Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09746


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno de 1847.
Quarta-feira 20
ma
f) f.'MftlO iiu'ilica-se todo os dia, ijuc ho
f .pin guT1'1 prcr" da.a ijftf.i. rs. |>oi quartel. oni-nt adtantatlm. 0< an-
mciof '1 nsiitn-vite 5. inridos rasSode
?,',,. ,,,,r linlia, O r m ^p* difTerf ole, eai
,,n-tr.'< |> '" ''' i I"" "5o f "''", wig-
>< P'B'"-1"* R0 P-r l",h'- e "" c,: '"I1"
ffitre*, porcid-|.ii'>lic:ir.o.
IpIlASES DK LU V NO MEZ DK OUTUBRO.
' MiU'-oanle al.' '* ">' Ia ""
r i.(iv. a 9. horas.17 inin. d inanli.
^.'riitea 17, o 5 horaJI mn.d.i mauli.
I ,cieia hor' e ,a mi" da u,de-
Mi guante a 3o, a 7 liora 36 mo. da Urde
PARTID V DOSCORRGIOS.
fiofanna e Paraliylia, i% segundas e sextas feira.
R.o-Orande-dn. Sort quinta fetrasao meio-dia.
Calin, Serinliem, Hio-l-'ormosn, Poito-Calvo e
Macelo, no l.'.alle ti-o'e cada raez.
(1 iri.i'iuu e llonito. a 8 c ?J.
lloa.Vi-'a e Plores, a 13 e 1%.
Victoria, ; quintas feiras.
Dunda, todos os das.
PKEAUA'.I DK HOJE.
Primeira, a r hora e W minutos da maabaa.
Segunda, I hora e 41 minutos da Urda.
<}o Ontubro. Anno XXIV.
N". #*.
DAS D.\ SEMANA.
8 Secunda. 3. Lucas. Aud.do J. do orpli.
do J. doc da ? t. a d i .1. M. da '.' v.
Terca. S Pdro ile llcaitt'ra, Au.l do .1 lo
civ. da v. c do i. de paz do 3 dist lo t
Ouarta S. Jo.'o Cmci. A tul. rio I. da Vv. a Jo J. d piu do liist. de t.
Quinta. S. rsula. And. doJ. iieorpli. e
do J. rr.iii)ici|ial da I. v: r...
22 Salta. S. Maria Sjlom. Anri do I-do civ.
da I. v.e do J deiiazilo I. dist de I.
2:1 SabbtdO. S. JoAo Capistiauo. Aud do J.
do civ. da I. v. e do J rieaz dp I dist de t.
I Domingo. I! 1.>- I Arclianjo.
CAMBIOS NO DIA I DB OOTOBRO.
SobwLoudreide J7/.*i7'/, <* p.U n d-
i''.iris iO is. |ir.r franca.
Lisboa IO.'i III". de premio.
11. se. dr lettrai d !>oa firma de i '/ctomn-
"unOneu ola.
Mr. i:iOu valla .
de4P0t< mu .
o de 4fOo .....
fruta Pataco**..........
Pesos columnares...
u Ditos mexicano....
a Miuda.......
>|ftftd a
iSflOfl a
i tintino a
DiOO a
10990 a
149811 a
Ijf82a
1*030
MIMO
i r. tmu
ttijmc
9*100
jfOOo
Ua.i
(#840
\coes da comp. do Kcberibe de SofoOOrs. ao par.
MARI
XT5BI0B
IAMBUCO.
n-r^^MaB\.x arx
COtESPONDENCIA DO DIARIO DF. PF.RXAMRUCO.
LISBOA, 10 DE SBTEMM10 DE 18*7.
0 assumpto que ocotipa geralmente- a altcncSo
1 Boblica, he o atterttatln conmettdo no Porto rontra
Jjmprensa do peridico intitulado o Nacional. Pa-
rece que este peridico censurara o procedimento
de lKttns sargentos tos corpos da guarnieflo da-
quellucidade, sobro ludo dos de artilharia n. 3, os
qtiaes, unidos com otitros sicarios, anda va ni e parece
que inda andam armados de cceles, espancando os
patulea' e commet'lendo outros excessos. Nodia 30
dopassado alguns sargentos de artilharia n. 3 en-
enntraram um d.osdistiiliiiidnrcs do Nacional, rasga-
ram-lhe todos os exomplares, c dcram-lho pancada
A redacclo to Nacional, ou pessoa |ior olla commis-
sinnada foi queixar-se is autoridades, apresentan-
il .-Mos osextjmplares rasgatlos e pedindo-lhes pro-
videncias, porque lite eonslava que os ditos sargen-
tos liiiham proferido a meabas de irem escangalliara
dita imprensa. As providencias nflo se doram, ou fo-
ram instidifionles, porque em Portugal gosta-se
mais de castigar do que de prevenir os crimes ou
attentados.
0 certo he que, no dia 1 do 'corrente, apresenta-
rum-sft na irnprensa do Nacional uns 50 sargentos e
outros individuos armados de cacetes, e feriram lo-
go um empreado na dita imprerisa. Os outros que
jstavam prevenidos e dispostos repelliram a ng-
gressSo com armas de fogo, em resultado do que l-
cou ferido um dos sargentos. O negocio ia-se tor-
nando muito serio, porque os sargentos correlato a
armar-so com armas tamhcm do logo, e o regimen-
t de artilharia n. 3 quiz saliir paran ra ; mas os
dieiaes poderam conte-lo. Entilo appareceu o con-
dedo Casal com bastante fr^a, restabeleceti a or-
den), mandn presos para a reltcfia os. em pregados
da imprensa, eoutras pessoas que l se acliavam,
fechouas portas e levou as chaves. Entre os presos
figura um tal Bastos, que foi major do balalliiio dos
artistas no Porto, e que '"" ediinr responsa-
tcl do Nacional. r ..-, o coHuiu'iidanle
da guarda .municipal do Porto, o Sr. Mosqueiro, se
portn com a maior prudencia, e que tem l'eilo ludo
o que est ao seu alcance para manler a ordem.
Osj/irnnes ministeriaes, entre ellos o Diario, ao
darem conta tlesle aconleriincnlo, laiicam a culpa a
gente do Nacional, dizendo que tinham provocado
ossargentoscoinosscus escriptos, e que os ditos
sargentos nlo tinham ido a imprensa com ntenco
dea atacar; mas de comprar excmplares do dito
jornal. Estes subterfugios teem provocado as mais
aeres censuras da parte .da imprensa progressisla,
ja exacerbada com o ataque Paito a um dos seus col-
legas da mesma opiniao. Heprovavel que isto nSd
tonlia outrasconscqueiicias, senilo estar mposibi-
litado de publicar por algum lempo o dito jornal
porluense.
0 governo no cessa de dirigir portaras as auto-
ridades administrativas para que olircm e procedam
na conformidade do seu programma. Determinau
tamliemque tenlia plena cxecugo a amnista con-
cedida pela ranha aos crimes polticos, e consigna-
da no protocolo de ai tic maio, annullando-se todos
os processos que baja por crimes polticos. Esta
portara foi bem acnlhida pela irnprensa progressis-
la ; porni uo a salisfez de lodo, porque anda a-
ponta factosaos quaes a dita amnista nlo lem sido
applioada. Umdelleshe relativo ao sargento do re-
giment de*r8adeiros da rainha, que matn o l-
enle Lucena, na noileda reaccHo de G de outubro,
o qual anda se acha preso apezar de ter requerido a
sua soltura, em conformidade com a amnista: o
outroheconcernenteaos dous sargentos do bata-
llilo das obras publicas, que atiraram ao seu com-
mandante no dia 29 de abril, por occasifo ta eva-
do dos presos do Limocico, o que ainda su achain
presos ordein do governador civil, apezar de litio
lerem sido pronunciados no juizo criminal.
' Eni.conseqiiencia do Patrila ler fallado das ten-
dencias do condo de Thomar a favor da llespanha, a
'"prensa cabralisla lem atacado o advogado Leonel
lavares Cabral. sobre a sua viagem a Cdiz oin 1836,
ccusaiido-o de ir tratar da Repblica Ibrica. 0 Sr.
Leonel tem dado CxplicacOes no Patriota a esse res-
ucito, docla'-ando que tora a Cdiz, como comms-
:,iiado to governo port'uguez, para o por ao fado
ilus niovimeiilu.s das larcOi-s carlistas, visto que o
general Gomes cotrf a sua diviso se achava na An-
tlalusia.
As oleicOes conlinuam a oceupar os nimos. ,0 oo-
verno acaba de prologar o prazo das reclamacoes,
para dar mais garantas aos eleilores. A prorogactlo
ic de-20 das. Entretanto os'jornaes D/Sogressistas
conlinuam todos os das a clamar que se viciamos
ifcciisettmenlos que se excluem os verdadeiros
eleitores, e se inscrevem os que o mo silo como os
varredores das ras os guardas das all'aude-
gas, etc.
Antonio Rodrigues de Sampaio, redactor da llevo-
luco de Settmbro, acaba de dirigir urna carta ao mi-
nistril do reino, Antonio de Azftvedo Mello e Carva-
IHo, reclamando a execuciio plena da le das elei-
efies ; assim como a dos principios sustentados pelo
dito ministro quando era nienibro, cogjunctamenle
oomoSr. Sampaio, na commiss.lo elettoral do Sa-
cramento em 1845 O mililitro do reino n'titna espe-
cie de resposta, dada no artigo de fundo do inrio do
Governo, diz que naquella poca perlencia opposi-
Cilo, mas que boje nao lia de fazer opposigAo ao go-
verno, sendo elle membro do governo. Islo hejus-
tica de funil. o
Diz-se quo o marquez de l'wnteira procurara o
conde de Tliomar para Ihe aconsclliar quo se reli-
rasse por ora da scena poltica ; porm parece que
o antigo tribuno dos Gamillos nlo esta disposto a
issn; e loncona trabalhar activamente as cleicoos
guerreando o governo senilo o aceitar, ou auxilian-
ilo-o se o aceitar. Entretanto, parece que continuam
as desintelligeneias no partido carlista. O lempo,
que at agora era jornal ministerial, passou a ser ca-
bralisla,' c alira-se ao Diario como galo a bofes. V-
e, po8, que se fez a conciUaC&O entre cahralistas e
saldanhislas, e que o governo lera de ser supplanta-
'lo (icios cabralislas, pois que nilo he apio, nem lem
prestigio pura formar um terceiro partido.
Apezar da juncc1o dos cabralislas aos saldanbis-
tas, a situacio do marquez de Saldanha no tnelho-
ron; e assegura-se que, terminadas as elecOes, s
quaes teima em assstir. ira para Madrid como eni-
baxador de Portugal. Os cabralislas serviram-se
delleemquanlo foi niisler, depois vollarain-lhe as
costas, teniendo a sua versatilidade.
O estado das provincias contina a ser desastro-
so; e as noticas*qtie dalli se recebem sao lastimo-
sas. No Algarve, Aleniljo, Reir e Minho, os bata-
Ibflcs creados por ordem do governo, matain, niu-
bam c espancam sem commiseracilo, eas autorida-
des ou sao conniventes nesses escndalos, ou mo
teem forca para os reprimir. Entre os assassinios que
se. teem ltimamente conimeltido, he dos mais a-
trozes o que se pratcou na villa da Vidigueira, on-
de foi morlo a tiros o padre Jo.lo Adelo e duas
senhoras que com elle eslavam. Os assassinos fo-
ram pracasdo batalhSo de Reja, quoaiidaviim ron-
dando com o administrador do concetlio. Formou-
se devassa, e licaram pronunciados os reos, porein
as autoridades nflo procedern! a sua captura, c os
malvados poderam rugir.
0 banco contina a fazer esforcos para que as suas
notas sejam adinitlidas em melado dos pagamen-
tos; mas por ora ainda o nao conseguio. O agio das
notas continua a estar a 1,700 ou 1,800 rs.
A quesillo ila diSSOluCSo dos batalbes acllOU echo
entre algumas pracas destes corpos. Nos batalbfles
do commerco Iratou-so tic Inzer urna repiesenla-
q1o, pedindoa sua dissolucSo. Ao principios com-
inaniiantes deram baixa aquelles que se manifesta-
ra m pela dissolueSo ; mas, vendo que o numero aug-
inenlava, equo, se dessem todas as balsas, leria lu-
gar urna verdadeira dissolucao, nao s Ira tara lll, do
accordocom alguns oflJciaes e sargentos que gos-
lam de figurar, de obstartssignatura da represen-
tagilo; mas teem perseguido c castigado os que teem
ssignado ou querem assignar, passando unas pra-
Qa para os outros bataJhOes, e nutras | ara tropa de
linlia. Como nos outros batalhOes se manifesta em
grande parle o tnesmo desgoslo pelosorvico, lie na-
tural que o governo nflo deixe de proceder a dita
dissolucflo, para por termo a um oslado lo vio-
lento.
Acabado fallecer o marque/, de branles, manee.
bo de vinte c tantos anuos, e chele de una das casas
tnais cicas e mais nobres de Portugal. Era casado j
ha anuos ; mas uo deixou lilbos ; e o titulo e min-
gado passam a oulro irnulo mais velbo.
dem, 11.
O governo promulgou um decreto, ordenando que
as notas do banco de Portugal sejam admitlidas em
todas as repartinos publicas como diuheiro met-
lico. He esta ja urna conoossfio que Carlos Morato
Roma & Companliia obliVeram do novo ministerio, c
nflo admira que em breve alcancem laniliem a revo-
gacilo do decreto que determina que os pagamentos
sejam fcitos duas torces parles em diuheiro metal e
una em notas, e se passe i melado papel, melado
metal. Apezar disso as notas to dito banco conti-
nuam a soft'rer o descont de 1,700 a 1,800 res.
O niesuio governo tem procedido transferencia
de alguns jui/.os, e ao provmento de alguns luga-
res de escrivfles de direilo e criminaos. Sobre este
provimento determina que para o futuro baja con-
curso, c que os concurrenles, alem dos documentos
quo apresentem, sejam examinados escrupulosa-
mente.
Dclerniiiioii lambem o governo que quanto antes
so rena a eommissao nomeada para a reforma das
tabellas judiemos, e que proceda aos seus trabalhos.
Por noticias do Porto consta que o conde de vi-
nliacs partir para o Alto-Mmho, onde se torna ne-
eessana a sua presenga.
Parece que alguns dos individuos que foram ata-
cara irnprensa do Nacional, no Porto, taoibeni <|tiu-
braram as vidraeasao sr. Jos da Silva Passos, e a-
meacaram-no coui ancer-lhe fogo a cas, o que tai-
vez evassem a oll'eilo, se nflo fossem as providen-
cias, dadas pelo governador civil daquella cidade,
e pelo administrador do respectivo bairro.
0 regiment de infantera n. -2, nova mente orga-
nisadu no Porto, j comecou t fazer a guamieflo.
Publicoti-sc no Diario do Governo o mappa da re-
ceita u despeza cllectuada na semana linda a 4 do
corrente, e parece que o novo ministro da l'a/enda
lenciona publicar seinanalmente niappas idnticos.
Segundo o dito mappa, a maior parte dos rendimien-
tos da alfandega do Porto foram applicados ao paga-
mento da divida antiga esla n ge ira, e a casa Baring
lirolbers, por parte do empresliino que iiltiinanien-
lo le ao governo porluguez. A esses mesmos paga-
mentos estilo applicados os rendnneiitos la dita al-
fandega dos me/es de setembro e outubro, e por is-
so nflo be possive! que a junta do cred'lo publico
receba a prestac,fio de 57:500,000 ni. niensaes, quj
llie lie obligada a dar a dita alfando::a Tambeni nflo
Ihe sera possivel receber a do 74:000,000 rs nicn-
saesda alfandega de Lisboa, por serem precisos pa-
1ra as urgencias do oslado, e ueste caso licundo a di-
ta junta sem os rendfmontos que Ihe estao volados
nflo pode satisfazer os dividendos das suas inscrip-
ees, como ja acontecen ha alguns quarles.
Segundo as noticias recebnlas de Angra-do-llo-
roisnio, parece que os partidarios da revoltillo ten-
larain ainda, rom falsas noticias, prolongar tv re re-
tido estado de cousas ; porein, sabendo-se a verda-
de, licaram desmascarados os sousembustes, e com-
pletamente reslebelccida a autoridade legal. Asso
gura-so que a firmeza do commandante^le cacado-
ros,n.5,ultimamenloallicliegado.concorrou minio.
s. s M M. e iV. A regressaram lionlom a esta ca-
pital de voiia da luacxpursfloa Cintra o aMaft-a.
As eleicOes conlinuam a ocupar os nimos. Se-
gundosodiz, lia grande divergencia entre o parti-
do cabralisla e saldanhista, o ate so assegura que so
separaram, por nflo querer o centro saldanhista
admillir como candidatos a doputados o Jos Ca-
bral, irniflo do conde de Tliomar, o outros dota
laia. He certoquo appareceram duas circulares ou
programmas eleitoraes : urna issignada pelos du-
ques da Terceira o Saldanha, o pelo borSo do Cban-
colleros : oulra pelo conde de Ttlomar, que parece
se decidi a trabalhar por sua cunta o risco. Em
ambas ellas se l'ir/eiu grandes promesSBS segundo o
costume. o governo por omquantoconta com a liac-
oflo saldanhista; porm nflo sera estranho quo tam-
bem 0 abandone o a lina I se veja solado. Mesmo
como apoio da dita fraccilo ha quem alTIrmequc so
vencer as oloigcs em l.isbAa, 0 algumas na Boira
enoAlgave; perdendo as do Minho, do Dotiro, do
Tras-os-Monles e do Aleutojo ; assim como taiiibein
as das ilhas. Veremos quem erra nos clculos. %
Publicoii-sc um addilamento de ait/uns fados, opsculo attribuido ao duque do
saldanha, em que pretende justificar o seu proce-
dimento desde a sua ebegada a Lisboa ale a roacefto
de (i tic outubro. 0 objecto doaiditanmto lie com-
b.iter asaecusacoes que em resposta ao opsculo
Ihe fez o Estandarte, peridico cabralisla, e a irn-
prensa progressisla.
Contina a quesillo da dissolucflo dos balalhdos.
Diz-se quo el-rei manifestara aos ministros que es-
ses oramos seus desojes, oque, lovando-se a etei-
to a dita dissolucflo, se deniiUiria do COmmando em
ebefe doexercito. Parece que os ministros recebe-
rain c.ini agrado a ultima proposta, mas nflo a pri-
meirV. Osjornaes progressisla que leeni combatido
a existencia dos balalhocs elogiam o procedimento
de el-rei.
lio corto quo nos ditos balalhocs, sobretudo nos
dous do commerco, se manifesta os desejos da dis-
Sidue.'io. Toilos ns das os jollines progrossislns re-
feroiii arbitrariedades comellidas polos commn-
daiilesc alguns olilciaes contra as pracas signatarias
da re| resontacjlo para a dlasolticilo, o quo recusam
asaiguar o rcquerimento para a conservaedo do di-
tos balalboes, promovido pelos com mandantes oofr
Hciaes que querem figurar. ltimamente Jos An-
tonio Vianiin Jnior, coronel do 1." ba tal hilo do
conimefcio, mandou para O bata I lio do caladores
n. i, para alli senlarem praca, dous soldados do di-
to batalbflo. O commandante do corpo de llnha, a-
po/ar de ser o celebre Joaquim liento, duvidou sen-
tar praca aos ditos Voluntarios, c depois velo ordem
do general da provincia para nflo senlarem praca.
Este procedimento desptico do dito Vianna lem si-
do milito estigmatisado pola imprensa progressisla.
Consta Lainbum que teem mandado otitras pracas
para os batalhoa provisorios.
No dia 8 do crlenle foi preso um confeiteiro, ac-
cu.-ido de ler envenenado sua mulher. Parece que
de| os de ter l'eilo um pas eio ao campo, a mulher
se sentio indispbsta, e o marido deu-lbo urna gem-
inada, como remedio bom para o estomago. Em
lugar de melliorar, a iniilher peiorou ; o marido foi
chamar ocirurgiSo, quereeeilou. Poucosmomen-
tos depois appareceu o marido em casa do cirurgifio
dizendo que sua "mulher tinlia niorrido, e que Ihe
passasse tima certidfio para a mandar enlerrai. Es-
la pressu o alguns symptoraas que linha notado,
fez desconfiar O facultativo, que leu partea auto-
ridade ; e sendo o cadver da mulher conduzdo ao
hospital, onde so veiilicou ler litio lugar o enveue-
namento, o marido fb preso para o l.imoero. Este
he urna segunda ediefio do duque de Praslin.
kNu dia S chegou a este porto procedente de Pei-
na nibuoo a escuna brasiloita llva-lr, com 03 das de
viagem.
dem, i-2.
0 partido realista leve urna reuniito eleiloral no
dia ti. Concorreram mais de 900 individuos, e deci-
dio-se nomear uma COmmissfiO para preparar traba-
lhos para as elcicdes. Ignora-so se O dito partido
votara separadamente, ou se colligara com o pro-
gressiste, como tem feito por nutras ve/es.
Correm importantes boatos. Diz-se que vilo ser
dissolvidos viole balallioes nacionaOs, inclusos os
de Lisboa que sei'Ao deinittidos o conde do Casal
de governador militar do Porto,"e o conde de Pena-
ntucor de governador civil j assim como serfio exo-
nerados miiilos administradores tle concelho. Ig-
noro 0 fundamento de taes rumores ; e por issonflo
acredito na sua veracidade, mesmo porque duvido
que o governo tenha fdrea para 09 levar o effeito.
Heoerlo, porem, queja foram dissolvidos os bala-
llioes nacionaes de Olveira-ile-Azemeis, Vouga e
Villa-Nova-de-Fosca. Ueste ultimo era comman-
dante o fanligerado Marcal, aecusado de mtiilosas-
,;is..inios.
lambem he corto que ro demittido o Sr. Mos-
uuera, commandante-da guarda municipal do por-
to ; mas essa demissfio, segundo uns, leve por moti-
vo ser o dito commandante mais afleicoado aosCa-
braesqueao actual governo mitres querem que
fossepor SO mostrar conciliador por oeoasiflo doat-
tenlado contra a imprensa do National do Porto, e
nflodeixar escangalhar a dita imprensa, nem assas-
sinar os seus etnpregados. Nflo sei qual destas ver-
sos he a verdadeira ; talvez que sejam ambas.
O Patriota publica dous documentos exlrahidc*
dos iornaes ingle/es. lTm delles he a IntimacfiO dos
representantes das nacocs adiadas ao govornn tran-
sado para que se deniitta, visto nao ser o ministerio
deque trata > protocolo: o ontro lio a resposta do
Sr. Bayardo preleiidcndo Iludir a intimaefio, O
jornal progressisla dj?duz que oditogoverno procer
den eoin tia f, perfidia e indignidade, querendo
conservar-so no poden, que aflnal foi obligado a
largar. Tambem afflrnia que o actual governo, ape-
zar de que nflo quer ser cabralisla, o be na gemnia.
o supplemonto burlesco, qge publica duas vezes
na semana esto jornal, vai lendo muita vga.
Tanto o Patriota como ti Revolvco ihSetembro fu-
blicain diariamente correspondencias om que sero-
l'ereni assassinios, l'erinientos, roubos 0 outros ex-
cessos, eniiinictlidns lias provincias pidos partida-
rios do systema dominante. Nflo duvido que baja
milito exageraeflo; entretanto parece nidubitavel
que as provincias nflo reina a mellior ordem.
__\s noticias de llespanha Silo bastante importan-
tes, ti ministerio Pacheco cahio, e foi substituido por
oulro formado pelo Sr. Salamanca, o composto del-
le como ministro da fazenda -Cordova, da guerra
- Escossura, do reino Ros de llano, instruccfio,
conimorcio e obras publicas Cania GoyaD*, gra-
caejustifa o Sotello, inarinha. falta n minis-
terio dos estrangeiros, que se diz reservado para a
duquedo trias 0 primeiro acto desle ministerio
foi promulgar una amnista sem exclusflo alguma ;
nomear senador ao general Espartero, ex-regente
de llespanha, o reinlogra-I>> em lodos OS seus ttulos
honras e onipregos. Estes aelos SO milito elogia-
dos pela imprensa progressisla, que folga por ver
os ministros entrar n'uma va de tolerancia, apezar
de nflo pnrtencerem a sua Cor poltica. Pelo con-
trario, os jomaos do partido do Narvaez, nflo so
combatem como imprudentes os actos do miiislo-
rio, mas parece que tentam guorrea-lo por moio de
reaccoes armadas, o aspelo dos negocios em Hes-
panha apresenta-se bstanle grave e complicado;
e nflo sera esli inlio que em brevo tenhain all lugar
grandos acontecimentos.
' Oulro assumpto chama lambem a altencao da
Europa, o gabinete austraco, desagradando-lbe o
procedimento do governo pontificio, invadios es-
lados do papa com tropas que ocouparain ferrara,
vflo a cidadella, onde pode ter una fuarmcao, se-
gundo o tratado do Vicua, mas acidado. 0 go-
verno pontificio pretestou contra esta violacflo de
territorio ; e pajece tino o mesmo lizeiam os gover-
nos do llanca o de Inglaterra. Porem a Auslna,
invocando o protocolo de Jl de maio, responden
que, tendo cesas duas nacOesdisposto o que bem
Ibes parecen em Portugal, ella poda na Italia adop-
tar as medidas que julgasse conveniente ao soceg
e seguranca dos seos dominlosi
Irf.-m, 14
O governo acaba de mandar crear conimisscs es-
peciaos em lodos os ministerios para proprcm-
quaes as roparticOes e tribuna que podemsersup-
primidossem prejuizo do servigo publico -qualo
quadro pes.-oal absolutamentenocessario para o ser-
vico quaes os ordenados, soldse gratificarte*
que se deverri arbitrar, om harmona com a econo-
ma da fazenda, qualidade do servico c iiidependen-
ciu do empregado.
Alm disso devem as mesnias comuiissoes proptlr--
quaesas hablitaces que devem ter os enipregados
e maneira de as verificar as garantas de quo de-
vem gozar os empivgados e as recompensas por.ser-
vicos dislinctos o aturados, .|uer rcca.iuin nospro-
prios etnpregados. quei em suas vinvas 0 lilbos.
Se essas medida; se levassein a efleilo, por corlo
que baveria um,. grande reforma o economa, e a
azenda publica limito lucraiia ; porem da sua exe-
cneflo lie lineen duwdo por causa das comtempla-
coes, que be sempre o que entrava toda a classo de
reforma neste uosso paiz, priva a nac3odas noccs-
sarias econotilias, < o tbesouro dos recursos que
noderia tirar d--sa> inedidas verdadeirainonle ra-
dicaos, e sem as .|tiacs bavemos de continuar a
ler um grande delicil, e nunca pederemos levantar
cabecil.
Todava, se por ti ni lado o governo pensa uossas
reformas, por otitro be dominado pelas exigencias
da agiotagem. A direceflo do banco de Portugal
nfio perdn os seus esforcos; pois que O Diario do
dorm: do dia Ucoiilc o decreto, precedido dos
competentes pareceres dos ticaes da I azenda pelo
..nal he leMigad.^aqutlIe que detoriiiniava que
pagamentos >e lizcsseni duas parles em metal e tima
em notas, publicado no lempo do conde do I ojal,
o se torne outra vez aos pagamentos nietadeem pa-
pel e melado em metal. Ja as niinbas anteriores
Ihe tenho fallado de que setratava desso asumplo,
e Roma v < onipanliia, directores do banco, nfio des-
ea tisarain cinquanto nflo conseguiran essa vanta-
M>m, para darem mais anipliludeao curso das anti-
gs lilas Ja anteriormente havia.ni alcahcado que'as
notas no banco de Portugal, islo he, as novas notas,
lossem aceitas as ropartiQGes publicas como di-
nbeiro de metal; ; julgo que so alli o sao, porque is-
lo de notas do banco perdeu cutre nos totalmente
o crdito ) e agora conseguem que as antigs notas
do banco do Lisboa entrem em melado dos paga-
mentos.
Logo que se lormou actual ministerio, osjorpaes
prophetisaram a concessflo desta medida; porque,
sendo alguns dos ministros ligados com o banco, O
nao so suppondo nos uniros bastante Itnueza par
Iresislireni as instancias dos directores daquelle
estabeleciment, esperava-se que fosse esse o re-


MI ITII ADO
.


*^

aullado. Alm disso o governo eareco de recursos,
3 sobre tudn a ora que se approximam aseleicocs,
e precisa dispar do alguns fundos para verse conse-
gne triumphar nellas; e he provavel que a concessto
abita ao banco seja o resultado de algum novo em-
prestimo.
Os jomaos adversos ao governo clamam altamen-
te contra esta medida, como eminentemente vexa-
toria p'ira os povos, efilha de trnm/uibtrnias da agio-
tagem. Alm disso aecusam darlos Morato liorna,
8residente da directo do banco o o seu socio Silo
omito, de ter urna loja de cambio na ra dos Ca-
pelislas. Se isto he verdade* he na realidade escan-
daloso ; pois he ver-se os causadores dos nossos nia-
les financeiros a tirar lucro do mesmo mal que cau-
saren).
Cohtina a lula electoral. Diz-se que os redacto-
res dosjornaes progressistas foram chamados ao m-
nisterio do reino, para ter em urna conferencia com
o ministerio sobre esse assumpto. Isto tem dado lu-
gap ao Estandarte, jornal cabralista, para clnninr
que o ministerio quer fazer paci com os inimigos,
atraicoando os seus amigos eo seu partido Ja no
numero atiterior o mesmo Estandarte disse que to-
das as pretencocs patrocinadas pelo Sr. Joso Este-
v3o Coelho de Magalhflcs eram logo altendidas as
secretarias de estado.
Tambem o mesmo jornal assegura que o pai dos
Costas (labraos fra suspenso do lugar de adminis-
trador de Fornos-de-Algodres, e felicita a Resolucao
de Selembro c o Patriota pelo triumpho que alcan-
za ram.
Ignoro se taes aecusaces, feitas ao governo pelo
jornal cabralista, teem algum fundamento: o que
sei he que os jornaes progressistas continan) a
guerrear tenazmente o ministerio.
A esquadra inglcza do commando do almirante
Napier sabio deste porto no da 12. Corrom diver-
sos rumores sobre a sabida da esquadra. Segundo
uns foi fazer evolucOesoutros dizem que foi encon-
trar a rainba viuva de Inglaterra, que vai residir por
algum lempo na ilha da Madeira, e finalmente outros
que foi cruzar as costas de Hespanha, para susten-
tar a nova poltica que all se estabelcceu. Diz-so
tambem que a demora da esquadra ser de dez
ou dozc dias, e que depois voltar ao Tejo.
No dala pela noite entror ueste porto o vapor
iuglez viudo do norte, conduzindo a seu bordo, en-
tre outros passageiros, os gencraes miguclistas, l-
timamente ao servico da junta do Porto, Alvaro das
Povoas Iternardino Quedes e Itebocho ; as-
sim como alguns odiciacs dos seus estados-maio-
res. Todos esles individuos veem de Vigo, onde.se
refugiaram depois da submissito da junta do Porto.
O general Povoas acba-sc hospedado no Hotel da
Pennsula o ja foi cumplimentado por um grande
numero de pessoas.
Hontem correram i inmensos boatos com mais ou
menos fundamento, Dizia-se, ( uilo sei por onde se
poderla saber. que cm Angra bouvera urna Sedi-
ento quando o batalhao de caladores 5 quiz desar-
mar caladores n. i c a guarda nacional, que ocoui-
mandantede caladores n. 5, o tenente-coronel Ca-
hreira e muitos ofliciaes linham sido morios, e que a
ilha eslava outra vez cm revoluc;o.
Falla va-so ilc mudanca de ministerio, e indigita-
va-se para a pasta do reino o condo de l.avradio ; e
accreseentava-se acbar-se lavijido o decreto pa dissoluqiiodos halalhes, o qual se publicara boje
ou amanbaa ; assiin como o da exoneradlo do m'a-
rechal Saldanha de chefe de estado-maior do ejer-
cito.
Dizia-se tambem que o governo tencionava lau-
car urna segunda dcima os juros da divida inter-
na ; porm o Diario de hontci derlarou que se
chava comgatentcmente autorisado para desmen-
tir esse boato.
2<
WHS
Cambio sobre Londres 271/2 a 27 3/4. Pouca m-
lluencia nos compradores a este prego: esperam
pela sabida do alguina.cinbarcaclo, suppondo algur
ma alta no cambio.
Por procuradlo de l. A. deOlivcira
Hanoel Jnnquim Silceira.
AloviniiMiio *io PorJn.
Navio entrado no dia 19.
Lisboa; 33 dias. hrigue portuguez Snvn-Vencedor,
de 162 toneladas, capitito Manuel Jos Piolo, equi-
pagem 14, carga vinho e masgenoros do paiz ; a
Thomaz de Aquino Fonscca.
Navio sahido no mesmo dia.
Canal por Macci ; escuna inglcza Hebe, capitio Wil-
liam Watts Donland, oin lastro.
p -mzrx: r-.tii.imm
EDITA I,.
Ignacio Jos Pinto, fiscal da freguezia da lloa-fista,
em virtude da le, etc.
I Faz saber aos propietarios da referida freguezia,
que tem marcado o prazo de 30 dias, contados da
data deste, para no Ueurso delles serom concerta-
das as calcadas dos predios que se achem arruina-
das, passado o qual lempo, passar a fazer offecti-
Vfl a dtsposicno do artigo nico das posturas addi-
cionaes, de 7 de outubro correte, contra os contra-
ventores.
Freguezia da l!oa-Vista, 18 de outubro de 1847.
Ignacio Jos Pinto.
*. ..*..- aj ,.
Diluid l)E PlillUWIM)
RZCIiE, 19 DE OUTUBRO DE 1847.
Como eslava determinado pela autoridade com-
petente,- rennio-so boje na matriz nio o collegio eleitoral desla cidade do Itecifc. Se-
gundo nos informan), eis a mancha porque sea-
cha constituida a mesa directora dos trabalbo do
mesmo collegio :
Presidente, o Sr. eommendador Manool de Souza
T^eiscira ;
- 1." secretario, o Sr. doulor Jcronymo Villela de
Castro lavares ;
2." secretario, oSr Icitentc-eoroiiel Antonio Car-
neno Machado llios ;
Escrutadores, os Srs.- doulor Joaquim Nunes Ma-
chado e coronel Jos CarlosTeixeira.
No lugar competente achanto os leilores asear-
las do nosso correspondente de Lisboa, que, data-
das de 10 a 14 de selembro ultimo, recebemos pelo
Now-Vencdor, entrado boje ueste porto.
Com cssas cartas, tambem vieran) s nossas mitos
alguns ejemplares do Diario do (averno, ilo Patra-
lo etia Kfolucao de Setemhr>>, que alcanran a 13 do
precitado inez ; nas que nada adianlam'au que Hel-
ias se contm, qur acerca de Portugal, quera res-
pello de Hespanha.
L.9
'MMEiflC.O.
PERNAMBI/CO. 19 Di: OlTLBItO DE 1847.
AO MEIO-DIA.
lina da Caleia do Red fe, n. 3,*uja de cambio de
Gregorio Antunts deOliveira. .
! PltECOS CORRENTES DE IIOJC.
ftloda de prata. Compra.
Venis
1,990 .......
1,980 ......
1,800-------------
1,000 ......
1,280 ......
640......
2,000
1,990
1,820
1,020
1,290
' 660
Palacocs brasileiros--------
Pesos coluinnares----------
Ditos da patria--------------
Modas de 5 francos---------
Ditas de 2 patacas ----------
Ditas do tdita ------
Modas deouro,
_ Pecas velhas.......- 16,200 16,300
Di'as novas-------------------16,000------------- 16,100
Muelas de 4,0,00 rs.---------9,100.....- 9,200
Oncas despatilllas--------29,000 ------ 29J200
Ditas da patria---------------28,800----------- 20,000
Sodei anos.......- 8,900......9,000
Descont.}
Mam-sc lettras de boas firmas do commercio
a l por u 1, ao mez, vencimentus al dezembro op
crreme, e vJrdem-se u 7/8 por /o' veiiciiueulos pa-
ra o mesmo lempo.

DtclanK.oes.
CONSULADO DE PORTUGAL EM PERNAMCCO.
Para conbecinienlo do commercio destapiara e
de qiiem mais possa interessar, se faz publico que,
segundo b participoslo feita a esle consulado pelo
vico-consul portuguez na Parahlba, naufragou no
dia 12 do corren te s 11 horas da noite as pedias
do recife do focinho do Cabo-Rranco nnquclla pro-
vincia o hiale portuguez llom-Successn, capitito Joo
Nepomucono de Ferraz Quciroz, procedente da Fi-
gueira com um ca regamenlo de vinhos para i'.ste
porto, do qual se salvou a maior parle que se arda
recolhida a respectiva alfandega, o consta de 102$
pipas.
Toda a IripolaC/ffO e un passageiro foram salvos..;
mas nio assim o casco e apparelho que licou com-
bltamento perdido.
As pessoas a quem possa interessar esle aviso
silo convidadas a presentar e provar nenie consu-
lado 011 no viccrConsulailo da Parabiba, coj) do-
cumenlosjustificativos, na f'ina do cdigo com-
mercial portuguez, osen direilo a carga deposita
da, para screm altendidas como fr de Justina.
Consulado de Portugal eni Pernambuco, aos 9 de
outubro de 1847.
VICE-CONSULADO DE SARDENHA.
Precisa-se. obler informages exactas acerca do
fallecimento do subdito sardo Jos Carbnni, que
consta ter fallecido uesla cidade lia t5 annosipouco
mais ou menos. \
Qualquer pessoa que possa informar csteaconte-
cimento com toda a evidencia, poder dirigir-su a
este vice-consulailo ni ra da Alfa 11 lega-Verba, n
19, que ser recompensado, su o exigir.
PemambUCO, 20 de outubro de 1847
~BBBEBQ1DL1 -*
A adiiiiiiisiraQiio da companbia de Rebiribe man-
da lazer scienle aosSrs. accionistas, que se acbam
realisadas as entradas de 80 por cenlo sobre o va-
lor das RC<0>8 cmiltiilas, seui que lenha sido de
misler por em execucao o ail. 9 dos estatutos, nein
a medida adoptada em assembla geral a respeito
dos que na ultima reuniao cslavam em atraso.
A mesiiia administrando roga aos Srs. accionislas
liajamde realisnr una preslaclo de4 por centoden-
Iro do prazo de 30lias, contados desla data. Es-
criptorioda companhia, 18 de outubro de 1847.
O secretario, i. J. Fernanies Parro.
Contrato a celebrarse com a tltesouraria das rendas
proeinciaes, no corrente mez.
DIA 30.
O estabelecimento de tima linha de mnibus, que,
na formada lei provincial 11. 191, do :iu !e 11 am>
ultimo, facilite o transporte desla cidade para qual-
quei"dos respectivos arrabaldes, o paraOliudu.
Etcravo apprehendido pela polica. .
Antonio, preto.--A principio allegou que era for-
ro, c teulou provara allegaffio com urna carta di
all'urria ; mas, recondecida a falsidado do docu-
mento, confessou que era iropriodaiic de Joito Fer-
nandeS) morador no cugenho Trapiche, cquefra
furtado lia cinco anuos.Acha-se recolhido a cadeia
desla cidade, 0 deve de ser 1 enlamado na delegada
do primeiro dislriclo do termo do liecife.
('.avallas apprchendidos pela polica,
Um ruco, e mais tres cuja cor mo vem declarada
nos aniiuncios policiaes.O primefro foi ochado em
casa dcThcrcsa Mara deJesus, e ha de ser reclamado
na delegacia do primeiro dislriclo do termo do llo-
cife ; os outros foram apprehendidos pela subdele-
gada da freguezia da Boa-Vista, e all serito entre-
gues a quem qur que provar lerdireito a elles.
THEATiiO PUBLICO.
(Jl I.MA-FEIItA, 21 DE OUTUUItO DE 1847.
Grande e variado espectacolo que olFerece ao il-
lustrado publico desla capital Luigi Plassa em seu
benelicio :
Primera parle.
I.p duvertura escolliida, a grande orcheslra.
2." Scena caria dayle imniorlal Verlicinell, 0-
peraAttila, msica do mestre Verdi, executada no
clavecr pelo beneiciado.
3o Ikllhant aria-Bella Snrgea la rosa da ope-
ra Cnlomla,-cantada porMargaridaOnperini,
'4. Arii da Parisina, cantada por JoHoToseli.
5." Cavatina-Casta Divada opera Norma, exe-
cutada no clarim de chaves pelo beneliciaiio.
C Dueto da opera Normanieni PariS msica
do mestre Mercadanle por Margarida Doporini t
JoiloToseli.
Segunda parte.
i ."-Grande valsa nova e grande orchestra.
. 2." O primeiro acto da comedia" o Louco Rasoa-
vel ou o Inglez ci Pars, oxcellente peca em dous
arlos pela primeira vez representada ueste the'a-
tro. .
3." Aria de Torquato Tasso, por Margarida Dopo-
rini.
j- *; Thoma com variaedes do clarim de chaves,
execulado pelo beneficiado, no meio do qual, c
com o mesmo instrumento,.imitar o corni inglez.
5." Pequea ouvertura pela orchestra.
6." Dueto bufo, dao pera oElixir do amorcon-
tado por Margarida Deperrini e Joito Tosel.
Terceira parte.
1." Ouverlura pela orchestra.
2." O segundo acto da comedia inglcza em Pars.
Oshilhetes vendem-so cm casa dos Sis. Guerra
Silva & C, ra Nova, n. 11, o os camarotes em ca-
sa da senhora Margarida Duperini, ra do Queima-
do, n. 16, primeiro andar.
Prego dos camarote.
Primeira ordem.........6,000
Frente.............10.<0
Segunda ordem..........8,000
Frente..............12,000
Terceira.............3,000
Frente.............*,000
Platea superior.......... 2,000
Geral.............I"0"
Varanda............. 500
O beneficiado espera que o respeitavel publico
desla capital seja lito indulgente com elle quanto
tem sido com outros artistas., quo, certos da sua mu
condecida benevolencia, hilo procurado a sua pro-
tec^lo ; e pede ao mesmo Ilustrado publico, que o
proteja tanto quanto a esses oulros artistas, dapdo
assim mais um teslemunbo da sua philantropia que
j boje passa por proverbial.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro saho o brigue-escuna
Amazona : para o resto da carga, passageiros o cs-
cravos, trata-sena ruado Vigario, n. 5.
Para a Babia sabe a sumaca Santo-Antonio-de-
Padua ; pode receber alguina carga e passageiros;
na ra do Vigario-, n. 5.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem, a 26 do
corrente, o hiato nacional Nereida, forrado do co-
bre, e de primeira marcha : para passageiros trata-
se na ra do Cadeia do Recife, botica u. 61.
~ Para o Ass pretende seguir, no dia 28 do cor-
rele o hrigue Echo, capitiio Manuel Pereira de
Sa : recebe carga, se a bouver ; para o que Irata-se
na ra da Cadeia-Velha armazem n. 12.
Para ollio-de-Janeiro sabe, mprelcrivelmcnle
at o dia 22 do corrente, a linda e veleira barca a-
mericana St.-Jnmet, a qual tem os mais ricos com-
niodos para passageiros: quem, pois, desojar se-
guir para aquella corle devo aproveitar a occasiito.
Os pretendenles dirijam-se a ra da Cadeia casa
de L. c. Ferreir & C.
Freta-sc paraos porlos do nortea barcaca San-
Juiw-liaplislu : quem a pretender dirija-se a ra da
Cruz, 11. 36.
Vende-se urna lancha para navio, por pre^o
commodo : ao lado do Corpo-Sanlo, 11. 25.
Vende-se um bafetfio : ao lado do Corpo-San-
lo, n. 25.
Vende-se um bolcem bom estado : na ra da
Florenlina n. 3.
Le i So l S.
Richard Roylc far leilfo, por intervencito do
corretor liveira, de um esplendido sortimento de
fazendas nglezas todas propras do morcado :
quinla-feira, 21 do corrente, as 10 horas da ma-
lilla 110 seu armazem, ra do Trapiche-Novo.
- Joito Keller C. fariio leilao, por intrvencHo
do corretor liveira, de um esplendido sortimento
do fazendas, todas proprias deste mercado : boje,
20 do rllenle os 10 horas da mandila, no seu ar-
mazem j ra da Cruz.
Avisos diversos
-Aluga-se. o primeiro andar da casa n 22 da ra
do Vigario, muito bom para pequea familia ou
para pessoa solteira por preco muito barato : a
tratar no segundo andar da mesilla casa.
Pergunla-so ao Sr. Joaquim Pacheco de Sa que
prcjui/6 leve na venda 110 lempo que o abaixo as-
signado foi seu caixeiro; pois consta ao abaixo as-
signado que o dito Sr. procura desculpar-se com
os seus credores dizendoque o abaixo assignado
llie deja piejuizos na venda: e como o abaixo assig-
nado "deu lucros suilicienles, est prompto para
justificar com o mesmo balanciador que deu balan-
do na entrada, e na sabida do abaixo assignado e
dos gneros entrados para a dita casa, sendo as en-
tradas feitas por o mesmo Sr. Pacheco; e o mesmoSr.
nao pode dizero contrario, porque, apresentando-se
os batanese as entradasde ume de outro.que ambos
conferem, he com elles e mais algumas pessoas ca-
pazes que entraran) nocoiihecimento, que so justillo
cara: portaulo, quuira declarar por este mesmo Dia-
rio;sc o abaixo assignado Iho deu prejuizo; quando
nao o far;a, licarapor......Nito sei so me en-
tfiD.de.
Manoel de Car val ho e Maura,
Francisco Gou^alves do Cabo mora na ra Au-
gusta, n. 22.
Aluga-se um bom sitio na travessa da Cruz-de-
Almas com boa casa de vi venda estribara boa
agoa, muitos arvoredos : a tratar na ra de S.-
GoiiQallo 11 34.
Alugam-se os terceiro e quarto andares e um
grande sotSocom cozinha e qiiartos para pretos ,
na ra do Trapicde-.Novo, n. 18: os pretendenles
dirijam-seao primeiro andar do mesmo sobrado.
Precsase de urna escrava para lavar roupa ,
tanto de sabito cuino de vai relia para casa de urna
familia } sendo boa nao se duvida pagar-so bem ,
e que tambem su alianca a sua couuucta : na ra
da fru, n. 26, primeiro andar.
Precisado alugar duas pretas ou dous mole-
ques para vpnder'em na ra, sendo fiis: quem os ti.
ver dirija-se a na de Agoas-Verdes n. 26.
> Na casa da esquina da roa dasCruzcs, ilefi-on-'
udapraca da Independencia I'i/eni-se jantare'
para li'ir.i, como mullo ftaeio o proeiptidSo ; \n 1
como doces de todas as qualidades seoeoactlo c|.
da ; paslcloos : pastis de nata; pndinsj bolos de
loilasnsqialiilndes ; ban.'ejas enfeitadas rom j,0,
los ou doces seceos ; caldas dolndasas qualMs,ic:
para refrescos : tudo por preco commodo.
-JosHigino do Souza Peixe faz vr.r que^gfe
Ofio tem autorisado a pessoa algiima pora compnr
nada em sen nomo ; e perianto, protesta por ete
aiinuncio, nito pagar qualqocr conta que Iho for
apresentada, sem queo vendedor Iho aprsenle or-
dem sua por escripia.
Precisa-so de um trahalbador de masseira, que
corle massa : na ra Direita n. 26.
Desappareceu, na noite de 10 para 11 do cnr.
rente o preto Carlos de imcio Rengela de20a
25 minos, baixo, seceo docorpo, barbado; he m,
Ibador deferreiro ; levouduas camisas, sendo unu
debataazul e n outra de. algiidilo duns calcas
brancas una das quaes he de algodo e chapeo de
palha de carnauba. Quem o pegnrjgye a ra da Au-
rora n. 30 que ser gratificailflfl
Aluga-se urna casa de campo para se pnssara
festa junto a ponte da Passagem-da-Magdalena
com muito bom bando e sitio com arvoredos :|:
tratar na roa da Cruz, no Recito 11. ti4.
Deseja-se saber aondo mora nesta cidade o Sr,
doulor Braz Carrilho do llego Barros da provinc<
deS.-Paulo para so Ihe entregar urna caria, vini
da mesma provincia.
Precisa-se alugar, no segundo andar do sobra-
doda rua do Rangel n. 22, casa de Alexanlre Tho-
maz duas prclas para o servico externo de urna
casa de pouca familia.
O autor do aviso dar que or. J. J. C. v tirar
o relogio, queira declarar se as ditas lettras indicara
o no.Tie de Joaquim Jos da Cnela.
Na eavallarice da rua da Guia n. I, recebem-
se cavados para seren tratados, por preco muito
commodo. Seus donosos encontrarfo ao montar,
limpose pensados completamente ; pois que per-
manece uesla eavallarice um honieni nicamente
para cuidar delles. Quem nella os q'uizer ter, qur
so de dia qur de dia o noite enlenda-se na mes-
ma, com Lnurenco Ferreira Alvos que tambera
tem cavados para alugar.
-' Perdeu-sc, no dia 17 do corrente mez, pelas
9 horas da nianbfla punco mais ou menos, no prin-
cipio da rua do Alccrim, una pulseira de ouro, ten-
do em cima urna chapa, ou caplela lavrada.e o fe-
cho no meio do aro tambem iavrado: assim como
um relogio pequeo desabnelo do ouro, ao qua!
se achava preso por um torcal :fl retroz preto una
chaviiiha, igualinente d/ouro Iavrado : quem de taes
objeclos liver noticia 011 restituir no largo do Car-
ino, n.5, ser rccom|iensado.
Furlaram do engenbo Soccorro, na noite de
24 de selembro do corrente anuo, dous quartlos
bailante gordos, sendo um ala&fiu com ferro, e nu-
tro ruco-cardito bstanle grande,tambem com ferro:
quem pegar -ditos quaitos coirduza'sCinco-l'oii-
las, o 71, quesera gratificado com Imita mil res.
Perdeu-se, no dia 101I0 corrente, urna parte de
um brinco desde o theatro publico at ao fin da ruai
Augusla : quem "u comprado, quj-
ra por favor anuo ociar -jior eia folba, que se paga-
r o importe da dita parte do brinco, ealmdisso
se recompensar generosamente, pois lie para li-
vrar o annuncianle de urna calumnia. .
-Os Srs. Antonio Jos Nunes Guimartes, Ma-
noel Joaquim Dias Castro Maiioel Goncalves, For-
tunato Correia Meiiezes, Joaquim Goncalves dn Ca-
bo c Francisco Goncalves do Cabo, qlieiram annup-
ciar por esta folba assuas moradas, para seren pro-
curados.
D-se dinheiro a premio sobro ponhores d
ouro, mesmo em pequeas quahtias : no hecco do
Sarapatel, sobrado sem numero, no segundo andar,
defronte da casa n. 9, as 9 horas do dia, e das 2 em
dianle.
A barca de binhos.
O propietario desle estabelecimento tem abon-
ra de fazer scienle ao respeitavel publico, que a sua
barca se acha prompta com muila limpeza nos I
nheiros. Podem apparecer assenhoras que preci
rom de lomar hatillos, queacbarao os seus hanliet-
ros muito limpos. O preco do cida.uiia pessoa lie:
lado das senhoras, 120 rs ; lado dos honiens, lOiirs.
O annuncianle prometi'-conservar muila limp'I*i
pois que para isso obtevo meios; o agradecer 10
respeitavel publico a sua proteceflo.
Precisa-se de urna ama com leito : a fallar no
Alerro-da-Roa-Visla, loja de trastes, n. 12.
Aluga-se, por coinuiodo prego, o segundo indar
do sobrado da ruadas Trincheiras, n. 46: a tratr
no primeiro andar do mesmo.
Da-se dinheiro a juros sobrd penhores de 01
ou prata : no Aterro-da-Boa-Vista n. 58.
Aluga-se urna mcia-ngoa na travessa do Dique:
a tratar na rua da Praia 11. 10.
Aluga-se um sitio no largo da matriz dos Afoga
dos, na rua do Motocolomb,ii. 3. com casa do '
venda, com duas salas, 4 qunrtos, assobradada par
tras c com commodosein cima, cozinha fia, ''
tribaria para dous cavados arvoredos de fructo
todas as qualidades, duas boas cacimbas, se1
una dellas d'agoa de beber, com rio no fundo"
ra hanlio : lambctn so vende o mesmo ou pena
la-se por casas tiesta proca ou por escravos po'
todoe negocio so far convindo : a tratar na p
?a da Boa-Vista 11. 7.
ij| Dseme iminhou-se, no domingo
51 i-> do corrate, (la rtra do Viga-
*""l i ~
I7) 110,'n. ^4> "in Chboclinho de 110-
[^ me-Vicente, escuro, se'cco do cor-
-po, com camis de algodo ja su-
ja : tem no antis duas le idas de
bobas' ; foi visto clioiando no For-
le-do-^Ialtosj depois foi condti-
zido para Santo-Antonio por uns
meninos e. moleques, e depois lia
noticia que-"pjissou a ponte di
Boa-Vista : quem do mesmo der Ufl
noticia ser generosamente recoiii- Ljl
pensddo na dita casa acuna.


*
aa.
__'No da 2o do torrente, pelas 11 lio-
ras do d'n, tem de so proceder venda
judicial-da loja de loueg c esetavo pt;i-
tertccntsalicuiica do fallecido Jos J.i i-
qui.n deoSmua Gaste o tic (juern lie les
lamenleiio Ji'fo Jos fie l.iiin : os lici-
tantes devemComparecer na ra da Ca-
dei* do Recif, na referid i 1 j >, onde es-
tar prsenle o Sr dotilor juiz do ive
ja pritneira vai-J*-
_0 bailo assgn|<^Wenilo de saliir para o centro dej-
t provincia allni de cobrar alguinas dividas, previne
aos eus devedorrs innr.idores_ nesta cidadr, que den-
tro desle prximos Ififli.is, a "contar da data dste, de-
ven! ftt satisfacer sens debito; docontrariu, fui-carao,
ao aW'XO ajsienado deixar un procurador bastante
pan cobrar judicialmente, taes dividas, visto que j sao
antigs. abaixo asjign.ido nao pode mais esperar,
visto que tambem teui de fa/.er aiguus pagamentos;
no ranlo, a bemdos inesmo sem devedores, faz o aba 1-
XO assignado o presente annuncio, para nao s poupar
despeza, como tambem alguin descrdito.
Tliomaz Vertir de Mallas Estima.
lenacia CanTOa 'Guedes, tendo noticia que Mari a
Carolina Guedes pretende hypolhccar o escravo Joa?,
quese aclia rebolludo a cadria desta eidade por preca-
toria viuda da provedoriaGoianni, previne ao respei-
tsvfl piiblieo, que ninguem contrate com ella cousa
lignina a respeilo do referido escravo, pois, que pon-
te demanda acerca delle pclojuizo da segunda vara
esta eidade, escrivo Vasconcelloi.
^Carlos Harcly, ourives francez,
na ra Nova, n. 32,
icaba de receber de Pars um sorlimenlo deouro de le dos mais modernos adereces ricos,
abertos a buril, corp.pulseiras, e outros sem pul-
jeiras; gargaiitilhas para pescoceo ; alfinetes ; brin-
cos uara senhorae menina; cacoletas; bolflos de a-
berUirr e aunis, o obras de ouro da trra. Na mes-
ma loja ha para vender locas para menina o se-
nhora; ese fazem le eucomnienda.
O abaixo. assignado faz sciente ao rcspeitavel
publico, que pelo brgue americano Otinda, viudo
de Boston, entrado nosle porto em 22 do pretrito
liez de setembro. ha'rerebido novo provimenlo de
fiiltilas vegfetaes to L)r. Biandretb. Estas pilulas, cu-
oautor basta para gafantir sua excellcneia, tor-
nam-se muito recommondaveis por serum medica-
mento inleiramente inoffensivo, podendo applicar-
seatas crianzas recem'-nascidas ; ltimamente se
teemapplicado a unta infinidade de molestias jul-
;adas incuraveis, rfeciija Hpplicaco se tcm tirado
lo felizes "resultados que parece cada vez mais re-
solvido oprobenla le. um remedio universal. Ao
aniiuuciante caba gloria de assrverar ao publico,
que as ditas pilulas slo'iis nicas verdadeiras que
existem nesta praca, as qtiaes se vendem em sua
botica, na ra da Cadeia-Volha n. 61.
Fcenle Jos de lirito.
Atiendan.
Joaquim Antonio t:arneiro & Companbia avisanl
ao rcspeitavel publico e particularmente aos seu A
freguezes; que, pelo u II i uto nayio cOjlBjj0jbJl>U<
burgo, recehera ni urna grande porefiu de bichas das
meltiores que ha, as quaes se alugain e se vendem
aos ceios e a retalho, pelo menor preco possivel,
no seo anligo deposito, na ra da Cruz do Recite, n.
43. Declaram mais que sendo preciso, a qualquer
hora da noite, applicar bichas ou sangras, os aeha-
ruopromplos na mesma rtia, n. 28, piimeiro andar.
-- Aitida estilo para se alugar os casas terreas de
ns. 25, 27,29 c 31 sitas no lugar do Manguind,
proprias para se passaro verlo por seren muito
frescas, de bous com modos com qunlaes mura-
dos, porto de embarque, e urna deltas tem seu v-
veiro do peixedenlnrdn quintal : a tratar com ala-
noel PereiraTcixeira morador prximo aquello lu-
gar .
O Sr. alteres Seara tem urna caria na ra do
Cabuga loja do l'ereira & Guedes.
lima casa particular se rflTerece para dar al-
rcoco jantai e seia, com decencia para duas ou
trespessoas: quem predender diiija-se ao sobrado
de dous soda-res, n. 28, de fronte dos fundos da nia-
Iri/. de S.-Antonio.
Egidio Manriques da Silva ensina rhetonca,
geometra e geographia, a 5,000 rs. por mez, e a
2,000 rs. as pessoas que nflo poderem pagar mais;
osque sequizerem ulilisar do seu presljmo diri-
jam-se, das 8 botas da mandila as 7 da noite, a ra
de Hurlas, sobrado n. 22, primeiro andar.
I'iecisa-se de una a.ua secca que seja de bons
eostumes, p.ra una casa c.-drangeira de pouca fa-
milia ; paga-so beni: na ra do Brum, em Fra-dc-
l'ortas segundo andar do sobrado do Sr. Francis-
co Alvesda Cunlia.
Aluga-se um sitinos Remedios, com pasto
para mais de 12 vareas, lamosa casa com lodosos
commodos cercado, estribara, curial coberlo pa-
ra vaccas : a tratar com o Macambira no mesmo
lugar.
~ l'reeisa-se de un lllio, chegado lia pouco, para
fcitor de tim sitio: na~ praca da Independencia,
livraria ns. 6 e8.
-- Aluga-se. at 17 de setembro do scguinloanno
de 1848, a bou casa junio a ponte do CaCliaiiga, per-
leiceuiea viuva Maia Joaquina dos Sanios : Hala-
se na roa da Cruz do Recite, n. 45, com Nasciniento
& Amorim.
--Francisco Pinto da Cosa "Lima tcm para ven-
der bons pannos pelos azul o verde ; bom seUm
preto n 3,000 rs. ; bous lirios; bom velludo preto ;
lindos cortes,le cnlletes, a 3,200 rs. o corte; bnni de
linho; hanihurgo ; algodfozinho branco ontrancado;
linha de carretel hranc e d meiada ; ImiOes pe-
los ile Pedro II ; ditos de inassa para laidas ; sal-
adillas para fot-roa; ganga amarella e mesclada ,
l'rancezas ; fuslOes brancus e algumas obras Coilas
Precisa-sede una ama de lette, forra, e sem li-
Ilio, |iara acabar de criar urna crianca de seis me-
zes: na ra da Gad'eia- do liocife, loja de mudezas
n. 51.
Aluga-se urna canoa que leva duas ou tres pes-
soas para o lempo da fosla : na ra do Q-" *>mado,
n. 30.
Permuta-se a casa terrea-n. 3, sita a ra do
om-Siiccesso, da eidade de Otinda, com duas salas
na frente, qualrp quartos, cozinlia dentro, toda
reedilicada de novo, com um sitio sffriVel, cliHos
proprios, poroutra qualquer no bairro de Sanlo-
ArflOnio ou Boa-Vista; "preferindo-seser na Soledade:
na'rua do San-Francisco, casa n. 24, ou na praca da
aoa-Vista, n. i.
Aluga-se, para se passara festa urna boa casa
Icrrea na povoicuo do Montero, com 4 quartos pa-
ra cscravos, estribara para dous cavallos cozinha
fra cacimba 2 quintaes murados com sabida
para o rio : a tratar na Itoa-Visla travessa do Ve-
ras sobrado n 15.
--Anda ha pura alugar 3 casas no sitio Cajueiro,
parasepassar a testa e una meia agoa quo servo
para cocheira na Roa-Vista : a tratar com Francis-
co P.beiro de Brlo.
Agencia depassaporlcs.
NaruadoCollegio, n. 10, c no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-se a lirarpassaport.es tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
como despacham se escravos: tudo com brevidade.
Aluga-se um slio na Capunga na estrada
quevai para a Itaixa-Verdc com estribara quar-
tos para pretos cacimba com bomba de pndula :
a tratar na ra da l'enlia, n. 33.
Aluga-rse urna casa no PoQo-da-Panella, a mar-
gem do ro com bons commodos, estribara para
dous cavallos quarto para pretos e concertada o
pintada : a tratar na ra Nova, loja n. 24.
Precisa-se ile um caixeiro porluguez.de 12 a
14 anuos, quo terilia alguma pratica de venda, e
d fiador a sua conducta : ua ra de Agoas-Verdes,
n. 48. ,
Prccisa-se alugar um primeiro ou segundo an-
dar de um sobrado as mas seguntes: larga o es-
trela do Rozaiio, Cruz.Qiieimado Cabug Trn-
cheras, I.arangeiras largo c Camboa-do-Carmo e
ra das Flores : quem tiver dirija-se a praca da In-
dependencia, n. 23
-- Quem quizer lettra sobre a Rabia de 500^000
para600# rs. dirija-se a ra da Cruz n. 40.
Alugam-se duas casas terreas no sitio Cordoi-
ro, unta a margem do rio Capibaribe, com com-
modos para grande familia cozinha fra estriba-
ra na outra no fundo do mesmo. sitio, tambem
com bastantes commodos para familia : os preten-
dentes para ver ilirij im-se ao mesmo sitio e para
tratar a Gabriel Antonio, no pateo do Carino, n. 17
I
T, S@ 33Tjn?n;5a33rJn -T -TI
S
1
i
Vcndem-sc5 moleques do 16 a 18 annos ,
muito lindos, corpulentos, e que sao pti-
mos para cadeirinha um dos quaes he bom
coznheiro e tem principios de sapateiro ;
un. dito de 12 annos muito esperto; um
cabrinlia de6 anuos, muito lindo ; um pre-
to de 24 anuos, bem refrjalo; 3 pardos
de 22 a 24 annos; urna pela muito hem edu-
caila.de 25 annos, que cose multo bem,
marca engoniina faz lavarnto he de
reconliecida capacidade, e n3o tem vicios
nem achaques 0 que se alianca ; 6 prelas
muito mocas com algiimas habilidades, al-
gumasdas quaes vendem na ra : na ra
do Vgario, n. 24, se dir quem vende.
T
[i
la
i Ti
m
gggg^gggi r gS i
AVISO AO PCRI.ICO.
O emprezaro do tbeatro, vendo um bilbete de pla-
tea com a pega -Branca e l-litro para o da 28, a-
visa ao publico, que esse Sr beneficiado contratou
o da 20. alancadu pelos Sis. Anuda o (oncalo Han
cisco Martins, oque pode ver na tabella dos bene-
ficios, marcada ayista do dito beneficiado<-. porlan-
lo lisia dequanloanlesamendara data do dito be-
neficio, para Certeza do publico e mo coinpronielti-
ineiito doinprezario.
LO'I liA DOTHBaTKO
Continua a sor interrumpido o andamento lias
rodas desta lotera que nflo podo ser reaiiSado no
da 13 do correle, pelo bm pouco ada tita memo
que leve a venda do resto dos billictes. Por esta ra-
Sflo be o mencionado andamenlo transiendo para
odia 29 deste mez.
Kumtmm

Com^'is.
Ra (lo Passeio+I*Hb!f$v, n. i*.
Joflo Eoubct participa ao respeilefpblco, que
receben, por estes ltimos navios Franceses, um com-
pleto sorlimenlo de chapos de sol, de seda, a mais
rica e superior qualdade; furta-cores e oulras mul-
tas conbecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos No mesmo t-stabelccuncnto ha um sorli-
menlo de chapeos de.sol de paninho, dos mais mo-
deruou ditos muito grandes, proprios para liomens
decairTpo : tambem tem el,apeos de sol de paninho
para meninos e meninas, poi seren iiuiilo linos: po-
llem-se chamar Cliapos de economa. Na mesma toja
ha sorlimenlo do bengalas, bengalii.has e chicotes
muito modernos; cobre-sr.qu:dquei annaeflo ..e cha-
peos deso, com sedas de todas as cores equalida-
_des. Na mesma casa ha um grande sorlimenlo de
paimlnhos lrac.ados e lisos, imitando seda, para
cubrir os meamos: desta tezenda se vende aietalbo
Concerta-selou>) qualquer chapeo de sol. por liaver
un, completo sorliineuto de iodos os pertences para
os mesmos, com loda a FWfeisao e brevidade.

Compra-se cobre, dando-so premio: na ra
larga do Rozario loja de mudezas, n. 35.
Na ra da C.adeia do Recite, n 25 eompraiii-
so 2 pares de veneziannas ou rotulas em bom es-
tado. Na mesma casa se dir quem vende um sitio
perlo da Solodado com boa casa que tem 4 salas e
7quaitos : o sitio he bem plantado de borla o mul-
los arvoredos do fructo como larangeras parrei-
ras, ele.
Para fra da provincia compram-se alguus es-
cravos peritos nosolllcios de pedreiro edecarpi-
na, sendo vistosos e mocos, os quaes, agradando o
ajustando-sc, pagam-se bem : na ra da Cadea,
n. 45. ..
__Compra-se um deposito de assucar o caro com
os seus pertences competentes: quem tiver ditos
objeclos annuncio, que o pretndeme tora todo o
negocio avista dos mesmos.
ViMas.
- Vcndc-se urna mesa do janlar, de amarollo ;
duas banquinbas de. encost de condur; urnas
caderas do Porto ; e varios objeclos da casa na
la das Ti inclieraa, n. 46.
__Vende-se una poreflo de espanadorcs, e de
sipo de ponnas para armacOes: ludo por pceo com-
modo : ua ra Direita, casa terrea n. 44.
Loteria do Rio-de-Janeiro.
Aos 20:000,^000 de ris.
Na ra da Ci lea doRoote, loja do cambio do
sr. Vieira, n. 24 .-eslflo a venda hilhetes a moos
ditos da tercoira lotera a beneficio da fabrica de
papel do Zeferino l'errez. A olios antes que cliezuo
0 v or. Estes liillietes vito rubricados por Vieira da
SU Y.-
l\o Aterro Vista, loja n. *2>4k,
vendem-sebrinsfrancezes, de cor,
lelo baratUsmo prego de 280
ris o covado : esta fizenda he
muilo bem acabada, e nao des-
bota.
Vendem-se 5 propiedades de casas, sendo: urna
de sobrado, em Olinda, na ra do Coxo ; urna dita
de sobrado e solflo na ra da Senzalla-Nova, n. 37 ;
1 dita terrea no becco dos Martyrios, n. 4; urna dita
na ra dos Pescadores do bairro do S.-Antonio,
n. 7; urna dita dita meia agoa nos fundos desta
cima n. 8: a tratar na ra da Cruz, n. 54 com
Mondes- & Tarrozo que se acham competentemen-
te autorisados para esta venda por conta de quem
pertencer.
SALSA-PARRlbBA- DE SANDS.
F.sto excclleiite remedio cura todas as enfermi-
dades as quaes sito originadas pela impureza do san
gue ou dosystema, a saber : escrfulas, rheuina-
tismo, cruperiescutneas, brehnthas na cara, lio-
morrhoides, dooncas clironicas, breliulhas, liorloci-
ja, linha, inchaefies, o dores nos ossos c juntas ol-
ear, (loencas venreas citica enfermidades que
atacam polo grande uso do mercurio hidropesa,
exposios a-uina vida extravagante. Assim como,
chroicas desordena da conslituicilo serflo cura-
das por esta tflo til c approvada medicina.
A admnstracfo deste bello remedio, nos ata-
ques mais extraordinarios, tem sido sempre segui-
dos pelos mais felizes resultados as suas opera
cOes; porm, osen,principal ohjecto he de purifi-
car-o sanguee liinpar o systema de qualquer in-
fluencia de mercurio. No seu modus operandi, he di-
rectamente coinnum remedio alterativo, anda que
indirectamente serve ao systema como um verda-
dero tnico, borneas nos ossos c no systema gran-
dtilar; assim como as juntas e ligamentos sflo
inleiramente miradas polo uso deste remedio, sem
quo o doenle laca resguardo algum quaudo usar
deste remedio. A operacao dt-sle remedio consis-
te en remover a desordom do systema o em bre-
ve teiuiio o doonto ganhara a sua sainle
A saisa-parrilha tem ganbado por muilos anuos
una alia ropulacflo deter curado dooncas mu dif-
(cullosas, que iieohum nutro artigo de valor em
materia medica tom curado, lio de saber que a sai-
sa-parrilha lie umds maisvaluaveis remedios que
os doutores usan em toda a parle do mondo com
vistas de ganharem a cura pelo uso de tal remedio
vegelal Porm deve-se de notar que nem todas
as pessoas sabem preparar este remedio assim co-
mo escolhcrem a melhor parte que se deve usar em
tal preparacllo. Um celebro medico escriplor, que
nsdio por niuitos anuos no lugar aondo ha a me-
lhor producc.no da salsa-parrilha, disse : Seis ou
oilo especies destas raizos que crcscoin uestes bos-
ques, almira-ine que nflo podesse aeliar souflo
urna com o gostoe propriedaile da verdadeira sal-
ia-parrilba que se possa recommendar para a me-
lieina ; pos as mais cram nsipidrse inertes. Po-
rm, como os mdicos nflo "se dito ao trabadlo de
fazerom as suas proprias medicinas, mas sm COll-
iam nos seus hallis boticarios, para a prepararen),
i-cnniporemdiffcrriiles drogas. Porm de todas as
ii'.-paiaeoi's de salsa-parrilha devia do ser da genui-
ii, para que o facultativo e o publico (icassem bem
dados as preparacOea de salsa-parrilha a ser da
melhor qualdade. Pos he oslo o genuino vegesta-
el quo se olferece a publico; neste se vom combi-
ladoso utilecum dulce; pois em infinitos casos em
que o doenle esperaneas algun.as linha de vver ,
grandes qpanlidades de remedios experimnta-
los mas sem resultados de melboras; mas com
sta pura salsa-parrilha suas curas tom sido n-
falliveis; posos certificados que tomos recebido
de pessoas que tecm usado deste puro remedio, af-
n mam de sua boa ellcacia; estes certificados lomos
a honra do apresontar ao respeitavol publico para
qucliqncm cerlos o que cima so diz he verda-
deiro.
O proprielaro deste remedio tem por inultos an-
uos empregado todos os meios para preparar este
lito til e essencial remedio da raz da salsa-parri-
lha, que por fin conseguirn) as suas vistas, em
preparare! um tilo valioso remedio o seus tflo lin-
dos resultados tem encliido os proprclarios de glo-
ria e Iriumpliode tereui preparado nina linda com-
posic/io contra doencas quo 0 seu lim lie destruir o
corpo humano. Esta composieflo lie chimica o nova.
Esta salsa-parrilha be combinada com outros in-
gredioiiles que todos ellos perloncem a classe vege-
ta vel, e lodoa'cem o poder do purifieaVem o sangue.
O doenle que usar esta composieflo pode contar
quo tem O mais efiTcaz remedio para a sua enter-
midado
Preparada c vendida por junto o a retalho as-
sim como so exporta por A. II. Y I). Sands eliiini-
cos e droguistas, em New-York n. 100, Fuiton
Street, esquina do William.
Vende-se na ra da Cadcia-Vclha botica n. 16.
de Vicente Jos do Brito.
__ Vciiileiii-se os segi'iintes escravos,
l]e nuii lindas figuras, sem vicios nem
achaques: i negras, de ao .i x-\ anuos,
bi as I .vaderas, i|uc cozinliam o dia-
rio de nina casa, e >ozt:iii ; una mulata
da mesma idade, e com iguaes habilida-
des; um mulato, de iqaiGannos, pro-
rio para lodo o servico;. i dilos de \G a
18 anuos, sendo um perfeito ollii ial de sa-
paleiro,"o Miro slrafate, opropriospa-
ra pogeiis : un inol?i|ue de i2 annos ; e
um uiiililiiilio de 7 para 8 annos: ua ra
do Crespo, Loja D. a A, se dir quem
vende.
Vende-se um preto do nacflo proprio pa^
servico de campo ; um molaiiue deis annos p0"-
co mais ou menos muito bonito urna parda do '
minos que cozinha. engomme co-e ; 2 e dfl nacflo ; una parda muilo prendada : todos mu'"
lo em conta : na rua Imperial largo da tere, n-
Vendem-se queijoffdoserlilo mnilo.frescae! .
obra superior,: na loja da Inica atrs doCorp'--
Santo, II. 68.
Vendem-so duas pretas prendadas; dous es-
cravos, proprios para qualquer servico: na rua da
Cadea-Velha. n. 33, se dir qtiom vende.
Vendem-se Iros lindos moloques de 18 a 90
annos, sendo um ptimo cozinheiio ; tres pretos de
24 annos, sendo um offleial de sapateiro e os outros
proprios para todo o servico; dous pardos, sendo
um bom carreiro e o outro propno para pagem;
duas pardas, urna do 20 anuos com habilidades o ou-
tra com 12 annos, propria para se educar; duas pre-
las de 20 a 30 ann^s, com algiimas habilidades;
cliiasnegrinliasde II a 12 anuos, com principios:
na ruado Collogio, u 3, segundo andar, se dir
quem vende.
AtfMMIII
^ Dvliwioflim *
l>riiM- I
i:ieva /na Wl, rjrrlsa Fama !
Auniimi'i namuihelln.t Pncezinas ;
l.inilo adorno qurseiraa toda dama,
Srjtim '.tifias, ov MOfOf, o meninas.
AnloniO Lu* dos Santos Si Conipanliia, con
loia de Rizendal na rua do Crespo n. 11. recebe-
lam pelo ultimo navio l'iance tliet>ado a este
pono os mais lieos e helios cortes de vestidos
para senhora ao ultimo gosin de l'.iris, onde esta
lizeiida lie denomin.xta Pi inivzina : uao he .=
pnssmldeserevc-li eoin todas as suas proprieda- t
des e sulilimes encantos, por issoJimilamo-nos Jj
a diicr que seus (1. lirados pulres sao lian > ino- j|
demos, cmodo nina epi!Cfi minea vista.
I cor azul, o verde gatp,
O rXO lino, a cor de rosa,
rula di perlo, he lentaio,
Ao tange mu tubteota.
i abollo prclo.
Contina-se a vender a agoa do Ungir cabellse
suissas: na rua do Qucimado, 31. O methodo de
applicar a dita agoa icompaulia osvidros.
- Vende-se urna escravade 21) annos, que 00-
Zinha, cose, faz larinto o ongomma com perteicflo;
nflo tom defetos nem achaques: no pateo da i.-
Cru/ n. 10, so dir quem vende.
Vende-so um preto com olficio de carreiro,
com bonita figura ,e que he corpulento: na ruado
Vigaro n. 22.
__ Vendem-se tres moradas de c&sas
terreas nos Coellios, pelo muilo commo-
do pceo de a.-ooosWq rs., visto rende-
rem ?.is'Oots por me! queiri as pre-
i.-nder (uij i-sc rua ta Cidei. de San-
to-Anloiiiti, n 17, das 9 horas da man-
liaa s 3 da larde.
/Vo; amantes dos bous cha-
ruto <..
Na rua do Crespo, loja do miudezas 11. U ven-
dem-se charutos chegados da baha denomina-
dos a fama. Estes charuto* sao os melboras
que leem apparecido ueste mercaJo e o proco lio
o mais commodo possivel, que he do 1,410 rs. cada
Caixa. Tambem so veudemoculosdograo, aSOOrs. ,
o de aro blanco, a 480 rs.
Vende-se o tmiilosupeiior e ac< edta-
lo cha liysson, viudo le Lisbi, a 3'5ao
rs a libra ; latas cm hervilha ; ditas com
sardioha conservas; quejo londrinos,&c:
na rua iNov. n. 3, casa de Antonio Fer-
reira Lima.
Xa nova loja do Passcio-Pu-
l)lico,n- i7t
vendem-so corles de larlatana de muilo lindos e
moderos pailr.n^. a 3,200 rs. ; chales de cassa bor-
da escuros e blancos a iO rs.; suspensorios de
maia a 80 r>. o par ; entes de cassa com S \ a 7
varas a 2,240 e 2,3110 is ; cassa com X palmos da
largura ii280 rs. o covado; coi tes de. collete para
homom de laa e seda a 320 rs.; lindeza de mui-
to lindos padres a 200 rs. o covado; corleada
chita com H)eo\adn>,a 1,1100 1- o cuite ; dito li-
nos com to covado-, a l.soo rs. ; dito-rdedita com
14 eovados, n ,800 rs. ; casimiras, as melhores que
tecm apparecutem qualdade e padres, a 8,000
rs. o corle ; corles de collete de velludo a 3,000
rs. ; lencos de cassa pava grvala mteiros a 200
rs. ; e oulras 111*1 as la/.eudas mais baratas do quo
em ouIia qualqdtr parlo.
Admirayeis nava-
lliasde acoda China
v ^
que teem a vantagem de cortar 0 cabillo sem offen-
sa da pello, deixanrto a cara parecendo estar na
sua brilhante mocidade. ,
Este acovem exclusivamente da China, eso nel-
le Irabalham dous dos melhores e mais sbalisados
cutileiros da nunca excedida e rica eidade derPa-
kim, capital do imperio China. Autor Shan,
N. |(. _. |h> reconherido o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das amen-
cias medico-Cirurgicas. lauto da Fu ropa COBO da
America Azia e frica, uo so para prevenir as mo-
lestias das cutis. mas tambem como um meio cos-
mtico. .
Vendem-so as verdadeiras so na rua larga ao RO*
'zario, n. 24.
w*\ itii Ann



w
A5^000 rs.
Na loja nova da ra do Quei-
niado,n. H A, de Raymun-
f'o Garlos "cite ,
hn ur novo sortimento Je fazendas finase baratas ;
bem como uns lindos corles do chitas fram s
finas, ornadas com lindas barras, a 5,000 rs. sen-
do esle o ultimo goslo do Pars.
.Vendem-se podras de moer milho ; hervidlas
milito novas ; favas vindas recontemenlu no bri-
guc Espirito-Santo : na ra larga do Rozario, n. 29.
O BARATEIRO
na nova loja da ra do Cres-
po, ao p do arjeo de S.-An-
toi'io n.4, de Ricardo Jos
de Freitns Ribeiro.
A esta loja lia ehegado-iini riquissmo sortimento
de cambraias estampado suisso aS,50oS,000 rs.; chapos le
niassa francezes e do ultimo gOSlO a 7,000 rs. ca-
da um ; lencfll de seda para grvala, de bonitas
crese boa razenda a 1,280 rs. ; lencos de oam-
braia com abertura para mSo de senliora a "210
rs. ; milito ricas cambraias de COTOS, com rama-
gens e transparentes, proprias para cortinados, no
ultimo goslo, a 320 rs. o covado; um rico sortimen-
to de pannos linos de todas as cores por prego mais
coniuiodo do que ern mitra qualquor parte; casimi-
ras e brins inuito modernos j um esplendido sorti-
mento dechitas linas, a 20, 1*0, ICO, 200 e 20; coi-
tes de chitas milito linas e de seguras tintas, com 14
covados, a 3,500 rs. ; los pretos de milito bonitos la-
voures, a 2,400 rs. ; e emlim contina a (llegar lo-
dos os dias novo sortimento de fazondas de goslos
modernos por procos rasoaveis. As amostras es-
tarn francas aos ffeguozes.
Vende-so um presope de Menino Dos; urna
cela de S. Antonio,liem ornada; um ornamento com-
pleto do missa, paia qualquer capella, ou para quem
livor inissa em casa ; tuna imagom de N. s. da (on-
ceig.lo ; urna imagein do Ci iixilicado : ludo em botn
estado : no Atei ro-da-lloa-Visla 48.
f anuos e casimiras baratas.
Vende-so panno lino verde azul cor de vinho ,
preloeor de caf, a 4,000 rs. o covado; casimira
preta elstica a 2,000 e 2,240 rs.; dita superior a
3,000 rs.: na ra do Queimado loja do sobrado
amarello n. 29.
-- Vende-se una parda de 20 annos de figura ,
c ptima para mucama que engomma, cose chao ,
lava de saho, cozinba alguma cousa e faz renda: no
Aterro-da-l!oa-Vista, sobrado n. 5.


A
comalgtimas habilidades
n. 25.
na ra da Concordia ,
Casa da F
na rus esrreita do Ro:nrio, n. (3.
Ncslc estabeleci monto acham-se a venda as bem
acreditadas cautelas da lotera do theatro publico
tiesta cidade cujas rudas andam no da 29 de cor--
rente. O cautelista espera que os seus freguezel
conoorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
as quaesse esperam boassortcs, pela oxcelleiitces-
colha que se fez dos nmeros para serem divididos
em cautelas. A ellas que silo poucas c boas. I'recos
os dn costume.
& i
0
es
fi
*&*
me
Vendom-se ricos cortos de casssa-seda,
proprios para baile ; cortos -de cassas de
COTOS as mais modernas que lia ; alpa-
ca de cordilo de varias cores propria
para palitos a 800 rs. o covado ; mcia-
esimiras de bonitos padres a (40 rs.
0 covado ; atoalbados do varias largu-
ras ; cortes le chitas muilo linas in-
gindoseda ; chapos francezes, de for-
mas as mais modernas ; bem cuino um
sortimento de fazondas linas e grossas,
por menos proco do queom nutra qual-
quer paite : n;i nova loja de Jos Murci-
en Lopes Companhia, na eua do Quei-
jgj mado nos quatro-canlos casa ama-
f- relia n. 29.
%A
Vendem-se pecas de chitas escuras e de co-
res fixas proprias para o servico de casa por sc-
icni muito encoi pailas o fortes, a 5,500 rs. e a rc-
lalhna meia pataca : na ra estreita do Rozario ,
n. 10, lercciro andar.
DEPOSITO DE CALV1RGEM.
Na ra do Trapiche ,'n. 17, lia
prc cal virgeni de Lisboa, em barra pe
>.s, c ultiman-culo chocada imii-
10 n. 17, i 1,1 sem
em de Lisboa
quenos, c ultiman-cuto
lo superior e por proco r-soavcl.
la Sil a Santos ven
fai inha de trigo em bai ricas e nieias
Manoel
de superior
Bichmond
ditas.
Vendem-se caixas de cha bysson de 13 libras,
cm potcOes ou a relalbo ; caixas de velas do cs-
permacote de 5 e 6 em libra : na eua da Alfandega-
Velba 11. 36, em casa de Malbeus Austin S C
A AGENCIA lA FNuFCAV Di: I.OW-MOOR
Ka eua da Seiizalla-.\ova 11. 42, contina a baver
um completo sortimento de moendas o machinas de
vapor, para engenhos de assuear : bem como tai-
xas de ferro batido e eoadO de ledos os lmanteos :
ludo por prego coinuiodo.
Vende-se urna pela de n agito de 18 anuos,
de bonita figura, boa* engomm'aWcira, coslureira ,
cozinheiea,lavadeiea,equen ao te'm vicios iicm acha-
ques : na ra da Cudeia do Recite, n. 53.
Rio Aterro-da-B< a-\sta,
11. 78 ,
loja
vendem-se sapatr.es de bezerro para liomcm, a
LMQ es. ; ditos do lusteo, a 4,000 es.; bonetes de
velludo o 11111110 para meninos, a 1,000 es. ; bahus-
zinhos para guardar roupa de enancas c ouro, de
640 a 2,560 r-,.; bonetes paea honiem, a 400 es ; su-
perior couro de lustro a 3,200 rs. a pello ; sapa tos
para seuhora ,a 1,000 o 1,120 rs.; marroquim, a
1.600 es
Vcndc-se cobre a ciuco por cento: na ra lar-
ga do Rozario, n. 48.
No lini la ra da Aurora, n. 4, vendcni-se ro-
dete tambores e aguilhes antigos, por preco
commodo ; bem como um crioulo de 24 anuos, boni
carreiro e vaqueiro.
Vende-se urna preta de 20 annos de na- j**
cflo com muito liom leile para criar urna ^
crianca, o que cozinba o diario de urna x_^
casa e engomma liso : na ra das Laran- |jj^
geiras n. 14, segundo andar. jj
Skfi
iS&kA
I'otassa.
Venciese a vordadeirn e superior po-
tasSB i!;i Russia a 111 ais nova que existe
no mercado : o roa da ("adela do len-
le, armazem n. ra, de Bailar iV. Uliveira.
I\a I ja nova da na do Quei-
mado, 11. II ,1, deltaymun-
do Carlos 5.cite ,
acha-se um novo sortimento de meiascraso finas,
a 5,000 rs. a duzia ; ditas de I i litio finissimas a
5,800rs, j a rica fazetida intitulada razenda do
norte, lecida de linho o seda, cores escuras c
proprias para todo o trago; maulas de sodado pa-
dres modernos a 3,000 10,(100 16,000 e 20,000
rs.; olales de seda u de 18a c seda : ludo por preco
baralissimo.
Itom e barato.
Vendem-se cassas de cores para vestidos, de bo-
nitos padrees e do tintas muilo linas pelo barato
preco de 240 rs. o covado : na ra do Queimado lo-
ja da casa amarella n. 29.
Na loja nova da ra d Quei-
mado, n. 11 a, de Raimun-
do Carlos Leile
anda ha o sortimento de todas as fazondas ja an-
nunciadas bem como guardanapos de puro linho,
com iiiii.i lis Ira azul tecida a 800 rs. cada um; cor-
les do vestidos de Iffa de ricos padres; chapeos
francezes linos ; um ptimo sortiinento de pannos
tinos proles 0 de cores : os quaes so tornam rocoin-
meudaveis, nao s pelas boas cores e qualidades ,
como por sereiii novos na loja : ludo por preco
muito rasoavel.
Casimiras elsticas e finas, a
7#00O rs.
Vendem-se superiores cortes de casimiras els-
ticas fianeezas das mais linas que teeni app.ireci-
do, e do ultimo goslo e moda de Pars, pelo ba-
rato prego do 7,000 rs. o corle sondo esla razenda
rocommendavel pela SUS boa qualidade de gosto o
bonitos padres : na ra do Collego loja n. 1.
AO BOM GOSTO.
Ka loja nova do Passeio-Pu
blico, n. 19, de
quim Pascoal '
vendo-so linissinio panno
rs ; dito piolo a 5,000 rs ;
280 rs. o covado ; mantas do
0 9,000 rs. ; lencos de seda
preco commodo : na ruadoCabug, n. 12, loja do
amolador franco/.
-- Vende-se um cabrinha de 11 annos, com prin-
cipios de sapateiro sadio e do boa conducta na
eua larga do Rozario, loja de sapatoiro, n. 44..-,
-.Na ra do Crespo, n. 10, loja de Jos Joaquim
de Freitas GuimarHes continuam-so a vender pe-
cas de Ranga azul cun 4 covados, a 1,000 rs.; ditas
do zuarte azul, do 4 palmos de largura com 21 co-
vados', a 5,000 rs. ; cobertores de algodflo muito
encorpados, para escravos, a 720 rs.; e outras
nnjitas fazondas, por commodo preco.
Na loja de Jos Wanoel Mon-
leiro Braira na ra do Cres-
po n. 16, esquina que vira
para a uta das Crnzes
vendem-se chapeos para senliora e meninas, os mais
modernos e de inelhor gosto que ha ; sedas pora
vestidos, do cores e pretas, lavradas ; crtes.'do
cohetes desetim lavrado ; ditos do gorgurao; ca-
simiras do mclhor goslo; o outras mutas fazen-
das de goslo.
Vendem-se 3 moloques do 12 a 18 annos; um
ptimo mulatinho de 11 annos ; 3 escravos do na-
CTo, sendo um dellcs caepina ; urna negrnha de
12 annos ; 3 niulatinhas de 14 anuos; duas ptimas
escravas de 16 a 22 annos : na ra Direita, n. 3.
Vendem-se 6 escravos, sendo: 4 de 13 16,
18 a 22 anuos, do bonitas figuras, o que sao pro-
prios para o servico de campo; urna crioula de 26
anuos, com habilidades; una linda parda de 18
anuos com habilidades : na ra das Cruzes, n. 22,
segundo andar.
Vende-so o tratado sobre as leis relativas a
navios morcantes, marinheiros, em 4 partes, a pri-
meira dos donos dos navios mercantes, a segunda
das possoas em pregadas na navegaQlo dellcs a
terceira da conducc&o de fazondas, a quarla das sol-
dadas de marinheiro do navios mercantes: na pra-
ca da Independencia loja de (Micadcrnaciio, n. 12.
Luvasde pellica.
Afianga-se as boas qualidades destas luvas. Ha de
todas as cores tanto para homom como para se-
nliora. |Vendom-se mais cm conta do que em ou-
tra qualquer parte. Na ra larga do Rozario, n. 24.
I
I
flhnlina a
medida velha
Itilhar no l'asseio.
aver sorvete do fructa bem feito e
a 200 rs o copo.
Cartas para volta-
rete,
as mclhnrcs e mais baratas : vendem-se na ra lar-
ga do Rozario n. 24.
-- Na ra da Cruz, n. 26, vende-se urna parda
mura que cose o eiigoiMina ; duas ditas trigueiras;
iluas negrinhas de 12 anuos ; dous pretos c dous mu-
la lin bus.
9
cisco a retalho e em porjcSo por preco commodo
na ra daPraia, armazemn. 18.
Chgafam do norte bonitos
escravos para sevenderefn,
muito baratos na ra das
liarangeiras, n. i, seguudctft
andar :
um elegante moleco de 20 annos com principios
de sapateiro, o que he onmo para pagem; um
moleque de 14 annos ; um lo de 18 anuos, com
pequeo deleito ; um preto m anuos, de bonila
figura com um pequeo principio de sapateiro-
dous ditos muilo fortes .e^que s3o ptimos par
armazem do assuear; um dito de 24 annos que ej.
t acostumado ao trabadlo de campo e entonde de
carreiro, por 420,000 rs.; um dito do 40 annos, mui-
to forte sadio o quo lio bom canoeiro e optir.n
official do canteo ,, por 400,000 rs. ; um dito bom
para trabalhar em algum sitio por 220,000 rs. ; )lm
pardo de 38annos por 330,000 rs. ; urna preta, que
lava muito bem por220,000 rs. ; urna dita boa do-
ceira c cozinheira ; nina mulatinna de 10 .annos-
uina prela de naQ3o, de 26 annos ,*1)oa quitandeira'
por 420,000 rs. ; urna preta do 20 annos com'mnI
lo bom Icito o sem cria ; c mais outros oscravos.
Cacleirasa p lka, a 1^600 rs.,
vendem-se no armazem de Gumariles no caesd|
Al fandega c cm casa de J. J. Tasso Jnior, na rift
d o Amorim, n 35.
VllNHO DE BORDEAUX.
Avrial Irmiios receberam novamento urna peque-
a quantidade de vinho de llordeauxf em qliartolas'
como aquello que ellos estilo acoslumados a receber*
semprc da mclhor qualidade que aqu tem vindo
por isso avisam aos seus freguees de irem ou min-
darem comprar esta p-quena porco, afim de imme-
diatainente mandarcm buscar outra para nilo lica-
rcm privados, como tem acontecido, deste precioso
vinho, a que j estilo acoslumados, e que na verdade
he o mais proprio para tste paiz.
Vende-se cal virgem cm barris ebegado* pr-
ximamente de Lisboa, por prego mais barato do que
cm outra qualquer parte : na ra da Mocda, arma-
zem ll. 17.
Escravos Fgidos.
Ausentou-se, ha dias, da casa deseu senlior, b
cscravo Jo..o pardo trguero de 15 a 17 annos,
cara grande, olhos regulares, bons denles; bem
conhecido por andar freqHentom&nte fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a son sonhor, Luiz Go-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Vligio, na noile de lo do corrate,
nm preto, de nome Fernando, de nacao;
mas parece crioulo por faljar bem e ser
Vende-se sebo do Aracaty esteiras carnauba, I j,u., j ,,__. ,.J
sola, courinhos, chapeo de pal ha, sapatos, sel )0i bstanle desem buraca do ; reprsenla ter,
derretido : na ruada Cruz, n. 26. f\^o annos ; de esliilij.ra.aH rbslo com
Va a noel Io;j
amos.
izul para fardas, a 4,500
chita franceza, a 360 o
seda muito superiores, j
, a 800, 1,000, 1,200 e ]
1,440 rs.'; loncos de seda para grvala a 440 rs. ;
ditos de cassa a 200 es.; peinceza muito lina a
1,000 es. o covado ; beim lieanco de pueo linho,
a 1,500 es. ; chapeos de sol de seda peeta e deco-
res a 6,800 o 7,000 rs. ; chales de lita, a 2,000 rs. ;
ilitos ile lita o si-da a 7,000 rs. ; lirim pardo a 800
rs. a vara ; nieia-rasinnra a 600 rs. o covado.
Lotera do Rio-de*Jaiteiro, abe-
neficio da fbrica de papel.
Vendem-de blhetes desta lotera em casa de .1.
O. Elster na eua da Cadeia-Velha n. 29.
Vende-se um sobrado de um andar, em chitos,
proprios sito no largo do Terco : a tratar no mes-1
ino sobrado n. 26.
Vende-se a l-eni conhecida venda da ra do i
Itangcl n. 11 a tratar na mesma venda.
V-. nde-so una cidlior do prata de tirar sopa ;
ci.rdoes de ouro ; annoloes ; brincos ; botOes ; roz-
las .; argas ; o outras niuilas obras do ouro para
homeni o senliora; una caixa de prata dourada, obra
iHiiito delicada : na ra do liangel n. 11.
Vende-se una poreo de fumo da Itabia em
lardos fumo de laviador, sortido de ptima qua-
lidade clralo : na ra Direita luja io sobrado
n. 82.
Vende-se urna espada de metal propria para guar-
da nacional por muito barato, preco i na peaca da
Independencia n. 23.
CAIXAS DI-; VELAS DE CERA DO ItlO-DK-JAISEIriO,
de urna libea al 19 o lo ni bem beandOes lochas e
bogias a vontadedo comprador: na ra da Senza-
Vclha n. 110.
Continua m-se a vender bolos de todas as qua-
lidades: la.-nbein se fazeni bandejas dos ditos com
mu i la peefeicno: na Soledade, padaeia n. 14, de
Joaquim Francisco da Cruz.
Vende-se urna venda na ra da Concordia n.
15 : a tratar com l.niz Caclano Borgcs.
Vcndem-sc superiores charutos regala, por
prego commodo: na ra do Trapiche, n, 34.
~ No airuaz.em de Fernando Jos llraguez, ao p
do arco da Conceicflo, vende-se superior sarca-par-
rilha por prego commodo, para fechar contas.
Vende-se nm bom piano inglez, usado, o que
precisa de algum concert proprio para so apren-
Vende-se una bal retina, 1 barrelao, 1 farda o f
lalim, proprios para oflicial da guarda nacional : na
ra Nova, n, 35, se dir quem vende.
Vende-se um moleque de bonita figura, pro-
prio para aprender qualquer ollicio c que nflo tem
vicio algum : o motivo da venda se dir ao com-
prador: no pateo de S.-Pedro, n. 6, segundo an-
dar do sobrado que vira para a rita de Hurtas.
Vende-se una marqueza do enndur com
assenlo do palhinha una mesa ja usada, um lia-
nlieiro grande, com ps de rodas; duas rotulas pa-
ra janellas ludo de amarello ; uina escada propria
para armacSo de groja, ou para pedroiro.por ser
grande : ludo por proco commodo : na ra do Itan-
gcl, n. 17.
Vende-se nm elegante mulatinho
de io minos pouco mais ou menos, muito
proprio para pagem na ra do Quei
mdo, loja n. 4o.
Vende-se um cscravo pega com ollicio de sa-
pateiro : na ra do Collego venda de Sebastio
Jos Gomos l'cnna.
Vende-so lio de vela ; progos caixaes de 17 li-
bras cada milht-iro ; machados de 3 4 libras; pan-
no do linho; coeiros de algodiio; botOes pretos de
osso : tudo do Porto : nu-ecueio-docc de Lisboa ,
em caixinlias do 3 libras ; velas de cera de Lisboa ,
em caixolespequeos de bom sortimento: na ra
da Cruz, no Recite, n. 54, primeiro andar.
Na ra de goas-Vcrdes,
n m,
vendem-se duas bonitas mucamas, com exccllentes
habilidades ; 3 escravos para todo o servigo ; 3 mo-
leqiies; S bonitos pardos; um excollenle cscravo
do bonita figura, proprio para armazem de assuear.
Uvas, ameixas e passas ,
Indo novo chegado ltimamente o de qualidade
superior: vende-seio armazem de Dias Ferreira,
no caes da AI fandega
Vendem-se 700 esleirs de ralba do carnauba
piuladas c brancas, cliegadas "peoxiniameiite.do
Aiacaty : na ra do Crespo, loja n. 10.
Na loja de J. J Maya Hamos & Compa-
nhia na ra Nova n. G ,
ha para se vender um bello soilimento de espelhos
don nulos com ricos quadros,
prido, bastante barbado, c cosluma usar
de suissas por baixo de qneixo ; tem fal-
ta de denles na frente olhos pequeos e
alguma cousa nverme!hados ; tem urna
pequea cicatriz no ante-braco cf-qnei o,
ps grandes c mnitol argos; levou camisa
e calca* l)rancas,suspensorios, e sem cha-
peo ; mas deve j ter mudado de rou-
pi por ter alguma fra de casa ; foi es-
eravo do Sr Thomaz Jos da Silva Gns-
miio. Quem o pegar leve a casa de No-
vaes & Companhia, na ra do Torres,
n. 34 que ser recompensado
Desappareceu, nodia 16 do corrente peUsT
lioras "da noite, o preto Joilo, de hagflo Cassange,es-
ta tura regular secco do corpo; tem uina cicatrii
em urna perna, e he sarjado'noeslamogo, devenlo-
zas que levou. Este prelo foi cscravo de Joilo Ber-
nardo ,e vendido a Jos Joaquim Teixeira, cmS.-
Antflo, o dci os a Francisco Jos Duarte Camargo,
morador nesta pinga e este o vendeu a Izidio Jos
Caparica boje sen |>roprio senlior. ltoga-sc as au-
toridades | oliciaes e capilles de campo que o
pegareo, levem-no a ra da Lingota, n. 3, qu
serlo genorasamente gialificado.
Fugio, doengcnlioQueluz freguezia de Ipo-1
juca o cabra Miguel de estatura alta vesgo ; le"
as pernas grossas ; levou una caiga de riscadinho
azul camisa de algodflo da trra ceroulas de h
godfio e chapeo do palha ; e tambem fuma : quem
o pegar leve ao referido engenho ou nesla praga,
a cusa de Francisco Antonio de Olivcira na rira
Aurora n. 26, que ser bem recompensado.
- Fugio, no
Joaqnim de naco Angola; represen-
ler 35 a 4o annos, de corpo e eslatu-
regulares roslo laepo e b ibadoi
tem o dedo grande do p diieilo dc*j
menldo, e forma um belao le carne po^
baixo d- juna do nicsmo dedo ; aindl
ica bem no fallar ; I
proprios para ornar
-- \ende-se um escravo pardo bstanle mogo, Idcra locar, por ser de construegao muito lorie, por
nao *e explica bem no fallar \ levou c
misa e caltas de algndao azul lianrulo.
0S|Estc prto Ibi/le Mancel Antonio Ferei-
menlo desalas, sendo'dos seg'uints pregos : de 24 ra, morador ni Lapa, ao pede Goiaiuia
poHegadas,a7,O00rs.;de28dilas,a ll,oo0rs.;e Quein o pcgai leve a ra da Alfandcga-
Vellia, n. 36, que ser generosameut|
recompensado.
- Fugio, no dia 16 do corrente, as 10 horas
nianfia o escravo Jos, de nagflo, cor fula, puf
estar bastante upado, lingoa branca, pespequenos,
altura mediana secco do corpo enibgo grande;
levou calcas azues camisa de algodioj velhSi
eumcollelede casimira tambem ja vellio : que*.
o pegar leve aosou senlior, o Exlfe barilo do Suas-
suna ou na ra Direita n. 3, casa Je Jos da I-en-
seca Silva, que sera gratificado.
de 34 ditas, a 14.00Q rs.; Jsapatos de duraque, a
1,000 rs. o par; ditos de inarroquim, a 1,000 rs.
luvas do pellica de boa qualidade, para honiem, a 1/
rs.j parisiense, fazenda muito propria para vestidos,
a 320 rs. o covado ; luvas de pellica prela par bo-
ineru a 320 o par ; ditas brancas, CompridM, P"ra
Minhora a 500 rs.; fitas lavradas, a 120, 160, 200. 240,
0 330a vara e sendo cm pega ser menor o prego,
eludes de la, padres oscuros, pelo diminuto prego
'ie3,000 rs. : uniformes para meninos, a 4,000 rs
cada um.
x Vende-se um carro novo de 4 rodas ; urna DON
gao.do cocos de casca : na ra da Cadcia de S.-An-
tonio, n 19.
- Vendem-se pedras de amolar, brancas, tle ma-
i. -- r----- "" -*- "'"'') i/iunvaof uc na- .
mor quaiiUade que teem vindo do rio de S.-Fran- 1 nw. : ka. np, OtfM. F. de fabia l&'7"
i
col
co
se
o
filr
Jo
qu
A;
eo
i
da
ab
es
n
mi
ap
os
e(
lh


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMIGNRQ7D_LWXG73 INGEST_TIME 2013-04-30T20:49:56Z PACKAGE AA00011611_09746
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES