Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09774


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXIV.
Sabbado VI
O DIARIO publlca-se todos o* das que nao
forem de guarda: o prefo daasslgnatura he
de 4/000 rs. por quartcl, pago$ adianladot. Os
annuiisjlo dos assiguantes sao inseridos
rasAo le SO rs. p< r linlia, 40 rs. em typo dif-
/fereute, e as repelic.".. pela metade. Os nao
assignanlcspagaraoSOrs. por linhae 160 rs.
em tvpo dlffirente, por cada publicarlo.
PHASES DA. LA NO MEZ DE JULHO.
Creante, a 8, s 7 horas e li min. da manh.
Luacheia, al(i, s 7 horas c 2 min. da manh.
A/injoane, a 23, s 9 horas e 50 min. da manh.
La nova, a 30, s 5 horas e 6 min. da manh.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahiba, s fgs. e sextas-felras.
Rio-G.-do-Norte, quintas-reiras ao meio-dia.
Cabo, Serinbaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macei, uu 1., a II e 21 de cada mttz.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-reiras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HOJK.
Primera, s 10 horas e 6 minutos da manh.
Segunda, s 10 horas e 30 minutos da Urde.
~**#S5=
DIARIO D
de .Fulho de 1848.
N. !!.
m
DAS da semana.
17 Secunda. S. Aleixo. Aud. do J. dos or-
phos, do J. do civ. e do J. M. da 2. v.
18 Ter;a. S. Marinha. Aud. do J- do c. da
v. cdoJ.de paz do 2, dist. de t.
19 Quarta. S. Vicente de Paula. Aud. do J.
do c.da 2.v. e do J.de paz do 2 dist. de t.
20 Quinta. S. Jcronvmo Emiliano. Aud. do
J. dos orph. e do J. M. da 1. v.
21 Sexta. S. Prxedes. Aud. do J. do civ.
e do J. de paz do 1 dist. de t.
22 Sabbado. S. Meneleu. Aud. do J. do c.
da 1 v. edo J. de paz do 1 dist. de t.
23 Domingo. Apollinario.
CAMBIOS NO DA 21 DE JTJLHO.
Sobre Londres a 25 d. por 1# r?. a 60 das.
Pars a345e 360 rs. por franco. Nom.
Lisboa 100 por cento de premio.
Dse de leu de boas firmas a I Vi 4 ""**
Acces da coinp. de Beberibe, a M n.aop.
Onro.-Oncas hespanholas 31/000 a dO/WI
Modas de (i/400 v. 17/200 a 17/400
. de (#400 n. l&ySOO a lt#>00
. de 4/000... 9/&00 a 9/700
Prafa-Pataces brasilelro* 00 a 2/020
Pesos columnarlos. 2/000 a 2J20
Ditos mexicano..... 1J \tW
. Miuda.................. 1/920 1/930
WAMBUCO
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA JUSTICA.
niode Janeiro. --Ministerio dos negocios da justica,
ein 8de junho de 1848. -- Illm. e Exm. Sr. Commu-
nicando o antecessor de V. Ex., por ollicio n. 53, de 7 de
iulho do nno p. p.. aduvida suscitada entre os escrives
-e orphos c do juizo municipal da capital dessa pro-
vincia, sobre qual seja o competente para escrever na
provedoria de capcllas e residuo., tendo o inesmo ante-
cessor de V. Exc. resolvido a duvida a favor dos escri-
ves do juito municipal ; tenho a declarar a V. Exc." que
o' governo imperial approva scinelhantc decisao ; pur-
uiioiitn, tendo passado para o juizo municipal ai cau-
sas da competencia da provedoria dos residuos c capel-
las, pela lei de 3 de dczenibro de 1841, e regulamentos
le 15 de mtreo e 9 de maio de 1842, sao os nicos com-
petente para esercvl na provedoria de capeljas e re-
siduos os escrives desse juizo, c nao os escrives de or-
phaos, que, porsua instituirn, s devem servir nos or-
phos e ausentes.'
Dos guarde a V. Exc. Antonio Manoel de lampoi
mello. --"- Sr. presidente da provincia do Cetra.
PERNA&BUC".
ASSEMBLA PROVINCIAL.
IlECTIFICA No discurso do Sr. deputado Xavier Lopes, proferido
na 28.'sessao da assembla provincial, lcm-se asseguin-
tes incorrecocs, devldas aos lapsos da composicao :
na segunda linha depois da phrase pela primera vez
siipprima-se o verbo foi ; no primeiro periodo, na
dcima nona linha, em lugar da palavra acertos
la-sc asserlos. No segundo periodo do discurso, em
ves da palavra espe nsivos la-se expansivos .
Na qnarta coluinnaflrpois do aparte do Sr. Ferreira Go-
mes, onde diz d5#kie duas aulas ou mais, la-sc
dao-se duas aulagy mais.
29. SESSAO OHVHYAH1A, EM 1 DE IIHO
SE 1848.
PRESIDENCIA DO 8R. VICARIO AZEVEO.
(CbnlRuafilo do numeroantecedente.)
Sao lidos, julgados objecto de deliberacae e mandados
Imprimir os segulntes projectos:
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
decreta:
i Artigo l. Fica extincta a thesouraria provincial, e
creada em seu lugar una nova repai ticao que se deno-
minar adminisiraco das rendas e despezas provln-
Art. 2." Esta adminisiraco ter as mesmas altribui-
Ccs"que actualmente lem a thesouraria provincial.
H Art. 3." Os empregados da adininisliacao, quesero
de noiueaco do presidente da provincia, sao o admi-
nistrador, Ora contador, un tliesoureiro, un fiel do the-
smir.il ii, iini procurador-fiscal, e os que o presidente da
provincia julgar necesarios para o regular desempe-
iilu do serv, u da mesma adminisiraco.
Art. 4." O presidente da provincia marcar o orde-
nado une dever vencer annualtncntc cada mu dos em-
pregados, e estabelecer as diversas classes e catego-
ras que devem distinguir os afaacres e attribuicdes dos
empregados deque trata em ultimo lugar o artigo pre-
cedente.
Art. 5." Os empregados da thesouraria provincial
|ue liverem asqualidades e habilitaces precisas serao
preferidos pai a os einprcgos da adminstralo; ficando
aposentados com o ordenado proporcional ao lempo do
vi virn exigido na le de 4 de maio de 1840 aquelles dos
inesmos empregados que nao forera novamente einpre-
, gados, c que estiverem Isentos de qualquer imputado
criminosa pelos aconteclirlentos ltimos da mesma the-
souraria.
n Art. 6." Os empregados da thesouraria, que frcm
empregados na adminisiraco. conlrao a antiguidade
de sci vico que j tverem, c ricaio isentos de pagar os
novos e velhos direitos |>elo novo provlinnto.
<( Art. 7 A escripturacao da adniinistraco ser feita
pela mesma forma e systeuia adoptado na thesouraria
geral, e dever principiar do primeiro dia do anuo fi-
nancero crreme
i Art. 8." O presidente da provincia nomear urna
commisso para examinar todas ascontas e rscripltira-J
fo da thesouraria desde o seu comeco ; sendo o sen pri-
nciroliabalho a liqudacao dos fundos dos cofres da
mesma thesouraria.
, Art. 9. O saldo que se liquidar pelo rxame dos co-
fres da thesouraria entrar desde j nos cofres da admi-
nistrafao, e continuar a ser considerado como receita
dosannos iinanceiros segulntes.
u Art. 10. A conunissao do que trata o artigo 8. ven-
cer urna gralificacao que Ihe marcar o presidente da
provincia, pelo Irabalho que provaveJincnte possa tcr.
Art. II. Os actuaes empregados da thesouraria lica-
rao obligados acoaiijuvarem a referida coiumisso em
lodo o seu trabalho. ,
Art. 12. O resultado do trabalho da conunissao sera
publicado pela imprensa e archivado, bemcoino todos
Os papis e livros da thesouraiia, depois de fechados e
lacrados, noarehivo da adminisiraco.
Art. 13. Conforme o que se reconhcccr e verificar
pelo trabalho dacommissao, o presidente da provincia
tomar as providencias que reclamareui osinteresses da
renda publica c dos credores da thesouraria.
Art. 14. Para boa execucao desta lei, o presidente
da provincia dar um reguiamento em que providencia-
r a respeito dos diversos meios para, com seguraba,
levar a effeito acobrauca da renda publica, e seu cm-
prego ao scrvlco publico.
Art. 15. A adininistrarao se regular pela mesma
legislaran por que se regula actualmente a thesouraria
provincial, ficando s revogadas as dispo'sicdcs contra-
rias a esta lei.
Paco da aisembla provincial de Peruambuco, 19 de
julho de 1848. Jote Pedro da Silva.
A asseinbla legislativa provincial de Pernambuco
resolve:
Artigo 1 Fica restituida A freguezi '" a par-
te da freguezia do Ouricury, desde as cabeceiras do ria-
cho Rodoc, em scgulmento a fazenda do Poco-Cercado,
sei viudo de extrema o dito riacho.
u Art. 2.' Fica igualmente restituida freguetia do
Ex, a parle da freguezia do Salgueiro, desde as cabe-
ceiras do nacho Espirito-Santo at abarra da Cacara.
> Ficam revogadas as Icis c disposiedes em con-
trario.
Paco d'assembla legislativa provincicai de Per-
nambuco, 19 le julho de 1848. Cabrat. l.uit Roma.
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
decreta:
Artigo I." A thesouraria das rendas provinciass fica
reduzida a urna contadoria e thesouraria provincial,
composta dos seguintes empregados: um contador com
as atliibuicflcs de inspector, mn procurador-fiscal, um
thesoureiro das rendas provinciaes, um fiel do thesou-
reiro, dous primeiros escripturarios, dous seguqdos,
um porteiro e um continuo.
i. Art. 2." Emquanto se nao d esta repartipao um
reguiamento especial, ella se reger pela le de 4 deou-
tubro de. 1831, no que tur applicavcl cada um dos seus
empregados.
Art. 3. O contador servindo de inspector vencer
1-.600/DOO rHs; o thesoureiro ser o guarda dos cofres
das rendas provinciaes, prestar fian<;a Idnea c vencer
1:200/000 ris de ordenado; o fiel do thesoureiro far as
suas vezes nos impedimentos, ser da escolha do mesmo
thesoureiro, a qiiem ser responsavei, c vencer o orde-
nado de 600/000 ris; o procuaador-fiscal vencer de
ordenado 1:000/000de ris; cada um dos primeiros es-
cripturarios vencer de ordenado 1:000/000 de ris, e os
segundos 800/000 ris; o porteiro vencer600/000 ris,
c o continuo 300/000 ris.
Art. 4.o O servido destes empregados ser marcado
em as instruefocs que esta reparlico frem dadas pe-
lo presidente da provincia.
o Art. 5. Esta lei ter o seu effeito desde J, ficando
o presidente da provincia autorisado a nomcar os em-
pregados creados por ella.
Art. C. Fica autorisado o presidente da provincia a
nomcar una conunissao composta de tres inembrns,
nuil de dar um balanco na actual thesouraria das ren-
das provinciaes desde o seu comeco al o presente, en-
cerrando lodos os livros depois do seu exame, c fazendo
passar qualquer saldo que honver para a nova conta-
doria creada por esta lei. O presidente arbitrar una
gratificarlo mcnsal a cada um dos membros da coinmis-
sao do lialaneo, durante o seu trabalho.
Art. 7.o Ficam revogadas todas as disposi;des em
contrario.
Paco da assembla provincial, 19 de julho de 1848.
Olinda Campillo. Luii Roma. Pinto d'Almeida.
Cabral.
A commisso de instruc(o publica examinou sol-
citamente o requerimento de Manoel Jos Texeira lias-
tos Jnior, professor publico de primeiras letlras do cu-
rato da S de Olinda, no qual expoeque, fazendo oppu-
llego cadeira de primeiras letlras da freguezia de San-
Jos, foi nesse concurso plenamente approvado, c teve
a preferencia dada pela consulta dos examinadores, que
nao obstante foi preterido por outro concurren te que le-
ve contra si dous v.otos, e que foiqualificado em ultimo
lugar a respeito dos outros concurrentes, o que ludo
iustruc com documentos aulhenticos ; e pede a esta as-
sembla repare esta inj usura, autorizando o presidente
da provincia a prov-lo na cadeira de primeiras lettras
da freguezia de San-Frei-Pcdro-Goncalves, que se acha
actualmente vaga, independente de novo concurso: e,
attendendo a commisso que a preterirn soll'rida pelo
peticionario foi urna injustica clamorosa, foi lima in-
fraeco do disposlo fio 6.' artigo 4S' da lei de 10 de ju-
nho de 1837, que d o direito de scrcm prvidos smcii-
le aos concurrentes que liverem obtido plena approva-
cao, c que um dos meios de reparar esta injustica lie ser
o peticionario prvido em uuia cadeira equivoleute -
quella a que linha dircilo, he de parecer que a pelirao
seja deferida com a seguiule rcsoluco :
A assembla legislativa provincial de Pernambuco
resolve:
Artigo 1.' O presidente da provincia fica autorisado
a remover o actual professor publico de primeiras let-
lras do curato da S de Olinda para a cadeira que vagou
na freguezia de San-Frei-Pedro-Goncalves.
Art. 2. No caso do substituto desta cadeira reque-
rcr o seu provimento na mesma cadeira, he o mesmo
presidente aulorisado a remover o professor de que tra-
ta o artigo l-.' para oulra qualquer cadeira de primeiras
letlras que vagar na cidade do Hccife.
Art. 3.o ficam revogadas todas as Icis em con-
trario.
Sala das sessoes da assembla legislativa provincial
de Pernambuco, 17dejulbo de 1848. tourtmino An-
tonio friura de Carvatko. V. Ferreira Uomes. A. Iler-
culano de Soma llandeira
Val mesa o seguinlc requerimento :
cfRequeiro dispensa da impressao da resolucao, e que
se d para ordem do da de amanhaa. S. R. 6'or-
deiro.
O Sr. Trigo de Loureiro: Pcdi a palavra, Sr presiden-
te, para justificar o uieu voto. Tenho de votar pelo re-
querimento. Creio que todos os deputados presenteses-
to convencidos da justica do peticionario e da do peo-
jecto que tende a reparar aesse peliciouario a injustica
que soffreu quando concorreu para a cadeira de S-Jos.
Nos sabemos mu bem desse facto, nao s pelos docu-
mentos que o peticionarlo nos offerecc, como tambem
porque elle recorreu s folhas publicas quando soffreu
tal injustica.
O peticionario, em vez de ser}prvido na cadeira de
S.-Jos como devia, foi prvido na da S de Olinda ;
agora vaga essa cadeira que elle leu em vistas, e pede
i ep uarao da injustica, sem qu pessoa alguma soflra.
Que o sen pedido he de toda a justica, nenhuin dos Srs.
deputados o contesta ; logo parece-me que se pode dis-
pensar a impressao do projeclo, porque, se elle nao fr
discutido com brevidade, corre o risco de nada appro-
veitar, visto como he de esperar que o govero ponha
dentro em breve esta cadeira em concurso, c enlio lera
ella de passar quclle que fr approvado nesse cou-
cursu. *' ""
Voto pelo requerimento.
Encerrada a discussao, he rejeitado o requerimento.
ORDEM DO DIA.
Conllnuacao da segunda discussao do projectir n. 13.
Entra em discussao o artigo 2.", scus paragraphos e a
emenda do .Sr. Trigo de Loureiro, adiados na scsso an-
terior.
Sao approvados sem discussao, juntamente com a
emenda.
Entra em discussao o artigo 3.
OSr. Trigo de Loureiro: Sr. presidente, ped a pa-
lavra para me oppr ao artigo 3. do projecto na segun-
da parte, ein que determina que seja de 300 francos a
mensalidade dos alumnos que tiverem de ir Europa ;
porquanto nos devenios ter em vista que esses alumnos
sao homens que j teein apprendido no curso e prati-
cado 4 anuos um ofticicio qualquer ; 0 por con se-
guinte devenios suppd-lo mullo adianiado e habilitado
a viver na Europa com os lucros fjue o seu ofilcio Ihcs
proporcionar. Se assiui nao fosse, Scnhorcs, cumpria
que Ihes marcasseinos urna mensalidade muito maior.
Eu creio que os nobres autores do projeclo inila nao es-
tiverain na Europa : se l liouvessem estado nao inarca-
riam, por sem duvida, a mensalidade de 300 francos, que
sao 48/000 ris fortes e 90/000 rcis de nona moda ;
porque saberiam que lsso he multo uisumciente. se
nao cmannos que os alumnos se valcro do ollicio.
OSr Alvet Ferreira :- Eu l estive, e nao gastci mais,
nem talvez tanto.
O Sr. Trigo de .oriro:~Ora, Sr. presidente, nao se po-
de negar que 48^000 rs. por niez he muito pouco para se
vivercm qualquer das capitacs da Europa, amenos que
entendamos que os alumnos vao passar ahi com dema-
siada economa, ou recorrendo ao ollicio que houverem
aprendido aqui ; mas ueste caso, islo he, se elles se soc-
correrem ao trabalho proprio, mensalidade he dema-
siada, bastam200 francos ; c neste sentido vou submet-
ler una emenda consideracao da casa.
Val mesa e he apoiada a seguinte emenda :
No nico do artigo 3.. em vez de u 300 francos
diga-se 200 francos. Trijo de Loureiro.
O Sr. Mavigner : Sr. presidente, pcdi a palavra para
me oppr a emenda ; porque ellalcm de diminuir a me-
sada que esta assembla. ou o projecto prope se abone
ao alumno em conunissao.
O nobre autor da emenda diz que o alumno que for
para a Europa estudar, j lem coiihccimcntos e alguma
pratica, e que por conseguinle pode trabalhar ; mas eu
notarel que elle nao vai l fazer nada ; nao pode fre-
quentar as aulas, senao para aperfeipoar-sc : pelo me-
nos foi isto o que eu vi quando estive em Franca, e o que
ainda ha ptiuco se pralicava ahi, segundo me informam
pessnas desse paiz, com qiieni tenho correspondencia.
Domis, aquelles que quizerem trabalhar, hao de subjei-
tar-sc ao mesmo que se subjeitam os obreiros Ho paiz,
alim de obterem um jornal qualquer, c he mullo natu-
ral que nao sejam preferido* aos nacionaes ; lauto mais
quanto estes nao tcem que estudar, como um ofiicial
que vai daqui para a Europa para se aperfeicoar em
qualquer estabcleeiincnto. Ainda mesmo, porm, que
se siippnnha que elle vai ganhar alguma cousa, he isto
muito contingente ; pois se nao pode suppr <|ue o alum-
no chegue n'um dia, e no oulro ache logo em que traba-
P
lar. L lia-se muito fino. Alin disto, eu pi ssoafiancar,
orque o sn: pnr experiencia propria. que nao he com
..leos de 300 franco que se pode passar parcamente
em Paris, onde tildo he mais caro do que aqui, mxime
quando se tein de pagar mestres e comprar livros.
'A'vista, pois, do que hei expendido, voto pelo artigo
do projecto, c contra a einciida.
U Sr. Trigo de Loureiro: Sr. presidente, o nobre de-
putado nao destruio os fundamentos da ininha emenda.
O alumno a |l"c sc refere o artigo do projecto, he man-
dado para aperfeicoar-sc, e se nao se exercilar,nada far:
elle nao he um aprendiz que v dar alguns annos de
scrvlco ao incstrc, he um alunno queja tem bons 00-
nheciinentos, e que, alm de haver estudadoa theoriado
ollicio, j o tem praticado poi quatro annos : por con-
seguinle em qualquer oflicina que chegue ha de ganhar
iiiilnliiiavelun ule ; porque, como j disse, nao he um
discpulo,he un hoinein que, alm da prtrtlca, tein theo-
ria. Adinlllo que elle nao seja recebdo n'uina offlcioa,
apenas chegue ; mas, passados alguns dias, achara tra-
balho.
O nobre deputado dizque o aprendiz com 300francos,
que sao 48/ rs. da moda forte c 96f rs. da nossa moda,
passar co'inniodaniente, cu, porm, aflirmo que com
200 francos c com o que lhe render o seu officio elle po-
de passar ainda mais comniodamente.
OSr. Mavignier: Posso-lhc asseverar que elic nao
ha de ganhar nem um franco. ...
O Sr, Tn'oo de Loureiro : Se, pois, o alumno pode vi-
ver com 300 francos, parece-me que he muito cabivel a
ininha emenda, pois que com 200 francos c o produc-
to do seu trabalho, elle far mai* do que essa mesada
que se quer cstabclcccr.
Voto, portanto, pela emenda.
OSr. Mavignier: -O nobre deputado que acabou de
fallar, est laborando em grave erro, tal cuino o de sup-
pr que o alumno que for daqui ha de entrar logo n'um
estabelecimcnlo, em que perceba salario.....
O Sr. Trigo de Loureiro E porque nao ?
O Sr. Mavignier : Porque isto nao he uso da trra.
No meu tempo, vi l muitos estrangeiros, mesmo lirasi-
leiros ; todos elles pagavam, c nenhum ganhava, nem
iinwoiciinhd : por isso he que digo que o nobre deputa-
do est laborando n'um falso supposto. O que succede
em Paris he o que hei referido, c nao o que o nobre de-
putado. imagina. Quando andel por l. repito, conheci a
muitos estrangeiros as circunstancias do alumno que
se deve Ir aperfeicoar, e uciihum ganhava.
OSr. 7'riao de Loureiro : Queiu irabalha ganha ; nao
posso comprehender o contrario.
O .Sr. Mavignier : Acredite o nobre deputado, que sc
lhe digo islo he porque vi; s se agora, com os ltimos
ocontceiiiientos, as cousas mudaram, o que duvldo :
por consequencla, voto contra a menda.
Jiilgada n materia discutida, he o artigo approvado,
sendo rejeitada a emenda do Sr. Trigo de Loureiro.
Entra em discussao o artigo 4.
O Sr Trigo de L0ureiro : Si. presidente, ped a pa-
lavra para me oppr ao artigo, aparte somente em
que duque, qualro annos depois de creado ocurso, os.
lentes proprietarios e os adjuntos, sejam tirados dentre
osaluiimos titulado^ giaismiigo.sl.tc.quemais sc hou-l
verctn distinguido,
Eu quero, Sr. presidente, que tanto os lentes proprie-
tarios como os adjuntos, depois dos quaio annos, se-
jam tirados por meio de concurso, preferindo-se, em
iguaes circuinslancias, os alumnos titulados ; porque
he desta maneir que poderemos obter bons lentes : be
preciso que o circulo dos que possam ser admitidos ao
professorato se entenas o mais que fr possivel ; por-
que, do contrario, nao he possivel que obtenbamos os
uielhores professores. Neste sentido, vou mandar me-
sa urna eineuda.
Vai mesa, c he approvada a seguinlc emenda :
- Ao art. 4. depois das palavra dos adjuntos dga-
se serao nomeados por concurso, preferindo, em igual-
dade de circunstancias, os alumnos titulados. Triga
de Loureiro.ii
Encerrada a discussao, he o artigo approvado com a
emenda do Sr. Trigo de Loureiro.
He approvado sem discussao o artigo 5., e em seguida
o projecto, assim emendado, para passar lercclra dis-
cussao.
He aprovado em terceira discussao o projecto o. 7,
que aulorisa a administracao do hospital decaridade a
aforar ao cidaduo Bernardo Jos da Cmara o engenho
Bem-Fica.
He approvado ein segunda discussao com o seguinte
artigo additivo, o projeclo n. 20 que aulorisa u uterao
a mandar construir urna ponte sobre o riacho Goit no
engenho San-Joao.
artigo naiiiliiio. --Art. 3. Antes da construccao da
ponte de que trata o artigo primeiro, o presidente man-
dar examinar por um eiigenheiro o lugar competente,
afiui de que seja construida no lugar por onde tein de
passar a estrada nova. S R. Carva/ho.
Entra em segunda discussao o projecto n. 19 que man-
de erigir em comarca a villa de Iguarass.
Nao havendo qucui pe<;a a palavra sobre elle, he ap-
provado para passar terceira discussao.
He tambem approvado em segunda discussao o projec-
to n. l(i, que annexa ao municipio do Rccife a freguezia
da Muiibeca,
Entra em priinciradiscussao o projecto n. 28 que an-
nexa freguezia de Pod'Alho alguinas porces da da
Gloria-dc-Goit.
O Sr. Laurentino : Sr. presidente, ped a palavra pa-
ra me oppr ao projeclo ; e a rasaoque tenho be porque
j parcce-nic fastidioso o jogo de empurra que aqui tem
liavido com diviscs de freguezias: boje se lira desta
para- se dar aquella, amanhaa torna-se a restituir, de-
pois torna-se a tirar ; de sorte que nao ba parooho al-
gum que possa saber ao certo qual a sua freguezia, c
que possa contar com ella.
Opponho-me ainda, Sr. presidente, por ver que sobre
a materia nao foi ouvido o Exm. bispo diocesano; por-
que, posto eu nao couceba o como a diviso territorial
de urna freguezia possa influir no direito espiritual que
ligaos parochos s ovelhas, comtudo vejo que nenbu-
iii i vantagem resulta de fazer a casa as diviscs e o Sr.
bispo nao as executar.
O Sr. Ferreira Gomet: A casa est no seu direito, se
legislar sem o ouvir,
O Sr. Laurentino ~ Mas essa queslo j aqui foi inulto
debatida na sessao passada, e ficou indecisa; eu confes-
so que nao eoinprehendo como al diviscs pdem de iim-
neir.1 &!<*!ia ofVender ao direitoespiritua! ; mas curv-
me opiuiao de um bomem que muito respeito, e que
deinonstrou a nll'ensa desse direito, segundo as disposi-
ces cannicas, que he o Sr. D. Romualdo, arcebispoita
Baha. Alm disto, existem neste bispado umitas fregue-
zias divididas por leis provinciaes, a que o Sr. bispo ne-
gou o cumpra-ie, e al boje nao se cumprirain. Qual he-
pos, a vantagem de decreta-las? Nao v o nobre depute,
do, que tantas vezes a assembla o faca, o Sr. bispo sa
opponha c fiquem sem fclto as decises da assembla,
quanto-: golpes ella vai recebendo em sua frca moral ?
Qual he o meio de o coagir ?
O nobre deputado sabe que essa questao foi altela
assembla gersl, e at hoje nao foi deeidida ; para que
havcinos de continuar a mante-la antes da decisao ?
Sr. presidente, tanto em Pernambuco, como as ou-
tras provincias do bispado existem freguezias divididas
pelas asseinblas provinciaes, cujas divises licaram ir-
ritas pela falta do cumpra-je do Sr. bispo. Nao vejo van-
tagem alguma em tal disputa. Portanto, voto contra o
projecto.
O Sr. Trigo de Loureiro: Sr. presidente, pedi a pala-
vra para justificar o meu voto.
Tenho de votar pelo projecto, porque me nao conven-
eeram as rasesapresentadas pelo nobre deputado que
acabou de fallar; isto he, nao creio que nao (levamos
mais legislar sobre divisao de freguezias, porque depen-
den! ta ni lie in da approvaco do Kxm.diocesano, que, por
sua parte, lhe nao d execucao.
Sr. presidente, as Icis das assemblasprovinciaes teem
todo o effeito civil e poltico; agora noquerespeitaaparte
espiritual, enlcndo, de aecrdo com o Exm. arcebispo
da Bahia, que sao essencialmcnte afleclas ao Exm. dio-
cesano ; porque elle, como responsavei pelo seu reba-
nho, he o competente para reconhecer os lugares, por
onde esse rebanho deve de ser apascentado, e quaes os
melhores meios de o apascentar : por conseguinte, S.
Exc. tem direito de se oppr s divises das parochias,
quando ellas frem de encontr boa ordem do pasto
espiritual das suas ovelhas. Emendo que, no que res- ,
peita ao espiritual, nao deve proceder a divisao feita pe-
las assemblas contra a vontade do diocesano ; porque
elle he o responsavei perante Dos, e perante os homens,
pela boa adminisiraco do pasio espiritual do rebanho
confiado a seus cuidados, e por conseguinte deve de at-
tender sua consciencia sempre que se tratar de senie-
Ihante materia; mas, nem por isso se pode dizer nue
nao teem effeito as leis sobre divisao de freguezias
nao ha tal, ellas tein o effeito civil e poltico : por conse-
guinle, nada ha que justifique a rejelcao do projecto
em discussao.
-O AV. tiorba: Sr. presidente, como membro da com-
misso que apresen tou este projeclo, tenho de sustentar
a sua utilidade.
O reverendo paracho da freguetia da Cloria represen-
tou a esta assembla sobre duvidas que havia entre ello
e outro parocho, acerca dos limites de sua freguezia,
porque os povos prefeiiain pertencer a da Gloria, visto
que esta Ihes ficava smentes a quatro legoas de distao-.
cia, emquanto que a oulra ficava ein distancia muito
maior. Semelhante representaco tendia a deprecar
desta assembla a lU'Siguacao dos verdadeiros limites
da"Tre8utiia "regida" pelo paracho representante, e a,"
U
/
ILEGIVEL


'


Al
""iiiiss.-io emenden que iaio
/iiais quando o peticionarioapre
r.xiu. hispo diocesano, fin que,
a diviso, inand que o revrrcnd
r.?!""1'8*"0 entrndru que isto era conveniente, lanloj
resentnu un despacho do
. dando sen asscnlimcnlo
.... i que o reverendo vigaro requeira a cs-
la asscmblca. Eia-aqui n despacho, [t),
O Sr. .aurnttno: Sendo assiin, eslou saiisfeilo:
concordo.
O Sr. Barba : l'or estas rasca, cntendo que o pro-
Jecto deve passsr.
Pulgada a materia discutida, he o projecto subinctlido
a votacao e approvado.
He approvado lambeta em terceira discuaso o projec-
Kin seguida, entra em terceira discusso o projecto n
>doanuop.issado, que manda consruir um acude na
povoacao de cierros, e he tambem approvado como
passou ein segunda discusso, coui a scguinlc emenda
Emenda substitutiva ao artigo legundo. Na lei do 01
ramento se marcar o quahtitativo para a construcca
la obra. S. R. Carvalko.a
OSr. Presidente d a ordem do dia da sessio seguate,
< levanta a de boje s duas horas da terde.
PROPAGANDA HOMOEOPTHICA.
IV
O CONSULTORIO IIOMOKOPATHICO DR MACBIO.
!.: mediana DI furtos sao iudu, esmlavras pofico.
Embora ovil egosmo procure laucar sobre n ludo
quanto possa haver de ignnbil c horrivel, seni que para
isto baja outro motivo mais do que o de serinos hoinoeo-
palu.1i ; embora todos os onibar.tcos se qurira enllocar
dianiede nos alim desustar-nns < passoa ni propagacio
ile nossas dnulrinas ; be tan justa, be lito sania a causa
que ailvogamos, que quanto mais perseguida he, litis
augmenta sua marcha, e maior perseveranca nos d pa-
ra contlnuarmot nossa ltela, e blennos o Iiiif que tan-
to almejamos. Kssc lim nada mais he que a substitui-
do de una scieneia de principios rasoaveis e cellos a
ii.ii 'cgrrgado.de duvidas esein rasrs, que se chaman!
allnpathia.
Moni lila vir.i que os discpulos de llaliiiemann, re-
poisaudo de suas assiduaa perigrinacoel c de scjia Ira-
balhoi uto arduos, porm tao uteia para a regencraco
da huiiianidadc solfrrdra, pasmein contemplando a
grandeza de sua obra, c rendara gracasa Providencia por
Ibes haver dado a constuicia c a l'rca necessaria para
csiiiagar a cabrea da hydra que enrolla a especie huma-
na! Ento Uliiuibar decompaixo, em lugar de un ri-
so de dcsprrzo, r de bem mereciila indignaco, laucare-
mus sobre nossos adversarios, que, corridos de vergonha
[un tinioros haverem calumniado, insultado c perse-
guido, se acharan roidos de reiuorsos, c arrependidos
de seu brbaro procedimento !!! Seni embargo, pois, de
todos os einpecilhos e de toda a guerra que a Itomceo-
pnthia ha soffrido no Hrasil, ella val radiosa penetrando
indas ai provincias, c coiivencendo com rasdes e Tactos
misino a aquelles que a ultrajan) (o smente por espi-
i i to de cntitradicco.
J,i la deixci eni regular aiidamenlo o consultorio ho-
mo ipathlco de Macelo, c com exeessivo prazer vi reu-
nido ao Sruhorcs Dr. .lenisted c Marius Porte o Sr. I)r.
Antonio Tcixeira da lincha, i i. iir ul.i asscinbla pro-
vincial das Alagoas, e um dos mocis mais habis que
tcein frequentado a academia de medicina da Baha.
( Nunca me hei de esquecer da alegra com que me ie-
ceberam, c dos esforfon que li/.cram para cu floar em
suas coiiipanlihs !
Mnii o Sr. Dr. Hocha em sua these inaugural, Ctn una
de cujas paginas me ronsagioii um lugar disliuelo, jan-
eado algumas palavras mal consideradas era desabono
da liniiurpatliia mas o meu amigo.tinlia-smente
lidn alguns livros que tralavam superficialmente desta,
scieneia. F. parlilhando do scnt'uiicnto da in.iioii.-i dos
mrdicoi dl,aquella ciilade, se nao ImportOU coma prati
ca dos consultorios, e por isso nada sabia. Com fervor de
pura dedicacn, e drsejndo nada ignorar da verdadeira
pratieada medicina, deiu sua clinioaallopalhloa, acei-
tando tmente os iloenles que se quicssem tratar lio-
ma'patbicamente He assini que obram os boinrns dr
boa V' !! lie abnegando toda a ospcciilaco que se che-
ga a merecer o epithelo de homein de bem .. Foi esta
converso um acto de verdadeira probidade ; porque
nao praticou o joven homa'opalha. como outros que,
nucrindo adoptar a nova scieneia, s esperam por curas
de docnlesque ellea leein desengaado, ou porque a mo-
lestia seja evidentemente mortal, nu porque con os seus
11 'medidos violento! hajain compromettido a vida dcllcs;
podendo-sc dzcr ueste caso, qun pcior fieou a emenda que
o soneto.
F.icam, pois, os Senhcres Dr. Jeinstcd, Marius Porte,
c Dr. lloclla, desenvolver a hniiio'upathia pura na pro-
vincia das Alagoas, alim de libertar sua populacao doju-
gu sanguinario da medicida o/fiieiat gooernativa ( como
mili apropiadamente se exprimi o Kxm. Sr. senador
bernardo Partir de Vasconceiloi). Soccorrain ellea a
pobreza com os meiosque tcem sua dispoairo, e dei-
xem biainir as gralhas que se chafurdam no locac.il da
vilea.'
I'crnainbuco, 20 de julho de 1848.
Dr. Sabino Olegario I.udgcro I'inho.
P. S.Nao tenho culpa de apparecer no jornal de boje
.1 palavra groni/ioii(*iima con igiudo uiandiisissima, que
viin no artigo II da Propaganda ; purquaulo, u corri-
genda que mandei loi--grandiosissimos.
DIARIO IIK PKHNABBVCU-
RECITE, 21 DE IHIHO DE 1848.
Pelo vapor San-Saltador, vindo boje dos pollos do
oI. recebemos gazetas do Rio-de-Janciro al II c da Ba-
bia ate 18 do i ni i ni ii-.
llavia chegado a corte o supiileinenlo cm que narra-
mos os desagradaveis aconlecimcnlos de 2G e 27 do pas-
sado. O Jornal do Commereio, o Diario do liio e outros pe-
ridicos tiiili.im transcriplo a nossa narrativa.
As cousas eaniinh.iv.ini ah como de ordinario.
O senado ainda se oceupova com o cdigo commer-
cial, cuja discusso ha sido to procraslinada, com gra-
ve prejuizo do paiz.
Alm disso, apreciav&m-se nessa cmara algumas ma-
terias de mais ou menos transcendencia, e bem assiin o
projecto do Sr. Paula Souza, acerca de eleic^es, que
substituio oda commissau. Mas cumpre notar que, re-
jeiado o artigo do piimeiro dos mencionados projectos,
que propunba se procedesse s eleicoes por ciroulos
que nomcassem dous deputados c um senador, fra ap-
provado o do segundo, qual quer que os circuios ele-
jam um so deputado.
. Na cmara temporaria, approvra-sc cnifim, por gran-
de maioria, a loi das incompatibilidades. As disposiedes
fiesta lei, que devem de subir saneco depois de con-
sideradas pelo senado, sao as seguintes ;
* 'JCl ? Nio_podjem.scr. votados para.senailores,^Jc-
ji'.u idus i- nirnibins das assemblas provinciacs :
" 'O presidentas de provincia, vicc-presldentet
ein excrcicio, commandantcs de armas, commandantes
do exerco ou de torcas emoperacocs, chefes de polica,
secretarios das presidencias, inspectores de fazenda ge-
rl, ou provideial, chrfes de repartiao de fazenda geral,
as provincias em que exrccrem jurisdiejo.
u 2." Os membros da rclaco do !lio-dc Janeiro na
cidailc deste nomr c seu termo, e os das outras as co-
marcas rmque estiverem collocados. ,
3. Osjuizcsdc direilo, substitutos cm excrcicio,
municipaes, pelos cleitores do territorio de sua juris-
diccao. '
Art. 2." Os ministros de estado nao poderao ser e-
Iritos senadores, salvo pela provincia do sen nasciinen-
to ou residencia habitual, u
A cmara decidir que fsse nominal a votacao acer-
ca de tao importante lei.
Declarando que se achavam ausentes os Srs. Ayres do
N i-riiiiriiin, Coelho bastos, Nuncs Machado, Carvalho
Moreira, Barbozadc Almcida, Muniz Ilarreto, Gomes de
Menezes, Souza Franja, Assis e Aducida, o 7ornal do
Commereio noticia assim o resultado de scmelhante vo-
toca'o :
o Votaram a favor os Srs. Kerreira Penna, Tenreiro
Aranha, Fabio, Portado, Sena, Castello Branco, Mace-
do, Peixoto de Alcncar, Saboia, Pamplona. Barros, Jos-
de Assis, Brasil, Acaua, Toseano de tirito, Carnciro de
Campos, Franca Lcite, Antonio Alonso, Reg Montciro,
Peixoto de Brlto, Faiia. Aiireu c I.ima, Urbano, Albu-
querque c Mello, 'lavares Bastos, litara Casado, Teixei-
ra, Ferraz, Eduardo Franja, Amaral, Sales Torres Ho-
mein. Pereira da Silva, V. Torres Hoineiu, Paranhos.
Gomes, dos Sanios, Clemente dos Santos, M. de Mello,
Fclicio, Rodrigues dos Sanios, Carrito, Tobas, Ilangcl,
Livramento, Toblin, Calvet, Barcellos, Chaves, (iodoy,
C, Olloiii, Ella*, Cerqueira I.eile,tietulio, Mriielles,}.
A. MarillllO, Jos Feliciano, IVIbissimo, Mello Franco,
Pedro de Alcntara, QUiutiliano, T. Olloiii.Alvarenga, li,
B. dr Rezendc, Ramalho. Ao todo (M membros.
k Votaram contra, os Srs. S i|.| mili Marinho, Moraes
Sarment, Lopes Neto, Vi I lela lavares, Amula, Men
doea, Mendes da ( unha, (iomes llibeiro, llamos, Apri
gio, laques, (i. Mar'lins, Moma Magalhaes, Wandeiley
(les, Pacca, Tosa, Pedreira, Euzcblo de Quelrot, Pe
lino, Oliveira Bello, Fernando Chaves, Vasconcelloa. Ao
todo 2.'l meiiiliios. u
O Sr. tenentc-coroncl Solidonlo Jos Antonio Pereira
do Lago reassiimra o commando do primeiro batalhao
de artllliaria a p. em camprimento d'ordcm superior.
Tinham sido noineados : coniniandante da segun-
da com panilla de pedestres do Maranho, o Sr. alferes
da terceira classe do exereito Francisco Jos de Soma
Alves ; primeiro cirurgio do corpo de fu/ileiros Da-
vaes, O Sr, Dr. Manoel do Reg Macedo, cirurgiao-aju-
danle do cxlioclo corpo d arlilharia de marinha.
O goveruo declarara ao director Interino da escola
militar, que os candidatos que houverem nixido o grao
de iIihi i' ii. sao os uniros que lecm dirrilo a ser admilti-
dos aos concursos para os lugares de lentes substitutos
da mesma escola.
O Sr. padre Antonio Joao de Carvalho fura apresenla-
do em um dos canonicatos vagos na calhcdral do Ma-
ranho.
O Jornal do Commereio de 11, annunca que no llio-
Grande-do-Sul nada novo occorrra ; r, accusanilo dalas
da Assunipco do Paraguay at (i de abril, diz que rei-
nava o maior locego em toda a repblica, e copia o sc-
guinlc. Hecho de urna caita particular :
A victoria de Urquiz.1 sobre os Correntiiins pde-nos
na necessldade de preparar todos os ineios de defensa.
Rosas, que ainda ltimamente repeli a promessa de
que nao nos inquietar com assiias.arinas,emita subjugar
o Paraguay por meio|do bloqneio einjque nos tciu. Knga-
na-sc. Quanto promessa de nao nos hostilisar aberla-
mente, su podemos saber se tem tenfo de a cumpiir
depois que acabar a inli'i vencao.
O presidente, que se acha no Pillar, sabe no dia 10
para a cosa do Paran al a F.nrarnaco c Candelaria.
Eis ludo com que deparamos nos joriiaes
digno da attencao dos leilores, aqun
a respeito da Babia.
F.ssa provincia ficra pcrfeilamentc tranquilla, e ao
lodo drsassombrada dos receios da desordem que Ihc
aiiguravam os amantes dos movimentos generosos.
uiiiinenscs,
nos resta fallar
Prestaram-nos o Lircrpnol IHereury de Odcjunho, epor
elle liveuios de alguns paizes da Kuropa noticias mais
recentes do que aquellas que prximamente publica-
mos, colindas nos jornars porlugurzrs.
A Cra-llrrtanha liera tranquilla, comqnante emmui-
las de suas cidades c inesuio na capital se tenham ulli-
uiamentc celebrado un grande numero de meetings
carlistas, os quaes pela inaior parle tcem acabado cm
desordem. Km um dilles lutou o povo com a frca de
polica porespajo de tres horas, resultando do conllic-
to niuilos ferimeutos.
O lim dessas reunioes lo frequentes dizia-se que era
sustentar o excitaucnto popular o cansar as autori-
dades.
Corra que os carlistas prclcndiam fazer em Londres
um outro meeting ministro, o qual deveria ser muito
mais numeroso que o da praca de Kenninglon ; por is-
so que, segundo diziam, j tinham 100,(100 pessoas alis-
tadas as cl.i--.rs porelles organisadas, e rspcravam que
dentro de una semana este numero triplicara.
Na cmara alia, cm a sesso de 2 de junho, differentes
lords fallaram contra estas reunioes. Lord llrougham
cliamou a attencao do goveruo para esses meetings c
procissoes carlistas que elle considerava como mu
tjjHioiniiiosos eabominaseis, c altamente injuriosos pa-
ra oXpininrrcio. Disse que tacs rruniors devan ser in-
teiramentc prohibidas, pois tinham nina directa tenden-
cia paia exporao d'esprczu, nao so no interior como no
exterior, a judiciosa, industriosa. pacilica populacao de
Londres : que nSt) saKsa qual o lim de seus cheles; mas,
ainda que esse liin fsse bom, julgava que cmqiianto
recorressem IntlmidacSo, nunca o alcancariam: que
conava que o governo havia de adoptar medidas in-
mediatas para por termo a taes proeedimentos.
O duque de Weilinglon disse que era vergonhoso que
a cidade tivesse estado qualro dias dcbaixo de armas, c
que julgava que aquelles que reuniam a plebe deviam
ser responsaveis pelas couseqiiencias dessa rcuniao,
etc., etc.
Tinham chegado a Londres, tanto Mr. Bullwer, o mi-
nistro brilannico que lora expulso de Madrid, como o
conde de Mirasol, o enviado do governo hespauliol.
Lord Palincrston, respondendo a urna inlerpellaco de
Mr. H. Baillie na casa dos co'mmuns, cm a sessio de 1.
de junho, disse que, tendo sido informado pelo minis-
tro bcspanhol residente cm Londres que o conde de \fi-
rasol havia chegado cm una missao especial do gover-
no hespauhol para dar explicacoes das transaccoes pie
recntenteme Imvi.hu occorrido em Madrid, responder
que, qtiaesqucr que fssem as commuiiicacdes que o go-
verno de Despaiiiia podesse desejar fazer ao des. M. B.,
relativamente a essas Iransacces, elle eslava prompto
a recebe las pelo orgo oflicial e acreditado da rainha
de Despatilla na Inglaterra, e que julgava do seu dever
nao entrar cm conimunioaces oaiu o ooude de Mii\is4 :
que, considerando a natureza c o carcter dos successos
a que taes coinmunicajdes se leferiam, pensava que
era para desejar que cm todo o caso Ihe fssem ellas
transmitidas por cscripto. Rile declarou que se acha-
va actualmente em communicajao com o ministro hes-
pauhol a este respeito, e quando a correspondencia fs-
se encerrada, elle pruvavelmente sentirla ser de seu de-
ver p-la immcdiataiticntc sobre a mesa da casa.
Nesta mesma sesso o lord mayor de Dub'in, acompa-
nli.iilo de varios membros' da corporaca apresentou
urna peiii'.o para a revogajo da unio, a qual foi lida
pelo secretario da cmara.
O estado da Irlanda he melindroso. Em cansequen-
cia da priso de Mr. Mitch.il, um dos chefes repealers,
esleve o paiz a ponto de sublrvar-sr. A afio, em um
artigo assignado poy C. G. I)., explica o porque nao bou-
vera em ni un nenhuma iusurrcic.au para a libertajao
de Mr. Mitchell. A primeira raso asslgnada he a falta
dr o ni i .un mil- acudo. Todos os vveres do paiz, diz
Mr. Dully, estilo depositados em annazens defendidos
pela guarnicao ingleza, e em um so dia pdem ser re-
duzidos a cinzas. Aos homens nao he possivel combate'r
sem (erem o que comer. A foine converteria dentro de
vlnlc e qualro horas um ecrcito em nina canalha, e a
Irlanda smente por este estratagema e sem nenhuma
batalha seria derrotada. Asegunda rasan he a total fal-
ta de todo o esforco systematico para por a Irlanda em
.inundo de delensao, etc. O seguinle manifest do con-
cclho da confederaro irlandeza dar aos leitores mais
alguna eselarecimentos acerca do estado do paiz i
Nos nao vos oceultaremos, nem a vos nem ao go-
verno, que nada senao os maiores esforcos do nosso con-
clho pode prevenir o ronipimcnto de urna insurreicao
na passada semana. Militares de bravos liavam resolv*
po que Joro Mitchell nao deixara as praas Irlandesas
senao atravessando por cima dos seus cadveres. Na
recelamos que as acluacs crcumstancias urna tenta-
tiva aunada para Iiberla-lo c para libertara Irlanda po-
llera ser mal sucerdida, c por sso nos inlerpozemos e
com dillieiil.: ni, conseguimos prevenir a infructfera
rll'iisao de sangue. Porm, entretanto que nao hesita
tamos em confessar que tal fra a nossa conducta, nao
nos sentimos livres para occullar-vos que as recentes
indignidades fritas najaoirlandeta teem contribuido
grandemente para remover de nossos csplrilos a espe-
ranca que at boje nos compraziaiuos de entreter, de
que a qurslo entre a Inglaterra ra irlanda sera a ni-
gavelinente regdfada. Nos nos senlinios obrigadoa a di-
zer-vos, sem disfarce, que essas indignidades e injurias
nos vo rpidamente levando quelle periodo em que a
resistencia armada aoa oppressores de nosso paiz tor-
uar-sc-ha urna nbrigaco sagrada, exigida pelas mais al-
ias saneces do dever publico. Debaixo destas impres-
ses uo podemos eximinir-nos da rrsponsabilidade de
aronsclhar-vos que vos preareis de urna vez para a de-
fensa de vossas invadidas liberdades. Pelo amor que
consagtais a vosao paiz e a voaaa rafa, pela affeifo
que tendea a vossas casas, pelo cuidado com que pro-
curis o bem de vosaos lilhos, pela sede que tendea de
unta faina honrosa, nos vos exhortamos a unir-cus em
nina liga aanta contra a uaurpaco c a itjustica. Nao
contaminen! vosao lim paixoea intereaaciraa ; nao em-
barace a execucao de vosaos designios nenhuma lu-
la facciosa. Aprendei a contemplar calina c firmemen-
te as probabilidades de nina lula final, c prepara-vos
para esta luta, fornecendo-voa de iodos aquelles recur-
sos que vos possam habilitar a contar com a victoria :
sobretodo nao cessa de invocar dejoelhoa, c com hu-
milde e devoto coraeo, a benco, o apoio e a guia do
co sobre esforcos consagrados como os mais sautific'-
dos dos deveres'pelos eternos principios da Justina.
(Assignado por parte do concclho.}- ff'itliam S. O' Itrien,
presidente.
Km Lyiio de Franca, liaviam rebcnlado novos distur-
bios. Os operarios eutpregados as ollicinas nacionaes
u Mlrebel tinham pteudido (res magistrados, o po-
cu rador-geral da repblica, o luz de paz, co deputa
do de Trcvoux. As autoridades haviain despachado cm
ronsequencia disso unta grande ii ca militar em soc-
corro dos presos.
O governo ordenara aos prefeitos dos departamentos
que nao desscni passaportes aos obreiroa que quizessein
vir a Pars.
O principe Joinville fra proposto como um dos can-
didatos por Paris. O governo executivo tomou isto em
consiiler.ico e publicou a seguinle notificarn :
lie ordenada a priso do autor c iinpresaor de una
proclamafo postada nos muros de Paria, propondo o
prncipe de Joiiiviilc como candidato aaaemblca na-
cional. F.sla proclamaco he sediciosa, pois pelos ter-
mos do decreto, recenleuientc publicado pela assem-
bla, o territorio francez lie interdicto a todos os mem-
bros da es-real familia.
O principe Luis Napoleao, que visitara Paris incgnito,
receben ordem, tres dias depois de sua chegada, para
sabir da cidade.
Fra preso em Pars M. Blanqui e levado a Vincennes.
Em sua ida para a priso elle diaae que s havia um
republicano em Franca, e eaae era elle.
Detcarrega hoje, 22 di julho.
Kacuna Outtre breu.
I
Geral. .
Diversas
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DA 21.
provincias ,
2:705/769
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMF.NTODO DA 20..........1:548/102
RIO-DE-JANEIBO.
CAMBIOS NO DIA loop. JDLHO.
Cambios sobre Londres 21 1/2 a 23
Paris...... nominal.
> Hamburgo .... nominal.
Metaes. Onjaa heapanhlaa .... 32>6O0
da patria..... ,'(2/200
Pen liesuanlii'ies .... 2!0
da patria......2>W0a2/*U80
Pecaa de 8/400, velhaa 18/000 a 18/800
I'ral i.........114 a 118
Apolices de 6 por cento.....861/2 div. pago.
> provinciacs......861/3
(Jornal do Commereio.)
BAHA.
CAMBIOS NO DI* 17 DE u.'l.llil DI 1848.
Londres...........25 nom.
Paris............ 360 o fr.
Hamburgo..........650 o marco.
Lisboa. .'. ._ lOSallOj/'noin.
(incas hespauhlas.......32/000
Ditas mexicanas.......31/500
Pecas de 6/400........* 17/400
Moedas de 4/000 .....9/200 9/500.
Patacoes brasileiros........2/000
hespanhes...... 2/000
> mexicanos.......1/9B0
(Correio Mercantil),
iYIovuncnto ri(> Porto.
Navios mirados no dia 21.
Rio-de-Janeiro, Babia e Macelo 10 dias e do'ultimo
porto 15 horas, vapor brasileiro Son-Salvador,, de 300
toneladas, commandante o primeiro lente Antonio
Carlos de Azeredo Coulinho, equipagem 29. Pasaagei-
i os, Bartholomeu Wanderley Lina, Salvador Cardozo
de Oliveira, D. Mara Joaquina do Sacramento de Au-
drade com umacriada, Brasileiros'; Antonio JosSoa-
i es, Portuguez.
Bahia ; 16 diaa, barca americana Baiciet, de 285 tonela-
das, cap lo J. DuiTce, equipagem 15, carga assucar
ao capito. Arribou com agoa aliena, e segu para
Cowes.
Terra-ova i 34 das, brigue ingle/. Bra:Uian, de 179 to-.
nidadas, r.ipilo Thomas Power, cguipsgem 10,_car-
ga 1,099 barricas com bacalho ;f
Liverpool ; 49 dias, barca ingleza
Heladas, capllo John Patcr, <<
a Me. Calmonl & Companhla.
Babia ; 7 dias, hiate brasileiro TeiaMr, de 40 toneladas,
capitn Manoel Antonio da Silva Lobo, equipagem 7,
carga charutos, fumo, Jacaranda e mais gneros; a
Silva 8i Grillo.
Savio sahido no mesmodia.
Bio-Grande-do-Sul ; polaca brasil, ira sYurinko, capitao
Joa Mara Alfonso Alves I lace llar, carga assucar e
ago'ardenle.
i Me. Calmont St C*
tuphratei, de 343 lo-
agein 13, em lastro ;
K1TAL.
Miguel Archanjo Monteiro de Anirade oficial da im-
perial ordem da Roa, cavalleiro da de Chrislo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que eot guarde, etc.
A commisso de conatiluco tinha decidido sobre as
seguinle Importantes pomos. .. A constilulco poli- Faz I""-"? ma 24do correte se h.1o dei arretna-
tiea da Franca sera urna repblica democrtica, far em praja publica a porta da mesma, ao melo-dia. 12
eiodvisvel. Esta proposico foi unnimemente adop- 'elUM P""ados no valor dei 180| ra., impiignadoa pelo
onst'.luicodcvia ser precedido por fetor conferente Joaquim Be
taita. O projecto da c
una declararn, admtlindo, alm dos dircitos de que
j o povo goza, os de educaco gratuita, eniprego e as-
siatcnca. A quealo sobre oa poderes legislativos deu
lugar a mu tonga diacuaao ; foi por lim determinado
que nao hovesse maia que urna s cantara legislativa
composla de 750 membros. Todava, no caso de uina re-
visan da constituico. a asscmbla seria como actual-
mente composla de 900 membros. As eleicoes deviam
ser fritas por departamentos. O governo executivo de-
via ser confiado a um presidente nomeado por sull'ragio
universal. Sna autoridade devia durar por quatro an-
uos aumente, nao podeudo ser recleito. Dous milhea
de votos pelo menos sao necesarios para a noineaco do
presidente, o qual ser responsavel por seua actos
O enoa Courier dizque a fortaleza de Peschiers, de-
pois de um rigoroso bombardcaincnto, cahira afinal ein
poder dos Piemontezes.
Km Milo liaviam tentado derribar o governo provi-
sorio; mas esta tentativa fra inutillsada pela guarda
nacional.
O conde Nugrnt resignara o oommand do exereito
austraco, o qual, coniuiandado pelo prncipe de Tour c
Taxis, cll'cctura una juneco com Badestoky cm Ve-
rona.
Vicenta fra atacada a 23 de malo por 1,200 Austracos;,
mas, depois de haverem bombardeado a cidade por es-
pen de quatro lloras, fraui por fut repelllos pelos
habitantes que se dcfendcrain com milito valor. As
pioprias mullirles e meninos corajosamente apagavain
o lo.;o das granadas que cabiam
Urna nova insurreicao teve lugar em Vienna, capital
da Auatria. A 25 de iu.no o ministerio, de conformi-
dade -com o decreto publicado pelo imperador de Inns-
pruck, ordenara a diasoluco da lego acadmica, e a
entrega inmediata daa armas. No niesuio instante ae
levantou a deaordem : eatudanles c obreiros immedia-
i un, ule se pozeram a construir barricadas. As 10 ho-
ras teve lugar um conflicto enlre os soldadoa e o povo.
Os primeiroa fram repellidos, e retraram-ae para aa
lorliiieacocs O povo exigi a conservarn da lego aca-
dmica, a rcinoco doa soldados, a volta do imperador
dentro de oito dias, ou a substituirn de um principe
em s.. ii lugar.
Em a noite de 27 de maio tiveram lugar em Leipalg
(Saxonia) serios disturbios que durar,un algumns horas.
O objecto dos desordeiros era o estabelecimcnto de urna
repblica. Elies levaiilaram barricadas, resistirn!
guarda nacional c s tropas; porm, afiual, fraut des-
leitos c dispersados, e inuitos dos caberas apriaionadoa.
ernardo de rigueiredo, no
deapacho por factura i..... sendo a ai reinataro subjei-
ta a iln ii,i,.
Alfandega, 21 de julho de 1848.
Miguel Archanjo Monteiro di Anirade.
moa*----------'""i
Deca rnyoes
---------------------------------------------------------^
JUIZO DOSFEITOS DA FAZENDA.
Em cumplimento portarla do lllin, Sr. DV. jula dos
feitoa da fazenda, datada de-19 do correute, declaro e
l'acu pu blico a lodoa oa devedorea fiscaes, que as cusas
le- ni is por qualq ucr mandado executivo, pagas antea de
procedido o acqueatro ou pinhora, ao aa eeguintes :
Aaaignatura do mandado paj a o juiz
da guia
Da guiaao escrivo .
Do mandado ao cacrivao
500
120
150
200
350
620
loa officiace asaistentes que houverem feito, UyQ
aendo de...........(
teUti.bHCIO.
- Allandega.
BENDIMKNTODODIA2I..........1:495/471
cada uina citacSo 400 ra., logo que haja aequestro ou pe-
iibora, pagarao mais 1/200 rs. aos olHciacs, e um por
cenlo ao solicitador da quantia devida; assiin como as
cusas que que occorrcrcm depois da aecusacito da ac-
co^etn audiencia, para cujo lim se far a conta respecti-
va, que acra aaaignada pelo uiesmo Sr. Dr. juis dos fei-
toa.
Recife, 21 de julho de 1848.
O solicitador da fazenda publica
Francisco Antonio Cousiciro i Silva'
A administrbalo geral doa eatabelecimentos de ca-
ridade manda fazer publico, que no dia 24 do correte
pelas 4 horas da tarde, na sala daa suas seaadea, contra-
ta o 1'ornccimento da carne verde de que precisaren! os
meamos eatabelecimentos. Os pretendentes devero
spresentar-se no lugar c hora apraiados,munidos de suas
propoatas.
Adninislraco geral doa estabelecimcntos de carldsde,
i7 de julho de 1848.
O cscripturario,
F. A. Cavalcante Couiliiro.
O administrador da recebedoria de rendas geraes
memas avisa aos despachantes d'alfandega que se a-
cham a dever o respectivo imposto, rclallvo ao anno n-
nanceiro udo, c do vencido no corrente anno, alim de
pagarein o que cativerein a dever, na certeza de que,
por estes oito dias, passar a reiitinetier para juizo a re-
lacao doa que nao o fierem.
Recebedoria, 20 de junha de 1848.
Francisco Xaviir Cavalcante de Albuquirqui.
>
ILEGI\


u
CORRFJQ,
O vapor San-Salvador, cbegado hontem
dos porto do sul, recebe os malas para ai
do norte boje (22), ao meio-dla. As corres-
pondencias que viercn\ dopois dessa hora
ingarao, o porte duplo al urna hora da tarde, e passada
la nao se receber niais.
I*
OSr. Antero Jacques dai'llva queira dirigir-se ad-
niinistracao do correio, afim de receber um oficio, vin-
do no vapor, chegadu hontem.
Cattai seguras, virutas ltimamente peto vapor ,lo tul,
para os senhore :
Jos M unid Martins.
Manoel Jos Lopes.
Antonio Francisco Pereira. -
Joaquina Rosa Tavarea de Lima Mendouca.
Manoel Francisco da Silva Araujo.
Manoel Telxelra Baccllar.
Francisco Eusebio de Farias Torre.
Silva & Grillo.
Cartas seguras no eorreio de Ptrnambuco para o do Hio-de-
Jantiro, que por, nio lerem stdo alli entregues, vieran reen-
viadas para os Stnhore;
Antonio de Faria Neves. Antonio de Alineida Vascon-
celos Castello-Branco, Affonso de Albuquerque Mello.
Gamillo Jorge de Oliveira.
Francisco Jos Ferreira da Silva, Francisco Alvares de
Macedo, Finnino Alvares daFonseca.
Jos Antonio da Silva, Jos Maria Marq-iei, Jos Ber-
nardo FernandesGama, Jos Antonio de Araujo, Ignacio
de Almcida Fortuna.
l.uu da Costa Ferreira Franca (tres), Lulz Jos de Al-
buquerque Cavalcante Lins.
Sebasliiio Lopes Guimaiaes.
Avisos martimos.
Para o Rio-Crandc-do-Sul seguir cni poucos dias
a veleira polaca Mnrinho, capitn Jos Maria Affonso Al-
ves Barcellar, a qtial tem bons commodos para passagei-
ros e escravos : quem pretender pode convencionar com
o mismo espitan, mi com Auiorm ?t Innacs, rua da Ca-
deia, n. 45.
Para o (.'rara salir, com inuita brevidade por ter
parte da carga prompta, a sumaca Flor-do-Angelim: para
-o restante e passageiros, trata-se com o inestre Ber-
nardo de Souza ou com Luiz Jos de S Araujo, na
ra da Cruz, n. 26.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, na presente semana, o
patacho Novo-Temerario, por j ter parte de seu carrega-
ment prompta: quem nelle quizer carregar ou ir de
passagem dirija-se ao capitao, a bordo, ou a ra do Vi-
gario, n. 3.
Para o Rio-de-Janeiro sahe com brevidade, o bri-
gue minerva por ter a maior parte da carga prompta :
quem quizer carregar dlrija-sc ao seu proprictaiio ,
Francisco Alves daCunha, na ra do Vigario, n. II.
Para o Havre segu viagem por estes dias tendo
o carregamento prompto a barca franceza Julia ; re-
cebe smentc passageiros, para o que tem cxcellentcs
commodos : os pretendentes dirijam-se aos consignata-
tarios B. Lasserre &Coinpanhia, na ra da Scnzalla-
" o .no '
iillltl, U. l Leilao.
0 corretor Oliveira Tara leilao cm o arinazem de
JoaoK-eller S Companliia napresenca pnblica franceza) e por conta e risco de quem perten-
ccr de uina calxa contendo 258 cortes de cassa para
vestidos avallados a bordo do navio francez Cesar, ca-
pitao Dillard, aportado a este porto em 30dejuuho pro-
xi..... passado : SCgUnda-fcira 24 do torrente as 10
horas da inanha em ponto.
Avisos diversos..
A. uoriiiiiiSaa
rencia dos
v.mcu 11 :gaua ua ge-
negocios lendenles s Jettras
dos contratos provinciaes, euaittidas pela
lliesouraria provincial, convida a lodos
os interessados seus cominiltenlcshajam
ile comparecer amanhaa ( 22 ) no escri-
plorio de Sr. Manoel Joaquim Hamos e
Silva, para essignarem a competente pro-
turaco de que convm quanto antes fa-
zer uso : assim como deverao logo trazer
urna rehrao especificada de todas as le
Iras, contendo quantia respectiva, odia
do saque, o tempo do vencimento e o
nomes dos que a assignaram Ha urgen-
cia,
Quem annunciou querer comprar 2 diccionarios
inglezes de Vleira e a Ilistoria de Inglaterra con es-
tampas dirija-se ao Alerro-da-Uoa-Vista, n. 34, pri-
meiro andar.
Domingos Antonio Branco retira-se para fura da
provincia.
Roga-se ao Sr. Jos Joaquim Vieira, que haja d
se nao retirar para fora da provincia sein que prlmei-
ro v liquidar sitas contas que tem com o Sr. Joa-
quim Jos Ooucalves Braga.
-- Quem precisar de urna ama que cozinha e engom-
ua, dirija-se a ra Bella, n. 11.
-OSr. Honorio Jos da Rocha Carioca queira man-
dar buscar urna carta cun urna encoineuda vinda do
Hio-de-Jaueiro, na praca da Independencia livraria
lis. t e 8.
Prenlsa-se alugar um moleque ou pretodemia
dade ou incsmouma prcta para o servio de urna ca-
sa de lioinem solteiro sendo o servico leviauo : na ra
de S.-Hta-Nov, n. 91..
Propagan ra Homceopathica.
Pergunta-se ao Sr. Dr. Sabino Olega-
rio Ludugero Pinho em que academia ou
escola estndouS. S. a homoeopathia, vis-
to como he sabido que as academias
l'i'cisilciras se nao tem ensinado dita ir-
te ; e nem to pouco consta que S. S. te-
nha estado em paiz estrangeiro, onde
por-ventura a tenha aprendido. Avista da
"resposta se dir a S- S. o resto, que por
ora ica no tinteiro do
Jnimigo dos impostores.
Apparrceu, na noltedo dial8 para 19 do correte
un cavallo ruco na ra du /'ros : quem for seu do-
no dando os signaes certos e pagando as-despezas
Ihe ser entregue, na mesmarua padarian. 44.
.Aluga-se um vasto armazem na'rua da Cadi-ia do
Reclfe, propno para recolher gneros : a tratar na ines-
inarua n. 34. Na mesina casa vende-se um balco para
qualquer estabelecimento e G cadeiras americanas
por todo o preco.
Precisa-se deum caixeiro brasileiro, ou portugus
que tenha boa conducta e que aance alm da boa
lettra, alguma pratica de escriptorio ra e despacho :
na ra do Trapiche, n. 44, primelro andar, escriptorio,
Precisa-se alugar um sitio perto da praca, que te-
nha commodos para dez a doie vaccas de leite : quem
tiver annuucle por esta (bina.
Jos Joaquim Affonso St Companhia com venda
em Olinda, faz selente a todos os Srs. que teem penho
res na dita casa os vao tirar, no praso de 15 das, a
contar da data desle ; do contrario, sero vendidos para
pagamento de seus dbitos ficando os ditos Srs. sem
direito alguin aos ditos penhores- '
OSnr.Jos Fernandes Brasil queira Ir a Olinda,
venda de Jos Joaquim Affonso S Companhia a ne-
gocio que nao ignora.
Aluga-sc o te retiro andar com grande sotao da ca-
sa onde mora o Sr. doutor Baptista na ra estrella do
Rozarlo ; a tratar na ra do Queimado, luja n. 13.
= Jos da Silva Campos embarca para o Rio-Crande-
do-Sul o seu escravo de ame Jos denacao Angola.
= Alugain-se escravos que estejam acostumados ao
trabalhn de campo : na ra do Cniiegin. n. i.
--= Quem annunciou no Diario do 19 do correte,
querer trocar inca imagem de Christo, dirija-se a ra
da Cruz, n. 10.
= Precisa-se de una ama que tenha bastante lelte e
sejasadia para criar urna enanca, ha pouco nascida .
prefere-sc parda': na ra daCrus, n. 31 terceiro an-
dar. -
Aluga-se a casa de nina andar na travessa da Vira-
co no bairro de s.--Antonio, n : a tratar na ra da
(Jadoia do Recife, n 18.
--D-sc dinbeiru a premio sobre penhores, a um e
mel por cento ao mez com trato passado a termo : na
ra larga do Kozario os. ti e 8, se dir quem d.
Oflerece-se, para ama de casa de pouca familia ou
de bomem solteiro urna mulher forra, de inuito bons
csannos : na ra Augusta, n 40.
Precisa-se de um padeiro que seja solteiro c por
via do transporte sejaque qualidade for, que se quei-
ra subjeitar a r para o serto da provincia do Ceara :
quem esliver nestas circunstancias, dirija se a esqui-
na do Livraincnto. loja de 6 portas, n. 52.
Offerece-se urna mulhcrparda para ama de casa de
homein solteiro ou casado com pouca familia: quem
de seu prcstlmo se quizer utilisar dirija-se a ra do
Nogueira, n. 15.
-los Thoina/. de Campos Quaresmaavisa ao respei-
tavel publico que de novo recebeu uina porcao do vir-
tuoso xarope do bosque, vindo pelo vapor l'ernambu-
cana, em occasiiio queja nao tinha uina garrafa para soc-
correr a humanidade que delle precisa ; por isso avisa
de novo que na mcsina sua casa, na ra da Aurora, n.
62, terceiro andar, contina a vender este milagroso
xarope, que tanto bem tem feito, e contina a fazer, co-
mo he notorio ; e a qualqucr hora do dia ou noite p-
dem procurar, que acharao quem o venda.
@@
9
9
0
NOVO PAO DE PROVF.NCA.
w
O proprletario da padaria e pastcllaria franceza
W do Aterro-da-Roa-Tlsta, B. 50. deejando agradar \y
cada vez mais aos seus freguezes, rosolveu offere- #
cer-lhes un pao que se fabriaa em Provenca por V
uin process limito differente do ordinario, c que, A
exigindo farinha das melliores qualidades, mere- V
Aci i preferencia do publico pela sua alvura, z| pureza e delicadeza de sua fabricacao. ~
S se farao paes de 40, 80 e 160 is., e sera fcil ^y
conhec-los pela sua forma oblonga c elegante.
Principia a vender-se terca-feira,25 do corren- %?
te julho de 1848. ffj
" Na inesiiia casa contina-sc tambein a vender *f
A> bollnos para cha de todas as qualidades, e Um- **}
Z? bem a enf.-itar bandejas ricas para bailes e sa- -
y ros. O'
.- Deseja-se saber onde reside A mir Peque, Allcmo
de na9ao, o qtial j esteve nesta cidade, onde casou com
Manocla dos Passos Henrlque ; c como sua mulher nao
enh noticias delle, o multo deseje a'er para interesse
de ambos, visto ter fallecido seu pai, roga-se-lhe queira
annunciar sua morada, ou dirija-se a ra de Manoel-
Cioco.
Quem aununciou, no Diario de 20 do crrente, pre
cisar de uina ama parda para o servico de Ulna casa
dirija-se a travessa da ra da Concordia a boira mar
n 3l.
Offerece-sc urna pessoahabilitada para tirar pas-
saportcs c tullas corridas por preco multo commodo :
na rua Nova, n. 67, se dir quem tira.
as Cinco-Pontas, n 91, lia una
pela para alugar, que sabe fazer o serv
co diario de urna casa.
l)ao-se i2.4'ooors. mensaes a urna
ama deleite, para dar leite tirado a una
crianca de 10 mezes: na rtia Formosa,
quinta casa, indo pela rua da Aurora.
Jos Antonio Soares Rosas, tendo chegado do ser-
to, para onde foi por motivos de molestias j se acha
na sua tonda de marecneria ua rua do Rozarlo, 11.
32, e ah offerece o seu presumo a toda c qualqucr
pessoa.
Precisa-se de uina mulher branca ou de cor que
seja moca para ama do interior de una casa de um ra-
paz |b'rasileiro : paga-se bem : quem quizer anuuu-
cie.
- Alugam-se bisas hanibiirguezas e tambein se ap-
plicam por todo preco: sao inuito boas, fregueses: a ellas
antes que se acabem : na loja de barbeiro na praca da
Independencia n. 10, confronte rua das Cruzes.
-- Antonia Pereira de Miranda faz saber a todas as
pessoas que tem penhores de ouro e prata em seu poder,
os vo resgatar no prazo de oito dias: do contrario os ven-
der para seu pagamento, visto ter de rclirar-se para fu-
ra do imperio.
A pessoa que tiver cartas para Bernardino Francis-
co de Azevedo Campos, vindas do Porto, queira faicr o
favor de as mandar entregar ou annuncie para se pro-
curar.
Quem annunciou querer comprar um sof,-tina
duiia de cadeiras e duas bancas de Jacaranda, dirija-se
rua do Rosario larga, 11. 14, que abi achara com quem
tratar.
Manoel Joaquim Goncalves e Silva,
na rua da Cruz n. 43, faz saber a seus freguezes, que
pelo ultimo navio, vindo da Habla, lhe ha' cbegado um
completo sortimento dos melhorcs charutos alli fabri-
cados, como soja, quem fumar saber, orverdadei-
ros San-Fellx, catadores e regalo de Ilavana.
-- A pessoa que aununciou no Diario de 18 do corra-
te querer comprar unta loja de miudezas com poucos
fundos, querendo una nestas circunstancias sita no
Aterro-da-Ba-Vista dlrija-sea inesma loja, n. 58.
Pietendc-se alugar um primelro.ou segundo andar,
ou tamben! uina casa de ums andar, para uina fami-
lia, cm qualquer um dos bairros drsta cidade nao
sendo cm ras exquesitas, e paga-se bem : quem o ti-
ver annuncie por este Diario.
Joao^lves de Mello retira-se para fra da pro-
vincia.
O GRITO DA PATRIAN. 4,
acha-se a venda nos lugares do costume.
A VOZ DO BRASIL N. 44
acha-se a venda nos lugares do costume, ao meio-dla em
ponto.
Jos da Costa Jorge, Portugucz, retira-se para o
Rio-de-Janeiro
-- Precisa-se deum moco portuguez para caixeiro de
venda, c que tenba pratica : 110 Foric-do-Ma(tos, rua do
Codorniz, n. 8.
s Um rapaz brasileiro se offerece para caixeiro de
qualqucr estabelecimento (excepto venda) : quem de
seu pros timo se quizer utilisar, dirija-se a rua das Cin-
co-Pontas, 11. 102.
CASIMIR GARNIER st C,
Relojoeiros da rua Nova, n. 22,
acabam de receber pelo ultimo navio francez um sor-
timento de reloglos do ultimo gosto ; como bem, adc-
reeos, brincos, anneis, pulseiras, etc., e tambein relo-
glos de ouro, inglezes, suissos e correntes paraos ditos,
e chaves com slnetcs.
--Precisa-se de pretaspara venderem pSo pagando-
se-lhes a vendagem, sendo sb responsabllidade de seus
senhores 1 na rua Dircita, padaria 11. 26.
Preclsa-se de dous officiaes de charutelros pa-
gando-se-lhos a 180 rs cada cento : na fabrica da rua
Dircita, n.36.
Aluga-se uina casa terrea cm qualquer rua cujo
alugucl n5o exceda de 8/a 10/rs.: quem tiver annun-
cie ou dirija-se a rua Imperial, 11. 63.
Mu j mi- ;e mobilias da forma que couvler ao fre-
guez pagando nensalinentc ; bem como cadeiras para
officios e festividades por preco inulto commodo: na
rua Nova, armazem n. 67.
No dterto-da-Boa-Vista, n. 6\.
O armador c estufador participa ao respcitavcl publi-
co que em sua casa se continuam a fazer cortinados
para camas franeczas oudc qualquer outro fcitio ; di-
tos de jancllas tudo do mais moderno gosto que ha;
colchos de molas ; ditos oucos inuito frescos : respon-
sabilisa-se, nao estando as obras perfeitas a fazercm-
sc outras ao gosto dos Sis. compradores.
O abaixo assignado faz sciente aos
seus amigos e freguezes que mudou a sua
loja de relojoeiro para a rua Dreita, loja
do sobrado n. 29, junto botica do Sr.
Dr. Ignacio Neryda Fonseca.
Joilo Antonio de Saboia
Precisa-se alugar um preto que seja bom co-
peiro para o servico de umas familias estrangeiras :
na rua do Trapiche-Novo, n. 10.
Precisa-se alugar um moleque que
entenda alguma cousa de cozinba, com-
pras e o mais necessario de urna casa de
pouca familia : na rua da Cruz, armazem
n. 48.
Precisa-se de i serventes de pedreiro para urna
obra na estrada da Magdalena entre a pontezinha c
a ponte grande sendo o jornal de quatro centos e o-
tenta rs. : quem tiver, ou todos ou alguns, piidc dirigir-
se a i'Ua'Iinperial n. 79.
Um indo molccole de iiaciio, de i8
annos de idade, ptimo cozinbetro e bom
copeiro f um dito de idade de 20 annos .
um dito crioulo, com principio de sapatei-
ro : duas negras de meia idade, por pre-
co commodo ; um lindo pardo cliro, de
Um rapaz brasileiro, de boa con-
ducta se offerece para caixeiro de rua de qualquer ca-
sa de commercio para o que d fiador idneo : quem
do seu prestimo se quizer utilisar djrlja-sc a rua os
Martyrlos, n. 142, pjimeiro andar, ou annuncie.
~ Pcrdeu-se, no dia dcS. Joo um rozario de ou-
ro do pateo do Carino para a Penha : tambein se tol a
rua do Fogo e a de S.-Thereza : quem o achou leve-o ao
paleo do Carino, primelro andar do sobrado da esqui-
na que volta para a rua das Trlucheiras por cima da
loja de tartarugueiro quesera recompensado.
Compras.
Compram-se, na padaria do Manguinho, 4 ou J
vaccas de leite : sendo boas, pagam-se bem.
Compra-se uina escrava do meia idade, que saiba
eo/.lnliar o diarlo de urna casa e nao tenha vicios nem
achaques: na rua da Gloria, n. 85.
Compra-se uina padaria j afreguezada cora pou-
cos fundos dando-se metade de seu valor a vista, c
sendo cm bom local : quem tiver annuncie.
Comprain-se 200/rs.de cobre por 200/500 rs. eiu
papel: no acouguc de Joao Dubols n. 6, ou no sobra-
do n. 8, na rua larga do Rozario.
Compra-se a geometra e trignometria de Lacrolxi
na rua larga do Rozario, a. M, junto a botica do Sr. Jos
Maria Ramos.
i .mu ira-se nina balanca com os eoinnetaiitcs pa-
sos de duas arrobas ai urna libra para armazem de
carne na rua de S.-Hita, n. 91.
Vendas.
idade de 22 annos, ptimo pagem; um di-
to de 25 annos ; um dito de meiu id.de,
por 25oooo rs. ; urna negra que emgom-
ma, cose e cozinba ; urna bonita pardi-
nba 5 urna preta de meia dade, boa la-
vadelra, tanto de sabito coiio de va relia;
urna preta de nacao Costa, e outros es-
cravos que se mostrarao aos comprado-
res : na rua das Larangciras, n. t/|, se-
gundo andar. .
DiogoJos Leite Guimaraos retlra-se para fra da
provincia
O abaixo assignado, tem dissolvido amigavel-
inente a sociedade que tinha na loja da .rua Dircita, n.
12, que gyrava com a firma de Morrira & Bastos, fican-
do o inosmo Bastos subjeito aopassivo c activo da ines-
ma sociedade. Miguel Antonio Moreira.
O escrlviio da irmandade do SS. Sacramento da oa-
Vista pede aos moradores do Aterro e Praca que hajam
de illu ou 1111 as frentes do suas casas, non dias 22 e 23 do
em rente para manir lnilli uiiisino da festa do orago da
dita freguezia.
Henrlque Luiz subdito americano e sua mulber
retirain-se para fra da provincia.
Tem de ser arrematado em praca publica, pelo juizo
da segunda vara do civel, no dia 26 do corrente, pelas 4
horas da tarde, fporta do Sr. Dr. juiz do civel, na casa
de sua residencia, na rua da Madre-de-Deos, duas mo-
radas de casas de sobrado, sitas na ruada Pa i a dosta
cidade, avahadas em 12:000/000 de ris cadaumn, por
xecuco de Jos Joaquim Theotnnio e Maria da Con-
ceico do Coracao de Jess coutra Joao Thomaz Perei-
ra e sua iinilher : os pertendeutes deverao concorrer
110 dia e hora indicados, por ser esta a ultima praca.
= Offerece-se um pardo forro, para criado copeiro
e todo o mais servico relativo, que d fiador de sua con-
ducta e da pratica destes servicos : assim como uina
mulher costureira, para una casa estrangeira : quem
pretender dirija-se a rua bella n. 43, que se dir quem.
= Offcrecc-sc nina mulher para ama de casa capaz,
de portas a dentro : quem precisar dirija-se a rua da
Llngota, n. 3, que se dir quem he.
F ugio no dia segunda-feira, 3 do
corrente, um preto fula, por nome Mau-
ricio, bnixo, grosso, cabello pegado ; le-
vo u um quarto ruco-escuro, magreiro,
e que tem um carrego ; tambem furtou
urna cangalha e levou um facao. Este es-
cravo foi do Sr. Francisco Antonio Gaio
Jnior, senlior do engenho Buenos-Ay-
res, e be muito conhecido pera as partes
do norte : tem de idade 3a annos. Quem o
pegar, leve-o a Antonio de Paula Souza
Leo, senhor do engenho das Matas, na
freguezia do Cabo, que ser bem recom-
pensado.
Precisa-se de urna boa ama para todo o servico de
urna casa e que tambem compre: na rua do Vigario ,
n. 27, segundo andar.
Precisa-se de um ainassador: na padaria de urna
s porta na praca da S.-Cruz, junto ao sobrado.
Vendem se chapeos de pal ha, da
Italia, para senhoras e meninas, a 1,200
rs. ; barretes de padre e gollas de diver-
sas fazendas ; bonetes pretos, de velludo,
a ()'io rs. c de panno riscado a 64o rs. ;
lencos de garca a 1,000 rs. ; ditos de gr-
vala a 1,000 rs. ; luvas de algodSo, dec-
cs, a-.ido rs. o par; ditas de pellica, de se-
(iluna, a 1,00o rs. e para homem a 1,600
rs. ; Hores para enfeites de chapeos; bieos
do Porto, de 100 ati: 'joo rs. a vara; ditos fi-
nos, francezes e inglezes ; gales brancos
e amarellos, finos ; ditos ordinarios ; es-
piguilhas e rendas ; volantes largos e es-
I re i tos ; espelhos de parede a 1,00o rs. :
ditos de augmento a 800 rs. : na loja de
3uatro poitas da rua do Cabug, n. iC,
o Duarte.
--- Vende-se cera em velas sortidas, fabricadas em Lia-
boa: no escriptorio de Finnino J. F. da Rosa, rua do
Trapiche, n. 44.
Farinha de mandioca.
No armazem de farinha da rua do Collegio, n. 21 ha
urna porcao de saccas com farinha nova c de boa qua-
lidade por preco commodo.
Vendem-sc saccas com inllho a 4j|l; rs. na rua da
Cadeia de S.-Antonio, n. 21.
Vendcm-se sapales de sola e vira, pelo baratiss-
mo proco de 1/200 rs.; botios, a 2/200 rs.- : -no Aterro-
da-Boa-Vista n. 47, onde tambem se vendem couros
miudos.
-- Vende-se um mulalinho, muito proprio para pa-
gem de 10 annos : na rua dos Tanoeiros, n. 5.
Vcndem-so, para fechar uina conta 414 mrios de
sola, por preco commodo : na rua dos Tanoeiros, n. 5.
Ko lim da rua da Aurora, n. 4, vende-se um Jogo de
tambores antigos aguilhdes, rodetes duas meias cal-
deiras, tudo por muito barato preco.
Vendem-sebotoesamarellos, finos,
de I'. II. ; ditos ordinarios; ditos para
casacas ; ditos para cavallaria ; ditos pa-
ra infan tana ; ditos para brde pagens,
btancos e amarellos ; ditos pretos de bo-
nitos padres ; ditos de vidro, para enfei-
tes de tulipas de menino : na loja de qtia-
tro portas da rua do Cabug, n. i C. do.
Duarte
Vende-se uina escrava parda, de 31 annos de idade,
com umitas habilidades, menos engommar, e que he de
una conducta exemplar, com duas filhas claras e multo
bonitas, una de sette anuos, aoutra de cinco, cujas es-
cravas s se vendem a pessoa que as queira possuir;
vende-se por seu senhor se retirar para fra do imperio:
quem as pretender dirija-sc defronte dooito do thea-
tro novo, n. II.
= Venae-sc a boa venda da esquina da praca da Boa-
Vlsta n. 2: a tratar na rua de S.-Rila, n. 85, ou atrs
da matriz, n. 4.
-- Vcnde-sc, por motivo que se dir ao comprador,
um escravo moco, de bonita figura, sem vicios nem acha-
ques, entendedor de plantaccs, c bom bortclo : na rua,
do Hospicio, n. 9.
Vendem-se caivetes finos; te
souras de unhas e de costura ; ditas de
alfaiates, feitas em Guimaj^es ; sacarro-
Ihas de patente ; campainhas de cores ex-
quisitas ; machinas para ilhozes a 1,200
rs ; c&sticaesde vidro a 2,400 rs. o par :
na loja de quatro portas da rua do Cabu-
g, n. iC' do Duarte.
Vendem-ie bilhetes para vioho da Madelra, dito*
do Porto, ditos para agoardente de Francar e aniz e li-
cores : na praca da Independencia, os. 6 e8.
Vende-se sal do Assu e palha de carnauba, chegado
ltimamente : narua daModa, n. 11, a tratar com Silva,
& Grillo.
Vende-se cevadinha muito nova,'
em garrajioes de urna arroba: no arma-
zem da rua da Cruz, n. 48
Vende-se um bonito moleque de 18 annos sen
vicios; dous pretos ptimos para o campo sendo un
delles bomferreiro ; una dito bom ganhador de rua;
umabonitalpretaperfcita Jengommadeira costureira.
cozinheira e que nao tem vicios ; urna negrinha mul-
to linda de-13annos he recolhida e tem algumaa ha-
bilidades ; duas pretas para todo o servico de casas
campo ; um preto de meia idade ptimo para sitio .
por preco muito em conta : na rua do Vigario n. 24, so
dir quem vende.
Vendem-se ca.vas para guardar
joias, pelo diminuto preco de 900 rs : na
loja de quatro portas da rua do Cabug, n.
1 C do Duarte.
VEL
1


h
Veude-se una ptima inorada de casa torrea
lia na rua Augusta com mcia-agoa para a ra do Ale-
.Tim ; mu terreno junto a dita coni alicorees para
duas casas ; oenlo e quarcuta palmos de terreno com |
cerca dedous mil palmos de tundo desde a ra do \
Aleciimat a boira do rio : tudo por proco mullo com- \
unido : a fallar coni Joaquim Teixciru Ivixoto na ra '
da Concordia, n. 25. i
--Na ra do (Jueiinado, n. 30, ha pannos lo boni-
tas cores, proprios para palitos osobrecasacas, as-1
sim como chapeo de castor, pelo barato preco do
5/000 rs.
SUPKIIIOR. FAREI.O, A *,000 rs.
Vendem-se saccas com farelo fino de Trieste, che-
gado ltimamente, o qual he o inelhor de lodos que
aqu lein aportado, por ser o inais nutritivo: encrasa
do J. J. lasso Jnior, ra do Amorim, n. 35.
A sublime banha franceza.
-Viuda \istem algnns potes desta sublime banba, con-
tendocada un 2 libras, por I/tiO rs. ; na rua larga do
Rozarlo, n. 24.
Vemlem-se acgfres da ex-
mela eompanhia re Pernambueo
e Parahiba: no escriptorio de O-
iivcia i uios v C, Pila da Ou/,,
n. ).
Vndc-sc una preta de 22 a 24 annos, que engoni-
ina com toda aperfeleao cose cozinha c faz lodos os
iiais arranjos do urna casa uo se duvidando dar para
so experimentar: na rua do ilangel, n. II. prime o
nuilar.
Vendem-se escravos de ambos os
sexos, i?e bonitas figuras e seut achaques :
na i na do Crespo, n t}> mi no Passeio-
Pnblico, n 17.
-- Vendcm-sc caixas do macaran milito bom a 3/BOO
v cala do 25libras : no armaiem do francisco Uias ref-
reir.
Vende-te um pardinlio do idade 18 annos, com
principio de alfaiale, ptima figura, a de inuito boa
conducta: na rua do Vigario, n. 25.
Sapa/des de tres solas, a isooo rs,
No .-Vterro-da-Iioa-Vista loja u. 78,
vcndent-se sapiloesde tres solas, pelo di-
minuto preco de isooo rs.
A isooo rs. ,
ancorlas coni axekonas superiores : van-
dem se do caes da Alfandega armazeni
11. 7, do Francisco Dias Perreiro.
Ceta de Lisboa
Na rua da Cruz, 1. To, vende-se a me-
Ihor cara qoe ha 110 mercado, cm caixas
de i'>dos os lmannos, vontade dos com-
pra lores, e ntnis barata que.em (futro
parte.
Cmpramete dous diccionarios nglr/.cs, do autor
Vioira ; a Historia de Inglaterra, com estampas : quein
tivorannuncic.
'OIIC'/OU, op E3JB| l'll.l BU : 3)0 AO.lS.l SKI||D.'.L'II 'J
11 11 ouio. eqjcq e jjzuj c.iod 0|JMM9an o opiui
-uoa" 111.)3e]a ubi] sea.uto.id scojijo:! suuesjjju su
nupn.iA as uijqiiii'i : oaafqo j.inb|eiib no epujvi;| .uub
-|unli jcmuiii i'fo| 110 oai.niiiiioi op enea jjiilip.'iili
ojed .qoins um nina so.iiqdcjSod.ii SUX|ea seuessjj
-ni (iijiim se oij.nl ninuuiup ajsa aod ,is-ui.ipuj,\
st si jo
-- V< nilom-so bolachinhas de aramia, ein latas inul-
to novas por proco barato ; bem como saccas com fari-
llhadc inaiiilioca muiloboa : no armazom de Dias Per-
loii.i, no caos da Alfandega.
Vendem-se, por inulto commodo proco duas cn-
liuas de cmidu/ir agoa queserveni para atorros; una
lioiulia 1I0 forro, uiuilo bom feita ; duas ditas de sii u-
pira ; un rologio de parodo ; urna batanea grande com
iraros.o diU'ercnles pesos : na rua Nova loja n. 33,
\TN8i ..V3-SE
CO.IIeC^dcs do vistas do Per-
nambiipo,
sendo as da ponteda lioa-Visla,ponte do Recite,Bom-
Jesus, Olinda, Poco-da-Pan.-lla e Cachang, feitas ao
'leneficio da sociedade da lleneficcncia nlleoifla e
suissa : no arniazein de kalkmann & Rosenmnml ,
no hotel l'istqr, as lujas dos8rt Lujl Antonio Si-
qu"iri, da Snra. viuva CandotO Ayres ct Filhos na
rua da Cadeia do Itecife ; us lujas dos Srs. Santos
NqvSS c< Cuimarfles na rua do Crespo ; do So. Jos
de Alcnquer SimOes do .marI na rua Nova ; e do
Sr. J. Chardon no Alerro-da-lloa-Visla.
Chegiiem,/rvguezes,a loja nova do Pas-
setjp-Publico, n. 5,
jiarede o niela da fabrica de chapos de sol de nina s
porta, vendem-se chitas escuras a 120, 140, 160 e 180
rs. o covndo o a 4^500, 5/, tiff c 6^500 a peca ; cortos de
alcas a l# rs. ; pello do diabo, a 200 rs. ojcovado ; in.i-
dapolo, a 3,200 e 3^800 rs. inulto Ano, a 4^200 rs. ,
do patente, a 4/800 o 5/200 rs. a peca ; cortes de cassa a
2/, 2/540 ,2/500 e Su rs. ; chapeos de sol, de soda piola
de anuaeo de ac a 5/500 rs oulras umitas fa/en-
das por ureco coiiiniodo.
\'endem-sc6 dlizlat de cadclras com assento do
ji.-iliiinh i e que sao milito folies todas ou a du/.ias :
na rua das Trinelieiras, n 36.
Vendem-se coilas c ineias ditas de laa de diversas
fiires epadrdes, do inelhor gosto que tem vindo do Rio-
de Janeiro : na rua larga do Rozario, n. 24.
lVua do Queimado, i. 46, loja de Maga-
lhaes \ Irinao.
Vendem-se ricos cortes de cambraia aberta, a 4,600
rs.; ditos, a 4,000 rs.; ditos de cassa de cor, a 3,000 rs ;
cortos de cambraia lisa mnito lina, de 8 varas e niela, a
4,200 rs.; ditos de 3,200 rs.; loncos bordados, com bico.a
560 rs.; corles de collete de fusta de odres, padres mo-
dernos, a 1,280 rs.; ditos, a 800 rs.; lu un traillado mus
do, depuro linho, a 00 rs ; merino preto fino, a 3,000
rs.; cassa de babado lina, a 30 rs. a vara ; chita de co-
brrla de cor fixa, a 200 rs. o covado ; cassa lisa, a 400 rs.
a vara ; camisas de mcia, das inelhores que teein appa-
reeido, a 1,400 rs.; muitoboa la/onda para loalhas, com
4 palmos e nielo neiarguTa, 600 rs. a vara ; sethn preT
to Invradb, a 3,500 rs. o covado ; chapos de sol de seda,
a 5,500 rs.; brim trancado de corea;-de mui ricos pa-
droes c puro linho, para calca ; lencos de sctlm para gr-
vala; ditos de seda decores; riscados francezes largos
inuito finos; ditos inglezes; bicos largos e estreltos ;
c rendas.
Vende-se cal virgetn de Lisboa,
chegad'i no ultima navio, eni barra pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n 17.
Vendem-se n-i, as de madapoln com 20 varal, mul-
lo largo e muilo forte a2?8O0rs., e a retalho a 140 e
160 i-s. avara ; chilas limpas cores fixas muilo en-
corpadas e muito fortes a5/ c 5/500 rs., c a retalho ,
140 e 160 rs.: na rua estrella do Rozarlo, n. 10, tercel-
ro andar.
Vende-sc cal virgen) de Lisboa em lian i- de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por prec-o comino
do : a tratar com Almeida 8c Fonsec na rua do Apollo.
>mi|u ni a lipis cjisouie a
gal 103 10at-Ogrj -auoo cpsa seaejud aias apoiaid oinu
-iiuip o|ad sbxij sojoo op o saoipedsooij op opepi.i
Bisa b a)iuiiicui|i|n sbpbBjiip sjsudisiiBd sessea sbaou
se as-iuaptiaA '; 'u oiuoiuy-'g ap oaae ob aiuojjuoa
' '9 > 9v sj opti ti 'sasuJisi.ivdsvssvvsva.ousj-'
Vende-sc uina excedente casa terrea na fregueila
da lloa-Vista, com muito bons cuminodos, grande quin-
tal com inultos arvoredos de fruclo : na rua que aira-
vossa para a Gloria casa do lampeao.
A .'I.nBoo rs. a pera.
Na loja de Gttnariles ck C.
que faz esquina para a rua do CollOttlO n. 5 vendein-
so poras de chitas do 38 covados a 3,>800 rs. a peca de
iorfrlvcl panno o padroos agradavois. Dao-se as auios-
trai lobre penhores.
- Vondc-se nina piola lavadeira, quilandeira e que
faz lodo o inais servico do una casa de familia, com
desembaraco e presteza: na rua Augusta, n. 54.
Vende-so um lindo niolecote de nacao, opllino eo-
/.inlioiro o CpcirO e que niio tem vicios neiii achaques;
na rua dasLarangehras, ll. 14, segundo andar.
Vende-se nina preta crioula de 26 anuos pouco
mais ou menos que collona, engoiiiina e cose sollrivel ;
sein vicios ncm achaques : na rua Direita, conlioiile ao
oilo du Livraineuto venda n. 4.
Na loja que faz esquina para a rua do
Collegio, n. 5.
vende-se princesa larga preta muilo superior pelo
barato proco do l/rs. o covado ; luvas brancas linas, de
algodao a 120 rs. o par; alin destas fazendas ha um
completo sortiniento de ludas as -iii.il idados de fazendas,
tudo por preco commodo,
Vende-te a venda u, 80, na rua do Pilar o inelhor
lugar de r ora-do-Porlas beni afroguozada com coin-
mudos para pequea familia o quintal e ha outra con-
veniencia vantajo-a que so dir ao comprador, a diiihei-
rooii a prazo com endossante que agrede: vende-se
porque o sou dono oceupa-se ein onlro negocio c quein
a administra nao pode continuar: a tratar na rua do
Queimado loja n. 21.
Vendein-so pautas das alfandegas do imperio do
Urasii, impressas no liio-dc-.laneiro : na rua.da Cruz ,
n.90.
Vende-se superior cb brnsilciro,
na loja. de (ncrra Silva fk C chegadoa-
gora do [\io-de-Janeiro : na rua Nova,
r.. 11.
Vende-se urna linda mul-ttinha de
|8 annos, com uiA cria ; urna negriiiba
de i annos ; e um molcqne de 7 annos :
na rua l'ormosa, quinta casa, indo pela
1 in da Aurora.
Vende-sc um tanque para deposito que leva 600
a 70 galocs de oleo obra muito bem feita c com pou-
co uso : na rua da Trompe, sobrado n. I.
f.g-ii 0].iu7iiy op c9jb| bil cu : opom
-moa oSaid .101I toiaafqo sojiniu so.ijno j tajorj j scaiii
nin i, B^nepnculi s" ;;t.'po ouioo uiaq .,.l?n.'.n', o.ias
-03 i-.icil oiiijiii|1Jos o opoj moa se.iiJiaBO Ule uuquie)
i si'zjani'ji suiiij suqinilc tej|apspjaa sb as-mapuJA.
-- Na rua da florentina 11. 16, defrontc da cocheira,
vend -so mu oserav, bom trahalhador de cnxada c ma-
chado proprio para tillo OU engenho e que he ga-
nliador de 111a fiesta praia que d 560 rs. diarios, e
tem ptima conduela : vendo-se para IIIII pagamento.
Vende-se urna porrao '." ptimos casaes de poin-
bos de muito boa raja, grandes e bons balcdoros ,
por preco multo commodo : na rua da Florentina ,
11. 1(>.
~ Vende-se um guarda-livrns de amarello com com-
moda em muito bom estado por preco coinuiodo :
no paleo do < armo, n. 17.
Vende-se cal virgom de Lisboa, chegada ltima-
mente em barris pequeos ; panno de linho ; coeiros
de algodao .; retroz surtido : ludo do Porto : na rua da
Cruz ,11 49 a Halar com Mondes S Tarro/.o.
Na loja n. 4, da rua d<> Crespo ao p
do arco de S. Antonio, de Ricaido
Jos de I'rei/as Ribeiro,
venilein-se as seguimos fazendas por| proco inais colu-
do do que cm outra qualqiicr por se querer liquidar ,
a saber : chitas de cores finas ede bous pannos a 120,
140, 160, 180, 200 c 240 rs. o covado e em peca mais
coi emita; cortes de cassa lie cores a 2? 2/500 3/,
3/500, 4/e 5/rs. ; cassa de cores com qiiatro palmos
de largura a 240 rs. o covado ; pannos linos de todas
as col os a 3/200 3/800 4/ 4/500 al 10/ rs. o cova-
do ; lencos de cassa para grvala n 160, 240 e 320 rs.;
cortes de collctcs dr velludo a 2/500 rs ; ditos de gor-
guran de seda a 3/500 rs. ; ditos de fustao, a 500 e 800
rs. ; chapeos do massa francezes. a 7/rs. ; cortos de
casimira de bonitos padros a6f e 7/ rs. ; pecas de ma-
dapoln lino a 3/200,3/500 4/ al (i/ rs. ; corles de
gorgurSo de algodao a 320 rs.; corles de calcas da vor-
(ladoira pollo do diabo, a 1/280 rs.; brim trancado bran-
cii o cor de canna de puro linho a 1/600 rs. a vara ; e
ondas minias fazendas.
Vendo-se, por proco commodo um alambique
com serpentina do cobre com pouco uso : na na do
Nngueira n. 26, priineiro andar. Na iiirsma casa se of-
fe ooe uina erioula forra para ana de leite.
Vendo-se nin casal de escravos de nacfto proprios
para o servico de campo a que esto alenos ; urna
pela da Costa de niela idade que cozinha o diario de
uina casa ,e he boa boecteira por preco commodo : na
rua da Gloria, 11. 85.
Vende-se um sitio na estrada de Hebcribe com
111111 ra ierra para plantamos de capim, oulras lavnuras
e para pastagem de gado vaceum por ler 300 bracas de
frente e mais de mil de fundo a encoslar no pantano,
quem vein de Olinda at lielm : quem pretender an-
nuncio.
Vende-se cevadinha de Franca, sag de piimeira
qualiilidr, ;;niu ma do arai na, por preco commodo :
lia rna das"(.'rutes, n.40.
Vende-se- Lizia potica, ou collcccao de poesias mo-
dernas, de autores portuguezes publicadas no Rio-dc-
Jane[ro por Jos Ferreira Monleiro contendo o pri-
ineiro voltTnc 52 nmeros, oii 312 paginas ; pfctjo ^.g
rs. Reccbein-se assignaluras para o segundo volunte ,
constando todoo anuo de 48 dividido em 52 nmeros:
na rua da Cadcia do Rcclfe, loja de Joao da Cuaba Ma-
galhaes aonde j te cuconlrarao os ns. 1 a 9. Na ines-
n a loja se coulinuam a receber assignaluras para a
CAronico-ti*ria, jornal de instruccao e recrcio por
pre90 de 6/ rs. por anno por 52 nmeros.
Vendem-se jazendas muito baratas nos
Quatro Cantos da rua do Queiwado,
loja n. ao, de Teixeira Bastos & lr-
lojc
mao,
como selavj, stores encorpados para calcas a 200 rs.
o covado ; lencos brancos de cassa comrisca em volta ,
a 200 rs. ; cortes de cambraia pintada para vestidos ,
fazenda lisa a 2/400 rs. ditos com algum mofo a 2/
rs ; cassa chita fina e moilo larga a 200 rs. o covado ;
dita superior, a 400 rs.s riscados largo, em cassa com
aleiim mofo a 200 rs.; chitas brancas de flores a 120
rs ditas escuras, a 160,200 e 240 rs. o covado ; roelas
para menino a 80 e 160 rs. o par ; ditas para meninas ,
a 320 rs. ; ditas para senhora de 400 a 560 rs. o par;
lencos de seda preta para grvala a 1/280 rs. ; ditos de
cores emsetlm para gravata, a 1/600 rs. ; ditos de fran-
ja para senhora a 2/500 rs.; luvas pretas bordadas a
800rs. par; camisolas de mela umeicanas, multo
boas, a 1/600 rs ; e outras multas faiendas por pre-
co commodo.
Vende-se, ou orrenda-se o sitio de-
nominado Gasa-Gatada na praia do
Rio-Doce : a tratar no Forte- do-Alattos,
n. 12, com Jos Francisco Belm.
- Vendcin-sc duas moradas de casas na rua de S.-
Miguel, nos Afogados ns. 5 e 7 de pedra e cal : a 1ra-
lar no mesu.o lugar, em a rua Direita sobrado n. 19,
com a viuva do fallecido lente Joaquim Ignacio Gon-
calvrs da Luz.
Vende-se um bote novo scui reinos e pregado de
cobre o qual se .n lia no armazom de farinlia de I Ion -
ry Forster S G. no trapiche do Ramos.
Vende-se a bem acreditada vinda da rua do Co-
dorniz n. 9, no Forle-do-Matlos : a tratar na luesma
venda
- Vende-se nin preto de 40 annos para o servico de
casa, ou de campo : na ruada Cruz, 110 Reeife, sobra-
do n. 30.
Vende-se, por 15/rs., una banda rica c nova,
para ofiiclal subalterno da guarda nacional: no Alerro-
da-Hoa-VistaJoja n. 58.
- Vende-se uina canoa de amarello de um so po,
nova, c que conduz7 caixas prompt de appareihos ne-
cettarioi : na ruada Cadeia do Reeife loja de fazendas,
n.53.
Vende-se um quarto gordo, mullo novo, pro-
pilo para viagem : taubem se vendem 20 toros de an-
gico na rua Nova n. 18.
Vende-se um relogio de ouro de bom gosto com
crreme : na rua do Queimado, n. 30.
No \tcrro-da-Boa-Vista, loja n. 78,
vendem-se bahus proprios para guardar roupa de
crlanca e para costnra, de 1/ a 2/500 rs. ; bonetes de
varias qualidades, para meninos, a 800 rs. ; anda res
tam algiins bonetes de inarroquiu de muito bom gos-
to ; bonetes de lascado, a 320 rs. ; sapatos de lustro e de
uiarroquin, tanto para huincm como para meninos.
= Vende-se una preta de nacao, dclionita figura de
22 anuos; que cozinha e engoimna ; niio tem vicios nem
achaques : no Aterro-da-lioa-Vista loja 11. 78.
= Vende-sc una venda com poucos fundos e com
COininodos para familia na Paigem-da-Magdalena ,
junto ao sobrado grande n. 70: a tratar na inesma
venda.
Vende-sc arroz sein casca, por prejo commodo :
na ruada Praia, n.37.
Duas grandes vistas de Pernambueo,
proprias para ornamento de sala em fumo e coloridas ,
uina tomada do forte do Hrum c a outra da lado i 1 a da
Misericordia, cm Olinda muito bem acabadas, e fei-
tas igualmente a beneficio da sociedade da llencficien-
eiaAllemaa e Suissa: eslao a venda no armaceiu de
Kalkmann S Rosemnund, rua da Crua, 11. 10.
Vendem-se ptimos presuulos para fiambre,chega-
dolltimamente no armazcm de Kalkmann U lin-
n ni 11 nd. rua da Cruz, 11. 10.
Vendem se, no arm izemde Francis-
co Dias Ferreira, defrontc do caes da .\l-
faiide ebegada ltimamente, por preco commo-
do.
Vende-se cerveja bambttrgueza ,
bocea de prata, em barricas e cestos : vi-
nlio de Claret, X.eres e Porto, em caixas
de mu iln/ia cada tima : e Gbampanba
da verdadeira matea Cometa, ultiiua-
mentc chegada : na rua da Cruz, n. 17,
rmatem de O.J. Astley.
CASA DE MODAS FlUNCEZAS.
A. MII.1.01.IIAU.
AteiTo-da:l Neste estabelecinienlo especial de modas ha sein-
prc para o escolhiiiienlo das senhoras um grande sor-
timento de chapeos de todas as qualidades e cores ; ri-
cas filas c bicos de todas as larguras ; collerlnhos, ca-
inisinlias o toncas as inais ein moda, e recebidas pelo
navio Otar ; eoutros mullos objectos que se venderao
por muito baralo preco : tambein sciuprc se fazeui cha-
pese toncas para senhora, da ultima moda e com
proniptidao.
-- Vende-sc um pardo bom ofiiclal de alfaiatc e que
he proprio para lodo o servido por ler inulta habilida-
dc : na rua do Itangel n. 11, segundo andar.
= Vendem-se 3 parei de brincos, 2 anneldes, 1 cor-
dao, nina ;ai'.i:iillia do ouro bom tudo novo ; um par
decaslicaes, nina duzia de colheres ; una salva, urna
colher de tirar sopa una dita para arroz mu coco pa-
ra ngoa ludo Je prata muito boa e sein feilio : no pateo
dn Paraizo, n. 21, scdiiquem vende.
. Vende-se cera de carnauba de boa qualidade che-
gada prximamente do Aracaly : a tratar com Antonio
Joaquim de Souza Ribeiro.
Vendem-se cadinhos para ourives : na ruado la aun,
fabrica de Klcsquita S Dutra.
Vende-sc uina parda que lava, engoimna e cozi-
nha com perfeiciio ptima para o mallo por ser mui-
to robusta e sadia ; nao tem vicios, pelo queseafian-
ca ao comprador : no Alerro-da-lloa-Vista, n. 42, pri
meiro andar.
= Vende-se uina cania de angico nova, de gosto mo-
derno mi preco commodo: na rua do Caldeireiro ,
n. 50, por detrs dos Mar lyrios.
Vendem-se os diccionarios geographico, histrico
e descriptivo do iinpci io do Brasil com rica encaderna-
fo equasi novo,por preyo commodo : na rua de S.-
Itita, n.9l.
Aos apreciadores da boa pitada.
Vende-se, em Pedras-de-Fogo as lojas do Sr. Joa-
quim da Franca Cmara excellcntc e muito superior
rap grosso c mrio-grosso da fabrica de Ktevao Gasse,
do llio-de-Janeiro : seu preco he o mais commodo pos-
slvel por se receber directamente do deposito geral
do Reeife.
Vende-sc um bonito inolecote de 20 annos per-
l'oiln sapateirb ;"uiii moioq'ue de f3* annos que cozi-
nha o diario de uina casa inulto bem e com mu i to bons
principios de sapateiro : atrs do Corpo-Sauto loja de
sapaleiro se dir quein vende.
Vcdc-sc, por commodo prcf o o sobrado r}a tra-
vessa da Madrc-dc-J)eos n. 7 ; tambein se recebem lct-
tras cm pagamento : a tratar na rua rua da Cruz, n. 50,
Vendem-se sapal5esdecourode lus-
tro, pelo baralissimo preco de -j,5Go rs. ,
ditos de bezerro de sola e viro, a 1,20o}1
rs., e superiores a 1,600 rs. : na ruada
Gadia do Reeife, n 9.
NO ATERRO-DA-BOA-VlST\,
fronte da calunga,
Defn
hachegado, pelo ultimo navio francez, um novo c com-
pleto sortimentode calcado de todas as qualidades, iaa.
to para homein como para senhora, meninas e rneniuoi
assim como os multo desejados sapatos de Nanlet, de
bezerro e de lustro, e borzeguins para, lio me ni : o me-
mo sorlimento para meninos de 8 a 14 annos; sapatos de
marroqu ni, de lustro.de setim ede duraque, tanto pie-
to como branco, c borzeguins para senhora ; ditos de
marroquim e de lustro, tanto para meninos como para
meninas; os bem conhecidos sapatos do Aracaly, para
homein : e tudo se veude por pref os cotnmodos, a di-
nheiro a vista.
Vendem se queijos nacionaes, superior qualidade, e que em bondade ex-
redem aos do Alemtejo, pelo commodo
preco de 4Ho rs. a libra a retalho, e 6,001
rs. cada um, tendo de \l\ a i5 libras : no
largo do Livramcnlo, n. ao.
Vende-sc farinha de mandioca de boa qualidade,
em alquelres, tanto em poia-ao como a retalho, por pre-
co commodo : no boceo do Carioca .um i/o ni de porta
larga, n. 1.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
aos 10:000^000 de ns
Vendcm-sc bilheles e meios ditos da lotera a benefi-
cio da fabrica de papel: na rua da Cadeia do Recite, nu V
mero 56.
Em casa de Kalkmann ft1 Rosenmnnd,
narua da Cruz, n. lo, acha se a venda
um grande sorlimento de mobllias ,
conslslindo em commodas mesas redondas c quadra
das de jamar, de jogar, de xadrez pequeas pintadas todas as formas armarios de roupa ditos de lisio .
SEIS MAGNFICOS PIANOS dos inelhores autores, ca-
deiras de palhinha ditas de balanco ditas de bracos,
mochos, lavatorios etc. chegado recentrnente de
Hamburgo ; bem como caiiinhas para costura, estojos,
mocadores appai-cilios do vidro de cor para sobre-me-
sa ea-.in.-ai-. de \ nli" eandioinis o globos para corre-
dores c cscadas tudo feito ao gosto moderna e parle
com novas invence*. Adverte-so que na semana te-
gulntc haver um grande leilao destas cousas.
(

Fuglo, de bordo do migue Serloiiu iu iaii&Sa u
da 5 do corrente um escravo marinheiro de nome
Francisco de nafiio Jang; representa ter 30 a 35 an-
nos ; tem um signal na face eiquerda, falla multo dos-
caneado ; levou calcas e camisa de algodao azul, chapeo
de palha pintado de tinta branca um balde onde con-
duzia a racao e 7/ rs. ein cdulas ; falla hcspsnbol:
quem o pegar ou dellc der noticia a bordo do mcsiiio
brigue fundeado na I.ingola ou na rua da Moda ,
n. T, que ser recompensado.
-< Fugio.'no da 12 do crtente docngenho Jundi,
comarca de Nazarelh o escravo Manuel l.ourenco de
cor fula rosto redondo olhos abotuados, altura regu-
lar com ambas as pernas chelas de cicalrizes resulta-
do de gomas que leve ; consta ter apparecido pelo Hos-
picio e Magdalena. Roga-se aos capitaes de campo ea
outras quaesquer pessoas, que o apprehendame levcm-
110 a rua do Crespo, 11. 2 A.ouao dito engenho, que so-
rao recompnsanos.
Fugio, no dia 9 do corrente o preto Joaquim de
iiiimi Cabuud e estatura regular de 21 a 25 SSB09,
sein barba compridos e apalhetados ; tem no dedo mnimo do pe
esquerdo uina pequea ferida, e nos caleanharrs ci-
calrizes de l'oridas ; levou ceroulas da algodao da trra,
camisa de algodaozinho chapeo de pallia. Roga-se as
autoridades policiaes capilljes de campo e possoas par-
ticulares ,qnc o appreheudam e levem-no ao sitio da
capclla dos Remedios, freguezia dos Afogados 011 nn
Aterro-da-lloa-VIsta, 11. 2, segundo andar, qu se paga-
rao as despi/. i5-
O escravo Joo, de nacao Angola, de 30 annos pou,
co inais ou menos, de estatura baia rosto descarnado
olhos abotoados na flor lo rosto ; tem pouca barba c
um dente de um dos lados quebrado ; tem no hombro
direito alguns cortes de chicote, e una cicatriz na oa-
dega do incsino lado que diz o dito escravo ter sidoJ
umaempingein, porcm bem parece ter sido-de algulfti
castigo ; cosluma nao separar- se de uina bolea de couro
a tiracollo, e as vezes por balso da camisa ; levou cha-
peo de como surrao e na roupa uina camisa de linho-
chadres que inuitus ehamaui chila ; fui comprado a
9 de junho prximo passado a Pedro Antonio (Jaflisede
S -Podro morador na fazenda Cachoeirlnha districto
de Agoas-llcllas e fugio a 3 de correnle jolln, tudo
no andante anuo de 1 S-iS : quem o pegar leve-o a casa (le
seu senhor, o capito Joaquim de Faria Lpbo T.abasai,
em Coruripe ou cm Macelo em casa de Jacasein, Bar-
boza S Cnmpanhia, ou em Pernamhuco ein casada
Amorim Irmos que recompensaran.
i Fugio, no dia 2 de junho do corrente a nrgrinha
Jaclntha, crioula de 12 pura 13 anuos bem preludia,
tem urna grande marca que parece quelmadura de um
lado da cabrea ao p da orelha : quem a pegar leve-a
a sen senhor 110 armazom do deposito de azeitc da il-
iinni n.n.m publico na rua de S.-Amaro que ser bem
pago : tambein se pagar a quem der noticia certs
da dita nrgrinha.
GUATIFICAgAO' DE 50/000 rs.
No dia 12 de inau. o de 1848 fugio, ao doutor Jlo Cal-
das Vianna um pardo claro, de nonic Jos Vicente ,
natural doCear, donde velo; por Pernambueo; mas
d-se por nascido em S.-Paulo ; reforcarlo, com 58 a 00
pullo;: nl.is de aluna, cabellos de carapinha solta e
preta barba serrada, suissas fechadas por baiso da
barba, pont'agugudas, nariz um pouco chato, cara sojre
o arredondado, physionoinia oanegada com una ci-
catriz sobre o peito do p, proveniente de una macha-
dada ; com ollicio de carpintelro, especialmente de ma-
chado ; muito dado a fados e a sucias ; fol comprado na
villa da llarra-Mansa e na corte vendido ; dse por_ for-
ro e consta que raspou as suissas para disfarcr-se.
Quem o pegar e leva-lo ao largo do Bocio, n 28, no Ru-
de-Janeiro 011 na rua do Hospicio, desia cidade n. 9,
ou dellc der noticia certa ter 50/ rs.
Fugio, no dia 18 do corrente,- a preta africana ,
de nome Anglica, de 40 annos pouco inais ou menos,
bem fallante alta, cabellos quasi-brancos rosto re-
dondo, olhos prelos nariz chalo, bocea grande levo"
vestido de chita velllo e panuo da Costa ; andava ven-
dendo verduras. Ksla escrava veiu do Rio-Grande jH'i.
pagamento. Quein a pegar leve-a a rua do Queimado
u. 30, que ser gratificado.
'eR.M. : NA TYP. DE M. F. DE FARIA
...843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAW9N2IIF_WV8ZAZ INGEST_TIME 2013-05-01T01:03:48Z PACKAGE AA00011611_09774
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES