Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09753


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
4 _'!(. fs.noi qiif
nuncini dos Si
i is. |>'riin!)i,
repeli=oes P!,,>
i ) .OAV/?/0-pMicx-sr todoJ 05 dias, que tl'o
freni '" ;ii r .'! i i->; \a itur.i'he do
"il, ;)7','. './ iitftnnt. Osnri.
ates s" i !i:cri.lO'. i rnsodc I\
\n, em 'viv 'ii.'-reate, e ns G
>rem sii-
,,,'nv- p''i^o SO 'VI'O \
iWBirisiiW. porc-1
' V
PIIASES DA UJA N*J l'.'Z, l)h UU'l'l
:>iiniiMiite. I, 7 I.orase |'l nnu. 3* innb.
I,,,.. >ova, 9, h (i hora 47 min. di in^ini.
Cirscenlc I', :i i horas tr min. di manh.
Liia eh'ia a 53, a 9 hor. e 10 min. da taide.
Jllliieoante a 3o, a 7 horas ,35 min. da laide
\
Quinta-fetra 28
PA.Rn.'J\ DOS CORREtOS.
(', )mi'U P.id'ivIm a secundas e sextas feii ?.
Vo-C, -an.de-dn- Norte qui.ilas feirp.s so meio-it
:,i,n, Serin'iuc-n, tlin-Kormoso, Potto-Calvo
Unce! >. m> I.*, a I! c J! de cada
|tii c lionito, U Si.-.
UchVi' e florea, a II '
qrVnUs feras,
liad i, todos Os (iii.
DIARIO
d Cutobro.
Anio mv. v-'
PIlEA.MAd tB HOJE.
l'rimeira, as 8 horas 30 minutos da machio.
Scguuda, as floras &4 minutos daiardr.
PIN.S DA SEM >A,
5.H jiuiib, 3. ('rispim Aud.rio-1
'. rice '! tv.j do J. M. i! i v.
tu TMi,''. EvfUta Ami .'iJ noeiv di i.
o do J. de paz do I. disl. de t.
21 (jua-U. Elcsbo Aiid. i\o J. (lo civ. da "'
v. r rio I. 'le ptl MI. de t.
53 Quinta, >< 8. Simio Aiid i\o J. r'c orph. <
rtoJ. rr.uniHpnl I '. r.
i!) beata. S. Feliciano tud do do civ. da I.
Vedo J. deuaiilo i. 30 Sablwdo. S Serapio And. doJ. do civ.
da I. V. e do J. de pi.-. do I dist. de t,
31 Domingo.. 8. (^uintino
CA\;,.li)SWDU 27 DROOTpflRO.
Sol, lUndrWe "7V, I < p.l.n.-.0-d.
* Pr.S 3 .< r, ,'' rosne.
\, i!>.ia |0& I !6 'e piando.
. ... OT, firmada i" loinor
Oara6nc > i......n;>olni...
,Mod.ndo '-to a deG'i'"."OV
. Ja ((O"' ....
Prala P ilacus.........
> Patos columnaies.
Ditos meiicauoa .
Muid
'.lini a tHVH
isfiaeil a ICO"
lOJWO) a IGflOti
9I00 a S'l4
||h:i a J|OOU
I470 a liMO
lfS0H l#*
1*9 JO
Accoes dacomp. do llcbenbede SOoOOrs. ao por
I fv.'V.
MBUCO.

PRTG CHFFIt&i
Sf.miur. Entro os meios deque ospovernosde
todas os nacOes marilimas teeni tangado niflo para
prole^rrem a sua marinlia mercante, figura rn pri-
tneiro lugar a impstelo de direiloS lUfierenciacs so-
bre os navios daqucllas nacOes que os mpozerem
nos das nutras para contralialancar o mo elTeiln de
tal me ila j assini applicadns, os direitos dilTeren-
ciaes silo justse prestam rulcaz pnilercao fnzondo
remover urna desigualdad^ infoleravel : desde que
se considera que a marinha mercante de qualquer
nacflo, destinada a navegacm) de longo curso, nflo
L pode ser alimentada e protegida sem que as outras
V -oncorram para seu alimenlo eom seus porlos, anco-
IL ilouros, docas, pliares, cstabelcciinentos de pra-
ticagom, de polica, e som que a auxiliem como im-
portadora e exportadoras a mesmo lempo, reco-
nhecc-se ajtistica de igualaron todas as nuefles em
seus portos os navios cstraKgeiros aos scus proprios,
qur em direitos deporto, qur. nos denominados
de alfandegas. Este principio, comtudo, foi desco-
nhecido na-pratica pelo egosmo de algumas, eem
teenpo menos esclarecidos outras nacOes o tolera-
ram; mashje todas admiltein os direitos difleren-
ciaes como represalia contra os que os decretarcm
em absoluto.
Linas, como a Inglaterra o os Estados-Unidos, es-
tabelecem como regra o tratamonto dos navios cs-
trangeiros igual aos dos seus, c como exceptu os
direitos differenciaes contra os navios daquellas na-
coesque nSo praticarem o mesmo a seu respeilo.
Outras, como Portugal, a Dinamarca na FranQa.es-
tabelecemcomo regra miores direitos sobre os na-
vios estrangeiro*. e como excepcilo a isencflo lestes
para os navios das nacoes que admittirein n igual-
dade de tralamento. limas admitlem a ignaldade de
tratamento s pelo Tacto de outras admitlirem em fa-
vor destas; n'outras, porem, osseusgovernossHoau-
torisados por suas leis a admilti-la smenlo por
nieio de tratados oti convencOes. Poncas silo as na-
cOes que em suas leis nSo lenham consagrado o prin-
cipio da igualdadedo tratamonto em favor (lasque
o admitlirem, ou soja por tratados e ajustes, ou seja
pola simples retribuido do factor
O governo imperial, adoptando o principio dos di-
reitos dilferenciaes, nflo em absoluto, mas como re-
presalia contra os navios das nacoes quooscobra-
rem sobre os nossos, adnplou como regra n igualda-
de, e con* excepeflo os direitos differenciaes. No
artigo T. do decreto de20dejulho de I8U foi de-
terminado que as cmbarcacOos das nacoes que car-
legarem sobre os navios brasileiros ancoragem ou
quaesquor direitos de porto, maiores doquepa^am
os scus proprios navios, ficam subjcita.s nos portos
do lirasil a niais un tergo da ancoragem alli estabe-
lorida ; o no artigo 21 do decreto de 19 de agosto de
1844 foi taibem determinado que um direilo diffe-
rencial sei.flrrccadado as alfandegas do imperio
sobro as mercaduras importadas em navios daquel-
las nacoes ntio cobrarem sobre quaesquer gneros
importados em seus portos em navios brasileiros
maiores direitos de consumo do quo se fossem im-
Ikii lados em seus proprios navios.
Para devida applicnco dcslas disposicOes, em que
o governo de V. M. I. lentou eslabelecer o liberal
principio retribuir com idnticas vantagens o
.simples fado do tratamento dado aos nossos navios
pelas mais nacOes no p do igualdade com 06 pro-
prios .seprocurou baver osclarecimcnto do que
a respoito se pratica nos paixes estrangeiros. Taes
informacOcs, ppim, fornocidas pelos nossos agen-
tes diplomticos, se hilo adiado insulllcieiite e nflo
teem habilitado as nossas alfandegas a bem oxenla-
rem as medidas decretadas; sendo urna das rasos
capitaes da notada insufliciencia a circunstancia de
que as leis de inuilas nagOes mesmo syslema se
acha adoptado, mas com a cliyisula de ser estbale*
cido por convencOes; eaasfln nao fOra jusio uein
conveniente usar contra ellas de represalias sem que
os govornos respectivos se recusassem a adopcao da
reciprocidade por via de ajustes diplomticos.
DesVarle Resud mal definidas as nossas relacOes
COl alguns pai/es, os | ropiietaiios de navios bra-
sileiros ignoram quasi geralmejite co"' serilo tra-
tados nos portos estrangeiros para que so IhesoiTe-
reca deslino. : ,
Taes s.1o, senhor, as dilllculdades que teem cstor-
vado a-boa eutilapplicacflo pratica dos principios,
alias justos o silos, que se acham consignados na le-
gislacilo das nossas alfandegas; peusa, porem, o go-
verno de V. Al. I., ,que nflo he custoso remov-las, c
conseguir que nos nossos porlos nicamente sejam
e(iuipirados aos brasileiros os navios daqm-llas na-
coes que do mesmo mudnos tratarem. Para que tal
resultado se faca efioctivo, cunipre quo a igualdade
do tratamento seja eslalielecida como exeepcilo, e
nflo como regra; porque miro, exigtudo o interesso
dos navios que demandam nossos portes btie as res-
pectivas nacOes tratem os nossos com a nusina libe-
ralidade ou sera esse tratamento ajuslardo ocpn-
vencionado diplomalicamenle, ou eslabelecido as
leis dos mesmos paize, leis que nflo serp fcil-
mente rovogadas quando contarem dles com a d-
fccliva represalia.
Eslabelecida a igualdade do tratamento como ex-
cepcilo dependente da reciprocidad, aquellas na-
cOes que a ella nflo se preslarem serflo do faClo as
nicas a suppurtai os direitos dilferenciaes ; e p cer-
teza que assim adquirirlo os nossos carregadores,
do tratamento que os espera nos paizcs estrangei-
ros, preslaru til e conveuicnte animacflo a marinha
brftsilra.
kj Marcado um prazo para no lim dello entrarem em
\execco as novas disppsigOes, se facilitan os ajus-
Jtes ou convencOes, quo gradualmente irflo garan-
(indo os navios do Brasil o serom por toda a parle
equiparados aos nacionaes, nflo s a respeilo dos di-
reitos arrecadados pelo estado, como pelas munici-
palidades ou emprezarios de estahelecimenlos des-
tinados navegaeflo, o ao mesmo tempo se habili-
tan! as nossas alfandegas a retribuir a csse trata-
mento com igual liberalidad.
Silo ostos os motivos por quo tcnlio J honra de
suhnietter approvaco de V. M. Imperial o decreto
junto. Itio-dc-Janeiio, em o I. de oulubro de 1847.
Do V. M. Imperial subdito fiel o reverente fia-
noel Aire Bronco.
DECrtETO N." 536, DO 1.' DE OUTIJBRO DE 1847.
Etlabelece direitos dilftrencia-s em conformidad do ar-
tigo -,.- do decreto de-20 de jalho de 1844, e do artigo
21 do de 1-2 de agosto do mesmo anno.
Para oxecueflo do disposto no artigo 7." do decre-
to do'20 do julho de 1844, c no artigo 21 do docroto
de 12 ie agosto do mesmo anno, hei por bem de-
cretar o si'guinle :
Artigo 1." Desde o dia 1." de julho de 1848 em di-
ante o imposto de ancoragem sobre as cinbarcacOes
eslrangeiras sera augmentado com mais um terco do
quo devem pagar enicadainn do9 casos especifica-
dos no decreto do 20 de julho de 1844.
Art 2." Do mesmo dia em diante, as mercado ras
eslrangeiras importadas no imperio em navios es-
trangeiros despachados para consume pagado mais
um terco dos direitos cstabelecidos na tarifa das al-
fandegas.
Ar. 3." Serflo exceptuados dos direitos difieren'
ciaes, determinados nos dous artigos antecedentes,
os navios daquellas nacOes, que, por quaesquer ajus-
tes ou convencOes admittidas nos usos internacio-
naes, se comprometieron! a receber e tratar por es-
paco do lempo determinado os navios brasileiros em
scus portos como aos seus proprios a respeilo de
quaesquer direitos o despezas de |orto, pagaveis ao
estado ou a particulares por servicos necessarios
navegaeflo, bem como a respeilo doMiroitos de al-
fandegas.
Art. 4. Sero tanibcm exceptuados dos mesmos
accresefentamontos do direitos os navios' daquellas
nacOes que ja recebeni o tratam os nossos no mesmo
p de igualdade com os seus, posto quo at o (lia 1.
de julho da 1848 nflo se tenha celebrado algum ajus-
te com ellas para garantir a conlinuagflo desta igual-
dade de Irutamenlo por lempo determinado; mas
esta excepcilo cessar logo que conste tep cessado
a pratica cima, ou o governo entender conveni-
Art. 5. Emcaso de duvida sobre a applieaco a
quaesquer navios da excepeflo estabelecidn no arti-
go 4.% incumno as partes inleressadas provar pe-
ante os inspectores das alfandegas quo estilo ellos
uas condigrtes exigidas para seren equiparados aos
nacionaes. ....
Art. 6. Ficam revogadas asdispt sicOcs em con-
trario.
Manuel Alvcs llranco, concelhciro de estado, sena-
dor do imperio, presidente do conreino do minis-
trus, ministro e secretario de estado dos negocios da
fazenda e presidente do tribunal dothcsuro publi-
co nacional, assim o tenha entendido 0 faca execu-
lur. Palacio do Itio-dc-Janeiro, em o 1." de outuhrn
de 1847, vigesimo-sexto da independencia e do im-
|1C|.0. Com a rubrica do Sua Magcstade o Impera-
dor. Manoel .tlvts Branco.
CVEKN DAPtYINClA.
EXPEDIENTE DO DIA 12 DO CORRENTK.
Portara. Ordenando que se passem patentes :
para o posto do inajor da lerceira Icgiflo da guarda
nacional do municipio de (joianna, ao major do ics-
pedivo quinto batalhiiu Antonio Vu/. d Sil va ; e para
o segundo dos mencionados postos, a Antonio Jos
Ilud igues do Sena. Participou-so ao comniandaii-
le superior interino da guarda nacional du muiiici-
piodeCoianna, declaraiido-se-lhe, que p posto de
major de legiflo se considerara vago, oin consequen-
cia de nflo ter tirado titulo, dentro do piazo legal, -o
cidadilp Joaquim GuedesJGondim que para diese
achava nomeado.
DEM DO DIA 13.
Ofilcio. Ao commandanle das armas, solicitan-
do seu parecer acerca de um requerimento em que o
padre Joflo Tavaros de Mello, capellilo da Iba de
Fernando, podo ser nomeado para qualquer dos lu-
gares do capellilo de corpos ou fortalezas, que por-
venlura esleja vago. .
Dto, _,\o mesmo e ao commissano-pagador,
Sciciilificando-os.de haver S. M. o Imperador permit-
alo venda residir nesta provincia o major da lercei-
ra classo do exercito, Ignacio do Siqueira l.eie Silva
e Cruz.
Dito. Ao inspector .da lliesourana das rendas
piovinciaes, ordenando faga honar ao destacamen-
to policial de (aranhuns os vencimeiilos a quo livor
direitodesde o dia 11 do crrante at o ultimo do
dezcmbio prximo futuro. 'arlicipou-so aocom-
mandante geral do crpo de polica, cuja requisigio
dora lugar expedigo desta ordem.
Dt0. ,\o delegado de Garaiiliuns, declarando
devem correr por cunta da quota votada para as dos-
pezas eventuiies da respectiva cmara municipal os
gastos que selizerom cun o foriiecimento de luz
eagua aguarda da caileia daqucllo termo. Of-
liciou-se a respeilo acamara municipal de Gara-
uliiins,
Portara. Demittindo os seis supplontos do sijb-
an sbs i o den s en, primoirolugar, nonios .Olongo d.fronte!
^'!Sl%.rrdMlh9 S em segundo. Miguel cipagflo o. rometlid:. kw
KSuJ emtercoiro, Rraz Antonio da propOr medidas para a d.ss
r.tinha Albuquerquc; om quinto, Joflo Paulo de 8ojl-
za Bandeira; em quinto, Manuel da Vera-Cruz l.ins
e Mello ; e.usexlo, Joflo do Dos Moreira do Carva-
Iho; o parfic(J-se ao juz do direito chefo de poli-
ca, cuja proposta deu lugar s dcmissOes e nonica-
rectorio dieta, que o governo do Lucarna cstava
e.onstruindo fftrlilicagOos addicionaes em diversos
afronleira deArgau. Esta parti-
commissSo oncarregada de
dissolugflo do Sonderbund-
GRECIA.
gOes supraindicadas.
DEM DO DIA 14.
Oflicio. Ao commandante das armas, facultando
a baixa de Antonio Francisco Pereira, soldado da
companhia lixa de cavallara. attentit a idoneidadc
do substituto por elle olVerccido.
Dito. Ao Exm. vice-presidento do Para, aecu-
sandn recepgflo da guia docapitflo da terc-irt das-
so do exercito, Joflo Jos '".ornes. Transmiti-
se a guia ao commandanle das armas desta pro-,
vincia.
Hilo. Ao pommissario-pagador, ordenando quo
ajusto comas, abone comedorias do embarqtie B adi-
antc tres mezes de sold ao lente Jos Mana do Si-
queira Osar, que foi despachado para a companhia
fixa de cavallara do San-Paulo, o tem do seguir via-
gem no hiale nacional Nereida. Communicou-se
ao commandanle das armas.
Dito Aodirector do monte po dos servidores do
estado, transmiltiiido urna lotta do 3:79;2I3 iims,
sacada por Carlos Marti ns de Al incida, com ondusso
de Joflo de Pinho llorges, sobro a casa de lerreira
& Filhos, pela importancia dascontnhuigOes arreca-
dadas pela thesouraria da fazenda desla provincia
al SCtembro prximo lindo. Parlicipou-se ao
inspector da referida thesouraria......
Dito. Aovigarioda freguezia do Espirito-Santo
do l'o-d'Alho, incumbindo-lhea adniniMragiio os
reparos da respectiva matriz, oreados em ....OfOOO
ris; derlarando-lhe que deve receber estaquant.a
na Ihesnutara las rendas proviUCiaea; e sigmlican-
do-lhc que, ultimada a obra, S. me. ha de prestar
cenias na mesn.a thesouraria. Participou-sc ao
Inspector da thesouraria das rendas provnciaes.
Portara. Creando urna subdelegara na poyoa-
rflo de Timbaba, e designando-lho para d.str.cto
lodo o tormo comprehendido no districlo do paz da
indicada povoagflo. Nomcou-so para .siili.lelega.lo
desse lugar a Anlonio Jos Rodrigues de Smr/a ; o
parlioipou-se ao juz de direito chele de polica
DEM DO DIA !.
Oflicio--Ao commandanle das armas, exigindo,
para transmiUirsecretaria de oslad.) dos negocios
,1a guerra,a guia do caho-de-esquadra do i>. haia-
Ibo do pagadores, Jos Cactano da Costa, a quem
S.lf.0 Imperador concedeu passagem para as cum-
panhiasdo arsenal de guerra da corte.
Ditos Ao mesmo e ao commissario-pagador,
participando que O alfores do ti." batalho do paga-
dores Jos Carlos Galdino do Souza. obteve seis
me/os de licenga com sold, para ir a provincia de
Sonta-Cnthariiia.
Dito Ao inspector da thesouraria das rendas
provnciaes, ordenando o pagamento de 100,320 rs.
ano o delegado de Nazardh despender com os
presos pobres do respectivo termo, do I. do julho
,', ultimo do seiembio deste auno.Participarse
ao chefo de polica ,
Dito Ao vigario da freguezia do Itamaraca, en-
carrcgando-lheaadmiiiistragflodosieparos.lacapel-
la-iiio. da respectiva matiiz, oreados na quantia
de 3:000,000 ders. ; declarando-lbo que esta nom-
ina deve de ser recebida na lliesourana das ronda:
publicas.
DEM DO DIA 18.
0(1cios A's cmaras municipaes do rojo o Na-
zardh, declarando quo releva remetlaui copias au-
thenticas da acta da olegfl,. dos oleitores dos res
nectivos municipios, e nflo da apufaco dos votos
smenlo, como o fizeram, a 1 a 7 dosto niez, o a 2.'
20 do sotembro ultimo.
Di _. a' cmara municipal de Olinda, validando
a arremalagflo'dasrasinhas da i boira, du subsidio
dos poicos e do ainiazem grande do Varadouro.


. SLISSA.
Carlas de llerno do 3 de setembro ultimo aniiuii-
eiam que, uepos do urna discussflu que durou dous
dias, deci-lio a dieta : 1 u, que a quesUo dos je-
suitasora federal ; c 2., que os cantos om que BUS-
tiste esta ordem, fossem intimados para que -
Bpresontaules de Lncora, ScJlWeiU e Valais pro-
teataramem nomo do seus eonstituintes, o declaia-
ramque conservariam osj.-suilas sem embargo do
precinto da dieta. Nao se lixou prazo algum nosqua-
Iro canlOes, em que oalflo eslabdecidos os jesutas
(fauoerna, Friburgo, SchwoilZ e Valais. para obedo-
lorein ao decreto da dieta ; mas, como a asseuilile.i
devia rounir->o oulra vez, dentro em poucas sema-
nas, iieiibuuia duvida havia deque ella adoptara
entflo meius coactivos para fazer cumprir asua Uc-
csSp. Np dcc'ursp da sessao de 3, parlicppu p di-
0 ministro do interior da Grecia tinba dirigido a
todos os monarchas a seguinle circular, datada em
Athenasa 21 de agosto :
Apressamo-nos a annuneiar-vos que osla termi-
nada a rebellflo em F.uba. Na cscaramuga que hoti-
ve lugar na tarde de 6 18' do correnta, urna hala de
pega levou o brago esquerdo do Grizlotis, chefe da
rebelliflo, o fero-o gravemente no abdomen. A 8
;20), pelas 7 horas da manhfl.i, as tropas reavs, com-
mandadas por If. Cardikiotis Crivas, ajudante de
campo de el-rei, rom i zelosa coadjuvagflo da lOrga
naval, alacarain com a maiur coragem a posigo dos
rebeldes. Depois de llin combate que durou urna ho-
ra, foram olles compldamoiile derrotados polos nos-
sos, que so apoderaram dos seus cnlrinchoiramen-
tos na planicie. Os rebeldes rtiraram-se para as
suas fortilicages na inonlanha de Cpana ; mas.son-
do ah accoinincttidos por todos os lados, pozeram-
so om fuga, e destrocaran mn desorden) polos mon-
tes, sendo perseguidos pelas tropas roaos. Um trO-
go mu pequeo de rebeldes, carregando sobros
hombros o chefo da rehelliflo.soguio para llymi, per-
seguido linvia pelas mesmas tropas; o pareca iiie-
vitavelasua captura. Tal fui o desfecho desta nova
scena dploravel. As leis e a sfla opiniflo da nacflo
triiimpharam oulra ve/, por esta occasiflo, e sem du-
vida triuiiipliariln contra os quo ousarem perturbar
0 ordem o tranqullidadc publica. Apressai-vos a
dar esta parlicipugfloa maior publicidado ntreos
cidadflos subjeitos a vossa jurisdicgiio. a
ITALIA.
Cartas de Roma de 31 do agosto reforom que a
inesperada chegada docardeal l.ambruschini tinha
produzido consideravel sensagflo naquolla capital.
Ileinava a maior unaniuidado entre todas as clas-
ses da populagflo.oui favor do papa. O clero em ge-
ral tinha-se unido aomovimenlo, e necrescenta-so
que este .'acto era considerado como mais ventajo-
so do que se so houvesso ganhado uina batalha or-
denada contra os Austracos.
Coi lia em Turm, a 2 do setembro, queo governo
austraco responder a ola dol-rei Carlos Alberto,
j que oslo replicara con. vivacidude.
ASSOCIACA BEIf.A l'\l!A PltOMOVEIt AI.IBER-
DADE Di COMMI'-KCIO.
Aseguinto circular loi'expedda pela associagflo
supra :
Bru.te.llas, 25 de abril.
ce Senhor. Temos a honra de partidpar-vos urna
importante rosolucjlo quo se julgou conveniente to-
mar para mclhoramento das relagocs commcrciaes
das nagOes entre si.
lio impossivcl pOr-se em quesillo a ulilidade de
urna rcuniflo dos amigos da scicnria econmica, da
todos os pases e do todas as crengas, tendo-se feito
Hotaveis progressos nos varios ramos de sciencias
sociaos por via de congressos somelhanles ao quo
ora so projecta.
Iteunindoom llruxellas os individuos que, pelos
seus osforcos e pela sua posigflo, se acham frente
dos movimentos cronomco-politicos do mundo,
upprohendeu a associagflo belga para a liberdsde do
commercio, que seguira o caminho mais breve pa-
ra resolver as dilllculdades e destruir os preconoc
tos, que conlinuam a oppOr-se dilatagflo dasrela-
gOes ommcrciaes entre os diversos paizes.
Parece desnecessarlo insistir sobre a importan-
cia das qnestoes a que este congresso economico-
politloo sera chamado a applicar-se. Ha seculosteem
ellas leito'objecto de continuo esludo para os ho-
mens mais eminentes que teem apparcido.
n He de esperar, senhor, quo vos digneis de con-
tribuir para estes importantes fins, concedendo
reuniao a vanlagem da vossa instrucgflo e do nomo
que possuis pelos vossos conhecimentos na scien-
cia que ha muilo temos por objecto commum pro-
mover.
Aproveitamo-nos de una rcuniflo guo havera
lugar em Bruxellas para a propagagflo da reforma
penitenciaria, e da feliz coincidencia du urna expo-
sigflo dos productos da industria belga. As sessOes
dosla associagflo far-se-hflo 4 das antes da rcuniflo
pan a reforma penitenciaria istp lie, a 16 de se-
tembro ., ..
., \s autoridades civis de Bruxellas pozerama dis-
po.sii.ao da cuinmissflo o sslflo do Hotel-de-Ville.
Nonieou-se urna commissSo especial, composta
de Me.ssrs. Coir-V.uider.ncrce c Fortamps, inoinbros
ilo inliiiiial le coiiimercio e ilu commissAu da as-
sociagflo belga, c Ad. Lo llardy de Ueaulieu, onge-
nbeiracivil a ecreUtro da commissilo, para diapr
aorganisagjo do. congresso, e prover aos commo-
ilos pessuaes dos seus assuciados estrangeiros du-
rante a sua estada na capital da Blgica.
o Turnamos a lherdade de esperar, senhor, qu
acudiris ao nosso reclamo, eqie nos prestareis o
beneficio da vossa presenga em auxilio das nossas
dscussOcs.
ii T.iuiboiii vos pedimos o obsequio de dardes a
iiiaioi publicihade quo poderdos aos fins da asso-
ciagflo, por nielo da imprunsa.
fH
i
l]
m
vi
4.
MUTILADO


m
4UP
.
T-

2.
'

I
Com seguros de perfeia consideradlo, somos,
etc.
A comtnissno da associaQflo,
l'residenlefh. De Hrouchtre.
i Secretarios' V'?,r ^"''f-,
/ Ad. Le llardij de lleaulieu.
P. S. Toda n correspondencia relativa an con-
gresso fleve do ser enderezada a Mr. Vctor Faider,
idvogado o secretario da associacflo, na ta Indus-
tria, n. 15, quarteirflo Leopoldo, em Rruxellas.
[Times.;
c
orresjxnKlciK'ias.
CANDIDATURA DO CIIUDAO ANTONIO BollGES DA
PO.NSECA.
Sn eleitores das prvvincias de l'ernamhuco e Parahiba
Alm de ser constante pralica das naces mais
cultas no systema representativo o se apresentarem
os candidatos solicitando o favor do sua eleicflo, ja
hoje, no Brasil,, cidadflos importantes, verdadeiras
illustraces nacionaes, lee ni seguido cssa conducta ;
conduela, que, estando nos mcus sentimentos e.
nieuslialiitos, nfio poda dcixardc ser por minisc-
guida.
^"licito a honra dovos representar na cmara qua-
trieuual, para o que ides volar nodiu 7 de dezem-
hro do corrento anno, porquanto (euho coriscienoia
de vos ter prestado servicos relevantes e ao meu
paiz, e quaes nflo podein entrar om comparaeflo com
os de mu tos, qu pretenden! a honra da eleicflo por
incio de calalas e intrigas, indignas de mil povo que
se respeita, e (Veza seus direitos sociaes.
Miaba vida poltica vos he assaz conhecida. Fran-
co advogado da igualdad social, desde meus mais
temos anuos, nflo me desuncaminharei em qual-
quor posieflo om que a vossa confianza me ha ja de
enllocar.
Meus principios administrativos, be01 ou mal des-
envolvidos nos ineusacaiihadososcriptos, se cifram :
no estabeleciment de meios, que tendam a des-
envolver industria nacional, e a salvar o povo da
opprcssflo e da miseria em que se acha, e que mar-
cha n'uma progressflo espantosa.
Ouanto ao exterior, nffo crendo no principio da
reciprocidade, poique uaila vejo de reciproco entro
o forte e o fraco, entre o rico o o pobre, julgo preju-
dicial ao paiz todo c qualquer tratado com as nacoes
da Luropa, qur comnicrciaes, qur polticas.
Assim, no interior, para nossa regeiieracilo, pro-
curarei estabelecera plena e inleira liberdade de vo-
to ; a mais rigida economa' lias despezas do estado ;
a maior circumspcccflo e parcimonia no la nca me-
lo dos imposlos; a organisaeflo dopodr. judicial;
a imcompatibilidade dos servicos pblicos; a effec-
tiva rcsponsabilidade dos funrcionarios do estajo ;
a realidade da divisflodos podics ; a plena lbenla-
ile do commuiiicar os pensamentos por ineio da im-
prenta ; a proteceflo a industria nacional
No exterior, o estabeleciniento de nossa naciona-
ldade, a maniitcncflo de nossos direitos como nacflo
soberana e iinle|ifiidenle, a rovogaeflo do direilo de
visita, a exlinccflo de lo.los os abusos que a covar-4
dia de nossos governos leni consentido as potencias
cstrangeirascontra nossas prrrogalivas.
Censo que a lirmeza de ineiis principios, a resig-
nacoconi que sempre hei soHri.lo tantos Irabalbos
por amor do povo, sao seguros ponhores da nicu
coinporlameulo como representante da nacflo, se me
concederdes, senbores eleitores, tito subida honra.
E nem, senbores, vos embarace a persegualo que
ora sofTro, e de que son victima resignada. F.u nflo
tenlio contra.iiiiui un acto legitimo do poder judi-
cial ; soffro a maior das prcpo.encias, e contra u dis-
posto as leisdopaz; o como a lei, que regula a
eleicflo, de 19 de agosto de 186, no artigo 76 vos da
a faculdadc de votar sem limilacdo alguma, compe-
lllldo exclusivamente cmara dos Srs. dopulados o
<\amp das rnudices de idoneidade, conliai que os
elitos do povo, coulirniaudo vojsa votaeo, me
farfiu justica.
Kste vosso acto, quando assim sou atiocidado, se-
ra, alm disto, nina prova do como detestis a op-
pressfln, e sabis vingar aos defensores de vossos di-
reitos e liberdade.
Cadeia na cidade do Recife, 27deouturo de 18*7.
Antonio llorges da Fvnseca.
eros diatnico, chromatco e enharmonico. Quem
leve o gosto de a ouvir nflo podia deixar de oxlasi-
ar-se, pois tinha a meloda elegante o viva de Ros-
sini. Lindos o dicilimos solos foram executados
com lodo primor da arto pelos prineipaes instru-
mentos rio meio de seria e religiosa coiprnocflo dos
espectadores, sondo dignos de especial menclo os
de (lauta dlo Sr. Eldman, de oboe polo Sr. Josi (al-
l, o do voz humana pelo Sr. Placea, e'ode rabeos
pelo Sr. Tbeodoro Orales ; este moco, apenas de
18 anuos, he ptimo msico, excellcnte compositor
e o melhor rahequista filbo da provincia, que exis
le. lie igualmente digno de reparo o Laudamus
cantado pelo Sr. "Leal, o Quoniam, pela mada-
ma Deperini, e o Sanctus pelos *4 urphflos do
collegio de Ulinda. Foram instantes de imbriaguez
e de delicia, que a vista do ornato o da magnificen-
cia do templo, devidns an declarado costo do milito
digno e muito honrado thesouroiro, oSr. Fortunato,
cxaltavain anda mais a imaginaeflo eosentimen-
to. Que o autor de urna tal produceflo continu a
brindar-nos do mancha tflo bella e tair. solemne, he
o que desejamos. Os amadores acolhcrflo com ar-
deuciao venoraefloas suas notas, u osados religio-
sos oluvarao, us azas_do fervor, o coraeflo do ho-
mcni i|m:lle de quem proveio a harmona, o que
a quiz traiismitlir ios habitadores dste globo.
* *


O.
VI aude^a.
ItKMllMK.YIVuK) DIA 27. ..........
Descarregam hoje,, 28.
Rriguc Whig farinba e presuntos.
Sumaca Flor-do-Angetim familia.
Itrigiie Culnare bacalhao.
Barca -- l'tpn/tn- Santo mercaduras.
Brigue Manj-Queen-of-Scots idom.
Kriguo Primavera vinhos.
9:192,075
IM 1*0 UTA CAO'.
Whig, briguo americano vindo de Ricbmond ,
entrado por franqua no corrente mez, consignado
a llonry Forster 6 C manifestou o seguinte ;
311 pecas lona do algodflo, 2 barris fio de dito, 100
"utos, 1 barril lio, 1 ca xa pedra de sepultura,
barricas farinha de trigo; aos consignatarios.
presuntos,
2:150
Consulado.
RE\DIMF..\TO 1)0 DI \ 27.
i .era I..........
Diversas provincias
IT.lt \AMBIJC0. 27 DE OL'TUBRO DE
AO MLIO-DIA.
2:000.336
159,882
2:160,218
18*7.
Vend'is.
1,980 ....... 2,000
1.960 ----------- 1,980
1.800 -..... 1,820
1,600 ...... 1,620
1,980 -..... 1,290
6*0--------------- 66o
.Srs. Redactores.Sequeslrar o bonieni da harmo-
na dos sesseria priva-lo do curanto mais inno-
cente e mais suave da vida, a msica, depois da pa-
lavra, be a lingoagcm mais enrgica de toda a na-
tureza. Lila falla ao coraeflo, como a elocuencia
falla ao enteudimento. Os mavimenlos pathetcos
que ella derrama, a suavidade de que ella embebe
e repassa a nossa alma, a encantadora magia com
que ella sorprendo lodos os nossos sentidos be a
prova mais cabal do milito que ella pede em lo-
dos os lempos. Seus sOes, ebeios de mavosidade
derramam a melancola, c a stislentam nos moinen-
mentos de d6r em que se debate o homem com as
penalidades da vida : nos das mondos ella ameni-
za a nalureza, e llie da um novo calor o urna nova
existencia. Ella imita as diversas situacoesda vida.
Modulares speras e tumultuosas revolvemos es-
pectadores, e ellos se jul(.am no meio dos combales,
escutando o tom confuso das armas e o rifidoso es-
talo do canhflo. A saudade vem lnguida com todos
os seus martyrios, as pausas, no deleixo da harmo-
na que se deixa sentir a custo, c coinojasem fr-
ca. Os hymnos de alegra rompein com eslrepdo, e
seescutamascxclama^Oesde jubilo que rctiimbaiii
nos festina. A conversaeflo mesma be imitada com
lidelidade pela msica: huella asocia do homem, e
a que de um modo prodigioso o acomppnba, e como
que espreita para Ihe dar em harmona, ou a do-
?ura, oo os momentos de conslernacflo que turvam
a existencia. A msica, diz maduma de Stael, du-
plica a deiu qjje fazemos d'alina, quanao estase
acha disposta aos mais nobres esforgos. O coraeflo
absorveos ses puros edeliciosos que parcem en-
sillara descubrir o segredodo Creador o mysteriu
da vida.ITOp lie, pois, de admirar que nesla nos-
sa provincia, aonde parece que se nflo da anda u-
quelle apreco conveniente a una arle tflo'sublime
em si mesma, deixasse de apparecer al agora quem
elogiasse urna das mais bellas prudiicccs BjWscos?
rallamos da missa intitulada Pedro II Imperador
do Brasil -- que lora prirnbiosametitfl posta em or-
tica na man i/ deSaii-l'i-ci-l'cdro-Gonc.alves, pur oc-
casiflo da festa do Seiioor dos l'assus. Esta peca re-
gularissiiua he pruUuccflo do insigne compositor, o
or. joee FachineK. Podemos aseverar que sentimos
viviasiiiiaconimocflo escutando e apreciaudu tan-
ta harinoiiia religiosa, unta gravidade, tflo bellos \
0 niaviososcontrastes. Fazia ad.....ar como sen au-l
tor usara ilo emprego reunido das tres partes is-l
telas, meloda, harmona e metro, o os tres ge-1
".;; da Cadeia do llecife., n. 3*, > de candi i o
de corretagens de Gregorio Anlunes de Uliveira.
I'BECOS CORHNTES DE MOJE.
lota de prata. Compras.
Patacoes brasileiros---------
Pesos columuares------------
Ditos ila patria---------------
Modas de 5 francos---------
Ditas de 3 patacas
Ditas de 1 dita ------
Moldas de ouro.
Pecas velhas- -.....- 16,100---------------16,250
DJIas novas--------------- 16,000------------.- 16,100
Mfl as de*,000rs.---------0,000------------ 9,200
OdCas hespaidiolas---------28,800---------------29,000
Ditas da patria- -.....28,500 ------ 28,800
Soberanos- -....... 8,900------r 8,950
Desconlos.
Compram-se lettras de boas firmas do commereio.
venc mentas at dous mezesa 1 por/0,-al quatro
al 1/8e al 6al 1/*.
Cambio sobre Londres 27 3/* a 28 d. por 1,000 rs.
Por procuraeflo de O. A. deOlvera
Mamirl Jnnguim Silveira.
,t cr ^"rrawH*-.'mm^i wwffiLTr'
HovJifjil> lo Porto.
Navio entrados no dia 27.
Cello; 52 (lias, polaca franceza IJeliopolis, de 180 to-
neladas, capitflo M Lacroix, cqupageni 12, carga
vinho, Bzeile-docc e mais gneros; a Regord'&
Cancanas.
Rabia ; 7 dias, brigue. brsilero Confianza, de 208
tonelailas, capilflo Antonio Baptista de Olivcira,
equipagem 13, carga carne; a Amoriin Irinflos.
Kavio sal ido no mesmo dia.
Portos do sol ; vapor brasileiro San-Salvador, com-
niaudante o pi iniciro lente Antonio Carlos de
Azeredo Continlio. AUnn dos passageiros que
trouxe dos portos do norte para os do sul leva a
scu bordo : para Macei, Rodrigo Castor de Albu-
auerque Marauliflo, levando em sua companhia A-
elaide Veira e umesevavo, Miguel Joaquim Ra-
mos de Moi aes o sua senhora I). Mara Leopoldinu
de Moraes com um escravu ; para a Babia, Joa-
quim de Soir/a Reis, Ltiiz Antonio Percira Franco
conr umescravo, Francisco Marques dos Santos
com um escravo, Pedro Caelano da Cosa, Cui-
lhcrmiiio Marques dcSouza com um escravo, Ro-
mualdo Anitiui.i de Seixas com um escravo, Do-
mingos Comes Ferreira Velloso e 2 csci'avos, Frei
Savia no Scandiaiio,commissario dos Capuchnhos,
Frei JpqtlhTi, capochinho, Firmo Jovita Formoso,
Manuel Pinto de Sou/.a Dantas, Joflo dos Reis de
Souza Dantas com um escravo, Virgilio llenrrque
Costa com umescravo, Manoel Mara do Amaral
Jnior, oflo Vctor de Carvalho, Pedro Araujo Ar-
golo Ferrflo com umescravo, Mrguol Joaquim do
Castro Masca eolias, Gregorio de Castro Mascare-
nbascom umescravo, Joaquim Ferreira Bandeira
eom umescravo, Jay me Carlos Leal com um es-
cravo, Pedro Francesilla Guimarfles com um es-
cravo ; para o Bio-de-Jaueiro, Jos Pedro Wer-
neck de Aguillar, Jos Joaquim Leite Guimarfles,
Caelapo Mara de l'aiva Lopes Gama, o atieres An-
tonio Carlos l'rederico Seara e 1 escruvo remclli-
do por Tasso Jnior a eulregar Faria Irmflos.
Obtervac&o.
O brigue Primavera, entrado no da 25, consignou-
se aoSr. Antonio Joaquim
aos Srs. Olivcira Irmflos.
de Souza Ribciro, enflo
-,.-,---------- ...
ISDI.TAES.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade o/pcial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandtga de Pernamb'uco, por S- M. o
Imperador, que l)eos guarde, etc.
Faz saber quo no dia 30 do frrenlo, ao meio-
dia, e na purta da alfandega, se hito de arrematar
sais barricas da marca A. S. A. I.., contondo 15 al-
queires de feijilo-fradinho, avaliadas'om 45,000 rs.,
appretiendidas pela denuncia quodra an inspector
o amanuense desla alfandega Gongalo Jos da Costa
eS, e por so ter verificado a existencia de cdulas
falsas; as quaes barricas vieram da cidade do Porto
no briguo portuguez Ventura-beliz, entrado em 16
denovembro do'anno prximo passado: sendo dita
arroniataQo livre do direitos.
Alfandega, 27 de outubro de 18*7.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Joo Xavier Carneiro da Cunha, fidalgo cavalleiro da
casa imperial, cavalleiro da ordem de Christo, e admi-
nistrador da mesa do consulado desla provincia, por
S. M. o Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia 3 do prximo mez do no-
vembro, a urna hora da larde, so hflo de arrema-
tar em praga, na porta desta ropartieflo, 7 saccas de
algodflo com 23 arrobas e 18 libras, de primeira
qualidade.a 7,000 rs. a arroba, e 9 arrobas e 12 libras
de refugo, a 6,000 rs. a arioba, apprehendidas no ac-
to da inspeceflo pelo feitor e conferente Prxedes
da Fonseca Coutnho, sendo 5 saccas da prensa de
Jos Ribeiro deBrito. por falsiticacflo do gonnro, e
2 da de Mauoel Jos da Silva Braga, por falsilicacflo
do peso : a arremataeflo he livre do despeza ao ar-
re mala n te.
Mesa do consulado do Pernambuco, 27 de outu-
bro de 18*7.
O administrador,
Joo Xavier Carneiro da Cunha.
iJk'clanityt'S.
Ovapor Paiaense recebe as malas para
os portos do norte boje (28) as 2 horas
da tarde.
A cmara municipal desta cidade faz sessflo
extraordinaria no da 30 do correte.
A admnistracao geral dos cstabolecimontos de
caridade manda fazer publico, que, em consequen-
cia de se nflo tor effectuado hojo a arremataeflo do
reiidimento do furo das caxas do assucar, foi trans-
ferida a mencionada arremataeflo para o dia 30 do
corrente, pelas 4 horas da larde.
Administracflogeral dos estabelecimentosde cari-
dade, 25 de outubro de 18*7.
O escripturario,
Francisco.Antonio Cavalvante Cousseiro.
A administraeflo geral dos cstabelecimentos de
caridade manda fazer publico, quo no dia 30 do
frrente, pelas horas da larde, irflo praca as ren-
das da casa n. 17 da roa do Nogueira (ltimamente
reedificada) pelo lempo que decorrer do dia da ar-
rcmalncflo a 30 de jiinho do 1850.
Administrado geral dos e.-tahcleciinonlos de ca-
ridade, 25 de outubro de 18*7.
O escripturario,.
Francisco Antonio i acalcante Cousseiro.
BBBSBDBEa
A administracto da companhia do Rebirihe man
da fazer scienle aos Srs. accionistas, que se acham
realisadas as entradas de 80 por cento sobre o va-
lor das acefies emiltiilas, sem que tenba sido de
mistar por em execufflo o art. 9 dos estatutos, nem
a medida adoptada em asscmbla geral a respeito
dos que na ultima rcuiiiflo eslavam em atraso.
A mesma adminislraQflo roga aos Srs. accionistas
hajam do realisar nina prestagflo deti>or cenloden-
tro do prnzo de 30 dias, contados desla dala. Es-
ciiplorioda companhia, 18 de outubro de 18*7.
O secretario, B. J. Ftrnandes llanos.
Contrato a celebrarse com a thesouraria das rendas
prorinciaes, no corrente mts.
DIA 30.
O estabeleci ment do urna linha de mnibus, que,
na formada lei provincial n. 191, do 30 de marco
ultimo, facilite o transporte desta cidado para qual-
quer dos respectivos arrahaldcs, o para Olinda,
Cadeiras vagas a concurso.
De 4 do corrente a 50 dias clTeituar-serha o con-
curso cadena de grammatica latina da villa de Na-
zaretb. Os que quizerom intervir no concurso de-
velo apresenlar na secretaria do lyco desta cidado
B papis ota necessarios se tazum para quo sejam
considerados habis a ser incluidos na lista dos op-
posi lores.
Objeclos que reparlico das obras publicas quer
comprar.
Vinte e quatro taboas de assoalho de louro; 3 Ira-
ves de 32 palmos de comprimento e palmo e coito
em quadro ; 5,iuos-travessas ; 12 duzias de i ipas;
25 pregos caixaes 200caibraes e 2:000 ripa.es.
Escravo apprehendido pela polica.
Duarte, crioulo.Acba-se recolbido a cadeia des-
ta cidade; doclarou pertcncer aoengenho Suassuna,
e deve de sor reclamado ua subdelegacia dos Alo-
gados.
Benedilo, apprehendido em Feria/., Ierras de A-
ppucos, no da 23 do selemhro prximo passado.--
Acba-sc ua cadeia desta ei.lade, e de.ve do ser re-
clamado ante a subdelegada du i'oco-da-Panulla.
THEATRO PUBLICO.
HOJE. 28 DE OlJTURRtW -
Beneficio de Ezequiel.
OftAUDE PKCA ,
EUFiLUIA E PULWORE.
&r i
O VKI.1I0 IMCRSEGriPO.
Esto espectculo ser intervallado com dilTernntes
e dinlceis dancas ; alih destas, urna joven execq-
tar oslo inglcz. O Sr.-Santa Roza cantara urna
as mais'jocosas arias. O resto dos buhles vnde-
se na ra do Rangel, n. 47, primeiro andar.
Publica^0 l^ltraria.
Sabio a luz, e acha-se a venda na botica da ra
da Cadeia Vclha do Recite, n. 3, o romance origi-
nal -- Nossa Skkhor dos Gumaiaprs em dous
volumes, preco 4:000 rs.
O autor qoo mui coidialmeritc ama Pernambuco,
eula bella provincia, que tflo generosamente o.ac-
colheu na sua desgraca, por um esforco, em ver-
dade superior ao sou talento, aventurou a sua pri-
meira produceflo litteraria ueste genero, dedieando-
au objeclos pernambucanos. Oassumpto era digno
depenna mais aparada ; porm, se ella o nflo des-
creveu, como ello pedia, servir ao menos de in-
centivo a outras para melhor o trataren).
Oaitor nflo pede indulgencia ; antes conta e es-
pera que osjudiciosos crilicos dadvrtam, para que
possa corrigr as muitas inadvertencias, de que,
como est convencido, ha de abundar este seu tra-
balho : nflo so ufana elle do romancista, nflo ; por-
quanto condece quo para o ser Ihe falta, alm do
genio sublime, a sonima de materiaes para isso
indispensaveis. Sera tachado de emprebendodor ou-
sado, o com rasflo; nflo o desconlioce : mas, se o sen
animo/) impellea taes emprezas, tambern est dis-
posto a receber o merecido castigo da cordata cri-
tica dos sabios, e mesmo dos entendidos e da des-
temperada malediconcia daqueiies quo ci iticam tu-
doede ludo.
Recife, 22 de outubro de 1847.
He mar dma l'reirede Figtuhedo Abreu e Castro.
Publicacao coui-
inereial.
Est rio prclo no Rio-de-Janciro e subscreve-se
nesta cidade na bija de Cardozo Ayres, na ra da
Cadcia-Velba n. 37. Arlhmelica commcrciaj, por
Guilherme Licchtenstein m volume em oitavo,
contendo : arilhemetica elementar quebrados, de-
cmaes regas conjunctas c de associa?0es regras
ilecommissoes, correlagem de juros simples e
composlos, desconlos, etc. ; regias de cambios,
arbitragens de saques e reinessas de ganbos e per-
itas dos fundos pblicos, clculos de ifiercadorias,
facturas e conlasdo venda simuladas, com varias
tabellas das modas, cambios, pesos e medulas de
diffeicntcs paizes comparados cbm os do Brasil.
Preso 2,000 rs.
AVISW nai'lt unos.
Para a Babia segu viagmn, em pouflM dias, o
hiato lloa-Viagem, por ter a maior nulo da carga
prompla : quem no mesmo quizer carregar ou ir
lie passagem, dirija-so a loja de ferragers jiinto ao
arco da ConcciQflo, .
-- Para o Rio-Crandc-do-Sul segu, com brevida-
de ,o brigue, Dom-Pedro-Segundo ; recebe carga e
escravos a fete, e lem excellcnles commodos para
passageiros: os pretendenlcs dirijam-se a Joflo
Francisco da Cruz na ra da Cruz, n. 46.
Para Lisboa' sabe, com toda a bievidade, a bar-
ca porlugueza Tejo ,de que be captflo Slverio Ma-
noel dos Reis : quem na mesma quizer carregar,
ou ir de passagem para o que tem os mais asseia-
dos commodos, dirija-se aos seus consignatarios,
Olivcira Irmflos & Companhia o o caplflo, na
praca do Commereio.
rPara o Rio-de-Janeiro segu viageni, impreteri-
v el mente no'dia 30 do crrente, obiate Nereida ; pa-
ra passageiros trala-se na ra da Cadeia. do Recife,
botica n. 61.
Para o Cear segu viagem a sumaca Carlota,
meslrc Joflo Antonio da Silva : quem na mesma qui-
zer cagegar ou ir de passagem, dirija-se ao mesmo
mostr, ou Luz Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz
do Recife, n. 26.

Leiii s.
Kotbei Bidoulac farfloleilflo, por interveneflo
do corretor Olivcira, de esplendido sortimonlo de fa-
zendas.de seda, Ifla, linho e de algodflo; proprias
deslo mercado': sexta-feira, 29 do corrente, s 10
horas da inanbfla, no seu armazem, ra do Vigario.
0 corretor Oliveira far leilflo da mobiliae per-
tencesda casado SrsEdward Fciiton, prximamen-
te retirado para a Europa consistindo em mesas do
sala c de jantar, consolos, guarda-roupas, so-
cwleirasde varias qualidades inclusive do balanco,
phs, marquezas loucadores leitos do madoi-
ra o de ferro commodas, loucadores um lindo
piano de excellcnles vozes es| elhos grandes lou-
ca de mesa e para cha cristaes trem do cozinha e
de agricultura um carro de 4 rodas e muitos ou-
tros objeclos uteis o necessarios ; boje, vinte e oito
do correte, as 10 horas da manhfla no sitio quo
foi desua residencia eanteriormente do Sr. Ileu-
ryGibsOn, antes de chegar e prximo ao'em quo
residi o Exm. Sr. BarSo da Boa-Vista, na Passa-
gem-da-Magdalena.
AvSOS IVCISILS.
iccisa-sode um caixeiio para loja, de 10 a 12
anuos, Brasileiro, ou portugue/ dos prximos che-
gados : na ra Nova. n. .
OSr. Carlos Bai'boza, natural de Guimarfles, da
cidade do Porlo, e iue ja reshiio em Pedras-de-Fo-
go, queira ter a bondade compaiecir, un quem do
mesmo Sr souber dar noticias, noarniazom da ra
da .Moeda, t. 17.
Joflo Manoel, subdito portuguez, retia-se pa- '
raa corte doRio-dc-Jaueiro. {


*#'
O Sr. que levon, no mez de setembro, do paleo
doJ*arnZ", casa n. 1, urna bandeja com pratos, ta-
Ihereso tnilha/qaie la I voz por esquila monto tenha
demorado oin seu poder, faca o favor do mandar le-
var, oh dar parlona mesma casa para se-ir buscar.
.lias Cneiho Cintra declara qge o annuncio
i*erto no Mario do linntom, 27 do corrotito, lie fal-
sp, pnisqne, nfloembarcou, nem pretende embarcar
cscravn algum do sen cngcuho Pedreiraa.
Furtaram, na noite de 16 para 17 do corrento,
do bordo do ltate Purtsa-de-Maria, fondeado no
Forto-do-Mattos, um bab, perlencento a Jos Fran-
cisco de Atalude, com as' pegas seguintes : 1 chapeo
f, 3 mantas de seda, 3 chapos do Chile, uma ja-
i|iicta preta, 2 ditas brancas, 1 dita do riscado, i
cale* preta, 3ditas do brim trancado branco, 1 dita
de risradiiihn, i corle d calcas de lita, 1 par de si-
patos de lustra, 2 pares do nejas de seda prrlss, 1
I Miro de soda azul, t dito preto, 1 dito branco, 2
colletes, 6 camisas finas, I dita do mcia, 1 manga
do vidro e 135,020 rs. em dinheiro : qualquer pessoa
quedo dito bah soubor, ou de qualquer uma das
pocasaeima mencionadas, queira dirigir-se a tra-
vossa das Cru/.es, n. 8, que ser recompensado.
Quem liver'un preto ou preta para alugar, di-
rija-sea ra larga do Rozarlo, n. 48, segundo an-
dar, ou annuncie.
Prcciss-se d um caixeiro para tomar conta de
uma venda por ha lauco ; da-se bom ordenado sen-
do que tetilla pratica : no'pateo da S.-Cruz n. 2.
Tin rapaz solteiro, de 18 anuos, se oITcroce
para criado : quem de seu presumo se quizer utj-
lisar dirija-se ao pateo da matriz de S.-Antonio ,
cocheira 11. 2.
-Aluga-seum preto ou preta para carregar fa-
zenda comoutra pessoa : na ra do Vigario, n. 19.
Quem precisar de una ama para o servido do
casa> dirija-se a ra Nova, n. 53, segundo andar.
=.AIUga-se, na Trompo, uma rasa terrea' com quin-
tal, cacimba e mais commodo's pai grande fami-
lia, na ra da Solodade, 11. 37, por 12,000 rs. men-
tes;-o mais duas mitras pequeas, 111 ra do Sebo,
ns.52e54, por 8,000 rs. mensaes : quem pretender
dirija-se aoescnptorio do F. A. de Oliveira, na ra
da Aurora, 11. 26.
Tiraram-se, por engao, duas carias do correio
para Manoel Itiheiro do Carvalho : quem for seu
dono'procurena ra doQneimado, n. 18.
Precisa-sede um Porluguez sendo dos Asso-
res mclhor aera, para ser fetor em un engenho em
Serinhaem distante desla praca 18 legoas : quem
estiver nestas circumstancias dirija-se a ra de
Hortas n.,91). Na mesina casa vende-so por qual-
quer prego que convenha uma parda de meia ida-
de porni sadia que he boa cozinheira, doceira
de toda qualidade de fruta e de tnassa lava e en-
gommaliso, ehemuito propria para qualquer ca-
ga de familia que tenha precisilo de uma tal es-
crava.
Aluga-se o lerceiro andar do sobrado da ra
larna do llozario, confronte a groja : a tratar na
ra da Cadeia doRccife 11. 44, luja de ferragens.
No holi(|uim da ra larga ilo llozario, n. 27,
dflo-so almogos o jantares mensaes para fra.
Precisa-sede um preto anda mesmo brulo:
na ra do Rango!, ii.ii.JVi mesina casa compra-
se mu sellim em bom uso.
Para passara festa perto da praca e
com banho na porta,
aluga-se urna ca>a coni bastantes com-
modos estribara, e pequeo sitio por
preto abdico ; a tratar nos Coellios ,
rom Miguel Carncii > da (lunln, ou com
Tlioniai Carneiioda Cunha.
Precisa-sede um menino de 12 a 14 ahnos, que
d (ador a sua conducta : na venda 11. 8, defronle
dos Martirios.
<> Sr. doutnr Lourenco Bezeira
Garnero da Cunta: queita ler a bou la-
de-de dirig i-so roa do (iabug loja
n, (i, a negocio que Ihe diz respeito
Na casa de modas franeczas no Atcrro-da-Boa-
Vista precisa-so dealgumas duzias de caixas de
ppenlo, ou lahoiuha para chapos do sen hora.
Precisa-se de um nioleque ou preto que saiba
l'azcr o servico ordinario-do ma casa: no Alerro-
da-Boa-Visla n. 1.
Jos Concalves Curado vni ao Rio-ile-Janeiro ,
levando em sua coiiipanha o seu oscravo Scipiiio,
e deixaudo por seu procurador
de Freitas.
~ Precisa-so de um moco de 14 a 16 anuos, para
caixeiro preferindo-so los que chegaram ultima-
Os Srs. estudantes de grammalici latina que
se quizerom applicar pelo temnn das ferias, ou se
anroiriptarom para em mareo fazerom seus exames,
dirijam-sc a ra doQucimado, n. 37, primeiro an-
dar .'
Joaquim l.opcsda Cruz declara ao rospetavel
publico, que o Sr. Joaquim Pacheco doS nunca llio
dissera quo o Sr. Manoel de Carvalho Moura Ihodo
ra prejuizo algum.
Braz Florentino llenriques deSouza, estudan-
le do terceiro anno jurdico, ensina particular-
mente philosophia francez rhetorica o geogra-
phia na casa da sua residencia na rua^Nova, n.
38. Adverte quo ensinar gratis aos que cstiverem
em circumstancias de o merecor.
A ahaixo assignada, viuv de Antonio Dias Sli-
to roga aos credores de seu casal, quo se dignem
de comparecer em sua casa ra da Cruz ti. 68 ,
pelas9 horas da mandilado hojo, 28 do carrente,
para resolveren) a respeito do mesmo casal.
Hara Filippa l.imu SoutO.
Precisa-sealo um caixeiro para cobrar fra dcs-
ta'praga que tnha bastante pratica e d fiadora
sua conducta : na Soledadc, sitio da cscala a tra-
tar com o Sr. Burgos.
Na.tarde do dia 3 de novembro porta do Sr.
doutorjuiz da segunda vara do civel, so ha de ar-
rematar, por ser a ultima praca una casa terrea,
sita na ra de Fra-de-Portas-, n. 39', avadada em
um cotilo de ris, penhorada a Manuel Joaquim
Goncalves l.essa, por execucto de Andr Cuilhermo.
Precisa-se sabor so existe, ou quem da noti-
cia de D. Quiteria Mara da Concejero que foi ca-
sada com Si mito Jos llorges de Araujo, natural da
Iha Terccira ondo falleceu e filho do I.'uiz de
Mello Lobo o desia mulhor Cobrelinda de I.emos
para interesse da mesma senhora : na ra Imperta
n. 67, primeiro andar.
ahaixo assignado, para remover qualquer 11-
terpretacilo a si desfavoravel, que se possa dar ao
annuncio publicado no Diario de hojon. 243, assig-
nado pelo Franccz UesgolHn, tcm do declarar ao
publico que a carta, cuja rusposla este Sr exige,
rata sement de pedir ao ahaixo assignado, que d
toda a celeridadu ao fabrico das caldeiras o mais
utensis iudispeusaveis para o preparo do asphalto
artilicial, sobre o que formou no Itio-dc-JaHeiro o
ahaixo assignado uma suciedade com O mesmo Des-
roble ; que o ahaixo assignado nao pode respon-
der logo a referida carta em raso de liaver estado
inultos das durillo nesta cdade ; e (tnalurenle que
attribuc o uieo inslito de que se servio o dito iles-
goute, que mora no Monleiro no sitio Jo abaixo
assignado, ou a seduccito de alguom, que queira
delleseaprovcilar, ou a algum desvio momentneo
desuarasto.
Carlos Martins de Almeida.
Aliga-se o segundo andar-com sotio ecom-
inodos sullicieules, quintal e cacimba : na ra lli-
reila, 11. 54, a fallar com seu proprietario Joio Le-
te Pita Ortigucira, na ra da Cruz no Rocife, n. 12.
O ahaixo assignado tem contratado a compra
de una venda em Fra-dc-Porta com o Sr. Manuel
Domingos Percha Ramos: o para que nao baja du-
vida 0111 lodo o lempo, por isso so faz publico.
Ignacio Jos Rodrigues.
Manoel Mara do Ainural|Junior, nao pudendo,
pela brovidado de sua viagem para a Baha, despu-
l i r-se de seii^ amigos, o faz por meio desle anuun-
eio, e iiies offerece o seu diminuto prestimo 11a-
quella provincia.
- Aluga-se um slito muito fresco o em boa ra,
profiri para homoiu solteiro : a tratar na esquina
do Livramenlo, loja do 6 portas.
Prccsa-se de nina ama de Icile para acabar de
criar uma menina de nove mezus : na ra larga do
Uzario, ulr'ora dos Quarleis, n. 24, segundo an-
dar.
Perdeu-se orna cliavede porta, grande, de duas
brocas, na direccito para o llieatro publico, na nui-
le de 24 do crrenle : ruga-so a pessoa que a achou;
annuncie, ou leve-a Ita ra Diroila, padaria, ti. 69,
^ue se recompensar o liatialho.
Miguel Joaquim de Castro Mascarenhas, tendo
do rclirar-so para a Baha, e nito podendo pela pres-
sa despedir-so das pessoas com quem tem rclafcs
de .iini/.iiile, o faz por este joruaL -
Perdeu-se, desdo a ra do Itangol at a ra do
Qucimado, urna carteira conlendo 23,000 rs. em
cdulas e varios papeis,enlre ellos um vale da quan-
tia do 16,770 rs.. a vencer em 30 do correlo, assig-
nado por Lzuquiel de Souza Cavalcauto : quem a
acharo quizer restituir dirija-se a ra do Rangel,
venda, 11. 50, que sera recompensado
Precisa-so alugar um nioleque quo saiba co-
Sr. Jos Alendes znliar para c'asa do humem solteiro: quemotive
annuncie ou dirija-se ao caes da Alfandega, arma
zem, 11.1.
. Aluga-se, na poToaco do Monleiro, defrontol
do Sr. Joa(|uim Tiliurcjo, urna casa com bastantes
commodos para se passar a festa : bem como un si-
tio as tenas da Torre, quasi defronlo da l'onle-de-
l'rhi'1,1, com urna pequea casa, boa haixa de capitn,
um lianaiieii-.il, e terreno devoluto para se lercm ani-
maes sollos : a tratar no Aterro-da-ltoa-Vista, n. 37,
segundo andar.
Precisa-se de um bom oflicial de sapatoiro pa-
ra obras de lustro, o quul queira trubalhar e no se-
ja velliaco : na ra Nova, loja n. 58.
Aluga-se a casa terrea com quintal e cacimba ,
na ra do Pilar, n. 6, em Fra-de-Portas: a tratar na
ra da Cadeia do '.ecife, 11. 18
Km Fra-de-Portas casa torrea n. 68 existe
um brinco de ouro do lilagrana, que se achou no
domingo a noite, em a matriz do Corpo-Sauto :
quem for seu dono pode trazer o outro quo,
combinando, Ihe ser entregue.
Precisa-sede una boa lavadeira, o de coi
la conhecida para lavar -roupa de urna
nlo pequea ; na ra da C ruz, no llecife, n. 18, se-
gundo andar.
Jos Rodrigues subdito portugez, retira-se
para o liiu-de-Jaiion o.
l()T.;ttl4L D0THEATKO.
As rodas tiesta lotera andam infallivelmente no
di -i .'.i do corrnnto mez, para esto lim marcado; o o
respectivo tdosoureiro avisa a (|uem livor hillicles
aparl idos, queira ir recehe-los ate odia 28, corlo
deque somonte ate osle dia, quede o da vespera
do andamento das rodas, se vndenlo os buhles
que restain.
.O TRIBUNO N 34
ota a .yenda na preQa da Independencia, ns. 6 o 8
inuiloinlercssanto est : a elle. Se o n. 35 se i ni -
priniirsera distribuido a tarde. K
Jos Comes Marques hrasileiro adoptivo, re-
tjra-se para Portugal, a tratar de sua sade.
4'ompras.
Compram-se garrafas francezas, vasias : na ra
da Gadeia-Velha n. 29.
Continiiam-se a vender as superiores velas d
carnauba do 6, 8o'9ein libra a 210 rs. tanto om
ibras comoem arrobas i na ra do llozario da Boa-
vista, n. 2.
Coiiipram-se garrafas o botijas vasia : na ra
Diroila, n. 17.
- Compra-so uma ou duas folhas do venderom
azeile na ra com as competentes medidas e um
barril Umbro para azoito : ni ra Imperial, 11. 9.
Coiiiuraiii-so, para uma cncninmenda esera-
vos de anillos os soxos pretos o pardos de 10 a 40
anuos; agradando, pagam-se bom: na 1 na es-
trella do Rozario n. 31, primeiro andar.
Comprain-se para uma cncommenda do mal-
lo 4 cscravos : na ra da Cadeia do S.-Antonio,
n. 19, primeiro andar.
Compra-so um methodo de piano, ero bom
uso : quem livor annuncie.
Compra-so urna cadena de arruar, usada e
queseja por proco commodo: no Atorro-da-Boa-
Vista, fi. 37, primeiro andar.
Compraiu-seonieiaes.de carp na, pedroros,
ferreiros o carpinleros para fra da provincia ;
pagam-se bem, agradando : na ra da Cruz, no lle-
cife n. 49.
Coinprain-se, para fra da provincia dous mo-
loques que tenham de 12 a 18 anuos e duas pretas
ou pardas com algumas habilidades : na ra Nova ,
n. 50, terceiro andar.
Vendas.
Casimiras clsticas e finas, a
7^000 rs.
Vendcm-sc superiores casimiras elsticas linas e
do cores, pelo baratissinio preco de 7,000 rs. o cor-
te de cales. Esta blenda he recommendavel pola
sua qualidade tanto em fazenJa como em gostos ,
por seren os mais modernos; casimiras piolas,
superior l'azenda por seren muito finas a 2, 3 o
3,500 rs.o covado : na ra do Collegio, loja n. 1.
-----Vende-se azeit:-doce retinado em
Cdixis de dnze fi\.squinho.s pelo comino
io precu
propiio pira
ra
xa, mu
2,joo .rs. c
gislo de casa : na ra da
Hecic, 11. 18, segundo andar.
mente un mu Direita, n. 26.
Aluga-se irtna casa terrea com bastantes coni-
niodos na ra das Larangeiras 11. 29 : a tratar na
pra^a da Independencia loja n. 3.
OsSrs. Clerguc Irmltos, j bom condecidos em
Pernaiuhuco ac ham de Alabeleccr na ra da Ca-
deia dnljecile u. 30, una casa de pasto moda do
Paris na qual so. encarregam do preparar janlares,
lantu para as pessoas que quizercm ir ao seu esla-
belceinienlo como para as quo quizerom que se
mande a suas casas. Ahi Iquibem so a proiuptarao, a
moda frauceza banquetes do luxo. Os mesnios Srs.
scofferecem a cnsinarcom perfeiciio a arle d co-
ziuha os pretos que se Ibes queira confiar para, este
fin : tanibem alugamiim preto para trabalhar no
mesmo cstabelecimento.
l'az-se un vantajoso negocio, por jneio de
venda ou permuta, com una excedente proprie-
dade no centro tiesta cidado, conlendo duas pro-
priedades feitas, terreno pata mais tres, e gran-
de porlii ao lado, com un grande quintal plantado
do arvoredos e extensao para se l'azer qualquer es-
tahelecimonto em grande escala. A quem convior,
podo comparecer na ruada Florentina, 11. 16, para
tratar (leste ajuste.
Una casa particular so cdTcreco para dar af-
inlo, juntar c seia com muita decencia: na ra
atrs da matriz do S.-Antoflio, n. 28
. -- Precisa-se de urna ama de bou conducta para
urna casa : na ra Nova, 11. 23, se dir quem "precisa,
Offerece-se, para foitor do algom sitiovpertq da
prBca ou para algutna serrara um liou\em che-
gado prximamente do Porto o que da fiador a
sua conducta : quem o pretender dirija-se al ra do
Trapich, n. 6. Nu mesma casa existe urna carta
para Joaquim Francisco da Silva Paciencia-
PARA AS PF.SSOAS QUE TENCIONAH SKCUIR
VIA'GEM,
Na ra do Rangel, n. 9, conlinuam-se a tirar pa|-
aaportes pala dentro e lora do impeli depachain-
se cscravos, c coi rom -so folhas, ludo cun brevida- gumas casas em S.-Aniiu : a fallar no mamo lugar,
e, e por prec,o inutlo e muitocotamodo. com J0S0 Veuaucio.
Cruz do
Vendem-so 3 queijos de manteiya, muito fres-
caes, com o peso cada um de 23 libras, por preco
Commodo : na ra larga do Rozario, n. 21.
Vendo-so una venda das melhorcse mais afre-
guezadas para a praca, por seu dono ler de retirar-
se ; assim como tambem so da sociodado a quem ti-
ver alguns fundos, cuja venda tem commodos para
familia, e o seu alogucl he bastante mdico em
Fra-de-Portas, n. 92.
I'crhiiiclia na loja .\a esquina do Livramenlo, loja do nicho, vendpm-
se chales de seda, a 2,000 rs.; eucos do dita, a son
rs.; risrados de povos padrfes com fio de seda, a
400 rs. o covado; ciimbraias de seda Ojia, a 800 rs. o
covado; damasco de duas larguras, a 1,000 rs. o
covado, o outrasmais pechinclias novas, proprius
para a prxima fesla.
Adiiiiraveis nava-
llias de acoda China
que leeni a vautagcm do cortar o cabello sem olTen-
sa da pello doixamlo a cara parecendo estar na
sua hrilhanle mocidade.
F.slc ac vem exclusivamcnteda China, eso Hel-
io trahalhain dous dos melhores c mais aballsados
enluciros da nunca excedida e rica cidado de Pe-
kim, capital do imperio China.Autor Shan.
N. II. He reconhecido o uso deslas navallias
maravilhosas por ludas as sociedades das seicn-
cius uiedico-cirurgicas, tanto da Europa, como da
America Azia e frica, nao s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas taniboiu como un meio cos-
mtico.
Vendcm-se as verdadeiras s na ra larga do llo-
zario, 11. 24.
escravos
indas
- Venlcni-se 6 cscravos, sendo : 4 de 13, 16, 18
e Mfanm s, de bonitas finuras, propriospara o sor-
vico de c.mpo t mesmo da praca ; urna crioula de
26 anuos, coovliahilidades ; urna linda o eleganto
uiolalinlia de l8uunos quevengomma, coso o serve
heni a uinac;:sa : na roa dasCruzes, 11 2, segui-
do andar.
I'rlncezliia!
i:!eva la n>z, excflsa*Fama '
Anmincia ts mu bellas Princezinas ;
Lindo adorno que serve a lodadama,
Srjuia reliis, ou moras, ou meninas.
Antonio 1 in/ dos Santos & Coinpanhia, com
loja de f.i/nidas na ra lo Crespo n. 11, recebe-
I rain pelo ultimo navio Irancet cheg
..|. ... ... ------
neei chegado a cate
porto os mais ricos e bellos cortes de vestidos
"? para senhora ai ultimo guala le Paris, onde esta
^ l'azenda he deiioniiiiailaPrincwlna : nao lie :,,
* possivel desorev oda com todas as suas proprieda- i|fe
des c lusllfoei encantos ; por isso liioitaino-iios ff
4 a liier que seus delicados padrie sao uao 1110- sq
,: demos, como de urna especie nunca vista. ;
spe
A cor azul, o verde galo,
O mni lino, a cor tic rosa,
Vista de perlo, he leiilantn,
Ao lomje mui cilbicosa.
mm^***"*'4**"'^ : VenHem-se os seguintes
fio tuas
de mu
sem vicios
nem
.inducancliat|ues : 1
'r1^ ln.as lavade.
de in a -xx minos,
Vendem-se qualro lindos tnolcqucs, de IB, j!
8 e 20 anuos, sem vicios, muito esf
abis Itera todo o- servido ; ties escravas
iiinlo inoras, fUo cozinhaui odiarioi'
casa, engommam liso e lavam roupa
j, 18 e 20 anuos, sem vicios, omito ospertos e Jijj
.\* lialiois para todo o- servido ; ties escravas y~
limito 11101,'as, fUo cozitiham o diariodc uma [~i
casa, engommam liso e lavam roupa; una m
dita, que engomla perfei lamente, cose, co- lJ
w|! zlnha, marca e faz lavarinto : dous pardos L[<
li- muito moyos,, ptimos pura pageos. Todos I-1
W| estes escravos vendcm-se por prego coturno- H,
H do. .Na ra do Vigario, n. 24, so dir quem if|
)2J vende. __________________ifl
legras,
ras, que cozinham o dia-
riodc urna casa, e eozein ; una mulata
da mesma idade, e <-om pitaes habilida-
des; um mualo, de iq a 16 anuos, pro-
nro para todo o servico; 1 ditos de i(
H anuos, seudo nm pcrl'eito oflicial de sa-
o outro .ilfaiatc, e nroprios pa-
s : um mol?que de i'J annos ; e
Ainda reslam para alugar, para a festa, al-
pa tetro,
ra pagci
mu mulatinliu tle 7 para 8 anuos: na ra
In Crespo. I.oja n. 2 se dir quem
vende.
Contina-so a.vender calcado, feito nesta cida-
do, linhas, 1in, couro, sola, uiarroquim o couro de
lustro a realho, c mais alguma con-.a ; assim como
uma por(<1o do madeiras, como sejam : caibros, va-
ras, ripus, e algumas maos-lravessas, urna cama pa-
ra casal, urna porijflo de par re ira brava ou abtua,
para remedio, e alguns ferros pura colleira de cava
lo de carrosa: ua ra Nova, loja n. 58.
i\o Aterro da Boa-
Vista, loja li 2,
vendem-se brins franceses, de cor,
pelo baralisiiiio preco. ris o covado : esla f.izenda he
muito bem acabada, e nao des*
bota.
F.LIXIR TONIf.0
ANTI-FLEUMATICO,
pe/o senhor doutor l'.uillii, medico dafaculdade de Pa-
ris, membro de varias sociedades medicas, assim na-
cianaes como eslrnngeiras, cavalleiro da real ordem da
legiao de honra, ele.
(Dupont, ptiarmaceutico, em Paris, ra Ti-
quetonne, n. 14.)
(i nico deposito venladeiro desle elixir lie esta-
be-lecido pelo mesmo autor na botica do Sr. Jos da
Bocha Parsnhoa, ra estrella do llozario, n. 10, em
Peruambuco.
O elixir anli-fleumatico he essencialmento tnico,
reanima, o principio vital e da forca as fibras, des-
taca os humores viscosos, os precipita em baixo,a-
viva o appetite e fortifica o estomago.
Pdc-se administrar na mais lema infancia como
,na velhice; nada lie mais doce que o seu effeito: fun-
le, dissolve OS humores o Ibes da sabida som algu-
ma agitaofio, sem suspender as oceupaces, nem
mudar os hbitos: se pode tomar desle eflicazmente
umacolher domanhSa em jejum, particularmente
no invern e nos lempos humillos.
Os asmticos, gotosos, hydroplcos, aquellcs cuja
libra he mulle, licain satisfeitos lo seu uso ; bem
como os que soiTrem deduxito catarral dopeito, a-
zedumes do estomago, syncopes o palpitaces do
craco, clica, empigens, catarro da boxiga, apo-
plexia cerosa, reumatismo, lluxos alvos, doencas
de lelte as senhoras, indigestito, vermes intestinaes
as criancas, o nutras muitas enfcrniidades que se-
ria longo enumerar.
Kste medicamento salular tem produzido os mais
favoraveis elTeitos, nos casos, para assim dizer, des-
esperados. Desla sorte, desde seis annos foi pres-
criplo por lodos os mdicos Ilustres, e os successos
quulidianos que obtin, tanto em Franca como nos
paizea ostrangeiros, formam o melhor elogio que
desle possa fazer-se, e a prova deste he a grande sa-
bida |iic este maiavilhoso remedio Icm lido as
provincias ilo Itrasil, principalmente ua Uahia o
Hio-du-Janeiro onde ha tantas illuslraqea me-
dicas.
AVKO I;SSKNCIAI..
Deve-se smente intejra confianza s garrafas que
I......i lima marra que leva a firma do autor, seme-
ntante aquella quese v em baixo. Emfun, para e-
vilar opflTigO das'"fBlsificac0es, os accidentes que
poileriam acontecer, o arrestar a cubica dos falsa-
rios, o publico he prevenido que cada garrafadeve
ser acompanhada de urna iiislruccflo impressa que
indica a maneira de empregar este medicamento,
compilado pelo Sr. Cuillie, com.a sua firma, eiin-
presso em Paris por o Sr. Coetsehy ; caracteres es-
senciaes para evitar a fraudo.
Na nova ioja do Iasseo-Pu-
blico.n. 17,
ua esculos e urlicos a ou ro.,
- maia aiS^rs. o par ; crtosde cassa
. varas>sWfc> c -2,ofi3 is ;' cassa com
larjaifa : a2S-w. o covado ; curtes i]
vendem-so corles de tarlatana Ide muito lindos e
modernos padrues, a 3,200 rs.; clia.es de cassa bor-
da escuros e braucos a 640 rs.; suspensorios de
cortos de cassa com 6 \ a 7
com 4 palmos do
de olilo para
a+Hffmom de 13a esjsda a 320 rs.; lindeza de mui-
to lindos padroes, ii 200 rs. o covado; corles de
chita com 10 covailos, a 1,000 rs o corte ; ditos li-
nos com llicovados, a 1,800 rs. ; ditos de dita, pm
14 covados, a 2,800 rs. ; casimiras as melhores quo
teem apparecido om qualidade e padrOos a 8,000
rs.o corte ; corles ilo eolletc de velludo a 3,000
rs. ; lencos de cassa para grvala inteiros a 200
rs. e nutras muita.-. la/ondas mais baratas do que
em outra qualquer parte.
MEZ MAIUA.NO A 1,000 RS.
Vende-se na livraria Ja praca da Independencia ,
ns, 6 o 8 o Novo Mez Mariano, accrescenlado coa O
I aii-ili'uno do Sanlissuno Hozario.
Vende-so um preto de nacao, mogo, sem vicio
algum, o que he proprio para todo o servico : na roa,
du Liviatucnlo, botica ti. 22.

4-
>

MUTILADO


"**
I
1
i

I

&m
Vende-se urna preta do muito boa figura que
engomma, eozlnhi o faz Indo o scrvigo do una casa;
una preta de 35 annos por 50,000rs. que rozi-
nha, lava e vende na ra : ama do passeio, n. 19.
a<;i.v:ia i-a Fi.'\fc.\o';i.ovv-MOOR.
Na na da Scnz!illa-\')va n. 12, continua a hau r
nm curipleto .sortimento de moendas e machinas de
vapor para engenhos de iissucat.: beni como tai-
xas de ferro batido e roado ce todos os lainanlio.s:
ludo por prego conimodo.
Vendein-sc casaes do potnbos, grandes, mili-
to hons batedores de ptima mea ,e de coi es mui-
to bonitas por prego muito comniodu : na na da
Florentina n. 16.
Vende-se um sobrado de un andar, em chitos
proprios sito no largo do Terco : a tratar no mes-
ni" sobrado a. 26.
, Vende-se un preto de 20 a 22 anoos sem vi-
cios, perito oflicial do sapateiro ; na travessa do
Corpo-Sanlo, n. 27.
Na ra Nova loja de fazea-
das, o. I i ,
vendem-se ricos cortes de seda para vestidos; ditos
<" ditas esoocezas comalgutnas pintas de mofo,
|,i,i barato prego; setinsde coros e.de boa qualida-
de; damasco de seda ; dito de lila; bonitos cortes
de barego, a 11,000 rs.; eximirs do cores, a 1,800
rs o novado; pannos finos preto o verde, a 3,000
rs. ; casimiras franenzas de qtiadrose listras, a 4/
rs. o corte ; cortos decussa-obilas, a 2,400 3/ rs. ;
ditos de canibiaia piulada a 2,200 rs. ; chales de
Ifaesoda, a 4,01)0 rs. ; chitas francezas a 280,
320 0 360 rs. o covado ; lencos de setim, uiuito boa
fazenda para senhora a 4,500 rs.; bonitos cortes
de tarlalana, a 3,000 rs.; brins trangados brancos, a
XOO, 1,600 e 1,800 rs. a vara ; riscadinhos franeezes,
a 200 e 240 rs. o covado ; chapeos do sol, de seda ,
para senhora, a 3,000 rs. ; ditos para homem a
6,000rs ; meias prctas de laia, curtas o compridas;
ditas de seda ; luvas de dita e de pellica ; ooutras
murtas fazendas por barato prego.
Potassa.
Vende-se a verdadeira e superior po-
tassa da Hussia a mais nova que existe
no mercado : na roa da Cideia do Kci-
ie, armazem n. 12, de Balta.r iV. Oliveira.
Vende-se um mulatinho de 11 annos; urna par-
da de 18annos com habilidades; dous lindos mo-
loques de 12 a lannos ; 3 pardas mogas que co-
sein e fazein renda ; 3 pretas engommadeiras o co-
zinbcias ; um preto de bonita figura, bom carrei-
ro ; um pardo de.meia idade ptimo para o servi-
do decampo ; no [ateo da matriz de S. -Antonio,
sobrado n. 4.
Vende-se, ou troca-se por casas nesla praga, un
terreno com 412 palmos de Ironice 150 de fundo,
sito por detrs do coventodo Carino : a tratar com
o seu propietario no Manguind segundo sitio
ilepoisda capella de S.-Jos.
SOR-VTE A 200 RS.
Cada dia de urna qualidade : no sobrado do pateo
da S.-Cruz com comniodos para senhora prepa-
rados com lodo asscio e perfeigio que lie possivcl.
Casa da F
na ra e.slreila do Itoznrin, n. o'.'
Nestc cstabclecimentoacbam-sea venda as bem
acreditadas cautelas da lotera do tlieatro publico
desta cidade cujas rodas andam no dia 29 de cr-
lente. O cautelista espera que os seus freguezes
concorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
nas quacs se espera ni boas surtes, pela escolenle cs-
colba que se fez dos nmeros para seren divididos
em cautelas. A ellas que silo poucaso boas. I'regos
os do costuinc.
CAIXAS DE VELAS DE CERA DO RIO-DE-JANEIRO,
de urna libra al 19 e tambem brandoes, lochas c
hogias a vontade do comprador: nu ra da Scnza-
Velha 11. 110.
A >#<>00 rs
JVa loja nova da ra do Quei-
niado, n. 11 A, de Raymun-
c o Carlos Lrite ,
Jia um novo sorti ment de fazendas finase baratas ;
tem como mis lindos cortes de chitas francezas
finas, ornadas com lindas barras, a 5,000 rs. sen-
do este o ullimo goslo do l'aris.
Vendem-se caixas de cba hysson, de 13 libras,
em porgOes ou a retalho ; caixas de velas de os-
permaceto de 5 c 6 em libra : na ra da Alfandega-
Vclha n. 36, ein casa de Matbeus Austin & C.
DEPOSITO DE CALVIttGEM;
17, ha
11
seni-
INa ra do Trapiche ,
pre cal virgein de Lisboa, em harria pe-
queos, e ltimamente ciiegada mui-
to superior Cpor preco rosoavel.
Chegaram do itofeie- bonil s
escravos para
iimTo baratos
se veoderrm,
, ila ra das
l.arangeiras, n. ^j, segundo
andar: ^
um elegante moleco de 20 annos OMiTpnmiHjlos
de sapateiro, c quo he ptimo para pagom ; trm
moleq.uede14aniios;um dito de 18 anuos, com
pequeo defeito ; um preto de 25 annos, do bonita
ligura com um pequeo principio de sapnleiro ;
do*'ditos muito fortes ,e que sao omitimos para
armazem do assucar ; um dito de 24 anuos que es-
ta acostumado ao iraballio de campo e entender
carreiro, por 420.000 rs.; m dito do 40 annos, mui-
l0Jf*f isadio oque he bom canoeiro o ptimo
ollicialde canteo, por 400,000 rs. ; um dito bom
para trabalhar ni a|gum sitio por 220,000 rs. ; um
pardo de 38 annos ,-por 330,000 rs. ; una preta, que
lava muito bem por 220,000 rs.; urna dila bou do-
ceira o coznheira ; urna mululinhn do 16 anuos-
Uma.^enlL e "asa' U 26 """"s Bol> quilandeira,
por 420,000ra-; urna preta ao20 anuos com mui-
to bom Jeile eeem cria ; o maisoutros escravos.
~ Vende-so urna parda do 20 annos de figura
o ptima para mucama que engomma, cose chito ,
lava de salino, cozinba alguma cousa c faz renda: no
Aterro-da-BoarVista, sobrado.n. 5.
a deiras a p dka a 1^600 rs.,
vendem-so no aniia/em do Cuimaies no caes da
Alfan'ega e cm casa de ,t. J. Tasso Jnior na ra
do Amorim, n. 35.
Luvasde p Tuca.
Alianga-se as boas qualidades destas luvas. Hade
todas as cores tanto para homem como para se-
nhora. Vendem-se mais em conta do que cm mi-
tra qualquer parte. Na ra larga do Itozario, n. 21.

13
para vol t-
rete ,
os melbnres c mais baratas
ga do Itozario n 24.
vcndeni-se na ra lar-
,\SM
Vende-se inarinelada nova, vin-
de de LisbcVi no brigu funcedor,
em latas de 2 c 4 I i liras : na ra
i.
rg (l"s
Vende-se fumo de primen a q na I idade : no Aler-
ro-da-Ifoa-Vista, n. 58.
Xa I ja nova da.ra do Quei-
mado, 11. II A, de Staymiin-
do Carlos Leite ,
acha-so um novo sortimento do moias cras e filias,
a 5,000 rs. a duzia ; ditas de linho fiuissimas a
5,800 rs,; a rica fazenda intitulada fazenda do
norlo, lecida de lindo e seda cores escuras e
propriaspara todo o trage ; maulas de sedado pa-
drees modernos a 3,000 10,000 16,000 e 20,000
rs.; chales de seda e de lila e seda : ludo por prego
baratissimo.
~ Vende-se. por prego commodo, urna parle no
engenho do Jaguarabe : no Alerro-da-Uon-Vista
n. 58.
~ Vonde-se um molecote crioulo do 15 a 16 an-
uos, sem vicios ncm dolilos : a fallar com o Sr.
'imentel, no porto da ra Nova.
Vende-se, por commodo preco por so querer
liualisar com a venda d'agoa 11 n lauque de ama-
relio, muito forte que leva para mais do 50 pipas
l'agoa, e por isso he muito proprju para niel, ou ou-
tro qualquer liquido. Esle lauque nao tcm pregos
ncm estopa,he snacunhado e muito fcil parase col-
locar em outra qualquer parte. Na ra de Apollo,
II. 27, primoiro andar.
Vende-se, por prego commodo una casa de
taipa bem cons'.ruida na ruada Casa-Porte: a
tratar no Arrala!, com Francisco Belmiro da Costa.
\ ric-sc urna parda moga que cose faz re.n-
de, doces o o mais preciso de nina casa : no largo
da Boa-Vista, n. 30.
Vende-se a bem condecida venda da ra Impe-
rial 11. 145, por seu dono ler muita precisSo de ir
a Portugal. Os Srs. que ha perto do um anuo dese-
jmn]comprar a dila venda sendo quo ainda quei-
ram, dirijam-sea mesma venda.
hellins p;ra a festa.
Vendem-se sellins inglczes para montaria do ho-
mem com os seus competentes perlences : em casa
de l'redt'iicollohilliard, na ra do Trapielic-Novo ,
n. 18.
Vende-se um preto da Costa ; urna porgo de
arroz ile casca; um carro de 4 rodas, novo; una mu-
lata.de bonita figura, com algomas habilidades:
na ra da Cadeia do S.-Antonio, n. 19.
- Batatas.,
recenteniente chegadas do Porto, do superior qua-
liddc em canastras de arroba e meia felo di-
minuto prego de 2,000 rs. cada canaslra : na escadi-
nlia da alfaudega armazem do Guimares.
Na ra de Agoas-Verdes,
11 40 ,.
vende-so urna parda rccoll.ida de 20 annos com
excellentcs habilidades perfeita cozinheira, c com
um lindo lilliu ludo por 600,000 rs. ; quatro esera-
vas para, lodo o seivigo ; dous esclavos do uagfio
do 25 anuos, sem deleilos, por 750,000 rs ; dous
bonitos moloques de nogao de 16 a 18 annos; um
bonito pardo ptimo para pageni ; um escravo de
nago de 30 annos para todo o sorvigo.
Vende-se urna cabra ( bicho] parida de poucos
dias-, com dous cabritos : na praga da Roa-Vista,
11.18,
Vende-se urna cscrava crioula, de muito lin-
da figura que sube bom doarranjo de una casa,
e lem principios de engomniado : o motivo porque
se vende, se dir ao comprador : na ra da Cadeia^
Velha n. 29.
-- Vende-se um mulatinho de 11 annos, com
principio de sapateiro islo por seu dono se retirar
para lora da provincia : na ra larga do Rozajio
n. 44 tenda de sapateiro a fallar com o seu me;
tro
Vende-se um piano inglcz que precisa do al-
gum concert, por 60,000 rs. propiio parase
aprender por ser Torio e bom : na ra larga do Ito-
zario, loja de miudezas, 11. 35, se dir queni vende.
Vende-se 11111 ravallo lugo, bastante gordo,
muito.bom andador de baixoat meio, sendo osles
andares no passo eque lio proprio para senhora ,
por ser mu lio manso e bom audadar : na ra estrel-
la do Itozario, n. 30, segundo andar.
ptimos pasaios
Bicudos, curios, canarios e um exccllcnto papa-
capim : vendem-se na Boa-Vista, ra do l'ires,
n. 10.
Vende-se una osera va de nagSo, de incia ida-
dado sania seni vicios, e que sabe engommar o
lavar : na ra da Penda 11. 3, segundo andar
- Vende-so una pela recolh ida muito moga ,
de bonita figura que cose inuilu bem," engomma
elaya : na ra do Hospicio, primeira casa terrea
quo lem sutio com varauda.
Vende-se. muito superior panno de algodao da'
, Jerra : na ra do Crespo, h. 23. |
-* Vende-se para fura da provincia ou para c
mallo, unia rapariga de elagante figura, insigne
ongommadeira, la,-adeira e oo-inlicir;., o que cose
alguma cousa : o motiva orador : na ruada Cruz.no Recife 11. 49, primeiro
andar.
PIANOS FOlt'lES.
Vsndem-se dous pianos forles, de Jacaranda ,
chegads ltimamente que, clm. de^ seren um
magnifico ornato de urna sala, tee.n excollentes
vozes.sendoo maeliinismode una nova invongilo
muito approvada chamada repetidor patente de
Collard : na ra da Cruz, n. 55.
Va loja nova da ra d> Quei-
inado, n. 11 A, de Raymun-
ifo Carlos Leite
anda da n sortimento de todas as fazendas j an-
nunciadfls bem como guardanapos de puro lindo,
rom urna listra azul tocidu a 800 rs. cada um; cor-
les do vestidos de lila de ricos padrOos ; cliapos
franeezes finos ; um ptimo sortimento de pannos
finos pretos e de.cores : os quaes se tornam rocom-
mendaveis, nilo s pelas boas cores e qualidades,
como por seren novos na loja : ludo por prego
muilo rasoavcl.
Vendem-so duas carrogas e 3 bois mansos
isra as niesmas: na Trempo, n. 1.
Vende-. e em ebrios proprios, em Olinda, ra de S.-Bento : a
tralarna ra atrs da matriz de S.-Antonio, n. 28.
Faunos finos.
Vondem se superiores pannos finos, a provade
limao preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6.500 rs.-; di-
to azul, a 3,000 rs. ,e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos sao novos o pela sua baruteza, attendendo
a sua boa qualidado, tornam-se recommendaveis.
Na ra do Collogio, n. t. ^
Vende-se urna.linda escrava do naco Angola ,
do 20 annos, propria para qualquer applicagao que
so queira dar por ser de boa conducta : na ra es-
trella do Ro/.ario n. 31, primeiro andar.
Vende-se um bote de navio, em muito bom
estado por commodo prego por se ter necessi da-
do: na ra da Florentina n. 3.
Vende-se um sevado muito gordo : na rua_ da
Florentina n. 3.
-- Vende-se una parda do bonita figura, que
sabe coser, engommar, cozinhor o fazor doces : no
pateo do Terco, loja do sobrado n. 37, de mandila
at 89 9 horas, o a larde das dua s 0m dianto.
superior: -io armazem de Dias Ferreira 110 caes da
Alfandega.
Veude-sc urna prola do nagao Angola da 5
nnnos, quo cose, lava o vendo na Jm :;n ruada
Cruz, n. 52.
111 do Queimario,'). 10,,
nova loja de su-gueiro.
Lima
vnde uniformes militares, para todas
as palentes de logiGo cavallaria e in-
l.Hilaria da guarda nacional; galOos de
ourooprala; espadas pratcadas, com
roca o sem ella.
TRASTES NOVOS E QUASI NOVOS.
Vende-so urna grande porglo de cadeiras de oleo
e de palhinha ; ricos soplis de angico marquezas,
armarios, mesas redondas e elsticas, camas, etc. :
lambcm se vendem alguns oscrovos escolhidos, por
prego commodo : para ver o tratar, na ra da Ca-
deia do Rocife, loja do miudezas, n. 19.
Vende-se um escravo de 22 annos; urna negri-
nlia de 12 annos; duas toaldas abertas do renda c
luco a roda de largura de um palmo: atrs dos
quarteis n. 6.
Itc Imiras.
Vndem-so superiores cortes da fazenda nova
denominada bclmira para vestidos de senhora ,
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
f'/eiida be nova e de muito sublimes gustos, sen-
do as suas cores mui apreciaveis por serem cor de
lirio, rosa c perola. A elles antes que se acabcni.
Na ra do Collogio, loja n. 1.
Vende-se um carro do 2 rodas., com lodosos
seus perlences, em bom uso o sem que se precise
fazerdespeza alguma com elle : lambem se vende
una cadeira de arruar : na ra do Collogio, n. 15,
segundo andar.
Na loja doferrgens de Joaquim da Costa Maya ,
alm do grando sortimento de apnnrolbhs de metal,
receberam-so noyamente bules o cafeteiras gran los,
jarros o bacas de diflerentes, gestos.
Pechincha.
No Aterro-da Boa-Vista, loja n. 78,
venHem-se sapatSes de bezerro, p>ra lio.
mem. obra boa, a 1,280 rs..; dilos de lus-
tro, a 4.000 rs. ; bengarlinhns para pas-
seio, a 3ao rs.; e botina de bezerro, pa-
ra homem, a 2,800 rs.
Vende-so urna escrava multo moga sem vicio al-
gum, que engomma, cozinba e vende na ra : no'
paleo do Carino, loja do sobrado n. 7.
Vende-se ou trocarse um cavalli-
nho lazo, muitissim'o bem feito, bonito,
manso, e ao mesmo temp > bastante ard-'
go, proprio para qualquer menino ou me-
nina : na ra do Trapiche, n 44) (MI "'
Ponte-de-Ucha, no sitio deronle do Sr.
Bento Jos da Costa.
Farelos
chegads ltimamente de Lisboa em barris de 3 ar-
robas, por prego commodo; no caes d'Alfandega,
armazem n. 1. No mesmo tambem aluga-se um pre-
to proprio para todo o.servigo.
Rala tas.
Vendem-se no armazem do nias Ferreira, no caos
d'Alfandega, a 1^000 ris a arroba.
A fama va.
Joaquim Bernardo dos Res, com deposilo.de cha-
rutos na ra da Cruz, n. 51, avisa aos seus fregue-
guezes e a lodos os fu mames que sahem apreciar
os bons cliarulos, que acaba de receber pelo pala-
i eho Laura, vindo da Babia, um sortimento dos
veriiadeiros rharulo do S.-Filix, quelecui me-
recido grande acoilagfio ; ditos regala, marca de
frujo bavana, primores, regala de diversas mar-
cas o mil ras mais qualidades que serSo patentes
nos freguezes o que serio vendidas tanto em por-
go-comoa retalho, por prego rasoavel. Tambem
vendem-se ricas charuteiras para os rapazesde bom
goslo.
*<
O
-ffi>
,*>
m
A 160 rs oeovado. S?
Riscados franeezes, a 160 c 200 rs. o co- "*"r
vado ; damasco de algodiio, a 640 rs. o co- tt\
vado ; cobcrtns de dito muilo largo, a '^9f
3,500 rs cada urna; meias casimiras, a Q
2,240 rs. o corle ; ditas clsticas, a 2,500 e \
3,000 rs. ; panno fino de todas as cores, a @,
4,000 rs,; coitos de cassa-cbila, de bous a^i
gostos a 2,500 e 3,000 ; novas casimiras v;
elsticas de bonitos padrOes; corles de ,gv,
chita o mais lino possivel; corles de cassa ^P
j| de 1 adrOes muito modernos ; alpaca mui- ^S)
. lo lina ; dita de cordio o de varias cOres ; T*
cuites de panno bordados para aaputos; i^^:
, novo sortimento do rles de cassa-seda '/L
V de novos goslos; cha] eos franeezes do ul- tJ/
tima moda ; ooutras muitas fazendas II- nas: tuda por mgnos prego do que em ou- w
Ira qualquer loja : na ra do Queimado
loja nova da casa amarella n. 29
m
Lotera do Uio-de-Jaueiro, a be-
neficia do covenlo'de .S.-Auto-
nio da corle.
Vcndcm-se billieles dcsla lotera ein casa de J,
1 O Elsler, na ra da Cadeia-Velha 11. 29.
I Vende-se um queijo de maiiteiga muilo bem
fui lo pesando urna arroba proprio para presen-
te : n; ra de S.-Rita, 11. 91.
Uvas, amcixas e passas ,
ludo novo, ebegado ulliniamente e de qualidadol
Escravos Futidos.
~ Aiisenlou-se, da lias, da casa do seu senhor o
escravo Joao pardo trigueiro do 15 a 17 annos ,
cara grande, odos regulares, bous denles; bem
conhecido por andar frequenlcmenle fardado: quem
o pegar leve ao Momlego a seu senhor Luz Co-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Fgio, do poder do capililo do sexto'bataHiao
decagadorcs.no Aterro-dos-Afogados, n. 33, urna
escrava de nomo Mara, cabra, viuda do Ro-Gran-
de-do-'Norle ; levoo toda roupa ; lem 22 anuos, bem
parecida llurn regular olhos prelos, iosIo re-
dondo cabello prelo e carapindado ; -lem pelo ror-
po nlgumas marcas de chicote; fugio no dia 23 do
correnle pelas 8011 9 horas da noile. Quem a levar
a seu senhor, ser generosamente recompensado.
-- Roga-se as autoridades | oficiaos e capilaes de
campo que appreliondam a esciava Anua, parda,
coslum, de lempos cm lempos ser atacada de
asllima ; fugio no dia 4 do correnle levando um
chalo b'ranco rom lislras do cores, e alguns vesti-
dos entre os quaes umWcrtle com listras cor de
caf. Quem ., pogar ou della dor nolician'a ra da
Cruz, no Recife, n. 43, ser generosamente recom-
pensado. Assim como se protesta hit ver percas o
dainos ila pessoa quo a tenha oceult.
Fugio, no da 19 do corrente o mulatinho Jo-
s que foi escravo do fallecido Francisco l'ereira
Dini?. de lminos poucomaisou menos, estatu-
ra baixa cor] o regular, rosto ceniprido ; hesizu-
do quando falla com alguem ; tem algumas mineas
de bexigas no rosto : quem o pegar lec a estrada
do Rozarinho sitio contiguoa capella do mesmo ,
que sea recompensado.
Fugio,'no dia 10 de agosto de 1845 a parda
Maria esclava do Madama Knolli, no pateo da Pe-
nda 11. A. I.sla eseiava leui-se por forra o j esleve
comosaiganlo l'adilha ; he muilo conhecida 110
corpo de polica por Maricas Enia Macuca, apellido
que tem ; he alva bstanle., cabellos aeastanhados
(liando os traz sollos, e-quatido os ata Ocaii prelos;
olhos acatados losto comprido e descarnado en-
tre os odos em cima do nariz tem urna marca a es-
pegiode verruga, que fui de Urna queda; de um
lado uo rosto tem outro signal de verruga sobre
una Ms ventas do estatua regular, corpo des-
earnado/f mal Icito ; lem mairasde fondas lias pei-
nas de mus gomas que levo denlos limados o al-
vos, flein a pegar leve a dita senhora, 110 pateo da
l'enliaTsobrado de um andar esotio, n.4,quo re-
coinonsara bem. Adve tc^so que osla escrava lio
muilo experiei.Le, por dar dosculpas a quem a co-
nbecee a encontia, di/endo que j foi pegada, e
que boje so acba loria ; por isso quema pegar nao
've estar por nada.
-1--------
tt'.N. : na
TTP. U M. F. D FAiUA. lb4j.
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBCBH5N4Q_WY7IAD INGEST_TIME 2013-04-30T22:36:11Z PACKAGE AA00011611_09753
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES