Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09729


This item is only available as the following downloads:


Full Text
4 uno de 1847,
Sabbado 50
i DIARIO pul>lca-se todos o da, que nao
n de cuerda o pre^o da asignatura lie de
'nr(i r lioi qnTtel.p dos Rssianunle s. inserido* rasode
::;;",*iii.-."?r'^ "*"1*- e.ai
.i";-oes H meUde. Os que n..o I rem assiR-
tfJr. 80 rs por linha, e ICO em ljro
S&Vc.dapuhic.e.o.
MIASES DA LA NO MEZ. DE JANEIRO.
, !,,, i 1. nos 2 I minutos da tarde.
"'"C .!," '" l'owel rain, da larde.
'' e" U,U- d "Uu!'Sa-
PARTIDA DOS CORREIOS.
fioianna e Parolivh*. s segund-.s e sextas feiru.
Riu-Urande-do- Norte quintas feiras aomeio-dia.
Cabo, Serinlicm, Rio-Kormo.\ Pono-Calvo
Macelo, no l., a 11 e i de cada mez.
(laranliuns e Bonito, a Ifl e 21.
Roa-Vista e Flores, a 13 e J8.
Victoria, s quintas feiras.
Ulinda, lodos os dias.
PPEAMA'il DE BOJE.
Primeira, s 3 lio e 42 minutos da manhla.
Segunda, s 4 horas e 6 minutos da larde.
do Janeiro.
Ann XXIII.
N.94.
DUS DA SEMANA.
?. Secunda. S Anania. Aud. do.I dosorph.,
do.I. doc dav.edoJ.M.d.Jv.
20 Terca. S. Polycarpo Aud. do .1. rioc.r.da l
v. e do J. de pas do J dist, de t.
1' Qnarta. S. Vlialiano. Aud do .'. do civ. da
t. edo J. de paz do 2 diit. del.
5S Quii. S. Cyiillo. Aud do J. de orpli., do
i. inuniriparda I vara.
29 Seita.. Aquillino. Aud. do J. dociv.da I.
t e do J. de paz do I. dist. te t.
30 Sabhado. S. Mirtina*. Ad.d J. dociv. da
I. v. e do J de paz rio I dist. de I.
SI Uoiiiinfio. S. Pedro Nulasco.
CAMRtOS NO DA JoDE JAlftiO.
Cambio s,,l,rel/..idrcisna'/,d. p. I#r.a00d-
a ii P.ri 310 r por tranca.
'.sima 8& de premio. .
Drsc. delet de boa lirm.s l'/. ''/al'-'/. *> ""
Ouro-().1r.^l-.sp.nl1oi.....58.sln jfow
. Moedas de oioo rcll.. Ufooo a mfto"
" de 6ftlit> nov.. .{0*0 ,c).0c
PraM-Patace...'..... ... '#',<", *f"?
Peso, columnas... 2|000 j10
Du mexicanos... '#7" '*''
Miuda............* ""i0
Acres dacomp.do llcberibede r.O|W'0 rs.o par.
DIARIO DE PERWAMBUCO
PA TE OFFICUL.
Governo EXPEDIENTE DE 16 DO CBRENTE.
Oflirio Ao presidente interino da relacfio, soli-
citando seu parecer acerca da preteneflo que no rc-
nueriinentoque Iho envit, manifest Jos Antonio de
Souza Machado.
iHto Ao commissano-pagador, declarando que,
vista de attestado em duplicata, comprobatorio do
transporte que pela agencia das Larcas de vapor lo.
mandado dar a dous fllc.a.'S e 19 pracas do4. bata-
ll.i.i de artilharia api', dcste porto para o da Baha,
J. de couformidade com a sua informacilo de 15 (leste
mez pague referida agencia a quantia do 1:161,000
1S. participou-se ao encarregado da agencia das
harem de vapor.
Kilo Ao inspector interino do arsenal de mari-
nha. ordenando que, durante o impedimento do of-
rial encarregado do registro do porto, laqa-o subs-
tituir pelo pairflo-mor da barra, visto, segundo in-
forma, nao ser possvel commelter esse serv co ao
administrador do pharol. .
Dito Ao commandantc superior da guarda na-
cional de Santo-Autfio, signilicando que devo enj-
possar o ebefe da respectiva segunda legiio, Antonio
Feii de Mello, caso tenha cessado o impedimento
que a Smr. privava de eteituar easc acto ; e que, no
caso contrario, participe-o presidencia, afim de po-
der ella providenciar a respeito.
Dito Ao bacharel Vicente Ferrcira Comes, de-
clarando-sescicnte de haver Smc, na qualidado de
juiz municipal da secunda vara, entrado no cxerc-
oiodaprimnirado crtme.
Dito Ao chere de polica, determinando em con-
soqueneia de requisiclo do encarregado da cstatistt-
ca, transmita a este un muppn demonslralivoto
numero de ostrangciros'que, nos annos de 1812 --
18*5, tiraram ttulos de residencia em os dillerentes
municipios da provincia. -- Participou-se ao encar-
regado da cstatistica.
Dito -- Ao delegado da villa d'Agoa-Pretn, encar-
regando-lhe a factura de urna casa de pedra e cal pa-
ra assessoosda cmara municipal da niesma villa; e
ordenando que, no (m de cada mez, rcmetta a llic-
souiaria provincial, para ser paga, a conta do que
nella se houve' despendido com semclhante obra.
DEM DO DA 18.
(inicio--Ao commandante das armas, inteirando-o
de haver o governo de S M O Imperador, que, seos
desertores Jofio l'nincisco do Aguiar, Jos Itodrtgues
Chaves e Antonio Gomes ltibeiro se apresentarem an-
tes de lindo o prazo marcado no decreto de 15 de ou-
tubro do auno prximo passado, devem gozar do in-
dulto do mesmo decreto
Dito Aomesmo, recommendando a cxecuQfio da
ordem imperial que monda dar baixa nos soldados
JoOo Eleutcrio de Dos e Coetano de Souza Montci-
to e no tambor Manoel Jos Ayres.
Ditos Ao mesmo e ao commissano-pagador, sei-
cntficando-os de haver sido desligado do primciro
batalhio decacadoies enomeado para aireres-ajuT
dante do deposito de reclutas da corto o alteres Jos
Carloade Almeida Torres. ,,,-
Ditos ~ Aos mesmos, inlolligcncinndo-os de ter S.
M.-OImperador mandado servir no hospital militar
desla provincia o dotilor Pedro de Albelde l.obo Mos-
coao, cirurgiao ajudanto do terceiro batalllflo de
rocadores, a.ldido ao qiunto de artilnariaa pe.
Bilo Ao presidente da rclacio, exigmdo seu pa-
,---------?Ete_-=L.^Lg.ZlJ=^^^^aaa>.aa A.aJA.ttTM'.*
Vaa^LallT^^
recer aceica de um requerimento de Ignacio Tolen-
tino do Figueiredo Lima.
Dito Ao bacharel Antonio da Silva Noves, dan-
do-se por inteirado do ter Smc, na qualidado do juiz
municipal e do orphos do termo de Olinda, assumi-
do a segunda vara civel da comarca do Recito.
Dito Do secretario interino da provincia ao ba-
charel Jos Raymundo da Costa Menezes, scientili-
cando-o da sua nomeacilo para juiz municipal e de
orphilos do termo do Bonito.
DEM DO DA 19.
Odicio Ao commandante das armas, scientitican-
tlo-o de acbar-se licenciado por S. M. O Imperador,
para estudar malhomaticas em qualquer das aulas
fiesta provincia o soldado particular da terceira
companhia do segundo batalhio de artilhana a pe,
Hermenegildo Coelho da Silva.
Dito Ao mesmo, participando que a 6 de tiovem-
bro ultimo prorogou S. M., por seis mozes, a liconca
quo para ir a corte havia obtido o capitno do pnmei-
ro balalhao de caQadoros, Joilo Barrlo de Castro.
Ditos Aos juizesdeSanto-Antilo, Cabo o t.oian-
"na, scientificando-os de haver provisoriamente en-
carregado do registro geral das hypothccas ern a
primeira das mencionadas comarcas a Sobastnlo An-
tonio de Albuquerque ; em a segunda a Ignacio lo:
lentino de Figueiredo Cima, o em a terceira a Jos
Joaquim Leite, os quaes as mesmas comarcas exer-
ciain o ofticio de tabelllo l>arlicipou-se ao pre-
sidente da relaeflo, ao inspector da thesouraria da
faz^nda, e aos respectivosjuiz.es municipaes.
Dito Ao administrador do correto, recommen-
dando, ordene ao respectivo agente na villa do Cabo,
que exija da cmara municipal dessa villa, para ser
presente presidencia,' um recibo declarativo o
lia. mez e auno em que foram por ella rocebidos os
ofliios que, relativos a lei das eleicoes, Ibc exped.o
a mesma presidencia a 18 de Miembro e 26 de outu-
bro do anuo lindo. .
Dito Ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaos, determinando que adianlc ao destacamen-
to policial do rejo quatro mezes do sold, a contar
do l.'deste mez ao ultimo de abril prximo futu-
ro. Participou-se ao commandante geral do ior|.o
de polici
do officio dcsta cmara de 1* do corrente, quo dara
as necessarias providencias, depois de feito o-com-
petente exame pela reparlicao das obras publicas ;
e quanto segunda parto do mesmo odicio, que ex-
pedir ordem ao respectivo administrador para por
disposicilo desta cmara a pedra de calcar, viuda
do Fernando. Inteirada, e aecnsou-so o recebe-
metilo. '
Outro, remetiendo copia dasduvidas proposlas pe-
los subdelegado da fregiwzia da Varzea, o juiz de
paz respectivo, sobre a lei das cletQOes e dasdect-
sOes dadas pela presidencia. Inteirada, e aecusou-
se o recebemento.
Outro do fiscal da Boa-Vista, pcdindoia cxpedicuo
das convenientes ordens no ex-liscal daquella Ire-
gtiezia, Manoel Joaquim Silvcira, para llie serem en-
tregues alguiis objectos que san necessanos a revista
dos pesos c medidas da mesma freguezta. (Mliciou-
se ao ex-liscal pura entregar ao actual os objectos
quo tiver em seu poder, pertcnecntes a cmara.
Outro do mesmo fiscal, participando que as mul-
tas impostas em sua fregiiezia, no mez de .lezom-
bro ullimo, rhegaram a iO/000 mil res. Intei-
rada.
Outro do procurador, consultando a cmara sl
devia ou nflo pagar as lettras que so acham a vencer,
provenientes da metade do valor por que foi com-
PERNAMBCO.
Dr.
Cmara municipal, do Recife.
SESSAO EXTRAORDINARIA DE 20 DE JA-
NEIRO DE 18*7.
MBSIDESCI DO SS. CARSEIRO MONTBIHO.
Presentes os Srs. Cintra, Egidio Ferrcira,
Aquino, e Barata, abrio-sc a sessAo e foi lidae ap-
provada a acta da antecedente.
O secretario leu un odicio do Exm. presidente da
provincia, remetiendo por copia o imperial aviso de
21 dedezembro ultimo, que decide vanas duvidas
acerca da lei de elcicOes. Inteirada, o aecusou-se
" Out'o do mesmo Exm. Sr., remetiendo copias das
duvidas que teem occorrido na execucao da le dos
eleicoes, e das decisoes dadas por a presidencia. -
Inteirada, e aocusou-sc o recebtmento.
Outro, enviando por copia o regulamento que ex-
pedir para as substituices dos dous juizes de di-
reitodo crime desta comarca, dos dousdocivel, c
do dos feitos da fazenda. Inteirada, c aecusou-se
o recebimeuto. ,
Outro, participando em resposta a primeira parte

prada pela companhia do llcberibe, a ranciseo Mar
lins Raposo, a casa da ra llozano da Boa-Vala,
visto quo a lei do ornamento vigente nao consignou
quota para tal pagamento, e prohibo cxpressamenle
0 despender-se mais do quo nella vem designado. -
Pedio-se autorisacSo ao presidente da provincia.
Outro do fiscal doS.-Jos, parliei|>ando nao poder
comparecer cmara por se adiar oeeupado nos tra-
balhos da junta de qualilicac,ao daquella Ireguezia.-
Inttvrada. ,
Outro do mesmo fiscal, aprcsenlando o mappa do
gado morto para consumo, edo que foi enterrado
por molestia, isto em todo mez de de/.embro ulti-
mo. -- Inteirada. 1'iuvr.
Outro do Oscal do Poco-da-Paiiclla, faz.endo a mes-|iu
ma parlicipacflo cima. Inteirada.
Foram lidos c approvados quatro pareceres da
commissao de edificagao, a presentados sobre os rc-
querimentos de Jos Joaquim da Silva Maia do re-
verendo D al.bado do mosteiro de .-llento de Olin-
da. deDiogo Rodrigues, de Theodoro Machado I .rei-
r I'creira da Silva, deManoola Caetana do Oliven..,
0 do Antonio Carneiro Machado Ros, quo pedem
por aforamento terrenos de mannlia.
1 Foram remctlidosa mesma commissilo as pcticOes
de ernardino I'creira Ramos Francisco CaroeW
Mftchado Rios, Joaquim Jos do AbreuJun,o.,Josc
dCuiiha, Jos Francisco Ferre.ra Catao Antn o
Jos do Albuquerque, Francisco Jos <;'''> "
leduvigens Amalia Selle Cavalcant. dcAlbuquer-
que
obtido os precisos esclarec montos o inforniscoes
sobre a pretendi dos peticionarios, he do parecer
que sejam deferidos, visto quo o terreno cujo atora-
mento requerem nao he necessario para uso o com-
modidade publica, segundo o plano do edilieaclo
quo se arl.a approvado. A cmara, nao obstante,
deliberar como entender mais justo. Recito, 4 de
dezombiode 1816 ttaraia.
Acommissfio cncarregada de dar osen parecer
acerca do requerimento do Jos Joaquim da Silva
Maia, em quo pede pornforamonlo, ao Exm. P-
denlo da provincia, o terreno do marinlta no caes do
Maehado.quo em outro lempo serviade iravessa.oque
boje searlia inulilisado segundn plaa da eidade,
que ora esta adoptada, depois de haver examinado os
documentos com que o prelendento insinu o seu
requerimento, e tondo obtido o sesclarecimcnlos pre-
cisos, nenhnma duvida encontr a que se respondo
ao mesmo Exm. presidente, que o pretendente esta
no caso de ser deferido. Rerito, \ de dezembro de
18it. liarala. >>
.. A commissao de ediicacAo, a face do que pre-
tendenio reverendo D. abbade do mosteiro do S.-
Rcnto de Olinda o Diogo Rodrigues, c das informa-
r-oes que Ihe foram presentes e a quo prcajedeu.
he do parecer que nenhnm inconveniente ha em se-
rem deferidos os peticionarios debaixn das condi-
O0 do ostvlo, visto que o terreno que solicitam
nao he necessario para uso o commodulade publica
,lo municipio. A cmara, comtudo, deliberara como
mais justo Ihe parecer. Recito, "de dezembro de
186. llarula.
a A commissao de edificaQ.lo.a face do que prelen-
dem o tencnle-coronei Antonio Corneiro Machado
Rios e Manoel Caelano de Oliveira, e dasiuforma-
COesque Iho foram prsenles, e a que procede..,
he de parecer, que nenhum inconveniente ha em
aerenMeferidoa os ditos policionano* debaixo das
condees do cstylo, visto que o terreno que jolici-
tam nao be necessario para o uso o commodulado
publica do municipio. Recife, 9 do derembrn de
liarala-
WKMURIAS DE LM MKD1C. (*)
pok aiejranw J^unta
PRIMEIRA PARTE.
*ea 8Ai8A3ao
CAPITULO XL
* E nlOHElIEU.
Havia voltado ol-rci a mnnter a sua coi le en. Marly,
romo era-de costme. ... _.
Menosescravo da etiqueta do que l.uiz M\, que
niocm-avaTnas reunios da corte, occas.Ocs de cx-
neHmentar o seo poder, procureva l.n.z \\ em lodos
ns cTrcu s noticias do que era vido, o sobretodo
S redado decaras/distracnoque a qualquer
ria, principalmente, guando essas caas
.'noite da entrevista pie acabamos do
contar eduas horas depois que a condessa de Bearn,
secundo a sua promessa desia vez cumprida flelmen-
tec installara'i.o gabinete da condessa Dubarry, jo-
cava o re asearlas no saino azur.
F?cava-lhe a esquerda a duque/a de Ayen, e a dt-
Vet: Sle%.ttreSmuo dislrabido; fe o re-
su?t?doTaC distracao foi perder.oilo ceios lu-
t; Vide Diario n. 22.
i. () Disposto por esta perda a cousas serias, -
Luiz XV, como digno descendente de Henriquc 1\,
gostava do gBnhar, pelas nove horas leyantou-se
o rei o foi conversar no vflo de urna janella com M.
de Malesherbes, filho do fallecido chanccllcr; em-
iiuanto M. de Maupeou quo conversava u outra cm
frente com M. do Choiseul, Ihe acompanhava com tn-
(Uiictosolhosaconversacao.
Entretanto depois quo o re se crguera, um circu-
lo se havia formado junto chaminc. Aspnncezas
AdeU.de, Sophia o Victoria, de volta deum passeo
aoajardiis, haviam ueste lugar tomado tsenlo com
as suas damas d'honor e gentishomens
F como em derredor do re., por certo oeeupado
entaoom cousos serias, porque todos .conheciam a
austeridade de U. de Malesherbes; como ero der-
redor do rei, dizcn.os nos, havia um circulo de ofll-
c aesdo exerciloe marlnha, de grandes d.gu.tar.os,
dalues residentes, dct.dos pelo respeto, a peque-
u eiacte daehamin contontava-se com osseus
men iros o preludiava urna conversacao mais a.u-
S r algumas escaramuzas que se podiam con-
\omomento do descrevermos esle grupo conlava
"iiiissB-s;
doTl- ei, d ^Tadama'do (irammonl, se ca viessem
Iquelies'quo nunca vieram mais qt.erem vi..
r, Perto de 8 coMe. de res da ^gj;
Desnacharam-se os requerimentos do Jos nodri-
cues do Paco, Joaquim Antonio da Silvera Jom- da
|"| SariW, Jorg'e Ecnwortl.y gffiMrim
Riilmarffes Antonio Ferroira da (.osla braga, Ht-
SgnacioAvUla Manoel Joaquim da Silva Ribei-
o, Dabbade do mosteiro do S -Uonlo n,'nun
I uiz Ferroira, o Manoel Elias de Moura. Cu,
jZ Jo Ferriira de Aguiar, secretario subscro-
v. Canmro Montn, pro-pres den te. fgm-
ra. Aquino. Cintra Manoel. liarala. Lgid.o
PAtectaaa i ouk se ar.rEBE a:ta supb.
A commissao de cditicac.no a quem foram pre-
sentes os rcquerimenlos de Theodoro Machado frei-
r Pereira da Silva, e Manoel Jos Calvilo, leudo
COMME^CIO
Alfindega.
RENDIMENTODODfAS!'.....
oR.scAaaGGAKiiOie.'iO.
Brigue -Conceii-o-de- Mara- podra.
(alora5ro/;/in-niircodorias.
Briguo /"(>/- idem.
Consulado.
RENDIMRNTO DO DA
8:085,558
29.
Geral.
Provincial.
Diversas provincias
1:782,016
431,884
158,861
2:372,761
Uovimeulo ilo Porto.
tfavios entradui no dia 29.
Macer ; 2 dias, brigue-esciina de guerra brasileiro
leopoldina, commandaiilo o 1." lenle Candido
Jos Ferrcira. -- Entrn no Mosqueiro no da 28 a
noite.

Todos reconheceram, s primoiras palavras da du-
queza, principalmenle pelo tom por que ellas eram
pronunciados, de quem quena ella fallar, eemqu
terreno ia gyrar a conversacao.
Felizmente, duqueza, querer e poder sao cou-
sas mui distinctas, disse, inlroinetlondo-sc na con-
versacao, um homem pequenino, de setenta e quatro
anuos, que mostrava apenas tr cincoenla, tilo ele-
gante linha ello o talhe, fresca a voz, hem feta a pei-
na, vivos os olhos, branca a tez, e bellas as nioos
Ah' Ahi se lana M. de Rieholieu as esca.las
como em Mahon, e vem tomar-nos a nossa pobre.
conversacao por assalto, disse a duqueza. O meu
charo duqne entao nunca mais dcixa de ter um pou-
codegranadeiro? ....
Lm pouco! oh duqueza, laz-me injusti?a, di-
ga muito. ,,. -i
E enlfloi' nao dizia eu a verdade, duque
Quando?
\ inda agora.
E o que he que dizia ?
Oue as portas d'el-rei n3o se lorcam.
Como cornas doleoba. Sou do seu parecer,
duqueza, sempre do seu parecer.
O dito fez irem a cara alguna loques, mas leve so-
sa, anda que preleudiam os detractores do lempo
passado que o espirito do duque havia envelbec.do.
A duqueza de Grammoiil fez-se vermelha por bai-
xo do arrebique da cara, porque era a ella que espe-
cialmente se diriga o epigramma. ,,...,,
Minlios senhoraa, conlinuou ella, eoSi.dn-
nuo nos dsser semelhantes cousas, nao continate,
a minht historia, noque, dou-lhes minl.a polavra,
muito perderao, a mo pedirem aosenhor duquoque
Ibes cont outra. .
_ Eu, disse o duque, inter.ompe-la, quaudo a
senhora duqueza vai provavcluienlc d.zcr mal do al-
gum dos meu amigos, Dos roe defend, ouco com
lodos os sentidos quoainda conservo.
O circulo cerrou-seem redor da uuqueza.
Madama de Grammont deilou nina olhadella para
o lado da janella, a ver se ainda la eslava o re, que
com efleilo linda la se acbav, e que como apezar
de conversar ron: M. de Malesherbes, nao perda do
vista a mi) dos oortozAos, encontrou o seu olhareom
o da duqueza de trammont.
Scntio-sc osla algunia cousa intimidada pelaex-
pressao que Ibc parecen lr nos olhos do re; mos
como so havia lanzado, nao quz ampiar carreua.
Sabom poisassenhoras, continuou madama de
<;rammont, drigindo-se principalmente s tres priu-
cezas, que urna dama, que pelo nqmc ii3o perca, de-
sejou ha pouco ver-nos, a nos elotas do Scnhor, no
tluono de nossa gloria, cujos raios a fazem morror
deiiivejai1 ,
Ver-nos, aonde:' pcrgunlou o duque.
Essa he boa: ein Vcrsalhes, em Marly, em Fon-
laineble.ui.
Rom, bem, boni. ...
A pobre creatura nunca linha visto dos nosso
A ponre crcmuia uuuva >. ----------
grandes circuios mais que o jantar de ol-rei. onde
sao admillidos os basbaques por detrs dos repos-
toirosa verS. mogestade comer, subjcitos todava,
ia se sabe, massa do porteiro de semana.
O duque de Reheleu lomou de urna caixa de por-
cellana deSevrcs una pintada que sorveu com gran-
de estrepito.
.Mas pira que algiiem nos veja om \ersalbos,
Marly, lontainebleau, disse o duque, he preciso ser
anresentado. ,
Por isso mesmo foi que a dama de quem se ira-
la solicitou a apresentacao. ....
Aposto eu que Ihe foi concedida ci-ret bqtao
bom! .
Infelizmente, para ser alguem apresenlado,
^ao basta a permssao de el-rei, he necessario ainda
bessoa que o aprsente.
' Sim, disse madama doGomene, urna cousa
assiui por excroplo como urna inadrinha.
__He verdade, e neni todos acham urna madn-
nha, disse madama de Mirepox, do que he prova
a baila Bourboneza quo procura urna, e a nfloacha.
E poz-se a cantarolar:
A formosa Bourboneza
SofTre tanto da cabeca,
Que nem mais se senta meza I


!
i


r*-
^
Parahiba; adas, hiato brasileiro S.-Cruz, de 21 to-
toneladas, capitao Joaquim do Oliveira, equipa-
geni 5, carga toros de mangue; ao capitao. I'assa-
geiros, Joflo Chrisoslomo Pires o Joao Maria Cor-
tes, Brasileiros.
dem; 2dias, hiato brasileiro Tre$-lrmo$, de 31 to-
neladas, capil.lo Fio, ano Jos Pereira, equipagem
*, carga toros de mangue; no capitao.
Rio-de-Janeiro; 19 das, brigue inglez Urgen!, de 229
toneladas, capitao liavid llephurn, equipagem 12
em lastro; a DeaneYonle & Companhia.
ISavos mhidot no mesmo dia.
Copenhagem ; brigue dinamarquez Emmanuel, eapi-
UO I.. I'. Mobeig, carga assucar.
lina da Tnndade; escuna ingleza Despatch, capiao
llobert llones, carga a mesma que trouxe.
iNe\v-l.ondon; galera americana Hroma, capitao Aus-
lain Steel, carga a mesma que trouxe.
--Para Londres o veleiro brigue inglez Oueen,
capitao Wright, da primeira classo, satura em pou-
cosdins; pode reeebcr anda alguma carga a frete.
ou passageiros: os pretendentes dirijam-se a Me Cal-
nont & C, praca do Corpo-Santo, ,,. lt.
. ", hr'guc M'*-l>e*Uno segu para o Rio-Gran-
de-do-Sul,nnd,a l.o de fevereiro imprete" elmen-
t, por se acl.ar carregado : quem quizer embarcar
alguns escravos a frete dirija-se a na da Cadeia
Supm"i".|d0 Amoril1'.'">>*<>*. que ah achar cm
quein tratar; ou ao capitao do dito, na praca do Com-
Declaraces.
-r- O escnvfio e administrador da mesa de rendas
internas provinciaes tem do remetter para o juizo
competente urna rclacflo constante dos Srs. proprie-
ta nos aba. xo transcripto, relativa a decima que
esta,, devendo de suas nropriedades; o que tora lu-
gar impreterivelmonlo no dia 5 ,1c fevereiro vindou-
\?JT ,ssonsl,rev!ne para que, se quizerem pou-
mLc P?Z?'IJ0JUI.Z0' C0"ipareCflm na dita mesa
.rites do citado da, a solver seiis dbitos. Recife
28 de jane.ro de 1847 Clorindo Ferreira Cali. '
r*,V Exm- ,)an? '." s"Mna, herdeiros de Antonio
S *"na Mar,a de Carvalho Ucha, Antonio
ln X Ar t0," XV"'r da Silvfl' A,""n O^dOM
deQueiroz Fonseca, Alexandrina Fortes de Almeida,
II.orne Pere.ra Lagos, Joaquim Jos de Carias, Cari
h>sHolmcs Auna Joaquina, herdeiros de Joaquim
IhcodoroAlves, herdeiros de Antonio deSouia Cl
ror;.^sn',cJ,,cente/er!"eira- A,,l0"i0 d,,s Santos
ierre, a, herdeiros do Dr. Rernardo Luiz Ferreira,'
W. rof',,aCI0,Te,Xeira c";n|"-a. Francisco daj
thagasCavalcanti Pessoa, Jos MachadoSoares.
- o Illm. Sr. coronel director do arsenal de guer-
ra em cumpnmentodeordem do lllm. e Etm Sr
presidente desta provincia, de 26 do correte mez ',
tem de mandar concertar, ou desentupir o ca
queda esgosto as agoas que cahem sobr a arca do
quarteldacmpanh.adearlilices: poreslo convida
a quem se quizer enea, regar do mencionado concer-
t a comparecer na sala da directora do mesmo ar- l.f'ilOf'S
selate o d.a pr.meiro ,1o mez prximo futuro,---------------------'""
para se fazerem os convenientes ajustes ftrsena --------------
de guerra, 28 de Janeiro de 18*7.-- J0a0 Ricardo da ln7 r .r OI":e,ra f^a leilrto cm um s lote,
Stha, amanuense. "--rao aa do casco c mastreacflo do navio Vhebe regularmen
- (Ip>ofcssorderhetorica do collegio das artes .lnTr:!r.",,a.d. neS,,l.pnrt0 ,e actHlmente aneora-
nv.sa a ,,uem interessar, que est a berta a t j lc!" KD8ta 0,"le, os Prctendenles po-
la ; e que quem quizer inscrever-sodeve co n r exam,na-lo m anteced-- -
cerna r de Ma.hias Ferreira. no terceiro Sb a-"
rive
Z'n;a!ket: C0,n0 ^t0 brg.7eyhrbaTaen
commodo para pnssage.ros, o osteja bastante limpo
e seja bom de velas, por isso se avisa s pessoas
que quizerem ir de passagem, que vilo a ra do Tra-
piche, n. 8, em casa de llenry Forster & C.
Para Lisboa sal,,:, no dia il de fevereiro a no-
va o expeliente barca portugueza Tejo -. qem na
mesma quizer carregar a 200 rs. por arroba em
qualquer tara, ou r de passagem, para o que tem
as melhorcscommodidades que qualquer navio da
carrera pode fallar ao capitao, Silve.io MaWl dos
Res ou a Oliveira Irmilos&Companhia, na na da
- Para o Porlo sahir com brevidado a barca Ilet-
la-r ernamlmcana, por ter parte da carga prompta-
quem nclla quizer carregar ou ir de passagem, para
o que ten excellenles commodos, dirija-se ao capi-
tao na praga, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Cadeia do Recife, n. 51
- A sumaca Carlota segu viagem para o Araca-
ly. empoucos das, portera maior parte da carga
prompta : para o resto da carga c passageiros tra-
a-se com o meslre, Jos Gongalvcs Sima, ou com
Luiz Jos de >a Araujo na ra da Cruz n. 26
i'ara Liverpool recebe passageiros smente a bem
conheoida galera ingleza (otumbut, capitao Daniel
.roen: deve chegar de Macei at o dia 31 do corren-
to, e segu para Liverpool no mesmo dia: quem
quizer ir do passagem trate com os consignata-
rios, Me. Calmont&C. b
:- Para o Rio-de-Janeiro seguir breve o veleiro
brigue nacional Atolla; o qualainda recebe alguma
carga, escravos c passageiros, para o que tem ,-xcel-
lentes commodos: dirijam-se ao consignatario Joilo
rrancisco da Cruz, ra da Cruz, n. 46.
Ainda se aluga o segundo andar da casa da ra
o Collegio n. 17. propri* para familia: a traUr
a ra do Vigario, sobrado n. 5.
Q'Q a iD&ST$I>33B.
DK
S. GONCALO
No dia 30do corrente, apenas o Sol, recolhendo-se
ao Occidente, houver franqueado passagem ao bello
e candido astro, que tilo apraziveis torna as noites,
Para o Rio-de-Jnnoirn mi. m apenas a La houver reflectido os seus prateados rai-
ivelmenle al, odia 31,1o corm. e Sn?" "as agoas que bordam eatravessam'esta cidade,
n,.r> r.i... ""._.JIJl.corl salnra om prociss.10, da igreja que coma invocacao
leste Santo existe no bairro da Coa-Vista para a de
Santo-Amaro na Ci,lado-Nova.
FfTeituada com toda a decencia a collacacSo da
imagem em o altar que nasogunda das mencionadas
grojasi Ine esl reservado; na madrugada do dia
immediatoaodasua trasladacflo (domingo, 31 desle
mez) terff lugar o levantamento da bandeira do t3o
miraculoso s. gonqalo, e nesse mesmo dia princi-
piara o seu septenario, pois que no domingo inme-
diato se far a respectiva festa.que, para tornar-so o
mais pomposa possivel, terminar por cavalhadas,
fogo artificial e machinas.
Antonio Borges da Fonseca advoga, tanto no
civclcomo nocrime : podo ser procurado ate as 9
horas da manhsa na casa desua residencia, no Ator-
ro-da-Boa-Vista, n. 49, o das 10as 3 horas da tarde,
na ra estrella do Rozario n. 6, primeiro andar.
- Alugam-se os segundo e terceiro andares da ca-
sa do Aterro-da-Boa-Vista, n. 49 ; a tratar no pri-
meiro andar da mesma casa onde tambem se alu-
fundos pblicos pela lei de ai de abril de
t843, para levar a todos os mercados os
padroes e balitas do vinho'genuino e pu-
ro do Alto-Donro, geralincnU' conhecio
pelo nome do vinho do Poto, alim de
servirem de guia ao commercio. Esta
remessa, toda de vinhos da mus escolliU
da qualidade, deve olFerecer aos Srs. con-
sumidores, n3o s a certeza da sua pu-
reza, mas tambem o typo verdadeiro doy
excellenles vinbos do Porto. Espera,
pois, o abaixo assignado que os Srs. con-
sumidores se dirigirSo ra da Meda.ar-
mazetn n. 7, para tratarem do ajuste dc
qualquer porciio que descjaieni.
Antonio francisco de Moraei.
Aluga-se urna casa terrea na ra Bella com
salas, 3alcovas, cozinha fra quintal e caciml);,
a tratarna ra do Collegio, n. 15, segundo andar.
-O arrematante do dizimo dos cocos do munici-
pio do Recife Taz sciente aos Srs. conectados do mes-
mo dizi.no quenaolhe he possivel ir ou -mamlar
maisde3 vezes as suas casas; pois alguns Srs. mo
eslao emeasa eoutros ficam de mandar pagar e
nao o teem mito: por isso roga aos meamos Srs. col-
lectados de deixarem om suas casas a dita impor-
tancia ou mandarem a ra das Larangelras, n. 29
casa da aferigno.
...---------------------------_ j .. ... ....(i .'i, 1, iu- 1 ---,.,
ga a casan. 3 da ra do Pires tendo commodos pa-lFAKrino #1 %1,i...n r. li
ra grande familia, e por proco commodo. V BliriCa lC ITiaCllIlMS e fundid
UM TE8TXMUMH0 SX AMOR AO PRXIMO.
todol,dodoxor.e,,,-;ii.,uei;;. q u^nV Z?a
Aviis mant
Para o Rio-Cran,lc-do-Sul pretende sabir
,"Qje, 30,o brigue nacional Competidor o
scravos^lnf >? ftonl-J*0i S,s "-regadores *
C.r7nZ Etef, 1,,ra1sill'i1ro W Partir para o Rio-
josc reilx da Rosa, na ra do Trapiche, 11. 41
.sagem dirija- so a ra d Vigario n 3
-Para a Babia sahir, al 2 de fevereiro o hinio
,Z Vr,",^-se10 freta-se o milito veleiro briffue
KCotottd^l,na*** enSvflhado
uirs. o d0'" me?.mo h" se" "czes.que ao
imsino tempo foi appare hado de novo cia-sn
IHo. E Uto bem seprocurou que se cho, -,.,
niadrinha, meu bom Dos! una.pobre camnon,^
ingenua e candida como urna ponC Vo Z 'i'
~ E.....? diz o duque de RicheJiau.
.. -intccedcneia ; e assim mala
om diversos lotes do veame, cordolha ancoras'
corren.es emais utensis do mesmo navio q,ar:
lnrn",'.an'r C f,"vprr" ns ,0 l'orasda manhfla, no
la.godo Corpo-Santo. '
L. G Ferreira & Companhia farflo leihlo, por
nle, venplo do corretor Oliveira de urna porcio de
farmlia do trigo, variada a bordo da escuna Eagk
loje, 30 do corrente mez, as 10 horas da nianha '
izem becco de Manoel Luiz Concalvcs
rlviaus diverso
AOS
Segnnda-feira, 1.0 de fevereiro prximo futuro
noi.e, e com toda a decencia que deve car o e "sa
fi's (',!',VMVI0S aCU-- P01' "MC ^ristflOS sen, ni."
resta os seus sont.mentos de piedade, sera colhidaa
bandeir. do glonoso e miraculosoS^Vo-A," '
DiSrem se **o^Im ,'e",er ossa ccasi du "os-
piiirim-.se d Aouf.llk cujo patrocinio por tantas ve-
bul coVer:'0"88 ",ais'J""cultosaPs das as ,1
mt'otect?;: qW" m",Ca lhea e eslender
tt DADOR.
J"'!5!."1" hojea Urde: trazum artigo que
ton. pop |,|U|0 -. Apoltica dos praiei.os as clei-
Cflea o a qual.licacao -; correspondencia da Parab -
tuinc g0Sl VC"dc-se nos lu8ares d0 :
Uta dos devotos do glorioso Santo-Amaro, deseio-
so de commemorar o dia desle Santo por um acto to-
do po resolveu proporcionar, nessodia.a cincoenta
dos pobres, que, mendigando o pilo, quotidianamen-
te so apinhoam as pracas eruas desta cidade, urna
rereicao, se nio profusa, ao menos limpa e melhor
do que aquella que Ibes devom produzir os resulta-
dos da mendicidade.
Para levar, porm.a cffeito essa sua resolucao de
mai.e.ra a uno deixar a menor duvida acerca do mo-
tivo que Iba inspirou, o devoto solicilou e consc-
guio dos senhores directores da festa a permissito de
collocarem frente aocastello do miraculoso Santo,
rl\\^ V dov,aserer'8'do, a mesa em que dessa
rercig.10 devem gozar os mencionados pobres que
para seren a ella admittidos. devem -aprsenla ^ ao
doIa,r1S1,laSUad,'CC,;i'i0lum bilh<* eclaratio
onumc.odoassentoque Iho ha de tocar; bilhete
que Ibes sera dado pelo devoto Comes do Corrcio. a
iquem.paraobte-lo. se deverao dirigir aquelles dos
nd.gentes que, ate o numero que estipulado ica,
quizerem tomar parte no jantarcommum, que lera
lugar depois de terminada a missa solemne^ que em
frsffls S C8nt8,a e" a greJa d0 "unca assa^
,?,^, A T',emnomed0(iual he chamada a es-
Zt,ZtC P,a|gu1nias "'.oras, da sua oppressiva po-
sicflo u.na porcHo dos miscraveis, cuja sorto ainda
rem,Lag8raV1a '"^ dHS fl!8tV0S' ^ *** pode-
rem tomar parte 110 prazer geral
i.T ""'".' 30 doco,renlo vaiapraca, pelo iuizo
da segunda vara do civel, as horas do entume que
he dopois da audiencia a parte de um sitio noto!
juizo P0,'execucao Pendente no mesmo
* d7.0rSr" Si,lveslre "!o? os queira vir no prazo de
4 d as resgalaros penhores quo nao ignora na ra
doCabuga, n. 2 : quando nfio, serflo vendidos cara
que tallar para a indemnisaclo do annuncianl e
para que a todo tempo nao venha allegando gnoran!
cia.sefazoprcsen.oannuncio.
n ~IuA1,ua:sen lerceiro andar do sobrado da esqui-
?o fe ferro na ra do
Unm, 110 Recife.
McCallum& Companhia, engenheiros machinis->
lase tundidores de ferro, mui respeitosamento an-
nunciam aos Srs. proprietarios de engenhos fazen-
ueiros, negociantes, fabricantes e ao respeiUvel
puDi.co, que o seu estabelecimento de ferro, mo-
vido por machina de vapor.se 4cha em elJcclivo
cxercicio, e completamente montado com appare-
inos de primeira qualidade para a per fe i ta confec-
?a0l,i,s ma.ores pecas d machinismo.
ilalnlitados para emprehender quaesquer obras da
sua ane Me Callum & Companhia desejam mais
parucularmenlc chamar a attencHo publica para as
segu 11 tes por seren ellas da maior extracQ3o nesla
provincia, as quacs construidas na sua fabrica pn-
demcompelircom as fabricadas cm paiz estrangei-
tanto em prego como na qualidade das materias
'l;ii O mftn /l'nl... M.L._
Quebra a perna e torce o p.
'iro-liro-lii-l,
toamiISi'"' acSre*"ndo um verso deocca-
Z Versos da ni!,rechal de Mirepoix.
"sse MZl di'cueS10 'r"Wo ?.......
Nem sombra, minha chara.
^-r:.raie,2-'-o h.., .e.
za d-lne n.lrarL0' '"'"8 se"hora, disse u duqu, -
^meor.8.|,arabenS; duSdUS lesescolheu i-
oma'3a^d3o,,BS!nU,' PrqUC dCU SegUnda v"
couom",^hqfi*? aC?ba de f",lar' d"q''eza? rei.li-
A le que me nflo disseram o nome.
Uuepena! disse o marecha!.
i1'"! 11 nwuifiiiaiiiij.iMu
fcS^*2,f0! d. honra da vclha no,)rez de
l ianCa, disse tom azedume madama de Ciimnc
deTdeuH7rSI,ara P,0Vnran8' 1e ^KmB
uieid de quebrar a perna.
cbeTi..(.,,ll'vi.!,cS0,'Ct|Uehe '"""lembranga! disse Ri-
exoX'21 ria preCIS0 sal,cr como ^ chama essa
encllente dama que nos salvo., delito grande pori-
,,QT 0h! mais nada' Pr it0 respondo cu ; ella esta
ihlT Mfsdsse madama de Cumne, se essa mu-
Ihe^acbasse ou.ra madrinba? ella he mUito capuz
acbTnP-im i ha cluelemer; as madrinhas nflo so
aci.am ass.m do pe para n m.1o.
n^Iril*' ?e,m Creio' disse n'arechal a mascar
urna das past.lhasmaravilhosas, s quacs doria elle
ao que d.z.am, a roa eterna juvenilftlade '
Coiiipanliia geral
da agricultura das vinhasdo
Allo-ouro.
O ahaixu assignado, agenlc desta com-
panhia uesta prac-a de l'ernambuco, acaba
de receberpela barca Bella-Pemambuca-
na urna remessa de vinbos daquella com-
panhia depois que ella foi rehabilitada
pela legislatura de Portugal, e dotada com
Neste instante, fez o rei um movimento como para
approx.mar-so. Todos se claram.
Urna apresentaclo! balbuciou a duqueza dc
maagme.S?qUe Se l0rnara !iv*da" Quequiz'dizor S?
lesTor0ris!nd"2.l!Za, d'SSe marechal e<" "m dquel-
nerd.v^ nem os se"s melhores amigos lhe
perdoavam. ser acaso esta apresenUcSo a sua ?
As damas mordiam os beicos despoitosas.
dumiP7.'ii'f',mp0S*ilrel' repetia com surda vo* a
.!T ra uuca' du1ueza dsse o marechal. hoic cu-
7ZKTSB iqUhebradaS co8ndePrompthlo.
nn I,.,!, SeUl/heg0U"8e P"" a '"". tOCOu-lhe
no braco por advertencia; mas a condessa eslava
o^uSusT'16 e8Ca"d-,isada Pa" dar ouvidos aa
Isso seria urna indign.dade! exclamou ella
mel"LVmdnt!. "^ Indi"idade! ">^<> m.da-
M. MChoiseol vio que nada fazia, eretirou-se.
Ol! nimbas sonhoras, disse a duaueza diri
gmdo-ae astros filhas do rei, o ullimorecur'so ,
tomos sao V. altezas; que como primeiraTdamas1,^
Primas e m!Jo dtobra, a saber
"achinas de vapor.
Moendas de candas para engenhos movidasa va-
por, porogoa.ou animaos.
Rodas d'agoa e serraras.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhoes, bronzese chunlBceiras.
Layilhfles o parafusos d: todos os tamaitos.
laixas, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca movidos a mito ou por ani-
maos e prensas para a dita.
Fogoes e tornos para cozinha.
.(nos de ferro, torneiras de ferro e bronze.
Bombas para cacimbas e de repuxo.
.uindasles guinchse balancas romanas.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
orragens para navios, carros, obras publicas, ele.
columnas, verandas c grades.
Prensas de copiar cartas e de sellar
Camas dc ferro, etc.
rw! !'a I)e,'feicn das u obras, Me Callum A
S?mKI!,if"ra",lom ua mais eXlc,a confoimidado
com os moldes e desenhos rcmettidos pelos Srs que
se d gnarcm de fazer-lhes encomnien las a ,ove-
tandoa occas.ao para agradecer aos seus benvolos
amigos efreguezes a preferencia, com que teem si-
do por elles honrados. e assegrar-ls i.e mo
pouparflo esforcos nem diligencias para co tinua-
rcm a merecerasua confianca. conunua-
~ Custodio Joaquim da Silva Braga subdito bra-
ro!", ,,l,rlUgal' Cm Um ^do de nlme
n 7l,Ur?,a:^aCaSaAeiea da rua da 1-lorentina,
n. a tratar na rua do Trapiche, arma/em n. 19
com Domingos Soriai.no Concaives Kerre.r"!
,iTIJ.e 30 d"00,renle' PerantcoSr. doutorjuiz
?r.IemmfegUI,d"Var"-'80 "a de arrematar, por
nmp'"' Tsl'i" "o lugardoArraial pc-
nhoradoa Antonio Joaquim da Silva Castro, por
execucao de seus credores Adverte-se aue a axeru-
cao he pelo cartorio do escrivao Motta Q
c,no resoou no sa,o a sua lao e.a etao ^ITZjffiO^ 2S
nh7res'.Vam' minhasseh'>ra^ *> olle, meusse- SaffiJUr Cmpahha' q"e nm as "^
'"medialamente todos fe levautaram, e fez-se
grande movimento na galera.
.inCndcu alu"sl,,ssos para a porta,, mas voltan-
do-se na occasiitodeSjihir:
8enTaArmvlt0'dSSeellfi' amonha haverapre-
seiiiacaocm ViT.sallies. K
Baa?mblS!aVra8 Ca"i,''"n COmo um raio meio &
om0/!! rerpassou ,nvisln Vel* m das damas aue
einp| idecam a olhar urnas para as outras
Esaluo sem dizer mais palavra.
saoconmar.?,,1mhri;'ellet,'a,lposto limiar do
baiaocom a numerosa comitiva degentishomens da
Alas eu adivmhei-o, faca o duque o.mesmo \u> ,7.! lgos de 8ua <**- houve um explo-
Seassenhoras apreseatad.s fUm ^^^^1^^^^^^^ ^ h"
rarnTrist^SJa.6"' W dC re^^> "rva-
quzaM"'haS 8e,moris' Pr auem "o repeli a du-
susp'irar".' he tmba*' d'SS0 princeza *delade a
lieuT 'SS0 he qW hC fa"ar' disso fldu^ecTe Itiche-
m^!H.a "*0 t0da a cortode Fran5a esl com,..o-
melttoa, exclamou a duqueza. Al,! meus senhores
como Ibes .mporta too pouco a honra de suas fami-
--Minhassenhoras.dissoM.de Chosoul, procu-
rando ni -se, como o caso toma ares deconspraeflo
perinitlamijue me retire con, M. de SartinaJ V" Vi'
celleticia vem tambem, senhor duque?continuo',, M*
de choiaeul, dirigindo-se ao marechal con""uou *
M UartiCh08e' escaPu-se,' levando comsigo a
Ospoucoshomens que anda ahi se acbavam se-
guirn, o exemplo do ministro.
f" somonte com as prncezas madama do
m?.Um ,"?d"m.i Gucmcne, madama d'Aycu.
madama de M.rcpo.x, o madama de Polaslron, e oito
ou dez mais, que haviam abracado con, mais ardor a
nxa da apresentacao.
?,hde Riehelieu era o nico homem.
TrntonoaJS."aa ,,a,"aa inauielas> como so fra ura
iroianoem campo grego.
B~E,U.C represento minha filha, a condessa d'Eg-
mont, dase elle, as aenhora poden, continuar
Minhas senhoras, disse a duqueza de Gram-
"'u,n n,e, h? de protestar contra a infamia que
S-to-l.ei.8e<,Ue inCar'epe'a min"a Pa'teempre-
lhresQUa"'e':' Pcr8untari"T"1'soufls todas as mu-
era senhor.,am"n0S' re|),icou a du(Ieza, que el-rai
duque66" rospondi: issheque he fallar, disse o
^71 El"rei he sen,,,or cm sun casa he verdade; mas
1 as nossas somos nos as senhoras; ora quen, me po-
de impedir de dizer esta noitoao meu loliero a-
Ve0rsall,es?a"t P' e"' V" d 'he dizcr : vam0Sa
do"v lVudade' disse'riieli,-u; Jas, ainda qun-
00 V. excellencia proteste, que resultara d'nlii?
Hesultaraqueseha de rellertir.
, Itosultar que se hade rodectir ainda mais ni
clamou madama de Cumne, so muilas a imita-
rem, duqueza.
- porque nao imitaremos todas nos a duaue-
za? disse a marccbala srFnrp;.r,am!darv- ",s^ s-ff"
j\


LOTERA
DA MATRIZ
DA CIDADE DA VI TOMA.
Nflo se tendo adiantado quasi nada a venda do res-
to dos bilhetes desta lotera, pela Taita geralmente
sentida de notas de pequeos valores, que facilitem
os trocos, anda com bastante pezar se v o res-
pectivo thesoureiro na precisflo de transferir o an-
damento das rodas para o dia 26 de feverciro prxi-
mo foturo,. no lugar ja indicado; por isso que nflo
lie possivel cffeituar o dito andamento, existindo,
como existem, anda inais de dez contos de ris em
bilhetes por vendor. .
OPOSTILHAiV.27,
sflhinnoje. Traz artigsmui irostosos o infer< tes e entre elles um que- tem por titulo a consti-
tuieflo rasgada.
Da-se diriheiro a premio sobre penhoresehy-
potheca ; e rebatem-se ordenados do empregados :
ua ruadasTrincheiras sobrado n 46.
Quem Ihc faltar urna preta que andava von-
ilendoazoite, dirija-se ao Aterro-dos-Afogados, ola-
ra de Alvaro F. Jordflo que ser entregue dando
os sign*es.
Offerece-se um moco brasileiro para enixeiro
do qualquer cousa menos venda c loja, para oque
d pessoa que pelo mesmo se responsabilisa : quem
deseo prestimosequizer utilisar dirija-so a Cam-
boa-do-Carmo, n. 89.
Jos de Souza Marques o sua mulhcr Candida
Felicia da Silva Darboza fazem sciente ao respdtavd
publico,que.tendo pasgado uma procuradlo bastante
ao Sr. capitSo Jos l.ura da Silva larboza morador
na oidade de Goianna;. e nflo havendo o dito Snr.
at boje cumprido com os seus deveres, cou desdo
odia 27 do corrente moz de Janeiro suspensa a dita
^procuracflo.encarregando-aao Sr Ignacio de Tor-
res Banneira morador na dita cidade de Coianna ,
como seu procurador.
Precisa-se de um homein portuguez para caixei-
ro do oncaixamentoe outros servicos de engenho e
que d fiadora sua conducta : no engenho Novo da
Muribeca.
Precisa-so de um caixeiro para loja de ferra-
gens prererindo-se que tenha pratioa da mesma ou
de outro qualquer negocio: na ra Nova, n. 25.
Arrenda-se o engenho Perapihi, sito na fre-
guezia de Iguarassu moente o correte ; a tratar no
mesmo engenho, com o seu proprietario.
Perdeu-se o mcio bilhete da lotera da cidade
da Victoria, n. 1142, o qual lem as firmas, as costas,
de Francisco Jos Moreira c Antonio Francisco Cor-
roa Cardozo e est rasgado em varas partes : por
isso previne-se ao Sr. thesoureiro da mencionada
lotera nao pague caso saia premiado, senfio em
presenca dos mencionados.
BOA CAPELLANA.
l'rooisa-sc de um Snr. eapellflo para um enge-
nlio distante dosta praca 5 legoas, entrando no con-
trato o ensino do u ni menino do 9 anuos, as pri-
meras lettras. Para as demais explcacoes na ra
de Agoas-Verdcs o. 21 se achara com quem tratar.
-- Precisa-se de um mogo para entregar pflo com
um preto: na.rua doQiioimado, loja de miudozas,
n.16. f
Odoutor Francisco Joaquim das Chagas embar-
ca o seu cscravo Jos para o llio-Grande-do-Sul, pe-
lo Rio-dc-Janeiro.
Precisa-se de duas ou tres pretas para vende-
i'oin azeite de carrapato todas as tardes; pagam-se
400 rs. por caada, ed-se a medida com lavagem
sulllcieiite para niio haver quebra : na ra da As-
sumpeflo, ir. 24. i
A pessoa em cuja mflo para urna lettra da quan-
ta de 300,000 ra. a vencer no ultimo de marco des-
te auno ,a favor do Sr. Antonio Francisco Xavier de
Vaseoncellos aceita por Jeronymo de Albuquerquc
o Mello, c endossada pelo Sr. Jos Mana de Barros
llarroto mande-a apresentar ao dito Albuquerque e
Mello, no seu engenho llamos ero Pao-do-Alho,
ato o fim do corrcnle mez que ser promplamcnte
pag.
Joaquim Jos de Oliveira Calazfles embarca para
os portos do Sul o seu escravo de nome Joflo de na-
Cflo Angola.
Pergunta-se ao Sr. Custodio Joaquim da Silva
"raga que se retira para Portugal t cm que lempo
so naluralisoe Brasileiro parase intitular subdito
da na^iio Brasiieia. Na enlrada I'urlugue/. e n.i su-
liida Brasileiro O terdadeiro Uraiilciro.
SOGIEDAWi THEATRAL MELPOMKNENSE.
O primeiro secretario participa aos Srs. socios,:
que (jrocurem os seus bilhotes para a recita do pri-l
iiii-1ro ile loveroiro no lugar do costume.
,5^
-
Nflo nos ficaria el-rei com m vontade? disse a
prnceza Sophia.
ifla, nflo! EstcjamV. altezas certas disso, ex-
clamou a rancorosa duqueza. Nflo; ficar-ihos-hia
pelo contrario inuto agradecido, pois tem senao mili-
to superior, o tacto multo fino. El-rei, acreditem-
me, nlo violenta a ninguem.
Pelo contraro, alalhou o duque de Rcheleu,
alludiudo pola segunda ou terceira veza una inva-
sflo, que so ,'riizia ter feito madama de Crammonl
uma noite n cmara do re, a elle lie que violentan!,
a elle hcquforcam.
Neste momento, ao ouvirem-se estas palayras,
houve as fileiras das damas um niovimento igual
aoque acontece onr uma companhia degranadeiros,
aoarrebentar de urna bomba.
Eoifim, lornaram a si.
El-rc nada disse. he cerlot quaudo fechamos a
porta a condessa, dsseaprinceza Victoria, animada
o exaltada pela efervescencia da assomblea; mas
pode acontecer que em tilo solemne occasiilo...
Sim, sin), sem duvida, insisti madama do
i.iammont, pode ser que assim succedesse, se V. al-
tivas sallassoaj ; masquando virem que faltamos
todas.
Todas ? excUmaram as damas.
Sim, todas, repeli o velho marechal.
Kntlo, o senhor he da conjurocSe ? perguntou a
|irine*W Adi'l.
Porcerto que sou, c como tal pediroi a palavra.
Falle, duque, Talle, disse madama de Cram-
monl. -
Procedamos meldicamente, disse |p duque
nao basta gritartodas, lorias: tal que grita, a
por ludo surdo Tarci isto c aquillo, chegado o
momento, Tara justamente o contraro ; ora como cu
soja da conjunteSo; como acabo de ter a honra de o
dizeraasseinbla, no desejo ver-me abandonado,
como o lu todas as vezes quo conspiroi no lempo do
fallecido re, ou da regencia.
* Ka verdade,.duque, disse irnicamente a du-
queza de Crummont, como que V. excellencia se es-
--NaraFormosa,esquina da liniffo. precisa-se
de um criado e de uma criada. -
a~ (vS.ue he h.om e "til dcsnecesslta recommeiida-
coes. Offerecendo ao conliecimento do publico por-
nambuco os estatutos do collegio de S. Pedro de Al-
cntara fundado no Rio-de-Janero pelo reverendo
JoseMendes de Paiva, fazemos conhecer apenas a dis-
ciplina e rgimen desse collegio, j em demasa a-
crcdilado ern todas as provincias do imperio pelo co-
nhccimouto geral das virtudese capacidad,' do direc-
tor : essas virtudes e sua louvavel modestia nos to-
Inc de dizer quanto desejramos.
ESTATUOS DO COLLEGIO DE S.-PEDRO DE
ALCNTARA,
REGIDO mo PADRE JOS* HUNDES DE PAIVA.
Rua Nova do Litramtnlo, n, 128.
nao me seria mu penoso encontrar expressfies su-
blimes cagradaveis, para formar um especioso dis-
curso, com quo asseverar ao respeitavel publico a
perfeicflodoesuibclecimento que me proponho fun-
dar, e assm as vantagens que nello poderilo encon-
trar os Srs. pas de familia para a completa educa-
cao de seus lilhos tanto moral, como intcllectual ;
poreinhe tal o numero daquelles que, sob asappa-
rencias da verdade, teem defraudado a confianca a-
llicia que, muitas vezes Iludida, acredita na charla-
taara, que julgoj nflo se dever dar mais crdito
essas mgicas expressOes quo silo o pao nosso de
cada da : ois poique me limito a relatar nicamen-
te o indispensavel, dcixando em silencio essas su-
blimes expressOes que em breve substituir! por
verdadeiras obras, esperando mclhor resultado des-
ta lingoagem muda, do que poderia esperar dos mais
cloqueles discursos, nflo por deverem ser despe-
zados, mas por tantas vozos serem falsificados.
Artigo t." Neste collegio se ensinarflo as discipli-
nas que formiim uma completa educaeflo elementar,
a saber: religflo chrstfla, leitura c.lgraphia,
grammatica porlugueza, e as lingoas Trance/a, in-
gina e latina, historia antiga e moderna, arthmcti-
ca, algebra, geometra, geographia, litteratura, phi-
losophia, rhelorica e as bellas artes msica, dese-
nlio o dnnea.
Arl. 2. Os alumnos rallarflo semprc as lingoas a
que se dedicarem Tranceza, ou ingleza, para mais
fac! e perfeilamente as aprenderem com a pratica;
serflo porlanto acompanhados sempre |>or profosso-
res perilos as mesmas, nflo dcixando tambem o di-
rector de os acompanhar perpetuamente, assim cm
classes, como em silencios, recreios e passeos.
Art. 3." Os alumnos que nflo forero nos sabbados
para suas casas, ( o que sera_permittido quando nflo
estiverem do castigo, e vier pessoa que os acompa-
nhe), e tiverem de ir no domingo, wflo sahrflo sem
assistir a missa, e instruc^flo moral; lodos, porm,
lcvario um boletim, (ao menos duas vezes por me/i,
com que nforinarein a seus pas, ou corresponden-
tes, de seus progressos e conducta, sendo estes mes-
nos Srs. obrigadas a relataren! margem do ines-
mo boletim como se portaran! os alumnos durante
o lempo que estveram debaixo de suas vistas, o
qual boletim serflo os mesmos alumnos obrigadosa
entregarem ao director, quando regressarem ao col-
legio, que deve ser no domingo ateas 8 horas da noi-
te, ou na segunda at as 8 horas da manhfla.
Art. 4 Nflo se applicarflo castigos corporaes, nflo
8 porque longc de estimularen], relaxam, { como
tem mostrado a experiencia;, mas tambem porque
se tornam sobremodo allrontosos em um paz, cm
que sao de igual forma castigados os escravos.
Art 5. Applicar-se-hflo cortos castigos que, lon-
go de serem allrontosos, produzirflo o mclhor effe-
to possivel, por nieio do artificio com que serflo ap-
EI irados, como se poder observar no mosmo osta-
elecimento : ser, porm, sempre a einulacflo a
principal arma que substituir aos castigos, o o al-
vo do tintes os meus cuidados: comtudo se algum
for incorregivel.ou depravado, ser expulso, depois
de se empregarem todos osesforcos para conyerte-lo.
Art. 6." Paraosquequizerem seraroup lavada
no collegio mediante a quanlia de 15,000 rs. trimen-
saes, e os que nflo quizerero apreseuta-la-hflo lava-
da todos os sabbados; llavera, porm, no collegio
urna Sra id osa, nflo s encarregada de tomar cunta
dos falos, como tambem de tratar dos meninos de
menor idado.
Art. 7." Respeito ao vestido, ha de haver uniforme,
por consegute ha do sor feito depois dos alumnos
ostarom no collegio, conforme a necessidade o exi-
gir : trarflo, porem, desde logo urna cama completa,
uma cadera, uma caixa de follia de (landres, { esta,
porm, so mandara lazer depois de entrareis ;;o col-
legio, para leras dimensOes correspondentes ao lu-
gar do guarda-roupa, em que ella ha de ser colloca-
da); urna hacia para banho, duas toalhas grandes
para cnxugar, quatro ditas pequeas para rosto, qua-
troguardanapos, dous pares de ceroulas curtas e or-
quece do lugar onde se aclia ; pensar que est no
paiz das Amazonas, e ser por isso que toma esso ar
de chefe ?
Senhora, disso o duque, tenha a bondade de a-
creditar que algum direito talvez tenha cu a esse pos-
to que V. excellencia me disputa ; V. excellencia o-
dia mais a condessa Dubarry,--boml la fui agora
dizer o nome, mas creio que ninguem oouvio; nao
lio assim ?-- V. excellencia aborrece mais madama
Dubarry do que cu, mas eu estou mais comprometi-
do do quo a senhora duqueza.
V. excellencia compromettido, duque.' per-
guntou a marcnala da Miropoix.
Sim, ininlia senhora, eompromeltido, e saiba
que liorrivelmeutecomiiromeltido; ha oito dias quo
nao vou a l.uciennes, e lia quatro quo nflo tenho es-
lado em Versalhes, a poni de hontem mandara con-
dessa aopavilliodo llanovre saer se eu eslava do-
ente ; e sabe o que respondeu Rafe? que cu eslava
Iflo bom que nflo me havia recolhido desde a vespe-
ra. Mas abandonos meus direilos, nflo sou anihicio-
soj deixo-lhe o primeiro posto, e alea elevo a elle.
V. excellencia poz ludo em niovimento, he o bota-
fogo, revoluciona as conciencias, perlence-lhe o bas-
Iflo do commando.
Depois das serenissimas princezas, disse a du-
queza respeitosa.
Oh! deixe-noao papel passivo, dissea prnce-
za Adelaida. Iremos ver nossa irmfla I.uiza a Sainl-
Denis; U ella detem-nos, nfio vollamos, c a islo nflo
ha nada quo dizer.
Absolutamente nada, disse o duque, e quera o
disser deve ter una alma bom mal firmada.
_ Eu, disso a duqueza, vou asaislir minha co-
Ihcila de fono em Chanleloup.
Bravo! oxclapiou o duque, ahi esta uma rasflo
forte. r _
li eu, disso a pnnceza de Guemenee, tenho um
filho doenle, o nictlo-me no roeu chambre para Ira-
lar do menino.
Eu, disse madama de Polastron, suilo-me com
vei ligeos cslanoile, eora capaz de ficar pengosa-
dinarias para entrar no banho do mar, um lonco
para cnxugqr uma tesoura e um espelho, uma es-
cova para cabellos, umacscova para denles, e urna
dita para falo; uma esponja, um cadeado para a l'u-
P'lre, douscopos, dous talheres completos, uniaco-
llierpara cha. collegio forneccr gratuitamente
guarda-roupa, lavatorio eorinol.
Art. 8. O estipendio triniensal dos pensionistas
ser de 75,000 rs., o dos n.eios-pensionistas do IS.000
rs., e o dos externos de 24,000 rs., em que secom-
prehender o ensino de uma segura educac.no reli-
giosa, moral e poltica ; leitura, caligraphi, gram-
matica porlugueza, historia, arilbmelica, geogra-
phia, eas lingoas franceza e latina ; porm os ex-
tornos, que s aprenderem leitura, caligraphi e
principios de arithmetica, pagarflo 15,000 rs. tri-
monsaes.
Art. 9. Qualquer das outras disciplinas o bollas-
artes se ensinarflo mediante o estipendio de 18,000
rs. trimensacs; ensinar-se-ba, poroni, gratuitamen-
te aquellos alumnos que quizerem aprender ape-
nas baja um sullciento numero, varios instrumentos
de sopro, como corncta-pyston, cirmela, flauta,
etc. Segundo a marcha dcstes cstahelecimontos se-
rflo os trimestres pagos adiantados.
Art. 10. Quando os pas, ou correspondentes tive
rem alguma desconllanca, qucixa, ou m informa-
cao do cstalielecimento, nelle se poderfloapresentar
inesperadamente para desde logo observaren! o as-
seio, tratamento e disciplina, que ludo sejhe pa-
tentar para formaren! um justo juizo ; esperando o
director da parte de taes Srs. franqueza igual a que
nelle encontraren!.
/'. S. Minios outros interessantes artigos sobre o
modo de disciplinar poderia eu apresentar ao publi-
co, recordando-me, porm, do que disse no princi-
pio de meus estatutos, a estes me limito, protestan-
do mostrar por obras o ouc poderia exprimir por
palavras : porm,'se o tempo mostrar que he justa o
necessaria alguma altcracflo, sera tolla.
O director,
Padre Jos IHendes de Paita.
Alugam-seas scgunlcs casas: um sobradi-
nho de um andar com solflo, lojas c quintal na ra
do Sebo, n. 50, por 300,000 rs. annuaes; o segundo
andar e as lojas do sobrado da rua do Rozarlo es-
lioila, ii 10; a loja do sobrado do Aterro-da-Boa-
Vista, n. 6, com pl-oporcoes para qualquer cstaoole-
cimento; os dous terceiros andares dos sobrados ns.
4 06, no mesmo Aterro, por 300,000 rs. annuaes; os
dous andares do sobradinbo do pateo da Santa-
Cruz, n. 14, lodos pintados, c arranjados de novo
por 20,000 rs. mensaes; duas casas tarreas com
quintal e cacimba, o mais commodos para grande
familia, na Trempe, rua da Solodado, ns. 31 e 29:
quem pretender dirija-se ao cscriptorio de F. A de
Oliveira i\ Filho, na rua da Aurora, n. 26.
Pela grande demora, roga-scaoSr. Filippeltc-
nicio Cavalcauli de Albuquerquc que mande sal-
dar a quantia de 13,000 rs. contraliiria em 18 do
agosto de 1813 na rua Nova, n. 18; pois, tendo-so
fallado com seu mano elle dissera que cobraste de
qualquer maneira : e como este Sr. mora muilo Ion-
ge fazse o presente annuncio.
= Aluga-sc una preta para alguma casa estrau-
geira.aqual cozinha bem, lava e engomma com
perfeicflo : quem a pretender annuncic.
Joflo Antonio da Veiga embarca para fura da
provincia o seu cscravo de noineFelicianno,crioulo.
Alugam-se os aimazcns da na de
Apollo os, a8 e 30, com desembarque .-
a lialar no inesino lugar, com Joao lisie
ves da Silva.
Aluga-se uma casa terrea com solflo quo lem
bella vista o bastantes commodos; a qual so acha em
bom estado, e he sita na rua das Trincheiras, 11 17:
a tratar na mesma rua, sobrado n. 19.
O abaixo assignado, na qualidade de testamen-
teiro de sou finado irmflo Jos*1 Antonio Borges ,
convida aoscredoresdo mesmo, moradores nesta ei-
dade, a apresentnrem no Cear suas cuntas por si
ou seus procuradores at o ultimo rio margo rio cor-
relo anuo, para serem satisfeitos miquillo que
existir pertcneenta ao dito finado.
f iclofino Augusto forges.
Aluga-se o andar terreo 011 loja do sobrado n.
12 da rua da Aurora, com optnos e muilo asseiados
commodos para moradia de homem solteiro 011 do
pouca familia: quem o quizer alugar dirija-se ao
mesmo sobrado qualquer hora.
-- i/iScjri-ic iiCslrar por mcic w...*;:, que a .:;:-;
da rua do Aterro-da-ltoa-Vista, 11. 5, se acha livre
o desembarazada de qualquer debito de hypolhcca,
embargos nu oulro qualquer titulo; se liouver quem
acerca da sobiedita casa tenha que dizer, lia ja de 110
prazo de 3 dias publicar por este Diario.
NOVA AULA DE 1," LETTRAS.
O abaixo assignado, tendo aherlo em sua casa 11
rua do Aragflo n. 27 uma aula, onde, alm do ensino
correcto de primeiras lettras, se dfln lices de gram-
maticadas lingoas nacional, latina e franecra^con-
tina na mesma aula a roceber alumno externos,
pensionistas, e moios-pensionistas, ompregandotan
to no ensino, como no tratamento, desvelado icio,
e ca iniio-o cuidado.
Jos Xavier lausiino llamos.
No dia primeiro rio fevereiro, as 10 horas da
manhfla, no Forte-do-.Mattos prensa do Sr. Mon-
donga se arrematarlo por ser a ultima pr?a os
objeclcs salvados do brigue-escuna Mibenfiio.
Tresse, fabricante de org/los e realejos no Jlerro-da-
Boa-Visla, n. 21,
avisa ao publico que elle continua a fabricar orgflos
para groja, de todos os lmannos, com tromheta ;
realejos com tambor e campanhia contando qua-
tlrilhas para danca Aspessoasque o lionrarem em
visita-lo acharflo entro outras obras ja promptas ,
3 orgflos para igreja ou outro qualquer lugar ( que
si>m duvida nlo teem apparecido aqui), a duas linas,
a claviere a chavo de realojo por falla de organis-
ta ou por falla de saber toea-lo, entilo se toca com
a chave, como se tost um realejo oblendo a mes
ma voz, contando noseylindrosa missa, 011 qualquer
msica de igreja ludo'reunido na mesma obra; dito
orgfioforte-piano. Tambem concorlaos ditos ns
trunientos e poe marchas novas concorla pianos o
qualquer Instrumento de msica eoaMTBente ao
seu oflieio.
Compras.
Compra-se uma canoa rio amarello, de 25 a :tu
palmos de comprido para carreira ; na rua do Vi-
cario sobrado 11. .'.
Compram-ao pretoa offioiaai da sapaleiro ; sen-
do de bonitas figuras, pagsm-M bom : na run da
Concordia, passandoa pontozinha segunda casa
tarrea a direita.
Compra-se una rotula em bom oslado para
porta ; na rua Direita, 11, C!).
Ainda se continua a comprar cobras do Y lado
vivas para remedio: na praca da Boa-Visla. 11. 32,
segundo andar.
Compra-so una agullia rio marear, cm boni
uso: na rua Direita n. l, primeiro ailar.
Vendas.
Vonriem-sc bichas grandes o tambem sealu-
.'nm, por proco commodo : no Alerro-da-Bon-Visla,
na prmeira venda ao poda ponto, 11. 2.
-- _\a loja de Gimariics, Se-
rafim & C. vciulem-se pannos
fiaos, eo de 2j.j?400 rs. o covado; e de
outras muilas (jualidades, de va-
rios prec-os.
iNa loja nova de Raymundo
Garlos Leile, ru do Queimado,
11. 11, ha cortes de chita lina, em-
papelados, edepadroesde ultimo
gosto, a 3^600 rs.; choposdesol
d'liasles d'aeo, e riscaaos france-
zes dos nulhurespadroesque ha:
linio baratissimo.

menta enferma, se Troneliin me nflo sangrasse ama-
11 hila.
F.cu,dissemageslosaa marcchala deMirepoix,
nflo vou a Versalhes, poique nflo vou ; eis a minha
rasflo, livre arbitrio !
Bem, bem, disse Biclielieu, ludo isso lie muilo
lgico, mas he preciso jurar.
Como he que he preciso jurar?
Sim, as conjuraces sempre su jura ; desde a
conspiraran rio Cali I na at a rio Cellamare, a qual li-
ve a honra de pertencer, sempre se tem jurado ; ver-
dado be que ueni por isso foram ellas mais bem suc-
cedidas, mas respeitemos o costme. Juremos pois!
he cousa muilo solemne, como as senhoras vflo ver.
E estendeu a inflo no meio rio grupo das damas, e
disse majestosamente :
Euo juro.
Todas as damas repetiram o juramento a excoptflo
das princezas que haviam desapparecido.
- Ora agora esta tudo acabado, disso o duque ;
as conjurarles logo que se jura nflo se faz mais
nada.
Oh que furor, quando seella adiar sozinha no
salao, exclamo madama de 1. rain moni.
El-rei la nos ha de exfiar um pouco disse fli-
cbelieu, mas......
Oh I duque, exelamou madama de Gumne,
que ser da corte, se elle nos desterrar? Mflo se
espera ahi S. magestade dinainarqueza ? 1.1110 Ihn
mostrarflo i1 INflo se espera ahi S. alteza a delphina i'
A quem a mostrarflo ?-- E demais nflo se desterra
urna corle inleirn,escolhe-se.
Bem sci quosecscollio, disse Bichclieo, e at
ou sou muilo desafortunado, quasi semprc me esco-
Ihem ;ja o tenho sido qualro vezes, porque, contan-
do bem, esta he a minha quinta conspiracAo, minhas
senhoras.
Nflo crea nisso, duque, disse madama de Gram-
mont; a niim he que se ha de sacrificar.
Ou a M. deChoisoul, accescentou o marechal;
tome cuidado, duqueza.
M. deChoiseulhecomoeii: snffrer uma des-
grana, mas nflo dnia affronla.
Vende-se na ruada Cruz, n. a3,
cera 0111 velas, de urna das meliio-
res f lricas do IIio-dc-Janeiro ,
mi lio.ruto vontade do compra-
dor, em caixas pequeas, e por
piteo mais liaralo do (pie em 011-
SfJ ira (inalcpier paite.
m
1;

fJ^GEgfJrc-e it^ge 3?EE^@a
B^r.
Nflo ser o duque, ncm a duqueza, nem M. de
Choiseul, que serflo banidos, disse a marecbala do
Mirepoix;a banida hei de ser cu. Nflo poder el-rei
perrioar-mo o ser eu menos altenciosa com a condes-
sa, do que o era com a marqueza.
He verdade, disso o duque, ser V. cxccjlencia,
a quem sempre chainaram a favorita da favorita, po-
bre marecbala ; desterrar-nos-hflo junios !
Dcsterrar-nos-hflo a torios, disse madama de
Gumne lcvanlaiido-se; porque ospero que non-
huma de nos recitar da doliheraeflo tomada.
E da pro mensa jurada, disse o duque.
Oh! e demais, disse madama de Crammonl.
cm lodo o caso lomarei minhas medidas.
V. excellencia ? disseo duque.
He verdade ; para estar amauhfla em Versalhes
sdez horas, precisadla trescousas.
Quaes sflo ?
Um cabellereiro, um vestido, um coche.
Sem duvida.
EentfloP
i: entflo i' olla nflo oslara cm Versalhes as de/
horas; el-rei impaeicntar-sc-ha ; mandar ludo em-
bora, e a apresentacao licar adiada para as calendas
gregas, vista a prxima chegada de S. alteza a senho-
ra delphina.
Uma celen ma de applausos e de bravos acoliten es -
lo novo episodio da conjuraeflo ; roas emquaiito ap-
plaudiiim mais alto rio que os outros, o duque de Ri-
chelicu c madama deMirepoix trocaran! um piscar
'olhos.
Os dous velhos corlezflos haviam-ss encontrado na
intelligeucia do mesmo pensamenlo.
Pelas unzo horas todos os conjurados segnian ca-
mintio de Versalhes eSainl-Cermain, allumiados por
admiravel la.
Ilictielieu, porm, montara 110 ravr.llo do seu pa-
go 111 ; e ordenando que a carruagem com as cortinas
cerradas tomasse a estrada de Versalhes, parti ella
a grande troto para Paris por uma estrada escusa.
(Continuar-H-ha.
\




A.
__
Na lojade Guimares Se-
ra fim & Companhi.t, enfronte
ao arco de S -Antonio, n. 5, ven*
dem-se lencos de vapor, de pa-
drees modernos, pelo barato pre-
go de 480 rs, cada um ; lencos
franceses de cores finas e fixas ,
flngindo seda a 480 rs. cada um;
brim escuro franc-/. (raneado, de
puro linho, a 720 rs. a vara.
= Vcnde-e potas br.inca de superior qualidade.
em barrls pequeos ; em casa do Malinos Ausliii &
Companhia, na na da Alfandega-Vellia, n. 30.
ERRO! FERRO,
de todas as quididades e cobre para forro de navio ,
de 18al28oncas, cm grandes c pequea* part-
das : no arma/fin do A V.da Silva Barroca, defron-
toda igreja da iadrc-de-l)eos.
= Vrndcin-sr inoendasde ferro para cngcnlios di as-
iiicar, para vapor, agua e urslas, de diversos unannos,
por prefo couunodo ; e igiialuicnti taixas clr ferio coado
e 1 kilulo, di todos os tainanhos : na praca do tiorpo-San-
to, ii. 11, cm casa de Me. Calinont & Companhia, ou na
runde Apollo, aruiazrui, n. 6.
- Vende-se polass i branca, da
mais nova e superior que lia nes-
le mercado, por mdico preco:
na ra da Cadeia-Velha, armazem
12, de Bailar $ Oliveira.
Vende-so sarja de seda larga, hespanhola, %*
muito superior; sutim de varias qualidades 1*5 J
para vestido ; dito de Maceo para rllele 1
o mais superior que lia; casimira prcla 1
elstica, superior; panno pelo muito lino; j^'4
dito de cores, de todas asqualidades ; ve- V-.;'
ludo preto; inclino peto de todas asqua- [
lidades; dito, o mais superior queleniap- fa ,
parecido; chamalole; casimiras francezas, |g
sem pello, de bonitas coles; damascos para |() .
cnlxas, muilo superiores e de bous goslos; \-fi
eoutras multas fazendas que a vista dos -y'
precos oda sua qualidade o comprador nao ;t>^
' deixara de comprar : na nova luja da ra >>
0 do Quojmado, nos qualro-rantos casa !>>>
amarella, n. So. I>>

11.
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven
ero-se cass-is finas, largas e fran-
cezas, pelo baralo prego de 480
rs. avara; chitas francezas, lar*
{ras, a 280 rs. o covado.
AOS 20:000,000 DE RES.
Vendem-se mcios billietcs, quartos, oitavos e vi-
gsimos da lotera a beneficio do convenio de S.-An-
tonio ;c tambem a beneficio da matriz do Oar,
que lem de se axtrahir no Itio-de-Janeiro a 30 do
crrente :.no Uecife, loja de cambio do Sr Vieira. A
clles; dos de S.-Antonio jantes que chegue o, vapor
com a lista.
Panno de linho puro, a 000
rs a vara.
Na loja nova de Raymundo
Carlos Leile, ra do Queimado,
n. 11, acha-se um novo sorlimen-
(o de fazendas finas e baratas; as-
sim como panno de linho, em
pegas de 15 varas;
do diabo, a 400 rs.
gos de seda, pequeos,
para meninas, a 60 rs ;
nos finos sao preferiveis aos d'ou
ira parle, (anlo pelo preco, como
por seren novos na loja.
i\a rua do Crespo,
loja 11.14. de lose Joaquim
da MI va Haya ,
vende-se alpaca pela a 800 rs o covado ; dita milito
prcla c do cores, por barato proco; merino
panno lino preto e de ro-
duas larguras para
a nova pelle
o covado; len-
proprios
e os pan
lina prcla p do cores
prclo muilo superior ;
res; casimiras elsticas, de
caifas a (000 rs. o coi te; velludo ; gorgunlo d so-
da jselini para Gollete; ludo por pceo commodo ;
fusles para eollelos; e oulras inuias fazendas ,
lano para caigas como para vestidos do scnbora ;
ludo pelo barato.
Vende-so um prelo de 20 anuos pouco mais ou
menos proprio para lodo o servico ; urna prcla boa
lavadeira, e que cozinba e cose soll'rivelmcnle ; um
mulaliubo
Da era caixflo, a 1000 rs.; o todos os mais gne-
ros de priraeira qualidade, por barato prego : na
rua larga do Rozarlo, defronte da groja venda da
esquina, por baixo do sobradode 3 andares, n. 39.
Vendem-se
redes do Mar ululo, de muito boa qualidade na rua
da Cadeia-Velha n. 30.
Vende-so varios escravos com habilidades o sem
ellas, e entre elles urna negrinha de muito bonita
figura: na rua da Concordia, passando a pontezinha,
segunda casa terrea adireita.
<3fcffni Vende-se um forte-piano, de patente I.on-
nr 3 T"f don dos autores do Colard & Colard: na
rua do Vigario n. 4, armazem de Rothe& Ridoulac.
Vende-se um escravo trabalhador de enxa-
da por preco commodo : no Aterro-da-Roa-Vista
n. 55.
Vendem-se 50aeces da companhia de Bobori-
be, por seu dono ter-se de retirar da provincia;
tambem se vndenlo em menor quantidade: no pateo
da matriz de S.-Antonio, n. 4, segundo andar.
Contina-sea vender chocolate novodesuperior
qualidade, ebegado ltimamente, tanto a retaiho
como cm porces grandes : no pateo do Carmo, es-
quina da rua de Hurtas lado direilo, n. 9.
^^S- Vendem-se oculos azues e verdes de pa-
tente vindos ha pouco de Inglaterra por screm
encommendados, Jeitos pelo melhor autor que alli
existe, c que servem para encobrir qualquer defei
tonos olhos por doencas, para viagens, ler de nou-
te, estudar, etc., por que os seus vid ros servem pa-
ra todas as vistas, e leema propriedade de nflo can-
sarein : na rua larga do Rozario loja de miudezas,
do Lody.
Vende-se urna crioulado muito linda figura,
moca, queengomma e tem principios do costura ;
na travessa da rua das Flores casa de 3 portas ao
pe de um porto largo c novo, defronte do cirur-
giio Miguelinhn.
* Minia tamos Companhia.
lUia Aova ii. 6.
Acliam-sea venda ricos Icquesde du-
ran, com pinturas muito finas ; sarja prc-
"arga
tara
Vende-sofarinha muito superior, em saccas
por preco muitocommodo : na rua Direita, n. 9. '
Vende-se urna casinha assobradada na rua dn
Callabouco-Vclho, n. 25 : na rua Direita n. 81.
Escravos
Fus
dos.
CARNAI.'BA. muialiiiho de 14 anuos proprio para pagem ou
No armazem de farinha do caes do Collcgio, con- ?ar" "Prender qualquer ollicio : na rua da Cadcia de
tina-se a vender cera de carnauba, por preco com- "-Antonio, n. j.'i
modo tanto em poreoes como a rotalho e he che-
gada agora urna poreflo da melhor qualidade que tem
apparecido.
A <200 rs. o covado!
Na loja de Guimares Seraim
& Companhia confronte ao ar
co de S.-Antonio, n. 5, vendem-
se casimiras francezas, sem pe
lo finas de lindos padroes e
prelas pelo baraio prego de 2500
rs. o covado ; ricos corles de cha-
l de la e seda, com bar
mil rs. o ciie.
Vendem-se a plices daextincta companhia de
Pernambucoo Parahiba para pagamentos a mesma:
na rua da Cruz, n. 9, casa de Oliveira Irmilos & C.
Vende-se cha prclo, o melhor que lia em cai-
xinbas de 16 libras, proprias para familia : na rua
do Trapiche, n. 8, casa de llenry Forsler & Compa-
nhia,
ra, a
Veiulc-sc urna, prcla de nacao Angola, de 20
anuos de bonita finura cose e eugonima com per-
feicSo c cozinba o diario do una casa : na rua
da Cadeia do Itecife, n. 25, segundo andar.
Vcudem-se bichas pelas de Lisboa, muilo
superiores, a 200, 210 e 320 rs. cada urna, e aoscen-
j tos a 16,000 rs. : na rua da Cruz n. 62.
~ Vendem-se varios escravos mocos de bonitas
figurase com habilidades esem ellas: na rua So-
va n. 40.
I Vende-se, para lora da provincia, um moleque
OZe|crinulo, do idade 13 para 14 anuos : no principio da
rua de Moras, Iravossa dcSilo-l'edro, sobrado de um
laudar, n. 15.
Vende-se azeite fino de gerselim, para comer el Vende-se a posse de um terreno cmS.-Amaro,
para luz : no deposito deazeile decarrapato na rua com 500 palmos de fenle, no aliuhamentn da rua da
Aurora, o fundo al a estrada nova do Hospicio,
lodo junio ou a relalho : na rua do Queimado, lo-
ja n. 8.
Vende-se urna prcla que cozinhao diario de
urna casa he muilo fiel e nao tem vicios: na riin
do Trapiche, n Ai
Vende-se una liteiraem bom estado, Dor pre-
co commodo : na rua do pllegio, loja n. 15."
loaquini da >ilva Lopes,
da Senzala-Vellia, 11. lio.
VELAS W. CERA 00 RIO-DE-JANEIRO.
Vende-se completo sortimento de urna a 16 o bo-
gias de 4, 5 e 6 : no armazem de Alves Vianna na
i ua da Scnzaila-Vclha n. 110
Vciiuc-se, mi permula-se por um silio perto da
praga urna oxcellent casa terrea com bastantes
commodos para urna graijdo familia, sita ncsla pra-
ca : na rua Imperial, n. 9.
]\a rua do Crespo,
loja n. 12, de .los Joaquim
da Silva Vaya,
vende-se superior sarja preta hospanhola ; nobreza
rxa, muilo superior e muilo propria para capas
doSr. dosl'assose outras irmandades; ricos corles
do seda para vestido de scnbora ; mciasdeseda pre-
las e brancas, as mais superiores que tcem apparc-,
cido, tanto para liomem como para scnbora; luvas: glez> ol" ",cl0 use5 e com mullo boas vo-
deseda; chales de seda muito modernos e delin- zes, por proco commodo : a fallar com Jos
dos gostos; cambra 1a de linho, muito fina- lencos de 1 '.... 1 :| ai 1 i
camhraia de linho bordados, parasenhora, dos mais J(?<,fl""" ,,a S,,va aya,na rua do Licspo,
no seu armazem 11. 20, defronte da porta da alfande-
ga vende papel de machina azul e branco de pri-
meira, segunda e terceira sorte primeira qualida-
de que vem a este mercado.
Vende-se urna venda cm muito bom lugar, bem
afreguezada para a Ierra, e que tem commodos para
familia, com os fundos a vonladedo comprador,
comalguru dinheiro a vista ou com desobriga a
praca : ua rua da Cadeia de S.-Antonio, n. 2 con-
fronte ao becco da viu va Cunha se dir onde he.
\ ende se un piano horizontal, in-
M-spanliola ; setim preto mui-
lo bom, proprio para vestidos j ricos cha-
es e manas de seda scoceza, dos me-
liores gostos que teem apparecido, ludo
ornis baralo possivel.
Vende-se urna preta, de 30 annos pouco mais
ou menos,com algumas habilidades eque hequi-
landcira, por preco commodo : na rua das Cruzcs,
n. 41, segundo andar
Vendem-se botOes de massa com corda, pro-
priospara fardamenlodeofllciaesde cacadores : na
rua Nova, n. 26.
Vendem-se sarjas prelas 5 e meias
pretas, de seda e algodo, de excedente
qualidade, na rua do Trapiche, n. iG
CHOCOLATE DE SAO DE.
ATERRO-IU-BOA-YISTA, NA FADOICA DE LICORES,
m FRKoi-nicociAVF.srfi. 26. ---
lia sciupic mu grande sortimento de chocolate de todas
as qualidade Nao se far. preciso der as boas Duali-
dades, por ser conhecido e por ser bem superior a
oiiiros quaesquer que teem vindo e que verin das Oti-
lias provincias do impeli como tambem da Europa ,
porque o uicsmo fabricante nao se tem poupado a tra-
badlos para o obtrr superior a todos os que pinino se
apresentar. Os precos das qualidades sao : saude ea-
inlla c baunilhaa400 rs. ; o chocolate ferruginoso a
1/000 rs. a libra. Este ultimo se aclia agora iniii co-
nhecido c cm toda a Europa acha-sr mili vangloria-
do, porsuas virtudes tnicas; e por este motivo lorna-se
mili nccessnrio nos paixrs quemes, onde sempre Se pa-
decen! as fiotuides de estomago e nos quaes os tni-
cos se tornain Indispensaveis. Na mesma fabrica lia li-
cores de todas as qualidades e de todos os precos com
ricas tarjas dour.idas, c por preco mais commodo do
que cm 011 ira fabrica ; genebra ago'ardenledo reino ,
di'a de aniz dita de Franca, em caadas ou em garra-
fas ; vinagre branco e tinto muilo forte a <00 e 500
rs, a caada ; espirito de vinho de 36graos.
N. U.=Quem comprar o chocolate em arrobas, o oble-
ra mais em conta.
Vendem-se dous lindos moloques de 16 a 18
annos ; um dito de- tinos ; un> pardo ptimo pa
ra pagem de 18 annos, c que he bastante hbil
para oulro qualquer servico; um dito de 10 annos ;
urna prela de 25 annos com habilidades ; urna pre-
ta de idade, por 200,000 rs,: na rua do Collegio,
n. 3, segundo andar.
Fugio, no dia 10 de setembro do prximo
passado da villa de S.-Jos-do-Pcchini
um escravo, de nome Candido crioulo'
alto o grosso, bem barbado j pinin
bastante a barba, que com reparo se ve
urna cicatriz quo mal se percebe em um dos pspor
baixo do calcanhar, proveniente de um cravo, ps
grandes e apalhelados, orelhas regulares, boa phy-
sionomia ; lem o andar meioaccelerado, muito me-
tido a pachola, bem cachaceiro, trabalha em roca,
bom carreiro e entende do trabalho de gado; julga-se
ler falta de dentes; levou camisa e ceroulas de al-
godiioda trra : quem o pegar leve a casa dcManoei
JosConcalves Braga, em l'ernambuco, que recom-
pensar.
Fugio, no dia 18 do correnle, urna negrinha,
e^. de nome Marcianna, de12a-14 anos, coni
J urna queimadura na face esquerda, umaempi-
gem na direita euntaoutra queimadura na perna
direita ; levou vestido nixo o panno da Costa ; tem
cabello cortado: quem a pegar leve ao Passeio-Pu-
blico, fabrica de chapeos de sol, que ser genero.
smente recompensado.
Fugio, no dia 2 do corrente da cidadi>
da Parahiba o cabra acabildado, de no-
me Athanazio offieial de f un i leiro, es-
tatura baixa cabellos corridos nari/
afilado; lem uns signaes de carne nos
peitos, e um dedo de menos nos ps; sabe tocar vio-
la, e he muito amigo de funccOes c de beber go'ar-
dente 1 quem o pegar leve em l'ernambuco na
fundicSodoMcsquita & Outra na rua do Brum, e
na Parahiba, ao Sr. Francisco Marcliaud, que re-
compensa rilo.
Fugio, no dia 27 do correnle pelas 7 horas da
noite umacscrava, de nome Florenca, de
25 a 26 annos, cor acabralhada cara larga,
testa e olhos grandes e empapujados nariz grosso,
bocea grande, beicos grossos dentes largos e dn
ladoesquerdo tem um quebrado, estatura alta,
corpo regular : levou 3 vestidos, tunde ganga azul,
outrode risiadoamarclln e oulro de cassa pintada
dequadros, com um babado estreilo por baixo,
panno da Costa com franjado mesmo panno, 1 len-
col de algodlozinho, 2 pannos cora abninhado largo;
ps grandes sapatos da Ierra de panno de quadri-
nhos; tem todo corpo cheio de marcas de bexigas
frescas de pouco tempo ; foi comprada ao Sr. Ma-
noelJoaquim Pascoal Ramos: supp6e-se que ella
iv>ra para urna casa do uina scnbora moca em Seri-'
nhilem scnbora do engenho das Larangciras, aun-
de ella fez urna criacao e que dissera que ainda vol-
tava para l, que a dita senhora a comprava.
Fugio, do sitio de Jos Antonio Basto na Pas-
sagem-da-Magdalena, 1 prelo velho.de nacflo Angola,
de nome Francisco, com poucos dentes, barba gran-
de ps chelos do bichos, quando anda parece cam-
bado equando falla fechu os olhos : quem o pegar
leve ao dito silio ou no Recife na rua da Cadeia,
n. 34, que ser gratificado.
Fugio, no dia 22 do corrente um escravo, de
nome Pedro de nacao de 50 annos pouco mais un
'meil0s-;-C0m o3icio "do .pedreiro^VAf cerrala
baixo, um tanto corcovado ; levou calcas de algo-
do azul e camisa de algodaozinha : lia indicios de
estaracoitado em um sitio para as partes de Joilo de
Barros. Quemo pegar leve a ruadasTrincheiras, 11.
46, que ser recom-pensado.
ENIGMAS
PITT0RESC0S.
linos que ha por muito barato preco ; esguio de
puro linho e muito fino; platilha de linho ; e oulras
umitas fazendas que sero patentes aos comprado-
res e por barato preco.
AVISO
aos Srs.de engenho
'Na rua do Crespo, loja n.19,
de Jos Joaquim da Silva
Haya, vendem-sc
cobertores de algodSo, muito encorpados, proprios
para escravos ; bem como urna fazenda de linho a
imitacSo de estopa, forte e propria para roupa de
escravos e saceos para aatucar; ludo por preco mui-
to barato. ^Vn^ttf'
- Vende-se sal cm grandes e pequeas porcOes :
na ruad* Moeda, armazem n/nk
i\a loja de Guimares Se
lo
12
n
.Va livraria da praca da Independencia ns. 6 e
8, vendem-se compendios resumidos de potica,
com o titulo de Breves uoces de potica impres-
sosem outubro do auno passado proprios das au-
las para as quaes forfio coiupostos por um profes-
sor substituto de rhetorica ; preco 1000 rs.
Vendem-se compendios de gcograpbia para uso
das aulas de primeiras leltras, a duas patacas: na
praca da Independencia, livraria, ns. 6 e 8.
SEME.NTF.S.
Vendem-se sementes de rbano, rebnete, couve,
repolho, espinan-e, salsa, alface, coenlro de toceira,
cebla, nabo chegadasagora de Lisboa muito no-
vas : na rua da Cruz, n 62.
Vende-se cha superior, vindo ltimamente de
Lisboa, pelo muilo barato preco do 2880 rs.; dito a
baixo, a 2100 rs ; dito inmediato, a 1800 rs. ;
manleiga ingleza, superior, a 800 rs.; dita franceza,
a 640 rs.; espermacete americano a 900 rs ; dito
rraneez a 720 rs. a libra ; superior vinho chegado
ltimamente do Porto a 2000 rs. a caada e a gar-
rafa a 280 rs ; dilo PRR de Lisboa, a 1800 a caada
e a garrafa a 240 rs.; vinagre de primeira qualida-
de, a 1200 rs 11 caada e a garrafa a 160 rs.; azeile
Amanhila, 31 do corrente, vende-se car-
ne do carneiro, a 200 rs. a libra : no
acougue da ribeira do S.-Jos
<0 No Aterro-da-Boa-Vista, n. 1, primeiro andar,
- casa de modas francezas do M. A. Millochau ,
vendem-se continuadamente chapeos de senhora,
de muilo bom gosto e da ullitna moda ; cabecOes e
collarinhos bordados; bicosefilas; cambraias; tar-
atanas ; cassas ; filos ; e outros nimios objertos de
Na mesma casa l'azem-se vestidos de casa-
mento, chapeos e loucas para senhora c meninas
por preco commodo, e de bom gosto.
Vende-se urna escrava mucama recolhida de
22 annos, de boa figura, ptima conducta e que sabe
com perfeiQo, engommar, coser, cozinhar e todo o
mais servico de urna casa; urna dita do 24 annos
hoacozinlicira cdoceira a quem se pode entregar
todooarranjo de um casa; tima dita quitandeira
por 250,000 rs.; urna dila cozinheira por 100,000
rs.; urna dita que vende, lava e cozinba por 400/
rs.; uina escrava de naglo, de 18 annos, um mole-
quede bonita ligura.de 12 annos, ambos por 800.000
rs. ; urna bonita moleca de 15annos, sem defeitos
e com habilidades ; urna parda boa ama de casa, por
300,000 rs.; um escravo de nacilo, ptimo pedreiro
e canteo ; um dito para o mallo por 350,000 rs.
um moleque e um pardo de*2 a 20 annos por 800*
rs.: na rua de Agoas-Verdes, n. 46
Vende se urna porcSo de canos de
zinco que servirm em tanque d'agoa
por preco commodo : na rua de Apollo,
no anligo porto das canoas, a fallar com
Joao Esleves da Silva.
Vende-se urna preta de 18 annos, que cozi-
nba perfeitamonteo diario do urna casa lava en-
gomla e faz renda : no pateo do Terco, n. 27', se-
gundo andar. Adverte-se que so se vende para ca-
sa de familia.
n.
a i ----- -----------.----o-.;---" "lie aa ue mioma,
rafim & Companhia, confrntela^ d.^n*X,n"ewwdoierTiBderM! ""*
DECIFACAO
MUTILADO L_
A boceta de Pandora reparte sobre a
trra tantos males como bens.
PEHN. NA TYP. DE M. F. DE FAR1A 1 t 47'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKRX5AB4E_SQLH2R INGEST_TIME 2013-05-01T00:10:51Z PACKAGE AA00011611_09729
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES