Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09615


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AIIO IIIVHI. 1PMEIO 208
f*r tres mezesidiantados 5f000
Psrtresaeze Tencidoi 6)000
DE
Q0A8.TA rEIKA 10 SI SETEMBRO DI III2.
m i '
Per un adiantade i9|00O
Ptrtt frute* vara a sibiiriiUt
HCARREGADOS DA SUBSCK1PCAO 00 HORTEj
Parahyba, Sr. Antonio Alaxandrlno de Li-
sia ; Natal, o Sr. Amonio Marque da Sra ;
Arasaty, o Sr. A. da Lemoa Braga; Caira o Sr.
J. Jos da Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqaim
Marque* Rodri;a*; Para, Manoel Pinhiiro &
C; Amatonaa, Sr. Jaroaymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCKIPCAO DO SOL
Alafias, o Sr. Claedno Pileo Das; Baha,
o Sr. Jos Martina Airas ; Kio da Janeiro, Sr.
1
Joaa Paraira Martina.
PARTIDAS DOS CORRK10S.
Ollnda todos os dial as 9,', horas do da.
Igaarass, Goianna, o Parahyba as segandas
saxtts-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caraar, Altinho
Garanhuna as targae-era*.
Pao d'Alho, Nazarolb. Limoeiro, Brejo, Pes-
qaeira, iDgazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
urearye Ez naaqaa'taa-feiras.
Cabo, Serlnhim, Rio Formoaa. Una.Barreiros
Agua Preta, Plmentelras Natal quintas feiras.
(Todos os crralos partero aa 10 horas da man b
IPHEMBR1DIS 1)0 MEX DE SE1EMBRO.
7 Laa chela as 5 horas 116 minute da tarde.
15 Qaarte mingaante a 1 hora e 21 minutos da
tarde.
33 Laa nova as6 horass 16 miento* 4meaba*.
30 Qaarte crsiceote a 1 hora e 28 mioatos da
tarde:
PREAMA! DEHOJI.
Prlnieiro is 5 horas 18 niatos da sr/anha.
Segando aa 5 horas e 42 mina tos da tardo.
fAB-TlD 003 TAPORBS COSTBIRU.
Para sol ate A agota i & e 10; para o norte
at a Granja i 14 e 19 da tsda max.
PA.TIBA DOS OMHlBli.
Par o Reele: do pipuev* 61|2, 7. 7 1|J, 8
e.8 1(2 da m.; de Olinia 8 da m. 6 da t.; d
Jaboato as 6 1)2 da m.; do Caxang e Varita
7 da m.; de Btmjica as 8 da m.
Do i'.atif : para o vipueoi s 8 1|5. 4, 4 ?|4,!
4 1(2, 5, 5 Ii4, 5 1|2 a 6 da t.; para O ir, da >7
da m. e 8 1[2 da t.; para Jaboato as 4 da t.; para
o Caxang a Varna s 4 1|2 da t.; para Btmfica
as 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBUraAES DA CAPITAL.
OAS DA ssmasa.
Tribunal do eommercio : segandas quintas,
Relago: tercas o aabbadosaslO horas.
Fasand* : quintas as 10 horas.
Juizo da eommercio : gandas ae malo dU.
Dito de orphlos: tergaa o eextaa fs lOborss.
Primeiraraa do civil: ti/:n extase meio
dia.
8 S'gunda. r Netl'idade de NJ9Sa Senhora
I 9 TVrca. feergio p ; S. Rafl.no m.
10 Ouarts.ua. Nicolao Tolaaiioo; S Jader b. m.
,11 yjinls. B. Ttieodora penitente; S. Proto."
12 Sexta. S.\Auia v. m.; S. Javencio b.
|13 Satbsdo. S Felippp m.j S. Maurillo b.
,14 Uciniogo. O Saniissimo Nomo de Marta.
ASSIGKA-SE
|uo Racifs, em a llrraria da prae da Iadaoaa
Segando Tare .* eival: qaartasa aabbados al deuda o.6 a8,1o proprietariosslansel Final
hora da tarde. roa de Faria & Filhe.
PISTE OEFICIIL
GVERXO DA PROVINCIA.
Expediente do da 5 de setembro
de lHs
OTicio ao eoramaodante das armas. Sirva-se
V. Etc. de informar acerca do que pede, no in-
cluso offico, o connuolante superior interino
da guarda nacioaal deste municipio, e que vai
nnexo o officio do delegado eocarregado da re-
srtigo da polica
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc de expedir
sus ordens, para que ao delegado entarregado
da repartigo da polica se apreseotem amanhi
s 10 horas do dia tres pregas de Ia iinha, afirn
de escoltaren?., at a provincia d Parahyba, a
doua crimioosos que sguem para ali u > vapor
JaguaribeCommuoicoa se ao chefe de polica,
'lo ao inspector da thesouraria da fazenda.
Declaro a V. S., para seu conhecimento e direc-
(io, que, segundo consta de cornoiunicaQo do
capito do porto, de hootem datada, sob n. 119,
n.S^r,f,,Hri0Ma?rel,arep'rlc55' 1Jo'1>m1,Pero Documentos apresentados ao parlamento lia-
f,11 lltiM h' 'le^..re8"urair "I" ,la- li.no, pelo governo. sobre o reeonhecimento da
ta o exercicio das funecoes do sea cargo, reoun- ; Ilalia pFe|a ^ ptB,sia .
ciando assim o resto da licenca que lhe (dra con V e pela rf""la
dia 9 desle me, psra preenehemento das vagas
de praticantea da mesma the9oararia, sendo o 1
em arithmetica atea theoria de p'oporcoes inclu-
sive ; o2 em orthographia, e o 3o em leitera e
analyse grammatical, e ordena que nest* sentido
expeoam-se as necessariss communica^es.
Communfcou-se a thesoararia do fasanda.
Oespaebos do da 5 de setembro
Requtrimentot.
Antonio Flix de Amorim.Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marioha.
Joao Loureoc,o Pereira da Costa.Expedio-se
ordem no sentido do que requer.
Joo Hyoolito de Meira Urna. Volte ao Sr.
inspector da theiouraria provincial.
Ilaooel Soares da Silva. Concedo o prazo de
quinze dias.
Maximiano Francisco Peixoto Duarte.Informe
o Sr. inspector da thesourana de fazenda.
N.2.
TES'OR
cedida para tratar do aai saule.
Dito ao mesmo. Autoriso V. S., nos termos
de sua ioformacao de
com referencia a da con
a mandar pagar ao chefe da sec;o da secretaria
d<> governo, Francisco Lucio d Ostro, a quan-
tia de 128>U55 rs., que tem direito, por haver
eurcido o lagar de ser-relnio do governo, a con-
ttt de 20 de julho at 31 de agosto deste anno,
como se do requerimeot) que devolvo.
1) to ao mesmo. Constando de officio do bri-
gadeiro comman tado, aob n. 1703, que no dia anterior fallecer
neala cidade o lente reformado do exercito,
Minoal Jos da Silva Lnite, assim o communico
a V. S.,para seu conhecimento e directa.
Dito ao inspector da thesoararia provincial.
R^m-o a V. S. o iocluso requerimento do es-
criplurano da 3 secgo da secr-laria do governo,
Jjao Jlaooel de Castro, e o amanuense Jos Ro-
berto da Cnuha Sallas, aflm de que Ihes mande
pagar os vencimentos a que lm elles direito,
por baverrn exercido durante o mez de ago9to
tiedo, o Io as funecoos de etiefe e o i* as de es-
criturario da referida seccio.
Dito ao commaodantc superior do Reeife.
Sirva-se V. S. de expedir suas ordena, para que
sej dispensado do servir) o guarda nacional do
i" batalhao de arlilhana Ja guara nacional de3-
te municipio, Joao Lourenr^o Pereira da Costa,
quem ae refero a informado n. 87 da 19 do mez
nassado, visto ter provado, se acha comprehen-
dido na disposicao do art. 14 Sj 3 da le n. 602
de 19 da siembro de 1850.
Dito ao director gsral da inslrucQao publica.
Devolvo a V. S para os Gns cooventeotes, as
provas escripias de Jjaquina das Merccs Ferrei-
ra, que acompaoharam o seu officio de 2 do cr-
reme sob n. 99.
Dito ao inspeetjr do arsenal de marlnha.
Em vista da sua i&i'jrraa;o lis 3 do crreme, sob
N. 1.
hontem, sob n. 850, dada ^ota general Durand ao caval-
tidoria dessa thssouraria, lelro Kigra.
16 de julho de 1862.
Senhor:
Mr. Benedilh veio eommanicar-mo confllsn-
cialmente as negociarles qae desde algum lempo
tem exisiido da parte do governo do imperador
junto do governo de S. Petersburgo, com o flm
de ebegar a renovar com o reino da Italia as re-
laoes Infelizmente interrompida desde 1860.
Devo, em pnmeiro lugar, pedir-vos, senhor,
para sardes, junto de S. VI. o imperador, o inter-
prete dos sentimentos de reeonhecimento que nos
inspira a soliicitade que nao lemdeixado de mi
nifestar para que a Italia goze do lugar qae lhe
pertence entre as potencias europeas. Para se-
cundar as suas benvolas intencoes, a facilitar
lambem os boos offkios do seu governo as ne-
gociaQes que nos dizem respeito, e em cejo bom
xito a reeordaco dos lagos de amisade qae nos
tem ha tanto unido com a corte da Rassia, nos
faz ligar um pr*;o moito particular, lenho, se-
nhor, t responler da maneira ruis cathegoriea
s perguolas que fazem objecto das ultimas com-
munica-oes de Mr. Beneditb.
Primeiro q*e ludo parece o gabinete de S
Pelersburgo preoecupar-se da importsncia que
podem ter os elementos revolucionarios na pe-
nnsula, e dos melos de represso que nos esta-
mos as circunstancias ou podemos empregar
para combater esses perigos. Jtive a honra de
vos dirigir de aples, em dala da 9 de maio ul-
timo, urna nota circular em que tratava das laa-
laltvas que acabavam de ter lugar u'alguns pon-
tos das nossas provincias septentriooaei. Desse
documento resulta que o governo tem tengo,
assim como meios, para reprimir qualquer acto
\oti de Mr. de tems torila lr.
lrassicr de Saiof Simn.
a Berlio. 4 de julho de 1862.'
Sr. conde.
c O governo de el-rei Vctor Emmanuel ma-
nifettou confllenciaiment, por differentes vetes
por meio do seu ministro em Kerlio, os desejos
de ver reconhecer o rei de Italia por el-rei nos-
so augusto amo fe-oos ver o oteresse que te-
riamos em fortalecer e em solidar o poder mo-
narebico na Peninsala contra as tendencias anar-
chteas e republicanas, e em auxiliar pela nossa
sustentacao moral, esse poder na aaa tartfa difli -
cil e ardua de rsstabeleeer os principios de or-
dem e de eatabilidade, profundamente abalados
pela revolucao. Fez-no* representar ao mesmo
lempo, que reconhecendo a ordem das cousas na
Italia em consequancia dos grandes acootecimen-
tos que all se tem coosmmado estaramos em
auxilio poderos) para assegurar a paz geral da
| Europa, por isso que o estado de incerteza e de
agtagao que excita os espiritos o os impelle as
extravagancias, cessarla em conseqaencia do re-
eonhecimento das grandes potencias da Europa e
abrira campo a razao e a moderaco de que a
Pennsula tanto carece para coosolidaro novo edi-
ficio fnterno, e para fazer prevalecer cada vez
mais os grandes principios de ordem moral e
social.
< Os ministros de el-rei Vctor Emmanuel,
leudo para comvosco, senhor conde, a mesma
linguagem, deram-vos lambem muitas vetes a
seguranza de que nao estava na inteu;o do go-
verno de Turin fazer valer pela for;a das armas
certas pretencoes territoriaes que se considerara
geralmenle como fazendo parle do progresso po-
ltico do reino da Italia, e que elles mesmo nao
renegam em theoria, mas que aquello governo
est firmemente resoludo a man- seus visiohos, e a deixar ao futuro e aos meios de
negociago e do deseovolvimento oatural das
coiisas, a solurao das questoes da que se trata.
Excita porm urna que intereses particularmente a
Prussia, no que toca os imoreases e a segara: n
da confederarlo germnica. E'a questo de Ve-
neza.
Nao lenho tenr-io, senhor condv, de tratar
aqui esta questo debaixo do ponto de vista es-
tratgico e de examinar-se a posse de Vneta
necessaria para assegurar o syslema de defeza
idilitar do meio di a da Atlemanha. S se trata
de fazer que os tratados em vigor assegurem sta !
possesso a Austria, e que a tentativa de lh'a ar '
ranear pelafores poderla fcilmente, pondo o ter-
ritorio federal em parigo, arrastar a confederarlo
germnica a ama luta, e sascitar, desta manei-
ra, urna conflagrado a qae a Prussia, na sus
qualidade demembro da coofederac.o, nao po-
deria ficar estranha. em vista destas eventua-
lidades possiveis, cujas conseqaencia* provavel-
meme funestas a sorte futura da nova mooarcbia
italiana nao podem oicapar a perspicacia dos h-
meos de estado, queacoosalho el-rei Vctor Em-
manuel, que temos sinceramente applaudido a
linguagem cheu de sabedoria e de firmeza que o '
gabioete de Turin leve n'uma occaslo recente!
Atieodendo as difficuldsdes intern.-a e as
razoes de conveniencia temporaria quepoden? ter
demorado este acto, nao temos nanea deixsdo
de pensar que dess parte aPrussia daria verda-
deiro valor as garantas de ordem e de tranqui-
lidad* qae dao a Europa o reconheciraentc- da
Ilalia.
qae poasa comprometter as nossas relaces iuttr- .
oacionaes, e que o cumprimenlo dessa tarefa lhe em 9*e pai e,tava meagada pela petulancia do
Dorges, alim do que Ibe d o conveniente desti-
no, depois de inspeccionado.
Dito ao director do arseoal de guerra: Re-
presentanlo-me *o brigadeiro commandsnte das
armas, em oiii:io de 30 de agosto ultimo, ser in-
aulliciente o azeile foroecido para a luz da casa
da guarda deste palacio, sirva se V. S. de dar as
necessana9 providencias, de modo s ssnsr esse
inconveniente.
Ditp ao director das obras militares. De con
formilaie com o quo solicita o brigadeiro com-
roandmie das armn, em oflicio da 30 de agosto
ultimo, sob n. 1678, auto-iso a V. S. a mandar
caiar os alojamentos do commandente e dos sol-
ialos da guarda do hospital militar. Communi-
cou-se ao coramandaote das armas e ao inspec-
tor da thesoararia de fazenda.
Dito cmara municipal de Olinia. Aceu-
amlo receida a infirmarlo p-eatada pela c-
mara municipal de Oliuda em 22 do maio ultimo,
acerca do parecer que deu a assembla legislati-
va provincial, que por copia ao.ompaohou o of-
fleio queem 30 de abril prximo Godo dirigi
mesma cmara, relativamente a urna queia qae
contra ella deu o ei-procrdor Jos de Mello
Cisar de Anlrade, leuho a diter que deve essa
camira continuar na execurSo, de que trata a ei-
tada informa;o, contra o referido Jos de Mallo
Cesar de Aodrade e seu aJor, dando sci*ucia
do resultado esta presidencia.
Dito ao joit de direito de Garanhuos.Restsn-
do em poder de Vmc, segundo consta de seu of-
tieio de 2G de agosto ultimo, alguns medicamen-
tos da segunda ambulancia, que lhe foi enviada
para o tratamanto das pessoas desvalidas dessa
comarca, bem como duas pegas de beta, autori-
so Vmc. alim de qae, logo que estiver perfaila-
meote convencido de que nao sero mais neces-
sanos aquelles objectos, proceder venia delles,
c faga recolher o seu producto thesouraria de
fazeols, ou os remella para esta capital, onde se
lhes daro o conveniente destino.
Dito ao conselhu de compras navaes.Appro-
vo os contratos qua o conselho de compras na-
Esta potencia manifesta comtudo o deaeio de
obterde nos declaragoasquea tranquillisem sobre
eertos pontos da nosa poltica interna e externa ;
ao qae adherimos tanto mais voluntariamente '
qaanto uo temos mais que repetir a* que Atemos
anteriormente nos mais explcitos termos.
A questo de Veoea parece preocupar parli-
cuUrmente o gabioete de Berln ; na sus opioio
ioierese a seguranza da confederaco germnica.
Seguindo o exemplo de Mr. de BeroslortT, nao
diteutirei aqai at que ponto a posse de Veneza
pela Auslria pode importar a eguranca da Alle-
manha ; rro-me, a eite reipeito, ao contedlo
da nota circular que este ministerio vos dirigi
am data de 20 de margo ultimo. N'essa ola m-
dicavamo* a* poolencias os perigos a qua a Eu-
ropa est exposta em consaquencis da sltuaco
excepcional dequella provincia ilaliina conserva-
da sob o dominio estraogeiro ; depois accres-
centavamot qae as pootenctas que crearm esse
estado de cousas que pertance prover a soluto
pacifica desta grande questo. Al-n dlsso, pro-
vendo o caso am que empresas imprudentes che-
gassem a formar-se fra da acjo regular dos
poderes constituidos, o governo declarsva ua
mesm* nota que se sentio bastante forte para im-
pedir que a questo de Vneta fosse prejudicada
por tenlativ** ae natereza a perturbar o estado
actual das relar-oss existente*, a que de direito
se nao veria enfraquecer nesla tarefa.
Estas compromissos que o governo de el-rei
lomava par consigo, e em face de todas as po-
tencias, e que nao tem lllicai lade em renovar
aqui formalmente, foram constantemente manli-
dos ; e a Allemanhs, no qae a respeila particu-
larmente, encontrou a prov* na represso promp-
ta e completa da agresso preparada u'alguns
pontos da nossa fromeira contra o Tyrol. A fir-
mezi desenvolvida pelo governo diante dos par-
tidos extremos, o apoio esclarecido que lhe deu o
paiz no cumprimento da sa misso devem ser
para os govemos conservadores da ordem e da
paz na Europa motivos irrecunveis de se tran-
quillisar inteiramente sobre as disposic,oes da lia -
lia, manifestadas em muitas occasies pelo go
veruo d'el-r*i.
u 0 conde Borntoff, por defTereocis, *em du-
via, pelas susceptibilidades religiosas de urna
pirte da popalago do reiuo da Prussia. toca urna
outra questo de Roma. Nao somos menos
explcitos sobreest assumpto do que a
de Veneza. Os homens de estado que so succe-
deram no poler na Italia, desde 1859, lodos re-
cooheceram e proclamarsm altamente perante o
parlamento nacional e perante a Europa que esta
questo nao devia ser resolvlda seno pelo* meios
moraes, e por via diplomtica, llevemos aceres-
r hdj^ que esperamos com seguranza os re-
sa froliliea, irrevogavelmenta tragada
raides do parlameato ; esse* reaulla-
mo os comcebemos, bao de satisfacer
lempo as legitimas exigencias da*
as calbolfcas, e dos direito da Italia.
cimento falla bem alto psra altfrstar o iuteress
que ligamos Italia, 4 consolidarle de urna or-
dem de cooias regular no paiz, assim como ao
deenvolvmeate do sea poder a da sus indepen-
ii-nria exlerna. Poss* erta dtmonstrsgo nota-
'eldasnotsas benvolas Jsposies, lorcsr-se
Par nossas relacc-e reciprocis am* orlgem fe-
cunda de resaltados felizes.
V. Exc. far leilura e entregar urna copia
dost. despacho ao general Dursnd,
Recebei, esc.
(Tasignado) Berr.torff.
(Jornal do Commercio de Ltsbos.)
Mil
REVISTA DIARIA.
2 snno, os Sts. Valecle, Jaosen deMattos e Brj-
oo Jansen, e ce meio do* miiores spplausos die-
ra m elles a lei-ara s seus impertantes traba-
Ihos. Fallou ficslmeoto Sr. Miraoda, etudaa-
le do 1* auno, e agredn' ao auditorio que o es-
cutav*.
Terminada a fes'.a o Sr- presidente honora-
rio dirigi algumas palavras de felicila;so aoi
oradoras, animando-os a reeommendando a mo-
cidade que o rodeav porseveraaca na luta glo-
riosa qae encetsram, para quo podessem ch?gir
com os louros Ja victoria coa dias do futuro.
* Dea viva* a independencia, a 9. M o Impe-
rador, a AssociftQ.ao Oate de Ajoslo : foram en-
thusiaslicamenta corrpondidos. Tor sua vez
tsm&om a mocisde deu virss: pbreneticos ao
illuslrado mestre ae hsviam oscolhido par* di-
rig los no camin;? diflicil da sciencia e da?
Ultras.
I
rio o apoio dos seus votos na sesso de 6 de ju-
obo, viria tambem fortalecer, se fosse necessario,
as disposicds do governo. Urna lei apresenlada
ji ao parlamento vara dentro em poico restrin-
gir oos limites a aeco das atsocitces polticas,
e dar ao poder execulivo faculdades melhor de-
finidas para Impedir que se osarpem as proroga-
uvas dos poderes constituidos. Desta maneira
Beata completa a serie dos meios que ptrmittem
ao governo corresponder perante a Europa do
pleoo exercicio da autoridade que lhe perteoce,
quer seja para a consolidado da ordem ioterna,
.uer para a maoutengo das boas relacoei com as
potencias ealraogeiras.
O que tica dito, senhor, parece-me dever
Iranquilisar ioteirameule o gabinete de S. Pe-
lersburgo sobre as vistas do governo de el-rei.
O mesmo gabinete parece tambem preoecu-
psr-se da existencia e da conducta da emigrago
polaca no reino; maaifssl* desejos de que os
concilibulos dirigidos contra a integridade do
imperio nesse sejam prohibidos, que o governo
nao permuta a formacao de nenhama legio po-
laca, e finalmente que saja encerrada a escola
especial que iuslituiram no nosso territorio.
Os desejos manifestados pelo governo russo
sao conformes com os uso* esiabelecldos entre to
das as niroea civilisadas. O direito sagrado de
asylo e o respeilo deviJo ao infortunio poltico
nao devem tornar-so entre nenbama dellaa um
perigo para a seg-tranca dos outros estados. Ne-
nbuma difficuldade, pois, temos em completos
esclarecimeutos sobre os pontos indicadoa pela
Russia.
' Nao tem chegado ao nosso conhecimento qae
no nosso territorio teuham existido concilibulos
da palavras, dirigidas contra a integridade do im-
perio russo. A ioterrupeo das nossas relaces
com a Kussia, nao foi. na nossa opiuio, ama ra-
zao para tolerar manejos desle genero; nao se
poderis, pois, chegar supposigao deque os per-
miltiriamos qusndo fossem renovadas as nossas
boas relagoes com esta potencia.
O governo nunca autorisou no passsdo a for-
reconhecer em conseqaencia das pratenges que
pareca implicar, e das duvidas que se pollam
nutrir sobre as consequencias que o governo de
S. M. coolava tirar para a sus acgo futura ; por
que declarando expressamente que nao quera-
mos nem podemos prejudicar os direitos de ter -
celro que se acham lezados palos tactos que tive-
ram lugar na peniosula, temos comtudo sempre
reeonhecido que nao a ni qae perience fa-
zo-loo valer, e oppor-nos as consequencias dos
acootecimentos que a lem consumado para nos-
so concurto e que nao foram impedidos por
aquelles que para isso tinham interesses espe-
ciaos.
a Se pois, senhor conde, o governo de Turin
nos quer dar, da maneira que elle mesmo jalgar
mais conveniente, sobre as sua* intengoes a res-
peito das questoes de Veneza ede Roma, sega-
raneas qae possamos considerar como garantas
sufll^ienles para nos, e que sjsm no mesmo
lempo de nalurezs a tranquilisar nossos confe-
derados, e s parle do nosso proprio povo que po-
desse ver noste recoahecimeolo de qae am re-
eonhecimento a ule cipa lo de acootecimentos fu-
turos que recis, estoa autorisado por el-rei,
nosso arguslo amo psra enearregar a V. Exc. de
declarar ao governo de S. M. el-rei Vctor Fu-
manual que S. M. est prompto a reconhecer o
titulo de rei da Italia.
< igai-vos, senhor conde, communicar o
que Dea dito ao general Durand, deixando-lhe
copia deste despacho, o recebei as segurangas de
que, etc.
sultados l
pela* deh
do*, lie*!
ao wet
conaci
N I juvido que depois destas explicagde,
que compunicarei, senhor conde, ao gabinete
de Berlij, dando-lhe copla deste despacno, se
oissipemj *s ultimas exigencias qae anda o po-
diara spender, o que as antigs relages de
aniuade' existentes entre a illaslre casa real da
Prssia a do nosso augusto soberano, sejam
deni. n poaco plooameote salisfeitas.
AiAtai, te.
Jacquei Durand .
\
vaes, segundo declarou em seu officio de 26 mago de urna legio pojaca ; a Rassia pode ea-
i.'e agosto ultimo, effectuou com diversas pessoas,
nao s para O foruecimenta do material da ar-
mada, mas tambem para fornecimento no pre-
sente' trimeslre, es objectos de fardamento aos
(asileiros navaes, impenaes marioheiros e ditos
aprandizes, ludo de eooformidade com os termos
qie vieram enoexos ao citado olli-'io, deveodo o
mesmo conselho remetler thesouraria de fa-
zenda, para o* us convenientes, copias dos re-
feridos contratos. Communicou-se thesoa-
raria de fazenda.
Portara. O Sr. gerente da cempanhia per-
nambuesna mando transportar, no vapor Sla-
tninguape, em lugares de pros destinados a pas-
sageiros de estado at Macei, ao ex soldado do
7* bilalho da infamara, Maoosl Joaquim dos
Sanios e sua mulhtar.
Dua. O presidenta da provincia, lando em
vista o que requeren o Dr. Joo Jos Ferreira de
Agular, e bem asiim a informago de capilo do
porto, datada de U de agosto uliimo, sob n. 606,
resolve eonceder-lhe licenga para mandar con-
duzir para esta capital, quer por Ierra, quer por
mar, 50 dutias de laboa de amarello.louro, sica-
pira e eamagary, alm dos costados e costadiohos,
uue se fuerem precisos para edificar um predio
tiesta cidade ; madeiras estas tiradas com lleenga
do respectivo proprietbrio, as maltas do sngenho
Guerra, pertencenle ao termo de Ipojuca, comarca
do Cabo e recommeodam s autoridades loesesque
uo ponham impedimento eoodacga ma-
delra indicada, leudo, porm, todo o cuidado ps-
ra que se nao commettam abusos, por ocecsiao
dessa licengs que ser apreseotada naquella ca-
pitana para as convenientes notas, deveodo o
supplicaule, a bem disto, na mesma eapilania,
axirshir, proporco que forem chegsndo taes
madeiras, urna guia para conhecer-ae quaodo se
fiods esta concessao.
Dita. O presilente da provincia, anmalo
ao qae solieltou o inspector da thesouraria de fa-
zenda em officio de 3 do eorrente, sob n. 845,
res o' ve dosigosr os professores Aotooio Egidio da
Silva, Josquim Antonio de Castro Nanes e Miguel
Arcbaojo Miodello, psra servirem da examina-
dores ao concuo, a que so tem de proceder ao
lar cerla de que jamis far disso questo para
o futuro.
c Pelo que diz respeito escola especial dos
polacos, simplesmente enunciado dos tactos, bas-
tar para (azar conbecer quaes tem sido sempre
as nossas iotanges. Os acontecmantos de 1859
aitrahiram Italia em certo numero de mance-
bos ou da Polonia, ou dos outros paizes limitro-
pbea.
Urna sssocisgo particular, formada de emigra-
dos, querendo subtribir enes mancebo* aos pe-
rigos da ociosidide, fundou para elles urna escola
especial qae se abri em Genova, e que dentro
em pouco conloa centenas de discpulos. Com-
tudo o mioisterio actual julgou que nao deixava
de ter inconvenientes que a sede dessa inslilui-
go fosse em urna cidade tal, como Genova, que
particularmente sujeita a influencia dos parti-
dos polticos. Umdos primeiros actos desle mi-
nisterio foi pois obrigsr o* fundadores desse esta -
belecimento a tr*naferi-lo para o interior, em
urna residencia melhor apropriada a lodos os
respeito* ao flm que elles se propunbam, o qae
electivamente fez executar. Depois os directo-
res da escola, jalgaram dever mostrar as dificul-
dades matariaes e moraes inherentes a urna tal
iostituigo; a escola ser, pois, dissolvida para o
principio de julho, poca do eocerrameolo das
cortes e nao se tomar a abrir.
Estas explicagdes, cuja preciso e franqueza
sero apreciadas sem dunda, bao tesmaobar o
deaejo que temos de ver-se restsbelecido dentro
em pouio, por intervengo de S. M. o imperador
dos Frantezes, ss antigs relaces entre o gover-
no do imperador da Russia, e o de S. M. nosso
augusto saberano; lero tambem um resultado,
tenho disso cooQaog*, o prevenir qualquer causa
de esfriamento entre os dous paizes cuja boa har-
mona ieteressa em lo alto grao a prosperidade
de um e deoutro.
c Digaai-vos, senhor, fazer leilura eonOieDcial
deste despacho a Mr. Thouveoel e deixsr-lbe urna
copia.
c Acoitsi, elr.
t Jacqv.es Durand.
N. 3.
Kola do cavalheiro Nigra ao gene-
ral Durand.
* 8 de julho de 1862.
a Senhor ministro.
A commanicago oflwial do reeonhecimento
do reino da Italia pela Rassia, j annunciida pe-
lo telegrspho, ebegou antes de hontem por um
despacho ordiuario a embaixada da Rusta em Pa-
rs, e foi commuoicada hoja por esta ao ministe-
rio imperial dos negocios estrangeiros. Mr. Thou
veoel partlcipoa-me o conteni do despacho do
priocipe Gortschakoff, de que nao flcou com co-
pia.
Nesse despacho o gabinete de S. Petersburgo
snouocia o das Telberias que S. M. o impera-
dor Alexandre, salisfeito das segurangas e das
explicaga* comidas no deapacho de V. Ex<. de
16 de jucho ultimo, conseote em reeeber um en-
viado de S. M. el-rei, encarregado de lhe notifi-
car a constituirlo do reino da Italia, e de rests-
bslecer as relages diplomticas entre o* dous
governo de Italia e da Russia. O principe Gorts-
chakoff accrescentsva qae am dos fias principaes
da resolugo do czir auxiliar desta maneira o
governo d'el-rei a preservar no caminho de or-
dem e de administrado regular qae tem seguido
at aqu.
< Em conseqaencia d'esta coramunicigo que
me fez Mr. Thouveoel, e que a legsgo de Fran-
g em Tarn vos renovar, V. Exc. poder tomar
aa ordens de S. M. para a prompts parlia para
S. Petersbargo, de um enviado de S. M. encar-
regado de annuociar ao czar a eoostituigao do
reino da Italia.
Aceilai, etc.
Nigra.
N*. 4.
Nota do general Durand ao conde
de Launa*,
a 9 de julho de 1862.
e Seohor.
c O coade de Bratsier de Saiot-Simon veio com-
municr-me um despacho datado de 4 do cor-
rente, em que o conde BerostortT nos faz conbe-
cer as novas ditpostgoes do governo de S. M. el-
rei de Prassis a respeito do reeonhecimento do
reino de Italia.
Este communicoa que tanto a attitude ivm -
pathica do governo prussianoo como a vossa cor-
respondencia, dos ttoha feilo presentir, causou-
uoi urna viva sallstago, porque teitemaoha qae
as intengoss do governo d'el-rei sao dignamente
ppreciadas pelo gabioete de Berln,
N. 5.
ota de Mr, BernstoriT a Mr. Bras-
sier Saint Semion
Berln, 21 de julbo de 1862.
Senhor conde.
a E-rei Vctor Emmanuel dirigi t el-rei ama
caria que tsm por objecto pedir a S. M. reco-
uhega o titulo de rei da Italia qae este soberano
tomou.
v Ao mesmo tempo o gabinete de Turin nos
fat urna commuoicago.em resposla ao meu des-
pacho de 4 deste mez,o que dettioala a tranqui-
lisar-nos sobre as suas inteogoss relativamente
s questoes de Vneta e de Roma.
< Em um despacho datado de 9 do correle,
que o conde de Lauosy foi encarregado de me
remetter, o ministro dos negocios estrangeiros,
referindo-se a urna nota circular do gabinete de
Turin, datada da 20 de margo ultimo, proouocia-se
a respeito de Vneta, no sentido de que a aa
potencias que crearam este estado de coasas que
perteoce prover solugo pacifica desls grande
questo.
c O genaral Durand screscenta, c que para
prover o caso de que emprezas imprudentes vies-
sem a formarse, fra da acgo regular dos po-
deres constituidos, o governo declsrava na sua
nota de 20 de margo, que ss sent bastante forte
paza impedir que a questo de Vneta fossa pre-
judicada por leotatlvas de natareza a slierar o
estado actual das cousas existentes, e que nao
veria a enfraquecer na sua tirefa.
Estes compromissos continua o ministro, quo
o govaroo de el-rei tomn pira comsigo mesmo
e em face de tojas ai potencias, e que oio hesita
em renovar aqui formalmente, tem sido sempre
Temos noticias de Qeipsp, em caja districlo
est extincto o cholera. Em Panellaa a salubri- E
|dadeach-ee em boas condigees, epparecenao
apenas uoi ou outra cso de febre.
Nesea crise mullo bons servigos all prestju,
uranias "forgos desenvolver em prol da huma-
nidada afflict a, o Sr. Ricardo Foasaca de Mui-
ros, proUssor de instruego elementsr daquella
fregueiia.
Segaudo no'itiis fldedigaas que temos, esse
eohor nao poupou deepezas e nem iribalho sau
nes*e intuito, prestando s* quero o procu-
rava e ]uelles que erm ccoT.inettidos do
mal, j por maio* deseas servigo* pessoaes j
pela distribuigao gratuita de me lie amento* con >~J
que se provera preventivamente.
Fulgimos do consignar a prelua de rao lo
mentara, psra que se propague o seu cnhaci-
rr.ento, alim de que o s*u autor seja retribuido
pelas beogos pub'icis, de que *:redor.
O brigue portuguez Laxa II, entrado hon- ,
tem de Trieste, encontrou a 8 do crtente, na '
lat. S. 5* e 40'. e loog. 32 O. de Gresnwiob, o!
patacho tambera portuguez Africano, capitaoVe-
ra-Out, de Cato-Verde para o Rio de Janeiro,
tendo ludo bem a bordo. Nao polen-a trocar o
numero de dias da viagem, em conseqaencia da
rapidez que levavam.
A planta e orgaraeuto da obrada canalia-
go d'agua polavel para a freguezia dos Afoga-
do, j se acham em mos do Eim. Sr. presi len-
te, alim de resolver sobre o modo da adopgao e
effetluagao da obra.
Sendo esta fetta casta da renda publica, a
companhia se abstem de exigir a prorogago de
prazo do seu privilegio, sendo porn ass abs-
res'p'lt' leoao eiogular e rastrict este caso smeale.
A contraria de Nossa Senhora do Livra-
menlo, da qual juiz perpetuo S. M. o Imperi-
dor, celebrar no domingo prximo a fasta so-
leo ne da sua Padroi'ra. llavera vespera, mis-
s solemne e Te Deum.
Oram no Evangelho o Rvd. Sr. conogo J>a-
quim Ferreira dos Saotis, e no Te-Deum o
Rvm. Sr. padre Jos Es'e/es Viaoua.
No dia 6 do correte teve lugr, como ha-
viamo-lo anounciado.a aesao magua da iaalalla
gao da aasociago Onze di Agsito, sendo esta
acto celbralo do aalo do Imperial Iustituto de
Nossa Senhora do Bom Contelh :
Damos a deacripgao que se segu desse acto
solemne, a qu*l nos foi commuoicada :
Acharam-se presentes o corpo acadmico, e
um numeroso concurso de pessoas gratas ; en-
tra outras o Exm. presideote da pro'insia, o Sr.
visconle de Lemoot, os Drs. Aguiar, Aprigio
Guimares, Jos Sjares, Peraira do Carmo, Rufi
no de Almeidt, o commaadante o a dislincta
orncialdade do stimo batalbo de infantina,
algumas pessoas respeitaveis do corpo do eom-
mercio, as sommissoes das diversas assosUgoas
convidadas, grande numaro de senharas, entre
estas as Ernas, familias do lll-n Sr. Or. Ara-
ripe, do Sr. Bmvinno Gargel, do Dr Rafioo.do
Dr. Barboza.do Sr. Siqueira, do Sr. Gauaait, do
Sr. Verri ett.
samente arranjado ondeas achva a eflie de S.
M. o Imperador.
c A lllumisaco era a mal* rica possivel ; to-

j.
er

sI; \:\
! : i I i
: I I I
I : I : f : I
s
-
-
os
I I I
I M I *. I
c I
Masculino.
lili
5?
.*. | Femioioo.
i I I
_ Masculino.

lilil o; i i ', 1 ir aminino. = lalalolsl f
ft ', ', Masculino. > a 1 1 a 1 = 1 1 S
1 1 * 1 1 a. 1 1 a, 1 s 2 Femioino. | 7
- . ! 1 -. Masculino. a.? i 1 tu i 5 =
- I' Femiuino. ? 5. 1 a 1 -. | | k 1
2 1 M.sculino.l^l
I I
y, j Feminino.
a
I
v
c
c="^
:-
_C
5
oa .--
a
oe

en
v.

r-
mantidos ; e a Atlemanha, o que lhe diz respeito
particularmente, encontrou a prova disso ni
presso completa da sggresso, preparando
das as portas se acbavam adornada* de ricos cor-
lioados ; sobre os consol descansavam espelhos declarago do'motivo'
de grande tamanho com rica* molluras, jarros
de cusioso prego, enfeitados com ramslhetes de
lindas flores
A mesa da presidencia estava forrada com
urna re* colcha cor de purpura, e enfeilada com
vasos lindlssimos, dos quass pendiam bellos ra-
mslhetes de flores.
< Uma banda de msica tocava de es?ac.o em
espago lindos pedgo do l\diu Foscari, Trvalo-
re etc.
As 7 horas e meia, subindo a cadeira da
presidencia o ILm. Sr. Dr. Araripe, abre-so a ses-
so tocando immediatamente a msica o bymno
nacional.
Fallou em primeiro lugar o moito distinelo
presidente honorario, e polemos dizer que o sea
discurso foi um primor de eloqaeocit c erudic-
gao. Variado, cheio duconselhos sabiesje bellas
igoes de experiencia, o discurso do Dr. Araripe
era ouvido com profunda attengo.
Elle procurou mostrar a mocidade, a neces-
sidado do estado, incitou-os a qae se dedicassem
a leilura dos nossos escriptores patrios, e a ins
truirem se .na nossa jurisprudencia, buscando
com preferencia as feotes de nosso direito e da
nossa lilteratura. Recommeodou-lhes depois e
re- estado da histo.-is, chamando especialmente para
'elle attengio da mocidade, mosiranio coma
Na lotali laOe dos doentes existemlJ-, *eu;o G
homens e 16 mulheres alienados.
Foram visitadas as enfermaras estes 4 dies :
s S iii e 8 1|2 horas da manha pelo Dr. Dornel-
las; e s 7 1(1, 7 l(t, 7 3,4 pelo cirurgiao Pinto
Guimares.
As visitas da tarde s 5 1|2 e 5 3[4 pelo D:-
Moscozo.
REPARTigAO ha polica. (Extracto da par-
te do dia 7, 8 e D.de selembro.)
Foram recolhidos casa de detengas no dia t>
do correte :
A' ordem do Dr. delegado do \" districto, Fran-
cisco Martins de Souta, pardo, d 47 annes de
idade, sapateiro, por soapeita de ser criminoso
de mora os fretfmzia dos Afogados.
A' ordem do sabdelegado do Reeife, Antonio
Manoel Francisco, pardo, de 21 anoos, pedreiro,
para recruta, o Felicidade Perpetua de Lima, par-
da, de 32 nnos, lavadeira, por insultos.
A' ordem do de Santo Antonio, o poringuez Ja-
cintho Rodrigues da Silva, branco, de 20 aonos,
forrador, por embriaguez o desordem.
A' oriem do Dp. dalegado do primeirro distric-
to, Antonio Francisco de Salles, branco, de -~.
anoos, soldado da 10 batalho de Iinha, vindo
do Bonito como desertor, Tibartno Soarea aa
Silva, tambem branco, de 26 anoos, os pardos
Jaoaario lavare* da Silva.de 16 anoos, e Jos
Pedro de Souza, de 20 annos, e os crioulos Joa-
quim Jos de Siot'Anos, de 28 annos e Francis-
co de Souza Netto, de 20 annos, vindos tambem
do Bonito, para recratas, o pardo Ignacio, de 22
annos, escravo de Rufino Antonio de Mello, e o
crioalo Benudielo, da 18 anno3, escravo de Ignez
David, por briga. a india Jaslioa M-.ria do Espi-
rito Santo, de 20 annos, lavadaira, e Hsnorio
Jos da Rocha, pardo, de 39 aonos, servente, sem
em
algn* pontos da nossa froolera contra o Tyrol. maior evidencia que s na experiencia do passa-
' do, poleremos colher a scieocia do futuro. Foi
entusisticamente applaudido pela mocidade es-
tudiosa que va lo |pleoameuto salisfeitas as
suas esperaogss, e to bem corresponlida a sna
aspealativa.
Falloa depois o Sr. Paulo Autrao, presdeme
A firmeza desenvolvida palo governo diaate do*
partidos extremos, |o apoio esclarecido que lhe
veu o paiz no cumprimento da *u misso, de-
vem ser pira os governos conservadores da or-
dem e da paz na Europa, motivos irrecusavsis
de a tranquillisarem ioteirameote sobre as dis-
posigoes da Ilalia manifestadas differenies vates | effectivo. e seu trabalho foi bello e imporlantis-
pelo governo del re.
a Pelo qae toca a questo de Roma, o general
Durand exprime-se nes.tes termos : Os homens
da estado que se tem succedido no poder na Ita-
lia desde 1859, reconheceram todos e proclma-
nos altamente perante o parlamento nacional e
perante a Europa, que eataqueso nao devia ser
resolvlda seno pelos meios moraes e por via di-
plomtica. Devemos aeresceotar hoje, qae espe-
ramos com ssguraoga os resultado* dessa polti-
ca irrevogsvetmente tragada pelas deliberagdes
do parlamento.
- Tomamos nota eom satisfago destas decla-
ragdss do govaroo de S M. el rei Vctor Emma-
nuel, quaoto s snn tnteogdss pacificas a respei-
to de Venezs, assim como de Rom.
a Depois de ter recebido esta* segurangas for-
rases da parte do gabinete de Turin, el -rei nosso
augusto amo, resolvee reconhecer o titulo de rei
da ltalie.
Mas tomando esta decislo, importa-nos que
o oosso reeonhecimento nao saja interpretado de
urna maneira inexacta.
O governo del-rei, nao oeceltou, em nenhu-
ma circumstancia ai suas opioioss sobre osacon-
tecimentos que se Um consumado na peninsala.
O reeonheclminto do eitado das cousas qae resal-
toa, nao podi* pois ser garanta, assim como
oo poda implicar ama eanegio retrospectiva da
poltica qae o gabinete di Tarn seguio. Anda
menos entendemos prejadicar quastes que dizem
respeito a tereeiro, e renunciar a ama inteira 11-
berdide de apreciigo sobre ai eventualidades
qae poisam modificar o estado actual das con",?.
c Se era am momento to grave, nao julgo
dever deixar lubiiilir a menor duvida a respeito
Ido espirito em que entendemos reconhecer o ti-
tulo de tal de Italia, o proprio acto do roaonhe-
simo. Coube depois a palavra ao 1* secretario,
o acadmico do 3o anno Jos Avelino Gurgel do
Amaral.
< O Sr. Gurgel antes da leitura do relatorlo quo
lhe cumpria fazer, lea um bem elaborado discur-
so, no qual moalrou o deseovolvimento e o pro-
gresso da scieocia e do chrisliaoismo *m nosso
paiz, e ira lobre maneira applaudido j pela be-
lesa di frise, j pela elevsgio do peosamento.
Faltn dipois o orador o Sr. lela Tham
da Silva Jnior, e no meio de viras a de ap-
plausoa terainou ella a leilura da sau impor-
tante oi-curso, em que mostrou alm da vtgo -
rosa intelligincla, notivel irultcgao.
Em uguida falln o Dr. Aprigio Guimi-
res,e mais una vez dea provas de quinto stbe
dlsllngair os seas discpulos, acompanhiado-o*
em todas as seas lides, e animaodo-os nessas
emprezas am que a mocidade ludo procara con-
seguir com o gladio da iolellitenci*. Seu discur-
so foi variado, e reuna no nonios di eloquen-
ci* o agridavel e o bello.
Fallou depois o Sr. Ulises de Mondonga, e o
auditorio applaudio com prazer sea ioteressante
trabalho. Depois coube a pslavra ao orador do
Alheoeu Pernambucano, e como ara de esperar,
corres^ondeu so elivado concoito de qae gosa
lo importante assoclago.
Houve depois um pequeo intervallo, fiado
o qu*l oceupou a cadeira o Sr. Virgilio Palmeir*.
O seu discurso trabalho til o importante, to va-
riado, lo cheio de animigao, que s por si po-
de fater um elogio immorredourj ao Sr. Palmei-
ra. Fallou o Sr. Joo Jos do Monte Jnior, e
foi ouvido com a maior atteogao pela randada, .f
pela prvfundeza e pela grsndo somma de coche,
cimentos que revelou j possuir.
t Pllaram depois tre dtaUaetoi esludeat/i &
A' ordem do subdelegado dejSanto Antonio, os
pardos Cypriano, de i annos e Aotooio Jos.e
4 aouosi escrjvos de Candido Alberto Sodr, e
l.uit, le 3 annos, escra'o de Antonio da Silva
Uutmo, e as crioalas Felicidade Francisca de
Sena.de 30 innos. lavadeif, 9 Jacintb Mari*
da Conceigo, de 28 annos, eugommaocira; todaa
por desordem.
A' ordem do de S. Jos, os crioulos Nivardo,
de 3S annos e Francisca, de 30 annos, escravo i
de Lourengo Corra da Silva, por andarem f-
gidos.
A'ordem do depositarlo geni, o crioalo Joa-
quim, da 23 aonos, escravo da massa fall ia de
Joo Jos Garcia, e o africano Aolonio, de 40 an-
nos, escravo de Francisco da Costa Vasco, por
suspeita de qaererem fagir.
8
A' ordem do Dr. delegado do 1* districto, os
pardos Joaquim Affooso Ferreira de Mello, de 40
aonos, ferreiro, Antonio Pinheiro Arco Verde
Uemiiv,de27 annos, pedreiro, e o indio Manoei
Jacinlho, de 35 anoos, ganhador, vindos de Bar-
reros, este como coodomnsde a pena de gales
perpetuas, tendo protestado para novo jury, e
aquelles como absolvidos e appellados.
A' ordem do subdelegado do Reeife, o pardo
Themolheo Jos Tavares, de 30 aonos, serrador,
e o erjalo Ignacio Flix Tavares, de 33 annos,
canoeiro, por insultos, e Luiz Manoel de Fringa,
lambem crioulo, de %> aonos, pedreiro, para re-
cruta.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, os par-
des Guilhermioo Gomes de Lima, da 2i annos,
charuteire, por desordem, e Honorato, de 2"> an-
nos, escravo de1 Francisco Alve, por andar f-
gido, assim como o crioulo Flix Jos Ferreira,
de 23 annos, ganhador, por desordem.
t O ebefe d* segunda secgio,
, /. G. de Metquita.
Movimenlo da casa de deteogo do dia 6 da.
selembro de 1862.
Existiam......320 presos.
Eotraram. .... 3
Sahiram....... 7 >
A saber
Existem....... 316 >
Nacional......215
Mulbres...... 3
Estramgeiros.. 31
Escrvos...... 60
Escravas...... "'
Totall........ 816
Alimentados a cusa doacofroaprovia-
ciaes.............
Movimeolo da enferma..-.-, do du T,
Tiveraro.'alta :
JanuarloPeiioa da Silvi.
Manoel, ifricano late.
Tave biia :
Benedicto, india ,- intermitiente.

13'Ji
Dil * .
Liistiam. . 316 presos.
Enlriram. . 19 >
Sahiram. , 5 >
Eiislio.
K lber;
Naclonaes .
Mulhere. .
EitriDgelroe.
330
819
6
81

L
MUTILADO
*



DIARIO M rEWUMBUCO QUARTA FEIRA 1 DI 5KTEMBRO DI 186*.
Escravoi.
Escravai.
67
7
139
Total. ... 330
Ali ment dos a custi dos cofres provin-
claei.............
Movimento da enfermara do da 8.
Tiveram baixa:
Jote Pedro de Souza : iotermilteDte.
Jos, escrevode Joo Msnoel Cirueiro de Licer-
da ; gastralgia.
Tere alta:
Francisco de Paula Mallos.
8
Existan)...... 330
A sber
Eotraram
Sahiram .
Existem .
Naciooaes. .
Mulheres .
Estrangeirot.
Esersvos .
Escr&vas .
13
7
~336
228
4
18
67
7
336
presos.
>
140
de Meolooga, Francisco Jos Raposo, Ignacio da dem 2Joo Pacheco de Queiroga
Silveira Joaquira Goncalves Salgado, Dr. Joo'dem 28Alexaodre Jos da Stb.
Bento Csss-nova, Joi Francisco de Soma Lima,' dem 46Padre
Jos de Campos Ayree, Joaquim Francisco del Luna......
Paula Esteres Clemeuta, Jos Augasto de Arau-
jo, jwiz da irmandade da Santa Cruz dos pretos,
Joo Pinto de |Leos Jnior, Manoel Antonio de
Azevedo, Maooel Pereira Lemos, Manoel Joaquim
Bapliile, Miguel Arcbaojo Lopes da Fooceci,
Prxedes da Silva Gusmo, Roroo do Rtgo Dir-
ru, Tiburcio Antunes de Oliveira, ekvantou-se
a sesso.
Declaro en lempo, que sob proposta do Sr.
presidente, da cmara, mandn esta dispensar
seis de seas guardas, e foram expeiidaa as or-
decs aos respectivos Qseaes para o cumprimenlo
Joo Cyrillo da
Bernardino da
dem 18Domingos
Cunha......................
dem 15Jos Antonio Bastos.. ..
Ra da Maogaeira.
N. 7Francisco Joaquim da Costa
Fialho......:..............
dem 9Maria Jos Pinheiro.....
Travessa da Campia.
N. 9Francisco Joaqaim da Costa
Fialho......................
dem 9 BIgnacio de S Lopes Fer-
nandes ....................
desta metida, determin-ndo-se que as tregua- dem 15Joaquina alaria Apolioa-
zias de Recife e Santo Antonio, ficassem am sm
cada ama, e as de S. Jos e Boa-Vista, don*.
Eu Francisco Canato da Boa-Viagem, secreta-
rio a eecrevuBarros Reg, presidente.Reg.
Barata de Almeida.Mello.
Aos l de agosto de 1862, tendo soment*
comparecido os seohores: presidente Barros Reg,
Maia, e Mello, nao poda baver sesso.
Eu, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secre-
tario o eacrevi.Barros Reg, presidente.Reg
Maia.Reg Helio.
Total.
Alimentados a castados cofres provin-
ciaa|.............
Movimouto da enfermara do dia 9.
Tiveram baixa :
Jos Pires Licati; sarnas.
Manoel Ribeiro da Silva ; fyphes.
Jos Mi noel; gastrile.
Joo Baptistade Souza ; lndigeeto
Jos Damasio de Soaza ; gaetrite.
lev all :
Jerooymo Ferreira Tavares.
Matadouro plblu.0 :
Mataram-so para o cuiisumo delta cidade
do dia 7 correte 86 rezes.
No dia 8-83 ditas.
No dia 975 ditas.
Obituario do da 7 db setembro, no
UMBRO PUBLICO.
Maria. frica, 50 annos, solteira, escrava, Recife ;! "dur Para mandar lavrar a escriptura de hypo-
tbeca a qae se sujeitou o arrematante.
no
CR-
SESSO EXTRAORDINARIAAOS 11 DE AGOSTO
DE 1862.
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs. Heoriques da Silva, Barata,
Reg e Mello, faltando com causa os Sr. Maia,
e Cesarlo de Mello, abrio-se a sesso.
Foi lida e approvada acta da antecedente.
Leu-se o segainte
EXPEDIENTE.
Ua oQUio do Exm. presidente da provincia ap-
provando a erremalaco do imposto de afericoes
pela quanlia de 15 2319000, e com a coodico
mencionada no officio da cmara de 28 de jumo
ultimo sob n. 74.Qae se ordenasse so procu-
anisares.
Loareoga da Cooceicao. Perriarr buco, 70 annos,
solteira, Recife ; velhice.
Virginia; Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista; ver-
mes.
Joo, Peroambaco, 2 annos, Santo Antonio ; be-
xigas.
Maria Joaquina do Reg. Pernambuco, 45 annos,
solteira, Boa-Vista ; estopor.
Francisco, Pernambuco, 6 mezes, escravo, Santo
Aotonio ; bexigas.
Mana Ociaviana da Cooceigo, Pernambuco, 18
runos, solteira, Sinlo Antonio *, bexigis.
Mariana Dorotha Joaquina, Peruambuco,72 an-
nos, viuva, Poco da Paoella ; pneumonia.
Generosa Maria da Concei;ao Pernambuco, 35
annos, solteira, Recife: bexigas.
8
Manoel, Pernambaco.l hora, Boa-Vista ; espas-
mo.
Mnoel llypoto de Mello, Rio Grande do Norte,
23 annos, solteiro, Boa-Vista; phtbysics pul-
monar.
Ltiz Francisco Marques de Lyra, Pernambuco,
32 annos, viuvo, Boa Vista ; wm cancro.
Hermioo, Permmbuco, 4 annos, S. Jos ; be-
xigas.
Andr, Pernambuco, 7 mezes, escravo, S. Jos ;
convalide .
9
Minoal, Peroambaco, 9 annos, Santo Antonio;
escrophulas.
Joo, Pernambuco, i annos, Santo Antonio : te-
lan?.
Antonio, Pernambuco, 2 ancos, Santo Antonio ;
bex"gs.
Fnucisco, Peroimbuco, 1 anno, Recife eclamp-
sia.
Francisca, Peroambaco, 8 mezes, Recife ; be-
xigas.
Maria Archangcla da Cooceigo, Prnambuco, 40
conos, casada, S. Jos ; repentinamente.
Bernarda, Pernambuco, 4 annos, Santo Antonio :
phthysica.
Ildefonso, Peroambaco,
Ibiiia de intestino.
mezes, S. Jos ; mo
Otro do mesmo, dizendo convir avilar a per-
niciosa prattea da lancar-se osa praias desla ci-
dade lixos e outms entulhos, que muito concor-
ria........................
dem 17A mesma :...........
Traveisa das Barreiras.
N. 8Joaquim Aotonio da Silveira.
dem 10Dr. Jos Rodrigues doi
Paasos. ....................
dem 5Viriato de Freitas lavares
dem 14Joaquim Antonio da Sil-
Qveira......................
Travessa dos Veras.
N. 10Joo Matheus........ .. ..
dem 20Mmoel Gentil da Costa
Alvea......................
dem 5Joo Matheus...... :.....
dem 9Francisco Ferreira da Silva,
tem 7Gertrudes Maria do Sacra-
mento......................
Travessa de Joo Francisco.
N. 16Aotonio Cirdozo d'Oltveira.
dem 20Joo de S L*itao......
Ra da Maogaeira.
N. 1Aotonio Pereira Mendea .. ..
Ra da Alegria.
N. 26Maria Doroihea Joaquioa ..
1929000
300{000
26i*e00
2nojoco
1925000
420*000
300j>000
725000
120$000
72JO0O
72JO0O
26*3000
180SOOO
168S0OO
723OOO
144S00O
180000
2405000
1925000
240*000
192*000
216*000
264*000
COM]
(Continuar- tt-ha.)
2103000
orrespondencias
lo publico.
Srs. redactores.Imbaido peloSr. Canuto Jo-
rem para a obstruccio do respectivo porto, e i'^ p*reira aa Lucana e Jos Silgado u'Albuquer-
tendo a continuar, se oo ioatilisar, os exforcos 1*e. 1ue> Para *" perniciosos designios, me en-
e avullaias sommas despendidas com o melho learam, ttiestai ero urna petico do dito Salgado,
rameoto do mesmo porto, chama a altengo da | contando un ebuveiro daa mais torpes e perrldes
cmara para este facto, afim de qae poz meio de | oj" contra o Sr. tente coronel Joo Bar-
seas agentes trate de reprimir e fazer cesaar Be-1 D0,a da Silva, mu i digno aubdelegado do distric-
melhante abuso, puniodo-se os infractores. (l0 do Bom -ardim I E, como se oo bastara esse
Adiado a requerimeoto do Sr. Reg. mev revoltele proceder, subscrevi depois urna
Outro do desembargador procurador da coros, I correspondencia, que foi estampada no Diario de
um. mu
DO
Banco do Brasil.
Acaixa filial descont letras com praso li
quetro metes a 10 0,0, aa do eu proprio aceite
a 9 0|0, toma dinbeiro a jaros em tonta corran-
te, oa por letras a 7 0)0 ao sano, e aacca ao par
a cartos presos, sobre o banco do Brasil.
Caixa filial 9 de setembro da 1862.
Francisco Joo de Barros.
Secretario.
41 la o alega,
eiidimentodo dia 1 a 6 .
Moa da da 9
102:502*340
11.403*595
113:9055935
ovlmenlo 4* alfandega.
velumes adrados comfazendas..
a
om ganaros..
Velantes sahidoa com faxandas..
toro gneros..
24
Quinta-feira.
ALMOgO.
O mesmo que no domiogo.
ja^tah:
0 mesmo qae no domingo.
Sexta-feira.
almoco.
u mesmo que no domingo.
JANTAR.
Meia libra de bacilbo.
Meio dcimo da feijo.
1 dcimo de farinha.
Duas oitaves de azeita.
1 onga de vinagre.
Lecha e sal.
Sabbedo.
almo;o.
O neimo qae no domingo.
JANTAR.
O mesmo que oa sxta-feirs.
DIETAS PARA OS D0ENTES.
N.l.
Almoco.
Um qaarto de gallinha'para tri caldos no dia.
N.2.
Almogo.
oogaa em topa de caldo de
tres
24
586 !
Descarregera no dia 10 de setembro.
Patacho portaguezJareomereadorias.
Birce americanaAzeliafarinha.
Birea inglezaCarollnebeealho.
Patacho inglezVellage Bellmereadorias.
Patacho inglezMerceydem.
Importayao.
Patacho brasileiro Cyro. entrado Rio Grande
do Sul, consignado a Miguel Joa Alves, mani-
lestoo o seguinte ;
11,350 arrobas de carne de charque, 124 ditas"
de graxe, e 60 couros averiados ; a ordem.
Heeebedorla de rendes Iniernaa
ajeraea de Peruambaeo.
Rendimentodo dia 1 a 6 8:903*184
fdam da dia 9......j 2:460i615
11:363*799
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSA'O EXTRAORDINARIA AOS 28 DE
JUI.IIO DE 1862.
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs.Cesario de Mello, Maia, Seve,
llenri'jues da Silva, Rrgo e Albaquerque, abri-
se a sesso e fui lida e approv,-'la a acta da an-
tecedente.
Leu-se o seguinte :
EXPEDIENTE.
L'm oOcio do Exm. presidente da provincia
duendo 'jue, para dar cu
pisto no aviso do minele
mercio e obras publicas, de 13 de j
eob n. 45, informe acan.ars com o que lhe oc-
eorrera cerca da prohibico do transito entre a
pess.igem (!o Lima e a eaircde de ferro.Qae se
ouvisse ao engeoheiro cotdeador.
Outro do meamo, recommendado que a vista
do dUposto no aviso circular do ministerio da
agricultura, commercio e obras publicas, de 4
do correte, remella a cmara trimensalroente
aqaelle mioisterio, por intermedio da presiden-
cia, lodoe os esclarecimentos que poder obier so-
bre a cultura de todos os gneros, quer de con-
sumo, quer commerciaes, a que por ventura se
dedijuem oslavradores deste municipio.Que se
oiciasse aos Oscaes para habilitaren] a cmara
com suas infuroiacees, atim de ser satisfeita a
r-c'immendaQo de ra Exc.
Outro do mesmo approvaudo a arrematajo
tia9 lujaa de pr(o da Independencia, mencio-
nadas no officio da cmara, de 7 do correle, sob,
n. 69. Que se lavrassem os termos^re con-
tratos. -- ~
Outro do mesmo, dizend^que para resolver
cerca do qae pondera -Scamsra emseu officio de
21 do correr'>"c> g0D n 72f re|etivamenle a obra
.VSiuro docemiterio da frejjufzia de S. Louren-
fp da Malta, rxiiter qae se lhe ministre copla
do contrato feito para a execucao da referida obra.
Que ae satufizesse.
Jjtro do Dr. chefo de polica inlerino, dizen-
do que para poder differir a pretenqo de Joa-
quim Leiz Viree e outros qe desejam estabe-
lecer capalazias de ganhadores de ras, julga
conveniente subceller a cuusideraso da cma-
ra o requetimento dos supplicanles, e rogir-
!he que por meio de posturas metiiclpaes se sir-
va de estatuir a tal espeilo oque ur conveni-
ente, visto como lbe perece attendivel semelhan-
te prelengo.Posto em oiscusso, deliberoa-se
offidano Dr. chefe de policie que a cmara en-
tende nao compelir-lhe formular posturaa para
semelhante i'm, e qua soaiento basUnt- um
re^ulamenlo confeccionado pela repartigo a
cargo de S. S., no qual se impunha ao cepataz
noioeado urna pena que o obrigue a entregar
Clmenle os objectos que lhe forem e-inflados.
Outro do juU de pz da freguezia de S.Jos,
Eduardo Frederico Banki, remetiendo a quanlia
de 90*000 rs., imprtasela da subscripto qae na-
quelle reguezie promovea pera um monumento
que na corle do Rio de Janeiro lem de levantar a
ccmmisso do Instituto Histrico a Jos Bonifa-
cio de Andrada e Silva, caja suCscripgo foi
convidado pela cmara em 28 de oulubro de
1861.Que se rametleise ao procurador, a se
aecusasse o recebimento.
Outro do engenheiro corleador, rei.ettendo a
i ln.ta, cooleado as slterecoes requeridas por
Luii Joi da Costa Amorim, no terreno de seu
sitio no Manguinho, e alagado visinho, na qual
indica com linhas azuee ee alleraQes ped la?.
Que vollasse ao engenheiro para "declarar a con-
veniencia que ha oa aliaraco, e se ao publico
com ella aproveiti elgume coasa.
Outro do mesmo, informando a pctVio, na
qval Jos Augusto de Araujo, empreiteiro da
obra do atierro da estrada do matedouro publico,
peie para qua lhe sejs paga a terceira prestarlo,
valo ter j feito dous tergos da mencionada oir,
diz o engeoheiro ser verdade o que allega o pe-
ticionario. Maodou-se pagar.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, pedin-
do mandasse a camera pegar ao facultativo Fren-
cisco Jos Cyrilio Leal a qaantia de 18*000 re. de
tree corridas sanltariis que havia feito nos das 8
11 de abril e 18 do corrente.Que -o contador
pasaissa mandado.
Preitaram juramento os empregados que ulli-
oi^. mente foram nomeados.
Tratando a camera de fezer o sea paco, ou
comprar um predio que para asse Om sirva, o
Sr. Seve lembrouquo lelvez .o Exo?. visconde da
B-ia-Vista vendeeie o seu palecio ; sendo ac-
emita esta lembranga, o senbor prndenle no-
meou o Sr. Reg para encarregar-ee do seme-
lhmle coma-isso, e do resultado commonicar a
mesma camera.
Despicbaram-se as petiedes de Antonio Cisi-
n.iro de Gouveia, Aotonio Luciano de Moraea ,
Manoel Menina Garca, Daroio, africano livre,
Fiaadico de Paula Mandes, Francisco fiolelho
. ^.,i a. ../.^r.^;. ionio aa silva ousraao, para ah se azei
mn'rtmento \l dYaoo.' *1 desembarques que se faziam
rTfrt ^ricuUura rom da s0 f"em na dita "avessa, de peior co
"denle unboa-Uimo!|ic'':i- -oradores _a ru'a ipar-l.
com despocho da presidencia, mandando infor-
mar, nelle do mesmo desembargedor o eeu pa-
recer acerca da iodemnisac.o pedida por Joaquim
Cavelcaoli da Albuqaerque Lina, contraanle da
obra do maro do cemiierio da freguezia de S.
Loureogo da Malta pelojexceaso do irebalho, e
pela grande porgo de material d3o menciona-
dos no ornamento, que foi obrigado a empregar
pera cumprir o seu contrato.Mandou-se Infor-
mar a S Exc, primeiro, que a obre uo esl an-
da .contleida ; segundo, que apenas o con-
tratante recebeu as duas primeiras presiagoes de
sea contrato, nao tendo recebido a terceira por
oo estar a dita obra concluida ; que nao reste
duvida ter ella direito a inemnisago pedida,
porquanto o accrescimo de trabalho, e de ma-
terial empregado, acham-se reconhecidus pelo
parecer da commiaso e do engenheiro cordeedor;
que a camera emende ser de jusli$, que se io-
demnise ao mesmo contratante, tanto mais nao
tendo silo altendida pelo engenheiro, quando
confeccionoa o orgameoto da obra, a circuns-
tancie pelo contratante apreientsda.
Urna petigo com deepacho da presidencia para
a cmara informar, na qual alguns proprielarios
de acougues eslabeleciJos nesla;cidede, repre-
eenlam contra a postura que prohibe a existen-
cia deises eatabelecimeotos em lujas de sobra-
dos e em caaas terreas coco solo.Sendo posta
em diecusso, resolveu-se que fosse remettida a
comraisso de petigoes.Uenrique da Silva, e
Seve.
Outro do engenheiro cordeador remetiendo o
orgameoto dos concertos a fazer na pool3sinha
denominada do Maduro, na importancia de 132J.
Que se|pozesse em prega.
Outro do mesmo, informando sobre a prelen-
co dacompaohia da estrada de ferro, relalivs-
mente a travessa denomioada do Lima na ra
Imperial, que a compenhie deseja tapar, diz que
jem data de 7 de fevereiro de 1859 fez alctumee
considerages no sentido contrario a pretengo,
accrescenlaodo agora somenle qaa haveudo a
companhia iuuiilieido ara'zipa e ponte que meo
dar construir defronle da casa do cidado An-
tonio da Silva Gusmo, para ahi se fazerem os
m eaio-
condicj&o
e suaa
iomediagoes se a dila travessa viess'a a ser
tapada como a companhia reclama. Posto
em discusso, resolveu-se a requerimenlo do Sr.
Barata, que para le informar a S. Exc coovi-
nbe que se nomeasie urna ccmmisso pare exa-
minar e da matriz nove de S. Jos at aquella
treveisa, havia outra que se pres'.asse ao iim a
que ella se presta, e foi nomeado o Sr. Mllo.
Outro do tni-smo satiafezeodo o que lhe foi or-
denado, relativamente e preleogo de Luu Jos
da Coila Amorim que requer urna elterago oe
planta da cidade na parte que contera o seo sitio,
diz que j em dala de 27 de junho de 1861, ex-
poz as vantageoe que lbe pareciam resultar de
alterar!) que ao acha marcada da pl apresentou.Que fosse ouvida Cocnmisso de
edilicago (Mello e Cesarlo ii Mello).
Oatro_ op y'.Winaot remeneado o balancete
^**ceila e despeza municipal no mez da julho
ultimo.A commissSo da polica.Reg Albu-
qaerque e Dr. Angelo.
Aulorisou-se ao Sr. presidente, encarroado
das obras do cemiierio de fregaezia de S. Lou-
rengo di Maiti a mandar collocar no mesmo es-
t destal de lijlo e cal.Mandou-se expedir ordem
ao procurador para pagar as deipezes que se h-
zessem.
O Sr. Barata requereu e foi approvsdo que se
ordenasse ao engenheiro para apreseolar com
brevidade o projeclo de ediQcigee de casas
abarracadas.
Despacharam-ie as petigoes de Antonio Fer-
nandee de Azevedo, Francisco Los de Souza
Couto* Dr. Joo Jos Ferreira de Aguiar. Joo
Ouarte de Parias Timb, Jos Lucas do Emirilo
Sinlo, Joaquim Vez de Sio.ueira, Joo Soirrs da
Fonseca Velloso, Jos Pedro Velloso da Silveire,
Maooel Gomes os Paasos, Manoel Jos do Nae-
cimeoto e Silva, Paulo Jos Gomes, Viceolo Fer-
reira da Cosa, e levantou-se a sesse.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secreta-
rio a subscrevl.Barros Reg, presidente.lien-
riques da Silva, Leal Seve.Reg.Muta.Ba-
rata da Almeida.Mello.Reg.
Pernambuco, n S54 de 4 de noven bru de 1861,
fac sime daquelle ineira de mieerias, cabendo
algumss destas, deese vez ao seu benemrito so-
briobo o Sr. Dr. Uenrique Pereira de Lucana I
Hoje, que, por cont de alguna dessea crimes,
pesa sobre mim o gladio de jaslica, e que as pes-
eoae que me despenharam oesee berrenco, nao
s me olvidam, como escarnecem da minha ne-
ce8sidadel eppello para a clemencia dos referi-
dos Srs. tenante coronel e Dr. Lacena, de tuja
grandeza o'alma eipero completo perdo, O quel
nao me corro de sopplicar, e bem essim, para fi-
cer quites com a ruioha conicieocie, me retrato
publicamente de todas as imputagae e infamias,
que subscrevi contra lo dietinctoe cavalleiros.
Qaeimedae, 6 de agoeto de 1862.
Antonio Maooel de Feria Leite.
Est reconhecldo.
Coneja I & do provincial.
Rendlmento do dta 1 a 6 8:0508978
dem do dia 9.......3:065a04l
11.1168019
Movimento do porto
Srs. redactores,C insta me qua um peridi-
co qu ha oesta cidade intitulado Ordem, diesa re
que Mirinangeli tendo deixado o theatro de
Sania sabel todo estragado, e at ameacando
ruina, nem a directoria nem o administrador
te haviam importado com isto.
Como admiuist'alor do mesmo theatro, en ten-
do correr-me o dever do nao deixar sem respos-
la sereetheale assercio; mas pere que ella seja
complete preciso que o dito jornal declare qaal
o esirgo oa qaies os objectos eetregedos. Com
semelbsote declarago at me far um grande
favor e servigo ; visto que como nao sou dos que
mais vaem, pode ser qae alguna estragos me to-
nham escipado.
Eatretanto dovo declarar que i uso muito an-
tigo nos emprezarios qae por ultimo tomam
coota dos theatros dizerem qua seus antecesso-
res deixaram ludo estragado, suppondo talvez
exeltarem-se com isto. **"
Dando publieidade a estas linha smlito obri-
gado Ihea ficari. *
Seu asiigoante e obrigalo.
Guitavo Jos do I!,
Urna lagrima sobre a campa
verendo Antonio Aurelio A
Montelro.
Spiritas meus axienua-
biiur, dies rtietbrevis-
bontur, i solum tnihi
superest sepulchrum.
Job.c. 17 /. 1."
Urna vida bem preciosa acaba de ser tragada
pela voragem iosoodavel do tmulo ; foi mais
una flor que apenas vera desabrochir logo vsr-
ri'ta pelo vendaval da morte I O aojo do ex-
terminio em seu esvoagar lgubre pouaou sobre
a Cbega do reverendo Antonio A. A. Monlelro,
coadjuctor da freguezia de Agua-Preta e desfe-
chou-lhe o golpe certeiro. Athleta vigoroso de
religio do Crucificado suecumbio mariyr de sua
heroica dediesgao em prol dos seus irraos, que
exiorciam-se soba expresso do terrivel viajor do
Gaoges. Soffrendo a lempo da urna ioflimma-
go intestinal.com tado nao se negou, a par do
mocho daquella freguezia em prestar de dia e de
noile os soccorros eipiriluaes ao rebanho, qne
Ihes fora confiado, em viriude do que se lhe ag-
gravaram os soffrimentos, e no leilo de dor pode
exclamar como Job. O mea espirito se vai atte-
nuando, ns meus dias se abreviam, e s me resta
o sepulchro.
Agora elle dorme um somoo longo e socegado:
sirva da consolagao aos seua amigos, com espe-
eialidaie ao reverendo vigario F Carvalho, torturado pela perda de um coadjutor,
cujo vacuo lhe ser difticil prehencher, a lem-
brauga de que elle habite a regio dos justos.
CONSULADO PROVINCIAL.
CoiiUnuarao (las alteraces feitas do
lancamento da don um urbana da fre-
guezia de Boa-Vista, no evercicio
corrente de 18(32 1863, pelo lan-
cador Malta.
Travessa dos Pires
N. 16Viva de Manoel Cuneiro
Leal...........
Ra da Aurora.
N. 10Joi Ignacio da Villa .. ..
dem 12Orpbss Emilia, Joaquina
e Mario..................
Ra daUnio.
N. 4Viuva e herdeiros do Fran-
cisco Xavier Miranda Bastos.. ..
dem 6Francisco de Miranda Leal
Seve...................
dem 41Edaardo Candido de Oli-
veir...................
dem 43Eduardo Augusto Pinlo
de Oliveirs...............
dem 45O mesmo ..........
Ra Formosi.
N. 2Eluardo Augusto Piolo de
Oliveirs.................
Ilesa 8Carlos Augusto Pinto de
Oliveirs..................
dem 10O mesmo......'. .. ..
dem 11Eduardo Caodido de Oli-
veirs...................
Idam 14O mesmo...........
dem 5 APedro Repozo do Ama-
ral.....................
dem 7 ADr. Jos dos Santos a-
ues de Oliveirs.............
Raa do Hospicio.
N. J8Herdeiros de Jos da Silva
Saraiva..................
Ra 'Alegra.
N. 16-Luiz Moreira da Silva ..
Tendo o Jornal do Recife da 4 do corrente
feito urna pubiuago do feclo palo qul eitoi
tendo proce*sado oelo juizo da delegacia deiti
cid- !, da um modo contrario to que a respailo
se tero dado, por isso spresso-me em cootesta-ls,
por meio deste, relateodo precisa e concisamen-
te o oecortido.
Ranea fui empregado subalterno da capitana
do pirto, como diz o Jornal do Recife, a sirc
matriculado na grande caootagam, tendo pela
primeira vez tirado matricula am 1860, tempo
em qae axercie o cargo de capilo do porto, o
eapito de mar e gaerra Fernando Vieira da Ro-
cha, a quem sobslituio o adual, o qual or dun-
do o anno passado que todos os matriculados re-
colhestem capitana aaas respectivas matricu-
las, para serem subitituidas por oalrss, cja or-
dem cumprl, recolhando a repartigo competen-
te minha m-.triculs de 1860, recebando ama ou-
tra em subsiituigo a que recolhi, que justa-
mente a que terva de objecto do crime que me
imputara.
Assim matriculado o nao se me tendo offere-
cido occasio de embarcar. Uve preclso de ir a
GoiauDa oude demorei-me 6 saeses tratando de
negocios de mea perticuler ioteresse ; e tendo
sido aili preso por saspeito de sor desertor da
armada, pelo delegado de polica a qaem apr-
sente minha matricula, perm aquella aatorida-
de por ignorancia entendeu que are eu desertor,
pelo qaa remettau-me preso para essa cidade eo
Dr. chefe de polica a quem sendo apresentsdo
disse que nao era desertor e sim matriculado na
grande cabotagem como se vio da matricula que
pelo delegado do Golanna lhe fra remellija ;
em vista do que mandara elle examinar se com
efeito era exacto o que eu allegava, resultando
de iavesUgaco declarar o capilo do porto, qua
as asignaturas da matricula nao oram verda-
deras, em face do que fui posto a oiaposicio do
Dr. delegado desta cidade, para ser cootra mim
40OJ000, instaurado o proeesso, sem qua na forme da lei
se verillcasse pelos meios legaes serem oa nao
falsas as firmar.
Continuando poie a minha priso como por tal
modo soffresse eu injustamente reqweri urna or-
dem de haueas-eorpus ao tribea! da relaco
que me fora negada. '
Eas taea conjectras preste! (langa e anda nao
tevelagar a instaurarlo do proeesso: ais o que
se tem dado, portento inexacto o qae dix a
meu respeito o Jornal do Recife.
Recife 9 de setembro de 1861.
Laiz Aotonio da Silveira Tas/ora.
t.0648000
2:000j>000
150S0OO
200*000
500SOOO
420000
420S0OO
24019000
6005000
4003000
5OOS000
6008000
120J000
2008000
400000
180ftOOO
Navios entrados no dia 9.
Baha 6 das, barca austraca Idomenet, de
401 toneladas, eapito Deodato Trajeoovich,
equipagem 11, em lestro ; a ordem. Seguio
para Cabo Verde.
Barcellooa 36 dia, patacho hespanbol Pedrito
de 139 toneladas, eapito D. Scbestre Austric,
equipagem 11. carga vioho, azeite e outros
geoeros ; a Tasso & Irmo. Seguio para Mon-
tevideo.
i Trieste 53 dias, brigue portuguez Laia II, da
207 toneladas, capitao Antonio Francisco Viei-
ra, equipagem 12. carga 1631 barricae com fa-
rinha de trigo ; a Johnstoo Pater 4 C.
Navio sahido no mesmo dia.
Rio Grande do NorteGalera franceza Berthe,
eapito Fieury, em lastro.
*!**!*
FACULDADE DE DIREITO.
Da ordem do Exm. Sr. director interino se taz
publico, que no dia 11 do correte pelas 11 ho-
ras do da se tem de proceder so exeme de ca-
pacdade, que requereu Amonio Jos de Moraes
Sarment, afim de poder ioscrever-se no con-
curso da cadeira de inglez, que derer ter logar
prximamente;
Secretaria da faculdade 9 de setembro de 1862.
O secretario, Jos Ilooorio Bezerra de Menezis.
FACULDADE DE DIREITO.
De ordem do Exm. Sr. director interino se faz
publico qae no dia 16 s 2 horas da larde ter-
mina o prazo da ioicripco para o concurso ca-
deira de inglez do curso preparatorio deste fe-
culdade.
Serreteriada ftculdade 9 de setembro de 1862.
O secretario. Jos Honorio Bezerra de Menezes.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, oCQcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do comroercio desla cidade do Recife capitel da
provincia de Pernimtruco e seu termo, por Sua
Mageetade Imperial e conslitucional o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guarde etc.
Fago saber aos que o presente editel virem e
dalle noticie tiverem que no die 2 de setembro
do corrente anno se ha de arrematar por venda a
quem mais dr em prage publica deste jaizo, na
sala dos auditorios o seguinte :
Um boi caxito. gordo, avliado por oitente mil
: ris, e um quatlo pedrez, avahado por vinte mil
ris, oe quaes ao perlencentes Francisco Ribei-
ro da Brilo e lhe foram uenhoredos por execugo
que lhe move Jos Bapti*t Ribeiro de Faria.
E oo havendo laucedor que cubra o prego da
avaliacao, a arrematado ser feita pelo valor da
adjudicarlo cora o abalimento di lei.
E para qae chegue ao eonhpcimeoto de tedos
mandei passsr editaes que sero publicados pela
impreosa e affixados nos lagares do roitume.
Dado e pesiado nesta cidade do Recife capital
da provincia de Pernambuco, sos 3 das do mez
de setembro do anno do Nascirneoto de Nosso
Senbor Jess Christo de 1862, quadragesiimo
primeiro da independencia do imperio do Bra-
sil.
Eu Maooel Maria Roirigues do Nascimento, es-
crivo o sabscrevj.
ITristo de Alcocer Araripe.
O Illm. Sr. iospector da thesouraria de fa-
zends desta provincia, em curapnraento da cir-
cular do tbesouro, dtlada de 28 de julho ultimo,
sob n. 42, manda fazer publio que tica aberl
para o dii 6 da oulubro vinduuro novo concurso
para preeochimeoto doe lugares de prsttcantes
da alfandega deats mesma provincia, comegando
os exames as 10 horas da manlia subre as se-
guintee meteriis : 1.a grarrmilica da lingua ver-
ncula, leitura e eacript correcta e correte ; 2.
theoria da ascripturago mercmtil por partida
simples e dobradaa e sus pplicges ao coru-
me-cio, e a edroinistrago da feende ; 3. arilh-
metice e suas apj.lic>ga ao commercio com es-
pecialidade reducgSo 4os pesos e medidas na-
ciooaea e estrengeiros, calculo de descont e ju-
ros simples e composlos, ihooriis de cambise
e suas applicgea ; 4a nogoee de algebra ; 5.a tra-
duego eorrecla das lioguis ingleze e franceza,
ou pelo menos da ultima ; 6a principios geraes de
geograpbie, de historia do Brasil e de estatiilica
coasaeercial : equelles que preleoderem ser ad-
raettidos ao concurso, deverao previamente pro-
ver qae teem 18 annos completos de idade, que
eelo livres de culpa e pena, o qus tem bom con-
portameoto. Secreteria da thesouraria de fezen-
da de Pernambuco 28 de agosto de 18.Ser-
vindo do official-maior,
Manoel Jos Piolo.
O Illm. Sr. iospector da thesouraria provin-
cial em cumprimenlo da resoluco da junta da
fazanda mande fazer publico que se contreta por
lempo de tres mezes a cootar do 1 de outabro
so ultimo de dezembro prximo futuro, o foroe-
cimeato de alimeutigo e dietas para os presos
pobres da casa de deiengeo, saber :
ALIMENTAgAO.
Domingo.
ALMOgO.
1 pao de tres ongas.
1 ung de caf.
2 ougss de issacar.
JASTAR.
1 libra de carne verde.
1 onga de toocioho.
1 dcimo de farinha.
Lenha e sal.
Seguoda-feira.
ALMOCO.
O mesmo que no domingo.
JArUAR.
O meamo que no domiogo.
Terga-feira.
ALMOgO.
O mesmo que no domtogt.
JAMAR.
O mesmo que no domiogo.
Quarla-feira.
ALMOgO.
0 mesmo que no domingo.
JAMAR.
Meia libra de carne secca.
1 onga de toucioho.
Meio dcimo de feijo.
1 dcimo de farioha.
Lenha e tal.
Um pao de
gallinhs.
Lenha e sal.
Jantar.
Um quarto de gallinha cozida.
Duaa ongaa de arroz pera caoja.
Lenha, sal e vinagre.
N. 3.
Almogo.
O mesmo que na dieis n.2.
Jantar.
O mesmo que ns dieta n. 2 e mais
Um quario de gallinha ssseda.
Um pao de 3 oogas.
Leha o sal.
N. 4.
Almogo.
Duaa oitavaa de cha da india.
Um pao de 3 oogsa.
Duas oogasde assucar.
Lenha.
Jantar.
Um libra de carne verde.
Um dcimo de faripha.
Lenha a sal.
N. 5.
Almogo:
O mesmo da dieta n. 4.
Jantar.
Urna libra de carne astada.
Oaatro ongae de arroz.
Um pao de 3 ongas.
Lenha e sal.
Aspessoasqua quizerem contratar dito forne-
cimeuio apreieotem as suas propoatas em certas
fechadas na meame thesouraria, no die 18 do
corrente, pelo meio-die, onde encontraro as
coodiges com que deve ser effeduado o referido
contrato.
E para constar sa mandn ifllxir o prsenle e
publicar pelo Di* rio.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
nan buco, 9 de setembro de 1862.
O secrelsrio,
Antonio Ferreirs d'Annunciago.
&ra .o
Quem quizer vender taes objectos apresentem
as suas proposlis em carta fechada na secretaria
do conselho as 10 horas da manha do dia 15 do
correle mez.
Sala das sesses do cooselho administrativo.
aPgo:todoe862e.Dl0 d arieD" de ". 6 -
Antonio Pedro de S Brrelo
Coronel presidente. '
Francisco Joaquim ereira Lobo
Coronel vogal secretario interino.
Malla Gasa da Miserbr-
dia do Recife.
A Illa a. junta administrativa da Santa Cisa
da Misericordia do Recife, msode frzer publico
que no die || do c< rreole mez, na sala de suaa
seifOes pelee 4 hores da tarde, contiLa a praga
das rendas das casas abaixo declara !as, pelo tem-
po de 1 a 3 annos. Os pretndanles devem com-
parecer acompaohadosde seui fiadores ou mani-
dos de cartas destes.
Praga de Pedro II.
N. 1 particular o 33 publico, urna sala.
Ra do Queimado.
dem 1 particular e 35 publico, luja.
Ra do Crespo,
dem 3 particular e 11 publico, tres andares o
loje.
Rea do Ringel.
dem 6 particular e 56 publico, tt&ta VeKea.
Rua de i.i !tn.
dem 17 particular e 59 peblico, dous andares e
loja.
Ra da Madre de Den,
dem 22 particular e 9 publico, ura aniar e loje.
lem 24
loja,
tem 25
dem 31
dem p
dem 04
dem 36
a
>
i


e 26
e -21
e 12
e 8
e 6
o 2
doua enderes e
um andar e loje.
casa terrea.
Por esta subdelegada se faz publico que se
acha recolhido case de detengo o perdo Paulo
quo dechrou estar fugi'o, e que era escravo
de Francisco Antonio Pereira de Soazi : quem
se julgar com direito apresente-se que provaodo
lhe ser entregue.
Subdelegara dos Alegados, 27 de agosto de
1862.
O subdelegado,
Pedro Msriz de Abreu.
Por esta subdelegada se faz publico, qae
se acha depostalo u mea vallo russo pedrez com
outros sigoaes, que foi enco-iiredo no Barro Ver-
melho, estranho ao lagar, havendo suspeitas quo
o afamado Antooino Jos do Orreo, conhecido
por industrioso na trafleencia de furto de caval-
los, o tinha sobre sua guarda, tanto que foi pre-
senciado por urna pessoa quando elle o ia amar-
rar : quem se julgar com direito comperega, que
provendo lhe ser enireue.
Subdelegada do primeiro dislricto dos Afoga-
dos, 26 do agosto de 1862.
O subdelegado.
Podro Marta Jo Abreu.
Consulado provinciul.
Pela mesa do consulado provincial se avisa aos
devedores do imposto da decima urbana, de 20
OlO sobre o consumo de gurdente, de 4 0l0 so-
bre os estabelecimeotos de fora da cidade, pren-
sas de algodo, typographtae, cocheira. cavalla-
rices, hoieis, botequios, casas de pasto, e fa-
bricas, de 12 OlO sobre os estabelecimantos de
commercio em grosio e a retalho, armazens de
recolher, da deposito e os tramches, do 8 rj'O
sobre consultorios mdicos e cirur,iico9, carinos
escriptorioe, de 50J4 sobre casas de modas, bllhar,
chapeoee rouea feita eslrang.iira.de 1:0003 sobre
casas de oprago baocaria com emiisao e privi-
legios, de 300U subre companhiae aoony.ms e
agencias, de 2O0g sobre cas*s de cambio, 10 0|o
sobre a renda dos terrenos oceupados com o
planto do capim, de lOfl sobre correctores com-
merciaes, de 503 sobre correctores do escravoe,
de 500 ris por toneladas de elvarenga. o ennoas
empregadas no trafico da carga e descarga, e fi-
nalmente o imposto sobre carros, cacrogas e orn-
niDus, que no ultimo de setembro corrente fio la-
se o prazo marcado para o recebimento dos seus
dbitos perleocenles ao anno fioaoceiro de 1861
a 18*i2, fiondo sujeitos os que nao pagarem a
serem executados
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
4 de setetbro de 1862.
O chele da segunda secg3o.
Francisco Ferreira Martina Ribeiro.
Pela thesouraria p'onctal se faz publico
que a arrematago dos reparos da estrada de
Pao d'Alho, foi transferida para o dia II do cor
rente. pr.
Secretaria da thesouraria provincial do
nambuco 4 de selembro de 1862.
O secretario,
A. F .da Annunciago.
De ordem do Illm Sr. inspector da tbeseu-
rari de fazenda deata provincia se faz publico
que, leodo havido eogaoo cas materias annun-
ciadas no da 23 de agosto prximo odo pira
os exames de pralicanles da alfnndega desta raes-
" ma provincia, sao ellas as exigldis no art. 7* das
' instruegoes de 3 de margo do corrente anno a
saber : leitura, aoalyse gremmalical e orthogra-
phia, Iraducgo correla das lingaas ingleza e
franceza ou pelo menas da ultima, srithmetlca e
mas applicages at a theoria das proporgoes in-
clusive. Secretaria da tbaeouraria de fazenda
de Pernambuco 5 de setembro de 1862.Ser-
vindo de C/fficial maior, Maooel 'os Pinto.
Collectoria provincial de
Olinda.
O collector de reodas provinciaes de Olinda
manda fazer publico pelo presente aos contri
buintes dos impostos langados, que no dia 30 do
corrente se encerrar o exereicio de 1861 1862.
e que, quem deixar de pegar al esse die aa suaa
contribuidles ter de o fezer de oulebro em diao-
le com guia do juizo dos feilos; fez tambera
constar que di expediente todos os dias uteis na
ra do Amparo sobrado o. 42, o ultimo, seguiodo
para a raa dos Gatos, do lado eeqaerdo.
Collectoria provincial de Olinda 1* de setembro
de 1862.O escrivo, Joo Goocalves Rodrigues
Frange.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguiotes :
Para o 4* batalho de arlilharia.
6 resmas de papel alaiaco.
6 caixaa de pinnas 'eco.
2 caivetes.
6 garrafas de tinta prela.
6 duzias de lapis de pao.
6 libras de aris para escripia.
Para o 7 batelbo de infantera.
6 resmas de papel almasso.
6 caixas de pennas da ago.
200 pennas de ave. ;
2 caivetes.
6 garrafas da tinta preta para escrever.
6 duzias da lapis de pao.
6 libras de areia para escripia.
36 coHccgea de cartas para principiantes.
36 taboadas.
12 grammaticas porteguezjs por Monle Verde
ultima edigo.
12 compendio de arithmelica por Avila.
12 pautas.
36 traoslados.
6 padraa para escripia.
18 lapis para aa ditas.
Ra do Torres.
IJom 37 puticular e U publico, dous andares o
loje.
dem 38 particular e 16 publico, dous andares e
loj.
dem 39 particular e 18 publico, doas andares e
loja.
Ra do Cordoniz.
dem 42 parlitular e 1 publico, casa terrea,
llera 43 particular e 3 publico, casa terrea.
Ra da Moeda.
dem 44 particular e 21 publico, casa terrea,
dem 45 particular e 45 publico, casa ierres:
dem 47 particular e 19 publico, casa terree.
Uua; do Aiionin.
dem 48 particular e56 publico, casa terree,
dem 49 particular e 5 publico, casa terrea,
dem 50 particular e 52 publico, casa terrea,
dem 51 pelicular e 47 publico, casa terrea,
dem 52 particular e 45 publico, casa terrea,
dem 5 particular e 21 publico, dous andares,
dem 55 particular e 21 publico, caee ierre,
dem 06 particular e 26 publico, casa terrea.
Ra do Azeite de Peixe
dem 61 perlicular e 15 publico, casa terrea,
dem 64 particular e 2 publico, casa terree.
Ra do Vigario.
dem 71 particular e 22 publico, tres andares,
dem 73 particular e 25 publico, tres andares.
Ra do Encantamento
liem 76 p-rticular e 11 publico, doas andares,
dem 77 particular e 13 publico, dous enderes.
Ra da Senzalla Velha.
dem 7_8 particular e 1H6 publico, dous andares.
Uem 79 particular e 134 publico, dous andares.
dem 80 prtiiular e 132 publko, dous andares.
Rus do Trapiche,
dem 85 particular e 30 publico, tres andares.
Ra da Linguete.
j dem 86 particular e 14 publico, dous andares.
! Ra da Cruz.
' dem 87 particular e 11 publico, dous andares:
iJem 88 particular e 29 publico, dous andares.
Uem 90 particular e 12 publico, dous andares.
Ra da Lpt.
Irfem l particular e 2 publico, casa lerree.
Ra da Cacimba,
dem 65 particular e5 publico, armazem.
Ru do-Burgos,
liem 68 particular e 19 publico, casa terrea.
dem 69 particular o 21 publico, casa terre.
RuadaGuia.
Id,em 83 particular e 27 pufclico, casa terrea,
dem 81 particular 29 publico, casa terrea.
Raa do Pilar,
dem 96 particular e 2 publico, casa terrea.
Itua do Sebo,
dem 12 particular e 3 publico, casa tarrea.
Sitio do Parnamerim.
I lem 2 particular.
Sitio do Foroo da Cal
Uem 5 particular.
Secretaria da Santa Cisa de Misericordia do Re-
cite 5 de setembro de 1862.O escrivo,
F. A. Cavalcenti Cousseiro.
fi eeiMBa ee
O-
Para o Rio Grande do IN'orte e
Ass.
A bsre^ga Uoio do Norte* segu para os por-
tos referidos ateo dia 10 do corror.tn ; para car-
ga, trah-so coro Joo da Cunha Magalhes, ra
da Cadpi. n. 54.

Rio Grande fo Sul.
O patacho Candida segu com brevidade, e
recebe elguma carga a frete : traase com os con-
signatorios Mirques, B*rros & C, largo do Cor-
po Santo n 6.
wm :
Janeiro.
O vflleiro hiale Novaes segu com brtt iede,
recebelalguma carga i frete : trata se com oe cod-
aignatsHos Marques, Barros & C, lsrgodo Corpo
Snto n. 6.
Rio deJaneiro,
pretende seguir com muita brevidade o veleiroe
bem conheci Jo patacho nacional Capaan, ca-
pilo Theotonio Joe da Silva Rosa, tem parte
de ioc cerregameoto prompto : pere o resto qae
Iha falta, trtese com os seus consigna lelos An-
onio Luiz da Oliveirs Azevedo & C. no seu es-
riptorio, ra de Cruz n. 1.
de Janeiro
Pretendo seguir com maila bravldade pera
Rio da Janeiro o veleiro o bam conbacido brigao
nocional Almirante, tm perla do aao carrega-
mento prompto ; para o resto qaa Iba falle. Ira-
ta-sa norr oaseuscoosigoatarios Antonio Laiz do
Oliveir Azavodo, no sea escriptorio ra da Crua
numero 1.
mi&
segu brevemente o hiato Exhalsgo, j tem
alguma carga para o resto e psseageiroa: a tratar
na raa da Cdela do Recito n. 28, primeiro andar.
/
J
MUTILADO


Sir.i
DIA10 D fllHAMlDCO. QUAFvTa PERa 10 Dt%eTBliBRO 18_.
a b
hia
eom'muiU brevidade pretendo seger o bao eo-
nheeido veleiro brigee eacum sJoveo Arthir,
eapilo Joaquim Antonio Googalves dos Santoa,
tara parta de aau csrregamento promplo ; para o
resto qiia Ihe falta, trate s cora oa aaua consig-
natarios Amonio Luii da Oliveira Azevedo & C,
no aen aacriptorio ra da Gru n. 1.
COMPAXHIA PEllNAMBUCANA
I)B
Navegado cos'eira a vapor.
Parahibd, Natal, Macau, Aracaty, Cea-
r, Acaracu' cGianja.
O Tapor sJagusribe, commandante Lobato,
aahir para os portos do norte ala o da Granja,
no dia 6 de setcmbro as 4 horas da tarda.
Recebe car^a al o dia j. Eueon. mondas, pas-
sageiros e diuheiro a (rete ate as 3 horas do dia
Ja sabida. Escriptorio no Forta da Mallos nu-
mero 1.
Jl^v
m.ir
Si
f
Por estes dias segu para o Aracaly o hiate
Santa Rila, mesire Joaquim Antonio Figueire-
Oo : a tratar com Tasso Irmao.
.-- ---.., l
GOMPANKIA ^RASILEIRA
DE
^fcpitrit a f if 6>i.
Espera-se dos portos do sul t o dia 13 do
crrante o vapor Cruzeiro do Sul, commendanle
o capitao de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da daraora do costume seguir para
os oorlos >Jo norte.
Desdo j recebem-se p3ssairoa e engaja-se
srga qu* o v^or poder condazir a qual devo-
ra ser embarcada no da de sua ch*g a, n-
mendas e dinbeiro a frnt at o dia da sahi-
as2 horas: agencia ra da Cruz n. 1 es-
cripiorio de Antonio Luiz da Oliveirs Azevedo
& t.

Livros de direito e lil-
leralura.
O agente Almaida (ar leilao de urna livraria
completa na cual os preteodentes achira exeel-
lentes abras de d-reito e litteralara, dos melho-
rea eacriptores molernos com ricas encadema-
goesqo serio vendidas sem reservado prego.
Quinta-fera 11 do correte
O leilao ter lugar na ra da Gideia do Becife
0, 53, a 11 horas.
Un sof', 2 contlos, 6 cadeiras e urna
mesa de Jacaranda', um guarda ves*
tido, um tocador, 1 lavatorio e 1 me-
sinlia de mogno, l cama franceza, 1
apparador, 1 marqueta, i mesa re-
donda, 1 commoda e 6 cadeiras de
amarell, quadros, 2 jarros, 1 can-
dieiro de gaz, 2 escarradeiras, lgu-
ma louca e outros objectos.
Quarta-feira 10 do crvente.
O agento Pioto ar lailo por onta do una
pessoa que relira-se desta provincia dos objec-
tos cima mencionados ezistentes no pritnei.ro
amlar do sobrado n. 17 da ra da Cruz, onde se
effectuar o leilao s 11 horas do dia cima men-
cionado.
MPANtff/. SBASLElRA
DS
m roa i
E' esperado dos portos do norte al o dia 17
ci correte, o vapor oTocanlins, commandante
o primeiro lente Pedro Hyppolito Duarte, o
qual depois d.i d.niora do cusame seguir para
os porlos do sul.
D -l- j reeebeoi-ae passageiros, e engaja-a
ja yus o vapor poder couduzir, quai da-e-
aor embarca id no dia de sua chegaia : dioh-
ro a frele a eacomomodas ate o dia da anida as
2 horas da tari- esencia ru d* Criz n. 1,
es -, >t irio de Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do ^ C.
Qaeijosflamengos
Quarta-feira 10 do
corrente.
O ag'nio Pestaa far leilao por conla e riaco
de euei pert-.ncer.de 25 caitas co:a qijoi fla-
mencos m>t frescos e exell<*nts era sia qua-
Ifdade, vio dos no vapor iaglez, a aerao vendidos
em lotes a vonti le d^s eomorsiores ; quarta-
feira 10 do correle pelas 10 horas do raanha,
oo armazem doAooea defronle da al(n lega.
!l
^&
LE
20 saceos com amendoa
e 20 barricas com grao
de bico.
Quarta-feira 19 do corrate.
O agr,ta Petana, pro lai'ao publico venier
por coat e risco de juera pa.-to:pr, 20 saceos
cora amenloaa e cerca de 2'( barricas rom grao
de bico, era lotea a vontada dos compradores :
quera fairi 10 Jo eorreute pelas II ho'as da
maoha oo ar jiazoT. do Aones, defronto da al-
fiu ;ea.
TE-,

z>s
v vA \cao costeira a vapor.
. iralba, ilio Grande do Norte, Ma-
cau, Aracaty, Ceara'e Acaracu'.
O Tipo- Iguirass, eommandaote Vi*Dna,
r.a'nr piro os porlos do norte at o A'rac
no lia 21 do correte s 5 horas da tarde.
R -ceOH carga al o dia 20 ao meio dia ; *n-
croTimeadas, passageiros e din'iairo a fret9 i o
diada ahida das 2 horas : escritorio no Fvrte
do Maitns n. 1.
DS
Stvega$scosleiraavapo
Maeei em direitura.
O vapor Miraiq<-jape, cniraindante Moura,
a^Tirs para M-cei ao li 15 de co'rento bspz s
4 horas da tarde.
Ru;.:r! car^a at o dia 13 ao raeio dia. En-
CO rameo das, passageiros e diuhiro a (rete at
o dia da aahida i 2 boras : escriptorio no Forta
do Mallos n. 1.
GOTIPJMH
DAS
Messagerics imperiales.
At o ti' 1i lo correte esoeri-ee di lurooa
0 raoot francei Guieane, commandmte Enout,
o ju'l depm da demora d.i cosiu r o Rio d Jiiii o locando na Baha para paa-
sgrasete, trata s-, m ageacia roa do Trapiche
o. 9.
.'>
Um grande carro e 2 ca-
va II os coa arreios.
Sabbado 13 do crvente.
O ag-otH Pinto (ara leilao por cuma de quera
pertoeer de um carro g'ande e novo e i cabal-
los cot arreioa para o m->smo carro, o q xcellentes molas, lantoroaa e todos maia per-
tencea: s 11 horas do dia cima meociooado na
pra;a do commercto.
LEIL40
DE
Din curro e cvalk
Sabbado 13 do correte.
O ageote Piulo [ estrang-iro que retira-sai para Europa de um
elegaote carro americaao da 4 rodas eom cober-
ta, com eesMOto para duas 4 pessoas, eom ar-
reioa e langas para um e ooua cavallos s 11
horas do da acuna meociooado na praga alo
commercio em fronte a casa commercial de
Sauuden Brothers iSt C.
Um sobrado
Sexta-fetra \1 >o correte
O agona Pinto (ara l^iiSo s 10 horas do di
cima ajericionain dn anbrado j< um andar u
solio n. 4 silo na ra do Calibiugo, em chaoa
proprios, o qual te'ii muitos commnSos e reooe
6HO3 anoues, em seu escriptorio ra da Cideia
n. a. ______________________________
LEILAO
DE
UM TEttttENO.
Sexta-feira 12 do correte.
O agente Pinto far leilao s 11 horas do dia
cima ojeocionado, de un terruo na eatrada de
Luiz do Reg com 50 pilmoa de frente e urna
casa de taipa com 30 palmos de frentn no mes-
mo terrino, sai seu escripiorio rus da Csdaia nu-
mero 9.
- stf Alugaru-se as casas terreas n. 9 e 15 da
ra Bjila : a tratar na ra larga do Rosario nu-
mero 44.
fa Saques sobr& Portugal. S
0 abaiu -s?isn<8 atento do Banco !
Mertaotil Porluonat-. nesta eidada, saca S
B efT'ictivament* por todo os paquetas so- &
b e o DMSmo Baneo par o Porto a Lis- M
^j boa, por qualquer sorama avista a pra- *
^j* zc, po leudo lo^o os saques a prazo aurora
J oeseootados no raesrao Banco, na razai A
de 4 por santo so anno aos portadores ap
qa assim lheconvier ; na* ras do Cr*a- tt
po n. 8 o do IriiperaUor O. 51.
Joaquim da Silva Castre.
Sabbado 20 do corrente mez, $e ex-
trahira' a quinta parte da segunda lo-
tera do Gvmuasio Pernambucano (3a
conce&sao) no consistorio da igreja de N.
S. do Kosario de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
a venda na respectiva thesouraria ra
do Crespo n. 15, e as casas corarais-
sionadas ra da Iruperatriz loja de fer-
ragens n. 4* do Sr. Pimentel, praqa
da Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra Direita n. 3 botica do
Sr. Chagas, e na ra da Cadeiado Re-
cife loja n. 45 do Sr. Porto.
As sortes de 5:000| at 10$ serao
pagas urca hora depois da extraccao,
3 as outrss.no dia immediato depois da
1 distribuidlo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos' Rodrigues de Souza.
Para criado.
Aloga-se em escravo pardo com idade de 20
anooa, muto fiel obediente, j servio n'uroa
casa estrangeira 7 anuos sra nota e sahio por
se ter acabado com o eslabeltcimeoto : na rea
da Cruz n. 62. tnreoiro anlar
Na ra -lo Rn.gm o. 73, preciaa-se la urna
ama da leite que nao tenha Albo, escrava ou l-
vre.__________________
Arrenda s-> um auu o< Torre, com nana
para capim, casa grande, corbeira e casa pra fei-
ior : na lur.rii da praga da Independencia El.
6 e 8 ae dir.
Precisa-ae de orna ama para cizinbar para
em homam solteiro: na rn* daa Cruzas o. 2(, ta-
iprna.
Sn. redactores.Lendo seu cooceituado Diario
n. 174 de 30 de julho prximo passado, deparei
eom urna correspondencia asiignada pelo Sr. Au
Ionio Gomes deMacedo, morador no Rio Form-
lo, na qual faz ser que as Ierras do eogeoho des-
la reguezis a'Agu Preta pertencem a elle cor-
respondente por compra qoe fez aoa berdeiros
do tinado vigario de Una, e nao a mim : nao que-
ro duvidar dos ttulos do seohor, quero .rnente
fazer 4r ao Sr. Mscedo e ao publico os ttulos em
que me baaeio para intitalsr-me proprietarlo do
Soma, e boje de parla delle.
' verdade que o finado Joo Leandro Soares
de Araujo tiros por aismaria perto de um se-
cuto ama legua de larra onde foi edificado o en-
genho Souza, e que a vendeu ao finado vigario
de Una Vicente Ferrelra de Mallo e SiUs, ssim
como tambem verdade que n meso,o vigario
vendeu ao finado Luiz da Silva Sintos a legua de
trra comprada a Joo Leandro, e que tendo Luiz
da Silva tomado potse da lerr, descoberto parte
do terreoo, eatabelecido nella sua reaideocis, e
dado principio a levantar o engenho.foi a obra em-
bargada e citado o comprador pelo vendedor para
urna acgo de nclliJade da venda : Luiz da Silva !
pelio vistas, e sualentaram un libello por muitos
annos. que foi oficial decidido pe relacu da Ba-
hia a favor do comprador; votando Luiz da Sil-
va da Baha com sua demanda ganha, tratou de
acabar as obras do engeuho, e o possiiio por
mais de 20 annos, sem que em sua vida appare-
cease pessoa algama allegando direito algum so-
bre as trras do engenho Souza.
QO Sr. Luiz da Silva morreu ha mais de 40 an-
noa, seas bens foram inventariados e parlilhados,
tocando a tolos os seas herdelros pule do en-
genho Souza.
O finado capitao Jos Felippe Santiago Rodri-
gues Ramos, comprou diversas partes do oogenho
Souza aos berdeiros de Luiz da Silva, tomn
posse do engenho e arrendou, e no mez de julho
de 1825, venden as partea que lioha no engenho
Souza a sea irmao o finado capitao Autonio Ro
drigues Rimos.
Por morte do capitao Antonio Rodrigues Ra-
mos foram saus bens inventariados e parlilhados,
locando pouco mais de um cont de ria uo en-
genho Sonza a seu filho o Sr. Birnab Rodiigues
Ramos, e ludo o mais a sua bina, mulher do fi-
nado lente coronel Mauool Francisco Lamenha
Lins.
O Sr. tenente-coroael Lamenha falleceu em
1846, deixando por seus herdeiros suas Exmas.
mulher e duas filhaa, que venderara o que tmharo
no Souza,comprando eu mais ao tinado commeo-
dador Msooel Zuferino dos Santos o que este ti-
nha no engenho Souia, qae era a parte que com-
prou ao Sr. Barob Rodrigues Runos, e duss
parles e herdeiros do Sr. Luiz da Silva que an-
da eatavam ra rio engenho.
Nao consla que drpois da morte do Sr. Luiz
da Silva Smtos apparecesse una s pessoa alle-
gando direito algum sobre as trras do Souza,
porui eslava reservado para o Sr. Antonio Go-
mes de Micedo vir allegar seu direito de com-
prador das Ierras do Souza. depois de 70 annos
Plo menos. Parece que o Sr. Mscedo tese a
sorta dos dorroentes, e que agota foi que acor-
dou, depois das ierras do Souzi lerem passado a
seis possuidores contados do Sr. Luix da Silva
Saotos, al este anu criado, para vir com seus
emargos de senhor e possuidor.
.Pelo qu acatio de dizer, j v o Sr. Antonio
Gomes de M .cedo, que os ttulos que teoho para
consi ierar-me proprletorio oo S.uz', e legaes os
meus aclos, a sismara do finado Jvo Leandro,
a venda que este fez ao finado vigario, a venda
dealo ao finado Luiz da Silva Sanios ; o accordae
da reliriu da Baha, que julgoa firme e valiosa
esta venJa ; o inventario do Sr. Silva Santos jul-
gado por senienga ; a veodi que seus herdeiros
oracu aocapio Jos Felippe Santiago Rosi-
gues Ramos, a venda que este fez a seu roio
o capilao Antonio Ro Irigues, que tocou oque
elle possuia no Souza a seu filho e Alba, o in-
vent-iio que se fez por morte do leoente-corooel
Limenha ; as compras que fez o tinado rommen-
dador M.moul Z-tferioo aos herdeiros dos findos
capitao Antonio Rodrigeos e Luiz da Silva, seo
do qjasi (odas as compras por escripUra publica
e os inventarios loios julgados por senlen* fi
ualmxnie pelsa esciipturas publicas da:
que fiz as Exmas viuva e ninas do finad
te-coronel Lamenha e con,me>.dador Z f
S-nlos Por todos esis ttulos foi q
me coosidorei li por vicio de possuir o alhuio : vicio de i
albeio, tem aquello qu6 quer perturbar
legilioiamente adquiridas no espado de tres quar-
loa de secuto.
Agora finaliso por hoje, aconselhsndo to Sr.
Antonio Gomes de Macedo, que seja mais cooie
diiio qusndo houver Ue dirisir-se a pessoas que
esio ou caso Ue dar-itie li^i's de moralijade,
Queirim, Srs. redactores, fazerem o obsequio
darem publicidad a esias mal tragadas linha,
pelo que ficar asss obligado, sou aiteto ve-
nerador.
Joi Antonio l'ereira.
Eogenho Potos, 26 de ao-to de 1862.
J--,iii Jos do Espirito auto, mora lor em
Cruz de Almas, na cidade da Victoria, comarca
de .s-.i.li, Anto, avisa ao rsptitave publico e a
qual juer pessoa ni particular, que se acha livre
e exonerado do psgamento lo Importe de da:s
letras que acaitOO nol. de julho prximo pas-i-
do a favor d< J t.i Francisco da Cunha Pedresa,
pagar a primeira uo dia 31 de dexembro do cr-
reme anno, da quantis de 70J000, 6 outra de
igual quaotia de 70g000, pgr no ultimo d:
juoho d 1863. provenientes do imposto do con-
sujo de agurdenlo desle municipio da Victoril,
como consta do papel de venda do mesmneon-
Samo, que ao armuntiaute fizera diio Pedrosa,
00 reiendo dia 1.' de julho do corrente anno,
visto que elle Pedrosa sa acha inhabilitado esas
arrecadaco, em consequencia do anounno pu-
blicado no .Diario oe Perdambuco n. 180 d 6
de agosto prximo passado, em que o Sr. Pauliuo !
Rodrigues d Oliveira fez *cieat ao publico que
caasava ou revogava os poderes constituidos
seu t-a-taiiie procurador Uiiibelioo B-od.ira de
Mello, morador que ara oa villa da Escads, por
haver ouiino Bsndeira fallecido, principalmen-
te porque dito finado Btodeira oo tiuba poderes
especiaos para vender o cenaumo desU munici-
pio, como illbsoriamente vender ao j fallecido
lente Francisco Xavier Cavalcan de Almeila,
e ao mencionado Pedresa, motivos estes, pelos
qoaeso annunciante protesta cao pagtr ditas le-
tras ao Sr. Pedrosi, e oeni to pouco a outra
qualquer qessoa que por venlura teoba recebido
ditas letras em traosaeco. E finalmente avisa
aoSr Pedrosa que no praso de 8 das, contados
da pablicac,ao do presente annuocio, Ibe reati>ua
ditaa letraa, qae fielmente o anounciante fr en-
trega do mencionado papel cima referido, do
consumo da agurdenle, por se achar nuilo ae-
melhanle negocio, e porcoosequncia tolhido da
arrecada^u de aemelhanle imposto, e de confor-
midade com o direito que assiate ao meociouado
Sr. Paulino Rosigues da Oliveira. Cidade da
Victoria 2 da aeiembro de 1862.
Alugam se dous grandes arma-
zens na ra da Concordia proprios para
qualqfier estabeleciment em ponto
grande a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Al ves na ra da Cruz do Recite.
ESTRADA DE FERRO
DO
RECIPE A S. FRANCISCO.
Domingo i i do corrente haT&r um t em de excurso
Agua Preta.
Com grande dTOnui$So de preeos a saber :
Primeira classe (ida e volta) .
Segunda classo (ida e volta) .
Tere' ira classe (i ':^,Ta.. -TI________ -
6^000
5^000
4^000
Mediante ajuste previo feito no escriptorio da companhia, os passageiros encontraro
carros especiaos para as reuiiies de amigos que oVsejr*rn f^zer a excurso at a
Agua Preta ou algum outro ponto intermedio da liuha frrea.
AsaigoadoE. II. Bramah, superintendente.
Padaria franceza de2
forno mechanico,
NICO NA PROVINCIA @
50 Ra da Imperatriz~50&
^ A padaria franceza sit na ra da Im- ^
t peratrii n. 5, oniiuus sob a adtninis- 4i,
^ trQdo da viua Barrellier e all haver W
todos os das: ^y
Pulquete de leile s 6 horas da Ur- &3
de para tomar com cha do dia 11 do cor- ^
rento oo, Jiante. 6
Bolachas de todos os lamanhos e qaa- ^
lidaoes. ^
Biscoutos doces a agua ios e de lodas 2?
as qualidade*. i
Bolachinhaa de araruta do:es o olea- v
das. I ;.!
Bolos frAncezes. f'A
Faliss doces. \\
Pao eommu-n das melbores farinhas ->
do mrcalo. -..';
Preparsm se bandejas de lodos os ta- Pj
rarhns com bolos de todas as qualida- ~jii
dee e ludo isso por pregos cooioiodos. V
A referida padsria irabalha em um i
forno nitchaoico asaas daapen-ioso e
nico na provincia O yao, qe d
snhe o niis li^ijio, puro e de trelhor
%
^a posto a bem assira as bolachas e ludo o f'-t
mais. O forno tem um asaeio notael e .-."'
? o pao cosido cotn muilo pouca lenha,
;% e tem haver con.municsqo com esta *t^
,-^ ou rs bsses, sendo i.or isso qua nao se g.
2 encontra o menor fragenlo de carvo
0 pao e nss massos que He cos'.nha. ?>^
SA Ri .*!:. :~ .-- ,'. i.'-- -i- .v r""i
Sort:raento completo desobrecasacos de panno a 2, 289, 30* e 35J, essacas milito bem A.linj,. tu a \ a \v^\\
las a 25, 289, 30,e35, palelots acasacados de panno preto da lKal25, ditos de casemira A""1"*'111" ''' pprOVeiiem-
imra 15. 181 e 20, paleto saceos de pmnoe casemira de S al 14*. di-os saceos de alpaca, diS V2/offic-V. %^7^'Zl
acre-
a ci-
lien
.im
feit
de
merino e la de 49 al G>, sobre de alpaca e merino de 7 al 10. caigas pretas de casemira de dale, na raa do Cab^ga" d. 18, enlrsoa pelo pa-
89 al I4!>. ditisde cor de 7 at 109, roupas para menino de todos os lamanhos, grande sorli-; leodirnatru.
ment de roupas de brins como sejam caigas, paletols e colleles, sorlimento de collcl^s preos de
metim, casemira e velludo de 4 a 98, ditos para casamento a 5? o 6j, palelots hrancos de bra-
mantes 49 e 59, caigas brancas ninio finas a '>, e um grandesorumenlo de fazenda finase rao-
nas, cmplelo sorlimento de casimiras inglezas para homem, menino e senhora, seroulas de
e algodan, chapeos de sol de seda, luvas do seda de Jouvin pira homem e senhora. Te-
uma grande fabrica de alfaiate orne recebemos encornmendas de grandes obras, que para Na rua da Crur> golra1o D 9> nD UferiM an.
isendo adininistr->da por um ha.'.il raeslre da somelhanle arle e um pessoal de mais de'dar, alu^s.se urna espseosa e fresca sla c-m sua
la obreiros e-colhidos, porlanio executaraos qualpicr obra com promplido e mais barala Icovs, independente do reato da caaa, propria
em outra qualquer casa. 'psra Pessoa solieira, e desojando contratar a co-
' n.'-iior'a, podei enlen.ler-ae por una e outra
cousa, cj-h a familia que l r. ora, a qusiq.er
l'ora do dia.
ao e eco
mi?i.
f
&m%WM$M B MVMIAM
mnw- m mmmi
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
N iui no Sol u. 21
pruprio psra Ira ha 11 o t" e
aiu|(a il-
la ia
urn i = ; j
ELECTH MAGNTICAS EPISPASTCAS
^aflfl \XA
Para seren appiicadas s partas affeeladas
sem resguardo nem incomnaodo
Nesta typofjraphia precisa se 1.I-
iar ao Sr. Sfanoel Perreira d'Alweida,
<|ii-! mora na Casa Forte.
mpanhia Fi'ieliciaide guroa martimos e terres-
tr s, estab^lwi a n Rio de
Jaii ir cn& <
16:000:000^!
Pernauabuco
C'p < *3
Agentes em
Antonio Lix Mt.-o'.emonle autoriifdus pela directora i eotu a-
todas as | incon testa val, as innmeras curas completas, "M" > geroa FWelidaa, toman senurosi' -
e predios, no **u aaeriglorio,
provincias dest-t imperio pelos seus infalliveis re-.oblidas nas diversas molestias era que foram
suliados em todos os casos de inflamroagao sejam ; applicadas, o fazem me ecer e conservar a
externas ou internas ( com cansago e falta de confian^ do Ilustrado publico, queja live a
respiracao ) como do estomago, figado, bago, | honra de merecer delle 25 annos le existencia o
bofes, rins, tero, peito, palpitagao de corac.no, de pratica.
garganta, olnos, erysipelas, rheumatismos, para-
lysia e loas as effecges nervosas, ele, ele.
Igualmente para quesquer inchagoes, feri-
das, tumores intestmaese venreos, escrophulas,
lobinhos, papos, etc., ele, sejam qual for o seu
A'. B Ne-ta corte e de tod s os pontos desl
imperio recel.eni-se participagOes satisfactorias a
respailo das ditas Chapas Med'icinaes.
As enorumendas das provincias deven ser
dirigidas p r e>cripto, com todo o cuidado de
ios, m*r--dorii
rua d> >u n. 1.
Aliado se o piltlitlliu sudar do SODrailo U. >i'i
da rua do Pilar, com exc.-ll.niea
ooa v.ts para a barra : a tratar
i!ar do muran.
co i mojos e
no aeguudo an-
Na rua Jo Livramontj n. 9 urecias-*e do
um ou rios apren -scraos, fszHodo-se a conveniencia de no firn
l>e quatro mezes principiar se a pagar un tsnlo
d"T si-i i' i
uca
i. 2
Jua,u.ui Viauaitecu u. Jlir.uii, AUg.li.:*
txrnarda e Miranda e Jos Jeaqoim de
Miranda, comialmeota agradecMOi a todas
aa pessoaa qe assistiram as oltimas axa-
qo'as de sua finada mal D Marlanoa Do-
rutbea Joaquina, e que tan.bem ae digna
ram acomuanhar o aeu ealaser ao cemita,
no publica desta cidade, e eoctracida-
aente Ihes pedxm qu-airan aaaisiir mis
a que prett>nim n.anlar celobrar no dia
13 Jo torrete, a7 hras da raanhaa, no
coo'onto doCarmo dasta cdado.
I
Vande-se um excellente cavallo cachito eom
Re boos sndarea proprio para a fesla por se
achar muito gordo tuem o pretender e quier
ve-lo pode hriglr-ae roa do Kangal n. b3 oa-
de achar cnoi qunaa tratar.
habis e distincios facultativos, sua efficacia ser bem applicada no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serao acompanhadas das suas com I Consultas as pessoas que se dignaren) honra-
petentes explicagoes, e tambem de todos os ac- lo com a sua conanga, todos os dias sem ex-
cessorios necessarios para suas applicages. | cape^o. das 9 boras da manh s 2 da tarde.
jai:
13
do Parto ||9
tahriolet.
Veode-sa em excellente cabriolet de duaa ro-
das per prego moilo comroodo, valo ter o dono
; de rtirp-ae para o mato : a ver na rua do Ara-
8a" n 37 a tratar na ma lo Li Mtry Hhii erson e sea fllno aieuor reuram-
se para a Inglaterra,
Precisa -se comprar dous escravos tanoei-
ros : quera os tiver dirija-sa rua do Vigario n.
117, primolrt andar.
tatnanho profunde, por meio na suppuragao fazer as necesarias axplicacoes, seas ctopas^IraT. RSSi^'^.iV.VW.d em
serao radicalmente extirpados. para homem, senhora, menino, oa crianga P do juizo n,uoic.i,.al Ja segmod. vara, escri-
( Estas Chapas nao podera fazer mal de declarando a molestia e em que parta do corno ,8Saotoe, dous escravos pareos, porix-cogaa
forma alguma, ellas tem sido applicadas aos existe. ^|J ManoM JoaqagiBaptiata contra Jua Forn-
olhos com o melhor succe?so, vejam-seos attesta- Para nch;igoes, feridas, lobinhos, papos etc '---------------------__________________
dos de curas completas queja foram publicados o molde justo de seu tamanho mtvmvt^^lhZiTl^TVZ!^^"^!^9
pelos jornaes. ) papel a declaragao onda existe, afim do que a 7Z-----------7---------:-------------JS---------
O uso dellas acconselhado e receitadas por chapa sej da formada parta, affectada, e para r,'ll terCbr/x ln 5. Ffa I CIS-
CO do Recite.
Alugam-se os segundos an !ars dos so'ira.los
das ruaa eatreita do Rosario o. 36, e C nc -igo
da Boa-Vista n. 5, cerlencrntes ao oatrimciio
da dita ordem : os prebndenles poitrao dirigir-
la ao Irmao ministro o Sr. Antonio Pi-reira do Fe-
rias, na risa llir-ua n. 91
Ha para a'ugar escravos mogos e i (iUo
fiis para lo io srigo. Unto dsuiru da 11 a te.
Como fora em silios, CODO tambera para serigo
de coosiro ou criado: qj-m precisar duija-ae i
estrada d-.s All dos. na terceira caaa 4 ino es-
querda, indo v'lo Manirainho
Aos sesahoreS d^ (iigenho
Um agricultor qs deixou de o aer, dn6e loa
escravos : entre ella tem um bom bom rnuatre
de assucar e carrelro, de 25 uno, Uiisito robns-
to aadio : quem pretender dirija-se rua do
Sal n. i\.________________________________
No Ola 1 do corr-iiiu aiasaolou-se o nwla-
tinbo Mano!, escravo, com oa algosas segoioles :
idada 14 anooa, ebeio do corpo, cor clara e ma-
cilenta, cabullos csrapiohos, oih >a peqosoos, a
corao de iu*m solTreu nelles Incommolo, ien>
[alta de um deute oa frente no qaieixo superior,
a primeira vista mostra o acanhnmerito proprio
loa eacravos ao ampo, tem o andar feio, aa
roaos e pas curtos e groases, a ponto de prece-
rem inchadoa, |vou camisa de algo la i da ;.-iira
e caiga azul nova, chapeo de palha de carnauba
usado ; aappoa seque ande aju meamo na ci-
dade, visto due a ella vaio pela primeira vas, oa
que tanha acompanhado algum soibboi aimo-
crevaa : rogase a* autoriadas policiaes, capi-
laas de campo, a qualqn-r pessoa, a a .preen
sao do referido mulatinho, que se gratia -r ge-
nerosamente na rua ue Apoiio u. 42, r-r.f.ro
lar.
Casas para Hiug>r.
Alega-aa o 1* andar do sobrado n. 24 da rua
da Crux, proprio para escripiorio, o 2* andar
da raa a Senxalla-Nova, n. 9; quem pretender
dirija-sn a Pagote Viaoua C, roa da Cadeia
do Recif. n. 57. ________________
O Dr. Freda-nco Schulx. medico, psrlciroe
operador, mudos sea consultorio medico para
roa Nova n. 81, I" andar, aonde elle pode ser
encontrado todos os diss para ezercicio de aoa
iencia a qualquer hora do dia ou da noile. Re-
acio por escupi.
0 sitio PflCO-FuDiu.
Jos da Costa Martins raspende ao Sr. Bernar-
do da Silva Franco que o sino Pogo-Fundo o
aoouncisnle camprou ha 26 annos aos flibes de
Joa Vax da Costa, a ajuera bavie tocado dito si-
tio por heraoga de sm mi. Qje o pae della
B-rnar lo da Silva Franco que ae chamara Ma-
no! da Crux, havta comprado o asesmo sitio ao
ilo Jos Vx da Costa. Q por nao ser licita
esta venda felts p|o pal dna nrpbios, o jan de
orphaus o reeotregou o dito aitio aoa ditoa me-
oeres, os quaea depois de serem maioras qae
veoderani dito sitio ao anouociante. Que da va-
ler neohum |,or taolo a partilna que fiteraca
entre ai de dito aitio os nerdeiroa de Haooel da
Cruz, qaando alias aero mais nem nunca esiise-
ram nem enlrarsm na posa* de dito sitio. E as-
sim que calumniosa pretengo a delle Bernar-
do da Silva Franco, qoereodo por embarago ao
enouociante por oissor livremente de dilo sitio
e itto por um annuocio oo aDIario de Pernaro-
buro de 11 d corrente.
Precisa -se fallar so Sr. Haooel Franciacoda
Silva Fraxao para ae lhe entregar urna carta vin-
da de Gtranhuns: na roa D reita n. 127. segun-
do andar, dsa 6 s 8 da maoba, erdas 2 s 4 da
tarde.
ANTI66T0SO GENEVeiX
(Olea pura ale easlanlins dn India)
Relicario rua des Ilea O uso toe. e uni qoe nSo seja
um remedio mysterieso ?em perigo para a saulc
e iiio emliarac os cffeitoj de qualipier eutro trata-
mente interno.
0 oleo de castanha* da India empresa-s tio .o-
mease en lases ancjOM exteriores sobre o pars elfcc-
lada dnranle o accesso e romo preservativo da fiotta
> dos Hheumatismus.
l)bpo;n*Rios : Rio de Janeiro, tuan" Cheve-
let; Baha Jos (aidaHo Kencira Hprimlieira
PeriiaiH-buco, d'AhNalda Pinto ; Maranho, Ker-
reia e C" Rio-Crande do Sul, Couto e Godov
Tim
ta-eribe.
Alugam-ae tres asas terreas nnvag no sitio do
Porto ds Madeira, em Beberibe, a beira do rio,
moito frescas, com o baeho logo no fundo : qaem
as pretender, dirija-se a raa Direita n. 69.
O abaixo asslgnade, eanhecido por Xico Bexi-
ga, aotigameote com loja de salgado airas da
praga da Iodepeodeocla, travessa das Cruxes, e
hoje com o masmo estabeleciroento na raa da
ImparMrix, oulr'ora aterro da Boa-Viata, ao p
do becco dos Ferreiros o. 38, participa a aeua nu-
merosos freguexes, tanto da praga como nego-
ciantes do meto e deale genero, que est bem
aortido para servir bem seus freguezes, e venda
muito barato como i de costme vender muiloe
gsnhar pouco Francisco Maciel de Souia.
_5 A oeasoa que tlver orna cadeira de rehago
em meio aso, e a qnizer vender, riirija-se a pra-
i ga da Boa- Vista o. 5, seiundo andar.
\
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO

/
1 MUTILADO


1U11Q Bl UMJOCO. QTJARTA FElRA 10 Di SElEMBRQ *\ .161.
&RMAZEM
Arrenda-so mi grande parte do iiio do, 1. B. us medicamentos do Dr. Sabino U
coquiro, ccomiuK'u Mari Farioha, na [retrae-1 snlearrcntevendidosem ata pharmacia ; tedei
ita de Maranguape : a tratar do eog.nho Muri-
a tratar
bara, (rtguaza de S. Lourenco da Mal.
Bailar & Olivan. aaeam
Pono.
aotre a prece do
23Largo do Terco23
O proprieiario desle novo armazem, AenJa os gneros por menos do que em ouira qualquer
'parle, afianzando se a boa qualidade de qualquer genero comprado nesie rmazera.
Manteiga iDgleza da priraeira qualidade a 720 e 800 rs. a libra, e em pario a 700. rs.
dem franceza da safra nova a 600 rs. a libra e em meios bmis, a 560 rs. a libra.
Queiios fiaroengos chegads ltimamente a 1$, do vapor pass-do a 19800.
Caf de p-ioieira e segunda sorte a 260, 280 e .500,rs. a libra, e em arroba a 8$ e 99.
Servej-s das inelhores ma'casa 480 rs. a garrafa, e a duzia a 58000.
Vinho engarrafado do Porto a 18000 a 11200 a garrafa, e a duzia a 9(000.
Diloem pipa das melhores marcas a 480, >G0 e 640 rs. a garrafa.
Massas, para sopa a 320 rs a libra, e em caixa de urna arroba, por 68000.
Az.ite doce de Lisboa a 720 a garrafa e de carrapaio a 360 rs. a garrafa.
Sardinhas de Cantes milito novas a 380 rs. e em porcao ss ftz abatiraento.
Alm dos gneros annunciados, encontraro ionimenlo completo e mais barato do que
m oulra qualquer parte, por viren a maior parte delles por conta propiia.____________^^
OlTerecem-se dous foriuguie9, m pira
administrador de eo^eobo, e ouiro para feilor doa
mesmos ettabelecimsotos por diato terem aa ba-
biliteQes oecessarias; portaato quem de teu
prestimose qeirer ulilisar, dirija-ae a povoa;o
de N. S. da Luz, temo de Pao d'Alho, caa da
Antonio Itidoro Gomes da Silva, que achir coto
queui tratar ; sto mesmo para fora da provincia,
tal ser o negocto que le reaolvam por auai con-
ic.ota strem mullo limitadas.
i*-', o forem ra dalla sa (alsas.
Todaaaacarteiria ao acompanhadaa da d.
impreaao com m emblema em nievo, tendo c
rtopr aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Eata emblema* poete
calmante naliata doa medicamento* qme a* pe-
i, Aa carteiraa qae nao levaremcaaeimpresss
assim marcado,embora enham natampa ne-
e de Dr. Sabino so falaoa
Precisa-se fallar ao Sr. Francisco |
No dia 16 de teUmbro pelas 11 horaa da
. rosoha na audiencia do Dr. juii de orpbaos dea-
SimCS dos Santos, pura se lhe entregar |la cljee se ba da arrematar ura caaa terrea
urna carta do norte : nesta typographia. ide pedia e cal no pateo de 8. Pedro Apostlo
" _________________________ o. 1 da cidade de Olioda, avhala em 1:4009.
__ A pessoa ijue achou no oa 1.* do correte Sendo dita casa perieucenle aos menores Luiz e
a un ti de 200J) em se lulas, que iam fechadas Amalia, lilhos do fiuado Alexanduuo Gaatano de
cm um involucro brela, latira a bondade de i Olinda, que a hoeveraoi por herenc,a no inven
o mandar ou entregar ra d<> Livramento n. 33, lao de aua evo L>. I.'incn Mara da Cooceiao,
ou travesea de S. Joi n. 35, segundo andar, le tal a pra;a per iuterluctono dtste juio pr.e-
que se ~rr t tica !> s*n*rosamele. n-lo coa autos de nwoiano do dito tinado a re-
"~~~~~~~~~~"~~~~~~~~^~~~ jqur:m*nto do tulor doa mesnoos.
Aiui{a-s o ijuano indar u aoDraao da rea
Nova n. 1 : a tratar na mesma ra loja de ler-
r-gens n. 6.
Lembra-ae ao Sr. J. P. de B. R que mande
pagar saas letraa vencidas em maree, abril, malo
e julho da 1861, visto al hoja o dito senbor nao
terdadoa menor sol*rio s carias qe Um re-
gara! da Londres n. 224, Strand, a na loja
da todos os boticarios droguista a o utris pessoas
ancarregadas de sua venda era toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinbas a 800 rs., cada
urna del las contem urna instrucc,o am portu-
guez para explicar o modo de se usar dess pi-
lulas.
O deposito gaaal em casa do Sr. Soum com banas de cmes Para meninos a 1$
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Ne$te eitabelecimento vende-$e: ta-
cha! de ferro soado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120rs.
Leudos brancos
Peie-se a pessoa que no oa 1* do crrante
levoa por angiao ou por pe;a urna caixa de
prata rom tabaco com as iniclaes A. J. F: S. que
se achata em cima de urna mesa, o favor de a
msBdar entregar a seu dono ou bula-la por bai-
xo da porta de sen eatabelecimeolo, do contrario
se publicar seu oome.
Roga-se ao Sr. Horacio Perreira da Silva
que oo prazo de 3 dias appartc,* na raa da <>ur
n 13, segundo andar, a negocio de urgencia e de
particular interesse do mesmo. Recite 5 de se-
tpmbro ite 1662._____________________________
E'ault mapra$at
Em presenta do fila. Sr. Dr. juiz dos orphaos
vai a pra;a do da 9 do correnie'a casa terrea si-
la Da ra da Saola Crux da Boa-Vista n. 54, em
chaos proprios, situada no melhor lagar da rus.
com duas salas, tres quarlo, coiinha fre.quio-
lal murado, cacimba,ele.: os pretendentestiem
examina la, e querendo oirijam-se a sala das au-
diencias publicas no referido da.
Saca-se
sobre Lisboa e Porto : na ra do Vi-
gario n. 9, piiraeiro andar, escriptorio
de Carvalho & Nogueira.
Francisco Jorge da Silva Parenos, deDlist.i
li aseu gabinete na ra larga do Rosario n 9.
tea a hoora de scienliBcar so respuave! publi-
io desta cldade, que recebeu ltimamente oe
Pars e da America do Noile um variado sur ta-
rrelo de objectos da sua proQsso aiuda nao
viudos a eata cidade, como sejam dentes de dif-
fereoles qualidade, IraDsparentes minen es por
Vulcaoet, estes denles nao 6 pela solidez con>'<
:. :nh m pela grande, relagio da aoslogia que tem
(um os naturaes, sao saperiores aos que ordi-
cariamente tem viodo a eata cldade, raas por-
que presentemente sao elles os mais adoptados
iios melhores daniislaa de Paris e da America
co Norte. O enunciante tem tambera um arao-
ce soniaiooto de massas fats de diversas cores
para encher os denles cariados, as quaes tem a
proprieda^e a adherir a cavidade a de soliQ-
ca-la da modo r. poder logo exercer a masliga-
co, dissipam intelrameole as dores anda as
mais seDsiveis propriedads que nao tem a da-
mantioa de que ordinariamente se faz uso, a qual
em vez de dissipar motiva aa dores por causa
Q'sgus ocldolsla do sulphurico. Quem quizer
teas denlos cariados, cheios de ditas mutas to
recorrendo a ar.Duncisote porque elle o ni-
co que presentemeuta tem nesta cidade ditas
massas recentemente chegsdas da America do
Norte e de Paris. A' vista das circunstancias
criticaado teropo lem o aanunciante resolvido a
modiccr os pre;os e de se.us trabsibos atiru de
chegar para todos. O mesmo colloea denles so-
bre basa de ouro, platina etc sem extraccio de
raizes pela pressao, a pivnt ou a pislo, desrea-
sort de crochet, como oielhor exigir o estado da
bucea. Para a consurvar;o dos dentes em esta-
jo de jaspe tam o iOQnciote excelleole pos da
China verdadeiro preservativo nico e magoiG.o
dcotricio para conservar a bocea e dar-!he um
haiito sablime, tornando os deutes pelo seu uso
quottdiano iseotos da carne que vulgarmente
l.'iiiiiaoi pedra, da frouxico dos Dervoa lveo
'fios e de oulros muilos iDConvpnieotea que a
' origem a negligencia q*e C0Tmum*cte ha qua-
k. vu todo o publico, acmtecendo assim per-
dtr-se o especial ornato da bocea ; o anounciao-
le alera disio faz todas as oiier^aes de sua pro-
ssao com toda a promolido postivel e delica
desa. A entrada cocfronle a casa de pharma-
cia do Sr. Bartholomeu.
SEGODA EDICTO
THESOURO
Precisa-se
o. 30.
lio um foroeuo ; ua ra Direils
Aluga se um segundo andar na
ra da Semala Nova com duas salas,
quatro quartos e cosinba no sotao, por
preco cotniucdo : na praca da Inde-
pendencia liviaria n. 6 e 8.
Arremata^fio.
Pelo juizo de orphaos desta cidade
va i a praca de venda no dia 9 do cor-
rente mez os escraves crioules Antonio.
Andie, Eleuteria e Joao, pettencentes
aos menores filhos do finado Jos Paz
de JIoura Accioli. Estes escravos sao
importantes por suas figuras e aptos pa-
ra todo servico.
O Sr. Antonio Pavao, de Olioda, faga favor
de Ir eadaria de Saoto Amaro a oegucio qua o
raasmo senhornao ieDora.
iscao
Perdeu-ae no dia 2 do correte, da Soledade
at a ra da Uoiao, urna caixa conleodo urna no-
ta da caixa Ulial de LO-j, e urna oavglha de cabo
braDco, coja caixinba tom o nome R. & I. Slacks
Celebraled army Razor o. 336 Slrand, em letras
douradas : a pesaoa que achou-a, querendo res-
tituir, pode leva-la ao cutiUim Pradioea, na roa
Nova, defroote daigreja dos militares, ou ao tra-
picha do l!-.'hcn d 11, ; rj:a do Corpo Santo,
q*e se graticar geaarosameote.
a duzia.
A loja d'aguia branca lambem vende bons
bonitos lencinhos brancos com barras do cores
Aluga-se o sobrado da doua andares d. 25 proprios para rxeoinos, palo dirrinulo preco de*
cebido, tendo desde junho de 1861 Andado as re- dos Quatro Cactos em Onde, bastante fresco e ; 19 a duzia. Avista da limitiqao do precj lalvez
lacoe8 com o seo credor. com excelleote vista, tem bons commedos para slguem descooQe da bondade da fazeooa, mis
" ".----------^--------------------------- familia ; a tratar com Joao Soires Raposo, oa bo- para desengao dirigir-se, prevenido de dinhei-
Attencao.
Lava-see engomma-iecom todo oaceio per-
fiicao, por menos preco do que em outra qual-
quer parle; as pessoas que qaizerem sa alilisar
dirijam-se ra do Queimado n. 30, terceiro
andar que sa dir quem .
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Par
nambuco.
Joao Francisco d'Albuquerque Btrros, de
hoje em diente passa a chamir-sa Joao Mara
o'Albuquerque Barros.
Precisa-Si de um rapaz porluguez. dos che-
gados de pouco, sendo possivel, de 12 li anuos
de edade, para um pequeo servido de um silio
perto da prac; o que pretender dirija-so rus
da Concordia o. 35, que ahi achara quem o dirija
ao dito sitio.
tica dos Quatro Cantos, ou com Leal & Irmao,' ro. ra do Queimado, loja 'iguia branca p. 16
na ra da Caieia do Recife. ascrii.torio n. 56. i onde os achara patente.
MmlajjM ; Veodem se balao^aa decimaes e urna de Ro-
i\ *n\; ;, a. i^i r ii'j' u ILa0 Cm poiteoces na ra do Trspihe n. 9, ar-
O solicitador Jos Coelho da silva e Araujo ; mtltm,
mudou sua resideucia para a ra do Livramento
n. 21, segundo andar.
Aiuga-se
Alu da Senzala, propria para algara esiabeledmeoto,
ou pequea familia : a tratar na ra da Crux nu-
mero 30.
&ffi s3k
>&
&Q
m
Companhia
DE
I Seg uros mar timos
SEGURIDADE.
Rio de 2
Alga-se urna casa ierras feila a moderna
com bastantes commolos, na Soledad*, ra da
Esperanza, assim romo na meam* ra urna taixa
de rapitu bern plactada : a tratar na ra da Craz
n. 30. armezam.
Nova exposi-
cao de candieiros
a gaz. -
Chegou a nova axqoslcao
Chegoa a nova exposico
Chegou a nova exposic.3o
Chegou a nova expsito
Chegou a noa exposico.
Candieiros a gaz
Candieiros a gax
Candieiros a gat
Csodieiros a gsz
Candieiros a gaz.
Sortimento completo
Soril">enio completo
Soriimenio completo
SortimeDto completo
Sortimento completo.
Gax de priraeira qaalidada
Gaz de priraeira qualidade
Cz de primeira qtnllede
Gaz de primeira qualidade
Gax de primeira qualidsd*.
S tem na nova exposi;3o
S tam na nova exposi;ao
S lem na nova expoaifo
S tem na nova exposico.
O proprieiario deate estabalecimento avisa ao
publico em geral que tem recebido am completo
sortlmeDto de candiairos a gax para ricas salas,
iu- rtjs, aseada?, oogenhos e para estados pa-
queos que pode coro a economa de urna ~
rafa de gaz lar prr 60 horas de luz, ricas
ras de balanc.0 de ferro com estofo adamas
de linho, lavatoiios de ferros economicnc
todos oa perteucpc, com esgoto no fundo
cia, ricos quadros para ornamentos de sal
riquisslmo sortimento de objectarias a i
de mirtilo para aenhoraa approvadas na imy.
i'i LSiro das priocezaa t.rido o (ircmlo -
rlqoissirnaa pulceiras a imiucao de caraafe
do se vende por diminuto prerjo que muil
er agradarlos pretendentes ; na ra N
20 e 24. loja de Crniro Vianna.
uroa casa terrea na ra doa Prazeres o. 20, por
prego muito em conta, por ter tres quarlos, um
gabinete e mais tres quarlos no quintal; a tratar
oa ra da Iroperalriz n. 60. com Gama & Silva
Francisco do R-o Ponte, subdito porlu-
guez, retirase para Portugal, a tratar de sua se-
de ; o mesmo julga nada devar neata praga, po-
ror, caso alguem julgua-se seu credor, dirija-se
taberna da ra oa Praia n. 2.
Aluga ae o soorado Ja doua f nJares u. 28
da ladeira de S. Pedro Vel ho era OliuJa, bastante
fresco e com commodos suflicientes pera urna fa-
milia pequaoa : a tratar cora Joao Soares Rapo-
so, na botica dos Qaalro Cantos, eu com Leal 4
Irmao, na ra da Caaeia do Rtcife, escriptorio
numero 56.
Ra da Sciizalla Nova u. 42.
Vanda-sa em casa da S. P. Jonhstcn C.,
sellins a silhoes ingieres, candieiros e c&siifaea
Para cozinhar,
Precisa-se de urna ims forrs ou cspliva para .
coziohar : na ra do Livramento o. 21, segando bronzaados, lonas iuglezas, fio devela, chicolea
""*"'___________________________________ para carros a montara, arreios para carros da
/ laaTif -\, u a dous cavallos, a relogios da onro pattnta
MEA
Grampos a balo
i relleno n. i. < I 1
mmmmmmmmmmm \ com pendentes dourados.
Praeiss-se alugar urna ama para o servico de
urna casa de familia, e que compre : no becco
doa Perreiros n. 7.
3
I
3
DO
H Estabelecida no
3 Jaaciro.
i AGENCIA RA D VIGARION. i 0.
m
ENSINO
DE
PARTIDAS OBRADAS
^lor
eMlu
lPe
vo%a c

r
HOMEPATIICO
ou
Vade-iifccuia do honieopatha i
pelo doutor
SjUBHH ID. 1. IPuHfflQ.
Este hvro qua se tem tornado lo popular.
ur ir. necessarlo, acaba da i*r publicado com
-e-dos os melhoramantos, qao a experiaDcia ? os
:. rogressos da scienria tem demonstrado. A no-
va adlcQo em lado superior primeira, en-
terra :
1.* .Mais ampias noticias acarea do curativo
das molestias, com indicacoes mal proveitoss{
dos me'JUamenlos novos recentemente azperi- j
x.L'ifJos na Europa, noa Estados-Unidos o no
Brasil. '
2.* A exposico da doctrina homeopatha.
8.* O esludo da apiopna ;-o dos remedios sa- ;
feudo ss predomioanclaa dos temperamentos, I
des idades, dos s*xos, seaundo ts circamstan-
ciaa atmospharicas ele, ele.
5.* A preservarlo das molestias epiden icas.
6.* Urna estampa illustrada demonslrativa da
continuidade do tubo intealical cesde a bocea al
o anua etc., etc.
Vande-sa na pharmacu bspbcul rohbopa-
-eica, propriedada do aulhor, ra da Santo
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Pie-.o da cada exemplar. 2O0U0
N. B. <(s senhureaassignatites queiiam man-
dar recabar seus exemplaras.
Escravt fucilo.
Fugio oatra vez do poder do abaixo assignado
osea escravo Matinal, de na;ao maior de 40 an-
uo, com os seguintes tisnaes : estiiora regulir
i*. &:
^^ ^3^
Bombas
Assenlsm-se bombas em eteimbas, e concer-
tam-se de todas as qualidades, e ftzem se enca-
oamenlos de chumbo e zin-o par*, agua, assim
como se vendem bombas propriaa para sitios, por
precos que nao sa encontraro em outra qualquer
parte ; concartsm-se tamb*m candieiros s gaz
com perfeicao : oa ra d Imoeratriz n. 43.
Banco Umo.
Estabelecido na cidade do Porto.
Agentes ein Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobra o mesmo
Banco a pr*zo ou vi Lisboa, Figuera, Coimbr, Aveiro, Vlzeo, Villa-
R'-a!, Regoa, Vlaona do Casteilo, uimarea,
Barcello, Lamego, Collha, Braga, Peoaflvl,
Brgansa, Amarante, aitodias, ou ao praso
que se convancionar: no sea escriptorio rus da
Cruxn. 1.
llMVllQVItA
i) riKioo uor
IAN0EL FOSSEtt DE JIEDEIROS
DUAS VEZES POR SEMANA
TERCAS E SEXTAS
DAS 7 S 9 HORAS DA IMITE-
RA LARGA DO ROSARIO N. 28. 1 ANDAR.
KfcMtUlU.NCUMPARAVtL
UNGENTO HOLLOWAT
Hilharas da individuos da todas as nscoe!
eodeaa testemunhar s virtudes destaramedi
incomparavaleprovaramcaso nacassario,qua,
palo uso que delle fizar,m tem saucorpoi
aiambrosinteirameQtesaosdepoisdabaTtr tm-
fregadoinutilmenta outrostratamentos. Cadi
passoa poder-sa-haconvencar dassascuras ma-
ravilbosaspalaleitura dos peridicos, qua lh'as
ralatam todos os dias ha muitos annos; a i
maior parta dallas sao tao sor prandenlas qu<
admirara os mdicos asis celebras. Quantai
passoasracobraraaicom asta soberano remedie
o uso da seus bracos a pernas, dapois dadni
permanecido longo tempo nos hospitaes.o te.
ieviam soffrar a amputado I Dallas ha mu
casquaTavendo.ieixadoesses, asylos depade
timemos, parase nao submatere aassaopa-
r9o iulorosa foraascuradas completaaenta.
mediante o uso dessaprecioso remedio. Al-
gumas das taas pessoa na enfusao da seu reco-
ahecimento declararan estesrasultados benafi-
os diante do lord corragedor e outros magia
trados.afimie atis autenticareis sua a firmativ
Ninguas* dasaspararia do estado desauda si
tivessebastanteconfians para encinar asta re-
medio constantemantesaguindoalgum tempo c
to qua necesstasse a natureza do sal,
ultado seria provarincontastavalmanta,
do cura.
lento be a til, mais partlea-
tente nos u-Kulntescasos.
Inflaasaario da bexig>
da matriz
Lepra.
M&las das pamas,
dos paitos.
da olhos.
Mordeduras da reptil.
Picadura da mosquitos
Plumees.
Queiaaadelas,
Sarna.
SupuracSes ptridas.
Tinha, asi qualqus
parta qua saja.
Tremor da ervos.
Ulceras na bocea,
do figado.
das articulacesi
Veias torcidas ou no-
das as pamas.
sTS li lf A \ i 2B A loja d'sguia branca contina na recetlo da
ls,ff[i\ls Iff* &" iPK S 'objecios du Ultimo Rosto, e por uso acaba da des-
i pechar viudo palo uliimo vapor assvs delicados
o noviasitoos grao.pos da bonitas cores com pen-
dentes dourados o que da mats delicado se poda
eocontrar. Esa loja como geralmenle sabido,
'tem compre era vista a commodidada desasa
boas freguezias a por isso tem resolvido vndcr
esses galantea eofeiita a Sj e S| o par, o que na
\ realiJaoe maito a.ais valem. Convm poia qua
, a vista da limitago do preco a seobora que com-
prar um ou mais pares, nao s demore em par-
ticipar as suas boas vizinbas o intimas amigas da
collegio, para que aa ecoiltem no ata aparado
gosto, e mandara logo comprar outros pares na
loja de sua affeice : que e a d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
19 RuaNov*19.
Fraderico Gautiar, cirurgilo dentista
faz todas as operacoes desua arte a e co-
loca denles artificiaos, ludo com sdeln
rioridada eperfeicao qua as pessoas-,an
tendidas lhe reconhecem.
Tam agua a pos denuncios, te.
Consultor juriied
ou
Veode-se urna mobllla
XV : pira ver e tratar na ra
primeiro andar.
de mogno
das Crujes
a Luiz
n. 11.
Manual de apontamentos
em forma de diccionario, sobre varios /^al p nrfOCCO
pontos de direito patrio, etc., etc. \J1 C |IUI/Ctdi9cl
Acaba de ebegar do Rio de Jaueiro esta obrsa Von.Um aa ^.a**.- A~ -
luliimamente publicada, e vende-se na livrari, 1 V oliueili-bt? cSLCS OUS ar-
o(r0e0pmorCVs"'10 0 "cde Sat, ADl0Di'! ""1^08 ltimamente chegados,
O senhor procurador ou correspondente do?110 b*m COIihfcCdO 6 acreditfi-
Sr. Joaquim de S. morador no eng.nbo Jardim, L|A Hi.niti iifl rita \ C*<\*\i
lenha a bondade de annuocar s sur morada ptr QO ar'SILO u* ru a l-atlA
ser-lhe entregue urna caria. I do ReCfe II. 12, ma8 barato
----- do que eui outra qualqu ,r
_____L Compram-8e aicoes do rovo banco de Per !
nambuco : no scriptorlo de Manocl Ignacio de
Oliveira & Pilho, larglo Cnrpo Ssnto n. 19.
Compram-se ecravos q*e saibam irabalbar
em armaxem de assucar, e que sejam robustos :
oa ra do Trapiche n. 9, armaxem.
Compra se
ourelos em qualquer porcao : na ra
do Viga rio n. 9. primeiro andar.
*r> k&
(emente de algodao dos
Estados-Unidos
Na livrara n. 6 e 8 da praca da In.
----,.v_vv..r-.......-,rH..~.,.,..,B.....^..,-at B B ,
cb*io do corpo, olhos grenda e avermeinado, i dependencia distribue-se sement de
rosfo redondo cestuma ea.bre.gar-se miudo. e la|godao mandada vir dos Erados ni-
por isso e fujao. Foi do hertieiroaio finado A-" j ^*TOW *""
^ualo da Costa Guimsraes, do Reeil*- E' graode
-raenliroso aporvexes ja lem sido castigado por
f?as andando no ganho. Coatuma aoiiar pflo
balrro da Boa-Vista e Snto Arasro Recommen-
i -sa aa aatori lades polici*ea a aoa senhorss ca-
p lias de campo a captura de-te scravo ; e quern
o trouxor aose aeohor na ra da Gruido R-cita
n. 23, ser recompensado, piotstand i o abaxo
assigoado coolra qaem o acular cora lodo o n-
yor da lei.DoflalzMoa Rodrigues de Andraje,
Uaooel (o'iii'i Kost. subdito poriugu<-z, re-
lira se psra fora 4a provincia.
dos pelo governo.
- Qaem acbar urna graode porcao de bicoa e
fondas da Ierra amarrados n'um len;o branco de
m.nho doa Remed4oa al o sitio da Torre, taja do
entrega-lo a Antonio da Sllveira Haeiel Jnior,
.no masmo sitio da Torce, oa nesta typographia,
juaaerS recompensado.
Arremata^o.
O* eacavoa dos orphaos filbos do finado Jos
Paes de Moura Accio'y aue deixarara de ser ar-
ramatatlaa aa praga do Sr. Dr. jora de orphaos,
i rao de aovo praga na sexta-fera 12 do corren-
te por nfdera do avesmo juno.
Pugio oo dia 6 deate mez o cabra acabocla-
do Jos, de altura meaos qua regalar, cabello cor-
lado baixo por ae haver raspado, corredioa e cal-
vo, levou calca azul e blusa de algodo branco
trancado, cora trea bolcoa, seodo dous do Isdo
.esquerdo e um do direito, chapeo de coaro ou
fellro : tem por coatuma gaohar a *ua, tendo j
trafialhado no encanameoto do CaiUfoo, coac-
ta que se echa amancebado com una preta de
nome Bita, e que tem calagi no Marado Noo,
on-ia pratense passar por forro : roga-se aos ee-
chorec da policia que o prendara ; a soa ora-
dores do Mucdo Novo qe o conbecem qaa o e-
nham entregares seu senhor Joaquim Iaoacfo da
A praga dos mo**is penhorados a Joo da
Coala Gadsnho para o dia 6 do correte Qcou
transferida para o dia 10 ds correal', s ho-aa da
audiencia de Sr. luiz de paz do 1. dislricio da
Bsrrps Lima, ca rae da Saudade o. 11, Boa-Vista Boa-Visfa. "*wo
O Sr. Francisco Jos da Cosa que morou na
largo 1a Assemb'.a n. 1, queira ter a bondade de
aununelar por ssle jornal a sua morada parase
lh enlreRar um carta.
flerece-so um pequeoode idade 15 annos,
o qual sabe bem 1er e escrever, e tem alguraa
pratica de nsgocio para qualquer estabelecimen-
to ; a (retar na iu I) r RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ba do Cabag n ih. entrada pelo
pateo da matriz.
Essa galera ornada com os augustos rctrstos
photograpbicoado SS. MU. a dsa serenisairass
princesasinparlaes, aasim como rom os da mul-
las das priucipaas pescoac desti cidade, eat a
dispoatgo do publico, qae a podo visitar todos
os dia das B horas da manha s 5 ds tarde, e
examinar o trabaIhos axpostos.
Coritinua-sea tirar relraioa por todos os sys-
tarnaa pboiograpblcos, e espcFairiente por am-
brolypo cem cartoea de visita. Fazam-sa lam-
bem ratmoaas miniatarasem Ulco para se collo-
car. m em jotas.
Oc prego cos retratoasao os mais rszoavals
qaa se enconiran n*sta cidade.
J. Parretra Viotographo. phllel*.
Precis-se d uro rapaz porluguez. de 1S a
ti snnos, psra caixlro de taberna, da qual j
lenha pralic* : a tratar no pateo do Trco n. lf.
Precisa se de 3:000$ a premio autire hypo-
ibec* em tres casas tarreas neata cidade : a tra-
tar na raa do Destiuo o. 25, das 6 s 9 horas ds
nianha.
Auluoio Jos Pereira i lila de seu e.-laa.p
de f.u '. em rzao de Iguma viagens que tem
feito aflm de cobrar de seus devedore, para ir
amortisando seu debilo. e nao podendo de forma
alguma nem por bem e oem por mal receber na-
da, vc-ee na preciso de vender sea sitio am
Santo Amaro, aQso de pagar os seus credores :
os pretendentes podem dirigirse a Santo Amaro,
psaselo a caes do Sr. Antonio Jos Gnmes do
Correio, na outra que vai para Oltnda. Tsmbem
se siega o sitio.
Deseja se fallar con. o Sr. Joao Paulo Fer-
reir, na ruado Crespo n. 16, primeiro aader
Na ru oo Crespo n. 16, p'imelro ndar,
deseja-ie fallar com a Srs. D. Meria da Paixlo
Msttos. _________
Precisa-se de um caixeiro que enieoda de
pharmacia ; aa blica dama do Cabaa n. 11.
AS
tiauabraa
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Doras da cabeja.
das costas.
--dos masabros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas da anus.
Erupjoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdad ou falta da
calor ns extremida-
des.
Frieiras.
Scngivas escaldadas.
inchaees.
nflammacao do figado.
Vende-sa asta ungento no astabelecimentc
geral de Londres n. 244, Strand, a na loja
da todos os boticarios droguista e outras pas
soas ancarregadas de sua venda em toda i
America do sul, Havana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha comea
urna instruccao am portuguaz para explicar c
modo de tazar uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
harmaceutico, na ra da Gru n. 32, s*
pernambuco.
8VSTB1A MfcICO HOUfcLLOVVAi
PILLAS HOLL WOTA.
Esta inestimavel especifico, composto inteira-
menta da hervs medicinaes, nao contera, mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Bei
nigno maislenra infancia, e a compleicao mas-
daheada, igualmente prompto a seguro par;
desaneigar o mal na compleijo mais robustas
,entramante innocente em suas operagese af-
feitos; pois busca a remove as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs a tenazes
qua sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com asta
remedio, muitas que j estavaa s portas da
morte, preservando em seu uso conseguirn
recobrar a sauda a torcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios*
As mais afilictaa nao devem entregar-se a des-
esperacao; facam um competante ensaio das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades;
Milito e arroz.
Vende-te em saceos grandes, muito barato,
por ter grande porgo, chegado esles dias de
Mamanguape: na travesa do pUo do Psralio
o. 16 com lilao pra a ra da Pl(>rertin.
Na ra nova Oe Sania Rila n. 19. imito i
serrara da Sra. viuva Cardial, na muilo tom v ti
de (uro para vender em tar :s c por prego ra-
xoavel;
Sitio,
Vf uie-se uro sitio na estrada do Rossrinho, no f
oilao ds igreja do mesmo nuri-, rom boa c*>a de
pedia e c>l, contando 2salas, gabinete, qu'rlo\
coiiLhae copiar, lem boa agu para beber, estri-
barla, cocheira, baixa de espina, n uitas lrenei-
ra* daa melhores qualidadts, e balantes cutra
srvores de f-urlo, lanqae itm b'nho ejaraim
na frente : tftta-ie na ra da Cadtia do Rcife n.
26, ou na ru Noa n. 35. I X
------___^___^_^_^.^____ }
4os seuhores boticarios, i
Guararspes r. 42, !*
Achate venda no escriptorio d Amonio
Luiz de Oliveira Axevedo & C, ra da Cruz n. i
a obra escripia pelo viiconde da Uruguay,Ensaio
Sobre o D'.reilo Administrativo ; deixamos de ta-
car ionios a asta obra, basta o nome de iu aa-
i loi para a tornar reconiroandada, dos volurose
em brochara l(i$, encadarnado US.
i Vende-se um rasa teir-a oa Pas;.gera di
' Magdalena junto a ponte grande com 2 salas. 8
quarlos, 1 sotao, quintal murado, cacimba, ba-
| aho ne fundo ; ss peisoas que a [relendcrem di-
rijam-S'" a rua Pieila n. 3.
Vende-se ou ^eimuta-se por urna escrTa
j nma caa na rua de S. Pedro Marlyr cm Olioda
' n. 4, propria para psssar a fests, eM pintada e
. rettlicada de novo : a tratar no largo de Paralzo
' numero 14.
Sosas e bUijiiis
artifciaes com ebeiros.
A loja O'aguia branca araba de receber liadas
reas e buquets artician com Jg'sdaveis chii-
ros, as quees seivem para trazar se na mo as
occatioes de biiits, csMB entes, etc., etc., o que
aqui oovissimo, norm de multo goslo, e pouca
despeza ; costsm 15 e I3'i(0, o cbam-se nica-
mente a rua do Queimado, loja d'agaia branca
n Km ero 16.
Ven'1e-se um preto excellente cozinheito :
na rua de llorn n. 31.
BaWflKlHeKiraNM P5S?SSt
Nova-bja da bandeira
quevendbara*o,
na rua da Cruz do Recifel
Assucar etndy : na rua
em Fora do Portas.
dos
B
3Raa estreita do Rosario3
Vende-se uir.a casa leraea em cia s pro-
prios, conceitada de novo, quintal grande e mu-
rado, cacimba com boa sgoa, na freguezia dos
Afogados; quem a pretener dirijs s traversa
da Cruzes n. 4, loja de calcado, que te dii
q uem a vend.
Vende-se ptra fora da praga urna boa es-
rrava que coiinha bom o eug. rr.rnn ; na rua da
Senrali N'>va n. 3'*.
GuUDilio! cbuibo!
Vende se chumbo da rr ur cao sortido e de di-
versos nmeros, a retalbo ou era porr.e, por j
prego mais barato que em oulra psr'.e : na rua
larga do Rosario n. 34, botica.
Ifijeccto Brow
Manoel Jos oa Foucec*. i-artecipa a
trdos os seus fregueies e juntamente so
respeitavt-l publi o. que lera grande for-
tn.c-nto de regadores, uso da Europa, is'.o
vende se mullo barato, bahus. bacas
barheiro, baldes para despejo, bacas de
senieups, gamelas para banho, latas para
deposito de laridia ou outra qualqaer
serventa, canecas para condutir agua,
machinas para rn(6, btl>irs para comprar;
ha sorlimenlode outras muitas obras e lo-
das de diferentes tamanhos e juotanien-
te envernisadas de civersas erres ; ri-Ci'-
bem-se enc*n inem.'a e se fabricara
vontaile de seus donos e jautamente se
ati'HQs a boa qrjalMatie e perfeiglo das
rr-esmis obra; ha folha de flaQdres e es-
Y-j tsrihoem verg.inhas 700 r., vernizco-
Spal 15-200 r... latas de 81 roba 1)000
rs., coco a 1300 rs., canecos a i;C0u rs.,
8 regadores s 1JJ80 r?., bahu grandes n
4J0OO rs. e p-quanos a fOO r... hicias
ff grandes a 45OO rs. e pequeas (}00 rs.
2 Todo islo vn le-se na loja de furjileiro,
8 que por sigoal lera urna bsodelra na por-
2 la quo gira cim o vento, esta chama-sa
8
i
Remedio infallivel contra as agrior-1 ff a loja da baodeirs.
rheas antigs e recentes, nico deposito gt^lattlae, tWeuWMBuW-IIOtJaBBll
na botica ranceza, rua da Cruz n. 22,1 7 l^t'^ZU^0^"0 do1T"
' n. I, mullo pro ira ora uoj principiante por
preco 3$.
RUA
DO
ler pouco fundo, Iraiar na mesma.
RUA
to
por
IMPERADOR
55.
Francisco Pinto Ozorio continua a col- #
0 locar dentea artiflciaes tanto por mel de V
9 molas como pela pressao do ar, nao re- #
tsa cebo psga alguma sem qae as obras nao
0 Oqaem a vontada de seu donos, tem pa
t outras preparacoe aa mais acreditadas #
a) para conaervagao da bocea.
I
CONSILTOBIO SP8CIAL BOIEirATHICC
DO DOL'TOt
n SABINO O.L. PINHO.
Raa de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consaltas toaos oa das atisdeade aa 10 herai
te mcio dia, acerca da aegaiotea molestias
mol$*txat da mulhtrt, moUttiat Jo* crian-
C, motcsitas da vcllc, moUitiai 4oi olho$. mo
\at ,,ph%ht\cat, todas a uptein fe /esVes
retVes tntarvnittsnUt c luai eonitqu*nei*t
paAaaacu asraciai aoaaoraTBica .*
Verdadeiro* madieamentoe homeopatbicoa pre-
larados cana todaa aa cntela Uceeaariaa in-
aivaia eos afleito, tanto em tintara eme
am globales,pelosprec.oa mala commodo's pes-
ivela.
ccidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias(malde).
A8thma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidade ou atton_
cao.
Dabida
torca:
cousa
Desinter
Dor da g. B -
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfarmidade no venlre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Encbaqneca.
Herysipels.
Febre biliosa.
Pebre intermitente.
Pebreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia,
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmaces.
1------- es de
o.
1 toda
utis.
es-
IMPERADOR
55.
,J. VJGNES
Os pianos desta amiga fabrica sao hoja assaz conher-idos, ptra que seja necessario insistir
o ventre. sobre a sua superioridsde, vantap,ens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas
Phtysica ou consump- '
cao pulmonar.
Reten$ao de ourina.
Rbeumalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Vendem-se estas pilulas no esubalecimento vendido por^rejos muito razoaveis.
inconlestsveis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido n'esta
praca ; possuindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos dos
pianistas, sem nunca falhar por serem fabricados de proposito e ter-se feit ltimamente melho-
rameotos importantissimos para o clima desle paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, a
por isto muilo agradaveis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas. tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel de Paris,
socio coirejpondente de I. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expo-
sices.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas
dos melhores compositores da Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos, seodo ludo
'
I
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
MUTILADO


DIARIO DE PKR1UH1CCQ QlARIA fliRA 10 DI SETIMBU DE Ufll
M0D1FIC\C\0 DE PRECOS
MENOS 10 a 20 POR CEiNTO
NOS
LKML
liiDguas
Llngeae do Rio Grande em porcoea de
para cima : do armazem deTaaao Irmaoi.
100
PR0GRESSISTA
FMXEillk
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carino n. 9.
Chega i vapor para #ii-
| gilite.
Ac para balo.
Sao chegadas isvardsieiras asteas ou oro P'ra
concertar ou lazar baldea, que com imi pequen*
qumtla qualquer senhora pode fizer um grande
balo, poia vende-se pelo baratiaiimo preco de
140 ra. a vara, ou pega com 50 meiroe a 5)500 :
no gallo vigilante, ra do Creapo n. 7.

Scientificam aos seus f reguezes que em virtude do actual estado de a patina commercial re-
sclvem vender todos os seus gneros por menos do que outro qualquer anunciante e offerecem para
garanta da superior qualidade de seus gneros as competentes amostras de cha, manteiga, caf,
ar.oz, tapioca, araruta, etc., etc., para que pessoa alguma duvide destas qualidades, a vista de lo
resomidos precos.
Convidara portanto ao publico des la cidade e de fora, a virem fazer sua dispensa em ditos
arraizens, afim da pouparem annualmente de 100}000 a 2:0009 conforme a custura&da des-
peza de cada chefe de familia, economa esta que muilo til lhes deve ser, sem que seja mister
soffrer a mas insignifican'e privado do cuslumado diario de seu passar, devendo porem manda-
retn, aos armazens indicados.
6'urdo de borracha.
Tambem ao chegadoa oa cordozioboa de bor-
racha de retroz, sonidos, de lindaa crese de
todaa aa grostoras, que i multo ae deeejave, tan-
to para pulaeirea como para debrum da collete.
e para muitaa outraa obrai: a no gallo sigilin-
t, ra do Crepo p. 7.____________
Fita de borracha e de seda.
Tambem ao chegadaa aa eaperiorea fltaa de
borracha, asaim como de sed* pret*, propria para
debrum de vealido, como para collete, que ae
vende pelo barato preco de 160 ri. a rara : a
no gallo vigilante, ra do Creapo o. 7.__________
Caixas de tartaruga e charu-
teiras de charo para rap
e charutos.
O tabaquista que aprecia a boa pitada de Lia-
boa ou meamo Prlnceza, Mearon etc., ate, i
justo que compre urna bonita caixa de tartaruga
toda marchelada com a qual nao ae envergonha-
r da> oflerecer da boa pitada de aeu gasto a to
doa oa circumataotes que aa achare en em aua ro-
da, mnitot doa quaea louvaro o seu bom goato.
Aaslm romo a cala Beceaearia ao tabaquiata,
charuteira nao 8uparflua no fumante e sendo
alia bonita como ao as de cturo nuchetas ma-
Ihor ser porque com isso deia conhecer quan-
to sabe apreciar o bom. Para os mata commo-
dialaa tambem ba bom aortimento todoa eneoo-
traro barateza urna vez qua munidos de dinhei-
ro ae dirigirem a ra do Queimado lo]a da aguia
branca n. 16.
Terrenos perto da pra^a.
. No sitio do Cordeiro em Sant'Anna
vende-se a retalho o resto dos terrenos
por preqo commodo : dirigir fe a L. A.
Dubourcq no escriptorio da ra da
Cruz o. 40, para tratar. O engenheiro
Sette e encarregado das medieoes .
Perolas falcas
ou aljfar de fina qualidade.
Aloja da aguia branca acaba de recaber um
novo aortimento de superior aljfar branco ou
parolas falcas o qual por sua perfelQao difflcil-
menta se diitiogue das perolaa verdadeiras e aer-
vem ellas por aua extraordinaria grandaza para
aagargantilhaa que presentemente eslo tm mo-
da e mesmo para outroa enfeitaa a como aemor*
vendem-se commodamente a 19, lfiiOO e 1g500
o 0o: isso na ra do Queimado toja da aguia
branca n. 16.
Urco em frascoa a 600 rs.
Grande, grande, maito e muito aortimento.
leos
para cabello, em virtude da depreciado que ten-
do tido o oleo dito prnloeome sociat r.ygien-
niqee por ter viodo todo falsificado, recabemos
um artigo idntico aquella da fabrica deMonpu-
laa que garantimos ser o melhor cosmetique pa
ra o cabello, e oa aroroaa escolbidos to euaes e
duradouroa qua destila meamo quem nao queira
o comprar.
Chegado pelo vapor Eran-
a
Ricas fivelas deliradas para
si uto.
Vendam-ae flvelas doaradis a 2$ a 29500, ..
mala moderoaa que tem vindo ; na ra do Quei-
mado n. 63. loja do B-ija-flor.
fticas voltas de aljofares.
Vendem-se voltas de aljofares tora cruz de pe-
nL'J^U!,0.a.b,i,h,n,ei na r" t0 OMimao
numero 03, loja do beiia.flnr
Facas e garios.
Vtndcm-se (seas e garfoe flnaa de ea'o ba-
nco de dous b.-.oes a 6S8'i0 dlts l *
Liados "peales de mamfa. j BAT.S aSWr^J&S.
Sao chegidoa os lindos peoliohoa douradir,bos | 3j>400, dita rolica a 3 a <*M
Qut-imado n. 63.
cez s para o visitante. < i.
.. r o ftfann ,1,1. ,
Toda ltenlo.
Na ra larga do Rosario n. 38, loja da aurora,
tem para vender um grande aortimento de col-
xetes, a 40 e 60 ra. de 14 pares, a 80 rs. de 24
pares grandea e pequeos, e muitaa outraa miu-
dezss barataa que a a viats se dir o preco de
ludo.________________
Pulseiras de cabello com cha-
pa dourada, e trancelins pa-
ra relogios.
A loja d'aguia branca acaba da recebar a aua
encommeud* dta to desecadas pulaeiraa de ca-
bello com ciUtienies e bonilaa trancha, tendo al-
ias elupss douradaa de delicados moldes, com
podrs e sem ellas, o que de malbor gasto se po-
de dar em tal genero ; asaim como trancelins
compridos e curtos com paasador dourado para
relogio, e porque de tudo iiao a qusotidade
pequea e nao chegar para todos os pretenden-
tes, convim queseapressrm em mandar comprar
taea obras, na loja a'aguia branca, ra do Qaei-
mado d. 16.
com multo lindaa molduras da differentea gustos
para marrafaa ou travessos, pois s com a vista
os compradores podero apreciar o quanto sao
delicados, pelo barato prego de 3$ o par, sssim
como aem aer douradus de liadua gottos, pelo
barato pre;o de 25 o par : s no vigilante, ra
10 Crespo n. 7.
j> do btija ilor.
na ra do
lUgO
Luvas de pellica
Tambem sao chega Jas as verdadeiraa luvas de
Jouvin muito frescas, Unt* para homem como
para aenhora : s no vigilante, ra do Crea-
po o. 7.
Bordados baratsimos
Na loja dopa\ao.
Vendem-se goiliubas muito fins de ca&braia
bordadas e de fil a 400 rs., mmguitcs com gol-
liohasda cambeaia bordada a lg280, manguitos a
balo finlaaimos al)}, lengua dn linbo com laby-
rintho a 20500, ditos de cambraia de algoso a
imitago de labyriulho a 640. 800, lji, e finlssi-
maa tiraa bordadas e entremeioa por pregos bra-
tissimos : vende se na ra da Imperatrlsb. 60,
loja e armazem do pavo.
Vestidos tiaratishimos
Na loja *?o pavo.
Vendase joro de vi.pora a 1 ; Da ru tfo
Queimado n. 63. luja do beija-llor.
Anvelop^s.
Vendeno-a anvelorca de divc-rsjs qu-.dcdea
branco a ltO0 e 19400, .tul | e d- lMI i
jffr ",n" douBo 63. loja do bt-
Papel adamascado de coros.
Vende se papel adamascado de cores a fifli
13. dilo br.co 1J00 : na ru. do Que'',,loV
63, loja do baja flor.
Gravatinhas de soda.
Veodem-se gravatiohasf-e seda para seobon
de diversas cores : na ra do Queimado u. 6o'
loja do beijs-Qor.
ttO
Luvas de camnrea.
Vendem-se na ra Nova n. 9, luvas do camur- I. *m-ae muo iinooa vestidos 1
ca amarella, ditas de castor branco propriaa para 5.rd->dS VS ,t?d? e to*2LJf core' 9'
Vendem-se muito lindos vestidos da cambraia
militar.
K3
00
o
o
5
a a-
er
J
a
O
C3
9
O
-!
O
c_
o
s
<
8
a.
o
n3 a> 3
a
55 "8
*
a rr
Q9 OQ
n - O
> B O 3
D9 B
a (f.
> =
G? er
B3 e
> n CA
B. 3
. O
4 =
o a
m %
C (S
00
o
c
o
B
ca.
o
C5S =
o
3
cr
5-
i "8
- H Si'"
32=-. 2 3"o<
er l" -o -i (8.
3
a
a
o
OQ
3
s
B
o
o
3
o
era
3
O
<
-
en
c-
o
c
o
u
Qp
er a.
J > CT > O
B s Si.^-0
S 9 o o c
3 O c#ri w
O 3
eff 3 -C-
rs
er e
s|
g
* Q
m n
re
a>S
S -
1 K*t- 2.-0
O (aV -- -
o
as
3
c
5
CB
n
es
O.
O
OQ
09
S
O
"O
o
s
o
C9
es
3
3
o
<
o
o
o
o
O
el
OOQ
i!
s S*
en
m es
N O
% o
3
o c
=
O'OQ
15 o
er
o

3
O
5
OQ

OQ
^5 S
iSflsf5*fl5i
EUf .-
a*
c
re
O os

es
o
S" s vtL o o i 1 m cb" a jg
re ^ o QD C* 9 4 t> (V a
" lI: s as ft2
o
s
te.
M
o
>a>
M

o
C3
O
ts
a
er
u
3
er
3
3
o
" B g.3
"O 3 o S
a I
9
0 3
00
t-
I?
CB
O
o
fia
u
t
-i
o
er
es
o
C3t
O
o
ca
_
B
3
5

c
I
s
en
13
ca
es
Ci
O
er
2
13 C *t

--
ca T?a
iJ C'
0 0 (ti ce
ba
o _-4 e
es p
03 ***
2
s- 2 -
tS a
MI
C p
o
i>a ruado Vigariu u. 1U, veu-
de-se:
Panno e fio de algodo da Bahia.
Polassa da Russia e cal de Lisboa.
Viobo do Porto fino eogarrafado.
Dito Bordeasx em caixar.
Olio Collarea idem.
Pianos da afamados autoras.
Kua larga to Ktsarlo u. 38,
loja da aurora,
tem para veeder ago para balo a 120, 140 160
rs. avara, tem luvaa de pellica de verdadiro
Jouvin para aenhora para homem, muito frea-
cas, chegadaa no vapor ioRlez no oia 28 do cae-
sado, agulbaa de todaa aa qualldadea, rap Paulo
Cordeiro, dito Rocha, dito tioo, dilo grosao, dito
meta grosao, oito Muroo, dito rolao francez,
dito Lisboa : tudo veode su em libra como em
oitavas, grande aortimento de fita de seda, ven-
de-se muilo barato, e muitas mais miudezas em
coota.
sedr.s a 500 e 7!O rs.
Vende-se aedas de litas e de quadros para
veatidos de seohors a 500 e 720 ra. de quadri-
nhos miudos ocovado : oa ra da Imperatriz n.
60, loja do Pivso.
Camisas ara seuhora a 1^000
S na loja do Pavao.
Vende-se camisas de madapolo francez maito
bem ebfeitadna a ig cada urna, s na ra da Im-
peralriz p. 60 loja e armazem do Pavo.
Chales baratissimos.
Veoee-se chales de twis maiiu loo-)
3$. ditos a gnribaldina a 49, ditoa estampadoa
f. zonda Qntaaima a 6|. ditos pretos a 5$, ditos de
rede a imitiQo de retroz com bonitaa palmas a
3f, ditos de caaaa de qudros a 640 ib. : s na
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Para o baile do
club.
Vende-se na loja do pavo
R eos cortea de vestidos de cambraia branca,
piimorosamente bordados a crox, aendo os mais
bonitos que tem viodo a este mercado, e van-
dem-se por precia baratissimos, na ra da Impe-
ratriz o.60. loja a armazem do pavo.
t^aseniiras a 3,200 rs.
Na loja do pavao.
Vendem-ae casemiras entestadas de quadriohos
e llatras miudinhas, sendo cores escuras a 3$200
o corte para caiga ; vendase, a meama fazenaa,
tendo duas larguras, a ljSOO o covado ; isto na
ra da Imperatriz n. 60. loja do pavo.
ditos com barras e bab.dos a 4J"j00, ditos a 4g,
cortes de tarlatana brincos bordaoos e de cores
a 30. ditos de cambraia branca com buhados a
25500, ditos de cambraia bordadtsccm bibadoa
e duaa saiss a i$, corlea de barege com 22 cova-
doa cada corle, tendo Oos de seda a 45, ditos de
la a 40, curtes de cambraia com aalpicoa brao-
cos e de corea, tendo 6 vsras cada corte a 3g,
ditos de salpicos mais finas com 8 \.-.rass i-,
tudo isto se vende por menos queem outra qual-
quer parte para apurar dioheiro, s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e arm.zem do pavo.
Alpakin ou gorguro de iinho.
Vende-se esta nova fazanda a imitagao de seda
da quadriohos a 280 o covado : s na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavo.
Musselhia branca a 200 rs
Vende-se masseliua branca com 4 1(2 palmos
de largara a 200 rs. o covnio : s na ra da Im-
peratriz n. 60, leja do pavao.
Tiras bordadas.
Vendem-se ricaa tiras borladas para resillo*
e salas brancaa a 800 e 1tf : Da roa rio (Jarrado
o. bd, loja S na grande explica
de fazendas novas e bara-
tissimas, na ra triz, loja o arinazem (it ara-
ra n. 56, de Magales
Meu<.es
Fazendaa por menos 10 0(0, queiram vir vr
para acreditar, n.r: cbitaa a UO. 18fJ e 2P0 t-.
o covado, ditaa francezas a 220. 240. 280 a 20 o
covado. cortes de chitas tinas Bom ti 1)2 dos a 20500, cotes de ci.-s;.s francezas a i 00
ditos pretos a 2500 : na ra da Imperatriz. iois
da arara n. 56.
M no vigilante,
Lindos enfeites para
tul os.
Groclet)icoal2
ris a libra, e sendo de 10
libr&s para cima a 100 ris
^J

ea
w
O
O
ca
33
5
?o ryi
3 >3
Pi
g Co
o ia o
3
o
3
3
.3 a
CB -o _
- 9 3
sa c o
o 3 o
3 a
n u
a
3
c
es
o
o
3
"o
o
4.
3
u
co
to
o
"O
so
a
g 00

o
c
o.
es
D
5'
S.-I
ea --., c_
^3
-. 93a-
3 O
S or p

5'
si
es vi
to
u
? i
k 8
o
?o
o
o
o
o.
5'
=r*
^
s B =r
3 1 N g- 3
S' 09 o. V] i 2
a> 5 N
i ai i M
^3 CA
a B to f^
cez cada 5:-O 8* O
g 03 99
3 CA ea ea
a. a "eiCQ I S3
3 g
o o s ^
O "' rya
3 -ETs
ZT 2. B
sr3 3 r
3
a_ Xfl ai
o
3
3
S-?
=" a^
^3
O to
O =
3
II
ea 3
- to
*
II
S-"
1E
e g
n
ea -,
C3.
o
a.
m. to zz
va
ai
^ S ?O -i
asi "P
3 si. o
P<3
2 aa -
?2
-i
sT
3. ea

ea
O
3
tr
CD
3
CPQ
c
3
ea
es
sai
o
"O
3
o
o
e
o
ea
c
3
ce
3
o
o
3
3
ea
O.
re
- 5
W g -,
63 C- vi
- tt
i.
ea
ea Q3
o 2
m -. oa
m O 1
c^ ea ^
C 5
5' o -
"
a ja"
si-o
?* .- i
S
o; a> < i. i i I
" =>
a> c
. 3 TJ
~- o 2. o
OS A S
SS S
^3 = O
3 O 3
3. O '
o*
Baldes de bramsnlea
iVa loja do Pa ao.
Vende-se bales de bramante muilo bem fal-
tos, sendo de por e tirar os arcos qisaodo se qaer
lver, para aanhora e para meninaa, do meamo
bramante e de arcoa : na ra da Impesatriz n. 60,
loja do Paao.
sVutceiras.
ao ehegadaa aa riquisaimsa pulseiras
a azaea e outraa verdes, couaa multo
<|ue a v.ujo por prcejos harxiisaimaa :
Ba eis para, espartilho.
T- bem sao chagadas aa vardadairas balcias
da todas as groasnras a fornidas, para espartiiho,
pelo barato praQo de 120 ra. cada urna : a no
vigilante, ra do Craapo o. 7.
Ao bom calcado!!
Acaba de chegsr loja do Potto, esquioa da
aer multo novo.
ves-
Vende-ae nicamente por estes presos dos ar-
maiena progressista e progressaivo, no largo do
Sao chagadaa no vapor ioglez aa rieaa flores de C8rmo D" 9 e r.-M
velludo que sao admiraveia pela delicadeza das
lindas cores, pois com pequera quantia aa senho-
ras rolero eofeitar oa ricos veatidoa que aerfi
muito apreciavel, pelo baralistimo preco de 19
a duzia : s no gatlo vigilante, ra do Creapo
numerf7.
Arara vende olcstim para reatidos.
Vende-se a fazenda por nome oleslim de lir.ho
de urna s cor e quadrinhos, pro{ ria para espea
a vesiilos de enhora e loupa de menino* a ISO
o covado, fustao de cores para vestidos a 2b0 e
320 o eovado : na ra da lmperitriz, loja da ars-
ra o. 56.
Grande exposi^o de ba-
les de arcos na loja do
Pavo.
Aos manguitos da arara.
Vendem-se msng'iitos e gollr. de Iinho psra
seuhora a 2J. golimhas a 500 r eofeiirs psra
seohora a 2$ 3 : na ra da Iuiperatiu, luja da
arara n. 56.
Arara vende a popelina da China.
Vcne-se a fazenda por Lome popahna u Cbl
na em la para vestidos de aenhora a 320 u cova-
do, chales de merino estampados a 3$, du..s '.
lia a 1J. difis da las e seda a 3jf, ditos a!..:rio- a
6t0: na ra da Imperatriz, loja da arn n. 5fi.
iVl usara be da erara.
Vende-se a fazenda por uome muiarx.be rom
palmaa de seda de 4 1(2 palmos de largo, p^ojiija
para vestidos de senhorp s 500 rs. o cova 'o, l\.
de Iinho de cores a 200 r. o covado, dito iav,--
do a 18120 a vara, liso oos780 e 800 ra. a va-
ra, tariatana a 8(J0is, a vera : na ra aa Impe-
ratriz. loja da >rara n. 56.
Arara vende
Acaba de chegar loja do Pavo um grande
sortimpoto de bales de arcoa americano? sendo
a .Mathildo, Carola e a Eugenia que sao oa
melhores e mais bem armados qwe tem viodo ao
mercado com diveraos ( anlus sendo de 6. 8, lo e briih.ruina", salas de cordo que Ui. tes'd
10, 15, 20, 25, 30 e 40 arcoa c efianca-ee a f!u- baiSo a 23100, bloca pora menina a is oa ru
raco e boa qualidade dos ditos baioes : s na dajmpr,ir;z, loja o arar n. 56.
ra da Imperatriz n. 60. loja e arcezem do
as crinolinas de 15, 0 v.
40 arcos.
Vendem-se balea a crinolinas e arcas, os
1 mais modernos que lein vioiio, ditos de ru*.apo-
ta
ra
Pavo.
Moeambique a (340 rs.
Nalf.ja do Pavao.
Vendo-se mogambique toio de la arado fa-
zenda muito leve para vestidos de aenboraa e
roupa pera m< nio, com delicadas cores mu-
rus da Madre de Dos, nm completo aortimento oiohas e tendo de urna s cor proprio oara capai
de calcado francez, aendo: borzegutns sapstes de senhora tendo eata fazenda 4 pilaos do lar-
O babadirn da arda.
Vende-te a fazenda por nome bataoim com lia*
i tras de seJa j'ara vestidos da seniora a 5UJ :.-. o
covado, eobertas do chita pera cama a 2^, col-
. cbaade usto piara cama a s, ditaa avei'J jadas
a 8, aberturas pare camisas a 20 arca urna
cortes de caiga psra homem, de briso f^uroe
claro, e de Ra,ga e fusUa de quadrior j!3 a I > e
! 1?}280 o corlo : ca rna da Imperai".:, loja da
' arara n. 56.
3
ea
e
"O
to
C
re
S
B
<
a =
Q.
O
C O"-
Vestidos broncos.
Vende-se cortes de vest ios brancos bordados
a seda, praprios pira noivaa, pelo baralissimo
preco de 69, ditoa de larlataoa branca borda-
dea a 109 : na ruada Imperatrizn. 60, loja e ar-
mazem do Pavo.
Jarlatanas e tilo do Pavo
Vende-ae tsrlatana branca e de cores a 800 rs.
a vara, fil branco liao a 8<0 re., dito lavrado de
palmir.baa a 10 a vira, organdys branco muito
tino a 19 t vara : na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
de Naotes para homem, ditos para senhoras e
e meninos de todas aa qualidadea, como tambem
um completo aortimento de fazendas e roupas
feiits por presos muito em coota.
Keioglos
Vende-se ana casa da Johuston l*ter A Ca,
. do Vigario n. 3, un bailo sonimeuto da
telogios da ouro, patenta inglaz, de um dos mais
afamados fabricantes do Liverpool; tambem
ama variedad* da bonitos trancallins para os
mesmos.
Luvas e sintos do Pavo.
Vende-se luvas de seda pretas e de cores a
640 r. o par, ditaa de retroz a 640 rs., sintosde
seda muito ricoa com iivelas douradas a 13 cada
um : na roa da Imperatriz n. 60 loja do Pavo.
Ao pavo.
o
ea
B
se
O
-re
19 g"
1 2.2
QB Q
S <.
O
re
9
09 =
B-
a,
9 n
"i
SRDINHAS DE WANTES. As mais novas que seFodem desejar. a 360 rs. a lata.
GENEBRA DE HOLLANDA. Em garrafoes'com mais da 15 garrafas a 5J800 e frasquei-
ras coro 1 frascos a 655 AMENDOAS COINFEITaDaS. Muito novas e de divertas cores a 800 rs. a libra.
DOCE DA CASCA DE GOlABA. Superior a 800 rs. o caixocom 4 libras, tambem temos
grandes com 8 libras a 2) cada um.
QUEIJOS SUISSO E PRATO. Os menores que se podo desejar a 600 rs. a libra do prato e
800 rs. o suisso.
CHAMPANHE. Dos m-lhores fabricantes que vem ao mercado, de 12$ a 18#000 o gigo e
19500 a garrafa.
LICORES. Os mais finos que se pode desejar a 800 a garrafa e 99000 a duzia.
COGNAC INGLEZ. O mais especial que se pode desejar a 1000 a garrafa, e 109000 a
duzia tan bem temos superior para 700 a garrafa, e 89000 a duzia.
SERVEJAS. Das milhores marcas a 59 a duzia, e 500 rs. > garrafa.
NoZES. As melhores do mercado a 120 rs. a libra e 39200 an ba.
PAP L GR.EVE. Lizoe paulado o melhor do mercado a 4*000 a resma,
FRUTAS EM CALDAS------Pesego, pera, damasco, rainha Claudia, ginj, serojas, e moraogo
a 560 rs.a lata, e 690UO a duzia.
AMENDOAS. De casca molle a 240 rs, a libra das melhores, e 200 rs, mais ordinarias.
Vende-se neste estabelecimento aa faiendts
maia baratas do que eu> outra qualquer parte,a
com o lim de apurar dioheiro, chilaa largas es-
curas com pequeo toque, de mofo a 500 rs. o co-
vado. ditas frencezaa a i0. K0, 280. 3z0 e 360
rs., pecas de madapolo e alKOooiinbo por pre-
coa baratissimos, cassas organnys de todaa asco-
res, carobreias de todas as qualidades e todaa aa
mais fazendaa precisas para o consumo, alm da
eatar este eslabolectmento aberto Oas 6 aa 9 ho-
ras da noile, tambem ae manda levar aa fazen-
daa eamostras pelos caiz*iros : na ra da Impe
ratriz n. 60, loja do Pao.
Esperance
Loja de nnii(Iezas,rua do
Ouimado n. 35 4, de
Quima raes iuch&.
Para bales.
gura e vende-se a 6U0 is. o covado : na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo. i
La moeambique a 400
res.
Na loja do Pavao.
Vende-se laziobaa de urna s cor cem qua-
drinhos e lista propria para vestidos e capas
aendo fazenda floisaima a 400 rs. o covado : na
ra da Imperttriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Laas com llores a 400 rs
Arara vende as casss cliintzas.
Vende-se a fazenda por nome cassas rhinezas
a iniiuco de seoioha da quatros, proyiis para
vestidos de senhora e roui a do meninos a 240 e
280 o covado, riscado a Garibaldia 80 o covido
para vestides, cobertores de algodo a lj>, eim-
braias brancas a lJJOOO, 2#, 2J500 e 3 a pec.a : na
ra da lrr peratriz. loja da erara D. 56
Organdys da China da arara.
Vende se a fazenda por nome organ.iys da Qil-
na adamascado 0 palmas de cores, propria para
estillo e mullo largo a 4l)0 ra. o cosaco, capas
de la para aenhora a 9$, ditas de gros^potple
modernos a '20 e 25$ : na ra do Imperatriz, loja
Vende-se laazinhss.muilo oas com bonitos j, ma n ggi r
padres a 400 rs. 0 covado : na ra da Impera-
triz n. 60. loja e armazem do Pavo.
Tarlatanas com pal-
minhas.
N loja do Pavao.
Vende se tarlatina com palminhas de cores,
tendo cores proprias pars luto a 310 rs. 0 cosa-
co : na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem
do Pavo.
O Gira sol
ttolipa parahomeiis,
Vende-seaal5asdeeasemira.de brim pardo,
de dito de corea, palitots franceses a 6#, ditos de
panno preto e cor de caf a 65. calcha de caae-
mira prtta a 58 : s na loja do Pavo, ra da
Imparalriz n. 60.
Libras sterliiias
Vendem-ae no acriptorio de Maooel Ignacio
de Oliveira & Filho. largo do Corpo Santo n. 10.
* fMMNMmmmmmmm
Loja das 6 por-g
t*s em frente do Li
vrameiito.
BalSes de 15, 20, 30 e 40 arcos.
Grande aortimento de balea de arcoa 8
Jr os melhores oesta fazenda e grandes, chi- I
m tas francezaa largas eacuraa a 220 e 240 8
T ra. o covado. ditaa estrellas miudinhas a 5
E 100 ra. o covado, cambraia lisa pira for- 8
ro com 8 l|2varaa a 2S a pega, ditaa fl-
E naa a 3#, 48. 5# e 6| muito floas, dit.a
J da. aalpiqatDbo com S 1|2 varaa a 3&500
I a pega, a-oberlaa alcotnadaa brancaa de i
corea para cama a 4*500 e 5, castas de '
cores francezas Ilotas seguras a 320 rs o
- eovado, pega da bretaoha de rolo a 2 3
algodao frangido alvo muito largo para' 8
toalhaa a 1$ ra. eofeltea a Garibaldi 5
aendo pretoa a 5| eada um. lencoa bran- 8
coa com barra do corea a 120 cada uro S
roupa felta de todas aa qmlidades muito 1
barata, a loja esta abena ate aa 9 horas *
da nolte.
Molas cobartaa de fio para saiss a 160 rr. a
vara.
Agulhaa victoria o papel a 120 rs.
Ditaa fundo doarado a 120 rg.
Linha de paso, mesda a 100 rs. defrente da Penha n. 33 vende minteiga ingle-
Dita froxa para bordar a 80 rs. za iUnerior a 800 ris, dita franceza a 6'JO, quei-
Dita de carretel, 200 jardas a 80 ra. ,jos do u|limo Tflpfir a 15900, ditos a 1^700 e
Dita da corea, quilquer qualidade. 15500. cha fino a 2c80, caixas de doce de goia-
Gravatas Iba a 500, espermacete superior a 720 ris, sa-
com botis e sem elles a 10, de cores e pretas,; perlor vinho do porto a 800. dito do Figueira a
640. 560 e 500, e todoa os mais gneros tona e
barates.
para homem meninos.
Tranca de Iinho.
Recebeu am lindo aortimento destas trancas,
propriaa pataaalevea roa-pos da feata, jateto
qie vo-ae prevenindo.
BotOes
para casaca e caaaveque, de corea a pretoa, para
camiaa madreperola fina, da osio para caiga a
320 a groza, muito finos.
Colchetes.
Esta loja deaajando aempre ter objectoa noves,
recebeu colchetea raforcadoa do fio batido, aa
caixaa sao em forma de urna caiteirinha que se
torna maito elegante, a ba na Esperance a 80
ra. a caliioha, am cartao a 60 rs., ou duzia por
600 n.
Pe mas de ac
caligriphicia por 2g e 25400, verdadeiras da Per- Vendem-se todos oa gneros por meos do
ry, de outraa qualidadea, por menos do que se que em outra qualquer parte : manteiga inglesa
costuma vender, canetaa pars se adquirir urna i fina a 800 e 510 is. a libra, dita franciza a 640,
, posi?ao el-gantt (eacravando) a 500 ra., da mui- [a em p'.rco faz-ae algum abatimento, cha aupe-
taa quadad.s como de borracha a 160, a balo a rior a 2g880 e 2>560 a libra, passas muito novas
a 380 ra., nozes a 120 rs., amendoas a 3U0 rs. a
libra, superior caf a 280 ra., toucioho a 300 ra.
a libra, macarro, aletria, talherim a mais msaaaa
fioaa muilo novia a 3x0 ra., vetae de cirnauba
superiores a 400 rs. a libra, ditas stearioas a 720
rs. a libra, queijos de qualha muilo novos a 320
rs. a libra, caixea com 4 libras de doce de casca
de goiaba a 800 rs., ditos pequeos a 560, vinho
de Lisboa a 400 e 500 a garrafa, dito Figueira a
600 rs. a garrafa, dito do Porto eogarrafado a
IguOO a garrafa, 1)200 e 1#600: alm destes ge-
neroa mencionadoa ae encootra tudo quanto
pertenceote a molhadoa e de auperior qaali-
dade.
Cheguem fre-
goezes ao bom e barato.
Kua estreita do Rosario,
esquina da ra das
18Larangeiras18.
Arara vende fazenda por nome mais
a inirn.
Vende-se a faienda por nomo mais a mim ps-
ra vestidos de senhora e s.iamascada, de bonitos
gustos a 3G0 o covado, p.vss de eambraiaa de
salpiqu'ohoscom 8 l| veris a 3;.">00 e 4 : c
ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Titas c entreuieios da arara.
Vendem-se tiras e enlremeios da largura de 4
e 5 dedos, de bonitos gostos a 1J280 e 19*00 a
pega, ditas de ntremelos a 1$, l$20) e IftltOft
petja, corpinhos bordado* para meninos a ljjcsc?1.
um : na ra da Imperatriz, loja da arara o. 56.
Sementesdehorialice viadas
de Paris
Chegaram loja de fiuraxens de B ra da C'deia do Recite n. 5] A, aa novas s.n.vi-
les de hoitalUe viudas de Pana, as uuaes sao ue
superior qualidade. e s vendem barata*.
160, a pistolete a 120, e muito boas muito ba-
ratea por 40 ra. cada urna 11
Perfumarlas.
O ebeiroao e suave sndalo a 1&600 o fraseo,
(easancia concentrada) palhchouly, o mbar, o
Oouqoet de nupciis, o de Lahore, a vetivia, a
magnolia, a rosa, o jaamirp, a flor do larangeira.
um computo sorUmanlo da perfumarla qua te-
moa, tanto fraocezaa como inglesas.
N. B. Temos feto ltimamente um contrato
com um fabricante que ooa permita vender eate
genero, cujo cooeamo se adiaota, por procos lo-
tetramente baixoa sem rivalidade.
fianhas.
Pomada imperial, frasco a 5jf.
Japonaza a 1.
Imperador a 1.
Imperatriz Eagenia a lf.-
Eiposlcao univoraal a 23500
Mojas americanas a 500 rs. a l?.
Polassa da lussia.
Vende-ae em cata de N. O Bieber &
C., i ucees, ore, ra da Cruz n. 4.
Vende-se por preco commodo urna rn-gri-
nha de idado de 6 ar.no's, muito es^srta : m r'ia
da Imperatriz n. 19.
Cal de Lisboa a 4$ o barril.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
Azavpdo. no aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Calcado barato!!
Na loja do Poito esquina da roa da Msire de
Dos, vnde-se urna porjo de calcado com pe-
queo defeito muito barato
Venda de animaes
4 vaccas crioula*. sendo paridts da primelrn
barriga, e outra prenhe ; 1 novilhota e 2 gus.
senio urna dallas muilo boa csiadeira e p;mta
de jumento, o que sa afianza : na ruada Aurora
venda do sobrado n. 48___________________________
Cal de Lisboa
A 5,000 rs.
Veada-ae barris com cal nova ebegada ultima-
mente, a 59, no amigo e acreditado deposito da
ra do Brum n. 66 armazem.
Farello
m aaccos grandes a 4J: no armazem do Sr. Lulz
Aotono Anuas na sacadioba da alfandega.



i
i


6
ViklbO DI PEMUMIUCO QUARTA FEIBA 10 DI SETEMBRO II 1861.
OIMINIQAO DE PREQO
FRANCISCO FERMNDiiS DUARTE.
10 Largo da Penha 10
A vantagem que o propietario deste acreditsdo armazem da molhados tem offerecido, ha
ido conhecida pelos seus numerosos freguezes, mas como asslm inda bjam alguns senhores que
nao se tem dado ao irabalho de esperimentar, rogo a t 'os elles o favor de mandaren comprar suas
encommendas no armazem Progresso do largo da P.-..ha n. 10, afim de verificaren! a exactido
do mea annuncio ea differenca de prego equaKdade que faz, se fossern compradas em outra qual-
qucr pane, pois para isso se recebe em todos es vapores a navios de vela viodos da Europa a
maior pane dos gneros d. conla propria. Para maior concorrancia e commodidade, resolve o
propneiario encarrepar-se par.com aquelles senhores que nao possam vir, aem mandar, de des-
dicha e remoller pela via-ferrea para o lugar indicado, todo e qualquer aero comprado neste
rmazam, ananpndo-se serem tao bem servidos, como viessem nessoalrnente. pois para este fim
auma pessoa de confian?. para de prornpto conduzir as cartas na chegada do vapor.
Aaiingl lift^lZw. a primeira qmlidade da safra nova a 00 a 720 rs. a
libra, e em barril se faz abatimento.
^ IMIteigft l AUCd^ a maia nova do marcado a 00 rs. a libra, e em barril a 860.
\j*&i UUXVI o qUQ se p0lj9 ,jasejar nesle g9nero a 3^000 a libra
Ola >'*4SJ*i o mais superior do mercado a 29800 a libra, e em porgao se faz abati-
mento.
qgU,Ql|08 iG ?eill cheirados neste ultimo vapor muilo frescos a 29000, ditos che-
gados em navios a 1*700.
.:B.a ^TClO verdadsiro inglez a 2*000 a libra em porc,ao se faz abatimento.
ttaSfc^HI *"S&' H&4M4 confeitadas, contendo diversas iguarias muito proprias
para mimos a 1*000 cada urna.
3l1)H&Xl!&n6 d soda em latas coa diferentes marcas a 153*400, afianra-sa a boa qua-
lidade, assira como tem latas grandes com bol.chinha proprias para lanche a 2*500.
LagTllia lio BOU O espeial viho do Porto era gamfado vindo a sigunda vez
aonossi mrcalo a l$-0t) a garrafa e era caixss com 1 duzia qor 129000.
a UO C*lg%TT i'-^ao das melboresmarcasqua vera ao marcado, como sejao Duque
do Porto, Carcavelhos e Feitnria a 1*200 a garrafa.
&.&C*TtaS f,Qm Vlh. do Porto cora 70 garrafas proprio para casa particular
em garrafas 329000, aianra-s % ir,!ltf MU pi*te4 de superior qualidade Porto. Figueira Lisboa 500, 560 a 00 rs.
a garrafa, e eiu caada a 3*500, 4*000 e 49500.
\\ Vanada e-alals com 10 libras por 4f000, e em barril a 400 rs. a libra.
rU, UfJ-;-3.0 Ulh^flm 220 n. a libra, a em caix, grandes por
65O00. afianza -se ser muito novo.
f 'h. 'o> 11 A aj m. D*f n
.- **"w mimo novas a 5GJ rs. a libra eem barril com urna arroba por
0 12P000 rs. r
' !r de escabanhe das seguint.es qualidades savel, congro, corvina,
cnerne, pescada, e vezugo a 19400.
~ e fispermasett a 6g0 rs. a ,ibra> e 9rn caixa a GG0 m
! tt*; Cara iUfta reGnad* a 360 rs. a libra, e em arroba a llf rs:
V lUat dQ r*OO a 5G0 rs a libra, e em porgao a 500 rs.
w vi laglttf.
laa a
V, I
i. '
para fiambre a 640 rs a libra.
- U&K&S em |alas ,*a t 9 raQ)a llbra 15500, ditas com 3 libras
por 29600
J"1 : J "?l* ^ ft^* '" ? o frasco, e G9400 a rasqueira con 12 frascos-
lOftS com genebra de Hollanda cora 25 garra'as por 9*000.
AlO*l**tt muito limpo, a 160 rs. a libra, e em arroba 49800,
0 muito novo a 160 rs. a libra, e 49800 a arroba.
' suspires em meias clixinhas, do mellior fabricante da Babia a 29800 cada urna
* .& 0 mag superior que ha no morcado a 240 rs. a l-bra, e em garrafoes com 5 libras
por U600, so o garrafo val 500 rs.
StoVaainfea je Franca muito nova a 200 rs. a libra,
*
iSOVama muito inaealva a 100 rs. a libra e em sancas se faz abatimento.
1V$S ail^OS par domes a 160 e 280 rs. o mago com 20 macinhos.
PalitOS O g Z a 29300 rs. a gmza e a 20 rs. a caixinha.
v P^.tfli das marcas tenente, ou XXX a 69o00 a duzia e 500 rs. a garrafa.
\PVftja HfaiAtJ-.- das raa, icrediudaa marcas a 59000 a duzia e 480 rs. a garrafa.*
% lr'*\* UfAacCO engarrafado o mais superior que tem viudo ao nosso mercado a 800 rs
tambsm tenho de barril par 560 rs. a garrafa.
TqU^U&IiO Ao l-bo. a 7900O a arroba e 280 rs. a libra.
^j&l AO HlO iavado a300rs. a libra o a 99000 arroba, dito de 2. qualidade a
260 rs. e 89000 rs. arroba.
A ff OS de Maranho a 100 rs. a 120 rs a libra, e em arroba a 3&000 e 39500.
'llOOlato hespanhol a 19200 rs. a libra, dilto francez a 19100.
.:'A^i.!*sa*l.aatai imperial do afamado Ahreu ede outros muitos fabricantes de Lisboaa 800 rs
a lfbra, lambem ha para 500 rs, a libra.
l faVuS CO\ Calu-i pecego, damasco, pera, alperche, e gingaa 600 rs.alatta.
^ TdlRia a ^aaX'S a 380 rs, a lata affiansa-se a boa qualidade, e era porc,o
se faz a batimento.
AVllu'-'S francezas e portuguezas as raaisnovosa 640 rs. a latta, era meias latinhas a
500 rs.
aOO orienaX, Marg, Me-loq.ua e S. Juliende Medoque a 9J00O a 109000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 19000.
% } 1*1111 o raelhor petisco que pode haver por star prornpto a toda hora a 800 rs. a libra.
^|(DOlaS HOV'S alSocento ea 19200 o molho cora cento e tantas, tambem ha
proprias para conservas a 400 rs. o cento.
i' Va ClOCt muito nova a 320 rs. a libra, e am arroba a 89.
' pe gTtVfc a 49 a resma, dito de peso pautado a 3$, dito almaco bom a"3#200.
,I''SSa para SOpa estrellinha e pevide a 600 rs. a libra, era caixinhas sahe mais
barato. -
J'Ie de tomate era latas de l libra por 800 ra ede 2 libras por 1500.
Afce 1 te UOCe refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas com 1 duzia por 89500.
Ideial de LS*); a 720 rs. agarrafa e 59600 a caada.
AmeadoaS de casca molle a 320 rs. a libra e 8*000 a arroba.
Vinagre de LisbOl a 240 rs. agarrafa e 125800 a caada a fianga-sa a boa
qualidade.
h 111 Mulle das mais acreditadas marca* a 159000 e 209000 o gigo, a em garrafa
a 19800.
VllUlgre Dril I1CO que se poledezejar neste genero a 400 rs. a garrafa.
kJlCyOres ir UCeZr2S de todas as qualidades que s procurar a 1*000 rs. a garrafa.
Pa r11 h 1 d O rl ara ll ta > *>.* alva a cheirosa a 160 rs. a libra.
i iJ 'O para limpar faccas a 180 ra. e em porgosefaz abatimento.
Culiiiaqiie Hl^leZ a 900 rs. a garrafa elO*000 a caixa eo0urna duzia.
Alera dos ganaros cima mencionados encontrar o respeitavel publico am completo sort-
manto de tudo qu tendente a molhados.
DE
DE
llano el Pedro ile Mello
Largo do Livrameoto ds 38 e 38 A
Defronte da grade da igrefa, cujo titulo distinctivo
O BALIZA.
FUNDIQAO DA AURORA.
Neata randa bem mociada fabrica da machloiimo, a maia amiga no imperio **--
aiec. ar com maior preateza p.rfaicao ncomm.ndaa da toda aqaalidad. da mu&mu a.d.a
no paii, tendo aempre prornpto o aeguiota : i-uinaa saoai
Granda sortimento da moaodaa dS canoa de todo* o aviteraai a tamaoboa.
Macnioaid* vapor da divrsss qualldadei.
Taixaa fundidas batida*.
CriToa a boceas para fornalhas.
Bromas aguilbdes.
Rodas, rodetaa a rodas d'agaa.
Guindastes flxos e portatis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de a;o para serrara.
Fatexas par barcos, etc.. etc., lado por praca qaa bsm conAld*.
Neste vasto estabelecime
chara o respeitavel publico desta
capital e de fora, UM GRANDE e
PERFE1TO SORTIMENTO L>E MO-
LHADOS, que se vende tanto em
grosso como retalho par muito
menos prego do que em outra
qualquer parte, por serem quasi
todos recebidos de conta propria.
fifuita attenco.
Todos os gneros sabidos des-
te noy armazem levarao urna
etiqueta para seguranza dos Srs.
que nao quizerem vir fazer as
suas compras, e mandarem por
seus escravos ou fmulos.
Esta preYengao atiesta bem,
que a mais perfeita e duradeura
con6anga se deseja possuir de to-
dos geralmente, e por isso nao se
pouparao exforcos para serem
bam servidos todos es Srs. cjm-
pradores, afim de que possa este
grande estabelecimemto ser apon-
Tambera se receba qualquer objecto como assucar, couros, laa, etc., etc., para serem ven-
dilos, sendo a coata eo seu producto entregue promptamentea quem for determinado.
Na intangao de possuir militas relagojs. faz o annunc ante todos estes offerecimentos; de
forma que neta estbele^raonto, nao facharao os Srs. de fora desta praga um bom freguez,
mas tambam um amigo e um criado s suas ordens.
A todos era geral.
Si por acaso nao .gradar qualquer gane-o sahido desta casa pola ser devolvido, que ser
irameliatamente trocado ou restituido o seu importe, conforme for exigido.
O annunciante protest cumprir cora a mais seria e re.-treta exactidao e>ta sua promessa.
AMEIXAS francezas era latas de tres libras e Genebra verdadeira nglezade marca Gato do fa-
tado como um des melhoret e
mais acreditados desta praga.
Avio particular.
Previne-se s pessoas de fora
desta cidade que (.odem seca re-
ceto algum mandar os seus peii-
dos por escripto, que sarao salis-
feitcs com a maior pontualidade
e boa f possivel, ainda mesmo
de objectos que nao sejam pro-
prios de te estabelecimeoto, como
ferreos, miudezas, ou medica-
mentos.
O annunciante desejando fa-
cilitar a consecugao dos negocios
que por ventura tenham os seus
freguezes de fra, se offerece
tambem para fazer procurar qual-
quer despensa ou licencia que de-
penda da auloridade do Exm. Sr.
Bispo Diocesano, bem como de
apresentar qualquer consulta aos
senhores doutores desta cidade,
quer respeilo de direito, quer
de medicina.
a 280 rs.
mais, a 28240 a lata.
dem dem em frascos de tres libras e mais, de
23800 a 33> e frasco.
AMENDOAS de casca mole de 240
a libra.
ALPISTE a 1G0 a libra, eem arroba a 49800.
Arroz da India do 100 a 120 rs. a libra, o em
arraba de 3> a 39400.
Id. de Java de 100 a 120 rs. a libra, e em
ar-oba de 39 a 3&400.
dem do Maranho de 100 a 120 rs. por libra,
e em arroba da 3 a 35200.
dem do Penedo a 80 rs. a libra, era arroba a
29240 e em saceos a 2$.
dem com casca a 160 rs. a cuia, e em saceos de
20 cuias a 29500.
Azeitonas em ancoretas de 8 garrafas a #500,
e em garrafa a 320. 1
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa
dem em barril e de prirnuira qualidade
a 6G0 rs. a grr,fa.
Bolachinhas americanas muito novas de
3G0 rs. a libra.
Biscoutosebisoutinhos, araruts, a'iados
tras qualidades de excellentes massas
rs. a libra,
dem em latinhas de 2 a 3 libras e de diversas
qualidades, contendo urna lata mais de dez
espacies de biseoulinbos por 1$400.
Bolinhosde ovos era latas recommendades pelos
senhores mdicos a 19400 a Uta.
Batatas a 80 rs. a libra, e em gigos de 3G a 40
libras por 39200.
Caf do Cear de primeira qualidade, de 280 a
a 300 rs. a libra.
Llera do Bio l. 2.1 e 3. sones a 240, 280 e
300 rs. a libra, eem arroba de79,
a 8500.
Cha parola de primeira qualidade a 3*200 a li-
bra.
dem uxira a 2*800.
dem hysson de primeira qualidade de 18300 a
29800 a libra.
dem nacional de 19500 a 19600 a libra.
dem preto homeopathico de 19500 a 1*800 a
libra, primeira qualidade.
dem idem nao homeopathico de 19500 a 1*800
a libra, primeira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocolate de Lisboa (do Abrou) encoramenda es-
pecial, qualidade esta que sera mede de errar
a mslhorqueaqui tem vindo a 19 e 500 rs.
o massinho, c nienio 12 e 2 pes.
dem hespanhol e francez premiad >s em di -
versas exposicoes, de 800 a 19 a libra.
dem suisso de diferentes qualidades, romo se-
jam baunilha e canella, etc. etc. de 19100 a
19400 a libra.
Charapanha em gigos com 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias ditas a 129 a duzia, e em gar-
rafas de 1*100 a 1*200.
Chourigas das mais novas a 480 rs. a libra eem
barril de I arrobado 13* a 149.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Napolen, Parisienses, do afamado
fabricante Jos Furtado de Simase outros de
1*500, 1*800, 2, 29600, 3*600 e450
o cento.
Ceblas a l9o malho com mais de 100 ceblas.
Conservas inglezas muilo novas a 800 rs. o
frasco.
Cognac inglez era barril, garrafa a 640 rs.
dem idem engarrafado de 800 a 900 rs. a par-
rafa. 5
Doce de goiaba em caixes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque, garantindo-
se a boa conservagao por um anno.
Rrvilhas em latas de 1 e 2 libras de 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absyntho em garrafas de 1 1(2 gar-
rafa a 1*500.
Farinha de trigo Fontana, das marcas SSS, ga-
lega, family, de 120 a 160 rs. a libra.'
IJem do Maranho a 160 rs. a libra, a 49800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada de
a 320 e3b0rs. a libra.
Figos muito saperiores a 240 rs. a libra.
Garrafoes com mais da 5 garrafas de vinho do
Porte fino, a 3*200.
dem idem da vinho verde a 29800.
dem cora mais de 5 garrafas de vinagre de
F. &S. de Lisboa a 1*600.
dem idem cora vinagre de Hamburgo a 19000.
dem com mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 6*000.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1*000
bricanta Carduer & Broomhal de 19400 a
1*500 a garrafa.
IJem de Hollanda em frascos pequeos e gran-
des de 5(i0 a l9oo0.
Graixa em boioes a 2^0 rs., e a duzia a
29700.
Idera em lata mu:lo nova a 120 rs.
Grao de bico muilo novo a 100 rs. a libra,
Gomma excellente do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Kirsch Wasser, excelente babida do fabricante
Richard Muller, em garrafas grandes a
1*500 a garrafa.
Licores dos raelhores fabricantes ingiezes e frao-
cezes e em differentes vass de 500 a 19000
a garrafa de diversos tamanhos.
Manteiga ing'eza perfeitamente flor de 700 a
800 rs. a libra,
dem d segunda qualidade de 560 a 640 res
a libra.
IJem franee/.* de 5G0 a 580 res a libra.
I-tat e a libra a 380 rs.
llera em barris muito superior a 300 res.
Marrasquino do Zara a 800 reis o frasco.
Massas para sopa, macarro, t*lharira e aletria a
30 reis a libra e a caixa com u.-na arriba
hespanhola a 59500, do fabricante N*rvy.
dem linas estrelinha, pevide e outrasa 560 rs.
a libra.
Molhos inglezes e muilo superiores a 500 reis
o f
co.
IJem idera Jera a 29 em frasco grande rolha [
de \idro.
Rozes superiores a 200 res a libra.
Phosi boros do gaz a 29300 a groza, e a 200
rs. a duzia.
Mls>"HB3
33
de 0iieimado-40
Defroute *!o beeco da Cougregaco letreiro verde.
Fiesta astabelaclmante ha sempr* nm sortimento complato d* roa*> falta da
todas as qualidades tambem sa manda exacatar par medida i Tontada ios ir*.. i*-
xoa para o qaa tam tu dos malhorea professorei.
-
-- _,
4' .
s
. '
Casacas aa panno prato a OJ,
S5 a
Sobm**eeosd* dito dito a 35* a
Paletott :!*< panno preto a de co-
res a 35*. 80*, 25*. 10*, 18* a
Ditos de rasemira rta coras a 22*,
151,12*.7*a
Ditos de alpaca preta (olla da
velludo frantaza a
Dito* ds marin sstlm pralos a
da irir?s )9|i
Dito da alpaca da corea a 5* a
Dito daalpaeapreta 9*,7*.5*e
Ditos d* brim da coras a 5S,
4*500, 4* a
Dito* d braiuanta dalinho brun-
:o a 6*. 55 a
Dito* -la merino ;a corda-. prata
a Ir.;
Ca'r 11 da aaamtra prata a da co-
rsa a 1*9, 10*. 9$, 7* 9
DUar t prnioza a Enorir d=
COtdo prato a 5*, 6^500 a
Ditaa rit.i brando a da eoras a
5*. 4*500
c-'r.;^pii?i i] corea a
Colleta de vellado prato a da ao*
rasliaoaa bordado* 19.%.98a
Dio. 1 aaimira pret a t* *o-
ff-s Han a borcitido* a 8*,
59500,5*
, Ditos da aatim preto
30*000 Diloa daaada a aetin; branca a 6
309OOO Ditos da orgurao da seda prataa
a de coras a 7*, 6*, 4*
xOJOOO Dito* da brim fustao branca a
81500, 2*500 *
9*000 Saroulas da brirn da linho a 2* a
Ditaa da algodao a 1*600 a
109000 Camlaas da paito dafuslo branca
a U cores 9 2*400 a
88000 Ditaa de paita linho a 5*. 43 a
Sc-.V.K) Ditaa da marixpolo braiicas a da
3J50O I cora* a 8*. 2Q500, 29 a
1 Chapaos preloa ta massa francaza
3*500 forma da ai tima moda a 10*.
8g500 a
4^000 Ouos C-. (eliro a 6*, 53, Mi a
lulo* --i so< da itiglfias a
8*000 franeexa* a 143,12*. ltg a
Colarinboa da linho msrito flnaf
6*000 novo*(sitios .i* ultima moda
Di-.o* ':< algo'iao
4';O0 ReloAios d- oun. ..ist#nta a h-.ri-
xonUi 10US, 90* 80$
25''(i Ditos da prat* ;ralvuiaa(ios pa-
3000 tama a horiiuataxs a 40* a
brs da 8*000 adrer;')*, puk*lraa, ro**tas a
anais *
Toilbas 1 Linho nqii 10S, 6? a
8gf>00 Dii^s air^n -ea psr* mas* um* 3* a
55000
55OOO
5*000
8*000
200
1280
23500
3*000
iloo
73000
55000
7*ono
i 5
m
m
- Q
*00 .
*00
70S00 H
80S(000
*
91000
45OOO -^
?;
Chapeos de sol da s Ja a 5* : ni ra do Quei -
Diado n. 44
7500 Prezunto de Lamego o mclhor do mercado a -180
reis a libra, e era porro 460 rs.
dem inglez para fimbra a 5G0, G10 e 700 rs.
Passas das de carnada de 320 a dOO rs. a libra
e era caixa de 5 a 6*000.
Palitos para dentes majos com 20 macinhos a
1G0 rs.
Idera lichados idem idem com flor a 240 reis
o maQO.
Peixes curvina, safio, linguado, pescada, ppjxe:
espada, pargo, robalo, salmo e lagostim,
em latas hermtica raen te fachadas a 1*300 a
lata de 1 a 2 libras, sendu preparado pelos pri-
meiros fabricantes de Lisboa, Inglaterra e A-
merica.
Queijo flamengo do ultimo vapor a 2*000.
dem idera do ultimo navio a 9400., e em cai-
xa a 19200.
Idem prato Je GOO a GiO reis a libra.
Salpicoes, vindos de casas particulares a 640 reis
a libra.
I admbraias lisas.
Na loja do PnvSo.
Vende-s. pecan dp cambraies lis rroito finss
cora 8 ir.1 a3 a 2J500. dit*s cora 10 jnrdss a 3{j
ditaa com 8 jir-ias a 8g,dit*s cura 10 jard.is a -'13 :
sa na ra da Iroperatru o. 60, luja e armazo-n
."ii Pavao.
Biihaiitiiiis de quadrinhos a
200 ris
Na loja do Pavao.
Vende-sa brilbatiiioas o quac-rinhos, tendo
da todis a core (srenda ranlto ancorpnda e mz-is
larii que thita ioglea, proprias pra veslitlos,
* 200 r. o cov.do : s na ra da Iraiieratriz d.'
60, It'jfl arcj.:em ilo l'ao.
iitual
A
os quarios, e
Sardinhas de Nantas a 380 rs.
meias latas a 5*0 reis.
Serveja marcaTenente, Cobrinha, Cavallinho e
outras marcas a 4, 5 e 5*8u0 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra e em garrafoes com 5 e
6 libras liquido por 1**J00 com o garrafo.
Sabao moca de diversas cores e dos melhores a
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado era potes de vidro com relha do
mesrao por 600 rs. cada um, s o pote rale
o dinheiro.
Sal refinado em potes de Iouc,a com tampa da
mesma por 500 rs. cada pote.
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
libra, e em arroba 89800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs. a
libra, e em anoba do 5*000 a 69000.
Tijolos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas stearinas a 640 rs. o maco,
dem do Aracaty. carnauba, a 400 rs. a libra,
dem de composi^o de Bueoos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parte delles de conta
propria comofejara; Duque do Porto, Ca-
mes, Ghamisso, Silva & Meneses, e outros,
que se ven lera de 19000 a 1*280 rs. a gar-
rafa e em caixa de 129000 a 15*000, e
esperara-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marc-s Margaux, S. Ju-
lien, a outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 9*000.
Vinho verdadero de Setubal m barril e em
garrafas de 64o a 800 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em pipa das melhores marcas
de 59000 a 69000 a caada de qualidade
especial.
Vinnode Lisboa, Madeira.Carcavallos, Figueira,
fraooca, a de diversos paizes de 39000 a
49500 a caada.
i. .;,.-.:^.i L>iI>H S que O
.vo liquida.
Vend-SB finissiraas cassasfranceaa do cor?
moito Dooits a 200. 210 e 280 rs. o covado : s
na ra .la Irni-eratriz i>. 60. luja rto Pavao.
Bramante Vende-ae per;*s de bramante de lisias tendo ama
a largura, con, 27 nrts cada peca, pelo bar
tissiron pr<-Qo da 10* a p*ga. tAOi'bem sa vendo
n.eies pecas do mesmo com 13 1|2 varis por 5*.
esta fazeuJa prri pira laacoaa, loalhas, ca
ruisas sarouiss te, era pioporgo do preco
que est boje o algodoziuho torri-se esta fa-
lenda n>ais barata sedo da linho, islo s na ra
da Imperatriz n. 60, loja a arn.azem do Pavao.
La e seas pura vestidos a
400 ria.
S na loja do Pavao.
Veode-se la e s.ia para vestidos com muito
bonitos p*drd*s, sondo faienda qu sernpro s
vendt-u por 13, e torr-ae a 400 ra. o covado para
apurar dioheiro : a n ra da Imperaltiz n. 60,
loja e armazem do PaSo.
C
Rival 9ai igual
Rival sera igual
Ra larga do Rosario n. 36
Ru> larga dollusrri-jc. Ilfi
Ru* l*.*g. do Rosario n.36
Pedro Tindo vende
Peiro Tinoco vende
Pedro Tinoco v-nda
Miadezas muito b-rs'*
Miudezas rauo baratas
Miudez** maito barata
Certes de clchelas fr*ncezes 1 40 r-.
Estampas da aaotoa ICO rs
Ditas cora valas do guerra a 5C0 ra.
Ditas cem personaren a H20 rs.
Pentes d* borracha pira aliaar a 560 ra.
Sinto* .lourados a I56OO
Aiuihaa friricea em camnh* 220 ra.
LSa *.r8 bordar a CS400 a libra.
Tesouraa tinas coro toqu a 4(! rs.
Butoea yra punbo a 120 160 r.
Tinti-iros com lints e lampa Meias cruis pan bomom i s.-',0O.
Dilaa brancas par senhora a 2j.0O.
Enf-ite pr.ics a 4*800.
Linhas de rroxel para boror a 640 rs. o ai-.- >.
Jugos o vispora 600 rs.
Ditas do helio zsdrez a lgCOO.
(irVla com bota a I5OOO.
Pioceis para barba a 400 e 600 ra.
Pulselras de niis-..ni a 1jt8
Carreteis de linha a 30, 40, 60 e 80 rs.
Luvss de seo* cora toqa* i> 200 rs.
Escoras p*r limpar denls a 240.
Ditas para cabello a 1g.
Ditas boas p?ra anhas 320 e 500 rs.
Das para roupa 800 1*.
A-ii.-i, como um soriimanto computo d r*!p
Paulo Cordeiro a 1^500, ge groso I5COO, lito
roeio rosso a lg600. dito fino a lg280, Lisboa a
2*600, rolo francei a t*900, Mearon a I5O4O.
o par.
Vande-aauma mobilia da jsca tncom padras
brancas, mma dil de mri>lo de r*iz a de mui
to bom gosto, vjjros yara esi>elho de todos os
tamanhos do 12 at 36 poilegadaa de ahora, ri-
cos Iremos de jscuand cora consolos da p=>dra,
gamma laca, molduras francesas para enfaites
de orotsrtose outras maitas obras de bam gos-
to e por barato pr*co ; na raa da Cin.bi* do
C'rmo n. 12, loja da marcioeiro de Joao Gooc*l-
ves Lacas Lisboa.
CA
45 Ba Direito-4$
< A epidemia declina snnsivolnienta, a o s*a
I completo deaaiiparecimento est prximo! O
I proprietariu desta bam sortio asUbelecir.- e&to
onvlda o* seus numerosos traguetea a subatitair
I o galgado velho, que todo aeti eholerico, por no-
to, a qu possa resistir s mil schotis e mazzar-
cas qua vo aer densadas m louvor do r*ib*-
lecimenlo ds ssudo publica. Oa preces >:-
ridam :
IIOMENS.
Manguitos e gol las de
cambra!a ricamente bordados
Vandam-s* manguitos a ollas de superior
cambraia ricraanta bordados pelo instgniAcanta
pra;o de 2* o par d* manguitos com ama gol 1*.
saudo que a-ni-re custa-*Di 65 cada par, asaim
pola racomraenla-aa aos amigos da santa eco-
noma que aproveilan a boa occaaio, dirigi
do-s* com dinhairo a loja da boa fe na ra* do
Quaimido n. ti.
Veudem se tachas a
f(?rrocuado dof*ibricatemis
acreditado : o a ra do Bratu
d. 28 B, armazem de Jos da
Silva LoyoAC.
A 5.000.
Chapeos de sol da seda a 5* cada um : ven-
de-ae na ra da Crespo esquina da ra do Im-
perador n. 7.
- Vendet!-se caixes va
sios, proprios para fimeire
e bhuleiro, a 1280 cada um
nesta typographia se dir.
Bolinas afamadas Milia. ; : IzjOOO
a non-plus-lira Nantas......... 1!r''(X)
> Na 11 Us 2 bateras.............. ll;l.00
lustra.................... IO9OOO
> ingleza de botos.............. 10*000
batedores....................... 9^500
> coaro da porco....... i'.-noo
bazerro a lustre............... 3b<>00
> ingleaa pas saWagens......... 7j500
tsxiados bratileiros............ 5.r>00
Sapalas non-plus-altra................ 79000
t 8 bateraa a Dala.............. 6y?00
esmaga cobra.................. 65500
Nantea 2 bateras vaqaata..... 6000
> b 2 bateras bazarro...... 5r-00
> irabalhadores.......... 5.- 00
> brasilairos da 3J5O0 a.......... 200P
Sapatos2 solas a salto.................. S;,.,
tranca portaguezes.......... fe008
> franceses...... 1C280
SENHORAS.
Botinas dengozas......... rwWIO
salto da bter......; 59000
pichincha de 4*500 a. ftgOOG
> americanas 3f50 a 2*500
Sapatos da sallo (Joly) J 3*000
aem II* (dem)...... 1*920
> tp.(-......... 800
B econoT.ieos. :...... 500
, lustra 32 a 33....... 800
MENINOS E MENINAS.
Ha de ludo em r*laro a nao se daix* sabir
dioheiro.
Um completo sortimento' da coaro de porco,
ordavao, becerro francez, couro de lustre, mar-
roquim, sola, coariohos etc., que tado aa trota
por dinhairo a Tontada do comprador.
i
i
.*

s*#i


DURJO D* PIKKAMSUGO Q'JaRTA flilA 10 DE SEIEMBrAO 01 180);
Coke e alcatro.
Cok6 da melhor qualidade, muito proprio para
vapor, a tambem para todoa oa aaoa domeitlcoa,
fornoa pequenoa a grandes, ate, para eatea ser-
vgos, o coka e maia aeoaomico do que qualquer
ostro combmtivel, por aar maooa da matada do
prego e da maia derago.
Alcatro, eita aendo applicado navios, bar-
caess, alvsrengas, cenosa, etr., praata maito bom
effeito, cooservanio a madeira do lodaa aa qua-
lidadea da blchoa, fazeodo dorar om tempo inde-
finido. Tambem conserva madoira da edica-
5es, preservando-a doa bichoa a contra o lempo :
aa proprladadea chimicaa deata alcatro da car-
Ten e maia (orla do qua qualquer ostro, extrah-
do de madoiraa oa oatraamaieriae.
Quem preciaar achara venda, no armazem do
gaz. Ra do Impendor.
Preco do coke 120 por tonelada.
Prego do alcatro 500 n. por caada;
Enfeites para senhora.
Oa melhorea enfeites pretoa o da corea qao ap-
pareee a 59500, 69 o 6g500 : na loja da Victoria,
na ra do Qaaimado n. 75.
Caixinhs.s e cabazes para
as meninas trazerem
no bra$o.
Muito lindaa eairinhas a cabazaa para maninaa,
da 100 ria it 29500: na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricoa aortimentoa de franjea pretas a da corea
coco vidrilhoe aem elle : na loja da Victoria, na
roa do Queimado n. 75.
ihasd peso verda-
deiras..
Liahaa finas da peao verdadeiraa, maadaa
grandea a 2-t ria : na loja da Victoria, na raa
do Qaaimado n. 75.
Phosphoros de seguran;
Phoaphoroa de seguranga, por qao livra de in-
aandio, a 160 rea a caixa : na loja da Victoria,
aa raa do Qaaimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Ralolaa maito grandea a boaa a 160 ria ama :
na loja da Victoria, na raa do Qaeimado n. 75.
Para atar cabello.
Tambem ha chegado linios peotea da tarta-
raga todo enlrangado com fila de borracha da
forma qne o cabello amarrado fica dentro d m
engredado, iotelramente couee nova, e do maito
goato, aaeim como com laco o lizoa de lindoa fei-
tioa, que se vende por preso maito razoavel : a
no vigilante, rm do Creapo n. 7.
Luvas de pellica.
Tambera chegado aa verdadeiras lavaa de
Joavln maito fresis tanto para homem como
para aenhora ; a no vigilante raa do Creapo
d. 7.
Linha de croxel para la-
byrintho.
Aa molhorea liohae de croxel para labyrintho,
oovelloa monstros a 310 ria um : oa loja da Vic-
toria, oa raa do Qaeimado o. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindoa aintoa doaradoa par senhoras a 55-200,
dltoa de pnnta cabida a 49, ditoa do fita a 1&600:
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas.
Chegoa para a lofa da Victoria ama peqaaoa
porgo de ricoa aspelhoa do varios tamanhospara
ornameotoa de aalaa, affiaogando-se aerem oa
melhorea em vidroa qua tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordar,
LSa maito boa de todas aa core, para border, a
79 a libra : na loja da Victoria, na roa do Quei-
mado n. 75.
Linhas do gaz,
Caixinhaa com 50 novellos da liahaa maito fi-
nta do gaz a 900 ria a caixa, ditas com 30 no-
villos a 700 ria, ditas cora 10 oovollos grandes
a 700 ria, brancas a pretas: na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.
Gravatinhas.
Tambem chegado i lindas grsvatinhas com
lindos botes, que se vende pelo barato prego de
II : a no vigiltnU, roa do Crespo n. 7.
La para bordar.
Tambem ba aoperior la para bordar qao se
vende por 6$ a libra, assim como lia do ramilla
qao so vende a 19, e em cada caixioha maito Gna
pelo baratsimo prego de 79 a calxinha : a no
vigilante, raa do Crespo n. 7.
Espelhos.
Tambera ha grande aortimento de ospeihoa re-
dondos de moldara donrados de todos os tama-
nbos, com excellente vidro, que se vende pelo
baratiaaimo do 3J, If o Sg : a no vigilante, roa
do Crespo o.7.
SlDtS.
Tambem chegado oa muito desojados sintos
com ricas fivalas do coocha a borlote ao lado
cousa muito chique ao vende pelo barato preco
de 49, aasim como ricas fivelas para aintoa com
pcdnnbasde lindos gostos qua sa vende a 1;(00
e 29 ; s no vigilante me do Crespo n. 7.
Chegado pelo va-
por francez s para o vigi-
lante linos pentes de mar-
rafa.
' chegado os lindos pentinhos dourados com
multas lindas moldaras do di fio rentes gostos pa-
ra mairafa oa travtssos, pois a com a vista os
compradorea sabero apreciar o quinto sao deli-
cados pelo baratliaimo prego da 3$00o o par :
assim como sem ser doaradoa de lindoa goitos,
pelo barato prego de 29 : oa raa do Ceespo n. 7
S no galo viailaote, ra do Creapo n. 7.
Grmpfts a balo.
Tambam chegado aa lindas grampas s balo,
coasa maito linda : s no vigilante, ra do Crea-
po d. 7.
undo
y
Velas e atroz.
Vondem-se volas de espermacete a 640 a libra,
arroz do casca em saceos grandea a 29800 cada
em : na taberna da traveasa do pateo do Paralxo
n. 16. com olto para a raa da Florentina.
Fazei das pretas
superiores.
Grosdenaple preto maito saperior pelo dimi-
aato preco de 29 o corado, panno preto maito fi-
no a 3, 4,5, 6, 7 o M o covado, caaemira praU
maito fina a 2$, 59500, 3, 39500 e 4 o covado,
maclas pretas da bloada multo saperioresa 12$,
manteletes de superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordados a 35$, sobrecaaacas de panne
preto maito fino a 300, casacas tambem de panne
preto maito fino a 30$, paletots do panno preto
Ono a 18 e 20$. ditos de caaemira da cor mas-
ciada a 18$, saporiores gravatii.has estrellas i
19, ditas do aetim meci oda gorguro multo su-
periores para deas voltea a 1$, ditas ettroitinhai
com lindos Innatos a 29, saperior gorgaro pre-
to para sollates a 4$ o corto, ricos snfeites pretot
a 6$, o assim oatras nuitaa fizendas qae sendo
dinbeiro vista, vaudem-aa por pregos muito ba-
ratoa : na ra do Quaimado n. 22. na bem conhe-
cida loja da boa fe.
Camisas bordadas e oiitros ob-
jecin necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-se um bello sor-
limento de bonitas camisinnas de Una cambraia
com babadlnhos e mu bonitos bordados da no-
| vos e delicados desechos, as quaes servera mui
bem para os modernos vestidos de frente aborta
a vendem-se pelo diminuto prego da 39 cada
ama ; assim como bonitos manguitos a balo com
gollinhas de superior cambraia e at e todos bor-
I dados, com puohos virados o cada prpela ba
! ratissimo prego de 25. o qae sdroiravel avista
da suparioridade da obra, e bem assim peohes e
gollinbas tambem bordados com bonitos botes
| a 2$ a gcarnigio, o gollinbas soltas igualrasnt*
bem bordadas a 15 cada urna o manguitos a 800
rs. o par. A vista pois de am to complato sor-
timeoto nenbuma senbora deixar do comprar
essesnecessarios objectos tanto mais quanto a
eoromodldade dos pregos convida o para que to-
doa sajam bem servidos convera qae maodem
Raa do Qaeimado n. 55, leja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, coohecido por Jo-
s RiRodinho, est vendendo tudo pelos pregos
j sabidos, porm quem nao aouber ton!'a a
bondade de ver o que bom e baratiaaimo:
Frascos de Lavando muito Goos, a 80
Ditos de oleo babosa superior, a 320 a.. 500
Irascos da agoa de colonia muito fina a 400
Ditos e dita grandes superior, a .
Caixas com pos cor de rosa para limpar
denles, a.......; .
Dazia de sabonetas maito finos, a .
Varaadeblco das libas, est no resto, a
Carriteis do linba preta muito grande,
e tem maita liaba, a..................
Beogilas do melhor gosto, a : .
Tioleiros com tinta muito boa, a .
Barslhos de cartas frtncezas, a .
Ditas de cartas portuguezas muito fi-
na*, a ;.......
Varas de fita de velludo recortada, a 160
Frascos da baoha de urgo mallo supe-
rior, a...........
Ditos de dita transparente, a .
Frascos de macag perola, muito fino, a
Ditos da dito aleo, muito fino, a .
Varas de fita para fazer sintos dos mo-
lhorea gosto, a ........
Babado do Porto para todo o prego. .
Labyriotoe muito fiooa para todo prego.
Barra com phoaphoros muito boos, a .
Ilusos de linba fina para bordar, a ....
Cartas de clchelos superiores a 40 a
Escobas para limpar denles, a 200 a
Carriteis de retroz de todas as coros, a
Booecas cuas porm muito bonitas,
240 e..................
Gravitas de duas voltea muito supe-
riores a...............................
Fios e massos de coral de qualquer qua-
lidade a...............................
Sabooetes grandes e maito fiaos, a....
Agulheiros com agulhas......
Fitas para esparlilbos graudes o pe-
queos a 60 e........
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a .
Caizas com agulhas francesas curtas, a
Linhas em carios brancas o de co-
res, a.................................
DA
Fuidicao bw-Moor,
Boa da Senzalla Nova n.4t.
Neste asta bales i manto continua a havarum
completo sortimento da moeodas a meias mono-
das para engenho, machinas da vapor a taixas
da farro batido a coado da todos os tamanho
para dito.
logo comprar na loja
Queimado u. 16.
da aguia branca ra do
600
160
600
80
160
500
160
240
160
240
600
800
SCO
100
500
160
440
80
400
240
320
800
500
120
80
80
120
400
Aloja da aguk
branca ra do Queimado u. 16
Acaba da recebar oa precisos objectos seguin-
tea:
Aspas do bsleia grandes a pequins.
Fita com colx#tes branca, parda a preta.
Dita da la para debruar vestidos de cores.
Trcocinha da caracol miado conbecida por bom
tom.
Alfioetes pretos e branca*, im caixinhaa.
Aaulhaa impariaos fundo dourado.
Ditas victoria em caixinbas o papis.
Retroz preto fino em cerreleis grandes:
U no vigilante,
Collares para senhoras ou me
iias.
E' chegado os moitns desejados collares de al-
jofares flngindo roadreperola, com urna cruzinha
do podras tngindo brilbantes que sao muito ele-
Igaotes, pois s com vista que se poder apre-
ciar, qae se vendjspelo barato prego de 3$ cada
um : iato s na'oja
Creapo n. 7.
do gallo vigilante, ra do
20
Aderecos pretos
Tambem chegaram os lindos aderegos pelos,
seado da*s pulselras, rosetas, alfioetes, ludo em
urna caixioha, inteiramenle cousa nova uesla
praga, todos muito delicados pela grande mao
de obra que tem, pois as pessoaa de bom gosio
sibero apreciar : s no gallo vigilante, ra do
Oeepo n. 7.
gil Illas,
Tambem sao chegadaa as verdadeiras agulhas
Victoria, de fundo Cobrado, qae se vende-pelo
barato prego de 100 rs. o papel: s no gallo vi-
gilante, rea do Creapo n.7.
Capellas para noiva.
Tambem sao chegadaa aa lindaa capellaa bran-
cas, o mais delicado que pode haver, que se ven-
de pelo baratiaaimo prego de79 e69, tambem ha
outna maia inferiores que ae vendo por 29 e 39.
Peda-se qae quem tiver do comprar qualquer
deites objectos, que se apresse antes que se aca-
be, poiafoi apenas urnas peqoents amostras qae
te recebvu : soo gallo vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Ja chegaram os remedios
do Dr. RaduayResolutivo
renovador, prompto allivio
e pilulas reguladoras,
No droguista Raymundo Carlos Leile
Irmo, ra da Impertriz n. 12.
Jo luis ton' 4 C
42.
ra da Senzalla Nova
u.
Soahall Mellors & C, tanda recebido or-
dom para vendar o sau craacido dapoaita da ralo-
gios visto o fabricante tar-aa retirado do nogo-
aio ; convida, portaoto, a peasoaa qua quizarom
possulr um bom rologio da oaro ou piala da s-
labra fabricante Kornby, a aprovattar-aa da op-
portanidado aem parda da tempo, para vir com-
pra-Ios por commodo preco ao sea eaeripiorie
roa do Trapicha n.48.
Boa fama n- 35.
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
Grsmpos a balo com pandante dourados a 2$
O par.
Puntes imitando tartaruga para bandes, ulti-
mo goato a 39 o par.
Fivelas para aiotos, fazenda inteiramente nova
a 29 o par.
Alfinetes pretos com doursdo para senhora, in-
teiramente novos a 29 cada uro.
Botos pretos com donrado para panhes, intei-
ramente novos, a 29 o par..
Botona de tartaruga para pannos a 19500o pir.
Na ra do Qaeimado, loja de miudezaa n. 35,
da boa fama.
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roapa a 19.
Agua da malabar para tingir cabelloa a 59 o
(rasco: na ra do Queimado, loja de miudezaa n.
35. da boa tama._________
Cartas finas para jogar.
Vende-se duzla da btralhos da cartas Ansa com
as pootas douradas a 69, dita sem ser dourada a
39500 e 4fl : na ra do Queimado, loja do miu-
iezs n. 35, boa fama.
Fitas de laa para debrum.
Vendem-se pegas de fita de la para debrum a
1$, a em vara a 120 rs., diUs da seda a 29400, a
am vara a 240 : na ra do Qaeimado, loja de
miudezaa n. 35 da boa fama.
Mcos Casquines
A loja da boa f recebeu superiores basquinas
do muito lina cambraia a imiiigao da da linbo,
bordadoa a enfeitados com apurado gosto a oa
venda pelo barato prego de 89 cada um, tendo
aido aampro sea casto de 16$ o 209, apreesem-se
pcis em compra-los na mencionada loja da boa
f, na ra do Qeeimodo n. 22.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
mos de Isrgura a lg6U0 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para colxas o para
ornameotoa *e igreja.
Vende-se muito superior damasco da l da
urna s cor, muito proprio para colzas a para
oroamentos, com 6 palmos da largura palo ba-
rato prego da 2^800 rs. o covado: na raa do
Queimado n. 22, 1, loja da boa f.
sem segundo
N,* r"* do Qoin>ado n. 55, loja da me
a Joae da Azevedo Maia a Silva, estf quein
dezas
queimando
muito boas e bsratissi-
lodas as suas miudezas
mis, a ssber :
Sapatos de tranga de la mullo superio-
res a r
Ditos de la para meninos de peito a 200 e
Pares de botes para punhos a
Caizas com pspel de diversas qualidades
sortido a
Ditos da cores o melhor que ba a
Thesouras de 6 polegadas a
Aia pre'a muito fina (libra)
Pegas de fita para cs, ce superior qua-
lidade a H
Novellos de linha que tam 200 jsrdas a
dem dem de 400 jardas a
dem idem de 800 jardas a
Linha do gaz de tO e 20 jardas a tres por
dous barato.
Caixas de folba com phosphoros a
Cornetae de chifra para sntreter meni-
nos a
Carriteis da linha de 100 jardas s
dem da Alexandre maito superior a
Dazia de facas a garios, cabo preto, mul-
to finas a
Calzas com eolzatea franceses a
Ditas com phosphoros do gaz a
Ditaacom dito de vela muito superior a
Ciias com isess para acceoder charutos
Duzias da meiaa cruas muito encorpa-
dss a
Duzia de meias brsncas a
Duzia de meias brsncas muito finas psra
senhora a
Massos com grampos de todas as quali-
dadea a
Bolgas multo finas para guardar dinhei-
re, servem tambem para guardar fumo,
e servem tambem para ssnhora a 500 a
Thesouras paquenss, porm muito fi-
nesa
Ditas para aunas tambem muito supe-
riores a
Mi rea para cobrir, sao pequeas, porm
o prego convida a
Pares de meias de cores para meninoa a
Pares da meias brancas para meninas a
Croza de penoaa d'aga de todas as qua-
lidades a
Caixaa com 100 anvelopes muito finos a
Groza de botes de loaga pratiidoa a
19440
40
240
700
700
40
100
320
40
60
120
80
80
30
100
89500
40
29
20
40
28400
1J600
39000
40
800
200
400
10
160
200
500
1J000
240
Manguitos com golliuhas.
Venda-so manguitos com gollinhas, fazenda
maito boa, polo barato prego de 2g000, gollinhas
e puohos ultimo gosto a 2&000, gollinbas muito
j finas o bem bordadas a IgOOO cada ama na raa
do Qaeimado loja da miudezas da Boa fama,
1 n. 35.
Verdadeira pechincha.
Vendem-se cortes de superior gorguro da so-
da psra colletes pelo baratissimo prego de 19,
29 e 39 o corte : na ra do Queimado n. 22, na'
bem toobecida loja da boa f.
^ara os tabaquistas.
Longos muiti fiooa aimitago dos da linho da
maito bonitos padres a da cores fizas mullo
proprios para as peaaoas qaa tomam tabaco, pelo
barato prego de 49800 e 55500 a duzia : na raa
doOueimodo n. 22, na bam conbecida loja da
boa f.
Bramante de linho.
Vendo-se multo superior bramante do linho
com duas varas da largura proprio para langes
pelo barato prego de 2400 re. a vara: na bem
conbecida loja da boa f. aa ra do Queimado
n. 22
trovos pentes
de tartaruga e massa,
com dourado e sem elle,
para tar cabello,
A loja d'aguis branca acaba do reeeber esses
pentes igoalaraoa pequeos dourados. O sorlimento
pequeo, porm completo, porque tem de tarta-
raga e msssa, dourados e sem o ser. A belleza
e perfeigSo delies difficil destrever, o por isso
limitamo-oos a dlzer qua ellas sao de um dese-
aho novissimo de apurado gosto, e de custosa
execugo, na qual o artista olevou-se por sua
peiicia. Tem elles a forma de u ,-; lago de fita 00
centro do que s cunhece o feche por meio de
urna fivella, isso alem de rendadoa, tanto oa de
tartaruga como os da massa. Agora, pois, qua
appirece o boti.conrem qae as seohoras se nao
demorem em mandar coa raoca, ra do Queimado n. 16.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 08, fundicao
de D. W. Bouman.
Potassa da ussia
e Americana, j
No oscriptorio de Msnoel Ignacio da Oliveira k
Fiiho, largo do Corpo Santo n. 19, por prego'
maia barato do qae em outra qualquer parte. '
i\a ra da Imperatriz nu-
mero 20.
Verde se o seguiote.
Bramante com 10 pilmes da largura a 19500,
ri.-cadinhos es te eorea a 280 e 320 rs., oleados para cobrir
ms a i%, indianas maito boas a 1$, chitas a
160. 200. 240, 280 e 320 rs., cambraias do sal-
pitos de coras a brancas a 400 rs., cobertores
brancos a scuros a l$z00, 19600 o 29, pannos
finos protos o de cores a 29, 29400 e 39, cam-
braiaa para coriinadoa a 29 a pega, ditas lissa r
29. 39, 4$ e 59, tapetes muito finos a 69 o 79,
chapeos de ca e de castor muito finos e do ul-
timo gostede Paris a 89 e 9$, ditos de feltro fi-
no copa alta a 59, casemiras para forro de carros
a 19600, corlas de dita muito fina para calgaa a
49, pegaa do eotremios s 19, o fiualmeote ma-
dapoles, algodoes, brins, bratanbas a outrsr
Diuitas fazeodas qua o dono do estabelecimento
ata resolvido a vender muito barato efim da
apurar dinbeiro, danJo-ae aa competantes amos-
tras com penhor.
Machinas americanas.
Em casa da N. O. Biabar & C., seccessores,
raa da Cruz n. 4, veadam-so :
Machinas para regar borlas a capim.
Dttaa para deacarogar milho.
Ditaa para cortar capim.
Sns com pertences a 109 a 205.
Obras da metal principa prateadaa.
Alcatro da Saecia.
Varniz da alcatro para navios.
Salsa parrilha do primeira qualidada do Pari.
Vioho Xeraz da 1836 em caixaa de 1 duzia.
Cognac em caixaa da 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrocaa pegaenas._________________
Boa compra.
Vndese o excellente engenho S. Joaquim,
sito na freguezia da Varzoa, urna legoa por bom
camiobo, mtate o correnta d'agua por dous
egudes, terreros e matas sem iguaes, poda sa
frejar at 2,000 pes. Troca-se tambam por pre-
dioa o mesmo ngenho, porm A oesta praga ;
qaem ae quizer enriquecer em pouco tempo, di-
rija-ae a negocia-lo na raa da Praia n. 53, ter-
ceiro andar.
Tiras e ntremelos bordados.
Vendo-a pegas aa tiraa bordadaa da 2,500,
3,000, 3,500 4,000 ntremelos a I56OO a 29OOO
cada pega na raa do Queimado loja do miudezaa
da Boa fama, n. 35.
Booecas francezas.
Vonde-aa booecas francesas ricamente vestidas
49OOO e cOOO, e 2g000 boneess de cera com os
olbos movadgos a 2&000 e 39000, na ra do Quei-
mado loja da miadezas da Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se fivelas de ago pare sinto a I90OO rs. s
29OOO na raa do Qaaimado loja da miadezas
da Boa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para balo a 160 rs. a vsra, bandes a l9500rs. a
2$00 o par, oa ra do Queimado loja miudezas
da Boa fama, n. 35.
A2#500,sopavo.
Vend 3 babidrflL 2J500, ditos de tsrlsUna brancos
de coresBioin turras e babados a 39 : na ru
da Impeaftriz n. G0, loja a armaiem do pavo de
GaroaJBiWaj_______" _____________________
rascarilhas de seda.
Vend|-se cascarrilhas da seda para enfeitar
vestidos s 29OOO a pega na ra do Queimado
loja do miudezas, n. 35.
J"Meias de borracha.
Vandv-ae meias de borrschs para quam padece
da erysipela a 159000 o par, meias da seda preta
para aenhora a 1$000 o par na ra do Queimcde
loja de miudezaa da Boa faena, u. 35.
Perfumaras muito tinas o
bsratas.
Opiata inglesa a 19500 ra, dita franceza a 500
rs., 640, 19000, oleo da sociedade bygi*ique
vardadeiro a 1&C00 o frasco, oleo babosa de Pivar
verdadairo a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa deoles a 19000, dita de Bolot tamboril
para os denles a 1$000 o frasco, pomada france-
za em paos s 500 rs. e I90OO, 320 rs. saboneUs
muito fino a 640 rs., 800 rs. e 19000 cada um na
ra do Queimado loja da miudezas da Boa fama,
n. 35.____________________________________________
Superior brim braBco de
linho
Vande-sasuperior brim branco de linho tran-
gado pelo baratissimo prego de 19200, 1*4 lt) e
19600 a vara, dito muito encorpado de doas fios
o de linho paro a 2$ a vara : na ra do Qaaima-
do n. 22, na bem eoi'hecida loja da boa f.
A 2,40U rs. a uzia.
Longos brancos fino* para algibeira pelo dimi-
nuto prego de29400 rs. s dalia : na bem ronhe-
cida loja da boa f, na ra do Quaimado n. -2
Cambraias de cores
Vendem-se cambraias freneezct de cores fa-
zenda muito fina pelo baratissimo prego de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Para luto.
Pumos de seda elsticos para chapeos largos e
oatreitos a 19500 : na rus do Queimado n. 22,
oa loja da boa f._______________________________
Lazinhas muito linas
para vestidos.
Superiores lazinhas para vestidos de muito
bonitos padres que se vender pelo baratissimo
prego de 440 rs. o covsdo na ra do Quaima-
do n. 22, no loja da boa f.
darlas finas para vollarete
A loja d'aguia branca acaba de reeeber am bom
sorlimento de cartas com tintas mui lin's, papel
lustroso e opaco, e caracterea de novos desenbos,
representando ss figuras os grsndes personsgens
das guerra* da Ittlia e outros. J se v, pois,
que com une baralhos assim bons e bonitos, lor-
oa-se anda mais deleitavel o entreler-se parte
da noite no divertido vollarete, tendo sempre
espadllba, manilba, basto, etc., etc., e pelo con-
trario um pichoso, so qual o bolinhosea chava-
as do bom cha do dono da casa far esquecer o
pouco que perder. Os bsralhos de canto redon-
do o dourado caatam 69 a duzia, oa immediatos
59, a outros 49, 3S500 o 39. Tambem ha fiaas
para os apaixooados da bisca, espadilha, etc.,
vista do qae nao ha maia a cansarse, o prelea-
deote dirigir-se com dinheiro raa do Qaeima-
do, loja d'aguia branca n. 16, que ser bem ser-
vido conforma o loavavel costume.
Ha para vender-fe um excellente cuzinbei-
ro: na ra do Cabusi n. 18, sobrado.
Veade-ae urna carroga em multo bom es-
tado : na ra da Tresnas sitio n. 80.____________
Vende-se um sobrado de um aodar e solso,
com quintal murado, sito na freguezia de S. Jos -
a tratar na praga da Independencia os. 19 e 21.
Vende-se uns pequea fabrica ue velas de
carnauba, quasi ora : a tratar .oa taberna n. 48
da rea di Aurora.
Paletots a 6#.
Vendem-ae paletots de panno preto fino s cor
de caf a 69 : na ra da Imperatriz n. 60, loa do
pavao.
Fazendas de bom
gosto.
Chitas escuras a 240.
Vendem-ae chitaa fraueezaa ssruras a 240 o fo-
Darra de mullo gosto, superiores sedes de cores | "do ; na ra da Imperatriz n. 60. loja de pavo.
de padres muile liados a 29 o covado, ditas de ^--------------------------------------------------------
superior quahdade com um pequeoo toque de liisiln..^ ..SJ__ 2-
-_ pequeoo toq
moros lf e covado, superiores cortes de cam-
braia brancos bordados, ditos de blondo brancos
com manta e capelia para noiva, lindas megam-1
biques de cores psra vestido a 460 rs. o covado,
ditas muito finas malisadas a seda s 640 rs.,
muito superiores corles de seda de corea oa mais
modernos que tem vindo a Pernambuco, saias
brsncss bordsdas de esmbraia de Escocia muile
finas, lindos chapeos de palha de llalla para se-
nhora a Eugenia e Beatriz, ditos de palba de
feltro entestados com muito bom gosto para me
nios, tiras bordada, eolremeioa tapados e trans-
parentes, ronhaa de labyrioto, lengos de cam-
braia de linho bordados, ditos de labyrioto su-
periores baldes americanos de 13, 15, 20,' 25
30 e 42 arcos para senbora, ditos de 8 e 11 ar-
cos para menina, luvas de pellica de Jouvio pa-
ra homem e senhora, superiores manteletes de
seda, capas de seda bordadas para senbora, bour- i
us ou capas do phantasia, maeWleles brsncos e
outrss muilas fazendas de bom gosto por pregos
mais com modos do que em oulra qualquer parte I
na loja do sobrado de 4 andares ra do Crespo i
B. 18, de Antonio Correa de Vasconcellos C.
3
uperiores chapeos
Chspeos do Chyli multo fios, ditos
de seda superiores, ditos de sol de mui-
luuileiro e vidracei
Grande e nova ofHcina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Kssta rico a bam montado estabeleetmentr. r-
sontrarao os fraguezes o maia porfolio, be.D4*-
cado e barato no sea genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS qua rivallsam com eiaa i-o
BANHEIRUSde todos o* tamanho*.
SEM1CUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem Iderc.
BAHUS idem idam.
PR Tncm &* d' lod" Sfoaaaras.
t-KATOS imitando em perfeigo abe* nV;-
IcaQA.
rA.Nfc.LLAi> idem idem
COCOS, CAND1E1ROS 'a fl.ndr.s p. ,,-
quer sorlimento. '
VIDKOS em calzas o a rstalho ds todu os t*-
msodaodo-semanhoa, botar detiro dad <-.
am toda a parta.
Racebem-s* encommendas de qo*lqrr 1 :*-
reza, oncartos, que tudo ser desimr-r -'i a
contento.
to superior qualirtade de 8. 10, 12 e 15 g, ^SWSffiae^kag a&^ ft^**&?-',o-
astees :_na loja do sobrado de 4 andares ^ *^w**w*w*MR? HM-BWfiaQVIBWcfl
iraide
--sres
raa do Graspo n. 13, de Antonio Correa
de Vasconcellos & C.
echincir
&m
Superiores cortes de seda de cores
com 18 a 20 covados cada corte pelo
baratissimo prego de 209 o corte, las
de cores de qaadros e ue flores para ves-
tido de senbora o de meninos a 200 rs.
o covado para acabar: oa loja oe so-
brado de 4 andares ra do Crespo o.
13, de Antonio Correa de Vascoacellos
& C.
liquiiacao por lodo!
m
I
loja d

preco, na
Serlanfjo.
RA DO QUMMADO N. 45.
Apparecn conj dinheiro que no^
dcixarao de comprar.
Chitas escuras flnaa a 160, 180 e 2C0
Loja de miudezas ra do Quei- \
mado numero 33 .4.
Costureiros.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Linhas da200 jardas de todos oa nmeros s 80 r*.
Caecarrllha a pega 29.
Ditas muito boa vara a 400 rs.
Tranga de linho para todo prego. ',
Franja da seds, de linho, de slgodo multo ba-
tato.
Retroz, linha da novelo etc.
Meias.
Um completo sortimento sendo de cores para
meninos a 240 r*.
Ditas brancas s 200 rs.
Ditas psra senhora a 240, 300 e 400 rs.
Ditas para homem a 59 e 6?.
Ditas pretas para senhora a 400 e 860 rs.
Gravatas
com beto a 19.
Da cores maito boas para homem a I9.
Para menioos estreitinbas a 800 rs.
Pulceiras
d* cootas miudinha a 19.
De cabello a 49.
De phantasia da dito etc. a 500 is.
Botoes.
Para casaca e psra caiga a groza 320 rs.
Para samlsa muito tino groza 19100.
Grsndes para roapo groza I96OO.
Pequeninos para crianga 19400.
Alamares.
Para capota a dazia por 800 ra.
Colxetes.
De fio batido especial ouzl 720 ra.
De carlo 14 pares a duzla 500 rs.
Em caiza pretos a duzia 8*0 rs.
Brincos.
A balo brincos, encarnados, azues a dourados o
par por 19.
Rozetiohas com pedras que parece diamante o
par 19.
Penas e caetas.
De todas ss qualidades especialmente de caligra-
phla e de langa.
Ceoetas para aprender escrever pelo syslems ds
Scoly urna por 500 rs.
Papel.
Aimago pautado 500 foihaseg.
Dito dito 420 ailas 4*500.
Dito dito 420 ditas 4g.
- "iso 39200.
180 e
rs., cortes de vesiido pretos bordados a
velludo de rusto de 15(9 se vendem por
309.40;, 50j 7f>9. saludas de bailo '.I
ludo e selD a 123 a 139, camisas para su-
nhora a 24 p 3$, go'llnhas e manguito? a
29. 3g e 3J500. gollinhsa cambraia bor' 1 -
oas a 500, 6(0,700. 800, 900 a 19. citas
de fil borlado a 120 rs., crsavuques !
fuslo s 59, 69 e 7$, meias Ce *> 1.
brancas e pretas psra senhora a 19200
o par, tiras bordadas a 500 7C0 r..,
lade quadro edfetada a 300- 360 r*.
o aovado, cambraia preta a 400 440
ra. a vara, organdys do toras a 600 rt. *
vara, fil brsnro adamascado pars Cr-
tinados e vestidos a 400 o 500 ris a
vara, cortes de scllete da easemir tol-
dados pretos a 29 9 39000, ditos da
vallado do tr e pretos >. 39, 49. 55 1 69,
palptots 'e> brim braoco francf-z .
395OO a 49500, ditos do easemira de co-
res e pratos a 149 e 169. ditos doa1
prets e de ores s 3J, 3J500. 49 49500,
Camisas do peiio de linho a 29500, ce 1-
do olleta de *oriir3c a 19500, 19700.
2920O, 3g e 3g.">0. collotea feitos d* r>n
branco a 2$00l), .utos feitos da gurami.-
a 29500 e 39500. ditos feitos do casem,i<
a "5500.. i$ 4?500, ditos de relalo s
53, 69e 79, ditos da fuslo da coi" a
1J50I!, u,: vanado sortimeflto de uHi-
para homeu o senhora, gcinsld^.s > no
flores, chales le froco, espartilbos, r m-
da a qualidr-dni do roupaa feilas para feo'
mam que tudcsa v^nda por melada do
seu valor.
.y
-A
>
a*
V
m

8
1 a

Dito
Dilo de peBo azul a branco 4500.
Dito azul liso 29500.
Dito pequeo tarjado 19500.
Dito pequeo de eors 1J200 e 1J500.
Dito tarjado de preto 19500.
Eovelopas canto 1$.
Obreias de colas 100, 1-20 o 300 rs.
Pentes de tai taruga.
A imperatriz 89 a 10; o que se vendes por 16?
a 20000.
Diraito para atar cabello a 49.
Aimitago por 19.
Ue arripia para meoiooc a 800 a I9.
Tartaruga para alizar 8J.
De bfalo para suiga e ceb-llo 400 rs.
Pentes de borracha ppquaoo* para trazar por ca-
sa muito boos a 320 rs.
E inflnidade deariigns novameote ehegados 5
loja Esperanga ru* do Queimado n. 33 A.
N. o~Rua da Imperatriz5. .
A esmeralda.
Loja de modas frtucezas.
Lavam-se ihspeoa d palha da ltlin, po- lo-
se a ultima mo'.a, lavam-ae chapeos do Chille
muito m Ci>nla. Na mesma ba para v-i de; ri-
cas C2pellas para bailes e ees.iuientos, VtStldos e
be'onda para dilo, luvas enfptadas d |un ai o
flors de lar^ojn. buregKU)s de selim branca,
ricos lequis. a lindas rusas soltas pars c-bollo,
e pentes oe taiiaruga, as^im como *< fatem vee
tidos. capas, manteletes, zuave, e beri u, :c
que tzi os valores os figurioos do Paris, tambtoi Uztm-
BO epr tina.I os para can.as p j mollas.
I arroea.
Vende-se urna carroga nova bem*construMs e
I bem ferrada, e que serve pera bui o esvall i p< r
, ser apparelhada para urna e potra cousa : : 3 fu
da Concordia, tonda do ferreiro junto a u.' ?jfa
; leiro de carpinteiro.
fazendas baratas
Loja
NA
do pavo,
Cambraia organdys a 280 rs.
Vende-se ssmbrcia orgaixiya de cores com mo-
dernissimos padres a 280 o covsdo, e csssss
francezas maito finas a 240, 280 o 300 rs. o co-
vsdo : s na loja do pavo, raa da Imperatriz
oumero 60.
Bordado baratos.
Vendem se gollinbas de esmbraia e da fil bor-
dadas a 500 rs., manguitos a 19 o o-r, manguitos
com golla bordada de cambraia a 1(600, a tiraa
bordadaa a ntremelos ; na ra da Imperatriz n.
60, loja do pavo.
Aipakiii a 280.
Vande-se esta nova fazenda da linho a imitago
de sedas do quadrinhna miadinhos propria para
veatido de senhora, roupaa para meniooa, sendo
fazenda que nao desbota, a 280 o covado : na ra
da Imperatriz n. 60. loja do pavo.
Chitas ltrgft a 200 rs.
Vendem-se chitas largas s 200 rs. o cosado por
tar am pequeo toque de mofo ; na ra da Im-
peratrlz n. 60. loja do pavo.__________________
Bramante a 1U$.
Vendem-se pegas de bramante de linho de
ama a largara com 27 varas a 109 a pega, tam-
bem se vende 1|2 pega com 13 112 vara por 59 ;
na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Carnauba
Vende-sa a maia superior cora da carnaaba qae
ha no marcado ; na ra da lmparatriz n. 60, loja
do pavo.
Cambraias lisas a 3$
Vendem-se pegae da cambraia lisa muito fina
com 8 1)2 vsraa a 39 a paga : na rea da Impera-
triz n. 60, loja do pavu.____________________
Chalos baratos.
Vendem-se chales de marin da cores sendo
maito grandes a 39 ; nfrua da Imperatriz n. 60,
loja do pavo.
Fugio de bordo mulato eacrava do uome Luiz, vindo ultiman en-
te do Rio e Janeiro no va or Oy; po'k. per-
lencei le ao Sr. Ilanoel Joaquim de Silv I.- >.
de Msci-i : r.lto, magrn, pouc. barba, <-- ie:a
*mas ferldti* as canoellas das perets, levou i cs-
tido uuiivi e rl a de moho azul e algnoia roe-
pe oova, chapeo de palha ordinaria. Reiommen-
da-se s autoridades policisaa a sua captu'a, con-
duzini!o-o ra da C'uz o. 3.
Amda croliiia (ugK'o desoe o o>a 1 de
margo do crrente ruin, o escravo Francisco,
crioulo, idade 25 al 27 anuos, pouco tuai.i ou
! meos, altura recular, bum corpo, bab< pasea
I piolhoe, botes >,eijueoa, cum todoa os denles na
j fierite, naiiz afilado. pesi go curto e grusau, ulhus
vives, cor nao muio preta, tem urna pf^uena
cicatriz na testa por cinia de uui olbo, iulilula-se
torro por oude anda, bss'snte ladino e jugador,
irsbalba de carpiteiro puuco, o i serrador do
mao, ps pequeas, tem marcas de relho |icl4
calas. Foi escravo do Sr. Manuel Ju-^oun da
Silva Carvilho, murador no brejo de Tq-r..in-
ga, e comprado pelo abiiio 'signado ao S' J'.a-
quim Antonio Saotiago Lessa. Contita que <> ito
escravA anda pelos ser'oes de Serra Talbada, Rta-
cho do Navio, e oulros luK'rt, mi trago oo va*
queiro, e as vares vendendu muuezas : logs-ie,
portante, a lodas s autoridades pollciae, capl-
tes de campo, e mais pessuas que 6eU i -.- m
cerihecin>enio ou noiicia, o hajam da sppreben-
der e levar a ssu legitimo dono o abaizo a<'gna-
do, na freguezia de Agua-1'retr, que seru re-
compensado com 2(108.
Esia fagido desde ti oo crrente u>z deja-
Iho, o escravo pardo, Ricardo, boleeiro e carro-
cairo, bem conhecldo nesla praga e *eus arre-
baldea ; representa tar 25 annos de idada, bai-
lo e magro, tem cabelloscarapinbos raspado da
pouco tempo na cadeia, onda esteva por causa
de eslar fgido, lem pouca barba efalta de denles
ua frente, rosto comprido a olboa redondos ; tem
aido encontrado na Capunga, e Olinda anda ra-
diando e jngaedo com mais da 209 toe u :
qaem o apprehender e levar a casa Ocseeeei hor
na Passagam da Magdalena qae ser geoeross-
menla recompensado.
Antoni^Valentim da Sllus Barrora.
200 de graticacu
a qeera pegar o pardo Francisco, de 17 ar.nea
da idade, de bonita figura, com todos oa dentez,
cabellos cataplnhos a ruivos, este pardo foi da
Sr. Dr. Borfeead* Focseca, o qual viajoa com a
mermo senbor todo o serio s suburbio oesta
provibcla,necss*;i*menle quaudo era *- o-
cravo, o lalvez ainds aa inculqae a servige de
meamo : quem o pegar qu*ira entrega lo a sea
legitimo dono na ra do Hospicio o. 6.
Ignacio Luiz de Btito Taberda.
-

MUTILADO


DIARIO DE riKNAMBUCO QARTA FRU 10 DI SETfiMBvO DE 1181.
Utteratura
BIOGRAPIIIA
flo K\m. e Rvm. Sr.D. Fr. Oedrode San-
ta Marianaa, natural da proviucia
de Pernambuco, bispo titular de
Cbrrsopolis, prelado domestico de S.
Saniittade, bispo assistente ao soleo
pontificio, conde Palatino, ecsmoler-
mr de S. M. o Imperador.
Foi o Exm. Sr. D. Fr. Pedro, o primero bispo
brasilero, que teve a gloria da recebar da s
pontificia taolacoosiderago e subido apreso, r
cabeodo ltalos tai honrosos, os mais elevados
oa curia rununv Eile se tem, Da verdade. tor-
ii'.io merece lor da taotas honras, e de reepeito-
eoa preitos pelo porte de sua vida, e pelas virtu-
des religiosas, de qui c dotado.
O veueraodo bispo do Chrysopolii, com quanlo
ol'ja loge de sua provincia, e segregado do
cotvento aonde professou, e recebeu a primeira
nducago iliteraria, todava, nanea se olvidou de
prestar ao claustro, a que pertence, seus servi-
CO, e servigos reaes e importante. Aoles delle
iOcr a cpula do episcopado foi aempre o pro-
curador geral de sua urden, na corta do Rio de
Janeiro, promovendo-lho os beneficios que per-
>iliiam as circunstancias do lempo, e procuran -
do com o msior interesse tudo quaoto lhe era
; 'b'.lj pelos respectivos prelados; e hoje
Dtesaoo seu coragao se expaode de grande jubilo,
quao 1o teai occasio de trocar palavras com al-
gum carmelita de Pernambuco, que se dirige
'juella corta fazeado elle sentir o amor, que
ssxprn e ainda consagra a orden), que abragou,
>n loque alguns desses religiosos nao podem
deitar de confesaar oa (inicios de amisade fraler-
ml manifestado, pelo Exai. Sr. D. Fr. Pedro de
Siola Marianna.
Exista aaorte do Rio de Janeiro estimado ge-
rilaoeote, e por lodos reconhecido como um vul-
to respsiiavel do Brasil, urna gloria perduravel
de Pernambuco, e que possue um carcter irre-
prchensivel. urna moral pnra, a par de grande
omma de illuitrago e de saber.
Taire Lino do Monte Carmelo Luna.
Nota.
ta Legagio imperial do Brasil em Roma 7 da
margo de 1813. 2a secgao, reservado n. 1. 1
Tia.
lllm. e Exm. Sr.Teoho a honra de aecu-
sar receido o dejpach) resrvalo de V. Eic. sob
c. 20 '.- !o em 8 do tiovembro do anco prximo
pislo, em resposta ao meu oficio tambera re-
sarvado de n. 1 e data de 17 de agosto.
2a Cumpre-mo partecipar V. Exc, que ve-
nho de ser ioformado pala secretaria de estado
poouficia, que aua ssntidade bouve por bem de
conferir so bispo de Chrysopolisos ttulos de seu
prelado domestico, bispo assistente ao soleo pon-
tilcio, e conde Palatino ; ltalos estes os mais
elevados na curia romana, e com os quaeaoa so-
beranos pontfices hourtm as pessoas de sua par-
ticular eslima.
a 33 A dignidade de conde Palatino, a pri-
rnei'a vez que tem sido conferida a um prelado
brasileiro, bem que o goveroo imperial podesse
.esMf parsuadido do contrario a vista do officio
namero 1 de 5 de Janeiro do anno fiado, do ex-
encarregado de negocios Sergio Teixeira de Ma-
celo, em que parlecipa que o dito titulo se l-
ohi conferido ao bispo da Cuyab.
g I* Sendo estas mercas dadas espontanea-
menle ao esraoler-mr de S. M. o Imperador
muhuma despeza houve de se fazer. O subse-
cretario d'eslado partecipou m, que logo que se
echarera promplos os dous breves, sero dirig-
dos ao moDsenhor Campodonio para os fazer en-
tregar ao bispo de Crysopolis.
c D*u, guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr.
Aureliaoo da Souxa e Oliveira Coutinho.Jos
Bernardo de Figueiredu.El conforme.No
mpedimenlo do official maior.Jos Djmiogos
O'AthayJa Moncorvo.
Canto
Rectalo os noite de 14 de julho histrica ban-
deira dos vateraoos ta independencia, por oe-
casiaa de sr o lllm. Sr. coronel commaodan-
te suoertor Joaquim Antonio da Silva Cirva-
l--1, prest lente di sociedada dos mismos ve-
leraoos, restituida ella pelo brioso 10* bila-
In < le primeira liona, a quem ha vi a sido con-
fua uara o ornamento do palacete que em
cornmmorego do sempre glorioso da 2 le-
vantoj em frente do seu quarlel.
Ei-lo aquda independencia
O magestoso pendo I
Prostrai-vos em continencia,
Oh bra.ileira nago I
Foi elle q'em dura gaerra
^OLlIETIIl
Ce* g.ote da lua Ierra
Paito peito combate* ;
Q'entre o foge das metralhas
Jamis, em rijas balalhai,
De covarde se renden I
Ei-lo aquivelho soldado,
A' patria eempre leal,
Ainda todo crivado
Das balas de Portugal I
Emblema de haroicidade,
Que da nossa liberdade
A historia resume e diz ;
Que, por madalhas do peito,
Tem, por cada gran Je feito,
1'm.a honrosa cicatriz I
Ei-lo aqaio docamento,
Veteranos, do valor
Que oo combate cruento
Moslrastes com tioto ardor!
Que nos diga esta bandeira
Quanta vez Lysia guerreira
Paamada vos contemplou,
Quando, sempre vencedora
Em toda a luta que lora,
S6 aota vs se curvos !
Ji fado, j alna
Que teoho de vos cantar I
Ardeote chamma divina
A fronte me vem queimar I
Motivo to portentoso
Torna meu estro orgulhoso,
Faz de mea pello um vulco,
Por onde simo com pasmo
Em lavas de enthaslasmo
Rebentar-me o corago I
Meus ervos tremem convulsos,
Erguem-se todos de p I
Mea sangue em forUs impulses
Galopa com toda a f I
A trra como estremece !
A la como apparece
Bwhada de tanta laz I
T o astro da ssudade
Vem saudar a liberdade
Da trra da Santa-Cruz 1
J Jigo ver sombras se ergueodo
Das campas ae Piraj...
Guerreiros q'esto viveodo
Porque nos ouvem de l I
Ei-los fallamascutemos:
Nos, oh mundo, nao morremos
Na memoria da nago,
< Pois o povo da Bihia.
A mocidade a a poesa
f Nos trazem no eorago
A' v, nobres veteranos,
jauto nao deve o Brasil l
i jibavam os lusitanos
Aos troos do vosso fusil!
Mal vossos nomes ouviam
Terrorisados tremiam,
Vergavam nocombalerl
Era dar-se urna bttalha
E eahir vossa melralha,
Vinham todos se render I
Posso euDlho do povo,
Aqui tendo um corago,
Nao ter sempre um canto ivo
P'ra dar minha nago? 1
Eque vi a luz do dia
Sem manchas de lyraona
Vir meu berso illnminar? I
Eu que lenho aqui as veias
De sangue Uvre to chelas
Que parecem rebentar ? I
Nao de certo : embora pobre
De galas o estro meu,
Eu o julgo muito nubre
Porqua nunca se vendeu,
S6 cauto o que siuto n'alma :
Nesta fronte nanea a palma
e poeta ciogirei,
Se depender esta gloria
D'eu apagar da memoria
Os feitos de um povore.
Beijar ta mao cnsente,
Oh veterano cantor, (f)
Ao mogo que nao desmente
Seus brios de trovador.
Oh que foros de nobreza,
De brava, de grandeza
Os q'os veteranoa lm I
Quem pela patria bater-se
Di ve sempre conreocer-se
Q' mais nobre que ninguem.
(1) O muito amavel e disliocto poeta babiaoo,
o Sr. Francisco Moniz Barrelto.
E tupoema de gloria, (2)
Qa testemonha ocular
Ds martyrios, da victoria
Foste para oes contar:
Constte que nos meta bracos
Eu te aperte em doces lagos.
Te chegue ao meu coragao:
O peito q'em ti se aquece
Da patria jamis se eiquece,
Se a v eicrava leao 1
Dr. Gustavo de Sa*.
(Diario da Bahia.)
As borboletas.
O cimo das montanhas o sol tingla apenas ;
Ergua lenta a aurora as dobrasde um condal,
Tecido com aljfar em calix de aguceoas,
Banhado com perfames as rosas de um rosal.
E coreo ant|um espelho donzellas nsmoradas
Eoaaiam louganias na vesp'ra de um featim,
Pulseiras de amethystas, ou broches de granadas,
As rendas de Bruxellas, ou bloodes de selim.
Do nioho defolhagem, em por'las resplendentes,
Em joias desprendidas daa trangas da manhaa,
Pequeas borboletas miravam-se, e contentes
atavam por veocerem na festa a mais loagaa.
'.' Quem dra aquella estrella j apagada,
Quem me dra j ver o sol nascido
E por essesjardins no sr librada
Ver luz espalhando o meu vestido.
: E* bonito 1 Pois nao! E' radiante,
Vence a todos, a todos no primor,
Quando poasar em ramo vicejaote,
Dir ao namorado a aua amante :
Repara alm ; nao vs que linda flor 1
E nao o illudom nao ; rosas sao ellas,
As azas que veali; falta o perfume:
Urdi-aa com aa folhas das mai bellas,
O matiz que Ibes dei vivo lume.
c Di-lhes azul que tem azul espora
Deu Ihea nev da virgam casto lyz;
Ouro deu Ih'o essa flor que o sot nsmora ;
A rosa a lioda edr que traja a aurora;
As flores da roma o seu matiz :
SSo canteiros de ocias matizado,
Ou das floras que tem o dosso coreo,
E3ta noute ao voltar p'ra vosso lado
Bem mais de ama invejosa se consom.
a O teu manto, irrxazinha, bam siogelo ;
B 'Di te pinta, inooceote, a mais nao ser:
Branca toda.... ai o dia I o aol to bello
As moolinhas j doura. Eial ao daello!
Quem prima nesta festa eu quero ver,
Assim a mais garrida fallava ede repente
Vo todas em cordas voando pelo ar;
Aqui, beija urna o cravo, douoioha de contente,
Alm, noaeio rosa morde outra ao perpassar.
A' sesta, quando vesper surga descorada
Ao nioho presumida, nao veiu, nao vollou,
Contaram as amigas, contiram que prottrada
Sem vida sobre o eespede alguem aencootrou.
Has azas to garridas, lxenles, am infante,
Travesso, fascioado. correa de flor em flor,
Spgiu-a at prend-la... cantoa-ae n'um instante
Daquelle seu ciprlcho, daqaello seu amor.
Matou-a. As bellas azas, o manto, qae ostentava
Do loucoem p desfeitas as mos daixou tlcar,
Em vo tentn, cnida, arguer-an; nao voava,
Calccu-a o jardioeiro.... aem do ao perpassar.
Em mrr.a Damorada a branca, a mais aingela
Mais linda p'ra meus olhos, achou um protector,
Passou-me todo o eatio em frente da jaoella
Levando boas novas do seu e de oatro amor.
Porto.
i. Coelho Lousada.
Rosa aberta.
\ mu ROSA DE ALEXANDRIA.
A rosa ioda em
deleita a vista, nerrl
oa ares : mas aberta
com aua belleza rnage. osa con-
tanta os olhos e faz a ra da
A' noate, como a anemona,
O calix nio resguarda
Mais parolas aguarda
Que o roscio ahi vi chorar 1
Nio tem essa cftr paluda
Daa noivas, lio gabada ;
A cor tem aarregada
A rosa, como eu vi:
Da amantes, s myriadas
Das aves e de inaectos,
Sorrindo aos predilectos.
Chamando um colibr.
Guarde o botio o seo musgo,
Qae o d a quem Ih'o.... tire ;
Dpois qaaixe-se, auspire
D erro que todo seu.
Que eu gosto da rosa aberta
Que toda a gala expendeu.
Do amor de outrem liberta,
Captiva do que escolheu,
Oa colibr ou besoure.
Mas qae leoha as azas de ouro.
Colibr de seus encantos!
Pode vir outro inda mais....
Os beija-flores sao tantos
A chupar mel nos rosses I
Da urnas rosas amarellas,
Ciumentas, j ouvi,
Que se encoutra entre asmis bellas
Quem disse qae um colibr.
Colibr foge aos eacolhas....
T folgas quando esvoagas;
Nao alegres outros olhos
Dissecado cas vidrsgas.
Para miro, trate besouro,
Foi a fortuna cruel:
Tenho curtas azas de ouro :
Raras vezes ebego ao mel.
Agosto de 1852.
* *
(Da Saudade).
0 nosso commercio.
Julgadopelo augmento das rendas adaaneiras,
pelas numerosas imporlagdes qae nestss das
passados tem affluido em nosso porto, o com-
mercio desta provincia, leria sem conlradcgao o
epitheto de florescente, mormente comparado
seu actual movimenta com o de alguna anoos
alrazadoa.
Porm, nio possivel reconhecar nesta aclivi-
dade um melhoraraenlo real para esta importan-
te classe ; das especulares tragadas com madu-
reza e Un, nao se ve um resultad) llsongeiro,
porque os productos do paiz longe esto da alcan-
gar nos mercados o valor qe tam devido sem du-
vida aos grandes empates que soffrem, e o con-
sumo diminuto que leve.
J os paizes consumidores, como os Estados-
Uoidos, apresentam um prejuizo, porque ra do
seu estado normal pela guerra civil que osasso-
la, tem seccado a fonte da am commercio activo,
e nao podem, .por tao triste motivo, offrecer
urna aahida seoo ventajosa ao menos regalar aoa
gneros desta provincia.
A meim campaoha pareca ter resumido seus
sortimentos, pela diffi'uldade que os marcadores
sentem no cumprmeuto de suas obrigages, de-
vido tambem aes pregos baixos que os estanciei-
ros altaocam pelos gados.
bAto nao
iKerfama
"'xpania.
natureza.
[Traslado n.
S dir quem for profano
Qse urna rozinhaam boto
Ou de musgo Inda coberta
(Por ter das de todo o anno
Levado s!gm arranho)
Vale mata que a rosa aberta
Dis galas na expanso.
Pois a rozioha triatonha
Qae nao cooieguiu abrir
Sent l ou mes rao sonra
O que poder fruir?
Ou pode, assim, to bisoaha,
Questoes da amor decidir.
era que v manso galerno
Murmurar lhe o amor mais temo....
Nem que v o beija-flor
Com o bico e com as azaa
Remecher as momas brazas
Oode a'espreguiga amor.
Se ella aa folhas nao descerra
Cahir tudo por trra
Sem gerar-se nova flor.
r; linda e nao extica
A roaa alexandrioa.
Da estrella matutina
Ao vesper sem murchsr ;
4 de Mr^miM
,^ Todss estas circumstancias sao poueo favora-
veis.e demonstrara claramente que nao pola con
tar-se como florescente um commercio que, de-
vendo parte de sea movimento urna industria
especial, tem da lutar contra tantas probabilida-
des contrarias, mormente quando esta propria
industria eombatiJi por urna concorrencia es-
trangeira, melhor aqutnhoada nos mercados na-
cionaes.
Nao sao os malhoraraentos de seus productos
qe Ibe do a prefereatia, nem a p*rft>ir,ao fabril
quepoderia garantir-lhe una segura sahda. Pa-
lo contrario, notase urna inNrioriiade palpavel
nesia o.tima parle, coafirmada pela diffareoga dos
pregos que se conserva as cotagoes dos merca-
dos. E entretanto esta dilTereoga nao propor-
cinala com os pregos do cueto fabril, nam im-
pede um prejoizo certo para o exportador, porque
os direitos que este paga, as depezas qua est
sujeilo at o completo carregamenio de seus ga-
oeros avultam e oirapossDilitam de lutar com ar
mas iguaes contra seus concurrentes. Embora ba-
ja toda a eoragem naquella luta departe dosnossos
iodustrises.embora nossos crladores|vejamse obri-
gadosa vendorem por diminutos pregosseus gados,
Ihavido da parte des voseos industriaos ama igno-
rancia completa na sua xploragio.
Mas esta ultima hypothese, nao i admissivel,
pois que sabido que se a perfeigio nos produc-
tos innegavel, a economa qua preside no sea
fabrico outra condlgo reconhecida, e qaando
se encontrara firmes estas duaa bases de toda e
qnalquer industria, convm procurar o motivo
qoe a arruina, ou a torna estacionarla.
Soppomos que nao difficil reconhecar que a
causa dos prejulzos diariamente havidos, existe
nicamente na demasiada abuodancia daquellss
producios nos mercados consumidores. Abun-
dancia perniciosa para nos, a favoravel aos nos-
sos visiohos qae pouco a pouco truel lasa, nossos
estabelecimeutos, causan lo lhe prejalzos sen-
siveis, desanimando sua boa Tontada e sua
conciencia. Para a industria dos nossos vi-
siohos esto abortos os grandes mercados
do imperio, e por siles sao altamente sortidos, o
quo nao os impede doaculir is oecessidades da
exportago eslrangeira que, em seus portos vem
procurar os gneros isemptos de maiores avarias,
embora por muitos mezes srmazenados.
Se pera industria provincia i existem as mes-
mas vantagens, no imperio, os mercados visiohos
nao Ih sao fraoqueados para lodos seas gne-
ros (o xarquej que encontrando pou:a saluda,por
causa da concorrencia estrangeira, lera de sar
veadide a todo o prego, e estes tao baixos que
nao evitam perdss reaes, embora por maito ba-
rato tenham sido comprados os gados.
O criadorqaeixa se amargamente, o commer-
cio do interior da provincia esl mais que para-
lyaalo, as cobrangas ns se realiaam, e os com-
promissos soffrem, urna verdade que todos re-
conhecem e que nao amitle contradiego. Para
tantos males ba urna causa, qua nao pie par-
durar por muito lempo, sem grave compromet-
limeuto do bem estar da provincia.
Prejuios eventuaes poiem affactar moment-
neamente o commercio do um paiz qualquer,
que calculando melhor suas especulages, ple
resarci-los e al evitar sua rapatigo, porm,
quando estes prejuizos sao contianaados, embora
toda o prudencia preside aos clculos, o nelles
encobre urna parte de probabilidades contraria*,
palpavel que algama cousa mais do que o de-
sanimo deve-se esperar, logo que pela protec-
go coQiedila indaslria estraageira, a nacional,
deliraba, e arruina os que a exercitam, forgados
pelos avultados capitacs emptalos nos seas im-
portantes estabelecimentos.
Quando a proviaeia do Rio Grande do Sul
abasteca tolas as mais do imperio cora seus
producios, o prego deites era favoravel aoa fa-
bricantes e aos consummidores. Suaabunlao-
cia era tal qua alimantanlo, sera sobrecarregar
oa mercados, perraittia urna actividade bem cal-
culada nos estabelecimentos, animavs os criado-
res, e o eommorcio seguiado urna marcha sempre
progressiva, nao tinha a deplorar tantos e to
repetilos prejuuoe. E' vardade qua naquella
lempo nao linhamos tratados onerosos com os
nossos visiohos, que respeitavam melhor as
proprielades e vidas dos braaileiros, estabeleci-
dos na banda Oriental.
IIva urna reciprocilade na observancia dos
direitos internacional to justa a t > escrupu-
losa, qua poucas era o as reclamar") >i que da
ambas as partas se faziam. Uoje temos a van-
tagem, alem dos tratados que arruinara noaso
commercio e matam nossa industria, de ouvlr-
mos no nosso parlamento oa relatorios minista-
riaes recheados de longi nomenclaturas dos
assassioatos commettidos, sem que a espada da
le se erguesss contra os seus autores.
Um sargento oa cabo de esqaadra um pe-
queo tyranoo qua preo la, ja'ga e degoll, como
os antgos seohores feaiaes do dcimo sculo,
sam que se lhej pcci conta de suas arbitrarle
dades, nem se d urna explicago da to barbara
quoiQolita coo lucia. II i ver para tanta tole-
rancia algum motivo, ou tratado secreto que po-
nh urna mordaja aos dossos estadistas, ou
prenda sua energa e seu patriotismo?
E' provavel que nao, mas hiver sem davida
um certo indlfferentismo qse costuma despei
tar-se quando ouve os gritos que o desespero
langa, e que, semelhantes ao trovan qae ao
longe aonuneia a tempestada, obliga atteoder
mente menoscabada.
(2) A supramencionaa bandeira dos vetera-
nos.
POR
AMEDE ACHATAD.
(Continuago do n. 207.)
X
Urna fillaa de Eva.
Apenas entrara Bella Rosa na carruagem, o seu
guia abaixou as corlioas de seda, e accomodou-
ae a um canto.
A carruagem rodou pelo espago de urna duas
H>r< : pareceu ao sarg-ntn que ella se affaatava
de l'-.r em busca do campo ; mas lhe era impos-
eivel reronhecer oa camiohos por que pasasva, e
liin c<;ao que segui. O aeu companheiro con-
servava seimmovel e silencioso ni seu canto.
> repente parou a carruagem ; um lacaio
E' uma fantasa.
Ese eu nao estivesse para supporta-la ?
Sentira muito, pois obriga-lohia a aub-
metter-se.
0 Sr. Bella Rosa deve saber qae nao esta-
mos anda to longe da carruagem que nao (ossem
uuvosos meus gritos, no caao deque eu tivesse
tamben, a tanlasi* de gritar.
Sei, pola nio; e sei sioda mais que n3o le-
ria preciso de gritar muito alio para ser ou-
vido.
O Drago do gua tremeu sob a mo do sar-
gento.
Mas previoo-lhe, contiouoo Bella Rosa, de
que ao menor grito, e ao manor esforc, > para des -
embaragar se de mim, enlarro-lhe este punhal
na garganta.
O guia viu brilhar a duas polegadaa do seu ros-
to o paludo reflexo do aro. Eslremeceu.
E ae eu nao quizesse ir adiaate ? replicou
elle.
Voltariamos para traz ; e como essa nova
resolugo seria auffioienie
a balanga nao poder estabelecer se, emquanto 'as jastss reclamagoes de uma provincia indigna-
nossi industria nao recebar os favores que em to-
dos os paizes do mundo a iadastra nacional al-
canga sobre a estrangeira. Debalde tenham al-
gn* bomens de mrito querido demoostrsr a
atllidade dos tratados feitos cora os povos visi-
ohos nossos concurrentes : em vo tenham elles
divisado naquellas transaeges internacionaes
vantagens reaes para o consumidor e agricultor
brasileiro, forgoso eoofessar que vista dos ra-
stillados qoe o nosso commercio provincial tem
obtido, sees clculos tem sido errados, ou tem
para provar-me qua
ebriu a portinhola, o o pagem saltando em Ierra devo de alguma forma consarvar-me emsua com-
cenvidou Bella Rosa a descer egualmente. Acha-'paobia, rogar lhe-hia o especial favor de voltar
vara s* n'um lugar solitario rodeaCode frondosas comigo, e nao cahiria na asoeira de sola-lo.
crvores. A escurido era profunda, o s via-sej Est louco, senhor? Pois tem medo de ser
por entre a folhagem brilbar ao longe uma luz assaasinado ?
ivinnvel como uma estrella. | Medo, qual 1 Gosto s de fazer aa couaaa de
O pagem arregagou as dobras da sua capa, que parceria. Duas pessoas juntas vivem mais le-
tragou ao redor da cintura, e enlranbou-se por gremente, e creio tambem que morrem menos
uma vereda. Bella Rosa o aaguiu. A laz des-tristemente.
cpparecia e reapparecia alternativamente : o ven-' O guia flxou um olhar ardente no rosto de Bel-
fo soprava, e por entre a sombra maesa dos boa- la Rosa, no qual se desenhava essa tranquilla e
que '-[) I ha va oseu melanclico sussurro. firme resolugo qae lhe era to habitual.
A' pruporgo que os doas caminbantes se adian- Marchamos I disse elle,
tavam, a vereda toroava-se mais estrella o chela Ecoullnuaram a caminbar na direegio da luz.
de ramos que se esteodiara pelo chao. Eotre- Easa luz brilhava por uma das jaoellas qua sa
tanio o elarfio da luz sugmeotava com a proxi- aebava aberta de uma especie de cabana per-
dida na eapessura do bosque. O guia bateu i
n.niarte deila ; Bella Roaa ple logo distinguir
do amo dos troncos das betulas e dos olmos o
delineamento indeciso ale uma casa : porm qua-
se asaim mesmo semi-deitada adeviaharia que
era de uma belleza sorprendente.
A alguna psssos do sof diatiogwiam-se duas
cadeiraa: um aignal da dama de mascara negra
Bella Rosa e oseu guia accommotaram-se nellaa.
Uma alampada coberia por um globo de alabastro
espargia o seu claro por sobre as tapegarias de
purpurea seda; oa seus paludos raios quebravam-
sede encontr aos ngulos dos movis polidos,
nos lavores dos candelabros, oas mil tacatas dos
crystaeaqae abandavam ali por toda a parte : em
aumma os eflVitos da luz augraentavam ainda
mais a magia desse lugar, que embalsamavam os
aromas espargilos por invislveis perfumadores.
O senhor chama-se Bella Rosa? perguntou
a dama ao filbo do falcoairo com ama voz vibran-
te cujo accento suave procurava disfargar.
Sim, seohora.
E em oa parte do 8r. d'Assonvilte ?
Elle deve ter instruido diaao V. Exc.
Conhece-o muilo taropo 1
Meu pae foi familiar do seu.
Seu familiar I Ento o senhor faz parte da
gente do Sr. d'Assonville ?
Eu aoo soldado, mioha sanhora ; a o Sr.
d'Asaonville tem-me feito ahonra.de chamar seu
amigo.
Ah I disse a dama com um accento em que a
sorpresa mostrou-se de envolta com o despreso.
E logo depois replicou :
Sabe os motivos que obrigaram o Sr. d'As-
sonville a eovia-lo i minha pessoa ?
Nao mioha senhora.
E quem me pode assegurarque verdade ?
A mioba palavra.
A sua palatra I observo a dama abanan-
do-se com o seu loque.
E nada mais accrescentou : porm o tom de
voz com que pronunctou esta pbraae nol poiia
deixar a menor duvida.
Aquellea qua crSem na mentira esto habi-
tuados a pratica-la, disaa Bella Rosa afouta-
meote.
A desconheeida eslremeceu, e nada responden.
Fallou ao guia de Bella Rosa exprlmindo-se n'u-
A EXPOSigO BtUSILEIRA EM LONDRES.
No grande e sumptuoso banqueta off^recido
industria do muado ioteiro em 1851, siguas con-
vidados dei.varara vasios seas lagares. Sam re-
jeitar o convite, coaservaram-se imraoveis e
impassveis no mel do movimento que de todos
os aogulos do Globo annunciava que raira au-
rora do reoascimento para oa povos mergulhados
o lth*iod*jBiff#n,j,m0( e.kor, em torno
delle* e no seu rieo eolo ttnsbordaaaem todo.
Eotre este, esquecido. de ... di ., ,
taocia, o Braail. jelgaado mal de sua. aueza,
naturaes, do eogenho de aeus Albos. n,m ao
menoa ousou esperar um olhar r.,0, Cu0.
cando-se na augusta filaira dos pov0, como
elle, chamados dar coat de seas progressos
desde que a liberdade desatara as faxas qu,
os prendiera immoveis ao posto estacionario
apalhia. Como elle, outros miis aotigos des-
confiiram de suas proprias capacidades e apre-
sentram humildes e cabisbaixes, para recebe-
rem alguns elogios, [q*e nem i uma mengo
honrosa podiam ser equiparados.
A repetgio do mesmo baoiuete em 1855 *
Jespertou o amor proprio dos qua tarde h.viam'
reconhecido qusnto podiam fazer para dar uma
elevada idea de si e de seu territorio. Km freo-
te do trophu da honra pola industria, as scien-
eias e as artes levantado, viram levantar-e
tambem o aeu mais bello, mais brilbaote mais
honroso do qae os mais esplendidos levantados
quatro anoos antes no palacio de cryual.
Ma, n9te ultimo conciso ioluitrial, anda
algn, povo.faltaram chamada, e deix.ndo
correr revelia o proce.so para que havi.o, sido
cilados, ouviram pronunciar a senteoga que lbea '
impunha o nome de negligente,, ou condemnav.
os tro^arem seus ricos productos naturaes
pe o, artefactos os mais simples da industria
estrangeira.
Nao foi psrdida a ligio, nem descendido, os
conselhos da civillaacio. Luta. industria., pre-
pararam e exercit.ram a. fl)rcas dos njTO
atbletaa que o. arena de 1862 d.vlam fff0ntar a
looga pratic, do. v.lhos comb.lentea, medir sua
eoragem com a sua. disputar-lhss, .eno a vic-
lona. ao menos demonstrar-Ibes que ser esta
sua, quando a edad., o exerciclo e o estudotiver
fT1* "f as facu.dades. O
Brasil. ,em v.idade, m orgulhoso de ..as
progressos. asseotoe-.e no lugar qua lhe fflr.
destinado no festival banquete. Suas riquezas,
sua obras, seu, materiaes. seo, recursos, apral
sentara n-.e bellos, escoihidos, sperfeigoados, e
tnnumeraveis como os futuro, ramos em que sisa
industria deve sublividir-se. par. alcor,r uma
rpida perfeigao que eguale a formosura de seu
solo, cond.ga eom a preciosidade de sua, mate-
rias pnm.s e justifique ser o El.n, a larra de
promusao. do hemisph.rlo Sul-Americaoo.
A' vista de suas incomparavei. malera, as
artes delicadas reconheceram que muitas ob-as
primas tem de procrear ainda quaolo, entrando
emsuas officinas aquelles pranchoea. desafiarem
seu, escropo, eseus bem tragados contornos. As
mltiples resinas offerecenlo scencia substan-
cias uteis, e qaasi desconheeida, esperara
tambera que da retorta ou do alambique saiam
convertidas em brilhantes vernises, oh satalife-
ros antdotos qoe abran lera vivissimaa dore,
ou realcem as bellezas deste ou daquelle ar-
tefacto.
.
Da seus mioeraes tj0 ri.oa e abundantes
quantos productos, qaantos 'theaouros, nao en-
contrar a poderosa e incansavel industrii ? Ali
um sem numero dos que realmente enriquecem
os povos que os sabem empregar, e eom ellos
formar o pedestal inabalavel de aua grandeza, e
pouco dos qua g.lvanisando apenas sua misarla,
dealumbram em vez de esclarecer aeua adorado-
res e seu, devoto,.
Levadas as vistas sobre os productos agrcolas,
exultara de prazer e de inveja os mai. povo., ad-
mirando a v.ried.de til e deleitavel que 'lhe.
aprsenla um paiz conhecido pela sua importan-
cia e suas riquezas, e ignorado em quaoto s ra-
ridades qae iam buscarnos mercados da China e
do Iodosto, e que com uma .imple, cultura o
solo brasileiro v germinar to perfeitos, to bel-
los e precioso, como os mais aperfeigoados qua
anda sa importados no, sea, proprios merca-
dos e nos da Europa.
Nos aeus objectos manufacturado, tanto ntefs
como ornamentaos, o Brasil ainda joven aprsenla
um gosto apurado, urna pureza de dea.nho, que
denotara uma not.vel predisposigo para ludo
quaoto requer graga, corrergo e delicadeza ro
plano e na exeeogo. Sam possuir aquella in-
nmera phalange de artistas que pullulam em
todos o, ramos indaitriae, da Europa, rocoDhe-
eeu-se que sob o ameno cu americano, o enga-
ito receba inspiragoes rpidas, cuja execugo na-
turalmente se opera, obedeceodo ama inures-
so que o artista em vo pretenderla es^uivar-
ae, e que s lhe permitte encarar fixamente as
perfeiges do bello ideal.
[Continuar se ha.)
porta que ae abriu logo : elle e o sargento, pe-
netrarais n'um corredor, no fundo do qual
el no maamo ioalante viu como n'am soobe pas- aeua ps encontrara uma escada. A porta tor-
earen! e dessppsracerem por detrs de uma moi- oou-ae a fechar, a luz desappareceu, e os dous
ts deazevinhos duas sombras negras, das quaea subiram i sua escada.
o soparava um pequeo espago* de espinbos e Apenas chegadoa em cima o guia auspendeu um ma liogu*ii*m estrangeira.
cel>. repoateiro, e acharam-se amboe i entrada de uma Ab I senhora, nao posso, responden o guia
U-n douco mais adimte as duas sombras se cmara maravilhoaameote adornada. Lustrosas em francs,
epruximaram da vereda. Oaviu-se um mido de prega a de ricas lap.garias cobriam as p.rede. ; E qu.m l'o impede?
ramos eccoa calcados po; pea inisieis. Bella um tapete estendido no assoalho abafava o ruido Eate soldado qoe desde o ominho me trax
ilusa olbou para o seu guia, qu-) roostrava nada dos passoa ; os move s eram embutido, de metal agarrado pato puoho, como est vendo.
ter ito nem ouvido. A preeeoca daquella es- madreperola. Sobre um aof de brocatel, que E' uma phantasia que eu lhe perdo, mas
colla mysteriosa ( lo sabitamenle lembrar-se das fematsva em um oocel, acliava-se recostada uma que vaa cessar immediatamente.
uluwas palavraa do Sr. d'Aasunvilbs.' Pas.ou en- laulber Irajando um vaatido de velado carmeslm : Bella Rosa nada disse ; os seas dedos conti-
tj i a mo pela roupa, a qaando certificou-se de osseus tragos bus afogavam-ae em ondas de cus- nuavam a apertsr o punho do guia,
aue se havis manido deede maobia para qual- tosas reodas, e a ana mo mais alva que o jas- Ento, nio me ouvia? perguntou a dama
quer e*eotuslidade, agarrn o guia pelo rosto. mim agitava lnguidamente um leque de peonas com impaciencia.
__O que quer ? pergeolou este. verdes. O roste traba-no alia encoberto por uma ; Ou*i perfeilameote: mee porque razio bel
_ Nada. mascara. Miag"*1 poleria determinar a forma de fazer o que deaeja V. Exc T
E porque eatio meejacra assim ? a estelara daquella dama; entretanto quem vi.- | Porfue quero.
Isto nao psssa de um pretexto, e eu pe-
go uma raxo.
Iosoleota exclamou a desconheeida pon-
do se de p. Sab que se eu chamar ba por aqui
muito perto de mim bragos disposlos a forga-Io
obedecer, e a puni-lo depois
Nao duvido, senhora ; porm ao priroeiro
grito, ao primeiro gesto estendo este guia morto
seus ps.
A desconheeida deixou-se cahir para traz
vista do puobal suspenso sobre o peito do
pagem.
E depoi. que elle estiver morto, proseguiu
Bella-Ro.a, oa oatro. qoe vierem bao de ha ver-
te com um hornern re.uluto, que .eno deixar
abater fcilmente. Agora chame, senhora.
Oh I minha senhora, nao chame excla-
mou o guia. Elle capaz de fazer o que disse 1
O senhor corajoio pelo que vejo, replieou
a dama mascarada. Ao menos devo agradecer
ao Sr. d'Assonville o ter me enviado am lio va-
leote embaixador.
E eu agradecer-lhe-hai tambem por me ha-
ver incumbido de uma misso, em que as armas
devem iotervlr do meio dos discurios. O Sr. de
Asionvllle nao me enganou.
Poi que I qoe foi elle quem o acooselhou
que tomasse eate puohal exclamou a dama com
com ama voz indignada.
E nao leve raio, aeobora t
A desconheeida estremeca anda a esta per-
gunta feita com tanto a.ngue fri, e Bella-Rosa
viu o aeu eolio enrubecer-se levemente. Depois
recostou-se de novo no seu sof, e pareceu en-
cara lo atlentsmente.
Acabemos com ido, replicou ella com bran-
dara. Se eu der a mioha palavra de qae nada
ibe ha de acontecer, deixa ir este pagem ?
Pode ir desde j, minha senhora, V. Exc.
ainda ha pouco duvidou da minha palavra ; mas
ea nao Ibe farel o ultrage de duvidar da sua.
A mo de Bella Rosa se abriu, e o pagem cor-
rea para junto de sua ama.
E' um bello e corajoso mancebo l exclamou
adama. Por minha alma I Eis-sqalum sol-
dado novel em quem as dragonas de capilo as-
aantariam s mil maravilhas! Franco e firme
como o ac 1
A descoohecida desta vez nao leve a precan-
gio de diafargar a voz: a infinita suavidade e
brilho dessa voz encantara m a Bella-Roaa, como
as vtbragdes sonoras da harpa. J ella nao falla-
va, e ao sargeoto pareca ouvi-la ainda.
Foi ento qae elle leve a revelago mysteriosa
do amor sem limites que aquella mulher devera
inspirar, eda desgraga sem remedio, coosequen-
cia toevitavelde seu ebaodoao.
Aeabave de comprehender o mudo desespero
do Sr. d'Assonville.
Sr. Bella-Rosa, ibe disse ella, espere, qee
dsqnt & pouco ser llrre.
A dama mascarada e o pagem fallaram-ae
em voz baixa durante alguns minutos : depois
este ultimo aproximando-sa de uma mesa de ba-
no, sobre qua havia papel, apresentou uma peo-
na a saa ama, que escreveu uma carta, dobrou-a
abra o bilhete, e claridad, do candieiro do
proprietario lia as siguiles palavras :
O Sr.de Villebrais Do morreu, corre somon-
te o risco de nao poder levantarse to eedo. J
conseguiu fallar, e descobriu o segredo do seu
e fechou-a dentro de um aovelope, acalcando! duello, coofiando-o a pessoas que sem duvida
m aonel que tinha no dedo sobre o lacre ainda
quante.
Feito i.to, eotregou a carta a Bella-Ro.a.
Eis-aqoi a mioba resposta, leve-a ao Sr.
d'Assonville immediatamente, e esquega tudo
at mesmo o camioho por oode vela (ter aqui.
Mas, ae algara dia os borneas lhe faltsrem, bata
afoutamente porta da casa, da ra Cassette, e
diga o seu nome : uma mulbe. se ha de lembrar
do senhor.
Bella-Rosa inclinou-se sob a mo d desconhe-
eida, qoe rogou de leve com osseus labios, rece-
bando a carta qua ella Iba entregava.
Deus o guarde, bello eavalleiro l disse a
dama a meia voz.
E langaodo um ultimo olhar sobro o sargento
desappareceu por um repoateiro.
Venha, disaa o pagem, ao pas que o seu
companheiro inebriado eom aquella palavraa e
olhar cooaervava-se immovel dtaote daa largas
dobras do purpureo damasco.
Bella Rosa estremece, e todo perturbado se-
guiu o seu guia. Descerara ambos a estada, atra-
ves.aram o bosqae, sam qae desta vez fosse
viata alguma sombra, e entraram na carruagem.
O pagem cerrou as cortinas, e duas boraa de-
pois a carruagem parava 4 entrada da ra de
Vaagirard. Um lacaio abriu a portiohola, Baila-
Rosa apeou se, e a equlpagem tornoi a partir a
galope.
Quando Bella-Rosa chegou esquioa da rea
do Pot-de-Fer Saiot Sulpice, eslava o honrado
Sr. Merisel na maior afflicgo. O digno proprie-
tario nao se tioba querido deitar. 9 seu can-
dieiro, qoe de ordinario era apagado s nove ho-
ras, naquella nonle acha-ae ainda acceso s duas
horas da madrugada ; e por detrs de cees pos-
tigos entr'abertos, elle langava olharea aocio.os
na escarido da ra.
Ah Sr. Bella-Rosa, que cuidado, me tem
caussdo Receiava que o tivesaem morto.
Ainda nao o flzeram, maa isto pode vir a
acontecer.
Nao falle asura por um modo to lgubre!
Na hora em qae eatamos nao sao boas estas con-
versagss...
Ento foi para certiflear-se de qae estou
bem vivo, qae o stnhor esproa-me at agora ?
Foi tambem para entregar-lbe este bilhete
que um fidalgo aqui deixoaficar depola de o ha-
ver procurado por duas vezes. Recommendou-
me maito que s entrogssse i V. S., pois trata-
sede um negocio de importancia.
Etnqa.D.o o Sr, Heriaet UUsts, Bella-Roia
ho de lar dado orden, para que o senhor seja
preso. Deve, portanto fugir o mais deprassa qae
poder. Sala d Pars, e coota comigo para o qua
houver. Cometi Ilogbarl.
Bella-Rosa j etperava esta noticia ; quaimou
o bilhete sem mostrar-se sorprendido, e liraodo
da algibeira um> bolsioba bem guarnecida, per-
guntou ao Sr. Merisel se nao conhucia alguma
peasoa honeata, discreta, e segura, quo podesse
enearregar-se de uma commisso delicada.
Coohego meu sobrioho Christovo Meriset,
ra rapaz seguro esmo um resrulador, e calado
como um eooftssionario
Responde por elle ?
Oh! se raspn Jo I E' meu herdeiro.
E' capaz de eocarregaz-ae de levar esta
carta, e maia outra que vou escrevor a um cap-
;>o de cavallaria ligira,que ae acha da guarn-
jo em Arras ?
De, que elle a, conduzir.
Sem demora ?
Dentro de uma hora.
Bella-Rosa eacreveu ao Sr. d'Asaonville uma
caria relataodo-lhe ludo oque vira, e oa aconte
zimentos que lhe prohbiam de ir em pessoa le-
var a resposta ds dama desconheeida.
Logo que ebegou o sobrinho Christovo, en>-
tregou-lbe as duas cartas recommeodaudo a
maior diligencia possivel : depois diodo ao Sa.
Meriset um bilhete para sua irma Claudina, nu-
nifeslou-lb a necessilade que linha de religar-
se tambem.
Oh I meu Deus E nao volts mais "? per-
guntou o proprietario.
Heide voltar, tanto que Ibe pego o favor de
conservar o aposento minha dispdsigo, com
estes dez Uu.es que serio aeus, se em qnioze
dias ne estiver de volla. Pego-lhes&raenteqo
nada diga do que tem visto, e nem descubra a
mioha partida, ae algum carioso o-vierqaes-
tionar.
Comprebeodo, disse o Sr Meriset qae ea-
chergava em todo essa mysterio algum negoelo
de eaiado. ComprehenJo, e fique cerlo da qua
me hei de calar.
Bella-Rosa despiu a sua roupa, totnou outra
que'pertencia ao aobrinho Christovo, armou-ae
de um baato, e sabiu da raa do Pot-de-Fer
Saint Sulpice.
E' ao Sr. de Nancrais que devo a minha
alabarda de sargenta, dizia elle; 6 ao Sr. da
Nancrais que hei de reslitui-la.
________ (Contsnuar-sc ha.)
PfiRNAHBUCOr-TTF, DEM. F. DEP. t FILHO,
>
'.
'-
<

(MUTI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOX04QARU_JKHVWC INGEST_TIME 2013-04-30T22:29:56Z PACKAGE AA00011611_09615
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES