Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09608


This item is only available as the following downloads:


Full Text
--.

AIIO IIIVIII. 1D1EIQ 201
fr tres Hezesadiantadts 5 $000
Ptr tres Hez* vencido 6$00t

SEGUNDA fEIRA 1 M SETEMBB8 OS I!
Per uoe adlaiUdt 19|00O
Porte fraict itrt nbiiriiter
HVMaHMM
DE PERMMBllO


XGA BREGADOS DA SUBSCRIPTO DO .NORTE
Parahyba, Sr. Antonio Alexandrno Ll-
ai; Natal, o Sr. Aatonio Marques da Silva
Aracaty, o Sr. A. d Lemoa Braga; Cear o Sr.
J. Jo* da Oliveira; Msranho, e Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Pira, lisnoelPinheiro &
C; .maxonas, e Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SOL
AlagOae.oSr. Claudino Fsleo Diaa; Bahia,
o Sr. Joa Martina Alvea; Rio de Janeiro, o S.
Jo* Partir Martina.
PARTIDAS DOS CORRKIOS.
Olinda todoa oa diaa aa 9X boraa do dia.
Igaarass, Goianna, Parahyba as secundas
soztaa-feiraa.
S. Antao, Bezarroa, Bonito, Carear, Altlnh
Garanhens as tergas-feiras.
Pod'Alho, Nazareth. Lmoairo, Breio, Paa-
qaeira, Ingazeira, Floraa, Villa-Bolla, Boa-Viata,
Ouneiry a Ez naaqaaitaa-foiraa.
Cabo, Serinhem, Ro Formoao, Ona,Barrairoa
Agua Preta, Pimentelraa o Natal qaintaa (airas.
/(Todos oa corraioa partam aa 10 boraa da manha
BPHKJtlKRlDES DO MEZ DE SETEMBRO.
S" Lna chala aa 5 horas a 16 minuto da tarda.
15 Qnarto miogaanto 11 hora o SI niatos da
tarde.
13 Loa nova aa 6 boraaa 16 minutos da maohaa.
30 Qaarto areacento a 1 hora o 28 minntoa da
tarde:
PREAMA DKUOJg.
Primairo as 10 boraa e 6 minatoada tnanhs.
Saganda aa 10 boraa a 30 minatos da tarda.
ASiTIDA DOS TAPORBS COSTKIROS.
Para o sul at Alagoas i 5 a SO; para o noria
at Granja 14 a 29 da aada nos.
'AMIBA DOS OMVH1B.
Para o Bacife: do pipueos s 61|2, 7, 7 1|S, 8
a.8 1]2 da m.; da Olinda a 8 da m. a 0 da t.; da
Jaboatao s 6 i |2 da m.; da Caxang a Yanta
a 7 da m.: da Btmfic* a 8 da m.
Do Ratita : p,r> o Apxpucot a 3 1|S. 4, 4 f|4,
4 ll2, 5. 5 Ij4, 5 1|2 a I da t.; para Olinda s 7
da m. a 8 l|2 da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caxang Varxta s 4 Ii2 da t.: paraBtmAca
aa 4dat. \' r
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAS DA CAPITAL.
Tribanal do tonnarcio: sagandas a quietas.
Relagao : tarcas a aabbadoa s 10 boraa.
Pazanda : qnintaa s 10 baraa.
Ijulzo do comniorcio : aagandss ao mala dia.
Dito da orphaoa: icgis a aaxtaa a 10 horas.
Prmair.r.ra do slrel: tergas a axtaaaa malo
dia.
Saganda vara da cival: qaartas* aabbadoa l
hora da tarda.
DAS DA SEMANA.
1 Saguads. S. Erdio ab.; S. Jese e Gfldeao,
a T.-rga. S. Eievao rei de Hungra.
3 Quart*. S. Eufemia v. m.; S. Arinheob. m
|4 Quieta. S. Roaa da Titerbo f. v.. s. Cesvdida.
5 Sexta. S. Autoaino m. ; S. Bettino ak.
6 Sabbado. S. I.ibauia v. m.y S. Presidio m.
7 Doniiogo. Nossa Stnbora tfaPenha; S. Joo p.
ASSIGNA-S2
no Roclfe, om a livraria da pn% da Indopea-
dnela r.s.6 a 8, do* proprietariwMvno} Hiael
roa da Faria & Filho.
PISTE 0FFIC1IL
Ministerio do impert.
Detreto n. 1,162 de 30 de julho de 1862.
Autoras o govaroo para mandar matricular o es-
tudanle Joaquim Cajueiro de Campoa no pri-
meiro aaoo da faculdade da direito do Recite,
depois de approvado no ezame de geome-
tra.
Hoi por bm santclonar e mandar qae se exe-
cote a resolano segamte da astsmblia geral le-
gislativa :
Art. i. O governo autorisado para mandar
matricular o eatudante Joaquim Cajueiro de Cam-
pos no primairo snno da (acaldade de direito do
HOCire, qas fraqaenla como ouvinte, depoia de
approvado no exasae de geometra.
Art. 2. Flcam revogadas aa disposicoes em
contrario
O marquei da Olinda, cooselheiro de eatado,
senador do imperio, presidente do cooselho de
ministros, ministro a secretario de estado dos ne-
gocios do imperio, assim o tenha entendido e
faga executar.
.ofliLJd0 Rl de ,4neir. m 30 de jalbo de
1862 41 da independencia e do imperio. Com
a rubrica de S M. o Imperador.Mrquez de
Olinda.Joo Lins Vieira Csnsanso de Sinimb
Transilou na chancellara do imperio, em 1
de agosto de 1862.Josino do Nascimento Silva
Registrado.Publicado na secretaria de estado
dos negocios do imperio, em 11 de agosto de
1302.Jos Bonifacio Nasceates de Azambuja.
7* secgo.Rio de JaneiroMinisterio dos
necios do imperio em 7 de agosto de 1862.
Ild. e Extn. Sr Em aolugo ao officio n. 3 de
7 de julho prximo fiodo.no qual inspector da
thesauraria de fazenla desgs provincia requisita
na augmento de 50 na verballygienc publica
lo exercicio de 186118112 afim de ectorrer
despeza com a gratificago que percebe o subs-
tituto do inspector de saude publica, durante
tres.mexes em que o effectivo teve licenga com
Teneimento; declaro a V. Ixc. qae osemprega-
dos a quem se sbonam gralificages marcadas
provisoriamente pelo governo nao teem direito
de percebe-las quando e9to fra do exercicio,
qufr por liceoga, ou outro qualquer motivo ;
as podendo portanto o inspector de aaude ter
direito gratificado doseu emprego, a qual de-
ve ser abonada a quem o substituio.
Dos guarde a V. ExcMirquez de Olinda.
sr. presidenta da provincia das Alagoas.
2.a secgo.Rio d Jaoairo,Ministerio dos
negocios do imperio, em 18 de agosto de 1862.
Illm. e Eim. Sr.Levei a preseoga de S. M. o
Imperador o officio de 11 da abril ultimo, em que
V, Exc. expoe as ocurrencias bavidas na elei-
cao dos membros da assembla dessa proviocia
pelo 2.' districto, das quaes resulta apresenta-
ram-ie aom diplomas duas turmas dos ditos
membros, urna proveniente da apurac&o de ama
arta falaa do eollegio de S. Beroardo do Rreje,
teita pela aamara legitima,a outra resultente da
apurayao da acta vardadeira do dito eollegio, fal-
ta porem por urna cmara irregalar. propoodo
V. Exc. que governo imperial mande proceder
nova apuragio.
E o mesmo augusto soohor conformando-se
porsua immediata resolujo de 8 do correte
mu com o pareeer da saclo dos negoeios do
imperio do cooselho de estado, excrado em con-
sulta de 31 de mato ultimo, ha por bam mantar
declcrara V. Exo. que a decisao desta questo
nao pertence ao governo, mas a assembla le-
gislativa provincial quando verificar 03 poderes
dos seus membros. O que commuoico a V, Exc.
para seu conhecieaento e governo.
Beus guarde a V. ExcMrquez de Olind.
Sr. presidente da prorocia do Marauho.
Ministerio da justica.
2* Secs*o.Ministerio doi negocio* da justiga
ltio de Janeiro, 4 de agosto de 185S.Illm. a
Exm Sr. A. S. M. o Imperador fo presante o
officio em qae V. Exc. communicou que, tendo
sido a freguezia de S. Baraardo elevada catbe-
goria do municipio pra lei provincial de 30 de
julho de 1859. e lando sido expedida pelo ante-
ceisor de V. Ex. urna portara em 15 de Janei-
ro do correnta anno creando foro civil ni dita
freguexia antes de constar oCfkialmente a instal
U;ao da cmara municipal, resolver suspender
nao s esta portara, como as aatrss que se
Ihe seguiram noomndo aubstitutos do juiz mu-
nicipal e creando delegara de polica e lugares
de escrives e tabllies, por entender que a fre
gaezia nao podia ser considerada municipio em-
qaanto nao se achasse iostallada a respectiva sa-
mara, e que as portaras nao eitavam conformes
lei, a qur pira foro civil presuppe aexisten-
is do manleipio. lo mesmo augusta senhor,
conformando-se com o parecer d conselheiro
cooiulior dos negocios da justigs, bouve por
bem approvar a reaolugao pela quil V. Eic. sus-
pendeu escoriaras que o sea antecessor expe-
dio antea da iastalago da villa. O qae commu-
nlco a V. Ext. para *eu conhecimento.Deus
liuarde a V. Eie.Joo Lini Vieira Cansansao
de Siuimbu.Sr. presidente da proviacis do Ma-
ranbo.
2.a seegao.Mioisterio dos negocios di jusli-
Ca.Rio d Janeiro 15 de agosto de 1868A. S.
M. o Imperador foi presente o officio em que V.
S. expoodo a duvidaquese sasiitou nesse tribu-
nal por occasio de ser sorteado o desembarga-
dor Lourengo Jos da Silva Santiago, para julga-
mento de nm recurso crlme em que era relator seu
irmo o desembargador Cetano Jos da Silva
Santiago, consultou se ha o impeeimento allegado
por aquelle desembargador. E o mesmo augus-
to senhor houve por bom dacidir que ha impedi-
mento para'ser juiz no feito o irmio do juiz rela-
tor, tanto nasaausag civeiscomo crimes, por isso
fue no processo criminal, com qosnto o relator
nao tenha voto eema no cvel, tem to grande
parle no julgamento do recurso que se deve re-
putar juiz o procedem as razes da lei qaando
nao quiz que don* irmos fossem juires na mes-
ma causa. O que comnunico a V. S. para seu
conhecimento.
Dena Guarda a V. S.-Joao Lins Vieirs Can-
aaosao de SniubASr- Agostioho Ermelino da
Loao.
clamago dos povos. Imperador constitocional e
defensor perpetuo do Brsil. Fazemoa saber a to-
dos os nossos subditos que a assembla geral le-
gislativa decretou, 9 dos queremos a lei se-
guinle:
Art. 1.* O actual systema de pesos e medidas
ser substituido em todo o imperio pelo systema
mtrico francez, aa psrte concernenle s medi-
das lioeares, de superficie, capacidade o peso-
Art. 2.* E' o governo autorisado para mandar
vir de Fran;a os oescessarios padres do referido
systema, sendo all derdamente aferidos pelos
padres lagaa; a oatro sim para dar as provi-
dencias que julgar .convenientes a bem da exe-
cucao do artigo precedente sendo observadaa aa
disposicoes seguintes:
f 1. O systema mtrico substituir gradual-
mente o actual systema de pesos e medidas em
todo o imperio, de modo que em dez annos
cesse ioteiramente o aso legal dos antlgos pesos
a medidas.
2. Durante este prazo as escolas de instruc-
gao primarias, tanto publieas como particulares,
comprehendero no ensino de arilhmetica a ex-
plicado do systema que est actualmente em
uso.
3.a O governo far organisar tabellas com-
parativas que facilitera a converso das medidas
de um systema as de oulro, devendo as repar-
tiges publicas servtr-se dellas emqaanto vigo-
rar o actual systema de pesos e medidas.
Art. 3.a O governo, nos regulamanlos que
expedir para a execugao dessa lei, poder impr
aos infractores a p.ena de priso at nm mez e
multa at IGOjOOO.
Mandamos par tanto a todas as aatoridadas
quem o conhecimento o ezecugao da referida
le pertencer que a cumpram e fagam cumprir e
guardar lao ioteiramente como nella se contm.
O secretario de estado dos negocios da agricul-
tura, commercio e obras publicas, a faca impri-
mir publicar e correr.
Dada no palacio do Rio de Janeiro, aos 26 de
junho de 1862 qaadragesimo primairo da inde-
pendencia e do imperioImperador com rubrica e
guardaJoo Lins Vieira Cansansao de Sinimb
Carta de lei, pela qual Vossa Magestade Imperial
manda executar o decreto da assembla geral
legislativa, que bouve por bem aancionar, subs-
tituido em todo o imperio o actual systema de
pesos e medidas pelo systema mtrico francez
Para Vossa M>gestade Imperial ver augusto
Jos de Cislro Silva a fezJoao Lins Vieira
Cansansao de Sinimb-Sellada na chancellara
do imperio em 28 de junho de 1862.Josino
do INascimenlo Silva.Publicada na secretaria
de estado dos negocios da agricultura, eomaaer-
co e obras publicas em 12 de agosto de 1862.
Jos Agostinho Moraira Guimares.-Regislrada
a fl. 1 de Uno 1.a de ieie.Directora central da
ecretaria de estado dos negocios da agricultura,
commercio e obras publicas, em 12 de agosto de
1862Francisco; Jos kdosJ Santos Rodrigues
Jnior.
Ministerio da marinha.
Aviso de 12 de agosto de 1862.
Faz extensiva sos offlciaes do corpo da armada e
das slasses a ella aonexaa a provisio do con-
'_ albo supremo militar de justiga de 15 de
dezembro de 1856.
3a Secgso.Rio da JaneiroMinisterio dos-
negocios de manaba, em 12 de agosto de 1862.
S. M. o Imperador ha por bem faxer extensiva
noa otieisjj do corpo da armada a das classes a
lie anexas a proviso do cooselho supremo mi-
litar de justiga de 15 de dezembro de 1856, pela
qaaldetermioou-se que o descont do meto sol-
do des officiaea do oxercito que forero presos
para serem sentenciados smente ss faga desde
a data da nomaago do consalho de guerra : o
que aommunico a V. S. para sua inteligencia
e execugao.Deas Guardo a V. ExcJoaquim
Raymundo de amare.Sr. contador damarioba.
Ministerio ila agricultura commer-
lo obras publicas,
a .*." "" :5J DE-26 BE '*o de 1862.
Sabthtue emtoio o imperio o actual systema de
peste medidas pelo systema metrieofraneex.
D. Podro II. por raga de Dos e naaime ae-
60VERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do ella *8 de agoste de
186
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Ba-
*!l"*AcBnlo a recepgo do officio datado de
29 de julho ultimo, em que V. Exc. solirta a ex-
pedigao de minhas ordens afim da serem envia-
das para esss provincia oito saceos com semeotes
de algodao que com esta destino deve remelter
pera esta capital o Exm. ministro brasileiro nos
Estados-Unidos, tenho a dizer-lhe que at o pre-
sente anda nao chegaram as ea.eoles de que se
trata, fkando V, Exc. certo de que providenciarei
00 sentido de sua roquisigao, quando aqu pas-
sar o navio qae as conduz.
Dito aocommandante das armas.Sirva-se V.
Exc. de informar acerca do que pede no inclusa
reqaenmento o ex-aoldado Jo 9a batalho de in-
fantera Leopoldo Antonio dos Santos.
Dito ao desembargador procurador da cor.
Sirva-ae V. S. de dar o seu parecer sobre as con-
sultas que faz no oflitio junto o juiz municipal
do termo do Cabo.
Dito ao provedor da Santa Casa de Misericor-
dia.Em vists de sua informago de 26 do cor-
rente, mande V. S. admittir quando houver va-
Ka no respectivo eollegio os orphaos Francisco,
llenrique e Victoriano, irmos de lolilio Tolen-
tinode Figueiredo.
Ditoao mesmoMande V. S. admittir no res-
pectivo hospital, aOm de ser convenientemente
tratada a enferma de que trata o officio incluso
por copia do subdelegado da freguezia de S. Fre
Pedro Gongalves.
Ditoao delegado enesrregado do expediente da
secretaria da polica.Constando de Informago
do inspector da thesouraria de faxenda de 26 do
correle sob n. 809, qua por aquella thesouraria
nao pode ser paga a importancia dos prets que
devolvo a a que se refere o officio dessa reparli-
?io de 2 deste mez n. 1,188, relativos t etspe
abonada pelo delegado do Limoeiro ao desertor
do 9 batalbao de iofintaria Antonio Gomes de
Souza, visto j ter sido ella aatisfeita ao com-
mandante daiue|le batalho deq'iemo mesmo de-
legado deve have la ; assim o communico V.
S. para seu conhecimento e direccao.
Dito ao inspector da theaeuraria de fezenda.
De eonformidade com a sua iofortnc,ao de hon-
tem sob n. 816, mande V. S. abonar a Luix do
Reg Barros, a quantia de 150J), como ramane-
ragao dos servigos que prestou na enfermarla dos
cholericos estabelecidos no hospital Pedro II, e
para esse nm devolvo os papis que vieram an-
nexos a sua citada informago.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. em vists de
sua ioformacao de hontem sob n. 819, a mandar
pagar aos empresarios da lluminaco a gaz neata
cidade a quantia de Ul$240 rs., em que importa
o gaz consumido com a illuminagSo do arsenal de
marinha no mez de julho ultimo, como se v da
eonta que devolvo coberta com oill 10 do inspec-
tor do mesmo arsenal o. 270, de 6 do correte
Dito ao mesmo. Reslituo V. S. os docu-
mentos qae vieram annexosa sua informago de
26 do correte, sob n. 813, aflm de qae de eon-
formidade com alia mande pagar ao tenente Luiz
Jos Ferreira Jnior, a quaotis de 1U0J que se
lne est a dever por haver apresentado na quali-
dade de recratador na freguezia de S. Joi desta
cidade, 5 voluntarios-para o servigo do exereito.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S. para os
Uns convenientes as inclusas contas e documen-
tos de recaita e despeza da enfermara militar de
tacarstu, relativamente ao mez de junho ultimo
bem como o parecer da junta militar de saud
que examinoa essas contas o documentos.
Dito ao mesmo.Devolveodo V. S. o reque-
r melo a que se refere a sua informago desta
data sab n. 883, o autoriso a mandar pasar ao
jalx municipal do termo de Nazareth, bacbarel
Joaquim Jos de Oliveira Aodrade, o aen orde-
nado correspondente aos diss 12, 13 e de 23 a
29 de junho ultimo, em qua deixoa o exerciato
do aeu emprego por ter de comparecer parante o
tribunal da relagao, e quaoto a gra ti tica gao da juiz
da direito aera abonada logo que elle o aprsente
nessa repartigao o competente attestado.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
De accordo com a sua informago de hontem sob
o. 463, e om vista do officio da presidencia da 28
de setembro do anas prximo passsdo, aatoriso
V. S. a mandar psgar ao escriplurario da se-
cretaria do governo Joo Manoel de Castro o ama-
nuense Jos Roberto da Cuaba Salles ao Ia a
quantia de 83I0 rt. o ao 2* a de 0233 rs. por
haverem exercldo esta aa feoegoes de escritura-
rlo o aquella a de chefe da 3a aecgo da mesma
secretaria, a contar de 20 at 31 de julho ultimo.
Dito ao capitn do porto, Fajo apreaanlar
y. S. o recruta de marinha Joo Jos de Araujo,
afim de que lhe d o conveniente destino depois
de inspeccionado.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Mande V. S. substituir por oatra a afrioaoa livre
Genoveva, qae est ao servigo do hospital Pedro
II, a qaal ae acha aaferma.
Dito ao presidente da cmara municipal de
Agoa Preta.Remallo lhe copia da portara des-
ta dais pels qaal nomeei aupplentes de juiz mu-
nicipal e de orphos nessa termo, os cidados
della constantes, para seu conhecimento e afim
de que Vmc. indapendenle de reanio da cmara
defirs juramento aos qua para isso se aprsenla-
ram aleo dia 27 de setembro vindouro, dspois de
convidados por Vmc. nominalmente, o oor eii-
taes, oa forma do art. 4 do decreto o. 2,012 de
4 de novembro de 1857, com declarago de qua
na hypothese do art. 3a do mesmo decrete pode-
r o presta-lo peraote o juiz de direito da comsr-
aa, ou juiz municipal de Barreiros, e de que carn |
renuBciadas e de nenham effeito as nomeagoes 1
dos que o no|prestarem at o dia cima indicado
e lavrado o anto da qua trata o citado art. 3a,
Vmc. me commneique a data dos juramentos o
osnomesdes juramentados, que devero receber
aeus ttulos de juiz muoicipal cima referido, a
quem sao para isso enviados.
Dito ao eonselho administrativo. Promova o
cooselho administrativo a compra dos varios ob-
jectos constantes do pedido junto, que sao preci-
aos a enfermara militar de Tacarais, em substi-
tuigo a outros que foram dados em consumo.
Dito ao coamisserio vaccinador. Remello
Vmc. urna caixinha contando tubos de buz vac-
cinieo.
Dito ao mesmo.Remeta Vmc. com urgencia
ao delegado encarregado da repartigo da policia
algutnas laminas de pez vaccnico de boa quali-
dade para serem envisdos ao delegado de policia
do termo do Rio Formse, onde se va desenrol-
vendo a varila.
Portara.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquete a vapor, mandem dar trans-
porte para a corte por coota do mioisterio da
guerra no vapor que ae espera do norte, ao ex-
cabo de esqusdra do 9 batalho de infantera
Stiro Pereira da Fonseca.
Dita.O presidente da proviocia atteodeodo ao
que informou o respectivo commandante supe-
rior em officio n. 85 de 20 do corrate, sobre o
requerimeoto do guarda da 2a companhia do 1
esquadro daca vallara da guarda nacional deste
municipio, Thomaz Jos Aoastscio da Sosia Pi-
mental, concede a eate 6 mezas de licenga para
tratar de sua saude.
Dita.O praaidente da provincia conforman-
do-se com a proposta spresentada pelo tenents-
coronel commandante do 5a batalho de infanta-
ra da guarda nacional deste municipio, sob que
informou o respsetivo commandante superior io-
tsrioo, ea officio n. 93 de 23 do correte, resol-
ve nomear offlciaes do referido batalho da eon-
formidade com o art. 48 da lei n. 602 de 19 de
setembro de 18 aos cidados seguales :
Estado -maior.
Alteres porta bandeira, Jos Duarte de Albuqaer-
quo Maraobo-
1.a companhia.
Alteres, Basiliano Correa Pessoa de Mello.
3.a companhia.
Alteres, Joo Goncalve Ferreira da Silva.
4.a companhia.
Alteres, Francolino Francisco Paes Brrelo.
6.a companhia.
Alteres, Joaquim Cavalcanti de Albuquerque Lins
7.a companhia.
Capito, o tenente da 5a Manoel Corres de Araujo.
Sommanicou-se ao commandante superior do
Recite.
Despachos do da 88 de agosto.
Requerimentoe.
Damio, africano livre.Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de marinha, tendo em vists os
avieos do ministerio da justiga da 4 de feverelro
e 29 de juoho ltimos, e declarando quem dia -
poz dos servicos do supplicante.
Frederico Miguel de Souza.Satisfaga o sup-
plicante o que exige o procurador fiscal da the-
souraria de fezenda nos psreser>es juotos.
Genuino Jos de Sani'Aona. Iofarme o Sr.
inspector da thesouraria de tazeoda.
Irmaodade do S. S. Sacramento da tregaezia de
Sanio Antooio desta cidade.Informe o Sr. di-
rector daa obras publicas.
Ignacio de Moara Campos. Avista da infor-
mado nao ha que deferir.
Jos Aagasto de Araujo. Passe portarla con-
cedendo a prorogacao pedida.
Joiepha Miria do Patrocinio.Avista da in-
formago nao ten lugar.
Jos Husos.Informa o Sr. inspector do arse-
nal de marinha.
Luiz Belly e Luizs Corbari.Informe com ur-
gencia o Sr. inspector da thesois/aria provincial.
Manoel Antonio de Vascoocellos.Passe por-
tarla concedendo a licenga requerida.
Manoel Sinnes Ferreira Brega.Passe porta-
ra concedendo a licenga requerida.
Rotilio Toleotino de Figueiredo Lima. Diri-
j'-se ao Sr. Dr. procurador da Santa Casa de
Misericordia.
W. J. Liadts.Passe jtortaria concedendo a li-
cer.ri pedida sem vencimentos.
Commando das armas.
Cuartel-general do enramando das
arma* de Pernambuco na cida-
de do Beelte em 30 de agosto
de 18A.
, ORDEM DO DIA N. 125.
O general commandante dos armaa determina
que no dia Ia de setembro prximo vindoaro
pela roanhas, se passe revista de mostra ao* cor-
pos movis do exereito, e sseompaohias soladas
existentes nesta capital, pela ordem seguinte :
horas a companhia de artfice ; i 6 1' ao
7 batalho de intentarla ; s 6 3/4 a companhia
de cavallaria; 7 1/4 ao 2* batalho e s 7 1/1 ae
. !.?," da 'Df"lia, e finalmente 8 1/4 o
4" batalho de artilhara a p.
Assignado. 5o/'donio Jos Antonio Pereira
do Lago.
Conforme. Jos Francisco Coelho, capilo
ajadante de ordens encarregado dodetalbe.
por cenlo do valor das demanda) accreacente-
l';~t00 e,U dieposigo vigor desde j.
Saldanha Msrtnho Martinho Campos.Fonceca
Visnns. d
< Emenda ao artigo additivo n. 18.O governo
poder applicar as sobras resultantes das econo-
mas faltas na exeeago dos servigos.O mais
como sa acha.Torres Homem.
a "J^LVl' 5**2.-Em vez daa palavras sen-
do so.UbUo pira melhoramento do porto da capi-
tal do Para, 40 OOOJfOOO para melhoramento da
barrado porto de Mimanguape diga-se po-
denjlo__o governo gastar das sobras que por ven-
tura a presentar-esta verba at a quantia de......
50:000$ com o mefhoramento'do porto da capital
do Cear, a de 4O.-O00J com c melhoramento da
barra de Mamaoguspe, proviocia di Parahiba do
Norte.Silva Nunes.A. C. Tavares JJasto.
Carneiro da Cuoha.
Ao srt. Sa 1 supprimam-sa as palavras:
Em vez de 170 0009, diga-se 208:0003; e res-
labelega-se o paragra'pho da proposli, accrescen-
laodo-se em vez das palavras sendo o aug-
mento de 38:000 pare igualar desde j, ele. etc.,
as seguiotes: Picando o goveroo autorisado
desde j a supprimir os empregos que julgar dis-
peossveis, e augmentar com os veocifneutos dos
empregos sapprimidos os dos qae forem eoaser-
vados, nao excedeodo os vencimentos que assim
se augmentarem aos que ora percebem oa em-
pregados de Igual cathgorii das domis secreta-
rias da estado."silva Nunes. o
Ao 65 da receita, accressent'-sa :Sendo
a ndemnisago relativa lei n. 696 de 20 de
agosto de 1853, e a. 979 de 15 de setembro de
1858. nicamente pelo que est vencido at o Ia
semestre do presente exercicio de 1862 a 1863.
flcando aem effeito d'ahi em diante.J. de Alen-
car.CalasansVillela Tavares.Mirltm Fran -
cisco.C. Madareira.Espinla.Flix da Cu-
nha.Joao Alfredo.F. Viannas Ribeiro da Luz.
Paula Santos.Ferreira da Veig.Carlos da
Luz.Comea de Sauta.P. Moniz Strra Car-
neiro.Nunes Googalvee J. R. Barcellos.Sil
vino Cavalcanti.Brandao.Tavares Bastos.
Fiea o governo autorisado:
o Ia Para fazer as operages de crelito ne-
cessarias para pagemento ao banco do Brasil da
quantia de 2,000:0003 que este resgatar e reco-
Iher caita da amorlisago, na forma da legisla-
gao asB vigor, bem eomo para pagamento das re-
clamagoes brasileiraae hespsnholas, a das presss
das guerras da ioJepOidencia e do Rio da Prata,
e da importancia do dote da sarenissima princezs
a Sr. D. Januaria.
t i." Para continuar a executar os $3 Ia e2a
do art. 11 da lei de 27 de setembro de 1860, re-
lativos aos impostos addicionaes de 2 e 5 o; so-
bre a imporlago e de 2 0,0 sobre a exDortago.
Paulino de Souza.Tiberio.Torre* Hemem
< Os proprietarioa de eseravoa residentes no
municipio neutro, qae os nao tiverem matricu-
lado, podero faze-lo iodependentemente de
aprsentelo de titulo de saa acquisigo, pagan-
do em tal ceeo o imposto de 403 correspondente
a cada eacravo, flcando salvo o direito de pro-
priedadeja quem o tiver.J. R. Barcellos.
L*W 1" agarem os lagares de offlciel-
maior elprimeiro offlcisl da secretaria do coose-
lho supfemo militar, se havero como eziioctos
essea linares, e ento dando o goveroo nova or-
gantsacaW a easa secretarla, poder elevar os or-
deoadoa"dos demais empragados, comanlo que
o au ento o3o exceda a somma dos vencimen-
tos d,. que se supprimea.Saldanbi Marinho.
Fica desde j approvado o contrato que o
governo imperial ltimamente celebrou com o
empresario da estrada de ferro de S. Paulo, eque
tem por lira encurtar o prszo pars a concluso
dos trabalhos da linha terrea da referida provin-
cia.Rodrigo Silva.Bubosa da Cunhe.J. O.
Mesas.Costa Pinto.Baro de Bella-Vista.
Martim Francisco.
* *2 I d* art8 escente-se!Inclusive
50:000J para auxilio na construego da estrada
da Graciosa, que communica o liltoral com a ca-
pital de provincia do Paran.Silveira da Motta.
Calasans.
10
Hontem nao houve sesso em nenhuma das c-
maras por falta de numero legal.
Por alvar de 6 do passado foi nomeado o Sr.
Lu: Aleixo Boulaoger escrivo dos bratoss e ar-
mas da nobreza e fidalguia do imperio.
11 -
Celebrou-se hontem com pompa s testa de Nos-
sa Senhorada Piedade naigreja da Cruz, em pre-
sent de SS. MM. II. Ctntaram na oratoria, c*m-
posigao do Sr. Carlos Gomes, a Sra. D. Jacintha
Gambos Torreo e o Sr. Augusto Weguelin ; e
na missa, de Mreos Portugal, as Sras. Ang-
lica Mara Calasana Rodrigues. D. Jacintha Gam-
boa Torreo, D. Francisca Carolina Garca Re-
dondo. D. Seohorinha de Mello, Mara Risa
Xivier de Barros Araujo, D. Abigrl Mara Leo-
nor do Carato, D. Mara das Dores, D. Miria Eu-
genia Pacifica do Amaral Boa-Nova, e o Sr. D.
Jos Amat, entrando nos coros muitss ontrssse-
nhores.'
Orou o Revm. Dr. Fr. Bernardiuo de Sanie Ce-
cilia.
A msica foi regida pelo Sr. Francisco Manoel
da Silva.
12
Acamara dos deputsdos oceapou-se hontem
em primairo lugar com a discusso do parecer da
commiito de policia propoodo para preenchera
vaga de um offlcial na secretaria da mesma c-
mara ao Dr. Manoel Augusto Barbosa da Veiga.
Oepois de serem offerecideo daas emendas ele-
vando os vencimentos dos offlciaes a mais em-
pregidos da referida cmara, e d um debate en-
tre os Srs. C. Madareira. Paes Brrelo, Pereira
Pintar Aragio e Mello, C. Ottoni e Rodrigues Sil-
va, ficou a discusso adiada pela hora.
Approvou em seguida em prmeira discusso,
depois de algumas observages do Sr. Martiobo
Campos, o projecto relativo junego dos ban-
cos.
Adoptou sem debate, um aps oatro, os pro-
jecto* abrindo crditos supplemenlares aos mi-
nisterios da guerra e fezenda.
Occopou-se ltimamente con a discusso dos
artigos additivos separados da lei do orcamento.
Orou/o Sr. Q. Madureira, e ficou a discusso adia-
da pala hora.
gao dvcional, relativamente aquello periodo, nao
foi desestimado, mandando-se progredir na im -
presso que j coroegou a ser felta com oa aclos
legislativos dos annos de 1836 e 1837.
13
Hontem nao houve sesso na senado por foHa
ae njtmero legal.
A cmara dos depulados approvou hontem em
urna s discusso as projecloa que concedem
pensos a D. Marianos Ricarda de Meneiea Del-
_lro_o Castro, vimra do juiz de directo C
Maaoerde-Cnif8-;-Tt>.'ir5grecia A!vea Pereira
uara, viuvtdo major do corpo de estado-maior
de segunda cima Ledisio dos Santos Titara
jo terceiro essripturario da alfaodega
Luii-Gomaga de Aodrade e Almada.
Occupou-se depoi* com a contiouago da dis-
cusso dos artigos additivos separados do orgi-
mento. Oraram os Srs. Luiz Cario*. Saraiva
Ferreira Lago, a ficou
hora.
a
da corle
e
pela
a dlscasso addiada
ainda oflerecidas as seguales emen-
IO DE JANEIRO.
B de agosto de 1868.
!. "m,ra d0 depulados adopto hontom. de-
pois de oraren os Sr*. Torres Homem, ministro
2,eir.e8rt.C,M,n,lfSD8'r09" Pe,,i" da Sil" B-
? 11 ?5 ll0, 5 da despeza e recei-
ta geral do imperio, coojanctamenta com as ae-
guintes emendas otferecida. em teraeira discus-
sao ;
c O predio onde funeciona o monte-pio geral
de economa dos servidores do estad
rs da Motta.-J. de
Pereira.Sil
Alentar.-Costa Pinto.
Saldanha M.rinho.-Villel. Tav.re,._F VDu7
-Ces.r.-Olivelra Ballo.-B.ro de Mau -LU
ctaranT,0;1"'"--^"0 tSSSS
,J., 0!dditT. PProvado em segunda discusso
obre o imposto deaomio.do n chinwllatta 14
Por decreto de 9 do correte foi permittido aos
padres Pedro Alexaodrino daNalivldade Amaral
e Antonio de Sania Mara Magdalena, pirochos
collados, eate na freguezia de Santo Aotonio da
Gloria, srcebispsdo da Bahia, e aquello na do
Santo Antonio de Jacotioga, da diocesa do Rio
de Janeiro, o permutarem entre si as respectivas
fraguaras.
Corre que foi exonerado do cargo de chefe de
polica dt provincia de S. Pablo, o Sr. Dr. Luiz
JosdeSampaio.
O Sr. Dr. Jos Mara da Trindade, ahefe de
serebo da secretaria de estado dos negocios da
fazends, acaba de ser iacumbido de colligir s le-
gislado de (azenda de 1808 a 1835. e coordena-
la com a dos outros mioislarios, afim de ser im-
presas de eonformidade com o decreto n. 1 do
Ia de Janeiro de 1838.
Este compilago nao providencit nova. An-
tes do Sr. Trindade, pessoa bastante habilitada e
competente na materia, j trabalheram na mes-
ma commisso o Sr. Dr. Joo Bautista Pereira, e
depois o Sr. conselheiro Joao Eitevao da Cruz,
que foi exonerado della quando nsisoe servir
do administrador da casa de eorrescao,
Um trabalho urgente qa. vsi supprir a aensivel
lacana qe i encontr, u imprcalo da legisla-
Foram
das :
Mtala ao projecto n. 50.No 2. diga-so
b*T- H52!2 ao adriitrador do eorroio ds
Hattia 600J; ao ajudaote contador, 300 : a tres
offlciae papelistas, a 250j 450>.
Ao 3. Ao administrador do crrelo de
Peroamoaeo. 6003 ; ao ajudaote contador 300;
aos iros officiaes papelistas a 2503 40.
a as provincias da Bihia o Pernambuco as-
abalegam-se agencias em todas as villas, igua-
lando-s|a despeza de cada ama destas provincias
que seres com as do Rio Grande do Sul e S.
Paulo na con !uc,3i das malas por ierra.C. Ma-
dureira.Eslila.Villela Tavares.-J. Madu-
reira.Mello Reg.C. Figueiredo.P. Muir.
Junqueira.M. Dantas.Correa de Oliveira.
Pereira Franco.J. J. Fernandes da Cunha.
Paes Barrato.A. Chavea.Saraiva.Pinto de
tarap*.
Emenda ao additivo apresentado pelo Sr.
depelado Ciraelro de Mondonga acerca do* che-
fes de secgo das secretarias de estado.Accres-
ceote-setnclua-ao tambera neata disposigo os
ebefes de secgo da prmeira directora geral da
secretaria da guerra.Carlos da Lez. o
E nenia ao artigo alditivo emque se estabe-
lece o numero de quatro vezas por mez as par-
tidas dos correios terrestres da provincia do Coa-
' :Accrescenla-sea mesma providencia seja
exclasiva proviocia da Baha.Casimiro Madu-
rara.P. Monis.Junqueira.J. Malureira.
Pereira Franco.
c Emenda ao additivo dos Srs. Pereirs Pinto e
Silvs Nunes sobre a novago do contrato com a
companhia de navegigo Espirito Santo.Depois
da palavrasalterar o numero de visgens e es-
calas accoaceute-se :incluindo os porlos de
S Jos de Mucury e da eidade de Ciravellis.
Casimiro Madurara.A. Pereira Pinto.Brelas.
J. Madureira.Silva Nunes. >
Foi apresentado o seguinte parecer a voto em
aeparado :
< A companhia Parnambueana de oavegsgo
costaira a vapor solicita do poder legislativo a
elevagao a 144:0003|da subvengoque na impor-
tancia de 81:000$ recebe dos cofres do estado.
< Allegando para Isso, alem das vantsgens re-
sultantes da navegago costeira a vapor, o cum-
pnmeato que tem dado a todas as coodiges do
seu contracto, e a insufflciencia de sua receita,
ella se compromet*, em compensado, pres-
lagao de seus serrgoe, que considera importan-
tes; consisilndo do priueiroem dar seis viagens
no anno a ilha de Fernando de Moronh, habili-
tando o goveroo nao s a exercar mais regular
inspecgo sobre adminislrago militar o civil da
referida ilha, como a Qscalisar melhor os Inte-
resaos que olh conserva ; o o segundo em es-
lender al Sorgipe, com oscala por Peoado, as
viagens dos vepores da companhia, stm que
transporte de Macei, mas de Pernambuco direc-
tamente, cargas ou ptssigeiro algum, aflm de
nao prejudicar o privilegio de que gosa a compa-
nhia Bahiana de navegago costeira.
a Com officios da presidencia de Pernambuco
e trechos dos relatnos que as respectivas aisem-
bleas provinciaes apressntaram ltimamente oa
presidentes das oulras proviociaa do norte em
cujos portos tocam os vapores ds compaobia
supplicante, mostrs ella assim a regularidade do
aeu servigo, como a vantagem que o coamercio
das mesmas provincias tem viudo do estabeleci-
mento da companbis.
a Allega que o'entre as diversas empresas de
navegago subsidiadas pe nos favorecida ; porquanto sendo obrigada a q*a-
tro viagens por mez, a sua subveogo mensal
corresponde apenas a 1.7503 oor cada urna ; en-
tretanto que a do Espirito Santo, cujos vapores
sao menores, e cuja eonsignago infarior a de
outrss eniprezas, percebe 3:0003 por cada via-
gem.
Allega ainda que a cessago da companhia
pela insuflicieocia da sua recolta em relago s
deapezas com que sobrscarrege, depois de urna
navegago por mais do cinco annos, depois de
servigos importantes prestados s differeoteavl
provincias compreheodidas na linha da navega-
do que Ih privilegiada, servigos que compro-
va a sua receita de [rels e passageiros, iraria
grandes desvaotagens ao ptiz, dimiouindo e en-
fraquecendo o commercio, a que ella tem dado
tanto impulso.
Ourdo o governo pelo mioisterio da agri-
cultura, commercio e obras publicas, informou,
po*aviso de 11 do correte mez, que a compa-
nhia supplUsnte tem satiafeito as obrigagoe do
seu contracto, apenas com falta de urna ou outra
viagem, sempre justicada, e revelaoles tem si-
do os seus servigos aos lugares em que tocam os
seus vapores : que a viagem a Sergipe, tocando
no Peoedo parece, se nao indtapensavel, ao me-
nos muiio ventajosa, atleoaa a abundancia e
importancia dos producios agrcolas produzldos
na prmeira, a que carecen ue nieios facis que
os conduiam aos grandes mercados; a a vaata-
josa postgo commarcial da aegunda, deposito
principal dos producios que abuadam as niv-
gens do ro de S. Francisco, que de nao menor
vantagem sao as viagens a ilha de Fernsnlo de
Noronha, tendo o governo ficuldade de fazer
transportar malar numero de psssageirose mnor
quantidade de carga, do que actualmente existo
cootratida para aa viagens da costa ; dispensan-
do aasim a cooducgo am navios de guerra, para
a referidiilha.de differenles objeclos, eecono-
mlsaodo porlaoto maiores despeza*, o poupao-
do riscos o contratempos a que esl sujeita a na-
vegago.
Depois da mostrar que nao ioteiramente
exacta a asseverago da companhia aupplicsnta
de que a sua receita nao ebega para a ana des-
peza, por isso que na prmeira devem ser in-
cluidos igualmente os auxilios pacuoiarios que
ella recebe das provincias do Rio Grande de
Norte,Coar e Alagoas,na Importancia de22:0003,
14*. 000o por auno ; e o seu balaogo fechado em
2 de Jaueiro ultimo aprsenle na cunta de lacros
eperdas um saldo de 76:776M7.8, o qual,segun-
do o respectivo relatorio, nao s ebegou para fa-
zer face, ao dficit anterior, como deixou ainda
una sobra de 7:22632t2 ; nao aeodo do esperar
qae nenos lisongeiro seja o balaogo do correle
anno ; assin como que nao pftde aproveHar A
compaobia a consgaselo que recebe a empresa
do Espirito Santo a importancia da 3:0003 por
cada viagem, porqueobo, alem de que naobum
auxilio lhe prestan os cotres pruviaciaaa, nao
pode a base pjtca a fixago do urna aubvengo
I servir da norma para a que kiouver da ser dada a
outra,altala aa ditTarentej caussjfqua pcdso in-
fluir e acuar para o maior oa menor favor e set-
vi$o em. ma localidad do qa nm outra ; can-
clue que attendendo as v.ntagens que se devemr
eaperardo desenvolvimento que ter evsa com-
panhia no augmento da lioba de naveglo que
se propoo realisar.estendendo sua esfera de ac-
gao a Sergipe, cidade do Penedo e ilba de Fer-
nando, parece que es ella no caso de mercar o
fsvor que pede,competindo ao goveroo Auras
novas condigssa que ella se obnga.
A commisso de fazeoda conformando se .:2-
teirsmente com as condigoes constantes no w
brediteaviso.e oe persusso de que muito convera
dar todo o possivel desenvolvimento navega-
aujiOjgao costeira, pelee vantsgens qve dellas resul-
iam "o commercio e prosperidade das provincias
do impe.'lP. assim como de que aa viagens a que
se comprometlTa^gnpjjhia supplicante ilha
do Fernando sero de recoft&ee'da utilidsdo, a
melhor e mais prompta usealisa~g6 da adminis-
lrago dita ilha, e economa nossa ms-rin1"' da
guerra e aos cofre* publicos. de parecer qu'o
ja en defrida, para o qua tem honra d of--
ferecer o seguinte projecto :
* ^/i'i1^'0* *0"erno autorisado para ele-
var a 144:0003 aonuaes a subvengo de 84:0003.
que actualmente percebe a companhia Peruana-
bacana de navegago costeira a vapor.
Arf. 2. A companhia obrigar-ee ha a dar
seis viagens por anno a ilna de Fernando de No-
ronha, e a estvoder a sua linha de navega-
gao al a cidade de Aracuj com escala pela do
Penedo, sem prejeiio do privilegio de que gosa
a companhia de navegago Bahiana, e na forma
das condigoes contratadas com o mesmo go-
veroo.
Art. 3 Ficam sem effeito as disposicoes em
contrario.
Sala da cmara dos deputadoa, 28 de julho
de 1861.A. J. Ilenriques.J. D. Ribeiro da
Luz. b
Voto em separado.
Divergindo da opioio dos meus Ilustras
collegas da commisso de fazenda sobre o aug-
monto da subveogo pedida pela companhia de
navegago a vapor Pernambucana, e nao poden-
do adherir inteiramenta concluso do referido
parecer, passo a consignar os motivos do meu
voto sm separado:
A companhia allega para fazer jus ao preten-
dido augmento da subveogo que ora percebe,
alem da razo geral da necessidade de proteceao
e subsidie s emprezas de navegago a vapor,que
em regra nao rendem para o respectivo Custio,
apenas os segeinles fundamentos :
< Ia. Que ella lem cumprido risca o seu con-
trato fazeodo as viagens mensaes de norte a sul
que oelle se obrigara.
2a. Que nio pole proseguir, por ser a sua re-
ceita insufflconie para cebrir o aou custeio ou
despeza.
3a. Que de todas as companhia de nave-
gago a vapor a menos subvencionada.
a Em abono e reforgo da sua pretencSo a com-
panhia ajunta s razoes produzidas .mais a se-
gulnte proposta, no intuito, sem duvida, de re-
solver a camera coocesao do augmento recla-
mado, na perspectiva das novas vaotsgeus que
ella offerece e dos novot servigos a que se obrijzat
A proposta :
Ia. Esteoder na linha do sul a navegago da
cidade de Macei, locando no Penedo, provincia
daa Alagoas, at Aracaj, capital de Sergipe.
respeilandaintegralmeote nessa lioba o privile-
gio da companhia de navegago Bahiana, ojo po-
dendo portsnto transportar dos porlos ndicadoa
passageiros aem mercadorias.
2a. Estnler igualmente na liaba do norte a
navegago, fazeodo seis viageos aonuaes ilha o
presidio de Fernando de Noroabe.
< Nao me parecem procedentes nem exactas ss
razoes prodozipas pela compaahia snpplicante pa-
ra determinsrem um .ao excessivo augmento de
subveogo. que importa em mais de dous tergos
da que actualmente percebe, e mxime quando
lisongelras certameute nao sao as circunstancies
do thesouro, que alias requerem a impoem a
mais severa economa.
Nao a Ia razo, porque do exacto cumpri-
menlodo cootrato estipulado, estricta obrtgago
da compaohia, nao pule ella tirar argumento
para justificar a necessidade de elevagao preten-
dida.
Nao a 2a, porquanto, alm de ser esss razo
e circunstancia geral e applicavel s quesi todas
as compaohiss de navegago subsidiadas no paiz,
e, no dizer da compaobia, at mesmo 00 estran-
getro, accresce que nao inteiramente exacto
asseverar a compauhia supplicante que a sua re-
colta insufflciente para cobrir a sua despezs o
custeio.
Dos proprios dados e bilongo fornetidos pela
companhia, e da informago do goveroo, se evi-
dencia iocontestavelmeote o contrario.
a Dalles se v que no anno fiudo da 18C1 a re-
ceita produzida pelos tres vapores da companhia
Persinunga, Jaguaribe, e Iguarass, foi da...
115.2183248, ao passo que a despeza [oi de .
179:1863065. sendo o dficit de 63.9673837.
r Por esta s comparaco se \ que, sendo o
decit, apenas de 63.967$837, e a subvengio ge-
rsl que percebe a compaobia da 8i:O0OJ, bem
longe de nao chegar a receita para a despeza,
pelo contrario a companhia tem um saldo ae....
20:032$t63.
Ora, agora se a este sslio addcionsrmos as
sabvengoes provinciaes que igualmeate per-
cebe a companhia supplicante, a saber: Pernam-
buco, 40:000lj ; do Rio Grande do Norte. 4:0U03 ;
do Cear, 10:000 ; das Alaga*. 8:0003 ; o que
perfaz a somma de 62:0003 aonuaes, aem com-
putar ainda a somma de 6.OOO3 para o mesmo ef-
feito votada pela provincia de Sergipe, que a
companhia nao julgou ainda dever aceitar, tere-
mes que de fado e realmente o saldo ou renda
da referida compaobia vem a ser definitivamen-
te de 82:0323163, o que por cerlo bem longe de .
repres*entar um estado precario e ruinoso, pelo
contrario coosliloe a compaubia no mais lison-
geiro p de prosperidade.
Deve oolar-se mais que naquelle supposto
decit de 63:9673839, sem contar as subvengoea
geral o proviociaea, iocluem-se ssavultadas dea-
pezas feilaa. no ultimo anno com os reparos
coneorlos dos vapores ds companhia, e com aa
remessas para Londres para a compra de um
quario vapor de menores dimenses e calido,
aOm de poder penetrar nos portos a que nao po-
dara actualmente chegar os outros vapores da
compaohia.
Taaio est bem longe da ser mo o insusten-
tavol o estado da compaohia supplicante, que,
segundo descrevs o proprio relatorio ao digno
gerente, o o reconhece e informa o governo, o
passado anno de 1861 encerrou-aa com um asido,
da 76:7761,278, o qual nao s ebegou para cobrir
o decit do auna anterior na Importancia de _
69:509}986, mas aiada para doiiar urna sobra.de
7:266*292.
a Ora, considerando-se que em menos de dous
annos [a contar da dala do ultimo relatarlo *>
balaogo da companhia^ a actual gerencia a> race-
beu com um dficit do 139:0003, e desacredita-
da, e n'uma quadra de apalhia e esUgaago com-
nerclaal geral, segando ella propria o reconhe-
ce, e que nesse breve espato nao s pode pagar
ioteiramente a divida, re,arar o seu material av
habilitar-se adquirir uu doto vaso, mas aiada,
a deixar algum saldo e>-.n favor da associago, de-
pois da ter psga om dia nao 16 a prmeira prea-
o!2&a?" la1mbe1 os juros do empresiimo de
300.-O003 que lhe Im concedido pala lei da 1859
S ftAk-n,*Biporl,,nci< lua. Proslago o juros, do
awoyuf,, maoi'.Mto a Intuitivo que a companhia
suppUcaaU n> 0 B0 Ie a(ha em triste de-
sesperada sitriarao para ser nova e to fortemen-
ta subsidian a pti atado, eoio que, palo con-
ttatio, fcv 9 rapuiar.aa em seguro pe a Til Ure
teUA de prosperidad* no (aturo,




v
DIARIO M rEWHAMBUCO SEGUNDA WIBA l DK SETEMBU DE 186*.
/
E' a proptla companhia que nutre essa li-
sogeira esperaoga, quaodo no ten relalorio diz s
sn Se o resultado nao satisfaz aot vossot desejos
elle deve, sem duvida, ter escedido a voua ex-
* pectitiva, porque tenhore, o eipago de 21
o mezes nao deraa9 para trazer aa cousas ao
p em que ae acharo. Nao de suppr que aa
deapezaaaejam excedidas, entretanto que a re-
al ceita deve augmentar considtravelmente, ae o
ex anno o permiilir, como ea o etpero. >
O que poato, resulta, na minha humilde opi-
niao, Ce accordo neate ponto aioda cora a in-
ormaco do governo, que O ettido da compa-
nhia boiu e satisfactorio, e qae lem deuda lu-
do ioduz a crer e confiar Da aua prosperidale
futura, sendo nicamente eCTeto de poaco zelo
e m geslo a preaumida m situagao em que se
gurou por algum lempo, situado que desap-
pareceu completamente coma esclarecida exelo-
sa nova administrare da compauhta.
A3" razio allegada igualmente na prerale-
ce para a elevado da subvengo reclamada.
A companhia Pernambucana ao a menoa
subvencionada das companhias de novegagio pro-
tegidas pelo estado.
O proprio governo contraria esta esseveregao
da oompauhis na informlo que se digaot de
{restar i cmara, e ponto esse que se leva
videncia, quer com o relatorio geral dos cor-
eios, uor com os pronrios dados fotnecfJos pe-
la companhia aupplicante.
As companhias do Uicury, de Santa Cotho-
tino, a Bahiao, e outras, nao sao mais forte-
mente subvencinalas, sobreludo computadas em
favor da Peroambuceni as subveoge provin-
cia-?, de que algumas nao gozara, ou que sao
multo inferiores s concedidas Pernsmbucano.
E ae a razao de urna pretend Ja igual la-
de e uivulamento de tubveogo fotse a norma
que devesae regular laea coocesfes, com o aug-
mento reclamado a companhia suppllcante exce-
dera de invito a bitola que ora invoca, e se tor-
nara privilegiada, conslituindo se n'ama relsjo
de desigutldsde e favor em relago s outras,
que sera nzo agora qutlifica |1e iojustiga ou
iniqidade.
A base para a flxagio do auxilio do atado
Ss companhias subvencionadas nunca s nem p
de ser a de urna pretendida S absoluta gualdade
para todas as emurezas, sem altengae aeeircums-
taucias esiie^Ueadecada urna, suaa proporges e
*ani~oBg e as e walg condi|6es techinicaa,
xmerciaes e economiess qae entram no calcu-
lo, e determinam a proUcgao do govarno a essas
compauhias.
Nao me demorarei neate ponto, de alcance
obvio e evidente, que tambera contrariado, e
posto em relevo saliente na ioormec,io do go-
verno. reaervando para a discussao a deduccao
ualytica do Mme comparado das diversas sub-
vengoes concedidas as companhias de nivegegio
do imperio.
concursos, mas que
approvados ara anteriores
della nao Qzeram parte.
t Art. 3. Os oppositores percebaro 2:000# de
25JJ*52.Bto,i a ,aber: 1:2005000 de ordenado e
800:8100 de grotificogao emqaanto existir a classe
doa substitutos. Extincta osta, psssaro aquelles
a sacceder Ibes em todas aa honras, regalas e
vencimentoa cooceeUdos palos estatutos vigentes,
sem excepeo do voto deliberativo as congrega-
res e nos concurso.
Art. 4. Cootar-seha aoaoppoaitorea o lem-
po de exercicio e aotlguidada para a jubilado da
mesaia forma que aot cathedralicos, segundo oa
estatutos vig-utei.
Art. 5. Emqaanto ae nao extloguir a classe
dos substitutos, e se nao puder chegar ao estsbe-
lecimento do aosioo especial e pralicomediante
um oppositor por cadeiraser o numero total
dos meamos da doza em cada faculdade dis-
tribuidos a quatro por seceso, pela seguiote
forma :
i 1." Sacgo aecessoria:
Um preparador de chimica mineral, mi-
neraloga, medicina legal e toxicologie.
z. Um cito de cbimies orgnica e phar-
macia.
3.* Um dito physico experimental, e de-
monstrador de botannica e zoologa.
4.* Um dito de pharmacia pratica,director da
oiTicina pharmaceatica e membro da comaliso
revisora de theses.
a 2." Sicgio eirurgiee :
" I." Um para chele de clnica e externa e
iostractor de aparelhos.
2.* Um preparador de anatoma descriptiva
e repetidor de pathologia xterna.
3.* Um para anatoma topographica, opera-
ges no cadver a repitidorde partos.
4.* Um para aa observsges microacopi-
cas da anatoma geral e commissao revisor de
Itietes.
S 3. Secgo medica :
m para repetidor de physiologia, en-
oarregado da parte experimental e demonstrador
de materia medica.
2." L'm repetidor de pathologia gera! pa-
thologia interna.
3. Um repetidor da bygieoe, encarregade
da observarles metereologicas a dos ensaios
chimicos que se flzerem mister nos productos
mrbidos dos doenles das enfermaras de di-
oica.
< 4." Um para ebefe de dioica interna, en-
carregado das obervag6e histolgicas respec-
tivas, e membro da eommisso revisor* de
theses.
c Art. 6. Os oppositores, alm dos encargos
que lhe sao impostos pelos estatatos, sao espe-
cialmente destinados a tornar o entino medico 0
mais eminentemente pratico possivel; para oque
serio obrigados s fazer curtos sobre ss materias
de suas respectivas secges, da acdrdo.com o pro-
juo, reputo suflkiente a subvencao de 84:000;$ vida a coogregago, em que a pratica preponde-
coocedida a companhia Peraambucana, alm das "
subvengoes proviuciaes de que goza ; nem defe-
rivel julgaria jamis o tea pedido, quaodo anda
m 1659 obteve um empretlimo de 300:000$ do
qual nao s j pede o perdi dos juro, no valor
ce 18:000$ annuaes pelo espago de dez aooot,
mas aioda a restituir.) do j pagos, pedido qae
a companhia faz concomitaste e simultneamente
com o do augmento da respectiva subveogio, e
do qual nao desiste a prescinde anda mesmo ob-
lando este,
Considerando, porm, os novos servidos que
lia se ufferece a realisar, a saber : a extenso da
uavegagao de Macelo a Sergipe, tocando no Pe-
iiedo, e prestado de seis viageos annuaes a Fer-
nando de Norouha ; ati -ndendo a que um novo
onus que a companhia se impde, e de que o es-
tado e aquellas provincias podem auferir resul-
tado, pela extenso e alargamento da navegado
e commercio respectivo (comqoanto j estejam
todas ellas dotadas de uaveggio geral e coateira
subsidiada pelo estado, u que o relevara da obri-
gagio e neeeasidae de coolrahir ete novo en-
cargo na presentes circumstancias do thesoaro),
todava pens ser de ulilidade ejasti;a cooceder-
ae-lhe alguma compeneac.ao em retiibui^ao das
novas vantagens e servigos que ella se prope a
realizar ; e consequentemente concluo deferin-
do o 5eu pedido com o segrate projecto de reso-
lucao :
Art. 1. Fica o governo autnrisado a elevar
at 100:000>000 a subvengo de 84:0008000 que
ora percebe a companhia de navega;o a va-
por Pernambucana, debtixo datteguiotes con
dices:
$ 1. A ecmpaoha serobrigada a dar seisvis-
geus por anno a ilha e presidio de Fernando de
iSuronha, e doze viageos por anno a Macelo e
Aracaj, tocando na cidade do Penedo, sem of-
ensa do privilegio coacedido nesta liaba a com-
panhia de navega;o Bibiana.
2. A coapa-nhia transportar a malas do
governo, passageiroi e carga na forma que com
elle ;: nova e mais extensamente estipulado,
a^ki,
5rhs
trada
po/
alm do accordado cem a ruesma companhia.
Art. 2. Ficatr revogadas st disposi;oes em
contrario.
Sala das commisses, 9 de agesto 1861.J.
J. Fernandes da Canha.s
14
ilontem nao houve sessao no senado pot falta
de numero legal.
re sobre a theoria, oa esta .sej
aquella, sempre que a materia (GrTwsso suscep-
tivel.
Art. 7.9 Os oppotitores qae excederem do
namero fixado no art. 5' sero considerado ad-
juntos, e em prega Jos no servido respectivo das
secges, em ajuda dos mais, coafofma a dittri-
buicio feita em coogregago, tegoodo as necesi-
dades do servido, sem diflereja porm de rega-
lias e vencimenlos em reltgio aos outras, cuja
| preferencia no servido ser regulada pela aaligui-
| dade da potse. V -
Art. 8.* Ntnhura oppositor ser obrigado a
preencher, fora de sua respectiva seccio, oa lu-
gares 9 servigos de que trata o art. 5, salvo ne-
cetaidades ou conveniencia absoluta do ensino ra-
conhecido pela coogregagio, e com excepeo feita
aos adjuntos.
t. Na propria seceo s polero ser dis*
trahidos do ensino especial da cadeira de que fo^
rera preparadores ou encarregado, para substi-
luirem a outro collega da metma, nos casos de
moleli, ausencia ou outro anlogo, com direito
porm a gratificacao dobrada no cato deaecumu-
l(ao.
a Art. 9. Na faculdade ou na secgo em que
te der vaga de substitutos s tem direito de subs-
tituir so lente cathedratco nos seus impedimen-
tos e por vaga o oppositor especialmente encar-
regado dos trabalhos praticos relativos a cadeira
substituida.
Art. 10. O governo fica desde ja autorisedo a
completar e realizar o ensino pratico das {acuida-
des medicas do imperio, nao s acabando de mon-
tar os respectivos gabinetes com todas aa machi-
nas, instrumentos, apparelhos e substancias* pre-
cisas aos trabalhos scieotiQoo dos mesmos, como
anda satisfazendo as disposiqes dosestilutot vi-
gentes, fazendo ir aperfeicoar ae na Europa, nos
j^tutes praticos iodispentaveis, um ou dous op-
"P>ilores por teegao, alm do lenta de chimica
orgnica da faculdade da Baha, seno anda mais
a crear nsquella faculdade urna casa de materni-
dade, enfermaras especiaes de clnica, e um hor-
to botnico.
Revogam-se as disposifoes em contrario.
Paco da cmara dos depotados, 11 de agosto
de 1862.Joaquim Jerooymo Fernande da Cu-
nta Jote Augusto Chave.Aogelo Thomaz do
Amara).Joaquim Saldanha Mannho.Laiz An-
tonio Peraira Franco, o
A cmara dos depuiadot approvou hontem de-
pois de alguma observarles dos Srs. J. Matlu-
reira e Piulo Lima o parecer da eommisso de
pjderes que propoe para prehencher a vaga de
um bOicial da secretaria da respectiva cmara ao
Ir. Mauoel Augusto Barbota da Veiga, ficaodo
adiadas as emendas a requerimento do metmo.Sr.
j. Madureira.
Approvou em seguida as emenda do senado
coocedendo a diversos empregados pblicos 11-
tcu'.'a para tratarem de sua aaude.
Approvou (ambem depois de algumas observa-
c.oe dos Srs. Mariobo Campos e Paranbos a se-
guinte emenda substitutiva ao projecto sobre a
juu.go dos bancos:
Art. 1. Fica o governo autorisado para ap-
provar o accordo ajustado pelo banco do Brasil
curte, commercial, agriada, rural e hypolhecatio
aob:e a desistencia que estes fazem do seu di-
reito de eraissao nos termos do art. 2, 3 e 4 do
parecer da comniiisio especial do mesmo banco
do Brasil adoptado em sessao da respectiva as-
aembla geral de 3 de abril do correule anno.
Art. 2. Fcam revogadas a disposicet em
contrario. Silva Paranhoa. A. J. lienri-
ijuea.B
G utinuou ltimamente a dlscusso dos srtigos
additivos separados do ornamento.
Oraram os Srs. Merlim Fraucisco, minietro da
agricultura, Salaihiel e Brando, e ticou a discut-
ao encerrada.
1-oram anda offerecidos os seguintes addi-
tivos :
A tbesoarara de fazenda da provincia de
Minas Geraes liea elevada a cathegoria de se-
gunda classe de primeira ordem. Ribeiro da
Luz.Cruz Machad.Lulz Carlos.Paula San-
to;, o
Ao artigo additivo sobre a mudans Jo faeul-
daie do Recife:
Uepois daa palavrasaccommoda;6esac-
cressente-semediante contrato cornos religosos.
Ssiathiel.
< Ao additivo dos Sr. Paransgu, Dantas e
Junqneira relativo ao augmento do ordenados
fixos do corpo diplomtico, accrestente-tee pe-
la metma forma sem alterar oa veaaimentos dos
directores de see$o da secretaria de estado dos
oegocios estraogeirot, igualar 09 teus ordenado
fixos ao que percebem os da secretaria da jusil-
la, diminuiudoa graliacac.e na razao do aug-
mento.Francisco Carlos BrandSo.B
Depois da palavrasemittao de quatro mil
apolicesaccrescente-seao par.Laiz Carlos.
Larneiro da Cunha.a
Ao additivo do Sr. C. Madureira accrescen-
la-seDe gratifleacio ao administrador do cor-
jeio de Sergipe, 3008 Pra distribuir em grati-
licass aos demsis empregados da mesma re-
partiso, como entender o governo, 6008; bem
co.ao etiabele;am-ae agencia em toda as villas
da dita provideia, fazendo-se para qualquer det-
ss$ villas quatro viagens por mez.L. Bezerra.__
Cilezana F. de Carvalho.
Foi apretentado o aeguiate projecto :
A aasembla geral legislativa resolve :
a Art. 1. Fiea exliocta a classe dos professo-
res substitutos de ambas faculdades medicas do
imperio, conservados aomente os actes cujas va-
gas nao terao mais preenchidat.
Art. 2. Exiincta a actual classe dos profes-
ares substitutos, toda e qualqaer vaga de lente
alhedratico que as escolas se der someute ser
prtemhida mediante concurso.
O concurso aera regulada segundo as forma
actualmente prescriptat, ma dever exclusiva-
mente versar sobre a eapecialidade da cadeira
vaga e someute teta aberto e facultado aoa do-
pontores eolre ai, excluido qaalquar|medico et-
tranb it facul Jadea, alada raumo m por .ella;
Pelo vapor /iran, entrado houtem doa portos
do tul, reerbemot datas de Porto Alegre at-1,
Rio Grande 6 e Santa Catharina 10 do corrente.
Eslava concluida a eleicao a que se proceder
no primeiro distiicto da proiincia de S. Pedro do
Sul para um deputado assembla geral, leudo
sido reeleito o Sr. general bario de Porlo Alegre
com 130 votos coutra 107 (e mais 5 tonudos em
separado no collegio de CagapevaJ, que obteve o
Sr. Dr. Joo Jacinto de lieodooga, prndente da
provincia de S. Paulo. ,
O vapor Brasit, tahido do aosso porto a 21 do
paisado, fundeou a 2i s 11 horas da tumba em
Santa Catharina, onda te demorou at 26, s 7
horas a mauhia, tanto por necestilar sabstiluir
quatro parafusos que se haviara partido na via-
gem, como porque o estado baixo das agua* io
lhe permiltio sabir. ',
A 28 s 3 horas da manha estava em frente da
barra,du Rio Grande, onde fundeou s 5 da tar-
de. All dmorou-se at o di* 7 do carrente, por-
que o estado bravio e baixo da barra impedia-lhe
a tahlda.
Podeudo o Brasil, segundo nos informara, ter I
partido do Rio Grande no da 3 do corr'ente o que
nao fez por terem eocalhado no canal o-Palma,
o Viamo e outro uavio, para lastiaftr que a'
capitana do porio daquella cidade nao tasae as
necessarias providencias para a remogo dos era-
baracoa qu all motivaram a demora do vapor.
Em additameuto a noticia que dra da solem-
nidade com que fra festejado o anniversario da
chegada do Exm. bispo diocesano, publicou o
Corrtio do Sul de Porto Alegre de 20 do pastado
o seguinte :
issemos hontem que o claro da ciiade tioba
celebrado com um solemne Te Deum o anniver-
sario da chegada do Exm. Sr. D. Sebaslio Laran-
geira sede episcopal da sua diocese.
A festa foi majs completa do que hontem a
esbocamos; foi errnoDrecida, sobretudo, por um
acto de esclarecida a nobre ceridade, que feliz-
mente pela sua nalureza se nao presta ao segre-
e nos otTerece occasiao de beijar aa mos do
do
venerando prelado com tanta effto como res-
peilo.
< S. Exc. possuia dousescrsvo! malatos: erara
oa nicos, o valia cada um delles para maia de
2:0008000. S. Exc, quebrou-lbe as cajees em
honra da sua exaltado ao pontificado; ptssou-
Ihes cartas de elforna ; e, ganhando para si urna
(inmensa e honrada sympaibia, devolveu socie-
dade ntqaelles dous bomens dous membros uleis,
dous cidados activos.
a Era difficil achar mais formoto meio de dar
gr;at a Deas por merc lio grande como a qua
tez ao Exm. bispo, pondo em toas mios o bcu-
lo que cooforta e guia; escolheodo-a no sea pres-
byterio humilde para ftitor da sua obra e zeloto
pastor do teu'rebanho : eradifcil encontrar urna
snuccao mais digna para as ovacoes de que o cer-
cavam teus subordinados, e que encarecan os
teus mereclmentos. Actos dessts por si sa se
gabam, e fazem o elogio de quem os pratica.
< S. Exc. Rvma. jantoa no paco episcopal com
o seu clero e diversas pessoss gradas, e de noi-
ta contervou gente em palacio at depois das 10
horas, a
L-se na mesma folha do ia 31 do passsdo:
Um amigo, cuja veracidade nos muito co-
nhecido, escreve-nos do interior da Csmpanha
um caso singularmente curioso.
c Tinba-sa jeslabelecido e casado ba tempos,
ura eslrangeiro que anteriormente residir nesta.
Era elle negociante, e nada havia que o desabo-
naste, quaodo aurgio-lhe urna partida porta
com ordem de prende lo, haveroilo oudez me-
zes ; porm momentos depon de ha ver esta che-
gado, o minero dar o .espirita a Creador, victi-
ma de urna apoplexia tul mina ote.
a A partida foi ter com o subdelegado e refe-
rio-lhe o caso. O subdelegado moatou a cava lio
e foi casa do finado para contestar legalmeote
o ficto ; porm a casa era urna babilonia, ludo
chorava e te descabellava, taide eslava j
pregado, e o sogro do defuoto, mera violento e
meio ebrio, protestava deixar-seazer em pottas
oles do que tolerar a profanacao de um auto de
exame no corpo do aeu chorado genro.
< O subdelegado aubmettsu-ae evidencia :
vio enterrar o fretro, detoUr-tei viuv, laracn-
tarem-se todos,
c D'ahi ha dias abrio-aa outra! vez a caa de
negocio do finado, nomeou-se gateles para li-
quidarera-na.e ludo corra plcidamente eo me-
Iber possivel, quaodo ha poucos dSt fugio da ca-
a um caixeiro proclamando aisoa,l>rado que vira
o defuoto vivo, que o vira maito bem sentado a
escrever n'um livro luz de urna vela, e que era
elle mesmo o finado em pestoa, que andava pe-
nando os teus peccadiuhot 1
Boca qae til dtsesle 1 Appareceramlogo o-
tros com boatos: uoa qua o hornera morrra
mesmo, e que est maito bem sepultado : outros
que nao ha tal, que a morte foi um vingimento,
porm que o morlo anda-noa aqai bem perto s
margeos do rio Jacuby; e outros, por ultimo,
que nao t andava perto, porm dentro mesmo,
e que o tinham vitto a passear oa cidade.
Ai imagintcoei nao parsrim nisso, vao indo
alm, e espalhsm que o tjom do homem prepara-
te um ditfarce para tr sombra dalle rehaver a
tua cara metade, canndo-ie outra vez com ella
lob noma aappotto, e dando lempo ao lempo
para deiapparecer a recordaco do finado, ficen-
do apenat a idea de tua semelhanca com o se-
gando marido.
E' escusado diter qua a oossos olhos ludo
isso nao passa de urna graciosa fsrjs, porm de
urna ferga a que se ple applicar coa jasteis
aquelle dito italiano: Se uoa vero, bou
trovato. s>
. 15
O senado approvou hontem em 1* discussao s
propotia do governo or;todo a receita e detpeza
para 1865 a 1864; paitando logo a iratar da
2* dlscutso, spprovou o ert. 2" (leipeza do mi-
niitero do imperio) com ti emeoda da camera
dos deputados, tendo orado os Sr. Ferraz, mar-
quez de Olinda e viicoode de Jeqailiohonha. Nao
estaodo*pretente o lenhor ministro da justica,
adiou-se|o art. 3\ e eotrou o 4* [ lespeza do mi-
nisterio de esfraogeiros), orando os Srs. visconde
de Jequltiohooha e marqeres de Abrantes.
Quati s 3 horas da tercie oa haveodo casa
para votar-se, flcou a discussao encerrada.
Procedeu-se hontem na cmara dos depalados
votaciodos additivos separado do ornamento,
e forero approvados os seguales, para patsarem
3a discussao :
O governo fica autorisado a innovar os con-
tratos das companhias de nsvegaco a vapor do
Meranl.ao, podeudo augmentar as respectivas
tubveor;et .alterar o numero das viagens e as
etcalas.Carvalho Reis.Correa deOliveira.F.
X. Pae Brrelo. C. Paraoagu Feusto de
Agolar. Viriato.Dogo Velho.Villela lava-
re.Leitao da Cuuha.Nunes Gocc,ilvt, Serra
CarneiroVieir da Silva.
a Sub emenda i do Sr. Carvalho Re :
Accresceole-se : Ficaodo o governo auto-
risado a fazer reduzir os precoi des tabellas de
cada urna das referidas companhias, tanto para
patsageiros como* para a carga dos vapores.
Aragio e Helio, o
O govtroo fica autorisado a contratar a cons-
troc;ao da urna ponte que substitaa a que une o
bairro de Santo Antonio ao do Recife, na ciiade
deste norae, a qual se acha arruinada Silvino
Cavalcanti de Albuquerque. F. Xavier Pees
Brrelo. Epaminoodas da Mello.Viira de
Silva.S. de Machado.Bemjamln F. da Ro-
cha.Vieira.Villela lavares.Bezerra Caval-
canti. Esperidiio E. de'B. P.Cunlia Figuei
redo, b
a Sub-additvo ao additivo do Sr. Carvalho
Reis e outros senhore sobre a inoova(3o do
contrato com a navegacao a vapor do Mtra-
ohao:E' igualmente o governo autorisado a
innovar o coutreto de navegagao a vapor com a
empreza que actualmente faz eele servido para a
provincia do Espirito Santo, pelos portos de Ita-
pemirim, Vitoria e S. Malheus, podeudo augmen-
tar a respectiva subvencao e alterar o numero de
viagens e escela. A. Pereira Pinto. Silva
Nunet. >
c Emenda ao additivo dos Sn. Piotb e Silva
Nunes sobre a novaQo do contrato cotn a com-
panhia de navegado do Espirito-Santo*Dpois
das palrvras alterar o namero de vjagen e
escalas accrescente-se :Iocluindo
de S. Jos de Mucury e da cidade de
lat.Casimiro Madureira.A. Pereir
Brla.J. Madureira.Silva Nunes.
Emenda ao artigo additivo em que
belece o numero de quatro vezes por
partidas dos correios terrestres da provincia do
Cear : Accrescente-sea mesma providencia aeja
-iteosiva provincia da Baha.Catimiro Ma-
dureira.P. Uuoiz.Junqueira.J. Madureira.
Pereira Franco.
>< Depois das palavrassmitto de quatro mil
apolices, r accrescente-seao par. Lulz Car-
las.Carneiro da Cunha.
O goveroo fica autorisado a elevar a quatro
vezes por mez aa partidas dos correios na pro-
vincia do Cear, em lugar de duat, como actual-
mente.Jagueribe.
O governo mandar com urgencia levanlar
urna ponte de madeira sobre o Rio Grande, no
lugar denominado Jagura, entre a proviacia de
S. Paulo e a de Minas, segundo a planta o orna-
mento que j existem na secretara do im-
perio.
Esta obra ser executada pela presidencia
de Minas ou de S. Paulo, por admioiitracio ou
contrato, despendendo nella o governo a rjuanlia
de 80.00g Joaquim Octavio Nenias. Bi tat.
A. da Coste Pinto.Barbse da Cunha.Ro-
drigo Silva. Ferraira da Veiga. Sililhiel.
I.uu Carlos.Fonaeja Viaooi.Ribeiro da Lu.
Meti Franco.Cyrillo.Lima DuartcMar-
tim Fraocitco.Baro da Bella-Vista. e
a Depois das palavras rios navegaveis di-
ga-so do norte e sul da proviacia de Minas.C.
B. Ottoui.Saraiva.
' No additivo assigoado por 28 teohores depu
lados, depois daa palavras rios rJavegaveia
eccrescente se:E bem assim pare se'recoohe-
cc-r a decretar a melhor linda pela qual se possa
ligar o Porto-Novo do Cunha aos valle dos rios
Pomba e Piranga.Cruz Machado.
O governo, eotendeodo-se com as admiois-
tracoes das provincias cujas aesemblas orgaui-
sadat para construc^ao ae estradas de ferro, re-
gularisar a executo dos respectivos contrato,
tanto em relagao eo lempo e molo do pagamen-
to, para que concorrer com ellas proporcional-
mente sempre na razo de 5/2, como para a per-
ce; cao dos lucros semelhaotemente estipula-
do'. liberio. a
O governo ca autorisado para conceder
companhia que le orgauiar o privilegio de na-
vsgagao a vapor naa aguaa dat lagOit Norte e
Maoguab, da provincia dai Alagas, por lempo
qne nao excada i 3o annos, debaixo das coodi-
coes seguintes :.
< 1.* A companhia mantera a QtvegAcao por
vapor eotre as cidade de Macelo e Alagas, e
vi las de Pilar a Santa Luzia do Norte, com es-
cala pela povoaco do Coqueiro-Secco,' pdenlo
elend-la a outros pontos sam offensa da direi-
los adquiridos.
2.' O governo auxiliar a companhia com
urna sabvengao da 30:0008, prestada pela forma
qae julgar mais coovenieute.
3.a A companhia gozar do detpschovlivre
de direitos na importarlo de todos os objectos
que forero necessarios referida oavegaeio, bem
como flear isenta do imposto de meia cizo* pela
compra dos vapores de que precisar.
a 4. Finalmente, gozase de todas as isenfdes
que teem sido concedidas s emprezas de navega-
cao por vapor mais favorecidas pelo Estado, em
idnticas circumsteocias. Esperidio Eloy de
Barros Pimental.Baraja ao F. da Rocha Viei-
ra.A. C. Tavares Bastos.J. Paes da Mendon-
50.Leandro Bezerra, a
O governo fica autorisado a mandar instituir
os estudos necessarios para reconhecer e decre-
tar melhores linhss pelas quaes sa potst cora-
municar a ligar por trilhot de ferro a eelrada de
D. Pedro II ao/ campos do sal da provincia de
Minas Geraes e aos valles dos seus rios navega-
veis
As ioatrurces pera este Qra serio dadas, ou
a urna commit.ao pelo governo nomeada. e a
quam facultar oemprego de qualquer engenhei-
ro que ella requintar, nacional ou eslrangeiro,
ou directora da estrada de ferro, com quera
poder, se o julgar preferivel contratar aquelles
estudos. *
c Ho primeiro caso a despez se far directa-
mente pelo thesouro: no segaodo pela renda da
companhia, sem prejwzo doa 7 /, garaotllos oos
accionista!.F. O,ctavia,no.*-Fonieca Vianna
SalalbiaLGru Machado.Gaina Cerqueira.C.
Flgueiredo. Epaminondas da Mello. P. C.
Brando.M. Carneiro da Haadonca.J, Pae
de Mendonga.Pialo Lima.Carneiro d* Cunha.
J. R. de Lima Duarle.Chriatiano Ottooi.F.
de Paula Sents. Antonio Joaquim Ceatr.F.
P. da Silveira Lobo.P. B. Ottoni.Minoel Jos
Gomea Rbello liarla.Everitto Ferreira da Vei-
gaCyrillo.Agoslioho J. F. Bielas.i. D. Ri-
beiro da Lur.Martoho Campos.Baodeira de
Mello.Ciltzans.Gomes de Souz.Ferreira
Lage.
Fica o governo autorisado para elevar, da
cooformidade cem o aviso do ministerio da agri-
cultura a esta cmara, at a quaotia de 144:OOOS
a consigoaco qae actualcenle percebe a 'com-
panhia Pernambucana da navegacao costeira a
vapor, sujeitaodo ae ella a dar eis viageos por
anno ilha de Fernando, e a estender sua lioha
da navega$o al a cidade de Aracaj com eicla
pala de Penedo, na forma daa condices que
forem cootratedas com o govarno.Correa de
Oliveira.Pinto de Campot.Carneiro da Cu-
nha.Paes de Meodoncs.L. Bezerra.S. de
Macedo.Menriqua.Fiel de Carvalho.Cala-
M' Fe"eira do Yeigt.-Vilella lavares.
Diogo Velho.
; Fica o governo autorisado a approvar a o
corporagioda compauhla qae se organitar para
a conslruccie de urna via de carris de ferro, ou
pelo tystema Iramcoad, conforme fr maia con-
veniente, entre a cidade da Cachoeira a a Chapa-
da Diamantina, na provincia da Bihia, com um
ramal para a villa do Feira de Sem'Aona, debaixo
das seguintea condices:
1." A companhia ser obrigada acomodar as
obras da referida estrada dentro do praso de dous
annos, contados da data da assigoatura definitiva
do contrato, caducando ipso fado, e ficaodo de
nenhum effeitj a concetto sa dentro deite pe-
riodo nao rem comegadisai obras.
2." A companhia abriga ae por clausula ex-
pressa o nio reclamar em nenhum lempo presta
jo, tubvanjao, garanta de juro, empreatimo oa
qualquer oulro onus pecuniario do Estado.
t 3." A companhia gozar de ieengao de todo
,e qualqaer direito de importado e de expediente
sobre o material, machinas, inttrumenlot e
alentilioa neceisarios a execuijo dos trabalhos
da empreza,
4.a O governo conceder corapaohit gra-
tuitamente SO leguas de terrenos dtvolulos nos
matas do Crob, paro estabelecer lateralmente
eatrada oa trabalhadores contratados, e promo-
ver a cultura do algodao terminados os trabalhos
da mesma.
5. A companhia gozar mais do privilegio
de explorar, daatro do zona da estrada contra-
da, quoesquer minas que detcoorir, principal-
mente ai ele productos chimicos e neturaee,
como o salitre, o nitrato de soJa e o coral, po-
deodo tambera para esse lira importar isentas de
direita aa machinas e Instrumentos que se flze-
rem mitter aot trabalhadores da explorecio das
masraas.
6.* A planto, as condices da construeco e
o mais relativo direcejio a trabalhos da empre-
za, o governo estabelecer no contrato que om
ella celebrar, guardadas as condices menciona-
das. J. J. Fernandes da Cunha.*M. P. de Sou-
ze Dantas.Carvalho Rei.-C. Paraoagu.J,
Madureira.Leitao da Cunha Penis Stotoi.
Ribeiro da Luz.A. J. Uenriques.Jos Anto-
nio Saraiva.J. J. O. Junqueira Jnior.libe-
rio.Martim Fraacisco.Aragio e Mello.F. I.
Fialho.L. A. Pereira Franco.Pedro Muoiz.
F. C. Brando.J. A. Chaves.A. Spinola.P.
Lima.Esperidio E. de B P.Silveira Lobo.
Pinto de Campos.P. de Mendonca.Fiel de
Carvalho.Gaeparino M. de Caetr.Berio da
Bella-Viate.Virieto. Craz Machado.Vieira
da Silva.Cilazans.
Offerecmos como additivo a seguinte roso-
luco.Luiz Carloi.Lima Duarte.Pereira da
Silva. Salaihiel. Paula Fonsece.Cyrillo.
Fooseca Vianna.Mello Franco.A. Pereira Pin-
to.Ferreira da Veiga.Bario da Mau.S. de
Macedo.CilazansRibeiro da Luz.Cruz Ma-
chado.Lima e Silva Sobriuho.Oliveira Bello.
J. O. Nebias.
a Fica o governo autorisado a mandar proceder
desde j avaliacio da estrada de rodagem Uoio
e Industria, e o dessproprio-la, indemnisando a
companhia do excesso da avalii;ao alm doa
6,000:0008 do emprestimo de Londres, pelo qual
respootavel o mstio governo ; e para esse tlm
emitiir at 4.0O0:00V8 am aoolices do valor no-
minal de 1:0003 a Juro de 6 %.
Rea usada a deiepropriaco, cessar a com-
panhia de receber a garaolia de juros que pagara
actualmente o governo geral e os das provincias
de Minas e Rio de Janeiro, e o governo contratar
com a mesma companhia, ou quem mais vanla-
gem offerecer, o semeo da etlrade. u
<( Offerecernoi como additivo o projecto o. 50
de 1862 autoriando o governo a elevar a despeza
cora as adminitracoes dos correios.L. Carlos e
outros.
O governo fica autorisado a malar a facul-
dade de direito do Recife do lugar em que se
acha paro qualquer dos coavento deesa cidade
que on"ere;a melhores accomodac.es, pjdendo
gastar cora as obras necessarias para effeciuar
esta mudaac at a quaotia de 33:0002.Viielle
lavares.F. C. Brando F. X. Pees Brrelo.
CJtreia do Oliveira.Silvino Cavalcanti.Epa-
minondas de Mello.Bezerra Cavalcanti.Cunha
Figueiredo.Mello Reg.
a Emenda ao artigo additivo sobre a muianja
da faculdade do Recife :Depois das palavras
accoramodacoesaccrescente-semediana con-
trato com of religioso.Salaihiel.
O governo fica autoriso !o pera alterar a ta-
bella aonexa ao\lecreto n. 2,734 de 23 de Janeiro
de 1861 em ordem a dimiouir a deepeza com o
peseoal da iospeccao de sonde dos porto.Diogo
Velho.Almeido Pereira.
a Ficam igualados os veocimeotos des ofliciaei
e escriptursrios da secretaria do tribunal do com-
mercio de Pernarabuco aos da Baha.Carn-iro
da Cunha.S. de Macelo.Correa de Oliveira.
Pinto de Campot.Diogo Velho.
O goveruo autorisado a fazer rever a lista
de antiguidade de tolos os julzes de direito, con-
taodose-lhes todo o lempo de exercicio de ma-
gistratura que provarem haver tido, proveoeian
do para que seja onuualmente ramettida o cada
juiz de direito a lista annual de autiguidade, de
sorle que_ nio cjura comr nenhum o ptazo das
reclamacea sem a ioliraacao ou recebiraeoto da
referida lista annual.D. J Nogueiru Jaguaribe.
M. Dantos.J. Madureira. o
(Merecemos como additivo o seguinte pro-
jecto Evaristo Ferreira da Velge.Pereira da
Silva.
Os passaportes para paizes estrangeiros serio
regidos pela legislarlo jjue vigora sobre os pas-
taportes para o interior do pan, revogada assim
a ultima parte do art. 118 do cdigo do procetso
criminal.
a fferecemos como additivo o seguinle pro-
jecto.Pereira Franco.liberio.C. Paranagu.
M. Dantas.Fernandes da Cunha.Gasparino.
Fiel de Carvalho.
Artigo. O bacharel Domiogos Gomes Ferreira
Velloso fica dispensado de restituir aos cofres
pblicos a quaotia de 1:0009, que em 1849 rece-
bera como juiz municipal a de orphos do termo
do Pilio Arcado, oa provincia do Babia, para au-
xilio das despezas da visgem que nessaaqualidade
leve de fazer.
OfTerecemos como additivo o art. 13 do pro-
jecto n, 102 do anno paseado que eleva os veuci-
menlos da magistratura.Barbosa da Cunha.
Diogo Velho.Calozons.Corres de Oliveira.
Rolrigo Silva.Costa Pinto.Pies de Men-
donca. >
Fica o govarno aatorisado para fazer as des-
ptzas necessarias para colleccionar a imprimir
todos os trabalhos e coovencoes celebradas entre
o imperio e ai potencial estrangeiras.Carneiro
de Mendonga.
a Ficam tupprimidoio lugar actualmente vago
de primeiro ofBcial da secretaria do ministerio
de eslrangeiro, e mais um de igual cathegoria que
venha a vagar.A. do Amoral.J. de Aleaear.
-Figueiro de Mello.
Coatioas em vigor deide j a autoritario
concedida ao governo em virtude do 2a art. 6*
da lei o. 1,100 de 18 de letembro de 1860.
Lamego Coila.Correa de Oliveira.Carloi di
Luz. a
i O governo fica autoriiodo a compensar oo
Dr. Jote Antonio de Mogtlhes Catiro o'trabalho
e as despezas que fez com a confeccio e publica-
do doi projectos de codig3 penal e de processo
militar que olTerecau ao governo imperial.Car-
ies la Luz.Lamego Costa.Cruz Machado.
Os filhos menores dos officiaes da armada at
completarem a idade da lei, teem direito per-
cepjo do moote-piode sauspais.Ltmego Cos-
ta. Correa de Oliveira.Carlos da Luz.
As tilliis dos ofciiei da armada casadas com
coDsentimenlo de seus pais ou supprimeolo judi-
cial, e na falta das solteiras, teem direito per-
cepgso do monte-pio.Antooio Candido da Craz
Machado.Francisco Carlos ds Luz.
Emenda ao additivo da eommisso do orea-
meato da marioha relativo aos filhos minoret;
As polovrtsde seui poissccreiceote-ie :
* ai poiovnide leut ponaccretcente-te : i d~ rfi-.i,- ,, .
revenando eele em beneficio do nerdeiroa so-1 Oich.01,\>J!??* hab'"'0o P" rem dei-
breviveotes no caso de morte. ou logo que che- | |oao aue \.r.Vm ."f.110 de P""*" entraocia
...cuica lo caSo ae mo:ie, ou logo que ene- i iOBn nu~ u. : u" """"" awewstsjtsi
m i maioridada.-Lamego Costa.-Carlos da Trazo de u^ f,1CtlfameBl9 S6r,id d,ranl9
rCorra de Oliveira. i 1.HL SS?' coa,Plado lodo P<
*V2E51 t <,y* lenh9m ncido aluda
a penodoe oierrompidot
* ,g,ov!r? decr?l8r modo da substituido
- a luto do inde-
pendencia.Junqueira. s>
Ficam isentos de direitos, expediente, ou
qualquer outra toxo de importesio, os machi'uis-
mo, uieocilios a apparelhoi necessarios ptra a
empreio de illamioa^io a gez contratada pelo go-
verno da provincia do Maranhao com os ameri-
canos Mtrcei William e Silveitre S. Battio, e tam-
bera os tubos, combustore e ipparelhos para a
dietribuic/ao dogaz at a quantidade precisa para
se levar a effeito a dita illumioaijio e seu aug-
mento no futuro, assim como oe que forem ne-
cessarios para a substituirlo. A mesma
os juizei muoicipaet) como preparadoret doa
procestoi, competindo to juiz de direito substi-
tuto o julgameoto definitivo.
| 6. as comarca em que tejder falta de juiz
municipal para para a substituido do juiz da di-
reito servirio os juizet municipaes das comarcas
limitrophes pela ordem de proximidade das ditas
comarcas e proxim'daes dos termos respectivo,
pera o m de proferirem a sentencias definitivas,
Qcando os substituios muoicit>ae do termo en-
cerregajlos tornete do preparo dot feilos.
7. No impedimento ou falta dos juiie9
materias' primas Tmpo'rUdas ,"b,SlllU-l,s "".J**" de, WHo de que trata
pera a prouc?o do gaz, devendo na forma do
S3, 5 e 6, os juizet subililulot muaicipaei at-
sumirio plenamente oo reapeciivo termo toda a
cootrato fixar-se aonuelmeota o auantam dessasi \ S'enu1*D, D0 reipeenvo ierro.
m.teri.e.-Viri.to.-CarvtK Re?..-V.alS da ^7^^^ d0 Jui^eit(il0- .
Silva.-Serra Carn.iro.-Nuoes Goncalves.-Go- de.^dl-ftk.*."' ",%?"? '?t
mei de Souzou aeoaoo de ItoOOf ea gratifleacio de 2:4
o a or-
-4003. Es-
Ficem dispeosados do pagamento dti multas "llnZ de 2:6008 para os que t verem
era que liveramiocorridooi arremetentes r fia- frffl*^' """.s* efl*Cl,,, ,5r,,0? de "*
. -., s-w9 par* o Que liverem mil de quioze an-
nos, e de 3:8005 Pra os que liverem man de
viole sanos.
t 0t juize de direito que contaren mais de
vmie aoaos de elfectivo exercicio terao ai honrai
dores de k
otes de terrenos diamtutioot na pro-
vincia da Bahia.Junqueira.Gaiparino.Es-
pinla. >
< Al leis de amortiisi;Io ficam dispensadas re-
ltlivameote irmandade do Seohor Bom Jess
da Lapa, termo do Urub, proviucia da Babia,
paro o cooservocao do patrimonio que aciual-
meote poesue oaquelle santuario, e mais dos beos
que adquirir at o valor da 300 0008.Espinla.
Junqueira.Gaspariao.
a A casa de Saota Misericordia da cidade da
Baha fica relevada da siza para compra do pre-
dio em que fandou o novo asylo para creacao,
edocaQio e amparo de exposles e orphaas dea-
amparadat, sob a deoominico d6 recolhiraeolo
de oossa Senhora das Miserieodias.liberio.
Aragio e Mello. >
Ot requerimeolosou peti^es podem ser des-
pachados pelo juizet de Ia iottancia, aioda que
oo teoham pago ello, endo obrigado tmente
etle imposto quando forera os autos conelusoi. At
peticoes podem igualmente ser despachadas sem
tello pelas autoridades administrativas, sendo o
imposto exigido smente oa coocluaao de qusl-
qu*r procetso admioittraiivo.C. Madureira.
Ficam relavado! de maltas todos as pessoas
que registrarem ttulos de propriedade oa possa
de trras oas thesourarias de fazenda ou oes re-
psrticoes doi Ierras existentes as provincias, seia
mezes depois de publicado ette indulto nat mea-
mes provincias.C. Madureir.
< Ai vendas de escravoi podero ser efleclui-
dis por escripturas particulares era papel sellado
de 408.Martinbo Campos.Saldanha Marinho.
Ao additivo do Sr. Viriato ao minitterio da
agricultura ascres goraro desde j.Vieira da Silva.
O governo autorisado a aapprimir ot luga-
res de consultor dos difereotes ministerios, pro-
porgo que forem vagando, a bem assim todos os
lugaret nis retpectivas secretariae que forem dis-
pensaveis.Silvino Cavalcanti.Leitao da Cu-
nda. Audrade.e Silva.Benjamira.
A propriedade plena do predio denominado
Chcara doa Caberlas na cidade de Ouro Pr.-lo fi-
ca pertencendo ao hospital de cariJade da mesma
eilede, e a respectivo meso administrativa auto-
risada a recolher o rendo do mesmo predio, seo-
do o producto convertido em apolices da divida
publica.Lima Duarte.Ribeiro da Luz.Fon-
teca Vianna.Morta.Mello Franco. Silveira
Lobo.Paula Santos. Salaihiel.Brtas.Cy-
rillo.
Depois disso o Sr. Espinla fundameutou o te-
guinie requerimento :
Requeiro que pelo ministro da Justina te pe-
ga a seguiote ioformscao:
Se Aolode Almeila Breoeo, noraeado ma-
jorde um etquadrio de cavsllaria da guarda na-
oional da villa do Urub, na provincia da Babia,
o mesmo principal autor do assassinato do sub-
delgalo Aodrade, ecuja prisao foi muito recora-
menleda pelo chefa de polica Dr. lonoceucio
Marques de Araujo (loes, seu lo preiideute o Dr.
liberio. o
O Sr. ministro da agricultura, interino da jus-
tlCa, apreseotou o seguiote proposlo
a Augustos e dignissimos senlioret represn-
tenles da ns;io.De ordem de S. M. o Impera-
dor tenho a honro do apreseutar-vos a seguale
proposta :
..' .Ar- ** O supremo tribunal de jutliga ter
dividido em duas secQdt, umecnraiml para co-
ohecer exclusivamente dat causas criraes, e outra
civel para coohecer dae caucas civen.
1. A seccio criminal ser composta de seis
ministros, eo civel de dez.
t. O goverao desigoar os ministros que
devem pertencer a cada urna Jas secces.
c 3. As secges serio presididas pelo presi-
dente do tribunal, e as conferencias dellas nao te-
rao lugar no mesmo di.
4. A revista seta julgada somente pelos
miDiatros que viram o teito.
5. A divisao do tribunal em seceos nao
lera lugar queado elle julgar os delictos, e erros
de olricio, cujo coohecimenio lhe compele.
-Vrt. 2' Os ministros do supremo tribunol de
justica vencerio o ordenado de 4:8O0 e a craliti-
cacao de 4:8008.
Art. 3. Para o julga.nento das causas civeis
e criraes em segunda instancia ctear-se-hao,
alen das releos actualmente exisleates, mais
sete tendo seus respectivos districtos os seguintes:
Para e Amazonas.
Maranhao e Piauhy.
Cear e Rio-Grande do Norte.
Pernambuco, Pirahioa e Alagas.
: Baha e Sergipe.
Corte, Rio de Janeiro e Espirito Santo.
S. Paulo e Pareo.
Rio-Uraode do Sul e Santa Catharina.
Mines-Geraes.
Goyaz.
Maio-Grosso.
Os raembros da relacio da corta ficam re-
duzdos a quiuze.Oi dasreiiei da Bahia e Per-
nambuco a ooze. Os do .Muaahao a sete. A
relfes de oyaz e Matto Groaio se compor.io
de Ires membro, e todas as outras de cinco, dis-
tribu nio se por estas novaraente creados os
membros existentes.
2. No julgamento das cautas civois e cri-
minaos pelas relefftea se procader pelo modo se-
guiote :
1* As proouocias o recursos de pronuncia
serio proferidos pelo desembarga Jor a qaem fr
o feito distribuido.
2* O juiz da pronuncia nao fica impedido pa-
ro o julgamento.
'' Ai appella;ei e revista! civeis e crimes
sero sempre vistas e julgadas por tre desem-
birgedoret.
c 4* O julgamento doi crimes de retpontabi-
lidade, ordem de habeas corpas, proroga^es de
inventarios e aggrovos serio decijidos por tres
uizes, tendo um relator com voto e dous sor-
teados;
a Art. 4* Os desembargadores vencerio o or-
deuado da 3.0OU8 a a gratificarlo de 4:2009.
: Art. 5 Na capitel do imperio, alm doi jui-
zet de direito privativoi dot feilos da fazenda, do
commercio e auditoria de ntarinha e guerra, ha-
vera man cinco juizei de direilo, dous com ju-
riadicQo orphaoologica, e trea com exercicio ca-
mutativo do juritdiccao civil a criminal.
I 1 O juiz de direito da 1 varo ter a teu
cargo a provedoria de capellta e residuos. O
juiz doe feilos da fazenda exercer cumulativa-
mente a jurisdicco crimioel.
2. as capases des provincias do Bahia e
Pernambuco naver quatro juizea de direito, que
exercero cumulativamente a jurisdiccio c'ivil e
crimioel, e privaiivemeote oecupar : Io a vara
dos feitot da lerenda, o 2o o do commercio, o 3*
a de orphioi, a o 4* a da provedoria de capailas
e residuos.
g 3. Na capital da provioeia do Maroohio ho-
vera tres juize de direito que exercero cumu-
lativamente a juritdiccao civil e criminal, e pri-
vativamente oecupar o primeiro a vara dos fei-
los de fazeoda e provedoria de capellas e resi-
duos, o segundo o docommercio e o 3* a de or-
phos.
< 4. Ni corle e cidade onde houver relagio
para a substituido doa juize do direito serio
comeados na corte pelo governo imperial e aas
provincias pelos respectivos presidentes os sup-
plenles necessarios escolhilos entre os formados
era direito que tiverem pelo menos tres anuos de
pratico do foro, lerao osles lapplentei, qutndo
subslitoirem, as masmas gralificasoes dos juizes
de deeeujbrgsdor.
Art. 7. O guveroo designar ot termos qua
devem ser caderas de comarca.
' Art. 8. Fictm sbolidot es cargos de juizes
muuicipses que pjr si sos consiituem comarcas
Ou forem cobeces de comarcal-, e ficam limitada
no civil as atlribuicoee dos jaizee muoicipaee dos
demeis termos ao preparo e processo dot feitot e
execueio das sentenjas.
Compele exclusivamente aot juizes de direito
em primeira iottancia no civel o preparo e julga-
mento dos feilos oot lermoi em que resilirem, e
bem assim o julgamento dot feitot preparados
pelos juizet municipeei oos outros termoi.
jl. No crima, as attriboises que lem o che-
le le policio, os juizes municipaes, delegados o
subdelegados de polica de formar culpa e de jul-
gar os crimes de conlravencoes de postaras de
que trata o art. 12 Jj 7 do coligo do processo cri-
minal ficam limitaJas al pronuncia e julga-
mento exclusive, competiudo aos juizes de direilo
proferir taes senienjas, devendo para este m Ihes
serem immeiiataraeute remettidos os procseos e
reos.
S 2. No exercicio da jurisdicc,ij crimioal os
juizes da direilo elm da formado de culpa e jul-
gamento dos crimee, que pela legislado vigente
j si.i de sua competeocia, terio mais"as segua-
les atlriluicoes :
l." Formar culpa cumulativamente cora as
oulras autoridades noi crimet eommeltidos no
termo de sua residencia.
2." Formar culpa privativamente nos crimes
de que treta a lei n. 362 de 2 de junlio de lb
eommeltidos uo termo de sua residencia.
3.* Processar e julgar exclueivamenle os cri-
mes de contrabando comineliidoi oo sou leruo, e
julgar os processados pelos juizes muoicipaet nos
outros termos.
3. Ot juizei muoicipaet eontinuam a pro-
cessar privativamente nos seus termos os criunes
de contrabando al o julgameuto exclusive, ,e a
formar culpa nos especiaes da lei de 2 de jullu de
1850 al pronuncia exclusive.
Art. 0. O juizes municipaes vencerio o or-
denado deC0l>8 o a gratificarlo de 1:0008. Os que
forera reconduidos e tiverem mais de qualro an-
jos de ellectivo exercicio vencerio a graliiicagao
j^ 1:400o, e quando subsiiiuirera os juizes de di-
reito vencerao, alm do seu ordenado, a graliti-
cagao de 2 000$.
Art. 10. Os juizes municipaes cujos lugares
ficam abolidos serio considerados em dispooibili-
dade al que possam ser empregados, continuan-
do a perceber os ordenados aciuaes, comanlo que
uao ezcedam o pelo de um suuo.
Art. 11. Os promotores pblicos vencerio o
ordenedo de 600-3, e os da corle, Bahia e Pernam-
buco a gratilicsfo de 1:8000. e os dat demais co-
marcas a graltiicac.au de C00;j. Os aromolores in-
lerioot vencerao as metm&t gratificaqes parten-
centes aos elfectivos.
Art. 12. Os chefes de po'.icia serio oomeajos
d entre os doutores ou hachareis em direito.
Jj 1. E-u seus irapedimeutos serio substitui-
dos por pessoa idnea, qae sempre deve ser for-
mado em direilo, designado pelo governo impe-
rial na corle e presdante as provinciss quanlc
nio houver suppleule de nomeigao do governo.
e 2. Nao obrigaioria aos raa'giairadoi a acei-
tocaa do lu de substtuico raomeolanea.
Os magistrados, porm, que em qualquer ca-
so forem nomeados a servirem, eontinuam a con-
tar anti(u;clade na classe a qua pertencerera.
a Art. 13. O chefes de policial vcacerfto o or-
deoado de 1:6000 e mais o da corte a graiicaco
de 4:400$; os das proviociae da Bahia, Penum-
buco, Rio Grande do Sul, Mio-s Geraes e S. Pau-
lo, a ?raiiiicac,iode 3:200$. e os das demeis pro-
vincias a graiiuo.ic.io de 2:'J03, sem prejuuo de
melhores veuoiraeutos que pcsiam ter os que fo-
rera magislra lat.
Os substitutos dos chcies de polica venceraj
as mesmas graticacoes pertenceutes aos iffec-
livos.
* Arl- I4 As gratifieaijoei marcades oos arls,
" 4, 0,9, II e 13 dependem do ellectivo exerci-
cio, nao pdenlo era caso algum vence-las os iai-
pedidos pjr qualquer motivo.
a Art. 15. O ollicial de justica que intimar or-
dem de prleo era viriule de prouuocia em crimo
oliancaval dever, se fr requerido, ocompsnhai
o reo a presooca da aulorijade que ordeno* a
prisao, e na jusencia desla, peranle qualqaer ou-
tra que seja corupeteute. e a autorilade arbitrara
logo provisoriamente o Canga e aceitera Helor
idneo ou deposito sulficienle para que o reo se
livre sillo. A obrigago doofllal se expreisa-
nienie declerada no mandado.
SI. Igual procedlmento ter lugar oo ceso
de prisao em flagrante quando reconhe?a a auto-
ridad por ioconte-iavel ser o acto occeiional da
piisio ortroe afieogavel.
S 2. Os elTeitos da fiaoga provisoria durario
por eepaco de 30 dia, deniro dos quaes dever o
reo aliiucar-se definitivamente.
Art. 16. A accusec.ao e defeza 'proJuzidas
pelas parles nos proeess'os policiaes serio sempre
sumraariamente reduzidas a escripto pelo es-
crivo.
Art. 17. Sempre que nao fr possivel efiec-
taor o julgsraeoto do reo no dislricto da culpa,
ter lugar no juizo do termo mais vuinho, coai
preferencia o da mesma comarca, ampliada assim
a dlsposigio do artigo.
Art. 18. A appellagao da sentenga de absol-
vigio oot procesaos enminses dever ser nter-
posta dentro de tret diai.
c 8 1. Pora do cato do art. 79 SI -la lei de 3
de duzerabro de 18tl a teoteoga de absolvigao se-
r immedialameola executada, sendo potto era
Itberdade o reo absolvido.
S 2. O recurso de appellago de que trata o
ert. 79 da referido lei ser extensivo oas crimes
de que (rata a lei de 10 de junho de 1835.
3. Os prazos falsee, para teguiraento e apre-
seotagio dos recurecs de despachos ou senteogas
crimioaes nao tm applicagio aos que forera n-
terpostos pelos promotores pblicos, cujis fallas
ou inexactides nio importara o prescripgao dos
mesmos recursos, mas tio lmente o too reopon-
sabilidade.
1 ambem em nenhum caso serio prejudiesdos
os rcenos ioterpostoe ex-offlcio, ou por qual-
quer parte, quaodo per cauta de falta, erro oa
omitsio do ollciel do juizo oio tiverem tegui-
meato e aprsentelo era lempo oo trlbuoal da
relagio.
Art. 19. O juires de direito lem oai mas
comarcal competeocia para eoocestio de habas
Corpus aos deudos de ordem do chee de policio.
Arl. 20. E' extensiva aoi eitraogeiros reii-
deates no imperio a faculdade de requerer ha-
bas corpus.
Art. 21. Ficam sapprimtdas ai correic.5ei.
Arl. 22. Ai ditpoticei da lei de 10 de juho
da 1835 lio exclusivamente applicaven aos cesos
e crimei indicadoi no arl. 1 da mesms lei a ios
da iosurreicio.
Art. 23. No fro das cidades em qae houver
relogio s podero exercer os funeces de solici-
tadores os formados em direito.
Art. 21. Quotro annos depoii da publicigio
desta le s podero ser nomeados para os luga-
res de suppleotes de iuiz de direito da que trata
o 14 do art. 5 os formados em direilo que na

>
MUTILADO
ILEGVEL


-*


9 y_.
i
DUSO 01 fllKIMBUCO. -- SEGUNDA FE11A 1 01 SETEMBRO E 1S|*;
pratle do foro liverem exercido dous annos pelo
meaos s funcges dt solicitador.
- 'toV!; *? aA* di*P0'o los art. 2 e S da lei
n. 799 de 16 de setembro de 185* nao sao appli-
caveie a lituigao das dov.. rel.goes.
r^^'ll. -30 PPct aos desembsrgado-
o 560 d! W' d2* ""' 2. ? e 5 do decreto
o. 560 de 28 de juoho de 18W.
VlalnE^1 de g0,la de 1862- Joao LD
ueira Lansaoiaode Sioimbu.
O Sr. Felippe Jos Pereira Ls-al, eocarregado
ae negocios do Chile, foi remondo no mismo ca-
rcter pa o reino d Italia, e substituido na-
5"SJ,a 'Publica pelo Sr. AdIooo Pedro de Cr-
Talho Borge, que e acha?a em disponibilidide.
Sr. Cezar Saovan Viaona do Lima, encarre-
a pena de 33 dia'8,?ri" P"*" Pelo juiz
municipal da rill/* L,aielrai n provincia da
S. Paulo.
Foicommuta';,"11 J00*000 P"a InjPe-
rlal Instituto d M*01001 Cegos a pena de um
rnez de prisaJ nBU"a a fl"9 foram condemna-
doi Frenclsr Ro,a de ,e,lis e ,os Antonio de
Rosario Br" pel Juix de direil de 2* Tara d"
corte.
por , bicha'BeD%miu Const8nl Botelho de Maga-
lher*'-"ra '"8,r de professor dacadeira de ma-
nitica .de scienciaa naturaes do Imperial
[0 .lula doa Meninos Cegos.
Por decreto de 16 do correle foi apresentsdo
gaao dui negocio* no reioo da Italia, foi remoa0 P'dre Joo Ferreira da Silva Mello na egreja
?ido no meamo carcter para o estado orieulal
Uruguay.
O Sr. Joi Lucio Corres, antigo cnsul no 'ji'
le, foi posto em disponibilidade.
Foi nomeado vogal do cooselho suprmo mi'
litar, o Sr. brigadeiro Manoel Antonia Fo"*"
Costa.
Por decretos da 13 do cor/ente'Oram apresen-
tados o padr* Aolooio Aire n Rts o igr*j
parochial do Rio Vermelhi), padre Agoatioho
Augusto da Franga na de .c. Januario do Ub,
ambas da diocese e provincia de Miaas-Geraes.
V
O senado eontinuou toulem a occupar-se com
." discuisao do ori'mento. Approvou a fl-
xago despezi do m-'uisterio dos negocios eslran-
geir-s, e come;uu a discussao da do ministerio
Ja justiga ; orraru os Srs. Ferraz, miuistro da
justiga, Jjbime Silveira da Multa, Gcaado adia-
da pela hora.
A cmara dos diputados occjpou-se hontem
con o sguiuta requerimenlo apreseulado pelo
Sr. Marliuho Campos :
llequeiro qu pelos ministerios compelales
se pega o goverou:
1.* llelagao nominal das autoridades po-
liciaaj ( delegados e subdelegados) qu da pro-
viu;ia de Mmaa-Gerae tem sido ou foram no-
meados os demiliidos, desJe 30 de abril do cor-
rente aoao at a data em que na secretaria da
presidencia daqaella proiaei> se organisar a re-
lacSo ye lili lateado meogo dos motivos das
d-misses ou d sua nao existencia quaado des-
i-s motivos nao hoaver conhecimenio na sscre-
tiria, o bem asaifu informando-se qaes as de-
missoei conceltlaa a pedidos proprios, demiti-
dos e com que escusas, e quaes as demtsaoes la-
das sern sohcitaCM dos dbmittilo.
a 2.* yme* e luantos postos de officiaas da
guaria nacionil do commando superior de Pitan-
gui eiiatom vjgoj, e se a presidencia ds Minas
tem traiJo ao coiihaainjiil) do governo impe-
rial as propostjs daquelle commaado superior
pan o oreh^nohimento -< 3." Relagio dos p-esos que se achara
paroebial de Santo Antonio de Propri da dio
cese da Babia e provincia de Sergipe.
O Sr. Antonio Jos Lisboa, enviado extraor-
dinario e ministro plenipotenciario do Brasil na
repblica do Per, e removido o anno passado n->
mesmo carcter para o Estado Oriental do Uru-
guay, foi diapeosado desta missai e posto m
dispoibilidade.
20-
SNo senado passou hontem, em primeira discus-
sao, a proposirio que autorisa o governo para
approvar o accordo celebrado entre o banco do
Brasil e os bancos Rural e Agrcola, depoia de
ter orado o Sr Souza Franco.
Na segunda parte da orden do dia votou-se o
art. 3" do ornamento, cora as emendas da outra
cunara, e, estindo presente o Sr. ministro da
marinha, entrou em discusio o art. 5*, sobre o
qaal oraram os Srs. Silveira da Molla, ministro
da marinha, e visconde de Jequitinbonha, (kan-
do a discussao diada pela hora.
eoi-
nro-
por]ue
pregadoj oo trabalhj dn obraa publicas da
iacia JeMiQs.coui ru uisu dos ct nes
das p^nas a qu (oram condemnados.
." Por orlem de que auioridale, e desde
quando, yrei.is conlemnalos priso simples
sao ali eropragalos elfectivameule em trabalhos
pblicos.
5/ Ojal a lei provincial ou g*ral que votou
para a casi oj palacio para a expo9igao que se
est construalo no morro ds Forcs da cidade
de Ujro Pretti os fundos necessario3.
Oraram os Sis. Mirtinho Campos e Cunha Fi-
guairedo, a cou a discussao adiada p^la ho-
ra.
Foi tambera approvado na sessao de 14 do
crenla o seguote additivo .
Pica dispeosada du imposto de 5 0,0 OU mais
cumpa nina G uahiba, estabelecida na pro-
nociocladeS. Pedro .lo Rio Grande do Sul,
pela aequisigao aas embarcagdes a vapor qu
tv-T comprado e das que houver de eomprsr
pan a navegagSio iljva| da uiesma proviucia uo

sm a
Sou ?a.
meoto.Uireellos.Amaro SiUeira.Silva Ni-
ea.
18
O Sr. bispo do G>yaz I). .omingoa Qjirino de
por d->rniS'irias do Sr. hispo conde ca-
pellao-mr, aciba de conferir orJeui de minoris-
tas aos ara. Jos Manool Carlos Gusmio, Jos
flkriins Vwob*. Jos Pe reir Cardoo Pereira Lo
!.o, Elau-l-'io Vi.laJl 4.,i .^ .._i .
Silva, loo MachjA, Boielho, b1>imA a!
da Sil Msnhaas. \nt Joaquim Ferreira f/nisrt, Joao L->yoia da S Iva,
Jos El->y la Sijvs Puso- Augusto Veridiano de
Almeida, EiMrdo Fructuoso da Costa, lL-nrique
M'M'el Ferriira (juimaraes e Joa Veneran la
ja 'i-ai;i, e d\ subliacono aos S's. Jos da Silva
M'ia Forres,iUanoel Marques de Gousi, Jos
Rolrigoesd uiueira Vereza Jnior, Joaqaim
Peixoto Lipis, Antonio de Paula Pinto Jnior,
Antonio 'arns Xavier e Antonio Crispo de
Qaeiroz Pej^uin ; diconos J anuario J >s de
Silvoi.-' Ros} e Antonio Bernardo do Rosario ;
pttfSbytei Jo'ao Bipliata Teiseira Monleiro, Jost
ietaiio Souza Franca, J'ao Bautista de Sou-
vi, J .- Ferreira Lop-'s Waozeller, Antooio
. i i is#Lyrio Vespucio, Maoo>-1 Julio da Car-
i (tuno, Manoel Luii Ferreira Piolo, Jos
Haxioniaoo Fried, joo Jos de Aloaeid, Jos
a ,i" i Piulo de Ccrqaeira, Jos Vieira IJaptis-
jel Goocalves
Continuo hontem na cmara dos depulados a
discussao do requerimento apresentado pelo Sr.
Espinla na sesso de li do correte, pedindo
que o ministerio da juatica informe se Anto de
Alrieida Branco, nomeado major de um esqua-
irodecavallaria da guarda nacional da villa do
Urub, na provincia da Bahis, o mesmoprin-
cipil autor do assasaioato do subdelegado Ao-
drade.
Foi offerecido o seguinte additivo :
Que se pegam ao governo raais as seguales
informacoes :
a 1." Adata da posie do Dr. juiz de direilo
actual da comarca do Ciiquechique, a da convo-
cagao e reuniao da primeira sesso do jury da
mesm;i depois da sua chegala.
2." Qual o numero dos processossubmetli-
dos referida sesso, o numero dos reos, natu-
reza dos crimes, e resultado dos julgamentos, com
I as coplas respectivas.
3." Qual o numero dos processos julgados
pelo mesmo Dr. juiz de direito em recurso, com
' as eaoeciflcagoerdo artigo anterior.
4. Um quadro do estajo actual das autori
Idades policiaes do termo do Remanso do PilSo
| A-calo e da guarda nacional do mesmo. J. J.
I Fernaodes da Cunha.
Tomaran parte no debate os Srs. Gasparino,
Sajrao Lobato. Tiberio e Fcrnandes da Cuoha.
Foram apreseolados os seguintes pareceres :
A commiasao de constituigo e poderes,
achaodo regular a eleigao de leilore., a qae se
procedeu em 7 de julho de 1861 na freKuezia da
Victoria, do primeiro districto da provincia do
Maranho, de parecer que seja approvada a re-
ferida eleico.
Pago da cmara dos deputados, em 12 de
agosto de 1862 Araujo Lima. J. J Teixeira
Jnior.
A commisso de conslituico e poderes, a
quena foran yresenles com o officio do miuisterio
Oo imperio datado de 28 de fevvreiro ultimo, as
actas das eleigoas primarias a que se procodeu a
22 o 30 de ,iee'nbro do anno passado as paro-
ehias do S. Francisco do Rio Gloria, e de Nossa
Seohora da Conceigo dos TomSos de CaraDgola
| do municipio de S. Paulo de Muriah da provin-
e re-
pela sua orlgera aosuspeilas ao meaos de exs-
geragao.
Em Cordova tinham-se feito as oras elsjicdes
de deputados ao congresso to socegads e trao-
quillamente que na capital nem se ebegou a for-
mar mesa. Triamphoa sem opposico a lista do
governo.
Das oulras proviaeias argentinas na la encos-
tramos de ioleresse, nem mesase do Estado-
Oriental, afora ter-se encerrado oo dia 8 a ses-
so extraordinaria das cmaras legislativas, de-
pois 4e approrsda a cooveoga sobre as iodem-
oisigoes aoglo.fraocazas por prejuizos de guerra.
O Srmanario do Paraguay desmeote categri-
camente a noticia dada pelas folhas de Baenos-
Ayres e Montevideo, de ir o presidente daquella
repblica convocar um congresso para delegar
no general seu Qluo os poderes de que se acha
revestido.
Do Chile hsvia noticiaa al 10 de Jalhe.
Segundo o Mercurio, contiauava o paiz tran-
quillo, mas nao aatisfeito, senlindo ae anda pro-
fundamente oa effeilos daa crises commerciaes.
Na mensagem apresantada por occaato da
abertura do coogresso no dia 1, annunciou o
presidente que acreditara um enviado junto do
governo da Jurez do Mxico, e alargou-sa em
consideragoas sobre a intervenga europea na-
quella repblica.
O senado oceupara-se de deelarar porto maior
o do Coronel, e o governo tratara de estabelecer
urna lioha lelegraphica do sul da Repblica at
Talca.
Tinha-se resolvido a crise ministerial, senio
nomeado ministro do interior D. Manoel Tutor-
na!, do culta e iostruego publica D. Miguel Ma-
ra Guemes, da guerra e marinha o general D.
Marcos Matorana, e da fazeoda D. Jos Victorino
Lastarria.
O Ferr Carril elogia os horneo! do novo ga-
binete.
Per e a Bolivi ficavam em par.
Da provincia de S. Pedro do Sal nao ha
ca de grande interesse.
A asserabla legislativa devia installar-se
dia 1." de setembro futuro.
Prepararam-se festejos para o dia 7 do rferiJo
mez, anniversario da independencia do imperio.
Os subditos portuguezes, residentes na capital,
colliiz'am donativos para os ssylos da infancia
desvallila, e eram coadjurados oeste empenho
pela companhi dramtica all chegada recpnte-
osenle.
No dia 5 do corrente cahira em Potto-AUgre
ama furiosa tormenla aeompanhada de chuva de
pedra que despelagou as vidragas e damniflcou
slgons telhados no bairro do Riacho.
O Correio do Sul daquelle dia d as seguintes
noticias:
n Cartas de S. Gorja de 10 de julho referem-
nos um crime brbaro.
a No districto de Camaquam, 3. daquella villa,
foi encontrado o cadver de um indiosinho de
poucos annos horrivelmente mutilado Cosido a
punhalada, degolado, castrado, revellava a mi
fra e atrozmente cobarde, de um malvado do mais
rll carcter; e todava sua itfade e seus aotece-
EicadaConstouo collegio de 40 eleilores,
que rotaram unnimemente no deseujbaraador
UchoaCavalcaoti.
Tendo a commisso relatado oque se passou
dos diversos collegios, corre Ihe agora o dever de
expender o que occorreu Da apurago eral, que
se fz em 7 de agosto na villa do Cabo.
Segundo a apurago a que procedeu a cma-
ra municipal, teve o desembargador Uchoa Ca-
C8,oo l To'0' 8 conslheira S e Albuquer-
que 13. Corrigindo algum equivoco da cmara,
parece a commisso que a votaqo do primeiro
candidato ede 161 votos Conhecido o resultada
geral da eleigao, foi apresantado um protesto
contra o collegio d Eacada pelo Dr. Affonso de
Aibuquerque e Mello, o qual, juramentado como
vereadorsuppleote, fon admiltide ao seo da c-
mara muDitipal, que se reunir com sete mem-
bros, ioclaindose o presidente. Articula o pro-
tesiucor.tra aquello collegio os seguintes vielos ;
chamada de 5 supplenias havendo somante 3
eleitires fallecidos e um tora da provincia epre-
terid o terceiro suppleote; desigatgo da mesa
effecliva fl j collegio pela ioWriea ; votago iode-
vida de eleilores receben lo as listas do presiden-
ta do mesmo collegia ; assigoatura supposta do
ejeitor Ageo Eduardo Velloso Freir, que dos
dias 6 e 7 sa achara Da cidade de Gaianna.
< Nao ten Jo o protestante reunido a seu pro-
testo os documentos a que Ilude, nem pdenlo
a commisso oble 1 os do ioteressadof a qaem os
pedio, ve-se ella condemnada a formular o seu
juize referrndo-se sement as aetas que compul-
sou e aos decumentes que o desembargador
Uchoa Cavalcanti leve a hondada de conQar-lhe.
Foram sem duida chamados 5 suppleotes
em lugar de 4 eleilores fallecidos, e um mudado
para fora da provincia, preterindo-se o terceiro accessorios, eito "aio actual chele de'polica da
s nenhuma violago d lei ahi i Par^iba do Norte', icerea ds resusr.itada e fados
i e esta relativos.
noli-
no
A cmara dos deputados reeonheceu bootem
como depuladoe os Srs. Airare Barb.lbo Uchoa 1
Cavalcanti e Zacarisa de Geao Vasconcellos. es-|
te psla provincia do Paran, e aquelle pelo 3o
districto da de Parnambaco.
Approvou tambera, depois de algumas obser-
ragoes dos Srs. C Madureirs e Araujo Lima, o
parecer da cammisso de poderes sobre a eleico
de eleilores da parochia de Santo Antonio de
aI"o f*1* ialriet0 previicia do Rio-Gran-
de do Sul, conjunctaments com a seguate emen-
O ti !
a Depois das pslavrasdeclarados eleitores
diga-seos cidadoa Forluaado Teixeira de Car-
valho, Francisco Pereira dd Macedo Coulo, Flo-
reocio Teixeira de Carvalho, Jos Luiz Vicente
Machado; e que Iidoro Relmente Ursa de Moa-
tejos, Manoel Coelho Leal e Manoel Lepes ds Ro-
sa Jnior, empatados cera 195 volos cada um,
sejam saneado pela respectiva cmara muuici-
pal, aflm de se veriOear quaea oa doua dssles que
completaram o numero dos seis eleilores, e que o
excluido pela serte seja suppleote. beta como os
outros cinco cidadoa major Joo Francisco Jar-
dim, FlaubUno Vieente Machado, Francisco Jos
Teixeira, Joo Coelho Leal e padre Francisco Al-
ves Barroso, a quem a mesa incompetentemente
expedio diplomas, os quaes Ocam declarados nal-
Io.-J. R. Bsreellos.
O Sr. Silveira Lobo, tendo obtido urgencia pa-
ra coDlinuar-se a discussao do requerimenlo do
Sr. Bezerra Cavalcanti, aprsenla do na sesso
de 5 de julho deste son, (undimentou o segua-
te addita arate :
c Pego que, alm das iuormagoes pedidas pe-
lo nobre depilado do Rio Grande do Norte ve-
nham tambera coplas dos processos, principal e
J.
se di.
.*. S'gundoss actas ds sesso da cmara mu
nicipal da Estada de 27 de setembro de 1861 e de
11 de juoho de 1862, que por copia regolar foram
prsenle commisso, consta que na prioieira
daquellas dalas se expediram diplomas a 3 sup-
plentes para substituiris a 3 eleitore, dous fal-
lecidos eum mudaJo sr fora da provincia,sen
do pretrito o lerceiro suppleote, que deixara o
districto e pissara a residir no Bonito : asim co-
mo que oa segunda das meamas datas ae fuera a
iltnliea expedigo de diplomas com relago a
dous supplentesquetiobam de supprir a vga
de dous eleilores fallecidos. Exjostos "os fados
por semelhanie forma, nenhuma illegalidade se
deseobre neiles. Ve-se pois que verdadeuo o
protesto na parte relativa chamada de cinco
Depeis de algumas observages do Sr. Viriato,
ficou a discussao adiada pela hora.
S. M. o Iajperador, acompanhsdo por semana-
rios, vlsitou hontem o quartel central do corpo
policial da corle ;ehegando s 10 horas da me-
nina parcorreu tedas assuas depeudocia?, e re-
liroo se depois lo meio da.
Foram nomeado para acompaohar e estudar
os trabalhos de esgoto da.cidade os bichareis Ly-
eurgo Jos de JJello, Antonio Luiz da Cuaba Ba-
hianoa e"Juuaro Baptitta de Oliveir.
est revestido de perfeita legitimidad^.
Lendo-se as actas da eleigio da Escida ha-
veria temerilade ineoncebivel. ou antas maui-
festa impossibilidade aa asieveraejo de que a
mesa interina designara a effecliva do collegio
Foram ambas compostas Da conforsaidade da lei;
a primeira pelo jui de paz mais-volado, cha-
mando os eleilores mais mogos a segunda pelos
eleilores, nomeando em escrutinio secreto os se-
-.v^- cretarios, escrutadores o presidente. Notase a
nl\. .... d9 1u,11uer Provocssaojverdade da demasiada rapidez na exposico, ora
, nmJL'I | m ou outro ponto, do histrico da acta, como por
uitimamaantesujpuoha-se erguid urna pauta exemplo, dizeodo-se implesment* que o presi-
r*?eZiH.?jl,M escoda. crime, e fora deote Uvera pluralid.de relativa de votos Mas
" \' des urna negra, Mos; escrava do entre o laconismo culposo, ae o quizerm. que
1 S"1n\!"I"e e,'a Unh Jp0UC0 lemsua nalural expliccao oa unaniraidad. do
roubodeX7rn^,qU1U C0B 8Blr de "m Clleg0- qoe exclue a ttliSa da opposigo, e
roubo^de 'J^trom res a des.gnagio da mesa, a dislanci. immea.a.
cofonos Cont%Htntuta trouxe te-hontem 117 Nao pareco, pois. fundado semelhanie deleito,
- aS: .,- I invocado no protealo.
br.frK r"eJ 10V,a yinJS. \ BLemfD D0 i D,nJo 8S attaa.a' que apparega a prova
prigoe Larios Gerard, e 10 procedente de Ante-le-
erpia no brigue Margarelha, por coala do con-'
trato Steiiimann.
Da ordem de dia n. 305, publicada no dia 20
. ] do correte pela repsrtico do aiudante seneral
;?/!??* omittido o terceiro. sendo que* o acto constsm : 1 J general,
A nomeagodo Sr. brigadeiro Manoel Antonio
da Fonseca Costa para vogal do conselho supri-
mo militar. Decreto de 13 do corrente.
A exoneraco do Sr. 2' lente do corpo de en-
genbeiros;Joaquim Rodrigues Gamboa da commis-
so m que.se acha na estradu de ferro de D. Pe-
dro II, por assim o haver pedido.
_!^^IX^^_ airara
QIARiO Qf PERWAMBUCO
Pelos vapores Oyapock, Mamanguape e lo-
oantint, entrados sabbado do norte e sal do im-
perio, recebemos cartas e jornaes com datas : do
c Navios carga:
a Patacho americano A/aria.
< Btigua ioglez .Iraca'!/.
i Patacho portuguez Boa-Novm.
Brigue ooruegueose Eleonore.
o Dito frsncez Palettro.
Maranho.Eram conhecidos os resultado*
dos collegios de Ilapicur, Alto-Mearim, Baixo-
Mearim, Brejo, Tutoya, Vargem-Grande, Caxia
e Pasto Bods, sendo votado em quasi todos per
uuanimidide, o Sr. conselbeiro Francisco Jos
Feriado, com o numero de -258 volos.
.. ^2 dia 19 a P4,do procedlrs, a Asso-
ciagao Typographica Maranbense, eleigao dea
sua nova directora, que ficou asiim orgaul-
ada :
Presidenta honorario (5a reeleico),
Dr. Antonio Heorique Leal.
, Dito effeclivo,
Jos Mari Correia de Fras.
Vce-preidente,
Manoel Francisco Pires.
Io secretario,
Luiz Carlos Barbosa.
_. i' dito.
Lino Carlos de Olivelra Guimares.
, Thesoureiro,
Jos Theodoro da Silva.
L4-se no Ptt6ii'cador Maranhtnu :
Vapor Guajar. Tendo este vapor sahidoa
hontem (13) s 8 horas da manha para o Cear
e portos intermedios, arribou para este porto s
8 nor" ds noute por ter arrebeolado granda
parle da caldeira debombordo. sem todava cau-
sar o menor damno taoU ao navio como ao car-
regamento. Logo que o vapor parti deste por-
to a caldeira arrebenlou 3 tubos, que foram ta-
pados, sendo preciso por differentes vazes por o
navio a navegar a vela, sem que nada se adiaa-
tasse, depa9 visto ser irapossivel continuar a via-
gem o cmujandaule de accordo com os mais
jllkises eogenheiroi e pasageir09, deliberaran
arribar, Tundeando nesle porto ho, 4 C 14 da.
maoha.
O hiela Neptuno de propiiedade do Sr. Jos
Antonio lerreira Vianna, tendo entrado no dia
17 carregado de mangue bateu na coroa sol
vento da barra, a bnndose-lhe a coaturaa fot
immedialamente pique. Nao poiendo o sen
Joo, por falta de meios, mandar tira-lo, leve a
telicdsde de encontrar algumas almas caritati-
vas, que a pedido do Sr. Jos ds Canha Sjntos.
trataram de ver se conseguiam saf embarca-
gao do lugar do sinistro e encalha piaia^
da capitana do porto, como zerao; noutem *
2 horas da tarde.
Preslaram ete iraportanle serigo o Sr.
gurda-ar da alfandegs, 0a Sr. Manoel Jos
uavinho e Manoel Rodrigues da Rocha, capitae*
das galeras portuguesas Castro II e Cidade de e-
tem, ajudadoa pelas tripolagoes dos seus na-
vios.
/iou/i5/.Nada digno digno de menso encon-
tramos dos jornaes.
Cear. O quo occorreu acha-se ua siyuintea
carta de uosso correspondente :
O cholera est quasi exliacto esa tolos oa
(ligares da provincia em que se apreseotou ; uta
quer dizer que aioda vae fazentfo sua victima,
urna vez por oulr.
As comarcas da Imperatriz, Sobral

Amazonas Io, do Para 22, to Maranho 25, do GranP e Villa Vigosa dSo fura
Ih
cia de Mnas-Geraes, tendo as examinado
conhecido que nellas foram observadas as pres-
cripgoes da lei, de parecer que sejam approva-
Jas as eleigoe das referidas parochia?.
Pago da cmara dos deputados, 18 de agosto
de 186-2.Araujo Lima.J. J. Teixeira Jnior.
Oliveir BhIIo
A commisso de conslisuigo e poderes exa-
os papis relativos eleigao de eleilores
tambera ficram no Rio-
j..M',ui|nuio ue i.erqueira, jse vi
a, Joy Carlos de O iveira. Mauoe
Guimflea e Joao da Malta Tarl.
10 .
O fala Oc:u. o i
iou/o da 4a disco
nn" e emeldas dt
se atnla hontem com a con -
ussa da propoata de orga-
n-i" e emeldas da cmara dos deputados, na
par relativa despeza do ministerio da justiga.
'-'r ni os Srs. Jobiii, viscou le de Jequilinhonha,
!' Vieira e Caosanao de Sioimb, (cando a
di sao encerrada, por nao haver casa para
v< -se, .un quarlo antes das t(S horas da
ta.
lCS
antem nao houve sesso na cmara
pados por falta de numero legal.
dos de-
rra de S. Joao, no
Euzebio de Queiroz
provincia do Paran,
Foram ncoaesdos :
Juiz mntc'.\ps( ede orphaoa do termo de Trai-
a, as Alagos, o bacharel Francisco Rodrigues
essoa de Mello.
llera nos lerrjjos reunidos de de Belmonte e
auavieiras, n provincia da Babia, o bachatea*
ristidea Jos Lao.
I ;em dos do Malla Grande e Pao d'Assucar,
Sias Atagoas, oJiacbarel Jos Torqualo de Araujo
filar ros. \
dem de Seriov^em, em Pernambuco, o hacha-
re! Guilherme CoaSiejro Coelho Cintra.
dem do l'irahy\a provincia do Rio de Janei-
ro, o bacharel Wy\ndo Furtado 'Albuqoer-
que Cavalcanti.
dem dos de J*ieoz\pCg> no pauhy, o ba-
charel Raymuulo Ribei Soares.
dem dos le Mauftos''BarCtallos, do Amazonas,
o bacharol Felippe oa Cfcba Menini.
dem de Viil-Vigos n0 Cearf 0 bacharel
Joo Alves Das Vllela.
dem dos de Maceh
Rio de Janeiro, o bai
Haltoao Ribeiro.
Secretario da polica
o bacharel Sergio Fraoc, 9 gouxa Castro.
Furarn removidos a sepe,iid .
O bachsral Jos B^Poitagtl, do lugar de
juis municipal e de orphL aos (erm0i reunido
de Apiahy, Capp-BonitrpranapaDemaf e rls.
pev uS'^Fai'0? e'm".-..'o, pra o de S. Jo
d Parahiba, na mesraa p#incia.
O bacharel Jos Tilo N"\co de Araujo, doa
termo de Macah e Barra \ Nitherohy.
O bacharel Jos Pereira d,Silva, dos termos
de Saotarm e Franca, no Pi, para o.de Manea,
oo Amazonas.
Foram concedidas as demttes que pedirsm :
O bacharel Tertuliano Teix,ra de Freitas, do
lugar de juis municipal e deirphos do termo
de S. Francisco, na provinciana Santa Catha-
rina. I
O bacharel Francisco Antoo Pessoa de Bar-
ros, do meimo cargo nos termtude Malla Gran-
de Pao d'Aisucar, as Alagas.
Joo Gotukio Mouteiro de Meolnga, do officio
de escrivao de defuotos a aussot'
da cd't*.
AJtonio Joaquim de Almeida ('
ra )o, do officio de partidor do ter
em Pernambuco.
Satyro de Souza Telles, do offlci
e partidor do termo da Capaila, em
Foi recooduzido ne lugar de juiz
de orphos do termo de Souza, na i
Parabyba, o bacharel Joaquim da Co
Foi perroiltido a Luiz Pialo Hornera
miuou
a que se procedeu em 24 de oulubro de 1861, na
l'.^'i.hia de S. Flix do Buique, por duplcalo-,
provinca'deVerito'ocb. "" ""*,ln districto da
Na primaira daquellas freguezias, constituida
a mesa parochial na igreja, e cora intervengo do
juiz de paz competente o dos respectivos suppleo-
tes, concluirara-se os trabalhos eleitoraes regu-
larmente segundo dado avahar, em vista das
copias das actas e das nformagoes offlciaes qu
foram present's commisso.
Fez se, porm, outra eleigao na cmara mu-
nicipal, ligorando nella ura juiz de paz do distric-
to visinho, e allegando-se come principal defeilo
contra a primeira eleigao a nullidade resultante
de emposssmeuto do juiz de paz que a presidio.
Nao 9 achando devidameote provado seme-
lhanie defeilo, nem sendo bastante, quande fosse
real, para produzir o effeito inculcado em favor
da parcialilade a que se allribue a duplcala, e
qje se haveria recsalo a dar posso aojuiz de
paz respectivo ; entente a commisso qu deve
ser approvada a eleig3o feita na igreja e annulla-
da a outra, Cuja mesa parochial manifeslaraen-
te incompetente.
Pelo que resoeita eleico do Booito, pensa
aindt a commisso que est, ao caso de sor ap-
proviJa, nao obstante a irregularidade que se
Ihe oota, de limitado iotorvallo entre a coocluso
! da qualiGcagSo.
Nestes tormos a commisso de parecer:
1." Que seja approvada a elelgo do Buique,
presidida pelo juiz de paz Jos Marques de Albu-
querque Oavalcanti, o annullada a que se fez na
casa da cmara;
2.* Que seja approvada a eleigao do Bonito.
a Pago ds cmara dos deputados, 18 de agosto
de llo2.Araujo Lima.J. J. Teixeira Jnior.
Eutrou hontem do Rio da Prata e portos do
sul do imperio o vapor Tocanlins com dalas de
Montevideo e Porto Alegre t 13, Rio Grande
15 e Santa Calbarina 17 do corrale, tendo feito
em 13 dias a viagem de ida e volta.
Iiavia em Montevideo noticias de Buenos-Ay-
res at 9 Continuava all a questo da futura
a pita I ^agitar o congresso e o publico em ge-
ral, parecendo cada vez mais comprometlido o
projecto da federalisigo promisoria de todo o
territorio do Buenos-Ayres. Na cmara dos de-
putados ao congresso apresenlou-se um contra-
projecto, declarando desde j a cidade de Bua-
oos-Ayres capital permanente da repblica com
um) rea determinada do territorio. Alguns
laudo j por certa a derrota do general Mitre
ft-ta qusslo pnncipisvam a prever ou um golpe
de estado da parte deste, ou um prximo conflic-
to entre os podares nacional e provincial eata-
belecldos na mesma cidade, e em qualquer dos
casos quebra da paz oa repblica.
Fazemos votos porque assim nao seja, entre-
tanto parecem os aoimoa aioda looge de serenar.
Em Calamares toraavs-se mais grave e melin-
droso o estado das cousas. A11-. diz a Reforma
Pacifica, nao s continuava a guerra entre o go
vernador Correa e o presidente Omill, mas tam-
bera iam tomar parte no conflicto os goveroos de
Santiago e Tucumao, cada um pelo seu lado, o
a A remessa do Margarelha compuoha-se de
S, porm 20 seguiram do Rio Grande para a
colonia Rhegnaolz, em S. Lourengo, e3 estabe-
lecram-se como artfices em Pellas e Rio-
(jrande.
Do Carlos Gerard
GraDde II.
Os que chegram uo Continenlisla tem a seu
pedido os seguintes destinos: Nova Petropolis
W, Santa Cruz 31, Porto-Alegre U.S. Leo
poldo 3. '
Sao todos Prussanos das margeos do Rheno,
conta se 11 calholicos e 3 protestantes.
Seo homens 61 e mnlh*res 55' dividindo-se
as idades do seguinte molo : Homens maiorea
h 8I.'dC'-. ? ; de 35 ditos- 4 ? de 25 ditos, 26 ;
aIAl--.,t'.e-l,el,orM '"i mulheres rnaiores
de 4o annos, 5 ; ae oj unos, ue *j iTitvM, *,
de 12 ditos, 17, e menores 16.
a Todos os que vo para as colonias sao Laprra-
''".%.."' "tros exercem diversos officio.
Anle-honlem pelas"'/" ti oras as uo'hh,'ui-s6i-
dado do deslacameolo de polica desta cidade
achan1o-.se embriagado, segundo nos cousta, deu
em um pobre preto forro de nome Antonio Ma-
chado, que tratava de apasiguar ura conflicto pro-
vocada por e.sse soldado que contenda com oul'o
seu collega, una lacada, da qual resullou morrer
esfe io-lu hontem do manh, no hospital da Mi-
sericordia.
O assassino foi ns mesma noile de ante hon-
tem preso, e vai responder ao respectivo pro-
cesso.
-----^. ^ ^ .^ rri r ^
m contrario, acredita a commisso que regular
2h, da
Rio de
Piauhy 10, do Cear 27. do Rio Grande
Parahiba e Alagas 29, da Babia 27 e do
Jaoeiro23 do passado.
50b a rubricaInteriorvai transcripto o que
e-mais rapmtinle ha ; alm do que, t encon-
tramos o que segu?.
foi a votago dos eleilores escravendo^ estjsnsa*s' J lalas e entregando-as. Mas, ainda quando esti-1 Pll*'.oExm. e Rvm. Sr. bispo diocesano, em
vesse bern averiguado o fado imputado de listas ,-ua Tlllla P'oral, sendo recebido com ai forma-
foruecidas plo presidente do collegio, to voi- 'dat;S devidas suas altas funcg?s. S. Ezc.
Rvma. encet.lra no da immediata
lie Santa Catharina nada temos que noticiar.
21
O senado approvou hontem, sem debate, as
seguintes proposiges da cmara dos deputados.
Em segunda discussao, autorisaado o
para approvar o accordo estabeleeiio
banco do Brasil e os bancos Agrcola e Rural ;
sendo, a requerimenlo do Sr. Dias de Carvalho,
dispensados os intersticios para a terceira dis-
cussao.
Em primeira discussao, concedendo um cr-
dito supplementar para o miuisterio de fazenda ;
vencendo-se, a requerimenlo do Sr. visconde de
Jequilinhonha, o adiamanto da segunda discus-
sao al que comparega o Sr. ministro da fazenda.
Era terceira discussao, marcando o ordenado
da aposentadora de Manoel Antooio Bastos Rat-
clIlT, e mandando passar carta de naturalisago
de cidado brasileiro a diversos eslrangeiros.
Cootinuou depois a segunda discussao do or-
gameoto, art. 5", corramos Srs. ministro da
marinha, Ferraz e visconde de Jequiliohooha A
discussao ficou encerrada por nao haver tasa pa-
ra votar-se.
Cootinuou hontem na cmara dos deputsdos a
diicusso do requerimenlo apresentado pelo Sr.
Eapioola na sesso do 14 do correte, pedindo
que o ministerio a justiga informe se Aolo de
Almeida Branco, nomeado major de um etqua-
dro de cavallaria da guarda nacional da Babia,
o mesmo principal autor do assassinato do sub-
delegado Aodrade. Oraram oa Sra. Fernandes da
Cunha e Junquera, e ficou a discussao adiada
pala hora.
Foi apresentado o seguinte parecer :
Eleico de Pernambuco (3 districto).
Foram presantes a commisso de poderes a
copias das actas relativas a eleigao de om depu -
lado a que se procedeu em 6 de julho deste au-
no no 3a districto da provincia de Pernambuco,
para supprir a vaga que ae dtu com a nomeago
do cooselheiro S e Albuquerque para o cargo de
ministro e secretario de estado dos negocios da
agricultura, commereio e obras publicas.'
Compe-seo districto de seis collegios, cujos
trabalhos passa a commisso a expor:
Barreiros.Compareceram 37 eleilores. ob-
teodo odesembargaeor Alvaro Barbalho Moho
Cavalcanti 11 votos e o cooselheiro A. Coelno S
e Albuquerque 26. Falta a acta da installago do
primeiro por haver sido brutalmente assaltado i collegio e umi eleitor assigoa vencido, protuateo-
pelas tropas de O niII o seu commissario enviado | do contra vicio e irregularidade da eleigao que
a Calamarca, p segundo por affecto & causa do j nao especics. Parece de pouco valor o primei-
ra '-sino Omill. ro defeito, bem como ojulzo perfeita mente sbs
A' vist disto fcil de ver que se Mitre nao tracto daquella eleitor,
gar era assemblas eleitoraes receberem-se de
outrem para se votar cdulas es:riatas, exerce
isso to pouca influencia sobre a verdade e esseD-
cia da eleigao, a qual consiste na livre e espon-
tanea enunciago Oa vontade do votante, que a
commisso nenhum motivo de nullilade ah po-
derla descubrir, altendendo que uo acto da elei-
gao e posteriormente a elle todo o collegio assis-
tio e tem assiaiido a lodo o occorri lo uo mesm o
collegio, manifestando por sla forma a inteira
libertado com que procedeu. Assim, pensa a
commisso, que nao merece atlengo o defeito,
lo virosamente apresentado, d listas miois-
ira iajTaJa eleilores pt-lo presidente do collegio.
fS.?En!.W|yls. d. acia, declarar,^ fin
acuelle eleitor a 7 de julho estere no
palete fio esle verdaJe em vista do
e e jutificago a qu se procadeu com a
-*" -a itili'ressa 1o, um irmao do conse-
ro S e A!biquerque, alvogailos formados.
ume os pertlos daclararam que a assignalu-
arecia ser de Ageo, posto que em todas que
aram presentes houvesse dtversidade. Olio
muohas dppera to circumtanciadamente
lar vislo no dia 7 na villa, e ni casa da cmara, a
Agep, que impossivel se torna recusar Ibes cr-
dito. Parece pois fura de duvida a presenga do
eleitor a 7 de julho no collegio e a verdade da
sua assignatura, s^m que a isto obsle a estada
do mesmo ero Goianna no oia 6, visto como em
cerca de 7 horas poderla, veocenio l leguas Se
bom caminho, ebegar ao Recite, e em 1 hora mais
ou osnos Escada nelo trilito de ferro.
M as Dnalmenle, ainda concebida a proceden-
governo ; cia dos vicios allegados no protesto, seriam elles
entre o incapazes de produzir a nullilade do collegio da
Escada e de excluir ocanditalo mais votado. Re-
conhecida a verdade dos defeitos aponalos no
que lera de preciso e determinado, excluir-se-
hiam o votos de 2 snppleDlts e do eleitor Ageo,
os quaes se everiaoi descontar ao en i lato vo-
lado na Escada seguulo os precedentes que tem
a cmara dos sanhores depulados consagrado em
materia de verilicaco de poderes. Ern todo o
caso, por tanto, tirara o collegio valioso, e con-
servara ao desembargador LUboa Cavalcanti o
lugar de deputa '.o.
N este termos a commisso de parecer :
Que se approve a eleigao a que ae procedeu
em 6 de julho de 1862 oo diversos collegios do
13'districto ds provincia de l'ernambuco, e que
eja rncoohecido deputado o desembargador j-
varo Barbalho Uchoa Cavalcaoli.
agosto de 1862.Araujo Lima. J. J. Teixeira
Juuior.Qliveira Bello.
22
Foi hootem approvado pela senado, em 2* dis-
licenga ao Sr. ba-
predicas ao
povo na igreja matriz.
Em seu zelo pelo deseovolvimento da illus-
Iragao do clero de sua diocese, S. Exc Rvma.
nomera urna commisso para promover urca
subscripgo em favor de quatro meninos pobres,
naturaes da provincia, que pretende enviar para
a Europa a dedicarem-se vida sacerdotal.
affectadas ; re-
calo, porm, que o sejam ua estago invernosa ;
Deus permita que me engae.
Pe'o Oyapock que aqu ebegou na dia 7 dd
corrate, veio a triste noticia do infausto e pre-
maturo passamemo do senador aor esta proviocia
i lr. Mlgoel Fernanda Vieira, que se achava ni
j corle, e elli auceumbio no dia C.
. Esta aova leveu a tteza ao coraco de to-
dos os Cearenses, porque os proprios anugonis-
la polticos do llustre senador tinhara em divido
I aprego suas boas qjalidades : e a consternar
, a seus numerosos amigos.
j A provincia perdeu muito, porque no Dr.
Miguel Fernn les Viera, lioha ella um llho, que
serapre pu^nou.e havia de pugnar pelos seus in-
teresses e melhormento.
O partido conservador muito perdeu, porque
nelle perdeu o seu chele, ajuelleque, a prol da
.....''" u'-.^'N'ui-sb a lija 88C*rilOl!l. .. (ax -, -^..^ ,, H, ^, uu
A commisso formada pelos Srs. : Dr. Caeta- 8scnacou,0.rlun saude, e roda do
no Estellita Cavalcanti Pessoa, Manoel Thomar
Pinto Nuno A. P. ce M. Cardoso, Joo M. T.
Pi-Brasil, Clementiuo Jos Pereira Guimares,
Jos Coelho de Miranda Leo Jnior, Joo Jos
de Freitas Guimaies, Vicente Alves da Silva,
IlenriqiA Ant.anv o, Aninni. Pnulinn de Rrile
No da 4 do passado devia S- Etc. Rvma s"-
iUC para Sorp, Vli 1ii----. .___,
03 ldla,c uinu ..t...... a u.|i..i. r r
Para A presente missiva de nosso corres-
pondeotf narra quanlo occorreu : ^,
Sanio fiira o comoromisso em que estou
com seu noticioso e acreditado Diario, por certo
quo desta vez nao Ihe escreveria.
Se esteris firam as noticias que desta vez
vieram no Oyapock, deasa parle do imperio,
mais esteris ainJa sao as que daq i con m/, e
especialmente era referencia a esta provincia.
Para cumulo de desapuntndolo nena a as
sembli provincial ae abri no dia marcado, 15
do cor en-e, licando adiada por falla de inlorma-
goes das cmaras muicipes e otras repart-
g5es publica?, para o dia Io de setembro, como
da pbilari da presidencia.
a Acha-se actualmente em exercicio
se, escrivao da provedora da capital dyS. [,
to, e Francisca Luiz de Abreu Medeiro, p,f
dor do termo de Sorocab, oa mesma prvincC
perrautrem entre si os referidos officio.
Foi perdoada a Luiz Augusto Meadas da Abre
livor forga suftkUoi para itapdr termo a eata
cootenda i mo armad, e o nao fizer prompta-
mente, nao aeri estraoho que o Incendio propa-
gan los outra vez se torne conflagrago geni,
tanto mais que timban em Corrientes andavam
embrulhado os negocios.
Tendo Romero sido destituido do commando
ds tronleira oesta provincia, principiaran] os
seus parcises a agitar-se contra o governo. A
este respeito publica a Repblica o seguinte,
transcripto do tutblo Entreziano.
< Urna multidao da cidadoa emigrados ehegi-
do'municipio I dos Concordia do conta destes pormenores.
O coronel Romero ( por alcuoho Sspipi ] foi
chamado i capital pelo governador Pampioi por
caasa das suspeitas que inspirara. Este em lu-
gar de obedecer pdt-se em armas, reuoiodo
o'um instante 600 homens as fronteiras. do de-
parlamento de Curnzu Cualii, e pronuncindo-
se contri o governo.
O general Cacares, sabendo da sublevago,
tratou de sjuotar gente para auffoca-la, mar-
chando Immediatamente com 200 borneas para
Carur Cuati, de oode fugiram logo ossequazes
de Romero buscando asylo em Sallo eCoocorJia.
i a. eata hora toda a csmptnha eatari suble-
vtada.
Cumpre tydavu advertir que eitas noticias
ades
de
Alcofo-
Olinda,
de contador
ergipe.
nicipal e
incta da
Ribeiro
Men--
Victoria.Reuniram-se 63 eleilores, tendo
o desembargador Uchoa Cavalcanti 43 volos e O
conselheiro Si e Albuquerque 19. A eleigao cor-
ree regularmente, apparectndo ama cdula em
branco, com o que ficam de accordo o numero
de eleilores e a votago.
a Serinhem.Sendo 32 os eleilores presen-
tes, recahiram no desembargador Uchoa Caval-
canti 1S votse oo conselheiro Si e Albuquerque
12, apparsceodo duas cdula em branco. ejue-
reu-se para que e tomassem em separado os vo-
tos de prenles do primeiro candidato, impedi-
dos de nelle votarem. Sob fundamento de nao
aer autoriaada em iei e de oppor-se a natureza
secreta do escrutinio, foi desaltendida aemelhante
pretengao. Adherindo ao juizo do collegio,
commisso entende que se nao dea violago de
lei cora este proceder, posto que reconhega a con-
veniencia que haveria em se adoptarem pro-
videncias que acauelassem abusos possiveis.
: Cbo.A eleigao correu sem defeitos, tendo
o conselheiro SS e Albuquerque 55 votos e o des-
embargador Uchoa Cavalcanti S6, dlatrshindo os
dous volos com outro candidato.
Rio Fiirmoso.Oentre 52 eleitores tiveram
o dous candidatoa igual numero de votos ou 26
cada um. A naeaa do collegio lemelteu lmente
a seta da votaco.
jual lodos o correligionario so agrupvam,
Ibea fa/ia esqu->cer passageiras iss^nse?.
Os seus amigo perderam um amigo sincero,"
didicado e geueroso, ao qual nunca recorrern,
de balde.
Seus parete.:, quando anda nao lioham en-
jrtv'a.ja14nj, uo 3aa lamina, peoeliH Uciiv
o^mais proeranoote dclla, por sua elevad__pov-
VS S \li *1 rJB fe IUS UuaiaWaiiBug^uuu.
a A liumanidsCe, em&m, perleu oolle uiu a seus melhores bemfeilores ; porqu o llustre ti-
nado exercia em Rro subido a sublime virtuda
da caridade, e o infeliz jamis Ihe^esteudau a mo
que nao fo soccorrilo.
Deus ter por certo recompensado su.-.s vir-
tudes, daodo-lhe na Bemaventuranga 0 lugar qu
tem destiaado seus escolbi Urna carnificina horrivel acaba de ter lugar
ni fazenda Baireiras, districto do Trsbiry e ter-
mo desta capital.
Na Boite de 21 para 23 do crtente, tres mal-
vados dirigiram-se a esa fazen la e a ssa asi o a re a
brbaramente o proprietrio, Jos Ferreira Pinto-
de Carvalho, e sua esposa, um lho e a mulher
c jury, ei jeste, o vaqueiro e um aitulo. l'i.araiu duaa
por ora os anies judicianos neohum processo
ii.portante tem dado conta.
ilaldade de um teatamento, de que j Ihe fall-i; Ch,po, o parece que cou ferioo, porque de
oa correaponleacia anterior pois consta serio rastilho de singue pelo caminho que Srnuiu.
dvogadosda defezaos Da. litoPaes e Nunes Sabio daqui urna [orea da 16 ir-cas 3
./ I r I .1 11 ... ............. ...li .....I ..-.I z
Eapera-se a questoicatauasisobre a
(alsiin I.' de
em
a
A presidaocia contina inalteravel no seu
systoma de reserva ; a sesso da assembla pro-
vinQiai por certo ha de dar animago aos nego-
cios pblicos.
Entretanto algumas nomeagoes e raudanQa
policiaes se tem feito era relago aos delegados e
subdelegados, mas sem grande ioflueocia para
ura ou oulro partido.
. O cnmnsercio contina regular; verdade
qai ha falta de numerario, com o receio das que-
bnTs, avista do que por aqui houve, e o que por
essa praga tem succedido-
: Concorre ainda muito para esta estado du
bio os negocios da actual guerra civil nos esta-
dos da Atiertea do Norte, cujas noticias nos che-
gam aqui com carcter cada vez de maior pro-
looggo de desgragas, para aquella^rande, mas
infeliz repblica.
c Biz-se que a Franga j reconhetra os es-
lados confederados ; nao sei o grao de certeza
enancas (erijas, e dizem-me que gravemente.
Entre o vaqueiro que acudi ao barulhu e os
ut, porque un deixou o
ixoa
sicaaio* houve alguma
cussjo, o parecer que concede liceoga ao _
rao de Quaraim, por um anno, para ir a Europa jdo semelhante novidade i
tratar de sua saude ; e em 3a discussao (sem de- *er'o 1"<* n prolongamento da guerra
bale) a proposigo relativa ai accordo dos bancos P-r rasis 'apo, urna degrsga para todos em
Rur*l eAgricolacom o do Brasil. [geral, e por consegmole a intervengo europea
Entraudo em 2* ditcusso a 'propoit que abre!lalrez Dao ,9 demore muito, porque as grandes
um crdito supplementar para o ministerio da I Da5oes commerciaes e industriosas solTrem gr-
fazenda, orou o Sr. visconde de Jequitiubenbs, e
cou adiada dar a hora de passar-se 2a parte
da ordem do dia.
Approvou -se o art. 5 do orgamento (lespeza do
ministerio da marinha) com as emendas da eama
ra dos deputados ; e bem assim, sera debate, o
irt.6 (etpeza do ministerio da guerra) ; e en-
trando em discasse o art. 7 despeza do ministe-
rio da fazenda). oraram os Srs. visconde de Je-
quitinhooh, Viaona e Silveira da Molt, cando
a discussao encerrada, por Do haver casa, s 2
horas e meia da tarde.
A cmara dos daputados occapou-se hontem
cora a discussao do parecer da commisso de po-
deres sobre a eleigao de um deputado nelo
districto d provincia de Pernambuco. Orar
es Srs. Paes Brrelo, Araujo Lima e F. (Ma-
riano, flcou a discussao addiada pela hora.
Foi offarecida a aeguinte emenda :
Que se approve a eleigao a que sa procedeu
em 6 de julho de 1862 nos diverses colUglos do
3* districto da proviocia de Pernambuco, menos
a do collegio da Eseada, a seja reconhecido de-
putado o Sr. conselbeiro Antooio Coelho de Si e
Albuquerque.F. X. Pees Brrelo.
23
Eotrou bontem em Ia discussao no senado a in-
dicado autorisatido a mesa para contratar a pu-
blicado dos debatas da sessio de 1863. Oraram
os Srs. visconde de Jequitinhonhs e Jobim, efoi
approvada a mogo.
Prosoguindo a 2a discussao da proposta que
abre um crdito supplemeotar para o ministerio
da fazenda, fallaram os Sfa. visconde de Jequi-
linhonha, ministro da fazenda e Vianna, e pas-
sou aproposla para 3a discuo.
Foi approvado o art. 7 do orgamento (despez
do ininiterio da fazeoda) com as emendas da ou-
tra cmara ; e, continuando a 2a discuso do
memo orgamento, tratou se do srt. 8 (despeza
do ministerio da agricultura, commereio e obras
publie), tomando parte no debate os Srs. vis-
conde d JequitioiVnhe, ministro das obras pu-
blica e Souz e Mello.
As duas horas e meia da tarda, nao havendo ca-
sa para votsr-se, ficou a discussao eoserrada.
vemeute em seus interesses com semelhante es-
o Exce.
Acha-se ainda ausente desla capital
bispo diocesano.
E' esperado por todo o mez prximo.
< Asile publica desta parte do imperio sa-
tisfactoria ; ha quisi tres mezes que nao tem-se
dado um nico caso mrbido de febre amarella,
o que j i urna grande felicidade.
< Quanto divertlmeotos nenbuns temos
tido.
< O mo theatro que aqui possuimos, est
por assim dizea fechado, porque sgaos actores
forsm reforgar a companhi do theatro de S.
Luiz do Maranho, que me dizem ter levado a
scena boas pegas e bem desempeobadas.
< As partidas das sociedades de re' eio, tam-
bero tem sido ltimamente pouco cou.orridss e
animadas.
c Tudo emrim se recente de pouca aoimago;
juato quando nao ha dinheiro, nao deve haver
motivo para divertim'ntos.
a Por este vapor aoube-se estar vaga a segun-
da vara crime do juizo de direito dests pi-
la!, por haver tallecido i sabida do Oyapock do
Rio de Janeiro o Dr. Migual Fernnie Vieir,
seu proprietsrlo, e que ltimamente squi estere,
deitando bom nome, pelo carcter independen-
te a justiceiro de que era dotado.
c E' urna falta seosirel para o foro, o (remos
votos pars que o governo a preencha to digna-
mente como eslava i cargo daquelle magis-
trado.
As alteragdes martimas sao apenas as se-
guintes:
c Alm dos patashoa Progresso e Poufsno ss-
hidos para Maranho, sahio a 17 para o Porto a
brca Vmo; hootem parti par o Havre o
Beln* e anteriormente a polaca (raaceza Fleche.
A' 24 do corrente deve sahir para Liiboa o
portoguez Ligeiro.
Nesie mez nao tivemos de Maranho o vapor
coateiro Camosiim.
a O vspor Oyapock psrte para o sul boje
meia noile.
c Navios i desesrga:
Patacho americano Solferino.
< Barca inglesa /au(.
sob o
commanlo do lente do corpo de guaroigo,
Francisco Antonio Pereira, que tambera oi in-
vestido de autoridade policial, a-fia; de procurar
descobrir e capturar os selvsgens, quo a>sira af-
frontam as lei emoraltdade oublica.
de feliz reaulttdo.
t No dia 21 do corrente deve ter tido lugar no-
3o dittricto eleitoral deta provincia a aliigo para
um deputado geral pira preeocher a vaga que r,a-
via deixsdo o Dr. Miguel Fernandes Vieira, por
occaaio de sua entrada para o senado.
Eram candidatos o conselheiro Joaquim Jos
Igntcio, e Dr. Benjamn Pinto Nogueira.
Tanto de um como de outro, era incerto o
triumpho.
Eis qutndo menos se esperara, ch^ga hon-
tem a noticia a etta capital de que, os eleilores
daquelle circulo, seai distincgo de partido, con-
cordaran! em eleger o nosso* virtuoso prelado, a
Exm. Sr. D. Luiz Antonio dos Santos.
S. Exc Rvma. foi quem mais sorprendido fi-
cou e sai que al se affligio com tal nova.
Acho, porm, que S. Ex:, nu tem razo>
para isso ; essa eleigao honr sobre modo os
eleitores do 3* districto, e S. Exc. aqueles,
porque do urna irrecusavel pro*a de que apre-
ciim devidmenle as virtudes que ornam a ues-
soa do nosso diocesano ; e a sle porque nao a
tendo solicitado, nem por si, nem pur outrem.
olo a deveodo a nenhuma das parcialidades po-
lticas, pode se considerar como verdajeiro, e ua
actualidade nico representante da nato.
a Se por un lado usencia de S. Exc. da
sua diocese, durul as esoes legislativas, deve
er sensivel pela sua falla, e pelas saudades qua
deve deixar ao seu rebanho ; pelo outro, ella
compensada pelos bees que devera resultar a es-
ta provincia, tendo como seu representante, no-
corpo legislativo, o digno prelado, qae afastade*
da poltica, e sjcurando |io bem do paiz, ha de>
por sua prudencia, illuatrato e iodependeociar
muito influir a prol da provincia, qe to exfon-
taoeameote o enlloca no parlamento.
c O Pedro 11 orgo do partido conservador
nesta provincii, e o Csorenss do liberal, dando
hoja conta desse accordo dos eleilores do 3* dis-
tricto, ambos se congratulam com elles, por la
acertada escolha 1
a Felizmente a poca aioda nao eat to cor-
rompida que se nao deixe de acatar a virlude.
< Ne dia 31 do correnta deve ler lugar no 1*
diatriclo a eleigao para a vga da um deputado
provincial, deixada pelo fallecimeoto do vig-rio-
de S. Malbeus o lUd. Lemos traga, e do o ti
do prximo futuro para a que flcou por n.uric do
Dr. Jos Fernandes Vieira.
a Ji vae apparecenlo alguma animac/io no
commereio, se bem qua ainda sao mu diminua*
as entrada des genero, porque os lugares agr-
colas mais prximo da capital, forana os que
mais soffreram por ultimo.
Creio que, do mez seguidle era diente, o
movimeolo commercial ir em atceodencta, al
ao flm do anuo.
< A allaudega est at hoje com um reudirr ca-
to de 70 cootos.
Acha-se carga para Liverpool a barca in-
giera Falcon, a qual tem tido, e eluda ba de ter
demora em completar seu carregamento pela fal-
ta de carga.
Hontem fez-se vestoria ao brigue sueco Si-
don, e creio que o reaultado aera aer o mesmo
coudemaado.
MUTILADO
ILEGIVFI
-


-
^^^
UIIO I MHiAMECO. fe SEtiljRDA PEIRA V DI SElEMBRO 1 i|64.
^-^..figfe^^l-W daafolvldo alge Sorc ; a d. Bahi. veoderam-tc v.rio. lole.de
t.J, C,P,UI' 8em Minl,,4l,,et 3600. 30900, porm nao (tim de qualldadei
ai.esiaaor o teu c recter. fio..;
/'raAtfia.-, q08nt(, oocorree !
O PlVto desla capital acabado ser vi.it.do
pele.cauhoneira a va'por Belmonte, que tndou
-*m commisso pelo Amazonas, e acerca do que
na caara temporaria n.uito se (allou.
o Con.la-me que Tai oa masma como pasta-
geira e destinada i cetto personagem da cOrte,
urna iodia indmita de urna daa tribus que anda
erram oaquellas .aragens.
O coavs, diseram-me, vaicheio de pasta-
ros, vaca eos eoutros anirualejos.bichinhos todos
muiio apreciados, e que tolero mullo bem ler
serviio para objecto de esludo de algum cullor
da hiatoria natural.
a O Ezm. presidente da provincia foi bordo
dt-se navio, onde foi recebido pela cfQcialilade
que, bouve quem reparasse, se apresentou com
a roupadecasa ; quero dter, com o fardamento
do ufo ordinario.
Nao tei dos eslylos e por iito apenas rero o
Jado sem diter ou acrescentar peleara de propri
l&ra, o que nao obstante me nao priva desejar
saber se ha ou nao obrigaco de ser es Ja a ban-
deira imperial no mastro grande, durante a es-
tada daquelle funeciooario bor4o.
' Dola de seguir no;0yopoc, o qae teca lugar
noseguiule.a presumida Alba do coumiu<*ote
superior Antonio o'Al.uquerque a qoalv.ipera
Corle, onJe deiet teppoi-se a mfc.roa livre
dos sustos por que tem paisado ; que seno
reaiiseu por ter a mostea soffiido do um grave
incommodo era tus ia*de.
lis eicacex de noticias, e aleas discuises
ios jernaea da Ierra moolram muilas frieza..
Alagas.Foram encerrados no dia II do pas-
sado oa Irabslhos da aisembla proviucial, aps
wma prorogaco da 5 dias.
- Cooslava haver naufragado, alm da fus do
vio S. Francisco, o brigue Sara, da Baha para
Macei, em lastro de assucar.
Aa noticias do IVoedo do os seguiotes ore-
aos dos gneros all vendidos: algodo 13g500 a
arroba, e couros seceos de 3a 3$2O0rs. por ar-
roba.
Baha.Ainda continnivam os crimet de roa-
bos, assassinaloa e disturbios a repetirse am
quasi toda a provincia, teudo havido ltimamen-
te um importante n'aui igreja do interior.
Reunir se no dia 13 do passado acoogre-
gafo da idade de Meoicina, aflm de noinear
2 COm' de professores que tem do organisar
es pontos pair. o concurso do lugar de opposilor
da s*ci;o meilics, Picando ella comosla dos Srs.
Br. Cabral, Gea, Faria, Seitas e olelho.
No da SI ra jaiba naufragou em'Subahu-
ma, a sumaca Conceico, da qual era meaire
Lourenco Dorsinguea da Silva, morreado um
marioheiro ; a populado da localizado roubou
ludo qaaulo nellt havia.
Fallecer o desembargador Manoel Joajuim
de Souza Brito, victima de urna conges'to cere-
bral, deiando nove iilhos e quatorze netos.
Comecra ; 26 a sustentar, da tbesa do
bacharel em medicina e cicurgia pela universi-
sde de Coimbra, Pedro Jos da Silva Ramalho,
para a veriieaco de su diploma. Verara ella
sobre a asthma, sendo arguidoras os Srs. Urs.
Gees Siqueira, Seixas, Paria, Alvos a Silva e
Demetrio.
L-se no Diario :
CoiiGrma-se a infeliz noticia do naufragio do
brigue Veloz, que sahira desla porto no da 15
do passado com destino o Rio de Janeiro. Este
navio, de propriedade do negociante desta praca
Joaquina de Azevedo Fernandes, carregado da
carne secca, perdeu-se, iuJo pique na manba
do dia 2 do aorrente na altara dos llh*s am dis -
tancia de 80 milhas, salvaodo-se na lancha a bo-
le toda a tripol-c/u constante dasseguintes pes-
soas:
a Jos Pareira dos Santos, mestre.
Jos. Moreira Maia, contra-niestre.
Marioheirot. Jos Roque, Jos Itibeiro da
Cruz, Manuel a'Agonia Bubesa, Antonio Altos
daCarvtlbo, Bernardo Martina, Uanoel Moraira,
Antonio de Castro e Jos alaria dos Santos
Sergipi. Segundo communicac.6es ofluiaei
havia-se deseavolvido o cholera no lugar Deonel
6 leguas do termo de Curral de Pedros.
Espirito Santo.llviam se concluido os tra-
balhes da assembla provincial, que reduzio
!ei o projecto creando illa de Vianns, antiga
colunia do govarnador Robio.
Rio de Janeiro. Fallecer 11 do passado o
marocha! de aipo reformado Francisco Carlos
?> Paulo.As ultimas noticias alcanc.am & 14,
Silva TraVaiaoa.*ff3rYufl|' n''C'asquiroT'as'sass"-
nado com sata facadas.
Le-se no Correio Paulittano :
No dia 14 de julbo. leve lugar a execuco da
pena de mone a que (Ora coodemnado o escravo
Antonio, por baver assassioado a seu senhor
Modesto de tal. Lgubre e repugnauu, na ver-
Cade, foi o espectculo que nesse da presenciou
o povo deata cidade. A dor e a tristeza que se
Tiam pioladas em lodos os semblantea, e as la-
grimas derramadas por muifas pessea, mui bem
paieLteavam o sentimenlo de piedade ecocepai-
xao para com o penitente.
a Hogijo pelo balsamo precioso e santo da re-
Jigiao chritta, o ru msrchou desde a priso at
0 lagar do supplicio, lirme, contricto e resig-
nado. *
o J nao era o malvado, que, sedalo d san-
gue a de vingan;a, e com o corelo dominado
pelas mais negras paixoes. atet e craelmenle
aescarregra sobre a sua victima o golpefotall
s A divina religiao do Calvario, toda cheia de
candade, lioha-se apoderado do desgrasado, e
o converira para si, tranformando-o em uaa
cairo ser.
Tal o poder sublmele mgico da mais san-
ta daa religies I 5
Os remoraos de desespero, que habilavam o
sea coracao de sicario, como justa punico de
seas crimes, substitu vn agora o arrependiaten-
to e o pezar ; o seu espinlj, que vagueava er-
rane as trovas, e cheio de coufusa. illumina-
do pelo faeno luminoso da f, va por um verda-
daero prisma o caaiobo qoe o havia de cona*u-
xir verdadeira elicidade a o porto onde devia
terminar os seus males e soflrimentos.
a Fui com admiravel coragem que o peniten-
te vio abrir-ss dunte de si o tmulo a aproxima-
rem-se os ultiicos momentos de sua vida, a isto
porque se antolhava ama vida alea do tmulo,
onde o desgragadu se acharia diante de um Ueus
chelo de oondade e mistricordia...
Ifinaa fc'eroea. A mesa da assembla provin-
cial lura assim constituida :
_. Presidente.
Dr. Simao da Cunha Pereira,
Vice-presidente,
Dr. Antonio A. da Silva Caedo.
Io aecretario,
Dr. Domicciano Malheus Monteiro de Castro.
2o dito,
Jos Vieira de Resenda Silva-.
L4 se no Minas Gtraes :
No retiro da fazenda de S. Gil, di.Dlcto da
Itacambire, termo de Males Claros, a 13 ou 14
00 mez panado, f^ram attaseioados oa mscales
Irancezes Benjamn e oedicto. Indiciado como
autor desla crtrsa Aulooio Luis Fulg.ocio. que
.bsviam ajustado para camarada em o dutricto
fie Arassuaby, fot nreso por ordem do delegado
da Diamaniins.JooVieira de Axeredo Coutinho
a recolhldo respectiva catis. '
1 De urna busca da Ja em casa de Fulgencio
-turniava partfeularmenta lerem-se ancootrado
rel0g:of, memoria, urna taiga da .Benjamn
toda .eosangaentada a fozendas salpicadas de
togue. r
Gojfejs.Por porta-ria da presidencia fra adia-
aa, a abertura da assetnole provincial para o dia
n de novembro.
NOTlGiAS COMMEBCIAES E MARTIMAS
Uto Grande do S*l, 14 de aaoito.
Bepois da aossa ultima revista aa transsecoes
da pgs ealivram um pemeo mais aoimadat fa-
zeod-ae varia* vaudas das enlradac de gneros
que bcuto neatea ltimos- diaa.
Camoio.^-Foram muito lisaadas aa peraees
e fcouve poucoa aacadorea, sendo sobre Lanares
. ds., e Rio d* Jeseiro 5 e 6 0$ da praio.
aeguem no paquate quaoliaa muito rglirea
*m moada papel 0fil., p.r, o Rio de ian.iro e
t-uropa.
* SVm ateicctl P"*161 lein-8e coaaerrado la 7
o5"2w|,9,i2M f,4UBM" PC.oal
para cinta l0 P'" eoal0' *' l2h-
fr
, o mascavo cola-se de -2:800 a 2$900.
O mercado tica bastanlemeota supprido e com
ac procura.
Carne secc*.Cremos qae quatl nao teas havido
traosaccoea neste genero, oa embsrques conti-
nusm por conla dos xarqueadores, e esses mes-
os boje sao menores, atieodsndo a posic,o dos
mercados do norte ; as cotscoea conservam-sa de
800 a 1500 a arroba.
_ Cachaca.Venderana se 350 pipss de 85J at
769. O mercado Bca baatante sobreesrregado dea-
te espirito, e os compradores desanimados, at-
lendeodo ao estado do mercado, vio reexportan-
do alguna lotes para Montevideo.
Coaros vaceuns seceos.Este artigo nao tere
quasi demanda uo.t. quinten, a apenas se com-
proa urna ou oalrs pequea fracejio de 250 a 260
rs., segundo o seu peso. Calculamos haver una
existencia para dispor de 25,000 coutos.
Ditos sslgados.-O resto, qtte dexamoa,em
noasanlUma rev.... ucir p0r vender, realtsou-
se a ia> tn 0| de f|eca e 150 og de BO*ilbo. A-
Mrece agora pequeas facc;s que nao '.aunen
os compradores.
L-se no Corrtio de Pelota !
< Visto ter Qndado a safra de 186'. 11862. apre-
tenttmoi aoa uostot leitores o labial de retes mor-
as em nossas xsrqweadaa 186I. Novembro
24,291; dezembro. 38.000 1862. Janeiro^
20,943 5 fevereiro. 32,693 ; marco. 57,000; abril,
53,356; maio, 48.000; junbo, 40,000? Julho.
12 001; at o dia 4 de agotio, t,600 : total,
381.884.
Farinha da trigc=-a?oaco foi o movimanto qae
(ave, e aaeoaa de maior vulto t te veodersm 300
barricas Billimcre, boa, a 2'1]j, o pequenaa frac-
ces de diversea outras marcas, pelas nossas ul-
liasaa coligues. As entradas foram 1,600 barricas
no Herald, de Baltiosore, e 400 barricas no In
vencivel, do Rio ; o deposito monta a 17,000 bar-
rica.
Fumo.Veodoram-se varias partidas, incluio-
do lotes das entradas, de lUj at 11. Tem pou-
ca sabida: o deposito que ha na maior parle
inferior.
Gurduras.Em primeira rao consta-nos s
haver algumas partidas da sebo. A graxa, que
tem sido preferida pelos compradores nao ha, rea-
iisaodo-ae ltimamente de 4;400 a 4$500 arroba
rata s, e graxa e sebo a 4?3*JO a urimeira,
59300 e 592OO a segunda.
Para se exportar regula de 25 a 30,000 arrobos
que ha 00 mercado.
15
Cambio.Londres. 24 d.; Paria, 395 ra.) Rio
de Janeiro, 5 a 6 0,o a 90 dias.
Moela.N Cional 8 0(0-
FretevInglaterra, couroi talgados 52 sh., e
cinza 42 1(2 sh. 5 0,01 Rio de Janeiro, 400 a
360 r.; Bahia, 500 a 4M ra. ; Pernambuco, 600
a 560 rs.
iunletidio 13 d* agosto.
Cambio.Ioglaierr, 40 1(2 a 40 5(8 d por peso
correte. Franca. 81 a 81 lt2 (rs. por 005a, Ge-
nova, 81 fra por 005a, sem sacadoras. Rio de Ja-
neiro, 309. Bueaos-Ayres, ao par, com falta de
sacadores.
Divida publica.Consolidads, 16 rl. as cau-
telas do banco Mau. Exigivel 82 rls. dito dito
Noos ttulos. 45 O10 do valor.
Descooios. Os bancos Commerclal e Mau
emprestem a I29 a receben a 8 0|0 ao anno. Na
prai;a regulam a 1 1[4 0|0 ao mez.
Fretes Inglaterra, 50 sh. couros salgados. 80
sh. tos seceos, e 30 sh. os fardos com 5 0(0 de
caps. Havre, 60 frs. e-uros solgados, 100 frs.
diios seceos e 70 rmeos os fardos com 10 0t0 de
cipa nominal. Estados U idos, 1[4 el. couros
salgados 3|4 ets. ditos seceos e 6 pal, os fardos
com 5 OjO de capa era navio americano. Brasil,
carne secca, 4 rl?. para o R o de Janeiro, 5 rls
para a Bohis,
0(0 de capa
Rio de Janeiro, 22 de agosto.
Cambio.Sobre Londres26 1|4 a 60 e 90di,v.,
hoolem 26 l e :6 3t8 a 90 d|v.,
hcje.
Havre360 rs. a 90 dir.
Apolices.De 6 0,0. 92 1,2 0,0.
Accoes.Da compaohia de illumioacao a gaz di-
videndo vencido para o comprador,
1509 de premio.
attencao da polica, por meio aa tus illuilrala
Iltcism, para aa casss de jogo, que em grande es-
cala etistem nosbairroa deata cidade, com aspe-
cialidade no da Boa-Vista, e mais particularmen-
te n'uma rus soliga, un le diariamente se jogs,
desgra(ando-se ahi a caixelros, empregados pa-
blicos, negociantes, Qihos familias, etc. etc.
Aidestes, se a polica, como Ihecumpre nao
laocu auas vistas psra asta e outras espelunca
onde o bom a para o dono da cata e todo
mo flea para aqaellai1 que de.grs5adsmeole l
vao sacrificar o teu dmbelro, possuidos ds- '
pe vicio e sem alleoleresa para o tal* --0'
Daacarragam no dia !. da teiembro.
Barca ingletallooaldamereadorias.
Galera fraocezaBerlhfazendas.
Barca IngieraCaardem.
Hecwbedorl______i.,. ,..
mm,. rasadati lutera&a
~.ea de Peruatutaaeo.
f*D-'ato do dial a
(dam ao dia 30, ,
2).
Silva, por ter | slgama e
portes
A
ambos os
o
27.-52IJ402
2:7331431
^--------------1 ry Msy
30:2539133 m
irlos : para o resto tr.t.-se cuP'" "m
ntonlo da Almeid. Comas. J """l>
T Cruz n. 27.
Risco rorilii
R.S. Cuver capito d hiale amerU,
Bee, arribado a este
serias que os aguarda.
Assim, pois, de novo
11
-.0 de mi-
deslst linhat,
assim taltez
a ber>'
;': aa o
19 pedimos
_ .nsersao
uro dia"a" pablie; porque
nbecendo oajustoi m- ,.,0,,cl <** cansada e co-
dar, di signa! de dllT?'' I" nos '* a bra-
justo pedido av JSZSS& '"'"^ "
s.7b>- "29deu

Cousjtttaulo proalnclatl.
Randlmento dodla 1 a 29. .
dem da dia 30.....
no Har-
.ior. precisa lomaVobre naco PBarli0r fT
ca de 10.0009 aflm de occorrer .,"de.pl "I
me.mo tedas oeste porto, oa pr.tendentes .J
ram apresentar as suas propostaYem carta?''
31.720J896 ~z~.~
445S770 1 ch80rl8.B Q0 oosulado americano ra do Trata!
---------------I n- 'f ni prazo de 5 diav. Recite 30 de ag
32:1669656 t0 de
uia 23 deu corneao a tubdeiegacia de
Antonio ao processo criraa do pardo Igoa-
.0. eacravo do capito Jos Aoto de Sonta Ma-
galhes, que no da 15 do correle dera duas ta-
cadas, ama em teu companheiro de oome Bene-
dicto, e outra o'oai eecravo da casa do negocian-
te Jos Joaquim da Costa Maia, resultando se-
gundo i paWico e notorio a inorte do primeiro,
que succedeu iustantes depeis, oio constando'
anda dos talos semelbante perticipacao.
Depozeram ires testemuehas, sendo o curador
nomeado para eocarregar-se da defeza o Dr. Joo
Mara de Moraea Navarro.
Por portarla de boje (30) foram providas aa
catfeiraa vag.s de lnatruccio primaria do eexo fe-
menino, seodo oomeada Thereza Joaepbina da
Cunha Sale, profeaaora da segunda cadeira da
freguezia de Santo Antonio, eClsudiaoa Nativa
do O e Santos, professora da primeira ca Jaira da
freguezia de S. Fr. Pedro ooctlvea do Resife.
Sabbado veio da Babia, no vapor Pttrani,
a ala esquerda do 1* batalhao de lofantana ao
mando do capito Joaquim Jos Luit de Aie-
vedo.
Movimento da enfermara da cata de deten-
PRACA DO RECIFE
30 DE AGOSTO DE 18GS.
iodo dia
A saber
29 Je agosto.
Exisiiam......
Eolraram......
Sahiram.......
Existem.
Nacionaes.....
Mulheret......
Estrangetros..
Escravos......
Escravas......
Total
320 presos.
Agurdente -
tiouros----------
5
7
318
213
5
38
63
9
318
Alimento Jos a custa doa cofres provia-
c>a............. 139
Movimento da enfermarla do dia 30.
Tiveram baixa :
Joo Gumes da Silva ; urticaria.
Domingas, escrara de Francisco Gomes ; inter-
mitiente:
Passageiros do vapor naoiooal Tocanliiis,
vindo dos portos do sal:
Dr. Jos Bernsrlo Galvo Alcofarado, sua ae-
nhora e 2 eteravos, comcaissario da armada M-
noel Joa Velloso e sua senhora, cadete Josquim
Ricardo de Paiva, Luiz Franciaco Brrelo le Al-
meida, Epipbanio G. Sacramento. Bphigotiia F.
de S'nt'Anna, Jos Monteiro Cesar dos Siotoa,
Msnoel Antonio da Atevedo, Manuel S da Ol-i
veira Nicodemea, Candido F. Soares, Joo Alvt3
Branco, Antonio F. Prado, Maooel A Puntes,
Lsurindo P. de C. Gomes, M-noel J. Tapanca,
Joao A. M. Novaea, Jos R Coelbo, Aristides J.l
de Azevedo, Joaquim de
- A. tala, Felicitado P.
Ribelro, Mara Ctndida, Joaquim u Silva Brag,
. Guilherme Roaanet, Joaquim R. Maia de Olivei-
e 6 rls. para Pernambuco, com 5 ra, Carlos Gallfried Sckoan, africanos livres Ac-
dr Jos Fernandes o Bernarda, ala esquerda do
7 batalhao de infantina commaosads pelo capi-1
lo Joaquim Jos Laiz de Azevedo, urna escolta
de polica cooauziodo 2 presos, 1 praca do exer-,
cilo e 6 ex-pra;as.
Seguem para o norte :
Deputado Domlngoa Jos Nogueira e 1 criado,
major Joaquim Iguacio de Carvalho Mendonja,,
Lourenco Antonio Dias. Bento Figueirado T. A-'a.10:.u
ranha, Marcelino Jos Rodrigues Pioheiro, Dr., J
pouc
Dito Ia bos, 6g600
Fretes.Cdiz aordens37|6 d. hontera. Severino Aires dedrvalbo e 1 escravo, Antonio
Belle Isle a orJens 40, hoje. Ida Sil-a Queiroz. Jos Rodriguea Ptuheircv llo-
auperior, Ia boa Ia regular e berto Belby, Jos Pacheco. 1 praca, 7 ex- -cas,
a ordinaria. 69720 a arroba, 1 escolta com um preso e 7 escravos a ent gar!
B.c.n,230r.al,brahoo-!^
I hoje s.ccou se a 26 ll4 e 26 mete!, Joaquim Francisco dosTsanto" Maia! f
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Cambioa ... Saecou-sa sobre Londres de 26
3|4, a 26 i|2 d. por I9 rs., sobre
Paria da 360 a 365 rs. por f.,
a sobre Lisbos de 106 a 108 por
ce uto de premio, regulando aa
traoaaeces pasa o paquete
fraoeez Jf 60,000, e sobre o
Rio do Janeira a dous por
cerno.
Algodo O desla provincia vendeu-se
de 14S800 a 159600 rs. por ar-
roba, e as ultimas vendas do
de Hacei posto a burdo a
159500 rs., o da Parabiba a
169OOO r.
Assucar-----------Effectusram-ae poucat vendaa ;
do b.-aoco vendeu-se de 3g000
a39600 rs. por arroba, aome-
nos a 29600 r,. roascavado
purgado de 2*000 a 2J350 rs.,
e bruto a lg700 rs. por arroba.
Vendeu-se a 508000 rs. a pipa.
Os seceos salgadoa regultram
por 165 rs. a libra.
Arroz pilado- Vendeu-se de 2J400 a 2g600 rs.
por arroba do da ludia, e 39
rs. o bum do Maraobao.
Azeite doce-------O de Lisboa vendeu-se a 298OO
r.oik< ls; por 6ala3-
cacainao---------Relalhou-se de 89OOO s 129000
rs. por barrita, Ocandoemser
4.000 qumtaes. Nao hoave en-
_ trada.
una secca-------Vendeu-se de 29300 a 39000 r.
por arroba do llio Grande ,
8 de 29200 a 2J400 r. a do Rio
da Prata, ticandoem aer 34,000
arrobas da primeij, e 9,000
_ ., Ja segunda.
tare-------------Vecdeu se de 79000 a 89OOO rs.
por arroba.'
Cha------------------Vendeu-se de 2*450 a 2$500 rs.
pgr libra.
Carvo de pedra- A ultima venda foi da !2ij000
rs. a tonelada.
Cerveja-----------Vendeu-se a 4J500 rs. a du-
zia de garrafas.
Farinha de trigo-Vendeu-se a de Philadelphia de
229 a 249000 rs. por barrica, a
de New Y0rk de 23* a 249.,
a de Genove de 24' a 269 rs.,
e a de Trieste de 263 a 25* rs.,
ficando em ser 3,500 barricas
da primera, 2,400 da segunda,
20 Oda terceira. e 1,000 da ul-
tima. Teado chegado mii as-
eos de California pea Ingla-
terra, venderam-se cerca de
200 a H9 rs. cada um, e exis-
lem em aer800 saceos.
Louga--------------A iogleza ordinaria vendeu-aa
de 280 a 300 por cento de
premio sobre a factura.
Manteiga--------a franceza vendeu-aa de 520 a
540 rs. a iibra, e a ingleza de
680 a 700 r., ficando em ser
_. ,, rea de 2,500 barris.
O.eo de linhaca- Vendeu-se a lj800 rs. por
Relio.
Os flamencos venderam-so de
IgiUO a IgoOOrs.
LEIL&O
DE
tima negrinha de
10 a 11 annos.
Terca feira 2 do corrate a$ 11 horas
da manliaa no armazem da ra do
Imperador n. 37.
O agenta Olimpio vender em leilo por conla
* quem pertencer ama negrinha muito tooita
"Mdade de 10 a 11 annos. com principio de
ua.
GOMPANHIA PERXAMBUCANA
DB
Ntvegago costeira a vapor.
Parahiba, Natal, Macau, Aracaty, Cea-
r, Acaracu' e Granja.
O vapor cJaguaribea, commanaanta Lobato,
sahir para os portos do norte at o da Granja,
no da 6 de setembro as 4 horas da larda
Recabe carga at o da 5. Entommendas, pas-
sageirosi e dtuhetro a frete at as 3 horas do dia
da sabida. Lscriptorio no Forte doMattoa nu-
mero 1.
a
IPMA
Baha
tom muita bravidade pretenda aeguir o bem eo-
nbecido a veleiro brigea escuna Jovao Arthar
capilao Joaquim Antonio Goncalvea dos Santo'
tem parta de leu cargamento promplo ; para o
resto irise Ihe falta, tratase com os ssu eonig-
netarlos Antonio Luiz da Olieira Azaved^ 4 C
no seu ascriptorio ra da Crut n. 1.
3,8 d.
C5es0,,.re36F,.n364erIse.ClUar<,m-Se PeqUe" P6"-
finA^Q^f'^nn um Io,e de Plices geraes de
6 0|0a92 1|2 0|0eoutros de acCea da compa-
ohia de illumioacao a gaz a 150* de premio re-
cebeado o comprador o dividendo vencido.
Veoderam-se 10.0UOsaceos de caf.
aT Gn,>8ar*m. procedentes de Pernambuco, a
12 do pas.ado a sumaca besdanbola Fidela. com
l das de viagem ; e a escuna italiana Annetoe
com 22.
Sabiram para Pernambuco: a 21, o brigue
inglez Flujng Scud ; e a 22 o brigue inglez Sa
vannah La iltrc.
O vapor francez Eslremadure, devia partir
a 2j aa 4 horas da tarde.
Bahia, 26 de ago-to.
Cambios.Sobre Londres26 3,8 e 26 1|2 d.
por 1*
Lisboa108 a 112 por cento de prmie e
noai.
MoedasDoblos bespanhoes, 30S500a 319000
da palria. 30*000.
Palacoes brasileiros29OOO.
hespanhes23OO.
mexicanosla960 a 29OOO.
! retes.Para Bremeu e Hamburgo50
sch.
Canal e porto iugle*40 a 42
por too.
Continente50 a 55 sch. por ton.
Liverpool40 sch. por ton.
Londres40 scb. por ton.
Cbegiram, procedentea de Pernsmboco : a
Jtf. o patacho itgli Ida, com 7 dias ; a 23 o
brigue h.spaohol Tdro. com 4 ; e a 24, o pata-
cho inglez Cornucopia, com 4.
a 52 112
1(2 sch.
"P,6"0 *** deeiinaram os fretet.
ulL V '.""ffeciuadoa da 400 ata' 360 r.
Kto de Janeiro. 500 a 460 rs. Bafai. e 600 a 560
_, REVISTA DIARIA.
h. r k, Pf" 4 nh0", d' l,M ruoa-se no salo
da Bibliotheca Provincial, no convenio do Csr-
mo. o Ioslitnto Archeoloco Peroambucano, par.
o m de proceder a eleicSo dusdigoitarios dadi-
reegao e das commistes reapecliva.
Este acto er o complemento da existencia de
urna aMOetacaa, de que tem muito a eaperar a
historia patria, as tradlcoes e aa glorias desta pro-
vincia e deqnellaa, que della j foram orna por-
Cao; e o-iros effeiioa nao devem proceder dosta
lostituicao, concebida como se ella acha e Iradu-
tida era fado como est pelo corpo de disposi-
goea, que a regem. v
Os asseciados no entretanto sa devem compe-
aeirar de que tem urna misso a cumprir para
com a patria. A gloria desta nao couaa que se
negiigeoeie, porque oa seus (algores irradiara n
a circumferencia, illumioando a lodoa que para
ella trabalham : perseverarla e trabalho se jara a
divisa, qoe adeptem e prati^uem.
Temoa noticias de Caruar, as qaaet dao-
oo-Ja em perfeita tranquillidade, a a ssude publi-
ca em con i;rues vaotajosas.
Alm de que, reina ioteira harmona antre as
aatondades do termo ; as qaaes caminham para
so meamo livre e desembaracadamente na r-
bita tracada pelo cuanprimento dos proprios devo-
re. Ojuii municipal (upalenle, teoente-corooel
Joo Vieira Cona aililva, tem tbido compre-
heoder aaobrigacss do cargo, que exerce ; e as-
sim tem-n'as desenvolvido satisfactoriamente e
com proveito do aervigo publico, de modo a con-
firmar o acert in aua nuuieago.
Oa eneros alieienticioa.conservara pregoa ra-
zoaveia, a alm dsio exislem xaa abundancia.
Por o'hso intermedio, rc.a algaem ao Sr.
fiscal desta freguezia de Ssoto Aojtonio, que faga
I cessar o uso de lanjirem-se na ra aguas de man-
dioca molle, como d-ae na ra larga do Ro-
sarlo.
Este aso uu entume nia t prejudit a lauda
publica e iocommoda aoa qae pattam por ah,
cono ijjaalmeote o faz quellee qaenella Um as'
wa residencia.
Noa enviam as liohas abaixo :
< Sr. redactor da Rtviita Diaria.
* *?vr Baif U ama re j temoa ckamido a
-------- m ...sjrww uua UUUli/5 .Udld,
na c. A. de Mello, Manoel B. da Silva, Maoof
Caniio, Carolina Maria dos Santos. Arislir
., Bern.rlo Francisco da Paula, Fr.ncisco
vier de Oliveira e 7 eacravos, Luix Pedro daa Ue-I
ves, Francisco Augusto de Olivaira Barros, Jote
Domingues Pereira Cimara, Domiogoe da Silva
Torres, Fortunato Colho da Silva, um presa e 2
pracas. r
O vapor nacional Oyapoclt, vindo do Pare
portos intermedios, trouxe os passageiros se-1
guintes:
Domingos Henrique Mafra, Domingos Henri-
que de Oiivaira Lu J.lio M. Raatior, Francisco
da Silva Machado Lobo, Jjao Antonio da Rocha.
Dr. Lourenco d. BuchiCabral. Domeciaoo Nuoas
Soares. Vicente Augntto de Magalhaes, Candido
Oregono doa Santos Siqueira. Antonio Jos D.
Coimbra, Jos da Silva Oliveira e escravos Bene-
dicto e Aiiattacio, 'crioulo. Aoiooio Ferrera
2' BDelarln,na Peri" Magalhaes, Joaquim
Antonio Pereira Vinagre, Antonia L. V. Guima-
M.ooel 6. da C. Jnior. Francisco de C. Souza,
Marc.lma Thareza. e os escravos Pompilio e Ur-
bano, escravos de Joaquim Lopes Lobo.
Seguem para o sul :
Capito lenle Ricardo da Silva Neves, Ale-
xandre Jos da Silva, AlexaoJrlna E. Dias Carai-
aao 6 4 dlboa menores, Narciso do Aodrade. Fre-
derico Jos do Carmo, Jos J. da Oliveira Gui-
maraes Pedro Antonio Barboaa, D. Luiz Davila
D. Jote V.lasqaes, Bernardo de Souza L. Bastos"
Antonio Fernandes da Silva Leile, Pdele Careta
omes, ocapitao e 12 pessoaa da tripolaco da
barca nacional Dous Irmo, naufragados no Rio
orando do Norte, 24 recrulas para o exercito 4
jy P,r marinha. 2 libertos e 21 escravo! a
Mai.".nomo publico :
Mai.ram-se para o consumo deita cidade ntf
da 30 do correte 94 rezea.
Obituario do ou 30 oa acost, no cebitr-
RIO PUBLICO .eh
M%fl, M!f-ln..P-r.hiba, 50 anuo, viuv.
Santo Antonio ; interior. *
Severino Pernambaco. 22 annos, solteiro et-
cravo, banto Atooio; aotzarca
Raquel, Pernambuco, 6 annos. eterava, Boa-Vis-
ta; etcrophulaa.
Thereza. Pernimbuco, 20 meze, S. Jote ; ra-
riolas.
Mara llermioa Pesio da S.lveira, Pernambuco
27 anuo, sulteira, Boa-Vista ; laberculoa pul-
monares. r
Maria Pernambuco. 5 dia, S. Joa ; espasmo.
Mana Joaquina da ConceiCo, Pernambuco 24
annos solteira. Recifa ; interite chroniea. '
Luit Pernambuco, 6 meze, Bja-Visti Ta-
Maria Pernambuco. 6 mete. S. Jos; varila.
Joao. Pernambuco. 3 annos. R.cife ; viol.,
Paulina, Parnambueo,2 meze, Boa-Vta ; Ta-
Toucinho---------- o'de Lisboa vendeu-se a 8f00o
rs. por arroba.
Vinagre-----------O de Portugal vandeu-se de
^09 a 250 rs. a pipa, e os de
Velaa_______ Ti* Palz,;de 80 a 200*000.
- as as couiposico ven.-
Descont-------o'ebatTde* totUaa v.riou
Fretes n 18-por "<> no.
reies.....P?r Canal inglez a 40 ; para
de
Liverpool a 226,
e 5|8 pelo algodo.
pelo latir,
i
Movimento co porto
aa Navio entrado no dia 30.
o!fion.P5,' Dler,Bedio21 boraa o vapor
ff-a Mma*9*"P*. de 219 looaladas, cum-
t&SSftrRodtigue Uoi SaD,o ,ou"-
Paf.iemPOnl0,, ,,r0d-7 dias e 4 horaa e do
ultimo porto t-2 hora?, o paete a vaoor na
d.nla0r.Te*' te l-mP* commaDn-
.qS.geml6Tl6ALlOU10daPt,la Riheiro.
Rio de Janeiro e portot intermedios6 li2 dias
fj'?"ela 7Pr oaciooal Tocantins, de 750
lTd."'r,COfDlnanl5Qte nanle Pedro
Hypolito Duarle, equipagem 49.
Aaaulidias, barca naciun.l Boassica, de 262
toneladas, capillo Jos da Paula Oliveira, equi-
pagem 14. car,. i.|; a Amorim ,rmen,
Tres escravas, um ne-
gro, um moleque e de
cerca de 200 caixas de
sabo.
0 agente Almeida far leilo a requerimenlo
do depositario da mana fallida de Joaaaim
Francisco de Mello Santos e por mandado do
lllm. Sr. Dr. juiz eapecial do commercio de tres
S*8' Um ne8r. U!n noleque e de cerca de
W) caixaa de sabo, pertencenles a mesms massa
Seganda-feira 1- de setembro
no trapiche baro do Livrameulo no Forte do
Mallos n. 15. s 11 bora.
,-u peohorade
Pede-se attenco t.rzi
4 a i t. 1862.-0 i
A ; de setembro.
Ivis
SS 4:;TQfSOS.
0rJ>r.ecUt"'? Qe uma "mB P*ra coiiohar e en-
Iha n. 28, daa 4 bata, em diante.
Attenco
campia de balito
Ama ro,
Pde-sa ao Sr. Teiteira Lopea, dono de tria
vaccas com crias a um toi qne continuadamente
tem estragado uma planta de capim, que, por
corumiseracao lenha do de qeem pga renda do
tltto, cerca, planta, estruma, para poJer diafruc-
tar, e que est passando pelo desguato de tr o
capim ludo comiioe dlstruldo pelo gado do mea-
mo aenhor, e que por muitaa vezas o tam avisa-
do ; asDera-sequa o Sr. Lopea dar providsncia
a sanar esta causa.
O Sr. Aotonio Pavo, de Ulinda, faca favor
de ir padaria de Sanio Amaro a negocio que o
masmo senhor nao iguora.
Aluga-se uma catiuha
Florentina o. 14.
Precisa-se de uma crala
para servlcos internos de casa
tratar, oa ra do Crespo n. 14,
a tratar na ra da
livre ou eccrata
da familia : para
Icj.
Aluga-ae o aoto do sobrado da ra do Cal-
deirelro n. 2 por 12 measaes : a trattr na ra
do Catalina n. 1 A.
Apeisoa que ae otTertce para felor com 60
daDBotvl V d Sr* <;oalo pr*?t
O agente Oliveira far leilo dos excellentes
movis e adornos de casa, deixados nesta cidade
pelo Ezm. viseonde de Loures. consistindo em
uma mobilia a mais rica, solida e perfeila de
quaotaa se tem efferecido a venda al hoje, de
cnataea verdadeircs quanto elegantes, de lin-
das porcellanas para almogo, janlar e para en-
leites desalas, de quadros multo apreciaveis
Modo todo do mais sumptuoso e agradavel que'
poda encommendar se de Frin^. t.0>-.....,
'n_ "-*-""oc*Pana longo esparo, mea
ard Xilina 1!XtBlMd0' "t-ip.damenTe
h mn. !dos de l'wrandtl com purlas de oo-
a.r?A i0'* aPPa.ra,Jote. louceira. mes.
lanUrna? tiln ?"* ''"^ a ou'"a. I'^renle.
roa a'- mpe.Mr "Jelabroa leitol e ber-
n. i-i?"'" Jesluf4d com roldanas, e outri .
i.n?,Je,Urae.efc"C0'"in ""ctuanodei"." '
tapetes emultipl.c.dua Outroa objectot ,&" ld
INSTITUTO AKHEOLOGK
GEOGRAPHICO -i:il\Ali|(iCA\o.
O abano assiguado, no impedimento do 1. se-
cretario, convida aoa membroa instaladores do
lattituto Archeologlco a Geographieo Perosn-.ba-
cano reunirem-se no dia 1. de tetembro pe-
las 4 horai da tarde, no salo da bibliotheca'pro-
vincial, afim de ae proceder a electo da direc-
Cao do mesmo lostitato, e das respectivas com-
missoes de confurmidade com os istalutoa ulli-
maoieate ai Reeife 29 de agosto de 1862.
Salvdor Henrique de Albuquerque,
_____________________2^ secretario.
Juizo dos feitos da fazenda.
No di 4 de letembro ao maio dia, < porlts
da catadodepotitario geral, na raa estrella do
Rotarlo se vender m praca publica am carro
de 4 rodta era mo estado, avahado por 5000
penhorado a Manoel da Silva Ferreira Vmhaa por
Flcher, para pagamento do que este de-
ida nacional. Kecifi 28 de agotto da
colicittdor da fazenda,
F. X. P. de Brito.
J. B. da Fooseca Jnior, na raa do Vigario
n. 23, primeiro andar, preciaa fallar com o Sr.
Sebaaliao Antonio do Reg Barros, e herdeiros
do Sr. J..s Xaviar Cirnairo Rodrigues Campello
O Dr. Frederico Schulz, medico, parteiroe
operador, mudou seu consultorio medico para a
ra Nova n. 21, 1 indar, sonde elle pode ser
encontrado J -: **rcicio de sua
eienn. 5iqer hora do u, 0u da noite Ro
adu por escripio. / none. He-
Terca-feira 2 de
grindebrn Vi!?"' da Tbl- em rma"'
grande, o. jp. sito na raa do Apollo.
k"
^tajL
Ao commercio.
Hygino Augusto de Miranda mu o a.u es-
labelec.m.nlo da ra do Graspo par o Interior
da provincia, e deixa como aeu procarador nes?.
Parahiba do Mk
d.iSai
erra
ota
ravo
?ssig-
rosto
pe-
. ostra
bi >ar.
jjOMHSKiatCBO.
mija do Hecfe 30 de
agosto de 1862.
\s quairo horas da Urde.
Cotaces da juoU de corretores.
_ Cambio.
Sobre Londrea90 d[v. 2li*d. por 19000
J. da Crux Macadopreaidentel
John Gallaaecretario.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe. ulficiai da im-
E?iL052?." *\Ro"' e juU ePecia' -I com-
mercio detta cidade do Reeife. capital da pro-
vincia de Pernambuco. e seu'termo por a.
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D
Pedro II, a quem Dos guarde etc., ele
rato saber aos que o presente edital iirem e
i A 0,l?,a U'erem' lue no dia I' d etembro
do correte nno. se ha de arrematar por Venda
lf!! T' de:- 5" praca PubIica ele iu.zo
.S! .oh' "ud'lor,S- oa loaaeia menaaea da
cita de sobrado de um andar, tita na raa da Guia
n. 52 av.ludoa a 30JOCO. cujo sobrado perleo
cante Leoncio de S Cav.lc.nti de Albuquera.e
e1 vao pra?a seus alugueis por execuco oue
Ihe move Tliomaz de Faris. wwmW fU
E nao haveodo lan5ador que cubra o preco da
aval.acao. aarrem.taco ser feila pelo v.lor da
adjudicatao com o abslimioto da le
Ep.rachegueaoconhecimentode todoa. man-
dei passar^editaes que sero publicados rea im-
prenase afiliados noa lugares docoslume.
Reeife 12 da agosto de 1862.
- Eu Manoel Marta Rodrigues do Nascim ento
esenvao, o subtcrevi.
__j___^7Ws/ao de Alencar Ararine.
30 barris e30 1[2
de manteiga.
Anlonio Mure.ra Dita & C. e por mandado do
barria afc?\XW L'^f'fJ dor comrcio d 30
5 me'sm ms?.6 ^'^ ffDC"" P"leaQle
Terca-feira 2 de setembro.
Nj armazem do Sr. Aunes defronte da alfan-
ga, na mesma occasiao se vender por conta e
m.C2mM,"IB Petrleneer Bma P'> de pre.un
tos americanos chegado. ha poaco. tn hor
LEILO
ugio du engenho Velho da freguezia d
Rita ermo da capital d. Parahiba, o
crioulo de nom Trajano, com os sgui
aes:aatat.rabais.a franzioo do corp,
magro, beico. curto, mos. ps e orel
quenas, e de muila aclivilade e ladino
ler de 18 a 20 anocs e principia agora a
a bom carrer
eacravo ando
capital, por
tara para essa
de interesss
ridades policiaes que se diguem mandar D
f-Vi- a* e,P"ae" d* impo que o c.plurem o
levando ao seu senhor no referido engeohu |, l
generosa recompensa, protest, se cuutra i i
quelles que derem guarida e auxiliarem a f.
de semelhanle escravo conservando-o er- ai
veito proprio.
m advocada.
DE

O bachtrel Moraea Navarro\adT08a D0
civel e erimee poJe s?r procuVado para
o exercicio de s*a prossao er ,eu -
criptorio ra das Cruzfes n. i Pf'tei-
ro andar, daa 10 huras da ma/Jhaa 3
da tarde e dahi em diaate /m ca,* dt
sua raaidancia ilha dos Ra/* '
_ ifa ak j
Dt
j
el utsocss.
n,Z c?rP de Pe>e compra para fardamento
360 covadot de panno azul, e 750 varis de brim
quem quitar fornecer presente-se eom aa amos-
tras e saas propostaa em carta fechada, naaecre
taria do mesmo. no dia |. da aetembro prximo
vindoaro, ao meio dia.
Luiz Jernimo Ignacio dos Santo.
Tenenta-aecretario.
,v = ipjuouea una dos na------ 'ab'
Quarta-feira o crrente inda
a audiencia do Sr. D J11'2 municipal
da segunda vara ser5 arr(;raatadoj por
venda dous excellenf* "
gar dasg.nco Pont/*
T^7*'.".'""-"" ^V, u" ""gados e es- icaoda via frrea *?*
udantesacharao excellentes obras de direito e 1 fi-AOno ea'
l.tter-tura.do. melhoro. e.criptore. modernos ,?^' e rTrll'S' """""Sosa iue ero veod.das o I l :400$ por anno.
correr an mirieiin nnia ^;, l_ % i *
Zurros de direito e lite-
rtttura.
ar?A6?nle Almelda ,'ender em leilo ama
fud"ndra^a'r';rq.,il0'.S.":.ad'0ad". |caoda via frrea.
Concert musical
NO
avilan.* -a,
Candimente do di. 1 29. .
tdata da da 30 .
correr do martello pois nao ha limite para ditas
uJrao,
Quiuta-feira 4 de setembro.
O leilo ter lugar na ra da Cdala do Raeife
n. 01, a 11 hora.
LELAO
Terca-feira 2 do corrente.
PELO AGENTE
H95J025
439:163^90
Movime.to 4a .1 f.nfex* "
Iriaianla.HA. --__ r______j .. ~^*
O referido agente a reqaerimento doa curado-
rea scaea da massa commerclal de Bastos & Le-
08 O por despacho do Exm. S r. Dr. juix espe
cial do commercio lata \eilo no dis cima de-
na casa n.
7alama. entrado comf.xend....
* aora leneroa..
Vrlamef iihldos aem fazendaa..
c com genero*..
297
785
=77 **
M
= H
Salo de Santa Isabel.
NO
Dia 3 de setembro prximo.
Nene da ter lugar o concert em beneflcio
do clannetiita Euittqulo Pereira Rebouga, lti-
mamente chegado da provincia do Para com o
concuo de diversos artistia.
Os carloe. do entrada nao a aos homen. como !"Ld? omm,8rcj?. <* ^o no d
t seohoris, podando com em carlo entrar um. '"do e Pe'a" 10 horas da manba
familia, com tanto que vi um i horneo. U d" r" -0 T"P'be
No.dia.2e3,erp,blicado o programo,.. 70 ,.ccos com Uf^
Latas coto massa de tomate de 32, 16, 8 e 4
libras.
2 figuras de marmore.
- Pedras de marmore de 8, 10 e 11 polleg&d..
59 couros espichado.
Mobilia Renovera.
Cadeiraa de Italia.
execuco, sendo a.
E'RBfc
200 d f
leira f/,">
sobrados no lu-
em frente da esta-
iadoi ambos por
arrendados por
eivao a praca por
a ultima praca.
ITA.
No Diario n.
ro. :
Na pagina primeira .
ligo aob a epigrapiie P' ""finma uo itulade
em lugar de sempre horado lease muito
se os seguinles ar-
mna.*' linha 5 d -
presadona linha ?-ei
lela ecerrad**
lugar de curvado
O abaixo /signado mudou a sua
typognphia da I** ^a Praia n 47, pa-
ra a mesma ruan- ^^ oceupando par-
te da mesma caj1 cm uma loJa de fa-
zendas que acala d eitabelecer.
O mesmo
Arixos mtmiUam.
Maraoliao e Para,
continuara n
teccao dos se
assim como ;
tigos fregu
I
baXO assignado espera
ecer a confianza e pro-
assiduos subscriptores,
oncurrencia dos seus an-
s.
|nacio Bento de Loyola.
e/-'
llnac
1
ma.
picio
alugar orna am. forra oa captiva
ama familia de dua. peaioas : na
o. 39, esquina do betco da Ca-
Aijuga-se urna preta boa costobelra e l.m-
- eofgomma a tratar oa rui larga do Roiirio
I

ADOI
ILEGVEL

/ /



/
' %
DIARIO DE KkSAMltCO .- SEGUNDl FElEa 1 DI SETEMBuO DI llflt
ti..
W
23Largo do TVCO23
VenJe-seos gneros por monos vinte por cer>> do 1ue m oulr> qualqo 'aparte, afiaa-
gando-se a boa qualidade.
Manteiga iagleza da safra aova de 750 a 800 rs. "
Dita franeeza de premeira qualidade a 600 e 56 rs* M''
Queijos flamengos chegados ltimamente a 2$ ei0S do Passd vapor a 1?>800.
Caf de primeira e segunda qualidade a 260, /89 e 320 llbr em moht 8' e 9**
Servejss das marca mais acreditadas a 480 garrafa*
Vinho engarrafado do Porto a 1C200 e 1 > J garrafa.
Dito em pipa marca F. L. P. a 480, Fif" e 640 rs- a g"4*"8*
Massas, macarro, talharim e aletria jj0 e *00 rs libra
Passas notas a 320 r. a libra, e ermeias caixs P.r 3* cad* uma*
Batatas novas a 89 rs. a libra, e er porgo se faz abatimento.
Alm dos genero annur-wdos, enconiraro sortimento completo de tudo quanto e tendea-
te a mol hados. /
Lo
TER1A
Sexta-feira 5 do corrente mee se
extrahira' a ultima [parte da primei-
ra lotera beneficio dos religiosos
franciscanos de Olinda e primeira da
primeira da santa casa da misericordia,
no consistorio da igreja de N. S. do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilhetes e
meios bilhetes acham-se a venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n.
15, e as casas comtnissionadas praqa
da Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
na ra da CadeiadoRecife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:0003 ate 10$ serao
pagas uma hora depois da extraccao,
o as outras.no dia immediato depois da
distribuidlo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Refinador.
Precisa-se de um refinador que saiba
perfeitamente desempenhar este lugar :
na refinacao do Manguinho.
0 abeizo aiiRQdc, ba qualidade de tutor
Ido menor Filippe Francisco de Souza Morcon,
anteo berdeiroda fallecida viava de Simo Pinto
Kibeiro e D. Fraociica Florte Ribeiro de Mello,
pede ao Iilm. Sr. juiz municipal do termo de Se-
rinhoem ae digne providenciar acerca de extra-
vio dos bena pettencentei i o casal do fallecido,
praticado pelo invenlarianta e depositario Liz
Ntlo Floto de Albuquarque ; aisim como protes-
ta annullar aa veodaa e hypothecss de eacravoa
do meamo casal que eato aeodo feitas pelo met-
alo depositarlo e seu cunhado Joaquim Tbeodoro
do Reg Barros.
Recite 23 de agosto de 1862.
__________Haorique Augusto Milet._____
Costuras de saceos.
As pessoas que quizerein
cozer saccos,dirijam-se a ra
do Brum armazem deassucar
n. 28 B, as quaes nao sendo
conhecidas, devero apresen
tar fiador. O preco estipula-
do de lj porreada cento.
Aluga-ae ama casa terrea no prioclpio da
ra Imperial : a tratar na ra do Quaimado nu-
mero 32.__________________^_^^__^^_
A COHMERCIO.
Jos Btplista da Fooaeca Jnior declara ae
tommercio deita ataca,a quem poisa intares-
tar, que netta dala nao existe em circulado le-
tra tlguma de seu aceite. Recite 28 de agosto de
1868.__________________________________
0 hacharel Manoel Firmino de Mello, ma-
jo a aua residencia da raa da Imperatriz para
a da Aurora o. 48, segundo andar, ouie pede ser
procurado pira a sua profisio de advogado, das
3 horas da tarde em diada, e dabi at as 9 da
marinas, noaeu escritorio da raa estreita do Ro-
,iio r>. 27, primeiro andar.
Aluga-se
a casa da ra Auguala n. 15
veasa do Paraizo n. 16, com
Eiras.
para tratar na tra-
Igoacio remandes
Francisco Jorge da Silva IParoohos, dentista
gacam o sea bnete na ra larga do Roaario n. 9,
tema honra de acientiear ao respeitavel publi-
co desta cldade, que recebeu ltimamente de
Paria e da America do Norte um variado sorti-
mento de objectoa de sua proflssao aiuda nao
viudos a esta cidade, como sejam denles de dif-
ferantes qualidades, transparentes mioeraes por
Vulcanat, estes deotes nao t pela solidez como
'ainbem pala grande relsgo de analoga que tem
com oa naturaes, to superiores aos que ordi-
nariamente tem vindo a eata cidade, raze por-
que preaeotemante sao elles os mais adoptados
pelos melhores deniislas da Parla e da America
do Norte. O aonanciante tem lambern um gran-
de sortimento da massas fins de diversas cores
pera encher os deotes cariados, as qaaes tem a
propriedade de adherir a cavidade e de solifl-
:l'df"**inteiramente as S3l%a*dWStR:
mais senT?'P">eed W nao tem a da-
*.' VJ,<* ordinariamente ae faz uao, a qual
?- .L"e>P oliva aa dores por causa
lada de sulphurico. Quem
Nesta typographia precisase fal-
lar ao Sr. Manoel Ferreira d'Almeida,
que mora na Casa Forte.
Aluga-ie annual, e pelo lempo da (esta am
ailio na Matriz da Varzea, sito na raa do Fogo,
com manos arvoredes e uma grande casa, duas
ditas mais pequeas pegadas mesma, com seas
qainlaes correspondentes as meamas, tambem
com muitos arvoredos, sendo o sitio da casa gran-
de, e daa pequenaa de estrada e estrada : quem
pretender, dirijazse ao pateo do Carmo, eaquina
que volta para a ra de liortas, sobrado n. 2, pri-
meiro andar;
Arreoda-se uma grande parte do aitio de
coqueiro, denominado Maria Farinha, na fregue-
zia de Msraoguape : a tratar no eoganho Muri-
bara, frguazia de S. Loureoco da Hatta.
Aluga-ae a casa terrea confronte a igreja de
S. Jos do Maogufnho : na ra Augusta n. 26.
O abaixo assignado procurador
da cmara municipal do Recife precisa
fallar com o procurador dos herdeiros
de Francisco Joaquim Pereira de Car-
vaiho, a bem da mesma cmara e dos
herdeiros.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Aluga-ae duas osas, uma que Oca por de-
tras do Calabouce n. 20 e outra na povoago do
Giqui : a tratar na ru Direita n. 6.__________
frecisa-se de cinco asis coutos de res a
juros sobae bypotheca em um sobrado de maior
valor pagando-se os juros mensalmente e com a
cndilo ae no fim do dito prazo nao aer pa-
go poler a peaaoa que der o diohairo diapordo
dito sobrado pira seu pagamento, iato pelo lem-
po de trea annoa : a quemeoovier auuuocie.
Aluga-se am sitio na Ponte de UcbOa junto
ao sobrado amsrello, com boa casa acaiada e
muilo bons commodos para familia de trelamen-
to, com agua de encanamento e banhos de cho-
que : a tratar na raa do Crespo a. 14.
Seguem para Europa Manoel Loureoco Cor-
ris de S, Braaileiro, casado, e Francisco Jos
Fernandos Pires, Por.uguez, casado.
Compras.
Compra-se am aacravo de nacao, de mala
idade, que saiba cosinbar e fazer o aervico de fa-
milia : a tratar na ra da Cadeia do Recite loja
n. 4._______________________________________
Compram-seacgoes do novo banco de Per
nambuco : no aacripiorio do Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
m
Juo Malinas Saldaoha tem contratado ven-
der a aua taberna, sita na Passagemda MagJale-
os : quem se jalgar com direito a embarazar es-
te negocio, dirija-se a mesma taberna no praso
de tres'dias.
Precisa-se de am hornean para trabalhar em
um sitio e tratar de capim : a tratar na estrada
de Joao de Barros, aitio da Candido Alcoforado,
ou ua ra do Amorim n. 54.
Venda ae uma carrosa de carregar agua, a
um boi para a dita, muilo novo : a tratar oa ra
Imperiil n. 205, liberna.___________________
Veoda-se um moleque peca, de bonita fi-
gura, da 15 a 16 annoa de idade, ofcial de pa-
dtria : a tratar oa raa da Cadeia do Recife, loja
namero 64.
Vende-se uma benita escrtva, de idade re-
gular, perita coziuheira e excelleote lavadeira,
muilo obediente, e excessivamente cariohosa e
geitosa para tratar de meninos, muito intetligen-
te, cuidadoaa e prompla em suaa obrigagoes :
quem a pretender dirija se a raa do Hospicio n.
24, e das II horas da manhaa s 4 da tarde aeha-
r com quem tratar._______________________
U no vigilante
Lindos enfeites para ves-
tidos.
Sao chegadss no vapor inglez as rlcis flores de
velludo que sao admiraveis pela delicadeza das
lindas cores, poiscom pequea qusotia as senho-
ras po ferio eofeitar os ricos vestidos que ser
muito apreciavel, pelo baratisiimo preco de 19
a duzia : s no gallo vigilante, ra do Crespo
namero 7.________________________________
Pulceiras.
Tai bem sao negadas as riquissimas palseiras
com pedras azaes e outraa verdes, couia maito
delicada, que sa vaode por pregas baratissimos :
s no gallo vigilante, rna do Crespo n. 7.
Buleias pari espartilho.
Tambem sao cbtgadas as vardadairas baleias
da todas as groisuras a fornidas, para espartilho,
pelo bsrato preco de 120 ra. cada uma : s so
vigilante, ra do Crespo o. 7.
Leis do Brasil.
Ha para veuder-se am grsnde sortimento de
colleccea das leis, sendo de diSerentes annos,
em brochara, e eocadernados, por preco muilo
commodo: na ra do Imperador n. 15, das 9 ho-
ras da manhaa al as 3 1|2 da Urda,
Urco em frascos a 600 ra.
Grande, grande, maito muito sortimento.
leos
psra cabello, em virtude da depreciado que ten-
do tldo o oleo dito philoeome sociai bygien-
niqaaa por ter vindo todo falsificado, recebemoa
um artigo idntico aquella da fabrica de Moopu-
las que garantimos sor o melhor cosmetique pa
ra o cabello, e oa aromaa escolhidos lao suaves e
duradoaroa que desafia meamo quem nao queira
o comprar.______
Chegado pelo vapor fran-
cez s para o vigilante.
Lindos pentes de nrrala.
Sao chegados oa lindos peotiohos douradiohos
com muito liodaa molduras da differeot?s gosloa
para marrafaa ou Itevessos, pois s com a vista
os compradores poderao apreciar o quanto sao
delicados, pelo barato prejo de 3J o par, assim
como aem ser douradoa de lindoa goitos, pelo
barato pre;o de2J o par : 16 no vigilante, ra
do Crespo n. 7. _______
Luvas de pellica
Tambem sothegadaa as verdadeiris luvas de
Joavin muito frescas, tanta para homem romo
para at-nhora : s no vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Ricas fivelas dourLda& par*
si rito.
Vendsm-se fivelaa doaradas a 2$ e 523500, aa
rcaie rodernas que tem viudo ; na iua do Quei-
malo n. 63. lnja do Bija-flor.
Ricas voltas de aljofares.
Vendem-se voltas de aljofares com cruz de po-
dra imitando a brhanie ; na raa do Oueimado
namaro 63. loja do beija-flor. ^^_^^
Em um angeobo peno aa estacao_de Ipo-
juca pracisa-se de uma passos pars enaincr pri-
mairas letras, latim e francez : quem eativer ha-
bilitado e quW.er, dirija-se a raa do Imperador o.
73, primeiro andar.
Bailar & Oliveira
Porto.
sacam sobre a praca do
Aviso.
?L seaa dentr'"C"l,do,> chei0 de dil" miM"
aonuociante porque elle o uni-
atemeata tem
recorrendo a
co que prese
maesas recent
nesta cidade ditas
mete chegadas da America do
vista das circunstancias
a
a tiro de
O meamo colloca dentea so-
is. A'
cMticas^temrl0'tera "ociante re.o
h8a!Lf!s7".a>Uiina ele
^"^Presso.apivot
fpelJchet
ou
aem extraerlo de
a pisto, desrea-
, como melhor exigir o estado da
Para a couserva;ao dos denles em esta-
uocj'juSpe tem o innanciante excellente pos da
do ha verdadeiro preservativo nico e magnifico
Ch ficio para conservar a bocea e dar-lhe um
del' saMime, tornndoos dentes pelo seu uso
habadiano isentos da carne que vulgarmente
qabam pedra, da frouxido dos ervos alveo-
ch/>a e de outros muitos ioconvenieotea que a
Uta de taes preservativos occasiona teodo por
figem a negligencia que commemtnte ha qaa-
Oem todo o publico, aconiecendo asura per-
*r-se o especial ornato da bocea ; o annuncian-
alm diato faz todas as operares de sua pro-
s(sio con\ ,0ll, a Prompiido posaivel e delica-
deza \fntrds confronte a casa de pharma-
.ad'oSr.6"111010016'-______________________
Ao pii*co e ao commercio.
O solicitador^* A* da Coala Hachido pode aer
ocurado par08 stores de sua profissao na
sa de sua resi'nci, D* vill do c,bo. D0S dis
de segundas, tev*8 sextas o sabbadoa ; e noa
dias de quartas tqintas-feiras, na villa de N.
S. do O* de Ipojuc "onde offerece os seas ser-
vicos a todas as pess8 1"e de aea prestimo se
quzeiem ulilisar; \carregando-se de receber
por sua conta qualqa 1esiao que penda ante
os dous foros, viatoqu ara e,se a bilitado e de accordo c Dr- Allooso de Al-
buquerque Mello, Joao*002**! Bscellar e Pedro
Gaudiaoo de Ralis e Si' 5 prometiendo empre-
gar todo o zello e ctiT,f<,e D0 V* lhe or con-
ado bem de aeas col"uintes.___________.
Aos s^phors
abaixo declralos precl1
Crespo loja u. 1 i
Anlonio Goajalves Ferr
na Escade.
Canato Ildefonso Emerero, Rio Grande do
Norte.
Francisco GoD$alves Ginarsef.
Frsncisco Antonio de S"0-
Frauciaco Xavier CavaW'i Lm.
Joao Augusto da Cirvalt
JosFraaciaco Belem, a^or do engenho La-
rangeiras.
Mareiaoo Avcioli Lins.B'edas.
ja margo Silva.
juros por espado de
theca uma casa ter
tratar na ra de
se fallar na raa do
senhor de engenho
Precisa-se de
um aono, dando-se po
rea livre e desembarac,
Hortas o. Mi.
Mfl
-V ff"1
:.dy
Bandeijas d bolinhos
Com nerfeigao preparanf kaBidjaa com dif-
reotea modeloa de arman* h1" om as
fareoies modeloa de armacr
melhores qualidades de boR_
prego
lo
s
do noaso mer-
i em libras por
a qualidade de
, razoavel tambem .
paslelaria e podios e bolos fXeiei e ^versos,
o mais b.m feito de noaso pai selo : quem
ou,
precisar procara na ra do R
ajustar.
)1 n.
para
Aluga-se uma casa terrea tt" da Coneei-
Co n. 31, retiflead. de novo, paTfa
grande portar bastantes commolf* l'*iar
na ra Nova o. 20, leja de Caroei1
Francisco Fernandos Daarte, proprietario do
armazem progreaso, faz ver ao respeitavel publi-
co que o seu eskabelecimento com a nova nume-
nrao paaaou de o. 8 para n. 10, e para que nao
haja equivoco faz o preienle.
Casas para alngar.
Aluga-se o V andar tfo-acTTnnrj n. 24 da ra
da Cruz, proprio pera eacriptorlo, e o 2* andar
da ra da Senzalla-Nova, n. 9; quem pretender
dlrija-ae a Parete Vianna & C, roa da Cadeia
do Recife, n. 57.
Toda tllefijo!!
Antonio Gomes da Canha e Silva, com loja na
ra da Cadeia do Recife n. 50, defronte da ra
da Mar*'e ie Dos, roga aos seas numerosos de-
vedorea tanto desla cidade como tora della qae
se sirvam mandarem pagar aeus dbitos at ao
fim do corrente mez de agosto, porque nao po-
dendo mais esperar pasear a asar dos meios
qae julgar mais conveniente para com aqtellea
que nao cumprirem seas deveres.
Toda atten$ao.
Custodio Jos Alvos Gaimarea avisa ao res-
peitavel pablico, principalmente a todos os seas
rregaez.s a amigos, que se madoa da loja da
aguia da uro da ra da Cabug para a ra do
Graspo n. 7, para a bem conhecida e sntiga loja
le miudezaa que foi do fallecido Joio Ceg, hoja
ser conhecida palogallo vigilante,a pede ao
respeitavel publico o aos seas fregaezes e amigos,
qae o queiram procurar no dito estabelecimanto,
ondaacbarao am grande sortimento da miudezaa,
qae affisnea servir bem a vender por menos daz
oa vinte por cento. do aae em outra qaalqacr
parte.
Kogaseaos devedores do fallecido
Joaquim Jos Kibeiro de Oliveira que
teve loja na ra Direita n. 55, que ha-
jam de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
48, evitando desta forma o receber se
judicialmente e publicarse seus nomes
por este jornal.
Ensino particular.
Urna pessoa convenientemente habilitada se
pmpe a ensinar primeiraslettras, latim a fran-
cs am algum engenho perto desta prses : quem
qaizer Uatar do ajuste dirija-ae a raa da Palma
:
O Dr: Antonio Agripino Xaaier de Bri- ^
to mudou sua reaidencia da raa da Im- ??
peratriz n. 47 para a mesma raa n. iV.'ifeJ
^ onde pode ser procurado a qaslquer lio-
a ra.para o exercicio de saa profissio.
Val ser arrematado em a casa do Sr. juiz
de paz do Ia districto ds freguezia da Boj-Vista
os objectos seguiotes : seis cadeiras de amarello
por GjOCO, um aof por 12$000, ama mesa pe-
quea por 2^500; tem lagar a arrematado no
dia 3 de setembro, depois da audiencia do mea-
mo Sr. juiz de paz, Gustavo Jos do Aego, oa
rus da Aurora, por execuijo de Jos Franciaco
Feroandes contra Joao Juvioo de Almeida.
Ama de leite.
Umasenhora com muilo bom leite ae offerece
para amamantar crianza : a tratar na ra do
Queimado o.41.
Casa para alugar.
Aluga-se a casa o. 15 da ra da Trompe na
fregaezia da Boa-Vista, reedificada, com 4 quar-
tos, 2 salas, bom quintal e cacimba: a tratar no
largo do Carmo n. 18.
MIL
casamentas e bai-
les.
Bolinas de setim branco para senhora.
Ditas de pellica tranca para seohors.t
Ditas de setim preto para tenhora a i.
Sapatos de dito dito para dita a 1$500.
Na loja de calcado da ra do Cabug n. 16.
POS
para matar mosquitos, pulgas, persevejos, ba-
r tai e formigas; para captivar a conQanca do su-
blieo o importador encarrega se de fazer applica-
ro dellea, ha tambera uma massa para destruir
ratos : no aterro da Boa-Vista n. 7, em casa da
viuva Lecomte.
s. a. Bordados baratissimos
Na loja dopavao.
Vendem-se gollinhaa mwito finat de cambraia
bordadas e de tilo a 400 rs., mansuitcs com pol-
linhasde cambraia bordada a l-280, maogaiiosa
balo finiaaimoa ale. leocoa d liobo com labv-
rintho a 2S500, ditoa de cambraia de algo'o a
imita;ao de labyriniho a 640, 800, le, e finisi<
mas liras bordadas e entremeios por presos bra-
tissimos : vende-se na ra da Imperatriz u. 60,
loja e armazem do pavao.
Vestidos baralissioios
Na loja do pavao.
Vendara se muito lindos vestidos de cambraia
i bordados a seda, aenlo de todas as cores a G$.
ditos com barras e babados a 4$500, ditos a 4$,
cortes de tarlataoa brancos bordados e de cores
a 3$, ditos de cambraia branca com babados i
29500, ditoa de cambraia bordados com babados
e duas saias a 49, cortes de barege com 22 cora-
dos cada corte, leudo dos de seda a 4$, ditos de
la a 49, cortes de cambraia com aalpicoa tirar,-
eos e de corea, ttndo 6 varas cada corte a :ia,
ditos de salpicoa maia finas com 8 varas a 45,
tado iato se vende por meooa que em outra quai-
quer parte para apurar diuheiro, s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e arrmzem do pavao.
Alpakin ou gorguro ile liuho.
Vende-se esta nova fazeuda a imitago de seis
de quadriohos a 280 o covado : s na ra da Im-
peratriz d. 60, loja o armazem do pavo.
Musseliua branca a 200 :s- ,
Vende-se musseliua branca cora 4 Ii2 palmos
d largura a 200 rs. o covado : s na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do ni*te.
Ct^K Oflerece-se um hbil co.eiro para
qutlquer rm' rii''*"",";** n:' hrasile'rn o qual
tr:?dbo'ftDtRelDn,i'a.: quem Pr"'" dirijTTTa'
..,T~ ^m n,0? porluguez competentemente ha-
bilitado em escrtplura;ip marcaotil, oderece-ae
para fazer escripia em diversas casas commer-
ciaes : quem de seu prestimo se quizer ulilisar
deixe caita fechada nesta typographia sob aa ioi
ciaes11. C.
Enfeitam-se bandejas para cisamentos t
bailes, preparam-ae bolos de bacia, po-de-l t-
podios com toda perfei;o e preco commodo :
na travetsa da ra das Cruzes n. 12, lerceiro
andar.
Perdeu-aa ama cartetra com 3~ dentro, e
juntamente um meio bilhete de n. 1400, cuja ro-
da anda no dia 5 de setembro, e est assignado
com o nome de Joaquim Theophilo Socio ; pede
o Sr. tbeaourelro, no caso que ssia premiado,,
dio pague : e quem achou, querendo restituir,
tevs-o no becco da Bomba n. 5, a Fumino Anto-
nio de Figueiredo._______
Aluga-se ama eacrava com todas as habi-
lidades, e someote psra o interior de casa de fa-
milia a tratar oa ra da Aurora n. 48, taberna.
Aluga-se um armazem na raa do Corto ou
becco das Boias ; a fallar na rea da Madre de
Dos n. 4.
.
Vendem-se luvas de algodao @
branca propria para a guartla $$
nacional a 200 rs. o par : na lo- @
de Nabuco & C. na ra Nova f
2.
*&$&!3> 4MMs) 44s>4Jp >>
nnr
*
s.*rMVa|sfk *-
Grotebico al2U
ris a libra, e sendo le 10
libras para cima a 100 ris
Vende-se nicamente por estos preros n"s ar-
mazens progressista e progresssivo, no largo do
Carmo n. 9 e raa das Cruzes n. 36, affianca-se
ser muito novo.________________^__^__
Grande exposicao de ba-
les de arcos na loja do
Pavo.
Acaba de chegar loja do Pavo um grande
soriim.'olo de baldeado arcos americanos sendo
matuuuif, a uaiuia o a ij.guuta >^o j,., U0
melhorp e mais bem armados oe lem vdo ao
"Cora pipa ou seu
. n. 53.
ma cin uva.
lia : ?aode-ae na ra Direi-
Facas e garlos.
Veodem-ae tacaa e garfoa fioaa de cabo de ba-
lanco de doua boid*a i 6$80O. diua pan dota a
5800, dita de um botau a 6*200, dita psra doce
a 59200, dita prtta cravada a 35}60O. dita branca
a 39400, diti rolija i 3} i ouzia ; na raa do
Queimado n. 63. loj do beija-flor.
Jugo de visporn.
Vendase jogo de vispora a 1J>; na ra do
Queimado o. 63. loja do beija-flor.
Aiivelupos.
Vendem-se anvelopes da diveri*a qualidades,
branco a IfJOO e 1^400, azul a 19, e de ores a
18400 : aa ra do Queimado n. 63, loja do bi-
ja-flor.
Papel adamascado de cores.
Vende-ae papal damascado de cores a 800 e
1*. dito branco a 1$300 : na ru do Queimado c.
6:1. loja do b.-ija flor.
Gravutinhas de seda.
Vendem-ae gravatinbasde seda para senhors,
de diversas cores ; na ra do Queimado u. 6'd,
loja do beija-flor.
Tiras bordatlas.
Vendom-se ricas tiras borladas para vestidos
e sana braocaa a 800 e 1JJ : ua ra do Qieimao
63, loja do beija-flor.
Su na granie expasicao
de fazedas novas t bara-
tissimas, na ra tjalmpes.^
triz, loja e armazem da ara-
ra u. 50, de Magales s
Meiides.
Fazeudaa j.or menos 10 0(0, queiram vir \it
para asreditar, a aer : cbilas a 160. 180 e 200 r..
o covado, anas raocezaa a 220, 240, -80 e 320 o
corado, corles de chilaa tinas com 18 \ aova-
dos a 2;500, curies de cseas Irmc-its a 2$500,
diloa pelos a 2jj&00 : na ra da Imperatriz, luja
da arara n. 56.
Arara vende olesttm para r. stios.
U- se a Uzenda por i.urue oleslim de llnbo
de uma s cor e quadriulius, propria icritJ,.-
a resliJos de teunora e ruupa Uu iticniioa a imj
o covado, fuslau de cores pjra vettidua s 260 o
-J o covado : na ra da lujuerilru, luja da ara-
ra n. 56.
Aos manguitos Ua arara
Vendem-au ujugilus o guita du liuho ptia
seuriuia a 29, gulliuncs a 500 ra., euUites pora
lunr.ura i 2j : Jj ; na ra aa luiperaliU, luja ua
atara u. 5.
Ai.ua vende a popelina da China.
Uitk-s'j a taieda pui uunio pupaima da Chi-
ua elii ia i .-.; a VesUUuS J : f. 1:1.0. r. a HO o mi-
du, < ii.i:: de nu.'iu t-itaUipaus a Ullud de
l-ia a 19, llOS u Ua e seda a JC, llua rLcuui a
OtO ua ra da 1 i., cji: ./, luja da aura u. &6.
Musambe da arara.
Vende-se a bzeuda por uuuie musamb cuui
paluiaa de auua de i 11 puiujs de Ui^u, p(uplla
para vetudua de seutiura a 500 ia. u cuvoju, u.u
jo i.liiu de cures a -- do o lj(UO a vara, litu Uno a 780 e 800 is. o va-
ra, isiuiiUi a 800 is. a vaca : ua iu ua linit-
raicu, ioja a atara u. 5t>.
Arara vende as crinolinas.
Veudem-ae baloea a crioliijo- i'.-.'Ufcs, uj
uuau Aioueilio ue leu, vl .
Vende-se urna taberna aorlida e bem alre-
ezada, na Cpunga, ra da Amzade ; a tratar
squairo cantos da meama taberna n. 35.
Alugam-se dous grandes arma-
zens na ra da Concordia proprios para
qualquer estabelecimento em ponto
grande : a tratar com o Sr. Miguel Jo-
eAlyes na ra da Cruz do Recie.
AllenfaO.
Nova escola parti'ar
ale iostrucQao primaria para o s
9 colino; na raa da Cadeia do Red
Precisa-se de uma escra
lavar e engommar em uma cast
milia: a tratar na ra da Praia n.
Permutam-se diversas casas terreas
no bairro da Boa-Vista e as melhores
ras, por um sitio que tenha boa casa
no Mondego, Trempe, Soledade, Cami-
nho Novo, ou suas proximidades, eec-
tuando-se tambem dito negocio me-
diante volta de escravos e mesmo di-
nheiro : na ra da Cadeia do Recife n.
40, se dar' informales relativas.
Precisa-se
alugar uma escrava que saiba lavar e engommar
e razar ascorapraana ra, para ama casa eatraa-
eira : quem tiver pera alugar. falle na raa do
Traaiene Novo n. 12.
-n*-"*** sixeiro com pralica de
vender em balcao, para una psdaria : na raa Di-
reita dos Afpgadca n. 66.
Attenco.
O abaizo assignado faz selente so respeitavel
publico, que d'ora am diante tem cundo todos
os poderes que tiaha conferido ao Illm. Sr. Dr.
Miranda Lobo, ficando assim de nanhum effeito
as dnas procurares pelo anouuciante passadaa ao
mesmo Sr. Lobo. Recife 30 da agosto de 1862.
________Antonio Rodrigues Magro.
Aluga-se urua.ceaa com 2 quarlos, 2 salas,
cozinha (ora, quintal pequeae, mas murado, a
qual na rea ae Joao Feruandea Vieira (Soleda-
de o. 5-), toda casa concertada, pintada e ladri-
lhada de novo : quem a pretender, enteoda-se
na padsria do Sr. Joaquim Jorge n. 14, no mes-
mo lugar.
Preciaa-se da ama ama para homem sol-
teira: na ruada Imperatriz n. 4, taberna ao p
da ponte da Boa-Vista, se dir quem quer
A pessoa que snnuociou precisar de 5:000j
s 6:0008 sobre bypotheca de um sobrado, deixe
flear na loja ns. 6 e 8, na praca da Independen-
cia am carta fechada com aa iniciaes V. A., di-
zaado a sua morada.
Ao bom calcado!!
Acaba de chegir loja do Porto, esquina da
rui da Madre da Dos, um completo sortimento
de calgado francez, sendo : borzeguins e sapales
de Nlotes psra homem, ditos para senhoras e
e meninos de todas as qualidade, como tambem
um completo sortimento de fazendas e roanas
feius por presos muito em conts.
Relogios
Vande-se sa casa do Johnston Pater d C,
. .<* do Vigario n. 3, ua bailo sortimento i
elogios de ouro, patenta inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
uaaa variedad a ds bonitos trancellins para os
mesmos.
UJBlt-iiU
10, 15, 20, 25, 30 e 40 arcos e aQan$i-se
racaoe boa qualidade dog ditos baes
raa da Imperatriz n. 60. loia e
Pavao.
a *
a du-
s na
armazem to

* ua
Mozambique a G40 rs.
Na loja do Pavo.
Veode-se mojarcbque todo de la sendo fa-
zeoda muilo leve para vestidos da aenhuras e
roupa para menino, cum delicadas cores miu-
diuhas e teodo de uma s cor proprio para capas
de senhora tendo esta aeoda 4 palitos de lar-
gura e vende-se a 600 rs. o covado : na ra oa
Imperatriz n. 60. loja e armazom do Pavao
a Imperatriz, loja ua arara u. 5o.
U bubadiiii da arara.
Vende-se a ozeud* por nuooe babadim com iis -
iras e seus para tesliuua de seubura a 5UO r;. u
COVadO, ctbenas du trilla para coma a 2$, cu-
cbas ae lusiau para cama a ;j, uno ac.iea.ia
a aloruras para taaisai a *s4 *uu uili
corlea ae clc,a par nuiuem, ae lt.nu etcuu o
curo, e de gaoga e futa* ue iluadlluboa t lg e
ljiS o curie : L-a ru aa luiperairiz, luii d4
arara u. 56;
Mk
5ue
D-se 20 por mez a uma ama de leite aem fi-
Iho i na ra do Coiovello n. 1S.
Uma anO;a braslleira, caaada, propda sa a
leccionar msica por prec.o commodo, prometa
dar aa diacipulas em seis mezes capazes de pegar
em quaesqaer instrumentos O pai de familia
que do su prestimo quizer atiliaar-se pode pro-
curar no ra dos Martyrioa n. 10, que se dir
quem ensina: Na mesma casa aogomma-se rou-
pa de aenhora por barato prego.
OtTarece-so um paqueoode idada 15 anno,
o qual sabe bem 1er e escrever, e tem alguma
pralica da ntgocio para qualquer estabelecimea-
to ; a tratar na iu Diraita n. 8.
Quem precisar d uoi criado portuguez para
aerviQo de casa e de ra, at 10$ mensaes: a
tratar na ra das Cruzee o. 41 A.
Aluga-se amarmaztm oa ra do Cortos ou
becco das Boias: a fallar na ra da Madre de
Dos a. 4.
Aluga-se uma eacrava com todaa as habili-
dades, esomente para o interior de cass ds fs
mllia : a tratar na raa da Aurora o. 48. taberna,
Perdeu-se
macartema com 3 dentro e juntamente am
meio buhle de n. 1400, caja roda anda no dia
a le setembro, e eal assignado com o nome de
Joaquim Theophilo Socio : pede-se ao Sr. Ihe-
soureiro, no caso que aaia premiado, nao pogae,
a qaem a achoa, querendo realituir, leve-aT ao
becco da Bomba n. 5, a Firmino Antonio de Fi-
gaeiredo.
n *r?SEF "" *" B8
o. 27 : a tratar na raa da Aurora n. 3.
Esperanca
Ltija de tuiudezas,rua do
Queimado n. 55 4, de
Guituares $ Kocba.
Para baldes.
Molas cobertas de fio para saias a 160 ra. a
vara.
Agulhas victoria o papel a 120 ra.
Ditaa fondo doarado a 120 rs.
Lioha de paso, meada a 100 rs.
Dita froxa psra bordar a 80 ra.
Dita de carretel, 200 jardas a 80 rs.
Dita de cores, qualquer qualidade.
Gravatas
com botosa e sem elles a lo, de corea e pretaa,
para homem o meninos.
Tranca de linho.
Recebeu am lindo sortimento destas tran;as,
proprias para aa leves roapas da testa, jasto
qae vo-ae prevenindo.
Botdes
para casaca e cassveqae, de cores a pretos, psrs
camisa roadreperola fina, da oseo para caiga a
320 a groza, muito fios.
Clchete.
Esta loja desejando sempre ter objectos novos,
recebeu clcheles reforjados do fio batido, as
calas sao em forma de uma carteirioha qae se
torna maito elegante, s ha na Esperanca a 80
rs. a caixinhs, am csrtao a 0 rs., oa dnzia por
600 rs.
Pennas de*.ac
caligraphicaa por 2$ e2J}400, verdadeiras da Per-
tj, e de oulras qualidades, por manos do qae se
costuma vender, canelas para ae adquirir ama
policio elegante (eserevaado) a 500 rs., da mui-
tas qualidades como de borracha a 160, a balo a
160, a pistolete a 120, e muito bosa a muito ba-
ratas por 40 rs. cada ama 11
Perfumaras.
O cheiroso e suave sndalo a 10600 o frasco,
(essencia concentrada) pathchouly, o mbar, o
bouquet de nupcias, o de Lshore, a vetivia, a
magnolia, a rosa, o jssmim, a flor de larangera.
a um complato sortimento do perfumarla que te-
mos, tanto fraoeezas como inglezaa.
N. B. Temoa feito ltimamente um contrato
com um fabricante que nos permita vender este
genero, cujo comarco se adiaola, por prego la-
teramente bsixos e aem rivalidade.
Lamocambique a 400
res.
Na loja do Pavao.
Vende-se laziohas de uma s cor com qua-
driohos e lista propria para veaiidos e capas
sendo fazenda flojsima a 400 rs. o covado : ua
raa da Imperztriz n. 60, loja a armazem do
Pavo.
Las com llores a 400 rs
Vende-se lSazinhas;mailo tims com bonitos
padrees a 400 rs. o covado : na roa di Impera-
triz n. 60. loja e armazem do Pavo.
Tarlatanas com pal-
minhas.
N loja do Pavao.
Vende-se tarlatana com palminhas de cores,
tendo cores propriss pars luto a 320 rs. o cova-
do : os ra da Imperatriz o. 60, loja e armazem
do Pavo.
O Gira sol
defrente da Penha n. 33 vende minleiga ingle-
za superior a 800 ris, dita fraoceza a 600, quei-
jos do ultimo vapor a 1S900, ditoa a t;700 e
lcjj'. 0, cha fioo a 2^800, caizaa de doce de guia-
ba a 500, espermacete suparior a 720 ris, su-
perior vioho do porto a 800. dito do Figueira a
640, 560 e 500, e todos os mais gneros tona e
baratos.
Arara vende as casss chinezas.
Vende-ae a fazenda por ouu,e cass:s cbinozas
a aiiaco de sedioha d* queoros, propria pan
yeeiiaos de senhora e rouia de meninos a 240 e
2SOo covado, riscado a Ganbalia 280 o covtdo
para vestidos, cobertores de aljiou a 1, caoi-
braias brancas a l^GOO, 2, 2;500 e 35 a ueca : ni
rui da l.peralnz. loja oa erara o. 50.
Org ndys da China da arara.
Vende-se a fazenda por nome organdyi as Chi-
na adamascado e palnjas de cores, propria pra
vesliao e muito largo a 400 r. o cosario, copas
de la para senhora a 9j, ditas e gr sjenapm
modernos a 20 e 258 : na ru do Icnoeratriz, loja
da araran. 56. *
Vende-se uma excellente mucama aolala
de 15 a 16 annos com habilidades: na ra da
Cadeia do Recife n 51 loja.
Bandas.
Pomada Imperial, frasco a 2$.
Japonoza a 13.
Imperador a 19.
Imperatriz Eageoia a lf.
Exposlcao aniveraal a 39500.
Mocas americanas a 500 rs. a lf.
Chepem fre-
guezes ao bom e barato.
Ra estreita do Rosarte,
esquina (h ra das
18Urangeiras 18.
Vendem-se todos os gneros por menos do
qae em outra qualquer psrte: manteiga iogleza
fino s 800 e 540 rs. a libra, dita franceza a 640,
a em porco faz-se algum abatimento, cha supe-
rior a 2j880 e 2^560 a libra, paasaa muilo novas
a 388 rs., nozes a 120 rs., amendoas a 300 rs. a
librs, superior caf a 280 rs., toucinho a 300 rs.
a libra, macarro, aletria, talherim a mais massas
finas muito novas a 320 rs., velas de carnauba
saperiores a 400 ra. a libra, ditas stearioas a 720
rs. a librs, queijos de qaalha muito novos a 320
rs. a librs, caizes com 4 libras de doce de casca
de goiaba a 800 rs., ditos pequeos a 560, vioho
de Lisboa a 400 e 500 a garrafa, dito Figueira a
600 rs. a garrafa, dito do Porto engarrafado a
lfliOOO a garrafa, 19200 e 18600: alm desles g-
neros mencionados se encontra tudo quanto
perlencente a molhadoa e de superior quali-
dade.
Arara vende fazenda por nome mais
a mim.
Vende-se a fazenda por nome mais a mim pa-
ra vestidos de senhora e adamascada, de bonitos
gostos a 360 o covado, pegas de caniDraus da
salpiquinhoscom 8 1(2 verss a 35500 e 4 : j4
ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Tiras e ntremelos da arara.
Vendem-se tiras e eutremeios da largurs de l
e 5 dedos, de bonitos gostos a 1$80 e l$C0O a
pega, ditas de ntremelos a 18. IJiO e 15600 a
pega, corpiohos bordados para meninos a 18 catia
um : na ra da Imperauiz, luja da arara n. 56.
Cera de carnauba e velas.
Na ra da Cadeia do Recife, primeiro audar v.
28, veude-se tzcelleotecero de carnauba e relia
euj pequeas pardaa a vontaae doe comprado-
rea : a cem est embarricada.
Umcavallo desella.
Vende-se um ptimo cavallo de sella de boos
andares ; a tratar na ra da Cadeia do Recife
primeiro andar n. 28.
Veode-se o estabelecirasnlo ae niulbado,
silo na lraessa da Shdre de os n. 2, quila cota
s pnc;a, o qual tem poacos fondos : a tratar no
mesmo.
Vendem-ae roaas ariiilciaes mullo linda,
de papel, pelo barato prego de 18 cada uma, c
tambem ie faz por menos teodo eocommeodas r
na ra do Queimado, loja do Sr. Ferrio n, 10.
Farelo
em saceos grandes a -g : no armazem do Sr.
Luis Anionio Annes, na escadinha da alfandejia
i1 ai -tilo superior.
Na ra do Vigario n. 31, primeiro andar, ven-
de-ae superior (arello de Lisboa.
Vendem-se saccaa om fejaofradinho a
e tambem se retalha a 320 a esla : no Forte
Maltoa, taberna n. 4, oa raa do Codorniz,
do
Loja a!
as seis portas em frente
do Livramenlo.
A 40500 e 5^000,
Saias s baldes com 20, 25 e 30 arcos, ss me-
lhores qae tem vindo ao mercado a 4S500 e 5*
ditas da 50 arcos a 6$, d-se para amostra com
C5 Ja *beru ,l 9 hor" *
Sementes de hortalice viudas
de Paris.
Chegaram i loja de ferrageos de Bastos, na
ra da Cadeia do Recife n. 56 A, aa novas samen-
tes de horUlice viodss de Paria, as quaes sao do.
superior qualiaade. e se vandem baratas.
Vendem-se pedras iavradas e brutas para
predios : quem quiser trate na roa Imperial
a. 30.

MELHOR EXMPLAR ENCONTRADO



1


I
J



mMtO DE PERHAMICO
SEGLISDA FEiRa 1 01 SETEMBaO l 1861.
FRANCISCO FERNANDES DUARTE.
40 Largo da Penha 10
20000, ditos che-
sido ronhecuZEP ', deS,e ,credi,,d arm,Mm de mo,hados tm **>. ha
enrommendl nr 11 6 STT' Wg todS e,les favor de *! comprar suas
do Z annuninTdT T*0 d 'arg da Penh* n' 10' afim da ctido
er ara ^ Prego equadade que faz, se fossem compradas em outra qual-
Z r ~ in*, reCebe em ,odos os vaPres navos de vela vio dos da Europa, ,
p"7ieC S5SJ;;irprai1 Parlma0r conco"-ucia e commodidade, resol o
ffiTEltX^M^ qUe senhores1ue nSo Psam vir, nem mandar, de des-
?:, Si^^r?.lEL#Eindicad0' odo e qu,,qu,r 8enero conjprado ne8,e
urna pe'sso, de confia s^a de SlTES """/'"T P^oalmante, pois par, este fin
m__*A___ v/a" ae Prmpto cor as cartas na chegada do vapor.
libS ep-nhriuT? P/'meira qualidade da safra novia 00 e 720 rs. i
iDra, e em barril & faz abatimento.
^m **' *f ailCeZa a mais nova do mercado a 600 rs. a libra, e em barril a 860.
' SmXim o que se poda desojar neste genero a 30000 a libra.
UUa Siysaon 0 mais superior do mercado a 29800 a libra, em porcao sa faz abati-
mento. r *
QuelJOS do ffSn chegados oeste ultimo vapor muito frescos a
v gados em navios a 18*700.
a piTtO verdadairo inglez a 2*000 a libra em porcao se faz abatimento.
U*to8 tam mm \yU*H confeitadas, contando diversas, iguarias muito proprias
para mimos a 19000 cada urna.
HelfcXinlia de soda om latas co diferenies marcas a 19400, afianca-sa a boa qua-
lidade, assim como tem latas grandes com bolachinha proprias para lanche a 29500
LifegltalM d BoilTO espeual vinho do Porto em garr.f.do viudo a sigund, vez
ao nosso mrcalo a 10200 a garrafa e em caixsscom 1 duzia qor 12*000.
. ^S**** lado das raelhores marcas que vem ao mercado, como sejao Duque
do Porto, Carcavelhos e Feituria a 1*200 a garrafa.
itewtas om vinta d0 Porlo c0TO 70 garrafas propr0 par casa hr
em garrafas 32*000, afianga-s ser de superior qualidade.
W lilao 551U pVfA de superior qualidade Porto, Figueira Lisboa 500, 560 a 600 rs.
a garrafa, e em caada a 30500, 49000 e 49500.
rBliaaa ea latas com 10 libras por 4#0o0, e em barril a 400 rs. a libra.
a.te^fli,mas- T?o 5talaavliii, mu .
09QOO. afianga-se ser muito novo.
Caoarieaaanalafl
'* 129000 rs mU" nVaS 3 "' a Hbra e 9m barr" eom uma arrcba Por
cWne, pescada, eveziTwo SegUm,e3 ^ '^^ "^ "^
- **uiia refinada a 360 rs. a libra, eem arroba a 11* rs
f Jt'lllE l"
DE
DE
Haiioel Pedro de Mello
Largo do Livramento ns. 38 e 38 A
Defronte da grade da igrefa, cujo titulo distinctivo
O BALIZA.
mmt i s.
Vendem m seus armazens
PROGRESSISTA
r '
^!
Neste Tasto es tabaleo i memo a-
chara o respeitavel publico desta
capital e de fora, um grande e
PERFEITO ORTIMENTO 1>B MO-
luados, que se vende tinto em
grosso como relalho por muito
menos prego do que em outra
qualquer parte, por serem quasi
todos recebidos de conta propria.
Muiia attenco.
Todos os gneros sabidos des-
te novo armazem levarao uma
etiqueta para seguranga dos Srs.
que nao quizerem vir fazer as
suas compras, e mandarem por
seus escravos ou fmulos.
Esta prevengao atiesta bam,
que a mais porfeita e duradoura
con Ganga se desoja possuir de to-
dos geralmente, e por isso nao se
pouparao exforgos para serem
bam servidos todos os Srs. com-
pradores, afim de que possa este
tado como um dos melhoret e
mais acreditados desta praga.
Aviso particular.
Previ ne-se s pessoas de fora
desta cidade que podem sem re-
cejo algum mandar os seus peii-
dos por escripto, que sarao salis-
feitcs com a maior ponlualidade
e boa fe possivel, ainda mesmo
de objectos que nao sejam pro-
prios da-te esta bel aciment, como
ferragens, roiudezas, ou medica-
mentos.
O anouociante desojando fa-
cilitar a consecugao dos negocios
que por ventura tenham os seus
freguezes de fra, se offerece
tambem para fazer procurar qual-
quer despensa ou lieenga que de-
penda da autoridade do Exm. Sr.
Bispo Diocesano, bem como de
apresentar qualquer consulta aos
senhores doutores desta cidado,
quer respeito de direito, quer
grande estabelecimarnto ser apon- de medicina.
Tambem se receba qualquer objeto como assucar, couros, la, etc., etc., para serem ven-
didos, sendo a cotia e o seu producto entregue proraptamente a quera for determinado.
Na intengao de possuir muitis relagoas, faz o annunc;ante todos e3tes offerecimentos; de
forma que ne.te estibeleilmento, nao s acharo os Srs. de fora desta praga um bom freguez,
mas tambam am amigo e um criado s suas ordens.
A todos em geral.
Si por acaso nao gradar qualquer ginero sahido desta casa pode ser devolvido, que sera
immediatamente trocado ou restituido o seu importe, conforme for exigido.
O annunciante protesta cumprir cora a mais seria e restricta exictido eta sua proraessa.
AMEIXAS francezas em latas de tres libras e" Genebra verdadeira nglezade marca Galo do fa-
n l18-*! la,a* I brican'a Carduer & Broomhal de lfliOO a
IdXT 0e* frascos de lres libras e mais, de 1500 a garrafa.
AMFlSnn! e fraSC# ir,em de Hollanda 6m frascos Pe'luenos e Sran
AMtnUAS de casca mole de 240 a 280 rs. des de 500 a l|N>0O.
ATPKTE. 4rn ri I0"'" em b'5es a 2i0 IS> e a duza a
ALflsifc, a 160 a libra, e em arroba a 40800 2700.
Arroz da India de 100 a 120 rs. a libra, o em Hw em lata muito nova a 120 rs.
arroba de 30 a 33400. Grao de bico muito novo a 100 rs. a libra,
dem de Javajle 100 a 120 rs. a libra, e em Gomma excellente do Aracaty, a 100 rs. a libra.
ipgMa

'
s
|3
3
?8
o
Ra das Cruzes n. 36, e largovdo Carmo n. 9.
as*

M o ^ 3
O Q. O.
I" n s
M I
! S

61
s
3
3 2.
3
2
9 O =
ai
- 2
Ii
I 1 .
s.-g r*a i
03 S 3
I **

ca
sO"
8-
g 03
O O.
2.
S "
- a
|g,
Wa
o- o
_.
2
15-
5\
o
o
s ^-
i S

cr rs
s
S
S. 9
H B
O -O
?O ^
3
_. rf,
,. i
2. "O0 O
S g "
T3
O
:o
M g
Kr
O O
es CD
o
3
o
8
5s S
o tr.- c=
o srg pa m 2 s15
s jri i i s-g
al
---------------a UU7 lS
,k.^-
a .i.i,j, u aui (jui^au iivv is.
"A'i'i a.
A,,l5w?5wM em la,as de 19 meia libra por I,50'dilas com 3 ,ibra
G^br ^ HlUm^ a 56 rs- frasc. 69400 a frasqueira con 12 frascos.
"( *0^s cora genebr* de Hollanda com 25 garrafas por 9*000.
I muito lirapo, a 160 rs. a libra, e em arroba 40800,
?>_
? muito novo a 160 rs. a libra, 4800 a arroba.
| suspiros era me.as caix.nhas, do melhor fabricante da Bhia a 2f00 cada um
B** o mais superior ana hA nn mn,**An a LfSTf qU9 haf-n m0rCad0 a 240 rs- a 1,bra- e em g^ com 5 libras
por 11600, so o garrafo val 500 rs.
$?Y*dtall de Franga muito nova 200 rs.
Kirsch Wasser, neeUanta bebida do fabricante
Richard & Muller, em garrafas grandes a
T$f>00 a garrafa.
Licores dos melhores fabricanles inglez es e fran-
cezeV era differentes vasos de 500 a 19600
a garrafa de diversos tamanhos.
Manteiga iBgleza perfeitamenle flor de 700 a
800 rs. a libra,
dem de segunda qualidade de 560 a 640 reis
a libra.
de'bt "5S0"res a libra.
a libra,
muito fina e alva a 100 rs. a libra e era saccas se faz abaliraento.
r &1H08 UttOS par, dentes a 160 e 280 rs. o mago cora 20 raacinhos.
PatOS CO g Z a 2300 rs. a groza e a 20 rs. a caixinha.
^et\|m pflA das marcas lente, ou XXX a 6*000 a duzia e 500 rs. a garrafa.
Serve} B?&mCl das raaig acreditadas marcas a 59000 a duzia e 480 rs. a garrafa-
VilillO b?.HeO engarrafado o ais superior que tem viudo o nosso mercado i 800 rs
tambem tenho de barril para 560 rs. a garrafa.
TQUafc0 ^liisboSi a700Oa.rrobae280rs. a libra.
G*f i^O *te?. aarro0b,.rS- *" "^ "* d, d9 >' ^ a
A O* de Maranhao a 100 rs. e 120 rs a libra, e em arroba a 30000 e 3500.
t4MeoUt hespanhoUWJOO rs. a libra, ditto francez a 10100.
iAHlf Vatt" imperai do afamado Abreu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a Ifbra, tambem ha para 500 rs. a libra.
?Ul.S m CalflX pecego, damasco, pera, alperche, e gingaa 600 rs.alalta.
3 rtUnha d ^a\lta a 380 rs, a lata afllansa-so a boa qualidade, e era porgao
se faz a batimento.
S fraDC9zas a portuguezas as mais novos a 640 rs. a lalta, em meias latinhas a
jOO rs.
Y lHUo UOrde^UX, Marg> Medoque e S. Juliende Medoque a MOQO e 10#000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 1000.
9 lame o meihor petisco que pola haver por sur prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
^ebolas novas a i9 0 cen(0 e a ly200 0 molho com Mn(0 e tanfaSf tarab6m ha
. proprias para conservas a 400 rs. o cento.
"i" Va dOCe muto nova a 320 rs. a libra, e m arroba a 8.
'*" Pe* gTeve a 49 a resma, dito de peso pautado a 30, dito almago bom a'.30200.
M'iSSa para SOpa estraUbln e pevide a 600 rs. alib-a, em caixinhas sahe mais
barato.
Jaem (le tOlUate em latas de l libra por 800 rs ede 2 libras por 1*500.
Aceite dOCe reflnado a 800 rs. a garrafa, e em caixas com 1 duzia por 80500.
JWeiil de Lisbr a 720 rs. garrafa e 5600 a caada.
AmendoaS de casca mollea 32Trs. a libra e 80000 a arroba.
Vinagre de LisbOa a 240 rs. agarrafa e 10800 a caada a fiansa.M a ^
qualidade.
f*latna Tmoe daSW8S aCred,8da9 H1 ,5000 20*000o gigo, eem garrafa
J1n88^^FanCO qse Pole dezejar nesie generoa 400 rs. a garrafa
Licores francez es da ,oda Frinfca do H*nhtS?"n "T"*?-" '"""
I i muuo a,va 8 cheirosa a 160 rs. a libra.
XTJ OiO p,r limpar faccas 180 rs. e em porgao se faz abamento. "
Onhaq .16 mgioZ 900 ,, garrafa 1O0OOO cora uma duzia.
arroba de 30 a 3400.
dem do Maranhao de 100 a 120 rs. por libra
e em arroba de 3j a 30200.
dem do Penedo a 80 rs. a libra, era arroba a
29240 e em saceos a 2*.
dem cora casca a 160 rs. a cuia, e em saceos de
20 cuias a 20500.
Azeitonas em ancoretas de 8 garrafas a 105^0
e em garrafa a 320.
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa
umw uurn. ae pr.metra qualidade de Wu tem n-nceza ue 3U aoy res lbra
ifnUonh."""***1" '...... "" V1 B,u ,aias coa 1,} libras a 39600
Bolachinhas americanas muito novas de 320 e a libra a 380 rs. '
300 rs. a libra. \l\em em Larris muil0 superor 360
Bbcoutos e b.SCJUtinhos, araruta, a'iaJos e ou- % arrasquino de Zara a 800 reis o frasco
tras quahdades de excellentes massas a 320 J ssaspara sopa, macarro, lalharira e aletria a
M-~ i ,\ n ... 30 rois a libra o acaixa com uma arroba
dem era latinhas de 2 a 3 libras e de diversas nespanhola a 59600, do fabricante Nerw
quahdades, conlendo uma lata mais de dez \ 1-Jem finas estrellaba, pevide e outras a 560 rs
espacies de biscoutinhos por 1400. a libra. i
Bolinlios de ovos era latas recoramendados pelos; Mlhos inglezes e muito superiores a 500 reis'
senhores mdicos a 19400 alna. o frasco. i
BTnsL8rVnbra' e em ^^e 36 a 40 dem dem i Jera a 20 em frafco grande rolha
iiuids [>ur i-.,-uu. de \idro.
Caf do Cear de primeira qualidade, de 280 a Rozas superiores a 200 res a libra
t i a '?" a ,lb'a- Phosphoros do gaz a 2J300 a erza a a 200
Llera do Rio 1 .* 2. e 3.' sones a 240, 280 e rs. a duzia.
300 rs. a libra, eem arroba de70, 7#500
a 89500.
Cha parola de primeira qualidade a 3J200 a li-
bra.
dem uxim a 2800.
Idemhysson de primeira qualidade de 13300 a
29800 a libra.
dem nacional de 19500 a 19600 a libra.
dem preto horaeopathico de 19500 a 19800 a
libra, primeira qualidade.
dem dem nao horaeopathico de 19500 a 1J800
a libra, primeira qualidade.
Cevadinha a 240 rs. a libra.
Chocolate de Lisboa (do Abrou) encommenda es-
pecial, qualidade esta que sem medo de errar
a malhor que aqui tem vindo a 19 e 500 rs.
o massinho, c metido 12 e 2 pies.
dem hespanhol e francez premiad is ora di
versas exposigoes, de 800 a 10 a libra.
dem suisso de differentes quahdades, como se-
jam baunilha ecanella, ele. etc. de 10100 a
10400 a libra.
Charapanha era gigoscom 12 garrafas inteiras ou
de 24 meias dilas a 120 a duzia, e em gar-
rafas de l? 100 a 19200.
Chaurigas das mais novas a 480 rs. a libra eem
barril de 1 arrobado 139 a 140.
Charutos superiores Guanabaras, Lanceiros,
Delicias, Napoleoas, Parisiense?, do afamado
fabricante Jos Furtado de Simase outros.de
19500, 19800, 2, 29600, 3#600 e 450
o cento.
Ceblas a 10 o mjlho com mais de 100 ceblas.
Conservas inglezas muito novas a 800 rs. o
frasco.
Cognac inglez em barril, garrafa a 640 rs.
dem dem engarrafado de 800 a 900 rs. a gar-
rafa.
Doce de goiaba em caixes e em latas, prepara-
do especialmente para embarque,-garantindo-
se a boa conservagao por um anno.
Ervilhas em latas de l e 2 libras de 700 a 800
rs. a lata.
Extracto de absyntho em garrafas de 1 li2 gar-
rafa a 1*500.
Farinha de trigo Fontana, das mareas SSS, ga-
lega, family, de 120 a 160 rs. a libra.
dem do Maranhao a 160 rs. a libra, e 40800
a arroba.
dem de araruta, especialmente preparada de
a 320 e 360 rs. a libra.
Figos muito superiores a 240 rs. a libra.
Garrafes com mais de 5 garrafas de vinho do
Porto fino, a 3*200.
dem idem de vinho verde a 20800.
dem com mais de 5 garrafas de vinagre de
F. & S. de Lisboa a lf 600.
dem idem com vinagre de Hamburgo a 10000.
dem com mais de 15 garrafas de genebra de
Hollanda a 69000.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19000
Prezunto de Lamego o melhor do mercado a 480
reis a libra, e em porgao 460 rs.
dem inglez para fiambre a 560, 610 e 700 rs.
Passas das de carnada de 320 a 400 rs. a libra"
e em caixa de 5 a 69000.
Palitos para dentes magos com 20 macinhos a
160 rs,
Idera lichados idem idem com flor a 240 reis
o mago.
Peixes curvina, safio, linguado, pescada, peixe:
espada, pargo, robalo, salmo e lagosiim,'
em latas hermticamente fechadas a 19300 a
lata de l a 2 libras, sendo preparado pelos pri-
meiros fabricantes de Lista, Inglaterra e A-
merica.
Queijo flamengo do ultimo vapor a 28000.
dem idem do ultimo navio a i04O.,e em cai-
xa a 10200.
Idem prato de 600 a 6*0 reis a libra.
Salpicos, vindos de casas particulares a 640 reis
a libra.
Sardinas de Nantes a 380 rs. os quartos e
meias latas a 580 reis.
Serveja marcaTeen te, Cobrinha, Cavallinho e
outras marcas a 4,_5 e 5*800 a duzia.
Sag a 280 rs. a libra e em garrafes cora 5 e
6 libras liquido por 19600 cora o garrafo.
Sabao moga de diversas cores e dos melhores a
120 e 200 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro com rolha do
mesmo por 600 rs. cada um, s o pole vale
o dinheiro.
Salame encapado a 700 rs. a libra ( lanche
prompto.)
Toucinho de Lisboa do novo a 300 rs. a
libra, e em arroba 80800.
dem idem menos suporior de 160 a 200 rs. a
libra, e em arroba de 59000 a 60000.
lijlos de grande tamanho a 160 rs. cada um
(para limpar facas).
Velas stearinas a 640 rs. o mago,
dem do Aracaty. carnauba, a 400 rs. a libra,
dem de composigo de Buenos-Ayres a 440 rs.
a libra.
Vinhos engarrafados vindos parte delles de conta
propria. como sejam ; Duque do Porto, Ca-
moes, Charaisso, Silva & Meneses, e outros,
que se vendem de 19000 a 19280 rs. a gar-
rafa e em caixa de 129000 a 159000, e
esperaro-se novas qualidades.
Vinho Bordeaux das marcas Margaux, S. Ju-
lin, e outros a 800 rs. a garrafa, e a du-
zia a 99000.
Vinho verdadairo de Setabal ara barril e em
garrafas de 640 a 800 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em pipa das melhores marcas
de 5*000 a 60000 a caada de qualidade
especial.
V inboda Lisboa, Madeira,CarcavalIos, Figueira,
francez, e de diversos paizes de 39000 a
40500 a caada.
"iHiWwshflil
P5
2 2
a "S w
E3 S
g EJ fj
g o B
Sai
s sr *
o. n
o
o O
3
8
9


-e, a a cd L
^ WM O O O 9 S* & -
*< Sa.aa^PoB & Er.
:s zM is^ =
^ r s. stg-*
o i. z s

o
e.
7"
3
r
00
o
o
X
o
cr
s
a-
b n
S y.
r? as
B
o
os
O
O
O
a>
o
a
iS-fr!|a
c2; Sr? 9
* S S !
B
S

02
*6 *n oraj3 op oSjbj 9 '95 'u sozru
VN
sp nu
visisskao jyd
snazeuije snos
1
uiapnoA
j-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
ILEGfVEL



-
I
DIARIO D* PtWi4lUQ0. .* SIGUHDA #EIIa 1 DE SEIEMBKJ DI
1861.
Coke e alcatro. -
Coke da melhor qaalidade, muito proprio pata
?por, e timbem para lodos oa ios domeiteoa,
fornoe pequenoe e grindea, etc., para eatea aer-
tjos, o cok miis ecoDomico do que qaalquer
oatro combastivel, por ser menoi da melada do
prego e de maia darago.
Alcatro, eita aendo applicado i navioa, bar-
ca;ai, alvarengas, caaoaa, etc., praata maito bom
eneito, conservonlo a madefra de leas aa qua-
lidadea da bichos, fazeodo darar am lempo inde-
finido. Tambem conserva madeira de edifica-
5es, preservando-a doa bichoa e centra o lempo :
aa propiedades cbimicaa deste alcatro de car-
vo mais forte do que qualquer oatro, extrah-
do de madeiraa ou oatraa moleras.
Quem precisar achara veuda, no armazem do
gaz. Ra do Impendor.
Preco do coka 12o por tonelada.
Prego do alcatro 500 ra. por caada:
Veode-se ama cama fraoceza em maito
bom estado com moldara, toda de amarello por
barato preco : na ra do Caldeireiro o. 90.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Fus de arroz com boneca em bonltoa vasos dou-
rados.
Ditoa dito aem boneca em pacotea.
Agua balsmica pira conaervago doa dentea a
bom hlito da bocea.
Opiata ioglaza para ahajar ea dentea.
Leite virginal caja atilidada recoubacida para
tirar aardas.
Vinagre aromtico para qaem aeffre da tonticea
a dor da cabeca.
Paatilhaa da chairo para aa perfamar apoaentoa.
Ertfeites para senhora.
Oa malhoraa enfeltea pretoa a da corea qaa ap-
paraca a 5*500, 63 e 6J500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Caix.nhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Maito liu !as eaiiinhii a cabana para mininas
da 100 ria ate 2500: na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Franjas pretas com vi-
driiho e sem elle.
Ricos aortimentoa de (ranjaa pretas da coras
com vidrilhoa sem elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimado n. 75.
Prolas falcas
ou aljfar de fiua quiiidade.
A loja da agaia branca acaba de recalar um
novo aortimento de auperior aljfar branco oa
perolaa falcaa o qual por aaa perfeicao difficil-
mente se distingue daa perolaa verdadeiras a aer-
vero, alias por aaa extraordinaria grandeza para
aa gargaolilbaa que preaentemente eato em mo-
da e meemo para outroa enfeitea a como seniora
vendem-se commodamente a 1$, 1 JOO e 1J500
o flo: iaao oa raa do Queimado loja da aguia
branca n. 16.
Grandes vaquetas
para cobrir carros e outras mais pe-
queas para guarda lama, por menos
do que cm outra parte: a' ra Direita
n. 45.
~ Aeh-ae renda no eacriptorio de Antonio
Lau de Oliveira Axevedo 4 C, ra da Graz n. 1
a obra aaeripta pelo visconde de Uragaay.Eoaaio
Sobre o Direito Administrativo ; deizamoa de ta-
car elogios a ata obra, basta o nome de aea au-
tor para a tornar recommaodeda, dos Tolumas
am brochura IO3, encadetnado HJ.
Para baptisados.
A loja d'agaa branca acaba da receber pelo ai-
tuno Tapora sua encommanda doa aegaiotea ob-
jectoa para baptiaados, aendo lindaa toaqeinhss
de aelim mai bem enfaitadat, a cada ama em
aaa ciixinbi, aipatioboa daaetim brinco, e da
corea ricamente bordados, e meiaa de seda, o
melhor e maia bonito pos nivel. Agora, poia, oa
pais qu-; nao quizerem eaperar pela generosida-
de daa aanboraa comadrea, dirigirem-aa logo
manidoade dinbeiro i loja d'iguia branca, ra
do Queimado n. 16, onde bem podero comprar
esses galantea objectos.
Lia has de peso yerda-
deiras.
Llnhaa Gnu da
grandea a 110 rila :
do Queimado n. 75.
paao verdadalraa, meadaa
na loja da Victoria, na raa
Phosphoros de seguran^
Phoaphoroa do aeguranga, por que livra de in-
cendio, a 160 res a caixa : na loja da Victoria,
aa raa do Qaaimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Btelas maito grandea a boaa a 160 ria ama :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linha de croxei para ia-
byrintho-
Aa melhores linhas de croxei para labyrintho,
novellos monaros a 320 reia um : na loja da Yic-
torla, na ra do Queimado o. 75.
Sntos dourados para se-
nhoras.
Llndoa aiotoa douradoa para senhoris a 29200,
ditoa de pona cahida a 4J, ditoa de fita a lc;u:
na loja da Victoria, na ra do Queimado d. 75.
Ra da Senzalia Nova n. 41
Venda-sa em casa da S. P. Jonhston 4 C,
sellins a silhoes inglezos, candieiros e casticaas
bronzeadoa, lonas inglezas, fio da vela, chicotea
para carros a montara, arraios para carros de
Para luto.
Fimos de seda elsticos para chapaos largoa a
aatraitoa a 1500 : na rea do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
Lazinhas muito finas
para vestidos.
Superiores laazinhaa para vestidos da muito
bonitos padrdeaque ae Tendeen pelo baratissimo
praco de 440 ra. o corado na raa do Qaeima-
do n. ti, no loja d* boa f4.
Ra da Seuzalia Nova u. 42.
Neste estabelecimento vende-serta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
deLowMoorlibra a 120rs.
Potassa da Mossia.
Vende-se em casa deN. O Bieber
ti., successores, ra da Cruz n. 4.
< ) i >------------------------------------
Para atar cabello.
r*??^ h," ,be,0 Uni0 Penl6 de -
frm. enlrCado com fita de borracha, de
SEeS bello amarrado Oca dentro de um
eogiaGaao, ntelrsmenle couea nova, e de muito
h. !*'m com"m lfo e lizoa de lindos fei-
" *! '? Tende PO"" P'*o muito razoavel : s
do aguante, ra do Creipo n. 7.
&
Esliera saca
Loja de miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A.
Costureiros.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Linhas de 200 jardea detodoaos nmeros a80ra.
Gaacarrllha a pega 2$.
Ditaa muito boa vara a 400 rs. *
Tranga de linho para todo prego.
Fraoja de seda, de linho, de algodo maito ba-
rato.
Reros, linha do novelo etc.
Meias.
Um complefo sortimento aendo. da corsa para
mininos a 240 ra.
Ditia brincia a 200 ra.
Ditia pira senhora a 240, 300 a 400 ra.
Ditas para homem i 5; e CJ.
Ditaa pretas para aenhora a 400 e 860 ra.
Gravatas
com botao a 1?.
Luvas de pellica.
.-?*?*!*< chgdo aa verdadeina luvas de
..Vn.,"Uo r""8 lan, homem como
para aenhora ; s no
D. 7.
para
vigilante roa
do Crespo
Gravatinlias.
ut?!2 che*ado linda, grsvitiohaa com
indosi botoes. que se vende pelo barato preco de
lg_:_s6_no tigiUaU. raa do Crespo n. 7.
La jara bordar.
=5mbemJia auperior la para bordar qae te
SiC! IJb". o l d. familia
ll\n h. .e, la e em cada caixinha maito fma>
Si.?i.n.- M,m# pre5 de 78 caixinha : s
vigilante. r d0 Creipo D- 7
Boa fama n. 35.
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
balio com pendente douradoa a 25
altl-
IVovos pentes
de tartaruga
com douradu
e minas?,,
e sem ee,
para tjtar cabello.
A loja d'aguia branca acaba de receber .>-.,,
pentes de que ss ahoras 'oto prerisavam para
igualar aoa peques J uradoa. O sortimento
pequeo, porm c -pleto. porque tem (Ip i
Grampot a
o par. i o----- ti^H""" uiou. u aorumenra e
Pentea imitando tartaruga pira bandea alti- i rf2!,e,.no potm c -Ple,. porque tem do l?ria-
mo goato a 3 o par. r"8'f masa, douradoa e sem o ser. A Miis
Fivelaa para aintoa, fazenda integramente nova ulu-r delleJ difficil d"'"r. oor sso
a 23 o par. llu:a> JUer que ellea ao de um d-se-
AlOnetee pretos com dourado para senbora, in-
teiramante no vos a 20 cada am.
no
^ous cvanos,, relog.o, d, onro ptt.nU I ^^fffcs,. ^ ho?Am .
Ciil e potassa.
Veudem-se estes dous ar-
tigos ultimameute chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadeia
doRecife n. \% mais barato
do que eiu outra qualqu
parte.
r
Mauguitps com gollinhas.
Veuda-sa manguitos com gollinhas, fazendi
mallo boa, pelo barato prego de 2J000, gollinhas
e punbos ultimo gosto a 2000, gollinhaa muito
flnaa a bem bordadas a 1J000 cada ama na ra
do Queimado loja da miadaxaa da Boa fama
n. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-aa pegas da tiras bordadas de 2.500,
3,000, 3,500 e 4.000 ntremelos a 1600 a 20O
cada paga na ra do Queimado loja da miudazaa
da Boa fama, o. 35.
Boecas francezas.
Venda-aa nonecas franeexas ricamente vestldae
4-3000 e SfOOO, e 1J0OO bonecia de cera com os
olhoa movedgos a 28000 e 33000, oa ra do Quei-
mido loja da rniudezaa da Boa fama, n. 35.
FiveUs de ac para sintos.
Vende-aa Avalas da igo para aiuto a 1&500 ra. a
23000 oa ra do Queimado loja da rniudezaa
da Boa fama. n. 35.
Ricos espelhos de
moldura dourada pan
salas-
Chogoa para a loja da Victoria urna pequaoi
porgao da ricoa espethoa de varios lmannos para
ernamaotos de sala, affangando-ae serem 01
melhores em vidros que tem vndo : na loja di
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
L^ para bordar,
LSa maito bo> de todas as corea para bordar,
73 a libra : oa loja da Victoria, na rus do Qusi-
mrdo n. 75.
Linhas do ga
Caixinhaa com 50 novellos de linhaa muito fi-
nas do gaz a 900 ria a ciixa, dilal com 30 no-
vellos a 700 ria, ditas con; 10 novellos grandes
a 700 ria, braneaa epretas: na loja da Vistoria,
na ra do Qaeimtdo n. 75.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para balo a 160 ra. a vara, bandes a 1$500 ra. a
2(00 o par, na rus do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
A2#500,sopavo.
V*ndem-se cortes de cambraia brsnea cem 2 a
3 baba-ios a 23500, ditoa de tarlalana bnncoa a
de corea, com barras a babadoa a 33: na ra
da Imperatriz n. 60, loja a armazem do pavao de
Gama & Silva.
Cascariihas de seda.
de seda para enfeitar
na ra do Queimado
Vende-s caacarrilhas
vestidos a 23000 a pega
loja de rniudezaa, n. 35.
UIMO
Raa do Queimado n. 55, loja de miudezas de
Jos de Azvedo Mala e Silva, conhecido por Jo-
s Bigo liiitio, est vendando tudo pelos pregos
ji sabidos, porm quem nao souber tenba a
bondade de ver o que bom e baratissimo:
Frascoa de Lavando muito floos, a
Ditos de oleo babosa supvrlor, a 320 e..
Frascos de agoa de colonia muito tina a
Ditos de dita grandes superior, a .
Caixas com pos edr de rosa para limpar
dentea, a.......; .
Dazia de sabonelea muilo floos, a .
Varaadebico dssllhas, esl no resto, a
Carriteis da lioha preta muilo grande,
e tem muita linha, a..................
Bengilss do melhor go'sto, 1 : .
Tinteiros com tinU muito boa, a .
Baralhos de cartas friBcezas, a .
Ditas de cartas porlnguezas muito fi-
nas, a ............
Varas de Uta de velludo recortada, a 169
Frascos da baoha de ar;o muito supe-
rior, a ^. ......)..
Ditos da dta^|csoireute, a .
Frascos de macag perola, muito nao, a
Ditos de dito oleo, maito Ooo, a .
Varas da fita para fazer sintos dos me-
lhores gosto, a ........
Babado do Porto para todo o prego. .
Xabyrintos muito unos para todo proco.
Barra com phoiohoros muito boas, a .
Msssosde linha Ana para Bordar, a ....
Cartas de clcheles superiores a 40 e
Escovas para limpar denles, a 200 a
Carriteis de relroz de tolas as edres, a
Booecas nuas porm maito bonitas.
240 e................. .
Gravatas de duss voltas muilo supe-
riores a...............................
Fios e massos de coral de quilquer qua-
lidade a...............................
Sebonetes grandes e muilo finos, a....
Agulheiros com sgulhas......
Fitss para"eaprtilhoa grandes e pe-
queos a 60 e........
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a .
Caixas com agulhas francezas corlas, a
Linhaa em carioes brancas e de co-
res, a .................
I
800
500
400
600
160
600
80
160
500
160
240
160
240
600
800
200
100
500
Meias de borracha.
Venda-se meiaa de borracha pare-quem padece
de arysipela a 153000 o par, meiaa de seda preta
para aenhora a 1J00 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, a. 35.
Perfumarlas muito linas e
baratas.
Opiata iogleza a 13500 rs, dita francesa a 500
rs., 640, I3OOO, oleo da sociedads hygienique
v.rdadeiro a I3IOO o frasco, oleo babosa de Pivar
verdedeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os dentea a 1JO0O, dita de Botot tambem
para os dentea a t J000 o frasco, pomsda tranca-
ra em paos a 500 rs. e 13000, 320 ra. sabonetaa
muito tino a 640 rs., 800 rs. e I3OOO cada um nk
ra do Queimado loja da miadezaa da Boa fama,
o. 35.______________________________
Grampos a balo
com pendentes dourados.
Para meninos estreitinhas a 800 rs.
Pulceiras
de contas miadinha a 1$.
Da cabello a 43.
De phantasia de dito etc. a 500 rs.
BotOe.
Psrs casaca e para caiga a groza 320 ra.
Para camisa muito finos groza 1*400.
Grindes pira ronpio groza I36O.
Pequeninoa para criaoga 13400.
Alamares.
Para capote a dazia por 800 ra.
Colxetes.
De flo batido especial dazia 720 ra.
De carto 14 pares a dazi* 500 rs.
Em caixa pretos a duzfa 800 ra.
Brincos.
A balo brincos, encarnados, axuea a douradoa o
par por lj. .
Rozetinhas com pedraa que parece diamanta o
par 13.
Penas e caetas.
De todas aa qualidadea especialmente da ealigra-
phia a da langa.
Caoetae para aprender escrever pelo systema de
Sculy urna por 500 rs.
Papel.
Almago pintado 500 folhas63.
Dito dito 420 ditas 4*500.
Dito dito 420 ditas 4g.
Dito liso 33J00.
Dito de peso azul a branco 4fi500.
Dito azul liso 23500.
Dito pequeo tirjado 13500.
Dito pequeo d* cores 1J200 e 1350O.
Dito tarjado de preto 13500.
Envelope cir.io 1J.
Obreias de colas 100,120 e 300 rs.
Pentes de tartaruga.
Direito para alar cabello a 43.
Aimitago por 13.
De arripia para meninos a 800 o 13.
Tartaruga para afilar tg.
De bfalo para suiga e cabillo 400 rs.
Pentes de borracha pequenoa para trazar por ca-
aa muito boas a 320 rs.
E influiiade de artigos novamente chegados
loja Esperanga rus do Queimado n. 33 A.
EspelhoSa
Tambem ha grande sortimento de espeibea re-
dondea de moldura doaradoe de todoa oa lma-
nnos com excellente vidro, que se vende pelo
Siutos.
Tambem anegado os muito desejsdos sintos
com ricas flvelas de coocha a borlla ao lado
cousa muilo chique se vende palo barato prego
nnirTAh."2 ,C,T ric" fl7el" WW alloa com
po.lnnhsadeliodoa gostos que se vande a 1*600
a 23 ; s no vigilante ra do Crespo n. 7.
Velas e arroz.
Vendem-ae valaa de espermaceta s 640 a libra,
arrox da ciaca em aaccos grandea a 23800 cada
am ; na taberna da travessa do pateo do Paraso
o. 16. com oitao para' 1 ra da Florentina.
Fazeudas pretas
superiores.
Groadenapla preto muilo auperior pela dimi-
nuto preco de 23 o covado, panno prelo maito
no f. '- 5 7 *8 o covado, caaemira preU
muito fina a 2|, 23500, 3, 3*500 a 4J o covade,
mantas pretss da blonda maito saperioresa 12a,
manteletas da superiores grosdenaplea pretos ri-
camente bordadoa a 353, sobreeasacaa de panna
preto muito fino a 303, casacas tambem de panni
preto muito fino a 30, palelols da panno orate
Una a 18 a 20, ditoa da caaemira da cor mas-
a* -.* "Prior*a gravatinhas ealreitas
13, ditaa de stira maco a da gorgurao muito su-
periores para daaa voltas a 2, ditaa estreitinhat
com lmdoa alGoetea a 2$, superior gorgarao pre-
lo para colletea a 43 o corte, ricoa enfeitea pretos
mV i ,,.s,motr maitaa fsxendaa qaa aendo 1
iinheiro i vista, vendem-sa por pregos muito ba-
r toa : na ra do Queimado o. 22. na bem conha-
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para fuuileiro
e bahuleiro, a 1280 cadaum
uesta typograpbia se dir.
Fazendas baratas
NA
Lojadopavo,
Cambraia organdys a 280 rs.
Veude-sc cambraia organdya de cores com rno-
dernissimoa padroes a 280 o covido, e csssas
francexss muito Gnaa a 240, 280 a 300 rt. o co-
vado : s na loja do pavao, ra da Imperatriz
numero 60.
Bordados baratos.
Vendem se gollinhas da cambnia e de fil bor-
dadla a 500 rs., manguitos 1 Ijo par, mangeitos
com polla bordada do cambraia a 1J600, a tiras
bordadas a entreEeios ; na raa da Imperatriz n.
60, loja do pavao.
Alpakiu a 280.
Vando-ae eata nova fazenda da linho a imitagao
deaedaade quadrinhoa miudinhos propria para
veatido de senhora, roanas para meninos, sendo
fazenda que nao desbota, a 280 o covado : na ra
da Imperatriz n. 60. loja do pavao.
Cbitas largas a 2U0 rs.
Veudem-se chitas largas a 200 ra. o cosado por
ler um pequeo toque d mofo ; na ra de Im-
peratriz n. 60, loja do pavao.
Camisas bordadas e outros ob-
jecto* necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-ae um bailo sor-
timento de bonitas esmisinhas de Una cambraia
com babadinhos e mui bonitoa bordados de no-
ves e delicados deseohos, as quaes servera mui
bem para os modernos vestidos de fren la berta
a vencbam-ae pelo diminuto prego de 33 cada
urna ; akslm como bonitos manguitos a balo com
gollinhlfs de auperior cambraia e 016 e todos bor-
-adofaafom punhos virados a cada par pelo ba-
ratfsa%a> preco de 2. oque 6 admiravtl aviata
d luiajrioridadeaa obra, e bem asiim pannos a
goll aa tambem bordadoa com bonitos botoes
a 2* gsarnicio, a golliohas aoltaa igualmenle
oer ordadasa 1J cada urna a manguitos a 800
rs. o par. A vista pois de am to completo sor-
timento nonhuma senbora deixir de comprar
essesnecessarios objectos tanto mais quanto a
coromodidade dos presos convida e pira que to-
doa sejam bem servidos coovem que mandan
logo coreprar na loja da aguia branca rea do
Queimado u. 16.
nho novissimo de ipurado gosto, e de cust-sa
execugao, na qual o artilla alevoa-se por sua
pericia f em ellea a forma de am lago do flu no
centro do que ae conhece o feche por rr.eio de
ama flvella, sso alem de rendados, lano os da
tirtaruga como os de masa. Agors, pois aue
spparece o bom, coovem que as senhoras .'> cao
demorem em mandar comprar na loja fi'ccu's
ra do Queimado n. 16.
ranea.
Carlas finas para vollarele
M2.0*\d'\guia braDCa acaba de receber um b
ora
st el
boa.
Botoaa pretoa coro dourado para panhes. iutel-
ramenta novoa, a 23 o par.
Botdee da tartaruga para punhoa a 13500 o par.
Na ra do Qaelmado, loja de miadezaa n. 35.
da boa fama.______ '
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta psra marcar roupa a 13;
Agua de malabar para lingir cabellos a 53 o
(rasco: na raa do Queimado,loja de miudazaan.
35, da boa fama.
Cartas linas para jogar.
Venda-ae daxla da b.ralhoa da cartea flnaa eom f*S5JQA?? "rl" com lillUs > P
aa pontaa douradaa a 63, dita sem ser dourada a i ,. '. ? ,*'0' """eres de nevos deseo
33500 e 41 : na ra. doQu.im.do, loja de mia- I rv""h.' S?."' ^ 8r"des Peraonagea."
dezas n. 85, boa fama. i d" 8"err" I'"' a outros. J se v. pois,
que com uns banlhos assim bons e bonitos, tor-
na-se aindi miis doleilavel o entreler-s.? arle
da noite do divertido vollarele, lendo servara
espadilha, manilha, basto, etc., etc.,o pelo con-
trario am pichoso, ao qual os bolinhos a a chava-
na do bom cha do dono da casa f*r esqiiece' o
pouco que perder. Os baralhos de canto redon-
do a doundo caslam 63 a duzia. os immrios
5, a outros 43, 3S50O e 33. Tambero h. lima
para os apaixonados da bisca, espadiiba, etc., i
vista do qae nao ha mais a cansarse, c o preten-
den te dingir-se com dinheiro rea do Qaeima-
do, loja d aguia brsnea n. 16, que aei beo ser-
vido conforma o loovavel costume.
Fitas de la para debrum.
Vendamse pegis de Uta de la a pan debrum a
18. a em vara a 120 ra., ditis de seda a 23400, a
em vara a 240 : na raa do Queimado, loja de j
miudezas n. 35 da boa fama.
Botoes parapuuho.
Venda-aa botoes da punho finos da diversaa
qualidadea a 200 rcis o par. que tambem aervem
para manguitos da senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Oeculos.
Vende-se oceuloa Anos de armagao da ac.
2c. Ic.ijUO a400rea : loja do beija flor, ru de
Queimado n. 63.
Ricos Casquines
: !Na raa a' IiperarirLi;
mero 20.
A loja da boa f racebea aaperiorea biaqainea
da muito fina cambraia a imitsgo da da linbo,
bordadoa a enfeitados com apurado gosto a os
venda pelo barato prego de 8J cada am, tendo
sido sempra sea casto de 16$ e 203, spressem-se
poia em compra-loa na mencionada loja da boa
f, na raa do Queimado n. 22.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiorea atoslbado adamascado com 8 pal-
moa da largura a 1J600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco
para colxas c para
oruameutos IP00,
aaasaa
cobrir
Vende se o seguinte.
Bramante com 10 pilmes de largura a
riscadinhos esiurosde cor flxa a 160 rs
de corea a 280 e 320 rs.. oleados para
K2f* 58- indiauas muito hnas a 13, chitas
160. 200. 210, 280 e 30 rs., esmbraiaa da ra-
picos de corss a brancas a 400 rs., cobrtortfl
brincos e ascuros a 15200, I36OO e 23. pannos
finos pretos a de cores a 2J. 23-400 e 33 cate-
iIalol S? c.crliuados a 23 a pega, ditas lisai
^3. a?, *S 8 9, tapetes muilo unos a 63 7*
chapeos da seda e e castor muilo finos e do u;-
timo gosto de Paris t 83 e 93, dito de feltro |i.
00,coPa alta a 53. csaeminspara forro r.e carrea
13600, corles de dita muilo lina psra Cilc.19 a
43, pegia de entremaios a 13, e flnilmente n a-
dipoloes, algodoes, brins, bretanhis a < utrar
multas fsxendaa qaa o dono do albele.in lo
est resolvido a vender muilo barato afim da
ornamentos, com 6 palmos da largura pelo ba-
rato prego da 238OO rs. o covado : na rea do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pechincha.
Vandem-se cortes de avperioi gorgarao de se-
da pira colletea pelo baratissimo prego de 13
23 a 33 o cotte : na ra do Queimado n. 22, na'
bern coohecida loja da boa f.
Para os tabaquistas.
Lencoa muita finos a imitagao dos de linho de
muilo bonilos padroes e d cores flxas maito
proprios para as pesaoas que tomam tabaco, pelo
barato prego de 4800 e 53500 a duzia : na ra
doOueimodo n. 22, na bem conbecida loja da
boa f.
Boa compra
Vende-se o exrellent angenbo S. Josquiro,
sito oa freguizln da Vanea, una legoa'po- b m
caminho, moente e rorrete d'agua por doai
igudes, terrenos e mMas aem iguies, pode ss-
fr*jar at 2,000 pes. Troca-se tatubam po
dios o raesmo aogenho. porm e nesta prafa ;
qeem se quizer enriquecer err. pouco ler-
rija-se a negocia-Jo na ra da Praia n. 53, ler-
ceiro andar.
Aloja da aguia
brauca ra do Queimado a. 16
Acaba da receber os precisos objectos aegain-
Aspas da baleia grandes e pequeas.
Fita com colxetes branca, pirda e preta.
Dita de laa para debruar vestidos de cores.
Tnocinha de caracol miado conhecida por bom
tom.
Alfineles pretos ebrancos am caixinhaa.
Agolhas imperiaes fundo dourado.
Ditas victoria em catxlohas papis.
Retrox preto fino ero csrreteis grandes:
u
E
do vigilante,
Bramante a 10$.
Vendem-se pegas d bramante de linhe de
urna s largura enm 27 varas a 10f a pega, tam-
bem se veoda l|t pega com 13 i\i varas por 53;
A loja d'aguia branca contina na recepgo de
objectos do ultimo gosto, por isso acaba de des-
pachar vindo pelo ultimo vapor esses delicados
novissimos grampoa da bonitas cores com pen-
dentes dourados o que da mais delicado se poda > Da raa da Imperatriz'n. 60, loja do pavol
encontrar. Essa loja como geralmente sabido, 75--------------T--------------------"-----
tem sempra em vistas a commodidade desvaa' Lit ni.l U f t
boas freguezias e por isso tem resolvido vendar Veade-se a maiesuperiorcera de carneaba que
esses galantes enfeites a 23 e 3$ o par. o que na j ha no mercado ; na ra da Imperatriz n. 60 loia
realidade muito maia valeai. Convm poie que do pavao.
a vista da limitagio do prego a senhora que com-
prar um ou mais parea, nao sa demore em par-
ticipar aa suaa boaa vizinhaa e intimaa amigaa da
colWgio, para que as emiltem no sea apurado
gosto, e mandara logo comprar outros pares oa
loja de sue afleigo : qas a d'aguia branca, rus
do Qaaimado n. 16.
M0
240
80
400
240
320
800
500
120
80
80
i 20
200
20
Vende-se
no engeoho Meguahipe de baixo da freguezia de
Mnribeca, quatro bestaa de roda gordas e novas 1 Queimado n. 22.
das seis portas em trente do
Livrameuto. 15, 20,30 e 40
arcos.
Grande sortimento de salas a bal&o de arcos,
os melhores que aqui tem apparecido no merca-
do a 43500, 53, 6$ e 63500 cada um, d-se para
mostra com panhor ; a loja asta aberta at as9
oras da noite:
Superior brhn braaco de
linho
Vende-aa aaperior brim brinco de linho fran-
gido pelo baratissimo prego da 1*200, 1)440 a
13600 a vara, dito muito encorpado de doaa flos
a da linho puro a 2$ a vara : na ra do Qaaima-
do n. 22, na bem conhecida loja da boa f.
k 2,400 rs. a auzia.
Longos brancos finos ptra slgibeira pelo dimi-
nuto prego de 23400 rs. a duzia : na bem conhe-
cida baja da boa f, na ra do Queimado o. 22
Cambraias de cores
Vondera-ae canrbraias frsncezas
I xanda muito fina pelo baratiasimo prego'd
i a 280 rs. o covado : na loja da boa f na t
Garubraias lisas a 3$.
Vendern-se pegas d cambraia lisa muito fin
eom 8 1|2 vina a 33 a pega : na raa da Impere-
tru n. 6. loja da pavao.
Paletots a 6$.
Vendm-sa piletots da panno preto fino a cor
de caf a 63 : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
pavao.
Chitas escuras a 240.
Vendem-ae chitas francezas escuras a 240 o eo-
vic'o : na rus da Imperatriz n. 60. loja do pavao.
Chales baratos.
Vendem-sa chales de marin de cores sendo
maito grandes a 38 : na raa da Imperatriz n. 0,
loja do pavao.
Collares para senhoras ou me
ninas.
E' chegado os muilos oesejados collares de zl-
jofares flngindo madreparola, coro urna cruzinha
de pedrss nngindo brilhaotes que sao muito ele-
gantes, pois scom a vista qae se poder apre-
ciar, que se vende pelo bsrato prego de 33 cada
um : i6(o i na loja do gallo vigilante, roa do
Crespo n. 7.
Bramante de linho.
Vend-ae multo superior bramante de linho
eornduaa variad* largura proprio para lencoee.
pelo barato prego de 23400 rs. a vara: na bom
conhecida loja da boa f. na raa do Queimado
5,000 rs.
Venda-aa barriscle cal nova chegada ltima-
mente, 53, no amigo e cieditadu depi.skj a
raa do Brum o. 6G armazeu).

1
DA
Fundico bw-Moor,
130
4(j0
210
700
700
40
100
320
50
60
150
su
hO
Aderemos pretos
Tambem chegarem os lindes aderegoa pretos
sendo daaa pulseiras. rosetas, alfineles, ludo em
urna caixinha, inleiramenle couaa nova oeste
praga, todos muilo deliciaos pela grande mo
de obra que tem, pois ss pessoas de bom gosto
saberao apreciar : s no gallo vigilante, ra do
Creipo o. 7.
Agtilhas(
Tambero iao chegadas as verdadeiras agulhas
Victoria, de fundo dobrado, qae se vende pelo
barato prego de 100 rs. o papel: s no gallo vi-
gilante, raa do Crespo n.7.
cores fa-
e 260
raa do
Chegado pelo va-
por francez s para 'o vigi-
lante finos pentes de mar-
rafa.
%' ebegado os Modos pentinhos douradoa com
muitas lindss moldares da differentea costos pa-
ra majrafa oa traversos, pois. l com a viita oe
compradorea sabero apreciar o quanto sao deli-
cados pelo baratissimo prego de 3SO0n o par
asaim eoono sera ser doursdos de lindos goitDi'
pelo barato prego de 23 : na ra do Ceeepo o. 7!
S no galo vigilante, rus do Creepo n. 7
Capellas para noiva.
Tambem sao chegadis ss lindss capellas bran-
cis, omala delicado que pode haver, que se ven-
de pelo baratissimo prego de 73 e63, tambem ha
oulrea maia inferiores que se venda por 23 e 33.
Pede-se que quem tiver da comprar qualquer
destes objectos, que se spresse soles que se aca-
oe, pois fot apoas urnas peqaems amoalras que
sereeebeu : a6no gallo vigilante, ra do Crespo
numero?. r
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston; 4 C ra da Senzalla Nova
u. 42.
Naruado Queimado n. 55, loja de roiadezss
da Jos de Azevedo Maia e Silva, asta queiimndo
todas as suas miudezas muito boas e bertiissi-
maa, a aaber :
Spalos de tranca de la muito superio-
res a
Ditos de laa para meninos de peito a 200 c
Psres e botoes para punhos a
Caixas com papel de diversas qualidades
sortido a
Ditoa de cores o melhor que ba a
Thesouras de 6 polegadas a
Alea preta muito lina (libra)
Pegas de fita para cs, Ce superior qua-
lidade a
No/elloa de lfnba que tem 2C0 jardss a
dem idem de 400 jardas a
dem idem de 800 jardea a
Linha do gtz de 10 e 20 jardas a tres por
dous barato.
Caixaa de folba cem phosphoros a
Cornetas de chifre para eotreter meni-
nos a
Carriteis de linha de 100 {ardas a
dem d Alexaodre maito superior a
Duzia de facas e gr.rfos, cabo preto, mui-
to flnss a
Caixas com foleles franrezes a
Ditas com pbosthoros do g'.z a
Da com dito de vela muito superior a
Cixes comiscas pera accender charutos
Duzias de meias craas muito encorpa-
dss a
Duzia de meias brancas a
Duzia de meias brancas muilo flnaa para
senhora a
Masaos com grarepos de todas as quali-
dades a
Bolgas muito finas para guardar dinhei-
ro, servem tambero pers guardar fumo,
e servera larobem .ara senhora a 500 e
Thesouras pequeas, porm muilo li-
nas a
Ditas para unhaa tambem
rieres a
Marcas para cobrir, sao pequeas, porm
o prego convida a
Pares de meiaa de cores para meninos a
Parea da meiaa brancas para meninas a
Groza de penosa d'ago de lodas as qua-
lidades a
Caixaa com 100 anvelopes muito finos a
Groza de botoes de louga praliidos a
Una da Senzalla IVova n.4.
Waste estabalesimenio continua a haverum
completo sortimento da moendas a meias moen-
das para engenho, machinas da vapor a laiva
da ferro blido coado de todos osiamanho
para dito.
Aviso nos seahores to
nho.
Vende-se urna moenda pars engeoho de
de numero 13 por 13, completa de todas
ge-
canea,
regeos, juntamflnte 4 tachas do ferro, sendo duas
batidas e duaa fundidas, lamanhos regul irea, lu-
por pregos muilo commodos par liquidar na
Nova n. 20, loja de Carneiro Viann,.
do
ra
o.<
Fugiram do engento Jardiot
de Seriohem.
nJs
enno, mualo, cor aroarellada, de 30 ?n-
pou:o mais ou menos de idane, s\i-k ou-
30 co menos do que a regular, cabello cerapioho,
110 tero barbas nao muilas. olhes papud.-.s, boc 3
,.. i Dsnz regulares; Joao das Mtttas, ciioulo, ue 40
33001 annos pouco maie ou ceos, altura regalar
40 grosso, felges regulares, nariz grosso aem s r
}; chato, tem cravos ero um f (,elo que ao.la com
o calca.ihar levantado puchando um pouco pela
perna quando anda por causa de ler Iraziio vor
multo lempo pega, um levou chapeo de palhi le
carnauba, roupa de elgodao bra;o, can.isa e i lea
de riscado e baeta verde, nicntauos em ula
quartj caitsnbo com rangalha : a peaso* (,ue
oa pegar poder conduzi-los o referido er.^e-
nho ou a caa de Joo Pibto de Lemos Jai : ir
que ser graliticada.
20
40
2S100
l60O
33000
i
40
muito i-.;.. -
800
200
400
10
160
200
500
lOliU
240
Escr^vc fgido.
Fugio do engenho Malemba da comarca oe Po
dAlho, no dia 26 do corrate, c escravo cabra de
nome Antonio, conhecido por pedra mole o qual
lem os sigoaes segaibtes : sito, grosso. poaca
barba que usa rsspada, pea curtos e g;.,ss, e
tem um dedo da ruo direita cortado, suppe-'sa
qae andar pelo lugar de Fedra Mulle em Aripu-
coa. onde tero mai e irmos : qtem o appreben-
der poder entregar nssle engenho, qae s-r gra-
lificado em Auipucos, no engenho Dous limaos
oa ueeta prege. na rae da Aurora n. 68.
sacceasores.
Grampas a balo.
Tambem anegado si lindas grampaa s balo.
coasa maito lioda : s no TiglUnt*, rus do Cre/
pO Da i a
Potassa da Eussia
I e Americana.
No eacriptorio de Manael Ignacio da Olivaira &
filho. largo do Corpo Santo n. 1, por preco
mais barato do que tjn outra qualquer parla.
Suahall Mellors & C, tendo recebtdo or
ijm para vendar o sea rostido deposito de relo-
i T| >! fabriante ter-se retirado do nego-
cio convida, portento, s pesaoas qaa qaixeram
P0""1' "m b01 ralogic da oaro oa prata do e
.* A i,,nti KorDby, a nproveitar-se da op-
portunldade sem parda da lempo, para vir om-
?,"-0'tP0' "mD10d pro sea ea*rlptorit
roa do Trapiche n.W.
Machinas americanas.
Em casa deN. O. Biabar 4 (1, i
raa da Cruz n. 4, vendem-se : \
Machinas para regar hurtas a eaanm.
Ditas para deacarogar milho.
Ditaa para cortar capim.
Selins com pertences a 10$ a 20$.
Obras da metal principe prateadas.
Alcatro da Saecia.
Varniz da alcatro para navioa.
Salsa parrilhada primeiraqaslidada do Para.
Vinbo Xerax de 1836 em caixas da 1 duzia.
Cognac em caixas da 1 daxla.
Aradoa e gradea.
Brilhantea.
Carrogas pequeas.
Moendas p meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundico
de D. W. Bouman.
Fugio do collegio Almas, (buoteuj) urna mulata muito alta, de ne-
me Claodiue, idade 3 jnnos, vinda de Paje
quero a pegar, leve-a aquelle collegio, qu stri
uratilifado. Recommend-se polica.
Est figido desde lt do trrenle mas de;u-
Iho, o escravo pardo, Ricardo, boleeiro e carro-
ceo, bem conhecido nesta prega e seus arre-
baldas ; representa ter 25 annos de idade, bii-
xo e magro, lem cabelloscarapinhos raspado da
pouco lempo na cadeia, onde ^steve por caus;
de estar fgido, tem pouea barba e falle de dente
na frente, rosto coroprido olhos redondos tem
sido encontrado na Cepunga, a Olinda an va-
diando e jogando eom mais de 20JS que levou
quem o spprehender e lersr a casa descusenbor
naPassagem da Magdileni que ser generosa-
roenla recompensado.
________Anlonio Valenlltn da Silva Barroca.
2(M) de gratcacao
a qaem pegar o pardo Francisco, de 17 incas
de idade, de bonita figura, com todoa os denles,
caballos carapinhos a ruivos, este pardo foi de
Sr. Dr. Borgesda Fonsec, o qual fiajoa com a
mesmo senbor todo o serlo o suburbios desti
provincis.necessaiiamente quando era i-u e-
travo, talvex ainda sa inculque a servigo da
mesmo : quem o pegar queira aalrega lo a sea
legitimo dono na raa do Hospicio o. 6.
Ignacio Lais de Brito Taborda.




V
MUTILADO
i ILEQVEL


DIARIO DB tWNAMBCO
SEGUNDA FE1RJL 1 DI sElMSHO DE llfll*
I .literatura
lsr o principio de auloridade a fsvor do boto lm- isrmos a cbela a o imprescrataveis designios da* piut
O passado, o presente e o futuro
social.
{ Concluido. )
Mas coilada I peosava te-lo nisto egualado aos
demais, nao calculando com a graga do sacra-
meato que aslate aos ungidos do Senhur e que
raras vezes taria ogosto de ver um Infeliz mem-
bro do clero figurar eotre os seus fllhos nos pro-
cessos criminaei. Nao calculo* que o clero se-
cular tioha urna misso moralissdora a cumprir,
e que creado dasde a infancia com o leite da
educago eccleslaatica raras vezes lbe daria a sa-
tisfago deae assemelbar com aiuelles que ella
educa?a nos principios de Proodhon, para o roo-
bo, e para o assasslnio. E a revolugo a sse
tempo repirou na necessidade de o desmoralisar
para te-lojegual nos crimes, posto que j o va-
se eguil as leis, e nos procesaos. E o modo de
desmoralisar o clero era de duaa maneicas; met-
teu mao a urna e oetra.i Antas de tu lo priva-lo
de educago ecclesiastita [ecbando-lhe os semi-
narios, ou reduzndo-oe mera condigo de col-
legios seculares. E que se fez? Os aessioarios
fetharam-ie, e quando imperiosas necessidades
obrigaram a reconstruir alguna dalles, amalga-
maram-secom os lyeeus, para que a educago
do clero fosse a meaasa que se d aoa leigos, e o
leigo aprendendo a tratar nos bsncos da escola
o clrigo de collega, se acostumasse aquella fs-
ixiaridade que traz depois de si o desprezo.
Era necesario depois disso que o clero se tor-
nasse dependente, pira ter nelle um orgao, um
inst-umenlo -#, ( SSS^ pilles ; e deu se
.Vmoeas esse passo.
parador dos francesas.
Eacapando como por eocaolo 4s repetidas ella*
das, e tentativas de aasassinio, soltt o desterrado
de Gaeta, restitae Pi IX ao sea Vaticino.
Providencia, a Termos que o mando se encami-
nha a grandes panol para aquella cataclismo
qu ha de preceder a sea destrtelo prophetiss-
da no apocalypse.
; (fafao.)
O pontfice, do alto do solio, falla, e rene em
roda de ai um congresso admiravel de bispos de Os recentes trabalhOS Sobre l CODdicO
toda a ebristandade, e de aobre a cadeira de S.
Pedro fax Ter que o centro da aatoridade ainda
nao morreu, qe elle a s elle, o depositario
da reveladlo, ainda que pase aos sectarios do li-
vre exime, e proclamando o dogma da Inmacu-
lada Conceigao de alaria, dogma que todo o mun-
: T
Abolidos os dizimos estabeleceramse as pres-
tages. O parodio tornou-se em emaregado pu-
blico, e a revolugo alcarjgou o que quix
lando o sacerdote em ludo e por ludo
lecular.
nive-
com o
Aqui tinhara chegado aa conclusoea lgicas que
a revolugo ii tirando da theoria subversiva do
livre exame, quando se recordou que ainda o seu
reioado nao estiva segure. Viu que o ter tocado
"no clero, o ter-lhe roubado os seus bens, o te-lo
humilhado, o ter destruido os conventos nao era
nada, se nao destruas a egreja tambera, de
quem o sacerdote era ministro. Viu tambem que
o ultimo corollario do principiado livre exame
linda nao eslava completamente dedazido, e que
parachegar ao desenlance do seu trama era-lhi
preciso dar mais um passo. E em 1846 comecou
e accometleu essa nova empresa.
O summo pontificado humilhado pelo janse-
nismo, e pelos caprichos das coroas at sacrificar
os seus defensores, os jesutas; humilhado e per-
seguido mais tarde pelo despotismo de Booaparte
at aos carceres de Savona e de Fontaniesbleau,
tinha levantado de novo a eabeca, e com urna
energa iocornparavel, nica entre todas as auto-
ridades no mundo, resista ao choque da revola-
qa i. Mauro Chapellari coohecendo os lempos
perigosos que corriam para a egreja, e coadjuva-
brusthiui, oppuoha um dique ao palarmenlaris-
ao, ti;fio do livre exame.
A revoluto que tinha alcanzado desvirtuar o
principio da auloridade nos reis discutodo as
suas legitimidades, estabeleceodo novas dvaas-
tias. sujeitaodo os reis ao papel de comparcas
que reiuam e nao governam, quiz ver se tmbeos
podia abalar o throno de Gregorio XVI, ese lhe
poda fater accoitsr a humiliago de urna cons-
tituido democrtica.
Empragou todas as artes para esse flm ;mo-
Timentos no intsrior, conselhos dos estranhos,
imesgas tudo al ao memorndum de 1831. Mas
o rei-pootice que tinha a guardar o deposito da
autoridade, ultimo elemento de ordem no nau-
fragio de tolos os outros poderes constituidos,
rasistiu e resist* at ultima. O anoo de 1816
vi-o descer sepultura, mas com a gloria de nao
ter manchado as suai caas com um acto de co-
barda, com a gloria de ter sido oudco soberano
que, ajudado pela curia, conheceu oa planos c
revolugo, e que lhe poz um dique.
A revolugo encontrn sempre em Roma alh-
letas vigorosos que a suffocaram eotre os bracos
calentes da iotelligenoia e da dignidade proprla.
Clemente XIII moldou-ae pelos typos admiraveis
de muitos pontfices qua o precederam, e deixou
depois de si muitos digaos imitadores. A tbia-
ra parece ter o poder de criar inteligencias ro-
bustas, e vontades firmes, nao s aos que a cin-
gem, como quedes que a cercam. Vae bem
barca de S. Pedro quando o piloto que a guia
aproveita esses remadores intrpidos.
Gregorio XVI deixou estrsnho aoi importantes
inleresses do solio, um dos hibeis diplmalas,
urna das raaiores cabegas deste aeculo. Fallo do
graaie Ctppacciai, do mais bello discpulo do
do aeceita e applaude, faz ver ao universo, alto-
oito por esse facto que as autoridades da Ierra
podem discutir-se, e discutidas, biquear, que
a consequencia ; a sua nao admille diacussao, &i
nao morre. w
A revoluco mesmo foi ferida pela evidencia
deste facto, e entendea que destruir o pontifica-
do nao era possivel, tratou pois de o humilhar
para poder pelo menos escraviea-lo, e impor-lbe
silencio. Conheceu que nao pedia derribar a f,
mis pensou no modo de poder pelo menos impe-
dir egreja o legislar. Luthero teria acceitado
de boamente a f sem as obras ; a revoluto sua
Qlhs, o que quera era desfazer-se do papa legis-
lador. Ella bem sabe o eatreito lago que preode
o dogma e a le, e que um papa que nao podesse
legislar, seria um papa que nao poderla definir,
um papa que nao podase definir deixaria de ser
ialerprete da revelado ; flearia pois a f no livre
alvedrio de cada um, e consagrado o principio do
livre exame.
Para o papa nao poder legislar baata que elle
nao tenha liberdade, basta que elle aeja subdito
e escravo de um soberano qaalquer. A unifica-
gao da Italia prestava-se magnficamente ao pla-
no da heterodoxia. Roma era necessaria para
arredondar a pennsula, e a Europa revoluciona-
ria comfftu a advogar a causa da aboligao do
poder temporal- Armas, intrigas, calumnias ex-
bortagoes, consenos, ameagaa, tudo ae empre-
gou para esse fiar e eis a phase aonde o livre
exame che^ou na deuiucgo lgica e chronologica
dos seus principios.
i
\
Aqui perguolar-nos-Kilo qual o progaoitico
que fazemos para o futuro-?
paisica e moral dos artistas.
(Concluso.)
Continuar o livre exame a lirr novas conse-
quencias dos fados prestabeliciqoi ?
\

Nao hesitamos um momento em diier que sim.
O futuro nao est as nossas mos, .mas como o
poder temporal do papa ser neceasario egreja
nao dogma de f, nao nos admirar qua maia
larde oa mais cedo se chegue a tirar tambem es-
ta consequencia.
Mal dsite facto dcoi sao os corollarios, que
heterodoxia quer tirar. Um delles cortamente
impossivel: a destruirlo do catholicisraopor
que esse da f que nao pode acabar. A outra
a deslruigao de lodos os outros thronos. ou a
repblica universal, o aonho dourado de Mizzi-
ni. Este muito posairel, at aesmo a coose-
queacia necessaria da destcuigo do podar tem-
poral do papa.
Os reisconstilucionaes, sentados sobra os seus
thronos de papel, deveriam, se fossem lgicos,
prestar stlengo a esta grande verdade. Se o
throoo mais antigo do mundo baqueia, qual ser
o throno que (iiua seguro no mando? Se um
throno em caja conservago est interessado qua-
si todo o universo vem a derribar-ae, qua aera
d'aquelles thronos em cuja destruigo esto iota-
rassados, nao s as nages rivaes, mas os mea-
mos povos que se habituaram a nao ver no rei
mais do que am hornera que reina mas que nao
governa?
Elevando ainda mais alto o sea pemamento,
examinava, em um de seus escriptoi, se as fami-
lias que chegavain em cada sociedade a condigo
superior, e a eita faculdade invejavel de poder
variar saas acgdes segundo sua liberdade e seus
reearaos, escapavam completamente is leis da
analoga hamana.
c O capricho orgulhoso da nossa liberdade,
conclua elle, altela muito poaco os fundos ea-
aencialmente semelhintei de nossa natureza ; o
philosopho depois de ter estudado doas oa tres
homens, pdde iiioogelar-se de coohecer os vi-
cios e as virtudes, as torgas e a inclinago da hu-
manidade ; e o economista, se escolhea bem duaa
oa tres familias, pode afflrmar qae conhece a vi-
da e os hbitos dis familias da mesma classa e
do mesmo paiz.
Esta apreciaglo adquire um gra da evidencia
irresistivel, ie considera que o methodo da So-
ciedade internacional nuBca se applicoa na Eu-
ropa, e nunca se applicar sem davida seno as
familias de artistas cuja exiatancia modesta, uni-
forme, aabmeltida a devores e a neceaiidadeili
mitadaa, d ainda mais caneza as compsragoes
estabelscidas entre ellas pelos observadores.
Por familias de artistas, a sociedide nao en-
tende somonte que se falle dos artistas ligados a
industria, a este terreno ingrato sobre o qual a
familia consome-se, onde prospera a vida nma-
de, e onda se propagam os malas mais inquieta-
dores do presente e do futuro ; as familias vota-
das aos trabalhos da agricultura oceupam nss rao-
nographias a ordem e a importancia que Ibes d
seu numero e sea carcter eminentemente na-
cional.
O aator das Populares operaras s pensava
no plano exclusivamente industrial de seu tra-
balho, quando para julgar o methodo doa artis-
tas europus, paoha de parte todat aa monogra-
phiai dos camponezes e dos artistas agricultores
que Mr. Le Play estudra com tanto cuidado, e
qae offerecem lrez is observsgss mais essen-
ciaes de seu livro.
Porm nao considerando, meamo exclusiva-
mente, seno os factos relativos s populagoes
votadas aos trabalhos da industria, donde vem
estas populagoes?
PorveDtura as familias dos nossos camponezes
oio fornecem taotoa artiatass cidades e as ma-
nufacturas quantoa aoldados nossos exercitos?
se a influencia da familia e da educago prima-
ria se faz sentir darante o curso de toda ama vi-
da, a dascripgo dos costumes e dos hbitos do
campo nao seria necessaria em am exame pro-
fundo da condigo pbysica e moral dos artistas
induatriaes?
Separar das populagoes laboriosas o artiata
agricultor, nao esquecer aa fundagoeaino esta-
do de am edificio ? |
Pois qae se abandonara o exame do me-
thoso para oceupar-se exclusivamente das opi-
nioes de Mr. Le Play, a apreciaco desta parte
importante de aeu trabalho teria augmentado a
discasio e deixado am seu primeiro estado pa-
rante o pablico as bises sobre que descin(im
evidentemente maior parte dai concluidas cuja
exactido se contesta:
E' censa difiranle julgar um methodo, ou dar
seu parecer sobre a concluso das obras em que
elle e applicado.
Baata pereorrer coasideriges geraes para co-
nhecer immediatamente, por onde ellas ferem
nossas ideas favoritas e nosias epioies de ha
muito pronunciadas.
Maia longo e mais laborioso o estudo de am
methodo scientifleo cujas diversas psrtes se se-
guem como os aoneis de ama cadeia, e cujas
particularidades tem sua razio e ulilidade, e em
que as sifras se unem s observages e lhes ser-
vem de verificago.
Nao oaaamos calcular toda a injastiga que se
tem feito ao methodo de qae fallamos, aos olhos
de muitas pessoas, estas cifras e eites orgamen-
tos, que no entretanto transmittiram aos futuros
historiadores, sobre as despezas, o modo de vi-
ver, e al os costumes das familias de artistas da
nossa poca, documentos que deiejariamoi pos-
suir dos seculos psisidos.
Ser necessario dlz-lo? o methodo adoptado
pela Sociedade ioternationsl nao de modo al-
guna solidario com opinioes e com as concluidas
daquslles qne o empregam.
Elle separa cuidadosamente
factos observados.
as opinioes dos
Como se tem visto ns exposigo qae delle te-
mos dado, fra dos factos, fra da monogradhia
propriameote dita, e sob frms de notas annexaa
qae elle abre aos autores o campo das indacgdes.
Esta parte do esludo sem duvida essencial;
rene a distasso observaglo dos fados e per-
mita ao autor indicar a importancia e o carc-
ter doa grupos cuja condigo social reprodaz a fa-
milia que elle deacreve, porm nao poderia coo-
fuudir-ae com o melbodo. Nao inaistimos mais
sobre este ponto.
Acabamos de apresentar, por assim dizer, a
prova positiva do systema das monographias,
vamos mostrar aua prova negativa, iito os
meios de aeco e os resultados do processo que
lhe impugna o autor das Populaces operaras, e
cujo modelo seu livro nos offerece.
Uacircumstsocias pelas quses o estudo simul-
taneo de urna ou muitas aggregagoes sociaes po-
de ter sua ulilidade ; quando se trata, por exem-
plo, do exame rpido de um estado de eouiai
passageiro, em que se deve considerar rpida-
mente, de estudos officiaesou simi-officiaes sobre
hlf delle com honra. As estilsticas tem sea Udo
bom.
Sem davida, a sociedade de economa aocial,
e M. Le Play nao tinha na a pretengo de apre-
sentar um qaadro complato dos artistas parisi-
enses, dando a monographia do trapairo, do
carpinteiro, do fabricante de chailes, do alfaide,
de carreseiro, do entalhador, etc., nos artistas
europus e nos artistas dos dous muios ; porm
esses estudos fornecem, sobre dez indastrias, das
quaes urnas sao importsntes, factos e considera-
gdea em que vivera, com suas verdadeiras phi-
sionomias, no meio da multido das outros ar-
tirtai, lodos aquellos que ellas descrevem. As
mearais industrias se revelara ahi debaixo de
seu ponto de vista especial, descobrem sua or-
gmiiagio, e descobre-se claramente as relsges
entre os operarios e os patroea, ponto o maiain-
teressante de todo o eatado social.
Crer-se-hi tslvez que temos escolbldo a ra-
gua em que o proceiso dos grapos eocontrs
mais obstacalos. Examinemos, na regio do su-
dueite, o grupo de Saint-Etienne. A cldade de
Saiol-Etiaana, de mediocre extengo, eat poa-
co maii ou menoi iiolads, e por consequencia,
ao abrigo destas fluctuagoai humanas, destas In-
rases continuas de eslrangeiros que trazem para
ama localidade os typos, os costumes, e os mo-
dos de viver os maia dasiguaes.
A influencia local, nica razio plausivel do
grupo geographiio, pie exercer-se ahi aem
conatrangimento e dar como urna appareocia de
familia as populagoes operaras dasta cidada.
Ser assim, na realidade? De modo nanhum.
Cada corpo de estado representado com urna
phiaiooomia, costumes e gostos differentes.
O methodo do intor permute io menos rega-
lar os contornos destas phisiooomias, descrevar
exictamente eitei coitumes e estes gostos, fazer,
em ama palavra, pala reprodago exacta de todos
os seus bragos, o retrato dos artistas qae elle
tem debaixo das vista ? Eis como sao caractari-
sados os artistas espalbados as officinaa de
Saint-Etienne : O ferreiro estronioso em sua
vida exterior, como se quitesse imitar o bu-
rulho do martillo sobre a bigorna. Os que fa
bricam as fitas distinguen-se por um gest> pro-
nunciado por tudo o que brilha ; dir-s hia que
querem dar si meamos o brilho de seus U-
cidos.
Bastara comparar esta pintura engenhoss, po-
rm de que a sciencia social teria pouco prove-
lo, com as descripgdes rigorosas, completss a
melhodicas daa monographias da aocledade in-
ternacional, para conhecer fcilmente o mrito
doa dous systemas que examinamos. Entre-
tanto apressemo-nos a dite-lo. o livro das l'o-
pulardes operariae, ofTarece frequontementa ou-
traa deacripgoes em que a evidencia dos factos
resulta da particularidades observadsi cuidado-
samente. O autor abandona ento seu systema
do generalisaroas por grupos, para aproximar-se
do methodo analytico da monographias. A torga
mesmo das cousas, quande elle quer descrever
com praciio, levi-o a estudar especialmente
gSas de que elle aea a preconisa. superiorida-
de do systema daa monearraphias est em nao ad-
mlltlr em cea plano methodico facto algosa qae
nao seja iconpaohsdo de um certificado de or-
gem, para assim dizer, e do caoho da evidencia,
elle tras comsigo sua auaoridade, e permute
todo o observador que e emprega cosaputar com
a attengo dos homens de eitudo. E' deste modo
que, l'imtando-ae n regrai unlformn preicrip-
tai pelas icienciai naturaes, homena que nao te-
nham nem conheeimentos especiaos, nem um
grande ganio, podero contribuir para deacober-
tas precioaaa.
Se, apezar do exemplo dado por M. Le Play,
e o auccesso da obra que elle concebeu e execa-
lou, aeguodo eate methodo. pareca ditlcil que
alia eotrasse no plano de ama obra individaal,
aeria preciso agradecer duplamenle a obra col-
lectiva que. com o auxilio de numerlos obser-
vadorei. familiares com o trabalhoi daa mono-
graphiai, proiegua ha cinco anuos ama vasta io-
formago eujo terceiro volume est agora no pr-
lo. Esta iostitoigo fundada por esforgoe priva-
dos e fra de todo o concurae administrativo
rouxe e trar ainda maii de ama pedra para a
edificio da iciencia aocial.
Os economistas podem schar j para os aw
estudos materiaes preciosos. Todos os escripia-
res, lodos os homens esclarecidos, que se oceu-
pam daqaestes sociaes, tem intersase em con-
sultar seus trabalhos. Dictsda pelas necessii-
des de que cada um tem a conseiencia, a ioqat-
rigo da sociedide internacional ttSo tem cessado
de marchar e de apresentar cada anno ao publi-
co novoa e importantes resultados.
Este despertar da iniciativa indivitfeal aobre o
terreno da economa social um teatemuoho de
mais importancia que oa bons espirilos eoneedira
aos problemas creados pelo estado actual da so-
ciedade franceza. Elle indica, com a elevagao da
sciencia social e a publicago dea numerosos es-
criptos consagrados ao estudo da cndilo das
elasses laboriosas, esta preoecupago instincva
que notamos no comego deste artigo, como-ca-
racterstico de nossa poca.
Que se reeonheca oa nao nestes diveno
symptomas uai indicio de profuoda paouria para
nossa sociedade, nioguem poderia felicitarse
deste movimeoto geral que leva os homens de
bem para o melhoramento pratico da condigo
phvsica e moral do maior aumero.
_,_ A. Rosara.
Llndustrte ot Commerte Belges.Exilia Li*\.)
Variedades
a marcha de algunas imlituigo de interease pu- j urna s familia, a nao ser qua ae eatenda ao gru
blico; de apreciagdea sobre ama aituago geral po de que ella faz parta as particularidades que
Em que se fiaro os reis? as bayonetas dos
seus soldados? E a historia nao lhea ensiaa que
o povo tem aprend lo a discutir o qae elle cha-
ma o seus direitos atraz das barricadas? Cahido
o throno do pontfice rei, forgoso que caiam oa
thronos dos reis que nao governam.
Cabidos todos os thronos, e plantada a rep-
blica universal tamos o principio do livre exime
applicado pelas massss, que lhe tiraro as saas
consequen cas necessarias.
Discutir-se-ha o dlreito da propriedade, e a
consequencia dessa discusso, que j tirou Proa-
dhon, ser o socialismo.
Discutir-se-ha o direito da familia, e teremoa
o Phalanslerio, o direito do livre amor, isto ,
a coosagrago da polygamii tUicul, da qual j
vemos o embrio no divorcio legal, que nasce
das leis que proscrevem o matrimonio como Sa-
cramento.
Discutir-se-ha o direito da vida e da morle, e
teremos o bomam redusido ao estado de anlhro-
pophago, e selvagem.
Diro muilos em chegando a este ponto, qae
vamos demasiadamente alem naa nossas conse-
quenciaa e que nao possivel chegar-ie lo
longe.
A eitei perguotiremos se (oi culto oa nao o
imperio da Coioa, ondeflorescea a industria mui-
to antes do que florescesse na culta Europa; e
entretanto oa infanticidios dos chinezes nao sao
urna prova evidente do ponto a que pode ebegar
am poro quando repudia a revolugo diras?
Alm de que nos vemos em muitos principios
que boje se consagrara como fundamentaes, o
No ponto de vista dos inleresses sociv de que
se insplram os trabalhos daa monograahiaa, a
condigo dos agricultores, como j q%buii)s
pressentir, parece ainda mais til de est|^w-ie,
do que a dos artillas da industria.
Muitos espirilos admiram-se da aclividade fe-
bril o do acrescimo que loma, custa da agri-
cultura, o trabalho induatrial, em que o homena
apparece como urna das rodas mais accesional
da machina.
Nao diacutimos sobra as opinioes emittidas
a este respeilo ; contentamo-nos em citar oa
immortal Gongalvin. Se elle fosse ouvido, tal- germen desie estado aonde chegar a sociedade
vez que a revolugo levasse ainda maior derrota.
seguindo o caminho no qual vae langada.
Pi IX subiu ao summo pontificado, e a revo-
luto tratou de o conquistar pela alulago, ven-
do que um papa nao se deixa vencer pelas amea-
cas. Conheceu o aeu bondoso corago, e resol-
vo'j arrasti-lo pelo caminho das concessoes at
ao poni onde elle se visse obrigado a dizer
nonposiumusporque ento mudara de lom,
trocara as orages pitas gritos de morle. E' de
notar qua no meio dos applausosque a revolugo
diriga a Pi IX no principio do seu pontificado ;
nao se ouvia viva o papa. Isto teria sido o grito
de viva, dado ao principio de aatoridade, e o li-
Treexame nao admilte o principio de autorida-
de ;davam-se gritos meramente de viva Po IX
porque quem tem direito boje de dizer viva, re-
pula-se com jus manha a dizermorra, e as-
sim era lgico que a revolugo nao podeodo al-
cangar do pontfice todos os seas desejos, levan-
ta iso mais tarde contra elle os seas gritos sacri-
legos, e apootando a arlllharia porta do Quiri-
nal matssse nos bragos do vigirio de Jess Chris-
to, Palma sea confidente, e nos degraus da con-
sulta Rossiseu ministro. A porfa eslava langa-
da. A revolugo qaaria abater o principio da
auloridade naquelle cujo throno era o anico que
resiatia ainda aoa seus esforgos. '
Mas nesta occasio, como j no flm do secuto
passado, appareceu um hornera providencial, um
daqurlies que Deas manda quando quer zombar
dos seus inimigos. Esse homem nao era maia
calholico que Napoleo I. Sa tinha bordado o
seu nome e o aeu throoo, nao tioha herdado a
toa valenta militar, maa em troca diaso dotara-o
Deus de ama sagacidade a toda a prova.
Qual o motivo porque tanto horror causa em
Portugal a ira>a da candado nsiondo as crean-
ciahas liihas do povo?A lilha do povo educada
ua moral do calbolicismo, ser urna me de fa-
milia honrada e casta, e nao ae prestar a aeu
lempo s discusses do direito da familia, nao
podar ser urna victima do amor livre, ou da
prosliiuigo legal.
fados.
Existe pelo menos ama completa unanimidade
para deplorar o estado aduil de nossos campos,
seu despovoameoto em proveilo dos centros ma-
nufacturemos e influencia desastrosa que a in-
dustria exerce aobre a moralidade das povoages
ruraes a proporgo que se aproxima dellas.
Sao symptomas, motivos de observago e de
ublicidade aos quaes a Sociedade internacional
presta a mais viva attengo.
Porm suas inyestigages se estn de m ainda
mais longe.
As fronteiras das nagss do continente, e os
marea que aeparam os mundos nao modiicam a
natureza humana.
Por toda a parte onde hi homens, existem
crengas, costamos, movis de aetividade, de que
a sciencia social deve tirar partido: ella pode
encontrar entre oa povos menoa adiantados tra-
diegoes, luzes, e em umajpalavra, para discernir,
no meio das duvidaa e incertezas da velha Euro-
pa, as regrai, e at. os. principios do progresso.
dos artistas e dos trabalhos industriaos ; docu-
mentos interessantes, e qae tem seu lugar legiti-
mo na silencia econmica.
Porm este processo ser applicado indaga-
do dos factos que devem servir de base a solu-
go das quostoes sociaes ?
Conaerva-se elle sufficientemenlo sobre a des-
cida perigosa das Iheonas facis?
Serve de obstculo as ideas concabidas?
Nada podemoa fazer de melhor do que per-
gunta-lo a um livro onde o trabalho 6 o saber se
unem s melhores iotengss.
Gragaa a esta feliz unio o trabalho sobre as
Populaces operaras permitte apreciar com exac-
tido o valor do processo conforme o qual elle
foi redigido.
A transposigo completa que acabava de mo-
tivar urna segunda ediego oe admita duvida
alguma aobre oacuidadoa empregados paraleva-
rem a obra e o methodo a aeu gru de per-
feigo.
elle ahi tem observado.
Encsrregado pelo goveroo, em 1835, de esta-
belecer as fabricas os efteitos dolorosos da urna
destas transformaris iaduatriaes que vem mui-
tas vezes destruir a existencia de muitoi artis-
tas das manifacturas, o que faz elle 1 Cooten-
ta-se por ventura em calcular os bragos desac-
capados, em indicar em geral a aituago daa fa-
milias a quem o aperfaigoamanto de ama ma-
china deixa sem trabalho, ou obriga a un tra-
balhadorque apenaa remunerado? Limlta-se a
consultar as autoridades e os economistas do lu-
gar ? Toma ao serio as impressdes daquellts que
soffrem com este novo estado de cousas 1 Nao,
elle vai a casa de um destes pobres artistas, um
penteador de las, interroga-o aobro suas neces-
sidades, sobre seus recursos, toma nota das pes-
soas da familia, do numero dos fihos, do que
gndara uos e outros, das subrengdes concedi-
das pilo eseriptorjo da beneficencia para oquil-
brar pelo menos a conta do pao quolidiano.
Bem se deixa ver que a revolugo previ e espe-
ra chegar a tirar esta consequencia.
A aboligao da pena de morte, que tanto se ap-
piaude como um principio humanitario, a que
tende em resultado ? a autorisar a vinganga par-
ticular, quando todos souberem que contra oa
criminosos nao ha outra desforra seno o punhal,
ou a pistola.
E que e islo leno estabeleeer as premlssas do
syllogismo, que ha de produzir a discusso livre
da visa a da morle doa noasos semelhanlea ?
E ser eoataaJteito este
que se cneguf? Es
Nao o sabemos*.
o ultimo desenlace a
te desenlace ser prximo ?
A Sociedade internacional, fiel ao seu titulo,
procura, pois, com cuidado as monographias to-
madas as cirilissges eslrangeiras, as nages
maia affastidas, aquellas sobretudo onde se dis-
linguem grandes melhoramenlos, ilguns desle
principies phenomenos da ordem aocial, caja
observago aeu methodo permiti seguir ea to-
dos os lagares.
Em todos os ramoa da iciencia econmica tem-
se sempre e por toda a parte obrado da mesma
maneira e procurado instraeges nos paizes es-
lrangeiros.
Qaantos exemplos, factos e contrastes a econo-
ma poltica tem colhido na Inglaterra, nosEsta-
dos-Uoidos, eollocando a scieotia com razo
cima dos prejuizos e sntipatbias populares.
Nao abramos sem deciso e sem parcialidade
ests; obra que temos j por diversas vezes psr-
corrldo.
O proceso do]sntor, segundo asapropriac da
fioago, prosegue o exame dos grupos dependen-
te de cada varieiade do trabalho industrial de
maneira a nao deixar fra da observaco ele -
ment algum diferencial. Inspirado aem duvida
pelo systema j muitas vezes applicado a diver-
sos trabalhos de estatistica offlclil, o proceiso
consiste em repartir as populaces operaras em
seteregles geognphicis: regiei do norte, nor-
deste etc. Cada regio sa lubdivide em tantos gra-
pi, qaantos centros inlaitriaes ella encerra.
Algumaa grsndea fabricas isoladas formam gru-
pos separados e sao distinguidos por certas de-
nominagdea particulares, entre outras asdellans,
euja exactido lem-noa sido dffictl conhecer.
As populagoes operarlas desfllam pois sob nos-
sos olbos, na ordem que acabamos de indicar,
irazendo o estandarte e o uniforme de urna s
ndustria, qaando, no grupo, urna a induatria
existe ou predomina, agitando as mais variadas
bandeiras, trazendo os maia differentes unifor-
mes, marchando um pouco ao acaso e em con-
fuan qaando as fracgdes de grupos encerram
muitos ramos importantes do trabalho indus-
trial.
Teve bem cuidado de especificar, entre estas
subvenges, a aprendizagem gratuita concedida
ao mais joven dos filhos, e umi das filhas.
Depois mostra as receitas e as despezas da fami-
lia, os salarios sao detalhadoi; temos o dos paes
e o dos Blhos. Nao mais que o esbogo de um
orgamento de artistas, sem duvida, nao ao mais
que alguna tragos de urna monographia ; porm
estes tragos espalhados e este esboco imparfeito
offerecem mais factos, esclarecem mais, respon-
den: melhor s exigencias da sciencia econmica,
da sciencia social sobretudo, do que aa generali-
dades que o primeiro processo conduz nica-
mente.
Para qae entra o autor uestes detalhes? Elle
mesmo no-lo diz. E' com o fina de fazer apre-
ciar, por am exemplo, ama industria em suas re-
tacees com aquelles que a exercem. O autor ac-
cresceata : Sao precisos exemplos para fazer
apreciar as relagoes da induatria com aquelles
que a exercem ; por tanto, necessario ver os
artistaa em suaa casas e entre suas familias, pa-
ra eatudsr o tactos econmicos. A sociedide da
economa aocial diz que o methodo coniiste na
applicago constante e uniforme dos excedentes
principios, aoi quaes, M. Audiganne, involunta-
riamente arrastado pela exactido de seu espirito,
e pela torga das comas, se tem excepciooalman-
te unido.
GRANDE BAILE.
Agora que ebegada a poca da sociedade ele-
a ote de Lisboa desertar para os campos e praias,
e que a respeilo de bailes parecem estar ador-
mecidos os espirilos mais propensos ao bulicio e
folguedos das salas, vamos dar noticia s nossas
leitorss do fimoso baile que a corporago muni-
cipal da Cit de Londres deu no dii 17 de julho
em honra da exposigo universal e dos numero-
sos estrangeiros actualmente existeuies na opu-
lenta cidade de Londres, afim de qua a gratiaat-
ma idea do baile ande sempre rediviva e fresca
na saa lembranga.
Eis pois aqui como o Jornal do Porto descreva
aquella magnifica fuoc$o:
Entre os quatro mil concurrentes a este bs'.l?
viam-seos membros do gabinete, grandaa dig-
natarios de estado, embaixadores, principea ere-
presentantes de todos os pontos da trra.
A aala Guilldhall.de 123 ps de comprimento,
50 de largura e 55 de altura parecia urna verda-
dera Babel. Tolos os typos da especie humana,
todas as ragas se viam nella reunidos. A eonfu-
so dss linguss deixou de ser um facto biblico
dentro do palacio municipal, e o persa, o rabe,
o grego, o indosto, o russo, o italiano, o fran-
cez, o hespanhol, o porluguez, e urna iofinldade
de idiomas cuja enumerago seria longa, resoa-
vam noa ouvidos formando a mais extraordinaria
dissonaocia que jamis fra imaginada por um s
alumno de Orpbea.
A sala da recepgo, construida em poucos dias,
foi umi verdadeira e deliciosa sorpreza para to-
dos os concurrentes.
Tinha ella sido erecta ante a fachada de Gaill-
dhall.
O interior eitava decorado em eslylo gothico, e
nos quatro ngulos havia quatro figuras da Euro-
pa, Asia, frica e America.
Ao longo daa parodes viam-se dezeseis esta-
tuas allegoricas de grande tamanho, e sobre a
porla de entrada havia am crelo em qae eslava
urna orchestrs.
Os manjares deliciosos e o mais rico servgo es.
tavam noa andara superiores. Nada ali faltava
do que pode contribuir psra deleitar o paladar, e
satisfazer o estomago.
Aiada assim depois de satisfeito o devorador
apetite de 4,000 daosaotes.asiim am comida como
em bebida, haveodo a notar qae as seohoras in-
aa na sciencia gastronmica nao sao das mais
ignorantes, ficaram licores e comida em grande-
abundancia ainda depoia das quatro horaa da ma,-
nha.
Podemos philosophar, mas nao nos dado o
ser prophetas. Devemos confiar em qae a Pro-
videncia de Deas prover por um meio a nos
desconhecido para que as cousas nao cheguem a
este ponto.
Devemos confiar em que o bom partido, o par-
tido calholico, empregue todo o zelo pala santa
causa que defende, e combata a impiedade at a
deixar destruida. A nossa bandeira a de Jesa*
Chrtsto, a outra a de Satans. Por nos com-
bate o Deus de Ourique, o Deus de nossos pri-
mearos paes, Aquelle que nos deu por armas t
deixou as que elle para si na cruz tomou.
Tomemos o grupo de Pars, (regio do centro,)
ahi existe, como se sabe, fabricas importantes ;
a construego das machinas ahi oceupa milita-
res de brigos; ahi ae encontram industrias par-
ticulares que nao se encontram as provincias ;
a fabricago dos planos, por exemplo, qae, naa
vastas officinss di Erard, nao emprega menos de
quinhentos artistas, a maior parte nituraes de
Allemanhi.
Multas oatras fabricas apresenlam egaalmente,
sob phenomenos curiosos um grupo considerave
de operarios. Como o autor tem podido dir,
-^jpji^ealetiilp, Os lapidarios de Septononcel,
encontrmoi em omi outra parte do livro am
eitudo minucioso que aprsenla egualmeate o
carcter de ama monographia. O autor, estamoi
convencidos disto, acharia ahi fcilmente o com-
plemento em suas notas e em suas lembrangaa.
Coasa singular, entre esta multido de artistaa
que o autor nos aprsente, os dous grupos, aoi
quaes nicamente elle concede um capitulo se-
parado, e ama denomloago distiocta, ao o
penteador de la e o lapidario de Septononcel
e no entretanto sua influencia, e seu papel na
industria social nao tem importantia niguas.
Como explicar eita especie de preferencia sobre
o artiitai de Lyon, de Pars, de Mulhouie, etc.,
etc. ? Nao vivia ella do tempo e dos cuidados
UTILIDABE DOS BIG0DE5.
E' geralmenle sabido, que o p prejudica aos
pulmes; acaba, porm, ha pouco de desabrir-
se, que os bigodes sao am efficaz remedio pera
este perigo.
Um grande numero de canteiros de Liverpoo
deixaram agora cresceros bigodes, e gragaa a eata
determinagao, conservam ama completa sade o
que antes nao saccedie.
com o auxilio do siu methodo, detalhei asocios. 1 cemagradoa em examina-los e ob-
Napoleo III, eleito pelo povo presidente da
repblica, lOTldO Dio nffragio universal ao
throno do imperio, eonstttoiu-aa em defensor do
throno do Vaticano, pOl rae assim entenda tute-
Onio e coragim 1


Se a corrupeo dos povos grande, se a de
alguna reis* ainda maior;grande seja o nono
enthusissmo, maior a nossa f I Ou se nao abal-
espetiaes sobre os costumes, hbitos, e exis
tencia distes artistas espalhados pelas innume-
raveia officioas da grande cidade ? Elle nos disse
que o Parisiense te mostra leviano, zombador,
fecundo em astucia! e em malicias; porm mui
to difflcilapplicar indiferentemente este retrslo
aos Auvergoixei qae poTOim as pequean offi-
cinn onde se fabricana os chapis de sol, as cal-
os Allemaes vivem dos trabalhos
sapateria, marceneria, etc.,
Os verdadeiros principios sao alm disto in-
variaveii e se yerifiesm em todos os lempos o
em lodos os palies.
O autor das Populaces operaras desconhe-
ceu, sssim o jalgamos, o lado mais philoiophi-
co, o mili scientifleo, aquella talvez que rev- j"
lava o melhor espirito e ai va magaa do metho- J *'
do que elle .. propunh. a est.d.r, a***]"**++. Wp*n
complet.mente em idencto o que diz respe o -,orilont.. tmente urna dimxnuta parte
,o. e.mponexei. terrenos, c.rplntoiros. c.rvoel-, f acJ.ma(a J()6r< m M do Sma Mm0 d1
ro, mlneiroi, relo-oeiroa, teceloe, artistas agrl- Droprio ,nlor>
cultores da Russia, da Suecia, Noruega, Turqua,
Hungra, Austris. Prussia, Suissa, Heapaoha, ia-! Felizmente, as pesquisas foitss pela cmara
to Tinte monographiai, em que io deieriptos commerciil de Pars Tem em soeeorro do pro-
os typos mais curiosos com ama maravilhosa eesso dos grupos, e como um novo fio de Aria-
Mctidoo por Mr. Lo Play nos Artitfat turo- oe, permute ao outor pereorrer esto dedolo o ss-
serTs-les? Os filhos cajo educago econoerTagao
tem custado mala sao maitas veres aquelles qae
obtm de seas paes a miis tvi ternura.
Todava, se temos notado algumis lacunas noi
trabalhos das Populaces operaras, somonte
comparando os resultados que elle offerece
aquelles que se ttm oblido pelo methodo das mo-
nographias ; porque, ilm disso. po.c.s livros
dio sobre cndilo dos artistas tantos detalhea
justos e preiisoi. eomo a obra de M. Audiganne.
Reeonbeeemoi egualmente que, gragas sesea
coDheslmento profando das questes que elle
trata, e auloridade peasoal que siui escriptos
he tem justimeote attrshido, o autor pode com-
pletar em grande parte a dlrecgo saperfieial, co-
mo ni falta de garantas do systema de obriga-
Serii para deiejir que todos os qae trabalham
oo meio do p, ou em offtcios expostos a mus
eheiros, adoplassem o bigode, pois assim pre-
servarle hiam de muitas enfermidades da
psito.
PERICOS DA COR VERDE ARSENICAL.
Refere o peridico Medical Timet, que quatro
meninos de ama familia, caja habitaco eslava
forrada de papis verdes, morroram intoxicados
pelo arsnico.
Os meninos estavam-sedivertindo em arrancar
pedagos de papel da casi em que dormiam, os
quaes molhiTim para lhes tirar a cor.
A analyse e a autopsia demonslrsrau que o
papel verde continua arsnico, e que este foi a
caasa da morte dos quatro meninos.
[Nifa-o.)
PBRNAMBUCO,TYP. DEM. f. DB 17. & FllHO.

V -
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUG1WLKO5_C3W86L INGEST_TIME 2013-05-01T00:18:19Z PACKAGE AA00011611_09608
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES