Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09607


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i o
jtados 53000
Por treiMfcit, uncidos 6J0QG
SABB1D0 30 DE AGOSTO DE III).
! j m m
Por iodo adUfliado 9f000
ftrtt fraict par* 111 bscriptor
MI
ERNAM

jICAKREGADUS DA SUBSC1UPQAO DO NORTE
Parahyba, Sr. Antonio Alexandrlno de Ll-j
ai; Natal, o Sr. Aatonio Marques da Silvs ;|
Aracaty, o Sr. A. da Lemoi Braga; Cear o Sr.
J. Josa da Olireira; Maranhao, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Manoel Pinhairo &
C; Amazonas, e Sr. Jaronymo da Costa.
INCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
Alagdas.o Sr. Clandlno Fslto Dial; Baha.
o Sr. Jos Martin Airas; Rio de Janeiro, Sr.
Joae Psraira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS. i
Ollnda todos os das as 9X horas da dia.
Igeanssu, Goianna, o Parahyba as secundas
a ssxtas-feiras.
S. Antao, Bexerros, Bonito, Cariara, Altinho
o Garanhuns as targaa-feiras.
Pao d'Alho, Nazarotb. Limooiro, Brejo, Poa-
queira, Ingazelra, Floras, Villa-Bella, Boa-Vists,
Ourieury a Ex naaquaitas-eiras.
Cabo, Serlnhem, Rio Formoaa, Ona.Bsrreiros
Agua Preta, Pmentelras a Natal quinta reir.
(Todos os crralos partem a 10 horas damanha
IPHEMERIDIS DO MEZ DE AGOSTO.
2 Quarte craicanta a 2 oras a 15 mlnatos da
tarda:
9 La chala aa 7 horas a 12 mlnatos da man.
16 Qaarte mingaante aa5 hora o a mnalo d*
tarde.
24 Laa ora aa 6 horas minuto 39 da tarda.
PREAMA1 DE HOJI.
Primalro as 8 boras e 30 mina tos da machi,
Segando as 8 boras a 5t mnalos da tarda.
PA1TIBA DOS TirORBS COSTBIROS.
Para ral at Alagoaa i 5 a 20; para o nerte
ati a Granja 14 a 29 de aada mex.
PARTIDA DOS 0M51BIS.
Para o Recite; So Apipucot s 6 lj, 7, 7 ll2, 8
e.8 12 da m.; de Onda s 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboao s 6 1 [2 da m.; de Casanga a Varita
s 7 da m.; da Btmjca s 8 da m.
Do Recite : para o Apipucot a 3 ii*. 4, 4 1|4,
4 1|2, 5. 5 1|4, 5 1|2 a 6 da t.; para Jinda i% 7
da m. a 8 i\-> da I.; para Jaboato a 4 da t.; para
o Caxang a Varsta s 4 1|2 da i; para Btmfica
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNA ES DA CAPITAL.
Tribanal do commercie : aegandas a quintas.
Relcco: tergae e aabbadoa s 10 horaa.
Paxenda: quinta s 10 hars.
Juizo do commercio : aegandas ae mel da.
Dito de orpbios : tare a saxtaa ia lOheraa.
Primairarara de eirel: tergas e extase malo
dia.
Seganda Tara da eirel: qaarlasa sabfrados 1
hora da tarda.
DAS DA SZHAXA.
25 Segunde. S Luiz re e Frasca f.
b Terca. S Z-fmno p ni.; S tendencia nr.
57 Ouarla. S. Jos de Calasans; S. Euthalia r
23 Quit4a. S. Agostmho b. doutor ra pgreja.
5!> Sexta. Dfgolftcio de S. Joo Ba; ista.
Sabbado. S. Rosa de Lim v. amsricana.
,31 Domingo. S. Rcymnndo Nonato b. tsrd.
ASS1GNA-SE
no Recite, em a lvraria d prsga da La fine*
dentta n.6 8 aO proprieSariosalanoel ;faal.
roa deFaria A Filho.
PiaTE 0FF1C1IL
GOYERKO DA PROVINCIA.
Expediente do da 27 de agosto de
MJ.
Officio ao commandante da armas.Srra-se
V. Exc. de emittir osea pirecer sobre o que pe-
de o furriel da secgo volante do corpo de pohcia
Jos Pilippe Santiago, no incluso requerimento
que rai coberto com a informarlo do rospedvo
commandante:
Dito ao inspector da thesouraris do fazenia.
Reslituo a Y. S., coberto com officio dujuizde
tireito dt comarca do Bonito, datado de 9 do
correte, os documentas que vieram aonexos
sua ioformago de boje, ob n. S17, aflra de que
mande pagar a Jod Procopio Pereira de Garva-1
lho suente a quantia de 5009000, como rema- I
nerago de seus servidos prestados aos desvalidos
accotnmettidos do cholera-morbus no dislrictode
Calende naquella comarca, e bem como paga dos
medicamentos e genero que consumi no trsta-
ment > de taes indigenlas, como se ve dos mesmos
documentos.
Dito ao mesmo.Autoriso a V. S., nos termos
de sua informado de hontem, sab n. 810, a man-
dar pgr ao empreitoiro dos reparos do Lazare-
to do Pina, Francisco Xavier Sosres, em vista do
competente certificado, a qutntia de 1:0305332,
a que elle tem direlto, do sea contrato, como se
\ do officio que devolvo do engenheiro W. Mar-
liaeaa, datado de 9 do correle.
Dita ao mesmo. Ne havendo inconveniente,
manda V. S. adiaolar ao almoxarife do hospital
militar, conforme solicita o bngadeiro comman-
dante das armas, em oflicio de hontem, son nu-
mero 1,641, a quantia de 1:200000, coattante do
incluso ped 1o, a lim de occorrer as despezas da -
quella eslabelecimento na pnmeira quinzena do
mez de setembro prximo vindouro.
Dito so inspector da thesouraria provincial.
Estando em termos a conta junta em duplicada
mande V. S. pagar a Antonio Gongalvea de Aze-
zedo, na qualidado de procurador de Josi Luiz
de Mido?, a qaaotia de 955200, despendida com
o sustento dos presos pobres da cadeia do Bonito
nos mezes de abril janho desle anao.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. raceber nesse arsenal, e faga concertar co-
mo solicita o brigadeiro commaniante das armas
rn odelo do hontem datado, sob n. 1,642, qua-
tro caixes de piobo que, sendo remeltidos para
o presidio de Femando com medicamentos, dalli
Toltaram quebrados.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do.Transmuto a V. S. para o Hm conveniente
a inclusa guia que me foi enviada pelo Eim. pre-
sidente da provincia da Parahibs, do sentencia-
do daquella provincia, Donato, escravo, que
coohecido nesse presidio por Deodato Jos Fer-
nandas.
bito cmara municipal de Bsrrairos.Re-
mello cmara municipal da villa do Birreiros,
para sea coabecimento e extcucio na parla que
loe diz respailo, copia da portarla dasta data
creando (dio civil no municipio de Agua-Preta.
Dito cmara municipal do Rio Formoso.
Cumpre que a cmara municipal do Rio Formoso
remella a esta presidencia em demora a repre-
sentarlo de II. Augusto Millet, que deixou de
acompanlur a sua informago de 26 de fevereiro
deste aono, o que ha foi exigido por oQkioa da
mesma presidencia de 10 da mar;o e 22 de julho
ultimo.
Dito mesma.Cumpre que a cmara muni-
cipal do Rio Formoio ministre sem demora a
sla presidencia a informado que lhe foi exigid
por despacho de 13 do abril ultimo, acerca de
urna representarlo dos moradores de Tamandar
relativa a creaQo de gado nos terrenos da ser-
tiJao militar da freguezia do mesmo nome.
Dito cmara municipal de Agua Preta.Re-
mello a cmara municipal da villa de Agua Preta
para seu conhecimenlo e execu;5o na parte que
lhe disser respeito, copia da portara desta data
creaodo foro civil nesse municipio.
Dito cmara muuicipil de GaranhuosRes-
poujenio ao officio que a cmara municipal da
villa ile Garanhuns dirigio-me em 23 de julho
prximo finjo, teoho diier a mesma cmara
que deve remelter-me urna copia das portaras
a que se refere. Quanto a provileocia que so-
licita para seren removidos do centro dessa vil-
la os depsitos de plvora que all exislem, cum-
pre que essa cmara formule a poitura que para
esse lim julgar conveniente, e me remella para
aer provisoriamente approvada.
Dito ao conselho de compras navaes.Pode o
conselho de compras navaes promover, nos ter-
mos dos arligos 9 e II do reglamelo de 20 de
fevereiro de 1853, a ac^uisigao dos objeclos do
material da armada mencionados no seu officio
de honlem datado.
Portara.O presidente da provincia atteodea-
do ao qaa requeres o professor da geographU e
historia antig no gymnasio provincial, bacharel
Antonio Rangel de Torres Baodeira, e tendo em
vista a informagao ministrada pelo director geral
da initrucgao publica em 6 do torrente, sob n.
182, resolve ooceder-lhe dous mezes de lceoga
com veocimenlos na forma da lsi para tratar de
sua sade.
Despachos do dia 2? de agosto.
Itequerimentot.
Henrique Augusto Millet. Volte ao Sr. Ins-
pector da thesouraria provincial pira dar o seu
parecer, ouvindo o Dr. procurador fiscal.
Dr. Joo Gapistraoo Bandeira de Mello.Como
requer.
Loureuc.1 da Conceijo. Concedo o prazo de
Tnie das.
Ulpiano Bezerra da Mello Informe o Sr. pro-
velnr ds Sania Casa de Misericordia.
de Potrero por onde chegava a micha trops, an-
cootrsi de ambos os lados os doas exercitos em
balalhi a distancia de tiro de espingarda.
a O inimigo tioha a ferja da mil cavallos, e
eslava formado em qisatro columnas, duas no
centro e duas as extremidades, cobriodo a sua
frente por urna linha de atiradores. Tioha tilo o
cuidado de aproveiiar todos os accidentes do ter-
reno, e eiieodia-se desde a montanas, em que
appoiava a sua direita, at ao extremo que fie
do lado opposto da estrada principal, e que pro-
tegiam a sua esquerda.
< A minha cavallaria estar formada em or-
dom anloga, e eslava tambem protegida por
i ama linha de atlradores. O general Herrao com-
I maodava a direita da linha ; e tioha tomado pos-
aa do ponto que straveaaa a estrada principal.
Urna torga de 50 homeos oceupava aquelle porto.
Calloqaei duas columnas na retaguarda dos ati-
radores, as ordeos dos valentes coronis Salas e
| era. O geoeral Vicario oceupava a ceolro com
j a sua diviso e a retaguarda dos seus atiradores.
Estabeleci logo duas columna, urna s ordens
de Vicario e outra sob o commando do coronel
Castro ; o coronel Campos oceupava a esquerda
com a sna brigada e os seus aliradoras.
a Estes tres officiaes tem direilo aos msioras
elogios, por terem podido conter o inimigo e por
terem aproveitado a chegada das tropas que vi-
oham da monlanba, e isio em presenca do ini-
migo, e asesar dos seus esforgos para conseguir
destruir as disposi;o*s que tinham sido tomadas.
A maior parte dos dias passou-se sem mo-
vimento algum as Unas. Apenas alguns atira-
dores se apresentavam de parte a parte, o inimi-
go nasa ousava emprehender, e as nossas tropas
estavam impedidas por impossibilidade mate-
riaes.
Mas
iXTERlOR
Mxico,
JleJaforio do general Mrquez sobre o combale de
Barranca Secca.
No dia 17 ( maio ) as cinco horas da tsrde,
chegaei, frente da minha cavallaria, ao Rm
cho del Potrero, qae tica ao p da montanha
d'ondadesciam as mtnhas tropas, luanlo contra
ais immemas diffiealdades do terreno, que, como
se sabe, escabroso a em grande declive. Soube
entao que o exercito francez tinba acampado m
fazenda Tecamaluca. Dei logo ordem ao general
Herran para reunir as suas torcas em Tecamaluca
e de esperar sli as minhas instrueQes. Parti
immediatamente para Tecamalaca, afim da rece-
bar ali as rossas ordens; soube qae estara na
cldade a marchei pra l.
a Antes de partir de Tecsmalaca, ordenei ao
general Herran que reunisse logo ss suas tropas
e qae avaogasse para a fazeoda, devendo ebegir
ali n'eslamesas tsrde, para marchar na manha
aeguinte, aeguado as ordens que eu lhe tinhs
dsdo.
< Calculando que o inimigo qae oceupava os
combros de Acultting empregirs os maiores es-
fsreos pira impedir o morimento ds juoc;ao da
minha cavallaria com o exercito trances, afim de
cortar ao menos urna psrte das miabas foress,
part logo pela manha do dia 18 ds cidada de
Tecamalua para ir vigiar e dirigir as operaces
das rmnbss tropas.
Recooheci logo que me nao tioha engaado.
Vi effectivsmenta que o inimigo oceupava a tren-
te da miaba cavallaria.
* Forc'ei a marcha, e chegando a Barranca
Saca, qae o ponto da jaocjao das Cotabres a do
velas cinco horst da tarde operou-se um
movimento no campo inimigo, que tinh recebi-
do um reforjo de novas tropas ( infantaria e ea-
vallaria ), as quaes tinham anticipadamente sido
collocadas para prevengo, pelo lado detraz da
parte occidental do terreno, e qus ali se haviam
oceultado.
O inimigo reformou logo a sua linha de
atiradores; o movimento alcancou as suas co-
lumnas de cavallaria, e quando tinham ludo pre-
parado para a victoria, precipitaram de repente
a Ires columnas de cavallaria pelo centro, direita
e esquerda, teolo cada columna a (orc.a de mil
homeos.
o Atacaran o centro das minhas linhas com
tanla forg e resolucao qae conseguiram rompe-
las, eavolvendo-ae corpo a corpo aas minhas tro-
pas e no meio de urna luta das mais sanguino-
leolas. Ao mesmo tempo, a ala esquerda do ini-
migo forle com a sua columna de cavallaria, re-
forjada por um igual numero de infantaria, lan-
eoQ -se com valor semelhante sobre a minha di-
reita, mis menos feliz que a do centro, nao pou-
do romper a minha columo, e foi victoriosamen-
te repellida pelos ruaas soldados.
O comb&te liaba apenas comeQado de urna
maoeira encarnizada, quando chegou em meu
auxilio o 2 batalha do 99 de linha francez, que,
para vir em soecorro da miuba cavallaria, tioha,
* marcie-marche, com m- rapidez prodigiosa,
percorrido os cinco killometrosque nos separam.
Esles valorosos soldados francezes liraanm logo
parte no combate s ordeos do seu valente com-
mandante Lefebre, que dirigi as manobras com
urna habilidade notavel e com grande preciso na
sua xeeur;ao.
Sem perda de tempo, se envolveu logo depois
a vanguarda em combate fazeodo um quarto de
eonverso sobre a direita, e rompendo o ogo so-
bre a ali esquerda do iuimigo. Melada da com-
paohia marchou de frente, e rompendo a lioba
direita do inimigo, que, comodisse, tlnha j pe-
netrado no nosso campo, onde nos tenisva um
violento combata contra a diviso do general Vi-
cario, o quil, neste momento, tinha sido grave-
mente ferido.
A. segunda melada, da compaohia franceza,
lendo feilo um quarto de eonverso sobre a direi-
ta, tornou-se senbora da ponte que alravessa o
caminho que serve da limite aos dous esmpos, e
pela qual o inimigo pretenda penetrar as nos-
sas tileiras.
A outra msia companhia marchou da frente
para sustentar a primeira, porque era ali o prin-
cipal ponto de ataque, o sobre o qual o inimigo
tinha formado a maior psrte das suas torcas.
De am momento para o outro o eombate
tornou-se geral. O intrpido commandante Le-
febre carrtgou vigorosamente, com o resto do
seu bitaihlo formada em columna contra a es-
querda inimiga, que sustentou ama torta resis-
tencia, e pntendia arraocar-lhe a victoria: Foi
eoto que brilhou em lodo o seu sxolendor o va-
lor do exercito francez, a dos seus Tlenles cheles
e offioiaes.
Ni occasio em que o 99 efTectusva a sua
marcha forgada, a di'iso de cavallaria Vicario
arangava tambem, em quanto que o coronel Cam-
pos reforgava a ala esquerda ds nossa linha.
a O inimigo defondla-ss com coragem, mas
conseguio assoberba-lo conquistando o terreno
palmo a palmo, mostrando tambem que pelo seu
valor e pela disciplina o exercito francez pose
vencer todas as difficuldades o guerra, a alcan-
zar a victoria do campo ds balalba.
J tiuhamos conseguido repellir o inimigo, e
come;avamos a persegu lo vencido, quando de
repente fomos atacados com extrema vielencia
por urna columna de infantaria inimiga qua ca-
bio sobre o nosso flanco esquerda, atacando com
vigor aquelle dos nonos que perseguiam os fu-
gitivos, e tratando s de nos envolver. Foi ne-
cessario voltar contra essa columna, o que se
effctuou sem perda de um momento ; mas ape-
sar de todos os uossos eafor;os o inimigo pareca
resolvido a avaogar, quando a columna de infan-
taria franceza vollou e marchou sobre elle biio-
nela, o que decidi a qaeslo daquella lado. O
inimigo nao pdde sastenlar um semslbante cho-
que e debanJou.
a Para a direita da nossa linha o combate d3o
era menos encaminado. O general liman sus-
leotou-o rigorosamente contra torgas superiores
sm numero; a infantaria franceza, que se baila
daqaelle lado, dea prora do maior mrito, anda
que em pequeo numejat: e deu exemplo da
maior coragem paisandtj^MCMe, e indo bater a
desalojar o inimigo no saanjlr^rio carneo.
A. diviso de cavallaria do geniral Herran
reanio os seus esforcos aos da infantaria francesa,
e passsndo a ponte com ella, coatribuio para a
derrota do inimigo naqoella lado, e tratou de
perssgair os fugitivo, leudo tido a gloria da se
juntar oeste movimento com os seus eompanhei-
ros de armas qua acabavam tambem de vanear
no flanco eaquerdo, e que tinham cabido em
perseguido do inimiga, na distancia da mais de
ama legua atS. Diego.
a Conbeceis a posiQo destas pontea ; compra-
hsndereis ss perdss qaa aof rau o inimigo, per-
seguido pela nossa cavallaria. Os prisiooeiros
toram respeilados, e logo depois da victoria tai
eu o primeiro a estsnder a mao aos vencido
aquellas mesmos qae nos tinham combttido cao
tanto ensaroicamenlo. Honra 1,200 priatoneiros
de carallsria e intentara, ama bandeira loma-
da por um batalho do ralala 99.
c As torgas de Zaragoxa abaodonaram logos
combros do Acultztngo. Affsstsrsm-ae. para mais
de qustorzs leguas para a retaguarda d# ponto
aonde se tioha passsde a accao. *
< Marfuex. >
t Teoho a honra de aceusar a recepeao dos of-
Dcios de V. Exc. de 18 a 30 de abril.
a Protegido pelo regiment de infantaria de
marinba e por am batalho de zuavos, man Ja-
dos para Cordora e psra Cbiqnihinla. o meu es-
quadro de ca;sdoras, lerou o mea crrelo para
Vera-Cruz para apartida do paquete ingles, e
trouxe-me a quatro deste mez, o corre! chegerdo
no fim de abril, o que chegoa no mojo de meio,
e do fim d'este mez. As minhas communi-
cacoa estao restabelecidas com Vera-Craz; ret-
labeleceu-se urna das pootes queimadas em Chi-
quihinte ; a outra nao pedendo ser reconstruida
sem muito tempo a Irabalho ha de ser sobstitaida
em dez oa doze dias por urna ponte de caralletes.
Restibeleceram-se as rampas para as psssagens.
das carruagens. Fui informado de que a primei-
ra psrte do comblo qaa eu esparava em Vera-
Craz, chegou a Chiquihinte.
Urna parla das tropas do geoeral Mrquez as-
segur as minhas communicagdes com Vera Cruz;
julgaei derer conceder s tropas mexicanas era-
pregadas n'este servico racoes da virares e ama
gratitlcsQo para o sau chefe.
a Desde que tire a honra de nomear V. Exc.
a 26 de maio, reio o general Zaragoza estibale-
car ss entre Combrs e Tacamalucan com 8,000 a
10,000 homeus. Quena provarelmente aproveilar-
se da dissimina;ao das minhas tropas por me ata-
car em Orizaba.
< Dous batalhdes do 99 estavam em Ingenio
com a balera de mootanba ; um batalho de in-
fantaria de marinha oceupava Curdova ; outro
batalho da mesma arma, am batalho de zuavos,
com quatro pegas de artilbaria montadas, defen-
diam Chiiuihiot* ; finalmente em Orizaba esis-
ram o batalho de cagaiores a p um batalho
de zuavos e oito pegas montadas. A minha ca-
vallaria, menos um peloto, estara na estrada so-
bre Vera-Cruz.
Durante os quatro dias que as torgas inimi-
gss estireram na minha frente, empreguei seten-
ta e cioco carros pira transportar palha e cevada
tirada de aasa herdade situada a urna legua an-
tes de Iogeoio. Nao fui nem por Instantes per-
turbado n'esla operago que maudei fazer por um
batalho do 99 guardado por 4UUcavallos do ge-
neral Mrquez. S os meus atindores se envol
veram com os do general Zaragoza, e no lim dos
quatro dias toda a torga que estara na minha
frente subi os Combrs.
Fiz construir iotrincbeirsmenlos que formam
com o meu reducto na parte principal da cidade,
um vasto triangulo.
Sendo lodas as roas cortadas em ngulo di-
reilo, permillio esta disposigo que cada um dos
iotrinebeiramentoe podesse ser flanqueado por
outro.
< Os meus estabelecimentos esto assim pro-
tegidos contra um golpe de mo, no caso da guar-
oigio de Orizaba ter momentneamente dimi-
nuido. Em Cordora execulam-se trabalhos an-
logos.
Julgo-me obrigado a oceupar sempre Chiqui-
hinte com as tropas francezas, que tarel substiiuir
todos os dias.
O general Donai, chegou hontem a Orizaba |
Illa Exm. Sr.Talemunha dos immenios
beneficie prestados por V. Exc. e por as nao
meoes iHueirados antecessores; olhando o zelo
com que s muilo illuiirada junta administrativa
da Misericordia e seu digno presidente o Exm Sr.
Dr. dererabargador Anselmo Frandsco Pere-tti,
tem eneetsdo e cumprimento de seus deveres,
desempeohando em to curto espago de dous me
zes com inteireza- os altos encargos, de que se
achara to dignamente onerado, nao posso, Etra.
Sr., subtrshir-me aos transportes da mais viva
gratido, que ara mraha alma desparta a hourosi
presenga de V. Exc. neste eslabelecimento, e em
am 'arrebalamenlo de eothusiasmo supplico
V. Exm. licenga paro prestar-Ibe por esta or-
phandada, de quera sou pai espiritual um iribato
da gratido ; sei bem, Eim. Sr., que afTeito a ou-
rir a lioguagem melolioia dos sabios em estylo
sublime ser eofadonho & V. Exc. ouvir a lin-
Rnagera rasteira daqaelle que aiada nao conta-
do oo numero dos oradores ; a coovicgo desta
verdade aisociada a idea de que sabios profundo,
oradores eminentes trepidaram sempre que ti-
nham de fallar em presenga de vultos, como
V. Exc, to respeilaveis as scieuciss, bas-
tarla para que eu desanimado descorojoasse da
eroprexa que voa encelar ; im, Exm. Sr., in-
experienle, como soo, n'arte de fallar, falto de
eradgo, jamis ousaris erguer miohs trmula
voz dianie daquelle qae pela granlsza de suas
luzese reconhecida sabedoria fax honra a sempre
Ilustrada administrago desta provincia, seno
vese robusta conviego de que sendo a bene-
volencia a mais bello floro dos sabio* a encon-
trara em V. Exc. e seguro desta verdade me ar-
rima a mesma sabedoria de V. Exc. para prin-
cipiar.
a Quando, Exm. Sr., em minha iraaginago se
avivara as duas imagens do presente e passado ;
quando confronto a imagem do passado com a do
presente, nao posso deixir de bamdizer a mo
beneficenla do Todo Poderoso, que se estende a
indigencia, e nem to pouco de louvar na pessoa
de V. Exc. as sabias maneiras com que V. Exc.
e seos nao menos illustrados antecessores teem
procurado melhorar a sorte daquelles que oulr'ora
no meio da indigencia humedeciam Com lagrimas
amargurado pao com que tristemente sesubstan-
ciavam.
minha traca ro depon aos ps de V. Exc. todo o f fUfiadj lrit ca7.i,og __.
corpo collegia!. tern.menle reconhecido por to j do doui,rd*; oih dVg". ~ Se'"
mannesta prova d'amor, e interesa, qua V. Eic.
toma, pelo seu engrinlocimenlo e prosperi-
dad.
Quelra V. Etc. sm sea alia sabadoria des-
culpar qualjuer expresso meaos cabida, que
no fogo- de meu entusiasmo podesse escpar-me ;
certo d que nao me atrevera a fallar na reapeiti-
rel presenga de V. Exc. se por ventura rio es-
tivesse convicto, de que V. Etc. altendendo se-
ment aos votos de gratido e amor, que V. ,
Exc. tributa a corporago dos orpho, saber es- r _
queeer o sscerdote, que falla !
Cintinue, pois, V. Exc. a esteod3r sua mao
beneficenta eu prol dos desvalidos e a3 bengSos
do co descero sobre V. Exc, e tambem sobre
a illastrada junta admioitractiva, qu9 zelosa
guarda dos miis santos deveres de carilade em
poucos das tem sabido com o desempenho de seus
encargos maravilhar os olhos do observador. O
-----.. da Oog do termo do
Limoeiro. e o out/o- de Catino Afves dos San-
tos, fazenJeiro, morador no lagar Alag5i da Pe-
dra, do termo do Brajo.
Aehava-se em coarpanWa do .'referido ladro.
um lulividuo tambem rnooeiro, o qual resisti
um soldado da patraKH com urna faca que trt-
a ; pelo q9 paj9 ovailir-99 ; senda-
neadido porm os cavilo
gues seus proprios docos
co saber recompensar tanto zelo e delicago! I!
V. Exc. nao despreso a humilde offereoda de rea-
palto, e gratido, que por todo o corao collegi|A
tributa V. Exc. o actual rice director sea
muito humilde criado,
Frsi Pedro da Purifraco Paz e Paiva.
Consta-nos que do collegio de Sania Thereza,
seguir S. Exc. alea antiga casa de Misericordia,
cujas ruinas foram examinadas pelo mesmo Exm.
Sr. ao intuito de mandar proceder a alguns re-
paros, afim de seretn para all transferidos e
inslalUdo8 os alienados do hospital Pedro II.
Da Jornal do Commercio de Lisboa trans-
crevenjoa a eguintadescnpgo extrahida da Ga-
ceta Oficial de Torio, do cto solemne da apre-
sent'gao Vietor Eramanuel dos credenciaes do
visconlo da Carreira, encarregado pelo re de
Portugal para pedir a mo da prioceza Mara
Pia.
Este acto leve lugar no dia 3 do correte, em
audiencia de formalidade, na curte de Turin.
< Honlem, s 10 1/z horas da manha, S. Exc.
o viseoode da Carreirs, enviado extraordinario
de S. M. el-rei de Portugal, leve a hoora de ser
recebido, em audiencia solemne, por S. M. par
pedir formalmente a mo de S. alteza real a pria-
cexa Mara Pa, tilha segunda de S. M em nomo
de sou augusto soberano.
cr O raarquez de Breme, prefeito do palacio,
Sim, Exm. Sr., sempre que comparo a ima-
gem do passado com a do presente, e me lembro,
de qae nao ha aloda muito lempo, que ni ria-
mos ragueiar as ruis desta cidade om nume-
rosa multidn de meninos desralidos, orphos de viseoode da Carreirs, o acorapaoharam cmara
pai e mi, exhaustos de recursos, para quera pa- i era qua eslava S. M. el-rei, juntamente com S.
recia, nao harer mais que a dr e a descoosola- i A. real a duqueza de Genova. All recebia S. M.
gio ; cujoi pais haviam sido victimas de dou; ns sumprimentos dos cavalleiros da ordem su-
iremendos volcoe; que abriodo as suas voraces : prema, dos altos fuoccionarios da real casa, civu
gargantas assolavim s popularlo, este o cholera < militares, dos ministros e dos altos fuoccioni-
morbus, que anda este anno tem assolado ; ros do estado.
aquelle a revolugo de 48, dos quaes foram ric- Intreduiido o enviado presenga de S. M.,
timas um sem numero de pais de familia, que pelo prefeito do palacio, e tendo lhe apresentado
morrendo deixanam seus lilhinhos entregues as suis credenciaes, leve a honra de faxer am
appre-
qae foram entre-
ova em seguimonto-
ao ladro.
rpart^ao da poLici.v. (Exraeto da jar-
te do da 29 de agustc.J
Foram recolhidos casa da detenrto no dia 3*
do correte :
A' ordem do subdelegado do Recite, Jo Go-
mes da Suva. Portuguez. braceo, de 30 annor
ue idade, calraoiro; por insulto.
A' ordem ds do Pogo -ia Paoea. Felicimry
r-risao de Luna ou Feliciano de Luna Pereira,
S-,0n \ ? 2I onos. raarcineiro; a disjcSIgo
do Dr. delegada do Io ditrelo : para reerata!
O chfe da segunda secgio,
,, -r- G. dt Mtsquita.
MATADOLRO FUBLir.O :
Matarara-se p.ra o consumo desta cidade 2>
da H do corrente 49 rezes
No dia 29, 6 ditas.
~plbBuco RI DU 29 AG0STS>> -c-
No, Pernambuco, 3 mezes,
dentigo.
SOt'n}y,nTb'C\ 23 aDD0'- escra7(>. "Iteiro,
Sanio Antonio ; bexigas. "
Joao Jos Airea. Pernambuco. 72 anoos, casado
Doa-Vista; congesiao cerebral. '
Mana de Nalareth Miranda, Pernambuco, 29 an-
rrancisco Pereira Gu.raares. Portugal, lo 8Q-
P^'' lero.Boa-\i.t. ; congesto cerebral.
Genu no, Parnambnco, 18 mezes. S. Jos
rilas,
Boa-Vista, escravo;;
va
Pobiicayots giig
Becebido Illm. Sr. G.ilherme Auftusto Ro-
dr1(?u9S Selle, por ordem do. Srs. M-noel R|-
conjunctaraente com os mestres de ceremonias, o beiro de Carvalho a Manoel Antnnnd.r-.,! i2i*
S'. cood. de Sartiraoa e conde de Paoniss.ra de de tresenlo e cncneu .d"C"".?lho
Veg.io introduxido. nos aposentos destin.do. ao JliU) e dex rei^rnet.! SSSF iVaStaSA
verno.
no comboio que condaz de Yera Craz ; roa man- {tivet.
da-lo para Cordova, dando-lhe o commando de
lodas as tropas francazas e mexicanas encarrega-
das de aaiegurar as miabas communiciges com
Vera Cruz.
< Nao terminare! este officio sem repetir V.
Exc. quanto temos a loavar o concurso iofatiga-
vel do capito de fragata Rose, commandante da
torga de marinha.
O general Mrquez acaba de me prerinirqne
todos esto concordes am dizer que seria atacado
amanha.quinta-feira 12; os generaes Zaragoza
e Ortega tem comsigo ambos onze mil homens.
Estou prorapto para os receber.
< Acceitai, etc.
< O geoeral de diriso, commandante do corpo
expedicionario do Mxico.
Conde Lorencez. >
[Jornal do Commtrcio, do Porto).
to giorj
para oa ;
Ex
trate \
inoocec
O manchal ministro ia guerra de imperador
receben do general Lorencex o seguinte despa-
cho :
c Orizaba, 11 da jonho.
c Stohor mirecbal,
REVISTA DIARIA.
Do Maranhao obseqaiaram-nos com a remessa
das Tret Lyras, bella collecgo de poesas de Ires
filhos da nossa academia, que confundem assim
os perfumes dos seus eogenhos nesse abrago de
pensimentos, que se identifican] anda mesmo na
forma.
Ests collecgo, em um volume de cerca dedu-
zentas paginas, consta de variadas produeges
poticas dos Srs. Trajano Galvao de Carvalho, A.
Marques Rodrigues e Gentil Hornera de Almeide
Braga, cajos Domes nao foram anda deslembrs-
dos entre nos, e menos entre aquellos que culti-
vara as ledras, e que cooseguintemente os tem
per socios ou irmos de vocago e pratica.
E' urna bella collecgo que se recommendsndo
pela superposigao de taes nome, nao desmerece
da sua procedencia; e entre ss flores que com -
pe o todo desse raraalhete, (oigamos ds ver sem-
pre vivida, sempre fragrant, algumas que borri-
famos com a lympha da amizade, que ajudamos
em sua expaoso, abitando a modestia do autor,
nos boos lempos da relhi Olioda, em que a vida
do estudante era um typo e nao um mixto, como
o hoje, em que o caracterstico, ceden o lugar,
confundindo-se na rulgaridade da rida com-
mum.
As poesas que compoem as Tres Lyras rivali-
sam entre si em bellezas de coocspgo e de forma.
Emsosdas de coragea virgeos e desconhecedo-
rea da rao ielago de urna sociedade convencional
resetndem dessa liberdade de natureza queencan-
ti e agrada a todos no fundo : porque ah todos
se viem retratados em sua pureza primitiva, an-
terior s*modiQcagdes de positivismo da rida de
conrengdes, qus vivemos. Pensamentos elevados
as distmgaera, e a naturalidsde mais pronuncia-
da aa cancterisa : sao tres poetas pela Impirago
e pela forma, e nao tres iocultos accumuladores
de rimas, que ahi se manifestara nene livro.
Por mais que nesta noticia bibliographica da-
seisemos acerca do mrito Iliterario das Tret Ly-
ras, tudo ficaria quem do sau valor real; e pois
s temos a exprimir, fechando esta noticia, um
pansamenlo traducido na palivralde-o I
No dia 26 do correte visitou S. Exc. o Sr.
presidente da provocl, acompaohado do Rvm.
vigario geral Dr. Antonio da Cunha e Figueiredo,
mordomo da Santo Casa da Misericordia, o hos-
pital dos Lazaros e o collegio dos orphos.
No primeiro eslabelecimento spreciou S. Exm.
o estabelecimento da cspells, e examinou as die-
tas dos doenles, a qualidade dos gneros alimen-
ticios, e as condeces da enfermara, alem de
prestar seria alteogo outro pontos, sobre que
era preciso demorsr-se a observago de um es-
pirito cuidadoso. No segundo eximinou minucio-
samente o estado de adiaatamsnto dos educan-
dos, assistio ao refeitorio, obeervaode igualmente
a alimentado dos educaodos enfermos; e depois
de harer percorrido o edificio com Incluso dos
dormitorios, demorou-se na sala principal, onde
oaro o discurso que lhe dirigi o respectivo rice-
director, Rvm. Fr. Pedro da PunQcaco Paz a
?!** VM aegue i estas linhas; e em segaids
Ib orphos compoodo urna orchestra executaram
differeotea pegas, como os Lombardo!, o Turca
no Ilalia e o Barbtiro de Sevilha, com desem-
barago notarel.
A bea ordem, o estado de adiantameoto do s-
gaos orphos, e o aaseio do estabelecimento, se-
gundo totormagoes que temos, agradarsm a S.
Exc, em caja physionomla liam-ae algosas des i
Ntu'ac,ao. *
desventura, no meio da iodigeacia e das lagrimas
expostos a mendigarem o pao de port em porta ;.
porro/r-itra as rabias determinsgoes de um go- !
* > V. Eu., illustrado, e religioso nao
'" fuovnenteio este estabelecimento ,
o humanidde. e de tanta atililade i
erdadelramaota necossilados I
Sr., sempre qae contemplo ena imagem
passado, em queso ra esta muliidode
es chorando no meio do iofortaoio, des-
lituidosfdos desvellos pateroaes; com esta riso-
nha ds-hoje, em que elle passando inesperada-
mente do horror da desventura esta melhor
sorte, so vistos (fragas as sabas providencias de
V. Exc. e zelo desta nao menos illustndi junts
administrativa], aqu sorrindo-se no meio da abun-
dancia entre os afagoi que Ibes prollgalisa o seu
amoroso ehefe; all bebenlo diaole dos altares
as mu proveitosas liges da moral evanglica,
que em pellico reflexo Ihes presto todos os do-
mingo, como seu nao menos dedicado pai espi-
ritual I
Confesso, Exm. Sr., nao posso sufocar am
meu peito to vivas eraogoes, e nem deixar de
prestar V. Exc, em nome deita orphandad este
tributo de gratido e respeito Nao. nao est em
mea poder auffocar to vivas emogoes do enthu-
sissmo que dispersa em minha alma a lembraog
de beneficios to bem e humanamente prestado I
Sim, Exm. Sr., o mais fri indiferentismo nao
pode gelar esta lava abrazadora, que a gratido
faz trasbordar deotro em meu peito, e arrebatado
de enthuaiasmo nao posso deixar de depr aos p
de V. Exc. um prsito de gratido, reconhecendo
quanto tem coocorrido para o engrsndecimento
desle eslsbelecimeoto oa sabios administradores
desta provincia que como V. Exc. incangaveis na
promogo do bem proporcionaran to grandes
vaotagens a bumanidada desvalida I
Etou certo. Exm. Sr. qae V. Etc., religioso
e Ilustrado, como se nao peupar a promover
ludo quinto for til e necessario a este eslabele-
cimento, como bem fazer nelle reviver as scien-
cisse as arles, estes estudos, por meio dos quaes
(comodisseum celebre escriptor] o hornera or-
gueoao-ie do seo ds terrs, como por prodigio,
parece elevar-se at aos astros ; imbuido nos
quses o eolendimento do sabio, ludo investiga,
tudo pandera, e quasi tudo descobre I
< Nao hesito, Exm. Sr .contar nos resaltados
ds applicago da idea, que acabo de emittir, por-
que della s prova a mais evidente V. Exc. acaba
ds dar com a sua honrosa visita este es rnento, procuran 4o nelle conhecer suas mais pal-
pitantes necessidades. alm de remedia-las I
Cuas effeito, senhoras I nada to proprio
do sabio e zeloso administrador desta provincia,
como vir elle mesmo com sua present animar
com ssu exemplo e cooperario os pos desvello
de umaeogenhosa beneficencia em favor dos in-
felices,
< Exm. Sr. I nao temo affirmar V. Exc. que
d'entre todos o* oflicio da carilade ebrisls,
oenbum ha to meritorio, e digoo das recom-
pensa do co, como acadir so misero orpho, e
estender-lhe a mo bemfazeja para o arrancar do
abysmo, e restitai-lo ornado da virtudes pa-
tria quem a desreotara pretenda roubar I
fomo. pois, deixar eu hoje de tributar gra-
tido e re, eito, reodo V. Exc. frente deste
estabelecimento. como e protector nato da indi
gsncia e do infortunio, cajos soccorros por V.
Exc, a por seus nao menos illustrados aote-sac-
cessores, constituem aa phrase dos lirros santos
s religio pura, o sem macula ; a V. Exc. e a
seas mu dignos antecessores credores dos nos-
ios maiores encomios I
c Embora, Exm. Sr., o homem apathico, o cora-
g3o insensivel veja a sangre trio sobrevir forta-
ai io estabelecimento que elle pertence, em-
bora sea alma da gelo aeja incapaz de sensg5s
aebres e elevadas, todava o homem honrado, o
peito aensivel, onde dominarem os principios da
moral eraogelics, este ao lisongairo aspecto do
bem da humanidde nao poder conter as espon-
taneas effusoes de sus alegra, e contentimento ;
lagrimas terna; do cu emogoes, loavores ao
Eterno, elogios e bem merecidos elogios ao sabio
e zeloso administrador desta provincia, qae
com zeloe inteireza cumprindoa miiso augusta,
que Ibe tora confiada, acaba de dar urna prova
ne equivoca, de que, interesssndo-se pelo bem
da humanidde abar, grangeaodo os animo
pblicos merecer sempre alta estima do governo
a Tees sao, Exmc. Sr., as nobres seisangoas,
qua esa minha alma deaperla hojea hoorosapre-
senga de V. Exc. n'este estabelecimento, e que
eu disse nlo poda ahitar dentro em meu paito.
Digne-se, pois V. Ixc. de receber esln enfa-
doaba alloeago, qae, em poacos moraen-'.os an-
tes ds chegada aqai de V. Exc. ella^woi, como
am tributo to gratido, qae, por iateemodiu de
nome de S M. el-rei D. Luiz I, rei de Portugal,
o pedido da mo de sua amada filha, S. A. real a
prioceza Mara Pis, diric.inlo-se a S. M. nos se-
guiotes termos:
CEl-rei, mau mo, lindo conheciman o dis
virtudes e quiiidaies eminentes que ad^rnam
a princeza Miria Pia, augusta filha de Voisa
a Mageslide, dignou-se hourar-me cora a im-
portante e lisongeira raisso de pedir a Vosss
c Migestade a mo de S. A. real em seu real
' nome. El-rei lera particularmente em ma
fazer a sua propria felictdale, asiim como a
i de S. A. real, mais outras consldersges de
* grande importincia tornara mai vivos e mais
ardentes os desejos que tem de eslreitir e con-
sol Jar, por esta nova alianga, os antigos lago
< de parentesco quo existem entre a familia real
de Portugal e a nobre dynastia de Saboya, que
to illuilre e lo griode, nao menos pelos
seus antigos ttulos, do que pas sua gloria re-
cenia. Estes lagos veneraveis datam do co-
mego da monarchu porluguezi, por isso que
a nossa primeira rainha, a virtuosa esposa de
< nosso primeiro r.i o valorosn I). AITinso Han-
.< riques, foi a prioceza MatniUe de Saboy ; o
el-rei lisongeia-sa de que, estrellando os oies-
i mos la^os, fazendo a felicidale o dous espo-
< sos, a tomando mais intimas as religue de
i amiade e de cor leal accordo entre as duas
'< cordas, promover ao mesmo tempo urna in-
flueecia favoravel ios interesses e prosperi-
ic dade das duas nages
a S. M. respoodeu que acolhia de bom grado
o pedido que se lhe fizia em nome de S. M. o Sr.
D. Luiz I. ra de Portugal, da mo da princeza
alara Pn, sua amada Ulha ; que ficava conven-
cido de que deste modo asseguiava a felicidade
de sua filha. Accrescentou qae o novo vincu-
lo da familia eatre a dui* dynastia, estreitan-
do as antigs slliangas, concorriam poderosa-
mente para a prosperidade dasdaas nagoes.
i Aosahr desta real audiencia, o eu-u jo fot
acompaabado pelo prefeito do pslacio cimira
de estado, onde se achavam S. A. real a princezi
alaria Pia e S. A. real a duquezs de Genova, ro-
deadas pelas damis e cavalleiros de sua corle,
dos mencionados penonageos da corlee do estado ;
e sendo ahi apresentado a serenistima princeza
tove a honra de cumprir a sua misso, a de re-
ceber a mais cortez e deliceda resposla.
O visconde da Carreirs,tendo-se dirigido como
as precedentes audiencias aos aposentos de S.
A. real a duqueza de Genov, foi igualmente aprs-
entado a mesma senbora pelo raarquez de Bre-
me, o qual, com os mencionados mestres da ce-
remonial, o reconduzio ao seu aposento.
No mesmo dia coovidou S. II. a um jantar
de corte o enviado deS. M fldelttsima, o fuoc-
cionarios do sea sequilo, e os da legago portu-
guexs. Foram convidadas para este jantar toda
as pessots da corte e estado que acompanhavam
S. M. e S. A. real, na occasio do pedido o-
lamne.
O, importancia de
urna subscripgao. que eiles cavalheiros promo-
vern! em Pernambuco a fivor dos Aiylos da in-
faocia desvalida. '
Administrago da smprea do Jornal do Com-
mercio, 11 de agosto de 1862.
Miguel Ricaldo da Silva Rodrigues Triguei-
r 'dn,n,l,IMter C41" e e No Jornal do Commercio, de Lisboa, o. 2 654
de 12 de agoito, acha-se a relago nominal ds
pessoasqae se dignaran subscrever ss quantisa
que ormsram o total cima, cujo jornal se po-
der ver no gabinete oortuguez de leilara
Recite, 29 de agosto de 1862.
MKWi Ribeiro de Carvalho,
< Consta-nos que se recebeu hontem em Lis-
boa, um telegramma de Tarn, annunciando que
o contrato matrimonial tora assignado na dia 10,
e que S. Exc o Sr. visconde da C'rreira, porta-
dor deise contrato, devia partir pira Liiboa a 15
do correte, esperaodo-se que entre no Tejo at
o dia 22.
B zem-nos que o corpo legislativo ser ex-
traordinariamente reunido psra tomar conheci-
menlo do tratido nos primeiros dias do mez de
setembro ; e parece que S. M. el-rei, o Sr. D.
Luiz. escolher para conducir a Lisboa a futura
rainha. ao actual presideete do conselho, o Sr.
marquex da Loul.
< Parece que S. Exc nao partir de Lisboa,
antes do dia 15 do mez qae ram, sndo acompa-
nhido ds Sra. duqueza da Terceirs, esmareirs-
rar; ds Sra. D. Gabriel!*, dama, dos condes da
Liaasres, do msrquez de Siuza Holoteea, cams-
riiti de S. M e do empregsdo domioisterio dos
negocios estrangelros, Alraro Frederico Martina.
A princeza Maria Pia, ser cooduzida no va-
por Bartkolome Dias, sendo acompanbada pelos
vaporas S4ephania e Sagres.
< Segunda ouvisaos taoabem, daas diviSes na-
vaes, nma italiana e autra fraoaeza, virio de
conserva aos nariosdo guerra portuguezee: pa-
rece que estas dirises sao deilacadas dsses-
qaadras qae ss da nages teem no Mediter-
rneo.
A Ioglitarra mandar igualmente para as
agoas do Tejo ums diriso naral, para tornar mais
solemne a recepglo da futura ratnba.
Na parle da polica, que hontem publca-
me relativa so da 27, deve-ae 1er, em vez da
17 de Janeiro de 18*30,-17 de junho de 1860.
UJ1A LAGRIMA DE SAUDADE,
Oflerecida ao meu amigo Gualter
Hoilrisues da Silva. (lo Cear)
pelo sempre chorado passamento
de seu sempre chorado ir mao
Luiz It.-.Irijjues da Silva.
A vida usas comedia sea sentida,
U*a historia de saague e de poeir,
Ura deserto sem luz...
A ecsr da urna Uva era craaeo ardido...
E depois sobro o lodo... urna careira,
Los ossos e urna cruz I
A. DE A/EVEDO.
O snje da morte inveho em aegra auvem ka-
teu suis luctuosas azis, e pausaaia na trras
irresaegou o seu Infausta cateUo sobre aquella
existencia, que nesta vid encerrava todas as tu,
delicias e lodo o leu mor I
E tu, mea migo, icaate inconsolavel, carpin-
do a tus acerba ddr, e dirigiodo ao Omnipotente
as tasa fervorosas suplica, para que receban
manso celeitial aquella, cuja exiitencia neto
muoso foi de taala virluie, e cheia de immeasa
boodada I...
Anda hontem o va te caeio de vida e pra-
senieiro, como a fresca fiar, gintil a perfumosa
ao depontr di doce aurora, rozar com ligo as
ragas desta Ilusoria vida ; boje, como a mesma
flor abatida pelas tempestades do ingrato zephiro,
o v exaogae e fro, cora os seus labios curva-
dos, e sem poder dizer-t um adeus, jazer debai-
io de eoregelada louss, entregue ao someo eter-
no I...
Hontem, tendo-o comprimido em teas bragos,
passavas diai e noites felizes, euvindo molod'io-
os sons; boje em pranto, ouvinio os ministros
da religio bradarem as suas oracees, e as vozes
fnebres doorgounirem sa o leus solugos, pai-
sa eiajuocido tempo jur.lo campa, que oceulta
as preciosas reliquias daquelle, que te era mais
charo ueste mando I !...
Consola-te, charo amigo, teu Irmo desappa-
receu de leus olhos; mas sua lembrinca existir
para sempre gravada no teu corigo !
Aceita, poii, estas minhas palavris sem nexo,
como viva e dolorosa expresso de minha alma ;
e quando visitares esia lgubre morada, otile
permanecen) as cinzas de tantas vidas preciosas,
por mim depoe sebre o tmulo de teu presado*
mano urna lagrima de saudade 1 I.....
Recite.
A. Macario F.
Elei^o dos devotos que ho
de festejar a Nossa Se ahora
da Piedade da coDfraria de.
Santa Rita de Cassia no au-
no de 1862
luiz por eleigo.
O Illm. Sr. Domingos Jos Ferreire.'
Juiza por eleigo.
A Exma. Srs. D. Maria Margarida dos Pra-
zeres.
Juiz por devogio.
O Illm. Rvm.iSr. -.Seranea Gongalves dos Pas-
eos Miranda.
Juiza pordevogao.
A Exma. Sra. D. Anaa Machado de Lana Fre-.
re Costa.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs.:
Capito Miguel Bernado Quinteiro.
Jos Marcelino da Roa.
Francisco Jos de Campos Pamploo.s,
Manoel de Carvalho Paas d'And'.ade.
Antonio Procopio de Souza Barranol>
Jernimo Emiliano Miranda C-4|tro
J alzas prolo;C|0r,i.'
As Exmas. Sras. :
D. Aon Joaquina da SV'.va Braga.
D. Gertrudes Ctralcan'.e d'Albuquerque Herbario.
D. Libania Emilia C'esai
~r d'Albujuerque
D. Joaons Bptits d'Azavedo Vianna.
o dia 16 do correnta, o inspector de quar-1 D. Javlaa Gorjea Peas Temporal
teiro do Salgadiaho, Caetano Ales Florencio, Euriro por eleigo;
preodora a Mekitao Bialo dt Silva por tuvorl O.lllm. r. Mmoel GoajlTM Agr,
MUTILADO

ILEGVEL


A Excna
nota.
Loyola ta
Escrirsa por eleigao.
Sra. D. Elvira AuguiTa
Eicrrvao por dovojao.
Os I.lma. Sn. :
Capio Francisco daa Chsga Silgaeiro.
Jos Bernardiuo Alves.
Escrivas por devoQo.
Ai Exmai. Sras. :
D. Hara Rosa de Gusmao.
D. Aooa Julia da Silva.
Procuradora
O Llms. Sra. :
Joaquim Aotooio o'Oliveira.
Angelo Cislodio Rodrigues Franja.
Joi Pereira de Oliveira.
Hermenegildo Fernando de Souza Lobo.
Sligacl Jos da Silva Jnior.
Mordotnoi.
Os Illruf. Sf.:
Manoel Jos de Maltes.
Jos Ramos da Silva.
Pelro Duarte Rodrigues Franja.
Jos Francisco da Costa Lobo.
Antonio Jos Fernsndes de Castro.
Thomaz Jos do Oliveira.
Jos Joaquim de Azevedo.
Jos Mena Nunes.
Francisco Solano da Cruz Ribeiro.
Jote Maximiano Soares Avellar;
Jr>s Pereira de Azevedo.
Joo Pinto de Araujo.
Mordomis.
As Exmas Sras. ;
D. Thereza.de Jeaus Salvador Civalcante.
i. Aooa Rosa Muoiz Tavarer.
I). Mara Eliza Paee Brrelo.
1). Francisca Thereza Barreto de Souza.
D. Rutina Doustilla Abdon Ramos.
1 Josepha Maria Soulo.
V. Maria do Cirmo dos Sanios Mais.
D. OelQaa Candida de Gusmao.
O. Themotea Josepha Carneiro Macicl da Silva.
1). Maria Arlinda de Ostro Fooccca.
U. Adelaida dos Pasaos Miranda.
D. Caudida Augusta Gomes da Silva.
Eocarregados da Testa.
Os Illtns. Srs. :
livm. Guilhermino dos Santos Muoiz Tavares.
Ismael Amavel Gomes da Silva.
Jco Pedro de Jess da Malta.
Cooaiatoiio da contraria de Santa Rila de Cal-
ila' em 16 6 fvereiro de 1862.
Assignado.O wgiiio interino Fr. Antonio de
Santa Rila.
DIARIO H TEHAJABD
iBBADO 30 BE iSOSTO 01 186*.
S-IEf,"ry.,FoT,Hr& G-i l.OtO coaros salgadoi cora do Brasil, a saber: 9,000 saccoi de Teros*-
7,110 libra. fcuP 10
HeeebdorlA de randas Internas
Cernes de Pernamboeo.
Rsndimento do da 1 a 28, 17:0268557
Idm da dia 19...... 495^145
27.521J402
C>onaala3 provincial.
Rendimanto do da 1 a
Idam da Ji 29 .
28.
30:059*540
1.663J346
buco. 10,250 da Baha etc., a 2,650 nccoi do Ma-
ranho.
Aisucar.As yendas deide a nona ultima re-
vista, montam em 3,700 aaccoa e 70 caixaa aoa
precoi de 19( pelo de Macelo, 20[ peio do Mara-
nbao, e ls,9 pelo da Babia. Em visgem venda-
ram-ie 400 saceos de Mcela, a 19il 1(2, 318
caixaa e 175 barrlcaa da Bahia a 189, a 4,600
taccoi da Parahiba a 19( Mercado firme e o pra-
dos um pouco mala labidoi.
Borracha.Tem havido mal algnma procora,
e o preco deada a nossa ultima, tem subido de
51 720886 *l8 3j4 dporlb. a 1|11 1|8 oel fina velha. Aa
. vendaa regulara cerca de 93 toneladas aos precoi
BOLETIM.
LIVERPOOL, 8 DE AGOSTO DE 1862.
Importacao,
I.ivres de direitos para o vendedor.
Gneros, Pregas.
Algodao de Pernambuco por lib.:
18 3|4 d
17 3|i d
16112 d
17 3|4 d
17 1|2 d
17 d
a 18 d
a 18 d
Ao Illm. gr. Dr. Carolioo de LimaSantos.
Acabando desoflrer urna grave operario, que,
exlir,ando-u ,e um mal de anaos, pela pericia
coid que foi feita, restilmo-me a saude, e selvou-
ine a vida, eu faltara a um dever sagrado, ae,
v>elo urgi da opinio publica nao desse ura les-
temuuho degraiido aos peritos e habis mdi-
cos, os lllms. Srs. Drs. C>rolino de Lima Santos
/veredor) Joo Maria Seve, e Augusto MonUiro
Cuneiro dos Santos assisleole que a prati-
caram.
Si lia de longos a nooi a m tu mor Kystobematico
junto as glndulas do pestoQO.quando pelo volumo
6o cr los facultativos supracitodos, atlestado per tantos
opralos, resolv me exlrahi-lo; e comtffeito no
noe a difficilima operaco, vi-ma liue de taina-
nho mal. Apenes cootava um mez de operado,
e ainda sobe as vistas experimentes do disliocto
e iotelligeete Sr. r. Cirolino de Lima Sanios,
is-me competentemente reitabelecdo, e livre
asir de um mal lerrivel 1
Assim nois recebsm aquelles tres habis fi-
lhos de 'Hypocretei os meus cerdiaes agrade-
ciraenlos, e a mais viva e publica prOva de apre-
so, eslima e profundo acatameolo quo Ibes vota
v seu eterno reconbecido.
Becife 28 de agosto de 1862.
Adolpho Targini Accioly.
C0MMKIeMa
3
DO
B&aco o Brasil.
Acaixa filial descoota letras com traso at
qualro Biezcs a 10 0|0, as do seu proprio aceite
a 9 0i0, toma dinbeiro a juros em coola corren-
te, ou por letras a 7 t',0 ao anno, e secea ao par
curtoi prasos, sobre o banco do Brasil.
Caixs filial 26 de agoilo de 1862.
Francisco Joao de Barros.
Secretario.
iPraca do Recite 29 dt>
agosto de 1862.
As qaatro hotas da tmrde.
Colaces da junta de correlores.
Cambio.
S->bre Londres90 d[v. 26 1[2 e 26 3ii d. por
l;U0O.
obre Portugsl-60 d|v. 104 e 106 0i0
J. da Cruz Macedopresidente
John Calislecretario.
RtauriegM,
Isndltcento do dem da dn 59 i
417:0558660
7.162s705
424:218365
*fovi istmio da aPfandcea.
V*'.-. -.e: ar.trados (orntazendai.. 3t5
y rom generoi.. 911
Valcmsi ah'.doi ser.c fazandas..
c > com generoi..
== 1.236
59
106
== 165
Bom.
Mediano..
Ordinario. .
dem da Bahia, bom. .
Mediano
Ordinario .
dem do Maranhao, fibra longa
Alcntara .
Itapicur .
Caxiaa .
dem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar porll2% do Rio, b. .
Louro. .
Mascavado .
dem de Pernarabuco branca.
Louro:
Mascavado .
dem da Bahia e Macei b. .
Louro. .
Mascavado .
Melaco........,
Agurdente cachaga, por gal .
Balsamo decupaiba por %,claro
Torvo. .
Borracha por 5, fina. .
Mediana.
Ordinaria
Cabera de Negro
Sernarby ; .
dem do Cear, palles. .
Sernamby. .
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....
Bahia, .....
Cafe, por 112 Rio l.&sorle.
Segunda .
Escolhido .
dem da Bahiprimcira sorte.
Segunda
Escolhido .
dem do Cear.......; .
Castanha por 112 do Para o.
Cebo por 112 g do Rio Grande
Bom e duro.. .
Mediano. .
Escuro.
Cera de carnauba, por 112 s. .
Clnres, por 123 de vacca .
De boi. .
Clina por $ de cavado. .
de vacca
Couros por R do Rio,
Seceos de 30 a 35 5.
de 20 a 2'i <*
de louros, 35 a iO o
do Rio Grande, por 8 :
Salgados.de 65 a 70 s.
o de 45 a 50 s
de vacca 40 a 48 i
CavaIlo,ieccoi, 10 a 13
S. om .
dem salgados, 23 a
30 R.....
dem idem, 16 a 20 5i.
de Peruambuco, Babia,
Maranhao e Para por a
Seceos salg., 26 a 30
o espichados 16 a 20
Curlidos 7 a 9 R .
Moldados salgados, 40
aOJ Ib...............
do Ccar, Paralnba e
Macei por .. .
Seceos salg. 30 a 32 .
Moldados s, 45 a 50 i
Cumar, por lo., bom .
Ordinario.....
Fariohado mandioca,por 1122
Gomma ou bocho de peixe por '
Carujuba, Ia qualid.
2" dita. .
3a dita. .
Pescada. Ia qualidade
2' dila. .
3a dita. .
Piriaba, Ia ma
2 Jila .
3a dita. .
qualidade .
2a dita .
Ipecacuaoha.por Ib.....
Jacaranda por tonelada do Rio.
dem da Bahia......
Piassava por 2210 Ib. do Para.
da Bahia.....
Pixurim, por 1121b. bom .
Salsa parrilha por libra boa. .
Inferior.....
Tapioca por 112 Rio superior. 38(0 a 45|0
Ordinaria .... 25[0 a 35i0
L'ruc por i do Para bom 9i
Fundos e Camlios.
Fundos inglezes.
Banco de Inclaterra (acQOes) Por 0|0238 a 240
Consolidados.....3 93 5[8 a 93 3[4
Reduztdos......
Fundos novos.
19 d a 19 li* d
18 3t4 d
18 d 1(2
18 \{- d
18 d
17 3(4 d
24|0 a 28^0
2110 a 2116
17)0 a 20|0
2410 a 28|0
21|6 a 22)0
1716 a 2110
24(0 a 28|0
21i6a 22t0
17i6 a 21t0
816 a 10i
1(7 a 4(8
ll
lp
lili a 2i0
l|7a 1[9
ll* 1|5
1|0 a lil
0(10 a 0|U
62(0 a 6310
5110 a 53(0
62|0 a66|0
56i0 a 60|0
72(0 a85|0
62|6 o 66 0
53,0 a56iO
70(0 a 75|0
G5|0 a 75i0
18i0
48i0
45|0
75[0
14|0
25t0
12 d
10 d
8da 81\2d
7 li2 d a 8 d
7 d7 li4d
de f i9112 a lil0 3[4e lili 1|2 pela fina e cabe-
ja de negro, de 11 d a lj, e 1(1 d.
Cf.As vendaa moulam em saceos aos
legaintea precoi, a saber 52|, a 63,6 d. e 64|9 d
pelo do Rio ; e 59( a 649 pelo do Caar. E' bas-
tante procurado aoi precoi colados:
Castanha.Tem realisado da 17|6 a 18( por 112
Ib., e era Londres, de 26| a 28( por barril.
Couros.A procura para exportarlo, o ai Irn
sacudes sao de pouca importancia aos seguintes
procos, a aaber. Pelos aeccoi calgadoa do Ceari,
de 30 a 34 Ib., 6 1|2 d a 6 34 d por Ib.; de Per-
nambuco de 32 Ib., a 5 1|2 d por Ib., e da Para-
hiba, de 30 Ib. a 6 d por Ib.
Gomma de Peixe.Baixou.
Hovimeato % loHo
Navio entrado no di* 29.
Maranhao28 dias, brigue escuna nacional Gra-
ciosa, de 218 tonelada!, capitao Antonio Soa-
rei da Culta, equipagem 12, carga Urinha de
mandioca, milbo e arroz ; a Antonio de Al-
meida Gomet.
Naohouveram tbidas.
dem
dem
dem
Bagre, V
5 7[8d
5 3|4d
4 3|4d
6i6 a "lO
9[0
C[0
6 1| da 6 1(2d
7 l|2d a8d
8 3)4 d
41-2 d a 4 3jld
6 l|2d a 6 3|4 d
4 li da 4 3i* d
t|3
Sltl a 3|4
2(9 a 2i.11
lili a 2(1
3|4
2[6 a 2j9
lla 1[10
2|3 a 2j7
it9 a lili
lt4 a li8
'odali d
, 8|0
S 16 a S 20
13 a 17
S*2i a 25
S 10 a 12
ill ali3

D*sr:*-am no dia 30 e agosto.
Barra inglezaRonaldc mereadoriai.
Barca ingieraCearaidem.
Calera francezaBorthfazendst.
Importacao.
Barca ingleza Ronald, vioda de Liverpool, con-
igoda a Sauoders Brolhers & C, manifestou o
aeguinte:
293 gigos 6 barricas e 5 cestos louga, 50 barris
xnanteiga, 1,000 saceos farinha de trigo, 200 Jilos
arroz, 100 barris bren, 217 toneladas carvo de
edra, 28 barricas e 1 csixa ferrgens, 1 (ardo fio,
ctixa saceos de viagem, 1 dita chpeos de ioL
2 d.tss camisas de slgodo, 20 ditas e 79 fardos
fixeodas de algodo, da 13a e de lioho ; aos con-
signatarios.
50 saceos arroz; a Mills Latham & C.
172 barricas cerveja ; a C. J. Astley i C.
1 ctixa biscoitos ; a Sodr & G.
7 ditas palitos de logo ; a Ferreira 4 Martn.
2 ditas fazenda de algodao ; a Uanrlque & A-
xevedo.
1 dita dita dila ; a Mello Lobo & C.
2 fardos fazenda de algodo ; a Rtbe Schmeltau
50 caixas folha de (landres, 1 barril eitanho, 29
fardoi e 1 caixa fazendaa de algodao e de lia ; a
ordem.
1 laceo amostrai; a divenoi.
Brigue nacional Carolina, entrado do Rio
Grande do Sul, comigoido a David Ferreira Bai-
lar, manifest* o seguinte :
9,101 arroba de carne de charque, 174 ditas de
ebo em rama, 250 caixai velas de sebo, 60 sac-
eos eijo, 20 barril com 5.000 tainhas e 50 con-
roi vaccuus seceos ; a ordem.
Patacho nacional Director, vindo do Rio Gran-
do do Sul, consignado a Amorim Irmoi, mani-
festou o seguinte :
9,9t< arrobas de carne de charque, 546 ditas
de aebo em pes, 200 ditas de graxa o 49 couros
seceos; a ordem.
Brigue escuna nscional Graciosa, vinda do Ma-
ranhao e Para, consignado a Antonio de.Almeida
Comea, manifestou o seguate:
24 caixas calcado, lencos de algodo, gangas,
pboiphoros de cera e ontrai fazeadas; a ordem
le diverso.
350 lceos arroz, 265 ditos milho, 393 ditos fa-
llona d3 mandioca ; ao consignatario.
200 aaccos arroz: a Palmeira <& Beltrao.
70 ditos dito ; a Jos M. da Roa.
30 barricas grao de bico, 25 saceos feio a 21
barricas icbo em rama ; a ordem,
Exp.ortapao
do dia 28 de agoilo.
Brigt4bkea8a Naulilus, para Liverpool,
carregaram :
Patn Nash (S C-, 526 saceos com 2,800 arrobas
e 16 libras de algodo.
Patacho aartricano Carne Unes, para riiila-
deiphia carregaram;
Eslranueiros.
, 4 i i-2 88 a 100
. 5101 a 102
. i li2 93 a 94
. 3-
. 3 55 a 55 1|2
3_44 3|4 a 45 \\i
3 18 7t8al9 1]8
21i26i 3|4a 65 1(4
4 1011i2-10zl|2
3 281i8a28 1[4
3 46 a 46 1[2
3 46 1)2 a 47
. 3 2 3,8a2 1i2
596 li* a 97 1|2
4 li2 90 1|2 a 91 1[2
(r. 3140
Belgas. .
Urasileiros
a
Dinamarquezes
Ucspanhes.
o
o
Hollandezes

Mexicanos.
Porluguezes



Rssos......
Banco dc'FranSa (accoes).
Fundos francezes. 4 l\ t>,/u
0 3 68.50
Di Heridos
Passivos.
1856 1857..
1859..
1853..
Serijo .
Melaes preciosos.
Ouro em barra.....P
Portuguez em raoeda.
h Brasil.....
Onras hespanholas. .
o a americanas.
Prala em barra ....
Patacas brasileiras .
Pesos columnarios hespan.
Pesos das repblicas hesp.
mexicanos.....
Moeda de 5 fr.....
Cruzado novo
Lisboa.....
Porto.....
Rio de Janeiro, o.
Amslerdam. .
Ilamburgo .
Pars.....
; .
onja 77|9
o 77(7
77|8
76(6
e 740
51 5i8
4(11 1 r2
5)0

. 4(11 li2
. 4|U 5[8
. 4itl 5i8
Cambio.
90d.d.5>2 7i8a 53
52 7(8 a 53 118
60 d. v. 24 3i4
3 m. 11.18 1(4
13,7 3i4
25,37 1|2 a 25.421(2
3d. v. 25,171 ia 25.221\2
O Dr. Trito de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Roa e joit especial do cora-
mercio deats cidide do Recite e seu termo ca-
pital da provincia de Peruambuco por Sua fla-
gala le Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, que Deui guarde etc.
Fago saber pelo presente, que por este jui-
zo e cartorio do escrivao interino, que eate
sobicreves, corre ama execuc^So de leotea-
ca entro partea, a saber de urna como exe-
quenle Joaqaim Dia Feroandei.e de oulra como
executada a viuva Das Faroandei, que tenJo-se
feito psnhora em dinheiro na quantia de....
! 1.4008607 ris, que ae acha recolhido no diposi-
: lo geral, em audiencia do dia 11 dasle mez, pelo
| solicitador Beroardino de Sena Dias me fora feito
i o requerimento aeguinte:
Aos 11 de agosto de 1862 nesta cidide do Re-
| cife de Pernambuco em publica audiencia que
I aos feilos e partea fazia o Or. juiz de direlto es-
pecial do commercio.Tristo de Alinear Araripe,
nella pelo solicitador B*roardino de Senna Dias
procurador do exequenle Joaquim Das Fer-
nando (ora aecusada a penhora feita em di-
nheiro requarendo que se passitsa edilal para
cit*(o dos credores iocertos com prazo de 10
dias e que ficassem designados es dias da lei a
raesma penhora ; o.que ouvido pelo juiz, bou-
ve o requerimento por deferido.
Extrahi presente do protocolo das audiencias
e junto o seguinte mandado de preceilo a coropa-
uhado da respectiva procurago bastante do exe-
quenle.Eu Faustino Jos da Fooceca, escre-
vente juramentado o escrevi.Eu Joo Yicente
do Torres Banleirs, escrivao, interino o subs-
crevi.
Por forc,a do detrimento dado a este requeri-
mento, o escrivao respectivo fex pasear o pre-
sente pelo tbeor ao qual sero citados os credo-
res iocertos periodo o cometido no requerimen-
lo aqu transcripto, afim de que dentro do pra-
fixo prazo de 10 dias comparecer neite juizo al-
legando, o que lhes for a bem de leu'dtreito e
jn-ti<;a sob pena de revelia.
E para que chegue a noticia a quera interes-
ar possa ujsn lei pastar editaes que sero afi-
xedes nos lugares do cosame e publicados
pela impreuia.
Dada e paseado nesta cidade do Racife de Per-
nambuco aos 29 de igosto de 1862, quadragesimo
primeiro da imdepeudeociae do imperio do Bra-
sil.Eu Joao Vicente da Torra 3an voioterioo o aubserevi. '^
Trieto de >lencar Ararif
0 eapito Jos Luiz Pereira Jnior, ca
imperial ordem da liosa, e juiz de pas
ceiro anno com exereicio no teguado,
mr-iro districto da freguezia do Santlss1
cramento do bairro de Santo Antonio
do Recifa, provincia de Pernaabaco
lude da lei, ele (*).
Fago aaber aos que a prosete carta
virem, que por parte de Mooel Moreir
me foi enderessada a peli?ao do iheor
Diz Maooel Moreira Campo, com
nesta pra(a, que elle quer fazer citar a
Francisco Paes Barreto, o a Aotooio B
vo Uch3, eate morador que foi nesta
aquello no engenho Timb em Iguaraii pars
conciliarem-ie cono o supplicaota para sagnrem
urna letra j vencida da importancia de 1:3003,
devidamente protestada; mas ignoras lo se o lu-
gar certo da actual residencia dos sapplicados, e
assim podendo ser chamados por edltos, requer
o sapplcanle a V. S. que jostificada a ausencia
supplicados dos em lugar incerlo os mande citar
edialmente.
Pede a V. S. Sr. juiz de paz do 1* districto da
freguezia de Santo Antonio, que se dign admit-
tir a justificado, e julgada por senteo^a masdar
patsar es efitaes para aa alardes q< S. R. M.O solicitador, Aotosio Carlos Pereira
de Burgos Pooce de Len.
Na qual petiao dei o despacho que adante
se v :
Justifique. Prirr.eiro districto da freguezia de
Santo Antonio, 26 de jalho de 1862.Pereira
Jnior.
Em virluie do qual despacho se procedeu a in-
quiric,o de teslemunhos que depozeram sob o
juramento dos Santos Evaogelhos a respeits de
ausencia e incerteza do lugar da residencia dos
ju'tiGcados Francisco Paes Birreto, e Aotooio
Borges Galvo Ucha ; e sendo tudo autoado, e
preparado, me foram os autos couclusos e por
mirti lides, nelles profer a euienca do theor ae-
guinte :
Julgo por senlenga a jueliOcacJjio de folhas para
preduzir seus effeUoa ; o escrivao paese a caita
requerida cosa o prazo de 80 dias, e pague ojus-
tiGcacile as cuita.
Primeiro districlo da freguezia do Santo Anto-
nio, 12 de agosto do 1862.Jos Luiz Pereira
Jnior.
Nada mais se conlinha em dila sentenea dada
no autos por bem da qual se passou ao justifi-
cante o prsenlo edilal com prazo de 30 dias,
pelo qual se chama e cita os referido supplica-
dos para o que dentro dos 30 dias coinpare;am
por si, por seus prenles e amigos, ou por seu
NAVIOS A' CARGA PARA O BRASIL.
CearBelem8 de agosto
ParRhonda20.
PernambucoGeorgina9.
demJohn Martin10.
demJames Hull13.
demMargare! Campbell15.
demImogene14.
Algodo.Desde o nono ultimo aviso, a mar-
cha do mercado tem sido em pequeos Interva-
los, por elevados pre^o, e o resultado que ho-
ja cotauos as difierentes qualidsdos do Brasil, da
1 1|2 d a 2 d por Ib. cima dos preces da nossa
ultima revista ; o as cotactsde boje sao mou-
das com firmeza.
A entradas totaes da todas aa qualidadea de
algodo, desde o principio do anno at hoje,
montam em 644,633 aaccos, incluindo 87,832 sac-
eos do Brasil. Aa vendas montam em 1,857,570,
inclsitdo 174,170 do Brasil. Em ter ficam......
156,550 de totas ai qttalidide, incluindo 21,900
balenle procurador para ae proceder aos tVmos
da conciliario na forrea da pelic.o, e a qualquer
outra pessoa para que Ibe faja aaber desta mes-
ma citago, afim de que elle nao fique indefezo.
O poileiro interioo deite juizo publicar nte
nos lugares mais pblicos desto districto, o af-
iliar, paasando certido em forma.
Dada e passada neate primeiro diilricto da fre-
guezia de Santo Amonio do Recite, aos 12 dias
do mez de agosto de 1862.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao que o es-
crevi.
Jos Lhx Pereira Jnior.
0|capitao Jos Luiz Pereira Jnior, cavalleiroda
imperial ordem da Roa, e juix de pat do ter-
ceiro anno com exereicio no segundo, no pri-
meiro districto da freguezia do Saniisflfbio Sa-
cramento do bairro do Sent Antonio da cidade
do Recite, provincia da Parnambsco, em vir-
tude da lei, etc. (1}
Fago aaber aos que a presente carta de editos
virem, que por parta de Joo Antonio de Mallos
Abreu me foi enderissada a peti{io que se
segu :
Diz Joo Antonio da Mallos Abreu, que elle
quer fazer citar a Braailiaoo Francisco Paes Bar-
reto, e a Aotooio Borgea Gilvo fjehoa, eate mo-
rador que foi nesta cidade e aquelle no engenho
Timb em Iguarassi; pira concillaren)-se cos
o lupplicente, afim de pagarem um letra i ven-
cida da quantia de 380y, devidamente protestada
mas igooraodo-io o lugar certo da actual residen-
cia dos supplicados, e por isso podendo sereha-
madoa por eJilos requer o suplicante a V. S.
(*) Por afluencia de publicacoes,
blicado a mais dias este edital.
nao foi pu-
A reiacc,
(1) Por afluencia da publicagoes naarol Deli-
cado esto ditil a mais lempo.
A redaecio.
>
qse jasOTcada "i a
gar nao aebide, os mande citar^dttalmotT
Pedo V. S. Illm. Sr. juiz de paz do primtiro
districto da freguezia de Santo Antonio, que se
fligne admiltir. a jutlfka$o e jalgada por seos
tonfa mandar pesiar os editaos pera aa citece-
quo sersquer.B. R.M.O lolicitador, Antonio
Carloa Pereira deUurgoa Poace de Leoo.
Na qual petigo dei o despacho que le legue :
Juitifque. Priaeeiro districto da freguezia de
Sinto Antonio, 26 de julho de 1862.Pereira
Juntar.
ErB_virtude do qual deipacho ae procedeu a in-
quiri;o de testemunhao- que depoxeran aob o
juramento dos Santos Bvangelbos s respeito da
asseocia, e incerteza do lugar da residencia doa
jvitiflcadoi Bresiliaoo Frentico Paes Brrelo, e
Antonio Borges Galvio Bebda, o sendo tudo au-
toado e preparado me foram os autos conclusos,.
e por mira lido, nella preferi a sentenga do
theor seguiote:
Julgo por sentenea a justifleaelo de folhas para
produzir seos effeitos ; o escrivao pasee a carta
requerida com o prazo de SO dia.
Primeiro diitricto da freguezia de Santo Anto-
nio, 12 de agosto de 1862.-Jos Luiz Pereira
Jnior.
Nada mais se conlinha em dita sentencia dada
nos autos per bem da qual se psso ao juitii-
cante o preiente edilal com o prazo de 30 diai,
pelo qual le chama e eita o referidoa juetiflea-
do para que dentro des 30 dias compareca por
si, prenles e amigos, ou por leui baetantea pro-
curadores para ae proceder aos termo da conci-
liario na forma Oa pe cao, e a qualquer outra
pesoa para que Ihe faga saber deata raesma cila-
cao, afim de que elle oo fique indefezo.
O porleiro interino deste juizo publicar este
nos lugares mais pblicos deste districto, e o a-
fltar passasdo cerlido em forma.
Dada e passada ueste primeiro districto da fre-
guezia de Slolo Antonio de Recifa, aos 12 dias
do mez de agosto de 1862.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao qae o es-
crevi.
Josi Luix Pereira Jnior.
O Dr. Manoel Jos da Silva Neiva.commendador
da imperial ordem da Ros, cavalliiro da de
Cbristo, juiz de direito da 2 vara criminal da
comarca do Recite, por S. M. o Imperador, que
De guarde, etc.
Pago aaber em virtuda do art. 2 do cdigo do
proceo criminal, que tendo aido convocada para
0 dia 4 do crrante a 4" sessao do jury, lnstallou-
ie no dia 6, e encerrou-ie no dia 22 do dito mez,
endo nella julgadoi 13 processos, contando 14
reos presos.
Foram assiduoi os Srs. jurado seguintes :
Antonio Augusto da Cmara Rodrigues Selle.
Antooio Jos Silva do Brasil.
Antonio Mechilo Gomes da Silva.
Antooio Rufino de Aodrade.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito.
Cimillo de Lelis Peixoto.
Bomiugos da Silva Guimare.
Domingos Soriano Alves da Silva.
Dr. Francisco Antooio Cesarlo de Azevedo.
Francisco de Albaquerque Mello.
Francisco Jos da Cunhe.
Francisco Jos Martina Penna.
Faustino Jos doa Santo.
Flix Paes da Silva Pereira.
Felippe Antooio Teixeira de Albaquerque.
Goocalo Jo Affonio.
Hermino Ferreira da Silv.
Heorique Jos Alves Ferreira.
Igoacio Pedro daa Nev.
Joo Aotonio da Silva Pereira.
Joo Baptista do Rpgo.
Joo Ferreira da Cosa.
Joo Jos de Albuquerque.
Joo Manoel de Castro.
Jos Alfonso dos Santos Baetoi.
Joa de Barros Conoi Selle.
Jos Cuoegundea da Silva.
Joi ds Cruz Santos.
Joi Ueoriques da Silva.
Jos igoacio Pereira da Rocha.
JosJerooymo dr*Souza Limoeiro.
Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment.
Dr. Jos Lourejo Meira Vasconcellos.
Jos da Rocha"Pranho.
Joaquim de Almeida Pinto.
Joaqnim da Assumpso Queiroz.
Joaquim Francisco de Albuquerque Santiago.
Jacome Geraldo Maria Lumaebi de Mello.
Manoel Antonio Viegas.
Manoel Antonio Viegas JuDior.
'Manuel Fraocieco Marques,
r. Mnoel Jos Pereira de Mello.
Manoel Jos de Oliveir.
Manoel Joaquim Ferreira Esleve.
Manoel dos Santo Nunes de Oliveir.
Sebaitiao Jos Gomes Peona Jvuior.
Foram muitados na quantia de 3409 cada um
dos Srs. jurados :
Antonio de Albuquerque Mello.
Joaquim Salvador de Siqueira Cavalcanti.
Jos de S Leilo Jnior.
Foram multados na de 3205 cada um dos Srs.
seguintes :
Agoitioho Ferreira dos Santos.
Joaquim Francisco de Mello Santos.
Manoel Vioira Perdigo.
E aa de 3009 cada um dos Sra. :
Jos Antonio Moreira.
Joa Rodopiano dos Santo.
Sendo relevados dai multas impostas durante
a sesio os Srs. jurados que apresentaram escu-
sas legitimas.
E para constar mandei psssar o presente, que
ser publicado pela imprensa. Reeife 26 de agoa-
io de 1862.
Eu, Joaquim Francisco de Paula Esteves Cle-
mente, escrivao do jury o subscrevi.
Manoel Jos da Silva .Selva.
Faculdade de Direito.
De ojdem do Exm. Sr. coi aelheiro aireclor ica-
terino, faz-se publica a lista dasfaltai dos a lun
eos desta l'sculdade, relativzs ao mez de julho
prximo lindo, com as notas dos respectivos len-
te, presentadas em congregado de 8 do cor-
rente, a quil nao tomou conhecimento das fal-
las relativas a segunda cadeira do juarto anno e
primeira do quinto, por nao haverem compare-
cido os respectivos lentes.
Primeiro anno.
Antooio Almeida de Oliveira, 2 falls justifi-
cadas na primeira cadeira e 1 dita na segunda.
Antonio Carlos amssceno, 1 dita na segunda.
Aotonio Ayrss Laceria de Chermoot, duas ditas
na primeira cadeira o 2 ditas na s -guada.
Autonio Rodrigues de Souza Mattins, 1 juit.
na segunda cadeira.
Antonio Saboia de S Leilo, 2 just. inclu. 1
sab. na primeira cadeira, e 3 ditas na aegunda.
Caetano Maria de Fafia Neves, 1 just. na pri-
meira cadeira.
Franciico de Souza Martios, 1 just. na segunda
cadeira.
Aotonio Francisco Corris de Araujo, 1 just. na
primeira cadeira e 1 dita na segunda.
Samuel Felippe do Souza Uchoa, 1 just. na se-
gunda cadeira.
Ernesto Adolpho de Vaiconcellos Chaves, 2
just. na segunda cadeira.
Francisco Cornelio da Fonteca Lima, 1 dita na
seguoda cadeira.
Manol Vieira Barreto de Alencar, 3 inclu,
1 sab. just. na primeira cadeira o 2 ditaf inclus.
1 lab. na segunda.
Floriaao Jai de Miranda, 4 inclus. 1 sib. just.
na primeira cadeira e 3 nao jnet. na segunda.
Franciico Rodriguei Soares, 1 just. na primeira
cadeira e 2 ditas na segunda.
Aotonio Ribetro Pacheco de Avilla, 2 sab. just,
a primeira cadeira, e 2 faltas ditas na segunda.
Joaquim Pontes de Miranda, 1 just. na primei-
ra cadeira el dila na segnnda.
Manoel de Andrade Marlins Valaaques, 2 in-
clus. 1 sib. just. na primeira cadeira e 2 ditas na
segunda:
Cicero Anatolio Vieira do Brasil, 2 inclu. 1
sab. just. na primeira.cadeira e 2 ditas na se-
, ganda.
Jlo Lope Pessoa da Costa, 1 just. na segan-
do cadeira.
Cicero de Souza Mirques, 1 just. na segunda
cadeira.
Jos Francisco Carneiro Lelo,1 just. na segun-
da cadeira.
Jos Manoel de Barros Vmderley, 1 just. na
segunda cadeira.
Manoel Prxedes BVkevidei Piments, 17 inclu.
3 lab. juat. na primsira cadeira, e 23 inclu. 1
san. nao just. na ir-ganda.
Meooil Joaqaim Ferreira Esteres Jnior, 2
'just. ns segnnda cadeira.
Alfredo Honlesana de Oliveira, 2 jaat. na pri-
' meira cadeira e 2 ditas na seguod.
Sexostres Silvio do Moraes Sarment, 2 just.
i na primeira cadeira o 2 ditaa na segunda.
Aotonio Carneiro Antanes Guioares, 2 just.
na primeira cadeira o 2 ditas na segunda.
i Afranio do C-.issns, 1 iab. just. aa primeira
cadeira e 1 "falla ditana segunda.
Francisco Crrela Be Novaes Jnior, perdeu o
anno
ljust
Monte-negro,
just.
just.
.J Jos de Menezes Prado
sastra cldetra.
Joaquim Joas Bezerra
na primeira cudeira.
Joo Lopea de Aguiar Silva Murililft,
na primeira cadeira e 2 udui. 1 stb. just. na se-
gunda.
Joaquim Guedes Correia Gondin, 2 inclus. 1
sab. just. na primeira cadeira, e 1 dila na sa-
guoda.
Maooel Fernandos de Araujo Jorge, 1 ab.
just. na primeira cadeira e 6 incisa. 1 sb. nao
just. na segunda.
Antonio Venancio Cavalcanti de Albuquerque,
1 just. na primeira cadeira.
Jlo Cavalcaoli Lameaba Lios, 1 juat. na pri-
meira cadeira e 2 ditaa na segunda.
Azevedo, 1 ja'st.
. ... sb-
V, -aua, n.^ .uiia Dio jaat.
J.e ^oa da Silva, 1 ,,i. primeira ca-
deira e 1 dita na aegunda. C
Joo Maooel Mendea da Cu'nha
na segunda cadeira.
Joo da Cuaba Pereira Beltro, 3 just. ns pri-
meira cadeira, e 3 na segunda, iendo laio
Miguel Auguato do Naicimeuto Feitoss 1 iuat -
na segunda cadeira.
Ruliro Tavaree de Almeide, 1 j0It. na Pf|Be.
ra cadeira e 2 dila na secunda.
Jo Joaquim Ramos Ferreira, 1 just. na pri-
meira cadeira e 3 na segunda, sendo 1 ni
just.
Euclides Diocleciaoo de Albu'que'rque. 3 inclus. JtZi1}*!?"*}'* Lim8,' ju,L na P^eirt
,Vun J.US'' PrB2era "del"' 6 5 "* *"* i Jo Peretr. "
Miguel Peixoto de Vasconcellos, 2 inclus. 1
ssb. just. na primeira cadeira e 6, inclus. 1 sab.
dita na segunda.
Pedro Ferreira Coelho, 3 just. na primeira ca-
deira e 1 dita na segunde.
Ignacio Jos de Oliveira Arrud, 3 inclus. 1
sab. just. na primaira cadeira e 7 ditas na se-
gunda.
Ignacio Vieira de Mello Filho, 3 inclus. 1 sab,
juit. na, primeira cadeira.
Jos Igoacio de Albuq6rque Xavier, 1 just.
na primaira cadeira.
Francisco da Cunha Mechedo Pedros Jenior,
1 just. na primeira cadaira e 3 ditas na segunda.
Joo de Hollanda Cunha, "1 juit. na primeira
cadeira e 2 ditaa na legunda.
Antonio Martini da Cunha Seuto-Maior, 3 just.
aa aegunda cadeira.
Ignacio Ferreira de Almeida Guimaraea, 1 just.
na primeira cadeira e 2 ditaa na legenda.
Jos Domingues aa Silva, 1 just. na segunda
cadeira.
Franciico Domirgues Ribeiro Vianna, 3 nao
jut. na segunda cadeira.
Licinio Alfredo da Silva, 1 just. na primeira
cadeira el dita na segunda.
Gonealo Vieira do Mello Prado. 1 just, na pri-
meira cadeira e 8 inclus. 1 sab. oo just. na se-
gunda.
Jos Gomes da Frla, 1 just. na primeira ca-
deira e 1 dita na segunda.
Segismundo Antonio Gon^alres, 3 nao just. na
segunda cadeira.
Raimundo Honorio da Silva, 2 just. na primei-
ra cadeira e 1 dita na segunda.
Torqusto Mendes Vienna, 1 just. na primeira
cadeira e 1 dita na segunda.
Alarico Jos Furtado, 2 sab. just. na primeira
cadeira.
Maooel do Nascimento Teixeira, 7 inclus. 2 sab.
just. na primeira cadeira e9 ditas na segunda.
Alfredo da Canha Martina, 3 just. na primeira
cadeira.
Leonardo Francisco de Almeida, 1 juit. na pri-
meira ndetra.
Joaquim Maria Carneiro Villela, 3 nao just. na
segunda cadeira.
Aureliano da Silva Rebello, 3 inclus. I sab.
just. na primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Jucundo Borges da Fooseca, 1 sab. juat. na pri-
meira cadeira.
Joo \z da Carvalho Sodr. 5 inclus. 2 sab.
jut. na primeira cadeira, a 7 inclus. 1 sab. nao
just, na segunda.
Manoel Pedro Cerdoso Vieira, 3 inclus. 1 sab.
just. na primeira cadeira e 4 nao juat. ni se-
gunda.
Jos da Metta Nuncs, 1 just. na primeira ca-
deira e 2 ditas na segunda.
1 just.
na primeira
Segundo anno.
Bolvar Teixeira Mendes, 1 falta juslificada na
primeira cadeira e 1 dila aa seganda.
Livino Vieira de Macelo Lima, 2 justificadas ns
segunda cadeira.
Lino Leoncio da Assumpro, 1 justificada n>
segunda cadeira.
Manoel Francisco do Nascimento Sobreira, 1
justificada na primeira cadeira, e 2 ditas na se-
gunda.
Pedro Ulysses Porto, 1 justificada na primeira
caleira e 1 ni segunda.
Antonio da Silva Anlunes, 1 justificada na pri-
meira cadeira e 2 ditas na segunda.
Candido Jos de Mello e Silva, 1 justificada na
primeira cad"eira el na segunda.
Joo Alvares Pereira de Lyra, 1 jusliCcada na
segunda cadeira.
Joo Zeferino Pires de Lyra, 2 justificadas na
primeira cadeira e 2 ditaa na segn la.
Joaquim Jos Ferreira da Rocha Jnior, 3 jus-
tificadas na primeira cadeira e 1 aabbalioa na
legando.
Raymuodo Clement'tno Vlente, 2 justificadas
na segunda cedeira.
Antonio Luiz Ferreira de Menezes Vasconcellos
d Drummood, 1 justificada na primeira cedeira
e 4 inclusive 1 sabbatina justificada na segunda
cadeira.
Ilenrique Mamede Lins de Almeida, 2 inclusive
1 sabbatina jueliflcada na primeira cadeira.
Ildefonso Magoo do Andrade e Mello, 2 inclu-
sive 1 sabbatina jesticada na primeira cadeira.
Julio Cesar Gomes de Castro, 1 justificada na
pnu'eira cedeira.
Luiz da Silva Gusmao, 2 inclusive 1 sabbatina
justificada na primeira cadeira e 1 dita na se-
gunda.
Wenceslao Garca Chaves, 1 justificada na pri-
meira cad"ira e 2 na segunde.
Joaquim Patrila Pae Barreto, 5 justificadis
na primeira cadeira, e 7, inclusive 1 sabb.ttn>,
ditas na segunla.*
Theodoro Carlos de Faria Souto, 2 justificadas
na primeira cadeira e 2 na segunda.
Ernesto de Paiva Leite, 4 justificadas na pri-
meira cadeira e 5 na segunda, aeodo 3 nao jas
tificada.
Demetrio Jos Teixeira, 5 inclusive 2 sabbatl-
nas justificadas na primeira cadeira, e 7 inclusi-
ve 1 sabbalina nao justificadas na segunda ca-
deira.
Altioo Rodrigues Pimenta, 2 inclusive 1 sabba-
lina justificada na primeira cadeira, e8 inclusive
l sabbttina, nao jueliucadas na segunda.
Jos Joaquim de Oliveira Fooseca, 2 justifica-
das na primeira cadeira e 1 dita na segunda.
Reymundo Olimpio Gongalves de Freilas, 1
sabbaiiaa juslificada na primeira cadeira.
Antonio Jos Lopes Filho, 3 fallas justificadas
na primeira cadeir, e 3 na segunda, sendo 1 nao
juslificada.
Jos de Pioho Bjrges, 2 justificadas na pri-
meira cadeira e t dita na segunda.
Joaquim Antonio da Silveira Jnior, 9 justifi-
cadas na primeira cadeira, e 5, iaciusive 1 aab-
batina, ditas na segunda.
Luiz Aotooio Ferreira Souto Jnior, 1 justifica-
da na primeira cadeira a 1 dita ni segunda.
Ivo Magno Borges da Fonteca, 1 justificada os
segunda cadeira.
Lino da Silva Bastos, 2 justificadas na primei-
ra cadeira, e 3 na segunda, sendo urna nao iui-
liticada.
Manoel Leite Cciar Loureiro, 4incluiive 1 sab
belina, justificadas na primeira cadeira, e 3 in
clusive 1 sabbatina, ditas na segunda.
Francisco Connives da Jaita, 2 justificadas na
primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Antonio Martiniano Lepemberg, 1 juslificada
na seguoda cadeira.
Aotonio Dias de Pina Jnior, 2 justificadas na
primeira cadeira e 3 nao justificadas na segunda
dila. 6
Tbomaz LuireoQo da Silva Pinto, 1 justificada
na primeira cadeir* -^ .
Lzaro Pires da FafUjA 3 justificada na pri-
meira cadeira e l tflos^BgunJa.
Lenidas Ferreira i)aros, 2 just. na primeira
cadeira e3 ditaa na segunda.
Ernesto Odilon Maciel Mooteiro, 2 just. na pri-
meira cadeira e 1 dita na isgunda.
Ilermea Plinio de Borba Cavalcaote, 2 jast. na
primeira cadeira e 2 ditas na aegunda.
Joaqaim Pereira da Silva Guimaraea, 3 just. na
primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Benedicto Marques da Silva Acaoa, 2 juat. na
primeira cadeira e 1 dita na aegunda.
Jos Vicente da Costa Bastos, 5 just. na pri-
maira cadeira e 4 na segunda, sendo 2 nao
just.
. Raymuodo Valanliniano de Moraes ,Rego, 1
just. na primeira cadeira.
Aotooio LoureoQo de Carvalho Serra, 3 jast.
na primeira e 4 na segunde, sendo 2 faltas
Ju--'.< 1 sabbatina nao just.
JosJhAxitgnip Nunes, 4 just. na primeira ca-
deira ra na seguoda, lenido 2 nao just.
Jos sJIu.llaBda Ca.aLcanli de Albuquerque,
3 jaali Kprimia eadeira e 2 ditas na se-
gunda.
BruaoJjjaieeijj/ereira, 2 just. na primiira ca-
deira elT asgatoda,
PiuliriS Sogueirt Bor,
na preira.cadeira el
i da Fon
o
n
Araujo, 2 juit. ni se-
Bocha, ajust. na
de Cerqueira, 6 ind. 2 iibbeti-
nas just. na primeira cadeira o 12 incl. 2 labba-
linas na segunda.
Godofredo Augusto da Souza, 8 incl. 1 labba-
tina just. na primeira cadeira e 11 incl. 1 labba-
tioa juit. na segunda.
Miguel dos Aojos Berros, 5 incl. 1 isbbatioa
just. na primeira cadeira e 5 incl. 1 sebbatina di-
las na segunda*
Victorioo Antooio do Sacramento, 9 just na
primeira cdeira e 11 incluiive i sabbatina nao
just. na 3fgunda.
JelTerson Mirabeau da Mm*Gordo,
na primeira cadeira el dila na segunda. '
Pompelio Numi Pessoa, 5 incl. 1 sabbalina
just. na primeira cadeira e 5 iucl. 1 sab.elioa uo-
jnst. na segunda.
Jo Gome Ferreira, 1 just. na primeira ca-
deira e 2 ditas ns segunda.
Maximiano Jos de lnojosa, 2 juit
cadeira e 2 ditaa na cegunde.
Julio Cesar Anlunes. 2 jast, na primeira ca-
deira e 1 dita na segunda.
Joo Capiatraoo do Almeida, 3 just. na primei-
ra cadeira e 4 na legante, sondo 2 oo juat.
Jos Francisco de Araujo Lima, 5 juat. na pri-
meira cadeira e 4 incl. 1 sibbalina just. na se-
gunda.
Antonio Borges da Fonceca Jnior, 2 just. na
primeira cadeira, e 2 ditas na segundi.
Franciico Theotonio de Csrvalho, ljust. na
primeira caleir.
Espiridio Zimiro de Souza Lopes, i just. na
primeira catira e 1 ama dila na eguoda.
Bento Jos Alves Vianna, 2 just. na primeira
cedeira e 3 na segunda, sendo 1 nao justifi-
cada. *
Frederico Marinho de
ganda cadeira
Joaquim Ribeiro de Souza Froes, 1 just. na se-
gunda cadeira.
Antonio VieiraC arneiro da
segunda cadeira.
Ernesto Botelho de Andrade, 1 just. na segun-
da cadeira.
Manoel Berata de Oliveira Mello, 1 just. na
primeira cadeira e 1 dila na segunda.
Terceiro anno.
Denlo Ceciliano dos Santos Ramos, 2 justifica-
das na primeira cadeira o 4 na secunde, sendo 1
nao juslificada.
Joaquim Francisco de Arruda, 2 just. na pri-
meira eadeira e 9 inclus. 1 sab. na segunda, sendo
5 nao just.
Theodoro Thadeo d'Atsumpjo, 2 just. na
primeira cadeira e i na segunda, sendo 1 nao
just.
Agoslinho Jolio do Couto Belmont, 1 jast, ne
primeira cadeira.
Anir Cavalcanti de Albuquerque, 2 just. na
primeira cadeira e 5 inclus. 1 ab. na segunda
sendo 1 Mu oo just. '
Antonio Florentino Muidello, 2 just. na primei-
ra cadeira e 5 inclus. 1 sab. na segunda, sendo 1
falta nao just.
JesuiooJos de Freilas, 17 inclus. 4 sab. jusa
na primeira cadeira e 18 inclu. 2 sab. [asi. nt
segunda. '
Joao Jos do Monte Jnior, 2 jast. na primeira
cadeira.
Joo Vieira de Araujo, 1 jaat. na primeireca-.
deira e 1 dila na segunda.
Joi Ilenrique Cordeiro de Castro Jnior, 3
just. na primeira cadeira e 2 na segunda, sendo 1
nao jast.
Manoel Jos Monleiro, 1 just. na primeira ca-
deira e 2 dita na segunda.
Antonio Pires Ferreira Filho, 1 just. na pri-
meira cadeira e 2 ditas na segunda.
Egidio Francieco das Chaga, 2 incl. 1 sab. just.
na primeira cadeira e 2 ditas na segunda.
Americo Jos dos Santo, 3 juit. na primeira
ctdeira e 2 dila na segunda.
Antonio Gn;alves e Almeida. 1 just. na pri-
meira cadena e 3 inclus. 1 sab. just. ca se-
gunda.
Augusto Magno de Mello Matfos, 1 just. na pri-
meira cadeira e 1 dita na segunda.
Barnab Elias da Rosa Calheiros, 2 incl. 1 sab
just. na primeirc cadeira e 3 inclus. 1 sab. jus
na segunde.
na primeira
4 incl.
is na se-
Elias Jos Ped.-osa Filho, 1 just.
cadeira e 2 ditas na segunda.
Antonio EyaminonJas de Bsrros Correa
1 sab. just. na primeira cadeira e i ditas
ganda. :
Thobias de Souza Lima, 6 iuclus. 1 sab nao
jast. na primeira cadeira c 9 ioclus. 1 sab. nu
just. na segunda.
Antonio Pelro de Souza, 5 incl. 1 sab. just. na
primeira cadeira e 5 ditas na segunda.
Alexendrino Leonel Marques Santiago, 2 just.
na primeira cedira e 2 dilas na segunda.'
Antonio Pinto Nogueira Accioli, 1 just. na pri-
meira cadeira e 1 dila ua segunda.
Ar8tidP9 de Paula Dia Marlins, 1 just. na pri-
meira cadeira e 1 dita aa segunde.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, 2 just. na pri-
meira cadeira e 9 inclus. 1 lab. ua segunda, sen-
do 7 nao just.
Eugenio Gomes Beco, 2 just. na primeira ca-
deira e 2 ditas na segunda.
Joi AveliooGurgel do Amaral, 2 just. na pri-
meira cadeira e 2 Ollas na segunda.
Americo Pinto Barreto, 6 inclus. 1 sab. just. na
primeira cadeira e 7 inclus. 1 sab. ditas na se-
gunda.
Joo Alves Mergulho, 1 just. na primeira ca-
deir.
Miguel de Figueira Feria, 1 juit. na primeira
cadeira e 3 na segunda, sendo 1 nojusl.
Joaquim Correa de Araujo Jnior, 2 nao just.
na primeira cadeira e 3 na seguoda, sendo 1 nao
just.
Porfirio Amencio Gonc.alves. 4 ioclus. 1 sab.
jast, aa primeira cadeira e 5 dilas na segunda.
Jos Francisco de Paula Corres de Araujo, 3 na
primeira cadeira, aeudo 2 nao just. e3 na segun-
de, sendo 1 nojast.
Joo Pereira da Silva Leile, 3jast. na primeira
cadeira e 4 inclus. 1 aab. na segunda, sendo 2 fal-
tas nao just.
Alvaro Antonio da Cosa, 1 juit. na primeira
cadeira e 2 ditas na segunda.
Firmino Licioo da Silva Soares, 1 just. na pri-
meira cadeira e 1 dita ua segunda.
Epifauio Verres Bomingues da Silva, 1 just.
na primeira cadeira e 3 na aegunda, sendo 1 Bao
juit.
Guilherme Amazonas de S, 1 just. na seganda
cadeira.
Francisco de Assis Correa Lima^l dila na se-
gunda cadeira.
Jos Candido da Silva Francatr*.iiTust. na pri-
meira cadeira e 2 dilai na legana:
Pompilio Cavalcanti de Mello, 3 na primeira
cadeira, tendo 1 nao juit. e 3 inclu. 1 sab. ni
segunda, sendo 1 falta nao juat.
Manoel de Siqueira Cavalcanti, 5 just. na pri-
meira cideira e 5 inclus. 1 sab. ilaa na ae-
gunda.
Auguito Colio da Silva Rios, 2 just. ua primei-
ra cideira e 2 ditai na segunda.
Pedro Janeen Ferreira,4 fallas na primeira ca-
deira, sendo 2 oo juat. e 2 just. na seguoda.
Jos Perelti Seve, 14 inclu. 2 nb. juat. na pri-
meira cadeira e 11 inclus. 2 aab. dilai na se-
gunda.
Joo Thom da Silva Jnior, 2 juit. na primei-
ra cadeira e 2 ditai na aegundi. w
Manoel Lopes da Cunha Maciel, 2 juat. na pri-
meira cadeira e 1 dita na legunda.
Joo de Souza Reg, 2 just. na primeira cadei-
ra e 2 inclu. 1 lab. ditaa na legaoda.
Joo Bapliala da Caita Carvalho, 2 just. na
primeira cadeira e 3 na legundi, sendo 1 oo
just.
Joaquim Mauricio da Rocha Wanderley, ljust.
na primeira cadeira.
Jos Francisco de Birroi Reg Jnior, 3 oo
just. na primeira cadeira e 5 na segunda, sendo 1
nao juit.
Bento Minervino da Silva, 1 just. na aegunda
cadeira.
Joaijuim Germano"Ramos, 2 juit. ns primeira
,'cadetra inclu. 1 lab., na segunda, leudo 4
fajis nojaet. -ef- .. >.
:C.oriolano' Augusto de Loyola, 1 just. na prl>
irauaeira 1 dita aa aegunda.



I
ILGTVEL


Gongalo de Aguisr Tellis de Meoeie*, ljflst. na
primeira eadeira e tdita ni leguoda.
MaaoelRjdngueS-tHArruda Cmara, 3 just. na
prUneira eadeira 5 inclu. 1 lab. na segunda,
seQdo 2 falto nao just.
Bemvindo Pinto Lobo, 3 na primeira eadeira,
ando 1 Dio juat. e 4 inclus. 1 sab. na segunda,
nodo 1 nao jujt.
Francisco Perreira Pacheco de Mello, 1 just: na
primeira eadeira e 1 dita ni segunda.
Antonio Joaquim de Souza Parado, 1 just. na
primeira eadeira e 5 inclus. 1 sab. na segunda,
aendo 4 (altai nao juat,
Francisco Prisco de Souza Paraizo, 4 na segun-
da eadeira, sendo 1 sab. nao just.
Francisco Rodrigues Seixas, 1 just. na primeira
eadeira e 2 dita* na leguoda.
Luir Ayroi de Almera Freitas, 2 just. na pri-
meira eadeira e 2 ditas na seguoJa.
Jos Ricardo Gomes de Ssrvalho, 2 just. na se-
gunda eadeira.
Mathias da Veiga Ornellas, 1 just. na primeira
eadeira 3 na segunda, sendo 1 nao just.
Jeso Ferreira de Oliveira e Silva, 2 just. na
primeira eadeira e 3 na segunda, sendo 1 nao j.
Gonzalo de Lagos Fernandei Bulos, 2 just. na
primeira eadeira e 2 ditas na segunda.
Antonio Joaquim de Passos, 2 just. na primeira
eadeira e 2 ditas na segunda.
Alvaro Fragoso de Albuquerque, 3 just. na pri-
meira eadeira e 4 na segunda, sendo 2 nao
just.
Quarto anno.
Jos Rodrigues Pereira Junior, 3 faltas justi-
flC'dis na pnmaira eadeira.
Manuel^ Leocadio de Lana, 3 ditas, dem.
Daro Gomes d* Silveira, 2 ditas, idem.
Herminio Fraucisco Geroncio do Espirito, 1
dita, idem.
Alfredo Sergio Ferreira, 1 dita, idem.
M.noel da Cesta Honorato, 2 ditas, dem.
Antonio Pereira Camello, 3 dita, idem.
Joaquim Aulao Fernaodes Leo Junior. 3 di-
tas incl. 1 sabbatina, idem.
Trajuo Veriato de Medeiros, 2 ditas, incl. 1
sabbatina, idem.
Henrique Ladislao da Silva Araujo, t dita
idem.
Manoel do Reg Barros Souza Leo, 4 ditas
idem.
Alfredo Sergio Teixeira de Macado, 1 dita,
idem."
Francisco Antonio Filgoeiras Sobrinho, 12,
incl 2 ssbbaliQs nao just., idem.
fo Agast
Abre. Lite."
; ...... "j'-
"'i i' i 'iii i
SAfiB.'DO 3u DI AGOSTO ll!i
Jofo Augusto Paria de
na segunda eadeira, a 6 ditas na terceira.
Antonio Pinto de Mondonga, 3 just. na segua-
da eadeira, e 7 nao just. na terceira.
Emilio de Moraei Biaa, 4 just. na segunda
eadeira, e 4 incl. 1 safebitioi, ditas na terceira.
Manoel Rufino Jorge de Souza, 1 just. na se-
guada eadeira, 1 sabbatina dita na terceira.
Jos Joaquim de S e Benevides, 5 incl. 1 sab-
batina, just. na segunda eadeira, e 23 incl. 3
sabbatioas nao just. na terceira.
Baziliano Marques Vieira, 1 just. na terceira
eadeira.
Ignacio Tarares da Silva, 5 just. na segunda
eadeira. e 6 nao jeit. na terceirs.
Joao Gomes Ribeiro Junior, 9 incl. 1 sabbati-
na, just. na segunda eadeira, e 10 incl. 1 sab-
batina, ditas na terceira.
Frederico Peregrino Gsrmiro Mooteiro, 5 just.
ni segunda eadeira, e 7 incl. 2 sabbatinas, dttai
na terceira.
5 juit pidas, 5 iitai de dito de 2 \\i ditas. 5 ditas de
dito de 3 ditar, ditas de dito de 3 1 (3 ditas, 4
ditas de dito da 7 ditas, 20 colchoes de lieho
Chetos de la, 1 ascaler de 6 remos, 1 dito de 4
ditos, 10 arrobas de estopa da algodao, 120 es-
pingardas a Msnicom correante correspondente,
6,000 espoletas para as ditas, 3 milheiroe de pre-
gos de batel pequeo, 80 eaderoos de papal bor-
rador, 12 arrobas de aregos de cobre para forro.
2 resmas de papal bllanla, 20 pinceis estopet-
ros, 30 milheiros de pregos ristres da trra, 50
raspas de (erro, 200 remas de faia de 14 a 18 sea,
9 duzias de taboaa de louro de 6 palmos de com-
primsntoe 2 de largura, 8 duzias de ditas de 28
ditas, 3 dazias de ditas de 32 ditos, 8 d*zias de
ditas para andaimes, e 2 Tiradores de assailha de
8 eollegadas.
Fornacimento de viveras, dwtis e outros
objectos da consumo.
Arroz do Maraahao, aieile doce de Lisboa, dito
inferior, assucar branco groas j, aguardante de
Tbeopbilo Fernandei dos Santos, 1 juat. na se- 20 graos, aletrii, araruta, asiucir branco refina
F.oirieue.s Chayes, 8 incl. 1! "Ia de esteios, d ludo igua
trica.
Manoel Barbosa de Araujo, 4 just., idem.
Jos Mariano Ribsiro, 7 nao just., idem.
Jos Joaquim Domingues Ctrneiro, 1 just,
dem.
Eluardo Leger Lobo, 1 dita, idem.
Manuel Jos G >nglv.s Fraga, 2 ditas, l-iem.
Antonio da Soun Bayua, 1 dita, idem.
Flix Jos da Souza Jnior, 1 dita, idem.
Jos AUes da Silva, 2 ditas, ilem.
Joao Franka da Silveira Tavora, 2 ditas,
idem.
Candido Martius de Almeida, 7 ditas, idem.
Cilo Guerreiro rio Castro, 15 faltas e 4 sab-
laluias e contina a fallar.
Francelino Bernardo Quinteiro, 1 just., idem.
Alfonso Jos de Oliveira Filho. 2 di'as, dem.
Celso Tertuliano Feruaudes Ouiolella, 1 dita, |
idem.
J-'ronymo Cabral
asbbaliua nao juat.
Joaquim Horeira Lian, t just., idem.
Ernesto Julio Bandeira de Mello, 1 dita idem.
J o Silrerie Marquei Bacalho, 3 ditas, idem.
Migno Urano Marques Bacalho, 3 ditas,
dem.
Amancio Gongalvas ios Siutus, 12, incl. 1 ssb-
balina nao just.
Paulo Aulrao, 1 sabbatina just., idem.
Jos Amonio Bubosa, 2 tatlaa just. id;m.
Loorenco B*uerra CivaUanli de Albuqusrque,
1 din, idem.
Jos Ilaptista Gitirana, 2 ditas incl. 1 sabbatina,
idem.
Joo Femaudes Chaves Jnior, 5 fallas nao
just., ilem.
Custodio Jos Leito de Salles, 1 just. idem.
Jos Fiel da Jess Leite, 9 dilas, i iem.
i', nesto Pinto LobsoCedro, 1 dita, iiem.
Rayrau..do Theodorico de Castro e Silva, 3 di-
tas, de*.
Miguel Calmnn da Pi e Almeida, 9 iocl. 1
sabbatina nao justificada, idem.
Vctor Isao ue Araujo, i just., idem.
Vicente Csudido Touriobo, 3 ditas, idsra.
p;*.. tninnir dj Freitas limos, 1 sabba-
liu i, uita ideas.
Francisco Antonio Cortes de S, 2 finas just.,
idem.
Quinto nno.
Antonio Francisco Piuheiro, 5 faltas incl. 1
sabbatina, na leguada cal. ira just., 3 incl. 1
sa!')tiia, uitas na terceira.
Antonio Joaquim do Couto Csrtaxo, 1 dita na
t?r*-ira.
lienrique de Bjrros Caraleant de Lanuda, 1
just. na seguuda eadeira, e 2 nao juat. na ter-
ceira.
Minoel Joajuiaj SiWeira, 4 j?t. na segn la
ira e 18 incl. 3 sabbaiiaas nao j^st. na ter-
ceira.
Hiracli Yespasiano Fiok Romano, 1 just. na
segunda eadeira e iioj'nt. ns terceira.
". .: i S Barr ij Sampaio, 2 just. na se-
gu la cideira.
Jo-l'aolino a Cmara, 6 incl. 1 sabbitina
just. ni s-'guu ia e 5 inclusive una sabbatiua,
dita na teraeira.
Firmiuo de Souza Mulias, 3jast. na segunda
e ) ;tas na terceira.
Ladislao Pereira da Silva, 1 just. Da se-
gunda, e 4 dilis na terceira..
Jos Huberto di Cuaha Sillas, 5just. na se-
gunda, e "> d3o just. na terceira.
Dtogo Diniz Cordeiro, 8 just. na segunda ea-
deira e (i, incl. 1 s-.bbatina ditas na Urceira.
Luiz Emidio Rodrigues Vianua, 11 just. na sa-
gunda eadeira, e 15 toe!. 2 sabbatinas, dilas aa
terceira.
Jos Bernardo GjI'o Alcoforado Junior, 3 in-
cl. 1 sabbatina, just. na segunda eadeira, e 4 in-
cl. 1 sibjiina, dius na terceira.
U ysses de lluros Mondonga, 1 just. na segun-
da cideira, e 9 nao just. na terceira.
Pergeolioo da Casta Lobo, 2 incl. 1 sabbUioa,
juit. na segunda eadeira, e 3 dilas na terceira.
Lucs Amonio Mooteiro do Castro, 4 just. na
serala eadeira, a 9 dilas na terceira.
Eluardo Augusto de Olivuira, 9 just. Da se-
gn la eadira, e 8 dita; na terceira.
Josa Francisco do llego Cavalcante, 2 incl. 1
sabbatina, just. na segn la eadeira, a 4 iocl. 1
sabbatiaa, dilas n; terceira.
Minoel Cillas Brrelo Junior, 6 iocl. 1 sabba-
tina, just. na segunda calaira, e 8 incl. 1 sabba-
tim, dihs na terceira.
Elias Francisco da Aimeila e Albuquerqae, 5
incl. 1 aabbattna, just. na segunda eadeira, e 6
ditas na terceira.
Alvaro Ciiiilia -lavares da Silva, 4 just. ni
segunda eadeira, e 7 incl. 1 sibbattna, nao just.
na terceira.
Mmoel Gomes do M.tlto, 3 incl. 1 sabbalin
just. na segunda eadeira, e 5 nao just. na ter-
ceira.
Temislocl^s Belino Pinho, 6 iust. na segunda
eadeira, e 5 incl. 1 sabbatina, ditas na terceira.
Jos Julio Rigueira Pinto de Souza, (i just.
Da segunda eadeira, e 2 ditas na terceira.
Arthur Teixeira de Macado. 3 just. na segun-
da eadeira, e 6 iocl. 2 silbatinas, ditas ua ter-
ceira.
Arminio Coriolaoo Ta varos dos Santos, 3 juit.
na teguoda eadeira, e 4 ditas na terceira.
Joaquim Tavares do Mello Brrelo, 7 just. na
aagunda eadeira, e 10 uo just. na terceira.
floraeio Carnudo de Salles e Silva, 1 just. na
terceira.
Barlholomau Leopoldino Dantas, 2 just. M se-
gunda eadeira.
Joo da Albaquerque Rodrigues, 3 juit. na se-
gn la eadeira, e 2 ditas na terceira.
Augusto Carlos 4a Amorim Gircia, 3 just. na
segeoda eadeira, e 6 ditas na terceira.
Jos Franciico de Vtveiroi, 4 just. na segunda
eadeira, e 1 dita na terceira.
Aureliano de Azevedo Monteiro, 3 just. na se-
gunda eadeira, e 4 ditas na terceira.
Luiz Brrelo Correa de Menezes, 3 juit. ni se-
gunda eadeira, o 2 ditas na terceira.
Manuel Cas.-iano de Oliveira Ledo, 4 juit. na
segunda eadeira, e 4 nao just. na terceira.
Jos Luiz Coelbo e Campos, 2 iocl. 1 sabbati-
na, just. ni segunde eadeira, e 4 ditas na ter-
ceira.
Juvenal de Mello Carramanho, 2 juit. na se-
gunda eadeira.
Lucas Malbeus Monteiro da Castro, 1 jast. Da
eguoda cadeiri. e 1 dita na terceira.
Manoel Joi Monteiro da Silva, 1 jast. ni se-
gunda eadeira, a 5 ditas na terceira.
Vicente da Silv Portells, 1 jgt. aa segunda
eadeira, e 3 ditas na tercetra.
Graciliaoo Arillides de Prado Pimentel, VtAo
juit. na terceira eadeira.
guuda eadeira, e 2 nao just. na terceira.
Manoel Ildefonso de Souza Lima, 1 just. na
segunda eadeira, e 2 ditas ni terceira.
Salvador Pires de Carvalho e Albaquerque
Jnior, 4 iacl. 1 sabbstini, jait. na segunda ea-
deira, e 2 incl. 1 sabbatina, dilas na terceira.
Gervasio Mancebo Jnior, 2 juit. na segunda
cideira, e 2 nao just. na terceira.
Manoel Arthur de Hollanda Cavalcante de Al-
buquerque, 1 just. na segunda eadeira, e 3 ditas
na terceira.
Jos Joaquim de Souto Lima, 1 just. na le-
genda eadeira, e 4 na terceira, sendo 1 nao juit.
Emigdio Jos Minios de Azevedo S, 2 juit.
na segunda eadeira, e 1 nao just. na terceira.
Mano! Jinaario Besarte Monte Negro, 2 just.
na segunda eadeira, e 3 na terceira, sendo 2
nao juat.
Augusto Ceiar de Carvalho Menezes, 3 just.
na segunda eadeira, e 2 ditas na terceira.
Antonio de Oliveira Cardoso Uuimarei, 3 na
lerceira eadeira, sendo 2 nao just.
Secretaria da Faculdade de Direilo do Recife
25 de agosto de 1862.
O secretario
Jote Honorio Bezerra de 3/enexff?.
Iuspecgao do arsenal de
mariha.
A iospecgo do arsenal de marinha contrata a
obra de 40 brasas d a caes em cootisuico ao caes
do norte do tneimo irsinal, obra esta que deve
ser concluida dentro do anno financeiro correo-
la, a com as seguiBtes condices :
1.* No alinhamenlo da esticada ds basa do
caes lstente ser.i tiucada una Ola de eiteioa,
distanus 5 palmus un do ontro, contando-se de
centro a, centro, cajo3 eateios serio de mideiras
de qualidade pretina pin agua. Esses eittios
tero ao menos 1 palmo de dimetro, sendo tin-
cados urna profundizado de 13 palmos, pelo me-
nos, no terreno, nao se contando a profundidade
de 11 a 13 palmos de agua, que actualmente se
ach neila direccio da rnuralha, e que ser con-
servnda al se fazer o enrochamento de orle que
os tApos inforiores dos esteios Oquom 24 palmos
bono do nivel de bmamar.
2.a Paralelamente tila de esteios de que tra-
ta o artigo autecedente, e em distaseis de 15 pe-
mos para trra firme, ser enterrada urna nutra
idntica, e syme-
do, balaca, bolachinhi, carne secca do Rio
Grande, cit em grao, carne verde, enrasaba em
velas, cangica ou mllho pilado, cevadinba, cb,
cal preta, cal branca, firioba de mandiaca da tr-
ra, feijo, giliohai, saanWiga fraocezs, manteiga
iogleza, pao, pedra de alveaaria bruta, pedra de
cantara bruta, sibo, toucinao de Lisboa, tapio-
ca, tijolo de alveoaria grossa, vinagre de Lisboa,
velai stearinas e vinho di Lisboa.
Secretaria do conselho de compras nivaes, 29
de ageste de 1862.
O secretario,
Alezandre Rodrigues dos Anjo?.
O lanzador da recebedors de rendas inter-
nas geraes, de conformiade cera o artigo 37 e
seas do decreto de 17 de raarfo de 1860, coa-
tiouaudo a collada no biirro de Sioto Antonio,
dos impostos a qe eno sujeitas aa lojas e ca-
sas commerciies, a outras de diversas classis e
deoominafes ; avisa, portanlo, aos donos dos
respectivos estabelecimentos pan que teDham
preiente no acto di collecta os recibo! e aapeii
de rrendaraeal i de saas cuas, visto que eiles
tero d servir de base ao'processo do lanrjamen-
to, o qusl ter princiaio uo dia 30 do correute
as ras seguinles: ra do Sol, da Paz, das Fio -
res, travesa da mesma, rus das Cruzas, traveasa
da mesma, largo do Paraizo, ra de S. Francisco,! dem 79 particular e 134 publico, 2
andar......... 50!:j000
dem 60 particular e 17 publico, ter-
r............. 2515000
dem 61 particular e 15 publico, ter-
rea ........... 601^000
dem 62 particular e 18 publico, 1
ndr..........1:0018000
dem i particular e 2 publico, ter-
rea ........... 4018000
Ra do Vigario.
N. 71 particular e 22 publico, 3 an-
daree .........1:0011000
dem 73 particalar e 25 publico, 3
andares ......... 1:6018000
Raa do Encantamento.
N. 76 particular e 11 publico. 2 an-
dares .......... 8068000
dem 77 particular e 13 publico, 2
andaras......... 8OI9OOO
Raa da Senialla-Velba.
N. 78 particular e 136 publico, 3
altt9..... 751^000
Rea do Trapiche.
N. 85 particular o 30 publico, 3 an-
dare.......... 581^000
Ra da Lingueta.
ff. 86 pirticalar e 14 publico, 2 an-
dares ;........
Ra da Craz.
N. 87 particular ell publico, 2 an-
dare \ ........
dem 88 particular e 29 publico, 2
andares.........
Mam 90 particalar e 12 pablico, 2
andares .........
Ra da Lipa.
N. 41 pirticular e 2 publico, ter-
rea .. ........
Ra da Cacimba.
N. 6"> particular e 5 publico, arma-
zim...........
Ra do Burgos.
(t. 68 particular e 19 publico, ter-
rea ........ .
dem 69 particular e 21 pablico, ter-
rea ...........
Ra da Senzalla Velha.
N. 89 particular e 132 publico, 2 an-
dares
FlA
Rio kJaneiro,
pretende segair com multa bravidada o veleiro a
bem conhecido patacho nacional aCapaao, ca-
pito Thaotonio Joi da Silva Roa, tem parta
da tea carregimento promplo : pata o resto qae
Ihe falta, trata si com os seas consignatarios An-
tonio Luiz do Olivaira Azevedo 4 C. no sea es-
criptorio, raa da Cruz n. 1.
501*000
8818000
1:0018000
891000
1808CO0
para leitura e descanco, em sanetuario de gosto.
tapetes e multiplicados oulroi oticct.-, sao to-
dos de igual perfeijo e apreeo, a de nao menor
ulilidade sao am cofre de ferro alte, um cabrio-
le, urna machina para lavar roupa, eipoojia
grandes, carteirss, e outros objectos: tari pola
lugar o leilao na
Terca-feir 2 de
set.j--.bro, as 10 horas da maoh, em o armaiem
grande, n. 20, tito na raa de Apollo.__________
miLm
30 barris e30 4 2
de manteiga.

COMPANHI* BfUSILEItM
DE
PAPSiTIS Uf01.
At o dia 30 do crrante, esperado doi
portos do norte o vapor Oyapock, commandan- .
te o primeiro tenente Antonio Marcelino Pontei
Ribeiro, o qual depois da demora do costume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, e engaja-se
a carga qae o vapor poder cooduzir, a qual deve-
r ser embarcada no dia de sua chegada : dinbai-
ro a frete e entommendas at o dia ds sabida as
'2 horas da tardo : agencia ra da Cruz n. 1,
_! escriptorio de Antonio Laiz de Oliveira Aieve-
1448000 do & C.
O ageote Almeida far leilao a requerimento)
doicuradorea Qicaei di raassa fallida da JoiV
Antonio Moreira Din & C. e por mandado do>
Hlrn. Sr. Dr. juiz especial do commercio da 301
barril e 30 1|2 de asanteiga franceza pertencent
a mesma mus.
Tertja-feira 2 de setembro.
Nj armazem do Sr. Annes defroota da alfan-
ga, na mesma occasiao se vender por conta e
risco da qaam perlencer uma porcao da presan-
tos americanos chegados ha poueo. as i horae.
da Florentina, Bella, travesa da mesma, ruada
Rola, pra;a do capim, rui de Santo Aaoaro, do
Calibouco, traveisa dosExeostos, da Matriz, lar-
go di misma, ra disTriacheiras, dis Larangei-
ras, ras larga e estreita do Rosario.
Pela theioursria provincial se faz pablico,
que a arrematac.ao di obra doeino de esgoto ds
eraca dochafariz no bairro do Recife, foi traos-
rila para o dia 11 dn selembro prximo viodouro.
Secretaria da thesouraria proviscial de Per -
nimbuco 28 de agoito d 1862.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
CORRE10.
O Sr. Henriqu Antonio Correia Lima queira
dirigir-se a reparti^o do correio a lita de receber
orna cria da Farahibs.
O corpo de polica compra para farrtamento
360 covados de panno azul, e750 varas de brim :
quem quier (ornn-.-r aprsente-se com as amos-
tris e sais proposlas em carta fechada, na secre-
taria do mesmo, no dia 1." de selembro prximo
viudouro, ao meio dia.
Luiz Jernimo Ignacio dos Santos.
Tenenle-secretario.
8. Cad. um dos esteios da Ola da frente ser SXll' C8Sa -i mSeiCOr-
preso so correspondente da fila mteror por urna
barra de ferro de una pollegada de dianelro,
com cabera em uma extri.midadp, e porca e ros
ca em ouira, que atnvessanlo os ref-.rldos es-
teios por raeio de f madeira pregadas, conservero ai duas filas de
esle03 em istanci.i xa e invariaval ; deveado,
porm, Bear esti brra de ferro ao menos 12 pot-
legidis abaixo da mxima boixamar.
4.a Depots de fincadas e hgaas as duas filas
do esteios, corno tica diio no artigo anleco lente,
sero serradas as obelas dos esteios di alada
frente na altura da baixan.ar, e pregar su-ho
bem unidas praocbas ds pinho oa outri madeira
em cada uma daa filas de esteio3, no sentido lon-
gitudinal, desde o fundo do canal al o nivel da
baiximar, de mouoira formar uma especie de
caixo.
5.a Todo o espaco interior das daas files de es-
teios ser convenientemente cheia 4e pedras de
alvi mar. Tambem ser feilo um enrochamento aa
parte exterior da estacada al i altura da baixa-
mar, formando a auperDcie superior um talude
oa inclinaos o de 1 1)2 de base .or 1 de altum.
0." SobfS a ti--.- orn>>4a, nomo fica dito, ser
feita uma aaredo de pedra sueca pela forma in-
dicada no reapeclivo desenbo ; cuja paree ser
a face exterior na gros^ura do 3 palmos, ligadas
as >i.-3 cosa argamassa de boa cemento hy-
draulico. Do nivel de 2 palmoa abslxo da praa-
mar e para cima ser toda a murnlha feita em
toda a grostura com argamassa de cemento e
podras de alveoaria ou l'jolo, terminando esta
obra na altura de 3 palmos icisoa da preaaaar.
7.a A face exterior de toda muralha ser bem
igual, tem ponas salientes de pedras, e embuda-
da rcoi argamassa de cemento do nivel da baixa-
m -r para cima.
8.a Nenhum material ser empregado na obra
sern a precias entorisico e approvai;o do fiscal
do governo, o qml dar todas a* instrucgei pa-
ra a boa L-,cu-;a-j da obra, deveodo o arroiuslan-
te segair exactamente a ordem de ezecugo dos
Irab^lhos que pelo dito laca! Ihe for determinada.
9.a Se durante a execuc.ao da obra o fiscal do
goveruo entender couve cao no systoma de conitrucco, e essa modifica-
c.lo nao alterar o prego da obra, o arrematante
fica obrigado a execular essa moditica^o.
P.>ra o r.ontraio da obra recebem-se propostas
na secretaria da inspecrao at o dia 10 do futuro
me: de selembro ao meio dis.
A plantada obra acha-se ni mcima secretaria,
e pode ser cnniullada por qual^uer que queira
della encumbir-se ; e bem assim o seu ornamen-
to, no valor de rs. I05$z00 cada braga.
Iaspecro do arsenal de marinha e Pernam-
buco 28 de agosto da 1862.
Alexandre Rodrigaes dos Aofos.
Secretario.
O Iilm. Sr. inspector da ihesouraria de fa-
zenda desta provincia, em cumprimonto da cir-
cular do thesouro, datada de 28 de julho ultimo,
sob n. 42, manda fazer publico que tica aberto
para o dia 6 de outubro viodouro novo coacurso
para proanchimento dos lugares de pratteantes
da alfandega dest mesma provincia, comefando
os exames as 10 horas da maoha sobre as se-
guint- materias : 1.a grarr.malica da lingua ver-
ncula, leitura e escripia correcta e correte ; 2."
iheoria da scrlplurago mercantil por partidas
simpUs e dobradas e suas appliciges ao com-
mercio, e a administracao da faienda; 3.a arilh-
melic e saas ap^licign ao commercio com es-
pecialidade reduego Sos pesos o medidas na-
ciones e estrangetros, calculo de descont e ju-
ros simples e corupostos, theorits da cambise
e suas pplicigai; 4a nocoes de algebra ; 5.a tra-
duegao correla is lioguaa iogleza e franceza,
ou pulo meuos da ulituaa ; 6a principios geraei de
geographia, de hitloria do Brasil e de eatalulica
uoamercial : acuelles que pretenserem ser ad-
mettidos ao concurso, deverao previamente pro-
var que teem 18 anuos completos de Idade, qae
en i livres de culpa e pana, e qua tem bom con-
portamento. Secretaria da thesouraria de fizen-
da de Pemambuco 28 de agosto de 1861.Ser-
vindo de official-maior,
Manoil Jos Pinto.
dia do Recife.
O Htm. Sr. commendador Jos Pires Ferreira,
thesoureiro da santa casa de misericordia do Re-
cife, manda fazer publico que, em virlude da de-
liberado da junta administrativa da misma sin-
ta casa, far pagimeoto s amas da casa dos ex-
postos, que comparecerem acompanhsdas das
respectivas enancas, no dia 10 de sitembro pr-
ximo futuro, pelas 10 horas da maoha, no salo
da caa dos expostos.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 23 ds agosto de 1862.O cscrivo,
F. A. Cavalcanli Cousieiro.
Pela admioiatrago do correio desta cidade
e faz publico, queem virtude da convengo pos-
tal celebrada pelos governos b'ssileiroe rsnesz,
sero expedidas malas'para ropa no dia 31 do
crranle, de conformidade com o annuncio deste
correio publicado no Diario de 29 de Janeiro do
anno passado. As cartas sero recebidas al 2
horas antes da que for marcada para a sahida do
vapor, e os ]ornis at 4 horai antes.
Correio de Pernambuco 22 de agosto de 1862.
Domingos aos Pauso Mlrauda.
Administrador.
lauta Casa k Misericor-
dia k Recife.
A Illma. junta administrativa da Sania i>r-i
Ja Misericordia do Recife, manda faz^r publico
que no dia 4 de selembro prximo futuro, na sa-
la de suas sess5es, pela 4 liorna da tarde, irao
praga as rendas das caas abaixo declaradas, pe-
lo tempo de 1 a 3 anuos.
Os pretendentes devem comparscer
nhados de seus fiadores, ou munidos
destes.
Praga de Pedro II.
N. 1 particular e 33 publico, 1 sata.
Ra do Queimado.
N. 1 particular e 35 publico, loja. .
Ra do Crespo,
particular e 11 publico, tres an-
andares
Rui da Guia.
N. 83 particular e 27 publico,
rea.........
Ra do Pilar,
particular e 2 publico.
N. 96
rea
N. 12
rea
particular
Rui do Sebo,
e 3 publico,
ter-
ler-
ter-
168*000;
125J000!
700JOOO j
700JOOO
168S0O0
"Jfe&v
eCttiR
95O00
Para o Miranho segu por estes 8 diss o ve-
leiro palhabote Garibaldi,' tem parte do carre-
gamento prompto, para o rasto trata se com
Tasso Irmos ou com o capito Custodio Jos
Vianna.
I
Ra da Guis.
e 29 publico,
163S0D0
N. 84 particular e 29 publico, ter-
rea................................ 165*000:
Sitio do Parnameirim.
N. 2 particalar...................... I2O5OCO
Sitio do Forno da Cal.
N. 5 particular...................... KttfOOO
Secrolaria da S>nta Casa de Misericordia do Re-
cifi 28 de agosto de 1862.-0 escrivao,
F. A. Cavalcenti Cousseiro.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
leguintes :
Para a enfermara militar do corpo Je guaroigo.
1 cobertor do algodo.
2 camisas de linho.
1 bacia de louga.
7 facas de mesa.
7 gaifos de mesa.
23 pares de thinellss.
3 loalbas de linho.
6 pucsrGs de folha.
1 11. ; i de la.
Para o 2* balalio de infantaria.
150 covados do panno alvadio para capotes.
Para o 10* batalbo de infantina.
1,825 covados de panno verde.
Quem quizer contratar laes gneros aprsente
as suas proposlas em carta fechada nasecietaria
do conselho as 10 horas da manha do dia 29 de
seten.bro prximo viodouro
Sala das sesses do conselho administrativa,
para fornecimento do arsenal de gueira, 13 de
agosto de 1862.
Antonio Pedro de S Barre.',
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel rogal, secretario interino.
CASINO POPULAR
BAILE
DE

i/rosdedireito e litte-
r*tura.
O agente Almeida vender em leilao urna
grande livrarii na qual os Sri. advogados e es-
t iantes acharao exeellentes obras de direilo e
litteratura, dos melhoros eicriptore>wiBodernoe
com ricas eneaderoagas que sero vendidas-.aa
correr do msrlello poii nao ha limita para ditas,
obras.
Quinta-Vira A de setembro.
O leilao ter lugar na ra da Ca leia do Rscife
n. 51, ai 11 horas.
^^h *1
::' -?'
acompa-
de cartas
12J00O
276^000
N. 3
241J00
2:O0OJ00O
darse e loja........1:4025000
Ra do Rangel.
N. 6 particular e 56 publico, casa
terrea ..........
Ra da Cadeis.
N. 17 particular e 59 publico, 2 an-
dares e loja........
Ra da Madre de Dos.
N. 22 particular e 9 publico, 1 andar
e loja.......... 501SO00
dem 24 particular e 26 publico, 2
andares e leja........
dem 23 particular e 24 publico, 1
andar loja........
Ilem 26 particular e 22 publico,
tarrea..........
dem 27 particalar o 20 publico, ter-
rea ........., .
dem 30 particular e 14 publico, ter-
rea ...........
Ilem 31 particular e 12 publico, ter-
rea ...........
dem 32 particular e 10 publico, ter-
rea ...........
dem 33 particular e 8 publico, ter-
rea ........: .
dem 34 particular e 6 publico, tir-
(GDlllPMim
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 31 do correte espera-se dos portos do
'sal o vapor francez Estremrdure, commandante
Somer, o qual depois da demora do costume se-
gair para Bordeaux com escala por S. Vicente
e Lisboa.
(Em S. Vicente ha um vapor em correspon-
dencia com Gora )
AcompaDhia eocarrega se de segurar as mer-
caduras embarcadas a i-ordo dos vapores, assim
cerno tambam recebe dinheiro a objecto do valar
com destino a Loodrc era transito por Bordeaux
e Boulogne.
Para as coodieges frrt^s e passigeni trata-se
na agencia ra do Traoich n. 9.
COMPANHU PERNAMBUCANA
DE
Navegacao costeira a vapor.
Paralaba, Natal, Hacau, facaty, Cea-
r, Acarocu' e Granja.
O vapor Jausribe, commandante Lobato,
sahir para os portos do norte ata o da Granja,
no dia 6 de seteii.bro as 4 horas da tard.
Recbe carga at o dia 5. Exico rumen das, pas-
sageirna a dinheiro a frete at as 3 horas do di'
da sabida. Escriptorio no Porta do Mallos nu-
mero 1.
MASCAHASEPHANTASIA
MAGESTOSO SALO

Jk,^:.^LM
COIPMHU m mmi&m
DI
DO
PALACETE DA RITA DAPRAIA.
Em favor de Claurna A. de L.
Sabbado, 30 do corrcte.
A beneficiada pela primeira vez implora do
respeitavel publico a tui costumda protergo e
confia na benigoidade'das pessoas que se digna-
ram aceitar-Ihe cartoes.que nao deixarao de con-
tribuir con; suas preiengas para brilhantismo do
|.seu beneficio.
Ser manlila a boa urJem e observadas as
discosiges do regulamento.
Entradas para damas gratis, cavalleiros 2$.
xlarisgiifii P)Sitl a d Vap.**
O vapor Himanguape, commandante Maura,
sahir para os porto? do sul do ua escala do
dia 5 de setembro s 6 horas da tarde.
Recebe carga t o da 4 ao meio dia. Eo-
cornmendas passageiros e diuhairu a frete at
o dia da sahida s 2 horas : escriptorio no Forte
do Maltoi n. 1.
a Balita
G i AIS DE
Laboratorio a vapor
DE
Roupa lavada e eugommada
de Ramos C.
Podera mindar bascar a roupa lavada os dono
dos nmeros seguintei: 201, 1i5, 21,25 212.
18, 81. 27. 77. 183, 105. 131, 192. 67, 216 172.
78, 169. 185. 16), 119. 15i. 208. 45, 62. I'.'t.
i'reciaa-se de uma ama pera coiinh-r e en-
gommr para duas pessoai : a iratir na raa Ve-
lha n. 28. daa 4 hor*s em diante.
Mevisla militar.
Ao respeit vel publico.
O abaixo assiymdu, tenenle reformado do exer-
cito. faz constar que gerencia nenhuma tm mais
nagazot que corre com o titulo de-~Refiila Mi-
litarito desde o seu a. 9 de 13 do co-renta
mez. Se o abaixo issignado fosse annuucia; oa
motivos de sui entrada para fundar a mesma, e
os de sea retirada ; s?ria um pouco prolixo e
eufidonbo, ao pisso que o nao fiz para ni o lor-
oar-se aborrecido, e era offender positivamente
a lerceira pessoa ; portaoto, julga qu^ fazenlo e
presente declarago tem cumpnlo en n dfever
que Ihe impem >:8r ao publico, e a slguus seus
amigos o presente cavaco Agradte ao Sr. Elias.
propriatario da respecti7a lyi oaraphia, as suas
deliradas maneiras, e a seus couipanh'-ims da re-
daegao o bom cooceito que sempre de ti lizeram,
acoaselhaDdo-os queae nao deixem levar por es-
quwDladoa eapiritoa que t seneui rara macular
uma eo.preza qu deve ser o lyao do roelbors-
meoto do nosao exercito, digno de um futuro li-
sougeiro. Dou a mim ptoprio os parjbens por
uma lal retirada, e Dos queira qu> a R^visla
chegue ao lim glorilo com que foi inatallada,
cao so apaando de seu prc-g-ammi! I Eu vou
coulinuar no trilho que al en'.ao seguii, pare
concluiros meus estu os, afia de habiliiarea
para uma eadeira do advocacia o'ama daa rooiar-
cas do serl5o, que pele a voz da razio g_'u ura
sdvogado sfja o lyyo da impareialidade. Recife
26 de agosto de 1S62.
____________Joaquim Jos dos Sanloi Arauj
Jteficao
caii.pia. de Santo
Atiiro,
Psde-ie ao Sr. Teixeira Lopes, do.-.o de tres
vaccas com crias e um boi qne continuadamente
tem estragado uma planta de capim, qu'3, por
commiserago tenha c do qnem paga renda da
sitio, certa, pl*nta, eatrurr.a, para po i->r dique-
lar, e qua 6st paliando pelo deagosto de vr o
capim lodo comido e distruido pelo gado do mes-
mo senhor, e que por muitas vezes o tem evisa-
espera-seque o Sr. Lopes dar providrociaa
Tendo a directora das abras militares de
mandar fazer osconcertos precisos no ladrilho da
botica do hospital militar, e collocago de um
lampo de marmore no balco da meima botica,
asphallameoto do respectivo armazem, assim co-
mo os concerios necesiarios no ladrilho do xadrez
do dito hospital, convida as pessoas que de taei
servidos se queiram encarregar, a apresentarem
suas propostas oa referida directora nos diis 3,
4 e 5 do mez de selembro dss 10 horas da ma-
nha a 1 da tarde.
Directora das obris militares de Pernambuco
29 de agosto de 1862.O escriturario,
Jlo Mooteiro d'Aodrade Malvinas.
Conselho de compras navaes.
Tendo-se no dia 5 de setembro prximo de pro-
mover compra dos objectos do material da ar-
mada abaixo declarados, bem como de contratar-
se o fornecimento, no trimestre iode em dexem-
bro do correte anno, de aiveres, dietas,e-oalros
ubjsetos da consumo para os navios ds atteida e
eitabelecimentesde mariaba, lado aob as*ceodi-
gei do esiylo ; convida o conselhe aosx-eratea-
deates apresentarem sosa propestie am cirtas
fechadn nifualle dia ataslt horai da manha.
Compra de oejaetoi pasa os navioi, arie-
- oat e coapanhiis de menores.
6 birrii de breu, 100 ekertores ds lia, 20
ompigoi, S p5s de siso d linho ds 12 polle-
Idem 36 particular e 2 pablico, ter-
rea ...........
Ra do Torres.
N. 37 particular e 14 publico, 2 an-
dares e loja........
Ilem 38 particular e 16 publico, 2
andares..........
dem 39 particular e 18 publico, 2
andares..........
Rus do Codorniz.
N. 42 particular e 1 publico, casa
terrea ; .........
dem 43 particular o 3 pablico, casa
terrea ..........
Itua da Moeda.
N. 44 particular e 21 publico, casa
terrea..........
dem 45 particular o 45 publico, ca-
se terrea .........
Ilem 47 particular e 49 publico, casa
terrea ,....;....
Ra do Amorim.
N. 48 particalar e 56 publico, casa
terrea......... .
dem 49 particalar e 54 publico, ca-
sa terrea .........
dem 50 particalar e 52 psblico, ter-
rea ....., &_ tite *
dem 51 particular e 47 publico, ter-
rea ......
dem 52 particular e 45 publico, ter-
dem 53 particular e 43 pablico, ter-
rea .......: .
dem 54 particular e 21 publico, 2
andares..........
dem 55 particular e 2( publico, ter-
rea ...........
dem 5S particular e 26 publico, ter-
rea ;..
Ra do Azeite de Pelxe.
N. 57 particular e 23 publio, ter-
rea ...........
dem 58 particular e 21 publica, ter-
rea *.........
Uta 58 particular e 19 piblico, 1
801J000
551$000
701*000
451*000
551JO0O
1:851|000
501*000
401*009
600OOO
251*000
'oncerto musical
NO
Salo de Santa Isabel.
NO
Du 3 de setembro prximo.
Nesie dia ter lugar o concert em beneGcio
do clarinetista Eustaquio Pereira Rebaugis, lti-
mamente chegado da provincia do Para oai o
coocurso de di*rsos artistas.
Os carloei do entrada nao s'aos homens como
s senhoras, podando cem um carlio enliar uma
familia, com tanto que v um s homem.
Nos dias 2 e 3 ser publicado o prograuma.
com multa brevidide pretende seguir o bem co-
nhecilo a veleiro brigada escun joven Arthyr,
cipito Joaquim Antonio Gongalves dos Santo-,
;tm parte de seu c?:reftmonto prompto ; para o
:. resto qua Ihe falta, tratase com os seus consig-
! miarlos Antouio Luiz da Oliveira Ativedo 4 C.,
no aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.
~&Q& ;-ft$sCwi&{)$.
O*
501*000
4OIJ0O0
303*000
361*000
SBOftOOO
300*000
191*000
201*000
5615000
271*000
661*000
801*000
301*000
401JO0O
601*000
231(000
281*009
501*009
5018000
da Janeiro
Pretende segair com muita brevidide para e
Rio ds Janeiro o releiro e bem conhecido brigaa
naronal Almirantea, tem parta de aeu carrega-
meoto prompto ; para o rosto qae lha [alta, tra-
ta-se com os seas consigoatarios Antonio Laiz da
Olivein Azevedo, no aeu escriptorio roa da Cruz
namero 1.
DE
Tres escravas, um ne-
gro, um moleque e de
cerca de 200 caixas t
sabo.
O ageote Almeida far leilao a requerimeolo
do depositario da masa fallida de Joaquim
Francisco de Mello Santos e por mandado do
Iilm. Sr. Dr. joiz especial do commercio de tres
escravas, um negro, um moleque e de cerca de
200 caixas de sabo, pertenceotes i mesma massa
heganda-feira 1* de setembro
no trapiche barao de Livrameoto no Forte do
Mallos o. 15. s 11 horai.
do
a sanar esta causa.
Precisa-se de uma ama para casa de peuca
familia : si ra do Imperador o. 50, segundo
andar.
O Sr. Antonio Paveo, oe uiiuiia, lga favor
de ir padaria de Santo Amaro a negocio qua o
mismo senhor nao ignora.
Aluga-se uma casioba
Florentina n. 11.
a tratar na rui Ua
COMPaNHIA brasileira
DE
IP1IIRI8 JL f JUNML
E' eaparado dos portos do sul al o dia 30 do
correte um dos sapores da companhia, o qual
depois da demora do costume seguir para
portos do norte.
Desde ji recebem-se passageiros e engaja-se
i carga qua o vapor poder condazir a qaal deva-
r aer embarcada no dia de sua chegada, an-
commendas e dinheiro a frete at o dia da sahi-
da as 2 horas: agencia rus da Cruz n. 1 es-
criptorio da Antonio Leie de OTeira xsTedo
cr, C.
Pede-se attenco!
A 2 de setembro.
-O agente Oltviira fir leilao dos escolenles
movis e adornos de casa, deixados nesta cidade
peloExm. vistonde de Loures. consislindo em
umi mobilia a maii rica, lolida e perfeita de
quantis se tem eflorecido a venda al hoje.de
cristaes verdadeiros quaoto elegantes, de lin-
1 das porcellanas para almogo, jaot>r e para en-
i faites desalas, de quadroi multo apreciaveis,
.' sendo todo do mais sumptuoso e agradavel que
oalpodia encommendar-se de Franga e Inglaterra,
e cuja enamerajso occuparla longo eipago, mai
que podem ser examinados antecipadamenle ;
guarda-vestidos de Jacaranda com portas de p-
timos espelhos, guarda lougas, commodas tai-
Uts, lavatorios, apparadorei. louceira, ees
clstica grande para jamar o outras, difierentei
lanternaa, lampeea s candelabros liilos e bar-
cos, cadeiras estufadas, con roldar;**, oaUi

Sabbado 5 do corrente linda a
audiencia do Sr. JJr. juiz municipal da
segunda vara serao arremata'los por
venda dous excellentes sobrados no lu-
gar das Cinco Ponas em frente da esta-
cao da via frrea, avaliados ambos por
10:000^, e que estao arrendados por
1:400$ por anno, e van a praca por exe-
co, sendo esta a ultima praca.
Escr&vo fgido.
Fugio do eogenho Malemba da iijh de Pao
d'Alho, no dia 26 do corrente, e escravo c.bra do
Borne Antonio, conhecido por aedra mole, o qual
tem os sigaaes segaiites : alto, grosio, poaca
barba que usa raspada, ps curtos, a grossos,
tem um dedo da me dlreta cortado, luppe-se
qae andar pilo lugar dePedra M illa em A:npu-
cos. onde tem mi e iraoa : qaem o appreben-
der poder eiilregsr neste eegeeha, q^e icr gra-
tificado am A^ipucus, no engeuho Doas tratios,,
oa ueiti rjricv na raa da Aurora n. 6t.
Pracisa-se de uma cala livre oa eserava
para servigos internos de can de familia: pire
tratar, di ra do Cmsrio n. 14, loja.
Aluga-se o solio do sobrado da ra do Cal
deireiro n. 2 sor 12$ meaiaei : a tratar na rae
do Cabag n. 1 A.____________________________
A aeiiai qua so 0U*er*c para feior cora 6(1
innos de idide, v botica do Sr. Couto, praga
a Bes -Vista.________________________________
I\S11I0 AHllltOUMCO
E
GEOGRAPHICO I'LRWWmCWO.
O abaixo asaigaad, no impedimento do 1.* se-
cretario, convida aos soembroi inalalladores do.
Inilituto Archeologtc o Gnographico Peroarxha-
cino, reunireaa-ie o di-j 1.* de selembro, pe-
las 4 horai da larde, no salo da bMiolhoca pro-
vincial, afim de sa proceder s eleigio da diree-
go do mesmo institu-.), a da reapectivie com-
miises de confursaic>.adi| com os slatelos ulti-
naaaenle approvadr.a.
Recife S9 de agrjSt0 de 1862.
Salvador Henrique de Albusoerque,
J. leeretirio.
Preetss-r.e aH catxeiro coa praliea de
vender em b icio, para urna padet: na cea Dl-
reta dos A'.ogauoa o. 6e\
MUTILADO
fp
ILEGVEL


1A1I0 M tlEJUMBCGO. BABBADO 30 DI AGOSTO II H62.
~Jl
ERSIRO
PART1BAS MUAAS
LOTERA
Sexta-feira 5 de setembro prximo
seextrahira' a ultima parte da prinwi-'
ra lotera i beneficio dos religiosos
e pnme\ra da
AlIfUfltA
Dirigido por
MASOEL FONSECV DE MEDEIRGS
DUAS VEZES POR SEMANA
TERQAS E SEXTAS
DAS7AS1B01USDAMIITE.
Rui URG DO ROSARIO N. 28, 1* INDAR. ^^^ rhesouraria rua do Cre$p0 n.
15, e as casas commissionadas praca
a uun
SfM>
BOTUTO
franciscanos de Olinda
primeira da santa r .
Lo consistorio -* d? P"*?*
ario de S~ <* W n l\ut ?*
tatito Antonio- Os bi I hetes e
bilhetes achain-se a venda na
raeic
3tK^\i^/ ''

-A,
A
RETRATISTA rk mk IMPIRIAL
Ba do Cabo.fi n 1Si entrada p.to
R .p' ateo da matriz.
. ," 5 v J ornada eotn ot augustos retratos
notogrtp^jico, d, ss, MM. e du sereoissimas
??'**'* iowtaes, assisa como rom oa de mui-
tas da^ principase peasoai desta cidade, est a
"lsp osicio do publico, qae apode visitar todo*
r dua das 8 hora* da manbia 5 da tsrdt,
' examinar ot trabalhot xpostos.
Couiinua-ie a tirar retratos por todoi oa sys-
tataaa pbotograpbieot, e especialmente por am-
brotypo ese carloes de visita. Fazm-sa tam-
ban mimoiai miniaturas em talco para eolio-
rara toa joiai.
Os presos do* retratos to os mais razoavela
<;** a encontram rusta cidade.
J. Parrnira Villela. pholosrapho.
e as casas commissionadas
da Independencia n. 22 loja do Sr. San
tos Vreira, rua da Imperatriz loja de
ferragens n. 4i do Sr. Pimentel, rua
Direita n. 5 botica do Sr. Chagas, e
na rua da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at 10$ serao
pagas urna hora depois da extraccao,
a as outrvs.no dia immediato depois da
distribuyo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
U. G. C- de Mello, langader do consulado
provincial, avisa aos senbores proprietarios e
maisdonosde estbelclmentos, que desde o 1.-
da julho do correte anno se acha encarrtgado
doa lancamentoa da dcima urbana, dos de
mais imposten das freguezias de Santo Antonio,
S. Jos e Afogsdos.
23Largo do Ter^e23
Ven Je-seos gneros por menos inte por cento do que era ouira eualqa reparte, afian-
;ando-se a boa qualidido.
Ifantsiga ingleza da safra aova de 750 800 rs. a libra.
Dita franela de premeira qualidade a 600 e 560 rs. a libra.
Queijes fia mingos chegados ltimamente a 5 J e dos de passado vapor a 1800.
Cafe de p'imaira esegunda qualidade a 260, 280 e 320 rs, a libra, e em arroba a 55 e 99.
Serve]* das marcas mais acreditadas a 480 rs. a garrafa.
Yinho engarrafad do Parlo a 19200 ella garrafa.
Dito em pipa marca F. L. P. a 480, 660 e 140 rs. a garrafa.
Massas, macsrro, Ulharim e aletria a 300 e 400 rs a libra.
Passas novas a 329 ra. a libra, e em meias eaixas per 3s cada urna.
Batatas novas a 80 rs. a libra, e em porcio se faz abatimento.
A m dos gneros annunciados, eneentrarao sonimento completo de tid quanlo e tenden-
te a molhados.
0 liivro ds fvo.
Sabio lux publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado sob a direccio do Sr. Dr. A, Msrqaes Ro-
drigues, a contm a vida de N. S. Jess Christ,
safando i narraco dos quatro evangelistas, a
tesis os seguinles artigo* : o vigario, o profeacoi
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ta, Simo da Naotua, maximaa e peusamentos,
i bygiene, os devares Jos meninos, o o Brasil.
A publicado do 1.1 VHO DO POVO nao s taco
por fim uniformitar a leitura as esculas prima-
ras, onde cada menino aprende por um livro
Cironte, e portanlo facilitar o trabalho do mea-
tre o dodiscipulo, como lambem vulgarisar, poi
*..:. prego barxisiimo, a historia do silvador do
acendo, e oa meihores preceitos da moral.
Veoda-sa o Livro do Povo, no Recite, na
livraria da praga da Independencia ns. 6 a 8, a
oOO rs. o axaomlar ara brochara.
SiciftfMle de Cuiflcaies
As rbsetipcoes desta beneOca sociedade s 5-
carao ateras at 15 desetamtro prximo futuro.
Senbores subscriptores :
l'i'c a honra de participar a Vms. por aviso
circular de 1.* de agosto correle, publicado no
Diario de Pernambuco de 4 do aeamo mez, que
pelo vapor Oyapoikr, sahido diqui para o to
'de iaoeiro em 18 de ju'.ho prximo nodo, live
occasio da dirigir aos augustos e dignissimos
senbores represeuteaUs da nacao, ums petico,
cujo objacto era pedir ao governo imperial um
eanprestisao de 5(!0.0U0d00 por dtz anoos, sam
juros, sob garanl'.a hypothecaria em isnmoveis
pertencentes a sociedade, e com & obrigaco de
embolsar dita quaotia ao governo imperial em 10
annaidades de 50:0009 por anno.
'Hoje enha levar ao conhecimento de Vms.
que mioha petico foi mencionada no expedieme
da sessao de SO da jalho prximo pastado, e en-
viada coomisso de fazenda ; portanto, quil-
quer que venha a ser o resultado da dita peligo,,
(oroa-se de urgente prectaao que a'.'' 15 de se-
tembro prximo vindouro ua aenhorea aubscrip- i
ores se apressem em remetter-me por escriplol
suas declarai.rs, designando a situago, disuen-'
o e coafroota;ao dos terrenos ou predios a ree-
diiicar, coas cujo valor querem tubscraver para
a forssa;ao do capital social, no escriptorio j
indicado do Illm. Sr. Dr Deodoro Dlpiano Coelho
Caltnbo, rua do Imperador n. 81.
Estas declara..'s me sao inlispeosavefs para
poder apromptar em ordem nameiica, sobre a
planta da cidadee arrabsldes,os ditos terrenos ou
prelios, cuja copia devo fazer seguir pelo vspor
del.* de outubro para Inglaterra, a'uude nos bao
de vir 500:000$ em moeda corrente, e socio prin-
cipal para aqu trotar conjunclamente comigo
isi traosaccoes c administrarlo doa negocios da
ossa sociOade de elicaqo-s.
Reaife 22 de agosto de 1862.
________________________V M. Doprat.________
CONSULTORIO RSPKC1AL H01PATH1((1
DO DOUTOB.
SABINO O.L. PINHO. ,
Rua de Santo Amaro (Mundo
Noy) n. 6.
Consultas todos os dias teis desde as 10 horas
. te mcio da, acarea da seguiatas molestias :
anoUitial da mulhern, moltttias das crian-
. fas, multiiias da pslls, moltttias dos olhos, mo-
Itttiai syphiliticas, tedas as tspsciss di ftbrts,
ftbns xntsrmilisntss t tuat eonstqusneias,
rrfiRMAClA ESPECIAL IOKBOr*TBICA.
Terdadeiros medicamentos bomeopatbicos pra
jarados sota todas as cautela necossarias, ln-
. aliiveis em satis effeilos, tanto em tintura,esms
amglobalos, pelos presos mais commodos pos-
svau.
R. B. Os medicamentos do Dr. S'Mr-.e sa
- nlcamente rendidos em sua pharmacia ; todos
qa o forem tora della aa falsas.
Todas as earteiraa ao acompanhadas de sr;.
Imprasso com m emblema em relevo, tendo ac
reopr as segaintes palavias : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Esta emblema pjsto
Igualmente na lista dos medicamentos que se pa-
cte. As carteirts qee naolevaramtsssaimpresss
tssim marcado, embora enbam natampa e e-
ra de Dr. Sabino asofalsoa
0
Domingo 31 do corrente haver no grande labo-
ratorio de lavagem de roupa a vapor, aito no Ar-
raial, urna expsito do machioismo e do pro-
cesto de lavagam para as pessoas que quizerem
assistir. Os pro rietsrios desejam que baja grao-
de concurrtncia, e principalmente de senhoras,
para assim poderem provar as vantagens da em-
prezs.
O Sr. Claudio Dubeux ter as 9 horas e meia
da manha mnibus disposi(o dss pessoas que
se quizerem uulisar.
Consulado de Franca.
O cnsul de Franca convida aos crodores do
fallecido subdito francez Antonio Eugenio Barrel-
lier para comparecerem no respectivo consulado
desle ss 10 horas da manha at as 3 da tarde,
aQm de receberem a primeira prestadlo do debi-
to a que flcou abrigada a viuva do referido Bar-
rellier.
Precisa-se de urna escrava que seja boa en-
jgommadeira e costareira, sendo moja e sadia :
. qu*m a tiver e quizer vender, diriia-se a rua da
Aurora n. 62, segundo andar, que achara com
qusm tratar.
Francisco Jorge da Silva Prannos, dentista
cam o seu gabinete na rua larga do Rosario n. 9,
tema honra de identificar ao respeitavel publi-
co desta cldade, que receben ltimamente de
Paris e da America do Norte um variado sorti-
mento de objectos de sua preOssao anda nao
viodos a eta cidade, como sejam dentes de dif-
freDtes quslidades, transparentes mineraes per
Vulranet, estes dentes do t pela solidez como
lambem pela grande relsco da analoga que tem
com os naturaes, lo saperores aos que ordi-
nariamente tem viado a eita cidade, raza por-
que presentemente sao ellea os mais adoptados
pelos meihores dsniistas da Paris e da America
do Norte. O annanciante tem tambera um gran-
de soriiraento de oiarsaa Anas de diversas cores
para eocher os deotes cariados, as qaaes tem a
propriedade de adherir a cavidade e de solifl-
ca-la da modo a poder logo exercer a mastiga-
cao, dissipam iatelramente as dores anda as
mais sensiveis propriedades que nao tem a da-
mantina de que ordinariamente se faz uso, a qual
em vez de dissipar motiva ss dores por causa
d'agus ocidolada de sulpburico. Quem quizer
seas dentes cariados, cheios de ditas massas s
recorrendo ao annunciaDte porque elle o ni-
co que presentmoste tem nesta cidade ditas
massas recentemente chegadas da America do
Norte e de Paria. A' vista das circumstaoeias
criticas do tempo tem o aonunciante resolv jo a
modificar os presos e de seus trabslhos aQm de
chegar para todos. O mesmo colloca dentes so-
bre base de ouro, platina ele sem extracejao de
rain s pela presso, a pivot ou a pisto, desres-
sort de crochet, como melhor exigir o estado da
bocea. Para a conservarlo dos dentes em esta-
do de jaspe (am o innanciante excellenle pos da
China verdadelro preservativo untco e magnifico
dentrificio para conservar a bocea e dar-lhe am
hlito sublime, tornando os dentes pelo teu uso
qnolidiano isentos da csrne que vulgarmente
chamam pedra, da frouxido dos ervos alveo-
larios e de outros mullos inconvenientes qae a
filia de taes pres*rvativos occasiona tendo por
origem a negligencia que commumante ha qua-
si em todo o publico, acontecendo assim per-
der-se o especial ornato da bocea ; o aonuncian-
te alm disto faz todas as operreoes de sua pro-
Qssao com toda a promplido possivel e delica-
deza. A entrada confronte a casa de pharma-
cia do Sr. Bartbolomeu.
Preclsa-ae fallar com urgencia ao Sr. Se-
baslio Antonio de Albuqaerque Mallo, na tra-
vessa do Veras n. 15. segundo andar.
uva exp cao de candieiros
a gaz.
Chegou a nova axqoslcao
Chegoe a nova exposi(o
Chegoe a nova expsito
Chegoe a nova expsito
Chegou a nova exposicao.
Candieiros a gaz
Candieiros a gax
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz.
Sottimeoto completo
Sorli'T.ento completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Sottlmento completo.
Gax de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade
tiaz de primeita qualidade
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade.
S tem na nova exposicao
S tem na nova exposicao
S tem na nova eipoiico
S tem ns nova exposiQo.
O propietario deate cstabalecimento avisa ao
publico em gerat que tem recebido mm completo
sortimento de candieiros a gaz para ricas salas,
quartos, aseadas, eogenbos e para estados pe-
queos que pode com a economa de urna gar-
rafa de gaz ter para 60 horas de luz, ricas cadei-
ras de ba'.inco de ferro com estofo adamascado
de linbo, lavatorios de ferros econmicos c :r.
todos es pertences, com esgoto no fundo da ba-
ca, ricos qaadros para oroarnenlos de s-lis e um
riquisslmo sortimento de objectariaa a in,iUco
de raarfim psra sanhorss approradss ni ultima
exposicao das princezas lando o premio miior,
riqnissimas pulceiras aimitcio de camafeo, lu-
do se vende por diminuto pretjo que muito de-
ver agradar 20 e 24, loja de Caroeiro Vianna.__________^^
Alga-se annual, e pelo tempo da feata am
sitio na Matriz da Varzea, sito na rua do Fogo,
com muitos arvoredes e urna grande cata, duaa
ditas mais pequenss pegabas & mesma, com seas
qeintaes correspondentes ss mesmas, taaabem
com mallos arvoredos, sendo o sitio da casa gran-
de, e das pequeas de estrada e estrada : quero
pretender, dirljazse ao paleo do Carmo, esquina
qae volta para a rua de Hurtas, sobrado n. 3, pri-
meiro andar:
Aviso.
Francisco Fernandos Daarte, proprietario do
armaeem progresso, faz ver ao respeitavel publi-
co sae o sea estabelecimeoto com a nova nume-
rario pasiou de n. 8 para n. 10, e para que Dito
baja equivoco faz o presente.
Antonio Hilario Liaboa, subdito portuguez,
retira-se para o Rio de Janeiro.
O es'crivio da irmandsde do Sefihor Bom
Jesas das Dores, em S. Goncalo, convida a todos
o irmaoa. e devotos do tnetmo Seohor, para do-
mingo (31) comparecirem i referida igreja rfim
de assistirem festa e Te Boum de seu padrceiro.
O escri'ao.Jaao Manoel Lino da Rocha.
Ama de leite.
Precisa-se de uita ama
Crez n. 15, segundo andar.
de leite : na rua di
Ao publico e ao commercio.
O solicitador P. A. da Costa Mschido pode ser
procurado pata os misteres de sua proflisSo na
casado toa residencia, na villa do Cabo, nos dias
de legoodis, urcas, sextas o sibbados ; e nos
dias de quartas e qaioias-feirat, na villa de N.
S. do O' de Ipojuca, aoode cfferece os seas ser-
vidos a todas as pessoas queda sea presumo se
quizerem uiilisar; encarregando-se de receber
por sua cunta qualqaer qaesto qae penda ante
os dous faros, visto que para esse lira sa acha ha-
bilitado e de accordo com oa Drs. Alfonso de Al-
buqaerque Mello, Joao Goozaga Bacellar e Pedro
Gaudiaoode Ralis e Silva ; prometiendo empre
gar lodo o zoilo e actividade no que lhe for con-
fiado a bem d.' seas conitituintes.
PEQUEO CURSO
chuica agrcola
POR
F. Malaguti.
Esta obra de tanta utiliosde para os nosso
agricultores, e qae lao apreciada tem sido no Rio
de Janeiro, coutiiii a estar venda as libra-
ras doa Srs. Figueiroa e Giinuraes & Oliveira,
a na typograuhia commercial, rua estrella do
Rossrio n. 12,
Refinador.
Precisase de um refinador que $aiba
perfectamente desempenhar ete lugar:
na refinarao do Manguinho.
COSTUKAS.
Gasas para alugar.
Alegarse o 1* andar do sobrado n. 21 da rua
da Cruz, proprio para escriptorio, e o 2* andar
da rua da Senxalla-Nova, o. 9 ; quem pretender
dlrija-se a Prente Vianna & C., rua da C-ideia
do Recita, n. 7.
Gouipanhia Fidelidade de se
guros martimos e terres
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$
Agentes em Pernambuco
Antonio Luis de Oliveira Azevedo & C. compe-
tentemente autorisadoa pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorias o predios, no su escriptorio,
rea da Cruzn. t.
Aos senbores
abaixo declralos precisase fallar na raa do
Crespo loja n. 1 i
Antonio Goo;alves Ferreira senhor de ecgenho
na Escada.
Canuto Ildefonso Emerenciano, Rio Grande do
Norte.
Francisco Gorc^lve Guimaraes.
Francisco Antonio de Mello.
Francisco Xavier Cavalcauti Lins.
Joo Augusto da Carvalho.
Jos Francisco Belem, senhor do engeoho La-
rangeiras.
Marciano Accioli Lias Barradas.
Camargo & Silva.
Arrenda-se urna grande parte do aitio de
coqueiro, denominado Maria Farinba, na fregue-
lia de Maranguape : a tratar no engarbo Uuri-
bara, fraguazia de S. LourenQO d
Para passar
da Mihi.
a fej^ta.
Toda alenlo!!
Antonio Gomes da Canha e Silva, com loja na
rua da Cidria do Recife n. 50, dafronte da rua
da Madre de Dos, roga aos seas numerosos llo-
vedores Ur>io desta cidade como tora della qae
se sirvam mandarem pagar seas dbitos it ao
lim do correte rcez de agosto, porque nao po-
d-eudo mais espenr pssssr a asar des meios
que julgar mais conveniente para com aqaelles
que nao cumprirern seas deveres.
Toda aUeneo.
Custodio Jos Alvos Galmares avisa ao res-
peitavel publico, principalmente a todos os seas
(reguz*s s amigos, que se mudom da loja da
aguia de ouro da rua da Cabuga para a rua do
Crespo n. 7, para a bem conhacida e amiga loja
de miudezas que foi do fallecido Joao Ceg, hoja
sera conhectda pelegallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aos seas fregaezes e amigos,
qae o queiram procurar no dito estabelecimeoto,
onda acharo am grande aortimenlo de miudezas,
queaffianQa servir bem e vender por menos dez
; oa Tinte por cento. do qee em ouira qualqaer
parte.
Aluga-se para passar a festa ana grande, e
muito rendoso sitio na estrada Ue Belm, por
ser lodo coberlo de arvores e fruclo : a tratar
na rua da Peuba, loja do sobrado e 2 andares
u. 4 _________________
Petle-su
ao Sr. F. J. R. F. J. ou a seu mano F. D. R. F.
que venbam quamo antes salisfazer o que com
lenta hatiilidade poderam alciOQar dos abaixo
assigaaos. Iremos mais aliante, se preciso fr.
CaQiaigu & Silva.
l'recisa-se de I:UUUJ> a juro por eap* um anuo, dando le por bypolbeta urna casa ter-
rea livra e desembarc.aaa : a tratar na rua de
liorlas n. 122.
Na rea nova de Santa Rila d. 40, toma-te pa-
ra coser costuras de todas as qualidades, como
sejam obras de slfaiate stja qual for a pe;a e
fazenda, e de senhora vestidos para casementos
neos e chaos conforme os figurinose usuaes pare
cisa, prtco commodo e conforme o gosto de cada
am tanto a penlo de guiha como a machina.
Precisa-se alugar urna
preta para vender fructas:na
rua da Liugueta taberua n. 2.
Aluga-se ama escrava boa cozmbeira e la-
vadeira: qusm precisar dirija se rea do Rau-
gel o. CO, aeguodo andar.
No da 2 de selembro ni sala das aaaian-
ciss linda a do Dr. juiz municipal da primeira
vara se bao de arrematar renda annual das ca-
sa* seguinles : casa terrea n. 85 na rua das Cin-
co Ponas e da casa meia-agua n. 36 na rua do>
Forte por 21621. casa terrea o. G7 na rua da Im-
peratriz por 4003, osa terrea o. 30 oa rua da
Prais de Santa Rita por 144J conforme o escript
em mo do porteiro do jaizo, escrio Baptista,
a requerimento do inveoiariante Victorino Jos
de Souza Travasso.
Aluga-se urna casa ierres no principio da
rua Imperial : a tratar na ruado Quaimado nu-
mero 32._________________
Quem precisar de urna ama para casi de
poucs familia oa hornera sollelro, a qualcosinha
e engomma, procure na raa Direita n. 22, que
aclara cnsn quem tratar.
Precisa-se de um bom amassaaor para urna
padaria que se sajeite a vender pao na prarja : a
tratar na Torre em casa de Francisco Jos
Arantes.
l'reciaa-se alugar una preta de saea ida(te>
que laja fiel e que tenba pratica de vender aa
rua : qncm a tiver e quizer alugar, dirija-a* ao
largo da Santa Cruz n. 1G. a ualquer bora do dia.
Precia-se de um caixeiro de idae de 1.2 a
14 annoa, pouco mais ou menos, para taberna ;
na rua Imperial n. 4.
No ou 15 do correte desappareceu dase
Iroaxas de roupa lavada, que um malulo trema
de Bebente para entragar na rua do Rangel, so-
brado n. 58, e diz que ntregou a um prelo que
eslava na porta da dita casa para leva las cima
no sobrado ; e como oilo prelo nao entregou-as
al o presente, rogase s pessoss que achsrem
ditas trouxas ou liverem eoticias deltas, o favor
de mandaren entrega-las ou avisar na dita casa.
Adverte se qae a roupa toda esta marcada com li-
ona encarnada e azal.e que gratificase o achado.
Aluga-se urna casa no Po;o com ommodos
na rua Nova o. 47, loj.ide Basios
para familia
& Reg.
.iua atasioa
1 dos
Nesta typographia precisase fal-
lar ao Sr. Manoel Ferreira d'Almeida,
que mora na Casa Forte.
Na rua Imperial casa n. 4 precisa se de um
rapaz de 14 a 15 anoos para caixeuo de urna ts-
tarna : quem qaizer dlrija-se casa ma iodi-
, firoiteiro e vr-ern
Grande nova oficina.
Tresnarlas.
URua Direita31.
Reste rico e beea montado estabelecimeGto en-
sontrarae ce fregaezes o mais perfeito, bem *ee-
Oado e basco ao sea gentro.
URNAS de tedas as qeaeades.
SANTUARIOS que rivatlsam eo* o jicaras**.
BANUEIROSde todos os Umaohot.
SEM1CUP1AS dem dem.
JALDESidese dem.
SABIAS Idasa dem.
JrUIS dem dem.
IFGilA em ctkas de todas as grosuras.
TUTelS insltaado em perfeicao a boa pprsel-
iaaa.
CKALK1 RAS de todas as a,aalidadas.
PANaUM-S ideea dem.
COCOS. c.ANDIEIKOS e (landres para qamt-
qaer snrtime-t'o.
VIDROS ee* eaixas a a reUlho de todos os u-
mandando-se i^anhos, botar dentro da cMaae,
.em toda a sari
Recebem-se ei^omaseadas de fealqeer bsBm-
*eaa, eoacertos, qv'O tndo sori desempeihaeW a
CCnUntP.
lijccct^ Brow
Remedio ifallivel ct^otra as agnor-
rfaeas antigs e recentes, vnico deposito
na botica rancew, rua da Cruz o. 22,
preco 3#.
A\iso.
Fernando Garzoli, estabelecido com casa de
relojoelro na rua do Rangel d. 50.'participa a
seus amigos e freguezee, que tendo de fazer ama
viagem Europa para tratar de seus ioteresses
particulares, que venham retirar os concertos e
ludo o que entregaram so teesmo, isto no prazo
de 30 dias, cootando da data desle ; do contrario
taran de esperar at o regresso do mesmo, que
sera a 15 de Janeiro de 1863. Recife, 20 de
agosto de 1862.
Semenlc de algoda
Estados Liiidosv
Na livraria n. 6 e 8 da pra^a da In.
dependencia distribue se sement de
algodao mandada vir dos Estados-Uni-
dos pelo governo.
Saca-separa Lisboa e Porto na
ruado Vigario n. 9, primeiro andar,
escriptorio de Carvalho <& Nogueira.
ttoga-se aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Itibeiro de. Oliveira que
leve loja na rua Direita n. 55, que ba-
jan! de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na rua do Queimado n. 41 e
48, evitando desta forma o receber se
judicialmente c publicar-se seus nomes
por este jornal.
Ensino particular.
Urna pesaos convenientemente habilitada sa
propde a ensinar primeiras lettra, latim a fran-
cs am algum eogenho perto desta praca : quero
qaizer tialar do ajuste dtrija-se a rua da Palma
o. 32.
Bandtijas de bolinhos
Com perleigao preparam-se bsneijas com if
fersutes modelos de armagao e chelas com ss
meihores qualidades de bolinhos do nosso mer-
cado ; assim como os mesmos em libras por
prego raioavel lambem toda a qualiuade de
paatelaria e podios e bolos francezes e diversos,
o mais bsni feito de nosso paz com sieio : quem
precisar procure na rua do Rangel n. 60, para
ajustar.
Aluga-se urna casa terrea na rua a Concei-
Qo n. 31, retificada de novo, para urna familia
grande porler bastantes commodidades : a tratar
na rua Nova o. 20. loja de drueiro Vunna.
SEGUNDA EDICTO
no
THESORO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
jpelo doa ter
SMin@iD.lL. FIHIO.
Iste livro qae o tem tornado to popular,
quanto necessario, acaba de sar publicado com
lodos os melhoraanentos, qae a experiencia e os
progressos da ciencia tem demonstrado. A no-
va ediccao em (ado superior primeira, en-
tesra:
i.' Mais amplaa noticias acerca do caratiro
dae molestias, com indicacoes mai proveitoaas
dos medicamentoe nevoa recentemeote ezperi-
mentedoa na Europa, nos Estadoa-baidos o no
Brasil.
X.* A xposigaoda doatrina homeopatha.
8.* 0 estado da aproprieco dos remedios se-
gando as predominancias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, e segando as crcjUDStan-
tiaa almospnericas etc., etc.
4.' A pres.rvic.do oa praphilvia das molestias
hereditarias.
5.* A preservado das molealiaj epidemlcaa.
6.* Urna estampa illustrada demonstrativa da
tontinuidade do tubo intestinal desde a bocea ate
* anos etc.. ote.
Vande-se na phariacia espkci fiPatBOPA-
rajci, propriedade do aathor, rea do Santo
imaro (Mundo Novo) n. 6.
Proco de cada exeraplar. 2.00000
N. B. Os senhoresassignantes queiram msn-
dar receber seus etemplaree.
Joao Uanoel Martins, subdito portuguer,
relira-so para (ora da pro?ineia.
Banco Unio.
Estabelecido na cidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C.
Sacam por todos os psquetes sobro o mesmo
Banco a prazo ou vista, e sobre as agencias em
Lisboa, Figueira, Coimbra, Aveiro, Viseo, Villa-
Real, Ragoa, Vianna do Castalio, Guimaraes,
Barcellos, Lamego, Covllhaa, Braga, Penaflel,
Bragauga, Amarante, a cito dias, oa ao praao
que se conrencionar: no sea escriptorio raa da
Cruz n. 1.
g Saques sobre Portugal.
gO abaixo assigoade agenta do Banco
Uercaotil Portuense nesta cidada, saca
Seffectivament* por todos os paquetes so
bre o mesmo Banco psra o Porto e Lis-
boa, por qaalquer soturna avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo saram
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por cento ao anno aos portadores
8 qae assim lheconvier t as ras do Cres-
po i. 8 oa do Imperador n. 51.
Joaqwim da Silva Castro.
a mmmmm -mmmmmm
A padaiia do Leo do norte da rua do Coto-
vello i>reciaa de um ptimo amassador.
Aluga-ie a casa terrea confronie e igreja de
S. Jos do Maogufnbo : na rua Augusta o. 26.
sacam sobre a pra;c do
Aeiico
Em um engeoho distante do Recife menos de
dais leguas, ha um sitio desoecupado com opti
mos terrenos para pasto de annimaes e para to-
das as plsntacoes, com algumas fracteiras, grao-
de casa, reconstruid de novo, toda de lijlo, con-
tendo duas sallas, cinco quarios, grande cozinha
e mas Irea quartos separados para escravos, dona
copiares coberlos, duas cacimbas a um tanque;
que se d a quem aonunciou por este Diario
querer ser lavrador d'algum eogenho, oud'arren-
dar a quem tambem annunciou por este mesmo
Harto querer arrendar um sitio com estis com
modtdades, convjnJo a estes; ou a outro qual-
quer, pode dirigir-se a rua do Cabug loja de ou
rives n. 1 D, que acharo com quem tratir.
&<&**& m&m&%$ &#$&&
^ Ntava escola particular $
W de iostrueco primaria pira o sexo mas- w
9 colino; na rua da Cadea do Recife n. 52. 8g
Juizo dos feitos da faznda.
No dia 4 de setembro ao mel Sis, s portas
da casa do depositario geral, na rus estrellado
Rosario, se-vender am praca publica um carro
de 4 rodas em mo estado, avaliado por 50f000
penhorado a Manoel da Silva Ferreira Viohas por
Augusto Ficher, para pasamento do que este He-
ve fazenda nacional. Recif< S de aosto de
186.O colicilador da fazenda,
F. X. P. de Brito.
saraTgg'-rerza
m

Bailar & Oliveira
Porto.
Aluga-se a caaa terrea da rua do Burgos
n. 27 : tratar na raa da Aurora n. 36.
Al-ga-se o 2* andar e soto da cssa sita
na rua da Cadeia-velha, o. 18, com bastantes
commodos, e Iralar ne loja da mesma
^fiejeftt
di
3-Rua estreita do Rturie~3
Francisco Pinto Ozono continua a col-
9 locar dentee artificiaea tanto por moio do
ej molas como pela pressio do sr, nao re-
ebe paga alguaa sem que aa obras Bao sf
Iqaem a vooUde de seus donos, tem pos
9 eutras preparace as maia acreditadas
0 paca conservaco de bocea; sa

Preciis-ae alagar n.m prelo que seja poa-
saale : di xua dos feacadora o. 1 e 3.
O Dr: Antonio Agripino Xavier de Bri-
to mudou sua residencia da raa da Im-
peratriz n. 47 para a mesma rua n. 24,
onde pode ser procurado a quslquer ho-
ra, para o exercicio de sua proQssao.
Alugamse dous grandes arma
zens na rua da Concordia proprios para
qualquer estabelecimento em ponto
grande : a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Alves na rua da Cruz do Recife.
Remedios do Dr.
Radway.
Resolutivo renovador.
Pr-.-mpto allivio.
Pitillas reguladoras.
At ao fi'n do corrente mes de agoato deve
chegar imprelerivelmente o vapor brasileiro do
sul, e por elle devem vir estes mediesmentos oa
quaes se achavam o sabida do vaoor passado a
10 dias no Rio, a bordo do brigue clionder, sem
se lr podido dar urna descarga.
Droguista rua da Imperatriz n. 12.
Aluga se urna excellenle sala e urna alcoa-
va do primeiro andar do sobrado na rua da Pe-
nha n. 4,
Aluga-ie o primeiro andar do sobrado da
rua da Cadeia-Velha o 27, proprio para escrip-
torio: a tratar na loja do masmo.
Alugsm-se o segundo e terceiro andar di
casa da rua do Trapiche-Novo r. IN: a tratar no
escriptorio da meama cass.___________
AO HMIRCIO.
jse Baptista da Fooseca Jnior declara ao
commercio Cesta prara.a a quem possa intares-
sar, que nesta tta nae existe em circulado le-
tra ', :-ui..a de seu aceite. Recife 28 de agosto de
1862.
D. Alexaodrina Duperron, Narciso Du-
perron, Ariitides Duperron, Hermills Du-
perron e D. Arma Monteiro da Franca hu-
perron, agradecem. cordialmente as pessoas
que se dignaram deacompanhar al ao ce-
miterie o corpo de seu fallecido marido,
pai e sofr.ro, e convidam as mesmas pessoas
para aaaislireui a missa que se ha de rezar
secunda [aira 1" de setembro na igrrj*. de
Nossa Senhora do Terc.o, s 7 horas da
manha.
3U*0 o ctactf tf pcg vap hica
apcvnamUucaua
De ordem do Illm. Sr. presideote convocada
urna sessao eitraordioaria da assembla geral
para domlogo 31 do correnle. Os Srs. socios ef-
feclivos sao convidados a comparecer s II horss
da manha. 0 negocio que tem de tratar-se af-
fecta o interesse de todos.
Secretaria da Associajio Typographica Per-
nambucana 29 de agosio de 1862
0 primeiro secretario. Silva Lins.
Aenca.
Permutam-se diversas cas terreas
no bairro da Boa-Vista e as meihores
rua, por um sitio que tenha boa casa
no Mondgo, Trempe, Soledade, Cami-
nho Novo, ou suas proximidades, elec-
tuandn se tambem dito negocio me-
diante volta de escravos e mesmo di-
nheiro : na rua da Cadeia do Recife n.
40, se dar' nformac,es relativas.
816Rua da Cruzi 6i
Precisa-se de urna escrava para
lavar e engommar em urna casa de fa-
milia : a tratar na rua da Praia n. 53.
Padaria
I fino
franceza
echanico, c
Cartoas de visita
Cirioes de visita
Csrides da visita
Cartes de visits
Carines de visita.
Precos reduxidet
PrsQos reduzidcs
l'ricos rsdudos
Presos reduzidos.
A dnzia por 12>
A duzia por 12
A daiia por \1$
A duzia por li;
Duas darias por 203
Duas dazias por 209.
Novo astylo de pholographia
Novo eslylo de pholographia.
Ambrotypos cm caixss -J
Ambroiypos em eaixas 29
Ambrotypos em eaixas 2.
O retratista americano
Alberto W. Osboru
Rua <)o Imperador.
Dentista de Paris. {
15Rua Nova15. %
Fredarico Gautiar, cirurgio dentista }
O Dr. Rocha Bastos
d consaltas todos os dias.
Cara radical o em poseo dsa moles-
tias syphilitieis a dos orgos genito cri-
narlos.
Consultas de gra^a das 8 as 9 horas da
manbia.
S
I
g

""" yHMrSfi 3Mf MS *K SW 5(M MS Ht i
Precisa-se
alugar ama escrava qae ssibs lavar e engommsr
e faxer as compras oa rus, para urna asa estraa-
geira : quem tiver para alugar, falle na rua do
Trapiche Novo n. 12.
w
Precisa-se de urna ama (erra que saiba fazer
todo o servico de urna caa de pouca (imilla : aa
raa do Qaeimado o, 39.
*
NICO NA PROVINCIA g
Rua da ImperatrizhOto
A padaria fraaceza sita na rua da Ias-
peralriz n. 50, continua 10b a admiois-
tra(io in viuva Birrellier e all haver
todos os dias :
Pao quente de leite s 6 horas da lar-
de para tomar com cha do dia 21 do cor-
rente em diante.
Bolachas de todos os tamaohos e qua-
lidades,
Bisceutos doces e agua'os e de ledas
as qaalidader.
Bolachihas de ararula doces e olea-
das.
Bolos francezes.
Patiaa doces.
'ao comsoam das meihores farinbas
do mercado.
Preparam-se bandejss de lodos os l-
mannos com bolos de todas as qualida-
des e tado laso por presos coaasnolos.
A referida padaria trabalba em um
(orno meeaaaice assas dessenioso o
aalco na provincia. O pie, qae delle
abe o anais limpo, puro e de melhor
gesto o aem assim as bolachas e tudo o
mais. O torno tem am asseio nolsvel a
o pi cosido coa muito poica leoba,
e sem haver ommunietcao com esla
ou ss bases, sendo por laso qaa nao so
encontra m menor rsgm uto de carvao
o pao o ais masase qae He cosinbs.
S
faz todas as operaeoes desua arte a o co- S
loca dentes artificias?, ludo com -sdeln 3K
rioridade a porfeicao qua ai passoas-,an ]
tendidas lhe roconhecem. *
Tem agua a pos dantificios, ote.
iT&ssm&tsmz tnws mensasmm
O bacbarel Manoel Firruino de Mello, mu-
los a sus residencia da raa da Inperatriz para
a da Aurora n. 48, segundo andar, one pede ser
procurado p>ra a sna prefisio de a4vogado, dss
3 hons da larde em diante, e dahi at-as 9 da
manha, no sea escripterio da rua estreita do Ro-
ssrio n. 27, rrimeiro andar.
Aluga se
a cssa da rua Augusta a. 15
vessa do Paraizo o. 1C, com
Eiras.
para tratar oa tra-
lgoacio remandas
8 .
Gabinete medico cirurgico.'
O Serio dada con sal las medlcas-eirargi-1
9 ca pelo Dr. Estevao Cavalcanti de Alba- ,
% qaarque da 6 as 10 horas da maBhia, ac-
9 cudindo aos chamados om a maior ra-
sj vidada possivel.
k |*a Partos.
S t.* Molestias de pello. '
sj 8.* dem do olhos. .
0 4.* dem doa orgaosgonltaea.
sj Praticartoda a qaalquer operario om (
8 sea gabinete o a em cass dos doontes con- ,
forme 1 Las for mais conveniente.
0
\
'>
ILEGVEL
J


DU&10 01 ERKAMBCO SlBB DO 80 DI, 4GOgK> DI ltfti
*_
<
)
O abaixo astigoado, na qualidade da Wlor
do meoor Filipp *ranciaeo Qe Souta Morcoart,
oleo berdairo da fallecida viuva da Simao Plato
Ribeiro e D. Ftinciic Plorota Ribe'.To de Mello,
pede ao Illm. Sr. juiz municipal do letmo de Se-
riuhiem ae digne providenciar Acarea de extra-
vio dos beo per lencen tes a 3 casal do fallecido,
praticado pelo inventarame e depositario Laiz
Nilo Pinto de Albuquere.ua ; aaalm como protes-
ta anauar as rendas e hypotbecaa de escravos
40 mesmo casal que esto sendo feitas pelo mes-
mo depositario a aau cunbado Joaquim Theodoro
do Reg Barros.
Recife 23 de agosto de 1862.
Heorique Augusto Milet.
Costuras de saceos.
As pessoas que quizerem
cozer saceos, di rija ni -se a ra
doBrum armazem deassucar
n. 28 B, as quaes nao sendo
conhecidas, de ve rao apresen
tar fiador. O preco estipula-
do de 1$ por'cada cento.
O abaixo assignado procurador
da cmara municipal do Recife precisa
fallar com o procurador dos herdeiros
de Francisco Joaquim Pereira de Car-
valiio, a bem da mesma cmara e dos
herdeiros.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
*
/
K
"*
J
Camisas para senfioraVlSOlu j
S na loja do Pavao.
Venderse camisas de madapolo fraocex maito
bem anfeitadaa 19 cada ama, a na taa da Im-
peratriz o. 60, loja a armazem do Patio;
Chales baratissimos.
Venda-se chalaa de merino maito grandea a
39. ditos a garibaldina a 45, ditos estampados
fazenda foissima a 69, ditos pratos a 59, ditos de
rede a imitaclo de retrot com bonitas palmas a
39, ditoa da cassa de qu-dro a 640 rs : s na
raa da Imperatriz n. 60, loja a armazem
Patio,
do
Baldes de bramante.
Na loja do Pavo.
Urgo em frseos a 600 rs.
Graode, grande, maito a mallo sortimeoto.
leos
para cabello, em virlude da depraciago que len-
do tido o oleo dito pbilocome soci.i hygiea-
niqaet por ter vindo todo falaicado, recabemoa
am artigo idntico aquella da fabrica de Monpa-
laa que garantimos sar o melbor cosmetique pa-
ra o cabello, e os aromaa escolhidoc tao suaves a
duradoaros que desafia mesmo qaem nao queirs
o comprar.
Chegado pelo vapor fran-
cez s para o vigilante.
Lindos penles de marrafa.
Sao ebegadosos lindos peotinhos douradiohos
com muito lindas molduras da differentes gostos
para marratas ou trsvessos, pois s com a vista
os compradores podero apreciar o quanto sao
Ricas livelas douradas para
sinto.
Vendem-ae firelaa doaradas
mais modernss qua tem viudo ;
Diado n. 63, loia do Beija-flor.
a 29 a 29500, aa
na ra do Quei-
Ricas voltas de aljofares.
Vendeta-se Tollas de aljofares com eras depe-
dra inflando a brilhanie ; na raa do Queimado
ouroaro 63. loja do beija-flor. _______^^^^^
Oleiro.
Precisa-se de um oleiro para ir exer-
cer sua arte na provincia da Paralaba,
quer-se que trabalbe bem em louca
miuda ; da se passagem gratis daqui
para la' e aIHanca-se urna boa mensali-
dade : o pretendente quetra dirigirse
a Fora da Portas, ra do Pilar a. 83,
segundo andar, para tratar a respeito.
lavar, para seubora, e para meninas, do mesmo
bramante e de arcos : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.________________^^___^_^_
Vestidos brancos.
Venda-se cortes de vestidos brincos bordados
a seda, proprios para noivas, pelo baratissimo
prego de 6$, ditos de tarlatana branca borda-
dos a 10) : ni roa da Imperatriz n. 60, loja e ar-
mazem do Pavao.
Tariatanase fil do Pavao.
Vende-sa tarlatana branca a de coras a 800 rs.
a vara, fil brinco tizo a 800 rs., dito lavrado e
palmlobas a 19 a vara, organdiz brinco muito fi-
no a le a vara : na raa da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Aluga-se duaa casas, urna que Qca por de-
tras do Calabouce n. 20 e outra na povoago do
Giqui : a tratar na ru Diretta n. 6.___________
Luvas e sintos do Pavo.
Venle-se lavas do seda pretas o de corea a
610 rs. o psr, ditas de retroz a 640 rs., sintos do
seda muito ricos com flvellas doaradas a i$ cada
um : na ra da Ioiperatriz n. 60, loja do Pavo.
barato prego de 2$ o par
do Crespo n. 7.
s no
goitos, pelo
vigilante, raa
Luvas de pellica.
Tambem sochegadas as verdadoiras lavas de
Jouvin muito frescas, tanta para bomem como
para seobora : s no vigilante, ra do Cres-
po o. 7.______________________________________
Ao Pavo.
Preciaa-ae de cinco a seis coolos de res a
juros sobae bypotheca emum sobrado de maior
valor pagando-ae oa juroa mensalmenle e com a
condigno se no fim do dito prazo nao ser pa-
go poler a pessoa que der o dinheiro diapordo
dito sobrado para seu pagamento, isto pelo lem-
po de tres aunos : a quem convier auauocie.
Aluga-ae am amo na Ponte de Ucba junto
ao aqbrado amarallo, com boa casa acaiada e
muito bona commodos para familia de trataman-
to, com agua de encanamento e banbos de cho-
que : a tratar na raa do Crespo n. 14.
Seguem para Europa Mauoel Loureoco Cr-
rela de S, Braslleiro, casado, e Francisco Jos
Fernandee Pires. Portaguez. csalo.____________
Joo Maihtts Saldinbalem contratado ven-
der a sua taberna, sita na Passagem da Mag Isle-
a : quem se jalgar com direito a embaragar es-
te negocio, irija-se a meama taberna no praao
de tres diaa.
Venda-se nesle estabelecimento as fazenda,
mais barata que em outra qualquer parte, s
como fim de aparar dinheiro, chitaa largas es-
curas com pequeo toque de mofo s 200 rs, o no-
vado, ditas francezas a 240,160, 280, 320 e 360
rs. pegas de madapolo e algodozinbo per pregos
baratissimos, cassas e orgia 1 ya de todas as Cores,
cambraias da todas as qualidades e lodaa aa mais
(azendas precisaa para o consumo, alera de salar
este eslabelecimento aberto das 6 as 9 horas ds
noute.tambem se manda levar as fazendts e amos-
tras pelos caizeiros : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Sedas a 500 e 720 ris.
Vende-se sedas de listas e do quadros para ves-
tidos de senhora a 500 e 720 rs, de quadrinhos
miudos o covado : na raa da Imperatriz n. 60,
loja do Pavio.
Roupa para horneas.
Vende-se caigas de casemira, de brim pardo,
de dilo de corea, paulla francezes a 69, ditos de
panno preto e cor de caf a 69, caigas de case-
mira preta a 59 : a na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60.
Bordados baratissimos
Na loja do pavo.
Vendem-se gollinbaa maito finas de cambraia
bordadas o de fil a 400 rs., manguitos com gol-
linhasda cambraia bordada a 19280, mangailoaa
balo flnissimoi a 19, lengoa de linbo com labv-
rinlho a 28500, ditos de cambraia de algolo a
Imitago de labyrinlho a 640, 800, 19, e fioissi-
maa liras bordadaa e entremeios por pregos bara-
tissimos : vende-se na ra da Imperatriz la. 60,
loja e armazem do pavo.
Vestidos baratissimos,
Na loja do pavao.
Vendsm-se mullo lindos veslidos ds cambraia
bordados a seda, sendo de todas as cores a 69.
ditos com barraa o babados a 49500, ditos a 4$,
cortes de tarlatana brancos bordados e de corea
a 39, ditos de cambraia branca com babados a
29500, ditoa de cambraia bordados com babadoa
o duas salas a 49, cortes de barege com 22 cora-
do cada corle, tendo Dos de seda a 4$, ditos de
la a 49, cortes de cambraia com salpicos bran-
cos e de corea, tendo 6 varas cada corle a 3$,
ditos de salpicos mais finas com 8 varas s 49,
lado islo se vende por menos que em oatra qual-
quer parte para aparar dinheiro, s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo.
Facas e garios.
Vendem-se facas a garfoa finaa da cabo da ba-
laceo de doua botdes a 6J800, ditas para doce a
5g800, dita da um boto a 69200, dita para doce
i 55200, dita preta cravada a 39600, dita branca
a 39400, dita rouge a 39 a duna ; na raa do
Queimado n. 63. loja do baija-flor.___________
Jogo de vispora.
Veoda-se jogo de viapors a 19 ; na raa do
Queimado n. 63, loja do beija-flor. ______
Anvelopes.
Vendem-se anvlopea da diversas qualldades,
branco a 19*00 e 19400, szul a 19, o de cores a
1940O: aa raa do Queimado n. 63, loja do bal-
ja -flor.________________________________
Papel adamascado de cores.
Vendo-so papel adamascado de cores a 800 o
19, dito branco a I9200 : na ra do Queimado n.
63, loja do beija-flor.
Grava ti ribas de seda.
Vandem-ae gravatinhasde seda para senhors,
de diversas cores ; na ra do Queimado n. 63,
loja do beija-flor.
Tiras bordadas.
Vandem-se ricas tlraa bordadas psra vestidos
e salas brancas a 800 e 19 : na ra do Qaeimado
n. 63, loja do beija-flor.______________________
Veode-ae urna ntgrioba deidad de seis n-
nos, de bonita figura, por prego commodo, na
ra da Imperatriz n. 19 ; a tratar com Frederico
Chavea. ___________
S na grande expesicao
defazendas novas e bara-
tissimas, na ra da Impera-
triz, loja e armazem da ara-
ra n. 56, de Magalhes
Hiendes.
Precisa-ee de um horneen para trabalhar em
um sitio e tratar de capim : a tratar na estrada
de Joo de Barros, sitio da Candido Atcoforado,
ou ua ra do Amorim n. 5i.
Em um engenbo peno da eaiago de Ipo-
juca precisa-se de urna passoa para eosinar pri-
mearas letras, latim e francez : quem estirar ha-
bilitado e quizer, dirija-ae a ra do Imperador n.
73, primeiro andar.
Vai ear arrematado em a casa do Sr. juiz
de paz do 1 districto 4a freguezia da Boa-Vista
os objectos seguiotes : aeia esleirs de amarello
por 69OOO, um sof por 125000, ama mesa pe-
quena por 29500; tem lugar a arrematagio no
dia 3 de selembro, depois da audiencia do mea-
mo Sr. juiz de paz, Gustavo Jos do Reg, o a
ra da Aurora, por execuco de Jos Francisco
r...--.<.. contra Joo Juvioo de Almeida.
Ama de lene.
Lasa senhors com muito bom laite se offerece
para amamantar crianza : a tratar na ra do
Queimado n 44. ____________^___________
Cambraias lisas.
Na loja do Pavo.
Vende-so pegas de cambraias lisas muito finas
com 8 ardas a SgSOO, ditas com 10 jardas a 39
ditas com 8 jardas a 3g,ditas com 10 jardas a 49 :
s na ra da Imperatriz n. 60, loja o armazem
do Pavo.
Alpakin ou gorguro de linho.
Vende-se esta nova fazenda a imitago de seds
de quadriobos a 280 o covado: s na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavo.
Musselina branca a 200 rs.
Vende-se musseliua branca
de largara a 300 rs. o covado :
peratriz n. 60, loja do pavSo.
com 4 1|2 palmos
s na ra da Im-
Brilhantinas de quadrinhos a
200 ris
Na loja do Pavao.
Vende-se brilhantlnas de quadrinhos, tendo
de todas aa corea fszeuda mullo eocorpada e mais
larga que chita ingleza, proprias para vestidos,
a 200 rs. o covado : s oa ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
A<5
O
Loja de manera.
Nao pode lar lugar a abertura desl6 estabele-
cimento no dia aonuociado, ficaodo transferida
para quando se aonunciar.
Casa
para alugar.
Aluga-se a casa n. 15 da ra da Trempe na
freguezia da Boa-Vista, reedificada, com 4 quar-
tos, 2 salas, bom quintal e cacimba : a tratar no
largo do Carmo n. 18._______________^^
t9 OUtrece-se um hbil copeiro para
qualquer casa eslraogeira oa brasileire, o qual
tem bastante pratics: quem precisar dirija-se a
raa do Rangel n 10. _______________________
Um mogo porluguez competentemente ha-
bilitado em escrlpturago mercantil, offereee-se
para fazer eacripia em diversas casas commer-
cies: quem de seu presumo se quizer utilisar
deixe caria Techada nesla lypographia sob aa ioi-
ciaesR. C. _________________________
Enfeitam-se bandejas para c bailes, preparam-se bolos de baca, po-de-l e
podios com tods perfeigo e prego commodo :
na travessa da ra das Cruzes n. 12, terceiro
andar. ____
cassas baratas que
Pavao liquida.
Vende-se finissimas caisaa francezas de cores
muito bonitas a 200, 240 e 280 rs. o covado : s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Bramante do Pavo.
Vende-se pegas de bramante de listas tendo ama
a largura, com 27 varas cada pega, pelo bara-
tissimo prego de 109 a pega, tambem se vende
meias pegas do mesmo com 13 1)2 varas por 59.
esta fazenda propria para lengoes. toalhas, ca-
misas e seroulas ate, a em proporgo do prego
que est boje o algodozioho lorna-se esta fa-
zenda maia barata sendo da linho, isto s na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
La e seda para vestidos a
400 ris.
S na loja do Pavao.
Grodebico a 120
ris a libra, e sendo de 10
libras para cima a 100 ris
Venda-se nicamente por estes pregos nos r-
mateos progressista e progresssivo, no largo do
Carmo n. 9 e raa das Cruzes n. 36, afflanga-se
ser muito novo.______________________________"
Grande exposigao de ba-
ldes de arcos na loja do
Pavo.
Acaba de chegar loja do Pavo um grande
sortioiento de baldes de arcos americanos sendo
a Matbildo, Carola o a Eugenia que sao os
melhores e mais bem armados que tem vindo ao
morcad com diveraos iu,.l.: ando da fi. 8.
10, 15, 20. 25, 30 e 40 arcos e aflaoga-ae a du-
raco e boa qualidade dos ditos baldes : a na
ra da Imperatriz n. 60, .loja e armazem do
Pavo.

Mozambique a 640 rs.
Na loja do Pavo.
Veoda-se mogambtque todo de la sendo fa-
zenda muilo levo para vestidos.de senhoraa o
roupa para maninos, com delicadas cores miu-
diobas e teodo de urna s cor proprio para capas
de senhora tendo esta fazenda 4 palmos de lar-
gura e vende-se a 600 rs. o covado : na raa da
Imperatriz o. 60, loja e armazem do Pavo.
Perdea-aa ama cartetra com 39 dentro, e
juntamente um neio bilhete de n. 1400, cuja ro-
da anda no dia 5 do selembro, o est assigoado
com o nome da Joaquim Theophilo Socio ; pede
ao Sr. thasoureiro, no caso que saia premiado,,
i i p'gue : e quem achou, querendo restituir,
tevs-o no boceo da Bomba n. 5, a Firmino Aoto-
uio de Pigueireeo.
Aluga-se ama escrava com todas as habi-
lidades, e somente para o interior de casa da fa-
milia : a Iratar na ra da Aarora n. 48. taberna.
__ Aluga-se um armazem na raa do Corto ou
becco das Boias ; a fallar na raa da Madre de
Dos n. 4.
iiOi^^lS.
Compra-se um ascravo de nago, de meta
idade, que saiba cosinhar e (azer o aervigo de fa-
milia : a Iratar na ra da Cadeia do Kacifo loja
n. 44.
__ Compram-se acgea do ooo banco de Per
carabuco : no ascriplorio do Maooel Ignacio da
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19,#
Compra ae um piauo em uso : no paleo da
matriz de Santo Antonio, casa do padre Fraire.
Yr-s
1*
Urna boacrrofa.
Com pipa ou
ta n. 53.
sem ella : vende-sa na ra Direi-
Vende-se urna taberna soriida bem afre-
gaezada, na Capunga, ra da Amizade ; a tratar
nos quatro cantos da meama taberna n. 35.
Calcado barato!!
Na loja do Porto esquina da ras da Nadro de
Dos, vende-se urna porgo de calgado com pe-
qaeoo dafeito muito barato.
J
Ao bom calcado!!
Acaba de chegar loja do Porto, esquina da
roa da Uadra de Dos, nm completo sortimenio
de calgado francez, aendo : borzegaios a sapales
de Naotea para bomem, ditos para senhoraa e
o meninos de todas as qualidade, como tambem
um completo soitimealo de fazsndas o roapas
feiaa por pregos multo em conts.
Vendem-se pedras lavradas o brutas para
predios ; quem quizer trate na ra Imperial
a. 30.
Vende-se la e seda para veslidos com muito
bonitos pairos, sendo fazenda que sempre se
vendeu por 19, o torra-se a 4O0 rs. o covado para
apurar dinheiro : s ns ra da Imperatriz n. 60,
loja o armazem do Pavo.
Esperanca
L<>ja de miudezas,riia do
Queimado n. 53 4, de
Guimares $ .Rocha.
Para baldes.
Molas cobsrtas de fio para saias a 160 rs. a
vara.
Agulhas victoria o papel a 120 rs.
Ditas fondo doarado a 120 rs.
Lioha de paso, meada a 100 rs.
Dita froxa para bordar a 80 rs.
Dita de carretel, 200 jardas a 80 rs.
Dita de cores, quilquer qualidade.
Gravatas
com botse o sem ellas a 19, de corea o pretas,
para bomem a meninos.
Tranca de linho.
Recebeu um lindo sortimento destas trangas,
proprias para as levea roupaa da fasta, o jaalo
qa vao-ae provenindo.
BotSes
para casaca e casaveqae, de coras a pratos, para
camisa madreperola fina, do osse para caiga a
320 agroza, muilo finos.
Colchetes.
Esta loja desojando aempre ter objectos novos,
recebeu clcheles reforgados do fio batido, as
csixas sao em forma de urna carteirinha qae se
torna maito elegante, s ba na Esperanga a 80
rs. a calxinhs, am cartao a 60 rs., oa duna por
600 rs.
Pennas de ac
caligraphicaa por 2$ e2^400, verdadeiras do Per-
ry, o de oalras qualidades, por menos do qae se
costuma vender, caetas para se adquirir ama
posigo elegante (eserevando) a 500 rs., da mui-
tas quslidadas como de borracha a 160, a balo a
160, a pistoleta a 120, o maito boaa o muito ba-
ratas por 40 rs. cada ama 11
Perfumaras.
O ebeiroso o suave sndalo a 1J60O o frasco,
(essencia concentrada) pslbchouly, o mbar, o
bouquet de nupcias, o de Lahore, a vetuia, a
magnolia, a rosa, o jasmire, a flor do larangeira.
a am complato sorlimanlo de perfumarla qua te-
mos, tanto fraocezas como inglesas.
N. B. Temos feto ltimamente am contrato
com um fabricante que nos permiti vender este
genero, cujo consumo so sdiaota, por pregos In-
teiramente baixos e sea rivelidade.
Laamocambique a 400
res.
Na loja do Pavao.
Vende-se lazinhas de urna s cor com qua-
drinhos e lista propria para veatidoa e capas
sendo fazenda Bnissima a 400 ra. o covado : na
ra da Imperatriz n. 60, loja o armazem do
Pavo._____________________________________
Las com llores a 400 rs.
Vende-se lazinhas .muito finas com bonitos
padres a 400 rs. o covado : na raa ds Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Tarlatanas com pal-
minhas.
N loja do Pavao.
Venda-se tarlatana com palminhas de cores,
teodo cores proprias para luto a 320 rs. o cova-
do : na ra da Imperatriz n. 60, loja o armazem
do Pavo.
O Gira sol
Fazendas por menos 10 OjO, qaeiram vir ver
para acreditar, a ser: chitas a 160. 180 e 200 rs.
o covado, ditas francezsa a 220, 240, 280 e 320 o
covado, corles de chitas finas com 18 1(2 eova-j ^^^
dos s 2J500, caries de cassas francezas a 2^500, {?:
ditos prelos a 2fa00 : na ra da Imperatriz, loja
da arara o. 56.
Arara vende olestim para vestidos. ""
Vende-se a fazenda por nome olestim de linho
de urna s cor o quadrinhos, propria para capas
o vealilos de senhora e roupa de meninoa a 280
o covado, fusto de corea para vestidoa a 280 e
320 o covado: na ra da Imperatriz, loja da ara-
ra o. 56.
Aos manguitos da arara.
Vendera-e manguitoa o golla de linho para
senhora a 2$, gollinhas a 500 rs., enfeiles para
lenbora a 2g a 3$: na ra da Imperatriz, loja da
arara n. 56.
Arara vende a popelina d China.
Venle-se a fazenda por nomo popelina da Chi-
na em la para vestidos de senhora a 320 o cova-
do, chales de merino estampados a 3$, ditos de
la a 1$, ditos da l&a o seda a 29, ditoa abortos a
640: na ra da Imperatriz. loja da arara n. 56.
Musambe' da arara.
Vende-se a fazenda por nome muiamb com
palmas de seda de 41)2 palmos de largo, propria
para veslidos de seobora a 500 rs. o covado, fil
de linbo de cores a 200 rs. o covado, dito lavra-
do a 18120 a vara, liso fino a 780 e 800 rs. a va-
ra, tarlatana a 800 rs. a vara : na ra da Impe-
ratriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as crinolinas,
odem-se baldes a crinolinas de arcos, os
tf uuds.uM que lena viada, rtiin de madapo-
brilhantina, .oa. ue cuido quo tez re de
n a 2(400, baloes para menina a 2; ; na ra
mperalrlz, loja da arara n. 56.
O babadim da arara.
ende-ae a fazenda por nome babadim com lis-
tras de seda para vestidos de senhora a 500 rs. o
covado, cobertas da chita psra cama a 2$, col-
chas de fusto para cama a 5$, ditaa avelludadas
a SJ, aberturas para camisas a 240 cada urna,
cortes de caiga para bomem, de b im escuro e
claro, e de ganga o fusta* de quadrinhos a lg e
1#280 o corte : na ra ds Imperatriz, leja da
arara u. 56.
Arara vende as cassas chinezas.
Vende-se a fazenda por nome cassas chinezas
a imitago de aedioha da qaadros, propria para
vestidos de senhors e roupa de meninos a 240 e
280 o covado, riscado a Garibaldia 280 o covado
para vestidos, cobertores de algodo a 19, cam-
braias brancas a IjUO, 29. 29500 o 39 a pega : na
ra da imperatriz, loja da arara n. 56.
Organdys da China da arara.
Vende-se a fazands por nome organdys ds Chi-
na adamascado o palmas de cores, propria para
vestido e muilo largo a 400 rs. o covado, capas
de la para senhora a 9$, ditas de grosdenaple
modernos a 20 e 25$ : na ra do Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Arara vende fazenda por nome mais
a mim.
Vende-se a fazenda por nomo mais a mim pa-
ra veslidos e senhora e adamascada, de bonitos
goalos a 360 o covado, pegas de cambraias de
salpiquiohoscom 8 1(2 varas a 39500 e 4J : na
ruada Imperatriz,loja da arara n. 56.
Tiras e entremeios da arara.
Vendem-se tiras o entremeios da largura de 4
e 5 dedos, de bonitos gostos a i $280 e 19600 a
pega, ditas de entremeios a 19. 19.200 e 19600 a
pega, corpinhos bordadoa para meninos a 19 cada
am : na raa da Imperatriz, loja da arara n.56.
roupaa da brins como sejam caigas, paieiots a cvueim, orumausaw ue >".* -- os
mtlm.easemra. o velludo da 49 a 95, ditoa para casamento a 5 a 69, paletote bra\ncos da ora-
aaanta a 49 a 5f, calgae brancas maito finaa a 6, a am grauUe sortimento da taiendt* 2n. mt~
mrnaa, completo aorlimentodo casamiraa Inglezaa psra homem, menino o senhors, aerea. ,
doho o algodo, chapees da soldesada, lavas dt seda do Jouvin para homtm o ulco-i.. Taa
zcoa urna grando fabrica do alfaiato ondo recbenles enconimendas do grandea obres, qae para
oso asta sendo administrada por am hbil meslra da semelhante arta a um passoal de eiu d-
lincoenta obreiros eseolcidos, portante exeeutamos qaalquer obra com promptido amis barato
da qaa am outra qualauer t:
MJA NOVA N1H
Antiga loja de Gadault.
Acaba de reeeber da sus encommenda um grande e vsriado sortimento dos se-
gulntes artigoa, os quaas vendo por manos 10 por eento do qua am outra qualquer
parto ; a saber :
Para noivas.
As mala ricas e elegantes cspess que c;^s
se pode desejar, asseverando sera errar, f..~
serem as mais bonitas quo sqsl tem vio- ,. r
do, ricos manteleUs pretos com vidrilhos ~';"'
franja o mais moderno cesta gentro. f2
Para presentes.
Muito lindas caixinhas psra costura $f4j*
com msica a sem ella, muito proprias pa-
ra dar-se de presante a alguma senhora 35*4
qae se estima, ricos eslojos de barba para lj
homem. ?^.
Espelhos- H
Grandes e pequeos com molduraa KSg
pretas a doaradas, proprios para ornar bo- )T
nitas salas, sendo os vidros muito (ossos ri>~j,-
a do primeira qualidade. *;-J
Avulsos. p*
I Camisas do linho para homem. SJJ*
Carteiras e charuteira?. (E^'?
Bandeijas grandes de30 palmos a 3?. *'-
Gollinhaa a manguitos para senhora. y
La da todas as cores para bordar.
Talagarca.
Seda frxa de todas aa eores.
Liudoa enfeites para senhora.
Oculos a lunetas do todas n qualidades.
Fumo francez, americano o tambem o
apreciavel fumo de borba com os seas
competentes cachimbos e lanari etc.
Para msicas.
Variado sortimento de instrumento
para msicas militares o de orebestra,
instrumentos completos de chaves e
apiston muito perritos a afinados do fa-
bricante Gaalrot Aia*
Para carros.
Guarniges complatas para arreios do
carros da metal do principe ede lato pa-
ra um o dous cavallos, molts, vaquetss
francezas para cobertas, encerados, ga-
ldes, ricas lanlernas para carree e cuspes,
colleiraa ate, etc.
Vitlros.
Um grande e variado sortimeoto de can-
delabros, serpentinas, lsnternas com pin-
gentaa o aam alies, palmatorias, copos
para vinho, calleas, rodomas para ima-
gans redondas e ovaa grandes e peque-
as a vontadedo comprador.
Para retratos,
Machinaa muito superiorea francezaa
americana* grandea e pequea*, jc^vnle
sortimento de chinacas para trabalner aro
todos os procesaos, caiiinhas e passepar-
lou americanos a francezes, papel alba-
minado etc.
Slafflat-_.
llflfM
FUND
defrente da Penha n. 33 vende manteiga ingle-
za superior a 800 ris, dita francesa a 600, quei-
jos do ultimo vapor a lg'.lOO, ditoa a 19700 e
19500. cha fino a 29800, calzas de doce de gois-
ba a 500, espermacete superior a 720 ris, su-
perior viuhe do parto a 800. dilo do Figuaira a
640, 560 e 500, e todoa oa mais gneros bons e
baratos.
Nesta grsndoo bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, continua-so a
szecutar com a maior presteza o perfeigo encommendas do toda a qualidade de machinas asadas
no paiz, tendo sempre prompto o segniole :
Grando sortimento de moendas d canna de todos os systemas a lmannos.
Machinas do vapor do divorsss qualidades;
Taixas fundidas a batidas.
Crivos o boceas psra fornalbas.
Bronzaa o aguilhoes.
Rodaa, rodetaa a rodas d'agua.
Guindaates fixoa e portatis.
Machinas de cylindros para padaria.
Sorras do ago para serraria.
Palexas para barcos, etc., etc., tudo por prego qua bam conAldt.
B09BS3
Vende-se urna excelleole mucama mulata
de 15 a 16 annoa com habilidades: na raa ds
Cadeia do Recife n. 51 loja.
Banhas.
Pomada Imperial, frasco a 29.
Japonaze a 19*
Imperador a 19.
Imperatriz Eugenia a lg.
Ezposlgio anlvorsal a 29500.
Mojas mericiuai a 500 rs. e 19.
Cheguem fre-
guezes ao bom e barato.
Ra estreita do Rosar.*,
esquina 18Larangeiras18.
Veudem-ae todos osjjgeueros por menos do
qae em oatra qualquer parte : manteiga ingleza
fina a 800 a 540 rs. a libra, dita francaza a 640,
a em porgo faz-ae algum abalimento, cha supe-
rior a 2j}880 e 29560 a libra, passas muilo novas
a 381 rs., nozes a 120 rs., ameodoss a 300 rs. a
libra, superior caf a 280 ra., toucinho a 300 rs.
a libra, macarro, aletria, lalherim e mais masas
finas muito novas a 320 rs., velas de carnauba
aaperiorea a 400 rs. a libra, ditas stearioaa a 720
rs. a libra, queijos de qaalha muito nevoa a 320
rs. a libra, caixoes com 4 libras de doce de casca
de goiaba a S00 rs., ditos pequeos a 560, vinbo
de Lisbos a 400 o 500 a garrafa, dito Figueira a
600 ra. a garrafa, dito do Porto engarrafado a
1$000 a garrafa, 19200 o I96OO: alm destes g-
neros mencionadoa se eocontrs ludo quanto
pertencenle a molbadoa o de superior quali-
dade.
Vendem-se saccaa com feijao fradiobo a 69,
a laa.sem se relslba a 820 a cuia : no Forte do
Mallos, taberna n, 4, na raa do Codorniz.
Cera de carnauba e velas.
Na ra da Cadeia do Racife, primeiro andar o.
28, vende-se ezctlente cera de carnauba e velas,
em pequeas pariidaa a vonlade dos comprado-
res: a cem est embarricada.
Umcavallo desella.
Vende-se um ptimo cavallo de sella de bons
andarea ; a tratar na raa da Cadeia do Recife,
primeiro andar n. 28.
Vande-se o eslabelecimento da molhados,
silo na travessa ds Madre da Daos a. 2, quito com
a praga, o qual tem poacoa fandoa : a tratar no
meamo.
Vendem-se rosas srtiQciaes muito lindas,
de papel, pelo barato prego do 19 cada ama, e
tambem se faz por menos tendo encommendas:
na ra do Queimado, loja do Sr. Fetro n, 10.
Fa relio
em saceos grandes a 4$: no armazem do Sr.
Luis Amonio Annes, na eacadinha da alfandegs.
Fa relio superior.
Na raa do Vigario n. 31, primeiro andar, ven-
de-se superior farello de Lisboa.
Loja das seis portas em frente
do Livramento,
A 4j}500 e 50000,
Saias a baldes com 20, 25 e 30 arcos, as me-
lhores qae tem vindo ao marcado a 4$500 o 09,
ditas do 50 arcos a 6$, d-se para amostra com
penhor. A loja asta aberta alo as 9 horas da
noite.
Sementes de hortalice vindas
de Pars.
Chegaram i loja da ferrageoa de Bastos, na
ra da Cadeia do Recife n. 56 A, as nova smen-
les de hortalice viodaa de Paria, aa qaaea sao de
superior qualidade. o ae vendem baratas.
ara
Joaquim F.
4#Ra do Queimado
Defronte do becco da Cougregaco letreiro verde.
Mosto estabelecimento ha sempre um sortimento complato de roapa falta de
todas as qualidadaa a tambem so manda exacatar par medida i vontade dos fregue-
sas para o qua tam um dos malborea profassoras
Na ra d Penha, loja do aobrado de dous
andaraa n. 4, vendem-se remedios para curar
morpha, preparado por Ulpiano Bezerra de
Mello radicalmente carado deste mal, e porisso
enestregado pelo governo da provincia de curar,
como eat cursado, no hospital dos Lazaros des-
U cidade.
Caaacaa ae panno preto a j,
85f o
Sobrecasacos de dito dito a 359 e
Palatota da panno preto o de co-
res a 359, 809, 259,10. 189 e
Ditos de casemira de coras a 22,
15|, 129,79 o
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo francezas a
Ditoa do merino aellm pretos e
de coras a tf o
Ditoa de alpaca de cores a 59 o
Ditos de alpaca preta a 99,79.59 a
Ditoa de brim de corea a 5f,
49500, 4 o
Ditos de bramante delinho bran-
co a 6, 55 a
Ditoa de merino de cordie prate
a 15 o
Calgade casemira prata ede to-
rea a 12, 10, 9f, 7 o
Ditas de prlnceza o meru 6 de
cordo preto a 5, 6500
Ditaa de brim branco ede cotes a
5. 4500 e
Calesa de ganga da cores a
Collate de velludo preto e de co-
ras lisosa bordados a 19,9 e
Ditos de caaemlra preta e de co-
rea lisos e bordadoa a S,
59500,5
Ditos da satim preto
Ditos de seda a setim branco a 6 a
Ditos da gorguro d seda prste*
a da coras a 7, 6, 4 o
Ditos de brim a fusto brsnce a
38500, 2$500 a
Seroulas da brim da linho a 2 e
Ditaa de algodo a I96OO a
Camiaas da peito dafusto branco
ede corea a 29400 o
Ditas de peito delinho a 59, 49 a
Ditas de madapolo brancas a de
corea a 89, 2&500, 29 a
Chapaos pretos de maeea raneaza
forma da ultima moda a 103,
8(500 a
Ditos da feltro a 69. 5, 49 e
Ditos de sol de seda tnglazaa a
francezas a 14|, 129, U| o
Colsrinhos de linbo maito fines
novos feilios da ultima moda a
Ditoa da algodo
Raloiio de ouro patenta e hori-
zontal a lOOf, 909. 801 e
Ditos da prsta galvanlsados pa-
tente e horizoataea a 40 o
Obras da ouro, aderegos o meioa
aderegos, pelceirae, rosetas o
anaia a
Toalhaa de linho dizia IOS, 6
81500 Ditaa grandes para mesa ama 3 e
309OOO
309OOC1
209000 i
99000!
109000
8000
89500
81500
39500
49000
89OOO
69000
495OO
155OO
5OOO
89000
59000
5(000
59000
8000
29*00
19280
23100
8#OU
1|600
79000
29000
75000
9800
9500
70|000
801000
9
91000
4900
1

sea
ILEGVEL


OiMINMIQAO/DE PREQD
mUtl DI PEEIUMILCO SABBADO 30 DI AGOSTO Ifl 1881
FRANCISCO FEJRNANDES DUARTE.
10 Largo da Penha 10
A Tanugem que o propriatario drfsta acreditido armazem da molhados tem offerecido, ha
sido conheeida pelos seu numerosos frejuezes, mas como assim anda hajam alguna senhores que
Bao se tem dado ao trabalho de esperiraanlar, rogo a todos ellas o favor de mandaren comprar suas
Mommeodas no armazom Progresso do largo da Penha n. 10, afim da verificarem a exaclido
do ieu annuncio ea difiranla de prego e qualidade que faz, se fossam compradas era outra qual-
quer parte, pois para isso se recebe em todos os vapores a navios de vela viodos da Europa, a
maior parta Jos generes d; coala propria. Para maior concorroncia e commodidade, resolvau o
roprietario encarrogar-se paracom aquellas senhore*que nao po3sam vir, nam mandar, da dei-
efcar a remetter pela via-ferraa part o lugar indicado, todo e qualquer ginero comprado nauta
a/mazam, ahancando-se serem to bera servidos, coao viessem pessoalmaate. pois paro asta fira
uma pessoa de confian^ para da prompto conduzir as cartas na chegada do vapor.
HaUtatg* ll&\eZ*t de primeira qualidade da safra nova a 00 o 720 rs. a
libra, ef- barril se faz abatimento.
*^ W&teiga raneeza a mais nova do mercado a 600 rs. a libra, o ara barril a 560.
itt'i IlUXim o que Je p0j9 jesejar n9sl9 gener0 a 3JS0OO a libra.
valia nySSOSa 0 mais superior do mercado a 29800 a libra, o em porclo se faz abati-
mento.
8UG1|08 aO ?1110 che'ados neste ultimo vapor muito irascos a 28000, ditos che-
gados em navios a 19700.
.,lia p*$*0 verdadiro inglez a 2*000 a libra em porcio se faz abatimento.
IwlMIIn cMBLlflImWaVfl confeitadas, contando diversas iguarias muito proprias
para mimos a 19000 cada urna.
SMl&XlIiuS de soda em latas coa differentes marcas a 19400, afianc,a-sa a boa qua-
lidsde, assim conao tem latas grandaa com bolachinha proprias para lanche a 2*500.
l4?.g*llVlf3 d 90U?0 espetial vinho do Porto em garrafado vindo a sigunda vez
ao nossi mrcalo a l900 a garrafa e em caixsscom 1 duzia qor 12*000.
mi .110 C,5,g Tt lV^aO das melhores marcasqua vera ao mercado, como sejao Duque
do Porto, Carcavelhos e Feituria a 1*200 a garrafa.
A.nC9tetaS $I VISITO do Porto coa 70 garrafas proprio para casa particular
em garrafas 32*000, afianca-SJ ser de superior qualidade.
lUa-a :;.5l p^T; de superior qualidade Porto, Figueira a Lisboa 500, 560 a 600 rs.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
&Si!V^ Teada. emiatas com 10 libras por 4*000, e em barril a 400 rs. a libra.
Ut?ll, mae&VraO 9 % Ihmtllll 320 rs. a libra, a em caixa grandes por
65000. afianja -so sar muito novo.
CALCADO
43-Roa Direia 4S
? epidemia, declina sensirelmente, o eai
complato deasppirecimento eat prximo I O
proprietario deste bom aortido ostsbelecinieole-
convida oa seu numeroso fraga ezes sabstitair
o salgado velho, que todo ala cholerico, por no-
vo, qoe pos resistir i mil chotis e aazzur-
cai qua vo cor danaadaa m louvor do rosttbs-
lecisnento da aade pabliea. Oa procos eon-
vidam :
HOMENS.
Botinaa afamada Milii.
non-ples-aUn Nantei.........
> Nant 2 batera..............
lastre....................
inglez de botos..............
baiedore...,...................
eo*ro da poreo.......
bezerro e lastre................
ioglezoa pea lagen.........
a> taxiados braaileiros............
Sapatoe non-plui-altra................
8 balera mala..............
esmaga cobra..................
Mantea 2 batera vaqaeta.....
2 batera bezrro......
trabajadoras..........
braaileiros da 3J5O0 a..........
Sapatos 2 aolca salto..................
tranca portugueses..........
franeazes......
SENHORAS.
Botinas dengoza*........
a aalto de balar...... ;
pechincha de 4*500 a. .
americanas 3J500 a .
>
>
>
>
>
>
11J0OO
155000
lljOOO
10*000
10*000
9*500
9*000
9*000
7*500
5|5O0
7*000
6*500
59500
6*000
5*500
5#0O0
2*000
5*000
2*000
1*280
5*500
59000
4$000
29500
3*000
1*920
800
500
800
Sapatos do salto (Joly) |
sem elle (dem) ,.,..
tspete:........
econmicos. : ,
> lastre 32 e 33.......
MENINOS E MENINAS.
Ha de tado em relagao e nao se dsixa sabir
dinaeiro.
Um completo sortment de couro d porco,
cordavo, bezerro frsncez, couro de lestr msr-
roquim, sois, coarinhos etc., qua tado se troc
por dioheiro i vontada do comprador.
Tende-se para liqaidar cootss ama taberna
am boa localidade, e bom areguezada : os pre-
tendentes podero dirigir-je a ra do Codorniz
numero 1.
immm mnmmmmmmm
Loja das 6 por-f
tas em frente do Lrvra-
mento.
Baloes de 15, 20, 50 e 40 arcos.
Grande sortimento de bsldes de arcos
os aaelhores nesta fazeada e grandes,
chitas frsncezas largas escaras a 220 e
240 rs. o covado, ditas estrellas miadi-
una a 160 rs. o covsdo, cambraia lisa
para forro com 8 1(2 varas a 2* a peca,
ditas fina a 3*. 4*. 5* e 6$ muito finas,
ditas do salpiqaioho com 8 1|2 varase
8*500 s peca, cobertas alcoxoadas bran-
cas o de cores para cama a 4*500 e 5J,
caasas do cores (rancezas tintas segaras
a 320 rs. o covado, pega de bretanha do
rolo a 2|, elgodao trancado abo maito
largo para loalhaa a 1* a vara, enfeites s
Garibaldi todos pretos s 5* cada um. len-
tos brancos com barra i cores s 120 ca-
da um, roapafeita de todas as qaalida-
8" des maito baratas, a loja est aborta ate
as 9 horas da noite.
*mmmmmmmmmm&
Aos Srs. consumidores de gaz
Ros armazans do cas do Ramos ns. 18 e 38
na roa do Trapiche Novo no Rado n. 8, so ven-
de gaz liqaido americano primeira qoalidada a
racentemente chegade a 14* a lata de S galo,
silm como latas da 10 o de 5 garrafas o em
garrafaa.
*mmmmm
1
Veadem em seas armazens
PROGRESSISTA
E
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carmo n. 9.
Grandes vaquetas
para cobrir carros e outras mais pe-
quenas para guarda lama, por menos
do que cm outra parte: a' ra Direita
n. 45.
Cbonr i ja jipaos moilno
125000
rs.
eras a 560 rs. a libra e em barril com urna arroba por
A V -*X55 ,je escabacha das seguintes qualidades savel, congro, corvina,
cherne, pescada, e vezugo a 1=5400.
fi\a8 A C $Qnil*Set a 680 alibra, eem caixa a 660 rs.
Dita i lli efXTaatlba refinada a 360 rs. a libra, e em arroba a 11* rs;
ZUllt i lio r.A^O a 560 rs. a libra, e em porSo a 500 rs.
DltO ag\Z para fiarubre a 6i0 rs ]ibra|
Mja".(%. "i *; ,::,cc 'a^ pm laiae J !% neU libia por i#500, dlias cora 3 libras
p^r 2*000.
GftW*ftbfa do HoVVamdO a 560 rs. o frasco, e 65400 a frasqueira con 12 frascos.
fe vi? O^S com genebra de Hoanda com 25 garrafas por 9*000.
Ai v" --? '" mujt0 mp0> a i60rs. alibra, e em arroba 43800,
"'.\ ?0 miii'.o novo a 160 rs. a libra, a 45800 a arroba.
WlllOmitOS suspiros em meias caixinhas, do melhor fabricante da Bihia a 2*000 cada urna
9*8 o mais Superior que ba no morcado a 240 rs. a libra, e em garrafe3 com 5 libras
por lGOO, so o garrafo val 500 r?.
S0V**d\f&ha da Franca muito nova a 200 rs. a libra,
OHMB.1 mniti fina e alva a 100 rs. a libra e cm saccas se faz abatimento.
ar&AitOS &1IOS para denus a 160 e 280 rs. o m?co com 20 macinbos.
PalltOS lO g" Za 28300 r?. a groza e a 20 rs. a caixinha.
jO^V*!#.. p?-\.t^ das marcas tenente, ou XXX a 69000 a duzia e 500 rs. a garrafa.
ll*TV*Jft. ?a;2 das mais screlitadas marcas a 55000 a duzia e 480 rs. a garrafa*
* 1*1 LO i7S.;AOO engarrafado o msis superior que tem vindo ao nosso mercado a 800 rs
tamben) lenho de barril para 560 rs. a garrafa.
ToU.^A*lllO dO IjIflMaB a 7*000 a arroba e 280 rs. a libra.
TOIO tlO RO iavad0 .300rs. a libra ea 95000 arroba, dito de 2. qualidade a
200 rs. a 85000 rs. arroba.
A**1?, de Maranhao a 100 rs. e 120 rs a libra, e em arroba a 35000 e 39500.
Chocolata hespanhol a 15200 rs. a libra, dillo francez a 15100.
flAYAOl&&a imperial do afamado 4breu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a lfbra, tambem ha para 500 rs. a libra.
* aVcS Cm Ctlll'i pecego, damasco, pera, alperche, e ginga a 600 rs.alalia.
S- .tdVaba d?i NantOl a 380 rs, a latta alBansa-so a boa qualidade, e emporjao
se faz a batimento.
H'afYlln^S francezas e portuguezas aj maisnovosa 640 rs. a latt3, em meias latinhas a
500 rs.
VtailO BOTdoaUlL*) Marg, Medoque e S. Juliende Medoque a 9^000 e 109000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 19000.
3*' C"'"">*;}S flOY S aljocento ea 19200 o raolho com canto e taas, tambem ha
proprias para conservas a 400 rs. o cento.
HI'Va ClOCe muio nova a 320 rs. a libra, e em arroba a 89.
pe ^'6 V& a 45 a resma, diio de peso pautado a 35, dito almajo bom a 35200.
JS.*SSa P^r/?. SOpa eslrellinba e pevide a 600 rs. a liba, era caixinhas sahe mais
barato.
J'JeiTl lie tomate em latas de 1 libra por 800 rs ede 2 libras por 19500.
j%?tPAW UOCe refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas cora 1 duzia por 85500.
dem de Lisb! a 720 rs. agarrafa e 59600 a caada.
4!laend(?lS da casca mollea 320 rs. a libra o 85000 a arroba.
fliagre ds LisbOa a240 rs. agarrafa o 15800 a caada a fiansa.M t fe,
qualidade.
lal i 111 ;)Afltte das mais acreditadas marcas, a 159000 e 209000 o figo, e em garrafa
a 1J800.
Tilligie DrSllCO queS9 pola dezejar neste genero a 400 rs. agarrafa.
.^lCOreS a^.mceZeS de todas as qualidades quass procurar a 15000 ra. a garrafa.
jr*nn4i?. do Vlaranhfti mtt,0d .cheirosaio rs .m.
1 IjrliO para limpar faccas a 180 rs. e era podse faz abatimento.
CoflliaqUe Illg'leZ a 000 rs. a garrafa e 105000 a caixa com urna duzia.
Alem dos gneros cima mencionados encontrara" o respeitavel puklieo um completo sorti-
aaento de todo qoe lendente a molhados.
Venle-se urna casa terrea do bairro de San-
to Aoionio : a tratar no primeiro andar do so-
brado n. 32 na praga da Boa-Vista.
Caixas de tartaruga o charu-
teiras de charo para rap
e charutos.
O tabaquista qae aprecia a boa pitada da Lis-
boa oa mesmo Princeza, Mearon etc., ate,
justo qae compre ama bonita caita de tartaruga
toda marcbfltada com a qual nao se anvergonha-
ra de offeracer da boi pitada de sd gaalo a to
dos o circamstantes que ae achsrem em aaa ro-
da, mailos dos quaes louvarao o sea bom gosto.
Assim como a caixa necesearia ao tbaquisl,
charutuira nao suparflaa no fumante e sendo
ella bonita como sao as de charo nocbatas me-
lhor aera porque com itso deixa conhecer quan-
to sabe apreciar o bom. Para os maia comino-
distaa tambem ha bom sortimento todos encon-
traro barateza ama vez que munidos do diohei-
ro se dirigirem raa do Queimado loja da aguia
branca n. 16.
Potassa da liussia
e American 5. [
No ascriptorio de Mauoel Ignacio da 01i*t
Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por p
mais br.lo liq^idaco por todo
o pre^o, na beai co-
nheeida iojado Ser-1
tanejt).
!ua do Queimado n. 45
Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escaras tinas a 160, 180 e 100
rs.. cortos de vestido pratos bordados a
reliado de casto de 150$ a so vendem
por 309,40$, 509 a 709.sahidas da baila
de rallado a setim a 129 13$, camisas
para senhora a 2;000 e 3J500, gollienai
da cambraia bordsdas a 500, 600, 700
800, 900 a 1, ditas de D16 bordadas a 120
rs., casaYeques de fustao a 59, 69,7$, 89,
meias de anda brancas a pretas para ss-
nhora a 1200 o par, tiras da babados a
500 700 rs., lasa do qaadro enfostadaa a
800 a 360 rs. o covado, cambraia preta
400 e440 rs. a vara, organdys da eorss a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
psra cortinados a vestidos a 400 a 500
rs. a vara, cortes da colleta da catemir
bordados pralos s 29 a 39000. ditos da
vallado da cor o pretos s 39, 49, 59 a 69,
paletots de brim branco (rancezas a
35500 49500. ditos ds casemira da co-
res o pretos 149 e16j>, ditos da alpac*
prat a da cores s 3#, 38500, 49 49500,
camisas ds peito da linho s 29500, eortv
da colleta da orgurac a 19500, 1^700,
292C0, 3$ e 3$500, colUtes (eitos d* brim
branco a 29500, ditos (eitos da gorgura?
a 29500 e 3^500, ditos (eitos do casemira
a 3S500, 4g a 48500, ditos da velludo ,
5$, 6$ a 79, ditos d (uslao do core a
18500, am variado sortimento da meias
para homaro sonhora, grioaldas sera
flores, ihxl#s d froco, espnriillios, to-
ds a qualidade de roupaa (eitas para ho-
meiTi que tadose vsnd* cor tr.,.tdg 0
01, al.-.r.
A loja d'aguia branca, ra
Queimado n. 16.
Recebau pelo ultimo vapor os seguintes
actos :
Bonitas ligas da cada para senhora.
Grande e bom t^cidna bandes da elina.
Aspas da ac. a fita elstica k>ora coas d balo.
Bjnecas grandes mui bonitas a bom restidss.
Bonito-i baazinhos com 9 (raucos ds cheiros.
Lindas caixinhas com 6 ditos de ditos.
Trancalltm gros9o de cor para guarnecer vestidos.
Lavas de asmaras brancas e smarellas.
Lidos boioes de bauha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de recaber lindo
boioes de porcellanadourada com fina banht s
msviotas inscripcoas, os qaaes por suas delicada-
zas a perteicoestornsra-s dignos para presen-
tas, a com especialidade na actaal qaadra, quam
gostardo bom dirigir-as com dinheiro raa
do Queimado, loja d'aguia branca n.16, qua acha-
ra em qae bem o emprsRr.
Suahall M;ilors & C, tando recebldo or-
dam para vander o ssa srescido deposito derslo-
gios visto o (abriaanta L.r-aa retirado do nsgo-
ci ; convids, portsnto, s pessoas qua qaizerem
possair am bom raloglo da oaro oa prata do -i
lebro (abricauta Kornby, a sproveitar-sa da op-
portanidada sem parda da tempo, para vir som-
pri-los por com modo prego ao saa ascriptorio
roa do Trapicha n.SS.
Relogioi.
Vande-sa casa de Johnston Patar & C-,
. do Yigario n. 3, um bailo sortimento ds
i elogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
asea variolada de bonitos trancellins para os
mesmos.
Rival sem
igual.
Rival sem igaal
Rival sem igual
Ra larga do Rosario d. 36
Ra larg do Rosario n. 36
Ra larga do Rosario n.36
Pedro Tinaco vende
Pedro Tinoco venda
Pedro Tinoco vende
Miadezas maito baratas
Miudezas maito baratas
Miudezas maito baratas
Gartoas de clcheles (rancezes a 40 ra.
Estampaa de santos s 100 rs.
Ditss com vistas de gaerra a 200 rs.
Ditss com persoosgens a 320 rs.
Pentes da borracha psra alisar a 560 rs.
Sintos doarados a 19600,
Agulhas francezss em caixinha a 220 rs.
Las para bordar a 69400 a libra.
Tesoaras finas com toqae a 400 ra.
Botoes para punbo a 120 e 160 rs.
Tinteiros com tinta e tampa de metal a 18 rs
Meias cruss psrs hornera a 29400.
Ditss brancas par aenbora s 2$IQQ.
Eo(eites pretos a 49800.
Lionas de croxel para bordar a 640 ra. o maiso
Jogos de vispora a 800 rs.
Ditas do bello xsdrez s 18600.
Gravstss com bota a 19000.
Pinceis psra barba a 400 e 600 rs.
Palsairas de tnissanga a 19280 o nar
Garreteis da linha a 30, M. 60 e 80 ra.
Lavas de aeda coas toqae a 200 rs.
Escotss pira limpar dentes a 240.
Ditaa para cabello a If.
Ditas boas para anha a 320 e 500 re.
Dita para roopa a 800 o t9.
Assim como um sortimento completo de rap
Paulo Cordairo a 19500, gasse grossos 1J600 dito
raeio grosso a 1$600, dito fino a 18280, Lisboa a
29*00, rolo frsncez a 2*900, Mearon s I9040.
Manguitos e gollas de
cambraia ricamente bordados
Vendem-sa manguitos a gollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo insignificante
praco de 2j> o par de manguitos com ama golla,
sando que s*mpre cnstaram69 cada par, aaaim
poi recommeods-ae aos amigos da santa eco-'
nnmia que aproveilem a boa ocoasiao, uirigin- {
do-s com dinhiro a loja da boa ti oa ra do
Quemado n. 22.
Vendem-se tachas de
ferro cuado do fabricante mais
acreditado : na ra do Brum
11. 28 B, armazem de Jos da
Silva Ia.vo & C.
Vande-seuma mobilia da jscarsncom podras
brancas, ama dita de amarello de raiz e de mui-
to bom gosto, vidros para espelho de todos os
taroanbo de 12 al 36 pollegadas de altura, ri-
cos Iremos de Jacaranda com consolos de padra,
gamma laca, mulduraa francezas para enfeites
de orotsrios e outrss omitas obrts de bom gos-
to e por barato prtco ; na ra da Camboa do
Carmo n. 12, loja da marcineiro de Joo Goncal-
ves Lacas Lisboa.
Chega vapor para o vi-
gilante
Ac para balo.
Sao chegadas >svriadeiras asteas ou ac p>ra
concertar ou (azer balde, que com am pequen
quintia qulqur senhora poda (azer um grande
balo, pois vande-se pelo baratisiimo preco de
140 rs. s vara, oa pega com 50 metros a5$500 :
a no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cordo de borracha. *
Tambem sao chegados os cordoziohos da bor-
racha a de relroz, sortidos, de linda cores e de
todas as grosaoras, que maito se desajsva, lau-
to para pulseiras como para debrum da collete,
a para muitas outras obras: s no gallo vigilan-
te, ruadoCreapon^7^____________________
Fita de borracha e de seda.
Tambem ao chegadas as superiores fitas de
borracha, assim como de seda preta, propria psra
debrum de vestido, como pira collete, qae se
vende pelo barato prego de 160 ra. a rara : s
no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
Rap de Lisboa em frascos
Vende-s o superior rappriocezs Brasil che-
gado pelo altimo vapor (rancex Esremaure :
ns jeja- de Marcelino 4 C, rea do Graspo n. 5.
i
Libras sterlinas.
Vendem-se no ascriptorio do Manoel Ignacio
da Olivelra & Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Atiene^
Vende-se ama grande casa de dous andares 0
sotio, ns raa ds Guia o. 40, e ama dita terrea na
ru do Arsgso n 18: oa pretendentes dirijam-se
e raa Nova loja n. 18, daa 10 horas da msnhaa
s 4 da tarde,
#3 *n OTijf^ op o8ji?i o *Qg #u saznj;) sp nn

*i
a
YlSISSHaSOUd
su3zbui.ib snas uio uiopaeA
" liUM
.

..
MUTILADO
.
.>


Mfe
DIARIO D* Pl^iMJ ,. SABB1D3 SO DE aGOSIi DE 1861.
-.'
Me e akatro.
Coke da aelkor qialidadi, mallo proprio para
vapor, e tamben para todoa oa visos domsticos,
fonos pequeos e grandes, ele., para eitea aer-
vigos, o coka mus econmico do que qualquer
oatro combustivel. por aer menoa de metade do
prego e de maia darago.
Alcalrao, eate sendo applicado i naTloa, bar-
eagsa, alvarengas, ctaoia, etc., praata maito boas
fi?!' COD89rTnio a madeira de todaa aa sjaa-
Itdadea de bichos, fazeodo durar so lempo inde-
finido. Tambera touserva madeira de edica-
edes, preservando-a dos bichos e contra o lempo :
aa propriadadea chimicaa deale alcatrio da ear-
vao maia forte do que qualquer oatro, extrahi-
do de madeiraa ou outraa materiaa.
Queta precisar achara venda, no armaiem do
gaz. Ra do Itnperidor.
Preco do coke 12$ por tonelada.
Prego do alcalrao 5C0r. por caada.
aer
Veade-se me cama fraoceza em muito
bora estado com moldara, toda de amarello por
barato prego : na ra do Caldeireiro a. 90.
Aeafm de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Pos de arroz com bonaca em bonitoa vaaoa doa-
rados.
Diius ditoaem boneca am pacotea.
Agua balsmica pira couserac.jo dos dntes a
bom hlito da bocea.
Opiata ingleza para alvijar oa dentea.
Loite virginal caja utilidada reconhecida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para qaem soSre de tonllces
e dor de cabera.
Paatilhaa da chairo para aa perfumar apoaentoa.
Enfeites para s^nho?a.
Oa melhorea enfaitea pretoa a da curas que ap-
paraee a 5J500, 6$ e 6g50O : na loja da Vatoria,
na ra do Qaeimado n. 75.
--------------------1-.....' a* v^BaMSjaapBviHBjajjpejBl
Caixmlto e cbazes
as meninas trazeire
no brafd.
Muilo lindaa caixinhas a cabazaa para meninaa,
da 100 ria at 2#500: na loja da Victoria, na raa
do Queimado o. 75.
se
oa aljfar de una qu4idado.
A loja da ageia branca acaba de recebar um
novo lortiaeoto de superior aljfar brinco oa
perolaa falgaa o qual por aaa perfeicao difflcil-
menU se distingue das perolas verdaderas e ser-
vir elles por su extraordinaria grandaza para
aa gargantillas que presentemente eslo em mo-
da e mesmo para outros anfeitaa a como aempre
vendem-so commodamente a 1$, 18*00 e 1J600
ofiorsso nana do Qaeimado loja da agaia
branca n. 16.
Para luto.
Famoa de aeda alasticoa para chapaos largoa a
aatraitoa a 1$&00 : na raa do Qaeimado n. 22,
na loja da boa fe.
Laaziahfeis muito m%
para vestidos.
Superiores laaztnias para vestidos de maito
bonitos padrasque se vender pelo baralissimo
preeo da 440 rs. o eovado : na na do Quima-
do n. M, no loja da boa f.
Sm da KSSMi Rov* n. 42.
Neste ettabelecimento vende-se: ta-
. chas de ferro coado libra 110 rs. idem
Loja do vapor, ra Nova n. l.\de Low Moorlibra a i20r$.
Grande sortimeoto do calgado fraocez, bara '
Usaimo, vista das qualidadee ; qaem divida'
deve ver na loja do "ip ra Nova d. 7.
Calcado fru ncm<
Acha-aa venda no eacriplorio da Antonio
Luizde Oliveira Azavedo & C, ra da Cnz n. 1
a obra escripia palo viaconda da Urugiajr.Bosalo
Sobre o Direito Administrativo ; daizamoa da te-
cer elogioa a eata obra, baata o nomo de sea au-
tor para a tornar recommiodada, dos volumea
em brochara 10JJ, encadernado J.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vaporaaua encommanda doa seguidles ob-
jactos para baptisados, sendo lindaa toaqaiohas
da aelim mui bem entenadas, e cada ima em
aua caixnha, sjpaliohoa dasetim branco, e de
cores ricamente bordados, e saeiis de seda, o
melhor e mala bonito poasivel. Agora, pois, os
pas que nao quzerem esperar pela generosidad
de das aanhoraa comadres, dirigirem-sa logo'
munidos de dinheiro loja d'aguia branca, t\m Matroz, linha de novelo ele
do Queimado n. 16, onde bem podero comprar
esses galantes objectoa.
Ra da KazaK Hva n. X
Vsnda-sa em casa de S. P. Jonhston & d,
sellins a silhoes inglazos, canetieiros a castceos
Polassa da Instii.
Vende-se em casa deN. O Bieber
C, suceessores, ra da Gruzn. 4.
Para atar oabllo.
Tambem ha chegado lindos pentes de tarta-
ruga todo entraneado coa fita de borracha, de
terma que o cabello amarrado Oca dentro de um
engredado, Intelrsmente coosa nova, e de muito
goslo, assim como com bao a lizos de lindos fei-
os, quase vende por prego maito razoavei : s
no vigilante, rus do Crespo 7.
Luvas de pellica.
Tambem chegado as vsadadeiras luvas de
Jouvn mulo frescas tanto para hornea como
para senbora; s no vigilante roa do Crespo
D. 7*
Loja i$ miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A.
Costureiros.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Linhas de 200 jardas de todos os nmeros a 80 rs.
Cascarrilha a pega 2$.
Dtaa muito boa vara a 400 rs.
Tranga de linho para todo prego.
Franja da seda, de linho, de algodao muito ba-
rato.
Franjas gretas com ti-
riho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas a da cores
som vidrilho o sem elle : na loja da Victoria, na
rea do Queimado o. 75.
inflas fSft ?rfft-
deifs..
Linhas finas da paso vardadairas, meadaa
Brandes a 240 ria : na loja da Victoria, na na
do Qaeimado n. 75.
bronzeados, lonas inglezas, lo ala vela, ekicetes
para carros a montara, arreios para carros da
un i dous carallos, a relogtos da onro patenta
ingles.___________
G1
Vendem-se estes dous a*-
tigos ltimamente chegad*s,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadetei
do Recife u. 12, mais barate
do que em outra qualqu"*
parte.
Phosphoros J sgafWf
Phosphoros da seguranza, por que livra delta- j *" Dem *
eandio, a 160 ria a caixa : na loja da Victoria, do Q8imado
a raa do Qaeimado n. 75. ________ D- "5-
Batatas para vestido^
Manguitos com gollinhas.
Vende-se mangaitoa com gollinhas, fazep4a
maito bfta, pelo barato prego de 2fl000, gollinB
e punhos ultimo goslo a 2J5O00, gollinhas muito
bordadas a IgOOO cada ama na na
loja da miidazas da Boa fama,
Balates miito grandes o boaa a 160 ria ama
ca loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linha de croxel para Ta-
byrintho.
Aa melhores linhas de croxel para labyrintho,
no vellos monstros a 320 ria um : na lo]a da Vic-
toria, na raa do Queimado n. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindoa antos douradoa para aenhoraa a 29200,
ditos de pr-ita cabida 4$, ditns <( Uta a 10<>0 :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Tiras 6 ntremelos bordatles.
Veode-se pegas de liras bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 ntremelos a 1$600 e 2000
cada pega na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas francezas.
Vende-aa bonecas francezas ricamente vestldaa
i 45U00 e 5000, e 2fl000 bonecae de cera com os
olhoa movedgos .a 2J0OO e 35000, na ra do Quei-
mado loja de miudezaa da Boa fama, n. 35.
Fivelas de afo para sintos.
Vende-ae fivelaa de ago para ainto a 1(500 rs. e
25000 na ra do Queimado loja de miidezaa
da Boa fama, n. 35.
Ricos espelkos moldura dourada paitttj
salas.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
. ra balao a 160 ra. a vara, baodes a 1(500 rs. e
25OO o par, na rus do Qaeimado loja de miidezas
Boa fama, n. 35.
A2#500,sopavao.
Vendem-se cortes de cambraia branca com 2 a
Ch"goi para a loja da Victoria irea peqiena '^ babidos ^P0' dito* da tarlatana brancos a
porgo de ricos espelhos do varios lmannos para tcore8' f.m b"raf Db'10 a ^ : na ra
1 da lmperatriz n. 60, ioja e armazem do pavao de
! Gama & Silva.
ornamentoa de salas, affiangando-ae aerem os
meihorea em vidroa que tem vndo : na loja da
Vi-turla, aa ra do Quoimado n. 75.
La
bordan
para
La muito boi de icdsa as cores para bordar, a
7$ a libra : na leja da Victoria, na na do Quai-
rcado n. 75.
Cairinhaa com 50 novellos da liabas niifto fi-
nas do gaz a 900 ria a caixa, ditas com 30 no-
Tfjloa a 700 ria, ditas eom 10 novillos grandes
a 700 ria, branca* e pretas : na loja d* Victoria,
na na do Queimado n. 75.
Cascarilhas de seda.
Vende-se caacarrilhaa de seda para enfeitar
vestidos a 2#0O a pega na na do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
UlliiO
Meias de borracha.
Vende-ae meias de borracha para qaem padece
de erysipela a 153000 o par, meias de seda preta
para senhoca a IgOOO o par na ra do Queimado
loja de miudezae da Boa faias, n. 35,
Perfumarlas muito tinas e
baratas.
Opiata ingleza a 13:500 rs, dita ranceza a 50C
rs., 640, 19OOO. oleo da suciedad hygUniqe
verdadoiro a I5COO o frasco, 0U0 babosa de Pivir
verdadetro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
pra oa denla r 1900, dita de Uotot tambem
para os denles a IgOOO o frasco, pomada fraoce-
za em paos a 500 rs. e IJKiOO, 320 rs. saboneUs,
Meias.
Um completo sortimento sendo da coras para
meninos a 240 rs.
Bitas brancas a 200 ra.
Ditas para sanhora a 240, 300 a 400 rs.
Ditas psra homem a 5o e 65.
Ditas pretas para senbora a 400 a 360 ra.
Gravatas
com bollo a 1$.
De cores muito boaa para homem a 1$.
Para meninos eslreitiohas a 800 rs.
Pulceiras
de contas miidinha a j.
Da cabello a 45.
De phantasia de dito ate. a 500 rs.
Botoei.
Para casaca a para caiga a groza 320 rs.
Para camisa muito finos groza I51OO.
Grandes psra reupo groza 1J600.
Pequeninos para crianga 1JJ400.
Alamares.
Para capota a dazia por 800 rr.
Colxetes.
De fio batido especial duzia 720 ra.
De carto 14 parea a duzia 500 ra.
Em caia pretos a duzia 810 rs.
Brincos.
A balao brancos, ancarnadoa, azues a doiradoa o
par por 1$.
Rozetinhas com pedras que parece diamanta o
par l.
Penas e caetas.
De todaa aa qualidades especialmente da caligra-
phia a da lanca.
Caetas para aprender escrever pelo svstema de
Sculy urna por 500 rs.
Papel.
Almaco pautado 500 folhss6$.
Dito dito 420 ditaa 45000.
Dito dito 420 ditas 4g.
Dito liso 39100.
Dito de peso azul a branco 4S50O.
Dito azul liso 29500.
Dito pequeo tarjado 15500.
Dito pequeo di cores lg200 e 18500.
Dito tarjado de preto l$50O.
Envelopea canto Ig.
Obreiaa de colaa 100,120 e 300 rs.
Pentes de tartaruga.
A imperalriz 8 a 10JS o qua aa vendas por 16b
e 205000.
Direito para atar cabello a 49.
Aimltacao por 19.
De arripia para meninos a 800 0 lg.
Tartaruga para alizar 8g.
Da bfalo para suica e cabello 400 rs.
Pentes de borracha pequenoa para trazar por ca-
aa maito bona a 320 rs.
E infinidad deartigos novamente chegados
loja Esperance ra do Queimado n. 33 A.
Gravatinhas.
Tambem chegado as lindas gravatinhas com
liados boloes. que se veade pelo barato preso da
19 : o no vigiUite. roa do Creapo n. 7.
La para bordar.
Tambem ha superior laa para bordar qae te
veade por 69 hWi, aaaim como lia de familia
que aa vende a 19, e em cada ceiiinha muito fioa
pelo baratiasimo preso de 79 a caixnha : s no
vigilante, na do Creapo n. 7.
Espedios.
Tambem ha graide sortimento de espeihoa re-
dondos de moldara douradoa de todos os tama-
ohos com excellente vidro, que se venda pelo
baralissimo de 3J, 4g a 5g : s no vigilante, na
do Crespo o. 7.
Sintos.
Tambem chegado oa muito desejados sintos
com ricas fivelaa da concha a borlote ao lado
cousa muito chique se venda pelo barato preco
de 49, assim como ricaa fivelaa para siotos com
pednnhas de lindos gostos que sa vende a I56OO
e 29; s no vigilante ra do Crespo n. 7.
Ts
e arroz.
Vendem-se Talas de espermaceti a 640 a libra,
arroz da casca am saceos grandes a 29800 cada
m : na taberna da traveaaa do pateo do Paralxo
n. 16, cora oitao para a na da Florentina.
superiores.
firosdenaple preto maito superior palo dlmi-
oito preco de 29 o eovado, panno preto miito li-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9$ o eovado, eaaemira prets
multo fina a 2g, S9500, 3, 39500 a 49 o eovade,
maDtas prelaa de blonda mullo auparioreaa 129,
manteletes de superiores grosdensplcs prelos ri-
camente bordados a 359, sobracaaacae da psnna
preto maito fino a 809,caaacaa tambem de peone
preto muito fino a 39, paletota da panno preto
fino a 18 e 209, ditos da casemira do cor maa-
lada a 189, superiores gravatinhas estrellas s
19, ditas da setim macao a da gotgiro multo si-
pariorea para diaa rollas a 2$, ditas eslreitinbas
tom lindos alQnetea a 29, siperior gorgiro pre-
to para tlleles a 49 o corta, rieoa enfeites pretos
a 69, e sssim outraa muilaa fszendaa qaa aendo s
dinbiiro 4 vista, vendem-se por presos maito ba-
ratos : na na do Queimado n. 22. na bem eonhe-
eida Iom da boa f.
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para funileiro
e bihuleiro, a 1!80 cadaum :
aesta typographia se dir.
Fazendss baratos
NA
Lojadopavo,
Cambraia organdyi a 280 rs.
Veudv>-se cambraia organdya de cores com mo-
arnissimos padres a 280 o eovado, e caasaa
francezis muito linas a 240, 280 o 300 rs. o eo-
vado : s na loja do pavao, na da lmperatriz
numero 60.
Camisas bordadas e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-aa am bello aor-
Uraenlo de bonitas camisinhas defina cambraia
com babadinhos e mui bonitos bordados de no-
ves e deliesdos desenhos, aa qusas servem mui
bem para os modernos vestidos de frente aberta
e vendem-se pelo diminuto prego de 3$ cada
ma ; asVim como bonitos manguitos a balao com
golliohas-de superior cambraia e fil e todoa bor-
oa, cpt pinhoa virados a cada par pelo De-
preco de 2g, o qie admiravel aviata
oridadeda obre, e bem tstim pinbos e
tambem bordados com bonitos boloes
rnicao, a gollinhas soltas igualmente
ladasa 15 cada urna a manguitos a 800
A vista poia de im tao completo sor-
timento nenhuma aenhora deixsr de comprar
esses necessarios objectos tanto maia quanto a
commodidade dos precos convida e para que to-
doa aejam bem servidos convem qn mandem
lego comprar na loja da aguia branca ra do
Queimado n. 16.
a feraa d. 39.
?ende os ssguintes ob-
Jittos aiaixo meiwio-
nados.
Grampos a balo com pandante doirados a 23
o par. *
Pentes imitando tartaruga para bandees, ilti-
ma goslo a 39 o par. ^\
Fivelaa para sintos, fazenda inteiramanta nova
a 29 o par. /
Alfiletes pretos eom dourado para sechora.in-
teiramtnla novoa a29 cada im.
Boteea pretos com dourado para puches, inlai-
ramenta novos, a 29 o par.N
Botoea de tartaruga p,r, p,nhoa a I9500opar.
Na ra do Queimado, loja de miudezaa n. 35,
da boa fama. '
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roupa 19.
Agua da malabar para tingir cabellos a 59 o
Irasco : na na do Queimado, loja de miudezaa o.
35, da boa fama.
Cartas unas para jogar.
Vende-se dizia di b.ralhoa da cartas flnss om
aa poetas douradaa a 69, dita sem ser dourada a
J950O e 4g : aa ra do Queimado, loja de miu-
dezaa i. 35, boa fama.
Fitas de la para debrum.
Vendem-se pecas de fita de la para debnm a
lg, e am vara a 120 rs., ditas de seda a 29400, a
em vsra a 240 : na na do Queimado. loja de
miudezaa n. 35 da boa fama.
Botes para puuho.
Vende-se botes de puoho finos de diversas
qualidades a 200 rcia o par. que tambem aervem
para manguitos do seohora : na loja do beiia flor
tu do Queimado n. 63.
Oecalos.
Vende-ae oeeulos finos de armaco de ac. a
29, 19,000 e400r4is : loja do beija flor, ra do
Queimado n. 63.
Bieos fesqiiines
A loja da boa f recebe superiores btsqulnes
de muito fin cambraia a imitado da di linho,
bordadoa e eDfeitados com aparado goslo e os
vende pelo barato prego de 8> rada um, tendo
sido sempra sea casto de 16$ a 209, apressem-ae
poia em compra-loa na menalonada loja da boa
f, na na do Qaeimado n. 22.
Superois atoalhados
Superiores aloalhado adamascado com 8 pal-
moa de largara a 1J600 rs. a vsra : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para colxas o para
ornamentos ue igreja.
Vande-se muito siperior damasco de 13 de
ama s cor, muito proprio para colxaa a para
ornamentos, eom 6 palmos da largura pelo ba-
rato prego de 28800 rs. o eovado : na raa do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pecMncha.
Vendem-se cortes de siperior gorgiro di se-
da psra salletes p6lo baralissimo preco de 19,
29 e 39 o corte : na ra do Queimado n. 22, na'
bem conheclda loja de boa f.
fara os tabi quistas.
Lenco* muite finca a imtacao dos de linho de
maito bonitos padres a da cores Dxas muito
proprios para aa pescoasqua tomara tabaco, pelo
barato prego de 48800 e 55500 a duzia : na raa
doOieimodo n. 22, na bem conheclda loja da
boa f.
P! oyO peales
de tartaruga e rnts
com dourado e senr^lle,
para i tar cabello:
A loja d'aguia branca acaba da receber enes
penlea da qne as srnhoras tanto precisavans paja
, igualar aos pequeos dourado. U soriirr. na
I pequeo, porm completo, porque tetn de Urto-
, ruga e masse, douredos e sem o ser. A beiHSa
, e perfeiclo delles dificil desrevtr, 1 pr iSlu
jlimilamo-nosa dlzer que elies sao da um desal-
abe noviss.mo de apurado gosto, e de |5o. na qoslo artista elevoi-Se rr fa
; pericia lem elles a vrnca de ura laco d uta es
centro do que se eonbece o feche por meio d>
urna fivella, sso alem de rendados, tanto ,,s ue
lartanga como os de massa. Agora, pois eu
appareco o bom, convem que as senhora, ,-e h,
demorem em mandar coerprar na loja i'teSu
1 ranea, ra do Queimado n. 16.
Carlasnss psra vlt'ele
A loja d'aguia branca acaba de receber iit: boro
sorlimeuto de cartas com tintas mui fine, ,,,p1
.lustroso a opaco, e caracteres de novo.- ',. -asvos.
representando as figuris os grandes personageSja
das guerras d. Itilia o cutros. Jase 4, pois,
, qae com uns baralbos assim bons e bonitos ter-
na-se ainds mais deleiia^el o etitreler-se r-fta
jdanoiteno divertido voltarele, ter.do .en.re
fspadilba, manilba, basto, etc., etc., e pvlo con-
trario um pichoso, ao qual es bolinh-s e rbam-
I na do bom cha do dono da casa far esquerea o
: pouco que perder. Os baralhos de canto < ifcf-
; do o dourado cestero 69 a duzi, os 1 rr,r
59, e outros 49, 3S0O o 38. Tambem h' ftarai
para oa apaixonados da bisca, espadilha, Fie,
vista do qae nao ha mais a esosar-se, o arerei-
dente dirigir-se com dinheiro a na do Q?enca-
do, loja d'aguia branca n. 6, que seri bem ser-
vido conforme o louvsvel costume.
Ma ra da k|>era(i
mero U.
Vende-se o seguinte.
Bramante com 10 pslreos de largura a I9F0O,
I riscadinhos escaros da cor fixa a 160 r?., casaaa
de cores a 280 e 320 rs., oleados para eobrir
mesas a 2g, indianas miito hnas 1 Ifi, chitas a
; 160. 200, 240, 280 e 320 rs., eambraiaa da ::i-
; picos da cores a brancas a 400 rs., cobertores
. brancos e escuros a 18*00, 18600 e 2, panno*
I finoa pretos o de cores a 2J, 28400 e 3?, eam-
braiaa para cortiuados a 58 a peca, ditas lisia r.
29. 38, 45 e 59, tpeles muito finos a 69 7SJ
1 chapeos de seda e de caalur muilo finos e do oi-
i limo gosto de Paris a 8| e 9$, ditos de fellro U
I 00 copa alta a 59, cssemiraspar forro de carros
I a I96OO, corles de dita muito tina cara cahrs u
49, pegas de entrem*io a 19, e finalmenh- en-
fdapoles, algodoes, brins, bratanhas e uuira
j rouitas fazendas qua o dono do eMabele itn-: U-
I est resolvido a vendar muito barato afim c^
apurar dinheiro, denJo-uc aa compttecus amos
i tras com penhor
Boa to&rip-a.
Vende-se o excellente engenbo S. Joiqafm,
laitona freguj^.ia da Varzi, urna legoa v t^ti
jtaminho, raooMe e correte o'agua por dona
I agudes, terrenos e mat-s ncm iguaes, poda sa-
frejar at 2,000 paes. Troca-ae tambem i .-r pro
dioa o meamo -oienho, porm s neata pra^a ,
'qaem ae qoizer enriquecer ero pouco lempo, d-
jrija-je s negocia-lo na ra da Praia n. 53, lee-
ceiro andar.
Cal de
ratisaime
da supe
gollinhe
29ag^
bem bor
rs. o par
Bardados baratos.
Venden? sa gollinhas da cambraia e de fil bor-
dadas a 500 ra., manguitos a 1| o par, manguitos
j com golla bordada de cambraia a IgtiOO, e tiras
' bordadas e entremeios ; na na da lmperatriz n.
60, loja do pavao.
Alpakiua280,
Vende-se eata nova fazenda de linho a imitagao
de sedes di quadrinhos miudinhos propria para
vestido de seol-.ora, roupaa p*ra meninos, sendo
m.ito tico a 640 rs., 800 rs e'i9000 cada um na faeTd. V"io deaiSlV. Sao o co%.do \ na r
na do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35.
f
da lmperatriz n. 60, loja do pavao.
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas lsrgaa a 200 rs. o cosado por
ter um pequeo loque di mofo ; na ra da Im-
peratrtz p. 60, loja do pavao.
Y"",7". "* -"' "*" "" u.-.uuw*o uo a iuj u aguia urlica continua na recepcao Oe xltlaLllt a lUjp.
J8 de Ai-vedo Maia e Silva, conhecido por Jo- eujectos do ultimo gosto. e por ieso acaba de des- Vendem-se pegas de bramante de linha de
se Bijroai.'iho, est vendando ludo peicc pregoa I pechar vindo pelo ullirao vapor esues delicados urna s largura eom 27 varas a IOS a pena, taro-
} aabldos, porm quem cao aouber lenha -i:-------------------a- -*-----.....- ?"" --
Ra*5 d? Queimado n. 55. loja de miudezas de A loja d'aguia branca contina
GrattLp
com penden-u s dourados.
na recepgo de
bondade ce vero que bom e
Frascos de Lavande.Tuito Goos, a
*>i}2 lejiifto^bafcfa sp.rior, a 320 e..
"rrascos di agoa de colooa muito tina a
Ditos de dita grandes superior, a .
Caixas com pos cor de rosa para limpar
denles, a.......; .
Dazla desabonelea moito finos, a .
Varaadebico das llhas, est no resto, a
Carriteis da linha preta muilo grande,
e tem muila linha, a..................
Bengalas do melhor gosto, a .
Tinleiros com tinta muilo boa, a .
Baralhos de cartas fr>n:zas, a .
Ditas de carias porlaguezas muito fi-
nas, a.;.........
Varas de fita de velludo recortada, a 160
Frascos da banha de urgo muilo supe-
rior, a...........
Bitos dedita traesjareute, a .
Frascos de macag parola, muito fino, a
Ditos de dito oleo, muito fino, a .
Yaras de fita para fezer sintos dos aa-
Ihores gosto, a........
Babado do Porto para todo o prego. .
Labyrintoa muito linos para lodo prega.
Barris com phosphoros muito bons, a .
Hsasosda linha fina para bordar, a ....
Cartea de clcheles superiores a 40 a
Escovas psra limpar deates. a 200 e
Carritsid de reros de tolas as cores, a
Bonecas nuas porm muilo bonitas,
210 e.......i.........!
Grvalas de duas voltas muito supe-
riores a...............................
Fios e masaos de coral de qualquer qua-
_ lM Sabonetes grandes e muito liaos, a....
Agulheiros com agulhas......
Fitas para espartanos grandes e pe-
queos a 60 e........
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a .
Caixas eom agulhas francezas cartas, a
Lionas em earles braocaa e de co-
res, a.................................
barc'isiimo :
. 800
500
400
600
160
600
80
160
500
160
210
ICO
240
600
800
200
100
500
160
240
80
400
240
320
novUsimoa grampos de bonitaa coros com pen
deotea dourados o que de maii delicado se pode
encontrar. Ecsa loja cemo geralmecte sabido. '
temsempri em vistas a commodidade de seas i
boas fregueziaa e por iseo tem resolvido vender:
esees galantes eafeites a 29 e 39 o par, o qui na !
reelidade muilo mais vaiem. Convem pois que
a vista da limilagiodo prego a aeohor que com-
prar am ou mais parea, nao se demore em par- '
ticipar aa suas boas vizinhas e iulimas migas '.e '
collegio, pera que emittem no seu apurado
gosto, e maniem logo comprar outroa pares na
loja do sua afleigo : que a d'aguia branca, ra
do Queimado o. 16.
bom si vende l\t pega com 13 112 veras por 59 ;
na na da lmperatriz n. 60, loja do pavao.
Carnauba.
Vende-se a maia superior cera de carnauba qie
:-.a no mercado ; na ra da lmperatriz n. 60, loja
do pavao.
las seis portas em trente do
Livramento. 15,20,30 e A0
arcos.
Grande sortimento de ceias a balo de arcos,
os melhores que aqii tem apparecido no merca-
do a 49500, 59, 6$ e 69500 cada am, d-ae para
mostra com pcahor
horas da noite;
Cambraias lisas ai
Vendem-eepegae de cambraia lisa muito fin
com I 1|2 vsras a 3J a pega : na ra da Impera-
triz n. 60, loja do pavao.
Paletots a 6$.
Vendem-se paletots de panno prato fino a cor
de caf a 69 : na ra da lmperatriz n, 60, loja do
pavo.
Chitas escuras a 240.
Vendem-se chitas francezas aacuras a 240 o co-
Tedo: n roa da lmperatriz n. 60. loj do pavao.
A loja da fegui i
branca ra do Queimado u. 16
Acaba de receber os preciaos objectos seguin-
tes:
Aspas de baleia grandes e pequeas.
Fita com colxetes branca, parda e preta.
Dita de laa para debruar vestidos de cores.
Traocinha de caracol miado conhecida por bom
tom. 9
Alneles pretos e brancos em caixinhas.
Agolhas imperiaes fundo dourado.
Ditas victoria em caixinhaa a papis.
Relroz preto fino em csrreteis grandes:
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para i loja d'agaia branca,
ra do Qaeimadon. 16.
U no vigilante,
Collares para senhoras ou me
ninas.
E' chegado oa muitos desejados collares de al-
jofares firigiiido madreperola, com urna cruzinha
de pedras flngindo brilhaotes que sao muito ele-
gentes, pois seom a vUla que se poder! apre-
ciar, que se vende pelo barato preco de 39 cada
ura : isto s oa loja do gallo vigilante, na do
Crespo o. 7.
Bracianle
A 5,000 rs.
Ve:ide-ae barris cora c? 1 nova chegada ultime-
com oas varas di largura proprio para lencee ; -------------------------------------_______________
pelo barato prego de 29400 re. a vara : na bem \ftW. /." a
conhecida loja da boa f.
n. 22.
na ra do Queimado
u*
FMIp
3 mHoof9
aos seuhores
nho
1S450 i Aviso
400:
240
Vende-se utoa icoenda pan erjgci lu (ie ;g,-
--,-.- .- ,r ojudo Kcauuea
a loja est aberta at aa9 loj, do%o.
Chales baratos.
Vendem-ae iji.le de merino de cores aendo
muito grandea a 39 : nana da lmperatriz n. 60.
6G0
$i*perior forim braco de
Ikto
Vendi-ssiiperior brim branco de linho tran-
cado pelo baratiasimo prego de 19200, 18-140 e
1 19600 a vara, dito muite encorpado de don fios
[ 0 de linho puro a 2$ a vara : na ra do Qnima-
5y<*; do n. 22, na bem con nacida loja da boa f.
80j 4 2,4iH rs. a mSL
8o Lingos brancos fiaoa para algfbeira pelo diml-
130 du ^eco de29400 rs. ditla :ui bem conbi-
200
20
Vende-se
nuio ame
cWejfc
dd boa f, na ni do Queimado n. 22
sores
Fendem-si cmbralas frsncezss de cores fa-
zehd* multo fina palo baralissimo prego de 2M
, .. ... p mimo una smsu itaraiissimo or
no engenho Heguahipe da baixo da freguezia de | e 2#) rs. o eovado ; ni loja da boa f
Jlnnbecs, quatro cestas de roda gordas e orasQueimado n. 2ff,
Sheg^D pelo va-
por fraiicez s para o vigi-
lante finos pentes de mar-
rafa.
E' chegado os lindos pentinhos douradoa com
multas lindas molduras de differenles gostos oa
ra miirafa o travessos. pois s com a vista os
compradores saberao apreciar o quanto sao deli-
cados pelo baralissimo prego de 300n o par:
aaaim como sem ser dourados de lindos gostos'
pelo barato prego de *: na na do Ceeapo n!
Sano galo vigille, ra do Crespo n. 7.
Ad t> recos pretos
Tambem chegaram os lindos aderegos prelos,
sendo daaa pulseiras, rosetas, alfinetes, tudo em
urna caixinha, inteiramente cousa nova aesta
praga, todos muito delicados pels grande mo
16 obra que tero, pois ss pessoae de bom goste
sabero apreciar : s no gallo vigilante, ra do
Crespo o. 7.
Ag ii i lias,
Tambem sao chegsdas as verdadeiras agulhas
Victoria, de fundo dobrado, qne se vende pelo
barato prego de 100 rs. o pspe): s no gallo vi-
gilante. ra do Creapo n.7.
Ca pellas para nuiva.
Tambem ao chegadaa as liodsa capellaa bran-
cas, o mais deliesdo qae pode haver, que se vea-
de pelo baratiasimo prego de 79 e 69, tambem ha
utras mais inferiores que se venda por 29 e ?8.
Pede-se que quem liver de comprar qualquer
lestes objectos. qut sa apresse antes que se sea-
be, poisfoi apnas urnas pequeas amostras que
serecebeu : sno gallo vigilante, ra da Crespo
numero 7.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
johnston" & G
a. 42.
700
700
40
100
320
40
60
ISO
80
80
30
100
38500
40
20
20
40
2g400
160
38000
40
cine
de numero 13 por 13, completa de todas as tW-
ragenv, juntamente 4 tachas de ferro, sendo duas
batidas e duas fundidas, lamanfa s regulares, la-
do porpregos muito comm dos psra liquidar, n
ra Nova o. 20. loja di Caroeiro Vi.inr.a.
Hna da SenznIIa IVova n i v
8^H1 Sf^^'lliii^a Nes:* sUWmento continua al.-
u,m>i completo sortiuiento a moendas a meia.s meen
Na na do Queimado o. 55, loja de miidezss; l5as l'af enpenho, machinas de vapor e taiztt
di Jos de Azevedo Maia e Silva, est quMmsndo'de farro batido a coado i todos osiam --.-
todaa as suas miudezas muito boas e baratissi- n,r. Aita .....
mas, a saber : '
Spalos de tranga de la muito superio-
res a
Ditos de 13a para meninos de peito a 200 e
Pares de botes para punhos a
Caixts com papel de diversas qualidades
sortido a
Dilos de cores o melhor que ha a
Thesouras de 6 polegedas a
Aia preta muito fioa (libra)
P*gs de fita para c, t'c superior qua-
lidade a
Novillos de linha que tem 200 jardas a
dem idem de 400 jardas a
dem idem de 800 jardea a
Linha do gaz de 10 e 20 jardas a Ires por
dous barato.
Caixas de folha cora phosphoros a
Cornetas de cbifre para entreter meni-
nos a
Carriteis de linhs de 100 jsrdas a
dem di Alcxandre maito supeiior a
Dizla de facas e gerfos, cabo preto, mui-
to finas a
O.xas com colxetes frsncezes a
Ditas com phosphoros do gaz a
I).las com dilo de vela muito superior i
Cixas comiscaa para acceoder charutos
Duzics de meias crias muito encorda-
das a
Duzia de meias brancas a
Duzia de meias brancas muilo finas para
sin hora a
Masaos com grampos de todas as quali-
dadee a
Boleas muito finas para guardar dinhei-
re, servem tambem para guardar fu re o,
e servem tambem para senhora a 500 e
Thssoiras pequeas, porm muito li-
nas a
Ditas para unhas tambem muito tupe-
riores a
Marcss psra eobrir, sao pequeas, porm
o prego convida a
Pares de meias de cores psra meninos a
Pares de meias brancas psra meninas a
Groza de peonas d'ago de todas as dua-
lidades a '
Caixaa com 100 anvelopes muito finos a
Groza de boloes de looga pratitdos a
Fugiram do engeuo JaiMim
de Seriohttem.
Severino, mulato, cor -.. arellala, r.^ .o a-
inos pouco ma:s ou menos flo idadH, altera pou-
co raenosdo quo a regular, cabello errapioho,
tem barbas na muitss, olhoa papud.-s, be -i a
' nariz regulares ; Joao d*s Maltas, ciioolo, ("e-<0
anuos poico u.au ou efeoos, aliura regular,
grosso, feiges regalares, nriz grosso st-r.s ser
chalo, tem crsvos em um \6 pelo que aoda cora
o esleanhar levantada ruchando i/m poucrt pela
perna qusndo anda por cansa de ter trazno por
multo lempo pepa, um lovov chapeo d? palha do
' carnauba, roupa de slgodao braro, can isa o talrja
Ido riscado e bacta verde, mentados ern o
1 quarto caslnho com ranr;a!h* : a pesaos que
os pegar poder condui-los so referido erije-
nho ou a cssa de Joo Pitto de Lemos Jnior,
qn ser gratiticadr.
800
200
400
10
160
Escruvo futrid
ij
No dia !. do correte mez deaappareceu c"c
ra dos Vires, de casa do Sr. Vicente de Pula
Oliveira Villastoas urna sua cscravs preta de ,>-
me Mathilde, crioula, ,!e idsde 25 annos, pouco
mais ou menos, altura c corpo regulares, dvites
perfeitos, ps pequeos, ror preta, ele. : eala ee-
crava foi do Sr. Pedro Jorge, a sempre morn
-uujirq Iguarssi : a pessoa que a pegar ou der ro-
ticia dell, entenda-se erm teu senhor que ser
bem recompensado.
500
iSOdo
240
ra da Senzalla Nova
&rsmpas a balo.
Tambem chegado as lindas grampaa a balao.
na raa do coaas maito linda : s no vigilante, ra do Crei
i pO H, 7.
Toalhas e guarda-
n^pos
Muito barato!!! .
A' loj do Porto, esquina da na da Madre de
Deas, sesba de chegar am completo aortimeoto
de foalbas de linho para mos, e guardanapos;
os quaes se vendem por diminuto prego psra fe-
char contas, ppis jo Tendidos por coala do pro-
prio fabrcenle. r
Machinas americanas.
EmcaaadeN.O. Bieber & C., aaccessores,
ni di Cruz n. 4, vendim-se :
Machinas para regar hortas e capim.
Ditaa para descarogar milho.
Ditas para cortar capim.
Salina com perteocea a 10$ e 20$.
Obras de metal prncipe prateadaa.
Aleatro da Siecia.
Virniz de alcatrio pan navios.
Salsa parrilha de primeira qialidadi do Par,
Vinbo Xerex de 1836 em caixaa de 1 duzia.
Cognac em caixaa del dazia.
Arados e gradea.
Brilhantea.
Carrogas pequeas.
Fugio do collegio da Cooeeigao Cruz de
Almas, (noDtem] urna mulata muito alta, rie oo-
me Claodia, idade 32 snooa, vinda de 1'j. ;
quem a pegar, leve-a aquelle collegio, que ser
gratificado. Recommenda-se policia.
Moendas c meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundieao
de D. W. Bouman.
Est Ugido desde II do crreme miz o> ju-
Iho, o esersvo pardo, Ricardo, boleeiro e cano-
ceiro, bem conhecido nesta praga e eus arre-
baldes ; representa ter 25 snnos de ida.:-, < b*<-
xo e magro, tem cabellos carapinbos reepado di
pouco tempo na cadeia, onde esleve por causa
de estar fgido, tem pouca barba efalta de denles
na frente, rosto comprldo e olhos redondos tem
sido encontrado na Cspunga, Olinda ande li-
diando o jngando com mais di 20$ que lo-ou ;
quem o spprebender e levar a casa deseusenltr ns Passagim da Magdalena que ser generosa-
mente recompensado.
AntotaV) Valentn, da Silj| Barroca.
ym
a qaem pegar o pardo Francisco, de 17 annes
da idade, de bonita figura, com todoa ns dente*,
cabellos carapinbos o ruivoa, este pardo fof d
Sr. Dr. Borgesds Fonsece, o qual viajoi eom e
mesmo aeohor todo o sertao e suburbios des*
provincia,necesaaiiimtnte qusndo era se ev
eravo, e talvex ainda se incilqie a servieo m
mesmo : quem o pegar quiiri eatrega lo a tea
legitimo dono na raa do lospieio n. .
Igaacio Laix de Brilo Taborda.

/
-.'
ILEGVEL


DIARIO DI ffRNAMBCO ^ 5BBDO 30 M AGOSTO DE i 16*.
Litteratura
0 passado, o presente e o futuro
sicial.
O homem dolado de raio, dizia Lulhero, po-
de distinguir o vordadeiro do falso, o justo do
iojosto, e i o.- conseguale elle que o legiti-
ieo iuterprete do sentido que lera as palavras da
Kscriplura, uDea fonte segundo elle, da revela-
r* divioa. Por esla frms estar destruida a
uecessidade de um ente Da trra depositario da
revelago, pois a caa um perteocia o direito de
ecreJttar oo que seu livre alredrlo Ibe diclssse.
Era o principio do livrt ccame, base fundamen
tal ds reforma protestante. Sigamos por um
poacu esse principio as suas necessaria* con-
soquonciss, e rejamos onde ellas levam ; e com-
DiLando poca com poca e fado com {.co,
vejaraos a que ponto chegaram o inimigoi da
verdade em suas dedceles, e qaaes os trans-
antes que ainda lhes restam a percorrer para
ciugar ao allimo desenrolviniento da ana dou-
irioa.
O hornera livre em julgar da f. Elle tem di
reitodecrer oque Ihe aprouvor, e nada mais.
Mes a f tem un lago estreito que a prende com
> le ; a lei moral estriba-se toda sobre a reve-
lago do dogma, logo se os dogmas sao sujeitos
b raiiio, e cad qual pode rer o que quizer, tam -
bem pode cada
cipio protestante do livre exame applicado po-
ltica earops.
Em Franca desterrara-se Carlos X e o duque
de Bordeaux, pira substituir-lhe Luiz Fellppede
Orleans.
Em ilespaoha promovase ama disiengo de
familia enlre D. Chrstina de Bearbon e Carlos,
seu cunhado.
Km Portugal atears-se ama gaerra fratricida
entre dous iranaos, que passaram d'utna mo pa-
ra a outra urna eora alpicada da aaogae, e por-
lanto desconceitaada.
Na SarJenha tanto nlo era niater ; o bom as-
tro da rerolugo tinha quarido que ao ultimo Sa-
boya, Carlos Feliz, succedesse o primairo Cari-
gnao, Carlos Alberto, o primeiro granadeiro da
tomada do Trocadero.
Aoa res que sa tero a vara assim vaasallos do
obrar o aue a zer oorau i 5? ,0,cedia 'perando na poltica o principio
.ral que a revel, ao incul a n o" ES ESffS* S? ST9 ^T&R
aquillo que cada m quizer laical usto ou in- ?!2 V ? a d."cussao d" leis era direito de
luto. Unto ou vedado.' CoosequenVemeote^q?e ^S^SiST^ d* TSW^ d
iremos daquellea que por amor dess. lei oral Sia?aJaSfc?!ftS m" 1 de.lodo.e
fueranamente revelada se eondemnam a mil ESES?d?dio na V""* '*. "aim veiu
privages, o se ligam com leis to sitelas como
sao es do calholicismo ?
reci ni seuo corupiixo
tas fortes devem fazer constar
um
a consliluir-se esse novo tribunal, esse Sfafws in
Esses homens nao me- i -"'*'.-.5ue. 'l?uohar"ffl.de Pinio publica, la-
e despreso, e os os
a sua gr
:niB ~*i 4ue aicunharam de opiniao publica, la-
...iri": c elerno d* dlscrda. tribunal camaleonta qae
!p|. revesn todas as cores, e se apascenla de ar e fa-
unio.' uldade' di,nle do 1ual se discutem nao s os
ern escarnecer da moral, como os protestantes ..,,
aziam consistir a.u. reforma em negar o princi- -,"i"."=*? ??' *"*'&?\ ma8 "" Pflva-
pio da revelado. E' evidente que as aatyrasI!"--_". IOo"los, se accusa.se condemna.ae
de \oltaire, e cynismo de Jean Jacques llous-
itau, eram consequencias pcaticas do dogma pro-
testante.
O principio da auloridade, pois, que o re-
pr>-rulante e o apoio di lei, devia necessaria-
ltio cshir ejn odio a quem repudiava a mei-
ma lei ce um peso, e por isso assim como o
protestantismo rejeilava o centro da autoridade
ccllioiica para a revejago, consentsneo era que
i ii plu.osopliismo rejeitaese o centro da autori-
de-ie caiholica para a logisligo ; e como nao ni
leguleyo sem juriadirro, era forgoso negar se
eo Chefe do ealbolicisiuo a pnmazia de juris-
dicciu oeste mundo. Cornelio Janstnius Que-
ncii, e a escola do Port Hoyal, aceitando o pria-
cipio do piosophismo, nao fizia seno tirar a
su.i cousequencia lgica, repudiando a jurisdic-
co pontificia, e os pseulo-bispos de Hirecbi
iiersegue, se martyrisa a (ama de cada um coo-
forme o capricho de quem soaber pegar n'uma
penna, sem respeitar pasigo alguma social, em
virtude do principio da livre discuaao e do livre
ezme.
Mas, como nem todos podem e sabem estre-
yer, fo necessario tornar a livre discussao ainda
mais universal, e foi eolio que se imaginou o fe-
liz systema de disca.sao as praQaa e as ras,
pondo as armas na mao do povo com a bella des-
coberla das guardas nacionies, em que os habi-
tantes de urna cidade quaado lhes agrada discu-
te atrs das barricadas, a tiros de espingarda,
aquillo que elle chamam direilos do povo.
Claro est que o aove amostrado nesta escola,
habituado a discutir todas as leis, como noaeculo
passado se discutiam todos os dogmas, havia de
acordar um da dizeodo
Se os res que nos de
. sao boje em dia a prora constante deste I f unimt^^^^^u'i9^*
DOfo pas.o a que lovava a pobre razo h.mana, i cutir a, leis na tnh^ "? ^1' dir6,,l d8 d'S"
t p.^ucipio orgulhoso do i.ve ezame. '"'" l"'<" Ar,rn?B dj P-". "-
.Uas de notar que o centro da auloridade I Vlr!>* d barricadas, temoa direito de
ciuiaia seoJo urna vez sepudiado, nao havia
para respeilar mais as outras autoridades que
el* en to iinham reeonhecido uelle o seu apoio.
I osla emdurida a jurisdiegao universal do u-
sj'tio de Jess Christo, nao havia para que res-
peitar raiij as jurisdiccons dos mooarchas lerro-
aos. Segundo o novo principio, a iheocracia era
um absurdo, o direito de se governar eslava no
poro, que delegara quando bem lhe pareca,
e quem bum lhe pareca ; era portaolo cuose-
queacia nolural que a auloridade dos reis vel-
lassem tamera, e que as massas educadas no
priocipio do livre exime disssessm um dia aos
moas relias, nos queremos ter voto as leis que
pos nao do governsr, ou por outra nos vos reti-
rados o mandado de governar, e querexos go
eruar-noa a nos mesmos ;e os-iir. se fez.
<, res e os ministros embebidos das ideas
phllosophicas, e jauaenislas, lioham disvirtuado
a autondade ponticia, sem rer que desse modo
cavi..,m um abysmo debaixo dos degras dos
stus thronos. Para destruir no poro os princi
iiiuu de respeito ai> centro da auloridade calholi-
tica resolveu-se perverlar a educado da geragSo
e obrigou-5 a forca osumrao ponlice a
actiticando aquees que tiobam tomado
-----e si o encargo de coabater o principio do
prolestanlismo, e ludas as suas consequensias.
Clemente XIV depois que sahiu ao solio pon-
li o, arroslaJo pelos philosophos e pelos jause-
, sacriticava em holocauslo, para salvar a
egreja, a coaipanhio de Jess.
Esta sociedade liuha-ae batido comoprotes-
Untismo, licha-so vislo em lula com os pbtluso-
phos, lio ha baiilnado contra os jansenismo, linba
f Jo a persiguifo e Lu/tero e de Caloin't,
es .(.crneos do Vollaire, e dos seus sequazit, c
-iiiii victima das intrigas de Port-loyal, a
Q\m davam mao I'ombal, Jamucci, Chaiseul
le .ircunda.
A suturidode pontificia tinha cedido ; por con-
seguinle devia tambera cedor a auloridade real; e
a :. roluco rancezs as lardou a fazer-se ver no
c. UQdo. (Jue era a revoluco fiaoceza Y O prin-
Cipio protestante do livre exarce applicado po-
ltica, como o philosophsruo linha sido o livre
ti ... i apal:cado 4 moral, como a que la dos je-
suitas tiuhi sido o livre exame triumphando dos
seus itmi,tos. Di discjssio das leis polticas foi
fcil o ,u--o para ?e discutir a pessoa dos legia-
(adores, e a convenci nao polia dar ouira con-
oca senao a que deu. A auloridade pon-
t;;_i: humiihala al sacificar os seus proprios
c :-:isores, lioha como consequencia necessaria
i ridada real tiumilbida aisaeriQcar a
pria cabega na guilhotma. O rei-martyr era urna |,
iijia victimado livre exame.
5!as os que lao rpidamente iam tirando as
t;: .. uuncus ui'hle desastrado principio, nao
ce-ttivim com urna consequencia necessaria.
Etica eiidaai a colher os ltimos fructos da ar-
vero que tinhim plantado, mas nao contavara
com i. na tu reza humana em que ha semprepsi-
' .Baamuifio urna'deltas, ttlvez amis
. ..la.
Nao viran que delruiio o principio dajuris-
dieco havia de imperar a forga, e que para se
pa3ar da anarchia ao despotismo bastara que ap-
\. tecesae um homem bastaLtemente arrojado, e
icstenu-monte feliz, para impor silencio por um
uiomento s massas, e que esse homem havia de
reconstruir por si o quo elles linham deitraido
lias caos drs mais. Esse homem apparecea. Um
ugu.o desconhecido de urna ilha pouco culta do
jjit Jilerraneo, v;a nascer o homem que a Provi-
dv .ua mandava para retardar a obra da disso-
iuQao em que o livre exame ia marchando tao
tiesossombrado.
Napoleo 1 nao era mais calholico do que
aquees que lhe tiaham aplanado o caminho pa-
ra o Ihrono, mas era mais poltico do que elles.
Ivtiuacitou por um momento o principio da au- '
toridade, mas o seu erro foi quero lo resuscitar I
aomente para si. A obra do livre exame recuou I
&aa3 nao parou. Nao parou porque, apesar de rer!
reconstituido o pader poltico as maos de um
iiomem que contara com um milho de bayone-1
las, via que este homem, mais soldado que phi- I
... ;..>, coolinuava a enfi-aquecer o centro de
tela a autoridade. Calculou que esse homem nao
seria eterno, e aguardou o momento em que o
seu astro se eclypsasse para tirar novamenle aa
consequencias dos principios eslabelecidn9.
Com effeito amauheceu a surora de Waterloo,
c com ella reriveram as esperanzas dos desor-
deiros. Em quanto a Europa toda exultara rendo
abatido ogigaote qae a opprimia, em quinto a
cadeira de S. Pedro revi triumpbaole o seu pon-
tfice proscripto, elles riam secretamente e di-
ziam : nao basta I Nos tornaremos obra, e o
zcesmo amplexo fraternal que no campo da ba-
talha se esto dando os generaes catbocos de
Jiespanha, os anglicauos da Gr-Brelanha, os
pnilosophos de Frederico II, os Jansenistas de
Vienna, os regalistas de Lisboa, sao urna prora
de qae o nosso principio anda oo morrau ; pa-
lo coatrario, o papa que Lulhtro chamen Anti-
Cristo, que Janseniu prirou de jarisdicQio,
que os reis de Hispanas e Portugal Qzeram ceder
as suas exigencias, o papa reconhecendo-ae hoje
doredor do seu solio s nossss armas, ser for-
jado a receber os nossos conselbos, e os nossos
conselhos sao lea ; e se elle os nao acceitar, se
elle duser non possumus, destruiremos o seu
tnrooo, arrancar-lhe-hemos a Cor*i, destruire-
mos o pontificado, e destruida inteiramante easa
autoridade, continuaremos na nossa marcha des-
truindo todas as oatras, tirando a ultima conse-
qaaoeia do principio do livre exame.
Tal era a palaTrs da reveleQo do momento
i legislar. Relirem se, pois, esses reis, quem se
| rabricou um throoe de papelo, e urna eorfli de
lantejoulas falsas, e renha .a repblica em que o
po'o so greme a si mesmo.
O poro era lgico, tirara as consequencias do
livre exasae.
E Luu Felippe de Orleans, o typo dos reis cons-
titucionaea, abria a marcha relirando-ae de Pa-
rs n urna aege de aluguel, como quem tinha aca-
bado a sua misso, ou como um comparsa que
fez papel de rei no theatro, deixando a sua co-
rda de folha de Flandres, eoibrulhada n'um pa-
pel chimado a Carla para ser entregue aos elei-
los do povo que passaram da taberna para as
lulherias.
Quando a revoluco chegoa a este ponto, pen-
sou por um instinte poder caminhar desassom-
bradamenle para o seu ultimo desenlace, e j se
dispunha a tirar todas as consequencias lgicas
do seu principio. Ei-la ahi vse de caminho. Se
o direito de governar um direito universal de
todos, evidente que todos os homens sao
eguaes, e se tolos os homens sao eguies nada
mais absurdo do que a disiincgo de clasies entre
nobre e plebeu, entre rico e pobre, entre sabio e
ignorante.
A applicagao destes tres principios, o nivelar
o sahio com o ignorante, o rico com o pobre, o
nobre com o plebeu, levava a tres conclusoes, o
applicaram se. A revoluco em quanto nao pas-
sou da fase do parlamentarismo conservou a no-
breza, anda que lgicamente para chegar ao seu
ultimo desenlace a ia multiplicando de tal ma-
neira que deixasse de ser urna distioeco. Nobilis,
segundo a eiyasologia, era e homem qui tsset
noscibilis, e para ea9e fim era necessario que
fosse vir notut islo tir n latus; multlplicin-
do ao iunilo os que foasem inri noatt torna-
va se a pobreza em ridiculo, e o'ali o abuso dos
ttulos de distiucQao que a revoluto quiz empre-
gar para deaconceituir a verdadeira nobre-
za. Veiu-se descendo al ao ponto, como todo
Portugal sabe, em que ser titular e condecorado,
nao era privilegio dos homens illuslres, mas urna
mera formalidade para contentar a louca fatui-
dad de espirito pequeninos, que pagam com
alguna coatos de rea, gauhos atraz do balcao da
mercara, a troca das vestes grosseiras de mar-
gano pelos delicados armiohos da grande-
za. Cb?goa-se ao ponto de que cortos homens
mais elevados ropulavam vergonha receber um
titulo ou urna coQdecomco, e rejeilavam n'a.
Assim ficava a nobreza egualada plebe, mas
como aiud rsstava urna sombra de nobreza,
1 j aqui aboliam-se os vnculos com que ella se po
It5nn Vbeneflc,os W tiaham recabido das,urna classe ara que o poro por longo habito
seas mooarcnas redara s nacoei o discutirera estara costumado a rer urna sapariorldade qa
nhtr ac,os* TlDr>8m Plena eanflaoca nos seas nao sabia destrair, e no frenszi de nirelar todas
soDeranos e nao podiam entender a necessldade as classes era necossario ou destrai-la, o pelo
'"Ter. ae scuiir as suas leis ; era, pois, menos trsz-la ao nirel de tolas as oatras: o
necessario madar-lhes is dynastiaa para que, clero I Desde esse momento a revoluco qae
renao genie ora sobre os seus thronos, o poro linha j niralado o rieo com o pobre, o nobre
se hab( uasse a coniiderar os seus principios com toro o plabau, o sabio com o ignorante, enlen-
aesconanca, e se julgasse com direito de lhe pe- deu que ainda Iba faltara para o seu desenlace
or coma ae cerno o governavam. D'aqai a aya- nivelar o sacerdote com o leigo ; e a isso se lera-
temaiica mulenga de dynaslias em todos os pai-'ra da tanto melhormeate qaanto ella rii no
zes, onae se quena inaugurar o noro aystema de clero, um reoresentante aioda de aro principio
ao, que nao era oatra coasa seno o prin- de autoridade que pretenda destrair, pois o
principio do livre exame ali a arraslava, a des-
truir toda a autoridade na trra.
Ora o clero constara elle mesmo de duas clas-
ses : o regular e o secular. O regalar como mais
separado do mundo, como menos ligado aos in-
teresses do scalo a da familia, era o mais diffi-
cil de reJunr ao nada, porque por mais qae fi-
zessem os reformadores do estudo nunca pode-
riam alcangar que elle abandonarse os esto.dos
classicos, dos quaes tinha sido o orgo e o depo-
sitario.
Era ios claustros qae se tinha conserrado o
culto as lioguas de Homero e de Horacio ; eram
os claustros que tioham legado durante os secu-
lares de ferro aos nossos lempos as obras de Aris-.
totales, de Cicero e dos ootros antigos; era dos
claustros qae linham saludo, ou sombra delles
que se lioham edacado os maiores e melhores
escriptores em todas as aagoes : pretender fazer-
Ihea abdicar os seus estudos era ridiculo. Por
outra parte os regulares eram Cilios de um prin-
cipio inteiramenteoppostu ao 4a rerolugo : eram
filhos da obediencia, e a obediencia nao dis-
cale
Como podiam os filhos do livre exama ter paz
ou tregua com os conventos?Nao havia mais
que um s passo a dar: era destrui-los. E foi o
que se fez. O oome de frade passou a ser urna
injuria, a profisso religin urx crime, e con
um trago de peana, com urna folha de papel, coo-
sagrou se a destruigo de urna instituigio que ti-
nha prestado humanidade os mais relevantes
serrigos. Nao o nosso fim neste lugar dzer-
mos a apologa dos institutos regulares, basta-nos
fazer notar que elles cahiram victimas ds chama-
da illuslracao, porque nelles a scieocia na esla-
va reduzida s proporges rachiticaa do encyclo-
pedismo.
Restara o clero secular. E este segundo a men-
te da revolueao era necessario tambera nivela-lo.
Primeiramente tirsm-lhe os'saus foros e regalas.
Foi um capricho da revolugao satisfeilo quando
poude rer am sacerdote assentado no banco dos
rus ao lado de um roubador e de um assasslno.
(Cenltnusr-ia ha.)
Yariedades
ACERCA DOS VESTIDOS
SOJJ O PONTO DE VISTA
"' da sustentar, ali aboliam-se os ttulos com qu*
em que ufa nu iogleza lerara o hroe de Aas-
terlity pafa o rechedo de Santa Helena, e inme-
diatamente
preza,
ella poz mo a continuar a ma em
O principio da lirre discussao das leis que a
revolugao francesa linba incarnado (oi peste em
vigor desde ento, primeiramente em Franca, de-
soa em Cadix, em 18*20 em Lisboa, poaco depoia
tintou se ioaugara-lo as legagoesem 1831. Mas
es povos Dio se acharam ainda dispoatoa para
tantc. A recordado qae estar Tira em todo* 09
so lornava manifosla, e onda ella formara
parte do eleraento governativo tratou-se de eli-
minar esse elemento como fossil e retrogra-
do. E' o que nos esto dizeodo que se deve fa-
zer em Portugal ha um armo a esta parte, o
Portuguez, e o Jornal do Commereio.
Para nivelar o rico com o pobre, inrentoa o
Proudhonx em Fraoga um novo principio que oo
era mais senao a consequencia dos preceden-
tes. Pretendeu que a propriedade nao ara direi-
to dos individuos, mas direito collecllvo de ao-
ctedade, e a theoria do socialismo e do commu-
nistno pronunciou por bocea delle a formidavel
palavra diante da quil tremeu a Europa toda: A
propriedade 4 um roubo.
Era lgica essa consequencia. Se eu lenho
direito de discutir a f, lenho direito de disculir
a lei, s lenho direito de discutir tenlto direito
de alterar urna e outra. Ora o direito de pro-
priedade sendo sanecionado pela lei, logo lenho
direito de o abolir, e ae teoho direito de o abo-
lir, nada me veda que lhe chame urna usurpa-
gao. O socialismo lho de lirre exame.
Restava nivelar o sabio com o ignorante, lato
era mais difRcil, mas admitti los os principios, a
revolugao que era lgica, nao recuou dame das
consequencias. Dir a lodos a verdadeira scien-
cia nao era possivel, resolveu eliminar a verda-
deira sctencia.substiluiodo-lha outra cousa a qae
todos podessem chegar, e da qual achava tradi-
gL's ni propria historia: o encyclopedismo a
quem se deu o oome pomposo de 1 Ilustra -
gao. Para sse um era necessario desmoronar
todo o syelema de educago, e p6r-ae mo
obra com o pretexto de lomar a illustragao
commum a todas as ciasses, facilitou-se ao infi-
nito a entrada no santuario das sciencias, e
aquelles qoe pretendism que a sciencia nao era s
isso, mais alguma cousa mais que o que se
aprende n'um diccionario, levanlou-se contra
elles ums cruzada, e chamaram-se obscurantis-
tas e inimigos da illuslrigo do poro. Debalde
se cangarara estes em appellsr para os profundos
estudos dos anligos, debslde ae cangaram em
querer resuscitar o bom gosto da llngua grega, e
latina, o eatado dos classicos, da philosopbia,
da Iheologia, das sciencias ractonaes. Urna tor-
rente de escreviohadores invadi a Europa sello-
cando todos os seus esforgos, ae classicismo leve
que cair debaixo do peso da escola romntica ;
escola que pretenda dar poetas sem tereos lido
Virgilio, e oradores sem conhecerem Marco Tul-
lio ; escola que se apossou do enalno e com
cumpenlios microscpicos, reduzindo a inatruc-
go a dse* bomeopalhicas, fez niacer urna nu-
vem de escreviohadores qee qalzeram tratar da
ludo, e pretendern) fazer rer que todos ebegam
a lado, por isso mesmo que elles nao passaram
do nada.
Pretenden-so Ilustrar o povo todo, e a scien-
cia que de antes era respeitada quando er apa-
oagio de poucas, reduziu-se a um esearoao
quaado a pseudo illustragao chegou a todos, isto
, quando todo o operario aprenden a lr aa
jornal, e a commentar um romance.
Tolo o homem que viu que sabia soletrar
comegou a pensar que sabia lambem escrerer, e
01 verdadeiros sabios deixaram de encontrar
de phllasophi
BREVE NOTICIA.
CONSIDERADOS
I1YGIENIC0.
Admirar se-ha talrez a primeira vista o leitor
qusndo deite os olhoa para a epigraphe deste
artigo, sendo qae parecer impossirel que nos
eolretenhamos par algum lempo a fallar do res-
tuarlo sob o ponto de rtsta hygienico. Mas
que presentemente os caprichos oa moda esto
de continuo a concorrer pira a falta de saude
e at para a morte, e que por eate lado dere
merecer muito interesse esla questao, porque
pode contribuir, reotilando-ae, para dar mais
alguns annos de vida a sociedade elegante, a
qual, primeiro que tuda se lembrar, sendo sen-
sata do aeu bem-estar e da sua saode.
Poder-se-ha dizer primeira vista: em que
pode influir sobre a suadea escolhi de tal ou tal
vestido? A differengsdos estofos contribuir por
rentura a que se desenrolra esta ou aquella en-
fermidade?
Todas as pessoas, que lorem com attengSo
as linhas.qiie rao seguir-se fructo da nossa expe-
riencia e muilaa locubragoes peraeberao, que
de graade necessidade o saber-nos restir.
E antea de fallar dos oosso rostidos moder-
nos, lineemos am rpido olhar para aquelles, que
usa vam os antigos, e tratamos de fazer a compa-
ragio.
Os nossos antepsssados asavam de todo (ato
largo e de neohura aperto.
Oa modernos, pelo contrario, gostam para irem
com a terrivel moda da lulo bem ageitado.e com
muito aperto. i
Nos os homens temos grvalas que os aper-
tam o pescogo, chegando quas a estr-Vgular-
oos, e caigas to estreitis as vezes, que aesu-
ram o nosao corpo, o que mesmo transtowim as
fenegoes nos membros inferiores. f
E que diremos do bello sexo, que par*redu-
zir-uos chega a commetler as maiores extrava-
gancias ? y
Oh I desse nao fallemos, e, se diasermosalgu-
ma cousa acerca da mulher, bssla que noraee-
mos o esparillho, que tantas victimas tem feilo, e
que nos grandes centros da populago tanto con-
iribue para a grande ruina da saude.
Os antigos bem camprehendiam, e muito me-
Ihor do que nos (fif i-se justiga), todo o perigo
que ha em exercer a compresso intil sobre os
membros, sobre o tronco, pescogo e cabtga ; e
desi'arte elles nao ostavam sujeiios como nos s
congestoes cerebraes, s ulceras s varises e oa-
tras allecgoas, que podem, como estas ultimas,
encontrar s a sua origem n'uma compresso de
qualquer nitureza
Como era tudo bello, gracioso, e nobre sob es-
tes largos vestidos, que apenas se niara ao corpo
por um tao pequeo aporto I
O pescogo estiva livre. es bragos e as pernaa
livres de todo o aperto. M13 agora, pelo centra-
rlo, tudo mesquinho, aperlado, e com mioguada
graga.
Os povos do Oriente usavam destes largos tra-
jes no tempo de paz, e se queriam ir para os
nos a mudangas repentinas de temperatura, mu-
dangas sempre prejadiciaat.
Resta-nos agora pasear em revista adinrenles
pecas do vestuario.
Cobertaraa da cabega devem ser ligeiras.
Esta condiglo acha-se raras vezea prehen-
chide.
Alm de que o aosso chapu preto pesa na ca-
bega, tambem os seus bordos exeroem sobre a
fronte ama desagradavel compreaao, causando
am algumas circamstanciaa hemicranias.
O bonet de algodao, mai empregado em algu-
mas partes da Franga, trazido nao s pelos
homens, mas at pelas mulheres, tambem um
toncado, senao gracioso pelo menos commodo,
que se amolda a forma da caneca, a vastante
levo. '
Nao posso cooformar-me a que o artista, que
qaasi constantemente Irabalba ao ar lirre deixe
de trazer cobertura na cabega.
Os ralos da sol, bateodo algunas vezes com
urna grande forra sobro o couro cabelludo, po-
dem sera causa 00 artista imprudente de urna
afTecgo cerebral ; a meniogite pode apparecer
com facilidade.
Se chove, um rheumatismo algumas vezes mai
demorado, e far arrepender de nao cobrir a sua
cabega.
No verlo um chapu de palha muito con-
veniente. E' leve, e nao aquece muito a ca-
bega.
E' pessimo o uso que a moda occaiienou de
trazer grava as.
Este costme estrsvagante, diz o Sr. Briand,
deve-ae a um regiment de troatas, que deram a
primeira idea na Franga em 1660.
E quem nao couhecer qae, comprimido o pes-
cogo onde passam tantos vasos e to importantes
nos expomos congestoes cerebraes, e a fluios
sanguneos de cabega ?
As grvalas que trazem os militares, occaaio-
nam-lhei muitas vezes um eagorgitamentp dos
ganglios situados sob a maxilia inferior.
Nos nada diremos do falo em espacial, ao tan-
tas as formas, que mui longo seria paasa-laB to-
das em revista.
A taiga deve ser lirga, e ter suspensorios,aflm
de que evitemos a compresso, que prodaziria a
cintura, compresso que ditflcultaria a respirago
e talvez adigeste.
Tombeos as bajrigas de pernas nao devem es-
tar muito aperladas, sendo certo que a falla de
lembraoga deste preceito dara origem as ulceras
e varises.
Fioalasente, o calcado deve ser leve, mas so-
lido e usaremos com proveito dos zapatos no ve-
ro e das botas no invern.
O calgado de gomma elstica obst a que os
pis sejam molhados pela chuva, mas tem o in-
conveniente de impedir a sabida da transpirago
cutnea para o exterior.
Os tamancos constitaem um calgado desen-
gragado, mas excellente, e qae nos nlo po-
deriamos recommendar seno as pessoas do
campo.
O vestuario da no uta deve apeaas constar de
urna camisa.
E ha um mu habito, que nao deve deixar-se
conlrahir mxime s creangas e que consiste em.
cobrir a cabega de noule.
Em resumo e como regra geral, nos queremos
vestidos largos e recommenaamos sempre, que
se evite a compresso, a qual, exerceriam es ves-
lidoa eslreitos sobre o nosso corpo. Tambem
esta idea do distincto hy^ienista de Montpellier.
o qual na sua excellente hygiene therapaulica,
quo nao nos cangamos em ler de continuo expoe
estes principios, com que muito nos confor-
mamos.
vel corpo de hespanhes reunido em Ayarnont in-
tenta invadir e Algarve, sem qoe o consiga, ao
puso que a primeira diviso do exercito fraocez
composta de dezoito mil homens, essombra tam-
bem oessas frooteiraa por Cidade Rodrigo.
O peosameoto desta vergonbosa lovasao de-
xoa-o D.Carlos IV escripto no prembulo do di-
to tratado de allianri com a repblica fraoceza,
00 qual bem claramente o expreasa, dizeodo :
c e nao me retirarei do combate sem que esta
provincia (Portugal 1) volte posse do tnrono qae
occapo.
Foi o tratado de Badajoz de 6 de junho de
1801, que pz termo ousada preteogo do rei
da Uespanha ; e foi em virlude deste indigno
tratado, annullado como muitos oulros pelo
Manifest do principe regente, datado do Rio de
Janeiro del de maio de 1808, qae a Hespanha,
contra todos os principios da jusliga, se arrogoa
o seohorio da nossi praga de Olivea^a, sea ter-
ritorio, e povos desde o Guadiaoa.
Foi em virtade de outro tratado, assigoado em
Badajoz no mesmo dia e anco, que Portugal leve
de pagar Franga quioze miibes de libras lor-
nezas.
Foi em virtade de outro monstruoso tratado,
assigoado em Madrid em 29 da selembro de
1801, qae Portugal teve de pagar a Fringa, a ti-
tulo de indemoisago para as despezas da gaerra,
mais viole milhes de libras tornezas I
Nao tratando agora da descripgo das conside-
rareis ruinas que ento soffreram aa nossas po-
voagea ds Juromenha, Arronches, Portalegre,
Caslello ;de Vide, Barbacena, Cimpo Maior, Ou-
guella, e muitas outras, nem da enumerago dos
grandes sacrificios a que esta guerra levou o in-
feliz Portugal, aproveitamos com ludo o onsejo
de deixir aqui urna memoria dessa poca de
sangue e de torpezas, a fim de que a ligo destes
to lamentosos aconteciccentos nos tenhs sem-
pre em devida prevengo obre qualquer ligigo
que por parte de ll'spanha
posta.
E' preciso que todos nos lembremos, queqaan-
do esta invaso se operou em Portugal, eslava
vigorando um tratado da amisade e illianfa en-
tre os dous reinos ;.
E' preciso que saibimos rejeiiar com decorosa
dignidade quaesquer Iigegoes, que posfim no
presente, ou 00 futuro comororaetler, ou arriscar
a independencia da nossa patria.
E' preciso quedado o caso de nova tentativa
CAMPANIIADEROUSSILLON, E INVASO HES-
PANHOLA EM PORTDGAL EN 20 DS MAIO
DE ISO!.
A historia do passado sempre ums grande li-
gio para o presente e futuro das nagss ; nuil pa-
ra que esta ligio aproveite aos povos, curapre
renavar-lhes na lembraoga, tanto os seaa das de
gloria, como os de sua desventara.
Poudo de parla a qaesto poltica, de que j
oos tamos oceupsdo, diremos com lado um r-
pido esbogo histrico da campanha|doRoussilloo,
e di iovasao que accommetteu o nosso Portugal
00 aono de 1891, a Um de que, avivada a me-
moria de urna poca tao nefanda, os povos e os
governos saibam estar de preveogo contra o peo-
sameoto de urtido ibrica, que tantas vezes abi
tem surgido rejuvenescendo as velbaa esperangas
do oovo fronteiro.
E' o deseoho, posto que imperfeito, de duas
pocas dislinctas, formando um contraste tarobom
distincto, que pretendemos elaborara largos tra-
gos, para que por elle fique beni aensivel o espi-
rito de dominagao que sempre tem animado a
Uespanha contra as nossas liberdades polticas,
apesar dos mais sigoilicativos e sinceros tratados
de paz e mutua alliinga existentes entre as dais
monarchias.
Qeando em 1793 a Frang republicana, a Fran-
ga de Robespirre, Dantoo, e Man, derramava
com a mo sacrilega e feroz o saagee dos reis e
dos povos, ria D. Csrlos IV de Hespanba araea-
01 las as suas immunida les, achando se envolv-
do n'uma lula sanguinoleoia e brutal contra to-
dos os principios dt rato e de Justina.
Neste aperlado conflicto pede o monarcha hes-
paohot auxilio a Portugal contra os tyrannos da
Europa, e a raioha porluguza D. Mana l acode
logo com animo generoso ao aeu chamamenlo de
guerra.
A 20 de setembro de 1793 as praiai do Tejo
embarca, com direcco ao porto e praga de IIis-
las da Catalunha, um luzido exercito auxiliar,
composto de seis .-egimentos de infamara e um
de artilharia.
A este lempo estara a Ilespaoha sendo atacada
pela Catalunha, Aragao e Biscaia.
Chesjado s fraguras dos Pyrinsus coraega o
exercito portuguez a distinguir-se na bilalhs de
combites, restiam ento falos mais estreilos, afim Ceret, em 2 de novembro ; enlra com pasmoso
deque houvesse maior lber Ja Jo nos seas movi-
meotos.
Na cabeg leraram um capacete.
Mas que differenga entre os vestidos aperlados
que elles usavam no lempo de guerra, e aquelles
que todos nos trazemos nimias vezes 1
Que ar imponente e nobre linha am gaer-
reiro I
Nao criticamos, porn, tanto os nossos vesti-
dos porque o uso nos coolemni infelizmente a
irmos com a mola, mas precisamos saber a quaes
se deve dar a preferencia.de que estofo devemos
veslir-noi no vero, e qual se uiar no in-
vern.
Finalmente notaremos qual convm escolher
quando passamos bem, e de que tecido cobrire-
mos as parles doeules, afim de que se achem ga-
rantidas das influencias, alhmosphericas. E
deslea pontos que vamos fallar na occasio pre-
sente.
Sabemos que um vestido tanto mais quente,
quinto elle menos bom conductor do calrico,
sendo que elle obsta a que o calor do corpo sa
irradie.
As materias aaimaes oa vegetaes sao todas
proprias para serrirem confece,o dos ves-
tido!.
Deat'arte empregamoa diariamente 01 forros de
la, de sede, canhamo, lioho, aigodo etc. Oa
veatidoa de la menos boas cou.ductores do calo-
rico lio mais queotes.
Absorvem a transpirago cutnea, e della se
desembaragam pouco a poaco. Excitara ligera-
mente a pelle pelo seu contacto, e produzem am
effeito feliz, regularisando e facilitando o trabalhe
desle orgos.
Devemoi, pois, emprega-los mxime no in-
vern.
Ai peisoai, cuja saude algum tanto delicada
fsro mui bem na usaoga da la e da flanella.
Tambem as meiai de la aproveitiro tobre modo
a todos os individuos sujeitoi as heniocranias,
eodo certo que, antretendo o calor nesta extre-
midade doa mesabro inferiores, attrahem o aan-
gae, e lirram a cabega, oque preserva de maitai
molestias.
Nao tambem indiffereate a cor doi ves-
tidos.
Eosina-nos a physica qae os eorpos brancos
reluciera o calor, e nao o absorvem ; e qae os
eorpos aegroa, pelo contraria, o absorvem e nao o
reflecten.
E que concluio ae infere dess nosso acert ?
Que devoremos para o iaveroo escolher a c*r pre-
ta, e para o vero a branca.
Recommeodaremas a loda ai pessoas, mxime
s qae se antregam i grandes trabalbos muscula-
res qae usera vestidos largos.
A blusa para as pessoas do campo um vestido
mui commodo.
Tambem grande a imprudencia am mudar re-
phmtaima de Alexandre Da ajas, e tambem sio
"I"? """'' irruir, porqae. Wenlifi!
$!...". i* d0 Pqno cont, entrelaga-
....v,inVl m muU d8S "". "Peni
tlgoei, mythoi e usaog.s q subsisiem ainda ho-
je ni memoria do nono povo, q ",," J
assim d.zer, a parte mal. verdadeira e caWteris-
ticads poesa da nosss terrs.
fo posara pois ser mais ioteressanle e ene
rodala obra, nem mais popular de feirao
A sua leilura deve-se afoitamente rco'mmeo-
dar, tanto maii porque a liogaagem, aempre sn-
gala e amena, ponugueza de lei.
Neohum leitor de bom gosto deixar portanto
de querer possair ara exemplar drsisi lindas
Tradiccdei e Phantasias, que, para em tado cap.
tivirem a atteogo ahi correm j impressss cota
esmerada nitidez.
No lugar competente acharao os carioioi del-
tas boas novas.Iliterarias o respectivo aanaoco.
EXPLORAgOEs NA AUSTRALIA.
Refere o peridico madrileo El Pensamiento,
que na sociedade geographica de Inglaterra foi
lida urna relago curiosissima das ullimaa explo-
rares realhadsa no interior dessa inmensa e
quati incgnita ilba da Australia, quasi to gran-
de como o continente europea, maa da qual
apenas oceupada urna parle insignificante.
A partida exploradora sahiu da Australia do
sul em principios de margo, na direegao de No-
roeste, como proposito de atraressar a ilha. No
seu andamento, em vez de encontrar um deserto,
comoprssuppunham os gelogos, deparou com
urna frtil regiao, baobada de nameroioi ros, a
cobsrta de verdura, sendo o terreno pouco ele-
vado.
A qaatroceclas milhai atrav3Sou urna grinda
ao corago da
peqseno monumen-
to encerrando ums garrafa, denlrc da qaal foi
langada urna rehgao escripia de todo o aconte-
cido at ali : sobre o monumento foi logo arvo-
rada a baodeira iogleza,
Tudo isto succadeu no mez de junho. Coae-
garam entao os trabalhos. O terreno a presen ton
em parte difllculdades ioiuparaveii, e foi preci-
so por isso tomar urna direegao mais ao este. Era
aquello slo de natureza arenoso, eeacago c'agus.
nos poasa ser pro- serr*. e chegoa sem diCucu4dade
Australia, onde coostruiu um peq
de conquista, "saihimos combater os nossos mi- NS "&** nlraes havia palroairas. Al aqu
migos como portuguozes, e raorrer como espar- ; P01* too C,K, ers Plsn:> > porm mais ao corle
taos I l-Vl! apartida exploradora de alravessar cordi-
Em 1838 dizia o principa regente no lea j I "?1"' de moniaonas, qae formavam ralle fe:-
mencionado Manifest : I "**> fr varios nos. Descobriu-se 'al ou-
Sua alteza real rompe toda a communicago lra motitanha, e mais Ierras elevadas.
estera SSS i ropo^Vd^aT."^ | ES!*"** *""* qU"d ""
de fundo, e 01 preceiioi de moral ao eareuo
desalinharado de urna norelia popular.
tagoes.
Deat'arte, quando amos aioda no fim do in-
| remo 01 vestidos quentei, os quaes pede eata ei-
Havia com ludo um obstacalo a vencer; havia tago, nao conveniente mudar n'um dia o res-
uma elssii qs ainda nao aubacrevia para eata tumo, o pinar da uto de um vellido espesio e
diaradaeao dai lettras e das stieopin. HavU ajenie, pin outro leve e freno ; seria espormo-
denodo no combate de 7 da dezembro, em que
foram tomadas Fringa as bateriaa de Villa-Lon-
ga, que faziam frente ao campo da Trombata ;
concorre com vigor nao menos as cuso para a
tomada de Binhuls e postos adjaceniea de Por-
Vendre, Ssint-Elme, e Colibre ; remtanlo as
victorias daqaelle anno com fazer encerrar oini-
migo na praga e cidalella do Perpinho.
Em 1794, perdita em 17 de novembro urna
acgo, em que ficou prisioneiro o 1* regiment
do Porto, pela intrepidez com que pretenden re-
frear os impetos ao ioimigo ; perdida ne dia 20 a
sanguinosa batalha de Pons-Mollius, e perdida
timbera a praga de Figueras, do que resultou ter
o exercito combinado de recuar at Gerona, fies
aberto aos francezes o ioterior da Catalunha, e o
territorio hespanhol iodefeso al o Ebro.
Estas adveraaa circamstanciaa levam os hespa-
nhea a evacuar o caslello da Triodade a 6 de
Janeiro de 1795, bem como a 2 de fevereiro a Sa-
rnosa e j citada praga de Rossss.
Nao viudo quem desta praga de guerra a con-
quista das armas fraocezas, o exercito portuguez
principioa a operar na ofTenaiva.
Os revezes de lio crua e porfiada contend nao
lioham ainda podido abater o aaimo dos nossos
guerrelros.
Os bravos portugueses do Roussillon, querendo
viogar as pregas de Heepanha ento veocidsa,
voltim suas armas cootra o territorio freraez, to-
mata Belver, e Paig-Cerda no dia 26 de julho do
mesmo anno, e coaqaistam a Sardeoha.
Em frente do tratado de paz de Baaiioa entre
D. Carlos IV e a repblica franceza, coanm os
triumphoi glorilos das armas portugoezas.
Narrados rpidamente os auecessos maia nota-
reis da famosa campanha do Roauilleo, como se
Gcoa chamando, emque Portugal tantos serrigos
prestou nago bespaohole, invocemos agora a
atteogo de todos oa porluguezesssobre o agrade-
cimento com que poaeoa annoa depoii a Hespa-
nba noi correspondeu.
O monarcha hespanhol, ingrato aos beneficies
recebidos, deixando-aa levar da va promesas
que Napoleo lhe fizera por ioterveogao dos ce-
lebres traidores D. Mano! Godoi a D. Eugenia
Izqaeierdo, de o elevar ao ltalo de imperador
las duas Americas, nao duvida manospreaar a
eonvmeo provisional de Madrid de 15 dejulko
de 1793, conveogo de amisade e mutua allianfa
entre as daas coroas da pennsula, em virtade da
qual fra to aaxilisdo eoalra a Franga l
Faiteado assim i f dos tratados, D Carlos
vae aioda mais Ionge com o sea ardil tr'ieoeiro ;
pois celebra em Madrid em 29 de Janeiro de 1801
um tratado de allianga com a repblica franceza
para a occapago de Portugal, pelo qual declara
a guerra a este reino, sem o menor motivo plau-
ivel, em 28 de fevereiro do meamo anno.
Em 20 de miio transpe o principe da paz, D.
Manoel Godoi, as portas de Badajoz, e entra no
territorio portuguex, frente de vinte e cinco
mil homem contra a praga de Eiras, que lhe re-
siste al o fim, governada pelo tenenie general
D. Francisco Xavier de Noronha.
com a Franga ; revoca lodos os membros da sua
embaixada, se alguns ainla al ti houver ; e auto-
risa osaeua vassallos para fazer guerra por ruar
e por trra aos vaisallos do imperador doa fran-
cezes.
vigor todos os tratados que o imperador dos Trn-
celes o corapelliu a concluir, e particularmente
os de Badajoz e de Madrid do 1801, eode Neis-
tralidade de 180.
E'ta era a lingoagem do monarchi portuguez
em 1808, porque Portugal ainda posiuia urna es-
quadra respitavel ; mas sa hoje nao podemos
declarsr guerra a nenhumi potencia, podemos
comtudo prpeaver-nos a estar alerta para '.de-
fenlermos at ao ultimo extremo ajintegridide da
nossa trra.
(Joa nago pode estar abatida e pobre, mas
quando s suas fronteiras assumarem o roslo
seus inimigos, deve ir espera-ios com erran na
mo.
ma nago briosa nao deve morrer srenlo de-
pois de estar amortalhado na saa bandeira o ul-
timo dos seas filhos I
NO VOS BOIS NA EUR9PAr
Em alguns paizes onde s sciencia agrcola se
acha em grande desenvolvimento, l-.-m-se mais
ou menos tratado com particular esmero da cra-
go dos bois eapurameoto do suas ragas, a Ira
de se tornarera melhores servidores doi homens
e dos campos.
Agora trata-se de dolar a Europa com urna
nova raga dd bois, os quaea alguns peridicos
ho recommeodado como uiiiisaimos para os
mistares da industria rural.
E' na Australia que ao present se trabalha em
notavel escala para multiplicar s-quella raga bo-
vina, sendo o Iheatro deste j bem ensaiado ex-
perimento as margeos do Jarra.
Servio do para a padreago os bois de Kensing-
lon, todo o intuito noste empenho (s pois como
dissemos, dolar a Europa com urna excelleule
raga de bois salgados.
Em Inglaterra j conhecido e apreciado o
famoso boi australiado.
Coido porm so diverjas ai circumitiociis,
segundo os lempos que iraperam no rgimen da
sociedade 1
Hoje, apesar mosroo do numerse mschioismo
destinado s funeges agricolaa, o boi tratado
com eslima e cuidado pelo homem que vire re-
diado nos bragos da nalureza campestre, em-
preando todos seus esforgos nos lavores da tr-
ra, ou por aquelle que no sea gabinete investiga
e estuda todos os das luz da sciencia o muios
de desenvolver sa riquezas ds agricultura.
Entre antigos povos pagaos, o boi era urna das
mais usadas victimas nos sacrificios-; e assim
folgava e servia oa seus falsos dolos a cga gen-
tilidad?.
as festis publieas consagradas a Gybole eram
sacrificados alguns bois, porque era creoga en-
to, que lora esta 'iuifade que tinha ensiaado
ao lio me ni a arte de domar aquelles anima.
A Neptuno eram sacrificados touros negros,
como para syrabolisar com a braveza dellea as
tempestades do mar.
A Jpiter chegaram a sacrificar sem bois, c^ia-
mando-se hecatombas 1 eates sacrificios ; e egual
numero saenficavam os lacederaonios era hoora
de cera cidades submellidas' sua jurisdigo.
Em muilissimos oulros sacrificios ligurava
egualmeote o boi como victima das testas.
Mas j mesmo nesses lempos, que vo longe,
esta demasa era condemoada por um dos maio
res philesophos conhecidos ; pois refere Plutar-
co, que Soln prohibir as suas leis esse bratal
attenlado contra a vida de laea animaes, lo
uteis e indispensaveis para os trabalhos da la-
voura.
A este viam-se indicios no atrzosphera de grao-
de rolume de agua, cerno se mais alm honvera
um rastolago ; porm uo foi poiaivel proseguir.
At ento os exploradores nao tinilam encon-
trado indgenas, mas naquelle ensejo apparece-
ram elles em chusmas cousideraveis, e como hos-
til atlitude, apt>zar de todas as demonstraris
amigareis que pelos posiireis meios lhes enoi
significadas. Dando aasim de envestida centra a
partida jezploradora, oram postas em fuga a liroa
de espingarda.
Dada eata desagradavel occrorencia, pela qual
viram os exploradores que maia nao podiam e7an-
'.'ar, voltaram com mullo ssntimeulo, chegirvd:;
ao pon:o d'onde baviam partido no mez de 03-
tembro, lando percorrido duas mil trezentas mi-
Ihas em aeis mezes e dous das.
De todo este eipago percorrido apenas haveri
urnas sessenta silbas esteris e arenosas, eucon-
trando-se aMm de tudo isto ora 7arioi sitios vi-
sireis indicias da grandes riquezr-s mineraes.
MORTE DE UMA ACTRIZ,
Em Bordues morreu ha poucoa dias urna jerez)
actriz em consequencia de urna lofercal asaetea-
da com que foi recebida na occaaio de se apre-
seniar em icena.
Tal fei a impresso que aquella infelit: artiola
recebeu 1
O juiz de paz de Bordeas eoodemnou pena da
prlso e ao pagamento de urna multa rarioa
mancebos dos que mais so tioham distinguido na
arle de assabisr.
Nao ae refero o nome da defuncta actriz.
NOVO COMETA?
O director o obserralorio de Roma, o paJrs
Secchi, publicou a seguiote noticia com relago C.
desenberta de um cometa.
: Hoolem coste, 26 de julho, padrs Roas
dessobrlu um couiuia na Kuusiellago da Irafa.por
volts das dez e meis. Fizeaos em seguida umz.'
observago, que deu a posigo segaicte :
Tempo medio de Roma, 11 horao, 50 minu-
tos 0.6. Ascenso directa do cmela, tince ho-
ras, 36 minutos 5,69.
a Ceclinago boreal, 70*, 9, 43. 7. Movimen-
to horario em ascenso directa 1 segandoi.
Este cometa parece bastante peruano, redon-
do e mui concentrado, mai o seu foco mui vivo
e deixaver urna nek'.osidide assaz difesa, de ans
tres grus de dimetro, que maier na direcgo
do sul. >
a A saa forma faz suspeilsr que seja este o c-
mela qae foi vislo em Maraelha por Texgpe- 00
principio de julho, e que at o presente haviamos
buscado inulilmente. O cmela teria feito em
tal caso uraa marcha mui estranha, pois que es-
de Capiope haveria ido edali retrocedido aua
actual posigo.
a Ulteriores observegoes nos dardo a conhocer,
se este o que j foi vi3io, ou outre quo- pela pri-
meira ve: fosse agora observado.
BIBLIOGRPHIA.
Recebemos e agradecemoi o opsculo do Sr.
Pinto de Almeida intituladoA verdade do chris-
tiamo e a sua iofiaeoeii.
Apraz-nos ver que neste tempo da lata em que
o espirito impo e desmoralisador langa mo de
todos os meios e de todaa ai armas, para aticar
a religio catholics, alluir os alicercea da egrejs,
dispersar o rebanho dos fiis apparega na liga
maia um campeo da cruz.
O autor do opusca'10 comprehandeu que a mis-
sao dochristo uo nicamente pralicar o bem;
mas tambem procurar que os oulros homens o
pratiqsem, avisando com o conseibo ao que traas-
viado vae mostrando-lhe o ficho de luz qae des
de o calvario, atravez dss tempestades das pai-
xes nos moslra a verdadeira senda, quo nos sal-
var da perdigo.
Tragando o seu-quadro o autor pee em relevo
o estado da sociedade romana rica do laxo de
urna ci vi lisien o barbara e disaolala, originada tan-
to do fanatismo da ignoraccia como da um ma-
terialismo lho de ama sciencia qae mostrando a
falsidade da idolatra destaja as craagas sem re-
velar a verdade ; depois mostea Iransformago
que a creara christa operou nesta aociedade
aabstiluindo- & palavra de Deas a vaidade dos he
meni.
A largos bragos deacreva a luta da verdade
chriata victoriosa da idolatra com a heresia a o
Iriunapho brilhsote do christlaaismo contra atas
creagoes do espirita do erro.
kouvamos o eseviptor por ter eicolhido to in-
tereaaaote assumpto, para comegar 01 leui ts-aba-
lhoa contra aqusllea que o acepticismo e a-impie-
dade levam louca empresa de procurases apa-
gar a obra divina.
OBRA LITTERARIA.
G Sr. Jos Mara de Aodrade Fazreira, autor
de varias obraa, e escriptor assaz conhecido, aca-
ba de apreseatar mais urna interessante produccao
do seo fecundo talento.
Referimo-nos a am livro recentemenle publi-
cado aob o titulo deTradiegdea e Pbantasiai.
elle lirro, como diz am proipecto que Vemoi
vista, coma colleeco de pequenoi cootos, co-
mo os appetece hoje o gosto lgeiro da nona lei-
lura, apela maior parta composta de iradicgoei
populares, de lenJaa poetitadas pela imagioago
aupersticiosa, ou de simples narrativas qae par-
ticipio), ao mesmo lempo, da historia e da Qcgo
iotrodaxida por algum episodio romanesco
c E' urna leitara amena, distrahida, attractiva
Ao meimo peloi aasumptos que tanto se combinara com a
tempo mais Irea columnas marcham urna contra' nossa ndole penioiulsr, poia to impiradoi por
OliveQga, outra contri Juromenha, a tereeira essa mesma ndole. Pde-sa afflrmar que am
acjbrij Campo Maior. Fiaalajente, qig formida- livro para ler e para. acUnar, como os Mil w
SEBASTIO ERARD.
O dia 5 <3e agosto fo: de triste, mai gloric-ss
memoria para os fabricantes de pisaos e pars os
proressores deste tao bello instrumento I
Ni lerga-feira fez justamente trine e um anaos
que faileceu o grande Sebastio Erard d9iwodo
comtudo, o aeu nome, eternaa e gratae reeoda-
gei para todos aquelles qee presara a arto to
dignamente desenvolvida por elle,
Eis aqui urna breve aoticia biographica a ros-
peito deste celebre er'.Wis.
Sebas'.iao Erard nasceu em Slraabourg-em 1752,
onde recebeu ama excellente instructo eollegial.
Dedicaodo-se depois 5 arte de .'abricar pianos
apresentou no aono de 1768, em Pars, o seu
cravo mechanico inventado e construido por elle
para o gabinete de carioaidades de Mr. de la
Blanehcrie; depois, habitando c palacio da du-
queza de Villeroy, onde fabrico o seu primeiro
piano, chamou para junto de si aeu temi Jo3o
Baptista afim de estabelecerem urna lastica na
ra de BourboD.
O primeiro privilegio que pedia foi assigoado
por luis XYl, em i de fevereiro de 1785.
Desde o comego, lograram logo os sous instru-
mentos tal nomeada, que Maris ntoinstte foi em
propria pessoa encommendar-lhe uta < piano-
orfxnisitranpo$iteur com dous teclados^,
um para o piano e oulro para o orgo.
Ps!o mesmo tempo, substituid o machinismo,
vochels at ento usado ao- fabrico das
harpas, pelo machioiamo chamado fourchei-
tes :> o que ap3rfeigoou complelcaaente o ^cm.
desle inslramanlos, eolio muito em voga.
Depois destes importantes trabalhos, Erard en-
tregou a admtnistrago da fabrica a aeu irao e,
foi desde 178d a 1796, fundar um novo estbele -
cimento em Londres, e, em 1794, invenlou era
Inglaterra a harpa de .simples movimmlosv*
Voltando a Paris depois do nono thermidor, abi
fez fabricar os primeirospianos ^uane e & ecKtm-
pement.
Em 180S, Sebaatio Erard roltoa a Londres
onde ioventou a harpa demovimentos dobraios e
de sete pedaes melhorameotoa tasa qe deram a
este instrumento todoi 01 recursos harmnicos.
Na primeira expoiigo, em 1819, o jury desti-
nou a madalha de ouro para Erard-^Zrmos; na
de 1823, Ssbastio Erard apreaentou o seu piano
d double *chapptment a e obtere a repetigo d'4
primeiro preasio ; depois n* exposigio de ISi/
apresentou o orgo a elavier txpressif \".
tingando tereeira medalha de oaro e receh&ado
ao mesmo lempo a cruz da legie de honra, com
a eneommenda de am orgo para a cipe'ja das
Tuillerics. Este magnifico instrumento oi feiVa
pedagos quando tere lagaj a tnvaso do palacio
em julbe de 1830, no momento em qat eslava
para se calloear.
Foi esla a ultima obra do maior dss manufae-
tores daitei instrameotos.
Sebistio Erard morrea ua sus quinta de la
Muittt, em 1S:)2, tendo de edado 69 annoi.
Morrendo, elle e seu irao, ambos deixanm
felizmente muitos e nobre succesiore, taei como
Her, Bianchet, Boiiselol, Bachmann, Bord e
Eriegelstein, em cojas raios a arte tem ainda
pregredido mais; o que tambem lhes prometa
immortal comeada.
Vocaieu i
PERNAMB UCO.-vcTYP, DE, F. 5* F. 4 |BflOs

.
I
i
I
*i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN768F6XR_DBMNX1 INGEST_TIME 2013-04-30T19:52:55Z PACKAGE AA00011611_09607
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES