Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09712


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1847.
Segunda-fem II
. nuJtO puldic-> iodo os dias, que nao
r ele rrt* d* c ilos assijpiantes inferidos i ruano de
r'."10.' noclinl'. O et ij|>o difireme, e as
i'-fiH n>el>Je- qUeno Inrem aisig-
PIIASES DA LA NO MEZ DE JANEIO.
, ...bw, I. ,' inulotili Urde.
.i n.^ a ias 18 min. da Urde.
''li! *io i,o' min-di ,"u-
jiescent, a 13, a l or "<" <* n*ul>"-
PARTIDA DOS CORRtlOS.
Goienn* Paralifbe, s segundas escitas iraj.
II ie-Grnde-dn-Norte quimas feiras omeio-lia.
Cabo, Serioiiem, Rio-Formojo, Poito-t'alvo c
eiaceid no l., a 11 e Si de cada mei.
(ara.diuns e Rouilo. a 10 e 31.
Boa-Vista e Flores, mle,
Victoria, s quintas feias.
Olinda, to PREAMAil DE HOJE.
Primeiri, as 11 lioias 43 .indios da manlia.
Segunda, s l lloras e G minutos dn larde.
ile Janeiro.
Auno XXIII.
N.7.
das da semana.
I Segunda. S llvgiuo. And. do-I. doa orpli.,
doJ.doc.de y. e do J. M. di 2 v.
l) Terra. S. Salero. Aud do J. do c. da I
v. e do 1. de pal do 2 dist. de t.
II Quarle. S. Hilario. And do '. do civ. da 2
. e do 1. de p7. do 2 dist. de I.
14 Quinta, S. Flix. Avid do J. de orph., do
J. municipal da I tara.
15 Sella. S. Amaro. Aud. do J. do civ. da I.
Y e do J. depa;. do I. disi. de I.
m Sablaido. S. aia-relki. Aud do J. dociv. da
I. e do i de pal do l dist dr t.
17 Domingo. O SS. Nonie de Jesiu.
CAMBIOS NO DA DE IANF.IRO.
Caiuliio sobre landres 2d. por l|r.
l'.ns 22S re\ por franej.
I.islioa 9.S de premio.
Dtsc. de le d bo'as lirm.s I, I Vi P-'
OnroOufii heipanholis.... 2M600
McedasdefinlOrell'. I60OO
, a de 0/100 uov.. lijfi*0
a de |00n.....
Pial.i Patacoe*.........
l'eoi colnninares...
u Ditos mexicanos....
ntela
a0d.
/,, ao niez.
a lfnt*
;. rt2n
, iCJOni)
11(000
2/040
lloco
ifteo
T l-culo
Acroes da comp. do Ucuerihc de 50f 000 r. ao par.
sffoo
20IIO
2J020
.#720
100 por
DIARIO DE PERMAMBUCO

PARTE OFFIGIAL
Governo da provincia
EXPEDIENTE DE 23 DO PASSaDO.
Oflicio Ao Exm. hispo diocesano, solicitando o
scu parecer acerca da prclcnc.lo do vigario da fre-
guezia do Rio-Formoso condecorac do habito de
Christo.
pilos Ao Exm. commandanto das armas e ao
commissario-pagador, inteirando-osde havcrS. M. o
Imperador concedido Ires mezes do licehca a Anto-
io Tlicodoro da Rosa, segundo teqenle do segundo
natalhao de artiliiaria a pty
Hilos Aos msenos,scientilicando-os de ter me-
recido a approvacilo do governo imperial a ordem
por que a presiacnoia desto provincia delcrmiuou
que, dado o impedimento do porteiro da pagadoria,
fossetn entregues as chaves da repartieflo ao sargen-
to da respectiva guarda.
Ditos Aos mesmos, prevenindo-os de ter de vir
servir nesta provincia, corana Idido ao primen o lia-
tulhiio de cacadores, o alferes do deposito da corte,
Leandro Jos Cavalcanli.
Ditos Aos mesmos, inteirand-os de haver sido
promovido a ciTectividade do respectivo posloobr-
gadeiro graduado Francisco Sergio de Oliveira.
DitosAos mesmos, commuuicando-lhcs quo 8.
M. o Imperador concedeu baixa do servico ao primei-
ro cadete da companhia de eavallaria, Jos Francisco
Jo Rogo Barros.
Ditos Aos mesmos, participando ter o segundo
tenente do segundo liataihfio deaililhaiiaa pe, Fran-
cisco Raphscl de Mello, obtido deS. M. o Imperador
tres mezes de liecnea.
DitoAo presidente interino da relacSo, dndo-
se por nteiado de liaver S. me. dispensado do servi-
co daquelle tribunal econceaido 20 dias de I cenca
aojui?. de dircilo da comarca de Santo-Anto, Ansel-
mo Francisco Peretti.
Dito Ao inspector da thesouraria da fazenda, or-
ilonnndoque, cm execnco do dispnslo cm os avisos
de 8 de outubro c 16 de novembro ltimos, fa?a cum-
prir os decretos que noincam Francisco Alexandri-
no de Vasconcellos Callaca e Juaquim Jos deSouza
Serrano para amanuenses da rccebctloria de rendas
internas.
Dito Ao mesmo, determinando que, para paga-
mento de 12 livros e um cofre comprados pela c-
mara do Bonito para os traballios das eleices, man-
de entregar a Manool Figueira de Feria a quantia
de 107,000 rs. I'ai ticipou-se cmara do Bonito.
Ditos Ao inspector interino do arsenal de ma-
rinha c ao respectivo contador, inloirando-osde ha-
versido licenciado por 3 mezes Filipno Alves veiro,capillo-tcnente da 3.* classe da armada nacio-
nal e imperial.
Ditos -- Aos mesmos, scientificando-os de ter S
M. o Imperador resolvido que, quaniio so podrcm
obler cm 1." mSo os gneros de que precisar o su-
pramenciouado arsenal, se prescinda dapratica dos
annuncios."'
Ditos Aos mesmos, intclligenciando-os de haver
S. M. o Imperador concedido a gratificacito mensol
de dez mil risao'escrvflodo almoxarilado da pa-
gadoria, I.uiz de Franca o Mello.
Dito Aocoinmandantegernl interino do corpo
do polica, recommendando exorueflo do scnlenca
rpU >uaUil jui>lc\ fura prolvitltueontra o so-
j do mesmo corpo, Mauoel da Resurreicao Chri-,
sostimo.
Dito Ao inspector interino do arsenl de mari-
nha, declarando que, sob condigno de screm de prc-
IVrencia oficrecidas aquella roparticflo 100 duzias de
prancliCs de amarelle o 50 do louro, liara cujo corte
obtevo liccnca, cm 183, Bathasar Feij de Mello,
perniitlio S. M. o Imperador quo se eTeituasse csse
corte;
Portara. -- Reformando a Jos Forraz Dallro no
posto de tenente da 4.* companhia do 6, batalho da
FOLHET13M.
MEMORIAS DE CM MEDICO. (*) j
por aicranre J^umasf,
PRIMEIRA PARTE.
CAPITULO XXXIII.
CONTIWDAOAO DO VIO*.
Dcpois doscompiimtmtos do uso, c quaodo a con-
dta.;ndecsa 4UcmuU, tcntava levanlar-se para
dSSKr ^ja ochancellcr a saudava com
um r^iilo^lmWmento de cabeca, qu. era, o imes-
mo qu ditcrrlu* que a audiencia eslava cbda>
--(fom licenca, scnlior chanceUorr d o v.scon-
doiqUeTaperd inha senho jwmhop^
turba-los, mas deaoulpem-oic: que.ra domorai
tudo-nadini a senhora, por quem Ir
Nao tenhOiiais que dua* palavra a dar a>. excei-
lencia. Torne; -
(*) Vid* MriO B. 5.
guarda nacional deslo municipio. Par(icipou-se
ao respectivo commandanto superior.
Cominnndo (las armas.
(QARTEI.-CENERALNA CIDADE DO RECIFE, 31 DE
DEZEMBRO DE 18iii.
oanEM do da n. 143.
D'ordem do Sr. brigadeiro Antonio Correio Sera,
commandanto das armas desta provincia, publicam-
se, para que tenliam a restricta execuciio, as provi-
sOos abaixo transcriptas, (hiladas do 31 de agosto do
corrente atino, quo pelo concelho supremo militar
Ihe foram enderecadas cm portara do S de outubro
ultimo, assignada pelo lllm. e Exm. Sr. secretario
do mesmo concelho:
Manda Sua Magestade o Imperador, pelo con-
celho supremo militar, remeter ao commandantc
das armas da provincia de Pernambuco, para sua in-
tclligenca e execuefio na parle que Ihe toca, as co-
pias inclusas, assignadas por Joo Baptista Fcrrcira,
oilicial-maior dn secretaria do mesmo coTtcelho, das
duas provises, datadas do 31 de agosto do presente
anno ; urna sobre o modelo que se deve seguir as
informacoes semestres do imperial corpo de enge-
nheiros; e ontra sobre explicacOes tabella das con-
tinencias militares. Secretaria do concelho supremo
militar, 9 de outubro de 1846. Joi Perora Pmlo.
m Dom Ptdro, por graoa de Deot e unnime acclqma-
fo dos povot, imperador constitucional e defensor per-
pluu do Brasil:
Faco saber aos que esta minha provisSo virom,
auc.siihindo a minha augusta presenca urna consulta
o concelho supremo militar, datada de o de marco
do corrente anno, a quo mandei proceder sobre o of-
icio do coronel commandanto interino do corpo de
engenheiros, cm que pedia fosse alterado o modelo
das informacOcs semestres distribuidas aos corpos
do exercito, cm 10 de Janeiro de 1843, na parte quo
dif respeito ao referido corpo : altendcndo a que as
relacOes de conducta e antigudado dos oliciaes, of-
iicaes inferiores e cadetes de todos os corpos, do
exercito, alm dedeverem guardara maior homoge-
ncdade possivel,devem conter todas as circumstan-
cias caractersticas dos individuos que se referen),
consignando-so nellas todas as eventualidades desde
o assentamenlo do praca at o momento em que tacs
informacoes silo dadas, pois que 'smente por este
modo se pudo emada semestre julgar doa senricos,
verdadeiro mrito eoutrascircumstancias, qurphy-
sicas, qur moraes, dos mesmos individuos, o que he
essencial para a organsac.1o das proposlas em geral,
odos accessosem particular; econformando-lhe in-
leiramente com o parecer do concelho i hei por bem,
por minha immediata c imperial resolucilo de 8 de
junho do presente anno, determinar:
o i.o Que na casa das informacoes de conducta
praca e accessos --, deverflo ser consignados, n.lo s
o assentamenlo de praca, como igualmente os postos
deofliciacs inferiores a ollkiaes de patente, a que
tiver sido levado o individuo a que ella so referir.
a. Que na caao doencos doveriio ser con-
signadas, nao s as occori idas duranteo semestre, co-
mo todas as que anteriormente tiver soflrido o indi-
viduo de que se tratar.
3." Quo o tituloonde eslava o corpo-, seja
modificado, escrevendo-se aonde eslava oollicinl
- que equivale a urna simples allerucSo, dcvida a
circunihtoncia especial do corpo de engenheiros.
4 yuea rospeilo das casas castigos o moti-
vos -se proceder anlogamente ao que Dea dito no
2.. a respeito das-doeneas.
5 o Que se devenlo conservar as tres sulxlmses
do ttulo -- lcencas -. a sabor -- regislrada com
voncimentos do favor- : a pnmeira indica perdi-
inento desold e mais vencimentos,e bem aasim de
empo deservico; asegunda refero-se as hcenCas
concedidas ero virtud* de les especiaos, com ve
monto de todo, eu parte do sold, o do lempo de
enci-
ser-
i tornou a sentar-seL
gar;eocoracao nadava-lhe cm alegra, epalp.tava-
Ihc forte de impaciencia. i1ii,nil .
Mas talvoz que eu o incommode, balbuciou a
"^h i n.lo, minha senhora, no. Duas palavras
smente tenho ouodizer aS. excellcncia; roubarcr
smente cousa de doi minutos aoseu precioso tra-
balho o lempo smenle do dar urna querella.
lima querella?! que he que diz osenhor-vis-
conde? bradou ochanceller. i'-_j*J
_ Assatsinaram-me! assassmaram-me! Creioquo
me entende bem, senhor chanceller; eeu naoposso
deixarpassar as cousas assim comovflo. Insultem-
Wfacem cantigas a nosso rospeilo, '"-amern-nos
mulo embora, porque a gente sobrevive a lude n>
so, mas iflo nos mulilem, com
a gente moi re
mildiabos, porque
^Quoira explicar-M, senhor visconde, diz o chan-
cellor finitindo-se lodo aterrado.
_ bcn'Poucas palavras. Perm eu estou ip-
Ipi rnmoendo a audiencia da seiitiora.......
"Xa senhora codessa de Barn, d.sso o cha. -
cellcr ajrcscntando a respeitavel dama ao vucoi.de
,0Ov?effl'recoou com toda a graca, pJjtar
^ssrTis>a?iSi---.-''
lidez.
vico; o a terceira finalmente indica as licencas que o
governo, os presidentes de provincias, os genoraes
em chotes, oscommandantesd'armas, corpos opra-
cas estao autorisados para conceder, por detormi-
nndotenipo, conservando o licenciado os scus von-
cimentos, e contando lempo de servico.
6. Que por servicos extraordinarios em cam-
pa nhasmente se deve entender aquejlcs quo,
como laes, forem declarados em ordem do dia do
commandanto em chefe do exercito, ou das torcas
em operacOes, ou por determina<;ao do governo;
nao sendo licito a quttlqucr commamlanle de corpo
classificar a seu arbitrio como servicos relevantes ou
extraordinarios quaesquer accOcs dos oliciaes, ou
ofllciaes inferiores c cadetes que nao sejam munidos
d'aquclles indispensaveis documentos.
7." Quo por servicos extraordinarios em lem-
po de paz se deve igualmente entender aquellos
que, como taes, forem julgados polos prosidentes ou
commondanles de armas das provincias em auc ser-
vrom os oliciaes engenheiros, a vista dos refalnos
dos chefes das commisses ou por determinacilo do
governo; sein o quo nao poder o commandanto do
corpo classificar extraordinario qualqucr servico fci-
to em tempo do paz pelos oliciaes do mesmo corpo.
A'ifa int'lligencia ser extensiva a todos os corpos do
exercito.
a g. Finalmente, quo pode ser dividida em duas
partes a casa applicacno ao servico, ampliando-a
quanto neeessaria seja paru se consignarom em cada
tima dolas separadamente, commissoes e seu dcs-
ompenho. Pelo que mando autoridado a quem
compote e mas peasoas quem o couhecimento des-
ta portencer, acumpram e guarden) lo inteiramen-
le como devem, c nclla se conten. Sua Magostado o
Imperador a mandn pelos memoras do concelho su-
premo militar abaixo assignados Joo Baptista
Ferreira a fez nesta curte e cidailc do Rio-dc-Janero,
aos 31 dias do ntez de agosto, do anno do nassiinen-
to do Nosso Senhor Jesus-Christo de 1846. O conee-
Ihciro, Josi Pereira Pinto, vogal servindo de secreta-
rio de guerra, a fez oscrever e stiliscrevou. luiz da
Cunha Moreiru. Francisco de Paula Vasconcellos.
Ksl conforme, JoUo Baptista Ferreira.
Dom Pedro, por graca de Dos e unnime, acclamacdo
dos pocos, Imperador constitucional e defensor perpe-
tuo do Brasil:
Faco saber aosquo osla minha provis.lo vircm,
que, subindo a minha augusta presenca urna consul-
ta do concelho supremo militar, datada de 3 do mar-
co de 1845, a que mandei proceder sobre o otllcio do
commandante das armas da provincia do Pernambu-
co, acerca das duvidasem que se acha, sooro mate-
rias omittidas, ou mo bem explicadas na tabella das
continencias militares, mandada observaren) virtu-
do da imperial rcsolucao do I5de foverciro do I8*j;
econformando-nie inteiramonte com o parecer do
concelho, hei por bem por minha iminediata e impe-
rial resolucao de 5 do corrento mezo anno, mandar
1 Que, achando-se determinadas no 8. da
provisilo de 6 de marco do 1843, as continencias quo
smente devem fozer as guardas de honra das igre-
ias, comtudo deve cnlender-se quo a rhegada as
mesmas Rrejas dos presidentes das provincias, dos
bispos, commantlanles das armas e nais pessoas a
quem compete as outras guardas a chamada as al-
mas c fazer continencias, taes guardas deverflo cho-
garafrmaecobrir as armas em sigual do respeito
as referidas pessoas. .
a 2 Que, ordenando a mencionada provis.lo que
os presidentes das provincias em seus goyernos tc-
iiham Kuaes continencias s dos commandantes em
chefe de um corpo de exercito, por bem entendida
analoga, as guardas d'aquelles so doverflo praticar
para com mais pessoas as continencias quo faziam
os presidentes das provincias ter as.suas guardas de
igual f<\rca que esta determinada no $ 32.* da so-
bredita provisHo para os referidos commandantes
em chefe, quando a forca das guarnicOes assim o
permita. Pelo que mando a auloridade quem o co-
uhecimento desta pertoncer, a eumpram e guardeni
Ido ntelramente como devem enella se conten. S
M o Imperador o mandn pelos mombros do conce-
lho supremo militar abaixo assignados. ^odo Bap-
tista Ferreira a fez nesla corle e cldade do llio-do-
Janeiro,aos3l dias do me/de agosto do anno do nas-
cimonto de Nosso Senhor Josus-Christo do 1816.
O concelheiro Josii Pereira Pinto, vOf?al servindo de
secretario da guerra, a fez eserover o itjbacreveu.Jo-
t Joaquim de Lima e Silva. Francisco Josa de Souta
Soares d'Andrea. Est conforme.- Joio Baptistn
Ferreira.
Jos da jilea Uuimaret.
Ajudanlc d'ordens.
lisia *v<*> ,.- r "------T *i.
comocuardosdapessoa dos commandantes em che-
fe, segundo se acha declarado no 33. da dita pro-
vi Sil O
3.* Finalmente, que pela mesma rasBo deverflo
Ora sem ceremonia, senhor visconde, falle V.
excellencia em prmeiro lugar: porque o met nego-
cio he do dinheiro, e o seu he de honra, o deve por
isso ter mais pressa do que eu.
Minha senhora, respondeu o visconde, aprovei-
tar-mo-hei da sua obsequiosa amabihdade.
F. narrou o caso ao chanceller, que o escutou gra-
ve e estupefaclo. >
Tem algumas testemunhas? perguntou Mau-
ntou, depois de um momento de silencio.
Oh' essa porgunta, exclamou Dubarry, beatio
ioiz inteiro que se nao quer deixar influir somlo pe-
la verdado irrecusavel! Pois, meu senhor, teremos
esemuina ^^ viScondo, J V. excellencia a
achou. disse a condessa.
Quem be? perguntaratn ao mesmo tempo o vis-
conde e ochanceller.
Eu! respondeu a condessa.
Vosaa excellencia, minha senhora I replicn o
rhtifiCBicr
Ora ouca; senhor visconde. A cousa nao sepas-
ou na aldeia de La aiausse ?
He verdade, minha senhora.
Na moda de cavados da posta?
He urna verdade.
Pois bem: euserei sua lostomuiina. Passe pe-
lo lugar onde o attenUdo se commotteu, duas horas
denois de platicado. -.'*, ,.
i- De veras, minha senhora? bradou ochanceller.
Oh I que favor ssignalado V. excellencia me
presta! disso o visconde.
E por suaJ, contim.'""
a condessa. que todo
EXTERIOR,_____
F I\ ANCA.
BOUCtlH DO MUNDO RELIGIOSO.
scmmario. O Amigo da Religito. M. Picol. O
Vnivers. A patrologa. W M. Havignan, 1a-
cordaire, Dupanloup e P. Humphry. Negocio i/u.
arcebitpado de ix. 7'AitVwi, hispo de ilont-
pellier. Os missionarios methodislas americanos na
Asia. ConwMdo do bisps de Owrfc. Igreja Ihre
da Escocia. Afonumnilo c"j Chriitorao Colomho
em Genova. Igreja de Xaugirard. Manalos do
clero, Decisio do roncelho real de instruccAo pu-
blica.
Em 814, M. Boulogne, eloqticnte orador, e M. Pi-
col, erudito bibliopiapho, eslibeleceram, sob o titu-
lo de Amigo da UcHyitioe do Hei, um epilogo semi-
periodico, especialmente consagrado as materias re-
ligiosas e nos interossos do clero. Escriplnr laborio-
so, tinha M. Picol a vantagom deconheccr perfeita-
mentesua poca e lodos os homens que iguravam ou
tinham figurado nos aeonloeimentos contemporne-
os ; mas, demasiadamente timorato o escrupuloso,
sempro receiava dizor de mais. Quanto n parte no-
ticiosa, o Amigo da Religito, eomquaiito apresentasse
documentos hmgraphicos sempre exactos e curiosos,
todava, por rido c montono, desagradava aos seus
subscriptores queso o nilo abandonam ora por nao
teoni cousa molhor.
IJn 1832, um simples padre da dioceso de Saint-
Flour veio a Paris c creou o Univers, Jornal diario,
para supprir insuflicionca do Amigo da Religio.
Poneos aunos depois, retirou-so pssso sacerdoto para
de todo dodicar-se s mus considera veis publieacoes
religiosas da poca actual. F. desdo entilo, lom o U-
nirers prcenchido a lacuna que o Amigo da Behgo
deixava ? Suppomos que nao. Com efleilo, elle copia
do Amigo da Religv'o que esl incontcstavclmeiite
melhor, as noticias quo d:i sobro as colisas e os ho-
mens do clero. Estcopilogo resonte-se da decencia
e gravidade do corpo episcopal, com o qual-cntre-
tm numerosas o permanentes rolacOes; sua redac-
eflo he sempro decente o moderada, no quo muito
dilforeda de Vnivers quo se distingue por urna pol-
mica exagerada, e as mais das vezes indecorosa o in-
juriosa; polmica quo ello proprio mu positiva-
mente condomnou, quandu censurou os excessos de
um jurnal cathlico Ingle?, denominado The Tablet.
rA7Y.W, oecupando-se minias vezes do ques-
toes pessoaes, tem doixado de guardar as regras
o devillas aos negocios do oslado. As personalidades
sao una das fraquezas desta folha. Acompanha
nesta extravagancia aos demais jornaesde lngla-
i, torra, sempro quo do alguma queslBo pode vir
algum interesso pecuniario. Esses desvos corn-
ac prometieran) d'algum modo a existencia do Tablet
o povo da aldeia contava o caso a quem queria ou-
vi-lo.
Mas teuha cautela, minha senhora, tenha cau-
tela ; olhe que se consente em servir-mo de tcstemu-
nha, provavelmente os Choisauls adiaran meio do a
fazorarrepender.
__L isso, disse o chanceller, ser-lhes-ia tanto
mais fcil quanto .senhora condessa neste momento
sustenta urna demanda, cuja victoria me parece bem
duvidosa.
Senhor chanceller! senhor chanceller! diz a
vclha dama, levando as mitos i cabeca, eu precipit-
me d'abvsmo em abysmo.
Encoste-se umpouco aosenJior, murmurouo
chanceller abaixando a voz; ello Ihe prestar uro bra-
co slido.
__Um braco so, disse Dubarry sacudindo-se e re-
3uebrando-so todo; mas eu confieco lauen que tem
ous, bous e bem longos, e que os otrerece a V. ex-
ccllepcia.
Oh! senhor visconde, exclamou a demandista,
esse olTcrcciment ser serio?
Obsequio por obsequio, minha senhora : aceito
o que mo promelle; acoito V. excellencia- o que Ihe
ofrereco. Va feito?
He essa urna fortuna que eu no osperava, se-
nhor visconde.
" Pois boro, minha senhora: vou d'aqui mesmo
rer urna visita a minha irniSa, e pec,o-lbe que tome
assento na minha carruagem.
E hei de ir v-la seto motivo, sem preparar-
me? Ob! isso n3o, senhor visconde.
V. excellencia tem um motivo, disse o chancel-

1


r
que fo renunciado por urna parte da aristocracia
catholica.
O Tabkt he o primeiro jornal catholico quo depois
da /rmaseestabeleccu em Inglaterra. O Vnivtrs
aecresoentava que a paixlo e o encarnicamento as
discussocs mo convm a catholicos. Parece que o U-
nirers esqueceU em 1846 o que escrevia em 18*3.
Dizem que este jornal tcm 4,000 subscriptores pelo
menos ; dos quaes apenas a metade pertence ao cle-
ro : su a phrase declamatoria, esuadiscusslo desor-
denada lem arredado de si urna grande parte dessa
corporaco. Ha ecclcsiasticos que, bem longe de
subscrever jornaes, se absleelh de le-Ios. Poderia-
mos citar dioceses inteiras no centro e a ste da Fran-
ca, on mito numero do assignantcs. Elle nlo ignora que o
tom habitual de sua redacciio be desapprovado pela
maioria do alto cirro, e principalmente por um sa-
bio e Ilustre prelado quo se interessnva pela Allianfa,
cuja redarcao, quanto a decencia, contrastava com a
do Unitert.
Eis o que he o Unirers quanto a sua forma; quanto
ao essencial, porm, oceupa-se elle dos mocos que
dosenvolvem talento pela predica ? Anima-os, fa-los
conhecidos do publico ? Absolutamente nlo.
A excepclo deJH. de Ravgnan, do quem elle nflo
podia deixar de fallar, porque a celebridade do ora-
dor o exiga, e do M. Lacordain, amigo velho do Sr.
conde do Mnntalembcrlc deM. Decoux, redactor em
cbofe do jornal, quaes silo os pregadores, de que elle
so (em oceupado em particular ? J fez sentir, por
alguma vez, toda a llexibilidadc, tndoo bem acabado
do tlenlo do Sr. ahhadc Dupanloup? Cbamou a atton-
c1o publica para a intelligcncia vigorosa, e para o es-
pirito profundo doP.Humphry queso prepara um lu-
gar distinelo entre os primeiros oradores christilos?
Exnminou cuidadosamente, e pelo lado da sciencia,
as importantes publicares que podem contribuir
para o progresso dos estudos ecclcsiasticos? Nflu.
Abstrvo-so, por excmplo, de tratar da Patrologa que
roHtom todos os trabalhos dos.tlieologos em geral e
dos Iteneditinos em particular, sobre os padres da
igreja, eque he a mais completa e extensa collec(;Io,
pois que comprehi'iidc todos os esc plores ecclcsias-
ticos de alguma valia desde o primeiro secujo at S.
Thomaz do Aquino, este vasto c poderoso genio, de
cujas ideias tanto se leem servido os philosopbos
modernos, e, alm disso, contm os commentarios,
as notas e alguns escriptos relativos a cada padre da
igreja.
('.remos que noticiar ao clero em prezas dosta natu-
reza, e cujo im he do urna defin Uva utilidade chris-
tla, he fazer-lhc um verdadeiro servicn. A Patrologa
que simiente com os padres latinos oceupa 200 vo-
lumes, e inclusive os gregos chega a 300, tem subs-
criptores em as difTercntes partes do mundo catholi-
co. Esta colleccilo, tao extraordinaria e no mesmo
tempo IHo preciosa, tem attiabido a attencto dos sa-
bios no mundo religioso, e obtido animado dos pre-
lados mais eminentes na sciencia. Citamos a opiniflo
do celebre M. Wisernan. 0 arcebispo catholico de
Huilln ,-i partilha, eem sua cathedral se tem publi-
camento rogosijado pelo futuro da religifio em Fran-
ca, pelas grandes emprezasde Moutrouge. Nada co-
nhpccmos que llie seja comparare!, qur no passado,
quemo presente.
Alm disto, nto tem o Univers compromettido o
clero em umitas c mi instancias delicadas edfliceis?
l'allou elle da medida tomada pelo Sr. arcebispo de
Rordcanx, c do que nosoecupamos, medida tilo til
ao passado e ab futuro da igreja de tranca ? Nlo.
O Univers est no seu ti.anuo, e os Boletns da
Preste apenas teem um anno. Em taopouco tempo, te-
mos dado ao publico mais noticias sobre o mundo
religioso do que o Univers desde a sua origem.
Quilo odioso nlo he o papel que este jornal tem re-
presentado no 'negocio do arcebispado de Ax ? Nlo
tcm feito coro com a Quolidienne e a Gazette du Midi
que he o orgilo mais violento do partido logitimista P
Sr. hispo de Montpellier nlo faz mysterio da sua
dedicacao familia real: eis a cxplicacio do odio
que se Ihe vota, das intrigas e dos embaracos que se
Ihe suscitilo. He um verdadeiro theologo, um ho-
mem de talento c de mrito; ningucm o contestar.
Em 1843, oVnivers coliria de elogioso Sr. hispo de
.Montpellier, por occasio de urna missloem a sua
docese. He verdade quo M. Thibault, alm do pecca-
do tic sua aReicfto a dynastia, lem o de dcsapnrovar o
methodo de pregar, inaugurado por um orador espi-
rituoso; methodo original que, sobretudo, consiste
na pompa das palavras, no fogo do estro, c no des-
vio do ponsamento M. Thibault he partidario does-
tylo gravee severo, da magnifica escola do XVII sc-
culo. Posquc! Pretendis o titulo de representan-
te do novo clero, desviais-vos, segundo dizeis, das
paixOes polticas, o fazeis coro com o partido que
tanto vos mallratou, quecem vezes vos renegou, e
quecomprometteoem Franca asortedocalholicismo,
como por mais de urna vez confossastes Nlo, vos
nflo sois o que dizeis, nao segus urna va nova; nfio,
vos n.To sois o representante do novo clero, que nlo
conheceo a restaurado, e que nlo quer as suas
ideias.
Buscis sublevar os espiritos contra um prelado em
urna diocese (a de Amiens., onde elle nlo he contie-
ndo. Nao reconheceis que vos preparis a desorga-
ler, passando rpido s mlos da condessa a provsSo
de Zamora.
Senhor chancellar, exclamou a condessa, V.
excellencia he o meu Dos tutelar. Senhor viscon-
de, V. excellencia he a Drda nobreza franceza.
Estou sua disposicilo, renetio anda o viscon-
de, mostrando o caminho condessa que parti como
una sclta.
JDuito obrigado, meu primo, por quanto tem
feito em favor de minlia irmla. Mas diga-me ca : re-
presentei eu bem o meu papel, ou nao ? heim?
Miiravilhosameiitc, diz Maupcou; porm nlo se
esqueca tamben de Ihe contar como he que eu re-
presntelo meu. E tomecuidado com a velha, que
lie lina
Nesle momento voltava a condessa o resto.
Osdoushomens curraram-se reapeitosos um para
ooutro, edespediram-se com grande ceremonia.
Urna carruagem magnifica, guiada por lacaios da
casa real, esperava porta da roa. A condessa met-
teu-se dentro, toda enfunada d'orgulho; c a um sig-
nal do visconde Joao, parti.
Desde que el-rei sahira do aposento de madama
liubarry, o depois da ricepcSo breve e insulsa que
elle fizera aos cortezlos, como liavia aiinunciado,
ticra por fim a condessa so com Chon e o mano, o
3 ta I se nflo deixra ver logo, para que ningucm pil-
case verificar o estado da ferida que na realidade
bem pequera era.
O resultado do concelho de familia foi que a con-
dessa, em lugar de partir para .uoiennes, como dis-
sera a ol-rei que la fazer, partissepara Paria. Possuia
ah a condaasa, na ra de Valois, um pequeo pala-
cio que servia d'apear de jornada a toda ossa familia
nisaco do episcopado? Nlo vedes que esta opposi-
cao, d anlo-mlo preparada, nao he mais que una
tctica para obrigar M. Thibault a recolher-se aos
bastidores? Nlo persentis que d'ora em dante re-
correrSo a esse expediente contra o mais santo dos
luspos, se quizerem por-se a salvo delle? Allegai
tactos; formulai urna accusac.to, e nlovenhas mys-
lenosa o enigmticamente di (femar um prelado de
talento cvirtude; ou entilo nlo vos chamis dirig-
aos, pois, assim ros denominando, mentiris.
Ha algum tempo, revelamos n opposiclo surda
que so organisa contra a administracilo pontifica de
Po IX : ella tem encontrado auxiliadores na impren-
sa liberal e na protestante. IIm jornal protestante, o
Semeur n cuja redacto habilitual nao Talla talento
nem habilidade, publicou arligos sobre Pi IX, que.
le mistura com muitos elogios, contm prfidas ins-
nuacoes. Assim, o Semeur nlo ci na rcalisaclo dos
planos do papa, nem na pureza de suas intencOes; o
que, em outros termos, equivale adizerque Pi IX
nao he mais que utn bypocrta. Citemos as proprias
palavras da gazeta : Oque mais que tudo, sobre-
sane na conducta de Po IX, e que nos apraz repe-
tir depois das folhascatbolicas, he a m a infesta cao
de um carcter nobre e do urna elevada intclligen-
ca; dada a hypothese de que nlo seja isso mais do
que tactiva e finura do pontfice romano. Por
crois experiencias, teem os povosaprendido a des-
confiar dos comeaos dos reinados. Quando um so-
berano sbc ao Himno procura popularisar-se;
ii apraz-sedeouvirexclainacocsdeadmiracSoeenthu-
siasmo quanto passa por entre o povo; mas, arre-
ii fecida cssa primeira paixao, ou irritado elle por
alguma esperanca frustrada, arranca a mascara, e
n moslra-se tal qual era no intimo do coracSo.
O Semeur esquece-se em demasa que he protes-
tante, e por conseguinte adversario declarado dos
papas, e baldo da necessaria imparcialidade, para
emiltir sobre clles um juizo seguro.
Os missionarios evangelistas americanos team oc-
casionado graves pcrturbaQoes no imperio oltomano*
Quatro potencias europeas exerciam outr'ora opro-
tectorato religioso na Turqua, a saber: a Franca, a
Austria, a repblica de Vencza o a Hespanha. Veneza
j nlo existe como estado independente. A Hespa-
nha, desde o tempo de Philpe V, perdeo toda a in-
fluencia que tinha no Oriente. Para protegeros ca-
tholicos no Levante, apenas restam a Franca e a Aus-
tria. Outras potencias se clevaram e adquiriram urna
preponderancia considcravcl: a Russia, a Inglaterra
ea I'niao americana. Ora, missionariosdcstas duas
ultimas potencias teem importado a Asia que os nlo
conhecia, asseilas protestantes. Estaimportariode
ideias religiosas frmu o mais espantoso contraste
com as ideias, os hbitos c as tormulas da igreja gre-
ga. liahi provm as desrdeos que bao apparecido
entre as populacfles da Asa-Menor eda America. A
igreja grega presencia com profundo pezar os esfor-
tos e os progressos dos missionarios anglicanos o
americanos. O bispo schsmaticodo rito syriacode
Ourfa seu sectario professarama f catholica roma-
na ante o patriarcha syriaco dcsta communhao em
Alep. O bispo dispunha-se a voltar para Ourfa, na
esperanca que suppOe bem fundada, de reconduzir
ao aprisco suas antigs ovelhas. A siiuacao do Lba-
no contina a ser a mais afllctiva possivel. Mais de
duzenlas e cincuenta igrejas christas teem sido ah
queimadas, e a horrivcl miseria dos Maronitas nlo
permute cuidar em reoslabelec-las. Os ofiicios di-
vinos estao suspensos neste paiz, por nao baverem
mais nclle, nem ornamento nem vasos sagrados.,
Se do Oriento nassamos America do Norte, encon-
tramos um estado de cousas mais consolador para o
presente e para o futuro. 0 P. I.avclcrochirc colhe
abundantes fructos dos seus .penosos e multiplica-
dos trabalhos. Alm disto, nito religiosas do insti-
tuto das irmflas de Notre-Drame estao a partir para o
Orcgon. Vilo reunir-se s seis religiosas do mesmo
instituto que ha dous annos l se acham, para, como
ellas, dedicarem-se a instrucQIo e educacao das tri-
bus errantes dessa regiflo.
Entro asdifferenles grejas protestantes ha urna
que so prepara urna posieto interamenle excep-
cional. Sahe-se que urna grando parle da igreja pres-
bytcriana da Escocia ileslignu-sc, em 1813, do gover-
no inglcz, sob o titulo de igrejalivre do Escocia. Por
contribuices voluntarias, prov ella a todas s suas
despezas, e sustentculo dos seus ministros, aos
quaes d ",ooo libras esterlinas por anno, com pen-
siles s suas yiuvas e aos seus fill.os ; consagra 9,000
libras s misses exteriores, 18,000 libras cons-
trucefio de igrejas c capolias, e a enorme sommade
400,000 libras instruccSo primaria. Fundou odo-
tou ricamente a uiiiversidade ; entretm mssoes no
indostflo e at o cabo da Boa-Esperanga ; sustenta
sociedades evanglicas; d subsidios aos Indios e aos
Judeos hngaros convertidos. He urna verdadeira
potencia.
Da Escocia vamos Genova, quo neste momento
recorda una das mais memora veis pocas da idade-
media, e urna das mais magestosas phases da his-
toria. Genova, repblica llorcscente no dcimo-quin-
to seculo, e hoje simples cidade dos Estados-Sardos,
eleva um monumento religioso ao ousado navegan-
te, chamado Cliristovfo Colombo. O re Carlos-Al-
berto reclama o corpo de Colombo, quo era possui-
do por Santo-Domingo, cidade arcliiepiscopal da an-
tiga parte hespanbola deS.-Domingos, eque actual-
mente repnusa sob as abobadas da cathedral da lla-
vana, na ilba de Cuba. o lempo das desordens de
S.-Domingos, em 1791, os restos mortaes do primei-
ro explorador do Novo-Mundo, foram transportados
lia vana, afim de scrcm sulitrahidos aos furores dos
negros sublevados. A reunifio, feita om Genova, e
qual assisliram muitos ofilciaes de marinha, um cle-
ro numeroso e Sua Magestade, foi brilbanle. O mo-
numento est na cathedral, um dos mais notaves
edificios religiosos da Italia.
A igreja de Vaugirard (arrabalde de Pars ) sob a
invocarlo de Sao-Lamberto, martyr e bispo de Maes-
trcht, vai ser demolida: 1.", porque entorpece a es-
trada publica ; 2.", porque ameaca ruina ; 3.", por-
que he muito pequea. Urna das mais antigs do ar-
rabalde de Pars, osla igreja se liga a interessantes
recordares da historia da Franca ; nao he um mo-
numento sem duvida, mas he um edificio modesto,
que se nSo resente de falta de certas particularidades
architectonicas, pouco communs. A primeira objec-
cam ao p da igreja, o concelho municipal poder
alargar a estrada e estabelecer urna praca publica.
Sea igreja tem necessidade de reparos, porque se
I b os nao fazem ? Nao seria isso mais econmico do
que, com grandes despezas, edificar um templogre-
go ou romano? Quanto a terceira rasSo, porque se
nao eleva urna outra igreja filial da existente, para
os quarleires mais longinquos? A populaclo de
Vaugirard tem singularmente augmentado; he qua-
si de dez mil almas, e duas igrejas nao seriam de
.mais para ella. A autoridade ecclosiastica se nSo
opporia, porcerto, creacBo de urna igreja filial.
Existe na expedicao dos mandados do clero um
abuso, que excita legtimos queixumes, e que va-
mos denunciar aos Srs. ministros dos cultos edas
financas. A icmessa desles mandados experimenta
ordinariamente a demora de um mez, e algumas ve-
zes de seis semanas. Assim, os Srs. serventuarios n3o
receberao o mandado para o trimestre deoutubro
senao no i.' do novembro, ou mesmo a 15. Esta de-
mora lie prejudicial ao geral do clero, quo nao pos-
suemais que o mdico estipendio do estado. Este
inconveniente nota-so, sobretudo, as diocoses de
Ncvers, de Salnt-Flour, de Saint-Claude, de Ithodez,
de Aulem e de Moulins.
O concelho real de instruccSo publica, depois de
longa e calorosa discussHo, acaba de tomar urna de-
cisSoassaz grave. D'ora em diante, os frades direc-
tores das escolas christBas nao poderSo mais ter pen-
sionistas como os de Passy, de que j fallamos. *
maioria do concelho, ao tomar esta decislo, deixou-
se levar pela consideraeflo de que a gratudade he o
principio e a regra do inilituto dos frades. Julgamos
que o concelho afferrou-se muito letlra do rogula-
mento, e nao procurou sondar-lho o espirito. De
mais, quem soffrer com esta medida ? A populacho
que tem mais necessidado de urna instruccao profes-
sional, c de urna educacao solida, do que do outra
qualquer cousa. Foram de outra ordom as conside-
racoes que levaram parledo concelho a adoptar es-
ta medida; e o principio de gratudade foi um recur-
so de quo se lancou m3o para legalisar urna decisao,
cujos verdadeiros motivos se nflo podem decente-
mente confessar.

{Preste.)
DIARIO DE PERMIBliCO.
Quando nesta praca se levanta um clamor geral
acerca dos embaracos que ao commcrcio tem trazido
a falta de notas de pequeo valor, de que ella actual-
mente se resente, e que sem duvida provm de nao
liavcr a thesouraria da fazenda lancado na circuladlo
tantas cdulas de 2g000 rs. quantas as que recolhcu
aos respectivos cofres, por occasao da substituicao
que ltimamente proceden; quando dessa falta so
aproveilam os cambiadores para exigirem o premio
de tres a quatro mil res em urna nota decemmil
ruis que Ibes vo trocar em miudas os que dcstas ne-
cessitam para as suas pequeas transaccoes diarias;
quando a cssa calamidade se rene a da escassez
damoeda de cobre, quetambcmjase compra a 5 e6
por cento ; quando, emfim, tudo isso conspira para
renovar as dilliculdades comquclutou esta provin-
cia por tanto lempo quanlos sao os annos durante os
quaes foram flagelladas pela secca nao s ella como
as demais do Norte, e de que aponas agora comecava
a libcrlar-sc; o Diario de Pernatnhuco, que mais que
tudo allende aos interesses docommercio, faltara
a um dos seus mais sagrados deveres, se deixasse
marchar desempecadamente esse vsxame de nova
especie, seo nao denunciasse altamente, ose nSo in-
dicasse algum meio de remov-lo.
Como duassaoasorgcnsde que tal vexame pro-
ceded-falta de notas de pequeo valor, escassez de
moeda de cobre, duas tamheiu senlo as fon les a
que iremos buscar os recursos nocessaros para o fa-
zer desapparecer.
A primeira dessas fontes he a mesma thesoureira
donde, involuntariamente sem duvida, o eerto por
nfio liavcr ella recebido do tribunal do thesouro tan-
que corria por montes e valles, cada vez que os ne-
gocios o pediam ou os prazeres a demoravam.
A condessa metteu-se em casa, pogou n'um livro,
e esperou.
Era em quanlo o vsconde assestava as bateras.
Todava, a favorita nflo so tinha podido suster, ao
alravessar Pars, sem de lempos em tempos deitara
cabeca fra da portinhula da carruagem; porque um
dos instinctos das mulheres lindas he o deixarem-se
ver. E lauto se mostrou a condessa, que o rumor da
suachegada a Pars se espalhou logo, o das duas s
seis horas da tarde recebeu ella cousa d'unias vinte
visitas. Foi isto um beneficio da Providencia para a
pobre condessa que morrera de aborrecimonio se Pi-
cara szinha : gracas, porm, a esta distraceflo, pas-
sou o tempo meditando, recebendo cortejos, e bu-
rea ndo.
No alto da torre da|igrcja de Sanlo-Eustachio lo-
dos podian lrno relogio sete horas e moia, quando
o vsconde passou por junto dessa igreja, levando
comsigo a condessa de Barn, c encaminhando-se
para casa de sua irm&a.
A conversacao dentro da carruagem exprima de
um lado toda a besitucao da condessa em se aprove-
lar de tao boa fortuna, cdooutro, por parledo vis-
conde, a aflectacio de certa dignidade de protecto-
rado.esobreludo innumeravoisadmiragOesncorca do
acaso singular que proporcionava a essa senhora a
Decasillo de conliecer a madama Dubarry.
Nem tao pouco aecansavn a condessa de Barn de
louvar a cada momento a pnlidez e a affabilidade do
rice-cha nceller.
Mas apezar dessas mentiras reciprocas nem por
isso oa carallos andavam mais de yagar, a chegap"
com eifeito ao palacio da condessa s oito horas, me-
nos alguns minutos.
Queira dar-me licenca, minba senhora, diz o
vsconde, deixando a dama n'um salfio de ospera,
queira dar-me licenca que euv provenir madama
Dubarry da honra que a espera.
Oh! meu senhor, diz a condessa, eu mo con-
sinto de modo algum que ella se incommodc.
JoSo approximou-se de Zamora que tinha esta-
do a observar sjanellas do vestbulo a entrada do
visconde, e deu-lhe urna ordom, em voz baixa.
Oh que bonito nogrinho, exclamou a condes-
sa. He da senhora sua irma ?
Sim, minha senhora, he um dos seus favoritos,
respondeu o visconde.
Para bem seja, parabem seja.
E quasi ao mesmo tempo os dous batenles do sa-
l.lo de espera so abriram, o a condessa de Barn foi
introduzda por um criado de ceremonia no grande
sabio de audiencia de madama Dubarry.
Einquanlo a demandista suspirava ao examinar
luxo leste delicioso retiro, tinha ido Joao Dubarry
enconlrar-secom sua innaa.
He ella? perguntou a condessa.
Em carne e osso.
E nao desconfia de nada ?
De nada, absolutamente.
Eo vice?
Desooipenliou urna maravilha. Tudo conspira
em nosso favdr, miuha ijueridinha.
Nao estojamos entilo por mais tempo juntos
pode ella desconfiar.
i ons rasfio: a velha parece-me Ifia de kgado
Onde est Chon ?
tas cdulas miudas quantas as que 'estemandousu
bstituir, parlie a falta a que nos ha-remos referido.
O Sr. inspector dessa repartiere-, a quem, na ver
dade, sobra a ntolligeneia precisa para dirigi-ia, .
que mui dignamente se ha conduzido no exercicio
das importantes fiincces de seu eminente cargo, p.
de por urna representacSo energci', e que circums
tanciadamente descreva as ms co nsequencias qe
de semelhanle falta hflo do provir, impetrar do g0.
yerno imperial urna segunda o mais avultada remes-
sa de notas de ume dous muris ; e essa remessu
que, estamos persuadidos, ser proi nptamenle ope-
rada, pois o mesmo governo nao dci.xar do aquila-
tar devidamenteas consideracoes que se lho fizercm
ao solicita-la, pora a praca salvo das exigencias Jn,
cambistas e a forneceri das pequeas notas, que un
precisas se lornam ssuasespeculacoe squotidiana,,
e por cuja ausencia tanto tcm ella soffr do. '
A segundadas fontes deque temo s fallado he
corpocommercial que, comonoaconsta haverpra-
ticado em diversas occasies, deve, por intermedio
dos correspondentes que tem em aa pracasdasoii.
tras provincias, procurarobter da moed' do cobre
que ncllas tanto abunda, a porc-lo de qu e necessit^
eque supbomosser com facilidade alca icada,po
que estamos informados que cm algumas d estas pr*.
cas, e com especialidade em a do Hio-de-Jai eirn, |l(,
lal moeda tile pouco estimada que aquelles q ue a pos.
suem oquerem troca-la pela de papel, s c conse-
guem subjeitando-se a dar algum lucro ao trocado.
COMMERCIO.
Alfandega.
RENDIMIENTO DO DA 9......19r494,4.>
DRSCAI1REGAM HOJE 11.
Barca inglezaMary-Queen-of-Scotsmercadorias.
Barca--JVnrorrafarinha e bolachinha.
Brigue Cynthiabacalho.
BrigueCoifprMin7e--mcrcadorias.
Polaca sardaCatharina--idem.
BrigueLedaidem.
Brigue--/f/oncidem.
Consulado.
RENDIMENTO DO DA 9.
Geral............. 5:030,04t
Provincial........... 2.0*2,724
Diversas provincias......, -149,123
7:222,18S
PRACA DO RECIFE 9 DE JANEIRO DE 18*7 AS
TRES HORAS DA TARDE.
REVISTA SEMANAL.
Cambio Est Arme a 29 d. p. 1,000 rs., pelo quil
se fizeram as trausacefies da semana.
Algodao Apenas entraram M saccas, por causa dos
dias festivos, e nOo leve alteracSo de
preco.
AssucarEnlraram 768 caixas, e grande quantidade
dosaccosje fizeram-se vendas a l/rs.air-
roha sobre o ferro do branco encaixado;
de 950 a 1,000 rs. a dita sobre o ditodo
mascavado dito; doembarricado ecn-
saccado branco de 1,700 a 2,3000 rs. a Ar-
roba; e do mascavado de 1,400 a 1,490 rs.
a dita.
Couros Continuam offerecidos, e ha poucos com-
pradores a 115 rs. a libra.
Bacalho O deposito he de 9,000 barricas, inclusi-
ve um carregamento chegade de Tcrra-
Nova com 2,800 barricas, o qual foi ven-
dido a preco oceulto, mas que sesup-
pOc sor de 11,400 rs. As vendas a retnlho
foram avultadas e ao preco de 11,800 a
12,000 rs.
Carne-secca Nao houveram entradas e exislfm
26,000 arrobas: as vendas foram peque-
as aos precos de 1,600 a 3,200 rs. a ar-
roba.
Farinha de trigo O mercado foi supprido com dous
carregamentos chegados dos Estados-I-
nidos e as yendas foram regulares (le
17,000 a 20,000 rs a barrica
Entraram depois da ultima revista II embarcacow.
esahiram6, existindo hoje no porto 52: sendo5
americanas, 1 austraca, 17 biasileiras, 1 belga, 2
dinamarquezas, 1 franceza, 2 despalilllas, 15 ingle-
sas, 1 porlugueza, 5 sardas, 1 sueca o 1 nurueguense.
Moviaiciiio do Torio.
Aapi'oi entrados no da 9.
Terra-Nova; 34 dias, brigue ingiez Cynlhit, de 911
toneladas, capitao Willium Gouldworthy, equi-
pagem 13, carga 2800 barricas de bacalho; a Ja-
mes Crabtrec & Companhia.
Marseilles; 45 dias, brigue sardo Marco, de 1921o
neladas, capitao Vicente Torrara, em lastro;
Jos Saporite.
Pois tu nSo sabes que ella est em Versalhes'
Cuidado, que nao apparec,a.
Recommendei-lh'o bem.
Ora vamos l : faca a sua entrada, senhora prin-
ceza.
O reposleiro abrio-se, e madama Dubarry en-
trou.
Todas as ceremonias que a etiqueta prescrevia em
semelhante caso, na poca em que se passam os acn-
tecimentosque ora estamos narrando, foram escru-
pulosamente preenchidas por estas duas actrize,
ambas preoecupadas do deseio de agradaren! um
a outra.
Madama Dubarry for a primeira que toroou a p-
- J eu agradec a meu irmSo, minha senhor,
o ter-me proporcionado tao honrosa risita : agor,
agradeeo a V. excellencia o ter querido fazer-ro'a.
E eu, minha senhora, respondeu a demandisti.
cheia de jubilo, nao sei que termos euipregar para
exprimir a V. excellencia todo o meu reconhecmd-
to pela graciosa reccpcSo que me faz.
Minha senhora, roplicou a condessa com um
respeitosa mesura, o nieu dever para com orna pes-
soa da qualidade de V. excellencia be pr-me inlei-
ramente sua disposicOo, se he que Iheposso pres-
tar para alguma cousa.
E feitas as tres mesuras do eitylo, d'uma partee
a outra, indicou madama Dubarry orna ricacadefr
condessa de Barn para que se aentasfe, e tomn
outra para si.
[Contimtr'H-W
MUTILADO


Navio sahido no mamo dia.
.Mos ilo Snl; vapor de guerra brasilciro Guapiau,
1 nimandante o capitflo-tenentc Cuilhcrme Car-
lassance. Passageiros, o capitilo-tenenteJos
Tinn'iaz Sabino, e um segundo lente, 15 pracas
li batalho de arlilbaria, 17 ex-prac,as do exer-
"ilo'c 16 recrutas para a marinha.
Navio entradoi it dia 10.
walerforJ (Inglalerra ); 32 das brigue austraco
Ibder-Kader, de 201 toneladas, capit;*io Kiaggio
palela, cquipagem; aordem.
iiiliia- dins> lu8ge'' sal(io sindrc-Dorta de 232
tonelada* capitilo Henrique Molona, cquipagem
10 em lastro ; a ordem.
i,lia; .'i9das, brigue portuguez S.-Domingos, de
HW toneladas, capililo Manee! Connives Vianna,
iuipagem 16, carga vinho e mais gneros do
naz; a Mendos & Tarrozo. Passageiros, Francis-
co Se'vcriano Rabello Jnior Antonio lenriques
Hndrigues, Jos Pestaa, Duarte Antonio Serva,
Mara Coralina dos Santos J3o Feliciano dos
Santos.
Navios sahidos no mesmo dia.
i'hiladelpbia ; brigue americano Pulriam, capitilo
joeph Karrell, carga assucar.
porlosdo .Norte ; vapor de guerra brasileiro Thtlis,
commindante o capito de fragata Luiz (.aciano
JoAlmeida.
i.! 3"al 8e traU com mMlrc do mesmo, Antonio
Jos Vianna, no Trapiche-Novo.
H.^Ia MsJ,oa segu viagem, com a maior brovi-
dade possivel, a barca portugueza Tejo, rapiMo Sit-
iero Manoel dos Reis: quem na mosma quizer car-
oVLa ird0 Pa.ssagom, para oque tem oxcellcnlos
commodos, dirija-se aos consignatarios Oliveira
irniflos ct (.ompanhia ra da Cruz, n. 9.
ParaoKio-de-Janoiro seguo viagem, imprete-
nvoimente no da 15 do corrente, o patacho louren-
po capitilo Jos Mara da C.raca; recebe nicamen-
te carga miuda e escravosa fete: os pretendentos
airijam-se a Francisco Goncalvcs da Cunha, na ra
do Viga no. #1
Para Lisboa sali, no dia 17 do corrente.o bri- do LorP de Deos a,,n0 Paslsado ,,ao
gue feralo; recebe a Irete assucar cm caixasebar- S Cntregeram, queiram Ur a DOlldade de
ricas, a 200rs. por arroba e em saceos, a 160 rs., nao se esnnrroimi
o passageiros, por terl.ons commodos: trata-se con n ,
-Da-separa morar um sobrado de um andar em
boa ra, muito fresco, quesealuga por 200,000 rs.
Deposito de rap Gassc.
O deposito dcsle rap acha-so transferido para a
ra ila Cadeia, n. 37, onde os freguezes acliariTo sem-
prca boa pilada, uios do de Gasse, como dasou-
Irasqualidadesj nnnuneiadas.
O actual Ihesoureiro da rmandade
da Senhora da Conceirao, da Congrega-
do, roga aos genitores que tomaram ca-
pa da dita rmandade para acompanhar a
procissiio de Santo Antonio do arco, e a
o capitilo na praca do Commercio ou com o consig-
natario, Thomaz do Aquino Fonscca ra do Visa-
ra, n. 19. B
Para o Rio-Crandc-do-Sul segu com muita bre-
vtdade o briguo nacional Competidor; pode receber
passageiroseescravosarete, para o que trata-se
com Gomes & Irmo, na ra de Apollo, armazem n. 2.
l-cilao.
Dcclaraces.
EMTC,0Ql'K I'EBANTI k TIIF.SOUnABU HAS BEND1S
l'OUXCURS Sr 114 DE lFFEITUAU NO DIA 15 DO CjaSBlt-
It mtiS 12 HORAS CA MAKIIAA.
0 empedramento do 270 bracas da primeira parte
lJnnitavo lauco da estrada do Po-do-Alho, feito se-
cundo o systema do Mac-Adam, dentro do prazo de
4 mezes, contados da data da arrematadlo o pela
quantia de 2:160,000 rs. pagos em quatro presta-
cles, pela nianeira prescripta em o artigo 15 do re-
ulamentodc II dejulbo de 1846.
-- A administraciiodos estabelecimcntos de cari-
dade contrata pelo tempo de 6 mezes o fornecimen-
loilosseguidles gneros : familia de mandioca, as-
sucar refinado, dito branca redondo, manteiga fran-
ceza de primeira qualidade cha liysson caf em
grifo, arroz pilado branco, alclria toucinho de
Santos, azeilc doce, vinagre de Lisboa, azeite decar-
rapato, suban pelo e lenha de mangue. Os prcten-
deules dirijani-sea ruadosCoelhos, a casa das sessOes
ila uicsiiia administraco, no dia II (boje) do corren-
le, pelas i horas da tarde, munidos de suas propos-
tas. AJniiiiistrac.no geral dos ostabelecimentos de
caridade, 4 de Janeiro de 1847. O escriturario,
Francisco Antonio Cavalcanli Cousseiro.
A administracio geral dos estabelecimenlos de
caridade contrata pelo tempo do 6 mezes o forneci-
mcnlo de pSoc bolacha do que precisarcm os mes-
nioscstalieleciinenlo9. Os protendentcs dirijam-sea
ruados Cocidos, a casa das scssOes da mesma admi-
nistraco, no dia 11 (boje, do correiitCj pelas 4 horas
da larde, munidos de suas propos9U '--Administra-
cjlo geral dos estabelecimentos dejcaxidIo, 4 de ja-
neiro de 1847. O cscripturario, francisco Antonio
Cmvlcanti Cousseiro.
- Aadininistracflo geral dos estabelecimentos de
caridade contrata pelo lempo de 6 mezes o forneci-
menlo de carne verdo do que precisarem os mesmos
estahcleeimentos. Os pretendentes dirijam-sc a run
dos Coelhos, a casa das sesses da mesma administra-
c'i", no da It boje) do corrente, pelas 4 horas da tar-
de, munidos de suas propostas. Administraco ge-
ni dos estabelecimentos de caridade 4 de Janeiro
del84".Oescripturario, Francisco Antonio Caval-
wii Cuitseiro.
Oescrivfloe administrador da mesa de rendas
nlcrnas provinciaes dcsta cidade previne a quem
pnssa interessar que no dia 14 do correnle mez so
ultima o prazo que a lei tem designado para o pa-
gamento, a bucea do cofre, da decima dos predios
urbanos dos 3 bairrostiesta cidade e da povoajflo dos
logados,do primeiro semestre do andante anno
linanreiro de 1846 a 1847 ; e que no dia 15 se tem
de cobrar de todas as pessoasquo nito tiverom salis-
leito osseus debitos,a multa de 3 porccnlo sob o va-
"rilos niesmos dbitos. Rccifc, 7 de Janeiro de
W". Clorindo Verreira Catan, oscnv.loeadminis-
rador.
0 arsenal de guerra compra cem pellos de ca-
lfa : quem este genero liver mandar sua propos-
i cm carta fechada e a amostra a directora do
mesmo arsenal at o dia 13 do corrente mez Arse-
al de guerra, 9 de Janeiro de 1847. O amanuense,
lulo lltcardo da Mea
Oabaixoassignado, encarregado de medievo e
iemarcacfo dos terrenos de jiarinha, declara a todos
nsSrs. que tecm requerido aforamentos dos dilos
errenos, queemscu poderse achain variosreque-
imenlos com despacho para informar os quaes
ao podem ser informados sem que primcirainen-
le os niesmos Srs. Ihes dem alguns esclarecmen-
los acerca dos mesmos terrenos liara o que deve-
lo procura-lona casa de sua residencia, ra Direi-
n. "8, das 8 as 10 horas da manhia o das 2 as
larde. Antonio Egidio da Silra, segundo te-
nledeartilharia.
LUIZ BRUGL'IKRE, querendo liquidara sua ca-
sa de commercio nesta cidade, fara lello, hoje, 11
do corrente, do um esplendido sorlimenlo de fa-
zendas chegadas pelos dous ltimos navios france-
zes, Armonque e Ziliu; como bem, casimiras fran-
cezas de bom gosto, um grande sortimento de cal-
cados, chapeos de sol para homem, dilos para cabe-
ra dito, e para meninos, merinos, setins lisos, moias
e luvas de seda, curtas e compridas, suspensorios,
sellins,perfumaras superiores e outras mudas hien-
das de bom gosto.
Avisos diversos.
BRUJANTE PRESEPIO
.NO
Tiieatro publico.
QUARTA-FEIRA 13 DO CORRRNTE.
' fAhTE.A chegada dos tres Reis Magos.
' Drama de Judas.
' A serpente e bs pastoras.
*' --A adoracno dos Reis.
"s intervallos serflo prcenchdos com escolbidas
"cas, arbitrio do Sr. Ezcqutel, mostr de danca.
A. II. Os Senhorcs asigiiautcs que qmzerem con-
nuar riestas tres recitas extraordinarias, se Ibes a-
iter mil res em cada nolte, e lerdo a ultima gra-
'"anicnte, cm signal de gratidflo que Ihes tributa o
'Pctordotheatro.
Avisos manlinios.
Para o Rio-do-Janeiro seguir breve o veloi-
> brigue Beluario, o qual pode anda receber al-
nia carga, eacravos c passageiros para oquetra-
-c com Amorim Irmos na ra da Cadeia n. 45,
com o capitilo a bordo.
-O hiate Noxo-OUnda sabe para o Aracaty no dia
' > correte, ao pode admittir carga miuda: pt-
LOTERA
DA MATRIZ
DA CIDADE DA VICTORIA.
0:000,^000 de rs.
As rodas dcsta loteria tecm o seu imprcterivcl a ti-
la monto no dia 29 do corrente mez, no consistorio
da igreja da Concerno do militares, ainda quo al-
guns poucos buhles Hqucm por vender. O resto
dostes deve ser procurado no bairro do Recite.
as lojas de cambio dos Srs. Manoel Gomes eVieira;
no de Santo-Antonio, naloja do Ihesoureiro Anto-
nio da Silva GusmSo, e na botica do Sr. Moroira
Marques, na ra doCabug.
- Prccisa-se alugar um escravo diligente, para o
servido de una casa, eque sejabom coznhairo: na
ra do Aragfio no bairro da Boa-Vista, n. 27, ou an-
nuncie.
Precisa-so alugar um moleque ou mulatnho,
de 10 a 11 anuos: no pateo do Terco, n. 10.
Precsa-so alugar urna prela quo saiba engom-
mar e fazer todo o arranjo de urna casa; no pateo do
Terco, n. 16.
Luiz Antonio de Mosquita Falco pretende vendor
seu cstabelecmenlo de padaria que tem em Fra-
de-Portas: se alguma pessoa se adiar com direito ao
mesmo, baja de dcclara-lopor esta folha no prazo
de tres das, lindos os quaes ser a dita venda fecha-
da, e he a dita venda para pagamento da mosma pa-
daria ao Sr. Manoel Antero de Souza Reis, ou a quem
cm seu poder liver as lettras por que a mesma fui
comprada.
Domingos Rodrigues de Andrade mudou a sua
residencia da ra do Gollegio para o largo do Forte-
do-Malto, n. 6, defronte do Sr. Alm; e tem para ven-
der tres escravos.
D-sedinheiroa juros com penhores dcouro-e
prata,rebatcm-se sidos o ordenados quelles que
nao costumam a vender um sold ou ordenado a
mais que urna pessoa : na ra do Rangcl, n. 36, pri-
meiro andar.
-Alugam-sc as seguinles casas: a luja do sobrado
do Aterro-da-Boa-Vista, n. 4, com proporces para
qualquer eslabelecimento; os terceiro.pnmoiro e ter-
ceiro andares com sotan,dos sobradosns. 4 e 6, do A-
terro-da-Boa-Vista, todos pintados o arranjados de
novo,por 300,000 rs. animaos; urna casa terrea na ra
da Sen/alia. n. 31, com quintal, cacimba emaiscom-
modos para grande familia, por 12,000 rs. mensaes:
quem pretender dirija-se ao escriplorio de F. A. de
Oliveira,na ra da Aurora, II, 26.
No dia 2 de dezembro prximo passado, per-
deu-se urna carteira amarrada com uina lita do li-
ndo, com varios papis de importancia, 2bilhetcs
da lotera do Livramento, c um vale do coronel1 Joa-
quim Jos Luiz de Souza o qual j se acha sciente
para que n.to pague a pessoa alguma que Ih'o apre-
sentar, e s ao annunciantc : o como osles papis
nfloservem a pessoa alguma,esim ao proprio do-
no por isso roga-se a pessoa que a ti ver adiado o
favor de a mandar levar na ra do Grespo, loja da
esquina que volta para a ra das Cruzcs n. 16, que
ser recompensado.
annuaes, a quem quizer'dar 1:200,000 rs., Picando o
aluguol pelos juros; hypothoca-so para seguranza o
mesmo sobrado : qu'om quizer osle negocio an-
nuncie.
_ --- Antonio Franco de Souza Portuguez re-
tira-se para o Kio-de-Janeiro.
Dilo-se 100,000 rs. a juros sobro penhores de
ouroouprata com os juros de 2 por cenlo : na ra
Direita, sobrado n. 29.
Guilherme Soares Rotelho roga a todos os mu
dovedores anligos e principalmente aquellos.cojos
debitosdalamde 1840,Ihc queiram satislazor at fins
de fcverciroproiimovindouro ; na certeza do que,
(indo este prazo, nao ter mais contenplagito, e
usar dos meios judiciaes.
Aluga-se urna casa terrea sita na Solcdade ,
n. 17 aop doSr. Vieira, cambista : a tratar no pa-
teo do Garmo, n. 17, com Gabriel Antonio.
Gontinuam a eslar para se alugar as casas ns.
25, 27 e 31, sitas na ra Real junto ao Manguind ,
com muito bous commodos, quintal murado, por-
tflo o porto do embarque ; e o sobrado ti. 12 da,ra
do Arago: a tratar com Manoel Peroira Teixeira ,
morador em o sitio nrosimo a Estancia.
Precisa-sc de iim cont e quinhentos mil rs. a
premio do um o mcio por cento ao moz, pagndo-
se os juros todos os mezes :dflo-sc por seguranca
duas moradas do rasas terreas, sitas no bairro de
S.-Josdo Recite : quem quizer dar annuncie.
Prccisa-se de um menino de boa conducta para
caixeiro do urna pequea loja de calcado: noAler-
ro-da-Bon-Vista, n. 74.
NOVA AULA DE PRIMEIRAS LETTRAS.
Jos Xavier Faustino Ramos declara aos seus ami-
Sos que Ihe leom fallado para lomar conla do ensino
cseuslilnos, caos que porvcnlura estejam dis-
postos a conliar-lheessa missito, que a sua aula se
abre boje, 11 do correnle mez na ra do Aragao,
n. 7, cnellarcceber alumnos, nao s externos co-
mo pensionistas e mcio-pensionistas qur para
as primeiras lettras, quer para grammatica das lin-
goas nacional, latina c franceza.
-- Oprofessorda lingoa ingleza no Ivccu dosta
cidade avisa aos seus discpulos que abro de novo
os sous cursos particulares da mesma lingoa da
franceza c de geometra no da 10 do corrente om
a casa da sua residencia ra larga do Rozario n.
30, primeiro andar.
-- Oabaixoassignado faz sconte aos pas do seus
alumnos e a quem de seu prestimo se quizer util-
sar que mudou sua residencia para o bairro deS.-
Antomo na ra do Qucimado, n. 37, continuando
com a sua aula de primeiras lettras, grammatica la-
tina e franceza ; etambem continua a receber pen-
sionistas e meio-pensionistas.
O padre Joo Jos da Costa Itibeirn.
Manoel Adrianno de Albuquerquc Mello faz
sciente ao publico que abro a sua aula de primeiras
11 do corrente, na ra do Jardim
una ama de lei-
Vamos aproveitar
as peehinehas do
harateiro !
Oantigobarateiroesl dando por muito pouco
dinheiro, na sua nova loja de miudozas da ra do
Collcgio ii. 9 chapeos de sol, do seda, para ho-
mem a dozo patacas; ditos de seda para senhora a
nove patacas ; retroz sortido de todas as corea a
12,000 rs.; botes de duraquo lino e de seda com
palmas para casaca a 200 rs. a duzia ; carleiras
para algibeira a 160 rs. cada urna ; botes de ma-
dre-de-perola a 480 rs. a groza ; ditos do metal
furados, para calcas a 320 rs a groza ; torcidas pa-
ra candioiro de todos os tamanhos a 160 rs. a du-
zia jcarapucas, a 160 rs. cada una ; trinchantes
grandes de cabo do martirn e de bfalo, sendo Taca
grande e garfo de mola a 1440 rs. cada trinchante ;
luvas de algodilo brancas e de cores para homem
e senhora, a 320 rs. o par; lencos de seda preta para
grvala a 800 rs. cada um ; bicos eslreilos a 40 rs.
a vara para acabar com o reslo; riquissimos ca-
ivetes finos para pennas, urna o de duas toldas; e
outraa muilas miudazas que estarSo patentes aos
compradores vclhos e autigos camaradas, a troco do
barato.
lettras boje
n. 43.
Precisa-sc alugar
le : no Aterro da Boa Vista, n. 36.
Precisa-se de urna mulhcr preferindo-so par-
da ou rabocla para servir de ama a una cosa de
pouca familia : na niadollriim.no segundo andar
do sobrado onde mora o cnsul americano.
Francisco Simes da Silva mudou a sua residen-
cia da Soledade para a ra larga do Rozario, n. 26,
primeiro e terceiro andares.
r OlTerece-scuma ama forra para casa de um
homem soltciro a qual lava, engomma, cozmlia e
faz o mais se meo com perfcicfio : quem de seu pres-
umo se quizer utilisar dirija-se a ra da Gonceicao
da Boa-Vista n. 60. Na mesma casa curam-se, san-
gram-se, e alugam se cavallos.
Nobotiquim da ra larga do Rozario, u. 27,
haver sorvete amanha, 10 do correnle das :> ho-
ras da tarde em diaute.
AVISO AO PUBLICO.
Ilojo ,11 do corrente mez achar-sc-ha na pas-
sagem da ponle da Taoaruna urna canoa que po-
ca 30 pessoas destinada a receber passageiros e
cargas do um para oulro lado todos os das, das (i
borasdamanhflaalaseda tarde impreteiivelmen-
te,c continuar dita canoa, no caso de nflo bayer
notavcl prejuizo nassazem sera por
Jos Soares de Azevcdo, lente de
lingoa Iranceza no Ivccu, tem aberto em
sua casa, ra do Rangel,n. 5i), segundo
andar, um curso de i>iiii.osophu c outro
de mnooa kram-kz. As pessoas qtterie-
sejarem esludar urna ou oulra deslas dis-
ciplinas, podem dirigir-se indicada resi-
dencia a qualquer hora, excepto em dias
santos ou feriados.
Jos Valentim'da Silva abroa sua aula do lalim
a 18 do presento Janeiro, na ra da Alegra n. 40, 0
recobo alumnos. Oannunciante ha 11 annos que en-
sina, e conta urna felicidade, que heijuc seus alum-
nos leeiu sempro saludo plenamente approvados na
academia de Olinda, ainda mesmo nos exames de
novembro do anno passado queforam rigorosos, com
que bouveram reprovacfles. Os alumnos queo annun-
ciante deu por promptosem outubro, o foram em nc-
fCOlbro approvados plenamente na academia, sTo :
Maximiano Francisco DCUrle Jnior, Thomaz Jos
de Sena Jnior.
Quem precisar de urna ama do casa prela ,
muito boa cozinheira equo lava, engomma ed
fiador a sua conduela dirija-se ao talho de Joilo
Duhois ao p dos quarleis quo dir quem de.
Todas as pessoas que tiverom pondores na ven-
da airas da matriz do S.-Antonio liajam do os ti-
rar no prazo de 15 dias, contados da dala deslo ;
do contrario scrio vendidos pora pagamento e juros.
LIMA
MMIK
ni a vova, >. a, pniMEino andar,
acaba de receber, pelo vapor S.-
Sebastido, chapeos armados, dra-
gonas, bandas e fiadores, para of-
ficiaes superiores c subalternos;
galfies deouroe prata, finos, lar-
gos o estreitos ; pennachos e cha-
peamenlos,os oais modernos, para
barretinos ; espadas de copos dou-
rados ; ditas praleadas, sem roca;
pastas, talins, cananas e escamas ;
canotilbo, de ouro fino, para bor-
dar ; mantas com galao ; luvas de
camuriM, brancas e prctas ; boles
para sobrecasacas militares ; ar-
reios para cavallo de oflicial de
legiao j c globos e estrellas para
golla c. abas de fard : tambem
aprompta bonetes de panno, com
galio.
cuja passagem sera por
-- Na botica da na do Rangcl, vendem-se os reme-
dios egulnlcs, dos quaes a experiencia tem conlirmado
os melfiorcs offeitos : denliHco, que tem a propnrdade
de Ruinar os denles cariados, e restltuir-lhes a cor cs-
maltada, cm muito poucos dias ; o uso dn dito reme-
dio fortifica as gingiva e tira o inao ebeno da bocea,
proveniente nao s da carie, como do trtaro que se
uneaopescoco dcstes orgaos; o renif dio nc designado
pelos numer l. e 2.: orchata purgativa, mu til as
criancas e as nesaoa de toda c qualquer dade ; he COI
posta de substancia vegetaes, nao conten mercurio,
uemdrogaalguina que possa prejudicar: remedio para
curar calos, em poucos dias ; dito para curar dores ve-
nreas antigs e que teeiu resistido ao tratainento gc-
ralmente applicado ; dito para provocar a menstruacao,
e accelerar a aeco do tero no parios naturae em
aue nao se preclia das mauobra eienufica da arle ;
dito para reolver minore lyniphalicos, vulga glndu-
las ; dito para curar boubas'e cravo seceos, o mais rin-
ca> que e conhece al aqu ; dito oximel de ferro, mul-
to ut.l na chloroies, vulgarmente chamada l>ldes,
pos anti-bilioso de Manoel Lope ; cansla de gelat -
na, contendo balsamo de cupalnba ; dita de oleo .le
recinos purificado diU de embeba fin po fino dita
de assafetlda; ditas com pos purgantes; diU de ru.bardo
daCliina; ditasde ulphato dequinino de 1 e 2 grao cada
cansla ; algalea, vellnha elstica; pilula de sal deca-
baciuho; agoa da Calda, chegada prox .mente, reme-
dios nue curio a fi ialdade dentro de 40 dia, mesmo estan-
do inthado; oleo limito bom paraconservar o cabello.que,
lm de nao deixar cahii o cbcllo, limpa a caspa, c
cuio uso euutinuado Tai reapparece o cabello perdido
piiula especificas paraurar a gonorrlieas cljronicas,
miando a lesao aia paisa da ureta ; igualmente um xa-
ropc anli-hcn.orragico, applicado nos cavo em que se
deila sangue pela bocea : o preco de todo este reme-
dio be mu rasoavcl, e os bou reultado ua sua appli-
cacaa he que de-ram faier sua apologa.
O abaixo assignado faz publico, principalmen-
te aos paisde seus alumnos, quo de boje, It do cor-
rente mez em diante, cslarflo abertas as suas au-
las para meninos e meninas, ria casa de sua resi-
dencia no bairro da Roa-Vista, travessa do Veras, 11.
13, ande tambero contina receber como al aqu
meninos pensionistas o meio-pensionistas, para o
que a casa olTorece bous commodos: sobro o trata-
mcnlo, boa educaeflo e adiantamento quo sempre
tem prestado a seus alumnos durante novo annos
que labora neste exercieio, o faz cror quo o respeiU-
vcl publico esta satisfeito pela preferencia eescolha
que Un' tem merecido.
Poljcarpo Nunes Correia.
Aluja-se urna casa terrea com sotan corrido,
muito fresco, por ter 3 jarjellas envidracmlas, com
cacimba incieira, cozinha independonto, sita no ber-
ro do Serigado : a tratar na ra da Cadeia, n. 25.
O abaixo assignado faz sciento ao respeitayel
publico que pela barca americana Isaae-I'ranklin ,
vinda de lloston, entrada neste porto em 22 do pr-
ximo passado, recebeu um novo provimento de pi-
lulas vegetaes do doutor Hrandrcld. Estas pillas
cujo autor hasta para garantir sua cxcellencia lor-
nam-se muito recommendaveis, por ser um medica-
mento inteiramento inolfensivo, podendo applicar-
sc at as criancas recem-nascidas ; ltimamente1 se
tecm applicado a urna inlinidadc de molestias jul-
gadas inciiraveis, de cuja applicacSo se tecm tirado
too Mizos resultados que parece cada vez mais re-
solvido o problema de um remedio universal. Ao
annunciantc cabe a gloria de asseverar ao publico
que as ditas pilulas silo as nicas verdadeiras que
existem nesta praea, as quaes se vendem em sua
botica na ra da Cadcia-Velba, n 36.
Vicente Jos de Brito.
Aluga-se um pequeo sitio, com casa
de vivenda, na estrada do Pombal, na es-
quina da entrada para o sitio do Sr. coro-
nel Joaqnim Bernardo de Figueiredo :
a fallar com Joaquim Lopes de Almeiili,
caixeiro do Sr. Jo2o Malheus.
Fabrica de chapeos
de sol, na ra do Pas*
seio-Publico, o. .
TJolo Loubet adverte aos seus freguezes que
queiram desengannr-se por urna vez sobre os
objectosabaixo declarados, Unto em prec.
como cm qualidade : tem nesta occasifio nm rico
sorlimenlo de chapeos de sol furta-cores c prctos
com barra lavrada os mais modernos que tecm
apparecido neste mercado, de igual sortimento ; e
tambem chapeos de sol, do paniiinho de todas as:
cores o ultimo gosto da rainha da Escocia; epara.
senhoras um completo sortimento dos mesmos de
todas as cores, pois seus gostos sito da ultima mo-
da de Pars. No mesmo eslabelecimento se acha un
completo sorlimenlo de sedas cpannmhos de todas
as cores, proprios para toda e qualquer obra que so
quizor fazer, pois que s3o proprios para esse Iim.
Tambem se concertam chapeos do sol, tanto de ho-
mem como de senhora, com toda 'a perfeicflo, por
preco commodo, e com a maior brevidade possivel.
Na mesma fabrica Umbem se vendem baleas para
espartilho9e vestidos.



%

A
Manuel Luiz Ja Voiga, Joaquim Antonio do
Forno, Antonio Francisco Martins lo Miranda An-
tonio Jos Pereira do Lago, Domingos Francisco Ra-
malho Francisco Pinto da Costa Lima, Antonio Pc-
reira do Oliveira Ramos, Joaquim Dcrcira Arntes, de-
claram que o Sr. JoaoConcalvesNotto.tenentc do pri-
meiro bat.ilhto de caladores de linlia, nada lhesficou
devendo tanto como agento que foi do mesmo ba-
talho como de suas contas particulares durante o
tempo de sua agencia que se ultimnu no ultimo de
dezombro prximo passado ; assim como aproveitHo
a oecasisSo para agradecer ao lllm. Snr. Francisco
Jos Hamacena Hosado coronel o commandan-
tedo mencionado balalh.lo e ao relindo Sr. len-
te ex-agente, a pontualidade deseos pagamentos.sem
que nunca nelles houvessc a menor di fie renca.
' A irmandadode N. S. do Amparo da cidade de
ni i ma da juros, sobre penhnresdc ouro ou pra-
ta, 270,000 rs.: os pretendentcs dirljam-se a boti-
ca do Sr. Luiz Jos Gonzaga na ra do S.-Bento da
inesma cidade.
O arrematante do imposto de 20 por cento so-
bre 'o consumo das agoas-ardentes de prodcelo
brasileira avisa aos.Srs. queainda nSo-pagaranidito
consumo venham fazc-lo nos dias 11, 12, 13, 14,
Lie 16 lindos os quacs, se proceder na formada
loi contra os quaes deixarem do pagar.
alachado & Pinheiro mudaram a sua residen-
cia da casa n. 60, na ra da Cruz, para a casa n.
23, da niesina ra
Macario Schttini, subdito nopolitano lem
aborto una loja de caldeireiro, na ra do Aterro, n.
c, aonde faz toda e qualquer obra do cobre, es-
tando, dilas de cobre c ferro, por precio commodo.
Prccisa-se de una senhora de idade e capaz,
branca ou de cor, para ama do urna casa de pouca
familia e encarregar-so de cuidar em dous men'
nos. Paga-se bem. Dirigir-se ra do Rangel, n. 59,
segundo andar.
Est contratada para ser vendida a casinha de
dous andares, n. 16, sita no becco do Sarapatel
desta cidade pertencente ao casal do tinado Jos
Francisco Pcreira, para ser paga urna hypotheca
que nella existe, da quantia de 800,000 rs. : se bou-
ver mais alguma pessoa que tenha direito por qual-
, quer titulo publico ou particular na mesma casa
queira declarar por esta folha, no prazo de 5 dias
contodos de boje.
Antonio Ferreira Braga declara ao respeita-
vel publico que por emquanto fica de nenhum effei-
to o abono feitoaosSrs. Penna & Le te.
Prccisa-se nlugar urna casa de um andar com
sotioequintal, ou de dous andares, sendo estes
pequeos, as immediacoes entre a (ribeira e a pon-
te do Recife, eda ra daPraia at a Dircita : quem
tiverdirija-se a ra Imperial, n 39.
Precisa-se de um menino, de 12 a 13 anuos .
para caixeiro de urna loja delouca : na ra do Ran-
gel n. 17.
Obacharel formado Antonio Joaquim de Fj-
gueiredo Seabra advogado dos auditorios desta ci-
dade, seacha residindo no pateo do Carino, so-
brado n. 7, primeiro andar: quem do seu presti-
rlo se quizer utilisar poder ah procura-lo a qual-
quer hora do dia. O mesmo bacharel d lices de
francez e geometra na mesma casa de sua residen-
cia.
Precisa-se de um caixeiro com pralica de ven-
da e que d flador a sua conducta : na ra do Cal-
deireiro, n. 91.
Precisa-sede 3:000,000de rs. a premio de 1
e meio por cento ao moz, dando-se para garanta
do principal um predio de um andar, com grande
quintal, livre o desembarazado ; quem osle nego-
cio quizer fazer annuncie.
Precisa-se alugnrum preto para o servico de
enxada emum sitio e juntamente urna preta para
vender lindas; pagando-se mensalmcnte, confor-
me o ajuste: na ra do Rangel, n. 17.
Dio-se 500 a 6OO.C00 rs. a premio sobre penho-
resdeouro: na ra do C.ollegio, n. 3.
Precisa-se nlugar 3 pretas para vendercm azei-
tedecarrapato, pelas tardes, pagando-se 320 rs.
por cahada e d-sc a medida com lavagem sufll-
riente, para que nio hija quebra: quem as liver diri-
ja-se a ra da Assumpcfio, n. 24.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com opt>mose muito asseindos
commodosparu moradia de homem soltero ou de
pouca familia: quem o quizer alugar drija-se no
mesmo sobrado qualquer hora.
-- Precisa-se de dous lavradores ; em casa do doura-
iior, oh fabricante de candleiros de gaz na ra No-
va n. 52.
voredos de fructo ; cujo sitio fo do fallecido Jcro-
nymo Jos Martins, a tratar no mesmo sitio, ou na
ruado Pilar, pateo da igreja, n.8, do lado doPoente.
OCONDE DE MONTE-CHR1STO ,
por Alcxandrc Humas, 10 voluntes em oilavo
Chegaram ltimamente do Rio-de-Janciro alguna
exemplares da segunda edieflo deste inimitavel ro-
maneo a qual hemais correcta e aperfeicoada do
Juca primeira. Estria venda na livraria da ra
a Cruz no Recife n. 56.
Oraf ido consumo da primeira edicto que,nflo
obstante tor sido de grande quantidado de exem-
plares, se esgotou em menos de um anno,prova
convenientemente a geral aceitadlo com que pelo
publico illustrado.foi acolhido esto romance o
qual he, sem contrndicSo, um desses romances ra-
ros quopodem ser lidbs sem porigo por qualquer
pessoa, seja qual for o seu estado ou condico.
NA MESMA LIVRARIA
Perlenca para tteriptorio.
Livros em branco de bom papel pautado e de va-
rios formatos ; tintas de varias cores para escrever
e riscar livros ; regras de bano, linas; boas pennas
de ac; tinteiros de machina, superiores, e &c.
Yendem-se duas escravas urna parda com
rincipktsde engommado.de 21 annos; urna ca-
ra, de 25 annos ; urna liteira c 5 cangalhas : na ra
do Collegio, n. 17, segundo andar.
PeMes de cabra e nietas de sola.
Para se fechar urna conta vendem-se 19* mcios de
sola a 1100 rs.; o pellos de cabra a 25,000 rs. o
cento : na ra dos Tanociros, n. 1.
Na loja de Guimares Se
rafm & Companhia, enfronte
ao arco de S -Antonio, n. 5, ven-
dem-se lencos de vapor de na*
droes modernos, pelo barato pre-
go de 480 rs, cada um ; lencos
francezes de cores finas e fixas ,
fingindo seda a 480 rs. cada nm;
brim escuto rancez, trancado,de
puro linho, a 720 rs. a vara.
Vendem-se 4 cscrovas mocas que servem bem a
urna caso vendem eeompram na ra; 4 escravos
bonsparao trabalho de campo; um moleque, de 12
annos, muito esperto para servir a urna casa ; um
mulatinho de 16 annos muito lindo pagem, d-se
muito em conta porprecisarde algum tratamenlo :
na ra do Crespo, n. 10, primeiro andar.
-- Vendem-se 2 sellins inglezes, em bom uso: na
ra do Crespo, n. 10, primeiro andar.
Lances da for I una a os
0:000#000 de rs.
Vendem-se bilhetes, mcios, quarlos, oilayose vi-
gsimos dn lotera do Iheatro da cidade de Nictheroy
dollio-de-Janeiro : na ruadaCadea, loja de cam-
bio do Sr Vieira.
Vendem-se 35 escravos, sendo : pretos, pre
tas, moleques, mulatinhos, ne^rnhas, pardos e par-
das, com habilidades e 3cm ellas, por preco com-
modo : na ra da Cruz, n. 51.
Vende-se polassabranca, da
mais recem-chegada, por mdi-
co preco : em casa deL. G. Fer-
reira & Companhia.
Potassa d Ilussia,
t'go mas envernisado e com cortinado por 10,000 i nho, de 14 annos, proprio para pagem ou para
rs.; urna pedra de filtrar com sou mocho e jarra : na aprender qualquor ofllcio; na ra da Cadea de S.-
ra da limito, junto a typographia.
Vende-so urna cabra, de 20 annos, de linda fi-
gura que coso, engomma e cozinha; urna parda (
de 30 annos com as mesinas habilidades; um pre-
to de nsefio : na ra larga do Rozario n. 35, por
cima da loja doSr. Lody.
Vende-se un.a boa casa na cidade de Olinda,
e pela qual ha offerecimento de um cont do
ris por preijo mui commodo : na ra do Trapiche,
m 16.
Vendem-se muito boas esleirs de palha de
carnauba : na pra^a da Independencia, loja n. 3.
a loja de Guimares Se-
raPini 8c Companhia, confronte,
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven-
dem-se cassas finas, largas e fian*
cezas, pelo barato prego de 480
rs. avara; chitas francezas, lar-
cas a 280 rs. o covado.
VENDE-SE,
na ra dai Larangeirat, n. 14, $egundo andar,
urna moleca de 14 annos, muito bonita ,
propria para mucama ; um molecote, de 18
annos, de bonita fiura sem vicios; um
mulatinho, de 16annos, propriopara pa-
gem por ser muito esperto e de bo-
nita figura ; um preto bom canoeiro, do 35
annos, muito forte e sadio, por preco com-
modo ; urna preta, de 22 annos, de bonita
figura com algumas halidades ; todos por
preco commodo pois he para liquidado
" i contas.
Compras.
Compram-se os segundo c quarto volumes da
obra intitulada Quentino Durward : quem tiver
annuncie.
Compram-se bois, carneros, vaccas e vi-
telas gordas, proprias para acougue : pro-
curcm, ou mandem por escripia na ra
larga do Rozario, ns. 6 c 11, ao pedos quarteis, ou
annuuciem. .
Gompra-se para remedio urna cobra do viado
aue'esteja viva: na praga da Boa-Vista, segundo an-
ar da casa n. 82, ou annuncie para ser procu-
rado.
Vendas.

FOLHIiNHAS
de almanak e de porla.
A edico mais conecta e com*
pleta que existe destas folhmhas,
est venda nts aivrarias da pra-
ca da Independencia, ns. 6 e 8; da
esquina.do Collegio; e na Boa-
Vista, botica defronte da matriz,
pelo prego do costume.
Vende-se a armacHo da loja de miudezas, si-
ta na ra da Cadeia do Recife, n. 14, propria para
fazendnsou miudezas pela sua boa localidades
tratar na mesma loja.
Vende-se um piano com encllenles vozes; e
emperreito estado, por preco commodo: na ra
dos Tanoeros, n.24, das 8 horas da manhia as 2
da tarde.
Vcnde-sc um sitio de Ierras propnns, na estra-
da de Agoa-Fria de Bebenbe, com casa de taina e ar-
verc'adeira e nova, cm Larris pequeos,
por preeo muito eommdo : na rtia da
Cruz, n. o, em casa de Kalkmann &
tosenmninl.
Vende-so urna padaria cm um dos melhores lu-
gares a qual, alm dos grandes commodos para fa-
milia, lem grande quintal c a vantagem de fazerdia-
riamente 6a 7 arrobas depilo e 4 ditas de bolacha;
o que he pouco para dar s freguezias : islo se node
asseverar a vista do comprador, pois que a padaria
cstsemprealrabalhar, at que apparc?a compra-
dor para n3o perder as freguezias. Assegura-se ao
comprador todas as freguezias, assim comonflose
duvida deixaro dnhtro em mflo do comprador
por algum tempo, afim de o convencer quesenBo
vende, scno por seu dono se querer rclirar desta
proyincia para a doPai, aonde tem sua familia;
advcrle-se mais, que o aluguel da casa he barato, e
tem outras mais vantagens que se dirao ao compra-
dor. Quem a pretender annuncie.
A 2#500 rs.ocovado!
Na loja de Guimares Serafim
& Companhia confronte ao ar
co de .Anlonio, n. 5, vendem-
se casimiras fiancezas, sem pe
lo, finas de lindos padioes e
pelas pelo barato prego de 2500
rs. o covado ; ricos cortes de cha
li de la e seda, com barra, a doze
milrs. o corte.
= Vende-' inoendas de ferro para engenlioi de ai-
ucar, para vapor, goa o hrttat, de divcros taannos,
or pceo con.iiiodo ; e leualmeiiu> talxns d* cno coado
e balido, de todos os lmannos: na nraca do torpo-San-
to, o. II,tu oasa de Me. Calmont a Companhia, ou na
ra de Apollo, nriiinzetn, n. 6.
Vende-se sal doCadix, a preco barato a bor-
do do brigue sueco Clara : a trata/ na ra da Moeda,
n. 7, com Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Vendem-se no armazein do Uraguez saccas
comfeijlo-fradinho, nioitjjom, a 3500 rs.
Vende-se un cahrinha, de 8 annos; bahuszi-
nlos d tarlarug ;^oiirinhos miudos; bezerros
sola: esleirs superiores e baratas; charutos rega-
la e da S.-I'elix : na rua*da*Cruz, no Recife, n. 24.
Vende-se um acougiie, na travessa dos Quar-
teis, n. 3,comossciis periences, por preco com-
modo : a tratar no me$m6 acougue.
t -- Vcndo-se um bero de jacarau.ua, da molde an -
:= Vcndc-se potana branca de superior gualidade.
em barris pequeos ; em casa de Mallieus Austin &
Companhia, na na da Alfandega-Vetha, n. 36.
= O corretor Oliveira tem para vender cobre em fo-
lha r prrgos de dito para forros de navios : os preten-
dentcs dirijam-se ao mesmo, ou aos Senhoret Mesquita
Si Dutra.
Vendem-se brincos conloes, medalhas, pecas
para cnteiro, e nutras obras de ouro e prata : na
ra do Rangel, n. 11.
= Vende-sc cal vlrgem em mcias barricas chrga-
da prximamente, por preco commodo; na ra da
Moeda arnuzem n. 15.
Vende-se una preta de nacSo-, de 23 annos de
bonita figura, que cozinha o diario de urna casa la-
va de saho e varrella e he quitandeira; una dila, de
:!o aun:,.-, que lava e cose; um moleque, de 6 a 7
annos; todos sem vicios nem achaques: na ra da
Concordia passando a pontozinha a dircita, se-
gunda casa terrea.
Vcnde-sc um pardo, de25 annos, de boa figu-
ra ptimo carreiro ; um dito, de 18 annos pro-
propara pagem ououlro qualquer servico ; 2 mo-
leques, de 14 annos, de bonitas figuras esadios : no
armazem de farinha do caes do Collegio.
Vende-se salem grandes e pequeas porcOcs :
na ra da Moeda, armazem n. 7.
Vendem-se 9 escravos, sendo : 6 pretas, de 16
a 25 annos, duas das quacs com habilidades; urna
prcla de narTio, de bonita figura ; um pardo bom car-
reiro e de muito boa conducta : no palco da matriz
de S.-Antonio, sobrado n. 4.
I> a loja de Guimares Se-
rafim & Companhia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven-
de-se papel almaco aparado a
2800 rs. a resma ; fita de relroz
e cores, pega grande, a 700 rs.,
Antonio, n. 25.
Casa da Fe,
na ra estreila ilo l\o2ario, n. 6.
Nesta casa acham-se a venda as cautelas da lote-
ra das obras da matriz da cidado da Victoria; da qual
andam as rodas no dia 29 do correnle. A ellas qm,
silo pou^a i os precos sao os do coslumo.
No Aterro-da-Boa-
Vista, lojan. 14,
vendem-se chitas finas a 110 rs. o covado e risca.
dos francezes a 200 rs.
CELO.
Na ra da Cadeia-Velha n. 15, das 9 as 11 hora,
da manhSa o das 3 as 5 da tarde.
Vendem-se bichas de llamhurgo muito boas,
aos centos e a retallio, por preco commodo : na ru
da Cruz, n. 62.
FERRO! FF.RRO,
de todas as qualidades e cobro para forro de navio,
de 18 at 28 oncas, em grandes e pequeas parti-
das : no armazem de A. V. da Silva Rarroca, defron
te da igreja da Madrc-de-Deos.
Vende-se a armactlo da venda n. 21 da ruado
Collegio, para servir na mesma casa ou para desar-
mar, sou comalgunspcrtenccso effoitos queain-
da reslam; tudo junto ou dividido conforme convci
ao comprador ; faz-so todo o negocio pelas circtims-
ancias que a isto obrigfio ao vendedor.
Grammaea do fc^alvador,
sexta edicSo correcta c augmentada : vcnde-sc ni
livraria da esquina do Collegio.
Ka ra do Trapiche, n. 54,
armazem de temando
de Lucen,
vendem-se os seguinles gneros, rccentcinenle
chegados pela barca Zilia: confeituras e frurtas
conservadas cm frascos; salchichas em potes peque-
nos, de 3 a 4 libras; conservas de legumes, de carne,
de pepinos e cebollinho, de varias qualidades; amei-
xas; e lambem champanhi, vinho do Porto, Shcr-
ry, Madeira, vinho do Rheno, Sadternc, Clirettaem
quartolas e caixas; dito engarrafado, 400 rs., muito
bom; superior cognac, rhum de Jamaica, Arrao, pc-
nebra de Hollauda, vinho de Malaga velho, cm meias
garrafas; chocolate de Pamillc; passss miudas;cer-
vejas; repolho conservado; barris pequeos de cu-
viar; moslarda franceza e ingleza, charutos. Toilnn
estes objetos sao da mclhor quahdade e por proco
commodo.
RAPE' PRINCESA NOVO LISOOA.
Acaba do chegar pelo ultimo vapor urna nova n-
messa deste excellente rap, muito fresco e com de-
licioso aroma, e contina a vender-sc no deposito .
ra da Senzalla-VeHia, n. 110, c cm todos os hipa-
do costume, at boje annunciados.
Escravos Fgidos.
soi tidas ; retroz preto, azul e sor-
lido, a 10,000 rs. a libra ; cor-
tes de pelle do diabo, a 1440 rs.
Vendem-se dous lindos moloques, de'14 a fio
annos ; dous ditos, de 7 a 11 annos ; um pardo pti-
mo para pagem, de 17 annns, com ofilcio de lian-
queirode engenho ; um preto bom carreiro, de 30
annos; duas pretas.de 25 annos com habilidades;
urna parda, de 25 annos, com algumas habilidades;
duas negrinhas, do 7 a 12 annos, proprias para se-
ren educadas; urna tirela, de idade, por 200,000
rs. : na ra do Collegio, n. 3, segundo andar.
Vende-se urna grande casa no Monteiro, de
pedra ocal, com duas salas na frente, 6 quartos,
sala e ante-sala atrs cozinha quarto para pretos,
estriban dousquinlaes, um murado eoutroaber-
to que vai at o rio, por muito barato preco para
se liquidar conlas: na ra l)ireita? n. 69.
Vende-se urna preta do gento de Angola de
25 annos pinico mais ou menos, que cozinha, engom-
ma, cose chlo c faz todo o mais servico de urna casa
de familia : na ra largado Rozario, n. 48, primei-
ro andar.
Vende-se una porcSo de terreno com mais de
meialcgoaem quadro .ptimo para nelle se levan-
tar um engenho de fabricar assucar: a tratar em
Coianna no engenho "Poco-Redondo.
Vend;m-se caixas com aletria meia grossa ,
mil e tantos ris por preco muito commodo : na
travessa da Madrc-de-Deos, armazem n. 5.
Vendf-se urna barcada de 20 caixas, de boa
madeiras e beai construida: na ra da-Praia, n. 27.
Vendem-se 40 escravos de amos os sexos,
sendo pardos e pretos, grandes e pequeos: na pra-
SjdoCorpo-Sanlo, n. 23, a tratar com Antonio Ro-
rigucsLima.
Vendem-se. varios escravos, sendo: pretas cora
habilidades, pretos, moleques e parda com habili-
dades : na na Nova n. 40.
Vendem-se 30 aceOcs da companhia do llebc
ribo, noval6rde70 por cento : nesta typographia
so dir quem vende.
Vende-te um terreno na ra que fica por del-
iras da ra da Aurora em Irente do fundo da casa
do finado Pcreira com igual largura n dita casa ,
com 300e lautos palmos de fundo, o qual cheg
at a terceira ra : a trotar na travessa da Madre-de
Dos, n. 18.
\oiide-sesalde Cadix a retalho a bordo do
brigue sueco Clara, entrado no dia 4 do crrante : a
tratar om casa de Me- Calmont & Companhia, defron-
te do Corno-Santo, n. 11.
Vendem-seS pretos, sendo um do 16 a 18 an-
nos* o outro de SO a 22 annos de muito bois figu-
ras e proprios de todo o servico; um lindo mulati-
scro
~ Fugio, no dia 26.de dezemliro prximo passa-
do, do engenho Cuararapes um mulatinho, de li-
me Sergio, de er bassa, baixo, ps apalhelados de
18 annos pouco mais ou menos; suppOe-se liaver f-
gido para Olinda aonde j foi urna vez preso :qucm
o pegar leve ao dito engenho, quesera rorempen-
sado.
Fugio, do engenho Campo-Alegre rreguezi.
de S.-AnlSo o escravo Joaquim, de Angola de ->
annos, baixo, secco do corpo muito ladino; tem
os dedos dos ps arrebilados, bracos e pernas mus-
culosas. Este esc ravo foi ter a cidade de Coianna,
onde o Sr. doutor Rernarde Jos Fernandcs do Sa
leve ahondado de o azer prendero avisar para se
mandar conduzi-lo; mas os conductores, receben-
do-o no dia 17 dedezembro prximo passado, ne>sj
mesma imite o deixaram fugir do engenho Jan?a
deira, entre Goianninha e .Na/arelh. Roga-sc as au-
toridades poliriaes e capitites do campo o favor
o pronderem e levarem ao dilo engenho que
bem recompensados
Fugiram, do engenho Campo-Alegre fregu-
ala de S.-Antiio, dous escravos, KstovAo eSlana,
ambos crioulos, aquelle em principio do dezemb'J
prximo passado, c esta algum lempo antes ; sao ca
sadoseteem os signaes seguinles: ijstevlo, '
bi al hado, alto, grosso, de 35 annos; tem na Tare
esquerdapor baixodoolho urna cicatriz de couceu.
cavallo em unidos lados da caneca duas paquena-
pelladurasde ferida do tnmanho de urna moeda ni
5 ris; tem as pernns grossas c na barriga da e^-
quenla lem urna cicatriz de carbnculo e a junta
pesquerdo um tanlo indiada de erisypelaque im
d : a cacrava de 40 annos, baixa esecea, bem pn-
ta da cor eutranca os cabellos da fronte ; no wk'
inferior tem urna cicatriz que apresenta um debrtni
Estes escravos foram comprados em maio do ann
passado ao capilHo Manoel Francisco da Costs, '
nhor do engenho Pilar nns Alagas para ow
suppfle-so terem voltailo, princialmente a prcw.
e o preto para o lugar do Roc,adinho ondo ja esleu
Roga-se as autoridades pnliciacs e particularmem1
aoscapitilesds.campoofavorde ospegorem e le'
rom ao dilo engenho, que serao gratificados r"
100,000 rs. porcada um. ,. ,
Fugiram, da rasa de Antonio Coelho dei
lo, os escravos seguinles: Pedro, cabra, de 25a
nos, baixo e grosso : Vicente, pardo, alio, M
anuos : os quaes vicram do Ass em pagamcm
suppoe-se teten seguido para o mosmo lugar; '
varamcamisaoceroulasde algodilo, jaquciaeci'
peo de couro gratilica-so com 50,000rs. a quem
apprehendcre entregar no trapiche do Pelourin".1
onde a vista da distancia e trabalho, so dra mau
gratificaclfo. ...
-Desappareceu no dia 9 do corronle, deoiain"
um preto de nomo Pedro, alto, grosso do corpo, p' '
ca barba c alguma falta dA^aoles Ha-fratile, ocn.
ns, ti na cicatriz por cima de um olho, cam
grande, foi de calca branca ecamia lina ja usaua,
ha noticia que anda sem chapeo; lio canoeiro e
nhador do ra; representa ter 30 a 35 annos de .<
de: quem i a ra da Cruz do lici"'
n. 26, aonde se gratificar generosameitc.
S
^^
nm-t JA TTP. 0M. F. DB FAUlA
.-i8fl
MUTILADO


Anno de 1847.
Segunda feira II de Janeiro.
N 2
*-
&>
DE
PERNMBUCO.
(SOB OS AUSPICIOS DA SOCIEDADE COMMERCIaT..)
Subscreve-4e na Praga da Independencia, loja de livros n. 6 e 8, por i^ooo res por anno. pagos adiantados.
i
PHEfOS CORRENTES DA PRA^A (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
3=
m
ti
O
O
l"
5
rli!
o
!
.s.s
2J
J.J!
-JI

C-Sv-3
ssrs
< F *
j-tjs
-"3 la
= !.*i's25-!
4 v
-I

i-
p c
s'4.
l
6 o

o c o c
00 O O '
.n <-3 = *
> c o o
i F*
3 <6 o c o o
> t* C* O
r- r- > -o "9 u
Q
a
I = S 2
| 3x3
O =00^ O
O H 0-/)X*t.0*^.flwr "'r- r* --------------e-eN---*-r-:tn nwo m
-T
6-l
s-3
2
nana
* ft
2'I
e
o
COOaO^-^30
CtCOC
lO1 A.-1 K--J v
a a s
S'S
Mi
z 2

Sisi
* -3 3 5-9
I I 8
< i. O.
* S Ja*.

-!
M
<
o o e o
? C. I- O *
s* -o -w c o
o o
O
o O o o
o ce
06 M C0 r*
c o
o
o
cose
oc e o o
5ocooo*5cc-'oooc C -3
si- o o rf)j)iOf rt N 0.
oooe>ooec = oo es
-ocioocso^o a ce
** r* r oc r ** r* -o -o O *
** 'i1^,** >* >% 00.
^- C e 4 ets
= o oca
ce c o c
o ; o o
t- r* c
S.
o o
eco o o o
o o -o ce o
c o c* o o
to oo c
.--
o o
c o
o -
o o ee o o c o o o o
eo oo oooc-*'*o
ee co o o o o i- m o
f "O o O
-^ Cf ? -* f^ m r*
2 S a E 2 2 c 8 2 l -'" = S
5^ 5 ^-i = ; A 3 =^ 5
o o o o ooeco eoocooo
c o o .r* c*ooee ^ -i -5 : c ^ o
o o -o -* n n j e c w c*

f .,
O o
o o
o o
-1. I .i.. -i- iii I -i > = 1 Ii-=| = f i-f-fiiII
~7Z-------Q-j---------------a--------5~^-----------5 ^ i ? S Fe 2
? o c O = J
> O o c o = o
-1 o o o
o c e
2 w c o c ,.
n -o u o o
00 #4 <^ *0
oeoceocoooo
caooir<-*c: oc
O -A c**cpOO.-Nr4
o o o
o o -
oe r- w

O O O O O
y O O C O
9* C O 00 (O
g Z o oo
X ^ *H*0,
o o r> *
o = c o
o o o o
o o a o
** -* I!:
U o -i ce
-n ra
__ ^>^nB ^ ? J5 I- O
>C OOOO OOO
?00 1 O O -^ -/"-O
3" '
al
.2 v
.
'i a
2 E
j
iiii

I i I
I I '
I '
I
i i
itt.CS
jitat*
r. _5 m ^
i*
Sc35

:i.s
II?
I _.
5 a
a. u
< I
ai
I
>M
O
'i
-; i
I,
i i i
i i
i i i i i
4' '
83.' '
I
8 i
O
5 r
i
i i
i | l I I I I I I I U. Ib
......S2
i n
'i
I
i:!'"
i
S.2
xa.
'ti
-a S
w
.s S
jeja
- ?. i 5 2P -
sJ2, ,l.......|fe|..s .s.:
- iflS'5-!^i!s:8,,,i"*!lS
js *a:'^-.2 u 2 o ?. -o jJ8fl .* .. S"^ n B a-i :!( is
es UU ta.0>"
.^11 jSJiJJll
i i i i i i i
i i i i i i i
' i i c 3 C '
3 5 5 5-5 ?5
Ejillilli
oa-inHa.
T-rrr


<)
wmmsmmmmm
EXPORTAgAO.
Agoardante Canaca -
Alodio I torta- -
!,.--_-
[ Asaetear raucu em caitas -
mascavado
em barricas ou ac-
cos, braucu -
mascavadu -
Con ro seceos lgidos. -
Heios do sola _
CbilW* da trra -
do Ido (irande -
EXPORTS.
Rum ------
Cotton I. qualiiy -
a -
Silgar in cim vvhlie -
a brnvrn
a (or barrel or tlegs
whilt -
a brown -
Dry alteil hidta -
Taime ludei -
(-liorns -
PBB(0 DA PBAQ POK
to/ooo
llOOO
/8S0
tfioo
1440.
nc
ifiliO
JfuOO
2|00
6**00
bf 1O0
I #000
JfOO
lj5t.
116
IJ.-IO
P.p..
A i roba.
a
j i. ferro
Libra.
Hum.
Cenlo
CAMBIOS.
Londre...........................M por If rs. a 60dies
Liaba.................. ........ > por cenlo premio, por mUl e&eeluado
Franca.........................6 ril por franco.
Rio de Janeiro...................o par
PHATA muida................... 10 I>or ol-
Patacoet Hratllairos........ 1*000. 1*040.
Pasos Columnarios......... lfMO a 1#0$0.
a Hilos Meiicanoi........... I.1J0 a ,I|TM.
ODRO. Modas de 6a400 velbee... lefouo
* Dilas dilas novas... I0|0(.
Ditas de 4#000............ fOOO
. Oneas l.espanhnlas........ MeiiO a 2J00.
Diu Patriticas.......... I?i00 a >S#neo
|Letra........................... I/, al'/.por.QOpormW._______________
FRBT R S.
Asstic.xn.
.Liverpool...............Saccoj\ 1 7 8 f J io n sar.-os l, .
CaoI, poiios Ingletes...... Dito' 800 I om a '
{Olio, ditoeulrrHamb.e Havre. t> lo J I 10 O <.
Idenova................Hilo! 2 15 \ Com 10 /
/ llamhurgn caita*...............\ I
\B.ltico....................... I \
Trieste.............. .. Seccoil i 3 0 (l al 3--C- l Com 4 /,
1 Estados-Unidos................}' 1
[Portugal.......................I\ 160 a Jdl I
Knil{i........................ fii 74 e IO'/tdr primaren)
ALGODO.
Poilueel................... oo por @ em primagemnominal
F,,.iira.............. ou por (ge f p /aocamb.de 160 p Ir nominal.
Inglaterra..............'... /! ** P Va primagtrn,
llai celoua.................. 4C0 iis
tOUROS.
Inglaterra Seceos t 1 I 10 0 ... por tonelada e S por cenlo, nominal.
I"ti9.......... ............. 70 bancos por tonelada!, comlOp cenlo
F.slados Unido................... Nimba. ________________
/
*S7.
n-cmmm
V
l
Da da II de Novembro de Ifttl u li.mie pagar n p. e. o rape ou lbaro
de p, os charuto* ou cigarros, o fumo to <\>lo ou em Iblba.
PagarSSO p. c. os saceos de cauham.so grossari mi gunrs do In.lia. os (.ni-
veles em lorin de punlnil, as almofadas i>ra erruagens, s pedraa I.*r2des para la-
gjdo, a* pedral de canta, ia para porie, portas e jaiirll.is, as pedras lavradas parn
encanaineiiio* cepas, ciinhaes e cornijas, o assucar refinado, ci-ylalisailo ou de qual-
quer maueira coul'eilado, o cha, a agoarducue. a cerveja a cidra, a gene.jra, o mar-
rasquino, ou oulrns licores, os vinhos de qualquer quaiidade e ( receilencia
PagaraO 40 p. e. as alcatifa* ou tapete*, o canhanmeo ordinaria nu grossria, as
bataneas de qualquer quaiidade, e rnupa feita, nao especificada na tarifa, asorta pa-
ra jogar, a* escora* de cabo de marlini, o fogo da China em carias, ou qualquer ou-
Irn fogo de arlilicio, o papel pintado, prateado ou duurado, sendo de mialid linas, o papel pintado para loriar s .las em colleccoes nu paixagens. o papel de Hol-
anda, imperial ou outro nao especllieado na tarifa a plvora o sabonctea, o *alio,
o sebo em velas, as vela* de Slearina ou composico, as ameivis, ou oiilras frucla*
m frasco* ou latas, aexas, em calda, ou em espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, o* caninlios, carriiageu* ou caiaas jo.os, roda*, arreio* para urna e ou-
\'a cousa as esleirs para forrar casas, os cairo* para conduiir gente, o soeiavei*,
a ailbes, o* metros e tinteiros de porcelana, e qualquer objecto de lonca nao com-
prebeodido na tarifa ; os lustres os clices para licor ou vinho de vidrolio ordina-
rio, os de vidro mldalo ordinario lavrado ou moldado e lavradn ordinario da Alia*
minha e semelhante* os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo cortado ou lito.
com molde ou lavor ordinario os Callees para Cbampanhe ou cervrja, a* caneca*,
copos direilo* da II) a I em quartilho, a* garrafa* de vidro al I quarlilho ou mau,
acudo todos este objeclos de n I a t as garrafas de vidro pretas ou escura da
mesiiKi capacidade, comprehendida* ai que serven) para licore* ou L*-Roy ; o* copo*
pira tabernas at tima caada, os liasen de vidro ordinario com rolha do niesmo
al 3 libra ou mais'; ou sein rolha al 1 libra ou mais, os de boca larca com rolha
do memo, tl 4 libras ou mais, ou sein rolha para opodeMnc os vdros para a-
lampada ou candeiro, a laboa ou folbas de moguoou outra madeira lina, e trai-
te* de qualquer madeira.
PagarSo JS p. C. o ac, alcatro, tinco em barra ou em folha. chumbo em barra
ou lencol, estanlio em barra ou em vargumba, ferro embaua veruuinha, chapeo
linguaos ptra fundico. rolha de Flandres, galba r Alrpo. lala em folha. latoem
Chapa, m.irlim, salitre, vime, bacalbo, peixe pao. a qual'iner oulro, letco ou >al-
ado ; bolacli, carne ecca ou de almoura, berva-doca l'arinha de trigo, pellica
.ranea ou pioladas, cordovoe ou edites de beterro para calcado, beterrot e cornos
anvernizados, couros de poico ou boi, salgados ou secco sola llar para tapaleiro
on correeiro, conre e caparrosa.
Pagard JO p. c. o trigo em grao, barrilha. canolilho es|>i:.;iiilha. Reiras, fio,
franja*, lanlijoula*. palhelas, pa*samanes, sendo ileouroou praia entrelina ordina-
ria ou falla: gale* damasina nalurezo, ou tecidn* com retro, linho algodionu
teda, renda ou entreineioa de algodo nao bordados renda! de fil, as de algodo,
retro ou tro{al ; lencos da camhraia de linho ou algodto, a bandas de retrol de
naalba.
Pagar 10 p o os livro, mappa e globos garrapeos, instrumento* matbe-
maticos, de physica ou cliimica, corte de vestidos de velludos ou damaico, borda-
do* de prata ououro Ru ; retro ou tracal, c cabello para cal*lleireiro.
fagarSsp c. ocanutilho, cordo de fio eipiguillia, fieiro, lio, franja, ga-
llo delioou palbeU, lanlijoula, pall.ela. renda, cadarcos e todoso mais objec-
to delta oaturew, eudo de ouro e prata fina.
PagaS i p. c. o carvio de podra,
uteusis da prata,
Pagar 4 f e. a jola* deouro ou prata, ou quaesquer obra de ouro.
Pajare tp. o o diamantes a outra pedra precio* olt.i ememes,"plan-
ai a nica novade animaes utei.
Paear 10 p. c. todas o* mal* objecto*.
O genero* reeiportado* ou baldeados pago I p. c. de dircitos alm de armase-
r3m; a o despachante prest* fiauja t ipprovaclo desta medida pela Aetea-
Uto Geral.
Coiicedem-e livras de armaienagens, por lidias, a* marcadoria* daEstiva, e
don? mete* a* outra j a findo ete platos, pagars,'/, p. c. ao mea do reipcc-
?o vlor.
O rdireito da fa*adas, que pago por vara, dar entender-* rara qoadrada.
O* relio* nao podem er augmentado* dentro do anno financeire l maieGo-
remo poder mandar pagar em moeda de ouro ou prala urna rigeatma parta da que
lorem inaiore de 6 e inenarel de M> p. c. doi praco da* mercaduras, ou n
diminuil-o, aguado Ihe parecer. .
U Uoverno el aulorisadoa eitabelecar um direilo diflerencial aobrcoa
dr qualquer naro, que obrecarregar os Reu(.o bralliio da malor direilo, que
iguae* de outra liarlo.
O artigo nao especificado na pauta pago o direilo ad valorem obre a **<"*
apresentada pelo drspachante i podendo poim er Impugnados por qualqurr ofheial
Alfandega, que em tal caso paga o impone da faclur. ou valor, e o* direilo.
>o caso de dunda obre a clanificaco da mercadona. p.le a parle requtrer
arbitramento para designar a qualidadt a valor da pauta, que Ihe compele.
Soisentas de diieito* as machina ainila nao usadas no lugar, tai que forea*
importada*.
EXPORTACAO O directos pago-se sobre a avaliaco de urna paula sema-
nal na r*r.o eguinle : Anuearl'lp C Algodo, cal, e fumo H p C. Agoai
denle, coiiro, a todos os mal genero 7 p c. Alen, deste direilo pagaO-aa a
tata da 160 r em cada caita, de 40 *. em cada fecho, de :0 r. e.u cada barrica,
ou sa :cos de estucar, e da 40 rs em cada acca de algodo.
Couros a todo os mal gneros 3o livre de direilo para a porto do Imperio, a
etcepcio do algodo, aucar. caf, e funo, que pago 3 p cea lata por volueae-
t metaet precioso em barr pago da direilo p e. obre o valor *>(<
cado. a a prata a o ouro amoedado nacional ou eilrangetro paga nicamente /, p. o
cscravo exportados pagto fono por cada um
DF.SPE'A* DO PORTO A* embarcacoe* nacin, ou eilrangeira. qu
navejo para fora do Imperio, pago 00 r de ancoranem por tonelada : e a*
nacion.es, que nvego eutre os diverso* pollos do Brasil 90 r. As que entrare
em lastro e ahirem com carga e vice versa, pagars mtiade do imposlo supra e um
terco as qiieeutrarem, e sahirein em lastro; a roesmo as queentrarem por Iranquia,
ou escala quer enlrem em lastro, quer com caiga Desta iinposico po m sera
iienlai a* que importare mais de 100 Colonosbranco, e as queentradrem poi arribada
forcada. com Unto que eta nao carregurm, ou deCarreKuem mente o* genero
uecessai ios para pagamento dus repaios, que fiterem.
VENDAS DE NAVIO?As embarcacSe* elrangelras que pattarem a *cr
naeionae, pago 14 p. C e as nacionae, mudando de pioprlelano, ou de baodan
pago i p. c. sobre o valor da veuda.
ouro para dourar, ou quorsquerobra c
REVISTA SEMANAL.
CAMBIO Cominuario fter-e iraincrdfi d. por I#000 t eiti me
a cita quolacHO. ,
A Li.ODAO NSo iionverSo entrada* durante a semana, em conaequancia da
continuac&o dos das santos.
tS'-UCAli Aseeitradas em caias, forio pequeas por causa dos venios
contrarios; em cargas forAocom tuito reculares, efl'ectuundo-se rendas s quolacfles.
i UUI'OS *ronLiiiufiooffercc.d< e ha poneos compradores ultima quoiacan.
FAlUMIA DE THIGU t-henro dous darregamentos esta semana, dos
Cslados-Cnidos; vendas re^utaics aos precos quotados
B ^UAI.HAO asi Enlrou um c*rieKair.ento de Terre-Nova com 7:100 ImitiCM.
o quaJ foi veodido a preco que se suppoe. cerca de I tf 400 b barrica : o deposito be
e 0:000 barricas t vendas uvulladas.
CAH.Mi DB CHAHQUE No ebegou carregamento algum esta semana;
deposito actual, be i. 26 ra arrobas, e veodas pequeas aos preci quotados.
Resumo das SmbaixaeSesexistentes meste porto no da 9 de Janeiro de IMT.
A mrc as. >>>>
Austracas ??*
tt rali le iras >.aa.
Bcl^a..'**'
Dina marquetas *> /*j
r rs riceza *> *>. *> >*>*>__
f" Hespannolas...............
Inglesas.. *)>>*>#>>
Norueguensa.......................
Portugueza...........,*>
Sardas >
Sueca...............................
. **.*
a.a.a.
a.-
a a a. .. a #
.aa.a..a.a
a > -
.*
*.
.a a I a a
.....
. a a .
a..*..
Total
i
I
|T
I
1
I
le

I
J
A Provincia goaa tranqulllidada.
^


__^_
()
LISTA das Embarcares existentes nesle porto aleo da 9 de Janeiro de 1847.
1HTIUDA.
Dezembro 21
a 2*
,147 Janeiro
*
>
Ikembro U
fetembro

Outubro II
14
tVovembro '
II
27
78
1
11
17
54

i

DONDE TBV.
Iletembrn
|||T Jiueiro
Junfao
Deiembro 17
HIT Jaueiro 7
Deumbro 14 Haba
Boston
Mar Pacifico
Philadelphla

finios
Bahia
Ass
Itio Ri.-i Grande do S.
Ass
Aracaly
Amcaty
l.isl oa
H io de Janeiro
Ais
Rio de Janeiro
Aracati
Asad
lllia de Fernando
l'aliia
Ass
Aracati
GaliSo
Copenliagrm
CASCO
fjeumbro

17
54
15
19
70
71
5S
78
19
li
1117
Janeiro
1
HIT Janeiro 6
Detembro 27
Detembro 11
a 17
1147 J.neiro I
a 2
1117 Janeiro
H < celo na
llalli.
Terra Nota
Liverpool
II io de Janeiro
Liverpool
a
Rio de Janeiro
Cutrusej
Baha
Liverpool
Glasgow
Liverpool.
Lond. p, Falmout
Tena-Nova
Rio de Janeiro.
Lisb a
Hicliimond
Geuova
Gen p. Gibrallai
Rio de Janeiro
Marjellei.
Cadii.
escuna i
galera
palacliO
lii fgue
barca
barca
sumaca
sumaca
brigue
[i lacho
late
lii.te
brigue
bri-esc.
brigue
brigue
brLue
liiale
Etlacl.0
rigue

Hi.ie
sumaca.
barca
brgua

barca
brigue
brigue

barca
bngue
galera
barca
a
brigue
Ellera
rigue
barca
barca
bri -esc.
polaca
brigue
Brigue.
NACA.
Amer.
Auit.
Brasil.
Helg.
Din
Pranc
Hesp.
lgl.
Noiug
Pon.
Sardo
NOIUM.
Isaac Franklin
Pboelie
R. K. Lopar
(owperthevet
Navarra.
Peraslioa
Santa Auna
S. JoSo
Hclii.no
Lou renco
Despique
Espadarte
A tala
Velos
nimo Grande
Mor doSul
VirMn
Novo-Olinrla
Flor de Olinda
* ompelicor
Mor do i>orte
Klnr do Bece
Carila.
Amelia
immannel
Elisa.
Ferdlnand
Fe'ippe
Cavado
Marinho
Iceni
Ospr.v
Mary Hownseil
Priscilla
Lowisa
Columbus
Mary 'lucen ofScola
Hi-lackett
Iabela
Tyrer
Relia oc*
Leda
Jamaica.
Sultana.
Cynthia.
Hermas.
Tejo
Telegrapho
Cath.rina
Josephina
Constantino
Neordo.
Clara.
TONS
140
17
167
170
111
II
1
41
111
US
TI
17
III
162
199
178
147
SS
144
IS
Un
44
64
179
IOS
110
MESTRK.
C Crosbey
8 W. Wims
W F. Horlb
Leevis Caisen.
J. Leacock.
M. Serovicb
Jo>ode Dos Pereira
urbano lose dos Santos
Manoel da Nica Santoa
Jos Mara da Graca
Joaqulm los dos Santos
Vicenta Jacome
F. B. de Mattos Lisboa
Joaquina Cardlo
Jos Ignacio l'imenta
Augusto Antonio da Couto
Antonio Jos Viauna
Joo Antonio Gomes
Balihasar Jos dos Heii
Ant Monttiro de Alrneida
Mauci 'inlo Baliia.
Jos Gonc.lt es Simas.
E. Nodsoss
L. P. Moberg
Jorquasoo.
147 Ourand
175
107
ISO
101
184
US
141
II
257
J05
198
SS4
180
100
115
IS
118
417
SIS
141.
17
14S
258
I!
290
Joo Gilpe
E. Mornaico
Me. I.outon
W. W.lliains
John Ralwr
R.Gol.h
John Domaille
Daniel Greco
Wm. Kelly
John Harry
J. J Lonlestey
Ir. Filis
Jonh Bedford
Tilomas Glenday
T Skeiri.
Jobo Diioo
Welliam Gealdworthy.
Daraiog.
Silrerio Manoel dos Res
Pedro Losara
P. Masiony
. Chiappe
J Repello
V. Feraro.
(i. Hugmaa
CONSIGNATARIO.
Henry Forster 5c C.
G. Ph. Manuverie.
Matheus A listn Si C.
Maiheus Aaustin Si C.
L G. Ferreira kC
N. O. BieberfcC.
Nov.es k C.
Jos Mara Barbosa
A motn* Temaos
Aniorim Irmaos
A. de Magalh.es Bastos
. _P Lemoi Jnior
\io Francisco da Crus
noel Duarte Rodrigues
Aiorim limaos
a
Tljnai da A quino Fonseca
o* da Silva Sanios
B"' Se liveira
Gom, 4- |rniSo
iVasc^eaio 4 Amorim
fo ".ra Barbota.
L"JdS4Araujo.
A Orden.
DKSTINO.
Rotbe & bJoulac
Rotbe Si Bioulac.
La Bretn Scrlmm Si C.
Vascimento le riorim
Joo Pinto da Lt,,,, j; F|no
Me. Calmoot St C.
La Bretn Sclirami s> c
IS. O. llieber St C
Johnston Paler StC.
IS. O. llieber 8c C.
Me. Calmoot & C.
James Crablree Se C.
Deane Youle Se C.
N. O. Rieber&C.
Deane Youle Si C.
Ueane Youle St C.
Adamson llowie c C,
Latham St Hilberl.
Fredericli Robdiard.
James Crablree Si C.
Jones Paln Si C.
liveira Irmaos 8c C.
Le Bretn Schramm le C.
Joo Pinto de Leeros Se Flho

A ordem
Jos Saporti.
Me. Calmont. St C.
Iuait.
Rio Grande do Sul
Rio da Janeiro.
R de Janeiro.
Lisboa.
AiacaU.
Babia
Rio Grande do Sul
Antuerpia.
Copenbegem.
Triaste.
Barcelona
Londres
A TreUr.
Canal.
I.iverp. p. Parabyba
Canal.
Liverpool
Llverp p. Parabyba
A (retar
A fietar
Afretar
Babia.
Lisboa.
*>Ya.
Peinambueo na Typo J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE78TL2ZW_FE0ASQ INGEST_TIME 2013-04-30T23:43:23Z PACKAGE AA00011611_09712
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES