie do sr. Angelo llamos
inscripto em piiineiro lugar.
O Sr. Angelo Hamoi : Sr. presidente, o veo
que envolva os negocio de Pernambuco foi
tocado, mas cin minjia opinio nao foi elle le-
vantado para que aprrsentasse o objeeto qur
occiillava em toda a aua nudez. Nao me levando
(rnente das liiformacAe que tenho lido a res-
Celto do que se passou coui o Cipito Pedro Ivo
rllosn da Silveira e eu compaiiheiro Miguel
Allouso Ferreira, mas analysando e combinan-
do a iulornaces que o nobre deputado pela
Haliia no den, mu obi igado a ci ir que o cap
to Pedro Ivo foi Iludido- que o nobre pre-
sidente da Uahia lex o papel do philoaopno que
coinpunha um pequen mundo de dados, jul-
gando assim governar o universo.
Querendo seguir t marcha da ditcussflo
que Uva lugar eabbadi>t principiare! oceu-
pando me dos argumentos apieaenladoa pe-
lu nobro ministro da mirinha, e paasarel
ao depois Aquelles do honrado membro pela
lishia.
S. Exc. dando explicacOos sobre cada i
um dosquisitos queformatn o requerimen-
to da opposicSo, cotnecoa d2endo que e9ta
materia devi aer ohjeoto de uma interpel-
luc-'o e nMo do um requerimento. S n<
reectirmos que a discussfio de uma inter-
pella^So pode ser marcada para um dia, em
tuetorlo o i ulerease que posst" haver pela
discusslo tenha cesaado ; ae nos lembrar-
mos de que esta materia he muito grave,
que a altencffo publica reclama que h*ja so-
bre ella toda a luz, havemos de concluir
que a opposieRo obreu em regra apresen-
tando um requerimento que provoctsseim-
mediatamente discussSo sobre materia ia->
grave Mas, senhores, o que he de nntir
he que S. F.xc. aomesmotempo que dizin
que discusslo era intempestiva, da va ex-
plicares Nem era precisa a assistencia de
todo o ministerio para tratar-se deste nego-
cio, porque he elle um daquelles em que
qualquer memhro do gabinete, e muitn
mais de um gabinete que se diz solidario,
deve estar sufficiontomente informado, pira
em qualquer momento, chamado ao cam-
po da discusslo, dar as explicacOes preci-
sas cmara. Demais, accrescia que o nobre
deputado pela Rahia, que neste negocio faz
iim.papel importante, acbava-se presente,
poda dar todas as explicaces que o caso
exiga.
A respeito do prirm-iro quaito, em que
se pergunta se a amnisti concedida pelo
decreto de 3 de maio Foi elTeito da clemen-
cia imperial, ou se de promessss aos chefes
revoltosos, o nobre ministro responden que
foi efleito da clemencia imperial, que ne-
nliiiiii ajuste tinha havido. Como esto ob-
iecto se prende com as explicacOes dadas
pelo nobre deputado pela Rahia, eu delle
me occupsrei, quando responder os argu-
mentos do nobre deputado pela minha pro-
vincia.
O segundo quisito do requerimento he se
os efleiios deste deoreto devem se estender
certas e determinadas pessoas, isto he.
aos "befes que se conservaram em armas
t ltimamente, e as despozeram a final,
ou se a todos os complicados no movimen-
to de Pernambuco. S. Exc respondendo
este quisito, disseque muito se admimva
de que se perguntasse qual era a intencRo
futura do ministerio. Ota, quando a pri-
meira amnista concedida para Pernambuco
lata de II de Janeiro do anno passado, e
sendo a amnista sem condeno para lodos
naque'depozessem as armas, foi este de-
creto esquecido. e no da 3 de maio foi con-
cedida a amnista a certas e determinadas
pessoas, e sol certas condicOfs, me parece
quo a opposicao estava no seu direito per-
guntamjo ae essa amnista he, por assim
dizer, individual, diz respeito a certa ca-
thegoria de pessoas, ou nflo; bem como
qual he a apolicauin que o ministerio pre-
tende fazer desse decreto. A pergunta pos
foi muito regular, porque me parece que o
corpo legislativo, interessalo, como deve
ser, cerca dos negocios do paz, da tran-
qullidade publica, da justica ndamorali-
dade, deve examinar e empregar os meios
para que se nfio f.i(\i injnsUeii, deve pedir
portanlo explicacOes a respeito da applica-
c3o desse decreto, para que assim garanta
a boa execuc.lo que deve ter, e nao*tenba a
sortedode II de Janeiro de 1819.
Versa o terceiro quisito sobre o que ha de
exacto nos boatos que corrom acerca da am-
nista promettida a Pedro Ivo, o acerca de
Hictos que se dizetn _acontecidos, qur na
provincia das .Magnas, qur na da Uahia.
Como estequisilo laubom est ligado a ex-
plicares dadas pelo nobre deputado da Ua-
hia, eu delle me oceuparei quando tratar
los orgumenlos por esse senhor apresen-
lados.
quarto quisilo he que a recusa do capi-
llo Pedro Ivoescu companheiro os isenta
da pena, eos perdoa inteiramente. uno
bre ministro disse que, n9o cumplida a con-
dicSo imposta naS/lecreto de 3 de maio, era
manifest que o dectolo no produzia os
aeus elli'itns. Haqui tiro a cousequencia
que est na inteni3o do ministerio mandar
processar aocspilSo Pedro Ivo e seu com-
panheiro.
Vm Sr. Deputado : He obvio.
O Sr. Angelo Ramos : Eu entendo Sr.
presidente, que a amnista be cousa muiln
iisliiicia de perJSo ; sendo concedida por
utili la u publica pelo bem do estado, sen-
do aconselhada pela alta poltica, exlrama-
a ente se distingue doperdSo que be con
cedido so individuo. 0 perdSo faz t^t que
cesse o procedimentojudicial, miaflK faz
desappsrecer todos oa effeitos da*W1mina-
ii lacle, entretanto que a amnista faz com
que o individuo fique inleiramenle rehabi-
litado, como se nada tivesse praticalo ; e
quando a nossa propria legislaran distin-
gue o que be perdSo do que he amnista,
8 e 9 do art. 101, me parece que a amnista
dada pelo decreto de 3 de maio devra pro-
duzir os seus effeitos, isto be, quo o indivi-
duo nao podera mais entrar emprocesso,
ponina esl inleiramenle perdoado do Mi-
ase que commetlcu ; podera o i inisterio
lomar qualquer medida a respeilo da condi-
co, mas nunca podera mandar processar o
individuo amnisiiado. Seuhores, um decre-
to de amnista mo se deve entender como
um pacto, ou contrato, j pela adversidade
das pessoas conlraclanles, japorque o in-
dividuo amnistiado nflo he ouvido, j por-
que a amnista he por ulilidade publica.
respeito da recusa das condicOes de uma
amnista ; nflo me consta que tenbam ap-
parecido outros entre nos. Ora, nflo se dan-
do factoslgutn entre nos, he analysando a
natureza de amnista, a intelligencia que
se llie di, que devenios recorrer para deter-
minarmos os seus effeitos.
(I nobre deputado pela Rahia deti-nos ex-
plicacOes cercado quo tinha havido entre
elle e Pedro Antonio Vellozu da Silveira, pai
dbcapitSo Pedro Ivo ; prodozio a communi-
cacao escripts que tinha havido entre am-
bos, e queso acha impressa no jornal que
publica os debates da casa. Ora, no met
entender, attenlendo-sa a essa correspon-
dencia, moslra ella que ocapitfloPcdro Ivo
foi illudido, se llie fazendo crer em mais al-
guma cousa do que aquillo qut consta das
cartas. O nobre deputado disse que foi pro-
curado pelo tenente-coronel Pedro Antonio
Vellozo da Silveira, que Un: maMie-Uu o
desejo que tinha de arredar seu lilla- do cam-
po da guerra em Pernambuco ; mas o no-
bre presidente da Rahia se limiloua apre-
sentar a eommunioa{So escripia que tinha
bavido entre ambos ; notc-se porm que a
pessoa quefallava o tenente-coronel Pedro
Antonio era o presidente da Uahia, era um
individuo que se apresentava naquella pro-
vincia como tendo grande influencia para
com o ministerio ; deve-se notar que era
una pessoa muito ligada aos nobres minis-
tros, pessoa propminente no partido que go-
verna. J se v pois que o tenente-coronel
Pedro Antonio era levado a fallar a seu l-
Iho, contando que o nobre presidente da
Uahia, que consegua ludo quanto quera
da administrafSo central, conseguira tam-
bein o que elle pretenda para seu (ilho.
[Note V. Exc, Sr. presidente, mesmo nes-
sa carta que o nobre presidenle drigio em
resposta do tenente-coronel Pedro Aht>-
no, S. Exc. exprime-so dessa maneira: O
bravo militar que entregar a espada a seu
pai encontrara neslo presidente sympathias
e decidida pintecen, inlerpondo quaesquer
servidos que tenha prestado em favor do
seu novo amigo, certo, como est, de que a
tnfio munilicente do imperador anda nflo
deixou de assignar pcrdOese amnistas (nflo
falla so em pe dan ), perdes e amnistas
quando o pode fazer compativelmente com
a dignidadeda cora Ja v, portanlo, que
aqu moslrou o nobre presidente da Uahia
o empenho quo lluvia de ler, a esperance
que nutria deque conseguira a realisacflo
da 'protiiessa que fez ao pai do capitn Pe-
dro Ivo.
Ora, leudo csteoficial recusndo em Per-
nambuco proposUs mais vantajosas do no-
bro conselheiro de estado o Sr. Carneiro
Lefio, me parece quo seila preciso reconbe-
c-lo como idiota se viesse entregar a su
espada ao presidente da Uahia, se este nflo
oanimassecom p^omessas mais vantajosas
iue aquellas quo llie tinha apresentado o
Sr. Carneiro l.eo. Note V. Exc. que o no-
bre presidente da Uahia, no principio do seu
discurso, disse que a provincia de Pomam-
buco estava pacificada; mas, no fim dess-
discurso, S. F.xc. declarou que as un-lias
eram o.ccupadas por grupos revoltosos, qui
Pedro Ivo podia-se conservar all, o conti-
nuar linda a causar grandes males pro-
vincia do Pernimbuco. He isto precisamen
te o que a fol ha olllcial da Uahia publicou
quando all appareceu Pedro Ivo ; nflo se lie-
ga em um artigo da Tolerancia os servidos
que tinhani prestado osSrs. Honorio e Coe-
l,o ; mas reconhece-se que a pacificaran
completada [ ro vi mi > de Pernambuco ca,
em grande parte, deviila ao presidente da
Babia.
Attendendo-se pois ao carcter oflicial,
posi(flo poltica em que se achava o nobn
presidenle da Uahia, altendendu-se a qui
o capilSo Pedro Ivo nflo tinha aceitado con-
dii,es mais vantajosas do que aquellas a
quo foi sujeito quando chegou aqu no Itio-
de-Jneiro, alguma cousa de mais bouve
que aquillo que se tem dito.
Continuarse-ha. )
PE: NAfffBUC
ASSEftlBLEA PROVINCIAL
MAIO
33.
SESSA OHDINAUIA EM 39 DE
IH-: 1850.
raasiDEaciA do sa. dominos alaquias con-
tinuada ruaa sa, pedso cavalcAkti.
Summario. Ap/.rovartio da acta da tesso
anterior. Expediente. Proicclo. Adju-
mento, pela hvra,dn emenda que cria una
tadeira de piimeirat letrat para o ttxo fe-
minino em Limoeiro, e outra em Caruar.
Approvaeio do art. ll.o do orcaoianfo
municipal em 2." discusso ; do 12.,
com uma emenda do Sr. Helio Reg e outra
do Sr Ruth t Silva ; doi 13", t\
; do 17, com tre
tro lean ta 18,* eom dual 'lo mpsmo
16; do 17", com tre emendas do S
, IV e
r. Cas-1
Assim, pois, nfio pode se appiicir aquillt
que se diz cerca do com-acto civil para
amnista considerando-i como um con-
tracto, dando-se-lhe a niesoia forcaquese
ila a um contracto civil.
Mas o nobre ministro reoorrendo nos-
sa legislacfln, como que quiz provar que
uella tmvia Tactos desla ordem. Parece-me,
que he este o primeiro Tacto que se d 1
Sr. ; do 19," rom uma do Sr. Kacedo ;
dos 20* e 21.";-- de um artigo additivo do
Sr. Catanho.
As II horas da manbfla, feta a cha-
mada, acham-se presentes 26 Srs. depti-
tadus, faltando sem causa participada os Srs.
UarSo de Capibaribe, liaran de Suassuna,
Machado Itios, Manoel Cavalcanli, Costa,
lirumond, Silvestre e Nemezio.
O Sr. Prndente declara aberta a sessflo.
O Sr. 2. Secretario 10 a acta da sess3n
antecedente, que he approvada.
O Sr. 1.* Secretario menciona o seguate
EXPEDIENTE.
Um requerimento, em que os emprea-
dos da secretada e contadoria da cmara
municipal, bem como o engenheiro cordea-
dor, pedem que a assembla declare que os
peticionarios tem direito aposentadoria,
estabelecendo as bases pelas quaes deve ser
ella regulada. A' commissflo de legsla-
cffo.
lleudo julgado objeeto de deliberaco e
mandado imprimir o seg'iinte parecer e
projeclo:
A commissflo de commercio, agricultu-
ra, etc. tendo em vista o requerimento
(Je Marcelino Jos Lopes e outros, enviado
pela secretaria da presidencia, no qual pe-
dumques construa uma ponte que com-
muniqtieoluear dos Coelhos com o Alter-
ro-dos-Afogados, reeonliecen lo autilidale
desta construcc,flo, he de parecer que seja
deferido o requerimento dos supplicantes,
.i loptandn-sc a seguinte resolucflo:
_ Artigo nico. -- Kica autorisato o pre-
sidente da provincia a contractar.sli as ba-
es estabelecdas na lei n.9de 12 de junho
de 1835, com qualquer particular, ou coin-
paohia nacional ou cslrangeira, construc-
i; ni de uma ponte que communiquo n lugar
los C.oellios com o Atterro-dos-Afoga los,
adoptando-se o systema de conslrucgfln que
mais convier; Meando revogadas as dispo-
Sala das commssfjes, 29 de maio de
1850. Agui'ir Rorros flarrelo.t
A requerimento do Sr. Mello Uego, he
dispensada a impressflo deste projeclo.
Primeira parte da ordem do dia.
Discussfio do arligo additivo do Sr. Citira-
na oirerecido so projeclo n. 11.
O Sr. Helio llego : Sr. presidente, em
urna das sesses anteriores, esta emenda in
oassando quasi que desapereebidamente.
Entilo nada disse sobre ella porque me
persuad de que todos reconbeceriam a sua
inopportunidade, e nfio quiz tomar lempo
casa! entretanto, como, contra a minha
expectativa, minios deputados votaram por
seniulhante emenda, aventuro me agora r
fazer alguinas reflexOes a respeito.
Parece-ine que o nobre autor do arligo
additivo nflo demonslrou a necessidade em
que se acliam os municipios, ou termos de
Caruat e l.imoeiro de uma radeira de
nrmeiras letras para o sexo feminino. De-
mais, na provincia ha termos de maiorpo-
julr^flo do que estes dous a que me tenho
referido ;e isto anda coocorre para que
eu me veja embaracado em adoptar essa
medida, cuia utilidude careco de demons-
i racan. Ku liein sei que, com estas minlias
reflexOes, excito o zelo daquelles que se
iiileressain pela creagflo dessas cadeiras em
Caruai e l.imoeiro; mas receio acompanha-
los no afn com que promovemtal creagflo,
porque antevejo os inconvenicnles que ella
,'do trazer, ferindo a susceptilidade das-
>es outros lermos que estando em melho-
res circumstancias do quo os dous que se
quer brindar com nsduas cadeiras, lcam
privados desse beneficio.
Sr. presidente, antes de ludo o nobre de-
putado devia apresenlar-nos a estatstira da
populadlo de-s-'s termos, e demonstrar
com toda a evidencia a n cessdade da me-
dida que prope ; mas nao o tendo feito, e
ignorando eu e lalvez inultos Srs. deputa-
dos, as circumstancias das Incalida les a
(iie essa medida vai spproveitar, porque
nflo tenho infonnaees pa>ticulares a res-
peilo dellas, vejo-mo obrigado a volar
contra o arligo.
O Sr. Gitirana : Sr. presidente, nada be
mais dillicil do que convencer aos mais. 0
oobre deputado impugnando oarligo, nflo
ipreseutuu rasflo alguma, que zesse cadu-
car a sua disposieflo, porquanto apenas dis-
se, que nflo e^avu ditposio a votar por elle,
porque iguorava so era necessaria a criatjflo
das cadeiras ; mas eu entendo, que por esta
mesilla rasflo he que o nobre deputado de-
via volar a (avor, porque em caso do duvi-
a he melliui' d;ii idii-, a qualuucr lu.:ar uma
cadeira de inslrucrjflo primana, do que nc
^armo-la. Mas o nobre deputado disse,
I iii* ha termos mais populosos,que por con-
seguidle merecem mais do que cales. Eu
i lem de nflo uiiliecer quaes sejam estes ter-
mos, mi.i obstante ler viajado baslante
pela ptoviucia, parece-meque competia ao
nobre deputado provar quaes elles eram,
mas nflo o !'''. Depois o nobre deputado
sabe, que nosta casa ha representares das
cmaras de Caruar. e l.imoeiro, pedindo
laes cadeiras ltenla neccssidade,que ha del-
las. E porque nfio havemos de dar crdito
a estas cmaras ." As villas de que falla o ar-
tigo, sflo caberas de comarca, silo importan-
tes e por conseguidle devem ter grande po-
pulacho, e lio quanlo basta, segundo o meu
fraco pensar, para que esta assembla de-
crete as cadeiras, que proponho.
Sr. presidenle, pens ler provado a ne-
cessidade do meu artigo, se porm o nobre
deputado nflo esla cunvencido, vote contra
elle, que esla no seu direito, que cu volarei
a favor.
Ha grande susurro na casa.
O Sr. Presidenle reclama a atieneau.
O Sr. FiuiiiC iuii {iiii'd" .'..'-' se o ;;.;;.-.:-
Sr. presidente, nao desejo oppor-me ao
ln-........i que parece dominar ao nobre de-
butado autor do artigo additivo que ora se dis-
cute ; isto he, nao me opponhn ideia de le-
vnr-sea instruccao publica a todos os pontos da
paroviucia, que estiverein as circumstancias de
recebe-la, paraquese ella derrame o mais pos-
slvel pela populaco : mas opponbo-uic for-
in.11 me n le .1 n eacao de callen as para o sexo fc-
111111100 nessi-s termos ou villas centrae, oude
sao verdadeira sitie curas ...
O Sr. Gitirana : Prove.
OSr. Francitco JoUo : Prove !! ExJgir-se a
prova desla minha asiercao equivale a querer-
se que eu demonstre que agora he dia. Eu nao
disse que as cadeiras de primeira Itjttras para
o sexo femiiiiuo sao inuteisem toda as para-
gens, mas sim em alguus lugares do centro da
provincia ou na mor parte delle....
fin Sr. Depulado : Ento proponha a sup-
pressao dessas cadeiras.
O Sr. Franciico Joo: Sr. presidente, dese-
joso de secundar o empenho do nobre deputa-
do, querendo mesmo suppor que, proppondo
esta medida, elle nao teve em vista sen.-in a
11 til ni.ele publica, coinpi miielto-nie a substitu-
la por outra que, conservando o penaamento
da do'nobre deputado, evite os inconvenientes
pie della jiodeni resultar. F. esta medida con-
siste na remociio da cadetra de primeiras lel-
trai do sexo feminino do Uouito para iiiiimi. .
Um Sr Drpulndo : K ha de ficar o Honito
-em inslrueciio primarla ?....
O Sr. Francisco loo : l'ropponho a remo-
cito ,| 1 |n 11 1 cadeira, porque eatou informado
le que ella nflo he l:io necessaria all como em
Ciruir : entretanto o nobre deputado poilti-
ra e imperiosamente oppe-sc minhi ideia.
antes de averigoa-la,.antes de demonstrara
sua inopportuiiiilade !!.....
1.1.1 mi 1 a I iuioeirn, Sr. presidente, presumo
que se d o mesmo inconveniente que a rerpei-
10 do Bonito, e por coii9eguinte entendo que
nao devenios dar-lhe una cadeira de primeiras
ettras par* o sexo feminino, que em ultimo re-
sultado nao lera alumnas.
Sr. presidente, eu Dio son hoinem de exage-
racoes : meus discursos nao se resenlem deste
defeitn. Localidades ha que niio podem ser ex-
clu las desse beneficio que se quer lilieralisar
a quem o nao merece; Coianna, por exeulplo,
cuja aula me consta ser muito frequrntada,
mo pode, quanto a isto, ser stijeita s meainas
regr.is que quero cst.ibclecer para l.imoeiro....
OSr Gitirana : Porque nao ?
OSr, Francisco J0.I0 : O uobre deputado,
quarrdo prope urna medid-i qualquer, up-
pOe- na iiidispensavel, c como que preerivel a
indas as nutras quando, por rxemplo, tratou
los acudes, encarecen a tal ponto o seu projec-
lo, que nos quii fazer considera-lo como um
aalvaterln publico, e afanoii-se tanto pela a hip-
an delle, que, ao ouvi-lo. julgar-se-bia que, a
nao pasiareui os acudes, viulii abnixo todo este
co velho.
Concilio mandando mesa a emenda *dc
transferencia.
He lda e apoiada a leguinte emenda :
u Fica transferida para a povoaciio de Carua-
r a cadeira de primeiras leltras do sexo femi-
nino do r. linio. Francisco Joo.
O Sr. Gitirana :Sr. presidenle, nflo pos.
so aceitar a emenda do nobro deputado so-
bre a transferencia da cadeira de primeiras
leltras de meninas do Honito para Caruar,
porque reronhera) que no Uonilo se carece
le tal cadeira e nflo sou eu su quo assim
pens, pois tendo esta casa um anno deter-
minado a transferencia dessa cadeira para
Fra-de-Pnrls vio-se depois, no anno se-
guinte, na pr.cisflo de instaura-la. Ha pou-
co, estive no Bonito e vi, que crescdo nu-
mero de meninas frequentava a aula, e at
assisti aos exames, para os quaes fui convi-
dado pela respectiva professora, a qual mui-
to 84 esmera no ensino de suas alumnas,
como presenciei, por ter entilo servido de
examinador, visto faltar um dos nomea-
dos.
Um Sr. Pcpulaio :--Era o juz da Ierra !..
Hilnridade. )
OSr. Gitirana, posse pois, aflirmar casa
quo a cadeira tem umeroscido numero de
alumnas, pois, alin das que se examinaram,
oiitras militas liear.nu i or examinar.
O Sr. Francisco Jlo :Que numero ?
OSr. Gitirana: Nflo sei precisamente,
porque nflo contei, porm po>so aflirmar ao
nobre deputado, quo tem mais de 20. Voto
oois contra a emenda, e a favor do arligo
a Iditivo que apresentei.
( 0 Sr. Pedro Cavalcanli oceupa a cadeira
la presidencia. )
Continua dscussao.
O Sr. Francisco Joo insiste as suas ideias, e
responde ao precedente orador.
Sr. Jorr Pedro sustenta o artigo additivo e fia
lversas considerafes geraes acerca da ma-
teria.
O lelogo da casa marca meio-dia.
OSr. Presidenle: A discusso tica addiada
pela hora.
Segunda parte da s>rdem do da.
(Jontiuuacao da segunda dscussao do orca-
inento municipal.
He approvado o seguinte artigo:
Art.,11. A cmara municipal deSirinhflem
he aiiim isnl.i s despender com os objectos
designados nos seguintes paragrapbos
planta de 330,030 res; a Sibcr :
1. Coin os empregados, sendo
o orden ido do secretario 120,000
ris. do porteiro 25,000 rs.. do
procurador os 6 oor canto calcu-
lados cm 25,000 rs., e dos ficaos
las freguezias a porccnlagem de
20 por cento, calculada em ris
20,000 190,000
2. Com o expodiente e despe-
zas muidas 10,000
3. Com o tribunal do jury o
cleices 30,000
4. Com as custas dos processos
criminaos e contravenQdes de
posturas 50,000
5. Com as despezas evenluaes 50,000
Entra em discusto o artigo 12 :
Art. 12. Acamara municipal do Rio-For-
mozo he autorisada a despender com os nli-
jectOS designados nos seguintes paragra-
pbos a q utili ta de 1:224,000 ris; a saber:
i. Com os eoipiegadb, seudu
o ordeuaJo do secretario ris
120,000, to porteiro 50,000 ris,
do procurador os 6 por cenlo cal-
culados em 60,000 ris e mais a
gratificacflo de 50,000 rs., e dos
liscaes*das freguezias a porcenta-
gem de 20 por cento calculada
em 20,000 ris, tendo o fiscal da
Villa a g"tilieaeao de 50,000 ris 350,000
2. Com oadvogado da cmara 100,000
3. Com o expediente e despe-
zas mudas 30,000
4. Com o tribuoal do jury e
ciernes 60,000
5 Com as custas dos proecs-
;ivn


P"""P^^P
sos criminaes e contravences de
posturas 200,000
6. Com obras, reparos o lim-
peza das ras 200,000
7. Com o aluguel da casa da
cmara 144,000
8 Com o fornecimento d'agoa
c luzes para a casi de prisSo 50,000
9. Com despezaseventuaes in-
clusive 12,000 rs. para aassigna-
tura do Diario 90,000
Vito mesa, e ajo apoiadas, para entrarein
cm discussao, as seguimos emendas:
Com a ponte do riacho da Sena-d'Agoa na
cidade do Rio-Forinoo 400,000 rs. Selle.
da nalavra ras diga-sc c miles 000,000 rs.
Mello Keya.o
Ao paragraplio 1.* artigo 12. Em lugar
de 120,000 rs. marcados para o secretario, dga-
se 200,000 rs. E neste sentido auginente-se o
ijuantilativo. A t Silva,*
Depois de alguinas observaces doa senhores
Carneiro da f.unha, Settc, Mello Reg, Flori-
pes, Ralis e Silva, encerra-sc a discussao e o
artigo he submeltido votacao e approvado
com as emendas dos Sis. Mello llego, e Ralis e
Silva.
4. Com o tribunal do jury o
eleices -60,000
5. Com as rusias dos proces-
aos criminaes e contravences de
posturas 400,000
6. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia 40,000
7. Com obras, concertos o lim-
za das ras 500,000
8. Com as despezas eventuaes,
inclusive 12,000rs. para a assig-
na'ura do Diario 62,000
245,000
10,000
3,880
40,000
100,0011
12,000
A emenda do Sr. Selle foi retirada a pedido
de seu autor.
Sfio approvados sem discussao os seguintes
arligos :
Art. 13. Acamara municipal da villa do
Bonito he autorisada a despender com os
objectos designados nos seguintes paragra-
pbos a quantia de 952,000 rs.; a sab.r :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 200,000
ris, do porleiro 50,000 ris, do
procurador os 6 por c, nto cal-
culados em 40,000 ris, o mais a
gratificlco de 50,000 ris, e do
liscal da villa a porcentagem de
20 porcento calculada em ris
20,000, e mais a gratificado de
50,000 ris 390,000
2 Com o advocado da cmara 50,000
3. Com o cxj uJuMiie e despe-
zas miudas 20 0(i"
4. Com o tribunal do jurv o
eleices 80,000
5. Com as custas dos procesaos
criminaes o contravens de
posturas 100,000
6. Com reparos e limpeza das
mas 100,000
7. Com o fornerimenlo de luz
o agoa para a cnleia .".0,000
8. Com o aluguel da casa da
i cmara e jurados 96,000
9. Com despezas cvenluies,
inclusive a quatilia de 16.000 ris
para a asignatura do Diario 66,000
Art. 14 Acamara municipal da villa de
Brejo he autorisada a despender com os ob-
jeclos desgnalos nos seguintes paragra-
phos a quantia de 572,880 rs. ; a saber :
1. Com os etnpregados, sendo
o ordenado do secretario de res
150,000, do porleiro 50,000 ris,
do procurador os 6 por cenlo cal-
culados cm 25,000 ris, e dos lis-
caes des freguezias a porcenta-
gem de 20 por cenlo calculada
em 20,000 rs.
2. Com o expediente e despe-
zas miudia
3 Com os foros dos terrenos
oceupadus pila cmara
. Com o tribunal do jurv e
el-ices
5. Com as cusas dos prores-
sos criminaes e contravences
de posturas
6. Com o fornecimenio de luz
eagoa para a cadeia
7. Com despena eventuaes, in-
clusive 12,000 rs. para a assig-
natura do Diario, o a divida dos
predios do patrimonio, que so
deve 162,00.
Art. 15. A cmara municipal da villa de
Cimbres be autorisada a despender com
os objeclos designados nos seguintes pa-
ragrapbos a quantia de 404,400 ris; a
saber :
1. Com os empregados, irado
o ordenado do secretario 150,000
rs., do poiteiro 25,000 rs., do
procurador os 6 por cenlo cal-
culados em 41,600 rs., c dos lis-
caes dos fieguezias a porcenia.
gem de o por ceuto calculada
em 12,800 ris
2. Com o espediente e despe-
zas miudas
3 Cotn o tribunal do jury o
elevos
4. Com as custas dos proces-
sos criminaos e contravences
du posluias
5. Com despezas eventuaes e
reparos
Art. 16. Acamara municipal da villa d
Caianhuns be autorisada a des,enierVou
os objeclos designado* nos seguintes para-
graplios a quantia de 742,000 rs. ; a saber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secreUiio 200,000
rs., do porleiro 40,000 is., do
procurador os C por cenlo cal-
culados em 30,000 it'is c doa lii-
caes das freguezias a porcenta-
gem de 20 por cenlo calculada
e 111 20,000 rs.
2. Com o expediente e despe-
zas miudas
3 Com o tribunal do jury e
vloiffies
4. Com as cusas dos proces-
sos criminaes e contravenenos
de posturas
5. Com o fornecimento d'agoa
e de luzes para a cadeia
6. Com despezas eventuaes
inclusive 12,00o res para assig-
natura do Diario
Entra em discus3ao o artigo 17, rcdigido as-
sini:
Art. 17. A cmara municipal da villa de
Flores he autorisada a despender com
os objectos designados nos seguintes paia-
grapbos a quantia de 1:190,100 ris: a
saber:
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 300,000
rs., do porleiro 40,000 rs., do
do procurador os 6 por cenlo cal-
culados em 50.000 ris, e dos
liscaes das freguezias a porcenta-
gem de 20 por cento calclala
em 20,000 rs.
T 2. Com o expediente e despe-
zas miudas
3 Cotn a decima dos predios
urbanos
229,400
15,000
30,000
50,000
80,001
Vo mesa e sao apoiadas as segninlcs
emendas:
Ao artigo 17 paragrapho 1. Em lugar de
300.000 rs. ao secretario da cmara municipal
de Flores, diga-se 200,000 rs. Castro Leao
Ao paragrapho 7." do artigo 1T. Em lu-
gar de 500,000 rs. diga-se 200,000 rs. com as
obras, concertos c limpezas das ras. Cintro
Leo.
Ao paragrapho 4. do artigo 17. Em lu-
Sr de 00,000 rs. diga-se 100,000 rs. com o tri-
bunal do jury. Castro Lxo.i*
Move se breve discussao n que tomam par-
te os senhores Castro Leao e Carneiro da Cu-
11 ha.
Julgad.i a materia discutida he o artigo ap-
provado com as emendas ofl'erecidas.
Passa-si' a isoulir o seguinle:
Art. 18. A cmara iinunicipal da villa
da Tacarat he autorisada a desi endor com
os objetos designados nossegintes paragra-
phos a quantia de 532,000 rs.; a saber:
1. Com os empregados, sendo
0 ordenado do secretario 180,000
rs., do porleiro 32,000 rs., do
procurador os 6 por cenlo calcu-
lados em 40,000 ris, o do fiscal
da fteguezia a porcentagem do
20 por cento calculada em ris
20,000 272,000
2. Com o expediente e despe-
z miudas 10,000
3. Com o (tibunal do jurv c
eleicOes 10,000
4. Com as custas dos proces-
sos criminaes e contravences
de posturas 80,000
5. Com urna casa |ara acou-
gue 100,000
6. Com despezas eventuaes 30,000
He approvado com as seguintes emendas :
" A o paragrapho l.u do artigo 18. Em lu-
gar de 180,000 rs. ao secretario diga-se 100,000.
Castro Lto.
Ao } 3." do art. 18Lm lugar de 40/
rs. diga-se 80,000 rs. com o tribunal do
jury e eleices."Castro Leo.*
Entra em discussao oait. 19:
Art. 19. Acamara municipal da villa da
lia-Vista he aulo'isa la a despender com
us objectos designados nos seguate! para-
grapitos a quantia de 891,000 ris ; a saber .
1 Com os empregados, sendo
o ordeado do serrelario ris
300,000, do porleiro 40,000 ris,
Joajudanlc do (orleiro 20,000
rs., do 1 rocurador os 6 por cen-
lo calculados em 42,000 rs e dos
li-e. es das freguezias a poreon-
lageni de 2o ,or cenlo cJculuda
em 20,000 reis 422,000
2 Com o advogado da cmara 150,000
3. Com o expediente e despe-
zas miudas 10,000
4. Cum o aluguel da casa que
serve de archivo 12,000
5. Com o tribunal do juiy o
eleices 50,000
6. Com as rustas dos proce-
s>s criminaes e contravenenos de
posturas 80,000
7. Com o fornecimento de lu-
zes p;,ra a cadeia 20,000
8. Com obras e limpezas das
iuas 10,000
9. Com despezas eventuaes 50,000
He approvado com a seguate emenda
AO$1. do art. 19 Km lugar de 300/
rs. diga-se 150,000 --Macelo.
Sfio approvados sem discussao os segun-
tes:
a* 1
---------r wSm---------------
calculados em 40,000 rs., do fiscal 20 por
eento calculados em 20,000 rs.
2. Com o expediente e despezas miu-
das 20,000 rs.
u 3.0 Com o jury e eleleoas 80,000 rs.
4. Com as custas de processos criminaes
i contravemje*. do posturas 100,000 rs.
11 5." Com o fornecimento de luzes o agoa
para a cadeia 50,000 rs.
6.a Com reparos o despezas das ras
60.C00 rs.
7. Com Eventuaes 60,000 rs.-- Cala-
nlto.
Depois do breves reflexcs do Sr. Mello
llego, he o artigo approvado, sendo rejei-
lada a seguidla "menda :
Em lugar de 200,000 rs. com o ordena-
do do secretario, diga-se 150,000 rs.Mello
llego.
Km seguida passa-se ao cap. 2. da renda
municipal.
"gira em discussflo o seguinte :
Art. 22. As cmaras municipaes da pro-
vincia ficam autorizadas a arrecadar dentro
le seus municipios, durante o anuo finan-
eeiro desta lei, as rendas seguintes :
1. Alugueis de predios municipaes.
2. Foros e laudemios dos terrenos muni-
cipaes.
3. Afericflo de pesos o medida.
4. Licencas e cordeaces, conforme a ta-
bella 11 2organisida pela cmara munici-
pal doRecifoem 1813.
5. Repesos dos agoogues.
6. Taxa de dous mil ris paga annualmente
pelas lieencas que obtiverem os mscate) ebo-
ceteiras que venderein 110 municipio.
7. Taxa de dous mil ris sobre as enge
nhocas.
8. Taxa em vigor sobre as pasagens dos ros.
9. Taxa sobre as estradas e pouts munici-
paes.
10. Taxa de oitenla jis por cada carga de
farinha e de legumes que fr aos mercados p-
blicos para alti ser vendida ; tkando as cama-
ras obrigadas a fornecer nos mesmos mercados
aos vendedores ou douns de taes gneros as me-
didas aferidas.
11. Mullas segundo os cdigos criminal e do
processo, c mais Iris cm vigor.
I, Multas por cont 13. .Mnli.is por eleices.
14. Multas das inesmas cmaras, conforme o
rtigo 19 15 da lei municipal 11. 35 de 2 de
malo de 1814.
15. Iii/Miui do capim de planta,
i. 500 rs. por caheca de gado vaceum que
Cor iih,i 1.1 nos uiatadnuros pblicos ou parti-
culares.
17. 1,400 rs. por cada licenca para soltar fo-
o do ar, e 4.000 rs. pela de fugo de artilicio,
18. Quarsquer outras impusicOes, ou laxas
que estiverem na posse de cobrar, e que nao
[enhain sido abolidas.
19. Divida dos anuos anteriores.
20. Saldo dos anuos anteriores.
Vai 1: esa e he apoiada a seguinte c-
menda :
Ao $ 1." do art. 22.Depois das pala-
vras medida aferidas, diga-se, exceptuada
a cmara municiutl de Flores, que ni lu-
gar desse imposto arrecadat o dizimo de
miuncas. Catiro Ledo.
Tendo dado a hora, a discusso lira adia-
da.
O Sr, Presidente designa a ordetn do dia,
e levanta a sesso.
Bruguire. Futideou nol.ameirflo vin-
do o bote Ierra.
Itio do-Janeiro 25das, brigue bremense
Birgunrisler'SmithfAo 145 toneladas, ca-
pitulo II. Fidlemaujjpquipagem 10, em las-
tro ; a Me. Calmase.
Na vi o sa h itty no mesmo dia.
Rio-Grande Rrlftue nacional Algrele, ca-
pitfio .Manuel Jos de Azcvedo Santos,-car-
ga assucar.
Obsirvacdo.
Levantaran) ferro do Lamen o e segui-
ram viagera a barca infjcza, vinda deSid-
iiey, e o paquete inglez.
EDITAitJS.
Di M PttNAIBUC.
iICCIi'E, 3 DE JHO DE 1850.
290,000
10,000
60,001
80,000
40,000
62,000
410,000
10,000
Art. 20. A cmara municipal da villa du
Ouricury be autorisada a despender COID OS
objeclos designados nos seguintes patagra-
plios a (juanlia de 324,000 rs. ; a saber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 100,000
ris, do poiteiro 25,000 res, do
procuiadur os 6 por cento calcu-
lados em 25,000 rs., e dos liscaes
das frcguezia a porcentagem de
20 por cento calculada em ris
20.UU0
2. Com o expediente e despe-
zas miudas
3. Com o tribunal do juiy e
el(i?0es
4. Cun o aluguel da casi para
as sesses du cmara
5. Com o lu mi menlo e luzes
para a cadeia
6 Com as cusas dos proces-
sos criminaes c contraven^Oes do
posturas
7. Comas despezas eventuaes,
inclusive 12,000 rs. para a assig-
Dalura do Diario 30 qoii
Ait. 21. A cmara municipal da villa
dAgoa-l'ieta h* aulorisida a des, ender
com os objectos designados nos seguinles
paiagraplios a quantia de 387,000 ris ; 1
s.ber : '
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 100,000
ris, do poiteiro 50,000 ris, do
procuiaduros 6 por cento calcu-
lados em 25,000 rs o dos liscaes
d.,s freguezias a porcentagem do
m por por cento calculada em
20,oiO 1 eis
170,000
10,000
30,000
12,000
20,000
50,00b
195,000
10,000
30,000
50,000
20,000
50,000
2. Com o expediento e despe-
7as miudas
3. Com o tribunal do jury e
eleicdi-s
4. Com as cusas dos proces-
aos ciimmaes e coiilruvcu;0es
do 1 osluras
5. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia
Com o aluguel da casa para
suas sesses
7. Com despezas eventuaes,in-
clusive 12,000 ris para a assig-
11.'una do Diario
Vea mesa, e he apoiado para entrar em
discussSo o seguinte artigo additivo :
A cantata municipal de Caruar be au-
torisada a despender com os objectos desig-
nados nos seguintes paragraphes a quantia
Je 680,000 rs. a saber:
1 Com os empregados, sendo o or-
Ideuado do secretario 200,000 rs., do portei
8,1601 ro 500,000 rs., do procurador 6 por cento
32,000
A assembla rejeitou boje o projecto que,
por inconstitucional, lra devolvido pela
presidencia da provincia;-approvou.em pri-
tneira discussao o parecer da commissSo de
policia. acerca da interprelacilo do art. 122
do regiment da casa ; cencluio a segunda
'o orcamenlo municipal, e encetou a do
provincial, cojo segundo aitigo foi appro-
vado com algumas emendas.
A ordem do dia para a sessSo de 4 he con-
i miara.) da de boje; segunda discussao
dos projectos nmeros 24, 25, 28 e 30;
terceira do de n. 15.
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 5 do corrente, se hSo de
arrematar em hasta publica, na porta da
mesiiia, depois do meio-dia, 108 pegas de
eassas estampadas com flores de seda, non-
lendo 2,183 varas a 250 rs total 545,750
rs. impugnadas pelo amanuense Domin-
gos da Silva Guimar.les, no despacho por
factura 11. 497 de 31 de mato : sendo a arre-
matarlo sujeita aos direitos.
Alfandega de Pernambuco, 3 dejunhodo
1850. -- O inspector,ui: Antonio de Sampaio
Vianna. .
O capilto do porto desla provincia ten-
do de engajar, em cumprlmento de ordem
do Exm. Sr. presidente, dez marinheiros
seis grumetes para a guarnicSo do brigue
Catiope convida a maruja que queira desta
forma servir a apresentar-se nesla capitana
com a maior brevidade, sendo o lempo de
"ngaamento de um a tres 11 unos comocon-
vencionar-se, e a gratificaeflo a dar-se a
eada urna praqa na ordem desses presos, de
20, 30 e 40,000 rs., ao que fu marinheiro,
e semelhantemcntn de 10, 15 e 30,000 ao
que fr grumete. Alm dessas gratificar;0es
se dar mais 4,000 rs., ao que se engajar di-
rectamente sendo estrangeiro, e 5,000
rs. sendo nacional. Us que so engajarem
deverQo ler a idade de 18 a 40 annos, ejlar-
se-ha a quem incumbir-se de agenciar o
referido engajam nto a gratificarlo de 4,000
rs., por rada praca sendo estrangeira e
5,000 rs. se fr nacional.
Capitana do porto de Pernambuco, I de
jtinho de 1850Rodrigo Thtodoro de Frei-
tas, capililo do poito.
Rodolfo J0S0 Barata de Almeida, dele-
gado supplente, em exercico, do primeiro
ilistriclo do leriiio do Recife, faz publicar o
artigo 9.* das m-li tirroas cm vigor, que re-
glame polica dos theatros pblicos desla
cidade, alim de que se observe oque nelle
se conten, sb pena de serem prosos em fla-
grante e processados, na forma das leispo-
liciaes, os que o infrngrem.
Artigo 9.* He licito dar moderados slg-
uaes ile api rova<;aoou dcsapprovacSo, tulli-
r ron vozerias, estrpitos e conversaySo,
mi dequalquer maneira perturbar aos es-
pectadores ou aos actores ; neni he permt-
lido recitar das plateas ou camarotes discur-
sos ou poesas, salvo em das solemnes entre
os actos, precedendo licenca do inspector,
que mandara tocara orchestra, quando taes
recitas devam cessar. a
E, para que rhegue ao conhecimento de
todos os habitantes do referido districlo,
eslescr allixado onde convier, c publicado
pela impretisa. Delegara do primeiro dis-
triclo da ri Indi' do Kecife, 29 de maio de
criptorio do consigna lata do mes-
mo brigue, viuva Lasscrre, na ra
la Senzalla-Velha, n. i38.
Para o Rio-de-Janeiro se-
gu em poucos dias, por ter par-
te de sua carga prompta, o brigue
nacional Maria-Primeira, forra-
do e pregado de cobre, de lote de
sete mil arroba : para o resto da
carga, escravos e pavsageiros, tra-
ta-se com Machado & Pinheiro,
na ra do Vigario, n. 19, ou com
o capitao na praca.
JLeiloes.
Johnston Pater & Companha farSo lei-
lilo, por iutorveneno do correlor Olivera,
de grande sortimento de fazendas inglezas,
proprias do mercado : terca-feira, do cor-
rente, s 10 horas da mandila em ponto, no
seu armiuem da ra do Vigario.
O correlor Olivcira far leililo, por
mandado do respectivo juzo, do patacho
Fortuna, outr'ora liiat.i Especulador, com
sua mastreaco, massame, veame, ferros e
mais porlences, tal qual se acba ancorado
neste porto, onde os pretendentes ludo 1 -
dem examinar com anlicipacSo, procuran-
do o inventario a bordo, ou no escriptorio
do Sr. Manuel Joaqulm Ramos e Silva :
quarta-feira, 5 do correnle, ao meio-dia em
ponto, a porta da assocacSo commercial
desta praca.
Avisos diversos.
850 Rodolfo Joan Barata de Almeida, de-
legado supplente.

Declaratjoes.
rlEi.CIO,
ALFANDECA.
Rendiniento do dia 3......13:467,426
Deicurregam hoje 4.
Polaca Eoto mcrcadorias.
Sumaca Tres-rindas idem.
Patacho --Fa/enie-fumo, sabDo e fogo da
China.
Barca Le-C.mte-Roger farinha, btalas e
gtirafas vasias.
Harta Genoveva ferro.
EXPORTACAO.
Despach 1 martimo no dia 3
Rio-Cramle do Sul, palacho nacional m-
liana, de ISOloneladas : conduz o seguinte:
35 pipas e 1 barril ago'ardente, 210 bar-
ricas com 1,621 arribas e 19 libras de assu-
car, 10 caixas vinbo de caj, 42 barrilinlios
e 7 caixotes doce, 3,600 cocos com Casca.
Angola com escala por Mossamedes, es-
cuna nacional Halante-Mara, do 149 3/4 to-
neladas : coniuz o seguinte :
94 pipas e 51 banis ago'ardente, 215 sac-
cas farinha de mandioca, lOquarlolas e 92
barris niel, 63caixoles e 12 barris doce,
latas cafe muido, 610 cailtinhas charutos, 4
luarlolas toucinho, 30rouros de cabra, ',:,
barriquinbas assucar, 220 meios do sulla,
3 caixotes uiiudezas, 1 emlirulbo anzoes, 11
caixas cha, 9 barris manleiga, 1 caixj el
pacote fazendas, 20 barris cerveja, 1 caixa
meias.
RECEBERIA DE RENDAS CERAES
LNTERNAS.
Iteudimento do da 3......537 -lt)i
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendlmento do dia 3......2:147 978
-ricOviLueiiio do -orto.
_ Pela segunda secQSo do consulado pro-
vincial se faz constar ato Jos os senhores
proprietarios de predios urbanos dos bair-
ros desla cidade e povoacfto dos Afogados
que do lia 1."de junho prximo vindouro
se principia a contar os trinla dias para o
1 agamento, bocea do cofre, da respectiva
dcima do segundo .semestre do 1849 a 1850
incorrendo todos os que dexaren de pagar
nesse prazo, na mulla de 3 por cento, sb o
valor de seus dbitos, sendo de prompto
executados.
Pela subdelegada do Recife se faz pu-
blico, que, tendo-se apresentado na mesma,
110 dia 31 de maio findo, a prela Mara, de
naco Costa, que diz ser eser^va do ajudan-
to Rernardiuo, morador em Beberibe, a
qual achava-so bastante grvida, ecomose
queixasse de estar com dores, foi deposita-
da emcisi do Joaquim Antonio Carneiro,
on le no mesmo dia deu luz a urna negri-
nha : quem f; seu dono, dirija-se a este
juizo 1 ara Ihe ser entregue.
Navio entrados no dia 3.
San-Mallieus 7 das, patacho nacional S.
Cru%, de 101 toneladas, capiUIo Desiderio
Jos Brrelo, equipagem 9, carga fari-
nlia ; a Caetano Cyriaco da Costa Moreira.
- Marseille 62 dias, brigue francez l'auline,
-I de 148 toneladas, capitao Julos tajean
equipagem 13, carga fazendas; a Luiz
Avisos t:. Para Loanda sahir at o dia iodo
corrente o pulseho portuguez Andorinha do
Tejo; tem lions commodos para passageiros:
quem se quizer Iranspoitar, poder tratar
com o capitio ou caixa no armazem do Pal-
mera, largo do Corpo Santo.
Para o Porto pretende sahir no lia 12
do corrente mez o brigue porluguez Ventu-
ra-leli, forrado e pregado de cobre, do
qual he capilSo Zeferino Ventura dos San-
tos : paia caiga e passageiros tratase com
o referido capito, ou como consignatario
Joaquim Ferreira Mondes Cuimarfles, na
ra da Cruz, n. 49.
Para o Cear pretende seguir viagem
com muda brevidade a sumaca nacional
Catlota, mestres Jos Goncalves Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-se com l.uiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, no Recife,
n. 33. '
Para Angola sabe com toda a brevida-
de o patacho americano Clialsworth, recebe
alguma carga a fele. Esle patacho he de
primpira marcha o forrado de cobre novo:
quem pretender embarcar irate com Manuel
Ignacio de Olivera, na praca do Commcr-
cio, n. 6, primeiro andar.
Para o Maranhflo e Para sahe, com a
maior brevidade, o brigue-escuna Josefa
eapililo Jos Mara da Silva Poito : para car-
ga ou passageiros, dirijam-se ao dito capi-
tao, ou a Manoel Duarle Rodrigues, ra do
Trapiche, n. 26.
- l'ara o Havre pretende se-
guir com trioila brevidade o bem
eonfaecido biigue francez Betiujeu
recebe carga e passageiros, para o
((ye tem excellentes commodos :
os pretendenles dirijam-se ao es-
Lino Jet de Castro Araujo, autorisado
por Antonio Joaquim Tavares ptra rece-
bar suas dividas, roga a todos os seus de-
vf.lores de mandarem pagar o mais breve
possv.-l, pois que deseja poupar meios que
n3o sejam amigaves, cm semelhantes rece-
bimenlos, comqutnto para isso lenha or-
dem do seu com tiente.
Antonio Joaquim de Almeida Cruz em-
barca para o Rio de Janeiro o seu escravo
Elias.
Atiendo.
S3o rogados os Srs. abaixo declarados
para que venham, ou mandem saldaj- suas
cotilas : attendendo ao lempo que haidacor-
rido, julga-se nio haver rasSo de queixa,
vejam os annos, e attendam que um artista
uo he capitalista para empatar tantas quan-
tias; e como ignore-se a morada de alguns
destes Srs. por falla de cuidado, sfio por es-
te meio lembrados : padre Calisto Correia
Nobrega 205,830 rs., de 1842 a 18V ; Dr.
Antonio Joaquim de Fgueiredo Soabra, pro-
motor do Limoeiro, 82,480 rs. de 1844;
Manoel Joaquim de Fgueiredo Seabra rs.
43,780. de 1844; alfares Reg Barreto, ou
Carapinima ( no Cear ) 40,280 rs. de 1842;
FranciscoSoares da Silva ("no Cabo) 12.000
rs., de 1843 ; Jos Thomaz da Silva 17,400
rs. de 1843 ;Jos Joaqun) de Figueiredo
( no MarauhBoJ 21,000 rs., de 1842 : Joaquim
Jus da Cosa em f.omina ) 10,000 rs de
<844;Jo3o Leite Rodaval ( em Apipucos )
32,000 ris, de 1847; lenle coi com-
missio Manoel Cavalcanti daSilveira, natu-
ral da Parahiba, 53,520 rs. de 1848 ; Caets-
110 Jbs Cocido (ra do Brum ) 97,180 rs.,
de 1842 a 1845; Manoel Theodoro de Al-
meida Albuqueique (l'arahilia 13,000 rs.,
de 1842 ; Jos do Santo ( l.i.noeiro ) 31,000
rs., do 1845; Jos Rodrigues Pinbeiro ra.
3,500, de 1844 ; Francisco Berenger de Al-
meida Cuedes 10 000 rs., de 1845 ; Antonio
de Medeiros 8,000 rs de 1815 ; Manoel de
Olivera Cavalcanti 3,000 rs. de 1845 ; Jos
Pereira da Costa ( engenho M111 mote ) 8,000
rs. de 1843; Manoel Joaquim do Rogo Bar-
ros 12,000 rs., de 1845; Joaquim l.uvebio
7,600 rs., de 1841 ; Francisco Caetano Pe-
reira Cuimarfles 22,000 rs., de 1845; Fran-
cisco de Paula Albuquerque Maranhflo ris
18,000, de 1815 ; Benio Martins Concalves,
empiegado no arsenal de guerra 21.500 rs. ,
de 1844 Os que esliverem comprehendidos
neste mesmo lempo, tero de ser lembrados
a sald irem suas conlas, na ra Nova, toja de
alfa ia le, n. 18.
No dia 5 do corrente mez he a ultima
praca em que se ha de arrematar, em pre-
senta do Sr. Dr. juiz, do civel da segunda'
vara, a renda 4o sobrado do Aterro-da-Boa-
Vista, n. 38, por execu^flo de Jos Francis-
co Bellem.
Prccisa-se de um amassador: na ra
Hirila, padara 11. 82.
_ Precisa-se de urna ama forra para o ser-
vido de urna casa de pouca familia : na ra
larga do Rozario, n. 48.
-- Precisa-se alugar um molequ possau-
te para o sotvco de urna casa, e que seja
fiel : na ra larga do Rozario, n. 32.
-- Na casa de cambio da ra da Cadeia do
Recife, n. 34, aclu-se urna peca de chita,
cajo dono ignora-se.-
-- O abaixo assignado participa ao res-
peitavel publico que comprou a taberna de
Jos Francisco Martins, sita na ra larga do
Rozario, 11. 40. Antonio llaman Ledo.
- Sr. Antonio Jos Ferreira da Silva Cui-
marfles baja de apparecer na ra da IVam,
n. 5, sobrado de um andar, para se Ihe en-
tregar 200 caixas com charutos, que verara
no hiale Flor-de-Cururipe da Babia ; quan-
do nfio, serflo vendidas para pagamento do
fete e mais despeas.
Tiram-sepassaporlcs para dentro e f-
ra do imperio, ecorrem-se folhas, por pre-
qo commodo e presteza na ra de S.-Jos,
n. 44, ou na ra estreita do Rozario, casa
de Jos Aneclcto, dentista.
Da povoBQflo da Muribeca, dcsappare-
ceu, no da 27 de maio proimo passado,
um pardo pcrtenceiite ao lenente-curonel
Jeronymo de Albuquerque Mello; he de
altura egiossura proporcionada, corpo di-
reito, cor alaranjada, cabellos crespos ap-
proximando-st! apittoiim, cara grande, Com
marca de ferdas naa pe as, da 20 annos
pouco mais ou menos : quem o pegar levo-o'
a dita povoacSo, que receber 100,000 rs. '
de gratificacao.
Roga-se aos Srs.Thomaz de Aquino
l'onseca t Filho, tajam de nfio confirmara
conla que llm houver de apresenlar o Sr.
Cuimarfles Ferreira, de comedorias dos pas-
sageiros do brigue Concdco-de-Maria, da-
ranteolempo que esliveram na Parahiba,
pois fram muilo grosseiras, mesquinlias o
insiguiiicanles. Um paisageiro.



A Bernardo Jas da Costa GuimarSes, Antonio Joaquira Viilal perdeu, desde o
subdito portuguez, retira-se para a Parahi- theatro d'Apollo at sua casa, um meio bi-
- tratar de sua Dieta da lotera do kio-de-Janciro : quemo
achou e o quizer restituir, pJe entrcga-lo
ba com escala pelo Pr a
saude. ,,
O Bello bexo.
Sabio a luz o primeiro numero deste pe-
ridico, e osassignantes podem procura-lo
as livrarias des Srs. Figuera, Dourado e
Morel. Nestos mesmos lugares continua-se
a reeeber8signnturas,..e vende-se o nume-
ro avulso por 400 r.
Sabio luz a Lyra Brasileira -, poe-
sas de F. A- Ferreira Lima, um volunte de
180 paginas, pelodimioulo prego de .Olio
rs.: vende-se na lojadoSr. Cardoso Ayres, e
na ra do Collegio, n. 9.
A. Marmota n. ab est a
venda na Boa-Vista, loja de middezas do
Sr. Estima, n. 54 ; em Santo-Antonio, lar-
godo Collegio, loja do Sr. Dourado, n. 6;
no Recife, loja do Sr! Cardoso Ayres, n. 31 ;
e no pateo do Terco, n. 7. Esta cOnlem cou-
sas excedentes, o decreto das mocas boni-
tas, lindos artigos, poesas, etc., etc.-, etc.
A urna hora da tarde estar infalivelntonte
nos lugares cima mencionados.
Precisa-se de um caixeiro, que seja
desembarazado, tenha pratica de venda e
afiance sua conducta : se Ihe faz bom orde-
nado : no pateo do Carmo, venda nova, nu-
mero 2
-- Pertenceao Sr. Jos Antonio Barros, da
villa da Granja, o meio bilhete n 1916 da
15a lotera a beneficio dis obras da casa de
correcto da Corte, comprado por Antonio
de Almeida Gomes, que Ib'o remelle.
G. Belenot comprou ao Sr. Manoel Gon-
calves deMoiaes a fabrica de cbarutos du
rua do Aragio, n,.que foi do Sr. Fran
cisco do Val.
C* Sr. Antonio Luiz.de Oliveira Azevedo
tem urna carta em mito de Joaqun) Pnlieiro
Jacome.
Precisa-se de dous Portuguezes pura o
servigo de campo: na praga da Boa-Vista,
" n. t, segundo andar.
Pede-se encarecidamente ao Sr. fiscal
do bairro de Santo-Anlonio lance suas vis-
tas para urna taberna, que ha na ra da Flo-
rentina, esquina que volt i para a ra Helia,
cujo propriotaro conserva, ou o quintal,
ou outra qualquer parle da casa em tanta
porcaria e podridSo, que exhala um cheiro
lo meo, que, n3o s incomnio la os vzi-
nhos, como a quem passa pela ra, alim de
evitara conlinuagSo desse deposito de im-
munjjices peslilenciaes, assim como o cos-
tume.que ti'in o dono da referida taberna
de frigir bacalho em sobo para o vender a
nolle a negros,que all vio cort-prar.
O incommodado.
--Pela ultima vez seroga aos Sr?. Ber-
nardo DamiSo Franco, Francisco Xavier Car-
neiro da Cunda Compeli e Jos Xavier Car-
neiro Rodrigues Campello de irem ou man-
daren) ra da Cadea do It.ci loja n. 50,
de Cunha & Araorim, ao fm que nao deve n
ignorar.
Iloga-se a pessoa que por engao tirou
urna carta do correio, vinda dosul pelo ul-
timo vapor, n. 387, para Luiz Clemenlino
Carneiro do Lira, o obsequio dea entregar
to seu legitimo dono : na ra Nova, n. 47.
O tinturero que morava na ra Direi-
ta iiiuilou a sua residencia para a ra do
Padre-Florianno, n.M, onde tem um reta-
bulo, aonde contina a residir e a tingir to-
da a qualilaJe de fizenda e obras, assim
como chapeos de pslha para prcto : tudo
por pregos commodos.
-- Alugam-se os 2. e 3 andares da casa
da ra do Trapiche, defronte do trapiche no-
vo, na esquina : a tratar com Thomaz de
Aquino Carvalho, na Ponle-Velha, na lloa-
\ isla, ou com Jos Morcira da Silva, na ra
do Kozarioestreita.
Precisa-se fallar aos herdeiros do Sr
Clfrislovflo de Barros Reg a inlerrssn do
mesmo : na ra do San-Francisco, u. 20.
10,000 rs. de gratiicac&o.
Hua do Trapiche, n. 36, segun-
do andar.
Desappareceu, no dia 31 do mez passado,
um cachnrrindo de cor castanbo-escuro, de
raga de ralo, com os signaes seguiutes : lo-
do da mesma cor, menos s palpebras que
sao amarillas; tem a cauda e as orellias
com [i i idas, acode pelo nonio de Mylord, de
tamanho ordinario, esl muito bem tratado,
pelo que se (di) ver, nunca saldo i ra :
a pessoa que o levar ou der uoticias exactas
onde elle est, receber a gratilicagiio a-
cima,
Domingos Alves Matheus, precisando |
fazer urna viagem provincia da Baha ,
deixa por seus procuradores aos Srs. Ma-
noel Joaquim Ramos e Silva e Antonio
Joaquim Ue Vasconrellos *
Precisa-se de 4 Irabalhadores forros
ou caplvos, | ara Irabalhareni Com cari-
nbos em um atierro que se precisa fazer em
um sitio na passagem ta Magdalena,dndo-
se de jornal 640 rs. por dia, ou 410 rs. ali-
lo e jantar.edorminiio no mesmo sitio, ceia.
O prelenuciites rdem dirigjr^-so a rua
larga do Ito2ario, padaria, n. 18, que se Un
dir com quem se deve entender.
*3 ....
0 1). \V. Baynon, cirurgiSo dentista, q
q respeitosamente informa ao publico ,~
q desta cidade, que elle pretende bre-
q veirente retirar-se deste imperio ;e )J
ts pessoas que anda neressitam de .
!x seus servigns, durante este tempo, *J
~J serfio attendidas, procuran.lo-o no Jf
*& seu domicilio na ra do Trapiche- '--
> Novo, n. 14. C
o
?oGt&oo>0&
Ha arrematarlo de varios movis, ter-
gA-feira, as horas do cnatume, na porta da
residencia do lllui. Sr. Di. juiz du oireilu do
civel desta cidade, ua ra das Flores.
No dia 4 do rorrele, s 10 horas da
mantilla, porta do Sr. Dr.juiz de orpbflo.
e ausentes, na i ua < siieiU do Rozario, se-
i lo arremaladasas taboas da arnii.cSo da
loja do finado Francisco Jos Pereia Braga.
Precisa-se alugar uina prela que venda
na ra, responsabilisando-se seu senbor,
pela dita venda : na ra estrellado Rozario,
n. 43, primeiro andar.
No dia 4 do correle mez de junho, pe-
las 4 horas da larde, porta doSr. Dr. juiz
do civel da primeira vara, se hSo de arre-
matar em hasta publica, 4 moradas de ca-
sas terreas, sitas na Iravessa do Lima, por
execugo de Conslanlina Jaciutlta da Mul-
ta contra Manoel de Almeida Lima.
na rua da Cadeia, n. 16 A, loja de ferragens.
Precisa-sede fn menino de lo a 12
aonos, que saiba ler e escrever alguma
cousa : na rua da Senzalla-Yelha, n. 46, ta-
berna.
Appareceu, no dia "26 do correnle, no
engenho Gurja-de-Baxo, sito na fregue-
zia de S.-Amaro-Jaboatao, o escravo Jos,
de nagao Benguola, que repesenta ser maior
de 40 anuos ; diz ser escravo de urna se-
uhora viuva de nome I). Francisca, mora-
dora no Kecifef>e que ignora o nomo da rua,
porque motando stia senhora no mallo,
mudou-se ejitSo para o Recife. No entretan-
to quem se julgar com direito a elle, diri-
ja-se ao referido engenho, na certeza de que
o ahaixo assignado nao se responsabilisa
pela fuga do mesmo. Joi\Francisco de Sou
: Ledo.
Cobram-se dividas dentro e Tora da
cidade arnigavelmente ou justicialmcnte
com toda a presteza, para o que so ollerece
fiador aos seus valares : na rua de S.-Rila,
n. 92.
. Attenyao
A bem conhecida agencia da rua do Ran-
gel, sobrado n. 9, convencida da confian-
za que sempre apresenlou duranto o espa-
go de oilo annos, faz publico que contina
a tirar passaporte para dentro e Tora do im-
perio, despachar escravos, correr folhas e
agenciar ttulos de resideucia, com a pres-
teza deviila, e por muito mdicos ajustes :
quem, pois, pretender, dirija-se ao referi-
do sobrado a qoalquer hora do da, ou
mandar os avisos para ser procurado.
O Sr. Aleixo Xavier Poreira de Brto
dirija-se aoarmazem do Palmeira, largo do
CorpoSanto, para Ihe ser entregue urna re-
commcndagSo de Angola.
- Precisa-se de um homem porluguez
que enlenda d negocio de venda perfeila-
menlc, para se Dio entregar urna por balan-
go, e dndo-se-lhe inleresse pelo seu traDa-
Iho e administraran : a filiar no becco Lar
go, venda da quina da Senzalla-Nova.
Na livraria da pracs da Independencia,
os. 6 e 8, existe urna caria para o Sr. Fran-
cisco Luiz Gougalves Ferreira.
0 abaixo assignado roga a todos os Srs.
delegados, subdelegados e ruis agentes
polciaes do malto, que tenham a bondade
de observaren) e examinarem mesmo, se
"ir seus districtos passa, ou apparece resi-
dindo a ttulo de forro um seu escravo par-
do claro de nome Miguel, o qal aus'eulou-
se de cas* no dia 28 do prximo passado, e
tea os signaos seguinles: he pardo claro,
mogo apeoas com ponta de barba, alguma
cousa baixo, cheio do corpo, mas n.lo mui-
to grosso, cabellos proprios de sua quali-
>la le, porm um pouco cusannos, phisio-
nomia naturalmente, carregada, nariz r.cha-
lado, rosto redondo, testa curta, seudo o
sigual mais saliente o do estar urna vez poi
outra a ropuxar os hombros, abaixando ao
mesmo lempo o pescogo ; gosla de fumar
charuto; he oflicial di alfaiate, e tam-
bem carreia e corta de machado e encli ;
entre a roupa que levou, vai urna jaqueta,
que o | e fazer condecido, por ser de um
gazinelo du ISa e de cor rouxa quasi encar-
da. Quem o pegar leve-o ao engenho da
Torre em procura do sitio onde resido o
abaixo assignado, que prometi recompen-
sar goin alfauma generosidade. l'edro
(audianno de Hatit e Silva.
oseda Silva Campos & G.
julgam nada dever da estincla ur-
ina de Cunha & (ampos ; mas,
con.tudo, quem se julgar credor
mesma linn >, aprsente seu ti-
tulo Ao prazu de 3 dias para ser
pago.
Precisa-sede urna ama para urna casa
de pouca familia: prefere-se escrava : na
rua dohaogel, n. 17.
--Aluga-se, ouvendt-se, a dinheiro ou
a troco de lijlo, urna canoa em muito bom
nso, de carga de 2,000 lijlos : quem a pre-
tender, dirija-se a ruadaPraia, n. ti, ai -
nia/cn do Antonio Pinto de A/evedo.
Urna pessoa bastante hbil se offerece
para se encarregar de qualquer escriptura-
g3o commercial, obrigando-se a faze-la
com hruvidade : quem de su prestimo se
quizer utilisar, aunuucie, ou dirija-se ao
escriptorio do corretor Oliveira.
O dono do hotel da Europa, na rua do
Trapiche, n. 3, achando-se doeute, deseja
vender dito esUbelecimonto com todos os
sen perlences : quem o preten ler, dirija
se ao mesmo para seajuslar.
Roga-se a pessoa quo no dia 29 do pas-
sado inandou por um preto entregar dous
sacos com fardo na rua Direita, n. 3, casa
de Jos da Fonseca Silva, que os mande
buscar, visto que o annunciaute nao en-
commendou tal farelo.
Aluga-se o primeiro andar da casa n
36 da rua Direita, com commodos para
grande familia, coziuha fra bem arejada,
quintal para estribara e cacimba com boa
agoa : a tratar no terceiro andar a onesma
casa.
- Joao Vignes tem franqueado sua casa
na rua larga do Rozario, n. 28, primeiro an-
dar, a seu amigo pianista e compositor, pa-
ra elle principiar as lices de piano aos Srs.
que ja leeni convencionado, no dia segun-
da-feira, 3 do correnle, e suOssivamente
em todos os dias uteis, s6 horas da tarde.
~ Na qualidade de arrematante do im-
posto provincial de 1 por cont sobre o po-
duelo de todas as vendas em leudes cum-
merciaes, autorisoaoSr. 1. J. Tasso Jnior
para arrecadar esto imposto sobre aquelles
que fiein feitos de gneros do trapiche, ou
chamados de estiva independente da inter-
vengflo do corretor Oliveira, e pos^am ler
lugar do primeiro de j'inhode 1850, al 30
de junho do auno vindouro de 1851, poden-
do dito Sr. Tasso Jnior passar os recibos
equiUgOes respectivas que terflo igual va-
lidado como se passados pelo mesmo arre-
matante. trununco Qome dt Olivtira.
Previne-se aos Srs. Jdevedores da loja
de quinquelbarlaa do Tallecido llenrique Ca-
millo Ferreira, sita na rua dos Quarteis, ou
Rozario larga, n. SO, qua s serSo levados
em conta os pagamentos que flzerem. por
corita de livro ou leltra, pessoa que pelos
credores do mesmo fallecido fr competen-
temente autorisada para a dita cobranga -
pois licar seui vigor qualquer pagamuui
que clandestinamente lizerem.
D-se cen muris a premio s!) pe-
nhoresde ouro : na rua do Cilmg, n. I C,
so dir quem d.
Prccisa-se alujar urna esa na cidade
do Olinda, a qual tenha basi mies commo-
dos e quintal com cacimba : quem a tiver
annunciepara ser procjrada, ainda mesmo
sendo nos arrabal Jes.
Precisa-se de una urna que leuda bom
leite, preferindo-se captiva : na rua do Quei-
mado, n. 28, loja ou primeiro andar.
A administradora do vinculo de S.-
I'anialeao do Monteiro, D. Mara Llena Pes-
soa de Mello, faz scente aos Srs. que man-
da ni buscar sgoa na hicado Monteiro, que
do dia 30 de maio em dianle deixa de ven-
der agoa em dita bica.
-se at a qanti de 450,000 rs., com
penhores de ouro ou piala na praga da
Boa-Vista, botica n. 6, se dia quem d.
O Sr. Luiz Pires Ferreira queira quan-
to antes mandar pagar o que ha mais de 3
annos deve em certa bolica desta cidade;
certo de quo, emquanto o nao fizer, andar
seu nome nesta folha.
No dia 22 do passado, ao meio-dia,
furlaram um violuo pequeno e novo, Oe
cima de urna commoJa, da casa da rua de
Moras, p, 64. Itoga-se a quem fr offerec-
do de o tomar elevar a dita casa quo ser
gratificado. Adverte-se queoviohlo he fran-
cez e eslava com prima de retroz.
O Sr. Joaquim Jos dos Santos Barraca
queira ir ou mandar pagar a quanlia de rs.
33,460 na rua da Cadeia de S.-Antonio, n.
13; da contrario, ter dever sempre seu
nome por esta folha.
-;Aluga-se um moleque bom cozinheiro,
comprador e sem vicios : na rua das Cru-
zes, n. 10,
Arrouda-se urna grande campina, pro-
pria para plantages, o paslagem de gados
le todas as qualidades, na estrada nova,
do a Manoel Antonio-da Silva Motta : quem
o pretender compareca, que he a ultima
praga.
O Sr. Dr. A. J. de S G., morador na cida-
de de Diinda, hj de ter a boudado de ir i
loja ile fazendas da rua do Passeia, n. 31,
l>agar o saldo da sua I 'lira, vencida a 2H de
inaio i'e 1839.
Vprecisa-se do urna preta escrava, que
saiba coser e engommar bem : quem a qui-
zer alugar, dirija-se ao Aterro-daBoa-Vis-
ta, n. 26, das 7 s 9 horas da manlifia.
~ Precisa-se, no sobrado n. 59, segundo
andar, da rua da Cudeia-Veli do Recife,
de urna ama com aliiindanto leite para criar
urna e i laura : quem estver nestas circums-
tancias, dirija-se ao mesmo sobra lo para se
ajustar.
Aluga-se o terceiro andar do sobrade
da rua do Vigario, n. 18, muito fresco o
commodos para familia : a Iralar no pri-
meiro andar do mesmo sobrado.
-- Quem fr credor da lisa do Joao de
Azevedo dos Santos e I). Anua Rita de Fa-
ria e Azeve lo aprsente seus ttulos, no
Brazo de 30 dias, na rua da Praia, arinazem
n. 41 ; assim como previne-se ao publico
que au faga negocio algum com buns por
estes deixados, por estarem anda pro in-
diviso, e de presente se trata de proceder a
inventario.
--Quem tiver para arrendar um enge-
nho inocule e correte, com alguns escra-
vos ou sem cites, dirija-se a rua do Colle-
gio, n. 4, ou ao engenho Novo da Mu ibera.
--Aluga-se una escrava parda do boa
conduela, para lodo o servieo de urna casa :
na rua do Pires, n. 9.
Precis:-se do um homem casado ou
solteiro para traialhar em um silio dentro
da prag, fazendo-se-lhc bastante inlcres-
si; na rua do Mondego, ns. 29 e 31.
--Precisa-se de una prel cativa para o
cado : a tratar na rua do Vigario, n. 7.
Vieran) no briguc americano H. /". /.o-
per, ha pouco rhegado de Pditadelpliia, duas
carias encapadas em papel auiarello para
John Donnelly, as quaes fram entregues
pelo capitao <>o dito brigue ao agente do
correio Cuilherme SUple, como assevera
aquelfe capilflo; e porque al o presente
niio lendam apparecido em lugar nenbuiii
as ditas caitas, que deviam ser entregues na
ngar denominado Lucca ou silio do F.nfor- -servigo de uina casa franceza : no Atierro
Ja Ba-Vista, n. 1.
Precisa-se de um rapaz para caixeiro
!' urna paitara, e que tamhcm queira en-
tregar p"io coi 1 preto de manbaa em urnas
l'reuezias : na rua do Munlego, ns. 29 e 31.
No miz do abril do corrent" anuo des-
appareceu da rua Direila, casa n. 119, o
primeiro tomo da obra o EvangeTho em
Triumpho : rogase aquem por ventura
o obteve, o favor de o|eniregar ua sobredila
admiuislragSo do correio desta cidade, rol cas*, onde receber po iiptauente a qnan
ga-se a quem das inesiuas soubcr, que se
dignede o com mu ni car, na rui da Cadeia
do Recife, n. 16, pelo que muito llie licara
agradecidoJvhn Uonnelly
Dilo- se 400,000 rs. a juros sobre penho-
res de ouro e prala, e a dous por canto ao
mez : no pateo do Carmo, n. 3, se dir
quem da.
Arrenda-se, for prego commoJo, um
grande silio nos suburbios desta cidade,
com excedente casa de vivenda muito as-
seiada, e grandes commodos para qualquer
familia, ten lo alem disto estiibaria, cochui-
ra, ptimo banho, fructeiros e flores : a tra-
tar na rua ao Itangel, n. 9.
Alugam se os segundo e terceiro an-
dares, muito commodos e asseiados ; bom
como 2armazens na loja do sobrado n 45.
do Aterro-da-Boa-Visla : a tratar no pri-
meiro andar do mesno sobrado.
Precisa-se de um oflicial de ferreim
para tomar conta de uina ferrara de socie-
dade ou de jornal, como se coiiveiicionar :
na rua larga do Rozario, padaria n. 18, se
dir com quem se deve Iratar.
Aluga-se a casa da esquina da rua do
Caldeireiro com armag.lo para venda e com-
modos para familia, com quintal, cacimba
o pin i o para a travessa, a qual pelo local
offerece muita vanlagem : na praga da In-
dependencia, livraria ns. 6 e 8.
Na rua de Agoas-Verdes, casa terrea
n.26, engomma seelava-se toda a qiali-
dade de roupa, com todo asseio e prompti-
dSo, por prego mais cominodo do que en
outra qualquer parte.
O Sr. tcnenle Paulino dirija-se rua da
Cadeia de S.-Antonio, n. 13
O escriptorio do agente da companhia
dos paquetes de vapor mudou-so para a rua
do Trapixe, casa n. 40, segundo andar.
Os crcdoies do fallecido llenrique Ca-
milo Ferreira s3o convidados a reunirem-.se
no dia 3 de junlio, ao mcio-dia, em casa de
J. D. Wolfhnpp & C. na rua da i.n./, n. 16,
para deliberaren) sobic o qu: se deve fa-
zer a esse respe"0."
~ O abaixo assignado faz scienle a lotlos
os seus devedores que Jos Rodrigues de
Moraes deixou de ser seu caixeiro de cu-
brancas, desde o dia 21 do correnle: por
Us inhabilitado de receber de qualquer de-
vedor desde aquella data. Recife, 29 de
maio de 1850. Manuel Ferreira Ramos.
--Na rua Nova, loja n. 58, se dir quem
d a juros quantias de 300, 400,500, 600 e
700,000 rs. sobre hypothecas em casas ter-
reas, ou pequeos sobrarlos.
--Alugam-se os terceiro e quarto anda-
res do sobrado da rua largado Rozario, n.
36, juntos ou separados : a tratar na botica
de llartholomcu Francisco deSouza
Quem quizer arrendar um sitio na
Magdalena, com boa casi toda envidragada,
com slito, cocheira, cavaldarice, casa de
pretos, dila de feitor, jardn) com todas as
qualidades de flores e roseiras qiic ha aqu,
com arvoredos de tudas as qualidades,
grandes baixas para capim, e teireno paia
plantar, dirija-se a Prxedes da Fonseca
Coutinho. no consulado geral.
Precisa-se alugar um sitio, que tenha
bastantes con)modos para numerosa fami-
lia, nao se exige que seja casa asseada,
quer-se, porm, que leuda bastantes arvo-
redos de fruto, pasto para vaicas, ou baixa
para capim, n.1o se oda locilidade, anda
mesmo sendo para as parles de Olinda ou
II. bt ribo : quem o tiver annuncie, ou trato
na rua da Senzalla-Nova, u. 42, segundo
andar.
ta que di.'sembolgou, o se Ihe licar obli-
gado.
Apanhoii-se um pao que ia por agoa
abaixo, com 50 a 60 palmos de comprido, <
que amia nflo esl lavrado ; quem fr seu
dono, dirija-se ao Aterro-da-llna-Vista, n
80, que se dir onde existe dilo pao.
Precisa-se de urna ana para pequea
familia, que suba Cuzinhir, engjiiiiiiar e
i.wui' oiiiio qualquer servigo de uina casa
quem estiver nestlS circunstancias, dirija-
se rua do Rozario larga, n.26, lerwfro
andar.
Precisa-so alugar urna ama secca de
bons costumes para o servigo de urna casa
da poucji familia. Dirigir-sa rua do Ito/a-
rio larga n. 36, segundo andar, por cima da
botica do Sr. ltartlioomcu.
--.Na loja de livros da praga da Indepen-
da, ns. 6 e 8, compram-81 os 3." e t volu-
mes do ro nans Conde do Monle-Chrialo.
Cuuipras.
Compram-se escravos de ambos os so-
xos, do 10 a 31 annos, de bonitas figuras, e
que iiHo lendam molestias pagatn-^c beai ;
na rua das Lurangeiras, n. 14.
- Compra-se mulle : quein tiver annun-
cie.
-- Compia-seum methododo vioiao por
Carulli ; na praga da Independencia, loja
leSr. Meroz, ou annuncie.
Compra-s^ uina machina de cpiarejr-
tas : na iuadi Cadeia-Velha, arinazem de
fazendas, n. 37.
-- Compra-se urna preta de boa conduc-
ta, e que sej i perfeita engemiradcira : i'oi
rua da Cruz, n. 18, segundo andar, defron-
te do ohafariz.
Compra-se urna coricnte de ouro de
le ja de uso, em segunda mo por ser mais
em conta : quem tiver para vender, pdr
lirigir-se rua do larga Hozarlo, n. >,
que (Chara Com quem tratar, ou loja de
Victo i lio & Cumiarnos.
Compra-se um cavallo quo esl--ja gor-
do e do bilis andares, ^sem achaques: nti
na da Conceigfln, n. 8, u enlo onde deve
ser p nenia lo
-- C0inpra-.se urna armagilo de amarello
u de lomo folheada rom parte (tus pra-
teleiraa envidrsgadas, tendo 26 e meio pal-
mos de cumprimenlo u 2I de frente; isto
pouco n:ais 011 menos : quem a tiver annun-
cie para ser procurado.
Negocio interessiinte.
Faz-se todo e qualquer negocio com duas
lettras de 493,024 rs., vencidas ha mais de
seis annos, declaran) juros de 2 por cont
ao mez, aceitas pelo Sr. capitSo Antonio Pe-
reira Freir, que morou no engenho Cainha,
e que ba 3 ou 4 annos se mu.iou de Taqua-
ratinga para Quebrangullo, comarca de Ga-
raohuns: na rua da Cadeia do Recife, loja
n. 50, a fallar com Cumia ci. Amorim.
o dia II de junho correnle, porta
do Sr. Dr. jui/. de direito da primeira vara
do civel, na rua das Flores, n. 1, pelas 4
horas da tarde, se lia de arrematar por ven-
da um grande armazem com grande telhei-
ro no fundo do mesmo, e porto de euibai-
que, silo n.a rua do Apollo, n. 32, penli.ua-
Vendas.
Vende-se um violSu por 5,000 rs. : na
rua do Fogo, n. 12.
onfissfio do marujo.
Vendc-so a confisso do marujo, seguida
do dialogo entre um Algarvio e a sua Maria,
a 320 rs. na praga da Independencia, livra
ria ns. 6 e 8..
Vende-se nina casa
terrea de podra e cal, no Ateno-dos-Afoga-
dos, n. 153: a tratar na rua do Quemado,
loja de miudezas, n. 25.
Vende-se um muialinho de 10 a 11
Qdos, bonito, bem gil e excellente par,
pagem : na rua do Trapiche, 11. 11, arma
zem.
Vende-sc um lauque que leva de 30 a
tO pipas, proprio para deposito de niel 1
na rua das Larangeiras, n. 18.
Vende-se (ilossariodas palavrase phra-
zes da lii.goa franceza, introduzidas na lo
cugflo portugueza, por Fr. Francisco d S-
Luiz.
Ensaio sobre alguns synonimos da lin-
gos poitogueza, pelo mesmo.
Orlhographia ou arte de esciever e pro-
nunciar com acert a lingoa portugueza
porMadureira.
Principios de direo mercantil e leis c
marinha, por Jos da Silva Lisboa, 2 v.
Calculo de cambio do Portugal com varias
iracasestrangeiras.
Elementos de arithmetica, por Bezout.
Guar.ia-livros moderno, por Manoel Tei-
xeira Cabral de Mondonga, 3 v.
Crammalica portugueza, por Lobato.
Tratado sobre as leis rehlivis a navios
mercantos, marinheiros, etc.
Na rua larga do Rozario, 11. 36, botica de
Iji Iholomeu Francisco do Souza.
Vende-se, na braga da Independencia,
ivraria ns. 6 08, um habito da ordem da
llosa, por 14,000 rs.
Vende-se farinha de araruta ultima-
mente caegada, a 200 rs. a libra -. na rua di
Cadeia do Recife, n. 23.
Ven If-sa uina bonha de ferro, multo
boa paracacimha ; um palanqun) em bom
uso : tudo por prego commodo : no Aterro-
da-Boa-Vista, n. 17, fabrica de licores.
Vendse urna inorada dn casa no lu-
gar do Remedio, em chaos proprios, muito
bem feita, com dous quartos, sala adianto,
airas, e quintal: na praga da ltoa-Vsl8, o.
i, luja do ci.lra.lo.
A tintura de Losna romana do Soline,
he um dos excellentes remedios tnicos co-
ndecido*, e quo maior numero de vezes tem
produzido mal boros cfleitos as molestias
que se tem julgado applicar. Cura com ad-
mlravel promptdSo as dores nervosas do
estamogn, acelera a disgestao as pessoas
que a tem tarda, faz desapparecer os amar
gosde bocea, e os gazesque se acoumulan
noeslomago e deseuvolve o apetite, cura
igualmente as desinterias chronicas, as
aluosid.ides, e he um poderoso reme in>
para as criangas quQ soffrem desinleria, 011
lijeeges alvinas liquidas e muits vezes
repet las, as quacs se acliam os alimen-
tos mal digeridos. As senhoras que pade-
ced de cblorose ou plida cor acharan na
tintura do losna romana um remedio ellicaz,
o qual sendo usado por alguiu te npo as,
toruarn coradas. Tem sido do grande an-
lagem untratamento di lencorihea ou fl >
res brancas, e juntamente no fluxo san-
guneo provenienln de atona do tero. Sen
uso he mais simples : as pessoas adultas
devem tomar duas olherinhas do mandila
om jejum e duas a noite quando so quize-
rem agazalhar, dissolvi las em pequea
quantidade d agoa moma. As criangas to-
iiianu) 11111:1 colrTerindi do mandril e outra
a noite lambem dissolvi la em agoa,
Vende-se na botica de l'aranhos na rua es-
treila do ItozariO.
Vende-se um prelo mogo, de boa figu-
ra, propiio para qualquer servigo, especia 1-
menteparao de campo e de engenho, do
que tem bastante pratica : na rua da Ca-
deia do Iteci*, 11. 50, de Cunda & Amorim.
Wn lem-fe queijos londrinhoa de 4 c 5
Miras, muito frescos-. na rua da Cruz, no
Recife, 11. 62, armazem de Manoel Francis-
co Martios.
Conlii a-se .1 ven ler boa manteig, a
405 rs.; bom cha, a 2,000 rs. ; caf en grifo,
210 rs. ; dito moido, a 200 rs. ; Cavada,
a 80 rs. ; airoz, a 80 rs. ; presunto de Lis-
boa, a 2t0rs. ; queijos novos, a i,t00 rs. :
no pateo do ('.armo, 11. 2, ven la nova.
Muo barato.
.\a loja di rua Nova, n. II, de Jos Pinto
da Fonseca e Silva, suc-.'ssor de Guerra Sil-
va & C vc.idcm-su candieiros de gaz, a
7,000 rs.; lamparillas de ciyslal Jo cores,
lambem para gaz, a 3 o 4,000 rs. ; ricos es-
pelhos mu molduras douradas, grandes,
d 8 al 2:1,000 rs. ; ricos aderemos doura-
dos imitando perfeita ocote os d- ouro, o o
que lia de mellior ueste genero, de 6 a 8,000
rs. ; suspensui ios de se la ;o de borradla, a
600 rs. ; lavas de al;oJao do cores para QO-
uiem, a Id rs. o par ; meittS cores i-ara senhora, a 160 rs. o par; meias
de seda pela cintas para homem, a 81)0 rs. o
par;lengnsdegarca, a 160 rs.; trancelim
de borracha para reluglo, a 80 rs.; lijas de
borracha, a 80 rs. ; jogos do vspora, a 1,001)
rs.; casimbas de verguinha para costura o
para fructas, a 610e 1,980 rs. ; estoirinlias,
.1 160 rs.; mantas de garga para meninas, a
500 rs,
-- Na loja da rua Nova, n. II, de Jos Piu-
lo da Fonseca v Silva, vende-se fila du ta-
lagarga para bordar, a 600 rs. ca-la vara.
Vende-se um famozo escravo muitissi-
mo nroprio para um senhor de angejilio,
por ser muito habilidoso, bom pagem buli-
eiroi pescador, e entende de liorta e jar.lim,
lie canillo', c lem muito mais habilidades,
entend) do listamente) de vacc.is, lano do
liiar leite comO de as curar, e de cavallot,
ripal-ot, s rom a vista se dir a rasilo por-
|ue se rende, o suas rari Jades de sorvigos:
quem quizer annuncie.
SIc barato.
Vende-se um balco e una canteiros pira
pi| a-, duas pipas que serven) de depusito de
ago'aidonle e urna quartola que serve para
111-I: na raa da Seuialla-Velha, taberna nu-
mero 15.
Na fabrica de chapeos de sil, da rua
.lo PaaseiO) n, 5, vende-se chapeos de sol
para rloineus, senhoras o meninos, tanto
de seda como de oannlnbo, por pregos mais
co.nmo los do que em outra qualquer par-
te : vendo se seda e paniiinlios para cobrir
armares de chapeos de sol servidos.
M fsicas
Melhodo pratico de canto italiano dividi-
do 0111 15 liges do mestre N. Vaccay.
Metbo lo para aprender-seatocarorgao.
Kleineulos de msica o metdodo de tocar
piano com exerciciosem todos os gneros,
30 preludios em lodos os tons e 12 estados,
obra composta e olTerecida a nagSo portu-
gueza.
Exercidns do agilidade para as vozes de
baxoo baldono, pudendo igualmente servir
para a .voz de contralto transpoi lados urna
8.' .-illa.
Tratado completo dola tdeoria c della
pratica de una armaiiia do F. J. Fetis.
Metbo lo para aprender-sa a locar clari-
neta.
Pequeo melhodo para piano forte por
Cario Czerniy
Hudiment du Pianitle, 0u reunin des
exeicices les plus indispensables pourac-
quenr un inecanisme parfait par F. II iinir.
E ouiras muitasobriis que su mostrarao a
comprador : no pateo du Collegio, casa do
livro azul.
Vende-se um muala de 33 a 40 annos
quo enfullina, cozuilia e roso rhao, i Ir. :
no Ateno da Bua-Visla, n. 78, se dir quem
vende.
Novidade.
A 1,000 rs. o co vario.
Na loja dos barateiros da rua do Quema-
do, n. 17, vendem-se casimiretas de 18a,
prelas e de cores, proprias para caigas e pa-
litos para homem'0 meninos, a 1,000 rs. o
covado.


t
-- Vende-so urna pequea porgio do car-
vfo, tanto mineral como artificial, da me-
llior qualidade, por prego commodo: na ra
da Cideia, n. 48, oscriptorio de A. S. Cor-
l'Ct'.
Vendem-se apalos do Ara
caly, proprios para tropa, pelo ba-
rato preco de 800 rs. o par, sendo
cm poreao. ; na ra da Gadeia do
Itecife, n. ai.
Fabrico nacional.
Cimba c\ Animirn, 11:1 ni;i da Cadeia do
ecife, n. 50, vendem potassa branca, fa-
bricada no Itio -de-Janeiro, a mais nova que
lia no mercado, e a mais superior que ha
ueste genero, por preco rasoavel.
Vende-so a bem conhecida taberna da es-
trella, na riheira da Boa-Vista, rom poucos
fundos, e commodos para um homem sol-
teiro : faz-.se todo o negocio com o com-
prador a Iratar na mesma venda.
Vendem-se diferentes terreno* com a
Trente para a estrada nova que vai para Olin-
da,e alguns tamben) para a ra da Aurora,
no lugar deS.-Amaro, principiando no lu-
gar em que est situado o cemiterio dos in-
glezes atea ponte da Tacaruna ; os quaes
lerrenosem alguns dclles so pdem logo
Com palmos de largu-
ra o novo algodo mons-
tio trancado california.
Na loja confronte ao arco de S.-Anionio,
ii 5, vende-se o novo algodlo monstro tran-
cado, com 8 palmos do largura, pelo barato
prego de 800 rs. a vara.
Atoalitado de Hnho ele
California com 6 pal-
mos de largura.
Na loja de Cuimarfles & llenriques, na ra
do Crespo, n. 5, vendo-se o novo atoalhado
california depuro linhoecom 6 palmos de
largura, pelo barato prego de 1,120 rs ; as-
sim como ha de 5 palmos de largura, a 1.000
rs. a vara.
A 11,000 rs. cada um.
Chales de seda grandes
e de bom goslo.
Na loja de Cuimarfles & llenriques, ria
ra do Crespo, n. 5, vendem-se chales de
seda, grandes, de bom goslo e de bonitos
4
edificar: a Miar com Joflo de AllemSo da P(,r0(,s. 8,000 rs cada um ; corles de
Cmara Cisneiro. semira de cores, de muito superiores pa-
-- Vende-se urna canoa nova de carreira- ur0t,s modernas, pelo baralo prego de 6,000
na rua estreita do llozario, n. 16, primelro
andar.
Florete de linho.
Covatlo :i00 rs-.
Para vestidos de senhora, roupas do me-
ninos, palitos para homem, casacas, etc. :
vende-se na ra do Crespo, n. 11, loja de
Anlonio l.uiz dos Santos & Companhia.
VcnUe-se, para fra da provincia, um
esrmo de nacSo Costa, de 60 annos, por
muilo commodo preco para ver.no quar-
tel de polica, e para tratar, na ra Form-
la, quem vai da ra da Aurora, sexta casa.
Chegnem pechincha
Na ra da Praia, n. 94, vende-sc sebo em
bexiga, muilo novo, a 4,500 rs., sendo em
porgflo de arrobas.
Vende-se a ilha denominada San-Joflo,
contigua aos Afogados, a qual ten duas ex-
cellentes casas de pedia e cal, dous vivei-
ros, cento e tantos ps de coqueiros, e mais
algumas arvorcs de fruto; assim como um
sitio na Passigem ao p da eslrada nova,
com excellente casa, estribara para dous
cavallos, grande poco de boa agoa do be
ber, bastantes pea de lurangeiras, una ta-
lada de uvas, varias arvorcs de fruto, todo
murado e com dous poiles de ferro na
frente: tudo se vende por commodo preco, a
ilinbeiro eu a prazn, ou a troco de qualquer
objecto de valor : faz-se lodo o negocio : na
ra da C.adcia do Itecife, n. 54. Na mesma
casa se vendo urna canoa de carreira nova,
que carrega oito pessoas.
lioja de modas na ra No-
va, ii 34, defronte da
Coiieejc&o.
Madama liosa /at-dy,
modista brasileia, tem a honra de partici-
par a seus frcgiiezcs, e particularmente as
senhoras suas patricias que recebcu lti-
mamente de Franca, e veilc'e por prego iiiui-
tocommodo, ricos manteletes de gros de
aples furia-cores de diferentes feltios e
de lindissimo goslo ; capolilhos pelos de
rliamalote ; trangas de todas as cores [ara
enfJUr vestidos; bicos de blonde; fil li-
so ; crep de cores; setins ; camisas de
rambraia para senhora ; toncas para bapti-
zados : bem como tem constantemente un.
variado c rico sorlimenlo de chai eos de se-
da para seiihura a prego de 8 a de 30,OOOrs ;
chfeos de |alha enleitados; (iUs deselim
chpalos : lanib'in faz vestidos para casa-
mentse para balita, da ultima u.ola, com
muita perfeicSo, e |or mais baiato prego
do que em cuta qualquer paite; tambtiii
faz manteletes, capolilhes, visitas e mul-
los Outros objectos de uro de senhora: lu-
do da ultima moda. A misma modista ven-
de ai mages de chai eos de senhora pata
rbbrir de seda ecice, a 1,000 e 1,500 is.
Farfolla rs. cada corte; panno prelo fino francez, a
2,500 rs. o covado; dito inglez, a 1,440 rs.
o covado.
0
Uforas de borracha imper- O
iniaveis-
Suestes ou chapos proprios para
quem anda embarcado; ticas capas 5f
X para a estagflo invernosa, as quaes "
, nflo pode penetrar agoa ; botas a Na- ^
4 poleflo, que chegam muito cima dos O
^ joelhos, e podendo-se com ellas ()
2 transitar por dentro do rio, sem que
os pea e pernas sintam humidade ; Q
G em bornees pura conduxir mantimen- ^
O tos ; fasces para qualquer liquido, >
(-J utilissimos para quem viaja por lor-
O ra.iiu para os amadores da caga ; C
Q ditos para deilar esponjas. j?
<-3 Salva vidas. q
3 Que. pode conter 5 pessoas, sem {>
CJ nunca se afundarcm, custa esta ex- (J
O crlltnte invengilo um prego diminu- 3 tissimo em vista do seu grande pres- q
j navio que deixe de ter a scu bordo n
q a segurunga de seus dias a troco de J^
j algumas patacas t J*
q Machinas para nadar. |j
gj Quem deixa de comprar um collele (A
q botante para com elledeitar-ae a su- 2
j peificie d'agoa e nadar as horas que j
~ Ihe parecer, sem a menor fadiga e
X isento de morrer afogado? Alm des- l
X tas coutras militas obras leitas que
':? por sen numno enorme dcixam de '
Na iub do l.ivramenlo, 11. 14, \cnde-se
boa farinba de S.-Calhirina, em saccas de
3qui'rtsse meia, medida de bordo, c mais
barato do quo em outra qualquer parte.
Clie^ucn ao novo
barateiro.
Na nova loja do I'asseo-I'ublico, n. 19
de Lentos Amaral & Companhia actia-se
umcuiiii eiu bui limen tu lie !'eiidas, como
sejam : madapol/lo muito lino, a 4,500 rs.
pegas de chita 111 uito finas e de cures fixas',
I 6,000 7,400, 8,000 e 8,500 rs. e a 16o',
L'OO e 240 rs. o covado ; cortes i.nl.o e de lindos padres, pelo diminuto
prego de 1,400 rs. o corte ; ditos de n:eia
raserr.iia, a 1,600 rs. ; chales de I5a, e que
tamleni servem para mrs de meio de sa-
la, a 1,800 e 2,2C0 rs. ; cortes de rambraia
de seda, a 4,800 rs. ; ditos de cassa chita, *
2,000, 2,600 e 2,800 rs. ; lengos de cambraia
boidados para senhora, a 500 rs. ; e nutras
muilaslazendas que | or baratas deixan, de
ser aununciadas ; bem como mentas do fi-
l de linho bordadas, a 2,000 rs.
Aviso ao madamismo
per. anibucajio.
Na nova loja do l'asseio-l'ublico, n. 19,
de l.err.os Anaral & Companhia, vende-se
cassa muito fina para vestido de senhora,
de niuito lindos padri s, denominada ivr
namlinrana, peloliaratissjnio prego de 780
rs. a vara. A ellas, pois a fazcuda va ; bem
como chales de 13a de cores escuras, a 800
ris.
~ Vende-se urna casa terrea no pateo de
S.-Jos: a Iratar na ra Nova, 11. 9.
'Aa ra do Cabug, loja de qua-
tro portas, doDuarte,
vendem-se lesouras proprias de alfaiate;
ditas para costura de senhora ; ditas para
millas : todas fabricadas pelo melhor autor
de Cuimarfles, por prego commodo.
-- Vende-se um sobrado de um andar por
700,000 rs e que rende 10,000 rs. mensal-
inenlc : na ra do l'asseio, 11. lo, loja de
fasendas, se dir quem vendo.
O
\ t
ser aununciadas.
Amazona de borracha
de cor iizlI, verde, preto e cinzenlo. 5,
tendo toda ella o lecido de merino, e !**
sendo forrara de um I ello (scocez
miudinho ; he ptima, rulo s pera '''
capas, como para japonas, sobretodo $3
palitos e casacas paia Irio : venda- O
se na roa do Crespo, n. II, luja de la- O
zendas. Q
i\o ainiazcm de Joaquim da
Silva Lopes, vende-se Trelo, a
3,ooo rs. a sacca, e faiinha de Iri-
pois do haver tomado cinco garrafas fiquei
perfeitamente curado.
Tenlio demorado um anno mandar-voa
um certificado, para reconhecer com cer-
teza se a cura era permanente, e tendo ago-
ra a maior satisl'agSoem declarar que no
lenho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo esto tempo, e acho-me perfeita-
mente restahelecido. Sou vossa, etc.
a SaraTi M Intirt,
240, ra elancey.
Nesta provincia o nico agente desle ma-
ravilloso remedio he Vici nte Jos de Brilo,
com botica na ra da Cadeia do Itecife.
fVa ra \ova, n. 10,
vendem-se manteletes, capotinhos, lengos
de garga, loucas ricas para senhora, encera-
dos de todas as larguras, por commodo
prego.
Na ra de Apollo, ai mazem n. 4, ven-
dem-se, por muito commodo prego, os tras-
tes seguintes : urna duzia de cadeiras, um
jogo de bancas, 2 mesas de meio de sala,
um toucador, urna mesa de amarello, pro-
pria para janlar, e varias miudezis neces-
sarias a uina casa de familia.
-- Vende-se urna preta moga, que cozinba
o diario de urna casa, tem principios de en-
gommado ; nilo tem vicios nem achaques :
defronle da riboira do peixe, n 3
~ Vende-se urna preta de nagflo Costa, de
24 annos pouro mais ou menos, do bonita
cara e figura, boa ensaboadeira, muito fiel,
sem vicios nem achaques, o que so afianga:
o motivo por que se vende, he por no que-
rer estar em casa, esim vender na ra : na
ra Augusta, 11. 17.
Vendem-se os seguintes livros: Trata-
do de medicina operatoria em portuguez ;
Hstoire des phlegmasies, por Itroussais;
Curso completo de cirurgia em francez, C
v.; Nouveaux elinens de physiologie : na
ra larga do lioiaiio, n. 42, botica.
Na ra do C&bug, loja de qua-
tro portas, do Duarte,
vendem-se botos de Pedro II; ditos para
(avallara ; ditos para infantaiii ; ditos pa-
ra ustado-maior ; ditos para cagadores; di-
tos para palitos ; ditos de diversas qual ida-
des ; ditos para libr do psgens, por pre-
go mais commodo do quo em outra qual-
quer parte.
Na rna do Cabug, loja de qua-
tro portas, do Duarte,
vendem-se loucas de 13a ; barretes de dita
P ira homem ; ligas de seda com borracha
pira senhora, vindas ltimamente de In-
glaterra ; gravatinhas de selim para senho-
ra ; trancinhasde lila para enfeiles da rou-
pas de meninos, a 80 rs. a pega ; (rangas
e franjas para enfeiles de manteletes e ves-
tidos de senhora.
No Atierro da Uda-Vista, n. 1, existe
rs. e a 180 rs. a retalho : na ra larga do lio-1 para vender umsortimentode ebepos de se-
nhora, cabeges o mantea de bico, lengos
de pescogo e de mo, cambraias impressis,
"tas, collarinhose camislnhas bordadas, e
mais fazendas baratas e da ultima moda.
Escravos Fgidos
resillas, com palmas encarnadas, a5,800
rs. e a 180 rs. a retalho : na n
zario, n. 48, primeiro andar.
Aviso aos Srs. artistas sa-
p-udros.
Moreira & Vellozo,
acabam derecebero melhor e mais bailo
couro de lustro que a este mercado tem Nodia26do passado, [a tarde, fugio
vindo ; porque o lamanho das pelles e qua- da Magdalena, o escravo l.uiz, de nagSo'
-f que representa ter 50 annos pouco mais o
menos ;levou caigas de algodfio azul e ca-
misa do dito branco, na qual tem. urna lis-
tras cm tima das mangas, chapeo de pallia ;
tem o dedo minimo lorado, e nos peitos
urna cicatriz ou-enruga : quem o-pegar le-
ve-o k ra do Queimado, n. 38.
Fugio, no da 18 do mez prximo pas-
sado, do engenho Murim, da fregueaia de
Una, urna casal de escravos : Jos, de nagSo
A 040 rs. o covado de al-
paca preta fina.
Loja n. 5,
de Cuimarfles & llenriques, que faz esquina
para ra do Collegio, vende-se alpaca pre-
ta lina, pelo diminuto prego de 640 rs. o
covado, prego este por que nunca se venden
la/! ma igual.
* fe
.) Pregos admiravcis. (j
lidadc do couro he tal quo muito deve agra-
dar aos Srs. rr.cstres sapaleiros, para me-
lhor servirem a seus fregoezes ; o prego a
vista da qualidades so dir, mas afince-
se que ser commodo e bem commodo : na
rus Nova, loja n. 8, onde se .vende nica-
mente o dito couro.
JVa rua do Crespo, n. 10,
sobrado de 4 andares, vendem-se as seguin-
tes faiendas abaixo mecionadas, que por Angola, do40 annos pouco mais ou menos'-
suas ptimas qualidades tornam-se bara- he baixo, de cor preta, corpo regular, meio"
tissimas: chales de liai de quadros, a ria zanoio, beigos grossos, barbado, mas no
1,280; cortes de bnm linho edr decinza, a queixo debaixo, peroas um tanto finas, ns
1.0C0 ris; cobertores de ISa, al,450 ris; relugares: Josephini.de nagSo Angoli. de
suspnnconns de algodflo^ 800 res a duzia; 50 a 60 annos, baixa, ja com bastante falla
renda larga e estrella, a 80ris a vara ; bico '
branco de todas as larguras, a 80 ris a
vara ; pannos de bancas pequen.ss, cada um
240 ris; challes chita roxa, a 800 ris :
ln un de palha e linho, a 320 ris ; lengos
de fil de linho de tres ponas, a 400 ris
rada um ; camisas de meia de ISa proprias
para fro, a 2,500 ris; lengos pretos de
cambraia, a 240 ris; cor tes de cassa de
lisia, a 2,000 ris; ditos de cambraia com
Jista de seda, a 2,000 ris; ditos de dita
bordadas de agulha, a 3,200 ris; corles de
fuslflo para collele, a 240 ris; luvas bran-
cas proprias para sollado de cavallaria, a
160 ris; camisas de meia para meninos
de 15 dias, a 240 ris ; lila trangada cor de
eafl'e, 24o ris o covado ; riscado monstro
com 5 palmos de largura, a 2t0 ris o co-
vado ; camisas de meias azues para escra-
vos, a 500 ris ; mantas de seda com toque
de mofo, muito boas, a 8,00 ris.
* Vendem-se caixas com muito bom sor-
limenlo de sera em velas, farinha de trigo
em barricas e meias ditas, albos do Porto,
retroz de todas as-cores, vinho em barris de
quinto e de quarto,.arcos para barricas, fio
porrete e pregos, ludo por prego commodo :
de denles, beiguda-, bem preta, corpo re-
gular. Ksles escravos foram do serillo, lio-
ga-se as autoridades policiaes e capitSea de
campo, que os apprehendm e levem-nos a
seu senhor, Domingos Jos Cordeiro, mo-
rador no dito engenho, 0u nesta praga, a
Manoel Antonio de S.-Tiago Lesea, mora-
dor na roa Formosa, que se pagarfio todas
as despezas.
Contina a estar fgido, desde a da
8 de abril prximo passado, o cabra Narci-
so, sapaleiro; foi comprado ao Sr. Albu-
querque, de I -Yira-de-Portas, e hoje perlcn-
ce ao Sr. major Joaquim de S Cavalcanti,
do engenho Jardim ; tem 30 annos pouco
maisou menos, de estatura regular, ps es-
parrados, olhos vivos, rosto redondo, nflo
mal parecido; cosluma ler o dedo pollegar
da mflo direita com a unha grande, porque
toca guitarra ; andava com um chapeo de'
palha vclho, e roupa tamben velha ; fur-
tou urna caiga de casemira nova, um col-
lele de seda bordado, que o senhor man-
dou buscar, ealgum dinheiro que levou fa-
chado em urna carta, por isso lalvez mu-
dasse de traje ; tem sido visto pela Capun-
ga e pateo do Carmo : quem o pegar leve-o
na rua do Viuario, armazem de Francisco [ao dito engenho. ou a Cypriano de Moraes
i, Cassas e cambraias a 200, 240 e 280 f
4 rs. o cnvtdo ; chitas a 160 a 200 riS (>
J o covado; chitas francezas moder- fr
t as a 280, 310 e 320 ris o covado ; ^
meias pelas para senhora a 120 ris %
"4 o par ; chales de lfla a 1,000 e 2,000 $
% rs. cada um ; meios dilos de seda a s>
1,600 rs.; lengos com franja a 1,000 (
rs. golinhas de seda a 320 rs.; pesco- &
cinlios a 1,000 rs. e 2.000 rs. cada um;
bicos de blonde e de linho a 500 e 800
rs. a vara; mantas de fil e escomilha
%o franreza da marca Barao, por
preco commodo.
-Vende-se, ror prego muito commodo !* a 1,000 rs. cada urna; luvasdeseda e>
eiaraliada provincia, ou desta cidade ^ P"ra senhora a 320 e 500 rs. o par; f
un a | lela crioula, de 26 a 28 annos nue 3 dltl,s de t!elll(' 8 80 rs- 'n de 9
cozinba o diario de urna cesa, c enUnde grvala a 320, 500 e 640 rs. cada um ; a>
alguma cousa de engommado n Halar na i rortes ue collele 1.00O, 1,120 a 2,000 >
1 rs, cada um, sendo de gurgurflo, se-
Alvesda Cunha, n. 11.
Vende-se malte de superior qualidade :
na rua de S -Hita, reslilagflo de Franca &
Irmflo.
Vende-se um relogio sabonele, caixa
dourada, horisontal, muilo bom reguladoi\
com corrente de ouro : tudo por prego com-
modo : no Forte-do-Mallos, rua do Codor-
niz, n. 10, venda.
Vende-se urna cadeira de
rebuco, feila na Baha, e em bom
estado, por 5o,ooo rs : no Hos-
picio, sitio n. 8, de porISo verde.
Cera de carnauba de pri-
meira sorte,
e loalhas de lavarinlo : vende-se na rua da
Cruz, no Itecife, n. 24.
Vende-se um preto de 20 a 24 trinos,
.'aullador de rua e trabalhador de enxada ;
nflo tem vicios nem achaques : na rua da
Cadeia de S.-Antonio, defronte da orJem j pensado,
lerceira de S.-Francisco, n. 9. Fugio,'do engenho de Tres-Boceas, no
Vendem-se cento e tantos meios def da 17 de fevereiro passado, um pardo com
l.ima, no Forte-do-Maltos, defronte do cba-
ariz, n. 8, que ser recompensado.
Fugio, ha 2 para 3 tres mezes, urna es-
crava crioula de nomc Chrislina, de 50 an-
nos pouco mais ou menos, de estetara re-
gular, ebeia do corpo, com falta de denles
na frente, seos grandes e cabidos, olha
sempre para baixo ; levou camisa de algo-
dozinho, vestido rouxo; desconfia-se que
tenha embarcado para fra : quem a pegar
leve-a ao pateo do Paraizo, n. 20, que se-
r recompensado.
Fugio, no dia 22 do passado do enge-
nho Agoas-Claras do Uruc, freguezia da
Kscada, da viuva Burgos & Filhos, o escra-
vo lu.', crioulo, que representa ter 17 an-
nos, cor fula, rosto redondo, nariz afilado,
bocea grande, altura regular, orelbas pe-
quenas; levou raigas de algodflo de cufiare
ja usadas, can isa de algodflo, e chapeo de
palha de abas grandes. F.ste escravo j fui
de Campina-Crande : quemo pegar leve-o
ao dito engenho, ou na praga do Coinmer-
cio, ii.a, que ser generosamente iccom-
Fua estrella do llozario, n. 41, lerceiro
andar.
Vendem-se 9 duzias de tainas de as-
soalhos, nove ditas de forro: ludo de lou-
ro, por prego commodo na rua do Appol-
lo, n. 2 It.
Vendc-se una escrava moga, de boni-
ta figura : na rua da Cadeia Jo Itecife, loja
de Joflo Jos de Carvalbo Moraes.
Saha-parrjlha deSaods
para remover e curar radicalmente todas as
enfermidades que proceden) da impureza
do sangue, ou habito do avalenta.
Esta medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis, de molestias
queprocedem da impureza do sangue. a
inleliz victima de molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos encolhi-
dos, e os ossos meios ai ruinados, ficou res-
tabelecida com ioda sua sade e figas. O
docnto escrofuloso, coberto de cliagas, cau-
sando nojo si niesmo, e a quem o seivia,
ficou | ci frito. Centenares de pessoas que
da e vellido etc.; chapeos a 1,600 a
? 2,000 rs. : dilos de sol a 2.8C0 ris;
i cortes de biim moiUrnos de lindos
a padies a 1,280 is.; brius de puro
<*, liiibo modernos a 1,280 rs. a vara :
vVndcm-se na rua do Crespo, loja,
W numero 9.
+
Qiicij s iondrinos de 4 a
5 libras
muilo Ircscns : vendem-se na rua da Cruz
dn Itecife, n. ?, rmazem de Manoel Fran-
cisco Martina & Irmflo, por prego commodo.
--Oconelor Olivcira tem ltimamente
concluido avulladas vendas de precioso vi-
nho do Porto, muito velho, estando-llie
apenas alguns hairilinhos dsete e oilo em
pipa, mu proprios para mimos : a modo
que os freguezes j se vilo desengaando
cmquantosua ptima qualidade; talvez
inliam soffrido(pdr annos, a fonto de ;mui'iosainda rhcguem tarde para compra-
desesj craiem da sua sorto ) molestias cu-1 rem os poucos que ainda restam, e cnlflo
taneaea, glndulas, rbeumatiamo ebronico tarde sera o seu arrependimento, saliendo
e minias nutras enlenniuades procedentes que se acabara tflo precioso nctar; apro-
dn desarranjodosorgtos de secregiio e da veilem, pois, emqurnto he lompo, a occa-
cireulago, teem-se erguido quasi milagro- siflo de se refazerem de um vinho que sabe
smente do leito da morte, o boje, com engarrafado por nenos de 6,000 rs. quan-
coiislituiges regeneradas, com prazer at- do qualquer das qualidades do novo, c in-
sola do Aracaty, chegados lia poucos dias,
por prego muito em conta. para se liquidar
urna conta : no lccco-l.argo do lenle, n.
1, segundo andar.
ovisilo serlo,
muito frescaes : vendem-se na rua do Quei-
mado, n. 14, loja de ferrrgens. s
Sapa loes do Aracal)',c
tos a capricho,
vendem-se a 1,000 rs. o par, para liquidar :
na rua larga do llozario, n. 35, loja. *
Instrumentos de msi-
ca baraliss irnos.
Na loja da Ma Nova, n. II, de Jos Pinto
da Fonseca e Silva, sucessor de Guerra Sil-
va & C. vendem-sa cornetas do lat3o de
chaves, proprias para temos, a 16,000 rs. ;
os signaes eguinles: baixo, grosso, sem
barba, de 20 annos pouco mais ou menos,
cabellos enroscados, olhos grandes e aga-
ropados, bem feito de corpo, pernas e ps,
nariz chato, beigos grossos, bocea regular e
com todos os denles; inlilula-so forro, e
como tal vem munido deum passapoite li-
so com o qual illudio as autoridades de
lirra-Crande : quem o pegar leve-o ao di-
to engenho, ou ao Recife, em casa de Ma-
noel Joaquim llamos e Silva que em qual-
quer das parles ser generosamente recom-
pensado.
Fugio, no dia 28 do prximo passado,
o preto Jos Macei, contiendo por este
nnme por ter vindo daquelle lugar j ha al-
guns annos; levou camisa de algodSo bran-
co, e algas de riscado americano; he de
estatura regular ; representa ler 40 annos
pouco mais ou monos; custa a peiceber
quando falla, parecendo temoralo ; tem as
cancilas das pernas sigoaes de ferldas ; he
ditas de cobre com chaves, a 12,000 rs. ; segunda vez que se tem ausentado, nfio
bombarton, ou baixo de harmona profundo tendo sabido do Itecife, do qual agora mes-
-ompistes, ai 35,000 rs ; um bom fagote, mo se leve noticia 3 dias depois da falta, o
or 30,000; oboes de diflerentes pregos; desde entao nflo se pode colher mais noti-
ifanos.a .000 is.; cornetas de cobre sim- ca algum ; julga-se ter ausentado para e
les, a 10.000 rs-; um carnlliSo, com II mallo. Boga-se as autoridades policiaes e
aropainhas, por 12,000 rs.; trompas, trom- capitSes de ca.mpo, que o apprehendm e
bones, clavicor.clanna lisos ea piston.cam- levom-no rua de Apollo, n 12
pal, clarinetes (.. v.oles raberas flautas,! Fugio, no dia 12 de margo, o prelo Be-
nageolets, flautios, rabeces e violoncellos.' edicto, cr oulo, que reprsenla ter 24 an-
epresenli
yll'O (lo se i'l.i o A QUO nos. de altura regular, sem barba, rara re-
ueij U UU criau a JU donda.olhos carrancudos tem os ps um
tanto toriose urna das pernas: este escra-
vo veio do MaranhSo para aqu ser vendi-
do por conla do Sr. Dr. Franciscc de Mello
Coulinho Vilhena: quem o pegar ou der no-
ticia na rua da Cadeia do Kecife, n. 51, pri.
meiro andar, ser gratificado.
boa ratificara*).
Em dias do i.iez de outubro fugio do en-
genho Pindobinha, um escravo de nomo
Fortunato, de 18 a.20 annos, alto, socco do
r. a libra:
vende-se na ruado Queimado, loja de tr-
ra ge ns,n 14.
Vende-se urna escrava crioula, moga,
de bonita figura, boa engommadeira, cozi-
nheira de forno, cosecbflo, faz varias qua-
lidades de doces e refina assucar.- na rua
da Concordia, ultimo armazem de madei-
ras, junto a pontezinha.-
Vende-se,ou trocase por casa terrea
tcstum a ellicaciu desla inesliiiiavcl prepa-
ragSo.
(omqiianlo tenham apparecido grandes
curas al aqu produzidas pelo uso desta
estimavel medicina, comtudo a experiencia
diaria aprsenla resultados mais notnveis.
New-York, 99 de abril de 1848
Srs. A. U. e I). Sands. Julgando ser
u m de ver para com vosco c para com o pu-
blico em peral, icmcllo-vos esle certificado '
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iba, para ijuti outros que hoje estilo soT-
l'ieudo estabclegan melhor a sua confianga
e fagam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Va-me perseguido com urna grando fe-
rida no lornozelo, que se estendia pela ca-
Itella cima al o joelho, langava grande
poreflo do nojenta mateii, com uomichOos
i ue mo privavam mullas nuiles do mou des-
canso, e crain muito penosas de suppor-
tar.
n Sr. Iiiogo M. Connel, que havia sido
curado com a vossa salsa-parrilha, recom-
mendou-me que eu fizesse uso della, o do-
ferior, que por ah se vende, he a rasflo de
12,000 'rs. e mais por duzia. O mesmo cor-
relor olferere vt nda 50 barris do chumbo
de inunigSo, por prego rasoavel.
Venden.-se 40 saceos com Iremossos :
na rua da Cruz, no Recite, n. 47, taberna.
Vendem-se, na loja do Pr.sscio-Publi-
co, n. 7, orles de cassa pintada de bom
gosto, com 7 varas, u 2,000 rs.; cortes de
bnm trangado de lislras, a 800 rs. e a 3C0
rs. a vara ; lengos encarnados da fabrica, a
I mi rs.
Vende-se urna morada de casa terrea
sita no bairro da Boa-Vista, becco do Quia-
bo, n. 12: no Alerro-da-Boa-Visla, n. 74.
Farclo de arroz.
Vende-se esta ja tflo conhecida quanto
til substancia alimentaria para sustento
de cavallos, em barricas com 4 arrobas para
mais, pelo diminuto prego de 3,000 rs. a
barrica: nos armazens de Onofre na ruada
Madre-do-Doos, e no defronle do chafariz
da ponte do Itecife.
Vendem-se pegas de chitas pardas, c-
ou qualquer prupiiedade nesta praga, um i corpo, beicos grandes, canallas-compridas;
terreno com urna casinha e olaiii, sita na tem duas fstulas no queixo inferior, urna
rua do Seve, com 107 palmos de largura e de cada lado. Este escravo foi encontrado
de fundos desde a rua da Aurora at a i ua no chafariz da Boa-Vista em dias do o ez de
do Hospicio : na praga da Independencia.
ii. 17.
Ca ii ti ciros para mesa de
sala.
Na loja da rua Nova, n. 11, de Jos Pinlo
da Fonseca e Silva, venden,-so eleganles
candieiros paia mesa de sala, de um nm-
chinismo muilo simples o fcil para fazer
subir o azeite, ooonservam urna brilhante
luz por muilo tempo.
Papel para forrar sala.
Acaba de ebegar loja da rua Nova, n. II
de Jos Pinto da Fonseca e Silva, aucessor
de Cuorra Silva & C., um completo sorli-
menlo de muitu lindo papel para forro de
sahs, guarmgOese barras, tudo do melhor
goslo possivel, tendo algum dourndo deli-
cadamente, proprio para adorno de salas ri-
cas, capellas, ou consistorios ; e duas salas
de paisagens, por prego commodo.
fevereiro; segunda vez foi encontrado no
Manguinho nodia 20do margo do crreme
anno viudo entrando para o Kecife, trazen-
doou puchando urna vacca. A pessoaqueo
enconlrou dirigio-se a elle para o eppre-
hender, porm nflo Ihe foi possivel: nesta
mesma occasiflo ia passando um homem,
quedissemorava no Alorro-da-Boa-Visla, e
jue aquello moleque havia dous mezes que
estava em sua casa a titulo de forro, e que
eslava aprendendo o cilicio desapateiro;
lambem disse o dito homem que se chama-
va llulioo e que linha um mano que mora-
va para as partes da Soledade, para onde
suppuuha-se que o moleque linha con ido.
Iloga-se s autoridades policiaes o capilfles
de campo o apprehendm e levem-no rua
do l.ivramenlo, n. 14, a Francisco Cavalcan-
ti de Albuquerque, que serSo recompen-
sados.
l'B"N. : n m. de m. i. pe mu.1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE729132I_ALNPK2 INGEST_TIME 2013-04-30T23:30:09Z PACKAGE AA00011611_09783
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES