Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09609


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
V
I10 niVIII. IDIE10 2(2
T~
Fr tres nezesadiantados 5)000
rtrtreinuze vencidos 3JU
W riili 2 01SETEMBRO DI lili
DE PERNM
E^CARREGDOS DASUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, Sr. Antonio Alexandrino do Li-f
an ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;I
Arasaty, o Sr. A. do Lemoa Braga; Ceari o Sr.'
J. Josa do Oliveira; Maranhio, o Sr. Joaquiroj
Marqaes Rodrigues; Para, Manoel Pinhtiro 4|
C; Amazonas, a Sr. Jirooymo da Costa.
SNCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SOI
Alegis, o Sr. Claidioo Falsas Diaa; Bahia.
o Sr. Joa Martina Alvas; Rio doJanoiro, o Sr.
Joio Poroira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todoa oa diaa aa 9} horas do di..
Iguarass, Goianna, o Parahyba naa secundas
sixtss-feirss.
S. Anto, Bexerros, Bonito, Canur, Altinho
baranhuna naa tarcis-feiru.
Pao d'Alho, Naiarotb. Limooiro
q.eira. Ingazeira, Floros, Vill.-Bolia, Boa-Vista, Urdt.
Ouricorys Ex nssqua.taa-feiraa. '
BPUEMSR1DBS DO MEZ DE SETEMBRO.
17 Lia chola as 5 horas o 16 mina toa a tarde.
15 Qaarto mingainte a 1 hora o 21 minutos da
tarde.
93 La ora as6 borass 18 minutos da manha.
Brejo, Pea-|30 Qaarto croscente a 1 hora a 28 minutos da
Cabo, Serinhem, Rio Formoee. Ona.Barroiros
Agua Preta, Pimentelrae o Natal quintas eiras.
irodosos crrelos partom aa 10 horas da manbaa
PREAHAB DEHOJB.
Primeiro oslOhons e 54 ninatosda msnhai.
Segando ia 11 horaa e 18 minotoada tarde.'
PARTIDA DOS TArORES COSTBIROS.
Pira o sal at Alagoaa 5 o 10; para o aorta
at Granja i 14 a 19 j. tada mes.
'AMIDA DOS OHHIBUS.
Per aue adan lado 19 $000
ferte frasee sara e sibserieter



AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA
Tribanal do eommercio t
CAPITAL-
1
sogandas o quietas.
Para o Reeife:~o~A^e7e^s"s6|2, T, 7 lit, 8|RaIacao: tercas o sibbadoailO hora. \
-S i|_2_d ?.de Olinda 4i8Jjai.i5 da t.; de|Faxenda : quintas s 10 horas.
segandas ao msio di.
Dito do orphios : taren o sextas is 10 horn.
dfm -"d! 2 "i "r ?*>* ^"li-ixo do commercio
as 7 da m., do 0sm/U as 8 da m.
i ?% ^"l'; :. S'? *> 8 ^1. *. |4,
4 1|2. 5. 5 1]4, 5 1|2 o 6 da t.; para Olinda Is 7
da m. o 8 1|2 da t.; para Jaboato s 4 da t.; para
o Casanga o Porcia s 4 1,2 da t.; para BtmAta
Primeirafara do ivel: torcas o
dia.
extase m
DIAS DA SUMABA.
Segunde. S. Elidi ,b.; S.. J.a. o Cedeao.
Terga. S. E.tpvao re de Hungra
o.Vi!* I" Uf*"ia J- W-; S- Ariathoob. m.
6 Sabbado. S. Lib.ni. v. ..; JJ. PrP.idio m#
< Domingo. Nos S.nhora da Penha; S. Joo
ASS1GNA-SK
1TE 0FFICI1L
Seganda rara do cirol
hore da tarde.
qaartaso sabbado
>I0J ASS1GNA-SK
s 'S!AVl,,,iS* q a Umri' dl *"? Indepoa .
roa do Karia & Filho.
Ministerio da agricultura commer-
eio e obras publicas,
DECRETO *. 1,169 DE 22 DE ACOST DE 1862.
Aatoriea o governo a adiaotar deedn j Com-
piDbia Brasileira de Paquetes Vapor a im-
portancia de seis mezes da subveoco com a
clausela de desconta-la as prestacu men-
saes e a tratar da ooracao do contrato.
Hei por bam aaneconar e mandar que se exe-
cote a seguinte resolocio da assembla geni le-
gislativa :
Artigo anico. Fice o governo aatorisado para
adiantar desde j Compaohia Brasileira de Pa-
quetes Vapor a importancia de seis mezes da
subveoco. com a cleuaais de dseootala oas
preslacoes meosaes ; e bem assim para tratar da
novacao do contrato da mesma compaobia no
sentido de diminuir o numero das viagens o a
respectiva despea ; revogadas as disposices em
contrario.
Joo Lins Vielra Cansanso de Sinimb do
meu comelho, ministro o secretaria de estado
dos negocios da agricultura, commercio o obras
publicas, assim o tenha entendido o faca exe-
cutar. *
*ftlU|C.'; 2 Ri? d8 Janeir. em M de agosto de
ooz, 41 da independencia e do imperio
Com a rebrica de S. M. o Imperador.-Joao
Lmi Fiara Cansanso de Sinimbu.
G0VERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do da 9 de agoste de
186*
Otfleio ao inspector da thesoararia de fizenda.
Devolvo V. S. os documentos comprobato-
rios do pagment, qe pede Joaquim Antonio
de Figeeirlo mestre do hiate nacional Sanio
Rtta, proveolente do passageos dadas por cooli
do governo para o presidio de Fernando o d'alli
para esta capital no predito hiate, e bem assim
de fretes de objectos enviados na mesma conlor-
midade para aquelle presidio, aflm de que di
quantia de seis ceios e setenta 9 doas mil aus-
tro centos ris, a que elle lem direito, mande pa-
gar somente a de treientos e oitenla e quatro mil
quatro ceios ris; icando o reliante para ser
iodemnisado quindo houver crdito, e isto de-
pois de ter sido a iazeoda satisfeita da quantia de
nvenla e oito mil ris pelas raides por V. S. in-
dicadas em sua mformajao de hontem sob nume-
ro 820.
Dito ao mesmo.Pode V. S. nos termos de sua
nlormaQao de hootem sob namero 825 mandar
pagar ao atieres Clemente Francilio Tavares a
jaantia de deziseis mil ris, que lhe compele
para urna besta de bsgagem na viagem que fez
da colonia militar do Pimenteiras a esta capital
e vice-versa, como se vS do requerimento que
devolvo coberto com offlcio do brigadeiro com-
raanlante das armas de 22 do torrente, numero
1616,
Dito ao mesmo. Auloriso V. S. nos termos de
sua iiformaco de bootem sob numero 826, a
mandar pagar aos empresarios da illumiaaco a j
gaz neata cidade a quantia de 1:4039100 rs era
que in porta o giz consumido dos mezes de abril
junho deste anno, com a illumina;o dos quar-
teis dos diversos corpos pertencentes a guaruigo
desta pra;a como se v dos documentos que de-
volvo.
Dito ao mesmo.Em vista do pret que devolvo,
em duplcala e que mo fui remettido pelo briga-
deiro commandaote das armas com oQicio de 27
do correle sob numero 1646, maode V. S. abo-
nar noi termos de sua iuormagao de hootem nu
mero 821 os vencimenlos a coutar de 16 at o ul-
timo deste mez, das pracas deprimeira linba que
destasaram para a villa do Pao u'Aino.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial.
Accuio a recepto do offlcio de hootem sob nu-
mero 4ti7 em que V. S. participou haver Jos Fer-
nsndes Mooteiro, danao por dador o proprietario
Laix de Frao;s da Cruz Ferreiri, arrematado
com o abite de dous por cento uo creco do res-
pectivo ornamento, a obra do aperfeigoamento da
ladeira denominada Sicupira-torli, e em resposla
teoho a diter que approvo essa arremataco.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. Com
este f-r > presentar V. S. os dous menores Ro-
dolfo Atronso FerreiraSoares e Joao Biplista Fer-
reira Soares, alim de serum alistados este na
compaohia de aprendizes artiucss, e aquelle na
de aprendizes marioheiros desse arsenal.
Dito ao commandaote do presidio de Fernan-
do.Transmiti V. S. para o lim conveniente
a inclusa nota dos artigos embarcados no hiate
nacional Fino com destino a esse presidio.
Dito ao commandanle superior de Olinda.So-
licitando o Exm. n fu. bispo diocesano dispensa
para o guarda nacional Pedro da Culi Moreira
Nuoes, nos das em que este tiver de comparecer
na catheJral da cidtde de Oiioda, recommeodo
V. S. que tenha em vista o offlcio qus a seme-
Ihante respeilo lhe foi dirigido por esta presi-
dencia em 23 de oulubro do aooo pass vio.
Dito ao commandaote superior de Goianna.>
'juera V. S. expedir suas ordens para que urna
guarda de Iguns dos baialhes da guarda nacio-
nal sob seu com mando superior faca as honras da
festa e acompanhs a procisso de S. Miguel que
tera de sahir da matriz desta cidade no da 29 de
setembro viodouro.
Dito ao commaodiote do co'rpo de polica.Em
deferimenlo ao requerimeolo dogusrda da seceo
urbana do corpo sob sea commaodo Jos Alves
Camello Juoiur, e a vista de que informa V. S.
em offlcio numero 378 de 26 do crtente, pode V.
S. mandar dar baixa ao mesmo guarda.
Dito ao mssmo.Pode V. S. maular dir baixa
ao guarda da seceo urbana do corpo sob seu
commaodo Adriano Raymundo do Kgo, que se-
gundo o attestado junio ao seu cilicio numero
381 de 27 do correle, foi julgad incapaz do ser-
vico.
Dito ao provedor da Santa Casa da Misericor-
dia.Pelo offliio que me dirigi V. S. em 26 do
correte, fico ioUirado de terem sido oomesdos
Hanoel Aotonio Viegas e Francisco Gomes Cas-
tellao, o primeiro para o lugar de offlcial e o se-
gundo psrs o de amanuense da secreisria da San-
ta Caa de Misericordia, cirio de que s respailo
ds nomeaQo do amaoueoie foram observadas as
dispoiicei dos arligos 2 o 3 da lei provincial nu -
mero 531 de 9 de junbo ultimo.
Dito ao curador dos Afncinos.Coostando-me
de offlcio do inspector do arsenal de marinha de
hootem datado sob numero 282, haverna mesma
data fallecido na iofermaria daquelle eslabeloci-
menlo o africano livre Francisco segundo, assim
o commuouo Vmc. pira seu conhecimeolo.
Dito cmara municipal do Rio Formozo.
Declaro cmara municipal do Rio Formozo, em
resposta ao seu offlcio de 19 do correte, que nao
foram presentes s esls presidencia as poslurss de
que trata o seu citado offlcio.
Dito ao cooselho administrativo. Promov o
cooselbo administrativo eom a possivel brevida-
de a compra de 50 colies igual namero de
travisseiroi coostsnles do pedido meloso, que sao
necissarios para fornecimento des Interinaras do
hospitsl militar, devendo esses objeaios ser la-
vado em coma quaodo se tiver de salisfazar o
pedido gersl daquelle estabelecimeoto.
Portera.O presidente da provincia alleadan-
do ao que requerea o Dr. Joao Capristsno Ban-
deira de Mello Filho, lente sabstitato da Facul-
tado de Direito dests cidsde, resole cooceder-
iha am saet de licenca cbm ordenado para tratsr
de sua ssude fora da provincia.
Dita.Os Sra. agentes da eompanhia brasilei-
ra de paquetes vapor, maodem dar transporte
para i t Orle por cents do miuisieno di guerra
no vapor que se espera do norte sos recrutis
constantes da relacao junta, assignsda pelo chefe
ds secgao aervindo de secretario.
Dita.Os Srs. agentes da compaohia brasileirs
de paquetes vapor, mmdem dar transporte pa-
ra a corte por conla do mioisterio da guerra no
vapor que se espera do norte aos recrutas coos-
tsnles da relacao junta, aesigoada pelo chefe de
seccao seriodo de secretario.
Dita.Os Srs. agentes da eompanhia brasilei-
ra de paquetes vapor, maodem Irsosportar pa-
ra a B>hia por conla do ministerio da guerra no
vapor que se espera do norte aa pracu do dci-
mo batalhao de infantaria constantes da relacao
nominal junta, assignada pelo ehefe de sscco
ssrvindo de secretario.
Despachos do da S) de agosto.
Requerimientos.
Antonio Pereira Gil.Nao lem lagar.
Evaristo Pinto da Costa.Prove estar compre-
heudido na condicao oitava das aonsxas do d-
crelo numero 2513, de 17 de dezembro de 1859
Mana Benedicta da Conceicao.Informe o Sr.
dezembargador provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia.
Manoel Antonio de Vasconcelloa. Informe
cmara municipal do Bonito.
Silvana Matia de Jess. Informe o Sr. de-
zembargador provedor da Santa Caa da Miseri-
cordia.
Stiro Pereira ds Fonceca.-Dirijs-se s agen-
cia da compaobia brasileira de paquetes vepo-
res a que se expede as convanienles ordeos.
Tarimo da Silva Barros. Informe o Sr. de-
zembargador provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia.
N. 22.-Directon'a central. 1. seccao, Rio
oe Janeiro, ministerio dos negocios da agricul-
H"rofAmnV,,C0 9 ^f^ P"b>> em 22 de agosto
de 1862 Illa, e Exm. Sr.Transmiti V. Etc.
a inclu! relacao doi objectos que por interme-
dio dessa presidencia foram remettilos paraflgu-
rsrem na expsito nacional, e que lhe devem
ser devolvidos no vapor Tocanlins, qe o'iqui
partir para os portos do norte no dia 23 do
correte mez, am de que sejam conveniente-
mente desiriboidos pelos productores ou expo-
sitores, resideutes nessa proyioeia e oas que
concorreram com seus pro lucios para a exposi-
gao que leva lugar na cidade do Reeife. Deus
guarde V. Exc. Joao Luiz Vieira Csossoso
do Sinimbu. Sr. presidente da
l'ernambuco.
provincia de
r Pernambueo.
mJZ2S\aUrna pssta de couro fea do
arsenal de guerra porFnnciseo Ribeiro Pavo.
Urna almofala bordada do las pela orpha
Amelia Aona Pastors.
Urna dita de la estufada, trabalho da expolia
Mariana Isabsl Ramos.
Csixioha com um peote de tartaruga para
senhora. r
Btusjnho com am par de tsmancos.
Quatro iivros em branco para eicripturacSo.
Uma carteira foleada feita por um homem de
Camisa de homem feita no collegio das orphas.
Lollscjao de letras lypographicas feitas de
niadeira.
Camisa de homem feita na casa das expostas.
Uma dita de senhora feita no mesmo esiabele-
cimeolo.
Uma pssta com diversos modelos de letras de
pspel e especimens diversos,
Csixo n. 2 Doas Iivros em branco para
eicrpluraco.
Tres sellins.
Cinco cestinhas de pslha.
Caixlnha com um livro encadernado (Virgilio
B-asileiro.
Caixao n. 3.Uma pega eolumbina feita de
lalo por Jos B. Braga.
Iiuas caixas com caiiohas feitas de papelao.
Uma dita com cinco pares de botinas, sendo
um de selim para senhora.
Um tinteiro e um arieiro de chifre.
Um sinete de lato com as armas imperiaes
em relevo;
Um quadro de papel cortado, representando a
corOa imperial, por Henrique de Azevedo Mello.
Umi bola de madeira atravasssda por uma
reta de metal, tendo dentro um ourico por Pro-
copio (Maceto.)
Um cachorro feito ds frouxel.
Duas redes dealgodo (Sobral.)
Quairo bengalas feitas de sipo branco torcido
entrelaindo-se.
Ciixao n. 4.Vidrsca com um frontal do ss-
crario de ouro.
Ciixo n. 5.Quadro a oleo representando S
Francisco Xavier, visitando uma enferma por
Arseoio Fortuaito da Silva.
Csixo o. 6.Vaso de porcellsna com um
grande ramo de flor.
Caixao o. 7.Cilxo de folhi eontendo um
ehapo armado com presilha de ouro.
Dita com am chapeo de padre.
Tres caixas de pspslao com chapeos de sls
para sehhora.
Vidraga conteni um ramo com beija-fiores
por Clotildes Cezar.
Qaatro caixas com chapeos de pello de leda.
Quadro com a cora brasileira feita de cabellos
por Haarique A. Beck.
Estudo a eleo representanlo a cabega de ama
mulher que sent uma dr violenta por Rocha
Pereira.
Retrato feito em fundo de prato com a pona
de uma agulha por Schlspritz.
Cinco Iivros Impressos am Pernambueo.
Quadro bordado a ratroz subre uma lamina de
cera por D. Miria da Cunha Almeida.
Dito bordado de o de seda pela mesma
senhora.
Duas pinlurai oleo; grupoi de passaros
morios por Eduardo Gadalt.
Caixao o. 8 Caixa de madeira
contando uma pequea pega revolver,
arsenal de guerra.
Diversos objectos feitos de folha de flandres
por Jos B. Braga.
Csixo n. 9.Um instrumento (Provetl) para
conhecer a forc,a da plvora, por Brai Josa ds
Silva.
Ciixio n. 10 Modello de cabrestante feito no
araenal de marinha.
Caixao n. 11. Um vaso de porcellsna com
rama* de flores.
Csuio n. IS.Uma igreja feita de papelao.
Cajxo n. 13.Uma jardineira de fletes da las
para lampao.
uas toilhas de labyrintho.
Um lenco de dito.
'!i dito de dito bordado.
Uma pega de renda larga.
Viole e oito cartdei com amostras de rendas
e bicos.
Una pasti com amostras de ditos.
Urna arvore artificial.
Um gallo artificial.
Cestioha eontendo uma eesta de pedra-hume
com flores de la, um ramo de crsvos brancoa a
encarnados, e dual grioalJas de flores.
Dita eontendo um ramo de flores de pennai,
duss cestinhas de sera, um ramo de flores da
psnno, uma grioalda de flores do peonas, o qua-
iro ramoi direnos.
Duas redes de algodio feitas em Sobral.
Dous pares de espatos feitos de couro de
cobra.
Uma feehadura de madeira.
Dous chapeos de pslba.
Quairo salvas de papelao com lentos para
0*0,
envernisads,
feila no
Qusdro de vidro com uma corda, da flores de
besouro.
Ceita da palha com flores.
Uma armsco de piu com doui ramos de
flores.
Ums cests de la com cravos brsncos.
Trabalho feito a pona de caivete por im
Alagoaoo.
Carlo com deseohos feitos por ums Alagoans.
Caixao n. 14. Vidrajs com um pootal de
sscrario bardado de oura.
Uma_ dita com oasssros cheios.
Csixo n. 15.Dous quadros com planos de
arebitectura por Antonio B. F. Ramas a Antonio
J. de Lima.
Quadro picado i alflneite sobre papel porcells-
na, com um circulo de rosas bordadas de retroz
e ouro.
Ura dito screio preto representando uma visls
da Passsgem da Migdalena por Schlaprilz.
Uai dito represeotsodo a visgem de S. Jos
bordado fli de crep.
Dito com monumento artstico feito as Ala-
gOas por Antonio Procopio Galvo.
Quadro eontendo alphabeto de um projecto de
liogaa e escripiura brasileirs, exposto por Fran-
cisco Antonio de Figueiredo.
Dito com diploma da Associsgo Typographica
Parnambucana.
Caixao n. 16. Um qusdro feito de pspel
caivete tendo no centro a cori imperial por .
Anna Isabel Peregrina da Silva.
Um dito bordado froco o ouro sobre charaa-
lot<.
Uma moldara doarads com retrato de mulher
a oleo porGadult.
Um quadro om diploma dalo ao Sr. Pacheco
(Ciar) na exposico universal de 1855.
Caiio n. 17.Cnxa com modelo de uma rods
de leme feito no arsenal de marinha.
Ciixao n. 18.A cora imperial feita de mar-
more em relevo.
Ciixo n. 19.Uma taboa com tachadura de
sejredo, tendo pistola e faco.
Conforme.Aotonio L. Fernandos da Canha
secretaiio.
Comm\ mo das armas.
Quartel-general do commando das
arman Je Pernambueo na cida-
de do Beeile em Io de setembro
de 1869.
ORDEM DO DIA N. 126.
O general commaodante das armas em face ds
communicagao que lhe fez a presidencia na data
de 30 de agosto ultimo, com referencia ao aviso
do mioisterio da guerra da 18 do mesmo mez,
considere exooerado do emprego de ajudaot .a
fortaleza de Tamandu o Sr. teoenle reforjado
Joaquim Jos de Soazi, vino que o governo de-
clarou nao ser necesiario ssmelhaole empreno
osquella fortaleza. .
O mesmo general declara para conheeimento
da guaroicao que no sobredilo da 30 de agosto
deeembarcou nesta provincia, viodi da Bahia, a
forga o alia esquerda do 7o batalhao de iofantarii
composta de 5 capites, 2 tenentes, 5 alteres, 2
onmeiros sargentos. 4 segundos ditos, 4 forrieis,
l cabn* de eiquadre, 6 anepecadae. 1-29 acida-
dos, e 7 tambores ; o todo 185 pracas.
Assigoado. Solidonio Jos Antonio Pereira
do Lago.
Conforme. Jos francisco Coelho, capito
>. yuuor caciuu'o oicioou lhe otlerec
Til pesos de prala mensaes por conla
vidi ; que a provincia de Corrientes aic
ment safado da coastituico, porque para elle
a constituido nao vale nada qae procuran, os
seus argumentos na historia do seu paiz uma das
grandes oicoes, a na origem da mesma consti-
!2 r.. "a"8 911** Presm syte* i-
lino fallavam a um povo que nooffi.er conver-
ler-se, seodo federal por imtincto e por interesse,
motivo porque devia preferir-seo aystems fede-
rsl, hiendo com esta declarado a apologa dos
seas adversarios polticos, e dando razo ao apos-
tlo da federas* 0 celebra Nicolau Calvo.
Disse tambern o ministro que se Cordova lioha
procedido a novas eleicoes o nao Qzera por coo-
sider$ao para com o coogresso, cuja autoridade
deiconbecera reputmdose estado soberano ; que
seo governo de Eotre-Rioi tioha entregado a sua
alfaniegi. tambem o nao Qzera obedecendo a re
solucao do coogre.so. mas porque o encarregado
do poder executito nacional lhe offereceu viole
da soi di-
-.nda nada
entregara ; que Catimarac era presa de dous go-
vernadores que mutuamente ie guerreiam, e os
goveroos de Tueuman e Santiago iolervem all
por sua conla sem faculdsdes coostituciooaes.
loterrompido o ministro pelo depotado de uma
daquellis proociis, que decUroa que se os re-
feridoi governos intervinham era porque o eoear-
regado do poder execulivo nada fazia. responde*
quelle que nids fazia porque nao tinha poder, e
que se algum loe obedeca era por vontade e nao
com receio de ier coagido, pelo que convinha dar
ao governo geral o poder necessario para estaba-
lecero equilibrio com os governos dos estados.
Estas dedsracoes do ministerio arrsocaram ap-
plausos e niobios do publico, e foram energica-
raeole rebatidas pelo depelado Marmol que chs-
mou pirata ao projicto de federaliaar a provincia
que sesahisse vivo do connreiso ira morrer de-
bauo do canho de Gibreltar destes mares qae
a asiembla provincial.
O diputado ootes de Ota atacando o ministro
do interior, terminou dizendo ; nao somos se-
paratistas nos outros que nos oppomos ao pro-
jocto, e boje menos que nunca o podemos ser,
hoje que o Brasil se apodera de ilhas argentinas,
pelo ui posndttis, o o Paraguay faz iocurses
em Corneles para queimar as plantaces de
mate "
O enado da discussao al ao momento em que
63cfBvo o mesmo que no principio, pois na
seiso de hootem apresentou o governo o proiec-
to seguate :
Arl. 1. Declara-se capital da repablica a cida-
de de Buenoi-Ayres, fejeralisido o territorio
que comprobando o municipio da referida ei-
daio.
Itucnos Vyres 14 de agosto de 18C8
Contina aiuda a abiorver exclusivamente a
opioio publica o projecto de federalisa;o de te-
da a provincia de Bueoos-Ayres, que com rszo
se considera o escolbo em que podem naufragar
o prestigio e a popularidad do general Mitre, co-
mo outr'ora a questo capital trouxe a queda de
Rivadavis.
Entre os diversos discursos que se tem feito
na cmara dos diputados ao coogresso, neohum
produzio tamanha sensacao, nem molestou laoto
a reputaco do general Mitre como o d D. Adol-
pho Alslna. Este joven commaodante de um dos
batalbes da guarda nacional, que desde a cara-
panha de Pavn eita em desintelligeocis com o
general Mitre, nao teve o embareco dos ouiros
orsdores ds opposic,o para alicer a pessoa do
futuro presidente, compsraodo-o oa sua perora-
cocom o general Urquiza, cuja poltica plagiava,
visto ter sido aquelle caudilho o primeiro que se
sahiocom idea de federaliaar ama provincia in-
teira com o ti ti de nao perder nella a saa influ-
encia. Desgracadamente para a diflnitiva orga-
nissQio da confederaco tem os oradores da opposi-
cSo o apoio da opioio publica msoifeitada pela
impraosa, cootam com as symspalhias da pro
viocia, cujo espirito de localidade afsgam, e py
ram na rbita constitucional, de maneira que os
seus discursos respirara mais brio e tem mais vi-
gor que os dos mantenedores do projecto.
Ji anteriormente disse ser deploravel que o
general Mitre depois de haver proclamado a eoo-
stiluicao federal se expuzesse a ser comparado
com o caudilho mais odioso ao povo de Buenos-
Ayres, solicitando uma combioacj cootrsria ao
syitema federal porque uma vez colloeado neale
despenhsdeiro eioteressado o amor proprio, nem
elle mesmo sabe at onde ir no caminho da
transgressSo. J quo se deixou perder a oppor-
tuoidade de proclamar o systems uoitsrio, j que
se commelteu o contrasenso de abracar a bandei-
ra do adversario que ha 50 annos se combate,
nao resta outro arbitrio senao seguir com p fir-
me e imperturbavel o caminho federal. Mes esse
erro que boje se quer fazer pesar naicameote so-
bre os hombros do general Mitre obra de todo
o partido, vjsto os seus legtimos rspreseotaotes
o nao teremWorissdo para outra cousa qaaodo
o investiram de faculdades ao abrir-se acampi-
nha qae terminou pela batalha de Ganada Gomes.
Ninguem contou entso com o deseolance que
teve a luta, e d'ahi se derivam tmtss aberraces
e exiravios, eslerelisando-se ura sem numero de
elemento?, que bem dirigidos e combioados te-
riam cimentado slidamente as instituicoes lib-
reos de duas republiees. O descoohecimento ou
despreso da aolidsriedade dos partidos no Rio da
Prala a origem do seu estado perpetuo de com-
mocao. Voncido oa Coofederaqo Argentina, re-
fugta-se o partido absolutista na banda oriental
e vice-versa, de modo que nao tardara a combi-
oar-se as reaegoes, qae, quando mais nao seja,
distrabem a atteoc.o ai Torgas que deveriam oc-
cupar-se oa obra de organisiQo e consolidaco
maniendo s desconfisnea que serve de empecilho
ao progresso.
A's difflculdades creadas por uma slluacio de
espectativa como a que atrivessamos, accresce a
idea a presentida pelo ministro do interior aocon-
greise.de entender elle queuo assembla pro-
vincial que compete decidir-se se ha de ou nao
federahssr toda a provincis. Cr elle que nao
estando previsto o csio, objicto pira ama con-
venci espeeiil. Eite modo de interpretar
constituico, a meu ver violento, tal qae se
quizessem pd-lo em pratica provocara ami re-
volucao. Em prova da exactilao do meu racio-
cinio, ah eit o effeito que produzio ni cmara
do coogresso e no publico o discurso proferido
pela mesmo ministro do interior em sesiode 7
do correle. Devendo as epinioes de tao alta
personagem pessr algama cousa no animo do
povo, vuio represeotaram o ensammto offlcial
passo a descraver algaos parsgraphos desss dis-
curso, que podem tambem tomar-se como ligeira
resenha do estado politiso de toda a repblica.
Disie o miaisiro quo nao sa apolara no rg-
Art. 2. Emquinto as sutoridsdes polieises de
Buenos-Ayres seno passarem para o lugar que
a referida proviniia lhes designar como residen-
cia, perraanacaro na cipitil da repblica.
Arl. 3. O banco e o estabetecimeotos arrai-
gados no municipio da Bueoos-Ayres continuiro
a ser regidos peles autoridadei desta.
Art. 4. Fioa garantido oo territorio federali-
sado o rgimen municipal sobre a base da sua
a dual orgSMieao.
Art. 5. J desbezas de initallagao das autori-
dades proRociws no laRar que te Ibes deaigaar
" c,|80 do Ihesoaro oacioaal.
Arl. 6. ^ presente lei ser ira mediatamente
suDmatl a approvaco da legislatura de Be-
nos-Ay
Art. 7. Passados 10 annos ser esta lei apre-
sentada reviiao do coograsio nacional a da le-
gislatura da Buenos-Ayres.
Art. 8. Communique-se ao poder execulivo.
u sr. Riostra fuodamenlou este projecto ex-
pondo que ora a primeira vez que o goveroo
apresentav um peosanenlo proprio, pensamen-
to conilitucional, conveniente, e que harmonisa-
va todas as ideas, nao innovando aada, nem ata-
cando ai leu da nago oa da presidencia.
A nova face que omi este negocio com a apr-
sentelo do projecto contribuir pira que se
gaste o resto do periodo legislativo na dlscasio
de tao eofadonha questo, pois queja algooi tem
maoifeitado parecer-lhes pelor a emenda do que
o soneto.
Entretanto, j se sent a insurreigao em duas
proviociis da coofederago. O succeiso de Ci-
tsmares, de qus dei conts n'uma das miobas
cartas anteriores, assumio proporcos de gravi-
dade a ponto do general Mitre se haver dirigido
ao coogresso, dizendo-lhe que a guerra civil re
benlara em Catimarca, derramando-se all sin-
gue argentino por questes alheiis ao interesse
publico, e, o que era peior anda, ameagando
eompliciQes com as provincias fisionas, o que
eonstituo ama commogo loterna que affecta di-
rectamente commuoMade nacional, nos pe-
los principios compromettidos, mas tambem pe-
los perigos que esta situaco envolve.
Em tal situado, o goveroo naciooal, enearre-
gado de velar pela ordem publica, nos termos da
constituirn, e cumprindo com os deveres que
esls lhe impoe, juigou chegado o Caso de exer-
cer s saa seco, am de restituir a paz pro-
vincia de C>tmarca, e facilitar nella o cumpri-
mento das leis nacionaes, impeliodo ao mesmo
lempo malores males.
Para este effeito commissionou D. Anselme
Rejo, dindo-lhe faeuldade para declarar a pro-
vincla em estado de sillo, e assumlr o commaodo
das forQas, laxando reipeHar as leis da nagao.
A oalr provincia insurgida a de Corrlentii,
oodeum commandanle Romero com 60O homem
demiliciai le sublevou am Curuzu Cuati. Em
coosequencia deita rebellio pedio o goeroador
Paapin s iolervencio do E. N. que enviou o seu
mioiitro da guerra general Gely com dous bata-
Ihoes da infantiria, alguma aluiharia e dous va-
pores para suffoca-la, duigindose ao congres-
so pora que este declare aquella provincia em
estado de sitio e autoras a mobilisir a gusrda
nacional della e de Eotre-Rios, para onde foi am
commisso secreta o general Hornos.
Peosara sgaos que este movimento foi insti-
gado pelo general Urqiizs ; Mitre, porm, lbe
dirige um offlcio em o qual diz que expessa or-
deos as aatondidei das fronteiris para que coo-
peren) com o ministro da guerra aflm de se men-
tar naquella provincia a ordem contituciooal.
As obras da estrsda de ferro de S. Francisco
prigridam lentsmenta, msa os emprezarios pro-
metiera psra os flns do voro levar j passagiiros
al Belgreno.
Cootioaam as oncas a 420 pesos moada cor-
rele.
16 de agosto.
Aproveito o vipor que sabe hoje, e que linda
encontrar em Montevideo o Saintonge, pan di-
zer qae de Corriente! chegaram nanciai annun-
ciando o desemlace da revolu;o de Romero.
Segando as commooicacdis ofliciaes publics-
das nos peridicos foram os sublevados batidos a
derrotados as immediages de Curuzu-Coiti
pelas forgas do goveroo s ordens do general Ra-
mrez, fugiodo para a provincia de Eotra-Rlos os
seus chefe!. Parece que o general Urquiza se
spressou a desarmar a eisas torgas intimando os
cheles e offlciaes, e pondo os armamentos a din-
pongo do goveroo de Corrientes.
Na provincia de S. Juan formn-se ums ssso-
cisgo eom o capital de 110,000 pesos de prsta,
psra lavrar ai minas receolemonte deseobertes.
Chegoo o coronel orieotal Rivss, chefe da ai-
viso que msis se distingui na cruzsda do in-
terior das provincial argentinas, tornando por
isto a agitar-se a idea da uma prxima iovaso
oa banda oriental. A esta raspelto nao posso
formular opioio, porque com effeito a vontade
existe em todas ai classes de emigrados, mas
faltara elementos matemos.
Entretanto j os blancoi se agitam em Monte-
video para levar a futura prestuensu Lacas Mo-
reoo. raprasentante genuino das ideas ullrs-
blancai.
Contina n aquel la cidsde a acephslls do mi-
nisterio do Interior e relacoes exlernss. e con-
vara sequente parslysi^o de todos os negocios
do estado.
orno era previsto, approvou o senado a con-
?so aoglo franceza, seguiodo-ss o eneerramento
das cmara.I
O commercio defloha cada vez mais, sem que
o goveroo tome medidas polticas ou aiminilra-
11 as para prover de remedio este mil. A nzo
poltica que influe neste triite estado de cooias
e a attitude ameaesdora dos emigrados, e a eco-
noma a morte decabotagem absorvda pelo por-
io de Buenos-Ayres.
A falta de aclividade nos saladeros tem redu-
ndo o valor dos gsdos a um prf$> to vil que se
offerecem tropas at a 20 reales prsta por caneca,
modo que, pelo prego a que tem chegado os
j o gado nao d nem para o juro do
nelles empregido para alimentos das
Hootem a 1 1(2 hora
alei
da
- da larde, cahlo ao mar
Pont, i?0* a MUb,i*anlo omp.nhi,
' da Ar'-, Otfovo vapor Ycamiaba, all
mandado construir p% coma da eompanhia Na-
vegajao e Commercio do Amazonas, cuio ser-
vlgo destinado.
O casco de ferro, tem 160 ps ingieres da
compnmenlo entre tas perpendiculares, 23 ps
de ditos de boca mocada e 11 Ijl pos ditos de
As mschinas "' de baxa presso e da forca
ollict.va de 1 cavallos. e do .yit.ma diigon.1
As obras externas de madeira sao de perobs.
DIARIODE PERNIMBCO
campos,
dinheiro
rezes.
[Jornal do Commercio do Rio.),
casi
aqu
O banco de Portugal e a sua agen-
cia no Hio Janeiro
Tem causado profunda sensacao oeste praca
um facto que aqu se deu hi dias e que nos resu -
miremos em poueas pal.vra. deixaodoaos nossos
leitores avalia-io como melhor lhes parecer.
A. agencia do 6anco de Portugal no Rio de Ja-
neiro, deu em 23 de jaoxlro prximo paisado,
urna carta de crdito de 100 contos de ris a fa-
vor do /nton bank de Londres.
Ests crto de crdito passou por Lisboa
squi apreseolada ao banco de Portugal
poz-lhe a segainte dedaraco :
Boa por cem contos de ris. Banco de Por tu
gal 6 de marco de 1862.
Assignsdos.Os directores.
J. A. P. Viann Jnior.
Jovjuim Jos Feroandes.
A carta de crdito asiim acredita la e honrada
nelo Sanco de Portugal Qcou em poder do Union
bank. Como a jeterida cart era avaliada por
sen mezes, o Union bank mandou perguntar
direccao do banco de Portugal se a quera pigar
ou reformar.
A direccao respondeu que s queris pagar. Era
presenca desta restos! a carta de crdito foi ne-
gociada pelo Union bank a favor de. ums
respeilaval ds Londres, que a mandos
cobr.ir.
Com granda admirarlo porem dos portadores
da carta de crdito a direccao do banco de Por-
tugal nao s nao aquiz pagar, dizendr que o seu
preso tiohs expirado, mas o que mais nocon-
scotiu que ella se proleilasse, pois que proteitou
contra quem a apresentou para esse fim e protss-
tou igualmente contra o libellio que lavrou o
protesto nao obstante ser muito intimidado palos
directores de semaoa.os Srs,Augusto Xavier da Sil-
va, e Joo Ribeiro Franco para que o nao lavrasse.
E' certamente a primeira vez que um esiabele-
cimento to reepeltavel como i o banco de Por-
tugal, se oppe pormeios lldos por louco regu-
lares e pouco decorosos ao protesto o% uma caria
de crdito quando a direccao do mesmo banco
E' costume muito seguido faier opponco a um
protesto quem nao tem outro meio de s"e esqui-
var ao pegamento das suas obrigacoes; mas quem
tem rnes legitimas para nao pagar uo deixa
correr livremeote os protestos e estima-oi al psra
n'elles declarar as razos qus lhe assistem.
Tem-se querido lanzar mo das diposifes do
cdigo a respeito de carta de crdito para se nao
deixar protestar a de quo se trata. Tem se al que-
rido dizer que a declarac.ao posta pelo banco na
conla de crdito a boa por cem conlos nao um
acceite, para lhe nao fazer perder o carcter de
carta de crdito Mes o que sconleceu e que rel-
mente para deplorar, foi ver-se um documento
no cimo do qual se scha a declararlo Bmco de
Portugal Agencia no Rio de Janeiro, deshon-
rado pela direccao do mesmo banco de Portugal.
Mas a carta de crdito foi paga. O Sr. Thomaz
Mara Bessooe, honrado sempre e pundonoroso
em ludo, conscio do deveres deum commarciin-
te reapeilavel e respeitado sstisfez immedlata-
menla os cem conlos de ris, importancia da car-
ta de credits em questo.
O Sr. Bewoos honrou sssim nao s a firma de
que socio Dessone, Dantos & C. que rma
da agencia do 6anco de Portugal no Rio de Janei-
ro, como o Union bank, estabelecimeolo que pelo
baes de Portugal foi absolutamente desconside-
rado.
Ha quem altribui o estranhsvel procedimento
da drecjo do banco de Portugal s desintelli-
gencias particulares entre o Sr. presidente da
mesma direccao, o Sr. cooselheiro Jos Leuren-
eo da Luz, e o Sr. Bassone, mas cusa isto a acre-
ditar.
Referimos o facto
BJ 't'joro.ssdo Rio e Bahia. trszidos
pelo vauor fr.nce, s.rcmodurs. eotrido no do-
3"" Procedencia, adi.nt.ndo os primei-
'0* 2a a os outros al 29 do p.s.ado. s nt-
elas que demos em nos.o numero anteceden e.
os tiira. -E,,erlr Iolerior-enconlra.
S.a ... qu' U8,m8is inportaolo ha; alm
folniei. qU6 wU"W a leitura dos
rJ t$*nHro' Pel "nislerio da fezemda
toi expedida a seguate crculsr i thesoararias :
Rio de Janeiro, em 4 de julbo de 1862.O
viscoQdede Albuquerque, presidente do tribu-
nal do hesouro nacional, declara aos Srs. ins-
pectores das thesorariai de lazenda que. quando
o documentos ou Mulos de dvids. cuja hqoida-
do correte
xt37 ae xo ae ieereiro
anno, devero\uroceder liquidaco
de toda divid constante dosSmesmos litulos ou
documentos, fazendo-se nos proaUps nos des-
pachos definitivos, pelos quaes forem dlvidaa
recoohecidas. declsnco expresss da pa paga-
vei nos tormos do citado artigo ; e que.xdepos
de asura orgm'sados e julgidos os pro\essos
com as formalidades prescriptas as intrulces
de 6 de agosto de 1817, serao logo aaloriijdos
os pagameatos por ordeos especiaes dos Ini)
lores das iheiourarias, com referencia aos Va-
mos processos, a nelles postas com a necessarV
claresa sindianuagona verbas da effectiva it\
lisagao dos pagamentos, depois do qae sero reJ
nietlidos aos mininerios a quem competir dell-,
berarsobre s parte oo paga, fazeodo-se nos offl-
cos de remeisa especial meoco dos psgamen-
tos feitos.Visconde de Albuqerqoe. >
Bahia. Nsda occorres nos dous dias.
mereja men;o.
qae
.como se passou. A praca
peja maior parte tem no julgado em desfavor da
direccao do 6anco.
No quo porem ha plena uoaoimiilsde nos lou-
vores que cabsm ao nobre e ^honrado procedi-
mento do Sr. Thomaz Mara Besaone.
(Da Correspondencia de Portugal.)
i*TEM;-.R
RIO DE JANEIRO.
24 de agosto de 18t>2.
Passou hontem no senado em Ia discussao, o
parecer indeferindo o requerimeolo de emprega-
doileilgumas thesourari-s, pediodo melhors-
mento de seus vencimentos ; e entrando tira-
bem em Ia disiusso o parecer que minda ar-
chivar a representarlo em que o Banco do Bra-
sil peda lutorisiQo para emittir notas de OJOOO
que circulen) os corte e provincia do Rio de Ja-
neiro ; orararo os Srs. Dias deCrvalho, vlscoa-
de de Jequitinhoohs e Silveira da Molla, sendo
approvado por proposta do primeiro dastes se-
ohores, o adiameoto at a sesso que vero.
Continuando depois a 2a diieuai-i do orna-
mento, foi approvado o arl. 8* (lespea do mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas) com as emen las ds cmara temporaria ; e
bem assim, sem debate, o art. 10, que coolm os
paragraphos da receila para 1863 e 1864.
Tratando-se em seguida do art. 9", que consta
da somma dos differentes peragrapbos do art. 10,
onram os Srs. visconde de Jiquitlohooha, Souzs
e Mello e Viaona. ^
A' uma hora e um qaarto ds Ufan, nao ha-
vendo mais quem pedase s pslavra, nem casa
para votar-se, ficou s discussao encerrada.
Hontem nlo houve sesso na caman dos de-
putados por fslta de numero legal.
Eotrsu hontem do Rio da Prata o paquete
fraocez Saintonge, com data de Baenos-Ayres
at 16, a Montevideo 17 do correte.
Como se v da carta do oosso correspondente a
que, para evitar repetices, nos referimos, as
unieas noticias de alguma Importancia sao a suf-
focac.o do levaotameoto em Corrientes, a inter-
veoQo do goveroo geral em Catara a rea, eom qae
se espera obstar a que as proviociss do Tueu-
man o Ssnliago tomem parte na lata, compli-
cando-a em vez termina-li, ea apreaentiQo de
um projecto do goveroo ao coogresso propoodo a
ciCade da Buenos-Ayres psra capital da rep-
blica.
Na referida caita enconlririo os leitorea a in-
tegra desta projecto.
Relativamente so Estado Oriental tatabem nada
timos que acraseentar.
NOTICIAS COMMERCIAESE MARTIMAS.
flto de Janetro, 24 de agosto de 1862.
Lambos.Londres, 26 1,2 e 26 3,8 a 90 dias e
26 ||3 a 90 dias letras pelo vapor
frsncez do dia 23 a pelo vapor ioglez
do da 9 de leteaibro.
Havre, 360 rs. a 90 dias.
Hamburgo, 680 rs. a 90 dias.
Descootos.Bilhetes do theiouro, 7 1.3 0|0 so
ando.
Apollis.De 6 0|0. 92 0(0.
. Provinciaes. 90 l|2 0m.
Accoes.-Baneo Rural e Hypoinecari, 30a de
premio.
Eitrada de ferro de Pedro II, 18S de
descont hontem.
Gneros.Assacar maecavado de-Campos supe-
rior, em sacco 20600 hontem.
Dito ut supra. 23600. hoje.
Cmhamo regular, 205 n. por jarda,
hontem.
Sacram-ie hoje loramas pouco svultadas so-
bre Londres, H.vre e Uaraburge s cotaces of-
ucises. *
c ^Kn^m'"> ura ,0, de Plices geraes de
t> U,U a a 0|0, 20 ditas provinciaes a 90 1|2 0(0,
e um lote de ac^es do B.oco Rural Hypolbeca-
rio a 30 de premio.
Nao noscoostam venias da caf.
Boletim de 7 24.
Depois da entrada do Estremadure tem havido
menos procura, porm os poasuidores mantem
com flrmeza os ltimos presos.
h* rfendj\* de foram regulares.
no da 12 abrio-se o cambio sobre Londres
psra o Estremadure a 26 e 1,8 e 26 1.2 d. ; de-
i 0RiSS-di. deM1 P'>ue,a firmou se a 26
J| e o 1|2 d., fecbmdo-se a esses algirisrnos as
ultimas operacoes, e ao segundo lambem um sa-
que para o paquete inglez ae setembro.
Sobre Frange sacou-se aos extremos de 364
Sob rs.. e sobre Hamburgo a 630 rs.
Sobre Lisboa e o Porto reguiaram as operacis
a 109 e 110 0,0 visti.
Neociaram-sa as aplleos geraes de 6 OO a
93.92 l|9 e92 0,0, e as provinciaes a 90 1[2
por ceuto.
Negociaram-se ss apolices geraes da 6 010 a 93. -
Os bancos conservaran) a tax do descouto a
10 0|0. Na praca regularam de 9 1(2 a 10 0,0.
Effecluaram-se afumas traosages da oncas
ds patria e aeces aos presos que adiante men-
cionamos.
O mercado de fretes continuou frouxo.
Foi approvado em ambas as cmaras legislati-
vas o accordo celebrado entre o banco do Brasil
e os baucos Rural e Hypoihecario e Commercial
Agrcola.
Pende anda, segundo consta nos, do parecer
do cooselbo de estado a solacio das representa-
{aes que noticiamos terem sido dirigidas ao go-
verno imperial pilos negociantes o corredores
desta praca.
Deveodo estabelecer uma regra positiva em
asiampto de alto intereise commercial, espera-
da com anxiedade essa deciso, qual se recom-
raendam os principios de jusilla em que se fir-
mara os peticionarios.
Asiucar.Ellectuaram-se as vendes regulares
na maior parte para satisfsco do consamo.
Hi em ser: da Campos 500 csixae, de Per-
nan>buco 1.660 saceos, de Macei 1.800 ditos a
da Bahia e Coiinguibi 120 caixas 1,400 saceos.
Cota-se : de Campos, branco, 3>MW a 360O. o
mascavo 32)200 a 3J000.
De Pernambaco, branco. 3* sorte, 48 e 49500;
4a sorle e somenes, 3J700 a 4g000: nao ha mas-
cavo.
De Macei, branco, 3 a 3J500, e masesvo 23 a
SfOSUVa
De Bahia e Cotngaiba: nominaes.
Cirne secci.Ha em deposito 176,200 arrobas,
sendo 41 200 ditas do Ro-Grande, e 135.000 di-
tas do Rio da Prala.
Vende se a primeira do lif400 a 2J500, e a se-
gunds de l200a 3JW00.
ChiniHa em ser 1 500 arrobas. Cota-se de
109 a 100500.
Couros.Ha em deposito 3,000. Cota-se os
grandes a 260 rs. e os pequeos de 250 a 260
ris.
Fretes.Effectuaram-sa no periodo a que al-
lu limos os fretamenios seguiotes :
Para Antuerpia : um brigae ioglex a 35. ih.
Para Bella Isle: a ordens, 1 brigue hambur-
gus a 30 sh.
Psra Cdiz: ordens, 1 escuna sueca a 37 sh.
e 6 d.
Para o Canal: 1 brigue noruegueose a 85 sb..
1 piticho dinamarqus a 37 sh. o 6 d., 1 dii
sueco a 33 ib., e carregaodo na Bahia 1 bares
ingieza, 1 din hamburgasza. e 1 brigue iBglez a
40 sh e 1 dito dito s 47 sh. o 6 d.
Para Cooitaotinpla : 1 barca asees a 45 ib. .
Pin Corf: 1 brigas ingles por Sff 300.
Para o Mediterrneo : 1 brigo* portuguez 1 5a
fn., ecirregsodo enj Porto- [belgas 50 sh.
*;
MUTILADO
-^v


l^1-U,"TO8^SjajJ81
*
-

./
I
dita
Para N<-w York : 1 barca hanbrerianeo 1
saeca a 32 th. e 6 d.
Para o Rio da Priti: 1 escuna ingiera por
900, e carreganlo em Paranagu, 1 patacho bol-
landtz por 900 e t brigne dito por i;100.
MERCADO MONETARIO.
Cambio.Son.main os saques fe Indos pelo
paquete francez Extremaiurt: *
Sobre Londres :& 500,000 a 26 1/8, 26 1/4.
26 3/8 e 26 1/2 d.
Sobre Fraoga. cerca de 1,800,000 fraocoi aoa
extremos de 356 a 364 rs
Sobre Hamburgo, 200,000 m. b. a 680 rs.
Sobre Lisboa e o Porto sacos-se a
109 a 110 0/0........ tisis.
108 a 109 0/0........ 30 dias.
107 a 108 0/0........ 60 idem.
106al70/0........ 90idem.
Apolices.Npflodaram-se as geraes da 6 0/0 a
93, 92 1/2 e 92 0/0 e as provincias a 90 1/2 por
canto.
Deacontos.Conservam-se nos bancos a 10
por cento.
Metaes.Negociaran te as oncis da palrs a
30,8. 29 e 29g800.
Cotam-se oa aoberanos de 9J200 a 9#500.
Exportam-se:
=6
DIARIO M FEBSAMBCO. a- TERC4 UIRA a DI 5KTEMBRO DI 186.
snnireraarlo da nejan fndepeodaaeia, em que
costumam tomar parta naclonaea estrangeiros.
BS
o
>
L
i *. Masculino.
I OS I
2?
Pelo paquete francez Ex-
tremadure, para Brdeos,
em barra.................
dem, em moeda..........
Pelo paquete francez Sain-
tongs para Montefio,
em moeda. 1*1.,........
Ouro.
1:568*160'
29:2504000
29MO0SOOO
Pfata.
G04S0OO
i f
si. 1 ft 1 fc-k -, Masculino. o-!?
^1 hS 1 1 i i rl: 1 Femiuino. 3. co 1
, H Masculino, f -kSP 1
s
I
! I-'
en i
oc I
Femiuino.
i M
I
Manoel Lourengo Corris de S e Carlos Mara
Golaonl.
M atadouro puiLiao:
Mataram-se para o consumo dosis, cidado do
do dia 31 correte 90 rezes.
No dia Io desetembro86 idem.
Obituario do da 1 de agosto, no cbmiti-
ruo publico
Anua Maris do Monta. Pernambuco, 16 annos,
solleira. Recita, bexigas.
Mario, Pernambuco, meia hora. Boa-Vista, as-
phixia.
Benedicto, Macelo, sollelro, 22 annos, sscraro,
lina-Visto, rariolas.
Francisco. Afrlea, 30 annos, sollelro, escraro, S.
Joa. apoplexia.
H^jUmbelina Angela da Conceico, Peroambueo, 28
annos, solieira, Boa-Vala, enterile throelca.
Isabel do Espirito-Santo, frica, 54 annos, sol-
teiro, Boa-Vala, paralyaie.
Jlo de Souza Teixeira, P.r, 28 annos, sollel-
ro. Recite, gaitro entente.
Maria, Pernambaeo, 5 annos, Santo Antonio, ra-
riolas.
Maria, Pernambaco, 1 mex, Sanio Antonio, es-
pasmo.
o
3
t
E
P3
35
-1
O
a
o
w
c
en
-a


2/
Total................ 59.920S060 601*000
O paqur-te francez Extremadure leva Para Per-
nambuco 30:000* em papel moeda.
AcQoes. ErTectuarayse rarias transaccoes
das do Baoco do Brasil a > I?. 05 e 56* de pre-
mio ; do Banco Rural a Hvpothecariu a 28*, 29g
o 30j le dito; do Banco Ci)10iercil Agrcola
1*. 2 e 5* de dito ; da Coi 'hia de llumi-
naco Gz a 150* de dito da Estrada de
Ferro de D. Pedro II a lff0> de descont.
A compsobia da aeguros Algos Fluminense
nouociou seu 15 dividendo Bimestral a razo
de lffOOO por acco. I
buso.
Na tulaliade dos doentes existem 137, sendo 4
homens e 16 mulheres alienados.
Foram visitadas as enfermaras estes 6 das :
as 7 1(2 horas da manhaa pelo Dr. Villas-
Boas, no impedimento do Dr. Bornellas; e
7 1(4, pelo cirurgio Pinto Guimares.
As visitas da larde s 5 12, 6 e 6 1|2 horss,
pelo Dr. Moscozo.
reparticao da polica. (Extracto da par-
te do dia 30 e 31 de agoste prxima passado, e
de adembro.}
Foram recolhidos casa de detengo no dia 29
do crrente :
A' urdom do Dr. delegado do. primeiro diatric-
Sshiram, para Pernambuco. no dia 23 do I to. Domingos Raymundo Teixeira, branco, de 25
passado ; as barcas inglezas Eothen, Snwdeu e
Trinculo em laatro, e o palhabote Viamo, com
ame do Rio-Grande.
Bahia, 28 de agosto.
-ambios.Sobre Londres26 348 e 26 1(2 d.
por 1*.
Lisboa108 a 112 porciebto de premio e
no m. I
Moedas.Doblos hespanhoes, 3?lgQ) a 31*000.
da pairia, 30*000. ,
Patacfles brasileiros2*000. \,
hespanhes2*000.
mexicanosla960 a 2*000. V
Fretes.Para Bremeu e Hambujego50 ,a 52 1(2
sch. r \
Canal e porto ingjez40 a 42 i2 sch.
por too. /
Cotinente5/0 a 55 sch. por ton.
Liverpool40 sch. por tpn.
Londres40 sch. por ton.
mKisjftuto
A saber
REVISTA DIARIA.
Irnos informadus de que oa Uposico do labo-
riode lavagem de roupa a vapor, que no do-
go ultimo oa proprietarios Gzeram, fot plena
latisfaco com que os coocurtentes se retira-
m ; poique viram a perfeico com que o ser-
ico foi leiio, o bello resultado do processo da
lavagem que em menos de urna hora Ihps eflo-
recen roupa (o elva o lo bem Itvada que maii
nao se poda desejar. Todos se convenceram
com o tesieruuoho da propria vista de que all
nada maia se roprega do que agua e aabo, e que
nada pode contundir, raagar uu poiraroupa, e
nem tambera quebrar-lhe os botoi-s.
E-ta convicio dere hoje reinar em lodos os
espintos, porque os proprietarios de tao impor-
tante empreza, alm de duas exposir6es que j
tom eilo franqueam seu laboratorio para em qual-
quer occaaio ser visitado ; o que de certo nao
acontecera se viles tiveasem de empregar algu-
mas drogas Docivas, aaerca das quaes fosse con-
teniente algum roysterio.
Ha n.ais de anno que esta empreza trabalha, e
nada faz receiar que ella interrompa a prestacVo
ao publico de seua servidos ; e pois coavm tam-
bero que todos a auxiliem para nao desanimar os
eroprehendedores de raelhoramentos li impor-
tante e ui- amo dar-lhes a aufereocia das van.-
tageos docpial alli empregado.
O Diario do Grao Para publica a noticia
de um phenomeno importante para a hido^ra-
pbia, a qual noticia transcrevemoa para aqu:
Agrande ilha Csria, situada na provincia do
P^r, entre o ocano e o Amazonas, conteodo ao
B(-sn (i lempo as ondas e 88 correntes do outro
e que ha 20 annos foi desenliada pelo Sr. Moo-
travel, representando urna grande elypseno map-
pa por elle levantado, foi pela maior parte des-
tru la pela sto corrosiva das oodss e da furrui-
davel pororoca, exisliodo apenas dous pequeos
restos des extremos, que formam outras tantas
pequeas i,has.
No9 seus vastos campos, em que entio pss-
tavam manadas de gados, passeiaoi agora ss gi-' Leao>
gaolescas parahibas, btoa e tubaioes, podendo
passar pelo meio qualquer Leviatban com as ve-
las alertas
=- No sabbado altimo dessbou pela tardo urna
trapeira, que se construa oa ra da Cadtia. Fe-
lizmente nao resultou desie desmoreoameoto si-
oistro algem.
Na capital do Oar foi visto i noite do dia
25 do passado um cometa nO meio da abobada
celeste.
0 Cearente dando esta noticia, diz: 0 aooo
passado livemos am desles hospedes de oosso
ni nodu planetario de urna cauda desmesurada ;
j fgora apparece outro. Bem dizia Keple que
ha maia cometas no co que peixe no mar.
O Dr. Agostioho Ermilino de Leo Jnior,
ju'z municipal e de orphaos do termo de Olioda
entrou hoje no exercicio de aeu cargo.
Hontem arribou a nosso porto o brigue in-
glez Balihorp, por haver desarvorsdo dos mas-
laros de gavias, s 10 horas do dia 31 do passa-
do em coosequeocia de um forte tufo que apa-
nhou perlo da costa.
Conduz elle tnlho de ferros para a estrada de
S. Pau,lo, vindo de Liverpool para Santos.
No vapor inglez Tyne, que aqei chegou da
Europa no dia 28 do passado, veio de passagem
para o Rio te Janeiro, o joven pianista e exi-
mio artista Arthur Napoleo, o qual aqu de-
serabarcou para visitar algumas pessoas do seu
cor.hecimento.
Este joven mas j to celebre arlistajportugaez,
tendo percorrido toda a Europa e quasi toda a
Air erica do norte, depois que aqui esteve em
1857, veio de novo saudar este vasto Imperio, fa-
zeodo ouvir ainda urna vez as harmonas e doces
harpejos do aeu i&imUavel instrumento. Breve-
mtnle regressar do Rio, e aqui teremos de con-
templa-lo jubilosos e admirados.
No dia 31 do passado bouve sesio da junta
administrativa do hospital portuguez de benefi-
cencia nesta cidade, oara tratar uo stimo aoni-
versario de sua fundacao, que dever ter lugar
se dia 21 do corrente, com a pompa e magnifi-
cencia do costume.
Abaixo segu o msppa do movimento dss en-
fermaras durante o mex lindo, e por este e
pelos qae j temos publicado, se ve que mensal-
mente ha um movimento de cincoeota e tantos
doentes, o qae j muito para um estabeleci-
menle daquella ordeno.
Mappa dos doentai tratado no hospital portu-
guez de beneficencia no miz de agosto.
annes, padeiro, para recrula.
A' ordem do sabdelegado do Recite, Porcinda
Maris daConceico, crtoula, de 28 anuos, lava-
deira, por insultos e disturbios.
A* ordem do de Santo Antonio, Minoel Anto-
nio da Rocha, pardo, de 25 ancos, talhador, para
cumprir a pena de 8 dias de prisao.
A' ordem do dos Afogadoi, Joo Bernardioo de
Senna. pardo, de 30 annos, agricaltur, por sus-
peito.
30
A' ordem do Dr. delegado do Io distritto, os in-
dios Benedicto caboclo, da 20 annos, alfatate, para
averiguares e Manoel Jos do Nascimeoto, de
20 anuos, sapateiro, para recruta ; e os pardos
Joo Soares Baptista, de 30 annos, marinheiro,
por 9er sentenciado na provincia do Amazonas,
Braz Jos Cavalcanti, de 12 annos, marcioeiro,
por offensas a moral publica, e Luiz, de 20 an-
noe, ganhador, escravo de Francisco Vieira Lei-
to de Moilo, pronunciado na provincia da Para-
hiba.
A' nrdem do subdelegado do Recife, o portu-
guez Antonio Gomes de Pinho, de 20 annos, cai-
xeiro e a parda Julia Maria da Conceigo, de 25
annos, engommadeira, ambos por brig.
A' ordem do de S. Jos, Jos do O' da Silva,
de 18 annos, ganhador, por briga.
A' ordem do da Capuoga, o pardo Joo Jos de
Sant'Auna, de 26 annos, alfaiate, e o crioolo Joo
Guilherme das Neves, de 20 anos, sapateiro,
ambos sem declaraco do motivo.
- 31 -
A' ordem do subdelegado do Recife, o africano
Caelaoo, de 32 a cias, ganhador, escravo de An-
tonio Pereira Dias, a requisito deate.
A' ordem do de Jos, Alexendre Pereira de
Brito, branco, de 35 annos, pedreiro. e o africa-
no Manoel de Parias, de 42 annos, ganhador,
ambos por briga.
A' ordem do da Magdalena, Solero.de 23 an-
uos, escravo de.Antonio Pinto de Leo, por des-
ordem e embriaguez.
O chefe da segunda secgo,
.'. G. de Mes'/uila.
Movimentoda casa de deteccio do dia 30 de
agosto de 1862.
Existiam...... 318 presos.
dem :
Appellante, Vicente Ferraira da Costa Mirsn-
; appellado, Hermenegildo Eduardo do Reg
Honteiro.
3.
dem :
Appellante, Jos Francisco Pereira da Silva :
appellado, Manoel Pires Ferreira.
4.
dem :
Appellante, Ignacio Martina da Silva Santos e
sua mulher ; appellados, Bento dos Santos Ra-
mos e sua mulher.
5."
dem :
Appellante. D. Francisca do Coraco de Jess ;
appellada, Jeanna Maria da Conceicao.
Idam :
. Apnellanto, o curador Bacal ; appellada, D.
Rita Zeferina da Silva Lite.
7.*
dem :
Appellante, Antonio Jos Theioara : appellado,
Joaquim Jos de Oliveira.
dem
8/
ap-
CHRONICA JUDICIARIA.
Tribanal da Relaco.
SESSO EM 30 DE AGOSTO* DK1862.
PRBSIDBNCIA DO EXH. SR. CONSILHEIRO BRBKtlNO
BB LKAO.
A a 10 horas da msnhla, presentes os senhores
deaembargadorea Caetaua Sanltaga, Silveirs, Gi-
tirana, Laurengo Santiago, Motta, Peretli, Accioli,
e Pereira Jorga, faltando o Sr. desembargador
Morra, precurader da coros, abrio-se a sas-
sao.
Passados os feitos, e entregues as distribuidos
aeram-se osseguioteg
JCLaAHBKTOS. I :
Aetnsta civel: Appellante,
Recorrente, Manuel Monteiro de Avellez Car- PP*Hada, D. Aooa Joaquina Lins Wanderley.
ralbo ; recorrido, Joao Anloolo da Costa. Sanio Anto.
Jalgou se a favor do recrrante. | 1.a
Aggravo de piticao. AppaUsjao cirel do juizo municipal de Santo
Appellante, Antonio Annes Jacome Pires
pellado, Joo da Cunha Wanderley.
dem :
Appellante, D. Marianna Dorotha Joaquina ;
appellados, a vluva e herdeiros de Joo Antonio
Gongalves Maduro.
10."
dem :
Appellante, Manoel Antonio Alvares de Brito ;
PPeliado, o Dr. Pedro de Athayde Lobo Mos-
coso.
Javencio Alves Ribeiro da Silva
Aggrarante, Ra dosAnjs Lieuthiar; aggra- Anto
vado, o juno. Appellante, Jos Pereira Leite
Relator o Sr. desembargador Lourengo San- ,0D' Jose dos Santos.
appellado, An-
os Srs. desembargadores Gitirana,
tiago.
Sorteados
e Peretli.
Negou-se provimento.
Aggravante, Francisco Joaqaim Ramos e Silva:
aggravado, o juio.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Perelti,
e Pereira Jorge.
Negou-se provimento.
Aggravante, Uenrique Foriter & Companhia :
aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Motta.
2.a
dem I
Appellaoie, Jos Francisco da Silva : appella-
do, Joaquim Vaz Salgado.
3.
dem ;
Appellante, Jos Francisco Carnelro ; appella-
da, D. Joaquina Maria da Conceigo.
Buique.
l>
Appellago civel :
A 'pallante, Loarenco Bezerra Monteiro Cival-
: appellado, Antonio Marqaesde Albuquer-
les; esperamos que o governo os remediar, re*
lormando o actual regulamento do porto, o mar-
cando urna tabella rasoavel para esses gastos.
Teodo-se proposlo em sesso de 4 de dezem-
oro prximo paseado, a construcc.o por subs-
cnPao, de um edificio que sarvisse de bulsa, exi-
giremos subscriptores que eala leeociaco Ihes
garantase o juro de 6 por cento so auno sobre a
quaolia que se houvease de despender cosa a edi-
cacao. idea eala que por se julgar inconvenien-
te naoi fot approvada, reaolveodo-se em seaso
de II de abril do correte anno, qua para levar
a etlaitoessepeoeemento, esla assjociaclo repre-
seolasse asaembla prn,iQC,| pedindo a crea-
ao de um subsidio de 20 rs. por va|ume da as-
sucar, 40 rs. por sacca da algode. 10 rs. por cada
courn, 100 rs. por pipa de agurdente e rr.el e 20
re. por outros volumes menores desees dous ar I
Hgos que se nouvessera de eiportar e que para o
mesmo fim se requeresse a assembla geral le-
gislativa a conceasio de 1|2 por cento sbreos
arenos de importage que arrecadasse a alfaode-
ga desta provincia, am de que todos esses ren-
da entos accumulados nos proporcionassem fun-
dos sufflcienles para a conslrucijo de um edifi-
cio com a capacidade precisa, nao s para a pra-
?a do commercio. como para as sessoes do res
peclivo tribunal, Instituto Agrcola e para aa au
las do Curso Commercial ; o que efectivameote
sa pralicou quanto a assembla provincial, entre-
tanto que essa representarlo n8o foi ainda defe-
rida. Lontamos.porm, osera vista do patriotis-
mo que distingue lodos os seus Ilustres mem-
nros. Qswptt a representago para a ssemblea
geral legisletivs, por circumstancias alheies
darem publicidade no seu eonceituado jornal a
lniil?1'1 P"' qu0 0I S,, "nmerciantea se
acautelara cum oa Saint Relrais que iafeslam esia
praga, e que, depota de obterem graodea favores
pecuniarios e comprometterem o crdito a a for-
tuua dos que oelles se conaram, g.rantindo-lhea
algumas dezena. de cont, de ri.8; qu.ndo ."
lidtam o pagamento e de.bria.,,'u.lD em ret-
posta serem doudoe tnnUntu e proletario! -
nove moeda que o ..lo, quet t.xer circular nesta
praca, mas que nao pode ser aceita, eao uiTa
moeda corrente no eogeoho oode mora
Prevenimos ao dito seohor que, se nao der-nos
urna solueo conveniente sobre os ditos nasa
mentos, que a nove mezes coa illude, com auia
lallaces promessas, e a nao relratar-se pelos ter-
mos empregados na referida carta Uelo inlencJo
uo tmenle) daremos publicidade oosaa res-
poata, am de que o publico couluca a sua con-
ducta.
Com eata publicarlo muilo obrigaro Vv. Ss.ao
seu consume leitjr
A victima doi fanfarroes.
Sr.... Eogeoho.... 24 de agosto 186.Te-
uho em vista urna insolente caria que Vmc me
eoderessou, a qual deixaria de responder se a ai.
nha prudencia nao fosse traduzida por cobarda *
por isso, pois, resjooder-lhn pela ultima vez. '
Na leilura de sua caria vi patente a inso-
lencia 'um duudo, no enlanto baixarei a analvse
dos (actos. J
a Nunca me lembrei o'o lomar por aoeu cor-
respondente, sabe bem quera o fez; depois por
miuha desgraca de ler para l ido, a oui de
nossa vontade, anda nao fui diriatda' o"ae'ii"pa" tnc-dlIer V* linha lsnluS <""us lu e acol,
r ao cuidado dos nosso, ucee soreV l T m6 le'"u ^ordar. poi, se soube.ae
AGRICULTURA ?.u.e_e.r'.UIB P"'lio. de cario que o nao toma-
Este principal ramo de industria desta provin-
cia anda soffre os defeitos e inconvenientes no-
tados no penltimo relatorfo ; defeit
mentes
valor e quantidale da
na por meu correspondente ; eis, pois, respondi-
do urna parle; quaulo a minha retirada, Mso
ler Vmc. se despedido c lenho sua carta que
ss&vsssinnuera ,obr ^EssttSs&i ara k
5 oogundo a baixa do aeanrar n.. n.;n.in... I
Sorteados os Srs. desembargadores Lourenco 1ue Cavalcanti.
Sanliago, e Accioli. 2.a
Deu-se provimento. dem :
Recurso commercial. Appellante, Manoel Vicente Monteiro ; appel-
Recorrento, o juizo; recorrido, Jos Alves P*Hdo, Antonio Marques de Albuquerque Caval-
.Entraram......
^abiram.......
10
6
Exislem....... 322
Naeionaes.....
Mulheres......
Estrangeiros..
Escravos......
Escravas......
Total
218
5
59
61
9
322
138
Alimentados a custa dos cofres provio-
ciaes. ............
Movimento da enfermara do dia 31.
Teve baixa :
Pelicidade Pires da Luz, intermitiente.
Teve alta :.
Eloy, escravo de Manoel Flippe de Souza
Dia 31
Existiam. . 322 presos.
fcntraram. . 4 >
Saturara. . 6 B
Existem.
320
A saber
Naeionaes . 217
Mulheres. . 4
Estrangeiros. 29
Escravos. . 61
Escravas. . 9
Total. ... 320
Alimentados s custa dos cofres provin-
ciaes.....:.......
appellado,'' Flix, es-
loaquioa
130
Movimento da enfermara do dia 1* de setembro.
Tiveram baixa:
Joo Gomes da Silva.
Leopoldioo, escravo de Man oel Teixeira Bastos.
Movimento do hospital de Nossa Senhora
da Coneico dos Lazaros em 31 de asosto de
1862.
Existiam 15 homens e 18 mulheres, entreu 1
mulher, existem 15 homens e 19 mulheres.To-
tal 34.O regente do mesmo, Manoel Cavalcan-
ti de Albuquerque.
atonio da Cunha e Figueiredo, mordomo.
Passageiros do vapor francez Exlremadure
vindo da Rio de Janeiro e Bahia : Ilrgioo C.
Duro, Jos de Villa-Flor, Fernando de Vernou
e Joa Alves da Silva Pereira.
Passageiros do vapor braeileiro Toeantins,
sahido para os portos do notte: P. J. Azerole
Vellecis, Adolpho Muhlert, Americo I. do O.
Almeida, Augusto Chriatiaosen, Jos Fraocisco
Soares, Antonio B. M. Piobeiro e 1 criado, An-
tonio L. de Barros Tinoco, Hermenegildo da
Costa Gomes, Dr. Henrique Brause e sua filha,
Jos Guimares Janior, Domingos Fraocisco Ra-
mos, Antonio Travasso da Rosa, Jos Rufino de
Souza Raogel, Vicente Augusto de Magalhes,
Chrispim Jos de Souza, 2 soldados e 2 crimi-
nosos.
Passageiros do vapor nacional Oyapock, sa-
hido pera os portos do sal: Dr. Amenco de Ur-
zedo Jnior e 1 crlsdo, 111. S. D., Egas Muniz
Brrelo Carneiro de Campos, 1 escravo de Santos
Caminha & Irmo, Geraldo de G. Bento. Fran-
cisco de P. Rosa, Jos Maria Tararea, Henrique-
ta Francisca de Mendonca, 2 escravos de Adriano
A Castro, JfrOtorioo Cetano, Dr. Jos Pereira
Pacheco, Manoel da Silva Pasaos, Dr. Francisco
Rodrigues rtssoa de Mello, Q. Pereira Callado,
Manoel da Rocha Wanderley, Joo Aires Bran-
co, Anna C. de Souza e 6 tilhos, Luiz Antonio
Nogueira de M.,P. Luiz da G., C. R. Tiokc, Lau-
rino Perciliano de Carvalho, Antonio Francisco
Marques, D. da Silva Torres, Dr. Francisco de
Assis Oliveira Maciel, Manoel G. M. Machado, Jo-
s Ribeiro, P. Belarmioo, Thomax de Faria, Dr.
Augusto Fredericode Oliveira Luiz Jos de Al-
1 buquerque a 1 fllho menor, Pedro Brau, M. C.
de Hollanda, P. Ignacio de Almeida Guedes, os
guardas naeionaes Antonio Fraocisco dos Santos
o JuoTeixeira do Miranda, Alomo Fabiano de
Penna, Umbellna Theedora da Concelgao, Ma-
! Boel de Mallos Teixeira Lima, Guilherme Wuche-
depois de sua ra, Antonio Joaquim de Campos, Bassio, Orlan-
Idinii. Barlolluccl. Tartioi, Bassioi, Golte, Borghi,
Exiaiiam : 25
Eotraram ... 26
Sotal..... 51
Sahiram. ... 18
Fallecern). 6
Existem .... !">
Total..... 51
Dos fallecidos foi
1 de anemia.[
1 de febre amarella.
1 de tubrculos pulmonares.
1 do pulmona.
1 de anazsrea.
1 de nepiie-splenite.
2 falleceram dentro de 48 horas
entrada.
Hospital, 1* de setembio de 1862. Jes Marinangeli, sua senhora e'l lllbl menor,
. Dr. Pitangs. !1 ex-soldado, 2 soldados e 1 cabo, 19 pracas. do
No da 6 do correte ter legur no Club 10 batalho de inrantaria, Srecrutas do exercito,
Commercial a partida desle mex, a qual, segundo 2 cadetes o 15 escravos a entregar,
noa informara, ser esplendida nao s para de- i Passageiros do rapor francez Exlremadure
monstrar o prograsso que vai tendo aquella as-1 sahido para a Europa: Christovo Guilherme
aociajo Bill .aprajiral, como por ser respera do1 Unckenfeld, Francisco Jos Feroandes Pires,
Feroandes.
Relator o Sr. desembargador Pereira Jorge.
Sorteados os Srs. desembargadores Caetano
Sanliago, Multa e Silveira.
Improcedente.
Carta teslemunhavtl.
Aggravante. Manael de Siqueira Cavalcanti ;
agravada, D. Aona D.lphioa PaesBrrelo.
Relator o Sr. desembargador Pereira Jorge.
Sorteados os Srs. desembargadores Gitirana,
e Lourenco Santiago.
Nao se tomou conbecimento.
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, bachareLMa-
noel Anlooio dos Passos e Silve.
Relator o Sr. desembargador Pereira Jorge.
Sorteados os, Srs. desembargadores Silveira,
liitirana eLourengo Sanliago.
Improcedente.
Negou se a prorogaco para inventario que
pedio Joo Anastacio Camello Pessoa.
DILIGENCIAS GRISES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
juslica as seguintes
Appellacoes crimes.
Appellante, ojuizo ; appellado, Vicente Fer-
reira Lima.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Caetano
de barias.
Appellante, o juizo :
quim de Campos Ros.
Appellaoie, o juizo
eravo.
Appellante. n juizo ; appellado, Antonio God-
alves de Queiroz.
Appellaoie, o juizo ; appellada,
de Siqueira Leite.
Appellante, o promotor; appellado,TTeecravo
Luiz.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Morei-
ra da Cruz.
DES1GNAC0 DE DIA;
Assigoou-se dia para julgamento das se-
guintes
Appellacoes crimet.
Appellante,. o juizo ; appellado, Manoel An-
lOOlo de Lima;
Appellanle, ojuizo
Soares.
Appellanle, Joo Pedro de Almeida ;
da, a jujliQa.
Appellanle, o juizo; appellado, Joao, escravo.
Appellanle, ojuizo ; appellado, Fraocisco Pon-
ciano de Oliveira.
Appellante, o juizo; appellado, Marcolino Fer-
reira.
Appellanle, o juizo ; appellado, Mjnoel Bezer-
ra daa Neves.
Appellanle, ojuizo ;
de Uiiveira.
Appellante, o juizo ;
mes Coutiuho.
Appellante, ojuizo ;
reir Lima.
Appellante, Jcs Flippe de Araujo ; appellla-
do, Joaquim Salustiaoo Pereira de Mello.
Appellanle, o juizo ; appellado, Joo de An-
drade do Nascimento.
Appellaute, Cassiano Jos de Souza
da, a jusliga.
Appellacoes civeis.
Appellante, Autonio aa Cuoha Soares Guima-
res ; appellado, Ignacio Luiz de Brillo Taborda.
Appellante, Jos Francisco Accioli Lins ; ap-
pellado, Fraocisco de Albuquerque Maraoho Ca-
valcanti.
sppel-
canti.
Pao d'Alho.
1.
Appellacao civel :
Appellante, o bacharel Josquim Pina
lado, Vicente Ferreira da Rocha.
Comarca do Rio Formoso.
l.
Appellacao cirel :
Appellante. Francisco de Barros Wanderley ;
appellado, Jos Luiz da Caldas Lins.
2.
dem :
Appellante, Francisco de Barros Cabolo ; ap-
pellado, Antonio Justiniano Paes Brrelo.
3.a
dem :
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Carlos
Velloso de Mello.
Iguarati.
i.*
dem :
Appellanle, ojuizo ; appellada, Clara Francisca
de Souza Longuinho.
Limoeiro.
!.
dem :
Appellante, Jos Antonio da Silva e Mello, cu-
rador da preta Joaquina e seus lilhos; appellado,
appellado, Antonio Joa- Jos d Moura Vasconcellos.
dem :
Appellante, Francisco Ignacio da Silva ; appel-
lado, Manoel Cunea de Mello.
3."
dem :
Appellaote, Joaquim Theodoro de Vasconcel-
los Aragao, curador dos escravoa Manoel, Luiz e
outros; appellado, Antonio Francisco da Cunha.
Goiannj.
|.
dem :
Appellante, Alexandre Corrija de Castro
pellado, Bento Jos das Neves Vanderlin.
2.
dem :
Appellantes, Andr Ferreira de Mallos _
tro ; appellado, Domingos Francisco Cavalcanti.
Bonito.
1.a
I lera :
Appellante, o preto Jos por seu curador; ap-
pellado, Dionizio Rodrigues Jacobina.
2.a
dem :
Appellante, ojuixo; appellado, Jos Alves Li-
ma e outros.
3.a
Hem :
Appellante, Antonio ConSa de Mello
do, Antonio da.Costa Mello Lima.
assucar aoa principaes
mercados da Europa e concorreucia dos aseuc-
ree de oetr.s proce leociaa, que para alli vo maia
aper.eicoados a comparativamente mais baratos,
sem duvida pelos servias das machinas e instru-
mentos que em outros paiies se empregim para
a cultura e manipulago desle genero antevemos
a queda desle importaotissirno ramo de agricul-
tura e da renda da proviocia. a menos que nao
hajam medidas ealabelecimentos que sejam de-
dicados e applicados a levantar da rotioa e do
abilimento mortal em que jaz a lavoura a esse
respeiie. Em compensarlo da baixa do assucar
elevou-se o preco do algodo, que como materia
indispensavel para o trabilho das grandes ma-
chinas e de milhoes de pessoas empregadas nos
servaos destas. com avidez procralo e nego-
ciado nos mercados europeos ; sendo para espe-
rar-se que seus precos eonliuuem a actuar em
preseocadodesrechoduvidoaoq.ie apreseolam os
neg dos nos estados da America do Norte. Os
mappas ennexos a este relatorio vos mostraroo
estado da importacao e exportarlo da provincia,
e oem assim, um quadro da confrontado entre
o pretrito e o presente : a linguagem das cifras,
senhores. a mis exacta e positiva para expres-
sar o estada da prosperidad* ou alrazo de qual-
quer paiz. H
Cumpre-uos nesta occasio dar um voto de sin-
cero agradecimeoto ao Illm. Sr. commendador
Bento Jos Fernaades Barros mui digno inspec-
tor da aifaodega desta cidade, pela boolade com
que se servio prestar-nos esses mappas.
KPREZ\SPR0V1NCUES.
A va eirea desta cidade ao rio S Francisco
promette abrir a quaria 8eCo terminal as mar-
gene do rio Pireogy. at 2 de dezembro prximo
vinaouro, nao obstante os diversoa obttacuius
com que lem laclado ; anas vantageos sao senti-
das e apreciadas de todos, porque ero um paiz
como o nosso aa emprez.s de tal natureza olle-
recem as melhorea esperaocas
commercio ; aem embargo dieso.
a Quanto a referencia a ressurreiQao de meu
pal, elle s me abracarla ; e quanto o appello a
eus, d'Elle espero tudo, e diariamente aiotoque
nao incorro no aeu desagrado.
Quaoto as leltras endossadas, nao abriaio
uma casa decommiasao, nao me recebesse, nao
allasseem cootus de ris que linha all e a'col,
e erutim nao assignisse se nao podia supportar
os inconvenientes da igriculture, e quanto a aua
letlra, est no meu ioleresse paga-la o maia bra-
va possivel, nao pe$o abale de juros, moratoria,
que cummummeote se faz ah no Recife, digo
que espere alguus 4 ou 6 mezes, s. Eu offeo-
deria a Deus se devesso mais do que possuo, en-
to sim, mas guando vejo um paasivo superior,
a demora de pagamento nao uma offeusa a
Heu-'. >
agricultura
nota-ae
labella dos recua nZTr Dla"ie qUe > ^ Norw) e Amaral
S-M SimSL V5*'**"03- re?eD- ; T,nh.m-se retirado p
-;'""n" _ae c"eslla P"5m nutrimos boas r.u,.h. >>.,( i r,ii.
ap-
e ou-
; appellado, Antonio Jos
appella-
appellado, Hermano Jos
ppellado, Severino Go-
appellado, Vicente Fer-
appella-
appella-
RELATORIO
Da direceo d'associco commercial
benecente, appeseutado a sesso
ordiaaria drasseinbli geral da mes-
ma em 2o de agoslo de 1862.
Senhores.Em
DISTRIBL1COES
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recurrido. Jos Romo
da Motta.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Recurso crime.
Recorrente. o juizo; recorrido, Leonardo Pe-
reira de Barros.
Appellacao civel.
Appellanle, Antonio Joaquim Xavier Borges ;
appellado, Antonio Rogerio Freir.
Ao Sr. desembargador Mutta :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Jos Josquim
da Silva.
Appellacao civel.
Appellanle, Jos Alv.s Pereira Lima ; appella-
do, Valdevine Gomes Guimares.
Ao Sr. desembargador Peretli :
Recurso crime!
Recorrente. o juizo ; recorrido, Antonio Rufi-
no Pereira.
Appellagao crime.
Appellante, o juizo ; appellada, Mara Joaqui-
na Pereira da Cooeei;o.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido. Angalo Ra-
pbael Luc. e
Appellacao crime.
Appeilaote. o juizo/; appellado, Manoel Viei-
Ao Sr. desembargador Pereira Jorge i
Jtecttrso crime,
o juizo ; recorrido, \itor Nobrt
Recorrente,
Vianna.
Appellacao crime.
Manoel Vicente :
appellado, o
Appellanle,
juizo.-
A; urna o meia horas da.tarde, encerrou-se a
sesso.
Tribonal da Relaco.
Relacao das causas paradas no archivo do Tribu-
na d. Rela5ao por falta daa brac.geos o assig-
natarss respectivas. v 8 8
Appellacoes citis do Recife.
AppeUscie civel do juizo municipsl do Ro-
miSSBtf*Donnely; w*B*V**
cumprimento do dever que nos
ronoe o r.gulameoto que dos rege, vamos rea
tar os aeootecimeotos mais notaveis. occorndos
durante o anno Ando; e com .ntacip.gSo, pedi?
mos descolpa, te acaso nao cumprirmos bero
tanto quanto desejamos. esla obrigaco
.!. i i" nS,a prat8' "ssuu crao cir-
Icumstanciss do mercado, se mostraran, com co-
res bem carr.g.das, que se traduz.ram em fac-
,r!.ei2 l8k8!!maveis. 1a^0 encarados sob o
prisma da philosophia e moralidade publica ni-
rnearc.eQn.U. prej'UJiciaei "orosa expre'sso
Por um lado a cootinuaCao da guerra nos esta-
dos Norte-Americanos, e por oolro o estado va-
cillanle ainda, das principees nacoes commer
ciaes da Europa, e sobretudo o estado de atraso
da agricultura e mais Industrias desle paiz lem
conservado o cambio baixo. dando causa dimi-
nuido das transacQoes da pr.Qa, em pura perda
dos commercianies e das rendaa publicas.
Bam depresss, e em ponto maior do que se es-
perava, sentiram-se os effeitos da reprsalo do
crdito e restriegues bancarias, pelo modo im-
previdente com que se poz em praiica uma medi-
da de tanta importancia, que aftecta as transac-
Qoes do commercio e ss fortunas individaaes.
Nao deixaremos de mencionar ua dos fados
das mais tristes e fuoestas consequencias para
nossa pracs ; queremos fallar da quebra da so-
ciedade em coromandita sob a razoAmorlm
Fragoso, Santos & C.
Km nosso pensar o quantum da fallencia foi
de menor valor do que o estremecimeuto do cr-
dito multante desse acontecimento. Era coose-
quente que. depois de tal acootecimenio se re-
petissem as fallencia?, mxime no commercio a
retalho, por quanto, as transaccoes e pagamen-
tos i'algumos letras estsvsm dependente do ere-
dito, fundos e documentos garantidos pelo capi-
tal existente, ou que se julgava existir na referi-
da sociedsde ; sssim como que a praga de Per-
nambuco nanea sa resentase de tantas faliencias.
S a poderosa mo do lempo, e sobre ludo o
renascimento da f publica e particular, pode-
reo sanar males to ehronicos, e de to mo ca-
rcter e resultados. Confiemos poi*, na Divina
Providencia, a esperemos na acgo benfica dos
poderes pblicos, e no auxilio de todos a quem
compete xelar pelos bons principies de sociabili-
dade. Durante esta tempestuosa cris*, mais sen-
tida do que expressada, nossa associaco lem sa-
bido, felizmente, manter sus dignidade o crdi-
to, quer em relaco s autoridades e repartirles
publicas, quer na observancia de las lels regu-
lamentares. Ainda rootinuam as vexatorias a
extraordinaria desperas da pratieagem da barra
com as entradas, amarragoes, mudanzas de an-
coradeuro esahidaa doa navios do porto desta ci-
Jdade; nao sabemos quaodo lerao fim estes ma-
esperaBcas que sejam diminuidos esses precos
para que chegua seu beneficio e vantagoos a to-
das as cla.ses da socied.de.
COMPANIIU PEHNAMBUCANA A VAPORES.
Lonliouam os eiforcos de seu grenle para re-
nab tala do estado em que j*zeu, depois do
auxilio no empresiimo de .s. 300:000a00 que o
goveroo goral Ihe fez ; teodo che^ado da Europa
o vapor Maranguape que vem auxiliar seu ser-
vico e augmentar *hus renlmenlos.
PONTE DO RECIFE.
Essa obra de urgente nece,sidade ea respeito
da qual lem representado esta associaejo o go-
verno, chegou a um estado que, a juu.o do en-
geohMro das obras publica Mr. Mart.oeau. fi
Z\11 a f!!cbar ,eu l"s<>, P^o immiuente
pertgo de desmornemelo que ameaca : a pun-
m.Pri?l,0ri d.6 ?adeir" P1co ultirna-
meole concluido, que do rommuoieaco para
J-h""0 BeS,fo' PrlDfiP' du commercio,
e aonde, como sabis, se a parlioes publ.cas: oxal qua o goveroo se nao
deaore era mandar cooatr.ir um. poule effecti-
hi! ff'f ,raI>"* enife este e os mais
bairros da cidade.
. ASYLO DE MENICIDADE.
toi entregue a junta .1., Santa Casa de Miseri-
cordia a qu.ntia de 4:36cd. in-portaucia dos juros
do capital existente na caixa filial do banco -lo
Brasil, perteocente aquella eatabeleciaeoto. Foi
f- r*n,re6aB a *<*s"1' c'sa Ua de 1:2803. producto de 25*. 26'. 17* e 28" di-
videndo das lOOaccoesda cnupaohia de Bebe-
rioe. que e.ia associaco possuo, cujos dividen-
dos oirertou o mesmo aaylo. conforme a retlo-
cao lomada em assembla geral
CONCLLSO
Durante o anno (orara admittidos 38
eliminados a pedido e por motivos
pela dirergo 2C.
Da conia corrente do nosso thesoureiro de re-
retla e despeza desta associ-gao, r.onhecareis exis-
tir um saldo a favor de 5:332-233. sendo 4:2l6
roealhids a ca.xa Jial c 1:1169233 em mo do
nosso Ihesoureiro.
A relajo junta moslra os socios effectivose
honorarios de que se con.poe a as.ociago. Todas
as mais oceurrencias coostam do livro das actas
e sao de tao sabidas que nos julgamos dis-
pensados de as mencionar.
Nao concluiremos este relatorio, senhores, sera
vos agradecer anda desta vez pelo modo rrai.
solemne e publico, a confianga com que nos hon-
rastes. noroeando-nos para este lugar, que bem
imroereuidameute oceupamos: recebi, portelo
o tributo de nosso mais subido reconheciment
por este motivo, e em vitUde do regulamento
que nos rege, peasai a nomear quem melhor nos
aubsiitua.e mais feliz do que ns. pussa commu-
nicar tactos de melhur colorido e com roelhores
ten lelas para o fuluro prospero de nossos so-
cio, do commerci em geral da provincia.
Sala da Associaco Commercial Benefuenle de
ftrnambuco, 25 de agosto de 1862.
Joo Matheus,
presidente.
Domingot AWes Matheus,
secretariu interino
Cmara monicipal do Recife.
Maladuro publico da cidade do Recife.
Matsram-se ------ ------
socios e
apreciados
para consumo desta
mez de agosto do corrente anno 2,494 rezes
tantea da relaco infra.
Viuva Anaclelo A Companhia........
Virginio Horacio de Freitas ........
Venceslao Machado Freir Pereira da
Sirva...............................
Joo Chrisoalorno de Albuquerque.
Jos Francisco de Souza Lima......
Manoel Paula da Albuquerque......
Manoel de Souza Ta vares.............
Francisco Candido da Paz......'......
Bellarmino Alves de Aroch!!!!!."
Maximiano & Lucas de Mello......
Joaquim Jacintho....................
Miguel Alves Lima................
Feliciano Joaquim da Costa ........
Ernesto Celestino de Mendonca......
Jos Joaquim Ferreira...............
Prudencio de Oliveira "PimeoYeV.T.*
Antonio Fraocisco Ferreira..........
Luizde Frange Soares................
Joaquim da Costa Ramos............
Pedro Francisco da Costa.............
Pedro de Athayde....................
Manuel Joa da _Ressurreic.o. .
cidade no
cons-
623
187
156
156
148
14S
140
139
138
127
97
70
69
68
51
45
27
27
27
27
26
3
Cmara
1862.
1,494
municipal do Recife, 31 de agosto de
O procurador,
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Correspondencias
Srs. redactores.Rogo a Vr. Ss. o obsequio da
Publicaeoes pedido
Resultado da elecao do desembargador
Alvaro.
122 diputados.
Exisiiam 6 vagas uma por ler sido eleito aeoa-
dor o floado Miguel Vieira, e cioco pelo tacto de
aerem chamados so ministerio diversos desa-
lados.
O viscoode de Camangibe, como presidente
nao lem voto.
Absiiveram-se de votar baro de Mau (Rio-
Grande do Sal.] Silva Nunes (Espirito Santo.) Fer-
nandos da Cunha (Bihia,) Souza Meodes Piau-
by.) e Fablo (Maranhol.
Nao compareceu por doenta Lamego (Santa Ca-
tharina).
Comparecersm depois da votaco Salathiel (Mi-
nas) e Silveira da Molla (Paran).
Achavam-se lora da edrte Gama Cerqueira
(Minas,) baro de Rlla Vista (S. Paulo.) Marti-
oho Campos (corle) Raposo da C 'Araaronae)
ara ar provincias, Leito
da Cuoha (Par,) Cyrillo (Minas,) conde de Bae-
pendy (Rio).
Nao comparecern! a sesso deste anno, Santa
Cruz (G-.ya/) Castello Branco (Magoas) Reg Bir-
ros (Pernambuco,) Mamanguape (Parahiba) e Ma-
cario (Cear).
Votaram 94, sendo a favor 49.
Pari.
Siqueira Menes.
Fausto.
Cear.
Araujo Lima.
Figueia de Mello.
Bandeira de Mello.
Jagoaribo.
Manoel Vieira.
Alencar.
Parahiba.
Hemiques.
Diogo Velho.
Anisio.
ternambuco.
Mello llego.
Piolo de Campos.
Sernio de Macedo.
Jos Hi-nto.
Correa de Oliveira.
Alagos.
Faes de Mendonca.
Sergipe.
Paranhos.
Leandro.
Fiel.
Calais as.
Bahia.
Tiberio.
Pereira Franco.
Taquea.
Gasoarioo.
Espirito Sanio.
Pereira Pinto.
Rto de Janeiro.
Almeida Pereira.
Paulino.
Pedreira.
Texeira Jnior.
Siyo Lobato.
Pereira da Silva.
Torres Hornera.
Lima e Silva.
5. Paulo.
Nebiag.
Costa Piolo.
Bsrboaa da Cuoha.
Ruango Silva.
Sania Catharina.
Caitos da Luz.
/t'o-tranoie do Sul.
Bello.
Barcellos.
Minas.
Grnx Machado.
Bretas.
Velga.
Luu Carlos.
Paula Fooseca.
Ferreira Lage.
Silveira Lubo.
Ribeiro oa Luz.
CONTRA
Amazonas.
Serra Carueiro.
Maranho.
Nunea Guncalves.
Gomes de Suuza.
Veriato.
Vieira da Silva.
a l'iauhij.
Parenaga.
Fialho.
Rio Grande do Norte.
Amaro Bezerra.
Paranioa.
Arago.
Pernambuco.
Paes Brrelo.
Silvioo.
Epao. mondas.
Villela Tarares.
Brando.
'agoa.
Tararea Bastos.
Espenuiu.
Beojamin.
Bahia.
Pinto Lima.
Pedro Muniz.
J. M.joureira.
C. Madureira.
Saraiva.
Dantas.
Espinla.
Chavea.
Juaqaeira.
Corte.
Octaviaoo.
Saldanha Marinho.
S. Paulo.
Martim Francisco.
Jos Bunifacio,


t


i


rl
\
DUft'.O Di fltHAMBOGO. < TRQ4 FE.Rk 2 DI SETEMBRO 1E 18S;
Curio.
Lesas.
Rio Grande do Sul.
Amaro di SiUeira.
. Flix da Cunha. ilxnas. Melchior, Mello Franco. Paula Santos. Fooseca Vianni. Teopbilo Ottoni.
.. C. Ultoni.
.) Lima Duarte.
Cesar.
Rabello llorta. '
Mat) Grosso.
Coulo. '
Coya:. (
Fleury.
Dos 28 deputidos auienles sao :
Conservadores......... 21
Ligueiros.............. 7
A cmara dos senhores deputados compoa-se
Conservadores......... 69
Ligueiros.............. 53
107 roloi e 20 latas fumo ; a orden.
Eocommendaa.
ao Exm. Sr. presidente da pro-!
19 caixoes ;
Tiricia.
1 caixole ; a
1 volume ; i
5 socapados
7 ditoa ; a
2 olumes
ordem.
AoUnioC. de Gusmao.
; a Jos Mendes de Freitai.
Palmeira & Bellrao.
a Juveoal de Mello C.
I ALFAN.iEGA DE PERAMBUCO.
: Pauta dot prego dot genero sujeitos a direitoi
de exportarn. Semana de 1 a 6 do mez de
setembro de 1862.
Unidades. Valeres.
de
122
[A votaco da eleigeo do 3* diatricto leve lugar
no dn 22).
* *
t;t>iit]fc>fekcio.
DO
B^aco do Brasil.
A caixs filil destoota letras eom praso at
quatro metes a 10 0|0, as do seu proprio aceita
a 9 0|0, toma dinbeim a juros em coola corre-
te, oa por letras a 7 0,0 ao anuo, e sacca ao par
curtos prasos, sobre o banco do Brasil.
Gaixa Blial 26 de agosto de 1862.
Fraocisco Joo de Barros.
Secretario.
mea do-Recife i de
setembro de 1862.
\s quatro horas da tarde.
Colaces da junta de corretores.
Cambio.
10 0)0 ao armo.
J. da Cruz Macedopresidente
Jobo Gatissecretario.
t- eulment;
Altandetjrss.
do dia 1 .
11:8065937
aHiawinittiaito fin Aila>nesj;a>.
Veame entrado* omazendss..
* > om gneros..
24
997
== 1,021
V*uom ahidos con 'aiend.. 56
t > son; geueros.. 156
asa 212
Destrro,\arr, no dia 2 le setembro.
G llera trancenBorlh mercaduras.
Barca lnle/ai;-araidem.
Barca inultaR inilil-car va o.
llciiiiiiueiilo daalfandega dePeniaiu-
buco no mez de agoslo do corrate
anuo linaueeiro.
mportrtro.
de importarlo para con-
/ ...
Diroitos
sumo..............
Ditos addicionaes de o'
Ditos ad licin.es de 2 /0.........
Ditos de balileac.io e reexportarlo
Expeliente dos gneros eslrangei-
ros navega ios por cabotagem..
Ditos dos gneros do paiz........
Ditos dos gneros livres...........
Arrnazenagem....................
Premio dos assigoados............
Despacho martimo.
Apcoragom........................
Di'reilosde 15 /, de embircages
que pas-m a ncionai'S.......
Diti.s de 5 % na compra e venda
das embaredres................
/ijtf/ortac-io.
Direitos (le 5 /0 de exportacao...
Ditos df 2 /0 addicionaes.........
Dos il' 2 "/, d exporlacjao......
Expediente da capslazia..........
Interior.
Mullas............................
Sello do papel QXO................
Dito do p'ipel proporcional.......
Eiriolu nonios.............,......
Imposto dos despachamos........
.rraordinuria.
Heceita eventual..................
Dizimns da provincia d'Alagoas..,
Ditos da provincia da Parahiba....
Ditos da provincia do Rio Grande
dn Norte........................
Contri bu :cuo do caridade.... v.....
361.2103965
41:78i)s'25
68-5867
2665616
447b73I
18fi5(>60
7:8855401
33505
883$80
34500
39OSO0O
16:6IS*.{9
6.6469323
i:iv'itio
1:1595760
4n',5i',4
498JOH
77-5180]
2);8()0
25alO0
1 dito ; a Jos Marcelino da Rosa.
1 dito; a Jota Peiro Moutinho.
1 flito ; a Jos Pereira da C. Jnior.
1 dito ; a Manoel Procopio de Castro Araujo.
1 dito ; a Antonio de Almeida Gomes.
1 volume ; a Antonio Pedro Monteiro de
Souza.
1 pacote ; a Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo.
1 dito; a J. J. de Moraes.
l.eaixote ; a Silstoo Guilherm de Barros.
1 pacote ; a Adamson Howie & C.
Vapor nacional Oyapock, entrado dos portos
do norte, manifestoa o seguiute ;
Do Para.
1 caixa chapeos do Cbili ; a Kalkmann Irmaos
& C.
1 dila ramos de flores de peonas ; a Ferrira &
Matheus.
Do Maranho.
1 pacote eolias e toalhas de Hubo, 1 ealxio
sabo ; a Manoel Joaquim Ramos e Silva &
Georo.
1 pacote redes de algodo; a ordem.
Eoeomnendat.
1 encapado ; a Rocha Lima & Guimaraes.
1 dito ; a A. Jos Hurtado.
1 dito ; a Saunders Brothers & C.
1 dito ; ao Dr. Jos Sergio Ferrira.
1 dito ; a Thomaz de Ajuino.
I caixa ; a Parele Vanna C.
Vapor nacional ilamanguape, entrado dos por-
tos do sul, manifealoo da Machio o seguiote :
Gneros estraogeiro.
1 cala c 2 amarrados com duas camas de ma-
deira.
Palhaboto nacional Viamao. entrado do Rio
Grande do Sul, consignado a Manoel Ignacio de
Oliveira 4 Filho, manifestou o seguint* :
13.322 arribas de earne secca, e 70 couros
vaceuns a ordem.
li'igue nacional Imperial Pedro, entrado do
RioGnodedo Sul, consigoado a ordem mani-
festarlo o aeguinte :
. 11.914 arrobas de orne de charque. 47 ditas de
grexa em bexigas, e 60 couros vaccuos seceos ;
a orrtem.
__ Brigue nacional Vrazere, entrado do Rio
Glande do Sul, consignado a Amorim & lrruos,
manifestou o seguinte :
11.020 arrobas de carne de charque, 382 ditas
e 16 libras de graxa em bexigas e 66 Qitas de
sebo em rama : a ordem.
ILate nacional Sania Rita entrado da Bih'a,
cousigmdo a Caetauo C. da C. Moreira ; mani-
festou o seguinte.
100 caixas massas limntaresJiortidas, 60 far-
dos de panno de algodio, 40 saceos com 4,000
libras de fio de dito, 170 betas de piassava, 1,600
Iquarlinhas, 300 garr-fa de barro. 25 tainas de
, ano, 6 duzias do toros de Jacaranda. 26 caixdea
e 1,770 ciixiuhas charutos; a ordem de di-
versos.
100 fardos pmno de algodo ; a Manoel Jos-
qaim R. e Suva & Genro.
8 cains chirutus em caixinhas ; i Palmeira &
Beltro.
Cxpnrta^ao
do da 29 de agoslo.
B-igue lub'.kense ^ai/, para Liverpool,
carre^aram :
Patou Nash & C 213 saceos com 1.128 arrobas
de algodao.
Patacho americano Carrie Iluet, para Phila-
deii'hta carregaram :
llenry For.ter & C. 120 siccoi com 536 arro-
b s e 10 libras de algodo.
Vapor francez /uriremaditre, para Bjrdeaux,
crregarim :
E. A. Delouche, 1 ciixa com 80 libras de pen -
nni eme.
Tissel freres 15f saceos com 826 arrobas de al-
goao.
I^^m do dia 30.
Vapor francez Extremadura, para Earopa car-
regaram :
Chriilovo Guilherme BreilcnfleM, 2 papa-
g'ios, 1 embruiho com 4 espanadores de peonas
e. 3 cani9tras com laranjas.
Jos dos Santos Nevp*. coi*aooinho ci/uiia-
pipiaros em pal ha dos.
Patn Noah 4 C. 780scco com 3.900 arrobas j
de assucar.
w **<>>v RDilimentodo di 1.....1.-071 647
Vercadorias.
Abanos.....S ceuto
Agurdente de cana. caada
dem restilada ou do reino
dem caxaca......
dem gtne'bra...... >
dem alcool ou espirito de
agurdente......
Algodo em caroco. arroba
dem em rama ou em l
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado .... >
dem branco...... >
dem refinado.....
Azeite de amendoim ou nun-
dobim ...... caada
dem de edeo......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias. arroba
Bolacha ordinaria propria para
embarque....... >
dem fina........
Caf bom...... ;
dem escolha ou restolho >
dem terrado...... libra
Caibros......... um
Cal. ........ arroba
dem branca...... >
Carne secca charque. ...
Carvo vegetal..... >
Cera de carnauba em bruto libra
dem idem em velas ; >
Charutos....... cento
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados. libra
dem seceos espichados. >
dem verdes...... >
dem de cabra cortidos. um
dem de onca...... >
Doces seceos...... libra
dem em geleia ou rnassa
dem em calda .....
Espanadores grandes um
dem pequeos..... >
Esteiras para forro ou estiva de
navio cento
Esloupa nacional .... arroba
Fariiiha de mandioca alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijo de qualquer qualidade.
Frechaes....... um
Fumo em folha bom ... a
dem ordinario ou reslolho. >
dem em rolo bom. ... >
dem ordinaro restolho
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raz) ....
Lenha em achas..... cento
Toros......... >
L'niias e esteios..... um
Mol ou melaco..... caada
MUho........ arroba.
Pao brasil...... quintal
Pedras de amolar urna
dem de filtrar..... >
dem rebolo......
Piassava........ molhos
Pontos ou chifres de vaccas e
novilhos. ...... cento
Pranches de amarello de
dous custados
19200
fUOO
SiOO
S300
$400
9520
3J625
1J500
600
2J6U0
toso
39000
49000
29000
23200
19500
19200
4J0O0
8|000
8JOO0
7>000
320
360
160
320
2$I00
1JJ600
260
360
2&50
3S2O0
170
230
100
320
118000
19000
320
500
4S00
23000
E para fv'trege a noticia a que convier,
mandei passar aditaes, que sero aUliados oos
lugares do costam, publicados pel impr#nsa.
Dado e passado nesta ctdade do Recite, de Per-
nambuco ao 1 de setembro de 1862, 41* da in-
dependencia do imperio do Brasil.
Eu Joso Vicente de Torres Banleira. escrivao
interino o subscrevi,
_ ,. Tristao de Alentar Arsripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlclal da im-
perial ordem da Rosa e juii especial do com-
mercto dests cidade do Recife e ssu termo ca-
pital da-profioeia de Peroambuco por Sua Ma-
gestale Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, qua Deus guarde etc.
Faco saber pelo prsenle que no dia 6 de ou-
tuhro do crranle aono ae ha de arrematar por
venda a quem maia der em praja publica deste
juno. dpols da aodiencia respectiva, o telheiro
ds ra da Concordia, teodo 23 palmos de largo e
de fundo 33. com 2 camariohas. 1 sala e 1 pe-
queo qjari.i aerviodo de cosioha com urna por-
ta e janella na freata, com 13 palmos de fundo e
22 de largo, avaliado em 400. o qul pert-n-
cenle aos herdeiros de Joo Manoel de Siqueira,
e vai a prsca por execn;o qua contra os meamos
encamioha Bernardino Fraocisco de Aievedo
Campos, e aa falta de licitantes ser arrematado
pelo prego da adjadicaeo com o abalimenlo
respectivo da le.
E para que chegue a noticia a quem coovier
maodei passar editaes que serio aflindos pela
impreuas.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 30 de agosto da 1862, quadragesimo
primeiro da independencia e do imperio do Bra-
sil.E vao interino o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
> iinraji>!
14JJ622
439:1635390
3709350
1:40*9089
1005000
6695720
lien lmenlo, do mez deJagosto
de 18(il a 1862.......J.........
Rendiineiilo do mez/'de agoslo
de 1860 a 1861.....,'............. 337:206j>635
Alfindega
1862.
do Perriambuco, 31 de agosto de
Jo
Ida
Vapor inglez Tyn
ton. manifestou o s'
70 caixas queijos
25 ditas ditos ; a,
20 ditas d.ts
2 ditas ditos ;
2 ditas dito
embruiho ar
1 caixi liv
1 dita ditos; a
1 dita ditos ; a
1 dita ditos ; a
1 encapa lo 0ilojt-
1 volume ditos
O 4o escripturario,
Bernardo Diniz Pessoa.
lorlacao
procedente
guinle :
; a Brander a
Tasso Irmaos.
Ferrira & Marlins.
. Jos GouQales da Fonte.
itas fezeudas de algodo e 1
a Southall Mellors & C.
G-b Ka kmaon & C.
ibinete Porluguez de Leitura.
. Seaioa.
eonon Hunt.
; A. M. C. Soares.
n Th. Jelftier.
RENDIMENTO DA RF.CF.BF.DORIA DF, RENDAS
INTERNAS GERAES DE PEkNAMBUCO DO
MEZ DE AGOSTO, A SABER :
Renda da lypographia nacional... 2;000
Foros de terrenos de marinha .. 13S325
Ladennos....................... 117J5O0
Siza dos bous de raz............. 3 84I956S
Dcima aildirional das corpora-
i.oes de inao mora............. 174J150
Diroitos novoa e reinos e de
chancellara.................. 608*301
Ditos de patentes dos ofiiciaes da
guarda nacional................ 369000
441:7079519 Dizima de chancellara........... 1:9059168
Muila por infraeces do regula-
monto........."................. 2719131
Sello do papel flxo................ 3:8I3}}130
Dito do proporcional............. 8.4239II
Premio de depsitos pblicos.... 32g6i8
Emolumentos'................. 3199796
Imposto sobre lojas e casas de
desconlos............ 7:4729850
Dilo sobre casas de movis, rou*
pas, ele. fabricados em paiz es-
trangeiro............ 5603000
Taxa de escravos......... 340$000
Cobranca dn divida activa 2:0563315
Indcmnisacoes........... 2159100
Matricula da Faculdade de Direilo. 51S200
dem luuro.
Sabo ."...".
Salsa parrilha. '. '.
Sebo em rama .
Sebo em velas.. .
Sola ou vaqueta. ,
aboas de amarello
dem uirersas .
Tapioca.....
Iraves .
Unh.s de bo \ "
Vinagre.
Cha '
urna

libra
arroba
>

urna
duzias
>
arroba
urna
cento
caada
libra
163000
lg600
lg600
3g800
lg200
5gCO0
I8g000
7g500
logooo
4g000
29OOO
261000
2g00
119000
5g000
200
18610
59UO0
840
4g00
1J200
120
3.3OOO
169000
8g0l0
100
25g000
5g0o0
63'"0
2S600
10495-.0
709000
33800
8300O
200
280
21000
Alfandega de Pernambuco 30 de -.goto de 862
Approvo(Assignaao.) Barros.
primeiro conferenle, Manoel Ephigenio da
O
S Iva;
0 segundo conferenle, Benjamn Peres do Al-
Duque-que Maranho.
Conforme. O 4. escriplurario, Joaquim Albino
1 (jusroao.
do
Ufovimento do >^'o
550:7939414
de Soulhamp-
Braodii.
dita roupa ;
dila dila ; a
dita calcado
dita dilo ; a
11. Auatiu.
Stetenson. *
(a E. A. Burle & C.
A. Deut'Y.
dita objectos d]e escriptono ; a Henry Forsler
& C.
1 embruiho dito\s de dito, 1 caixa ditos parti-
culares ; a P. F. Necdham.
52 caina cha, 2 .as batatas, i dita chapeos
de p'lha, 1 dita obyectos de palha, 1 dita objec-
tos de esclplorio, '3 fardos fazendas de algodo
#4 embrulbos amrisiras ; a Henry Gtbson.
7 latas tintas, 2 dfttas oleo ; a Ilorace Gree & C.
2 fardos miedla ;| a I! F. de Souza.
50 barris manleigla, 1 caixa obras de ferro e 1
embruiho amostras ;) a Siunlers Brolhera & C.
2 caixas chapas de cobre ; a S. P. Jobuston
&C. ,
40 barris maoleiga e 16 caixas rap ; a T. de A.
Fooseca. i
1 cesto biclf s ; a Maooel Joaqun) Ramos e
Silva & Gem^
8 caixas fazendas de algodo e2 embrulbos
amostraa ; a L. Wild & C.
2 caixas chapeos de sol de seda, 1 dita fazen-
das de seda, 1 voluma amostras; a Joo Keller
& C
i caixa sedas ; a F. Sauvage & C.
1 caixa fazendas de la ; a Campbell & C,
1 dita miudens ; a Cmara & Guimaraes.
1 dita fazeo'das ; a Ferrira & Matheus.
2 ditas rnassa de tomates ; a Antonio Villela.
4 ditas macas ; a Duarte & C.
2 ditas rnassa de tomates ; a R. R. Lisserre.
1 (ardo drogas ; a P Maisrer & C.
1 barril vinho ; a Wilson.
1 embruiho jornaes; a G. L. Cambronne.
t dito amostras ; a Rostroo Rooker & C.
1 dito ditas ; a Arkwright & C
1 dito ditas; a C J. A-Uey & C.
1 dito ditas ; a Patoo Nash L C.
1 dito ditaa ; a J. Ryder & C.
1 dte ditas ; a Ferrrirs & Araujo.
1 dito ditas ; a R. Lightboarn & C
3 ditos ditas ; a Adamsoo II >wie & C.
1 dito ditas ; Wild & Just.
Vapor nacional Toeaniint, procedente dos por-
tos do sul, manifestou o seguiote :
Do Rio de Janeiro.
1 caixa xarope ; a Joaquim Ignacio Ribeiro
Jnior.
30:2539833
Rccebedoria de Fernambuco 30 de agoslo de
1862
O escrivao,
Manoel Antonio Simoes do Amaral.
Cuneorado provine!*I.
RanHImanln 4n di 1 2:456319
RENDIMENTO DA MESA DO CONSULADO PRO -
VINCIAL EM O MEZ DE AGOSTO DE1862.
A SABER :
Direilosde90 rs. por @ do as-
sucar exportado. ........
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dente, ele......................
Dito 2 01o idem do algodao expor-
tado ...............
Dito de 7 Olo do. mel.......
Dito de 8 po cento de couros
seceos, verdes espichados.....
"dem idem de 5 dem dos mais
gneros exportados.......
Capatazia de 320 rs. por sacca de
argodo exportado .......
309 svtre escravos exportados .
209 rs\ por nieia siz^ de es-
cravos-j.............
Sello de h'erancas e legados? .
\f) por cento de novos e velhos^
reitos dosempregados provi-
ciaes.............
Dito de 2 0|0 sobre os premios
maiores das loteras............
2001o ao consumo d'aguardente .
Decima dos predios urbanos .
Imposto de 12 por cento sobre
diversos eslaDelecimeatos .
Dito de 8 por cento..............
Imposto 509 rs sobre casas de
chapeos, perfumaras e roupa
feita, modas etc...............
Imposto sobre carros, omuibus,
carrosas e vehculos........
Dito de 5 010 sobre aucas ca-
rnes ........'
Emolumentos de polica .....
Imposto de 4 por cento sobre di-
versos estsbelecimeotos fra
da cidade ......................
Restituices e reposicoes.....
Dilo de 12g800 sobre olarias.
Multas por infraeces......
5:l03g70l
2019725
2:42ll
9980
l:419g670
3489825
663S360
l:260g000
2:574$U0
6:1258429
175J917
Parahiba 10 liaras, caiihoxeira nacional Bel-
monte, commandaote 1* lenle Antonio Car-
los de M'riz p Birros.
Navios entrados no dia 31.
Rio Grande do Sul21 dias, brigae nacional Pra-
zeres, de 302 toneladas, capio Jeronymo Jos
Telles, equipagem 14, carga 11.000 arrobas de
carne acca ; a Amorim Irmo
Babia 5 dias, hiate nacin I Santa Rita, de 65
toneladas, rpita.. Joou,uim Antonio de Flgaei-
red'', euipag-m 7, carga louca. charutos e ou
tros genero; a C. C. da C. Morelra.
Rio de Janeiro B-hii6 das, o paiuete a va-
por francez Esiremadure, de 1,170 toneladas,
commandaote H. de Soaier, eiuipsgem 121.
Rio Grande to Sul22 dias, brgue nacioo-1 /i-
perial Pedro, de 210 toneladas, capitn Vital
Jos )a Molla, equipagem 10. carga 11,000 ar-
robas de carao c-ca ; a ordem.
Rio de Janeiro 10 diat, btigue, inglez Flying
Scua, de 283 loneladas, capio Tnomaz La-
b.y, equipagem 10, em lastro ; a ordem.
Bordeaux 33 das, barca francesa 'Arlagnan,
de 255 toneladas, capito E. Deeac, equipagem
13. carga vinho e outros gneros ; a ordem.
Arribou com agua abarla, seu destino era Bom-
bain.
Mjtuos tahidos no mesmo dia.
Po'tos do sul Vapjr mciooai Oyapock, com-
mandante Ia lenle Ponles Ribeiro.
Porlos do norteVapor na^iooal Tocaniins.com-
mandaote \* tenante Pedro Hyjolito Duarte.
Bordeaux e portos intermedios Vapor francez
EtXremadure, commandaote H. de Somer.
Ilha oe Fernn loHiate brasileiro Tino, capio
Manoel Jos Pereira Marinh, carga telba e
madeira. ,
Porlo_ AlegrePatacho nacional Novo Lima, ca-
pito Luiz Antonio da Silva, carga sal.
Philadeiphia Palhabote americano CarrieHuet,
capio Z. C, carga assacar, couros e outros
gneros.
Navios entrados no dia i*
Rio de Janeiro8 oas, palhbote mcional Via-
mao, de211 tooelads,capito Horacio da Sena
Nuues, equipagem 12, carga 13,332 arrobas ; a
Mnoel Ignacio de Omeira & Filbo.
Liaboa 49 diaa, patacho portaguez Jareo, de
164 toneladas, capito Jos Marques Coelho,
equipagem 9, carga ceblas, vinho o outros go
eros; a Amorim Irmo.
Rio de Janei-o 9 dias, brigue inglez Savannah
la Mar, de 255 toneladas, capito Jobn B ck.
equipagem 11, em lastro ; aSaunders Brothsrs
& C.
Liverpool49 dias, brigue inglez Bablhorpe, de
191 ton:ladas, capito Iloliridge, equipagem
9, carga trilhos de ferro e machinas; a ordem.
Vem arribado.
Observadlo.
Fundeou no lamarao urna barca iogleza, mas
nao teve commuolcaQo com a trra.
Nao hovrm *h O lilro. Sr. inspector da thesourans pro-
vincial manda fazer publico que do dia 2 do cor-
rete por diante psgm-se os ordenados dos em-
pregados provinciaes, vencidos no mez de sgosto
prjimo fiodo.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
oambuco 1 de setembro de 1861.
O secretario,
Antonio Fetrf ira d'Aonunciaeo.
A cmara municipal desta cidale principia
a (erceira aesso ordinaria desle anuo no dia 3
docorrenlee seguiotes. Secretaria da cmara
municipal do Reoife 1 de setembro de 1862.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Secretario.
Conselho de compras navaes.
Tendo-se no dia 5 de setembro prximo de pro-
mover a compra dos objecios do material da ar
asada abaiio declarado, bem como de contratar-
se o fornecimeoto, no trimestre iodo em dezem-
bro do correte anno, de vveres, dietas, e outros
objclos do consumo para os navios da armada e
eitabelec.meniosde marioha, ludo sob as condi-
Ce do estylo ; convida o conselho aos preten-
deres apresenlarem saas prnpostas em cartas
fachadas nsqutlle dia at as 11 Horas da raanhj.
Compra ae objeelos para os navios, arse-
nal e compaobias de m-nores.
6 barris de breu, 100 cobertores de las, 20
-ompteos. 5 pcis de cabo de lioho da 12 polle-
gadas, 5 ditas de dilo de 2 i|2 diias. 5 ditas de
dito de 3 ditar, 5 ditas de dito de 3 Ii2 ditas, 4
ditas de dilo de 7 ditas. 20 colchoes de linho
cheios de laa, 1 aicaler de 6 remos, 1 dito de 4
lito, 10 arrobas de estopa de algodo, 120 es-
pingardas a Menicom corrame correspondente,
6.000 espoletas para ss ditas, 3 milheiroa de pre
(tos de batel pequeo, 80 cedernos de pp*l bor-
rador, 12 arrobas de pregos de eonre para forro,
2 resmas de papel hollao Ja, 20 pinceis oscopel-
ros, 30 milh-iros 'aspas de Ierro, 200 remas de aia de 14 a 18 pe*.
9 luiias de taboas de louro de 36 palmos de con -
PMm-nto e 2 le largura, 8 duzias de ditas de 2S
ditas. 3 duzias de ditas de 32 ditos, 8 duzias de
ditas para andaimes, e 2 viradores de manilha ds
8 pollegadas.
Foroecimento de vveres, ditsse outros
objeclo de consumo.
Arroz do Maranho, jile doce de Lisboa, dilo
inferior, assucar braoco groas, aguar lente de
20 grao, sletri, araruta, assucar brauco retna-
lo, bolacea*, bolachinha, carne secca do Rio
Grande, cit em grao, carne verde, carnauba em
velas, cangija ou milho pilado, cevadinha, cha,
cal preta.c^ branca. Cariaba de mandioca da ter
ra. feijo,
inaiezs, p
cantara h
Vidas atea
Sacre
de ago
P<
Pen.
ie foi
Joaq
balee
firma
^miaes.
1:105$
7:6119692
9428432
563000
2009090
5698000
3369250
19200
1643880
2489790
12800
1549005
oc
32:1669656
Mesa do consulado provincial 30 de agosto
de 1862.
O 2o escripturario,
Lu2 de Azevedo Souza.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife e seu
n?^' CaD'lal da provincia de Pernambuco.
lnf L e eonatitucional o Sr. D. Pedro II
S U6*N;rde etc.
Faco ssb*o,iu -----
bro do corr
venda a que
julzo, depois da
gumtes :
Urna marqeeza
159000.
Deas mesas grandes
um* em 10J rs.
Orna mesa redonda da
da em 159 r.
Um Qteiro de pinao env
competente balco de armario
Dous ospelhos avallado cada
Um cabido de amaralle avali
Quatro cadeiras de Jacaranda
urna em 5g rs.
Os quaes sao perteocentes a Charlea.-. .
vio prara por execocao que contiL '
encammbam Dencker & Barroso, e^L-i?*^
licitantes sero rrematados pelo preco
dicago, com o abalimenlo respectivo da
u_3'aente que no 15 de setem-
lo s* ho de arrematar por
der em praca publica deste
ieia respectiva oa beosae-
i^oaarelto, avaliada em rs.
amarello avaliada cada
ia madeira, avalia-
isado com o seu
liado em 4O3.
""em 69 rs.
'aliada cada
idju-
nhas, aaant'lga franc-za, menteiga
1ra de alvenaria brota, podra de
&!M<>i toucinbo de Lisboa, tapio-
o. .TtorL?.biT6 uo v,sSu-
iael862DS<"h0 de C0'Dpr" D,"e>. 29
. w O secretario.
rihjW. d .Rdr, >> Aojo.
"retara do tribunal doX.Z '
:o se faz publico que em 27 "ilde/co de
stradoo contrato de socielade f-ito^'V.".
da Cunha Freir e J is Bitoso, esta-
a cidade da Foitaleza do Cear, sob a
Joaquim da Cunha F.eue Pimo, com
o cap de 100 OOOg foruecidos p.io socio espi-
lali? eire. e devena a dita socidade durar
por o de 3 anuos, contados do 1.* de julho
do prximo paseado.
arta do tribunal do commercio de Per-
t o 30 de agosto de 1862
Julio Guimaraes,
Officialmsior.
brrelo geraL
llclaco das cartas seguras existentes
na administradlo do corrcio para os
senhores, iliaivo declarados.
Anna Franiscade Almeida.
Arcenio Fabiano de Frenas Brrelo Nobre.
Arcencio Pereira da Silva.
Alfredo C-rdoso Pe-eira.
Antonio Carlos D Antonio Francisco de Magalhes.
Antonio Joa juim dos i'assos.
Antonio da Silva Campos.
Fr. Boaventura de Sania Mara Benles.
Emilia Civalcaoli de Oliveira.
Filippe Caroeiro de Olila Campello.
Francisco de Aibujuerque Rodrigues.
Francisco de C'rvalho Pratis.
Franciaco Vicente de Vasconcellos.
Igoez Candida de Mallos.
Joaquim Newton de Carralho.
Jos Antonio de Araujo.
Jos Fernandas Bastos.
Jos Francisco Machado.
Fr. Joe de Santa Julia Botelbo.
Jos Vicente da Costa Bastos.
Lsurianu Luiz B irges de Cerqueira.
Manoel Gooralves dt B-rrt-a.
Maooel Tereucio Correia da Serra.
Minot-I Ignacio da Silva Braga.
Maooel Ribeiro d> Fooseca Braga.
Salustiaoo Jos de Lima.
Salvador Pires de Carvalho e Albaquerque (2).
Faculdade de direito
Ds ordem do Etm. Sr director interino se faz
publico,m cumprimeoto do artigo 119 do regula-
manto complementar, que no dia 9 do cerrante,
por serem os dons anteriores feriados, se encer-
rar a inscripeo aberta para o concurso i vaga
de lente ibsiituto desta Faculdade, conforme fot
aonuore Soem editd de 7 de marco do corrente
anno. secretaria da Faculdade 1.* de seaembro
de 1862. -O secretario.
Jos Honorio Bezerra de Henexes.
Cousellio administrativa).
O conselho administrativo, para fornecimeBto
de arsenal da |uerra, tem de comprar os objeelos
seguintes:
Para o hospital.
50 colchoes de panno de lioho com endinten-
lo de I3a com 9 palmos de comprimeoto e 3 de
largura.
_ 50 Iravesseiros de panno de lioho cheios de
las, com tres palmos de comprimento.
Quem qnizer vender taes objeelos aprsente ss
suas repostasen) carta fechada.oa secretaria do
conselho. is 10 horss da maoha do dia 6 do
correte mez.
Sala das sessdea do conselho administrativo
para foroecimento do arsenal de guerra, de
setembro de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vocal secretario interino.
Conselho administrativo.
O eooselho administrativo para foroecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objeelos
seguintes :
Pare a enfermara militar do corpo de gaarnlcao.
1 cobertor de algodo.
2 camisas de liabo.
1 baca de louca.
7 facas de mesa.
7 garfos de mesa.
23 parea de chioellss.
3 toalhas de linho.
6 puciros de tolhs.
1 manta de la.
Para o 2* baialhao da infintaris.
150 covados de panno alvadio para capotes.
a o^-P,r* 10' bt,lbao le infantatia.
1,82o covados de panno verde.
Quem quizer vender taes objeelos apresenlem
as suas proposlas em caria fechada ni secretaria
do conselho as 10 horas da manha do dia 5 de
setembro prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para foroecimento do arsenal de guerra, 29 de
agoslo de 1862.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal, secretario interino.
Tendo a directora das obras militares de
mandar fazer oscoocertos precisos 00 ladrilho da
botica do hospital militar, e collocago de um
lampo de marmore 00 balco da meama botica,
asphsltameolo do respectivo armazem, asaim co-
meos concertos necessarios no ladrilho do xadrez
do dito hospital, convida as pessoas que de taes
servir; is se queiram encarregar, a apresenlarem
suas propostas oa referida directora nos dias 3,
4 e 5 do mez de setembro das 10 horas da ma-
nha a 1 da tarde.
Directora das obrss militares d6 Pernambuco
29 de agosto de 1862. O escriturario,
Joo Monteiro a'Andrade Malvinas.
Por orirm do Ulm. Sr. inspector autori-
saco da thesoararla de fazanda, em portara da-
tada de 28 do espirante mez, figo publico que no
dia 2deseiembro prximo, depois de meio dia,
e Da porta deila alfaadega sero levados a hasta
publica a lancha e eaialer em mo eslsdo per-
tencentes a escena Lindle.
Alfandega de Pernambuco 30 de agosto da 1861.
Haximiano Francisco Penlo Duarte.
2.* escripturario'.
O lanjador da recebedoria de rendas inter-
nas geraes, de conformilade cem o artigo 37 e
seus do decreto de 17 de mai$> de 1860, coa-
tiouando a callela no bairro de Santo Antonio,
dos imposlos a que esio sujeitas as lojas e ca-
sas comroerciaes, e outras de diversas classss e
deai>romac,oe3 ; svisa, portanlo, aos donos dos
respectivos eslabelecimentos para que lenham
presente no acto da colleda os recibos e papis
de arrendamento de saas casas, visto que ellas
tarao de servir de base ao processo do laueamen-
lo, o qusl ter principio no dia 30 do corrente
as ras seguintes : rus do Sal, da Paz, das Flo-
res, travessa da mesma, ra das Cruzes, Iravessa
da mesma, largo do Paraizo, ra de S. Francisco,
oa Florentina, Bella, iravessa da mesma, ruada
Rola, praga do capira, ra de Santo Amaro, do
Calabouco, travessa dos Expostos, da Matriz, lar-
go ds roasma, ra das Trtncheira, das Larangei
ras, ras larga e estrena do Rosario.
Pela tbesouraria provincial se faz publico,
que a arrematijo da obra do cano de esgoto da
praca dochafanz no bairro do Recife, foi treo-
ridaparaodia 11 deselembro prximo vindouro.
Secretaria oa tbesouraria provincial de Per-
oimbuco 28 lie agosto de 1862.O secretario,
A. F. d'Annunciago.
Santa casa da misericor-
dia do Recife.
O Illm. Sr. commendador Jos Pires Ferrira,
thesoureiro da sania casa de misericordia do Re-
cife, manda faier publico que, em virlude da de-
liberado da junta adiriir.islraliva da mesma sn-
ta casa, far pagamento s amas da casa dos ex-
postos, que comparocercm acompanhadas Cas
respectivas crianzas, no dia 10 de siembro pr-
ximo futuro, pelas 10 horas da manha, no salo
da casa dos expostos.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 25 da agosto de 1862.O escrivao,
F. A. Cavalca'ili Cousseiro.
Pela admioistraco do correo desla cidade
se faz publico, queem virlude a convenco pos-
tal celebrada pelos governos brasileiroe francaz,
sero eipeJidas malas para Europa no dia 31 do
correte, de conformidade com o anouncio desle
correio publicado no Diario de 29 de Janeiro do
anno passado. As cartas sero recebidas al 2
horas antes da que for marcada para a sahiJa do
vapor, e os joroa*s al 4 horas antes.
Ouv- P-.=.rku,n 00 ,-.410 re 18G2.
Uoiuingos dos Passos Miranda.
Administrador.
sania Casa da Misericor-
dia do Recife.
ja*JHma. junta administrativa da Sania Casa
que no drirdia do Recife, manda fnzJr publico
la de suas sess5eV,embro proiimo [atufo, na sa-
prac;a as rendas das easaVuras da^l-->, nao
lo lempo de 1 a 3 aooos. Heilradas, pe-
Os pretenlenies devem comparecer -
uhados do seus fiadores, ou munidos do cariu.l
destes.
Praga de Pedro II.
N. 1 particular e 33 publico, 1 sala. 1O2JO0O
Ra 1I0 Queimado.
N. 1 particular e 35 publico, loja. 276J000
Ra do Crespo.
N. 3 particular e 11 publico, tres an-
dares e loja........1:4029000
Roa do Rangel.
N. 6 particular o 56 publico, casa
terrea..........
Roa da Cadeia.
N. 17 particular e 59 publico, 2 an-
dares e loja........
Ra da Madre de Dos.
N. 22 particular e 9 publico, 1 andar
e loja ..........
dem 2 particular e 26 publico, 2
amares e loja........
dem 25 particular e 24 publica, 1
andar loja........
Ilem 2S particular e 22 publico,
terrea ..........
dem 27 particular e 20 pub'ico, ter-
rea ...........
dem 30 particular e 14 publico, ter-
rea ...........
Ilem 31 particular e 12 publico, Ier-
res ...........
dem 32 particular e 10 publico, ter-
dem 33 particular e 8 publico, ter-
rea ........: .
dem 34 particular e 6 publico, tir-
re......:.....
dem 36 particular e 2 pablico, ter-
rea ...........
Ra do Torres.
N. 37 particular e 14 publico, 2] an-
dares e loja ........
dem 38 particular e 16 publico, 2
andares..........
dem 39 particular e 18 publico, 2
andares..........
Rus do Codorniz.
N. 42 particular e 1 publico, casa
terrea ; .........
dem 43 particular e 3 pablico, casa
terrea..........
Ra da Moeda.
N. 44 ptrticular e 21 publico, casa
terrea ..........
dem 45 particular o 45 publico, ca-
te terrea .........
dem 47 particular e 49 publico, casa
lerrea.....; .
Ra do Amorim.
N. 48 particular e 56 publico, casa
terrea ..........
dem 49 particular e 54 publico, ca-
sa terrea.........
dem 50 particular e 52 publico, ter-
rea ...........
dem 51 particular e 47 publico, ler-
rea ...........
dem 52 particular e 45 publico, ter-
Ir al *>*))#
dem 53 particular e 43 publico, ter-
rea ...........
dem 54 particular e 21 publico, 2
andares. ,........
dem 55 particular e2l publico, ter-
rea ...........
dem 56 particular e 26 publico, ter-
rea ......i .
Ra do Azeite de Peixe.
N. 57 particular e 23 publica, ter-
ro* .,?.,,,,.,
dem 58 particular e 21 publica, ter-
rea '. -. .'...... m
dem 59 particular e 19 pablico, 1
andar .... ......
dem 60 particular e 17 publico, ter-
rea ..........
dem 61 particular e 15 publico, ter-
rea ...........
dem 62 particular e 18 publico, 1
andar..........
dem 61 particular e 2 publico, t'er-
re4............
v ,. Rua do Vigario.
N. 71 particular e 22 publico. 3 ao-
darea ......
dem 73 particular e 25 publico 3
andares........'
m -- R"* do Encantamento.*
N. 76 particular e 11 publico, 2 an-
dares .......
dem 77 particular e 13 publico' 9
aodare........'
h ,0 Rua da Senzalls-Vebe!
x. 78 particular e 136 publico. 3
andares........'
, 0, Rua do Trapiche.
n. o particular e 30 publico. 3 an-
dares .
........
n oc Ru, da Liouets.
da patlumlat e 14 P-bllco, 2 an-
ts ot Rus Cruz.
N. 87 particular ell publico, 2 an-
dar .......
dem 88 particular e 29 pebico' 2
andares.......*
Idea 90 particular e 12 publico' 2
andares........' "
Rua ds Lapa.
N. 41 particular e 2 publico, Ier-
re ...........
Rua da Cacimba.
N. 6j particular e 5 publico, arrna-
"m .......
Rua do Burgos.
N. 68 particular e 19 publico, ter-
rea ... ,......
dem 69 particular e 21 pablico,"ter-
rea ...........
Rua da Senzalla Velha.
N. 8t) particular e 132 publico, 2 an-
dares ........
Uem 79 particular e 134 publica 2
andares.........
Rua da Guia.
N. 83 particular e 27 publico, ter-
rea .... ......
Rua do Pilar.
N. 96 particular e 2 publico, ter-
rea ................................
Rua do Sebo.
N. 12 particular e 3 publico, ter-
rea ................................
Rua da Guia.
N. 84 particular e 29 publico, ter-
rea ...........................
Sitio do Parnameirim.
N. 2 particular......................
Sitio do Ferno da Cal.
N. 5 particular......................
Secretaria da Sjnta Casa deMisericordla"do'Ke-
cif 28 de agosto de 1862. O ecrio,
F. A. Cavalcenti Cousseiro.
5018000
501900a
2519080
6011000
1:0018000
4019000
1:0015000
1:6019000
869OOO
SOI9OOO
75I900O
581$00O
5019000
8S19C0O
1:0019000
891000
1809CO0
I449OOO
1689000
125S00O
700JOCO
70JO0O
I689OO
959OOO
168SO0O
16900O
1209000
351 cono
f*OS fe. >;:;!
aneiro
Prefeode seguir com muila brevidarle par* o
Rio da Janeiro o veleiro o ber. conbecido brigwa
n.siooalfAlmirante, tem parta de seu earrega-
mento prompto ; para o resto que lh fslt. tr-
to-ee con. oseeusconeijrnatirios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo. no seu es;riplorio rua ds Cruz
namero 1.
(rOWAJlHU PEfi"UFB'RfJa&
DR
^acecosleiraavairO
no
O vapor Mamanguape, ccmmmdante Moura
ishir para os portos do sul do sua osrrla
da 5 de selembro s 6 horas da tarde
Recebe carga at o da 4 ao meio dia. Eo-
commendas. paasageiros e dinhairo a fre|.. at
r> da d aahida s 2 boras : eecripterio no Forte
do Mattoa n. 1.
219000
2:0009000
5015000
8019OOO
5519000
7019000
4519000
551J000
1:3519000
5019000
4019000
6O0J000
2511000
5018000
4019000
3039000
3619000
6809000
3008000
1918000
2OI9OOO
561$000
2718000
6618000
8O19O0O
3018000
401$000
6018000
2315000
2818000
5018000
s,Jlarai!liao e Pri,
Graciosa. a."vidada o veleiro bripue escuaa
Silva, por ter |& a.* ,<,, Mara da C-iaa
portos: para oralo ir.l.-Bt.Ba p,ra Bnto
Antonio di Almeida Goma, ras or. --ons,ia.,atari)
Pisco msrilini
R. S. Culver capito do hiale americano Ilar-
ry May Bee, arribado a este porto por foro*
mftier, prensa turnar aobre risco martimo cer-
ca de 10:0009 aflm de occorrer as despezas do
mesmo teias oeste porto, os prtendentes quei-
ram apresentar as suas proposlas em cartas fe-
chadas no consulado americano rea do Trapiche
n. 8, isto no prazode 5 da. Recife 30 de agos-
to de 1862.
COMPANHIA PERXAMBUCA.NA
DE
Navega$o costeira a vapor.
Parahiba, Natal, Macau, Aracaty, Cea-
r, Acaracu" eGianja.
O vspor ajaguaribes, coromaod.ante Lobato,
sahir para os portos do norte at o da GraDJa,
no dia 6 de setembro as 4 horas ds tarda.
Recebe carga at o dia 5. Encom mentas, pas-
sageirose dinheiro a frete at as 3 horas do dia
da sahida. Escriptorio no Forte do Hattos nu-
mero 1.
a
PJLM
hia
tom multa bravidade pretenda seguir o beo co-
nbecido a veleiro brigaa escuna Joven Artbur>,
capito Joaquim Antonio GonQalvea dos Santos,
tem parta de seu carregamento prompto ; para o
resto que Ihe falla, tratase com os seus consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo dt C,
no aea escriptorio rus da Crux n. 1.
O
DE
LITROS.
Quarta-feira 5 do corrente.
O agente Olimpio far leila de diversas obrad
importantes de direito e lilteratara que aera
vendidas ao bater de- martello a quera mais der ;
osSrs advogados e estudantes de di eiio sie
convidados a comparecer no dia determinado le
11 horas da manha no armazem da rua do Im-
perador n. 37.
MUTILADO
ILEGVL


y
\
i
U1I0 11 fK&KAMBQCOj TERC> FEIRA 2 DI SEIEMBRO 01 H62
DE
20 saceos com amendoas,
60 caixas coin charu-
to e barric \s com grao
de bieo.
Quarta-feira 3 do crvente.
O geute Peiina renler por coala o risco da
quem pertencer 20 sarco* cora amen loas, 60 rai-
zas com charutos do Rio de Janeiro, barricas
com grao de luco e 13 caizas com doces da (ruc-
ias era calla: quarla-feir 3 do correle, pelas
10 horas da maohaa na porta do .Vanes defroole
da eHaiidVn.
Aviso-
Queijosflamengos
e prato.
Quarta-feira 3 do crrante.
O ageoU Pestaa far leilo por coota e risco
da quem prtencer de 20 eaix*s com queijoa fls-
meogos e 50 ditas cora ditos prato os melbores e
mua freacoa que hs actualmente no mereade,
desembarcados do vapor Ooeida* em sus ultima
viagem : quarta-feira 3 do correal* pelas 10 ho
raa da maoha no armazem do Aaass defroole
da alfaudez.
Pede-se attenco!
*
A 2 de setembro.
O agente Oliveira far leilo doa excedentes
movis e adornos de casa, deixados nesta cidade
pelo Exro. visconde de Lourea, coosisiindo em
ums mobilia a mais rica, solida e perfeits de
quantia ae tem efferecido a venda al hoje, de
cnstaea verdadeiros qusolo rielantes, de lin-
das porcellanas para almoco, jaolir e para en-
feites deslli8, de quadros mullo apreciareis.
Beodo todo do mais sumpluoso e agradavel que
poda encommendsr-se de Pranca e Inglaterra,
ecuja enumerajo oceuparia longo espato, mas
que podem ser examinados antecipadameole ;
guarda-vestidos de Jacaranda com purts de p-
timos espelbos, guarda lougas, commodas toi-
lt-ts, lavatorios, spparadorea, louceira, mea*
claatica graodo psra janiar e outras, differenlee
lanleroas, laropeea e candelabro! leitos e ber-
qos, cadeiras estufis com roldanas, e outraa
para leilura e descauco, um aanctuario de gosto,
lapetea e multiplicados outroa objectos, sao to-
cios de igual perfeigo e apreco, e de nao menor
utilidade sao um cofre de ferro alto, um cabrio-
let, urna rr.achina para lavar roupa, esponjsa
grandes, carlsiras, e oulros objecloa: teta pois
lugar o leilo na
Terca-feira 2 de
aetewbro, as 10 horaa da msoh, em o armazem
grande, n. 20, silo na ra do Ap dio.
DE
30barris e30 l\2
de manteiga.
O agente Almeida far leilo a requerimento
das curadores fJacaea da masaa fallida de Joa
Antonio M .reir Dia & C. e por mandado do
Mm. Sr. f)r. juiz especial do comroercio de 30
barra e 30 1|2 de manieig. fraocpia peiicDccuiu
a mesma masss.
Terca-feira 2 de setembro.
N i armazem do Sr. Anoes defroote da aifan-
ga, na mesma occasio se vender por coota e
naco da quem pedencer urna potc,o de presun-
tos aniTicanos chocados lia pnuco, as 10 horas.
Nos abaiio lalghados declaramos 80 publico
em gerel, iue desla data era -Junte deiiou de
ser procura tor da nossa, cssa o nosao Qlho Anto-
nio Fornaodes Velloso da Stlveita, pe j que nao
oos responsabilisaraos p r quaiquer divida con-
trahtda pelo meamo, e para que pesaos algaooa
schame a ignorancia fazernoi o presente no
qual nos assignamos. Engenho Bom Despacha
29 de agosto de 186t.Francisca Mari* de Jeaus.
Como procarador de meu pai Jos Eustaquio
Velloso da Silveira.
ENSAIO CRITICO
Sobre a viagem ao Br^i eta 1352
Alugam-ao dous eteravos sadios e possan-
lea para quaiquer semeo e ama negra para ser-
vigo de campo ou para vender com oulra pes-
aoa : na ra da Cadeia loja ti. 40.
_ Urna pessoa riada do campo e que esl ae-
sisiio )o na ra do Catinga primeiro andar o. 7,
tem para vender um lindo molaque do 9 a 10 an-
nos, sera vicio ou d>-feilo algaoi o que aa sflaoga.
Quera precisar de urna ama para eugom-
mar ou outro quaiquer servigo de cise menos
cisionare comprar, em casa de pouct farailu ou
de homem solleiro : iriii-se a tua das Calcadas
n. 30.
Perdeu-se o ineio bilheie u. 2472 ua ul-
tima parte da primeira lotera a beneficio doa
religiosos de S. Francisco de Olioda, o qual levou
no verso o nome de Fumino Jos doa Sanios
Marques e J -o da Coala, e eii crlalo no meio,
por iisj previne-ie ao Sr. t-esoureiro que nao
pague o premto que sabir se nao aos possuidores
reunido?.
Precisa se de 3:uO'Jj a premio sob hypo-
theca em tres casas lerreaa oeata cidade : a tra-
tar aa rea do Daslioo o. 25, das 6 aa 9 horas da
manha.
No da 18 do prximo paasa-io (ugto a par-
da Felicia maia coobecida por Feliciana, idade
de 40 auno* pouco mais ou menos, cabellos
randas e carapinhados, anda sempre embriaga-
da e tem o andar atiranlo para afrente, sabio
com ama bandeja velh, urnas chicaraa urna
toalha de linho coro labyriolho aem bico, consta
que dita escrava es' sempre nos lugar* se-
geioes Remedios, Afogados, Cabanga e Giqui
passando por forra : roga-se portanto as autori-
des e a quem a pegar levar a cssa da rua do
Hospicio n. 23 ou C'punga Velha casa da viu-
va de Maximiano Franciico Daarte.
Joseph Latham socio gerente da casa com-
mercial de Mills. Lalham & C, tendo de reii-
rar-se temporariamente para Inglaterra a tratar
de sua aaede, deixa como procuradorea em pri-
meiro lugar ao Sr. H. C. Walls e em segundo lu-
gar (O Sr. John Roberts.
1SM
Na roa da Aguas Verdea exisie nm mogo vio-
do do Porlo a pouco lempo e a offerece ao res-
peitavel publico para copeiro ou para outra
quaiquer occupac.ao que posas servir, tanto para
casas ioglezaa como franceas.
cablas ii. urna LD
or
A. D. Pascual.
O Srs. asiignantes queiram mandar
ver o segundo volume na rua dat Cru-
zes n. k%, segundo andar, dat. 2 as 4
horas da tarde,
m
4dvocacia.
m
0 bacharel Moraes Navarro advoga no &
eivel e crime e pode ser procurado para
o exercicio de su profisso em seu es- ^
criptorio rua das Cruzea n. 24, priaei- ^
ro andar, daa 10 horas da maohaa as 3 ,
da tarde e dahi era diante em casa de 2
sua residencia ilha dos Ratos n. I.
-" Quarta-feira 5 do crtente linda
a audiencia do Sr. Dr. juiz municipal
da segunda vara sero arrematados por
venda dous excellentes sobrados no lu-
gar das Qineo Pontas em frente da esta-
caodavia frrea, avallados ambos por
L 0:000$, e que estao arrendados por
1:400$ por anno, e vo a praca por
execucao. sendo esta a ultima praca.
O abaixo assignado ncudou a sua
typognphia da rua da Praia n 47, pa-
ra a mesma rua n. 5i, oceupando par-
te da inesnia casa com urna loja de fa-
zendas que acaba de estabdecer.
O mesmo abaixo assignado espera
continuara merecer a conianQa e pro-
teccao dos leus assiduos subscriptores,
assim como a concurrencia dos seus an-
tigos freguezes.
___________Ignacio Bento de Loyola.
J chegaraua os remedios
do Dr. RaduayResolutivo
renovador, prorapto all vio
e pilulas reguladoras,
No droguista rjayraundo Carlos Leite
Irmao. rua da Imperatriz n. 12.
Preclaa-ae e um buaiem para irabalnar
com urna carroga oa rua, que lenhs pratica e di
coohecimento desaa coniucta : na rua do Ara-
gao o. 1.
Alugaru-se tr.s escravss para lodo aerigo
na padaria do Manquinho ae dir quem aluga.
Ziyrosdedireito e litie-
rotura. iell5o .
O agente Almeida vend.v.'advogados e es-
grande liraria na_quf,entaa obras de diiello e
ldanles achar,'mihoroa escriolores modernos
iillerM),',- eocndnrnagea que aero vendidas ao
Strret do martello pci* nao ha limite para ditas
obras.
Quinta-feira 4 de setembro.
O leilSo ter lugar na rua da Cadeia do Recife
n. 51, as 11 boras.
LEILO
Terca-feira 2 do correiite.
PELO AGENTE
Arreuiata^ao.
Pelo juizo de orphaos desta cidade
vai a praca de venda no dia 9 do cor-
rente mez os escravos crioulos Antonio.
Andt, Eleuteria e Joao, pertencentes
aos menores filhos do finado Jos Paz
de Moura Accioli. Estes escravos sao
importantes por suas figuras e aptos pa-
ra todo servico.
Quem precisar de urna ama para caaa de
homem solleiro ou de pouca familia, a qual co
sinhs e engomma : procure na rua Direita nu-
m*ro8f.
Aluga-se
urna mulata para cssa da familia que engomma
e coainba : quero a quizer dirija-se a rua da Ct-
dei loja n. 21, qu se dir onde se
ajusta.
Attenco
O referido agente a rpq eriu.ento doa Curado-
res fisesea da masaa comroerclal de Bastos & Le-
mos por despacho do Exm. S r. Dr. juii espe-
cial do commercio far leilo no dia cima de-
signado e pelas 10 horaa da manba na casa o.
15 da rua do Trapiche
DE
70 saceos com farello.
LaUs com massa de tomsle de 32, 16, 8 e 4
libras.
^ figuras de marmore.
Tedraa de marmore de 8, 10 e 11 pollegadas.
5'J couroa eapichados.
Mnbilias genovezas.
Cadeiras de llalla,
ima escrava com habilidades.
E oulrus arlinoa que sero exposlos concur-
renria d.is lint- ni.
campioa de Santo
Aui;,ro,
Pade-se ao Sr. Teixeira Lopes, dono de Ire
vacess com crias e um loi qne continuadamente
tem estragado urna planta de capim, qujta ,,
coniroiserago leoba '.' de qnem ptqt>r diaf sitio, cerca, planta, estruma, "desgoslo de vr o
tar, e que est passan-iruido pelo gado do mes-
capim lodo CQ/u por muitas vezes o tem avjsa-
roo aer^ra-se que o Sr. Lopes dar providencias
j*anar esta causa.
O Sr. Amonio Favo, ae Olioda, Uc
de ir padaria de Santo Amaro a
Husmo snhor nao icnora.
Aluga-se urna
Florentina D. 14.
favor
negocio qua o
caaiuba : a tratar na ms da
freetsa-se de urna cria la livre ou esersva
para aerlgos internos de cass de familia : psra
na rua do Crespo n. 14, loja.
tratar.
Aluga-ae o solio do sobrado da rua do Cal-
deireiro n. 2 por lij} meniaes : a Iralir
do Cabuu o. 1 A.
na raa
Juizo (ios leitos da fazt-nds.
No dia 4 de setembro ao meio dia, s portaa
da caaa do depositario geral, na rua eatreita do
Rosario, se vender *m praga publica um carro
de 4 rodsa em rao estado, avaliado por 508000
peohorado a Manoel da Silva Ferreira Vinhas por
Augusto Flcher, para pagamento do que este de-
je fatanda nacional. Recita 28 de agosto de
1862.O colicitador ds fazenda,
______________________F. X. P. de Brito.
J. B. da Fooseca Jnior, na rus do Vigerlo
n. 23, primeiro andar, precisa fallar eom o Sr.
Sebasliao Antonio do Reg Barros, e herdeiros
do Sr. Jos Xavlar Carneiro Rolrlguea Campello
O Dr. Fredenco Schulz. medico, parleiro e
operador, mudou seu consultorio medico para a
rua Nova n. 21, 1" andar, aoode elle pode ser
encontrado todos os dias para xercicio de sua
eiencia a quaiquer hora do dia ou da noite. Re-
ado por escriplo.
para habito.
Vendem-se Das para commendsdor da Rosa,
ditas para commendador da Chriito, ditas para
csvalleiro da Rosa, ditas verle e amarilla para
independencia : na loja de Nabucu & C, na rua
Nova n 2.
Veode-se orna burra em tiom eatado
(ar na rua da Praia n. 2.
a Ira-
O antigo armaz m da es-
trella do largo do Parai-
zo n. 1 A.
Continua a vender manieiga ingleza flor a 800,
700 e 640, e franceza a 600, cha hysson a 2$560,
caf lavado a 300 240, masas a 320. arroz a
100 ra.. toucioho a 280, queijus do vapor a 1J800
e 18400 rs., alpista a 160 ra., sabao maga a 160
e 200 rs.. grao da bico a 120 rs., vioho "o Porto
fino a 18200 a garrafa e de Lisboa a 480 e 4U0
rs.. azeite doce a 720 rs., de carrapsto a 320 rs.,
vinagre forie a 240 rs., espermaceti a 640 e car-
nauba a 409 rs., n.ilho a 180 rs. s cuia e ara lac-
eo a 3$, vende se por estes pregos embora nao
venbnn de conla prupris.
Jusepri Latham e sua senhura subditos
glezfls vo a Inglaterra.
i------
in-
ENSINO
DE
1'ARI1HA5BIRA
E
Dirigido w"
H4N0EI w**il DE K
m
os
tJAS VEZKS POR SEMA.
TERCAS E SEXTAS
DAS 7 AS 9 HORAS DA KOI]
RUA LARGA DO ROSJRIU N. 28. 1.
'DAR.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ba do Cabug n 18, entrada pelo
pateo da matriz.
Essa galera ornada om Os angostos retratos
pbotographlcoa da SS. MU. e das leraoisaimaa
princvsaa impartaea, asstm como com os da mul-
tas das principaba pesaoas desta cidada, esl a
dispoaigao do publico, que apode visitar todos
osdiaadas 8 horaa da maohaa s 5 da tarda, a
examinar oa trabalboa exposlos.
Cootinua-ses tirar retratos por todos os sys
tamas photographicos, o especialmente por am-
brotypo aem cartoea de viaita. Fazem-ae tam
bm ratmoaas miniaturaaem talco para sa eollo-
eMD em joiaa.
Oa pregos dos retratos sao oa maia razoavais
qae sa encootram nsia cidada.
J. Ferreira Viotographo. phllela.
Prccisa-see ura criado paia
do urna cafa de familia, qu seja aa
na rua da Cruz n. 44.
todo servigo
mola idade :
LEILO
DE
Urna negrinha de
10 a il abos.
Terca feira 2 do correte as II horas
da manida no armazem da rua do
Imperador n. 37.
O agenta Olimpio vender era leilo por coota
quem pertenoer urna negrinha muito bonita
10 a 11 anno, com principio de
ale
e idade de
ostura.
Ao commercio.
Hygino Augusto de Miranda muiou o sau es-
labelecim.nlo da rua do Crespo para o ioterlor
da provincia, e deixa como seu procarador oeata
praga a seu irmo Augnsio Hygino de Miranda
Recife 28 de nodo d* 1862.
AVM
O abado assignado, eonhecido por Xico Bexi-
ga, songamente com loja de calgado atraz da
praga da Independencia, travessa das Cruzas, e
boje com o marco estabelecimento na rua da
Imperatriz, oatr'ora aterro ds Boa-Vista, ao p
do becco doa Ferreiroa n. 38, participa a seu nu-
merosos freguezes, tanto da praga como nego-
ciantes do mato e deste ganero, que est bem
aorttdo para servir bem seus freguezes, e vende
muito barato como de cosiume vender muito e
gsnhar pouco.Francisco Marjal de Sou>a.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na rua do Imperador o. 50, segundo
andar.
AV**OS i Tfcr0$.
Ama.
Precia*- de urna ama para coziohar e an-
ommar para dttaa pessoss ; a tratar na raa Va-
Jha o. 28. daa 4 horas ero diante.
Precisa-se
Aluga-se urna casa terrea no' principio
rua lm penal: a tratar na raa do Queimado
ero 32.
da
aiL'gsr ama ama forra oa captiva
para casa de uma* familia de'duas pessoas '. na
rua do Hoapwio n. 39, esquina do becco do Ca-
rnario.
Alagase ama ,'ireie boa cosioheira e tam-
cu- bem engomma ; a tiat u na xua larga do Rosario
n. 23.

aVt
3Roa estreita dd Rosario-3 J
Prancisco Pinto Ozorio continua a col- O
9 locar deoles artificiaea tanto por meio da
molas como pola presso do ar, nao re- 0
teba paga algn.a sem que aa obraa nao
flquem a Tontada de seus donos, tem pos
O outras preparagoe as maia acreditadas )
% para conaervago da bocea;
Aviso.
Fernando Garzoli. estabelecido com casa de
relojoelro na rua do R.ogel D. 50. participa a
aa.ua emlgoe e freguezes, que tendo de lazar urna
viagem Europa para tratar de sens inleresses
particulares, que Tenharo retirar oa concerios e
i -11? eol'^ram ao aesmo, Uto no pr.zo
de 30 diae. contando da data deste ; ao contrario
rgro4sto'd1e518o2.J,neU,,de1853- R-ife. 20^
i it maio dia, acarea da seguiataa molestfaa i
l *\' sas, moitas da ptlU, moltttiat dos uthot, to-
Uttitu sypkiliticat.todat ai itptcut de ftbru
Itbrtt inttrmttnttt tu a i co r.ttq utnci ai
PBURBUCU BSriCl&L HOKBOrATlICA .'
Verdadtiros medicamantos homaopathicoa Lia
tarados tom todas aa caaloli neceasariaa. in-
alltToisem aaus ofTeitoa, tanto em tinturadme
am glbulos, pelos pragoa mais commodos poa-
svata.
1. B. Os medicamentoa do Dr. Sabino aaa
anitamentev andidos err aaa pharmacia ; todos
ia forem tora della aa (alsaa.
Todaaaacarteiraa o acompcDhcdaa da a
'.mpresso eom rr. emblema em relevo, tendo ao
raopr aa seguintea palarraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Esta ernblema posto
talmente na lista dos medicamentos que se pe-
a, Aa carteiria qa nao leYaremessaimpreas-s
uaim marcado, embora enham na lampa o ne-
e do Dr. Sabino ato falaoa
-)
irabiaete medico cirurgico.J
Rua das Flores n. 37. %
9 Sarao dada conssltaa medlcaa-eirargi- 2
i ca peloDr. Estevao Cavalcanli de Alba-
9 quarque da 6 aa 10 horaa da manhaa, ae- 9
9 cadindo aoa chamadoa com a maior ara- 9
0 vidada possival. a
H I' Partos.
) Molestias de pella. @
aj 8.* dem do olhos. aj
a} 4.# dem doa orgaoagenitaes. #
f) Praticartoda aqaalquar o paraca o em 9
0 aaa gabinete oa em casados doantascon- O
aj tormo Ihea for maiseonronienta. 9
o
REMEDIO (NCOMPIRAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milharas da individuos da todas as naca.
podea tastamunhaias rirtudes destaramadis
meomparavaleprovaramcaso nacassario. qua
palo uso que della fizeram tem saucorpol
embrosinteiramentesosdepoisdahaTtraa-
aregadoinutilmenta outrostratamentos. Cadi
passoa poder-sa-haconvencar dassascuras ma-
ravtlhosas palal altura dos peridicos, qua lh'ai
ralatam todos os dias ha muitos annos: a s
nuior parta dellas sao to sor prandant.s qu.
admirara os mdicos mais celebres. Quauui
passoasracobraram com asta soberano resadic
o uso da seus bracos a perns, depois dadui
parmanactdo longo lempo nos hospitaes.o ta.
davtam soffrar a amputacao I Dallas ha iau
casqueaavendodeixadoesses, asylos dopada
Umantos parase nao snbmatera a assaopt-
ra5ao dolorosa foraacuradas completaaenta
mediante o uso dessaprecioso remedio. Al-
gunas dastaaspessoanaenfusode seu reco-
nheetmento declarara astesresultados benee-
eos dienta do lord corragedor e outros magia-
trados.anmda mais autenticare sua a firmaiiv
Winguoa dasespararia do astado desauda si
tivess. bastante confianSa para encinar asa ra-
medio constantemanteseguindo algum lempo e
trauaunio que necesstasse a natureza do mal
sujo resultado seria proTarincontestavalmanta.
Que tudo cura.
Ouaasuento hentll, mais partleu-
nos sesnlntes casos.
Inflmaselo da baxifs
da matriz
Lepra.
Males das pamas.
dos peitos.
da olhos.
Mordeduras da reptis.
Picadura de mosquitos
Pulmes.
Queiaadelas,
Sarna.
Supurabas ptridas.
Tinha, aa qualquei
parta que seja.
Tremor de ervos,
tu------. >,,.,..
do figado.
das articulacasl
Vaias torcidas ou no-
das as pamas,
ungento no estabelecimentc
geral de Londres n. 244, Strand, 4 n, loi,
da todos os boticarios droguista a outras p
soas encarregodas de sua venda em toda ,
Amanea do sul, Havana a Haspanh./
Verte-as a 800 rs cada bocetinha cont
urna lastraecao em ponuguez para explicar c
modo de fazar uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
narmsceutico, na rua da Crux n. 12, ,
parnambuco.
sM^SN<9ltlUtW-MWa
Dentista de Pars.
19 Rua Nova19.
Fredarico Gautiar, cirurgiao dentista S
fas todas as op.racoes desua arte a e co- S
m leca denus artificiaas, tudo com -sdaln S
nondade a perfeigo que as pessoas-,an 81
tendidas Iba reconhecem.
Tem agua e pos dentificios, ate.
SYSTEMi MEDICO HOELLOWA?
PILULAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto inteira-
menfe de hervas madicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Bei
Digno maistenra infancia, e a compleicao mas-
delicada, igualmente prompto e seguro par
desaneigar o mal na compleicao mais robusias
,enteiramente innocente em suas operares e ef-
fetos; pois busca e remove as doengas de quai-
quer especie e grao por mais antigs a Unaze
que sejam.
Entre milhares da pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam s portas da
morte, preservando em seu uso conseguirn
recobrar a sauda e torcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os oulros remedios.
As mais afflicus nao devem entregar-sea des-
esperarlo; fagara um competente ensaio di;
efficazes efleitos desta assombrosa medicina o
prestes recuperaro o beneficio da sauda.
Nao sa perca tenapo em tomar esta remedio
Aara quaiquer das seguintes enfermidades:
geral da Londres n. 224, Sirand, a na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
anearregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instruc$ao am portu-
guez para explicar o modo de se usar dess pi-
lulas.
O deposito gaaal em casa do Sr. Soum
pharraacentico, na rua da Crux n. 22 em Par-
nambuco.
19
franceza del
| fe mechanico, |
@ NICO NA PROVINCIA
#50-/ua da Imperatriz50%
Alporcas
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras
Doras d* eabeci.
das costas,
-dos macabros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas da anus.
Erupcoas escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdada ou falta de
calor as axtremida-
Fneiras. \ '
Gengivas escaldadas.
Inchaces.
nflammacao do figado.
Vendo-sa este
ala-
Sminis-
haver

&

A prdaria fr.- aceza sita na rua
a peratriz a. 50, continua aob a a
S tracao da viuva Barrellier e all
d? todoa os dias :
^ Poquente de leite s 6 horas da tar-
f>5 de para tomar com cha do dia 21 do cor-
99 renleem iarile.
^ Bolachas de todos os lamanhos e qaa-
t lidiaos,
5 Bipcoatos doces o aguados e de todas
* as qualidader.
^ Bolachiohas da araruta doces e olea-
das.
^ Bolos franrezes.
r Fatiaa doces.
~f Pao comnum das melhores fariohas
tjU, Preparam-se bandejas de lodos os ta-
gu manboa com bolos de lodas as qualida-
dea e lado isso por precos commodos.
Sgp A referida padaria trabalha em um
cki forno mtchanico assas dispendioso e
Z unico n provincia. O pao, qe delle
2? sabe o maia limpo, puro e Ce Bel or
g gosto a bem assim as bolachas e tudo o
g. mais. O forno tem um ssseio notavel e
99 o pao cosido com muito pouca lenha, V
ijB e sem haver commuoicacio com cala fc
^ ou aa bases, sendo por isao qua nao se
^ encentra o menor fragmento de earvao 3
t? no pao e naa massaa que alie cosloha. Sement de algodao dos
Estados-Unidos.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da In-
dependencia distribue se serente de
algodao mandada vir dos Estados-Uni-
dos pelo governo.
%fmmm mmmmvasmz
Saques sobre Portugal. S
O abaixo assignado agente do Baneo
tfercantil Portaenso nesta cidade, saca 8
effeclivamenta por todos os paquetea so- S
b.e o mescao Banco para o Porto o Lia- 9
boa, por quaiquer aomrua vists o a pra- **
zo, podendo logo os saques a prszo serem
descontadoa no meamo Banco, na razao "
de 4 por canto ao anno aoa portad
qa aasim lheeonvier : naa ras do
po n. 8 oo do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Castro.
0 Livro do f ovo.
Sabio i luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado sob a direcfo do Sr. Dr. A. Marques Ro-
drigues, o contem a vida de N. S. Jesos Cbristo,
cagando a oarraco dos quatro evangelistas, a
maia es seguintes artigos: ovigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca, Simo do Nantua, maiimaa e pensamentos,
a hygiane, os deveres dos meninos, e o Brasil.
A publicacao do LIVRO DO POVO nao s tare
yu. fio. .Bilorminr a leilura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um liara
diffarente, e portanto facilitar o irabolho do rx.es-
tre e do discpulo, como lamben vulgarissr, loi
am preco barsttssirro, a historia do ailvador de
mando, e oa melhores preceilos da moral.
Vendo-ae o l.ivro do Povo, no Reeifa, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 8, a
WW rs o azemplar am brochura
he4re*dUa?i?.?"*5 Pr0PW,,,I d" molaallit
.' nr.'iMr,5od" olealla epidamkas.
oniinSdadr^PK il'","<1 Jemonslraliv. d
anus .te Jc inleS,iD1 de,(, boc" ,l*
! rHIfaB raica, propradada do aulhor raa ha RaatA
Amaro (Hundo Noo] n. 6.
Pre;o da cada ezemplsr. annnn
N. B. O. senh.re...signante.- i;JSSi-
dar recebar seus ezemplares
^^^tww ftfftmifwriirjiiii
16ua da Cruzi 6i
O Dr. Rocha Bastos
d eonealtaa tudosoa diaa.
Cura radical e em peceo daa moles- m
tiis syphiliiicss a des oreaos genito arl- ft
narlos. 9
Coonltaade graga das 8 as 9 horas da 1
PEQUEO CURSO
I
I
DE
CHIMICV AGRCOLA
ron
F. Malaguti.
Esla obra de tanta utilidade psra os nossoa
agncullorea, e que to apreciada ten. sido no Rio
de Janeiro, contina a eaiar venda as livra-
riea dos Sra. Figueiroa e Gnimaraea i Oliveira
a na lyaographia commarcial, rua estreita d
Rosario d. 18.
Coiiipaiihia Fiaelidtde de *e-
guros martimos e terres-
tres, estabeleciiia no Rio de
Jaiitiro com o capital do
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oveira Azcvedo & C. compe-
tentemente suterisado. pela dirsetoria da compa-
nhla de seguros Fidelidade, tomam aeguros da na-
vtoa, marcadonas a predios, no aaa eaeriplorio,
rua da Cruz n. 1. r *
Banco Unio.
Estabelecido na cidade do Porlo.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
> vedo & C.
Saeam por todos os paquetea sobre o mesmo
Banco a prazo ou vista, a sobra aaagensiaa em
Lisboa, Figueira, Coimbra, Aveiro, Vizeo, Villa-
Real, Regoa, Viaona do Ceatello, oimaraet.
Barcelloa, Lamego, Covllha, Braga, Penafiel,
Braganga, Amarante, a cito dias, ou ao prsso
que se convencionar : no sea escrtptorio rua da
Cruz n. 1.
Remedios do Dr.
Radway,
Resolutivo renovador.
Pri-mpto allivio.
Pilulas reguladoras.
Al ao Om do correte mez de agosto deve
chegar impretervelneote o vapor brisile.ro do
sul, e por ella deem vir eates medicamentoa o
qoaea se acbavam n sahida do vaoer pasado a
lOdiaa no Rio, a b.rdodo bri^ue cUondar, sem
se lar podido dar rea deicarga.
Droguiats rua da Imperatriz d. 12.
Nova expo&i-
cS||co de candieiros
a gaz.
Chagou a nova exqosfcSo
Chegou a nova ezpoaicao
Chagou a nova ezposicao
Chegou a nova ezposicao
Chegou a nova ezposicao.
Candieiros a gaz
Candieiroa a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiroa a gaz.
Sortimento completo
Sorti r erjto completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Scr'.imento completo.
c.i de primeira qoalidade
Gaz de primeira qualidede
Caz de primeira quslidado
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade.
S6 tem na nova ezposicao
S tam na nova exposi^o
S lem na nova expoajgo
S tem na nova ezposicao.
O proprieiario eate eatabalecimento avisa ao
publKO em geral que tem recebido um corepleto
soriimeiito de candieiros a gaz para ricas al*-,
qutrlua, oseadas, engpnhos e para estados pa-
queos qu* pode eom s economa de urea ger-
rala de g>.z tef para 60 horas de luz, ricas cadei-
rcade balando de ferro com estofo adamascado
| de liobo, lavatorios de ferroa econmicos com
lodosos pertencesV com esgoto no fondo da ba-
ca, ricos quadroa para ornamentos de s.lss e um
nquissimo sortimeqto de otjeclariaa a iruitago
de marGm pura n ..horas approvadaa na ultima
ezposicao as princesas t/odo o premio maior
riquissiinas pulceiras^ Imitscao de camafeo, lu-
do ae vende por diminirto prego que muilo' de-
ver agradar a os pretenderes ; m ra Nova n.
; M e 24, loja de Csroeiro Viaona.
epilpticos.
G0NSVLTUK10 KSPKCUL HUlKlPATtltO
DO DOUTOB,
SAIIRO 0 L. PIRHO.
Rua de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Conaaltu todos oa diaa tai desde aa M herai
ccidentes
Alporcas.
A m polas.
A reas ( mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidade ou extenua-
do.
Debilidade ou falta de
forcas para quaiquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
da barriga*
nos rins.
Dureza no venir
Enfermidade n
Ditas no figadrv
Ditas venen
Cncbaqu
Herysipel
Febre b/osa.
Pobreto da especie.
Golta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia,
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmac
Irregi,l""''-J*~es ^a
mensanaco.
Lomb/lgas de toda
le.
podra.
ochas na cutis,
"Abstrucgo do ventra.
Pbtysica ou consump-
jao pulmonar.
Retenco da ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Gartoas de visita
Carioes da visita
C< noes da visita
Carioes da visita
Cartoea de visita.
Pre;cs rrdazidoa
Prejos reduzldos
Prejoa reduzidos
Presos ndaztdor.
A. dnzia por 12#
A dozia por 129
A dazia por 129
4 dazia por 120
Duas darlas por JOS
Daaa daziaa por 20^.
ovo estylo do pbolographie
Novo estylo do pbotograpbia.
A mbrotyi o' *m caizas 2$
Ambrolles em canos
Ambf'yt'OS em caizas
O retraUflrta american
Albe^ww. Osbom
lo Imperador.
CAL
45 Roa DirWta-4!
DO
Febre .lermitents.
idam-sa astas pilulas no estbil aciment
THESOURO HOMEOPATHICO
7ade-mecum do homeopatha
pelo dea tor
SAttiBi i. mm.
ate livro q.s ae tem tornado to popular
quanto neceaaarlo. acaba de s.r publicado com
todos os melhoramantoa. quo a ezperieocia ? o
progressos da aciencia tem damonatrado. A no-
va adicgao em tudo superior piimeira, en-
!. Mala ampiaa noticiaa acerca do curativo
daa moUsiiaa, com indicacoea mui proveitoaai
dos medicamentoa nevoa reeenteroenta ezperi
mentados oa Europa, noa EstadoaVnidoa o
A epidemia declina aensi
completo dasapparecimento
propietario desta bem sorti
convida oa seua numerosos fr
o calcado velho, que todo est
*o, o que possa resistir s mi
cas que vao ser dar.sadas em i ,
lecimento da saada publica.!
vidam: /
HOMENS.l
Bolioas afamadas Milis. : .
non-plus-altra Nante i.........
Nantea 2 baleras..............
luatre....................
icglezei de boioes....i..........
ba tedores............J..........
a .'oro da r-'rco.......
bezc' a lustre...a)....,......
> imilees ps Hlvagena...'...".*."
i,/ taziados braaileiro.........'.""
Sapatoes non-plua-ultra.............,\\
8 beterias e maia...........,.
esmaga cobra.............'.".".'.".'
Nantea t bateras vaqueta...!*
* 2 bateriaa tezerro......
> trsbslhsdore:........
brasileiros de 3S500 a......
Sapalos2 solas e salto............ '#|
tranca portnguezes........ '***"
francezes. .
SENHORAS.
Botinas dengozss. .
salto de bater. ." ', '
pechincha de 4X300 a! .* .' ."
americanaa 3J5U0 a .
. I .
ite, e o sea
iroximol O
beleci atente
i a substitair
olerico, por no-
cbolis e mazzur-
uvor do restba-
os precos eon-
12C(KI0
1S5000
IlCOO
lOyooo
(09000
9f500
DjOOO
9$IK0
75500
5,500
70(i
6C500
aasoo
65(100
5500
5J00O
2S0OO
59000
21000
19280
5950O
5C000
fuoe
25500
35000
1920
800
500
890
Sapaloa da salto (Jolj)
aem elle (dem; .
> tapa te.......
> econorrieos. : .
> lustra 32 e 33.
MENINOS E MENINAS.'
dinHheio*.lUd ^ r,,,C n5 d""
.n.limr?0nl^Ie,0,0rllmenl0 decouro do ,
cordavao, bezerro francs, eouro de lucir, m.,-
roquim aola, coerinhoe ele., qua lado ae "oca
por dinhairo voolade do comprador
sahir
porto,
mar-
troca
no
Brasil.
.* A expsito da doatrina homeopatha.
8. O esludo da apropriacao dos remedios aa-
jundo as pradominanciaa doa temperamentos,
das. id.dee, dos aexoa, segundo a. circamstan-
ciu atmoaphericas etc., ale.
tajeceo Brow
Remedto infallivel contra as agnor-
rhea, ant.ga, e recente,, unico deposito
na botica franceza, rua da Cruz n.-22,
preco 3^. *
ILEGVEL


/
h
/
DIARIO DB fEEAAMBLCO lEtiQk EIfii t DI SETEMBO DE 1161
\
Eli I MMTO
soino
mmn.
-Largo do Terco23
VenJe-seos gneros por menos Vinte por cento do que em outra qualqu reparte, afiaa-
Sando-se a boa qualidade. r
Manteiga ingleza da safra nova de 750 a 800 rs. a libra.
Dita franeeza de premeira qualidade a 600 e 560 rs. a libra.
Queijos flaraengos chegados ltimamente a 2 e dos do passado vapor a 1JP800.
Caf de primeira e segunda qualidade a 260, 280 e 320 rs. a libra, e em arroba a 89 e 9.
Servejis das marcas mais acreditadas a 480 rs. a garrafa.
Vinho engarrafado do Porto a 15200 alta garrafa.
Ditoem pipa marca F. L. P. a 480, SCO e 640 rs. a garrafa.
Massas, macarrao, talharira e aletria a 300 e 400 rs a libra.
Passas novas a 320 rs. a libra, e em meias calxas por 3 cada urna.
Batatas-novas a 80 rs. a libra, e em porcio se faz abatimento.
Airn dos gneros anunciado?, encontraro sortimento completo de tudo cuanto e tenden-
te a molbados.
LOTERA
Sexta-feira 5, do corrente mee se
extrahira' a ultima parte da primei-
ra lotera beneficio dos religiosos
racciscanos de Olinda e primeira da
primeira da santa casa da misericordia,
no consistorio da igreja de N. S. do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilhetes e
meios bilhetes acham-se a venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n.
15, e as casas commissionadas praqa
da Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
na ra da CadeiadoRecife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000# at 10$ serao
pagas urna hora depois da extraccao,
a as outrs,no dia immediato depois da
distribuirlo das listas.
Servindod.e thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
O hachar! Manoel Fumino de Mello, mi-
do a su residencia da raa da Imperatriz para
a da Aurora n. 48, aegnodo andar, ocle pode ser
procurado pira a iui profisiao de advogado, dis
3 horas da larde em diaote, e dahi al as 9 da
maoha, no aeo eacriploro da tu eslreita do Ro-
sa rio n. 27. i rimeiro andar.
Costuras de saceos.
As pessoas que quizerem
cozer saccos,dirijaiii-se a ra
do Bruixi armazem deassucar
n. 28 B, as quaes nao sendo
conhecidas, devero apresen
tar fiador. O prego estipula-
do de 1$ por cada cento.
Aluga-ae am aillo na Poote de lota juolo
ao aobrado amarado, com boa casa acetada e
muito bona commodca para familia de tratamtn-
to, com aguavde eocaDameoto e bmhos de cho-
que : a tratar na raa do Crespo a. 14.
Em im (ogeobo peno aa etteco de Ipo-
juca preciaa-se de urna passoa para entinar pri-
meirai letras, lalim e fraocez : quem eiliver ha-
bilitado e quizer, dirija-iea ruado Imperador n.
73, primeiro andar.
Vai ier arrematado em a casa do Sr. juiz
de paz do 1* diitricto da freguezia da Dos-Vista
oa objeclot se guintes : aeia cadeiras de arxarello
por 69OCO, un, sof por 123000, ama meia pe-
quea por 2^500; tem lugar a arremata co do
ola 3 de setembro, depois da audiencia do mes-
mo Sr. juiz de paz, Gustavo Jos do Reg, na
ra da Aurora, por execuQo de Jos Francisco
Fernaodes coolra Joao Juvioo de Almeida.
Para o baile do
club.
Vnde-se na loja do pavo*
Rtcoi corles de vestidos de eambraia branca,
pnmorosamanie bordados a crox, sendo oa maia
bonitos que tem i0do a este mercado, e vn-
dem-se por prego* baratissimoa, na ra da Impe-
ratnz o. 60. loja t armazem do tavo.
tiasemiras a 3,200 rs.
Na loja do pavao.
Veodem-aa caaemiraa eofestadae de qaadrinhos
e listras miudinhae. aeodo corea eacurea a 35200
o corte para caiga ; venda.se a mesma faieada,
unlo duaa larguraa. a I58OO o cofado ; ialo iflH
ra da Imperatriz n. 60. loja do pavo._______J-
Veode-ae um eecravo crioulo de idade 18
annos, muito aadio, e sem vkios: na ra do
queimado, loja de ferragens n. 13. Na aaesita
lojalemqaeijoi do serlo para enier.
Urjo em frascea a 600 ra.
Grande, grande, maiio mito lortimento.
leos
para cibello. em virlude da depreciado que fen-
ao tido o oteo dito philocome aocial hyaien-
D'q* por ter viodo lodo faleificado. rec/bemoa
artigo idntico aquella da fabrica deMonpa-
iaa que garantimos ser o melhor cosmetique pa-
ra o caDello, e oa aromaa eacolbldoa lo suaves e
ouradouroa que deaafu meamo quem nao queira

Aluga-se
a casa da ra Auguala n. 15 :
vetsa do Panizo o. 16, com
Eira.
para tratar na tra-
Igoacio Fernandea
N'esta typographia precisase fal-
lar ao Sr. Manoel Ferreira d'Almeida,
que mora na Casa Forte.
. Aluga-e auuual, e pelo lempo da lesta um
ailio na Matriz da Varzea, sito na ra do Fogo,
com mullos arvoredee e urna grande casa, duaa
ditas maia pequeoaa pegaba* mesma, com se.a
q.inuea correapondentea aa meamaa, lambem
com mailos arvoredos, sendo o sitio da caaa gran-
de, e da* pequeoaa de estrada e estrada : quem
pretender, dirijazse ao pateo do Carmo, esquina
que volta para a ra de Ilortaa, aobrado n. 2, pri-
meiro andar:
Ama de Idte.
Urna senhora com muito bom leile ae offerece
para amameotar cranos : a tratar na ra do
Queimado o. 44.
Casa para alugar.
Aluga-ae a casa n. 15 da ra da Trempe na
fregaezia da Boa-Vista, reedificada, com 4 quir-
tos, 2 salas, bom quintal e cacimba: a tratar no
largo do Carmo n. 18.
fferece-se um hbil coyeiro para
qu.lquer csaa estraogeira oa bresileirs, o qual
tem baataule pralics : quem precisar dirija-ae a
ra do Raogel n 10.
Arreoda-se urna grande parte do aitio de
coqeeiro, denominado Mara Farinha, na frearue-
zia de Maranguape : a tratar no eng.oho Muri-
bara, tr.guazia de S. Lnurenco da Mal.
Aluga.se a casa terrea confronte a igreja de
S. Jos do Maogufoho : na ra Augusta n. 26.
Baltar & Olveira aacam aobre a praca do
Porto. "^
Aviso,
Francisco Jorge da Silva Paranhos, dentista
gacam o aeu bnete na ra larga do Rosario n. 9,
tema honra de acienlificar ao respeitavel publi-
co,deata cldade, que receben ltimamente de
I aria.e da America do Norte um variado aorti-
mentode objectoa de sua proftssao anda nao
viudos a eata cidade, como sejam denles de dif
tersles qaalidade, traosparenlea mioeraee por
vuicanet, esteadenlea nao s pela solidez como
tambem pala grande relaco de analoga qae tem
com oa naturaes, sao superiores aos que ordi-
nariamente tem viodo a esta cidade, razaa por-
que presentemente sao ellea oa mais adoptados
pelos melhoresdaniistaa dt Paria e da America
do norte. O aonancianle tem tambem um gran-
de sonio>enlo de massas fins de diversas corea
para encher os denles cariados, as quaes tem a
prooriedade de adherir a cavidade e de aoliO-
{a-U da modo a poder logo exercer a masliga-
C.'i '. dieinm i.,i..^,. .. a-------
mais sensiveis propriedadea que nao tem a da-
maotina de que ordinariamente se faz uao, a qual
em vezde disaipar oooliva aa dorea por causa
o'agus ocidolada de aulphurlco. Quem quizer
seaa denles csrlsdos, chelos de ditas maaaaa s
recorreado ao annuncante porque elle o ni-
co que preseotemeale tem neata cidade ditas
rnassaa recentemeote chegadaa da America do
Norte e de Pars. A' vista das circunstancias
criticas do lempo lem o annuncante resolv lo a
modificar oa pre;os e de seus trabilbos afim de
chegar para lodos. O meamo colloca denles so-
bre base de ouro, platina etc sem extraccao de
reizes pela presso, a pivot ou a pisto, desrea-
sort de crochet, como melhor exigir o estado da
bocea. Para a conservado dos denles em esta-
do de jaspe t.ra o tonanciaote excellenle pos da
Ghinn verdadeiro preservativo nico e mgniQco
deotriGcio para conservar a bocea e dar-lhe um
hlito sablime, tornan lo os denles pelo aeu uao
qooiidiano iseotos da carne que ^vulgarmente
chamam pedra, da frouxido dos ervos lveo
larios e de outros muit s mconveoieotea qae a
falta de tees pres.rvettvos occasiona tendo por
origem a negligencia que co-nmamonl ha qua-
si em lodo o publico, acontecendo asim per-
der-se o especial orosto da bocea ; o aonuncian-
te alm disto faztodaa as operaoies de sua pro-
li?s.sj com toda a oromptidao possivel e delica-
deza. A entrada confronte a casa de pharma-
cia do S'. Bartholomeu.
Ao publico e ao commorcio.
O aolicitador P. A. da Cosa Machsdo pode aer
procurado para os misteres de sua profissao na
casa de sua residencia, na villa do Cabo, nos diaa
de sguods, tarras, aeitas e sabbsdoa ; e nos
das de quartas e qaintas-feiraa, na villa de N.
S. do O' de Ipojuca, aoode offerece os seas ser-
vicos a todas as pessoas que de sea preslimo ae
quizerem utitisar; encarregando-ee de receber
por sua conta qualqaer qaesto que penda ante
Francisco Fernandos Duarte, proprielario do
armazem progreaso, faz ver ao reipeitavel publi-
co qae o aeu eatabelecimeoto com a nova nume-
rado passoa de n. 8 para n. 10, e para que nao
naja equivoco faz o prsenle.
Gasas para alugar.
Aluga-se o 1 andar do sobrado n. 24 da ra
da Cruz, proprio para eacrlptorio, e o 2* andar
da ra da Senzalla-Nova, n. 9 ; quem pretender
dlrija-.e a Parete Viaoua & C, roa da Cadeia
do Hecif*, n. 57.
Toda alientan!!
Antonio Comeada Canba eSilva, com loia na
ra da Cadeia do Recite n. 50, defronte d ra
da Madre de Dos, roga aos aeui numeroeoa de-
velnres tanto desta cidade como fora della qae
ae sirvam mandarem pagar aeus dbitos at ao
hm do correnta mez de agoslo, porque nao po-
dendo mais esperar paasar a asar dos meios
juejulga.r oia.is..conv^pienin Dar, com aqaellea
-- Eofeiiam-ae baodejas para c6amentoa e
bailes, preparam-se bolos de bacia, po-de-16 e
podios com toda perfeico e prego commodo :
ua travessa da ra das Cruzes n. 12, terceiro
andar.
Aluga-ae urna eacrava com tud.s aa habi-
lidades, e aomente para o interior de casa de fa-
rnilia a tratar na ra da Aurora n. 48, taberna.
Aluga-se urna.cata com 2 quartos, 2 salas,
cozinha fora, quintal pequeo, mas murado, a
qual ua raa de Joo Fernaodes Viaira (Soleda-
de o. 53), toda casa concertada, pintada e ladri-
llada de novo : quem a pretender, entenda-se
na padaria do Sr. Joaquim Jorge n. 14. no mes-
mo lugar.
" Preciaa-se de ama ama para homem sol-
leire : na ra da Imperatriz n. 4, taberna ao
da ponte da Boa-Vista, se dir quem quer
p
aTnn pe*8"" 1u* annuucioa precisar de 5:000$
a 6:000j> aobre bypothaca de um sobrado, deixe
flear na loja os. 6 e 8, na praca da Independen-
cia #m caria fechada com aa Iniciaes V. A., di-
zaedo a sua morada.
MA
D-se 205 por mez a urna ama de leitesem fi-
lbo : na ra do Cotovello n. 12.
Uoga-se aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Ribeiro de Oliveira que
teve loja na ra Direita n. 55, que ha-
j m de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
48, evitando desta forma o ieceber se
judicialmente e publicar-se seus nomes
por este jornal.
Ensino particular.
Urna pessoa convenientemente habilitada se
prope a ensinar primeiras lettrai, lalim a frtn-
cez em algum engenho peno desta praca : quem
quizer Ualar do ajusle diiija-se a ra da Palma
Urna moja braaileira, catada, prope s. a
leccionar msica por preco eommodo, prometa
dar aa diacipalas em seis mezea capazes de pegar
em quaesquer inttrumentos O pai de familia
que do a.u presumo quizer atilitar-se pode pro-
curar oa r A dos Marlyrios n. 10, que se dir
quem entina. Na mesma casa ngomma-se rou-
pa de senhora por baralo preco.
Oifarece-ao um puqueooUe luade 15 alios,
o qual sabe bem 1er e escrever, e tem alguma
pralica de nagocio para qualqaer estabelecimen-
to ; a tratar na iu Dir.jia n.8.
Aluga se umarmaz.m na ra do Cortoa ou
becco das Boias: a fallar na ra da Madre
Dos n. 4.
Vende ae urna carme.* de carregar agua, e
um boi para a dita, muito novo : a tratar na ra
Imperial n. 205. taberna._____________________
S no vigilante.
Lindos enfeites para es-
tilos.
Sao chtgadn no vapor inglez as ricas florea de
velludo que sao admiraveia pela delicadeza daa
lioda cores, poiacom pequera quantia aa aenbo-
raa polero eofeilar os ricos vealidoa que ser
muito tpreeiavel, pelo baratittimo prego de 1|
a duna : id no gallo vigilante, ruado Creapo
numero 7.
Pulceiras.
Tanbem sao thegadss aa riquisaimaa palseiraa
com pedrss azaet e oulraa verdes, couta muito
delicada, que s. vende por precos baratsimos :
s 00 gallo vigilante, ra do Creapo n. 7.
Baleias par* espitilho.
Tambem sao rbtgadat aa vardadairas baleias
de todas as groisnras e fornidas, para espartilho,
pelo barato preco de 120 n. cada urna: s no
vigilante, ra do Craapo o 7.
Leis do Brasil.
Ha para veuder-se am grande sortimento de
eolleccoet das leis, sent de diferentes annoa,
em brochara, e encaderoados, por prego mullo
commodo: na ra do Imperador.n 15, das 9 ho-
rat da manh at as 3 li2da tarda,
Chegado pelo y^or fran-
cez sopara o vigilante.
Liodos pentes de marafa.
#nm lCu'8,r lit",0, PeDl''' douradi.bos
" "o lindas molduras da difieren!-s gostot
_fOpara1 marr.fa. ou ir.vessoa, pois 86 com a aisle
oecempradoraa podero apreciar o qu.nio sao
deheado., pelo b.ra.o preco de 3$ e per, astim
como aem ser dourados de' lindos goilos. pek.
Ricas fi velas douradas p<
sinto.
Veodem-a. fivelaa doaradaa a 2$ e 2$500,
maia modernas que tem vindo; na raa do Quei-
mado n. 63. loja do B--ija-flor.
Ricas voltas de aljofares.
Vendem-se voltas de aljofarea com craz de pe-
ara imitando a brilbanie ; na^ga do Oueimado
numero 03, loja do bejja-f
Facas e
do
Luvas de pellica
Tambem tocbegadas a verdadeiras lavas de
Jouvin multo frescas, tanta para homem como
para senhora : s6 no vigilante, ra do Cret-
po o. 7.
OS.
at de cav o de -
a 6$800, ditas para doce a
- boto a 692OO. dita para doce
00. dita presa eravad a 3^00, dita branca
ohca a 3c a duza : na raa do
j do bfija-flor.
Vandem-ae facaa e garfua flo
llangode doua bntde
5SS00, dita de uto
a 39400, dita
Queimado o. 63. I
J Vende-ae joro de viapora a lj
Q.ieimado n. 6i. loja do beija-flor.
na ruc do
flsM
Csameatos e bai-
les.
Bolinas de setim branco para senhora.
Ditaa de pellica tranca para feinar.'
D'tat desetim pr.to para lenhor a 4$.
Sapatot de dito dito para dila a 1$500.
Na loja de calcado da ra do Cat-ug n. 16.
POS
para mattr mosquito*, raigas, persevejos, ba-
ratae e formigas ; para caplivar a confianza do pu-
blico o importador encarrega se defezerapplica-
(o dellea, ba tambem urna rsassa para deatruir
rato. : no aterro da Boa-Vista 11. 7, em caaa da
viava Lecomte.
i
34
mi
<%<
m
O Dr: Antonio Agripino Xavier de Un-
to mudou sua residencia da ra da Im-
peratriz n. 47 para a mesma ra n. 24,
onde pode ser procurado a qualquer ho-
ra, para o ezercicio de sea pross&o.

Alugam se dous grandes arma-
zem na ra da Concordia proprios para
qualqaer estabelecimento em ponto
grande t a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Alves na ra da Cruz do Recite.
n. 27 : a tratar na ra da Aurora n. 3TT
__JUub commercial.
A revoleo laminar 00 corrala mas lera lugar
na neite do dia 6.
O abaixo assigoaio, como procurador bas
tinte de Joao Diaa da Costa, e Fraocisco da Cos-
ta Lima, residentes em Portugal, respondend.o
ao anouncio do Sr. Maooel Das Pinbo, rasiden
tiesta, cidade, qe sob o titilo de poblicsco .
pedido appareceu no Diario do Recite de 30 de
agoslo prximo passado, declara a este smhor,
torenle por dtfereacii 10 respeitavel publico,
que se acha munido de poderes para vender.a
propriedade a que allude un seu annunclo, ma.
nei.lium negocio lem tratado com pessoa algu-
ma, p muito menos com sen irmao Domingos Joa-
quim Farreir, e te *ate comprou a refer la pro-
priedade, foi cert>meote em Pott.gal so seu le-
aitimo proprielario : admira, porm, que o Sr.
Di** Pinho se inculque herdeiro forjado, qando
seus pas anda exislam. Se portento o meimo
senhor ss julgar prejadicado em qualquer nego-
cio (.-Ho ntquelle p.iz acerca da mencionada pro-
priedade, pode l mesmo procurar o s*u ireito,
e deixar-se de fazer publictoes atnaticas, .
quaes o sbsixo assigntdo protesta nio responder.
Reclfe 1." de setembro de 18*2
Antonio J<>aquim Ferraira Porto.
Vender-se luvas de algodao
branca propri* para a guarda ^
nacional a 200 rs. o par : na lo- g
ja de Nabuco r C. na ra Nova ^
n.2. @
lima D(M cirreta.
"m nina ou sem ella :_vende-Se ise-rua Direi-
o. &3. "-----------
Vndese urna taberna aortida e bem afre-
ezada, na C'Pung, ra da Amizade ; a tratar
a quatro cantos da mesma taberna n. 35.
4llenca0.
Permufam-se diversas caias terreas
no burro da Boa-Vista e as melhores
s dous foros, iislo'qu. para esse tim1 se acha ha- ruas> p0r um sjt0 ue tenna |j0a ca$a
bililalo e de accordo com o. Drs. AITunso de Al- u __._____, 1
no Mondgo, Trempe, Soledade, Cami-
nho Novo, ou suas proximidades, ellec-
feuando se tambem dito negocio me
diante volta de escravos e mesmo di-
nheiro : na ra da Cadeia do Recite n.
4*3 f,se dar' nformacoes relativas.
buquerque Mello, Julo Gonzaga Dacellar e Pedro
Gaudiauode Rali, e Silva ; prometiendo empre-
gar todo o zelto e acti'idade no que lhe for con-
fiado bem de aeas cootiiuinles.
Preciaa-se de 1:0009 a juro, por espteo de
omianno, dando se por hypotheca urna cata ter
rea/livra e desembarazada
llorlas o. Vil.
tratar na ra de
Bandeijas de bolinhos
Com perfeico preparam-se bandeijas com dif-
ferantes molelo. de arma;ao cheiaa com as
melhores qualidades de bolinhos do domo mer-
cado ; attim como os mesmo. em libras por
preco razoavel tambem toda a qaalidtde de
pattelaria e podio, e bolo, francezes e diverso.,
o mtis b.m feito de oo.so pan com asieio : quem
precisar procure na rea do Raogel n. 60, para
.justar. *
Nova escola particular
P de inslrucQo priuisra para o sexo ma-
fe colino; na raa da Cadeia do Recite n. 54.
s
rar nr
Precisa-se
Tnomaz ae Paria val para e Riu oe Janeiro,
deixando por teu procurador nesta cidafte o Sr.
Dr. Cosme de S Pereira, e declara que nao dei-
xa com. romisso algurn coramercial com a sua
resporirahilidade.
Pieaisa-se de um ujpressor de lythogra-
phia, o qaal asiba fazar tranaporles e os mais
trabalhos da arte. Paga-se segundo as obras ou
por mez, conforme o ajuste : na ra das Aguas-
Verdes n" 62.
o bom calcado!!
Acaba de chogir loja do Porto, esquina da
roa di Madre de D*os. um completo aorlimento
de calgaJo francez, sendo horieguins a sapaloes
deNantes pnra homem, ditos i'--, senhorsa e
e meninos de todas as qualidades, com um completo toilimenlo de fazendas e roupts
feiits por preQos muito em coma.
Bordados baralissimos
Na loja do pavao.
Vendem-.e golliohst tnuilo Goat de cac.braia
bordadas e de fil a 400 rs., mtngeitcs com gol-
liohasda cimbris bordada a 1J-280, maogaitosa
balao flnlssimos al, loncoa de lmho com labv-
rinthoa 2S500. ditos de eambraia de algo leo a
lmilacao de labyrintho a 640. 800, 1 e tDieai-
mas tiraa bordada* e entremeios por presos bra-
tissimos : vndese na ra da Impertir u. 60
loja e armazem do pavao. '
Vestidos baraiisasimos
Na loja do pavao.
Vend.m-se mullo lindo, vestidos de eambraia
bordados a seda, sendo de toias as cores a 6$
ditos com barras e babados a 49300, ditos a 4$,
cortes de tarlalaoa brancos bordados e de ccres
a 3. ditoa de eambraia branca cora babados a
2JJ500, diloa de eambraia bordados com babaJoi
e duaa saia. a 49. corlea de barege coi 22 cova-
dos cada corle, tendo flos de seda a ig, ditos de
lia a 45, cortes de eambraia com talpicos bran-
cos e de core, tendo 6 varas cada curto a 3$,
ditoa de salpicas mais una. com 8 v.-.ras a 4;',
tudo ialo se vende por menos que em oulra qua-
quer parte para apurar diuheiro, s na ra da
Imperatrir n. 60, loja e armazem do pavao.
Aipakin ou gorgro de iiuho.
Vende-se eala nova faz.nda a imitacSo e seis
de quadriohos a 280 o covado: s na ra da Im-
peratriz o. 60, loja e armazem do pavo.
Musseliua braoca a 200 -s
Vonde-se musseliua branca com 4 it2 palmos
de largara a 100 rs. o cov.io : s na ra da Im-
P*ralriz n. 60, loja do navsc.
Anvelopes.
Vendem-te anvelooos de diversas qualidades
brsnco mw le4()0i ijul t ^ id de,
earua do Queimado n. 63, loja do bel-.
11400:
ja-flor.
Papel adamascado de cores.
!mfasffjss?mm de cores a 8o
63, loja do beija flor.
a v o a
rus do Queinndo c.
Gravatinkas de seda.
Vendem-M gravatinhasde seda para senhora
aa ra do Qeeimado n. 63)
de diversa, cores
loja do beija-flor.
Tiras bordadas.
Vendem-se ricas tira* bordadas para vellido.
S
ua granae cxpsico
de fazeadas novas e bara-
tissimas, na ra oa Impera-
triz, loja e armazem da ara-
ra o. 50, de Magaacs m
Meo-es.
Fazeodas por menos 10 0,0, queiram vir vr
para acreditr, a ser : chitas a 160. 180 e ->II0 r
o. covado, dilaa frao.ezas a 220. 240. 280 e 320
covado. corles de chitas finas Con. 18 lr> rova-
dos a 2;50li, cones de castas fr*nctas
dllos prtlos a 2j500
da arara o. 56.
2&5O0,
na ra da lrx:porafiz, lo.a
Arara vende olettim para reatidos.
Venoe-se a fazenda por nome olestim de Iiuho
de urna i cor e quadriohos, propru para capas
e .calilos de seohora e roupa de manios a 280
o covado, fuslao de cores p.ra vett:dos a 280-3
320 o covado: na ra da lmpertrlz, loja oa ara-
ra o* De
Groebicoal2
ris a libra, e sendo de 10
libras para cima a 100 ris
Aos manguito* da arara. /
Vendem-ae maoBitos e golla de Iiuho ptra
seohora a 2*. golliohas a 500 rs enleiies paia
aeubora a 2J 3?: na ra da Imperatriz, loia ca
arara d. 56. *
Vende-se nicamente por estes pregoa nos r-
mateos progressista e progresssivo, no lago do
Carmo n. 9 e rea da. Cruze. n. 36. affi,
aer mullo novo.
ungi-ie
Kelogios
Vende-se eaa casa da Johnston Pater d C,
do Viga rio n. 3, um bello sortimento de
telogios do ouro, patento inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tamben
ama variedade de bonitos trancellins para os
masmos.
Um ojicj brasiUiro com alguuja praitca de
commercio te ofiVrece para caizeiro d qualqaer
casa de oegucio dentro .esta p'sca ou fora del-
la, astim como para engenho. do que j tem al-
guma pratica, e o conhicimeoto de sa conduc-
ra ; quem do seu pre.limo se quizer ulilisar, ae-
nuncie por eate Diario para ser procurado.
Aluga-se a casa oa II .iza-Vi-rde, paatalllO
a pinguella.com commodoa tufliclentes para fa-
milia, e com bastantes arvoieaos : a tratar na
rea do Kaogel n. 10.
alugar ma eacrava qae aaiba lavar e engommar
e fazer as compras na rea, para urna casa estran-
treira i quem liver para alugar, falle na ra do
Trapiche Novo n. 12.
ra q
HiicVe
,ut
m)
Precisa se de urna escrava para
lavar e engommar em urna casa de fa-
milia : a tratar na ra da Praia n. 55.
Alugam-.e deae escrava, emacnoala com
J3 aonos, oulra parda com 15 a 16 annot, ambas
de boa conducta, inlelligentas e fleis ; a primeira
cozinha, eos, ensaboa e arraoja urna c*a. a ou-
tra, ialo a mulata, tem pequeos principios de
tudo, ma. urna oolima muetmba : quem aa
pretender procure na ra Direita, no becco que
volta para a ra da Paoht, i .orado primairo an-
dar n. 8, que do coronel Joaquim Bernardo i
deseas aer procuradeettas 9 hora, do dia al is 4
da tarde.
SOCIEDADE
SECHAmTS E LIUEIUES
\ DE
VVntmniieo.
O secretario daSOciedade dos Arlittss Hecha-
nico* e Liberaes dei8 eldade, em vista do distri-
to no arl. 53 do cap 15 e til. 3 da consitlulQao
que a rege, convida -eralmente a tolos os seas
socios para que no dia; do correetf, is 5 hows
da tarde, reunidos na j, dag ges.6es da mes-
ma .ociedade procedam aa,ieicao doa novos fune-
cioBario..
Sala das e.soes da socieo-e doa Artillas M-
chameos a Liberaes de PernaJ)UC0 2 de 8eleln.
bre de 1862.O secretario, \
_________________Sleet efd So Ira M
a Um homem catado com p
offarece pira admioiatrar qaalqu
agricultura por ter malta pratica d
ra di Crz n. 52.
Compram-sa acedes do novo banco de Per
oambuco : no c.crlpiorio de Manoel Ignacio de
UOliveira Filho, largo do Cerno Santo c. 19.
1 familia te
ervico de
e.ma : na
Pede-aa ao Sr. n la.inisirainr do corr-10,
queira mandar publicar nal viagens de partida
dea vapore, d. eomp.ohia a tabella doa portos,
aasim como a declar<;rSo doa que sao obrigado. a
pagar i vitta, pira aerem remejtid.s, o das qu*
sao pagas no lugar par. onde vo.
Preci.a-ae de um criado para todo .irvlrp
de ama cata de familia, que eja de meia idade :
na tas da Crea n. 44,
O Dunete n. 1 i>77 oa ultima paito
a beneficio do. religio.os franciscanos d
eerieoce a Francisco Severioo Marques d
D. Mara Jos Or>rl 0 Silva.
Ullerece-ae um rapaz Draaileiro
ro de taberna ou para tomar por ba
bastante pratica do commercio, dando
sua cooducla; quem precinr annuacie para se
procurado, ou a fallar na raa da Cadeia do Re-
cite n. 3, loi*,qae achara -com quem tratar.
O* irrit.
Aitcncao.
a
Compram-se tres vacca. parida, que
boas leileirai, nao se duiia pagar bem :
do Livramento n. 2 dir quem quer.
sejam
na roa
eranca
Grande expsito de ba-
ldes de arcos na loja do
Pavo.
Acaba de chegar loja do Tavo um grsnde
sortimento de baldes de arcos americanos sendo
la.4L.IJ.Xn 1 r.
mercado com diversos laicaulies sendo de 6, 8,
10, 15, 20, 25, 30 e 40 arcos e sGanra-se a du-
racao e boa qualidade dos ditos baldes : s na
rna _ Pavao.-----------------------
Mozambique a 040 rs. I
Na loja do Pavao
Vende-se mor;amblque todo de la st-uJo fa-
leoda muito leve paia vestidos de senboras c
roupa para meninos, com delicadas cores miu-
dinhss e teno o una s cor proprio ptra capes
de senhora tendo e/i fazenda 4 palmos de lar- ,
gura e vende-se a 600 is. o ovado : ia ra da
Imoeratriz n. 60, loja e armazn* do Pavan. J
L(iu ..xoofimbiqlie a 400
red.
Na loja do Pavao.
Vende-.e laxiuhaa de urna i cor com qua-
driohos e lista propria para vestido, e capas
sendo farenda Qnissima a 400 r*. o covado: na
raa da Imperatriz n. 60, loja e armarem do
Pavao.
Laas com llares a 4U0 rs
Vende-se lazinhas .mulo Cois com bonitos
padroes a 400 ra. o covado : na ra d Impera-
triz n. 60, loja e armaze.m do Pavo.
Arara vende a popelina da China.
Vende-se a fazenda po: nome popalini da Chi-
na em la para vestidos da senhora a 3z o co.a-
do, chales de merm eilampados a 3$, ditos de
la a a 1, itoa Ua la e seda a 1, ditos eberlot a
040 : ua ra da Imperatriz. loja da arara n. 5G.
Musambe da arara.
Vende-se a fazeuda por nome muiaojb com
palmas de sedade41|Z palmos de largo, propm
para vestidos de sennora a 500 re. o covauo, i
ae linho de cores a 200 rs. o covado. ojio Ha-
do a ljill a vara, it.o fiuo a 780 < bOO is. a va-
ra, lanaltna a 00 rs. a vara : ni la Oa la
ratnz, loja da Mar u. 56.
-
Arara
laJYtfiV-.'tft
vende
ilJV
as crinolinas.
l'a, salas" ''tru'o" que l"vz ue
balo a 2o400, baldea para menina a i.p : ca ra
aliUetriUiz, loja ua arra u. 56.
O baadun da arara.
Ycadc ..- o /..cuja por nome b.baim toia lis-
tras e seJ para vestiles de senhora a SOU r-. o
covauo, cuberas do chita pora cama a 25, col-
chas de laaiio para cama a tj, tiles avenudads
a 8j, llenuras para cai5s t i-0 t^j urna
cortts de caiga para homem, ae li.vu escaro e
curo, e de gauga e fusta* de quadnneos a tg o
l$2tH) o corte : na ra di Imperatriz, leja di
arara o. 56.
Arara vende as cass-s cliintzas.
Vende-se a fazenda por nome casase cLineas
a inittaceo rediuha dt quiero., propia para
vestiios de enhora e rouia de meninos a 240 c
280 o covado, riscado a Ganbaldia 280 o covado
l>ara vestidos, cobertores de alcooo a 1$, cm-
bralas brancas a 1;U0, 25, 2;5'J0 e 3f a pesa : ua
ru da peratnz. lo)a a arara n. 56.
^.ndys da Clima da arara.
,w"da por nome orgau-Jys da Chi-
Cabra bicoo.
Compra-se urna que teja manta e tenha bas-
tante leile pira amamentar aa>a ciiin^a, e nao
se duvida pagar bem no caso deque agrade:
qnem a liver dirija-ae a ra do Brum n. 70, pri-
meiro andar.
Ci'iipra-ao urna barcada uuva ee lolagao da
30 caixas: nesla typographia se dir qaem pre-
tende.
W>t Luvas de camarQa.
Vendem-se na rea Nova n. 9, luvas de carner-
ea amarella, dilaa de castor brinca proprias para
militar.
Vende-aa urna mulata moja com 17 anno.
de idade. muito stdia, e nem tem vicioa de qua-
lidade afguma, cozinha e lava bem, Wm princi-
pio, de engomaaado: quem a pretender, dirija-
ae a roa do Imaerador o. 40.
L ja de raiudez88,rtia o
Queimado n. 55 4, de
Gui.ua res *$ liocha.
Para bales.
Hola, cobettas de fio para siias a 160 r*. a
vara.
Agulhas victoria o papel a 120 ra.
Ditas fundo doarado a 120 rs.
Linha de peso, meada a 100 rs.
Dita froxa para bordar a 80 r*.
Dita de carretel. 200 jardas a 80 rs.
Dila de cores, qualquer qualidade.
Gravabas
com bot.s e sem elles a 1$, de cores e pretat,
para homem e menino..
Tranca de linho. .
Recebeu em lindo tortimento desta trancas,
propriaa para aa leve, roupa. da festa, ja.to
qae vo-ae preveoindo.
Bot5es
para casaca e casaveque, de cores e prato., para
camisa madreperola fina, de oseo para caiga a
320 a groza, muito finos.
Clchete.
Esta loja deaajando sempre ter objeclo. novos,
recebeu clchete, reforjado, do lio batido, aa
ciixas sao em forma de urna carteirinba qae ae
loma maito elegante, s ha na Esperanza a 80
ra. a caixinba, em cartao a 60 rs., cu dntia por
600 ra.
Pennas de ac
caligraphieas por 2$ e29400, verdadeiras de Per-
ry, e de oulra. qualidade., por meDo. do que te
custuma vender, caeta, para te adquirir ama
posigao elegantt (escrevtndo) a 500 ra., de mui-
tas qualidades como de borracha a 160, a balo a
160, a pisloMe a 120, e muito boas e muito ba-
rata, por 40 r. cada ama 11
Perfumaras.
O cheiro.o e suave sndalo a 10600 o frasco,
(estancia coocentradi) pathehouly, o mbar, o
bouquet de nupcias, o de Lahore, a vetfvia, a
magnolia, a rosa, e js.miw, a flor de lar.ngeira.
eum computo .ortimento de perfumarla que te-
mo., tanto fraocezas como inglezaa.
N. B. Temoa feito ltimamente um contrato
com um fabricante que no. pe-mitte Tender e.te
genero, cujo con.amo .e adiaota, por presos io-
teiramente baixos e se*) rivalidtde.
Tarlatanas com pal-
miohas.
N loja do Pavao.
Vende .e tarlat*na com palminhas do cores,
teodo core, pronrias pars lut> a 320 rs. o cea-
do : na ra di Imperatriz n. 6U, loja e armazem
do Pavo.
O Gira sol
defrente da Tenha n. 33 vende manteiga ingle-
za tuperior a 800 ris, dita f'ancea a 600, quei-
jos do ullimo vapor a lgHOO, ditos a Ijj'O e
l5n0. cha fino a 25800, eaixaa de dnce de goii-
bi a 500, etpermacele superior a 720 ris, sa-
perlor vioho do pjrto a 800. dito do Figueira a
6'0, 560 e 500, c todos o. mais gneros tons e
baratos.
Vende-se urna excedente mucama mulata
de 15 a 16 annos com habilidades: na ra da
Cadeia do Recite n 51 loja.
Vende-se a iu>..r
na adamascado c po.'.
vestido e muito taigo a ,w .
de laa para senhora a 9, dit>s **^aeoBJejiaBlo
mo Jemos a 20 e 25j : na ra do Impere*
da arara n. 5.
,de cores,
40o
proi'tia psr.i
I ?i

Aluga-se um preu bom coiiabeiro
precistr. dirija-se a ra de Apollo, armazem nu-
mero 12,
Venda-se
- om eiclint* eteravo (cabta).
>uito mo^j. boa figura, robu.lo, e perfeitameota
?m de laude, sem vicio nem defeito, cozinha
J*\ej diirlo de
urna cas, lava e eogomma : a
reraCOm R J* Bir,u de Almeida, rea do Im-
ly, primeUo andar, aa 9 horas do dia.
llandas.
Pomada imperial, frasco a 2$.
Japonsza a I;.
Imperador a 1#.
Imperatriz Eageoia a lf.
Exposico nivers.l a 29500.
Moga americanas a 800 rs. 1#.
Cheguera fre-
guezes ao bom e barato,
Kua estreita do Rosan'*,
esquina da ra das
18Larngeiras18.
Veudem-ie todos o gneros por menos do
que em outra qualquer parle : manteiga ingleza
fina a 800 e 540 rs. a libra, dita franetza a 640,
a em pnrco faz- algum abalimenlo, cha supe-
rior t 2g880 e 2d60 a libra, panal muito novas
a 380 rs., nozes a 120 rs., ameodoas a 300 rs a
libra, superior caf a 280 rs., touciuho a 300 rs.
a libra, macarrao, aletria, lalherim e mais massas
finas muito oovas a 320 ra., vela, de carnauba
superiores a 400 rt. a libra, ditas stearioas a 720
rt. a libra, queijos de qealha muito novos a 320
ra. a libra, caixescom 4 libras de dore de caica
de goiaba a 800 rt., ditos pequeos a 560, vinho
de Lisboa a 400 e aOO a garrafa, dito Figuein a
600 rs. a garrafa, dito do Porto eogarrafado a
lgOO a garrafa, 1&200 e 1J600: alm destes ge-
nero, mencionado, se eocontra tudo quanto
pertencenle a molbados e de superior quali-
dade.
Venoeui-se saccaa com fejao (radinho a 6,
e lambem se retalha a 320 a cuia : no Forte do
Mallos, taberna o. 4, na ra do Codorniz.
Arara vende azenda por nome inais
a mim.
Vende-se a fazenda por nome mais a lAoi pa-
ra vertidos de senhora e adamascada, oe bonitos
gostos a 360 o covado, pe.s de Cambelas de
salpiquiiihos com 8 1(2 varas a 35500 e 4 : ua
ra da Imperatriz., luja da arara II. 56.
Tiras e ntremelos da arara.
Veudem-se tiras e enliemeics da largura de 'i
e 5 dedes, oe b mitos gostos a lgi80 e 1$600 a
per;a, ditas de entremeto, a Ijj. 1JZ00 e l&6O0a
l-e;a, c jrpinhos bordados para meninos a le caua
um : oa ra da Imperatriz, loja da ar*rn 11. 56.
Cera de carnauba velas.
Na ra da Cadeia do Recite, primeiro andar o.
28, veode-ae excedente cera de carnauba e velas,
em pequeas partida, a vontade dos comprado-
res : a cem esl embarricada.
Lu cavallo de sella.
Vende-se um ptimo cavado de sella de bons
andares ; a tratar na ra da Cideia do Recite,
primero andar n. 28.
Veudem io rotas artiticiaet muito Iludas,
de papel, pelo btalo preco de 1$ cada urna, e
tambem te faz por menos tendo encommendas :
na ra do Queirnado, loja do Sr. Fi-irao n, 10.
Karttll superior.
Ni ra do Vigaro n. 31, primeiro eniar, ven-
de-ie superior larello de Lisio'.
Loja das seis portas em frente
do Livrtnieulo,
? A-H'OO e5$000,
Saias a bales com 20, 25 e 30 ireos, me-
lhores que tem viodo ao mercado a 4J500 e 5J(,
ditas dt 50 arcos a 6$, d-se para amostra com
penhor. A loja st aberla al aa 9 horas da
noile. ________________________
Semeutes de hortalice viudas
de Pars
Chegaram loja de terrjeos de Bulos, na
ra da Cadeia do Recite o. 56 A, as novas semen-
tes de bort.lice viodas de Pant, as quaes sao Ce
tuperior qualidade. e te vendem baratas.
Vendem-se pedras lavradas e bruta, para
predios : quem quizer Irate na iua Impcrltl
o. 30._______________________________________
Vende-se urna bonita escrava, de idade re-
gular, perita roiii heira e excelleot* l muito obediente, e excessivameola carinhoss e
neitosa para tratar de meninos, muito intelligao-
te, cuidadosa e prompla em aus. origa;c! :
quem a pretender dirija te a raa do Hospicio n.
24, e das 11 horas da manba t 4 da tarde acha-
la com quem tratar.
\
I MUTILADO

IILEGIVEL
V_ 1 L


s
6
DttftlO DI FERIUMIOCO llllQk FElRA 2 DI SEIEMBiO | 1801
MINUIQAO DE PREQO
~T
rm<
smmM
FRANCISCO FERNANDES DUARTE.
10 Largo da Penha 10
A vsnugem que o propietario deste acredit.do armazem da molhados tem offerecido, ha
do conbeeida pelos seus numerosos fregnezes, mas como a. mo se tem dado ao Irabalho de esperiraentar, rogo a todos elles o favor de mandaren comprar suas
encomroendas no armazem Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verificaren, a exactido
do meu annuncio ea d.fferenca de prego e qualidade que faz, se fossero compradas em outra qual-
quer parte, pos para isso se recebe em todos os vapores a navios de vela viodos da Europa a
mor parte dos gneros da conta propria. Para roaior concorrencia e commodidade, resolveu o
prorrr.e.ar.o encargar-se rar, com .quelles senboresque nao possam vir, era mandar, de des-
da.h.r e remet.er pela via-ferrea para o lugar indicado, todo e qualquer genero comprado neste
i ,?r~ J! ;S' M Wm bem ervid0s C0B0 viessem Plmente. P P' este fim
auma pessoa Je confian;, para de prompto conduzir as cartas na chegada do vapor. y
3ftatUlr* ll^ifZ->. d9 primeira qualidade da safra nova a 00 a 7J0 rs. a
libra, e cm barril se faz abatimento.
laiUelgH VranceZA a mais nova do mercado a 600 rs. a libra, e em barril a 560.
t-iH.9 flUXim o que se pode desojar neste genero a 35000 a libra.
JUa aySSOH 0 mais superior do mercado a 29800 a libra, e em porclo se faz abati-
mento.
Vl6l03 &0 TClllO chewdos neste ultimo vapor muito frescos a 29000, ditos cbe-
gados em navios a 1??700.
^Ua $?%0 verdadairo inglez a 2*000 a libra em porc.ao se faz abatimento.
Latas etm ai-!nA.o* confeitadas? conlendodiV9rsas jguarias muit0 propras
para mimos a 13000 cada urna.
sSOlaXian d soda em latas eom diferentes marcas a UMOO, afianga-sa a boa qua-
lidade, assim como tem latas grandes com bolachinha proprias para lanche a 2*500.
liagtimaa d< Dano espe;ai VQho (lo Porto em garrafldo vndo a sigundjl vez
ao nosso men-alo a 155200 a garrafa e em caixsscom 1 duzia qor 12*000.
lao C>XgaTr AllO as melhores marcasque vem ao marcado, como sejao Duque
do Porto, Careavelhos e Feiluria a 1*200 a garrafa.
taftQYQtaS -Offl VinUo do Porto com 70 garrafas proprio para casa particular
era garrafas 32J000, ofianija-sa ser de superior qualidade.
1 lftUO Hfc P*?* de superior qualidade Porto. Figueira e Lisboa 500, 560 a 600 rs.
a garrafa, e em caada a 335500, 49000 e 45500.
,&ilY* reli?X1t5la enlatas cora 10 libras por 4*000, e em barril a 400 rs. a libra.
^ ??**** tfclfcH a 320 rs. a libra, a era caix. grandes por
65000. afianza-se sar muito novo.
**, V^*"11* muio novas a 560 rs. a libra eera barril eom urna arroba por
120000 rs. r
^attas com neWe ,i u j >. .
a*^-^^ de escabeche das seguinles qualidades savel, congro, corvina,
cherne, poscada, e vezugo a 19400.
Volas de enfrmasete a G80 r3: a libra> eem caixa a 660 rSa
Dltaa d Carnauba refinada a 360 rs. a libra, e em arroba a 11 rs:
Y 'zuut ^ l ^r ^e^O^'66 ** em km d9 8 mea Hbra Pr 1500' di,as ?!? 'lb-ras

mmm
DE
KliDi
DE
Manuel Pedro de Mello
Largo do Livramento ns 38 e 38 A
Defronte da grade a igrcja, cujo titulo distiactivo
O BALIZA.
Neste vasto estabelecimento a-
char o respeitavel publico desta
capitil e de fora, um grande E
PERFEITO iORTIHENTO DB MO-
LHADOS, que se vende t'nto em
grosso como retalho por muito
menos preco do que em outra
qualquer parte, por serem quasi
todos recebidos de conta propria.
Milita attenco.
Todos os gneros sabidos des-
te novo armazem levarao urna
etiqueta para seguranca dos Srs.
que nao quizerera vir fszer as
suas compras, e mandaren) por
seus escravos ou fmulos.
Esla prevengo atiesta bem,
que a mais perfeita e duradoura
confianca se desoja possuir de to-
dos geralmente, e por isso nao se
pouparao exforcos para serem
bara servidos todos os Srs. com-
tado como uro des niel lio re e
mais acreditados desta prega.
Aviso particular.
Previne-se s pessoas de fora
desta cidade que podem sem re-
gs>, ceio algum mandar os seus poti-
/r*" dos por escripto, que sarao satis-
feitcs com a roaior pontualidade
e boa f possivel, anda mesmo
de objectos que nao sejam pro-
prios de-te estabelecimeoto, como
ferragnos, miudezas, ou medica-
montos.
O annuncianle desejando fa-
cilitar a consecugo dos negocios
que por ventura tenham os seus
freguezes de fra, se oTerece
tambem para fazer procurar qual-
quer despensa cu licenga que de-
penda da autoridade do Exm. Sr.
Bispo Diocesano, bem como de
apresentar qualquer consulta aos
senhores doutores desta cidade,
quer respeito de direito, quer
de medicina.
pradores, afim de que possa este
grande estabelecimamto ser apon-
lambem se receba qualquer objecto como assucar, couros, laa, etc., etc., para serem ven-
didos, sendo a coat eo seu producto entregue promptamentea quem for determinado.
i>a intengo de possuir mU'Us relagn, faz o annuncante todos esies offerecimentos; de
forma que nc:te estbele monto, nao sacharao os Srs. de fora desta praga um bom freguez,
mas tambem um amigo e um criado s suas ordena.
A todos em geral.
Si por acaso nao gradar qualquer genero sahido desta casa poda ser devolvido, que ser
iramediatamento trocado ou restituido o seu importe, conforme for exigido.
O annuncianle protesta cumprir com a mais seria e restricta exsctidao esta sua promessa.
AMEIXAS francezas em latas de tres libras e Genebra verdadeira inglezade marca Galo do fa-
mais, a 29240 a Uta. j bricanta Carduer & Broomhal de l?6i00 a
dem dem em frascos de tres libras e mais, de 1 ^00 a garrafa.
..J5' ? frasco. llera de Bollanda em frascos pequeos e gran-
AWLNOAb de casca mole da 240 a 280 rs.' desdeSnOa l#00O.
r d p |Graixa em boies a 210 rs., e a duzia a
ALl la I b a 100 a libra, e em arroba a 43800.1 2700.
Arroz di India de 100 a 120 rs. a libra, o em' Mera em lata mulo nova a 120 rs.
arroba de 38 a 39400.
dem de Java de 100 a 120 rs. a libra, e era
bbTI
Vendem em seus armazens
PROGRESSISTA
E
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carmo n. 9.

mC3
O g
9 S
I" I
S 3
n
8 8-
o
53

C5
~. o-
a
1
E g
hg
= ct-
.~ ~
6> era
i g_
d
u>
C =
la
3
3
o
o
00
e
B-
a> O-
o M
-> a
.a o
8.E.
t-* eja
2 W
3 a
3
S. 3
2.
x c
o -o
B
O
<

p e S ti-a-
* .__, S. c t^o 2 "a
3. ^wb-*55=Ss:3
0 5S-iB
O
O

30 m
o a ce e-
m a m9
"> tn So
3 s i." a
g.
S
\t2
5.- C o' w O-
i 1 2
B>
E*
S
oo
B
c
o
o
3
13
O
(5
O
3
3
es
B
O.
O
* ss
-" i .
coS.cc
b: => *
3 g gce
1" "O
** i" 2
o P
O S P*
O rr: O
o- W

O
o
o
m
a-
8
B
O
|S
o O
a> CD
OO ^
?S
SB
la 3
0 CC -i
5 2
fi ja
** e
oo o

III
O
B
O (JO
al
=;S?e.
a
* 3
? ->
a a
b 0 m
a =
- 5 ^2
" 0> 2
B W
o
a
^ce^:
s
O
OO
o
o
O)
O
o
en
O-
O)
B
<
i?
|
b>
I-a i
es r^ ?
n O)
S B 3. o ,
o X = 9 5"
s N ci.
en 1 S
oo .2. 5^
cu
5
s
3

O
O
o
o
o
B
3
3
5
d> s>
3
I
z


0 v1
1 f
B 3
er
s
B
c
3
B
O
=-
O
o
en
OS 3
CD CA
o
et>
era
o
a
3 13 pm
=.! =
3
O
o
o
3
3
o
3
eo
B
a

B
O
3
cu
te
en
5*
i
# 3
Sf
p en
-o
O
B
as
B
a o-
fe
o K"

5.3
Ct> (D
=. 3
G "*bI?d* HH****. im..i*T.aaioo.tav*.,,
Lar rr&lOeS Com genebra de Hollanda com 23 garrafas por 9000.
12 frascos
*$8ta muito mpo, a 160rs. a libra, e em arroba 45800,
^ -?> muito novo a 160 rs. a libra, a 45800 a arroba.
suspiros era rae.as caixinhas, do raelhor fabricante da Baha a 2900 cada uraa
^U LTSJT-r q"8 ha,-" "?0rcHo a 24 K' a l!bra' e em S^loes com 5 libras
por 1 COO, so o garrafao val 500 rs.
S*V*dlnfcA de Franca muito nova a 200 rs. a libra.
xSOSlSU^. mu(0 finaealva a 100 rs. a libra e em "- sa faz abatimento.
ftVllOS Uia^S para juntjs a igQ e ccr \a. o maQO com 20 macinhos.
P'< ltoS dO T Z a 2%3fl'- .^Vgroza e a 20 rs. a caixinha.
%&t\--ja p?tt S marcas tenante, ou XXX a 6000 a duzia e 500 rs. a garrafa.
Serol^^Wm*! dasmiswdiudaimati a 55000 a duzia e 480 rs. a garrafa.
VlSiho braneo engarrafado o mais superior que tem viudo ao nosso mercado a 800 rs
tarubsm tenho de barril para 560 rs. a garrafa.
T oaeinbo de Lisboa 7mo, ,rroba 1280 rS a libra
G^e S^oSt aarrob,.rS- 'bra ^ "^ d, da ^ *^ a
^"S de Mranhao a 100 rs. e 120 rs a libra, e era arroba a 35000 e 3500.
^hoCOlaVe hespanhol a 15200 rs. a libra, ditlo francez a 15100.
,r.a imperial doafamado Abreu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a lfbra, tambem ha para 500 rs. a libra.
o 11 \.Wn C**(*^ pecego, damasco, pera, alperche, e ginga a 600 rs.alatta.
'r4il1* da NftUtM a 380 rs, a lata affiansa-so a boa qualidade, e em porcao
se faz a batimento. r^v"-.
^^500* i"""*"'6 Prtuguez" as B,,MW 640rs- a lana, em meias Iatinhas a
fimo Uorle UX, Marg, Medoqae e S. Julienda Medoque a 95000 e t0000
a caixa, era garrafa 800 rs. e 1#000. "
tlaniti 0 raeihor pelisco qU9 pJe haver por wtar prorapto | loda hora a g00 ^ a ]jbr^
CeOOlS nOVaS aiocento ea 1200 o molho com cenlo e lanas, tambem ha
proprias para conservas a 400 rs. o cento.
Lrva lOCe muiio nova a 320 rs. a libra, e em arroba a 8.
r*f' pe gTe Ve a 45 a resma, dito de peso pautado a 35, dito almajo bom a;35200.
iTlHSSa para SOpa esirellinha e pevide a 600 rs. alib'a, em caixinhas sahe mais
barato.
I'iern de tomate em latas de l libra por 800 rs ede 2 libras por 1500.
Aceite dOCe reQnado a 800 rs. a garrafa* e em caixas cora 1 duzia por 85500.
JdeOl de LlSO a 72O rs. agarrafa e 5,600 a caada.
AmendoaS da casca molla a 320 rs. a libra e 85000 a arroba.
Vlliagre de LSbOA a240 rs. agarrafa e 15800 a caada BanM.M a boa
qualidade.
^n^miMIlhe das mais acreditadas marcas a 15000 e 20*000 o gigo, a em garrafa
1 o qaesa pola dezejar neste genero a 400 rs. a garrafa.
ar oba de 35 a 3*400.
dem do Maranhao de loO a 120 rs. por libra
e em arroba de 3 a 35200.
dem do Penedo a 80 rs. a libra, era arroba a
25240 e em sacros a 2$.
dem cora casca a 160 rs. a cuia, e em saceos de
20 cuias a 25500.
Azeilonas em antoreas de 8 garrafas a 15500
e em garrafa a 320. '
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa. i J
dem em barril _^a \*_mimbro r..ioi;,u.i. j nll
Bolachinhas americanas muito novas de 320
360 rs, Hbra.
DiscoutosebisciininnSs." araruta, a'iados e ou,
tras cualidades da excellentes massas a 32
rs. a libra,
dem em Iatinhas de 2 a 3 libras e de diversa!
qualidades, contando umi lata m
espacies de biscoutinho3 por 1,400.
Grao de bico muio novo a 100 rs. a libra,
Gomma encllente do Aracaiy, a 100 rs. a libra.
Kirsch Wasser, exeellaota bobi la do fabricante i <^
Richard & Muller, em garrafas grandes a m S
1500 a garrafa. j |
Licores dos melhores fabricantes inglezes e fran- nj
cezes e em differeotes vasus de 500 a 15600
a garrafa de diversos tamanhos.
Vlanieiga ingleza perfeilamenle flor de 700 a :
800 rs. a libra. <
dem de segunda qualidade de 560 a 640 reis,
a libra.
lera Scpena .&\5fQ,3ur'WlWa!\tW'ou, i
e a libra a 380 rs.
o
3 O
O co
O
O Q.
a
yB ^.
a- 5 -a O
Si
c i' 7 0
t/3 c
5 o 09 S


o ^
-1
O
5-"
1 O *
- > 5
o
B" -
3-fas$B
S cus s a*
OT o O
o
58 5 .
o? ^ a?
en
o
en
s>
O
3
i. *a? ga
i 2.1 <
a .^( os .
2 ^ s "
C*D a CT
R 1*5
w p
^
P
N
C/5

os ^
a -
o. a; ^*
* 5-1a


CD
as
c>
-3
o
en
a.
o
os
O
Ilm om. harris milito nnerinr 3(ifl m"_____! ,<^
mo de Zara a 800 reis o frasco. J
im. harr
iqumo de Zara a 80Oreis o frasco.
Massas para sopa, raacarro, ulharim e aletria a '
3u0 res a libra e a caixa cora urna arroba : ~
hespanhola a 55J500, du fabricanta Nervy. I ^
m finas estrelmha, pevide e outras a 560 rs I
a libra. 3
Bolinhosdeovosemhtasrecomraendados pelos Mullios inglezes o muito superiores a 500 mi. ".
senhor-s mdicos a 15400 *fta. o f.aico. "" reis
^g&t**-** I'bjijem^.^amfr.sco g.ndo roiha
^ nnC8ari 1 Prin,era IMlidade, de 280 ajlW superiores a 200 reis a libra.
.illll r-' a I.kHh ^_- ._.. _^ _- i
3
s
O
OS
tr-
os
o
3
a
S.j-,5
g re s
DO -.
2 .1 "e
3 T T)g
-. -1 M
os Os CC -_,
I sr p
o
=r
a
03
Os
O.
o
B
3
3
D5
o
en
B
B
C".
Si,
3
3
a
-r
O ai
Sa
2
OS (
S1
3
3
a
M
3
o 3
03
CJ
t^
CA
CJ
-
300 rs. a libra, eem arroba de 75, '7500
a 89500.
Cha parola de primeira qualidade a 3200 a li-
bra.
dem uxim a 25800.
dem byssoa de primeira qualidade de 18300 a
25800 a libra.
dem nacional de 15500 a 15600 a libra.
dem preto horaopathico de 15500 a 1$800 a
libra, primeira qualidade.
dem idem nao homeopathico de 15500 a 1$800
a libra, primeira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocohe de Lisboa (do Abrou) encomraenda es-
pecial, qualidade esta que sem medo de errar
a m.dhorqueajui tem vindoa 19 e 500 rs.
o massinho, c niendo 12 e 2i pes.
dem hespanhol e france/. premiad -s em di
versas expisices, de 800 a 15 a libra.
Mera suisso de differeotes qualidades, romo se-
jam baunilha ecanella, ele. etc. de 15100 a
1340o a libra.
Charapanha em gigos com 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias ditas a 125 a duzia, e em gar-
rafas de U100 a 1*200.
Chourigas das mais novas a 480 rs. a libra eera
barril de 1 arrobado 135 a 145.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Napolees, Parisiense, do afamado
fabricante Jos Furlado de Simase outros de
19500, 1800, 2#, 25600, 3>600 e450
o cenlo.
Ceblas a l5o molho com mais de 100 ceblas.
Conservas inglozas muito novas a 800 rs.
frasco.
Cognac inglez em barril, garrafa a 640 rs.
dem idem engarrafado de 800 a 900 ra. a car-
rafa.
.Licores fran cezes
de todas as qualidades que sa procurar a 15000 rs. a garrafa.
Farinha do tfaranhft > raui,o a.va cheiros.. ifl0 rs.. Iibra.
llJOlO para limpar faceasa 180 rs. e era porcao se faz abatimento.
60,1 ^"e '"? e* a 90 "' a 1 i duzia
Alta dos ganaros cima mencionados encontrar o respeitavel publico um completo sort-
manto da todo que 6 tendente a molhados. wmpiero sorn-
Doce de goiaba em caixes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque, garantindo-
se a boa conservado por um anno.
Ervilhas em latas de 1 e 2 libras da 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absynlho em garrafas de 1 lr2 aar.
rafa a 1500. l 8
Farinha de trigo Fontana, das marcas SSS, ga-
lega, family, de 120 a 160 rs. a libra.
dem do Maranhao a 160 rs. a libra, e 45800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada da
a 320 e 360 rs. a libra.
Figos muito superiores a 240 rs. a libra.
Garrafes com mais de 5 garrafas de vinho do
Porto fino, a 33200.
dem ideen de vinho verde a 25800.
dem cora mais de 5 garrafas de vinagre de
F. & S. de Lisboa a 19600-
dem idem com vinagre de Haraburgo a 15000.
dem com mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 6>00O.
Genebra de laranja em frascos grandes a 15000
Prezunto de Laraego o melhor do mercado a 480
reij a libra, e em porreo 460 rs.
dem inglez para fiambre a 560, 610 e 700 rs
Passas das de carnada de 320 a 400 rs. a libra'
e em caixa de 5 a 600.
Palitos para denles majos com 20 macinhos a
160 rs.
dem lichados idem idem com flor a 240 reis
o mago.
Peixes curvina, safio, linguado, pescada, peixe-
e?pada, pargo, robalo, saimo e lagostim'
era latas hermticamente fechadas al#300a
laiade 1 a 2 libras, sendo preparado pelos pri-
meaos fabricantes de Lista, Inglaterra e A-
merica.
Queijo flamengo da uliimo vapor a 2*000.
Idem idem do ultimo navio a i540.,e em cai-
xa a 15200.
dem prato de 600 a 6i0 reis a libra;
Salpices, vindos de casas particulares a 640 reis
a libra.
Srdinhas de Nantes a 380 rs. os quarto3 e
meias latas a 5r0 reis. '
Serveja marcaTeen te, Cobrinha, Cavallinho e
outras marcas a 4, 5 e 5800 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra e em garrafes cora 5 e
^ 6 libras liquido por 19600 cora o garrafao.
Sabo moja de diversas cores e dos melhores a'
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro com rolha do
mesmo por 600 rs. cada ura, s o pote vale
o dinheiro.
Salame encapado a 700 rs. a libra ( lanche
prompto.)
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
LLra, e em arroba 85800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs a
libra, a em arroba de 59000 a 65000.
Tijolos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas siearinas a 640 rs. o mago,
dem do Aracaty. carnauba, a 400 rs. a libra,
dem de composic,o de Buenos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parte delles de conta
propria como sejam; Duque do Porto, Ca-
mes, Charaisso, Silva & Meneses, e outros,
que se ven Jera de 18000 a 19280 rs. a gar-
rafa e em caixa de 12*000 a 15000, e
esperam-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marcas Margaux, S. Ju-
lin, e outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 99000.
Vinho verdadairo de Setubal era barril e em
garrafas de 640 a 800 rs. a garrafa.
Vinho do Porto era pipa das melhores marcas
de 59000 a 65000 a caada de oualidade
especial.
Vinnode Lisboa, Madeira, Carca vellos, Figueira
francez, e da diversos paizes da 35000/
49500 a caada.
n. w o
5" *3 "" =" -i Z O a> -
-. icraB> jx
B" =r 3 3 m C s "o
./.
3
so *
B 3 _

5" aa
gg-3
|h en
0,30-^ fs^ i

^5
** os
0 o.
B
O
-t
B
2
rs
o
tn 3.
<, o
w> o
Os -
oT f--
5; S a o.
_ OD 5 B e
~ O Clx "" os
^J
o." c
o re '
o
a O-
a
b re
? I
5
p
CL oo 9 8 *
Cj o S t
o o g- B o 5
- __ re
5.
a
x
O"
N
m os a
o
5
oo
Os
Ss
a
O
a.
B
W m
os ^
OO H
o
o
o
o
o Cn *"^ ~os
c I S 9

-
^J

Os
a m
C- ro 9 S '
* o .
^o CB O i _
*3 ?
as
en
^4
G b-
0<5
1 t
Cera"
O o
a.
CA
a
t3-
BS
3
B
CJ

s CD
a.
OS
o
O
en
o
O
v? o ^i a
- 3 5
? |. <3
I a ^|
O a a
5*
g.5,a
a
os =s
c 5 S
e*i -
g- O
<3
69

O 3- C
69 O
a- S"
SI i
8 s
en ,-
O

i-;i@
a a. =
D os
CT en
S B
3 g
3 I'
T3
os
B
a.
B
B
B
T3
B
B
O
&
B
a

es
3
O
o
o
o
o
B
OS
en
B
o
1
o
a
B"
"O
o
B
a
B
a
B
a
a
o
<
OS

O
os
a
o
<
O
O
<9 o
s !
s?
IS
O
=: 2L
| S*'H;cn
2 B

a
en
13
OS
B
CT
O
es a,
o a
O
o
a a
CD -,
s
a
o
B

en

b g-. fl5 o
5 V> ^-3 '
s 9 5'd stf I!

D 3 >4> o
-1 a o 2;
og ~
3 &> CD 2.
o
b -a o
S 9
en
O
SoB D ^SZa.o
5.5 A o ".^
s ^^ vi m **
p a
OS
0-5
f
oa
a-
a
|
O <
t-j es iT ; a < osi
- S 2 87* a- b
= W- 5* ==
o
o
3
s-
3
B-
O
i ^
rs m
O B
- 2.
en .
! g- ajo
os c, -^ a
" a u> a
a J2

a.
a
B
i
O"
i &
3 =
-. a
a -.
a "2
cr a
a os^
5 3:
3 *

os a
3
I
II
P B os
v a.
B g S" *3
?? 2 w 1 B -
tfi 2
B
s
ar w
as o
? B
a a
g s. i i
t" B. a
30 9 N_
O
o
en
O
5-
"
s
n
5"
5 o
a w -
en
vi
5' **
CA
" O
3 CO
5 Ka
S. g
g
o
a.
5"
M *
te -a r .^N
a r
1= -
0 o.- 2
n
o>
a.

c
B
-3
i
0 3
as a
o
-
* 5
o 3
PS

*6 -n om>3 op o8jr 9 '98 -n S92nj:) sp tnfi
VN

1
VISISSHUSOUd
SU9ZCUUB snas ui9 uiopudA


ILEGVEL
> 1


/
/
DIARIO DM P1RMM1UGO TfiRgA f EIRA. 2 DE SETEMBl DI 186*..

! -
Coke e alcatrao.
Coke da melhor qaalidade, mnlto proprio para
?apor, e tambem para todoa oa esos domeiticos,
fornos peqiienoa e grandei. etc., para eatea ser-
vigos, o cok* e maia econmico do que qualquer
oatro combustivel. por aer meooa da metada do
prego e de mais darago.
Alcatrao, eale aeodo appllcado navioa, bar-
cadas, alvirengai, caooaa, etc., presta muilo bono
effeilo, conservan lo a madeira de tolas as qaa-
lidades de btcboa, fazeodo dararam tempo inde-
finido. Tambem conserva madeira de edifica-
res, preservando-a dos bicboa e contra o tempo :
ai propriedades cbimicas deste alcatrao de car-
'ao mais forte do que qualquer oatro, extrahi-
do de madeiras oa outrta materias.
Quero precisar acbar & renda, no armnem do
gaz. Ra do Impendor.
Preco do coke 129 por tonelada.
Proco do alcatrao 500 ra. por caada.
7.
rerolas falcas
ou aljfar de fina quilidade.
A foja da agaia branca acaba de receber um
nevo sortimento de superior aljfar braneo oa
perolaa falgas o qaal por saa perfeigo difflcil-
mente ae diatiogue das perolas verdadeirat e aer-
fem ellea por sua extraordinaria grandeza para
aagargaotilhaa que preaeotemeote estao em mo-
da e mesojo para outros enfeites e tomo sempre
vendem-se commodsmenta s 1*, 1S*00 e 1J500
o Oo: iaso na ra do Qaeimado loja da agaia
branca n. 16.
Veode ae ama cama fraoceza em nimio
bom e6tdo com moldara, toda de amarello por
barato proco : na ra do Caldeirelro o. 90.
Enfeites para senhora.
Os melhores enfeites pretoa e de cores que ap-
parece a 5*500, 6* a 6$500 : na toja da Victoria,
na ra de Queimado n. 75.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.

Huno liadas caitinhaa e cabazea para meninaa,
de 100 ria ale 2*500: na Iota da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas t da corea
aom vldrilho a seo-, elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimtdo n. 75.
iahasdt5 peso verda-
deiras.
Liabas finas da
gran le a 110 ria :
do Qutraado n. 75.
peso verdadeiras, meadas
na loja da Victoria, na raa
Phosphoros de seguran^
Phosphoros da seguranza, por qaa livra de in-
cendio, a 160 ra a caixa : na loja da Victoria,
a raa do Qaeimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Balelas maito grandes a boas a 160 raa ama :
na loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Grandes vaquetas
para cobrir carros e outras mais pe-
queas pata guarda lama, por menos
do que cm outra parte: a' ra Direita
n. 45.
Acha-se renda no eacriptorio de Antonio
Lua de Olivelra Azevedo 4 C, ra da Craz n. 1
a obra eacrlpta palo Tlsconde de Uragaay.Enaaio
Sobre o Direito Administrativo ; deizamos de ta-
car elogios a cata obra, basta o nome de sea au-
tor para a tornar recommendada, daos rolumes
em brochara 109, eneadernado 42$.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vapor asua encommeoda dos segaintes ob-
jectos para baptiaados, sendo lindss toaqeiohas
da setim mai bem enfeitedas, a cada ama em
aaa caixinha, sipatnhoa da setira braneo, e da
corea ricamente bordadoa, e meiaa de seda, o
melhor a mais bontto possivel. Agora,, pois, os
paia que nao quizerem eaperar pela generosida-
de das senhoraa comadres, dirigirem-sa logo
manidos de dinbeiro loja d'aguia branca, raa
do Queimado n. 16, onde bem podero comprar
esees galeotes objectos.
Ra a Seuzalia Nova 11. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C.,
sellins silhoes inglezos, can.iieiros e castigas
bronzeados, lonas ioglezas, fio da vela, chicotes
para carros a montara, arraios para carros de
ubi a dous cavallos, relogios da onro patenta
ingles. _______ ________ '
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem couhecido e acredta-
lo deposito da ra da Cadeia
Para luto.
Fumo de seda elsticos para chapaos largos a
astraitos a 1*500 : na raa do Qaeimado n. 22,
na loja da boa fe.
Lazinhtts muito finas
para vestidos.
Superiores laazinhas para vestidos de maito
bonitos padres qae se vendem pelo baralissimo
praco de 440 ra. o covado na raa do Qaeima-
do n. SI, no loja da boa f.
Kua da Seuzalia Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra ilOrs. dem
de Low Vloor libia a 120rs.
- Polassa da Kussia.
Vende-se emeasa deN. O Bieber &
C, sticcessores. ra da Cruz n. 4.
~T"
Para atar cabello.'
Tambem ha chegado linios penlea de tarta-
rea; todo entrancado com fita de borracha, de
turma que o cabello amarrado Oca deulro de um
engredado, inteirimente cousa uoa, e de mallo
gusto, ataim como com lst0 a lizoa de lindos fei-
^'*'6 veDUe Por pre?o maito razoasel : s
no vigilante, ra do Creapo n. 7.
Luvas de pellica.
Tambem ebegado as verdadeiras
Jouvia muito frescas tanto para hon...
para aenbora; s no vigilante raa do Crespo
luvas de
homem come
Gravatinhas.
.. *ni^,t? chegado as lindas grsvstinhas com
lindos botoes. que se vende pelo barato preco de
* D0 'Kilnte. roa do Creapo n. 7.
15
Liaba de croxei para la-
byrintho.
Ai melhores linhas de eroxel para labyrintbo,
no vello monatros a 320 ria um : na lo)a da Vic-
toria, na raa do Queimado n. 75.
Sinios dourados para se-
nhoras.
Lindoa sintos doarsdos para senhorss a 5*200,
ditos de ponte cahida a 49, ditoa de Ota a 1*600:
na loja da Victoria, na ra do Queimado d. 75.
do Recife n.
do que em
parte.
12, mais barato
outra qualquer
Ricos espelios de
moldura dourada par*
salas.
ChegoB para a loja da Victoria ama peqaana
porgo de ricoa espeihoa de varios tamanbos para
ornamentos de salas, aftlangando-se serem os
melhores em vid ros qae tem viodo : na loja da.
Victoria, na ra do Queimado n. 75.____________
La para- fctrdar.
La maito boa da todas as cores para bordar, a
"C a libra : na loja da Victoria, na raa do Quei-
mado n. 75.
Mauguitos com golliuhas.
Venda-se manguitos com gollinhas, fazenda
mallo boa, pelo barato prego de 2g000, gollinhas
e puobos ultimo jjosto a 2*000, gollinhas maito
finas a bem bordadas a lgoO cada ama na ra
do Qaeimado loja de miadazas da Boa fama,
n. 35.
Tiras e eutremelos bordados.
Vande-se pegas de urea bordadas de 1,500,
3,000, 3,500 e 4,000 eDtremeioa a 1*600 a 2*000
cada per na rea do Queimado loja da miadezaa
da Boa fama, n. 35.
Boaecas frucezas.
Vende-aa bonecas francezas rican-.ente vestldss
40000 e 5*000. e 2I00O bonecas da cera com os
olhoa movedgos a SjOOO e 3*000, oa ra do Quei-
nido loja da niludeaa de Boa fama, n. 35.
Linhas do gaz,
Gaixtnbas com 50 novellos de linhas maito fi-
nas do gz a 900 reta a caixa, ditas rom 30 no-
vellos a 700 ria, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ri-, brancae a pretas: na loja da Victoria,
na raa do Qaeimado n. 75.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se flvelas de <:o para ainto a 1*500 rs. a
2*000 na ra do Qaeimado loja da miadazas
da. Roa fama, n. 35. %________., .,------r-
lialeias.
Vende-sa baleias 120 rs. cada ama aspa de ago
per balo a 160 ra. a vara, bandes a 1*500 ra. e
2*00 o par, oa ru do Qaeimado loja da mtadezas
de Bo fama. p. 35.
A 25G0, s o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia branca com 2 a
3 babados a 2*500, ditoa da tarlatana brancoa e
da cores, com barras e babadoa a 3*: na rus
'la Imperatriz n. 60, loja a armazem do pavo de
Gama & 8ila.
Esperanca
Loja de miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A.
Costureiros.
Agalhas Victoria papel a 120 rs.
Linhas de200 jardas de toaos os nmeros s 80 ri.
Cascarrllba a pe;a 2*.
Dltaa muito boa vara a 400 rs.
Trao;a de linhe para todo prero.
Praoja de seds, de linho, de slgodo maito ba-
rato.
Ratroz, linhs da novelo etc.
Meias.
Um completo sortimento tendo da coras para
meninos a 240 ra.
Ditas brancaa a 200 rs.
Ditas para sanhors a 240, 300 a 400 rs.
Ditas para homem a 5* e 65.
Ditas pretas para aenhora a 400 a 360 rs.
Gravatasj
com boto a 1*.
De corea maito boas para homem a 1$,
Para meninos estreitinhss a 800 rs.
Pulceiras
de eontas mladinha a 1*.
De cabello a 4*.
De phantasiade dito etc. a 500 rs.
Botoes.
Prs casaca e para caiga a groia 320 rs.
Pra camisa muito finos groza 1**00.
Grsndes para roupao groza 1*680.
Pequeninos para crianza 1*400.
Alamares.
Para capola a dazia por 800 rs.
Colxetes.
De Do batido especial dazia 720 rs.
De carto 14 pares a duzia 500 rs.
Em caixa pretos a duzia 800 rs.
Brincos.
A balo brincos, encarnados, azaes e doarados o
par por 1*.
Rozetinhas com pedras que parece diamanta o
par 1*.
Penas e caetas.
De todas aa qaalidadea especislmente da caligra-
phla e de langa.
Caoetaa para aprender escrever pelo syslems de
Scaly urna por 500 rs.
Papel.
Almaco psutsdo 500 folhss 65.
Dito dito 420 dilaa 4*500.
Dito di (o 420 ditas 4g.
Dito liso 3*100.
Dito de peso azul a braneo 4J500.
Dito azul liso2*500.
Dito peqaeoo tarjado 1*500.
Dito peaueno da cores 1J.20O e 1*500.
Olio tarjado de [reto 1*500.
Euvelope ceno 1$.
Obreias de colas 100,120 e 300 rs.
Pentes de tartaruga.
A imperatriz 8* a 10* o que se vendea por 16*
rtireilo [ira alar enhalln m
\ imttagao por 1*.
Da ampia para meninos a 800 e 1*.
Tartaruga para atizar 35.
De bfalo para saiga e cabello 400 rs.
Pentes de borracha pequeos para trazar por ca-
sa muito boos a 320 rs.
E ioflnijade de artigos novsmente chegados i
loja Esperance ra do Queimado n. 33 A.
La pata bordar.
.-i?be,n,na"P'rtorlia P" tordar qae te
veode po, 6 a libra, aaaim como la da f.mili
que se rende a 1*. e em cada ceixinha muito fina
pelo Daralisslmo prego de 7* a calimba : i
vigilante, rae do Creapo n. 7.
BO
Espelhos.
Tambem ha grande sortimento de espelhos re-
dondos de moldura doarados de todos os tsma-
nbos com exrellente vldro, que se vende pelo
bar.t.asimo de 3$, 4g e 58 : s no vigtlsnte, raa
do Crespo o. 7.
Siutos.
Tambem ebegado oa muito desejados tintos
cem ricas flvelas de coacha a borlote ao lado
cousa muito chique se veode pelo barato prego
de 4*. asslm como ricas flvelas para sintos com
pC'innbs de lidos Rosto que se ende a 1J600
e 3*; 6 no vigilante ra do Creapo n. 7.
Velas e arroz.
Vendem-se veles de eepermacete a 640 a libra,
arroz da casca em saceos grandes a 2*800 cada
am : na taberna da travessa do pateo do Paraixo
n. 16, cem oito pare a ra da Florentina.
B fama il '
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
balo com pandante dourados a 2$
Blti-
No vos pentes
de te 1 taruga e masss,
com diircuk e sem elle,
para c t>sr cabello.
Grampos a
o par.
Pentes imitando tartaruga pera bandes,
mo gosto a 3* o par.
Fivelas para sintos, fazenda inteiramanta
2* o par.
Alneles pretos com doarsdo para secbora, iu-
leiramnle novos a2* cada ero.
Botoes pratos coro dourado para punhes, inlei-
ramente novos, a 2* o par.
Botoes de tartarege par. punbos a 1*500o psr.' J,".*
Na ro. do Qaeimado. loja de miudezaa n. 35. l"i[
da boa fm._______ *PP
Tinta para marcar roupa.
Vende-ae tinta para marcar roupa a 1*.
Agaa da malabar para tingir cabellos a 5* o'
frasco : na raa do Queimado, loja de miudezas n.
35. da boa fama.
Cartas linas para jogar.
Venda-se dazia da baralhos da cartas linas com
as ponas doaradaa a 6*. dita sem ser dourada a
3*500 e 4J : na ra do Queimado, loja de miu-
dezas n. 85, boa fama.
A loja d'aguia branca acaba da receber eases
pentes de que as aenhoras tanto preclsaeam pars
igealaraos pequeos dourador. O eorlimento
pequeo, porm completo, porque tero de Nria-
ruga e osases, dourados e sem o ser. A belleza
nova ? Veri(!]<*0 de'lea difficil desirever, e por isso
limitamo-nosa dizer que ellea sao de um dese-
nbo novissimo de purado gosto, e de rustra
txecugao, na qusl o artista alevoa-se por sua
pericia. Tem ellea a forma de um lago de Ota no
ceutro do que se conbece o feche por meio de
urna flvella, sso alem de rendados, tanto os da
ruga como oa da massa. Agora, pois, qUa
rece o bom, coovem qoe aa senhoras se d3o
demorem em mandar corxprar na loja o'guts
ranea, ra do Qaeimado n. 16.
Cartas Gnas para voltarele
l A loja d'2uia branca ecaba de receber um bem
iaor imeoto de cartas com tintas muifin-s, papel
lustroso e opaco, e car.cteres de novos desabor,
representando as figuras oa grandes peror.-8.ns
|ds gaerras d* Ililia e outios. J se v, pois,
1 que com uns baralhos assim bons e bonu'.u, ior-
jna-sn anda mais deleitael o entreter-se parla
Idaooite no divertido vollarete, tendo sompra
espadilba, manilha, basto, etc., etc., o pelo coa-
I trario um pichoso, ao qual os bolinhos e chan-
oa do bom cha do dono da rasa far esquprer o
pouco que perder. Os baralhos de canto redon-
do e dourado cest*m 6* a duzia, os in.mo,n,ios
I 5*. a outros 4*. 38500 e 3*. Tambero h* fin-s
para oa epatxonaoos da bisca, espadilha, ele,
Fazendas pretas
superiores.
Grosdanapla preto maito saparior pala dlmi-
oato prego da 2* o covado, panno preto maito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 a M o covado, caaemira preU
maito fina a 2JJ, 2*500, 3, 3*500 a 4* o eovader
mantea pretaa da blonda multo saperiores a 12*,
manteletes de saperiores grosdenaplea pretos ri-
camente bordados a 35*, sobracaaaras da pann
preto maito fino a 80*, casacas tambem da panne
preto maito fino a 30*, palelots da panno preto
Ono a 18 a 20*. ditos da caaemira da cor mes-
nada a 18*, superiores gravatinbas estreitas a
1*, ditas da satim maco a da gorgarao mallo 1
i>ariores psra daas voltea a 2*, ditas estreitinhai
com lindos slCoetes a 2*. superior gorgarao pre-
to para colletes s 4* o corta, ricos enfeites preto
a 6*, a assim outrss multas fazendas qaa sendo
linhairo vista, vendem-se por pregos maito b
'tos : na raa do Queimado n. 22. na bem contie-
nda loja da boa f.
Fitas de la para debrum.
Vendem-se pegas de lita de laa para d^bram a
18, a em vara s 120 rs., ditas de seda a 2*400, a
em vara a 240 : na raa do Queimado, loia de
miudezas n. 35 da boa fama.
Botes para punho.
Vende-sa botoes da panho finos da diversas
qaalldades a 200 rds o par. que tambem aervem ,
para manguitos da senbora : na loia do beiia flor I ?.^"? Dao na mal9 cosar-se, o neteu-
raa do Queimado n. 63. idete dirigir-te com dinheiro ra do QiPiora-
------------------------------------------------------------------, 1 do, loja d sguia branca n. 16. que ser bi-m ser-
OcCIlIOS T1 Vanda-sa oceulos finos de arma
29, l*,o00 e 400 res : loja do beij
Queimado n. 63.
Rival sem se-
gundo,
Raa do Qaeimado n. 55, loja da miudezas de
Joaa de Azevedo Uaia e Silva, conhecido por Jo-
s Bisodinho, est vendenda tudo pelos pregos
j sabidos, porm quem nao souber teora a
bondade de ver o que a bom a baratsimo:
Frascos de Lavando muito finos, a 801'
Ditos de oleo babosa superior, 320 e.. 500
Frascos da agoa de colooia muito Una a 400
Ditos de dita grandes superior, a 600
Caixas com pos cor de rosa para limpar
dantee, a.......; 160
Dazia desabneles mnilo finos, a 600
Vareada bico ds llhaa, est rio resto, a 80
Carriteis de linha oreta muito grande,
e tem rouila linha. a.................. 160
Benglas lo melhor gosto, a ; 500
Tioteiroa cora tinta muito boa, a 160
Baralhos de cartas frinozas, a 240
Ditss de cartas portuguezas muito fi-
na, a........... 160
Varas de fita de velludo recorlada, a 160 240
Fraseos de bsnhs de argo mullo sapa-
rior, a........... 600
Ditos da dita traesoareute, a .... 800
Frascos da macag parola, muito fino, a 200
Ditos de dito oleo, maito Doo, a 100
Yaras da fita para fazer sintos dos me-
lhores gusio, a........ 500
. Babado do Porto para todo o prego. .
Labyrintos muito fiaos pars todo prego.
Barrts com phosuhoros muito bons, a 160
Mirto da linha fina para Oordar, a .... 240
Carlea de clcheles superiorn a 40 e 80
Escoras para limpar deutes, a 200 e 400
Carntais de relroz de tolas as crs, a 240
Bonecas ouas porm muito bunitss,
210 e.................. 320
Grvalas de duas vollas muito supe-
riores a,........... .................. 800
Fios e raassos de coral de qutlquer qua-
lldade a............................... 500
Sabonetea grandes e o.uito finos, a.... 120
AKalbeiros com agulhas...... 80-
Fitas para espartilbos grandes e pe-
queos a 60 e ........ 80
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a 120
Caixas com agulhas frsncezas cartas, a 200
Linhas em cattoes brancaa e de co-
res, a................................. 20
Cascarillas ce seda.
Venda-sa cascarrilhas da seda para anfaitar
vestido a 2*000 a pega na raa do Queimado
loja de miudezaa. n. 35.
Meias de borracha.
Vanda-ae meias de borrscha paraqaam padece
da aryaipela a 15*000 o par, meiaa da seda preta
psra senhora a 1$000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, o. 35.
Perfumaras muito Huas e
baratas.
Opiata ingleza a 1*500 rs, dita trancis a 500
rs., 640, 1*000, oleo da sociedada hygieniqae
v*rdadeiro a 1*C00 o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, sgua balsmica
oara os deotes a 1*000, dita de Botot tambem
para os denles s 18000 o frasco, pomsda franee-
ta em paos a 500 rs. e 1*000, 320 rs. sabonetas
maito fino a 640 rs., 800 rs. e 1*000 cada uro na
ra do Queimado loja da m!
o. 35.
NA
Lojadopavao,
Cambraia organdys a 280 rs.
Venda-so esmbraia organdys de cores com mo-
dernissimos padres a 280 o covado, a caasss
francezas maito finas a 240, 280 a 300 rs. o co-
vado : s na loja do pavo, raa da Imperatriz
numero 60.
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1280 cadaum
uesta typographia se dir.
Camisas bordadas e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da agaia branca acba-sa am bello sor-
timento de bonitas camiainhas de Dna cambraia
coro babadlnbos e mui bonitos bordados da no-
vos e\Seicaoo deaenhos, as quaaa servem mai
bem para os modernos vellidos da frente aberta
a vendem-se pelo diminuto prego de 3* cada
atm como bonitos ooengutlcs a balo com
om paobos virados a cada par pelo ba-
o prego de 25. o qae i admiravel avista
erioridads da obra, a bem eseioi pMribos e
as tambem bordados com bonitos botoes
gearmgo, a gollinhas solas igualmente
ordadass 1* cada urna a mangaitus a 800
A vista pois de am to completo sur-
oburoa senbora deixari da comprar
esse* rvecessarlos objectos tanto mais qaanto a
commodidade dos pregos convida e para qua to-
dos sejaro bem servidos convem qua mandem
logo comprar na loja da agula branca ra do
Queimado u. 16.
Ricos Casquines
A loja da boa f recebea superiores bisquinea
da maito fina cambraia a imitego da da linbo,
bordados a enfeitados com apurado gosto eos
vende pelo barato prego de 8* cada um, tendo j
ido sempre sea casto de 16 j a 20*. apressem-se .
pois em compre-los na mencionada loja da boa
f, na raa do Qaeimado n. 22.
tr& : Na ra da Ituperatriz li-
mero 20.
Vndese o seguate.
Bramante erro 10 palmos de largura a
rs..
ljOO,.
ti .-a
cobrir
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoslbsdo adamssesdo com 8 pal-
mos da largara a lg600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para eolxas o para
ornamentos e igreja.
Vende-sa multo superior damasco da 15 de
urna s cor, muito proprio para colxaa a para
ornamentos, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato prego de 2*800 re. o covado : na raa do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pechincha.
Vandem-sa cortes de superior gorgarao da sa-
da pra colletes pelo baralisaafDO prego de 1*,
2* a 3* o corte : na ra do Queimado o. 22, na
bom conheclda loja da boa f.
riscadinbos escaros de cor flxa s 160
i de cores a 280 e 320 rs., oleados para
mesas a 2J, indianas rr.to hnas a lg, rhilas a
' 160. 200. 210, 280 e 320 rs., cambraias de ssl-
I picos de cores a brancas a 400 rs., cobertores
1 brancos e escures a l*i00, 1*600 e 2*. pannos
finos pretos a de cores a 2*. 2*00 e 3*. ram-
braias para cortinados a 2* a pega, ditas lis;* a
2*. 3*, 48 e 5*, tapetes muito tioos a 6j .; 7*,
chapees de seda e de castor muito finos e do ul-
timo gosto de Pars a 8| 9*. ditos de feltn. fi-
no copa alta a 5*, casemiras para forro de ortos
a 1*600, corles de dita muito fina para ralcvs a
4*, pegas da ntremelos a 1*, a finalmente' ma-
dapoles, slgodes, brins, bretsnbas e ouirsc
multas fazendas qun o dono do estbele.i;u%nto
est resolvido a vender muito barato atm de
apurar dinbeiro, daudo-so as competentes amos-
' trae coro penhor
Boa compra.
tara os tafo* quistas.
Vende-se o excellenta angenho S. Jo->aum,
sito ae fregue-zis da Varzea, urna legua por bom
eaminho, moente a correte d'agua por dous
agudes, tarrenos e mstas sem iguaes, po.
frejar at 2,000 pao. Tror-se tambem por pre-
dloa o cnenno engeoho, porm s nest praga ;
qaem se quizer enriquecer em pouco tt-n to, di-
rija-ae a negocia-lo na ra da Praia n. bi, ter-
ceiro enriar.
Lencos muits finos a imitego dos de linho de
maito bonitos
proprlos pa
barato prego
do Oueimodo
boa f.
tos padres a da corea flxas nimio ~M
ara aa pesaoae que tomam tabaco, pelo al k I gu ara,
;o de 4*800 a 5;500 a dazia : na ra. \\ 3 fij*"
do n. 22, na bem conhecida loja da : li(J|J| %J.\J
Bramante ifc nuli'J.
Vende-se maito superio'r bramante da linho
aom duaa varea da largura proprio para lan{ee,
pelo barato prego d? 2*400 rs. a vara : na beai
conhecida loja da boa f. aa raa do Queimado
n. 22.
_'_ Y/ifiO-
Vewde-se barrisrom cal nova chegads ultima-
mente, a 5*. no antgo e acreditado deposito ii
ra do Brum n. 66 rmszerr.
miikh
Bardados baratos.
Vandem se gollinhas da cambraia a da fil bor
dadas a 500 rs., manguitos a 1* o par, manguito
com golla bordada da cambraia a lgtiOO, e tira
borddas a ntremelos ; na raa da Imperatriz n.
60, loja do pavao.
Alpakiu a 280.*
Vende-se esta nova fazenda de linho a lmitagao
de sedas de quadrinhoa miadinhos propria para
vestido da aenhora, roapaa para meninos, sendo
fazenda que nao desbota, a 280 o covado : na ra
dezas da Boa fama, da Irnocetriz n. 60. loja do pavn.
DA
Fundicao Low-Noor,
Rus da Senzalla Nova n.4t.
lNesta asta bales i memo continua a haverum
eoapleto sortimento da moendas a meias moen-
das para angenho, machinas da vapor a tatxas
da farro batido a coado da todos os tamsnho
para dito.
Grampos a balo
com penden es dourados.
A loja d'aguia branca continua na recepgo de
objectos do ultimo gosto, e por sso acaba de des-
pachar vindo pelo ultimo vapor esees delicados
a novissimos {'ampos da bonitas cores com pen-
dentes dourados o que de mis delicado se pode
encontrar. Essa loja como feralmente sabido,
tem sempre ero vistes a commodidade de saa
boss freguezias a por isso tem resolvido vendar
esses galantes enfeites a 2* e 3* o par, o qua na
realidade maito mais valem. Coovm pois que
a vista da limilagio do prego a aeohore que com-
prar am ou mais parea. Dan se demore em par-
ticipar as suas boaa vizinhaa e intimas amigas de
coll'gio, para que aa emittem no sea aparado
gosto, e mandem logo comprar outros pares na
loja de sua affelgao : que a d'aguia branca, rus
do Queimado n. 16.
Chitas lurgas a 2UU rs.
Vendem-se chitas lsrgas a 200 rs. ocosado por
ter um pequeo toque da mofo ; na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavo.
Bramante a l#.
Vendem-sa pegas de bramante de linhs de
urna s largura rom 27 varaa a 10* a pega, tam-
tiem sa vende 1|2 pega com 13 1 \t varas por 5* ;
oa raa da Imupralriz o. 60, loja do pavo.
A loja da aguia
branca ra do Queirna. 16
Acaba da receber os precisos objectos segain-
tes :
Aapaf de bileia grandes a pequeas.
Fita com colxetes bracea, pirda e preta.
Dita de la para debruar vestidos de cores.
Traocinha da caracol miado conhecida por bom
tom.
aMflnetes pretos e brancos em caixinhas.
Agolhaa imperiaes funao dourado.
I-ta victoria em calxinbas e papis.
Retrox preto fino am cirreleis grandes:
no vigilante,
Collares para senhoras ou me
ascra^oL
& .a-
sem segn
Na raa do Qaeimado n. 55, loja da mirtelas
da Jos de Azevedo Maia a Silva, esta queinimite !
todas as suss miudezas muito boaa e berali'si-
rr.aa, a saber :
Sipatos de tranga de la muito superio-
res a
Ditos de la para meninos de peito a 200 c
Peres de botes pira puobos a
Caixas com papel de diversas qualidades
Surtido a
Ditos decores o melhor que ba a
Ih-souras de 6 pnlegadas a
Aia prea muito oa (libra)
l'tges de tita para coi, e superior qua-
lidade a
Novenos de linha que tem 200 jardas a
dem idem de 400 jardas a
dem idero de 800 jardas a
Liuha do gaz de 10 e 20 jardas a tres por
dous barate.
Caixas de folbatccm phosphoro9 a
Cornetas de cbifre para entreler meni-
nos a
hrahiba do Surte.
Fugio do engenhn Velho da fregaezia do S'nls
Rita termo da capital da Paiahiba, o es mvo
crioulo de nome Trajano, com os segaintes sig-
uaes : el< tara br.ixa, franzino do corpo. roste
rnanro, beigos cunos, mios, ps e oielbss pe-
ouenas. de muitp activi 'ade e Indico, mostra
ler de 18 a 20 anus e principia agora a herbar,
' i bom carreiro e rnsinha solTriveln-ient.' ; eate
n escrnvo anlou homij.ia:.o pelos suburbio! de-la
*''0 '.capital, porm CODSta que sxduzido se transpor-
' tua pars essa capital de rernambuco no miento
de interesiar to traficante : roga-se pois as aulo-
ridades policiees que se riignem mandar pren-
dlo e aos capites de cr ni, n que o espturem ";ue
levando ao leu senhor no referido engenhii tfo
generosa recompensa, protesta se entra todos
aquelles qae derem guarida e suxiliarem a luga
de aemelhaote escravo conservandu-o em pro-
veilo proprio.
70(
700
40
100
320
40
60
120
80
moas,
E' chegado os muilos desejados collares de al- Camtei's de linha da 100 iarl
jofares fingindo madrt'perola, com urna cruzinhs jd^tn da A'cxandre
de pedras tlnginJo brilhantes que sao muito ele-
gantes, pois s com a vista qae se poder apre-
ciar, que se vende pelo barato prego de 3* cada
um : isto > na loja do gallo vigilante, ra do
Crespo o. 7.
Carnauba.
Vende-sa a mais superior cara da carnauba qae
ha no marcado ; na ra da Imperatriz n. 60, loja
do pavo.
mM
Ate
i Veoda-se um moleque pega, le bonite fl-
gara, da 15 a 10 annos de idade, offlcial de pa-
dsria : a tratar oa raa da Cadeia do Recife, loja
namero 64.
das seis portas em tix^te do
Livrameuto. 15, 20,30 e 40
arcos.
Granle. sortimento de ssiss a balSo de arco,
os melhores que aqui tem apparecido no merca-
do a 4*500, 5*. 6$ a 6*500 cade am, d-se para
amostra com penhor ; a Loja aat aberta at a 9
horaa da noite.
Superior brim braneo de
linho
Vende-se superior brim braneo da linho tren-
gado pelo baratissimo prego da 1*200, 1*440 a
1*600 a vara, dito mullo eocorpado de doaa fios
o da linho paro a 2$ a vara : na ra doQaaima-
do n. 22. na bem conhecida loja da boa f.
X !2,40U rs. a ;uzia.
l.engos brancos tinos para algibeire pelo dimi-
nuto prego de2*i00 rs. a dazia : na bem conhe-
cida loja da boa f, na ra do Queimado n. 22
Cambraias de cores
Vendem-se cambraias francezaa da cores fa-
zenda maito flaa palo baratissimo prego de 260
o 280 rs. o eodo ; na loja da boa ( na raa do
i Queimado n. 22.
Cambraias lisas a 3$,
Vendem-se pegas de esmbraia lisa muito fin
com 8 1|2 vras a 3* a pega : na ra da Impera-
triz n#60, loja do pavu.
Paletots a 6#.
Vendam-te paletots da psnno preto fino a cor
de caf a 6* : na ra da Imperatriz n, 60, loja do
pavo.
Chitas escuras a 240.
Vendem-aa chitas francezas escuras a 240 o co-
vdo : ii ra da Imperatriz n. 60. loja do pavo.
Chales baratos.
Vendem-se chelea da marin da cores sendo
mano grandes s 3* : na raa da Imperatriz n. 0.
loja do pavo.
Chegado pelo va-
por francez s para o vigi-
lante finos pentes de mar-
rafa.
E' chegado os lindos paotinhos douradoa com
muitas lindas moldaraa de difiranles goslos pa
ra majute na trev.ssos, pois s com a vista o.
compradores sabero apreciar o quento sao del!
cados pelo baralissimo prego de SfiOOn o par :
as.lm como sem aer doarados de lindo go.t..
pelo barato prego de 2* : oa raa do Ceeepo n. 7.
86 no galo vigilante, ru* do C'po n. 7.
Gra-mpas a balo
Tambem chegado as liodaa grampas a balo,
coas mallo linda : s no vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Aderecos pretos
Tambem chegaram os lindes aderegos pretos,
sendo daas pulseiras. rosetas, alfinetes, tudo em
urna caixinha, inteiramente couaa nova nesta
praga, todos muito delicidoe pela grande mo
.ie obra que tem, pois as pessoas de bom gosto
sabero apreciar : S no gallo vigilente, ra do
Crespo n. 7.
Agulhas,
Tambem sao chegadas as verdadeiras agulhas
Victoria, de fundo dobrado, que se vende pelo
barato prego de 100 rs. o papel: s no gallo vi-
gilante, rus do Creapo n.7.
La pellas para nuiva.
Tambem sao ebegadas as lindss capellaa brsn-
' s, o mais delicado que pode hsver, qae se ven-
de pelo baratissimo prego de 7* e 6*. tambem ha
utrs ruis inferiores qae se veode por 2* e 3*.
|v>i.-ie que quem lver de comprtr qualquer
destea objectos, qua se apresse antes que ae aca-
oe, pote fot apenas urnas pequeoia amostres que
aerecebeu : sno gallo vigilante, roa du Crespo
numero 7.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston! & C
u. 42.
ra da Senzalla Nova
Potassa da Kussia
e Americana.
No escriptorlo de Manoel Ignacio de Olivaira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por prego
mais barato do que *m nutre qualquer parta.
Suahall Mellora & C, tanda racaotoo or-
i*m para vendar o saa crescido deposito da raio-
io ; convida, portante, s paasoaa qaa qaixer.n>
possair am bom relosrlo de oaro oa prata do c
abra fabricante Kernby, a eproveltar-se da op-
I ortanidada sem parda da tempo, para vir com-
ora-loa por comosodo pre$o lo sea escriptorie
rqs 49 Trapichan. 18.
niaiio superior a
Dazia de facas e garlos, cabo preto, mui-
to finas a
Caixas com colxetes francezas a
Ditas com phosphoros du g*z a
D'tascom dito de vela rnuiio superior a
Ciixas com isess psra acceoder charutos
Duzias de meias creas muito encorpa-
daa a
Duzia de meias brancas a
Duzia ce meias brancas muito finas para
senhora a
Masaos com grampos de todas as quali-
dades a
Bolgas muito finas pars guardar dinhei-
re, servero.trabem pirs guardar fumo,
e serven*arobem para senbora a 500 e
Theaoaras pequeas, porm muito fi-
nesa
Ditas psra unhas tambem muito supe-
riores a
Mirca* psra cobrir, to pequeas, porm
o prego cootioa a
Pares de meias de cores psra meninos a
Pares de meias brancaa para meninas a
Groza de pennas d'ago de todas as qua-
lidades a
Caixas com 100 anvelopes muito finos a
Groza de botes de looga pratudos a
Pugiram do egeuko Jar.iim
de Seriuhem.
Severino, mulato, cor atoarellade, de 30 an-
80 nos pouro mais uu n --ios de idade, altura ( 30 I Co menos do que a regular, cabello carapluho,
ICO | tem ti.ircas nao muitas, olhos papudes, bocea o
i nariz regulares; Joo ds Maltas, ciioulo, de 40
8*500 anuos pitaco mai u renos, altura regulsr,
40 grueso, feges regulares, ruriz grosso atan sr
Olcbato, tem crovos em um p pelo que soda cora
20 i o calcauhar levantado purhanio um pouco pela
4| perna qundo anda por cawsa de ler iro/ o por
I multo lempo pega, um levoa chapeo de i alha de
2J400 carnauba, roupa de algodo bra.^o, can isa e cslgs
1|6U0 de riscado e baeta verde, montado ero um
quarto casl-nho com cangalbc : a perso qae
3*000 oa pegar poder conduzilos ao referido enga-
ito ou a ciaa de Joo Pinto de Lemoa Jnior,
40 que sm gralifirada.
Escravo fgido.
Fugio doengeoho Malemba da comarca de Pao
d'Alho, oo dia 26 do corrente, o escravo cabra de
200 i nome Antonio, cunbecido por pedra mole, n qual
tem os sigiaes seguintes : alto, grosso, punca
barba que usa raspada, ps curtos e glosaos, o
tem um dedo da mo direila cortado, auptH-se
que andar pelo lugar de Pedra Mulle em A. .pu-
tos, onde tem mai e irc os : qem o pprehpn-
der poder entregar ueste engenho, que -r gra-
tificado em Aipuco, no engenho Doui trmos,
ou upeta praga. na r da Aurora n. 68.
800 1
400
10
160
200
500
lSOu
240
Hachinas americanas.
Em caaa de N. O. Biaber & (.:., saccassores,
raa da Craz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortas a capim.
Ditas para descarogar milho.
Ditas para cortar capim.
Salina com per-V.^cea a 10* a 20*.
Obras de metal principa prateadas.
Alcatrao da Saecia.
Varnix da alcatre para navios.
Salsa parrilhade primeiraqaalidada do Para,
Vinho Xerex de 1836 em caixas de 1 dazia.
Cognac em caixas de 1 dazia.
Aradea e gradea.
Brilbantes.
Carrosas pequeas.
Moendas > meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundicao
de D. W. Bouman.
Fugio do collegio oa Conceigo Ciuz de
lroae, (hontem) urna mulata muito alta, dn no-
me Claudia, idade 32 annos, vinda de Paji- :
quem a pegar, leve-a aquelle collegio, que ser
' ratilirado Recommende-se polica.
Est fagido desde 11 do cortete oiz deja-
Iho, o escravo pardo, Ricardo, boleeiro e carro-
eeiro, bem ronheeido nesta prega e eus arre-
baldes ; representa ter 25 annos de idade, ba-
xo e magro, tero cabelloscarapinboa raspado de
pouco tempo na cadeia, onde esteve por cansa
de estar fgido, tem pouca barba e falta de denles
oa freote, rosto comprldn e olhos redondos ; tem
aido encontrado ns Cepunga, e Olinda and va-
diando e jugando com mais de 20* que levpu :
quem o apprehender e levir a casa deseusenhor
na Passsgem da Magdalena que ser generosa-
mente recompemedo.
Antonio Valentina da Siles Bsrror.a.
2001 de gratificado
a qaem pegar o pardo Francisco, de 17 anoes
de idade, de bonita finura, com lodos os lentes,
cabellos carspinbo8 e ruivos, este paroo fui ds
Sr. Dr. Borgeada Fonseca, o qual vlajoa com a
mesroo senhor todo o sertao o suburbio oest
provincls.necessaiiimente quande era sea ei-
eravo, a talvez aind ae inculque a semgo lia
mesmo : quem o pegar qira entrega lo a saa
legitimo dono na ras do Hespirlo n. 6.
Ignacio Lais de Bato Taberda.
'-*.-
'
I



.
va*
DIARIO DB FMNAMBDCO TBH$4 FEiRA 2 DI SETiMQ O DE 1161,
Litteratura
Nem sabes.
Nem sabes que o mundo enterra
Um peito que amor le jura,
Lim peilo cuj ventura
S tu poders fazer,
Um peitoque.se dos males
Succumbe ans golpes cruento!,
Qu*ndo te ii'1 por momentos,
Seote-se, ento, reviver.
Nem sabes quinto te adoro,
Nem sabes quinto teu rosto
Ten sobre minht alma imposto
Firme dever dte amar:
Nem sabes que dos meus sonhos
Tu s a nica essenct,
Nem sabes quanta exiatencia
Vens sobre mim dirramar.
Nem sabes com quanto imperio
Teus mimos to sobre-humanos
Vera reflectir soberanos
No ardente peito de alguem :
N'-m sabes qusnto inspiraste
N'uma alma outr'ura ioaeocivel
Ura amor santo, mvenaivel,
Que ir do sepulchro alm I
Nem sabes, anjo celeste,
Nem sabes o fogo activo
Deste penar fflictivo
Que uie arrebata a razo ;
Nem sabes de meus tormentos,
Nem sabes qua inmensas dores
Vera acc mi cr seus furores
Neste infeliz corego I
Neste vae-verr da existencia
Nem sabes quanto me cusa
Luan lo na turba injusta
Para ti mioha alma erguer,
Que violentos embates.
De mil rivaes em deapeito,
Para votar-te mu peito
Hepillo j sem tremer.
Nem fiabas para adorar-te
Que vigor oest'alma impera.
Oa atiraco firme e sincera
lu me vieste accender ;
Que imperiosos desejos,
Que fortes, robustos tacos,
Sem se lembrar de ambarar js,
Vera para ti me prender !
Nem sabes que se nofosse
Este amor que rae sustenta.,
J miuba aorte crueiila
Me bavia morto Ulvez:
Que a por ti sustentado,
Porqae teu amor espero
MUhei de vezes tolero
Da surte o impo rever.
Nem sabes que quando o fado
Contra mim frvido avaoca,
S de alcangar-le a esperanza
Pode meu pranlo suster :
Que vendo o acenar das glorias
S.itneritejas glorias desejo,
Quando nellaa eu prevejo
Teu coracao merecer.
L nessa vida innocente.
Sera poder ouvir meus hymnos,
era sabes que altjs destinos
Vena para mim deapertar :
era sabes quaata poesa
Cera tea roalo em mioha alma,
Quanto dos genios palma
Ka me approximo em le amar.
Sebeado taivez que eu vivo,
Para ti sou qual um ente.
Apenas indifferente
Que o mando conserva em si,
Para tt sao meas extremos
impeueiravel arcano
Nem sabes que ardor insano
Sent micha alma por ti I
Nem sabes que a a idea
De merecer teus agrados
Pode Andar os cuidados
FOLHETIM
KSlUUiitB
por
*
AMEDEE ACIIARD.
Neata existencia de MI,
Nem aabes que s lea riso
Pode dourar meu (aturo,
E que dos bens qae eu procuro
Tu ea o grato painel I
Nem tabes quonto sublime,
Quanto a virtade respeita
Esta jura nao saspeita
Que tu me vs declarar;
Nem sabes que Recitando
Meu coraco fervoroso
S para ser tea esposo
Eu quero a existeotia amar I
Pernambuco 25 de abril de 1860.
Cato Guerrtiro de Castro,
rtoss vida.
,00 ALBIM DE MEU COLLECA O SR. BERNARDO DAS
DE CASTRO J
Aqei saliafeitoi por mutua amizade.
ua patria a aaudade querendo suster;
buscamos unidos tornar mais ditosos
Os-lempos penosos de nosso vver.
Se em nossas fadigas avaoja o perfgo
No peito do amigo o amigo descanga,
n j* gr4,0, auxilio de Deas avistamos
Unidos saudamos a lux da esperange.
Da arena das lettras no arduo embarace
No proprio caosago cobrando reforgoe I
Por ter da scieocia mimosos thesouros
Eu vejo teus loaros, tu vs ueus esforgjsl
Se a voz da belleza soberba nos falla,
Dizemos ama-la, discrendo-a taivez;
Depois contristados a ddr lastimamos.
Se a vida encaramos na triste nade I
Com ardor maldizemos o mundo corrupto
Ao verroos o fructo da vil corrupgio I
E quando a virtude gentil recordamos,
Contantes loe damos a uossa oblagio i
Nos raros deicangos que sobram das lfdaa
Ns almas unidas s tendo ama crenga,
E esse o momento de entogracejarmos
Sem nunca mosirarmos nam sombra de offeosa I
Pois bem ; quando a sorte vier separar-nos
E ambos levar-nos ao patrio torro.
Nao rasgue-se a tela da aa leal dado.
Da grata amizade mimosa expresao 1
L mesma di patria no mgico enleio.
La raesmo no seio dos paea adorados,
Nuirmdo amizade fiel, permanente.
Reciprocamente sejamos lembrados I
E quando subires da patria na altura,
E o dora da ventara nos fdr desigual,
Do amigo de outr'ora-v lnao te esquecas,
for mais que florsgaa na gloria immorlal 1
E aqal no tea lbum firmeza juremos,
rieis proteatemoa o voto cumprir I
E o lago bamdito que agora nos liga
Robusto prosiga durante o porvir I
Recita 16 de junho de 1860.
Cato Guerreiro de Catiro.
ra apenas de ser eleilo deputado. Compilando
pois todas as eonititeicoes dos povos vres, nao
se encontrarla maiorea garantas, nem mais fa-
vores concedidos ios sabiitos de ua paiz, quer
que celia tivesiea nascido, quer que por s'ua li-
no vootade o adoptassem por sua patria.
Com tudo, a clausula que o legislador impz
ao pretndeme dsputago geral professar a re-
ligio do Sitado, eocerra em si um poderoso mo-
tivo e faz compreheoder a vontade Arme de con-
servar illeza a f ou crenga qae a maioria da na-
go professa. e que nao pode ser assolapada por
outra qualquer crenga, sem qae perigue a estabi-
lidade e a propria moral do poro.
O reconheeimento deste principio to formal-
mente expresaado ni conalituigo do imperio,
impe o dever de respeitar os dogmn di reli-
gio do Estado, acatar aeus ministros nomeados
peio governo, e submetter-se s suss deciaoes,
quande estas limitndose sos principios recoobe-
~il.ii nivU' Ini ^" 4 __.
SL!*^!1" a10* dV!" tr,b!,h0 W1* "* gentes e dos tratsdos vigent..} a onquiatirea o
perieitimente qae aborrecido nesti orovincia n un___ n ...
despotismo, debati de qualquer traje que ten" ***** Du" Siah" Pro,lociM rom-
tuse dominar. ss, negam agora o mesmo direito de forca livre
._ a estes seus Tolranos e cooperadores cujas cica-
gioA..Vn^orU?ei.liedqiUo'nd,.!..e: SSlaS l""' *"* < l",rt *M* *
cada, sem a menor hesitago; a espada que se *ai>8***
desembainbasse para sajeitar crengas religiosas y
ou desellar convicgdes polticas que se nao op-
pazessem s nossas liberaos ioslituigoes. seria Mal baja anda urna fez o desastrado gabinete ;
S2ffl*\n pro5ri's usque a PMhu- pois que com essi reprimenda prvou o mundo
sem; a lei que forjada na mente de um chefe ., ,,.-,......
sem o concurso do povo, e nicamente apoiida de fer e aatrir" (boqaiaberto) I oa novos prodi-
pelas lisonjas palacianas, pretendesse mesmo de B'os Jo Ferrabraz Capreaoo mediodo suas torgas
leve influir sobre as conveniencias ou o livre ar-
bitrio de qualquer cidado, seria urna folha de
pergamioho sem valor langada fogueira do me-
noscabo e da diviso.
Estas sao as verdadeiras ideas qne professadas
pelo povo dest provincia, desmentem todas as
Rcligao e poltica.
Se existe no muodo um paiz onde a liberdade
de cooscieocia e a creog religiosa sejam respei-
tadas, sem ouvida aiguma o Brasil.
Se no Brasil,-como em outros Estados, re-
igiaodo Esado recoohecida e merece urna par-
icylir .tiengo. e eioecues garantas, e.H pre-
reren.ia nao aiteoa o reapeito e a tolerancia que
sao concedidas s outras, e quaesqaer que sejam
es principios religiosos, ou a seita seguida por
q-alquer subdito Brasileiro, embora se liaste ds
nica reconhecida pela lei do Estado, nem por
sso est mnibido de pretender ou oceupar este
ou aquello emprego publico, e at ser eleilo se-
nador.
O delxar de professar a religio do Estado prl-
esies deveres, urna violago di lei, urna teota-
tiva contra a tranqaillidade publica, pois que d
o pessimo axemplo dejulgar-se cima da autori-
dade legalmeole estaoeleclda, tirar-lbe saa
forca moral, e exp la a perder seu prestigio.
O fanatismo religioso taivez mais funesto do
que o poltico, e seus resultados se transmitiera
de gerago em gerago, sera que o lempo possi
acalmar o odio que um abuso lera gerado. De
qualquer lado que aeja insufflado este fanatismo,
convm lanj.r um dique que o infrene, apresen-
tar os perigos de sua iovaao, e eaqaecer pelo
lempo necesiario sua suffocago, se perteoce-
mos religio do Estado, oa outra schisma,
meaos respeilavel.
Longo declamar contra as iasignias que por
espirito dscolo, se coosideram como o al'io
que deve derrocar a crenga arraigada, a liberda-
de poltica, boje to neceasaria no solo Ameriaa-
no, como o ar para alimentar a vida, convm
conceder algum lempo experiencia e s obaer-
vacoee severas, mas oao intolerantes. E quando
se reconhacer que se lenta linear u'um terreno
virgem e frtil, sementes venenosas, ou plautar
vergonteas matis, ento ippiique-ie o preceilo
evaogelico : A arvore que nao d fructo deve ser
cortada e latinada ao fogo.
Antes destas provis e destas ionegaveis certe-
zss. pelo meous injusto qualquer clamor que
se levante por aimples prevengo : toda teutaiiva
qae tenda disvirtuar um acto na boa f pratica-
do, ou autonsado pelo supremo poder ecclesias-
tico da provincia. A honra e a dignidade deata
mesma autoridade Ihe impe o dever de prestir
a meior atleogo s queixas que Ihe sao dirigidas,
mas issportanie que estas quaixas sejam Mlhas
da verdaje e nunca de urna oppoai;o aciotosa,
oa sobre planos menos leaes formulada.
Se h' COmo di seduzir conscieocia
e a f religiosa de massas pouco instruidas e
unicamenle entregues ao seu trabalho facilimo
tambem fazer-lhes abandonar sua conaDca as
suas emprezas, inepirar-lha saudosas record'ages
da]palria, que cuato Ibes admioistrava o oeces-
sano, e acooaelbar-lhes a lnaobordioago e tal-
vez o enme, manejando com habilidaoe a arma
ae duas gumes chamadapropaganda reli
pies p
pos de toleraocis qae a poltica do pal: raconhe-
ce o exige que sejaoa recoohecidoa por todos os
qui, abandonando seu berco natal, vem procu-
rar nos bragos de urna cariohosa madrasta o am-
piro e a vida que a legitima me Ihea nega ; lu-
de quauto em contrario se disser, nao psssa de
urna borrends falsidade.
(Oo Commercial, do Rio Grande do Sul.i
(Contiouago do o. 198.)
IV
A escarainuea,
A tropa commandada pelo Sr. 'Assonville,
Cipitao da cavallaria ligeira, marebava aiodi i
dez mioutos de distancia da abbadia de Saint-
G orges, cijis paredes brancas sobresahiam por
entre os aumbrios arvoredas direita do caminho,
qj-ri lo sa ouviu s detonage dos tiros a pequea
distancia.
Ura camponez que fugia montado u'um pessi-
V.o sendeiro instruiu o Sr. d'Assonville de qae
uns vinte bandidos se haviam apresentado ns ab-
badia, arrombaodo as portas, e ordenado aoa re-
ligiosos que preparassem comida para loda atro-
pa, sob pena da serem levados a fogo e ferro.
E o que fez o dom abbade ? perguntou o
capito, cujos olbos faiscaram.
O que fez Mandou evacuar a adega e pre-
parar as mess....
Bem, servir-nos-hao a refeigao depois do
baile.
Quem sibe I A mim est parecendo que
muitos dansadores faltaro ao banquete, diz o
camponez, pois os Hngaros sao numerosos ;
creo serem mais de selecentos todos montados,
e bem montados; e emquanto os bons frades pre-
param a ceia, elies saqueiam a villa de Auvin.
O Sr. de Assonville ergaeu se sobre os estribus
com a espada desembaiohada, nio pareca o mes
no hornem paludo e qe denetava soffrer, um
r marcial brilhava em seu semblante, e o sangue
ffluia a sua face.
Para adiante eiclama elle seus soldados,
e com a ponta da espada Ibes mostrou villa in-
cendisndo-se.
A vista dos Francezes os inimigos se pozeram
em ordem de batalha oas margena do Termoize,
ua (ropa era numerosa, mas o Sr. d'Assonville
era daquelles que nao sabem recuar ; fez descer
os granadeiros, o os dividiu em pelotes de vin-
te homens, dizendo-lbes : alirae com nossas
granadairas, como nos cortamos com espaJa
que firemos estes salteadores stravessarem rio
sam batel. Os granadeiros gritaram viva o re, e
prepiraram suas armas. No momenti em que
Mr. d'Assonville ia dar o sigoal Je atirar, um
velho cfficial Ihe tocou no braco.
Sr. conde ihe diz, elles sao dous contra um,
e Um a vaotagem da posigo.
Pois que I O Sr. de Coudrais conta o ini-
ttgof
Eu sou responsivel pelas vidis desss gente,
responde o offlcial, entretanto ordene, senhor, e
ver se eu hesitara me fazer matar:
Pelo contrario ha de triurophar com os sena
granadeiros, verdade que elles sao dous contra
um, porm temos por nos a vista desia villa que
ae iucendeia, cada casa que desaba grita vingin-
ga, marchamos.
Toda a Iropa ouvia estas palavras, os saldados
electrisados av.ncaram, e J.cques sendo dos pri-
meiros entiu eorrsr em suas veas o fri da guer-
ra. Os Hngaros esperavam os Francezes dando
tnilhsres de gritos, e por seu numero dobrado
tinbam como certa a victoria, quando viram que
se aproximaran] foram i seu encontr sem a me-
nor ordem. O choque foi (errivel, os carallei-
Os homens que procurara na nossa provincia
um bem estar, palo seu trabalho, que podem
coalar sobre o mais cordial icolbimento e a maii
decidida proteegao, sabara que existe nella urna
tengiao que devem raapeitar e nunca otfauder,
por^e professada pela maioria absoluta do po-
vo, e que tem jus ao mesmo respeilo pela que
profeasam particularmente; bem comprehendi-
dos estes daveres nenhuma propaganda religiosa
e admissivel, nem pode esperar proselytos, que
oao seja pela forg de suas convieges. e nunca
pela da violencia, inadmlssivel entre nos.
As massas que procurara, nossa provincia de-
vem tambem compenetrar-se que, a hospitalida-
da qae recebara apenas exigente pilo que per-
tence ios usos e costuraos do paiz, e sob este
ponto de vista tem diraito toda iltengo-. Lo-
go nenbum temor devem ter, aajeitando-n es-
tes principios lo simples e lo naturaea ; ne-
nhum receio deve perturbar suas consejadas,
. laiK.iu ~
ros brigavam com a espada e a pilela em punho,
e por algum lempo o reaultado foi duvidoso. Os
combaleotes formavam urna massi movel, desta
massa confuaa|sahia um ruido de ferro mistando
aos gritos da morte. Os Huogaros esmagados pe-
las bailas e pelos ardeotes cavalleiros que pelo
exemplo do Sr. d'Assonville seelectrisararo, come-
garam a fraquear, e em alguna instantes fugiram
em urna desordena espantosa. Jacques via pela
primeira vez todos os horrores de um combate; a
emocSo fazia tremer seus labios, mas o ruido das
explosoes e o cheiro da plvora excitavam sua
coragem, elle braodiu seu sabr, e se langou aos
inimigos. Um Hngaro que ella enconlrou Ihe
disparou urna pistola, a baila atravessou o cha-
pu de Jacques, e este Ihe atirou um bonito gol-
pe de espada. O Huogaro cahiu, o sabr Ihe li-
nba penetrado na gargania, e o sangue jorrou na
mo de Jacques, elle abaixou a ponta da espade
e estremeceu, era o primeiro homem que elle
matavj.Um irogo de cavalleiros o expelliram pa-
ra adiante, e no meio da lula quando perseguiam
aos fugitivos elle eocontrou o Sr. d'Assonville,
e poz-se a seu lado.
Tu te portaste bem Ihe diz o capito, psgas-
te-te de teu dioheiro que estes salteadores te
roubaram.
Eu fli o que pude, respoodeu Jacques.
O can po da batalha eslava janeado de morios
e feridos, os inimigos linham perdido trezentos
borneas ecem prisieoeiros. Como oSr.de As-
sonville se diriga com Jacques para reunir-se
seu esquadro, viu pasaar urna padiola com um
official ferdo ; e ofQcial levantando-se Ihe diz:
Senhor, o seohor conde tinba bem rszo,
elles foram batidos, mas me mataram.
O que I! eu espero, Sr. de Coudrais, qae a
sua feriJa....
Hinha ferida mortal, diz o velho offlcial,
urna baila me tem atravessado o peilo ; a minha
prudeocia eit explicada, era um presentimento,
at logo, capito.
O Sr. de Coudrais deixou cahr a cabega onde
voltejavam as sombras da morte. Jacques lioha
o coragio aperlado; depois dos transportes di
victoria, elle assislia se luto de urna agona. Elle
tomou a direcgo do rio com a cabega baixa. No
curso de seis diat, elle tinha morto quatro ou
cinc homens, ? ferido outros tanlos. Andando
entro os cadveres elle olkou para suas mos, e
estremeceu, erara hmidas e vermelhas de sao
gue. Que caminho ia elle seguir para chegar a
Suzana.e que sanguinolentas primicias seu amor
Ihe offerecii ? Jacques estiva neste momento
oade a batalha tiaha sido mais encarnigidi, elle
encontr um Huogaro que se srrastaodo chega-
va-se para o rio; Jacques correu elle e o levan-
tou ; dame agua diz-lhe o Hngaro, elle o trans-
portou para juoto do rio e lh'a dea, o Hngaro
bebeu vidamente, Jacques e encostou em ame
arvore, e lavoa Ihe o rosto; o Huogaro tinha um
golpe na cabega a urna baila no ventre ; quando
Jacques acabou de salva-lo e que viu suas fei-
ges, deu um grito ; o ferido o olbou e ihe diz,
tu mereconbeces T Quando me levantas-te na-
da te dine porque liohi sede, mas agora, .'caba
de malar-me pois tens direito.
Este direito de asssssioo, diz Jacques.
Ah 1 tens escrpulos Ihe diz o Hngaro, pois
ealguradia le encontrar.... mas nao, os leus
me puzeramem tal estado que d'aqui instan-
tes serei morto, ests viagado.
Nao, eu me bati, responde Jacques.
Oh I en nao te quera mal por isso diz o
Huogaro.se eu te livessemerlo nada diato acon-
tecera, ums ligo tardia para mim, da qusl te
deves sproveitar ; quando ttere m priiiooei-
nao
Quesillo italiana.
Parturient montes, et nsseetur ridiculus mus.
[Do coronel Horacio.)
I
Trouxe-nos o ultimo psquete a sorprendedors
notiaia de urna formidavel expedlgo invasora,
(mas abortada infelizmente ou suffocada pela alta
polica do gabinete Ricasoli); planejada pelos
ofTiciaes garibaldinos sob a immediati inspeceo
e intervengo do mesmo here do Palermo [par
droit de conquile et fame]: os quaes internan-
do-se sorrateiramente pelo territorio Helvecio
cabiriam de emboscada sobre o Tyrel, e o ar-
rebataran daa mos dos Tudescos, caes enxo-
tados.
II
Mal haja o gabinete de Turio por esse passo
arbitrario, ingrato e inconsequenle comsigo mes-
mo ; sim, arbitrario e desptico, porque arro-
tando os piemontezes tanto fervor de patriotismo,
de independencia e liberdade a favor de todos os
(sem a madrioba Fringa) com o exercito discipli-
nado da Austria : e assim mais de tomar notas
sobre o resultado dasse encontr, se de laclo
correspondida atuavidade com que elle oot'rora
conquistou louros domsticos por meio de revis-
tas e discusses faustosas ao som dos vivas t
triumpho della iberia, quando entravj pela Si-
cilia e Calabria subindo pela Italia cima, mas
cujas massas populares j ..ae achavam de ba
muito trabalbadas e predispostas pela impreosa
revolucionaria e por emissarios Aoglo Fran-
cezes.
VI
Os admiradores deste novo Orlando italiano,
decantado pelo romancista Damas, fascinaram-se
a tal ponto com este seu here, que sonharam e
Qzeram publicar a recusa modesta e patritica
que elle fizera da honrosa misao e convite que
Ihe fra dirigido pelos Estados-Uoidos (os do
norte) psra, sob seu commanJo elles saflocarem
a guerra, civil dos do sal. Porm os altivos in-
glezes americanos julgaram-se to insultados por
esta burlesca jactaocia e eipeculago de preaiigio
que protestiram logo pela imprcoss de Waiing-
lon, da New-Yorck e de Philadelphis contra es-
sa imprudente mentira, pois que l linham suf-
cientes e habis generaesiem ser dos de paradas
e de correrlas.
Vil
oetual see.lo v.e to ..otado em .ciencias M-
claesemor.es. que nio pode m.ls tolerar a ac-
cumulago do. poderes ..piri,nsl e empor.l .
pesso. do poniiflce rom.no. aomo tolera elle. -
lili, e approv. de lio bo gr,ao Ms, mmm .
cumul.gao ah oo prximo vlxinho do santo pa-
dre (d'.lm do golo .driatico) e que assum. en-
conadamente os ttulos do imperador ottomsno
graosonbor da Sublime Porta, lulto e successor
do propheta Mahomet. all, na mais lmpoUBta
posljio geograpbica da Europa, o ambicionado
Bosphoro de Constantnopla ?
Dirio, que a analoga deixa de proceder,
porque a Tarquia urna nago semi-barbara, es-
tacionaria e atrasada em todos os ramos pela sua
religio sensual, obilinago, ipathia s fatalismo.
Offereceremos entao o exemplo do ciar e aut-
crata de todas as R.ssias,'konde predomina o ci-
vilisadorehrislianismo, embora schismalieo e on-
de ninguem cooteitar o actual progresso indus-
trial eintellectual, sempre em augmeoto sob a di-
recta influencia e animago do seu supremo che-
fe. que ao mesmo tempo pouliomaximo de
todi i egrej gr.gi o moderna.
XI
Diro anda, qae deserepa a semelbmga no pon-
to capital, pois que o recente progresio da fUs-
sis data apenas da hontem e limita-se ao material
e militar ; quanto ao mais, subsiste tuio slil suf-
ocado pelo mais tyrannico despotismo embrutece-
dor.eaiodahoje qoesecomegaaensaiar ou dar o
primeiro passo para a sua futura emancip.go po-
lilica, pela libertago dos servos da gleba, apezar
d. seria oppoaiglo da nobrez.. Bem : mas ento
o que se dir a Iogl.t.rra. a potencia mais res-
peilavel do muodo pela sua Torga public, illus-
Irigao, riqueza, induslris e commercio, o paiz
clasaico da liberdade normal, e cujo supremo che-
fe reina temporal eespiritualmenle sobre mais de
sua providencia policial nao podia ser pelo me-
nos em semelhante eosejo : pois que assim lh'o
liava determinando o seu rei cavalheiro; e este
por seu turoo nao poda proceder de outro modo,
porque assim tambem lh'o havis iotimado o sea
augusto amo Napoleo, o pequeo (como escla-
rece o Sr. Vctor Hago, aQm de se evitarem
. da Pennsula contra os siriacos, e o > Inopport.nidade ou irn-
os Bourbons e os Clericaes, sao agora elles mes- pro", C0""' eomo Por1ue eouTm aioda si"
mular por ora aiguma apparencia de respeito para
com certos protocllos diplomticos de recente
data.
Tornando porm ao gabinete Ricasoli, depois l50 milhoes de vasaalloa eapalhados pelas inca
de melhor reflectirmos, reconbecemos, que essa P"'e do globo, sendo este chefe nada minos
mos os primeiros a prender e agrilhoar os pulsos
valentes destes irmos na aeco de se irem liber-
tar a Austria.
III
VIII
Opportuoidade se deu, sim. em 1853 (visto que
o congresso de Vitan, de 1815 j era muito edo-
Foi ingrato e desconhecidissimo este passo, por
que .. o pequeo reino do Piemonte pode subir j.o e car.ncho.o) quando o m.smo imperial
cathegona e ao renome de Reino Italiano, j v.i. da Frang com o seu exercito, conquistou a
(embora de ephemera durago, por phantastico e j Lombardia Milaneza e a deu a Vctor Emraaoael
heterogenio). deve-o decididamente, em grande! sem se esq.ecer da cobrar logo depois as suas
paite, espada ventureira de Garibaldi e de Ivigaras (a Niss e a Saboia
seus sequazes ; e no entanto paasa a galardoar
agora estes hroes, seus benemritos, com a mais
negra ingratido, sob a iojuriosa mputago de
confiadores e desordeiros, trancafiando, uns
em masmorrsa, bramindo, outros pelo ostra-
cismo.
IV
Foi tambem incoherente ou incoosequente
comsigo mesmo o proceder do gabinete porque,
autorisando elle a esses mesmos homens, nao ha
muito tempo e auxiliando-os com todo o neces-
saro para inv.drem, (a de.peito do direito das
e sabe Deus quem
possuir de deveras ocluismsdo reino ds Italia) |
Mas nao se concias d'aqui, que assista egual di-
reito de conquista e da doago a favor do papado
territorial por Pepino, Carlos Maguo e oatros
nao ; e a razo da diiparidade ......sim, por
que tem j decorrido d'abi para c untos sca-
los, que, todss essas eousas e maia a looga poste
naointerrompida tambem j caducaran, offus-
cadas pelas luzes do nosso secuto.
IX
Servindo-nos do argumento que vraos n'um es-
cripto de um nosso illustrado amigo, diremos se
que a papiza Victoria ?
XII
Mas, seis embora a incompatibilldade e exclu-
siviimo s contra o papa ; pois bem : descarre-
jgae-lbe o derr.deiro golpe como entenderdes, e
| ver-se-ha que apenas vexareis o pesroal da egre-
ja. mas Dunca poderes attinglr a ella mesma.
Nao vos illudaes : promessa divina ao pescador
de Galilea e a seus saccessores nao sa limilsu
infalibilidade da doutrina e permanencia viei-
vel ; tambera Ibes vaticinou a partilba ccoetartta
do marlyrio, das perseguigoes.das cootridicgeVe,
o que exactamente se tem realiaado no decurso
de quasi dous mil anuos ; e assim lera de prose-
guir a santa s com mais ou menos independc-
ela temporal, perseguindo ora neste, ora naque!-
le outro lugar, perseguida por uns, soccorrida por
outros, mas sempre a mesma, visivel, iofallivel,
universal, eterna.
XIII
Durante esses dous mil annos tem pssstd,
quas desspereebidos. innomeraveis gigantes Ti-
taos, posto que pigmeus aos olhos da egreja. sem-
pre perrasoenle e sobrevivente a todos elles. El-
la embotou, observa Chateaubriand, o gome das
espadas dos imperadores romanos. Depois foi
passandocom muita mais facilidade, toda a en-
ada successiva das heresiarcas, desde Clso,
Ario e Micedonioat Luthero, Calvino e Voftai-
re.com todos os seus capangasempre impr-
tanles e iooffeosivoe doutrina imtnudavel.
um Bm I lrl a nSSRBSS ,n,,.A.. ..'.
ro mati-o lago, era o meu syitema, e pe
p-lo am pratica, eis a que estou re4uzidoi
Urna convulso cootrahiu a garganta dofil jii-
garo, e mal pie murmurar, agua, agua, ps te-
oho fogo as eotranhas. Jacques deu-Ihe|ua,
e correu a bascar aoecorro ; alie enconlrou, o Sr.
d'Assonville inspeccionando suas tropas e Ihe
diz, o official que quera me eoforcar em Artois
est quasi expirar, nao o posso transportar para
onde est a ambulancia, a lira de se lha dar o
soceorros que leu estado reclama ? O Sr. d'As-
sonville olhou por iustanle para Jacques e Ihe
pergunta:
Ests certo ser o official de que me fallas ?
Sim, diz Jacques.
Pois bem, meu rapaz, vae busca-lo.
Jacques parta com dous gendarmes e trouxa o
Hngaro em urna padiola, elle tremia de fri e o
Qlho do falcoeiro cobriu-o com seu capote.
Tu tens bom corago, Ihe diz o Hngaro, e
o primeiro homem qae me beneficia.
E' muito melhor que eu morra, e que tn
vivas; eu nada valho, e lu s um bom rapaz, o
acaso teve razo.
O Hngaro se ealou por alguoi instantes, um
estremecimento convulsivo o agitou, voltou-se
para Jacques e perguntou :
Crea tu que haja aiguma couia l em ci-
ma? e apontou para o cu.
Ha Deus, respoodeeJaequet.
O Hngaro p.diu-lhe a mao e a apertou com
tanta forca, como nao era de esperar de um ho-
mem to cruelmente ferido.
|* Pasaados alguna instantes Jacques Ihe diz :
Como se acha, cepRo '.'
Muito bem, meu amigo, responde o Hn-
garo.
Jacques se eslou pensando que o official huo-
garo quera dormir, quando chegaram ambu-
lancia, elhe tir.ram o cipote que o cobrii elle
estava morto.
Bas horas depois toda a tropa eslava reunida
oa abbadia de S. Jorge roda das mesaa prepa-
radas para os inimigos.
Ria-se muito, ecomia-se com ippetite, la.-
timaram os feridos, esquecism os morios, a os
vivos se felicitaram mutuamente.
O Sr. d'Assonvilla coaduxiu Jacques & um
quarto di ibbadia, onde estava prepandi urna
raen.
Senta-le, lho diz o capito.
O que I na sua mesa I
Depois do combate nao ha superiores, ha
oldados, diz o Sr. d'Assonville, senta-te e coa*
ti-me tui historia.
O Sr. d'Assonville nao era mais o brilhinte offl-
ciil, cujos olhos parecan: sahirera fors da orbi-
tal no momento da batalha, a (riateza e a palll-
dez linham voltado seu rosto, e seus labios des-
prendan um doc e melanclico sorriso.
Jacques se sentn commovido e attrahido por
essa melancola.mysteriosa, cuja origem devia
eitar no corago. Elle Ihe contou a historia de
la infancia, de seus amore e de iui partida ; o
Sr. o'Assonville o escutiva, um instinto seus
olhos se humedeceram com a historia dos inno-
centes amores de Jacques, mas esse Instante foi
tao curto que J.cques nem viu a. suas palpebras
humedecidas.
O Sr. d'Assonvilla tomou um cope e Ihe diz :
Bebo tuas eiperingis.
Jacques suspirou e murmuro.:
E' a fortuna do pobre.
Se tai amante tem o coragio sincero, guar-
da-a, mas se engaadora como o vento des-
preza-a, diz o Sr. d'Assonville, pois esperangas
irabiJas sao como espinos que despedagam,
cu cayr.u n.t^#jVi\r,-leKuuo Jot^uo.
Ta tena dezoito annos, exilamou o Sr.
d'Aasonvle, e um sorriso de irona passou em
seus labios.
Depois disse:
Crfi, Jacques ; a crenga o perfume da vi-
da, infelizes sao os que nao tem crido ; elles nao
|_tem amado, e morreram sem terem vivido.
O Sr. d'Assonville spertou a mo de Jacques,
o reflexo de orna paixo aoda nao extiocta illu-
minou seu roslo, de urna vez esvasiou seu
copo.
Depois diz Jacques :
O que pretendes fazer para adquirir for-
tuna?
Irei a Pars se nao me quizer em sua com-
panhia, responde elle.
E o que fars em Pars ? pergunta o Sr.
d'Assonville.
Anda nao sei, responde Jacques.
Porm em Pars se ba urna probabildade
de azer fortuna, ha quitro de morrer de fome,
Ihe diz o'Assonville.
Ento o que me aconselha, capito ?
L' o que vamos ver, responda o capito ;
nuicm, ,
me, como teu brago forte, e te fallarei como
homem. S soldado, mas entra na artilharia, l
um rapaz de merecimento anda que nao seja no -
bre pode fizer carrein, s joven, Deus far o
resto, encontrari difficuldides, mss limbra-te de
Suzana. Eu lenho um irmo que commanda urna
compaohia de sspadores em Laon; dar-te-hei
urna caria para elle, e o fllho de (ieilherme ri-
nedal nao sahir da familia.
Jacques tomou as mos doSr. d'Assonville e as
beijou sem poder fallar. "^No outro da Jacques
com urna bolsa racheiada, e bem montado deixou
a abbadia.
CAPITULO V.
O interior de um quartel.
Jacques chegou sem embarago algum Laon,
o primeiro soldado que enconlrou Ihe indicou a
morada do Sr. de Naoerais. Apenas o capito
conheeeu a letra de sea mano fez entrar Jacques.
O Sr. de Nancrais era um homem alto, secco e
nervoso : seus olhos pardos quasi que estavam
escondidos em espessas sobrancelhas, separados
internamente por urna ruga profunda, brilhsvam
extraordinariamente ; um longo bigode divida
[Continur-se-ha.)
me recommendou tanto-
bebe este velho vinho de Borgonha, elle d bom seu rosto enmagrecido pelas fadigu da guerra
conielho, e mostra facis as eousas mais difficeis;
quando se quer ser capito, mister pensar em
ser-se general.
Generall exclama Jacques aturdido.
Por certo, se eu fossedoudo em smar, ama-
ra princeza.
Pois bem, diz Jacques, se o capito me en-
corporasse em seu esquadro?
Ah I o uniforme bonito ; se tveres o cui-
dado de evitar as balas a outros projectis perigo-
sos, se te cooduiires sempra valenlcmente, nao
transgredindo a discipliua aos quarenta annos po-
ders ser alfares.
Jacques desanimado deixou cahir seu copo.
O Sr. d'Asionvllle diz-lhe:
Nem tu era eu fomos quem flzemos o mun-
do assim ; se pelo menos teu pae tosse cavalleiro
no tempo em que estamos, todos os paes devism
nsseerem conde ou baro.
Senhor eu corro Pars, exclama Jacques.
Oh I Parisl diz o Sr. d'Assonville, urna
amavel cidade para os rapases ricos e benitos,
mas quando nao se tem seno belleza, mister
nSo entrar nos hoteis, parque os geolishomeos
ricos sahem embriagados de prazeres, e os pobres
recrutados. Pars urna cidade onde os praze-
res abondam, porm custam mu csro. Verdade
seja que qusodo se bonito pode se encontrar o
amor de ama viuvs, que nos colloca entre suas
duas affeiges, seu cozinho e seu coofessor, e
pala maoha sahe-se furtivamente pela porta se-
creta. No lim de um mez se seu secretario, co-
me-se, engorda-se e vegeta-se.
Jacques fez um gesto de desgosto.
Ento preciso seres intendente; sabes
tu roubar? diz o Sr. d'Assonville.
Seobor, responde Jacques com a voz trmu-
la da emogao.
O Sr. d'Assonville o olhou sem que um s mus-
culo de seu rosto estremecase.
Jacques passou as mos por seus cabellos e deu
um profundo suspiro dizendo :
Perdoe-me, Sr. conde, eu nao esperav este
ultraje da parte de urna pessoa que foi embalado
por meu pie; V. S. me qulz panir por eu ter es-
quecdo a distancia que existe entre nos, mas o
fez atrozmente ; porm sfflrmo que em toda as
emergencias da minha vida, por mais arriscadas
que sejam, sempre me lembrarel que teoho por
juizes, Deui no cu e meu pae na trra. Tu s
urn bravo e leal rapaz, meu amigo Jacques, eu
me crgulho ero te apertir mo, qulz ta expe-
tinha por habito torc-lo quando fallava sem dei-
xar de olhar para a pessoa quem interrogava_
O Sr. de Nancrais era mais mogo quatro innos
qae leu irmo, porm pareca ser mais velho.
O habito do commando, e sobretudo seu carc-
ter imperioso, davam sua pessoa um ar de au-
torilade que impuoha primeira vista; elle ti-
nba a carta de sea mano ns mo quando Jac-
; ques eotrou ; elle o consderou por um minuto e
Ihe diz :
Chegas de S. Pol?
Ha um quarto de hora, responde Jacques.
Pelo que me escreve meu irmao, queres
ser soldado ?
Sim, capito.
Olha que um emprego em que ha mais
chumbo ganhar que dinheiro, Ihe du i. de
Nancrais.
Sei, responle Jacques ; assim como que
o mais honroso para quem, como eu, quer fazer
carreira.
Bem diz o Sr. de Nancrais, mais eu te pre
vino que ni artilharia e sobretudo em minha
companhia se escravo di disciplina ; na pri-
meira falta admoesta -se, na segunda prende-se
i...... ^, ,j la
pito, pois elle nunca
um soldado e assim sers feliz, pois, pari'ie U
cangar algum poato, preciao loffrer-ie muita
bailas dos inimigos em algum assalto, e como
sempre morrem officiaes, preciso subatitui-los -r
porm affirmo-te qae, em quanto morro m offi-
cial, perdem-ae trinta soldados ; um calculo
qae teoho feilo em minhas horas vigas.
Bella-rosa foi alojado- n'um quarto com olio
eompanhelros, deu-se-lhe um uniforme, urna
graoadelra, um punhaf e um par de pistollas ;: nro
dia iramedialo eoainou-se-lhe o manejo iras ar-
mas, e nesta occasio o instructor recoohece
que o discpulo pedia Ihe dar ligoes; no aubse-
queot, quando comegaram a lbe ensinar a arith
mlica, muito admirados iicaram por verem ello
resolver qualquer problema ; o que fez com que
La Deroule (osse dizer ao Sr.de Nancrais que o
recruta era um perfeito engenheiro. O cipito
chamou Bella-rosa e o acouselhou de estudar lin-
guas com especlalidade o hespaohol, este o iez
com ardor ; muitas vezes a imsgem de Suzana
Ihe vinha imaginago, era mais um iocentivo
para seus estados. Um dia em que elle descia
urna escada, um soldado Ihe deu um eacontro,
giitando ao mesmo tempo : ques respoodeu que elle descando pela esquerda,
e o soldado labiado pela direita, i *u!pa era sua.
O soldado levanlou a mo para dar em Bella-
rosa, mas iste a suspendeu em tempo e fez o
insolente rolar pela escada ; com barulho ap-
pareceram alguos saparsdores que privaram o
soldado de ser esmsgado pelo punho de Jacques.
Logo que o soldado levantou-se, disse Bel-
la-rosa :
Tu vaes-me seguir, pois quero ver se ma-
nejas to bem a espada como tens o punho forte.
Por uoiea resposta Bella-rosa Ihe fiz signal .jua
seguisse. Sahiram da cidade e pararam no cam-
po atrs de um cemiterio por onda ninguem paa-
sava. Comegaram o duello, o loldido itacou com
tanta furia Bella-rosa, que elle foi obrigado a
romper duas vezes.
e aa terceira fusila-se.
Eutralarei de evitar a priso aQm de estar
looga do fusil, responde Jicqaes.
Est bem, desde j s soldado em mioha
companhia, segu sempre o bom esmioho, nao
me obrigaas a puoir-te, pois o farei sem pi 1a-
de, porque qaero que sejas digno da protesgo de
meu irmo.
Jacques ia responder quando o capito o de-
teve com um gesto e Ihe diz :
E' mister mudar o (eu aome, pois todos os
meus soldados o fazem.
Tambem da disciplios, pergunta Jscques
envermelhecendo.
Sim, meu rapaz, responde o Sr. de Nan-
crais sorrindo ; achei o nome emteu rosto ; cha-
mar-ta-has Bella-rosa.
Ao mesmo tempo tocou ama campa e entran-
do um soldado Ihe disse ilgumis palavras ; este
sahiodo vollou asanles depois com um capora
de sapaderes.
Sr, de la Deroule, diz o Sr. de Naoerais ao
caporal, eis um recruta que ea Ihe confio; ins-
trua-o e d conta de sua conducta.
Apezar de seu nome formidavel, o Sr. de La
Deroute era um excellente homem ; depois de
sahirem, elle diz 6 Jieques;
Oh exclamou o artilhelro qua so chamava
Bouletord, parece-me que de teas Miado, o quo
tens aprendido bateres-te em retirada.
Bella-rosa nao respoodeu a coatinuoa o duella,
tentava desarmar Bouletord, mas este nio o pir-
mittii, no flm de ilguns minutos Belli-roia atra-
veasou o peito de Bouletord, que cahiu dsa-
maiado.
Quando Bella-rosa chegou ao quartel, cont
ao caporal Li Deroute o que se tinha passado ;
este Ihe disse que eracestume no seu regiment
experimentir-se os recrutas; qae, ae elles ba-
tlam-se bem, eram respeitados, ao contrario
escarnecidos pelos eompanhelros : era o baptig.
do de forro. Bella-rosa Ihe pergu.tou se o duel-
lo nao era prohibido, Li Deroate disse que sim,
mis que os officiaes fechavam os olhos, e qua
elle estivesse descaogado que as tosleraunhas
nada diriam, e que se o Sr. de Nancrais soubes-
se fszia-se ignorante ; que Baulitord serie tra-
tado pelo medico do regiment por estar doenta
de febres, e que, se suesumbisse, ellas era de-
vido. Bella-rosa riu-se da farg, mas La Deroala
disse-lhe que tinha viste merrer maia de ama
duzia de febre maligna e de febre vermelha, qua.
nsdi mais en do que bona golpes de espada, a
que estas febres eram a providencia do soldado
(Continuar-se A#.l
PEKNAHBUCO,TYP. DEH. F.DBF. 4 FILHO.

L

i
.
ILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVFAAS6GE_RIY8AY INGEST_TIME 2013-04-30T20:34:08Z PACKAGE AA00011611_09609
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES