Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09743


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I uno de 1847.
Sabbado 16
O DIARIO puMIca-se todos os dia, cine nao
,1c euard* o prec.o d asignatura he de
?i. rs.por quartei, pagnt itdiantadns. Os an-
dos assigrtantes s3o inseridos ras"io de
l','".' nsrlnlia, "\0 I*, em lypo diTTerentc, e as
,lirt Bal metmle. Os que nao furin s.'g-
Sm^o 90 PO'Jwn. e ,0 ein lP
flere,rt"pO':*'l-l'ublca?;o.
PARTIDA DOSCORREIOS.
'
(loianna e Paraliyb, s segundas e sextas feirm.
Rio-tirande-doi-Sorte quintas feirasao meio-dia.
Cabo, Serhihiiem, Rio-Koriaoso, Porto-Calvo o
- M icei 'I no t.', a 11 e i i di: cada ptez.
(Varanlium e Bonito, a 8 e 23.
l!oa-Vita e Flores, a II e II.
iVictori, s quintas feiras.
uSFS DA L A NO ME7, lE OUrUBRO.|Olinda, todos os dias.
. *! '' i a 7 llorase 16 rain, da manli.
'^oante, ^ ^ Q hofaJ m|n ds inanh
*"""',,,' a!. Iiora JI min. da tnauh.
:'"Ct -. aII a 9 hor. c 10 min. da tai de.
uacnea ||0rM 35 mn> da UrJe
lingoante ""
PREAMA3 OE HOJE.
iPrineira, l 10 llorase G miamos d manilla.
[Segunda, s 10 horas a 30 minutos da tarde.
de Outubro. Anno XXIV.
-N. *<*.
dia$1>\, semana.
11 Segunda. S. Frmino Aud do J. dos orpli.
ilo J. doc. da v. e do I. M. i., i v.
12 Terra. S. Cypriano. Aud. do .'. do cir. da
I. v. e do de paz lo ?. disl de t.
13 Quarla. S. Eduano. Aud. do J. do civ. da
V v. e do J.dc paz do 2. dist. de t.
II Quinta. S. Calislo Aud to J. cVorph. c
do J. municipal da I. vara.
15 Seita. S. Thcreza de Jess. Aud do I- do
civ. da I. v.e do J de paz do I. dist. de t.
16 Satinado. 5. M^rtiniau. Aud. do J. do civ.
da I. v. e do J. deaz rio I dist. de I.
18 Domingo, lleduviges
CAMBIOS NO DA 16 DE OOTpBRQ.
Cambio sobre Londres a 3T/j d p. l#r.G0d.
i) V Peris JW) rs. por Tranco.
,) a Lisboa lO'.a l ir. de premio.
Desc.deleilrai a I o Ih-nusde' aomi /.
OaroOncm I cspanhoUs------.~
MaedasdeeJ ovelb. itt/Tz&o a i*?*;>
o
dat/OOO..... 'J#|00 a 9j2ii(i
l'rat* _P.tac.es.. ....... 2#n" '!'<>
n Pesos coluniuarcs... IS0 a 2JHI00
Ditos mexicauos.... 1/820 a IJ840
Miuda............. Ii'.'30
Acedes dacomp. do Hcberibe de 5.f000i.aopar.
DIARIO DE PERHTAMBUCO
aiaaw'*^'" >F"1~*
EXTERIOR.
CfjnRESPONDF.NCIA DO DIARIO DEPERNAMfUJCO.
Lisboa, 20 de agosto.
0 assumplo que hoje oceupa exclusivamente todos os
nimos lie a noineacao do novo ministerio, nomeacao a
'ate se proceden por intimacao das potencias adiadas,
conlormldadc do protocolo de 21 de malo ultimo. A
poniracao do novo ministerio tcm dado causa a una cri-
K que airda dura, por cansa da birra da coi te, cm que-
rer excluir do poder individuos de certo partido; po-
rm, Para o por ao Tacto de tudo o que tcm havido a es-
sc rspeito, referir-lhe-lici o que tein occorrido desde
adata da ininha ullima caria.
Kodia 31 dejulho, tenninou a suspensao das garan-
lis cnodia 2 do corrente. (porque no dia i.eera do-
mine0) publicaram-se todos os jornaes antlgos ; isto he,
a RetolucSo i' Selembro, o Patriota e o Prrindioc > dos l'o-
brts. Uo se publicou, nem o Correio de l.iiba, nein a
tuiaracSo, ma em lugar desses appareceram oulros
dous jornaes, a saber, o (andarlc e o Tempo. Q primei-
ru, que se diz ser redlgido por I). Jos Mara Corroa de
lacerda, Lopes Lima e oulros, advoga a causa los Ca-
lirafs c combate o ministerio. O Tempo he ministerial, e
pirecc que escreve nelle o Iliterato Mondes Leal, aulor
u arraujador de dramas para o theatro porlugurz.
Tinlia-se fallado de novos peridicos, algn em gran-
de escala, sustentados por acedes, etc.; mas parece que
tudo licou em projecto, e os amigos orados da opiniSo pu-
blica forain os que toruaram a apparecer.
Fallou-se tainbcindeque os jomaos sabiriain sob pio-
tecco ostrangoira isto lie, que as imprensas cm que
*- impriinom, seriain postas em nomes de Inglozes,
Francczes e Hespanhcs, para aslivrar de ataques, ou
insultos ; porm nada disto acontoceu e ape/ar das a-
meaca dos exaltados do partido doiniianle, lodosos jor-
naes da bpposicao teen^continuado a publicar srn que
M tonha coniuietlido alternado alguin contra as dilas
imprensas, ou contra as pessnas que nellcs oscrevem, ou
all tecm ingerencia verificando-se maisde urna vez o
anligoditadoquediz Cao que ladra nao morde.
He rerdade que talvcz tonha concoi rido multo para
ioa linglWgem mais temperada e decente que tcem a-
nresentadq' o ditos jomaos. A Revolucao de Selembro
leuipre foi um jornal mai. prudente e conscenoioso do
qne o Patriota, comtudo oslo, desde que se tornou a pu-
blicar, lein adquirido maior ciedito, nao s porque a-
bandnnnu em parle as dtatrlbe*./! chocarrices que nelle
onnrfvan ; maa porque upseus acligo tcem stdo Tol-
los scni indecencia e escriptos per penna, que parece
ao desconhecer a carroira periodista. Em geral este pe-
ridico he multo lido, porque aprsenla as suas doiiln-
nas com mais clareza e os Tactos sem rebuco. A Revolu-
to he mais diplmala ; he o jornal da aristocracia pro-
gressista.
0 assumplo que a iinprcnsa te'm ventilado desde que
os jomaos lornaram a publicar-se, tom sido a execu9io
do protoaajlo, sobretudo rolalivamer.le ao artigo que
diirospeTto noineacao de um ministerio que nao soja
catiralista. Escusado he dizor que tamo a Revolucao como
orVifrola nao s sustoniam a necessdade da rxrcucao
do tal artigo, mas inslam constantemente por ella. Pilo
contrario, o Estandarte c o Tempo pretenden! sustentar
que o dito artigo 4." nao so deve executar, porque ataca
aprorogativa da corda. Querom que o dito artigo anda
podosse ter validade cmquanto a caita constitucional
nao eslava em vigor porm, desde que esta rogo, o
throuo est no uso pleno do son direito, para noinoai
quein quler para sous cons.llioiros rcsponsaveis. O
mais singular dislo, he que o Estandarte e o Tempo, ten-
da iniuiigseiii poltica, porque ol'empoapoia o minute*
rio, emquanto o Estandarte o combate, estao comtudo
de aecurdo ueste ponto, poique lhc favorece os sous
fms. O Tempo querque se conserve o ministerio liayard-
Proenca, e por isso repolle o dito artigo, qui;_ o exclu
do poder; o ilnndofl repelle-o igualmente, nao porque
queira a consol vaco desse ministerio; mas porque, de-
sojando a exaltaco dos Cabraes, nao quer que tenha
oxerucao o dito artigo, que exclue terminantemente do
poder os ditos Cabais, lie isto o que quei em os jornaes
piogressistas, e por sso em resposla aos argumentos do
'-mpu e do Estanrfailo demonstran! que foi a coioa
oue.uolicitou a interferencia, quein aprcsenlou ou a-
ceitou os artigoa do protocolo, por coiiseguinle aceilan-
do-os renunciou a qualqiicr oulia prerogaliva em con*
Irario eest obligada a cumpri-los. O certo he que osla
doiiliina parece ser a mesma dos gabinetes das nacocs
inteiferentcs, que porvia dos seus iniiiistros nesta cui-
te tcem ijislado para que se cumpra fielmente o protoco-
lo, ja singular, j conectivamente.
He sobre isto e sobre alguna excesso comnietlidos as
provincias pelo exaltado do partido dominante, deque
adame darei conta.que tem por ora versado a polmica
dos nossos jornaes.' .,
Por decreto de 30 do passado, mandoii o governo pro-
der eleicao das cmaras niunlcipacs em lodo o remo,
-a coiiTorinidade do artigo 24 do cdigo administrati-
vo, c servndo de base os recoiiseaineiitos existentes.
Nesta parto j a le se dcixou de cumprir; pois que.di-
ido os ditos rocenseamentos allixar-se as portas das
frecuezias no dia 16 do torrente, tacs receiiseaineiilos
nao appareceram ; e isto tem dado lugar a altos queixu-
ino da parte dos jornaes da opposic.io ; os quaes te-
ineiii, enao sci so com alguina raz3o,que so trali delal-
ificar os ditos recensoaiiientns, oxcluindoalgunsoloilo-
res que nao conveiiham ao poder, c adinitlindo indivi-
duo que nao estao no caso da le. Me procedimonlo
i nao he novo, e pralicouse ni grande escala as u li-
ina eleifts que se procedeu durante o dominio dos
0?ariola Win apresentado alguns Tactos de eleitoros
que leem sido excluidos, em varias Ierras do remo, do ro-
,.n<...,,.nm > aoso.vcrou em um dos sous ltimos nu-
consfamento, easscverou em um d
mero, que o recenseamentos nao l.nlian sido ainxa-
dos na epoca competente, porque se pretende intiodu-
zir nolles a officialidadc e varias pra9as dos balallioes na-
cionaes. Ojornalista da onposicuo clama que nenh.ini
dostes individuos, polo aclo de perlenccrem aos ditos
batalhdes, est no caso de ser rccenseado.
Con. a mesma data de 30 do passado, se publicou nu-
tro decreto, revocando aquellc que tinha abolido o ju-
ry as causas clines e civeis, publicado pela admi...s-
tracao Sonsa A/.evodo, c tornando por em vigor a dita
nstlluicao.O Diarista que. quaudo se publicou o decre-
to hoje abolido, fez a sua apologa, vocifeando con ti a
a InslItOloao Jos jurados nao disse una so palavra,
quando ella foi de novo rehabilitada.
Com a cliegada io brigue de guerra Vottro e aa cor-
veta O.-Jodo-/., procedentes daMadeira, soube-se que
naquella Ilha se tinha restabeleeido a oidem submetten-
do-se os revoltosos autoridade da rainha. O governa-
dor civil Jos Silvestre Ribeiro ofticia que se continua-
va a gozar all de perfeitp socogo, nao tendo occorrido
nenhuin acto de vingaii9a, ou desordem.
O conde de Penainacor, par do reino o commandante
do segundo batalhao do coinmercio, foi nomeado gover-
nador civil do Porto, para onde parti Immediatamen-
le e dirigi aos habitantes una proclamaban conciliado-
ra. Este lidalgo, posto que perlenja ao partido cabra-
lisia, goza de boa reputacin mo ser um atilado admi-
nistrador, mas far todos os esforcos para que os leus
administrados, seja qual for a sua coiiiiuunhao pol-
tica, gozem de paz c soccego, esejam igualmente prote-
gidos pelas leis.
Oulro tanto nio se pode dizer do conde do Casal, no-
meado govci nador militar do Porto, Este general, napro-
clamaco que publicou, niio seniprega nina llngoagcm
pouco propria para acalmaros nimos aiuda elle vis-
enles, mas falla de si com tiuiorgiilho Indeculpavel.
Ko dia 27 do passado, sabio do Porto Ogeueral Concha
com parte das tropas hespanholas, diiigiudo-si' por I ras-
os-Montes Hospanlia. Ko Porto licaiam 5 batalliurs,
lesquadraode cavallaria o 6 pecas de artilharia, ludo
couiuiandado polo brigadeiro Belest. Em Valonea licou
um batalliao liospanhol. Concha ao retirar se dirigi ao
governador civil do Porto um ofncio manifestando-lite a
gratidiio de que eslava penhorado pola generosa hospila-
lidade com que elle cas suas tropas linhan sido trata-
dos em Portugal.
No Porto trem-se dcscoberto alguns depsitos de ar-
mas que cstavaiu occullos; e tambeni se descobrirain
os objeclos da capella de San-Joiio-da-Foz, que tinhain
sidodeseilcaniinhados durante a revolla. Oiegmenlo
n. 6 devia chegar aquella cidade para rendir o n. 10
que deve vir para Lisboa, c cacadores n. 7 que parle
para Avoiro.
O regiment de infamara n. 8 niarchoii para Braca,
onde vai continuar a fazer a guarnicao daquella cida-
de. Diz-se que fura alli recebido com grande festejos,
nao obstante a resistencia que oppoz aos partidarios de.
.Virii da Fonle em abril e malo de 18-10.
Por decreto do 1." do correte foi abolido o regula-
monto dos transportes, mandado por em vigor durante a
lula que'acaba de terminar, e por oulro decirlo, datado
de 2 do crreme, se estobelecedp una manoira perma-
nente a ropariicao do rommando em chefe doexorcilo.
Contra osla segunda medida lovantaram altos clamores
os peridicos opposicionislas, sustentando que era con-
tra as disposices da carta constitucional, c contra a lct-
tr.a do'prntccolo; visto que era una das medidas julga-
das iliognes, e tomada durante a lula. Sustentaran! mal,
que el-rci, como esposo da rainha, nao podia Ser Infe-
rior ao ministro da guerra, o que aconteca sendo com-
mandante em chele do exordio; c sendo superior nao se
Ihe podia exigir responsabilidade pelos actos emanados
por aquelle inlnisterif.Jtaue era una Lnfraccao da con.
tituieo. Entretanto, rsle^ssumpto oceupou plices das
a altcncao da iniprensa, ou porque conbecesse a inutili-
dade dos sous esforebs, ou porque tivesse a tratar de ou-
lros negocios mais urgente*.
Pelo Ihesmno publico se nian-lon dar proinpta execu-
jao aos decretos de 15 a 17 de junho ulllmO sobre a ven-
da dos bens, direitos e accoes, e a venda de romissao O
foros, censos c pensos, c publcar.un-se as instruecoei
regulamentares para osla venda.
Km consequoncia de alguns espancainentos que livo-
ram lugar no Porto, no principio dcste inez, as autorida-
de daquella cidade tomaram opportunas medulas para
que nao se reiiovasseni taes escndalos.
O governo, por decreto de 2 do corionto.niandou abrir
a unfversidade de Coimbra, c todas as academias e esco-
las, que, em coiisequencia da lula fratricida que por diz
mozos nos flagollou, se achavam encerradas.
No dia 2 do corrente cabio um ralo nos quarteis de ca-
vallaria n. 8, na cidade de Castello-liaiico, o como o lo-
go se coinn.iinieasse pallia, om breve osdilos quartei
ncarain reduzidos a clnza. Os soldados, desprcziudo o
pe loo o os sous oll'eilos, s trataran) de salvar os objec-
los da fazenda nacional e os cavallos, pois de 100 qne
alliliavam s qualro peieceraiii assombiados dralo.
O governador civil do ilisiriclo abri nina lilbSClipcao,
paia por meio de donativos iiidemiiisar os soldados das
pedas que soll'reram.
No dia 29 do passado, passamlo junto ao Roco o capi-
llo de engolillnos Antonio de Azevodo e Ciinha, official
que presiou grandes servivos na guerra contra a usui-
nacio, onde foi grev. mente Terido, mas pertoncendo ao
partido seleiiibrista, foi e.spanc.ido por un ollicial coin
unTormes de infamara, dopois de o Insultar de pala-
vras. Este e oulros fados cassassinios que so tcem co-
motlido em Lisboa e as provincias, li/.eram com que o
cunde das Aulas dirigisse una calanos ministro do In-
glaterra, Franca o ll.spanha, quoi.\ando-se da taita da
exocucao do protocolo, tanto ni parlo que diz respeilo a
nenliiinia seguranca pessoal que havia para os indivi-
duos que tiuhan servido s ordens da junt i do Porto,
cuino relativamente mudaiica de ministerio. Oinesmo
conde das Antas, nao se julgando seguro, quiz sabir do
paiz, mas anda aquse conserva postoque, emeasa e
soba proleccao do ministro brasileiro nesla corle.
Alguns olneaos c soldados dos balalhoes naciouae
quizeram ir alacar o palacio do marque/, do Kayal, no
Luiniar, onde seacba ovisconde deSa da l.andi ira, di-
zendo que all se rouuia gente, e que se tratava de ber-
narda; porm, cbcgai.do ao Campo-Grande, nao passa-
ram para diente, e desistiram da empreu.
No dial.0 do corrente canlou-so um le-Ueum na ca
thedral peloacabainento da guerra civil. Oilmou o par
ii 1.11 cha do Lisboa.-
Tem-sc fallado muito de ftonuirdn cabralisla; cate se
espalhou o rumor deque setentava reunir a tropa, de
linha e o balalhoes, o obligar a rainha a acompanlia-
los para Santarni, calli pioclamai o cabralismo puro.
Enlrctanlo, parecc-me que lacs projeclos nao tcem lun-
damenlo algum, e que sao phanlasnias Torjados na nna-
Kiliaoo dos periodistas da upposico.
O que parece corlo he que, no Algarve, o batalhao que
aaui se Tormou, que parti para all ltimamente, e
a quein O fliariila denominar dos ricos proprietarws,
te.n commcltidopoi aquella provincia.apoiado pela lio-
na, as niaio.es atrocidades. Kalla-se devanosassassinatos
de nessoas que se envolvern! na revolla, c os que tcem
podido escapar s baionetas, ou ao ccete, teeni-se vis-
oobrigado emigrar para lle.pai.lia. Hj isto o que
lizoinicn. te.to Jos Cu. Lo, Ncutcl e Judlce Samora,
l>
i
cuVmandai.tVs'"dos batalbos papulares daquella pro-
vincia. Nao s ellos tcem emigrado, masas suas farol-
ra Coiissoiro, olflcia ao governo declarando que no seu
districtn se goza de completo tocfgo, e fallando das oc-
ciirrencias que alli teeni tido lugar, trata-as de mero
disturbios. Isto tem dado lugar vilenlas rccrimina-
ctSe da parle dos jomaos piogressistas contra o dito go-
vernador civil o contra o governo. Pela sua pane, os
jornaeicabrallsbu euilolsterUes ncgain a mior parte
.1, ses Tactos, cosque nao podem negar procurain at-
l"iiua-Ios.
Em Lisboa os soldados den. 16 contiiiuain a entrar
por varia casas, onde saboni que liabilam seteinbrlstai
e os maltratain de palavras. Ape/ar das repetidas quei-
xas feitas ao commandante do corpo e as autoridades.
nenbuma medida so tomara para evitar eise mal, Je
nSn fosse tuna occiirroncia singular. N uma dassnas ex-
curses, osditoj soldados foram ao*cbafarlze do Hato,
San-Pedro-de-Alcantra e Loureto, e comecaram a es-
pincarosagoadoiros. Estos gallegos maltratados foram-
icquelxarao ministro betpanhol nosta corte, o qual pa-
rece que iliii^i" aogoverno urna nota bastante enrgi-
ca. Conil i que os dito gallegb foram chamado ao go-
verno civil, ercceberain por Indemnliaeao do espan-
camentos, que tofirerain.uns0/600, outro 14/400, e ou-
lro 19/200 iris, conforme as loses que iiveram. Os g il-
I >go asslm Indemnlsdos suspir.uu porque os soldados
iic n. 10 ostornemaapoquentar; mas deadeentao pa-
rece que o furor desses bravos esta mais aplacado.
lose Cabial declaroii no Estandart,- que protestava so-
lemnemente contra as calumnias o f.ilsiilaries proferida
coulraellc e seu irinao, o conde de'lliomar, no pai la-
mento ingle/. Esto pro los lo tem sido objecto do irrisao
ilns jomaos setenibiistas.
O conde do Tujal, iniustro da fazcuda, convocou nina
reuuifio no thesouro, para se decidir se os pagamento
se devan continuar alazer dous tercos em metal o um
oni'nolas, ou voltar a pagai -so melado rui nidal o mola-
de em olas, eoino lolicitra 0 banco. Parece que a dc-
saofo contraria spreteuede do banco.
Diz-se que o conde de Tojal se ollcrocera a un einbai-
xador estrangeiro, para servir como ministro da Lwcud.i
om qiialquoi adiiiiiiistraoo que se forinasC(*porque
iiinguein, segundo a opinio dille Conde, conhece ino-
Ihor a lltuacao linancoira de Portugal. O ombai.vadi.r,
segundo se diz, nao Ihe dou resposla I ivoiavcl.
Segundo uma caria do conde de Boinfim, datada de
angola a II de abril, lauto elle como os domis prisin-
n.iros para alli destellados cliogaram com sando, o
teeiii sido objecto das sjinpalbas dos habitantes daquel-
la possesso ponuguoza. Porm as autoridade os tei in
tratado com bastante rigor. Dous lilho do dito conde
foram mandados para llonguella, e oulros pnsioiieiros
enviados para varios presidios. .
Alguns cabralislasj adniiltem coi.eessoes, oexcliiin-
dodoloda a gerencia nos negocios Jos t.abral, coinn
ooiiciissionario, fazeni a apologa do conde rio I homar,
como mais honesto, e fazeildo-o pobre como Job En-
tretanto, osle pobrelo acaba de gastar 1 cont dcrcis,
om mandar dourar o piular o seu palacio da calcada ca
Estrella, para mide tonclona vir habitaron! breve ipoil,
segunda se di, vai sor demiiiido da embalsada de Ma-
drid, a exigencias dos representante das tros nacocs ci-
liadas.
O Patrila publicou urna roprosentacao do marques
dol'ronicir.1, dirigida aogoverno durante a guerra civil,
para que lodo os individuos que nao qui/i ssciu sentar
prac.i nos batalbos iiaconoes.ou fesscill apprehendldo
higmdo para os revoltosos, foseem degredados para a
costa d'Afrlc. Esta n piesentaco foidesalloudida pelo
supremo cohvelho militar, cujo porecer omesinoin-
l'iVM transcrevo, acompanhando ludo dos competentes
oiimiiiontarios.
O liunue da Terceira, que quando chegou do Porto, se
inostrou pouco lavoravel aos <:.ibracs, por seren, segun-
d dtia, os causadores de todos os males que lomos re-
eoiiloinentc solliido, acha-so agora, segundo parece, de
oulro accordo, ejulga que s os Cabaos sao apios para
ion ni n. Porm S. Ex- tem por contrario o oulro du-
OUC1 o de Saldanhaj que quer a cxclusao dos labraos.
o moslra-se boje um lano /nrtuWii. He por 0 que O Jo-
S Cabial o comecaadcscompor no Estandarte, dizenuo
que elle j fez mais una cara.
Acihini dopublicai-se os debates do parlamento n-
g-lez relativo ao negocios de Portugal o inteilereiicia
das tres naedes alllada. Eata obra, que consta de um
folhcto derfuasi 3iio paginas, pelo prejo de 500 ri, UC
Interessantlstiina pelo Ouiuiro do Importante docu-
mentos qiiccoulm.
Taiubein se osla publicando a Tullas a iraduccao do
chamado Livro Azul.
Foi nomeado nioslro dos principes Francisco Anlouio
Mal lilis BailOS, profossor de laliin, que goza dos nie-
hoi os crditos, tanto relativamente aos sous conbeci-
iieulus, como acerca da regularidade dus ssus cos-
til mes.
Assogiira-sc que a junta do Pollo gastn nos culo mo-
zos da sua gerencia, sustentando um exercito de26,000
lioinons, fatendo expedlcdes, comprando armas, vapo-
res, be. a quaula de 1,300 conlos. O governo de Lis-
ji.i. nao Tallando nas soiiinias consuniid.is pelas riivi-
ide de Saldanha,Casal, Vinhae ovisconde de Selubal,
Jeapendeu s.i em Lisboa eui objeclos militare para mais
de 1,8011 conlos!
Falla-se da orga'nUacSo de clubs militare, com o
receitos que os regiain ames da reaceo de 27 deja-
iciro de 1842. Pretende-se que a meinia causa surta o
inesino cflelto, logo que so julgue conveniente
Antes dachegada ilo regimeiito deinfantaria n. 10 a
ala capital o ministros de Inglaterra, Franca cllespa-
iba dirigirain uma nota ao governo, manifestando qne,
eiulo aquelle "regiment alguns motivo dequeixa dos
Habitantes da capital, por causa da reeopio que lhc
nseram o anuo passado, era de recelar que leonirga-
sruui excesso para desaggravar a amiga allionia, e
que o mais prudente ora nao mandar vi i o dito regillll li-
to para Lisboa. Parece que o governo responder qne
nada havia a recelar, porque o regiment n. ti era o
lymbolo da disciplina c obediencia, o que alm disso,
tliiilu leito eminentes servicos, sera urna ollensa recU-
sar-lhe o regresioao seu antigo quartei. o procedlmen-
lo que leeni lido os soldados do regiment u. l prova
que os ministros esliangoiros nSo se engaaran! nas suas
conjecturaa. Entretanto, osacdnteclmento leem-se pas-
sado sua vista, c cllcs nenhuiu remedio lhc looni
dado. .
Consta que em Avoiro, Coimbra e om oulros pontos do
reino as lionas do governo, os cabralista o a inesmas
autoridade fcem commettido excessos e vexainc con-
tra os individuos que servirn! juma do Porto, tul
la-Nova-dc-Koscoa, um tal Marcal, que he adininsti.v-
pertcncerstt) s Torcas populares, ou sao conheeidos
como anecio causa da junta do Pono.
Em Elva havia alguns olliciaos que serviram nastro-
pas da junta, o reqiieondo, na conl'orinifi h di .niinis-
lii, que Ihcs periiittlssem o ir residir par) as lerras-on-
do tiiiliam familia, para pndoreni viver,poi enllocados
na terceira e quarla socoSu nada ri eluiu do sold,
ate osobrigun a jiisiiiiciu asnaadhosd rainha c a
carta, nao foi concedida ao ditos olliciaos alioencaque
pedi.iin, sem que jusrificaascni que linhan familia.
I,lo naverdade he bastante vexitoiio.
Insiallou-se em l.sba una coirtinissao de soccorro,
para auxiliar os militares e ouiras pessoa que Acaman
reduiida .i miseria com o desenlace que leve i lula que
tenninou.
Consta tambera que o partido progressista Ja romr-
cou os seus trabamos eleitocaes.
Tendo o Estandarte censurado a proclamacSo le l>. do
outubro. disseque o duque de Sald.iulia T.'.ra engaiia
do ; porque, estando lora de Portugal lia uiuitos anuos,
nao eouheeia o estado dos nossos negocios; e que alciu
dissoso i ultima hora aprescnlra o sctis cllogas a
dita proclaiuacoo n.u i assign.ir. O duque de Saldanha
responde a issb u'liuia carta que se publicmi no Dia
if. (iorrnio, que nao fra engaado, que a pi.,. lain i
ne li de oulubro era o progiamWa do mluisieno qui-
en la o se formn, o que elle duque) aluda boj.- susten-
ta, o que lanibcm nao eraexaclo que os -.cis i-ollog.is
nao tivcsscm coiihcciiiicnio da dita proclainacao en3o
a ultima hora ; porque a conheciam dcanieino. Sal-
dan!, fasendo esta declaracao, faz conhcccr plena-
mente que quer a excluido dos Cabraes do poder, se-
gundo manifestara a dita proclamo ao, o hosla pilula,
que o Estandarte, jornal cabralista, uSopdde dciua-
neira alguma engolir.
O Palriold publica agora um supploinenlo burlesco e
caricato com llthograpbia allegoricas. Os desenlio uSu
s m.ios, mas- ewo inulto longe do apreieatarem a
graca cirrisSo dos jornaes, ueste genero, de Inglaterra
e I ranea. Os entendedores quercm auppi que a es-
tampa do primeiro suppjeineulo representa omlultro
aj.ird, ajqiij.'iudo com O protocolo as nulas diplnma-
n as e outra multa papelaria A do tegundo disem que
he Costa abral commaudando as cleic i emPorlO-
dc-Moz ; c a do tercclto querem que seja o padre Mar-
eos, esgotando o lonnet das Oanaiies, Sao ei bc tcm ra-
so, nem se oeinprehcndedor tirar lucro delta espe-
culacSo.
0 governo tem nomeado scaes, paralrem Investigar
o estado cm que se acb.ini os cofres das all'aiiilcgas do
reino libas adjaceutes, onde domlnou a revolta. Pro-
rogou tambem por mal tres metes o prazopara o sello
ci.is notas do banco do Lisboa.
\as provincias do norte tem havido Talla de climas ;
em cousequencia do que o bispo teem ordenado pnces
publicas n i suas dioceses, c fasem-SC procisse* do pe-
nitencia.
O governo dirigi una circular aos goveruadiir ei-
vis. incumbindo-oi de empregartodos os ineioi persua-
alvos para conduzir ao bpiu caulujio ospovos que dc-
veui achar-se deivalfudo depoi de uma lula tao pre
longada, que os nlmigoa da oidcm procurarSo por
lodosos nielo continuar i conservar no u.esiiio estado
de agitacao. Recommenda-lhe Umbeni vigilancia no
exime da* possoas qne iraiisilaiu pelos seus dislridos,
nao pondo comtudo impedimento algum aquella cujo
papisselamlegaes ; e ordena-lhea que empreguemo
unios que as leis Ihe coiiccdein para obrigar os que re-
tcnliam em son poder armas un outro objecto do estado
,1 entrega-Ios.
Effecuvamente pretcncSo da assembla do banco de
Portugal, para que as olas loriusseni a entrar cm nic-
i.nle no* pagamentos, leve una declsiia contraria. O
Otario publicou uma portarla do conde do Tojal, din-
gula a dita assembla cm que lhc lidiara que o ej>
vernu nao pode aiinuir ao seu pedido, por nao ser pos-
sivel, nas actuaos ciieiiiiisi.iucias, combinar os inloresscs
daquelle estabeleclinento com os da causa publica e do
oslado.
Entretanto, alguns dias dopois appirccoirtio liiesnio
Diario tiiii dcc'ceto prorogaudo al lo de tetembro o pra-
zo para o pagamento das dcima e imposto, melado
cm papel e metade cm metal.
Por decreto de i2 do cm rente ii.indou-sc proceder
oleicoes ,i cutes. O governo vai .i/ohilo i- i oiiccSmms
estipuladas no protocolo, aos poneos, o que nioslra que
o Taz violentado. Primeramente conceden i llberdade
da unpreiisa, dopois rest iiieieccii OjUry, eagora manda
proceder ;:s cleices. A le por que oslas se bao de t'.i-
zer, posto qm- determine que lejam Indirectas, contem
limitas das dlsposicdcs daquella que promulgoO o mi-
nisterio do duque de l'alinclla, mas nao exclu os empre-
gados pblicos, beiu se ciitcnde. Ilclerniina, porriii, que
nao se vote em listas com carimbo, OU oulni signal pe-
lo qual se possa conhecerjjn quein oeleitor vota. Ueo
queira que esta di*posc,D nao Oque em le tira mora.
Al ao dia ^7 de agosto podem requerer aquellos que
se jiilgaroui projudic idos no i ecousc.uncnl-j Asopera-
ecs do recenscaniento comecario a I desetombro, fl no
dia 15 se publcario a> ii-t is dos que podem sor eleito-
re de freguezia, de provincia, c posTque podem ser dc-
putado. Ale ao dia'-'(' de BctCinbro poilom-so T,i/er as
iccl.iinaciies dos que nao forein rccenseado Esta i
. lainacoe cttaro decididasdelinilivamentc pelasconi-
missdesde recenteamento, pelas cmara inunicipaea
ou polos coucelhoa do dislricto, it. 21 de outubro ; por-
que no dia :5l do incsnio me terao lugar aa eleiedea nas
assembb is primaria!. Aelelcflcs para deputado terao
lugar a l de uovonibro nas n pci Uvas cabeca de dis-
lridos, c as coi les devcni ieiinii-se .i .' ile |.iuer.o.
No estado env que por einquanto .cacha u paiz, lie
iinnossvel aventurar qual lera a face que apresentem
as Tullirs cleices. Dxal ellas scjaiii p.ieilicas.
Tan Yill.i-.\ova-dc-('>aiadoscobiro*Sc que um corneta
do regiment i de infantarla era m'ulbcr c mo lio-
iiiem. I na criada da casa, para onde u dito cometa ioi
abolctado, he que-fez adescoberta, por ser da Rcgoa,
tena do iiascimculo do dito coiiieti-Teme.i, que. se-
gundo m- diz, lem l anno de idade. "n
Segundo o que di/oni os jornaes do Parlo, 0 desarina-
uiciilo dos pavos dos distrelos de braga, Avoiro 8 Villa-
lloal vai-so verificando cm glande escala, e sem resis-
tencia. Alm disso, prorcde-M nos meamos dislridos
so ni Tutaniento sem inconveniente algum.
Km cousequencia de S. H. a llainh I le chogdo ao
sexto-meada sua grvido/. mandarau-seJazer preces
pro feliti puna.
Publicou-se um breve pontificio para ojubileu do
anno sanio, o urna pastoral do patriareba .i. iasboa.
iiiandaudo i kccutai no palriarchado e diocses do rei-
no o dito breve.
Erssaas7asaBt;4\^^ .....<.......*-**
MUTILADO
M


nhaaeacha restsbeleclda nas ilhas dos Acoures, o que
o socego c ordctn publica coutinuam a reinar naquell-is
possosses ultramarinas. As juntas all formada*, logo
que aouberam que todo o continente do reino se a-
cha suhmetldo atttorldade da rainha, dissolvoram-
se, e as legitimas autoridades tomaran) posse dos eus
cargo*.
El-rei I) Fernando contina, de lempos rm lempos,
a visitar o castcllo de San-Jorge e os quarteis mil i -
tare.
Ro dia 18 do crreme rclientou, pela volta da ineia-
noite, una violenta trovoada sobre Lisboa, cahindo al-
guns raios tanto nas iniu'ili.uors < 1. capital como em
vario* sitios della. O hus notavel Coi o que caliio no
largo do. Carino, na propriedailc que faz frente ao ox-
t i neto convento do (armo, boje quartel da guarda mu-
nicipal. Entrou pela chamo do segundo andar, percor-
reu parte (leste, subi agoa-furtada, deseen depois ao
pi metro mular e sumiu-se. Felizmente nao uH'endeu
ningiiein, neni o moco que dormia ii'agoa-furtada; mas
deslruio inuilos trastes, vidro* e outros objecin. Os
cicessivos caloics he que agglniner.arain a trovoada ,
que foi trrrivcl, mas l.-luinonlo breve poique urna
copiosa chuva que calilo a dissipou.
Publicou-sc o regiilainento para a convenci e rc-
duccao dos povos, censos e pensos, segundo a Ici de
22 (le jmilio de iNli.
[Soinearain-jc os coinmandntes das diversas divisos
militares.--A i primeira contina o visconde de Fonte-
Nova ; mas exoncru-sc o chele de catado-maior, o eo-
i .-nelJos Freir de Pena;c nomeoii-se, o coronel Adriao
Acacio da Silveira Pinto, irino do coucrlheiro Albauo
da Silveira PintoPara a segunda divisao foi nnuiradn,
o brigadeiro Francisco de Paula l'astospara a tercia-
ra, o tonenle-gcneral conde do Casalpara a quaili
o marcena! de campos conde de Vinhaes pira n quin-
ta, o brigadeiro graduado baio de Vinhaespara a sex-
ta, o brigadeiro graduado Jos Pereira Pintopara a s-
tima, o brigadeiro baro de IIescudepara a oona.o ina-
i'crhal de campo Antonio de Padua da 'osla. (Jover-
nador da praca de Elvas o brigadeiro de engenheiros
T.oiiioiico Jiistiniano Lima Todos estes generaes per-
teneci ao partido cabralisla, c combateram na hita
contra a junta do Porto.
Parece (|iie durante a lula o marecital Saldanha exiga
que, tei ni i liando esta pelo triuni|>ho da reaccao de li de
outubro. fossem desterrados para lora do reino--o con-
de das Antas, o conde de Boinfim, o visconde de S-- os
imiaos Passos os huaos l'into ('asios-- o barfio di
Villa-Nova-do-PascOaJos Aluxandre de Campos
Jos Kstcvao Caclho de Magalbaes Antonio l.iii/. d
S-nbra Francisco de Paula Lobo de Avila Joaquim
Antonio de Aguiar c Antonio Cesar de Vasconccllos.
r.mquanto ao inarquei dCXonl, conde de Mello Jos
l'edro Celestino Soares e outros julgava-se que nao se-
ria necessario faze-los sabir, porque ficariam socegados
sahindo os outros.
Obatalho naval regressou de Setubal, ileixando a
o ni destacamento. Todas as noticias recbalas daqucl-
la villa fazem o maior elogio ao comportamento do
dito batalho.
Consta por noticias de Angola que houvc all siispci-
tas de tuna conspiraran de accordo coni os deportados
de Torrcs-Vodra, e que o governador de Angola man-
dara para Mossainede.s o conde de Uoinlini e nlguns
outros dos deportados. Parece que a denuncia fra relia
jior iiiii tal Matoso, preso porciime de esclavatura
Dissc-se que o conde de Tliomar recebra inliuiaco
para partir de Madrid para Franca ; mas agora sabe-sc
que se espera brevemente tiesta corte. Ajuula-se que
fra agraciado e mais o seu riiio Jos Cabial coiu a
groa-cruz da oidein de Culos III, pela rainha de lies
panha.
A eoniiiiis.ao eleitoral progressista compoo-sc do mar-
ques dcLoulde I). Jos Coiitiiiho de Mcncastre
Francisco de Paula Aguiar Ollolini ~\ elle/Caldcira c
Anlunio Rodrigues de Sampaio.
Dia-se que se tem dado coinniandns a varios coininan-
danles dos batalhes nacionaes; c que te envin gran-
de numero de condecoraccs das orden* de Chrlsto,
Concoico c Torrr-F.spada para seren disti buidas pe-
los individuos dos ditos hatalbocs. Isto uo so tem (la-
do lugar a quervas da parte dos qu nao foram agracia-
do*, pnis nao era possivcl contentar a todos; mas tem
ratisado grande descontenlamento naquelles que ti-
nliain nblido iguaes condccoracoct, por servicos dis-
tinctos,
Aimprcnsa progressista clama boje altamente pela
dissoiucao dos balalhcs nai ioiiaes, mostrando que a
Ma croaeo he contraria caita; que fot tuna das me-
dulas illcgacs lomadas durante a lula, c como tal est
iZl'luida na leltra do protocolo contra as medidas lle-
gis A imprensa cabralisla combate esta opiniao, sus-
tentando ()lie a imprenta progressista qner a dissoiu-
cao dos batalhes nacionaes, pelo odio que Ihc tein,
em consequencia dos servicos que prestaran) ao throno
cacarla, na ultima lula. Entretanto, assegura-se que
os ministros das potencias adiadas dirigiiam nina nula
ao governo poringnez, cxigiudo a inmediata dissulu-
C&O dos ditos Imlalhoes.
A Junta do crdito publico contina em grande atra-
so no pagamento dos juros das suas insc ipcoes, e Se-
gundo pesseas fo ni informadas emita coin poneos ou
iieiihiius reclusos para o levar a cll'eito.
OTtmpnc oEstandart*i|iiizeram piireinduvida a valida
de da CunVeifcfto de Oranido; porni a lllipi cusa progres-
sista apresentnu documento* provando que a dita con-
vencao fra approvada pi los rcpreseulantes das poten-
cias alliadas. Por esta oecasiao, a Itevnluciio de Srlcmbni pu-
blicou nina parte telegraphica do govciuo de Lisboa ao
inareclial Saldanha, ordenando-lhc que atacaste o Por-
to, durante que se ti al iva do convenio, nao adiuilindo
este, nein oiiu a qiTalquer colisa seinelhante, e s a coiu
pleta submissao dos revoltosos; porm, leudo sido rr-
jiellidas as tropas do nialcclial, este nao pode cumplir
as ordena do governo.
O governo noineoo para administrador do conccliio
de Fornos-di-Mgodres O pal dos Cotias Cabraes. Esta
iioine.icao tem sido mtiito censurada pela imprenta pro-
gressista,
Segundo o inappa da divltao dos disti icios eleitoraes
por provincias para a eleicao dos dcpulados, cabe no
continente- provincia do Miiiho, 10 diputados; ao Dou-
ro, 3; a Tra/.-os-Montes, ll a l eira-\lti, 10; i Bel-
ra-Haixa, 12; F.stremadura, 25; ao Alemtejo, 10 ; ao
Algarve, 5; nas ilhas: ao Fumhal, ,'i; Angra, 2;
liona, 2 ; a Ponta-Delgada, 3; nas provincias Ultrama-
rina*', a Cabo-Verde, bis-.au e Caclicu, 3 ; Angola e
Bauguella, ? ; a Mnr.ambiquc, J ; a San-Thom e "Prin-
cipe, 1 ; aos estados de Goa, 4 a Maco, I a Timo:- e
Solor, 1.
A asscmbla do banco commercial do Porto numeoii
urna eoininisso para proceder a un examc sobro o es-
tado daquelle estabelecimcnto. O parecer da dita eom-
uiisso de inquerito inostra que a direccao do dilo ban-
co s emprestara junta revoltosa a quantia de ris
07:735,000; porm que a direccao se achaca alcancada
em outratjtnuilas c avultadas i|iianii is emprestadas an-
teriormente ao governo, contra a disposic.au formal dos
seos estatutos. Parece que a opiniao da dita commissao
nao he muito favoravel a alguna dos directores.
Finalmente o ministerio Proenca-Hayard, apezar de
todos os esforcos que fez para se sustentar no poder,
fiticcumbio no dia 14 do correle; mas desde entao at
boje anda nao se formn ministeriodlgum. Desde que
se comeearam a publicar os jornaes, o* que pertcncem
ao partido prognssisia nao cessavain de bradar e! que o
iniiisleriodcvia ser mudado, porque nao eslava no es-
pirito do protocolo, e era cabralisla. Assegurava-se que
por parte dos representantes das potencias iiitcrfci cines
.se l'azian as inesmas intmelas, porm nao se poupava
meio alguiu de as Iludir, at que a_ do corren te os
ditos repreeulantes dn i-ir.uu ao ministro Itavard nina
noi i collciiva c i;Tminantc para que se verificaste a
nudaiica ministerial. K-ta nota publicou-sc nos jornaes
das|eJc(1es das cortes, que era at onde quera che-
gar o dilo governo, e depois aguardar os resultados,
las, tendo no dia Clchcgado o paquete de Inglaterra,
allirinnu.se logo que troiucra nao son* mais terminan?
tes ordens de lord Palmerstou a ir U Seyutour, para
eligir a mudanca de ministerio; mas tambem recoin-
niendacoes do uosso iniujstrn em Londres para certa
alta personagem, aconselhandn-lhe que mudasse quanto
antes o gabinete, alias s.-r-llie-hia funesto.
A i i-solin ao tao decidida de lord Palmerston parece
que foi motivada em consequencia do aspecto que to-
maran) os cleitores. Alguiisdos ininislros, que fallaran!
mais favoraveis .i causa da reaccao de 6 de outubro, nao
conseguir ni ser reeleilos ; e o inc'smo lord Palmers-
ton, acensado po collegio eleitoral de Tivertou, de ter
protegido o absolutismo em Cracovia, e ltimamente
em Portugal, vio-so obligado a declarar que o governo
higlez laria cuniprir todo o que tinha prouiellido no
protocolo aos Porlugtiezes.
He certo que, logo que chegou o paqqete, o marcchal
Saldanha pedio a sua demissao de chefe de estado-maior
do cninmandantc cm chefe lio exercito, como querendo
mostrar que nao linha conlianca no ministerio, c os
niemhros desle foram chamados inmediatamente ao
paco, estiveram l algitmas horas, c dit-se que todos li-
nliain pedido a demissao. F.spalhou-se tambem que vie-
ra de Inglaterra onlem a sir II. Seymour para exigir
i inmediata fonnacao de ministerio.
I.ogo que se soubc em Lisboa da quasi onicial demis-
sao do governo, coinecmi a pralicar-se.o que se costuma
em taesclises, isto lie, cada um a fazer ministerios por
sua (mili.
Di/.-sc que fra chamado o conde de Lavradio para se
encarregar da formacaodo gabinete; mas S. F.xc. se a-
cha no campo, dcSCUlpou-Se coin o estado da sua saude,
c nao quiz encariegar-sc da missao. Di'.em outros que
elle nio (ora chamado porm he certo que figurn em
innilas listas que se publicaran).
Queni ell'cclivaniente foi encariegado da formacaodo
gabinete foi Rodrigo da Fonseca llagalhaet, o pul a-
presentoii ossegufntescandidatos: ileino. Rodrigo
da Fonseca Magalbaes; fazenda, barao doChancelleiroSj
(Hauoe Antonio de Carvalhoj juslica, Jos da Silva
(.arvalho; estiangeiios, conde de Lavradi.i; guerra,
Adriano Guilhorinc Ferreri ; marinha, o vicc-aliiiirautc
Noronba, TiA<> querendo o conde de Lavradio aceitar
ueiihuma pasta, licava o Sr. Itodiign tambem Interina-
mente eom a dos eslrangeiros.
i iiiii esta conibiiiacao ministerial, o chele do gabinete
apresrutouo sen programiua poltico, uoijual ligurava
a Bel execucao do protocolo, a reforma de le eleitoral,
multiplicando os collcgios eleitoraes para dar mais ga-
rantas BOS i leitorcs, a desistencia de el-rei do cum-
ulando cm chele do exercito, a dissoiucao inmediata
dos halalhcs, e outras medidas vcrdaderainentc eous-
tituciouaes. Kste programiua, assim como os collegas
qucoSr. Itodrigo da Fonseca apresentou, nao agrada-
rain nojiaco, porque algueiu tratava de por obstculos
fonnacao uc um ministerio de certa cor poltica. Parece
que se quera que o Sr Fonseca Magalbaes nao esco-
Ifaesseosseuscollegas masaceitasse aqucllet que Ihe
desgnassem.
U marcchal Saldanha andava muito afadigado ueste
negocio nicamente por um mola proprlo, c nao por In-
cumbencia de iiugiicm segundse di/.; mas 0 inareclial
quera lser acreditar ls*o, O inareclial prucurou algn*
individuos disliuctos do partido iiiigueista para seren
ministros, entre cllcs o conde de l>nrbacrna; (Francis-
co) porm todos recusaran!. Perdendo daqui as espe-
rancas, o marcchal vollou-sc para os iple chama sot
rpales, isto he, corta clientella de ulliciacsinhos que
tccni pillado sua sombra ; c por isso comecou a fallar-
se da entrada no ministerio do barao da Luz, (IJarreiros)
e do barao de Alniof.ila (brigadeiro Lefio de amula-
rla ).
Durante a incerteza em que se existia sobre quem se-
ria o humo governo, os cabralistas nao cstavaiu ociosos
Fspalhavam que, se se formasse o ministerio Itodrigo
coin os monillos o o programiua designados, sahiriam pa-
ra a sua c havtria bernarifa ; porm consto tambem lo-
go, que o coininandante em chefe do exercito detappro
vara Uto, c declarara qu&toinaria todas as medidas pa-
ra evitar novo* desastres, Entfioos cabralistas tcularaiu
fazer una drinonstracfio menos estrondusa, porm mais
legal. No dia 16 reiiniraiii-se lio lerrciro do Paco alguna
grupos de voluntarios dos batalhes nacionaes e outros
individuos coiu o liui de ohlerein da cmara municipal
urna representaran a rainha para que formasse um mi-
nisterio puro cartilla ; porm colisin depois que nao su
tinliatn recrbldo ordeiu para se retiraren), o que fizc-
ran, mas nada linhaui conseguido d/> seu iiileulo; |iois
que tiiiliaiu obiido inui poucaa asslgnaiuraa.
A crise ministerial prolongava-se, e comecou-se logo
a fallar de Influenciat da potencia monetaria, isto he,
dos grandes agiotas, do banco, coinpauhias, etc Falla-
va-sc lombenide que esta gente quena um ministerio
que revogasseo decreto de lf> de jiltibo, ,ne'maiidou
lazer os pagano tilos cm diius tercos eln metal e um em
notas. ,- que se toi nasse a pagar nielado un metal c nie-
larte cin notat. Va-seo Sr. ( arlos Moraio Roma, pre-
sidcnted.i direccao do buieo, e a alma He todas e-las
tianquibei nas, andar lodos osdiasde eairuageni eom o
duque de Saldanha e Iliialnieiile di/ia-se que nlyuem
veidadcramciite nlleudido, por quererem violntalo a
formar um ministerio, em pregarla a pirrara ueste nego-
cio, e nao Hornearla quem (lesejavam os prnlorolita-
dres.
Colisin por este lempo, que o conde do Tojal tinha
deslaves sal Ido do ministerio, praticando um acto es-
candaloso, isto he, pastando ordem para serem-pagos
al lilll de julho tanto elle como os seus collegas, e
igqalmente mandn pagar o resto que se devia aos
membros do anterior ministerio, Isto tem dado lugar a
amargas queixas; puis que se deve ,r>, ti c 7 mozos aos
einpregados, e dous c mata s tropa.
lailretuilo, a crise iniuisici ial orciipava mais os nni-
iiii s do que (inalqiier ouiro assumpto, c no dia 17 dissc-
se que o Sr. Joan da Cosa Carvallio, estrenuo cabalista,
eslava indigitado para a pasta da martnhaj porm isto
nao aprosenlava multa prababilidade, visto que Sr. Fon-
seca .Magaihaes eontiiuava ciicarregado de formara ad-
IllinlitrafAo, tinha repetidas conferencias coiu Saldanha,
e ia lodosos das ao paco paia vencer as difiiculdadcs.
I. oiiliniiain a couimciter-sc nas provincias assassuiaios
e excessos horrorosos. Junto a Coimbra acaham de fu-
zilaf cinco patuleas, que voltavam tranquillos a suas
casas. Isloporuui destacamento de tropa: Na vrrdade
he atroz, c Dos nos d mu governo defrca, que ponha
termo a laes calamidades
A barca portuguesa Tejo chegou aqui no dia 31 do
pastado, coin 4) Olas de viagem.
Iloje sabio daqui a esquadra inglrza do enmmando do
almo unte Parker ; lieando s no Tejo a niu Cnnnpna,
nina fragata e um vapor. 0iz-se que a esquadra de evo-
Incoes do almirante Napier chegar ao Tejo breve-
mente.
Iil'tn, 23.
Finalmente formoii-se o niinistorio, o qual se compoe
de individuos que perteneci ao partido cabralisla cao
salilanhista. '
Parece que o Sr. Rodrigo da Fonseca Magulhaes, en-
fastiado dos eutraves que se oppuuham lonnacao do
gabinete^como elle enlendia, resignara formalmente a
sua missao ; c fra chamado o Sr. Flix Pereira de Ma-
galbaes, um dos directoiTSdo banco, para formar o mi
uisieriu. Isto d bastante ideia da Influencia qne ad(|ui-
fio oSr. Roma no animo do marcchal Saldanha, a pes-
soa que tem tomado sobre si o encargo de arranjar a
adininislracao Ha quem supponha nesta ligco de Sal-
danha e Roma inlcresses menas legae. Falla-se de
queslao de dinheiro. Ignoro os fuidainenlos de taes
boatos; porque be constante que o banco faz todos os
esforcos para po se vulto aos pagamentos motarle em
iiicl.il e nielado ctu Ilutas c que o lu.iiicbal Saldanha
nao tem fortuna nrnhuuia. O Sr. Flix A'fieira de Ma
hoje appareceraiu no Mario os competentes decretos
nomeando para ministros os seguintes Individuos, de-
pois de nina crise de deidias, e de terein tido lugar dif-
ferenles combinayde* ininisleriaea :
Reino, Amonio de Azevedo Mello e Car-I
valho, i rnfin do visconde de Ollvelra. -
Justifa, Francisco Antonio da Silva r>r-) Cabralistas
Fazenda, Marino Miguel FratinT. \
'Marinha, Joo de Fontes Pereira de Mello. *
Eslrangeiros, barao da Luz (Barreiros). i
Guerra, barao de Alinofalla (brigadeiro Saldanhistas
Lefio). '
A nomeaefio de um tal ministerio, tem urna s cor po-
litica. sein nclle figurnrein homens conhocidos e inve-
terados nos negocios pblicos, composlo pela maior par-
le de mentecapot. foi olhada, em geral, primeramente
eom estupefaccio, e depois eom riso ; mas tambem mais
se acreditou a ideia da piuaca.
Ditse-se logo que um tal ministerio nfin podia durar
muito, e parece queja tem havido suas desintelligen-
cias entre os seus membros que nein lal ininistedo
iria'at as cortes,, e se o foe, o partido progressista
abandonarla aseeicdes, e protestarla para o parlamen-
to ingloz, c para as potencias protocolisadras. Ajunta-
va-seque os representantes daquellas potencias no ap-
'rovavam a nomeaeo de-un tal ministerio.
A imprensa progressista tem apresenlado a biogra-
phia dos novos ministros, c a sua Inliahilidade ministe-
rial ; porm boje a sua grande questao he a dissoiucao
dos ha ia l lios nacionaes; nao s para que elies nao vao
volar arregimentados nas assemblas primarlas, mas
para evitar os disturbios que quasi diariamente causam
nas ras c pracas da capital, andando aos magotes, ar-
mados de baionei.i. insultando e maltratando todotot co-
nlici idos por imtu/c'iv
dem, 31.
No dia 21 do correle entrn aqui a esquadra de evo-
Incdei do almirante Napier, coinposta das naos Cabo-dt-
San-Yieenle, Caledonia, Hoicc. Vengeance e Quten, da fraga-
la Amplion, e dos vapores Vixon, (din, Slromboli e Aven-
ger. A esquadra pertnaneceu no Tejo, c acredita-se que
se demorar.
0 batalho de cacadores n. 2 foi para Oascaes, aflu de
so formar alii o batalho de cacadores n. 8.
O ministerio sustenta-se, apezar dos jornaes opposi-
cionistas sustentarem que todos os seus ui"mbros eslao
incluidos na oxclusao do artigo 4." do protocolo.
O ministerio, segundo o costunie de todos, j dirigi
una circular ausgovernadores civis, recommendanJo-
lliesempregiiem todos os seus esforcos para que baja
paz e tranquillidadc no reinoque protejam as artos,
a industria, a agricultura e o commercio que spro-
ponhain para osempregos administrativos os que tive-
rem a isso diroito pola sua capacidade, conbecimen-
los, etc.
Omcsuio ministerio acaba tambem de publicar um
programiua em que promette responsabilidad!- dos seus
actos, para a rainha e para o paiz economa ejIlsUoa
igual pai a indos execu(fio liel do protocolo refor-
mas na carta constitucionalnao prover em prego al-
guin que vagar, som determina^o das cortes nao se
envolver em eleices seno jielos meios lgaos, nem al-
liun i n- a urnae promover o melhoramcnlo do ere-
dito nacional c amorlisaco das notas do banco.
Tildo isto he magnifico; mas cumpri-lo-hao ellos?
Oxal que .assm soja : entretanto alguns lacios o vfio
desnientindn, sondo o principal o viciamento nos re-
ccnsoamenlos para as prximas eleices. Alin disso
dous dos uiiislros foram foilos membros do supremo
tribunal dejustlca, e anda nao se demittirain, nao obs-
tante esses decretos seren dos illegaes de que falla o
protocolo, que ellos promettem cumprir fielmente.
Tambem ninguom osjulga capazos de fazerem coin que
el-roi se demitta do coinmanjo em chefe do exercito,
mitra das medidas llegaos promulgadas durante a luta.
Acaba de ter lugar na villa da Vidigueira do Alemte-
jo oassassinio de um padre, que era ou tinha all sido
prior, c de dual senliorasquc o acoinpanhavam. Os ho-
inicldiot foram praticados por soldados do batalho na-
cional de Hoja, que andavam de ronda, commandados
pelo administrador do concelho. O padre era progres-
sisla e os jomaos tem levantado altos clamores con-
tra tao escanbaloso crlm, O governo publicou una
portarla para mostrar que bavia mandado proceder so-
bre o laclo, mas verdaderamente mostrando punca ef-
iicacia, o por isso tem sido virulentamente atacado pola
lllipl i li-l o] pos 11'i O II i sil.
Costa Cabral chegou aqui n dia -57 do corrcnle, viu-
do de t.adiz. iVio loi recebidoooni foguotes, nem gran-
des ovacoes ; porm deram-se nlguns vivas a elle e car-
la no caes doa vapores. Aa pessoas mais notaveis que fo-
ram cebe-lo, foram : o coneelheiro Albano; o co-
ronel II. J. do Abren ; o toiieiito-cnronel Joaquim liento ;
o espino le negusto ; o bernardo, alfaiatc, (conde das
agulbas) c outros deste jaez.
Da resposla que a rainha do Hespanha deu ao discurso
de despedida do cunde de Tliomar; do iim artigo que
velo no Heraldo onde so notam algumas expresses bas-
tante significativas ; e do agraciainenlo, feito a elle con-
de, e a seu irmao Jos Cabial, da graa-cruz de Carlo-
III do Hespanha; tem os jornaes da oppnsiciio progresa
sisialuadu motivo para allibuiceni ao conde de Tlio-
mar a intenefio de vender Portugal Hespanha; e j o
l'utriola, n'uin artigo em que refere o occorrido eom os
lilippes, depois da dcsgiacada jornada de Alracer-Qui-
bir, chama ao dito conde de Tliomar o novo Christovo
de Moma, e prometi rasgar o veo que cubre os seus
lianias contra a Independencia nacional.
Acaba de publicar-so um opsculo denominado
Curlissima expotifiio de alguns facloi e assignado por
HM PorlHOlMS, O ohjecto deste opsculo he justificar
Saldanha da sua conduca depois da chogada da Alleina-
_. pois da cbeg.._.
nba atea reaccao de 6 do outubro, e fonnacao do mi-
nisterio de que o inareclial foi. presidente. Julga-se
(pie o opsculo he obra do mesmo marecHal. A
prensa oceupa-se minuciosamente
ni-
do
o i upa -se minuciosamente delle, c tacha
inexacto o seu autor em alguns pontos.
Parece que o* representantes das potencias protoco-
lisadras se conformam coin o novo ministerio, jul-
gando-p Conforme ao protocolo, e pie essa quesl est
terminada 0 que, porm, so assegura que elles exi-
gom, he a inmediata dissoiucao dos batalhes nacio-
naes.
COMMEftSIQ.
PERNAMBUC0, 15 DE OUTUBRO DE I87.
AO MEIO-DIA.
Wita da Carleta do llecife, n. 31, luja de cambio de
Gregorio Antunes de Olheira.
PREC0S COMENTES DE MOJE.
Worf de prala. Compras.
Diz-seque o dito ministro B ijard na sua i esposta ainda .'galliaes nada pode arranjar coinludo, e roiignou a ana
alou de Iludir a questao, inculcando o ministerio co- missao : iodos eslavaui na expectativa, o ficarain o-tu-
ira
Vendis.
2,000..... 2,010
1,980...... 2,000
1,820...... 1,840
1,660...... 1,680
1,280...... 1,290
640 -------------- 660
nio aquello de que tal la va o protocolo; c coin estas el pefaelos, quaudo, honlcni, domingo noife, se espalhou
Iguaes evasivas ia ganhaudo lempo, at chegar a poca'o rumor de que o governo eslava formado ; c quaudo |
Palacdes brasileiros---------
Pesos columna ros-------------
Ditos (la patria -------------
Mocil as de 5 francos----------
lulas de 2 patacas-------------
Hilas do 1 dita---------- -
Moedas deouro.
Pecas velhas........16,250......16,350
Ditas novas--------------.- 16,000 -----------16,100
Mondas de 4,000 rs. 9,100----------------9,200
Oncas hespanbolas----------29,0i)0------------- 29,200
Ditas da patria- ------------- 28,800---------- 29,000
Soberanos- -------- 8,900 ------ 9,000
Detcontot.
Compram-solettrasueboas Pinnas do commercio
a 1por%aomOT' vencimentos at dezembro d
comente, e vendem-so a 7/8 por % vencimentos p.
ra o mesmo lempo.
Cambio sobre Londres 271/4 n 27 i/2.No se i
cha dinheiro vista.
Por procuraQ.no de G. A. leOlivcira
Manoel Joaquim Silveira.
Itovinirnto do l>oilo.
Navios entrados no dia 15.
Ilahia; 14 djas, patacho brasilelro O/itwra, de 189 tone
ladas, capitn Joo Dias Corris, eqi-.ipagem 18, e,r.
ga farinha de trigo, fumo e mais genero* do paiz ; ,
(oao Vaz de Oliveira. Passagelros, Joao GoncalV(,
Ferrelra, Seralim Alves da Rocha e a preta forra Del-
lina Gregoria.
Rlo-de-Janoiro; 2f das, patacho Drasilciro Ooim^*.^.
ooilo.de 104 toneladas, capitao Joao Antonio deSou.
za, equipagem 10, carga, carne ; a Amorim Irtnilnt,
Hait more ; 63 dias, galera din imarqiieza Wodam. dejag
toneladat, capitao R. C. Baudixcn, equipagem 15, en
lastro ; ao capitao.
Macelo ; 5 das, escuna ingleza Deslandei, de 143 tonela-
das, capitao Philip Blanipid, equipagem7, carga as-
sucar ; a Christolters S Uouiialdsuu Arribou con a.
goa aborta, e segua para Trieste.
Navios sahidos no mesmo dia.
Ass ; brigue brasilelro Feliz, capito Jeronj-nio lote de
Souza, carga dift'erontes gneros. Passagelro, Joi
Goncalves Ferreira e Silva eom um cscravo.
Rio-Grando-do-Sul ; brigue brasilelro Sagitario, capiti
Joo de Dos Pereira, carga sal.
Rio-de-Ianeiro; galera dinaiuarqueza Hodom, cap(j0|
R.G Bandixen.em lastro.
dem por Macelo e Itafiia ; vapor brasilelro San-SebailU
commandanie o prlmeiro tonente Antonio Xavier fe
Koronha Torrezno. Alin dos passageirosque irou-
xe dos portos do norte para os do sul leva a aeu bor-1
do: para Macei, Pedro Alexandrino de Barro* Cavtl-
canli de Lacerda, levando em sua coinpanh'la- b. Th^
reza de Jess Xavier, 3 fllhot menores e urna escrara,
Antonio Vieira de MacedoLima, tenentc AmericoFer-1
naiidcs da Cunlia para a Babia. Antonio Prea Go-
mes, Mauool Teixcira Soares cofn um eteravo.
eclaragoes.
O arsenal de guerra compra q lironla arrobas
to plvora, 6 facas flamengas e 200 vassouraj de |
timb : quem taes gneros quizer fornecer mandi-
i a sua proposla em carta fechada, e as amostras, i
directora do mesmo arsenal, at o dia 16 (hoje) do |
corrento niez.
Arsenal de guerra, 13 de outubro de 18*7.
Joo Ricardo do Silva,
Amanuense.
AailminislraQflo geral dos estabelecimentosdd
caridade, de conformiilade eom o art. 161 dore-i
gulamento do 25 de feverciro ilo correntn atino,
manda lazer publico, que, no da 19 do corrente.an-
niversario do padroeiro do grande hospital de cari-i
tlaiie, se fra tiqueara entrada, das 10 horas da i.ia-1
nba as 8 da noile, s pessoas quo qulzcrem visitar |
aquello cstabelccimento.
Administrac o geral dos estsbelecimontos de ca-1
riilade, 14 ile outubro de 1847. 0 escrfpturario, |
l'ranrisc) Antonio Caralcantc Cuusseiro.
Contrato a celebrarse eom a thesouraria das rendas
provinciaes, no corren te mez.
DIA30.
0 eslabelccimento de una linha de mnibus, que,|
na formada lei provincial n. 191, do 30 de n,are
ultimo, facilite o transporte dcsta cidade par,qual
quer dos respectivos ai -rabal Jos, c para Olinda.
THEATfiO PUBLICO.
BENEFICIO DE JOS ALVES M0MEII10.
DOMINGO, 17 DO CBRENTE,
se representa a gratule e muito aplaudida peca
OS TRES VICIOSOS
ou
DESTINO E Mil ( uw
Dividida cm 3 actos e 6 quadros, a qual, por sin
exletisfo, dcruracfiodo .-cena e umita (rabalho, no
adniitlc farsa como se bavia projeclado.
Grande c u/limo concert vocal e instrumental g\e dan
o rabeqvista Agoslinlio llobbio, na noile do dia 19 at
corrente, nos saldes do Hotel-Francisco, na rva m
Trapiche-Novo, no qual contar o Sr. Joo TvseUi;
dividido da maneira seguinlc :
PB1MEIBA PARTE.
1. Svmplionia pola orchestra.
2." P'bantasia sobre motivos di opera Anna DoleM,
cM-i iii.-ul i has ralieca pelo beneficfsao.
3." Aria nova da opera // Varia, do mostr Doniellii
cantada pelo Sr. Joo Toselli
4. I'ol-pourri, pela orchestra.
5 Vai iaces do Beriot, exocutadas na rabeca pe
beneficiado.
SEGUNDA PARTE.
Intermedio VVattigcr, pela orchestra.
1ERCEIRA PAR TE.
1. Syinphonin pela orchestra.
2." Introduccao c tbeina.'com variacOcs de Mayteoe'i
dedicadas ao inmortal Paganini, executada na rabee
pelo beneficiado.
3." Aria nova da opera Alzira, do mestre Verdi, cas-
tada pelo Sr. Joao Tosel.
4 Instrumental pela orchestra.
5 Campainha ou Caprieco variado, executado na rf
beca pelo beneficiado. t
Principiar as 8 e mria horas.
Proco de entrada 3 Agostinho Bobbio espera do tao Ilustrado publico a
sua proteccao.
Oa hilhetes vendem-se na ra do Torres, ii.' 8, segun-
do andar, das 10 lloras da niauhaa s 2 da tarde, e das i
da tarde al as 6 horas; e, na noile do beneficio, no
salao.
Avisos iuaritimos.
Para a Bahia o hiato San-llenedilo pretende
sabir al o dia 19 do corrente : para carga e passa-
geiros, trata-so coin o mestre, na ra do Amorim,
n.19.
-- Pata a Babia segu mprotcrivelnicnlc a suma-
ca S.-4ntrmi(i-de-i'adHa : quem quizer ir de passa-
gein, dirija-se a rus do Vigario, arniazem n. 5.
Para o Ararat y segu, al 30 do corrente, o
hiato Uiicidaso : quem quizer carrogar, ouirdepss-
sagom, dirijn-se ao lado do Coruo-Sanlo, loja d6
massarnes, n. 25, ou ao. mestre a bordo.


*9T"M
__Para o Rio-ilc-Janeiro segu viagem, em breves
dias, o hiato nacional Ntreida forrado do cobre e
je pri metra marcha, por ler o carrosa ment quasi
nronipto s quem quizar car regar oh ir dirija-se a ra lia Cadeia do Recife, botica n. 61.
._ Para a Babia segu, era poucos dias, a sumaca
ianlo-Antanio-de-l'adw. para o rosto da carga" e
passageiros. trata-se na ra do Vigario, n. 5.
1__sabe com a mair brevidade para a Rabia, por
igramaior parle de seu carregamenlo prompla, o
bein conlrecido biate Tentador, forrado e pregado
ye cobre : para o resto da carga e passageiros, tra-
ta-so com Silva & Grillo, na ra da Moda, a. 11.
tS.
..Ralkaniann & Rosonmund continuarflo o sou
iplo, por intflrvemjlo do corretor Oliveira de
Braiid'tsortiinonto do fazondas recontemonte des-
pachadas: segunda-feira, 18 do corrento, as 10
horas da manlifla no seu armazom da ra da Cr uz.
__ toje ,16 do corretile na porta da Alfandega,
haver leiliiodo 10 barricas com canella por conla
o risco de quem pertencer.
LOTERA DO THE/i TRO.
Contina a sor interrumpido o andamento das
rodas desta lotera que, niio podo ser realisa lo mi
dia 13 do corrente, pelo bein poueo adiantamento
que tevoa venda do resto dos bilbelcs. Por esta ra-
Iflplieo mencionado andamento transferido para
o dia-29 deste mez.
FASSAS.
FIGOS.
UVAS.
AMEIXAS.
Desea rregam, hoje, noces
da allandega.
Precisa-so de urna ama secca, queseja do bons
coslumcs, para urna casa do pouca familia, e paga-
se bem. Dirigir-so ra do Rangel, n. 59, segundo
andar.
Avisos diversos

... O thosoureiro da irmandade de N. S. do Terco,
nbaixo gssignado, convida pelo presente a todos os
jrmaos e mais devotos da mesma Sonhora, para que
ge Jignem comparecer domingo. 17 do corrente, pe-
jis 5 horas da lardo na dita igreja, am de abri-
haiitarem o religioso acto da benefo das santas ima-
gen* novamcnle encarnadas ; visto ter-se concluido
odouramento da capella-mr: o approvcila a occa-
iiao para declarar que, no dia 31 do corrente, so fes-
tejara com-toda a pompa a mesma Virgcm Senliora.
Jos Pinto Muyu/h'ies.
Aluga-se a loja o. 16, na
ra do Queimado, eyonde-se a armacao da mesma,
propria para fazondas, ou miudezas : a tratar na re-
ferida ra, loja de miudezas, u. 25.
AVISO AO PUBLICO.
Oeninrezario do tbeatro, vendo um bilheto do pla-
tea com a peca Branca e tallero para o dia 28, a-
visaao publico, que csso Sr. beneficiado contrato ti
o dia 26, afianzado polos Srs. Arruda o Goncalo Fran-
cisco Martins, oquo pode ver na tabella dos bene-
ficios, marcada a vista do dito beneficiado : porlan-
lo, baja do quanto antes emendar a data do dito bo-
nelicio, para certeza do publico o nflo comprometti-
niento do emprezario.
Antonio de Almeida Gomes comprou, porqr-
deni dos Scnbores Antonio Jos Vicha & Companhia,
do Maranbflo, meio bilbete n. 2:669, da 2." parlo da
17.' lotera a favor das obras do tbeatro publico dcs-
tacidade; eaos mesmos o rcmcltc.
A quem liver achado una lettra sacada por
llanocl Jos Marlins da Gosta, e aceita por Antonio
deOliv"eira Mello, vencida desde 14 do fevereiro de
18*6, pede-sc por favor de entrega-la ao dito Sr.
Costa, ou na ra larga do Rozario, n 48, que ser
gratificado. Adverte-se que dKa lettra cxisle sem
pcrlencefe que, portunlo, nflo pode ser negociada
por alguetn.
: O TRIBUNO I. 8
est a venda na praca da Independencia, ns. o e 8, e
tu inlerfssantc como o numero antecedente. Concoi-
.ra o povo a ajudar a redarfo, e ser salvo das uainoias
dos perversos Gontao redactor com a asistencia po-
pular, conio-aic aqui
-O balxo assignado, tendo de sabir para o centro (tes-
ta provincia ariin de cobrar algumas dividas, previne
aos seus devedores moradores nesta cidade, que den-
tro destes prximos 15 dias, a contar da dala deste, de-
vem vir salisfazer sens dbitos; do contrario, fui-carao
ao abaixo assignado deixar um procurador bastante
para cobrar judicialmente taes dividas, visto que ja sao
antigs, e n abaixo assignado nao pode mais esperar,
visto que taiiibein tem de fazer alguns pagamentos
poi tanto, a bein dos inesmoseus devedores, la/, o abai-
xo assignado o presente annuncio, para nao so poupar
desprzas, como tambem algum descrdito.
Thomai Ptreira de Mallo Ultima.
-Ignacia Gandida Guedes, leudo noticia que Marta
Carolina Guedes pretende liypoiliecar o escravo Jofio,
queseacliarecolliidoa cadeia desta cidade por preea-
toria viudarda provedoi ia Goianna, previne ao respel-
tavel publieo, que ningucni contrate COM ella cousa
algmia a respello do referido esclavo, pois, que pen-
de demanda acerca dellc pelojuizo da segunda vara
desta cidade, escrivao Vaseoncellos.
--Aluga-seuma casa de campo para se passar a
festa, junto a ponte da Passagem-da-Magdalena ,
com muito bom;banbo esitio comarvoredos: a tratar
na ra da Cruz no Recife, n. 64.
-- Na ra do Noguoira, n. 40 ha urna rapaz habi-
litado para ensillar primeiras Ultras o msica vo-
cal, que se olTerece a ir Icrcionar em qualqucr casa:
quem de seu presumo se quizer utilisnr annuncio ,
ou dirija-se a casa cima das duas horas da larde
cm diante. ,. .
Aluga-sc um sitinos Remedios, com pasto
para mais de 12 vaccas famosa casa com todos os
commodos, cercado, estribaria, curial coberlo pa-
ra vaccas : a tratar com o Macambira no mesmo
lugar. .
--Avisa-se ao Si'. J. J. G. que, nao vindo, no prazo
de oito dias, tirar o relogio quo empenhou ha lies
n ezes ser vendido pelo que se poder obter, para
pagamento do principal o juros, o recebera o que
possa crescer. *
-- Aluga-se urna canoa que leva duas ou tres pes-
soas para o lempo da festa : na ra do Queimado,
n 'til
Precisa-se de um llbo, chegado ha pouco, para
feilor de um sitio: na praga da Independencia,
livrarla ns. 6 o8. ,
O Sr. Jos Rufino dos Sanios lia i hoza moradoi
nos Afosados tem urna carta na ra do Crespo ,
n. 19, viuda dcNazarelh.
Alugam-se em S.-Anna varias casas para se
passar a festa com commodos para grande e peque-
a familia : a fallar no mesmo lugar, com Joflo Ve-
nancio Machado da'l'az. i,-
Pede-se ao Sr. administrador das obras publi-
cas uueiia mandar examinar a estrada de S-Lou-
renco, no lugar chamado Aga-da-Materia, para ca
de Camaragibc'onde abaten um bomba, e-ns mora
dores lizeram urna estiva, eexigem dos viandantes
um vintcm pela passagem ; os quaes estilo soffrendo
este imposto pelo descuido; de se nflo concertar
aquella bomba. ; .
- Aluga-se. al 17 de setembro do scguinte auno
de 1848, a boa casa junto a ponte do Gachaiiga, per-
tencenlea viuva Marta Joaquina dos Sanios: traa-
se na ra da Gruz do Recife, n. 45, com Nascment
& Amorim.
-- OlTciece-sc, para ama de qualquercasn una
crioula de bous costumes: quem della precisar di-
rija-se ao becco, do Carcereiro n. 8.
KS O Sr. alferes Sora tom urna encommenda
^ viuda do Rio, na loja da ra do Queimado, 4
N_______ g
8gB8BBa^&ra6BBB2PffiSaral
__No dia 9 do corrente, desappareceu do esta-
leiro doSr. Joaquim urna canoa aborta, de carga
do 500 lijlos, j com laboas no fundo e no panciro.
Ksta canoa eslava sobre dous rolos, aonde tinlia su-
bido para a prcia-mar para se virar no dia segu ti-
le, o procurando-se nosle dia nao soacbou. Sup-
p0e-se ler sido solta de proposito. l)-so una
gtatificaQilo de 5,000 rs. a quem della souber e
mandar denunciar, na ra largado Rozario, pa-
daria, n. 18.
Precisa-se de200,000 rs. apremio pelo tempo
le um anuo, ed-se por garanta urna propriedade
livro edesembarac,ada : quem quizer dar annuncio.
Achou-se um pequeo alfinetcde ouro : quem
for seu dono, dando os signaos cellos e pagando as
despezas do annuncio, Ibe ser entregue, na ra do
Queimado, n. 14
-- Precisa-se alugar um preto que so subjetea
todo o trabalho na ra de Santa-Rita, n. 85.
O abaixo assignado avisa aolllm. Sr. capilio
Jeronvmo de Albuqucrquo Mello, scubor do enge-
nho Ramos, do termo de Po-d'AlhO, que boje, 19
do corrente mez de outubro, appareceu em sua casa
um escravo por nomo Luiz, que diz ser do S. S. Este
escravodiz andar procurando senbor que o compre;
por isso lbc avisa o abaixo assignado, declarando
que quanto antes vcnlia ou mande buscar o dilo es-
cravo por pessoa competentemente habilitada, e
salisfazer as despezas, poisque o abaixo assignado
nfio se responsabilisa pelo dito escravo, qu devo ser
procurado no Aterro-da-lio.t-Vista, loja do'miude/.as
n. 54.
Thomaz Prreira de Mallos Estima.
A ella que o calor
lie grande !
Ainda est por se alugar urna casa grande na fren-
te dp rio Gapibaribc, no lugar da .Gapunga, com
miiilos commodos para grande familia, com estri-
baria, coebeira, casa para pretos, outra para aves de
penna. Por estes dias lica prompta do pinturas e
oulrosconcertosquo precisava Trata-se na ra da
Madre-de-l)eos, n. 36, no ptimeiro andar.
I'recisa-se de um feilor para sitio, e que cn-
tendadejardimdo flores: quem estiver nestasnr-
cumstancias, dirija-se ao sitio junto a carella de
San-Jos do Manguinbo, ou na run da Cruz, casa,
n. 66.
Precisa-se de um corneta de chaves para o 1."
balalhao de guardas nacionaes do Olinda : a pessoa
queso quizer propr ao dito lim, dirija-se a cidade
derOliiidH, na ra 'de San-l'edro-.Martyr
com Antonio Nunes de Mello.
Precisa-se de dous Portuguezes^qur'ibni'.i
trabalharom padaria para tomarem conla da fre-
guezia de vender p,1o : as Ginco-Ponlas ,*n 30.
___lini bomem cxj'crimentado em escritorio ,
espacbos e loja do fezenda, de reconliecid probi-
ado. deseja so empregar para dirittiealguma casi
de negocio que precise, na uuscnciatls seu chute, de
urna direccilo de caixeirfl capaz, ou o mesmo tiaba-
Ihara debaixo da direcco do ebefe : quem precisar
da dita pessoa, falle na ra da Gruz, n. io, primeiro
andar.
-- Aluga-se, para se passar a festa una boa casa
terrea na povoico do^Monteiro com 4 quaitos pa-
ra esclavos estribaria para dous cavallus cozinba
fra cacimba ,T.quintaos murados com sabida
para o rio : a tratar na Roa-Vista, travessa do Ve-
ras .sobrado n. 15.
-- Urna mullicr de bous costumes o de excellcnto
conducta so offerecc para ama de casa do bomem
solleiro, ou de pouca familia, ella be muito di-
ligente oxacta nosorvico interno, o pensa que nao
ilesagradarilo os seus servijos e coniporlamento :
quem do seu prestimo se quizer utilisar, dirija-so a
ra do Hurlas, n. f26.
I'erdeu-sc um livrinlto aontlc um
procurador de causas falta os seus
asseptos das mesmas causas Koga-se a
qualqucr pessoa que o l\ei" adiado o
favor de mandar a ra fyova, u. M) ,
ou annunciar, que ser gratificado.
Ainda ha para alugar 3 casas no sitio Cajueiio,
para se passar a festa e urna meia agoa quo serve
para cochoira na Roa-Vista : a tratar com l'rancis-
CO i'.iboiro de Urilo.
Precisa-se, nafazenda de Ginipapo da comarca
do Urejo-da-Madre-doDeos, de um sacerdote para
i-apello, e para ensinar as primeiras lettias a uns
meninos temi todas as missas subjeitasa capella-
na exceptuando as duas do Natal e todos os mais
actos proprios do seu offieio ; dando-se-lhu o sus-
tento diario rouia lavada e uigom nada casa pa-
ra morar, eum bom ordenado: por isso convida-
se a qualquerSr. sacerdote ilo conducta exemplar,
liielhe agradar as condices, para ir contratar
csse negocio com ojuiz de (Ureilo da mesma co-
marca na ruada Cadeia de S -Antonio n. 14, pri-
meiro andar.
Compras.
$>8@
0)
Vcndem-se lOescravos, a saber: 4 escravas
muito mogas com algumas habilidades
que se dirflo ao comprador, e que vendem
@) na ra; urna dita do nacj0,que he boa cos-
_ lurcira e engommadeira, marca, faz lava-
{$ i-into c he boa cozinheira ; um bonilo ca-
fe brinha do 16 anuos ; um molocote de 18 a
W' SOannos, muito hbil e esperto ; um pre-
gs\ lodo 24annos. propiio para armazem ;
V* dous pardos muito mogos, ptimos pa
eg gens, uidos quaes tem ofllcio de alfaia- ((
^T te : toilos estes escravos vendem-se por
@ pretos commodos. Na ra do Vigario, n.
'J5W
e
2\, se dir quem vende.
Compra-s urna prela que saiba bom engom-
mar cozinhar e lavar ; sendo moga, fiel e sem vi-
cios paga-so bem : tambem eompra-se um adcroco
co
ou
de bom
ompleto para scnhor.i. 00 Imn goal e d(
3uro sem IVitio : as Cinco-Pontas, u. 6-..
- Na ra da Gadeia do Recife, rf. 25 compram-
se 2 pares de veneziann is ou rotulas em bom os-
lado. Na mesma casa se dir quem vende um sitio
perloda Soledade com boa casa que tem sal*
7 qiiarlos : o sitio be bem plantado de noria o mut
tosarvoredos de fructo como lar.iugeiras parrei-
-' Gompra-se urna poiQo do formas de fazcrvelas
de carnauba e mais objectoa para as mesmas: quem
liver, annuncie. .__.
- Gonipra-so um preto, embora nflo seja mogo ,
porm que sejsadio e que su va para < sorvico.0*
campo e vender fructas : na ra .la (.adea ue s.-ah-
lono serrara n. I'l.
- Para f.a da provincia compram-se alguns es-
vos peritos nosoluYios do pedreiro e do carpi-
na, sendo vistosos o mocos, os quaes, agradando e
ajustando-se, pagam-se bem : na ra da Cadeia,
'-- Gompra-se urna padaria a dinheiro sendo em
bom lugar, e quo tenba bstanlo freguoza de por-
ta : no boceo do Padre, sobrado n. 4. .
- Compra-se um balcfo que sirva para osenpto-
rio; urna mesa que sirva para eserevor ;um arma-
rio* para guardar papis na ra da Gadoia ao Ke-
Cife, loja n. 50.
wmmsBmmmaammmmsm
era
%'(Midas.
Lotera do Rio-de-Jahefo.
Aos 20:000^000 de ris.
Xa ra da G vicia do Recil'o laja de cambio do
Si- Vieira n. -21 eaWo a ven 11 Rilnetes e meios
ditos da tercira loleria a beneficio la fabrica de
papel .lo ZeferlBOParre*. Vclb-s. aulas nucehof"
o vapor. I -tes bilhetes vao-rubricaili.s por \ .e.ra da
Silva.
|'|-lUCC7.llltl
fallar
.^CJBvPBOS DE S(rli
Ra do i'asseioPublico, n. ].
Joilo l.oubcl participa ao respeitavel publico, nue
receben, por estes ltimos navios francezes, um cm-
nletosortimenlo de chapeos de sol, de seda, a mais
rica c superior qualidade; furtare6res c outraa min-
ias conbecidas, tanto para bomens, como para Sra
o meninos. No mesmo estabelecimento ha um sorti-
menlo de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos ; ditos muito grandes, proprios para bomens
decampo : lamhem tom chapeos de sol do paninho
para meninos o meninas, por seren muito finos: po-
dein-se chamar chapeos de economa. Ni mesma loja
basortimenlo de bengalas, bengalinhas e chicotes
muito modernos; cobre-se qualqucr armaeo de ch-
eos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des Na mesma casa ha um grande soitimenlo de
paniiinlios trancados e lisos, imitando seda, para
cohrir os mesmos: desta -fazenda se vende arelalho.
Concerla-so lodo qualquer chapeo do sol, por haver
um completo soilimenlo de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeioflo c brevidade.
Aluga-se o segundo andar do sobrado de I res
andares d"a ra da Senzalla n. 48, onde morou o fal-
lecido Antonio de Souza Reiu : na ra do Vigario,
-Francisco Pinto da Costa Lima tem para ven-
der bons pannos prelos azul e-verde ; bom selim
nrcto a 3,000 rs.; bons brins; bom velludo preto ;
lindos cortes de colletes, a 3,a00 rs. o corte; bnm de
linho; hamburgo ; algodaozinho branco entrancado;
linha de carretel branca o de meiada ; botOes pre-
tos de Pedro II; dilos de massa para fardas ; sar-
eelinaspara rorros; gan^a amarella e mesclada ,
francezas ; fustOes brancos e algumas obras leilas
Precisa-se de urna ama de leitc, forra, e sem -
llio para acabar de criar urna crianca de seis me-
zes: na ra da Gadeia do Recife, loja de miudezas
'__|>ermula-se a casa terrea n. 3, sita na ra do
Rin-Successo, da cidade de Olinda, com duas salas
na frente, qualro quarlos, cozinba dentro, toda
rcedificada.lenovo.com um sitio soffrivel, chfios
nrniirios, poroutra qualqucr no bairro de Santo-
Antonio ou Boa-Vista; preferindo-se ser na Soledade:
na ra de San-Fraucisco, casa n. 24, ou na praca da
Boa-Vista, n. 6.
Perdcn-se, no dia 10 do corronto a noile, na
malriz de Santo-Antonio, poroccaaiBo da chrisma,
una carteiradealgebeira usada, contendo i.ooo rs.
em cdulas miuda.s, 83 leltras de 20,000 rs. cada
una, el de 18 mil e tantos ris, sacadas por Mano-
elPorreira llamos, aceitas por Jos Pinto de Maga-
ibilcs e Jos Joaquim Lopes Moroira, e todas panas
por esle ; una dita de 100,000 rs., passada por Jos
Pinto le Magalb'.es a favor do mesmo Jos Joaquim
Lopes Moroira, ja vencida ha mais do tres anuos ; c
limad.'60,000 rs. aceita pelo padre Joaquim Jos,- de
Menezes a favor do mesmo Lopes Morera, lamhem
vencida ha mais de tres anuos, e mais papis que de
nada servem. Por isso, quem ajichou, qucrondo res-
titui-la, o pode fazer na ra lreita, n. 135, llcanilo-
se com os 4,000 rs. : o previne-so ao publico para
nao fa20f negocio algum com ditas leltras, pois os
inlerssadosestao prevenidos.
Carlos Hardy, ourives lVancez,
na ra Nova, n. 32,
acaba de receber de Paris um soilimenlo de obras
(le ouro de le .los mais modernos aderecos ricos,
abertos a buril, com pulseiras, e oulios sem pul-
seiras; gargantilhas parapeacoco ; alneles; bnu-
s i-ara senliora e menina; cacolelas; bolOes de a-

lirada, ergue a tita ts txeelu, oh Fama !
Satinan Indos qne existe a l'rincezina- ,
Imn que airakem leda a doma ;
Si a da dota, moca, ou meninnl.
\utnnio Lu/, do Santos fe Co.iipanhia, com loja de
fazenda na roa do Creana n. II, racejwrara pelo ultl-
, navio francei chegudo a este porto os man rico.e
bellos corles de vestidos pan senhora ao ulumo gosio
de Paris, onde esta fazenda he denominada == irinceii-
na : nao be possiv. I dcsrrev-l i com tod* as s
prirdades e sublimes encantos por
zendo, que teu* delicados padtOes sa
como de una especie nimia vi .la.
isso lindamos di-
an s.i modernos,
e aunis, e obras de ouro da Ierra,
ha para vender locas para menina
Na mes-
o se-
co
berlina
ma loja .
nhora; ese lazem de encommenda.
A mesa rege.lora do glorioso patriareba San
jos.- do Riba-mar desta cidade do Recife participa a
lodosos irinSos charissimos e em particular a-
qtielles quo leem oecupado cargo na mesma ir-
aiandade, que tem de se convocar a beneficio da
mesma urna mesa geral no dia domingo 17 do
crranle mez, pelas 9 horas do da, no consisto-
rio da mesma irmandade. E para que nao baja igno-
rancia para o futuro, faz-sc O presento annuncio.
Jos Francisco Cabra!,
Lscrivo da irmandade.
Na ra do Itai.gel, n. 36 primeiro andar, pre-
cisa-se de urna ama de leile. forra, ou captiva, para
acabar de criar um menino de (i mezes.
Puje, 16 do correlo, tem de ser arre-
mtala por venda, urna poreflo de terrenos bene-
ficiados, na praia do Cal.leireno que conlinam
com a ruada Palma, pciihoradosa Antonio-Jos de
Mbuuucrquc por execuefo de Francisco Antonio
d Oliveira tFilho, tendo logara arrematado
porta do Sr. doulor juiz do civel interino da segun-
da vara na ra do Collegio, pelas 4 horas (la
tarde)
-- Quem precisar de una ama de leile que
-- Vende-so cera do llio-de-Janeiro, em velasdo
libra, de meia libra, Me tres em libra, de qiiarta/tfe
,-, 6 o 8cm libra, do boa qualidade e por proco com-
modo : na ra da Cruz do Itecife, n. 60.
Cabello preto,
Contina-se a ven.le a agoa de tingir cabellas e
missas: na na Do Qiioimudo 31. O melliodo de
npplicara dita agoa acompanha osvidros.
Vende-se um escravo crioulo 'le 18 annos o
une lem bonita figura : na ra do Arag3o, n. 19, ca-
sa que faz esquina paia o becco de Joao-Fraucisco.
Vendem-se dous cavallos.le-sella um mella-
do bom passeiro, e o ouiro ruc.o-pombo bom
carregador : na Boa-Vista, armazem de sal.
Vendem-se 160 meios de sola por precocom-
mo.lo na ra do Crespo n. >, loja d;- (.arvalho &
Mava.
Vendc-sc urna escrava de 20 annos, que co-
zinba, cose, faz biiinlo e eiigomma com perfeicSO
nflo tem defeilos nem achaques: no paleo da !.-
Cruz n. 10, se dir quem vende.
Vende-se urna casa meia-agoa, na ra dos Co-
piares n. 36 : a tratar com Domingos Jos da Cos-
a Gu i maraes del'iontodo Gorpo-Santo, no trapi-
che do liarho/a.
Vende-se um escravo bom oanooiio de o an-
uos, e que lem bonita figura na ra da Goncei-
cao da Roa-Vista armazem do Rufino.
Vcndem-se duas pretaa prendadas; dous es-
cravos, proprios para qualquer servlco: na ra da
Cadeia-Velha, n. 33, se .lira quom vende.
-Vendem-se 1 moloques de 1 a 18 annos ; um
cabrinha ; 4 escravos, sendo um carpina, oulro car-
reiro, o dous do servico decampo; 3 mulalinna
muito lindas com principios de costura; 3 escra-
vos de 1a 30 annos : na ra Direila, n. 3.
Vendem-se tres lindos moloques de 18 a 30
anuos, sendo um ptimo i-ozinheiro ; tres pretos de
4 annos, sendo um official de sapateiro e os outros
proprios para todo o servico; dous pardos, sendo
um bom carreiro eo oulro proprio para pagem;
duas pardas, una de 20 anuos com habilidades eou-
Ira com 1 anuos, propria para se educar; duas pre-
tas de 0 a 30 anuos, com algumas habilidades;
djUBsnegrinhasdotl a l annos.com principios:
na ra do Collegio, n, 3, segundo andar, se dir,
quem vende;
__Vendem-se tres sacadas de pedia da trra, e
urna cuna com seus cortinados : na ra da Concor-
dia, u. 3.
lem
asante pratica dir.ija-se ao becco do Kalcflo, alias
da ra de S.-Tbercza, n. 20w i
-Ksta para alugar-.se o segundo andar do sobrado
,1.1 da ra do Burgos : a tratar no armazem n. r>,
da iravessa do Arsenal-de-(;ucrra.
Aluga-se una casa muito propria para presepe,
ou ibealrinbo particular, por estar loda em earxflo,
0 ter muito rundo e largura sila em muito bom
logar : a tratar com Luiz Jos Marques na ra do
Rangel, nue todo o negocio ar.
Precisa-so de una ama de leile : no Aterro-da-
Itoa-Vis'm.u, 12. ,.-,,
QueO precisar de una ama de leito vinda do
mallo dirija-se a ra do Rangel n. 36, primeiro
andar.
Ricas sedas brancas
e do cores para vestidos do Senliora ; luvas de pel-
lica, curtas e enmpridas enfeitadas ; muito bons
hicos de blonde ; mcias de seda para homom se-
nliora e meninas ; maulas o chales de seda, de mul-
lo bom gosto; chapeos .le palha para sonhora; litas
de seda bordadas ; borzeguins para senliora ; sapa-
tos de todas as quali.lados ; c outras nimias fazen- .
das que se vendem por com modo prego : na ra do
Gabug, lojade Mauoel Pinheiro de Mondonga.
Vende-se espirito de vinlio muito bom ; agoa-
ardentedn reino, aniz genebra e licores; tudo
pelos precos por que as fabricas se vende : na pra-
ga da Roa-Vista venda em frente do oitfio da ma-
triz.

MUTILADO
mt


I ?-'--.:--

A 5#000 rs
Na loja nova da ri*a co Quei-
mado, n. i i A, de fta'ymun-
(lo Carlos fcate ,
lia ura novo soni ment de l'czendas finas e baratas ;
bom como uns lindos corles de cliilas franeczas
finas, ornadas com lindas barras, a5,000rs. sen-
do este o ultimo posto do Pars.
-- Vende-se urna parda de20 annos, de figura,
o ptima para mucama que engomnia, coscchflo ,
lava de sabflo, cozinha alguma cousa e faz renda: no
Aterro-da-Boa-Visla, sobrado n. 5.
Vendeni-se acedes da extincta com-
panhia de l'ernambuco e Farahiba : no
cscriplorio de uliveira Irmos & Com-
partira, na na da Cruz, no Hecife, n. 9
Sor vete, a 200 rs.
No pateo da S.-Cruz n. 6 com todo asseio e
erfeiciio que be possivel, das 6 horas da tard em
ante.
Vcndero-sc pecas de editas escuras e de co-
res fixas proprias para o servgo de casa, por se-
ren muito encorpadas e fortes, a 5,501) rs. e,a rc-
talhoa meia pataca : na roa estreita do Horario,
n. 10, lerceiro andar.
--Manuel da Silva Sanios vn
%t
-A
farinha de trigo de
em bairieas e meias
lie superior
Kiclnnond ,
ditas.
Vende-se un sitio porto desta praca com ca-
sa para familia grvoredos de fruclo de todas as
qualidades boa agoa de beber : a IrBtnr dedtro da
ribeira da Boa-Vista,n. 25,onde se dir quem vende.
Na nova loja da na da (a-
deia do Hecife n. r>2, de
Ciaudino Salvador Perei-
ra Braga,
vendeni-se verdadeiras gangasazues da India, mui-
to encorpadas proprias para caigas, jnquetas e
saias de pretas a 1,000 rs. a peca de 14 rovados..
JVa nova leja do Passeio* Pu-
blico, n 17,
lia un grande sorlimonto de oambraia de cores para
vestidos de senliora leudo cada corle 64 a 7 varas,
de muito lindos padrOca pelo barato prego de 2,500
e 2,800 rs. o corte; ditos os mata modernosque Icom
apparecido, com barra, a 5,000 rs.; ditos adamas-
cados com llores de cores, a 5,000 rs.; ditos mui-
to largos e linos a 280 e .120 rs. o covado ; inuisii-
linas decores para veslidos que lingoin seda, a
200 rs. o covado ; balcemiras de muito lindos pos-
tos a 200 rs. o covado ; chapeos de sol, de seda ,
para tiomeni fazenda muito superior a 6,000 rs. ;
ditos de mussa franceza os mata modernos, ebe-
gados pelo ultimo navio a 7,000 rs.
Chamnanlia de superior qua-
lidade ,
Cruz, n. 38, armazem de
preto; umnfoleque de 12 annos ; um mulatinho
de 1* annos; um dito de 8 annos proprios para
aprenaerem qualquer officio; sola ; couros miudos;
bezerros; cera de carnauba ; sebo ; esleirs ; cha-
peos de pallia ; nennas de ema; urna porgHo de sac-
cos.vasos.
.-_ Vende-so um sobrado de um andar no largo
da Boa-Vista : a tratar no Aterro do mesmo lugar
primeira loja de louga,
.Vendem-se insignias para as sociedades M.-.
e ijiiailros histricos de Portugal por Antonio Fe-
liciano de Castilho: na ra da Moda, n. 11.
Vende-se urna preta do muito bonita figura
de 20annos boa cozinhera offBc ongomma e la-
va; una parda de35 annos, bod para ama de ca-
sa; una preta de 30 annos boa para todo oservi-
code urna casa ; dous escravos, bons para o traba-
Iho de campo e um delles perito carreiro : na
ra do I'asseio-Publico, n. 19, so dir quem vende.
AO BM E BAltATO.
Nos quatro-cantos da ra do
Qucimado, n. lO, loja de
Francisco Jos Tcixeira Bas-
tos vei'dcm-se
corles do cambraia de cores com algum mofo, a
2,400 rs.; cassas brancas de quadros rrtxos pro-
prias para vestidos a 240 rs. o covado ; lindeza do
bonitas Coros a 160 rs. o covado; corles dceain-
braiasadamascadas, a 4,500 rs. ; chitas finas, de
COreSfijase modernas, a 200, 240, 280 c 320 rs o
covado ; meias brancas para senliora a 200,320,
100 e 480 rs. o par; l'uslOes brancos e de coros pa-
ra collctos, a 800 rs. o covado ; ditovde quadros ,
prio parajaqueta a 480 rs. ; fetini proto superior,
a 3,600 rs. o covado ; brim pardo trancado de puro
linho a 480 rs. o covado ;, dito de quadros lisos,
proplio parajaqueta a 400 rs. ; castores para cal-
cas de superior qualida'dc a 280 c 320 rs. o cova-
do ; brim da Russia, largo, a 560 rs. a vara ; meri-
no preto, a 1,600 rs, o covado; algoilito america-
no, de lslrns a 160 rs. o covado ; cassa branca de
quadros, a 3,000rs. a pega ; algodo da lena, lar-
go e de superior qualidade a 240 rs. a vara ; cha-
les de pura lila c seda a mellior fazenda possivel, a
5,000 rs ; ajm dealas, outras muitas fazendas de
bom goslo, por proco con; modo
No hu da ra da Aurora, n. 4, vendem-so ro-
dles tambores e aguilhOes antigos por prego
commodo ; bem como um crioulo de24 annos, hom
carreiro e vaqueiro.
se um ravallo em boas carnes que
anda baixo at meio muito bem, e-he de bo-
nita cor, por preco commodo : na ra das
Larangeiras, n, 11, segundo andar.
S\!V/rt\yAV'AYyAVyAV'AV5,AV'AV. vende-se na ra da
Scliafheitlin& Tohler.
Vendem-se pocas de panno de linho do Porto,
ilc boa qualidade e por proco commodo: na ra da
< attea do Recite, loja de mi-.idezasii. 51.
DEPOSITO DECALVIRGEM.
Na na do Tiapicbe n. 17, lia sem-
pc cal vrgem de J.sLo, cin barris pe-
queos, e ullimaroenle ebegada mili-
to superior c por preco n.soavel.
Vendem-se meias barricas de farinha doSSSFde
r; minti : 110 caes da Allandega armazem n. i, do
Cu i ni a riles.
Vendem-se caixas de cha hysson, de 13 luirs,
cm porgues ou a relalho ; caixas de velas de os-
permacetede5e6em libra : na ra da AlfaiuJcga-
Velha.n. 36, em casa de ilatheus Austin k C,
Na loja ii( va da ra d- Quei-
niado, n. 1| a, de Kaynuin-
do Cario.. Leile
ainda ha o sortimonto de todas as fazendas ja an-
nunciadas bem como guardananos de puro linho,
com una listia azul tecida a 800 rs. cada um; cor-
tos do vestidos de Ifla de ricos padres; chapeos
francozes linos; um ptimo sorlimento de pannos
finos pelos e de cores : os quaes se tornan) recoin-
meiulavois, m*io s pelas boas cores e qualidades,
como por seren novos na loja; tildo por prego
muito rasoavel.
Vende-se ou permuta-so por una casa Beata
praca um pequeo sitio na Capunga, com casa no-
va, coreado de limo, com algumas arvoros que
dSo ructo e outras que nilo dflo, boa agoa de he-
l>er : na ra Dircita, n. 16.
AO BOM GOSTO.
Va loja nova do I>asseio-Iu-
buco, 11 19, de Manuel Jo;;
quii Pascual L amos,
marollo, com pouco uso, muito bem feita com
seu gavtJo e boas fechaduras, por prego commo-
do : na rna da Roda n, 25 oude so mandou 011-
vernizar de novo a dita cartera.
Vende-so um piano inglcz usado que precisa
do algum concert proprio para se aprouder a to-
car, por ser de construcgflo muito forte, por preco
commodo : na ra do Cabug, n. 12, loja do amo-
lador francez.
Vendem-so pallias de coqueiro para banhei-
ros: no sitio do Cajueiro junto do Sr. Francisco
Ribeiro de Brito, ou no paleo do Carmo, loja de tar-
tarugueiro, n. 2.
DE6PORTASNca2
Nesta loja vondem-secorles de cambraia de
crires fixas, a 1,600 rs. ; chales da Suis-
sa, de ricos padrOes a 2,000 o 2,500 rs.
Vende-se urna bonita negrinha do 10 annos
com principios do costura ; um mulatinho da mes-
illa idade proprio para aprender qualquer officio,
lodos chegados ha pouco : na ra largado Rozario,
venda n.. 33.
Alteneaoao barato.
Na ra do l.ivramento n. 14 yende-se chita de
coliorta de bons pannos, a 160 rs. o covado e a
5,500 rs. a pega ; ditas muito finase de cores fixas ,
a 200 rs. o covado ; merino muito lino a 3,000 rs.
o covado; brotanha com 20 varas a 3,900 rs. ; brim
para caigas, a 240 rs. o covado; algodilozinho azul,
a 200 rs. o covado ; ricos cortes de cassa ; algodao-
zinho a 160 rs ;e oulras muilas fazendas a troco
de pouco dinheiro.
Vende-se um cavallo alazfo-caboclo, muito
bonito, bem feito carrega muilo bem baixo, cs-
quip'a c he muilo manso : na ra da Florentina ,
n. 16.
Vendem-so casaos de pombos grandes, bons
batedores, de bonitas cores, e de ptima casta
por prego commodo: na ra da Florentina, n. 16.
Na mesma mesma casa vende-se urna porgSo de es-
tacas de ptima qualidade, proprias para atierros,
por muito barato prego.
~ Vende-se um escravo pardo, bastante mogo,
com algumas habilidades: na ra da Concordia,
n. 25.
- Vendeni-sc tellias de vidro e fias-
cos de bocea larga, de todos os tsma-
nbos, de Honras al 12 libias: na ra da
Cruz, armazem 11 4$
Vende-se una fazenda, (o casco) no termo
de Moxol 0111 l'esqueira lendo casa, curraos,
cercado, lavras ,tendo urna exlcnslo de mais de 3 le-
goas de trra que he a molhor daquellos lugares ,
por proco muito commodo : a tratar na ra da Ca-
deia do Rocife, 11.57, com Jos Mendos.
Vendem-se 4 escravos mogos e urna parda,
proprios para engetiho, por prego em conta; na loja
de Comes & Carvalho ao p do arco de S.-Anlo-
nio. ,
Vendem-se, 011 permutam-sc duas casas de lai-
pa, novas ebem arranjadas unidas e em terreno
proprio com quintal bem cercado de madeira eli-
mio anda novo collocadas na travossa da ra Real
da Capunga, e que lendem cada una 5,000rs. men-
saes, por una casa lenca de lijlo na Boa-Visla ,
voltando-se o que so ronvoncionar : tratar com o
padre Jos Antonio dos Santos Lessa no palacio da
Soledade,'
Vende-se una agulha de mareare um oculo de
ver ao longo : na ra da Itoda 11. 1*.
Pannos e casimiras baratas.
Vende-so panno fino verde, azul, cor do vinho
prelo e cor de caf, o 4,000 rs. o covado; casimira
preta elstica a 2,000 e 2,240 rs. ; dila superior (
3,000 rs. : na ra do Queimado kja do sobrado
amarello, n. 29.
Vendem-se duas negrinhas e unwmolecole
todos crioulos sem .vicios nem efeitoa dtfqualida-
de alguma : a fallar com o Sr. Pimentel, no porto da
ra Nova.
Vendc-sc bolachinha de superior
qualidade ri'nda ltimamente de Ham-
burgo : na ra da Cruz, armazem u. '18.
Vendem-se ricos cortos de cassaa-seda,
proprios para baile ; cortes de cassas de
ciires, asmis modernas que ha ; alpa-
ca de cordlo de varias cores propria
para palitos, a 800 rs. o covado ; meia-
casimiras de bonitos padrOes a 640 rs.
o covado ; aloalhados de varias largu-
ras ; cortes de chitas muito linas n-
gindo seda ; chapeos francezes, de for-
mas as mais modernas ; bem como um
sorlimento do fazendas finas e grossas,
por monos prego do quecm outra qual-
quer parte : na nova loja do Jos Morei-
1.1 Lopes & Companhia, na ra do Quci-
mado nos quatro-cantos casa ama-
relia 11. 29.-
Escravos Futidos.
m
B.
'*&$&*!}
i
ACENCIA lA FlJNDl\:AO'nF. l.OW-MOOR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, contina a haver
um completo sorlimento de moendas e machinas de
vapor, para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de Ierro batido e coado de lodos os lamanhos ;
ludo por prego commodo.
Vondem-se pegas de madapolflo limpo, com
20 varas, a 2,400 rs. e a sete vintens a relalho :
na ruaeslreila do Rozario, n. 10, Rcrceiro andar.
O BAUATEIKO
na nova loja da na do Cres-
po, ao p do arco de S.-Ati-
lo io 11.4, lie Ricardo Jos
de lie las SUbeno,
A esta loja ha chegado um riqiissimosoitimeiilo
de cambraias de cores de muilo ricas cores fixas e
estampado suisso a 2,560 e 3,000 rs. ; chapeos de
niassa ,-francezes e do ultimo goslo a 7,000 rs. ca-
da um lencos de seda para gravata.de bonitas
crese boa fizenda a 1,280 rs. ; longos do cam-
braia com abertura para milo de senliora a 240
rs.; muito ricas cambraias de cores, com raua-
. gens e transparentes, nroprias para cortinados Too
ultimo goslo, a 320 rs. o covado ; um rico sorlimen-
to de pannos linos de todas as cores por prego mata
commodo do que cm outra qualquer parte; casimi-
ras e bnns muito modernos; um esplendido sorli-
mento de chitas linas, a 120, 140,160, 200 e 240: cor-
tes do-chitas muito linas e de seguras tintas, com 14
covados, a 3,500 rs. ; los pretos de muito bonitos la-
' voures, a 2,400 rs. ; e emliui contina a chegar lo-
dosos dias novo sorlimento de fazendas de goslos
modernos por pregos rasoaveis. As amostras cs-
tailo francas aos fieguezes.
Veiulum-se na ruada Cruz, n. 26, os segua-
les escravos : urna parda de20anuos, que cose eeu-i
gofnma ; duas bonjlas negriuhas de 12 anuos; uoj
vende-se linissimo panno azul para fardas, a 4,500
rs ; dito piolo, a 5,000 rs chita franceza, a 360 e #
280 rs. o covado ; mantas de seda muito superiores,' /v
a 9,000 rs. ; longos de soda a 800, 1,000 1,200-e i W
1,440 rs. ; longos de seda para grvala a 440 rs. ; (T$
ditos de cassa a 200 rs. ; princeza muito lina lw
1,000 rs. o covado ; brim branco
a 1,500 rs. ; chapeos deso de soda |
res a 6,800 e 7,000 rs. ; chales de Illa, a 2,000 rs. ;
ditos (!e |Sa c seda a 7,000 rs. ; brim pardo a 800
rs. a vara ; ineia-casiuiira a 600 rs. o covado.
Vende-se una preta de 20 annos de na-
'AO COIll milito lum linlu nana ludan hmi A
go com muilo bom leile para criar urna
crianga, e que cozinha o diario de urna
casa c engomma liso na ra das Laran-
geiras n. 14, segundo andar.

%xn ai &m
Polassa.
Loieria do iio-de-Jaiieiro, abe-
neficin da fabrica de papel.
Vendem-se bilheles desta lotera, em casa de J.
F.lster, na ra da Cadeia-Velha n. 29.
Carlas para volta-
rete,
as melhores e mais baratas : vendem-se na 1 ua larga
do Rozario 11. 24.
Vende-se un bom carro de duas rodas muito
forte com todos os ai reos cm bom uso, sem qui-
se precise fazer despeza alguma pura usar delle
na ra do Collegio 11. 15, segundo andar.
A\io ang lao. iros.
Vende-se peroha de cxcellenle qualidade
praia de S.-llita, armazem da reslilacto.
Vende-se loucinho da Ierra, j salgado e mui-
to bom em porclo grando o pequea ; tamhem
se vende banha em rama e a prazo sendo fregue-
Vtnde-
cne-sc a vcrdaiieira e superior po-
tassa da Busso a mais nova que existe
no mercado : 110 ra da (ndcia do l\
"e, armazem n.
l< ci-
j
12, de Bailar iV. Uliveira
Ka I ja nova da ra do Quei-
mado, 11. II A, dcUaymun-
do Carlos l,eile ,
acha-se um novo sorlimento do moiascraso finas,
a 5.0U0 rs. a duzia ; dilas de linho, finissimas a
na
-- --.... ......,, w... ..,.llu ^ o ffiatu sciiuu ll
zia;em Fra-de-Porlas', ra do Pillar, II. 145.
Loja do nicho.
i\a esquina do Livramento loja do nicho, veu-
dem-se cortes do cassa de cores lixas a 1,600 rs.
Vende-se, por prego commodo urna parte'no
fingenho de Juguaribe : 110 Aterro-da-Boa-Visla .
n. 58. '
Vende-se fumo em folha de primeira quali-
dade em porco e a relalho : 110 Alcro-da'-Hoa-J
Vista 11 58.
5,800 rs. ; a rica fazenda intitulada fazenda do
nori(, lecida de linho e seda, coros escuras e
proprias para todo o trago; maulas do sedado pa-
droes modernos a 3,000 10,000 16,000 o' 20,000
rs.; chales de seda e de Ia e seda : ludo por preco
haralissimo.
^ --- Venden) se balancas decimaes da
lorc. de 11, 1 '| e i(\ arrobas por pre-
50 muito commodo: n 1 u, da Cruz,
'iinazem n 48.
pr
- Vende-se urna garrotinha que est prenho de
imeira barriga por prego commodo : em Fora-
de-l'oitas, fUa do Pilar, 11.141.
;(f Vende-se, ou arrenda-se um sitio com casa do
vivencia para grande familia com arvoredos ter-
ias para pa otare lor vaccas de leite, por ler bom
pasto e agoa permanente : a tratar no sobrado que
lem olaria airas do Remedio.
Bom e batato.
Vendem-se cassas de cores para veslidos do bo-
nitos padifjcs e de tintas muito linas, pelo barato
prego de alo rs. o covado : na ra do Qucimado lu-
ir ... 1 1 '^v "^ *i" 1 a. u uiJYauo :
Veiide-sc urna cartejra do urna 5o lace, dejja da casa uniarclU u 29
Ausentou-se, ha dias, da casa de seu senhor, o
escravo Joio pardo trigueiro de 15 a 17 annos
cara grande, olhos regulares, bonsdentes; bem
conhecido por andar frequentomente fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a seu senhor Luiz Co-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Fugio, na noito do dia 10 para 11 do corrate,
um escravo, de nomo Rufino de nacilo Congo, de
40 annos de estatura alta, corpo medio, cor fula,
olHos grandes nariz e bocea regulares barbado;
tem urna perna cambada; foi queimado em um
brago.e por isso licou com elle meio branco docoto-
vello para a mo, ficando com a mesma mflo sem a
poder fechar ; tem os ps compridos c aptllietados,
Quem o aegar leve a sen senhor, [Jos Fernandes
Ferreira.
Fugio, na noile do dia 17 de setembro do cor-
rentc auno, do engenho Queluz, cm Ipojuca, um
proto de nagilo, de nomo Antonio de estatura alta,
de bom corpo, olhos grandes o um lauto verme-
Ihos j com alguns cabellos brancos; levou ca-
misa de chilaazul de qua.drinhos, ceroulas de al-
godilozinho branco ou hambuigo e mais alguma
roupa cm urna trouxa e levou mais urna euxada
encavada : quem o pegar leve ao dito engenho, ou
na Boa-Visla, ra da Aurora, n. 26, em casa de Fran-
cisco Antonio de Oliveira, quo ser recompen-
sado.
ATTENCAO'. ,
No dia pcimeiro do correuln fugio do sitio dai
llo/eias, do na o r Joaquim F.Iias de Moura, defron-
te da capel la do Rozarinho, o seu escravo crioulo,
meslre pedreiro de nome Silvano, com os signaea
seguinles : estatura regular, seccodo corpo, bom
proto cabega pequea olhos vivos, pouca barba
c com alguns cabellos j brancos, suissas finas o
romp idas muito fallo de denles; s tem na man-
dbula superior um dente canino, peilos cabelludos,'
ejtambcm pintando de branco; tanto Irabalha
com a mflo direita como com a esquerda coma
qual toca viola ; lem pernas finas urna .cicatriz
verniclha na canella e oulra nopeitodo p da ou-
tia perna. Quem o pegar, ou delle der noticia car-
ia v ao dilo silio que ser grrlificado com gene-
rosidade.
Fugio, no lo Joaquim, de nacao Angola; reprsen-
la ler 35 a 4o annos, de corpo e estatu-
ra regulares, rosto largo e barbado;
tem o dedo grvnd do p direito des-
nenlido, e forma Um bolao de carne por
"baixo di junta do mesmo dedo ;. ainda
nao se explica bem no fallar ; levou ca-
misa c calcas de algodao azul trancado-
Este preto foi de Alanoel Antonio Per-
ra, morador na l^apa, ao pede Goianna.
Quem o pegar leve a rua-da Alfandega-
Vellio, n 36, qiie ser generosameute
recompensado.
Fugio, no dia 7 do corrente da villa do Rio-
Formoso de casa do sou senhor Luiz Cardozode
Afineda ,umaescrav secca do corpo, cor bem preta de 28 a 30 annos ;
a qual foi vendida ao mesmo cima por Antonio do
Azevedo l'ercira morador no Aracaty : quem a pe-
gar leve a dila villa do Rio-Formoso a seu senhor,
ou nesta praca na ra larga do Rozario, casa da
Jos Pedro de Alcntara ,que recompensar.
Fugio, no dia 2 do corrente um proto de no-
me Pedro,de nacflo Rengela,de 28 a~30 annos, gros-
so do corpo rosto chato olhos pequeos, sem
barba ; tem no brago direito logo cima do cotovel-
lo urna cicatriz; he canoeiro ; j fez urna fgida,
o andava pelo Arraial, S.-Auua c Passagem dor-
mindo em canoas ; levou camisa do algodfloziitho
grosso ceroulas compridas de algodao da Ierra:
quem o pegar leve a ra da Praia-de-S.-Rita n. 25,
que ser recompensado.
Fugio, no dia 14 do corrale o preto Tibur-
cio, de na go ,-baixo, clieio do corpo, de 20 anuos
pouco mais ou menos; cor fula sem barba boi-
gos grossos, coin um looinho em cima da sobran-
cell.a; levou camisa e caigas de algodTo. Roga-so
as autoridades policiaes e capitaes do campo, queo
apprendam e levem a ruado Livramcnlo, n. 3, que
serflo gralilicados.
i?
thn
. : N\ TYfg D MF.PE J7AJAIA l47.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESYY99YCQ_AKEM3N INGEST_TIME 2013-04-30T19:49:09Z PACKAGE AA00011611_09743
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES