Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09727


This item is only available as the following downloads:


Full Text
uno de
1847.
Quinta-fe.ra tt
le ifiianla : o prwo d asignatura hte He
,"5 rs. p " i',, nssijnante sa.i inserirlos a n.s
n" rlinli, emlTi'O difftrente, tas
po
'""i pla'metaH. < que uto f rem mi r
"''Smieipio 80 rs por nha, e ICO em lj-
^aporcad. 1"*^'-
PIIASKS DA LU NO MEZi.DE JANEIRO.
rl el i M n*'nul0,'' 'arde,
loante, .* ''f M tarda-
oo 16, ais l" norase Jl min.ru tarde.
Crescente', a J3, a I liora e 57 inin. da mauaSa.
PARTIDA DOS CRRElOS.ga^
Goiannae Paraliylw, as segundas e sextas faina.
Rie-randeHln. .Norte quintas fetias aomeio-dm.
("alio, Serinliem, llio-Formoio, Pono-Calvo c
iceio no 1.a, a ll e 5i de caita me
(aranliunsaaRanllo. a 10 a 21.
lina-Vista e Flores a 13 e 18.
Victoria, as quintas feras.
Olinda, todos os dias.
PflF.AMAd DE HOJE.
Pritnelra, as S lic-tas e O minutos da manhSa.
Segunda, s 2 horase 30 minutos da larde. .
de .Janeiro.
Auno XXIIT.
N. 22-
das da semana.
> Segunda. S Ananias. Aud do J. dos orpli.,
Ho J. do c da ? v. e do .1 M. da J
Terra. S. Pnljorpo Aud. do J. doclv. da I
v. e ilo I. de paz do ? < Quaria 8. Viiali" Aud iln .'. do civ. da
e do J. de paz do iliu de t
Quinta. S. Cyullo Aud lo J. de orph.. do
J, municipal da I tara.
30 Salta, t. Aquillino. Aud. do J do civ. da I.
v e do J. depa/. ilo I. disi. de t.
30 Sabbado. S. larlinha. Aud do J dociv. da
I. v. e do J da pat I ilist. de t.
31 Domingo. S. Pedro Nolasco.
CAMhlOS NO ni\ 2DF. 1ANEIRO.
Camino sobre Loi..lresOai>'/,H p. I#rs.a00d
a P-ns 3211 is por tranco.
* I.-xl> i. 96 de prenio.
Dse, de let d t>oas lirm-a i1," Va P-'/a *?"?'-
lluro') iras "espantiolas....
i, Moedasdc Ofiiio villi.
q i, de jflOO or..
da J000.....
PrM Pataces.........
u Pesos columnres...
Ditos mexicanos
> Miiuli
J8i.s0 a o|oiin
iua'iiiii) a lJIOn
ii'> i.i" a IflflOO
llfioo a Ojito
}f mo a >|n*'>
jjooo a JjjIOtn
ifIJO a IfTO
#70 a l#7n
Acrues da comp. do Hebarlb* de 50JfOOO rs. ao par.
DIARIO DE PERN AMBUCO.
EXTERIOR.
NOTICIAS DIVERSAS.
UM SALVADOR,
lm dos sabios nglezcsfltie andava herborisando
ilinto a Chimboraso, ia acompanhado de uin indge-
na que o guiava as suasoxcursocs scientificas. O
estado da atmosphera presagiava urna das terrivois
tempestades que com tanta frequencia se succedem
aquellas regios. Entraran) n'uma obscura gruta
que devia rcsguarda-Ios do furaco; e pouCo depois
de entraren) fono seusouvidos o terrivcl assobio do
cobra de cascavet; o inglcz flcou esttico de pavor,
e ainJa que nilo com completa intclligencia, procu
rou um dos seus ferros para sarjar a parte que mor
desse a rubra. O indgena com a sua vista perspi
en descubri o reptil que, ameacador, se diriga pa
radies; enrolou tnn lenco no seu braco, c agitando
na mito a sua gorra avanQou para o animal. Inc-
tou-o, c a cobra repetidas vezes mordeu o hratjo o a
gorra. Certo j o indiode que hava esgotado a ser-
pente a sua peconha, lanijou-se sobro ella, agar-
rou-a, c suffocando-a, a lancou triumphante aos ps
do estupefacto Inglez. O sabio recompensou o seu
ialvador com a quaatia de vinte libras esterlinas.
AMERICO VESPUCIO
Americo Vespucio, chamado em italiano Ainrigo
Vespucci, nasceu em Florencia em 1451. Educado
polo veneravel religioso seu lio, Fre Jorge Antonio
Vespucci, incatre le grande reputacSo, e a cujo cui-
dado se ochava a educarlo dos mancebos pertencen-
tes is familias mais respeitaveis de Floren;, o man-
cebo Vespucci fez progressos no estudo da physica e
astronoma, a que tinha urna singular adfeiQlo. Des-
conliado, nilo obstante isso, de s mesmo, julgou nfo
Hazer fortuna na carreira tas leltras, e dedirou-scao
commercio, occupagUo mais geral entre os Florenti-
nos, tanto nobrescomo pleiteos; e em 1490 passou
Hcspanha, e collocou-se n"uma casa de commercio
de Sevilha, anda que sem grandes esperanzas de
fortuna.
As descobertas de Colombo despertaram em todos
os navegantes o deseio de aspirar as suas honras, e
serom senhores dos riquezas de que se fallara; e tein
do-se apromptado urna expedidlo commandada pelo
nobre e esclarecido cavalleiro licspanhnl D. Alonso
de Ojeda, que tnna njudadoo almirante Colombo nos
seus primeiroseslabelecimcntosna Iba hespanhola,
anniiiiidoeste s supplicas de Americo Vespucio, o
admttio cont piloto suprantinierario ou secretario
ta cx|iedc,1o; pota, como j temos atinunctado, Ves-
pucio so podia considerar-se como affeicoado na-
vegagilo, porm sem qualidades reconhecidas para so
lite confiar cu minando algum. A 10 de mao de 1497
sabio de Sevilha para Cailiz a expedido, e fez-sede
vela do porto ile Cdiz a 20 do niesino mez. Depois
de mil cotitratempos chegot ao oontinente da Ame-
rica, incsiiia cominea de /'aria, escoberta tres an-
uos antes por Colombo, a cujo golfo tinha dado o
iiome de Golfo-cla.s-l'erolas, pela abundancia do con-
chas com perolas preciosas que se tiravam d'alli: ha'
^'isfxvssjasssfMasssssssssaasaB
va tracado Colombo no mappa o rumo que teguiram
para chegar aquellas costas.
Deste mappa que tinha sido conservado mu cui-
dadosamente em llespanha, se serviram Ojeda e A-
merico, para encontrar aquella comarca que cos-
tearan) por trra firme porespaco de 860 logoas ma-
rtimas, regressando a Cdiz a 15deoutubrodo1l88
Anda quamlo Vespucio nto descuidasse a troca dos
frivolos objectos que conduzira da Europa pelas es-
lmavcs perolas que recebia, activo, intelligenlo, o
mu conhecedor do desenlio, recolha tantas e tilo
exactas noticias daquelle continente, que compoz
um livro mu curioso, no qual descreveu exlonsa-
i mente aquella torra, nova inteiramente para os po-
,' vos do antigo mundo. Reconhecido Ojeda aos ser-
- vicos que Ihe lhe prestar Americo na sua vagem,
orccommcndou acorte, manifestando com veidatle
quanlo hava contribuido com os seus conhocimen-
- tos para o bom xito da cxpedco, e ambos empre-
" henderm a sua segunda viagem em 11 do mao do
1499, sem fazer-so menelo de que Americo obtivera
mando de navio algum.
De volta Ojeda da sua viagem, e nilo pensando em
novas cxpedi;0e&, Americo passou ao servico de Por-
tugal, tendo effeqtuado outras duas viagens na qtia-
lidade de piloto, costeando o Brasil at embocadu-
ra do rio da Prata ; urna em 10 de mao de 1501, o
outra em igual data de 1503, sem quo em consecuen-
cia deltas nem das fetas em llespanha tivesse obtido
posto ou emprego algum. Terminada a carreira da
vida do celebro-Christovo Colombo, Tez Sevilha as
maiores honras ao hroe genovez, e pouco tempo
depois tornou a apresentar-se em Sevilha Americo
Vespucio, a quem a corto de Hespanha nomeou gco-
hrapho, ou antes hydrographo, oceupando-se em
fazer cartas de navegcSo, indicar as costas dos pai-
zos at cntflo descobertos, e escrever as cartas o seu
nome como autor ou hydrographo.
J as primeiras oxpodicOes hava Americo levado
estas cartas para o governo dos pilotos, e conheciam-
secom o nomo de Curial A maricas, circumstancia
singular qae, sem que o mesmo Vespucio tivesse es-
icrado nem buscado osla honra, proporcionou ao ha-
itil Florentino dar nome a motade da trra daquella
inmensa erica parte do globo, descoberta pelo im-
mortal Christovfio Colombo. O modesto America
Vespucio morrn em Lisboa cm 1516, com 65 annos
de idade, tendo passado segunda vez ao servico de
ol-rei D. Manoel.
l-

A1EMOJHAS Dli UM MEDICA. (*)
pon aieiranorc ^unia*
PniMEIRA PARTE.
CAPITULO XXXIX.
MAPBIXIA S ATIIHASA.
A pobre contlesaa.iconservemos-lhes o optheto de
pobre condessa oiieJhe dfra o re, porquo olla o me-
reci, em verdad*, nessa otcasiilo), corra alma em
pena pela estrada) de Pars.
Chon, aterrad como a condessa pelo penltimo
paragrapho ta corla de Joilo, esconda n'um gabine-
te de Luciennes o sua dor e dessocego, amaldicoan-
,1o a fatal ideia que tivern de tomar Cilberto na cs-
Ao chegar ponte d'Autin laucada sobre o canal
uuc ia dar ao rio e ciretilava l'aris, desde o Sena ale
a Itoquelle, encoutrou a condessa urna rarruagem
quo a espera va. .
Neasa carniagem eslava o visconde Jo3o acompa-
nhado tic uni procurador, com quem pareca argu-
mentar de urna mar.eira calorosa.
Assim que avistou a condessa, detxou Joflo o pro-
curador, e saltn em tena, acenanrfo ao cocheiroda tj
eunhatla que parasse __
Dcnressa, condessa, disse elle, depressa, tnet-
la-so na ininba carruagem, e corra A ra Samt-Gcr-
main-des-i .. z
Eiililo a vclha mongou com nosco ? diso a con- )
dessa.uo mudar tic carruagem, emquanto o procu-
lador, advortiilo por um signal do viseonde, fazia
oulro tanto. .. r n
Assim ocreio, condessa, disso JoSo, aasim o
creio; quer-nos pagar logro com logro.
(*; Vi* Diario n. 31.
si a honra desta invoncilo no sem algum fundamen-
to. Segundo elles dizem, o general Paixhans nao
fo o inventor, mas sim o imitador.
Esta pee do artilhara pesa 85,000 libras (250
quintaes ), tem 10 ps de somprimento at ao bo-
tan, c 39 pollegadas de dimetro na culatra. A c-
mara tem 13 pollegadas de compridon 9 do dinmo-
tro; o com|>rmento interior he de 9 ps e una pol le-
gada, e o dimetro de 12 pollegadas. Pode disparar
urna bala de 230 libras, e urna bomba de 180. Tem
de alcance tres milhase mca, isto ho, um quarto de
milita mais que o mortero que cliegnu recentemnnte
a Inglaterra, e meia milita mais que os caithocs de
major calibr que so enconlram actualmente no for-
te de S -Joilo do lina.
O'custo desta enorme machina de destruicifo nflo
passa de 8,500 francos,
{Diario do Govero.)
toneladas, capito Alam Penott, equipagem 11
carga bacalho ; a l.e Bretn Scharmm & (.'.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro; brigue brasileiro Rtlisario, canilo
Manoel da Silva Santos, carga varios gonerds do
paiz-Conduz II eseravos a entregar.
Maranlnlo ; briguo-eseuna brasileiro Veloz, capitSo
Francisco Bernardo de Mallos, carga diversos g-
neros Passageros, l.uiz Jos Tloyon, com sua se-
nhorn o urna fllha menor, doutor Jos Comes do
Paiva Rrasiloiros.
Liverpool, com escala pela Parahiba ; brigue inglez
llflmnce, ca|>il3o John Bedfonl, carga assucar.
C.enova; escuna sania hl'grapho, eapitiio Pedro la-
nero, carga assucar e couros. ___________
l)pclara?oes.
UXOirE, 37 DE IARIIRO BE187.
I indos trabalhadoresdo arsenal do marmita desta
provincia acaba de ser victima de urna dessas decep-
Qesa qucquotitlianamente est o homem subjeito,
e que nem por isso ileixam de ser funestas.
.Na persuaao de que estara suflieicntemente en-
terrado um dos esteios ile um telheiro cuja coberta,
haviamalgunsdas, tinha aido tirada, o infeliz, para
descansar um pouco do trabalho de quo eslava en-
carregado, encostou-so a esse esteio ; mas, em vez
do descanso encontrou o malaventurado a morte,
pois mo tendo o posle mais que qualro a cinco pol-
legadas cravadas na trra, veio sobre elle, c com tal
for<;a bateu-lhe em a nuca, que o misoravcl inmedia-
tamente expirou.
O arsenal de guerra compra azeito decarrapa-
to ede coco, lio de aigodno o pavios : quem taes
gneros tver o qni/.er l'ornecer, mandar sua pro-
posta em cari fechada directora do mesmo arse-
nal at o da 28 (boje) do corrente. Arsenal de guer-
ra, 25 de Janeiro de 1847. -- .Mo Riendo da Silva,
amanuense.
O briguo-eseuna de guerra Cofope recebe s-
malas para os portos do Sul boje 28: ao mcio-dia.
Avisos martimos.
a
UM cakiiaO monstro.
Ha das que so fundi em Roston, na ollcina do
Mr. Adger, urna enormepe?a do artilhara que pesa
5,000 libras mais que o ramoso cauhao do capito
Stock ton, chamajo-o Pacificador. A fundieflo da-
quella pega i inmensa fo dirigida por Mr. Algor n co-
ronel Bomford. Devsj sabor-so que o dito coronel ho
o inventor deste notibmcio de destruiciio, c que a
fundieflo da prinicirappe9a vcriflcou-se no auno de
1809. Esta que anda existe, chama-se Cnlumbia, e
leve fior^adrinho Tnoms JefTerson, presidente dos
Estados-L'nitlos. Taos pecas de artilliaria silo absolu-
tamente igtiaes as coniiecida"em Franca como no-
c do pocas Paixhans. Os Americanos attribuom a
'*
Mas entilo o que houve?
Eis-aqui, em duas palavras Eu flquei em Pa-
rs, porque sempre estott desconfiado, uoqueteuho
tmla a rasilo, como v. As nove horas da noite >uz-
me a rodar pelas circumvizinhangas da hospedara
do Coq-Chantaiit. *'a.la vi; ninguem sabio nem en-
trn, naoapp'arcceji%ma visita, ludo ia s milmara-
villias. Julguci portento que poda retirar-me, e ir
dormir; e assim o fiz.
Esta manhaa aconlei ao romper do dia, puz Patri-
cio a p, e de-lhe ortleui a quo se fosse pdr de senti-
nella porta da hospedara.
As nove Noras, pote bein, urna hora antes da mar-
cada, chego em carruagem; Patricio nada tinha vis-
to quo tlsse cuidado, subo a escoda milito ancho.
A' porta urna criada mo faz parar, o me participa
,ue a con.lcssa nao pode sabir boje, nem tal vez por
estes oito das.
Confesso que apezarde estar preparado para qual-
quer desgraca, nao esperava cu por essa.
Como! nao sahe boje? disse eu,e que tomella
entilo?
F.st docnle.
Doente! hcimpossivel! Hontem eslava tSobem
isposta! |
Sim, senhor. Mas asenhora tem ocoslume do
lzer o seu chocolate, e esta manhaa, quando o oi
ferver, dcrramou-se-lhe no p, o queimou-se. Aos
ritos que ella soltou, acud eu. A senhor condessa
isiava quas desfallecida. Leve-a para acama, e
oeste momento pens que esta dbrmindo. ___
Eslava eu paludo como essas suas rendas, con-
issa. enrtei : lio urna mentira !
Nflo, met charo senhor Dubarry. respondeu
lavoz tilo aguda que pareca atravessar as par-
is; nao, nao he mentira, e padece horrtvelmeute.
Lancei-me para o lado donde v.nba essa voz, pas-
i a ravs de urna porta envidraSada que se n3o
ueria abrir; a velha condessa eslava com efletto
-'-Ah I senhora....... lhe disso eu.
Foram as nicas palavras quo pude proferir. Eu
3Uva dannado, e te-la-bia com prazc. feto em fa-
el-A||i csU, me disso ella, mostrando una poss-
cafeteira no chao, all esta a cafetera que fez to-
SaUelsobre a cafeteira a pes juntos; aquella nao
i de fazer mais chocolata, por isso fleo cu.
_- ue contralempo! contnuo a velba com a voz
hdah, ser madama d'Alogoy que apresentara
CCWMEP-niO,
Aliantlepa.
REND1MENTODODIA27......,
DESCABBROAM llOJK 28.
BrigueCourad -mcrcadorias.
Brgbe Conctcdo-de-Maria dem.
Brigue Ca*e/-idcm.
Cnsul a'lo.
lr..\l)l.\ll'.iNTO DO MA 27.
Ceral............
Provincial..........
Diversas provincias......
13:395,335
I0:579,455
4:664,147
206,290
15:449,892
'****'
tlulj- tem
loviiiu'iilo to 1I1>
Tena-Nova
Sanio entrado no dia 27._
29 das, brigue inglez (aselle, de 176
dessa,
des
sel
uta
do
ha
n senhora sua rmfla. Que se ha do fazer, eslava isso
escriplo! como dizem os Orientaos.
__ Ah! meu Dos! cxclamou madama Dnbnrry,
a sua historia, visconde, me desespera.
Nao desespero ou, so vosse lhe for fazer urna
visita ; c he para isso que a mandei chamar.
porque nao desespera ?
Ora essa porque vosse pode fazer o que eu
nao posso, porque lie mulher, o far que lhe mos-
Irem a enfermidado, eso for impostura, poderdi-
zcr a madama de Barn, quo olilho nunca passar
deum miseravel lidalgote; que ella nunca pora a
mloem um vntem da heranca dos Sal tices, porquo
emim vossi> representara as mprecaces de Camilla
com muito mais verosimlhanga do quo eu represen-
tara os furores de Oreste.
O visconde graceja, creio eu 1 exclamoii a con-
dessa.
Dos denles para fra, acredte-me.
Onde mora a nossa Sibylla?
Pois nilo o sabe? ra Saint-Germain-dea-Pres,
hospedara do Coq-Chantant, {*) urna casa muito so-
ja com um enormo gallo pintado n'uma chapa de fer-
ro. Quando esta se move o gallo canta.
Teremos urna scena horrivel.
lie o meu parecer. Mas he lambem meu pare-
cer que he preciso arrisca-la; quer que a escolte ?
Dos o livre; deitara ludo a perder.
Eis-ah oque mo disse o nosso procurador, a
quem coiisullci a este respeito ; sii va-lhe isto de go-
verno. Bator algucm em sua casa be crime de prieto
e multa. Bal-la fra..... .
He nada, atalhou a condessa; o visconde sabe
disso inclhor do que ninguem.
Juiio fez urna careta com ares de sorriso.
Oh! disse elle, as dividas que se demoran)
amon toam juros, ese eu algum dia encontrar o meu
homem.......
Fallemos soda minha mulher, visconde.
Nao tenho mais nada a dzer-lhe; va!
E Joo desviou-se para deixar partir a carruagem.
Onde mo espera ?
Na hospedara mesmo; pedirc urna garrafa de
Xercz, c se for preciso adjutorio, actidlrei.
Tora, bolieiro, bradou a condessa.
Ra de Sant-Gormain-des-Prs, hospedara do
Coq-Chantant; accrescentou visconde.
A carruagem parti impetuosa pelos Champs-Ely-
SC0.
lastir
-.;
(*) Gallo que canta.
Para o Araealy o hiato Vrente segu viagem
o mais breve possivel: nao sabio no dia 22,
^eom escala pela Parahiba, por Taita de im-
prmenlo de Irato da parte dos freladorcs : quem
iiui/er oarregar ilirja-se ruadoVgario, n 5.
O brigue Fetit-Destino seguo para o Rto-Cran-
de-do-Stil, no dia Io de feveretro impretenvelmen-
te, por se adiar carregado : quem qui/.er embarcar
alguns eseravos a freto dirija-se a ra da Cadcia,
em casa de Amorim lrmaos, que ahi achara, rom
quem tratar; ou ao capilao do dito, na praca do Com-
mercio. .
. Vende-so ou freta-se o muito veletro brigue a-
merieano Eagle, de ptima construcQao, encavilbado
de cobre e forrado com o mesmo ha sois mezes.que ar.
mesmo lempo fo apparclhado de novo, acha-so
prompto a seguir viagem para qualquer porto, e he do.
lote do 110 toneladas: quem pretender dinja-se aos
consignatarios, I.. C. Ferreira & C.
para o Rio-de-Janeiro segu viagem, imprete-
rivelmente at o dia 31 ilo corrente, o brigue ameri-
cano Casket: e como o dito brigue tenha bstanle
commodo para passageros, o estoja bastante limpo
e seja bom do volas, por isso se avisa s pessoas
quaquizeremrdepasagom, que vilo a ra do Tra-
piche, n. 8, em casa de llem y Forster & C.
Para Lisboa sahe, no dia 14 de feverero a no-
va o cllenle barca portugueza Tejo: quem na
mcsina quizer carregar a 200 rs. por arroba em
qualquer tara ,ou ir de passagem, para o que tem
asmelhorescommodidades que qualquer navio da
carreira pode rallar ao capitao, Silvano Manoel dos
Res ou a Olivera lrmaos & Campanilla, na ra da
Cruz n. 9._______________ ____^^
lm quarto d'hora depois, parara ella junto ra
Abbatiale e mercado Saint-Margucrile.
Ahi a condesaa Dubarry apeou-se, porque recciou
que a bulla da carruagem mlvcrtisse a velha niatrei-
ra sem duvda a espreila, por tras do alguma corti-
na', pata presentir a visitante a lempo de ovita-la.
Por consegunlc, soco um lacaioatrasdosi, al-
cancou a condessa rpidamente a pequea na Abba-
tiale, que s tinha (res casas, urna das quaes era a
hospedara, o em dous pillos se poz dentro dola, por
cuja porta aherta deparen) parnoontrou, --en-
g0rnguoSm a vio entrar, mas ao pe da escada encon-
trn a estalajadeira.
Madama de Barn? disso ella.
Madama de.Barn est muito doente, e nao po-
de fallar a ninguem.
Doente; he isso mesmo, cu venho saber non-
cias suas. .
E ligeira como um passaro, poz-sc no topo da es-
cada cm um segundo. *. u
Madama, madama, gritou a cslalajadcirif, ollie
que lhe forgam a porta !
Entilo quem? pergimtou a velha dcmandista
do fundo do quarto.
Eu, disse a condessa aprcsentando-seaesuinio
ao limiar da porta com urna physionomia pcrreita-
menlc adequada a circumstancia ; porque mostrava
o sorriso da palidez, e acaraiitonlia da compaixao.
A senhora condessa aqui, cxclamou a deman-
dla pallida de terror.
Sim, minha querida senhora, c venho testemu-
nhar-lho a parle que tomo na desgrana qucaconle-
ceu a V. excellcncia, eqne nesto inslanto me aca-
ban, de referir. Ora, conto-me, por avor, como ro
isso
Mas eu nao ouso offereccr-lhe um assenlo nes-
techiqueiro.______
__Sei que V. excellcncia tem umcastcllo em lu-
raine, o nSo reparo na hospedara.
A condessa sentou-se. Madama de Bearn entendeu
que tifio liavia meioescjtpar-lho.
__ y. oxcolloncia parece soffrer muito, senhora
condessa? perguntou madama Dubarry.
IJorrivelmente.
__a ponadireila? Oh meu Dos! F. como im
entilo que V. excellcncia queimou a perna?
N3o ha nada mais simples: eslava eu coma
eaieteira na m3o, oscorregou-me o cabo, a agoa que
eslava lervendo derramou-s^, o urna grande porcao
della rahio-me no p.
MUTILADO


9f
_
i, i



ros das; podo rcocber ainda alguma carena fete
monta C., !"ao. d.> Corpo-Santo, n. II
la-rnnZ:L :,!!r eom ,,r<,v'll'"l barca le/-
".. u" ''"" lt,r ',art0 dil *" l-'.n.plaf
'< "..t .-.invpr ou ir do nassagem, par
tiqui lo... exreil.i.les commodos, lria-.scaorani-
*M?>, r2 rw Aa'ffitoKas
ue moi.il, na na ,| (.ai|e,a do Recite, n. 51.
tv^nf,;T!r;!<'aar/'''aS.,,g,,Cviaen,l'nra o Araea-
prompta para o resto da carga o pasMfteiroa tra-
n r i' S A,;auj "a rua C.nn, n. 26.
coheelfl.3.0,P!Se*ea"* s,'",,,;n'e a bem
reo. eve che J"/?'?.3 Columh*< MPlD Daniel
r !I C,,0Ra,rde Ma<*io B' '" 31 do corren-
quizerfiV. '',Ve',,o1 -n mes,no dia : nuem
K' Calmo',"&T lri"" C01" 8 C"Sg''a,U-
hrlL"** lio-de-jaripiro seguir breve o veleiro
hr guo nacional ,//a; 0 ,|Uil, *jndt r,relie r
le. Us S "S"**01' p,,ra 1"c l'ni ES
Ya cisco ,vOS: d" ,i""n-se ao ConSgnatarlo JoHo
J rancisco da Cruz, rua da Cruz, n. 6.
lara o Iio-(;rniide-di.-Siil o bricue nacional
n ndirr.; S- 1"cmbarram eseravosqueiram
Avisos diversos."
LOTEKI
DA M A T |{ J Z
DA CIDADE lM VICTORIA.
0:OOO,?O0O de rs.
As rodas desta lotera (eem o seu imprelerivel an-
damento no d.a 29do correle mez, nocSnBorin
la .reja dn Conceicflo do militares, ainda n > l-
RUtjl poneos bilbe.es fiquom por vende ?) ro to
destes deve sor procurado ni bairro do Recite.
as tojas de cambio dosSrs. Manoel Comes e VieMs
rtoValS^rSS "n,0JHKd ""-"eiro Ano-'
mo da Silva Cusmflo, e na botica do Sr. Morcira
Marques, na rua do Cabug. morera
C0I.I.ECI0 DOI.R. L. GRfNOW, F.M WANDSRECK.
(PEIITO t)T. ALTOItA F. IUMBUB00.)
Para que possa dizer alguma cousa maisapproxi-
nativa a espe.to Jes e coffegtoaoa prenles, tutores
oscrVvor m^S,,PlUVCl PUWC0' ,0,,1 "aMtod!
scrover maisabaixo algunas observados.
Esta dito estabelecimento be principalmente des-
tinado para os lilhos de familia dacmESS
quereni excretar na vocee*, do lettras o 'no esta-
do c.v.l ; mas particu tormentase dar mata aUencfl
aosestudos coinmorctaes. a di rece fio desta coC
g.o ha tmente pnni 0 eslU(lo ,, d o mcsmo
se a .Ungido e governndo por ...estos capaes
pelo director en. pessoa no metl.odo mais conl ,r-
.men.ente, cao peda cuIHvacAo do espirito "era
igualmente empregado lod.i o'cui.lado eam nos-
*iyel daquella dos ruraefle das c.-ancas P
Oestu.lotcraporprin.eiroobjecloa relisilla liara
que se despene no espirito e no cor.cflc ^in!
nos um s.nccro e religioso sentime.ilo ; mascn ol
auasi lodoaquedcaaa Ierra para aqui ven. en, r-
dem de seren. educados prolessam a rel.giio c bo-
l.ca, ncsle caso o director se fa.a obrigadode or
para que elles liquen sempro profesando a suarc-
lig.lo. c.gnalmenteiia-oirloaoutia igreja .i ,enL
soja a catbol.ca romana. E depois se.aJobse,Tado
que os men.nosrpcebarn lodosos principios ..ecos-
sanos as l.ngoas antipas, como tamben, toda a Jer-
fo.cao possivel nasoutraa maislingoas modernas. -
Edopo.sos maisobjectosde cstudo seiilo matl.e-
mat.ca, goograpbia, historiado mundo e nal,ral e
merc1aS,et*c.en,0lambem ***> asciencias com-
Ora que tremenda desgraca I
A volba soltou um suspiro.
Oh : he verdade minha senhora, tremenda
daso'u|,rarsemPl"0 *"[*** ~ JK3
"imib ? V' CXCe,l0ncia' ^ue 0|-rei a espera va esta
o- excell,,ncia duplica-me a desesperaco
h. magcslado nilo gostou nada de a nao ver
A olcstia me desculpa, e cont pedir humil-
demente perdr.o a S mageslade.
.NSodigo islo para Ihe causar o menor desgos-
m.^?!8 ."'"" ,)u-b"rf'y (,u" via Juantoavclha
eslava recatada, quena somonte fazer-lhe ver quan-
toseempenhavaS magostado neste passo, e como
Ihe eslava agradecido.
Bem vi V. excellencia a minha posic.to.
coTa ?m ; maS qUer ,,UC "ie d*a uma
Fiiga ; terei muita honra cm ouvi-la
He que esse accidente, com toda a probabilida-
de, peocede de uma grande emoeflo que V. cxcellen-
Oh naoduvido, disse a demandista fazendo a
sua cortezia s com o busto; commoveu-me muito a
honra que V. excellencia me fez de me receber com
tanta bondade em sua casa.
Creio que anda houvc outra cousa.
-- Outra cousa? A fe que ntlo, nada que eu saiba
nimba senhora.
Qiiantoaeducacio.ellaeomnrehendera tudoaauil-
diqill.K!I hILre,T,, d.'"m' em lo o sentido
da palavra, bem criado e educado joven. Peque-
os passe.os, d.vcrt.menlos ; principalmente o eier-
ovrol.g.>ira,-"r 9-ra cmPref""'o orno uma boa e
mfii d,.sl,afco. o o n.csmo sorA dirigido Por
..ostros habis, para que as MrCas do corpa se dos-
' n olva.n e ja mesmo com ludo, a residencia e o
sitio sau.lavel no campo be ja pa'ra esperar que o
Z'.? '"'i" f?".''6.6 boa nfluencia sobre a dura-
vel saude e fortitudedos meninos.
CflS,Coafroo,rall.a con,sidfacao da sua actual vo-
col'emnnint lr ,io cnie^, o qual desde ja lar-
so deZ fn ^m occuPa,,o cm o estado e educcHo,
n s l?mrsmo .COm lnil amor c z"lo, o ftr
pretenS q*'quer equitativa
te.ta?ait?tpen?i0J cuj0 P8amento adiantado
i ,n ,J r ? P.Sg? to,1os "'"'estrs, o director
, erdadede os notar na orden soguinle,
Para melhor clareza daquelles que o quizerem
cZc/A con"ar108s,us '"os para' que receban, a
cducaC..o e estudo que cima j leva dito,
os meninos que livcrem menos de 12annospa-
. 8ar,o................30 V
eos de 12 a 15 annos....... ,,40
e os de mais de 15 annos..... 50
islo por anuo.
O desenlio, a msica, a danca, o jogod'armas, o
exorno gj mnastieo, assim como todos os livros, os
instrumentos, e todos os maleriaes necessarios para
o desenlio e a escriptura, isto ser pago parte.
j.a.iB menino deve trazer comslgo. ao entrar neste
ronegio, uma cama com todos os aparatos necessa-
rios, sois guardanapos, seis toalhas para as mitos,
e onia eommoda ; ludo isto ser outra Vez dado ao
joven quando o mesmo deixar ocollegio, mas em
caso que o mesmo nilo traga nada de tudo aquillo
que acabo agora mesmo de Tallar, elle dever pagar
porcada liaste que Ihe for necessario uma indemni-
saciltf proporcionada.
Kora do todas estas despezas o mesmo nilo ter a
pagar nada mais, soja pelos utensis da mesa ou por
lavagem do roupa branca. F
A boa localidade docollegio he situada n'um sitio
nao smente agradavel, como lambem saudavel, e
cercado .1 um grandioso jardim o qual he repartido
em boa lorrna e com bom gosto. c-a grande quan-
tMladededilTerenlesarvores deitam no jardim urna
reirescanle sombra que serve de abrigo aosraios ar-
demos do sol.
Para mell.ores infnrmacoes poden, dirigir-senes-
la praCa a |(. H, Lultkcns, ruado Trapiche, n. 16
. iSr" n,',ra'.lo''>osAfogados, que deve na reli-
nacaoda rua D.reita, n.10, a quantia de 50,240 rs
quoira lera bondade de vir, ou mandar pagar a dita
quant.a po.sque S S. nao ignora que negocio de
assuear bo pago a vista: e comoS.S. nilo lenlia ap-
parecido, e tecm deenrrido mais de qualro mezes, por
ISS0 O annunciante nao pode esperar mais lempo.
- l recisa-se de um caixeiro para uma venda, que
tenha praliea de vender,e quedo fiador a sua con-
ducta : na rua larga do Rosario 11. 37.
.T.'1 Sr-Joflo Licio Marques lem uma carta, vinda
de Liaboa na rua do Crespo n. 4, loja do Joaqun.
oj Silva Castro,
,. I!1*"80. ,linhci|o a Pernio sobre, penhores do
ouio e prata em pequeas quantias : na rua da Ca-
ucia de .-A11I01110 loja de marceneiro, 1. 18.
- Unen, precisar de un. homem muito hbil para
lazer cohrancas na pracacfradclla o qual da fia-
dor a sua conduela, dirija-so ao pateo da S.-Cruz
indo para S.-Gnncalo, n. 2*. '
- Precisa-so de um caixeiro que soja capaz, c
que d lia. or a sua conduela preferin.lo-se dos
chogados ullimamonle do Porto: no paleo da S.-Cruz
padana n. 0. ui>
..~.Quc,Tlannun,cinu ."en-comprar uma escra-
-'ru'.1 n.SK 8 'nP70S d P,a/0' drja-S
- Aliigain-se os aiinazcns .la rua He
'ipoons. 18 c 30.com desemb.njue :
a tratar no mesmo lugar, com Joao Esle-
ves da Silva.
- Empalbam-secadeirasc marquezas, por pre-
co ma.scommodo doqueem outra qualqer paite
naiuadasLarangeiras, 11.13.
Oh! que sim Um encontr.
Que eu tive?
He verdade ao sabir do minha casa.
se^o?seuecCunhardoPe8SOa 8'8Uma- V'm "cochedo
Antes de entrar para o coche.
A demandista fez como quem procura lembrar-se.
poFa. excellencia descia os degraos do
A velha mostrou-se ainda mais atienta.
irnTaciin^'sse.ma,lama Dubarry, sorrindo mas com
iSTsahia d&sT. ""^ ">> *> a
~ Quefatalidado! senhora, no me Iembro.
V.7xcLenenc'ia!her....... r" "" S ,emb emfim
v 7.7n!!nitn ?r!a v,s^' I"8 a d0lls Pa*os que
V excellencia esta de mim. ..So Ihe dislingo asfw-
efies. Avista disloJulgueV.exccIlencia.
Est visto, a sujeita be forte, disse entre si a
vala!"' Na "Sem0S dC arti,nannas' q,,e assim nao
- Pois bem, continuou em voz alta, j que V. ex-
cenencia ...lo vio essa mulhcr, quero dwr-lhe quem
A mulherque entrn, quando cu sahia?
selhba'rry ,0ra" Era minha ""ada, mademoi-
TAh! be"'- "inha sen,,ora, muto bem! Mas
co.no nunca a tmha visto.......
Ja a vio.
Eu v-a?
Sim, c at fallou com ella.
Com mademoisella Dubarry?
Sim, minha senhora, com mademoisella Dubar-
ry. So com urna dilleronca ; he que nesse dia ella se
cl.amava mademoisella Elageot.
.,Tfth ,t,1xc'am?" a,ve"' demandista com agrura
que nilo pede diss.mular, ah! essa fingida mademoi-
sella h ageol, que me foi fallar, o fazer viajar jr is-
se modo, era a senhora sua cunhada ?
Em pessoa, senhora condessa.
Quemamandoula?
Esta sua criada.
I'araenganar-me?
Nilo para serv-la, ao mesmo lempo que V. ex-
cellencia me servira tambem.
A velha franzio os grisalhose espessossobr'olhos
Creio que essa visita, disse ella, nao me sera
muito prove tosa.
Sera acaso V. excellencia mal recebida porM.
deMaupeou? p
A' moda da corte.
Parece-me que tive a honra de olTerecer-lhe
realidades.
Minha senhora, o homem pe, o Dos dispOe.
Ora, fallemos seriamente, disse a condessa.
Eslou prompta a ouvi-la.
V. excellencia queimou o p?
tem o v.
Muito?
Honivelmenle.
Nao podera, apezardossaferida, dolorosa som
uuvida mas que nflo pode ser perigosa, fazer
iimoslorco, supporlar o movimenlo da carruaeem
atel.ucienifes, e conservar-se de p por um minuto,
no moii gabinole, em presenca de S. mageslade ?
He impossivel, minha senhora: a idoia sde
erguer-me, smio-me desfallecer.
Mas entao he uma fehda tremenda a sua?
Tal qual.
Perdeu-se uma carteira dealgibeira, conten
00 dentro a quantia de 75/000 mil ris, e mais pa-
pis, como foi annunciado no Marlo-lovo do dia
19 do correte: e porque at boje a pessoa que a
aohou nao tem querido por em execucao o convite
feilo no mencionado annuncio, roga ainda o dono,
da carteira, que a queiram deitarna caixa do correio
desla capital, ainda mesmo sem dinheiro, o s com
o inoio hilhete da lotera da matriz da cidade da
Victoria que deve correr a 29 do corrento ; pois
que a sabir nellealgum premio nao se servir delle
por so lerem dado as providencias. Espera-so que
assim nao inutilso-se aquillo que pode ainda ser-
vira outrem, assim como as mais lembrancas que
com o bilhete est3o na carteira.
Alugam-seas seguintes casas: um sobradi-
nho de um andar com sotflo, lojas e quintal na rua
do Sebo, n. 50, por 300,000 rs. annuaos; o segundo
andar e as lojas do sobrado da rua do Rozario es-
trcila, n 20; a loja do sobrado do Aterro-da-Roa-
Vsta, n. 6, com proporcoes para qualqer ostabelc-
cmento; os doustorceiros andares dos sobrados ns
*c6, no mesmo Aterro, por .lOO.OOO rs. annuaes; os
dous andares do sobradinho do pateo da Santa-
Cruz, 11. o, todos pintados, o arranjados de novos
por 20,000 rs. mensacs; duas casas terreas com
quintal e cacimba, e mais commodos para grando
familia, na Trempe, rua da Soleda.le, ns. 31 e 29:
quem pretender dirija-se ao esc iptoro de F. A de
Ohvoira & Flho, na rua da Aurora, n. 26.
Precisa-sede serventes de pedreiro: na venda
de J080 Jacntho Moreira.
Aluga-se uma casa terrea com sotao que lem
bolla vista e bastantes commodos; a qual se acha em
bom estado, e he sita na rua das Trincbeiras, n. 17:
a tratar na mesma rua sobrado n. 19.
Precisa-sede um homem para fcilor de um
engenlio distante desta praca legoas, preferindo-
se dos chegados ultimamenle do Porto : na praca
da Roa-Vista, venda n. 13.
Caudino Agostinho de Rarros embarca para o
Rin-Grande-do-Sul, pelo Rio-de-Janeiro, a sua es-
crava Luiz, crioula.
Na cocheira do becco da rua da Cadeia, por
detras da casa do Dr. Jos Narciso Camello, alu-
am-se cavallos e tambem se tratam : os prcten-
dentes dir.jam-se a mencionada cocheira, que serilo
servidos iinmedialamenle. Na mesma cocheira
compram-se e vendem-se .cavallos para ambas as
sellas: a tratar na mesma cocheira com Joao da Cu
nha Res.
Descja-se fallar com o Sr. doulor Antonio Jo-
s desonza comes, a negocio de seu interesse ; na
ruado Passeio loja de fazendas, n. 21.
Precisa-sede uma preta captiva, para com-
prar e razer o mais servico de uma casa de pouca fa-
milia : no Aterro-da-Roa-Vista, n 3.
0 abaixo assgnado, na qualdade de testamn-
telo de seu finado irn.ao Jos Antonio Surges ,
convida aoscredoresdp mesmo, moradores nesta ci-
dade a apresenlarem no Ccar suas contas por si
011 seus procuradores at o ultimo de marco do cor-
reiilo anno, para serem satisfetos naquillo oue
existir pertencenleao dito finado. H
Fictofino Augusto Borgrs.
Cotnpanhia geral
da agricultura das viudas do
Allo-llouro.
O abaixo assgnado, agente desta com-
panl.ia ncsla p.aca de l'ernambuco, acaba
de receber pela barca Bella-Femambuca.
na tima reinessa de viudos daquella com-
panhia depois que ella foi rehabilitada
pelalegislalHra de-Portugal, edotada com
lindo pblicos pela le de ai de abril de
4d, para levar a lodo% os mercados os
padrese bausas do vilio genuino e pu-
ro do Alto-Douro,geralmente conhecido
pelo nome do vinlio do Porto, a'llm de
da qualidade, deve olferecer ao8 Srs. con.
sumdores, n8o s a cerleza da sua pu.
reza, o>as tambem o typo verdadeiro do"
^excellentes vinbos do Porto. Esibra'
pois, o abnixo assignado que os Srs. con-
sumidores se dirigirSo rua da'Moeda, ar~
matem n 7, para 'trataren) do ajuste d
qualqer porcao c,tie desejarcm.
Jntonin francisco de Moraes.
Precsa-so de um amassador quaentenda dir!
lamenUrde masseira : sendo que venda pSo na ru l
tenha algumas fj-eguezias suas melhor ordenado',!
Ihedara, advertindo-sequoso indagar sobre a su
conducta e costumes, por nao se querer estar mu
dando : na rua larga do Rozario, padaria n *8
A aula publica de primeiras lettras em o |.r
rodeS Antonio do Recife continuara o seu exor
cicio lectivo no primeiro de feveroiro prximo vin
douro, na rua do Livramento, n. 38, primeiro a".
Tresse, fabricante orgiot e realejos no Altrro-ila
Boa-Vista, n. 21,
avisa ao publico que elle contina a fabricar ore-i
para igreja, do todos os tamanhos, comtrombcl
realejos com tambor e campanhia contendo aun'
drilhas para danca Aspessoasque o honraren. visita-lo acharSo Jentre outras obras ji promntaT
3 orgaos para igreja ou outro qualqer lugar n.'
sem duvida nloteem apparecidoaquii, a.luas finaT
a clsv.er e a chave de realejo, por falta de onza k'
ta, ou por falta de saber toca-lo, entflo so toca com
a chave, como se f. sie um realejo obtendo a mi
ina voz, contendo noscylindrosa missa, ou qualmmr
msica de igreja tudo reunido na mesma obra- ,iii,,
orgao forte-piano. Tambem concerla os (ditos' i
trunientos c poo marchas novas concerta pianos
qualqer instrumento do msica, concernenteao
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n
12 da rua da Aurora, com ptimos e muito asseiados
commodos para moradia de honjam solteiro ou .!
pouca familia: quem o quizer alugar diriia-se Z
mesmo sobrado qualqer hora.
n Tu *aD?V0,?lopp H f-;-' )i,|ier Colombioz & c
Holhe & Ruloulac administradores da casa falliiia
de Ferreira & Oliveira avisam aos devedoros da d
ta casa que n3o paguem quantia alguma sena.) aos
annunciantes, quo sao os nicos competentes nara
fazerem estes recebimentos ; ficando cortos de aul
qualqer pagamenlo aos meamos Ferreira & OJivoi
ra, oua outro qualqer, he nullo e mesmo nda
comprometiera quem o lizer, estabelecendo cum
phcidade com os ditos fallidos.
Dentista.
servirem de guia, ao commercio.
remessa, toda de vinbos da nfas escolb
; Tenho, como toda a dona de casa, excollentes
~ F.'ie,".f' Snmr indiscri?; ver esse especifico?
;sta naquellc frasco en. cima da mesa.
ilypocnta! ponsou a codfessa, at ahi cheaa a
d,ss,mulacaoH,e com effeito refiuaJa. mas vejamos
Senhora, eu tambem tenho um oleo admiravel
I nToT.f M "W m8 a 8tia PPlicacilo depende
muito do genero de qucimadurV =Fuue
Como assim ?
"J^ sou medico; mas quem ha ni airase nflo tenha que-
mado mais ou menos em sua vida. ? .
a volhaS' m'nl,a Senhora' houma es^ladura, disse
Oh I meu Dos, quanto Ihe ha de doerl auer V
excellencia que Ihe applique o meu oleo ?
um, V.' Paynon .ci.rur6ao dentista da cidade .le
Philadelphu, participa aos seus amigos eaores-
SSI "7-/ 1 IC qU e" Prete,,de car piuco te5,
nesta cidade, para exercer as suas funecoes, tende^
sabido ha pouco da sobredita cidade, onde elle por
rnuitos annos tem prat.cado a sua arle; aoha-se bem
nK nasPeIr<,?0e! dentaes mais dillicultosas,
confo.me o modo mais moderno da arte: quem
de seu prcst.nio se quizer ulilsar dirija-se a sua
moraj.a, 7, rua da Cruz do Recife, primeiro an-
dar, que o achara sempro prompio.
Ao annuncio feilo pela mesa regedora da irman-
dade deS-Pedro, no Diario de l'ernambuco ten
do corrente, se respondo que a casa terrea da rua do
S.-Thereza n. 0 nao he foreira a irmandade
aprsente ella o titulo : o litigio que pende he ira
fazerprovaronenhum diretoquo lem a irmandade
a esse aoramento, que presentemente phantaziou.
- Rornardo ComensoroFerreira, Itrasiiei.o, re-
tira-se para o Rio-de-Janeiro. *^
O NAZARENO N. 2
?A." rn,daJaS das horas da *rdo na livraria da
"? 'J 'ndspendencia, ns. 6 e 8, na rua Nova,
fe dsfntoIST 6 "8 ,yPOg,'8pha NaZ>ren,,:
ti,LSa dIg?.^eH*r lid?'e traz um arli8 obre Por-
sub T ,?,?',a."n,P,,r "lo barato.
Su iscroye-se a 5,000 mil ris por semestre Daeos
diantadn, os lugares em que se ve7de, 'dndo-
se no semestre pelo menos 60 nmeros.
jc^V&VwiT>t "mb0"'disse a ve"
inSfSri'0U c?m,fM" temPO. Toi despregando o
alfineteedesenrolandq as tiras. Com grande admi-
rarlo sua, a velha conenlio om tudo,
Pnnl?era que.e"- cheue ehomaco, para
E proseguio.
Madama de Rarn gomia, mas nffo'seoppunha.
nmld? lud0 fo'descoberlo madama Duharrv vio
urna verda, e.ra chaga. Lvida o sngrenla a oue-
madura fallava altamente. Poda muito bem soque
m ""i,e"f l,ve98eTSto reconhecido Chon ;
tosSvolsm .C0,n asPorci"s eos M-
Madama Dubarry calou-se e admirou
viOlZ*.^,,a,,(m,a,"1,1oa8,i''?oz*va plenamente da sua
,K.,e-coin lho8 fero2M dovorava a condessa
ajoelhada a seus pos. r-
A favorita tomou a p.V as duias como cstavam
- Com muito gosto. V. Ciencia entao trou-Lm^,i&^^^
- Nao, porm manda-lo-he.... paf os.fendo*.," so^fandq^s jtmlo enferma :
- Mil vezes obrigada. \Jul u.ra,nem.' minha seiilwra, ll.edis^e ella j V. ex-
- He sement necessario que eu veja o Bro de oco m.,P1n-m;,8irorledo .que penssva, e
gravidade. M J 8 ae| Peco-llio pedao dei.no haver desde o principio tra-
-Oh! nao, minha senhora, oxelamou a velha ou v?l?"p1nK.C-T* Mnvn" "" senhora do
nao quero apresentar-lhescmelbante espectculo a Si ?h r ""* condl?0cs-
- Rom, disse madama Dubarrv entrePai, orna- lamnai ,'^v^"""?' mas isso fo um rR-
panhei-a. ula" lampado oue immediatamente se extingui
- Nao tenha recoio, disse ella em voz alta no rfTJsf?!*8" V" e*cel!oncia claramente o'quede-
tou muito acostumada a ver rendas ^T**'' d'sse tli e u vere em que possa serv-.
- Oh minha senhora, nao cae em mim fazer taWnJ?.if?' I'v co",lessa- s,er Pr v- excellencia
..:. 14 apresentada em Versalhes, anda que isso Iho custo
lima linro rlad iui(iitnnlIUi J^.....____ n
descorlezia.
Quando se trata do soccorrer o prximo, des-
apparecem essas civilidades.
E de repente doitou a m3o perna, que a eondessa
luitia estendi.la em uma cadeira.
maA,ir"'anS?IU)U rrivel rito de agona, mal que
madama Dubarry Ihe locou.
Oh! que bem fingido! murmurou a favorita
quo observava todos os gestos do desfigurado rosto'
de madama de Bearn
Eu morro, disse a velha. Ah I que medo me fex
V. excellencia.
E com as faces paludas, o os olhos amortecidos doi-
lou-se para tras, como quem eslava a desinaiar
-r V, excellencia d [cenen Pconlinuou madama
,._. 1___f -----.----'----"" f"D ,a' um cuan:
Ta pungentes dores que sofrreu sta ma-
Madama de Rearn onvia sem posteneiar
E que mais? disse ella.
-- Mais nada, minha senhora, acora falle V. ex-
cellencia. >
Euquizera, disse a velha com urna firmeza quo
desenganou a condussa deque tralavam com olla,
como do potencia a potencia, quizera que me asse-
gurassem as duzenlas mil libras da minha demanda.
las so V. excellencia ganhar essa demanda,
parece-me quo ser3o quatro cenias mil libras que
embolcara. M
Nao, porque as duzenlas que me disputam os
Saluces, lenlio-as como miuhaseas outras duzenlas
ser* urna rortuna que porei a par da honra de ter
Jeito conhecimento com V. excellencia.



_ precisa-so de um caixeiro de 12 a 16 annos,
para urna venda .anda mcsmo que nflo lenha pra-
-S-5SJ
tica
dentro da rbcra da Boa-Vista, n. 25, se dir
niiem precisa.
- i;m rapaz de boa conducta, casado, se offercee
para cnsinar a meninos as primeiras lettras e todas as
,.pccias de mntas com toda a perrcicflo, e as ho-
ras vagas, bemeomo ao meio dia, com a mesma
nprleigo ensna a msica tanto por casas particu-
lares com na sua propria ; advertindo que as pessoas
que de seu presumo se quzerem ulilisar, em bre-
ve mnhererflo o talento que gyra sobre si, promet-
iendo em diminuto tempn p-los perfeitos, nSo so
em msica como em qualquer instrumento: sendo
qiiequeiram dirijanf-sca ra das Cruzos, n. 14,
que se dir quom fie o pretendente.
Manoel Alves Guerra fazsciento sos proprieta-
riosdos alagados em frente do Hospicio, que em
poucolempodeveficar aterrado osen que dea pe-
lo Sul, e ao'depois muito maiores despezasjfarflo com
os ditos atorros ; porlanto fariam bom em nSo se
desruilarern com a conclusSo.
= Aluga-seuma preta para alguma casa estran-
geira.aqual cnznha pcrfeigflo: quem a pretender annuncie.
|)ito-se 600,000a. a premio, com seguranza a
contento: na ra estreita do Rozario, n. 43.
Francisco Malaquias 6oares Giesteira que acaba
do cnsinar primeiras lettras, porcontrato, lora des-
la praca, contina no mesmo magisterio, no lugar
denominado Magdalena, na casa do sitio do Sr. Ei-
ras, eabre a sua aula em odiaprimeirodc feverei-
rovindouro. Certifica aos pas de familia residentes
u dito lugar que de sou prestimo se quizem uli-
lisar, que se encarregar da educagiio primaria de
seus iilbos com o cuidado e desvelo inherentes ao
cu ministerio.
Sebastilo Jos da Silva & Barros l'azom publi-
co que desde o dia 20 do correnle teom cedido por
venda a sua Inja de ferragens sita na ra Nova n.
>t\, ao Sr. Joio remandes Prente Vianna.
Joflo Antonio d Veiga embarca para fra da
provincia o seu escravo de nnme Felicianno, crioulo.
Desencamnhou-se do poder do abaixo assig-
nado urna lettra da quantia de 111,000 r.., sacada
peloSr. coronel Joilo Baplsta Pues Brrelo a favor
doannunciante,em data de 15 de novembroprximo
passado, pura ser aceita pelo Sr. Antonio da Costa
llahello llego Monteiro, a 30 dias : quem a achou
queira (er a bondade de a entregar na ra do Fogo,
n.48, oh na praca da Independencia, livraria, ns.
6 e 8; Picando certos que se acham prevenidos o sa-
cadore aceitante da referida lettra.
lioaventvra rfa Rocha.
0 arrematante do dizimo do cocos do munici-
pio do liccife faz scienle aos Srs. conectados do mes-
mo dizimo que nSo Ihe he pessivel r ou mandar
mais dn 3 vezes as suas casas ; pois alguna Srs. nao
esto em casa e oulros licam de mandar pagar e
nao o tcem feito: por isso roga aos mesmosSrs. col-
lectadosdedeixarem em suas casas a dita impor-
liucia ou mandaren) a ra das Larungeirus, n. 29,
risa da aferigflo.
Sabbado, 30 do corrento, vaiapraca, pelojuizo
da segunda vara do civel, as horas do cstume que
ie depois da audiencia a parte de um sitio no lu-j
nal.^KV ler.cairo,'">dardo sobrado da-esqui-
na n,T- r RM,no defro,,tc <*a 8J" tritar
na ra das Cruzos, n. 11.
ra Tv ,1^Ul Vo: ordem d0 Sr- J^o "* Forrei-
en(rSf>Pc0re,/a.da.Silva'mor',dO'-no Aracaty a
vV7S!.iAr' Anl0H0,08 da Silv" Arau> o e5rt-
vo crioulo, de nome Francisco.
criminal'? "M'*n4ado P'otcstadesde j proceder
mon/i r nlec.em- tempo competente contra Cle-
mente Ferreirada Silva, pelos annuncios que fez in-
serir no numero 19 do Ufano-, e deWtrnambro, pu-
blicados no da 25 do correnle, nos quaes Ihe irro-
ga a calumnia de roubadordas alfaias da greia de
!> do Bozario dos pretos e declara que a sua in-
nocencia tem sido reconhecida por tres juzes diffe-
re.ites, e quanto diz dito Clemente he um meio de
iiiuuir opublico o manchar a reputagflodo abaixo as-
signado, pelo que ser punido na conrormidadedas
ieis:eniIoheavontadede um Clementequc ha de
prevalecer contra a verdado que resulta das decisOes
juaicianas, que tem conseguido o abaixo assgna-
do em seu favor, e breve se mostrar quem lie esse
roubador.Chrispim Marques Nogueira.
-- O abaixo assignado avisa ao Sr. Polycarpo Nu-
nes Corrcia que nflo pague os premios que por ven-
tura saiam nos dous vigsimos do nmeros 1990 e
1995 da actual lotera da matriz da cidado da Victo-
ria, porserem do abaixo assignado; o que no fcil de
saber por lerem ambos escripias o verso as quatro
lettras iniciaos M. N. B. M, e a data por extenso do
dia, mez e anno, em que foram comprados, cujos bi-
Ihetes se desencaminharam do poder do mesmo abai-
xo assignado.
Maximino Narciso Bandtira de Mello.
-- Na noite do domingo, 2* do correnle, pelas nove
horas, foi roubado o sitio da Capunga, em que re-
side o cnsul nglcz, por um seu cozinhoiro inglez,
chamado John de tal.consistndo o roubonos seguin-
tesobjectos: tres casacas do panno; dozo camisas
marcadas Mein y l.ow ; seis caigas e urna caxinha
de marroquim da llussia, contendn sele navalhas
junio com um cabo de marfim e prata, maisduas
navalhas da China com cabo prcto ; urna fivella de
prata para collcte ; urna cnlher do prala para cha,
e mais varias roupas de que at agora nflo se pode
conhecer a Taita. O dito Inglez roubador tem a idade
de 40 annos pouco mais ou menos, de cor branca,
altura cinco ps e sete pollcgadas, corposecco, ca-
bello e barba pouco e prelo, calgunsbrancos, na-
tural de Inglaterra; pertcncia ao brigue inglez cha-
mado l'rompl, o desertou de bordo na Paraiba, e
chegou a esta cidade lia quinze dias e depois residi
no mcsmo sitio na qualidade de cozinheiro: por isso
roga-se a todas as autoridades cvis o policiacs c a to-
das as pessoas a quem convier, que o facam mandar
prender; e a quem sou lie r do dito rouboou do au-
tor,,o mande ou dirija-se ao consulado britannico,
ra da Cruz, ou no mesmo silio, que devdamente
ser correspondido com generosa recompensa.
Aguilhes, bronzesc chumaceiras.
(ayilhoes e parafusos d? todos os tamanhos.
Taixag, crivos e boceas de fornalha.
Momhosde mandioca movidos a mflo ou por ani-
me, e prensas para a dita.
Foges e fornos para cozinha.
Cano de ferro, torneiras de ferro o bronze.
Bombas para cacimbas o do repuso.
Guindastes guincho.', e balancas romanas.
Prensas bydraulicas o de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publicas, etc.
Columnas, verandas e grades.
Prensas de copiar carias ede sellar.
Camas do ferro, ele.
Alem da peregno das suas obras, Me Callum &
Companbia garanten) a mais exacta conformidado
com os moldes e desenhos remettdos pelos Srs. que
se dignaren) de fazerrlhes encommendas ; aprovci-
tando a occasiflo para agradecer aos seus benvolos
amigos efreguezes a preferencia, com que tcem si-
lo por elles honrados, e assegurar-lhes que nflo
nouparflo esforgos nem diligencias para continua-
re m a morecer a sua confianza.
Compras.
gar do Arraial por execueflo pendente no mesmo
juizo.
0abaixo assignado, com sala Je sorvele na
ma larga do Rozario do bairro de S.-Antonio, par-
ticipa seus mu dignos freguezes, que por estes
das suspende seus trabalhos, por ter de ir para S.-
Amaro, onde o acharflo prompto a servi-los com
plimossorveles, cremes, gelcas e outros refrescos
prnprios da estacilo calmosa. O abaixo assignado se
comprometi a ter sua casa coai decencia para re-
ceberas familias que a quizercm honrar e promette
obsequia-las quanto Ihe for possivel. Em sua volla
do referido lugar, elle annunciar o dia da conti-
nuagflo de seus trabalhos, na ra do Rozario, qie se-
ra muilo breve. Francisco SimOet da Silva.
O Sr. Silvestre dos Ros queira vir no prazo de
4 dias resgatar os penbores que nflo ignora, na ra
doCabug, n. 2 : quando nflo,'Serflo vendidos para
pagamento do principal e juros, licando subjeito ao
que faltar para a indeninisacflo do annunciante : e
para que a todo lempo nflo venha allegando ignoran-
f|a se faz o presento annuncio.
Iiiuv-se-lhe-lio as duzentas mil libras, senhora
condessa. Que mais?
Tonho um filho a quem amo eternamente, mi-
nba senhora. Em nossa casa sempre andn hem a
espada ; mas pois que nascemos para canfmandar,
bi'in v que fazemos mediocres soldados. Preciso im-
mMiatamente urna companbia para meu filbo, com
patente de coronel para o anno vindouro.
Quem fura as despezasdo regiment?
Kl-re. So eu despender nesse regiment as
duzentas mil libras do meu benelicio, flcarei ama-
nlifia tflo pobre, como o sou hoje.
Bem contado, faz isso sciscentas mil libras.
Qualrocenlas, asupporque o regiment custe
duzentas ; o que be avaha-lo muito alto.
V que seja; ser V. cxccllencia iiissosatisfcita
Ainda leu no a pedir a el-rei a restituicito da
niinba vinha de Tourainc ; sflo qualro boas geiras,
que ha onze annos1 me tomaram para o canal os cn-
(,'enheiros reaes.
Nao Ih'as pagaram, minba senhora ?
Sim, pelo que disseram os peritos; e cu ava-
lo-as justamente no dobro do preco por que elles as
ivaliaram.
Bem; pngar-sc-lhe-ha segunda voz. Mais nada?
I'erdc. Nflo lenho dnheiro, como V. cxcellen-
cia bem pdc julgar. Dcvo ao doulor Flageot cousa
Jo urnas nove mil livras.
Nove mil libras!
Oh 1 isso he indispensavel. O doutor Flageot he
muito bomadvogado.
Sim, cu o creio, disse a condessa. pagare i de
minha algibera cssas nove mil libras. Creio que me
lew adiado de fcil aecummodar ?
Oh a senhora condessa be urna excellenlissi-
ma pessos ; mas creio tcr-lbe da minha parte prova-
do o meu bom desejo.
V. excellcncia nflo sabe quanto sinto que se te-
"na queimado, disse sorrindo madama Dubarry.
-!- Nio o sinto eu, mildia senhora, responden a
demandisla, pois que apezar desse accidento, espero
1"? minha dedicugao me dar frcas para ser-lhe
ull'i como se elle nflo houvera acontecido.
Facamos um resumo, disse madama Dubarry.
Kspe'i
ceu-lhe alguma cousa?
bagatela.
Diga.
Eu nflo podia contar que fosse k prestnca do
iiosso grande soberano. Oh 1 que Versalhcs o seus
) -pleores deixaram ha muito lempo de me ser fa-
miliares, de sorteque nSo tenho um Yeslido.
Fabrica ele machinas e fund*
?jao de ferro na ra do
firum, no liccife.
Me Callum & Companbia, engenheiros machin-
las e fundidores de ferro, mui respetosamente an-
nuiciam aos Srs. proprietarios de engeiihos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respeitavel
publico, que o seu estabelecimenlo de ferro, mo-
vido por machina de vapor, so acha em effectivo
oxercicio, e completamente montado com apparc-
Ihos de primeira qualidade para a perfeita confec-
go das ifaiores pegas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companbia desejam mais
particularmente chamara altencflo publica para as
seguintes por serem ellas da maior extracgflo nesla
provincia as quaes construidas na sua fabrica po-
dem competir com as fabricadas em paiz estrangei-
ro, tanto em prego como na qualidade das materias
primas e mflo d'obra, a saber:
Machinas de vapor.
Moeudas d<; caimas para engenhos movidas a va-
por, poragoa, ou animaos.
Rodas d'agoa e serraras.
Manejos independentes para cavados.
Rodas dentadas.
aaMaai
Compram-se pretos ofllciaes de sapateiro; sen-
do de bonitas figuras, pagam-se bem: na ra da
Concordia, passandoa ponlezinha, segunda co
terrea a direita.
Compra-so urna rotula em bom eslado para
porta ; na ra Direila, n. 69.
Compram-se osera vos de ambos os sexos de
12 a 30 annos. na ra Direila, n. 3, defronte do
beceo de S.-Pedro.
-- Compram-se molcqucs de 12 a Ifi annos, som
deleito;.pagam-se bem: no liccife, leja n. 20.
Ainda se contina a comprar cobras do viado
vivas para remedio : na praga da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Compra-se um diccionario de Moraes ou Cons-
tancio em bom uso as Cinco-Pontas u. 71.
Compra-se urna agulba de marear, em bom
uso: na ra Direita n. 91, primeiro andar.
Vendas.
Vendem-se por 600,000 rs., 100 palmos de
Ierra entre as duaspontes da estrada da Magdale-
na, <;om qunhentos de Tundo, onde tem casa Joio
Thomaz Peroira o qual porsentenga da relagflo es-
la ohrigado a pagar cem mil rs anuuaes, emquanto
nflo o entregar, direto que se traspassar no litulo
da venda : quem os pretender annuncie.
- j\a lo ja de Guimares, Se-
ram & C. vendeni-se pannos
finos, de
HPS!
Tinha previsto o caso, minha senhora : non-
lem, depois quo V. excedencia se retirou, comegou-
seoseu vestido de apresentagfl, e live o cuidado de
o encommendar a outra costureira que nflo a mi-
nha, para nflo omoiitoar obras. Amanhfla no meio
dia estar concluido.
Nflo tenho diamantes.
MM. Ba-mer o llossange Ihe darflo amanhfla,
por ordem minha, um aderego de duzentos e dez
mil libras, que tornarflo a receLer depois d'aniaubfla
com o abate das dez. Oeste modo achar-se-ha paga
a sua indemnisagflo.
Muito bem, minha senhora ; nada mais tenho
a desojar.
Estimo muilo.
Mas a patente de meu filho ?
S. magestade mesmo lli'a entregar.
E a promessa das despezas do regiment ?
A patente rezar dellas.
Muito bem. Falta smente a qucslflo da vinha.
Emquanto avada cssas qualro geiras, senhora
condessa ?
- Seis mil libras a geira. Eram excedentes tr-
ra.
Vou passar-lhc urna obrigagflo dedoze mil li-
bras, que com as dozc que V. excedencia j recebeu,
fazem ao justo as viute e quatro mil.
Ahi est a cscrivaninha, disse a velha aponien-
do com o dedo o objecto que nomeava.
Vou ter a honra de Ih'a apresentar, disse ma-
dama Dubarry.
A mim .'
Sim, minha senhora.
Para fazer o que ?
Para quo V excedencia so digno escreveraS.
magestade a cartinha que terei a honra de Ihe dic-
tar. Ella por ella.
lie justo, disse madama de Harn.
Queira pois escrever, minha senhora.
A velha puxou para o p de si mesa, preparou o
papel, pegou na penna o esperou.
Madama Dubarry dictou assim :
n Senhor. Oprazer (jue sinto ao ver aceito por
V. magestade o offcreci ment quo fiz de ser ma-
a drinha da minha chara amiga, a condessa Dubar-
ry....
A velha alongou os labios, e fez salpicar a penna.
Essa penna nflo presta, condessa, disse a favo-
rita, tome outra.
Heescusado, ella se acostumara.
Cr isso i
Sim, minha senhora.
cores, pelo baralo |>i e-
co de 2^400 rs. o eovaclo; e de
outras iniiias qualidades, de va-
rios pregos.
Vende se una porcao de canos de
zinco que servir ni em tanque d'agoa ,
por |H'eco coinmodo : na na de Apollo,
no antigo porto das canoas, a (aliar com
Joao Esleves da Silva.
Ma Ioja nova de Raymundo
Carlos Leile, roa do Queimado,
n. 11, ha corles de chila fina, em-
papelados, e depadioesde ultimo
goslo, a 3,?(i00 rs./ clipos de sol
d'hastes d'aco, e riscaaos france-
zes dos m< lliores padroes que lia:
tudo baratissimo.
Madama Dubarry continuou :
... me allbutoa ir solicitar do V. magestade que
se digno poV um mim odios favoraveis, quando
amuiihfla me apresentar em Versalhcs, como V.
magestade so digna permittir. uso esperar, se-
nhor, que V. magestade pode honrar-me com bom
ii acolhimento, porque sou adiada do urna casa cu-
jos ebefes todos derramaran) o sou sanguc no ser-
vigo dos principes da augusta estirpe de V. ma-
gestude.
Agoia, faga favor de assiguar.
E a condessa assignou :
ahastacu ecpuemia itodoi.piio,
Condessa ue Bi.h>.
Escrovla a velha com mflo segura; as lettras do
meia pollegada de (amanho deitavam-se no papel
semeado de urna arislocratica quantidade de erros
de orthographia.
Depois que assignou, a velha, conservando a carta
em urna mflo, passou com a oulra a penna, papel c
linta a madama Dubarry, que com urna bonita e de-
licada lettra passou urna obrigagflo devntee urna
mil libras, doze por indemnisagflo da parda da vinha,
e novo para pagar os honorarios do doutor Flageot.
Depois escreveu urna carta a MM. Bcemer e llossan-
ge, joialheiros da corOa, pedindo-lhes cntregassem
ao portadoro aderego de diamantes eesmeraldascha-
mado Luiza, porque proceder da princeza lia do
dclphim, que o vender para as suas esmolas.
Feito islo, madrinhae aniada trocaran) os papis.
Agora, disse madama Dubarry, di%-me, chara
condessa, urna prova de amizade.
De todo o meu coragflo, minba senhora.
Estou certa de que so consentir em hospedar-
se em nossa casa, Tronchin cura-la-ha cm menos do
tres dias. Venha pois para l; ao mesmo tempo ex-
perimentar o meu oleo, que he portentoso.
Metta-so sempre na carruagem, minha senho-
ra, responden a cautelosa velha ; lenho certos nego-
cios a terminar aqui, antes do ir ter com V. excel-
lcncia.
Becusa o meu offerecimento ?
Pelo contrario, declaro que o aceito, mas nao
neste momento, minha senhora. Ah da urna hora na
Abbadia ; concdame unas tres horas; as cinco em
ponto estarei em Lucicnncs
l'ermilte V. excedencia que as tres horas venha
meu irmflo recebe-la na la carruagom ?
Dar-ine-ha muito prazer.
Agora, daqui at la trate da sua ferida.
Nao receie nada. Sou lidalga, dei a miaba pa-
Novdados blbliographicas
om portufftioz.
3.* edgflo do Digesto portiiguez accrcscentado pe-
lo autor em 184.">; Direto romano, ou aniintagfles a
Waldeck por M M. Ilriischy, 1845, 3 grossOS v. 8."
franrez; l.gOes de direito criminal, Cnimbra 18W;
Cancinneiro d'el-rei D. Diniz, pela primeira vez m-
presso conformo o manuscriplo do Vaticano, com
almimas notas Ilustrativas e urna prefacgflo histo-
rico-lilteraria, pelo l)r. C. I.. de Moura, 1 v. grandn
18.", 1817. omadernaeflo rica; Viagem ao valle das Fur-
nas, na ilha de S.-Miguel, obra curiosa rom muitos
ilocumentos nleressantcs, ornada de vinhetase di-
versas estampas coloridas, 1 v. 4.', 1845; Historia do
Inglaterra por O. Coldsmitto continuada at 1815 por
Ch. Coolc, c at nossos das por M. A. Arago. rom
varias notas de Thierry, Baranlc, Norvins e Thiers,
vprsflo portiiRiieza, 4 grossos v 8.' franrez com es-
tampas; Historia Iliteraria de Portugal desde a sua:
mais remota origem att> o presente, seguida dediffe-
rentes opsculos que servem para sua maior illus-
tragflo por francisco Freir def.arvalho, 1 v., 1845;
Bosquejo hsloricode litteratura classica grega, la-
tina e pnrtiiKiieza por A. C. BorRos do Fifrueredo,
Coimbra 1846, I v. ; asSatvras e Epstolas d'Horacio,
traduegflo do Dr. A. I., de Seabrn com annotagOes ao
texto indispensaveis sua inteldgencia, com muitas
noticias c nbservages curiosas e instructivas, 2 V.
8.* francez com estampas, 1846; Encyclopedia indus-
trial, ou arte doganbar a vida, tratando do lodosos
recursos, indicando lodosos meios para fazer, con-
servar e augmentar a fortuna em qualquer estado,
obra utilissima tanto aos mais modestos artistas,
como aos mais ricos especuladores, 1 v. 8." francez;
diversas obras comnierciaes de Fcireira Borges, no-
vas edigOes augmentadas; Ensato sobre a orthogra-
phia porliiijueza, contendo una cxposigflo, bases o
legras ortliographiras, abundante vocabulario, os
nomes proprios, os homonymos que se distingueni
pelo orthographico, olas, etc., por (', F. Vieira, 1 v.,
1845; nova edigilo do Feliz Indcpcndente, 8v. 1845;
Osmia, cont histrico lusitano, 1 v. ; tratado theo-
rcoe pralico sobre a construr^flo do fogos de sala
econmicos e salubres, pelo visconde de. Vilarinbo *
de S.-Boniflo, publicado pela academia real das sci-
encas, 1 v. 8." francez, 18i4;collccgflode receitas o
segredos particulares, neressarios para o tinturciro
e para a maior parto dos artistas, manufacturas, ofli-
cios, a outros differentes objcclos, por J. B. Lucio, r,
v. grossos 8.com estampas, 1845(obra preciosa, e ;i
mclbnrque tem apparecido neste genero, elogiada
na Revista Universal Lisbonense); Curso do agiicul-
lura e de economa rural pelo Dr. A. J. do Flgueire-
do, contendo 5 tratados, lavoura, hnrtas, arvores e
arbustos, jardins, economa rural, 4 tomos cm 2v.
com annotagocs e eslampas: na livraria da esquina
do Collegio.
Vende-so um escravo: no Aterro-da-Boa-Visla,
n. 55.
Vendem-se bichas grandes e tambem se alu-
gam, por prego commodo : no Aterro-da-Boa-Visia,
na primeira venda ao peda ponte,n. 2.
VA ffli
3 Vendc-se na ra da Cruz, n. a, \m
Rl cera cm velas, de urna das nielho- jli
res 1 .lincas do Rio-de-Janeiro ^lj
sci I i ment vontade do compra- ^
dor, em caixas pequeas, e por D
preco mais liara lo do que em ou-
tra qualquer paite. JH
- Vendem-se gales de ouro
e pi aa, finos, largos c eslreitos; e
compram-se dr.-gonas usadas de
offieiaes de primeira esegunda 1-
ulia : na ra Nova, n. 2, primei-
ro andar.
lavra ; amanhfla far-lbc-hci as honras do madrinha
em Versalhcs,ainda qued'ahi mo resultasse a morte.
Adeonzinho, minba chara madrinha !
Al logo, minha adoravel alilhada I
E assim se separaran!, a velha sempre na cama, com
urna perna nos coxitis, e urna mflo nos papis; e ma-
dama liubnny mais ligeira do que quando entrara,
mas com o coragflo um pouco cerrado,por nflo ter si-
do mais forte do que a velha dcmandista, ao passo
que o era para linter a seu luante o re do Franga.
Ao passar pela sala avislou Joao, que sem duvda
para que a sua prolongada presenga nflo dsso sus-
paitas, acabava de atacar segunda garrafa.
Ao avistar a cunhada, deu elle um salto da cadei-
ra, e foi ter com ella
Entflo dsso ello
Eis-aqui o que disse o marechal deSaxaS.
Diagcslade ao moslrar-lbc o campo de hatalha de
Funtenoy!
Senhor, aprendei daqui, por este espectculo,
quanlo be cara o dolorosa urna victoria.
Entflo vencemos? perguntou Joflo.
Ainda outro dito. Mas esto vem-nos da antgui-
dade. ii Se conlar-mos outra victoria como esta, ufa-
remos arruinados.
Temos n madrinha '.'
Temos, mascuslou-nos periodo um milhflo ]
Oh oh exclamou o visconde com borrivet
careta.
Que fazer! nflo havia senflo acoitar ou doxar!
.Mus sso be clamoroso !
lio assim. i: nao se zangue muito, que pode
muilo bem acontecer, se vosse se nflo mostrar nem
prudente, que nada tendamos feito, ou que o negocio
nos custe o dobro.
Arro que mudier I
He urna Komana.
.Hciima Crega.
Nflo importa! Grega ou Bomana, estoja ahi pres-
tes a recebe-la as tres horas, e levar-m'a a Lucieti-
nes. S icarci descansada, quando a tiver debaxo
de chave.
NSo me arredo daqui, disse Jofl
Eeu corro a preparar tudo, disse a condessa.
E langando-se na carruagem :
A' Lucicnncs! bradou ella. Amanhfla drei : a
Marly.
Com efToito, disse J080, acompanhando a car-
ruagem com os olhos, muito caro costamos nos
Franga I., Mas isto he muito lisongeiro para os Du-
barrvs.
(CoMwfar-M-Aa.\
' \-





i


-*r
^
Na loja de Guimaraes Se
rafm & Companln.i, c ntronle
ao arco de S -Antonio, n. 5, ven*
dem-se lencos de vapor, de pa
drfies modernos, pelo barato pre-
go de 480 rs. cada um ; lencos
francezes de cores finas e fixas ,
fingintio seda a 480 rs. cada uii;
brim escuio ranc<*z trasigado,de
puro linho, a 720 rs. a vara.
*= Vrnde-se potassa branca de superior qunlidade,
em barris pequeos ; rm casa de Uallicus Austin &
Companhia, na ra da Alfandega-Vclha, n. 36.
FERRO! FERRO,
do todas as qualidades e conre para forro do navio ,
ili' is .iie 28 ongas pin grandes e pequeas parti-
das: no armazem de A. V. da Silva Barroca, de fron-
te da igreja da Madre-de-Dcos.
= Vendem-se iiioendasde ferro para engenlios de as-
sucar, para vapor, agua e bostas, de diversos tainanhoa,
por prr(o conmnelo ; e igualmente taixas de ferro coado
e batido, de todos os tamanhos: na praca do Corpo-San-
to, n. II, ein casa de Me. Cali i ion t o Companhia, ou na
rua de Apollo, armazein, n. 6.
Casa da F,
na rua esheile ilo Rotarlo, n. 6.
Ne.sta casa oiiam-so a venda as cautelas da lote-
ra da obras da matriz da cidade da Victoria; da qual
andam as rodas no da 29 do corrento. A ellas quo
83o jiou"as: os precos silo os do costume.
- Vende-se polass i branca, da
mais nova e superior cjue lia nes-
te mercado, por mdico prego:
na rua da Cadeia-Velha, armazem
n. 12, de Bailar $ Oliveira.
*&
n<\
<-l
<
Vcndc-scsarja de seda larga, hespanhola,
nuiito superior; setiin de varias qualidades
para vestido; dito de Maco para collete ,
o mais superior que ha; casimira prcta ,
elstica,superior; panno protomuito fino;
dilo de cores, do todas as qualidades ; vel-
ludo prelo; merino prelo de todas asqua-
lidades; dilo, o mais superior quetemap-
6) parecido; chamalote; casimiras francezas, jj
:_,{ sera pello, de bonitas cores; damascos para $*u
;.| colxas, muito superiores c debons gustos; {&}
$ eoutras muitas fazendas que a vista dos mi
01 precos e da sua qualidade o comprador nao |pi
f* deixara de comprar : na nova luja da rua fc>3
.. do Qucimado, nos qualro-cantos casa 19-3
' i amarella, n. 29. I>>
1______.__________ ___ i
CARNAUBA.
Xo armazem de farinlia do caes do Collcgio, con-
tina-se a vender cera de carnauba, por prego com-
modo, tanto era porgos como a relalho e lie che- 'i ,
gada agora urna porcto da melhorqualidadc que tem (' 'HaDO, 3 4UU I"S. O COVatlo; len-
Vende-se sal cm grandes e pequeas porcOes :
na ruada Moeda, armazem n. 7.
AVISO
aos Srs. de engenho
Na rua rio Crespo, lo ja ...12,
rio Jos Joaquim da Silva
Haya, vendem-se
cobertores de algodflo, muito encorpados, proprios
para esc ra vos; he m como urna fazenda de linho
imitaco de estopa fortee propria para roupa de
escravos o saceos para assucar; tudo por preco mui-
to barato.
- IVa loja de Guimaraes Se-
rafim & Companhia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven
dem-se cassis finas, largas e fian
cezas, pelo barato prego de 480
rs. a vara; chitas francezas, lar-
cas a 280 rs. ocovedo.
Vendem-se 10 escravos, sendo : urna preta, boa
engommadeira ; 3 ditas de 15 a 25 anuos, coin ha-
bilidades; urna mulatinhade 15 annos ; 2 moloques
deelpgantes figuras; um oreto canoeiro; um dilo
bom coziiihciro j um dito do servigo de campo: no
pateo da Malriz, n. 4.
Vendem-se 3 pretos mogos, ptimos para o
servico de campo e da praca ; um mulatinho de 16
annos, de muito bonita figura da-se muito cm
conla, por precisar de um pequeo curativo; ura
moleque de 12 annos; 3 prelas mocas, que cozinham,
lavam e engommam; duas ditas quitaudeiras; 3 par-
das mocas, sendo urna dcllas perfeita engommadei-
ra coslureira o cozinheira : na rua do Crespo, n.
10, primeiro daar.
AOS 20:000,000 DE RIS.
Vendem-se meios bilhetes, quartos, oilavos e vi-
gsimos da loleria a beneficio do convenio de S.-An-
lonio ;e tambem a beneficio da matriz do Ceara,
que tem de se extrahir no Rio-de-Janeiro a 30 do
crrente : no Recife, loja de cambio do Sr Vicira. A
elles( dos de S.-Antonio jantes que chegue o vapor
com a lisia.
Vendem-se 4 prelas e dous pretos de bonitas
figuras, viudos prximamente do Aracaly : na rua
do Vigario n. 5.
Panno de linho puro, a 000
rs. a vara.
Na loja nova de Raymundo
Carlos Leite, rua do Queimado,
n. II, acha-se urri novo soitmen-
lo de fazendas finas e baratas; as-
sim como panno de linho, era
pegas de 15 varas
Queimado com frente para o pateo do Collegio fa; dito do Eslreito, hora, a 680 rs.; doce de goia
n 33, segundo andar. ha cm caixflo a 1000 rs.; e todos os mais genP-
- ros de primeira qualidade, por barato preco
a nova
pclle
^v>ndem-se varios escravos mocos de bonitas
e com habilidades esem ellas : na rua No-
va, 11. 40. .
Vende-se um sobrado de um andar e sotSo si-
to na rua da Aurora, n. 34 : a tratar na inesma rua ,
na primeira casa terrea, n. 50.
Vendem-se charutos regala, de S.-Flix, os
mais superiores possiveis; ditos chamados cigarros
de la fama, feitos na Rabia,de fumo do anno passado;
ditos feitos na trra, muito superiores ; fumoem ra-
ma, de primeira e segunda qualidade por preco
muito commodo : na fabrica da rua Direita defron-
te da travessa da l'enha.
Admira veis
..avallias ric ac da China
Tcem a vanlagem de cortar o cabello sem oflenca
da pello., deixando a cara parecendo estar na sua
brilbante mocidade.
Esteacovem exclusivamente da China, o so nelle
trabalham dous dos melhorese mais abalisados cu-
tileiros da nunca excedida erica cidade de Pekim,
capital do imperio da China.
AUTOR SHAW.
N. R. He recommendado o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das sciencias
modico-cirurgicas tanto da Europa como da Ame-
rica, Asia e frica, nao s para prevenir as molestias
da cutis, mas tambem como um meio
COSMTICO.
Vendem-se na rua do Crespo, n. 8, loja de Cam-
pos & Maya.
Vendem-se os seguales livros: Vagens de
Anarchizes, 9 v. ; Doveres completos de Rernardino
deS.-Prire, 19 v.; 1.a Morale l'nivcrsale pelo birlo
de llolback 3 v.; Tratado do testamento, por Go-
veia Pinto ; tudo etn bom uso, por preco commodo :
na rua Nova, n. 65, primeiro andar.
MEIOS DE SOLA.
Vendem-se mil meios de sola, chegados ltima-
mente de muito boa qunlidade, proprios para em-
barcar para a Europa,porserem de bom peso: no ar-
mazem doSr. Ilemeterio Maciel da Silva, na roa dosj
Tanoeiros, no Recife.
Vendem-se 011 alugam-se duas canoas de car-
regar arcia, o que pegam cm 800 lijlos : em S. Ama-
ro, venda defronte da fundico.
Vrnde-se um piano horizontal, in-
glez, enuncio uso, e com muito bous vo-
l, por preco com modo : a fallar com Jos"
Joaquim da Silva Maya,na rua do Crespo,
loja n. i?.
Vende-se um tanque que serve de deposito de
ngoa e que leva 400 a 500 cargasde mel, feito de
madeira de amarello gateado de sicupira sem le-
var pregoalgum por preco commodo, o mesmo a
prazo co m garantia : na rua do Collcgio, n. 9.
Na livraria da praca da Independencia ns. 6 e
na
rua larga do Rozarlo, defrbnte da igreja venda da
esquina, por baixo do ibradode 3 andares, n. 39
Vende-se varios escravos com habilidades o sem
ellas, e entre elles urna negrinha de muito bonita
figura: na rua da Concordia, passandoa pqntezinha
segunda casa terrea a direita.
0KBBM Vende-se um forte piano, de patcnle Un-
ir I -1 V don, dos autores doColard& Colard: na
rua do Vigario n. 4, armazem de R0II10& Ridoulac
Vende-se cera de cores para limas de cheiro i
1000 rs. a libra : na rua do Rangel, n. 52
Vende-se um escravo trabalhador de enxa-
da por proco commodo : -no Aterro-da-Boa-Vsu
n. 55. '
Vendem-se 50 aceces da companhia de Beberi-
be, por seu dono ter-se de retirar da provincia -
tambem se vondcrflo em menos quantidafle: no paleo
da matriz de S.-Antonio, ii. 4, segundo andar.
Contina-so a vender chocolate novodesuperior
qualidade, chegado ltimamente, tanto a relalho
como om porgOes grandes : no pateo do Carmo, es-
quina da rua de Hurtas', lado direito n. .
^Mf> Vendem-se oculos azues o verdes de p-
tente vindos ba pouco de Inglaterra por seren
encommendados, feitos pelo melhor autor que all
existe, c queservem pafa encobrir qualquer defei.
tonos olhospordoongas, para viagens, ler de,non-
te, estudar, etc., por quo os seus vidros servem pa-
ra todas as vistas, e teema propriedade de nto can-
sa rem : na rua larga do Horario loja de miudezas
do Lody. '
Vende-se, para fra da provincia, un moleque
crioulo, de idade 13 para 14 annos : no principioda
rua de llortas, travessa de SHo-Pedro, sobrado de um
andar, n. 15.
Vende-se a posse de um terreno em S.-Amaro
com 500 palmos de frente, no alinhamento da rua d
Aurora, e fundo ate a estrada nova do Hospicio >'
todo junto ou a relalho : na rua do Queimado, lo-
ja n. 8. '
Vendem-se pegas com 20 varas de madapolo
encorpado com toque de avaria proprio para for-
ro de obras, ou roupa do meninos, a 2500 rs. a peca
naruaeslreitadoRozario, n. 10, terceiro andar.

Escravos Fgidos.
8, vendem-se compendios resumidos de potica,
la
a
Mora es.
apparecido.
A 2^,100 1 s. o coi ario!
Na loja de Guimaraes Serafim
& Companhia confronte ao ar-
co de S.-Anlouio, n. 5, vendem-
se casimiras francrz.is, sem pel-
lo finas de lindos pariides e
pelas pelo barato prego de 2500
rs. ocovado; ricos cortes de cha-
l de la e seda, coin barra, a doze
mil rs. o coi te.
Vende-scuma prcta moga, do bonita figura,
quccozinha, lava, e lem principio de engomniado ;
urna mulatinha de 15 annos, boa parase acabar do
educar: vendem-se estos escravos muilo om conla :
110 pateo do Carmo, luja do sobrado n. 7.
Vende-se a/eite lino de gersclim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de carrapalo na ruai
da Senzala-Velha, ti. 110.
Vendem-se oal virgem em meias barricas
gada prximamente ; cantas vasias nara asM
urna porcilo de pesos de ferro de 2 arrobas; sorras P".ri'.fa|caa como
grandes para serrar inadeiras ; ludo por prego com-
modo : na rua da Moeda armazem n. 15.
gos para meninas, a 640 rs ; e os pan
nos finos sao prefer veis aos d'ou-
tra parle, tanto pelo prego, como
por seren novos na loja.
Vende-se um prelo crioulo," mogo, pronrio
para todo o servigo, principalmente para agiicu'ltu-
a por ler sido oceupado ncslu servigo: no Recife ,
u pe da Conceigfio casa de JoSo Jos do Carvalho
Ki\ rua do Crespo,
loja n.I'2; de Jos Joaquiu
da MI va Haya ,
vende-se alpaca preta aSOOrs ocovado; dita muilo
fina preta o de cores, por barato prego; merino
prelo, muito stiperroi ; panno fino prelo e deco-
res; casimiras elsticas, de duas larguras, para
"" ,ua caigas, a 6000 1 so corto; velludo; gorguiilo de se-
? che-'r ;sellm para collete; tudo por piego commodo;
Mirar; Oos P"ra eol,el,'s; e otitras muitas fazendas,
' tanto 1,ara ralrns cnrim mu <>i>cliH.,n ,i,, t,,,,i,.,..,, .
com o titulo do Rrevts nogOes de potica impres-
sosem nutubro do anno passado, proprios das au-
las, para ns quaes forlo compostos por um profes-
sor substituto de rhetorica : prego 1000 rs.
Vende-so urna venda com poneos fundos, no
boceo dos Portos, no fundo da casa ti. 48, da rua da
Scnzalla-Velha : a tratar na mesma venda.
Vende-se cera amarella, em porgo : no es-
criptorio de Ridguay Jamison& Companhia na rua
da Cruz,n. 13.
Vendem-se 75 bonecas francezas, nuas, com
seus competentes cabellos, para serem vestidas
de qualquer maneira, a 120 rs., todas : na rua
Nova ,n. 18.
Vende-se urna mesa redonda, de meio de sa-
la ; um par de bancas; urna cama do armagilo com
escadn tudo de Jacaranda e de muito bom go*to ;
3ualro mangas de vidro lavradas, sendo cada par de
ifferente gosto;12 colheres de cha ; 13 ditas de
sopa ; nina dita de tirar sopa ; um tirador de as
sucar, tudo de prata ; assim romo varias obras de
ouro com diamantes : na Roa-Vista rua do Pires,
n. 23.
m tudo pelo bara'tn.
VELAS DE CERA DO IIIO-DE-JANEIRO.
Vende-seconiplelosortimentodcuina a 16 c bo-
para vestidos do senhoraj
Vende-se um prelo de 20 annos pouco mais ou
menos proprio para todo o servigo ; urna preta boa
lavadeira, oque cozinlia c cose soffrivelnienle; um
mulatinho de 14 annos proprio para pagem ou
giasde4,5e6 : no armazem do Alves Vianna na'nara aprender qualquer olcio : na ruada Cadeia de
ruadaSenzalla-VeUta, n. 110 |S.-Antonio, n. 25
Vende-se, ou pertnuta-se por um sitio perto da | ~* Vendem-se apolices da extincta companhia do
praga uina excelletile casa terrea, com bastantes Pernambucoe Parahiba para pagamentos a mesma:
nmmodos para urna grande familia, sita tiesta pra-, na r"a ''8 ^ruz, n. 9, casa ue Oliveira IrmiTos & C.
ga : na rua Imperial, n. 9. Vende-se cha prelo, o melhor que ha em cai-
Vendem-se libras de rclroz preto de primeira! xin'l8,i de 16 libras, prnprias para familia: na rua
qualidade por prego barato ; resmas de papel al-;t,0.TraP'cne > n-9> cas de llcnry Forsler & Compa-
mago branco e azul; ditas de. peso azul; linha de
carretel de 200 jardas : na praga da Independencia ,
loja do miudezas, o. 4.
]\a rua do Crespo,
loja n. 12,de Jos Joaquim
da Silva Haya,
vende-se superior sarja preta hespanhola ; nobreza
rox-a, muilo superior e muilo propria para capas
doSr. dos Pasme outrasirmandades; ricos cortes
de seda para vestido desenhora ; meias de seda pre-
las e brancas, as mais superiores que teem appare-
cido, tanto para homem como para senhora ; [vas
de seda; chales de seda, muito modernos o de lin-
dos gostos; cambraia de linho, muito fin; lengos de
cambraja de linho bordados, para senhora, dos mais
finos que ha por muito barato prego; esguillo de
puro Imito e muito fino ; plalilha de linho ; c outias
muitas fazendas que sero patentes aos comprado-
res e por barato prego.
nbia,
Vendem-se
redes do Maranho, de muilo boa qualidade : na rua
da Cadeia-Vulha n. 30.
Vendem-se sapatos inglezes de todas as qua-
lidades ; ditos francezes : na praga da Independen-
cia ns. 13 e15.
Vendem-se os preparas de um agongue, sendo:
tarimba, pesos, balangas e 3 grades de porta: na
praga da Independencia, ns. 1S e 15.
Vende-se um relogio de ouro, de molde mo-
derno : na rua do Hospicio, n. 5.
RAPE' PRINCESA NOVO LISBOA.
Acaba de ebegar pelo ultimo vapor urna nova.,
messa deste excedente rap, muito fresco o com de-
licioso aroma, e contina a vender-se no deposito da
rua da Scnzalla-Velha, n. lio, e em todos os lugares.
do costume, at hoje annunciados.
Refrescos,
Xarope de groselle, feito do verdadeiro summo ,
viudo de Frange, a 1000 rs. agarrafa ; dito de flores"
de larangeiras a 1000 rs. a garrafa ; dito de mara-
cuj e tamarindos, a 640 rs. a garrafa ; dito feito dd
verdadeira resina deangico que he muito conhe-
Fugio, no dia 10 de setembro do prximo
passado, da villa de S.-Jos-do-Pechim,
utnescravo, de nomc Candido criouln,
alto o grosso, bpm -'barbado j pinta
bastante a barba, que com reparo se v,
urna cicatriz quo mal se percebe em um dos pspoi
baixo do calcanhai proveniente de ura cravo, ps
grandes e apalhetados, orelltas regulares boa phy-
sionomia ; tem o ailar meio acoderado, muito mr-
lidna pachola, liein cachacejro, trabalha em
bom carreiro e entendo do trbalho de gado; juhjavsp
ter falta de denles; levou camisa e ceroulas de'al-
god.lo da Ierra : quem o pegar leve a casa do Manoel
JosC.ongalves Braga, em Pernambuco, que recom-
pensar,
Fugio, no dia 18 do crrenle, urna negrinha,
de nomo Marcianna de 12 a 14 annos, com
una queimadura na face esquerda, umaempi-
gem na direita eutnaontra queimadura na periiii
direita ; levou vestido roso e panno da (kaB-tem
cabello cortado: quem a negar leve ao Passcio-Pu-
blico, fabrica de chapeos de sol, que ser genero-
samente recompensado.
Anda fgida, desde otitubro, a preta Maria, Con-
ga, estatura buixa; reprsenla mais de cineoenta an-
uos; com uns calombos pela testa, marca ile sua tr-
ra: qualquer pesso qge a pegar, portar leva-ja na
n. "0, que ser recmpen-
- Vende-se urna preta de nagilo Angola, de 20,cido eapprovadopor as pessoasquepadecem do pei-
nnos, de bonita lisura, cose e engomma cora per- lo, por ja ter feito boos beneficios, a 1000 rs. a gar-
feigilo c cozinha o diario de urna casa : na rua
da Cadeia do Recife, n. 25, segundo andar.
Vendo-so urna commoda; um toucador com'
muito pouco uso ; um fogareiro grande, de cobro;'
e mais alguns objectos : na rua da Senzalla-Velha '
n 50.
Vendem-se chapeos do palha da Italia fi-J
nos, Chegados prximamente; ditos do Chi-
JL
rafa : vendem-se no Aterro-da-Boa-Vista fabrica
de licores, n. 26.
Vendem-se compendios de gcograpbia para uso
das aulas de primeiras lettras, a duas patacas: na4
praga da Independencia livraria, ns. 6 e 8.
SEM ENTES.
Vendem-se semenles de rbano, rabanete, couvo,
repolbo, espinafre, salsa, alfacc, coentro de toceira,!
cebla, nabo chegadasagora de Lisboa muito no-
vas : na rua da Cruz, n 62.
Vende-se cha superior, vindo ullimamenlo do
Lisboa, pelo muilo barato prego del rs. ; dito a
baixo,, 2400 rs ; dito immediato, a 1800 rs. ; he muito anng
manleigaingleza, superior, a 800 rs.; dita Tranceza, I}?6"}? i. 1"'
a 640 rs. pjuu*rmHelAamrimnn a 00 re .tiiol lUlliligao dO Mi
na Parahiba
paitos, cun dodoi
li, finos ; oleados em pecas u a retalho de
vanas qualidades; superiores chapeos de castor,)
branros, do ultimo gnsto ; ditos de oulras qualida-j
des, pretos,da -ultima moda; assim como perten-
ces para fabrico dos mesmos ; ludo por mdico pre- baixo V 2400
go: na praga da Independencia*, loja e fabrica do manleigaingle
chapeos, ns. 24, 26 e 88, do Joaquim de Oliveira a 640 rs. ; espermacele americano a 900 rs ; dito
"ya*' francez ,a 720 rs. a libra ; superior vinho chegado 1
vendem-se bichas prelas de Lisboa, muito] ullimamenlo do Porto a 2000 rs. a caada o a gar-Jcomptnsani'
superiores, a 200, 240 e 320ts. cada urna, e aos cen-'J rafa a 280 rs ; dito PltR de Lisboa, a 1800 a caada
los a IS.QOO rs. : na rua da Cruz n. 62.
rua da Senzalla-Velha
sada.
Fugiram no dia 27 de dezembro, do si-
tio Campia do engenho Cumb-de-Bi-
XO 2 escravos : Thomaz, crioulo, do 21
anuos, baixo c grosso, ps pequeos,
unhas mu i perfeitase vermelhas, cand-
as finas, rosto redondo e carnudo pouca barba,
(lentes podres, ventasarregagadas, olnos rh tanto
ver mel los, cabega comprida com urna terida na
perna ecravosde boubasnos ps: Antonio, criou-
lo de 22 annos pouco mais ou menos altura mais
que ordinaria, pernas finase maiscomprida quo o
corpo um tanto cabido para diante, espadndo,
m.lose ps grandes unhas rxas, cabega redonda,
rosto descarnado, principia a bugar, denles bons ,
beigos dobrados olhos biancos, o quando fita a vis-
ta aperta-os ; levou dous cavallos, sendo : umeas-
tanho-amarello, de 7 para 8 annos, pequeo, carre-
gadoj, corpo dobrado cascos rasos e redondos 11
110 direito calgado at o meio do pcador, signal co-
ierto, um tanto carcundo, cabega bem fe i la o des-
carnada, urna grande estrella na losta dentro da
3ual tem cinco pintas grandes da cor do corpo ; tem
ous ferros no quarto direito sendo o de cima um
B como lado convexo voltado para cima, una liaste
puxada para baixo findando em um C o outro igno-
ra-se e n3o he castrado : o outro cavallo rodado-
claro de meio tamanho do 8 annos, castrado, cas-
cos brancos, um mal do besta em um dos ps ou otilo,
na porna esquerda pela parte de dentro tem urna ci-
catriz de um espravio, e na mesma pelo lodo de
fra um 0, no meio do espinhago tima- cicatriz de
bexiga na sarnelha urna fonda ; he carregador o
ignora-seo ferro. Quem os pegar leve, ao dito sitio,
ou na praga ao Sr Francisco Ignacio Ferro ira Pias,
morador na rua da Pcnba, que ser bom recompen-
sado.
-- Do engenho l.agoa-Vermelha, ribeira do f.eti-
tuba, provincia de Magdas, ausenlou-sc, no dia 31 do
fiassailo, um escravo de nomo Benedicto, nagfo Cam-
linda; lem urna ferida no calcanhai- do p esquefdo,
anda vagabundo, dizendo que seu Sr. o deitarapara
fura de casa, por o nflo querer tratar:" a pessoa quo
o pegar, leve-o ao dito engenho, 011 no Recife, na rua
da Cadeia, loja u. 20, que ser recompensada.
Fugio, no dia 2 do correnlo da cidade
da Parahiba o cabra acabildado, de no-
mo Atbanazio official de funileiro es-
tatura baixa cabellos corridos nariz
filad carne os

P tocar vio-
er ago'ar-
rnainbuoo na
> Ilrum o
no. ro-
,e a garrafa a 240 rs.; vinagre do primeira qualida-l ujj;s
i,r. nVe"dem"M 6 escravas e um escravo, mogos, de Jde, a 1200 rs. a caada e a garrafa a 160 rs.; azeite I
uoasilguras,comalguotas habilidades: na rua do f de Lisboa o mais superior possivel, a 7

n'i 1 .'it' .i ii.. 1,' ...i mluijl-
BA TTP. OS M. r. DE rABU. lH^'i
>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ70KO61Q_3WCKA7 INGEST_TIME 2013-04-30T22:35:19Z PACKAGE AA00011611_09727
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES