Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09631


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO IIIVU1. IBMMO 224
tn tre mezes aintadti SfOOO
Pir treimeie Tencidti 6|000
SEGUNDA HA 29 Bl SBTBMBU IIISIS.
Pwiui aUiUdt if|OOf
f trU fraict )ra t suitrl|Ur
MMI "

NCARRBGA.DOS DA SUBSCRlPg\0 DO NQRT2.
Parahyba, o Sr. Antonio Aiexaodrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Aracaiy, o Sr. A. da Lemos Braga ; Cear o Sr.
J. Jos da Oliver : M irmho, o Sr. Joaqum
Mirqees Rodrigaaa ; Para, Manoel Pioheiro &
C; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Coala.
ENCAR&BGAD09 DA SUBCRIPCAO' DO SL.
Alagse, o Sr. Clsodiuo PalcSoDiaa; Babia,
o Sr. Jos Mirtina Airea; Rio da Janeiro, o S-.
j sao Pereira Minios.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
EPHEMER1DES DO MEZ DE. SETEMBRO.
Olinda lodos os di.s U horas do dia. 7 La chela as 5 horas e 16 minutos da tarde.
SS!St. "* UH%a" ,5 Q""10 io*"nl' or. Si minuto, da
S. Aotao, Bezerros, Bonito, Caruar, *UtW La,*!'.??'
e Garanhans as tergi-feiras. r Lua D0TS Pao d'Alho, Nezaretb. Limoero, Brejo, Pes-I30 Qu,rl erescente a 1 hora e 28 minutos da
quera, Iugazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viste, Urd"'
Ouricury e Ex as quartas-feirs. ___
Cabo. Serinhem, Rio Formoso Una, Barrelroa. PREAMAR DE HOJE.
Agea-Preta, Pimente raa e Natal qeint.s-feir.s. prlmeiro as 9 horas e 18 minutos da m.nhia.
(Todos oa crrelos paitem a 10 horas da maoh) [Segundo as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA l>03 VAPORES COSTEAOS.
P*ra o sul al AU'goaa 5 e 20; paM o norte
al4 a Granja 14 e 29 de cada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Reeie : do Apipueo$ s 6 1|2, 7, 7112,8
e 8 1(2 da m.; de Olinda s 8 da m. e t da I.; de
Jaboato i 6 1|2 da m.; do Caxang e Varzea
is 7 da m.; da Bemfica t 8 da ni.
Do Recife: par o Apipueot s 3 1|2. 4, 14.
4 1,2, 5. 51|4, 31(1 e 6 da t.; para Olinda s 7
da m. e 4 112 da t.; para Jaboato Si '* da t.; para
o Caxang a Varzea s 4 \[i da t.: para Bemfica
aa 4 da i.
.AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas o quintas.
Relsgo : tercas o sabbados s 10 horas.
>Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commereio : segundas ao mel dia.
Dilo de orpboa : torgas e aextes s 10 horas.
Primeira vara do cival: tergaa a sextas ao meio
da.
Segunda vara do cival: quaras sabbadoa a 1
hora da tarde.
DlAS DA SEMANA.
8 feg"Dd:- ?' S?*1 Vch,Di: s- Fflerno;
30 T-igi. g. Jeronymo b. dCulor da egreja.
1 Qasita. Si. V'eristimo, Mximo e Julia irs
2 Quinte. Oa ai.jos da guarda : S. Lodgaria.
3 SeiL. S. Candido m.; S. Maxlmiano b
4 Sabbado. S. Francisco de sala fundador.
5 Domingo. O SantiasimoRoaariodeN Senhora
ASSIGNA-SE
no Recife, em simara deprava da indepen-
dencia na. 6 e8,doa proprietiroaMinoe: F;aa.i
toa de Faria & Filho. 8 tl
M1TE OFFICIU
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da *5 de sotembro
de 1869
Offitio ao director do arsenal da guerra da cor-
**;Transmiti V. S. para o Qm conteniente
o incluso termo de exime a que ae procede* em
63 volumes cootan lo objett>s bellicos dos envia-
dos por esse araenal de guerra no hiele nacional
amo,toa destino a esta provincia e as do Cea-
r MaraobSoe Piauhy, e do qual consta terem os
refer Joa objectos chegado aqal em perfeilo es-
tado.
Dito ao commandaote superior da guarda na-
cional da Ros-Vista.Devolvo V. S. a propos-
ta apresentada por sea oOioio de 12 de agoito
ultimo, para oflwiaes do batilhao numero 48 Je
infantaria do munitipio de Cibrob, aOm de que
nella se declare o motivo daa vagas, cujo preen-
chimento se propon.
Dito ao delegido encarregado do expediente da
tolicN.Intelrado pelo ofJicio de V. S. numero
140 de 23 deste mez, de se ter instaurado o res-
pectivo summario pe!o eaoaocamento feit i na pea-
soa de Joaquim da Silva Garrido na povoago
-dos Afogadoa do termo de iogazelra, eapero que
me communique o resultado do mesmo aumma-
110.
Djto so director do arsenal de guerra. Con-
trate Vmc. eom o mestre e dono do hiata nacio-
nal Sergipano, Haoriqaa Jos Vieira da Silva a
coodaegao para Fernando de Noronha dos objec-
los que se destinan) aquello presidio, e qae nao
possam ser traospertidos em navios de guerra,
erto de que taea objectos nada tero de pagar,
aenao excederem a ama tooelade.
Dito ao major Carlos Ftlippe da Silva Maoiz e
Abreu.Pelo seu offlcio de bontem datado, sob
numero J67, qeei iotairado de haver Vme. na
mesma dala assamido a direcgo interina do ar-
senal de guerra para o qual fura dssignado por
portara de 22 do torrate.
Dito acamara municipal deOliuda.Declaro
ornara manicipal de Olinda em respoata ao seu
oici > de 18 o correte qus nao poieodo exce-
der de lOJOOO ris como se v do offlcio junto
por copia do director interino das obras publicas
datt-lo d 2Ueste mez, a despeza a fazer-se aooi
o tapamemo de um rombo que exista no aturro
do pantmo daquella cilade, maode s mesma c-
mara ex^tutar esse trabalho com a brevilade pos-
ai 'el correndo semelbaot9 despeza pelos cofres
aiunicpaes.
ElTAL.
Sscrstaria do governo de Pernambaco, 2> da
Bitembro de 1852.Pela secretaria do governo
sa faz publico par conhecimento de qu*m con-
ier, que tendo a assembla legislativa provin-
cial por le numero 529 da 6 de juuho deste an-
uo, creado um offlcio de depositario garal em ca-
da ttrmo desta provincia acha-se em oncurao o
do termo de Caruar da comarca do Bonito.
O preteulenles bajam de apresentar aeus re-
queriaientos no prazo da sesenta das coatados
desta data, instruidos na forma do decreto nu-
mero 817 de 30 ao agosto de 1351 e aviso uiuii-
ro >l de 30 de dezembro de 183i. Antonio Lei-
t-j de Pinho.
ElTAL.
Pela secretaria do governo se faz publico para
ccnbesimentj de quam coovler, que tendo a aa-
sjmbla leg'alativa pro nodal por lei numero 529
de 6 de junbo ultimo, creado um offlcio de de-
positario geral em cada Uroio desta provincia,
acha-ae em concurso o do tarmo da Escada da
comarca de Sinto Aoto.
O preteodeutes hajam de sprestntar seos re-
^usrimentos no prazo de sassenta das contados
desta data e instru jos na forma do dscrelo nu-
mero 817 Je 30 de agosto de 1851 e aviso nume-
ro 252 de 30 de dszembro de 1854.
>*;spaekN do dia S5 de seteinbro.
Heq uerimentot.
Antonio Jos dos Santos.Informe o Sr; espi-
ta.) do porto.
Antonio Das dos Santos.Informe o Sr. direc-
tor do araenal de guerra.
ll-joriquo Joi Viaira da Silva.Iaforme o Sr.
inyector da thesouraria de fizende.
Jos Rimos de Vasconcellos.Informe o Sr.
director geral da inUruccao publica.
Jos Flix da Cmara Pimeotel Jnior. Iu-
: irme o Sr. director interino do arsenal de guer-
ra, a quam o swppluaote apreseotar o menor
de que se trata.
Maximiaoo Lopea de Araujo. Iaforme o Sr.
jsiz municipal da primeira vara desta cidade.
Mmoel Antonio da silva Rios.Iaforme o Sr.
emyrezario da illunjinaco a g Sibastiao Paos de Souza.Iuforme o Sr. com-
mtndante auperior da guarda nacional do muni-
cipio do Recite.
Com mando das armas.
Quartel-general do cominando das
armaa de Pernainbuco na cida-
de do Recite em '-i de setembro
de lHl.i.
ORDEM DO DIA N. 131.
O general corommdantedaa armas detlira pa-
ra os fin convenientes, que approvoa o engeja-
ment> que no dia-%3 do correotx eontrahio o Ia
a.rganto almoxarlfe do forte do Biraco. addido
ao4* batalhao de artilharia p, Casimiro Jos
de Fretas, para servir por mais seis anaos, sem
direito as vaotagans do premio e respectiva gra-
tiQcsQao de engajado, nos termos do avisa do
ministerio da guerra de 16 de dezembro de
1858
A asigna do.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Logo.
Conforma. No impedimento do ajudanta de
orlens eocarregado do datalbe, Joaquim Jos Pe-
reira Yianni, tenente ajudanta de ordeos de
pessoa.
la, em Hanchester, da caaa Richard Roatron &
C. com um passivo de # 318,175; posso ac-
crescentar agora qae consta ter esaa firma apu-
rado am activo de S 81,192. As eoraraa devi-
daa essa casa no Rio de Janeiro, Baha e Pr-
nambuco, montam a S 511,313. Urna commis-
so de ioquarito acaba de ser nomeada para dar
o aeu parecer sobre o estado deasa firma.
As folhss de Londres acabam de anounciar a
quebra da urna outra firma, que lioha grandes
relacoea commerciaescom o Brasil e qna fallir
emeonsequencia dos ltimos desastres commer-
cises occorrdos no imperio. Essa firma a de
Mrs. Crabtree, Aked & C que saspendeu os seus
pagamentos com um passivo de S 300,000.
O novo bsoco entre Londres e o Brasil come-
cou j suas operar vs banearias, t*odo raalisado
varios saquea pelo Oneida. O Times publicou
que nao conseguir alie do governo autonsago
para organisar-se segundo as leis do imperio ;
mas essa falsidade foi da tal modo absurda que
nem por isso as accoas baixaram, conservndo-
se a S \\t de premio. O fado que o governo
imperial tem pelo contrario applaudido muito a
creago da mais aquella insliluicao de crdito no
Brasil.
O algodo de Pernambaco Gca em Liverpool ao
prego extraordinario de 29 d. e 30 d. por libra ;
o da Babia a 26 d. 1|2 e 27 d.; e o do Msranhao
a 30 d. por libra. Cacao 52 s.61 s. per rwt. Ca-
f 1 qualidade 69 a.86 s.; 5a 63 s. 68 s.; e or
dnano 5i s.61 s. 6 d. Assucar branc* de Per-
nambuen da Parahybs percwt de 24 a.29 a.;
maacavadode 17 s. 23 s. 6 d. Assucar branco
da Bibia 22 s.28 a. 6 d.: mascavado de 17 s.
1 a 6 d. Pao Brasil 75 a. por tonelada.
t- para ah dar combata ao inlmigo. Achava-se
com effdito nesse ponto com dous mil volunti-
rios, quando na msnhsa de 59 do prximo pas-
sado foi perseguido de perto por ama columna
de mil a oitoceotoc caladores que o iotimaram
para que depozasse as armaa, inlimaejio, porm,
que foi por ella desatteodlda, seguindo-se d'ahi
cOTiegar a peleja entre os dous corpoa ioimigos.
O coronel Palaviccioo, commaodaate daa for-
jas raaes, come;oa o ataque pela fusilarla, mas
vendo a resistencia desesperada doa poucoa ho-
mens que ficaram liis bsodeira de Garibaldl,
mudou de plano atacando bayoneta o inimigo
que eato anda cooservava a posic.3o de Aspro-
monte. Dsaie esse momento a auperioridade
declarou-se pelo lado daa tropas reaes, e haven-
do Giribaldi sido farido com ama ligelra bayone-
tada na perna eaqaerda e com ama bala opa
direito, pronunclou-se a victoria por aqualle mea-
mo lado, entregando-ae dlacripQo aquelle pa-
triota com os trezenlos horneas que combsteram
seu lado. Doaaail homeos qae acompanhi-
vam o libertador no principio da acoo, mas que
axcepQio de trezentas haviam desertado logo
que firam atacados pelos cardadores piemontezes,
acham-ae feitos pnsioneiros, haveodo sido cap-
turadla pelas columnas volaotes que o general
Cialdini fizra collocar na lioha que vai de Reggio
ai ao Adritico. Uiribaldi foi obrigado a ren-
der-se sem condioes, sendo eonduzidn de As-
promonte Reggia foi ah embarcado a bordo da
fragata italiana Duca di Genova, e nella condu-
zido para Spazzia, onde chegoa na manhaa do Io
do correnle.
Nada Ibe lem faltado para aeu curativo, pare-
cendo que brevemente ae restacclecer de seus
91.
Coaros salgados da 5 d. 1|2 a 7 d. por libra ; sec-1 ferimenlos, sa bem que, ainda nao fosse possi-
C* 7 h *' ,ecco, algados de 5 vel extrahir-lhe a bala que tem no p. Hoje a-
" 7 ,.. cha-ae elle desembarcado em Varigoamo.no gol-
pe consolidados ingleses tem sido colados a 93 fo d Spezzia, onde todava cooaarvado prieto-
Brasileiros 5 0|0 de 101 a 103 ; 4 1|2<),0 neiro com sea filho Menotli e outros quo com el-
sAyrea 6 qjO 93. Russoa 5 oO ; le partilharam o desastre de Aspromont-.
Menotli Garibaldi ficou tambera ferido naquel-
la ac(io, e mais gravemente do que aeu pal.
A noticia da derrota de Garibaldi causo entre
oa partidarios d'accao grande agitarlo, e em con-
sequeociadisso leve ogoveroo da Turin de re-
petir as demonstrarle revolucionarias que tive-
ram lugar em Milo, Genova, Liorne, Breeeia e
Como, conseguindo restabelecer a ordem, mas
nao sem effuio de sangue.
O partido da ordem, porem, applaudiu enthu-
alastiiamente a victoria de Aipromonte, que sal-
vou a Italia de urna deagracada guerra civil, com
quaoto este partido d'acgo ambos desejam ver
decedidaa qusnto antes as questoes de Roma
e Veneas, divergindo (o smente quanto aos
meios de alcanzar um semelbente m.
O noverno do rei, ganbando aemelhante vanta-
g'Tn sobre os revolucionarios, conquistou pura a
caaaa italiana mais um titulo de rsapeito e aym-
pathia de modo que gragas aquelle incidente
far oavir com mais energa sea voz pedindo so
governo francs que resolva no mais breve espa-
go a questo romana. Acha-se, porm, momen-
tneamente em clrcumstanciaa difflceia relativa-
mente ao modo de punir aqaelles que se revol-
lando contra a autoridad* do rol, potaram a caa-
sa nacan al am pongo. Carbal li fltfnVa ara pri.
meiro lugar entre esses, e a jastiga pede o seu cas-
tigo, bem como o do aeus cmplices, embra a
poltica aconaelhe talvez qae i am e aos outros,
devam ser perdoadaa suaa faltas;
EXTERIOR
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Londres, 8 de setembro de 186?.
O paquete Oneida, com a mala do Braail do
di 't da agosto, cbagou a Southampton na ma-
dha de 2 do eorreot >., trazendo cenlo e treze
paaaageiroa e S 4t,026 em dinheiro. As no-
t'das polticas que trouxe foram destituidas de in-
teresas, e por iaso nao flzersm os jornaea iogle-
zes commentario algam sobre ellas.
Pela ultima mala tinhames recebido a noticia
de que o governo ingles celebrara com o de Mon-
tevideo ama convengio regulando o pagamento
das iodemnisagoes ae guerra de vidas S varios
subditos brltsDoicos, e por essa occasio lando
que, para semelbantt um, foram adjudicadas va-
rias rendas da repablica, veio-me a idea que
por aquella modo ira o governo do Brasil a sar
prejadicado, visto como per tratados oxistentss
entra o imperio aquella repblica os rendimeo-
tos deste tratado se acbam adjudicado* ao paga-
mento da divida brasileira. E' provavel qae o
nosso governo baja protestado contra aquella con-
venci parante o governo da repblica, maa da
que valer as* recurso, qaaodo agora existe esse
t-atido com a Inglaterra, q9 como mais forte ha
ate provavelments combar do novo dirailo I
Anauocielltimamente sos Uitotos a falle.n-
d.
3,4".
93 e
95i|2. Sardos 5 rjlO 83. 81. wPorguezs3"oibU46
1(5. Hispanhes 3 rjlO 54 1|2. Italianos 5 q'O 70
3|4 71. ETurcos 4 0|0 garantidos 101 e 103.
Do Brasil chegaram a Inglaterra os seguintes
navios : Do Para Isabella S:ott > (23 la agosto)
a Liverpool ; de Macei Aurora (52) a Fal-
mouth ; da Babia < Alliance(25) a Falmoulh ;
de Macei Harriet t (26) a Liverpool ; da Ba-
ha Crowu j> (26) a Queenstown ; da Babia Fi-
vorite (2) a Quienstowa : de Pernambuco
Zo (3) a Plymouth ; de Macei a Cistor (5)
a Liverpool ; e da Baha Cora (3) a Greenock.
Da Inglaterra seguiram para o Brasil os se-
nintes : Dd Liverpool a Borneo (23) para a
Bibia ; e desse mesmo porto Clase ti* do
crrante) para a Baha.
As acgss das nossas empresas forreas cooti-
nasm premio. A noticia aqoi dada pela di-
rectora da estrada do Recife de que o governo
imperial estava diaposto a esteuder a garanta
do juro ao exceaso do capital despendido pela
companhiaat S 1.800,000 e ootras eondigoss
om que garantir a empresa da Bahia, faz le-
vantar easas acgdea do diacredito em que esta-
vam, Ucando actualmente a S 18 1(2 que repre-
senta qui.l o p*t. As tia BahU eaio a premio
da X 2, o aa de S. Pauto com o d l 1 .
Parti com effelto no 1* do crreme pira Al-
lemanha Sua Magastade a rainba, lavando em
sua compaohia as priacezas Heleos, Luiza e Bea-
triz, alm dos principes Leopoldo e Arthar. Saa
Magestade demorou-se at o dia 4 na Blgica em
compaohia do rei aeu to, seguiodo nesse dia
para Golha, depoia ds hsver recebido em Lseken
o principe e a princesa hereditarios da Dinamar-
ca, com cuja filha mais velhi vai casar o prin-
cipe de Giles, berdeiro da corda iogleza. O ca-
samento da prioceza Alexindra com o filho pri-
mognito da rainhs Victoria ter lugar ni prxi-
ma primavera.
Na mloha ultima carta, dando noticia dos sac-
eessos polticos da Italia, menciooei que ento
nao era ainda sabido aqui com certeza haver Ga-
ribaldi entrado em dtaaia na Sicilis, em cuja
direcgSo todava as tropas reaes o estavam perse-
guindo. Mais tarde, porm, publicsrsm os jor-
oaea de Londres que esse chafe se achava na-
quella localidade, onde (Ora racebido com enthu-
siasmo pelas autoridades e que cercado de dous
a tres mil voluntarios prameditava passar d'ali
para o cootinente napolitano, onde esperava en-
contrar adherenles que com elle segulriam aem
perda de lempo sobra as fronteras pontificias,
afim de levarera effeilo o tresloucado projecto
delibertaram Roma ou buscarem a morta, sendo
essa a legenda qu i o insigne patriota ioscrevera
sobre sua bandeira em Fleuzza e Corleone.
Apenas o publico ingles (ora informado da en-
trada de Garibaldi em Cilania, qasnlo logo pu-
blicsram varias folhas qus ella d'ali partir para
Melito na Calabria, onls desembarcou com mil
voluntarios, depois de haver illudido o cruzeiro
italiano aob o commando do vice-almiranta AI-
bini, que de Tarin havia recebidoinstrucgas po
silivas no sentido de impedir a sabida de Gari-
baldi da Sicilia, maa quenopdie conseguir esse
iai, por haversm aquelle chele e seas aequazes
partido disfargadoa om navios ingletes.
Nestas circunstancias a opima > publica aqal
aguardava com grande curiosidade e intsresse s
continuado das noticiaa polticas daquelle lado
da Italia, quando quasi em seguida nova da
entrada da Garibaldi na Calabria recubeu-so ama
part telegraphica annanciando que, depoia de
um renhido combate entre os aeus voluntarios e
um corpo de cagadores piemontezes commanda-
dos pelo coronel Pallaviccioo, foram aquellas der-
rotados em Aspromonte, Qcando o general Gari-
baldi ferido prisioneiro com doua mil de aeus
companheiros.
A noticia dease successo cauou nesle paiz
effeito favoravel, porque a Inglaterra contempla-
va com tristeza a marcha arriscada que Gariballi
estava dando caaaa italiana ; mas a cirtums-
tsneis de .haver aldo vertido o sangue precioso de
to insigne patriots produzio no publico desta ca-
pital dolorosa impresso.
Por am lado estava salva a caasi da Idlia de
am perlgo Imminente, mas por outro o recelo de
que esse desojado resultado podessa custsr vida
de ama to proemineote flgari nossuccessos po
Uticos da Italia effligla de'eras essa povo, qae
constsntementt tem dado as mais decididas pro-
vas de sympatbia por aqaalle peraonagem.
Ai folhas inglezaacongratulando-se com o go-
verno de Tariu pelo trlumpho da legalidade, nao
daixaram todava de aignitlcar o pozar que la-
glatarra caasra o haver perigado a vida de Ga-
ribaldi.
Desanimado por nao haver encontrado na Si-
cilia o apoio daa autoridades, nem grama nume-
ro de combateotas, Garibaldi, depois da haver des-
prezado a proclamagio real, que o chamava
obediencia lei, resolver psssar-sa para o con-
tinente onde julgava qae consegairia levantar em
seu favor aa principara cidades.
Chegado, porm, lefronta de Reggio vio psra
logo seu intento frustrado, poisno s essa cida-
de permaneca fiel ao rei, como as tropas ple-
montazis ali aquarteladas doclararam que lhe
rasisttrlam.
verno de Tario. O marqaoz da Lavalette foi to-
dava chamado Biarritz para aonferenciar com
o Imperador, do que se espera ao manos que- re-
salte para a causa itiliaoa ama modiOcago das
vistas do imperador em relagao occapago de
Rom, visto como o embaixador francez, alias
favoravel causa de Victir E-nmaoael. nao dei-
xs: de exactamente informar o seu soberano da
pertinacia com qua o governo pontificio resiste
sampre conctliago, meimo na horado maior
perigo, B' sabido se recalara que Garibaldi viease a aspalhar a
ravolugao por toda a Italia, a curia romana es-
tava disposta a persistir no aeu proposito, certa
de quo o governo fraacez a nao desamparara.
A situago poltica da lLIia boje poia, a
mesma que era antes dos aucceasos promovidos
por Garibaldi, e continuar a s lo a nao
ser qua o imperador Napoleao, am cujas moa
est o segredo da toda essa mystiflcago, venha
a fazer jastiga aos votos do goveroo de Tarin.
As ultimas noticias do Mxico nada adiantam.
O* generaos Loraocez e Donay cootioaavam am
Orizaba aaperando reforgos, e entretiohara, rele-
gos di irlas com Vera-Cruz, d'ooderecebiam pro-
visoes ; o estado sanitario das tropaa era multo
melhor.
O gvnaral mexicano Zaragossu nao havia re-
novado aeus ataques eoDtra aquello ponto, e pre-
sentemente se achava no Mxico, onde fora cha-
malo *.ra dar coota da aaa inactividada contra
o inimigo nos ltimos tempos. A verdade que
esae official sa tem acbado imposibilitado de
operar, pela desorgaoisagao am quo est o aeu
exarcito, a nlsso encontrar elle por certo boa
d escalpa.
Dos Eslados-Uoidos tamos aqu noticiaa por
va de Niw York at 27 de agoato prximo paa-
sado. Nessi data aatava ali confirmada a noticia
da retirada do exercito do Potomac de o Har-
risons Lmding, harendo delxado aquella pe-
nnsula para reuoir-se com as torgas do general
Pope, qie deverao manobrar contra Richoionl.
Essa retrala fora dirigida pelo ginsral Miclel-
lan com toda pericia, de modo qae teve ella lu
gar s-i' que o exercilo fosse molestado pelo ini-
migo. No dia 19 do prximo pasaado o general
Maclellan havia bogado a Williamsbarg. Di-
versas aacarsmugaa baviam lido lugar entre os
belligerantes com fortana variada ; ora todavia
esperada na ultima data ama grande batalha em
<' Batoa Rouge, s Os confilerados concentra-
vam-se em grandes massas na Virginia C 'atril.
O general confederado Hargruler invadir o
estado do Ktntucky com quinao mil homeos.
Pela sus put ( o general Federal Morgao havia
repellido ama torga ioimiga junto de Cumberland
Gap.
VC-se, pois, qus as operagOas militares eDt'e a-
quallaa belligerantes nao tem oestes altimos tem-
pos madado em cousa alguma a situago em qae,
desde a batalha de Richmond, ae acham aa duaa
causas em litigio ; nem de esperar que tal aac-
ceda em quanto am golpe decisivo nao vier ferir
um doa combtanles.
tual mudar o satu quo em Roma, fl-: lechaaada. or F "aT Q0 Un"
[aeato addiada para qaaodo o impetra- i m.ior n.rtS inxacf? <\ li"?**? mm P-e
axpadigao de Garibaldi, a qao o govoroo italiano
mostroa qae ers um governo fortemente consti-
tuido, perganta a imprensa francesa e a da qaasi
todoa os paizea, qual c pretexto para ae conti-
nuar a occapago em Roma?
K-iumo-se om S. Cioud vm conselho de minis-
tros aob a presidencia do imperador. Fallou-so
tambera na reunio do coaselbo privado, e a alta
poltica dava ama importancia transcendente i
esta assembla dos consalbeiros da cora, mas
parece que o imperador quiz modificar de ante-
mo o mofo de ver do publico nesl-) assumpio,
para qae na fosas depois illudido na sua expec-
tativa.
Esperava-so um acto decisivo da politice im-
perial, mis psreesque o imperadorrleclarra aos
seus ministros qus nao havis motivo psra no mo-
mento actual
cando a q
dor volta
O gabinete francez (elicitoa o da Tarin pelo
xito obtdo pelas trapas pismonlezas.
Parece que o goveroo italiano pedio explica -
gas ao governo francez sobre a apparigo da es-
quadra imperial naa aguas italianaa, por occasio
das tentativas de Garibaldi. O governo francos
respondsu convenientemente.
Por causa do estado de sitio nao se celebrou
no dia 7 o anmversario da entrada de Garibaldi
em aples. A muoicpalidadadestribuio os dous
mil ducados destinados para estes festejos pelas
casas de beneficencia.
No dia 4 deste mez, como estava determi-
nado, teva lugar a sesso real da abertura das
cortea extraordinarias para a approvago do con-
tracto nupcial, de S. M el-rei o Sr. D. Lalz 1
com S. Alteza a princesa de Saboya, D. Maria
Pa.
Grande numero de deputados da nago e pares
do reino o;cupavam oa seas logares na sala da
cmara. Naa galeras ora immensa a quantidade
de espectadores.
Eis o dicurso pronuncisdo por S. M. el-rei,
na sesso real:
Dignos paras do reino o senbores deputados
ds nago portuguesa. E' para mtm aempre um
da de verdadeiro jubilo squelle em que voa vejo
reunidos am volts do throno constitucional, es-
trellando entra a corda a a nago oa lagos de af-
fecto e de mutua coofianga que aa ligam.
quaoto considero fausto pars roim e auspicioso
para o paiz o motivo por qua extraordinariamen-
te vos convoquei, em harmona com os preceitos
do cdigo poltico, base daa liberdades publicas.
Ao annunciar-vos solemnemente.que eleg por
mioha esposa a sarenisaima princeza D Mirla
Pa dsSaooyt, filha de S. M. o rei da Italia, es-
tou corto de que ns vossa approvago ao contra-
to matrimonial encontrarei ainda repetida a con-
Qrmago das lisoogeiras esperaogas que o meu
futuro consorcio prometi realissr, sasociaodo
minha intima felicidade o eaplendor do throno e
os votos da nago.
.'As provas dededicago com que ns ultima ass
toda
gem altiva ; oa chelea ao pela maior parte gran-
des senhores o poderosos proprietsrios.
Os croatas, servios e valaaehioa ssgaem com
ama anTedade febril ojacontecimenios qae lem
lugar nooatro lado da frontera, e perece espe-
raren) a um momento opportuoo.
Todaa estas circumstaoeies sao olhadas eom
ttengao pelo gorerno austrieo, qus por todo*
os meios descji ver concluir um ajusto amigavel
da questo do Montenegro e da Servia.
Suapendaram se aa conferencias de Cons-
taotinopla. Houvagranle deaiatelligencia entre
oa representantes astrangeitos.
A Inglaterra nao oecalta o desojo quo tem d->
sustentar os turcos.
O Globs. que jornal aemi-official, recommentf.
caatella respeito das noticiaa do Orian-
eia
determinado de establecer VconfusSo no"espiri-
to publico, e crear sympalhiss para aquellas que
aa nao merecem.
O governo turco prepara ao para lutar por to-
dos os meios cootr os sarvos.
A* ordem de armamento garal dos servos res-
pondeu o general turco Voff.k EiTendi, relor-
mando um effectivo da 80,000 horneas que poda-
r ser elevado a 130,000.
O preprateos sao geraes e a lata promee
aer geral e decisiva.
O ministro Monstier spresentou ama memoria
no sentido conciliador, mas emquento este tra-
balha neste sentido, oa aeaa collagas divergen:
deopinio, a o embaixidor ioglz induz a Porta
em disposiges boilicosss. Nao ha pois esperan -
ga de um a Na Syria oa armenios, psra singaros asssssina -
tos que tem tido lugar, maaeacraram, mutos
mussulmaoos. Gonstt qae linham marchado
tropas para vingar aemelhmte procadimento.
Na Servia ha grande affervescencia entre'o
povo, manifestando-ae em Belgrado a opin'o
publica muito hostil s resolugoea qua o gover-
oo otiomano pretende tomar.
Diz a gazeta de Augsburgo, que o principe Mi-
guel ia convocar a assembla nacional (kups-
china) para o dia 20 de setembro.
O principe espera poder tranquilliear os aspi-
raos e procura jastificar aquella msdida extraor-
dinaria, eom o desejo que lem de nao tomar s a
responsabilidade das decisoes qu* sejulguem
inJispensavets, em presecgi da siiaago em qua
se acha o paiz,
Carlas da Alhenas diiem que o projectj da
lei sobre a organisago da gaarda nacional na
Grecia, fra approvado em lodosos seas artigos
por grande maioria na cmara, salvo algumas
pequeas alteragoes. Os debates forsm muito
animados, tenlo os ministros conseguido defen-
derse dos atiqoes qae Ibas foram dirigidos pelos
seas adversarios.
Ogoveroo prussiano dirigi sos seus re-
presentantes na Allemanha ama nota circular
expoodo a aua opioiao acerca doa projectos de
roforma liberal, apresentados em Fraokfort.
, daqal tem re-
sultado o embarago em que se acha o governo flaencia entre seas compatriotas, tinba"cbsgado a
de perdoa los ou de fazer processs-los, bsvendo Nova-York para ali promover a formagaa de va-
lido lugar j diversos cooselhos de ministros ros regimantos irlandeses. O governo de .Was-
para resolver essa difficoldade. Segundo urna hington espera que esse official venha a realissr
parte telegraphica de Turin de 6 do correte, essa tarefa.
porm, se infere que o governo se decedir por O presidente Davis lioha abarlo em Richmond
fazer julgar Garibaldi e seus complicas por um o congresso confederado, o na sua meneagem
tribunal militar, querendo por essa maio que a censurara altamente variaa daa medidas ultima-
justiga pereorra todoa seus tramites. E'ta pare- mente adoptidas pelo governo federal, taes como
ce ser o expediento que ultima hora tenclona- o Bill da confiscago dos beos dos partidarios
va Ratazzi adoptar em relago Garibaldi o seus o"a coufederago e o do armamento doa esersvos.
companheiros. Tratando das proporges anormea a qae est sen-
A impreosa inglezae francez i, anal9ando as do elevado o exercilo federal, o presidente Dvis
coniequenclas desse expediente, tem sido de opl pedia na saa falla aulorisago ao coogresso pars
oao qe ama tal medida aem atilidale, por- eateodera conscripgo de 35 annos ali a ida le
quanto alm do escndalo que provavelmente de 45, bem como aollicitou do mesmo coogresso
te lagar por occasio do proeesao de Garibaldi, que fosse aut irisado a orgsnissr o exercito e a
faltarla ao governo a necessaria coragem para sxe- marlnba.
catar a senlenga com que aquelle viesse a ser Ora talo isto prova o estado dos sentimeotos
ponido, sendo certo quo nao poderia castigar os dos belligarantes, qae de oenbum modo se mos-
complices quando houvease deixado impune o tram dispoatoa coociliago. Aisim, pois, o qae
E' por isso que a imprensa se pode prever s continaago dessa to des-
da tiago portugueza.-O meu governo vos apre^ I deeipor as razoqueTeVaVam aRussia' onelu'r
sentar o contrato matrimonial ltimamente ce- sale pacto. oosiuir
lebrado am Tarn, e o vosso voto, aasim o es-; A Rassia considera-se ligada por este tratado
pero, exprimir de certo, par dos sjntimentos, e parece qae declaro* qe os ovemos oue lem
que desde seculos rea'g.m a ndole generosa da negado a sua adbsao tasa tratada romoerarr
nagao, a espontanea aympathia com qua alia ac-1 implcitamente os vnculos com oZollwerein.
Dizem de Berln que por urna ordem
Iho urna allianga, qae data da fuodago da mo-
narchia portugaeza.
aEst abarlt aassao.
sector da reoellio.
de
hindo desss ponto no da 27 do prximo pissado
resolreu buscar nos daafiladeiros urna passagem
qae o condasisss s fronteiras pontificias. Has
desde o dia 25 em qae elle deixra Caanla at 27
em que se pozra em marcha, havia o general
Cialdini felto tomar todas as passagens, e por esse
modo vioram os combatentes a acharem-so em
frente am do outro dentro de poucos das.
Nesta coojunctura jalgou Garibaldi sir melhor
renunciar ao projecto de atacar as trapas pia-
montezis, proferalo fortlBcer-a zw. Aspromoa-
desses dous paires tem acooselhado como'sabia
a concesso de ama amnista, que vlria saldar as
coalas de Garibaldi e aeus compsnbeiros com o
gaverno, ficando sempro fi este a vantagem
de hovsr sapplantado a revolta a mostrado
aquello patriota que a sus iafluencia na Italia
nao era omnipotente. Tal o molo por que
aqu o em Franga os orgos da opoio publica
lem encarado essa difTkuldade, em que preaen-
temente est collocado o governo do rei.
Escrevem de Turin qus o parlamento havia si-
do convocado para 15 do correte, aflm de ser
rogado pelo goveroo a dar a sua permlsso para
o caso em que Guibaldi e outros deputados ve-
nham a ser julgados pelo senado.
Esses ouiros rapresantsntes da naga, compro-
metidos nos soecessos da bleilia e aples, sao
Nicotera e Mordioi.
A batalha de Aspromonte, que to rspidamen-
te termiuou o grande drama poltico em que Ga-
ribaldi entrara como prlmeiro peraonagem, eus-
tou s tropsa piemonteza 1* homeBs morios e
duzentos feridos; o ioimigo perdeu maior nu-
mero, havendo sustentado um combate desigual.
coronel Pallaviccino que commsndava aa forgas
reaes o promovido ao grao de;general de briga
da : este bravo offkial aervrs s ordeos do Ga-
ribaldi dorante a expedigo contra a Sicilia em
maio de 1S6C I.
O governo de Tarin est, pois, vencedor o as-
sim desaffrootado da oppresso que sobre elle
exercia o imperador Napoleao, quem a revolu-
go da Sicilia causavalj serias inquietigoes, acer-
ca da paz na pennsula itiliaoa. Hoje oe re-
ceia mais de qua eventuslmente viessem as pro-
vincias napolitanaaa ser oceupadaa porum exer-
cito francez, o qaeaerla talvez o aigaal de pas-
sarem ellas para moa de outro possuidor, com
qaanto antevej que os recentes sucessos om na-
da modificaran), ao menos por em quinto, o sti-
tu quo em quo hs tanto tampo se acha a questo
romana.
Eatretsnto o mioisterio Rattizz nao deixar de
Instar pala retirada de Roma das tropas trn-
celas, so bem que o far provavelmente sem es-
peranga de melhor successo.
O imperador Napoleao havia feito levantar o
acampamento de Chalona antes da derrota de Ga-
ribaldi em Aspromonte, e easa successo fora ai-
tribuido intengo que aua magist.de Uvera da
enviar Roma aquelle corpo de exercito que se-
ria commandado pelo mareehil Mae-Mahon. O
triampho, porem, das armas pemontazas nao doi-
xou ao pablico tempo de verificar aqaelle pre-
supposto, e a verdade que o exercito de oecu-
pagao ds Roma nao foi aagmentsdo com um a
soldado.
Diverso
grsgada luts.
DIARIO DE PERNAMBUCO
"s,,rl,n?- Diversos cooielhos de ministros tiveram luer
Foi nestas circunstancias qae teve Garibaldi em S. Cloud, debaixo da presidencia do imoera-
i permanecer dous das am Melito, at qua sa- rador aotas da partida dssta para Biarritr n nu
ndo dnaa* nnntn nn rila 07 un n.nTlmn >....<. i. i.,.. -,, a:, i a..______..___ S
levo lagar no dii 4 do correte mez; e segundo tam
publicado varias correspondencias fora ali larga-
mente debatida a questo romana, havendo Mr.
Thoavanel apresentado um projecto de oots rela-
tivo retirada das tropas francesas de Roma dent'o
de certo prazo. Eise projecto, porsm.fol combatido
e vencido pela inopportunldade da occasio. um
quanto ae arfirme que vira a ser am dia comma-
niesdo ao goveroo pontifiaio. Parece por tanto
qae o ststa qu continuar no que raspeita oc-
capago d Rom!, spesir das. reclaatcois, da go-
0 vapor inglet Magdalena, entrado hontem da
Europa, foi portador de noticias com as segaintes
datas: Himburgo 6, Bruxallas e Pars 7. Londres
8, Hasapanha 10, Porto 11 e Lisbo 13 do cr-
rante.
O governo italiano vencen a insurreigo.
Garibaldi foi farido em Aspromonte e fieos pre-
so. A maior parte dos chafes gsribsldioos es-
li tambero presos, aasim como os lilaos de Ga-
ribaldi, niguas depatsdos a muilos voluntirios.
Qaaodo Garibaldi cahio ferido no combate da
Aspromonta disse : Tudo vai bem, Roma aera
noasa, a guerra civil impossve!. Nao importa
morrer, se s minba morte pode servir para a sal-
vago di Italia.
lostaurou-se o processo ds Garibaldi e seus
companheiros ; asquesloes que mais preoecupam
os nimos sao, saber qual ser o comportsmeoto
do goveroo francez, agora que iniligagas suas,
o governo italiano se collocou am antagonismo
com o bere o salvador di Italia, e o derrotou, e
qual ser o tribunal equaes os juizes qus julga-
ro Garibaldi como traidora pstria.
Uos dizam que ssro entregues um conselho
de guerra, ooiros que julgados pelo senado.
Algans jornaes, apreciando a qaesto pergun-
tam : Como que Garibaldi, anda oo annopaa-
salo ers o msior dos italianos freota de um
puohido de bravos voluntarios, deslbronando o
rei de aples, e hoje reo ds crime da Usa-
magestade, capitaneando um punbado de valentes
para desthronsr o rei de Roma '.' O qua ento foi
acto heroico aera hoje um crime?
c Por qua que a empresa de Garibaldi contra
aplas foi um triumpho nicional, o a sua tenta-
tiva contra Roma um atteotido ?
c Atada nao tampo de emancipar Roma, diz
a diplomacia, oasa pangenta irona do aoberaoo
popular. Anda nao chegado o lempo 1
ct Garibaldl enteodaa que nao devia transigir
com a piplomacia. Ss oa italianos o houveram
acsmpaohado, a diplomacia tremera e em vez de
ser vencedora seria vencidae Roma restituida
Italia. >
Realmente sa o tribunsl, soja elle qual fr, con-
demnar Garibaldl o os seus partidarioa, lavram
ao mesmo tempo a eterna condemnago do rei,
do governo e de todos os italianos qua estao es-
peran lo por consaguir a unidad a italiana.Da-
tera na mesma hora entregar o throno de apo-
las iFrancsco II, o ducados da Parma e Fio-
renga aos ssus soberanos a as Rumania ao papa.
Garibaldi preso causa so geverao italisno
maiorea ombaragos qus frente dos seus volun-
tarlos.
Tem hsviJo maitos conselhos da mioislros, a
parece que se iocliaam ama amnystia completa.
O plano parece ser ganhsr tempo, e nao revollar
os nimos com am prosesso, cujos reos sao con-
siderados por algans tomo os salvadore da
patria.
Ogoveroo franco tam actualmente am gra-
ve compromisso. A sefasl aitaagio da llalla
obra bub; todas as demoras ds solugio da ques-
lo romana sao devidos occapago francesa.
i Em resultado da convocago extraordlnarli das
cortes, foram promulgadas duas cartas de lei
com dala de 6 de setembro correte :
A 1.* approvando, para poler ser ratificado
pelo polar execativo. o contracto mitrtmoni!
do S. M. el-rei o aaohor D. Luis I com S. A. R.
a aereniasima princesa da Italia Maria Pia de Sa-
boya, filha da S. M. Victor Emmanual II, rei da
Italia, assignado em Tarin a 9 de agosto do
presente anno de 1862 pelos respectivos plenipo-
tenciarios
A 2.a carta de le, da mesma data, autorisa o
governo a elevar cathegoria de aegunda ordem
a legago de S. M. F. ni corte da Turin, cujo
pessoal constar de um enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario, um secretario de le-
gago e um primslro addido, todos com os res-
pectivos ordenados.
As cortes forsm entrralas por commisso,
dous dias depois da sua abertura.
Conliauavam os prepanlivos para os festa-
jos do consorcio rsal. A crvela brasileirl Im/>e
riai Marinheiro, em viagem de iosiruego, che-
goa ao Porto no da 29 de agosto, sahio no dia
31, a entrou naaaguaa do Tejo onde aasiitir aos
festejos do casamento do rei de Portugal.
No dia 14 ia partir de Lisboa a esquadrilba que
deve conduzir a princesa de Italia. O chefe da
misso o marquez de Loul. Ficar interina-
mente som a presidencia do conselho o 'com a
past< dos negocios eslraogeirot o viscoole da S
da Bandeira.
No Porto, a falta de algodo atormenta va cora
a penuria grande numero de operarios.
Esperava-ss em Lisboa a embaixada do Sio.
Ratificra-se o tratado de amizade e commereio
com o imperador do Japao. Cootinuavam graves
tumultos no Fayal e Pico. Naatiilha arvorra-
se urna junta revolucionaria, que depoz aa aato-
ridades administrativas e judiciaes. As obras do
caminbo de farro de Lisboa ao Porto, progredism
com grande celeridade. Tioha ardido o bello
theatro do conde de Farrobo s Laraageiras.
Corra o boato de qae o marqaez de Laval-
tete, embaixador de Frange em Roma, is ser trans-
ferido psra Madrid, em sabtlileigo da Mr. Barrot.
Morreu o duque Bernardo de Saxe-Weimar
Eisenacb.
Lord Palmerstoo, n'um discurso que pronan-
ciou em Melbura, diste qua o dever do goveroo
inglez, era por a Inglaterra em estado da defesa.
E' preciso, accrescentoa o miuialro, que sato
ameagar ninguem, ealeja seguro contra as amaa-
gas. Parece qae lord Palmerstoo receia algum
aconlecimento.
Publieou-se ums carta do imperador Fran-
ciaco Jos ao chancellar da Huogria.
E' um documento importante por que trata das
reforma i ad ministra V vas, judiciaes e politieaa,
ae o imparador o quizer lavar effalto naqaella
parte dos sena dominios.
O imperador ordeoou a formsgio de ama com-
misso compoata de homeos conbecedores do di-
reito para elaboraren: e disculirem os projectos
da lei aubmeltidos aquel a aasembla. Estes pro-
jectos devem pois ser submettidoi sanego im-
perial.
O gabinete austraco mostra certa Inquietago,
em cootequeacia das relacoes qae oiitlem entre
aa povoages de slgamss provincias da Austria e
as provincias insurreccionsdasda Turquis.
E em coosequencia disso quo a Dalmacia
rigorosamente vigiada. As aalorldades procuram
impodir qae hajaum lago da anuo entre o mo-
ximento slavo e o italUna.
Entretanto o general Mmala nao lem torga
para impedir qaa aamerosos dslmatas leve"- .
etlaito a passag<-,m di frontera todos
psra Ir em auxilio doa montenegrio"-^
A (firma -se que em geni re!
contentair,enl) ms provine
..-. especial
do rei, nao sarao restabelecidas as relacoes dic lo-
malicas com a corte de Casseli, ss nao quando as
quastoes constitueionaes do eleitorado estiverem
d?fialtivamente reguladas.
Em S. Patersbourg motivo de geral preoc-
cupagio o estado de aglucao que te nota em Var-
sovia. Ve-se qua se deve renunciar a basear
algumas esperangaa as uliimaa providencias
adoptadas pelas autoridades.
Tambem contrlbue muito para inquietar o go-
verno a discordia que se revela em certas pro-
vincias. r
No governo de Kiew sao repetidos os incen-
dios. O gorernador principe de .Wesiltchilow
asteve a ponto de proclamar o eatsdo do sitio
mas receiou as exageragoas que esta provien-
en militar poda dar motivo dos peridicos es-
trangeiros.
A eidada de Kimaneta foi quasi completamen-
te redolida ciosas. Os individuos que langa-
ram o fogo foram presos e quasi todos fiogem
alieogo mental.
Em algumas localidades da Podolis, de Vo-
Ibynia e de L'kraine, os campooexes nao querem
submeter-se s ordens das autoridades e recu-
asm-se ao pagamento dosimpostoa.
Por outra parte o racrutameoto encontra
grandes difficuldades, e os t -abslbos agrcolas re-
seotem-se da fgida da grande numero de re-
fractarios.
A sttitude dsspopulages ruraes caaaa serias
ioquietagoas nobreza destaa provinciae.
as provinciaa do norte eonuociaram-ss algu-
mas tentativas da lili icio ms sociedades secretas,
perlencentes Joven Russia, e algumas procla-
magea que tem por fim paraiyaar a acgo do
exercito, caso haja um conflicto com ss popula-
goes.
Estas tentativas, porm.oo tem at agora tido
resultado algum.
O grao-duque Constantino, n'uma prodamago
aos polacos, diz que o'govemo caitigaros revo-
lucionarios, coocedendo a proteccao da lei acs
cidados pacficos, a espera a cooperario dos
povoa para a prospsridade da Polonia,abrindo se
assim urna nova era para aquelle paiz.
A repartigo doa corraioa do reino da Polonia,
qae ha maitos annos estiva encorporada nos
correios do imperio russo, acaba deserdessnexa-
da por am akase do imperador, formando no fu-
turo urna repartigo distiocta.
Alexandre Ztmoyski foi coa le moa do doza
annos de Irabalhos toreados nss minss, em son-
aequenclada propsgsgode escriptos subversivos.
Esta aentanga fot aubmettida ao gro-duqua
Constaotlno,que reduzio a pana metade do tem-
po indicado de trabalhoa forgidoa.
Parece qae a Frange e a Hespanha se
acham da accordo sobre o futuro do Mxico.
Durante o mez de julho a toham bavido al-
gum aa esc ira mugas entre os dous exarcitos, maa
tanto de ama como da outra parte haviam-ae
realiaado movimentos da tropas qae nao sram
aem importaocia.
Saragoza contlnaava a ter o sea qaartel gene-
ral prximo de Acalziago, mas oo dia 8 manie-
ra para Huatusco dous mil homeos, asrdeos do
geoersl Roano Das, anca de observar os movi-
mentos qae esseutava o general Loreocez para
proteger a chegada dos comboyos. No dia 23.
reuoira-se oa planicie da Conceigo entre Acal-
singo e Teeamachalco, a diviso Negrete e a bri-
gada Aacilloa pars lhe fazer exscutar varias ma,
nobras.
.UB
os das,
#
o msior dts-
- ..as magyares ; diz-se
que sO ',QII fiitam as '
evem a ampragir ama iingis-
ASOM.quiRomiMVwM'h.jr.Ve.saVpeU po^oVe^5o*;v"' *m*m~
No dia aaguiDla.a diviso Negrele.forte da 1(1
homeos, dra tomsr posigo am N--' *^^
ettrada <*e condes de Puebla r,,0,c?."n"
Vera-Cruz, que jolff- ^6rota' ,;laP,.e
/.eteito francp-1 --'- 'i oceupada pelo
- *".-ral Comoofort, commandaote do exerci-
to do norte, deixra Tampieo a 19, frente de
tres mil horneas qae formavam o seu effectivo
disponival para voltir ao Mxico. Em vez, po-
rm de seguir a estrada directa, tomara outro
caminho muito mais distinta, o que;s* attribuio
i dlfficaldade das cammaaicagss pelo ltUaral,
ILEGIVEL



DIARIO B FEIUIAMBOCO SEGUNDA FE11U St DI 5ETEMBKO DI 1865.
mis certemente para ligar sua cauta cada vez
mais disiiacta da Jurez o habitante! daquslle
eitado e os de Gtianaxale e de Queretavo.
A a laiioistrago interna do patz con tina ara a
ser lameLlivel. Observavam-se e notavam-se
divergencias entre o* mioislro, generaei e go-
vernadores daa provincial.
O general Loreneez mandara levantar fortil-
crajoes ligeiras e urna espacia de fortaleza aro
Barraje, com a qual dominarii toda a planicie 6
conteriaa diviso mexicana. Tambero simulara
marchas aobre Baranca-Secca, Combrea, S. Joo,
Coscomatepel, de modo qae pareceaae que ame-
cava ao lsmo lempo aa aatradaa de Paebia e da
Jalapa.
Am de proteger oa comboyos, o general Lo-
reneez tomara aa melhores providenciaa. Oa
comboyos chegavam ao seu deilioo aem aerem
oquirtadoa peloa mexicanos.
Abri se no da 18 o coogrewo dos estados
confederados. O presidente JeHersoo Davie pro-
poz na aua meossgem diversos meios de melho-
rar a marioha a o exercito do*,confederados, ta-
zando menguo daquellea empregadoa na guerra
pelos federaos. Oa succesaos militares, diz elle,
ueram o iriumpho aos amigos da liberdade cons-
titucional na presente luta contra a usurpago
ceapolicf.
Se o acto de confuto decretado pelo norte is
:eilisar,vir dahi a ruina de toda a populago dos
estados do sul. O presidente censara os generaes
federaea qae armaram os escravos e a proclama-
vio de Buliier dirigida Nova Orleanr,
O governo federal, interrogado sobre se sanc-
ionara estes artos, respoodeu de um modo
equivoco, llavera represaliaa contra os que dea-
hoararem a guerra reduziudo-a urna scco cri-
minosa.
A divida publica dos estados confederaos
grande. O presidente recomienda nova emis-
so de ttulos do thetouro para as desleas do
estado.
O grande augmeuto das forras federaos talvez
obrigue o sul a tornar extensivo o recrutamento
aos homens de 35 a 45 annos.
A pericia dos generaes confederados talvez d
fciargem a aparar que nao sejam necesaarios re-
crutameolos extraordinarios, mas a previso do
coagresso deve conceder ao governo o poder de
chamar retornos, sendo necessario.
Foi lido no coDgresao confederado o projecto
de lei para a adopgo de represalias contra o nor-
te. Este projecto iuj, e no algodo e no tabaco
diieilos de expotligo, cujo producto servir para
iademaisar os cidados das pedas que tam ex-
perimentado.
Huiro projecto determiua que os corpos do
exercito federal, compoatos de brancos e negros,
nao gozem dos privilegios da guerra. Os negros
aprisionados serio vendidos e os seus compa-
nheros enforcados.
Todo o exercito dos confederados do sul aban-
donou Richmond, dirigindo-se para o valle da
Virginia.
Nealelugar houve um reohido combate. Oa
separatislae.s ordens de Jackion, depoia da pas-
ssgem do rio Rapipin foram atacados pelo ge-
neral Pope, e obrigsdos a retirar com perda de
deas pecas de arlilharia.
O general Jackion levantou o campo durante
a noila e tornou a passar o rio, mas ns faderaea
nao lirafam grande partido dos seus asforgos,
nao poieram perseguir os adversarios.
Nosso correspondente em Lisboa envia-uos
os seguinles despachos telegrafieos, racebidoa
all :
A' ultima hora.
Turin 10.Confirmase infelizmente a noticia
de terem sido fuzilados oa desertores qae tem sido
presos do exercito real.
yma das feridasde aribaldi bastante grave,
i,s articulagSo do p e fraclurou um dos mallolos da
ibia ; anda lhe nao sobroveio a inflammf cao
que se recis ; alera deste faumento retebeu u-
tros dous de espada e bayoneta.
Os ferial en tos de Menulli, Qlho adoptivo de Ga-
ribaldf, nao sao to graves comoao principio se
suppunha, pois se nao tornou necessaria a opo-
raco que os mdicos eotenJiam ser indispen-
savel.
Turim 11.Agravaram-se os ferimentos de
Gihbaldi.
.Wova-Yorko\.Teve lugar um combate em
Maonaaaaz, perdendo os federaos oito mil homens
e os confederados o dobro.
Madrid 12.A raioha vai partir para a Aoda-
luzia.
De Hamburgo recebemos ss noiicias com-
merciaea que soguera, enviadas por nosio corres-'
poodente:
As Ireoaaec.oee do.mercado foram limitadaa
desde o nosso uliimo, porque ba (alta de boa ea-
colha ; os precos cootinuam firmes.
Caf.O mercado tem eitido tranquillo, e s
ae realisaram vendas para abastecer as urgentes
precedes do consumo. Sente-se a falta de esco-
Ihs das qualidedes do Rio, de que as ultimas im-
poriacods foram limitadas. Os precos sao muto
firmes ; as noticias recebidas pelo Oneida nao 11-
veram nenhame.influencia, aonunciando carre
Rameutoa maiores, e eatando tao prximo a rea-
lisar-se o leilo u'oulono na Hollaoda de 500,000
saceos. Em agosto veuderam-se 54.000 saceos
de caf squi mesmo, e 26.000 fluttuantes.
Colamos : caf regalar ordinario do Rio de Ja-
neiro 6 3(4 6 7|8 schilliDgs. Avisados do Rio e
de Santos cerca de 72,000 saceos.
lmportaco de caf at fias do agosto.
1862 61 lil milhoes da libras.
1661 67 *
1860 61
1859 58 lia >
1858 43 3[4
Em ser em fina de agosto.
1862 15 milbes de libras.
1861 18
1860 8
1859 131(2
1858 17 1|2
Assucar.O mercado tem-se tornado mais
frouxo ltimamente ; os precos, porm, tem-se
sustentado com firmeza. Em agosto venderam-
ae 340 saceos de assucar de Peruambuco e 120
ditos do Cear mascavado, 15 1|2 marcos ban-
co as 100 libras, e 1,800 sacos, 270 caixas e 70
barricas da assucar dito da Babia a 15 1,2 15 3(4
marcos banco.
Importago de assucar at flns de agosto.
1862 40 li2 milbes de libras.
1861 43
1880 31 a
1859 32 lt2 9
1858 31 1|4
Em ser em fina de agosto.
1862 tO milhoes de libras.
1861 151i2
1860 lie
1859 8
1858 4 3|4>
Tabaco.As vendas foram de 3,000 bailas de
tabaco da Bahia ; 1,500 das mesmaa foram de bel-
liasima qualidade.
Colamos oa pregos da qualidade regalar:
Patente 8 li4 schilling.
1* 7
2 61i27
Algodo.Os precos subirsm enormemente em
consequeocia das grandes espeeulacoes em Li-
verpool, a ainda aabiro mala. Venderam-ae l-
timamente 103 bailas de algodo do Cear a 22
1[2 schilllngs, e os presos esli subi i o da ma-
neira que assa qualidade oblara boje 26 achil-
iings. Por isso muito de sentir nao se esperar
ne.ihum csrregamento do Braail.
Couros.O mercado contina muito frouxo ;
s oa couros do Rio Grande do Sal salgados tem
sido procurados. Em agosto venderam-aa 21,000
coaroa do Rio Grande, 3,700 do Caar e 1,561 do
Maroim.
Cacao.Sem traniacces e sem mudenca dos
precos.
Tapioca.Sem movimanto algom.
Jacaranda.Os precos susteotam-se com fir-
meza ; as vendas foram de 200.000 libraa.
Cambios.Sobre Londres a 3 mezes data 13
ll4 marcoa banco por S ; prazo curto 13 5(16
marcos bmeo por Sobre Paria 3|mezes da-
ta 191 francos por 100 marcos; prazo curto 189
1|2 francos por 100 marcos bsneo.
Descont.3 1(2 a 4 0[Q.

- EVJSTI DIARIA-
' -v_floje flndo o da designado para a renni&o da
-lo indiciara do jary deste ier.: levem
'uize de facto em numero
comparecimento uv ^*" ^jostajlacao.
ccwneifar os
ufficienta para a compelen
Cousla-nos, que em poacos u,..
car nesta cidade, procedentes do Rio de Janeiro",
os Srs. Charles Schrsmm e Herr Reichert, que
em esminho para as Antilhas, pretendem dar no
tutretsnlo aqu dous oa tres coacertos, segundo i
no-lo informan). i
Refenndo-nos ao qae se nos assevera sobre o
mrito arttico desses senhores, noticismos aos
nossos leitores que sao elles dous dos primeiros
artistas no seu genero, que o Brasil tem visto em
suas plagas. Charles Schramm pianista alio -
mi e Herr Reichert flautista hollaudei; e am-
bos no instrumente que a cada um familiar, sao
vetdadeiraa summidades, que tam sido appliudi-
dos no novo e velbo continente por modo a'dis-
lingui-los csrscteristicsmente.
Charles Schramm coat boje 19 annos, e sobre
elle s collocam os entendidos ao grande Thsl-
berg. Aos 10 annos ji dava concertoa, e fazia-se
admirar na Europa por testas coroadas, de qusm
recebia teatemanhos de apreco aeu talento, e
provas de coosideracio sua pessoa por mel de
presentes importantes, que lhe faziam. E" cele-
bre ainla por suas bellas compoaiQes, e oio me-
nos pela admiravel execucio, qae Ihesd.
Ilerr Reichert como fiaLista oceupa o fastigio
da celebridade ; nasie instrumento nao tem su-
ptrior. Fui por muito lempo a primeira flauta
do grande concertista Jullten ; a os seus solos em
Londres, N.w Yorck, Rio de Janeiro, etc. ale.
naoea pissaram aem o maior enlhusiasmo, que
locara s veres so phreoesi; de modo que para
aprecia-lo, preciso oavi-lo.
E' i.-lo pois o qae est reservado aos diletantti
desls cidade, que eniao conhecerio se as infor-
mac;oes que abi ficam, peccam contra a axae-
tidao.
O Sr. major Carlos Falippa da Silva Maniz
e Abreu entrou no dia 24 do correnta em exerci-
cio da direfao ioterina do arsenal de guerra.
Acham-se em coocarso o provimento do of-
ficio de depositario geral doa termos de Catuar
e da Escida com o prazo de 60 dias para a res-
pectiva hsbilitaco.
Hontem meia hora depois de meio dia
fez explosao, na loja de fuoileiro o. 1 da ra do
R ngel, urna caldeira de oleo, do qual se preten-
da preparar o verniz para pintara, pouco ou ne-
nhura damno resultando.
Pasaageiros do hiele hraslleiro racaty, sa-
hido para o Aracaty : Jos Soares Barboza e 1
Bino.
Passageiros do vapor inglez Magdalena, entra-
do de Soutampton e portos intermedios: John
Lilly, Hara Dowalny, Thereza DuWaley, James
Elliaton, Charles Wdaon, Theodoro Just e aua
senhora D. Isabel Maria Pires Just. Gustav Ju-
lius Guniher, Manoel Garvalho Mondes, Joo
Vieira de Azevedo. Victorino Jos Correa de S,
Jos Matlioho da Silva, Joao Paulo dos Santos
Jnior, Macoel Luiz da Costa, Antonio de Souz
Neves, Manoel Antonio da Cunha.Codrelioo Ri-
bairo Barros, Manoel Ignacio de C. Maranhao,
Antonio Ricsrdodo Reg Jnior, Manoel Meades
Piolo, Aotooio GoncalvesTeixeira, sua eaposa e
llfilho menor, Rudolf voo Seyfried, Abraham A-
znley, Francisco Romaire, Maria Rumaire, Calis-
Pineroy Guimeney,
Repauticao oa polica.(Extracto da par-
te do dia 27 da setembro.)
Foram recolhidos casa de deteoclo no dia 26
do correte :
A ordem do Dr. delegado do primeirodislricto,
o crioalo Goocalo, de 25 onos, eacravo de D.
Antonia de tal, por insolencias ttiradaa po-
lica.
A ordem do subielegado do Recife, Jos Ma-
ria Baullia, branco, de 25 annos, martimo, por
insultos.
A ordem do de Santo Aotooio, Joao Luiz da
Fonsecj.crioulo, de 46 anuos, pedreiro, por em-
briague!.
O chefe da segunda seccao,
/. G. dt tsquita.
Pasaageiro do hiate brasileiro Dous Irm&os,
viodo do Ass:Mi noel Jos Maitins.
Matadoiiio publico :
Mataram-ae para o consumo desta ciJade no
dia 27 do corrate, 95 rezes.
Obituario do da 27 db setembro, no cb-
TBRIO PUBLICO.
Maris, Peroambuco, 3 anuos, Santo Antouio ; tu-
brculos.
Francisco Tibarcio, Peroambaco, 32 annos, sol-
leiro, Boa Vala ; ay^hililes.
Um prvulo que achou-se no corredor da greja
dos Mariynos, S. Joa ; espasmo.
Gustavo, Maranhao, 15 annos, solteiro, escravo,
Recife ; vermes.
Vi:tora, frica, 60 annos, casada, escrava, Boa-
Vista ; collyte.
Julte, Pernambuc-, 3 mezes, Boa-Vista l. be-
xigas. JT
Joaqam Jos de Sanl'Anna, Pernambuco, 60 aa-
no, casado, S. Jos ; bexigs.
Manoel, Peroambaco, 11 mezes, Santo Antonio ;
bexigas.
CHRONICAJUOICIARIA.
Tribunal da Relaco.
SESSAOEM 27 DE SETEMBRO DE 1862.
PRESIDENCIA DO EXH. SR. CON'SELHEIRO ERUELINO
DE LEAO.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadoresCaelano Santiago, Silveira, Gi-
tirana.Lourenco Santiago, Motta, Peretti, Accioli,
e Pereira Jorge, faltando o Sr. desembargador
Guerra, procurador da corda, abrio-se a ses-
so.
Passados os feitos, e entregues os distribuidos
ieram-se osseguintes
JULGAMENTOS.
decursos crimes.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Geminiano
Correi* Lima.
Relator o Sr. desembargador Caetano San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Peretti,
Accioli e Silveira.
Improcedente.
Recorreote, bacharel Jos Rufino Pessoa de
Mello; recorrido,Manoe'; Nepomuoeoo deSouza.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Caetano
Santiago, Acnoli e Molla.
Deu se provimento.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaqaim An-
tonio da Aorada Lima.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados os Srs. desembargadores Gitirana,
Ssntiagq, e Pereira Jorge.
Improcedente^'
Recorrenle, ojnizo ; recorrido, Fidalls Pcrti-
ra Gomas*
Relator o Sr. desembargador Pereira Jorge.
Sorteados os Srs. desembargadores Accioli,
Motta e Silveira.
Deu-se provimento.
Habeos- Corpus.
Proposts apetigao de Manoel Joaquim de Me-
neaes, pedindo urna ordem de babeas-corpus, foi
concedida para o dia 30 do correte, ouvida a
autoridad competente.
Aggravoi de peticao.
Aggravanle, Jos Carlos Pses Brrelo; sg-
gravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Caetano San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
e Motta.
Negou-se provimento.
Aggravante, Domingos Francisco de Souza
Leao ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados os Srs. daaembsrgadorea Caetano
Santiago e Motta.
Negou-se provimento.
Appe l lardes civeis.
Appellsnte, Paolo de Amorim Salgado ; ap-
pellado, Francisco Cavalcantl de Mello eAlbu-
querqua.
Nullo o processo de fl. 92 em diante.
Appellanie, Joaquim Jos Barbosa ; appellado,
Joaquim Jos de Miranda.
Nullo o processo.
Appellacoes crimet.
Appellanie, o juizo; appellado, Francisco Mar-
tina Gomes e outro.
A' novo jury.
Appellante, e juizo; appellado, Jos Rodrigues
da Costa.
A' novo jury,
DESIGNACiO DB DIA;
Assignou-iedia para julgameoto das seguin-
les cansas :
Appellacoes crimet.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos dos San-
tos Guia Jaoior.
Appellaole, o juizo ; appellado, Jos Piedade
outro.
Appellacott civeis.
Appellante, D. Claudios Martinba do Sacra-
meu0; "ppellado, Ignacio Lais de Brlto Ta-
bord*.
Appellante, Msnoel da Veta-Craz Lios e Hei-
,J ; appellada, a Santa Casa da Misericordia.
DISTRIBL'11'.OES
An Sr rt"''mbargador Gitirana :
A0Sr.de. ^pellac* civel.
Appellante, Bento *&?**, PPelIa-
do.Joio Antonio Fernn.. a# V"lno.
Appellacio crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Agoa-
inho da Silva,
Recurso crine.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Fran-
cisco de Mallo Cavalcanli.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellac&o civel.
Appellanie, o major Manoel do Nascimento
da Costs Monleiro; appellado, Francisco da Pau-
la Paes Brrelo e outro.
Appellaco crime.
Appellante, Ignacio Vieira de Mello ; appella-
do, o juizo.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Appellacio civel.
Appellante, Antoolo Vicente de Magalhies ;
appellado, Joo Paulo de Oliva-ir*.
Appellaco crime.
Appellante, ojuizo ; appellado, Agostioho de
Soaras Machado.
Ao Sr. desembargador Peretti :
Appellago civel.
Appellante, bacharel llerculanode Araujo Sal-
les ; appellado, Vicente Jos da Cxi'.
Appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jeronymo Jo-
s Barboss.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellao civel'
Appellante, Francisca Barbosa de Mello ; ap-
pellado, Antonio Loureiro de Souza.
Ao Sr. desembargador Pereira Jorge :
Appellaco civel,
Appellante, Joao Salgado da Altuquerque e
oulro ; appellado, Joo Barbosa da Silva.
Ao Sr. desembargador Motta :
Revista civel:
Recorrente, Dr. Joo Nepomuceno Machado ;
recorrido, Jos Pinto d Silva.
Encerrou-se a sesso a 1 hora.
Correspondencias
Sr. Redactor (*) Seguramente foi V. S. illa-
qasadoem aua boa f, quaoio na uit Revista
Diaria de hontem, entra as noticias que deu,
fez inserir esta cujo segundo perioflo comee
assim:
Nao podemos deixar de preciar o mrito e
bravura desae diatincto official (referindo-se ao
Sr. I" tenante St-pple. cmrondnle interino do
brigae-escana Fidelidade), qae nao temeodo
perigos, e desejando astar sempre em pesqulzas
na nosss marinha. emp'ehende agora essa tmi-
da viagem n'um n.vio sob mos auspicios (nte-
se bem): so coosegui la bem, ser mais ma
Kloria, um louro, que nao c cioglri a sia fron-
te, como o fu ainda maia merecedor da eslima
e consideraco. u
Realmente que ao perpassar-se pela vista as
liohas que ac bo de copiar, julgar o pablico
insciente da tctica naval, que n realidade esta
viagem agora do Fidelidade alguma dessas ou-
traa qu s f-.zera aos Polos os uavagadores de
primeira plaina Enganr-se h>. poi, m aua
b f, porquanlo o Fidelidade sahio com o seu
casco e ajpar*lho em muito bom estado, e tanto
assim que o Sr. Stepple cooduzio comsigo sem
serconstrangido, sua mulher e iilho, tendo alias
aqaii lodos os seas prenles.
Jase v, pois, que por este lado nao ba razio
para se diier que a vigL>m demasiado espi-
nhoaa, mxime agora qae esto astabelecidos os
ventos do nordeste, e que a mooco para o sul
nao pode ser melhor. Se ttvesse de arroatar
baixios, correles variadas e ventos impetuosos
das altas lattitudese de outras regies mesmo
ntratropicaes, bea sssentria eoto aquella ea-
deosamento; mas daudo se circumstancias io-
teirameote adverses, urna puericia estar-se
asaim zombando do publico sensato.
Eatretsuto, v-se ainda pela leilura dsqualla
noticia, que o meu digno chefe, commandaote
da estaco, se porveotura o brigue escuna ex-
perimentar algum revez (o que os homens nam
sempre podem previoir) sssume ama boa dose
de respoosabilidade por ter eito sabir um navio
que ameacava largar talvez as laboas no mar,
como acontecen ao brigue Caliope. Mas qaando
se souber e a sua revista j o havia declarado,
que o navio passou aqui por urna vestoria ;pro-
cedida pelos peritos competeutes do arsenal da
marinba, que ojulgaram no ciso de empreben-
dar qualquer commisso, ver-ae-ha que urna tal
expositao nao passa ou de baoalidade, ou ento
de in9inu5ao perfila no oso de um .sinistro,
que ninguem poda previoir.
.Pesio, algumi. Sr. radactor. estimari lalvax
mal ao meu distinclo ciminda o .r lUnonia
biepple do que nos, que sympatbisamos sempre
com o seu ctractei', e sabemos apreciar a su-
actividade e perspicacia nos arduos trabslbos da
proQsso, quo seguimos, mas nem por isso deixi-
remes pastar desapercebid* aquella sua noti-
cia aem fazarmos o oosao competeote reparo, Pi-
cando persuadido de qae foi de certo algum
seu amiaro inconsiderado, que du azo um se-
melhante incidente.
Seu atiento leitor
O 1 lenla.
Colatino Marques de Souza.
Recife 26 de setembro.
OMMI
um nuil
DO
Banco do Brasil.
Acaixa filial dasconta letras com praso at
quatro mezes a 10 00, ss do seu proprio aceita
a 9 0(0, toma dinheiro a jaros em sonta corren-
te, oa por letras a 7 0(0 ao anoo, e eacca so par
curtoa prsos, sobre o banco do Brasil.
Caixa filial 9 de setembro de 1862.
Francisco Joo de Barros.
Secretario.
novFbanco
DF
Pernambuco.
O novo banco d Pernamcuco paga o 9. di-
videndo a razio de 12# por aegao.
Praya do Recife,7 de setembro de
l&fJt.
As quatro horas da tarde.
COTAQOES OFFICIAES.
Frete.
Assucar para o Canal por ordena40/ e 5 OO
por louelada.
J. da Cruz Matedo Presidente
Jobn Gallasecretario.
ll>auas*aa.
(udimanto de dia 1 a 26. .
Iders da da 27.
379:50 J379
7.860J311
387:364S690
vintenio da alfaadega,
velsmesantradoscomfazandas.. 3
om gneros.. 37
Voluntes sahidos con? f azendaa.. 45
> com eneros.. 216
261
l) Asseguramoa ao Sr. Io tenante Colalino
Marques de Souzs, que nao fomoa Maqueados em
nossa boa f, e que ainda menos tivemos em
vista criminar quera quer que seja, e que, se S.
: descobno dedo de terceira peaaoa na confec-
go da notici*, pode flear deacaocs.da a este
respeiio, porque tal nao houve. As proposiedes
que avengamos ouvimo-laa de peisoas qae asm
serem roaritimas, eotendem {da materia 'lanto
quanto S. S. S*ja ou nao temeridade a viagem
do Sr. Siepple, o que cario que elle empre-
bendeu-asob os riscos e perigos futuros, sem
lhe passarem pela mente os louros vioaouro
e este desiateresse bem prova seu amor sos da-
vereque lhe incumbem, amor que taire se
nao encobre em outras pessoat.
Quanto a tCMjUit o Sr. stepple comsigo sua
familia, nada prov em favor da solides do navio
o que dahi aa colhe que, sendo extremamen-
19 amante de *ua familia, o tendo talvez de ds-
morsr-se na ctte porslgam fempo, nestiscon-
diroes resolvera-se : eo apesaf mesmo
doa mos auspicios, sob qae parlio. Fazemoe
no enttnto votos para que saja a viagem coreada
por xito feliz ; mas, declinando do Sr. Collatl-
no, appellarao P*ra o ezame qae se bs. de pro-
ceder na corle 00 seo e msU appsrelhos do
navio,
A Rtiacco.
,-. 0,,,*,.r"*,ffl no i >9 de setembro,
Brigue nglezHaDristtabaealho
Barca inglesaHnloomercadoriaa.
Barca americanaImperadorfsrinba.
Importagao.
Hule nacional Santo Amaro, viodo do Ass.
eODsignfdo a Antonio Luiz de Ollreira Azevedo
a ti., manifestou o segainte :
447 alqueireade sal ; a ordem,
Barca americana Imperador, viada de Phili-
delpha, eensigoada a Matheus Asslin & C. ma-
nifestou o seguinte :
3,162 bsrricas farinha de trigo, 200 barriqui-
nbas bolaxinhas, 200 saccoe farello, 500 resmas
papel de embrulho, 10 barricas grsxa em latas 4
csixis medicinas. 1 dita cha, 2 ditas oleo ds Ke-
rosine, 2 rollos de estelrss, 2 caixas daguerreo-
typo ; aos consignatarios.
1 caixa varios opjectos, ao conaul americano.
1 volume sapatos ; e O. M. Rollim.
Brigue ingles Hanrietta, viodo de New-York,
consignado a Jchnaton Paler & C, manlfestoo o
segainte :
2,560 barricas baealho ; aos meamos.
Exporta9o.
Do dia 25 do crranla.
Barca portaguez, Graliio, para Lisbos, car-
regaram:
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, 10
pranxoes contendo 30taboae de amarello.
Brigae portuguez Constante, para Lisboa, car-
regaram:
Manoel Ignacio de Oliveira & Filhos, "300 pe-
dras de amollar.
Barca franceza Raoul, para o Havre, carrega-
ram :
Tisset-freres. 50 quintaea de latajuba e 203
coaros seceos salgados com 6:138 libras.
Brigue portuguez Margarida, para Lisbos,
carregaram :
Araoiim Irmo, 600 saceos com 3,000 arrobas
de assucar.
Barca ingiera R.nald, para Liverpool carrega-
ram :
Patn Nash & C, 32 saccis com 160 arrobas e
2 libras de algodo. "
Patacho americano Palmillo, para New-York,
carregou :
Widow Raymood, 2.000 achss de lenha.
Dia 26
Brigue portugus lata //, para Lisboa, carre-
garam :
Francisco Severino Rsbello & Filho, 55 pipas
com 10,120 medidas de aguaroente caxaga.
Barca portugueza fratdao, para Lisboa, car-
regou :
Mauoel Marques d'Oliveira, 3 meias pipsa e 45
ditas com 2,550 medidas de mel.
Barca;francezaAaof.para o Havre,carregaram :
Tisset-freres, 790 couros salgados com 42,754
libras.
Barca inglesa Ronald, para Liverpool carreca-
ram :
Patn Nash & C. 333 aaccos com 1,659 arro-
bas e 26 libras de algodio.
Steeebedorla de rendas Interna
fferaea de Pernamnoeo.
Rendimento do dia 1 a 26. 28:92l>236
dem do da 27......; 1:3590559
30280j795

trigo
& C.
e ouUos gneros; a Matheus Austin
e? 1 Blto ""'e"> Dout Irmaos, de
54 toneladas, capitio Joaquim Jos da Silveira.
quipagem 6, carga sal: a Tasso Irmo.
Nao houveram aahidas.
iVatrio'enlrado no dea 28.
Southampton e portos intermedios-17 1|2 dias,
Tapo* ingles Magdalena, commaodsnte Woole-
vard.
aTaoio* tahidos no mesmo dia.
T!P yiTH"** br"leiro Aaracety capito
Jbao Hennque de Almeida, carga fazendaa e ou
troa gneros.
CearPatacho hamburgus, c Maria Luiza o.
apitao Strouze, carga parte da que trouxe de
JJamburgo.
Rio de Janeiro e BahiaVapor nglez c Madale-
na, commandaote Woolevard.
Observaco.
Sahio efundeou no temario a barca ingleza,
Ronald, pera acabar de carregar.
Oonsralado provincial.
Rendlmantododal a 26. 39:7078270
dem do lie. 27......5:0654508
44:7725778
PRACA DO RECIFE
S7 DE SETEMBBO bk 1863.
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Cambios Saccou-se sobre Londres a 27
d. por 15 13., sobre Paris 1 355
por f., e sobro Lisboa a 106 por
cento de premio, regulando por
^ 20,000 os saques da semana.
Algodo------------- Oepregos variaram, podndo-se
cotar'tlrme a 25J?000 rs. por ar-
roba do desta provincia, nao
, tendo havo venda do da Pa-
rahiba, a M-.cei.
Assucar------------A entrada do novo tem sido
pequen, e aa vendas regala-
ram : branco de 3$600 a 49OOO
rs,, someuos 3$()0U rs., masca-
vado purgado de 2f200 s 2g300,
e bruto da l^KOl) a l.-svi r>.
por arrobf. 1
Vendeu-se de 45000 s 48JO0O
rs. a pipa.
Os seceos salgados venderam-
a lia 11! a OA l;k--
Aguardente
Couros-
Arroz pila Jo-
s de 170 a 180 rs. a'libra.
O da India vendeu-se de lg600
a 2$800 rs., e o do Maranbao
a 2JW00 rs. por arroba.
Azeite doce--------O. de Liaboa vendeu-se a 2j}800
rs., e do Estrello a 2;5U0 rs.
por galo.
Baealho----------Vendeu-se em atacado a lia-
ra., e a ratalho de lio a 12J
re. por barrica, Orando em ser
3,000 barricas.
Btalas-----------Venderam-se a 1JJ600 rs. por
arroba.
Bolaxinha Vendeu-se a 4500 a barriqui
nba.
Carne secca--------A do Rio da Prata vendeu-se de
2*000 a 2200 rs., e a do Rio
Grande de I96OO a 3#20O rs.
por arroba, fleando em ser 9,000
arrobaa da'primeira e 32,000 da
segunda.
Caf--------------------Vendeu-se de 79500 a 8J?500
por arroba.
Cha--------------------Vendeu-se de 2{300 a2S500 rs.!
por libra.
Cerveja------------Vendeu-se a 4$600 rs. a duzia
de garrafas.
Farinha de trigo-Noiso mercado foi saprido com
cerca de 3,100 barricae, e 500
saceos. Retalbou-se de Slf a 23#
rs. por barrica de Pbiladelphia o
New-York.e de 25S a 26J ra. de
Trieate, e la- rs. pelo saeeo de
100, libras da California; fi-
caodo em ser: 6.500 barricas, j
ds primeira, 3,500 da segunda,'
2800 da terceira, e 1000 sac
eos da ultime.
Genebra------------Em frasqueire vendeu-se a 69
re., e em botijas a 400 rs.
Louga- A ingleza ordinaria vendeu-se
a 290 por cento de premio so-
bre a factura, a 3&600 ra. a
libra steilioa.
Manteiga A franceza vendeu-se a 510
rs. a libra, e a ingleza de 700
a 760 rs., fleando em ser cerca
de 2,000 barra.
Vendeu-se de 49500 a &S000 rs.
a caixa.
Vendeu-se a 19700 rs. o ga-
lo.
- Vendeu-se de 39000 a 49OOO
reisa caixa.
- Vendeu-se a I29OOO rs. por
arroba.
- Os flameogos venderam-se te
18000 a 18600 rs.
- O amarello vendeu-se de 180 a
Ora. por libra. v^J
Hassas-------------
Oleo de linhaga-
Passas
Presuntos- -
Queijos---------
Sabo -
Taboado- -
Toucinho- -
Vinagre ---------
Vinho
Velas--------------
Descont -
Fretes
- O de pinho ven deu se a 229
rs. a dosis.
- O de Lisboa vendeu-se a 8800O
ra por arroba.
- O de Portugal vendeu-se de
1108a 1209 rs. apipa.
- O de Lisboa regulou de 2359
2509 rs. a pipa, e de outros
paizes, de 1909 a 2009 rs.
- As de composico venderam-
se de 560 a 660 rs. a libra.
O rebate de lettras regulou de
10 a 18 por cento ao anoo,
conforme o tempo, e quali-
dade, sendo diminuto os das-
cootos pela desconfianza de que
se achara possuidos os capita-
linas pelas multiplicadas fal-
lencias, que se tem dado nos
ltimos tres mezes, e que a-
inda se nao sabe onde termi-
narlo.
Para o Canal nglez a 40 e 5
por cento, e do algodo para
Liverpool a 1(2 d. por Ubre,-
Movimento do pono
Navios entrados no dia 27.
Philadelpha35 dias, barca americana Impera-
dor, de 378 toneladas, cepillo J. Power, equi-
pagem 10, carga 3,162 borrina cora feriaba de
Secretaria do governo de Pernambuco 27 de
setembro de 186S.
Pela secretaria do governo se convida o Sr. Pe-
dro Jorge da Silva Ramos para tir ou mandar
pagr o parte do requerimento em que pede ao
governo imperial um offlcio de justiga am de
poder seguir o seu destino no vspor que se espe-
ra do norteAntonio Leite de Pinho.
O Dr. Trisio de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do c>m-
merclo desta cidade do Recife de Pernambuco
e seu termo por S. M. Imperial que Dos
guarde, etc.
Fago eaber aos que o presente adtal virem e
delle Boticia tiverem que no dia 29 de setembro
do corrente enno, se ba de arrematar por venda
a quem mais der em pnga publica desta juizo,
na sala dos auditorias, urna e crava mulata de
oome Jeinna, de 14 nnos, pouo maia ou me-
nos, vallada por 7009, qual ora penhorads
por ezecugao do Barroca & Medeiros, contra os
berdeiroa de D. Antonia Maria de Castro. E nao
havendolangador que cubra o prego da avaliagao,
a rrema tigo seta feita pelo rolar da adjudica-
gao c*m o abatirceolo da lei.
E para que o presante edital chegue ao conhe-
cim ro s(Tizados nos lugares do cosime e publicados
pela impreosa.
Dado e pssssdo nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, ab meu sigosl e sello, qae ou valba
sim sello ex-tautt, aos6 dias do raez de setem-
ro do anno do nascimento de Noseo Senhor Je-
ss Christo de 1862, quedragesirao primeiro da
independencia do imperio do Brasil.
Eu Juo Minoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivo interino o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
0 Dr. Tristo de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito espe-
cial do commercio desta cidade do Recife ca-
pital desta provincia de Pernambuco e seu
termo, por Sua MagestadeImperial e Constitu-
cional o Senhor Pedro II, a quem Deus
guarde etc.
Fago saber pelo presente, que no dia 6 de ou-
bro do corrente anno se ho de arremalir por
venda a qeem mais der embraga publica deste
juizo depois da audiencia respectiva os bens se-
gaiotes :
Urna armaco com balaoga e seus pertenece,
carteira, medidas, avahados em 4009 rs., 150
masaos de duzia de caixae le phospho'oe a 20
rs., 32 latas do doce de caldas a 200 rs.,21 latas
com >ioce de mermelada, avallada esda ma la-
ta 1 500 rs., 18 frascos de doce ie conserva, ava-
llado cada um a 300 rs., 21 frascos de conserva,
avaliado cada um 300 rs.. 56 g*rrfaa de cognac,
avaliada cada urna a 400 rs., 51 garrafas de
vinho do Porto, avahada cada urna a 400 rs., 39
garrafas de vinho do Porto floo, avahada cada
ume 600 rs., 54grrafts da cerveja a 200 rs., 96
ditas a 200 rs.. 156 botijas de genebra da trra,
avahada cada urna a 200 rs., 50 botijas cora co-
minho, avallada cada urna a 200 r., um barril
com breu por 69 rs., 23 caixas cora charutos,
avahada cada urna a 500 re., 4 caizoee de doce de
goiaba, avahado cada um e 100 re.. 40 latas com
ervilhas, avahada cada urna a 400 rs., 9 latas
cora biecouto, avallada cada urna a 1JJ rs., 3 ls-
lae de bolachinhas de soda, avahada cada urna a
18 "-, 20 barris com palitos de fogo a 100 rs., 14
s ceas com farinha, avahada caa urna a 19 rs.,
jj 'coa de boeca lrg, avahado cada uro a
WM) ra O .tr.fooa de .in.gre de Uaboa, a.,.
hado cada ara a I9 re., 9 libras de chocolale, ava-
hada cada urna a 200 rs., 20 massos de palitos
de denles, avahado cada um a 100 rs. 1 bar il
com arroz de casca por 39 rs.. 25 fraseos com ge
ski'! Hlnda, avahado cada um a 5(0 re.
15 libras de sabo amarello, avahada cada urna
a iiw rs ,3alguidare de louga vi Irada de barro
avahado cada um a 200 r,38 garrafas de licor fron-
cezavah.da cada urna a400 rs., i litas de aardi-
nhas, avahada cada urna a 300 rs.. 3 latas de
peixe, avahada cade urna a 320 rs., 7 ctixas de
graxa a 100 rs., 4 boies de rnessas de tot.'ate
av.hado cada uro a 320 rs 11 irascos de mos-
, 1 *J,l,a10 c,,,a om i0 "- 8 be>au par.
roato a 400 rs.. 3 frasquioboa de moiho de mos-
tarda. avahado cada um a 200 rs., C bulos ara
lado cada um a 400 r.. 4 reamas de papel, va_
hada cada urna a 19500 re., 18 latas de (landre
pequenaa e grandes coa ameixas. pesando 55 li-
bras, avahada cada urna a 300 rs., 30 duzias
snn f.om" a n "-, l HUra de r,p Pr
ouu 'S., M psnellae, avahada cada urna a 60 rs
16 torneiras de pao a 80 re., 10 maungas dealho
a 20 rs.. 150 abanos a 10 rs.. meia arroba de al-
pista por 19, 8 libras de sag, avahada cada li-
bra a 80 rs 80 casares de chicaras a 80 rs., 3
vassourae de piasaaba avahada cada urna 100 i'
5 caadas de vinsgre por 49, 15 ditas de dito a
flii''' -"" <3e cach"?a avsliada cada caada
'c' c*nadas de "Qho braceo avahada a
29 rs., 6 caadas de vioho ordinario a 19 re 3
P&V\I!da CaJa utBS 55 r?- mel,s Pipa
a 29.-JOO, 4 barris avaliado cada um a 600 rs 3
barris de sete em pipa a 500 rs., 30 pegag de cor-
da, avahada cada urna a 20 rs., 10 arrobas de ca-
f avahada cada arroba a 49 rs., 9 arrobas de ve-
laa de carnauba avahada cada arroba a 99 r.
meia de gomma stm valor, 1 arroba de algodo
de carogo por 28 re.. 400 garrafas o botijas vacias
a 10 re., 8 latas de flaodres vasios, avahada cada
urna a 19, 250 garrafas vasiss a 10 rs.. 4 garra-
loes com conhaque, avahada cada um a 69 rs.
1 messo de embira por 500 rs., 2 garrafas bran-
cas, avahada cada ama a 320 rs.
Os quaes bens sao pertencentea a Jos AfTonso
de Azevedo, e vo a praga por ezecugao que con-
tra o meemo enesminha Francisco Botelho de
Aodrado, e na falla de licitantes serlo arremata-
dos pelo pre$o da adjadieago, com o abalimen-
tu respeativo da lei.
E para que ebegue a noticia a quem ioteresaar
possa, mandei passar editaes que sero aluzados
nos lugares do costume e publicados pela im-
preosa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 27 de setembro de 1862, quadrage-
simo primeiro da independencia e do imperio do
Brasil.
Eu Manoel de Garvalho Paes de Aodrade, es-
crivo O subscrevi,
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Emeato de Aquino Fonseca, cavallaroda
ordem de Christo, juiz da orphos e ausentes
da cidade do Recife e seu termo por S. H. o
Imperedor qae Dos guerde etc.
Fego saber aos que o presenta edital virem e
dalle tiverem noticia que procedendo a ex-offi-
tio as diligencias da lei, foi por mim em o res-
pectivo processo jalgado demente e incapaz da
administr quim Ribero. solteiro, morador na freguezia do
Pogo da Panella, dando-lbe curador na pessoa do
cidado Jos Goncalvea da Porciuncula morador
em dita freguozia, cujo cargo aceitn e delle se
acha Investido, e com quem d'ora em diante as
devero entender todos aquellas que tiverem ne-
gocio com o dito demente.
E para que peaaoa alguma possa validamente
com elle contratar e fiquem nullos o de nenbum
effeito qusesquer contratos, que com o mesmo
demente possem ser calebradoa, mandei pasear
o presante que ser afiliado nos lagares pbli-
cos do costume e publicado pela imprenss.
Dado o passado nesta cidade do Recife sob o
simal e sello deste juizo que ante mim serve ou
valba sem sello ex-caus aos 24 de setembro de
1862.Ea Joo Facunda da Silva Guimares,
jjcMvjo o inbicrevi,
Eroslo de Aquino Fonseca".
Directora geral da iostrueco
publica.
Fago saber aos interesa.dos que o Illm. Sr. Dr.
director geral, da conformi'ade com ss inatrac-
goes de 11 de jenho de 1859, tem designado o
dia 13 de outtbro rindouro, pelas 10 horas da
wtadoT.Vi"8" C0D"r, deiras
liad.. /'" d0 ,M0 masculino j annuo-
ner. i. ai' P0U,u "dM OS senhores que
n!t. !.rmii2".b,IB h!*WW0i comparecer
ve^-H^rme^e^rSo0 d" h"' ha"
co^r/fem^or"^'de '
_ O aecrelario,
Salvador Henrtque de Albuquerque.
-- O Illm. sr. inspector da iheeourana pro-
vociel, ,m eumprimonto da resolegao da jum,
da fazaoda manda fazor publico quo a arremat.
cao da obrados reparos da terceira parte da es-
trada do norte, eonunciada pera 25 do corrente
tcou transferida para o dia t de outubro prxi-
mo futuro.
Secretaria da theasuraria provincial de Per-
nambuco, 26 de setembro de 1862.
No impedimento do secretario, o official da se-
cretarle, Miguel AfTonso Ferreira.
O lila. Sr. inspettor da theaouraria pro-
vincial era viciado da or em do Ezm. Sr. presi-
dente da provincia de 23 do correte, manda ta-
zar pulico qee qo dia 2 de outubro prximo vin-
douro.o per.nte a junte da f.xenda da meema
thesourans. sa ba de arrematar, a quem m.is
der as mideiras arruinadas da ponte velba do
Recife, ss quaes constare da nota abaixo trans-
cripta, servindo de base a essa arrematado a
quantia de 8008000 em qae ioram ellas ava-
lladas.
Aa oasseas qae quirerem arremataras referi-
das raideiras, comparegarn oa salla das sesaoet
dasupradlta junta, no da cima sancionado,
pelo meloda, a com toas propoatrs em cartas
fechadas.
E para con>tir s raandou jffixar o presecle
e publicar pelo Diario.
Se-.retara da lhesoura-ia provincial de Per-
nambuco, 26 de srlen.bro da 1862.
No impedimento do secretarlo, o official-
maior de secretaria.
Miguel Affonso Ferreira.
Nota a qce se refera o edilsl sapea.
E9tiv,a ..:... 455
Meias dilas.....122
Liubae.......u
Madres...... 25
Cbaprona...... 24
Esteios JQ5
rmr.0ra,?-~.N' in,P'n""'> Jo secretario, 0
nffic ai m.sor da seereliria, Miguel AlTonso Fer-
(61 [fl o
aula Casa da Misericor-
dia do Recife,
A Illm. junta administrativa da Se:.ta Cas
da Miaericordia do Rcr.ift manda fazer pulico
I que no da 2 de outubro prximo futuro pelas 4
Doras da tardo na eala deauas aeesoee rontine
a pragkdas rondas das esas sbaixo deelardts
p* Bpo de 1 e 3 annos contados do 1 de ju-
Iho 4o corrente ar,o a ;0 da juoho de 1865.
US pretndante* evem comparecer eom seas
Dadores ou munidos de carlea deslea.
Rea da (aheia
N. 17 pa'tieler e 59 publico 2 ama-
tM loja..........2:000900
Sea de Madre da l)60s
N.2paitcaiar e9 ublieo 1 xniar e
es Se1, ., .......6OO9OOO
N. Jl paiticular t 12 publico casa ter-
Mr^- .......l:35i$00)
N. Ji particular e 8 publico cas: ter-
' .......4019000
N. J4 parln ulareb publico casa Ierres. 6009000
. db particular e2publico aa terrea. 2511000
Becco de Boias,
N. 37particaUr e 14 pellico 2andaras
eiLoi*' ..*.-......5019000
H Jo t>uiticul-ir 16 publico t anaares
a loj........ 401^000
N. 39 particular e 18 publito'a anda-
res e l"Ja..........303;OLO
Tua do Cod.niz.
N. 4t paiticular e 1 pubit .0 casa ter-
rea............
N. 43 particular e 3 publiro caaa ter-
rea...........
Ra da Moela.
N. 44 partiealar c 21 publico casa ter-
rea............
Ba do Amorim.
S. 48 partleular e 56 peblice ceea ter-
rea........
N. w pam.uiar o 5* publico'casa t%r-
raa........
N. 50 particular a 52 pablico'casa ter-
rea.........
N.51 prticular;e 47 publico cesa ter-
rea. ^...........
N. 52 part.cular e 45 publico caaa ter-
rea...........
N. 54 particular e 21 publico 2*anda-
r*............
N. 55 particular o 24 publico casa ter-
rea............
N. 56 particular e 26publlci> casa ter-
rea............
Ra do Az.ite de Peixe.
W. 61 particular e 15 pablico casa ter-
" rea. : ........
Ra do Vlgario.
N. 7t particular e 22 publico 3 anda-
**!% '.- 'i V -OOljOOO
N. 73 particular 25 publico 3 aoda-
""' '......1:6019000
Ra da benzale Velha.
N 78 particular e 136 publico 2 anda-
res......-.....
N.79 particular e 134 pub.ico 2 anda-
re............
N. 80 particular e 132 publico 2 anda-
fe............
Ra da Lio-cela.
N. 8S particular a 14 publico 2 suda-
res............
Ra d< Cruz.
N. 87 particular a 11 publico 2 anda-
re.............
N. 88 pailicu'ar o 29 peblico 2 anda-
res............ 1:001"000
N. 90 particular e 12 publico 2 nada-
fe8..... .....891$00O
Ras da Lipa.
N. 41 particular o 2 publt'O rei- ........1805000
Rea da Cacimba.
N. 85 partir'ar e 5 pablito armazem. 144900C
Ra do Burgos.
N. 68 particular e 19 publico casa ter-
rea............
N. 69 partiealar e 21 publico casa ter-
rea............
Ra 4a Gufe.
N. 83 particular o 27 publico caaa ter-
rea. ,.
N 84 particular e 29 publico casa tor-
re......;.....
Ra do Pilar.
N. 96 particular e 2 pub.ico casa ter-
rea. ......... .,
Praga da Boa-Vista.
N. 7 particular o 13 publico 2 anda-
"a........ ; 1 3019000
Ra do Sbo.
N. 12 particular e 3 publico casa tr-
ra............ 1689000
Sitio do Paroameirim.
N.2parlicul*r.........120J00O
Sino do Fornoda Cal.
N. 5 partiealar........851JO0O
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 27 de setembro de 1862.O eacrivo,
F. A. Cavalcantl Cousseiro.
Pelo juizo de orphos desta cidade, lindes
os dias da lei tem de ser arrematados varioa ob-
jectos do ouro, como sejam con ento, tranceln-.,
cordSo, e varias outras pegas, ama porcao de
prata, varios movis como sejam, mobilia de sa-
le, e outras pegas, tres escravos a sabor, ama-
parda avahada *m 6009, ume negrioha crioul
avallada em 4009, um prato velhoem lOOf. urna
vacca em 409, e finalmente daas casa* no meemo
terreno em Reheribe, urna de podra e cal e oa ira
de teipa no valor de 2:400J,
Pelo juizo de orphos, no di* 30 do corre-
te, depois da audiencia domes/no, vai pm.i
f, renda a escrava Anlonis, cabra, com 14 an-
no doide.de, aviliada por IJlO, por ezecugao
de Francei,';:1 W"'0 Fe"eira Chaves contri
Joaquim Vicente Marque.*.
Conselh) adminish-ativo.
O cooselbo administrativo, para fornecimenie
do arsenal de guerra, em cumprimento ao art.
22 do regulamento do 14 do dezembro do 1859,
361*000
680g000
3009000
56Q0O
36C5000
66I9000
8019000
360J00O
601g000
2.3I9OOO
360{0O0
601*C0O
75190CO
7009000
700gOOO
6OO9OOO
8815000
1689OOO
I259OOO
1689000
1689OOO
969000







ILEGVEL


11 'I
I
^>
DU510 D* M1HAM1DC9; SEGUNDA HURa 29 DI SETKSIBRO *E 181
az publico que foram aceitas as propostas dos
seuhores abaixo declarados.
Para botica do hospital militar.
Joaquim Martioho da Cruz Correia :
Noi medicamentos e mait objeetos que foram
requisado pela qotia de 520*720, os quaes
evem ser eotregues ds botica do mesmo hospi-
tal t o dia 30 do torrente.
Para o presidio de Fernando de Noronhs.
Jos Joaquim dos Res :
150 raquetas a 5*000.
300 couros de cabra a 56J0O0 o eento, sob a
coodicao da S6rem entreguia ditos Roneros con-
forme as amostras, no dia 12 de outubro prximo
vindouro.
Jote Antonio de Carvalho :
200 rapios de sola de primeira qualidade cada
meio a 35500.
Vicente de Aquioo Albuquerqut:
200 libras de tazas para asilos de ispstos a
180 ra. a libra.
Para a colonia militar de Pimenteiras.
Jos de Cistro Guiaiares :
2 livros de papel almasso pautado de 150 fo-
lhat a 29000.
O conselho avisa sos Srs. fornecelores da sola,
tazas e livros. qua devem recolher o ditos gene-
ro no dia 29 lo corrate, na secretaria do con-
selho, s 10 horas da manha.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimeoto do arsenal de guerra, 26 de
setembro de 1862.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronal vo^al secretario interino.
Pranla a cmara municipal de Olioda se
ha de arrematar no dia 2 de outubro prximo os
gjint-s iaipostos : alug.el do sobrado da Drtc,<
do Gorpo Sa:ito, m que st5 a AsiO'iac.o Com
nieNCiil Kor 8!)i5, sf ra.por cabera de g>lo de consumo 5950 ; alu-
guil das casinhas da ribeira 166$ ; aitimo do
eapim 481-3 ; 100 ra. por cabera de gado reco hl-
do no curr.i 605200 ; imposto de mscales e bo-
ceteiras 36j ; 40 ra. por cala p de coqueiro
5555; 80 ra. por carga de friona 235010 ; repe-
so deec>ugue 12*400 ; 200 rs. por cabega de
proco 8g5U0,| 100 ra.por cabe... de carneiro 3S200
Pela theaoutaria provincial se fai publico,
que a arremaiagao da obra do calcamebto da
ras do AraRao e Rosario da Boa-Vista, at lbil
no pstao da Santa Cruz, foi transferida para o fli.
16 ie outubro prximo vindouro.
Secretaria da theaouraria provincial de Pemam-
ba:o 18 da setembro Ue 1852.
O secretario,
A. F. d'Aoouaciago.
Consulado provincial.
Tela mesa do consulado provincial se avisa aos
devodores do imposto da dcima urbana, de 20
O[0 sobre o cooaumo de agurdente, de 4 Q\0 ao-
bre os estabelecimeotos de fora da cldade, pren-
* aas de algoo, lypographias, cocheira, eavalla-
riees, hotiia, bolequins, casaa de pasto, e fa-
brics, de 12 oO sobre os estabelecimentos da
osimercio em rosso e a reUlho, armaxons de
recolher, d* deposito o os trapiches, de 8 q'O
sobre consultorio* mdicos e cirursicoa, cartono
excriptorioi, de 505 sobre casas d molas, bilhar,
chaueose roupa fetw eatrangiira.de 1:000$ obre
casas de operago bancaria com emissao e privi-
legios, da 30!)jj aubr* coinpanhias au-j'iyi.iss e
agsicias, oe 200$ sobro casas oe csmbio, 10 0|0
sobra s renda dos te-rnos ocrupados com o
planto do cspim, -le lOJ sobre correctores com
merciaes, de 305 sobra correctoras de escravo*,
<1* 500 r'.s por toneladas i? alvareosia e canoas
oujpreg&das no trauco .a carga descarga, e -
Dalmente o Imposto Subre carros, carrosas e m-
nibus, que no ultino dt setembro corrent* Do ;-
se o prazo marcado para o recebimento dos seua
dbitos oerlenceotes so ann doanceiro de 1861
a 18'2, fican lo sujeilos os que nao pagarem a
seren execatados
Mesa do consulado provincial de Pernamb^co
4 de setembro d^ 1862
O chelo da segunda aecgao.
Francisco F*rreira Hartins Ribeiro.
T^rcs-foira 30 do corrpnle, deo'-is da au-
diencia do Sr. r. jdiz municipal da l." vara,
'.'v ta ser arraaiatado j5 com o abite da le. um
sitio le iprr8 com rv.iredos no lugar da Torre
en) iguimento da ealrada da Magdalena, o quai
foi avallado em 2:3005. eujo sitio f >i penhorsdo
aoi herdriros de J, ao Firmioo da Coala Barradas
por exacucao que Ibes mov.m a viuva e herdei-
ro9 de J So Prreira dos Santos, eacrivao Motta.
Juizo dos feit<>s da fazenda.
Nt quinta f^ira 2 de outubro vladouro so ven-
der em prega publica deste jelio, as 10 horas
da anh i, na sla das audiencias, a armarn da
luja da ra da Imper.triz o. 16, da smsrello,
n ivprHiiida, avallada por 4003, pfnhorada a viu-
7i Oias Pereira & Aveler, para pagamento da fa-
eends nacional : 's preteodentes que queiram
ver a armac pode.ti-ae enten er cora o deposi-
taro geral.' Recite 27 do aetsrnbro de 1862.
O soliiilador.
Fr-.nclieo X. P. de Brilo.
rioi Aotonio Laiz de Olveirs Azevedo, no sea
scriptorio raa da Cruz n. 1, oe com o capito
na prsca.
a Babia
iom malta brevldado pretende sejruir o ban co-
ahaeido veleiro brigee escuna Jotcd Arther,
apila Joaquim Antonio GongaWes dos Santos,
um parte de sea carregamento prompto ; para o
resto que loe falta, tratt-aa com os saus consig-
natarios Antonio Luix do Olivoira AzoTedo & C,
no aeu seripterio ru da Crux n. 1.
sfcfcim^l
COMPANHiA SRAS1LEIRA
uwtn$ k vm*.
Espera-so dos portos do norte at o dia 2 do
oattbro o vspor Cruzeiro do Sul, commandante
o capitao de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-sa passageiros e engaja-se
a carga qus o vapor poder conduzir a qual deve-
ra ser embarcada no dia de sua chegada, an-
eommeodas e dinheiro a freta at o dia da sabi-
da as 2 horas: agencia roa da Cruz n. 1 os-
triptorlo do Antonia Luiz de Oliveirt Azevodo
& C.
pratondo eagair com multa brevidada o veleiro e
bom conhacido patacho nacional aCapaan, ca-
oito Theotonio Jos da Silva Rosa, tem parlo
de aeu arragameoto prompto : para o resto qua
ib falta, treta-so com os saus onsigostarloa An-
enio Laiz de Olivoira Azevarto & C. no seu es-
riptorio, raa da Cruz n. i.
fcJaV

O brigue portugu^z Lata //, capitao AnUnio
Francisco Viir, a sahir com brevijade por ter
parte do seu sarregamanto prompto, para carga
e passageirit tmta-ae com os consignatarios F.
5. Ribello 4 Filho, rus da Caeian. 55.
SOSJPANBA PlftlUIBDGAlU
os
fovfegago costeira a vapor.
Paralaba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau, Aracaty, Ceara' e Acaracu'.
G vapor Jaguaribea, commandsnte Lobato,
ahir para os portos do nort at.o da Granja,
no dia 7 de outubro as 5 horas da tardo.
Recebe carga al o dia 6 Rncommendas, pas-
sageiros e dinheiro a (rete ata as 2 horas do dia
. da sahida. Escriptorio no Forte do Mattos nu-
; mero 1.
si
OCfiRTO MUSICAL
.NO
SUiO DO SWTA ISABEL
EM BENEFICIO DO
Uaixo-buir<> \|ii:a;Iro.
Billj drt recursos para sj t ann>orir Euso-
P o beneficiad-) lembroa-S'! recorrer protec-
iblica u'g.n concert em que tomam parte,
BratuiUmaite, seos ir naos d'ane Cirbsri, Belli,
itaraonia e Sinli it.
PRIMEIRA PARTE.
1. Uaeto do Attila, pelos seuhores Belli e Ra-
monde.
2." Cavalioa da Semiramides, pela senhora Cor-
bari.
3 Ca*atina de Beatrice di tenda, pelo Sr. Ra-
monda.
.* Variagdes de piano, pelo Sr. Sintioi.
5." Civatina de C'o/iie//o.pelo hr-netlcisdo.
SEGUNIH PARTE.
6.* Duelo Anal do Marino Fatiero, pelo Sr. Bel-
li e a Sra. Corbari.
7." Cavatina dj D. Prncnpio, pelo beneGdado.
8.* Cavatina do Cont di S. Bonifacio, pela Sra.
Corbari.
9." Variagdes de piano, pelo Sr. Santioi:
10." Chalina do Fltzire d'amore, pelo benefi-
ciado.
11." Dueto dos Puritanos, pelo Sr. Belli e a Sra.
Corbari.
Os restaules dos bilh^le? echa-se ven-Ja c
sscript irio do tbeatro at a hora de comedir o
certo, i 1 <* por i>soa.

'
(CIDIfilPMIlM
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 1* de outubro esr.era-se dos pottos do
sul o vapor fraoeez. Guienne, copmandante
F.'iout, o qual depois da demora do Sj3turc0 se-
guir para B>rleaux tom escalas rs> S. Vicente
e L'aboa. Em S. Vicant^ ha um ir ^m cor-
respondencia com Gorae.
A companbia encarrega-sc de segurar as mer-
cadorias embircadss b irdo dos vapores, asaim
::!; o ttmbem recabe dinheiro e objeetos de va-
lor cera deitioo a Loodrea em transito por Bor-
de! e Boalogne.
Para as coodiges, frote o passagens trata-se
ha agencia ruado Trapiche ik 9.
Par Lisboa.
Sabir com toda a brevidade o muito veleiro e
bem coohecido brigue portuguez Confiante co-
pito Augusto Carlos dos Beia, por lar j a bor-
do grande parte do seu carregamento: para o
restante da carga e passageiros, para os qaaes
tem excellentes commodos: trsts-sa no escrip-
torio de Manoel Ignacio de Oii'eira & Filho lar-
go do Gorpo Santo o. 19 ou com o capilo os
fraga.
COBFARHU PER!HaB!CIU
DB
i v a
M^cei em direitura.
O vapor Uamangoape, commandante Moura,
sabir par oa .ortos lo sal de su esala no dia
4 de culubro s 6 horas da tarde.
Recebe sar|(a at o di 3 ao meio dia. Bn-
:o.-,,',.cilios, passageiros o Jinhairo a rete al
o dia da sahida s i horas : escriptorio no Fort
lo Mttto* n. 1. >
O date cSsnts Rila aegue para o Arscaly no
dia 30 do torrente, pra o resto da carga que
Ihe falta trata-se com Tsso Irmaos ou com o
capitao Josquioj Aotonio Figueiredo.
K
eor!PANHi IRASILEIRA
DE
At4 o dia 30 do crrante, esperado dos
portos do sul o vapor Oyapock, commandan-
te o priroairo (ente Antonio Marcelino Pontea
Ribeiro, o qual depois da demora do costum
seguir para os portos do norte*
Dvsde j recebem-se passageiros, engaja-se
a carga qun o vapoe poder conduzir, a qual devo-
ra ser ambareada no dia de sua chegada : dinhoi-
ro a frete o en'.ommndaa ale o dia da sahida as
horas da tarda : agencia raa da Craz n. 1,
2:;?riytorio de Antonio Laiz da Olivaira Azevo-
30 & C._________________________________________
Para Lisboa deve sahir cora muita brevida-
de r> brigua port-igue? Margarida, capitao Jos
E. Ribeiro ; tem prompta maior parte de aeu
carregamento e recebe o resto a frete: a tratar
no escriptorio de Amorm Irmaos. raa da Craz
n. 3.
BJ
f ara Lisboa
pretende seguir com mnita brevidade a veleira
bem condecida barca portuguesa Gratido,
capitao Antonio Farrtira Borges Psstsos, tem
parts de sa carregamento prompto: para o rss-
to que lhe falta trata-se com os seras consignata-
de Janeiro
Pretende segair com muita brevidade para o
Rio de Janeiro o veleiro ebem coohecido brigue
nacional Almirant, tem parte do seu csrre-
gamento prompto, para o resto qaa Ibe falta tra-
ta-se com os seus consignatarios Aotonio Luiz de
Oliveira Azevedo &C., no sea escriptorio, raa da
Craz o. 1.
lio de Janeiro.
Pretende segair com muita brevidade o veleiro
e bem conhacido brigua nacional aDamo, capi-
tao Jos Minoel Vieira, o qual tem parte de sea
carregamento prompto : para o resto que lhe fal-
ta, trata-ae com os seas consignatarios Aotonio
Luis de Oliveira Azevedo & C, no ssu escriptorio
raa da Cruz d. 1.
Maranhao e Para
Segae com brevidade o veleiro brigue escena
Graciosa, capito Antonio Haria da Costa e
1", por ter alguma carga para ambos os por-
tos : psr O resto trata-se com O consignatario
Aotonio de Almeida Gomes, rus da Cruz n. 27
LiEIIjA-O
A 30 do correte
RabeSchmettau & C. firioleilo por interven-
gao do agente Oliveira, e por conta e risco d
quem pertenrer de8 caixas d 12 qaeijos fia -
mengos, e de 12 ditas de u -n queijo de prato ca-
da ama, recentemente importados :
TerQt-foira 30
do correte, s 11 horas da manha, no arma-
zem do Sr. Aonas defronte da arcada da alfan-
dega.
Urna canoa grande, % es-
cravos, 27 caixas de
vel s de carnauba e
cercado 600 caixas de
sabau.
O agente Almeila fu leilo a requerinmito
do depositario da matas fallida de Joaquim
Francisco de Mello Santos a autorisag3o do Illm.
Sr. Dr. juiz eup cial do commercio de 3 ascra-
voi, urna canoa grande, 27 caixas de velas de
carnauba e cerca de 600 caixas com sabo
Segn da-feira 29 do corren te.
No trapiche baro do Livramenlo no Forte do
Mattos as 11 horas do dia.
Segunda-feira 28 do crrante,
O agente Pestaa a rquorimunto de Barros &
Silva e por despacho do lili). Sr. r. juiz espe-
cial do commercio far leilo dos gneros e ar-
macao existentes na taberna da ras lrgs do
Rossria n.35, em um ou mais lotes : segunda-
feira 23 do correte pelas 10 horas da manbSa
ii3 n esma taberna.
mi loja de miu-
dezas.
Terca-feira 30 do corrate.
O agente Pestaa legalmeote aulorisado plo
testamantairo dativo do fallecido Manoel Jo>quim
Dias de Castro, far leilo da aroaco. roiude-
zas^ exislentes na loja cita na ra do Cabug o.
2 B, om um ou n.ais lotes: terci-feira 30 1o
corrent, pelas 10 horas da manha, na mesm-
loj
Boa tiuta p-ra escrever.
Vende-se a 640 rs. a garrafa : na llvraria ns.
6e8 da praga da Ind:>p< Livra das Dores
Cootendo o cfficio, modo de resar a cor>, sel
teoario da todas as or*co->s par* deprecar as Do-
res da Maria Santissima ; vende-se a 323 ra. na
livraria da prsga da lndfl(ipn lencia ns. 6 e 8
Precisa-se do uujb pessoa que entenoa bem
0 portuguez, para escrever duas horas por dia :
na ra do Socego n. 24.
Nosalo do Sania lsn6e/ tem hoje lugar o
concert, em benellcio do b)ixo-bufo Aquadro,
do qua) publicamos o programla m outra parle.
Sitio,
Aluga-se um sitio na Torre, a margem do rio,
com boa casa do sobrado, com bastantes commo-
dos, eslribatia, cocheira, cacimba cora boa agua
da beber com bomba de puxar agua, tructeiras,
capitn, etc., muito bom banho e aitio mralo ;
quem priteadsr, d:rija-se a ra Nova n. 19, pri-
meiro andar. -
Preclsi-se de ama ama de meia ldade para
cozinhar em casa de .pouc familia : na ra da
Roda u. 48. sobrado de um andar, na esquina.
Jos Joaquim de Moraes, aub lito portuguez,
retira-es para a Babia.
Precisa-se de um caixeiro que leoha ^ra-
uca de taberna : na raa da Paz n. 2
Quem precisar de urna senhoia para ensi-
oar prlmeirasletras e fraocaz, e varias quads-
des de costuras, para qualquer eogenho, dirja-
selaruadeHorTsn^ej^loja^_____________
Arialidei Duarte G ma tenoo ama a liria
perfeitamente montada coqj toda acronmodida Je
que ae pode desajar em urn< bom eslabelecimeu-
to, e a qual est trabalhaoJo, e muito bem sfr--
gaezada, por -x nao pdenlo estar atet-l daste
seu eaubelecimento por ter de cuidar de outros
negocios, convida a alguem qus qioi a sociar,
tomando a direcgo do negocio, ou que queira
fazer um arreodamento pelo lempo que conven-
ciooarem.
4' classe do commercio.
Curso de lingua franceza
noite.
Jose'Soares d'Azevedo, professor de
lioguae litteratura nacional no Gym-
nasio do Rectfe, tem abetto um curso
pralico-tlieorico de lingua franceza pelo
novo systema de OilendorlF, para a
classe do commercio que nao pode fre-
quentareste estudo de dia. As pessoas
que desejarem fallar e escrever esta lin-
gua, podem dirigirse a' residencia do
annuncante, ra de Rita Santa Nova
n. 47.
Sabbado 4 de outubro prximo se
extrabira' a segunda parte da primei-
ra loteria a beneficio da Santa Casa da
Misericordia, no consistorio da igreja
de N. S. do Rosario de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios bilbetes acbam-se
a venda na respectiva tbesouraria ra
do Crespo n. 15, e na$ casas commis-
sionadas ra da Emperatriz loja de fer-
ragens n. 44 do Sr. Pimentel, praca
da Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra Direita n. 3 botica do
Sr. Chagas, e na ra da Cadeiado Re-
cife loja n. 45 do Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ ate 10$ serao
pagas urna hora depois da extraeco,
e as outras.no dia immediato depois da
distribuicao das listas.
Servindo de tbesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
AvisOa
O abaixo assigoado apressa-se em rogar a to-
das as autoridades policiaes urbanas, empregadas
u8 estacos da estrada de ferro, e barcas de vi-
gas, e malas psssoas, de aprehenderem o seu es-
cravo com es signaes abaixo declarados, quefa-
zendo -me un crirne fogira de meu sitio da ostra-
da do Arraial no dia 25le setembro de!86z :
Marcolno, preto crioulo, baixo e grosso do
corpo gaueija algoma couaa, tem no braco urna
grande coatura da queimadura de um busca-p,
tem principio de sapateiro, e tem pai de nome
Manoel da Malla, meu escravo.
Fot vestido de caiga e camisa de algcdoz^nho.
Marcolno foi escravo do enganho denomina-
do d'Aaua de lguarass, fora pert-mcenta ao fi-
nado Ileorijue Poppe Girao, o hoja do Sr. Dr.
Francisto Joo Carneiro da Conha.
Protesto proceder contra quem o tiver asylado
e empregado em trebalho.
Quem n pegar poder leva-lo a minha olaria
n. 13 da rus do Mondeao da fregueiia da Boa-
Visla da cidads do Recife.qua.pagarei o trabalho
e despea.
______^_______Marcelino Jos Lopes.
abo e Iptijuca.

1 :.





%.
;
:;
, lt U Jb l AI
LI
ImmMrL
hitas *! ^r.7 !a ??"05 de I"?0 25*' 289 30* a 35!5' Csac8 h
rs ?: ifc*'.9 35f' Pal9t,S Tacados de Panno Pret0 *' -6 at 25, ditos de casemira
de cor a 15 18e20, paletots saceos de panno ecasemira de 89 al 14, ditos saceos de alpaca
5 r ik A? T 6*'J're d9 alp* e merQ da 7P al ,0' ca,Sas Pre,as d "senta du
85 ate 145, ditas de cor de 7 aie 103?, roupss para menino de todos os tamanhos, grande sorti-
menioderoupasdebrinscornosejarn caigas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos du
raetim, casem.ra e velludo de 4 a 95, ditos para casamento a 5Je 6, paletots brincos de bra-
mante a 43? e, caigas brancas muito finas a 5, e um grande sortimento de fazendas finas e mo-
dernas, completo som ment de casemiras inglezas para hornera, menino e senhora, seroulas da
ilnho e slgodao chapeos de sol de seda, lavas de seda de Jouvin psra hornera e senhora. Te-
mos urna grande fabrica de alstate onde recebemos encommendas de grandes obras, quepan
uso esta sendo administrada por um hbil raestre de seraelhante arle e um pessoal de mais de
c.ncoenta obreiros e>colh.dos, portante executamos qualquer obra com prompt.doe mais barata
po que em outra qualquer casa.
O solicitador Pedro A. da Costa j\I carrega-se por sua cotila deqoastSeS, a de qjal
qsercobrarri amigav*! ou jurticial ni ambos os
(oros, na Eacada e Santo Anta), podenco sar
procurado na casa do sua residencia n: villa do
Cabo todos os dias atis, excepto as sextas fe-
ras, dia ess* em que polo ser procurado na vil-
la do O' de Ipojuea.
GHSilLiTaHiij sTCLsI itittt Arii'
' H<. DmiTAIi
SABINO O.L PINHO.
Ruaae o a uto Amaro flfni .:.-
NtrYO) D 6,
Consultas todos os dias litis desde as 10 ho-
ras, at o meio dia, acerca das s^guintes moles-
tias ; Tnofesia da mulheres, molestias das
crianras, molestias da pelle, molestias dos
olhos, molestias syphil-licor, todas as espe-
cies de febres, febres intermitientes e sitas
consequentias,
P HARM A.CIA ESPECIAL HOMEOP ATHIC 4
Verdadeiros medicamentos homeopaihicos pre-
parados cora toda cautela neeessarias, inclusiveis
Seus effditos, tinto em tintupa, nomo em gl-
bulos, pelos pregos mais commodos possiveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente Vendidos era sua pharmacia; todos
que o fqrem fora delta sao falsas.
Todas as carleiras so acorapanhadas de um
impressocora ura emb'ema em relevo, lendo ao
reporas seguinles pslavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lisia dos melicamenlosquese pe
de, As carteir.is que nao levarera esse impresse
ass'm marcado, embora enham na tampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
Quem precisar alocar urna ourava que co-
zinhs, engomoia o cose, oirija-se a ra do Sebo
numero 35. i
Aluga-se no Recite, becco do ADreu, pega-1
do a pregado Commercio, a loja e 2o andar do'
sobrad' n. 1: a trataros travessa da Madre de;
Deosn. 18.__________________________________
Auaeotou-se do enganho Novo deloojucao
preto Felippe, foi ter ao eogenho Pirapama do
Sr. msjor Josa Gomes da Silva, na comarca de'
Santo Anto, e dahi (ornara a evadir-se, e desnp-'
por que vague pelos engnhos e lugares daquella
comarca, elle alto, secco, Instante barbado e ;
e costuma conservar as barbas crescidas, e j vai!
pintando de branco, carroceiro e hbil em todo
e qualquer servigo de engenho : quem o pegar
poder trazer ao seu senhor o tenenlo coronel
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque, na po-
voago dos Afolados, que ser gratificado.
.Antonio GongaUes Freitaa, subdito poitu-
guez, segao para a Bahia.
Joae^ba Maria da Concetgo Bezerra e
seus Albos, cordoalmente agradscem a to-
das as pessoas que se dignarsm astistir sos
ltimos sufragios e acompanhar at ao co-
miterio publico o ctdaver da aat presada
fllha irma Primitiva Umbalina Saveri-
na Bezerra, a desda ji Ibes tributa uro
voto ae sincera gratido por lio casldoso
beneficio. Recite 20 de setembro de 1862.
O capitao de mar e guerra Francisco
Xavier de Alcntara convida aos seas ami-
gos para assistirem a mi missa qae
manda eslobrar no dia 30 do correte, na
isreja do Nossa Senhora da Conselgo dos
Militares, s8 horas da minhs, pelo eter-
no descanso do-alma do sua presada mil
fallecida na capital da provincia do Para.
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Va de-mucura no horneo patha
p 'lo deutor
uuumt.Lnni.
Este livro que se lera tornado tao popula
quanto necesario, acaba de ser publicado cora
todos os melhoramenios. que a experiencia e os
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va ediocao era ludo superior primeira, en-
cerra:
1. JVlais ampias noticias acerca do curativo
das molestias, com indieacoes mu proveitosas
dos raedicamen'os novos recentemente experi-
mentados na Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
2." Aexposicaoda doutrina homeopatha.
3. O esludo da apropriac_ao dos remedios, se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
das idades dos sexos, e segundo as circumstan-
cias atmosphericas etc., etc.
5. A preservaco das molestias epidmicas.
6 Urna estampa Ilustrada demostrativa da
continuidade do tubo intestinal, desde a bocea at
oanus etc., etc.
Vende-se na pharmacia especial homeopa-
THICA, propriedade do autor, ra de Santo
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Prego de cada exemplar.. .. 205000
N- B. Os senhoresassignantesqueirara man-
dar receber seus exemplares.
f&crava.
Aluia-se urna eicrava para servigo de casa e
rus, a qusl lava e cozinha o diario : na ilfia dos
Ratos, ras do Seve. casa o. 16.
Sitio.
Alaga -se o bem conhecido sitio na entrada do
Monuiro onlo ltimiments estivoram os Srs.
coasalea haspanhoes D. Migael e D. Joo. Tom
excellentes commodos psra grande familia, co-
cheira, estribarla, todo tuersdo, grande tarrago
na fronte, portSo na frente e no (ando para o
banho, arvorodos de fructo e grande jardim com
bellaa e bem diapostas flores : s tratar eom o
Sr. Aotonio Jos Gomes do Crrelo, no Montoi-
ro, oa com Henriqee Jorge na obra da travessa
do Pocioho.
Hilar, bilhar, bilhar.
Ra larga do Rosario n. 44,1. andar.
O proprietatio do hotel Trovador, nao poupando estotros e sacrificios pa-
ra bem servir os seus amibos e reguezes, acaba de reformar o seu estabeleci-
mento e installar no mesmo mois um rico bilhar de mogno de sua propria en-
commenda, abncado em Paris cora todo o esmero e per'feicao por um dos mais
habis artistas nesse genero, em o qual os amadores deste pssa tempo, encontra-
rao urna distraccao to necessaria ao espirito e ao mesmo passo tao innocente.
No mesmo se encontrarao quartos preparados para as pessoas que quizercm per-
noitar. r
O proprietatio espera a'concurrencia de seus amigos e reguezes, scienti-
icando-lhes tao somenteque setSo servidos com todo o asseio e promptido, a'
par da modicidade nos precos.
msm mumm
DE
ROUPA FEIT
DE
ra Urna. i7,jimoalloDeei(jo dosllitgfes.
Neategrai'e arraazem de roupas faitaaha luto quanto teadente a roapss feitaa, tudo pir
tr.cos muitii moflcados como de sea costume : sobrecasacas e casaca de panno fino a 25j)
?8j,305 e 35#, psletotado oica.ro p;nno a 145.163. 18J e a 20.J, ditos saceos de casemir de cor
> 7jJ, 8jt, 9J, 10j>. 12j e 145. ditos sobre de 165 a 18#. Jilos de alpaca d.> cordo a 8ft, ditos dd
marin oe cordo d. 12g 145. calcs de e.-spcnira do cor e pretas a 5$, 6>. 7j. 85; 95 a 103 ol-
Jbte oas mesmaa faseo (as a 35500, 4$ e 55. ditos de brim d. c' e brancos i 2, 2J500 e 35,' cal-
as de brim bran-o d 45 n 55, ditas de brim de cor a 25300, 35. 3550Q e 4J, ditas de meiio do
>rdSo a 4g, 5J e a f-J, paletots saceos de alpaca preto da 3J500 a 4, ditos de brim de r e
raoco a 2500, 35, 45 e 55. dilos de alpaca braoo a 6$, ditoa da palha de aeda a 8g, camisaa
ceroulp.5 de limo e d Dratuan'e, chaoos de todas as qualidade, roupa de todas se qualidajes
oara menino, asaim como t.mos um grande so'timento de fazsnda eseolhidas do todas as qaali-
dados taoto de p-noo s jmo de r.aaomira e trina para mandsrmoa aprouptar qualquer encom-
menda qne nos for incamblda, o me para este flm temos ana grande officio de alf.tate com cera,
^(.erarios dirigida por uto meatre (raoca o Sr. Carloa Laurent.c tres contra meatre dirigido pelo oies-
mo. cada um destes com sua espeelalilade, dous cortando caiga, um cortando collete, o Sr. Laa-
.ent enrtaudo obra crandea de todas ss qualidades.
Esta grande vfHdns v'a sua p.rfeigao e promp'idao nada deixa a dasejar.
RA
DO
55.
RA
DO
IMPERADOR
55.
DE
nt
.J. VIGJNES
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje assaz conheeidos, para qoa sej necessirio insistir
sobre 1 sui superioridade, vintagens e girantias que offerecem ios compradores, qualidades estas
incontestaveis que elles tem definitivamente conquisudo sobre todos os que tem apparecido n'esu
praca ; possuindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontides e ciprichos dos
pisnistas, sem nunei falhar por serem fabricados de proposito e ter-se eito ltimamente melho-
rementos impomnssimos pan o clima deste paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, o
por isto muito agradaveis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme is encommendas, tanto nesta ibriei corno ai de Sr. Blondel de Pim,
socio correspoudente de I. Vignes, em cuj capital oram sepre;premiados em todas as expo-
sices.
No mesmo estabelecimsnto se aefai sempre um esplendido e variido sortimento de msicas
dos m-dlhores compositores da Europa, assim como harmonios o pianos harmnicos, sendo tuda
venclido por procos muito razoaveis.
MUTILADO
ILEGVEL
-


KA1IC 1 tlJEJULUAGCO.- > SEGLNDi VEUU 49 DI SBlEMBRO ti 162,
Padariae
confeitaria.
Dotiigos Jos! a Canhe Lago*, premiado pele Jai* da expot'.t&o nacional da 1861.com ama
oedalha de prata, avisa aot aaaa fregueses em Rerat, qra seu eslkbcieclmenlo na raa da Seozala
Nova a. 30. tem o milhor sor ti meato, prepara bsndeijas no me'.tior gosto, receba eocommendas
de pio-de-lo, bolo* iaglezas, bolo* i-nperiaes, tlotrla de ove, poaioa, paatei*, prepara presuntos
de Hambre, docei de fractae aeccoa a d* calda* para aturar e exportado, reaponiabiliia-ie pelaa
i o* i i':l ladaa boa aconllcioiemenlo, vinle por meco* prego poisivel:

Pao commum.
ariunlo.
> Provengs.
o de familia.
Bolacha* econmica*.
> commum.
> fina com letreire.
Bclichinha de ararata.
alliadoa.
regalas.
o eoragis.
> Giribaldl.
carioca*.
a estrellas,
> aodaa.
> duble.
atias.
> particular.
l scouto doce.
Eiacodtioho.
de Hamburgo.
Bolachinhaa ingieras.
a de latte.
o paraeaos.
Eiscoato agoado.
palitea.
' erinha de ararata.
Lataa com bolaehiohi de ararut.
> > biacoalo* Ingleses.
Lolachinhis (rancezae.
a meopathia.
espadas.
* flnaa pata cha.
i oos de amor.
Bolos suinos.
D raivai.
chioezar.
caaadinbo*:
> de la reina.
gemas.
v espiciooes.
a allemaea.
> massapas.
b castanho*.
afogoiido*.
ceatlnhia de emandoaa.
de erva-doce.
> alaiquios.
a SSS.
o po-de-lo torrado.
> anelf.
a trochas.
d plnaoe de tocbs.
lagos de coco. .
> irmbii da coco,
a cocada d'ovos.
a chocolata.
s palitos.
amendoij.
6 qualldades de pastilhai.
Vinho de caj.
10 quilldadee de docea aeccoa.
10 > b de calda.
4 a de gela.
Immanaos doces estrsngeiros.
Assucsr cande e refinado de todas as qualidades.
Figuns da assucsr.
Xiropee opila de todas as Iraca i.
M
Fundico Lw-Moor,
Bus* l* Senrulia Nova n.4t.
Nast* astaMeximenle continua a avarum
toajpleto lorticnento d% moendas mtiat moen-
iu para engeBho machinas de vapor a taxai
de ferro batid* % eoado de todos os tamaito
para dito,
Precita-* de um caixetro qae teoha pratl-
ca de taberna ; no Campo Verde o. 52.
Precia-ae alugr uma ama forra ou eacra-
vi qae teoba boa conducta e a*ja Gel. qae atiba
engommar e coziohar para caaa de familia: na
raa do Queimado n. 44 primeiro andar.
Mudanza.
O solicitador Jos Goelho da Silva a Araujo
mudoa sus reaideocia para a ra do Livramento
n. 21 segundo andar.
Im Erancez
Achou-ic na loja de livros n. 6 e
8 da praca da Independencia, um bo-
tao de ouro de abertura o qual sera'
entregue a quem der os signaes.
Banco Unio.
Kstabelecido na cidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira ze-
vedo & C.
(^Sacara por todos os paquetes sobre o mesmo
Banco a praxo o a v ii ta, a sobre as agentiaa em
Lisboa, PigMira, Coimbra, Aveir*. Vlxeo, Villa-
Real, Regoa, Vlanna do Castalio, Geimaras,
Barcellos, Lamino, Covllha, Braga, Penaflil,
Braganea, Amarante, a cito das, o ao praso
qae ae conveneionar: ne see escriptorie ma da
Crex n. 1.
RMZE
abri um cario diario de francas, e tambem lec-
ciona em caaaa pirticularea : trata-se na ra da
Senzalt-Nova o. 17.
Conipanhia Fielidade de t-
gurof maritiino n terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro. cora o capital de
16:000:000|.
Agentes em Pernambuco
Antonio Leiz de Oliveira Azevede & G. compe-
tentemente aatoriaadoa pela directora da eompa-
nhta da aagaroa Fidelidad*, tomam aeeuroi d na-
v, mirtfdoriai predioa, no ase **riptorie,
ra da Crax n. 1.
Alagam-se mei-ageas da raa do Canurao :
na rea da Imparatriz o. 60, loja do pava.
Mudauca.
Albctt Asehoff, relojoeiro, onudou o leu eita-
biltsimento da raa da Cruz n. 11 para o Csroioho
Noto n. 61. O mesmo pede aoa seas fr*guexes,
que aioda daixaram relogios para concertar, da
mandar buica-los no praso de 15 dias, do con-
trario lio vendidos para pagamento de tea tn-
balbo.
I Companhia {
DE {
gSeguros martimos.*
SEGURIDADE. *
5 Estabelecida no Rio de
% Janeiro.
AGENCIA RA DO VICARIO N.10.1
Gasa.
Alega-se a casi non n. 6 di res do Principe,
freguezia da Boa-Viita, com 3 quartos, 2 salaa.
cozinba fora, bom quintal o cacimba : a tratar na
ra Nova b. 3.
Attencjo.
Furto.
23Largo do Terco23
O proprielario deste novo armazn, ende os gneros por meaos do que em outra qualquer
'-itrio, afianzando se a boa qualidade de qualquer genero comprado oeste armazem.
Manteiga ingleza da primeira qualidade a 720 e 800 rs. a libra, e em pargo a 700. rs.
dem franceza da safra nova a 600 rs, a libra e em meios barris, a B60 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ltimamente a 29, do vapor passido a 19800.
Caf de primeira e segunda sorte a 260, 280 o 300jrs. a libra, o em arroba a 89 e 99;
Servejas das melhores marcas a 480 rs. a garrafa, e a duzia a 59000.
Vinho engarrafado do Porto a 1900O e 1|200 a garrafa, e a duzia a 99000.
Dito em pipa das melhores marcas a 480, 560 e 640 rs. a garrafa.
Massas, para sopa a 320 rs. a libra, e em caixa de urna arroba, por 69000.
Azsile doce de Lisboa a 72U a garrafa e de carrapalo a 360 rs. a garrafa.
Sardinhas de Na n tes muilo novas a 380 rs. e em porejio se faz abatimento.
Alm dos gneros annunciados, encontraro sortimento completo e mais barato do que
em outra qualquer parte, por virem a maior parte delles por conta propria.
Atten^o
A ptssoa que aonunciou para comprar urna ta-
berna com poacos fundo*, dirija -se ao pateo do
Tarjo n. 1, que le faz todo o negocio a contento
do comprador.
Alln.
Precisa-se alegar ama atea para e serrino In-
terno e xterno de urna casa de pequea familia :
no berro doa Ferr.-iroa n. 7.
Offerece-se urna muiner pata ama de casa
de familia ou mesmo de bornea soltairo, sendo
para eosaboare engommar, o qae (az com pei-
feigo : na ra do Rosario u. 30. Sobrado, Boa-
Viatr.
Furtaram do sitio de Antonio Alvts Barbosa,
era Santo Amsro, na noite de 23 pan 24 do cor-
rente mez de letembro, urna vacca prenbe, bran-
ca, lavrida, tendo por aignaea as galhas grsndes
e abortas com marca pouco vizivel, na anca do
lado dtrtito AB ; rega-se s pessoas que dalla
tirerem noticia de daclararem na raa doiGuara-
races n. 28, ou no mesmo sitio, ooda se dnr gri-
tfic(o ex'gindr-ie.
Alug-ie no Rtce, bicco do Abrea, pega-
do praca do commercio, a loja e legando an-
dar do tobrado a. 1: a tratar na travessa da Ma-
dre de Deoa n. 18.
Aluga-ie am litio no lugar da Magdalena, prin-
cipio da travesa do Laca, com can de pidrae
C' 1, duai grandes baixas de capim pira invarno e
ero, e grande quintidade le arvoredoi da fruc-
toa : a tratar no Campo-Verde, raa do Palacio
do Bipo n. 80, lobr.do:
~~ Aluga-se o armazam da rus do Vigaiio n.
i ; a tratar no largo do Corno Santo o. 6, se-
gundo andar.
Dentista de Pars.
19RuaNo\a19.
8
8
ea
allenco.
^5
Mr.
Pretisa-seda urna ama cecea para cuidar de
urna menina : na ra do Trapichen. 16, lerceiro
aod*r.
Aluge-se a cesa da ra do Prea na fregue-
zia da Boa-Vista n. 13, e dita na ra do Freitas
o. 10, freguezia da f. Jos : a tratar no Redft
travesa da Madre de Dos n. 18.
Arrenda-se o engenho Sinto Amiri-
nho sito na freguezia da Varzea, a orna
legua, moeote d'agaa com boaa mattaa
a terna 'e plantaQea, a tratar na ra da
Prau cssa o. 53, lerceiro indir. A pro-
prietaria e maia herdeiros proteitam
contro todo a qualquer darano que a x-
raodeira fuer de consentir, tiato nao
ter airitndado dito engenho de novo e
por conseguiote nao poder criar nova
safra. Racife 10 de setembro de 1862.
&%-&%% &m&-&
FradericoGautier,cirurgiao dentista
fax todas as oparaces dasua arte a o co-
loca dentas artificiaos, ludo com -sdeln
rioridade e perfeisao que as pessoas-,en
tendidas lbe reconhece.
Tem agua e pos dentificios, ate.
tt Na rna do Rangel n. 38, primeiro an-
| dar, tingo-se de todas as cores com presteza e
prec.o razoavel.
Chicotes
Que o ichou um chicote do Rio Grande ippa-
relhado oe prnta, que ae perdau na eatrada dos
Afflictos, na tirde da 21 do correte, queren-io
entrgalo a sau dono ser gratificado, se o ixi-
igir, alem de lbe Qcar muito obligado.
Com 2S aonos de grande prstica de meflre de
aisentamento de apurar o aisacar d canas pelo
melhor ayatema adoptado oas Antilhae, e tam-
bem meare do mesmo assucar, como de urna a
outra coaaa cooata peloa lllmi. Sre. de engenbos
a quom leas IMe a honra de trabslhir Manoel
Joiquim A. de Ouveira, assim fcfftree o Breiti-
mo de ten trabalbo, tracto da tantoa annos de de-
dicaao e fadigia aos reipeitavejg s-s. de enge-
nbos, tanto deita provincia de Pernamfcuco como
de outra qualquar do imperio, que o q.iterem
honrar com a sus iffavel aceitadlo a amor a in-
dustria ; aproreitando por anim o poisairea um
bom e econmico aaientamento, tanto na grande
diminuigao de consumo da combuiliveie coa o na
presteza a facllidade da limpeza da caldeira e
apuro da taizas.olo ge empregando mils que mui
pequea quanlidade de bjaSoa a proporco dos
vaaoi; apurando por tarefa, em termo regular
50 paes da magnifico anucar, como conita do que'
foi ltimamente apresentao em laica na expoii-
(ao deita provincia de Pernambuco.
Palo rueihor ayitema alienta oa alambiques da
deitilar aguirdaota, montando com goito e aiseio
a destilacio para diminulco de bra;os e fcili-
dade do trabalbo.
Tem a leu cargo cfficiaea da pedreiros, e se
auaa empreitadaa ajuata-ai pelo mals eommodo
posiivel, pois deieja mais seivir bem que ganbir
muito: pode ser procurado na praca do Livri-
mento, leja de fwendaa de Jos Rodrigues Coe-
Ibo n. 8, ou por eale jornal.
Aos senhores do commercio e emprega-
dosde azenda.
O bacharel Americo Fernendea Trigo de Lou-
reiro abrir um curso theorico e pnlico da lin-
gua ranceza, do principio domes de outubro em
oimte, das 7 s 9 horas da noite, na cisa de asa
reaiJencia, ruada Saudade n. 9, para aa penosa
cima indicadas eoutras. cujos affazeres ciolhes
pederem dtapenaar para ene fim, secao ei. ras. Eosina por embaa o melhodoa, aotigo o
moderno, tanto a tradacc&o e eicripta, como a
locuelo, a arb'trio doi pretendentes. Eites quei-
ram ir micrever-ie at o flm do correte mez,
prqcurando-o na meima caaa dai 9 horai da ma-
haaaomeio di, cu daa 3 s 5 da tard*.
Criado
t
Cttsa ele c
tupo.
Aluga-se na Torre, e por preco eommodo, a
do tooaelheiro Jote Bento, a qual lea visinha
ao sitio do Sr. inspector da alfandega : a tratar
na raa aitreita do Koiario n. 28.
O b,t
r..nt.m<
hr.i Jun KoJrigue* Ou Vasto tm
'.I. O au ...r^ili!. rM J- K.
rsogeirai n. 21 onde poda sir procurado paraoa
misteres de sua prothaao de advogado das 9 ho-
ras da manha s 3 da tarde.
Vau dinario para oQ pcrfeito estado : na ra Nova n.7.
-8bs k Queima(lo-4i
Defrots Reste eatabeleetmente ha sempre am aortimente cemplato ae roupa feita de
todas as qealidadas a tambem se mana exccatar per medida f vontade des fregee-
xes paxa o que tm um dos melhores proUssores.
Casaeas ae panne preto a Of,
S5f e
Sebresasacosde to dito a 3b$e
Paiotote de panno preto e da ae-
ree a 359, 809, ^'5. 109,189 e
Ditee de taaemira de cores a 229,
15g, 129. ?9 e
Ditee de alpaca preta colla de
rallado francazas a
Ditoe de mvriu satim pratos e
de ceras 9* i
Ditoe de alpaca d* aeras it}o
Ditos de alpaca prata i ?-}, 7*, S5
Ditos de brim de cotas a 5f,
49566,**
Ditos do bramante delinho tran-
co a 69, 51 a
Ditos de merino de cordie prete
a 159*
Calcas de caeemira prata ede is-
lesaltf. 10. 1,79*
Ditas de princesa e marino de
corda-o preto a 5f, 6500 e
Ditas da brim branso de cores a
59. 49500 e
Calcas de ganga de sores a
Gollete de vellade preto e de co-
ras lisos bordados a 113,95
Ditos da sasemira preta e de ce-
rca liaos bordados a *,
19500,5
Ditoa d* satim preto
30000 ; Ditoa d* s*da e eetim branee a 6
30000 Ditos de gorguro de seda pretes
ede cores a 7, 6, 4 e
102000 Ditoa de brim o fuatae arae a
81500,1500a
99009 Seroulas de brim de linhe a 2 a
Ditas de algodao a 1600 e
IO9OOO '
88000
89500
IfSOO
39500
49000
89000
(9000
49500
IJ50
9000
Cmisas de peito dafustie brauee
ede cerosa 5*100 e
Ditas d*p*it de linhe a 59, 49
Ditas de madapolo brancas e de
cores a 8, 19500,1 e
Chapees pretos de massa franceza
forma da altima moda a 10.
8J500.
Ditos de feltre a 6, 59, 4 e
Ditos d* sol de sada inglazea o
franceses a 14g, 11, 11J o
Colarinhos de linbo malte fines
nevosfeltios dauHlma moda a
Ditoa de algodao
Belogios de onr patente e herl-
xontal a 100$, 90, 80f
Ditoa do prata galvanisades pa-
tente e horizoataec a 40
Obras de oaro, aderemos e meies
aderece*, palceirss, roxstss
anei* a
Toalhas d* linho dazia 1OJ, 6 e
8|500 Dita* grandes para mesa ama 3 e
59OOO
59OOO
59000
89000
29100
19280
29IOO
8*000
neoo
79000
19000
79000
9800
9500
70J000
80J000
a
A peisoa que quer comprar urna taberna
com poucos fuodos, podedirlgir-se a ra de Co-
dorniz no Recite o. 12.
Os Sr, credores do commcrcian-
te Claudio Oubeux, tenham a bondade
de entregar seus ttulos de debito ou
coritas na casa de Rothe & Btdoulac pa-
ra serem examinados pela commisso
eleita para o im de os verificar, como
dispoe o art. 845 do cdigo, cortos de
que, aquelles que o deixarem de azer
nao serao contemplados na lista e pare-
cer que a commisso tem de a presentar
ao Illm. Sr. Or. juiz especial do com-
mercio, na prxima reuniao, sabbado
4 de outubro.
LU

h
No collegio das orphaas de Nossa
Senhora da Esperanca pode faze'r-se
qualquer trabalbo de agulha, como;!
costuras e bordados de todas as qualida- I
des e por precos muito acommodados.
As pessoas que se quizerem aproveitar
deste olferecimenlo tenham a bondade
de entander se com a directora do dito
collegio na ra da Aurora.
Saques sobre Portugal. :
O ihiiin asAljtaada i/tr t, do I,. Wt
Mercantil Partaenae neita cidade, saca '
effectivacnenle por todos os paquetee io-
br o mesmo Banco para o Porto 6 Lia-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
xo, podendo logo os saques a prazo aerem
descontados no mesmo Banco, ns razo g
de 4 por canto ao anno sos portadoras S
q= a.-sim lhe convier : cas ras do Cras- S
po n. 8 oa do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castre. S
* BNfiwaRf 'z&m -naieeieen^BS
Alugam se dous grandes arma-
zens na ra da Concordia proprios para
qualquer estabelecimento em ponto
grande : a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Alves na ra da Cruz do Recie.

!'!C5
fflJ


I

3Raa estreta de Rosario3
Francisco Pinto uzorio outinua a tol-
loear denles artiflciaes tanto por meio dt
molas como pala presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obraa nao
flquem a vontade de seus donos, tem pos
outras preparace as mtit acreditadas
para souservaco da bocea;
Aloga-ie para criado um molique de 11 annaa
de idade muito del, o qual muito ladino, e pro-
t'rio tanto para o servido interno como externo
para qualquer casa de lamilla ; quem praciiar
dinja-se a ra eatreita do Roaario n. 27 primei-
ro andar dn 11 do dia s 3 da tarde.
Precisa-se de ums lenhora que mba cou-
venientemeLte prlmeiraa letraa para snsinir ama
minina em am engenho na freguezia de Ipojut
distante da eatacao da Escida duas legoas e meia :
quem estivir ncslas circumstanciis e quizar, an-
nuncie para ser pn curado e trtr-se do ajuste.
Precisa-se de ums ama para casa de oco
solteiro. preferiodo-se estraogelra : a tralar na
ra da Moeda, no segundo andar do efundo so-
brado do lado da ra do Araorim entrando pelo
ado da alfandega.
No da I," de outubro do correrle, cepoia
d 2 horaa da larde, se ha de irrematar em praca
do Dr. u!z mutii.ipnl da 2.' vara, esciivo Mot-
t. por venda, urna cisa t.rrea n. 33, na ra da
Glora da freguezia da Boa-Vista, por ezecuqo
de Minoal Joaquim Baplista centra oa herdeiros
da finada p. Antonia Mara de Castro.
No clu 30 do corrite, oepoia da audiencia
do lllro. Sr. Dr. juiz municipal da l. Tir8, um
i de ir em praga pira ser arrematado o sitio e caa
| na raa de S. Miguel, freguezia dos Afogadoi, fm
chao foieiro, com varioi arvoredes de fruclo bai-
I xa de capim. avaliado em 2:6009, ccnforme'o e=-
Icrlpto em mao do lorteiro Almeida, por exetu-
cao de Jos Meria Gooealves Veira Goiaoaries
contra Francisco Salles de Andrade Lum, a ul-
tima praca, eaerl8o Motta.
i*S-Sta#wGi.t;j...JB.i(
Precisa-e de urna criada para fa-
ilia composta de duas pessoas : a tra-
rua Augusta n. o.
tar ni
llencaO.
Antonio Pinto de Azevedo, morsdor na ra da
Praia desta cMade d. 43, vende o aeu sitio Juca
na Laga da Trahira da comarca de Santo Anlo
proprlo para plantacea pe ferlllidade do ter-
reno: q.em o pretender ertonda-ie com o tcei-
l*ara passar o ve rao,
Alugam-se duas casas margem do Capibari-
be : Ubi do BemGca na Paiiagem di Magdaleoa;
a primeira com 8 quartoe, quintil, cacimba, tan-
que, etc., preco de 2409 par anno : a segunda 4
quartos, cozinba fora, 2 aalas e 1 gabinete, preco
de 1503 por anno : a tratar na ra estrella do
Rossrio n.4.
himieo eom privilegio de invenueo, autor da medicina do-
mestica dos paiz.es calidos, ete.
Esta xaropo prepsrado com substancias puramente vegetaes lemsido emprega- 5^
do cora xito pelos mdicos mais eminentes no tratamento das molestias syphiliticas, ^^
e os benficos resultados coln Jos de sua applicacao4 tem rendido a seu autor milha-
res de certificados, que provamsua efBcacia as molestias venreas, escrobuto, rheu-
malismo, escrophula, (alporcas) bobas, papeiras, erisipelas, ophelalmia, empingens,
leucorrha, (fluxo branco) suppresso de menstro, golta, sarna, elepbanlhiase dos
membros inferiores e todas as affecces cutneas e syphiliticis.
Aluga-se para paaaar a feita urna casa na
Boavipgs jj : a tratir as Cinco Pontas confronte
a fo in!i/.i n. 122.
Attemjo.
O Sr. que incommoda de quando em vez ae
nobre redactor da Revista Diaria com annuncioa
da moqui;os, tenha a bondade de responder em
que diccionario da liogoa portuguesa achou esta
pakvra. Parece-mo qae a nao teta anconlrado
em diccionario algam, salvo se a tirn de slgum
alforge dos habitantes de Nagd.
^______________O amante de lirgoa.
a
Roga-sea peisoa qae tiver schado ama arta
dirigida a Sra. D. Mirla Margarlda Martina Ribei-
ro o favor de a entregar na typographla commer-
cia), ruaestreiti do Rosario n. 12, que str ra-
tificado com 200.
Precias-se de ura caixeiro
raa da Moeda defront do n. 1.
na taberna da
para curar eompletaraente em 24 horas pancadas, sicatrizes e feridas' deqaalquer
na turen que sejam por
Arault chimico
Lnico depwto na pkarmaeia franceza de P. MaurerAC.
38RA DO IMPERADOR38
w
AlA;
vy>i\/*v;
Preclsa-se de 3:001';} a premio com hypo-
theca em uma cssa de um andar; na raa do Li-
vramento p. 19, s dir quem quer.
Peraot o Sr. Dr. juiz ae orphoi vai pre-
ga terga-fulri 30 do correte, por execucao de
Antonio da Costi Reg Monteiro contra Manoel
Lobo de Miranda Henriqes, um escravo e uma
esersvs com ama cria ; quem miles quizfrlan-
garemoparega, na sais daa audiencias, s 11 ho-
r, a ultima nraga.
O abaixo aisignado, cnnbecldo por Xico Bezi-
ga, antgameote com loja de calcados atrs da
praca da Independencia, travesea daa Cruzes e
hoje com o mesmo estibelecimento na ra da
Impera'.riz, outrora aterro da Boa-Vista, ao pe
do becco dos Ferrsiros o. 39, participa'a seus
oemerogps freguzee tanto da praca como ne-
gociaaUe do malo, e deile genero que est bem
icrtido para servir bem seus freguesese vende
muito barato como de coatume vender muito e
gacbar pouco.
Frincis-o Mciel de Souzs.
'Luis Fraociaco Eomqaist. Bernardo Fran-
cisco WandervrsB, Delancir Aotoina fio para o
Rio da Janeiro.
Precisa-se de ama ama pa:a casa
milia : oa Boa-Vista, raa da Santa- Coz
de fa-
n.58.
Baltar & 01lvira
Porto.
L1C0ES PitATICAS
DB
B DB
ARITFIMETICA
Tres vezes por semana
SEGUNDAS, QARTAS, E SEXTAS,
Ra larga do Rosario n. 28, Io ndar.
PRECO lO.s'OOO POR MEZ.
ATTENgO!
A aula de escriturado mercantil dirigida por
M. Fonieca de Medeiros, principiar a funecionar
do 1* da outubro vlndouro em diante, recebendo
discpulos para serem lecioosdos tras vezes por
semana, das 7 horaa as 9 da noite, nos diis se
gands, quartis, sextas, pelo honorario mensil
cima mencionado, salisfeito adiantado, como
praxe em todas aa u!as de instrucc.o superior.
Along pratica que tem o annunciante de n-
cripturar pelo methodo de partidas dobradas,
juota a de leciooar ha quaai cinco ancos neiti
Cidade, com o melhor aproveitamenlo daa di-
vrsai pessoas qoa se acham empregadas no
commercio, garaotem a qaem de sea presumo se
quizir utillsar o desejado resultado.
A eacriturrcio dos livros commercises por
partidas dobradas, alm de ser o nico systema
que pode satisfszer o disposto em oosso cdigo
commerciil, 6 uma sciencia facillima qua pode
ser conhecida de qualquer que tenha vontade de
aprende-la.
Cerrem-se os ouvidos a voz do egosmo de al- subditos poituguezss,
guosguirds-Hvros que pregam as grandet difli- Janeiro.
cuidada daa partidas dobradas com o intento de
resamirem o mais nossivel o numero dos que
poisuem esse grande thesouro.
Gomo comolemeoto do eosino de escrituraqSo
addlciomr o annunciante aquello da redaego
de moedas estrangeirss, calculo de juros, a for-
ma de extrahir uma conla correte simples e com
juros ; finalmente tudo quanto for til e neces-
ario saber aquelles que se dedicsm ao com-
mercio.
Aspeiioas portanto que desejarem raatricu-
lar-ae, queiram delxar seus oomas ra Larga
do Rosario n. 23, primeiro andar, junio ao arma-
zem de loaca de porta larga.
Alaga se O Segundo andar e SOtaol ^0J,D^,un,!*Dle0,, 10tn oronel Tiburtino Pin-
do sobrado na ra irdta n. 89 : a tra- ttTS5SZniS? BSft V
tar na mesma ra n. 93.
Aiuga ae a can di ra co Fogo o. 6 A : a
tratar cora t-itouio Lus dn Oliveira Azevedo,
no seu eicriptorio ras da Croz n. 1.
sacam sobra a praca do
No largo da Asaembla u. 16, casa de paito,
precisa-se de um negro pira conduzir comidas
para casa particulares.
Preciia-se de urna criada pera o lervico de
ama c*sa de ums pequeni familia, e que saiba
coser; bem como de uma pessoa para trabalhar
em sitio : ni ra do Amorim n. 54, das 9 1/2 s
4 bons, ou na estrsda de Joao de Barres, das 6
al s 8 da manha. sitio deCanilido Alcoforado.
i. lluoder sviaa a seis freguezes qe mu-
dou-se da ra Sova pira a raa da Cruz n. 69,
primeiro aodar, onde lhea offer6ce oa sus ser-
vidos ; e faz iciente, qae na occasio da mudan-
za perdeu tres letrai na importancia de re 477;j,
tendo umi de rs. -2'>~>: aceita por Francisco Brau-
da Cavalcanli de Albuquerqae, vencids em 12
de margo pasaado ; outra d rs. 1241 aceita por
Elias Ploieg tau.bdm vencida ; e outra de rs,
98$ aceita por Maximiano Francisco P*ixot* Da
arte, e mais um docamanto de rs. 62$ assignado
por Garlos Justiniano Rodrigues : pede a quem
achou ditas letras e documento, que os entregue
ao mesmo, ni ra da Cruz n. 59, ellas s podem servir para o nccidor, viito que
oa aceltaotes nao psgaro a outra pasaos por j
estarem prevenidos.
Antonio Soares, Francisco Paulo da Silva,
Jo>quIm Gongilvea e Minoel Joaquim Quioto,
letiram s para o Rio de
plica c,oe?.
Aluga-i a loja e a casinha pequea de so-
brado do pateo do Tergo n. 2 : quem pntender
drija-se cidade nova de Santo Amiro, na se-
gunda caa das do Sr. Gomes do Correio. Na ms-
eos precisa-se de uma eicrava para servico de
urna pequen farrilia. *
Aiugam-se duii eesra*, ama iriouia,
com 22snnos, engomas, lava, eos, cozoba, e
compra na ra ; e uma mulatinha com 15 aonos
tera pequeos principios Ce cozinba, deeugem!
mado, e co^ura, mas ptima rcucamba, oorm
nao sahe ra: quem as pretender, procure na
rus Bella, casa terrea n. 3, das 10 horas do dia
at as 4 da tarde.
Jos Marques Pereira da Silva vai a frica
potlugueza com eicala por S. Vicente.
Domingos Enes Pereira relira se para fora
da provincia.
Alugam-s pelo lempo da feata ou meima
por anno, daas caas no Pogo da Pinella, aeodo
uma na beira do rio, cora copiaes na frente no
oitao, e um grande quintil com bastarles arvo-
rdos de fructo, e muito ffeica ; a outia na raa
da Mangaeira, com bastantes commodos.e tendo
no quintal uma grande cacimba com excellente
agua para beber: quem ai pretender, procure ua
ra Direiti, sobrado de do*s indsres, junto a
botica o. 137. que ah achira com quem tratar.
A penoaqueioouneou prediar e 3;0O0S,
dando por hypothess am sitio perto desta inc-,
deixa carta fechida neita typographia com as ini-
ciaos F F F para ser procurado, e tntar-ae do
negocio.
4o commercio
>I. Fonscca de ledciros se offerece aos
Srs. commerclaotes, qu* deaejarem aprender a
escritarar por partidas dobradas a dar-Ibes ligee
em seas escriptorios, a tarde ou a noite, nos diss
tercas, quintas e sibbados de cada semana, me-
diante uma mdica paga.
Entre as grsndes vantagensque resultam para
o* Sr*. commereiantea do conhecimooto da fa-
cillima iciencia do guerda-livros, sccresce aquel-
la da habilita-loa a poderem escolber quem bem
oa sirvs nesee ramo de trabalbo commercial, de
modo aao9o serem iludidos por cbarlatea, co-
mo acontece sempre eom aquelles que avaiism
do mrito do gaarda-livros pela sua bonita lettra.
Aa pessoas que do offerecimento do annun-
ciante ae quizerem utiliair dirijam-se a raa Lar-
ga do Rosario o. 28, primeiro andar, junto a lo-
ja de Iouc/t d* porta larga.
Bailar & Oliveira vendem lltraa aterlinas.
Arreiia-ie uma grande parte do aitio da
coqueiro, denominado Maria Farioba, na fregue-
zia de Marangaape : a tritar co engnbo Muri-
bira, fraguazia da S. Lourengo da Mitta.
Admrem-se e aiproveiteua-se
Retratos de sntrotypo a l um ; na maia acre- t
ditada eantiga officina de pbotographia deila ci-
dade, na raa do Cibag n. 18, entrada pelo pa-
ito da matriz.
Preciaa-se de 800$ a premio, pasndo-ie
dous por cento io mez, pelo lempo de 9 s 8 me-
ses, hypotheeando-se ama escrita mulata para
seguran;*, caja escrava cose, engomma e coii-
nha perfectamente bem : qaem quizer fazer este
negocio, annuncia pan aer procurado.
Joaquim Parlra Ramos, sobnoho de Ber-
oardino Pereira Ramos, declara ao publico, que
Uodoipparecido outro deigaal nome, d'ora em
diante se sssignar por Joiquim Perelrt da Aze-
vedo Ramos.
James Clark, subdito inglaz vil as
cias do notte.
iiOMi
/as.
Compra-s
uma casa terre, em ponto al-
to, cim ^immodos para uma
ami^i' .. guiar,bom quintal e
cacimba; ou un gobradinho
de um andar: quem tiver an-
uuiicie por este Diario.
Compram-a acrea do novo bine de Per
nambuco : no scriptorio de Mmoil Ignacio d*
01ivin & Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Cal de Lisboa
ij' o barril.
Tam para vender Antonio Leiz da Oliveira A-
* u ,u zevedo, no sau escritorio ra ds Cruz n. 1.
Na ra da Ftoreotiaa n. 6, lava-ae e en-
gomms-s com perfeicoe prego commod.
Aluguel
Aluga-se am moleque de 11 annos de idade,
multo iotelligenle e esparto, o qual j aerve bem
a uma caaa : para tratar, na ra da Aurora, ta-
berna do sobrado o. 46.
Aluga-ie um dos quartos n. 3 na Boa-Vls-
(a no becco jutlo a casa do Dr. Moscozo : a tra-
tar na rus do Crespo d. 14.
Southall Mellon & C, tendo racebido or-
dem para vender o seu cresciddeposito d relo-
gios, visto o fabricarle ter-ae retirad* do nego-
cio ; convida, portiolo ae pessoas qae quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prats do ce-
lebre fabricante Koroby, a aproveitir-se da op-
portunidade sem perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por eommodo prego no sea escriptorio raa
do Trapiche o. 38._______________________
Veode-se um fardamanto rico e outro ordi-
nario para official da guarda nacional, tado em
perfeito estado : oa raa Nova loja o. 7,


MUTILADO



i
DUlUO DI KIHAMCCO SEG'iHDA fillA 29 Di SETEMBhO DE 1101
Tandas.
Leis proYinciaes.
Vndete por |fl a colleccao de leu
provinciaes do corrente anno, assim co-
mo as de todos os annos antecedentes
ao mesmo preco : na livraria n. 6 e 8
da praca da Independencia.
Atteoco
Barato para acabar.
Ra do Queimado n. 6, loja de Macha-
do & Santos.
Van tem-se coliarinhos de eiiao a Garibaldi,
multo faos, pelo diminuto prego de 6(400 a dti-
ti, tceos de viagom mitUo proprios (ara eoo-
duzir roupi ou outro qaalquer objecto. pelo br-
uto prtco de 2800 cada um, camiaaa de lioho
inglezas para manios de todas as ldedes, barato
que admira, ditas para hometn. maito floaa
preco tommodo, chapeos de aol de seda ingleses
a 89500 cada u-p, ; igio ie vende pira liquidar.
Venda-se ama escrava de uaco, que sabe
ngommar, cotioher eoiaboar, e qae visU
do comprador se ir todo n?jacio : travesa de
S. Praociico c. 11.
* Vendem-se superiores velas de
spermacete em caixas de 25 libras ca-
da urna : na ru do Trapiche n. 9.
, &. mu
Esperanea
Ra do Queimado n. 33A.
Recebea lavas de pellica a Joavia que vende
V;or2500.
I.igai de seda elsticas para atacar meias, mai
liodas cores, qae vende por 2*000.
Traoga branca para debram da collete, vende
a vara por 160.
Ltmparinaa composlcode barro, que comvin-
te ris de azeiU doce ie nutre laz urna noite,
cala 100 ri.
Fita de velludo largas e estrellas, barato.
Pentea de borris, e de volta para meninas a
IflOOO.
Palitos de rogo, ama duzia de caixinbas de
madelra maito bono, cujo envoltorio os garante
da hmida le, que venle por 200 rls a duzia.
Lia para bordar a fazer toucaa, a libra 8S000.
Botoes de cornalina para pautaos, branco, en-
carnados, e pretoa para lulo, o par 1#000.
B;t loes

Scientificamos aos noisos fregueses qae che-
garam e eito a venda os estimados brincos ba-
ldes de todas as cores, par IjOOO.
Voltai a balo, azul turquezo, perola, encar-
nado coral, cor de rosa, azul claro, etc., a tSOOO,
t00 a *000.
Alfnetes a balio, a 2*000.
Grampos a Lilao, a 3$0O0 e -ijOOO o par.
Bracelatei a balo daa meimaa coras das vol-
tss, a 2000 e 3(000 o par, pndendo compor-ae
um aderezo completo com diminuta quantia ; as
ptstoas que pretenderen) comprar esle objectos
que a moda (rigorosamente fallando), dirija-ae
a Esperance ra do Queimado o: 33 A, que at
esta data objaeto privativo delli.
Buhares.
CALCADO
45 -Ra Bireila-45
A. epidemia declina sctnsivelmanta, o sea
completo dasapparecimento eal prximo 1 O
proprietario deste bem sortlda estabeleclmento
convida os seas numeroioi Iregaezas a sabstitair
o calcado velho, qae todo est cholerico, por no-
to, e qaa pocic reunir s mil schotis a mazzar-
cas qae vio ser dansadaa em loavor do restabo-
lecimento da saade publica. Oa precos con-
vidam:
HOMENS.
Botinas afamadas Milis. :
> oon-plus-allra Nantes.........
> Nantaa 2 bateras.........a..
> a lastre....................
> inglezes de boldes..............
> batedores.......................
> coaro da porco.......
> bezerro a biatre...............
> inglezes pea selvagens.........
* taxiados braailoiros............
Sapa toes non- plus- ultra................
MENINAS.
a nao sa deixa
ISgOOO
11*000
115000
.109000
OJOOO
9J5O0
9j>000
9j>000
7J5O0
55O0
7^000
69500
59500
6&000
59500
59OOO
29000
590C0
29OOO
19280
59500
59OOO
45000
29500
39000
I992O
800
500
800
sabir
t 8 baterias a mela..............
esmaga cobra..................
> Nantes X bateras vaqaata.....
2 baterias bezerro......
> tribalhadorea..........
s brasileiros da 3S500 a..........
Sapatos 2 solss a salto..................
1 tranca portugueses....,. .
francezes......
SENHORAS.
Botloaa dengozas.........
a salto de bter......
> pechincha de 49500 a. .
> americanaa 3J500 a .
Sapatos da salto (Joly) | .
> aem elle (dem)......
tapete:........
econoiticos. :......
a lastra 32 a 33. .
MENINOS E
Ha de lado em relaco
dinheiro.
Um completo sortlmento da coaro do porco,
coidavo, bezerro francez, coaro do lunre, mar-
roqaim, sola, coerinhos etc., qua tado se troc
por dinheiro i vontade do comprador.
f Dileiro e vidraceiro.
Grande e nova oficina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Reste rice a bem montado eatabalecimento ea-
olti 1 rao oa fregaezes o mais parfeita, bem aca-
bado a barato no sea genere.
URNAS de todas asqaalidades.
SANTUARIOS qaa rivasam com o Jacaread!.
BANHEIROSde todos oe tamanbos.
SEMICUl'lAS dem dem.
BALDES idem idam.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
Ful.IIA em caixas de todas as grossarasi
PRATOS imitando em parfeico abas percal'
lana.
CHALEIRAS de tedas as qaalldades.
PANELLAS dem idem.
COCOS, CANDIEIROS e flandres para qaal-
jer sortimento.
VIDROS em salas a s retalho de todos es ta-
mandando-ae manhoi, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Ra
do Imperador n. 28
Vende-ie gomma vlnda
qaalquer prQo.
do Ceai por todo e
Vende-se um burro do tlio Grande do Sul,
maito gardo, novo, e manso : qaam quixer diri-
j-ie junto a ponte pequea do Chora-menino,
caaa o. 11 ; e na meama casa vende-se am bol
multo mimo e earroea.
Vende-se
um grande sitio doe melhores que tem em Olio-
da, defroote do jirdim, boa caaa de morada, sen-
do aobrado, com 3 salas de frente, 8 qaartoi, co-
zinba fora, sal de jantir, boa agua, muitoa ar-
voradoa de tracto, mangabiiras, uungueirss, ja-
qaeiraa, (rucia-pao, cijueiroi, sipotie, e muitss
outras fruetca, com ama grandecapoeira com le-
ona, rora io para plantaco, baixa para capim e
com ilgam capim, nlaria com fornoa para louca
e lijlo, frente murada : qaem pretender, dirija-
ae a ra doa Peleadores, casa n. 7, padaru.
VenJe-se urna secretarla e urna carteira de
amarello, ama machina da copiar cartas com me-
sa eaeue pertences, etta cem uso de dias, e a-
quellas com pouco aso : oa ra do Amorim n.
33, segundo andar.
Vende-se o estabelecimcnto de quina da ordem
erceira de S. Francisco, consislindo em dous bi-
i.ares e seus pertences.
Toalhas de linho para
mao.
Vendem-se muito boas toalhas de linho para
mo p?lo biralisslmo pr<;o de 73 a duzia ; na
loja da boa f na ra do Queimado n. 22.
A 2J-400 rs. a duzia.
Vender se lencos brancos Qnos para slgibai-
re a 2|i00 rs. a duzis: na ra do Queimado n.
22, na loja da boa f;
Briiu branca de linho.
Vende-ae maito bom brim branco de linho
bastante eneorpa lo a 1J280 rs. a vira ; na ra
do Queimado n. 22, na bem coohecida loja da
boa f.
Manguitos e gollas bordadas
porrneuosde metade.
Vendem-se muito superiores manguitos e gol-
las de cambraia a de fil ricamente bordidas pe-
lo baraliisimo prec.> de 29 cada um par de man-
guitos com ama golla : na ra do Queimado n.
22, na bem coohecida loja da boa f.
Gollinhas baratas.
Vendem-se gollinhas de cambraia bordadas
pelo diminuto preco de 6*0 rs. cada ama: na
raa do Queimado n. 22, na loja da boa f.
Paletots brancos.
Vendem-se superiores paletots brancos de
bramante de linho pelo barato prsco do 59500
rs.: na ra do Queimado n. 22, na loja da boa
f.
li' mais barato do que
chito.
Superiores cambraias francezaa de riqusimos
padroes dlo baralisslmo prtr,o de 280 e 310 rs.
o covado, sendo que muito barato do que chi-
ta : na raa do Quuimado n, 22, na bem coohe-
cida loja da boa f.
Ricas mal vinas.
Acabam de chegar a loja da boa f na raa do
Queimado o. 22, laiinbas muito finas para ves-
tidos denominadas malviaas, com riquissimos
padroes que se vendem pelo mdico prego de
"i00 ra o covado : na referida loja da boa f na
ra do Queimado n. 22.
Chai eos de palhi escura
Ven Uro-se muito booi thaseca de palha es-
curo para homent maito proprios para o campo
pelo baraliisimo prego de 39 : na ra do Quei-
mado o. 22 na bem coohecida loja da boa f.
Fil le linho e tarlatna
Veo ia-se superior fil de licho liso muito fino
a 800 rs. a vara, asiirn como tarlatsoa branca e
de corea tambem pelo barato preco de 800 rs. a
vara: na ras do Queimado n. 22, na loja da
boa f.
Superior bramante de al-
godo.
Vende-se supariorgbremante de algodo com
10 palmo* do largura maito proprio para leoces
visto que ao econmica todo otr.balho de cos-
tara, peo barato prego de I96OO rs. a vara : oa
ra do Queimado n. 22, na bem coohecida loja
da boa f.
Guardanapos para mesa.
Vendem-se excelentes guardanapos para ma-
sa pelo baratisiimo prego de 2J500 rs. a duzii:
na loja da boa f na ra do Queimado n. 22.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camiaaa inglezas com
abertaraa de liobo, pelo baraltstimo prego de 30,
40 e 50$ a dazia : na raa do Queimado o. 22, na
loja da Doa f.
Cambraias finas com salpicos.
Veaia-se cambraia Qaa com salpicos para ves-
t'dos a 495OO o corta, dita .muito fina a 800 re. a
vara: na roa do Queimado n. 22, na loja da
boa f._______ ^________________________
Abacaxis.
Vendem-se abacaxis a 500 rs. e a fj cada am,
assim como qaem precisar do algasia oocom-
meoda avultada quaira participar das sotes, pois
o abaixo asugoido tem grande quantidade Efec-
tivamente ; raa do Trapiche o. 26.
Joao Gomes Jnior, ,
GRANDE LItfOIDe CAO
DA
Loja do Pavo.
Acha-so este esUbelecimento completameote
soitido de todas aa fazendas da la, linho, algo-
dio e seda, as quaea se vende mais barato que
em outra qaalquer parte a diuheiro a vista, a
roga-se aos seohores compradores de darem-a*
ao trabslho de visitarem este ettabelecimento oa
procurarem nesle Diario, os annuncios da loja
do Pavo que nao deixarao de se agraduem,
tinto das fazendaa, como dos pregos, e de todas
sedo as amostras deixando ficar am penhor, oa
mandsm-se levar aa fazeodas o amotlraa pelos
caxeiros da casa, acba-se constantemente este
estabeleclmento aberlo daa 6 horas da manbaa
as nove da noite na ra da Imperatriz n. 60.
Retalhos do Pavo.
Vende se porgo de retalhos de chita de todas
as qualidadea, ditos de cassas de cores, ditos de
cambraia branca, na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Capiuhas do Pavo.
Vende-se capinhas muito bem feilas com
mangas e sem ellas para senhors, e manteletes
de velludo e pretos muito bem eofeitados a ri-
camente bordados: na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
O Pavo veude para luto.
Setin da China, fazenda sem lastro propria
para vestidos, cepss, roupa para bomens, tendo
6 palmos de largura a 29500 rs. e 39000 o cova-
do, alpaca preta fioissima de todos os pregos e
qaalidades, ditas do cordSo, princesas prttss, e
castas pretas, meias de seda preta para seuhora
a 15000, enfeites pretos os mais modernos a
5$0U0, chales de merino pretos a 5$000, na raa
da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Grosdeuaple do Pavo.
Vandc-se gtosdenaple preto maito encorpado
qae sempre se vendea a 29500 rs., o vende-se
a 1$600 rs. o covado, dito a I98OO rs., dito a
2SO0O o covado s com o flm de apurar dinheiro,
velludo cor de cit com pequeo toque de mofo
a 19600rt. que proprio para vestidos oa roupa
Racabam-.. ancomm.nda. da q.alq.a, nato- peaTm0e.D,n0' M "' d' ImPe' 60. Ni <
Camisas para seuhora e me-
ninas veude o Pavo a
1#000.
Organdy do Pavo.
Vende-se cusa organdy a 280 ris o covado,
tassa de varios padroes a 240 ris: s oa loja do
Pavao roa da Imperatriz n. 60, da Gama & Silva.
Organdy de la a 800 ris.
Vende-ae flnissimo orgaody do lis, sendo fa-
zenda inleirameote nova no mercado, com deli-
cadsimos desenhos multo transparentea a 800
ris o covado: na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
i
Orgndy de seda a 800 ris.
Vende-ae orgindy de aeda maito transparente
para vestidos, com delicadas cores, bonitos dese-
nhos a 800 ria o covado : s na loja do Pavo,
raa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Gabaia do Pavo,
Vende-ae esta nova fazenda com o titulo de
cabsis, propria para vestidos, tendo 4 e 1|2 pal-
moa de largura com delicados padies miadinhoi
a 400 ria o covado : oa sos da Imperatriz o. 60,
loja do Pavao.
La e seda do Pavo.
Vende-se la e aeda da quadros propria para
vestidos a 400 ris o covado : na ra da Impera-
tris n. 60, loja do Pavo.
Crinolinas do Pavo.
Vendem-se crinolinas oa baldea desreos, sen-
do americano! que sao os mais bem armados,
mais fortes, tendo de 6, 10, 14, 20, 25, 30 e 40
arcos, vendem-se mus barato qae em outra qual-
quer parte, tambem se vendem baldes muito fi-
nos com grandes babados, que parece duaasaias,
ditas de bramante muito bom feitss : os ruada
Impera tris n. 60, loja do Pavo, de Gama & Silva.
MODIFICADO DE PRECOS
MEINOS 10
a 20 POR CENTO
NOS
PROGRESSISTA
Chitas do
Pavo, franceza e
ingleza.
francezas os padroes maia
MMIU
Ra das Cruzes n.
na
36, e
largo do Carmo n. 9.
*
Scientificam aos seus f reguezes que em virtude do actual estado de apaihia commercial re-
olvem vender todos os seus gneros por menos do que outro quslquer anunciante e oflerecem para
garanta da superior quslidadede seus gneros as cornpeten'es amostras de cha, msnteiga, caf,
arroz, tapioca, ararula, etc., etc., para quepessoa alguma duvide destas qualidsdes, a vista de lo
resomidos precos.
Convidara portanto ao publico desta eidade a de fora, a virem fazer sua dispensa im ditcs
armizens, afim de pouparem annualmenle de 1009000 a 2:0005 conforme a cusluro&da de.<-
peza de cada chee de familia, economa esta que muito til lhes deve ser, sem que teja mister
soffrer a mais insignificante privado do cuslumado diario de seu passar, dovendo porem mande-
rem, aos armazens indicados.
raza, concortos, qaa
contanto.
tado sari desempenhado a
LaazinhKS muito finas
para vestidos.
Superiores lazinhas para vestidos da maito
bonitos padrss quu sa vendem pelo baratisaimo
preco do 440 rs. o covado : oa ra do Qaaima-
do o. 22, no loja da boa j._______
,6'amsas bordadas e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-se um bailo sor-
timento de bonitas esmiainbas da Una cambraia
com babadlnbos e toui bonitos bordados da no-
vse delicados desenhos, as quaas servem mal
bam para os moderno* vestidos da frente abarla
e vendem-se pelo diminuto preco da 39 ada
ama ; ssitn como bonitos manguitos a balo com
gollinhas de supaiior cambraia o,l a todos bor-
dados, coui punhos virados a cada prpelo ba-
ratiaiimo preco de 25, o que 4 admiravel aviata
da auperioridadada obra, e bem rssim paobos *
gollinhas tambem bordados com bonitos botoes
a 2# a guarnido, o golliubas solas igualmente
bem bordadasa 1$ cada urna o magitos a 800
rs. o par. A viati pois de um to completo sor-
timento nsnhuma senbora deizar de comprar
casasnecessarics objectos tanto maia quanta a
commodidade dos pre;oa convida o para qae to-
doa sajam bem servidos convem qae mandem
logo corrprar na leja da aguia branca raa do
Queimado u. 16.
Colla,
Vende-se colla da Babia, a melhor que existe
no mercado, pelo bar to prego de 640 a libra, e
sendo para arroba sa vender por menos : na loja
de farrsgeos sita ne ra Nova n. 35.
Mddeiras de lei,
Vende-se a madeira do sndsime qae servio
para a conttrucco da ponte de ferro entre o
theatro de Sauta-Isabel e a ra da Aurora, em
porces a vootsde dos compradores: os pretea-
iei.t-'s dinjam-se e obras da mesma ponte, das
9 horas da manha st as 2 da tarde.
Barato,
Sipatcs de marroquim para senhora
BorzeRuins com botoes e lago franceses
pira senbora
Scpaloes de batera proprios para o ser-
vico da estrada de ferro
PelUs de marroquim de cores
Ditas de dito cor de besouro escolhido
Bezerro francez superior
Lavas de seda com toque de mofo (par)
Sapatinbos de las para menino
Siotosdourados para ssnhora
Ra larga do Rosario n. 36, rival sem
ueste estsbelecimento se vendem diversa
640
4#500
3J200
1)5600
23100
3C500
200
500
18500
igual, e
miu-
dezas baratas, s cousa o fregusz trazer dinheiro
Caadieiros a gaz.
Dinheiro avista.
Na ra da Ctdeia do Recite n. 56 A, loja de
ferragans de Bastos, chegiram novos candieiros
a gaz. e van e-se pelo diminuto prego de 2#500,
3# e 4$ cada am ; o dono deste estabelecimento
tendo de recceber am grande sortimento de can-
dieiros, desde j previne ao respaitsvl publico e
sos seus fregaezes, que vende mais barato do que
outro qaalquer, pois recebe este genero de sua
conta propria.
ftemedios do Dr. ladwav
Prompto alivio.
Resolutivo renovador.
Pilulas reguladoras.
Recentemente ebegados pelo navio aMerseya ;
vende-se na botica francesa no Racife, raa da
Cruz n 22,_______________________________________
Pombos.
Vendem-se pombos eseolbidos, casados e sol-
leiros: oa ilba dos Ratos, raa do Ssve, casa nu-
mero 16.____________
Vende se na cssa da ra de Apollo o. *,
am guarda-vestidos, urna mesa elstica para
jaotar, am gairda-loaca, e am aparador para casa
de jaratar.
Vende-se camisas de madapolo francez muito
bem eofeitadas proprias para meninas de 10 a
14 annoa e ditas para senhora palo baratisiimo
preco de ljOOO cada urna, toroando-se esta
fzeoda multo mais barata, attendendo ao alto
prego que tem chegado o madapolo, vende-se
etla pichincha s na io,a e armazem do Pavao
na ra da imperaiui u. ou, ae uimi cv su,,
Bramante do Pavo a 10#000
a pessa.
Vende-se pessa de bramante de lioho com 35
jardas, com a largura de liamburgo sendo pro-
prio para lences, toalhas, seroulaa, etc., esta
fazenda vende-se a 115UO a peasa e meia pessa
por 5U(0 tornando-se muito mais barato que o
prego que atualmeote se vende o madapolo e o
algodoaiuho, vende-se esia pechincha a na loia
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama i\
Silva.
Sebastopool do Pavao.
Vende-se esta fazenda muito nova e muito
encorpada e de urna s cor propria para palitos,
coicas, colates, etc., na loja iio Pavao na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Palitos do Pavo.
Vende-se palitos de panno preto e cor de caf
pelo baratiisimo prego de 7;0U0, ditos do Fsnry
de edres a 6$000, calcas de casemira preta a
5$000, ditas de cor a 5JJ0OO, s na loja do Pavo
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Bordados do Pa\o.
Vendase manguitos com punho e gola, pelo
baratisiimo preco de 1$280 rs., manguitos de
cambraia bordados a 800 ris, golinhas de cam-
braia bordadaa e de tii a 400 ria, cada urna,
urna grande potlo de liras bordadas e entre
meios, por precos baratissimos, t na raa da
lmperatris n. 60, loja do Pavo.
Chales do Pavo.
Vende-se chales de merino eslampados sendo
muito grande a 33000, ditos imitSQao de reros
com palma a 3(000. lilos do tarlataua a 800 ris,
ditos Garlbaloi 4^000, na ra aa Imperatriz n.
; 60, loja do Pavo.
Biscadinhos do Pavo.
Vende-se riscadinhos francez miudinhos pro-
prios para vestidos e roupas para meninos a
240 ris o covado, na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavo.
Cortes de vestidos
s o Pavao.
Vende-se cortes da vestidos de cambraia
branca com babados pelo baratsimo preco do
20500 rs. cada um, cortes de ditos de larlaiana
com barras a babados, brancos e de (Ores a
3&000, ditos de cambraia brsncoa com babados e
duas saias a 4$000 ditos de fantazia com baba-
dos de cores a 5$000, ludo lsto por menos da
metade do seu valor, e vende se s na loja do
Pavo ra da Imperatriz o. 60, loja de Gama &
Silva.
Musselina do Pavo.
Vaode-se musselina branca com 4 1/2 palmos
a 240 ris o covado, lasinha com paniiohas a
320 ria o rovado, s na raa da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Com 22 covados s o Pavo.
Vende-se cortes de vestidos de bareje tendo
22 covados cada um corte, pelo barstissimo pro-
co de 4$000, cortes de vestidos de la tendo as
as saias j feilas a 4$000, na ra da Imperatriz
o. 60, loja de Gama & Silva.
Organdy do Pavo.
Vende-se corles de organdy com bonitas bar-
ras, tendo 22 1/2 covados cada corte, pelo bara-
tissimo preco do 4|50O rs., s na ra da Imps-
ratriz n. 60, loja do Pavo, de Gama & Siva.
Alpakiu do Pavo.
Vende-se esta nova fazenda de lioho, sendo
mnito leve propria para veatidos e roapa de
meninos por ser de ama s cor de liatra e de
qaadros miados proprio para as senhoras que
forera passar a feata no campo, e vende-ae a 280
ris na loja do Pavo ra da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva. ,
Cambraias do Pavo, com sal-'
picos, a 3$.
Vendem-se peen de cambraias com salpicos
earocinhos brancos e de cor, tendo 8 1/2 varas ca
da corte, pelo barstissimo preco da 35 cada ama
ditas mais finas com aa meimas varas a j, cor-
tes de cassa de cor ultimo gosto, com 7 l|l varas
a 2$500 ; oa loja o armasem do Pari, raa da
Imperatriz n. 60 de Gima & Silva.
Vendem-se chita
novos que tem vlndo ao mercado a 280. 300 e
320 ris, e muito finas a 400 ris, ditaa inglezas a
160, 180, 200 e 240 ris o covado, sendo por me-
nos que em outra qualquer pirta : s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Las do Pavo.
Vendem-se lazinhas, sendo de qasdriohos de
palminhas de llstrinhas e da urna s cor, a me-
(embique para capas e vestidos a 400 e 500 ris
o covado : s na loja do Pavo, ra da Impera-
triz n. 60.
Phantasia do Pavo.
Vendem-se ricos vestidos de cambraia poroto
sisdos com lindos lavores de seda, pelo barttis-
aimo preco da 60 cada corte, tendo de todaa as
cores, vendem-se por este preco para acabar :
s oa loja da ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Vestido do Pavo.
Vendem-so ricos vestidos brancos bordados
com seda, proprios para noivas, e aasiatir casa-
mentes, pelo barato preco de 69 : na loja do Pa-
vo, rus da lmperatris o. 60, de Gama & Silva.
Exposic,o de cassas na loja do
Pavo.
Vendem-se as modernas cassas orgsndyz, sen-
do as mais bonitis qae lem chegado ao mercado,
pelo barstissimo preco de 280 e 310 ris o cova-
do, do-sa aa amostras deixando penbor : oa lo-
ja e armazem do Pavo, raa da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Ricos vestidos brancos a 20$
na loja do Pavo.
Vandem-se ricos vestidos do cambraia braceo
bordados a agulha, e que chamam croch, muito
proprios para bailes e casamentos, fazenda que
em outra qaalquer parte vende-se por muito
maia dinheiro e vende-se apenas por 20$ cada
am : s na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavo.
Sedas do Pavo a 500 ris
Vendem-se sedar de qaadrinhes e de listra a
500 ria o covado, ditaa miadinhaa a 720 ris ;
s na loja do Pavo, ra da imperatriz n. 60.
Cambraias do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia liaa com 8 e i\2
varas a.3j>. ditas iz : s na loja do Pavao, juo
Am I^,'-....W n. en.
Tarlatant do Pavo.
Vande-se tarlatana branca e de cores, fil liso
branco, dito lavrado, dito de palminha : na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cera de Carnauba.
Vende-se cera de carnauba de superior qusli-
dade : na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Casemira do Pavo.
Ven>iem-ie casemiras eofeitadas de quadrinhos
e listraa miudinbas, sendo cores escuras a 3(200
o corte para calca, vende-se a mesma fazenda,
tendo duas larguras a l$800o covado : na ras da
imperatriz n. 60, loja do Pavo.
si
I "
03B0
o 2
S? S.
03
s
13
> P> .
osrg"
3
r. O
O U3
a
3
s
3

e
5"
B
t-3
oe
O
o
o
o
I I ST- s
5
O S> I >*
a
opa a.
B sil W
3 o
B
B .
.s
=35 o C'S
rff
soTcSe
O ~
n
cr
o
o
i
-! CP
a
? *
3
S.-a
s

5.8
O
O
"O
sa -i t*
flS- ,
0__ O o es-
. a t as g"
3 tro
Be < c
2. a r,
O es 00
M O
i!"
I|
O O
o
oa
S 2. P* ?
3 g.
' 9 e
4
5
2
>
se
K
M
N
*
D
>
1
o
o
C^ 2-3
3
o

O
a?
B
_
O o
to ,
o e

.1
3
o*
o.
g-s
O
aa- ~^? 3 sS?.
*
X
si
o o.
ii
0> B
O- o.
O aa
. 1
as
3

-o
a>
B
B
a
3
* p 2.
V a
O
^
c
o
o
a
-S
3
e"
M O
h9
3
cr
ca
3
8
c
o
o
p
ja
s
T3
C
a
CA
00
3
sr
a.
o
B
RJ
tB
f
S
-i
c
3
r
Milho e aroz
Vende-se em saceos grandes muito barato por
ter grande porgo chegado estes dias de Maman-
gaape : na travesa do pateo do Paraizo n. 16,
com oilo para a ra da Florentina.
Venda de typographia.
A typographia do Puiitano, prompla de tado
qaanto preciso para Irabalhar : a tratar oa ra
dos Prazeres ds Bos-Vista o. 7.
Pulseiras de cabello com cha-
pa dourada, e tran< elins
para relegios.
A loja d'aguia branca acaba d recebsr a sua
encommenda das to desejsdss pulseirss de ca-
bello com oifferenles e bonitas tracc/s, tendo el-
las chapaa douradas de delicados modellos com
pedrss e sem ellas, o qae de melbor gosto se
pode dar em tal genero; assim como tranceln!
compridos e curtos, com passsdor doarado para
ralogtos, e por que de ludo isso a quantidade
pequea e nao chagar para todos os pretsn-
denles, convem que se apreasem em mandar
comprar tacs obras na loja o'at,ula branca, raa
do Queimado, n. 16.
Para o baile do
club.
Vende-se na loja do pavo
Ricos cortes de vestidos do cambraia branca,
primorosamente bordados a crox, sendo os mais
bonitos que tem vindo a este mercado, a van-
dem-se por precos baratissimos, na ra da Impe-
ratriz n.60, loja a armazem do pavo.
I
Jasemiras a 3,200 rs.
Na loja do pavao.
Vendem-se ctsemirasenfestsdas de quadrinhos
e listrss miadinhas, sendo cores escuras a 3S00
o corte para caiga ; vendase a mesma fazenda,
lando duas largaras, a I58OO o covado ; isto na
roa da Imperatriz d. 60, loja do pavo.
16 no vigilante,
Lindos enfeites para ves-
tidos.
Sao chegadaa no vapor ingles as ricas flores de
velludo que sao admiraveis pela delicadeza das
lindaa cores, pois com pequeoa quantia as senho-
ras podero enfeitar os ricos vestidos que ser
maito apreciavel, pelo baratiasimo preco de 1$
a dazia : s no gallo vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Pulceiras.
Tambem sao ahogadas as riquissimss palseiras
com podraa azaea o outras verdes, cousa maito
delicada, que aa vende por precos baratissimos :
s no gallo vigilante, roa do Groapo n. 7.
Baleas par espartilho.
Tambem sao cnogadaa aa rordadeirss bsleiaa
de todas as groisorss e fornidas, para espartilho,
pelo barato prego do 120 rs. cada orna : s no
vigilante, roa do Crespo o. 7.
s
t-t 01
SARDIM1AS DE NANTES. As mais novas que se podem desojar, a 360 rs. a lata.
GENEBRA DE IIOLLANDA. Em garrafds>m mais de 15 garrafas a 5*800 e frasque-
ras com lv frascos a 69500 e 600 rs. o frasco. .^
AMENDOAS COINFEITADAS. Muito novas e de diversas cores a 800 rs. a" libra.
DOCE DA CASCA DE C.01 ABA. Superior a 800 rs. o caixocom 4 libras, tambem lenus
grandes com 8 libras a 2> cada um.
QUEIJOS SISSO E PRATO Os melhores que se pode desejar a 600 rs. a libra do prato
800 rs. o suisso.
CHAMPANHE. Dos melhores fabricantes qua vem ao mercado, de t2$ a 181000 o gigc e
19500 a garrafa.
LICORES. Os mais fios que se pode desejar a 800 a garrafa e 91000 a duzia.
COGNAC INGLEZ. O mais especial que se pode desejar a U000 a garrafa, e 109O0O a
duzia tambem temos superior para 700 a garrafa, e 85OOO a duzia.
SER VE JAS. Das milhores marcas a 59 a duzia, e 500 rs. a garrafa.
NOZES. As melhores do mercado a 120 rs. a libra e 39200 arroba.
PAPrL GREVE. Lizoa pautado o melhor do mercado a 4*000 a resma,
FRUTAS EM CALDAS. Pesego, pera, damasco, rainha Claudia, ginja, serejas, e moraugo
a 560 rs,a lata, e 69000 a duzia.
AMESDOAS. De casca molle a 240 rs, a libra das melhores, e 200 rs, mais ordinarias.
ILEGVEL
mwmmmtma^^mmaaamammumum


"'..
MftttlO DI fElHAMirr.O SEGURO! MIRA 29 ti SETEWBaO S 186
/
M1NUIQA0 DE PREGO
y.
FRANCISCO FERMNDES DARTE.
10 Largo da Penha 10
do coUecidf^DmeloSUsaflnRnPr9,,rOf deS,e ^U arm,Z8m d* molha,los tem ofrecido, ha
n "mdSoMTEIESE!?*"* ra"COm0 aSSia, ,inda h*m ,,8uns chores que
do mea annuncio ea d.fferencade^LoaSai^! ?' de ^""6"1 M,C,,dI
quer parte nois oara ioT ,JV ^ 81ual,dade q mZr^Z^^^tZ^P 0SV8.Pres -iosdeveL.viodosda Europa
P-cprieiario tncarrelar \? n P P I. m,,0r concorrnc' commodidade, resolveu o
Sa*." !reme,"^ o?a v,7 t ,qU8 ^ ""^V no POm vir, M mandarle das-
i-rni'm afi.?,5 J T* lug" ndiC8do' todo e flu>, compndo nesle
;l Is\! 5 .P da ***** conduzir as M" M chegada do vapor.
DE
Han el Pedro de Mello
Largo do Livramento ns. 38 e 38 A
Defronte da grade da igrefa, cujo titulo distioetivo
O BALIZA.
00 710 rs. a
libra, e em barril se faz abatimento.
C lk 1 mais nova d0 m*Tuio 00 Hbra, a em barril a 860.
o que se pode desejar naste genero 'a 39000 a libra.
- i ra. uosoj.r uasia genero a ffuuo a libn
at* ayssaa 0 mas jUperior d0 m9rcado, 29800 lib
ment.
chegados neste ultimo vapor uito frescos
gados em navios a 19700.
em porjao sa faz abiti-
a 29000, ditos che-
f *SHO verdad.iro inglez a 9000 a libra em porSao se faz abatimento.
lafl .tiltil pira minaos a 1*000 cada urna.
**uf^J' Sda em a,las co* diff9r8n<* mancas 19400, afianca-sa a boa qua-
lidade, asstm como tem lates grana* com bolachinha proprias para lanche a 29500.
1 S* <* P0V espesial viah0 d0 Prl 'ra '"' v sigund. vez
aonossa mercado a 1900 a garrafa e em caixsscom 1 duziaqor 129000.
\ etl^l?^ado das memores marcasqaa vera ao mercado, como seao Duque
do Porto, Carcavelhos e Feituria a 19200 a garrafa.
&*e*vtaa ,om vlnh* do Pono co* 70
Pieste vasto estabelecime
chara o respeitavel publico desta
capital e de fora, om chande e
PERFEITO SORTIMENTO LE MO-
lhados, que se vende tinto em
grosso como retalho por muito
menos pre$o do que em ootra
qualquer parte, por serem quasi
todos recebidos de conta propria.
Milita atteuco.
Todos os gneros sahidos des-
te novo armazem levar&o urna
etiqueta para seguranza dos Srs.
que n5o quizerem vir fazer as
suas compras, e mandarem por
seus escravos ou fmulos.
Esta prevencao atiesta bem,
que a mais perfeita e duradoura
confianca se desej possuir de to-
dos geralraente, e por isso nao se
pouparo exforcos para serem
bam servidos todos os Srs. com-
pradores, a6m de que possa este
grande estibelecimamto ser apon-
tado como um dos melhore* a
mais acreditados desta praga.
Aviso particular.
Previna-se s pessoas de fora
dssta cidade que podem sera re-
celo algum mandar os seus pedi-
dos por escripto, que sero satis-
fazos com a maior pontualidade
e boa f possivel, linda mesmo
de objactos que nao sejam pro-
prios de-te estabelecimento, como
ferragens, miudezas, ou medica-
mentos.
0 annunciante desejando fa-
cilitar a consecucao dos negocios
que por ventura tenham os seus
freguazes de fra, se o (Terer
tambera para fazer procurar qual-
quer despensa ou Ifrenca qua de-
penda da autoridade do Exm. Sr.
Bispo Diocesano, bera como de
apresentar qualquer consulta aos
enhores doutores desta cidade,
quer respeilo de direito, quer
de edicina.
.-. Tambem se recebe qualquer objecto como assucar, couros, laa, etc., etc., para serem ven-
aiaos, ando a^coat eo seu producto entregue promptamenta a quera for determinado,
fnrm, 3 mt9n?aolde P0S5"ir militas relaces, faz o annunciante todos estes offerecimentos; da
!iene 9St monto ao s acharao os Srs. de fora desta praca urn bom freguez,
mas tarabea am arn.go e um criado s suas ordens.
A todos em geral.
mm-Ji0??80 n.a ,gradar qualquer g^ne'o sahido desta casa poda ser devolvido, que ser
inmediatamente trocado* restituido o seu importe, conforme for exigido.
annunciante protesta cumprir com a mais seria e restricta exactidao eta sua promessi.
A ma.? 9ffl!>r4aC!!ZaS, em ,8,aS da tres ,ibras e' Genebra verdade"a "gleza de marcrGato do fa-
ll, a 5)240 a Uta. hrPnla P.rJ.... A R____u.l fo ^QQ a
RYal sem
igual
Ra larga do Rosario n. 63,
junto da botica do Sr. Barthoomeu.
Pedro Paulo Tinoco de Sovih. dono deata-ea-
labeactmento eitiempre resolvido vender omi-
to barato todas mludexaa da sua loia. para o
qae tem m rico aortimento, como lejau
tartoei de clchelas a 40 ra.
SVrit*J' de linh* i*u*1 Alexandrea 80 ra.
Ditoa de dita de 100 jardaa a 40.
Ltnbaa da croxel para bordar (maaso) a 640 ra.
Tintelroe eom tinta a lampa de metal a 180 ra.
rantea de borracha para iliaar a 560 ra.
Eacovaa para limpar uohas a 320.
Ditas para limpar da&tea a 240.
Dltaa para limpar roupa a ljfOOO.
taa para limpar cabello ljfOOO ra.
Estampas da t;daa as qgalidades a 160 ra.
La. para bordar, aortlda, libra a 640O ra.
Botosa delloho para caaaveqa* a 10 rs.
toa de atda para dito a 30 e 40 rs.
Siotoa douradoa a 1&500.
Cixsa de pinas de ac a 400 r.
Ditas de mital com penas a 100 e 200 rs.
Bots para patine a 120 e 160 ra.
Axulhas francezas em caixinha a 220 ra.
R >zetis com pedra mao bof.itjs a 400 ra.
Colxetea pretos, 14 parta a 60.
Almares para capote, darla, a 800 r.
Paleeiraa e contia miudas a 1JJ80 o par.
G'avataa eom bota a IJjOOO.
Mioaparj aenhora a 5500. rs. a duzia.
Bico preto de linho por todo pr6co pa acabar.
Aadm tomo tem para trocar imagen* de aan-
to Antonio, Senhar doa Paaaos, e S. Banadicto
de barro a 33000 rs. cada um, maito barato |
por sr n uitj perfeito.
I l >va loja da baitdeira
I que vendf barato, g
| na ra da Cruz do Recife
, -.
00 rs.
em garrafas 32*000, afianga-sa ser de superior qualidade.
I Hile HI ^l^ de superior qualidade Porto, Figueira a Lisboa 500, 560 a
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
, *"** am latas cora 10 libras por A#030, e em barril a 400 rs. a libra
69000. afianza-se ser muito novo.
SSr** Par* C3S P",CUlar y5JKS. >*
129000 rs.
20 rs. a libra, a am ciixi grindas por
muito novas a 560 rs. a libra eem barril com urna arroba por
chorno, poscada. evezugoTlSS saSu'ntes calidades s.vel. congro, corvina,
BU** A ^ ****,irMlf*l a 680 rs. a libra, e.ra c.ixa a 660 rs.
** carnauba re6nad,, 360 rs. libra) e am arroba a n
ia 4.a rina a
B. lo
- 560 rs. a libra, e em por(ao a 500 rs.
lttfllS para fiarabra 640 rs a )jbra|
^1t6OT**Ce*a b?a 4*i Bol
Gmfaaa
Aln! -> r\
p i
a 560 rs. o frasco, e 69400 a frasquaira con 12 frascos,
cora genebra de Hollanda com 25 garrafas por 93000.
muito limpo, a 160rs. a libra, e em arroba 49800,
l$C muito novo a 160 rs. a libra, a 49800 a arroba.
suspiros em raeias eaixinhas, do raelhor fabrican-e da Bahii a 2*00 cada urna
29800 a 39 e frasco.
AMENDOAS de casca mole de 2iO a 280 rs
a libra.
LPI?E "V Hbra' 6 flm arroba a 800.
.rZrnt &*!& 8 12 rS- a libra m
arroba de 39 a 39400.
| dem de Java de 100 a 120 rs. a libra, a era
I arroba de 39 a 3400. *
dem do Maranhao de 100 a 120 rs. por libra
a em arroba de 3* a 39200
Id ora*?r,Pened 80 rs- a ,br3' aoba a
2C240 e em saceos a 2*
dem cora casca a 160 rs. a cuia, e era saceos de
20 cuias a 29500.
Azeitonas era ancoretas de 8 garrafas a 19500
e em garrafa a 320.
Atle doce refinado a 800 rs. a garrafa.
dem era barril e de primeira qualidade dn40
oow ib. ganara.
Bolaehinhas americanas muito novas de 320 a
360 rs. a libra.
Biscoutosebisciutinhos. araruta, aliados e ou-
tras qualidades de excellentes massas a 320
rs. a libra,
dem em latinhas de 2 a 3 libras e de diversas
qualidades, conlendo urna lata mais de dez
especies de biscoutinhos por 1$400.
Bolinlios de ovos em latas reromraendados pelos
senhores mdicos a 19400 a lata.
bricante Carduer & Broomhal
19500 a garrafa.

o mats superior que ha no morcado a 240 rs. a libra, e em garrafes com 5 libras
por U600, so o garrafo val 500 rs.
Olma muito fina ealva a 100 rs. a
3 "'A^i-niaa de Franja muito nova a 200 rs. a libra,
ibra e em saccas se faz abatimento.
para dantas a 160 e 280 rs. o majo com 20 macinhos.
y UjlbS dQ g 2 a 200 rs. a groza e a 20 rs. a caixinha.
'|a pfat'T das ruareis eoente, ou XXX a 6o00 a duzia a 500 rs. a garrafa.
rV-rVja bffaaC das mais acreditadas marcas a 59000 a duzia e 480 rs. a garrafa-
itta DTa^etl engarrafado o mais superior que tem viudo ao nosso mercado a 800 rs
tambim tenho de barril para 560 rs. a garrafa.
. Aabil t iiiaba a 79000 a arroba e280 rs. a libra.
S1
-.
fe do H
** lavado
a 380 rs, a latta affiansa-so a boa qualidade, e era porjao
a300rs. a libra e a 9J000 arroba, dito da 2.a auilidade a
260 rs. e 89000 rs. arroba.
P ***% de Maranhao a 100 ra. e 120 rs a libra, e em arroba a 29000 a 8500.
& >C0latS hespanhol a 19200 rs. a libra, ditto francez a 19100.
4 :..:^a*iaa^ imperial do afamado Abreu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a lfbra, tambem ha para 500 rs. a libra.
. *l\$.S am Atld?1 pecego, damasco, pera, alperche, e ginga a 600 rs. a latta.
S rdinaa 4c N^nvaa
se faz a batimento.
?:.ln 500 rs.
a ana BardcanX*. Marg, Medoqae e S. Juliende Medoque a 9^000 a 10*000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 1000.
?l9 o raelhor petisco que pode haver por estar prorapto a toda hora a 800 rs. a libra.
I OlaS IOV 8 alocento ea 1*200 o molho com canto e taas, tambem ha
proprias para conservas a 400 rs. o cento.
V9, dOC muito nova a 320 fs. a libra, e am arroba a 8.
r |)*3l g"?eve a 49 a resma, dito da peso pautado a 39, dito almajo bom a 39200.
O. :ia para Sopa estrellinha e pevide a 600 rs. a libra, era citinhis sahe mais
barato.
Jiem de tomate em latas de l libra por 800 rs., ede 2 libras por 1J500.
keite UOCe refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas com 1 duzia por 89500
Ideill de LlSNua a 720 rs. a garrafa e5600 a caada.
AnendOJiS de casca molla a 320 rs. a libra e 89000 a arroba.
Vinagre de LisbdH *40 rs. a garrafa 19800 a caada a fiansa-se a boa
qualidade.
l LIO .iie desmaia acreditadas marcas a 15^000 e 20*000 o gigo, a am garrafa
a iesuu,
- Itl iotp hr iiifi
# oquesa pola dezejar neste genero a 400 rs. a garrafa.
picores mncezm de {ni,s as qBdHda8 ques, procurar a moo n
Fantihado ^aranha, muiloalw acheirosatl60rs lljOlO para limpar faccas a 180 ra. e era porcaosefaz abatimento.
Coilhaqiie ..^fe/; 9rt0 .,. e 109000 caixa com um. duzia.
\lra dos ganiros cima mencionados encontrar o respeitavel publico um completo sorti-
mento de todo qua tendente a molhados.
dem de Hollanda em frascos pequeos e gran-
des de 500 a 1900O.
Graixa em boioes a 240 rs., e a duzia a
2700.
dem em lata muito nova a 120 rs.
Grao de bico muito novo a 100 rs. a libra,
Gomraa excellente do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Kirsch Wasser, excellente bebida do fabricante
Bichard A Muller, em garrafas grandes a]de Low Moorlibra
19500 a garrafa.
Licores dos melhores fabricantes inglezes e fran-
cezes e em differentes vasos de 500 a 19600
a garrafa de diversos lmannos.
Manteiga [agiota perfectamente flor de 700 a
800 rs. a libra.
loupa feila muito barata.
43Roa do (latinado43
Loja da esquina, que volta para
a Congregado.
Vende-$e
Paletots da asentir, aacioa, a 8, 9 a lOf
dem ideaa sobrectsacos a 9 10 129.
. el?,^nIBe!.c'e,B," ,acco obrosnos
a 49, 490UU e Of.
dem de marin da ordio a 6, 7 e 89.
dem de alpaca prata a 4. 5. 6 a 89.
dem de faato e ganga a 28500 3# e 45.
Caiga de caiemira preta a 7, 8 a 10?.
dem de corea a 5, 6, 7 e 9&.
Cilcaa de mela casemira a 39, 39500 e 49.
dem de brim pardo t branco a 2, 3, 4 a 59.
dem de fusta, e ganga a 2J, S9500 e 35.
dem de merino de cordao e meii eaiimira
pretas a 49, 49500 e 59.
Cillas da priocaza a 39600 e 49.
ColUtes pretoa para luto, sendo da marin fino
a casemira eprintezi a 3, 4 e 59.
Colletei de casemira de cor a 4$. 49500 e 59.
dem de brim branco e pardo a 3J, 3j500 e 49
E miras muitai qualidadeide roepa tetta, que'
san pre ie vende por menos do qae am outra
qualquer parte ; o naaengano da vista ver.
$6 na grande expsito
de fazeridas novas e bara-
tissima, na ra o a Iinpera-
triz, ioja o ariuazem da ara-
ra u. 56, de Magahes *j
Mendes.
Faiendaa por menoa 10 0i0, queram vir ver
para acreditar, a ser: ehits a lt'O. 180 e 200 ra.
o covado, dilaa francezaa a 280. 240, 280 a 320 o
covado, cortes de cbitaa finas eot 12 1|2 aova-
dos a 2J500, corles de casaas francaxas a 2J500
ditos pretos a 2J500 : na ra da Imperatriz, loia
da arara o. 56.
Arara vende olestim para vestidos.
Vende-se a lazenda por nome oleslim da linho
de urna s cor e qaadrinhoa, propria para cspss
a vestiloi de lenhora e roupi da meninos a 380
o covado, fustao de cores para vestidos a 280 a
320 o covado : na ra da Imperttriz. loia da ara-
ra n. 56.
Aos manguitos da arara.
Vendem-se manguitos e golla de linho para
tenbora a 29, gollinhas a 500 ri., eofeites para
senbora a 2$ e 39: na ra da Imperatrii, loia da
arara n. 56.
Arara vende a popelina da China.
Vend*-se a fazende por come popni da Chi-
na em l< para vtstidos ds atr.hora a 320 o cora-
do, chales de merino estampados 1 3$, ditos da
laa a 19. ditos 610: na ra da la.ieririz, toja da arara o. 56.
Musambe da orara.
Vande-se a tejend por oooie muramb eom
paim de seda de 4 1(2 palmos de largo, propria
para veatidos d aenhora a 500 rs. o covaio, fil
de linho de cores a 200 rs. o corado. Cito lavra-
do a 1S120 a vnre, lio fino a 780 800 ra. a va-
ra, tariaUna a 800 rs. a rra : na ra da Impe-
qpore1gn.ltemum.b.odeir. napor:^ .. M
taquagiracam o v.nto, esta charx,a-se ^ iaia vende as crinolinas de 15, oO e
a loja da bundeira. 40 aiCOS.
X^a3L*i3-^^^:JI-<^W3fiMS YeDdm-a b8lop crinolinas de arcos, os
ku W tU,,..)). H.Z. ,a mils codernoa que teoj rio, ditos de madapo-
1U* a* >Ofa*la WOT l. 42 |lSo e brilhantina. aaias de cordao que faz vez^de
Neste estabelecimento vende-se: ta- b/'? 29*00, b-.16es para menina a 29 : na ra
chas de ferro coado
120n
IManoel Jos* da Fonceca. parlecipa a
todoa os seus freguezes e juntamente ao
respeiUvel publi.o, que tem granie aor-
timento de reajaiiores, nso da Europa, isto tt
vende-ae muito barato, bahus, baciaa, 3
baoheiros, bildes pira despejo, badas de |
_, senleupa, gamelas para banho, latas para J
gj deposito de farinha ou outra qualquer
serventa, canecas para conduzir agua,
machinas para sal, bsltios para compras;
h' sortimantode oulras muitas obraa e to-
dss de diferentes tamanbos e jumamen-
te enrernijadss de diversas cores ; rece-
bem-se enc.mraendas e se fabricam a*
vontade de aeus dooos e janlamente ae
afianga a boa qu^lilade e perfei{3o das
mesmis obras; ha fjlha de ftandrese es- |
tanho em verinhas 700 r*., verniz co- %
pal 19200 ra.. latas de arroba 1000 SS
ra., coc.'s a l;rjiOO ra., canecos a 1;;U) 1 ra., i-
regaduras a 1--2S0 rs., babus grandes a
49OOO rs. e pequ-nos a 600 rs., baciaa
grandes a 4&000 ra. e pequeas a 600 rs. S
Tudoisto venle-se na loja de funileiro, 1
8

8
ment vende-se- ta- btia0 29*00, bles para menina a 29 : n
o libra HOrs. idem|daImp,r3nX,hia^a"rr-56'
tan U babadim da arara.
Lencos brancas
Vende-se a fazenda por nome babadim com lis
tras de seda para vestidos de senbora a 500 rs. o
corado, nbertas do rhiu para cama a 29, col-
chas de fustao para cama a 59, dilas aveliudadi
dem de segunda qualidade de 560 a 640 reis, j|?"j>t,o1*ncinho8 b"nco1, no b?rras de eores,
a libra,
dem france/.a
com barras de cores para meninos a l.S a-8,' be^ltt^.,,, '" wmlaaa a 240 aoa urna
, ir cortes de calca para hornera, Oe brim escuro e
a duzia.
A loja d'aguia branca tambem vende bons e
c.ro, e de ganga e fusia* de quadribos alga
19280 o corte : sa ra di Imperatriz, loja da
arara n. 56.
de 5GO al 580 reis a libre.
dem de porco era latas com 10 libras a 35600,
e a libra a 380 rs.
Uem em barris muito superior a 360 reis.
Marrasquino de Zara a 800 reis o frasco.
Massas para sopa, macarrao, talharim e aletria a
300 reis a libra e a caixa com una arroba
hespanhola a 53500, do fabricante Nervy.
dem finas estrelinha, pevide e oulras a 560 rs.
a libra.
Holac* inglezes e muito superiores
o frasco.
propnos p?ra a-eninos, palo dirciouto proco de
1# a dalia. Avi-.ii da limit.cao do proco telei
'""" dcooo ,1. boodade dn Inxeu-ia, m.
i.oooflo tt
pera desengao dirigir-ae, prerenido de dinhei
ro. rus do Q.ielmado, loja d'aguia branca n. 16
onda os achar patentes. '
a 500 reis
era a 25 em frasco grande rolha
Arara vende as coss.s chimzas.
Vende-se a fjzrnd vor noce caasat chinezas
a iruHaco d sedinha d quaros, propria para
vestidos de aenhora e roupa de meninos a 240 e
280o corado, riscado a Carbaldia 280 o eov.oo
para etii.>s, robertor-=s de algodn a 1 eitn-
iftJ a li.aliniiAf a bTti* b,"Dr" 1i?,00,2?' 2$500 "** Pca:
\"MiS r, DOUUIJrlS |" da ltr-P'. lj- "ara d. 56
Batatas a 80 rs. a libra, e em gigos de 36 a 40! dem dem id
libras por S2O0. de vidro#
Cafe do Geara de pr.meira qualidade, do 280 a Nozes superiores a 200 reis a libra.
dem do r7 ;b e 3, sortes a 240, 2S0 e ^^.T m > ^ > 2
300 rs. a libra, eem arroba de7??, 79500
a 89500.'
Cha parola de priraeira qualidada a 3#200 a li-
bra.
dem uxim a 29800.
dem hysson de primeira qualidade da 1S300 a
29800 a libra.
dem nacional de 19500 a 19600 a libra.
dem preto homeopathico de 19500 a 19800 a
libra, primeira qualidade.
dem dem nao homeopathico de 19500 a 19800
a libra, primeira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocolate de Lisboa (do Abrou) encomraenda es-
pecial, qualidade esta que sera medo de errar
a imlhor que aqui tem vindo a tf e 500 rs.
o massinho, emendo 12 e 24 paes.
dem hespanhol e francez premiados em di
versas exposicoes, de 800 a 19 a libra.
dem suso de differentes qualidades, como se-
jam baunilha ecanella, etc. etc. de 19100 a
19400 a libra.
Champanha era gijros cora 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias dilas a 129 a duzia, e em gar-
rafas de 19100 a 19200.
Chourigas das mais novas a 480 rs. a libra eem
barril de 1 arroba de 139 a 149.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Napolen, Parisienses, do afamado*
fabricante Jos Furiide de Simas e outros de
19500, 19300, 29, 29600,39600 e4950
o cento.
Ceblas a 19o molho com mais de 100ceblas.
Conservas inglezas muito novas a 800 rs
frasco.
Cognac inglez em barril, garrafa a 640 rs.
dem idem engarrafado de 800 a 900 rs.'a car-
rafa.
Doce de goiaba era caixes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque, garantindo-
se a boa conservado por um anno.
Rrvilhas em latas de 1 e 2 libras de 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absvntho em garrafas da 1 li2 oT
rafaal50. l S
Farinha de trigo Fontana, das marcas SSS, sa-
lega, family, de 120 a 160 rs, a libra.
dem do Maranhao a 160 rs. a libra, a 49800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada de
a 320 e 360 rs. a libra.
Figos muito superiores a 240 rs. a libra:
Garrafes com mais de 5 garrafas de vinho do
Porto fino, a 39200.
dem idem de vinho verde a 29800.
dem com mais de 5 garrafas de vinagre de
F. &S. de Lisboa a 19600.
dem idem com vinagre de Hamburgo a 19000.
dem com mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 69000.
Genebra de Iaranja em fraseos grandes a 19000
Prezunto de Laraego o raelhor do mercado a 480
reis a libra, e era porgo 460 rs.
dem inglez para fiambre a 560, 610 e 700 rs.
Passas das de carnada de 320 a 400 rs. a libra,
e em caixa de 5 a 69OOO.
Palitos para dentes majos com 20 macinhos a
160 rs.
dem lichados idem idem com flor a 240 rais
o mago.
Peixescurvina, safio, linguado, pescada, peixe:
espada, pargo, robalo, salmo elagostim,
era latas hermticamente fechadas a 19300 a
lata de 1 a 2 libras, sendo preparado pelos pri-
meiros fabricantes de Lisboa, Inglaterra e A-
merica.
Queijo flamengo d) ultimo vapor a 29000.
dem idem do ultimo navio a 9400., e em cai-
xa a 19200.
dem, prato de 600 a 640 reis a libra.
Salpicos, vindos de casas particulares a 640 reis
a libra.
Sardinbas de Nantes a 380 rs. os quartos, a
meias latas a 580 reis.
Serveja marca Tenente, Cobrinha, Cavalnho e
outras marcas a 4, 5 e 59800 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra e era garrafes com 5 e
6 libras liquido por 19600 cora o garrafo.
Sabio moca de diversas cores e dos melhores a
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado era poles de vidro cora rolha do
rr.esmo por 600 rs. cad* urn, s o potayale
o dinheiro.
Sal refinado era potes de louga com lampa da
mesma por 500 rs. cada pote.
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
libra, e emarrobi 89800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs. a
libra, a em arrobado 59000 a 69000.
Tijolos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas stearinas a 640 rs. o mago,
dem do Aracaty, carnauba, a 400 rs. a libra,
dem de composigao de Buenos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parte delles deconta
propria. como sejam; Duque do Porto, Ca-
moes, Chamisso, Silva & Meneses, e outros,
que se vendera de 19000 a 19280 rs. a gar-
rafa e era caixa de 129000 a 159000, e
esperara-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marcis Margaux, S. Ju-
lien, e outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 99000.
Vinho verdadeiro de Setubal era barril a era
garrafas de 640 a 800 rs. a garrafa. .
Vinho do Porto era pipa das melhores marcas
da 59000 a 69000 a caada de qualidade
especial.
Vinhode Lisboa, Madeira.Careavellos, Figueira,
francas, e da diversos pases da 39000 a
49500 a caada.
crtifciaes com cheiros
A loja d'agui branca acaba d receber lindas :
rosas e bouquets artiflciaea com agradsveia chei-
ros. asi.iuaes servem para trazer ae na inao as j
occasioei de hriles, casair.entos, etc., etc., o que
aqui tiovissimo, purm de muito costo, e cosca
doapezj; cusum 1 fi ijsiCO, P acb.m-se nica
m.nte do O'eimado, loja d'aguia branca
Damero 16.
aos refinadores e
puleifos.
Na ra do B'um n. 42, e rui da Cruz n. 47,1
vendem-se peoeiraa de rame viudas ltimamente i
de f.isbos, maia baratas'qe em outra qualqu*: *
parle
V
e potassa
Vendem-se tes dous ar
tigotf ltimamente chegadoa,
q< bem coahecdo e -'credit^-
loposito d ra da C&de*
do Recijfe it. 12, viii* he.r-t-
di qu?, qh> i.*\ parte
Orgnndys da China da arara.
Vend" se a fazer.da por conn orgaorj-s da Chi-
na adamascado o palmas de cores, propria pra
vesthlo e muito largo a 400 rs. o corado, capas
de laa oar aenhora a 9g, ditas de prosdencple
modernos a 20 e 255 : na ra rJo I- j-eratriz, loja
da arar n. 56.
Arara vende azenda por nome mais
a mim.
Vendo se a fazewda por nome mal a .-ir" pa-
ra vestidosd aenhora adamascada, de bonitos
Rosto a 360 orovtl)0, per de cambraias de
aalpiquinboscon. 8 1i2 var.s' a 3tf500 e 4> : aa
ruada Imprr-.tri?., \oa d i>r^ra r. 56.
Tiras e entremeios da arara.
Vendorc-se tiras e entremeios !, largura de 4
5 dedos, de bonitos gostos a lf.280 e IjjfOO a
pega, ditos .te entremeios al. 1J200 e 1*600 a
pec,c..rpinbos bordados par* meninos a 19 cada
um : na ra da Imperatriz, loj? t arara r.. 56.
Kicas tveUs dourada: para
sinto,
Veodam-at fivela! doursd.'j a 29 e 29EOO aa
roals aoiernss qua tecr. vindo ; na ra do Ouei-
mado n. 63, loia do leija-flor.
Ricas voltas de aljofares.
Vndem-se vo'taa ne aljofares com cre de pe-
dr wlianco a brilhame ; na ra do Onairaado
nurntro 63t |nja 0 bt.ij,.f|or-
Facas e garios.
Vendem s facas e arfos rlns de cabo d* bs-
SSi**-?0" bol"s (iS8"" dlU" VyT* uo*
5ffl00, dit de um bolo a 6*200. m* para dose
" %SSr mif.prel- *"""* 3600. dita branca
300, dit.> roliQ a 39 a daifa ; na ra do
QuHimn-lo n. 63, lj rf0 baija-flor.
J'igO dti
b\ do Ass
Vende-se a borlo da birea brasileira atrevi-
da : a t'atar o; os eonsigotrijs Uarquss I
Barros & C. largo do Corpa S-nt. n. 6.
Vndese a taberna da ra da!.
Concordan. 3 : a tratar no Recife j''flor'
traversa da Madre de Dos n. 18.
vjspora.
n.-.-p-sii jugo ae viadora a 11:
Queimado n. 6:1, loja io beija-flor.'
Veoda-ee jogo de i a 19 ; na r-- da
Anvelopes.
Vendem-se sov-eloiies ) dirarsai quadadc*
?""S 1S0 e ^OO. 7ui 1, e de core, ,'
!541.0: uarua do Queimado n. 63, loja do bi-
Venda-sa urnaescrnva de 16a 18 annos, que
cozioha. enaomma, coze, sem defil,> algum :
ras do Impernliir n. 50 terceiro andar.
Moendas < meias moendas.
Ta'txas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Bruno n. 58, fundicao
de D. W. Bouman.
Retratos de su alteza real a
prince'CJi Pia.
Tm para vendur Jos Azevedo Mala a Silva
na!sus loja, roa do Qaeimado n. 55.
Injeccuo Brow
Remedio infallivel contra as agnor-
rbeas antigs e recentes, nico deposito
na botica ranceza, ra da Cruz n. 22,
preco 3,jf.
Papel adamascado de cores.
Venle-n paye! a'.vmascado do ores a 800 a
19, dito branco a I52OO : na ra do Queimado .
63, loia do beija-flor.
Gravatinhas de seda.
Vuodem-ae gravtiuhas Je seda para aenhora
de diversas cores: na rin do Qweimido
loja do beija-flor.
n. 63,
Tiras bordadas.
Vondecn-se ricas (raa bordadas para vest't'oa
e satas brancas a 800 e 19 : na ra do Queimado
o. 63, loja do be!ja-flor.
Plvora e chumbo
venda.
JooJos deCarvalho Moraes Fillio,
competentemente autorisado vende pl-
vora superior de differentes marcas e
chumbo de varias qualidades por pre-
co com modo : os pretendentes poderao
dirigir-se a sua loja de ferragens na ra
do Queimado n. 13, a contratar.
Gal nova e velha,
A ora ahogada ltimamente no brigue Cons-
tante, vende-se na raa do Trapiche, armazem
amero 9,

:
-

'
ILEGVEL


DlAftlO D* P1KKAM1UQ0. SlGUSOA FKlfU 19 DE SETBMBliO DI 1861;
!

A
i
Calcado francez
na loja do vapor, ra Nova n. 7.
Noto sortimento de calcado rsncez, roapa
feita, perfumaras dn melhores qaalidadei.
Chega k vapor para
guante.
OKI-
scm segundo

Ac para b&lao.
Sao chegadas as verdadeiras aitaaa oa ago pira
concertar oa facer baldee, que com ama pequea
qusntla quilquer seohora pode facer am grande Thesouras de 6 poleeadas a
balao, pola rende-ce pelo baratissimo prego de Ara pre
140 re. a vara.ou pega com 50 metroa a 55500
novillo vigilante, raa doCreipo n. 7.
Na raa do Qaelmado n. 55, loja de miadezu
de Joa de Azevedo Hala a Silva, est queimando
todaa as suas miadezas muito boas a baraliaai-
mas, a saber :
Sapatos de tranca de lia mallo superio-
res a 1^440
Ditos de la para meninos da peito a 200 e 400
Pares de botdes pira pannos a 240
Calas com papel de diversas qaalldades
sortldo a
Ditos de cores o malhor que ba a
Cordo de borracha.
Tambem ao chegadoc os cordozinhos de bor-
racha e de retroz, sortidos, de lindas cores e de
todas as grossuras, que maitose desejava, tan-
to para palseiras como para debram de collete,
a para muitis outna obras : s no gallo vigilan-
te,ruado Cretpo n. 7.
Fita de borracha e de seda.
Tambem ao ebegadaa as superiorvs fitas de
borracha, asaim como de aeda preta, propria para
debram de vestido, como para collete,
vende pelo barato prego de 160 rs. a
no galle vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pagas de fita para coi, de superior qna-
lidade a
N'ovellos de liaba que Um 200 jardas a
dem idem de 400 jardas a
dem idem de 800 jardaa a
Linha do g z de 10 e 20 jardas a tres por
dous barato.
Calzas de folha com pbosphoros a
Cornetas de chifre para entreter meni-
nos a
(irritis de linba da 100 jardas a
dem da Alezandre muito superior a
Duzia de facas a garfos, cabo preto, mui-
to finaa a
Cair-s com colzetes francezea a
1"e j Ditas com pbosphoros do gz a
1' Ditas com dito le vela muito superior a
700
700
40
100
Clisas com iscaa para accender charutos
Dudas da m*ias ertaa muito encorpa-
daa a
Ceux&s de tarta i uga o eharu-
teiras de charao para rai' Duz'a ^e raeUs brBnc
. sr a Duzia ce meias brancas rj
e charutos.
O tabaqoiata que aprecia a boa pitada de Lis-
boa ou mesmo Princeza, Mearon etc., etc.,
juste que compre urna boDita caiza da tartaruga
tola mr'.hetada com a qual nao se envergonha-
r'< aa offerecer da boa pitada de sa gasto a to-
dos os circumataates que ib acharem eui aua ro-
da, muitos dos quaes louvaro o sea bom gosto.
Aisim orno a caiza aeceseirla ao tabaquista,
charuteira nao superftaa no fumante e sendo
Ha bonita como sao as de charo nochetas iua-
lbor sar porque tora isso deiza conhecer quin-
muito flaaspara
senhora
Masaos om grampos de todas as quali-
dades a
Bolgas muito finas para guardar dinhei-
re, servam tambem par guardar fumo,
e servem tambem para senbora a 500 e
Thssouras pqu*ms, porm muito ti-
nas a
Ditas para unhas tambem muito supe-
riores a
Mtrcas pira cobrir, alo pequeas, porm
o prago convida a
320
40
60
120
80
80
30
100
8$500
40
20
20
40
28*00
1J600
39000
40
to sabe apreciar o bom. Para os mais commo- 1*."" meI" ,Je MHI P" meninos a
Pares de meias brancas para meninas a
Groza de pennas d'age de todas as qua-
lidides a
Caizsa com 100 anvelopea muito neos a
Groza de botea de loaga pratiados a
distas tambem b bom sortimento e todos encon-
trarao bartete ama vez qua munidos de di. hui-
ro s dirigirem a ruado Queimado loja da aguia
branca a. 16.
|Loja das t por*|
tas em frente do Li
vramento.
SSBaloesde 15, 20, 30 e iO arcos.!
Grande sortimento de bales de arcos 8
os melhores nesla.fazend'a grandes, ehi- i
'% tas frincezas largas escuras 1 220 e 240 S
* rs. o covado, carnbraia lita para for- 5
ro com 8 1(2 varas a 20 a pega, ditaa ti- 1
cas a 30, 4, 59 e 6g muito finas, ditia ,
Sde aalpiqaioho com S 1|2 viras a 3&500
a pega, cobertas alcozoidaa brancas a do S
3 cores para cama a 4JS50O e .">?, casias de 2
jg cores fraoceas tfniat taguras a 320 rs. o *>
i aovado, pega d< bretanha de rolo a 2$, |
j? algo Jio traogido alvo maito largo para jjg
i toihis a 19 1 vare, e&feites a Garibildi til
S sendo pretoa a 5g tala um, leagos bren- 2
eos com barra da corea a 120 cada um, l
S roupa feita de todaa as qualidades muito
barata, a loja est aberta ate as 9 horas I
9 da noite. 5
800
200
400
10
160
200
500
ifoetj
240
Pota h
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C., snccessores. ra da Cruz n. 4.
J ehegaram os remedios
do Dr. Raduay. Roaolutiv
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, facunda
maito boa, pelo barato prego de 2g000, gollinhas
e puuhos ultimo gosto a 2$000, gollinhas tnuiU
finas e bem bordadas a 1JO0O cad ama na ra
do Queimade loja de miudezas da Bea fama,
o. 35.

Grande
Tiras e ntremelos bordados.
Veade-ea pegas de tiraa bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 4,000 e&tremeios a 1$600 a -JOOO
cada paga na ra do Queimado loja de miadezas
da Boa tama, n. 35.
Booeeas fra.icezas.
Vaae-se booacas francezrt ricamente vesltdaa
i 4^000 e 59000, e 23000 boner.s de cera com os
oihos movedgos a tgOOO e 3ft000, na ra do Quei-
rnado loj d mladexes da Boa fma, n. 35.
Fivelaa de ac para sintos,
Vande-a flv.lu de 29000 na ra do Quicaafo loja de miudezas
da Roa fama, n. 35.
Baltiias.
Vnde-sa baiaias a 120 rt. cada urna aspa de ago
para baleo a 160 rs. a vara, bandes a I95OO rs. e
2$00 o par, oa rui do Queimado loja de miadezas
la Boa fima, n. 35.
reuotRdor, prompto alUvio^^;^'^tra;:.rptr.....,
vestidos e 2&000 a paga na raa do Queimade
leja de miudezas, n. 35.
e pilulas reguladoras.
No droguista Rayraundo Carlos Leite
Irmao, ra da Impertriz n. 12.
Eafeites para senhora.
Os melhoras enfaites preto de toras que ap-
parece a 550u, 6 e 6S500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Caixmhfcs e e&bazes pgz
as meninas trazerem
nobra.eo.

Hallo lindas caizinhas e etbatsc para meninaa,
i* 100 ris at 2500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.__________________________.
Franjas pretas eom vi-
drilho esem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas e de core*
cora vtdrilhoe saib elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimvdo a. 75.
A2|500,sopavo.
Veadem-se cortes de carnbraia branca com 2 *
3 baados a 25500, ditos de tarlatana brancos e
de cores, com barras e babados a 3}: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Garra & Silva.
Meias di borracha.
Vaude-se meias de borracha paraqaem padece
de eryetpela a 15^000 o par, meias de aeda pret*
para aeohora a 1J0OO o par oa ra do Queimade
loja de miadezas da Boa fasia. n. 35.___________
Perfumaras amito finas e
baratas.
Opiata iogleza 1 19500 rs, dita fransaza a 500
rs., 640, 19000, oleo da sociedade bygieniqu*
verdadeir a49C0O o fraaco, oleo babosa de Piver
verdadairo a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os dantas a 19000, dita da Botot tambem
para os dentes a t$000 o frtsco, pomada france-
sa em paos a 500 rs. e 19U00, 320 rs. sabonetas
maito tino a 640 rs., 800 rs. e 19000 caria um na
-u\ do Queimado loja (fe miadnzas da BoVfama,
n. 35. ,
liqnidacao por todo
oprev'o, na loja do
Seranejo.
RA. DO QUEIMADO N. 45. !
Apparecam con} dinheiro que naoS
deixato de comprar.
Chitas sscuras finas a 160, 180 a 200 |
rs., cortes de vestido pretoa bordados a |
velludo de custo de 15(9 se vendem por
309, 409, 509 "(>5. sabidas de baile vel- I
5 ludo e setim a 129 a 139, camisas para se- fi
nhora a 29 e 39, gollinhas e manguitos a I
29. '3 e 39500, gollinhas carnbraia bords- S
Sdas a 500, 600, 700. 800, 900 e 19, ditas 5
de fil bordado a 120 rs., casaveqaes de 8
faatao a 59. 69 e 7$, meias da seda *
brsocas e uretas para saohora a 19200 a
s o psr, tiras bordadas a 500 a 700 rs., 5
j| lada qaadro edfestada a 800 a 360 rs. |
o aovado, carnbraia preta a 400 e 440 5t
J rs. a vara, organdys de coras a 600 rs. a I
at vara, fil braoco adamascado para cor- 3
3 tinados a vestidos a 400 a 500 ris a 1
vara, cortes de olleta de easemira bor- a
5 dados preos < 29 e 39000, ditos de g
6 vallado de cor e pretos a 89, 49, 59 e 69, O
3 paietots le brim branco francezes a m
& 39500 e 49500, ditos de easemira de co- g
* res pratos a 149 169, ditos d alpaca '
preta e de cores a 39, 3J500, 49 e 49500, U
omisas de peito de linho a 29500, cortea *?
Je collete de gorgurao a 19500, 19700,
S 29200, 3S t 3J500, sollates feitos de brim 9
S 'ror.o a 29OOO, ditos feitcs de gorgure i
i 29500 e 39500, ditos feitos da easemira 5
a 8|0, 4 48500, ditos da velluda 1 1
59, 69e 79, ditos de fusto da cores a I
18500, um variado sortimento de meias M
Spara homem e aenhora, grinaldas com S
flores, chales de troco, espartilhos, (o-
da a qualidede de roupas feitas para ho- vj
mera que tade se vende por matada do 8
3 ea valor.
Carroca.
Vende-se urna carroga nova bero construida e
bem ferrada, e que serve pira boi e cavallo por
ser sppirelhada para urna e nutra cousa : na rui
da Concordia, teoda de ferreiro junto a um esta-
leiro de csrpiuteiro.
Vendem-se tachas de
farro cuado io fabricante mais
acreditado : na ra do Brum
n. 28 B, armazem Je Jos da
Silva Lcyo C.
Sobo vigilante.
?*vT* t^eikluV^Tsxs.
Perott.
E' chegsdo no vipor francez os lindos perotts
ou enfeites pira as seohoras conservaren) o ca-
bello antes de ser amarrado, pola s a vista faz
f, pelo baretissimo prego de 18500 : s no vigi-
lante, ra do Crespo d. 7.
Gravatinhas.
Tambem lo chegadas as lindas gravalinhas
pretas e de cores, tanto para homem como para !
seohora, teodo as de homem lindos botes e eom I
eiistico, sevenie pelo baretissimo prego de lf
e 19500 : s 00 vigilante, raa do Crespo n. T.
Aderecos pretos
Tambem ehegaram os lindos aderegos pretos,
sendo dass pulseiras, rosetas, alfinetes, tudo em
urna caninha, inteiraioente coma nova neata
4>rca. todos muito detteadoa pela Rnnde mao
sabero apreciar : s no gallo vigilante, raa do
Crespo n. 7.
Agu has,
Tambem sao chegadas as verdadeiras agulhas
Victoris, de fundo dobrado, quo se vende pelo
barato prego de 100 rs. o papal: s no gallo vi-
gilante, ra do Crespo n.7.
fhantasia
lentes com enfeites.
A loja o'agua branca acaba de receber lindos e
Dovissimos pentes com enfeites pendentes, obrs
de multo goito ultima moda pare seotoras, 01
quaes cuitam de 5 a 12#. conforme os differeotes
e agrsdsveis moldes; essim os pretendentes man-
dara qeeoto antes na loja d'egaia branca, raa do
Queimado n. 16.
11
para
bellos de senhoras.
A loja d'aguia branca recebea esses delicados
enfeites para cabsgas de aenhoras, os quies slm
da galanteria tem miis a siogularidade de con-
servar perfeitamente o atado dos cabellos, e sao
elles de um gridiado mui fino e ornado com fl-
nissimos vidrilhos, o que os tornam to agrida-
veis vista de todos, e vendem-se pelo diminuto
prego de 19500 cada um, isso na rus do Qaeimado
loja o'agua branca n. 16.
Veodem-se os dous grandes armszens sitos
oa ra de Apollo de ns. 38 e 40 (casi de quina),
tontendo o prlmeiro 32 palmos de frente e 300 e
tantos de fundo; o segundo com o mesmo com-
primeDtot poueo menos de largo, ambos com os
fundos para o caes do mesmo nome, coui arcos
por dentro para communicagio, proprio para
qealquer estabelacimento em ponto grande por
ter excelleola porto de embarque e desembarque,
e situado junto a ponte cova. E* igualmente
proprio para recolber gneros de estiva por ter
para isso grande capacidtde, e vendem-se juntos
ou spanlos conforme melhor convier aos com-
pradores : a traUr n rui doa Guararapea n. 28.
lardo que admira.
Ra do morirn n. 43,
Vendem-se saceas com milho novo a 2$500,
ditas com farinha a 29500.
-. Vendem-se caxoes ?a-
J308, ^roprios par* funileiro
e bahuleiro. a 1?80 caifa um
nesti typograpbia se dir.
Bou fam n. 35,
Vende os seguintes ob-
jectos aktixo mencio-
nados.
Grampos balo com pandante dourados a 18
o par.
Pentes imitando tartiruga para bandes, ulti-
mo gosto a 39 o par.
Fivelas pare sintos, fazenda inteiramenta nova
a 29 o par.
Alfinetes pretos com dourado para senhora, in-
teiramenta novos a29 cada aro.
Botdes pretos com dourado para punces, intei-
remente novos, a 29 o par.
Botes de tartaruga para punhos a I9500opar.
Na ra do Queimado, loja de oiiudezas n. 35,
da boa fmi.
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roupa a 19.
Agua de malabar para tingir cabeilos a 59 o
frasco : na raa do Queimado, loja de miudezas n.
35, da boa fama.
Cartas finas para voltarete
A loja d'egaia branca acaba de receber um bom
aorlimento de cartas com tintas mui Bns, papel
lustroso e opaco, ecaracterea de novos desenbos,
representando as figuras oa grandes personagena
das gaerraa da Italia e outros. J se v, pois,
qua om uos biralhos assim bous e bonitos, tor-
Linhas finas de peso verdadeiras, maadaa na-ae ainda meis deleitavel o entreter-se parta
grandes a 240 ris : na loja da Victoria, na raa ida noite no divertido voltarele, tendo seraprs
do Queimade n. 75. espadilha, manilha, basto, etc.; etc., e pelo con
trario am pichoso, ao qual os r-oiiuhos a 1 chava-
os do bom cha do dono da casa far esquecer o
pouco que perder. Os baralhos da canto redon-
do a dourado cest*m 69 a duzia, os immediatoa
59, o outros 49, 38500 a 39. Tambem ha finas
para os apitxooadoa da bisca, espadilha, etc., i
vista do que nao ha mais a cansar-se, o prelen-
dente dirigir-se com dinheiro ra do Queima-
do, loja d'aguia branca n. 16, que ser bero ser-
vido conforme o lonvavel costume.
inhasde peso verdi-
deiras.
Phosphoros de seguran*?
Phosphoros de segurange, por que livra de in-
cendia, a 160 rii a caiza : na loja da Victoria,
aa ra do Qaeimado n. 75. ___________
L-apetia- para nuiva.
Tambem sao ebegadas as lindae capellas bran-
cas, o mais delicado que pode haver, que se ven-
de pelo baratiaiimo prego de 79 e 69, tambem ha
outras maia inferiores que se vende por 29 e 39.
Peit se que qaem tiver de comprar qualquer
deates objectos, que se apruise antes que se aca-
be, pois foi apenas urnas pequeas emostras que
se recebeu : s no gallo vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston 4 C ra da Senzalla Nova
u. 42.
Baieias para vestidos.
Balelas muito grandes a bou a 160 ris ama l
01 loja da Victoria, na ret do Queimado n. 75.
Linha de eroxe para la-
byrintho.
As melhores linhas da crozel para labyrinthe,
neveloa monstros a 320 reta um : na loja da Vic-
toria, na raa do Qaeimado a. 75._______________
Sintos dourados para se-
athoras.
Lindos sintos dourados para senhorss a 29200,
ditas de ponte cabida a 49, ditos da fita a 19600:
o* loja da Victoria, na ra do Qaeimado 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada pare
salas
Chegoa para a loja da Victoria ama pequen
porga de ricos espelhos de varios tamanbos para
emarneatoa da salas, afHangando-se aerem os
meihorea am vidros que tam vlado : na loja ds
Vitoria, as ra do Queimado o. 75. _______
Aos Srs. consumidores
de gaz.
Nos armazeos do caes do Ramos os. 18 e 36, e
oa ru do Trapicha novo ( 00 Rcife ) n. 8, ae
vende gaz liquido americano prim'eira qualidade,
e recentemenlechegado, a 159000 a lat de 5 ga-
Idee, assim como latas de 10 o de 5 garrefae, e
em garrafas.
SkS s@@ Si @
S^elrstos de D. Luizll
* e 0. Mara Pia |
% Cheparam pelo paquete fran- g|
^ cez Guienne : na ra do Cres- %
f pon. 2, loja de Nogueira de %
%$ Souza, junto ao arco de Santo *
^ Antonio. ^
1 /tty-A

Acha-sa 4 venda no escriptorio de Antonio
Luizde Oliveira Azavedo & C. raa da Graz n. 1
i a obra escripia pelo viaconde de Uruguay.Eosaio
, Sobre o Direlto Adminiatralivo ; deizamos de le-
la omito boa da todas as cores para bordar, a "r "l ob". basta o nome da su aa-
7* a libra : ns loja da Victoria, na raa do Quei- It01 P" tor?" raeommendada daos Volm
mar? n. 75. *m bro*nir* '. ueadernado 128.
La para, bordarJ
iahas
o gaz,
Milho e feijao.
Mtmw anerieanas.
Em casa da N. O. Biabar & C, saasassoias;
ra da Crus n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortss a espire.
Ditas para descarogar milho.
Ditas para cortar lm.
Salios com pertances a 109 209.
Obras da metal prncipe prstaadaa.
Alcatro da Saecia.
Verniz d* alcatraa para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Par.
Vinbo Xerez da 1836 em calas de 1 dazle.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Arados o grades.
Brilhantes.
Cirrosis pequeas.
nova de isba.
O antigo deposito da roa do Brum o. 66, arma-
zem, acaba Oe recebar a superior cal de Lisboa
da mais nova que ha no mercado, cheRada um
destes diis pelo brigue portoguez Gomtinte,
que se vende por pregos muito commodos.
Cartas finas para jogar.
Vendw-se duzia da baralhos da cartas fluaa com
as poatas douradas a 69, dita sem ser dourada a
39500 e 48 : na raa do Queimado, loja de mia-
dezas n. 85, boa fama.
Fitas de iaa para debrum.
Vendem-se pagas de fita de la para debrum a
18, a em vara a 120 rs., ditas de seda a 29400, e
em vira a 240 : oa ra do Queimado, loj* de
miudezas o. 35 ds boa fama.
SYSTEMA MEDICO H0DELL0WAT
PILDLAS HOLLWOYA.
Este inestimaval especifico, composto inteira-
menta da hervts medicinaos, nao contera marcu-
rio era ilguma outra substancia delectara. Bei
nigno i maistenra infancia, a a oospleigio anas-
delicada, 4 igualmente prompto e seguro par;
desineigar o mal na compleigo mais robustas
*anteiramente innocente em suas opersgese ef-
feitos; pois busca e remo va as doengas de qual-
quer especie e grao por mais amigas e Utlazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas cundas com asta
remedio, muitas que j esiavar s porUs da
morte, preservando em sen uso conseguirn
recobrar a saude e forcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afllictas nao devem entregar-sea des-
esperado; fagam um competente ensaio das
erTicazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tornar esta remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades;
Rival sem

ccidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias(malde).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
Oebilidade ou extenua-
$o.
bebilidade ou falta de
forgas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga*
nos rins.
Dureza no ventre.
En farmidade no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
^Vendem-se estas pilulas no estabaltcimeotc
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista a outras pessoas
sncarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetiubas a 800 rs., cada
urna deltas contem urna instruego em porto-
guez para explicar o modo de se usar dess pi-
lulas.
O deposito geaal em casa do Sr. Souro
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 era ter-
na na buco.
Febreto da especie.
Gotta.
Heruorrhoiiias,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestoes.
Infla mraagoes.
Irregularidades de
menstruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstrucgo do ventre.
Pbtysica ou consump-
go pulmonar.
Retengo de ourina.
Bheumalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
arroz.
Vende-se arroz moido superior, de 8 libras psrs
cima a 29800 a arroba, em libra a 10 ra. : no
pateo do Carmo, quioa da ra dn Hortas n. 2.
Ra do Qaelmado n. 55, loja de miec9i,. ,
*n. ?Trtl M,u 8i,*, ODhecide por Jo-
s BiKodinho, est vendendo tudo pelos ,.f^,.,
I "**'* t,rm ** Dp ,0,,bl'f '
bondade de en o que e bom a baratisslm
frascos de Lavando muito unos, a
Ditos de oleo tafcosa sup.rior, a 320 e..
Frascos da agoa de colonia muito fina a
Ditos da dita grandes superior, a
i^ams com pos cor da rosa para Uuca
lentes, a '
a
grande,
, a 160
supe-
Dazia desabneles muito fines, a
Varea de bico daslihaa, esl no rest
Carrileis ue iinha preta muito
e tem malta linba, a...........
Bengalas do n.elhor goito, a ; ,"""*
Tiuteiros com tinta muito boa, a '.
Baralhos de cartas franc.zas, a .
Ditas do cartas portuKuezs muito
Daa, a ...;...
Varas da tita de velludo recortada
Fraacoi de banha da urco multo
'tor, a........
Ditos da dita transparente, a
Frascos de matag parola, muio Ct, a
Ditoa de dito oleo, multo fino, a .
Varas de fita para fazer sir.tos dos me-
Ihores gusto, a........
Babado no Porto para todo o prego. .
Labyrintos muito finoa pera todo prego.
Barra con. iibospboroe muito bou, a .
Massos de linba fina per bordar, a
Cartas de cokbetes superiores a 40"
Escoves para liropar oeotea, a 200 e
Carrileis de retroz de todas as crtt
Bur.ecas luis porm muito
240 e..............
Grav.tas de duas voltas muito" supe-
riores a,............................
Fios e massos de coral de uuilquer qua-
lidade a..............................
Sabonetes grandes e a.uUo finos"
Aulheiros com agulhas. .
FiasVpara esprlilhus grandes e
quei^os a 60 e......
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a \ \
Ciizas com agulhas fraiicezss curtas, a
Linhas em carloes biaucas e de co-
res, a ..................
a
bonitas,
a..
pe
80f-
C0
u
CM>
5C0
IMi
. '.)
1MI
SO
SCO
K0
r< n
ICO
0
lili
loo
240
3S0
'
M 0
li
120
ifO
2i
Si^periores atoalhauos
adamascado.
Superiores atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de largura alfSOO rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa fe.
Damasco para colxas orDaiDentoi de igreja.
Vende-se muito superior damesce de la da
urna id cor, muito proprio para eolias e para
oroanientos, com 6 palmos de largara pelo ba-
rato prego de 298OO ra. o covado : na ra do
Queimado n. 2a, na loja da boa f.
Verdadeira pechncha.
Vendem-se cortes de saperior gorgurao de se-
da para colletes palo baratissimo prego de lj,
29 e 39 o corte : na ra do Queimado 1. 22, na
bem conhecida loja da boa .
os tabaquistas.
Longos muite finos aimltagao dos de linbo de
maito bonitos padrdea e da cores fizas maito
proprios para ss pessoas que tomam tabaco, pelo
barato prego de 49800 e 59500 a duzia: na ru.
doOaeimodo n. 22, na bem conbecidz loia da
boa f._________________________________'
Novos pentes
do tartaruga e massa,
com dourado e sem tille,
para atar cabello.
Pechisi cha
M.eVa aufiemlTa.
Novo sortimento de mete easemira para cslgaa
e paietots a 600 rs. o covado : na roa do Quei-
maoo o. 43, esquina que volta pira a Coogre-
g'Cao-______________________________________
Ru da Seuzaba INov* u 42
Vende-se em casa de S- P. Joi.hston & C,
sellins o silhes inglezos, caodieiros e castigae--
bronzeados, lonas inglezas, fio da vela, chicotes
para carros a montara, arreios para carros *
oam a dous aavallos. a relogios da onro patente
(nglax.
Vende-se am casa de Johnston f atar C,
.-AcoVigario n. 3, ua bello sortimeuto de
i elogies de ouro, patenta inglez. de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
ua variada-la '.* bonitos trancellins aara os
mesmos.
Chegado pelo Vpor frais-
cez s para o vigaante.
Lindos pentes de mar rafa.
Sao chegados os lindos pentinboa Oouradtnhos
com muito lindas mo'duras d* oifierentes gestos
para marrafas ou travesioa, pois s com a vista
os compradores poderao apreciar o quanto sao
delicados, pelo barato prego de 3J n par, assim
como sem ser dourados de lindos goitos, pelo
barato prego de 2| o par: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Para tr cabello.
Tambem ba chegado lin-'os pautes de tarta-
rug todo entrangido com ota da borracha, de
forma que o cabello amarrado Oca dentro de uo>
engradado, intelnmente cousa nova, e de multo
gosto, assim como com l-go a iuos de lindos tri-
tios, que se vende por pr*go o>tto razoavel : s
uo vigilante, rus do Crspo ". 7.
Luva de pellica.
Tambem u chegado as v*roaoins luvss de
Jouvin muito frescas Unto para homem como
para senhora ; s no vigilante roa do Crespe
RfcRIlOlttlRCUMPlRtV
UNGENTO HOLLOWAT
Silbares de individuos Je todas as Daca. .
fO9K lestemunhar as virtudes dester.... V 1
incomparaveleprovaremeaso nacessanV. o,-
pelo uso quo dalle fizerant tem seu ..'
saembrosinteiramentesaosdepoisdahaYt ;:.-
regadoinutilmante outrostratamentos. f ,
pessoa iioder^sa-haconvencer daatasca
ravilhesas pelaleitura dos peridicos, qn ib'as
ralatam todos os dias ha muitos auno.-, ta 1
maior parte dallas sao tao sor prenden^ que
admiram os mdicos usis celebres. Qnsntss
pessoas recobrara com este soberano :x: .
o uso de seusbragos e pernas, depoi .-
permanecido longo tempo nos hospitaes
deviam soffrer a ampulago I Dellas h
cas queiaveudodoixadoesses, asylos L
tmenlos, parase oao snbmetere*. .',f..;i,
ragao dolorosa fora*curadas completas-...n-n.
mediaute o uso Jesseprecioso reRedi'-. At~
gumas das taes peiS* na enfusao de san
nhecimentodeclararav- estesresnltedo? bec5-
eosdiante do lord coiregedor e outre. ;P.,..
trados.aBmda ais autenticaren- su # 1 rn al]
Ninguea lesesperaria do estado d< sai
tivessebsstanteconfiang para ancicsr si* r.
medio constantemeDttseguindo algn :
trataiceuto que necesstasse a naturez;. :<
eujo resultado seria trovar ineosilaajtavaliDavta,
0"e tudo cura.
Ouuguenie be mil, taa) saairUi
rmente s eicntnter .
Alporcas
Caimbras
Callos.
\nceres.
Cortaduras
Dores de cabega>
das costss.
dos ine>i< Enfermidades da cutis
em geral.
fritas de anus.
Erupcoos escorbticas.
Fistulas no abdomen.
Frialdad* ou falti de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Incbages.
nflammago do Ggsdo.
be:
Vendem-se saceos com milho que peism a
fiiilnhas com 50 novellos d* liabas mutto fi- qUati quatro arrobas, muito novo a 3JJ o sacco,
aas do gax 900 ris a ixa, Silai om 30 no- | ditos com feljo mulatioho a 8|500; a tratar no
vellos a 700 rie, atis om 10 novellos grandes Forte do Maitos, srmazcm Bsro do Livramento,
a 700 rel, braaeaa a pretas: na loja da Vistorl*.. i (.u na rus do Queimado n. 4.
na rus do Queimado n. 75.
' Superiores bi as e grandes porgOes, e tsmbem se alugam, cal
psra eogenho : na ra do Imperadora. 28-
Libras sterlirtas
Vendem-se no escriptorio de Mano! Ignacio
de Oliveira fbo, largo do Corpo Santo n, 10-
N ra da Imperatriz nu-
mero 20.
Vende se o seguate.
Bramirit *om 0 palmos de largura 1 I95OO,
riscadinhoa escurosde cor fiza a 160 rs., eissaa
de ores a 280 a 320 rs., olesdos para cobrir
mesas a t$, indianas muito hoas a lg, chitas
160, 200, iiO, 280 e 320 ra., csmbraiis de Mi-
niaos de cores e brancaa a 400 rs., cobertores
brancos e estaros a 5SOO, 1$600 e 29, pannos
finos pretos de corna e 2'g, 2^400 o 3?, eam-
braiss para cortinados a 20 a pega, ditas lisss r
2$, 39, 4$ e 5, tapetes muito finos a 69 70,
chapeos de seda e de castor muito finos edo ul-
timo gosto de Pars a 8# e 9j, ditos de (eltro fi-
oo copa alta a 59, caaemiraspara forro de earroa
s 10600, corteada dita muito fina para caigas a
40, psgas de entremeto* a 10, e finalmente ma-
dspoles, algodes, brius, bretsnhas e outras
multas faseodas qaa o dono do estabelecimento
est resolvido a vender muito barato afim de
apurar dinheiro, dando-se as competentes amos-
traa eom penhor._______
1
Semen tes de hortalice vindas
de Paris
Cbegara loja da ferraaeos de Bistos, na
ra da Cedis do Recite n. 56 A, as novaasemen-
tes de hortalice vindas de Paris, ss quaes sao de
superior qaalidade. e se vendem baratas. i
que ct-
laa da famili
que ae vende s 10, e em cada caizinha n>uito fio.
pelo baratissimo prego de 70 a caizinha : s 1 o
vigilante, ra do Cr.-pn e. 7.
Espelhos
A loja d'aguia branca acaba de receber esses,
pentes de que as senboraa tanto precisavam para n- 7-
igualar aos pequeos dourados. O sortimento
pequeo, porm completo, porque tem de tarta- I L-iH ttTH Jri l'tia r
rug emassa, dourados e sem o ser. A belleza Tambem ha superior Iaa para bordar
a perfeigao delles difficil des -rever, e por isso | vende por 6JJ a libra, assim como
llmitamo-nos a dtzer que eilee sao de um dse-
uno novissimo de apurado goato, e de sustoai
execugo, oa qual o artista elevou-se por sua
pericia. Tem elles a tunta de um lago de fita no
centro do que se conhece o feche por meio de
ums fivella, isso alem de rendados, tanto os da
tartaruga como oa de maesa. Agora, pois, que
apparece obom.convem que ss senhorss se nao
demorem em mandar comprar na loja d'aguia
ranea, ra do Queimado n. 16.
iageus Polares.
Sahio a' luz, e acha-se a' venda na
Livraria Econmica, a obra vertida do
inglez pelo primeiro tenente da armada
Collatino Marques de Souza, a qual
tem por titulo Descobertas e Aventu-
ras nos Mares e Regioes Polares
POR
Sir John Leslie,
Roberto Jameson
l
Hugh Murray.
Esta importante obra compor-se-ha
de d'z olhetos, do custo cada um de
1$, e ornada de um mappa dos mares
polares, e de bellas estampas, que suc-
cessivamente acompanharao os folhetos,
que mensalmente se publicarao.
Tambem ha grande aortlmeDto de espeihos re-
dondos de moldura dourados da todos os tama
nhos, com eicellent vidro, qua se vende pel->~
bsratissimo de 3$, 4 e Bf : s no vigilante, r>
do Crespo n.7. ____________
Smtua.
Tambem 4 cbeg.do os muito desojados slntr
com ricas fivelas de tonto e borlla se lene
couss muito chique se vende pelo barato prego
de 4$, assim como ricas fivelas oara air.tos (>
podrinhsa de lindos Rostoa qua se vende a 1$600
o 2JJ; s 00 vigilante ra flo Crespo n 7.
Cal de u
A 5,000 rs.
Vende-se birria eom cal nova cbegidt ultirea-
l_mente, a 5, no antlgo e acreditado deposito ffa
ae do Brum n. 66 armazem.
&
No pateo do Carmo, quina
da ra de Hortas n. 2,
vende-se maoieiga muito superior em bsrris de
13 libras, proprios para casis particulares a 720
a libra ; garante se a qualidade.
Vende-se urna escrave crioul, de boa fi-
gura, representa 30 e taotusannos de idade, sa-
dia. fiel, e propria psra todo o servigo de casa e
rus, vende boii.?hos etc. ; lava de enseboado e
coxinha ; qaem a pretender ditija-se a ra do
Rangaln, 60, segundo andar, para ejastar-se.
Chegado pelo v
por francez sopara o vigi-
lante finoa pentes de mar
rafa
E' chegado os lindos p-nUnhos dourados con
multas lindas moldaras o diffprentfs costos pa
ra mairafa oa travessos, poia i com a vista o
compradores Sabero apreciar o qu>ntn eo cados palo baratissimo prego de SgOOo o par :
assim tomo sem ser pelo barato prego d 2J> na ra rio Cspo n. 7.
S no galo vigilante ru- d C- ( o 7.
Gr*nj" 8 a balan
Tambem chegado se lindas sxampas a balso,
coasa maito linda : s no tisfllente, ra do Cres-
po n. 7.
2nfiai3ag da
da matriz
Lepra.
Males das pamas.
dos peitos.
de ofhos.
Mordeduras Picadura de mosquitos.
Pnlmoes.
Queiaadelas.
Sarna.
Supuracoes ptridas.
Tinha, ata qnalqi ;
parte que soja.
Tremor de ervos.
Ulcera? na bocea.
do figado.
das articulages.
Vaias torcidas oa so-
das as pernas
Vende-se tste ungento no s*tabelecimen'Q
geral de Londres n. 544, Strand. na leja
de todos os boticarios droguista e outra pts-
soss sncarregadas de sua venda em toda a
America do sul. Ha' su e Hespanha.
Vende-se a 800 rs,, cada bocetinha conten
urna instruego em portuguez para explicar
modo de tazar uso deste ungento.
O deposito geral 4 em casa do Sr. Sons*,
harmaceutico, na ra de Cruz n. 32, es
pemarobuco.
seratoa
V
imm
Potassa n Kuss
e AmericHfi .
Ne escriptorio de Maawal lanado de Oliveira &
Filha, larga do Cor- o Santo o. 19, i-or prego
'mais barato do qaa am outra qualquer parte.
No da Io do correte ausentou-se o muUtinhc
Ifeooel, escravo, Ce 14 aonos de idade. rom es
ligases seguintes: cheio do corpo, cor claree
macilents, cabellos gsrapinhos, olhos pequetics
t> como de qaem seffreu nalles eneon.modo. tem
falle de um dente na frente no qeeizo supeii- r, a
primeira vista moatra acanhamenlo proprio dis
t-acravos do campo, lem o andsr feio, a? mam a
res curtos e groisos ponto de perecer ni iro hi-
dos, levou camisa de algoeaVo de li>lrs, tai-
ga a7ul nova, thapo de palha de carnfh n-
do, fui'i oe-.p qu oda aqai asesoro ne cidadei,
viato qe a ella veio pela primeira vez. ou qi'O
ten ha a .orrpenhado alitum comboy de eltnorre-
vs; t-ste ipui'tinho pericnc aoa nrphiue do
f Herido Pcncisfo entonto G'ySo, D^t < < tut;>-
lad.-g da Ex">. Sr." D. Eme'enrisog Mari da
Pie.iarie. efiho'i do engenh" Junco n co^rs
r|e> ff"treth ; roaa-se as aut irldsdei poli-Mee,
eapitaes d ciderte como dp f*a.a api reripns>o rio r-f" lo
a ulatinho, que se ur t flear gpnprus-1:-1 l na
ru (le AiinMo n. 43 orirrelrn andar.
Fu.io no dia 26 do cor'ente um v oUqo
cnouio aa Mise Tacm, de 15 anno, i"* a
s)goae8 8guitea : falla de am dente na fr^me,
lem basta Otas pannos no roslo, levou cali,- azul e
camisa branca j veiha : roga-se, pona- to, .i
coila- (ip campo o prenoam e leven, do
Tr. piche Novo n. 12, que sero recompeLSaUs*
.
ILEGVEL


"
D14RIO M 11MAM1C0; M SEGUNDA FEllA 19 DI SETIMBaO DR 116,
Litteratura
--
O Brasil e a colonisaco.
111
C primeiro artigo do Sr. Elise Recias nos le-
vara muio longe so nao tireistmos prests de
cebar o que estamos escrevendo.
I o Je ser que aioda tornemos a elle, se o jal-
g-irmo, preciso ; agora porm vsmos concluir
icreoctando breves pslavr.s sobre urna ques-
ls^ impelanla de que tambem se occupt o eol-
lebfrador da Revista.
A conienlentla de la abrir o Amszonss ao
commercio do mando por todos os braslleiros
recoohecida, e hoje apenis tima questo de op-
portunidade.
Diseorrendo sobre 1 vida a costumes dos ne-
gros escrsTos, e fallando dos cantos rudos entoa-
dos por elle nsi raas da cidada qaando sa occu-
ptmdo servigo da cargas, informa em ama nota
qaealgn, lenaions fatigados desla melopea qae
se oura constantemente no Rio de Janeiro, Ose-
ra m promulgar um decreto prohiblndo aos negros
o cantar dorante o sea trabtlho, o qoe tornos
estes infelizes tao rseos, lio abatidos, to doen-
tet e pregeicosos que foi preciso revogar sem de-
mora o celebre decreto.
Iotorma aioda qae depois do bil Aberdeen, o
trafico de Africanos cootinaou vigoroso, porque
os negreiros tioham a certeza de vender no Bra-
sil cada eacravo por 400 francos (cerca de 150$ 1)
Lembrando algaos factos da nossa historia, o
Sr. Elisa Reclus nos eosina qae houve urna re-
rolta de cabaneirot nts provincias do norte a osa
margeos do Amazonas, revolta qae ainda consi-
Arit-s qae o Sr. Eliae proclsmasse na impreu-
sa frsnceza esse peosamento generoso e eivilia-
or.j no Brasil na tribuna universal a na do der* "ma insurreigo servil.
parlamento se tioha sustentado a mesma cauta Dlz-nos que a revolta do Rio-Grande do Sal
cora vigor e loquead. rebentoi em 1831.
Liberdade de navegado do Amazonas, quaslo In'rq|a-nos que os mualos e os negros em
encia, h'ao de ser decididas pelos poderes pu- 8OTerno "guiar e resistirm por maitos diasa
bucos do Brasil com prulancia e patriotismo, sem u ,itio e blo1eio rigorosos,
que, cs o dizeraoa bem alto ao Sr. Elisa Re- CoQS,*-nos que em 1840 el8il rebentou oatra
cius, sem que os ribeirlnhos do Amazonas rom- re?olt< mesmo s portas do Rio de Janeiro e que
para toda a solidariedade com os seus compatrio- duranle mi* de um anno a provincia de Mioas-
t a do sal. Geraes se eonservoa em poder dos insurgentes.
As patarras que sublioftamos offerecem um Observa que o goveroo imperial vigia com tan-
couaelho qae repagoa aos sedimentos dos bra- "ziedede a provincia de Pernambuco sempre
seiroa de qualq.er e de todaa as provincias do io1uiet. que em seis mezet, de novembro .de 58
imperio. J^oho de 1859,leve de mandar-lhe cinco diversos
Apesar do que de n3 diztm e propalim os Preld,n|e-
Ave Lellemant, Biard e cairos, temos bastante Diz 1ue alm dM inwrreiecoes servia do Para,
criterio, bastante luz e civilUago para ver, des- de "oamb.co (a dos cabaneiros) e da Bihla (a
tlaguir e reconhecer urna taga envenenada qu de 1838), as proprias revolucoea de Hias Geraes
ncs apresentam com o sorso nos labios. e do Rio-Grande do Sal q.e linham am carcter
D.'ixando as trras do Amazonas, o collabora- mi'8 especialmente poltico, ameagaram degeoe-
dor ila Revista dos Dous Mundos vem no seu se- rar enj uaitt verdadeira guerra de ragas,
guodo artigo considerar as provincias do littoral Refere, a felizmente oeste caso cita o veracis-
brasilairo do cabo de S. Roque para o sal, e faz 8D> testemunbo do Sr. Ave Lillemant, e o Sr.
notar o contralle que observa entre paizesricos e Lallemant medico, a o era no Rio de Janeiro
co eulanto quaei desertos, esses que acabara de refere, dzemos, que mdicos especuladores ao-
visiur, e a zona que lhe succede, e onde brilba nuneiam pelas folhas peridicas que compram
rea civilisagotelatiramede avanzada. negros doaotes, e qua fazam taes transaeges pa-
\o empenbo de explicar este contraste o Sr. r* urarem assea escravos e depoit vendc-los por
Elisa Reclus eotende que o problema fcilmente aIt0 Prego,
se resolv. com a. corredes martimas que indica-' Conla qae ha ,,
araprev.amentead.recgao que seg.iri.m oseo- tam com a, suas proprias joias.s sua. escr.v ,
looo. europ.es. e com as tempestades qae arre- para dar ao, e.tr.ngeiro. alta idea da riqueza que
labramos navios e os .zi.m na.fr.gar as possuem, embora um instante depois m.ndem
.ra... marcando o.i ponto.-ondese elevaran, am ; egout.r .. ofelize, ,inda adornadas com M ....
ota as grandes ctdades do Brasil. aderecos e parolas.
Aindi bem que em seguida se lembra o eacrip- Poderismos ir adiada ; mas parece-nos de so-
to* francez do clima das provincias do sul, que ,Dra qu copiamos do artigo do Sr. Elise Re-
rauito mclborexpliea amis constante diraegao dos de para demonstrar que o sau trabalho perde
emigrantes earopeus para esta parte do imperio ; jaualquer merecimento qae chegaria a ter a al-
sa asaira nao tora, haverla ensejo para lamentar gum reapeito ; porque nao pode nem deve escre-
que o Sr. Elise Reclus fosse pedir s correntes ver sobre am paiz qaem to pouco sabe da sua
martimas e s tempestades a resoluco do pro- historia, da sua geographia e dos costamos do sea
lilema, resolugo q.e slm do clima a historia povo.
caramente olerece. T.n,. .- i .
As crrante, m.ritim.. coneorrerara muito pa- LJ c?d m 1 '"-.'T''1-?' -"" D"
ra o dcscobrimeoto do Brasil por Pedro Alvares fSS20'-"''- !>' hmi
Cabral; mas cerlamente nao ofluir.m na col- QOa" ig ^ *'"" ^ *"' 'mper'
cisajao: as temp.at.de. ainda menos : am .nico i"*' ." aPrela5oes p.er,, e extravagantes,
naufragio leve lugar em sitio visinho daquelle, "'JTZL^.I"*" q" D' M ***
ende a. lev.ntou urna da. nossas m.iore. cidades; f "tr Cm*,r pr,meiro, ,em "'POder
ci o de Diogo Alvares em Itaparica ; nao po- I 'T'' "" ^ Pr ,8S e.conheceremo. a
rm a este naufragio que se deve a fundacao da If^TE ? T o" S*" *" 0b'
rrimeira caoit.ldo Rr.il. .e.rV85e8 d coab"or da Ilevuta dos Dous
frimeira capital do Brasil.
A mais prompta colonisago das provincias do
sul teveoutrasciusa, : o favoravel clima urna
das primeirss ; a necessilaJe de expellir o, Fran-
eez.s do Rio de Janeiro apressou a fundacao dea-
ta cilade, que infliia logo m.ito sobre o sul, .
que avultou de importancia pela excellencia do
seu porto, e Cnimunicace3 com .. trras das
Alioas-Gerae*, onde aa riqaea, mloeraes foram
I .; i reunindo multidoes de avent.reiros : os re-
calos da Hespauha no Prata e a> guerras do sul
Cterminaram emm a rpida povo,go da nossa
provincia mais meridional.
D.>ixemos esta questo de parla a acompanhe-
mos o Sr. Elisa Recia, us sna cariosa visita ;
mas acompsnhamo-lo com cuidado, pois qae real-
rreute nao um guia seguro.
Comegt fazendo do monte Paschoal ama ilha
Patchoal a qae aporta Cabral destobrindo o
Frasil, e sitaa Porto Seguro em urna praia vizi-
cha da ilha por elle imaginada.
Descreveolo ligeiramente a cidade do Rio de
Janeiro, contempla arrebatado a magnificencia da
r.itureza, e faz sobresahir o Corcovado a os Tras
2--iaos.
lieuando qae o engenhoso Sr. Biard o leve pe-
l\ mao, entra em 185$ na ujssa academia das
bellas artes e ali encoatra nove professores e spe-
nss um auditorio de tres slamnos.
-- -^-i JiMM
fOLHETIM
ua mm
POR
AMEDE ACIIARD.
XVII
(GontinuaQodon.22t.)
Em primeiro lugar, prosaguiu La Droute,
evo dizer-lhe que o Sr. duque de Luxembourg
probibiu a. tropas sob sea commando n'um. or-
dem do da, qae mindou afCiar a ler em todos
o quarteis, nao s que se aventurassem alem de
certo, limites tragado, em tomo do acampa-
mento, como tambem, e com especialiiade, que
evilasaem qualquer encontr pena de morle Rosoam por ahi qae o Sr. du-
que nao quer dar comego s hostilidades antas
es chegada do re, que como sabe o tenante, vem
rcssoalmente tomar parte as operagdes.
Daixemos o rai, vamos ao Sr. de Nancrai,
ij. por volta de meio-dia o Sr. d. Nancrais
r sf -vi 5 ca vallo do la lo de Gosselies em com-
panhia de alguns offidaes dos dragesda raioha,
e do regiment de Niveroais, ao tempo em q.e
um i" ni lo de exploradores hespanhoes atreves
sava o Pi.lou o aaqueava orna aldeia. A e.so es-
pedculo irritaram-.e alguns dos nossos.
a Se nao fosse a ordem do dia disse um,
eu carrejara contra aquella canalha.
Co'os diabos 1 axclamou outro. Melhor
ser qua nos vamos d'aqui, porqae tenho am de-
sejo enorme de acariciar o panno da mioha as-
pada.
Nao hadavida observo, um terceiro, de-
vemos vollar.
E quatro ou cinco offieiaes voltam de redas
com recio de levarem mo da. pistolas. O Sr.
de Nsncrais, nada dizia, por.m morda os bigo-
ds com o olhar fizo no. he.panhoes qae se i-
Terdam pondo fogo as campanario. De repente
um alfere. de dragues qae tiara em direitara da
curto para o .campanudo, pachou a espada, ex-
clamando :
O diabo leve as ordena I Nao se ha de
dizer que um official de sua magestade viu quei-
mar-se o estandarte francez sem levar mo da es-
pada 1
' E dizendo isto crava as esporas nos flancos
do cavallo, e parte a galope. Os oatros ficam
indecisos.
Senhoras, nao o deizemos ssm defeza,
disse o Sr. de Nancrais, qae impellia o cavallo
para o lagar da acea.
Todos o segaam sem mais reflaxao. A dii-
cipllna mandava qae recasssem, o ardor e a co-
lera os impelliam am segaimento do alteres.
' Mea Deas I Elles o matam, replico, o
capitao. Avante, senhoras, e viva o rei I
E criva as esporas no avallo, qae arromes
Mundos.
Por ez.mplo : diz .lia. e verdade, que na.
nossas principaes cidades temos despendido om-
inas fabulosas em pagar primas-donas, esqae
ceodo obras de primeira ntc.sssidade.
Faz algumas consideragoe, razotveis sobra o
eolhusiasmo com q.e emprehendemos s vezes
graode. Irabilho em ufl aolensBo estada-loa
bastante ; d. modo que nos acontece perder c-
bedal e tempo, qaa poderismos ler aproveitado
em obras mais bem pensadas.
Discorre perfeitameote, e isso era fcil, sobre
a necessidade de multiplicar as nossas vas de
communicigao. approximando por meio dallas as
provincias longinq.as da capital do imperio.
Mas o Sr. Ese Reclus tem am mu genio que
incesantemente se esforg para desva-lo do bam
caminho : este mu genio mais do que o Sr.
Biard, o Sr. Ave Lallemant.
Depsis de muitas eloogs. refleioea obre o
trabalbo escravo no Brasil, r.flexoes justas ama,
vezes, e oulras inexactas, e fundadas em bases
falsas, o Sr. Elise Reclus passa a considerar a
colonisaco, e especialmente os colonos allemes,
e edao edrega-se de olhos fechados ao Sr. Ave'
Lallemant, que o conduz aonde oeollaboradorda
Revista dos.Dous Mundot cerlamente nao quize-
ra lar ido, pois que nao tamos razio alguma de
sa-se a toda a .Ida. O sea exemplo se-
guido pelos oulros. Com effeilo o pobre al-
teres eslava q.asi morto ; seto oa oito eaval-
leiros o cercavam, e no momento em qae os ca-
marades corriam em seu soccorro elle cshiu aos
ps dos cavallos com a cabega partida por um
golpe. Os nossos offieiaes furiosos accommettem
os Hespanhoes, matam urna dazia delles e dia-
peraam o resto. Arraitados pela sua coragem
avaogam em perseguigo daqaelles qae fugiam
debandados, feriado lorto e direito eisas in-
solentes que os tsmavam por demonios, lima
comgaohia ao regiment da Nivernai, qua vol-
tava do ezarcicio, raconhecendo do outro lado do
Pielou o aniformo do sea eorpo, e eompreheo-
dendo para logo o iierigo a que estivam ezpostos
O. seas offieiaes, nao hesita, marcha a reunir-se
a elles : sua frente rufava o tambor ; asiim
l-avessam, ehegam a Gosselies, de oode sabir,
a partida de exploradore, hespanhoes. Gosselies
urna boa posigo militar; o inlmigo ahi tioha
asseatado os eaobes, e reunido quinhentos a
seiscentos homeos ; por.m nada nos resiste.
Ento esteve tambem l ?
Por minha f que sim : andando por alli vi
tudo e corri para onde eslava o mea capitao. O
Sr. de Nancrai. pareca um leao : sem chapeo,
com a farda rota em diversos lugares, diriga
sempre o cavallo para o pont) em que o comba-
te era mais renhito : quebrou a espada no ven-
trai de um soldado, armaodo-.e logo de am
abre, continuou a ferir direita e esquerda,
exclamando : Viva o rei I Cada vez que o sabr
s. abaizav. am homem desapparacia. Os Hss-
panboes amedrontados abriram as leiraa em
desordem ; spossamo-nos dos anhoes. e quando
delles s restavam na png homeos morios arvo-
rarnos a bandeira branca no alto do reducto.
Afloal de contas perdemos trila homens, sem
contar os feridos : porem poderamo-nos deGos-
selias e do redacto.
Bonito feito d'armss 1 axclamou Bella Rosa
enth.siasmado.
Bonito, na verdade ; mas muito caro, co-
mo vae ver. Tiohamos esq.ecldo a disciplina,
era preciso qae della nos lembrassemos afina!.
Depoia de tomada a posigo o Sr. de Nancraia
reuniu em torno de si os offieiaes seus compa-
nbeiros aioda todos inflammados pelo ardor do
combata ; e Ibes fallou deste modo :
Seobores, commettemos um. falta muito
grave. Sobre mim devem recabir as suas conse-
quenciis como o mais culpado.
< Culpados somos todos nos I exclamarim
os bravos cavalleiros.
< Porem a mim como mais aotigo de todos,
replico, o Sr. de Nancrais, tomptte dar contal ao
Sr. duque de Luzembourg do que acaba da pas-
sar-ae.
elle impoz o silencio com um gesto.
. O mais colpsdo de todos murnu ; e por
tanto foi a mim que os senhoras acompanairam.
c O Sr. de Nancrali dittribaia e. sjldados do
regiment de Nivernai. palos dlfferantia postos,
atirou para am lado o aea sabr todo arrebenta-
do, e tomo, mai traoqaillimente o smiaho do
sappd-lo desejoso it eahir de perder-seno
faio abysmo da diffamagao d.falsidade.
O Sr. Elisio Recias principia cond.mn.ndo o
ytema da partera e de salario am materia de
colonisacio > preonisande a emigracio espoo*
tanea.
Inclinamo-no, nao ponco para esta opioilo do
collaborador da Retisla ; mas nem por isso n-
tendemos q.e na pratica da co'.onisacao am sys-
tems seja absolutamente, e em todasascircama-
tantia,, o melhor a nico adoptavel.
Entretanto nao neste ponto que o Sr. Elisa
Recles vae mal a ae perde: aqai d.ixoa-se galar
osla propria intelligencia ; mas deseando re-
lago e apreciagio de alguns factos, nao falla
maisjpor si, o echo da voz do Sr. Av-L,lle-
mant.
Estudando a organisago e o estado de diver-
sas colonias allemas, passa elle em revista as
estabalecidas no Rio Grande do Sul e em Santa
Cstharins, e ainda inezeto em algamas da seas
inormages, especialmente a respeit* das primei-
rss ; ao meos porin nao encontr nellas Brasl-
leiros algores, nem barbaras mtanos.
E' verdade qae pen.ando e eicrevaodo asiim,
serve elle ao sea principio e demonstra com enea
factos como tpropriedade moralita, eleva e f.li-
cita o colono, o migrant, que pelo contrario
se eoconlra sempre desgragado a offandido em
aeus dlreitos oas colonias das parearlas ou na-
qaellas em que trabalh, por salarlo ; mis. seja
ou nao por isso, o Sr. Elise Reclus nao foi cruel,
nem injusto ?omnosco, truaodo das colonias do
Rio Gnnde do Sal e de Sauta Cilbarna.
Antes, porm, de haver chegado a essas colo-
nias, j o Sr. Elise Retas tioha considerado a
colooisagao do Mucury, e obedecendo inspira-
gao do seu ma genio ; derramado todo o fel da
diffamagao que na fonte envenenada beber, so-
bre um dialineto Brasileiro qus nao conhece, e
sobre estabelecimentos eoloniaes de que nao tem
Ha alguma, que nao seja mais ou manos
falsa.
O collaborador da Revista dos Dous Mundos
depois de referir como pode e como qulz o co-
mego e desenvolvimento da ompanhia do Ma
ury, a da respectiva colonisagao, acompaoha o
Sr. Av-Lallemant ao M.cury em 1859, isso
coda o que contara eate famoso viajante modelo
averbando a calumniosa relago com insiouagea
prfidas e prof.ndamente injuriosas.
Para qae repetirmos o que todos leram com
indignagio em ama poca aioda bem recenta?...
Bastam quatro palavras para assigoalar eita no
va edigao daqaelles improviso.
O Sr. Elise Reclu, descrereo sea viajante mo-
delo, o Sr. Av-L.llem.nt, deemb.rcando em
b. Jo de Porlo-Alegre. e logo all encootrando
daas familias de emigrantes abarracados na
praia e no estado da maior miseria : nao tinham
querido a.jeitar-se duras condigoes impostas
pelo director da companhia de Muc.ry, e instinc-
tivamenta h.viam procarado o mar, que nico
Ihas poderiam offerecer occorro.
A fome o typho punb.m m borriveia tor-
turas esses desgragados. Seguindo a saa viagem
de obiervaglo, o Sr. Lallemant cootini a pre-
senciar egaaes miserias : aqui a peste ali urna
colonia deserta na propria colada de Sauta
Clara a epidemia fazendo horriveit estragos
emPhiladelphia a devastagodas mode,t tagdes dos emigrantes.
A tanto horror, a to brbaro e inqualificavel
abandono dos colonos, acudiu felizmente o Sr.
Av-L,llemnt, que denunciou ao governo do
Brasil triste eituago dos seu, compatriotas no
Mucury.
E ahi a hiatoria, e por ella bem se v que
o Sr. Ave Lallemant qaem falla pela voz do
collaborador da Itevista dos Dous JTaM.
Ma o ..Elsea Recias devi. pensar que o no-
me do viajante modelo oo o salva da respoosa-
biltdade de propalador de falsidades: devia com-
prehender qae era da saa obrlg.gao de homem
de bem informar-se completamente da verdade
dos factos antes de publicar tao graves aecusa-
goes contra um homem, urna companhia e um
governo.
Contra um homem, porque o direttor da com-
panhia do M.cury apresantado como am ver-
dago e deshumano p.r.eguidor.
Contra a companhia do Mucury, porque, tole-
rando eaaes horriveis abusos do seu presidente,
moatrava-se to barbara como elle.
Contra o governo, porqae o proprio Sr. Ese
Reclus, diz :
Que a sorte das victimas foi bem depressa
esquecida, e a companhia do Mucury obteve do
governo um crdito de 3,120,000 franco, com a
garanta de 7 por cento.
O Sr. Elise Reclu devia lembrsr-se qae a sua
responsabilidad, se torosva multo maior ainda,
qaando am urna nota daixava cahir no papel em
que esorevia urna iostneaco tio prfida,qae en-
tendemos at indigno de nos repeti-la.
DavJa lembrar-se q.e sss.mia toda a repon-
abilidade dos alalvee de Sr. Av-Lsllemant,
qaando para mais profundamente ferlra rep.ta-
cao do director da companhia do Muury}a at
ao ponto de escrever qae o imperador do Bra-
sil fulmlnava como Indigno o nome d.qaelle Br-
eilelro, que a provincia de Miots-Geraei duas
vezes prop.zera em primeiro lagar em listas
para senador, como se a attribui{io coostita-
cional da ascolha do senador fosse um ralo q.e
feriase ot candidatos nao escolhidot I
E nem ao menos o Sr. Elise Reclu seinfor-
mou ceite caso dos preceitos da nossa constitu-
gao, nem ao menos se limitou a offe.der o direc-
tor da companhia, e quiz tambem atacar o impe-
rador do Brasil, cilamoiindesuas intengocs ,e>
actos.
Longo esteva do espirito do Sr; Elise Reclus
tado isto ; mas ionegavel que elle pelo me-
nos peccoa por Uviandade e precipitsgao repr-
hensivais.
O Sr. Elise dararia ter-se informado melhor
antes de escrever : e isio era fcil, porque cor-
real impressos docamentos offieiaes que esclare-
cen! perfeitamente esaa questo do Mucury.
Nao nos fazemos cargo de defender o Sr. Teo-
philo Benedicto Ottoni, contra ss accasagoes do
Sr. Av4-Lllemant. Tem o Sr. Otloni adversa,
rios polticos, suat opinies desagradara a mai-
to, dos seos compatriotas; nao ha porm quem
deize de fazer juitiga saa honradez e ao sea
coragao.
Nao o defenderemos, pois ; mas simpl.iment.
faremos recordar slguos escl.recimentos offieiaes,
que sao de sobra para destruir toda essa rede d
aleives tecida pelo Sr. Av-Lallemant.
Na sua visita a diveraas coloniaa estabelecidis
no Brasil, o Sr. Ave Lallemant chegou barra do
Muc.ry. que alias nao nem era ponto colonial,
e ali encontrou fugitivos trinta colonos da Asso-
ci.go Central que haviam abandonado a colonia
no proprio dia em qu. tioham thegado, tendo
recebido virares para quiozo das, e nao lando
querido nem ao Beos ver os lotes de trras que
ttrlbuir J tfefecgao doa coloooa da Santa Cara,
endo certo ojee nanea Ihas falto, o alimento,
pois algaos gneros deque houve falta por ponto
tempo foram s.bdit.fdos por outro. de q.e ha-
vis sbundanciano armazem ala companhia, orno
a farinha do trigo, qaa Ihas foi diatribuida com
proarto, o bacalbio, ata.
5 Se os colonos livenem proearsoV* conjurar a
crise, multo provavelmett-joterlaar co^g"ido ;
a a prova est em que os msi antigs, que vi-
viam em s.ss caas, r dos focos de in/ecgo
creados por aqaelles, a atnveasaram quasi inc-
lume, nao tendo saecumbido um .
Se em Santa Clara se deram ai ci.aa, qae
Bcam apootidaa para adafeccSodo. colonos, oa-

Catharioa padre Vi.
*" p",tdm de Santa
ente Pires da Mott.. ,
A. verJde aiagela, importa nette ...n .
exatta apreciagio dot auccesso.. S0 "
-',.. .9Siubrda,Ie Perloai Jo Mucury .e pra.
nancla todoa os annos com Distante enera',
para dispensar aaxillara. e se no maior n.nwo
i. a.-----..-----... acenauo iratamento o sea melhor antidoto
--------O-----i mw*w i^iwcoiin, UCU1 oi -
i, de mantimentos, estando todoa tituadoiem la-
garea convenientes as margen, dos ribeirea.
Eatos tolonot foram evidentemente irrastados
pala torrente q.e se desprendes em Saota Clara,
e sadazidos com promana, fallizei qae impru-
dentemente Ibes fez alguem, tervindo-se do no-
me do governo.
A estas informages officiae, poderiamos jun-
l,r m.itat outras de igual importancia, mi for
ga e qae nao ealendamos demaaiadamante este
rligo ; no entsnto impossivel esquecermos o
testemanho de tres pessoss autorisadas pela sua
posigao, e pelas commisto.s que desimpenha-
ram. m r
En 1860 o Sr. deputado Tb.ophilo Ottoni, o
director da companhia do M.cury, pron.ncioa
na cmara dos Sn. depatadoi um discurso, em
que distorrendo sobre aqaella companhia, e pa-
tentando a toda i l.z a falaidadadaa accuiagoat
do Sr. Av-Lallemant, enunciou propoaigoes cen-
surando o Sr. conselheiro Manoel Felizardo de
Soaza e Mello, eoto mlniatro da agrie.Hura,
commereio e obras publicas, a quem d. certo mo-
do responsabilisava sm parte pelos abusos a pela
influencia maligna daqualle viajante estipendiado
pelo goveroo.
O Sr. conaelheiro Manoel Felizardo de Souza e
Mello, reapondenlo ao Sr. deputado Tbeophilo
Otloni, disse eoto:
a E. nao dira palavra, Sr. presidente, sobre
tado quanto o nobre deputado expoz a respeito
da empreza do Muc.ry; epprovaria com o mea
silencio a inligoago que mostrou contra as per-
versidades t loucuras do homem tantas vez.s ei-
tigmalisado; nao proferirla ama palavra sobre
todo esse loego tpico do discurso do nobre de-
putado, se nao me tivesse feito urna iojast'cs qu.
eo nao poderla esperar da illustrago do nobre
deputado. Nao era poa,iel, Sr. presidenta, q.e
um bomem na minh, posigo, sem star comple-
tamente varrido de juizo, approvass, quanto
mai acoo.elbasse e ordenatas tantas indignida-
des. B
,.v,..,u.aucu et us iota, ae ierras que c i...t. j
Ihp aram dasiina.in a.i..^ i___m c-epois oe slgumss oulras obsarvacoet, con-
nes eram dastinados ettav.m algn, deites co- douoa fallando do Sr. Ave Lallemant.
tono, atacados d. febre. intermitentes, de que
falleceram tres, achando-te oatrot nataralmante
abatidos : isto bastou para qae o viajante mo-
delo enxergissejnaq.elle espectculo a carnifi-
c A capacidade do individuo, o seu carcter,
nos ram ioteiramente desconheeidos: nao sa-
bamos qaem era o Sr. Lellomant; nunca tioha-
mos tldo relagoas com elle ; sabamos q.e era
um mlico que havia muitos anuos estava no
cia do Mucury, e delle lirasse motivo para o' P*'x nao "Dismos quaes er.m as suas iotenges
invento de mil falsidades. eualds sobrecoloniago ; speteos ligada
pflr..,^ .. .. elle o poderia saber, e essa pesaos o aau-
Fercorrendo as diversas colonias do M.cury, cava.
I II fifi a nhaaaainilit t I. ._..^.<.
vendo e observando tuda, encontrando numeroaos
colonos aslatenos e alegras, e .nimagio am quasi
toda a parte, ainda aasim o Sr. Av-Lallemant
descreveu com aa mais negras cores a colonisa-
co do Mucury, a fez ao director da companhia
terrtvea accasagoes.
O governo imperial, sefentado que o Sr. Av-
Lallemant participara e propalara ter observado,
mando, ao Muc.ry successiv.meote tres commis
arios enerregados de examinar o eatado da-
quella colonia.
O primeiro deste, commissarios foi o Allemao
F. A. Lschmand, amigo do Sr. Av-Lallemant, e
inimlgo pessoal do director da companhia. e aio-
da assim, no meio de iofaodadas censaras, disse
no seu relatorio, fallando da colonia de Stnta
Clara : a Os colonos que ficaram em Santa Clara
em numero de duz.ntos pouco mai oa rueo,,
m psrle sao j mais aotigoa a bem eatabelati-
dos: estes nao detejam sabir da colonia. >
O segundo commtsssrio foi o teoenle Jos Fe-
liciano Bueno Mamor, que em ofleio de 27 de
abril de 1860 resabia aa informages que deu ao
governo imperial oeslta po.eai palavrai: < Ten-
do ouvllo a ptasoas desinteres9adas, posso afflr-
mar que a peior epidemia que tara reinado rusta
colonia e na da Santa Clara foi o Dr. Lall.mant.
O terceiro commla.ario foi o Sr. Dr. Sebastio
Machado Nunes, e este digno cidadao fez em um
longo rotatorio a pintara exacta do estada da co-
ioniae;ao do M.cury, desmeoliodo as Islsas no-
ticias do Dr. I..|leinnt.
Por exemplo : tratando doa colonos de Phila-
delphis.que o Sr. Av-Lallemsnt declara doen-
tes, infetizea e deseapirados, aquelle committa-
rio diz :
Te .do at aqui exposto a V. Exe. as princi-
paes queixas dos colonos, e o q.e me parece,
haver nellas da verdadeiro e procelente, vo di-
zer com franqueza a minha opinio acerca da eo-
loniaago do Mucury, e que o colono que sees-
tibelecer as immediagoss de Philadelpbia atao
Kibeirao de Areia, d'oode comecsm as Ierra de
melhor qualidade, for trabajador e iodustrioso
ha de conquistar urna poii^o e fazer fortuna :
oo posso deixar de formar .ata opinio qoando
o observei entre os colonos modernos (le oito
nm.s), .o lado de um q.e quasi nada tlnha fei-
to, outro qua apra.entava resaltado tasa que or-
prenderam, acc.aado tolos a mesma falla...
De Santi Clara, onie. segundo o Sr. Av-Lal-
lemant, eativam os colooosmorrende a fome, ob-
serva o commissario o seguiote:
Com tses elemento,, a epidemia que houve,
azenao degenerar em ty,>hos ai febres intermit-
ientes, propria, do lugar, um facto qae natural-
mente se explica. A ostras causas oo posso en
m*danfa da eitago, oa s transferencia dedoents
para tocalidade diversa, sobre tudo para a Phi-
ladelpbia,
a Cobsegurotemente reipontabilidsde di
companhia nao pode ir alem do fado da sua im -
previdencia, por que 6 ionegavel qu. revelado o
mal nao ponpwe esforgos pira o tombater.
Nao s deizov de calentar sobre as despeza,
que um melhor Iratamento dos colonos devii
trazer-Ihe, mas sinds fez sscrificios de todo o
geoero para que nada Ibes fallaste ; ainda mas
o proorio direttor da empreza e seu irroo Dr'
Ernesto Benedicto Ottoni, se apreseotsrsm no
meiodofUgello, ezemplillcando assim wat lo.-
vavel dedicegao.
O baro de Tchudy, que vtajou pelo Brasil
com o iim dat-rmiodo de estudar a vida e es-
tado dos colono, ailemes eatabelecidoa no nosw
paiz, lambrado com a mai juatt comidera?'-
pelo S'. Elise Rclui; admira porem qae ocot-
Itborador da Revista dos Dous Mundos se es-
q.eceise dest. tabio allemao, qaando Iratgu d)
Mucury.
H'peremos ao Sr. Elisio Reclus algamas pa-
lavr.a do barao de Tchudy, lirando-aa de am ar-
tigo aobre o M.eary, que elle fez imprimir ns
(ratea Universal deAupsburgo.
O aabio Allemao declara que encontrou- no
Muc.ry poucot colonos queizosos, maa qu. mss-
mo nestes cato, examinando a qaeito de man
perto, achou qae a colpa era dos meamos qur
xosos.
Referiodo-se a todos o colonos deide Phila-
delpbia al Santa Clara, sustenta qa.a ailua-
gio delles em geral satisfactoria, que com pou-
cia excapjes lhe asaegurram todos que a di-
rectora c.mpra eonsciencioaamente os s.ua con-
tratos.
Copiaremos aioda as seguinles informagss que
ae acham no mesmo artigo :
Como na mor parte dos colonia, lambam no
M.cury o emigrante morigerado e intelligeotu
conaegue em pouco tempo ama posigao propor-
cionalmente boa, que elle vae de anno em anno
melhorando pela sobriedade, pelo trabalho aasi-
duo pela economa, aicuwfarNo emjimvm re-
sultado que nao lhe /ora dado esperar na Europa
( Co/iinuar-,f Aa )
Ora, qaa calpa posso eu ter, sa esse bomem
trahiu aquella q.e o aprsenlo.? serei eu por
isso r.spoaiard ? nao iaau ama iojustiga grave
que me faz o oobre dep.tado?... ae o nobre de-
p.tado reconhece aa inconveniencia* desss folhe-
to, cajos trechos hoolem foram aqui iidos, a ali
h calumnia, perveridade a mentira, permitta-
se-me a ezpresso, qu. peso pola dr-3e a ama
carta, em que ella diz -por aua causa eatou aqui ?
Se eu tenho piutsdu o homem tal qual o con-
aidero agora, se lente estyg-nsl'.sado o seu pro-
cedim.nto, orno poderei ser cmplice com
elle?... >
En ah o Sr. Lallemant j.lgado por am minis-
tro de corda, a q.em o Sr. Tbeophilo Otloni fazia
opposigao, e de quem adversario poltico.
No i.lstorio da llquidago da companhia po
Mucury por parte do governo, r.latoro qae nao
pode ser saspeito como religido poralgam ami-
go pessoal do ez-director da companhia, nao me-
nos se desmentem as mvenges calumniosas do
Sr. Lallemant.
Eis o que se l em duas das paginas desse do-
cumento.
Em referencia aos trabalhos da companhia em
1859, di, o relatorio :
A eolonisago era o maior, seno exclusivo
afn da corupaobia.
A' Un.il.i iTiiniiva obra asa object) auc-
cedera um fabril ardor.
A' parcimooia em trizer emigrantes, seguira-
se a avidez de alcangt-los promptoi e em gran-
de numero, da modo que o Mucury chfgoa mo-
mentneamente a rivuliaar com aa mal fortei
emprazai coloaitadorai do imperio.
< Resultado em parte desse proceder da com-
panhia. e em parte filho d. umi ruim fatalidade,
deu-se o ficto de ao acharem accumulados mais
de 500 emigrantes ni poca pestifara do anno, e
no lugar mais insalubre do Mucury.
Seguiu-se o lgubre e doloroso painel que o
paiz contemplou, o cujos traeos nao sio deste
lug.r.
a E' justiga no entanto dizer que, ae de im-
providencia foi culpada a companhia nene fatal
detattre, muiloi etforgot envidou ella depois!
para resgatar o aeu erro ou attenua-lo.
> Qaanto s terral, caja propriedade a com-
Variedades
ILLU3TRES FALLECIMENTOS.
O duque Cirloi Bernardo, tio do graa-duque- da
Saxe Weimar, dii o Commercio do Porto, fll-
ceu com ntenta annos de edade sendo general d-
infantaria dos Paizes-Baixos.
Deixou o duqae cinco filfaos, tre principes *.
duas priocezas. A mais nova, nsseida em 1830
casou era 1853 com o principe G.ilherme Frede-
rico Henrique, principe do, Paizes-Baixos, irnio
do ra reinante Guilherme III.
O duqaa Carlos, tioha esposado em 30 de msio
de 1816, a lha do fallecido principe Jorge de
Saxe-Meiningen, morta em 1832.
Em 1830, commaodava em Giod, a divis
militar de Flindres oriental.
O conde Josaph de Ugsrle, camarista do impe -
redor da Austria, e raembro do parlamento de
Vienna, no dia 27dejulbo, dea ama queda do
cavallo abaixo, o qua lhe coatou a vida.
Tioha oascido a 26 de outubro de 1804.
Em Berln, fallece, o tenente general do Bor-
ck-, auligo commandanle da capital prussians
Tinha 71 annos.
quartel general. Ha ama hora qae l chegou
a quando aahiu foi para recolher-as prisao?
Est bem certo disto? pergant >u Baila-
nasa.
Encontrei-ma com elle, a apenas me viu
fez stgnal para que me approximasse, Est >. de
contas justas, La Deroate, me disse elle ; se Bel-
la-Roaa chegar boje a noute, diga-ihequ. pro-
cure logo verme ; por que ama hora depoia de
sabir o sol ser m.ito larde. -
Bella-Rosa vesta apretadamente 4 farda
apertou o talim, e pegou no bonete.
Vae j para onde elti ett, tenente? per-
gado. La Daroute.
Nao, retpondeu Bella-Rota.
E onde vae com tinta preisa?
Vou ter com o Sr. daiae.
Nao o pode recebar: ha conselho esta no la
Eotrare forga.
Mea tenente, o que vaefizer? Tenha cui-
dado I
Em qae?
Arrisca assim a sua vida.
Pois bem ; arrltcoa minha vida, mas salvo
a delle.
E sem querer ouvir maia as observages de La
Daroute, aibiu da tenda, e dirigiu-se toda a
presea para o quartel general. O sargento se-
guta-o de longe. A, primeiras seolinellas o dei-
xaram pas,ar: a, auss dragonas, a a desordem
dos seas vestido fizeram com qae o lomassem
porum aj.daote de campo ncarragado de 1-
g.ma ordam do Sr. principe de Conde. Mai a
adrada do aposento do general um granadeiro
fe-lo parar, dizeodo:
Noe ptssa.
O Sr. de Luzembourg eat a minha etpera.
respondea Baila-Rosa afoatamenle.
A senha?
Nao sei.
Eoto nao entrt.
E' o qaa havemos de ver.
E Bella-Rosa derribando o granadeiro com umi
torga irrasittivel peoetrou no orredor saleo,
urna escada no fim da qual brilhava ama luz ar-
redou dais ordenangas que encontrn no pata-
mar dessa escada, abra urna porta qae vi. em
sna frente, e desappareceu antes mesmo que a
senlinella tlvease tido tempo de armar o sea
moiq.ete.
O Sr. de Lux.mboarg athiva-se sentado n'uma
grande poltrona, tendo em eoaamaoi alguna des-
pachos, e sobre a meaa ao sin alcance muitas
cartat e papis disperso.
Ao barulho que faz Bella-Rosi penetrando na
sala o general perguntou sem voltar a caber i
Quem ,e o qae qaer? Nao del ordem para
que niogaem entraste ?
n 77 !'" d,1ue forel entinella, responden
Bella-Rota.
A' eitat patarras, e ao som daq.ella toz des -
conhecldi, odnqaede Luzembourg te levanto.
E ama aadacla que lhe ha de c.ttu muito
tiro, aanbor.
E agitju ama esmpanhia qu, n ,cht ,0Dre
misa.
Alguna offieiaes de servigo e as ordenasen en-
traran) logo.
General, digoe-se ourir-me, e depois dis-
pora da miaba vida como lhe aprouver, disse
Bella-Rosa no momento em que o Sr. de L.xem -
bcurg ia talvez dar a oidem de prisao.
O taque calou-se: os teas olhos inflammtdos
pela colera fixaram-ie era Bella-Roia. A des-
ordem que sa notsva na pessoa do joven official,
e a sbceridade e franqueza qua lhe transpare-
ciam na physionomia, a resolugo do sea olhar,
e a oxiedade que se lia no leu semblante, imprea-
sionaram o illuatrs general: acenou com a mo
a todos se rotiraram.
O dujue de L.xembo.rg e Bellt-Rosaflearam
a sos em preseogs um do outro.
XIX
Boa sement etn boa trra.
O genrale o tenenti encararan) e poralguns
minatos antas que qualq.er delles se resolvasse
a fallar. Qu.oi polesse ler no corsgo do Sr.
de L.xembo.rg talvez q.a ali deparasse com os
iocertos e fugitivos clares de ama recordarlo
mergulhsda nis sombras de urna vida agitada e
tumaltuosa.
Quaot) a Bella-Rosa, nanea elle tivera occa-
sio de achar-se, ao meno, assim lhe pareca, em
prisenga do grande general, coja fama se reves-
ta de rdenta brillo at mesmo entre os nomes
temiveis de Turenne e de Conde. O tfJtaor eo
respe'o apoderaramse-lhe do espirito, e elie
abaixou osea olhar altivo em preseoga do Sr. de
Luxembourg.
A vaga records;"io do gtoeral pasin como am
relmpago. Nao viu dianta de ai mais do que
ara official temerario, a quem c.mpria ouvir e
punir depois.
O que quir? Diga.
Veabo implorar o perdo de um culpado.
Como te chama elle ?
O Sr. de Nancraia.
O caplto qus aoje meimo batea ot heipa-
nba, e tomou tiosieliei?
Una bonita cgo, general.
Nao ha bonita cgo contra a disciplina.
Queimavam o estandarte francez no proprio
territorio do rei I
Mas havia ama ordem do dia, aenhor: quei-
massam vinte estandartes, aaqueassem cincoenta
aldeasera deverdo soldado nao ae mover.
Foi uma (alta qae o capitao reigatou a pre-
go de uma victoria.
A quetto neste caso nao era vencer, mas
sim obedecer. Se nao for attendlda o respeta-
da a voz dos generaos, o qua aera da disciplina?
E sem disciplina o qaa aar do ezercito?
E' a primeira re q.e o Sr. de Nancrais
vence sem permisio.'
B aari tambem a ultima.
Sr. duque. .
E' preciso um exemplo. Reste tempo em
que ds corte nos ehegam boto, offieiaes jovens
e iaezperientes, qae nada antendem das necessi-
dade, de guerra, tolsrar ma to grande infrac-
gao s lea militares, seria o mesmo que aatori-
ar mais trinta. O Sr. de Nancrai, ha de morrer.
- -----------, j- t-----1---------------- -"- ., un ns turcas auaia
psnlua adquira, nada preciso que eu diga, solvam a vir coutr.bir mairimonio
fatn nu. i.oihmo.i. a~ nai fian oan .,______i c,-., -;^.. *- .._._ .- vu.w
REQUISITO PARA CASAR.
Aoresentaratu-ae yot maia da utnaTaz, ao cura
de certa freguesla, um homem e uma mulher pa-
ra se receberem m casamento ; porm o noiv
estav, sempre em tal estado de embriaguez, qn
o boro pastor recusava-se a sanecionar o aumpri-
menlo daq.elle sacramento, para assim nao com-
metter am sacrilegio. Na ultima apresentaca-
perg.ntou elle a mulher :
Nao te envergoohs de querer casar com ut
homem de to mu vicio, sendo alias, tu uc
mulher bam comportada ?
Dita estas pilivrts, copioso foi logo o pran-
to da dsgragda noiva, a qual com graode peio
e a muito custo pode responder ao cura, q.e id-
postivel era raceber-se estando o seu noivo um
vinho.
Ma, porque insist, o padre.
Ah, seohor I... L' que quando nao est De-
bado perdido, nao ha forgas humanas que o re-
- tlaarsataaM -. ,- &.___a.
visto qua a Ugitimago de 291,013,969 bragas
quadrada* fui feia segundo ss iostrueges e ex-
plicita approvago de diversos presidente da pro-
vincia de Mina, qu. esto muito alto collocados
para necossitarem de defeza. Fallo dos Scs. se-
nadores F. D. Pereira de Vasconcillot, Ilerculaoo
Ferraira Penna eCirnairode Campo,, do ac-
Sr. d.q.e, pego-lhe que ao digne de alten-
der-me.
Oh I Q.em o seohor para mo,trar tinta
pertinacia
Billa Roa, tenente do corpo de arti-
lharia.
Bella Ro9s E'um nome singular I
O nome nada vem ao caso.
Sem duvida q.e sim, replicn o tnsate
q.e nao po le deixar de sorrir-se Porm per-
gunto irmo, prente, ou amigo do Sr. de
Nancrais ?
Nada disto ; apenas 6 elle mea caplto.
Tanto melhor I E' mais um par de drago-
nas que o seobor pode gaohar.
Oh I Sr. duque I exelamou Baila Rosa em
ar de cenaura.
O qne qeer? Na guerra as coasas sao as-
sim : cada am cada de si, e ai balas cnidaro
de todos.
Porm....
Basta. Qaiz ouvi-lo, senhor, eesqaecerpor
um instante a infraego aevera que acaba de
commetter forjando a aentinella que defenda a
entrada do mea aposento : mas esta iodalgen-
cia, da qual espero me nao dar otcaslo de ar-
repender-me, nao motivo para perdoar a falta
de que tornou-ae culpado o Sr. de Nancrais. J
disse e repito : o capitio ser fusilado amanba
m.ito cedo.
Nao, oo pode ser 1 exelamou Bella Rosa
afoutam.de.
E qaem o ha de impedir ?
V. Exc. mesmo.
E I
Sim, V. Exc.
Sr. Bella Rosa, tanha euiiado comsigo I
exelamou o duque empallidocendo.
Oh I Quanto a mim, nada recelo : tenho o
direito do meu lado, aaiim como o Sr. de Nan-
craia tem a juitiga de V. Exc. para def.ode-lo.
Nao ae mita assim um bravo odiis!, t porque
elle mostrou qne tem sangue nai veiai I
Apre, tenhor I
) Se V. Exe. estivesse no seu lugar, Sr. du-
quo. talvez fizesse o mesmo.
A' estas palavras o duque de Luzembourg sor-
riu-se, e responden :
Conveoho : mas tambem te elle etliveite
no meu lagar faria o que eu fago.
Bella Rota prosegua :
Uma horda de assassoos umita o estan-
darte francez ; um capitao do rei eat presenta,
e oo ha de puxar da espada para castigar os in-
solentes I Oh I Isto nao possivel I De que
servem eoto as dragonas de official ? O incen lio
devora urna aldeia ; oeheiro da plvora traos-
torna a eabegs ; o cavallo escarva o chao de im-
paciencia ; as espora, cravam-se-lhe nos flan -
eos lnsensirelmente ; e o caralleiro parte, nso
porque q.eira partir, mas porqae bomem. E
depois.... o que acontece ? O ioim'go rolla as
costaa ; parseguem-o, matam torto e direi-
to, accommettem repentinamente um riducto,
que levamde analto, cravam o eitandarte brin-
co no cimo da fortaleza aos gritos devive o
rei I..i Abragam-ie nnscom os outros, 9 c rci-
Em vista de uma to forte" razo, nao sabia .
paroebo o que havia de (ater.
O qae sobre ludo causara d, era o ver que
desditosa moga, oa havia de se ligar em casarneu
to com o tal bebedor iosaciavel, ou ficar lolteira,
cousa, no le. entender, talvez muito peior ainda'
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
ta em vez de uma recompenu, umi bala da
mosq.ete que eat preparada I V. Exc. meamo
Sr. duque, cuja pro.zai to to coohicidat, v!
Exc. q.e julga os outros com tanta presteza e
rectidaoteria atravessado vinte rios. esmagadr
dez mil hespanhoes, tomado trida redados I
Eis aqu o q.e faria V. Exc, aasim meamo du-
que e psr de Franga como ; eia aqui o qu*
tambem eu teria feitoeu, que sou apenas urr.
pobre tenente I
Poi bem I neste caso seriamos nos ambo.-
fusilados, replicoa o general.
Baila Rosa estremeceu. No seo ardor genesoso
esquecera por ara instante a qaalidtde do bo-
mem quem fallava. Mas saas ultimas pa-
lavras arrefeceu-36-lhe o enthusiasmo juvenil,
como se arrefecs a agaa farveodo ao jogar-se
00 vaso algumas gotas de agua fra.
O senhor defaodau ptimamente a causs do
Sr. de Nancrais, accreacentou o duque d Le-
x.mbourg com dignidade : a au lacla assenta bem
mocidade, e esta de que acaba de dar provas o
honra muito, ao meamo tempo que me fas te:
era alta opiaio o carcter do Sr. de Nanerais.
Nao se um homem eomo ostro qualquer,qaando
ae sabe inapirar dedicaget desta ordem. Porm
antes d. tudo eit a disciplina : nao obstante a
suas supplicas, tenho o petar de repetir-lfae q.e
o cap'l ios.r iuilado araanbaa muito cedo.
O Sr. de Luxembourg com o geto nobre aau-
dou a Ballt-Rois ; mas este oo ae moveu.
O duq.a csrregou o aobt'olho.
Cr.io queme expliqueiclaramente, senhor,
disse elle.
Perdoe-me V. Etc. seouto in,iattr...
Oh I Sr. Bella Rosa I Nao quiz dar-me pe*
offenlido com o atrevimaoto que pratcou ; po-
rm a sua persisteoeia obrigi-me a lembrr- :
quem eu oa e q.em 4 o senbor.
Bella-llosa aorra-se tristemente.
&' verdade, seobor, a distancia qu. zist.
entre nos deve lembrar-lhe que V. Exc. pode
eflietuar ama boa aego, e qu. e. nao poeto fa-
zer miis do que lroplorar-lhe I
O Sr. de L.xembo.rg reprima am geato de
impaciencia.
J q.e o i.ohor nao me quer eomprehen-
der, voa chamar q.em o conduta ae quartel de
artilharia.
Conelaindo eitts palavras o duque approxi-
mou-ie da mesa para agarrar na campaioha ;
mai Italia Rosa prevendo eate movimento, e
correndo para junto da meaa, aaguroa na mao do
general.
Sr. duqa, por piedtde 1 exelamou elle.
Um rao de colera lazio nos olbos do Sr. j-
Luxembo.rg ; com uma daa mos agarro, o te-
nente pela gola 1a farda, com a outra apontou-
lhe ao pei lo uma pistola. O gatilbo abalease,
mas a etcorva mentiu ; e o duque furioso alircu
a arma h aeaa pea.
Nem um i msculo do semblante de Bella
Rose estremeceu.
(Confinuarse-Aa.)
PERNAMBUCO.TYP,DI M, f. DS F. FILHO.



s

/

v



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETLARS9WM_UMS4RT INGEST_TIME 2013-05-01T01:10:05Z PACKAGE AA00011611_09631
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES