Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09717


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-Ijipo *> 18**
Sabbad Ifi

, ,p/0 puMIwae ""t" *.,"'i' <,0 5
. miara o l,rev d" a,'gnl,ra he dc
" '" i nuarttl. V* dianladns. Oj 11
id r-.l' .: .......... sao Inseridos a rasSo le
"'" "'.TaMii'"""" 5a" "eriHoj r.aao le
<""** Tilia 1" M em lvpo <,ifl>rn,e> e a
l""''Cnel'"iel>'e- (-' 1ue ""' f rem ""'S"
.^lOri porliuba, 100 era typo
SES DA LA NO ME* DE JANEIRO.
i.;. 1 05 JI minuto da tarde.
LcTiei". t- k ,,.,, |g rajn. cja
I .n:"Jllle'
I ki'bo'. '
I flf"-
VI9 >> ----------
as lior e U rain, da Urrle.
,10 s K' liorai I mi- da Urde.
"""".. l' I hora e67 rain. da maoha.
PARTIDA DOS CORUEIS. .
Coiannae Paraliylia, a segundas escitas fein,s.
Rie-Gninde-dn-orle quimas feiras aoineio-dia.
Cal, SerinliSem, Rio-Fortnoso, Poito-Calvo e
Macelo no I.", a II e 51 de cada mei.
(iaratdiuns e Houilo. a 10 e 21.
Km-Vista e Flore. II11.
Victoria, s quintas fcins.
Oliuda, todos os da.
PREAMA'A DE 110JE.
Primelra, s l lio. as t Ai minutos da tarde.
Segunda, s 4 llorase 0 minutos dn maulifia.
de Janeiro.
Atin XXI I.
N.H.
DAS DA SEMANA.
dos orpli.,
i Seauud. S llrcino. And .lo J dos
'rrdoeda^.doJ M..U.
12 Terca. S. SaWn. And do J. do oiv. da I
. e\lo I. de pai do I t. de
IS Quarta S. Hilario. Aud do >. do C.V. da 1
v. c do J. de paz do I dist de t.
U Quinta. S. Felit. And do J. de orpli.. do
J. ir.imic.ipnl da I vara. .
14 Seil. r. Amaro. Aud. do I. do civ. dal.
t e do J. de p7.do l. disi.de t. t
in SabLado. S. LtrceUo. Aud do J. doc.v. da
l. v e do J de pai n Domingo. OS. Nomo de Jess.
CAMBIOS NO DA 14 DE JANEIRO.
Cambio sobra Londres I d. por I fr. "<
a l',ns)Sr por franca.
n Lisboa 9 de premio.
Pese, dele, de boas lirjn- &&&' &*%
0ro-O.ica lespanbolJ...
,, Moedasde#W>ovelli.
,, ileOftoi'imv..
. detono.....
I'ral.i Pa.acucs.........
u Pesos columna.es. .
ii Ditos mexicanos ...
' Muda........ "> por cento.
Acriead.comp.do HeBaribe deSOfMO rs.ao par
2Sf!>0fl
i ; #nii0 a
I afn a
flton a
)WI :i
Sjoli a
ifM a
I9JM0
pao
injnon
jfoon
2{|nii
ijjooo
||760
DIARIO DE PERWAMBUCO.
PASTE OFF1CUL.____
Commandoias armas.
0UARTEM.KNK1.AL NA CIDADE D RECIFE, 22
DE DEZEMBRO DE 1846.
ORBM DO DIANUMRRO 141.
n-orilem do Sr. Iirigaileiro Antonio Crrela Sera,
fommuntUnledas armas dcsta provincia, publicam-
* para que lenham restrictamente execueflo, aspro-
il&esabaxo transcriptas, datadas de 2b de outubro
ultimo, que pelo concclho supremo militar .he lo-
nm enderecadas, em portara de 4 de novembro pro-
xo passado.assignada pelolllm. e Exm. Sr. mare-
i hal de campo secretario do mesmo concclho :
llanda Sua mageslade o Imperador, pelo conec-
llio supremo militar, remetter ao commandante das
armas da provincia dc l'ernamjmco para sua intclli-
f-encia a execuefio na parte que Iho toca, as copias
, "lusas, assigna.las por JoSo BaptiaU Ferre.ra, oID-
inl-mair da secretaria do meamo conreino, das
duas nrovisoes, datadas.de 26 de outubro do presen-
te anuo, urna relativa a ingerencia quedevent teros
commandanles das armas sobre as companhias de
artilices dos arsenaes de guerra, e outra sobre a ma-
neira por que devem ser considerados os olliciaes ro-
Secrelaria do concclho supremo militar, 4 de
novembro de 1846. Antonio Ehiarto deMtrandie
llrilo.
. Dom Pedro, por gr*ta,/ Daoaeunnime acclamavo
dot poro, imperador constitucional t defentor perpe-
tuo do Bratit.
ros, visto as circumstancias peculiares das mencio-
nadas companhias. Pelo que, mando a autortdade a
quem compete, c majs pessoas a quem oconhccimen-
to della pertoncer, a cumprnm e guardem to intei-
ramente como devem c nella su contm. Sua Mages-
tade o Imperador o mandou pelos membros do con-
celho supromo militar abaixo assignados. -- Joo
i. Sua MagesUdc o Imperador o mandou pelos
membros do concelho supremo militar abaixo assig-
nados. MofaptittaFerrtira atezneala ciWo oci-
dade do Itio-de-Janeiro, aos 26 das do me/ de ou li-
bro doanno do nascimento dc Nosso Senhor Jesiis-
ChrisUide.8W.~0 concelheiro, AMono F.hxaoa
dc Miranda e llrilo, vogal servindo de secretario de
O concelheiro, nlomo Ehiario d Miranda e Unto
EXTERIOR.
I" tUIKClIiriiU, /iraw"v *"---- -----------
vocal servindo de secretario de guerra, a fez escrever
e subscreveu.-- Jo** Joaquim de Lima t Silva.- Iran-
citco de Paula Vasconctlloi. -Est conforme. ;o /opi'fn/'frrera.
Dom Pedro, por graca de f)eo$ e unnime acclamacilo
dos potos. Imperador constitucional e defensor perpe-
tuo do Brasil.
Kaco saber aos que esta minha provisuo virem,
que subindo minha augusta presenca urna consul-
ta do concclho supremo militar, datada de9 do cr-
reme mex, a que mandei proceder sobre o ollicio de
6 de iunho do presente anuo, do brigadeiro comman-
dante das armas da provincia de l'crnambuco, em
que ponderava os inconvenientesque resulta ni de cs-
tarem as companhias dc artfices dos arsenaes em
quasi completa independencia dos commandantes
das armas; e conformando-me inteiramcnle Tom o
parecer do concclho: hci por bem, por.minna imme-
ifriata e imperial resoluto de 14 do correte, mandar
declarar: ,
u I. Que os commandantes das armas, no uts-
cmpriihodaa suasattribuc.Oes, marcadas no rcgtila-
ineiilo n. 293, de 8 dc maio de 1843, devem expedir
as suas ordene s companhias do artfices dos arse-
naes de guerra, e exigir a cxecucj.o dellas, sobre ob-
jeclos convenientes disciplina, economa e admi-
nistraeflo militar, em virtudc do disposto as Icis e
determnaeno dogoverno geral ou provincial ;ue
maneira, porcm, quetam ordena se nilo ^onlrem
com as attribuicOes dos directores dos ditos arstV
unos, c con. os deveros a que sejau. abrigados os in-
dividuos daquellas comp-.ihia, em cum| nmento
de preceilos tiestas ultimas autoridades, a quem sno
subordinados. j -..-m,
,. 2- Que os directores dos arsenaes de gucira,
tendo a liscalisacHo, delalhe do servigo o B-ycrno im-
mcdialo sobre todas as pracas das comnwhM> "
tilicos,as funccOcs internasdestes-f^eJ^c'mvennl|
mo devem inUomellCMe no que tor laUvo aos
objectos meramente militares acuna mJ'^j l"c
pertencem a inspecclo e encargo ^.^mmandanas
das companhias do artificea ; cumpr* oliedecerem as
sobreditas autoridades na parle que compete a cada
urna, conformo ica expendido : devendo, poi; tanto,
receber do quartel-genural o santo e ordens vico, romeltend-lhc os mappas, paites, llirorm*"
res e mais documentos que sito obligados os com-
mandantcs de corpos ; a oxcepqo tilo somenie ua-
quelles papis que forcm reconhecidos dcsni.cesa
Faco saber aos que esta minha proviso viren,
nue tendo o concelho supremo militar, em sua con-
sulta, datada dc 18 do me/ prximo pasaado.fe. o
checar ao meu soberano conhecimenlo, quo, quando
os decretos, pelos quaes concedo AtkaM^Mifll
olliciaes, nflo deelaram expressamenle os oostos em
que devem ser rcormados, competindo ao niesmo
tribunal fa/era dita declarac.no, o quo tem lugar poi
seu despachado lancado no 'cquer.ment .b ag.a-
ciado, a vista da f do ofiicio destes, a face da Icgis-
laciio vigente, edepois do inteirado de todas as cn-
cumstancias conducentes a matnri ; Mpudoo
sold que deve ser-lhes abonado, segundo a taren
quelhespertence; o mandando Analmente pascar.
Ibes as patentes : acontece, porm, em algum-l pro-
vincias que as autoridades de las i-'"11^nmli1':
cias d'aquelles decretos, arb.trar.a c 'l'eSa'mf "^
mandan, que os agraciados go/em logo dos po tos, e
sidos que entendem dever-lhescompc ir^pela elo,-
ma. Nflo podendo passar-so patentes a Uea refoi ma-
dos, sem que estes se presten, a apresentacao de suas
fes de oulcio, e esclarecimenlos indispensaveis para
qucle fim ;' nflo tendo .elle precW^-J_J
ploma, visto gozarem ja dospostos, so Idos e todas
as vantagensda reforma, nao tratam de o aolic i ,
lio que se segu perder o thesouro publico osiliicj-
tosque loes agraciados sflo ohr-gaJos .. pagar^ ^os
em progados das reparticoes deixarem de receber oa
ses efiiolumentos! Convindo prever tobn *
Ihanleoccurrencia, e conformando-me inteiramenie
ion" oeJareUcerdo referido concelho hei gortam.por
inha n.mediatae imperial resolueflo de lidocor
Jo$ da Silva Guimardes,
Ajudanted'ordens.
(RIARTEL-CENERAlTa CIDADE DO RECIPE, 29
DE DEZEMBRO DBtSM.
oiuiF.M no ni n. 142.
D'ordem doSr. brigadeiro Antonio (torris Sera,
commandante das armas .lesU provincia IMbhBMR.
para que lenha restrictamente cxecuclo, a pro i>.l.
Llaixo transcripta, datada de 6 do novembro ultimo,
da en portara de 11 do mesmo me/, i.ss.gi.ada peo
llin, c xm. Sr. marechal decampo secretario do
supremo militar, remetter ao comma.ndanle. a -
,a'sda provincia de ^^^5"
gencia e cxecuQflo na parle que I-Imi coma n
clusa assignada por Jpflo ***&J!&
maiorda secretaria do mesmo concelho, laproyi
sTo?elaUva!ac"nta.-se,oum1o, o lempo de serv.co
dos reos que sflo perdoados. .
Secretara .lo concelho supremo milla, te
novembro dc 1816. .4momo sierio M.randae
Urilo.B
, Dom Pedro, por 9">> p" V"?* acd?'Zt
dos BOOM, imperador constitucional e defensor perpe-
tuo (lo llrasil.
rente, mandar declarar.
Que as disposices do decreto de 16 de n.aio e
1821, determinado que os militares despachados ou
promovidos entrera lego f*j_JJS:
los, e gozem das honras, sidos e quaequer .m ,
sensuiie por lei Ibes competirem, sflo appllcsve
SosomciaS^reformados, quan lo se achar exprs o
nos decretos ou rcsolucOes que lies emrimreniM
reformas, os postos que por cllssdejrcm Un mas no
caso contrario, tacsonc.aes nflo poden Marda i>t
neficio algum da reforma, sem que o tribunal tw
concelho supremo militar, por seu despacho, i. -
fe, como se tem praticado, qual o posto e sold que,
em virtudc da le, competo a cada individuo : cum-
prindo aos presidentes, das provincias, logo quete-
nliamcommunicacaoomcial da mencionada deca-
raeflo, ou soja pela respectiva secretaria de csiauo,
ou lela reparUcflo do concelho supremo militar, ou
oue os agraciados Ibes lenham apresentado suas pro-
picias palentes, mandar entrar os mesmos olliciae* no
tozo dos postse mais vanlagens da reforma ; esa-
tisfazcr-lles a differenga dos sidos, quando porven-
lura lenha ella lugar, desde a dala dos dcoreloa ou
resolueflo que as reformaram. Pelo que, mando a ati-
oddade a quera compete, e mais pessoas a quem o
co I coime, to dcsta pertcncer, a cumpram e guar-
dem tfl^nteiramepte como devem e .ella secon-
Faco saber aos quo esta minha prwW^1^
qe subindo minha u%f.,^lmffSe
aulla do concelho supremo militar, datada de .to.u.
Sbrdo co, rente auno, a que ^Jfj*
sobre o lucio ... 357, do 2 do dito nez, em u o
mmmaudante das armas da oorte pedm ""Jecia
rasse, se os reos de deserclo a quera he pei.loada
..enaera que incorreram, pcrdemodireitoac^tem-
...nue antes crvram, o conformando-me inlcira-
itcomo parUrdo concelho he Jr tampor
minha imraediata c imperial resolueflo **
oroximo passado, determinar: quc.se odecrewae
ordio declarar ue he perdoada a pena M
oscriores ineorrnra. nflo devera perder elles o tem
.Tponiru se Imita somonte ao lempo de P""^ '"
..vVan aoffrer esses reos. Pelo que, mando a auton-
adeaq. em compele, e mais pessoas a uemOCO-
o ment dostapertencer, a cumpram egwrdom
M< '-oToncelbero, Antonio EUiaro *Mm
iirik vocal servindo de secretario de guerra, a fez
r./o, vogal mi Moreira.-
%&y3fiSSZJ de SU*.- confor-
me.-Jodo Baptista Ferrena.
Jos da Silva Cuimar&es,
Ajudante d'ordons.
MKW0B1AS DE C MEDICO. (*)
por aicyanore j^wnaJ.
PRIMEIBA PARTE.
tesa) 8daaA3ai@.
NOTICIAS DIVERSAS.
i staoo commmcui. nr. Anori..
I.o-sc no kbar o seg.iinte: .
Desde o 1. do Janeiro ato ao 1/ *
1846,0commerciofranco/ e estrangeirolera| clrc-
;ado nos dlTerentcs portos do litoral urna ***:
ci de mercadoras, cijo valor monta ^J
francos O periodo correspondente ao auno do i
noapresenta na importacao animo um wU *lWm
eos, :tC,1.-.C:0.V(, donde resulta em lavor de 1846 um
iii"'n\pnlnde "1.209:129 fianoos.
WSSStf, ^1 .gura or .ama hm.
de84,781:515 li ancos ; Oan pela do 11,1.9:o4jttnn
eos- Phillippcville recebeu por 5,880:141 francos, a
Bona somenie por t,787:r.9i francos.
Segundo isln, he aeil observar que o por o tU
Arscl se lera folio contro, objeclo da maior parlo das
operaces.e que esta chamado a nccup-rnmgrao
d smelo entre os po.l.-s mala llorosoenlo, jo Me. -
lerraneo. Era Oran as iuiporlarcslcom alrancado
urna cifra bastante elevada : esta provincia, despro
vida de recursos proprios, oiTereee ama vantajosa, sa-
hida ao commeieio l.espanhol. Ph.l.ppev.Ue he o
orlo de transito para a divis;io de *"="'
quanlo a Bona. as ImpprlaqOes sflo biltapte fticas, e
bto se concebe: as riquezas das tribus vmnhas .
seu solo, baslante frtil, bastan, em parte ao seu
consumo. ., .. ___
Porm, sea Argelia recebe muilo de lora, por
outro lado produz bem pouco, c as suas pequehas
produccoes se perdem no consumo geral por tsso
!,s cxporlacoes durante o prime *" .g
nflo tera subido mais que a V',-f'i3? "Zr tot' i
IMSpelo mesmo periodo, t.nham.is n n^slor tnu
del, 06:865 francos. Os primelros seis mezes m
isiU anresentam, pola, urna din..nuic,ao de 80,41
ra,to Fia iile.o.ua em menos se explica pela
MU complela de l4 principal objeclo de expor.a-
eflo na dvisnodel'hil.ppevilc. Jimlnui-
^ Emlra, a navegaeflo argelina nflo toffl'diminu
do antes pelo contrario tom seguido o movimer. o
pogissiv'odas iraportacoes; eJuranoo"
de que tratamos, 8,569 navios co.n 272,184 tonea
dasteem fundeado nos nosso portos.
,. Os seis pr.meiros me/es de 1812 .i.,o aprcsui
tan. sene um total de 3,197 navios com 241..i. w-
foladVs,! resultando em 1846 um augmento de 36..
navios cora 30,157 toneladas. .
D'V,8ob te aspecto, Argel conserva um.MRMon-
,i ,.i,. notavel teem apparocido as suas agoas i,i..(
nivoscom 3, 208 toneladas; Oran conta 797 na-
vfos cou7"fi 790 toneladas; Bona 278 navios con.
;?790 toneladas, e.S.or com Philippev.lle 196 na-
vins com 15,361 toneladas.
Denois da inarinlia nacional,eos navios de pc-
QUen cabotagem, as bandeiras, hcspanliola. sarda
ioseaa, grega e sueca oceupam scn.preo pr.ine.ro
'"^Terminaiido, indicaremos outras duas localida-
des Tunes c Mostagn, por ter tomado tima parte
mu activa ueste vaalo movimento : os estabclec.-
^ntoVmiliUres deOrleansville, Mascara e o Chelit
ssgmain un. Mlnanle uluro a estes dous nor-
tos' .Oiario do Goveniu.
!^^MMM ZtKjla^sasfB^aafiaflaVSBI
>~RNAMBiJCO.
CAPITULO XXXVI.
O aUa 8X IBOBBZCt
O rei que, como o annuneira, havia partido para
Marte, pelas tres horas da tarde deu ordem que o con-
,.iivipm a l.ucicnncs
Devia elle suppftr que condeaaa Duba, ry, ao rece-
ber o seu bilhetmbo, se apresaara a deixar tambem
Vcrsalhes para ir eapera-lo na encantadora habitacflo
une fi/era odilicar para si, e que o re bavia ja visita-
do duas ou tres vezes, sem comtudo haver jama.s pas-
cado l a noilc, a pretexto, como elle o dissera, de
%' !isUedTst1,nmuSSSSSRSi^ ao ebegar
autdoUntiarZamora bem pouco;=J -
ador, a divertr-se era arrancar* as pennas d'um pe-
'V^jSSS^&mm M- de Choiseu.
6 ToTo rei 5, e despedio a sua comitiva
Nlo tiima elle costume de inquirir rasa alguma
caco e o periquito.
inilini interroaou Zamora.
_ Asenhora fondessa est nojardim?
JiBE!feiSaFst
haviadespojadoacl-.e.emLucenncs.
S^TpI 1SSSSSA mefbores carpas
'^Smno, to, nona responder Zamora.
Onde est ella entflo 7
Z So! 'em" Paris!......... A condess. nao veio
8 ^Sr.-oV'porm mandou ca Zamora.
Fazer o que?
~ fff rt^l-SoS Liz XV, deram-.e a com-
"'- uaV receber He encantadora a conversa-
l ,evantore ^^Z^** b. do con-
alli, de encontrar Zamora Dmpou ,-'--" ^", nfi0 dfsse
gulho, e com cara de quem n3o sabia quo era gover | vcmruom Zamora.
I -porqueZamoravai-seewbora
(*) Vide Diario n,# 9. ^
_ E onde vais tu?
~ Enrtflo,avo flear s. Cada vez melhor. Mas que
VailpSraaraanaSB,rry, e dizer-.ho queo rei est
emj.ucien.ies. ^ condessa encarregou.lc entao dc mo
dizerisso?
Enlio^edisse o queeu havia de fazeremquan-
toaesperava?
Disse que tu dormiras. ,.
O caso he, disse o rei comsigo, que nflo pode
tardar, e que alguma nova sorpreza tem a fazer-mc.
Denois dirigindo-se aoprctinbo:
Parte ja depressa, c traze-me aqu a condes-
sa Mas, a proposito, como vais tu?
r No cavalio bVanco, grande, com a gualdrapa
Cn,Eaqluanto lempo precisa o grande cavalio bran-
"J?rrri7f.opr-lo, mas ello anda depres-
sa, depressa, depressa. Zamora gosta de andar de-
svaraos, anda he urna grande felcidade que Za-
mora goste de andar depressa
I nnz-se ianella para ver sabir Zamora.
Um gradeTacaoPdc ceremonia poz o negr.nho
en. cima do cavalio, e co.n cssa feliz ignorancia do
neriKO ouo ho dote particular da infancia, parti o
negrin?o a todo o galope, encarapitado na gigantes-
CaACraacff-Useaso, o rei perguntou ao criado se ha-
vim i ucieiu.esalguma cousade novo ave..
Vl" H.rpondeuo servidor, MBoucher que esta
., v .____..:.... .i .iihnri rnndpssa.
- Ha, rospondou o servidor, MBoucher que esta
motando o grande gabinete da senhorai condessa. I
P Mi! Boucherl Esse coiUdo de Boucher! elle
Cmara municipal (Jo Ftecife.
SISSA DE 17 DE DEZEMBRO DE 1846.
PBKSII'F.M:USr. ECO AIBUQUEQUe.
Presentes os Srs. Carneiro Monleiro^A'um'?';f,';
dio Ferreira e Gaudno, abr.o-se a sessao, o fo. i.da
c approvada a neta da antecedente.
est aqu, disse o re com tima especie de satsfacflo;
C- NepaSvnhflo, no gabinete: V. magostado quer
r??SS!rorre; nflo, antes quero rvet.s
carpas. D-me urna faca.
L'ma faca, senhor?
Sim, e mais um pflo. __
O criado vollou com um grande pflo redondo em
um pralodelouca do Japflo, o um trinchanlo.
O rei fez signal ao criado que o seguisso, edm-
gio-sc satisfeito para otanquV ,_ ,e
Fra urna tradieflo de familia o dar de comer as
carpas O grande rei '* nemumsd.a de.xava do
fScntou-se Luiz XV n'um banco dc musgo, donde
a vista era encantadora. ,._.,i..
llalli avistava-se prime.ro o pequeo lago de rel-
vosas margeos; depois a aldeia situada entre as duas
colimas, urna das quaes, a do Oeste, se crgue a pique
cono a musgosa Bocha do Virgilio, desorto que as
oasas colwrliis dc colmo que ella supporta, pareccni
brincos de meninos arrumados em urna hcela ct.e.a
Alera apparecem os pontagudos lelos doS.-Cer-
main, as suas escadas gigantescas, as innmeras
moitas do sen eirado ; mais ao longo, os a/ulados ou-
tiiros de Saunois e dc Cormeilles, o emfira um eco
tinto de rosaecinzento, quecobria ludo isso, como
urna magnfica cupola de cobre. ji.
Eslava o lempo borrascoso, a folhagem se desenba-
va negra sobre os prados do um verde-claro; aagoa,
immovel e lisa como urna vasta superficie de aze.te,
se encrespavaalgumas vezes de repente, quando la
do limoso fundo algum peixe, qual raio de praia,
(*) Luis XIV.
I MUTILADO


M
cu
lindo
mensnes, o que passnva a organisar os dos mezes de
outuhroo noveml.ro desto anno. com o mais que Ihe
lora determinado em portara do 16 do dito me7 de
novembro.-lnteirada.
'imlinuou a dleUMo das novas posturas
oniciou-se ao F.xm. presidente da provincia. ne-
Umdoa le que ereou de novo a froguezia da Varzea
para se poder expedir as ordens convenientes oar
all se proceder as elecGes no anno prximo futuro
lespacl.aram-seos requermonlosdeJos Joaquim
doMesqu.tae de Francisco Xavier Mrtir Bastos: e
leyantou-se a sessflo. Eu. Joo Jos Ferrara de i-
tfu.ar.secretar.o a subscrevi.-ff^ Albuquerque.presi-
dentfl-Garne.ro Montero.-Aquino.- fatela.- Gau-
ilin Agonm/to de farro$.-Egidio Ferreira.
dos requisitos requeridos para a sua validade, pois
que n,1o se ajunla, ncm ao menos om resumo, um
nalanco exacto edemonstrativo do activo e passivo
do casal do recorrido, de sorte que nflo so pode co-
nfiere,-se os que o assignaram constituem a maioria
leeal dos credores ; e na verdado sommados os rs.
I8.>,09|:525 cm que se diz no compromisso impor-
larem as dividas dos credores que nelle desistem do
Obtervaco.
Fundoou no Lameira"o,para acabar de carregar,a bar-
ca austraca Perestina, capilito Marcos Scrovich.
Declara^des.
BiO DE'"PRAiBr.
nXCIFX, 15 DE JAiraiBODt 1847.
ARora que o inspector da tbesouraiia da fazenda,
-- O arsenal de guerra compra 4 arrobas de sali-
tre refinado, urna dita de resina de cajueiro e ?ca-
adas de agn'ardente branca: quem taes gneros
tiver, da melhor qualidade, cquizerfornecer, man-
dividendo annual7cVm7slddrc7esdos,'oIms Vr^|'* c",u'P?,' ,m o^S^l^cVene'-Ar!
os que as declara no fin, d, J"fiJ^t\%m^'IsT-
cado da oi/ra, amanuense.
O abaixo assignado, encarregadodo la nca ment
I/POPS.
i", .? 2. PS?-def? edi,ic0' Pr 0U8 soconl.e-
ia que ello havia sido nina fortaleza, isto be o
esportivo portan, entro as diferentes podras des-
sa era descohrin-se umn n.. i...i 1_____.
peca descob.io-se urna, que, leudo em u
t oes alguna versos latinos que, por mal escriptos o
<|i as, apagados, se nflo podem ler, traz na oulra a
scguintc ioscripcffo;
Isla Fortaleza da Madro de Deus e S. Pedro
[hit (i Kuriiiiiciiui. i .: r .,
I-la inicripgflo da qual se Concluc que os restos
, da moldada fortaleza conlam ,,;, annos mais de se-
rillo c meioj, e que nos veio denunciar o radical'da
lonominacflo da ra em him ol** .^i-, '.
inacao da ra em que elles exislem, suscitou-
Z oZcs qUe V'm"c-V i nos-
lio a prmeira, une, por urna coincidencia, n nos-
so ver mu, no avel, e toda lilha do acaso, a es a obra
que, no remado de um monarcha que tiiha por no-
ineodcPcdroILe sol, a influencia de ,n gover-
..adorque secbamava Joflo, fora mandada K por
um Amonio, sAo arrancados os ltimos lesleinunnos
dasuaanl,guid,;de,porordem de um tacSfo
publico, que tambem be Joflo, sendo pre didTa 'dc-
2?'1" .u Antonio, pos q'uc estamos n
om ido^queass.m se chama a pessoa que a adm-
irI 1TJ!ma VPra e".' a,,c "'cha do mpe
110 a c ue nertence a iirnvnni ..:, -_._ <- '
que as deelaram no fim de suas assignaturas, nflo
chegam nem a metade dos 538,498:020 rs., cm que
se diz orear o alcance do recorrido : e mais, nlo se
leclaram quaes os accidentes fortuitos que occorre-
ram ao recorrido, e que sem culpa sua produziram
tilo avultado alcance, reduzindo-o ao estado de nlo
poder satisfazer aosseus credores, como era neces-
sariorazer ver, para elle ser considerado insolvente
de boa fe, e como tal poder gozar dos beneficios que
as leis em tal caso concedem. E finalmente nlo apro-
veila ao recorrenlo a resol licito de 4 de abril de 1818,
porque ella se limita concordata de que ahi se tra-
ta, e nlo se ordena que (que servindode regra para
os casos semelhantes, como cumpria, para constituir
direitogeral. Por tanto, remeltam-so os autos para
a relaelo do Maranh.lo que designam para rcvislo e
novo julgamento. Itio, 13 de outubro do 1846.
f.ir/ie, presidente interino. Aragdo, vencido.
fabuco.Frcitas.Citnha. Campoi. Pinto.Duar-
/. -Pefanha, vencido. Perdigdo. A/meida, ven-
cido.
Oleilffo de mobilia annunciado pelo corretor
Olivoirajem casa do Sr. Luiz Francisco de Mello Ca-
valcanti, fica por ora transferido.
Hoje, 16do correte, aslOhorasda manh.1i
haver leillo judicial e m presenca do Sr. douto,'
juiz de orphflos de mobilias e outros ohjectos dei-
xados pelo finado Jos Manoel Piusa, na ra de Anol-
Ia .1 ll'
lo n. 16.
COMMEBCIO.
12194,51.1
o a que pertence a provincia cm cujo solo Corn.
hincados os mus primeros fundamentos, ten, o mes-
ino nomo que o re, a que fora ella dedicada.
-hJJiSKl I"6 "o enlretunto que osmonar-
< Instas dos soclos passados manirestavam a sua e-
d cacao ao chele supremo da nacflo por dadiv, s'e of-
SartM do quilate dessa de que acabamos de tratar os
/do nosso lempo oque de ordinario aprsenla,,, como
prova da sua adl.ea.lo a un, tal ChoFolwrMlSa!
l*i blica^lo a palid o.
Vistos, exposlos e reliados estes autos, cnlrc Pa7-
-e> ecorrentes Me. Calmont &C, piOCUr*lore?do8
dm,.miradores da casa fallida de l)iogo Bruil ^ C
o recorrido Francisco Jos da Cosa, concede,,,;/'"
A lan ciega.
RENDIMRNT0D0DIAI5.....
DESCAIlIIEOAM IIOJB 16.
RarcaBella-Pernambucanamercadorias.
II, igueS.-fomingot idem-
llrgc-/Wi>n--dom.
lrigue7A-taboado.
Brigue--J>/o/ceblas.
IMPORTACA.
Harca inglcza Cynlhla, viuda de Terra-Nova, en-
irada om 13 do corren te, manifestou oseguiHte :
2,800 barricas bacalhao; a James Crabtree & C.
Urig.ic portuguez Vestal, viudo de Lisboa, entra-
do em i j do corienlc, manifest., o seguinle
10 sancas roll.as; a l.albam & llibbert.
10 pipas vinagre; a Jos Joiio de Amorim, ausente
1 caixa mercurio-doce; a Jos Antonio Bastos, au-
zenlca ordem. '
lOcaixas torradas de chumbo com rap princeza;
a Jojo Jos de CarvalhoMomea, ausente a Olivcira &
10 pipas vinho, 10 ditas vinagre; a Jos Joflo de A-
monm, ausente a Nascimenlo & Amorim
Vnl.,iT'SVi"h0l ,0,lili,s vinagre; a Nascimento
Amorim, ausente a Joaquim Jos de Amorim.
SO pipas vmho, 80 barra dito, 20 dilos paios, 20
ditos cbour.cas, 20 caixas (oucinbo, 645 molbos ec-
hlas, 70 moiosde sal; a Nascimenl'o & Amorim, au-
sente a Jos Joflo de Amorim. '
da decima dos predios urbanos do bairro de Santo-
Antonio, parliripa aos ii.quilinos das casas e pro-
prieta ros do dito bairro, que, no da 15 do corrente
mez, dar principio collecta da mesma decima,
principiando pela ra da Cadeia: e por isso previne
aos mesmos que tenham promptos os scus recibos
para a vista dos mesmos poder fazer o referido lan-
Qamento, deconformidadecom o artigo 10 S 1.* do
cap. 2.* doregulamontode 16 de abril de 1842.
Mesa de. rendas internas provinciaes, 13 de Janeiro
de 1847. O 1. escriturario, Jodo Ignacio do Ri-
9-
Pulilic.'K'fio litleraria.
Acaba de ser publicada, cm um folheto de 78 pa-
ginas, a discussfloque naassembla desta provincia
se suscito., acerca dodircito que temo I a ni. prela-
do de ser ouvido quando se tratar de divisOes de fre-
guezias. Obra por certo interessante, tanto por ser a
primeirn que apparece nesle genero, como porque,
sendo ..aquella assembla negado por alguns de seus
membrosesse direilo ao Exm prelado, apparecem
em sustentarlo desse mesmo direito os mais hrilhan-
tes discursos que aomcs.no lempo moslram a neces-
sidade que ha de termos todo respeito ao principe
da igreja. A leitura de um tal folheto torna-so inne-
gavelmento necessaria a todos os que profossam
rehgiflo cathnlica apostlica romana.
Vende-se na praca da Independencia ns. 6 e 8 por
400 rs. cada folheto.
ria" ,labenoKobamS,1,0; ^"eisco Seve-
. i ,'Z-iPresu"tosPose chouricas; a Nascimcnto
& Amorim.
3 caixas cannas pintat
i reir,
as; a Francisco Comes de 0-
Ceral.
rovincial. .
Diversas provincias
Consulado.
RENDIMRNTO DO DA
4:328,674
1:361,216
144,303
BRILI1ANTB FHESEPJO
!\0
Theatro publico.
A DEGOLACA DOS 1N.NOCENTES.
Hoje, 16 do crtenle.
Este novo e hrilhante acto ser adornado com a
aria (alen, de nutras do soldado de ilerodes e o
duelo da arvorada =Quando rompe aresca auroran
A degobi sera execulada com toda a verosimilhanca
cm meninos de dous annos e automatos hem seme-
lhantes, cuja execueflo ser cnsaiada a primor: su-
bindona scena-final as almas dos innocentes co
na.
Avisos martimos.
'-tos ao compromisso a inda nao foram decididos
'redora redores que ass.gnam taes compromissos fazem um
.,i----- j-.nMF.it; ion: termos en. me nao li-
oa.if,arJ,aUS,"""Si' s.1oal.azsetornava necessaria para os reenrr.niM
SSoSXS CTd^^rconhecT=^
ciuahdadcdesua d.vida ; no que se nflo olTendia
-urga
va i
?i!!7 ,,rar Pern'alla mosca que nos tanques
nejando as agoas. H
Entilo, se estendiam pela superficie do lago gran-
S;.e"1U!SCirf,l0s (",e- intercalado lo Krn-
co^e negro, Iheondeavam lodo o lencol atamar-
Viam-se tambem as bordas apparecer os disfor-
ine,; foenhos dos mudos pcixeaSSe, seguros d So
icontrarem nunca nema malha i.emSanzol am
chupar os trovos pendentes, c observar com oagra,
les e ixosolhos, que parece que nflo veciii, aacin-
yentas lagart.xas se baterem com as verdes rflas por
eiitre os juncos.
lov un tuto do |ortO
navios entrados no da 15.
Itio-de-Janeiro; 22 dias, barca ingle Choice, de 309
oneladas, capitn Robert Robertson, equ pagein
11, em lastro: a Dean Youlle&C 'Pabc|n
Parah,ba;l2 horas, hiato brasilero Sanla-Crui, de
21 toneladas cap.tflo Nicolao Francisco da Costa
-I ara o Rio-de-Jane,ro sabe, impreterivelmente
dentro em poocos d.as, o patacho lourencv, capitflo
Jos Mana da Graca ; recebe carga miuda e escrvos:
que;m pretender embarcar entenda-sc com Francis-
co Al ves da Cunha, ruado Vigario, n. II.
vMm0n,lra ".."'"^nde-do-Sul seguo, impreteri-
velmente no d.a 22 do corrento, o brique Compni.
dor; recebe nicamente passageiros e escrvos a
ircte para o quetrata-secom Comes & Irmflo ne
ra de Apollo, n. 2.
*fa Para o Aracaty segu viagem a sumaca Car-
^UL ,ola> mestree dono Jos Goncalves .sim.:s-
"f*** para carga e passageiros, trata-so com o
dito mostr, ou com l.uiz Jos de S Araujo, na ra
da Cruz, n. 26.
== Para o Itio-dc-Janeiro seguir breve o velci-
robrlgue Beluario,o qual pode anda rcccberal-
guma carga, escrvos e passageiros, para o que Ira
ta-sc com Amorim Irmflos na ra da Cadeia n 45
ou com o capitflo a bordo.
Para Lisboa segu viagem, com a maior brevi-
dade poss.vel, a barca portugaeza Tejo, capitflo Sil-
veno Manoel dos liis i quem na mesma quizer car-
regar ou irde passagem para oque tem excedentes
commodos dinja-se aos consignatarios Olivera
Irmflos & Companhia, ruada Cruz, n. 9.
Para o Ass sahe.imprelervelnienle no da 18 do
corrente, o muito veleiro hiaie S.-Jodo, e ain.la re-
cebe alguma carga miuda ou passageiros; quem pre-
tender ir de passagem dirija-so a bordo, ou a ru do
(jueimado, loja n 7.
-Para o Aracaty segu viagem no da 22 do cor-
rente, com escala pela Parahiba.ohiate Nereida pa-
ra passageiros trata-se na ra do Vigario, n. 5
por
Quand o re, como homem que sabe como se oer-
uh T' ,Ml,outevcrapa,Mgcm por todos os
lados, e de contar as casas da aldeia easaldeas da
perspectiva, tomou o pflo do prato que eslava junto
delle, e poz-se a corla-lo em (alias. J
Uuv.ramas carpas o estrepito do ferro na codea, o
amiliansadas comessesom quo lhesannunciava o
jantar,surg,ram tantas e tfloperto qnantoera possi-
hi'..?fiapre'entara?-"S- nwslatle, para que esto
i nf^ !'"rBaSSe a refe'?n qxotidana. Fazam .dh.a
i mesnacousaporqualquerlacaio, mas o rci nalu-
se.. resper U *" ,lw g8StaVam essa cra p"r
.,^ali,CnU Cll U,l aps outro os Pedacos de pflo, que
jjara logo mergulhavam, mas, vindo depos a fio dV
Roa,eram disputados por algum lempo, depois es-
m i gal hados, eafinald.ssolvidos pela agoa, e imreeiam n'nm nii.m. r U<-'P
iiarcciam n um instante.
cquipagem 4 carga toros de mangue : ao capitflo
I ssageiros, Joflo de Son Mallos e Joflo ,1a (osla
Ferreira, com um cscravo. 0bla
. Navio sahidn no mesmo dia.
Londres; bngueingloz cine, capitflo Duncan M I al-
ien, carga assucar. B1
pouco mais ou menos, tinha a Mtisfacito de nflo ver
mais hoiar um so. s ver
Mas tambem cnlflo se aborreceu el-re, eselem-
hrou que M. Boucher Ihe poda oflereccr urna d"-
raccao secundaria: nflo era tilo divertida essads-
traccflo.como a das carpas, he verdade, mas no cam-
po, lanca-se mflo do que se enconlra.
Dirig.o-se portanto Luiz XV para o pavilhSo. Bou-
lade dorma. "
Como he decrer, o lacaio que vinhaannunciar-
_:e.qu a. ra,'r,u',geni estava prompta, ao v-lo a dor-
ordem que dentro de um quarto de hora estira
do prompto para a partida.
Ora hem, disse elle, ainda Ihe dou um quarto
de ora; mais nem um minuto.
E (leitou-sc n'um sof em frente da chamin to-
mando porlarefa osporar que decorressem osquin-
zc minutos, isto he, os novecentos segundos
Avisos diversos.
LOTERA
DA M A T B1Z
DA CFDADE DA VICTORIA.
6:000,^000 de rs.
As rodas desta loteria tcom o seu impreterivcl an-
damento no dia 29 do corrente mez, no consistorio
da igreja da Conceicflo do militares, ainda que s|.
guns poucos billiotos fiquem por vender. 0 resto
dcstes deve ser procurado no bairro do Recife
as lojas de cambio dosSrs. Manoel Gomes e Vieir'
no de Santo-Antonio, na loja do thesoureiro Anto-
nio da Silva Cusmflo, e na botica do Sr. Morcirs
Marques, na ra do Gahug.
Precisa-se de 1:500,000 rs. a premio de 1| n0r
cento ao mez : dflo-separa segura nca ou hvpotheca
duas casas terreas, sitas na ra Imperial, e pagam-so
os juros todos os mezes: quem quizer annunrie.
Quem precisar de um homem, o qual tem muita
hahildade eactividade para todo e qualquerservi-
co de campo, principalmente de todo o trabadlo que
diz respeito a engenho, pois tem sido snmprc a oe-
cupaeflo do mesmo, annuncio por esta folha, para ser
procurado: adverte-se que o mesmo he solteiro.
O abaixo nssignadojulga de seu rigoroso dever
agradecer ao Sr. ofllcial que se chava de estado, no
dia 18 do corrente.no corpo de polica,a presteza com
que mandou soccorrera sua casa que se achava en.
estado de quasi invadida, tcnlativa directa, da qual
se nflo fosso a sua muita prudencia, resultara a sua
perdieflo praticada por um individuo bem conhecido
por Goncalflo, e juntamente agradece as boas esem-
pre louvnveismaneiras eattenefiocom que olllm.Sr
chefe de polica se dignou ouvir-lhe e dar suas or-
dens a tal respeito.
Jos Pinto de Barros Monleiro.
Manoel Joaquim Lamas mudou-se do pateo da
S.:Cruz para a ra dos Pires, n. 23, no mesmo
bairro da Boa-Vista.
Precisa-se de urna ama para acabar de criar
um menino, que tenha bom leitoecomabundanci
na ra do Quemado, n. 44.
Arrenda-seum sitio no fim da estrada do Ar-
raial para o Montcro com casa de pedraecal ar-
voresde fructo, boa baixa para capm terreno 'pa-
ra 8 vaccas, por preco commodo, que a vista do
comprador melhor se tratar : na ra da Alcria
n. 20. '
Deseja-se fallar com os Srs. Severo Antonio da
Costa e Bernardino Aflonso da Costa, naturaes do
Maranhflo, filhos do Sr. Francisco de Paula da Costa
a negocio de seu interesse: os mesmos.ou quem del-
les souier,dirijam-se a J. B. da Fonscca Junior.na ra
do Vigario, n. 25.
Precisa-se alugar urna ama de le-
le : no Aterro da Boa Visla, n. 36.
Os Srs assignantesdo jornal Panorama quei-
ram mandar buscar os ns. chegados ltimamente,
na botica de Lu.z Pedro das Neves, n. 47.
Aluga-se urna casa terrea na run Bella com 2
salas 3alcovas, cozinha fora, quintal o cacimba : a
tratar na ra da Collcgio, n. 15, segundo andar.
-Precsa-se alugar urna escrava ou cscravo que
snibacozmhare tratar dos arranjos do urna casa e
principalmente de meninos: na ruado Aragflo.'n.
27, ou annunrie. e '
O Sr. que pretende comprar o tanque do ferro
que existe atrs do theatro vlho, pode vir rerebe-
lofelo preco que oTcreceo.
Precisa-se do um pequeo do 10 a 12 annos
para ca.xe.ro : na ra do Rangcl, n. 17. '
p.T"JV,,'?i9 Freder.co llansen um cavado : a pessoa a quem per-
d.r^ ntrete8 S,gMaCSe PM,ndo *1*A'.
= Precisa-se de dous amassadores que seiam oc-
^,(?L;-,P-?gaJ""SS bom' aKnd!i*- em Olfnda.na
padaria do Varadouro.
nZJL,AeB~S(> unJa casa lfirrea na rua Augusta, com
commodos para familia; urna nieia-goa na Iraves-
sa do Dique : a tratar na rua da Praia, n. 10.
Precisa-se alugar urna ama secca para casado
urna senhora, a qualsaiba fazer todo o servico do
nanane.,CTTmar' ain^ que seja estrangeira com
tanto que tenha boa conducta: na rua Imperial n 47
toem que se su.niam para sempre.
Ao cabo de uma meia hora, S. magestade que ha-
para o pavilhilo; e todo
alegre, arranjou-se o melhor que pode, e Irpou-se
na escada, porque Ibc haviain recommendado muilo
que nflo desse moslras de saber queoroi eslava em
Ljicicnnes. Ouviorangoro assoalho ao tropel dose-
i.nor, e poz-se a encarnar um cupido bochcebudo
que rurtava una rosa a unta pastora de espartilho de
sclnn uzul o chapeo de paiha. Tremia-lhe a mflo. o
coracflobat.a-lhe. '
Luiz XV parou ao limiar.
a7.iA,UJ f' '|;ucnf. 'he disse elle, comochein
aqu a terebenthina I
E fo-se.
0i pobre Boucher, por muito pouco artista que o
re. losse, esperava por outro comprimenlo, e quasi
que cabe da escada.
Desceu e foi-se com as lagrimas nos odios, sen,
raspar a palhela nem lavar pinecis, cousa que elle ja-
mis dcixava de fazer todas as tardes.
horas nmgeslade Puxo" I'e, logo. Eram seis
Voltou aocasicllo, atormento.) o macaco, fez fal-
lar o p.nquito, e desarrumou o desarranjou ludo
\e,o a uoile.
Sua magestade nflo gostava do aposentos esei.ros
eenduram-sp n* Im>< '
Por certo que sim! Mas que dabo he aquillo
aiiir- exclamou o re. ao avistar Zamora.
He o governador de Luciennes, senhor
ir.1I A,nd" no, ainda nflo, disse rindo o re; como
traja esse pat.fo o uniforme antes do estar nomeado ?
Muito conta elle com a minha palavra.
nri^I,h?P' P5l?vn! (l sober*n ie sagrada, o
nos lodos temos o d.reito de contar com ella Zamo-
dH mT^Ta co,,sa lem mais d0 f m- 8 0U para melhor dizer, alguma cou-
sa menos, tem a sua patente.
Como?
mBJK"cliance"er m'a envioui -' qui. O j-
mr, deixou de 5 despcrtsr;r edeVta' ateneflo" pelo" pa a sua o^sT'fcraTv fo'-'"olidade qc Iho fa lia
augusto somno, resullou que ao acordar por si mes- antes eeKn SS \' ma8cslade Jw quanto
mo visse o re dianle de s em outro sof a madamas AnnroZl. fT'''-
Duba,,,, muit0 pouco nd0rmecjda> flo (nenos flo Z ^^%^^%,*^
pareca, e queoolhava com grandes olhos7_Zamora
ordem" a"8u,os da sala esperava a primeira
Ao sen I a,-se disse o re:
Ah! Ja chegastes, condessa
Sim, senhor, j cheguei, e ha muito lompo.
Oh I ha muito tempo, isto he.......
Ha nina hora pelo menos. Oh como V. ma-
gestade dorme!
tuse.! oraouvi, condessa; noosUvesaqui,
eeu aborrcc.a-me muito; domis durmotflo mal a
nene....... Sabis que me vou embora?
Sei, porque vi a carruagem de V. magestade
prompta.
O re olhou para o relogio.
Oh! ja sflodez horas e meia disse elle, dor-
m perto de tres horas!
eespadim. Eslerida a perita tesa
chanTa8^8' C lra5ia debaixo dobraco "" norme
.apeo a tres naneadas.
Saben, elle jurarsequr? disse o rei.
- un que sim; experimente, senhor.
curial u!if cm .m' disso rei' olhando com
curios.dade para esse honeco preto.
Oejoelhos, disse a condessa.
Preste juramento, accrescentou Luiz XV
doi iSK'SaK1 Uma m!, COraSil0'e 0Utra n" m3
bbL' ,id.elidade homenagem meu amo c
n i m'rT; J"m defc"der ate morte este castello,
cuja guarda se me confia, o comer at o ultimo boiflo
de doce antes de mo entregar, se caso me atacaren
aocnoo ucumanteanora, S. magestade quo ha- accenderam V. ....JZ ""* u "P""^ eseuros ; m. perto de tres horas! ,?, .- inioenirogar, se raso me atacarem.
v,M*.P.c,cn.dt,,,.,o(mM.c.hs3epto,. m.^ttn^+^.^^JgSZ**^



M-vcJ'- -
=
lil
Aula de Navesaco.
i iojtnho Fernandos Catanho doVasconcellos, p..
ro pilo'0 l,cIa academia imperial dosguardas-
inhas, contina a ensinar navegado pralica e
1 umira, na ra Direita n. 91, primciro andar.
AO PUBLICO.
. mui crcsrido numero contavam os mdicos
Ae0ra molestias incuravcis, contra as quaes so
lilncrmiltido ao paciente rcsignacSo para solIYcr
mal de queja nao havia esperances do poder li-
!rli-'l<> '' a0 medico p'iilantiopico a dor de ver
uito's le seus semcllianle, victimas do enfermida-
, contra as quaes so declarava impotente, po-
'[,, apenas lamentar a fraquoza da mtelligenci
tlina. Mas, graqas aos progressos da medicina,
.Lis no zelo de horneas incansaveis, que nao des-
xncrimlo ''a perfectibilidade da sciencia, se teem de-
SJd'o investigado de remedios que possam al-
l ira humanidade de alguns males que a allligem, o
.nir-ro ,ias molestias reputadas incuravcis vai de
Lt-m dia diminuindo. Assim, adiar dcpois de
LCOs trabalhos, de profunda meditado e reitera-
experiencias, medicamentos que nos restituam o
o.limdous mais importantantes sentidos, de que
he dolado o homem, quando estes ja scacbavam no
innosto estado de incurahilidade c inteiramenle
ncrdidos he por certo um dos maiores servicos, que
S poda prestar humanidade; eis o que eslava re-
servado um homem philantropo da cidade de Bra-
ca cni Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
vnielliantes se tem feitogeralmentoconhccer. Os
remedios que ora olTerecemos ao publico, nao en-
iram na classe d'aquelles que q vido e ousado char-
latanismo inculca com roucos e descompassados
lirados, e que o crdulo vulgo por ignorancia rece-
i- na boa le c sem discernimento, acnando-se dopois
iludido; lem porm de oceupar mui distincto lugar
entre os medicamentos, que maioresbeneficipspres-
,,.,, ao homem: conslam elles da dissoluQo aquosa
de entrados de plantas medicjunes, de virtudes mui
reeonhecidas c verificadas. O longo uso, as conti-
nuadas e severas experiencias, a que por toda a par-
le teom elles sido submetlidos, sem que urna so vez
hajam falhado cm seus bons effeitos, c desmentido
ti esperances que sobre elles havia fundado o seu
inventor, Ih'c teem grangeado constantes e repetidos
elogios dos mais sabios e respeitaveis mdicos, as-
sim na Europa, como da America, que unsonos
ilionam o proclaman! sua aceflo sem ore cerla e be-
nigna, l-m destes licores he destinado a combater
as molestias de olhos, c tem por principal virtude
restituir aos orgos da viada suasfunccGes; reani-
mar efazer reapparecer cm sua natural pcrfeicdo a
isla, quando esta esliver fraca ou quasi exmela,
rom tanto, porem, que n5o haja ceguoira abso uta
com desorganisacao das partes; nlo menos til e
enrgico he para desfazer as cataratas, destruir as
iievoas o de prompto debelar qualquer inllammacao
ou vermelliidao dos olhos. Niio causa dor, nem es-
timulo na parte.
Outro liquido restituc a faculdade de ouvir os sons
o ouvido tocado de surdez, ainda que inveterada,
urna vez que o mal nflo seja de nasconca, sem causar
em lempo algum o monor incommodo ao doente, e
sem uriva-lo de cuidar em seus negocios.
IXSTRUCCOES PAPA O USO DOS IIEMEDIOS.
0 dos olhos emprega-se do modo seguate:
0 doente pela manhaa, cmjcjum, urna hora pou-
eo maisou menos, depois que erguer-se do leilo, to-
mar sobro a palma da inflo pequea porcHo daque.1-
la agoa; c com ella molhar bem os olhos, fazendo
ipie algumas gottas caiSo sobre o globo oceular:
sem os impar, os conservar molhados ale que na-
turalmente enxuguem : ao deitar-se a noite platica-
ra o mesmo : durante o tempo que usar do remedio
evitara o calor, aceito de fu.naca e o vento; far abs-
tinencia de comidas salgadas, azedas o adubadas
com especiarla.
01 medio dos nucidos ser applicado do modo que segu :
O doente pela manhaa, urna hora pouco maisou
monos depois de erguer-se, ainda cni jejum, rara
derramar dentro dos ouvidos quatro ou cinco gottas
Jo liquido, lapando-os depois com algodao cm ra-
ma; a noite ao deitar-se repetir a mesma operacno.
'"iranio o uso do remedio evitar expor, os ouvidos
principalmente, a aceto do calor e do vento, alim ce
"lar grande transpirarlo, liavondo cuidado em n..o
molhar os pos em agoa fria; finalmente deve abs-
Vr-se de comidas salgadas, azedas e adubadas.
listes remedios estao a venda na botica de BarUio-
moo Francisco do Souza, na ra larga do Boza..o
i. 36, uiflco deposito cm Pcrnambuco, pelo preqo
de 2,000 rs. cada vidro.
Alug-se urna escrava que sai ha eoznliar e la-
/er a mais obrigacjlo de urna casa : na ra do (.olle-
:io, vendan. 16.
- Culherme Soares Botelho roga a todos os seus
devedores antigos c principalmente Aquellos cujos
dbitos datarn de 1840, Ibe queiramsatisfazer ate lins
de fevereiro prximo vindouro; na certeza de que,
lindo este prazo, nao lera mais contemplado, e usa-
r dos meios judiciaes.
Precisa-sede dous aprendizes de eliarulciro ,
o de um caixeiro para venda : em Fra-de-Portas,
n. 84.
Na ra largado Rozario, n. 48, segundo an-
dar, eontinua-se a ensinar primeiras lettras, laflm e
francez. O professor promette desvelar-so no adan-
lamento dos meninos que Ihe forom confiados. *
mesma casa dao-se lieOes do arithmctica e
das 6 at as 8 horas da noite.
tria
Na
geome-
Philosophia, o mesmo.
Rhetorica, o Sr.' abbade o doutor Luiz Jos Fer-
reira.
Substituto de latim e geographia o Sr. Manoel
Mamede da Silva Costa.
Becfe, 13 do Janeiro de 1847. O director Utr-
nardino Freir it Figueiredo Abrtu Catiro. &"
Quem tiverum engenho para arrendar, com
tanto que seja para as partes do Sul, o distante des-
ta piara 5a tOlcgoas annuncic.
Quem precisar de um homem de boa conduela
para fnzer cobrancas na praca o fora della e que d
idiUm' n o.in nnti.lnnU .1 1 r 1 i i :< Qf\ IMI.im il :\ S -t I" 11 V .
ic ,c continuara ana canoa no caso ue nao naver
notavel projuizo: cuja passagem ser por mdico
preco.
Alugam-seos segundo e terceiro andares do
sobrado da ra do Trapiche, n. 36 : a tratar no pri-
meiro andar do mesmo sobrado.
Alugam-se os segundo o terceiro andares da
casa n. 17 da ruado Collcgio, com commodos para
familia a tratar na ra do Vigaro, n. 5, primciro
andar.
- Aluga-se a prensa ou armazem n. 7, sito no
largo da Assembla, no Forte-do-Malto que, alem
de servir para acondicionamento de algodao, tam-
bem he pronrio para um bom armazem de recolher
farinha, virihos, madeiras e mais gneros de estiva .
a tratar na ra do Vigaro, n. 5, prmeiro andar.
Aluga-se o andar terreo* ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com opt'mose muito asseiados
commodos para moradia de homem solteiro ou de
pouca familia: quem o quizer alugar dirija-sc ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
~ Precisa-sede dous lavrado.es ; em casa do doura-
dor, ou fabricante de candleiro de gaz da ra No
va n.:<>.
CASA DE EDUCACA DE MENINAS EM O LIMITE
DO CABO.
D Izahel d'Austria e sua prima D. Aurelia Umbe-
lina de Carvalho teem cstabelecido urna casa de e-
lucac.To de meninas, junto ao engenho Junsaca, no
limite da villa do Cabo, sob a denominacao de Col-
legio S -Joiti.
Reccbem no dito estabeleciment que se acna
com as commodidades nocessarias, alumnas inter-
nase meias-pensionistas; eensinam a Icr, escrever,
contar, doutrina christfia, grammatiea nacional,
geographia e historia, e toda a qualidade de costu-
ras e bordados, mediante a retribuido seguinle :
Por cada alumna interna 20,000 rs. mensacs que
prefazem a somma annual de 240,000 rs.,cujo paga-
mento ser fcito em 3 prestaQes de 80,000 rs., a 1.",
no diada entrada, a 2." no 5. mez, c a ultima no
oilavo. ^
Por cada alumna meia-pcnsionisla 12,000 rs. men-
saes que prefazem a somma annual de 144,000 rs., cu-
jo pagamento ser fcito em 3 picstacOes do 46,000 rs.,
nos mesmos prazos do anterior.
Ensinamalmdisso msica vocal e piano, desenho
e danca, pela seguinle rctribuicao
Msica vocal c piano, por mez.....0,000
Piano smente, dito........(."('"
Desenlio, dito........ .?o
Danca, dito..... -. *>ww
Advertem, porem, que todas as rctnbuic.ocs devem
ser regulares, e mandadas entregar no collegio.
Oestabelecimentoabrc-se no da 19 do corrcnlc.
Collegio de S.-Jos em Junsaca, 7 de Janeiro de
847.
I). Izahel a"Austria.
D. Aurelia Vmbelina de Carralho.
Venancio llcnrque de Ilczende contina a dar
lieesde lalim, francez c inglez, na casa de sua re-
sidencia, n. 32, da ra do Rozario da Boa-\
Precisa-se fallar com os hcrdeiros do lalleciuo
Manoel Goncalves de Mello ou ao seu corresponden-
le nesta praca: annunciem a sua morada, para se tal-
lar
Luiz ('on^alvcsPereira, cidadao brasileiro, re-
tira-se para a provincia do Para.
COLLEGIO S.-ANTOMO.
(i collegio acha-scaberto desde o dia 11 do cor-
rente c as differentes aulas cm exercicio.
Para melbor andamento da disciplina do mesmo,
oparaquonenhumn Taita possa baver no rgimen,
acha-se j cm exercicio de director adjunto o Sr.
doutor .Miguel Arcanjo da Silva Costa a quem im-
mediatamente incumbe a parte administrativa.
Os mestres de cada urna das aulas sfio :
Primeiras lettras, o Sr. Martinho da Silva Costa
Jnior. .,
Latim, Bernardnho Freir de Figueiredo Abreu e
(*HStro>
Francez, o Sr. doutor Miguel Arcanjo da Silva
Costa.
Inglez, o mesmo. ,
Geographia, Bcrnardino rrcire do frigueiredo
Abreu e Castro.
Geometra, o Sr. Jo3o Vicente da Silva (.osla.
i iL.nn/. iiaiiavcraai {iuiuiiuo na ungw i *-..... -
tadae cauda aparada. Estecavallo pertence aofilho
do doutor Sarment. Quem o tiver achado poder
manda-lo a residencia do dito doutor, na ra do
Hospicio, onde se recompensar o portador.
O padre Leonardo Antunes Meira llenriques,
bacharel em direito, advoga no civel e crmc o en-
silla particularmente theologia : pode ser procurado
na ra das Cruzes, n. (8, primeiro andar.
Precisa-sede 4 trabalhadoresde p ,c quoen-
tendam de abrir viveiros : na ruado Queiniado, lo-
j'1 n-38- .. ._
Na ra Formosa, esquina da ra da linao,
precisa-se de um criado.
Ojuizda rmandade do N. S. da Boa-Viagcm
scientifica aos irmflos da mesma que no dia 17 do
corrente tem de se reunirem em mesa goral, para
eleic,1n dos funcionarios da mesa regedora.
Bcnto Luiz da Cama e Mello ensina primeiras
leltras, grammatiea portugueza, arillimetica pralica,
para o que tamhem asceitajpensionistas c meios-pcn-
sionstas : na ra do Qucimado, n. 8, onde tem aula.
Quem precisar ile urna mulhcr para ama de
casa de um homem solteiro que coznha engom-
ma bem e he perita em todo o mais servico din-
ja-sc ao becco da Bomba, n. 3.
O solicitador Jos Joaquim Kcrreira Rabello
fazseicnteao publico e especialmente aos seus cons-
lituintcs, que mudou a sua residencia para a ra es-
trella do Rozario n. 31, Urceiro andar.
-- Offerec-sc urna ama portugueza, do mcia ida-
dade, com algiiinas prendas ,*e boa para o governo
de una casa : quem de seu prestimo se qnizer uti-
lisardirijn-sea ra da Cadeia do S.-Anlonio, n 18,
loja de trastes.
Na cocheira do becco da ra da Cadeia de
S.-Antonio por detrs da casa do Sr Jo-
so Narciso Camello, alugam-so cavallos,
_ de boje em diante, e tambem se tratam :
osfpretcndenles noderao dirigir-so a mencionada
cocheira que ser'ao servidos immediatamanle.
lloic, depois da audiencia do juizo do civel da
segunda vara tem de se arrematar, por ser a ulti-
ma praca urna casa terrea sita na ra das Agoas-
Verdcs cuma parte do sobrado de um ailar, silo
na ra do l.ivramcnto ; cujos bens vfio a (iraca com
o abate da quinta parte, por isso que teem de ser
adjudicados, na falta de lanzador. por execucao de
Bartbolomeo Francisco de Souza conlra Joao I frei-
r Lagos c sua mullier, cscrivao Santos.
__Pipcisa-se de um caixeiro para padaria, pie
reindo-se que tenha pralica do mesmo negocio : i
ra Direita, n. 82. .
Alueam-se as seguintes casas : a loja do soma
do do Ale.ro-da-Boa-Vista n. 6 com proponte
para qualquer estabelecimento ; os dous tereeiros
andares dos sobrados ns.4e6 do Alerro-da-Boa-
Vista todos pintados earranjados. com sotaoo ea-
Y8llar.ce por 300,000 rs. annuaes; os prinic.roc se-
gundo andares do sobrad.nho do pateo da s -cruz ,
i. 14, pintado de novo; urna casa terrea com quin-
tal cacimba c mais commodos para grande fan 1 a,
na Trompe na ra daSoledade.n. 31, por.{
mensacs : a tratar no escriptono dcF. A. de Oliveira
& Filhos, na ruada Aurora, n. 26.
-Precisa-se alugar um preto que seja capaz e liel
viuva de Manoel Bernard.no Montciro, U scie. e
atodososseuscredores, que esta prpeed ido o in-
ventario do bens de seu casal, pelo mizo' '' CIV0l'i
segunda vara-, escrivOo Souza ; ass.m comoq""
lidiliccuciandoa venda de seu sitio, alim do. poder
p ,g Ra mesnios cre.lores e evitar questos U ig.o-
s se desnezas de cusas. Concluida que seja a referida
venda, /miciimr aos dilos credores para receberem
o seus 'debi.os.com orden, do juizo rcapecl'vo;
llnic 16 do corrente depois da audiencia o
nern o 0 Senhor -loulor juiz do civel da segunda
nra desla cid ule, se l.a .le arrematar a quem mins
d?, Jot venda, m sobrado de dous andaros e sota..
em chaos pronrio, na ra do Quemado, n 24. Os
IWlfi.tocom|arec:.mnodia e hora aprazados, por
"SSBBtm, subditonapolilano, mudou-se
doAte,ro-da-Boa-Vista, ... 6, para a ra doAragO,
37, onde az toda e qualquer obra de cobre es-
tanho e ferro, por pre?o commodo.______________
Jos Lourenco Meira de Vascon-
cellos, professor substituto de latim do
collegio das artes de Olinda, (em aberto
a sua aula particular de latim, em sua ra-
sa, ao p da la.leira da S, aonde conti-
na a receber pensionistas, mesmo aqucl-
les que pretendan cursar oulras aulas no
referido collegio d.s arles.
lublco, principalmen-
quo desde odia 11 d"
is as suas aulas para
de sua residencia no
,a do Veras, numero
13, ende lambom continua receber como ate aqu
meninos pensionistas c meio-ponsionistas, para o
que a casa offerecc bons commodos: sobro o traln-
mento, boa educado e adiantamento que sempre
tem preslado a seus alumnos durante nove nnnos
que labora ueste exercicio, o faz crer que o rospeila-
vcl publico esta satisreilo pela preferencia eescollia
que Ihe lem merecido.
Pob/earpo Nunrs Carreta.
Aluga-se urna casa torrea na ra das Trinchei-
ras : no sobrado da mesma ra, n. 19.
Convocarlo de credores.
Os adiminislradores da massa-fallida
de Joiio Luil Vianna convidam os credo-
res da mesma para urna reuniao, boje (i G),
ao meio dia, na loja de calcadou. a
fim de Ibes ser patente o estado do activo
da mesma, etratar-se do melbor meio de
.alisar csse activo. Sendo do inters-
se de todos os credores saberem o que
teem a esperar desle negocio, roga-se-lhes
que nao la I lem.
L'll ""
Compras.
Compra-se para remedio una cobra do viado
que csteja viva: na praca da Boa-Vista, segundo an-
dar da casa n. 32, ou annuncio para ser procu-
'"do.
Compram-sa 3ou 4 pretosolliciaes de sapalei-
ro ; sendo de bonitas figuras, pagam-se bem : na ra
da Concordia passando a pontezinha a direita ,
segunda casa terrea.
Compra-se o Conde de Monte Christo em se-
gunda milo : quem livor annuncic.
Com tira-se urna escrava que saiba co/inliar,
engomniar, e que n3o soja recolhida : emFora-de-
l'orlas, ll. 135.
*^f!mm^K^
na
II. 'I
Em virtudo deste juramento, repl.cou o re,
recobrando a convenienlo gravdado, eu lio cotillo,
senhor governador, o direito soberano, direito de
baracoe cutello sobretodos oseles quchabiUmo
-r, a trra, o rogo, e a agoa deste palacio.
Obrigado, amo, disse Zamora, crguondo-so.
E agora, disse o re, vpipassear com a la bo-
nita Tarda pelas cozinhas, cdoixa-noscm paz. Val.
Zamora sabio. /i.., ,
gando elle sahia por urna porta, entra va .hon pe-
Ab'! es tu Choninha Boas noites, Chon.
Orei nuxou-a a si, e bejou-a.
Ora vemci,mnha Choninha, continuou elle,
tu hasdemedizer a verdade. ^ v->
Ah tome cuidado, senhor, disse Chon, V, ma-
Bcstadecahemal. A ventado Creio quef" "1'""
iciraveznaminhavda. SeV. mageslade quer sa-
ber a verdade Talle com Joanna ; essa.sun, naosaoe
mentir. *"
He verdade, condessa .,.,;
Senhor, he bom de mais o conceito que C|ion
lazdmim. Os cxemplos me teem perdida, edosta
noite em diante sobreluda esluu decidido a mentir
como urna verdadeira condessa, sonOo for convem-
cnledizer a verdade.
Ah disse o rei, parece que Chon tem alguma
cousa a me occullar,
A f.que nflo! \
_ Algum duqiiinho, ou marquczinlio, ou viscon-
dinho que se lera ido procurar.
Nao o creio, replicn acondessa.
Que dizthonaislo?
. Nos nao o eremos, senhor. ,>,
Sera preciso, que eu exija a este respeito um
ielalorioj* polica.
Da polica Ue M. Ue Sartines, ou da ramita i
Da do Sartines.
Porquanto Ih'o pagar?
__So me elle disser cousas curiosas, nao rega-
Entilo prefira a minha polica, e receba omeu
relatorio. Servi-lo-hei......como so devem servir os
res. ... >
Vender-vos-hoisvos mesma.'
Porque nflo, se a quantia valer o segredo
Poisbcm! vafeitol Vejamos o relatorio. 10-
rm nada do mentiras.
La France, tu me insultas.
nuero dizer, nada de Acetes.
l'ois sim! prepare V. mageslade a somraa,aqui
'^Sioui dinbc.ro, disse o rei fazendo .te-
nirem algumas moedas d'ouro no fundo da algibeiia.
-Primeiro, a condessa madama Dubari y fo. v.sta
esta Urde em Paris pela volta das duas horas.
Quo mais, que mais ? isso sei eu.
Na ra de Valois.
-a. Nao digo que nao.
Pelas seis Zamora foi ler eom ella.
Tambem he possivel, mas que la fazer madama
Dubarry ra de valois ?
la a sua casa.
Bem vejo; mas a quo la ella a casa.
Esperara sua madrinha.
A sua madrinha disse o re com urna caran-
tonha que ello n.lo pode nteiramento dissimular,
cntao ella vai baptisar-se ?
Sim, senhor, na grande pa de Versallies.
_ A f que faz .na?. O paganismo assent.va-lhe ^ ^ ^ ^ ^ ^
tfilbQue quer V. mageslade ? ntto sabe que semprel, Por certo, por certo, disso elle, be.jando a mao
^S^OTJW!Kter'um*msOrinh. ? I* Ma"Repente:
__K a temos, senhor.
O re estremeceu eencolheu os hombros.
Gusto muito desse gesto, senhor; elle me pro-
va a ee V. mageslade sentira muilovr dorroiadas
asCrammonls, as Cucmencs, e todas cssas presumi-
das da corte,
s'm duvida, V. magestade se liga com toda essa
ge_Cu me ligo t ... Condessa, dgo-vos urna cou-
aa, e he que o rei s com rois se liga.
He verdade; mas os seus res todos sao os ami-
gos deM. de Choiseul. ,
__ Voltemos vossa madrinha, condessa.
Antes isso, senhor.
-- Kntilo consegustes fabricar urna ?
Achei-a j eita, c de mais a mais de bom Ju-
lio, urna condessa do Barn, familia de principes
que reinaram ; esta bagalella. Espero que esta nao
ha de deshonrar a alliada dos afilados dos Stuarls.
-- A condessa de Barn ? disso o re admirado; eu
s conheco urna que deve habitar para o lado de
C He essa mesma; fez urna viagem de proposito.
E dar-vos-ha a m8o ? *
As duas n.abs.
E quando ? .
Amanhaa, pelas onze horas do da, lera a Hon-
ra de ser por niini reocbidaem audiencia secreta ; o
ao mesmo tempo, se a supplica mo for muito indis-
crcU. pedir ella a el-re quo Ihe marqae o seu da,
eeste dia se Ihe marcara o mais prximo possivel,
assim, M. La France ?
nao he
O re poz-se a
Yendas.
Vendem-se roquetes para padres, por.preco
commodo : na praca da Independencia n. 19.
Vende-so um bom sitio com urna
oxcellento casado sobrado, com bas-
tantes commodos para grande fam.-
a com 4 alas, 13 quarlos inclusivo 3 maiores, com
lan'ellas 2cozinhas, urna cm baxo coutraomci-
ma bastante a rejadas com lomos modernos, o
outr'os diversos arranjos quarto para fe.tor sen-
zalla oara pretos, estribara para 3 cavallos, a folga,
lKTuna pequea casa vclha que podo serv.r
narTcclicTra ;'cm un. dos quarlos existe um orato-
Kracelebracaodamssa, com os seus necessa-
ros arranjos: o sitio he de urna extensao immensa
econtOm diversos arvoredos, um pomar de laran-
eoras enxci tadas com laranjas selectas c de embigo,
limos doces e limas de embigo queja produzem
fruclo, alm de oulros pja anl.gos que produzem-
laranis muilo doces, coquc.ros. alguns uedenz^ros,
caiueiros, niangueiras, jambruros, pitombeas,
nans,oirs, uliaioiras, assafroe.ras jaque.ras,
p boiras, liglioiras, gniaboiras brancas, imrne.sos
aracasoiros auanazeiros, o.t.-coros com baaa do
capm plsnUdo grande vivoin. subdlvidido em 3, con. bstanle ter-
reno para diversas plantados, como os bous melles,
modobins macacl.ciras lugar para jar.l.in o com
algumas llores, outro lugar liara borla lodo cerca-
dodelimao.cou.um grande poco de agoa de be-
ber mais oulros dous pequeos, cm chaoi pro-
prios muito porto da capital por ser no prme po
ta estrada de Joao de Barros : a Iralar no mesmo
sitio a qualquer hora do dia.
- Vende-se urna parda do 30 annos, que coznha,
lava e cose sem vicios, o que se alianca ao comprar
dor : na ra Direita, n. 61.
Amanhaa as onze horas I exelamou elle.
Sem duvida, hora do almoco.
He mpossivel, querida amiga.
Como, impossivel !
Eu nao almoco aqui, parto esla noite.
_ Que temos ainda? disse a condessa quo senta
subir-lheo Trio ao co.ac.ao. V. mageslade se retira.
He preciso, chara condessa, du hora a M. de
Sartines para traball.o muito urgente.
Como approuver a V. magestade; mas ao me-
nos ouso esperar que ceiar_______
Oh sim, talvcz ccie .. sim, estou com bem
^tiSAtVm, Chon, dissearavoritaii-
mftt, dirigindo-lhc m gesto particular, e que sem
duvida tinlia relagOo com alguma convenci d ante-
mao concertada.
liavia o rel'obsorvado o gesto por um espelho, e
posto que o n3o pode.ssc entendcr,ad.vinhou urna ci-
_' Bem no. nao, disse elle; he mpossivel mes-
mo ceiar .. He preciso que cu parta neste mesmo
instante. Tenho que assignar pape.s ; boje hesab-
ba-'posbem, seja assim! neste caso vou mandar
chegar a carruagem.
Sim, minha bella condessa.
Chon !
Esta tornou a apparecer.
Manda vir o coche d'cl-rai.
Bem, disso Chon com um sorriso.
E sabio do novo.
Logo depoisouvio-se ajsua voz que gritava na an-
tecmara : .
1 Cheguom o coche de el-re I
.'C MUTILADO
(I



A
piel
FOLHINHAS
do .ilmaiiak c ele porta.
A edico mais correcta e com
;la que existe deslas folbinhas,
est venda as livrarias da pra-
ca da Independencia, ns. 6 o 8; da
esquina do Collegio; e na Boa-
Vista, botica defronte da matriz,
pelo preco do coslume.
Vendo-so un hero,o ile Jacaranda, ilc molde an-
tigo mas envernisado e com cortinado poc 10,000
rs.; urna pedra de lillrar com sen mocho e jarra : na
ra da I'niflo, junto u Cypographia.
Vende-se urna cabra, de 20 annos de linda fi-
gura quocose, engurrua e cozinha; urna parda ,
le 30annos, com as mesmas habilidades; uin prc-
to de naciio : na ra larga do Jlozario, n. 85, por
cima da luja do Sr. I.oily.
Vende-se una poreflo de telhas trincadas, mili-
to boas duas grades de telhas, urna nova c oulra
usada, c diversas grade de lijlos : na travessa da
Concordia sobrado n. 5.
Vendc-scum pardo, de25 anuos, de boa figu-
ra, ptimo carreiro; um dito, do 18 anuos, pro-
prio para pagem ou oulro qualquer servico; 2nio-
lequcs, de 14 annos, de bonitas figuras esadios : no
armazem de farinha do caes do Collcgio.
Vende-se sal em grandes o pequeas porcOes :
na ruada Moeda, armazem n. 7.
Vendem-sc Sesera VOS, sendo: 6 pretas.de 10
a 35annos, duas das quaps com habilidades; urna
preta de nacio, de bonita figura ; um pardo bom car-
reiro e de milito boa conducta : no palco da matriz
ile S.-Antonio, sobrado n. 4.
Vemlcm-se 30 aeces da companbia de Bebc-
ribe, no valorde70 por cento ; nesta tvpographia
se dir quem vende.
ISa lojade Guimares Se
rafim & Companbi.t, enfronte
ao arco de S -Antonio, n. 5, ven
dem-se lentos de vapor, de pa
driles modernos, pelo barato pre-
co de 480 rs, cada um ; lencos
francezes de cores finas e fixas ,
fin indo seda a 480 rs. cada uin;
brim escuto rancez trancado,de
puro linlio, a720rs. a vara.
Vende-se sal de Cadix, a preco barato a bor-
do do brigue sueco Clara : a tratar na ra da Moeda,
ii. 7, com taopoldo Jus da Costa Araujo.
Vendem-sc no armazem do llragucz saccas
oni fcijiio-fradinlio, muilo bom, a 3500 rs.
Vendo-so um refe com seu tercado : na ra das
rn/es* n. 34.
- Vende-se potassa branca, da
mais nova e superior que lia nes-
tc mercado, por mdico preco:
na ra da Cadeia-Velba, armazem
n. 12, de Bailar $ Oliveira.
Vende-se urna prela, por 300,000 rs., que co-
zinha. lava roupa vende e compra na ra : no pa-
teo do Carnio loja do sobrado n. 7.
Vendem-se 4 escravas que servem bem a urna
casa vi-tu Ion i e compram na ra ; urna parda de 20
unios, perfeita engommadeira, costurcira e cozi-
nheira ; una dila de 14 annos muilo linda o boa
para se educar; Sescravos bous para o servico de
ampo; l niolpque e um mulatinho de 16 annos, que
ilo-se por muito commodo preco, por precisaren)
Vende-se um sitio com bons eommo-
dos parn tudo, boa casal, com agoa
corrente que se tem banheiro pelo ve-
rti com bom pasto para vaccas de leite e trras
para plantar, fructeiras com olaria barro ao pe
para toda obra : nos Remedios, sobrado que tem
olaria.
Na loja de Guimares Se-
rafim & Companbia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven-
dem-se cas tg finas, largas e fian-
cezas, pelo barato prego de 480
rs. avara; cintas francezas, lar-
cas, a 280 rs. ocovodo.
Vende-se superior fumo em folha para charu-
to i no armazem do Das Fcrreira defrontc do caes
da Alian.lega a tratar com Silva & Grillo.
Vondc-se palhinha ou rotim para assento de
cadeiras de muito boa qualidade, em porefto e a
relallio por preco commodo : na ra do Vigario ,
n. 25, primeiro andar.
-- Vcndc-sc sarca-parrilha, de boa qualidade, por
prego commodo : no armazem do Bragucz ou a
tratar com J. B. da Fonseca Jnior na ra do Viga-
rio n. 25, primeiro andar.
Vende-se um prelo olllcial de sapateiro de 23
a 24 annos na ra da Cadeia do Itecife, loja de Gue-
des& Mello.
GfffgSa Vende-seo sobrado de3andares esotilo,
Vpf? al n> 15> t'a rua (,c Apollo, o qual lio milito
^**k bem repartido c tem cozinha em todos os
andares por proco bstanle commodo : na rua da
da Cadeia do Iteeife, loja do cambio do Sr. Vieira.
Vendem-sc duas casas terreas em chitos pro-
prios sitas no principio da rua Imperial: na
mesma rua, n. 61.
Fotassa da Itiissia.
Vende-se a bem ennhecida c superior
potassa da Itussia. chegadd ltimamente,
no armazem de Rolhc & liidoulac, rua do
Vigario, n. .
Vende-se sal do Ass: a bordo do briguc-escu-
na Hrnriqueta Tundeado ao p. do trapiche novo.
Vende-se cal virgem de Lisboa, em caixas e
barricas, chegada ltimamente : no escriplorio de
Francisco Sevcrianno ltabello <\ Filho.
Vendem-se cadeiras de angico por menos pre-
go do que em oulra qualquer parte : na rua Impe-
rial, n. 145.
Vende-se salitre de muito |boa qualidade por
menosque em oulra qualquer parte, em casa de
Claudio Duboux na rua das l.arangciras, n. 18.
Vende-se na loja de miudozas da rua do Crespo,
n. 11, charutos regala de superior qualidade, a 1,700
is. a caixa.
-- 3 a loja de Guimares Se-
rafim & Companbia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven-
derse papel alm.ico aparado a
2800 rs. a resma ; fila de relroz
de cores, peca grande, a 700 rs. ,
soitidas relroz prelo, azul e soi-
10,000 rs. a libra ; cor-
tes de pelle do diabo, a 1440 rs.
Vendem-se dous lindos moleques de 14a 16 an-
nos ; um dito do 7 annos ; um pardo ptimo para
pagem de 18 annos o bastante hbil para oulro
qualquer serviro; um prelo bom carreiro. de 30 an-
nos ; urna preta de 25 annos com habilidades ;
una negrlnha do 7 omos; nina preta de idade ,
(ido, a
. Vendem-se 3 pretas e 2 pretos, de bonitas fi-
guras: na rua do Vigario, n. 5.
Vende-se fumo em. folha, chegado ha poucos
dias da Baha de superior qualidade por preco
commftdo : no armazem de Fernando Jos Braguez,
ao p do arco da Conceicflo do Kecifc.
Vende-se um guarda-louca em bom estado;
um globo de moio do sala; tudo por preco commo-
do : na ni a ireita n. 129.
Vende-se um sitio na estrada de S.-Amaro para
flelm, passando a ponte, do lado direito, o primei-
ro porlfo bastante grande, com arvoredos de
fructo, pasto para 8 vaccas de leite com 3 viveiros,
terreno para pantaclo : na rua do l.ivramento lo-
ja de latoeiro, n. 28.
-- Vende-se um conloo de ouro com 11 oitavase
meia de ouro de lei; um dito mais pequeo ; 3 pa-
res de botoes cortados; um soberano inglcz com
guarnicilo; um rozario ; urna medalha; tudo de ou-
ro do lei c sem fcitio : no largo do Carino, venda
n. 1.
Vcndc-sc u na negrinha de bonita figura de to
annos: no Aterro-da-Boa-Visla, sobrado n. II.
= O corretor Oliveira tem para vender cobre em fo-
lha e pregos de dito para forros de navios : os pretcn-
denten dirijam-se ao inesmo, ou aos Senhores Moquita
& Dulra.
= Vende-se potassa branca de superior qualidade,
em barris pequeos ; em casa de Malhers Austin tS
Companhia, na rua da Alfandega-Vdha, n. 36.
= Vende-se cal virgem cm nielas barricas chega-
da prximamente, por prejo commodo; na rua da
Moeda armazem n. 15.
FERBO! I Mi lio,
de todas as qualidadcs e cotire para forro de navio
de 18 at 28 oncas, em grandes e pequeas parti-
das : no armazem de A. V. da Silva Barroca, defron-
te da groja da Madrc-de-Deos.
\ Menean!
Cunha russiana ,nova, de superior qualidade, por bara-
tsimo preco : na rua da Cadoia-Velha, n. 50.
=^ Vendem-se inoradas de ferro para cngenlios de as-
sucar, para vapor, agoa e bestas, de diversos tamanhos,
por pirro commodo ; p igualmente taixas de ferro coado
e batido, de todos os tamaitos : na niara do Corpo-San-
to, n. II, em casa de Me. Calmont ti Companhia, ou na
rua de Apollo, armazem, n. 6.
Casa da F,
na rua estrella do Hoznrio, n. 6.
Nesta casa acham-se a venda as cautelas da lote-
ra das obras da matriz da cidade da Victoria; da qual
andam as rodas no dia 29 do corrente. A ellas que
silo poucas: os precos silo os do costme.
l\o Atrro-da-ltoa-
Vista, loja n. i>5i,
vendem-se chitas finas a 140 rs. o covado e rsca-
dos francezes a 200 rs.
A 2^300 rs. o covado!
Na loja de Guimares Serafim
& Companbia confronte ao ar-
co de S.-Antonio, n. 5, vendem-
se casimiras francezas, sem pel-
lo finas de lindos padroes e
pelas pelo barato preco de 2500
rs. o covado ; ricos corles de cha*
li de la e seda, com barra, a doze
mil rs. o corte.
Vende-se um terreno na rua que fica por de-
trs da rua da Aurora em lente do fundo da casa
do Hnado l'ereira com igual largura a dita casa ,
dvum Sequeno curativo; um dito dlO anuos, mu- por 200,000 rs. : na rua do Collegio', n. 3, segundo c"m ;,00e. ,anlos Plmos de fundo, o qual chega
i ale a terceira rua : a tratar na travessa da Madre-dc-
na rua do Cres-, andar.
to esperto para servir una casa
po, n 10, primeiro andar.
Vende-se urna mulatinha de 14a 15annos, mui-
lo linda para urna mucama : na rua do Crespo, loja
n. 19.
]Vo deposito de assucar da rua
l>ireita, ii, f 8, junio a pada-
ria da viuva fi Alachado,
vende-se assucar refinado, muilo fino, primeira sor-
te a 100 rs. a libra ; dito de segunda dila, a 90 rs. ;
dita de lerceira dita a 80 rs.; dito mascavado re-
finado, a 70 rs. a libra ; dito de carogo branco li-
no, mais baixo, somenos e mascavado, tudo por pre-
co muito commodo tanto a rclalho como em arro-
ba ; cha hysson muito supreior, a 2000 e 256U rs.;
manlelga franceza muito boa a 600 rs.; dita a 320
rs.; eafemoido a 160 rs. a libra; dito de caroco a
140 rs-;cGvada moida a 160 rs. a libra; dila em
grao a 100 rs. a libra ; chocolate a 80 rs. o pao e
em libra a 280 rs. ; farinha do trigo boa para pflo-
caroco.
Naonosesquecamos
do harateiro,quc
elle lie cantarada da gente!
Oantigobaraleirocsl vendendo a troco do pou-
co dinheiro, na sua nova loja de miudezas, na rua
do Collegio n 9, papel de peso inglcz, muito fino,
de primeira sorte, a cinco patacas e meia a resma e
meia dita, a 880 rs.; lencos de gorgurilo de cores
para gravata, a 1200 rs. cada un; luvas de seda pre-
la, comprldas para senhora a 1000 rs. o par ; cai-
xas e tai lei ras de agulhas francezas de fundo dou-
rado eazul,a 280 rs. cada urna; bicos estreitos, a
40 rs. a vara ; linha de carretel azulada, do primei-
ra sorte, a 320 rs. a duzia e osendo cm poreflo do
50 duzias para cima sedar mais em cunta ; rucias
para hornero, meninos e meninas a 240 rs. o par ,
muito linas; ditas para senhora, a 480 rs- o par; ben-
galas de canna da India a 1920 rs. cada urna ; caixi-
nhas com 100 pennas de marlim para escrever a
320 rs. cada urna'; pellos de marroquim a 1280 rs.
cada pelle; riquissimas tesouras Unas para costura
e unhas; e outras muilas miudezas, por majs dimi-
nuto prego do que em outra qualquer parte
)M:MM ;M V M
Dos, n. 18.
IW.AHH.ilUi.
tmiwiw
Vendem-sc sorvetesde varias quali- I
dados; lamange; creme ; gelca de 1
mHode vitela, lisia galea he applica- 5
da as pessoas queeslflo cm convales- ir
cenca de molestias provenientes de j
flaquezas: faz-sc esta advertencia por !
algumas pessoas ignorarem o merec- |
monto o utildade da respectiva ge- A
lea. Na rua larga do Rozara), n. 26, li
primeiro andar das 6 horas da larde |
em dianle. No niesmo andar ha pro- !
porces precisas para receber fam- j,
las, com toda a decencia.
Wffl

Vende-so a armaefo, com poucos fundos, da
venda da rua da Cadeia, n. 1, e traspassa-se a mes-
ma a vontade do comprador, a dinheiro ou a pra-
zo : a tratar na mesma.
5|[j Vcndcm-se casaos de rolas brancas de llambur-
tsKT go : na rua do Rangel, n. 5.
\a nova loja de Jo-
se Alaiiot'l Monteiro Braga,
na rua do Crespo, esqui-
na que vira para a rua
das Otizes, vende-se
chamalotc de soda, pelo, muito superior; sarja pre-
ta da larga de todas as qualidadcs ; ditas de lis-
tras assetinada de muito bom gostoe o mais mo-
derna para vestido ; velludo preto muito superior;
panno prelo e do cores, do muito boa qualidade;
merino preto, superior; dito mais abaixo; meias
pretasdealgodilo, curtas o comprlas ; chales de
seda de todas as qualidades; mantas de soda ; cam-
bra ias as mais modernas, tanto brancas como do
cores; e nutras mu tas fazendasquo serfio patentes
aos compradores.
Vendem-se livros em branco proprios
para qualquer casa de commercio : na
rua da Cruz, n. 13, casa de Rldguav Jami-
son & Companhia.
Ih'bliographia.
Direito, economa poltica, medicina, philotapha, his-
toria, geographia, literatura, malhemnticat, roman-
ces, ele.
I'm sortimentoescolhido do que ha de melhor e
mais reccnlomento publicado em francez e porlu-
guez acaba de chegar a livraria da esquina do Col-
legio. Abi se acha tambem urna rica e variada col-
lec^io de estampas, em formatos diversos, das maio-
res celebridades scienliicas, litterarias, polticas e
militares da poca, como Arago, la Place, Lamartine,
Mchclet, Cuizot, Itoijer Collard, I amonis, Cousin,
Bossi, Broglie, Soult, Espartero, ele. Outras estam-
pas sobre assumptosde religiilo esanlidadc.
tfiCSI Vend?m-sc dous pianos novos por proco
nSTr' commodo: na rua da Cadeia do Rccife,
casa de Russell Mellors &. Companhia. Advcrte-se
queum lie horizontal e de boas vozes o oulro,
alem de ser de nova invenciio, hedegabneto mui-
to proprio para se levar para o mallo, e tem urna
machina para transferir as vozes at mais oito meias
oitavas.
Vende-so urna bomba do scupra que tem 27
palmos, com todos osseusarranjosem bom estado,
propria para navio ou cacimba, porque bota muito
agoa: lamhem d.lo-se 400,000 rs. a juros com boas
firmas : quem pretender annuncie.
Vende-se urna cama de armaco com muilo
pouco uso : na rua do Cabug loja de Joaqum Jos
da Costa Fajozes.
Vendem-se 32 barris de mel de enge-
nlio, de muito boa qualidade:c os barris
estilo bem acondicionados: a tratar com
_ Joaquim Riboiro l'ontes; na rua da Ca-
deia do Recife loja n. 54.
Vcndc-sc a venda da rua do Agoas-Verdes, n.
15 .cornos fundos de 250,000 rs.: na Camboa-do-
Carmo, n. 3-
Vende-se cera branca c verde para limas de
cheiro de cores, a 1000 rs. a libra : na rua do Ran-
gel n. 52.
Vendem-se os pertences de urna venda, con-
sistindo em braco com correntes o conchas de nao ;
4 (eros de medidas de folha e um terno de medidas
de pao ;um braco que pesa 30 a 40 arrobas e seus
competentes pesos ; tudo por precos rasoaveis : na
rua da Moeda, n 15
Vende-se urna parda que foi vendida por ne-
cessidado no Aracaty, de 30 annos pouco mais ou
menos, que cose bem, engomma, cozinha e lava,
e de boa conducta, pela qual se rosponsabilisao
vendedor, e he propria para ama de urna casa, p0r i
350,000 rs. : no largo do Carmo, loja do sobrado n. 7.
CARNAUBA.
No armazem de farinha do caes do Collegio, con-1
tina-se a vender cera de carnauba, por preco com-
modo tanto em porefles como a retalho o he che-
gada agora urna poro fio da melhor qualidade que tem
apparecido.
Vendcm-secem barris com mel: na rua (|a|
Cruz, n. 43.
Vendem-se 4 molecotcs muito lindos, de 12 a I
14 annos ; urna mulatinha; 2escravos; 6 pretas do]
14 a 24 annos: na rua Direita, n. 3
Vende-se sarja de seda larga, hospanhola,
muito superior; setim de varias qualidades
para vestido ; dito de Maco para cohete,
o mais superior que ha ; casimira preta ,
elstica, superior; panno preto muito lino;
dito de cores, de todas as qualidades ; vel-
ludo preto; merino prelo de tudas as-qua-
lidades ; dito, o mais superior que tem ap-
parecido; chamalotc; casimiras francezas,
sem pello, de bonitas cores; damascos para
colxas, muito superiores e debons gostos;
o outras muilas fazendas que a vista dos
precos e da sua qualidade o comprador nao
deisar de comprar: na nova loja da rua
do Queimado, nos quatro-cantos casa
amarella, n. 29.
^Affonso Saint-Martin na rua Nova, n. II, segun-
5* do andar, por cima do Sr. DiogoJos da Costa,
contina a vender ricos chapeos de seda e crope, pa-'i,
ra senhora modelo a la Pamelas e a la Douchesse
ditos de palhinha abortos e lisos, ornados com mui-
to gosto e na ultima moda; ditos para meninas, tan-
to lisos como abortos e dos ltimos modelos; ditos
depalha r. Italia, para meninos; mantelelas de
5ros de Naple liso, para senhora ; bons chales de sc-
a e boas mantas; bareges venladeiros para vestido;
lencos de setim, de muito bom gosto; um sortimen-
to de luvas de pellica, para homem o senhora; (ji-
gos de vinho de Champanha, do melhor que-ha. 0
annunciante, tendo recebiilo essas fazendas directa-
mente pelos ltimos navios vindos do Havre, po-
der fazer as melhores concopces que se podeni.
Escravos Fgidos.
Fugio, no dia 9 para a madrugada do dia
10 do corrente um preto, de nome Jos,
que representa ter 50 annos, de estatu-
ra regular, com um defeito em umpe
outroem urna rnilo; he bem preto, encal-
lo inuite regrista c conhecido as Ierras do enge-
nho Novo do Cabo : levou calcas do riscadnho, ca-
misa jaqueta echapeo : quem o pegar leve ama
Nova, a Diogo Jos da Costa que dir quem he
scu senhor.
Fugio, no dia 14 do corrente, pelas 7 horas da
noito urna preta de naciio Angola, com ossig-
naesseguintes : cor fula estatura baisa, ros-
to regular, olhos pequeos; representa ter 30an-
nos; levou vestido de riscado azul com quadros,
urna saia preta de lila por cima do vestido eum pan-
no da Costa azul com matamos brancos ; quema
pegar leve a rua da AssumpQo, n. 24, que ser ge-
nerosamente gratificado.
Fugio, no dia 14 do corrente, as 8 horas Ha
rSK noito, urna preta, de nome Antonia, crioula ,
-Jm baixa c gorda bastante; levou vclido de cliila
e urna trouxa com urna redo: quema pegar leve a
Joio llenriqucs da Silva que recompensar
Fugio, na noite de 14 para 15 do corren-
te um escravo de Angola do 50 anno
pouco mais ou menos, alto magro,
pernas finas; tem um dedo mnimo
nleijado cabeca rapada ns bastantes
grossos ; levou alpargata, camisa e calcas de chiln:
quem o pegar levo a travessa do Queimado, n. 3, que
ser recompensado.
ENIGMAS
PITTRESC0S.
llECIFRACAD
O paiz que he sobrecarregado de tribu-
tos perece por tifio paga-Ios. ~-5
PERN. 5 NA TYP, DE M. F. DE FAnU.WjB^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6DL8H941_EVNAAD INGEST_TIME 2013-04-30T19:49:33Z PACKAGE AA00011611_09717
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES