Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09726


This item is only available as the following downloads:


Full Text

BBBBBBBBBBaBBBBBBaBBBBS
Auno
de 1847.
Quar(a-feira 57
(i MAMO i>uMica-e todos o din, que nao
m .le cauri* i o preco da ai%nalura he de
.los asignantes sao i mendos 4 rasuo ["'"'"or liol.a. <"' emtjpo dirrc.ue, e as
i'i'cs l"1 ineUii*- Os Hue ""> remassg-
SvJ.eV ".pulido.
PHASES DA UJA NO MEZ DE JANEIRO.
,,, cl.e, >_. ao;'nlDutosjI.m-de.
il .osnle, *. h""4 ,8 m'n' da tarde.
I "no.'a 16. J .10 bras *l in- da tarde.
(Kscente.al, "
I hora e i7 min. da mauhSa.
PARTIDA DOS CORREIOS.
GoiannaeParahyba, s segundas esextasfeirts.
l\ie-(iraiide-ilo-,\orte quintas feiras aomeo- Cabo, Serioliem, Ilio-Formojo, Poito-Calvo e
Macelo iio I .*, 11 c S i de cada nei.
(Waniums e Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e ti.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, lodos os das.
PUF. A MAR DE HOJE.
Primeira, i I hoias e 18 minutos da tarde.
Segunda, s I horase 45 minutos da manha.
de Janeiro.
A nn XXIII.
N.tl.
DUS da semana.
J5 Seronda. S. Ananias. Aud doJ. dosorpli ,
floJ.doc de edo J. M.d.i 2 v.
Ja Terra. S Polycarpo Aud. do J. do el, da, I
. e do I. de pat lo J ilial. de t
1? Quarle 8. Vilaliano Aud do'.dociv. da
J e do J. de paz. do I dist. de t.
} Quinta. S. Cynllo Aud do J. de orpli., do
J. municipal da I are.
59 Sella.;. Aquillirio. Aud.doJ. dociv.da I
v e do J. de i>/. do I. disc. de t.
30 Sabbado. S. Marnha. Aud do J dociv. da
l. e do J de nal do I dist. de I.
31 Domingo. S. Pedro Nolasco.
CAMBIOS NO DA J5 DE JANEIRO.
Cambio ubrelandres!*'/,. p. l#r..ad.
l'-ris3Jftrs por Iranco.
Lisboa 86 Deac. de let do las lirsn.n l Va P-Vo ''
Onro-Ooraa lespanhoU.....>MiO a lOfJOO
a Melas de 6|ln0 vell.. l6oa a Ijjtno
"1000 a I|l00
1000 a OJlOO
Ditos mexicanos ... >|fn "*"
Miuda.......... *"n
Amosdacomp.do Hcberibede safOOO w. par.
Moedade|l00veIh. 16^001
, daft0i'DOv.. l|oni
. de f000..... 8*001
rea Pa taces...... ... *lv0'
Pesos eolumnsres... I|t0(
DIARIO DE PERKf AMBUCO

EXTERIOR.
PORTUGAL.
LISBOA, 14 DEDEZRMBNO.
As gucrrilhasqiic cntraram em Sctubal, mas que
d'alli fugiram logo que Ihes constou a approximacao
ln hopa, era ni un bando do rolse miscraveis da
mais nfima classe da sociedade. Segundo oseu cos-
tiinicfizeran violencias, e commetteram escandalo-
sos roubos. Os seus cheles chamarum nominalmcnte
algnns habitantes da Ierra para se Ihes unircm, mas
ningueni quiz annuir ao seu convite. Publicaran) de-
pois un edital obrigando a pegar em armas todos de
de/oilo a quarenta annos de dado; porem do mes-
mo modo nenlium o Re i lo produzio esta medida coer-
civa. Assim se mostra a esponlneidade com que cor-
, re s armas o povo portuguez! Meia duzia de ambi-
ciosos e vingativos, acompanhados por alguns ho-
tnens perdidos pelos seus crimes o devassides, ar-
rostamos iludidos, e obrigam-osa ncompanha-los
em suas correras. Tan silo as frcas populares. Veio-
nos mU> um dos editaes que eslava alunado em Se-
tubal; aqu o publicamos. Parece impossivel que a
tanto chegue a cegueira de partido...
EDITAL.
o Km virtude das ordens recebidas da junta do
governo supremo do reino, estabclccida na cidade
do Porto, silo obrigados lodosos cidadilosde dezoito
a quarenta annos de idade a comparecerem desde
logo na administraciio deste concclho, no paQO do
duquo, afim de se.'ilistarem nos batalhOes nacionaes
que devem defender a santa causa em que a nacilo
esta empenhada. Sala da comnisso delegada da
junta do governo supremo do reino, 10 de dezemhro
e I8IG. Jos Eslevto de Mngathdes Anbal Alva-
tti da Silva Jmz Correia de t'rcitas Feto.
dem, (6.
Por noticias que hoje tivemos do Alenitjo consta
que o ex-conde de Mello anda assolando os povos por
onde nao acha tropa; e leudo entrado em Estronioz
com unslSO a 800 guerrilheiros, exigir que o povo
se armasso para se Ihe unir, mas apenas cinco obs-
curos miseraveis executaram a sua ordem. Toda a
provincia do Alemtjo, em que nto pesam as grri-
mas, obedece ao legitimo governo de Sua Magcsla-
d, c desoja melosamente que as operacoes milita-
res proporcionen) a expedieflo de tropa para osul do_
reino, cuja noticia ser sufliciente para fazer fugir
os rebeldes, como a experiencia lem sempre mostra-
do. O Ilustre general visconde de Selubalem breve
confirmar esta verdade.
Hontem apresentaram-se ao mareclial Saldan/ia,
fgidos de Santarm, um cabo e dous soldados do
regiment do infatuara 11. 9. promplos em ordem
de marcha. Dizeni estes aprescnlados que ltima-
mente lem chegado ao maior rigor a vigilancia para
evitara fuga dos soldados, masque lacs medidas
Ibes augmcnlam a desconfanos, o os fazein ambi-
cionar a occasiflo de se ver em frente dos seus cama-
radas para os abracar, a cxemplo do que praticarara
os linimentos 3 o 15, cujo acontecimento era por
militas vozc* o objecto de suas conversas nes quar-
leis.
ITALIA.
no*, 27 n.otJTunBO.
Vitila do papa abbadena de Slinsk.
Em 20 do crrente, se clignou Sun Santidade ir em
grande pompa ao convento da Trindade-do-Monlc,
cm que reside a abbadessa de Minsk desde a sua che*
gada a cidade eterna.
As novee meia da mantilla se apresentou o santo
padre porta da igreja. A comitiva ia acompanhada,
como he costume, por immensa multidDo. Como a
igreja e o convento dominam a cidade o espectculo
era verdaderamente admiravel o solemne.
Iiepois desdorar oSantissimoSacramentopassou
Sua Santidade a urna das salas do convento, ealli
admittio a beijar-lho o p as religiosas do Sagrado
Coracflo, eos meninos que ollas educam. Immedia-
tamentc depois subi Sua Santidade ao primeiro an-
dar : aguardava-o a madre abbadessa porta do
corredor que vai sua celia, com oR. P. Ryllo, eo
presbvtero Jelowky. Logo quo o santo padre a vio ,
parou e apontando com a mflo direita disse para a
superiora. He aquella a venoravol martyr que ten-
des a fortuna de possuir na vossa casa ? A madre
abbadessa se prostrou com toda a viveza propria da
sua piedade aos ps do padre santo, e como nilo se
levanlasse, o papa Ihe disse levaniando-a com suas
proprias maos : Pobre infeliz I Tem padecido tan-
to E olhando para ella accrescentou: Quanta va-
lenta de espirito ha nesse dbil corpo I
Sua Santidade deu audiencia madre abbadessa
na sua celia de recepcSo. A madre se arrojou nova-
mente aos ps do papa beijando-os e regando-os
com suas lagrimas. Pi IX Ihe dirigi com a docura
o dignidadeque o caracterisam eslas ousemelnan-
tes palavras:
Damos gracas a Dos, porque em umseculo em
que as maravilhas da sua graca s.1o mais necessarias
que nunca concedeu urna amostra tBo irrefragavel
della com os padecimentos que generosamente ha-
veis soRrido pela f de Jesus-Christo. Fazcndo quo
permanececais fiis sua lei escolheu as pessoas
mais debis e humildes para contrastar a frca eor-
gulho da sua igreja. Louvemos o Sr., erogai-lho se
digne conceder-nos a mesma mercC para cumprir-
mos a nossa misado.
Bemdilo seja Jesus-Christo, disse a abbadessa
que me permiti ouvir da bocea do seu vigario pala-
vras de vida e de esperanca. Ah I Ao nosso grande
patrono S. J0H0 de Canty devo lfio alta gra?a : cole-
bra-sc hojea sua festa.
Pensamos nisso, respondeu o padre santo, e de-
terminamos fazer esta visita sob os auspicios de um
protector da Polonia. Deosdeu-nos no vosso grande
Santo o modelo do espirito sacerdotal: desojamos
que o clero da Polonia e do mundo inteiro imite o
seu exemplo.
Em seguida foi apresentado ao summo pontifico
pela madre abbadessa o Sr. Jclowicki. O papa Ihe
allou com inuila affabildade fazendo-lhe algumas
perguntas sobre as ftidas que a madre recebera. Es-
ta tinha tornado a pr-so ue joelhos solicitando do
Pi IX novas indulgencias para a sua senhora.
He tilo boa, dzia ella, e quero-lhe tanto !. Pro-
nunciou estas palavras com umaccenlo de candado
tilo viva, que o padre santo commovido exclamou :
Uem fazoisom amarmuito aSanlissima Virgen).
Depois de Jesus-Chrislo ella he o nosso amor, a nos-
sa esperanca e a nossa fortaleza. Atlendendo as vos-
sas instancias concedemos cem dias mais de indul-
gencia a todos os que resarcm i magem deque tal-
lis, comacondicno, porem, deque lltehaveis do
pedir fervorosamente que nos proteja para cuiiipni-
mos fielmente a misso de vigario de seu divino
lilho.
J que Vossa Santidade demonstra tanta cari-
dado, disse a abbadessa, applique a mesma graca ao
meu Jesus-Chrislo. Quera dizer -- ao met cruci-
fijo. Tendo o Sr. Jelowicky Iraduzido litteralmento
estas palavras que na lingoa polaca tem um encanto
particular, o papa respondeu sorrindo-se: Dizci-
Ihe quo a Jesus-Christo he a quom ella deve pedir as
Bracas para mim, e nilo a mim para Jesus-Christo.
Sial, pedir Ih as-hei, e vo-las conceder, conceder-
vo-las-ba todas, raplicou a veneravel religiosa. O
pudre santo accedvu entfio benvolamente a sua sup-
filica, e depois de Ihe dar duas vezes a bcncilo se ro-
lirou acompanhado da madre abbadessa e seguido de
/
MEMORIAS DE UN MEDICO. (*)
por fliejranftre J^umaf.
PRIMEIRA PARTE.
CAPITULO XXXVIII.
TOITAIBI E IOOIHA,
Oquarto de dormir de l.ucicnnesera, comodisse-
mos urna maravilha ''ecoustruegao catlract.yos.
Situado ao Oriente, era elle 19o ''e1r.l"^l^,"e.n
fechado pelos caixilhosdourados e cortinas de set.m
que odia nunca la penetrava antes de obter, qual
corlezSo, as suas pequeas e grandes enlradas.
No vero, inv.siveis ventiladores all sopravam
umar penetrado, qual oque podcnam-produzr mil
1"am dez horas quando o rei sabio do quartc, azul.
Dcsta vez esperavam-o as carruagens desde as no-
ve horas no grande pateo.
Zamora, do bracos cruzados, dava ou finga que
dava ordens.
*. Vide Diario n.* i*.
todos os circumstantes. Em seguida o ponliflce ajoe-
Ihou ante urna imagem de Nossa Senhora, e com do-
voco anglica recitou em voz alta o Salee Regina ,
dignare, n oracHo Defende qutnumut, 8 o Nt chin pro-
le pia, benedical Virgo Marta.
Assim terminou esta visita do vigario de Jesus-
Christo a urna das mais humildes filhas. Quanto
amor, quantas heneaos na torra e no ceo resultado
desta entrevista !
Notc-sc que nao ser a ultima. S. S. n.lo quiz en-
trar no convento, dizendo: ~ Ainda havemos do vol-
Inr. {Correspondencia do Universo)..
{Diario do Governo.;

COMMERCIO.
n: 333,082
AI (andera.
REND1MENTODODIA26.......
i>KSCnr.Fr.AM MOli' 27.
BrigucAnn-Johntton bacalho.
SumacaS.-/.fne(/iCiomereadorias.
Briguc f askelidem.
BrigucCourad idem.
Consulado.
RENDIMENTO DO DA 20.
Ceral............
Provincial..........
Diversas provincias ....... r>o,202
7:176,091
ilovimenlo 00 Porto.
02 lleroulano Alves da Silva.
203 Herculano Jos de Freitas.
20i llemctern Macicl da Silva.
205 Honorato Jos de Oliveira Figneirfdo.
Ofi Joaquim Jos de Amorim.
207 Jolto Baptista Pcreira Eolio.
208 Jos Feliciano Porlella.
209 Camello do Reg Barros.
210 Joilo Piros Ferroira.
211 Joaquim Correia da Silva.
212 Jos Antonio Concalvcs de Mello.
213 Mauricio do Oliveira Maciel.
2U Lopes CuimariTcs.
215 Iodo Ignacio Rihciro RomSo.
2IC Capitn Ignacio Alves Monteiro.
217 JoSo Carnciro Rodrigues (.ampollo
218 Anaslacio Camello PessoB.
219 Antonio de Figueircdo.
220 Joaquim Viegas.
2l Ignacio do Barros Lima.
222 de Almeida Cataoho.
223 Coronel Joaquim Camilo del'igueiredo.
221 Joaquim Jos de Albuquerque.
225 Jos Joaquim llmbelino deMendonca.
143,612
1.982,277

Vanos entrados no dia 26.
Tcrra-Nova ; 44 dias, briguo ingle/ Jfaippa, do 134
toneladas, capitno James Rorison, cquipagem 8,
carga 1704 barricas bacalho; a Latham & Hibbert.
Rio-dc-Janciro ; 20 dias brigue-cscuna de guerra
brasileiro Fidelidade, commandante o I.Mcnento
I.uiz da Cunha Moreira. Passagciros Ignacio Al-
ves da Cunha Coutinho e 1 soldado de artilharia
de marinha. Vem estacionar nesle porlo.
Mar-Pacifico,-tendo sabido do New-London ha 30
mezes, galera a mericana Dromo, de 3o7 toneladas,
capitno Auslain Steel, equipagem 32, carga .izcito
de peixc ; aocapililo.
Navios sabidos no mesmo da.
Rabia; briguc inglez Sir-Robcrt-Compbell, capitao
James Baird, carga a mesma que tronce.
FdKar-lown; barca americana Carolme, capito Oli-
ver Lanc, carga azeite do ptrxe, que portencia
o galera america Phaebe, de que era cap lo S. W
llatris, cquefoi condemnade neste porto.
Oisfrrafo.
A escuna ngleza Despalch, capitao Robcrl llans,
veio consignado ao cnsul deS. M. E., c nao ao ca-
pitno como inexactamente se disse.
226
227
228
229
230
231
232
233
231
235
236
237
238
239
240
211
242
213
214
245
216
lu lili.
O rei deitou a cabeca pea janella, e vio todos estos
preparativos de partida.
Que quer isto dizer, condessa ? perguntou el-
le ; enUo nSoalmocamos? dir-se-hia que me que-
ris despedir em jejum.
N3o o permita Dos, senhor, respondeu a con-
dessa ; mas suppuz que V. magestade tinha hora
marcada em Marlv com M. de Sarlines.
_ Ora adeos, disse o rei, parece-me que so pudo
muito bem mandar dizer aSartines, que venha aqu
tercommigo; hetSoperto!
_ V magestade me fara a honra de acreditar, dis-
se a condessa rindo, que nflo foi o primeiro que Uve
"'ticm de que a manhSa est 18o bella, que nSo
vale a a pena de trabalhar : almocetnos.
_ Senhor, sera necossario todava que V. mages-
tade me d algumas assignaturas.
__Para madama de Bearn?
Justamente, e depois indicar-me odia.
Que dia?
_- E a hora.
Que hora? .
0 dia e a hora da nimba apresentacao.
A f, disse o rei, que bem ganhastes a vossa
apresentacao. Marcai vos mesma o da.
O mais prximo possivel.
Entilo esta ludo prompto i
Sim, senhor. .
_ Aprndestes a fazer as tres mesuras ?
_ Assimocreio; haumanno que nisso me exer-
1 Tendes o vestido? .
_ Vinte o quatro horas baslam para o fazer.
__Tendes a madriiiha?
_ Dentro de urna hora aqu esUra.
Pois bem, condessa, Tacamos um contrato.
Qual he?
ISTA DOS CIDADAOS QLAI.IFICADOS PELA JUNTA
REVISORA, EM 15 DE JANEIRO DE 1847, PARA JUI-
ZES DE FACTO.
{Continuacdo do numero antecedente.}
98 Caudino Agoslinho de Barros.
.99 Concalo Jos da Cosa o S.
200 Major Gustavo Jos do Reg.
"tOl Concalo Francisco Marlins. __
NSo me haveis de fallar mais nessa historia do
visconde Joo com o harto de Tavemey.
Sacrificamos entilo o pobre visconde?
He verdade!
Pois sim, senhor, nao fallaremos mais nisso.....
O dia ?
Depois d'a man lua.
A hora ?
As dez da noite, como he costume.
Esta dito, senhor?
Est dito.
Palavra de re ?
A f de gcntilhomcm.
Toca, La Francc.
E a favorita eateudeu ao rei a linda mSoznha, na
qual Luiz XV deixou cahira sua.
Nessa iiianliaa Lueienues toda sentio o oneito da
alegra do amo : havia ello cedido em um ponto, em
que ha muito tempo estava decidido a ceder, mas
haviaganhado n'outro. ludo portantoera proveito :
daria cem mil libras a Joilo sob condic.lo de que as
fosse perder nasagoas dosl'irineos ou d'Auvergne;
e isto aos olhos dos Choiseula passaria por um de-
credo. Ilouvc hiizes d'ouro para os pobres, bolos
d'ovos para as carpas, o parabens para as pinturas de
S magestade, nflo obstanlo havor perfeitamento
ceiado na vespera, almocou com grande appctito.
Entretanto deram onze horas. A condessa eniquan-
to servia ao rei, nflo lirava os olhos do relogio, para
sua vontado muito vagaroso.
O rei ate levo a lembranca de dizer que, se mada-
ma deBarn chegasse, podiam manda-la entrar para
a sala de jantar .
Foi o caf servido, provado, bebido, e madama do
IBarnnaochegou.
A onze horas e um quarlo otivio-se no pateo o
tropel do galope de um cavallo.
Duarte Rangel
Vicira Brasil.
Calazans da Silva Fragoso.
Rodrigues do Oliveira Lima.
Maria Giraldes.
Perera da Cunha.
Antnnio Gomes Jnior.
Joaquim de Oliveira.
Diogo da Silva.
Marques Vianna.
Maria da Costa Paiva.
da Silva Mondones Vianna.
Concalves da Hora.
Antonio Bastos.
Bornardo de Suuza.
Francisco Ribeiro.
Diogo da Silva.
Velloso Soares.
Mura Sevc.
Jeronymo Monteiro.
Pires Verreira.
247 Joaquim duSouza Pinto.
248 Joflo Baptista Ribeiro.
249 Antonio Ribeiro.
250 ic Francisco Teixeiru.
251 Joaquim Jos de I'igueiredo.
252 Jos Alves.
253 Juvencio da Silva.
254 Joflo Baptista Fragoso Jnior.
25". o da Cimba Magalhfles.
256 Ncpoinuceno Barroso.
257 Dr. Joo Jos Pinto.
258 Dr. JosRaymundo da Costa Menezes.
259 Jos Narciso Camollo.
Joaquim da Costa l.ete.
Francisco Concalvcs.
dos Santos Novas.
M.-ircelliiio Alves da Fonseea.
liento da Costa.
Ignacio Pereira da Costa.
Egidio Ferreira.
Jeronymo de Bonn l.imoeiro.
Pedro do llego.
Jeronymo Rodrigues Chaves.
270 Dr. Jos Francisco de Paiva.
271 Coronel Jos de Brito Ingle/.
272 Jos da Rocha Paranhos.
273 Francisco Pinto Cuimarflcs.
274 Alexandre Ribeiro.
275 Joaquim Dias Fernandes.
27C Ferreira de Carvalho.
277 Antonio da Silva Jnior.
278 Cunegundes da Silva.

260
261
262
263
264
265
266
267
268
269
A condessa lcvantou-so rpidamente e corren a
ianella. ,,
L'm correio de Joflo Dubarry apeava-se do cavallo
que nadava em suor. .
A condessa estremecen; mas como era preciso nflo
deixarperceberas suas inquietaefles, afim de con-
servar o rei as boas disposicOes em que se aetiava,
foi de novo sentar-so junto delle
Um instante depois entrn Chon com nmbilhete
nr mito.
Nflo havia que recuar, era forcoso le-lo.
Que he isso? He algutn buhte amoroso, Chon.
disse o rei.
Oh! meu Dos! he, sim, senhor.
E de quemi'
Do pobre visconde.
De veras?
He mellior ver.
Iteconheceu o rei a letlra, e como se lembrou que
poda tratar da aventura de La Chaussee:
Bom, bom, disse elle, arrodando-o com a mflo
A condessa estava ardendo.
O bilhete he para mim ? perjqntou ella.
He, condessa.
El-rei permitte?
Ldc, ossa he boa! Chon me cantar urna co-
pla, emquanto fazeis isso.
E puxou Chon para junto de si, cantando na mais
desafinada voz do seu reino, como dizia Joflo Jac-
ques:
Perd a quom me servia,
Perd a minha alegra.
A eondesaa retirou-se para o vBo de urna janella,
leu:
Nflo espere a malvada velha, que diz quequei-
mou um p hontem noite, e est de cama. Agrade-
ca. a Chon a sua propositada apparicflo de bonlem
i MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
i


m
79
80
1
82
83
84
85
86
87
88
289
Joaqun) da Mosquita.
Aleireiles.
Poreira Teixeira.
Xavier Bodrigoes Can pollo.
Dr. Jos Bunio da Cimba Figueiredo.
Bernardo Calvflo Alcanforado.
I.niz Peroira.
" I.cflo do Castro.
i Estove* Vianna.
Flix da Cruz o Silva.
Antonio de Miranda. >
r!0 Dr. Jos Mamcde Alvos Forreira.
~l Jos llginin d Miranda.
9a ( Ignacio Ferreira e Silva.
-93 i. Mana de Castro Nones;
29 da Cruz.
29,r, Kaymundo Forreira.
39c Porjra Penna.
297 rnifeia !.ea!.
mh a Francisco de Paula.
299 a AntoniodeOliveira.
que quizcrem ir de passagem, que vao a ra do Tra-
piche, n. 8, em casa de Jienry Forster & C.
- Para o Itio-de-Janero prelente sahir o brigue
Hthsano, hoje, 27 do corrento mez nto havendo
inconveniente; o que se faz sciente aos Srs. carre-
gadores de escravos.
Parail.ivorpool recebepassageiros smente abem
conhec. a galera maleza Columbus, capitflo Daniel
Oreen: dove chegar de Macci at o dia 31 do corren-
to, e segu para Liverpool no mesmo dia
nos, Me. Cal moni &C,
Para
c
os
quem
consignata-
Contnuar-tt-ka.)
Drclarncoes.
O arsenal de marinha compra, no dia 28 do cor-
rete moz, pelas 1t horas da manhfla, lijlos de ta-
pamento, c chumbo em lencol. Aspossoas que se
propozerom vende-lis silo convidadas a comparecer
nesta secretaria, no indicado dia c hora, com as suas
(impostas em cartas fechadas.
Secretaria da inspeceflo do arsenal de marinha de
l'ernainbuco, 26 de janoiro do 1847. O secretario,
Mfjcundre lio Irigues dot An/oi.
O arsenal de guerra compra azeite decarrapa-
lo e do coco, fio de algodflo e pavios : quem taes
gneros I i ver o quizer fornecer, mandar sua pro-
posta cin carta fechada directora do mesmo arse-
nal ate o dia 28 do corronte mez. Arsenal de guer-
ra, 20 de Janeiro de 1847. Jlo Ricarda da Silva,
amanuense.
Faz-so sabor aos subditos britannicos residen-
tes em Pernambueo, que no dia sabbado, 30 do
corren te, pelo meio-dia, lera lugar no consulado
brilanntco, ra da Cruz, o ajuntamento dos subs-
criptores, para os (ins designados no acto Ceo : IV.
capitulo 37. Consulado brlannico, aos 23 de
Janeiro do 1847. H. Augustas Coieper, cnsul.
O abaixo assignado faz sciente ao publico que
ocxereicioda aula publica de grammalica latinada
IrogueziadeS.-Josedo Itecifc cmeca no dia pri-
meiro de feverciro prximo ruturo. Os paisde fa-
milia que quizerem matricular seus fllhos dirijam-
se ao mesmo abaixo assignado na ra da Praia de
V-Rila, sobrado n. 43.
Manoel Franeinco Coelho.
.i w ?-(",,rfs vele'r> '"-'Kwc inglez Queen,
api o Wr.ghl, da primeira classe, sahfra em pou-
eosas; pode rece ber a inda alguma carga a frete.
ou passageiros: os pretendenles dirijam-se a Me. Cal-
monl&C, praca do Corpo-Santo, n. 11.
1 ara o Porto sahir com brevidade a barca Bel-
ta-i trnamhucanu, por ter parle da carga prompta;
quem nella quizer carregarou ir de passagem, para
o que tem excellentes commodos, dirija-se ao capi-
tao na praca, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Cadeia do Recife, n. 51.
jju Para u Aracaty o hiate Nertidt segu viagem
_jfM o mais breve possivel: nflo sabio no dia 22,
-ZOmbcom escala pela Parahiba, por falla decum-
primento de trato da parte dos fretadures : quem
quizer carregardra-se a ra do Vigario, n. 5.
A sumaca Carila segu viagem para o Araca-
ty, em poneos das, portar a maior parte da carga
prompta : para o resto da carga c passageiros tra-
ta-se com o mestro, Jos Concalves Sima, ou com
Luiz Jos de Sa Araujo na ra da Cruz, n. 26.
Para Lisboa sabe, no dia 14 de fevereiro a no-
va o expeliente barca portugueza Tejo : quem na
mesma quizer carregar a 200 rs. por arroba em
qualqucr tara ,ou ir de passagem, para o que tem
as melhorcs cotnmodidades que qualquer navio da
carreira pode Tallar ao cap 1.1o, Silverio Manoel dos
Res ou a Oliveira limaos &Companhia, na ra da
Cruz n. 9.
:- Para o Rio-do- Janeiro seguir breve o voleiro
brigue nacional Malla; o qual ainda recebe alguma
carga, escravos e passageiros, para o que tem excel-
lentes commodos: dinjam-se ao consignatario Joo
Francisco da Cruz, ra da Cruz, n. 46.
Para o Rio-Crandc-do-Sul o brigue nacional
Competidor transforio a sua sabida para o dia 30 do
corronte : osSnrs que emuarcam escravos queiram
mandar osconhecinientos a ra do Apollo, n. 2 ar-
mazem de Gomes ; Irmfo.
I.coos.
Publicado ]l(eraria.
PROSPECTO.
No crranle mez, lia de publicar-se em Lisboa o
primeiro volume da historia no cerco do i-outo, nos
annos de 1832 e 1833, precedido .le urna extensa no-
ticia das dilferentcs phases polticas por que tem
passado a inonarchia desde as mais remotas eras at
ao anno de 1820 ; bem como dos prncipaes aconle-
cimonlos que desde aquelle anno ti vera m lugar, at
no cornejo do sobredito cerco. i\o eorpo desla obra
se achara tambom urna descrpc/io da cidade do Por-
to, suas anlguidades, edificios notaveis, cstabele-
rimentos Iliterarios, e o mais que nella ha de curio-
so; sendo ludo isto aconipaiihado de um resumo his-
trico dos acnlecimenlos que na referida cidade
livoram lugar contra osFrancezes.nosannosdc 1808
e!809, com que se completa urna verdadeira histo-
ria de Portugal desde o principio do presente soculo
at a restauradlo do governo legitimo.
A impresslo ilcve ter lugar em ptimo papel, eno
inelbor typo easseio, que offerece a imprecisa nacio-
nal de Lisboa : o formato sera o deoitavo grande,
ou o lavo francez, como o da historia de Portugal do
Sr A. II.'itnl.-ino, e a sua extcnsBo de dous volumos :
o primeiro comprehender 600 paginas, e o secundo
500, pouco mais ou menos, annexando-se a este,
alm da lista dos subscriptores, um mappa das i-
nliasconslitucionaese realistas, com todos os seus
respectivos reductos e baleras.
Cada volume distar 1,200 rs., moeda portugueza.
Subscreve-se para esta obra as lojas do livros dos
Srs.: Figueira, praca da Independencia; Roma, lar
godo Collogio ; Coutinho, esquina do dito; Cardo-
so Ayres, ruada Cadeia-Velha; ena de fazendasdos
Srs. Guerra Silva & Companhia, ra Nova.
Oleil.lodealctria, lalharme passas foi trans-
ferido para boje, 27 do corronte mez lelas 10
horas do dia, no caes da Aifaudega.
OcorretorOliveira far lelflo do grande sorti-
menlo de fazendas que vender por todo preco, por
ser para liquidacflo, e de muitas outras recentemente
despachadas que vender aprazo: boje, 27 do cr-
ranlo mc2, s 10 horas da nianhaa, na sua casa, ra
da Cadeia do Recife.
Precisa-se de um caixeiro para urna venda, que
tenha pratica de vender, e que.:, fiador a sua con-
ducta : na ra larga do Rozario n. 37.
Francisco Joaquim Gaspar Jnior comprou,
porordem de Luiz Epifanio Mauricio Wanderley ,
residente em S -Antflo, meio bilhetedaft.' parte da 1.'
loteras favor das obras da matriz da cidade da Victo-
ria de n. 2860, que tica em poder do annunciante.
O Sr. Joflo Licio Marques tem urna carta, viuda
de Lisboa na ra d Crespo, n. 4, loja do Joaquim
da Silva Castro.
D-se dinheiro a premio sobre penhores de
o uro e prala em pequeas quantias : na ra da Ca-
deia de S.-Antonio loja de marceneiro, n 18.
Quem precisar de um homem muito hbil para
fazer cobranzas na praca efradclla o qual d fia-
dor a sua conducta, dirija-se ao pateo da S.-Cruz,
indo para S.-Concalo, n. 24.
Precisa-se de um caixeiro quo seja capaz, e
que d dador a sua conducta, preferndo-sc dos
chegados ltimamente do|Porto: no pateo da S.-Cruz,
padaria n. 6.
Precisa-se alugarum pardo de bonita figura,
de 15 a 18 annos; paga-se bem : na ra de S.-Ama-
ro n. 32.
Precisa-sede um homem para feitor de um
engolillo distante desta praca 4 legoas preferindo-
se dos chegados ltimamente do Porto : na praca
da Boa-Vista venda n. 3.
Pela grande demora, rogare ao Sr. Filippe Be
nicio Cavalcanii de Albuquarque que mande
daraquantia de 13,000 rs., contrahida em 18 de
agosto de 1843, na ra Nova, n. 18; pois, tendo-se
fallado com sen mano, elle dissera que cobrasse de
qualqucr maneira : e como este Sr. mora muito Ion-
ge fazse o presonte annuncio.
O'icm precisar de urna ama forra, boa engom-
madeira, dirija-se a ra da Praia sobrado de um
andar pintado de novo, confronteao lanipeflo.
Quem annunciou querer comprar o compendio
de arithmelica, por Besout, dirija-se a ra da Flo-
rentina, n. 3.
Quem annunciou querer comprar urna escra-
va a troco de urna lettra a 6 mezes de prazo, dirija-se
a ra de S.-Rita, n. 85.
Empalham-secadeirase marquezas, por pre-
co mais commodo do que em outra qualquer parte :
na ra dasLarangeircs, n. 13.
Caudillo Agostinhode Barros embarca para o
Rio-Grande-do-Sul, pelo Rio-de-Janeiro a sua es-
clava Luiz, crioula.
Aluga-se urna meia-agoa, na travessa do Dique,
a tratar na ra da Praia, n. 10.
L'ma scnliora solteira, maior de 40 annos, e que
ha mais de 16 se lemoecupado em ensinar meninas,
se offerece a exercer esta prolissflo em qualquer en-
genho, advertindo quo nflo ensina mais do que lr,
escrever, e contar as quatro especies, e coser chao,
ludo com alguma perfeicflo. Quem de seu pi estimo
quizer utilisar-se procuro-a na ra do Livramenlo,
primeiro andar do sobrado n. 23.
A
- Na ra do Cabuga, loja do ourives de Jlo
Pereira Lagos preeisa-se alugarum pret ou mo-
leque que saiba cozinhar, dando-se 10,000 rs. meo-
saes:
Manoel Jos Corroa embarca para o Rl-de-Ja-
neiro o scu escrave Francisco.de nacfto Mozam-
bique.
Ceorge Palclictt va a Baha.
Aluga-se um sitio na campia da Casa-Forte
com copiar e gradara de ferro na frente; varias ea-
sinhas, tanto na campia c ra da Casa-Forte en-
mona estrada do Poco; os primeiro esegundo anda-
res da casa amarella da ra Augusta; a loja da dita
propra para venda ; o segundo andar do sobrado n,'
36 do pateo do Livramenlo ; os terceiro c quartoan-
dares do sobrado da ra do Amorim, n. 15 : a tra-
tar no primeiro andar do mesmo sobrado.
Apessoa que tem nununciado por este j3yu
querer arrendar dm engenho para as partes do 8ul,
3uerendo comprar um que moecom agoa, distante
esta praca 4 legoas dirija-so a ra do Piros, n.
19, que saber que engenho he.
Precisa-se de urna mulher para o servico de
urna casa de pouca familia: na ra de Apollo, n., 22,
segundo andar.
LOTERA
DA MATRIZ
DA CIDADE DA VICTORIA.
6:00,?000 de rs.
As rodas desta lotera teem o seu Imprelerivel an-
damento no dia 29 do crrante mez, no consistorio
da igreja da Conceicflo do militaros, ainda que al-
guna poneos bilhetes fiquem por vender. 0 resto
destes deve ser procurado no barro do llecife
as lojas de cambio dos Srs. Manoel Comes e Vieira-
no de Santo-Antonio, na loja do thesnureiro Amo-
nio da Silva Gusmflo, e na botica do Sr. Morcira
Marques, na ra doCabug.
Na cocheira do becco da ra da Cadeia, por
detrs da casa do Dr. Jos Narciso Camello, ilu-
gam-se cavallos e tambem se tratam: os preten-
denles dirijam-se a mencionada cocheara, que scrao
servidos immediatamente. Na mesma cocheira
compram-se e vendem-se cavallos para ambas as
sellas : a tratar na mesma cocheira com Jobo da Cu
nha liis.
fcvi.sos diverso.
i visos martimos.
Para o Ro-do-Janeiro soguo viagem, imprete-
rivelmente al o dia 31 do crranle, o brigue a
cano Casket: e como o dito brigue tenha ba
commodo para passageiros, o estoja bastante Iimpo
c seja bom de velas, por isso se avisa as pessoas
porque dahi procede esta mudanca ; a feiticeira co-
nheceu-a, e ah temosa comedia transtornada.
Por niuto feliz sedevo dar esse ladrflo de Gil-
berto, que he a causa deludo isto, em havor dcsap-
parecido, porque se eu o vase lorcia-lhc o pescoco.
Mas se eu o encontrar, fique elle socegado que Ihe
nao hei de faltar.
Paroaqui. Vcnhaj a Paris, quando nflo ura-
nios como dantes.
JoAo
O n. 151 sabe boje a tardo: vende-sc nos lugares
do cosime.
-- O Sr. morador nos Afogados, que devo na reli-
uacfloda ra Direita, n. 10, a quantia de 50,240 rs.,
queira lera bondadede vir, ou mandar pagar a. dita
quantia, pois que S S. nto ignora quo negocio de
assucarhcpagoa vista: e comoS. S. nflo tenha ap-
parecdo, e teem docorrido mais de quatro mezes, por
isso o annunciante nflo pode esperar mais lempo.
-- Aluga-se uma boa casa terrea, com 4 quartos,
2 salas, quarto separado para pretose casa para ba-
nho, grande quintal com parreras e figueiras, ro-
mauzeiraso mu i las mais arvores de fructo; com ca-
cimba d'ngoado beber, a melhor queso tem visto;
no principio da estrada dosAflliclos, pegado ao sitio
que foida Sr D. Lauranna ; outra casa terrea com
sotBo corrido muito arejado, no becco do Serigado :
trala-se na ra da Cadeia do Recife, n. 25.
uga-se o segundo andar do sobra-
do n. 9 da ra da Penlia, com os fundos
para a ra Direita, com Instantes com-
modos e sotiSo bonita vista e fresco :
Ikweja-se fallar com o Sr. doutor Antonio Jo-
s deSouza Comes, a negocio de seu nteresse : na
ruado Passeio, loja de fazendas, n. 21.
Precisa-se de urna preta captiva para com-
prar e fazer o mais servico de urna casa de pouca fa-
milia : no Aterro-da-Boa-Visla, n 3.
O abaixo assignado, na qualidadede testamen-
toiro de scu finado irmflo Jos Antonio Borges,
convida aos credores do mesmo, moradores nesta ci-
dade a a presen larem noCcar suas contas por si,
ou seus procuradores at o ultimo de marco do cor-
rento auno, para screm salisfetos naquillo que
existir pertencente ao dito finado.
Ficlorim Augusto Borgrs.
.........* ornamentos ecclesiasticos emtica
para senhora e para salas, tudo pertencente ao scu
ollicio; lambem tem pratica de chapeleiro : quem
de scu prestmo se quizer utlisar dirija-se a venda
de J. M. Palmeira no largo do Corpo-Santo.
= Se convicr a alguma Franceza de probidade e
bons costumes ter passagem gratis para o Havre,
pelo simplesservico de bonne a urna senhora doenlc,
durante o trajelo, poder dirigir-so a ra da Sen-
zalla-Velha, n. 110, primeiro andar, que se Ihe indi-
car quem precisa, at o mez de marco desteanno.
Alngam-se os atmazens da ra de
Apollo ns. a8 e 30. com desembarque :
a tratar no mesmo lugar, com Jo2o Esle-
ves da Silva.
iT foio''osdc Sales, negociante o morador na
villa da l'anialiiba, provincia de Piauhv, foi Hornea-
do depositario de uns escravos pertencnles a Lucio
Carlos Pereira, fallecido naquella villa no dia 6 de
dezembro lindo : e por isso avisa a um filho daquel-
le finado.de iioiiieSeiihorinho Antonio da Silva Perei-
ra, a fim de que quanto antes rom paraca por si ou
apret- Furtaram, do rundo do terreno, de JoBode Bn-|por seu procurador para liquidaclo das contas do
amen-1 to Corroa, na ra da Paia um pranchilo de ama-lmesmo fallecido semoque se nflo poder liquidar
asanle rollo com 4 costados de grosso : quem delle tiver O Sr. Senhorinho Antonio da S
Companhia peral
l^^^Sr,;."'1'1''-!ll irr*llura dsv,*.sde
O doutor em medicina,Moscoso, est morando. AltODOUTO.
no Aterro-da-Boa-Visla, n. 6. i I..: i i .
.- Chegou ha nouco de Lisboa um ofllcal del ,. a,,a,xo ossignado, agente desta com-
sirgueiro quesedeseja arranjar.o qual faz obras|pal"a nesta ptaca de l'ernambnco, acaba
o> militares, ornamentos ecclesiasfco, enfeu s de receber pela barca Bella-PemaU,buca.
Indique ao menos o Sr. liento do Barros Fal-
eflo o dircilo que tem ao terreno que foi seu no
becco das Barreiras, adjudicado a Petronilla Floren-
tina da Soledade por sentenca de 10 de marco de
1841, ecomposse judicial em 8 de julho de 1842,
para poder ser crido: do contrario, passar por um
vil calumniador ou trapalhflosem pojo.
noticias dirija-se ao tanque d*agoa, na ra da Praia,
ns. 9 c 11, que ser recompensado.
Que he isso? pergunlou o rei, quesorprendeu
a sbita pallidez da condessa.
Nada, senhor; he um boletim da sadede meu
cimbado.
i: oniflo, vai cada vez melhor esse charo vis-
conde ?
Vai-se restabelocendo, disse a condessa. Obri-
gada, senhor. Mas all entra no pateo urna car-
ruagem.
lio a nossa condessa, sem duvida?
Nflo, senhor, heM. deSartines.
Entio? diss^o rei ao ver que madama Dubarry
j> drgia para^glbrla.
-RaUwpjRl ao meu gabinete, senhor, respondeu
#^Ondcssa, c deixo a V. magestade.
E madama de Barn ?
Quando ella chegar, senhor, terei a honra de
mandar prevenir a V magestade, disse a condessa,
machucando o bilbete no fundo do bolso donen-
teador.
, Pois abandonais-me, condessa' disse o rei com
melanclico suspiro.
Senhor, boje he domingo; asassignaturas, as
assgnu turas!.......
E apreseutou as delicadas faces ao rei, em cada
urna das quaes applicou esto um grande beijo. De-
poii que ella sabio do aposento disse Luiz W.
Mpajpaaiii n oiiiniiii iivami^aJMa>
Leve o diabo as assignaturas, e mais a quem as
vem buscar! Quem inventara ministros, pastas, e
papel Tellre!
Apenas acabava o re de proferir estamaldicBo,
entravam ministro e pasla pela porta opposla que
Btvia dado sabida a condessa.
O rei soltou oulro suspiro ainda mais melanclico
que o primeiro.
Ah! chegastes, Saetines, disse elle, como sois
exacto!
Foi isto dito com tal accento, que fra impossivel
conhecer se era elogio, ou censura.
urna caria na ra do Crespo, loja
quim Cardozo.
i Silva Pereira tem
de Francisco Joa-
Pobre condessa disse o rei, em cujos olhos
briIlion um rajo de alegra.
. Ah! Senhor, aquadrupla alliancn c o pacto de
familiaorflo bem pouca cousa avista do negocio da
presenta efio.
Pobre Dubarry! repeli o re, meneando a ca-
beca, nunca mais conseguir os seus lins.
Tenho case recelo, senhor; a nfio seagastar
V. magestade.
na una rcmessa de vinhos daquella com-
panhia depois que ella foi rehabilitada
pela legislatura de Portugal, e dotada com
fundos pblicos pela le de ai de abril de
1843, para levar a todos os mercados o
padroes e bausas do vinho genuino c pu-
ro do Alto-Douro, gernlmenlc conbecitlo
pelo nomo do vinho do Porto, am de
servirem de guia ao conminan. Lsta
rcmessa. loda de vinhos da mais escolla-
da qualidade, deve offerecer ao Srs. con-
sumidoies, n3o s a cerlcza da sua pu-
reza, mas tambem o typo verdadeiro^np
excellenles vinhos do Porto. Espern,
pois, o abaixo assignado que os Srs. con-
sumidores se dirigirao ma da Moeda, ar-
mazcm n 7, para trutarcm do ajuste de
qualquer porro que dse jaran.
Antonio francisco de Moraes,
^1 I Mil
Abri Sartines a pasta, edspunha-se atirardella
o trabalbo, ruando se ouvio q ciliar das rodas de
urna carruagem na areia da alameda.
Esperai, Sartines, disse o rei.
E corieuajanella.
Que, disse elle, he a condessa quesahe?
lie verdade, senhor, disse o ministro.
Mas ella entflo nflo espera a condessa de Barn ?
Senhor, estou tentado a erar que ella cansou
de espera-la, e a vai procurar.
Mas se a condessa Iinlia de vir esta manhfla ?
Tenho quasi certeza, senhor, de que nflo vira.
Como] sabis entflo disso, Sartines?
Preciso lio, senhor, quoeu deludo saiba um
pouco, para quo V. magestade esteja eommigo sa-
lisfeil.
Que aconteceu eolito ? dizoi-nie isso, Sar-
tines.
.-*~ m e que' disse rei' "fi0 l,e a s"a posicBo
tBo desesperada. Vos tudo vides da cor da vossa ca-
saca, Sartines. Quem nos diz que madama de Barn
nflo tomar outroaccordo; quem nosassegura que
a delphina chegar Iflo cedo! Temos ainda quatro
das antes que ella ebeguo a Compigne; em quatro
diasfaz-se muita cousa. Vamos c. trabalhamos es-
ta manhfla, Sartines?
I Oh! senhor, tres assignaturas smente.
Lila suppunba ter esse negocio tilo seguro! 1 L o intendente de polica trou primoiramente um
Oque peior ha para ella, disse Sartines, be que I papel da pasta.
s nflo for a presenta da antes ua chegada da senhora) Oh! ol! exclamou o rei, una ordo ni de
ucipliina, be prova vel que nunca mais o seja. pnsflo!
-----11'lbZ (111(1 HCAI'.ilUll tn i-I .,,..- lilHJn. Utt
A' velha condessa, SenhorP
Sim.
O que acontece em todas as cousas, senhor;
difilcutdades.
Mas eintini vira a tal condessa de Barn?
Eu sei, senhor honten nolle era isso mais
certo do que esta manhfla.
Mais que provavcl, Sartines, tendes rasflo. fii-
zem que a minha ora he muito austera, muito do-
vota, muito sisuda. Pobre condessa !
Por certo, replicou Sartines, ser grande des-
gosto para madama Dubarry nflo ser apresentada,
mas tambem isso poupar a V. magestade muitas
inquietaces.
Julgais isso, Sartines?
Sem duvida, deixarflo de haver os invejosos,
os maldizentes, os cancionistas, os aduladores, as
gazetas. Se madama Dubarry fosse apresentada, se-
nhor, custar-nos-hia isso cem mil francos do polica
extraordinaria.
De veras! Pobre condessa 1 Pois ella desejava
isso muito.
Entilo, ordene V. magestade, e os dsejos da
condessa serflo salisfetos.
Que dizeis vos ah, Sartines? exclamou orei.
Posso eu, em boa f, envolver-me nisso? Posso aa-
signar ordeni para essa graca a madama Dubarry ?
E aconsclliar-me-hioi, vos, Sartines, que sois um
homem de tino, a obrar um acto desses para satisfa-
zcr o capricho da condessa? (
0|t! que nflo, senhor "Contentar-me-hei com
dizer, como V. magestade: Pobre condessa J
Sim, senhor.
E contra quem ?
Pode V. magestade yr.
Contra Rousseau? O quo be esso Rousseau,
Sartines, cquo fez ello?
O que fez ? O Controlo Social, senhor.
Ah! ah he contra Joo-Jaques? Queris pre-
ga-lona Bastilha;'
Senhor, o homem d mo exemplo.
E que queris vs quo elle d ?
Demais, ou nflo pretendo enterra-lo na Bas-
tilha.
Entflo, para que he a ordem ?
lie para lor 11 ma arma prompta, senhor.
Nflo lie porque me mportem, disse o rei, todos
os vossos phiosopbos, ontendamo-nos.
Etem V. magostado muita rasflo, disse Sartines.
Mas hilo de gritar, ouvis ? alin de que eu sup-
punha que se lia va autorisado a sua presenca em
Pars.
Tolerado, senhor, mas sob condeflo de que el-
le nflo appareceria.
E elle appareceu ?
Nflo faz outra cousa.
No seu vestuario de Armenio ?
.
MUTILADO


pr^1
rT
==
Fabrica de machinas e Tund
$5o fe ferro na ra do
llrum, no Becife.
MeCalIuniA Companha, cngenlioiros macliinis-
jjsc fundidores de forro, mu i respetosamente an-
iiiinciam aosSrs. proprictarios de engenhos fazon-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respeitavel
publico, que o seu estabolecimento de Trro, mo-
vido por machina de vapor, se acha em eiTeclivo
exercicio, e completamente montado cqm appare-
Ihos de primeira quadade para a perfeita confec-
cao das maiorea pecas de macliinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
su arte, Me i'allum & -Companha desejara mais
particularra^to chamar a attencflo publica para as
seguiiites, por seren ellas da mator sxti'uc3o-oeoli
provincia as quaes construidas na sua fabrica po-
ilcmcompclircom as fabricadas em paiz estrangei-
ro, tanto em preco como na qualidade das materias
primas e mlo d'ora a saber :
Machinas de vapor.
Mocmlas d.: caimas para engenhos movidas a va-
por, poragoa, ou animaes.
Itodasd agoa serraras.
Manejos independenles para cavallos.
Hoilns dentadas.
Agnilhoes, bronzeso chumaceiras.
Cavilhoes o pararusos ds todos os tamanhos.
Taixas, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca .movidos a mo ou por ani-
maos e prensas para a dita.
l'ogoese fonios paracozinha.
llanos de ferro, lorneiras de ferro e bronze.
Itnmhas para cacimbas e de repuxo.
Guindastes, guinchse bataneas romanas.
Prensas hidrulicas o de parafuso.
Ferragons para navios, carros, obras publicas, etc.
Columnas, varandase grades.
prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas de ferro, etc.
Alm da perfeiciio das suas obras, Me Calium &
Companhia garanlcm a mais exacta conformidado
rom os moldes e desenhos remullidos pelos Srs. que
se dignarom de fazcr-lhcs encommendas; aprove-
tandoa occasiflo para agradecer aos seus benvolos
amigos e freguezes a preferencia com que tcein si-
do por el les honrados, o assogurar-lhes que uo
pouparflo esforcos nem diligencias para contiuua-
re m a merecer a sua confianza.
Aluga-se urna preta quesaiba bem engommare
cozinhar : na ra Direita, n. 55
Na noile do dia 21 do corrente, pelas dez horas,
deilando-sea ra um pouco de agoa da casa n. 6,
da praca da Una-Vista, aconteceu cahir de dentro
da vasilha urna colher de prala, obra mitiga, com o
peso do 18 oitavas mais ou menos, tendo os lados
junto a ponta gastos alguma cousa:tni visto no mes-
mo momento ser apandada por urna pessoa que ia
entre otitrns passaiidd*na'quella occasiflo : roga-se
n quem a acliou, pu a quem for offereeida baja de a
levar na dita casa, que se gratificar.
,3
Dentista.
1). W. Haynon, cirurgilo dentista da cidade de
Philadclpdia, participa aos seus amigos eaores-
peitavel publico que elle pretende llcar pouco lempo
insta cidade, para exercer as suas runecoes, tendo
sabido lia pouco da sobredita cidade, onde elle por
mijitos anuos tem pratieado a sua arte; arha-se bem
instruido as operacocs dentaes mais dificultosas,
conforme o modo mais moderno da arte : quem
de seu prcsUmo se quizor ulilisar dirija-se a sua
nioradia, n. 7, na da Cruz do Recifc, primeiro an-
dar, que o achara sempro prompto.
Roga-se as pessoas que teem canoas do carre-
jar agoa para vender, que mandem paraacida-J
de de nliiidanlgumas, porque, tendo a agoa salgada
entrado no pantano, e estando esto muito baixo de
modo que nfo despeja pelos sangradouros e bcas,
niio lia agoa para beber.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com ptimos e muito asseiados
commodospara moradia de homem solleiru-ou de
nouca familia: quem o quizer alujar dirija-se ao
mesrao sobrado qualquer hora.
OSr. Antonio Nones Especionc, morador na
cidade do Olinda, queira vir receberum carta coro
nina encommenda na Iravcssa do Arsenal arma-
zn) n.
J. I) Wolfhopp & C., Didior Colombicz & C.,
Itotdcc llidoulac administradores da casa fallida
de Ferrcira ta casa que nilo paguem quanlia alguma senfio ao*
nnnuncantes, que sao os nicos competentes para
Bernardo Gomen&ro Ferreira, Brasileiro, re-
tira-se para o Rio-de-Janeiro.
O abaixo assignado avisa ao Sr. Polvcarpo u-
os Corroa que nflo pague os premios que por ven-
tura saiam nos dous vigsimos de nmeros 1990 e
i?95 da actual lotera da matriida cidade da Victo-
ria, por seren do abaixo assignado; o que he acil de
saberporlerem ambos escripias no verso as quatro
lettras miciaes M. N. B. M, e a data por extenso do
na mez e anno, em que foram comprados, cuios bi-
Inetos se desencaminharam do poder do mesmo abai-
xo assignado.
Maximino Narciso Bandtira de Mello.
a noile do domingo, 24 do corrente, pelas nove
horas, loi roubado o sitio da Cspunga, em que re-
side o cnsul niglcz, por um seu cozinbciro inelez,
chamado John de lal.consistindo o roubonos seguin-
tes ninectos ; tres casacas de panno; doze camisas
marcadas llenry I.ow; seis calcas e urna caixinha
de marroquim da Russia, corriendo sete navalhas
junto com um cabo de marfim e prata, mais .las
navalhas da Cliina com cabo preto; urna fivclla de
prata para collote ; urna colher de prata para cha,
o mais varias roupas de que ate agora nflo so pode
coiiliccer a ralla. O dito Inglez rondador tem a idade
de 40 annos pouco mais ou menos, de cor branca,
altura cinco pese setepollegadas, corposecco, ca-
bello e barba pouco e preto, e alguns brancos, na-
tural de Inglaterra; pertencia ao brigue ingle/ cha-
mado Prompt, e deserlou do bordo na Paraiba, e
chegou a esta cidade ha quinze das e depois residi
no nicsiuo sitio na qualidade de cozinheiro: por isso
roga-se a todas as autoridades civis e policiaes c a to-
das as pessoas a quemeonvier, que o facam mandar
prender; o a quem souber do dito roubo ou do au-
tor o mande ou dirija-se ao consulado britannico,
ra da Cruz, ou no mesmo sitio, que devidamente
ser correspondido com generosa recompensa.
Agencia de passaporlcs.
amado Collegio, n. 10, o no Alerro-da-Boa-
Vista loja n. 48, continuam-so a lirar passaportes
Unto para dentro, como para fra do imperio; assim
como despacham-su escravos : tudo com brevidado.
Vende-se, por 180,000 rs., urna preta de mcia
idade que nflo bebe e nem foge faz todo o sorvico
de urna casa, teboa quitandeira, o nao he achacada :
defronte da matriz da Itoa-Visla no primeiro an-
dar por cima da botica do Sr. Moreira.
SttMM!!;ro&tt3%
Compras.
Compram-se moloques de 12 a 16 annos, sem
defeito; pagam-se bem: no Recife, loja n. 20.
Ainda se continua a comprar cobras de viado
vivas para remedio : na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Compra-se um diccionario de Moraes ou Cons-
tancio em hom uso : as Cinco-Ponas, n. 71.
Compra-sc una agulha de marcar, cm bom
uso': na ra Direita n. 91, primeiro andar.
Vendas.
I'azercm estes recebimentos ; ficando cortos de que
qualquer pagamento aos mesmos Ferreira & Olivei-
ra, ou a oulro qualquer, he millo e mesmo pode
comprometiera quem o fizer eslabelecendo ctim-
plicidado com os ditos fallidos.
Oh que nflo, senhor, nos fizemos-lho intimar
que naousasse dellc.
E elle ohcdeceu .'
Sim, mas gritando que era urna perseguieflo.
E como se veste ello agora '.'
Ornos mais todos, senhor.
Entilo o nuio cxcmplo nflo he grande-
Como! senhor, um homem a quem se prohibe
pparecer, sabe V. magestade onde va i elle todos os
das ?
A'casa do marcchal de Lnxcmberg, de.M. de
Alcmhert, de madama d'Kpiuay.
Aoboliquim de Regencia, senhor! el joga o
xadrez todas asnoitcs, por eima, porque sempro
perde ; e todas ns nuiles preciso de urna palmilla pa-
ra vigiar as reunios que se lazem cm derredor da
casa.
Ora vamos, disse o rei, o_s Parisienses sflo ainda
mais tolos do que en os suppunha. Ileixai que su di-
viilam com isso, Sartines : eniquanto o fazem nflo
i'borarflo miseria.
Sim, senhor/*nias se um dia so luminar ello de
fazer discursos, coino em Londres ?
Oh entilo, como llavera delicio, e delicio pu-
blico, nflo lercis precisflo de urna ordem minha, Sar-
linos.
Vio oiiiiendcnlcdepoliciaqtica piisflo de Rous-
seau era um nicdida, de que o rei quera liviar a
rcs| onsabilidndn real, e por isso nflo insisti mais.
Agora, senhor, Irala-sc de oulro pbilosopho.
Ainda?respondcuo rei com demonstraros de
'"ligado; nflo acabaremos nos niais com rilesP
Obi senhor, sfloelles que nao acabam eom-
nosco
Edequal dellesso trata?
"oM.JcVoltairc.
Tanibc.m esse vollou a Franca ?
-7- Nflo, senhor, e onlcs voltura, porque ao menos
0 vigiramos,
Vende-se a posse de um terreno em S.-Amaro,
com 500 palmos de frente, no alinhamento da ra da
Aurora, efundo at a estrada nova do Hospicio,
todo junio ou relalha-sc na ra doQueimado, lo-
ja n. 8.
-- Vendem-se pecas com 20 varas de ma.lapolflo
encorpado, com toque de avara, proprio para for-
ro de obras, 011 roupa de meninos, a 2500 rs. a peca:
na ra estrella do Rozario, n. 10, terceiro andar.
Vendcpi-se por 600,000 rs., 100 palmos de
torra entre as duas pontos da estrada da Magdale-
na com quinhentosde fundo onde tem casa Joflo
Tdomaz Pereira o qual por sentones da rcHaclo es-
t obrigado a pagar cen mil rs annuaes emquanto
nao o entregar, dircito que se traspassar no titulo
da venda : quom os pretender annuncic.
Vende-se, para fra da provincia, um molequc
crioulo.de idade 13 para 14 annos: no principio da
ra de Dorias, Iravcssa de Sflo-Pedio, sobrado de um
andar, 11.15.
Vende-sc, por 350,000 rs., ou Iroca-se um es-
cravo de 18 annos, com principios do alfaiale, que
triibalba de sapateiro, c sabe cozinhar: na loja do Sr.
Meroz, a fallar com Henriquo de Azeredo Mello.
Vende-so urna escra va Je elegante figura de
20 annos, perfeita engnniinadcira, rostureira,que faz
todo o mais servico de una casa e que nflo he vicio-
sa ; uinadita boa cozindeira, docoira, que |engonima
c cose muito bem; um dita de 22 annos, por 400,000
- urna dita, cuja conducta se alianca. por 420,000
rs.
rs.; urna dita boa quitandeira e lavadeir, por 280/
rs. ; una dita boa lavadeir e quecozinha e com-
pra na ra por 200,000 rs.; urna dita de 25 annos ,
propria para o na to, por 200,000 rs.; 1 bonito 1110-
lcquedel2annos; um dito de 13 annos, para fra da
provincia ; um escravo de nacflo, de 24 annos pe-
rilo ollcial de pedreiroe canteo ; um dito para eli-
gen ho de 25 annos por 360,000 rs.; urna parda
boa ama de casa, por 300,000 js. : na ra de Agoas-
Verdes n. 46.
O barateiro da esquina do Livramento par-
% ticipa aos seus freguezes das boas pcehin-
. chas, que ello tem um novo e completo sor-
6 tmenlo de fazendas quo, a vista da boa qua-
Slo de boas pochinchas, das quaes se mencio- fe
nam algumas, como: corles de velludo dos fh
M mais modernos, a 5000 rs.; ditos de sotim \\
S de coros, com listras a 2500 e 3000 rs. ; se- 9
Ht da de cores para vestidos de senhora a 1000 S
#t rs. o covado; luvas do pellica para homem, *>
f tas de seda a 320 rs.; meias pintadas imi- 9
5 lando seda, muilo proprias para as seuhoras ^
ff audarem por casa a 320 rs. lencos ada- ut
a mascados muito finos cproprios para sendo- a
5* ra, a640rs ; um grande sortimento de ma- S
dapulOes de 2000 al 6000 rs. tirando-so W
jB entre ellos algum que imila panninho so JH
% com a differenca da qualidade ; um com- C
jm pleto sortimento de chitas, de 140,160 c 180 j
nP rs. c entro ellas appareccm algumas quo 9
<& pelo preco he u.na icchinoha ; bem como <
JH unianorcflodcfitaspretasde rctroz, a 640 M
K n a peca de 20 varas; um resto do roupa fei- S
2 ta para esclavos, que he urna pechincha, "
por ser cada urna peca do odra a 500 rs. ; J
Qi suspensorios de meia, proprios tambem pa- if
tfa ra os mesmos a 40 rs. ; e nutras militas fa- jU
fjjj fazendas por barato preco, c recebem-se co 9
f" dulas encarnadas do >o,000 rs. o brancas de **
2000 rs. m
Na botica da ra do Rangct, vrndrin-sc ot reme-
dios seguimos, dos quaes a experiencia tem confirmado
os mrlnores rlTeitos : de milico, que tem a propriedade
de Ii111p.11- os denles cariados, c resliluir-lhes a ci'.r es-
maltnda, cm mutto ppucos dias o uso dn dito reme-
dio foruTica as geniiivas e. lira o ino clieiro da bocea,
proveniente nao s da carie, como do trtaro que se
uue ao pescoco desles igaos ; o remedio he designado
pelos numeos 1." e i": urdan purgativa, mui til as
criancas e as pessoas de toda e qualquer idade ; tic com-
posta de substancias vegelaes, nao conten mercurio,
nem droga alguma que possa prejudiear: remedio para
curar calos, em poueos dias ; dito para curar dores ve-
nreas amigas e que leem resistido ao trata me rito fe-
ralmente applicado ; dito para provocar a mcuslriacao,
e acelerar a aeco do tero nos partos ualuraes cu.
que nao se precisa das manobra (cieiilificas da arle ;
dito para resolver tumores lyinpliaticos, vulgo glndu-
las ; dito para curar boubas < cravos seceos, o mais orn-
eas que se condece al aqui ; dito oximel de ferro, mili-
to u*'l na chlorotes, vulgarmente chamadas frialdades;
pos anli-biliosos de Manoel Lopes ; eapsoias de gelati-
na, contendo balsamo de cupaliiba ; ditas de oleo de
recinos purificado ; ditas de cubebas em p flno ; ditas
deassnfetida; ditas com pos purgantes; ditas de ruibardo
da Cliina; .litas le sulpliatode<|uiniiio de 1 e 2 graos cada
capsola ; algaleas, velinhas elsticas; pitillas de sal dora-
baciuho; agoa das Caldas, chegada proxiiiiainente; rei.ie-
dios que cura 111 a l'rialdadc dentro de 40dias,niesinoestan-
doinchado; oleo mu tu bom para conservar o cabollo.rjuc,
ali'm de nao deixar cahir o cabello, limpa a caspa, e
cilio uso continuado fai reapparecer o cabello perdido ;
jubilas espeiilieas para curar as gono.rlieas clironicas,
Suando a lesa., nao passa da ureta ; igualmente um xa-
rone anli-lii-morragico, applicado nos caos em queso
deita sangue pela bocea : o preco de todos estes reme-
dios be mui rasoavel, e os bous resultados da sua appii-
cacao he que rievam faer sua apologa.
Na Camlioa-do-Carmo n. 27, vendem-se nove bo-
las tle marfim pan jugo de hagalolla, por muito me-
nos de seu valor. t
-- ]Na loja de Gtumares, Se-
pa fim & C." vendem-se
-- Vendem-se gales de ouro
e ppnla, (inos, largos e estrellas ; e
compram-se dragonas usadas de
officiaes de primeira esegunda li-
nha : na ra Nova, n. 2, primei-
ro andar.
Vendem-seeffeclivamcnlo, das nove horasda ma-
nhila aleas quatro da larde, em a ra de S.-Fran-
cisco, anligainenlc .Mundo-Novo, n. 66, os scguinles
olassicos latinos; diccionario Magnum lexicn;dito
decomposiQ.lo; Selectas de dilTerentes edi(0es; F-
bulas; Virgilios; Horacios; Cornolios; Terencios; car-
tas do Cicero; Tilo l.ivio; Salustios; oracOes do Cice-
ro; s,il -i io traduzido ao pe da Ictlra.
Vendem-se bichas graudos e lambom se alu-
gam, por prec;o cnmmodn : no Aterro-tla-Hoa-Visla,
na primeira venda ao poda ponte, n. 2.
IR
Vcntlc-se na 111.1 da Crnz, n. a3
cera cm velas, le urna dos niel lio
res fabricas do l\o-tle-.laneiro
scrlimcnlo vontede do com|>ra- ffl
dor, fin caixas prqnenn.s, e por i]
preco mais liarato do que cm nu-
tra qualquer palle.
5
a
pannos
Vende se una poico de canos de
lineo, que servirn cm tanque d agoa ,
por preco commodo : na rua de Apollo,
no antigo porto das canoas, a fallar con
Jofto Esleves da Silva.
-- Veiule-sc um rel novo, por preco muilo cm con-
U: na rua da Cadcin-Velha, n. 60, segundo andar.
VEM)\ PABA I.IQI'lUACA.
Os adininislradoresda massa fallida de
J. L. Vianna vendem, lioje, yj do cor-
rente mez das tres horas ale o meio-
lia impreterivelmentc, na loja da rua da
Catlcia, 11. /|S, a tlinliciio de contado,
(conforme a delilieraciio tomaila cm reu-
niodc credoresVisolijectosque compoeni
o activo da mesma fallcncia a salier :
primeiro,calcado de liomciii ,sculioin,me-
nino, menina c enanca, Indo cm globo;se-
gundo, urna armaeo franceza, toda cn-
vidracada, sila no Alerro-da-l'oa-Vista,
11. >.] 5 terceiro, a armacao envidracadn,
sita na mesma loja da rua da Cadcia, com
balean corrido, banca e bancos e um can-
dieiro de tres bicos para loja ; (piarlo ,
dous iteiros de almario moderna cn-
vernizadosc envidiacados ; t|tiinto, tuna
carleirc com chave de segredn, cslnnle o
banco. Os pretendeules achario patentes
os objectes, os quaes sero entregues na
mesma occa.siao ao maior .11.'icennenio.
Vendem-se roquetes para padres por proco
commodo na praca da Independencia n. 19.
-- iV'a loja nova de Haymundo
Ca los J.eile, rua do Queimado,
n. 11, ha corles de chita lina, em-
papelados, e depadroes de ultimo
goslo, a 3^(<00 rs.; cltposdesol
finos, de cores, pelo baraio pie- d'hasles d'aco, e liscaaos frnnce-
co de 2^400 rs. o covado; e de
oulras mnilas qualidades, de va-
Que lo/ elle ?
Nao fui elle que fez, foram os seus partidistas :
nflo querrem nada menos do que lcvantar-lhe urna
estatua.
Equcstrc i'
Nflo, senhor, c todava he elle um famoso con-
quistador, posso allirma-lo.
I.uiz XV cncolheu os hombros.
Seiihur, nunca ninguem viocousa igual depois
do Poliorceles, continuou Sarlncs. Elle lom intcl-
ligencias por toda a parte, por toda a parle entra ;
os piimciros do reino de V. mageslade fazem-se
contrabandistas para introduzirom os seus litros
No oulro dia apprehcndi oitocaixOes cheios; dous
cram paral!, de Choiseul.
Elle he muito divertido.
__Senhor, no etitanto, note V. mageslade que se
faz por elle o que se faz pelos reis, vota-se-ldetima
estatua.
__Ninguem vola estatuas aos res, Sarlncs, clles
ho que as votam a si. E quem esta encarregado dessa
bella obra ? ,
O escultor l'igaie que parti para I erney almi
de executar o modelo. Entretanto chovem as subs-
cripces. lia ja seis mil escudos, e observe V. ma-
gestade que s os homens de lettras leem direito de
SBbscrevcr. Todos clioyam com a sua olTercnda.
He urna procissflo.' 0 proprio M. ttousseati deu os
seus dousluizes.
__Pois bem que queris que faca a isso? disso
Luiz XV. Nflo sou homem do lettras, nada leudo
com esse negocio.
-- Sondor, cu contava ter a honra de proprtr a
V. magestade acabar com senielhante demonstra-
Defts vos defenda dsso, Sartines. Em vez de
Ihe votarem urna estatua de bronze, votar-lh a-hiam
de ouro. Deixaios. Oh meu Dos, elle ha de ser
ainda mais feio em bronze, do que em carne o osso
nos precos.
Vcndc-soum escravo: no Alerro-da-Uoa-Vista,
55.
n.
Entilo V. magestade desoja que a colisa corra
osen turno.
Desoja; entondamo-nos, Sartines, atuja nflo
l.c o termo. Desojara por certo fazer parar issn ;
mas que queris ? Isso he impossivel. Ja l vai o
lempo, em que a realeza podia dizer ti philosophia,
como Dos disse 110 Ocano : Nflo passars daqui.
Gritar sqm resultado, alirar o golpe sem ferir, seria
mostrara nossa fraquoza. Desviemos os uldos, Satv
lines, e facamosque nflo vemos.
Sartines soltou um suspiro.
Sendor, disse elle, se nflo castigamos os do-
mens, ao menos dcstriiamos-ldcs as obras. Aqui
est urna lista dolas, que he urgente fazer proeessai ;
porque unas atacam o throno, oulras o aliar, unas
contem rebelliflo, oulras sacrilegio.
I.uiz XV pegn na lisia, e leu com voz amorteci-
da :
O Contagio sagrado, ou lstorin natural dn su -
porstiQflo; Syslcma da natureza, ou l.eisdo mundo
physico c moral; Dos e os Homens ; Discurso sobro
os milagros do Josus-Chiislo ; InsIruccOes do Capu-
cbiulio de llagusa a fre Peduicloso ao partir para a
Terra-Santa.
Ainda o rei nflo eslava na qnarla parte da lista, o
dcixou cahir o papel; as suas feicocs, de ordinario
serenas, toma rom singular expressflo do tristeza o
desanimo.
Por alguns instantes ficou ello pensativo, absorto
e como aniquilado.
Islo seria alvorotar tudo, Sartines, muimurou
ello ; outros que o emprehendam.
Oldava-o Sartines com cssa perspicacia, que Luiz
XV lauto cstimava ver nos seus ministros, porque Ihe
poupava o Irabalho do pensamento ou da aceflo.
Tranquiltidadc nflo ho islo, senhor ? Irn-
quillidadedeo que ei-n-i <>ier, disse Sartines.
1 Orei baloicou acabeca.
zes dos mi lli.respadrdesque lia:
Indo baralissimo.
Vendem-se oculos de alcance, por
preco commodo, na rua da Cadeia do Hc-
cife, n. 3o.
Od '. meu Dos, de verdade, outra rousa nflo
peco aos vossos pdilosophos, aos vossos encyclopc-
distus, tdaumalurgos, Iluminados, poetas, econo-
mistas, gazeteiros, questirgein nflo se i donde, e que
rngcm, cscrevem, grasnam, calumnian!, oaleulam,
pregam o gritam. Deom-ldes coras, fundam-llies
estatuas, ediliqucm-llics templos; com tanto que
me deixcm soeegado.
Sartines lovantoii-so, sandou o rei, e rotirou-so
rosnando:
Felizmente est escripto as non? mcelas
Domine, talrum fac regem.
Quaudo I.uiz XV se vio sozinlm, pegn d'uni.i
pruna ocscrcveu ao dclpdini:
Pedistes-me que dossn prossa chegada da se-
nhora ilolphina ; quero fazer-vos oslo gosto.
Don ordem para que se nflo paro em Noyon, por
conseguinle terca-feira demanlifla estara ella en
Compiognn.
. En mesmo la eslarei s dez horas oin ponto, isto
he, um quarto d'dora antes della,
Ueste niodo, disso elle, licarei desembaraca-
do dessa asneira da apresentaeflo, que me atormenla
mais do que M. de Vollaire, do que M. Itousseau, o
do que todos os pdilosophos prsenlos e futuros.
Isso sera enlflo um negocio entro a pobre eondessu.
o dclpliim e a delpdina. Laso avenham desv:einos
um |ouco os desgostos, os odios o as vingancus
para a gente moca, que toin forca para lular com
olios. Aprenda assim a soffrcr, que isso cultiva o
espirito.
E salisfeito do davor assim arredado de si as dif-
(lculdatlcs, corlo de que ninguem o poderia censurar
de davor favorecido ou impedido a apresentaco,
que oceupava Paris ntoira, o re melleu-se na car-
ruagem e parti para Marlv, onde a corte o esperava.
Continuar-H-ha\
i'


*
Vende-se sal em grandes e pequeas porgues :
na rna da Moeda, armazem n. 7.
Aa loja de Guimares Se-
rafim & Companhia, confronte
ao arco de S -Amonio, ti. 5, ven*
dem-se lencos de vapor, de pa-
droes modernos, pelo barato pre-
co de 480 rs, cada um ; lencos
francezes de cores finas e ixas ,
fingindo seda a 480 rs. cada um;
brim escuro ranccz (raneado, de
puro linlio, 720 rs. a vara.
= Vende-se potas branca de superior qualidade,
em barrij pequeos; em caa de Matbeua Auitin di
Companhia, na na da Alfandega-Velha, n. 36.
Vendc-sc cal virgem em nielas barrica) chega-
da prximamente, por preco coinmodo; na ra da
Moeda arniazeni n. 15.
FERRO! FERRO,
de todas as qualidados e cooro para forro de navio,
ilc ix ate -2H ongas, era grandes e pequeas parti-
das : no armazem de A. V.da Silva Barroca, defron-
te da igreja da Madre-de-Deos.
= \ i-ii iii-i i si- iniii'iiiias de Ierro para engenlioa de ai-
anrar, para vapor, agua c bestas, de diversos lmannos,
por preco cummodo ; e igualmente taixas de ferro coado
e balido, de Codos os lmannos: na praca do Corpo-San-
lo, n. II, em casa de Me. Calmont o Companhia, ou na
rna de Apollo, aruiazein, n. 6.
Casa da F,
na ra estreita do Hozario, n. G.
Nesta casa ariiam-sc a venda as cautela da lote-
ra da obras da matriz da cidade da Victoria; da qual
amlam as rodas no dia 29 do crrante. A ellas quo
silo poueas : os prego* silo os do coslume.
- Vende-se polass i branca, da
mais nova e superior que ha oes-
te mercado, por mdico preco:
na ra da Cadeia-Velba, armazem
n. 12, de Dallar ^"Oliveii a.
nrn.if ha,p0r,mrit0 ba,Ta,-u PWo^Mgut*) de do Trapicho, n. 8, casa de%>nry Forster & Compa-
puroluiho emuilo lino; plalilha de linho ; eoutras nliia, v
muitas fazendas que sero patentes aoa comprado-
res e por barato preco.
: < Vende-se sarja do seda larga, despatillla,
muito superior; setim de varias qualidadcs
para vestido; dito de Maceo para cohete,
o mais superior que ha; casimira [treta,
elstica, superior; panno prelo muito lino;
dito de cores, de todas asqualidades ; vel-
ludo preto; merino preto do todas as qua-
liilailes; dito, o niaissuperior quelcinap-
,] parecido; chamalplc; casimiras francezas,
i sem pello, do bonitas cores; damascos para
pfl colxas, muito superiores c debons gostos;
r'i eoutras militas fazendas que a vista dos
'."$ presos e da sua qualidade o comprador nfio
**> deixara de comprar : na nova loja da ra
M do Queimado, nos quatro-eanlos, casa
"Jsfl amarella, n. 29.
Htj
CARNAUBA.
No armazem de farinbado caes do Collegio, con-
tina-se a vender cera de carnauba, por preco com-
modo tanto em porgos como a retnlho c he che-
gadj agora urna porciio da melhor qualidade que tem
pparccido.
A Na loja de Gminares Scrafim
& Companhia confronle ao ar-
co de S.-Antonio, n. 5, vendem-
se casimiras francezas, sem pel-
lo finas de lindos padres, e
pelas pelo barato prego de 2500
rs. o covado ; ricos cortes de cha-
l de la e seda, com barra, a doze
mil rs. o corte.
Vende-seuma preta mota, do bonita figura,
quecozinha, lava,e tem principio de engomniado ;
urna mulatinha de 15 annos, boa parase acabar do
educar: vendem-se estes escravos muito om conta :
no pateo do Carmo loja do sobrado n. 7.
Vende-se azeite fino de gersclim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de carrapalo, na ra
da Seuzala-Velha, n. lio.
Vendem-se cal virgem em meias barricas, che-
gada prximamente; caixas vasias para assucar;
urna p0r5.no de pesos de Trro do 2 arrobas; sorras
grandes para serrar madeiras ; tudoporprego com-
niodo : na ra da Moeda armazem n. 15.
AVISO
aos Srs. de engenho
Ka ra do Crespo, loja n.I2,
de Jos Joaqnin da Silva
Maya, vendem-se
cobertores de algodflo, muito encorpados, proprios
para escravos; bem como urna fazenda de linho
imitarlo de estopa forte e propria para roupa de
escravos e saceos para assucar; ludo por prego mui-
to barato.
*- Na loja de Guimares Se
rafim & Companhia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven*
dem-se cassas finas, largas e fian
cezas, pelo baralo preco de 480
rs. avara; chitas francezas, lar
#as, a 280 rs. o covado.
Vendem-se 10 escravos, sondo : urna preta, boa
eriRommadeira ; 3 ditas de 15a 25 annos, com ha-
bilidades; urna mulatinha de 15 annos ; 2 moloques
de elegantes figuras; um arelo cano'eiro; um dito
bomcozinheiro ; um dito do ser vico de campo : no
patcodaMalrz,n.4.
Vendem-se 2 lindos moleques de 14 a 16 annos;
um dito de 7 annos ; um pardo ptimo para pagem ,
de 18annos, eque he bastante hbil para outro qual-
quer servigo; um dito de 10 annos; urna preta de 25
annos, com habilidades; urna ncgrinhado7 annos;
urna preta de idade, por 200,000 rs : na ra do1
Collegio n. 3, segumlo andar.
Vendem-se 3 pretos moros, ptimos para o
servigo de campo c da praca; um mulatinho de lfi
annos, do muilo bonita figura d-se muito
conta, por precisar de um pequeo curativo; _
moleque do 12 annos; 3 pretas mocas, que cozinham,
lavam e engommam; duas ditas quitaudeiras; 3 par-
das mocas, sendo urna dolas pe -taita engommadei-
ra costureira e cozinheira : na ra do Crespo, n.
10, primeiro daar.
Vendem-se, na na do Trapiche-Novo, n. 18,
om casa de Frederico Robilliard, os seguintcs gne-
ros : massas sortidas ; cerveja branca e preta em
garrafas ; dita preta em botijas, a melhor que tem
viudo a este mercado; ago'ardento de Franca, em
gnrrafes; azeite doce lino engarrafado; pos pre-
tos; papel llrete o de enlbrulho; sellins inlezcs com
seus pertences; ludo de superior qualidade e por
preco muito commodo.
AOS 20:000,000 DE RElS.
Vendem-se mcios bilhetes, quartos, oitavos c vi-
gsimos da lotera a beneficio do convento de S.-An-
tonio elambom a beneficio da matriz do Coar,
que tem de se extrahir no Rio-de-Janeiro a 30 do
crrente : no Recife, loja de cambio do Sr Vieira. A
ellos i dos de S.-Antomo) antes quo chegue o vapor
com a lista.
Vendem-se 4 pretas e dous pretos do bonitas
liguas, viudos prximamente do Aracalv : na ra
do Vigario n. 5.
Vende-se,
Na ra da Larangetrat, n. 14 segundo
andar,
um pardo de 22 annos, debonita figuro
e de boa conducta, sem vicios nem acha-
ques ; um moleque de 18 annos, de bo-
nita figura, muito forte e sadio sm vi-
cios nem achaques; um preto de nacSo,
bom canoeiro de 36 annos, muito for-
te ; urna preta de naco, de 38 annos,
3ue cozinha o diario de tima casa lava
e sabfio e varrella; urna dita de bonita
figura, que cozinha e engomma, sem
vicios nem achaques-
Vendem-se cadeiras de angico, por menos pre-
go do que em outra qualquer parte : na ra Imperial
M, 145.
Vende-sc urna preta de nacflo Angola, de 20
annos, de bonita figura cose e engomma com per-
reicao c cozinha o diario de urna casa : na ra
da Cadea do Recife, n. 25, segundo andar.
Vende-so urna commoda; um toucador com
muilopouco uso; umfogareirogrande, de cobro;
e mais alguns objectos : na ra da Senzalla-Velha ,
50.
Vendem-se chapeos de palha da Italia fi-
nos, chegados prximamente; ditos do Chi-
li, finos; oleados em pecas e a retalho de
varias qualidades; superiores chapeos de castor,
broncos, do ullimo gosto; ditos de outras qualida-
des pretos, da ultima moda; assim como perten-
ces para fabrico dos mesinos ; tudo por mdico pre-
co : na praca da Independencia, loja e fabrica do
chapeos, ns. 24, 26 e 28, de Joaquim de Oliveira
Maya.
JLi
Vendem-se 6 escravas e um escravo, mogos, de
boas figuras, com algumas habilidades: na ra do
Queimado com Trente para o pateo do Collegio
n 33, segundo andar.
Vendem-se varios escravos mocos, de bonitas
figurase com habilidades usem ellas: na ra No-
va, n. 40.
Vende-se mu sobrado de um andar e sotSo si-
to na ra da Aurora n. 34 : a tratar na inesma ra ,
na primoira casa terrea, n. 50.
Vendem-se charutos regala de S.-Flix, os
mais superiores possiveis; ditos chamados cigarros
de la fama, feitos na Baha,de fumo do anno passado;
ditos feitos na trra, muito superiores ; fumoem ra-
ma, de primeira e segunda qualidade por prego
muito commodo: na fabrica da ra Direita defron-
te da travessa da l'enlia.
Vendem-se sarjas pretas e meias pretas de se-
da e algodflo, de muito boa qualidade, por prego
commodo : na ra do Trapicho, ti. 16.
8, vendem-se compendios resumidos de potica
com o titulo de Breves nogoes de potica impres-
sosem outubro do anno passado, proprios das au-
las para as quaes for/fo compostos por um profes-
sor substituto de rhetorica : prego topo rs.
Vende-se urna venda com poucos fundos no
boceo dos Portos, no fundo da casa n. 48, da ru'a (|a
Senzalla-Velha: a tratar na mesma Yenda.
Vende-se cera amarella em porgSo : no es-
criptorio deRidguay Jamison & Companhia na ru"
da Cruz, n. 13.
Vendem-se 75bonecas francezas, nuas, com
seus competentes cabellos, para serem vestidas
de qualquer maneira, a 120 rs., tenias : na ra
ova, n. 18.
Vende-se utna preta do gentio de Angola pro-
pria para engenho, por ter sido seare a sua o
cupagSo, por 250,000 rs. : na ra da Cadeii do lie
cife, n. 32.
Vende-se urna mesa redonda, de mco desa-
la; um par do bancas; urna cama de armagflo com
escada tudo de Jacaranda e de muito bom costo
ma tro mingas de vidro lavradas, sendo caria par di'
differente gosto; 12 colheres de cha ; 13ditas de
sopa; urna dita de tirar sopa ; um tirador de as-
sucar, tudo de prata; assim como varias obras de
ouro com diamantes : na Boa-Vista, ra do Pire*
Vendem-se
redes do Maranhuo, do muito boa qualidade : na rua
da Cadeia-Velha n. 30.
Vendem-se sapatos inglczes de todas as qua-
lidades ditos francezes : na praca da Independen
cia ns. 13 of5.
Vendem-se os preparas de um agougue,sendo
tarimba, pesos, balangas c 3 grades jle porta na
praca da Independencia, ns, 13 e 15.
Vende-se um relogio de ou ro, de molde mo-
derno : na rua do Hospicio, n. 5.
Escravos Fgidos.
VELAS DE CERA DO RIO-DE-JANEIRO.
Vende-se completo sorlimento de urna a 16 c bo-
giasde4, 5 e6 : no armazem de Alves Vianna na
rua da Senzalla-Velha, n. 110
Vende-se, ou permuta-se por um sitio perto da
praga urna excehente casa terrea com bastantes
eummoilos para urna grande familia, sita nesta pre-
ga : na rua Imperial, n. 9.
-Vendem-se libras de retroz preto do primeira
qualidade por prego barato; resmas do papel ai-
mago brancoe azul; ditas de peso azul; linha de
carretel de 200 jardas : na praga da Independencia ,
loja do miudezas, n. I.
Na rua do Crespo,
loja n. I a, de Jos Joaquim
da Silva May,
vende-se superior sarja preta hospanhola ; nobreza
rxa muito superior e muilo propria para capas
doSr. dos Passos eoutras irmandades; ricos cortes
de seda para vestido de senhora ; meias de seda pre-
tas o brancas, asmis superiores que teem appnre-
cido, tanto para homein como para senhora; uvas
de seda ; chales de seda muito modernos e de
Panno de linho puro, a 600
rs. a vara.
Na loja nova de Kaymundo
Carlos Leite, rua do Queimado,
n. II, acha-se um novo sorlimen-
to de fazendas finas e baratas; as*|
sim como panno de linho,
pecas de 15 varas; a nova pelle
do (liaho, a 400 rs. o covado; len-
cos de seda, peouenos, pioprios
para meninas, a 640 rs.; e os pan-
nos finos so prefer veis aos d'ou-
tra parle, tanto pelo preco, como
por seren novos na loja.
Vende-se um preto crioulo,' mogo, proprio
para todo o servigo, principalmente para agricultu-
ra por ter sido ocupado neste servigo : no Recife ,
ao p da Conceigfio casa de Joo Jos de Carvalho
Moracs.
Admirareis
navallias de ac da China,
Teem a vantagemdccortaro cabello sem offenga
da pelle, deixando a cara parecendo estar na sua
brilhantc mocidade.
Esteagovem exclusivamente da China, o s nellc
trabalham dous dos melhorcse mais abalisados cu-
tilciros da nunca excedida erica cidade de Pekn),
capital do imperio da China.
ALTOR SHAW.
N. B. He recommendado o uso deslas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das sciencias
mcdico-crrurgicas, tanto da Europa como da Ame-
rica, Asia e frica, nfio s para prevenir as molestias
da cutis mas tambem como um meio
COSMTICO.
| Vendem-se na rua do Crespo, n. 8, loja do Cam-
II pos & Maya.
Vendem-se os seguintes livros: Viagens de
Anarchizes, 9 v. ; Deveres completos de Bernardino
deS.-Prire, 19 v.; La Morale l'niversale pelo bardo
dcHolbark,3 v.; Tratado do testamento, porGq-
veia Pinto ; tudo em bom uso, por prego commodo :
na rua Nova, n. 65, primeiro andar.
rugio, ha pouco tempo, um preto, de nome
Ignacio, de nagilo Mina, consta ter mudado o nome
para o de Manoel, e inculca-se forro; tem os ns al-
guma cousa grossos e anda quasi peiado ; tem o ca-
bello muito carapinhado ealgumacousa rugo, com
bastantes marcas de bexigas no rosto, nariz um tan-
to grosso. Roga-se as autoridades polciaes ou ou-
tra qualquer pessoa que o pegar, de levara ruada
Aurora, n. 8, casa de Joflo Pinto de Lomos Jnior.
Fugo, no dia 10 de setembro do prximo
passado, da villa de S.-Jos-do-Pcchm,
um escravo, de nome Candido crioulo,
alto o grosso, bem barbado j pinta
bastante a barba, que com reparo se v,
urna cicatriz que mal se percebe em um dos ps por
baixodocalcanhar proveniente de umcravo.ps
grandes e apalhetados, orelhas regulares boa pln-
sionomia ; tem o andar meoaccelerado, muito me-
tido a pachnla, bem cachaceiro, trabalha em ruca,
bom carreiro e entendo do trabalho de gado; julga-se
ter falta de dentes; levou camisa c ccroulas de I-
godfioda trra : quemo pegar leve a casa de Manoel
JosCongalves Braga em Pernambuco, que recom-
pensar
l Fugo, no da 18 do crrante, urna negrnlia,
rjS ilo nome Marcianna, de 12 a 14 anuos, com
una queimadura na face esquerda, umaempi-
gem na direita e una outra queimadura na peroa
direita ; levou vestidorxo e panno da Costa; tem
cabello corlado : quem a pegar leve ao Passco-Pu-
blico, fabrica de chapeos de sol, que ser genero-
samente recompensado.
Fugio, no dia 19 do crranle, nina preta, de
nome Margarida, crioula de 28 annos, baixa,
bem preta cheia docorpo; tem algumas mar-
cas de panno pelo pcito ; levou vestido de chita en-
carnada escura com ramagem branca e panno Costa: quem a pegar leve ao largo do Corpo^Santo,
n. 13, que ser generosamente recompensado.
Anda fufiiJa, desde outubro, a preta Mura, Con-
ga, estatura buixa; reprsenla mais de cincoentaan-
nos; com uns calombos pela testa, marca de sua Ier-
ra: qualquer pessoa que a pegar, perder leva-la ni
rua da Senzalla-Velha n. 70, que ser recompen-
sada. ^
J\a rua do Crespo,
loja i>. I'2, de Jos Joaquim
da hilva Maya,
vende-se alpaca preta aSOOrs, o'covado; dita muito
lina, prota o de cores por barato prego ; merino
preto, muito superior ; panno lino preto e de co-
res; casimiras elsticas, do duas larguras, para
caigas, a 6000 rs. o corte; velludo ; gorgurSo de se-
da ; sel i ni pura collete; tudo por prego commodo ;
fustoes para cohetes; e outras muitas fazendas,
tanto para caigas como para vestidos de senhora ;
tudo pelo barato.
~ Vende-seuma balanga com pesos de 16 libras a
meia quarta, conchas de pao o crranles de bronze;
um terno de medidas de pao de meio alqueire a
meiooitavo; 2 temos de medidas de folha ; um fu-
nil de pao : na rua do Codorniz, n. !).
Vcndcm-so garrafas pretas, em gigos e ou-
tros gneros, por prego barato : na travessa da Ma-
dre-de-lteos armazem n, 9.
Vende-so um preto de 20 annos pouco mais ou
menos, proprio para todo o servigo; urna preta boa
lavadeira, eque cozinha e cose sofl'rivelmeute ; um
mulatinho
ME IOS DE SOLA.
Vendem-se mil meios de sola, chegados ltima-
mente de muito boa qualidade, propria para em-
barcar para a Europa,por serem de bom peso: no ar-
mazem doSr. Ilemeterio Maciel da Silva, na rua dos
Tanoeiros, no Recife.
- Vendem-se ou alugam-se duas canoas de car-
regar araia, o que pegam om SOOtijolos : em S. Ama-
ro, venda defronte da fundigo.
Vende se um piano horizontal, in-
lez, em meio uso, e com muilo boas vo-
zes, por preco commodo : a fallar com Jos
Joaquim da Silva Maya,na rua do Crespo,
loja n. i a
Vende-se um tanque que serve de deposito de
agoa, e que lova 400a 500 cargasde mel, felto de
madera de amarallo gateado de sicupira sem le-
var prego algum por prego commodo, e mesmo a
prazo com garanta : na rua do Collegio, n. 9.
Ora, jia rerdade o
baraleiro esl vendendo
por lodo o dinheiro!
O anligo barateiro est queimando a troco do ba-
rato.na sua nova loja de miudezas da rua do Colle-
gio.n. 9, umnovo sortimento de chapeos de sol, para
Sr.1, pelo anligo preco de 2880 rs. cada um ; papel
de peso inglez, de primeira sorte a 1760 rs. a res-
ma e meia dita a 880 rs.; lengos de gorguro de co-
res, a 1200 rs. cada um: caixas eagulheiros de agu-
Ihas francezas, de fundo dourado o azul, a MO rs.
cada urna ; carreleis de linha, a 320 rs. a duzia ,azu-
S.-Antonio, n. 25
Vendem-se a plices daextincta companhia d
l ernambucoe Parahiba para pagamentos a mesma;
de 14 annos .proprio para pagem ouj lada primeira sorte; carteiraVde algibeira,
para aprender qualquer oficio : na rua da Cadcia de rs cadi urna; caixinhas com 100 pennas de marlm ,
a 320 rs. cada urna ; pelles do marroquim a 1280
rs. cada urna ; carapucasde algodfio de cores, a 160
rs. cada urna ; ri quissimas tesouras linas, para cos-
tura e urdas ; e outras muitas miudezas, por prego
mais barato dio que em outra qualquer parte.
Na hvraria da praga da Independencia ,'ns. 6 c
Fugiram no dia 27 do dozembro, do si-
tio Campia do engenho Cumbe-de-Bai
xo 2 escravos : Thomaz, crioulo, do i\
annos, baixo o grosso, ps requenos
unhasmui perfeitase vermelhas, oanel
as finas, rosto redondo e carnudo ,-pouca barba,
dentes podres, ventas arrezagadas, olhos um tanto
vermelnos.cabega comprida com urna ferida ni
nema e cravos do boubas nos ps : Antonio, criou-
lo de 22 annos pouco mais ou menos altura indi-
que ordinaria, peritas linas e mais compridasque o
corpo tun tanto cabido para diante, cspadaiulo,
mSoseps grandes unhasroxas, cabega redonda,
rosto descarnado, principia a bugar, dentes bons,
beigosdobrados olhos (trancos, e quando fita a vis-
ta aperta-os; levou dous cavallos, sendo : umrai-
lanho-amarello, do 7 para 8 annos, pequeo, carre-
gador, corpo dobrado cseos rasos e redondo*,
p direito calgado at o meio do peador, signa! ro-
berto, um tanto carcundo, cabega bem feita e des-
carnada urna grande estrella na tcsla denlro da
3ual tem cinco pintas grandes da cor do corpo; tem
ous ferros no qnarlo direito sendo o de cima um
R como lado convexo voltado para cima, una liaste
puxada para baixo lindando em um C o outro igno-
ra-se, e nfio he castrado : o outro cavallo rodado-
claro de meio tamanho de 8 annos, castrado, cas-
cos brancos, um mal de besla em um dos ps o mo.
na poma esquerda pela parle de dentro tem urna ci-
catriz de um espravlo e na mesma pelo lado fra um O, no meio do espinhago urna cicatriz oV
bexiga na sarnelha urna fcridaaf lio carregador e
ignora-seo ferro. Quem os pegar leve ao dito si|i.
ou na praga ao Sr1 Francisco Ignacio Ferr ira Das>
morador na rua da Pcnha que ser bem recompen-
sado.
-- Do engenho l.aga-Vcrmelha, ribeira do Ceb'
tuba, provincia de Alagoas, ausentou-sc, no dia 21"
passado, um escravo de nome Benedicto, nagfo Ca"1'
binda; tem urna ferida no calcanhar do p esuuoruo.
anda vagabundo, dizendo que scu Sr. o deilara p'ra
fra de casa, por o nfio querer tratar: a pessoa qi"'
o pegar, leve-o no dito engenho, ou no flccife, na rua
da Cadeia, loja n. 20, que sera recompensada.
PEBN. NA TTP, DEM. F. DE FAMA. 1^7'
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECYK6L6U9_917179 INGEST_TIME 2013-04-30T21:05:10Z PACKAGE AA00011611_09726
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES