Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09623


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO IIIVIH. IDMEIO 216
Pr tre aczesidiantados 5 jOOo
rtr treifteze vencido 6|000
SEXTA FEIRA 19 H SETEMBR8 DI !tl?.
Ptruit liiutad i&fOOO
Pfrt fraict para iissirf tar

NCARRRGADOS DA SUBSCRlPgAO DO NORTE.
Paribybi, o Sr. Antomo Alexaudrino de Li-
na ; Natal, o Sr. Antjnlo Mirques da Silva ;
Aracaty, o Sr. A. da Lemos Braga ; Caer o Sr!
-J. Josa de Oliveira : Mirmhao, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues ; Par, Manoel Piuheiro &
C; Amazonas, o Sr. Joronyrao da Costa.
E.NCAR REGADOS D.V SUBCMPCAO' DO SUL.
Alagas, o Sr. Clandno Falco Dias; Bshia,
Sr. Jos Minios Alvos; Rio de Janeiro, o S-.
jj fereira Martius.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos 01 das as 9;; horas do dia.
Iguarassu, Goianna, e Paredyba asa segundas
e sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Boallo. Caruar, Altioho
e uaranhen as lerja-f-iras.
Pao d'Alho, Naxaretb. Limoero, Brejo, Pes-
quera. Iugazpira, Flores, Villa Bella, Boa-Viata,
Ouncury Exu as quartas-feira.
Cibo^ Seriuhaem, Rio Formoso Uoa.Barrelro
Agua-Fieta, Pirseote ras e Natal quintas-feirae.
[Todoa os correios partera a 10 horas da maoh)
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
7 La cheia as horas e 16 minutos da larde,
15 Qaarto minguaniu a 1 hora a 21 minutos da
tarde.
23 La nova as 6 horas e 16 minutos da maoha
30 yuarto crescente a 1 hora e 28 minutos da
tarde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro aos5 minutos da maoha.
Segundo aoa 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTLIROS
Para o sal a, Alagoaa a 5 e 20; para o norte
at a raoja l e 29 de cada mea.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recite do Jpipucoi s 6 1|2. 7, 7 112,8
a 811|2 da ,D.; de oitnda s 8 da m. e 6 da i.; de
Jabcatao i 6 1,2 da m.; do Caxang e Yarzea
a i d* m.; da Bemftca s 8 da m.
Do Recre: pira o Apipucos s 3 1|2 4, 4 1|4
4 1(2, 5.*ll*, 51(2 e 6 da t ; para Olinda !x* 7
da m. e 4 t|2 da t.; para Jaboato as da t.; para
o Caxang a Yarzea a 4 l[ da t ; para Bem/ica
as 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas o quintil.
Relacao tercas o sabbedoss 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: aegundaa ao meio dia.
Dito da orphos: tergas e sexta s 10 horas.
Priraeira rara do cival tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DI AS DA SEMANA.
pote officul
GOYEKS DA PROVINCIA.
Expediente do dia C de setenibro
de lH6i.
Officio ao Exm. prasidenla da provincia do
.-jar. Passo &a m3os da V. Exc. para os con-
venientes exames opa do termo de entreg
dos objeclos que pelo arsenal de guerra foram
ambareado no vapor Cruzeiro do Su! cm des-
tino ao corpo de guaro r\o desi proviucis.
Dito ao Ex-n. bispo diocesano.'Aogo V. Exc
digne de proviJoo*iar pan que sej p-een-
CDido, como coovim a educaco das orphaas do
:ollegio da villa do Dom-Conselho o lugar da
capella daquelle estabelecimento que actualmen-
te a* acha vago por t*r fallecido no dia 4 io
torrente o padre Jos Joaquim da Costa, legando
me comunica o juiz Jo direito interiuo da co-
marca de Garanhuns.
)ito ao commandante das armas.- Transmiti
xc. o procesto de conselho de guerra do
segn o batalhao de infanlaria Mar-
Ba'tisl, aQm de ser cjxprila n
rando que nao pode ser attendida a pretoncao do
meamo Sr. Viaconde sobra a nomeaeo de tutor
aoa menores, Dlhosde subditos francezes casados
com bresileiras e que allecerem nesta provincia.
Aproveito asti oceaeio para renovar ao masmo
6r. cnsul os meas protesiotlde estima e sonsi-
deragao.
Dito ao jaiz municipal a interino de diroito do
ki rormoso.Hoja Vme.de informar o incluso
requerimento em que Jos Mara da Figueiredo
15 Segunda. S. Domingos em Suriano.
Ir. Terga. Ss. Coroelio e Cvpriano mrr
!li Quarla. AsChagas -ie S. Francisco de rlu
18 umt. S. Jt de Capprtino f. '
19 S^iia. S. Januario b. m.; S. O.nstanca
at) Sabbado. S Eustajuio m.; S. Glicirio \>-
-l Ujmiogo. testa de Noaaa Senhura das Dures.
| ASSIONA SE
.no Rec'.fe, era a li.raria da praca da IndepeD-
is." t F,.-ri.6&bFro.propriet",oMaijoei **&
Diz o Sr. WalUf que o Pora na confluencia
ae Faunim anda muito volumoso.
Para. Nosso correspondenta diz-noa o se-
gainie-
As michas ultimas
luidas intelramente de
prender a cariosidada
desia vez compenndas
correspondencias desti-
noticias, que pod^ssem
de seus leitores, serio
por acootevlmeDlos im-
portantes e ao masmo lempo d* suman gravida-
de, auccedidos ni ultima quinzena,
a V.
soldado do
elino Joi
ezembro de 1652, oa objdctos menciona-
dos na relagao inclusa osquaessao necersarios a
i pbarmacia do hospital militar, como declarou o
i origadeiro commandante das armas em officio
i numero 1/81 de 14 lo correte.Cmmunicou-
sa a ihesourari de (zenda.
Dito ao agente do Rio Grande do Norte.Es-
tan jo ] coocluido os concertos que naaodei (azer
no zabumba ja comnaohia dos edacndos da
aentenga proferida pelo conselho supremo mili-' Prov,Dcia Jo ""> Grande do Norte, conrea que
lar de justiga no mesmo processo. i ] uc- made raceber no arsenal da guerra ln-
* u*-\Ir?0 laMour>a d fazenda da quanlia
a ^djjjuo rea, em que evgundo a cania junta
Dito ao meamo.Qjeira V. Exc. informar so-
lare o que pede o corneta do detimo bataibo!
de infanlaria fembelino Joa dos Santoe oo In-
claso requerlmtnto.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
acerca do que pode no Incluso officio o delecado '
eacarregado da repartirlo di polica.
r Dito ao mesmo. Passo s
para tor o convenanle destino
tenenie do stimo baUlbao de infantina" Pedro
Luiz Mn',el di Je5ua, a qual foi transmittida
com offl;io do Exm. prndenle da l.hia, datado
de 10 do correte.
Dito ao Dr. proredor da Stnta C^i da Mi
corjia. E-i vui do qUe v. S. informou em
maos de V. Exc.
a f de officio du
eri-
seu
imporiam as respectivas depezas.Fez se o ne-
cessario expediente.
Dito cmara municipal de Oruar.-Com-
munico a cmara municipal da eidade de Caruar
para seu conhecimanlo que stgundo consta de
aviso do miniiteno do imperio de 6 do correle
?OfeSD0 lmPeria' approvara por ser conforme
tom a doutriua do aviso do 1* de maio ultimo a
fimn fl-8 df' a essi ""r. em2 de j.lho pro-
l!a 90bre s aP"C3 dos votos dados na
etei?ao de um merabro de aisemble. legislativa
pronncial. observando todavs qe tena sido
nado o procedimento da meima cmara
20 de 9 de
offi:o do M do correte, com referencia o re- s,e ss,e re8ulado pelo aviao numi
qaerimaoto de lpiaoo Bezerra de Mello, encn- l,.er*fro <** 18*8.
curar a tre3 joentes de elepaantiasas
regado de
do li isptsl doi luiros, o autoriso amao2;r
deapcuJera quautia da duz->oto3 mil risaunuaes
com o aluzuel do sitio do C^m^u Graude em Be
acriba, Indicado pelo peticionario como nacessa-
ro para esse tratamento, c^odo V. S. certa de
que oesta' data recommsndo a ex^edigo das
onveoientes ordena [.ara que mediante as cau-
\rllai precisis a polica se nao opponha estada
ios eiephaotnses no prediio 3it:o. Officiou-se
o delegado encarregado do expeliente da po-
lica.
Dito ao Dpoctor da thesour-ris de fazenda.
V vial i do pediio a deoionslrtQo junta, mande
V. S.adiaatar a> almoxinfe do hospital militar,
nao havendo ioconveolente, a quiniia de ... .
*:200J para o:correr ao pagamamo das despezas
na segunda quinzena
.o mez cocronle. como aolicitoa o comoiandaote
Osa armas em officio n. 1765 de 13 deate mez.
Loamanicou-ae ao commandaote das armas.
Diloao mesmo.Expega V, S. as suas ordens
para que a conttr do 1. de outubro vindouro
>m diaate seja p^go nesta capil.l ao segundo
';;i?ite qiarlel-mestre Francisco Podro Borges,
o sold do capitao Jos Angelo de Moraes
Rgo, como este pete no incluso requerimenta.
Comrniouou-se ao commindanle das armas.
Dito ao mesmo.Annuinlo ao que solicitoa o
brigadeiro comman lanle das armas em officio do
bootera sob n. 178S. recommendo V. S. qu
mande abonar io capillo do quarto bataibo de
artilbara a p Jos Angelo de Mores Rago, que
Portar
na.Os senhores agentes da companhia
Drasueira de paquetes a vapor mindem dar trans-
porte para Maceio por coota do ministerio da
guerra a dous toldados que servem de camara-
dasi aoa capitaes Jos Angelo de Moraes Reg, e
Antonio Cabral de Mello Lucio e com estes des-
tacara para o centro da provincia.
U la.Os senhores agentes da companhia bra-
loira de paquetes a vapor manden)
pr-
S
Actaalmenie nao se falla aqui em oatra coasa
pela desconflangaeinaerteza em que todos eito,
e para cumulo de maior infellcidade lera igual-
mente causado .balo as noticias do vapor pela
continuado de fslleociaa ahi havidas.
Portante em referencia ao commercio n3o
podemos estar aqu, em peior aituaco do que a
presente. ^
a Defiendo os negotios commerciies quanto a
quebrai teoho a anoanciar-lhe qua aiid.m.is
lo.alidaues desta provincia Qcam em paz. segun-
do as noticias trazidas ltimamente pelo ifa-
of. r
a Neste vapor veio de Santarem o noiso virtuoso
prelado, o Exm. Sr. D. Antonio de Macedo Costa,
que se recolhe da primeira visita sua diocese,
(tunando os povos por toda a parte satisfeitos e
felzes, p"r lerera ouvido a eloquente voz do aau
peaior e por terem sido por elle abenr^oados. S.
Lxc. com a actividade que todoa lhereconhe-
cem. e com a maior dedicagao sempra pela saa
ugusta missao. nao perdeu um minuto que nao
pro'eitasse em beneficio da lo(trCCO e purifi-
car^ao d .--. K. os cos que seja conservada a existencia e sale
co, V ,publ,c,dfade i0 f">Ka0 "e taes neg-1 de tao virtuoso prelado, para gloria da nossa san-
to, nao so em referencia s complicar-oes sus- ta religio.
So aVi.m*i ."""S5"-, de '"nP* a 'em- i Como Ihe dissa na minba ultima caria teve
mas UmbSe^*JSLX"}*1 .di DU,Si fron,t.8ra. **r D ?*. T8 dfl 80Sl0 Jlga>eoto sobre o
dulSSSLv'F?110 "'""" Pee.luraa testamenio falso, em que flg.r.rm como reos, o
a provincia do Para, em virtu-le da fuga cons- ; commendador Domiogos Do
t*nie de eteravos, que, pesiando fcilmente para i tauass, e outros.
do imperio e a Guienne, trensviada da ha muito
pelos interasses da FreDfM, vai de dia a di tra-
zendo aeris apprahensoes aos homens pensado-
ra, em consequencia daa eomplicscoes intero-
conaes que podem surgir, e aflectar seriamente
esta parte do Brasil.
O jornaes deiia eidade, que nao perdem
nlo no exame das cousas publicas, tem por
colherao quartel tocou o hymno nacional, de-
ram-se vivas e deita'am-ss foguetes, notendo-ae
em todoa o mals siocero ?razer.
O Sr. commandante de aitilharia deu um jan-
>r ao seu corpo, qae esteva animado o bem ser-
vido.
a carta j vai looga, fecho-a daado-lhe
noticias martimas pala maneira se-
coota das
guinH :
<( ^,raram de portoa estrangeiroa 7 navios
com 1880 tonell.da e 74 pessoas de tripolaco.
_-iJ*'faram de portas naciooaes 4 navios cora
ZDiy touelladas e 135 pessoas de tripsiaeSo sea-
do 2 a vele e 2 a vapor.
Sahiram para portos cstraogairos
com 4789 tonelladas e 162
laco
ou que a
que est
15
pessoas de
vesse paseado, snppc-i que o marido est do-olo
aqu, e pele qun o manden busaar.
ragam. A infeliz sintiera parece
m.mt1?0' laroca{" mals "> naufragio no
oZhA' P0UC mflS U meaos onde 9e dB'J
o ao mate Conce\ao.
Anton^^r"^0 Fdi~- P?<,P"ed"e do Sr.
oara .i- 6.1'*,ei" R"8- "Sidu do Tury-Aas,
navios d'e |doP ,D, ^ ^ 1 p"t-:Jo- cora tarS->
- rL,TJAl MS.u"r._ago.rdente. arroz, etc., en-
multo vento
tfipo-jContrando n
_... o mar, .brio-
Sahiram par. porlo, naciooaes 5 navioi com ManVunc, [JZTJ' ^W?010 di barra
do -Q-''t(,aV H3 pesso" de lriP0lSM, sea- -T.?SfLli<,?/.P'"#. h<"" > noite.
dr
irges Machado Ac
hida da obra intitulada 0 Oxjapok e o da-Jor Domingos Borgea Machado Aealauass Mi-
s. peto; r. Joaquim Caetaoo da Silva, 'guel Nogueira Monteiro. Jos Gregorio de Arauio
rchivos.da chancellar!, franeza foi es- e Francisco Antonio Pmheiro, acompanhados de
esta loca^idade, enconlrsm ahi ioteira liberdale
e protecsao, com grsve prejuizo da propriedade
e intereases brasileiros.
U Diario do Grao Para por vezes tem es-
cripto sobre lio importante aasuropto, asslm co-
mo o Jornal do Amazonat, havendo este ulti-
mimeote publicado o estado de semlhaote ques-
lao, extrabida
Amazonas
que sosa
tudar esie negocio ; e na verdade. para g'ori utor e para honra do Braail, encontra-se nesae
importante trabalho ludo quanio ba de verdade-
ro e minucioso acerca das deamedidas preter.coes
aa franca, e doa direit.s indecnaveis do Brasil,
sobre os limites que sempre possuio, e que de
na muito se querem fazer recuar margem es-
querda do Amazona?. B
j A attenjao publica nao lem simolesmente
permanecido nete ponto. A livre navegQao do
; no-mar s potencias estrangeiras, com as neces-
O inbanal do jury esteva todo o da e toda a
noite cheio de espectadores.
Eslava presente a parte aecueadora, D. M-
rianna Rodrinues Martina, aompanhada do seu
advogado, Manoel Goncalves da Cunha Me-
me.
a l.-livam preaenlea como aecusados commen
: 3 a vela e 2 a vapor,
a Navios descarga :
o Barca fraocez Tocantin?.
Lugre porluguez Acaso.
Patacho dito L'nio.
Navios carga :
i Brigae norueguei Eleonora.
>ta iilHth0 Pgrl"B" Boa-Koxa, para Londre.
at 11 do corrate.
o su? "Pr Tocantins P8tte mei noite para
Ma'anho.Desapparecra em a noite del do
correte, EJu.rdo Rongeron. estabelecido na ca-
>al. auppondo-se haver seguido p>r Demerar
a Salvaram-se o m-.tre, 9 pessoas da tnpola-
Luli."i.P"i!*ir2s'.tIld0 suumbidoD. M.ri?
Luiza da Rocha, de 13 annos de idale.
cai.?-6/8"1.'""010 """'"a nassac-
3 2 'a APIt," 4 Manganea no di^
hora, da m.nK? 'arde' 6 a eSle por, hoe 5 '
dend. H*"h" nasu*sca O. Auna, proce-
uenie oa Bacurypan.ira.
.i*... dl" V. d',>Pasado correa a noticia deque
fran^.T, h,,d" "' CS'a de,,a llha bar"
L.mli,,! i"a'0! ^'" "ona d0 "" com carre-
Pedro R.hBV,I,h" Urat'- Low Sr" Jo*
d. em i?-' qU.e e,l eDCa"p8'do d. gerencia
da companhia de vapores, fez partir
lugar onde estara
o
e-or P"ra o Para e escala, no oa seguiote.
- No da voltou o S. Luiz, trazendo pi
r carregameoto. tendo o seu corr.mandante
lo todas
seus advogado os Drs. Antonio GonQ.lves N-
nes Domingos Atonlo Raiol, Joo Loureoco Paes
de Souza e Tilo Franco da Almeida.
c O commendador Acatauaaa accasado de
ter maodado fabricar um testamento falso em b>-
neflcio do ama fllha sua. Os segundo, tercelro e
qoerlo aao aecusados de terem concorrido para a
flidade como lestemunhas da approvagao do
memo testamento, e de hsverem perjurado quan-
dodepoieram em ama ac?o civel que o testa-
mento era verdadeiro.
Loro desde maoha as salas do jury eome?a-
ram-se a encher da gente, de sorte que ao abrir-
!se a sessao aslavam lilterlmeote aplnhadaa.
O advogdo da accuaago recusoa 12 jurados
a os da defeza apeoas 7.
Form
i bordo tttti&zzrjzisszu B'oogno;.r'i :anno,rh54o/,;<,,T'"0' d9d *cZi>
I achar-ae.alcangado em seus negocios. I ouir n.,.?n A/p0.r 5- luxz- *?u9 <,eia 8-
| Um grande desaguisado teve lugar oo (hea
i tro de b. Luiz, na noite de 28 do pesiado, por
, causa de algumas palavras iosulluosas dirigidas
pelo artista dram.tco Germano Fraocsco de 0>i- |
i veira, platea, que pedia viesae scena umaar-!
U9ta, quem de9ejava applaudir especialmen-
le, ao que ae recusara aquello aenhor, como em-
prezano.
~~a Dirersos naufragios tiveram lugar as cos-
l da provincia, sobresahiolo os da barca fran-
parle do
...a toma-
as disposicoes para que o navio uo se
aproximasae man da costa, da q.al eslava dis-
tanto^ um.a trlnta bragas.
o Communicou tambera o coraraandsnte, quf
na noite immediata a sua chega.l, fra o navio
aceommetttlo por ladroes que lavar.m algumas
tniu.ieza. o haia pelas praias cerca de 100
pessoas, qua parnciam
aio Leitao da Cunha, foi mui bem recebido <
inioo, e o digno deputado parense, chamando a
atiencao do Rovroo para eate reclamo argenta e
social, pJe colher a effirmativa dos cooselheiros
o*imefios do dia IG de) setembro.
flequerimentoi.
Anna da Puriflc.co Araajo.Seja attendida
quando houver vaga.
raria de fazend.
Ueonque Jos Vieira da Silva.-Informe
idlrpctor do arsenal de guerra.
Jos Pedro do Soux*.Fica marcado o
de 0 dias para provar iseuro.
Joaquina Mari da Cooceigao.A' vista da
formacao do I)-, delegado encarregado d re-
pani-o da polica, e do juix de direilo da co-
marca de Goiann, iodelerido.
Maool Jos Machado.Ioorme o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Manoel Juvencio de Saboia. lotorme o Sr.
vai destacar para Tacarai, alm do quauitativo ,Q5pectur da thesouraria de fizeoda, tendo em
vista que a liceoca foi concedida com o veaci
meatos que a lei parmitte.
que tiver direito para a con1ucc.au de sua baga-
gem de Piranhas at aquella villa o seu sold
correspondente a este rnez, ajustando-se-lhe ao
i^usojo teunpo cuntas e passando-se-lhe a com-
petente guia de soccorriaaeato. OlTuiou se ao9
ag^otis para dar transporte a este official at
Macelo, e communicou-se ao brigsdeiro com-
mandante das armas.
Dito ao masmo. Devolvo V. S. os papis
sobra qae versa a sua inormacSo de hontam
sob n. 882 relativos aos vencimenloa dos guardas
nacicuaes desisaatot na villa ae Garanhuos a na
po'oajao de Correte durante o mez de dezsm-
'jro do anno prximo passalo, aQm da que nos
termos da citada informarlo maule pagir aos
. rznales desta prafs Mundos C. cooforme
solicitou
marca em
DIARIO OE PERN.1MBUC0
obr. ae anta magniude a interesae. seje demorada
laaennidamenle; porque Uto serie repugnante
praxo aos principios liberaes e justos postos em prali
lea as margena do Prats, seria urna poltica an-
in-IH aocial, e contradictoria a insistencia da clau-
sura do rio Amazonas, da parte do eoverno im-
perial.
Agora pasto a inteirir os seus leitores de
um outro facto Igualmente importante relativo
oavegagao do mesmo rio. e que se refere espe-
cialmente ao Per e aos seus lnteresses. Eis o
fa co :
O governo peruano, com o mais escandaloso
procedimento, acaba de recusar companhia da
navegaco e do commercio do Amazonas o paga-
mento das subvenjoes correspondentes ao se-
gundo anno dp seu contrato, celebrado com a
mesma companhia em 1859. Eise segunlo anno
lindou em 1861 ; entretanto que a companhia,
oDriganlo-se tanabam pelo contrato, fez as res-
pectivas vugeo de Manos para o territorio pe-
ruano, sem a minima alterado durante aquella
empo, e condqzindo alm das cargas desse go-
'erno, ama grande quantidaie de passageiros
embarcados erofuiamenfe por sua ordem nos
vaporea, coja verba anda por8:635s000.
h l0Panhia do Amazonas offendida em
sua Doa i e prejudicada vilmente em seus in-
eresses, acaba da publicar oaeguinte annuncio,
S b,s,nle desvantagans aoa lnteresses
comroerciaes dos dous paizes :
A companhia de nsvegago e commercio do
Amazonas faz publico qae, em conseqoencia do
procedimenlo desleal do governo da repblica
oo t/eiu, negando o augmento das subveocee
correspondentes ao segundo anoo do contrato
h "!" me,ma omP'nhia em 9 de ju-
mo de 1859, e approvado pelo decreto de 27 do
pontos desta proviocii e da do Parfc'foi aco'mpa- ???-?-pa" a nae8'?ao do rio Amazonas
- n .- w I7-- .^_ _______I .. I MI]
_irca-
nno da Siiveira e Joaquim da Silva Res, nave-
gava para o Cururup, quando pelas 2 horas da
tarde dease dia bateu no baixo da Caoca, prximo
a Mangunc,a, e foi a pique, salvando se das 21
pessoas que levava a Dordo, entre passageiros e
tripularlo apenas 7.
Do urna carta do Sr. Joo Marcelino di Sil-
formado o cooselho, lavrados os autos de v'ra, que o consignatario do histe o Sr. Jos da
quaimcacao (porque antes nao haviem sido faitos) Cunha Sautos com a melhor vootade prest >u-nos
co- e conciaidos oa interrogatorioa s 2 horas da lar- ; e de oulras informat6e fidedignas tomamoa os
ae, prinopioe a leitura to processo. promeoores deslc horroroso naufragio.
Concluida esta leitura abrio-se a discassao. i Balando o hiate a nao se Ihe tendo arrebeo-
tomando a palavra o adrogado da aecusagao s 4 lai3o taboa alguma, foi assim impellido at4 o ca-
noras e meta da tarde, contentando se em ler o i nal, oude nao iodenoo dar vato a muita agua
mieiio e dec.arar.que o tribunal do jury nao po i qe entreva pelas costuras que so tiuham aberto
oa eowaiajat o testaoianto. q a rela;9o repu- I c a pique, e virou.
inte decidir a os aecusados i: Neie lance desesperado s reslava a lancha
ceza Astrato e Mates Coc^VcTn"cefo">;. ?ecuMT.n?VePV",r,r,h!f0ni, m,0, D,ent2,^5!
hz. como verao os le.lores aos extratos- abaixo diari" ,r'b,,h" alQ(la m5smo S 3000
do Putlicador tiara-heme : I Nmi. ___..
Noai.l3dop.ssado.deu.SBum^ri9teacon.-2.^e*S., me9ra.0 ."iPllo o vapor, levando
lecimento as coalas desta provincia. O hiate
Conceifao de propriedade dos Srs. Joao M
approvado pelo
com quo foram
Tamoa vista cartas ejoioaes do norte do im-
perio, dos quaes foi portador o vapor Tocantins,
que alcancara : do AmZ)oaa a 23 e do Pieuhy
a 2G Jo passsdo, do Para a 8, do Maraoho a 11,
do Cear a H. do Rio Graude a 16 e da Parahiba
a 17 do correte.
Eii o qoe contera uns e oatrsa :
Amazonas. Fallecer, victima de molestia
los intestinos, o capillo Pedro Lir.o da Barros
liis, command
o commandante superior daquella co- Til"aUn^Ui"UU"le orlalez" aa ronteir. de
a ofllcio de 15 de maio deste anno sob r,trr,f -' ,l._ ....
Lorna-se achar-se nomeado para subsiitui-lo
tou fals
>c,ao a g
ta capital a quanlia de 2ljj0 r., em que im-
portara os concertos (eitoa no apparelho do guar-
id do hospicio e no da companhia de careliana,
como so \ dos documentos que devolvo. I nrAiTin.7.V"T T "' "*" ot* *""""* <" I limo futuro nan 'ra/.h'.V ~.~k~ a" ''"-" ""
Dito ao mc..-Recommendo V. S. que man-! 1^ 00ros f-ncc.onanos, que r.gres.ar.m ^^^^^1^
de pag.r ao^pharmaceutios Jos Pereira Jacio- ar.Ble ejUdi ^ s R rflVflron,!.aim. Qh repblica ou com dl.tinS para o, portos
oella ; recasando-se desde "
nhado at Serpa por S. Exc. o Sr. pres dente da
a estada de S. Exe. reverendiisima
capital, empregou se S. Exc. exclusiva-
tho Jnior Si C. a quanlia do 273*380 rs., em nesl,
2e JdSPp0..'Tr.^r.o' o^vXos1 ?&Z \ ^'^^K^vSmZ
dos altimamente do cholera-murbus na freguezia
da S. Jos nesta eidade, como consta dos docu-
mentos juotos remettidos pelo delegado encarre-
gado do expediento da reparl ci da polica com
officio de hWem sob n. 1400.-Communicou-s" I TiJSglJi Sr.mi", 'Vr"! E!anelho
ao delegado eocarresado do exuedienta da renar-! L o Sacramento da Confirmacao ; dan-
ticio da poluia. 8 expejiente da repar do no seminario as horas que devis votar ao
Dito ao mesmo. Estando em termos os in- "xn.C.0!AX.pllc.aao f "tbecismo.
clusos documenlos, mande V. S. pagar ao au-
llado, dando nao equivocas provas da socitu-,
de e disvello, com que procura chama-lo ao a- *, 2d de aS')sl0 de ,862- No imoeii-
P"o. I? f?ereD,e da companhia, fos Antonio
a Desde o dia 25 do mez anterior qae diriga- I "f0, 8Jldai"e do gerente.
gonto Martiniano de Brros Branco nos tormos
do aviso do ministerio da guerra de 4 deste mez
oo s a importancia dos veocimentos relativos
ao mez de agosto ultimo do destacamento de
guardas naciooaes da villa da Escada, mas lam-
bem da despeza falla com o fornecimento de luz
para o quartel do mesmo destacamento naquelle
mez e bem asslm aos negociantas desta pra;a
Leal dt Irmaoa os veocimentos dos guardss na-
ciooaea destacados no districto da uas Barras
durante o ctalo mez de.agosto, visto assim o
hsverem solicitado os commandantes superiores
das comarcas de Santo Anto e Rio Formoso
este em officio do |. e aquelle de 12 do corren-
ta mez.
Dito ao mesmo.Restiluo V. S. osprets que
vieram annexos ao seu officio de 19 da agosto
ultimo aob numero 773, relativamente aoa veoci-
mentos dos gasrdaa naciooaes destacados oa villa
da Escada e no districto de Duaa Barrea darante o
mez de iulho prximo passado, afim de que nos
termos do aviso do ministerio da guerra de 4 do
crrante, mtnde pagar a importancia de taea ven-
cimenloa as pessoas inditadas em meus ofJkioe
de 5 do citado mez de agosto.Communicotose
ao commandante auperior.
Dito ao delegado encarregado da repartirlo da
polica.Tendo vndo no vapor Cruxeiro do Sul
49 axamplares da obra intitulada Recordarles da
Kxposi;3o Nacional para as pessoas que nesta
provincia sobscreveram para a sua publicacao, e
constara daa rela(5es que me foram trensmitii-
dasporeaaa repartidlo jantos remeti a V S.
nao a o conhecimento para com elle mandar re-
olher na agencia os referidos e xemplares, mas
tambem os recibos para cobranga do imposto das
assignaluras sobre cajo destino se deve providen-
ciar na forma aolicitada pei0i Srs. Fleuiss Ir-
maos & Linds e constante da copla junta
Dito ao Visconde de Lemout cnsul da Fraoca.
-Paaso aa maos do Sr. Visconde de Lamont,
cnsul de Franra nesta provincia para seu co-
nhecimento, copia do aviso da raparticao de Me
trangeiros, datado de 9 de agosto nlmo, declaP
Todos os actos flig'osos foram concorridos
por um grande numero de pessoas, assim di ca-
pital como do interior, que adrede vieram com-
primeutar o seu pastor.
Muito louvavel e edificante foi o modo porque
se portoa toda a populaco durante a estada de
5. Exe. nesta eidade; dando evidentes provia da
religicsidade e amor a igreja.
S. Eic. foi visitado e comprlmentado por
olas aa corporages e pessoas gradas da capital,
bem como por urna aluvio de pessoas de ambos
os sexoa e idades, que sem cessar o procuravam
para recebar aua bencao
Tanto em sua chegada como na partida race-
beu S. Exc. aa honras devi las a sua alta posiQo ;
pondo sus disposi^o o Exm. Sr. presidente o
vapor Piroja, em que seguio.
O Sr. Gestero Walls. naturalista allemao,
que se acha presentemente neste provincia, che-
ou no da 9 do correle do alto Purs, onde se
demorou quatro mezea depois do regresso do va-
por Piraj. O Sr. Wsllia bavia seguido no mes-
mo navio; e como nao tivesse colbido aa amos-
tres qae desejava, resolveu fiear, e seguir mesmo
adenle.
a Teve, porm, de soffrer muitas difficuldadas
na realisa^o de seu louvavel intento. Alm dos
incommodos qae sao peculiares aa explorarles
em paizes deseitos, o Sr. Wallis experimentou
outros da maior vulto. Poucos dias depois da
partida do Piraj, a sua montera aiagou-ae, e
perdee qaaai lado que lavar*. Ficoe com a rou-
pa do corpo, o poucos objectos mais. Depois,
estando a aeccar um pouco de plvora, que con-
sigui salvar, eali incenuiou-se e quatmou-lbe
o brago e a nao esquerda, e assim tambem a per-
na e coxa ; arden a roups ; e elle teve de an-
?er-ae ao rio para extinguir o fogo. Ficoe enlo
no mesmo eatado dos habitantes do lugar.
Dix elle que ctaegou at o eg-uente Paunlm,
distante de Htntenaham 70 legues, segundo o seu
calculo. Nao aeguio aempre pelo rio ; navegou
noa furos, como fazem os indios para evltarem
as grandes roltas. Encontrou 5 aldeias de Hi-
purios, tribu numerosa a aproreitavel palas su a
boas qualidad.ee, r
o Lorrea da Miranda, seu inimiga gadel, inlr-
meando o sea discurso com a leitura de varios e
importaoiiieimos documentos, em que baseou to-
das as suas allegsc,6es.
Eram 7 hors da nolto quando o Sr. Dr. Nu-
nes delxoe de faller, passando -se Inquiri,o das
estemuohas da defeza, em numero de cinc'o que
todas depozeram em sentido a innocentar ioteira-
mente os aecusados.
* A'a 10 horas da noite tomo a palavra o Sr.
Dr. Tito Franco de Almeida, e aoalysoe cuidado-
samente loto o processo, mostrando que nem urna
prove nelle ha contra os aecusados.
Fechada a discusso meia noite, e formu-
lados os quesitos. recolhs-*e o conselho 3 sala
aecreta, d'onde poaco depois voltoa, dizeido que
o testamento, que fazia base do processo nao era
falso.
Em consequeneia disso o Dr. jais de direito
Abeolveu os aecusadoa.
' Eram duaa horas da madrugada.
Ha diveraaa opintas acarea do resultado ;
uns querem que o jury jmala poda eotrar no co-
nhecimento do facto criminoso, relativamente
ser ou nao o testamento falso, como foi proposto
pelo juiz de direito ; por isso que as competen-
tes questo's civeis. a relajo do districto a o su-
premo tribunal de jasti?a, o haviam julgado fal-
so, em consequencia de que, maadarem proce-
der contra quem de direito fosse ; oatros porm
anl^ndem que havendo os acsasados defendido a
validada e veracidade do testamento no civel, a
queshoaioda era a mesma, ieto que veraavj
em saber, se conscienciosamente hoove ou nao
falsidade e cooseguiotemeote se os reos sao ou
oo injustamente aecusados.
Nao emiltoopioiao, mas pelo menos me pa-
rece que ha enflelo eotrea jurisditgo do jury
eoa julgamentos dos tnbuoaes superiores. Creio
pois que osabsolvidos sioda voltaro urna vez ao
tribunal dosjurados, porque a autora appellou
para a relago.
Queixem-se, pois, o [ < Acaba de chegar a esta eidade o Sr. lente
peruanos do seu governo, ou do estado de io Victorino de Nazareth Araajo Pimental, fazendei-
cerieza dos negocios pblicos do seu paiz. Se o I ro da comarca da Boa-Vista.
orasii solfre com isto. muito mals prejadicados | Tendo cooduzido gados com destino a esta
)s daquella repblica, e se taes em- eidade, veio pela nova estrada de Santa Thereza
do Capia).
Llenando seas boiadas em descanso oas im-
mediQes de S. Joo de Araguay, a meia via-
rio
a Neis mesmo
o Sr. vicecnsul de Franca, o commaodaute do
Lamotnm, 1 .Iferes e 20 pracaa do 5* balalhSo,
e 20 trabalhsdores.
Conta-nos que a irtpolaqo toda abando-
nara o navio, e que o Sr. Joao Podro Ribelro,
tendo justado cora o vice coosul fraocez rece-
ber dO 7o para companhia do valor da carfrs
salvada, nao foi este contrato
commandante.
A actlvidade e reconheeido zelo de Sr. Joo
retro deve-se a proraptido
lomads todas as medidas.
Nao esta a primeira vex que na qualidadtj
de gerente o Sr. Jlo Pedro presta servicos como
este pois os negocios de companhia Ihe mere-
cem tanta attengao como os seos; trata-os com
mesma dedicarlo, ou seja em proveito pecu-
niario della, ou para grangear-lhe bes tepa-
- Sendo os captaes dos navios trncese* res-
' ponssveis peraot. 0 setruro. o capilao do Aralo
recusou-se assenlir ao pr.co convencionado Pe!o"
vice-consul francez ; entrelanlo os consignatarios
do navio maodaram um vapor, qae j bavia asl-
ont?n\D,e. P8-' d rW*< sPPondo-sa
outro tanto nao acontecer ao casco, por achar-sa
muito cheio d'agua o porao
i p^^'^'"^0"' no di -8- a barca ingiera
U. a encheate da mar, a proVria es- nr.ad^^fSrfou.^rpTti0 I *'
arel peruano, a contar do Io de Janeiro pro
j o transporte de
publica.
,.1 ,m comPanhia, nem o governo do Brasil
tem culpa do estado deste negocio ; porque, quer
aquella, quer este, aempre tara procedido com
leaMade e pontualidade. Queixem-se. noi. o.
e horrorosa morte dos que tem por
ar, por testenunha Deu, por capella
por moitalha as vagas e por
barajoa difficuliam alguna 'interesaos braatleiros
maiores necessidades tem de passar o Per, pois
a conlar de 1863 prximo, nem os propris pe-
mmlr"1 < mo ,nos vaPre3 da compaohia I em, toara a resoluco de lr adiante a reco-
Lom ueiuno a repblica ou vice-versa. naecer por ai mesmo o resto do camioho eo
vam. .**.. i?1 Vieram com elle mais qaatro pessoas de sua
comitiva, e viajaram a cavallost o Ararandena,
oode embarcou o Sr. tenente Pimental e aeguio
para eata eidade.
Segundo aa nformaQes desta cavalheiro,
axistem carca de 400 bois, refazendo-se de pas-
tagem no mesmo lugar em qaa elle deixou a sua
boiada, qae descero para o Capim nos rlns de
outubro, lampo que os fazendeiros julgam aer
proprio para a jornada.
c J deve estar no Capim o eapltao Dadier,
que tambem ae resolveu a vir at esta eidade.
deixando em caminho as suas boiadas.
Mais algum trabalho e novos estorbos para
melhorar o transito do tragado felto, e estar pra-
ticada ajeommanicago entre Santa Thereza e esta
eidade por caminho de trra.
O mez de agosto foi aqai fatal; alm da al-
gumas mortes repentinas de pessoas conbecidas,
Gdoa com o enforcamento voluntario de um pra-
to por nomo Benedicto, aacraro de um italiano de
noma Antonio Roberto.
A polica procedee aos necessariosexames e
averiguaQoes para pleno conhecimento do facto.
a Honiem, o anolveraario da independencia foi
featejado como de costume. Houve .Te-Deum,
cortejo, parada e espectculo a noite.
Variaa bandea de msica, acompanhadas de
poro, percorreram as reas, dando os vtvss do es-
lylo, na respera.
Os consulados, vaporea da companhia do
Amazonas outros narlos surtos no porto, esti-
veram embanderados
Os inferiores do 11 balalhao de infanlaria de
inha apromptaram em frente do seu quartel em
transparente representando o emblema nacional
parecer, sobre a f e lealdade da semelhante go-
rerno e para melhor esclarecimento da qaesto
n^ne..H2,.at,!g0!q,,esetem Pblicado pal. lm:
goeio "er" del5 ln"Prt"e re-
J qae dei principio a acontecimentos que se
referen ao commercio e nevegago, devo dl-
zer-lhe que o estado desta praca, tem nestea l-
timos quinze dias peiorado consideravalmente de
eituacao.
Eu diste na minha altima, que havia maita
tana de numerarlo e pouc animaco mercantil.
Era facto verdico, porque maia o manos i se
pres.giavam serias desgrana commerciaes ; mas
nao se suppoz que em to poucos dias esta praca
passasse por ama das palores crises por que en
passado at hoje. 4
Se digo iato, fallo na deiconfianca e no des-
n^ T q,"6 ld0S ,e acham' Pelas 18ras que
oestes das tem appareeido. e especialmente a da
casa hespanhola de D. Manoal Ooety com um
K'n.Na f'50 comm9Dl,rio "tas cifras rergo-
ohoss, por ser tnexplicarel to grande Masivo
ma^' a ": '' Da "eDturo monor peni
2!!? PLq"? b,s,.nl" osinfelizes que na
melhor boa fe, foram lanados ao aby.mo da mi-
seria e do deacredito I J
t Nao aera iato a o que temos anda de pre-
senciar at ao flm do crrante anno ; o.lree q.e-
braa mala ou mMoa arult.dasse devem racrawr
por serem ioeviUveis. ouuer
Antas da casa de D. Manoel Onely, tambem
fax ponto a de Antonio Rodriga, de Castro Je
olor, S pouco eetabelecida. '* e L"lro H
iob a TigiiaocU de. io horrorosa realidade.
Nsquella hora extrema pareca qua o alro
melanclico da noite, nao quereodo que eofe
i'evaa tantae almas christaa subissem seu crea-
dor, surgi para alumiar to doloroso quadro;
nuha recolher o ultimo peasamento do pai que
deixava os tllbos na orphandade e o ultimo a-
deus do tllho, entre o soiurar da agona e o es-
tertor da moite, dirigido qaelies que Ihe deram
o ser. n
Triste
leito
rdeme os astros,
lamulo o abysmo daa ondas I
Os soleos que oavem nao sao de prenles
e amigos consternado, sao o mugido das vsgaa,
o aibilar do remo e oa propris gemi-
Quatro dos maia desanimados abanlonaram
a lancha, morreado logo dous, e os oatros dous
alcaocaram a trra.
Os onze, que anda aa agarravam eiso
nico meio de salvarlo que lhes restava, aoda-
ram 2 ou 3 horas anda, e quando tocaram o
laudo com os ps, julgando que tinham a praia
prxima, deixaram a lancha e saltaran).
Caminhando, porm, para diante, e a agua
indo eugmenlando cada vez mais, logo reconhe-
ceram qae o que suppanhara praia era um
coroa.
Ahi foi que a maior parte dos que tinham
procurado salvsr-se ni lancha morreram, ou por
terem perdido as for?as e astarem de todo desa-
nimados, ou por nosaberem nadar.
Diz a csr'a que temoa vista que, psssando
a lancha prximo de trra, gritaran os nufra-
gos por soccorro, para um homam que eslava
em ama caaa, deitado.
Este homem, se esse noma ella merece,
apesar de ter comsigo um rapaz, e duaa canoas,
oave com o maior socego os gritos e deixa-aa
flcar deitado.
Mas em compeosacao em urna outra casa,
onda se soabe do sinistro por doas ou tras nu-
fragos, urna mulher acendau urna fogaeira na
praia que aervio para a salvado de man dous
mfelize.
As autoridades e o povo da villa team aido I
otaosaveis para ver se anda descobrem alguns
osufragos mala ; aa praiaa esto coalhadas de
gente e canosa, que dia e noite empregam nesse
sentido todas aa deligeocias. Mas infelizmente
nada team conseguido.
Apenas at hoje coniti ter escapado 7
pessoas, que sao os Srs. Joaquim Raymundo da
Silva, sab chantre da cathedral, Joao Baptiite
de Lima Barate, Benicio, msico de Alcntara,
Epiphanio Ricardo da Rocha, um marioheiro do
hiate, chamado Jos, e Marcelino, ascravo do Sr.
coronel Farla.
Morreram vate, ou palo menos nao se lam
noticias dellas, e ao os Srs. Dr. Flix do Reg,
juix de direito da comarca, e sen criado, padre
Prederico Nolasco de Almeida, o negociante do
Curerap, Antonio Jos Barbosa de Oliveira,
Gregorio da Kocba Pereira e aeu filho Jeatioo
da Rocha Pereira, os msicos Vicenta Cien enti-
no Pires de Amorim, Venceslao Augusto de
Mello, Simplicio Cesar Gomes da Silva, e Flo-
rencio Piobeiro, Manoal Feliciano Evertoo, Eus-
taquio de tal; o mestre do hiate, Loz Jos Pe-
reira, o praiico Baraardino'. ama maleta livre,
chamada Eulalia, um mulato escraro do Sr.
teneote-ceronet Pires Lima e mais tres pessoas
da tripularlo.
< A maioa parte] destes passageiros iam para
ama fasta de S. Joo, qae se derla fazer na villa
oeste mez.
c A* esta noticia j por si lio triste unta-se
rector do prximo futuro anno, observando o pro-
gramme annunciado.
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da pro-
vincia, coramusoes das sociedadoa beoeficentes
e "'"eraras desta eidade, e crea de duzentos ca-
d^L .,H!,..0rr4ram 5om a 8"a P""n a te
dos artistas lypographo.
noL^PnS ^ ab0-r,\ 9e"l- 1"e foi PreailiJa
pelo Sr. Dr. Antonio Heoriques Leal, presidente
honorario da Associacao, servlndo de secretarios
os Srj.. conego Raymuodo Alvea dos Santos e
David Goncalves de Azevedo, socios houorarios
pediram a pslsvra e leram suceesimente dis-
cursos os Srs. Jos de Carvalho Estrella, Jorge
sobrinho, tenente-eoronel Femando L. Ferreira
David Goncalves de Azevedo, padre Brito e Dr*
Jorge Jnior. Em seguida o Sr. Dr. Antonio
lienriques, depois do proferir um bem elaborado
discurso, convidou o novo conselho a prestir ju-
ramento e tomar posse.
c Occupando o conselho a mesa, o Sr. Frlaa
sea presidente, convidou os lypographos a darem
urna prova da sua arte, e deb a poueo era espa-
Ihado er.lre os convi lados a seguinte poesa pri-
moromente impressa nessa occasio, escripia
pelo Sr. Rocha Borbe, socio effectivo da socie-
dade:
HYMNO AO TRABALHO.
Apostlos do progresso, avante, avante !
Tocai a meta que oo longe est:
O trabalho bello, suave, nobre,
O jando com honra elle o pao nos d.
Que importa as bagas que o auor goteja
Por sobre a fronte que honrada ?
E' ssnto orvalbo, borrifaodo as ptalas
Da amor, da honra, da esp'ranja f.
( O trabalho vidaAi 1 daixai que o ocio
i Dos grandes mea preeidir s v ;
Emquaoto elle indoleotea morrem,
Trabalhai que a vida no trabalho 'est.
Irmos, a patria mais de vos precisa,
Que d'esses grandes qae no ocio sao I
c Emquaoto elles s lh'a morte do.
O Sr. Meiquita, lypographo da lypographia do
Progreiso, antea de encerrar-se a sessao pedio 11-
eer,ra para ler um discurso, que fot oavido com
to la a atteoc,o.
No magoifico copo d'agaa offereeido pela As-
sociacao a seus convidados forsm feitos diversos
brindes Aisocia;o Typographica, impren-
sa, ao Sr. arcebispo da Babia, protector da Asso-
ciacao, ao Sr. conselheiro presidente da provin-
cia, representarlo do Maranhio oa asaembla
geral, ao Sr. Solero, decano dos joroaliaias ma-
ranhenses, aos proprietarios e administradores da
typographlas, e outros, terminando palos brindes
levantadoa por S. Exc. o Sr. presidente ao po-
vo maraonenae em geral e proaperidada da
Aisociacao Typographica Maranbense em parti-
cular, e S. M. o Imperador, alto protactor dae
letras e das artes. Esta ultimo brinde foi corres-
pondido com enthusiaamo, e aegnido do hymno
nacional pala banda de masica doa edscandoaar-
tificer.
c Retirando-se o Sr. presidenta, eontinaon
anda por algumas horas o festejo, reinando aem-
pre a maior alegra e o maior enthusiasmo, en-
tre os artistas, que como irmos festejaran: a
mals nobre e maia elevada das artas.
O que mais louvavel anda qae este fes-
tejo, em que oo paqaana quanlia dispendaa-se.
foi feito todo expensas dos socios, qae para
isso concorreram a rontade, aem qae ae dlatra-
hiaae a mais peqaena parcalla do dinhalro da o-
ciedade, puramente destinado para flns bane-
UeotM. >

MUTILADO
_


DIARIO | FE1WA.MBUCO. SEXTA RlBl 1 DE 5KTEMBBO O 186*.
Acarea de cmelo, ltimamente apparecido
em oosso horiionte, publicou o Sr. Jorge Mara
de Lemos e S :
Vimos olhos les, aquello Uro, pala pri-
meira vtx am 28 do mez paiaado ; achamo-lo
meito pouco brilhante, e aoa custo* a distinguir-
Ibe a peq*ioissloa cauda que elle laorja para o
orienta. A sua marcha quaai na diretco de
norte a sul, com slguma inclinarlo para SSE ; e
tao apressado ral, que daqui a trea diaa, te (or
otate andar, psssar para o mi do uoiso paral-
lelo. Todoa eatea diaa deve ter eatado do nosao
meradiaoo pela rolla daa 5 horaa da Urde com
pouca difTcreuQ. por iaio que peuco lem adun-
tado em sscencao recta.
o de volarem noa aeaa contrarios, e apesar diaao
gritara que ao'iocapazes de nada ceder, que sao
intolerantes etc. etc.
< O brigue aaeco Liion que em aua viagem
dease porto para Buenos-Ayres, arriboa a este
porto, foi condemoado, e vai aer arrematado, pa-
ra ae deamaochar.
Fe-ae-lhe a 1* velloria que o coodemnou ;
maa como apeaar de agradar e oQm noacontecia
o mesmotom oa meio ; nova vistoria aa reque-
ren que concordo* na cooclaao, maa nao noa
motlvoi.
< E' isto o qae me dizem, vaina a verdade.
< A alandega j at eate mez com o rendi-
meoto de tincoeota cont*. Existem noa arma-


l


Poilo que aimplea curioso e destituido de zena, fazendaa para igual rendimeoto maa sup-
ponho ficaro em grande parte para aerem dea-
pichadas do mez segainta, porque ha muita falla
de diDheiro.
Espera-se todos os diaa a barca iogleza Ve-
lan, com csrregammto de fazeoda e esiivera
Vem de Liverpool.
A barca iogteza Falco* eal a completar o
ssu carregameoto e deve aabir para Liverpool at
| 20do correte. O brigue Camilla da mesma naco
esl quasi descarregido, o sea carregameoto est
prompto, a breve deve seguir o mesmo deslioo.
Foi hootem prooaociado pelo Dr. juiz da di-
reiio da comarca deata capital, o bacbarel Joa-
qaim Tararea da Costa Miranda jaiz municipal a
deorphos do termo do Cascavel, am virtude de
denuncia dada contra o mesmo bacbarel,por vio-
lencias, praticadas por elle do eiercicio do seu
em prego.
At a primeira ,
lio Grande.Aioda appareciam alguoa casos
de cholera no Cear-meirim.
Parahiba. Diz-nos dosso correspondente :
- L'm dos crimioosos do ass>siioato do esers-
yo de Francisco Soareeda Silva Retumba, de que
ja o ioterei, eotregou-se priso, visto como
de presumir receiasse cabir oa rede que lhe fdra
esleodlda pela polica e mesmo prudente en-
vidaos os melos neceasarios para marcar com exac
dao as poticoes em que o mesmo asiro se acbou
em cada urna das noites passadas, diremos tods-
vis o que dos pareceu ser pouco mais ou menos
e agradeceremos cordealmeote a quem ti ver a
bundade de os avisar d'aquillo em que er-
rarmos.
28 de agosto s 7 1 \l huras da noite.
* Constellac.o.Limites entre Booles (o Boeiro)
e a coro* Boreal,
a Aac. R 233 1(2 ; ou 15 b. 34 m.
-< Decl. Boreal 41 1(2*.
Long. 213*.
Latit. B. 58*.
29
Cooat.Coros Boreal.
Ase. Recta 134 ou 15 h. e 36 m.
Decl. Bor. 36*.
Loogil 218.
Latit. Bor. 5S.
30
-< A mesma consistanse.
Aac. R 235* ou 15 b. 40 m.
Eecl. Bor. 30".
Lopg, 222 IiSt.
Latit. Bor.47 1[2.8
No dia 31 nada podemos ver, e hootem ape-
naa eonheeemos confusamente que eslava na j fraquecer provaa e preparar a opioio; pois sem-
cju.slellac.ao da Serpete e sobre a cabe;a desta
com urna decloaco que Dio pode distar muito
de 18
Piauh'j.Por portara da presdeosla de 17 do
pasaado, (o adiada a abeilura da aaaembla pro-
vincial para o 1." de novembro, em consecuencia
da falta de numero sufficieote de depulados.
Ciar.A segutnte minuciosa carta de nosso
correspondente narra quaoto de importante ha :
Suppooho queoo recebe* a que lhe enviei
pelo Uynpock porque debalde a tenho procurado
nal columnas do seu joroal.
Quando me dirig ao correio, j achei fecha-
da a malla q\te cooduzia aqatlle vapor, e por
iSM me vi forrado a entregar a u.inha miasive a
um pats'geiro, que provavelmente sa esqueceu
de fsz-la, chegar ao se* destino.
Nao pense, porm, que foi porque me de-
moraste na ida do correio ; foi porqae o vapor
esieve aqui menos de tres horas; vsio apenas
dar-nos um ar de sa* graja e fol-ee bateudo a
linda ilumagem.
Creio qae muita gente fcou lograda I
* E par que tauta zalama, tanta presea ?
Para chegarem os vapores ao Rio, em me-
dos das do que aquellos que a gertntis lhes
marca.
r< No dia 7 do correrle, anniverssrio da inde-
pendencia do imperio hoeve ponliUcal oa ca-
thedral em aeco de gradea pela iimcro do
tbolera-morbus.
Prego* o Rvd. vigariodasts fregaezia Carlos
Augusto Peixolo de Aleucar, o qual alada una
vezcouQrmou a sua bem eslabelecida repulirlo
de orador sagrado,
Nessa occasio leve lugsr a benr^o da bau-
deira do b^lalho numero 1 da guarda nacional
dpsta proviacia, a qval depois da ceremonia foi
eutregue ao respectivo commaudanta pelo com-
uiaodante >uprior, que nessa occasio recilou
um discurso anlogo ao objaclo.
As 5 horas da tarde boava cortejo em pala-
cio ; a noile lllumiiiaram-aa aa repsrttQes pu-
blicas, a.'guos consulados e mu limitado numero
de casaa particularea.
0 primeiro dia do Brasil, aquelle em que to-
doa os Brasileiros a porlia deviam p-.tenlesr o
se* regoiljo paasa qaasi desapercebido, e alm
Oasjernuualrajoas olikiaes, nada mala ha.
" ""No diaStiouveum solemne Te-Deum pelo
me*mo motivo do lontifical.
.< Oistv-lhe em ama das miohas ultimas, que o
teiceiro diairiiloeleiloral desta provincia, iaele-
ger o nosso respeitavel prelado deputado a-
sembla geral.
Iufalizmeot* nao ae realisou isso.
. Nao creia que boave precipitago da micha
parte em dar-lbe a nova, qae ealou no cato d
se me applicar o Quod volumus fucile crede-
"ius.
Os jorose que aqui sao orgaos doa parlidoa
conservador e liberal, publicaram do mesmo dia
que os eleiiores do terceiro dislricto de ambas as
parcialidades, dando sa ss ruaos, baviam accor-
dado em elegerem o nosso bispo, e terminsram
cougratulando-ie com os mesmos eleitorea por
tao feliz lembraoga.
A vista disto, e da expootiDeidade qae pa-
reca baver, viato oiogaem lhes ler encommea-
dado o sero-o ; e sobre Uio 'quaodo tal elei^ao
ia recahir am quem demais digno della.era f&-
cil engolir a pilla. Foi o que me aconteceu.
a Os homeos, porm, entendera: fazer o
peior, e i- elvgetam o Dr. Benjamn Pinto No-
gueira.
< Sem querer fazer a menor injuria a este se-
nhor, creio, e comigo ar muita geote, que a pro-
vincia seria muito melhor representada pelo vir-
tuoso diocesano ; e isto pens, apezar de ser de
opiuio, que o claro nao dave ter geato noa ne-
gocios temporaes do eatado, nem snvolvar-ae em
poltica ; mas na actualldade a provincia muilo
lucrara com a aleigo da S. Exc. Revm. porque
trazia em resultado, alcanzar do govarno o que
i oecesaario para convenientemente aa montar
pre se sappe que o verdadelro criminoso se nao
entrega.
Tivemos nesta porto um vapor da marinha
de S. M. Britanoica, cujo commaudante o Sr. For-
bea, de* um passeio al o engenho Garga, com
o proposito de examinar ama propriedade rural ;
visto como ett elle ha pouco tampo em os ma-
tes do Brasil.
< Coosta-me que entrn e ashio sem se hsver
entendido com a capitana do porto, que oa coa-
formidade do decreto n. de 15 de
1846, a soberana da cotia, poitos e nos oaveis
da proviacia, pelo que ouvi dizer se mostrara en-
com moda do o capito do porto.
aquelle ofScial feito a devida apressoligao da
qual nao sao dispensados os uossos vazos de
guerra e nao estando os vasos em idnticas cir-
umstaotias em melhores coodc,des do que os de
nossa mariaha, tem multa razao o Sr. Filguei-
ras, quando se q*eixa de semelhaote proceder.
< Tenho receto de fallar-lhe as cousas do
mar, pois nao desejo que appareca cas suas co-
lumnas, nao umAmericusporque nao me oc- I
cpo com os paguros! da cauhoeira Belmonte, e
sim algumBritaoicus, porqae me retiro ao I
vapor Curley, do qwal commaodanle o Sr. '
Forbes.
No vapor lguarasi foi de pasaagem o co- I
ronet Eraeslo Emiliano de Medeiios, commandao-
te do corno de guarn .o desta provincia, no pro-
psito de ver se escaUdo a observado por mais
alguna pralicos, po^e encontrar ptompta cara |
sos miles que acabruuham.
O coronel Eroeato resolveu-je a essa viagem
a coDselhos de alguns attigos e entro estes o seu
assiiteiite Dr. Antonio da Cruz Cordeiro, foi de
parecer que a reallsasae o mais breve posstval,
porquanto toda qualqaer demora era ao mesmo
prejudicial.
O Dr. Cordeiro tomava todo inleresse na sau-
de desse seu amigo, e esse mesmo interesse for-
<.ou-o a semelhante parecer, para qua a lodo o
lempo conste qual o modo como se bouve elle
em referencia ao tratsmeuio do mal grave e de
tonga data que 8uppor(a o judio coronel.
Fajo rdanles votos para o completo resta-
helecimeoto do coronel Ernesto, com cuja amiza-
de me houro.
Durante o ultimo me consta Uvera lugar a
prisao de 16 crimioosos, sendo destes, desertores
4, crime de furto 1, dito de ferimenios 2, tenta-
tiva de homicidio 1, e 8 por crime de homici-
dio.
No lugar Perpiri da fregueia do Livramen-
lo loi ftido gravemente o meaor Jos de SbJi
Auna e espantado o pai do mesnio de nome Vic-
turioo Comea de Santa Aun?, este por aeu cu-
nhado, que poude evadir-se, e aquelle por cerlo
individuo que lol capturado.
De 1 a do correte Uveram lugar en-
terramientos no cemiterio detta capital.
No mez de agosto bapiisaram-se 38 prvulos,
e dettes 14 sao lhos naturaes.
J me nao record qua.'i .o me occapei em
urna das missivas anteriores com o convento dos
Benedictinos ; entutaulo que s agora ae apre-
seatou proieatando pela imprenaa o abbade Sr.
Fr. Felippe Paira a o tz de um modo to im-
proprio a um ministro do lieus de paz e branda-
ra, qee me admirei 1 Ma o qae fazer ae o Sr.
Fr. Felippe disse-nos que eslava oceupsdo oaa
obraa do eogeobo, no qual apenas reboco* alguns
pilares ?
E' verdade que deve hsver mais ioteresse em
cuidar no engenho do que na igrejt e convenio ;
pois o engenho produz asaucar, e a igreja e con-
venio fazem despena, no que se ha mostrado
muilo parco o Sr. Fr. Felippe que niarcou a ca-
da um dos doua compsuheiroa que existem no
convento a diaria de mil rea e uto por muito
favor.
E' verdade tambem que o Sr. Fr. Felippe passa
todo o lempo no engenho ; seodo que eu anda
o oo vi e nem o conhe^o, nao obstante aer fre-
o biapado, para o que o mesmo governo ae lem I guez da missa da igreja de S. Bento, cojos alta-
disaeaeaem nossa Revista de houtem sobre a
transferencia feita i essa companhia palo Sr.
Santa Ruaa, explicamos qae s foi ella at o Bm
do mez crrante, continuando depoia o meimo
Sr. Sania Rota aeus espectculos, nao s dram-
ticos camo psstorls, para o que ti por em en-
aaios algumae comedias da forrea de sea com-
panbia.
Hojedeve hsver na direcloria geral da ina-
(ruecd publica o exama de urna aenhora, qaa
preteade habilitar-se para o magisterio pri-
mario.
A commissao de exime compoe-se dos Srs.
professores padre Miguel Vieira de Barros Marre-
ca Simplicio da Cruz Ribeiro.
Foi concedida a demisaao qua pedio de pra*
ficante da thesouraria de fazenda dasta provincia,
o Sr. Delphim da Silva lavare?.
Nal proximidadea da tbida do vspor To-
cantins, do Para, fra declarada a fallenca da
casa commercial de D. Manuel Ooety, apresen-
lando um activo de 186 conloa e um passivo de
500 conlos de res, o que abalara muito aquella
pr'y,\ segundo nos dizem caitas o'alli.
O vspor Mamanguape, viudo hontem de
Ahgas nada adianlou s noticias que tiobamos,
recebidas pelo ultimo vapor.
Remettem-noa a segainte descrlpco da
feslivldade de Nossa Senhora do Livrameato de
S. Loa rene, o da Matta, o do acto religioao da ben-
c,ao da bandeira do batalhio da guarda nacional
da mesma localldade.
Tve lugar em S Lourenc.o da Matta, na
domingo pasaado 14 do correle, a fasta da Se-
ohora do Livrameolo, por occaaiSo da qual ae
celebron a benr^so da bandeira do 5* bstalb3o da
guarda nacional daquella fregueiia, da que
digno commandaote o Sr. tenenU-coronel Luiz
Francisco de Barros Reg.
< A posicio elevada daquella povosQso, em
que por dllfereoles lados gosa-ae de perspectivas
aa raaia bellas, a ameoidade do ar, a alegra aiu-
gela dos habitantes que concorriam a assistir
solemnidade religiosa, convidavam o espirito a
coucei i;oes profundas por onde quer qae se ap-
plicassp, ou nos quadros qua a naiuraza oferecia,
cada um mala variado, oa Da devocao piedosa
daquella boa gente, que enchia e templo e (oda
a povoagao.
< Na que para all nos tinhamos dirigido,
pela primeira vez, ficamoa, a fallar ioganuameo-
le, inebriado da belleza natural que dessovolva
a povoaco de S. Lourei.<,o aoa olhos do expec-
tad'.r. Vamos por nutro lado um innumeravel
concurso da borneas, entre os quaes, ou a sua
boa iodole, ou a eStiz acc;ao da polica local, nao
conseotio no menor disturbio. Passamos, pois,
all m dia magnifico !....
Precedeu festa a berilo da baodairs do 5*
batalhao, que eslava formado ao lado da matriz.
Admiramos o Damero de pravas que se
apreseotaram, e a disciplina relativamente nota-
vel com qua praticarara^algumas evoluces.
Indicputavelmeile a guarda Dacioual em S.
Loureoco da Malta urna reslidade debsixo da
direcjio do prestante Sr. teneole-corooel Barrea
Reg.
Enginara-aa ; bem longo Miara de auppdr
l*: L*? 7f* *id ,l neoBlru morte.
Raalabelecida dos sciTrimantos q*e haviam daei-
dido sua partida, foi, legundo informacoea rece-
biaaa, accommetiida do ama febre perniciosa, que
lhe arrancara a existencia.
Sinceramente compenetradoa da justa dr qaa
opprime nossoa amigos, seu digno pai, o tente
coronel Jo3o Valentim Villela e aeu devolado es-
poso o primeiro tenense de mariaha Maaoel Mar-
tios de Araujo Castro, lhes dirigimos nostos ma-
goados psames, pedindo-lhea tecebam nelles a
parte qae tomamos em sua pena.
Repartic,ao da polica.(Extracto da par-
te do dia 18 de setembro.)
Foram recolhidos caa de detinjao no dia 17
do correle:
A' ordem do IIIn. Sr. Dr. delegado do pri-
meiro diitricto, oa pardoi Aotooio Joaquim de
Saot'Anna, de 35 anooi, agricultor, Maao*l da
Cruz de 56 enno, sspateiro, e Shomaz de 45 an-
noa, escravo de Sebasliao Gaapar de Almeida,
vindoa de Fernando, como sentenciados, Vala-
vino Farreira Gomes, bisoco, de 22 annos, cria-
do, por ter furtado um relogio, e os pardos escra-
vos Manoel Joaqaim d'Oliveira, de 18 enooa, car-
rocero, e Maooel Gonc^ilves Medios, de 38 ao-
ooi, carpios, sem declaragao do motivo ; ss-
sim como o africano Maooel, da 35 annos, escra-
vo de Jos Luiz de Souza, & requtaico desta.
A ordem do subdelegado do Recite, os maru-
joi porluguezes Julio Franaiico, de 27 annos, e
Jos Hsria Pioto, de l anona, amboa braocos, a
requiii;o do cnsul respectivo,
A' ordem do da Boa-Vista, o pardo eacravo
Herculano, de 23 anoos, eacravo de Maooel An-
Iodo Gonjalves, por andar fgido.
O chefe da segunda sec;ao,
/. G. de Uesquita.
Movimentodacaia dedeteocodo dia 17 de
letembro de 1862.
Existiam...... 359 presos.
Sal o patacho nacional Gmribaldi, de qual mai
digno capito o Sr. Bento Joa de Almeida, c-
dado de carcter toda a prova, e de cavalhai-
riima e Ihaneza que car.Uva todoi aquellea com
qae ntratem relacOes.
Por occasio de deixar noico porto, onde ei-
teve por mais de doua mezes, nos, que entreti-
vemos relegos com S. S nao podemos deixar
devir render preitoia suaa deatioctaa quatida-
dea, e deaejar-lhe prospera e feliz viagem al
seu Anal.
Quando cavalhelroa, como o Sr. Almeida, sur-
gem u'ama sociedade qualqaer obtm a estima
(eral e peohoram m por um osmembrosqua
compem-a, deixando lmmorredoaras recorda-
ces, sempre gratas, o que justsmeote vem de
acontacer-DOS
'aqui eovlamos, esse Sr. e sua Exm.a se-
nhora, iguslroenle destDCt por saaillustrsrao e
grandeza d'alma, nossos embras, sssegurando-
Ihe qaa jamaia olvidaremos esaes lempos decor-
ridos na mais intima e estreili amisade.
Eotraram......
Sahiram.......
18
9
A aabar
Exlitem....... 368 >
Nacionses.....
Mulherea......
Estraogeiroi..
Escravos......
Escravaa......
236
8
35
79
Id
153
Total........ 868
Alimentado! a custa doa cofres provio-
'..............
Movimento da enfermara do dia 18.
i iver.ru bsixa :
Jos Csetaoo Gomei, gaatralgia.
Joaqun), ascravo de D. Mana d
Tiveram alta :
Flix Joa Rodrigue.
Maooel Carloa Piaeotel.
Joaquim, escravo de Flix Emiliano Cavalcanti
d Albuquerque.
Passageiros vindo do vapor Tocantins, dos
de tal, febre.
, portos do norte :Joo Augusto Correa.Francis-
e A sclivdade, o desvelo e estremecido zelo co de Paula Figueira Saboia, Aotooio Rodrigues
que este senhor maoifests em todos os roysteres-Saraiva, Aotooio Barbosa Cordeiro de Ostro,
pblicos de que o incumben), seodo predicameo- Francisco de Paula Brrelo d'Albuquerqae Mar-
'o que est flor do seu carcter, o melhor ubao, D. Paula Alexaodriaa a'Albuquerque Ma-
garanle desse acert. j rsnho, Aolooio oor^ales Caroeiro d'Aodrade,
l Houve a consagraro da baodeira ao aobe- Antonio Federico Beothumuller, Franciaco Go-
mes Marques da Foaoecs, Mauoel Gomes Moreira,
Jos Lucas Ferreira, Ignacio idos Sanios Coelho,
Jos Pereira Castro Piolo, Manoel Di s da Cr*z,
Jes da Silva Coeiho. Antonio Fianciseo o'Olivei-
rs. Candido Joo Antonio, Jesuino Adolfo do Sil-
va, Casemiro de Fontsa Ferraz, Luiz Ferreira
Leal, D. Amelia tVOliveira Peixolo, e 1 criada,
Dr. Cezar Octavisno d'Oliveira, Laareotino Joa
de Miranda, Pedro Jos d'Alcmtars Cezsr, Joo
Bapliita de Magalhes, Maooel Pereira d'Araujo
Visooa, capito Aotooio Czales, cnsul inglez
Dr. Hanrique Krauser, Theoballo Brauner.
Segu para o n\ : Antonio da Molla Marques,
Domingos Ermes Pereira, padre Joo Mattos da
Cuoha, mi eirma, Jos do Castro Eusebio, e 2
escravoa, Jos de Calazan, Walfriado Valerio da
Costa Figueiredo, Francisco Maooel da Panceta,
Manoel Jos Rodrigues da Silva, 11 pracM, e 18
escravos a entregar.
Passageiros vindo dos poitos do sul no vspor
oaciooal Mamanguape :Antonio Jos da Silva,
Joaquim Luiz da Silva, Galdino Jos dos Pra-
zeres.
ElloArepresenla
*u'*ado braal-
mostrado bem pouco disposto.
a O cholera bale em retirada em todoa oa pon-
tos, f'Zeudo aioda urna o* owtra victima.
Os medcoa que se achavam em Baturit, e
Ouileramobim j se recolheram a capital; aos
que aa achato noa oulroalugaree j ae axpediram
ordena para isso.
n Maito receio qae o bicho nao Oque por shi
res a excepgo do altar oir fazem vergooha e
melhores tem a igraja de N. S. do Rosario entre-
gue aos desmazellos dos prelinhos, muitoa dos
quaes sao de Guiu.
O Sr. Fr. Felippe encommo1ou-se com o
que dissamos e oos suppoe seu inimigo, porem
euganoa-se completa e redondamente, e creia
que nao o pretendemos subttituir e uo somos
alapardsdo, e que reapparega com o invern, a j daquelles que corrodos de invaja querem fazer
visitar os lugates que ate agora tem tetada livres psssar oa sus antecessores por esbanjadores.
de sua presenta. Doe-nos ver o estado de ruinas que se pre-
< Deus permuta que o meu temor aaja iofuo- para igreja e ao convento ; seodo que em algu-
a' mas maohss de invern proearamos lagar com
Creio que a quaolia despeodida com to in- algum caato para oo aermoa eocommodados
commodo hospede montar a 300 conlos de com aa goteires que molhavam o corpo da igreja,
r^"- i quando all noa dirigamos a camprir o preceilo
Nada sei de positivo acerca do retallado ob-| de noaaa religlo que noa manda oavir missa
tdo pela policia na descocerla, e captura dos inteira nos domingos e das lanos de guarda, o
aicarios que ssssssiaaram o infeliz Jote Ferreira
Tinto da Carvalho e sua familia. Estoe, porm,
convencido que se nao faltar aclividadee vonla-
de sero dicoberloa osouiorea de to horrivel
Uenlado.
ilUCQ
Lm dea assaasiuos quando se rstirava do
thaalro de sua malvadez, morre* nocamioho, daa .
tenias qua recebeu na lula que com ellea travou
6 vaqaero, na aua defeza e na de seu amo. Oa '
companheiroa nao podando enterra-lo mutila-1
ram-lhe
e o corpo, e especialmente o rosto para Boa-Vista
reoohecidolll amigos de'
REVISTA UUfMaV
De*-se bonlem i sepultura o cadver da Exma.
Sra. viacoodessa de Camaragibe, a quem foram
feilos os ofcios fuoebres oa igreja matriz da
, com astialencia de grande numero de
naosereoonecidoJIl amigos de seu consorte; o Exm. Sr. viatonde de
Dizem-me que uso nao produaio o effeilo Camaragibe.
desejado. S. Exc. depois de ultimar os seus trabalbos
a A elelcao para um deputado provincial, pe- parlamentares, e q*aodo doa aeus amigos politi-
io primairo dlstricto est qussi concluida. Ote- coa scabava de receber aa mais siguicalivas
oeute-coronel Victoriano Borgaa, tem levado ex- provas de eitimae alta eonaideraco, reeolheu-
traordiDaria vanlsgam sobre tea competidor o ae da corto ao seio de sua familia, ebegaodo a
Dr. Pedro Pereira da Silva Gaimares, ejno esta cidada oo dia 15 do corrente. Ora, logo a
resta dovida de qae aer aquelle o eleHo. bordo so>.bo do estado mrbido de sua consoila,
odia 21 do corrente dnve havar nova elei- e aasim sem demora patito para o engeobo, e
gao para preenchimento da vaga deixada pelo fal- all vio doua das e meio depoia Gnar-ae aqualla
rano d todas as naques.
E' este um acto da mais bella e sublime edi-
rlcac.o psra o soldado qua recebe o symbolo de
sua nacionalidade tambero como um symbolo
agrado ; symbolo de ioslituicoes civis que elle
deve delteoder, e so mesmo teoopo de f ardeote
em que Dos derramarsebre tal objecto os eiilu-
vios de saa graca.
A baodeira lioha alguma cousa de luxuosa e
deslumbrante.
" Foram tealemuDhas de sua cooasgraco os
Srs. Drs. Augusto de Souza Leo e Joaquim Jos
da Foneca ; e desempeuhou o acto o Kvm. Sr.
vigario Jos Ildefonso Rodriguaa da Silva Dutra.
Acabada a ceremonia religiosa o Sr. tenan-
te coronel Barros Reg, acompaobado doa esco-
lhrlos e bizarros oLBciaes do seu batalhio, veio
apraseotar a este aquella lo chara e preciosa in-
sigoia para o coradlo brasileiro; nessa occa-
sio, em que o eolbusiasmo se derramava em to-
dos os nimos, depois de executado o bymao
oacionsl, dirigi a seus sol-lados a allocuQo se-
guate, que por ser breve, tico* em nossa lem-
branja.
Caiiiaradas !
Eis-aqui a nossa baodeira
a bonra, o dever, a gloria do ao
leiro.
a E o Sr. Barros Reg dissa qua la era mia-
ter, e por um modo terso e eloqutntW Foram
suas palavraa urna como vibragao hacmoDosa e
espoutauea do psoaameoto, filha da occasio e do
Iranaporta, de que se elle possui*. T;.tto ver-
dade que era tal caso oo o antecipado pro-
ducto da, meditando e do estado, que coovio,
maa, a expressu enrgica, pululada do mo-
melo.
Seguio-se depois a fesla ds Senhora do Li-
vram*nto.
Tad-.i oo templo era aimplea e cindUameote
modesto.
A' tarde houve procsso e com m acom-
panhameoto de povo iooumeravel.
ii Emiim, foi todo ara dia de jubilo, aquelle,
na graciosa povosceo de S. Louroi c, j.
a Gabe-lbe bem ede eptbeto de graciosa por
que alli a natureza de toda a parto assoioa e lhe
aorri. E' uuia das estaocias mais poticas que
temos visto. Vive hoja da poeaia das florea e
doi horlioules, das oraedaa pacificas qau do sea
i*io voam ao co, do suisurro da brisa e dos
soos do seu campanario ; mai j viveu outt'ora
de latas glorioaaa de nossos esforzados avoengos,
e encerra um capitulo da nessa historia. Vive,
pois, tambem pelo passado, da recordado de II-
lustres feilos de que foi theatro.
Recite, 16 de setembro de 1862.
c A. Q.
No dia 7 deste mez foi encontrado o cada-
ver do prtto Africano de nome Aotooio, escravo
Correspondencias
Seohorea redactores. Ha quioze aooos que
urna eatermidade horrivel coauc,oa a torturar
me com padecimeoios. De balde coosullei os
madicos dos legaras por onde o destino me con-
duzio. Tinto no Para como no Maranho, no
Piauhy a no Cear, me respooderam todos que
na Europa rae poJia eu curar. O meu horro-
roio loffrimento consista em estreitamenio do
canal da ureta, com Gstulss por toda a sua ex-
tei\\o, lendo endurecimeoto em um por lo, co-
mo s* existir urna pedra, empediudo absoluta-
mente a psssigem daa algaiaa e nao permiiliodo
sabida da ourina, seno apenas pelas ttulas,
com doras horrorosas para mlm. Neste lameo-
tavel estado, abatido, e posao mesmo affiauQar!
quasi moribundo, cheguei a esta proviocia no
mez de abril aliimo. para daqui embucar-me
para a Europa, aonde me maodavam procurar
remedio, que pozesse termo ao continuo supplcio I
que metorturava.
Deua, felizmeote, amerciou-sa de mim.
Chegando aqui oo misero astado qaa cima
descrevi, desejei sempra coosultar um medico,
p teodo. por miaa felicidad, oa ido follar no
Sr. Dr. Joo Ferreira da Silva, que durante al-
guna mezea, qae estivera oa proviucia do Ceai,
fizera alli iooameraa operac;ea e com feliz suc-
ce.so em todas ellas, maudei pedtr-lhe que me .
fosse ver.
Nao posso descrever-lhe, seohore* redactores,
o sentimenlo que experimeotel, qu>odo esle h-
bil medico, depois de exsminsr-me louga e ooi-
Duciosamenle, me sffiaoijou curar-rue, se me
quizesse eu sugellar ss operacas que elle juiga-
va preciso fazer.
Curar-me, era para mim o sonho de todoi os
diai, o peoiamenlo ds loda as horas, a realisi-
co da falicidade na Ierra.
Nunca teodo encontrado quem me assegurasse
Isto, seoti o meu espirito balaocer por alguns
estantes entre s creoc,i. c a duvida, maa de re-
pente urna confianza que pareca oascer do seio
d'alma, as palavras qae ouvia, me resolveram, e
sugeitel-me ao curativo.
Deus coroo* os esforcos do homem a quem
abaiio delledevoa miuha vida, e o perfeito goso
de saude em que hoje me acho.
Eetoa bom, perfeitameote curado, gra;as ao
Todo Poderoso, e aos cuidados do hbil medico
o Sr. Dr. Joo Ferreira da Silva, a quem venho
hoje por meio do seu jornal dar um publico tes-
letnunho da minha gratido e recoohecimento
pelo baoefcio que m acabad tazar.
Oue as nainhaj palavras possam ser ouvdas
por todos os que sofTrem ;
Qae Deus proloogue a sua existencia para alli
vio da bumaoidade aotfredora, e que sobre elle
oa seaa derrame casa endiente de beus iiue ou
torga aos seus escolhidos sobre a le.ra.
Recife, 15 de setembro de 1862.
Salomo Meisia$.
Eliai Jos doi Santoa Andrade.
Um morador do meu engenho Cacimba, comar-
ca da Victoria, festejando Ssolo Antonio, suc-
cedeu lascsr-se a arma oaa mo, o Qcou ettt
abem dizar em eatilhae. e com o uao de pau-
?^l..'nol.had(.s no PronPo alivio, ao espseo de
15dlss das cou perfeitameote carado, seodo
que oao deixou laso aiguoia nos tandei, e
s com as cicstnzes.
Alm disso sppliquei pessoaa que soffrlam
dOrno corsgao, e que speoas tomaram flearam
logorestabeleciJas; eos mesmos remedios 11-
zeram progressos no tempo do cholera em no-
radoraa do mesmo eogtoho, e oulroa lugares
d aquella comarca, e oa de Po-d'Alho em que
sudo jniora.
Kecife, 16 de seteo.bro de 1862.
Josa Ssverloo Csvalcanle de Albaquerque, advo-
gdo.
Padre Jos Antonio doa Sauloa l.e.sa, palacio
di Soledade.
Jos de Azevedo Souza, palaco da Soledade.
(.urei-me de *m rebaumatiimo chronico que ti-
nhi residido muitos remedios, e corn o re-
solutivo e as pilulaa quei bom no eapaco de
28 das.
Joaquim Damelrio de Almeida Cavalcanle J-
nior, rus de S. Gmalo, n 34.
Francisco Martina dos Aojos Paula, Ueberibe.
Sebaatio Lopes Guirxaios.
(Continuar te ha.)
Prevengo,
Godiuho TavaresiC, caradores fiscal da mas-
ss fallida do commercianle Manoel otty, oo
Far, para os tins cooveuienies, faz constar s
pracas do Rio de Janeiro. Babia, Peruambuco e
Maraahao, com queui o fsllido tiohe relacei,
que tte se echa oliibido da adoaiaistraeie de
sua casa, desde o din da abeitura da faleocia
publicada no Otario to Gran Para n. 202, e dc
Jornal do Amaionas, n 248. de 5 de seiembro
do correrte anoo. conforme o disposto no artigo
526 do cdigo cooimurcisl.
umi mu
DO
Banco do Brasil.
Acaixa filial deicoota latras com preso at
juatro mezes a 10 0)0, aa do aeu nroprio aceite
a 9 0LU, toma dioheiro a juros em eouta crren-
te, oa por lelrsa a 7 0,0 ao anoo, sacca ao par
curloa praaoe, sobre o baoco do Brasil.
Caixa filial 9 de setembro da 1862.
Francisco Joo de Barros.
Secretario.
i*r:u/a do Recife,18 de setembro de
.-/. quatro horas da tarde.
COTAQES OFFICUE8.
Cambio.
Nao houveram cofar^e.
J. da Cruz Macedopresidenta
John Gatgaecretario.
a.ltn>trta>ar.ai
Raiidimente do dia 1 a 17. .
Ides de dia 18 ....
261:(f'8l5-2
22 40'J}408
283:8175560
Movimento da aita>kzet..
Velamas entrados comlazeDdsa..
c core antros.. 205
Velamas sahldos cm (axendas..
c con reneros..
CHRONICA JUDICIARIA.
Tribunal do commercio.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 18 DE SETEM-
DE 1862.
rRBSIDENCIa DO EX*. SR. DESEMBARGADO*.
>. A. DE SOUZA.
A's 10 hofas ds msnha. reuuidos o Sn.
depulados Reg, Lemos. Malveira e Roa, o br.
presidente declarou aberla a sesso.
Foi lida e approvada a acta ds esso aotece-
deote.
DESPACHOS.
Lm rsquerimaoto de Amonio Valeotim da Sil-
va Barroca, pedindo o registro de d*aa procura-
c5ea que aprsenla.Registrera-se.
OutrodeJos Pereira Vanos, pediodo o re-
gistro de urna procurarlo que ajuota. Regis-
tre se.
Ouiro de Joo Velloso Soares, pediodo lambem
o reglatro de ama procuraco. O meimo dei-
pscho.
Em additamenlo ao seu despacho de 15 do cor-
rele, oa pitvio de Ricardo Hughes, maodou o
tribunsl que antes de aer passada a carta decla-
raase o peticionario a idade e o genero de com-
mercio.
Outro do Dr. Gabriel Alcisdes Raposo da C-
mara, pediodo c registro de urna procuraco.
Regiitre-ae.
Ualro de Joo Kelier oiCompar>hia, reclamso-
do sobre a petizo de moratoria de Figueiredo
Irmo.Reqaeira a quem compet.
Oulro deFrederico
doSr. 'Maooel Sampaio de Barros, eoforcado ,nZW0,a* *"*'"*? R'Wliard, corretor geral,
em urna arvore airai da casa do dito seohor, na L"f0'ID,d? D9| Sr desembargsdor scal. pedio-
ecimento do Dr. Jos Fernandas Vieira.
Sao caodidatos o bacbarel Augusto Barbosa
de Castro Silva a o Dr. em medicina Manoel Mo-
rs Telles : o primairo pertence ao lado liberal,
o segundo ao conservador.
A maoria do corpo eleiloral conservadora,
mas apocar diaao, est em duvida qual dellea ob-
lar o triumpho.
cr O pai do Dr. Anguito Barbosa, tbaioureiro
daa rendo* provineiaes, pessoa muito relacio-
nada oa cp;tal, e proviocia e tim-se empeobado
fe: torneo te sera fazer singar a eleico do fllno.
-. Oa conaarvadores, coaicioi daa forjaa qae lem
e persuadidos de qae quando ee trata daa conve-
oieocias geraea de partido, devem csssar aa sf-
fei;es individuaea, nao tem tratado de neulra-
iisar os eaorcoa do en antagonisla, lem se lem-
brarem que eleitorea ha qua se jalgam obrigadoi
a dar o sau vol a quetn primeiro lhe o pede.
" Nao me admirsrei, pois qaa o Dr. Augusto
Barbosa, seje o leito.
seohora por forra da ama dor, qua a sfigira por
obra de doua mezes.
Apezar da hora, recebeu o nobre viscoode ama
grande prova da estima de aeua amigoa e das
justas cympathisa de que goza, no grande nume-
ro de pessoaa que se acharan preseolas s exe-
quias ecompozeram o cortejo fnebre. Pessoaa
da maior dialincco, altos faocciooarios e crea-
cido numero de amigoa de S. Exc. esliveram
pressclei.
Ao meio dia foram rocolhldoi so tmulo os
restos mortaei da illustre finada, sendo cooduzido
o caixo do porio do cemiterio so jazigo espe-
cial peloa Excc. presidente da proviacia e 6rs.
coronel Nery Ferraira, presidente da cmara
municipal Barros Bago, Pinito- fiorgei, Joaquim
Mello Bago e Gustavo do Rsgo.
Amaoha, no lugar e hora do costume, te
extrahir a 5a parte da 2* loteria do Gymnasio
Perosmbucano (3* concesio).
Em coosequencia de ocommodo da Sra.
a Se aa cousas apresenUisem a face opposla, Corbari foi transferido, para quando sa annuu-
eu lhe sfflanco qae o candidato cooserrador oo ciar, o espectculo que devia ter lugar hootem
verla Doia. no Santa Isabel.
E' iooagarel que oa liberaea sao muito mais | Sob a rubrica complante vai o aoouncio do
d.scipliuadoa do que o conservadores, qaaodo se primeiro tspectaculo da eompanhia gyniDastica
rata de quealia deata ordem. | doa irmaos Buillay.
4 tolarascla doa couaervadores chega ao ,toQ-' Pcettaodo-ie divena interprelififiea o que
fregueaia da Vsrzea.
O aubdelegado respectivo procede* compe-
tite ves loria.
O delegado do termo de Saoto Antio o Sr.
Alexaudra Joa de Hollaada Cavalcaoti, coose-
guio capturar, do dia 30 do miz fiado, a Joo
Grigorio de Jess Bello, criminoso de morte oa
Escada, aoode se achava proouociado ; e passa-
va a remetl-lo para a cadeia daquella taimo
afim de entrar oa aessao do jury, que breve te-
ria lugar, o que foi requisitido pelo delegado res-
petivo.
Por ioforinscoes que dos deram, sabemos,
que oo primeiro dislricto do Crujo, dss 9 para
10 horaa da roaohe, do lgarCamam, indo
Jjj Candido cass de leu camarada Alexao-
dre Rodrigueida Fooieca, qae se achava amen-
t, nella leve entrada por cooienUmento da mo-
lher deite, e collocando aobre a mesa urna es-
pingarda que t'azia, na qual ae achava tambem
um ca vinote e ama faca de pona pertenec, les ao
dito Alexandre, esle ao chegar sua eass, vendo
o Joao Candido pagar no clavinole, travou com
elle urna conleods, da qual resultou dar aquelle
um tiro neate, que aendo-lbe empregado n'urna
cdxa occaaionou que poucaa horaa depoia dei-
xasse de existir o infeliz Joo Candido, etadindo-
se imtcediatamaote o assassioo; e comtudo o
respectivo delegado emprega oa precisos nieios
de cooseguir a priso do mesmo.
No dia 3 do correte mez, o subdelegado
de policia do dislricto de Jaracati do aobredite
termo, cooiegio capturar ao caboclo Paalo Jo-
s Piulo com os o j acto6 que havia roubado da
casa de Jos Joaquim de Lima, morador do Ja-
racati do primeiro dislricto ; e por isso est o
referido subdelegado formtodo-lbe a comp-
lente culpa.
| No dia 5 do mesao mez, por volta das
cinco horas da tarde, o mener de nome Joo. de
3 annos de idade, Gibo de Jos Caroeiro da Cos-
ta, morador oa Barra do meamo termo do Brejo,
vendo peodurida em um prego que havia oa pa-
rejo da cass urna espingarda, poe-se a pucha-la,
e dispsraado-se esta, o Uro empregou-ae-lhe do
peilo, caasandc-lbe instantneamente a morte ;
pelo qae o juiz de paz do segundo dlstricto pro-
ced* a veatoria oo cadver do infeliz menor.
O nosso bom amigo e diatioeso ofBciai da
armada, Maooel Martina de Araujo Castro, acaba
de soflrer um larrivel golpe: sua consorte D.
Thereza Lialioa de Araujo Castro, aoffreodo se-
riamente dos pulmoee, foi sconselbada a buscar
nos aarloes da proviocia do Cear o restabeleci-
meoto de aua ssude que aqui nao podera obter.
Neate empeoho e aaudois de doas fllhiohos.
que, a todo o momento lhe faziam sentir a oe-
ceasldade de conservar a vida que Ibes fra con-
sagrada, oo hesitou a pobre victima do separar-
se de aeu denotado espoio, cajos deveres offlciaes
impedism-no de satisfaxer livremente os impul-
aos de aeu corceo, aeguiodo-a, e de procuror
em flores Urea a aane qae Unto anhelara.
do maia tempo para tratar de sua ssude na Eu-
ropa.Passe portara concedendo aeii mezes de
lieeoet,
OnI'o de Joaquim francisco do Eipirilo Saoto,
Brasileiro, comaerciaote de commiases disIs
cdsde. pedindo matricular se. Vista ao Sr.
desembargador fiscal.
Oulro de Aotooio dos Santos Oliveirs, informa
do, pediodo o registro do diitrato da sus socie-
dad com Aotooio da Silva Guimares Juuior,
ob a firma de Aotooio doa Santos Oliveira & C
Como requer.
Outro de Maooel Leo de Castro, entregando a
iris de registro do hiele Vtdela, que rcodeu
no Cear. Archive-ie e acam-se annotaQes,
como raquer.
Outro de Johostoo Pater & Compaohla, pedio-
do o registro de um contrato que ajunts.Como
requer.
SESSAO JUDICIARIA EM 18 DE SETEMBRO
DE 1862.
PRESIDENCIA DO BXH. SR. DESEMBARGADOR
SOUZA.
Secretario, Julio Guimares
Ao mel da, o Exm. Sr. presidente abri a
sesso, eslaodo preseotes os seohorea desembar-
gadorea Villares, Gilirana e Silva Guimares, e oa
seohorea deputadoa Reg, Lemos, Malveira e
Rosa.
Lida, foi approvada a acta da sesso ante-
rior.
JL'LGABENTOS.
Amellante, o Dr. Aotooio de Menezea Vas-
concelos de Drummood ; appelladoa, a viuva e
herdeiros da Joo Heoriques da Silva.
Sorteado o Sr. deputado Rosa, em substi-
tuirlo ao Sr. Basto.
Foram recebidoa os embargos do Dr. Riguiira
Cosa e sua malher deaprezados oa outros.
DES1GNACA0 DE DIA.
AppellsDte, Aotooio Jos de Castro ; appella-
do, Francisco Jos Leite.
Designado o primeiro dia til.
Appallante, Maaoel da Silva Passos, represen-
tante de Novaes & Passos do Rio de Janeiro e
appellados, Tasso & Irmo, curadores da massa
fallida de Novaea & C. desta cidade.
Designado o primeiro dia til.
D1STRIBUIQES.
Appellante, o commendador Antonio da Si-
qaeira Cavalcaoli; appeiladoa, Francisco de Pea-
la Caroeiro Leao e Eatevo Jos Paea Brrelo.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
AGGRAYOS.
Aggravaote, Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior ;
aggravados, os curadores da msssa fallida de
Seve, Filhoa & C.
O Exm. Sr. 'residente negou provimeoto.
Publicacoes pedido
A' pedido da cmara municipal do Limoeiro.
Em cut>primeoto do deipacho aapra, certifico
ler o offlcio que o supplicsolc peda por canico
di theor ipguiote.
_ Pago da cmara municipal do Limoeiro, em ses-
so extraordinaria de dous da seteoibro de mil
ote ceotos e sesaenta edons.
Illm. e Exc. Sr. Acamara municipal dosta
comarca teodo viito e lido no Diario de Pernam
buco de viole e tres de agosto prximo fiado um
commuoicado do ex-promotor publico desta mes-
ma comarca Dr. Cesar Oetaviaoo d'Oliveira, em
o qual o digno juiz de direito Jos Quiolioo de
Castro Leo, tax-.do de raUxado, apresia-se a
sesma cmara muoicipal.como lisl iuterpetre dos
sentimeotos dos taja muuicipes em vir declarar a
V. Exc. qae a pecha alirada sobre eate integro
magislrsdo pelo ex-promotor, iofuodads, e coo-
Irarta a prova dos actos por elle praticados, com
os quaes tem sabido gra'ogear a bem merecida es-
lima, e coosideracio publica de que goza, du-
rante o tempo que reside nesta comarca ; lendo
sido sempre ( o coolini a ser ) apreciado, quer
como magitirado, quer como bomem particular
e oxal fosse elle imitado por aquellesa quera a
lei tem coufiado a garaotia da honra, liberdade,
e propriedade dos cidados. E por que cerlo
qua o commanicado do ex-promotor pode petar
oo esuirilo a'squelles que nao conhecem o Dr.
Joa Quintioo de Castro Leo, seu carcter, pro-
bilale, hooradez e diafollo no cumprimento de
seus daveres, como magistrado, a mesma cma-
ra muoicipal roga a V. Exc. digna -ae permittir
lhe que maode publicar o preaeote offlcio em um
dos joroaas dessa capital, a Uro d* que o publico
desea ridade, e maamo do paiz, fique cerlo de que
o Dr. Jos QainUoo de Castro Lo, actualmen-
te juiz de direito desta comarca, gosa nella do
conceito, e eslima que pode ambicionar um fuoc-
ciooarioda saa cathegoria.
Deus Kuarde a V. Exc. Iilm. Exm. Sr. Dr.
Maooel Francisco Correa, mai uigoo proiideote
da proviocia.
Loureoco Soare Cordeiro de Mello, presidite.
Cbristovo da Rocha Cuuha Soulo-Maior.
Jusimo da Moltt Siiveira.
Frsnciico Mauricio da Molla Ribairo.
FraBCisco Nobrega Silveira Cavalcanti.
Vicente FerreiaBarbosa.
Nada mais se cootiohs em dito oCQUo, e psra
que assim o cooste paisai a prsenle oesta secre-
taria do govaroo da provincia de Peroambuco,
aos desasete de setirobro de mil oilo ceios e
sesseots e dous ; qasdragesimo primeiro da ia-
dep*Ddeocia e do imperio.O oflicial archivista.
Joo Valeotim Villela.
=== 8C5
141
182
== 353
Dcstarragam no dia 19 de setembro.
Brigue porluguarCootaulmereadorias.
lmpiirtti,'io.
Barca oaciooal Norma, vindo do Rio de Ja-
ueiro, consignado a Espirito Saoto, msnilestou o
seguinte :
10.0413 arrobas do carne de charque. 97 ditas
do seho em rama e 200 ditas de ditos em pes ; a
ordem.
Vapor nacional Tocantins, viado dos poitos dc
norte, manifestou o aegumte :
Para.
2 caixas semen tas ; a L. J. Bruntl.
1 barril oleo de cupshiba a J. da C. Bra-
vo &C.
Mirobo.
1 caixa fazendss ; a ordem.
Encommeni'as.
1 escapado ; an Dr Sabino Olegario L. Pinho.
1 dito ; ao Dr. Jos Fraacisco Pereira.
t oiiiolo ; a Maaoel Ant tolo de. Jess Jnior
1 dilo ; a Uatlrioloineu Fraociscu do Sou<.
1 encfpado; a Antouio Joae Leal Reis.
1 voiume ; a Antonio C. da Silva Rios.
1 dito ; a Jos Joaquim da Silva Gomes.
1 Caixo ; a Jos Alve* da Silva.
Kxportaao
Do dia 17 de setembro de 1862.
Barca ingleza Eothen, para o Canal, earre-
garara :
Southall Mellors & C. 1,885 saceos com 9,423
arrobas de assucar.
Peiro Jos de Siquatra, 120 esteias de pepori.
Barca inglesa itmialci, pata Liverpool, carre-
garam :
Auguslo Frederico de Oliveira. 253 saceos co:i
1,318 arrobas e 8 libras de algodo.
Patn Nash & C, 534 saceos com 2,670 arro-
bas de assucar.
Ssunders Brothers & C, 240 saceos com 1,200
arrobas de dito.
Brigue bespaohol f/anoe,para Barcelooa, car-
regaram :
Aranaga lijo SiC, 172 saceos com 853 arrobas
e 16 libras de algodo.
Keeebedorlat de rendis Icterna
f^rKtm fe 'tri.iirr.biif,.
Randimento do dia 1 a 17. 22:245970
Idaro de dia 18......: 953877
S3 19987
'.nlado s>rovlntal.
Rindimentododial a 17. 21:274*333
dem d di. 18...... 1:272j525
22:546i858
Lommunicados
ADle-bontent seguio para o Rio Grande do
MedicameBtos do Dr. Radway.
Cootiouice doa abaixo isaigoados paDlicados
dos Diarios de 20 de margo, 17 de abril, e d
maio de |1862, que ae perder, e que aira pu-
blicado loga qsefdr sobado.
Nos abaixo assigoados declaramos, qua pelo
uao propriode oossas familias, e pelo que temos
fisto applicar o prompto alucio e mais remedios <
de Radvray, sempre temos tirado e vislo tirar fe-
liz resultado, sem que al ao preaeote leoha dei-
xado irriticoes oo inflame$5ei a nioguem, antes
pelo contrario curado essss oleo.jes : deseja-
mes, pois, que o governo cooced-nos esta ao
abrigo desses medicameotos, nao ettorvando a
conlioat(o da venda.
Joaquim Bernardo de Figaeiredo.
O bacbarel Cbrisloio Xirier Lopis, propieta-
rio do eogeabo Soazs, comarca do Rio For-
moso.
Baro doLivrameDto.
Joi Maria Machado de Figueiredo, ra No?a,
o. 58.
Jos Policarpo de Freilis, aidade de Olioda.
Domiogoi AlexaoJrioo da Silva, morador oo en-
geobo Almeida, na comarca do Rio Formoao.
Domingos Alfonso Ferreira, ra da Imperat-z.
n. 4.
Jos Joo de Amorim, ra da Cruz, o. 3.
Floriaooo Jos de Miranda, ra do Hospicio,
o.5.
Aotooio Loareoco de Carvalho Serra, ra do Hos-
picio, o. 3.
O arcediago vigario Placido Aotooio da Silva
Santoa.
Dr. Joaquim Antonio Cirneiro da Caoba Mi-
randa. '
Caelano de Carvalho Raposo.
0 vigario de Aguas-Bellas, o Rvm. Sr. padre Ao-
tooio EuiHtuio AUes da Silva, a pouco tem-
po acbando-se iocommodado, Unc,audo dous
ou trea diaa, e ultimameuU j laoQava alguns
ralos de asogue sem achar remedio que |lhe
auapeodesse laes vomites, e logo que tomou o
prompto alivio esbsrrou tses vmitos ; o qae
declaro a beneficio publico.
Victorino Jos da Rocha, jais de paz de Aguas-
Bellif.
Movimento do porto
Navios entrados no dia 18.
Psre porlos eotermedlos9 diaa, seodo 8 ho-
ras do ultimo porlo, paquete a vapor Tocan-
tins, de 750 looeladas, equipagem 50, cou-
ntandantc o 1* teoeuie Pedro Hypolito Du-
arle.
Macelo18 horas, vapor oscional Mamanguape,
de 337 looeladas, comiiaadaote Manoel Ro-
driguea dos Santos Mours, equipagem 20.
Rio de Janeiro15 dias, bares brasilora Norma,
de 224 tooeladaa, capito Frederico Joa Pra-
tes. equipagem 11. carga 10,500 arrobas dc
carne secca ; a Maia 2 Espirito Sanio.
Navio sahido no mesmo dia.
Cear barca ingleza Cear, capito Eduard
Stabb ; em lastro.
liaes.
O Dr. Triilo de Aleocar Arsripe, oflicial da ira-
reiial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife e seu ter-
mo, capital da proviocia de Peroambuco, por
S. M. I. e C. oSr. D. Pedro II, a quem Deua
guarde etc.
Fsco saber pelo preseDle, que a requerimeoto
dos commerciactes Rostroa Rooker & C. se seba
aberta a falleocia dos mesmos pela seoteocs do
theor seguate:
Vendo-ee da petico fR 2, que os commar-
cianles Rostroo Roclter& C. declaram-aeam es-
tado de iosoWenca, pelo que ho cenado oa
seus pagamentos, hei por abert a faRancia doa
ditos commerciaoles ra c*joa baos, livros e pa-
pis e poro sellos na forma da lei.
Publiquo-se por edil-es a mesma fallcncia,
cuja dtta legal sa contar do dia 29 do mez pr-
ximo passado; e sejam convocados oscredore
para se reunir e oomear depositario da massa
fallida no da 10 do correle mei pelo meio da
na sala daa audiencias.
Para curadora Aseses da fallencia, nomeio os
credoraa Southall Mellon & C, e Nicolao Olto
Bieber di C, que prestirla jurameoto.
Recife 4 de setembro de 1862. Tristo de
Aleucar Araripe.

ir
MUTILADO


E mais se Dio cooltnha e nem oolra algumt
couaa jb de declarara en dita sentenca que aqui
eal verbo ai verbum tmscrip'a e copiada
E nao podendo ter lugar a reunlo oodia apra-
zado em consequencia de nao terem accaitado a
nomeacao de curadores flscaea 01 commerciantea
Southail Me lora & C. foram em aubatiluice es-
cocidos Kalkmaon Irmaos & C.
E por forc da mesrm sutenga o escrivao, que
esie subscreveu, fea paasar o presente edital, pelo
qua l sao convocados os credores dos meamos fal-
li los aflm de que comparecam no dia 19 deste
mes, na aala daa audiencias, pelta 11 da manha
para tratar-ie da nomeacjo do depositario ou de-
potitatiosda referi.lt masss.
E para qu* todos l sar editses, que serao affixa ios nos lugares do
costume, e publicados pela imprensa.
Dado e passado neata idade do Recite capital
da provincia de Pernambuco,|aos 16 de aelembro
dt 1863. 41 da independencia e do imnerio do
Brasil. v
Eu Manuel de Carvalho Paee da Andrade, es-
crivao o subieren.
______________Trialin de Alpnear Araripe.
Na ooformidade do art. 47 do regulamento
do estabeleelojeotoe de caridade aa acha prepa-
rada no hospital Pedro II nma sala, onde diaria-
mente (excepto nos domingos) os facultativos do
mesmo hospital daro consultas gratuitaa ao9
pobrea
Eate srvic.o comprar depoie da visita que os
facultativos liierem s enfermarlas; devem.por-
teoto, as peatota que se quizerem aproveitar
delle comparecer aii, do dia 17 do correte em
diante j= 8 horas da manha.
E pira que thegue ao conbecimento de todos
fago o presenta annuuclo.
Kecifa 16 de setembro de 1862
O mordomo,
Joaquim de Souia Res.
De nrdem. do IUm. S*. inspector da tbesou-
rana >le faxenda desta provincia as publica para
sonhecimento d09 ioteressadns a relagao abaixo
transcripta dos crelorea da dividas de exerctcioa
tintos na importancia total 8959819 ria cujo pa-
gamento fui aulorisado pela ordom do thesouro
nacional n. 167 de 2 da^setembro de 1862.
S*crelaria da thesouraria de fazendi de Per-
nambueo, 17 de aelembro da 1862.
Serviodo de otlieial maior
Manoel Jos Pinto.
Relajaos que se refere a ordom aupra :
Alberto Joa Rolrigees ()........... 107J13
Antonio Ferreira da Silva (a)......... 2l3>868
BoivHotura Eiiaa de Sanl'Anna (.*)... 20J168
Domin>[os Lopes deSsm'Auna (a).... 147)368
Franciato Manoel o'Oliveira Mirau-
da (a).......,...................... 229088
Franciso de Paula S e Peixolo..... 815662
Francisco Rodrigues de Mello (a) (c|. 40J330
Goocalo Vialra do Espirito Sanio (a). 22)248
Gregorio Cardoso Pereira (a)......... 159183
Joao Flixd>Coati {*)................ 49*328
Joao Jos Q'Andrade (a)............ 40&336
Joi Figueira do Nascimento (a)..... 23j>f>:'8
Jos do Rosario (i).................. 38jj903
Jos Farreica (a)...................... 409576
Luia Maria do Livramento, viuva de
Manoel Sheodoro da Souza (a) (b)..
Manoel Desiderio (a) ()..............
Mano al Francisco II..................
Mande! Hermenegildo................
Mauo| Maria.........................
M-a noel Pi..........................
Roque Francisco.....................
Segundino Ajres Velloso de Mello...
Thomaz Antonio dos Santos..........
Tito Braz C'rdoso....................
SSXil JTsUHA ) DI Sex-KMBRO E lSffti
isa mmm
DE
ROUPA FE1TA.
DE
THEATRO DE S. ISABEL.
Sabbado, 20 de Setimbro de 1862.
PRIMEIRO ESPECTCULO extraordinario dos exercicios da ousadia humana, pela com-
panhia gymnastiea dos irmaos boislay, primeiros artistas do Hypolrorao de Paris, cujos Ira-
balhostem sido applaudidos e admirados em todas as' partes onde lem trabalhado, e ltimamente
em Lisboa, cujos exercicios granles applausos tiveram na Europa.
Os directores tem resolvido apresentar um extraordinario espectculo, como se ver do
seguate
PROGRVSISIA.
Primeira parte.
Symphonia pela orchestra.
A irania espunholc,
exercicio de equilibrio e destreza, ejecutado por
Mrs. Jules e William.
O TORNO PERSA,
aravilhoso exercicio, executado pelos irmaos
Divertimento,
Buislay,
pelos Clowns.
Os biihetes de camarotes, cadeiras e
Segumlu parte,
A ESC A DA PERICOS!,
grande exercicio gymnastico, pelos irmaos Julio
e Pepe Buislay, concluindo com o grande
SALTO 1NCONCBBITEL
'. Terceira parte
JOCO OU EL MONO D'FRICA,
pantomima cmica, na qual o Sr. Julio Buis-
lay desempenhar a difficil parte de Joco, sendo
confiadas aos primeiros artistas
theatro.
as outras partes
(Ja comnanhia.
plata, estao desdo
j J, vonda no escriptorio do
Precos os do costume. Principiar s 8 hars.
208168
40*336
209168
199368
198123
20a168 .
26J378 !
208168
218768 '
208168!
L
Ob9ervac6es.
(a) O thasourairo rconh este credor *om di-1
reito a quantia que se manda pagar, e nao a li- i
quidada por eeta thesouraria.
(b) Autes de realisa^-se o pagamat-to desla di- [
vila. convem qun se exhiba a 2" via do titulo.
(c) Antes da efliactuar-se o pagamento, coovam |
que a iheourtria exija do crelor a Ia via ae li-
lulo.
(il) Sent o crelor prsga efledi/a
Caes de Apollo
Sabbado 20 do correnta ter lugar um dos mais
explundidoa bailes, em beoeclo do administrador
destes saines ; eatando a casa magnficamente
a Jornala, e a:.i.-rei't'ni!o urna mu engeohosa es-
Rs. 895J819 ilre" < 1. obra mui recentemente chegada de
Inglaterra, a qual ostentr 280 luios de gaz, que
produ/.iro o mais mgico eleito.
i^oneerto musical pela or-
chestra.
Aria da opera Simiraraedes obrigada
a requinta.
do exercito, QuaJrilhas da opera Foliufo, valsa da mesma
i i m ... r.i fin
o pagamento deve ser feto ao quartei mestre do : operj,
corpo a que ella perUnco. p0,, TraqniB,
Coiisellio aumioistralivo. uu.-cu,..
Varia;>as da clarioets,
Para Lisboa deve sahir com muiti brevida
d*o brigu* portviguei Margarida, capilo Jos
K, Ribeiro ; tem prompta maior parte de aeu
caarregamento e recabe o reato a frete : a tratar
no escritorio de Amorim Irmaos. ra da Craz
"sl_
i
e Para
Segae com brevidade o veleiro brigue escuna
rlraciosau, capitn Antonio Maria da Costa e
iva, por ter alguma carga para ambos os por-
foa : para o resto trata-se com o consignatario
Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz d. 27.
a
composta por um mestre co-
compostai por um
joven
oiviriiha da opera el Fiuto Stasnllo de Verdi.
Uadrilha o Goerreiro Garibaldi.
Urna linda polka inttularia Luiz XV.
Schutz as margeos do Capibaribe, pelo profes-
scr Colas
Aria obrigada a ophiclida, da opera Lucrecia
Borgia.
Dita dita na requinta a opera da Gra;a de
Deus.
?Joadrilhas Pedro V.
Dita o Carnaval de Lisboa.
Scholz intitulada a Pernambucana.
Polka compoita pelo professor Colas.
Aria de pistn mesica do maestro Paocine.
A blinda na musir militar estar posta en-
trada dos grandes saldes, e ahi tocar das/ ho-
ras em ponto et Qnlisar-9e o baile, preanchen-
do os iiiUrvallos com ricas e variadas pojas es-
coltadas prtivrianienlo para e*U dia.
Sero cumpridaa as disposi;es do regulamen-
to 'lado pelo III: Sr. chote aa paliis.
Entrada para ho" ens 2g ; damas (ralis.
.. .
,: &
Para Lisboa
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra lem de comprar os objecios
aexuintes :
Para o hospital militir.
ti libras de alirec-ga nova.
16 libr.-.s de CetaJa.
16 libras de cer amarella.
S bras de e9can-.ouea inteira.
ti coqis de hy iroferro cianato de quinina.
16 libras de jalapa inteira.
jt libras de oleo de ricino.
(i i libras de oleo de au.endoa9.
2 arrobas de moflarda.
1 arroba de mann de primeira qualidade.
16 libras de aulphato de soda.
S libras de raz de lurbith.
1 restija de rotulo para medicina.
1 resms de rotulo para cirurgia.
1 i resma pr* familia de offkiaes.
Pra a colonia militar de Pircenteiraa.
2 li tos para registro de correspondentia of-
.i I 'i.
Quero quirar veader tses objectos aprsente
.i jujs propostas em carta fechada oasecielaria
do conselho s 10 horas da msnba do dia 21 dn
coi rente roez.
Sala .las sesses do conselho administrativo,
para fornecimeulo do arsenal de guerra, 17 de
agosto de 1862.
Anoii'j Pedro de S Barreta,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Ptreira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se avisa aos
davelores do imposto da dcima urbana, de 20
0(0 sobre o consumo d agurdente, de 4 01^ 9-
bre o estabelecimentos de fora da ctdade, preo-
aas de algodao, typoKrphJ9, cocheira, cavi|la-
rices, hoieia, botequins, casis da pasto, e fa-
bricas, de 12 o" sobre os estabelecimentos da
commercio em gro>o e a retalho, armazens de
recoUier, de deposito e os trapiches, de 8 o'O
aobre consultorios o.e lieos e cirurgicoa, cartorioa
es^ri.torios, de5t>8 sobre esas ds mola, bilhir,
chapese roupa feita estrsi.g-ira.de 1:0008 si-b.e
Casas de operacio bancaria com emisso e privi-
legioi, de 3008 sobre conipanhias anouymas e
agencias, lie 200$ sobre cass do cambio, 10 0|()i
sobre j renda dos terrenos oceupados com o
planto lo capim, de 100$ sobre correctores cotn-
metciaes, Oe 308 sobre torrectoraa de esersvos, I
de 500 ris por toneladas de alvarenga e canoas \
empreadas no trafico da caiga descarga, e '
nalrneuie o Imposto sobra carros, carrocas e om- Mhir p, 0i orlos do M a0 ai, 35 do crrante
nlbua, que lo ultimo de setembro correnU Bnda-|mM 6 hl)rat 0, Urdd
Recebe carita at o da 21 ao meio dia. En-
eommendas. pasaagairoa dinhairo 1 frete at
o dia da aahida s 3 boras: escriptorio no Forte
dn Mallo* n. I.
om multa bravidade pretenda aeguir o b*n co-
ohecido veleiro brigu* eacuna cJovao Arthur
Mpitao Joaquim Antonio Googalvea dos Santos,
m parta de u *arrg"mnto prorapto ; par*
ato qu* lbe falta, tratas* com ps sus oosig-
- tartos Antonio Luiz d* Olivasin Az*vedo 4 C
aeu scriptorio ra da Crux n. 1.
^
10 :
DUAS
feira
VACC iS,
19 do corrente
Sex*
O af ara lailo por coota da quem
pertei reserva de prego de duas vaccaa
com cn,as, at 11 horas do dia cima meocinna-
do na ra do Brum era frente a fundido n. K.

LE1LAO
DE
pretende seguir com muita brevidade a veleira
bem coohotida barca portuKueza Gratido,
ca^ito Antonio F-rre.-. Burgos Pastsoa, tem
parle de sau carregarnento prompto : para o res-
to que Ihe falta trata-se com os seus consignata-
rio* Antonio Luiz de Oliviira Azevedo, no sea
scriptorio rus da Cruz n. 1, ou com o capito
na i>rr;a.
II.
Aluga-se
Na ra Nova n. 47, juolo a Gonceicao dos Militares.
Neste gr,n V armazem da roupaa faltas ha tu 1o quinto tendente a roapas fritas, ludo por
prados multo modificados como da aeu costume : sobrecasacas e casacaa de panno fino a 258,
188. 308 358, paletots do mesmo panno a 148,16*,, 18$ e a 20$. ditos saceos de csaemiri de cor
a 7J, 88, 98, 108,129 e 148. ditos sobrede 16$ a 188, ditos ds alP,ca a" cordo a 88, ditos de
marin de cordo d* \- a 148. calcas de csemira da edr e pretas a 58, 6J, 7g. 88; 98 a 10$, sol-
late* das maamaafazendaa a 38500, 48 e 58, ditos de brlra d* edr e brincos a 8. 28500 e 38. cal-
cas de brim branco da 49 a 58, ditas de brim de cor a 28500, 38. 38500 e 4$, ditas de merino de
cordo a 4(, 53 e a 63, paletots saceos de alpaca preto da 3J5U0 a 49. ditos de brim de edr e
branco a 2J500, 39, 49 e 59, d>tos da alpaca branco a 6$, ditos de palh* de so a a 8$, camisas a
seroulas de linho e da bramante, chapeos de todas aa qualidades, roupa de todas as qualidade*
para menino, astim como tamos um rindo sortiraento de faz*nd*s esclhitas da todas es qaali-
dadas tanto de panno como de cassmira e brios para mandarino* aprouptar qualquer encom
menda qne noa for incumbida, iue para esta Om temoa una grande ofiicina de alfatale com cem
operarios dirigida por um mestre fraoeax o Sr. Carloa Laurent,* tres contra mestre oirigido pelo mea
mo. cada um destes com sua espeelalilade, dous cortando cal;a, um cortando collete, o Sr. Lau-
rent corlando obras randaa da todas as qualidades.
______Esta grande officioa pl aua psrfeiQo e promp'idao nada deixa a dtsejar.
um sitio om boa cas, bons arvoredos de frutos
com estribara e coxeira, boa agua, na SoleUada "
a tratar na ra da Craz u. 13._______________
Apessoa que, no Diario de Perrmmbuco da
17 de agosto do correte anno, annunrioo qo.
ror arrendar um engenho peito da estrada da
t"rro, e de en.barque da mar, com anima*, p6-
do procurar o Illm. Sr. Melquades Antunes d'AI
meida na ra d.s Laraogeir.s o. 18, que stiau-
torisado paraasaa Om.
g
SECRETARIA DO INSTITUTO AR-
tllEOLOGICOEGEOGRAPHICO
PER>AMBlCA>0.
Tendo era sessao geral doi
I do corrente sido designado o
dia 21, por orna hora da tarde,
para nclle ter lugar em sesso
Ji solemne o empossamento dos
% dignatarios novamente eleitos,
S assimo scicutiieo a todos os
H Srs. socios, convidando-os a que
| coniparecam no referido diae
hora,nosaloera que se acka f|
M collocada a Bibliotheca Provin- 9
%| cial no convento do Carino.
A.Witruvio. P.B. eA.de V,
____ Io secretario.
Prectsa-se de am forneiro qua seia hbil no
aeu servteo de forno : a tratar na rm estrella do
Rosario, deposito n. 4.
:
TERiA
Rogase
an Illm. Sr. Dr. ehefe ae po'icis qae nao d pas-
aporte ao crioulo Etequiel, escravo de Jote Pi-
res da Cruz, visto que est sendo processado e rom
Arnannaa 20 do corrente me/., se ex- jordem de prisao por crime de morte, e entrada
trahira' a quinta parte da segunda lo-j em "!""'lbeia-______________________________
teria do Gymuasio Pernambucano 5U7 **?* P*.. di S'1"' Per*'ra ^"^ Cr"
_ 1 "-dialment* a todaa as pessoas qae aa dignaram
COncessao; no consistorio da Igreja de N. j assistir as exequias faltas ao cadver de sou pre-
S. do Kosario de Santo Antonio jzadocunhado Jos Teixeira Gaimares Jnior, e 3308000 de A. C. de Abreu. e diversos documen-
Os biihetes e meio, biihetes acham-sel P"^-"" ^ ------JvXT^^^^V^Ul^l^:
vendan, respectiva thesouraria m ^^ TZ^%Z"^^.l.^ i"< consida.cao duo atluf,cio.
do Crespo n. lo, e as casas commis-' qualquer porto do Brasil para compras, dando co-
Alug-se urna casa terrea com qinti o ca-
cimba n< estrada da Joao do Brro. ao p da ca-
pella : a tratar na rus da Caixa u'Aua n. 46 ou
na rui do Q.eimado o. 33. loja.
Ni ra da Guia o. 2, primeiro .nar, laya-
se a engomma-se toda a qualquer roapa de se-
nhora e do bomemeom maior breaidade a aceto
e mais em couta do quo em nutra qualquer parte'
que o freguex admira, mandando-s trazer l
quem a leve : espera, pois, daa maia de familia e
caixetroa que frequ*ntem os seus aogomm.dos
com presteza.
7- Aluga-ae urna casa terrea na povoc.ao de
Beberibe, com bastante commodo para urna x'an-
da familia, banhn muito pecio da caaa : a tratar
na ra do Cabug, loja de *ara.
Uouuuaru .o escribiera, |de Fa-ldel l'int
tinhs contando a quantia ta e cobre ; t I tiras da cnmmandila [ A. F San-
tos C.) pertencentes a Manuel Antonio Sia,oes
do Amaral Jnior ; 1 recibo em cenia corrente
da mesma, ludo no valor de rs. 1 7008 pobco
mais oa menos ; 1 recibo na importancia de
Stonadas ra da Imperatriz loia de fer- ; nheetmento de ua boa conducta : quem o pre-
^^~. t j c .1 ten lar dinja-se a ra do Rosatio, nBja-Vista,
tagens n. 4- do Sr. Pimentel, praca D. 51. aae aa dar relaclo do dito.
da Independencia n. 22 loja^do Sr. San- j o bilhete o. 15<8 da quinta parto da segao-
tos Vieira, ra Direita n. O botica do da lotera do Uymoasio parience a matriz da Bja
Sr. Chagas, e na ra da Cadeiado Ke- Vl8t*-
cife loja n. 45 do Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at 10$ serao
pagas uma hora depois da extracqao,
o as outrss.no dia immediato depois da
distribuidlo das listas.
3
Servindode thesoureiro,
Jos Rodrigues de Sotrza.
U coronel Anlouio Pearo de S l rrelo
fax euf curoprimentoe de gratido a todaa
a peBoaa -, hoararam ora a* presen
gas ojatuio faoebre e acompanharam ao
cfrnijf.io publ'co oa reatos morUes >ln seu
esuiai Jo genro Virginio Carneiro Leao, e
pede-(ha o caridoso favor de uoireai ain-
da suas preces aa* dos seas no dia 2z do
correte pelas 8 horas da maoha, u. igre-
ja da N -vfsa Senhora do Carmo.
GaPA&HU PERUSiHICARA
DE
avegsM cosiera a vape
Mflcei, em dreitura.
O vapor Mama^iguape, commaodante Moura,
seo prazo marcado para o recebimento dos seu
dbitos pertenceotes ao anno financeiro de 1861
a 1862, csndo sujeltos os que nao pagarem a
serem executadoa
Mesa do couaulado provincial de Pernambuco
4 de setembro de 1862
O chele da segunda sec;3o.
Francisco Ferreira Martina Ribeiro.
Companhia do Be.
beribe-
A direccao convida novamente aos
Srs. accionistas para se reunir no dia
20 do corrente ao meio dia em assem-
blea geral extraordinaria, aim de de-
liberar-se sobre o enea na monto das
aguas para a freguezia dos Afogados,
conforme as bases olerecidas pelo Exm.
Sr. presidente da provincia em oficio
publicado no Diario de Pernambuco de
9 do corrente e em virtude do artigo
additivo ao 16- dos estatutos, havera'
sessao com o numero de votos que com-
parecerera.
O secretario,
Justino Pereira de Farias.
Correio.
Pela administradlo do crrelo dista cldade ae
fax publico que hoje (19] aa 3 horas da tarde, fe-
char-se-ho as malas que tem de cooduxir o va-
por uTocantios com destino aos portos do sal.
Os seguros at as duas horas e os jornaea at ao
meio dia.

Rio de Janeiro.
pretenda segair com muita bravidada o veleiro *
bem conhacido patacho nacional aCapaao, ca-
pito Tbantonio Joa da Silva Rosa, tem parla
de sea carregarnento prompto : para o reato qaa
ihe falta, tratas cornos seas eonsignatarios n-
odo Lutx da Oliveira Axevedo & C. no aea ea-
riptorio, ras da Crux n. 1.
ComiNHU PERIUIBICAIU
>
Navegado costeira a vapor.
Paralaba, Rio Grande do Norte, M-
cau, Aracaty, Ceara' e Acaracu'.
O vapor lguarau, commandante Vianna,
aahir para oa portos do norte at o Acirac
no dia 22 do corrente a 4 horas da tarde.
Recebe carga al o dia 20 ao meio dia ; en-
commendas, passageirns a dinhairo a treta at o
da da aahida as 2 horas : escritorio no Forte
do Mattos a. 1,
Seis cavallos.
SexU-feira 19 do corrente.
O aign&ta Pinto far leilo sem reserva de pre-
;o de 6 cavallos, os qaaas estaro ao exaroe dos
preteodenles, s 10 hora* do dia cima mencio-
nado na ra do Brum em frente a funlicao o. 23,
onde se efTeduar o lellao.
Hoje 19 do corrente moz no
sobrado sito na ra Nova n
23, terceiro aniar, entrada
pela camboa do r4frfiio.
O agenteOlyonpioac'aa-se utorisado por urna
pessoa que se retira para fora i;< provincia a
vendar em leilo tola sua mobilia de mogoo e
mais perteuces de sea uio, constando de mesa e
cadeiras da aala ;le jantar, caodalabro, linternas
enm pendente*, relogio da cima de mes*, appa-
relhode porcelana, lavatorio, cabide, coslureira,
Iquadros, e oulros muitos objaetse. Principiar
s 11 horas da manha.
DE
FAZENDAS.
Sexta-feira 19 do correrte.
O agente Almeida ar leilo a requerimento
do Dr. procarador fiscal da faxenda nacional por
mandado do Dr. juu dos feitos da mesma faxen-
da, ss 11 horas do dia cima mencionado, de al-
gumis faxen^aspertencentes a massa fallida de
Save Filhus & C, que foram panhoradas pira
pagsmanto de direitoada alfandega : no armazem
n. 50 da roa da Crax.
LEILO
DE
Una cavallo.
Sexta-feira 19 do corrente.
O agente Pinto far. leilo a requerimento do
depositario da maesa fallida de Fraotlsco Anto-
nio Correia Cardoso e por despacho do Illm. Sr. i
Dr. joix especial do commercio, da um casillo
parlen ten te a referida maasa, is 11 horas do dia
cima mencionado am frente a fundico da ra
do Brum n. 28.
mymuk
O abuxo assignado lembra as pessoas
que tem biihetes encommendados o
aviso ja publicado, de nao ser possivel
guardarem-se taes biihetes alern das 10
horas da noite do dia anterior ao da
extraccao.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
U couaelneiro Dr. Praoclaco e i'aul
Bipttst), seus n'hon, sua aogra t sua cu-
nhada agrdce-n cordiajmerita a todas as
pessoas qu-? se rtignaram tasistir no dia 16
!o rorrent* aos ltimos suffragios e acom-
panh-i' at o cemilerio o cadver de sua
mulher, mae, tilh* a irma Candila Maris
Lina !!i lisia.
1 JHuitiaUfHCiio. S
w Arrenda->e o engenho Santo Amari- W
f| cho sito na fregaexia da Vanea, a nua ^
I i legua, moente 'agua com boas maltas
fp e ierras e pl*nta;oea. a tratar oa ra da 'v-.
S Praia casa n. 53, terciro andar. A pro- ^3
2 prietaria a mais herdeiros proteatam gy
^53 centro lo?o qualquer dno que a x- 'iy
fe randeira fuer de consentir, visto uio $}
g* ter rrnilado dito engenho de novo e
~J por conae^'uir.te nao poder criar nova
& safra. Recifo 1U de setembro de 1862. S?
O devotos do Senhor Bom Jeaus da Bj*
Sentenga que se venera na matriz de Sanio An-
tonio desta cidade, nao podend levar a effelto
no dia 14 do correte a fea! do mesaio Senhor,
como >stava determinad*, faxern scienle que ter
el. < lugar no domiugo prximo (21) com missa
so:o i tie e Ta-D*um, estando expost.a desde a rra-
drugada e durante os actos a sacrestota imagem
do Senhor no tmulo.
os
FuDico Low-lwr,
Boa da Seuzallax Kova U.4
Nasta eslabalasimeuto continua a havenim
eoaaplato sorlimeuto de moaodas a maias moan
las para engenho, machinas da vapor e taixu
: de ferro batido e coado de todos ostamsnho
> para dito,
I ., ... ... ......
.artu dirigida ao Illm. Sr. Ri-
cardo Kirk.
I l'endo feito uso da chapa medicinal, que por
1 V. S. me foi presenta, me acho ioleirameota
bom, do que Ihe rendo muit is agradecimentos.
e os (ai;o publico palo annoncio iocluso, o qual
1 sendo preciso para sua publicarlo, peder r>-co-
,' obdce-lo nos tabellies ; caodo outroaim corto
de que de via voz serei panegerista de aaas cha-
pas. Crea quo ou etc.
Lu; Antonio de Almeida Lima.
Cantagallo. Fazenda do Sobrado.
ATT ESTA DO.
Sr. redactor.Sendo obrigaco de todo o ho-
mem o ser grato, eu faltarla a ella se nSo decla-
rasse publicamente o quanto devo ao Illm. Sr.
Ricardo Kiik, com eacriptorio na ra do Parto n.
119 Rio de Janeiro.
Partecendo ha mis de tres anuos de ama gran-
de inflammacao de figado e cennuada palpita-
cao de coraco, que me privavem at o uso da
falla, resoli-me a mandar tir as chapas medici-
nae$ do mesmo senhor. e no fin de dez diae j
poda deitar me do lado do ^ilo, e hoje que
sao passadoa qiarenla dia* tem cessado lodos oa
n.eus aoffrimentj! e me acho inteirameote bom.
Aiaim, Sr.re,ia Ihe queira publicar
eales meus agradecimento pela sua acreditada fo-
Iha, tanto para os qua padecerem esta molestia
acharem como eu completo resiobelecimeuto e
como agradecimento ao mesmo senhor Ihe pss-
soo preseute atte>tado para aer conhecido pu-
Rheumatismo no joellio. blicameLle.
Eu abaixo assignado cer tinco que, padecend" Lui Antonio de Almeida Lima.
ha mnito temoo de nma gran n*3irna dor rheu Cantagallo. Fazenda do Sobrado.
metita-no joelho direita, uja perna nao | odia Kecuuh^cida verdadeira aasigoalura
eodlreltar, e tendo ua-1o varia* foment-QOes ''"lo '"beliiao Pedro Jos de Catiro.
fc
&. J
IlliJ
l'reci j.1-1* d uma ama par o servido interno
e xterno de pouca famili* : na ra do Cibng
n. 3, segundo sn-lar.
BrazCiparro, subdito italiano, retira se pa-
ra fora do imperio.
AU-strdo.
suppra,
Aiu^a-S ana brrav e m oiuleque de
16 annos para todo ern'c.o de urna caa de fa-
milia ; D' ru.a da Aurora", taberna, n. 48.
Aluga-se
um sobrado de nm andar, silo na trsvessa do
Vera*, o B>*-Viita ; quem o pret;odar, dirja-
se jiru*dslmeratrit^)^34_
Aluga-Sd urna grand casa na pnoar;io do
Moiileiro, tem quiotal morado e poito para o
rio, e prego commcio ; a tr*t oado. loja de ferragem. o. 28.
Traspassa-se o arreudamento de um s'tio
distole deata praca meia legua, a bera dorio,
com duas granaes casis de vivend*, um coqueiral.
dous viveins bem sementados, uma grande bai-
xa decampim, um bananeral, muitos arvoredos
defructjde tolas as qualidades, malta horta, a
quem pagar as bmf#itoriae que se tam feito;
quem o preteoder, dinja-se ra do Cabug,
n. 6._____________________________________
Aluga-*e um preto qae sabe andar com
carnet'* e faz qualquer oatro servlgo de campo,
e de armasen ; na ra do Imperador, o. 50, 3*
andar.
van*
sem poder obter melhoras, resrlvi-me Mima
mente a anplicar aa chapas melicinaes do Sr.
Ricardo Kirk, com escriptorio na ra d Parto
a. 119, caja* chapas no fim de 15 dias me poza-
ra t inteiramente bom da mesma ;>erna.
Em gratido ao rito Sr. Ricardo Kirk lh agra-
dece sinceramente e passo u presente attestado.
Rus do Cllete o. 167, Rio de Janeiro.
Francisco Jos ilos RMs.
Pulseiras tJe cabello com cha-
pa dourada, e traucelins
para re. gios
A loja d'agaia branca scaba da recebar a sua
encommenja das lao desejadas pulseiras deca-
1 bello com uilferenlea e bonitas tracas, ten io el-
| laa chapas douradas de delicados modellos com
Vctor Em Proto, Bmz E01 froto, NicM" oedras e sm ellas, c quede melhor gosto so
Fixe, Nicolao Ecn Proto, subditos Italianos, reti- pode dar em tai genero; aaaim como tranceln
ra-se para fora da provincia. corapridos e curtos, com passador dor*do para
relogios, e porque de lulo isso a quaotidale e>
pequea e nao chagar uara todos os puta-
ee apressem em 1/ finar
o* loja d'agaia branca, ra
O abaixj atsiguido, tendo de retirar-ap para
Mtencao
As pessoas que liverem para vender proprie-
dades as ribeiras do novoado da L*ge do Canbo-
lo, Correntee a Msuda, districto de Macei, a
que essas propiedades tenham casss a que se-
jam terrenos de meia legos cara mais ; enten-
dam-se com Leal & lrmo na ra da Cadeia do
Recite o 56, que dirao quam pretende comprar.
Alugam-se duas casas, urna no Campo Ver- Presisa se de un, caixairo de idade de 12 a
de e outra na ra dos Praxares ; a tratar com Jj 16 nnos : oo'becco Largo n. 6.
si Carneiro ds Cunha. 77T j_i 1^__7\\ :---------_Z--------
------------------------------------------------------------------i U ar. Adoipno nenrique Muvig
pesaoas q
!he esto a dever, tanto por tonta de livro co f.o
letr.s a ir.uito vencidas, assim como tambem faz
o mesmo pedido a toda* as pessoas que erar
devedores ao meu fallec 1o ogro, de ir pagar al
o 1m aeste mei, ndo o qual aero todos cha-
mados a juizo. A tratar sobre qualquer negocio,
na ra do Raogel v. 75.
Recife 16 de setembro de IS62.
Joa Beroardino Alves.
abaixo assignado vendo annunciado para
ir em pra$a 00 dia 18 do corrnte, pelo juizo dos
feitos da faxenda, a caaa n. 133 da ra do Pilar,
como pertencente ao masmo abaixo aasigoado,
aviata do que declara o momo que a menciona-
da caaa elle a venJeu em oalubro de 1859 a Mes-
quita & k)otra e Jas Per.ira Vimna, e al aquel-
lo lempo ti .-.arani pagas as dcimas como conatam.
is reapectivoa conhacimeoios. Recife 17 de se-
tembro de 1862.
Bernardo Joa da Costa Valenta.
Attencao.
a
Urna psssoa oeirameote habilitada em todo
que diz reapeito a padaria, eacreve certo e com
ptima Ulra.com longa prasica do balea, ce ot-
ferece para tomar conta de uma casa, dando fia-
dor de aua conducta : a pessoa, pois, que quizer
se utilisar deaeus prestimos, anuncie por este
joros! para ser procurada. _______________
i nier queira ir ao lugar que nao ignora,
j para concluir o negocio que tambem
I nao ignora.
Precisa-ae de uma ama para o servico de
uma casa de pou;a familia : na raa estraita do
llosa.10 n. 10, aegaodo andar.
Aluga-ae o urimeiro andar do sobrado da
ra da Senzalla-velba ?. 48 : a tratar na loja do
&os diTersos.
Quem precisar de uma ama para o servic.0
interno ae casa de familia, dirija-se a raa da
Cruz n. 55, terceiro andar.
Alug-se a sala da frente do primeira andar me9roo
o. 15 ds raa do Queimtdo, propria para algum
advogado ou eacriptorio : na mesma ra, botica
numero 15.
A\iso
Os abaix.0 assignados, curadores fiscaes da
maasa fallida de Joao Jos de Figaeiredo, pedem
a todos os devedores desta que mandem pagar
esas dbitos na raa da Cadeia do Recife, escripto
rio o. 47; tendo tambem nesla data, autorisado
ao Sr. Joao da Souza Axevedo para receber oque
. I cada um estlver a dever. Recife 18 de setembro
Preeisa-se desoa ama ds leite; Rfala! na de 1864.-Antonio Joi Leal Reja. Dimmeyer
isa ds Aurora o. 80, legante andar, Caraairo & C.
Mudanca.
O solicitador Joa Coelbo da Silva e Arsujo
msdou sua residencia para a ras do Livramento
n. 21, aegaodn andar.
Joa Paulo da fonseca, testamenteiro dati-
vo do fallecido Manoel Joaquim Diaa de C*atro,
vende, com autorisaQo do Dr. juix ds orphoe a
ausentaa, as msraadoria em ser as loja* ns. 4
e 2 B da raa do Cabaga : quem sa pretouder di-
rija-se a rss ds Cadeia do Recife o. 21, para
tratar.
Chumbo! chumba!
Vende-se chumbo do manicio sorlido o ds
diverros numero*, a retalho ou em porcao, par
prreo mais barato que em outra parte;*na rss
larga do Rotarlo, botica, n. 34.
Vndese.
Vende-se uma carrosa com boi, tudo em bom
ealado ; a pessoa que qaizer, dinja-se a praca
Ja Independencia, o. 17, qae se dir quem a
vende.
LOJA
De marmore.
Pravine-se ao raspeitaval publico que aja-
ba do 30 do corrente mex de agesto abre se asta
estabelacimento para aua formal liquidado, san
reaarva da pre;oa a a tetalho : aucontrsnJdo oa.
concurrentes um rico e variado sortimeoto da-
blendas por pneo* nunca fistos Pra dac
idea de um sem numero de arltgo em tazendaa
que coostitusm o sorlimonto deste estabeleci-
menlo se annuncis o seguinte am resumo :
ricos vestidos da seda, preto* e de cor a muitos
outroa ditos de diversas qualidades. humus de
velludo, de seda, s de casimira, capaa da casi-
mira,, beduinos, chales de casimira e da outras
qaalidades, chapaos ds seda para passeios ds
aeula, ronds ds endiinna branca, manguitos
zuavos, grande sortiraento dagollinhas, camiei-
nnts, lencos ma'iio finos psrs mi, ditos pira cs-
beca proprloa vara igreja, pelerina*, romeiras 6
roupoaa, lequesdo madriperola, saodalo e oalras
qualidsdea, quites bordados, tiras dito, cascarri-
nas, trincas, franjas, ntas.pentea de atar cabello
labviiothos, enfeites de cabec*. camlaaa, muitos
objectoa rara luto e lempo da quareame, vea-
mentas de manios, compreheodendo bonete.
Prsclsa-se da um caixeiro que eotenda ds sepajiobos, clciohas s meias : mullos objectos
phaimacia: os botica ds rss do Cabog n, 11. 1 para hp.mem, senhors t meninos, te., etc.
MUTILADO


p
KEA110 1 1U1AH4Q0O. SEXTA FEIFU 19 01 SHE
Alugim-se ceiai em Apipacoa pira p-que-
na e grande farulti, toJai maito fresca, a betra
do rio, com mailo boa agoa oe bebar, eilribari.
para caellos, qaartos para criado, t-m bum i-
tto para pastear : a fallar com a Uva Villar.
Admireiii-st e pproveitem-se
Retratoi de antrotypo a 10 um ; oa mait acre-
ditada e antiga officina da pbotogrtphta detta ci-
dade, oa rea do Cabag o. 18, entrada pelo pa-
eto da matrli.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Manoel Ferreira d'Almeida,
que mora na Casa Forte.
Precia* aa lomal a premio a quautia ae
4Q0f por lempo de aei* mexea, dando-ae penho-
rei por seguranza : quem quizer faxer eate nego-
cio, daixe carta aob aa ioiciaaa A. A., na prega
da la epeuJ.ocis di. 6*8.
I Xarope de saude S
DE
ARRaULT, i
I chimico com privilegio de in- s
vencao, autor da medicina
f domestica dos paizes calidos etc. W
flP Eite xarope preparado com ubaian- ???
tj c;a purainenti vegetaes (em sido em- tj&
pregado com xito pelos mdicos maii fgg
ei ineuies no tratameoto daa moleitiaa _*^
Kgp syphllilicas, e os benficos resultados co- v3?
ag luidos de la applicQo, tem renoilo a 3a
#seu aator mllhares de certificados qe .
provam saa eficacia as molestias vene- aSP
IjP reaa, aicrobutu, rneumalisuio, eicrolu- r^jj
JA las (alporcas) bobas, papelr, eriiiplai, abs
? ophetalruii, impingeos, leucorrhi (flu- W
S? xo-brauco) mojresiao do menttro, gota, 5?
% lana, alephaDtiatea doi memb-os tufe- ES
S r're* e todas se rfeccoe cataneai e Jg.
w lyphUltcat.
| BalsamoITifdlvel |
M para curar completamente em ||
.^ 2- horas pancadas ecica-
trizar ftidas de qualquer na- 5
gtureza que sejam por ArraultS
chimico.
g> NICO Dcir-OSITO
ts na pharmacia traoceza de r\ ^
Maurer & C. 9
#38-Ra do Imperador-38*
Alegi-se o segando andar o aoto do so-
brado o ra Direita o. 89 : a tratar na misma
ra n. 93. ___________^___________________
Aluguel.
Alur,a-s o aagaodo andir do lobrado da raa
eatreita do Rosario, que volta pea a ra das
Trinchsiras.com corauDodos para grande familia :
na rea do I.mmenlo n. 31, segando andar.
Attenyo.
Offerece-se urn crioulo livre para cozioheiro :
quem pretender dirija-a i raa dai Ageas-Ver-
des n. i\.
Caixfiro.
Na taberna da ra do Lobato d. 12 preciia-ae
de um caixeiro at 18 annos. e que terina pratica.
Padaria e
ib lies.
confeitaria.
Domingo Jos da Caoha Lago, premiado pelo jury da expoaieo nacional de 186icom ama
EtMi??S Stl ".'." fr.'8u,,e* em '.<> tatabelectmealo na ru. da Senz.l.
a,"t'--_.J Ja !l-?! Ii?.*"t? Papara bindeljaa no melhor gosto, recebe eocammendis
santos
se pelas
Noan.d. temo melhor sortimento, prepara bsndeljaa no malhor gosto, recebe encama
II r, t a' *' '8lez8. Dolo i uperiaes, aletria 4a oros, podios, pastis, prepara pres
il.'^b\tAiA0,tnt9ttMU4U^0'%i%tMuP't* aturar e exportado, respoosabiss-se
boa qualidade o bota aeoolicioaamento, vande por menoi prego possirel:
Na loja amarcilu a' ra da Praia
n. o. ha um completo sortimento de
lazendas inglesa e rancezas proprias
deste merend : pannos finos, casemi-
ras, brins' finos brancos e decores, ?hi
tas francezas, cambraias brancas e de
cores, madapoles de diversas qualida-
dcs, chapeos francezes do mais acredi-
tado fabricante, ditos de sol de seda e
de panninho, algodao branco e de co-
res proprio para escravos e saceos de
conluzir assucar e outraa militas fazen-;
das a contento do comprador que pagar
a vista.
PEQUEO CURSO
DE
Chimica Agrcola
POR
F. MalaguU.
Eata ioteresiante obra de aRticulturs, tra iuii-
da do francs pelo 1.* teoeote de engeobetro
Pbilsdelpho A. Ferraira Lima, contiia a estar
leuda as Livrariaa dos Srs. Figaeirds e Gut-
maresi Oliveira, e ua ra eatreilajdo Rosarios,
typographia commercial, a raio da $100 cada
axemplar.
OrTerace-se um pequeuo ae nnJa de 15 an-
nos, o qual sab* ler e escreer, para quilquer ar- |
rums^o, o qaalji tem algama pratica de taber- !
na : trata-se na raa Direita o. 8.
Guarda livros.
Urna peiso com todas as habilitares neces-
sariaa eocarrega-ae dn tomar conta de qaalquer
eecrlptarag&Q em partid* simples ou dobrada:
para que pode ser procurado na ra do Qu*i-
mado loja de ferrageos u. 33, que se dir qual a
pesioa.
O bacharel Fernando Atumo de Mrllo,
procurador IhciI U fazenda nacional, mu u u-it
para o principio da ra do Hospicio, sobrado de
um andar de Beato Jos R portao de ferro an lado.
Arrnda-8e mu g'anot prie do sitio da
coqusiro, denominado Marta Farinba, na fregue-
tia de Maranguape : a trotar no eogaoho Muri-
bara, fraguazia da S. Lourengo da Uatl.
sobre Lisboa e Porto : na ra do Vi-
gario n 9, primen o andar, escriptorio
de Carvalho Bailar & Oltvaira aacan aobra a pra;a do
Porto.
Piocisa-ae a uin iii-niiio cjoi pialica para
caixeiro le taberna : no bscco do Campello nu-
mero 4.
Al!-Be o pri-ui-iru aodar do sobrado n. |
83 da ra do Pilr, com excelentes comrnodos e ,
ptima ilta para o mar : a tritar no segunJo !
todar do mean).
T'aspAssa-se O arren larcenlo d um si lio
distante defta prsfa meia t-f .a. a beira do rio.
com duas guanes caas de venda, um coqaei-
ral, dous meiros bem sementados, una e ande
baixa de tapiro, um bvnaneira', muilos dja de f-ucto d todas as qulidades, maita hor-
'.a, a quem pagar as bemftmonas que se lem f-i-
;o : -lu-'-n o pretender dirija sa a raa do Cabug
:. umro 6
Billar 4 Oli'eirg veolein liras pl-'linas'
Precisa sa e um caixeiro Oa 1U a 14 inoos,
que te'ba alKuma pratica de taberna : a tratar
na pr-c da Boa Vala n. 17.
Alu-ae Lia ra Imperial o Seguiviu auOar
dx caa n.144 : a fallar oa ra Direita, casa nu-
a:ero fi.
Nova expoisi-
cao de candieiros
a gaz.
Chagoa a nova axqosicao
Chaso* a nova expntigo
Chagou a nova nosiiio
Ghegoa a Duv exposi^au
Chegou a co'a exposigao.
Candieiroa a gax
Caodieiroa a gax
Caneiroa a gas
Candieiros a gax
Caodieiros a gix,
Sc:;ireoto complato
Sortimento comoleto
Sortimento completo
Sorlioiento completo
Scrtlmento con pleto.
Gax da primaira qnilidade
Gaz de orimatra quahdado
Gaz de primelra quiitdada
Gaz de pnmaira qualidade
Gaz de primeir* qualidadf,
S tam na nova etposigSo
S tm na no S6 tem na nova axpoiigo
S tam ni ora exposigo.
O proprietario deate estabalecimento avisa ao
pablieo em garal que tem recebido ara completo
Sortimento da eaodialroa a gax para ricas aalaa,
quartus, aicadaa, aogenbos e psra esladoa pa-
quenoa que poda com a economi* de urna gar-
rafa de aaz tar para 60 boraa de las, rtcaa cadal-
raade balaf" de ferro com estofo adamascado
c'a. Iir,r- ', ferros acouomir.oa com
todoaoa Dt ca, ricoa quadros para ornametitoi de i>1a. a um
riquisstmo sortimento de onjei'tsrtas a imilago
de mardra pira sonhoraa approvadaa na ultima
eiuosigo daa priocezaa Uodo o premio raator,
riqmasimaa pulceiras a imiUco de camafeo, lai-
do sa vende por diminuto pr;o que multo de-
ver aaridaraos pretaodentes ; ns raa Nova n.
20 e T. loja da Carneiro Vianna.
-frecisa ae d- urna ama para cozinbar na
raadoiCibeR u. 18 sobrado.
Alugamse dous grandes arma*
zens na ra da Concordia proprios psra
qualquer estabelecimento em ponto
grande : a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Alves na ra da Cruz do Recife.
Ao publico.
O abaixo a3signado, aniigo solicitador dos au-
ditorias desta ctdade, contina a exercer saa pro
rjiso, laclo no civel como no commercio, e se
encarreg de nesempanhar com Uialidade e
promptiio lodos oa misleres que lhe saoinhe
reotes por ajustes mui razoaeis : os seus lu-
ros amigos que serapre o hooraram com sus coo-
flanga, e queesquer outrs 'essoas o podero pro-
curar em caa de saa residencia oa ra da Im-
peratriz > 34, em t.jdos oa daa da* 6 a 9 horas
da mauhae, e das 3 da larde em dinte
___________Victorino Jos de Smza Travaatos.
Precisa se alagar unn prela que ten ha boa |
conducta e seja fiel, que SMba engomniar e co-
inhar : na ra do OueirruJo sobrado D. 4i, pri-
meiro andar.
Pao commum.
> crioulo.
Provenga.
de familia.
Bolachas econmicas.
commum.
fina com letreiro.
Bolachiohaa de ararais.
alliados.
regalas.
" eoragoes.
v Ganbaldis.
9 cariocas,
a estrellas.
sodas.
> duble.
> fatias.
particular
Biscouto doce.
Biscoutinho.
de liamburgo.
Bolachiohis ioglazas.
de latta.
J> psrifusoi.
Biscouto sgoado.
palitos.
Farinha de ararut*.
Latas coa) boiacaiubi de ararais..
> biscoutos ioglezes.
Bolachiuhis francezas.
meopathia.
> espadas;
Unas pars cha.
Bolos da amor.


Bolos sufssos.
ra vas.
chioezer.
> caaadinhor:
da la raina.
gemas.
'' espiciones.
a alleraaea.
maaaapas.
s castanboi.
afogniadoa.
ceitlohia de amndose.
de erva-doca.
a atarquina,
a SSS.
po-de-lo torrado.
anel*. #
" trochas.
pintos de tochas.
lagos de coco.
> araohaa da coco.
cocada d'ovos.
chocolate.
palitos.
.> smeodoas.
6 quslidades de pastilhas.
j Vioho de csj.
. 10 qualidades de doces seceos.
10 > o decada.
14 de geli.
Immmios doces estrsngeiros.
Assucar cande e ruinado de todas as qaalidades.
F'guns de assucar.
Xarope e espil da todas ss fruetss.
i' chs.se do commercio.
Curso de liugua franceza
noite.
Jos Soares d'Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no Gym-
nasio do Recife, tem abato um curso
pralicO'theorico de lingua franceza pelo
novo systema de Ollendorf, para a
classe do commercio que nao pode fre-
quentareste estudo de dia. As pessoas
que desejarem fallar e escrever esta lin-
gua, podem dirigirse a' residencia do
annuneante, ra de Rita Santa Nova
n. -i7.
ARMAZEM
23Largo do Terco23
-
O proprietario deste novo arraazem, ende os gneros por menos do que era outra qualquer
parte, ahan5ando-se a boa qualidade de qualquer genero comprado oeste armazem.
Manteiga ingleza da pnmeira qualidade a 720 e 8 dem franceza da safra nova a 600 rs. a libra e em meiosbmis, a 660 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ltimamente a 9, do vapor pass.do a 19800.
Caf de pdmeira e segunda sorte a 260, 280 e 300,rs. a libra, e em arroba a 89 e 99;
Servejs das melhores matess a 480 rs. s garrafa, e a duzia a 53*000.
Vioho engarrafado do Porto a 15000 a 1*200 a garrafa, e a duzii a 9O0O.
Ditoem pipa das melhore' marcis a 4-80, GO e 640 rs. a garrafa.
Massas. para sopa a 320 rs a libra, e era caixa de urna arroba, por 65000.
Azeite doce de Lisboa a 720 a garrafa e de carrapato a 360 rs. a garrafa.
Sardinhas deNantes muilo novas a 380 rs. e era porfi se Uz abatimento.
Aim dos gneros annunciados, encontraro sortimento completo e mais barato do que;
em outra qualquer parta, por \7iretn a raaior parte delles por conta propria.
Hl'18 S
n
O abaixo assfgnado, ennhecido por Xico Bexi-
ga, amigamente com loja de calgado alraz di
praga d Independencia, traversa ds C'uzes, e
hoje com o mesmo estabelecimento oa ra da
Imparatriz, oatr'ora aterro d Boa-Vlata, ao p
do becco dos Ferreiros o. 38, paiticipa a seua nu-
merosoa freguezea, tatito da praja como nego-
ciantea do mato e deate gnero, que eat bem
sortido para servir bem seui fregaezfs, e venda
muilo barrio como .e costuma vender muito e
g:iriar pou-o Frn<-isco Uaciel de Snuia.
OSr Joo Durte Magi
uario queira vir a ei>ta typo-
graphia a negocio seu.
8
m
Francisco Jorga da Silva Paraohos, dentista
com asea gabinete na raa larga do Rosario n. 9,
tem a honra de selentiflear ao respeitaiel publi-
co desta cfdade, que recebeu ltimamente de
Paria e ds America do Norte um variado aorti-
merjto da objectos da sua proOssao sinda nao
viodoa a esta eidade, como sejam denles da dif
feraotes qaalidides, transparentes mtneraaa por
Vulcrnet, estes denles nao s pels solidez como
lambem pala grande relego da analoga que tam
com os naturaes, sao saperiores aos que ordi-
nariamente tem viodo a esta cldade, raiaa por-
que presentemintei sao elle os mais adootado
pelos melhores dentistas da Parid e da America
do Norte. 0 aonuociante tem tambem um gran-
de ortimento de matsas fins de diversas cores
para encher os denle* cariadoa, as quaes tem a
propriedade 4* adherir a cjvidade e de aoliB-
Cf'M da modo a poder logo exerear a mistiga-
cao, diasipam inteirameMe as dores aioda as
mais seoeiveia propriedadas que odo tem a da-
maotine de que ordinariamente se faz uso, a qual
are ezde dissipir motiva as doras por causa
d'agus oeid-jlada da sulphurico. Quem qaizer
seas deolas cariados, chelos de ditas musas s
recorrendo ao aonuneisnto porque ella o ni-
co que presentemente tem neita cidide ditas
maisaa recenteraenle ebegadaa da America do
Norte e de Parla. A' vista das circumstantias
criticas do lempo tero o aonunciat.te resollido a
modificar os precos e de seus trabtlhoa aOm de
chegar para todo. O mesmo eolloea dentea so-
bra basada ouro, platina ete sem extraerlo de
raizes pela pre$so, a pivot ou a pistao, des- -
sort de crochet, como melhor exigir o estado a
bocea. Para a <0'iaervasao dos dentes em eita
do de jaspe tam o nnanciacte eice'lente pi da
China verdadeiro preservativo tntco e magnifico
denlriQcio para conservar a bocea e dar-lhe uu.
hlito sublime, tornndoos deutes ,'<_ seu u-
qootidiano isentos da carne que Vulgarmente
cbamam pedra, da frnuxidao dos nrvos alceo
larios a de outros mu<(os inconvenientes jt a
falta de taea presrvtivos oceasiona tendo por
origem a negligencia que commamanta ha qaa-
si em todo o poblico, acontecendo asiim per-
dar-se o especial ornato da borra ; n anouncinn-
te alm dialo faz todas as operfc<">es de sua pro-
fliso com toda a oromptidao puiaivel e delica-
deza. A entraos confronte a casa de pharma-
eia do Sr. Bartholomeu.
Padaria franceza deS
AttencAo
O Sr. Manoel de Aodrade Uartina Vallasauaa
tem urna encommenda lindado Rio de Janeira
no vapor Cruzeiro do Su!, no largo do Coreo
Saatu d. 6.
Porluguez de Bentficeocia
<-m Peros mbueo.
O Hospital Porluguez de beneficencia nesta ei-
dade, tendo de (olecroiaai o aaUsBO annieraa-
rio de sua iundC''o, como ditermins o artigo 102
dos seus astalutos, clereco aos respectiics t:
hores socios e iu publico em gara!, o resumo do
programma adoptado pala aclial juuta adminis-
trativa.
Aa 9 horas do dia Jl do crreme ser o esta-,
belecin.eiiio tranqueado concurrencia publica.
Ai 11 horas em ponto celt-brar-se-na missa no
seu oratorio, sendo esta n.cuiafa em muiica
pela orchestra ; uda a qual lera lugar a visita-
do a enfrmame pelas autoriadea a convida-
doa presintes.
Urna hora deoois de trninida a festividade,
dar-s-ha o jantar ios enfermos, seudo este ser-
vido pelos mordomoa, no m do qual ser canta-
do o psalmo Ladate uimnuma Calis, em ac-
J90 de gra;aa ao Ailnaiujo.
Aii 7 i\-2 horas ua noite cantir-se-ha urna la-
Idalnhaooi honra e louror do nuaso patrono S,
' Joao de Dos.
O estabelecimento censervar-se-ha aberlo at
as 9 horas da Doiie para ser visilado pelos con-
jCurrentts de uoi e ouiro sexo, estando nao i a
t capaila como as euermarus e mais interior e ex-
terior do edificio coveuienteaenie dicorado
llumioaao.
Urna banda de msica asrcial na fretti do
ediiilo loci vsridaa pej.
Espera-se, portanto, a concorrenci dos senbo-
res sisociados e de (odas as pesioa que qaize-
rem abnibaotar eitea actos lolerunes.
S-crelana co Hospital PurUguez de Becefi-
cancia em Pertiau,buco sus 16 de stlembro de
i 1002. (i I. stcr*lario,
i________________Joao Carlos Coelho da Silva.
. Pfcisa-se O um bomem que eutenoa da
sitio e seja tratalhador: na estrada de Joao de
Barros, sitio de Candi ip A'oforado.
Aluga-se o aeg.ndo andar n. 29 do pateo
do Panizo : a tratar na ra da Roja c. 17. se-
gando andar.
foriio necfaum

ltenco
Fehppe Santiago da Aquino Jorge, i,z sciento
ao reipeitavel puMico e mais aos seui credores
que desde esta data lica o seu estatelecimeolo'
correndo fomente por sua conla, vitlo j ter aca-
bado i sociadade que havia com o Sr. Pedro Mar-
tyr de Snoza.
Heif.' 9 de setembro de 1862.
Furiararn ao amanhecer no oa -i do cor-
rente do abaixo assunado proprietario do engl-
obo G-niella (rfgueiia de Ipojuca. dous cavalloa
Icuin os sinna.a semuitea : am ruiso vetmelho
j b m baix"iro. e ..utro redado talhado. ambos lm
elem de o.tres o ferro IU na queixa-l* esquerda:
roga-se a pessoa que ns encoi.trar os embargue a
participe ao Sr. Joao Vi.ira da Rorha, BU r a ra
do ViBario cana de Joao Slmo oe Almeida.
Atleiicao.
Preciaa-se aluear urna casa terrea am alguns
. comrrodos para familia, no bairra ta Bo.-Vista,
: em bom loel ; quem a liver a ra do Amo-
'"" 2> qa arh-r cm quem Inlar.
fi?
-a-
Companhia
DE
Seguros martimos @
1 SEGURIDADE. 1
2 Estabeieci.iH uo Kio de!
m Janeiro. ^
H AGENCIA RA DO VIGARION. 10.^
B
quim F. dos
#-Rna do Qiieitnado-40
Defrorite do becco da Congregaoo letreiro verde.
Paste astabelaelmanto ha aempra nm aortimanto complato da roana falta do
todaa aa qaalidedea a tambom ao manda axecutar par medida i ventado dea reaue-
xas para o que tam am doa melhorea profassoras.
proto a 0?,
Banco Unio.
Estabelecido na eidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C.
Sacam por tndoa oa paquetea aobra o Encamo
Banco a praxo ou vista, a aobra aa agamias am
Lisboa, Fiaueira, Coimbra, Avuiro, Vizeo, Villa-
R-al, R*goa, Viano. do Caalalio, Guimaraa,
Barcelloa, Lamo. Co'llhaa, Braa;a, PenaOal.
firaganca. Amarante, a cito diaa, ou ao praso
le s convanclonar: na aea oscripiorlo roa da
Crux n. 1.
Sitio,
Veule-ao nm sitio na estrada do Rosarioho, no
oito da igreja do mesiio nome, com boa caa de
pedra e cal, eonteodo 2 salas, rnate. 4 quarlos,
coiioha e copiar, tem boa agaa para baber, estri-
bara, cocheira, baixa da capim, mnitas lranei-
rai da melhorae quililadaa, e bastantes outraa
rvoraa da f-uclo, lanqoe ps'a boho a jardim
n* frente: trata-se na ra da Csdeia do Recife o.
26, oa na ra Nua n. 55
t>oiupiitii& Fi'iel ile lr> a>e
guro martimos terre
tres, estnbeleciaa no Rio de
Jftrtiro com o capital de
16:000:000#
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz da Ulivalr Azav.do & C. compi-
tantamanta aatorisadoa pela diraetoriada compa-
obia da aagaroa Fidalidada, tomim seauros da na-
vio, marcadoriaa a predioa, oo iu aacriptorie,
ra da Croan. 1.
Acha-.se justa e cunt atada a ven-
da da Cdsa terrea n. 40, da ra das
Calcadas, perteocente a Norberto Mu-
nz Teixeir- Gu maraes, quem ti ver di
reito a oppor-se a dita venda pode diri-
gir-searua da Imperatriz n. 40 ou
declarar por este jornal no prazo de 3
tat.
Furtaram hj'.l-m 18 do correnta da ra da
Faz defrnot da cocheira. um eav*io com oaaia-
naei aeRuinte : aramia cor casuitha, cimas
grandes, colgado de um p o mo, levando cas-
attes : quem o pegar lavabo leas cima que
ser geaeroiamate recompensado!
Dentista de Pars.
19 Ru Nov*-19*
Fradarico Gsutiar, cirurgiao dootista
(as todas as opuraeoas dasua aria a co-
loca denlas ariifi>iaas, ludo com sdaio
rioridado o oortaico quo as pessoas-,od
tandidaa Ibo raconheeom.
Tam agua o pos daotificios, ote.
1
I
easatcats aastas ieMaHaiu
i
i
I
I
Otacas ca panno
35| a
Sourecaaacoade dito dito a 35$ a
Palatola da panno preto o do co-
rea a 359. 809, 2b&, 109,189 o
uitcs decaseraira da corea a 22S,
15|, 129.79 a
Dito da alpaca preta folla do
vallado frantezae a
Ditoa da mariod aatim pratos a
da corea a 9| o
Ditoa da alpaca da coras tj a
Ditoa da alpaca prcta a 99,79,99 a
Ditoa de bnm do corea a 51,
49500,49 a
Ditoa da bramante dalinho bran-
co a 69, i$ a
Dttos da marind do cordio prato
a 159*
Calcaa da caaamira preta odo co-
rea a 119. 109, 9|, 79 O
Dltaa da prinaaxa a marin do
cordao preto a &9, 69500 o
Ditaa a brito branco ada corea a
S9. 49500 o
Galc*a da Ranga do coraa a
Collete da vallado prato a do co-
raa liaoaa cordado 119,99o
Ditoa da caaamira preta a da co-
rea lisos a bordado a la.
19500, 59
309000
309000
S09000
99000
109000
88000
J>5<)0
8{5(X)
39500
? fOOO
89000
69000
49500
S50(
1000
89000
8f500
Ditos da aatim preto
Ditoa da seda a aetim branco a 6 o
Ditos da gorguro da cada pratoa
* da coraa a 79, 69, 49 o
Ditosdabrima faato branco a
MBOO, 19500 a
Saroulaa da brim dt linho f a
Ditaa da algodo a I96OO a
Camtaaa da paito ifaite braaco
ada coraa a 19400 o
Ditaa da paita dalinho a 59, 49 (
Ditas de madapoln brancaa o do
coraa a 89.19500,19 o
Chapaos pretoa da maaaa francesa
forma da ultima moda a 109.
8JJ500 a
Ditos do faltro a 69. 59, 49 a
Ditoa da sol da aeda ingUzes a
franeezaa a 14J, 119, nj a
Colarinboa da liobo multo finas
novosfaitioe di ultima moda a
Ditos do algodao
Raloarioa oa ouro patenta o hori-
zontal a 100J, 909. 80J a
Ditoa da prata galviniaados pi-
tante a borizoBtaea a 409 '
Obras rio ouro, adoracoa a moioa
adare^oa, pulcairaa, rosetas O
anota a
Toalhaa da linho dazia IOS, 69
Dilaa granea para moaa urna 39 a
59000
5000
59000
89000
2I0O
192S0
29IOO
8*000
1|600
7$000
19000
79OOO
9800
9500
70f000
sogooo
9
9gnoo
*smo)
NICO NA PROVINCIA @
U5Q-lua da Imperatriz509
A padaria (ranci-ia alta Da ra da Ioi- ^'-
peralriz n. 50, ontlnu sob a admiuia- aafa
trado da viuo Barrel!i-r e r.ltl bavar
todo os dias :
Pao queote de leile s 6 horas da t-r- f.
de para tomar om cb do dia SI do cor- I&
rente em "unte. 3"
Bolacha de todos os tamsnbos e qua- ;
Biscoutos doces o aguados e de todaa ^
as qualidade. @
Boiarhinhas de araruta ^ccef e o'.sa- ,',
das. *.*:
Bolos francezes. 0
Fallas doi:ea. Jf
Pao commum das melhores farinhas
Uo mercado.
Proparsm se bandejas de lodos os l-
mannos com bolos de todas as qualida-
de a tudo isso por presos commodoa.
f$ A referida padaria trabalha em um
sa forno m-'Chaoico asea daipetioloso e
JJ unico n provincia. O pi, qe delle
$8$ sabe o mais limpo, puro e d6 nielhor
ft^ costo a bem a^srn as bola vx mais. O foroo tem um esieio nolavel e
'8' o pao cosido com muito poaca leoba
p o lem baver commumcigo rom esta
^ ou as bases, saooo por liso qu* nao se
enconlra o meuor fragmanto de carvo
uo pao e ti massas que alie coslnha.
m
m
m
m-Bi
m
ando
Um Frailee/
abri um curso diario do fraocez, e tambem lee
ciooa em Maa particulares: traase oa ra da
Sen? la-Nora n. 17.
A i!
y
Praeiaa-sode ama ama para c.aa da no oca fa-
milia : na prajs do Corpo Sonto n. 17.
Coosltorio medico-cirurgb
ft"*13\H\GLOmi\Cj\SA DO 13NBiVO-S
Consulta por ambos os systemas,
Em consequencia da raudanca para a sua nova residencia, o proprietario deste estabeleei-
mento aeaba de fazer urna reforma Completa em todos os s-us medicamentos.
O desejo que tem de que os remed. do seu e-tsbelecimenU nao se confundam com os de
nenhum oimo. uto o grande dito de que sempre gozaram e gozam 0 proprietario tem tomado
a precauqao d mscrever o seu nome era todos os rollos, deven lo ser considerados como faldeados
todos aquellos que forera aposentados sem esta marca, e quando a pessoa qu o8 mandar c .morar
queir. ter mator cerwza scompanha- urna conta asonada pelo Dr. Lobo Mostazo e em panel
marcado cora o seu nome.
Outrosim : acubada 'eceber de Franca grande pirco de lindura de acnito e belladona, re-
medios estes de summa importancia, e rujas propriedade sao lio conhecidas que os mesmos Srs.
mdicos allopathas empregam-as con,tantemeril-.
Os med..amen,os avUiso- qur em tubos qur em linduras cuslarao a 19 o vidro.
...ffipilu ?.'"!."el'n0es,eiesUheW,ranto annui-cia a seus clien.es e a nigos que temeommodos
'""Jr"*tar algos escratosde um e ouirosexo doen.e, eu que preciara de alguma
TnT "S? qUe Ser5 lfados com todo desve-o e prorapiido, como sabem todos aquel-
lesquejatem t.doe-cravosnacasa'doannunciante.
-. ..S.TSa" mi8gn,fic:dl,c"s. a commodidade dos banhos salgados sao outras tantas vanta-
gens para o pro rapto re tabeiecimento dos doentes.
r.. dV,.?uLqr q"1zere, allar co"- o nnuuciante devem procralo de raanh at as 11 bo-
^'fT d,an0to' e f0> dess horas acha.aoem casa pessoa com quem se poderlo en-
tender na ru da Gloria n 3 caa do fundi do Dr. Lobo Moscozo.
CONSULTORIO KSPBCUL BO*E#FaTBIC!
DO DOUTOB
sismo O.L PIKHO.
Etna de S.iuto Amaro
N-vo) d 6.
Consultas todos os dias uleis desde as 10 ho-
ras, at o meio -lia, ace-ca d^s seguintes moles-
ta ; moltsti-is da mulheres, molestias das
enancas, molestias dn pelle, molestias dos
olhos. molestias syphil ticar todas as espe-
cies de febres, febres intei mittentes e suai
consequen tas,
P HA KM AUA ESPECIAL HOMEOP A THIC\
Verdadeiro medicamentos homeopaibicos pre-
parados cem toda cautela necesaria*, induiiveis
Seus eff-itos, unto em tintup, (romo em gl-
bulos, pelos t.recos mais commoJos possiveis.
N. B. Os medicamento* do Dr. Sabino sao
nicamente ve didos em sui pharroaoa; todos
que o forem fora delta sao f-ls,s.
Todas as carteirs sao acorapanhsdas de um
impressocom um eraberaa em relevo, endo ao
repor as se*uinies p^lavras : Dr Sabino 0 L.
P inho, med co b'asil-iroj E>ie emblema posto
igualmente na lisia dos melicamenios que se pe-
de. As carteirs que nio levarem ese irnpresse
ass m marcado, emboa enham na tampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
smeNMSMe wm*m mmm*
Saques sobre- Portu^tiJ. J
O abaixo assiRuado iRanta ao Banco
Marran'.!! Porluauaa neala cidada, saca
offoclivamenu por todoa oa paquetea o
bo mesmo Banco para o Porto Ll
boa, por qualquor aomma avista o a pra-
xo. podando Icato os laque a praxo aerac
{aoscontaoo no masmo Bauco, n ri'
4 4 por auto ao auno aoc portadora
qu- tasn-, lbeconviar : naa ruia do Cras-
po B.8oa do Imperador d. 51.
f Joajulm da Silva Castra.
Aloe se ama boa casa tarra< na ra Impe-
rial n. t!3, com 6quartos, 2 salas, cotiuha fora.
qainUl e cacltiha : a tratar na padaria da ra
Dirn n 84
Hrociaa-se 'ugar um moleque : oa ra 0
lmnerat'ix n. 75.
Precla-e alujar urna mu bar turra ou cap-
tiva qu* sama faxer o servipo ioteroo lo om ras
da familia ; na ra da C -del do Recife o. 55, e-
gan 10 ai.dar.
AiUKi-se s cas terrea la raa do PirS 0.
48 : a tratar oa raa Nora n. 53.
j Na rna do Bangel n. 28, primeiro an-
dar, tinge-se de todas as cores cora presteza e
'prec.0 razoaiel.
\ Acba-s udis pesaoa desemtreala, a qual
er.urjde lerleit- rn-rite dos trabalhos de pagarla,
e fe cha habilitada tomar conta d alguma
, por bi/ ri^-o, por entend-r tanto dos Irabalh i co-
n' (1f> f"r'">. e imH dr fla^ipr dn aa a crela.la.
Joao de MeiJeiros ttaposo
j fai acieola a qun. iotereiar poasa qae desisti
I em hanllcio doa hirdeiros do finado Amonio Jo-
;screrelra Ermida d heranga que em su terca
I lhe di-ixou o mesmo Boado.
jJ^eaicuu i>*ra a liy.ao-
j No povoado de Gameleira existe urna peisoa
que cura a hyitrupesia a a chlorosia era poucog
IflMi, a podealianjar a certeza da cura, porque
I -in todoa os cofines denlas molestia que le( em-
!prRidnoa se remedios era breve acham-e-e
icompletamenie resiabeleiiaoa : qu*m precisar
dirija a ao chee da elacSo da via-ferra d
mesmo nome, que .ite lo -icr peisoa que la-
be o remedio que Unios ten j tam teilo ao
auli.-toi.iu.rit.es le laj mortiljradora mol-ana.
Preciaa-iode 1:U0U preu.io pelo lempo
de 4 meies. oando-se para aaraulia urna r.ypo-
Ihec eu, dous eicravos moco: quem pretender
tazer a.-t. negocio aouuncie sua morada para ser
pr curado.
Alaga-ae na nov(co oe J-t.oaiso urna
grande rasa d.. lijlo com 2 salas, 3 quario.' 1
gabioete, coxinhi fora.iem mo.lia d amarillo
que ucommoda menos a quem pana a fasia, por-
tao o lalo, lo lo o amo cerca 1o e murado, tem
granos jaqueira, larangeiras, e maia froctaa o
o melhor o rio Jboto que co-r celo fuoo
e b.nheiro feno : o pamador-s de tena no fres-
co podem airigir-ie a ra Direita n. 95 qus
arhaio com quem tratar.
Preciaa-ae ot 3:UUUS com hvpoiheca em
um sitio parto desta cidaoe na raa da Cruz d.
35, primeiro andar, se dir quem i recias.
1,1 M-ratS.
Compru>-a a.Qdrs do i.o'o banco ue Per
naniDUCO : nu ascrtplr.no 0 Manoal Ignacio do
Olivira & Filho. larg-, rtp Cnruo Sinlo D. 19.
Compra se
ourelot em qualquer porcao : na ra
C'impi-s urna lUernaqua leuha pnucos
fundoa, ou meaii.o um deposito; quem quixer,
pnd anor>riar.
Compra-e uaia Daianca americana m e-
Kuuda n o ; na ru* Noca o. 36.
-'( illa
Vendem-se caixas rom ceblas novas de
sunerior qualidade a f80"0 caix, e ollas a
640 o cen.i: na ra da Miea n. 43, no fte-
oifo.
S no vigilante.
Para aa fc*iih%Y6.s.
Perott. y
E' cheRido no vapor fra..cex o lindos perotl
ou eiifelies para as aenhorrs cooiervarem o ci-f
bello anua de ier amarrado, pnis s a vista faz\
fA, uelo t.araiisim.. prejn de lS50t : s no igt-'
lante, rui de Crespo ". 7,
Gravtinhas. j
Tambem io chegadaa as liodaa gravatinhas
prelaa e de core, tanto para bomem como pera
lenhora, teodo aa de ho'oem lindo boloeae com
eualiro, aeene pelo tiaralislrn.i preco d 11
e IJJ50O : nn vigilante, ra oo C'*p i n. 7
-nde-ae a pr..PrieodO ilha do L'me-
nha. si'nada entre a barra do Serinhaem, o a pro-
priedaae chamada > Gamella, com casa do f-
enda, haatole enqueiro, oplima terna para
planiace e salina, na quaes os r|i..i proprie-
tariostiravant auliaOo leeros : o pretndeme
dirijam-s raa do C.bu., loj o. 18.
'


^"^a
wm


\
Isperanca
Loja de miudezas rua do Quei-
mado numero 33 .
Costrenos.
Agelhae Victoria papel a 0 n.
Liahai de 200 jardas datodoioi aumeroi i 80 ri.
Caacarrllba a peca 29.
Ditaa maito boa vara a 400 ri.
TriuQi da linhc para todo prego.
Franja da seda, da llBbo, da algodo maito ba-
rato.
Reros, liona da nvalo etc.
Meias.
Um compiafo aortimaoto lendo da coral para
maoinoa a 140 ra.
Ditaa bricen a 200 ra.
Ditaa para stnhora a 210, 300 400 ri.
Ditaa para bomom a S a 6f.
Ditaa pretal para aeahora a 400 o 860 ra.
GravatasJ
com botao a 1JJ.
Da coraa maito boaa para homem a 19.
Para maoinoa estraitinhaa a 800 ra.
Polcaras
da contaa miadinha a 19.
Da cabello a 49.
De phaolaaia da dito ate. a 500 ra.
Botoes.
Para cauca a para caiga a groza 320 ra.
Para camiaa muito finoa grota 19100.
Grandes para roupao grota I96OO.
Pequemnoa para criaoga I94O.
Alamares.
Para capote a dazia por 800 ra.
Colxetes.
Da lio batido espacial dazia 720 ra.
De cario 14 parea a duzta 500 ri.
Ex. calza pratoa a duzta 8(10 ra.
Brincos.
A balo braneos, encarnado, azaaa doaradoi o
par por I9.
Rozetinhas com podraa qae parece diamanta o
par 19.
Penas e caetas.
De todaa aa qaatidadea especialmente da caligra-
phia a da langa.
Caetas para apreniar eserever pelo ayitema de
Scaly ama por 500 ra.
Papel.
A'.maso pautado 500 f >lhs6g.
Dito dito 4?0 aitas 49500.
D'.to dito 420 ditaa 4$.
Dito liao 39200.
Dito de peao azul e braceo 4J500.
Dito azul liso 29500.
Dito pequeo tarjado 19500.
Dito pequeo da coros 1S200 e 19500.
i Dmo tarjado de preto 19500.
Eovlopea cenlo lg.
Obreiai de colas 100,120 e 300 re.
Pentes de tartaruga.
A imperatriz 89 e 109 o qaa ae Tendea por 169
209OOO.
Diraito para star c&bello a 49.
Aimltaco por 19.
De arripia para menino* a 800 e 19.
Tartaraga para alizar 3g.
Da btalo para salga a cabello 400 rs.
Pentes de borracha peqaenoa psra trazar por ca-
a multo bous a 320 rs.
B inflen jide da artigo noTamente ebegadoa
loja Esperance ru do Qeetmado n. 33 A.
DIAB10 01 IEHAMICCO t* SEXTA FIUU 19 01 SEIEHBaO 01 116*
Rival sem se-
gundo.
Ra do Qnaimado n. 55, loja de miidezai de
Joi de Axevedo Mala e siIts, coohecide por Jo-
s Bigodinho, eat vendando ludo peloi pregos
j isbidos, porm quem nao louber tenba a
bondade de ver o que bom e baratiaaimo:
Fraicoa de Lavando maito finoi, a
Ditoa de oleo babosa superior, a 320 a..
Frascos da agoa da colonia mullo tina a
Ditos da dita grandes superior, a .
(,'aizis com pos edr de rosa para limpar
denles, a.......; .
Dazia desabneles moito finos, a .
Varea de bico das libas, esl no resto, a
Carriteis de linba preta muito grande,
e tem malta linba, a..................
Bengalas do melhor goslo, a : .
Tinteiros com tinta muito boa, 1 .
Baralhos de cartel francesa!, a .
iias de certaa porluguezaa maito fi-
nae, a .......
Varea de fita de velludo recortada, a 160
Praacoi de benba de ur;o mallo supe-
rior, a...........
Ditoa de dita iracspsreute, a ; .
Praacos da macag perola, muito fino, a
Ditoa da dito oleo, mallo fino, a .
Varea da fita pare (azer lintoi doi ma-
Iborea goato, a........
Babado do Porto para todo o prego. .
Labyrintoi muito finoa para todo prego.
Barris com phosphoros muito bona, a .
Hanoi de linba fina para bordar, a ....
Carlae de clcheles superiores a 40 e
Escoves para limpar deoles, a 200 a
Carriteia de retroz de todas as edrts, a
Bnneeaa nnaa porm meito bonitas,
240 e................. .
Grvalas de duas voltas muito supe-
riores a..............................
Fios e mesaos de coral de qualquer qua-
lldade a...............................
Sabonetas grandea e omito finos, a....
Agelheiros com egulbas......
Filaa para espartilbos grandes e pe-
quenoa a 60 e........
Varas de fclco de 3 e i dedos, ...
Calas com agulhas (rancezaa cartas, a
Liohas era carles brancas a de co-
res, a ............
MODIFICADO DE PRECOS
MEiNOS 10 a 20PORCENTO
NOS '
PROGRES
IPISIS
ISTA
80(>
500
400
600
160
600
80
160
500
160
240
160
240
600
800
200
100
500
160
240
80
400
240
320
800
500
120<
80
80
120
200
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Orino n. 9.
|f Scienlificara ios seus freguezes queem virtude do actual estado de a patina cornmercial re-
solvem vender todos os seus gneros por menos do que outro qualquer anunciante e offerecem para
garant da superior qualidadede seus gneros as competentes amostras de cha, manteiga, caf,
aroz, tapioca, araruta, etc.", etc., para que pessoa alguma duvide destas qualidades, a vista de tao
resumidos precos.
Convidara portanto ao publico desta eidade de fora, a virem fazer sua dispensa cm ditos
armizens, afim de pouparem annualmente de 100J000 a 2:0005 conforme a custumada des-
peza de cada chefe de familia, economa esta que muito til lhes deve ser, sem que seia mister
soffrer a mais insignificante privac,o do cuslumado diario de seu passar, devendo porem manda-
rem, aos armazens indicados.
20
Manteletes
Chegou a toja de Paredes Porto ra da Impe-
ratriz o. 48 junto a padsria franceza, ura com-
pleto sorlimente de "ntelejcaa 109. 15g e 25.
Milho e arroz
Venda-se em suecos grandes muito barato por
ter grande porgo ebegedo estes das de Maman-
guape : na travesea do pateo do Paraizo n. 16,
com oito para a ra da Florentina.
No pateo do Carmo esqui-
na da ra de Hortas
n. 2,
Vende-se presnotoa muito soparioree que
tanto sarv para fiambr* cono para panell. a
320 rs. eaeadointeiro a 300 '$., touciobo > 320
ra queijoi ^o aeno muo freiCoa a 560 rs ,
ditoa do coalh a 360 re., boha a 400 e 440 re.,
emeodcas a 320 rs., mmiga a 640 e 800 rs.,
dita muito fina a S60 rs., franceza a 640 re.,
arroz a 100 o 120 ra., cat em croco a 2*0,
280 e 310 re.. t.nibem se cen'' oleo de ricino a
640 a 720 a libra, arrala a->pdc em lt inteira 1 f
n-a er
>% 6
eq u a
PJ ^1 ~*
1 OS ir a
a> 0
0
Q
09
B>
ft- e>
4>. $ 0 0
a
- a
%
1 O 0 n
1 O tr
k f 0
b ^M 0
*> er 0
a s 0 a < P9 <3>
-" i
a. 00
9 O a en V Z3 sr c DO 0
a
i .
o o
000
?0 b> h< -1
Sil?-
cf
3 o Wo>
3 S 8
3 S- 5" 5 5 '
n__ o _.
<-. -c -1 fP
o S 3
9 >* S""5
< 5 t, S
o w I rr
_ O o aL fax
1 f 11Q
S r. W
~ 1 es o. ja
B 2. I a. 5
CALCADO
45 Roa Direita45
k. epidemia declina tensivelmente, a o taa
comyWlo deaapperectcrjo.oto esl prozimo 1 O
proprielario desto bam eortido astabelecimento | 56 a llhr*- Tin ^0. 480, 560 e 640 rs...
convida oe aeus numerosoa (reguezea a subetitair J*00 Co 800 r... engarrafado a 1?). 1^300 e f
o jsigado velho, que todo est cholenco, por no- ^ ,xeile ioce a 640 rs. a garrafa. UDtbem se
ve, a que posee resistir e mil sebotis a mazzar-
caa que vao aer densedaa em louvor do restabe-
Iecimento da cauda publica. O pregos con-
>:daeV
HOMENS.
Eotinee ibnuila Milla. : : .
non-plus-allra Nanlai.........
> Nantea 2 bateriai..............
> r, lustre....................
> icg'.ezes da botdea..............
a b tenores.......................
s couro da porco.......
> bazerro a laatre...............
> inglezes ps sejvegens.........
b tatiados brasilciros............
/
Srpatdes con-plus-ultra................
> 8 b*leri*a e maia..............
esmaga cobra..................
a Nantea 2 bateriaa vaqueta.....
s 2 bateriaa bazarro......
a trabalhadores..........
brasileiros da 3^500 a..........
Sapalos 2 eolas a salto..................
> tranga portuguezei........ _. v
* ranczee. .'', ,
SENHORAS.
Ictinai dengozas.........
a islto da bater. .....;
pechincha d i;jO i. ,
> americanae 3J500 a .
| .
ItfOOO
129000
118000
105000
lOj-000
950()
98000
9"0
750ti
B500
7000
6500
58500
6JO00
5f>00
58000
28000
5gi.!U0
28000
19280
51500
58000
4$000
28O0
3*000
1$920
800
500
800
Sepatoad asilo (Jly)
a teta elle (dem) ......
tapate:........
B econmicos. :......
> lastre 32 e 33.......
MENINOS E MENINAS.
Ha da tudo em relac.o a nao aa daixa lahir
dinbeiro.
Um completo aorttmento da couro da porco,
cordavo, bezerro francez, couro do lucir, mar-
roquim, sola, courinhos etc., qua tudo aa troca
por dinhairo vootada do comprador.
Perolas falcas
a
cu aljfar de fina qualidade.
A loja da agoia banca acaba de receber um
novo sortimento de superior aljfar branco ou
parolas falgas o quel por sua perfeiQo defficil-
mento se distingue das perolas verdadeirs e ser-
vem lles por sua extraordinaria grandeza pira
os gargatillias que presentemente eslo em mo-1
ena cel da Lisboa a reUlhn de 8 libras para
cima, sendo esta eal muito auperior a aa Ierra
porque rao le mullo mais e aproveitt-ae tooa.
Aqu nesle ettabeiecimanto nao se annuncia
urna coosa para ae vender oatra.
Para o baile do
club.
Vende-se na loja do pava')
R'cos cortea de vestidos de cambraia branca,
primorosamente bordados a croz, sendo os mais
bonitos que tem viodo e este mercado, e ven-
dem-se cor presos bratissimos, na ra da Impe-
.ro 1 riz o.CO, loja e armizem do pavao.
Casemiras jk&JiOO rs.
Na loj 3o pavo-
Ve'ndem-se caaemiraaeofeatadaa dfl quadriohna
a listras miudinbas. sendo cores escuras a 3*200
O corte para caiga ; vende-s a metoa fazenda,
tendo daaa larguras, a 18800 o covado ; isto na
raa da Impe'ntriz n. 60. loja do pavo.
S no vigilante.
Lindos enfeitewS para ves-
t ii os.
Sao ebegadas no vapor inglez as ricas flores de
velludo que sao ndmirsveig pela delicadeza das
lindas cores, poit com pequea quantia aa aeoho
rae polero enfettar os ricos vestidos que ser
muito epreeiave, pelo baratisrimo prer;o de ij
a duzta : s no gallo vigilante, ra do Creapo i
numero 7.
fr*iiaceiras.
Tan-bom sao shegadas aa riquissimaa pulseiraa
com pedraa azaea e outraa verdes, cousa maito
delicada, que se vendo por pregos baratiaimoi :
s no gallo igilante, rna do Creaoo n. 7.*
Haleins par-a espnrttlho.
Tarnr.em sao chgadas aa vardadairaa baleias
da todaa asgroisnr>s e fornidas, para espsriiibo,
pelo barato prQo da 120 rs. cada urna: s do
vigilante, ra do Crspo n. 7.
da emesmo para cutos enfeites, e como sempre CheffJtd^ D6|0 VcDOr frail-
vendem-secommortamenie a 19, l2u e 1.11.0
olio so na ra do Quemado lija d'aguia branca
n. 16.__________________________________________
Ve. .le se urna craa fr/iucei ae amarello
para soltetro, e m^is obj -< t >s de amarello ;or
barato prec ; na ramba do C"a n. 8
Vh'I'Ii*-se o acru'luado deposito de assacar
da rea Direita n. 38, muilo proprio pera quel-
qier uriaeipiaote por ter poacoe fundos, a casa
tem commodos para morar familia ; a tratar no
mesino dvpoailo.
Remedios il Ur. sadway
Frompto alivio.
Resolutivo renovador.
Pilulas reguladorae.
Recentemente chegados pelo navio aMerseyo ;
vende-SH di botica franceza no Recite, ra da
Cruz a 28._______________________________________
Vende se um eigeobo perl > deata cioad,
'com boa produego, mullas mat para sifrejar 2.000 pies anoualma te.bo'n obrae,
de muer com asoa. Nao ezige-se dinheiro is-
la, basianto que o comprador pague os jaros de
5 0|0 ao anoo por determinado teiipo, e d boa
garantia aa letrae, ou hypoibc* em predioa nea-
ta eidade. Tambem troc* ae por prelios na ms-
ma eidade ; nn duvtda incluir-*a na meema ven-
da ou troce algana escravoe que chaguara para
manobrar o eogeoho, asstm como alguna bota :
a (aliar na loja de fazendas da eaquina da ra do
Creepo para a <1o Queiiia'o.
Vsiiin-ie umt casa na ra de S. Miu*-I,
com grande quintal e alguua arvoredos, chaos
proprioa: a tratar nos Alogadoi, ra Diraita uu-
maro 40.
Vande-se um eacravo com idade de 23 no-
nos, rioulo, carreiro, boa figura, sem achaques:
dirija-se a roa da S.nta Craz. na Bja-Vista, 0.
58, que achari com quem tratar.
cez so para o vigisanie.
Liados pentes de marrafa.
Sao ehega com multo lindas molduraa da differeotea gosloa
para marrafas ou travessos, pois s com a vista
os compradores poderao apreciar o quanto sin
lelUados, pelo b>rato prego de 3$ o par, aasim
como 1 ero ser douradoi de lindos gostos, pelo
barato prego de 2J o par : i no vigilante, raa
do Crepo n. 7.
funileiro e vidraceiro.
Grande e nova oficina.
Tres portas.
31Ru Direita31.
Kaaie rico a bam montado aatabalacimento en-
conlrarao oa (ragaezs o maia parf.ito, bam aaa-
ado barato no aea genero.
ORNAS d. tO'laa aa Realidades.
SANTUARIOS que rival-san com 0 Jacaranda.
BA.NHEIKoSde todoa oa tamanhoi.
SEMICUPUS dem dem.
BALDES idarr. dem.
BACAS lo ero dem.
BAULiS dem dem.
fOLflA em callea da todaa aa groa*aras,
PRAToS Imitando am perteigao a baa percal
lana.
GHALE1R4S 4. todaa aa qualidades.
PANBLLAS dem idam.
COCOS, CANOIEIROS e {landres para qaal-
iuer aortimaoto.
VIUROS am calas a retalho df todos os ta-
m toda a parta.
Retabaiii-H encommandaa da qualquer nata-
raza, coueartos, que tado ser desempachada
ecutonto.
O"
I
Ce

Ricas fiveljts dour&dag para
sinto.
Vendem-se Gvelas doarada a 2j a 2{5C0 ae
I rala modernas qua tem vindo ; na ra do Qal-
msdon. 63, loja do B-ij-flor.
Ricas voltas de aljofares.
Vendem-se voltaa de aljofare com eres de pe-
nL,m.*lU ruao. b,i,hn,e ; n a do Oueimado
numero f,3, |0|a do beija-lor.
o

O
CeO
en
2
o
Facas e garios.
Vandem-aa (seas a gsrfoa Bnaa de cabo da ba-
?K&. *,u"? bol, f6200'diu p <>"
S dP" '< 3600. dita branc
a 39400, dita rohea a 3 a duzi. ; na raa do
Qeeimado n. 63. loja do baija-flor.
Jogo do vispora.
Vendase jogo de vlspora a lj; c .U1 do
| Queimado n. 63. loja do beija-flor.
Anvelopes.
Vendem-se anvelopes da diversas cundadn
??.nn 1*100 e 19400' "ul e Q9 "re .'
Sello: na ra do Queimado n. 63, loja do bal-
ja ii r.
Papel adamascado de cores.
Vende-se papel adamascado de cores a 800 e
i. dito braceo a 1JJ0O : na ra do Queimaoo D
63, loja do beija-flor.
Harenques
franceies em latas, tendo ceda lt 24 e 30 pei-
xes : am casa de Gaslav Boutset k\ C ra da
Crac c. 5.
Gal de Lisboa
A 5,000 rs.
Vende-se barril com cal nova ebegada ultima-
mente, a 55, no antigo e acreditado deposito da
raa do Bruro n. 66armaxem.
Gravalinhas de seda.
Vendem-se gravaiinhas de sede para fDhoTtt,
de diversas cores : na ra do Qeeimdo n. C
loja do beija-or.
Vende-se urna cnmmooa de mogno e urna
mesa redonda com pedra, por prego rruito cotn-
modo : na ra dos Mnrtyrins n. 26.
Anouncio
Vende-se urna reGoagio com lodos os seus
pertencei, um dos boos estebelecimentos para
quem precisar : quem 1 pretender dirija-se ao
pateo do Tergo n. 32, que abi se dir quem
vende.
Tiras bordadas.
Vendem-se ricaa tiraa bordadas para vestido
8 8a,lb.r*n= 800 e 18 : na ra do Qeeimat.
n. 63, loja do beija-flor.
S na grande expeskao
de fazeadas novas e bara-
tissiiiias, na ra da Impera-
triz, iojae armazem da ars-
ra n. 56, de Magalbcs &
afeudes.
Pazcndaa por menos 10 0|0, queirais vil v
para acreditar, a aer: chitas a 160, 18t) t ^L' ra.
o covado, ditas fraocezes a 2S0. 240. :J8 r 320 u
covado. corles de ihilaa Anas coc 12 1|2 ova-
dos a 25SOO, cortes de casias franceza; 1. 2$500,
ditos pretos a 2J500 : na ra da Imperatriz, loj
da arra n. ">6.
Arara vende olestim para ceatidos.
Vende-se a fazenda por nomo eleittm de linfco
1e urna s cor equadrinhos, propria para capas
e vestidos de seohora e roupa de manios a 880
o covado, fuslo de cores para vestdos a 280
320 0covado: na ra da ImpentrU, loja aa ata-
ra ii. 56.
Aos manguitos da arara.
Vendem-se n-anguilos e golla de linbe pera
seohora a 2J>. gollinbas a 500 rs., enfer.es para
enhora a 2J a 39 : na ra da Imperatriz, ioji da
arara n.56.
Arara vende a popelina da C!:;.
Vende-se a fazer.da por nome popeliu< da Ci i
na em lae para vestidos de senbora a 310 o eo"a-
do, chales de merino 01 lampados a 3$, ditoa do
las s 15. riilns de lae e seda a 2JJ, dike ai-, :. 1
640: na ra da Imperatriz, loja da aun o 5(5.
Veudem-ae tres tainas ["Ulger) jarras vi-
dradas, indas do Porto, proprlaa para denosito
de azeite doce ou outro qualquer quiio : na
ra dos Guararapea n. 42.
Luvas de pellica
Tambem sao ebegadas ss vet Jad-iras luvas de
Jouvin mullo frescas, tanta para humen) romo
para aenbora : s no vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Bordados baralissiinos
Na loja to pavao.
Vendem-ie gollinhaa muilo tic de cambraia ,
bordadas e de fil a 400 rs., m.ng.itcs rom gol- I "'" loi* da ,rar> 56-
liohas de cambraiabordada a 15280, msogajtoia Arara vende as crinolinas de 15, 30 c
Alusambe da arara.
Vende-se a [alenda por nome muearrb com
palmas de serla de i 1|2 palmos de Urgo, pri'j'ia
para vestidos de aenbora a 500 rs. O ccvario, I i
de linho de cores a 200 rs. o covado, dito lava-
do a lglSO a vara, lito Gno a 780 e 800 r> a va-
ra, tariaima a 8U0 rs. a vara : na rus oe 1". pe-
balo finisimos a lj, lengua de Itabo com Isby-
rinibo a 2J500, ditos de cerobreii de a:.>. ,k, a
tnitago de labyrintbo a 640, 800, 1?. e tnissi-
t/iaa tiraa bordadae e entremeto* por presos b>ra-
40 arcos.
Vendem-ie baloes a crinolinas fie arcos, os
rnais modernos que lem vindo, ditos Ce rraiapo-
tisslmos : vende-se na ra da Imperatriz n. 60. '* e brtlhntina. saias de corda o que f > z tez de
I ____ .... ... I .-.',, I ______ a...
belo a 2;400, baldea pera menina a S# : na ra
da Impersiriz. loja de arara n. 56.
loja e armazem do pavao.
Vestidos baralis.simos,
Na loja do pavao.
Vandem se muito lindos vestidos de cambraia
bordados a seda, sendo de tudas as corea a 69.
babadtm da arara.
Vende-se a lazenda por Lome baoadim rom l.s -
tras de seda para vestidos de senhoro a 50 ra.
covdo, eobertas do abita para cama a 2o. col-
chas de fust.io para cama a 59, das aveliudadca
a S$, aberturas oara caiuisaa a 240 ada tn *
cortes de caiga pan humero, do bria. eacuic o
ditos com barrs e babados a 4J500, it?s a 4. cl.ro, e de gauga e fuMa* de quadriDos 1 *, .
cortes detarlatana brnncos bordados e de corbs ljj280 o corle : na ra da Imperalriz, loj c-
a 38 diloa de cmbr5ia branca com babadus a airs n. 56;
29^00, ditos de cambraia bordados com lobados; ,____.^^^_^^____________.
e duas salas a 4$, corles de barege rom 22 -.ova-
doa cada corte, leudo Oos de seda a 43, ditos de Arara vende as casSS chinfzas.
laa a 4j>, cortes de cambraia com salpico brau- | Vende-so a f*znda por or-1 o cassss sbinezas
eos e de cores, tendo 6 veras cada corte a 3$, i imitagao de sedinba d* quejus, pro,.-i* para
ditos de salpicos mais finas com 8 vara j, I !**.li(,os oe enhora ernura de meninos a 240 e
tudo isto se vende por menos que em nutra qual
quer parte para ai urer dinheiro, s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e *rmzem do pavio,
Alpakin uu gorguro de linho
Vende-se esta nova fazsnda a mitagao de seda
da quadriobos a 280 o covado: r na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavo.
dusseliua branca a 2U -s
Veoda-se mnsseliua branca com 4 1|2 palmos
de largura a 200 rs. o covado : s c ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavac.
lie* Grao de bico a 120
es
280 o covado, riacado a Garib^ltiia 2S0 o covade
para veatidoa, cobertores de aLtod"-' a lj*, um-
bralas branras a 1J600, 25, 2jQ0 e 3S a .ega : na
ru. da Ir peratriz. loja 0a arara n. 56
Organdys da China da arara.
Vende se a (axenda por ooraa organrtys aa Cbl-
na sdamaacado e paln^as de corrj, ; r- ^ i pera
vestido e muito largo a 40 rs. o coveoo, ct(.j
de lia pan senhora a 9$, dita de gruaienapla
modernos a 20 e 25} : na ra de Impertiriz, loja
da rara n 56.
Arara vende fazenda por nome mais
a ni mi.
Vende-se a fazenda por nome meii a mim ps-
ra vestidode lenhon e adamascada, do bonitos
ria lihr* o. comlnrlol gostos a 360 o covado, pegas de cmi.r.ii.a
reiS a ILTS, e SeiiaOaeiO salplquiohoscom 8 1|2 varss a 3U500 e 4 : ta
libras para cima a i00 ris >ruad* bn**uh.in <* '*** o. 56.
SARDINHAS DE NANTES. As mais novas que sepodem desejar. a 360 rs. a laia.
GENEBRA DE IIOLLANDA. Em garrafoes'com mais de 15 garrafas a 59800 e frasquei-
ras coro 1 frascos a 655" 0 e 600 rs. o frasco.
AMENDOAS COiNFEITaDaS. Moito novis e de diversas cores a 800 rs. a libra.
DOCE DA CASCA DEGOlABA Superior a 800 rs. o caixocom 4 libras, tambem temos
grandes com 8 libras a 2 cada um.
QUEIJOS 5UISS0 E PRaTO Os melhores que se podo desejar a 600 rs. a libra do prato e
800 rs. o smsso.
CHAMPANHE. Dos m-lhores fabricantes que vem ao mercado, de 129 a 189000 o gigo e
1J5- 00 a garrafa.
LICORFS. Os mais finos que se po^e desejar a 8>0 a garrafa e 98000 a duzia.
COGNAC INGLEZ. O mais especial que se pode desejar a 19000 a garrafa, e 109000 a
duzia tan.rxm temos superior para 700 a garrata, e 89000 a duzia.
SEP VEJAS. Das milbores marcas a 59 a duzia, e 500 ra. a garrafa.
Ni'ZES. A melhores do mercado a 120 rs a libra e 39200 arroba.
rAP L GREVE Lizoe pautado o melhordo mercado a 49000 a resma,
FRUTAS EM CALDAS. Pe*ego, pera, damasco, rainha Claudia, ginja, sereias, e morango
a 560 rs,a lata, e 69ouO a duzia.
AMENDOAS. De casca inolle a 24o rs, a libra das melhores, e 200 rs, mais ordiniriar
Venda-se nicamente por estes presos nos ar
mazeos progresista e pros:res9Svo. no largo do
Carmo n. 9 e raa dai Cruzes ?. 36, affianga-se
er mullo novo.
Grande expsito di* ba-
los de arcos na ioja do
Pavo.
Acaba de ebegar loja do Pavo um prsnd
lorlimeoto de baloes de arco americaiijs sendo
a Msthildo, Carola e a Eugenia qua sao os
melhores e maia bem armados que tem vindo o
mercado com diveraos lmannos sendo de 6, 8,
10, 15, 20, 25, 30 e 40 arcos e aanga-se a du-
racao a boa qualHade oos ditos balees: i na
rua da Imperatriz n. 60. loja e armazem do
Pavo.
Mozambique a 640 rs.
Na loja do Pavao.
Vande-se mo(ambiqae todo de laa sendo fa-
zenda muito leve para vestidos de 86obnras e
roupa para meninos, com delicadas edres miu-
dtobaa e tundo de urna s cor proprio par c&paa
da aenbora tendo eata fazenda 4 palrooa de lar-
gura e vende-se a 600 rs. o covado : na rua da
11mperatriz o. 60. Iftje'e armazem do Pavo.
Lamocambique a 400
reis.
Na loja do Pavo.
Vende-ie laazioba de orna a cor com qua-
driobos e Hala propria para vestido e capas
sendo fazenda flniasima a 400 rs. o covado : na
rea da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Las c>m flore a 4o rs
Vende-se laziobas mallo finas com bonitos
padroes a 400 rs. o covado : na rna de Impera-
triz n. 60. l"je e armazom do Pevo.
Tarlatanas com pal-
minhas.
N loja do Pavao.
Vndate tarlatana com palmtnhas de corea,
tendo ores proprias para luto a 310 re. o cova-
do : na ra da Imperatriz o. 60, loja o armazem
do Favo.
Titas cntremelos da arara.
Vendem-se tira e enlremeios da largura r'e '
e 5 dedos, de bonitos gosios a 1J-280 e 1j;rC0 a
ppQa, ditas de ntremelos a 1$. 19S00 19600 a
oeija, corpiuhos borlado para meninos t> ra '
um : na rua do Imperalrir, loja de srr" r>. 56.
Semeotes de iiort.itiee viudas
de Pars
Chegaram loja de fsrragens de B"tna, rs
rua da C'-deia do Recirn.56A,as nov*men-
tas de hort.lice vioas de Paris, as quxesio de
superior qunlilado. e se vendem barata*.
CM d Lisboa $ o I;-.--\h
Tem para vender Antonio Luiz de OHveiri
Azevedo. no sen escriptnrio ru de Cror n. t.
Cal e polassa.
Veodem-se estes dous ar-
tigo ltimamente chegados,
no bem conbecido e acredita-
do deposito da rua d Cftciriia
doRecife n. 12, mais barato
do que en. outra qualqu r
parte_____________________
Gramposabalo
com pendentes dourados.
A loja d'afuia branca contina na recepto de
objecto do ultimo gosto, a porisso acaba da dea-
pechar vindo palo ultimo vapor esies de;iciriou
e novisstmos grar. pes da bonitas edree com i i,-
dantas dourdoa o qua da maia delicado e poda
encontrar. Eeaa loja como gerslmente sabido,
(am aempre am vistas a commodidede de *e
boas freguazias a por laso tem reaolvido veodtr
aesea galantea enfeites a ?Jt e 3j> o par. o que na
realidade muito n.ais aleen. Convm pois que
a vista da lirr.itcao do preco a sanhov que com-
prar um ou mais parea, nao aa demora em par-
ticipar aa suaa boaa vizinbae a intima emtaa de
collegio, para qua aa erriU.-m no aea aparado
nato, znandam logo comprar oetroa parea na
loja de ana affai{o : que e a d'agaii branca, rwi
do Qaeimado n. 1C


?* i
i


wuip.'ii '. ^'vxrwvmm^fff^liWf^ft
/
DiJLWO DI FEMAMIDCO SEXTA rEIRA 10 M SEIEMBRO | ltfll
y
DIMINU1QA0 DE PREQO
mmm
FRANCISCO FERNANDES DUARTE.
10 Largo da Penha 10
.ido iJUSSZSl ProPrieUr des!a reditido armazem de molhados tem offerecido, ha
do conheeida pelos seus numerosos fregoezes, mas como assim aioda h.jam alguns senhores que
nao se tem dado ao trabalho de esporimentar, rogo a todos elles o favor de mandan* comprar suas
encommendas no armazem Progresso do largo da Penha n. 10, afirn de verificaren! a exactido
teTZ^^Z^TJSr9^^ qUefaZ M fSSem -S2 S outn qua"
i.MI2i C P eb em ,odos os vaPres navios de *>la viodos da Europa a
," r e t2?r\tC0Ma Prpra,-, Pra mi0r concorr"cU 8 moaodMrf.. rLveu" o
arm J tfinnd J. T lug" mdicado'lodo e 1u,11u,r W9r0 comPd(> n"to
Rival
DE
Maiioel Pedro de Helio
Largo do Livramento ns. 38 e 38 A
Defronte da grade da igrefa, cajo titulo distinctivo
O BALIZA.
sem
igual
rs. a
00 rs. a libra, a em barril a 560.
o mais superior do mercado a 298*0 a libra, a em porcao sa faz abati-
a 29000, ditos che-
^ rj$ para de prompto conduzir as cartas na chegada do vapor.
maftltlgt Yk^Uz^ de primeir. qualidade da safra nova, 00 a 710
libra, e em barril se faz abatimento.
ttaatotgft Uaueexa mit DOVa d0 merc,do t
tjlia aUXlia 0 que se pode desojar neste genero a 39000 a libra.
Ca !-vys*i)&
ment.
QHl)OS dO Tfiin chegados nesta ultimo vapor muito frescos
gados em navios a 197O0.
J tta $?-S*0 verdadtiro inglez a 2000 a libra ea porfi se faz abatimento.
j-V*3 fl| aaieaatl confeitadas, contando diversas iguarias muito proprias
para mimos a 1*000 cada urna.
MaXialia di soda em latas coa diferentes marcas a 19400, afianca-sa a boa qua-
lidade, assim como tem latas grandes com bolichinha proprias para lanche a 2500.
Lagrimal &G DliUtO espa5ial vinho do Porto em garrafado vindo a sigunda vez
ao nosso mareado a l9-00 a garrafa e em caixsscom l duzia qor 121000.
w a allgaVf alawl das melhores marcas que vem ao mercado, como seo Duque
do Porto, Carcavelhos e Feituria a 1*200 a garrafa.
&i&?tttaa c?a viaao do Porlo cora 70 garrafas propr0 parji cast icular
em garrafas 32J000, afianca-s ser de superior qualidade.
? aaO Sil ^V^*. de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 e 00 rs.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
i, Taaa e em barril a 400 rs> a libra
" l^rf'^50 t^*im Ubr., m i gr.nd., pe,
69000. afianca-se ser muito novo.
129000 rs mU' nVaS a 56 rS* lib" 9am barril e0ra uma arroba Por
Lauas eam peixe de
chime, pescada, evezugo a
Neste vasto estabelecime
chara o respeitavel publico desta
capital e de fora, un GRANDE E
PERFEITO SORTIMENTO 1>R MO-
LHADOS, que se vende tinto em
grosso como retalho por muito
menos prece do que em outra
qualquer parte, por serem quasi
todos recebidos deconta propria.
Muita attengo.
Todos os gneros sabidos des-
te novo armazem levaro uma
etiqueta para seguranza dos Srs.
que nao quizerem vir fazer as
suas compras, e mandarem por
seus escravos ou fmulos.
Esta prevenjao atiesta bem,
que a mais perfeita e duradoura
confianca se desej possuir de to-
dos geralmente, e por isso nao se
pouparao exforcos para serem
bm servidos todos os Srs. com-
pradores, afirn de que possa este
grande estabelecimtmto ser apor-
tado como um dos melhore e
mais acreditados desta praca.
Aviso particular.
Previne-se s pessoas de fora
desta cidade que podem sem re-
t& ceio algum mandar os seus pedi-
dos por escripto, que sarao satis-
faites cora a maior ponluilidade
e boa f possivel, anda mesmo
Ra larga do Rosario n. 63,
junto da botica do Sr. Bartholomeu.
Pedro Paulo Tinoco da Soma, dono desta e-
tabaUcimento eit tempre resolvido vender mai-
te barato todaa aa mludexa da ana loja, para o
qe tem um rico sorlimeoto, como sejara :
Cartea de clchelas a 40 rs.
iCarriUia de liohi i*tu1 de Alezindrea 80 rs.
Ditot de dita de 100 jarda a 40.
Linbaa de eroxel para bordar (maiso) a 640 rt.
Tinteiroa com tinta e timpa da metal a 180 rs.
Peales de borracha para aliaar a 560 ra.
Eacovaa para limpar uobaa a 320.
Ditas para limpar dentea a 240.
Ditas para limpar roupa a 1J0O0.
Ditaa para limpar cabello IjOOO rs.
Eatampaa da todaa as qu*lidades a 160 ra.
Ua para bordar, aortida, libra a 6JM00 ra.
Boles delioho para caasvoqu* i 20 rs.
D.tus de aada para \U a 30 e 40 rs.
Siotoa doarados a 1&500
Cxjs de panas de eco a 400 rs.
Ditia de matal com penas a 100 e 200 rs.
Botdea pira punbo a 120 a 160 ra.
Ajtalhas (ran Roxelia com pedra maito bonitis a 400 n.
Colxetes pratoa, 14 parta a 60.
Alamares para capota, daxia. 800 ra.
Pulseirai de contas miudas a 1J180 o par.
Grav.tia eom bota a 1J>000.
Ueiaapara senbora a 2540O. rs. a duxia.
de objectos que nao se)am pro- Bico preto de linbo por todo prego para acabar,
prios de-te estabelecimento, como!, ^aaiou orno tata pra trocar imagena de en-
erragens, miudezas, ou medica-)d0eAKn.,.010'. tS&L**L*>A S-.B.nedicto
montos.
0 annurjciante desojando fa-
cilitar a consecugao dos negocio,
que por ventura tenham os seu;
freguezes de ra, se offerecj
tambem para fazer procurar quaL
quer despenda ou li-en;a que de.
penda da autoridadedo Exni. Sr
Bispo Diocesano, bem como d
apresentar qualquer consulta aos
senhores doutores desta cidade,
quer respeito de direito, quer
de aedieina.
barro a 3j)0O0 r. cada um, maito barato
por aor rruito parlcito.
Pechio cha
Chapeos de sol de aada a 5J| : na ra do Quei-
mado 11. 44.
a 680 rs. a libra, eern caixa a 660 rs.
refinada a 360 rs. a libra, e em arroba a 11 rs:
r* Tambem se recebe qualquer objecto eomo assucar, couros, la, etc., etc., para serem ven-
didos, sendo a coota e o seu producto entregue promptamente a quem for determinado.
a intenso de possuir muitas re!ac, faz o annunc'anta todos estes offerecimentos; de
lorma que ueste esubeleslmento, nao s acharao os Srs. de fora desta praja ura bom freguez,
mas tarabea am amigo a um criado s suas ordens.
A todos em geral.
ai por acaso nao igradar qualquer genero sahido desta casa pd ser devolvido, que ser
latamente trocado ou restituido o seu importe, conforme for exigido.
U annuncianle protesta cumprir com a mais seria e restricta exactido eta sua promessa.
Aal?LX?o*'"CeZ.as em ,a,as de tres libras e' Genebra verdadeira inglezade marca Gato do fa.
bricante Carduer & Broomhal de 19400 a
imrae
escabeche das seguintes qualidades savel, congro, corvina,
i *ias &*, ^spemaseie
BUaa d-- ara^aoa
^ ^\\av A* nlat. 560 rs> 1bra| e em por?5o a 500 rs>
tino agtaz para fiambrea 640 rs a libra>
Am^Xatl ftafee*.e>%.Aa ....
por 2#600 9m US 'maU> Pr l50' ditas com 3 lbras
f'VuTP ft ^^** 560 rs. o frasco, e 69400 a frasqueira con 12 frascos.
JmiOeS com genebra de Hollanda com 25 garrafas por 9*000.
AIS ata muito limpo, a 160 rs. a libra, e em arroba 49800,
* '- *0 muito novo a 160 rs. a libra, e 49800 a arroba.
, "<,5!S suspiros em meias caixinhas, do melhor fabricante da Bahia a 200cada uma
'?a o mais superior que ha no morcado a 240 rs. a libra, e em garrafes com 5 libras
por U600, so o gamfo val 500 rs.
5-*"Veai'*i^a j9 Franca muito nova a 200 rs. a libra,
^*0 SaUlS* muito finaealva a 100 rs. a libra e em sancas se faz abatimento.
? iltoa liaott para deutes a 160 e iSO rs. o miro com 20 raacinhos.
PultOS ilO g-Z a 2*300 rs. a groza e a 20 rs. a caixinha.
SA""V-\ I ptOtt das marcas tenante, ou XXX a 6*000 a duzia e 500 rs. a garrafa.
S*t\ -p DVaaCO das mais acrelitadas marcas a 59000 a duzia e 480 rs. a garrafa-
i i.Ua^O Df^.O engarrafado oraais superior que tem vindo ao nosso mercado a 800 rs
tambem tenho da barril para 560 rs. a garrafa.
ToaftlaaO 4 llliaa % 79000 a arroba e280 rs. a libra.
^IQ d 4\lO lava,lo a3oors. a libra a a 9$000 arroba, dito da 2.1 qualidade a
260 rs. e 89000 rs. arroba.
A *0* de Marar.hao a 100 n. a 120 rs a libra, e am arroba a 39000 e 31500.
* /aoealata bespanhola 19200 rs. a libra, ditto francez a 19100.
W^*^a,fll.Wa 4 imperial do afamado Abreu ede outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a lfbra, tambera h para 500 rs. a libra.
r Tat'S *?i!a Calafi pecego, damasco, pera, alperche, e ginga a 600 rs.alatta.
S lYdiaaS t\ Nantafl a 380 rs, a latta aCfiansa-so a boa qualidade, e emporgao
se faz a batimento.
WYila^S francezas e portuguezas as maisnovosa 640 rs. a latta, em meias latinhas a
500 rs.
1 lrfsra SaVaaaU'S.q Marg, Hedoqaa e S. Juliende Medoque a 9^000 e 10000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 1*000.
S'ltatlie o melhor petisco que pode haver por estar prorapto a toda hora a 800 rs. a libra.
\ ''OlPS HOVuS aljjocento ea 1*200 o raolho com cento e tantas, tambera ha
proprias para conservas a 400 rs. o cento.
I-i Va UOCe muito nova a 320 rs. a libra, e era arroba a 8*.
p8l TeV& a 49 a resma, dito de peso pautado a 39, dito almajo bom a'39200*
.,*l"iSSa pJ^T* SOpl estrellinha e pevide a 600 rs. al'tlra, era caixinhas sahe mais
barato.
J-"llll de tOlslftte em latas de 1 libra por 800 rs ede 2 libras por 1500.
A.VB16 (i (ICe refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas com 1 duzia por 89500.
dem de Lisboa a 720 rs. a garrafa e 5*600 a caada.'
A'n^ndoaS de casca molla a 320 rs. a libra e 89000 a arroba.
Vinagre d LisbOa a240 rs. agarrafa e 19800 a caada a fiansa-se a boa
qualidade.
rflam :>^fle das m*is acreditadas marcas a 15*000 e20*000 o gigo, era garrafa
a 15800.
Vinagre Or^IlCO quese poledezejar neste genero a 400 rs. agarrafa.
aii'ireS iranCeZeS de todas as qualidadasquese procurar a 19000 rs. a garrafa.
Fartlha do :>farailha l muito alva e chairse a 160 rs. a libra.
L ij ilO para limpar faccas a 180 rs. e em porgao se faz abatimento.
ly'ririiC|lie inglez a 900 rs. a garrafa e 109000 a caixa com uma duzia.
Alera dos ganaros cima mencionados encontrar o respeitavel publico am completo sorti-
meruo de todo que tendente a molhados.
mais, a 29240 a lita.
UTJtm o6* f?SCOS de tres libras e mais, de
25J8O0 a 39 e frasco.
AMENDOAS de casca mole de 240 a 280 rs
a libra.
ALPISTE a 160 a libra, e era arroba a 49800.
Arroz da India de 100 a 120 rs. a libra, e em
arroba de 39 a 39400.
dem de Java de 100 a 120 rs. a libra, e em
arroba de 39 a 3*400.
dem do Maranhao de 100 a 120 rs. por libra
e em arroba de 3* a 39200.
Id omJLPened 80 rs* a libra' era 'ha a
J9240 e emsiccos a 2J.
dem cora casca a 160 rs. a cuia, e era saceos de
20 cutas a 29500.
Azeilonas em ancoretas de 8 garrafas
e em garrafa a 320.
a 19500.
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa,
dem em barril e de primeira qualidade a. 64o
a 660 rs. agarrafa. V
Bolaehinhas americanas muito novas de 320 a
360 rs. a libra.
Biscoutosebisoutinhos, ararut, aliados a ou-
tras qualidades de excellentes raassas a 320
rs. a libra.
dem em latinhas de 2 a 3 libras e de dive'rsas
qualidades, contendo uma lata mais de dez
especies de biscoutinho3 por 1*400.
Bolinhos de ovos era latas recomraendados pelos Mlhos inglezes e muito superiores a 500
senhores mdicos a 19400 a Uta.
1
19500 a garrafa,
dem de Hollanda era frascos pequeos e gra
des de 500 a 19O0O.
Graixa era boioes a 210 rs., e a duzia
2*700.
dem em lata muito nova a 120 rs.
Grao de bico muito novo a 100 rs. a libra,
Gomraa excellente do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Kirsch Wasser, excellente bebida do fabricante |
Richard de
19500 aga
ambraias lisas.
Na loja doPavo.
Vende-ie pecaa de cambraiasliaas mwito flnaa
com 8 iardaa a 2^500. ditas com 10 jardas a 3
ditas com 8 jardas a 3g, a na ra da Imperatriz o. 60. loja e armazem
do Pavao.
Brilhantiuas de quadrinhos a
200 ris
Na loja do Pavao.
Vende-se brilhaounaa de quadrinhos, tando
de lod js aa corea fuenda mnlto encorpada e maia
larxa que chita inglea, propria para vestidos,
a 200 n. o covdo : s na ra da Imperatrii d.
60, loja armaiem do Pavo.
Retrates de sua alteza real a
princeza de Italia D. Mana
Pa.
Ttm pare vender Jos Azevedo Mata a Silva,
na sua loja, ra do Queimado d. 55.
Plvora e chumbo
venda.
Joo Jos de Carvalho Moraes Filho,
competentemente autorisado vende pl-
vora superior de dilerentes marcas e
chumbo de varias qualidades por pre-
co commodo : os pretenden tes poderlo
din'gir-se a sua loja de ferragens na ra
do Queimado n. 13, a contratar.
losas e bouquels
artificiaes com cheiros.
A loja d'aguia branca acaba de reteber lindas
rosas e boeqeets artiflciats com agradaveia ebei-
ros, aa quaes servem para trazer-ae na mao as
oecaatei de bailes, caaaaentoa, etc., etc., o qae
aqui no'issimo, rorm da maito goslo, e poica
despeza ; custam 1* e 195(0, e acham-ae nica-
mante aa 'ua do Queimado, loja 'agaa branca
numero 16.
iageos Polares.
Sahio a' luz, e acha-se a' venda na
Livraria Econmica, a obra vertida do
inglez pelo primeiro tenente da armada
Collatino Marques de Souza, a qual
tem por titulo Descobertas e Aventu-
ras nos Mares e KegiOes Polares
ron
Sir John Leslie.
Roberto Jameson
i
Hugh Murray.
Esta importante obra compor-se lia
de dez folhetos, do custo cada um de
1#, e e ornada de um mappa.dos mares
polares, e de bellas estampas, que suc-
cessivamente acompanharo os folhetos,
que mensalmente se publicarao.
Veodem-se duas partes do sitio de ierra e
caaa da mora la com mttitos arvoredos de fractot,
tito noSalgadinho, perleneentas a Miguel Ferrci-
ra de Mallo e aua irmaa : a peisoa que quizar,
pode-ae dirigir ra da Cadeia do Recita, a tra-
tar na botici cem o 9r. Vicente Joi <1 Brllo;
As
baratas que
>avao liquida.
cassas
i
o
Ra da Senzalla Noya n. 42.
Vand-sa em casa de S. P. Jonbsion i C.,
sellins a silhes inglexoa, candioiros a ca3ti;au
Ibronzeados, lonas iuglezas, fio devela, chicote
Vende-e anissima cass" franeeza* de corea i P*r* carros amontara, arreios para carros de
maito bonitas 200, 2i0 e 280 ra. o corado 6 i o a dous cavallos, e relogios de onro patenta
na ra da Imoeratrit n. 60, loja do Parao. : ingl.x.
Bramante do Pavao.
Relogio.
Vaode-ee pe?sedabramanto deliatastendo ama I Vande-sa ata casa de Johnston Pater C*.
a largura, com -27 ara cada pega, pelo bara- I An v;.. > .. x. n ,
tU9mopreSodel0fta p,r.. tambem te veuda do *8n0 n- 3. UM bello sortimento da
meia peca do roeamo com 13 t|2 varo por 59,1 ta'ogioa de ouro, patn te ing'az, de um dos mais
t Muller, era^ carrafas grandes l:e,11''laMait propria para lengo. toalhaa, ca- afamados fabricantes de Liverpool; tamban
garrafa. \?lVW'V?? \% '"u Pr?por5o do P'^co um nadada da bonitos trencelln Par es
T. 3' que ala boje o algodaoziobo torna-te esta (a- ( __ .
Licores dos melhores fabricantes inglezes e fran-. | teuda maia barata aeodo d linbo, isto 6 oa ra
cezes e era differentes vasos de 500 a 19600 ds Imperatriz n. 60, loj awatoa do Pavo.
a garrafa de diversos tamanhos ,|La e sedd paril YestidoS a
Manteiga mgleza perfeitamente flor de 700 al ..{n ,-
800 rs. a libra. .i 400 rtS.
dem de segunda qualidade de 560 a 640 rei' S na loja do Pavao.
a libra. j Vende-e lia e eda para vestido com multo
dem franceza de 560 a 580 reis a libra.
mesmos.
onitoa pairo-, asado fizenda que aempre a
dem de por em latas com 10 libras a 35600/ I ^^JSStTCTASt vSSSSS,
e a libra a 380 rs. | loja e armazem do Pavo.
Ilem em barris muito superior a 360 reis.
Marrasquino de Zara a 800 reis o frasco.
Manguitos egolas de
Batatas a 80 rs. a libra, e em gigos de 36 a dO
libras por 3$200.
Caf do Cear do primeira qualidade, de 280 a
a 300 rs. a libra,
dem do Rio 1. 2.1 e 3/ sones a 240, 280 e
300 rs. a libra, eem arroba de 79. 7*500
a 8*500.
Cha parola de primeira quslidade a 3*200 a li-
bra.
dem uxira a 2*800.
dem hysson de primeira qualidade de 18800 a
29800 a libra.
dem nacional de 19500 a 19600 a libra.
dem preto homeopathico de 19500 a 1*800 a
libra, primeira qualidade.
dem idem nao homeopathico de 19500 a 1*800
a libra, primeira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocolate de Lisboa (do Abrou) encoraraenda es-
pecial, qualidade esta que sem medo de errar
a mslhor que aqui tem vindo a 1* e 500 rs.
o massinho, emendo 12 e 24 pes.
Idera hespanhol e francez premiados em di-
versas exposices, de 800 a 19 a libra.
dem suisao de differentes qualidades, como se-
jam baunilha ecanella, etc. etc. de 1910O a
19400 a libra.
Charapanha era gigos com 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias ditas a 129 a duzia, e am gar-
rafas de 1*100 a 1*200.
Chourigas das mais novas a 480 rs. a libra eem
barril de f arroba de 13* a 149.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Napolees, Parisienses, do afamado'
fabricante Jos Furtade de Simase outros de
1*500, 1*800, 2,29600, 3*600 e450
o cento.
Ceblas a l9o nulho cora mais de 100ceblas.
Conservas inglezas muito novas a 800 rs.
frasco.
Cognac inglez em barril, garrafa a 640 rs.
dem idem engarrafado de 800 a 900 rs. a car-
rafa.
Doce de goiaba em caixoes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque, garantindo-
se a boa conservarlo por um anno.
Ervilhas em latas de 1 e 2 libras de 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absynlho em garrafas de 1 li2 gar-
rafa a 1*500.
Farinha de trigo Fontana, das marcas SSS, ga-
lega, family, de 120 a 160 rs. a libra.
Idera do Maranhao a 160 rs. a libra, e 49800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada de
a 320 e 360 rs. a libra.
Figos muito superiores a 240 rs. a libra.
Garrafes com mais de 5 garrafas de vinho do
Porte fino, a 3*200.
dem idera de vinho verde a 29800.
dem com mais de 5 garrafas de vinagre de
F. & S. de Lisboa a 1*600.
dem idem com vinagre de Hamburgo a 19000.
dem com mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 6*000.
Genebra de laranja era (rseos grandes a 1*000
geieSrttfisssa desese ss^ass^
Ma loja da bandeira
que yenda barato, |
na ra da Cruz do Recife |
osquartos, e
Massaspara sopa, macarro, talharim e aletria I CftmhrAia rC>mv"llt bordados
300 res a libra e a caixa cora uma arroba v.nd.m-.e m.naitos a olla, de .ap.rior
nespannola a 5?o00, do fabricante Nervy. 'eambraia riemante bordados pelo ioig&ifleanta
dem finas estrelmha, pevide e outras a 560 rs. Pr#? ie *9 o par d manguito eom ama golia,
a libra. "Asando que *mpre custaram 6* cada pr, aim
fpoi racom-menda-aaao amigoa da canta eco-
-^ uomia que aj.roveitam a boa occaaiso, alrigii-
0 frasco. jdo-s com dinhiro a loja da baa i aa raa do
Idera idem idem a 29 era frasco grande roha! Q* 'An'r1 n-sa-
de vidro.
Nozes superiores a 200 reis a libra.
Phosphoros do gaz a 2*300 a groza, e a 200
rs. a duzia.
Prezunto de Lamego o melhor do mercado a 480
reis a libra, e era porjao 460 rs.
dem inglez para fiambre a 560, 640 e 700 rs.
Passas das de carnada de 320 a 400 rs. a libra,
e em caixa de 5 a 6*000.
Palitos para denles maros com 2*0 macinhos a
160 rs.
Idera lichados idem idm com flora 240 reis
o mago.
Peixes curvina, safio, nguado, pescada, peixe:
espada, pargo, robalo, salmo e lagostim, j
em latas hermticamente fechadas a 1*300 a '
lata de 1 a 2 libras, sendo preparado pelos pri-
raeros fabricantes de Lisboa, Inglaterra e A-
raerica.
Queijo flamengo do ultimo vapor a 2*000.
Idera idera do ultimo navio a 9400., e em cai-
xa a 19200.
dem prato de 600 a 6'+0 reis a libra.
Salpicos, viudos de casas particulares a 640 reis
a libra.
Sardinhas de Nantes a 380 rs.
meias latas a 580 reis.
Serveja marcaTenente, Cobrinha, Cavallinho e
outras marcas a 4, 5 e 5*800 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra o em garrafes cora 5 e
6 libras liquido por 1*600 cora o garrafo.
Sabao moja de diversas cores e dos melhores a
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro com rolha do
mesmo por 600 rs. cada ura, s o pot'vale
o dinheiro.
Sal refinado era potes de louga com tampa da
mesma por 500 rs. cada pote.
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
libra, e em arroba 89800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs. a
libra, e em arroba do 5*000 a 69000.
Tijolos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas stearinas a 640 rs. o maco,
dem do Aracaty, carnauba, a 400 rs. a libra,
dem de composicao de Buenos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parte delles deconta
propria. comosejara; Duque do Porto, Ca-
raoes, Chamisso, Silva & Meneses, e outros,
que se veadera de 19000 a 1*280 rs. a gar-
rafa e em caixa de 129000a 15*000, e
esperara-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marcas Margaux, S. Ju-
lien, e outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 9*000.
Vinho verdadeiro de Setubal ara barril e era
garrafas de 640 a 800 rs. a garrafa.
Vinho do Porto era pipa das melhores marcas
de 5*000 a 69000 a caada de qualidade.
especial.
Vinbode Lisboa, Madeira,Carcav9llos, Figueira,
francez, e de diversos paizes de 39000 a
49500 a caada.
Manuel Joaa o a Funceo, partecipa a
todo os seua freguezes e juntamente ao
respeitavel pul-li o, que tem jtran'e or-
timento de regadore, uso da Europa, isto
vende-se muito barato, bahu, bacia,
i banheiro, baldos para nespuju, bacia de
S enieupa, gamelas para banho, lat-.s para
*f deposito de farinha ou outra qualqaer
serventa, canecas para conduzir agua,
machinas para caf, balaioa para comprai;
ha aortimentode outra muitas obra e to-
das rie diferente tamanho e juolamen-
te eovernisada9 de diversas cores ; rece-
bem-se eocmroeoda a se fabricara
fvonlade de seus dono e jautamente se
allanga a boa qualidade e perfeigo das
Smesmis obra; ba fulha de flandrese es-
tanho em verginhas 700 rt., veroiz co-
9 pal 4 1*200 rs.. latas de arroba 1JO0O
81 r*.. coco a 1*100 ra., caneco a IjfCOO ra.,
regadores a 1*280 rs., bahua grande a
4*000 rs. e pequeos a 600 r., bacas
K eran-es a 4*000 ra. e pequ*oas a 600 rs.
Tudoisto vn)e-se na loja de funileiro,
qu por aigoal tem uma bandeira na por- |
8ta qua gira com o vento, eita chama-se
a loja da bandeira.
ummm-msmmm- mmu
Kua da Seuzail Noya a. 45.
Neste estabelecimento vende-$e: ta-
chas de ferro ooado libia tlOrs. idem!
de Low Moor libra a 120rs.
Lencos braacos i
com barras de cores para meninos a 1 #
a duzia.
L: j i de miudezas^rua o
Queimado n. 55 A, de
GuknarSes $ Mocha.
Para baloes.
Hola cobarta de lio para i*s a 160 rt. a
7ar.
Agulhas victoria o papel a 120 ra.
Ditas fundo doarado a 120 rs.
Linha de paso, meada a 100 rs.
Dita froxa para bordar a 80 r.
Dita de carretel, 200 jardas a 80 rs.
Dita de cores, qailquer qualidade.
Gra ratas
com bolase em elle a 1#, de cor? a preti,
para bomem menino.
Tranca do linho.
R^eebeu am lindo orliniento do,!. irapi^jj,
propria para a* lee roupaa da eta, i ]ato
qae vao-e prevenindo.
BotOes
para ca*ac e caveqae, de cora prtto, nara
camisa madre^erol fina, d ojsc pira calta a
320 a groza, muito finos.
Colchetes.
Esta loja detajando seropre ler cbjecto nevos
recebeu colchetes reforcado do o batido, a
caixa sao em forma d m carlsirir-La q^ ae
torna maito elegaale, s ba na Esperarla a 80
ra. a caixinha, am artao a 60 rs., ou duzi por
OuJ rs.
Pennas de aro
I caligraphcaa por 2g e2*400, verdadeira d* Per-
| ry, e de outra qualidade, por mno do que sa
eostuma vender, canetaa pora te adquirir ama
poigao eUgont. (aacrevando) a 500 r., da mui-
ta quaiida.1* e&mo da borracha a 160, a balao a
160, a pistolete a 120, e maito boa a maito bi-
rat-i por 40 rs. cada uma I I
Perfumara*.
O eheiroo e suave ar.dalo 1^600 o fraaco,
(estucia concentrad) pathibouly, o mbar, o
bouquet de nupcias, o de Lahore, a vetivia, a
maguolia, a rosa, o ja*mio., a lu da larenguira.
a um con:;l>'.j aortii^enlo de perftmaria qu* ie
mo, tanto franceza como iuglezat.
Baobas.
Pomada imperial, frco a 2.
Japooaza a 1*.
Imperador a 1$.
-Imperatrix Eugenia a 1$.
Kiposicao anivaraal a 2^00.
Moqsi americana a S>00 r. a 1$.
UrQo em frascos a 6.00 rs.
Grande, grande, muito a maitosortlaanto.
leos
para esbelto, em virtude da deprcia>;o que tii
do tidu o oleo dito pbiloenme soci"- hy^ir.n-
oiqa> por ter vindo todo falsificado, rec.btmoa
um artigo idntico- aquella da fabrica de Moapn-
la que garantimos ser o melhor counetique pa-
ra o cabello, e 03aromaa escolbido (o suaves a
a i--. A> i u i. .. viiniiu,* utaromai etuiniuo lau uans
hnnii if. Ai Kr,D" iamil 'endf bon dur.douro. qu deafia me.mo q-em nao anata
bonito lencinho brnco cjm barra de core,; 3 oomprar.
proprios para a eoioos, plo diciinuto
prego de N. B. Temas feito llinumeoi* um conirato
:.!.l"ia.^A-1!,,..d'l!,.wJa!aoJ d0. Pre llv ; cem um fabrkauta que nos permitte veadrr esta
genero, tojo consamo 9 dianta, per precia in-
ilgaem desconrle ] bondad da fasena,
para desengao dlrigir-aa, prevenido de dinhei -
ro. ra do Queimado, toja d'aguia branca o. 16,
onde oa achara patente.
Ven1e-ae um mulato devinto anuos poucs
mais ou menos, preferindo-e Dar eogenho, pr
qualquer prego: no pateo d Tergo n. 9.
Escravos i venda
Yenda-se orna mulata pessa de idade de 20
anno, a qual atajaba, eogomma bem e cote,
duas negrinhas de 10 e 11 anno de idade, que
j coiem suffrivel um mulalinho da 7 annoa : a
tratar na ra da Cadeia do Recif, loja o. 64
Botica.
Na ru de Imperador n. 15 ha para venderse
os seguintes bilhate : Le Roy, purgantes de lo-
dos os g ios, e vomitorios, agut de vichy, taro-
p de digitales, de ponlas'de expargo, opode'doc,
grandes a redondos para bocea dos frascos, bal-
samo philaotropico, limunala pasosa de axtricto
de magnesia, agua desells, selits, ermefugo,
e em branco com tarjas para calles ae escrever o
que se quizer.
Verameote baixos e sean rivalidide.
Ha para vender-se um excollea'.a cuzobei-
ro: na ra do Cabua n. 18, (obrado.
Tabaco americano.
Chegado prximamente da America
em caixinhas de 22 libras : vende se na
travessa da Madre de Dos armazem de
I Barros & Silva.
Vende-se uma escrav crioula tem vicios
nerr achiques, propria p-r.i mucamba : no pitao
I do Livramento, egunao andar n. 31, se dir&
quem vende.
Taberna era pipucos
Yende-se uma taberna em Aptpucos
com poucos fundos ou mesmo f a ar
macao, em boa localidade e bastantes
commodos para familia : a tratar na ra
da Praia n. 53.



^
MUTILADO


V
SEX
DIARIO D% PIKKAMSUGO SEX XA fElUA 9 DE SEIEMB1 DI 1861.
Calcado francez
na loja do vapor, ra Nova n. 7.
No?o sortimento de calcado fcaocez, roupa
feita, prfamaris dai melhorea qaalidadei.
Coke e alalrio.
Cok* da melhor qualidade, mallo proprio para
vapor, a Umbem para todoa oa atoa doraatticoa,
lornoa pequeos graodaa, ate, para ealea ser-
Para atar cabello.
Tambem ha chegado linoa pantea da tarta-
rag* todo entrancado com fita da borracha, da
forma que o cabello amarrado Oca dentro da api
engredado, intelnmente couaa nova, e de mullo
gosto, aaaim como com la^o a lizoa de lindoa fei-
tioa, que ae vende por preco maito razoavel: e
no vigilioif\ ra do Creapo o. 7.
Luvas de pellica.
Tambem chegedo aa verdadeira Uva da
Jouvin maito frescas tanto para homem como
?i?os, o coke e maia econmico do que quaiquer I pirt ienhor : s no viallante roa do Crespo
oatro combattivel, por ar menos de melada do
preco e de maia dwra;o.
Alcatro, eate sendo applicado 4 navioi, bar-
taca, alvarenga, canoa, etc., preete maito bom
aSeito, conservan u a madeira da todaa aa qaa-
lidadea da bicho, fazendo durar am tempo inde-
finido. Tambem conaerva madeira 4e edifica-
bas, preaerveiuto-a doa blchoa e contra o tempo :
aa propriadaiJea cbimicas tiene alcatro de ear-
vo a maia forte do que qaalquer oatro, extrahi-
do de madeira ou ostra materias.
Quem preciaai achara venda, no armaxem do
gaz. Kua do Imperador.
Preco do coke 129 por tonelada.
Praco do alcatro 500 ra. por caada:
n. 7.
Chega vapor para o vi-
gilante.
Ac para b&lo.
Sao chegadaa s vardadelras asteas oa ac para
concertar oa fater baldea, que com ama pequea
qaintla qualquar senhora pode fazer um grande
bslao, pota vende-se pelo baratisiimo preco de
140 ra. a vara, oa peca com 50 metros s 5(500 :
sd do gallo vigilante, raa do Creapo n. 7.
Con.!o de borracha.
Tambem sao chegados os cordoziohos de bor-
racha o de retroz, sorttdoa, de lindaa crese de
todaa as grosaaraa.que maito ae desejava, tan-
to para pulseiras como para debram de collele,
e para muilia outras obras : s no gallo vigilan-
te, ra do Creapo n. 7.
Fita de borracha e de seda.
Tambem sao ebegadas aa saperiores fitas de
borracha, assim como de seda preta, propria para
debram de vestido, como para collele, qae se
vende pelo barato preco de 160 re. a vara : s
no gallo vigilante, raa do Creapo n. 7.
Caixas de tartaruga o charu-
teiras de charo para rap
e charutos.
O tabaquista qae aprecia a boa pitada de Lis-
boa oa mesmo Princeza, Mearon etc., etc.,
justo qae compre ama bonita caixa de tartaraga
toda marchitada com a qaal nao ae euvergonha-
r de offeracer da boa pitada de a*u gaalo a to-
dos os tircemetanles que ae acharem em aaa ro-
da, maitos dos qaaea loavaro o sea bom goeto.
Assim como a caia necestiri- ao tabaquista,
charuteira nao aaparfiaa no femante e sendo
ella bonita como sao as de charao ouchetas me-
' lhor ser porque com isso deizs conhecer quan-
to sabe apreciar o boro. Para os maia commo-
,iiata tambem ba bom sortimeotoe todos encon-
\trarao bsrtteza ama vez qae manidos de dinbei-
ro se dirigirem a raa do Queimado loje da aguia
brenca n. 16.
."sedas a 500 e 7*iO rs.
Vendem-ae caixoes vaV
sios, proprio para funileir e bahuleiro, a 1$280 cada um : f\
tiesta typographia se dir.
Gravatinhas.
Tambem chagado as lioda gravatinhas com
lindos botas, qae se vende pelo barato preco de
19 : s no vigilante, roa do Creapo n. 7,
La ara bordar.
Tambem ha superior las para bordar qae te
vende por 69 a libra, assim como laa de familia
qae se vende a 19, e em cada caixioha maito fina
pelo baratissimo preco de 79 a caixinha : s no
vigilante, rae do Creapo n. 7.
Espelhos.
Tambem ha grande tortimento de espelhos re-
dondos de moldara dourados de todoa os taa-
nnos, com excedente vtdro, que se venda pelo
baratissimo de 3{, h% e 5$ : s no vigilante, ra
do Crespo n.7.
Si utos.
Tambem ebegado os n.uito desojados siutos
com ricas Avalas de concha e borlote ao lado
cousr muilo chique se veode pelo barato preco
de 49, aasim como rlcaa flvelaa para sintos com
pedrinbas de lindos gostos que se vende a lj6(J
e 39 1 (6 no vigilante iua do Creapo n. 7.
hegado pelo va-
por francez s para o vigi-
lante tinos pentcs de mar-
rafa.
E' ebegado os lindos pentinhos dourados com
maitas lindaa moldaras de diferentes gostos pa-
j ra mairafa oa travasaoa, pois a com a vista oa
' compradores saboreo apreciar o quinto sao dell-
' cados pelo baraliaaimo preco de 3g(K)Q o par :
aaaim como sem ser doaradoa de lindos goatoa,
l pelo barato preco de 39 : na raa do Ceeapo o. 7.
S 00 galo vigilante, ra do Creapo n. 7.
Gr*m-|)*s a balo.
Tambem ebegado aa lindas grampas a balao,
coasa maito linda : s no vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Acha-se venda no eacriptorio de Antonio
Laizde Oliveira Az*edo & C, ra da Cruz n. 1
a obra eacripta pelo visconde da Uragaay,Enaaio
Sobre o Direito Administrativo ; deixamos da ta-
car elogios a esta obra, basta o nome da sea au-
tor para a tomar recommendada, daos volumes
em brochara 109. encadernado 11$.
Soahall Mellora & C, tenda reeebido or-
eos para vender o sea creecido deposita 4a rale-
arlos valo o fabricante ter-se retirado do naso-
de ; envida, portento, aa peesoaa qae qaizerem
[ossair mm bom rologio da oaro oa prata do li-
ebre fabricante kornby, a aproveitar-so da op-
partanidade sem perda da lampa, para rir com-
pra-loa por eommode preco co aaa eeeripterie
roa do Trapicha n.88._______________________
Boa fama n. 35.
Vende os seguintes ob-
jeclos abaixo mencio-
nados.
pandante doaradoa a S
msegundo.
o Qaeimado n. 55, loja da miadezai
zevedo Maia a Silva, esli queimendo
miadezaa muilo boaa a beraiissi-
Grampos a balao com
o par.
Pentes imitsRdo tartaraga para bandes, alti-
vo gosto a 39 o par.
Fivelas para aioto*, faxenda inteiramente nova
a 29 o par.
Alfinetes pretos com douradopara senhora, in-
teiramente novos a 19 cada am.
Botos pretos com doarado para pachos, intei-
ramenle novos, a 29 o par.
Botona de tartaruga para pannos a 19500 o per.
Na rus do Qaeimado, loja de miadezaa n. 35,
a boa fama.
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roapa a 15.
Afea de malabar para Ungir cabellos a 59 o
(rasco : na raa do Queimado, loja de mladezaen.
35. da boa fama.
Cartas linas para jogar.
Veode-se dazia de biralhoa de cartas finas com
as pootas douradaa a 69, dita sem ser dourada a
395OO e 41 : na rae do Quaimado, loja da miu-
dezes n. 85, boa fama.
pretas
Vende-se sedas de listas
vestidos de senhora a 500 e
crios taiudos ocovsdo : na ra da lmperatriz n.
60, loja do Pavao.
superiores.
Grosdenaple preto mallo saparior pele dlmi-
aato preco de tj o corada, panno preto maito fi-
ne a 3, 4, 5, 6, 7 e 9f o corado, casimira preta
i maito fina a 2, 29500, 3, 39500 e 49 o covade,
dros pfri i raantaa pretas de blondo mnito saperiores a 129,
720 rs. de qusdri-i mntlel* de saperiores grosdenaples pretos ri-
Fitas de laa para debrum.
Vendem-se pecas de fita de la para debram a
18, e em vira a 120 rs., dit-s de seda a 29400, a
em vara a 240 na raa do Qaeimado, loja da
miudezas o. 35 da boa fama.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
moa de largara a 1 $600 rs. a vara : na ra do
Qaeimado n. 21, na loja da boa fe.
Damasco para colxas e par*
ornamentos e igreja.
Vende-se maito saperior damasca da l de
ama 0 cor, maito proprio para colxaa a para
ornamentos, com 6 palmos re largara pelo ba-
rato preco de 298OO rs. o covado : na raa do
Qaeimado n. 2a, na loja da boa f.
Verdadeira peehincha.
Vendem-se cortes de saperior gorgaro da sa-
da para collates pelo baratissimo preco da 19,
29 e 39 o corte : na ra do Queimado n. 22, na
bem ronhecida loja da boa f.
Na
da Jos* da
todas as su
mas, a sabe
Sapetos de xo< de laa muilo superio-
res a %
Ditos de lampara meninos de peito a 200 e
Paree de bo\oes para panhos a
Gaixas com psfujl de diversas qualidades
sortido a
Ditos de cores o mfcihor que ba
Tbesouras da 6 poleadas a
Atea preta maito fina (jbra)
Pecas de fita para coi, d?penor qaa-
lidade a \
Novellos de linhs que lem 2C j*rdcs a
dem dem de 400 jardas a \
dem idem de 800 jardas a \
Linhs do gaz de 10 e 20 jardas a tres'-fur
doas barato. x.
Gaixas de folba com phosphoros a V
Cornetas de chifro para entreler meni-
noa a
Carriteia de linha da 100 jardas a
dem de Alexandre maito superior a
Dusia de facas a arios, cabo preto, mul-
to flnaa a
Calas com colxetes francezes a
Ditas com phosphoros do gaz a
Ditas com dito de vela muito superior a
Caixas com isesa para accender charuloa
Duzias da metas craas maito encorpa-
dae a
Duzia de meias brancas a
Duzia de meias brancas muito finas para
senbora a
Masaos com grampos de todas ss quali-
dades s
Boleas mamo linas para guardar diohei-
re, servem tambem psra guardar fumo,
e servem taa>bem para senhora a 500 a
Thssoaraa pequeas, porm maito fi-
naaa
Ditaa para uohaa tambem muito supe-
riores a
lsreaspara cobrir, sao peqoenas, porm
o preco convida a
Pares de meiss de cores para meninoa a
Parea de meias brancas para meninas a
Groza de pennas d'sco de todas as qua-
lidades a
Caixaa com 100 anvelopes muito finos a
Groza de boles de louQa pratiadoa a
Attenco,
Vende-se
n. 1.
s taberna sita no paleo do Terco]
-
19440
400
240
700
700
40
100
320
40
60
120
80
\80
3t
100'
89500
40
20
20
40
2g400
1*600
39000
40
800
200
400
10
160
200
500
1S00O
240
Vndese
Urna mobla de smsrello, e alguna enfeitea para
cima de meza : na raa Bella n. 14, seaundo
sndsr.
Retratos de (D. LuizlS
1 Hv M. me
; e D. Mara Pa
I Chegaram pelo paquete fran- $jk
i cez Guienne : oa ra do Cres- @
> pon. 2, loja Nogueira de @
Souza, junto ao ireo de Santo fg
I Antonio. W ^
toduf
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazenda
mallo boa, pelo barato preco de 28000, gollinhas
e punhos ultimo gosto a 29000, gollinhas meite
finas e bom bordadas a 1(000 cada ama na raa
i do Qaeimado loja c miudezas da Boa fama,
1 n. 35._______________________________________
Tiras e> ntremelos oordaJos.
Vende-a pecaa aa tiras bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 ntremelos a I96OO e 29OOO
cada peca na ra do Queimado loja da miadezaa
da Boa fama, n. 35.
J c-Warain ^ remedios i S So1
do Di? Radu*;Resolutivo '
reno^act-ior, p^mpto allivio
e pilulas regadoras,
No droguista Ra undo Carlos Leite
Irmao, ra da lmp Eiifeite pura senhora.
Grande
i liqudatelo por
o pre^o, na loja do
Serlanejo.
RA DO QUEIMADO N. 45.
Apparecain con dinbeiro que nao
I deixarSo de comprar.
> Cbitaa sscuraa flets a 160, 180 a 2C0
i rs., curtes de vestido .retos bordedos a
velludo de custo de 15(9 ae vendem pos
309,409, 509 e 709. ishidss de bai.e 1-
ludo e setim a 12js e 139, camiaas par se-
* nhora a 29 e 39. goillohas e msnguitus a
[ 29. Si e 3j.>00. g'illiubaacarjjfcrfi.-. borda.
|das a 500,600, 700. 800, 900 a 19, dits.
i de fil bordado a 120 rs., C!sav*qts ai
* faeto a 59. 69 e 7$, Eess C* se .
t brancas e pretas pan S6nbcra a IjriJO
[ o par, tiras bordadas a 500 e 71-0 r.-.,
I l* de qaadro edfestada a 300 16C n.
o covado, cambrTs preta a 400 4-.0
rs. r vara, orgar-dys e eres a 610 a. a
(vara, fil brerito aairiascado pan cor-
tinados a vestidos 400 a 00 ics
vr*. cortea de folete de cssemlr*
pretos a 29 s 39C00, ditos

or-
s
camante bordados a 359, sobrcasacas de panna
prato muito no a 809, casacas tambero de panne
preto maito fino a 309, palctola da panno prole
fina a 18 e 209, ditos de casemira de cor moe-
lada a I89, saperiores graatinhas estrellas t
19, ditas d* stira mae&o d* gorgaro maito ae-
amisas para senhora a 1$000
v,a oS0 na 'Ja d P^v5- I p.rioree para daas voltas a 2JI, ditas eatreittnhaa
afaL .dBol" haneex multo ,om llnd^ ,ln#le, ^ 7rior io
i n ft S ".".'" d Im- i to par. sonetea a 49 o corle/ricos wfeltea preto,
be
peralriz n. 60
loja 1 armizesn doPavo.
Chales baratissimos.
a 69, a assim oatras maitas fasendaa qae sendo <
dinbeiro vista, vndem-se por preces maito ba-
ratos : na ra do Qaeimado n. 22, na bem *onha-
<)da loja da boa f.
Venee-se chales de merino mailo grandes a ,
39. ditos a girbaldina a 49, ditos esfaarparfoa .1 C8.U1SRS \}OT%AB *) OlltrOS Ob-^
jecto uecessanos para
senhoras.
Na loja da agaia branca ache-se am bello sor-
timen to de boultae eamlainnae defina cambraia
rom babadtnbos e mui bonitos bordados da no-
vos e delicados desenhos, as quaaa servem mai
bem para os modernos vstidos de frente aberta
e v*ndem-a pelo diminuto preco de 39 cada
ama ; assim como bonitos msnguitosabalo com
gollinhas da saperior cambraia a ol e todos bor-
atiida finisaima a GJ. ditos pretos a 59, diloa de
rede a imIUrao de retroz com bonita* palmos a
3f, diloa de caasa de quadros s 640 is.: s na
raa da lmperatriz n. 60, loja o armazem do
Paveo._______________________________________
Baldes de bramle*
I\. loja do Ifcao .
Vende-se balees de bramante muito bem ei-
toa, sendo de por e lirar os srcos quando se qaer; dados, com panhos virados o cada par pelo ba
tavsr, para aanhora e para meninas, do mesmo ratisaimo praco de 2J, o qae 4 admiravel avists^
bramante e de arcoa : na ra da Impesatriz n. 60, da saperioridade da obra, bam asaim panbos t
loja do Pavo. 1 gollinhas tambem bordados com bonitos botos
j a 29 a guarnico, a gollinhas soltas igualmenW
bem bordadas a 19 cada urna a maoKoitos a 800
i re. o par. A vista poia de am to complete sor-
1 tmenlo nenhuma senbora delxar do comprar
j cases necassarios objectos tanto mais qaanlo s
I commodidade dos t.recua convida e para que to-
; dos ssjam bem servidos convem qae mandem
< logo comprar na loja da aguia branca raa do
1 Queimado u. 16.
Para os tabaquistas.
Lencos maita finos a imtwco dos de linbo de
maito bonitos padroes e da corea flxas muito
proprios psra as peasoaaqac tomam tabaco,pelo
barato preco de 49800 e 59500 a dazia : na ras
doOaaimodo n. 22, na bam conhaeldt loja d
bos f._____________________________________
Bramaote de linho.
Vende-se tallo saperior bramante da linbo
com deas varas de largura proprio para lences,
pelo barato preco de 29400 rs. a vara: na bam
conhecida loja da boa f. aa rus do Queimado
n. 22
Vestidos brancos.
Veode-se corles de vestidos brancos bordados
c seda, praprios pira noivas, pelo baratissimo
preco de 69, ditos de tsrletana branca borda-
dla a 109<| na ra da lmperatriz n. 60, loja e ar-
maz*m do Pavo:
2'arlatauas e fil do Pavo.
Vende-aelarlatana branca e de corea a 800 rs.
a vara, fil branco liao a 8U0 rs.,dito lavrao de
palmichas a 19 a vara, organdys
do Paro.
A loja da ^guia
. branco muito ** '
finla 19 a vara : na ra da lmperatriz n. 60, loja | brailCa rU* OO Queima'lO li. 16
Acaba da receber os precisos objectos seguin-
tes:
Aspas de baleia grandes e pequanas.
Fita com colxetes branca, parda e prata.
DiU de la para debruar vstidos de cores.
Traocinha de caracol miado conbecida por bom
tom.
.leles pretoe e brancos em caixlnhes.
Aculhas imperiaes fuodu doarado.
Ditas victoria m caixinhas e pspeis.
Retroz preto fuo em carretela grandes:
Luvas e sin tos do Pavo.
Veode-se luvas de seda pretas e de cores a
640 rs. o par, ditas de retroz a 640 rs., sintosde
seda maito ritos com fivelas douradas a I9 cada
um : na roa da lmperatriz n. 60 loja do Pavso.
4o pavo.
Vende-ee neste estabelecimeoto ae fazeodaa
mais baratas do que em oelra quaiquer parte, a
com o fim de aparar dinbeiro, chitas largaa es-
caras com pequeo toque de mofo a 2C0 ra. o co-
vado, ditas fraocezae a 240, 260. 280, S20 e 360
rs., pecas de cuadapolao e algodozinbo por pre
eos baratissiuios, cassas organdys de todaa asco-
res, ci mbravas de todas as qualidades e todas aa
maia fazeudas precisas para o consamo, aim de
estar este estabolecimentosberto dsa 6 as 9 ho-
ras da noite, tambem ae manda levar aa fazeo-
daa earnostraa peloa cavxires : na raa da lmpe-
ratriz n. 60. loja do Pavao.____________________
Roupa parahomens.
Vende-se cairas de casemira, da brlm parda,
de dito de cores, pslots francezes a 69, ditos de
*
o do vigilante.
? Collares para senhoras ou me
ninas.
E' ebegado os mnitoa desejadoa collares de al-
jofares fingvndo madreperola, com urna cruzinha
de pedras fingindo brilhsntes que aao maito ele-
gantes, pois scom a victa qae se poder apre-
ciar, qae se vende pelo barato preco de 39 cada
um ; ialtf f na loja do gallo vigilante, roa do
Crespo n. ".
Aderecos pretos
Tambem chegaram os lindos aderemos pretos,
MDno~ preto e cor de caf s 69, calcas de case- aeodo daas pulaeiraa, rosetas, alfinetes, ludo em
. .1 _- .:. (, p8vo, ra da urna caixioha, inteiramente couaa aova nesis
: praca, todos muito delicadoa pela grande mo
loja
mira prets a 58 : *t na
lmperatriz o. 60.
|Loja das t> por-
S t?is em frenta do Li
vramento.
Baloesde 15, 20, 50 e O arco.
{Grande sortiraento de bales ds arcos
os melbores nesla fazeada e grandes, chi-
tas francezaa largaa escuras a 20 e 210
rs. o eovsdo, cambraia lisa para for-
ro com 6 li2 varea a 29 pee, dits fi-
nas s 39, 4J. 59 e 6g muito fines, d'ts
de salptqaloho com S t|2 varas s 395S0
a pees, oortas alcoxosdas brancas a de
cores para eama a 49500 e 59, casias de
cores fraocezae tlntaa aeguras a 320 rs. o
eovsdo, peca d bretaohs de rolo a 29,
algalio traucado alvo maito largo para '
toalhas a 19 a vara, eofeitea a Garibildi
seDio pretos a 5$ cada am. lencos bran- ,
coa com barra de cores a 120 eads uro,
roapa ffita da todas aa qualidades 1
barata, loja est
da noile.
ab6rla ate as 9 horas
de obra qaa tom, pois ss pessoas de bom gosto
sabero apreciar : s no. gallo vigilante, ruado
Creapo n. 7.___________^________________
Tambem ao ebegadas ss verdadeiras aglhas
Victoria, de fuodo dobrado, que se vende pelo
barato preco de 100 ra. o papel: s no galle vi-
gilante, ma do Creapo n.7. ^_____
Capellas par noiva.
Tambem sao chegadaa as lindas cspellss bran-
caa, o mais delicado qu6 pode baver, que se ven-
de pelo Uratisaimo preco de 79 e 65, tambem ha
j outrs maia inferiores que se vende por 29 e 39.
; Peda-se qae quem tiver da comprar quaiquer
destea objectos, que se spreise mus que se aca-
be, pois fot apenas urnas pequeas amostras qae
' ae rcebu : s no gallo vigilante, raa do Crespo
1 uemero 7. ^^^^___^_^^^^_^_^___
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston" C ra da Senzalla Nova
u. 42.
Novos pentes
de tartaruga e naassa,
corr douradu e sem elle,
par?* atar cabello
A loja d'aguii branca acaba da receber esses
pentes de que as st-nhorss lauto precissvam pars
igualar aos pequeos dourados. O sorlimento
pequeo, porm comple o, porque tem de tarta-
raga e maesa, dourados e sem o ser. A belleza
e perfeic3o dclles difficil desrrever, o por isso
limitamo-nos a dlzer que elles sao de um dese-
nlio novissimo de spurado gosto, a de castoss
execuco, na qual o artista alevoa-se por sus
periria. Tem elles s forma de um lago de fita no
centro do qae s* coohece o feche por meio de
ama flvella, isso alem de rendados, tanto os de
tartaruga como os de massa. Agora, pois, que
apparece o bol, convem qae as senhoras se nao
demorem em mandar comprar na loja d'sguia
ranea, ra do Queimado n. 16.
ltfoendas meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Kodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 08, fundicao
de D. W. Bouman.
Na ra da lmperatriz nu-
mero 20.
Vende se o seguiote.
Dramante com 10 palmos da largura 19500,
ricadinhos esaros de rr flxt a 160 r?., cassat
mesas a M, indianas maito bnas a \$, chitas s
160, 200, 140, 280 e 390 rs., cerebrales ds l-
picos de coras a brancas a 400 ra., cobertores
brancos a escaros a 19)00, I56OC o pannos
finos pratos a de coras a SJJ, 9400 a 39, esm-
braias para cortinados a 19 a peca, ditaa lisas r
29, SO, 45 e 59, tpeles maito finos a 65 a 79,
chapeos de seda e de csstor muito finos o do ul-
timo gosto de Pars a 89 e 99, ditos da feltro fi-
no copa alta a 59, casemiraspsra forro da carros
s 1$600, aortas de dita mailo fina para calesa a
49, pacas ds entremaios 1, t finalmente ma-
dapoloes, algodoes, brins, bretsnbas s ostras
meitse fsssndsa qaa o dono do satabelecimento
est reeolvido a vender maito barato sOm da
sparar dioheiro, dando-se aa competentes amos-
trae com psuhor.
Bonecas fraucezas.
Yanda-se bonecas francesas ricamente vaatldaa
a 49000 o 59OOO, e 3f 000 bonecas de cera coru os
olhos movtdcos a 2(000 e 39000, na raa do Que-
mado loja de mladezas da Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vsnde-i Avalas ds seo para sinto a 19500 rs. a
29OOO na raa do Qaeimado loja de misdaias
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
V enaa-sa baleias 120 ra. cada ama asps de seo
psra balao a 160 rs. a vsrs, bandes a 19500 rs. e
29OO o par, na ra do Qaeimado loja de miadezaa
da Boa fama, n. 35. __________
A2#500,sopavo.
Vandem-ae cortes de cambraia branca com 2 a
3 babados a 29500, ditos de tarlatana brancos a
ds cores, com barras a babados a 39: na ra
da lmperatriz n. 60, loja a armazem do pavao de
GamaA Silva.______________________________
~~T L&scarilhas de s*da.
VarPje-se caacarrilbaa da seda para entallar
raslidpa a 2$000 a peca na raa do Queimado
loja da miadezaa, n. 35.
Os me'hores enfeites pretos o da rdres qaa ap-
parece a 595O0, 69 a 6(500 : na loja da Victoria,
oa raa do Qaeimado n. 75. '
Caixinhas e cabazes par**
as ^meninas trazerem
oobra^o.
Muito lindas caixinhas o cabazes para meninas,
da 100 rola at 29500: na loja da Victoria, na ras '
do Quelmsdo o. 75.
Franjas pretas com vi- **
1 ai 11 Ditas para
di ilho e sem elle.
Ricos sorlimentoa de franjas pratas a da corea
tom vidrilhoa sam elle : na loja da Victoria, na
raa do Quelmsdo n. 75.______________________
kihasdf peso verda-
deiras.
da c: e pretos 29. 49,19 fy,
de brim brento fre Cezes a
3J500 e 49500, itos j *sea,lta i* co-
res e palos a 149 e IG9, Cdua ahata
preta e da cores a 39, 3J500. 49 1 49500,
camisas da peito da lu. a 29500, .. 1-1
d collele de gorgaro a 15300, 19700.
29200. 38 38500. ziletes feitos Je bro.
branco a Ijoot), ditos feitos de gorgurae
a 29500 e 39500. ditos futo casimira
a 3g500, 48 48500, ditos da valia ..-. a
59, 69 a 79, ditos da f'isto ds coru .:
18500, uta varito'o sortiment i> irati 1
psra homem e senhora, grinaidae aom
flores, chales de froco, espsrlro, I--
da a qaalidada de roapas feites para vo-
me. que tsdass v.r.d* por matada do
sea valor.
um&ammtti &* ttfmi^
ua
a
i
Linhss flnaa da
granOes a 240 rea :
do Qaaimads n. 75.
peso verdadairas, meadas
na loja da Victoria, na raa
EmcasadaN. O. Biabar & C, suee- te;
ra da Cruz n. 4. ven^arn-se :
Machina para regar hortas a espln,
escarocar milho.
para cortar capim.
S6lins com pertancea a 109 c -0?.
Obraa da metal pi.
Alcatrao da Saeta.
Verniz ds alcatraz pn.
Salsa psrrilhade primeita
Vinho Xerez de 1836 em ca.
Cognac em raizas dl dazia.
Arados e grades.
Brilhsntes.
Carrosas pequeas.
Meias de borracha.
Vends-ae maiss da borracha para qaam padaca
d eryaipala a 159000 o par, meias da seda preta
para senhora a 18000 o par na rus do Queimad
loja da miadezas da Boa fama. n. 35.
Phosphoros de seguran^
Phosphoros da segurance, por qaa ltvra da in-
cendio, a 160 rii s caixa : na loja da Victoria,
aa raa do Quaimado n. 75.____________________
Baleias para vestidos.
Balelaa maito grandes a boas a 160 ris ama :
oa loja da Victoria, na raa do Quaimado n. 75.
Linha de eroxei para la-
byriotho
A ma'.bors linhas de croxel psra labyrinthe,
oovallos monstrosa 320 ris um : na loja da Vic-
torla, na raa do Queimado n. 75.
Sintos dourados para se-|
nhoras.
Lindos sintos doaradoa para aenhoraa a 2j)20U.
ditos de ponts cshida a 49, ditos do fita a 13<0:
oa loja da Victoria, na ra do Qnsimsdo n. 75.
IhenwB fi
guezes m b
Hua estreita
esquina d
18-
do
Lar-
Rosai i \
ra das
18.
Libras sterlinas.
Vendem-se no escriptorio de ilsnoel Igaacio
de Olivelrs & Filho, largo do Corpo Santo o. 10.
4UftDC4
Veade-se em casa de N. O. Biebfcr
Cu $ucce$ore$, ra da Cruz n. *.
Potassa da Bussia
e Americana,
No ascriptorio de Maoeel Ignacio de OHaira A
I Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por p'0
1 Filis barato do que m outra qaaiqaer part.
Barato para acabar.
Na ra do Queimado n. 6 loja de Ma
diados & Santos.
Vende-ss sarcos de visgem de oleado mailo
bons pelo diminuto preco oe 39 cada ut, cami-
aas inglezas de linho para monioos da differentes
idades, a elles que o praco agrada, caigas bor-
dadas para meoincs ou meninas algo par e cu-
tras muilas fezendas que se vendem muilo bsra-
to para liquidar.
Yende-ae podra da cantara muito boa a
por menos do que em outra qual tu >r parle t a
tratar na Poate Velha ou ra do llondego >. 45.
Milho novo a 3$ a sacca.
gVende-s sscca com 24 cuias : na rui da Moe-
da d. 47, a tirar no trapicha do Cunbr,
Perfumaras muito iuas e
baratas.
Opiata inglesa a 19500 rs, dita franceza a 500
rs., 640, 19000, oleo da sociedsde hygianiqae
verdadairo a 19C00 o frasco, olao babosa de Piver
verdadairo a 800 rs. o frssco, ss.ua balsmica
para os danta a 19000, dita ds Botot tambem
para os dente a 1(000 o frssco, pomsda france-
sa em pao a 500 rs. e 19000, 320 rs. ssbonetes
maito fino a 640 rs., 800 rs. a I9OOO cada am na
raa do Qusimado loja d miadezas da Bos fama,
n. 35.
Superior brim braaco de
linho
Vsnda-iasaperior brim branco da linho tren-
Csde pelo baratissimo praco do I9SOO, 19440 a
I56OO a vara, dito maito encorpado de doas flos
s do linho paro a 25 a vsra : na ra do Qaeima-
do n. 22, na bem eonheeda loja da bea f.
k 2,400 rs. a duzia.
Lenco branco finos para algibeira pelo dimi-
nuto preco de39400 rs. a dazia : na bam conha
eida loja da bos f, ns raa do Qaeimado n. 21
Cambraias de cores
Vendem-e cambraia fracezas de edrs fa-
zenda mallo fina pelo baraliimo pre(o ds 260
280 ra. o covado : na loja da boa f na ra* &-
Queimado n. 21.
Para luto.
Fumo de sede elstico para chapaos largo a
aitraitos a 19500 : na raa do Qaeimado n. 22,
oa loja da boa f.
Lazinhas muito finas
para vestidos.
Superiores lsztnha para vestidos da maito
bonitos padrdesqao s vendem pelo baratissimo
prsco do 440 rs. o covado na raa do Qaeima-
do n. 11, no loja da boa f.___________________
Cartas unas para vollarete
A loja d'aguia branca acaba de receber am bom
sorlimento de cartaa com tintas mui finas, papel
lustroso a opaco, e caracteres da novos desenhos,
representando as figuras os grandes penonagena
das guerra da Italia s oettro. J se v, pois,
qaa com uns bsrslho assim bons a bonito, lor-
na-M ainda mais deleitavel o entreter-ae parte
da ooi'.e no divertido voltarete, tendo sempre
espsdtiha, msoilbs, basto, etc., etc., e pelo con-
trario am pichoso, ao qual os bolinhosea cha va-
na do bom cha do dono da casa far eaqueeer o
pouco qae perder. O baralbo* do canto redon-
do o doarado castam 69 a duzia, 01 immediatoa
59, s oatroa 49, 3(500 s 39. Tambem ha fina
para os apaixonado da bic, aspsdilba, etc.,
vista do qae nao ha mai a camar-se, o pretn-
dante dirigir-ie com dinbeiro raa do Qaeima-
do, loja d'agaia branca o. 16, qu aar bem ase-
vido conformo o lonvaval cosame.
ngeiras
Vendem-se lodos o Roneros per mn ?.
que em outra quaiquer psrto : oanle!,. itif ;
Di.a a 800 e 510 rs. a libra, dita frenteza .. t J,
a em pergao fa/.-tm al^uiii abalinifilo, rb upe-
or a 2$880 e 29560 a libra, paasas muii" novas
380 rs.. nozes a 120 is., amenai-js a 3o0 rs t
libra, superior cat n 2$ rs., lonciobo a 3110 ra.
a libra, macarro, aletiis, lalherim e mai. 11 1 m
finas muito untas a 320 re., relia de (.rr 1 \
saperiores a 400 r. a libra, ditas stearlnas t T-)
r. a libra, queijos de qaalha muito novos a*.0
rs. a libra, raiz* com 4 libres de doce de 1 <
de goiaba a 800 rs, ditos pequeos a 560, vn '1
de Lisboa a 400 o 500 a Riur*fa, dito Fiau< 1
600 rs. a garrafa, dito do Porto ODgariaf.dn r
IgOCO a garrafa, 19200 e 18600: flru det ge
oeroa mencionaJcs se encontra ludo qui>
perteocenle a mclhados e de superior qetli-
dade.
30S espelhos de
moldura dourada para
salas.
Chagoa para a loja da Victoria ama peqaana
porco de ricoa espelhos da varios lmannos para
ornamentos da ala, afancando-se serem os
melbores em vidros qaa tem vindo : na loja da
Victoria, na raa do Queimado n. 75.____________
La para bordar,
La multo bos de todas a cores pars bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, oa raa do Qasi-
mado n. 75.
LinhaS dO gaz, I tarro<-a.
Caixinhas com 50 novellos da linha maito fl- j Vende-se urna carroea nova bem coniirui>t ,
aas do gax a 900 ria caixa. Olla com 30 no- bem ferrada, e que servo para boi e cavado i<<
ello a 700 ri, dita com 10 novellos grandas ser appirdhads para una e outra tousa : na ru*
O Girasol
i defrente da Peuha n. 33 vende manteiga Insts-
; za auperior a 800 ris, dita franceza a 608, qu<>|-
' jos do ultiroo v[or a lg900, ditos a 19700 h
i 15500. cha Coo a 2?800, caixc-s do di >:
Iba s 500, e.sperioaceto superior a 720 rea, a-
perlor vioho do porto a 800, dito do Fisvvi'
\ 640, 560 e 500, e todos os mi 9 generes I j i ti
i baratos.
a 700 ri, branca c pretas: na loja de Vietoria,
aa raa do Qneiroado n. 75.____________________
Fazendss baratas
N
Loja do pavo.
Cambraia organdys a 280 rs.
Vanda-se cambraia organdya de cores com mo-
darniasimot padroes a 280 o covado, e cassas
francesas muito linas a 140, 280 a 300 rs. o co-
vado : s na loja do pavao, rea da lmperatriz
oamero 60.
di Concordia, tenda de ferreiro junio a um esta-
leiro de cirpioteiro.
Vendeiu-se tachas >v
ferro cuado do fabricante ni 13
acreditado : na ra do Brum
a. 28 B, armazem V J ^s dft
Si iva Loto A C.
'v Bordado baratos.
Veiidem -e gollinhas de cambraia a de fil bor-
dadas a50"0r., manguitos vC i>*IxJWZ*H
com golla bordada da cambraia a 1J600, a tiraa
bordadas a entremeto ; na raa da lmperatriz n.
60, loja do pavao.
A]pakina280.
Vende-fs esta nova fazenda do linhs a imitado
de sede ds qaadrinho miadinho propria para
vestido ds senhors, roapas para mecios, sendo
fazenda qae nao desbota, a 280 o covado : na rus
da lmperatriz n. 60, loja do pavo.
Eseratos tus,
Aos Srs. consumidores
de gaz -
Noa armszeos do cae do Ramos ns. 18 e 36, a
oa ra do Trapiche novo ( no Recite ) n. 8, se
veode gaz liquido americano primeira quslidade,
e recentemente chegado, a U9000 a Isla de 5 ga-
lota, assim como lataa de 10 e do 5 girralde, e
em garrafa.
Chitas largas a 200 rs.
Vandem-sa chita larga a 200 ra. o cosario por
ter am paqaeno toqaa da mofo ; n ra da lm-
peratriz n. 60, loja do pavo.
a^*aai
Bramante a 10$.
Vendem- pee ds bramante de linha de
ama (alargara com 27 vara a 109 a pca, tam-
bem se vendo 1(1 peca com 13 1 \2 vara por 59 ;
a raa da lmperatriz n. 60, loja do pavo.
Carnauba
Vsndo-aa a maia saperior cara da carnaaba qaa
ha no marcado ; na ra da lmperatriz n. 60, loja
do pavo.
Cambraias lisas a 3$
Vandem-ae pecas da cambraia lisa maito fina
com 8 1 \2 vara a 39 a pega : na raa da Impar-
trix d. 60, loja de pavo.____________________
Chales baratos.
Vendem-ss chales ds marin ds coro ando
maito grande a 39 : na raa da lmperatriz n. 60,
loja do pavo.
Fugio do enfjcnlio Per eir cfa
fregovzia de Jiboalao no dia 12 rio our-
rectC-i,1D cscravo de nome Paulo, re-
presenta -S-nirn^pQi1^0 mais ou "'-
nos, baixo, cheio do corpP' preto, lup
pOc-se ter ido pata esta cit*(e : **w *?
o aprehender leveoao engenlio ..i-
ra ou nesta praca ao Sr. Francisco Te-
reir dos Keis, que generosamente re-
compensara': na ra das Cinco I" o;tus
n.72.
AttencS
Acha-sa fagidodesde 5 do correle o ecra pardo de nomo Leoncio, de idada de 1Csbb>s(
levos vestido camiss de ilgodo braiiro. .alija
de brim dasbotado e chapeo de palba '< car-
nauba, o signsl mais vislvel ter em u a ita
pernaedua cicatrizo proveniente* da fs, di
ha poseo es preso nos Afogados e rrc birle
cadeia a ordem do subdelegado de S. J> > t-o
dia cima tornea a auieoiar-ae, foi vialo ne do-
mingo 7 ns Passsgam da Magdalena ; <.- por tanto as aotoridide policiae e maia .
que delle tiveram conhecicoento ou DulHta o
aprehandam ao levem a sea senbor r .-m
matriz ds Boa-Vista n.ll, que se reeon pvDast.
PaietoU a G$.
Vendam-ao palstota ds panno preto fino o cor
de caf a 69: na raa da lmperatriz n. 60, loja do
pavo. _________________ ______^______
Chitas escuras a 240.
Vndm- chitas franesza secara S40 o co-
rado : na raa da lmparatria n. 60, loja do pavio.
rotee*
a qaam pegar o pardo Franciaeo, da 1?
da idade, de bonit ligara, com todo na sontas,
cabello crpinhoa s raivo, este psrdo ><>) o
Sr. Dr. Borgesda Fonaeca, o qual viajo ees
mesmo asnhor todo o serlo s suburb'. iwta
provincia, nacasssrismanto qaando era
rravo, a tslvez aindt se incalqas a aerites !*s
mesmo : quam o pegar qaaira antreg''. u- a t*t
legitimo dono na ras do Hospicio d 6,
Ignacio Lois da Brito T#;Cfrat.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO I MUTILADO IILEGVEL
SaaaBBSB
aSri


M aaal

Ueratura
Os clrigos que renunciam as ordcns
saerns podcm casar ?
(Concluaan).
As for5ai de S. M. c, (jh.na, assim como as
Jo imperador do. fraocezes, tem llimaaente si-
do orapregadae aro cooperar com ai do impera-
'ice .1* CMoa. em protege' alguns dos .rlncipses
esotros do corrmercio britannico na China contra
os malos da guerra civil, que asiolam e arruinara
ngaoi poatos 'aqeelle fasto imperio.
a S. M. deu-nos tambem ordem para vos in-
formar qae conctuiu um fetado de commercio
COB el-rei dos Belgas, pelo qual o commercio dos
Mobl.los de S. M. na Blgica ser em geral col-
locado no p da nago mala favorecida.
c Seobores da cmara dos eommun.
s Ordenou S. M. que vos transmit issemos os
US vivoa agrideciraeotos pelos aubsidios liberaes
que haveia concedido durante o presente anco ;
eS. M. ?g-adece-voa haverdea egualmenle to-
nal.- qs idas para collocar as dockas e os arse-
nin de S. M. em um estaao parmanente de de-
lesa
* V'ii >rds e senhores.
WARIOMf HHAM1DCO. SEXTAlrBlRA lt DI SETIM8RO D ltft.
.( Recebemos ordem do S. M. para vos exprs
ear a aduitrego com que vu o zelo iofitlgavel e
0 eapHt1) palriolico que contiena a animar as
r.jjs '-rejal voluntarias, assira cornos efllcaz sd-
cotla cuitar qae tem ajquirido.
S. M. ni tjucomaatiifago as relacoes de cor-
diaidide que tem exist lo eolrs os Bobillos de
S. M. e es numerosos estrangeiros atirahi los este
ni i-i so r.-ino Unido, o S. M. cooiia que a troco
13 cortesas mutuas, fortalecer as bases de
auiiaada o boa disposico ioternscionaes.
< S. M. apressou-ses dar o seu cooseotimanto
n u o acto que lcha por fim assegurar a execu-
1 'O la iraiado que S. M. concluiu com o presi-
' t la dos Estados-Uaidos para a suppresso do
" c de escravos, e S. M. espera que a coope-
.' marinha dos Estados Unidos, com a da
i a brilanotca conseguirao destruir o trsficoJ
rriv contra o qual so diriga aquelle trat/'do.
c Podis assegurar qae da rainha de Hespanha
depende o ter sempre em mim um alliado sincero
e couservar ao povo hespaohol um amigo leal
que deseja a aua prosperidade a su. graadtia .
( Jornal do Commereio de Lisbda 1
A viagfm da fragata austracaNova-
rae soas relacoes com Brasil,
traduzido doUemo de Jos llor-
myr, capilo ao servico do Brasil
de 1851 1855, por Theodoro
Ochsz, eagenheiro.
(Concluio.J
eido S?. h" prieir" desenvolvimeoto taoha
erro. TuVmot'O ? Pdo s vexes de
M nalirir'f0 re,BUo P"*08 olonosdese
d 0;'4r" fs;o*f*; o que alias se acha pro-
relata a? Ul' "Tg0 deile opsculo, e pelo
tambm rTT'fV C0Dfe<"?< helvtica.
fur.i.*,?01 m'Vl0 '/. emboratenb. sido
22 ertamiRd..f a doua annos.-pela epi-
sidoiseot, de caprichos meoidas erradas, dir
relatiTamentafayoravail* aoa colonos. que ali con
tiQuam. como const, cartaa partid,rea e de
clar.?et officiaea do iroprioa coloooa.
Bem que errse rr idas mal entendidas/li-
jara de amos os adi ^alunssaeviflcios peryoios;
o que se poderi. tir t, de circumspecgao ; f der-s-na por ssr t IBSten-
lar, que ss valles de.Misaisippi e de o' a,ros e a|
IS i -i Ana.. J n ~w._-i. n. I* A / ti- *
nlr.lia nao
la maior
a um numera que completamente deiapparec
em comparagao com o dos colonos qae traba-
jara nos seui proprios terreos. Finalmente
! '"*e<1 colonos, que recebem sea pa.se-
gara adtaotada, obrigaodo-se a paga-la et trar-
DJlho. nao axial* entre os emigrantes slleml*. e
parece qae Disto ha equivoco, por qae o systema
aeipareeria principalmente fundado ein tal adan-
tamei.to.
A" yuta de tio graDde ignorancia/ da parte do
br relator, relativamente as cirro Rancias, da
colonia?ao braslleira, nao de a 'rarquen-
aem modo complefmente er-
s vastos deco-
itaram o Uu-
Seberzer, qua a
e que sempre corre-
S. M. espera ardentemenla que aa m/ediJas
im lomado pira tornar mais eQ-''-az o au
isaio pelo parlamento a yor da ex-
cajao entro as elasse menos aba3-
. --I.4II' i/ "ao par favorecer
a nacional.
-ariamot-) o seu asseoli-
raadilas de utilidade publi-
jbmettido nesla sosso.
ascez que reina n'alguns dos nos.
mauufactureiros tem causado a S.
funda tristeza e urna intima syropa-
.a de admiragrio pela altitude dignt e pe-
^"a exomplar com que s* tem passado
,es soilrimentos. S. M. conQa em que a lei que
--itt.1 eosconselhosdosguardas doa pobres, a
'ui;Sodossoccorros supplementares hade
aaavisar esta esetscez.
r KM que facilita a Iransfereneia de Ierras,
augmentar o valor da propriedade, tornar os ti-
ltiles oais simples e mais segaros e ha de dimi-
nuir ss depezas, qae resaltan das compras e das
I 19,
r A le que orgnisi a reparticao dos imposlos
'5 pj-ochiss andera para distribuir cora mala
uallada es laxas locaes, e S. M. confia igual-
te em que a lei sobre a melhor admiuistra-
C8o das estradas, ha da melborar os meios de
ommeolcaQSo eos numerosos pontos do paiz.
" "s na Irlanda pruver de remedio aos in-
;oaveoieatesque tSo seriamente tem experimen-
. e qe tanlo africtava as tnoaac^oes com-
rciaes naquella parte do Reino Unido ; e o
; ie emenda a lei relativa aos pobres, es-
tea :*t al aa classes menos abastadas dos subdi-
tos de S. M. na Irlanda, melhores meios de obter
C : >rroj, e eaxtlio medico.
c A lei para o meihor raguiamento da navega-
srcante, corfla S. M. que ha de ser vanta-
io commercio msrilimo do paiz.
I\gresaando sos diversos paizes, tereis ain-
.i i.parlantes disimos a cumprir e S M. pede
rvor que as hendaos de Deus todo poderoio
' anhem os vossos estorbos, e oa encamiohem
ao cbject) da constante sollicitode de S. M. o
estar e a fortuna dos soas povos .
O embsixador da Hespanha em Paris, o mar-
, lez de i.a Ilavana, dirigiu no acto da sua apre-
seotigao o saguiulo dircurso ao imperador apo-
I
>^nhor.
Tenbo a honra de entregar a V. M. I. agere-
deoeiaa que me acreditam como embiixador ex-
traordioario e pleuipoleaciario da rainha de lies-
psoba.
CouQmdo me esla nisso, a rainha eocarre-
gou-me de certificar a V. 51. os seotimeotos de
Mrr-ra afTeicaoe desympalhta, que a Darao fran
:a 'he inspira. Eites sentimentosso partilha-
>'!S pelo pove hespanbol, que sabe apreciar,
bett como a aua soberana, o inUresse que V. M.
i c ,.r.vo francez lem testemanhado, em maitaa
occasiOes, pela gloria e proaperidade da Hespa-
nha.
A raiulia, minha augusta senhora, cujo vivo
daiejo conservar eutre a Hespanha o Fratra
e5ss lelaQes de conflanca reciproca, /er sem-
pre feliz de ver eslreiftr oFlagos que devem unir
os dous povos. f
u.uai amblgo consiste em chegr a me-
recer, pelo meuzelo, o pola minha aollicitude no
camprimenlo desia alta miiso, a benevolencia
e estima de V. M.
? Interprete da minha soberana, paQo-vos, se-
nhor, para aceitar, neata occasio, os votos qae
ella forma pela felicitado de V. M. da imperatriz
do principe imperial, e pela prosperidada da
Fr-nga .
Em seguida o imperador responden oos se-
guinles termos :
< Senhor embalxador.
Desde a minha elevaco ao throno sabis que
ainda oo desperdicei occasio aiguma de mani-
festar a rainha de Hespanha ama vivasympatbia
a;sim como ama prsfaodaealima a rueo hespa-
nbola. Foi pois egual a minha affliego a minha
surpresa quando tivecoobecimento da divergen-
cia de opioies entre os nossos governos.
' No ntanlo, a esco'ha feila por S. M. a rai-
nha de uma pessos to coohecida pela laaldade
enobreza dos seus sentimentos, faz-me esperar
m juito imnarcial dos successos que sobre viera m
e em mim encontrareis o acothimeoto de que
sois oigno.
Sei.comelleito, qae esUeaanimado para com
a Franca dos mesmos seotimeaios qae o vosso
anteceeaaor, o qoal deixa entre nos aa melhore,
ietonines, e nao duvideis que aprecio as in-
lentoea conciliadoras qae vos obrlgaram a acei-
tar uma aissis em circumstsncias tio delicadas.
minas de ouro da California e da
tenham soffndo miseria inflniti
apreseiilando cemiterios muito
lonos allemes, como jamis a
cury ou o Rio Doca?\
Acreditir deveras
emigrago sousa la
r o piolar?
O qae querem diie ascatastropheaera D. Fran-
cisca em 1831. e no 'Jucury em 1839, comparat -
ramela aquellas rr^ilharaa de victimas, cujosoi-
sis alvejam em G/alveaton, e New-Orleans. no
alle do Mi comparaco co/m esses milhares de iofelites arre-
messalos pel/a fnme aos bordis e casas de cor-
recfo deJKw-Yoik, Billimore e Philadelphi.
Siostiey'nos o Sr doutor em toda a exteoao dos
Lslid^S-Uniios uma nica empreza da colonlsa
camj, como as de S. Leopoldo, Santa Cruz, Santa
lT 't M UDjaJ per colonos sam meios. o
,/ue tenham chegsdo a am tal poolo do progres-
so .m lao pouco lempo. Qje nos mostr naquello
paiz uma nica colonia, por caja proaperidade a
geoia aa urra, 0 meamo o goveroo tivosie to-
mado pail) directa ou velo menos adjutoria.
A<> PMo qoa alH lo los rendem bomenagem
ao ajuda-t, a ti mesmo.para nao obedecer ao
preceuo do amor proprio ; o povo do Brasil tem
lomado cudalo dos pobres da Europa, como nun-
ca povo algum no lempos modernos on remotos.
e^etiremos pois que: quaesquer que aejam
os erro e faltas com.ne'tilas na queslo da co-
lonisafaodo Brasil at hoje ; o result.ao em seus
poucos aooos tem aidu. na.) sonante favoravel
msale b.-ilhante ; e o obiervador impiraial
contciencioso car ica^lavelmente firme nest
coavu-gao: que paiz nsnhum assegura ao colono
urna prospendaJe to segura, povo algum um
a polo lao grande, como o brasileiro.
ISot mais o Sr. relator o numero excapciooal-
menl* pequeo deallemes, que emigrara para o
urasii. e ja como causa dease phenomeno, de
tacto, lio estranho as proclamagoes admoe*ta-
dores jue puitim com as cores mais negrat ao
povo disposto a emigrar, a eoite que oas cir-
cumstinelis ectaaes o espera no Brasil.
Tambem nisso o Sr. relator eii ecginado ;
chama-si simplesmente ignorancia ignorancia
\u exemP'da raode massa de populagio na
Aiiem.oha de tjdo, que diz respeito ao Brasil;
ignoraucia qae diegj ao ponto, de ss vezes. entre
a ciosse dos lavraduret. itto aquella que mais
convichi ao Brasil, ser esta palacra descooheci-
aa. Lomo entao Ibes poder vir a idea, de emi-
grar para ura paiz, cuja existencia apenas co-
rihecem, e de cujas vantageos p.ra os colonos
aosoiulamecte nada sabem ; entretanto que por
oulro lado os agentes di America do No.tieas
carias de seus amigos e prenles l elabelecidos,
s incilam o desejo de .mi naquellaa partas mesmo da Allemaoha em que o
Brasil, a as vacligens que off^rece, sao mai* co-
D Decid aa. como acontece em algumas do Rhano e
do Holstein ; outro motivo ha, qae nos parece
mporlatile. o gaa contribue para trazar a emi-
gracao para o Brasil.
Fallamos da maislonga e mais dispendiosa via-
gem de mar.
Nada se pode oppdr contra a exsctidao desta
nossa assergao. embota o excesao das despez^s
seja odemnisado pelo governo aoa colonos em-
barcados em navios da Associago Canlral da Co-
looisagao.
Nos Estados-Unidos, pelo contraro, ss despo-
sas vordadeiras comegam depois da viagem do
mar.
As cidades marilimas acham-se repletia de
enle procurando trabalho ; oa terrenos naa pro-
vincias de Leste tem alcaogado um pre^o enor-
me ; qaem pon.ni.> tenciona eatabelecar-se com
o capitil geralmente muito moled) de emigran-
te, obrigado a fazer tioda ceoteoas de laguat
oor canaes, rios ou carainhos de ferro, para o
oeste, onde someole achs terrenos por pregos
pronorclonaes aos seas meios.
No Brasil, pelo contrario, o colono, uma vez
desembircado n'um dos seus portos, nao precisa
mais cuidar da sua viagem por trra, pola dlsso
enerrega-se o governo, ou contratante, qua o
maodou vir.
Desle modo as despezst de viagem para o co-
lono qae se estabelece no Brasil tornam-sa mui-
to meoores. Nao saber se nada disto, ama das
pnneipaes causas, para que a emi(?rjgao para o
Brasil nao tenha o desenvolvimiento que devja
ler. Outri causa deve-se procarar em algamas
medidos erradas da parte daa autordales anear-
regadas de promover a coloniaago ; nao est*
porm o lugar para trat.r dessa averiguarlo
As proclamagoes admoestadoras fizeram, at
hoje ao Brasil, e aos colonos, mais bem do oue
mal.
Fizeram bem aos colonos, porque porsuasins-
tigaces imprimiram na le.islaco sobre coloni-
aago ura movimento mais aitivo, obrigando ss
vezea por algumna forreadas do vespas maliciosas
ao parelhairochamado progressoa dar >lguns
pulos para adiarle ; nao porm porque este toa-
se o seu m; pelo contrario, aa vespas moriera,
porque assim o exige a sua natureza ; para lira-
rem alimenlo das voias do pareiheiro, e nao pa-
ra accelerar o progresso-.
Ko BmAlj por"m fizeram bem, porque com seu
colorido, la Salvator Risa, impe-iiram a
emigragao daquella classe menos propria e at
ruiooia colonisagao; aquellos aventureiros,
aqaellea lilhos-familia prdigos, aquellos enRe-
nhos mil su'Cedidos, que tomando o mundo por
ama ostra, julgam poder abrl-la com suaa arti-
manhas, finalmente aquelles profaasores e ho-
rnees aem pratica. aquellas reformadores do
mundo, tic, etc., etc.
O Brasil carece em primeiro legar da br.Qos'Kfsu'ea era qualq^er'^Ya^poTlos onde ficam e-
aceiradoa pelo trabalho, o de geota acoilumaJa itiegaes a ai meamos.
ao servigo da lavoura ; porm ainda mala prove-1 c Os espantosos mysterios que alli se do a
tosa seria para elle a verdadeira istelligeocia, e m.r parle das vezes sao cobertos com am denso
relativamente grandes capities ; para tado o mais o oinguem falla das milhares de victimas
soexcepcionalmerite, o Brasil um terreno a- *
voravel. A verdadeira intelligeocia porm, tio
pouco como o lavrador deixam-se eogodar por
aquellas proclamagoes; por que aquella entrevi
os seus flus, e esu nao a comprehande.
ralo osysteaa de parearla.
Os coloaos por parceria por modo^algam ficam
emi continua dependencia dos se/as credores.
Ja no teraoo da viaita dos n^embros da expe-
dlgao Novara no Rio, aiguras das familias dea-
tea colonos tioham pago ave suas dividas e desta
molo recupe ado sua p'.ena llberdsde.
Nai inatruegea de-18 de novembro de 1858
teo, doaa annosa-ntes da publicago do relato
" da pedigao. o governo imperi! do Brasil li-
ona ordenado, que somanta para cinco sonse
?nncia fxeedJ:nao "le lPSo|le tempo, aa podiam
concluir coytratoa da parecera. v<""""
1'IIT0' difinigao. porm. das condiges do
colon* por parceria o Sr. doutor poden ter lido
ticetlenta relatorio do embaixador extraor-
rig da> Salan, no Rio, S-. da Tachuli, por
dirigido ao conselho da coofsderacao aaissa
lia 6 deoutubro de 1860. e que em beneficio
duiii': 6 """ ,eclarios "o repro-
Efltre o faz'ndeiro e o colono exitem dua
aend\S :.PB,,I7' d99t,' paradevedor,
eegaods, a de codo para aocio.l
alatamSu?"8. COl0,n0 p,goe a d"idl "b-
sislem smente as relagoes Intersociaes.
mH, ,az1endelr'Z o colono os adiantamentos
o?..lT Vi,,, : d"!hM d",nl9 Cert0 te,D-
m !!*?* mori'- terra de P,8nt. psatagaoa.
L~1*P*U d0 etUz>{ Para iblhar, e repartir,
com elle f.zendeiro o producto liqaido.
'," colono de sua parte paga ao fweuieiro.
porem em trabalho, oa juroa do dinheiro adianla-
.'fi""""mantos reebidos. morads, etc. ; e
i ? Be-lbes em reaultado a metade da colhei-
ta do caf.
ranina" p,rlei obri?m-se para isso por
contratoa, os quaes. porm, ao muito elsticos e
em alanos pomos at ambiguos.
Como qualquer credor, assim tambem o a-
?.r irK afS "ber o adiantado, portento
xige trabalho do colono.
Eite trabalho coostste.em colher o caf ma-
uuro o que se faz ordinariamente de janho at
setembro, nos outros oito mezs o colono tem a
tW conse"ar cafezsl 1Tre de planlaa
^Pe"! Periodo he o tempo da semaacao e
colheit dos mantimentos ; qua elle pode culti-
var por sua conta.
Destes mantimentos podo vender o que nao
precisa para seu consumo.
< Pelos contratos, o faxendalro tem o direilo
aa extirpara ai a matado do lucro.
leso, porm, nao se pratica aetaalmenta,
cooiorme as mformsges que tenho. em nenhuma
das lazendas; porm, dlz-se. queem lempos an-
teriores algamas vezes assim se proeedeu oa fa-
zend de Ibicaba.
Depende da livre e plena vootade do colono
rao servigo. quando quizer, deixa-lo, quando
uZ53S P' D5 h" G"ali5ao da. hora.
. E'. porm, de sau proprio interesae, prin-
cipalmente no tempo da colheita, trabalhar com
o amor empeoho possivel.
Sei Iba vem a idea, mormente depois da co-
leita do caf, sellar seu cavallo (talvez mais da
metade dos colonos tem seas cavallosde monta-
na) e dar um pass9io de alguns das, ninguem
ib o prohibe.
Na Europa qualquer rela;ao de criado para
cora seu amo. nao faltando j dos das de traba-
lho obngatono dos pobres operarlos das fabricas,
parece muito mais escravido, do que a posi-
cao do colono par pareara na provincia de S.
T.lvez queiram me replicar, que o colono
pelaa dividas contrahidas chega a uma condir.ao
semelhante a de escravos.
Esta objaego nao procedente.
t O colono de qualquer colonia munido de uma
carta de licanga do f.zendeiro, pode ausentar-se
por oitoe mais dias, para protarar outro patro.
\*"l??"M e,le a Pa8r so primeiro as dividas
coutrahidas pelo colono.
n/LE!*7#,fsde que 8em P*8ar essaa divi* nao
poae abandonar sea primeiro amo.
Um criado na Europa que por icm. anha
recabuo de sea amo adi.ntamentoc, tambem p-
oe rescindir o sea contrato comente qatndo o
adiaotameoto for restitu lo ou vencido pelo seu
servigo.
Colonos morigerados e trabalhadorea pagara
annualmenie uma qaota das suas divida, se nao
ae da cootralempoa ex aia ; porm colonos preguigosos em lagar de
diaiiiuir augmentara aa auss dividas.
Estes ltimos naturalmente nao achata com
lana faciltdade outro fazeodeiro, econatitaeui-se
para com os amos da quem ao devedores um
prejuizo ; porque estes nao tem roo meio cor-
rectivo algum para fazs-los trabalhar e pagarem
as dividas.
a Coobego colonos pregaigosos e fracos, oa
quaes provavelmeote nunca poderam pagar o
qae devem, nem mesmo os juros da divida
porm estes oo se qaaixam, e at vivera satis-
f al IOS.
O raciocinio delles aimplesraente o se-
guint*.
< Tenho morada, bastante que comer ; dos
asaoltmentoa que vendo me sobra para veatilo
necessario e uma pinga, e com ludo iato oo pro
ciao atormentar me.
A divida nio me d cuidado, no caso de eu
morrer, meu amo perder o seu diobeiro.
Darante a mioha inapecgo daa colonias in-
veati;uei cooscienciosameole ludo, que podesse
motivar o ltalo de escravido doc colonos, ede-
vo coofessar seguindo nisso a maia stricta ver-
dade, qua nao achei um s motivo para dar-
se esse nomes relagoes do colono com o azao-
deiro.
Existe uma ou outra familia muilo inlivi-
daoa por caso de morte, doengaa, faga dos coin-
teressanos, ama serie de ms colbeilas de caf
pregos baixos deale genero, ate, e qae nao obs-
tante, trabalharem quaoto podera pare pagarem
aa dividas, nao podem chegar a este ponto, en-
tretanto tambem a estes nunca se poder chamar
escravos.
Quando o pobre aforador irlanlex nao pode
pagar oque deve, enlio executado al a ulti-
ma carniza, laogado na miseria, expostos lome
o ao Trio.
O colono muito iodividado no Brasil tem
sempre ainda sua morada, seus maotimantoa
aua roupa, e a preciaa por na balaoga contra"
suaa dividas, o seu trabalho.
Creio, que meamo oestas circumstmeiss o po-
bre colono no Brasil sempre se acba melhor do
que oa sua patria, onde com excesslvo trabalho
muttts vezes nao pddc ganharo pao diaria, ape-
nas a leona oecessaria para guardar se dos rino-
res do invern.
Nos Estados-Uoidos desembarcam-se os emi-
3g&ms^1g^2&.............
a exoreaaao de estrangairos residentes no Rio, a
longos annos. oo dimioaia com o tempo, pelo,
contrario mais e mais vivo fazia nascer o dsejo. I
o mais breve possivel de
.-------, ^. viivausiauKiauaminie se qua
oiormara este respeito ; e com tanto m o raamos, quaoto que aa ideas oetles enjillidas
se combinara complaiameote com as notan.
ni.V^n rfUmDPOr^Q.1 coof,,,ar. que sobre a col- I de despelir-se
ffi iJ Br',,ll tem Peareciloirabslhos emit- praiaa
lindo ideas as maia opposta, fallando pro o con-
irai; quaes aarao porlanto as ideo do Sr. Dr.
Scnerzer que combinam com todos estes pros e
conirfls t
Tal nao devia acontecer a um Penny-a Liner
e anda menos ao aulordo relatorio de uma via-
gem scienlifica.
Alera disso recaamos que o 9k Dr. Scherzer
nao lenba lido algum destes a excellentea tra-
Dain->s o e a isso voltaremos.
Pelo expoato nao se pJe extranhar, que um
oomem tao tgooraota daa coodigoes brasileiras,
glorifique o ex-consul eral brasileiro em Berlim,
o ST.I. D.Sturz; sendo que Sturz na melhor
nypothese nao mais do qae servidor lofiel
nbolsava traoqulllamente o aau salari
Como priocipal mosivo deste estado desagra-
daveldelle a falta da verdadeira commuoi-
earta acientifica, qae deballe ss procura em
geral no povo brasileiro.
(Qial o povo do mundo smqaa o Sr. Dr.
ae achou?) '
ie iragmeoto por na criticado.
a0 Sf" iel'}or' t>0'm- melhor lsr' procedido
em vez de dascrever nma viag.m ecieotifle,-.'
a feuihe.on, temsssa conselho em boo. Sol-
os Como enteoderam de um modo muilo dlffL.
Bra.i.a wa ''". lu-Oila escreveram sobre o
iEdd.reVuX,re'Qaa "*** S' "K
no!aoa n.J?.m0'" ?"' e"e trab*Ih orado feriu os
ZSSJT*"*" 0i ma, ,,gr,doa pr d
S"X?lM! C0, da l0r!a de D0 P'-
um. ItZV- ?mr df "PO'l" os resultados de
uma exaedigao. faxia com tanto apparat) ao es-
camen das n.goes eslr.ngeiras }'de oUo iJS
Fallando'mais da grao le mistura do ragas,! Verm^\'r""^"^1'" a oulro lado
(peior do que no Oriente) da escravido, diz : que ,,_*,m! ?r,s"' D0,sa punla patria,
lora tT.ai.m .ni,. k...;i,: das'nagoes, desapreciado, ca-
de novo, a isso por'uma
embora existan entre os braaileiros e italianos lumnlado
e rebsixsdo
sucumbidas fome e a (Disuria.
Ellea acham-sa n'um paiz em que domina o
nfao.
Ajuda-te a ti mesmo. que Deus te ajudar.
nao partem reclamarles, porque cada
o V coiuproiiBuut". i m ug h uiu pariera rectaraagoes, porqu cada
Se bem o entendemos, o Sr. Dr. Schet2er acha um sabe, qae o governo nao Ibe pagar aa di-
a causa de mu xito em todas as emprexaa da vidas.
coloniaago do Brasil ero o colono nao poder cu I- No Brasil porem, para cuja infelicidade ain-
tivar o seu proprto terreno, continuando sempre da existe a eacravioo, os colonosaa vexes ore"
a trabalhar por conta de outros; como acoot.ee judicados por contractos levianamente fritos
nomalfadado syst-ma de parceria, ou naquelles aproveitam-se vidamente da palavra escravido
caaos, em que se adiaotam a pasaagem da Euro- para repeli-la mil vezea para a patria onde acha
pa, obrigaodo-ae este a pagar este adiantamento m echo favoravel.
com aeu trabalho. Se a meamiaaima geote com oa meamisaimoa
Ora, pelo amor de Deas, Sr. doutor, isto mais contractos e as mesmaa circumslancias estivas
do que at hoje temos lido sobra a coloniaago ae em Port Natal, nova Hollando ou Ctlifnrni*
do Braall; at ahi nem Kerat nem Sturz & C, de certo ninguem ae lambraa de dizer aua
chegaram em cuas assergoeal desfalece na escravido. '4
Entre os emigrantes allemes do Brasil, em- f Finalmente protestamos centra a descoberta
pregando-sena agricultura, o numero aproxi- do Dr. Scherz-r. que os lavadoras brasiUirna
roado de 30,000 almas as provincias do Rio (paginas 156 a 151) entreguen m9t.de da aua
Grande do Sel e Santa Calharina; tio estsle urna colheita ao fazeodeiro, fleando a outra metade
nica familia, que nao possua o sea Urreno co- como recompeaaa de seu trabalho. O Sr rea
mo proprtedade livre de toaos oa oous.e alsem tor portento at oo conhace o seotido ds'oala
pagar ara eeittl de imposta ao Estado. vra parceira. qae juatameote significa a partllha"
A mor parte desta gente recebeu o seu terreno dos prodactoa. por coosegainie o parceiro
como doagao da provincia, do Est.do, ou por aquelle, que entra em rateio egual dos productos
compras legalmentefeitaa a particulares. como senhor do terreno. Lavrsdor porm cha-
Os colonos allemes, que trebalham por par- ma-ae no Brasil o pequeo, mas livre posioiro
seria.a qae especialmente se refere o Dr. Schar- para datinego do fazeodeiro ou estaocieiro '
xernunca em tempo algum chegaram no Bra- O lavrador brasileiro forma portioto uma'das-
sil ateo numero de 1,500 cabecaa e provavol- ae completamente livre e iadependente ; a exia-
menteaesta horatsteja reduiido a 00, iito tencla de uma classe de poro semelhante aos
com uma mao; e diriga com a outra, durante
annos inteiros, coberto com a mascara do ano-
nymo, os alfaques mais amargos e calumniosos
contra o povo e o governo do Brasil.
Gumpre-no* tambara rectificar o engao doSr.
referente: sustentando elle pagina 153. que nao
ae devia eaperar vaotagam alguma da civisago
aoa indios para remediar a agricultura do paiz.
laso meaos verlade; justamente as daaa
mais importantes tribua; Gusraoys e Topij co-
.nhecidos pelos primeiros descobnlores a con-
quistadores do paiz, tem se mostrado na ao-
mentasuseeptiveis de serem civisados, roas at
j entraram mais oa menos no circalo da civili-
sago.
No oaste do imperio, no Rio Grande do Sul
Paraa, S. Paulo, G .yaz, Mallo Grosso, e Ama'
zonas eneonlram-ae indina aldeados, as vezes
formando a mor parte da populago do interior
e misturados com os braneos.
A populago iodigena aldeala do Brasil, sem
grande engao, pode avaliar-se em 300 mil cabe-
gas ; o indio e bom soldado, muito bem visto em
qualquer regiment; e maito procurado na ma-
rinha.
O brasileiro em cujas veas corra saogue ind-
gena, ae ensoberbece disso e algamas das ma-
Ihorea familias do paiz gabam-se da sua origem.
Na ofHcialidade, no clero, nos advogalos, no
Plsainto. eratod|a parle sao encontrados ; e
o Dr. Scberier, que sem duvida lera ouvido fal-
lar das missoes dos jesutas na America do Sul.
oega-lhes a capacitado de contribair para o pro-
gresso da cultura do paiz.
Se elle tivease limitado a sua opinio aoa bu-
gres, s tribas selvageos, aos povos esgadore
das cordilheiras da coala do sal, eolio potis-se
eomaart'lhar da aua opioio, porem ali, como
em toda a parle, muito genrico, provar isso,
a nnssa tarefa.
Tarabam a respailo da experiencia mais mo-
derna da importacao das coolies, pagina 153,
moara-se to mal informado como da pnmeira.
Esta experiencia tambem se fez am pequea
escala e naufragou principalmente na repugnan-
cia dos fazeodeiros, em acceitar o servigo desta
raga ionuoda e viciosa.
Empregaram-se cates 3-400 individuos em
calgamenlo das ruaaetc.
Porem nao pereceram, como sustet.u o Dr
Scherzer, por causa do clima oa pela rudez do
trablho; mas aim quasi toioa pagaram as des-
pezas feitu cora elles pela sua passagem. e es-
tsbaleceram-se no paiz, pela mor paite como
naeociantes.
Mais adiante eahia o Sr. relat ir n'um grande
erro, querendo faxer distinego entre a opinio
do povo brasileiro e a do governo
O governo do Brasil justamente o producto
do accordo da opinio publica com a maioria dos
representantes do povo.
Faltando um destes factorea, o governo nao
se pode sustentar, e sempre lhe fallar, um ou
smboa, quando nao tenha a mesnoa opinio.
O Braail um daquellea paizes coostitucioosl-
mente mais adianbdns, onde o poder legislativo
muitas vezes se esteode ao executivo, e onde a
corda smente tem a prerogaliva de entrar como
conciliador dos partidos.
Suppr. porem, que o omnipotente parlamen-
to eateja eujeilo loQuenos de uma casta. 6 um
absario; eonsilerando-se. quaoto duvilosa a
maioria das assemblas, onda eslo represents-
das todas as cluses inlelligentes; considerndo-
se mais o modo da eleigo e a circunstancia
que quasi sempre o daputado geral deve nabar
os seus primeiros ttulos oas assemblas provin-
Ciaes; aabendo-se floalmenta, que justamente o
senado, brangendo o elemento mais maduro do
parlamento, principalmente composto dos ve-
teranos da classe doa militares, advogados, e d
magistratura. Lembraodo-se mais. qua aa as-
semblas provinciaes, a assembls eral, o se-
nado, e_o conselho do estado, secorapoade per-
lo de 11,500 cabegas, isto a maior sarama de
oam^IX* iotelligencia, que um estado de
0,000,000 de habitantes livres precisa para sua
rapresentago ; ento dever ficar claro, que as
idss do goveroo, sendo postas em pratics, ao
tambara as da maioria a"a intelligencia de todo o
paiz.
Muito particularmente se harmonisam as ideas
sobre a colonisagao, tendn ellas affrontado du-
rante um dacannio 6 mulengas de gbioeles e
sido observadase estimadas egualmante da todos
os parli ios chvgados ao poder, embora as vezes
e movtrsssem impraticaveis.
Ser eata occasio da observar, que o bom
axlto da colonisagao do Brasil depende nica-
mente da compenetrago das ideas verdadeiras e
de pdr-se era pretics me lilas salulires, o que
simplesmente uma questo de dinheiro e
tem oo.
Todas as proelamecea sdmoestadoraa. todas
as aolipAthiaa de ministros prasaianos to pouco
poderam ento por diques ao augmento da colo-
oisico allams para o Brasil, como aots, as
medidas menticulosas dos governos da Allema-
oha nocooegairam domar a furia da emtgrago
para os Estsdoa-oidns.
Ums correnteza como esta arranca brincando
taea obalscalos.
E' verdade qua a qaesto deva ser tratida de
oulro modo e disso anda nao perdemos a espe-
ranga.
Na pagina 151 o Dr. Scherzer critica o receio
e a deacoofianga dos brasiletroa para com os
estrangeros.
Sa taes seotimentos de facto sxialisaem no
Brasil, seria isso maia uma prova do como to
pro aniameota sa acham enraizadas no corago
do hornera taea antiothias.
Jsmais o Dr. Scherzer melhor poderia fazer
eata observago, do que oa sua propria palria,
onde o odio das ragas est na ordem do dia, e
onde justamente agora os allemes ao o paga
as fsvs das outras nagoes ; at do paiz moielo
da emtgrago, do paiz oo principio g-s-hoad, e
em data maito recenta chegam-nos do Missouri
e outras partes, lamentos mu significstivns so-
bre o estado de fanatismo em que se achsm as
nacionalidades, e que prometi chegar as viaa
de facto.
Este phenomeno encontramos em toda a parte,
onde o ealraogairo faz concurrencia com a gente
do paiz; podemos portento de bom grado con-
ceder, que o Braail nao esteja livre deste mal
hereditario da humanidade, porm nunca eate
antagooismo contra os allemes tomou no Brasil
um carater aot Os allemes ali existentes infelizmenta muitia
vezes exageraram a saa desconfianga proverbial,
e feriram assim os seotimentos dos brasileiros,
modo, que
exped.go de cajos me muros'i devia eaperar-
affJSABST ^^ a' -P"'Co o
Epersmo porm, sera arriscar a oosss ooi-
, mao, que a parle puramente seien ca do rla-
j torio da expedigo Nocara odemnsari os oec-
esdos comraeiMos naste fragmento da estalistt-
ca, e di verdide hi.-torica aobre os povos e pai-
Era todo o caso, porm, o Dr. Scherzer devia
ter-sa iembrsdo do dilo de Goethe.
Nem todos sao para tu lo.
(Da Correio Ofieial, de Coritibs.j
--------------- *.. v* uisjii'.II/J O llt.li.TMU3
multas analogias, aquelles sao muito inferiores s
estes em educegio social, (que comparago eolre
am povo de hootem e uma nago de umi cultu-
ra de mil annos 1) dii anda qae os braaileiros
nao team profundidade oos seus sentimenlis, e '
qae pareciam-lhes quasi inespazes de qualquer
actmdade perseveran!*.
A lodo isso juatava se o berulho dos nsgoes'
astrsngetras, espoliando o paiz e voltelo para
saas terrea.
A isso podemos smenta responder, que
muilo mais fscii da criticar a outros povos, suas
qaalidades e instituigoes, do qae estddsr as saas
especialidades e recoDliecer inparcialmeote as
suas virtudes.
Eila proposigo da critica parece o Dr. Scherzer LUZ (lp r;tm(< t> n A., 90 J ;..t
possuir em alto gru. i c c a $ (Jl! JUCli)
Nao chegou elle at negar ao brasileiro uma Je 1802. )
virtude. qae lhe recoohecida at hoje por lo loa :
o DSfc'9S a hosoitahdade? E'verdade qae i l
Rfeiffec Participa da arrogando de julgar pel Rio iflMm>"''.d,a,eco"dci taQl09 "". todo o Brasil. B V1U,U erem passado seculos em qae obliterado se tci
Ao qua diz respeito ao santimento desagrala- ho'iean^u'J^H01'^" S'or,ias Pass. vacos
ral. que loma o estraogeiro desembarcado no rio, 1 CZIk] "^ ffflC>0"s homana.
deyemos era nos.o nnme, e em noma de outroi ntT.Z im ura,bri mil. protestar contra tal assergao. *" qoe imejorlalisoii os fetos heroicos dosta
Jambem mais fcil de conceber que um ho- > "nw eVamero! ?a.V r* M,,r de W*
mam depois de uma vj.gem montona de m.zes nome porauez "" *" fama ce-Sr-aa^ a.
oteiroi por mar, eateja mais disposto ao axtasi' Tn,f. g
desagradavel. quando pisado novo terra firme. de um 8nda nO",,C0DtB da H."5" 'WtaeI
Leve-se mais em conta. que sendo o Rio ums J nacra!.!? P.? 6 ,cc"mbir3 rocordaa
das edades, cuja siluago um, da, mais bellas *SSi ffi3! ?" f""1"" Ual Pr=
do mundo; qae sas maravilhosa lora a veg.ta- I de noma n.?. hL r -' *"* 0' Um Potl-3"ez.
gao do. trpicos deve extasiar qualquer bornea si.da, C C4m93' 'as ^u-
.usceptivel aos encantos da natureza ; qua o Rio Er. J tmn a
sendo ums cidade cheia de vida, um doa malo- ... V.ii ?.P i Prova^rao, "* n5 ""
rea centros de commercio do mundo, a sede de i i,, .J ,f''"Ftl"' que aomo Pteguez
umaorle e o ponto central d, aristocracia. V. JJ*\""^??L" ^P* *' d"'a'ra-
intelligancia a dinheiro do paiz que o Rio con- Ikl.'.l nos e*'lue"'emo3 qae xorcoa
lando350.000 h.Mt.otoa. fSVJBZA^liTtX\^' *** ^"^ "^^
augmentar e ambellecer-a. ; que o Ro, posuio- i i' 'f ""''.
do ura theatro lyrico it.li.no e portuuez ; v,- I fJ2 Tz mm J9 Xm T,T SDlh's,asr,;c 5
nos theatros dramticos porlUKuezas. at um es- cuio ''' mlBtn0r,11 do .dss Lusiadisr,
f cantante francez ; que portante oTerecendo ao g.roo cvdoZ, l'^f'0 ml3 dI,l,DCto '"
amigo da natureza, ao amante do laxo, e ao eco- I Z r0tltZ,VPt" mo1er:'s-
oomico nacin.I. e ao d*scuidado> da vida d mil ..,ont'" 80S dot^ sP"'f"
' de um talento poderossimo as quaiidade: miis
*""".'?.melos de saliifazer seus desioos ; parece '
ditncilimagioar-sea razio porque de-e apodirar-
se do estrangairo ura sentiraento desagradavel
que oo lhe d descaogo senSo quando da l se
retira. Da certo modo'o Sr. Dr. Schorzer-lem ra-
zao. ent-nJando alie por t.ec estnugeiros a mor
parte dos commerciantes allemes no Rio.
O motivo porm. nao sa deve procurar no Rio
mas sim naquelles senhores.
Quasi to los sao solleiros, levara uma vida cor-
respondente a
.,__... ----- ,r"i "u coaira a osr
Z i .l.n.f ^**-** I mesquinhos e acannaioa
lam. AauqenciarlalaclaafTii.l-l_____ ..
nos nao Ibes faltsm. A ausencia de toda e quil-
quer vila familiar f.z-se-lhes t.nto maia sensi-
vel, qaanto no comego da residencia no Rio, oo
aprenlendo o idioma do paiz; acham-SS limita-
dos nicamente ao circulo dos seus collegas. Uma
vez que entraram nesle circulo, lomam os modos
a as H.sdelle.
Estas ideas porara ennsistem em gaolur quanto
antes o mais diohero possivel, para voltar para
Europa, e o tom dominante o mais fundo des-
prezo do Brasil e dos Brasileiros.
Taes crculos toroam-ae p.ra estrangeros,
quando nao possuem bastante juizo reflecti )o,
tanto mais decisivos na coraprehenso da vil.
brasileira, quanto uma resldent-ia de 10 ou 20 an-
ijoe no Brasil pode constituir para os reeemchs-
gaios urna autoridade respeitavel.
Ii." verd.de, que o eat-angeiro raras vezes se
a que pode aprender mai, do Brasil n'uraa
apreciaveu do corago e os principios das mais
sis virtudas ; somos obrigaios, po.- isse, cae s a
admirar o seu particular eogeuho de poeta, co-
mo timbera a encirecer e a respeilar c sou ele-
vado e nao volgar csracter.
Mis. se nos recordarmos que a adv.rr lari
nao provocada nem merecida o persegua duran
19 toda a su. vida, e qae elle soube lutar coa r'
aigoago e conatancia contra os rigores de des-
eotura ou contra a perve-sidale dos esp'.-itoi
- am breve reconhe:?re-
nos que lhe somos devedores de uma veuer.-ao
prxima quasi a um culto.
Alea de varios trabilhos em que o emioen'e
vate expressa com desafogo os rasgos da sua fin:
imaginagao, e do seu extraordiosno eog.oho a
saber, denou-nos era todas as ac.;6es da sua vi-
da a magem da graudeza a elev.ao de aoa al-
ma. Superior ao desconhecimento"da patria qua
servir e llu.trra, conservou constaniemeule o
mesmo amor por ella apezar da sua cruel ioera-
tido.
Admira-nos como elle se aoimou a levandr a
sua voz para engrandecer um paiz que pareca
querer votar a um perpetuo esquecimento tsnlo
o sau ment como as suaa vituides pessoaes I Maa
e oUvei, em todas as aituagea, efl lodos as vi-
ciss'Udes da aua vida, sempre conservou e '
eguald.da de animo, es.a alegra de corago. quo
'e a mais oronunciati fnioan .<.. .i___.,..'>
vi.gem dea mezes no interior, do que da convi- I a mais proounciadVfeVraTiiaa
venca d.qu.lles senhores, que. re.idindo 20 an- I C.mes. flor extremada toso.'ShJLSII''
ropoV.' vstz vpen" o< i?,orior de rpe- ii,vei9-ers -m ussays; ^zz:
d ?Seu rirein J! T c""? tu1 ",0 no '' Bi raD'Ie- 1 "" cabeodo no curto e.p.
ae seu circulo collegial. Se nao erramos maito,1 que lhe terminara a natarez. corra Iv
ft2" ,er "-! P.so.lraente a mor parl I nhos quas. deacoDhecWoJ por JertRos^.o"?.
da, opioioes exhibas pelo Dr. Seherzer sobre o I nos. at extremidade da Ierra M.. Lt! h"
Brasil e o, Brasileiro, na,ualle n.esmo eircilo, Ulti cor.gera o de, i.nt, dedic/raw',,^
cuja hospita.idada par. compatriota, nao poder xado da existir se um "ro. -T.vro a^V.s nt
Uve.se livrado de um vergoohoso e mmercUo
esqueeimeoto. Livro caraclensado pelos seoti-
meotos que encerrs, pela poesa que respira, e
pelo patriotismo qae o adoros. Com lie dourou
o autor a ooscurdsde a que pareca quereres
d.^.'^V'0-' ? i'ia.toa de nres uiinho que
devia conduz-lo imraortalUade.
Illuslre por nasctmeoto, o foi aiodt mais palo
espirito potico ora qae imi.ou, e algum's^,.
igud.Cde.eU' S m*10reS P'!l'" d" m!", c"1" aL"
Ninguemi secompenetrou mais prof.indam-nl
da ndole do aau aeculo, nam se revealiu mais
naturalmente da physionomia e ar do seu lempo
Luiz de Camoes eogr.ndeceu o noma poite-i,,..'
cora um poema que o pox par dos douaeiimio.
epicos da Grecia e de Lacio.
A gloria nacional e o espirito cavalheiroso dos
ser suthianteraonte elogiada, e da qual provavel-
jnenteo Dr. Scherzer eseus comp.nheros pleoa-
mante gozar.m.
Eustem entretanto numerosos exmplos. de
taea senhores terem durante uma residencie de
zu anoos no paiz, aemprefallando mal della onde
quando poderam, juntado cora trabalho eintei-
Hgencia una fortuna, e assira chegado ao termo
dos seas deeejos, vollassem pan a dulce patria ;
porm demoraodo-sepoaco na velha Allemaoha,
a ab.ndooaram silenciosamente e depressa procu-
raram outra vezo Brasil, qua tantas vezes diffi-
maram p.ra ali coocluir a sua vida.
Podemoa citar noraes se fr necessario.
0< motivos pelos quaes o Dr. Scherzer
corapaohairos nao se acharara salisfeitos
sao aquelles que elle procura descourir.
Ao nnsso ver cootribuiu muilo para isso, alm
e seus
no Rio
rlaa ...n.-.u a-------------- K"' aieiu 6'triu uuuuii e O espirito CSValhe rf>9n d.^
irf?..nri !." r"-0e uiemp ehu'oso' ea ^posp.ss.do. reprodzL-.e ah debaxo d'
circumslancia de nao conhecerem o idioma do totfaa aa fornaai. nn**\~.J.i.. ,_',1*0 ?e
circumstaocia
paiz
Quanto infiaa esta ultima circumstancia, que
naturalmente exclue qualquer entendimento de
ura paiz estrangeiro e por cooaeguinte qaalquer
lufio aobre elle e seas habitaotes; disso temos
diariamente occasio de conveocermos.
Somos oa poaigio de termos relagoes com mu-
tos estrsogeiros, os qu.es residiodo anno, inlei-
ros em Vienn., esta Vienns to alegre, to om-
inada, tao cheia de divertimentos e fraigoas, en-
tretanto a trataram de aborrecida ; nicamente
porque, nao conheeendo aimc.ua alleraa, nao
sabem apreciar o povo e a cidade, nem gozar dos
divertimentos e distrscgOas que offerece.
O que diz finalmente respeito aos Brasileiros e
as suaa quslidadesdo corago a da cabega pode-
mosfundando-nos em nossa propria experien-
ciaassegurar : que durante os qaatro aooos
que residimos no Brasil, e oos seguintes sete que
vivemos em Earopa entre Brasileirossempre
lemos eocontrado nelles sffabilidade, benevolencia
e grande bondade de corago.
Nos, ecomnosco muilo^ observadores impsr-
ciaes, temos eocontrado no Brasil, cujo bello cu
a benigno clima antes convidara para o dulce far
mente, onde com facilidado se pude obter o oe-
ceasorto p.rs a vida, e jastamente em posigoes
a imaginario
'odas aa formas que pode inventar
do poeta.
a..AnaM',ade ,de nterei,a os Lusiada. consista
ssencialmente no sentimenlo patritico qae ani-
ma t.do; t.lvez ara neubum outro poema se
ache ora colorido histrico e nacional to forte e
lao verdadeiro como no de Cmoes.
O patriotismo a causa mais poderosa de toda
a grandeza social: eis um dos priocipaes moii0s
porque o nosso poeta to gloriosamente rrur,
nos fastos da historia europea.
O raerecimento do autor dos Lusiadis nao e'-
la s era ter vencido grandes diOiculdades, cen-
sista ainda em ter prodatido inimitavea bellezas
No seu poema, chelo de fogo e de im.gens br'-
loanies, creou por assim dizer, una nova lingua-
gem que lende sempre a toc.r o corago e a sa-
tisfazer o ouvido ; e com ornada sublimes de
eatylo e cooaidarages elevadas da espirito que o
poeta exalga o herosmo e aa acgdes sempre loses
e odepeodentes dos portuguezes.
A fama de um livro como o que nos legou Ct-
oaoes, nao poda Ocar encerrada na sua patria
e ellectivamente para exallago gloriosa de su
coroa, nao ha liogua culta em que se nao ache
traduzido, nem pessoa mediamente iu.truida que
o nao lenha lido.
Ninguem, como os portuguezes, pie gloriar-
T------- -.--. J-J.^H,MH <-|Aa ,IUIIt.|l-5
alev.das uma vontada e energa de trabalho, que se mais com os faitosdos'seas ascendeni -a
mesmo no norte da Europa ae contara entre as! descoberta das lodias Orientaes effecluada "o-"-
excepgoss. Lembramo-nos nesta occasio o me- Vasco da Gama, deve considerar-se como um do'i
moravel marquei da Paran, Manoel Felizardo.! maiores srrojos da ousadia humana.
luiz Fedreira, o creador da lei das ierras. Silva Nenhum oulro povo a chegou se quer a ac
. .rr".e m. serie de nornes celebres como Ea-' prebeoder. E.t. descoberta careca pira ser tra-
aebio de Quelroi, Mag.lhes, Paulino etc. I tsda poticamente do am genio seoo supera
uar aua opinio sobre ura povo que nao se co- pelo menos egual em grandeza. Esse genio feliz-
nnece, nem se pode conbecer, porque faltaram o mente appareceu. Foi Luiz da Cirados que co-
leropo, a occasio e os meios de eotendimento ; nhecendo a oatareza do trabalho a que se pr.oou
para um hornera que deve ter cuidado de sua nha, teodo de figurar o maior accommettn,'.ntr,
reputagao do pensador, observador, e littersrio, humsno, e nao echando prolotypo nem na"poesia
urna aegao que nao pode ser bistante censurada.
Poder-se-ba pronunciar opioies da um molo
mais frivolo sobre povos. do que sobre indivi-
E o qae se dira de uma pessoa que fal-
nem na historia antiga, recorreu ao seu extraor-
dinario talento e aua creador, lmagintgo, qe
lhe fermentaram aquelle enlhuiiasmo ger'ador
daa prlmeirasinspirages, e qae lhe sugeriu a
oagoes __ ^^^v ^ ,vm*mw, %|o iupi, ?iij
paliiia encoat-a no Brasil, chagando at ao pon
lo, que no parlamento, n'um dos debates, um
dos deputados proouociou as seguintes palavras,
acompaohadas de muitos apoiados: Quando
ougo dizer,
. _l i \J -f m v. lavu.jo'/ 0>U1/(B Ui ,'hiuj, m m a aa
ougo aizer, que algnem, com quem tenba de faltou todo e qualquer entendimento ;
tratar, allemo, tico scieote de que probo e ment completo da saa misso para fins leva-
intelngente.B dos, f.zendo-se o refereote o echo c
Se agora o Dr. Scherzer por ssu relatorio lem emanadas de paixas baii
aagmealalo a oatlma dos braaileiros para coai sentir profuodameola, que
os allemes, que responda a si rae.mo. "*** '* --'
Pag. 162 altribae-se a desergo de alguna ma
thaifna A faan.ta V.. .. _u > -* -. ^^ 1____.
eser a tama ao mundo sanio austraco. i les mares insccesslveis, que s a ceragea
A negligencia da redaego, os erros de escrip- r portuguezes foi permitttdo resistir e veocar
la e de seotido, a mal applicada referencia a Neata episodio, qua Voltaire coofeaaa dev
e aserilos, aue nao foram lidoa oelo rea- zer a admirago de todas aa nag.s e "ea todos
lempos,desenvolve o immortal poeta uma grac-
deza sorprebendente de estylo, e uma pintura
enrgica, magestosa e terrtrel, propria do as-
ta ue leouao, a mal appticaaa reierencia a
obraa e escrlptos, que nao forsm lidos pelo rela-
tor, a discusso sobre negocios, para os quaes Ibe
o esqueci-
referenta o echo de opioies
b.ixas, ludo isso fat-noa
oo esbisse era pessoa mais digna e mais hsbili-
tads, a qual tivease sabido excluir, por aoalyse
r r. ioz aiiriooe-ae a daaergao do alguna ma- tsda, a qual tivease s.bldo excluir, por i
riohairos da fragata Novara, a certas espeluncas seria, tudo qua era estranho aos fins da mi
da Rio, proprias para pescar marin sima. deste modo tivesse sabido adqairir para si
Nao perderamos aobre isso uma a palavra, ra a expedigo iotsira, a gloria da profu
Sanio OOS dease accaain da mi mirar a rnlnn.it iimnareialidada a r.nn.elancinaidada.
iau perderamos aoore uso uma so palavra, ra a expeaigao nt...
uno nos deise occasio de admirar a colossal 'imparcialidada o conuitocotidade.
. c pa-
profundezs,
sampto, qae talvez mismo nao podasse empre-
gar qaem preaenclasse esssa horiiveis .cenas.
A escolha de Vasco da Gama, e o eoihasiasmo
do re vista do nobre aspecto deste hroe sj >
rasgos de um grande poeta.
(Confiniiar-#f?-ia.l
PERNAMBUCO.-TYP.DS M. i, DE F, & FILfiO.
MELHOR XEMPLR ENCONTRADO
MUTILADO

'
-
'"
)
t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E33L3FAPP_D5RO02 INGEST_TIME 2013-04-30T20:08:18Z PACKAGE AA00011611_09623
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES