Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09614


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110 XIIVIII. IUIE10 2s.7
<+*+.
Pr tres ezesadiantados 5$0C0
Por treimeze vencidos 6$OQ0
TERCA IRA 9 H SETE1BR0 91 *ll
Piriia. adiuUdt lfOOO
Parta fraica ara # sibsirlitor
PERIVAMBKi
\
MSARREGADOS DA SUBSCRIPgAO D NORTE
Parahyba, 5r. Antonio Alexandrino de Li-
ma; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra ;
Araeaty, o Sr A. d Lemos Braga; Cear o Sr.
J. Josa da Olireira; Maranhio, o Sr. Joaqaim
Marqaes Rodrigues; Para, HanoelPinheiro A
.; Amazonas, e Sr. Jeronymo da Goata.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
AlagOai, o Sr.' Claidino Faleo Din ; Bahia.
o Sr. Joa Martina Airea ; Rio da Janeiro, e Si.
j ja Psraira Mirtina.
Partidas dos corrkios.
Olinda todoa oa diaa aa 9 '' horaa da dia.
Igaaraaa, Goianna, e Parahyba as segundas'
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Carur, Altinho
Garanhuns naa tercei-eras.
Pao d'Alho, Nszareth. Limoeiro, Breio, Pes-
qeera, Ingazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viata,
Uuneary e Ex naaqaa>taa-eirae.
Cabo, Serinham, Rio Formse, Ona.Barrairoa
Agua Preta, Pimenteiraa e Natal qaintae (airaa.
[Todoa oa corraioa partam a 10 horaa da rnanhaa
IPHEMKR1DI8 DO Mil DE SEIEMRRO.
7 La: cheia aa 5 horas e 16 minatea da tarde.
15 Quarto mingeante a 1 hora e 21 minatoa da
tarde.
33 Lea ora aa6 horaaa 16 minatoa da machia.
30 Qaarta creacente a 1 hora e 2S minitoa da
tarde:
PREAMAB DE110JI.
Primairo aa 4 horaa a 51 ainatoa da manhi.
Sagandoaa 4 horaa e 30 minatoa da tarde.
erte
*artida aoa raroREs costbiros.
Para e aul ata Alagoaa i 5 e SO: para e
atf a Granja 14-29 de cada maz.
PARTIDA DOa MNIBUS.
Para o Radie: do pipueot s 6 Ii2, 7, 7 1|S, 8
e.8 1|Z da m.; de Olinda i 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboatao s 6 1|2 da m.; da Caxang e Yartta
6a 7 da m.; de Btmfici s 8 da m.
4 ll2, K\| UA 5 1,2 6 da t.; para Olinda s 7
M .8 1|2 da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caxang a Varxta a 4 1)2 da t.; para Btmfiea
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribanal do commertie : aegandaa e quintas.
Relago : torgas o aabbadt* a 10 horaa.
Paienda: quintas i 10 he-ras.
Julio do commorcio : aagandaa aa mel dia.
Dito da orphioa: tarcas e aextaa a lOheraa.
Primairarara de lral: tercas e extaaae malo
dia.
Sagandarara de cirel: qaartaas eabbados l
horada tarde.
EiBTE 0FF1CHL
GOVERKO DA PROVINCIA.
Expediente do da 4 de setembro
de 1S6S
Oflicio ao Eim. praaideote da provincia dasA-
tagos.Pico inleiradopelooPicio de|t8 de agos-
to ultimo de haver V. Eic. mandado dsr urna pas-
sagem de eatado dessa capital para a de Penedo
em um dos vapores da eompaohia bahiana ao ba-
eharel Prancisco Jos Fernanies Gitirana. promo-
tor removido para a comarca de Tacarat. Ap-
proveito a occaaio para agradrcer a V. Exe. a
|>romptidao com que fui satisfeita a miaa requi-
sita o.
das da semana.
8 Soganda. cga Natiridade de Nossa Sanhora.
, O lerga. S. Sargio p ; S. R.fi,D0 m.
ilO Ouarla. S. Nicolao Toleotino; S. Jada? b. rx.
iil Quinta. S. Theodora penitente; S. Prole,
[12 Sexta. S. Aula v. m.; S. Javencio b.
113 Sabbado. S. Felippe m.; S. Maurillo b.
14 Domingo. O Sandsimo Nome de Maris.
ASSIGNA-SE
|bo Racif, em a lirraria da praga da Indepea '
deneis ns.6e8.doe proprielarioaalanselFiaBa
rea de Faria 4 FUhe.
?ista da participado que recebi da villa do Boro
Conaelho e da Palmeira e rieram annexaa aos
seus citados oBcios : do que fleo inteirado.
Dito ao juiz municipal de Caroar Para que
sej remanida a guia do senteocionido Manoei
do Ntscimento Lima e sejam sappridas ss (altas
da do sentenciado Manoal Muniz Falcao, indica-
das pelo juiz municipal da Ia vara desta cidade,
rametlo a Vine, cofias dos offlcios que este me
dirigi em 14 e 26 de jalho ultimo.
Dito ao agente da companhia permmbucana.
Pode Vmc. fazer aeguir para os portos de seus
deslinos os vapores Mamanguape e Jaguaribe
nos dias e horas indicado em seu oflicio de
bontem.
Dito ao director da companhia de Beberibe.
sirva de informar me a reapeito o que julgar con-
veniente, dignando-ae de devolver-me os citados
offlcios.
Dito ao commandante das armai.A' vista de
sua ioformacao de hontem datada, sob n. 1,700,
autoriso V. Exc. a mandar dar baixa do servigo do
exorcito ao recruta Alexandrino Ignacio de Olivei-
ra, aflm de ser restituido a companhia de apren-
lizes marinheiros donde desertara, segundo de-
cl4ra_ io*pector do arsenal de marinha em oflicio
de 27 d3 agosto ultimo, aob n. 281.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exe. de informar-
me sobre o que pede Maooel Joaqaim dos Santos,
ex-praca do exercilo no requsrimento junto.
Dito ao mesmo.Para os fina conveoiantes pas-
so i mos de V. Exc. copia do oflicio, que me
dirigi em 20 do mez findo o juiz dadireito inte-
rino de Garanhuns.
Dito ao inspector da thasoursria de fazenda.
Transmiti a V. S. para seu conheeimenlo e di
recr,o copia do aviso de 12 de agosto ultimo, sob
n. 53, em qe o Exm. ministro da agricultura,
commercio a obras pablicas declarou que para a
concesso de 600 bracas de terreno de servidao da
fortaleza de Tamaodar ao concesionario Manri-
que Augaato Milet, deve asr cuaiprida a resolu-
cao do conselho de estado exarado em aviso de
27 de oovembro do anno prximo passado, que
enviei copia a V. S. com o oflicio de 12 de julho
iltimo, bem como que as despezas de demarca-
do de terrenos de marinha conee'didos devem
correr por conta dos referidos concessionarios.
Dito ao mesmo.Para os convenientes exames
iasso s maos da V. S., as inclusas copias das
acias do cooaelho administrativo para fornecimen-
to do arsenal de guerra datado de 25, 27 e 29 de
agosto ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Era vista do incluso pedido mando V. S. pagar ao
thesoamro pagador da repartico das obras po-
tincas, conforme solicitou o respecuu uir.ctor
era offi io de hontem, sob n. 193, a quantia de
6:6205 para occorrer as despeas coja a constrac-
g^ oas obraa por adrainislraQao no torrante
mez.
Tabella a qvc se refere o offiexo cima mencio
nado.
Precisa-se que a thesouraria provincial adianto
ao thesourairo pagador das obras pablicaa a quan-
tia da G.620$ para occorrer as despezas do cor-
rente mez, a aaber:
Desigoaco. Importe.
Arta. .
12 2 Servente e es-
gio da casa.......... 100&000
Reparos e cooser'acao da postes e eslradas.
13 1 Conservacao
da estrada do no te---- 30JOOO
Id vacao da estrada do sul 5005000
llera dem. Cooser-
vacio da eatrada da Vi-
ctoria.................. 5005000
dem dem. Conser-
vacao da estrada da Es-
caa................... 2OO5OOO
I'lem dem. Conser-
vacao da eatrada de
Pao d'Alho............ 250J000
I lem idem. C >nser-
vacao da estrada dos
Remedios.............. 1703000
I le ni idem. Conser-
vagao da estrada do
Slanguinho............ 500j?000
I m idem. Conser-
vacao da estrada do
Minteiro.............. IjOJOOO
Ilam idem. Raparos
da ante da cidade.... 1:000*000 3:5705060
J'eiB dem. Reparos
* dificlos............ 1505000
lem 3. Calamento
idade.............. 2.5005000
mnisio prorincisi 3005OUO
6 620fOCO
<
iia das obras publicas 3 deaetembro de
director interino, Joao Luiz Vctor l.ieu-
iforme.O bacharel, Luiz Salaaar M09-
eiga Peaaoa.
ao mesmo Recommendo a V. S. que nos
termos de sua ioformacao de 13 de agosto ulti-
mo, sob n. 438, dada com referencia a da conta-
dura ds9i tbeaoararia mande pagar a alteres
Jos Rodrigues da Paixio. ou a pesaoa por alie
aulorisada a quantia de 165520, que deve ser aa-
lisfdita por essa repartido, proveniente da forra-
gen) para ama beata da bagsgem como commao-
tiante de urna escolta de guardaa oacionaes, que
conduzio presos de justiga, recrutas e desertores
io termo de Gsraohaoa para e-la capital.
Dito ao mesmo.Estando em lermoa aa ioelu-
sas cootas, que me foram remettidaa pelo dele-
gado encarregado do expediente da repartico da
polica com oflicio da hontem, sob n. 1,337 e
1.358, mande V. S. pagar a Maooel Jos Mendes
Bastos, ou ao seu procarador Josqnim Antunes
da Silva, a quantia de 172J, dispendida no mez
di julho ultimo com o sustento dos presos po-
bres da cadeia de Garanhuns, e a Luiz de Franca
de Oliveira Lima a de 86 800, tambem distendida
do predito mez com o susteoto dos da'xadeia de
Ouricury
Dito ao director geral doa Indios. Recom-
mdndo a V. S. que com a brevidadeque lhe fr
possivel, que ministre aa ioformaces constantes
da nota junta, alim de seren remellidas ao go-
veroo imperial em cumprimento do aviso circu-
lar expedido em 28 da agoato do anno prximo
Codo pela repartico da agricultura, commercio
e obras publicas podando V. S. eovisr-me essis
ioformaces a proporc3o qae ss fr oslendo.
Dito ao commandaote do corpo de polica.
Dcferindo o requerimeoto do furriel do corpo aob
aeu commaodo Jos Pelippe de Santiago, que ae
ofTarece como voluntario para oaervico do exer-
cilo, e a qaem ae refere a sua ioformacao o. 379
de do mez Ando, autorisc V. S. a faze-lo apre-
aentar ao brigadeiro commandante das armas e a
excluilo do corpo se fr julgado apto para aquelle
xlm.
Dito ao mesmo. Pode V. S. mandar engsjar
para o servieo do corpo aob seu conminado o prt-
gano Antonio Uanoel do Naaclmento, a que se
refare o offleio o. 3t3 deita data.
Dito ao juiz de direito deGiraobaos.Tenho
preaente os oCQcios de 23 e 25 de agosto prximo
pretrito, aob na. 60 e 61, em que Vmc. me com-
munica achar-se finalmente extiocta a epidemia
do cholera morbii em toda eisa comarca, era
por coma do goveroo, se
deixasse de exigir oeste caso e por esta nica vez
a prorogacao do prazo que com o seu previlegio
lhe foi concedido por lei. Desejando a preaideo-
cU coocorrer quanto em si coaber para a satis
facao desta necesiidade publica e nao disposdo
de toda a referida quantia, julga dever declarar
a directora que auxiliava a companhia com a
quantia de 10:0005, se ella, abandonando neste
caso o seu previlegio, lear a effeito a rosnciona-
da obra, com este auxilio e o produito da renda
d agua na refer Ja freguaiia durante todo o tem-
po do previlegio da companhia compensar se
guramente a despeza que tem de correr por sua
conta. r
Dito ao engenbeiro fiscal da estrada de farro.
Para seu conhecimento e dire.-cao e em resposta
a consulta, que em 23-de julho ultimo faz Vmc.
ao ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas, remello a Vmc. o aviso junto por co-
pia que me foi dirigido por aquella repartigao em
11 de agosto prximo lindo, sob n. 55 declarando
quaea os meios a que por em quanto se deve re-
correr no intuito de se evitar a reprodueco de
actos semelhaoles aos que foram praticados por
alguns machinistas da estrada do ferro e em con-
sequencia doa que leve lugar a auspenso do tra-
fego da mesma estrada dos dias 4, 5 e 6 de fe-
vereiro do correte aDno.
Portara.O Sr. gereule da companhia Per-
nambucana mande dar transporte no vapor Ma-
manguape, de conformidade com a condigao 7
',8S nexas ao decreto n. 1,113 de 31 da Janeiro
de 1853 at s provincia das Alagoas a serem en-
tregues ao respectivo preaidente dous caixoea
com ambulancia e urna pega de bata que sao
remsttidos ao juiz municipal do termo de Cabro-
b onde se manifestou o cholera-morbua, segn
do participa o mesmo juiz municipal.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
tvni mande dar urna passagem de pida no vapor
Mamanguajic ol uo Al6ut>a, em lugar ueanuauu
a passageiros de estado, a Maooel Jos Caparica,
que consta ser deavahdo.
D.ta.O presidente da provincia attandendo ao
que informou o juiz de direito da aeganda vara
desta cidade em data de 3 do correte, aobre o
requerimento do tabellio Francisco de Salles da
Costa Monteiro, resolve prorogar por seis mezes
a luenga com que es'.e se-acbara.
Illm. e Exm. Sr.A directora da companhia
de Beberibe qaerendo dar com presteza cumpri-
mento ao <]'i> se compromettea quando teve a
honra de responder em data d* 23 de julho o ofli-
cio de V. Eic. de 15 do dito mez, pelo qual V.
Ex;, sollicitou saber se esta companhia pode, e
porjuo quantia iocambir-ae de levar agua pota-
vel a freguezia dosAfogados, offerece ao conhe-
eimenlo de V. Exc. a planta e orgamento pelo
qual poder licar aquella obra, empregando-ae
nelli a mais rigorosa economia, alim de que V.
Exe. examinando o referido orgamento ae digne
de dar auas ordens no sentido de se effecluar o
contrato com aquellaa condigoes que rasoavel-
mente foram indicadas por V. Exc. Deve, po-
rm, a directora prevenir a V. Exc. de que a as-
sembla geral dos acciouistaa querendo aatisfazer
aos desejos com que V. Exc pretende beneficiar
os habitantes daquella freguezia, decidi que seo-
do a mencionada obra feita a casta do governo
sedaixasse de (oeste caso e por esta nica vez)
exigir a prorogago do prazo que com o seu pre-
vilegio lhe foi concedido por lei.
Daus guardaa V. ExcEscriptorio da compa-
nhia do Beberibe, 29 de agosto de 1862.Illm. e
Exm. Sr. Dr. Manoei Francisco Corris, presiden-
te da proviocia.Jos Joo de Amorim, director
inUrino.Conforme,o bacharel Luiz Salaaar Hos-
coso da Valga Pessoa.
Despachos do dia 4 de setembro
/te^uerimenoj-.
Abaixo 1 ssignados engajados no arsenal de ma-
rinhaloforme com urgencia o Sr. inspector da
thesouraria de fizeoda.
Caco Pedro Pereira da SilvaV vista das in-
formagoea indeferido.
Ernesto Augusto Alhayde.Inf jrme o Sr. Dr.
jaiz dos feitos da fazenda, na parte que lhe diz
reapeito.
Francisco de Salles da Costa Monteiro.Passe
portaria concedendo a prorogago requerida.
Francelino Augusto de Hollanda Chacn.lo-
forme o Sr. Dr. juiz da orpbaos, na parte que
lhe diz respeito.
Gabinete por^guez de leiturs.Como requer.
Jos Josquim\aa ;Silva.loforme o Sr. com-
mandante superior intartoo da guarda nacional
do Recite.
Jos Bernardioo Vaz da Silva.Informa com
urgencia o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
Jos dos Santos Rabello.Iadeferldo vista
das informages.
Manoei Jos de Santa Anna Araujo.Informe
o Sr. Dr. juiz de orpboa desta cidade qaanto a
ausentes.
Guarda nacional.
Conserva a meama organisago. Nao me pa-
rece a mais conveniente, a de accordo com as
diaposigoea da lei de 19 de setembro de 1850.
Ette aasumpto depende de acto do governo im-
perial, a cuja deciso o submetterai, logo que
conseguir oa elementoa precisos.
Segundo os dados, qae tenho preseutes, sua
forga total de 4,476 plecas, sendo do servigo
activo 3,769, e da reaerva 707.
Ainda nao est no devido p de regularidade o
servieo da guarda nacional. Apelar de suas fal-
tas seria injastiga nao considerar esta milicia,
como um proveitoso auxiliar, com que conta a
autoridade nesta provincia para cumprlr o sea
dever.
Est actualmente dispensada do servigo per-
manente de destacamento a guarda nacional.
Mandei dissolver os destacamentos que ainda
reatavam depoii do relatorio ultimo. Etao as-
sim os guardas desembarazados do servigo das
armas para se entregarem industria e ssaasi
suas oceupagoes habitases.
Fora naval.
C'impSa-se do vapor de guerra Pirej, que es-
t a disposigo da presidencia para ser empre-
gado no. aarvigo da provincia, ave aer-lhe de
muito proveito 00 reconhecimento e explorago
de aeus ros.
De maio do anno passsdo at o presente fo-
ram apurados, e tu6ram o conveoiente destn > 14
recrutas para a armada.
iviso judiciaria civil e eccle$iaUica
Nada foi innovado neste assumpto. Conserva-
se no mesmo p, qae o seguiole:
Comarcas....... 3
Termos, eu jalgados. 4
Municipios...... 7
Cidades.......- 2
Diatrictos.......21
Freguezias......21
Anda desla vez nao menciono no namero dos
municipios o de Borba, por nao ter aido instal-
lala a villa deste nome. Tendo o governo im-
perial annallado a eleigao, que teve lugar em
setembro de 1860 pan elegnr oa seus vereadores,
foi designado o dia 17 de noverabro do anno paa-
sado para se proceder nova eleigao. Mais ama
vez allegou-sa nullidade contra a'elvigio, e esta
questao est dependente de deciaao do goveroo
imperial.
A divisao actual satisfaz de alguma aorte as
necessidides do servigo. Augmenta-la sem ha-
ver a populagao sufliciente, e o pessoal habilita-
do para desampenhar os encargos, que traz sua
alterago, c pralicar actos sem proveito, e com-
prometter talvez a marcha da administrago.
Emendo que deve ser conservado o que est
feito.
Correio.
As condigoes genes deste ramo de servigo sao
aa meamaa expostas no relatorio do anno psasa-
do. Deve entretanto aproveitar-lha para facili-
tar o movimentoda correspondencia o expresso
militar, que estabelec entre est> c'dade e a fre-
Ke.a uu O...... m. m.^o. trema da pro-
vincia por aquella parle. Nao medida perma-
nente, e dirigida pelos principios, que regem
esta materia. E' fuodada as necessidades do
servigo da guaroigao militar da (ronteira naque!-
le lugar.
O movimeoto dos papis, qae passsram pelo
correio em o anno de 1861, consta do seguinte
quadro.
I
lTEIilR
AMAZONAS.
Relatorio apresentado assembla le-
gislativa provincial, pelo Exm. Sr.
Dr. Manoei Clemcntino Carneiro da
Cunta, na sesso ordinaria de 3 de
maio de 1862.
(Continugao.)
FORQA PUBLICA.
Forga de linha.
Continuara no servigo da guaroigao os corpos
de iofantaria e artilharia, de que z mengo no
relatorio do anno passado. Nenbum delles est
completo. O primeiro conta 221 pragas, e o se-
gando 105. Para sea estado completo faltara
ao corpo de iofantaria 118 pragas, e do outro 53.
O total da forga de 326 pragas. Posto que aeja
superior do anno passsdo comtudo inferior
s urgencias do servigo. Sem embargo um
poderoso apoio para a administrago, que nellt
em geral, e no zelo e inlelligeocia do coronel
commandante das armas, o dos commandaotea
dos corpos encontr auxiliares prestantes.
Do 1* de maio do anoo passado ao 1* do cor-
rele tiveram praga nos corpos da guaroigao 65
individuos, sendo dettes 51 recrutados, e volon-
tirioil4.
"1YLOI
i-_
o"
o

t/1
O
JOJlUJI |
soi)no e j
sasajof j
o
sti3 I
I
i-
OPQJO I
I
I VL
o.
1S
1YXOI
o"
I

C/3
O
O
cs
t
PS
ss udaii
)0J)no 9
setnior
00
o
I
asneo |

c.
toptrjo
i-
00
3
oauy
00
s
SVI0MIAOU.1-l -aoiiiaiMi
No exerticio de 18601861 a despeza foi de
3:991*447, e a receita-4 5583906.
Estes dados sao favorreis ao servigo do cor-
reio feita sea comparago com os apresentadoa
em o anno ultimo.
POrULAQA.
Nao ae concloiram os trabalbos, que ordenei
para se tirar o censo da poputago. Falta o ar-
rolamento de algumas freguezias. Nao cesso da
exigir o complemento deste servido, que indis-
pensvel para corrigir o trabslho" feito anterior-
mente. J vo appareceodo algunas duraren-
gas que <5 se podem explicar com defeitos no ul
timo recenaeamento. O que se conseguir ser
trazido ao conheeimenlo dasti assembla em
tempo competente. Emquanlo a populagao nao
estiver mais adianiada, e nao hoaverem oatros
recursos, que actualmente faltam, nao se conse-
guir urna estatislica da populagao, que merega
conanca inteira.
CORPO DE TRABALHADORES. J
f lei provincial n. 36 de 29 de setembro de
1834, que autorisou a reorganisago do corpo de
trabalhidores, ainda nao foi executada. Neohum
dos meus antecessores asou dessa fsculdade.
De algaos relalorioi lidos nesta casa contam as
razoes por que aasim elles procederara.
Esta iostituigao nao ae accorda com os princi-
pioa cardeaes do systema liberal, por que aomos
goveroados. Fere demasiado a liberdade do
trabalho, e industria, creando reslriigoea, que
nao sao fandacfaa na constituigo do imperio.
Presta-se a abusos e vicios, que a mais vigilan-
te a escrupulosa inspeegao nao pie prevenir.
Contra ella est firmada a opinio imparcial, e
de|faclo est extincta. Existe apaas na lei.
Se no tempo em que foi fundada eata institui-
gao, era mapirada pelointereaae legitimo da ma-
nutengao da ordem, e justiflcava se talvez pela
fnqueza da autori Jade, hoje n5o aa dio os mea
mos motivos. O poder nao precisa desta recur-
so para cumprir o seu dever. Contra aoarchis-
las e agitadores, se por ventura spparececeram
dispoa o goveroo de ampios meios de aeco e
contra os ociosos e vadlos temos lela crlminas
e regulamentoa policiaes. O que falta executa-
los discrets e proveitosameote, e nisto somanta
se deve empeBhara autoridade.
Abundando oestas ideas jnlgo conveniente a
extincgao do corpo de trabajadores para entrar-
nos no rgimen da legalidade. E' no dominio
delle, qae o goveroo ae fortifica, e auxiliado pela
opiniao esclarecida consegue bem assegarar a
ordem, e fazer a felicidade publica,
CULTO PUBLICO.
No dia l*de agoato do anoo passado fez sua
entrada aolemoe na diocese do Para, de que faz
parte eata provincia, o Eim. e R?m. Sr. D
m
ILEGVEL
Antonio de Macedo Costa. Capacidade, aciencia e
virtades aao dotea reconhetidoa no principe di
greja paraense. Nao ae faro esperar os effitos
DeoeBcoa do seu goveroo. e em breve o Amazonas
o seotir. Nao est muito longo o porvir, que ha
de Justificar este jeizo de todos.
Afora este feliz smcesso neohum outro ha psra
se referir, que denuncie mudang no servigo do
culto religioso, como existo uo relatorio ulti-
mo. As faltas sao as mesmas, e s com algum
vagai poderao ser removidas, subsistindo a in-
fluencia d/a causas, que concorrem para a deca-
dencia de assumpto do (amanha importancia.
Faltam virtuosos, e illuilrados sacerdotes em
numero suficiente para o eoaino da religio
Nem tolas as freguezias esto prvidas de paro-
choa.
Os templos em geral estSoem ruinas, e ca-
recem de cooeert3 valiosos. Ha freguezias sem
igrejas.
Os paramentos corresponlem ao estado dos
templos. Nao ha a necessaria decencia as al
faias, e vestes sgralas.
Sao tristes as consequencias, qua naturalmen-
te decorrem deste estado de cousas. Elle revela
am deleito, que todos eonhecem, e explicara con-
venientemente.
Na deficiencia de meios para acudir a todas as
faltas, tenho convergido os recursos officiaes
para melhorar a parochia desta capital, qua ca-
rece de ama matriz, onde aa eelebrem os actos
da disciphoa religiosa. Nao estere parada a
Obra da matriz.
Pronunciando-me assim nao duvldo, e cont
como eerto, que oa escolhidoa no povo daro
um >eatemunho solemne de aua piedade, con-
sultando devi lamente as necesaidades de maia
momento neste assumpto.
Antas de passar alem compro um dever lem-
brando a conveniencia de aa votar ama subven-
3o para se educarem fra do imperio em aemi
narios cooceituados mogos de talento e vocago
para o sacerdocio. Posto a disposigio do ordi-
nario e deixanlo-sa a solug&o esle negocio aos
seua elevados sentimentos, sar eata questao
convenientemente regulada. Por eate meio ter
a proviocii mais tarde sacerdotes dignos da si
grada misso do ministro do erangelho, o que
muito importa para o aau futuro.
SMINAIUO.
Este eatabeletimento nao tem correspondido
devdamente ao fim do sua inst tiigao. Nao tem
coo'-orndo como era da esperar, para augmen-
tar o numero dos aapirantes ao sacerdocio. Pa-
rece, que considerado apenas como um intr-
nalo destinado ao eoiine e estudos secun-
darios.
A ninguem escapa esta observagao, e de es-
perar qae o digno prelado lome na devida coo-
silerago este asumpto para o prover de reme-
dio. Se a reforma deste inconveniente depender
de actos de aua autoridade, ella ha de ser alean-
gda.
A p'grincia nao ofTarece meios, para qut os
alumnos) do seminario complteos os estados
'hbo.ioaiapaindis Densa veis i miasao do sacerdote,
e .aivezjrian provenna aeisiTo. Nao aena iu-'
ra de pnVpoalto conceder o crdito preciso, para
que foSCrn eatadar no aeminario do Para, onde
onde ^o enaino neceaaario, os alomos do se-
mina Hdo Amazonaa, que mais vocago mostras-
sem pojo sacerdocio. Quatro oa cinco pensoes,
qae ra asse fim ae autorisassem, ainda que
se di linuissem as concedidas ao seminario des-
la cidSde, nao seriam sem proveito.
Cootna aiuda^depeodeDte de deaiao do go-
verno imperial a repreaentago, qae fiz, para que
as despesas com o eoaino do seminario corram
por conta do thesouro geral.
Vio tendo o devido andamento as obras do se-
minario. S) forem.completados os irabalhos pro-
jectadoa, o edificio licar com maiacommodos, do
que antas tinhi.
Eslo matriculados no eatabelecimento 15 alum
nos. Desies sao pensionialaa da provincia 12
INSTRUCCAO PUBLICA
I nstrucco primaria.
Eocarreguei ao Dr. Antonio Gongalves Dias de
visitar as escolas dos rios Negro, Amazonas, e
Madeira. O resollado do seu trabalho cooslado
annexo sob o. 1. Este documento e o que iuntei
ao relatorio do aono passado, do ber co-
nhecea o valor do casino primario -v ',ro-
viocia. Nao lisoogeiro o aeu e'.i' uem
poisvel melhora-lo de prompto a..en.as as cau-
sas coohacidas, qae para elle concorrem. Refe
rindo-me s coosideragoes geraes feitas aobre
esta assumpto no relatorio ultimo, accresceoto
que sero Hendidas as representages da direc-
tora da inalruego no que depender da jurisdic
gao do cargo, que exergo, conforme o permiltir
aaituagao das linangas da proviocia.
' ainda 25 o numeroa daa escolas creadas,
sanio do sexo masculino 20, e do feminioo 5.
S duas sao providas vitaliciamente. Esto ac-
tualmente vagas 10, aeodo destas, duas do sexo
fe minino.
At escolas foram frequent.das por 456 alum-
nos. Destes sao do sexo masculino 390 e do fe-
menino 66.
Nada poaao informar sobre o enaino primario
privado. I'.ltsm meot dados precisas.
Instrucco secundaria.
As condigoes desie ramo do ensioo publico
sao em geral as mesmas expostas no relatorio
do anno passado. Nada se inovou de eotao para
c, porqoa peraiatem os mes-nos motivos, e cir-
eumslaocisi.
As trescadeiras ragas de geographia, rhatori-
ca e gaomatria eate sendo regidas gratuitamen-
te ptloa doutores Joa Josquim de Moraes Na-
varro, Antonio Jos Moreira, e Joaquim Leovil-
g' lo de Souza Coolho. Presiam elles assim um
servigo a provincia.
As aulas do eoaino secundario foram f/equen-
tadas por 39 alumnos.
CATECHESE, ECIVILISAg.AO DOS INDIOS.
Mais um anno se pissou, aem qae foase dev-
damente aproveitado para o servigo da catecbese
dos indios. Vai sendo adiado este negocio para
mais tarda com prejaizo dos grandes inteiesaes,
que com qae elle eotendem. Faltam Os meios
precisos para se emprehender um trabalho serio,
que prometta resultado.
Nao ha miaaiooarios, que se incumbam de tra-
zer a vita civilisada as numerosaa trinas, que vi-
vem oas selvas, algumas das quaea sao aotropo-
phigas, e f .gem do contacto do hornera civilisado
' trabalho, que nao pode ser desempenhado
pelo parocho, cuja miasao j bem pesada, e a
quem incumbe o dever de residir na sede de sua
freguezia para melhor curar della.
Doa directores parciaes com honras de lente
coronel pouco ae deve eaperar. A experiencia ah
ata para o demonstrar. Os desta provincia sao
como os das outras. Em geral os que na j se con-
testara com as honras de tenente-toronel aop-
pdem que o cargo Ibes foi dado para ter traba--
hadorea com mais facilidade, e cuidar de seus
interesses particulares. Nao raro at, como j
live occasiode ver, que por ascripto sustenten),
que ihe cabe o direito de usofruir o servigo dos
iodios.
Tudo, quanto se faz, reduz-ae a presentes e
brindes, e os iodios continua m na sua vida em-
te, sem moral e hbitos regulares de trabalho.
Tenho fgido de dar directores aos qae sahem
das maltas, e se apresentam nos povoadoi, como
vai lucceleodo no rio Madeira, para que nao se
internem de novo as selvas com novos odios, e
praveogoes.
Foram iostioctaa algumas directoras ma'i pr-
ximas desla cidade sob proposta do director ge-
ral. Parecea-ma, que estes indios cstarsm as
condigoes de dispensar a tu'.el'.s dos directores,
parciaes.
Por negligencia no cumprimento dos ssus de-
beres, e falta de execugao de ordena expedidas,
eatao sendo responsabilidades diversos directores
parciaes de indios. E' bora que ae eonveogam,
que o cargo, que oceupam, nao um beneficio
privado, e que Importa ao contrario um oflicio
publico.
Tenho a aalisfsgo de communicar-lhe que,
gragas Provjdeoea, estamos livres do ter:;vei
bospede do GaDgss que tanlo dos flagellou, ae-
nhum caso haveaxfo apparecido durante o pre-
sente mez.
O i>umero das delinea, at hoja, de 119,
.Ogovarno imperial trata da aol.igir informa- j -TsVolTl.V^
goea sobre este ramo da aervigo- para o ergaoisar! lia *"" oeixando numerosa fam.-
eaquacer este assumpto, e dota-lo com os recur- am 9 dias *' B,hia e MflCel
jos de que poder dispor em sea favor, para ae O vapor Obtron oue ha trea da, f.nrt.-.,.
[Continuar m ha.)
ptiyjajwucg
v M REVISTA DIARIA.
vertido do oglez pelo Sr. 1 lente da armada
imperial, Cullalino Marques de Souza, acaba de
aahir doa nossos prlos o primeiro fulheto das
Descobertase aventura nos mares e regioes po-
lares, por sirJhon Lesbie, Roberto Jamesor e
Hug Murray, com urna narrativa das recentes
expedxces em busca de sir Jonh Francklin.
E'esta urna obra que em Ioglaterra ha oblido
um successo admiravel, de modo que as suas
ediges lem-se reproduzido espantosamente,
moiitindo j a urna cifra qae excede & deienas.
Etecvamante ella o merece, pois cootm nao
s a deacripgo completa e comprehensiva dos
inulliploa phenomenos do mundo polar, como
ainda a noticia de varias viageos e de difluentes
expedigoes, que alihao sido feitas com fructos de
recooheclda importancia.
Cootendo varios captulos, os nove primeiros
encerram as aventaras e feitos illaslras dos Vil-
longhby, dos Chancelor Forbischer, doa David,
dos Iiudson, dos Pawy, Scorasby. dos Roas e e
outros ; os dous seguiutes compendiara a histo-
ria a explorsgo noroeste por entre mil perigos
at o invern de 1850, dando em as maravilhosas
viagaoade gelo do capilo Back com as deaco-
bertas roda das costas da Boothis, e outro tudo
quanto diz reapeito a expedigo de sir John Fran-
klin e aaaabsequentea buscas ; e os dous lti-
mos finalmente oceupam sa da pesca de balea do
norte e da geologa rctica, tendo urna e outra o
desenvolvimeoto preciso.
Destas simples notas que colhemos pressa da
referida obra, v-se o quanto ella importante;
o quaoto merecido o aprego que lha ha aido da-
do em Inglaterra, e ao qual nao podemos ser lo -
differenles nsoshomens de letras.
Felicitamos ao Sr. 1' teoente Collatino Mar-
ques de Souza pelo servigo que presta ao paiz,
por maio da traduegao e conaequente publitagao
deasa obra, coja leilura rscommendamos aos nos-
sos asslgnantes.
Hoje tem comego o concurso para pratican-
tes da thesouraria da fazenda.
Antonio Egydio da Silva, em arithmelica ;
A. J. de Castro Nunes, em orthographia.
Migual A. Alndelo, em liogua nacional.
Comega hoje perante a directora geral da
ioatruegio publica o exame daquslles que pre-
tenden! habilitar-se para o magisterio pri-
mario.
Segando urna rectificago da thesoararia de
lazenda, sao as seguintes as materias, que tem
de fazer o objacto da orgmisagao dos concurren-
tes aos lugares de praticintes da alfaodega desta
cidade:
Leitura, analyse grammaticsl e orthographia
da liogua patria;
Traduegao correcta daslinguss ingleza e fran-
ceza, ou pelo menos desta ;
Arithmelica e auas applicagoes at a theorla
das proporgoes inclusivamente.
Assim restringido o numero das materias exi
gidas, racionalisa se o acto, a os seus effeitos
nao tornar-se-hao por conseguinte meramente
negativoa.
Fastejaram os Rvms. missionarios capuchi-
ohos sua padroeirs, a Senhora da Peoha, no
domingo com vespera, testa e Te-Deum que ea-
tiveram muito concorridos, notsndo-se o reeo-
Ibimento e esprilo religioso que sobresahiam em
todos os ssmblantas, e que de desojar presi-
dam actos semelhantes.
Orou ao evaogelho o Rvm. Fr. Egidie, cuja
eloquente voz publicou as honras de que gosa
no co a Mi Saotiisima da Penba, e os innme-
ros milegres oblidos por sua iotercesso, cora a
maior simplicidade possivel e ao alcance de
todos.
A irmandade acadmica de Nossa Senhora
do Bom-Conselbo festejou hontem sua padroeira
com pompa e brilbaniisaao, como sdu sempre fa-
x lo. A' noite foi o templo extraordinariamente
visitado pelas famillaa de nossa capital.
Estiveram muito concorridas aa paradas e
cortejo pelo annlversario da nossa independen-
cia, osteotanlo-se com garbo e disciplina a guar-
da nacional, que formava a maior parte da tropa
que arrumou, e os corpos de linhs, ao mando do
dlatincto Sr coronel Luiz Jos Ferreira.
O theatro de Santa Isabel franqueou suas
portas, neasa mesma noite, populagao vida do
dramtico, que ahi ia buscar as milseosagoes da
peripecia dramtica que ae representava.
Correu bem o espectculo, esmerando-ee todos
os artistas pelo seu bom desemeenbo, o oue con-
seguirn), sendo o diatincto actor Coimbra duas
vezes chamado scena e victoriado pelo publico.
Neasa mesma noite deu o Club Cominercial
a partida, de que nos oceupamos na ultima Re-
vista.
A's oilo horas e meia comegaram a afllair pa-
ra aii aa familias escolhidas pera formsrera o n-
cleo brilhante que devia ornar os vastos saldes
dessa socidade, e urna hora depois achavam se
literalmente topetadas as salas com ctenla a
tantas senhoras, que porfia ostentavsm saas
gragas, primores a simplicidade de seus adornos.
A digna direcgo, desojando tambem mostrar
seu jubilo pelo da que dentro em peuco ia des-
pootar, fez ornar seu salo de honra com o re-
trato de S. M. I., aob simples mas elegante do-
ce), ante o qual estendeu em duas alas as senho-
ras e cavalleiros presentes, tocando a msica
marcial o hymoo da independencia, aps os vi-
vas a SS. M.M. II. e independencia nacional,
que foram eRthosiasticsmeate correspondidos.
A's nova horas deu-se comego partida por
urna moderna quadrilha, qual aeguiram-se ou-
tras maitas e diversas schotlsclts, valsas e pol-
kas, que prolongaram o sarao at s 3 horas da
manha, em que se retiraram as familias, levan-
do cada am maia ou menos agradaveis recorda-
ges deiss bella e primorosa feata.
Aos ornatos da casa e boa ordem de tudo
presidia a disllocta direcgo, cojos rsembroa
eram todoa eavalleirismo eattecgaa para qaal-
qner das peisoss presentes, correndo com o
maior afn a obsequiaren) aaus convidados, e a
patentearam oa dotea de que sao ornados.
Damos, pois, de nossa parte os verdadeiroa
embona essa sociedade, e especialmente sua
digna commissao directora, por essa fasta toda
pompa e galas que acaban de dar.
Na greja do Espirito Saolo foi hontem ce-
lebrida ama missa cantada com lalaioha tarde,
pelo stimo anniversario da restaurago do tem-
plo do Divino Espirito Santo. Foi orador < Evao-
gelho o Rvm. padre mestre Leonardo Joo Grego.
Em dala de 6 do correte dizem-nos de
Pao d'Alho nada haver alli occorrido de impor-
tante.
Da villa da Penha, no Rio-Graade do Nor>
te, dilem-nos em. 29 do paseado ;
Aote hontem, teve lugar a inaugurado das
onza milhas da 4' secgo da estrada de ferro, co-
mo tionamoa aoounciada.
Os treos destinados soleroaidade percorreram
toda a linha frrea at a estagao de Agu-Pr?t
com a mais desejavel regularidade. Um trem
de passageiros parti desla cidade as sele e
?6!mib0'" da ^'h38 conduiindo para mais
de 400 pessoas, que se destinavam aquella
estagao. W-ste trem seguiu egualmente at a
eslagao do Cabo, S. Exc. o Sr. preaidente da
provincia acompaohado de variaa pessoas de
destioegao. Na villa do Cabo ama maquina
especial esperav S. Exc. com os seus convida-
dos, e d'ahi os conduzio al estagao a que
se destinavam, paraodo apenas em Gamelleirs
onde se repousarara por alguns mnalos.
De Gamelleira comegou o trajecto da nova li-
nha, que se efectuou em viole mioatos, regulan-
do urna velocdade de cerca de rlnta e cinco mi-
lhas por hora.
A eslacao de Agua Preta est situada urna
legas e meia da villa do mesmo nome, no enga-
uho denomioado Cuiab. Nao offerecendo o sea
edificio commodos bastantes, por sar um ponte
Intermedio, o trem official voltou Gamelleira,
oade foi servida ama modesta refeigo i telas a
pessoas que acompanharam S. Exc.
O trem de passageiros, que seguio de perto o
comboy official, chegou a Gamelleira com os seus
waggoea htteralmente cheios, condazindo para
maia de 500 pessoas desla cidade e das estag5rs
intermedias. Urna msica marcial deleitou du-
rante o trjecto aquellas viajantes, que to ge-
nerosamente correram ao appello da companhia,
que de sua parte facilitn a viaita dos amadores 5
aquellas paragens cheias de bellezas outr'ora to
desconhecidos.
Dz minutos depois de meio da daixou o trem
official a eatagao de Gamelleira, seguindo direc-
tamente para eata cidade, onde chegou hora e
meia depois, tendo percorrido s neste trajelo
61 milhas ingieras. O trem de passageiros par-
ti do mesmo ponto as 2 horas e moia parando
em todas as estagoes intermedias, e chegou as
Cinco-Pontas as 6 horas da tarde.
Reinou durante a excurso dos trens a msis
admiravel regularidade, e nenhuma oceurreneij
\*}*^obstar a pontoalidade com qae se electaou
Temos por maia de urna vez tratado das obras
da mais imporlante va de communicagao de
nossa provincia, e por jato nao fitigiremcs os
leiiores com longaa descripgoes.
Seja-ooe permitlido, porm, dizer nesta oc-
casiao, que o seu estido aclual cauaou o maia
vivo coutaotamento lodos qae a examinaran)
enchendo-oos mesmo de admiragao.
Quaudo o faci de um trajecto de 61 milhas
em hora e meia, comprehonlo se neste lempo a
demora de alguns minutos na villa do Cbo, nao
bastasse pira convencernos da solidez e excel-
lenle manutengao daa obras da estrada de fer-
ro leriamoa o exame atiento e comparativo qae
por diversas vezes temos feito, para atteatar que
nao foi obra do acaso a excurso veloz e regalar
que acabamos de ellectuar.
As obras da 3a secgo, de cuja descripgao j
nos oceupsmos em oulra occasio, pareceram-nos
completamente acabadas, tal 6 a regularidade de
saas curvas, alinhamentos, perfe'.go e solidez de
suas ponies de ferro, e outras obras manos impor-
tantes ; entretanto aoruos informados que oio
foram ellas ainda recebidaa pelo digno eugenhei-
ro fiscal do governo, que nao cessa de promover
pelos seus esforcos a seguranga de tola a linha.
A extensao da 4a secgo, que acaba de ser en-
tregue ao transito publico, atravessa a mais pro-
ductora zoOa assucareira do municipio de Agua-
Preta ; grandes propriedales se acham margem
da estrada, e pelo que podemos observar seus ter-
renos sao de urna riqueza prodigiosa.
As obras desta secgo olferecem ni) bell > as-
pecto; e com quinto lenham silo construidas re-
centamente, e nao se achem completamente ter-
mlnidasna opinio do engenheiro do governo,
pareceu-nos que nenhuma diffsreogs fsziam dos
que esto recebidas.til o seu estado satisfacto-
rio. A ponte de ferro sobre o rio SerinhSem
digna de admiragao; conslraida sobre dous vaos
esta obra da mais agradavel perspectiva ; e
pela fiexao insignificante quesotlre na passagem
dos pesados trens, recouhece-se o quanto ella
solida e bem acabada.
A inaugurado que acaba de ter lugar mais
urna garaotia da estrada de ferro desta provincia.
Nunca ama secgo desla obra foi entregue ao pu
blico em conligesto favoraveis, e que lizessem
esparar to bello resultado.
Nos nio podemas deixar de congratular-nos
com lodos aquelles que lm coocorrldo para a
execugao de to grandiosa emprezs, e particular-
mente com o noaso goveroo cuja solicilude tem
sido incessaote para os melborameotos da ordem
do que hoje applaudimos.
REPARTigAO da polica. (Extracto da par-
te do dia 6 de setembro.]
Foram recolhidos casa de detengo do dia 5
do correte :
A'ordem do Dr. delegado do Io distritto, Lou-
rengo Manoei Felippe, pardo, de 20 annos de ida -
de, Francellno Pereira d'Oliveira, braoco, de 36
anoos, e Antro Jos de Mallo, de 32 annos, to-
doa agricultores, o 1* por sar desertor do brigue
Tonelero, e os dous ltimos, vindos de Naza-
reth, como criminosos na Parahiba, para onde
seguiro.
A' ordem do subdelegado do Recife, o catraei-
ro Eduardo Fralre Pedroza, branco, de SO annos,
requuigo do cpi;o do poito, Antonio llen-
rique d'Araujo, parlo, de 19 anoos, canoeiro co-
mo suspeito, e as crioalas Deltioa Matia da Con-
celgo, de 50 annoa, lavadeira, por embriaguez, e
Luiza, de 24 annos, escrava de Joo do Naaci-
mento Faltosa, por en lar fgido.
A' ordem do de Santo Antonio, o allemo Pedro
Berilos, de 35 annos, e o belga Agoslinbo Van-
zebro' de 25 annos, ambos serventes, por desor-
den) e Antonio da Cunha Ol.veira pardo de 39 an-
nos, carreiro, sem declararlo do motivo.
A' ordem do de S. Joa, o crioulo, Maooel, de
20 annos, escra'o de Aoionio Moreira Temporal,
por briga,
O chafe da seganda secgo,
.'. G. de esquita.
Movimiento da casa de detenro do dia 5 de,
aelembro de 1862.
Existiam...... 319 presos.
Entraram..... 11
Saturara....... 10
A saber

xistem....... 320 i
1
Nacionaei.....
Mulherea......
Estraogeiroa..
"eraros.......
scwai......
Total........
218
3
30
61
8
li
MUTILADO


\
-*u


DIARIO g mWAMBLCO, ^ TER^A FEtU 9 DK SETEMBRO DE 186*.
Alimentados a cuss dos cofres provin-
cias. ..........
Movimeato da enfermarla do din 6.
Teve baixa :
Francisco Antonio di Costa, gastralgia.
Francisco de Paula M*itos, urticafia.
139
B
Ji I a I a
llifll
. I JlPlfl
: : I : I : I : I
lll
1:1:1:1
>
I I I
, c-, Masculino.
I I I I I
I I .O I I & I
Femiuino.
1 I*
I o
I
l I I
I -I -l
! ', Masculino.
i I 1-niinino.
I a I I t I I
1 !>)
I 5.
1 a
I I I I I
I 1 I a I I
Masculino.
lili
I I I I
Femioino.
! si
I 8
? 2
I I I
_. -. I s I ~ |
' ^ Masculino.
! _,.! Femiuino.
I I wl
Itt
o i
M I
! -M-sculino. ) _
I I SI
-r,
I I
I I I
I I
(X
Feminino.
I
S.3
BE
c
<
=:
BS
Z
-i l
O !
O
?B
ii
>
r
Si
F3 a,
to _
e
DlSTRIBLli.OEt
Ao Sr. desembargador Silveira:
Recurso crime.
Reeorrente, o juizo ; recorrido, Mancel Cyria-
co de Souza.-.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Recurso crime.
Reeorrente, o juizo ; recerride, Jlo Lourenco
Viegas.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Revistas crimes.
Recorrenie, Antonio Francisco Fernandos ; re-
corrida, a justigt.
Encerrou-se a sessoa 1 hora.
Maia,
Helio,
foi li-
la. .; ... .
Diversos.
Saldo de varias
emitas ....
Oanhos e perdas.
Lucro sujeito a
liquidaco. .
I,871:977g657
6,603:6883127
73 4993965
13,808:151gl85
O guarda livros,
Ignacio Nunes Corra.
Na totahdade dos doeoti>s existeml38, sendo 6
hon.ens e 16 mulheres alienados.
Fo'arii visitadas as enfermaras estes4dies:
* 7 1[4 7 1\2 horas da rninhaa pelo Dr. Villas-
Rois, no impedimento do Dr. Dornellas; e
7 l|l. pelo cirurgiio Pinto Guimares.
As visitas da larde s 6 e 5 1|2 horas, pelo
Dr. Moscozo.
Matadolro ruBLK.o:
Mataram-so para o cunsumo deita cidade do
do dia 6 correte 94 rezes.
Paasegeiros do patacho inglez Mersty, Tin
do de New- Yoik :
Theodoro Barralt e sua seehora, c George D.
P< rkiris.
Passsgeiros do vapor nacional Jaguaribt,
sabido para os portos do norte :
Dr. Jnao Capistrano Baodaira da Mello, sua se-
niora e tres eacravoe, major J a juim Ignacio de
Carvflho Mondonga. Joo Joi do Monte e um
crido, Jodo l'uiho Machado. Jorge Coites e sua
Mohors, Vicente Gomes do ascimento, Domin-
gos ll'.nriqvies de liveira, Antonio Roberto Cor-
deiro, segundo cadete de cavellaria Joio Rodri-
gues Pimentel, Joaqaim Antonio Pereira Vina-
pre, Dr. Cesar Octaviacno de Oliveira, Antonio
Joaquim de Brillo O'.iveira, Jos da Silva Olivei-
r, um oseraro de Antonio Lwit dos SntoSf Jos
Podro Carueiro da Cunas, Clemente Soares e
SiWa. Jos Alexandre Ferreir, Pedro Alexandre
Ferreira, Ignacio Gomes do Reg, Vicente Fer-
reira Gomes, Raymundo Pereira d* Cunha, Jos
Firmino de Oliveira, Benedicto Alves Vieira. Vir-
gino Francisco de Oliveira, Jos Feliciano Ma-
chado, os criminesus Antonio Jos Coelho, Fran-
colino Pereira de Oliveira, escoltados por tres
pravas de primeira Liona, Jo Francisco Pereira
e o padre Pedro da Silva Braodao.
Passsgeiros do hiale nacional Sania Cruz,
sabido para o Aracaty :
Joo Joaquim Pages, Camillc R. da Silva Fi-
gueiredo e Francisco de Souza Miranda.
Passsgeiros do brigue lebekense NaiUilus,
zahido para Liverpo!:
Jacob K<=el e J. Henry Moser.
Obituario do du 5 de sete.mbuo, so ce-
itfmo pibl1c0.
Florinda Mara da Conceigao, Pernambuco, 64
annss, solteira, S. Jos, amolecimento do ce-
rebro.
Thomaz, Pernambuco, 30 annos, solteiro, escra-
vo, Boa- Viita, pneumona aguda.
hia Mri do Nsscitnento, Pernmbuco, 19
nnos, solteira, Boa-Vitti, tubrculos pulmo-
n.-ires.
Luize, Pernambuco, 14 bdos, solteira, eicrava,
Varzea, frialdade.
Jao Goncalves de Souza, Pernambuco, 53 an-
n''S, casado, S. Jos, interite chronica.
LtinuniUA JUIUIAKA.
Tribunal da Kclaco.
SESSAOEM 6 DE SETEMBR DE1862.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO ERSIEI.INO
BE LE.AO.
A's 10horas damauhaa, presentes os senhores
detembargadores Caetauo Santiago, Silveira, Gi-
lij ana, Lourenco Santiago, Motta, Perelti, e Ac-
cioll, faltando os Sr?. desembargador?s Pereira
Jo'ge, e Guerra, procurador da coros, abrio-se
a fossao.
P.issados os feitos, e entregues os distribuidos
doraa-se osseguintes
JILGAMENTOS.
Appellao'ies crimes.
Appe'lantp, Manoel Antonio de Lima ; ap-
pellado, o juizo;
Nnllo o processo. Absohido o appvlltnte.
^ppellante, o juizo; appellado, Antonio Jos
Soaros.
A' novo jury.
Appellante, Cassiano JosO de Souza ; appella-
da, a Justina.
A* novo jury.
Appellante, o juizo; appellado, Antonio Aires
de Oliveira.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Mathias,
escravo.
A' novo jury.
AppellaDte, Luiz Jos Corneiro ; appellado, o
o juizo.
Improcedente.
Appellaule, o jnizo ; appellado?, Jos Gomes
Tavares e oetre.
A' novo jury,
Appellante, Jos da Rocha Wanderley ; appel-
laJo, Jos Joaquim Ferreira de Mello.
A' novo jury.
Appellat-es civeis.
Appellante, Miguel Antonio da Costa ; appel-
lado, Joo Crrela de Mello.
Desirezaram-se os embargos.
ippellante, D. Anna Magna de Jess ; appel-
lalo, Joaquim Mauricio Lima.
Reformada a sentenca.
Appellante, Jos Ribeiro Lima ; appellado,
MsDjel Soares do Nascmeoto.
Confirmada a senlenga.
Appellaote, Francisco de Paula Albnquerqne
Maraohjo ; appellada, D. Mara de Jeaus Couli-
nho Litboa.
I>espri>zaram-se os embargos.
AppellaDte, Flix da Concei^ao Bsrreto ; ap-
pellado, Francisco Antonio Coutinho.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, padre Dmaso da Assumpco Pi-
tes ; appellado, Mtnotl Dionizio Gomes do Reg.
Receberam-se os embargos.
Appellante, Jos Francisco Accioli Los; ap-
pellado, Fraocisco de Albuquerque Maranho Ca-
valcanti.
Confirmada a sentence.
DILIGENCIAS CRIMES.
Cora vista ao Sr. desembargador promotor da
jus^a as seguintes
Appellacdes crimes.
Appellante, o juizo'; appellada, Clemenlini
Mara da Conceigo.
Appellante, Thereza Antonia de Jess ; appel-
lado, Raymundo Antonio de Freitas.
Api ellante, Antonio Joaqeim Xavier Borges;
appellado, Antonio Rogerio Freir.
Appellante, Jannario Pessoa da Silva ; appel-
lado, o juizo.
Appellaote, o promotor ; appellado, Manoel
dos Aojos da Porciancula.
Appellante, o juizo ; appellado, Balduino, es-
cravo.
Appellante, Clementino Jos de Santa Anna ;
ppellado, ojuizo.
DES1NAC>0 DE DIA1
Assignou-se dia para julgameoto da se-
guales
Appellacdes crimes.
Appellante, ojuizo ; appellada, Maria Dama-
zia da Conceisao.
Appellante, o promotor; appellado, Jos Fran-
cisco de Moraea.
Appellante, Victoriano Alves da Silva ; eppel-
lads, a justiga
Appellaote, o juizo ; appellado, Simo de Si-
queirs Brando.
Appellante, o juizo ; appellado, Jote Severo
do Neicimento.
Appelfciao civel.
Appsllantet, Jos Alves de OliveirJT%ontros ;
appellado*, JoiMalhiis de Aflujo Lias.
CMARA MUNICIPAL DO REC1FE.
SESSA'O EXTRAORDINARIA AOS 21 DE
JUI.HO DE 1862.
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Preseotes os Srs. euriques da Silva,
Seve, Cesario de Mello, Barata, Rpgo e
Reg e Albuquerque, abrio-se a sesso e
da e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguinte :
EXPEDIENTE.
Um officio do Exro. Sr. presidente da provincia,
respondiendo so da cmara do 30 de julho passa-
do sobre a duvida que teem em prestar juramen-
to ligaos dos jatees, de paz do nrimeiro e segun-
do districtos da fregeezia do Pogo da Pioella ;
diz que sedov* proceder de aceordi com o care-
cer |por copia do presidente da lelacao Intei-
rada.
Urna peiigSo com despacho da;presideneia para
a cmara informar, de diversos moradores e pro-
pietarios di povoagao dos Afogados, represun-
tndo sobre a necessidade de serem calcadas as
ras da mesrua povoacao, por quinto durante o
invern ellas se tornar um completo lamaga!.
Posta em discusso, a cmara resolveu que seio-
formasse S. Exc. que a pretongao dos suppli-
canes justa, mas que deve-se proceder antes
o nivolamento ; e correndo a des:eza a fazer-se
com o csljamesto pelos ofres da provincia, re-
partigo das obras publicas pertence a execugao
do referido nivelamento.
Ouiro d cidado Jos Jaouario de Carvalho
Paes de Andrade, communitanlo nao poder vir
prestar juramento como suptilenie do juiz de
paz do 3 districto da freguetit dos Afogados,
por ie acher mudado do mesmo districtorQue
se chamatse o inmediato.
Outro do eogenheiro cordeador, informando o
requerimento de Antonio da Silva Ferreira, pro-
pietario de um terreno na ra da Esperanga, pe-
diodo pra comprara cmara a porgio de Ierre
no que Ihe tica ns frente at a mesma ra, diz
que o terreno de jue trata o supplcante tem 60
palmos de comprimento ; e de fanjio media 95
o que d_par* a sepeikie 5,700 palmos quadra-
dos era 57 bragas tambem quadrados.Mandou-
se ordem ao procurador para tratar do ajuste do
terreno, e neste sentido despacho se o requeri-
mento.
Outro do fiscal de S. Jos, Informando a peti-
gao de Manoel Pereira Lemos ; pedindo licenga
para fazer um telheiro juoto do oito de seu ar-
mazem n. 19 na ra Nova de Santa Rita, diz que
o lugar onde o supplicante pretende levantar o
dito telheiro publico, e tica dentro da nova tra-
vessa que vai da ribeira a mar.lndeferio-se
a policio.
Foi approvado um parecer da commissao no-
meada para examinar o accresiimo da obra feita
pelo contratante do muro do cemiterio de S.
Lonreogo da Malta, sendo a commissao de opinio
que o dito contratante tem direito a urna in 'em -
uisagao de 1:1858000.Avista deite parecer, a
cmara resolve que se pedisse ao Exm. Sr. pre-
idelo da provincia autorisago para poder fazer
a iodeuinisago.
O Sr. Reg Albuquerque pedio a palavra e
apresentou a seguinte proposta :
Achando-se vago e lugar de secretario deata
cmara, por ter fallecido o secretario Accioli,
devendo-sa preencher esta vaga, propooho para
ella ao secretario interino Francisco Canuto da
Bosviagem.
Cmara municipal, 21 de julbo e 1862.O
vereador, Reg e Albuquerque.
Posto em discusso foi approvada por cinco vo-
tos contra quatro.
Em seguida, cando vago o lugar de official
maior a cmara resolveu nomesr para preen-
cb-lo ao anaouense Hypolilo Cassiano de Vas-
concellos Albuquerque Maranho.
Para j,reeccher-se a vsga por este deixada,
procedeu-se a VOtacQ or tamni* oorroln
'im uepuu ueaputidi aeu o seguinte resulla-
do.Jorge Alfonso do Reg Barros 4 votos, Jor-
ge Vctor Ferreira Lopes Jnior, igual rota gao e
Antonio Joaquim Pereira u'Oliveira 1, navendo
por tonsegeinte empate dos dous primeiros, o Sr.
presidente desempatou a favor do referido Jorge
Juuior.
Eiteve em praga e foi arrematada por Flavio
Ferreira Caio, o imposto deaferigoes pelaquan-
tlade 13:2313, sujeitando-se o arrematante a hy-
pothecar os bens de seus fladores por oscriptura
publica.
Despachfrsm-se as petigoesde Antonio da Sil-
va Ferreira, bacharel Antonio dos Santos Siquei-
ra CavsUanle, Antonio Alves Barboza, Albino do
Reg Machado, Candida Maria Verouica ue Car-
valho, bacharel Eduardo te Barros Falco de La
cerda Csvalcante 'Albuquerque, Francisco Bo
telbo dMeodon?a, Francisco Canuto da Boavia-
gem, Hypolilo C-ssiano de Vsscousellos Albu-
querque Maranho, irmandade do Senhor Bom Je-
ss da Via-Sacr, Ignacio da Silveira, Jos Ber-
uardino e Souza Peixe, Joaquim Jos Pereira
Alhandra, Joa Gougalves de Souza, Jorge V. Fer-
reira Lopes Jnior, Manoel Pereira Lemos, Ma-
noel Jos Rodrigues Pinheiro, Narciso Jos da
Costa Pereira e Franciscco Jos Pereira Borges,
e levantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, official-
maiora subicrevi no impedimento do secretario.
Barros Reg.Cesario de Mello.Reg Maie.
Reg Albuquerque. Ilenriques da Silva.
Leal Seve.Reg.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Balando do 3ovo Banco do Per-
nambuco
em 31 de agosto de 1869.
ACTIVO.
Apolices da divida publica ...... 573:8005000
Estrada de ferro de Pedro II......
Estrada de ferro da Bahia........
Depsitos.........
Joias depositadas......
Lettas caucionadas......
Lettas descontadas......
Letras protestadas.....
Letras a receber..................
104:000jj00
118:8103124
80:000-5000
5:735S'280
4:5303000
3.066:0433202
145:9179110
7:1064350
Remessas........ 29:000*000
Jos Antonio de Figueiredo J-
nior (llio de Janeiro) 21:9163784
Fornecimento....... 7:7663485
Premios de ttulos de garanta. 3*5529338
Caixa.......................... 663:4335628
Ris. 4,831:6133601
passivo.
Capital.......... 2,000:000g000
Emisso......... 1,441:4OO-j000
Depsitos da direcco .... 80:000jj000
Contas correntes cm juros 924:6413997
Fundo de reserva...... 6J:92I"J7S9
Ttulos eiu cauco..... 5:735280
Banco da Bahia S/C 14:30l'S956
Banco da Bahia N/C "24:4359743
Knowlcs & Foster (de Londres) 153270
Letras a pagar....... 10:429-;">27
Saques ......... 1:000)000
Aluguoi de casa...... 1753000
Commissao do fiscal. : 1:5003000
Commissodo presidente e geren-
tes........... 8:7703103
Dividendos........ 120:408300
Descontos......................... 132:8073966
dem ^8Manoel Marioho do Nas-
cimento.................
dem 5Irmandade do Rozario da
Boa-Vista................
dem 15Manoel Ferreira Antunes
Villaga.................
dem 25JolO Francisco de Souza
Xavier..................
dem 41Irmandade de Sani'Anna
da Santa Cruz.............
Ra dos Pires.
N. 11 RodoUiho Joo Barata de
Almeida e a viuva de Joaquim
Jote Das Pereira...........
dem 8Antonio Manoel de Souza.
dem 10Antonio da Cota Al-
meida ..................
dem 40Herdelros de Francisco de
Carvalho Paes do Andrade.....
dem 42Antonio Fernandts da Sil-
va Beiris.................
dem 46Luiz Moreira da Silva. ..
dem 50Manoel Moreira da Coila.
dem 49Joaquim de Carvalho Paes
de Andrade...............
(Continuar se
965000
16SJ0O0
1203000
1683000
2003000
40OJ000
1923000
1683000
atogooo
19*3000
264*000
3603000
192000
ha.)
I-
ommunicados
Ris. 4,831:613601
Demonstracao da conta de lucro
e perdas,
DEBITO.
Despezis geraes ................. 10:8118541
Juros............................. 25:8213512
Commissao do fiscal.............. 1:500JIOOO
Fundo de reserva................. 8.5569848
Premios de ttulos de garanta... 5:2873188
Dividendos...................... 120:000*000
180:777g792
CRDITO.
Descontos.........
Juros da garanta de emisso .
Premios de saques e remessa.
155:8223193
24.2853814
6693185
180:7773192
Estado da caixa.
Em ouro amoedado.....
Era notas do thesouro msiores
de IO3OOO ....;..
Em ditas menores......
Em notas da caixa filial do Ban-
co do Brasil......
Em notas de No-
vo Banco de
Pernambuco :
sendo do va-
lor de 2003000
dem do valor de
1003000.......
dem do de 50$
Trata c cobre .
1:0003000
369:9703000
13:1533000
86:1103000
Aos Cearenscs.
Pea seg-inda em bera pouco Wmpo, te-1
jo a nossa provincia do Car de perder dous |
de seus ihos, os Srs. desembtrgidor Antonio I
Jos Machado e Miguel Fernandas Vieira, am-
bos eleilos aeoad tres pela nossa proiocia,e am-
bos com laraanha iufelicidade, que apenas ha-
vendo tomado assenlo na cmara vitalicia, nao
poderamsiqu sea reconheeimento aquellos que os haviam
levado a tao alto grao ; por que a morte cortou o
no de suas xisteociae, e os fez baixar ao tmulo
onde continuas lagrimal de saudades sobre elle
se derramara como um mais solemne testemu-
nho dos seus patricios, que sabendo avaliar o
mrito oo deixaro de sentir tamanha perda.
Temos entretanto de entrar em nova luta elei-
toral para o preenchimento da vaga <;ue deixou
o Sr. Fernandes Vieira na camera vitalicia, e sen -
do esta a materia de que nos debemos oteupar,
justo que todos unidos, nao e so distioclo patricio o Sr. desembargador Jero-
nymo Martiniano Figueira de Mello, cuja illas- ;
tragao e servigos prestados, j em nossa provln- I
cu e j em outro lugares. Ihe deve dar o di-
reito de ser por nos contemplado na lista trplice,
sera que com Uso outra couta mais praliquemos
se nao a justri.
Sim, nao muito que os Cearenses deem essa
prova decooanga que deoositam no Sr. deiem-
bargador Figueira de Mello, que uo desmentir
que Cear.nse. e que sabe reconhecer o benefi-
cio que se ihe faz, com os benecios que promove
para o nossa provincia. Nao muito, torno
repetir, que os Cearenses promovam a eleicao
doSr. desembargador Figueira de Mello, por q"ue
deem contar que nelle encootraro um atbleta
para propugnar os seut direitos, e que nao pou-
par esforgos para promover lodos os melhora-
meatos ao nosso paiz.
E* pois chegada a occasio, ligue-mo-no, o a
ma s vootade, prestemos os nossos votos ao
patricio dedcalo, ao magistrado honrado, ao Sr.
desembargador Jerooymo Mattioiano Figueira
de Mello.
O Cearense.
langar sobre mim, com a allegago de que meu
estabe'.ecimooto fies prximo urna guarda, e
umacocheira, em que sempre ha ajuniamento de
P9JWH, insinuago com a qud se preteudia es-
tablecer logo duvidas sobre esse facto, lalvex
que para a polica se poler conservar em ocio,
conclua pedindo a polica que cumpriise o sen
dever, advertindo-a de que nao obteria descalpa
se se conservaste inactiva.
Vollo hoje Imprensa para mostrar o queoto
meus aggressores zombam da polica e oas ctr-1
cumstancias em que se a.ha raeu estabeledmen- i
to, qusnto proximidsde de urna guarda, e de
urna cocheire.
Ao amanhecer do da 6 do correte, ao entrar 1
era meu estatelecimento, eocontrei a chave, que
havia sido levada pelos individuos que me'rou-
baram. Felizmente eo f-chr o esiabelecimento .
na noite antecedente haviam pesaoas em muihn
companhia, e ao abri-lo o esse dia 6, foi o en-
contr da chave teslemunhado por algunas pes-
fots.
Observe a polica qe nao houvo por parte del-.
les o receio de voltarem raeu eslabelecimento
para deitarem por baixo da porta 1 chave, que
bavian conduiido.
Na madrugada desse mesmo dia 6 leve lugar o I
furto de um cavallo na cocheire do Sr. Augusto, |
isiuha do meuestabeletimento. O que signifi-
ca ludo isto, seoo a conviego em que esto en- !
tro nos os malfeitores, de que para a descoberta
de taes fados impotente a polica I
Nao me cousla que at hoje se tenha procedi-
do alguma iuvestigago sobre o fado que co-
migo se deu, pelo que nao c*ssarei de pedir ao
sr. Dr. delegado, hoje na direcgo da policio, to-
da a attoogo para esse facto, afim de que s*us
autores uSo gosem na tranquillidade, o fructo
da extorso que me fizerarr.
Ao Sr. subdelegado da freguezia pego tambera
que, teodo em vista o bem publico, proceda
alguroas iovesligagoes sobre esse acontecimiento,
pois qe, por lal forma, com slgurca perspicacia,
poder, lalvez, convencerse de que ha toda ve
racidade no que tenho referido.
A misso da polica se nao deve certaaieute
limitar aos (actos que sao praticados com publi-
cidade. Ao conlrario ella se torna mais impor-
tante quando e trata de fados como esie, que
comigo leve lugar.
Recife, 9 desetembrode 1862.
Anselmo Jos Duare Cedrim.
Genebra-----------
Louga--------------
Maoteiga -
Massas-----------
O'eo de lohaca
Passas----------
Queijos-------
Touciuho-------
Vinagre
Vinho----------
Velas----------
Descont-------
Fretea .....
104:6003000
68:8003000
16:4503000
orrespondencias
C

I* - r.i
USU. IEIA1
DO
Banco do Brasil.
A caita filial descont letras com craso at
quatro mezes 1 10 0(0, as do seu proprio aeeite
a 9 0|0, toma dinheiro juros em conta corren-
te, ou por letras a 7 0(0 ao anoo, e saeta ao par
e curtos prasos, sobre o banco do Brasil.
Caixa filial 26 de agosto de 1862.
Francisco Joo de Barros.
Secretario.
Praca do Recife, ". de scteinbro de
186C.
As quatro horas da tarde,
COTAQOES OFFICIAES.
Cambio sobre Londr 90 d. v. 26 3[4 por 1?.
Descont de letras 13 0o ao anDO.
John Calissecretario.
189:8503000
2.9503628
Ris, 663:4333628
Demonstracao da emisso.
4262 notas do valor de 2003000 85| 4OO3OOO
2478
50S000
1 ... \ 1 .....,.--
12"* 9003000
Ris 1,-iliOOgOOO
O guarda livros,
Francisco Joaouih Pereira Pi
Caixa Filial do Banco do Brasil.
BALANCETE EM 31 DE ACOST DE 1862.
Activo.
Accionistas do Banco do Brasil.
Entradas nao
realisadas de
10,000 acgOes
localisadasna
provincia. 400:000*00
Letras descontadas.
Com duas as3ig-
naturas resi-
dentes no lu-
gar do des-
cont..... 2,151 ;676g547
Com urna s di-
ta dito .... 57:5863410
2,209:2623957
Letras caucionadas.
Por ouro, prata
e ttulos com-
merciaes. .
Por outros ti-
lulos .....
9
6:9293824
Letras a receber.
Saldo desta con-
t ta.......
Diversos.
Saldo de varias
cootas ....
Caixa.
Pelos seguintes
valores :
Em nioeda de
ouro de 22
quilates .
Em notas do the-
souro dos va-
lores de IO3 e
superiores .
Em moeda de
troco.....
Emnotasdapro-
pria caita .
6:9293824
67:441g367
3,621:4623067
1,888:1533000
.444.700*000
2:781*970
5.164:4203000
7,500:0543970
13,808:1513185
Passivo.
Banco do Brasil conta de capital.
Valor fornecido
pela caixa ma-
triz......
Emisso.
Valor em ciren-
lago.....
Letras a pagar.
Por dinheiro to-
mado a pre-
mio......
Por saques, .
Contas eorrenles.
Saldo desta con-
82:4852106
9
-s-1
2,000;000000
3,176:500-3000
82:4853106
CONSULADO PROVINCIAL
Continuacao das alteraces feitas no
lauca nienlo da dcima*urbana da fre-
guezia de Boa-Vista, no e\ercicio
cmate de 1862 1863, pelo lan-
cador Malla.
Ra do Pogo.
N. 6. Viuva e herdeiros de
Jos Congalves Ferreira e
Silva. ...;....
dem 16.Thereza Maria Joa-
quina.........
dem 22Bernardino Francis-
co d'Azevedo......
dem 34.Uerdeiros de Anto-
nio Jos de Souza Teixeira.
dem 38 Victorino Jos de
Souza Travasso .._.;.
dem 48.Severioa Maria da
Coocngao. .....
dem 54.Dr. Marcos Correia
da Cmara Tamarindo. .
dem 56.Domingos Jos Fer-
reira.........
dem 9. Francisco des Cha-
gas .........
dem 13.Padre Jos de Jess
Maria de Vasconcelos .
Travessa do Livramento.
N. 12. Au'ouio Valcntim da
Silva Barroca......
Ideo; 16 Jos Antonio Lopes.
dem 18. Jos Antonio Bss-
tos .s.......
dem 21. Anglica Rosa de
Carvalho........
Id*m 23.Irmandade das al-
mas do Recife. .....
dem 7. Antonio Jos de Ha-
galhes Bastos......
Rea do Livramento.
N. 10. Antonio Jos Hermas
Eraga.........
Ra do Jasmim.
N. 1 AAntonio Jos de Souza Gui-
mares.........,........
dem 1 BO mesmo..........
dem 1 CO mesmo..........
dem 7Herdeiros de Antonio Cor-
reia de Brito e Jos Raymundo
da Costa Menezes...........
dem 9Maria Joaquina da Costa
Vianne..................
Travessa do Jasmim.
N. 2Antonio da Costa Ribeiro. ..
Ra dos Pires.
N. 2 BJos Carneiro da Cunha ..
dem 2 CO mesmo..........
dem 2 DO mesmo........,.
Rus dos Prazeres.
N. 14Vigario Feliciano Pereira de
Lira....................
I lera 24Francisco Miranda Ra-
poso....................
dem 34Jos Carneiro da Cunha.*.*
dem 11Francisco Miranda Ra-
Vozo...................
dem 13O mesmo...........
dem 150 mesmo...........
dem 170 mismo.........'"
dem 190 mesmo...........
dem 21O mesmo...........
i dem 23O mesmo. ..'........
dem 250 mesmo...........
dem 27O mesmo...........
Ra dos Coelhos.
N. tHerdeiros de Joo Carpina..
lim 4Os mesmos..........
dem 4 AOs mesraoi........
liem 11Luiz Antonio Pereira. ..
dem 130 mesmo.
1443000
86O3OOO
3003000
216^000
192g000
20000
180g000
3003000
1923000
1443000
22830O0
3603000
6483000
192go00
2003000
240i000
550gOOO
19-2*000
1923000
192000
'voj *u\r wvoiiivi ., ,. f#
dem 17 AMarcelino Jos Lopes!!
dem 17 BO mesmo..........
dem 190 mismo.........M
Ra do Bozario.
N. 42Joaquim Castao de Souza
Coosseiro...........
1413000
1923000
2003000
2403000
2403000
240g000
1803000
2403000
3243000
1203000
1203000
120-J000
I2O3OOO
1203000
1203000
12O30OO
I203OOO
1203000
1915000
19000
193000
24113000
240J000
2I68O00
1203000
3003OOO
3003000
Srs. redactores.Lenlo seu conceiluado Diario
n. 174 de 30 de julho prximo passado, deparei
eom urna correspondencia asiignada pelo Sr. An-
tonio Gomes deMfteedO, morador uo Rio Formo-
so, na qual faz i A- que as trras do engenho des-
ta freguezie. d'Agu. Preta pertencem a elle cor-
respondente por compra que fez aos herdeiros
do tinado vigario de Un, e uo a mira : nao que-
ro duvidsr dos ttulos do senhor, quero smeole
fazer > r ao Sr. Mace lo e ao publico os ttulos em
que me bselo para iatitular-me propietario do
Souza, e hoje de parte delle.
E'verdade que o fluado Joj Leandro Soares
de Araujo tirou por sismara yerto de um se-
cuta urna legua de trra onde foi edificado o en-
genho Souza. e "un i '- -> auauo vigario
ua um viceuto Ferreira de Mello e Silva, ssim
como tambe n verJada que o rrresmo vigario
'endeu ao tinado Luiz da Silva Santos a legua de
trra comprada a Joao Leandro, e que tendo Luiz
da Silva tomado poese da Ierra, descoberto parle
do terreno, estabelecido nella sua residencia, e
dado principio a levantar o engenho, foi a obra em-
bargada e citado o comprador pelo vendedor para
urna acgo de nel.idade da venda : Luiz da Silva
pedio vistas, e 8u4enUrara um libello pormuitos
annos. que foi anal decidido pela relago da Ba-
hia a favor do comprador; vollando Luiz da Sil-
va da Bahia cora sua demanda gaoha, tralou de
acabar as obras do engenho, e o possuio por
mais de 20 annos, sem que em sua vi ia appare-
ceese pessoa algu.-as allegau.Io direito alguna so-
bre as torras do eoget ho Sou.
O Sr. Luiz da Silva morrea ha mais de 40 an-
uos, seus bens foram inseulariados e partilhados,
tocando a toos os seus herdeiros parle do en-
genho Souza.
O finado eapKao Jos Felippe Santiago Rodri-
gues Ramos, comprou diversas partes do engenho
Souza aos herduiros de Luiz da Silva, tomou
posse do engenho e arreudou, e no mez de julho
de 1825, venden as partes que tinha no eugenho
Souza a seu irmo o finado capilo Autouio Ro-
drigues Ramos.
Por morte do capilo Antonio Rodrigues Ra-
mos foram seus bens inventariados e partilnadoe,
tocando pouco maia de um cont de ris no eu-
genho Souza a seu lilho o Sr. Bernab Ridrigues
Ramos, e ludo o mais a ma tilha mulher do ti-
nado tenente-coronel Maooel Francisco Lamenha
Lins.
O Sr. tenente-coroael Lamenha (slleceu em
1846, deixaodo por seus herdei'os suas Exmas.
muiher e duas lhas, que venderam o que tinham
no Souza, comprando eu mais ao lioado commea-
dedor Manoel Zeferino dos Santos o que este li-
nha no engenho Souza, que era a parle que com-
prou ao Sr. Barosb Rodrigues Ramos, e dusg
partes e herdeiros do Sr. Luiz da Silva que aiu-
da eatsvam ora do eogenho.
Nao consta que depois da morte do Sr. Luiz
da Silva Sanios apparecesse urna s pessoa alle-
gando direito algum sobre as trras do Souza,
porra estiva reservado para o Sr. Antonio Co-
mes de Macedo vlr allegar seu direito de com-
prador das trras do Souza depois de 70 annos
pelo menos. Parece que o Sr. Macedo tove a
sorle dos dormentes, e que agora foi que ecor-
doe, depois das trras do Souza ter^m passado a
seis possuidores contados do Sr. Luiz da Silva
Sintos, st este sea criado, para vlr com seos
mbargos de senhor e possuidor.
Pelo que acabo de aizer, j v o Sr. Antonio
Gomes de Macedo, que os ttulos que techo para
considerar-me proprietario do Souza, o legaes os
meus actos, a sismara do finado Joo Leandro,
a venda que este'fez ao finado vigario, venda
deate ao tinado Luiz da Silva Santos; o accordo
da relago da Bahia, que julgou firme e valiosa
esta venda ; o inventario do Sr. Silva Santos jul-
gado por sentenga ; a vend* que seus herdeiros
flzeram ao capilo Jos Felippe Santiago Rodri-
gues Ramos, a venda que este fez a seu irmo
o capilo Antonio Rodrigues, que tocou o que
elle possuia no Souza a seu Olho e fllha, o In-
ventario que se fez por morte do tenente-coronel
Lamenha ; as compras que fez o finado commeo-
dudor Manoel Zeferino aos herdeiros dos finidos
espito Antonio Rodrigues e Luiz da Silva, seo-
do quasi todas as compras por escripturs publica
e os inventarios todos julgedos por sentenga ; li-
nalmente pelas escripturas publicas das compras
que fiz ss Exmas viuva e ninas do finado tenen-
te-coronel Lamenha e commendador Zeferino dos
Sintos. Por todos estes ttulos foi que sempre
me considerei ligitimo possuidor do Souza, e nao
por vicio de possuir o alheio : vicio de possuir o
alheio, tem aquello que quer perturbar posses
legtimamente adquiridas no espago de tres quar-
tos de secuto.
Agora floaliso por hoje, aconselhando ao Sr.
Antonio Gomes de Macedo, que seja mais come-
dido quanlo houver de dirigir-se a pessoaa que
esto no csso de dar-ihe ligea de naoralidade.
Queiram, Srs. redactores, fazerem o obsequio
darem publicidade a estas mal tragadaa linhas,
pelo que Ocar assi obrigado sea atiento vene-
rador
Joo Antonio Tereira.
Engenho Potos 26 de agosto de 1862,
Senhores redactores.J urna vez live occasio
de oceupar-me do roubo de que ful victims, em
meu estabeleetmento no dia 2 do crreme, e en-
tSo narrando os fados, como elles se haviam di-
&Sttfi,ndCA,
le:.i;.,.jio do da 1 a 5 .
Ideta de di* 6
S9:457g63
13.0413706
102:5028340
ovioieuto da aHaodei;,
Valemes entrados eomazendas..
com ginsros..
Vilmmea aahldos >m fazandas.. 102
som eneros.. 484
== 586
Dasearregam no dia 9 da setembro.
Btrca inglezaCarolioebaealhSo.
L>.i...o p.i.6... J.... m .....lorins.
Iniportat^o.
Briguo nacional Uamo, vindo do Rio de Ja-
neiro, consignado Aotooio Luiz de Oliveira e
Aievedo, manifestou o seguinte :
2 ceixas fazeodas ; a L'ndem Wild A; C.
18 caixas e 1 embrulho fszendas, 1 Caitole
amostra ; a Admason Uowie & C.
3 fardos fazendas; a Southa'l Mellors & C
1 caixa rh ; a P'lmeira g Deitro.
2 fardos algodao em rama ; a Tni'no C. de
Mello.
1 barrica vidros ; a Vicente Jo.- de Brito.
1 dita com um sino ; a Joo Jos de Carvalho
Horaei,
508 ditas farinha de trigo, 30 saceos prcenla,
200 bartlcaa abatidas, 50 msqueiras genebra, 3
ctixaa csnella, 1 caixote moinhos para caf, 1 ro-
da de ferro, 1 efixa viriros, 20 pipas vasias, 608
saceos o 2 barricas caf, 50 ditos sobo, 146 rolos
60 latas fumo, 200 caixas sab, 77 barricas po-
lassa, 1 caixa rap, 10 barrica caf moido, 55
fardos panno de algodao, 1 quadro com retrato ;
a ordem de diversos.
s^MMlMisterlsl & renc.s iaie-sj-s
g:9rs\eHi ifie l*eroamhoco.
Readimento do iia 1 a 5 6:7898342
dem U i* 6.......2:1I3a842
8:9033184
SonMalftdo provincial.
Rondlmintododial a 5. 7.686J454
Mona da Jia 6...... 364.524
8:0503978
PRACA DO RECIFE
G DE SLTEHBBO k#i<: 183,
A'S 3 HORAS DA TAKDE.
Revista Semanal.
Cambios---------- Saccou-so a 26 3!4 por 13 rs.
a 90 diss sobre Londres, sobre
Lisboa de 104 a 106 por eento
de premio, nao tendo havido
iransacges sebre Fraogs.
Algodao----------- No comigo da semana tizerara-
sealgumas vendas, a 15>000 e
nos ltimos das a I63OOO rs., do
desta provincia. A ultima venda
do de Mace6 foi a 16)000 rs
posto a bordo, e da Parahiba a
16-3100 por arroba.
Assucar-----------Somonte vend-ram-seslgumas
porgues mase vado purgado a
28000 rs. por arroba, e bruto de
1S700 al3800 rs. por trobe do
velho.
Agurdente -- Nao ha procura, indo nomi-e
nal o prego de 50g000 rs. a
pipa.
Couros-------------Os seceos salgados venderam-
se a 165 rs. a libra.
Arroz pilado- VeoJeu-3e de2J100 a 2g900 rs-
por arroba do da India, 6 33
rs. o do Maranho.
Azeite doce- O de Lisboa vendeu-sea 23400
rs:, e o do Estreito a 2JO0O rs.
por galo.
Bacalhio---------Retalhou-se de 8J000 1 123000
rs. por barrica, Bcsodo em ser
4,500 barricas.
Batatas Venderam-se a 13500 rs. por
' arroba, e 13700 rs. o gigo.
uolaxinha Vendeu-se a 43500 a bnriqui-
nha.
Caf-------------- Vendeu-se de 73000 a 73500
1 rs. por srrobs.
Cha------------------Vendeu-se a 2g400 rs. a libra.
Carne secca-------A do Rio Crande vendeu-se de
13800 a 23800 rs., e do Rio
da Prata de 23 a 23200 rs. por
arroba, ficando em ser: 60,000
arrobas da|primeira e 6,000 aa
seganda.
Chambo- A ultima venda do de munigo
foi a 209 rs. o quintal.
Carvo de pedra- A ultima venda foi di lOgOOO
123 rs. a tonelada.
Cerveja-----------Venden-se a 4g500 rs. a du-
za de garrafas.
Farinhs de trigo-Nosso mercado foi supprido
nesta semana com 500 barra
de Trieste, 'i hespanhols, e
um carregamento de Phila-
delphia com 1,200 barricas a-
meneaos, que anda nao ha
certeza da descarregsr. Rsta-
lhou-ie de 21$ a 23} rs. por
barrica de Philadelphia, de
22 a 233 deNevr Yoik, de 243
* S5f do Genova, a SO} rs. a
hespanhola, de 253 23 rs. a
irJ,""16-. ucfdo em ser:
4500 barricas da primeira,
220.1a segura. 150 da tercei-
ro, 130 da quart, e 1,500 on
quinta, ao todo 8,480 barricas.
Vendeu-se a 380 rs. a botija
A osl-za otdinaria veajeu'-sa
a 290 por ceulo de premio so-
bre a f.ictura.
A franceza vendeu-sa de 480 a
500 rs. a libra, e a ingUza d
560 a 680 rs.
A cinco mil re* nominal.
-A mil e seis ceutos rris o gs-
ISo, nominal.
- Vendeu-se a 330C0 res a raixa.
- Os Harnenos venderam-M Ce
18700 a IgSOOrs.
- Vendeu-se a 8*000 rs. por ar-
roba do de Lisboa.
" V..?6 1>uttu8al venden so do
113 1153 r*. a pipa.
" J **Ji enderara-ao de
220912109 rg. a pip, t. Ui0
outros [.ortos a 18o;.
As de composicao venderam-
se a 6O rs. a libra.
O rehile de tetjras variou co
10 a 18 por ceut'o conforme as
Urinas, e prsu >.
I).' lastro pan o Canal a 12
5; e do clgolo para Liver-
pool a 3|4, tora 5 por ceuto do
prlrtsgem.
ALFANDEGA DE PERAMBL'CO.
Pauta dos prego dos gneros svjtitos a direitos
de exportando. Semana de 9 a 13 do mez de
stlsmbro de 1862.
Vercado'Ias. Unidades. Valores.
Abanos.....: t cento lco
Agurdente de cana. caada $l0o
dem restilada ou do reino b w0'J
dem caxara...... > t-i^ij
dem genebra. ..... 400
dem alcool ou espirito de
agurdente...... > 5550
Algodao em carogo. arroba 3J875
dem em rama ou em la 15g500
Arroz com casca..... $600
dem descascado ou pilado $600
Assucar mascavado .... > 1^850
dem branco...... > 3300(1
dem renado..... 43O0O
Azeite de amondoim ou mon-
dobim....... caada 23000
dem de coco...... 2oo
dem de mamona..... > :
BataliS alimenticias. arroba I32OU
Bolacha ordiuaria propiia para
embarque....... > 4JC0O
Idera lna........ > SJ00O
Caf bom...... ; a 8J00O
dem escolha ou rcslolho > 73OOD
dem tftrrado...... libra 320
Caibros......... um 360
Cal. /........ arroba 16o
dem /branca...... 320
Carne secca charque. ... 2$ 100
Carvo vegetal..... 1JJ60O
Cera de carnauba era bruto libra 26
dem idem em velas : > 360
Charutos....... ceuto 2^500
Cocos seceos....... 3$20(J
Couros de boi salgados. libra 170
dem seceos espichados. 230
dem verdes...... 100
dem de cabra cortidos. um 320
Idemdeonca...... > lljJOOO
Doces seceos...... libra I3OOO
dem em geleia ou massa 320
dem em calda 500
Espanadores grandes um 4 SOCO
dem pequeos..... 20U0
Esleirs para forro ou estiva do
navio......; cento 169000
Estoupa nacional arroba 1$6
Farinha de mandioca nlqueire lj>f>00
dem de araruta..... arroba 3S>00
Peijo de qualquer aualldade. IJJ200
r.ciliaes....... um 5j?('0!)
Fumo era folha bom ... 18JH0O
dem ordinario ou restolho. 7^500
dem em rolo bom. ... l0j;.)0o
dem ordiuaro restolho 4$00
Gomma........ arroba 23OOO
Ipecacuanha (raz) .... 26^000
I.enha era achas..... cont 200o
Toros......... > II5GOO
L;iiias e esleios..... ura 500O
Mil ou melaco..... caada 200
Milh ........ arroba. IgC
Po brasil...... quintal 59000
Pedros de amolar urna 850
dem de filtrar..... 4$00u
dem rebolo...... > 1JJ200
Pissava........ raoihos 120
Puntas ou chifres de vaccas e
novilhos. ...... cento 3;0CO
l'ranclioes de amarello de
dous custados..... urna I63COO
Id.'iii louro....... > tiJOCO
sauao........ libra 100
Salsa parrilha...... arroba 25$000
Sebo em rama..... > 5^000
Sebo em velas.. 63OOO
Sola ou vaqueta urna 28600
iabos de amarello duzias IOI550O
dem aiversas...... 7O3OOO
Tapioca........ rroija 33800
,Va,ves........ urna 89OOO
Lulas de boi...... cento 200
;ntSro........ caada 280
Lllf.f ...... libra 2J00O
Aifandega de Pernambuco 6 deseterab.odo
lo62.
Approvo.(Assignado.) Barros.
O priraeiro conferente, Jenniuo Jo Tavar.- =
O segundo conferente, Joaquim Aurelio t'au-
derley. >
Conforme. O 4." cscriplurario, Joaquim Ai
de Gusmo.
Movimeiito do o i
Navios entrados no dia 6.
Rio de Janeiro 10 das, barca ogli..
de 212 toneladas, capio Chaderieso
gem 11./_m lastro ; a Sauoders Brolht
Londres57 das, patacho americano /*
de 163 loneladas, cipito W. W. Jones, eiui-
pagem 8, cargs plvora, fazendas e outros te-
neros'; a Rothe Uidoulac.
New-Yorck41 das, .alacho inglez Mersey, da
125 toneladas, capilo Qain, equi;.agem' 7
carga 1,200 barricas com farinha de trigo
ouiros gneros ; a ordom.
Rio Grande do Sul 1 j dias, pancho braitleiro
Cyro, de 237 loneladas, capilo Manoel Bar-
nardino Coelbo, equipagem 10, cuya 11,300
arrobas de carne secca ; a Miguel Jos Alves.
Navios sahidos no mesmo dii.
Portos do Norte Vapor nacional Jaguaribe
commandaute Manoel Joaquim Lobato.
Arscaty Hiate nacional Santa Crus,espitan
Jos* Victoriano das Neves, carga fazends e
outros eneros.
Maranho Hiate brasileiro Garibaldi, capiUo
Custodio Jos Viaona, carga dilerenies se-
eros.
Macei Escuna ingleza Zanle Packt,
John II. Sparks, em lastro e assucar.
LiverpoolBrigue lubekenso Nautelus, capilo
G. J. D. Steffeo, carga algodao e asaucar.
Observago.
Fondeou no lama.o urna escuna ingleza mas
nao leve commuoicago com s trra.
Appareceao norte orna escuna, e passou para
o norte urna barca americana.
Navios entrados no dia 7.
Bahia e Macei9 dias e do ltimo porto 2
vapor de guerra inglez Curlau, commandaota'
I-orbe.
Gasp48 dias, escuna ingleza Francis & Ann,
de 93 toneladas, capilo J. Delapreell, equlpa-
gem7, caga 1,295 barricas cora bacalho ; a
Sannders Broibera C.
Navio sahido no mesmo dia.
Portsmoulhvapor de guerra ingles Ooeron.com-
mandanle Morris.
ge-
capllo
iftiSiSi
*ra$oes
Consolado provincial.
rfai.me"/ d- con8ula^o Provincial se avisa aoa
devedores do imposto da dcima urbana, de 20
010sobro o consumo de agurdente, de 4 01O io-
'
J

MUTILADO
ILEGfVEL


Di* D JS&iAMJCO. > lE-.g r'E.iU 9 Di firBUARO SE iSis.
bre os asubr-lucimentos de fora da cidade, pren-
sas rte alg)Jo. typographias, cocheira, cavalU-
rices, hoieiJ. botequins, cuas de pasto, e fa-
bricai. de 12 01 ubre os estabolecimentos de
commercio em grosso e a retalho, armaieos de
recolher.de depos lo e os tramchas, de 8 o'O
sobre consultorios mdicos e cir urgios, carinos
jcriptorios, de 505 sobre casas da modas, bilhar,
chapeoie roupa feita estrang>ira,de 1:000$ aobre
casas de oporago baoearia com emisso e privi-
legios, de 300 sobre companhias anonyraas e
agencias, 4e 200$ sobro casas ae cambio, 10 0|rj
sobre s renda dos terrxtos occupados com o
planto do capim, de 100$ sobre correctores com-
merciaes. de 50$ aobre correctoras de escravo,
aipre^uas O', trauco da carga e descarga, e fi-
nalmente o lnipoilo sobra carros, carrocas e m-
nibus, que no ultimo d setembro correnta flua-
se o prao marcado para o recobimento dos seu>
debitas uerteneentea so anuo Qoancciro de 1861
a 18i2, cinlo sujeitos os que nao pagarem a
seren eiecilalos
Mesa do consulalo proinciil de Pernambuco
4 de seteoibro de 1862.
O hef* di segn la sobrio.
Frjncisco l'erreira Martina Ribeiro.
-- Pela tbesuuraria p'oincial se faz publico
qu a arrematado dos redaros di estrada de
Pao d'Alho, foi transcrita pira o da II do cor
rente. Per-
Secretaria da thesouraria provincial de
uambuco 4 de setembro de 1862.
O secretario,
A. F .da Anounciac.au.
de civalliria ds
u >mp&uiiia
P^raarabuco,
Precisa-se contratar o foroeciiuento das fer-
r.-aeas para a cavilhaia em argola, a saber :
csjim de planli, mtlno. mal, farllo e agua ;
ochan Jo se as qusntida les designadas na tabel-
la qua se acha patente na secretaria di compa-
Bbia.
Dito foraeciroeoto lera vigor do dia 15 do cor-
rente at 31 ae deieuibro prxima [ulero.
A uroyosias serio receidas -m carta lechada
al o d 113 dedi mee.
(j lartel no campo das Princesas 5 de selerabro
ds 1862.
Msnoel Porfirio 4o Cistro Araujo,
Capuo cornmau Jaiite.
I)> ordem do lllm. Sr. in*p;ctor da thesou-
i,i-ii ae taxenda desla provincia m fa* publi:o
que, t-u jo havldo engao .ios material aunun-
ciadas no da 2i de agosto prximo Bolo pira
os exaiiPS Je praticjules da alliudega d^sia oas-
::: ptovin-'.ij, sao ellas as exigidas no art. 7* das
instruccoes de 3 de inarro do cortete anno a
ssli-r : leitira, aualye grsm natual e orlhogra-
pha, tradcelo corred das lingaas ingleaa e
(rancezi ou p lo nioaes da ultima, arilumet'.ca e
anas applicacoes at a theoris daa proporcoes in-
>. S cretsria da Ihasourarla d* fatenla
'.e PernamOuco 5 de satntiro -je 1862.Ser-
virlo deoT;ial a ior, Minoel Jos Pinto.
Acham-se recolhidoa casa de detengan, t
lesl i sut.J.-l sacia, os eseravas seguictes:
Eloy, pardo, escravo de Pedro de Oliveira Coe-
i, remide'te no Rio -e J touiro, recolhido em
17 de oulubro da 1861. loso, parlo, eacravo de
Leoncio Cava canil 'e Albujusrque, recolhido
lo uroxitno pesssOo. Joao. eacravo
i le'ubirg oranoel Ignacio Accioly, raco-
i ero 27 le agosto proxmo p^ssio.
Sihld!"g*~ii n [reguetia d'1 into Antonio io
:i ;.' i i* .st le 1862 O sub!ale,>3 -,
U noel Antonio e Jetea ienior.
ili ct m i v provio 'i '1 de
Oiiai =.
O >l'''.> de reodas proviociaes do Olinds
,.-.:.. i pelo | r tente sos ctolri
buio im'>s*os langa los, que no da 30 do
irrvjl r o 'X -rcici > da 1831 51362,
e ;'.;' Ixai le ^gar >t esja dia as sais
b '') 'i i-r le o 't-fr de outabro eiu dian-
. ii. d3 '"> dos feuos; 3i tatnb.'
conslir i' "t l l 'dos os das uteis tu
.. i .; v i sol) i i2. o ultimo, s iguiad )
rji -,,'> l : i jvierdo.
- ...... i| ,. y ^ setemLro
162. O jcrtvao, Joao GoOQilvej Rodrigues
-' :
l'.- i i i 'o lllm. Sr i spector .'
I : i 1 p ra o di 5 io c >rrente i
. i i eseale e lancha da es^uns
'. >ya, annunciada u'ra hoie,
, :, de Pdrn-.nSoiCo ~ ue kk -.- --
1862.' .' se iptu 9 o,
Maximiaoo Ftanaia^a P. Daarte.
" ;ul!l"iIlSSlP!\t!VO.
0 oni iirali'o, para rorneci alo
do si ia| e guerra, l-. le compraros obj I s
i i; g:
Para o hospital.
ano de Itnho om bo< homen-
g jos do i nenio e 3 de
5 i ;,- y jeiros I .'-' le iH"ho cheios d?
i r*s* i l s > '-i > oto.
[u tet %r. I laes objeetos aprsente as
n : f i. na secretaria lo
. is 10 horas Ja minhaa do di 6 Jo
i .
. :oos ih sin Ir I '
. '. ierra, Io da
' 1862.
A nloi io Pedro de S Brrelo,
. residente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vosa! secretario interino.
Conselho administrativo.
O consbiho administrativo para fornecimento
rio -.r-;enal Jo guerra lera de comprar os objeetos
eguinles :
1' i.o i b italhao de attilhana.
',' ,' I ase,*..
C raii-s ii> p noss ..'<'.'.
2 caivetes
6 garrafas Unta prelaj
6 duiiu !e lapis io i o.
C libras Se areia ara escripia.
Para o 7 balalho de ifiQlaria.
6 resn papel ^lln1Sso.
Ispec^o do arsenal de
m riha.
A inspecQao do arsenal de matinha contrata a
obra do 40 brabas d> cees em couimuago ao caes
do norte do raesmo irssnal, obra esta que deve
ser concluida dentro du anao fioanceiro' corren-
ta, com as seguint.-s Condiges :
1.a No alinhimento da esUcada da basa do
caes existente ser lineada urna Ca de eteios,
distantes 5 palmos um do ootro, contando-se de
cantro a ceutro, cajo3 ealeios serao de madeirat
de qualidada prspria para agua. >ses eitvios
terao ao manos 1 palmo de dimetro, sendo fin-
cados uaa profundi'.alede 13palmos, pelo me-
nos, no terreno, nao se conlanJo a vrofundidade
de 11 a 13 palo.os de agua, que actualmente se
acha neita directo da muralha, e que ser con-
servada at se azer o eurochamento de aorle qwe
os lijos iofurioris dos esteios lquem 24 palmos
ab'ixo do uivl de b.ix>mr.
2.a Paralelamente lila de esteios de que Ira-
la o artigo antecedente, e em distascla de 15 pal-
mos para trra firme, ser enterrada urna uutra
fila de esteios, tm ludo igual, idntica, e syme
trica.
3.a Cada am dos esteios da fila da frente ser
preso o correspondente da Q!a interior por urna
barra de farro de urna pollegada ds dimetro,
com cabera em urna extremidade, e porea e ros-
ca em outra, qe atravessando os referidos es-
teios por meio de fues e por meio de travs de
mideira pregadas, conservaro as duas filas de
esteios em distancia fixa e invariaval devendo,
porm, ficar esta barr?de ferro ao menos 12 pol-
legadi a>aixo da mxima bnixatuar.
4.a Uepois de fincadis e l'g de esteios, coiao tica dito no artigo antecedente,
serlo serradas as cabegas dos esl-ios da filada
freola na altura da balsamar, e pregar se-bao
bem unidas pranchas ds pinho on outra madeira
em cala urna das filas de esteios, no sentido lon-
gitudinal, desde o fundo do canal at o nivel da
baixamar, de maneira a formar urna especie de
caixao.
5.a Tjdo o espado interior das deas Olas de es-
teios ser convenientemente chais de pedrss de
alvsuaria de boa qualidale at O nivel da baixa-
mar. Tambera Sor eiio um enrochamento na
parte exterior da estacada at a altura da baixa-
mar, firmando a sup-rPicie superior um taluda
o vi inclin-.rao de 1 l| e base por 1 do altura.
6.a Sobre a baso formada, como Oca dito, ser
felti um p-.rade de padra se:ca pela forma in-
Juala no respectivo desenlio ; cuja prele ser
a face exterior n; groaaura de 3 palcos, ligadas
as pe!r;s com argamassa de bom cemento hy-
drauliio. Do nivel de 2 palmos abaixo da praa-
mar o pan cima ser (oda a n.uralha oila em
loda a grossjra com argaraass^ de cemento e
pe iras de alven-.ria ou lijlo, terminando est
obra na altura de 3 pilmoa cica da preamar.
7.a A fi.-e extoriir !e toda t muralha ser b*na
ual.sen pont;s saliectes de pedras, a embuda-
da sog argamassa de cemento do nivel !a baixa-
mar pin cima.
8.a N.'Ohum material se; emprega*o na obra
' sem a precisa autorisico e approvaco do fiscal
j do goveroo, o qual dar loas as inslrucgo'S pa-
ra a boa execuco di obra, devendo o arremslan-
t seguir exactamente a ordem de exe:uco dos
! Irabalbos q-je pelo dito Bacal lhe for determinada.
9.* Se daran'.c a execuco da obra o fiscal do
| govemo entender conveniente a'gu-r.a molifiea-
|co no systems de conalro^o, e essi modica-
' cji) nao alterar o preca da onra, o arrematante
o rigado a ex ular essa modicajo.
P ra o conl'ato d obra recebem-se propostas
na .: rcretana da aspe-cao at o da 10 do futuro
? setembro o i >. sio 'is.
A plantada obraacha-se m rec na secrataria,
e pode s\- consuil ds j,or qualquer qu> queira
Micuml-ir-sa ; e bem assim o seu orcamen-
to no ralor le rs. 805$i00 c la breg.
iospeceo do arsenal le raarinha o Pernam-
uucj o de agoslo de 1862.
ga, trats-se coa Joao da Gunha Magalhes, ra
da Cadeii n. 54.
Rio Grande o Sil.
O patacho Candida segu com brevida e, e
recabe alguma carga a frele : trata s com os con-
signatorios Marques, Barros t C, largo do[Cor-
po Santo n. 6.
efT'Ci'iar oleilio s 11 hores"do r/iascint mer;-
cionado.
UD
T
laue
O veleiro hiate Novaes ege cum brevidade,
recebe alguma carga i frele : traa se com os con-
signatarios Marques, Barros & C, lirgodo Corpo
Santo n. 6.
MRA
pretende segair som ., us brevidade o veleiro*
bem conhecilo patacho nacional oCapasna, ca-
pito Thaotomo Jos da Silva Rosa, tem parta
da sea esrregeraento prompto : para o resto qas
lhe falta, trita-sacom os teta onsiguatario.-i Au-
onio Luiz da Oliveira Azevedo di C. no seu ea-
riptorio, r> da Cruz n. 1.
rr.uila brevidade p:ra o
t bm coafaecio brii
Pretende saguir Rio de Janeiro o veleiro
niuio;:al Almirantea, t'm prla d seu carrejis-
ment prompto ; para o rtsto -lisa Ih* falta, tra-
t-so cot os si as consigualarios Antonio L'iiz d
OUvoira Azevaio, no su Mriptorio ru^ d Crsi
o mero 1.
Sebo.graxH eazei-
te de Palma.
O agente Almaida far leilo a re^aerimenlo
do depositario da rna-si fallida de Joaquim Fran-
cisco de Meilo Santos e autorisar) do lllm. Sr.
Sr. Dr. juiz espealal do commercio, de 230 bar-
r com sebo, 121 volames com graxa, 198 ban-
,.jjs de sebo curtido, 2 pies sebo, urna pipa e
um resto de azeite de Palma tudo peri-nccnte a
mean-a mass>.
Ter^rj-feira 9 do corrate.
O loilao lera Ijgar na fabrica do fallido Mel-
lo Santos, em Fora de Portas n. 2
LEILAO
PE
Um mulatiaho e urna
negrinha.
Terca-feira 9 do crvente.
O agente Olympio vender em laito por conta
de quem perlencar usa nalatinho de 9 a 10 an-
noa d* idade e urna nag inha de 7 a 8 anuos.
No armaren da ru do I aperador n. 37, s 11
horas da^manha.____________________________
toin urgencia
Precisa-se de700cia juros por 5 mezes, hypo-
IhecaoJo-se urna das melhores casas da vi;a da
tscads, que reu'e por alu6uel 12j>i00 meusj;-
menle, que (carao pelos juros da relerida qusn-
iia, teodo-se engaitado de diversas pessoas do
lugar 1:6009 por venia : a tratar com o sacbia-
tan da of.u-m lercoira de S. Francisco.
~- No du 2 do correle sahio da casa de Jos
Mara GoiicMves Vieira Guimaraes. na rus Nova
n. 49,o pelo Joaquim, de naco Augola.para ga-
"i \ "8 r*a' ^U era seu coslumO. O nao vollou
al hoi", leven veitido calca e camisa azul e cha-
peo dH palha, juUa-sn ter"fuaido.
a
seguir o ;<-m eo-
I r,
Alex
B g es dos Anfos.
Sec.-elario.
A filma, junta
a Mis n roa
que no dia 11 do
administrativa 'a Sania Casa
> i! '..', manda tazar publico
C T'cDte Oii, na sala de suas
o"i malta brevidade pretende
onecido e veleiro hrigaeeacu- i Joven Ar'.hHr,
- ; llio Jsaquim Antonio Connives rfoa Sa;:tot,
t*m parta de se earrag- ment prompto ; para o
r-slo que lhe falta, trata-sa cem os saus consig-
natarios Autouio Luiz da OliveiraAz%vedo & C.,
no seu ws:riptjrio ra da Cruz n. 1.
COMPAX1H i PERMAMBUCA.NA
DK
Nftvega^o custeira a vapor
Parahibi, Natal, Macau, Aracaty, Cea-
r, Acaracu' eGtanja.
vapoi Jaguarlbe, co'iiinandante tbalo,
(Jaeijosflameogos
Quarta-eira 10 do corrate.
agente Pestaa far leilo por conta e risco
delquem pert<,ncer,de 25 caixa coa qaeijot fli-
mojios aiito frescas e excellnts era sai qu-.-
Ifde, viudos no vapor ioglez, a sero v^o-lidos
Ai lotes a vonlade dos com;iralores ; quarla-
eira 10 do corrente pelas 10 horas da manhaa,
no arma7f>m doAnn^s def'unte daai^jjega.
Ollerecem-so ooui Ponugu-z-s, um para
almiuistralor de encono, e ojtro pars eiior do*
meamos ejlabelecimsoloa por disto tareni as ha-
bilitacoes necessarlas ; portanlo quem de -ou
presumo se qaizer Btiiiiar, d;rija-sea uvoa^
do N. S. da Luz, termo de Pao d'Alho, casa d
Anioqiolzidoro om->s da Silv, qua achara com
qaem tratar ; isto mesmo par fora da provincia,
isl ser o negocio que se resoltan por suas con-
dic;oHS sirem multo limitadas.
iSO
O abiixo assignado, conhrcido por Xico Bexl-
ga, antigimente com luja e calcado atraz da
praca d< Independencia, travessa das Cruzos, e
hoje com o msamo eslabelecimenlo na la da
Imperatiiz, outi'ora aterro da Boa-Vala, ao p
du becco dos Perreiroa n. 38, participa a seu* uu
morosos freguezes, lauto da prae.a como nego-
ciantes do mato e deate gnero, que est bem
sorlido para servir bom seua freguezes, e vende
muito birato como de costume vender muilo e
gsnhar pouco.Francisco Maciel de Souia.
N'esta typographia precisa se fal-
lar ao Sr. Manoei Ferreira d'AiiDeida,
que mora na Casa Forte.
A pessoa que llvar urna Cadeira de rbuio
em meio uso, e a qaizer veuder, dirjase pra-
ga da Boa Vista n. 5, a^junio audar.
Compauhia FiueliiUde ilc &e
gurs litiaios e terrea
tres, estabelecida no Rio de
J&eiro. com o capital 16:000:000,$
Agentes eia Pernambuco
Al'O'-Oli da ii-eir* Azoredo i compa-
lantemente uturisados pela directora da compa-
uhu ds segaros Fidelidade, toman seguros da na-
'ios, m?rcadonaa a predios, no sea essriptorio,
ra da Cruz n. 1.
Joao Jote do Espirito Santo, mora torero
Ciuz de Almas na cidade da Victoria, comarca
de Santo Aulo, avisa ao respaitavei pablico e a
qualouer pessoa em particular, que se acha livre
e exonerado do pagamento do importe de duas
lelras que acou nol." de julh-j prximo passa-
do a favor ds Jas Francisco da Cunha Pedrosa,
pagar a primeira uo dis 31 de dezembro do eor-
rinle auno, da quanlia de 70{000, e ouira de
igual quantia de 70$U00. pagar no u!tin.o de
unho de 1863, proveiieuti'S do imposto io con-' p6l-.isa-e ,T m,!,,,,,,, *> m .
^ C^\?>^ !T^r'r,: i '^ha Pralic, : ,r.ar no ^ T<\.
uo r:-fendo da 1." de julho do torrente auno,1.,- Precisase de 3:0003 a proraiu s.ore hypo-
vistoque elle Pelrosa s*arha inhabilitado esas
arrecadaro, em cons'qitencia do annuncio pu-
blicado nu Diario ue Pordambuco n. 180 de 6
da agosto proxi ao passado, em qus o Sr. Paulino \ a.
Rolriuesdo uveira fez scient ao publico que '<&'
ca:ava ou revogsva os poderes constituidos '''.
seu asanle arocarador Umbellao Bodurs de
Mello, morador que era na villa da Eacada, por
her om'.i'nio BandL'ira tallecido, \ rir:cipalmeu-; (}3
O Sr. Francisco Ji.se dn Costa que .'>.orou na
largo da Assembla n. 1, queira ter a boudade da
aunauetsr por este jornal a sua murada paras*
Ine wntregar ama caris.
iTerece-o um pequeo de idade 15 anuos,
o qual sabe bem 1er e escrever, e tem alguma
pratica da ntgocio pata qualqaer estibelecimen-
o ; a tratar na 'u r.ita n.8.
Alliga SC
a loja do sobrado n. 2
da ra dos Murtyrioi, com com modos
para familia : na thesouraria das lo-
teas.
qoo salta engom-
becco da l.ingotta
Precisa-se de urna ama
mar e cozinhar : a tratar no
o 10. priroeiru andar.
Lemra-se ao Sr. J. F. de B. R que man le
pagar saas letras veucidas em mircc, abril, maio
e julho de 1861, visto al hoje o dito snior nao
ter dado a menor solacio s cartas que tsm re-
ceido, ten lo desde junlio de 1861 finio o as re-
lacoes com o seu credor
iheca em t'es casas t-rr>as neata ciiode : a tra-
tar na rja do Desliuo n. 20, das 6 s 9 horss da
manhaa.
m
>9dS

a
:f
DE
e 20 ba. ricas com grao
15'
saceos com amendoa
de i)ico.
Quarta-feira 11) do crvenle
O agente Pestaa, em le ao pabtlco veolvr
por conta a risco le qunoi pertencer, 20 saceos
c amt-n'oa* e cerca de 20 barricas com grao
d< bico, tes a voNtaia doi compradores :
qu'.rta ftira 10 do correte pelas 11 hoas da
maoha noarmaze Iin leaa.
u
?shir para os prrtos do noile al" o : GiLij"
no lia 6 Je sele .bro es 4 horas da tarda.
nendas, pas
.
Retel b i rga at o lis t. to
sageirr>r linheiro a 'r^'.e t as
Escriptorio "o 1
i' ; --ia,x'i'' i-1 i--is, u-i'-! iim-
po de 1 a 3 anuos. Os pi tendentes devem com-
i irecer scompanhados c seui fiadores ou muni-
do? ae carus destes
I n de r I o n.
N. 1 particular n :i pablico, uraa sala.
B i a !ii Q !>",!. dO.
Ileru 1 particular <> 35 publico, luja.
R i do Crespo.
dem 3 p?arli?ui"r o 11 publico, tres andares e
loj a.
r, lo B ngel.
I em 6 particular e 56 publico, casa terreo.
Rtfa da O |< ia.
Uem 17 particular e 59 publico, dous jalares e
ioja.
Uva da lia-tre de D-os.
particular e '.) oublico, am enlar e loj
Uem -22
Idam 2}
Ioja.
I em 25
dem 31
dem 33
leo. 34
lem 36

26

dous
e 2
e lu
e S
e 6
e 2
llua co.Torres,
particular e 14 publico,
s




nni andar e
casa terres.



fulares
loj-.
;; oaii
200 .
2 cal
*3 car
la prunas de
as de ave.
s.
ac.
portaguezas per Monte Verde
de lila preta para escrever.
i la.iis de pao
ib, areia para escripta.
:;> col de cartas para principiantes,
.'i tab'-Jas.
12 grammaticas
al1 9 .
12 compendio de arithmeti:a por Avila.
li pautas.
36 translados.
6 yedras para escripta.
18 lapis para as ditas.
Quem quizer vender laes objeetos apresentem
s suas propostss em carta fachada na secietaria ,
do conselho as 10 horas da manhaa do dia 15 do
correnle aiez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para foroerimenlo do arsenal de guerra, 6 de
agosto de 1862.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente. _
Francisco Joaquim ereira Lobo
Coronal vogal secretario interino.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz uublico que nesta dala foi *d-
metiilo mat'icuflKia qaalidale de commer-
ciaote i fazendas em gresso e a retalho o Sr.
Antonio de Moara Rolim, de 36 nnos de idade,
residente e estobelecilo nesta cilade.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 6 de setembro de 1862.
Julio Guimaraes,
Offlial-mtior.
__ O lanzador da racebedona de rendas in-
ternas geraes, da cooformidade com o art. 37 e
.-eu do decreto de 17 de marjo de 1860, con-
tinuando a fazera collecta no bairro de Santo
Antonio dos impostos a que esto augeitas as
lujas e casas commerciaes e ostras de diversas
classes e deoominagoes, svisa por tanto os do-
nos dos respectivos esiebeleciraentos.para que te
oham presentes no acto da eolletta os recibos e
papis da arrendameoto de suas casas, visto que
olles terao de servir de base ao processo do lao-
camenio, o qual lera principio uo dia 9 do cor-
rente nai rua* sesr,oiolei: larr,e do Csrmo, cam-
boa do meamo, raa de Santa Therez, praia do
Callereir, rua a>. Paima, travessa do Po^-ioho,
Concoriia, travessa do Hontuiro, raa do Calde-
riro, de Hortas.de Aguas Verdes, Vincao, lar-
go da S. Pelro, travessa da dito, rua do Pogo,
truvessa da Rombs, rua d'i Hvramantn, travssa
dadita e rua do Raogel. Raceoedoria de Per-
nambuco 6 je setembro de 1862.
lancador,
Jos Tneodoro de Seua.
sabida,
mero I.
3 horas il
do Mallos cu-
\N
m.i?
IH \\\ .. .
ir est'S dias segu pira o
TO
so ora
Sjl|s-feira 12
te porque dito liuado Bandeira nao tiuha poderes .;
es;-eciaes para vender o cunBiuo desta munici- '

I
Araraly >> liste
aSanta Rili, mestro J> aqu'.m Antonio Figueire-
o : a tratar com Ta-so Irma ja.



dem 37 particular e 14 publico, dous aojares e
Ioja.
Ideoj 3 particular c 16 publico, dous andares e
loj.
dem 30 p;rlc-.lar e 18 publico, doas andares e
Ioja.
Roa do Cordoniz.
|4em 42 parti n'ar e 1 publico, casa terrea.
de;u 43 particular e 3 publico, casa terrea.
Rua da M leda.
I!em 5 particular o 21 publico, casa terrea.
! lem 45 particular e 45 publico, casa terrea:
Uem 47 particular e 49 pablico, casa terree.
Rua do Aiii.rim.
I lem 48 particular e 56 publico, casa terres.
dem 40 particular e 54 pablico, casa terrea,
dem 50 particular e 52 publico, asa terrea.
I lem 51 particular e 47 publico, casa terrea.
I lem 52 particular e 15 publico, cas terrea,
dem 54 partiiulcr e 21 publico, dous andares.
Mem 55 particular e 21 publico, casa terrea,
tem 55 particular e 26 publico, casa terrea.
Rua do Azeilo de Peixe
dem 61 particular e 15 publico, casa terrea,
dem 64 particular c 2 publico, casa terrea.
Rua do Vigario.
I lem 71 particular e 22 publico, tres andares.
Uem 73 particular e 25 publico, tres andares.
Km do EMcaoUmento
1 lem 76 p Tlicutar 11 publico, dous andares,
dem 77 particular e 13 publico, dous andares.
Rua da Senzalla Velha.
dem 78 particular e 116 publico, dous andares.
Uem 79 particular e 131 publico, dous ao lares.
I lem 80 partitular e 132 publico, dous andares.
Rua do Trapiche,
dem 85 particular e 30 publico, tres andares.
Raa da Linguets.
dem 86 particular e 14 publico, dous andares,
dem 87 particular e 11 publico, doui andares.
I 'em 88 particular e 29 publico, dous andaras.
1 lem 90 particular e 12 publico, dous andares.
Rua da l.-pa.
dem 41 particular e 2 publico, casa terrea.
Rua da Cacimba.
Uem 65 particular e publico, armazem.
Rui do Burgos.
I lem 68 particular e 19 publico, casa terrea.
dem 69 particular e 21 panuco, casa terrea.
Rua da Uuia.
dem 83 particular e 27 publico, casa terrea.
Iltm 8i particular e29 publico, casa terrea.
Raa do Pilar,
dem 96 particular e 2 publico, casa terrea.
Rua do Sebo.
Mem 12 particular e 3 publico, casa terrea.
Sitio do Parnamerim.
I iem 2 particular.
Silto doForooda Cal
Uem 5 particular.
Setretaria da Sants Casa de Misericordia do Re-
cite 5 de setembro da 1861.O escrivo,
F. A. Cavalcantl Cousseiro.
COMPANHII RSILEiBA
Efl i Vkfto.
Espera-sa dos porlos do sul al o dia 13 do
crrante o vapor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois ds demora do coslume seguir para
os porlos do norte.
Desde j recebem-se passageiroa e en^ja-se
carga quao rapo' poder eondazir c qual lote-
r ser embarcada no dia sua chegada, *d-
commendas e dinheiro a frote at o dia da sh-
d* as 2 horas: agencia ru* da Cruz n. 1 es-
sriptorio de Antonio Luiz a Oliveira Azovoio
& C.
; cor "ente
mI--- Pinto far lilla- ia 10 horas o
narlo do S ib- -1 uu anl:r
4 silo oa rua do C*lab iuce, cm cliTi
! LEiLAO
DE
JtSTEHENO.
S^xta-feira 12
0 agpnt"1 Pinto far leilo s
.n'iondo, de um ierra
pal
ac.n.a i)
Luiz >io R-'go com 50 paimoi
casa de taij.n rom 30 palmos o
mo lerr-no, em seu es:
mero 9.
corr^ut
U h< ras do
no na i .\;.
de frente e
frente no
lia
ucua
e$-
riptonu ru-. da
Cs Ui(
Noj*i/.oda provedoria dos residuos, Boda
a audiencia, sa proceder, aporta ca saladas
urjienaias, s arremaiego por vfiii.n de um boi,
um cavfllj e tres cabras a p,; s h f". d i las eco
bensde everrto, no dia 6 do correte mes!
O escrivo,
Guaio Ter<,j*to.'f*s*Ctbral de Vastoocelos
9 o 15 da
Rosario nu
COMPANHIA mS.L!BA
DE
iPAlursims i fu
E' esperado dos portos do norte at o dia 17
do correte, o vapor Tocantins, commandante
o primeiro lenle Pedro Hyppolito Duarte, o
qual depois da demora do costume seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-so passageiroa, a engaja-se
a earga que o vapor poder conduzir, qual deve-
r ser embarra la no dia de sua chegaia : dinhi-
ro a frete a enr.ommeudas at o dia ds sahida as
2 horas da Urda agencia rua da Cruz n. 1,
essriptorio d Antonio Luiz 1e Oliveira Azeve-
do & C.

Alugam-s as casas lerrets n
ru.a Bi la : iratsr na rua larga do
mero 44.
SatjUriS obr* P-ortUial.
O abtixo Issignadl igsnti Bo LflriaO
Ifercantil Pbrtuina nesti cidada, s*ci
''f'"tais"'ir!t por tod os paqnetas so-*
' o R-sroo Banco par* o Purto s{ Ll
boa, por qaalquar somma vist* a a a->rt-
io podando lo?n os saquea s praxc ? r
". ont'arina v.e i:tt-.u Bao, : \
ds 4 por santo so sudo ios portadores
r* si'n lheon7r: nt% ras do Cul-
po n.8o do Imperador a. 51.
Jnaaurrn d< StlvaOiBr
i**--
IB
l
to
segu brevemente o hiate Eihalicn, j tem
alguma carga para o rosto e passageiroa : a tratar
na rua ds Cadeia do Recite n. 28, primeiro andar.
\0
Per* o Ri i Grande do Norto e.
As^.
A barcada Unio do Norte segu para os por-1 tos cima mencionados
tos referidos aU o dia 10 do corrente; para car-1 andar do sobrsdo n. 17 daraa da'CrTux Vnde'se
Um sof', 2 consolos, 6 cadeiras e urna
mesa de Jacaranda', um guarda ves*
tjdo, um tocador, 1 lavatorio e 1 me-
sinha de mogno, 1 cama franceza, 1
apparador, 1 marqueza, 1 mesa re-
donda, 1 commodo 6 cadeiras de
amarello, quadros, 2 jarros, 1 can-
dieiro de gaz, 2 escarradeiras, algu-
ma louca e outros objeetos.
Quarta-feira 10 do corrente,
O agente Pinto far leilo por conla de urna
P_e*s_*_tI"e retira-se desta provincia dos objec-
exislenles no primeiro
po, co'jo illnaoriamante vender co j fallecido
lenle Francisco Xavier Cavalcanli de Almelda,
e ao mencionado redros?, motivos estes, pelos
qr:aeso annucciaiile protesta t-ao pg^r ditas le
tras-io Sr. Petrosa, e nem to pouco a outra
qualqaer qessoa q>ie por ventora lenha recebido
ditas letraa em traosat^ao. E nelm>-nle avisa
aoS' Pedrosa que no praso de 8 dias, contados
da (i .blicaco do presante auauncio, Ibe restitu
ditas letras, que fielmente o aonunciante r eu-
t- ga do uiunciuoa io papel cima referido, do
cousumo da ag-iardente, por ae achsr no;lo se-
melhnte ne?ocio, o :o conseqaencia loihido da
srrecadaijao do aemeihente imposto, o do conf.-r-
midade -om o direilo que assiste ao mencionado
Sr. Paulino R > 'rgues d" Oliveira. Cidi.de da
Vi'-toria 2 la se.embro le S'iii.
u bjixo aasiguado decli ra > :- i 'nio un :ie -
sancaminhido :e sea p' ier um li s (!- T'i^ntia
le 2!2;800, asg ato a rogo do S'. Jos de Cao-
t:o Redondo, aatadu de 2"> ;o jaiho, a vencer so
en 25 ue novembro -leste corrente, appare
'm outra meo, o oo ;: ,'o:,'.-j o m s o Sr.
Jo; le Castro K Ionio j f >i ans-ilo, ;i por na
de duvid sfozopres i Recife5de su
ie 1862.Francisco lim rdt> da Costa.
A quem pertouce.
a pessoa que sejulgar roprieicrio io si lio J.i-
t, termo dePombal, provincia da P- r-hiba, o o
quizer vender, di.-ija-sa o rua da&langaeira n.9,
oairro da Boa-Vala,
nirea, Mepisoa tudiencia o 5r. IV. juiz de or
phos. i bao do irr oalai os /alugu-is do sobra-
do D. 15, silo na rua do Vigario, (-el.i qu-.nii ao
1:2019 por a), -o, por quauto esl arreajaJo an-
/luaimeote,cjo or-e.i ame lo str portampode
tros anuos, o vai prac." a requerimento de i!:
xiiziiano Francisco Rigaeira Duarte, como tutor;
ia s-us Qlhos.
Alugam-se dous grandes sr
zens na rua da Concordia proprios p i i
estabelecimento ;m p mto
a tratar com o Sr.
se Alves na u:a da Cruz


&
j
i

aaam
forao
franc
m sel
oecbnico,
NICO NA PROVINCIA
*50 Rua da Imperatriz--5Q&
,; A padaria franceza sita, ru rua da I -.- @
perstrit :-.. 51) lontlnua sob a adminis- &
tr-Q.o da viuva Btrrellier e aln haverfi *?
todos es Oas : 55
P;i i luentrj de leile s 6 hor-.s la ir- %
de rara lomar coni cha lo da i* -.o rt-nt-- em j'anti>.
Bola ha/de todos es tamanbos e qua-
lii es, '
Biscoeros doces a agnados e de I
as quoM iries.
Bolacbinhas de- ararula doces e olaa-
das.
Bo oa frsntezes.
Palias doces.
Pao om a ; .- II ii ri >s
do rrie'C-. o.
Preparan sa bandejas 'i1 lodos es tx-
uanbos com bolos o to i as
dea e j lo isso p r procos --o o i.
A r< t. >btha '"
(o-:, i : .i :: i i:. -
ur.ico n: provincia O pi, <\
}. sah.' o ; io, .oro s e r p'hur
as boia hos e lu j o
:>i am as ieo t ota el ?
o pao c i1o ci rruilo o '
e .cm ha-cr cov.munic -'> i
a ti'- 5.;^
< i, i : ^r

gosto a bem assim
. il:. O romo I o:
,. a .; -. .
i
I
-j
ou a? baa<
i) 5
< n

n .-.
.


COS II n i j .T.jl
aj -J
Admirem-se< ; jxovr ii- iu-se
Retratos c ant'otypo lji um ; na boss cro-
tlit-Ja eactii [rlBc-na d phologreph'a '-"ti ci-
a Jo, na rua do Cabj n. 18, entrada pelo pa-
'. o d i matriz.
qualquer
grande
o
Miguel Jo-
Uccde.
teneao
mi
ec.
Na rua d Crux, sbralo n. 9, no tsrceiru an-
dar, aluga-si un aspacose ef sea s.'la ua
alcova, indepeodente do resto "a ea | ia
para pessoa solteira, e les jando contratar > ro-
rr.edora, poder entender-ae por urai a outra
leona ero a *milia que S :: ore, a quslq ur
hora do di3.
Alaga-se o pnmeito andar lo sobrado :-. *'
da raa do Pilar, com excell-ntus co'nmodos
boa vista car a birra : a trotar no segundo an-
dar do nu-amo.
Na rua do L'.v-ai.-.- nt > a, 20 precisa-se Je
um ou Jos aprandizes de sspateiro, forros ou
eicravos, fszeud sj a c.-nv 'n>-ncia de no firu
de quatro mezes principiarle s pagar um Unlo
por semana, Alusam-se tres tasas trros* novas on siti > '-'o
Preciaa-ae fallar ao Sr. lienoel Francisco da Por'0 > **Mn, em Bebaribe, s beira lo no,
Silva Frazio para se lhe entregar urna carta viu- : mull re99,,s.,;om ba!!ho log> *n'': em
da e Garanhuns: ..a rua I) r.ila n. 127. s^un- as r":"' aV> "U*-" ^ro" 9-
B ieribe.
na rua u r t n.
do andir, das 6 s 8 lt manhaa, e'das 2 s 4
tarde.
la
Na ral
pr prio p*r
lo Sol n. 21 a luga ae
trabalho de eexads.
.-ii CStraVO



9*
P

-
*

.
3 wti m


1
*
-

K
-.

Sabbado 20 do corrente mez, se ex-
trahira' a quinta parte da segunda lo-
tera do Gymuasio Pernambucano (o*
concessao) no consistorio da igreja de N.
S. do Rosario de Santo Antonio.' ,,
Os bilhetes e jeios bilhetes acbam-se
a venda na respectiva thesouraria rua
do Crespo n. 15, e as casas commis-
sionadas rua da Imperatriz Ioja de fer-
ragens n. 44- do Sr. Pimentel, praca
da Independencia n. 22 Ioja do Sr. San-
tos Vieira, rua Direita n. 3 botica do
Sr. Chagas, e na rua da Cadeia do Re-
cife Ioja n. 45 do Sr. Porto.
As sortes de 5:090$ at 10$ serao
pagas urna hora depois da extraccao,
a as outras,no dia immediato depois da
distribuidlo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Alugaru-se duas casas na lha de Bemflca,
antes da Ponte da Passagem, a primeira de 240J
por aono.cnm 8 quartos, quinul, cacimba, etc.,
a segunda com 5 quartos, da 1509. a prirxeira de
o. 19 C, a segunda da n. 10 A : quem em lempo
se quizsr prevenir de dus casas em bellas con-
dicoes para o verla, e de prec,o barato, pode tra-
tar na rua eatreita do Rosario n. 4.
Peda-se ao lllm. Sr. colleclor das decimas sua
alteogo para os prego* cima, por nao se querer
continuar a pagar na razio de mais. Sobre o q*e
se protesta, e j se reclamou.
s

-

o
o
Sorilmento complelodesobrecasacos de panno a 2, 289, 30 e 35, casacas mimo bera
feitas a 255, 28, 30, e 35, paletois acasseados de panno preto de 16 at 25, ditos de casemira
decora 15$, 18 e 20, paletois saceos de panno e casemira de 8 al 14, ditos saceos do alpaca,
merino ela de 4* at 6, sobre de alpaca e merio de 7 al i O, calcas pretas de casemira do
8? at 149, ditas de cor de 7 at 10$, roupas para menino de todos os lmannos, grande sorti-
mento deroupas debrinscorno sejam calcas, paletois o colletes, sortimento de colletes pretos da
metim, casemira e velludo da 4 a 99, ditos para casamento a 59 e 6, paletois brancos de bra-
mante a 49 e 59, caigas brancas muito finas a 5, a um grandesorlimento de lazendas finase mo-
dernas, completi sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, seroulai
ilnho e ilgodan, chapeos da sol de seda, luvas de setla de Jouvin p?ra homem e i
mos urna grande fabrica de alfaiato onde recebemos oncommendas de grandes
senhor procurador on correspondente do u?0 esl seDj0 administrada por um hbil mestre de semelhante arle e um pessoa
luir At% CA i^.,..< ,. -. h .-. r i \,, 1 ti-.'.i ni m. ___.^aIJA i
da
Te-
obras, que para
de mais de
- -~s"- --------------------------------.---- u: S;DVn0L.d^?nr-^V porun.oexeeu.amos qualquer obra com prompudaoe mats barata
tenha a bondade de anr.ancist a sua morada para:
P -
ier-lhe entregue ota. carta.
I po que em outra qualfBer casa.
MUTILADO
ILEGVFI



11A1I0 11 tIBlAM90CO. t. lERgA FE1B1 9 DI bElEMBRO I, 1I6J.
Consultorio medico-ciriir
*--fel3AIiV GLORIA CASA BO YINiD AO~
Consulta por ambos os systemas,
Emcouiejuencia da madanga par i ihidoh residencia, o proptietario deete astabslecl-
mer-to acaba da umi uma reforma completa em todos os sena medicamentos.
O desejo que teni da que ct remedios do sea estabelecimento nao aa confundam eom 01 di
oenham eulro, visto o grande crdito da que aampra gozaratn a gozam ; o proprlatario tem tomada
a precau~ao de lnscrevero sea toma em todo o rotuloi, deyendo aer considerados como falsiflca-
cc-s todos aqaellea que forem apresentedos aem esta marca, a jiaaudo a pessoa que os mandar com-
prar quaira ter maior certera companhar urna tonta assignaMa pelo Dr. Lobo Mosaoio a am pa-
pa; marcado com o seo nome.
Outro sim : acaba de receber da Fratga grande porgio di tinetars da acnito a belladona, re-
medio* estes de sururna importancia e cujas* propriedades sao ta\ tonheeidaa qia o* meamos Srs.
mdicos allopatbas empregain-as constantemente.
Os medicamentos avulsos aur am icbos qur am tlnctaras eu'starao a lAo idro.
O proprietario desta eslabeecimesto sonancia a ssua cuentes e amigos djua tam commodoi
scfficietes para receber alguna escravos de am e outro sexo doentes ou que precisara da alguma
operagao, affiaogando que sero tratados com todo o disvalo a promptidao, Lomo labem todoi
aqaeliea que i tem ldo ascravos na casa do annunciante.
A aiteagao magnifica da casa, a eommodidade dos bankos salgados sao ostras tantas vsnts-
gtLS para o prompto restabelecmento dos doentea.
As pessoas que quiarem fallar com o annunciante devem procara-lo da mantas at 11 bora
t a tarda das 5 em diaota, a fora destas horas aeharo am casa pessaa com quatn ss podar* an
tadar raa da (ilfc n. 3 asa do fendo do Dr. 5o Mnte.ozn.
-----------------------------------------------------------------
RMAZEM
23Larga do Terco23
O proprietario deste novo arra3zem, AenJe os gneros por monos do que em outra qualquer
parte, afiangando se a boa qualidade de qualquer genero comprado neste rraazem.
Mantsiga ingleza da primeira qualidade a 720 e 800 re. a libra, e em parcho a 700. rs.
1 lemfranceza da safra nova a GOO rs. a libra e em meios barris, a 5G0 rs. a libra.
Q fijus flaraengos chegadts ltimamente a 2$, do vapor pass-do a 1#>8(>0.
Caf de p-imeira esegunda sorte a 260, 280 e 300,rs. a libra, e em arroba a 85 e 98.
Servejas das melbres marcas a 480 rs. a garrafa, e a duzia a 5J000.
Vinho engarrafado do Porto a 100O a 1|20Q a garran, ea duzii a 900O.
Dito era pipa das raelhores marcas a 480, ;,C0 e 640 rs. a garrafa.
Massas, para sopa a 320 rs a libra, e em caixa de urna arroba, por G5000.
Aztita doce de Lisboa a 7 20 a garrafa e de carrapato a 360 rs. a garrafa.
Sardinhas de Sanies muito novas a 380 rs. e em porgiio se f*z abalimenlo.
Am dos gneros annunciados, encontraro ortimento comp'eto e raais barato do que
em outra qualquer parle, por virem a maior parte delles por conla propiia.
Precisa-se fallar ao Sr. Francisco
Simpes dos Santos, para se ihe entregar
urna caita do norte : nesta typographia.
A pessoa que achou no dia I.* dj crrente
a quantia de 2u0j em seiulas, que im fechadas
en uro involucro brela, terina a bondade de
o mandar ou entregar ra do Uvramento n. 33,
uu S iravessa de S. Jos n. 35, segundo andar,
que se gratificar generosamente.
Aluga-se am armaztni na ra do Cortos ou
bocio das Boias: a ftllar na ra da Madre de
Dos n. 4.
Aluga-se a casa terrea a raa do Burgos
n. 27 : a tratar na raa da Aurora n. 36.
Tod tlleneo
Ar >cr Gomes da Caohs a Silva, com loja na
ra da Cadeia do Kecife o. 50, dafroote da rus
da Madre de Dos, roga aos seas numerosos de-
vedores tanto desta cidada como fora delta qae
se sirvam mandarem pagar seus dbitos at so
Bm do correnta mez de agosto, porque nao po-
deodo mais esperar passar a asar des meios
qae julgar mais conveniente para com aqaelles
que nao cumprirem seas deveres.
Aluga se um segundo andar ta
ra da Senzala Nova com duas salas,
quatro quartos ecosinha no sotao, por
preco commedo: na praca da Inde-
pendencia livraria n. 6 e 8.
Arrematacao.
Pelo juizo de orpliaos desta cidade
vai a praca de venda no dia 9 do cor-
andre, treuiwia ejoalr, \set iVnU-nies
aos menores ilhos do finado Jos Paz
de Moura Accioli. Estes escravos sao
importantes por suas figuras e aptos pa-
ra todo servico.
Francisio Jorge da Silva Pararnos, dentista
cora aseu gabinete na ra larga do Rosario n. 9,
tema honra de scieutilicar ao respeitavel publi-
co desta cidade, que reeebeu ltimamente de
Pars e da America do Norte um variado sorti-
mento da objectos de sua pronssao aiuda nao
iI.,lh, ^.ouuitti, Mauapotcu.aa uiiiusiarm pe,
Vuknet, estes denles cao f pela solidez como
tambera pela grande relacao da analoga que tam
com os naturaes, to saperiores aos que ordi-
nariamente tero viodo a esta cidade, rrza por-
que presentemente sao elles os mais adoptados
pelos melhores deniists da Paris e da Amer'ca
to Norte. O onanciante lem tambera um gran- I
<;e sortimento de mt?as linas de diversas cores
para eocher os dent* cariados, as quses lem a
proprieda'le -:e adherir a esvidade e de solifi-
ca-ls da modo a poder logo eiercer a msliga-
cao, disipara iuteiramente as dores inda as
mais sensiveis prorriedades que nao lera a da-
manlioa de que ordioariamenle se fas aso, a qaal
em vezde di'sipar motiva as dores por cnusa
d'agiia ocidolada da sulphurico. Quem quizer
seas denlas orlados, chelos de ditas naataa f
recorrendo so anuuncianta porque ella o ni-
co que presontemeata tem nesta cidade ditas
inassst recentemeote chegidas da America do
Norte e de Paris. A' vista dss circumstancias
criticas do temuo lem o annunciante resolvido a
modificar us pregos e de seus trsbsihos aGm da
chegar para lodos. O mesmo colloca dentes so-
bre base de ouro, platina etc sera extraeco de I i" "u ""'*". "'"" "' ""3. u rna nevaina ce can
raires pela prestao, a pivot ou a pislo, desres- riu?:,'J!.fV.Xu ha le_m qS06 Bl & L S.!a sort de croe et. como melbor exigir o estado da
Aluga-se
urna muala psra cssa de familia qae engomma
e cosinha : quem a quizer dirija-se a ra da Ci-
dei loja n. 21, que se dir onde se justa.
O Sr. Antonio Pavao, deOhod, f$a favor
de ir psdaria de Santo Amaro a negocio que o
mismo seohorno ignora.
Attenco
Per.'eu-se no dia 2 do correte, da Soledsde
at a ra da L'oiao, urna caixa conlendo urna no
ia da caiza lilial de 0O3, e urna nsvalha de cabo
bocea. Para a conserracao dos dentes era esta-
do de jaspe tam o tonunchnte excellente pos da
China verdadeiro preservativo nico e mgnifo
dentriQcio para conservar a bocea e dar-lhe um
nalitj sublime, tornando os dentes pelo seu uso
qaotidiano sentos da carne que vulgarmente
chamam pedr, da frcuxidao dos ervos alveo-
arios e de oulros muitos inconvenientes qae a
falta de taes pr*srvelivos occasiona tendo por i
origem a negligencia qae commamante ha qaa- tfif&tgtWW
si em todo o publico, acontecendo asaim per- i 3
dar-se o especiel omito da bocea ; o annuncian-
te alm disto fat todaa as opepcoes de sus pro-
flssSo com toda a promptidao possivel e delica-
deza. A entrada confronte a casa de pharma-
eta do Sr. Berlholomeu.
Celebrated army Razor n. 336 Sirand, am letres
Ouoradas : a pessoa que acho-a, querendo res-
tituir, pode leva-la ao callUiro Pradioes, na ras
Nf.va, defroote dalgreja dos militares, oa ao tra-
picha do Barbosa n. 11, praca do Corpo Santo,
qae se gratilicar genarosamente.
Prsciss-se alugar urna escrava para o s-r-
vigo de urna casa de pouca familia : a tratar no
pateo do Terco n. 42, t' andar.
r$i
1 v?>, <
m
Cf";
Gompanhia
DE
g
%
[Seg uros martimosM
SEGUNDA EDICCVO
8 SEGUR ID ADE
2 Estabelecida no Rio .le.fi
THESOURO HO.MEOPATHICO Jfillfiro. 2
$AGENCIAHUADOVIGARIO#.iO.#
Bombas
Afeentsm-M bomb
no
ou
Vade-meeum iohomeoptha
pelo duutor 1
.H.IPIHI.
ArraH-ae ma grande parte do sitio de i. B. Oa medicamentos do Dr. Sabina aa
coqueiro, denominado Marta ruina, na fregu-1 anieamautarendidoa em sat pharmatia* tede>
xls de Maracgaape : a tratar no eogeoho Muri- .ae e forem lora deliasa falsas.
bara, (r*guasla de S. Lnurenco da Malta.
Bailar &. Oliven sacara
Porto.
sobre a praja do
Koga-se aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Rbeiro de Oliveira que
teve loja na ra Dii eita n. 55, quena"
j: m de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
i8, evitando desta forma o receber se
judicialmente e publicar-se seus nomes
por este jornal.
l'ele-ae a eessoa que 00 da 1 do crrante
levo por eogtno ou por pera ana caixa de
prata com tabaco com as iniclaes *.. J, y 5, ;il..
se achava em cima de urna mesa, o favor de a
Todas as carteirsa o acompanhadaa da aa
Impresso com um emblema em relevo, teudo c
reepr aa segaintaa palavraa : Dr. Sabino O. L.
Ptnho, medico brasileiro. Este emblema* poste
igualmente na lista doamedicamantoa qae aa pa-
lle, Aacarteiruqae nao levaremesse impresa
sssim marcado,embora euham natampa ane-
ase de Dr. Sabino ato falsos
Roga-se ao Sr. Ohnstovao santiago do
Nascimeato. queira ter a bondade aa spparecer
aa raa de Santa Thereza junto a casa de n. 22
ou rus Imperial junto a cass do n. 80, sobre
ara oego:io de seu iaterssse e sera falta.
Attenco.
Lara-se e eogomma-secora tolo o aceio a rer-
feico, por menos preco do que am outra qul-
geral de Londres n. 224, Strand, ana loja
Je todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda era toda a America
do Sul, Havana Hespanha.
Vendem-se as boceiiuhas a 800 rs., cada
urna dallas contera urna instruccio am portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito gaal i em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Crur n. 22 m Per-
nambuco.
Aluga-ss o sobraiio di! doua auaares D. 25
dos Quatro Cantos em O'.iude, bastante fresco'e
cora excellente vista, tera bons commedjs liara
familia; a tratar coo Joo So.res Raposo, na bo-
tica dos Quatro Cantos, ou tora. Leal & Irmo,
na ra da C* -eia do Reeife, escrii torio n. 56.
mandar entregar a seu dono ou bula la Dflr ba- i 3*-' partf5" Peisoss que qaizerem se lilisar
xo da porta de sea estabelecimeoto, do contrario d'r'lm-se '. Jo Queimado n. 30, terceiro
se publicar seu Dome. contrario andar gua se dir quem .
Roga-se ao Sr. Horacio Perreira da Silva
que no prazo de 3 dias apparfc. na raa da Crus
o 13, segundo andsr, a negocio de urgencia e de
pariicularinteresae do mesmo. Recite 5 de se-
tembro de 1862.
E'ault ma praca
Em presenta do Illro. Sr. Dr. jaiz doa'orphos
vai a praca no dta 9 do corrente'a caa terrea si-
ts na ra da Santa Cruz da Boa-Vista n. 54, em
chaos proprios, situada no melhor lugar da' rus,
com duas salas, tres quartos, cooha (ora, quin-
tal murado, cacimba,etc.: os pretendentespiem
examina la, e querendo dirijam-se a sala das aa-
diencias publicas no referido dia.
Aluga-se ama pequea casa no Reaife, raa
da Vnzala, propria para stgom eafabelecimento,
ou pequea familia ; a tratar ua ra da Cruz nu-
mero 30.
Alaga-se una casa terraa feiu a moderna
com bastantea commodos, oa Soledad*, ra da
Esperanca, assim como na mesma ra ma baixa
de capim bem plantada : a tratar na ra da Cruz
n. 30. armazam.
ova exposi-
co de candieiros
a gaz.
Chagou a nova eiqoslcao \
Chegoa a nova exposico
Chegoa a nova expsito
Chegoa a nova exposi;o \
Chegou a nova exposico.
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Csndieiros a gaz
Cindieiros a gar.
Sortimento completo
Sorti..' enlo completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Sortimento completo.
Gaz de primeira qoaii'ada
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qmitdade
Gaz de primeira qualidade
Giz de primeira qu&lidiis.
S tem na nova expsito
S tam oa nova exposico
S tem na nova exposico
S tam ns novs exposico.
O proprietario deate cstabalecimento avisa ao
publico em geral que tem recebido m completo
sortimento de candieiros a gaz para ricas sslas,
quartos, escadss, eogenhos e para estados pe-
queos qae pode com s economa de urna gar-
rafa de gaz ter para 60 horas de luz, ricas cadei-
rasde balanco de ferro com estofo adamsscuo
de linbo, lavatorios de ferros economicos^tvru
lodoso pertences, com esgoto no fundo S ba-
ca, ricos quadros para ornamentos de sal & e um
riquisslmo sortimento de otjectsrias a iwtaco
de marfim para senhorae epprovadaa na tima
nrpni>Sn d ntini>oj.#.artT.fL-i.v<-uo tmut or.
do se vende por diminuto pre'jo que mu e-
ver agradar aos pretendentes ; na raa N n
20 e 24. loja de Csrneiro Visnna.
Joac Francisco d'Albuquerque Birro, de
hoje em diante passa a chsmir-sa Joao Maris
d Albuquerque Barroa.
Precisa-s* de um rapaz portuguez, dos che-
gsdos de pouco, sendo possivel, de 12 II annos
de edade, p>ra um pequeo servico da um sitio
perto da prac; o que pretender dirjase ra
da Concordia 0. 35, qae ahi achara auem o dirija
ao dito sitio.
Aluga-se
ma casa terrea na ra dos Prareres o. 20, por
prego muito em coota, por ter lies quartos, nm
gabinete e msis tres quartos no quintal; s tratar
na ra da Iraperatriz n. 60. com Gama & Silva.
Francisco do ll-go Pontee, subdito portu"
guez, relira-separa Portugal, a tratar de sua sa
de ; o mesmo alga nada dever nesta prac, po-
rcm, caso alguem juli?ue-s9 seu credor, dirija-se
taberna da ra da l'rala n. 2.
Aluga se o sobrado Ja doua andares n. 2
da ladeira de S. Pelro Velho em Onda, bstente
fresco e com commodos sufficieotes para uma fa-
milia pequea : a tratar cora Joao Soares Rpo-
so, na botica dos Qaatro Cantos, ou com Lal &
Irmao, oa ra da Cadeia do Recife, esulptorio
numero 56.
Sftudanca.
O solicitador Jos Coelho da S
madou ua resideniia para a ra do Livrameuio
n. 21, aegundo andar.
Ra da Scmalla Nova u. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro- :oado libi a 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120rs
Lencos braeos
com barras de cores para meninos a 1 $
a duzia.
A toja d'aguia branca tambem vende btns a
bonitos encinhos brencos com barras de cores
proprios para aeotnos, palo diminuto prego d
IJ a daii. Aviita da limitatao do precj lalves
Igtem descontle da bondade da fazenea, mis
pa desengao dirig:r-se, prevenido de dinhei -
ro. rus do Q eimado, loja d'aguia branca c. 16,
! onde os achara patete,
V'eodem se Dalangas decimes e uma d Rol
vi e lra.i i ma0 cm Peil8Q-s os ra do Trapiche n. 9, ar-
e A.rjo maien:>
Para cozinhar,
Pretisa-se de uma imi
coiinbar : na ra
andar.
Ra da SenzalU Nova a. 42.
Vende-se em casa de S- P. Jonhston A C,
forra ou captiva para ; seins e silhoes inglezos, candieiros a casticae
do Livrammto o. 21, segando broezeados, lonas ioglezas, fio devela chicotea
j para carros e montara, arreios para carros da
a dous cavallus, a rtlogios de onro patente
m&
Ul
Prscia-se alagar uma ama para o servido de
ama cafa de fao.ilia, e que compre : no becco
dos Ferreiros n. 7.
Grampos a balao
cora pendentesdourados.
KfcHltUIHIUlVIPAHaVfcL
UNGENTO HOLLOWAT
Hilhares de individuos de todas as asede
rodeistestemunharas virtudes desureme-s
mcomparaveleprovaremcaso necessario.qua
pelo uso que dalla fizeram tem seucorpos
stembrosintetramentesosdepoisdehaTet a:-
sregadoinutilmente outrostratamentos. Cadi
pessoa poder-se-haconvencer dessascuras ma-
ravilhosas pelaleitura dos peridicos, quelh'ai
relatam todos os dias ha muitos annos; e i
mior parte dallas sao to sor prndenles mu
admtram os mdicos n celebres. Quanm
pessoas recobrara com esta soberano remedie
o uso de seus bracos a peroas, depois dedu-
permanecido longo tempo nos hospitses.o tr
Ideviam sotrer a amputaco I Dallas h irU
casque vendolcixadoasses, asylos depade
tmenlos, para ss nao submateresi aassaope-
r*5& medianfe o uso desseprecioso re-aedio. Al-
^umai das taes pessoa na enfusao de seu rece-
nhecimento declararas estesresultados LeneS-
,cosdiante do lord corregedor e outros i*.gii
trados.afim le aiais autenticares sua a Grmath
inguess desesperara doestado desande n
tivessebastanteconfianSa para encinar esto re-
medio constantementtseguindo algara tempo t
trataaaento que necesstasse a natureza do mal dondf demadeira de amarello, e um rtIegioVme
eujo resultado seria provarinconlestaveltaente
Que ludo cura.
O ungento henill, mais partten
sarment nos seguintes cafos.
realida-eVrjaito rcais valem. Convm pota qa
Ain la contil a egico desje o da 27 de 'a Tisla "1 limitacio do prego a sanbora que com-
marco do crreme anuo, o escravo Francisco, Pr,r *m V oais pares, nao sa demore em par-
crioulo, idade 25 at 27 auno, pouco icais ou ticipar as suas boas vizinhaa a intimas amigas de
menos, aliura ieular, bora corpo, baiba paisa collegio, para que as amittem no sea prdo
piolho., bocea pequea, cura todos os denles na "o. m;an>!m logo comprar outros pares na
frente, uariz alado, peaceco cutio e grosso, ulbos loja de sus sffeigo : que e a d'aguia branca, ra
vivos, cor nao muilo prta, tem uma pequea do Qaeimfcdo n. 16
cicatriz na testa por cima de uw oiho, intitula-st' < Vende-se um
forro per onde ando, bastante ladino e jogador, I \y
trabalba de carpintero pou m.'o, es pequeos, tem mr.r Coilas. Foi escravo do Sr. Manotl Joaquim da f> I
Silva Carvalho, morador no brejo de Teqaarilin- ', I .%% I
g', e cmpralo pelo abaiio assignado ao Sr. Joa- J ^-**' *
fuitO Antonio Santiago Leasa. Confia que o alio
| escravo anda pelos sertoes de Serra Talluda, Kia- i
a mobilia de mogno a Luiz
para ver e tratar na ra dss Cruzes n. 11.
primeiro andar.
e potassa,
Velem-se estes dous ar-
ENSINO
DE
f
PARTIDASjIflBRADAS
Oirigiuo por
1AN0EL F0JBEC1 DE 1IEDEIR0S
DUAS VEZES POR SEMANA.
TEBQAS E SEXTAS
DAS 7 AS 9 BORAS DA ISOITE-
RA LARGA DO ROSJRIO N. 28, 1. ANDAR.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ba do Cahug n 18, entrada pelo
pateo da matriz.
Essa galera ornada cotn oa augustos retratos
pbotographicoa de SS. IIM. o dae aerenissimas
princezssimpariaes, assim como com os de mul-
tas dss principaes pessoas desta cidade, est a
disposigodo pablice, qae a pede visitar todos
oa diesdas 3 horas da maoha s 5 ds tarda a
examinar oa trabalhos xpostos.
Connua-se a tirar retratos por lodos os sys-
tamaa photogiaphuos, a especialmente por rn-
orolypo a am cartoes de visita. Fazero-se tam-
bara niimea*amioiaitra em ts'co par sa tollo-
sa raen em jsWi.
Os pfegoe3rSt.relraiossao os msis razoavsls
qae es ateon!rata nesta cidada.
J. Farreira Viotograpbo. phllela,
9QT9s>*S30

dere levar s*u legitimo dono o abaixoasigna-i (|o R(iif.'. n 15 I*iaa ti***+*t
do, na fregara de Agua-Prels, que serio re-; J n tU'3 "' 1Z> l"c\IS DaratO
compecsadoa cora 200;.__________________(JO qUG Cf OUtra qUaliIU T
Desej se fallar com o Sr. Joo Paulo Fer-lnarte
reir, na ruado Crespo n. 10, primeiro auaar I r" tt'______________________________
.Na ra do Crespo i-. 1 ti. mujeiru andar,
desfja-se filiar com a Sre. I), liara da l'aixao
MaltOS.
Precisa-se ue um caixeiro
No
maohaa, depois d- .
I.* dutriclo da fregaezia de S Fr. Pidro Goors" ~ >nde-se ou (errauta se por uma escrava
ves do Recife. se h. de srem.Ut iZToS. re- S"" "" '"' de ,m
Alporcas
Gaimbras
enceras.
Cortaduras
Doras decabeQa.
das costas.
dos meabros.
Enfermidades da cutis
m gsral.
Pitas de nus.
Erup^es escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gangivas escaldadas.
Inchaces.
nflammacao do ligado.
Inflamaagao da bszig
-da matriz
Males das pamas,
dos peitos.
de olbos.
Mordeduras de reptil.
Picadura de mosquitos
Pulmoes.
Queireadelas,
Sarna.
Supurar^Ses ptridas.
Tinha, ea qualqua
parte que seja.
Tremer de ervos.
Ulceras na bocea,
do figado.
das articulaces;
Veas torcidas ou no-
das as pernas
Sosas e kijqiiels
artiiciaes com cheiros.
, .-----r.
re U. Unicu Mara da Cuuceigio, occe.ii.es de bailes, casamentes, etc etc o ue
sor inieriuclorio.sie juno pr.e- ia,lui oovissimo, porm de muito eosto ooaea
de inventario do ,t_ Uado a re- despez ; costara 13 e l^jto, e acram-e nica"
Vende-se este ungento no asubelecmentc
garal de Londres n. 244, a Strand, mu loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda 1
Amrica do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha contait
uma instruccio em portuguez psra sxplicar c
modo de fazer uso desta ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
barmaceutico, na rus da Cruz n. 12, a
pamambiico.
sobic Lisboa e Porto :
na ra do Vi-
! Nva Ma da Meira
4
gario n. 9, primeiro andar, eteriptoro | 5 de Carvalho Ov Nogweira. % I1H na da CriJ/. (lo Recif
n
Precisa-se
o. 30.
de um forneiro ; na roa l'ireila
SYSTEiA MEDICO UOUEUOWA1
PILULASHOLLWOYA.
fir
as em c cimbas, e concer-
*'8_e.,le t.od para agua, assim
J b/(na da Cruz161
O Dr. Rocha Basto S
d eosseltee todos oe dia*.
Car. rsdlcal a em poeto das moles-
tu. .yphuiti,,,. doi fiprg0. sa3;
Consolas de greca das 8 aa 9 horas da
ftt, livro qae se tem tornado to poprnlai
qusnio ne.ess.ro, scaba da ir publicado com
tooe es raelhjramentos, qae a eiperiancia o> 'mentoa da chumbo e tinco
irogress'-.s da scieaaia tem damonalrsdo. A no-
'a adiego em tido superior primeira. en-
aarra: *
i.' Malaarcplae noticin carca do taralivo
Ca molestias, com iodiesge* rasi preveitosas
doa madlsamectos novos recntemente experi-
mentado* aa Europa, nos Estados-Unidos ano
.' A expoeigaoda doatrina homeopatha.
. O estado da apropriagao dos remedloa ae-
^,fi.a7.Td0roD'aciM dM ett,peramentoa,
das laadea, dos sexos, o alegando .. eircamstsn-
tia atmospharicae etc., etc. *-""iau
5. A preservagso daa molestias epidmicas.
I !JSaA^mt9t U,l,,lr ismonelrativa da
aontmuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o aous ate, etc.
Vende-se ns pharbacia bspicui, awmopi-
thic, propriedade do aathor, ra de Santo
Anasro (Mundo Nove) n. 6.
a!V t*,1 Mn,P1- i 20*000
H. B. Os senhoreaassignante* qeeiram man-
*r receber seas exemplarss.
Baifo Unio.
EstabDlecido na. cidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antoni* Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C'
R.na,en,?nPrtd0, f". miJf, Tls's. obre as agendas em
Lisboa, Figeeira Coimbra, Av.iro. Vizeo, Villa-
KUlT8 i! V,nn, d0 CMU,,. uim.res,
Bareellos, Lmelo, Cos haa, Uraaa Penael
Br.ganga. Amaran-e. a oilo H.T*' S^Sm
Sis r? tarntion" : no escriptorio ru. d.
mennaa.
^i^^tti9^-^Ss9Hwseie4-
Pracisa-se de coslureiras de Ifaiale^nl
ptteo.do Livrt-mento c.25, loji.
Sement de algodo dos
Estados-Unidos.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da In.
dependencia dutribue.se sement de
aigodSo mandada vir dos Estados Uni-
dos pelo governo.
~ *'"* 4e "do andar e loja que ser
para negocio, no pateo do Panizo n 4 a tr.
'na ru. da floda o. 17. segnndo ndar. '
t>-. afc ""
(OZOiilO)
Ol
2 3-Baa estreita do Rosario-3
fl Francisco Pinto Ozorio continua a coi- O
9 locar dentes arlificjaes.tanlo por m6io de %
af molas como pela prselo do r, nao re-
tf> cebe paga alguma sem que af obraa nao
9 Qquerc a vootade de seus donos, tem po A
Q outras preparacoe as maia acreditadas S
a)T para conservaco da bocea. m
SOSA *
GONSULTOaiO SPWttLHOlEiPATHICO
DO DOUTOK
SABINO 0. L. P.NHO.
Ruaide Siito Amaro (Mundo
Novo) u.6.
Gonsaltas todos os das atets desde as 10 hera
t meio da, acerca da seguiutes molestias :
wssiia da mulhtnt, molutiat das eriaix-
MS, mocstias da pilU, molutiat dot olhot, mo-
.*tt\at ivph\lU%ca*,todat a$ ttptcitt dt ftbr$$
ftbrtt %nt*rmitt*ntt$ i iuai eonttqutneiat
rtUBJuea kspicu aoMBOPiTMiCA.'
Este inestimavel especifico, composto inicua-
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio era alguma outra substancia delecteria. Bei
Digno maistenra infancia, e a compleigao mas-
delicada, igualmente prorapto e seguro par;
desaneigar o mal na compleigao mais robustas
fentoiraraente innocente em suas operagoese ef-
feitos; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especie e grao por mais antigs % tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com esta
remedio, muitas que j estavant s portas da
morte, preservando em seu uso conseguir
j_j_ q recobrar a saude e forcas, depois de haver tenta-
ai do intilmente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao devem entregar-sea des-
esperago; facara um competente ensaio das
efficazes effeilos desta assombrosa medicina o
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades ;
." s, ......
35 Manotl Josa .la Fooceca. pailecipa ;
g lodos os seua Treguezes e juntamente ao
m respeitavel pubii o, que tora Rronde sor-
^ lmenlo do renadores, uso da Europa, nto
g vndese muito Uralo, bahus. batis
barhwro, bild's pira despojo, ba
A
Con.pram-sa arr*.e do novo banco de Per
narabuco : no ascriplorio de H-noal l?na Olivara & Filho, larglo Corpo Sir.lo o. 19. I 5
icifs de fi
senieupa, gamelas pra banho, latea tara K
m depoaito de farinhs ou
.: se i
outra qual.iaer
serventa, raneras p>r conduzir agua
machinas para af. baliio* para cora. ra<:
------------------------------ gt n.i sorlimentodeoutras muii.-s obra e in-
Comprsm-se eccravos que saibam Irrbalhar 1 8
fe
em arni^zem .le 3s*ucar, e que sejara robustos:
na ra do Trapiche 0. 9, armazero.
te env'-rnis*d3s de di
s ian:af,hos e jiiotam'u-
Corupra-se
ourelos em qualquer porcao : na
do Vigario n. 9, primeiro andar.
ra 5
a-r.\xs zxjszMttasm
-Y V
rersas cores ; r.ce-
berni se eocammendas e se fabricara
vor.tade de se^is dono, e jantamente se
afuogs a boa qmlidad. e perfeiclo d
m^-mas obras; ha folha de ilindr
lai.h.iem verg.inhas 700 ra., vPr
pal IJ-200 r.. latas de arroba ,'.
rs., cocos a 1;00 rs., canecos 1"
JE regidores a 1;280 r.=., bihus
s
e es-
co-
000
rs.,
i a
ias
rs.
que por aignsl tem uma b'aodeira por-
ta qu> ira cto o vento, esta chama-s
a I"ji da bandeira.
48000 rs. n p-qanos a P00 r>.
f srandes a .-000 rs. e pequeas a
2 Tudoisto ven!e-se ni loja de f.
evidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias ( mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou extena-
gao.
Debilidade ou falta de
torgas para qualquer
cousa.
Desinteris.
Dor de garganta.
ds barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfarmidsde no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueta.
Herysipeli.
Pebre biliosa.
Febre intermitente.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia,
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmagoes.
Irregularidades de
menstruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de podra.
Manchas ns cutis,
Abstrucgo do ventre.
Vendeju-se caixcs va-
dios, proprios par* fimileiro
e b..huleiro, a 1?80 ca.lanm : ff1SB9!BSSKg SSVSS
neit typographia se lira.
n. 1, muilo proiris pin am principiante
' ter pou-ro fuios, k l-ntir na raesma.
50
por
RA
DO
I.WB1D0R
OO.
IMPERADOR
55.
MllIIE
i^S
u^w.:
DE
IK

I Acha e venda no escriptorio da Antonio
Luiz de Ovoirs *
Azeedo & C, rus da Craz n. 1
sobra escripia pelo vlscooda da Uruguay Ensaio
me enie.,,1- i Sobr! "ireUo Administrativo ; daixamos da te-
pbarm.cia ; Ba bet.ee da re. do Cab.J \ f" t0,T\'n "" 0br'' biSlS> YV rie "" a~
--------------------------------------------------u u. 11. tor ,,SM 4 tornar recommendada, dos ^olumes
A praca dos movis per.ho-ndos a Joao da em brotbura 10j}, encadarnado 15$.
Costa Gadi.ho para o tiia 6 do correrla cou -------\TZ'<----------------------:--------------:--------------
transferida para odia 10 di correte, s lio-asoa m.Th \" '*", """ "." U"' Da ,a'"e"'
a.dienciadoSr. .uu de prz do 1.. dislnc" d l,?? *V K-"^ ?n 9 8r,nd! COm ~ 8,las-S
Boa-Vila. u,Mn"0 ut | quartos. 1 sotao, quintal murado, cacimba, ba-
. aho ne fundo ; ss pessoss que a pretendarem d-
du 'J do correte me/, l 10 bora da I rijam-s^ a raa Direita n. 3.
audiencia do juiro e paz do1 y.nde-'
propria para passar a feat, est pintada o
retilicada de novo : a tratar no largo da Paralzo
numero 15.
ncano, por execuco de Antonio Jos de Mello
cor Ira Joaquim Rodrigues Oa Paj Bandairs.
No Ola K Jt : 1 I-;, t ro pehs 11 huraa Oa
rcanha na audiencia do Dr. juit de crphacs es-
ta cidade se ba de arrejitar una casa terrea
de pedia e cal no pr.tso 'e S. Pedro Ap-.tolo
n. 1 da cidade de Olinda, ataliada era 1:400$.!
Amalia, Blhos do iinedo ifexdTio Ct.tano d '' eboaqeets art.ficiaes ci
Ullnd, queahoaveram por hercDQi uj inven > r'c. I-a"' se-vero para trazer
tatio oe sua av 1). lr,.ci. Mara da nnnr.airin I OCC
e tai a praga p(
rido GOl autos
qu-rim*nio do tutor dos mesmos.
Aluga-eeo quarto indar do sobraue da rUJ
>ova c. 21 :a tratar m rxesaia ra loja de !er-
ragens n. 6.
HuJ.,
se na nao ras
j mente aa ra do g^eimado, loja 'aguia braoca
numero 16.

/
J. VI'GNES
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje sssaz conhendos, para que seja necfssario insistir
sobre a sua superioridade, vsr,tariens e garantas que oflVrecem aos corap-adores, q.ialidides estas
Pntysica oa consump- mcontestaveis que elles tem definit.vamente conquistado sobra lodos os que tem apparecido n'esta
gao pulmonar. praga ; possiundo um teclado e machinismo que ebedecem todas as vontades e caprichos des
as. pianistas, sera nunca faltar por serem fabricados da proposito e ter-se feit > ltimamente melho-
rameDtos importantissiraos para o clima deste paiz ; quanto asvozessao melodiosas e flautadas a
por isto muito agradaveis aos ouvidos dos apreciadores. '
Fazem-sa conforme as encomraendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel de Parig
socio correspondente de I. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as exoo-
sigoes. P
, No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas
dos melhores compositores da Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos sendo ludo
Vendem-se sslas plalas no estabelecimento | vendido por presos muilo rszoaveis. -wawwiww, seDao tuao
Bheumatismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tieo doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
\
ILEGfVEL
MUTILACX)
y
~- .. .


DIARIO BB FERKAMBCCO TEEC> fU&A 9 DE SEIEHLUvO DJt 1S6
HODIFICMJiO DE P8EC0S
MEINOS 10 a 20PORCEiNTO
NOS
Maguas
Lingais do Rio Grande em porgos de ICO
pera cima : no armizem de Tuto Irmot.
PROPRF^^I^T ^e^a''V3PorParaov'"
raMuu
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carino n. 9.
Scienlificaea aos seus freguezes queem virtude do actual estado de apaihia commercial re-
solvem vender todos os seus gneros por menos do que ouiro qualquer anunciante e offerecem para
garanta da superior qualidade de seus gneros as competen'es amostras de cha, rnanteiga, caf,
ar-oz, tapioca, araruta, etc., etc., para que pessoa alguma duvide destas qualidades, a vista de lao
resomidos presos.
Convdam portanto ao publico decta cidade e de fora, a virem fazer sua dispensa em ditos
armtzens, afira da pouparera annualraente de 100*000 a 2:0005 conforme a cusluraada des-
reza de cada thefe de familia, economa e.'ta que muito til Ibes deve ser, sem que feja mister
soffrer a mais insignifican'e priwfio do custumado diario de seu passar, devendo porem manda-
rem, aos armszens indicados.
a* aja o
ti
5=3 o
s S* hS
2 X
n " o
tTJ O ^
t5 O c/a
la Q>
09
pa CJ
3 > _ -i
ca
2a B N :
~ f -i M o o
i c S^ ca B

3 6
O 3
O
w
es
, _. o
^ r = O a
5 5. s"
5
a j. m
= es -
s. o 1
< o
K" o
?r o
3.
. -
C M
g
re
5
o
? 2 (Ti uA 3 ^
a a -
3
_ rj3 os
O ^rf O
00
2 O .
3 2 3
re


^ o
O = = S ..o95
? .era ET. H ai t 3
"" -> rr o.
9
-O
3
o
(A
a
13

O
O
CJ
3


o
o
f
Qa
3
3
o
o
c
3
os

ce
0
o
o
a.
0Q


O
13)
=3
s


era
3 > I
o F
Z2
8 5'
3 P
3
O
3 a
7>
^3
O 3
a. hj
2 d
II
' ce
c
3
3
o
o
n
o
3
e-.
O

5
ha
c
fi5
"3
p
u
e.
""O

|s'
1"
o
, O h0
5 2
-o Z
fia
5
o
o.
DB vi
C s
" rs
M I
1!
3
= i
C- ai" =S
-a Q
P -
es
3 O)
as
Bu
o
-o
o

M 1
d
C7S 2.
N
1=3
15 os
ft o
N
CO ?
er
5? -
O c =
= o
o
o
3
1 c
- N 3
S en i.
o
S
mi =; 3
03 .-----5
3 ET
B I =
no -.
V.
ib 5 3
rx S
ta
o
o
O 2.
22
"i
1 -
M

u
5 B
-S
B3
o
o =
3
g S
II
I-8

o

es
s
9
00 *
o *
al
CA 3
t
a
ai
2.
>-* to
O 3)
o a.
3 I
^
r "
3 a.

cy 2
o
m
S
-j 3
| B-
3 C/2
5
s'
O
O
-
o
d
0<
o .
es
o
s? -.
B
5'
es.
o
o
o
-o
a
3
o
es
o
o
=
S
a
es
o
o
e u o
o <
ci
M -1 O
rs -^
g 15-
5' o a-
*
a *aj
<* o c
i- n.-=
a =
O*
* SS-
cra a i
as a. ,_.
a ffi. T3
IBM tt ?
o> S
S. 3 "S Ti
Os o a
o -. -
6 O
fia ^s
3
03
a 3
3-
" O
o. 5
3
si

5?
)
i
SARDNHAS DE RANTES. As mais novas r,Ue se rodem desojar.-a 360 rs. a lata.
GENEBRA DE HOLLANDA. Em garrafes;com mais de 15 girrafas a 5800 e f'asquei-
Tas com 12 frascos a 6J500 e (500 rs. o frasco.
AMEND0AS COPsFEITADAS. Muito novas e de diversas cores a 800 rs. a libra.
DOCE L)A CASCA DE GOIABA. Superior a 800 rs. o caixocom 4 libras, tambem temos
grandes com 8 libras a 2# cada um.
GRAO DE HICO 0 mais novo que se pode desejar a 80 rs. a libra.
BATATAS NOVAS. Ch/gadas ltimamente a 60 rs. a libra e 3#500 a eaixa com mais
de duas arrebas.
CHAMPAMIE. Dos menores fabricantes que vera ao mercado, de 129 a 181000 o gigo e
19500 a garrafa.
LICORES. Os mais finos que se poe desejar a 8C0 a garrafa e 980GO a duzia.
COGNAC INGLEZ. 0 mais especial que se pode desejar a 1000 a garrafa, e 1090CO a
duzia tanbem temos superior para 700 a garrafa, e 89000 a duzia.
SEB.VEJAS. Das rnilhores marcas a 59 a duzia, e 500 rs. a garrafa.
NOZES. As melhores do mercado a 120 rs. a libra e 39200 arriba.
PAP^L GREVE. Lizoe paulado o melhordo mercado a 49000 a resma,
FRUTAS EM CALDAS. Pesego, pera, damasco, rainha Claudia, ginj, serejas, e morango
a 560 rs,a lata, e 69000 a duzia.
AMEND0AS. De casca molle a 240 rs, a libra das melhores, a 200 rs, mais ordinarias.
guante.
A$o para balo.
Sao chegadas as vtrdadelraaasteas ou ac pira
concertar ou faier baldea, que com ama pequea
quiDlia qutlqutr seohora pode faxer um grande
balo, pois vande-sa pelo baratisiimo pr<>co de
140 ri. a vara, oa pega com 50 metroa a 5(500 :
a no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cordo de borracha.
Tambem sao chegados os cordozinhoa de bor
racha de ratroz, sonidos, de lindaa cores e de
tolas a* groaiuraa,que mulloae deatjava, tan-
to para pulieiras com* para debrum da colUte,
e para muitas cutrss obrai: a no gallo vigilan-
te, ra do Crespo o. 7.
Fita de borracha e de seda.
Tambem sao chegadas as superiores fitas de
borracha, astim como de seda prels, propria para
debrum de vestido, como para collete, que se
rende pelo barato prego de 160 rs. a vara : s
no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.________
Gaixas de tartaruga e charu-
teiras de chamo para rap
e charutos.
0 tabaquista que aprecia a boa pitada da Lis-
boa ou mesmo Prlnceze, Mauron etc., etc., 4
justo que compre urna bonita caixa de tartaruga
tuda marchetada com a qual nao se nvergonha-
ra da offerecer da boa pitada de sea gasto a to-
dos oa circumatanlea que sa acharem em aua ro-
da, n,uius dos quses louvarao o seu bom gosto.
Aaaim como a caixa oeceasaria ao tabaquista,
i cbaruteira nao auperflea no fumante e sendo
ella bonita como sao as da charo nuchetas ms-
Ihor ser porque com isso deixa conhecer quin-
to sjbe apreciar o bom. Para os maia commo-
dialas tambem ha bom soriimenio todos encon-
traro baraleza ama vez que munidos da diohei-
ro s* dirigirem a ra do Quaimado loja da aguia
branca n. 16.
Na ra do Vigario n. 10, ven-
de-se:
Panno e fio de algodo da Baha.
PoUssa da Russia e cal de Lisboa.
Viudo do Porto fino engarrafado.
Dito Bordea! em caixar.
Dito Collares dem.
Pianos de afamados autores.
Ra larga do Rosarlo n. 38,
loja da aurora,
tem para verder ac para balo a 120, 140 a 160
rs. a vara, tem lavas de pellica de verdad.iro
Jouvin para aeuhora para horneen, muito fres-
cas, chegadas no vapor inglez no dia 28 do i ai-
sado, agulhaa de todas as qualidades, rap Paulo
Cordeito, dito Rocha, dito lino, dito grosao, dito
meio grosso, dito Mearon, dito rolo francez,
dito Lisboa : luto Tende sa em libra como em
oitavss, grande sortimento de fita da seda, van-
de-ae muito barato, muitas mais miudezas em
coala.
iedss 500 e 720 rs.
Vende-ee sedas de listaa e de quadros para
veatidoa de senhora a 500 e 720 rs. de quadri-
nhos rciudos o covsdo : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavao.
Camisas j^ara seiihoraal$000
S na loja do Pavao.
Vndese camisas da madapolo francez muito
bem thfeitadas a 1g cada urna, su na raa da Im-
peratriz n. 60 loja e armaiem do Pavo.
thales baratissimos.
Venee-se chales de merino muito grandes a
3X. itilAa earihaldin "4*. djtoa eetjimnii.lnB
Uzenda Qntaaima a 6|, ditoa pretoa a j#, ditos de
rede a imitiQo de retroz com booitaa palmas a
3J, ditos de casaa de quadros a GO is.: a na
ra da Imperatriz n. 60, loja e armizem do
Pavo.
Baldes de bramante,
IVa loja lo IViil o.
Venle-se baldes de bramante muito bem hi-
tos, seado de por e tirar os arcos quaodo se quer
Uvar, pira ssnhora e para meninie, do rcesmo
bramante e de arcoa : na ra da Impesatriz n. 60,
loja do Pavo.
Terrenos perto daprfa.
. No sitio do Cordeiro em Sant'Anna
vende-se a retalho o resto dos terrenos
porpreco commodo : dirigir te a L. A.
Dubourcq no escriptoro da ra da
Cruz n. 40, para tratar. O engenheiro
Sette e enoarregado das mediques
Vestidos braneos.
Vende-se cortea de veatidos brancos bordados
a seda, praprios para noiva*, pelo baratissimo
pre;o de 6J, ditos de tarlataoa branca borda-
des a 109 na ra da Imperatriz n. 60, loj e ar-
ruaziin do Pavo:
2'arlatauas e il do Pavo,
Venla-se tarlilana branca e de corea a 800 rs.
a vara, fil branco liao a 81.0 rs., dito lavrado de
palmiohaa a l{) a vira, organdya branco muito
fino a 19 a vara : na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
Luvas e sintos do Pavo.
Vende-se luvas de seda prelfs e de cores a
640 rs. o par, ditas de retroz a 640 rs., sintos de
seda muito ricos com (velas di tiradas a 19 cada
um : na ra da Imperatriz n. 60 leja dn Pavo.
Ao pvao.
Vende-se neste estabeUcimento as faiendis
mais baratas do que em outra qoalquer patte, s
com o fin de apurar dinheiro, chitas largas es-
curas com pequeo (oque do mofo a 100 rs. o co-
vado, ditas francezasa 210, 2(0, 280, 320 e 360
rs., pe?as de msdapolo e algoooiinho por pre-
o baratissimos, cassss organdya de todas as co-
res, cartbraias de todas as qualidades e todas s
maia fazeodaa precisss para o consumo, alni de
estar este esUbolelmeoto aberto dis 6 as 9 ho-
ras da r.oite, tambem se msoda levar as fazen-
das e amostras pelas caii-iros : na raa da Impe
ratriz n. 60, loja do Pavo.
Houpaparahomens.
Veode-setil51sdecasemlra.de brim pardo,
de dito de cores, palitola francezes a 69, ditos de
panno prafb e cor de caf a 69, calcas de ceae-
o.ira preta a 53 : i oa loja do Pavo, raa da
Imperatriz n. 60.
Libras sterliuas.
Vendem-se no scriptorio de Manoel Ignacio
de Oveira & Fitho, largo do Corpo Santo d. 10
Loja das 6 por-|
tis em frente do Li
vrameuto.
g.Baloesde 15, 20, 30 e \Q arcoi.l
Grande sorlimento de baies de arcos 3
, os melhores nesta fazenda e grandes, chi- *
tas frsncezas largas escuras a 220 e 2U
rs. o cova 'o, ditas estrellas miudiohes a "*
8100 rs. o covads', cambraia lisa para for- 2
Sro com 8 1|2 veres a 29 a pega, ditas fi- **
as a 39, 4g, 59 e 6J muito fins, ditas t
de salpiqulnho com 8 1[2 viras a 3&500 6
al a peca, roberas alcoxoadas brancas a de
8* cores para cama a 4950O e 59, casias de
cores francezas Untas seguras a 320 rs. o M
Seovado, pega da bretanha de rolo a 29, g
algodo trancado alvo muito largo para 8
toalhas a 19 4 vara, eofeites a Garibaldi S
m sendo pretot a 5$ cada um, lencos bran- fp
- eos com barra de corea a 120 cada um, S
ronpa feita de todas as qualidades muito I
barata, a loja est aberta ate as 9 boris S
da noite.
mmmmm mmmmmmm
vende-se por prego commodo ama negri-
nha de idade de 6 irnos, multo esperta ; na ra
da Imperatriz a, 19.
Perolas falcas
ou aljfar de fina qualidade.
A loja da aguia branca acaba da recaber um
novo sortiroaoto da superior aljfar branco oa
parolas falcas o qnal por sua perfeico difficil-
menta se distingue da perolaa verdaderas a aer-
vam alias por sus extraordiasria grsndtza pan
asgarganlilbas que preaeotemeote esto em mo-
da a mesmo para outroa entalles a tomo sempre
vendem-se coramodamente a 19, 1JS0O e 1J500
o fio: isso na ra do Qucimado loja da aguia
branca n. 16.
Toda alten Na ra larga do Rosario n. 38, loja di surora,
lem para veoder um grande sortimento de col-
retes, a 40 e 60 rs. de 14 psres, a 80 rs. de 24
pares grandes e pequeos, e muitas outras miu-
dezss baratea qse s a vista se dir o preco de
ludo.
Pulseiras de cabello com cha-
pa dourada, e trancelins pa-
ra relogios.
A lojs u'aguia brinca acaba da recebar a saa
eocommenda daa to desejadas pulseiras de ca-
bello com oiffereotes e bonitas iranias, lendo al-
ias chapia doaradaa de delicados moldes, com
pedras e sem ellas, o que de mslhor gosto se po-
de dar em tal genero ; astim como trancelins
compridos e curtos com passador dourado para
relogioi, e porque de ludo iiso a qusndade
pequea e ne chegar para todos oa pretenden-
tei, convem que seapressem em mandar comprar
taesobraa, na loja u'aguia branca, ra do Qaei-
mado n. 16.
Luvas de camarca.
Vendem-se na rus Nova n. 9, luvas de camur-
5a amarella, ditis de castor brsnco proprias para
militar.___________^^ v v
Para o baile do
club.
Vende-se na loja do pavo
R'cos cortes de vestidos de cambraia branca,
primorosamente bordados a crex, sendo os mais
bonitos que tem vindo a este mercado, e ven-
dem-se por presos birslissimos, na ra da Impe-
ratriz o. 60, loja a armazem do pavo.
tasemiras a 3/200 rs.
Na loja do pavao.
Vendem-sa casemirss eofestsdsa de quadrinhos
a listras miudinhas, sendo cores escuras a 3(200
o corte para caiga ; vende se a meama fazenda,
tendo duas larguras, a I98OO o covado ; isto na
rsa da Imperatriz n. 60. loja do pavo.
Urco em frascos a 600 rs.
Grande, grande, muito e muito sottirxento.
leos
psra cibello, em virtude da depreciado que ten-
do lido o oieo dito pr.iloeome soci.l l.ygien-
nique por ter vindo lodo falsificado, recebemos
m artigo idntico aquella da fabrica de Monpu-
lsa quigarfittimoaser o mellur cosmetique pa
ra o cabello, e os aromae escolhidoa lo suaves e
duradouros que desafia meamo quem nao queira
O comprar. l
Chegado pe!o vapor fran-
cez s para o vigilante.
Lindos peales de marrara.
Sao chegados os lindos penlinhos douradi hos
com muito lindaa molduras de diiTerenles gofios
para marraos ou traversos, pois s com a vista
os compradores podero ipreciir o quanto o
delicados, pelo birato prego de 3 o par, sssim
como semser douradoa de lindos goito, pelo
barato prego de 23 o par : t no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Luvas de pellica"
Tambem sao thegades as vordadeiras luvas de
Jouvin muito frescas, tanta para homem romo
para senhora : s no vigilante, raa do Cres-
po o. 7. _______
terdados baralissliiics
do pavao.
Vendem-se golUnbsa maito finas de cambraia
bordsdaa e de fil a 400 rs., msngaiics coro gol-
lionas de cimbris bordada a 19280, mingitea
balao Bnissimos al, leogos d lioho com l>by-
rlotho a 2S500, ditts de t>rr.bratn de alaolao a
lmitago delatyrinibo 640, 8, 19, e flnis-
mas tiras bordadas e entremeios por preges bra-
tissimos : vende se i.a ra da Imperatriz n. 60
loja e armazem dopsvso.
Vestidas baratissimos
Na loja ro pavao.
Vandsm se muito lindos veatidos decamtnia
bordados a seda, sendo de todas as cores a (>9.
ditos com barras e babados a 4$.*00, ditos a 4$,
cortes de tarlalana br'ncca bordeos e de ccres
a 3a, ditos de Cmbrala branca com babados a
29500, ditos de cambrais bordados com babados
e duas saias a '19, cortes de barege cora 22 cova-
dos esda corte, ttudo flos de seda a $, oitos de
ia a 49, cortes de cembraia com salpicoa bran-
coa e de coiea, tendo 6 varas cada cuite a :\$,
ditos de salpicos ruis finia com 8 viraaj'o,
tudo isto se vende por menoa que em ostra quai-
quer parte para aturar diLheiro, so na ra da
Imperatriz n. 60, loja e irrrwzem do pavo.
Alpakin ou gorguro de iinho
Vende-se esta nova fazenda a imitago de seda
de quadriohos a 2b0 o covado : i na ra da Im-
peratrlz n. 60, loja e armaiem do pavo.
ttusselina branca a 2U0 s
Venda-se mnsseliua branca com 4 liSpalTos
de largura a 500 rs. o covado : s na ra da Im-
peratriz n. 60, l Na loja
Ricas ivelas dcur&da& para
si uto.
Vendam-aa (velas doaradaa a 29 e 2$5C0, aa
Bala modernss qua tem vindo ; na ra do Que'-
madon. 63 loja do Bvija-flor.
Ricas voltas de aljofares.
Vendem-se vo'.tas de aljofares com cruz de pe -
""* krilhatsart* 1 na ra do Oueimato
numaro bd, lb]a do beija-flor.________________
Facas e garios.
V*ndem-sa facas g,f0. flnaa de cato d* ta-
lango de dous boles 6I8C0. duas Dar daca a
VBsfluti "boUo 6i<,- ^m5 <"<
s59200 ditapreta erav.da a 360O. dita tranca
. aMOO, alta1 roha a 9 a oUil. ; na raa do
Jueiroa-io a. P3. I ja dobiija-fior.
Jugo de vispora.
Vendase jogo de vispora a lj ; na ruu do
Queimado n. 63. loja do beija-flor.
Anvelupr>s.
Vendem-se anvelores de-iversfs ooalldadf
SSSJT.--!?00*- I.5400' ,Mli ** le cores a"
ja fl?r'. ^eimado n. 63. loja do be-
Papel adamascado de cores.
im SlfV papl. ,m""d0 de a 6C0 a
g. dilo branco a 19?C0 : na r.a do Oualmado c!
0,1, loja do beija fljr.
R
no vigilante.
Lindos enfeites para ves-
tidos.
Sao chegadas no vapor inglez aa ricaa flores de
velludo que sao admiraveia pela delicadeza das
lindis cores, pois com pequera quantia as senbo-
ras poleio eofeitar os ricos veatidoa que ser
muito epreeiavel, pelo baratisiimo prego de 19
a duzia : s no gallo vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Taabe
3 enea i
S QO
Bal.
Tamt
da toda
pelo bar'
vigilante
sVulceiras.
lio ihegadsa as riquisaimas pulseiras
zaes e outraa verdes, cousa maito
-~iTre la v,uub j,o, picyua uaraurgiiv, .
1 vlgllantt*, ra do Crespo n. 7.
ias parw, espartilho.
sao (hgadas aa vardadiiras baleias
as groisoris e fornidas, para espartilho,
o prrgo da 120 rs. cada urna : s no
ra do Crespo o. 7.
Ao bom calcado!!
Acaba de chegar loja do Porto, esquina da
roa di Madre de Dos, am completo sortimento
de calgado francez, aendo : borzeguins a sapales
de Nintes para homem, ditos para senhras e
e meninos de todas as qualidades, como tambem
um completo aoitimento. de fazendas e roapas
feins por precos muito em cont.
Relogios. -
VandVse ana casa da Jehnston Pitar A C,
. i do Viga rio n. 3, urji bailo sortimento da
(elegios da ouro, pante inglez, de um dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambem
uaaa variedad* do bonitos trancallins para os
masmos.
Esperanca
L j< de mudez8$,rua do
Qaeimad n. 55 A, de
Guitnaraes SfkRoeh*
Para baloes.
cobertas de flojara sjias a 160. n. a
GrodehicoaiO
ris a libra, e sendo le 10
librss para cima a 10 ris
Venda-se unicameute por esies precus nos ar-
maiens progressista e progresssivo. no largo do
Carmo n. 9 e ra das Cruzes n. 36, effianga-se
ser mullo novo.
Grande txposi^aodeba-
les de arcos na loja do
Pavo.
Aciba de chegar loja do Pavo um grande
sortimento de baltssde arcos americanos sendo
a Malhildo, Carola e a Eugenia que sao os
melhores e mais bem armados que tem vindo ao
uiercauo com iveraoa lan.aouos enuo ue o, o,
10,15, 20, 23, 30 e 40 arcos e afiaega-se a du-
racoe boa qualidade dos ditos bales : s na
ra da Imperatriz n. 60. loja e ariLaiem do
Ptvo.
Gravatinhas de sena.
Vendem-se gravitinhas de seda para senfcerr.
de diversas cores ; c* ra o Qteimado n. 63.
loja do beija-fior. '
Tiras bordadas.
Vendem-se ricas tiras bordadas para vestiros
e aataa brancaa a 800 e 19 : n, tua do Queimado
o. M, loja 1 o beija-flor.
S na grande expesicao
de fazendas novas e bara-
tissimas, na ra -.-a Impera-
triz, loja ra n. 56, de Magalhes :
Mendes.
Fazendas por menos 10 0|0, queiram vlr vc
para acreditar, asir: chitas a 160. 180 e 2P0 rs.
o covado, ditas francezas a 220. 210, 280 e 320 o
covido, cotias de chitas finas com 12 l;-2 tova-
dos a 23500, corles de casias fnnenas e i-:. 1
ditos pretosla -JJ500 : na ra da Imptrotr" lo a
da arara n. 36.
Arara vende oUstim para vestidos.
Vende se a frzenda por come olestim de I:l!.j
de urna- cor e quadrinhos, propria para cap;3
a vestiioa de reohora e roupa de meninos a J8 o covado, fwito de cores para vellidos 1 280 o
320 o covado : na ra da Impentriz, lo i a da ara-
ra n. 56.
Aos manguitos da arara.
Vendera-ie manguitos e goila de Iinho pira
seohora a 29, goll.nhrs a 500 rs eofeites i -n
lenhora a i% e 39: na ra da lmperalii7, leja \
arara n. 56.
Arara vende a popelina da China.
Venl*-se a fazenda por nome popaiint da Chi-
na em li para veslioos da lenhora a 350 o co's-
do, chales de merino eitampados a 3$, ditos da
laa a 19. citos da Ia e seda a 9, ditos iberios a
CIO : na ra da lrnperalriz. loja da aura 11. 56.
Al usa tn be da trata.
Vende-se a fazenda por norre muramb cm
palmas de seda de 4 l[t palmos de largo, propris
I para veitidoa de senhora a 500 rs. o covado, 9
de lir.ho de cores a 200 r?. o colado, -lito lavra-
; do a lfttO a vara, liso fino a 780 e 800 r*. a va-
ra, taitatana a 800 :s. a vara : na ra ca Imce-
ratriz, loja da -rara n. 56.
' Arara vende as crinolinas de 15, 30 e
40 arcos.
Vendem-se bales a crinolinas ae arcos, 03
mais rr.odemos que tem viudo, ditos de maiiaro-
la
, balo a 2ct00, b/lrs para" mela^a
da linperairiz, loja da arara o. 56.
B I..
ic na ru
? ~
Mozambique a 040 rs.
Na loja o Pavo.
Vende-se mogambique todo de Ia sendo fa-
zenda muito leve para vestidos da senhorns e
roupa para meninoa, com delicadas rres miu-
dinhas e tendo de ur,a s cor propriopara cepas
de senhora tendo reta ftzeoda i palmos de lar-
gura e veode-se a 600 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 60, liji w armazem do Pavo.
Laa mogambique a 400
reis.
Na loja do Pavao.
Vende-ae laitohasde urna s cor cem qua-
drinhos e lista propria para vestidos e capas
sendo fazenda finissima a 400 ra. o covado : na
raa da Impentriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Las com llores a 4(10 rs
Vende-se lezinhas.maito lints rcra bonitos
padres a 400 rs. o covado : na toa d Impera-
triz n. 60, loja e arm.zem do Pavo.
O babadim da arara.
Vende-se a fazenda por nome babadim com lis-
Iraa dosed.i para vestiioa de senhora a 500 r.-. a
cavado, cuberas do chita psra cetta a 2$, col-
chas de fusio para cama a 59, ditas ave!ludads
a 8$, eteruras para can.iss a 240 :ada uros
cortes de caiga par bomim, ce bdra escuro d
claro, e de gauga e fustas de quadrinhos a i a
Ij2b0 o corto : na ra da Imperatriz, loja da
err v. 56.
Molas
vara.
Agulhaa victoria o papel a 120 rs. ,
Ditas fundo doarsdo a 120 rs.
Lioha de peso, meada a 100 rs.
Dita, roxajiars bordar a, 80 r. *
Dita de cafrelel, 200 jardas 80 rs.
Dita de coiu, quilquer quilidade.
Gravatas
com boldise sem elles a 19, de corea e pretar,
para homem e meninos.
Tranca de Iinho.
Recebeu m lindo sortimento destas tranca..,
proprias para as levea.roupaa^ da festa, sato
qaa vo-se prevenindo. r ^V
para casaca e casaveojia^i) cores a pratos, para
camisa madreperolf "fina, da osio para calca a
320 a groza, muito finos.
Colchetes. ?
Esta loja deaejando sempre ter objeclos novos,
recebeu colchetes rtforgjjos do fio batido, aa
caizas sao em forma de urna carteirinha que se
toma mulo alegante, s ha na Esperanza a 80
rs. a caixinha, m cartSo a 60 rs., oa dtuia por
600 rs.
Pennas de ac
calignphieis por 2J 2*400, verdadeiras da Per-
ry, e de outras qualidadea, por menos do qne se
costuras vender, caetas para ae adquirir ama
posigao elegante (escravsndo) a 500 rs., da mui-
tas qualidadea como da borracha a 160, a balo a
160. a pistolete a 120, e marto boas e muito ba-
ratas por 40 ts. cada ama'! 1.
Perfumaras.
O cheiroso e suave aandalo a 1600 o frasco,
[essencia concentrada) pathchouly, o mbar, o
bouquet de nupcias, o de Lshore, a vetivia, a
magnolia, a rosa, o jaamire, a or da larangeira.
a um completo sortimento da perfumarla qua te-
*bs' d t fr*Dce" como inglesas.
N. o. Temoa feito ltimamente um contrato
com um fabricante qua nos permute vender este
genero, eujo consumo sa adiaota, por pregos in-
teiramente baixos e aem rivalidade.
Tarlatanas com pal-
mmhfs.
? loja do Pavao.
Venda se tarlatcoa cora palninhas de cores,
tendo cores proprias para luto a 3z0 rs. o cola-
do : na ra da Imperatriz o. 60, loja e armazem
<}o Pavo.
Bandas.
Pomada Imperial, frasco a *.
Japonaza a 1j.
Imperador a 19.
Imperatrix Eugenia a lf.
Eiposgao anivarsal a 29500.
Mogas americiu a 500 rs. e 1.
I, O Gira sol
^efrajjtleda Penha d. 33 vende rnanteiga ingle-
va superior a 800 ris, dita franceza a 600, quei-
jos dr uiti.mo vapor a 18900, ditos a l700 e
1c-j( 0. cha fino a 2rSO0,*aixas d doce de guia-
ba a 500, espermacete superior a 720 ris, su-
perior vii ho do porto a 800, dito, db*4Figueira a
640, 560 e 500, e lidos es mais gneros tons e
baratos. a
heguem.fee-
gpezes ao bom oaralo.
Ra estreita du-Rosario,
esquina da ra das
18Larfengeiras18.
'Ve0dem-se todos os gneros por menos do
qde ero outra qualquer parte : rnanteiga ingleza
tica a 800 e 540 rs. a libra, dita franciza a 640,
a em porgo faz-se algam abelimento, th supe-
rior a 2$880 e 29560 a librs, paisas muito novas
a 380 rs., nozea a 120 rs., amendoas a 300 rs. a
librs, superior caf a 280 rs., toucinho a 300 ra.
a libra, macarro, alelria, talherim e mais massaa
finas muito novas a 3z0 rs., velas da carnauba
superiores a 400 rs. a libra, ditas stearioaa a 720
rs. a libra, queijos de qaalha muito novos a 320
rs. a libra, caixes com 4 libras de doce de caira
de goiaba a 800 rs.. ditoa pequeos a 560, vinbo
de Lisboa a 400 e 500 a garrafa, dito Figueira a
600 rs. a garrafa, dito do Porto engarrafado a
l$00 a garrafa, 19200 e 1$600: alm destes ge-
ceros mencionados se eocontra tudo quanto
pertencente a molhados e de superior quali-
dade.
Polassa da iussia
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C, succetsores, ra da Cruz n. 4.
Arara vende as cass; s chin zas.
Vende-so a fazenda por uome cassaa chinis
a imita vestidos de serhora e rouja de meninos a 240 i
280 o covado. liscado a Garibaldi a 2S0 o covado
para veslidts, cobertores de algodo a 19, cm-
bralas brancas a IctiOO, 29. 25500 e 39 a pega : na
ru da 1) Leratiiz. loja da erara n. 56.
Crgandys da China da arara.
Vende se a fazenda por come orgam'ya da Cr i-
oa adamascido e palmas de cores, propria pira
vestido e muito largo a 400 rs. o corado, cap3
de Ia par seohora a 9g, ditas de groadenspie
mojemos a 20 e 259 : na ra do Imperatriz, loja
da trera n. 56.
Arara vende fazenda por nome mais
a mim.
Vende-se a fazenda por nome mais a mim pa-
ra vestidos de enhora e adamascada, de bonitos
goslos a 360 covado, pegas de cambraias da
salpipuitihoscom 8 1[2 varis a 39500 e 4| : ls.
ra d Imperatriz, loja da arara n. 56.
Tiras e entremeios da arara.
Vendem-se tiras e ntremelos da largura de 4
e 5 ded..s, de bonitos gostos a lgi80 e 1-jHK) a
pega, ditas de eotrerecios a 19. 1^200 e 19600 a
i-eg*. C'.'rpiahoa bordados para meninos a lc''a.
um : na ra da In peratriz, loja da arara n.56.
Semeutes de hortnlice viudas
de Pars
CheRaram loja re ferrngei.s do Bistos, na
ra da Cadeia do Recife o. 56 A, as novas smen-
les de liuil.lite viodas de Patio, as quaes sao da
superior qaaliiade. e se vendera barata*.
Vence-se um esersvo cticulo do idade 18
annos, muito se3io, e sem vicios: na ra do
queimado, loja de fetrsgma o. 13. Na mesma
oja tem queijos do seno para venner.
Cal de Lisboa a
o bsrril.
Tem psra i vender Antonio Luiz de Oliveira
Azsvedo. no seu escript' rio run da Cruzo. 1.
Calcad*) barato!!
Na loja do Poito esquina da roa da Madre de
Deoa, vende se urna porgo de calgado cem pe-
queo defeito muito barato.
Venda de animaes
4 vaccaa crloulas, sendo 2 paridas da nrimeirs--
barrigs, e outra preohe ; 1 novhota e 2 gua.
sen 'o urna dallas muito boa criadeira e prenr.e
de jumento, o que sa afiance : na inada Aurora
venda do sobrado n. 48
Cal de
A 5,000 rs.
Vende-se barriscom cal nova chegada ltima-
mente, a 59, no antigo e acreditado deposito da
raa do Brum n. 66 armazem.
Farello
em sacco grandes a 49 : no armazem do Sr. Luiz
Antonio Acns na acediana da alfandegs.
MUTILADO I
.


i ILE6VEL


6
, J
*/iAKlU DK PUItMB(JCU T|BQA FEttA 9 DsJ^El EMBtO 2 1S61
i M i
:^fcT
KB
52% t *. *?*

1 :. f s? fie? "* '- -
"3BCaE3
FRANCISCO FERINANDSS DUARTE.
10 Larffii - 1 n
A vantawm que o proprieiario deste acredit;do armazem da molhados tem offerecido, ha
s:do COnbeeida pelos seus rjuroerosos freguezes, mas como assim ainda najara alguns sanhores que
nao se tem .lado ao traball.o de esperimentar, rogo a todos elles o favor de mandarera comprar suas
encommendas no armazem Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verificarera a exactido
.do meu annuncio ea differenja de prego e qualidade que faz, se fossera compradas em outra qual-
quer parte, pois para sso se recebe em todos os vapores e navios de vela vindos da Europa a
maior parte dos generes da cenia propria. Para roaior concurrencia e commodidade, resolve o
i r,r .eiano encarregar-s* rara con. aquolles senhores que nao possam vir, nem mandar, de des-
dachar e remettor pela via-ferraa rara o lugar indicado, todo e qualqusr ganara comprado neste
a mazem, ahancando-se serem tao bem servidos, como viassem pessoalinaate. pois para este fim
a urna pessoa de muenga para de prompto conduzir as cartas na ehegada do vapor.
9111113 ilgft l i*-,?. ,ll3 prmera qU*Ii-Jade da safra nova a 00 a 720 rs. a
libra, e em barril se faz balimento.
i C ,l ^Ce&'i 3 raas nova ^ merca(i0 a 00 rs. a libra, e em barril a 560.
fta MlRTU'Sa 0 que ?e pode desejar neste genero a 39000 a libra.
-.
Ji a o mais juperior do mercado a 29800 libra, e era porcao se faz abati-
miento.
' ** chegados nesta ultimo vapor muito frescos a 29000, ditos che-
is em navios a 19700.
> verdadero inglez a 3#000 a libra em porcao se faz abatimento.
'*> u* confeitadas, contando diversas iguarias rauito proprias
p3ra mimos a J-.of' cada urna.
d soda em latas coa differentes marcas a 18400, afianga-sa a boa qua-
^ lidade, assim co o tem lata* grandiS com boischinha proprias para linche a 2$500.
*-*'' llOTa.fO espinal vi ho do Porto em garraf do vindo a signada vez
sonoii mercaio b -J-'Q s garrafa e em cabes? com 1 duzia qor 12S00J.
< i
*- C- LwttO das roeliiores marcas que vem ao mercado, como sejao Duque
do Porto, Cnrcavelbos e Feituria a 1*200 garrafa.
jj Pjrto coai 70 garrafas proprio para casa particular
em garrafas 32*000, afiau-j erde per: : [ualidad .
'* de superior qualidade Porto, Figueira o Lisboa 500,560 e 00 rs.
'arrala, e ara caada a 39500, 49000 e 49500.
"V
- rom 10 libras por i \QjO, q im barril a 40 rs. a libra.
' a lil a -i eaix: grandes p^r
o-^OOO. .'; a :. mui i] \
mu i o ivas a 56 ) rs a libra aera barril cora urna arroba por
mwm mm
FNDICAO
Largo do Livrameato ns 38 e 38 A
Defronte da grade da igrefa, cujo titulo distinctivo c
O BALIZA
tado como um des melhores e
mais acreditados desta praca.
Aviso particular.
Previne-se s pessoas de fora
desta cidade qua [odern sem re-
ceio algum mandar os seus pedi-
dos por escripto, que sarao salis-
feitca com a maior pontualidade
e boa f possivel, ainda mesmo
de objectos que nao sejam pro-
prios de te eslabelecimeoto, como
ferrg-jns, miudezas, ou medica-
mentos.
O annunciante desejando fa-
cilitar a consecuQao dos negocios
que por ventura tenhara os seus
freguezes de fra, se offerece
tambem para fszer procurar qual-
quer despenda cu lieenga que de-
penda da autoridale do Exni. Sr.
Bispo Diocesano, bem como de
apresenlar qualquer consalta aos
fenhores doutores desta cidade,
quer respeito de direito, quer
de aedicina.

I rs.
'- ha !as sogiintesq savel, congro} corvina,
vezugo a 19400.
^ can ii ,>r>A
n ( 11 G rs. a libra, e m caixa a OGO rs.
refin a 360 rs. s i': ra, eem a il J rs.
5 : ; .'._._' -'Z rs.
['aia o mi >. i> a iiura.
' latas de 1 e meia libra J 30, ditas cora 3'librr.s
0
-
., a 56 rs. o frasco 675400 a frasqueira con 12 frascos
- cu; gcaebra u Hoiiaada cora 23 garrafas por S#000.
' muio limno, a 160 rs. libra, a b i arrol i 49800
l muito aovo a 160 rs. a lib a, a 45300 a arroba.
r--' %- lomelhorf B>! i.* a 2*500cada urna
a o mais iperio > lio morcado a 240 rs. a lbra, e em garrafes com 5 libras
por la600, to o garrfo val 500 r?.
do Franja muito nova a 200 rs. a libra,
Q ".: ti maealva a i'0 rs. a lib a a era sac as se fa* abamento.
i "' \}-'. de ites i. 16 e 8 ) ra. o mac c^ra 0 raacinUos.
r 7' a 25300 rs. o groza a a 20 rs. a caixinha.
- das mares lente, ou XXX a 6*000 a duzia e 500 rs. a garrafa.
r\ '. as m--' 't 'as marcas a 59000 a duzia e 480 rs. a garrafa*
"" 1 ; engarrafado ornis superior que tem vindo ao nvso mercado a 800 rs
tamb m tsrho de barril pars 560 rs. a garrafa
XeUcillO .- v :- 1 a 7fl000 a arroba e 2S0 rs. a libra.
i IV*S iavado a3oors.a libra ca 0*000 arroba"; dito da 2.a qualidade a
260 rs. a 89000 rs. arroba
A El de Maranho a 100 rs. e 120 rs a libra, e em arroba a ^OOO e 3*500.
5 hespaubol a 19200 rs. a libra, ditto francez a 19100.
S4.& r Bw3&&& '. imperial do afamado A.breu ede outros rauitos fabncantes de Lisboa a 800 rs
a lfbra, tambem h para 500 rs, a libra. .
fi} mi,f,-.S fe CAiVi. pecego, damasco, pora, alpcrche, e ginga a 600 rs.alatta.
^ '*-^ 1^1 %M.- i a 330 rs, a latta affiansa-so a boa qualidade, e em porc,ao
se faz a batimento. ft
bsVllll S frarieszas e portuguezas ai maisnovosa 40 rs. a latta, era meias latinhas a
300 rs.
llllO Boh: HX, Marg, Medoque o S. Julien de Medoque a 9^000 a 10*000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 13000.
99.131116 o me'hor potisco que p!e haver por*estarrQmpt a toda hora a 800 rs. a libra'*'
^iGli-'ili.S ilOV t al*ocento ea 1*200 o molho com cen lo e lanas, tambem ha
proprias para conservas a OO rs. o cento.
.ErV-'i OOC* muito nova a 320 rs. a libra, e em arroba ^*.
3 pe gfeV& a 49 a resma, dito de pe'so pautado a 39, dito almago bom a 39200.
.JLftSS& p\P;i SOp estrellinha e pevide a 600 rs. a libra, era ciixinhas sahe mais
barato.
jdeiU (O tOOfite em latas de 1 libra por S00 rs ede 2 libras por 1*500.
\Z61t6 U3CG refinado a 800 rs. a garrafa, a em caixas com 1 duzia por 89500.
I (le el de LlSij a a 720 rs. a garrafa e 5*600 a caada.
AnieSldoaS de casca molle a 3-20 rs. a libra o 89000 a arroba.
Vinagre do Lisboa a 240 rs. agarrafa e 19800 a caada a fianss-se a boa
qualidade.
xJU i'ii ..' i l\ ,\ (|as mais acreditadas marcas a 15*000 e 20*000 o gigo, e era garrafa
a U800.
%7! t
1 jUagre U* llCO oquose poled^ejar n^ste generoa 400 rs. a garrafa.
JeOreS lk an^eZSS de todas as quUdadea quess procurar a 19000 rs. a garrafa.
FarinQ i do anaa^nato aiva ei.eiranico rs., n.
ijOiO para lirapar faccas a 180 rs. e em porijaosefaz abatiraento.
COUnaqtie VA'^ieZ a 000 rs. a garrafa e 109000 a caixa cim urna duzia.
Alm dos gneros cima mencionados encontrar o respeavel publico um completo sorti-
xento de tudo que tendente a molhados.
Neste vasto estabelecimento a-
char o respeitavel publico desta
capital e de fora, um GRANDE e
PERFEITO SORTIMENTO LK MO-
LHADOS, que se vende tinto em
grosso como retalho por muito
menos preco do que em outra
qualquer parle, por serem quasi
todos recebidos de conta propria.
Muita attenco.
Todos os gneros sabidos des-
te novo armazem levaro urna
etiqueta para seguranza dos Srs.
que nao quizerem vir fazer as
suas compras, e mandaren! por
seus e.'cravos ou fmulos.
Esta prevengao atiesta bem,
que a mais perfeila e duradoura
confianca se deseja possuir de to-
dos geralmente, e por isso nao se
pouparao exforgos para serem
bra servidos todos es Srs. com-
pradores, afim de que possa este
grande estabelecimarato ser apon-
... Tambera so recebe qualquer objocto como assucaf, couro?, Ia5, etc., etc., para serem ven-
d los, sondo a coat e o seu producto entregue promptamante a quem for determinado,
i iNa intingao de possuir mu us relacas, faz o annunn ante tod-s estes offerecimentos; da
forma que ncte estbelc-:imonto( nao acharao os Srs. de fora desta pra$a um bom freguez,
mas tambera um amigoeum criado s suas oriens.
A todos em ger 1.
Si por acaso nao Jgradar qualquer gme*o sahido desta ca^a pola ser devolvido, que ser
inmediatamente tr.-cado ou restituido o seu importe, conforme for exigido.
O annuncianie protesta cumprir com a mais seria e retreta exictidao e ta sua proraessa.
AMEIXAS francezas era latas de tres libras e Genebra verdadeira ingleza de marca Galo do fa-
raais, a 29240 a lata.
dem dem em frascos de tres libras e mais, de
29800 a 39 o frasco.
AMENDOAS de casca mole de 240 a 280 rs.
a libra.
ALPISTE a 1G0 a libra, o em arroba a 4?300.
Arroz d, India de 100 a 120 rs. a libra, o em
arroba de 39 a 39400.
dem de Java de 100 a 120 rs. a libra,
arroba de 35 a 3*400.
dem do Maranho de 100 a 120 rs. por libra
e em arroba dd 3* a 39200.
; dem do Penedo a 80 rs. a libra, em arroba a
23240 e em sacros a 2*.
dem com c?sca a 160 rs. a cuia, e em saceos de
20 cuias a 29500.
Azeitonas em antoreas de 8 garrafas aj!f500,
c em girrafa a 320
Azeila doce refinado a 800 rs. a garro
1 !2T em barril e de prirneira nualiJa de G40
Bolacbinhas americanas muito novas t
360 rs. a libra.
Biscouiosebisoutinhos, araruta, a'iad
tras vialidades de excellentes raassa
rs. a libra.
dem em latinhas de 2 a 3 libras e de 'diversas
qualidadts, contendo una lata mais de dez
especies de biscoutinhos por 1*400.
Reata grande a bem monada fabrica de machioiimo, a mal antiga no imperio ctinua-aB n
exece ar com a maior presteza parfoicao eocommandas de toda q.alidad,,a, machn., *
no pan, tendo aempre prouiplo o seguiute : / n-acninaa asaaai
Grande aortimento dt moeudaa dfi canoa da lodos, o eviternas a tamanhos
Machinas de vapor de divoris qualidadea. 7
Taixas fondiilas e batidas.
Criroa e boecas para fornalhaa.
Bromes e aguilhes.
Rodas, rodelas e rodas d'agai. '
Guindastes flzos e portalis.
Macbisaa de cylindros para padaria.
Serras de a;o para sorraria.
Fatexas para barcos, etc., etc., tido por prece q4e bam conAida.

&itf

o Oneiaiddo

De froo te do bcco da Co-igregsgo letr^iro verde.
Pat estab:fl*imnU h aempre rm\ aortiaeante c*ropMo de roa
tod as qiaiidad*. t a di tem st manda x*e:ar r?r medida TuLtad*
SpB? xt* psra o qtt*r>: m do m*!hcres prot'sio's.
i fii
.'i* frea
:anr. pro te a 0,
85|-
Sobrettosd-- rito dito 3?5
i'Xt Palatot ds pnv.no -.'reto de *o-
%%& rea 35*. SO}. 25*. 10*. 18* e
rae* D'tos ,Je aaemira '-'s cor* s 2,
4- ^ 15J.12.7.
j^?-*f Ditoa de alpa pret folla da
. :\^ '. alindo trencezaa .
Ditos da re orin sti^ prstoi e
30000
30*000
Ditos it s.tim preto
Ditos da a?d tita braneo a 6 *
Ditos d gorgoro de seda pret>
elda io.-ass 7*, 6*, 4*
SOgOOO Ditos da tirro fetto 'sma ,
3fi0, 2J50 *
9*000 Seroulu i, briis 3i licho 23 <
Ditas da algodo a l600
1CS"00 C.

.'.-.'.-
bricanla Carduer & Broorahal de 1*400 a
1*500 a garrafa.
.llera de ILMIanda era frascos pequeos e gran-
des de 500 a l90S0.
j Graixa em boioes a 2i0rs., e a duzia a
2*700.
' Llera em lata mu lo nova a 120 rs.
j Grao de hice muilo novo a 100 rs. a libra,
m Gomma eNcellontedo Aracaiy, a 100 rs. a
d eorca
Dito ds rlp*a m-m ; 535
Ditos da ipscaprela at*,7*,5*
VM-% fcria da 'i'*y 7 5f
4*:>00, 4r
Dt:^ d- bramante dalinbc bran-
J'i J tU ':; .Jl
tnrai
too ?;;M
'-- ^
1*280 **S!
2*500
5 5*. 4? 3000
6,
-
-
:
. :
O-
Dit
* 15*
Ca'1 :' a" ira 1 1
.1 a 1*}S 10* .. 73 ..
Dit ^ ; -r-6 ."
ordso '';.
Dit bri -'.. j
6*. 4*500 a
1
C > :IOSC 0-
re*li os lS*.9*e
m : : 1 j .: >-
liaos 1 : 'o- a 6*.
5! .-,'

8*000]Ditas :. 1 ii
3*500 D'ta? d c! r< bri ese ede
; OO ^ so 1 2 18500, S* t
fjhr).. 1 pretoa !,.-.. ttn\t*xt
3?SC0 iorcade]1 10a
00 -
1*000 ::; >s 1 .5*. 4*
Dit -'.a sol .1. v rlcxaa e
i- '.- -. \'%, 15*. ItJ
Col 1 '< -o mait; f*.'
;.-' e '.. iti 1 altina
al .- 0
'' 00 i-iit e hi'.,
ao-tal e 10UJ '.'05 8J
S, D 1 t:ti :- .-. .. -.-
(000 tEt.e bori- '- tO* ;-
t* 5 i
8f,00 rlt.cr.q- i. \,.i .ci i, roletas e
neis
ro*H 1 il 6:r s
J5O0
I
dolc
asa
>0
.
Dit>
.!>
:;
3*
i 5 >(.';
7? 00
V
c
70
4*000
em bommaeNcellontedo Aracaiy, a 100 rs. a libra.
Kirsch Wasser, evcellente bsbila do fabricante ;.
Richard A Muller, em garrafas grandes a
1*500 a garrafa.
Licores dos melhores fabricantes ing'ezes e frai-
cezes e em differentes vasos .le 500 a 15000
a garrafa de diversos lmannos.
-Manteiga ing'eza perfeilamente flor de 700 a
S00 rs. a libra.
dem de segunda qualidade de 560 a GiO reis
a libra.
Ilem franceza de 500 a 580 reis a libra,
r e a libra a 380 rs.
llera em barris muito superior a 3G0 res.
e ou-1 Marrasquino de Zara a 800 reis o frasco.
>a 320 j Massaspara sopa, macarrao, talharim e a'etria a
3f>0 reis a liiira e a caixa cora urna arriba
hespanholaa 5*500, do fabricinti N;rvy.
dem finas estreltnha, pevide e outrasa 500 rs.
a libra.

? e
J -.-; 4.

Chapeos de sol seda a 5* : ns ra doQjfi-
r^Htln n. 44
un 1 ai
1

M
P o.
y
?!
vei 9-se 'ecas o 1 > .. ., fin^s
" -n 8 i irdaa a 2g500, ditss com 10 i ,- :-
liitis c >iu 8 jardas a 3g,dita 1 10 r '(5 ;
sS na rea dalmperetrizo. 60, Ijs e ?rrr,azf >
io Pavao.
.
: tU
1
Bolinhosde ovos em latas recommendades pe >s' Mlhns ing'ezes e muito superiores a
senbores mlicos a 1*400 a hta. o frasco.
Batatas a 8<) rs. a libra, e em gigos de 36 a 40 11 Jem idem dem a 25 era fraseo raude
libras por 2*200.
Cear de prirneira qualidade, de 280 a Rozas superiores a 200 re's a libra.
' >, l.l.rf. 1 1! 1 1 -_
sones a 240, 2S0 ei rs. a duzia.
Caf do
a 300 r. a libra.
dem do Rio 1.a 2.' e 3.
300 rs. a libra, eem arroba de7*, 7*500
a 8J500.
Cha parola de prirneira. qualidade a 3*200 a li-
bra.
dem u\ira a 2*800.
Idemhysson de prirneira qualidade de 1S300 a
2*800 a libra.
dem nacional de 1*500 a 1*600 a libra.
dem prelo homeopathico de 1*500 a 1*800 a
libra, prirneira qualidade.
dem idem nao homeopathico de 1*500 a 1*800
a libra, prirneira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocohte de Lisboa (do Abrou) encommenda es-
pecial, qualidade esla que sem medo de errar
a raelhorque aqui tem vindo a l*e 500 rs.
o massinho, c ntenlo 12 e 2 i paes.
dem hespanhol e frsncaz premiad >s era di
versas exposices, de 800 a 1* a libra.
Ideo susjsso de differentes qualidades, como se-
jam'baunilha ecanella, etc. etc. de 1*100 a
1*400 a libra.
Champanha era gigos com 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias ditas a 12* a duzia' e em gar-
rafas de 1*100 a 1*200.
Chouricas das mais novas a 480 rs*. a libra cera
barril de I arroba de 13* a 14*.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Kapoles, Parisiense?, do afamado
fabricante Jos Furtadcde Simas e outros de
1*500, 1*800, 2*, 2*600,3*600 e 4*50
o cento. '^
Ceblas a I* o mjlho omais do 100 ceblas.
Conservas inglezas muito novas a 800 rs. o
frasco.
Cognac inglez em barril, garrafa a 6i0 rs.
dem idem engarrafado de 800 a 900 rs. a par-
raa..
Doce de goiaba era caixes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque, garantindo-
se a boa conservaco por um anno.
Ervilhas em latas de 1 e 2 libras de 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absynlho em garrafas de 1 li2 car-
rafa a 1*500. l *
Farinha de trigo Fontana, das marcas SSS, ga-
lega, faraily, de 120 a 160 rs. a libra.
dem do Maranho a 160 rs. a libra e 4*800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada de
a 320 e 360 rs. a libra.
Figos muito superiores a 240 rs. a libra.
Garrafoes cora mais de 5 garrafas de vinho do
Porto fino, a 3*200.
dem idem de vinho verde a 2*800.
dem com mais de 5 garrafas de vinagre de
F. & S. de Lisboa a 1*600.
dem idem com vinagre de Haraburgo a 1*000.
dem cora mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 6*000.
Genebra de laranja era fraseos grandes a 1*000
de vidro.
500 reis
rol ha
i Phosphoros do gaz a 2*300 a groza, c a 200
Brilhantiuts -le qu*.drinh is a
200 res
N i loja do Pavo.
Ven 'o ra b \'-^ Lio is e ; rinho-, I
de todss i cores ceada nll ?.- P >.
larga que chita instara, proprias s^ra v6sti.los
2(10 rs o cor.do : s at ra da Imperatriz a.
A

.
Prezunto de Lamego o mclhor do mercado a 480
1|f||
1
Vi O
Verd se finias 1 .. cor *
dem inglez para fnmbre a 560, 640 e 700 rs.
R'n"! sem iruil
Riv*! ;': lgo&l
Rui larga d,> Roari<
Rm B :
l u s l. lo k 1
i' i Fino o
l'e io TinOco
Pedro Ti ::."
! :
'' ii. r-itia
>! I !
Cartoe: d" dchet .; f- 1 < ;,-s t 0 1 1
-' : y 0
Ditas c v ,,
Dit*s i n ;
'' if% da borr.-cha pn r t 1 ,
S.;.t I^OO
Agalbas fi....... pm cflTj ai 1 a -2->. :s.
!-" sr I rdi r a 6 OO 1 a.
reaoaras Qos com loqm .1 4(i0 rs
B '. -.- o 120 c t
i
).
rs. a libra,
Passas das de carnada de 320 a 400
e era caixa de 5 a 6*000.
Palitos para denles maros cara 20 macinhos a
160 rs.
dem licuados idem idem com flor a 240 reis
o. mago.
Peixes curvica, safio, linguado, pescada, peixe:
espada, pargo, robalo, samo e lagoslira,
era latas hermticamente fachadas a 1*300 a
lata de 1 a 2 libras, send. preparado pelos pri-
meiros fabricantes deLUtj, Inglaterra e A-
merica.
Queijo Ibmengo di ultimo vapor a 2*000.
dem idem do ultimo navio a ;*400.,e em cai-
xa a 1*200.
Idem prato de G00 a 6i0 reis a libra.
Salpic5es, vindos de casas particulares a 640 reis
a libra.
Sardinlias de Nanlas a 380 rs. os quarios, e
meias latas a 580 reis.
Serveja marca-Tenente, Cobrinha, Civallinho e
oulras marcas a 4, 5 e 5*800 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra e em garrafoes com 5 e
6 libras liquido por 1*600 cora o garrafo.
Sabao mov*a de diversas cores e dos melhores a
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro com rolha do
mesmo por 600 rs. cada ura, s o pote vale
o dinheiro.
Salame encapado a 700 rs. a libra ( lanche
prompto.)
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
libra, e em arrobi 8*800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs. a
libra, e em arroba do 5*000 a 6*000.
Tijolos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas stearinas a 640 rs. o mago.
dem do Aracaty, carnauba, a 400 rs. a libra.
dem de coroposigao de Buenos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parle delles deconta
propria. como sejam; Duque do Porto, Ca-
niGes, Cuaraisso, Silva & Meneses, e outros,
que se ven Iem de 1*000 a 1*280 rs. a gar-
rafa e era caixa de 12*000 a 15*000, e
esperara-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marc lien, e outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 9*000.
Vinho verdadeito de Selubal era barril e era
garrafas de 640 a 800 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em pipa das melhores marcas
de 5*000 a 6*000 a caada de qualidade
especial.
Vinhode Lisboa, Madeira,Carcavellos, Figueira,
francez, e de diversos paizes de 39000 a
4*500 a caada.
aimnte o !
ao,
Yende-se peets leb ote Ii las tendo ama
s l-r,.i-.-, co -21 iris cads p- a, pe 1 bara
tissimo preco !el0*a peca, tambera *
rrei.s i>*cas do mesmo codi 13 l|2 vxts r,0r 5*
esta [azeoda pro;ria psrt loa 9, loalhas, es
misas fi serouiaa ale em pioporgao do pre;o
que est boje o algndoiipbo torna-ae pst fa-
sends ";8' bsrla sendo d lioho, isto s ns rus
da Irjperalriz n. C, loja p raijeco do Pa*o.
Laa b seda pira vestidna a
401) res.
So na lo;a do Pavao.
Vende-ae 15i e s>i- p.r? reaii'loi com l.uito
bonitos psdrdss, sendo fazen-ia qua spci^ro s-.
venlpu (lorl*. e torr-so a 400 rs ocovf!o pnra
sporar rnheiro : u? ra da Imperatriz n. 60
loja e armazeoj do P*'ao.
Tina r.i com .1 e la
' '< s par; tome
Oitas bi ,':,
Eofoiloi : -. tes a 4*800.
I.i .h-f di t)-n -
I vispora a 800 ..-
. Iroi
(1- 1 con bola 1:
Pinceis para barba a 4001 600 .-..
Pulseir s !e mis- ,.- 1- --.
Can ', da i. ha a oO, 4 \ 60 U
Luvaa :'e s> la eos la | 0 s.
Eseovss r o -. r ;!. 1- -. s
Ditaa -.-r abelio a lj.
Ditas Loas para aohsa 320 o 500 1.
.t-15 pars roapa 80'j lt
Assi,.. como u sortioi oto competo r
Paulo Cor ciro a 1*500, tae grosso l{600, ::to
lorio grosso a IvfitK). dito fino 18280. Lisboa a
2*600, rolo fraocw 8*900, Mrur
ii i
I5U9
mia ri-clina sensi'elf.nenta, 1 o *->a
eonpleto d^aappirecimpnto est prximo I O
(ropriourio Jps'. b-ru aortuia eatabeler.irr.pr.tj
, convida o 8r>-4s numerosos frejrueaes a subatitaii
Vtnae-Mima mobiHa da latartocom ; adras I o calcait elho, \-m todo esti cholenco, >-
brancas, ama diti de uir:>rel!o dp rala e d* mui- o, ( que posss roaistir s mil scl-oiis p m.zzur.
to bom goeto, vidroepara es^elho dp todos 03
taman'io* de 12 a' 38 pollegtda fie altan, ri-
cos trem Je j^c randa co,.. consolos -lo p ^t".r\.' na, Diabluras francesas" para Piif'iUr*
do arotsrioa e outr> n.aitai obr.s dp b >m goa-
to e ;or barato prego ; na tu di Gambos oo ; Botina ittniMn Milia.
Corroo o. 12, li.j d mirioeiro t!e JoSo Goocal- I
ves L'-.is Lisboa.
tqoe -a" eei dansadaa am loevor >o r
Os prego*
loclrneiitj
aidaiB :
Ii ib a d 1
-.
HOMENS.
i-.-.-t-
eos-
Manguitos e gol las de
cambraia ricamente bordados
Vendam-ee manj?aiios aollas de raperioi
nntfcraia ricomante bordados pelo insigrilcst*
preco set-to cjup. SMi,.-rp .u?"..v n. 6;* *Bii p pois reeommenda-M eos amigos da sants eso-
noDiia que aproeilam a boa octasiao, air'sin
do-s ora dinbeira a loja da boa fe na r* <\n
Queiuado n. 22.
i)
>
>
a




a
: Izjooo
non-plus-ultra Nantes......... l^OOO
liauea 2 bateriai.............. llc(<0U
Vendem se tachas ie
ferro cuao do fabricauttiiiais
acreditado : na ra do JBrurn
n. 28 B, armazem de Jos da
SiivaL'vo*C.
_ aj _____________________
Sl->
D
Chapeos de sol !-* seda a 5} ceda um : vrn -
de-se na roa do Crfspo esquina da ra Jo loi-
perador n. 7.
Vende-se a taberna n. 53, da ra de Sania
Rils, propria pira uoi principiante por ter pou-
cos fundos : a tratar ns ra da Prai? p. 8.
Vende-se urna negrinha rrioula de 13 a Ii
annos : na ra Nova de Santa Rita n. 1, taberna
de Antonio Francisco Martics de Miranda.
lustra....................
inglerea de boles..............
ba ledores.......................
bezerro lustre...............
'igltfs ps aelvaaeliS.........
tallados brailviros............
Sapa toes Don-plus-altra................
> 3 bateriaa e o.sia..............
> esuisg cobra..................
a NantPB 2 bateras vaqaeta.....
s 2 betonas bezarro......
> tnbalhadores..........
> brasileiros de 3J500 a..........
Sapatos2 aolaa e salto..................
tranca poriuguezes..........
v t franeezef, .
IO50OO
IO5OOO
99500
99OOO
I'iUO
7j5i0
5J5O0
Tero- 0
&3500
69OOO
5tr>UO
ooo
2-;-iK)0
JCiioO
2H0O
15)0
SENHORAS.
Botinas dennozss......... 5^,00
salto de batpr....... 59000
pchincha do 4;500 a. 45000
americanas 3J50II a 2500
Sapatos n* aillo (Joly) ..:... 34000
> sem i (ideui)...... If90
> lsp*t<>......... iH)Q
b ecoiiorricos........ ga
> lastre 32 e 33....... SW)
MENINOS E MENINAS.
H de ludo em relajao ? nao se deixa sahir
dinheiro.
Un soropleto aorlimeato dt couro de porto,
*ordavao, bazerro francez, eouro de lustre, nar-
roqaim, sola, coarinhos ele., que tado ae troca
i.or dioheiro vontade do comprador.
-
.


.
} ILEGrVEL


VI


DIARIO D_ PB.?.>'1M*UC0. TERg f_LKA O DE SETEMBiiQ M 186 5
oke e alcatro.
Cuite da rrelhor qaaliede, muito proprio para
vapor, tamben) para todos 01 usos (orcostico,
tornos pequeos e grandes, etc., par estes ser-
vigos, o cok msis economiio do que quaiquer
outro combestivel, por ser meos de metsde do
prego o de ruis duragao.
Alcatro, este sendo sppcado navios, bar-
cagas, alvarengas, ctnoas, etc., presta muito bom
efftito, conservan lo a madeira de todas as qea-
lidades da bichos, fazeodo durar m tempo inde-
finido. Tambera conserva madeira de edifica-
rles, prestrvamo-a oos bichos e contra o tempo :
as propriadades chimicu deste alcatro da car-
vo raais forte do que quaiquer outro, exlrahi-
do de madeiras ou outras materias.
Quem precisar achara venda, no armazem do
gaz. Ra do Imperador.
Preco do c.ike 123 por tonelada.
Prego du aicatrao 5C0 rs. por caada:
Eafeites para senhora.
Os molhoras enfeltes pretoa de cores que ap-
pareee a 53500, 69 6g500 : na loja da Victoria,
na rus do Queimado n. 75.
Ca ixinh e cabazes par?*
as meninas trazereca
no br^^o.
Muito lidas caitinhss e cubat-s para maninaa,
de 100 ria at'29500: na loja da Victoria, na ra
do Queiciado n. 75.
Para atar cabello.
Tambera ha chegado linios pentes de tarta-
ruga todo entrengado cun fila de borracha, de
forma que o cabello amarrado flea dentro de um
engradado, ioteiramente cousa nova, e de muito
gosto, assim como com la^o e lizos de lindos fei-
tios, quo se vende por prego muito razoavel : s
no vigilante, rui do Crespo o. 7.
Luvas do pellica.
Tambem chegado as vardadeiraa luvas de
Jouvin muito frescas tanto para homem como
para senhora ; s no vigilante ra do Crespo
n. 7.___________ _________
Gravatinhas.
Tambem chegado as lindas gravatinhas com
lindos botos, que ae vende pelo barato prego da
19 : s no v:gilnte, roa do Crespo n. 7.
La ; ara bordar.
Tambem ha superior la para bordar que re
vende por 69 a libra, assim como la de familia
que sa vende a 1$, e em cada caixinha muito fina
pelo baratissimo prego de 7; a caixinha : s no
vigilante, ra Espelhos
'ranjas pretas com
driiho e sera elle.
vi-
Tambem ha grande aortimento de espeihos re-
dondos de moldura dourados de todos os tama-
ohos, com excellente vidro, que se vende pelo
barlissiroo de 3g, 4J e 5J : s uo vigilante, ra
do Crespo n.7.
S utos.
Tambem chegado os muito desojados sintos
com ricas fivtlts da concha borlla ao lado
cousa muito chique sa vende palo barato prego
ds 49, assim como ricaa flvelas para sintos com
pednnhas e SJJ; t no vigilante ra do Crespo n 7.
Ricos sortimeotos de franjas pretas a de corea
soai v.drilhoa sem elle : na loja da Victoria, r.t
r-ir do Queimsdo n. 75.
inhasd peso verek-
deiras.
Liabas finas da
grandes a 240 ris :
do Queimado n. 75.
peso verdadalras, maadaa
na loja da Victoria, na ra
Phosphorosde seguran?

hegado pelo va-
por francez s para o vigi-
lante finos pentes de mar-
rafa.
Soaht.ll Mkilors <& C, t*nde reeebido or-
d.em para vender o seu crestido deposite de rslo-
gioa v;alo o fabricante ter-se retirado do nago-
sio ; convida, portado, spessoas que quizerem
possur m bom reogio de ouro ou prata do <
labre fabricante Rornbv, a eyioveitar-ae da op-
portantdade asm : -rda de tempo, pira vir com-
pra-loa por ommodo prego so se* eacrlptorio
ras da Trapiche n.18.
Boa fama n. 35*
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
Grampos a bsio com pendente dourados a 2g
o par.
Pentes imitando tartaruga para bandes, ulti-
mo gosto i 3o par.
Fivelas para cintos, fazenda inteiramente nova
a 20 o par.
Alflnetes pretos com dourado para senhora, in-
teiramente novos a 2; Cada uro.
Botos pretos com dourado para puchos, intei-
ramente novos, a 23 o par.
Botoes de tartaruga para punhos a 19500 o par.
Na ra do Quaimado, loja ue miudezaa n. 35,
ir boa fama.
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roupa a 1$:
Agua de malabar pera tingir cabellos t 5; o
fraaco : na ra do Queimaiio, loja de miudezaa n.
35. da boa fama.
Cartas linas para jogar.
Venda-se duzia de b-ralhosd* cartas flnss com
as ponas douradas a 65, dita sera ser dourada a
39500 e 41 : na ra do Qutimado, loja de _ia-
ot-zi n. 35, boa fama.
E' chegado os lindos pentinhos dourados com
multas lindas molduras de differentes gostos pa-
ra mairafa oa travtssos, pois s com a vista os
comprsdores saberao apreciar o quanto sao deli-
cados pelo baratissimo prego de 3g00(j o par :
aa rea do Quaimado n. 75.
do Creapo n. 7.
Baleias para vestidos.
Baleias muito grandes e boas a 160 ris urna
na loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Linha de croxel para ia-
byrintho.
At melhores linh*s de croxel para labyrlnthe,
noveilos monstros a 320 ris um : na loja da Vic-
toria, na rua do Queimado n. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos cintos dourados para senhoraa a 20-200,
ditos de ponta cahime a 13, ditos de fita a 1J600:
na loja da Victoria, ca rua do Quaimado n. 75.
Gr&mpss a balo.
Tambem ebegado as lindas grampas s balo,
cousa muito linda : s no vigilante, rua do Cres-
po o. 7.
Velas e arroz.
Vendem-se velas de espermacete a 640 a libra,
arroz de casca em saceos grandes a 23800 cada
um ; na taberna da travessa do pateo do Paraso
n. 16, com oitao para a rua da Florentina.
azen?
Ricos espelhos de
moldura dourada par*
salas.
Chagou para a loja da Victoria urna pequea
porcao de ricos espelhos dt varios tatnanbos para
ornamentos de salas, fliangando-se sererp o*
melhores em vidros qu* tem rindo : na loja da
Victoria, na rua do Queimado n. 75.
T
La para borda
La rr-nito boa de todas aa coree para bordar, a
7J a libra : na lojt da Victoria, na rua do Quei-
msdo n. 75.
I
tiofaas gaz
Gaixinhas cora 50 noveilos 'irih?s muito fi-
ns do gat 900 ris a eaixa, litas eom 30 no-
vellos a 700 ris, ditas coco 10 noveilos grandes
a 700 ris, brancas pretas : na loja t* Victoria,
na rua <)o QuMnudo n. 75.
superiores.
Grosdsnaple preto muito superior pele dimi-
nuto preco da 2c o covado, panno preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9J o covado, casemira pr^ta
muito fina a 2$, 2&500, 3, 3{500 a 4$ o covade,
mantea pretas de blonda mntto aeperiorea a 129,
manteletes de superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordados a 35$, sobrecasacas de panne
preto multo Ddo a 30, casacas tambem de panne
preto multo fino 30$, paletots de panno prole
fino a 18 e 20$, ditca de casemira de cor mes-
alada a 18$, superiores gravatinhas estrellas a
1$, ditaade selim maco eds gorgaro muito su-
--:i'-rea para deas voltas a 2$, ditec eatreitinhai
.- 'Di lindos alnetes a 2$, superior gorguro pre-
to para colletes a 4$ o eorte, ricos enfeites pretos
a 6$, e sssimoutras multas fszendes que sendo a
dinheiro vista, vendem-ae por pregos muito b.j-
ratos : na rua do Queimado r\ 11, na hem tonhe-
eida loja da boa f.
Fitas de laa para debrum.
Vendem-se peQas de fita de las para debrum a
lg, e em vara a 120 rs., ditas de seda a 2$400,
em vara a 240 na rua do Queimado, loja de
miudezas n. 35 da bea fama.
rucos boquines
A loja da boa receben superiores bssquint-s
de muito fina cambraia a imitarn da de linho,
bordados e enfeilados com apurro gosto o os
vende pelo barato preco e 8$ cada um, tendo
sido sempre seu cesto de 16} e 20$, epressem-se
pois em compra-Ios na mencionada loja da boa
f, na re do Qeeimado n. 22.
Supe^ iores atoalhados
adamascado.
Superiores atoslbsdo adamascado com 8 pal-
mos de largura 1S600 rs. a vara : na rua do
Queimado n.22, na loja da boa f.
Damasco para colxas Q para
ornamentos de igreja.
Vande-se muito superior damasco de l de
urna s cor, muito proprio para eolias o para
ornamentos, cora 6 palmos Ce largura pelo ba-
rato preco de 2$800 rs. o covado : na rua do
Queimado n. 22, na loja da boa f.

/,'
bom
Verdadeira pecbincha.
Vendem-se corteado superior gorgaro da ae-
da pira -olletes pelo baratissimo pre;o do 1$,
2$ e 3$ o corte : na rua do Queimado n. 22, na
bem conhocida loja da boa f.
M

e
Kea do Queima.io r,. 55, leja df miudezas do
Jos de Axvedo Maia e *ile, eonhecldo por Jo-
s Bigodinho, est vendando ludo pelos pr*-gos
j sabidos, ^orrn quero nao souber trnba a
boudade de vero que bom e hsratiacico:
Frascos te Lavando muito finos, a 80!'
Ditos de oleo babosa superior, 320 e.. 500
Frascos de agoa de colonia muito tina a 400
Ditos de dita grandes superior, a 600
Caixas cora pos cor de rosa para limpsr
dfintea, a.......... 160
Deiia dessbonetee muito finos, a 600
Varaade bico ds libas, est no resto, a 80
Carritos h hurta preta muito grande,
e tem muita linha, a.................. 160
Bengalas do rrelhor gosto, a ; 500
TioUiros com lint muito boa, a 160
Unalbos de cartas franr.azas, a 240
Ditas de certas portuguezas muito fi-
na?, a ......... 160
Varas de fita de velludo recortada, a 160 2i0
Frseos d banha 4e reo n'ulto su>;'-
rior, a........... 600
Ditos d dita traesparoute, a .... 800
Frascos de macaca perola, multo fino, a 200
Do? d dito oleo, rsniio fino, a 100
Varas de fita para faier sintos dos me-
lhores gosto, a ....... 500
Babado Labyrintos muito finos para todo preco.
Barris com phoapboros muito bons, a 160
M^ssos de linha fina para bordar, a .... 240
Cartas de clcheles superiores a 40 e 80
Escobas para liropar deotes, a 200 e 400
Cirrit< is de retroz de todas as crvs, a 240
Boneras nuas porm muito bonitss,
240 e.................. 320
Grav.lss de duas vo'las muito supe-
riores a.............................. 800
Fios e massos de coral de quaiquer qua-
ldade a............................... 500
Sabonetes grandes e muito finos, a.... 1_"
Agulheiros com agulhas...... 80
Fitas para esptriilhos grandes e pe-
queoos a 60 e........ 8U
Varas de bico de 3 e I dedos, a 120
Caiia9 com agulhas francezas cartas, a 200
Linhes em carles brancas e de co-
re?, a............................... 20
Camisas bordadas e outros ob-
jecfofl aecessarios para
seuhoras.
Na loja da aguia branca acha-se um bello aor-
timento de bonitas eamisinhas defina cambraia
com babadinhoa e mui bonitos bordados de no-
; vos e delicados desenhos, as quaes servem mui
I bem para os modernos vestidos de frente aberta
le vendem-s* pelo diminuto preco de 3$ cade
I ama ; assim como bonitos manguitos a balo com
' Kolnhts de superior cambraia e^l e todos bor-
> dados, com punhos virados e cada prpelo ba-
! ratissimo prco de2S, o quo adrairavel avate
da superioridade da obra, a bem tssim punhos e
i goilinhas tambem brdanos com bonitos botoes
a 2$ a gearoiQo, o goilinhas soltas iguatmerit.
bem bordadas a 1$ cada ume e manguitos a 800
rs. o par. A vista pois de um tao completo aor-
timento neDhuma senhore deixara de comprar
cases necesarios objectos Unto mais quanto a
commodidade dos precos convida e para que to-
dos sejtm bem servidos convem que mandem
logo comprar na lojs da aguia branca rua do
Oueimado u. 16.
Para os tabaquistas.
Lencos muita finos a imitado dos de linho de
muito bonitos padroes e de corea Oas muito
proprios para as peaaoasque tomam tabaco, pelo
barato preco de 4$800 e 5500 a duzia: na ra
doueimodo n. 22, na btm conhecida loja ds
boa f.
amante de linho.
Vende-se : uito superior bramante de linho
cumdua varas da largura proprio para lences,
pelo ii.r-ic preco dt 2&400 re. a vara: na bem i
conhecida loja da boa f. na rua do Queimado 2* ,corM
u. 22 a* Im",*'
seiu segiiiids
N rua do Queimado n. 55, loja de njitdazas
de Jos da Azevedo Mais e Silva, sli quciuiando
todas as suas miudezas muito boas e bsralissi-
mas, a saber :
Sapatos de tranja de la muito superio-
res a jjjyo
Ditos de laa para meninos de peito a 200 e 400
Pares de botoes para punhos a 240
Caixs com papei de diversas qualidades
sortido a 700
Ditos de cores o melhor que ha a 700
Thesouras de 6 polegadas a 40
Atea pre'a muito oa (libra) 100
Pagas de fita para cor, e superior qua-
lidade a 300
Novelice de Hoha que tem 200 jardts a 40
dem idem de 400 jardas a 60
dem idem de 800 jardas a 120
Linha do gaz de 10 e 20 jardas a tresror
dous barato.
Caixas de folha com pbosphoros a 80
Cornetas de chifre para entreter meni-
nos a 80
Carriteis de liubs da 100 jardas a 30
dem d Alexandre raeito superior a 100
Duzia de facea e gir'os, cabo preto, mul-
to finas a a$500
Calzas com cohetes francezes a 40
Ditas com pbosphoros do gaz a 20
Ditaacom dito de vela muito superior 1 20
C*ixas com Ucaa para accender charutoa 40
Duzias de meias cruas muito encorpa-
daa a ojitKi
Duzia de meias brancas a 1)600
Duzia de meias brancas muito finas para
stnhora a 3$000
Masaos com grampos de todas as quali-
dades a 40
BoIcs muito finas para guardar dinhei-
ra, servem tambem pars guardar fumo,
e servem tambem rara senhora a 500 e 800
Thisouras pequeas, porm muito li-
nas a 200
Ditas para unhas tambem muito supe-
riores a 400
Marcas para cobrir, to pequeas, porm
o prcc.0 convida a 10
Pares de meias de cores para meninos a 160
Pares de meias brancas para meninas a 200
Croza de pennai u'aco de todas as qua-
lidades a 500
Caixaa com 100 anvelopes muito finos a 1gO0O
Croza de botoes de louca pratiidos a 240
Manguitos com golliohas.
Vende-se manguitos eom goilinhas, fassnda
muito boa, pelo barato prego de 2f000, golliohss
e punhos ultimo gosto a 2$O00, goilinhas muito
finas e bem borda las a IgUUO cada urna na ras
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35._______________________________________
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-ae pegaa de Urea bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 ntremelos a 1$600 e 2$000
cada peca na rua do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas francezas.
Ver>de-se bonecas francezas ricamente vestidas
4-$000 e 5$000, e 2g000 bonecas de cera com n
olhoa movedeos a 2$000 e 3$O00, na ru do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
FiveirtS de ac para sintos.
Vende-ae fivalaa de *co para siotu a 1$500 rs. e
2$000 na rua do Queimado loja de miudezas
da Boa fama. n. 35.
Fazendas de
gosfr %
Lindos cortea de precalia para vestido e cbsj-
veque igual com barras iguaes ao taurino que
acompaas cada corte, ditoa de laa de cores com
barra de muito gosto, superiores sedas de cores
de padroes muito lindos a 2$ o covado, ditas d?
superior qualilade lora um pequeo loque de
mnfoa l o covedo, superiores cortes de cam-
braia brancos borJados, ditos de blonie brsncos
com manta e capelia para noive, lindas mugaoi-
tiques de cores para vestido a 40 rs. o covado,
ditaa sauito finas malisades a seda a 610 rs.,
muito superiores corles de serta de cores oa mais
modernos que tem vindo a Peranmbuco, saiai
brancas bordadas de cambraia de Escocia muita
tinas, lindos chapeos de palha de Italia para se-
nhora a Eugenia e Beatriz, utos o palha de
filtro entestados com muilo bom gosto para me-
ninos, liras bordsda?, cntrr-meios tapados e'.raris-
parentes, fronhas de Ufeyr3to, lencos de cam-
braia de linho bordados, ditos de bbyiinlo, su-
periores baldea americanos de 13, 15, 20, 25,
30 e 42 arcos para senlura. ditos de 8 o 11 ar-
cos para menina, luvas de pellica de Jouvin pa-
ra homem e senhora, cuseriores manteletes de
soda, capas de seda bordadas para senhora, bour-
ous ou capas de phentasi*, manteletes brancos e
outraa muitas fazendas de bom gosto por prefos
maia commodos do que em outra quaiquer pr.'rlo
na loja do sobrado oe 4 andares rua do Crespo
d. 13, de Antonio Corres de Vasconcellcs & C.
Paletots a 6$.
Ver.deru-ta paioiols Je panno pteto fino e
! 'e if i 6$ : oa rua a Imparatciz u (u
pt'ao. '
eoi
oja do
i hitas scura a 240.
Vendem-s,a chitas francezaa cacaras 240
T*ao: u. tua da linperatiit n. 60. I |- .
i-UBiieird e vi g o.
Grande o. nova oflicina.
1 Tres portas.
3--RuaDiireita--3i.
Esat rit.- es a n u lo i itabedMime to n-
)atrrao ai In ..- o ,u,. i .
ido c barato no seu gei tro.
ORNAS de lodaa aacjuali ladea.
Santuarios qu ncasan com o )..,-.._ ,
BaNIIEIKUS da to ios o U oannos.
SEMICUP1AS lem am.
BALDES idem ;... n .
BACAS dem iden;.
BA.'IL' :.:,
5'';!.*,a c;i-* le to i ka ios Imitando am erelco
JHALElRASdttodas ca qualidades.
dem.
* 00a :-
PANELLAS dem
e tUndres para q. -
Superiores chapeo


Chapeos do Chyli multo fios, dltoa Jg
de seda superiors, ditos de sol de mui- % '
COCOS, CANDI EROS
tfier sortiisepto.
Vil ii"v :.' ... 9 i ratalho de to I
:- u, bvtC>
* O'! i i | a:'...
Ri -, | 8m_.| e, ate*
tea, coneertos, qaa tido ser desen
os U-
1
to superior qualiad;
asteas
'us i

de 8, 10, 12 e 15 ] .'.. <}&&
na loja do sobrado de 4 sudares S
rua do Crespa u. 13, de Antonio Correa x>
S de Vasconcellos & C. S
^rechineh sem igual.d
^ Superiores cortjs de ceda da cores
' com 18 a 20 corados cada corlo pelo
Z baratissimo prego de 205 o corte, los
^ decoras de qwadcse le flores para ves-
^ tido de senhora o de meninos a 200 rs.
s o covado para acabar: na loja do so
Jg brado de 4 andares ua do Crespo n.
13, de Antonio Cortea de Va3orcello3
&C.
9
8

1!
i
uu> --;
p r i
Sa

tiqaaeao
preeo. m loja do |
feranfjo.
K. DO Q ULIU V DON. i.r>. i
ppare A
S
ioja aa gui
lrHcaru^ ^o Queimado o. 16
Acaba de recebar os precisos objectos seguin-
tes :
Aspas de hlela grandes e pequeas.
Fita com eolzetes branca, parda e prata.
Dita de la pars Jet-ruar vestidos de cores.
Tranciaha de caracol miado conhecida por
ion.
.loreles pretoa ebr-.ucos em caixiuh&l.
Agulhas imperiaes [ando dourado.
Ditas victoria em caixinhas e papis.
R botti
ovas pentes
di? tai taruga e assassa,
eo'iie douradcj e sem elle,
para t tar cabe i lo,
A loja 'aguia branca acaba de receber esses
pentes do que as 9. aoras tacto precisavam para
igualar sos peqoenes dourados. O sortimento
pequeo, porm completo, porque tem de tarta-
ruga e mass, dourados e sera o ser. A belleza
e perfei^ao delies difficil des limitamo-noa a dlzei que elles sao de um dese-
nho novissimo de rpurado gosto, e de custosa
execucao, na qusl o artista elevo-se por sua
pericia. Tem elles a forma de uro 1 ar o de fita uo
centro do que se conhoce o feche por meio de
urna vella, isso alem de rendrdos. Unto os de
tartaruga como os de massa. Agora, pois, que
appirece o bom, convem qno as senhoras se nao
deaQorem em mandar corrprar na loj* a'aguia
ranea, rua do Queimado o. 16.
Moendas p meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brutn n. 38, fundico
de D. W. Boutnan.
Baleias.
Vende-sa baleias 120 rs. cada urna aspa de ac
para balo a 160 rs. a vara, bandes a 1JJ500 ra. 6
2{00 o par, na rua do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, o. 35.__________________________
2^500, s o paYo.
e cortes de cambraia branca cora 2 -
2$500, ditos de tarlatsoa brancos
om barras e babados a 39: na rua
iz n. 60, !ojc armazem do pavo de
Gama l^.fva.
Vendem
3 babados
yascarilhas le seda.
Vendelie caacarrilhaa de seda para enfeitrr
vtstidosf a 25OOO apega naris do Qsfeimade
loje de lindezas, n. 35.
Meias dt borracha.
Vunde-se meias de borracha ptraqu*^ pEdeco
d nysipela a 15J000 o par, mei. pan senhora a lgOOO o par na rua do Queimado
loja de miudezaa da Boa faros. 1 35.
ORO Vi
1.
a na imperairrz nu
Perfumaras muito finas e.
baratas.
Opiata ingleza a l-;500 rs, dita frsnreza 5C0
rs., 640, I5OOO, oleo da sociedad* hygioniq)ia
verdadeiro a 1JL00 o frasco, oleo babosa do Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua bals",\ei
para os denles a 13000, dita de Botot tambem
para os dentea a 1J000 o frasco, porntda fraocc
za em poa a 500 rs. e l$00, 320 rs. sabonetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e 1^000 cada um n
rua do Queimado loja de miudezas da Boa fana,
u.35._______________________________________
Superior brim br&ac de
linho
Vende-se superior brim branco de linho tran-
cado pelo baratissimo prego de 1$200, l-ii a
15600 a vara, dito muilo eneorpado de does fios
e de linho puro a 2g a vara : na rua do Q*irce-
on.22, na bem conhecida loja da boa f.
<
\ 2,400 rs. a azia,
A.Gti4^*
Baa da Snnzalla Nova n.42
INuste asiabelesimento continua a haverum
completo sortimento de moendas a meias moen-
aUs para angenho, machinas de vapor taixas
de ferro batido a coado de todos os tamanho
para dito,____________^____________
J chegaram os remedios
do Dr. RaduayResolutivo
reno'rtdor, prompto allivio
e pilulas reguladoras,
No droguista Raymundo Carlos Leite
& IrmaOj rua da Impertriz n. 12.
Collares para seuhoras ou me
inas.
E' chegado os muitos desejados collares de al-
jofares i.;.ii'o madrepsrola, com urna cruzinha
de pedras liagindo brilhantes quo sio muito ele-
gantes, pois socoro a vista que se poder apre-
ciar, que so vende pelo barato prego de 38 cada
um : islo s na loja do gallo vigilante, roa do
Crespo n. 7.
A-derecos pretos
Timbcm chegaram os lindes aderegos pretos,
sendo oa-s pulseiras, rosetas, alfinetes, tudo em
urna caixinha, intrtramer.te couaa nova nest?
praga, todos muito delicados pela grande mao
de obra que tem, pois as pessoas de bom gosto
saberao apreciar : s no gallo vigilante, ruado
Oeapo n. 7. ____________________________
Agulhas,
Tambem sao chegadss as verdadeiras agulb&s
Victoria, de fundo dobrado, que se vende pelo
barato prego de 100 rs. o papel: s no gallo vi-
gilante, rua do Crespo n.7.
Ca pellas para noiva.
Tambem sao chegadas as lindas capellas bran-
cas, o mais delicado que pode htver, que se ven-
de pelo baratissimo prego de 7$ e 65, tambem ha
outraa maia inferiores que se vende por 25 e 35.
Pede-se que quem tiver de comprar quaiquer
destea objectos, que se apresse sntes que se aca-
be, poisfoi sp^nas urnas pequeas amostras que
ae recebeu : fi no zallo vigilante, rua d Crespo
numero 7.__________^^^____^^_______
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: cm casa de S. P.
Johnston" & C rua da Senzalla Nova
a. 42.
Lengos brancos unos para algibeira pelo dimi-
nuto prego d25*G0 ra. a deaia : na bem conhe-
cida loja da boa t, ii< ru< do Quaimado D. 22
Loja de miudezas rua do Quei-\%
mado numero 33 A.
Costure i ros.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Liohae do200 jardas de todo oa numeres aSOrs. B
Caacarrllha a pega 2#.
Ditas muito boa vara a 400 rs. j
Tranga de linho pare todo prego. g
Franja de seda, de linho, de lgcdo muito ba- ;'5
rato. i ^
Retroz, linha da novelo etc.
Meias.
Um complefo sortimento sendo de cores pera S
meninoa a 240 rs.
Ditas brancas a 200 re.
Ditas pare ssnhora a 250, G00 e 400 rs.
Ditas para homem a f>5 p fg.
Ditas pretas para senhora 400 e SCO is.
Gravatas
com be tao a 15.
Da cores muito boas para honjoni a 1.
Para meninos estreilinhas cOO rs.
Putearas
li'- cabello a 4$.
Do phsntaEia de dito le. a 500 13.
Botos.
Para cases e para caiga t. gu.za 320 rs.
Para camisa muito fios gtoza l$00.
Grandes para roupao groza 1J600.
Pequeninos para criaos 1.J.
rVlaroareSi
Para capote a dezia pof 800 re.
Colxetes.
De rio batido especial duz! 720 rs.
De cartao 14 parea a duzh 500 rs.
Em caixa pretos a duzis 800 rs.
Brincos.
A baiao brincos, acamados, zuce o dovradoa o I
par tor 18.
Rozeliulus com pedras que ,-i!3w-; diamanta o
par 15.
Penas e caetas.
De todas as qualidades eaptcialroont* d caii^.r- '
phia e d-i langa.
Catiptae pare aprender aicrovet r. *?lo svalifa de
Sculy um per 500 rs.
Papel.
Almago pautado D00 [oirtaafij.
Dito dito 420 ditos 4300.
Dito dito 420 ditas 4g.
Dito liso 39200.
Dito U psso azul e brenvo 4J50O.
Dito azul J0 25500.
Dito pequeo tarjado 1530.
Dito pfoiueno di corea 13200 o 1
Dilotarjsdo d preto 1;500.
Eavelops cer.lo lg.
Obrlas de colas 100, 120 e 300 rs.
Pentes de LarUuuga.
A imperatriz 8J c- IO5 o qeta s vondOl por 16
a 205OOO.
Diraito para atar caballo a 4$.
A imitago por 1JJ.
D arripia p:r meninos a 800 e 1*.
TTtarui.-- para alizar S$.
Do buialo p Pentes de borracha qu 01 para Iraier por ca-
sa muito boris a 320 re.
E ii'iade da artigos t ovamente chegadoa
loja Esperanga ruc do Queimado n. 33 A.
deixarao de comprar.
S Chi;.'s seurn9 Boas a 160, 180 e .'"(' ri*
dt rs., cortes de vestido pretos berdjci 1 %
Vf. velludo de custo de lol'S se venuem por (K
. 308,405, 50a e708, sabidas de Laiio eel-j *<
:J ludo e seiim a 12c e 133, ca;. isas para se- fe
ahora a 8$ e 39, goilinhas e manguitos a *
EL 23, S e 3jOO, goilinhas cambraia boroa- tt
9das a 500,600,700, M00, 900 t i, ditaa ^
",-. de fil bordado a 120 rs., essavt.qaes e S^
fuslao a 5c, (Je e 7, meias da sedo
bisncaa e preu para senhora 1 1*200 p
o par, tiras bordadas a 500 700 rs.,
laaue quaoro eiif'.'-ladn 300 o 360 r. W
o covido, cambraia preta a 400 e 440 J
ra. t vara, ;>rraa(!ys .1j sorea e 600 rs. :
vara, il braoco -i^8eado para cor- *f
tinados e vestidos a 400 e 500 ris a
'ara, C'r'es da olleta ds cassmir bor- _
dados pretos a 29 3}000, dito* de i
vallado de cor e gritos a 3-jt, 4p. f,~ .- (;, ''<
paletots de brim brsnco frsr.c'.,t. 3 '*,
39500 4s)ti0 Hitos de -.sumir ae co- -JL
rs pretoa 4; e I69, :to* d '.:;\:t- ?S
preta de core? 1 33,38500, Sj a 49500, m
- ni 1 ito ds itnho a 5O0, cor! 1 g
de oiiete da ore;rao a 13500, 13700, %
*?- !:, i '''' branco a 230OO, litos feilos de torfurai ?
* 235OO e 395OO, oilos feiloi Aa casemira ;>
a 3f500, 4$ 4J500, ditos lia v! > g
59, 65 > "c fos'o corea ~_t
l{t500, no| -11 : i 1 ra.-. .. jR
pi- hoolem era, gric ld 11 S
rcr-s, halles 6 t< espir ilhos, '. to- ,*;
i. >. a alisde :a roapas feitia para ho
paem qeeitadose v,nd por n itade
3-;* v; o?,
X. oRuada SiopcralrizN. o.
A esmeralda.
Loja' ae modas 's
ez:
I35OO.
Lavam-so ehapeos da palha da )'
so a ullica moda, lsvam-se cbapi s do Chi le
muito -o c ;;ta. N< meso ba \ a
cas capellas para bailds e easamentos, v^r.
be'.onda \ ara dito, lu is 1 fes -.
flora dolar ija, borzeguins do sutim br*-:c ,
ricos l'.-jj'S, t lincas rosas soltas -. i-
e pe-u-s de tartaruga, assim como
I (idos, i', s, ment tetes, zuave, e b^i I 1
que oxi/s ultinja moda ; re ebem s 01 ti .s
;. r os i. i :. P^ri?, tr: i>cBl E -. :-
I se cortinados para camas e janellas.

Vende-se urna carraca nova b instruida e
bem ferrada, e aue serva para boi e avallo por
ser apparelhida para urns o outra cousa : ia roa
da Concordia, tenda de ferreiro junto a am esla-
eiro de rarcint?i'o.
m~-in --------- -~r 1- 1 inai 1 i
^otassa da tiussia
e Americana.
No escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo o. 19, por prego
'mais barato do que em outra quaiquer parte.
M
Vende se o seguinte.
Bramante om 10 palmos di? largura a 19500,
riscadiohos estaros de cor fiza a 160 rs., cosas
o,'..- .s a 23, indiadas maito nnes a lg, chitas a
ICO. 200, 240, 280 e 320 rs., cambraias de ssl-
.i,os de cor-3 e brancas a 400 rs., cobertores
bronces e sscuros a I9SOO, 19600 fl 29, pannos
finos pretos de ores a 23, 29OO e 39, em-
bretas para cortinados a 23 a p- o, ditas lisas r
23. 33, 4g e 59, tpeles muito nuos a 69 e 73,
chapeos ', seda e ds castor muilo finos t do ul-
timo osto de Patis b 83 e 99, ditos de feltro fi-
00 copa alta a 59, casemiras para forro de carros
a I96OO, corlas de dita muito lina para caigas a
49, pegas de entremios a 19, e ualmente ma-
dapoles, algndoes, bros, bretsahas e outrai
muitas fazeodas que o dono do estabelecimento
at resotvido a vender muito barato attm de
apurar dinheiro, dando-so as competentes amos-
ira com penbor
Emesia da N. O. Bieber & C., siccassoras,
rua da Cruz n. 4, veudem-se :
Machinas para regar hurtas e capim.
Ditas para descarogar milho.
Ditaa para cortar capim.
Sulins com perteoces a 10; a 20?.
Obraa de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilhade primeira qualidade do Para.
Vinho Xeraz de 1836 em eaixaa de 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Arados e grades.
B ruantes.
Carrosas pequeas.
Boa compra.
Vonde-se o excelleote engenho S. Joaquim,
sito na freguezia ds Varzea, urna legoa por bom
caminho, moente e correnta d'agua por dous
agades, terrenos e matas sem iguees, poda sa-
frejar at 2,000 pes. Troca-se tambem por pre-
dios o mesmo engenho, porm s nesta praga ;
qaem ae quizer enriquecer em pouco tempo, di-
rija-sa a negoca-lo ca rua da Praia n. 53, ter-
ceiro andar.
de
Gambraias de corps
Vendem se cambraiae francezas de cr-e fa-
zenda muito fin* pelo S*rtinsimo prego Ue 260
e- 280 rs. o colado : na loja da boa i na rua do
Quoimado o. 22.
'ara luto.
Fumos de seda elsticos para chapeos largos c
estreitos a 19500 : na ra do Queimado n. 22,
na loja da boa f._____________________
Lazinhas muito finas
para vestidos.
Superiores laazinhas para vestidos de muito
bonitos padroes que se vendem pelo baratissimo
prego de 440 rs. o covado na rua do Queima-
do n. 22, no loja da boa f.
c
ftikUiJ
KA
.L-
.ojfiao jpavao,
Cambraia organdys a 280 rs.
Vendu-S" csinbraia orsandys de coree com mo
daroiSSiffiOS padroes a 280* o tova.-'o. a -..?.
francesas m-'to unas a 240, 280 e 300 rs. o co-
vado : s na ioja do psvo, rae d lpaitrz
numero GO.
Fugio de bordo .0 brigue escuna Cysne o
mulato eaeavn do nome Luw, vio 'o uliimamen-
t.:. o Rio de Jan- i; o va-.or Oyspotk, per-
l-.D> '. o -. M-OL-' Jojquim di Silva Lean,
Je aiacei : 6 cito, magro, pouca barba, e tem
imaaferidas s cnel ts das peroas,levou ves-
l; o c&misa e c ';- de panno .:ul c nlgnlna ros-
ta :o", chapeo de iialbe ordinaria. B commen-
da-sessul olic}a<,s a sua captara, coa-
uuzniio-n rs Ua t:uzn. 3.
i\i\: o.. et.eubo S:l^jd.Lho um ocravo
~ Dome Grigorio, de boa altura, mil eilo a
ps, e tem alguoi bichos, tom um olho mais
aportado do q outro, j Coi $. erado : a pessaa
que o psgar levo o ao -ito engenho ou necia pre-
ga, na rua de i -i a n. 114, que ser bem grali-
.ida do seu trabalho.
Anda fgido Sperto ie m mez o escravo Ac-
u nio, que lever ter cincuta e tantos s'mos de
I iJade, de nsgo Angieo, ello e magro, roslo a-
Bordadoi barates.
Vendem se goilinhas K. Cimbris e fli bor
dadas a 500 rs., manguitos a 13 o par, manjivitoa' Ihado, trr Jo o olho esqaerdo todo cobtrto por
coui golla bordsda da cao brais a ig600, e tira
bordadas e ntret-eic ; na rua da Imperatriz n.
60, loje do pavao.
Cartas (ig.s para voltarete
A loja d'aguia branca acaba de receber um bom
sorlimeoto de cartas com tintas mui fints, papel
lustroso a opaco, e caracteres de novos desenbos,
representando as Gguraa os grandes persooegens
das guerrts da Italia s outros. J se v, pois,
que com uos baralbos assim boos e bonitos, tor-
oa-se anda mais deleitavel o entreler-se parle
da ooite no divertido voltarete, tendo sempre
espadilha, manilha, basto, etc., etc.. o pelo con
trario um pichoso, ao qualos bolinhosea chava-
a do bom cha do dono da casa far esquecer o
pouco que perder. Os baralhos de canto redon-
do e dourado cestam 69 a duzia, os immediatoa
53, e outros 43, 3S&00 e 39. Tambem ha finas
para os apaixonadoa da bisca, espadilha, etc., I
vate do que nao ha mais a canaar-se, o preten-
derte dirigir-ae com dinheiro raa do Qeeima-
do, loja d'aguia branca n. 16, que ser bem ser-
vido conforme o loavavel costume.
Ha para vender-se um excelleote cozinhei-
ro: na rua do abusa n. 18, sobrado._________
Veoda-ae ima carroga em mello bom es-
tado : na rua ria Trempe aitlo n. 80.___________
Vende-ae um sobrado de um andar e soio,
com quintal murado, sito na freguezia de S. Jos*
a tratar na praga da Independencia ds. 19 e 21.
Vende-se urna pequea fabrica de velae de
carneaba, quasi ora : a tratir ,oa taberna n. 48
da ra da Aurora.
Ai 1
pakin a 280,
Vende-se esta nov-ifazenaa de linho a imitago
de sedas de quadriflios miudinhos propria para
vestido de senhora, roupas pira meninos, s?ndo
fszenda que nao desbo:.-., t 280 ocovado : na rua
da Imperatriz n. 60, loja o psvo.
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chilss hrgas a 200 rs. o cosado por
ter um puqueoo toque 6* mofo ; na rua da Im-
peratrlz n. 60, luja Bramante & 10$.
Vendem-se pecas de bramante de linha de
urna a largara com 27 varas a 103 Pla. *>"
bem ae venda 1)2 pte- com 13 1\2 varaa por 59 ;
na rua da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Carnauba
Vende-ae a mais superior csra de carnauba qe
ha no mercado ; na rua da imperatriz l. 60, loja
do pavao.
Cainbraias lisas a
Vendem-se pegas de cambraia lisa
eom 8 1.2 varas a 33 a pega : na
urr.c grande :.c'i \ o os denles agvgados, c pin-
tor, vidraceiro, e emende aiguma cousa ce eni-
leiro, pelo qoe nao se duvida que esteja traba-
lhanio em aiguma parte. Ksle esersvo pertfnes
n-tiif Imeni, j maesa felli !< de Fraeciaco Aot'-nio
Correia Cardse, e por isso Of.?,-se eos renherra
capiles de campo, ou quaiquer pessoa que o ap-
prehender, o favor de o levar rua do Brum ns.
82 6 84, que ser Ratificado.
Est lugido desda 1 do crrente mes de je-
Iho, o escravo sardo, Ricardo, boleeiro e carro-
ceiro, bem conbee.do nesta praga e seus erre-
baldes; representa ter 25 annos de dade, bai-
lo e mag^o, tem cabellos carapinhoa raspado te
pouco tempo na cadeia, onde estere por causa
de estsr fgido, te-i posea barbs eflta de dentei
na frente, rosto comprido olhoa redondos ; tem
sido encoutrsdo na Cspun^a, e Olinda anda -te-
diando e jogando com mais de 209 que levou :
quem capprehender e levir a casa nnseuscnhn
na Passagom d Magdalena que aera generosa-
mente recompensado.
Autor.io Valentn' 'la Silva Barroca.
s ira
i. 60.
triz n. 60, loja do pavao.
muito fina
rua da Impers-
Chales baratos.
Vendem-se chales de marin de cores sendo
muito grandes s 3# : na raa da Imperatriz n. 60,
loja do pavao.
200i de
i* i
a qeem pegar O pardo Francisco, ds 17 annss
de idade, de bonita figura, com todoa os dentes,
esbeltos csreDinhos e raivos, este pardo foi de
Sr. Dr. Borg< d* Fonseca, o qual viajo* com *
mesmo aenrtor todo o serto e suburbios desia
provincia,neces*a:iamnte quando era se es-
cravo, talve hinda se inculque a servigo da
mesmo : quem o pegar queira entrega- lo a sai
legitimo dono na raa do Hospicio n. 6.
Ignacio Luis de Brito Taborda.

_*__ :'.- ;.. .."_ .
.,.,



- <-
.W'
8
DIARIO DB flERABaUCO* TEig. FE11A 0 DI SETEMB^O DE 116!
Liiteratura
. di academia dai Bellas Artee, do Rio de Janei-
i to n. 413.
- 606. Dilo dilo fractaa, feito e eipoitj pelo ma-
Catalogo dos producios nacionaes e il- uff'SS^^Am, mu expo.to Pe,o
duslriaes reuieUidos para a expo-
sico uoivcrsal era Londres, pelo
Brasil.
FRIME1RA SECCO.
C.aSSE QUARTA.
(Conliauago do d. J06. )
5C8. Folie, feilo e exporto pelo Sr. Jos Teixeira
da S.lva. Rio de Janeirod. 291'.
Sr. Meil.r. profeator da academia das Bellas
Artes do Rio de Jaueiro n. 41-2.
603. Dilo, feiio a poota de agelha. sobre um pra-
to de porcellana nranca enfumagado a luz de
um candieiro, feito e expojto pelo Sr. C. Schla-
prilz, proviucia de Pernambuco o. 409.
609. Retrato deS. M. a Imperatriz do Brasil, (ei-
to a penoa e exposto pelo Sr. Mariano Jo de
Ameida, proffisor de desenbo de SS. AA. aa
pncelas do Brasil o. 408.
Iva,
.s isz!zrmi?amn-exposlos r pelSr- de p,nho' R'de *-*-
l m par de oculos de ouro dt lei, eom crystaea.
CLASSE TRISESSIM.V NONA.
Escultura e modelo.
sem aros em volla e cam aa haates e nariz era-
vados nos me.niot crystaes.
Dous pincenez de ouro de lei, mesmo trabalho
Tres ditos de dito diversos 1 V "t'eil de pSu de "- eiP0,to pel
Lepares de SffSZ* lei, baste de g.n-1 J 35*5A C0'Dfl ^ Pa'r-
612. Peauha de Jacaranda e pu-aelim, feita e
exposta palo Sr. Antonio Francisco dos Santea
I Beve.as, Rio de Janeiro n. 358.
57^? arrsjasais: SL4W5.** ^
Urna Ueta da um s vidro, de ouro de lei, fei- I
tio de corda.
L'ii cryslal de rocha.
uas-tieraee, exposlis pelo Sr. Mariano Froco-
lio lerreira Lige o. 2.
571. Papel pintado, teilo na fabrica do Sr. Ce-
tao Antonio GjiiQaleesGir r_t-xposto pelo nie.mo Sr. n. 321.
ndes Fereira, Rio de Janeiro, exposlo pelo mes-
mo n. 320.
573. QuaJro em mosaico da madeira do Brasil,
feito o exposto pelo Sr. F. de II oro. n. 646.
574. Dito cooi niadeias para aoalbo, feito eex-
pjsto pelo Sr. G. B. S. o. 617.
oi3. luto do raiz do vinhatico, exposto pelo Sr.
_J 1!. Senador Liolol, Rio de Janeiro n. 652.
576. Rap Ari-Frela, fabricado na provincia da
Babia n. 395.
577. Dito Carioca, da fabrica do Sr. Fereira Sil -
veira. Rio de Janeiro, exposta pelo mesmo se-
nhor n. 660.
57S Dilo Paulo Cordoiro,' da fabrica do Sr. Joo
l'aalo Cordeiro, Rio

mesmo aeohor n. 513.
579. D.tj, fabricado na provincia do Para n.
396.
ESO. Helas diversas, feitas em diferentes pro
Tinciaa do Brasil n. 322.
5>!. Sabo de cacao feito na provincia do Para
n. 281.
532. Dio feito na fabrica do Sr. A. L. P. Carva-
lao, Rio de Janeiro n. 279.
58 Dilo feito na fabrica di companhia Luz Slea-
rica, Rio de Janeiro n. 282
584. Dilo feito na fabrica do Sr. Joo Francisco
Cirneiro Mooteiro, em Aracaly, provincia do
Cea-i- n.2S8.
535. D to feito na fabrica dos Srs. Joao Ribeiro
de Ar le & C. provincia do Para n. 280.
86. Dito feito na fabrica do Sr. Dr. Pedro da Sil-
va liego, provincia da Babia n. 277.
587. Dito feito na provincia de Petnambuco n.
17b.
588. Dito feito da residuos de eDimaes mortos,
na fabrica dos Srs. RoufGer Martelet & C. Rio
Janeiro n. 283
5S9. Uiio de tiogui-capete, provincia do Cesrfi';
. oi M.i.aiii doui (rucios de liogui-capea
ii. 2;5.
590. Dito da viga, provincia do Para n. 28i.
591. Ta''-sco em p, denominado cangica, feito de
fumo de Borba, provincia do Para, exposto pe-
lo Sr. barao de J.g 59a Oilo, dilo denomnalo caco, feito na pro-
vii na do Ceai n. 393.
593. Tecidos de pita, expoatos pelo Sr. general
F.ederico Leopoldo Cesar Burliniaqeen. 323
591. Ditos de canolilho de prala e ouro, feitos e
exposlos peloSr. Fructuoso Luiz da Molla, Rio
de Janeiro n. 407.
595. Tinla de escrever. feila tmenla de vegetaes
do Brjsil pelo Sr. AI. J. de Oliveira Jnior,
. Rio de Janeiro n. 053.
596. Dita de escrever, feita e exoos'.a pelo Sr. Jos
Virgilio Ramos de Azevelo, Rio de Jaueiro
n. 6i.
597. Vaso com flores de conchas, feitas na pro-
vincia de Sania Cathanna, expoatas pelo Sr.
Joo Amonio Leite Jnior n. 315.
598. Dito coai ditas de escamas de peixe e con-
chas, feitas na mesma provincia, expostas pelo
Sr. Angelo Alocii da Silva Ferraz n. 314.
599. Vaso com una roseira artificial, feila e ex-
posta pelo Sr. Eduardo Firmino da Silva, pro-
vincia de Peruambuco n. 364.
( '. Velas de carnauba, feitas na fibrica do Sr.
A. P. S. Barcellus, provin:ia de Peroamteeo
n. 276
601. Ditas de sebo, fritas na fabrica dos Srs. Arau-
jo & Irnio, Rio de Janeiro n. 275.
602. Ditas stearina., feitas na fabrica da compa-
nhia Luz Staarica, Hio de Janeiro n. 274.
CLA39E TRIGESSIatA OITA "A.
Pintura a cleo, aguarella e desenho.
C03. Miniatura, feita e exposta pelo Sr. Costa
Guim.r.e*. Rio de Janeiro n. 416.
COI. Q ladro a oleo flores feitos e exposlos pelo
Sr. J >i dos Reis CT-albo, professor de dese-
nho da escola de marinha do Rio de Janeiro
n. 415.
605 D lo dito floresta feito e exposto pelo Sr.
Agoslioho Jos da Motta, professor de desenho
gravadas e exposta pala casa da moeda, Re de
Janeiro, a saber :
Hedslhl commemorativa da coroico de S. H. o
Imperador do Brasil, gravada pelo 1* abridor
e mestre da caa da moeda, o Sr. Carlos Cus-
todio de Azevodo.
Dita dacampanha rto Rio da Prata, gravada pelo
1 abridor o Sr. Joao Jos da Silva Monteiro.
Dita commemorativa da visita de S. AI. o Impe-
rador do Brasil, casa da moeda do Rio de Ja-
neiro, gravada pelo Sr. Chrislian Luster.
Dita commemorativa da visitado SS. Aa. II. do
Brasil mesma cesa, gravada pelo Sr. Chris-
liam Luster.
Dita do Nossa S-nhora. da Piedade, gravado pelo
mesmo senhor.
Dita commemorativa da inaugurado da estrada
de ferro de D. Pedro II, gravada pelo mesmo
senhor.
Dita commemorativa da fuodagao da nova casa da
moeda do Rio de Janeiro, gravada pelo mesmo
svubor.
D.ta commemorativa do dique imperial do Rio
de Janeiro.
Dita servindo de premio da exposicao teral da
academia das Bellas-Artea do Rio de Janeiro
graxada pelo S. Chrislian Luster.
D:ts servindo de premio da primelra exposicao
nacional, gravada pelo mesmo senhor.
Dita commemorativa da prlmeira exposicao do
Brasil. r *
Dita com o retrato de Sua Alagustade o Imperador
do Brasil, para a nova moeda de cobre.
Dita de Talberg, gravada pelo Sr. Chrislian
Luster.
Moedas de ouro.
De D. Pedro I.
Rs. CjifO 1825.
4-*O00 1823
i) 43OOO lg25
De D. Pedro II.
Rs. 163000 1835
16;000 1S11
2D000 1851
20g(J00 1853
108000 1851
5?0f0 1S55
Moedas de prati.
De D Pedro II.
Rs. 160 1833
SO 1833
1>20) lg',6
800 1835
400 1834
201) 1810
100 1*3
2J00O 1855
18'X'O 18G1
500 1854
200 1858 1
ADVERTENCIA.
Ete catalogo nao contm os indispensaveis es-
clarecimenlos a respeilo da maior parte dos pro-
ductos remettidoi paraaEipoeirao Universal,por-
que iio foi possivel, apezar das deligencias em-
prenadas, obter dos expositores as precisas iofor-
macea, dando s a mesen a falta quanto alguns
objeclos vindos das proviocias.
A claasilicarao dos oajectos remeltidos para
Londres foi Nila de accordo com as instrueces
dadas pelos cornmissariosda EzpoaigaoUaiverssI.
As machinas descriptis na classe oitava foram
representadas em estampas photographicas, por-
que nao havia espago pira accommodar osorigi-
naes no local_ destinado aos proluctos do Brasil.
A uumerarjo intercalada, que vai escripia ]no
Bm da designacao de cada um dos productos ou
eollefoes, refere se eo numero lanzado sobre ca-
da um delles na occasio do eocaixotameoto dos
volumes que foram remeltidos para Lonlres.
Rio de Janeiro, 2 i de fevereiro de 1862. (As-
signados) Os membros da commissao esoecial,
Visconde de Barbacena.Dr. Uanoel de Oliveira
Fausto. Dr. alauoel Ignacio de Andrade.Joa-
quim Antonio de Azevelo Comfo-me.Anto-
nia Luiz Fernandes da Cuoha, secretario.
IFOliHETliH
l!LIUMA
roR
AMEDE ACHARD.
(Cootinusc.ao do n. 206.]
IX
' ni amigo contra um iiiimi^o.
Relia-Rosa cjnduziu Claulina ao su aposento,
cuja porta echou na cara do Sr. Meriset que com
urna luz na mao desfazia se em cortezias.
F' a marqueza! niurmurou o honrado pro-
Xrielarlo vnltan :o & sua sala. E o chama seu ir-
rr.ao !
Aps os priaeiroi carinhos Bella-Rosa fez sua
irmaa sentar-se n'um sof. Tinha extraordina-
rio dosejo de lhe dirigir urna perguota, nica que
do corago lhe vinha aos labios, pergunla qe re-
sumia nmnomes: mas impedia-o mcrivel com-
niofSo.
Todava buscou um rodeio para chegar ao seu
Dm.
J no me viesle aqu procurar"? perguoiou
e'!c
Vim, ha poucos dias. Porm depois nao
kc foi'possivel vir mais.
E porque nao deixaste flear ao meaos a io-
dicaQo de la morada ?
Claudina mostrou-se um pouco embarazada ;
aCnal respondeu :
Nao o devia fazer.
Porque ?
Porque iras ver-me.
Bella-Rosa comprebendeu ; abaixou a vista.
CluJina pegou-lhe na mao.
.Eotao nao viesle soiinba Paria ? pergun-
f nntou o sirgento.
Clan dios abaoou com a cabera.
Jsei;Sazaoa est em Pars I E se nao
losses tu, eu ignorara a sua presenta aqu I
Nao a crimines por isso. Delxando Malzon-
villiers para aeompanhar seu marido, que aqu
vinha a um negocio impoitinte, pediu-me que a
acompanhasse Nao lh'o pade recusar: se ella
tao desgranada 1
Disgraga 1a I exclamou Bella-Rosa.
Oh l s eu e Dos sabemos o que ella sof-
fre I O Sr. d'Albergotti o ignora. Qaando elle
est presente, Suzana sorri; mas quando d-lhe
as costas, pe-se a chorar.
Bella-Rosa oceultou a cabera entre ai toaos.
Chogando a Paria, ba alguns dias, cabio
doenie mas est felizmente salva.accrescen-
teu Clau iina reparando na perttrbj^o de seu
irovao. Foi ella qce me fez vir oulra vez procu-
rar-tp.
Oh l Eu Irei vi la l Irei agradecer-lhe...
Nao, nao deves ir : a tua presenga a ma-
tara.
Eotao ella nao se esqueceu de mim T per-
guntou Bella-Rosa com ene accento profundo
que d o egosmo do amor.
Esquecer-sel Oh l Se te houvesse esque-
eido, Juques, nao vivira tao triste e to afflicls l
O teu nome nunca lhe vem aos labios, mas reside
no seu corac.o, e o vae pouco a pouco atormen-
tando.
Ambos se calaram. Atarga sstisfagao enchia
a alma do mancebo : Claudioa arrepeodia-se de
BIOGRAPHIi
do E\m. e Rvm. Sr. D. Fp. Pedro de San- la5So-
I ferira o respectivo provincial Fr. Flix da Eipec-
ta jlariaima, natural da provincia de
Pernarabnco, bspo titular de Cfcry-
sopolis, prelado domestico de S. San-
tidade, bispo assistente ao soleo pon-
tificio, conde Palatino, e esmoler-
mr de S. M. o Imperador.
O ministro da religiSo quem o Dado Provi-
dencial tinha designado para um dia empuohar o
baceulo episcopal,ain la que elle nao preste assen-
timento aos desejos daquelle.que, como (parece,)
orgao da providencia ha]a de o levar esta digoi-
dade sublime ; anda mesmo que ana reluctancia
alcance urna vez o resaltado desejado, um dia,
porm, elle sorprendido ver o complemento dos
altos destinos victoriosamente tomar o seu posto
e eoto ana vontade j sem a energa de outt'ora
oecessariamente ceder os loaros vontade im-
periosa, e aejeitar-ae-ba sabmissa deciso, que
parece nao ser obra do bomem. Foi o que se
deu com o Ilustre persooagam de quem nos oc-
capamos, e cujo nome para a provincia de Per-
nambuco sigojlica urna gloria immarcessivel, pa
ra o claustro carmelitano um vulto proemioenle,
para s leltras um de seus maiores cultivadores.
Nssceu o Eim. e Rvm. Sr. Fr. Pedro de Santa
Marianna naciJade do Recite, provincia de Per-
nambuco no anoo de 1782, e foram seus paes o
Sr. Carlos Jos de Souza e D. Marianna Machado
Freir. Sua elucacao primaria foi perhita e re-
gular, a par de sentimentos religiosos, qe seus
progenitores souberam innocular no corago in-
fantil, sja vocagao ae manifestara para a vida
sacerdotal. A clausura aonde os remores do man-
do apenas chegsm com longinquos ruidos, sonde
a vaidade humana, a perlurbsgjo e a vangloria,
parecem dar-lbe costas, e ceder o lugar para a
conlemplagao das grandezas eternas ; a clausura
aonde reina a paz, o silencio e a oragao, foi o lu-
gar que elle escolhea para dar expsnsibilidade ao
seu genio todo especial, e ao talento que come-
gava a desabrochar-se vigorosamente.
Deu preferencia e se inclinou ao claustro car-
melitano, de que era provincial o seo prente o
padre mestre Fr. Flix de Sanl'Anna, e se reco-
Ainda o Sr. Fr. Pedro de Santa Marianna, era
duela examelaflssima, e ostentoe-ae to apro-
funlado as mathematicas e em outros ramof da
aciencia qaea corte, prestando-lhe seria attenfSo,
corista qaando abrir no coavento am carao de adn>irou sobremanera o tea genio, sea raro ta
geometra para os religioso*, a a mocidade per- liDl-
nambucans. Teve elle a ventura de leccionar i Seus meamos collegas conheciam o grande me-
mullos jovens, que depois ae distlogairam, e fl- j rilo litlerario que elle possuia, e os discpulos
guraram na sociedsde, o entre ellos foram o Sr. lhe tributavam o maior respeito, profunda ven-
Hanoel do Monte RoJrigues de Araujo, boje bis- ragao e acatamento.
po do Rio de Janeiro conda e eapello-mr de S. ... .,..,.
., i. .. ara com eileito, para admirar ver o homem que
M. o Imperador e seo irmao o fallecido con.go s6 ,,, CQmo ^ Q h e_
Joao Rodng.es de Ara.,0. ,u ,Uo da cadera lec{iODsndo em Bi.eril
Rodrigaes ae Araujo
Foi na verdade ama gloria sam par para o Sr.
Fr. Pedro, e urna honra aubida para a religio
carmelitana,o da emque naegreja do convento do
Recite ; o lente corista aentado na cadeira magia-
tral rodeado de discipalos offerecia publicas con-
closoes de geometra am auditorio de persona-
gens edeillustragoss, aobresahindo como defeo-
dentea os dous referidos irmos e admirando to-
dos o talento transcendente do Sr. Fr. Pedro, os-
'entado naquella festa Iliteraria e na edade que o
inhiba de assumir o sacerdocio II
Entretanto, nao ae pense qae existia em o Sr.
Fr. Pedro a louca vaidada de se julgar com di-
reito ao magisterio, a que saa ordem o elevara e
fizera estrear ; sua aescoulisoc,i, seus receics o
indaziam a dizer que, em seusesludos matbema-
ticos havia um vacuo que era mister preeocher!!
Nesta conviegao solicita elle de aeu prelado
dispensa de lr a cadeira de geometra, e alcanga
licenga para ir Lisboa, afim de aperteigoar-sa
nocalculo integral e diferencial.
II
Da feito, parliu anda sendo corista para a La-
sitania no anoo de 1805, aondo chegou no mez de
oovembro, e logo que recebeu na oapella de Bem-
posta, o presbiterado das mos ero Sr. bispo Pau-
lopatino D. Fr. Miguel, foi aeu primeiro cuidado
o matricular-86 na academia real de marinha, ou
collegio dos nobres ; caao virgem, e a primeira
vez aquella academia viu no aono de 1806 um
frade rogando seu habito nos gales das fardas I
Nao era per certo, am discpulo que ia fazer sea
tirocinio escolar, era um gemetra que se quera
acrisolar as sciencias dos Euclides, Legandre e
Lacroix.
ihera ao convento da cidade do Recite no dia 17 Os progressoa ahi feitos toram espantosos. Fa-
de fevereiro de 1797 com 15 annos de cdsde : xenio-seoavir um dia sobre geometra entre seus
nelle possou o lempo depupillo ; entrou no da collegaa o Sr. Fr. Pedro mostrou-se abalisado
provaago, at que fex aua proflsso no dia 7 de nella, cbimou de tal maneira a attengio dos len-
fevereiro da 1799 naa mos do padre mestre Fr.
Manoel do Monte Carmelo por commissao do res-
pectivo provincial Fr. Laiz de Santo Antonio
alaria.
Realisadas as aspirages do joven Fr. Pedro de
Santa Mar.anna, encelara elle es estudos de phi-
losophia e theologia no collegio de aeu convento,
aondamostrou logo a perspicacia de sua iotelli-
geacia.
Noste interim, o sabio bispo de Pernambuco o
Sr. D. Jos Joaquim da Cunba Azevedo Coutioho,
acabava de inaugurar no dia 16 de fevereiro de
1803, na cidade de Olioda, o Seminario Episcopal,
a primeira e mais perfeita e completa escola de
'flstruegao secundaria, que teva o Brasil sob a
inspecgo daquelle prelado por contar ella todas
as aulas, e cujo pessoal se compuohs de mestres
abasados, osqoaes o sabio bispo tinha podido
contratar e traz los da trte de Lisboa, aflm de
derramar a instruecao pela mocidade pornambu-
esna.
Neste nucleu de sciencia o Sr. Fr.jPedro, re-
cebeu uteis e proveitosas ligoes, con|agraodo-se
especialmente ao aatudo de geomatiiX algebra
trigoometria, e nelle se moslrou lo enristrado
que recebeu dos exames em presenga 'lustra-
do instituidor, a distinegaoCum lad k om tu-
do o Sr. Fr. Pedro arda ainda em desnos de se
acrisolar neste ramo de sciencia sua pledilecta .
o logo que na cidade do Recite, o asina pro-
fessor de mathematicas Dr. Antonio Jvs Bastos
(ba pouco lempo ebegado na provincia} abrir au-
la em o salo da egraja do Collegio, elle nao per-
den lempo, foi sugeitar-se com gosto as fadigas
que de certo lhe alcaogaram depois vaotagens
transcendentes no calculo.
Seas talentos j conhecidos pelos seas prela-
dos, apodado enlo no convento como urna de
suas primeiras capacidades, a congregago de
sua ordem, celebrada no anno de 1803 o escolhe-
ra psra leitor de geometra, cuja patente lhecon-
ter fallado. Que bem poderia vir a seu irmo
desse amor assim revivido ? Tirando um lengo da
algibeira do seu vestido a moga enchugou os
olhos am pouco humedecidos, affaetou os cabel-
los que oceultavam-lhe a mimosa fronte, e diese
com o sorriso nos labios :
I'mo. vim aqui para abragar-te e nao para
chorar. E' um mu costume este andar a gente
atraz dos pezires, quando os pezares parecem
fugir-nos. Dixemos este assumpto que provoca
as minhsa lagrimas, pois nao estos de humor
para soffrar. 1)5 -me o brego, conduz-me casa
e pelo caminho contar-ma-has os teua negocios.
O palacio do Sr. d'Albergotti era situado na ra
de Oieille, distante da ra de l'ot-de-Fer Saint
Sulpice. Darants o transito, que faziam, Bella-
Rosa proaunciou por duas ou tres vezes o nome
de Suzana ; mas sua irmSs deaviava a conversa-
gaa desse terreno perigoao fazenlo-a recahir em
assumptos mais alegres.
Quando te tornarei a ver"? perguntou Baila-
Roa apenas chegavam porta do palacio.
Depois de amanhaa, se quizares. Como
posso dispor do dia todo, irs eacoatrar-me na
porta Saint- II mor as ooze horas da manha.
Bem, l estarei as dt-z.
Bella-Rosa com o encontr de sua irmaa se
havia esquecido do bi 1 hete que mysteriosamente
lhe (ora introduzido na rnao. Voltando casa
do digno Sr. Meriset foi tea primeiro cuidado 1er
esse bilhete, concebido nos spguinles termos:
No sabbado vindouro urna bora depois do por
do sol Belia Rosa encontrar na porta Uaillon
urna pessoa que lhe dir as palavras convencio-
nadas : siga a asa pessoa, e chegar ao lugar a
que o en'ia o Sr. a'Assooville.
Lembrou-se elle de que naquelle mesmo sab-
bado devia ir ao encontr de aua irma na porta
Saiil-IIonor : quizescreer-lhe desonerando-se
de aua promessa ; mas, reflic'indo melhor, viu
que as cousas podiam-se accommodar. Passaria
o dia com Claudina, e noute cuidaria dos ne-
gocios do Sr. d'Assonville.
Assi-ji, pois, nao fallou ao lugar aprazarlo por
sua .-inai. Ambos subiram a um carro de ala-
guel, e dirigiram-se pelo caminho de Neuilly.
Nao atbando pousada oos PercberODS, que U-
uhim sido invadidos por urna compinhia de mos-
que'.eiros. quando o carro de volta rodava pela
calgida, Bella Rosa ouviu urna voz que chamava
.or seu no i e : inclinou-se para fora da porli-
ohola, e vtu janella de urna tasca am fdalgo
jue o saudava tendo na mao um copo cheio de
champagne.
Bravo, Bella Rosa Divirta-se I dizia elle.
Quem aquelle fidalgo? perguntou Clau-
dina a seu irmo aueabaixava a cabega.
E' o Sr. de Villebrais, meu teneoie.
Depois da Igumaa horas de pssseio nos arre-
bildes Bella-Rosa mandou que o cocheiro diri-
gisse o carro por um atalbo. Havia por ali no Bm
de um pralo urna bonita casa em cuja frente fron-
dosas arvores esteodiam sua sombra : essa esa
apresentava o aspecto de urna herdade. O sar-
gento esperando que nesse retiro lhe podessem
preparar alguma reeigo correu para ali deixan-
do aua irma ficar beira do caminho.
Quando voltava abatendo as sargas com um
junco que trazia na mo, ouviu gritos de espanto
com o seu nome de envolta. Apressou os pasaos
e avistou Claudios debatendo-ae entre os brsgos
de um cavallelro.
De um pulo Bella -Rosa achou-se no caminho.
Oh I Chega a proposito I exclamou o caval-
lelro. Venha ajudar-me a conven;er essa bella
tea que elles logo s convenceram de que o car-
melit ji bavia cultivado a sciencia que moles-
tamente apreadia.
Com urna accarada applieago, loavor e consi-
derago daquella veneranda corporegio conduiu
o Sr. padre Fr. Pedro o curso de mathematicas
no anno de 1809, e receben em premio de suas
fadigas litterarias, o laurel acadmico, urna carta
de plena approvago, nao havondo eotao uso ali
dse conferir grudesea faculdade.
III
Na provincia do Rio de Janeiro se havia inau-
gurado no anno de 1810 a academia militar, e
nella ae dava a falta da am lente aubstitato para
a cadeira do segundo anno ; e ento o governo
tendo honrosas ioformagdes a respeito da capaci-
to exlranha saa proQsso, ahrneos que em
auaa (ardas realgavam as dragonas e galoes 1
Neataa faaigaa magistraea o Sr padre mestre
Fr. Pedro ae hoave com zelo, digoidade e apro-
veltamenlo de aeua alumnos at que no anoo de
1833 lhe tora pelo governo concedida a jubilag.lo;
aendo que pela filia de lente, continuo elle a
lr a mesma cadeira terminando ento seus tra-
balhos cathedraticos no anno de 1831.
A pureza de seus costuraos, a se veri la de de sua
moral, a par de urna nao affectada modestia era
de todos conhecida, e todos lhe rendiam, e ren-
dem ainda hoje preitos sinceros de estima ; tan-
toque havendo por (orga de clrcumtincias im-
periosas abdicado, em 1831, o immortal fundador
do imperio, a coroa em seu filho, o Sr. D. Pe-
dro II, boje augusto imperante do Brasil, elle
ooacbou outra pessoa em quem reunissem pre-
dicados to preciosos para coaoar a eiueago
scienlica e religiosa de seu augusto fiiho do que
o Sr. padre mestre Fr. Pedro, pelo que (Ora elle
Borneado preceptor de S. M. Imperial, em sua
menoridade.
Honrado com tao alto emprego, dedicou-so o
respeitavel Cirmelils Pernircbucaoo com maior
affiuco ao mister delle, dando provas nao equi-
vocas de seu zelo, pruJoocia e disvelo, procu-
raado saiisfazer com interesse a subida confianga
que nelle havia depositado aquella adralo mo-
narcha.
Aos cui jados pois, do Sr. padre meslre fre Pe-
dro, esteve o joven imperante recebendo aquel-
la educagao pura, aabendo elle incutr em seu
corago a saa moral, aquellea sentimentos pios e
orthodoxos, o temor de Deus que o principio
de toda sciencia; sentimentos, que, na verJale,
ho acompanhado ao augusto Imperador, e dos
quaes tem elle dado as mais exbuberantes pro-
vas.
Declarada no anno de 1840 a maioridade de S.
M. o Senhor D. Pedro II, e contuuando o res-
pectivo preceptor a residir no pago imperial, foi-
Ihe conferido o titulo honorfico da esmoler-mr.
IV
O digno preceptor do Senhor D. Pedro II nao
devia de ter o simples nome de religioso sacer-
dote, quando elle possuia qualidades precisas pa-
r assumir o episcopado.
Pareca que eram estas as vistas e os desejos
do augusto monarcha, tanto assim, que logo que
se veriflcou a vaga do hspalo do Rio de Janeiro,
pela morte desou diocesano, foi oSr. padre mes-
tre Fr. Pedro de Santa Marianna nomeado para
succeder mitra fluminense ; mas a voota le im -
perial encontrn ento obstculo na comciencia
dade eillastraco do Sr. padre Fr. Pedro, pira o nimiamente escrupulosi do distincto mestre, por
magisterio, solicita, pelo respectivo roinislro e que elle nao se coohecia capsz de recebar to
secretario de estado dos negocios estraogeiros! elevado ministerio, e nem desempenhar to alta
e guerra Rodrigo de Souza Coutioho conde de
I.iohsres, da regencia de Portugal, a vinda delle,
se por ventura annuisseao convite.
Deixou por tanto o Sr. padre Fr. Pedro, a trra
lusitana no mez de Janeiro de 1812, e se em-
barcara na nu D. Sebastio com passagem a
custa do governo, com deatino corte do Rio de
Janeiro sonde aportoa nos dos de julho do mes-
mo auno. Com hospitalidade e caricia foi rece-
bdo o filho do Carmellono cenobio de sua rele-
gio, e sua religio se repassava de grande jubi-
lo vendo o athleta que conquistara venerago re-
ceber louros no santuario da sciencia.
No met de Janeiro de 1813 nomeado o Sr.
padre Fr. Pedro lente substituto das cadeiras de
mathematica ia academia real militar do Rio de
Janeiro, oxegando a reger logo a cadeira do se-
gando anno de-calculoat que em 1818 teve
della effectividade.
Durante o tempo em que oecupou o magisterio
mostrou o Sr. padre mestre Fr. Pedro, orna con-
mocinha de qae nao soa por abi qualquer farrou-
pilha.
Mal tinha o cavalleiro terminado estas palavras,
e j Bella-Rosa arraocava Claudina dos seus
bragos, e se collocava entre ambos.
Sr. de Villebraes, esta bella mocinha mi-
nba irma 1
Sua irma I Palavra de honra bem in-
ventado I O Sr. Bella-Rosa muto espiri-
tuoso I
Meu tenente I
Saa irma 1 Onde viu passeiar-se com ama
irma ? Eu tambero lenho irms ; mas est no
convento, meu charo.
Sr. de Villebrais, o que lhe disse verdade:
Clan-lina.
Ah Chama-se Claudina ? Bonito nome__
al meamo da um gosto pastoril. E' sua prima ou
amante. ambas as cousas talvez... Diga, mioha
querida, se quer o meu eorago, eu lh'o offerego ;
est em disponibilidade por vinte e quatro
horas.
Bella Rosa esbarrou a passagera ao cavalleiro
de Villebrais : mas nao era possivel fazer-seat-
tender por um homem que havia almogado bem,
e qoe com as vestes em desorden) deinva ver a
camisa manchada de vioho. Voltando se pareo
cocheiro que assialia philosophicamente ao deba-
te, orlenou-lhe qe voltasae para Pars
Mis o cavalleiro arrojou ama bolsa aos ps do
cocheiro, e lhe disse :
Coota este dioheiro, maroto, e quando ti-
verea acabado asobia astuasma's bellas arias.
O cocheiro apanboa a bolas, atea -se sobre
um marco, e poz aa em acgo de contar o di-
nheiro. Contava ainda o terceiro escudo, e j
assobiava com todas as suas torgas.
Claudina atemorisada olhava alternadamente
para o cocheiro, aeu irmo, e o cavalleiro.
Este patife bem intelligente I dizia o Sr.
de Villebraia reparando a sua roupa. Nao seja
menos amavel do que elle, meu amigo. A sua
amante bonita, agrada-ma, e o Sr. passeia j
com ella ha trea para quatro horas. Ctda um por
aua vez. Tire-ae dahi.
Bella Rosa encarou o Sr. de Villebrais. O ca-
valleiro eslava bastante animado, mas tinha-se
ainda firme sobre as peroas ; a voz era f-
cil e clara, o gesto desembargado. O sargento
nao tinha, pois, de haver ae com am homem com-
pletamente embri'gado ; aereas, com am official
teimoso. O caso tornava-se g-ave.
Ento, meu cbaro, nao ouviu? tornou o ca-
valleiro. D meia volta direita, marche para
os Percberon, pergunle onde a estalagem da
Pmfto, e convido-o para que almoce ali sua
vonlale. V.
Nao vo, meu tenente.
Pois quer licar?
Sm, senhor.
Bregeiro, esquete quem eu son ?
Ao contrario : desejarla poder tambem
lembra-lo ao Sr. tenente.
Ah I Graceja comigo: pois olha que corto-
Ihe as orelhas.
Divido muito.
O Sr. de Villebrais levantou o
Rosa egarrou-o no ar.
O qae isto I Ouia tocar em minbs pes-
aos ? Patif-, vou j metter-lhe no ventre a mi-
nhs espada I exclamou o Sr. de Villebrais que
nao podendo mais conler-se, fazia exforcoe por
deeembarsgar-se da mo de Bella-Rosa, e pu-
char da espada.
Mis Bella-Rosa empurrou-o com tanta forja
misso 1 Grande modestia na verdade I
Com instancia pedia dispensa de acceitar to
honrosa nomeago.
Se porem o Sr. padre mestre Fr. Pedro, pOle
conseguir, e achar acquiesceaoia dessa vaz sua
modestia, sua modestia nao encontrou, nem ob-
teve egual triumpho quanio a vontade imperial
se manifestara por urna maneira diversa, que
o sorprehendera. Apresentam se-lhe as bulas de
coofirmago de bispo titular de Clirysopolis, as
quaes sem a sua intervengo e sciencia foram
previamente impetradas da santa s, pelo go-
verao imperial.
Na verdade, nao pode o modesto Sr. Fr. Pe
dro, apreseotar mais repulso, quanJo via que o
proprio monar zas, instavam para que elle accalesse a nomea
Qo, eaccresceolar o Senhor D. Pedro II,que
lhe nao privasse do gosto da dizer que o seu pre
ceptor era um bispo.Avista do que o Sr. padre
mestr* Fr. Pe 1ro, pi termo ao3 seus escrpu-
los, captivo. TonladQ Ton(ade dfl geu ado-
rado imperador. e Ul.gd.M que ,m abundan-
cia se de.li.av.rx, por sobre auas faces, eram a
presso m.l. pura e significativa da senslbih-
dade, que-aeu espirito recebia. Dela pr0Ta i_
cencas de ami.ade. que lhe ,C5baTa de dsr
seu imperial discpulo, ej pelo, de.ejo, que ou-
tria delle aufonr am. digoidade p.lt t* se
julg.va incapaz, lana bond.de, tatlt0 ,iH
da parte do soberano, lhe enbargaram
urna s palavra delle o nao Olivia o *Z-'
i sen si-
lencjio profundo, era a resposia muda de naa 3
geitava-se ao aseriado a que se lhe havia neati"
nado. "**'-
Recebida por tanto a bala de conQrmacao de
bispo titular daChrysopoli. expedida no pontifi-
cado do SS. psdre Gregorio XVI, datlda g .
maio de 1811. O Sr. padre meslre Fr. Pedro foi
receber a aagracao |oa c.pella interior do paco
imperial-Quinta da Boa Vut, qual ,e *
gar no da 13 de'janho d'a^uell. anno. sendo
ella ministrada pelo Exm. Sr. bspo do R,o de
MnDnTRTd9 V.C,pellSo ffil5r D. Manoel do
Monte Ridngues d'Ar.njo, .Cg.raoio Como a.
sistemes o Exm. Sr. bispo de Par ,1T "
Joo da PariOcago Marqoes pd:rSS:boaitjD;
lar de Anemun, Ezm. Sr. D Fr Ar.. ^
r.b.da. Este acto com quan.o f Je "r'.
.po.recer.ot. as galana Zg^ l".
esta aventad do veneran fo A 1.^7
ornou-.e um des.es aelos plS^JS?
toso por que assi.iiram sus m..,t,ri,.11
?or-, serensima, prince^;^(^-;:
^o e alguns do corpo diplomado, camarLas
... eapreg.de, do P,t imperia, g"n' Jj
i-P-Wi.-.n,.,,..,, de.Uamagl];eSd;
prdoiiio B6r. o d. ... fn,peri.l. .ijuni D'a
o,es. deputalo,. vigario geral da diocea, 0.
troj eclesisticos e pessoas gradas.
ni? EXm;,Sr- D" '"f- PdJro d Santa Ma-
nada, o gr.nd.loqao jubilo de asistir com vate.
episcopaes.osolemnis.imo acto da ccroagVj .
gragao de S. magestade imperial no mesmo an-
no em que elle tinha tocado ao fastigio do epis-
copado sendo nessa o:c,sio condecorado com a
commeoda 4a ordem de Christo.
Como lente jubilado que era da academia mili-
tar recebeu o gru de doutor em sciencias mal,.,
mallas, grag, especial con.-oJida pelo goverao
aos lentes elleclivos e jublalos.
S eonsideragoes e deveres de amsado consa-
gra Jo pessoas, que com ello instavam para ir
receber a borla doutoral, como premio de s>us
servigos relevantes prestados juella academia
moveriam ao Eim. Sr. D. Fr. Pedro, a acceita-
aquella graga ; acceilou-a com .Jeito, mas nun-
ca della fez ost-^nlago.
V
Procurar o homem toroar-se estimavel aos
olhos de seus coucidalos J urna dispo.igo lou-
wel. til e virtuosa, o homem nao adquire am
legitimo direito estima do seus semelhantes se
nao pelos sentimentos favoraves, que elle mo.l
tre. pelo bem que loes faz, ou pelo bom desm-
peoho das funeges de que se eocarregoa.
O Exm. Sr. D. jfrei Pedro de Santa Muianne,
no centro de seu recolhimento, no zenith de sua
conlemplagao tem sabido conquistar calima, acs-
tamento, a venerago.
A modestia, que doura as perfeigoes das pes-
oas, tem ido .empre o norte de su. vida, e O
desa-pego das temporalidades do seculo a bussu-
la, que ha dirigido os s-'us psssos. Estas quali-
dades! raras, a par de um profundo saber, teem
devi^mente firmaJo a reputago illibada do Exm.
Sr. bispo de Cliryjopolis, esta reputagao que
na ordem social um bem, o movel mais po-
deroso das aeges humanas.
A fama de sea nome, de sua consumada illus-
trafto e de saa nao efTeclada molestia j havia
feito echo na Ierra da Santa Cruz ; coovinha qui
ella tocasse a outro hemispherio. tffeclivameD-
te. tomou ella sublimado voo, percorrea outro
espago., saudou novos hon.outes, e chegou 6
cidade eterna.
A curia romana apreciando convenientemenl.;
as altas o nobres qualidades do Exm. Sr. D. Fr.
Pero, quiz distinguir da urna maneira singular
ao esmoler-mr do Imperador do Brasil, e eolio
cooferiu lhe o soberano pontfice Cregorio XVI
no anno de 18(3, os ttulos mui honorficos de
seu prelado domestico, bspo assistente ao soleo
pontificio, e conde palatino.
{Continuar te ha.]
brago : Bella-
que elle cahia redondamente no chao. Antea qua
ae tivesse lev.ntado, o sargento havia j puch.-
do pela sua espada.
O cocheiro nao contava mais; porm continua-
va a assobiar.
Sr. de Villebraia I exclamou Bella-Rosa.
Juro-lhe que uio ha de por aa mos era mioha
irma, seno depois que passar sobre o meu
corpo !
Nao lhe darei a honra de bater-me com o
senhor, porque poseo mndalo eoforcar, repli-
cou o tenente, e acrescentou : e' l, cocheiro I
Dentro dessa bolsa ha tres luizes para ti 89 aja-
dares esta adoravel meoini a sabir para o teu
carro ; e ma's outros dez se a condutires e.ta-
lagem da Pinhi, onde vou junLr-me a ella da-
qwi a pouco.
Claudina quizfegir, mas cambaleou e cahiu de
joelhos.
Est dito I respondeu o cocheiro apertando
a bolsa que acariciava com a mo.
Aioda nao 1 exclamou umi voz junto delle,
o ao rcesao lempo um descoohecido apparecea
no caminho.
Era um bello mantebo de phisionomia franca
e.decilide, a de bonita estatura. A sua roupa sem
enfeites e bordados dava-lhe a appareoeia de
um estudsnta ; do maa tinha o aspecto e trazia
a espada de fidalgo.
O que disse. senhor? perguntou o cavallei-
ro de Villebrais E porque razo se vem inlra-
metter nos negocio, alheios?
Diste o que quiz.e iutrometto-me nos ne-
gocios alheiot quaodo me apr.x, respondeu gra-
vemente o desconhetido.
A' um gesto do leoeote o cocheiro, quehesi-
lava depois da ioterveogo inesperada do oatro
cavalleiro, adiotou-se para Clandina. Mal ti-
nha dado doas pasaos, quando a mo do deaco-
nheciio agarrou-o pelo hombro.
Escuta, lhs disse elle. Aquelle senhor te
prometteu oez luizes paracooduitres esta senho-
ra aos Pecherons ; e eu prometto-te cem basto-
nadas ae a nao conduzire. aquella qaint que ali
vs. Porm roano o meu pedido ao desse caval-
leiro, para que ajudes senhora a sabir ao teu
carro. Comprebendea ?
Perfeitamenta, respondeu o cocheiro que
via logo pela maneira com que a mo do desco-
ohecido se apoion no .eu hombro que nao coa -
viDha f>zer objecgo a um homem to cheio de
eloqueocia, e de vigor.
Una oatra conviegao, pois, penetrou no aeu
espirito, e qaerendo testemunbar o calor e zelo
da aua cooverso apressou se am ir abrir a por-
tiohola da carruagm.
Eotre, aenhora, replicou o detconhec'.do
apertando a mo a Claadlos. Entre, que eu res-
pondo pelo, bont aentimentos deste honesto co-
cheiro. Que diz, amigo ?
Oh I E' muia honra que me faz V. S., res-
pondeu o cocheiro esfregando o hombro depois
de ter f chado a porlinhola.
A intervengo do descoohecido tinha sido to
rpida, acompanhra elle as suas palavras de
urna aegao to immediata, que o Sr. de Villebrais
e Bells-Rosi torosram-se apenas mudos espec-
tadores dessa scens.
No momento porm em que Clandina subiu
para o carro, o tenente sentiu accender-se-lbe a
colera. Arremetteu para Bella-Rosa com a es-
pada em punho, e atirou-lhe um golpe to fu-
rioso que tc-lo-bia tra.passsdo da um lado a ou-
tro, se elle ao ruido dos pastos do contendor nao
houvette rpidamente dtsviado o corpo,
O ferro penetrou as roopea do sargento, e des-
uso, pelo hombro, conseguindo apnaa arranhar
a carne, gragas vivacidade do movimento, e ac-
go feila para aparar o bote.
O Sr- exerce muito bam o assassinato '
disse o desconfiedlo, ao passo que o cocheiro
impellia os cavalloa na direceo da quinta com
ardor sem egual.
O Sr. de Villebrais empallideceu a este ul-
trage.
Em guarda, aenhor I exclamou elle com a
voz trmula de furor, e precipitando-se para o
descoohecido.
Nao te esqaega de mim senhor tenente ;
observou Bella Ro.a pondo-se de um pulo entre
os dous.
Se o sea adversario me quizesse celer a
sua vez, replicou o desconhecido sam tocar mes-
mo nos copos da espada, eu far-lhe-hia a honra
de bater-me com o senhor : mas devo observar-
lhe que a elle dovida a preferencia.
Batter-me com um villo I Nunca.
Entrelanto assim preciso.
E quem me ha de obrigar ? perguntou o
Sr. de Villebrais desdenho.menle.
Eu, que estou isposto biter-lhe na cara
com a folba da miona espada, e recaer.
O cavalleiro de Villebrais mordeu os beigos
at sahir saogue.
Atienda, senhor, pros.eg.ia o desconhecido
no mesmo tom, sem se alterar, e como se tra-
tasse de justar um divertimento, quando te pas-
sa do rapto ao assassinato cora facilidade, deve-
ae tambera esperar algum tontratempo : nem
ludo corre sempre como desejamos.
A vergonha da acgo, que commettera, e a ra-
va que cautavam ao Sr. de Villebrais estas pala-
vras que lhe feriram os olvidos, prevaleteram
sobre o orgulho de po.ico.
_ Seja, disse elle bater-me-hei com este vil-
lo ; depois chegar a vez do senhor.
De boa vontade, se for necea.ario.
O Sr.; de Villebrais sonlava j o terreno
com o p, quanio o descoohecido replicou :
J que o senhor cede com tanta bonlade
s miohss observages, permitta-me que, ainda
lhe faga outr. Esle lugar nao commodo para
um duello ; corre-se o risco de se ter sorpre-
hendido, oque detagradavel. Avisto daquelle
lado um pequeo bosque onie po loriamos estar
s mil maravilhat. Qier oSr.ir at l T Olugar
muito fresco.
Convenho, respondeu o Sr. de Villebrais.
Os tres mancebos dirlgiram-so para o bosque,
e all chegando os dous adversarios cruzsram os
ferros immediatamente.
O Sr. de Villebrais battia-se como quem pro-
curava malar, sem despresar ora s dos recur-
sos da"esgrma : mas achava-so em presenga de
um homem to determinado como elle, e ainda
mais habilitado. A' lerceira pancada a espada
ttltou-lhe da mo. Bella Rosa esperou.
D-me umi .atisf'cao de tuloo que fez, se-
nhor, eu flcarei contente I exclamou elle.
O Sr. de Vellebrais tinha j levantado a sua
espada. Sem responler poz-te oovameoteem
guarda.
Bella Rosa tinha recobrado todo o seu taogue
trio, e lembrava-ae de qae era seu ofii.'ial o ho-
mem que tinha disote de si. Todo o seo deso-
jo era limitar-se a aparar os golpes ; met o ca-
valleiro apertava-o tanto, qu. afinal resolveu-se
la ir, bem a retribu-las. O Unir do. ferros te
amimava ; e um bola que lhe er.nhou a polle
te-lo perder toda a paciencia.
Dous minutos depois a sua espala semergi-
Ihava oo peito do Sr. de Villebrais, que quiz co--
responler a ess golpe ; o ferro, porm, esca-
poa-se-lhe da mao ; um jorro de saDgue subiu-
Ibe sos labios ; e elle cahiu subre os joelnos.
u desconhecido levantou-o, e o eneosloua urna
arvoie.
Pode ser que elle nao torna a si, seDhor,
trate de occultar-ae at que seaccommode o ne-
gocio.
'Ele homem meu teneote! exclamou Bel-
la ti os a com a espada ensanguent.da na mi.
Oh I diabo tornou o descoohecido. ute
caso corre o risco de ser fuzlao. Fujaquaal'
antes. *
* E minha irma '?
Respondo por ella.
Jera, senhor ?
Aqui tem a minha mao.
As maos dos dous mancebos tocaram-se n'uru
perto fraternal.
Parta, tornou o desconheci lo, e confie 9m
mim.
O Sr. soccorreu minha irma ; pego-Iba
que me diga o teu nome, para que eu saiba a
quem eu devo o meu reconhecimento.
Camo-me Croelio Uegharl, e ou do coc-
dado de Armagh oa Irlanda.
E eu .ou de Saint' Omer em Artoi. ; meu
nome Jacque. Gnnedal, por appeilUo Beil.i
Rosa, sargento de sapaiores no regiment de la
Ferie 5
Muito bem, Sr. Bella Rosa, cont com um
amigo. Ot homens ue bem conhecem-sa pelo
olhar!
Bella Rosa apertou aiuda urna vez a mo do
irlandez, e partiu
A nuute comegava a estender o seu escuro u
sobra o campo quando elle aahiu do bosque. Ao
pensamento veiu-lhe immediataiente a recor-
dago da entrevi.la na porta Gaillon. A tua se-
guranza petsoal exiga qu a loda prttta se reti-
rasse aoie que fosse espalhado o boato do duel-
lo, que acabava de lar ; mas havia dado sua pa-
lavra ao Sr. d'Assonville ; e pois nao hesito j,
foi direito a porta Gaillon.
llavam cinco minutos que all se achava a
passear quando viu a elle aproximar-s um ho-
mem baixo envolvido n'uma capa a hesj'achtla
ue lhe occuliava o talba. lia chapu parlo,
era que Huela. urna bonita pluma de garga,
oecullava-lha a fronte, e a maior parle do tem-
blante echava-sa tambern occulta por urna do-
bra da capa.
Apeuaa avistou Baila Rosa o pagem dirig, so
para elle apreaaadamente, e disse-lhe baix:-
oho :
A ca*tlhana s*pera.
Estou proapto a segu lo, ratpondeu Brl-
la Rosa.
O psgem metteu-te por um boceo sombro,
caminhou alguns minutos, e levando bocea um
pequeo apilo que trazia dependurado ao pesco-
go po,- una correte de prata d-.lla sscciu u::
som agudo. A este sigual eproximou se urna
carraagem ao beeco, em que o pagem havia pa-
rado ; ..te subiu para ella, e fez signal a Beila
Rosa a m de que o imiasse.
A porlinhola fecho, te depois que ambos en-
traran), e a canuagem partiu.
[Continuarse-ha.)



PERNAMWCO^TYP. DH, F, DE F. & FILHO.

MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERN8MGY6B_SH0D5E INGEST_TIME 2013-04-30T21:55:56Z PACKAGE AA00011611_09614
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES