Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09606


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AIIO niVIII. IHIE10 199
Ptr tres aezesadiantados 5|000
Ptr treiaeze vencidos 6$000
SEXTA FEIRA 29 DE AGOSTO DE 1811
Por ido adantado 4 9$000
Parte franca para a ubscriitor
E^CARREGADOS DA SUBSCR1PCA0 DO NORTEi
Pcrahyba, Sr. Antonio Alexandrlno do Li-
an ; Natal, o Sr. Antonio Marque da Silva
Araeaty, o Sr. A. da Lomos Braga; Cetra o Sr.
J. Josa da Oliveira; Maranbao, o Sr. Joaqaim
Marquea Rodrigues; Para, Manoel Pinhairo &
C; Amazonas, Sr. Jeronymo da Goata.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
Alagas.oSr. CJaadino Pilso Das ; Baha,
o Sr. Joa Martina .Vives; Rio da Janeiro, o Sr.
Joe Partir Martina.
PARTIDAS DOS CORRE10S.
Ollnda todoa oa dlaa aa 9 -, horaa do dia.
Iguarass, Goianna, Parahyba ai aagmndaa
aextas-feiraa.
S. Anto, Bezerroa, Bonito, Carura, Altinbo
Garanhuns as targat-feiraa.
Pao d'Albo, Nazarath. Limoairo, Brejo, Pos
qaeira, Ingazeira, Floraa, Villa-Bella, Boa-Viata,
Ouricary a Ex naquai tae-feiraa.
Cabo, Seriohem, Rio Formoao, Dna.Birrelroa
Agua Preta, Pimonteiraa Natal quinta feiraa.
(Todoa oa corraioa parlem aa 10 horaa da manha
EPHEUERIDES DO MEZ DE AGOSTO.
t Qaarte craictnta aa 2 or 15 annaio da
tarde:
9 L i chala aa 7 horas a 12 mnalos da man.
PARTIDA DOS VAPORES COSTBIR03.
Para aui at Alagoaa i & a SO; para o aorta
at a Granja i 14 a S9 do aada anez.
PARTIDA DOO 0MHIBU3.
rara o Recite: do Api/meo s 61[2, 7, 7 1,*, 8
e.8 1|2 da m.; ale linda a 8 4a aja, o 6 da t.; de
16 Qaarto mingaanto a 5 horaa o 5 mtnotoe d Jal0at*o is S 1|2 da m.; de Caxang o Yanta
tarde.
S4 La a n o y a a* 6 horaa o
mlnatoa 59 da tarde.
PREAMAR DE HOJK.
Prlmolro 7 hona e 42 mlnatoa da manha,
Segando aa 8 horaa e 6 mlnatoa da latde.
a 7 da aa.; de aTem/tca s 8 da m.
to Racife : ara o Apipueos s 8 1|S. 4, 4 1)4,
4 1)2, 5, 5 1)4, 5 1|2 e 6 da t.; para linda ia 7
da a>. O 8 l|2 da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caxang* Varxta a 4 1|2 da t. para 'mAc
aa 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBLNAKS DA CAPITAL.
Trlbanal do eommercio : eegandaa e quintas.
Rtlaco: taren o aabbadoaa 10 horaa.
Faienda : quintaa a 10 horaa.
Julxo do eommercio : eegandaa ae molo dia.
Dito do orphoe : torgas o aextaa a lOheraa.
Primairirara do cyoI: terga a extaaao malo
dia.
Seganda Yara de cvel : qaarln aabbadoa l
hora da tarde.

DAS DA SEMANA.
25 Segunda. S. Lab rei de Franca f.
6 Terca. S Zeferino p m ; S C-miiancis xa.
27 Qjarta. S. Jos de Calasen; S. Euthalis Y,
28 Quinta. S. Agotdbbo b. doutor da ogrej.
-20 Sexta. Dcgiilacao de S. Joo Baptiala.
30 Sabbado. S. Rota de Lima y. americana.
31 Domingo. S. Ruymuodo Nonato b. card.
ASSIGNA-SE
|no Recife, em a livraria da praca da Tr. depon-
ajmala ns.fi a8,doa proprietariosMaaosl liaitl
Iroa de Parla 4 Filho. *
PMTI OFFICIll
60VERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do da S6 de agoste de
lh>S8
Onicio ao Exm. preaident da provincia da Pa-
ralaba.Opportuoamente aero enviado para a
edrte do Rio de Jioeiro os ofllcios que para le-
rem este deslino acompanharam o que V. Eic.
ira dirigi em 25 do corrate.
Dito ao commandante daa armas.Passo as
tuet de V. Exc. pira ter o conveniente deatino,
a inclusa goia das duaa prscas do 2* batalbao de
nfantaria que foram at a provincia do Cear es-
collando utn preso de jualica cujaa pracas che-
garam lioje ao vapor Jaguaribe.
Dtlo ao meamo.Sirva-se V. Exe. de infor-
mar acerca do que pede no incluso requerimento
o ex-cabo de esquadra Sotero Poreira da Fon-
CSCa.
Dito ao mesmo. Segundo participou-me o
Ezm. presidente da Parahiba em officio de hon-
tem datado sob n. 4890, o deaertor Carlos Bar-
bisa dos Santos de que trata o meu officio de 17
de julho ultimo oi capturado no dia 23 de ju-
Dho ultimo, o que communico V. Exc. para seu
conhecimenlo.
Dito ao inspector da thesouraria.de trenla.
Du eonformidade com o que solicitou o brigtdei-
ro commandante das armas em officio de hoo-
:?m datado, sob n. 1629, sirva-se V. S. de expe-
dir auas ordens allm de que o destacamento de
um inferior e quioze pracas de primeira linha
que seguio para a Tilla de Pi d'Alho, seja pago
dos respectivos vencimentos pela collectoria da-
quella villa.
D.lo ao mesmo.Traoamitto V. S. para os
flus convenientes as inclusas primeira e segunda
v.as das coutas da receita e despera do hospi-
tal militar desta guirniQe, relativas ao mez de
julho prximo nodo, bem como a copias do pa-
recer da junta militar de saude que exami-
no as.
Dito ao mesmo.Pode V. S. conforme indica
ca a informaco de hontem sob n. 805 man-
dar pagar ao alteres Joaquim Pedro de Reg Bar-
ros, a quaolia de 163000 de forragem para urra
besla de bagagem na viagem que fez de Villi-
Be.lla Tacarat, e dalli a Piraohas, cando a
Je 22J000 que despendeu com a condurao de
ardameolo e freto da canoa que o transportou
le Piranhae a Penedo para ser aalisfeita quaodo
houver crdito. Para esse Ora devoivo V. S.
os papis que vieram annexos a predita iufor-
macao.
Dito o mesmo.Nos termos d sua informa-
rlo de hontem sob o. 806, mande V. S. pagar
ao capuoCindido Leal Ferreira a quanlia de
2CJJ0UO a qje tem direito por haver apreseotado
na qualidade de recrulador nesta eapitil um vo-
luntario para o servico do exercito como ae v
dos documentos que devoivo.
Dito ao mesmo.Para os devidos assenta-
mentos remeti V. S. a flliaco dos cmelas
Amonio Francisco de Oliveira, Jos do Reg e
Jos Raymundo, engajados para a primeira,
quinta e aexla compaobias do aexto batalbao de
Em vista do que represento Vmc. em seu
oflieio de 20 do crrante, sobre a necessidade de
urna reducco na tarifa destinada aos transpor-
ta de madeiras na estrada de ferro desta provin-
cia, reaolvi nela data approvar provisoriamen-
te a nova tarifa, que acornpanhou o sea citado
officio ; o que communico i V. S. para seu co-
uhecimeoto e execucao.
Tabella a que se refere o officio do Exm. pre-
sidente de provincia.
ESTRADA DE FERRO DO RECIPE
A S. FRANCISCO.
TARIFA N. 2.
3a claaae.
Tabtlla D.
lio de Berln para Turin a nota prassiana decla-
rando o reconhecimento do reino da Italia.
No dia 22 de julho o negocio eotrou em dis-
cusso aa cmara dos deputados prussiana, em
coasequeocia de urna inUrpetlac,io dirigida ao
ministro dos negocios estrangeiros, conde de
Bernstorff pelo partido ultramontano.
Essa interpellago ji se linha achado na ordera
do dia do dia 18, mas o conde de Bernstorff adiou
a sua resposta ata o dia 22 para prevenir a di3-
cuasao na cmara dos deputados pelo tacto consu-
mado.
A interpellacSo censuroa o reconhecimento,
desigoando-o como um aclo de perigoia condes-
cendencia para como principio revolucionario de
tos ulerease econmicos nao poderia abando-
nar a posicao quejulga a mais acertada.
O conde de Rechberg replicou logo em um des-
pacho de 26 de julho. Elle trata de combaier os
argumentos do despacho prusaiaoo ; referilo-se
Qnalmeote ao art. 25 do tratado da Austria com
os paizes do Zollverein de 1853. Nesse artigo se
achava determinado, que no anno de 1860 ile-
viam reunir-se commissarios do Zollvereio e da
Austria para deliberar acerca de urna liga de am-
baa a partea.
Londres,
8 de agosto de 1862.
Devido demora que teve na aua viagem para
o Brasil o vapor Magdalena, troiixe elle para a
Europa urna torna viagam mais larde do que era
esperada ; de modo que j no dia C entrou no
porlo de Soulhamplon com a mala do Bratil do
mez de julbo.
As noticiaa aaoilariaa do imperio viadas por a-
quella paquete e aqai publicadaa foram satUfic-
Yor dessas clanes, e por eoe motivo
ade a r.ioha refenodo-ae ao recente arto do par-
lamento que auturisoa as coaomiss6a de aoccor-
ros pblicos a augmentar o aub.idio doa pobres,
agradeceu o zelo com q-ie a camtra dos communs
bavia acudido a easa oecestidade palpitante ai-
gnicando nesaa parte do discurso real a admira-
raco que elle iuspirava a resignrcao com que
rssas classe operaras tem supporlado o ml que
as afllige. Finalmente referio-ae, no msamo dis-
curso ao apoio pretado pelas forcas ioglezas e
fraoceras ao imperador da China contra oa rebel-
25 O 0 m
a 0 s
5 u >*E ta fj
Das Cinco Pontas e k 9 k
vice-verta. 2 i ; ** w 0 !.
2 0 s. =3 2 at
A fugad us.......... >5ll0 56HO 980 Siut
' Boa-Viagem....... 750 8900 16260 9150
Praieres.......... 15000 I520O 19600 9-200
1 Ponteiinha....... l750 25100 396W 9330
liba............... 25(100 5*00 33200 JJ400
'Villa do Cabo____ 28500 35000 49000 9500
1 Ipojuca........... 25950 38600 45900 962o
Olind............. 33250 <5000 58500 700
TimbO-Aisu...... 39550 49100 69IOH 9780
Escala............ 3j85" 4c800 637011 8860
Frecheira......... 4300 5J40 7*6011 3980
Aripib........... 45500 55750 85OOO 19040
Ribeiro........... 4Jb00 6S200 88600 19130
Gimelleira........ 550H0 65500 99OOO 19190
Cviambuca........ 5/300 69950 956OO 13380
Agua-Preta........ 5*800 714001IO5200 19370
1 Una.............. 5J900 75850 1IO58OO 13560
nacionalidades, e sentindo a falla de garantas curnprimento do dilo art. 25, im programma po-
necessarias para a estabilidade da nova ordem na sitivo de urna liga da alfande'ga entrando em 10-
Haooel Baarqee de Macado, engeoheiro fiscal.
Augusto Dapral, chefe do trifego interino.
Apprcvo provisoriamente. Palacio do governo
de Pernambaco, 26 de agosto de 1862. ai. F.
Gorila.
OBSERVACES.
Uadeiras de consirucfdo.
Pagam 500 ra. por tonelada de 1 a 5
Italia e sobre ludo urna politica compalivel com
a sisleolaco da pax europea, lastimando final-
mente o golpe dado cooscieucia doscalbolicos
prussianos, havendo a Prussia reconhecido urna
polencia, cujos esforgos notorios eram a aoni-
]uilac3o do poder secular do papa.
O conde de Bernatorff respoodau o seguinte :
a que pelo reconhecimento da Italia, a Prussia
nao liaba reconhecido simullmeamente o prin-
cipio das nacionalidades. Que o governo sempre
tomar em considaracao de certa mam-ir, mas
qee nao ora a sua inteiQlo reconhecer o mesmo
principio sem reserva. Que se linha reconheci-
do o (acto consumado e nada mais, e que de cor-
to nao poda haver maia duvida acarc de que se
tratava de um ficto consonado na Italia. Nao
era proprio deduzir mais ronsequencias. O rei-
no da Italia por isso s tora reconhecido assim
como exista actualmente, e de nenhum modo se
reconberam quaesquer consequenctas evenluaes
que se poderiam ligar a isso, tendo a Prussia pe-
lo contrario oterposto reservaco positiva a tssi>
respeito. Que acerca daa inteocoea pacificas do
novo estado ae linha recebido declaracoes sti-
15160 factoras do gabinete de Turin e que j era pu-
blico a neta respectiva do gabinete italiano.
tortas ; as commerciae porm participaran! anda
Kssas deliberacoea. diz o dilo despacho, s fo- do carcter de deacoofianc que revestiam as do
ram adiadas em 1860 mas a Austria ainda est, penltimo paquete em consequencia da auspeo- j des. que ltimamente Vroca'ram molataV "o7re~
no seu direito de exig-las. sao de pagamentos efleclead/peio banco de Ter- sidalea inglezes naq.elU imoeriu
A Austria apreseotou agora, como base para o [ nambaco Amorim di C.
Os effeitosdess quebra tem-ae feitosenlir nas-
ta praca, que tantaa relacoas commerciaes eolre-
lem eom o Recite e os jornaea de hontem an-
nunciaram a fallencia da casa Richard Rostron
C, de Manchesler. com um psssivo de quatro
COOtai mil libras esterlinas, successo que devi-
do quella quebra de Pernambuco, segundo an-
dos os delalhea, o o soveroo imperial nao penaa,
que o Zollvereio e a Prussia testa do mesmo,
Ihe poderao recusar com direito de entrar em ama
deliberado commum da aua proposta. Com essa
intimaco, o conde Rechberg conclue o seu des-
pacho.
Entretanto as duas cmaras da dieta prussiana
aceitaram o tratado de eommercio com a Franc,
a cmara dos seohorea unanimenle, o acamara
j dos deputados qasi com uoaoiaaidade a oppo-
sico contava 12 votos, ratificando atsim o
mesmo lempo a recusa da uoio da altandeg
com a Austria. Nao pois, de pensar no sac-
ceiso dos planos da Austria acerca da liga das al-
fandegss e de qualquer arranjo com a Prussia.
E' porm ainda duvidoso, ae a execucao do tra-
tado de eommercio cora a Franca e em conse-
quencia disto a renovarlo das convences do
Z )llverein do anno de 1865 pra diante, nao pot-
sam ser frustradas por isso.
ounciam as mesmas follias.
Entretanto aqu considerado como passaguiro
o pnico causado por aquelle successo, que pare-
ce haver aflectado principalmente as firmas bra-
sileras
Na fallencia da casa Rostroo leve o governo
imperial da soflrer prejuizos de perio de viute mil
libras esterlinas por virlude do saque que do .
Brasil havia realisado contra aquella firma, sea que
que me seja poivel informar qual o acli?o de- '
aa quebra para dar urna idea do quauto vira o
meamo governo a recaperar.
Conata-me que por eala mala alo enviados pa-
ra o Rio de Janeiro o compeleules protestos, e esta
tlm de que o governo faga detles no Brasil o com- i paz.
lal jem geral ludu quaoto aua maflestade 1
raiohajulgou conveniente dizer ao paiz por oc-
casio do encerrameato do parlamento uglez.
Acha-so pois o ministerio Talmarslon livre de
peaadelo das cmaras, e por tanto com condi-
.j- a d axisloncia para ao meos mais seis me-
zes a quanto manta o iolervallo que decorrer-.
enlre o presente encerramenlo e a abertura da
prxima seaso das cmaras ioglezas. (.te in-
tervallo lera talvet o governo bri taaieo de to-
mar a responsabilidade sobre negocio graves era
relacao politica exterior, ae por ventura vier a
intervir com a l"ran;a ua contenda americana, e
se os negocios da Italia tomarem urna Jireft;io
violeulaque obrigue a Gra-Bretaoha a eronun-
ciir-se por um dos lados ; seja porm qaalqu6r
fr a eveotualidada, me parece que lord
Palmerslon bado fazer ludo pela paz, por que
elle bem sabe que s como ullimo recurso que
o puz acceilaria o expedanle de urna guerra. A
Inglaterra carece de exlander o seu eommercio,
vanlagem cousegae ella melhor com s
Al agora ao reato nenhum dos governos do peteotj uso ulilisaodo-se dos privilegios qu
300
200
5 a 10
10 a 20

Caibros.
Pagam 800 r. por ceoto de 1 a 5
600 5 a 10
4U0 10 a 20
Madeiras preciosas.
Pagam 600 rs. por tonelada do 1 a 5
400 5 a 10
300 i) 10 a 20
Ripat.
Pagam 100 rs. por cenlo de 1 a 5
80 5 a 10
60 10 a 20
legoas.

D
legoas.
B

legoas.
>

legoas.

D
A resposta do ministro concluio verbalmente
como segu:
* Nos pensamos que foi o interesse da Prussia
de proceder assim, para manler boas relacoes
com um grande e poderoso paiz como a Italia.
Nao fizemos mais do que outras grandes poten-
ciaa da Europa, com a excepgo daquellas que
tem particulares interesses dinsticos de o nao
faxer.
Quaoto aos sentmenlos e a cooscieacia dos
subditos catholicos de Sua Magostad', eu penao
que ellas nao precitam de ser mais delicados do
que tolos os oulros catholicos da Europa. O re-
nhecimento por potencias catholicas, e a saber
por potencias multo mais catholicas do que a
Prussia j precedes.
O reconhecimento teve lugar com excepcao
de.trea potencias catholicas, que tinham intereases
dynasticos.
A Franca, a Blgica, Portugal, como dito,
todas as potencias catholicas
as potencias catholicas com eiepeao da
As toneladas referidas nesta labe'la sao de 70 Austria e de duas outras (a Ilespanha e a Bavie-
arrobaa ou 105 palmos cbicos em volume. ra) reconheceram a Italia.
Nenhum despacho.ae far por menoa de 400 < Quaoto ae prelenedes do reino da Italia sebre
rs. por menor que for a quaotidade. Buarque
infantarta da guarda nacional deie municipio, a < M acodo.Augusto Uuprai, chele do trafego in- mente; mas pelea declaracons
Rema e Venen, podem tilas
qual pira esse um me foi remeiiida pelo respec-
tivo commandaule superior em officio n. 91 de
23 deste mez.
Dito ao mesmo.Restituo V. S. os docu-
mentos comprobatorios das despezsa feilss pelo
alteres do corpo de guarnirlo desta provincia
lerioo.
Dilo ao juiz municipal da Caruar.lateicado
pelo seu officio de 29 do mez passado, de haver
Vmc. nomeado a JuvencisTaciano Marios para
exercer intarioameoie neaae termo o cargo de de-
positario criado pela lei provincial n. 529 de 6 de
existir theorica-
dadas pelo gabi-
Joaquim Pedro do Reg Barros, na importancia jenho deste anno, tenho a dizer-lha em resposla
de 879840 rs com alugual de cavallos psra dili-
gencias, conluegao de farJsmenlo e de una pra-
ca ferida, e bem assim com o forcocimenlo de luz
pira o quartel do destacamento de Aguas-Bellas
afim de que da quantia de 55820 rs. a que, se-
gundo o exame teito nessa thesouraria, somente
tem direito o supplicaute, mande pagar a de
175820, Upando o restante para ser satisfeito
qoaudo existir crdito na respectiva verba coo-
forme V. S. indica em sua inlormacio de bonlem
sob n- 803.
Dito ao inspector da tbesouriria provincial.
De cooformidade com a sua informago n.457 de
25 do correnle, mande V. S. fornecer ao corpo
de polici para carga e descarga do anetmo, co-
mo aolicilou o respectivo commaadante em offi-
cio n. 257 de 12 de junho ultimo, o livro cons-
tante do Inclaso pedido.
Dito ao mesmo.Mande V. S. fornecer ao cor-
po de polica como solicitou o respectivo com-
msndaulo em officio n. 376 de 25 deste mez, os
di.us litros de 400 (oihas cada um constantes do
incluso pedido.
:to ao mesmo.De conlormliade com a sua
informaco de hontem sob n. 461, dada com re-
ferencia a da coutadoria desia thesouraria man-
de V. S pgar a Jos Joaqaim Teixeira em vis-
ta dos documentos que devoivo, a quautia de
22566O despandila pelo delegado do termo do
Limoeiro cornos reparos de que predsava a res-
pectiva eslea, segundo consta de officio do che-
fe ale polica interino n. 1075 de 14 de julho ul-
timo.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. em vista de
aua informaco de hontem aob o. 45a a mandar
pagar aos empresarios da illuminsco a gaz nes-
ta capital conforme solicitou o chelo de policia
interino em officio o. 1089 de 16 de julbo ulti-
mo, a quanlia de 4289400 em que importa o gaz
consumido com a illumior;o da caaa de deteo-
3o nos meze de abril a junbo deste anno, co-
mo se ve das coalas que devoivo.
Dilo ao director das obras n ihtsres.Autori-
0 V. S. a mandar fazer os concertos precisos
no ladrilho do xadrez de hospital militar, des-
penden Jo para isso a quanlia de 259000 em que,
segundo o seu officio de 22 do correle mez, sob
n. 137, importa esse servico.
Dito ao mesmo.Respoodo ao officio de V.
S. de 22 do correla, sob n. 138, dizendo lhe
que pode empreiiar a execucao dos concertos
de que precisa o ladrilho da botica do hospital
militar, collosacao de um timpo de marmore no
b.lcao da mesma botica e asphallameolo do res-
pectivo armazem tudo pela quanlia de 2119240
segundo o ornamento aanaxo ao seu citado of-
ficio.
Dito ao capito do porto.Faco apresentar
V. S. es recrutss de marioha Aotouio Mar-
tina de Mello e Joaquim Creseencio de Oliveira,
afim de que Ihas de o coaveniente destino de-
pois de inspeccionados.
Dito ao director do arsenal de'guerra.A'vista
do que pondera V S. em sea officio de bonlem
datado, sob n. 230, approvo o contrato celebra-
do coa o raestre do biale nacional Tino, e a qae
alinde o officio de V. S. de o. 224 o dala de 19
do correte, para a cooduc.o daa telhas o oulros
artigas que se destioam ao presidio de Fer-
nando.
Dilo ao desembargador e procurador da corda.
Sirva-se V. S de lnlerpor o seu parecer sobre
a materia dos incluios officios do presidente da
cmara -municipal e o juiz de direiio da comarca
do Lirnoeiro de 9 e 12 do correnle, coa referen-
cia ao juramenlo do 5* suppleote do juiz muoi-
cipil ede orphos nomeados para o termo do
znesfco uorne.
Dito ao commaodaole superior da guarda na-
cional de Nazaretb.Informe V. S. se o alteres
AolooioiTavares de Araojo Snior, que por por-
tarla de 7 de julho Ando e em vista da informa-
co ministrada por esse commando superior em
*S de junho ultimo foi transferido da 4* para a
* eompanhia do batalhao n. 20 da guarda nado -
nal desse municipio 6 o meamo que foi nomeado
para aquelle posto com o nomo de Antonio Ta-
rares de Araojo Sanos, cerno se ved Inclusa
palate que me foi apresentada.
Dilo ao engenheito Bacal da estrada de ferro.
Bkafc.
que a serventa desse officio deve sir posta em
concurso de eonformidade com o que dispe o de-
creto n. 817 de 30 le agosto de 1851 o o aviso
n. 252 de 30 de dezembro de 1851, remelteodo
Vmc. copia do edilal que ahi for publicado afim
de ser reproduzido nasta capital.
Bito ao juiz de direito do Bonito. Inteira-
!o pelo seu officio de 5 deate mez, de haver Vmc.
concedido a Francisco Quinlino da Silva Vielra,
a exoneracao que pedio do cargo de escrivao in-
terino do jury e execec.es criminaea do termo
do Bonito, e nomeado a Manoel Thomaz de Vil-
la-Nova, para o substituir, convm que Vaac.
informe se esse officio est vago, e no caso de ser
posto ara concurso como determina o decreto o.
817 de 30 de agosto de 1851.
Dito ao juiz de direito de Goianna.Inteirado
pelo officio deste juizo de 30 do mez passado, de
haver Vmc. concedido a Beltarmioo Deodato de
Lima a exoneragae que pedio do cargo de escri-
vao interino do jury e execucoes criminses desse
Urmo, o nomeado para o substituir a Antonio
Ferreira de Agaiar Jnior, convm qne Vmc. in-
forme se esse officio est vago e ao caso de sir
posto era concurso, como determina o deereto n.
817 de 30 de agosto de 1851.
Dito ao vlgario da freguezia de Barreiro.
Com a inclusa copia da informaco ministrada
pelo capilo do porlo om 23 do correte, sob n.
111, respondo o officio de Vac. de 16 deste inex
relativamente aos 4 officiaes de carplnleiros a
que se refere o seu citado officio.
Portiria.O presidente da provincia altenden-
do ao que requereu o bacharel Marco Tulio do
Rais Lima, juiz municipal e de orphos de termo
do Limoeirc, resolve conceder-lhe um mez de li-
cenca com vencimentos para tratar de sua saude.
Dita.O presidente da provincia lendo em vis-
ta o que requereu o 2o escrlpturario da thesoura-
ria proviucial Balduioo Jos Tavares da Silva,
bem assim a informaco ministrada hontem pelo
respectivo inspector, sob o. 460, resolve conce-
der lhe tres mezes de licenca com vencimentos
oos termos do srt. 49 do regulaaente daquella
thesoararia, pira tratar de sus saude.
Secretaria do governo de Pernambaco, 26 de
aguato de 1861.
Pela secretaria do governo ao faz publico que
se acha vago e em concurso o officio de escrivao
privativo do jury e exacucoes crimioaes do termo
de Santo Anlo, creado pelo art. 108 da lei de 3
de dezembro de 1811. O pretendentes bajas
de apresentar seus requerimientos Instruidos na
forma do decreto n. 817 de 30 de agosto de 1658
e dentro de praso de 60 das contados dista dat.
nete de Turin, elle pronunciou expresiamenta,
que todos os aeua extorcos a eise rispeito aeriam
(silos uuicamenie na va pacifica o por meios pa-
cficos.
a Ss ha de ter bom saccesso, a historia o mos-
trar.
a Ao resto no acto do reconhecimento salva-
ran) lodos os direitos de leiceiros, e nada fize-
mos pelo dito recoohecimenlo, que podesse de
qualquer modo prejudlcar os saus direilos para o
futuro.
A resposta do ministro foi seguida de ama dis-
tusso mais longa na qual os oradores do partido
ultramontano, especialmente os irmos Rcheos-
perger, deputados por Geldern e Bokum, censu-
rara-h o reconhecimento da Italia la o acerbamen-
te como em favor do meamo vivamente se de-
clararam os Srs de Vinck, Tavesten, Virchow,
Waldeck eSchultz-Delitsch.
S urna coasa lsslimou esse orador, que a
Prassia lardease tanto com o reconhecimento da
liada, appareceudo agura somenle coao segui-
dor das pisadas da Ruasis.
Sobre ludo notareis foram as expresses de
Waldeck, o qual como calholico, julgou dever
proaunciar-se enrgicamente coolra o poder se-
cular do papa, cuja remocao seria urna sgradavel
aciuisico para o calholkismo.
Quanio finalmente diz respeito s reservarles,
debaixo das quaes a Prussia cumpcio o recoahe-
cimeato da Italia, e aobro as quaes se refenram
as declaracoes cima mencionadas do eonde de
Berostorff na cmara dos deputados, taremos se-
guir aqui o respectivo paragrapho da nota de 21
de julho, dirigida pelo gabinete prussiaao ao de
Turin.
'. para nos de imporlaocia todava, que e
Zollvereio se decidi ainda do responder nota
austraca acerca da liga dts alfandegia, uns por- I
que, como a Saxonia, os paizes da Thurioga, 01 ]
demburgo e Badu, j se decidiram em tarar do
tratado de eommercio eom a Fraoc, e os oulros, |
porque assim como se re*ervaram al agora nao ,
hvre para com a Prussia, lao poueo se querem li
gar de antemo para com a Austria.
A rt-speito das conferencias de alguna eitados
allemaea, pendentes em Venoa, acerca de urna
reformada cnostilulgo federal, se ouve dizer
que essas conferencias se acham em estado de
estagoacao. Os estados que tomam parte neasas
conferencias, sao alera da Austria, a Biviera,
Wurtemberg, a Saxonia, o Ilaaover, Hesse Dar-
mstadt, Nassou" e Meioiogen. as conferencias
se lomuo. por base um projecto do ministro de
Darmsiarft, bario de Dalwigk, o qual quer ver ao
lado da coafederaeo germnica urna atsembla
de delegados das dCferenies cmaras da Alio-
manha.
E' cousa muito problemtica, se as caaras
chegaram a qualquer accordo ; desde o priccipio,
porm, podia tomsr-se por cerlo, que qualquer
que fossa o succetso dessas conferencias, neahu-
ma esperanga loria o mesmo de um resultado
pratico.
lado, atPrusia nunca aceitar urna re-
dera! das mos dos Srs. Rechberg, Beust,
"te.; e do outro ladoesses senhores to
m a vootade, ou acham-se no caso, de
t-ousa alguma que nacu podessa acoi-
m aa aaba isso em Vienna, e o principal
confereacias, s de offerecer qualquer
e positivo, para assim dar msior firmeza
j negativa dos respectivos governos em
essjos de reformas da Praasis e da na-
(ao allema.
A primeira feata de tiro da Allemaoha em
Francfort, leve o sea fim ao dia 23 de julho, de -
pois de haver durado dez dias. Foi urna brilhtn-
le fasta da confraternitacao do povo allemo, e
nie faltaro as suas coniequencias polticas.
Grande sensafo causea a esse respeito, o eora-
parecimento o'uma depulaclo da grande maioria
liberal da cmara dos deputados prussunos as
feslas.
orador da deputacio declarou em falla so-
lemne, que a maioria liberal, e coa ella o povo
prussiano, nada quera saber de oacionalidade
prussiana, que ella quera a Allemanha sobre tu-
do, e nunca hesitara, no caso de um conflicto
eventual de interesses prussianos e allemaes, de
combater pelos ltimos.
sislem fazooda nacional em taes circumstan-
cias.
O Magdalena despachou em Soulhamploo S
1,960 em dioheiro alm de varios volumes con-
Sua magestade a rainha conserva-se em Bal-
moral na Escossia, donde regressar s no priu-
cipio do mez de selembro prximo.
De volta a Osborne partir aquella uagusts se-
nlior para a Alemanha, comoj annunciei, ten-
leudo diamantee e algumaa raiudezas. O cambio clonando demorar-ae all at" o outro dia. O
do Rio e de Paroambuco sobre Loodres veio co- i principe do Galles, as princeas Helena e Luiza,
lado a 25 d 3(4 e 26 d ; o desta praca sobre as do e o conde de Riisell, ministro e secretario de
negocios estranaeiros, acompaoha-
Brasil tem sido negociado desla vez a 21 d e 2i d
1[2 por mil ris.
Na minha ultima carta noliciei aos leilores a
emisso de um novo emprettimo portuguez na
so-urna de cinco milhes eslerlinos nomiuae,
estado dos
ras a raieha uaquella excurso.
Sua magestade viajar incgnito com o titulo
de duqueza de Lancasler, lenciooando demorar-
se dous dias em Brjxelas em eompanhia do seu
P'-lOl* j ue
frente dvs de
Qae o povo prussiano sabia qae somente com
a Allemaoha, cerno membro d'uma nago allema
anida, elle podia adquirir garantas de seguranga
para fora, que nao a Prassia, mas sim a Allema-
oha podia ser a grande poleocia allema, e que
por eise motivo, sem reclamar vaotageas espe-
caes para a Prussia, olla se unia ao movimento
em favor da ueidade nacional da Allemanha. Es-
sas declaracoes foram recebiJas com vivo enlnu-
siasmo, sobretudo pelo numero preponderante dos
compaoheiros da testa do sal da Allemanha, e o
povo prussiano fez grandes acquisicoes moraes
na festa do tiro allema. Coma dila depulc,o,
a maioria liberal da cmara dos deputados prus-
bem como aa coudic-as com qae fra oegociado e auaualo lio, o rei Leopoldo, cojo eslaJo de
tambem o favoravel acolhimeoto que aqu encon-
trara.
Hoja posso acrescentar aue essa operarao vin-
gou completamente tendo hsvido pedido para es-
se emprestimo de mais de dezeseis milhdes es-
lerlinos. e achando-ss as sccoes ou ttulos dessa
traosaeco j dividido pelos diversos possuido-
res. Esse fundos coaservara-se a premio da 2
1(4 a Jet 2 1|2 por cada aeco.
O Per, acaba de apresentar igualmente no Sto-
saieiem contideravelmente melhorado.
Allirma-se que dspois desla viagem da sobe-
rana da Inglaterra flear decidido o casamento do
principe de Callea com a prioceza Alexandra de
Dinamarca, tilha do duque de Glucksburg. A
idea deste casamento parece ser popular tiesta
paiz, onde oiitle vivas sympathias pela Di:a-
marca.
O principe Alfrodo achate em Kiel, onde
chegou a borJo da fragata Si. George, havendo
\
ck-Exchaoge um novo emprestimo no valor de S j sido cumprimentado all pelo rei Christiano.
5.500.000, havendo confiado essaoperaco a Mes-
lieurs Hiyword & Ksonard.
A garanta offerecida poraqaella Repblica dos
credores dessas oovaa sommas ser o guano, que
com,o sabido cooititue a principal foute da te
ceita publica daquelle catado.
A empreza baucaria entre Londres e o Rio de
Janeiro coulioi no stala quo, visto como a di-
rectora aqui espera que os seus agentes manda-
dos ao Braail comecem de l as oparacoes bau-
carlas.
E' provavel que oestes dous mezes prximos
tenham j sido iniciadas aa transac{as commer-
ciaes por aquella nova institoigao.
As accoes da estrada de ferro do Ilecife tem su-
bido um pouco depois queescrevi a minha ultima
cirt, fleando nesta data & St 15 e 15 l|2 o que
representa um descont de t 5 a S 4 1(2 por ca-
da acc.ao.
As da Bahia conservara o premio de 6 1 314 a
St 2, e as do S. Paulo o de S i 1$ Est annau -
cudo para 14 do correnle o meetlng em que a as-
sembla geral da eompanhia terreado Recite de-
ver discutir a propoita da directora relativa a
Tem diminuido em Londres a concurrencia das
classes opulentas que aqui tinham vindo de di-
versos pontos da Inglaterra e dos paizes estran-
geiros para visitaren! a exposico internacional ;
mas tem crescldo O numnro om r- i;"! 1 ~ l'.jj
ses menos abastadas que principalmente das pro-
vincias inglezas aflluem aqui para aquelle lira.
Mas deseaseot mil pessoas entrara, diariamente
no palacio de Kensingion Core para admirarem
a riquissima e variada colleccao de objecloa all
reunidos e pertencentes a todas as nsr-'S. As
receitas desta empresa tem nestes ultimes lem-
pos augmentado eitraordinariamoote, eposar de
serera aa entradas a um shilling por pessos, sal-
vo nos sabbados em qae contina a meia cora
ou um oitavo de libra esterlioa.
Neslas circumstancias a graoda empresa inler-
naeional reputada Iriumphante al so o poni
de vista pecuniario; de maneira que podemos
agoirar para o futuro a repello de to extra-
ordinario c til successo.
A exposico dever (echar-se em meado da
outubro pruximo, visto como os expositore e-
trangeiros tem representado que Ibes seria pe-
suspenso dos dividendos at que o governo ira-1 noso conservar alm dessa pocha as suas fa/en-
perial baja resolvido extander a garanta de juro' "
ao exeesso do capital necessario para a final con-
cluso da linha ; e darei conla na minha futura I
mieaiva do que all houver occorrido e que posa
interessar-no.
As chegadas de navios, procedentes de varios
portos do norte do Brasil com destioo a Ioglaler-
eapaehos do dia 86 de agosto.
Requerimtntos.
Bscharol Antonio Raogel de Torres Bmleirs.
Passe portara concedando doas mazos de li-
cenca com vencimentos na forma da lei.
Antonio Gonealves de Azevedo. Dirija-se a
thasoarsria provincial.
Balduioo Jos Tavarss da Silva.Pasas porta-
ra coneedendo a licenca requerida com veocl-
aeotos nos termos do art. 49 do ragalaaento de
8 de agosto de 1852.
Francis'0 Jote de Moraes Silva.Passe porta-
ra coneedendo licenca requerida coa venci-
mentos ne firma da 1.1.
Padre Francisco Pedro da Silva. Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Marcelino dos Sanios Pinhsiro.laforao o Sr.
Dr. jais muattipa 1 da 2* vara.
SIEitH
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Hamaurgro 5 de agosto de 1802.
Desdo o di 21 de julho o reconueeimeolo
prussiano da Italia tambem um fado conium-
mado.
Nesae dia el-rei Guilberme da Prussia receben
em audiencia particular ao conde de Lauaay, at
agora euvisdo da Sardei.-ha na cdrle prussiana
para receber ss suas credeneiaes como enviado
deol-reida llalla, e na aoile do mumo da par-
nosso reconhecimento nao seja interpretado em siena tambem linha enviado um riquissimo pre-
sente, destinado paraum dos premios para os me-
Ibores atiradores.
J fallamos cima das discui6oes na caraira
dos deputados da Prussia acere do reconheci-
mento da Italia, assim como da aceitaco do tra-
tado de eommercio com a Franca. Quanto s ou-
Ira diseuoes, passaromos em silencio, nao sen-
do as mesmas de interesse geral.
A discusso acerca do ornamento militar, as-
sim como se acham as cousas, apene comecar
antea de selembro. Talvez que fique deloogada
ainda mais, porque ltimamente ae falla maito
de um adiamanto ds cmara por trila diaa, e em
relago iso d'uma viagem de el-roi para os ba-
nho de Otlende.
Tambem acerca das diicassoM do Reiehsrath
de Vieaoa pouco temos de referir. O mesmo
leraiaou o oraeaeolu para 1862, em geral com
mu pequeas modificaedes das propostas do go
verno, e adiou-se nos ltimos dia, para come-
r>ar eolio a discusso do orcamanto para 1863.
Segundo se julga esse negocio peder Mear con-
cluido al ios de oulubro e ento aerao chamadas
esa novembro aa dietas dos differentes paizes da
cor, com excepgo verdadedasda Hungra e
da Traosylvania. Os Polooezes e Eilavaooa ao
resto se absteram da discusso e deliberaco acer-
ca do orcaeoeoto de 1S63 no Reiehsrath, atsim
como se abstiveram daa diacustes sobre o do au-
no 1862, e d'essa maneira o Reicbsarth aca-
bar com a mesma discordia e disceogio, com
que comec-ou.
A conferencia dos plenipoleneiarios em Cons-
tanlinopla, por causa dos negocios da Servia, de
qae fallamos oa nosss uliims, com efTeito teve
lugar fioalmenle. A Inglaterra coaaeolio na
meama sob a coodic.10, que as diteusses da
conferencia deviim limitar-se excluiivments
aos negocios da Servia. Do meamo modo a Aus-
tria deiistio da sus reeusa de lomar parte n'uma
contrnela juntamente com um plenipotenciario
da Italia e as primeirss sesses j liveraa lugar
em 2} e 25 de julho. A Franja e a Russia o
declararsm pele remocao do direito de oceupaco
da Turqua na Servia ; contra o que o Porlo pro- |
testou mui enrgicamente, ao messso lempo que
a Inglaterra, como medianeia, propoz a limita-
cao do direito de oceupseo da Turqua exclusi-
vamente sobre aa fortaleza > a retirada dos cor-
pos de guarda turcos das cidades. Paltam mais
noticias. Entretanto reina armisticio na Servia
eeit-sea espera do resultado da conferencia.
P. &.Segunde as ultimas noticias de Berlim
leve lugar no dia Sdo correle a asignatura for-
mal do tratado de eommercio coa a Frt* pelo
goveroo da Prussis: At agora o tratado s linha
si o psragraphado' Pela aaaignalura formal quu
aentido errneo.
O governo real nunca occulton as suas ideas
acerca das ocenrreocias, que tiveram logar na
Pennsula.
O reconhecimento do estado que disso resul-
tou, nao seria por coosequeucia urna garanlia do
mesmo, e to pouco poderia comprebender em si
urna aaocfao sappleloria da poltica, que tem se-
guido o gabinete de Turin.
Anda menos temos a iotenco de prejudi-
car questoes que se referem a terceiros, o de re
nunciar a plena liberdade de spreciaco a respei-
to de eveolualidades, que poderiam modificar a
actual posico das cousas.
Estas reservacoes, como se v nao querem di-
zer muito, e em todo o caso sao mais de interes-
se theorico do que pratico.
Nomeadsmenle nao mudam ellas de modo al-
guna o carcter do reconhecimento prussiano co-
mo recoahecimenio sam condigo.
Como os nossos leilores sabara, o gabinete
austraco oppoz a qaeslo do tratado do eommer-
cio do Zollverein com a Franca a qnesto de urna
ligado Zollverein com a Ausin.
Isso tioha tido lagsr por meio de orna circular
de conde Rechberg, dirigida em 10 de julho aos
governos do Zollvereio, acompanhada do pro-
jecto de um tratado preliminar acerca da liga.
J 00 dia 20 de julho teve lugar a resposta pelo
con le de Bernstorff.
O mesao lembra em primeiro logar, qae a
Prusssia se acbava ligada pelo tratado eom a
Frao;, e que a principal regra da sea poltica
era sustentar a patarra dada. Mas dado o caso,
que oso exislisse semelhante obrigaco e que a
Prussia tivesse mo livre plenamente,declara
mais o conde de Bernatorffella daveria rejeitar
as proposlas da Austria.
A Presta decidio-se a ama mudarca da tarifa
das alfandegat, cobo Diada no tratado de eom-
mercio com a Franja, nicamente porque v
nesss mu Jiqcs urna necessidade impoit-i pelo
proprio interesse do Zoilvereln. A tarifa do
illvereiu em vigor sebreviveu-ae segundo a
convieco do gabinete de Berln. E' essa mes
ma tarifa qae a Austria quer tomar por bate da sua
proposti uoio ao Zollvereio. Easa uoio j por
ai aeria urna cousa impossivel para a Prussia, a
qual nao podia e nao quera ligar-se a tarifa em
vigor alim da duraco dos setuaes tratados acer-
ca de i ol vereui.
A Austria exige direitos elevados psra proteger
a aua industria, o declaroa per vezes que os di-
reitos eslabelecdes 00 tratada de eommercio
coa a Friega senara a reina das suas aannfscto-
ras e febriees.
A poiicoda Prussia inteirameoto urna outra
r, foram nesta ultima quinzena aa seguinlos : da
Bahia, Jane (23 de julho) a Fslmouth, da Bahia,
Cabinet [25/ a Queenstown ; da Parahiba, Iris (29)
a Queenstown ; da Baha, Zenine (4 do correnle)
a Liverpool; de Macei Cohoia (5) a Liverpool ;
da Baha Jeaonete Mavrianne (5) a Falrnoulh ; do
Rio Grande Masquilo (5) a Falmoutb, e de Per-
nambuco Bosaiinda (5J a Falmoutb.
De Suoderland seguio para Pernambuco em 22
de julbo ullimo o navio Bertha.
O algodo de Pernambaco contlna a ter gran-
de procura 00 mercado de Liverpool, cando nes-
ta data cotado a 17 d e 18 d 3|4 por libra ; o da
Baha e o do Maranbao lem sido vendido a 17 d
3[4 e 18 d 1|4 por libra.
Cacao do Brasil, de 52 s 64 s percwt.
Cal primeira qualidade 68 s 85 s ; segunda 60
s 67 s ; e srdinano 52 s 50 s per cwt.
Pao Brasil, 75 s por tonelada.
Assuear braaco de Pernambuco e da Parahiba,
24 s 6 d 29 s 6 d per cwt; dito maacavado 17 s
24 a per cwt.
Assuear braoco da Bahia 22 s 6 d 29 s ; e mas-
cavado 17 s 6 d 22 s.
Couros salgados do Rio Grande de 5 d 1|2 a 7 d
das empatadas.
Promelli maudar por esta mala o ame dos
expositores brasileiros, qun receberam premios
e mences honrosas, mas uo posso aiodafaze-lo
por que al agora nao pude alcaocar a lisia dessas
nomes, que todava rae foi promeltida. Assim
pois me retervo para cumprir a prometa pelo
prximo paquole, se como espero estiver ji ha-
bilitado psra iaso.
As noticias do Mxico aqui recebidas chegam.
at meado de julho prximo paitado. Nssa dita
havi o general Loreacez repellido Zsragoesa,
que o aitacra om Orizaba, oade o exercito mq-
c-z contineava fortificado esperando pelos refor-
cos que da Franca Iba tem sido enviados. Com
effeito de Eherburgo parti em flns do mez pr-
ximo patsado o genral Forey com perto de vio-
le mil homens deslioados a engrossarem aa ti-
lairas do exercito da oceupaco no Mxico. O
general Forey dever tomar o commaodo em
chefe do exercito logo que chegar a Vera-G'u, e
marchar com todas as forcas sobre a capital da
repblica que a todo costo dever oceupar.
A Franca tem boje o seu amor proprio com-
prometido por viriude di derrota que toffreu
defroole de Puebla, e pois carece de reiviodicar
a ofensa sofTrlda. E' por isso que o imperador
Napoleo envia sem demora numeroaa torcas
coolra o Mxico, disposlo a oo tratar com Jua-
zez antes de haver batido no campo da bitalha ss
forfas mexicanas. Niuguem ignora, e o proprio
Mxico o sabe, que a victoria nao pode ar du-
' ^ ^"^^^"ecu^^""^!08 ^
lo todo o mando approv a energa
eos salgados 5 d a 7 d.
Os consolidados inglezes 3 porcento, Icam co-
lados a 93 5(8, haveodo deecido ltimamente
1|8. Os 3 por cento frsnceies esto a 69 fr. 5 c.
Ot 5 por cento brasileiros a 101 3(4. Os 5 por
ceoto italianos a 71 1(2. Mexicanos 3 porcento
28 1|4. Baeaoa-Ayres 6 por ceoto 91. Russos
4 1|2 por cent) 90 3|4. Hespanhoes a 55. Sar-
dos 5 por cento a si 1)2.
Tal a cotaco que lem sido feita ltimamen-
te a esses diversos fundes pblicos, sendo cerlo
que a tendencia geral do mercado nestes ltimos
para conserrar procos firmes etteodendo abun-
dancia qae ha aqui de dioheiro, cajo premio tem
baixado a 1 3(4 par ceoto e 2 por cento a 60 dias
sobre ttulos de primeira qualidade.
Teve bonlem lugar por commisso regla a ce
remooia do encerrameato do parlamento britni-
co. Lord Wesibury, Chanceller ds loglaterra, ha-
via sido epearregado pela rainha de levara efTei-
to esse acto; e com effeito, depois de haversub-
mellido a soberana a talla do lorooo com qae
aquelle encerramento daveria ter lugar.preencheu
eaaa formalidade na prese-nga des lords e de urna
deputsco da cmara dos communs.
Nada de notavel epreaeota o discurso ds eora.
Apenas fas otile moocao a raioha do novo tratado
celebrado enlre a Blgica e a Gra-Bretanha, e
em que se estsbeleee o principio mutuo de mui-
eolretao-
com que
aquella povo semi brbaro tem sibido repellir a
invaso. A propria Frauda parece haver muda-
do um pouco seus plaoas vista daquella resis-
teacia, e se verdico o que affirmam vsrits fo-
Ihas quer hoje apeoas salvara gloria das suas ar-
mas cao mesmo tampo obrigar o Maxico a exe-
cutsr (cimente 01 tratados que com ella cele-
brara. Aldea de Uuia mooarchia considerada
as actuaea circumtlaociae prejudlcada ; tanto
maia que o general Almonte tem por suas me-
didas desacertadas alienado no Mxico a boa von-
lade dos poacos que all eram pela monarchie.
Almonte eonterva-se em Vera-Cruz, onde pro-
claoiou a soa dictadura.
O grande movimento italiano que at agora te
havia eoolide nos mais sabios limites parece que-
rer trasbordar, arriscando aasim o futuro daquella
grande na;io.
E' isbido que a qaeslo de Roma e de Veoeza
lem sido desde ha muito lempo a causa da in-
certeza ea que se acha a Italia a respeito do sea
futuro, bem como que Garibaldi procura testa
do partido d'accao cortar aquelle n gordio com
a espada de Marsella.
O governo de Turin, porm, reconhecendo oa
perigos de orna so'.uco violenta psra aquellas
se inclinado
queslas, lem se inclinado sempre para o lado
da Franca, com cojo apoie tem buscado resolver
los favores e v.nt.gens era relacao ao^eommercio ,qe|l., difflculdades, nao lhe costando punco
de eabotagem e naveg.cao entre os dous paizes,' T2DC*r o impeto do fe
atora isso sua aagestada declarou achar-se em
paz com as nago-s eslringeiras o confiar qae a
pelo do fogoso Garibaldi que cercado
des seus voluntarios se julga capaz de conquistar
o mundo ioleiro ; e com tal poltica havia cuose-
0 to vivamente que se lastime essa diftarenja, o agora leve lugar porm, a Prussia se acha lig'.da
gabinete, do Berlim, quao.d.0 se. Hala dos mais al-1 Irmemeote.
pa, europea nao ser .r.nstorn.d. Alludind. ; gUTd7 er .edia 4 uropa que"a iS.
Oda urna vez guerra civil nos Estados-Unidos.; fon,ribulrU iadiscret.aente para qu* a 'ai eu-
d...e que o sea governs conl.nu.v. .ter os mes- ,, vieHe ger perluibada"ra qU P"
mos motivos para mtoter a resaoito daqaella la-
la a mais estricta aeutralidade; de modo que a-
quelles que, nestes ltimos lempos tem preten-
dido allribuir Gra-Bretanha a intengao de in-
tervir na guerra americana, polero ver aaqael-
le trecho o engtio em que se acham. As cir-
camstancias extraordinarias em que se acham as
clatses operaras em Inglaterra por motivo da
guerra dos Estados-Hnilos reolamaram do parla- imprudencias,'hsveodo levantado na Sicilia o gri-
\ meato brllanaico, medidas excepcioQies em ia-llo da revolta em favor da liberUjao do Roma.
Foi talvez por este metivo qae a Rutsia o a
Prassia acabam receelemente de reconhecer o
novo teino da ltslia, e por esse modo cilcularia
o gabinete de Turin levar a sua obra a cooclnsao
ceosegalado de outras potencias o mesmo reco-
nhecimento oficial. Maa Garibaldi acaba da em-
barazar esse plano por urna de auas t


DIARIO 1 PEimMBUCO. SEXTA FURA 59 DI AGOSTO DR 186.
Extracto
da corresporideniia pela
91
No oficio
Chegado a Palemo sera que o governo tivesse
coohecimenlo da sua viagem, comegou esse pa-,
triots a cismar publicemeote contra o imperador
rJl'S' queai allribu conlin"a50. uo cslalu de 16 de juuho. dirigido ao con.e.heiro Galibar-
quo^ era Roma, e apez.rdos co.elhosdo governo m6 C,od.do Xavier de B.ito, em addtameuio
para que cslesse acaba de proclamar em Fiawita.; portara daquea dala, que. atociara o me o
no meio dos voluntarios que o haviam seguido para -
a Sicilia, que chegada a hura d'acgo preparan-
do-se pan deaetnbarcar era qualquer ponto da
costa pontificia, sfini de reroltar os estados da
igrej.
A* visleye tao difll.il crise, o rei Vctor Em-
VDanuejVdiiKi.' se ao yovo italiauo coudemnaodo
ire^TiuosiJaJo dos que querem comprometter o
italiauo
*smI foi{ Junto da memoria do Terreiro do Paco serio iolerronsirJas as eommunicages com o Bembe
declarmio ou modificado o contrato ,upra. elevadas 4 formosas pyramides, cada ama das Perdeu-s'ea feira'de" C.'.Vogo!"
do ministerio da faienda, datado qm^s ser noite Iluminada por oitoceutos bl- Apparsceram no Ambriz atgu
VJftX nflh-l,; iVU"! ,tem "P""* *m I ror 44 por ntoTe qVe" o" Vxccsso" e" p"od
. ',H,l!i i ln C !n,phi" /0Eb" h.ver. em resultado do melhor estado do B
cuiialituicao o do leu sce^lri, Invado pela
preaso das circuoistancus sua magostado
Conseiheiro a celebrar com a casa de Mrs.
Kaowles Foater, de Londres, o contrato do
emprestimo, sobre libras 5,000:000 do bonds do
3 por cento, contorrae as bases juntas aquella
petara, fui declarado que, eitando resolvido
nao se estipular no dito contrato o prego porque
oa referidos ttulos serian offerecidos ao publico,
a entendido que esse prego uao saria iofe-
ese
mer-
------------------gaos negros do (Jui-
cos do gaz. O arco da ra Augusta sera tambero embo, acompanhados por alguna ioglezes cooi-
aformoseado. O parilhao ser illumiaado por metiendo crimea do roubo e assasainato '
um grande lustre de 40 braaos a 18 lustres mo- Foi aceita a exonerago do govern.dr eeral o
oores. eter ao todo accessos dentro na cpula o Sr. Calheiro, e demitlido o secretario ralo
na nmalha 1.166 bicas de gaz. As galeras terao Sr.Barboia Leao.
i cado, perlencerii ao goveruo portuguez, como ae
.intengoomqueestdlcast.garTs "Dha **+ Previamente com a referid.
1,0iO. as janellas das repartigoes baver entro
outras luzes candelabros cora 258 globos. A
praqa ser ao todo Iluminada por 5,000 luzes.
No dia da test, as arcadas do Terrelro do Pago
sero patentes a todas as classes da sociedade
sem dislinrgao, por quanto a fusta de igual re- Pedro de Carvalho, segundo ollcial graduado do
gosijo pa lodos. Baieisterio da marinha.
Na praga de B. Pedro ( Roci ) ser aareveita- | Foi aceita, por decreio ae o ao correo re-
I oi nomeado goveroadr geral o capltao de fra-
gata o Sr. Aodrade, dislincto offlcial que tem j
prestado bo ultramar importantes e valiosos ser-
vidos.
Est nomeado secretario geral o Sr. Antonio
criminosos; e com effito ja fez partir torgas pa '
a Sicilia no intuito de impeir sabida de Ga-
ribsldi.
casa
Por meio de cartas datadas de 14 de julho,
trocadas entre o conaelheiro Guilharme Candido
A Franca augmenten tambera o exercito de oc- Andrea \.'Li^*00*'" & *T"' **
cupego em Rom, e de accordo com o Pie monte guini 1u,,lalea,0 convenc.onado o ae
t dosla a ai.lhar a loucurs do patriota Gs- | Que m compensarlo do sacrificio no maior
-pi.bzad^t,x:?draeflE:raoop,q9er c,jmproaetlera!sSdoq^s8coDcederia aos -^^
As noticias J
d
o praso das erestares, corno fei
As noticias do, Estados-unidos ch,gara al 26 >|g de indiVoens fazer se I i" knoVles A-
K, uVm juocjmauntq^, na Igir 2 por ceQl9 aobr 0 produc(0 viu meiffi
O zenertl Maelellan conservara-so fortificado
ac Jtiues River, e r'cebia diariamento novos
feforgos do forte Monro.
Os coafederaloshariam recuado as suas liabas
pan dez milhas distantes de James River, dando
isso lugar a crer que o goneral confederado Lee
projecta concentrar as suas forcea no valle do
Sbenoadob. afim de alicar o exercilo do general
Pope quii all occwpa urna posigo estratgica de
alta importancia.
Apezar da estagio Cilmosi 88 julgava qua a
eampuiha coritiouaria com toda e iapetuosioade,
principalmente dopois que o'.residente Lincoln
prestsgoes de que o governo nao earecesse,
quaodo realisadas, e quo no caso de precisar o
governo do somma maior que a importancia das
prestares cslabelecidas para os mezes de se-
tembro e novembro de 1882, janoiro, aaargo,
malo, jKoho e julbo de 18S3, lira. Knowles Sl
Foster fitavam obrigados b praeoeber meusal-
mente livres de juro, as prestaroes de libras
00:003 em cada um dos metes de setembro de
Ifcz a mugo da 18(3 e as de libras 150:000 nos
de abril o maio seguioles, conforme o plano
primitivamente tragado.
Est conformo.irec3o goral da thesouraria
do ministerio da fazenda em 8 de agosto de
, por decreto de 6 do correte,
do o pedestal da esUlua para formar um singlo nncia do Sr. bispo de Macu, o Sr. D. Jeronv-
obellsco de muuo goslo e pbaotasla da forma. Os mo da Malta,
d-.-s-nhss hoaram jbastaole o artista que e fez O
sytema de arremaiago que a cmara adoptou
para tedas as obras, em vista dos modslos, deve
dar use resultado vactajoso per todos os olivos.
t /" S0.::1"10 oalistameato de mala 1862.-loaqa1m Josa de Naacimento L.pi.
f^.-lS'i vuluQlanos 1e Pouw ca saa ultima t \ mpren.a estrangeira e so"
proclamagao.
geira e sobre ludo a iogleza,
pelos seus orgaos mais aulorisados tem feito
H.l 7 k Nova-\0,k quo o ge- JJ!ZU3 auil0 faTorJvels e asss l.songeiros sobre
.ral Uaili|ck acaba ue ser turneado cuinmandaa- asilu.gao Unanceira de Portugal, a proposito da
lio federa* em substituido ranlajoaa operagao, cuja* tondigdis aeabo de
expdr-lhe, segundo os documento
no
te em ca fe do
do general Maelellan.
As perdas solladas pelo exercito federal nss
-*anguriulei!lo3 bataihas quo liveram logar defron-
t? gW Richmoud subem a dezeseis mil homens ;
e as experimentadas pelo inimigo sao reputadas
aupenores.--^iibo* os exercitus so cobriram de
glorta, e no l-ISMal distiaguiram-se nolsvolroente
por sua bravura\ conde de Pars e o duque de
Ghartres, que se achavrn como cfficiaes s or-
dens do general Maelellan; Suas slte;.as reaes,
pora, eixanm o exercilo depo'leda balaiba do
Chkkshcminy, e so achara de regr.sso w Lon-
dres ondo ag,:ra residem com afn lia c'Orleans.
O principe de Juinville laiib
O plano geral dos festejos m grande parte de-
vldo ao rueil enganheiro da eamara, Mr. Psrat.
O meslre da a usica dos marlnhairos militares,
Mr. Arthur Reinhardt, est escrevando urna mar-
cha triumphil para ser tocada no das festivos, e
tambera est compoado am hymno dedicado
prin'eza de Saboya, peja de msica que ser l-
cala durante a viagem de sua alteza para Lisboa.
Por cartas de Turin de 2 do torrente mez,
constou em Lisboa que tem sido extraordinarias
as demonstrarles de attengrlo e corlezia com que
foi recebido o Sr. visconde da Carreira, enviado
del-rei o Sr. O. Luiz, desde que chegou a Geno-
va. Essas demoostrages nao podan ser maiores
se o Ilustre fi-lalgo fosse revestido do carcter de
eiubaixador. Foi alojado no pago e igualmente o
forsm o secretario e addido miiso especial.
No mesrno dia ds sua chegada a Turin, leve urna
entrevista particular com el-rei da Italia, e este
soberano quiz levar to longe o seu desejo de mos-
trar o sprego em que tem a osgo portugueza e
o consorcio de sua filhs, que eiiglo nesta entre-
vista que o commaodante e os dous offlciaes da
corveta Smgre que acompanharam o Sr. viscon-
de da Carreira, jantassara com S.. M. no banjuete
decerimooiae fossem tambera hospedados
A questo romana parece ter chegado ao
ponto de ser resolvida brevemente.
Garibaldi ofganisa na Sicilia urna expedlgo ;
* numere de vnluntarioa iramenao. Qaal o
plano da expedigo o que por ora nao podemos
asseverar aos nossos leiteres.
Segundo o eostume iodicam-se differentes pan-
tos para desviar as vistas do escolhido.
Os governos constituidos oppdem-se e desap-
provam ostencivaaente a exjedico ; maa pro-
vavel que, se ella der os resultados que se po-
dem esperar, nao hija tanta repugnancia era lbe
olher os fructo, e coofirm"ar o novo estado de
cousas.
Entretanto Garibaldi contina a dirigir ao povo
diseursoa patriticos, era que estigmatisa enrgi-
camente a poltica franceza.
Eis um fragmento do discurso pronunciado em
aples :
A' Rosaa e Veneza !.... Sim ; Roma e
>eoeza, osas com fados e nao com palavras I Com
Netos e nao com palavraa faremos sahir dalli a
Bonaparte. Elle nao est alli para defender os in -
teresses da Italia, nem os da religio de Ch'isto,
representada pelo papa I O hornera de 2 de detem-
U Va 8lli par* seu i"""*" particular I
Manchado com o saogua do povo de Paris est
all porque um tyranno ; porque a sua causa
a causa do papa-rei, isto a ruina da Italia
Est alli para
aocada ao mesmo tempo q
monarchias.
uso fo
rem asdietssdas
Espera-se que este estatuto satisfaga certas es-
peciativis, por isso que para a sua confeegao fo-
ram consultados horaens patriticos e conhece-
dores dea costumes e oocessidades do paiz. tendo-
se em atlengao o espirito nacional e as instituicOes
que aquelles povos desejarn.
Parece quo seguodo esta nova organisacao e
cougregacao central ser dissolvida e substituida
pela dieta ; serao conservadas as co>.gregics
provinciaes que o paizareita bem, deven JaTunc-
ciooar na qualdada de iutori'dades
junto das delegages.
Um jornal ioglez diz que houve ha
urna tentativa de assassinalo contra o
trigo sao diminutos a, depsitos
aqu as duas referidas provincias
A abertura dos porto do nort
traogeiros de absolala neceaatd.de i
querer a repaiigao dos aeonie.i,,lls oe o
em que o povo percorrea ru do P0 %
da em altos gritos providencias contra osatr
vesdores do railho, e coinm,.iten(lo
exaasse de pretender arrombar as
sas de depsitos di cereaes.
No dia t do torrente, diz o riannense aun n
nouco p0ro..de Se'"'. ""> cooeelno de Camioba." sHa al_
io.par.dor cin."" T.?. d_a.exp0rl!cio.,,0..m"b P
provmciaes
que existem
>o, aos cereaes es-
os atra-
mesmo o
Portas das ca-
Gallu. Por ete
molivo sabiu .1a Vianna para
aquella Iocalidade urna forga de 50 bayonttas dn
uanlaria n. 3
Anteriormente havjs 0 povo da dita freguezia
feito espera a urna barca que linha carregado de
railho, e que suppunha ser para a lliza, e cu-
arca, ua oc.asio em quo passava na direc-
i 'o apreheuda por alguns e-n-
Alezandre da Russie. Diz-se que o czar passeava
em um dos seus jardn, quaodo atravs das sr-
vore* lbe dispararam um tiro que o nao alcaoe,q.
Este fado foi conservado no maior sgredo. *
Escrevem de Varaovia que.em consequencia
dos dous attentados que all se tem comm^tiido .
contra o gro-duque Constantino, o que sao con- ] .= t
siderados como fados destacados o era importan- Jtl, *
cia politica, este conseulio por co
mintstragio do reino, em fazer
por urna escolta, todas as vezes
dade.
A esposa do grao-duque deu luz um principe,
que recebeu no baptismo o norae de Wenceslao.
Bbsarvam alguns especuladores qae este norae
nunca figurara no almaoack imperial rupso, e que
pertence grande familia dos alavos occidentaes,
concluiodo-se deste acontecimento urna inteocao -,,
poltica reservada Diz-se que o grao-duque goza rt ,s*h"i / f P'wSm. de maneira
na Polonia do muita eonsidor.cio. ? ? lle*,!,n0oUo do ba,:CJ Dao "da 25 con-
Foi disparado um tiro contra o general Wie-' 7 ,Sn ,, Pr m"\ X eucef I*'0 an""sl
loposki, que nao recebeu ferida alguma. O cri- i,'t 1 q1e s"r co",', a reapeito de cada
ruinoso foi preso. preeiacao desde que o draheiro ficar disposigio
Cartas da fronteira da Polonia sustentara que o pa*.0. 'r n pfl, govemo russopossueo fio de urna vasta conspi- ^1, ,ra ""'or "-'Nstres, devendo a primoira
ragao, e que em consequencia das informales f"0'':"?"0/ '? q"ai,i "P'1'1 deiem-
cbtidaa se tem procedido algomas prtsoes. [ b" "1do pP"ller 8nm!!'a dP 50 conloa.
Eutre a diversas po'oagoes daquelle imperio h aH'rot,l) o projecto para a eonstruc(;3o das
oot.-se ora movimeuto e agitaS3o que tolos os ; ".j*,. ti o6"!" Pl' .9Dre.? P1ano
conselho da >*-\X" tZ^fr. "M" ".
[que Stt de? Dr> 1* d ^ Ch.g,i hoje, traz o
de.,to que approva o contrato co emprestimo
de UO coulos do ris com applicago s obra* da
no.aaiHudega. celebrado entre o orerno e a
idirecgao do banco commercial do Porto
I O eapreaiimo garantido pe-, quana de :,00
Contos de ris em inscnpgoes de coupon. do 3 o
qneserao depositadas nos e-ores do dito b'an-
dias tomado maia vistas proport,5ea; a nesta sita-
' ?ao os jornaes de S. Petersburgo pronunciam-so
no Neiva, en Porj.e, naeslra
de l'unalico Viauna de
ttuham ha le
te Villa Nova
Cut-lio. As obras
is offi;iaes re-
cei;.-publ!cadoj. A mprensa portugueza qaasi
su nao tem oceupado de outro assumpt oestes
ultimo dias. A opposigio bstanle se lem es-
forgado por demonstrar qua nao sao to irapor-
tantea como se inculcara as vantigens do em-
presllmo. Nao admira que o faga; a politica
a filar e a politica, meu amigo toda ella ae
funda em conveniencias partidarias. A verdade
porm, quo de parte a parte ten vindo a ter-
reiro ponnas das mais competentes para tratar
destes objectos. Na Rev< lurao, aotigo jornal
progressista, qus ha unos sgaa a politica dos
J America, e segundo me co
alteza real tamberu em fugo durante os coiLbatis
di-fr>nte de Ricbtrood.
O congre.ao araericauo adiou *as suas sessoes
depois de havor autorisado o presidente a levar
a .licito importantes medidas, ues como : o biil
obre os beas confiscados ao inimigo, o bili sobre
o alistamenlo dos negros, e finalmente oqu su-
lorisa o governo a subeidiar os estados di Oaiio,
q. quizerem votar em suas respectivas legish
xuras a emancipagio dos tscravos shi existentes.
^ra r^gressou aqui chamados regeneradores, lora escrtpto, dizam me
nsu achou-se sua lo Sr. Casal Ribeiro. ex-minutro da fazenda no
Portugal,
Lisboa, 13 tic agosto.
Foi officialuienle publicado a 9 deste mez o
contracto feito com a c.-sa de Kuowles & Postor
de Londres ; para se levar a eMto o empieai-
mt> i.'e cinc milhes de libras esterlinas em que
11 &,tnha ultima he falh'i e qus tanto tex absor-
riJo aqai a tlteocao de toda a gente.
N-. folha do governo veio lambem o extracto
da correspondencia pela qual o mesmo contracto mus asss enrgicos
101 declarado uo iud:ficado. Fecha o cortejo urna nistro dos
portara de ouvor ao consdhtiro Guiiherme
Gandido Xavier de Brito, encarregado da agen-
cia financia! em Londres e eus Mrs. Koovrles &
Foscr pilo bom desempenhode uma commisso
era iue uls e oulios se houveram cora tanto zelo i abstenha de'tratar
a prudencia.
gabinete Terceira Fontes. Afflrma-se que uma
suie de artigos su-bstanciae quo o Jornal do
Commtrcio de LisbOa lem inserido sobre o em-
pr-stimo, o da propria lavra do Sr. Lobo
'Avila, actual ministro das lluangas, o que to-
dava cao teuho dados sufficientes para o
01: mar.
Foi efedlvamente um lingo de felicidade go-
veraiiva para a aituaco e um symptoma de
que alvorecaram para o'paii novos dias de pros
puridade e yrogresso.
Os abusse excessos de alguns padres, qus real,
esqueci-m a misso do paz que os devo revestir
e a tolerancia do seculo, despilarara a atteogo
do governo. Muitos pregadores faziam poltica
issaahada do pulpito abaixo, deixaudo o thema
do sernso pa darera livre curso a su
bilis. Uma portara circular aos prelados do
reino, datada de 15 do julho, concebida em ler-
e assignadi peto actual rci-
negocios ecclesiasticos e de juaiiga, o
aenhor Gaspar Pereira da Sila convida ea nomo
de el-rei os referidos diocesanos a exhortarem e
admoestuem o clero de suas dioceses para que
nos sermes, praticas e discursos religioso, so
e discutir assuraplus polui-
gocios do reioo da Italia em
de la Minerva.
O correspondente italiano do jornal belga, affir-
ma que a embeixada portugueza vei adquirir uma
importancia bastante consideravel.
Contlnoa-se a dizer que o Sr. marquez de Lou-
l ir buscar a rainha de Portugal, ficando iate-
rioamente com a presidencia do conselho de mi-
nistros, o Sr. visconde do S da Bandeira que
tambera seria interinamente ministro dos negocios
esfrangeiros.
Orgaram-sa em otocentos cootos do res as
obras que se vo faztr na restaurago, reparos e
acabsmento do pago da Ajada, onde el-rei j
est residindo e tenciona ficar depois do seu en-
lace cora a princeza da Italia. A casa real encom-
menou para Franga a compra immediits de 20
dos melhores cavallos normaudos. Os logista
-Ida ftaixa resolverara construir um arco triumphal
em uma das ras por onde ha de passar o cortejo
. eos, com a recommeniacao txprcssi aos prelados
tlHciivaciecto geralmeule se aceedita, e com ; para que rotirem aos infractores a liceoca de
motivos, que o bom xito desta pr.-gar, que os caonea do sagrado concilio Tri-
deotinn permitiera aos bispos conceder aos leri-
go, unicuiiienltpara de cnsinar ao povo o evangdho e a doutrina
cliristaa.
Esta medida fez motim no campo clerical, al-
guns peridicos tem vindo lalla em termos bem
peuco evanglicos, mas afiual a questo do era
prestimo prejudlcoa esta, e os ub>sos prelados
com a rccommendago oQicial e o bom secso que
03 caracterisam l iro joeiraudo a tribuna sagra
da de paraphlelarios intrusos que a compromet-
tiam sera proveito da religio nem dos negocios
profanos. Parece que os escndalos da Covilhan,
de que l*cm resultado por vezes tumultos serios,
suscitaran) este rigor do governo.
Vai amortecida a palestra da reforma da c-
mara dos pares. At se diz que Ucar tudo no
eotanto em aguas momas. Da/ornada projecta-
da ,ou'o o falla, bem como prete ter dado em
r-squecimento o projecto da reformagao da orlom
militar de S. Thisgo da Espada vara galardoar
servidos Iliterarios. la j tanto descontentamento
ni repblica das lettras, manifestaram-so tantos
des^eiioa antecipado3, que, sogundo se affirma
geralmente, o plano fica addlado para as kilendas
gregss.
Quanto aoi servgos humanitarios que muitos
b*nj f
opencao veio abrir para as finanzas e futuro de
l'orloga] uma nova era ; sendo multo para apre-
ciar a circunstancia de haver quem quizesse
CBiprestar a Portugal o quadruplo do que elle
, -lia.
Foi emtlido o prospecto do emprestimo para
e realisago de cinco milhdes nominaos de libras
esterlinas.
Os mais acreditados capitalistas, o publico, im-
iamente offttreceram vinte milhdes, como
para desmentir os tristes presagiadores da deca-
0 ncia deste paiz.
A subscripgo foi encerrada a um por ceclo, a
1 as, abaixo do prego do mercado, icto a i4
pagavel em 11 mezes. com juro a correr do Io de
joilio deste cono.
I: o governo receber o v.vlor da subscrip-
?-s antes do s"u veocimento, mediante o joro,
mas sen.io tiv-r iiecc-ssi lade de fazer esss descon-
t a casa Knowles & Foster obrigs-3e a estragar
nj''''i rita sjcj juro algum a quantia delibra
JOJ.000 do setemtiro dt- l!362 a margo de 1SG3, e
I"0,000 nos mezes de abril e maio
aeguinte. Aim disto a mesraa casa garante .0
juro de 2 3(4 por cento sobra o producto daa
> s q que o governo nao carecer de dar
jmmedula applivago depois de realisadas. Este
juro de '2 3,4 re uziria apenas a 1 1(4 o juro de
4 por cento que se baveria do pagar no caso de
adiantameqto por parte dos subscriptores.
Trar^screvo-lhe a copia do contracto para me-
llisr i t lligencia do teus leilores.
Ei-lo :
O ab.ixo assigoado, encarregado da agencia
fioancial de Portugal, em Londres, por parte do
governo de S. M. F. divida e especialmente au-
torisado paia este fim pela portara do ministe-
rio da fazenda de 16 do correte, e Mrs. Kaow-
les A Foster, negociantes da praga do Londres,
c irem no seguate :
.'. Mrs. Knowles & Foster, eocarreguao-se
Ce negociar na prega de Londres, por onta do
governo Je S. SL F. e por raeio de subscripgo
um iraprestimo do juro annuu de 3 por cento,
n.'. importancia nominal de cinco milhes ester-
, annollando se tofcs os bonds dasnmis-
so s :e 1856 a 1862, que ora sao propriedade do
taesoaro de Portugal.
u prego da negriagio desta emprestimo, que
Ser ulteriormente lixado de cuu.mum accor
a subscriptores era preatredes acomecu em 1
goeto do 1863, ou antes, conforme se con-
de
no raouicnto de se annunciar o erapres-
cordsr
timo.
2o. A importancia do fundo a emitlir ser di-
v; !i- em bonds de 100 libras, 200 libres o 500
libras, com os coupons competentes, sendo o
pnraeiro devido em 1 de Janeiro de 1863.
3*. Mrs. Knowles & Foster tomara por sua con-
ta c guantera a quaniia annuil do libras 500,000
ao prego porque for otlerecido aa publico o diio
fundo.
I. O governo abonar a Mrs. Knowles & Fos-
ter a commisso de 1 por cento sobre o nominal
da fundo subscripto pelo seu trabalho e qual-
quer oulris despezas de corretageos, etc., ficando
a cargo do governo a despeza da impresso e
preparo dos titulo, annuocios, etc.
5o. Ao governo de S. M. F. flea reservada a
faculdade e sacar com antecedencia, e a quies-
quer lempo uma prestago na importancia de
200,000 libras esterlinas, pouco mais ou menos.
6o. Por qualquer desemWalso em que Mrs.
Kaowles & Foster se acharem no decurse desta
operego, podero carregir um juro equivalente
a 1 por cento,ao aono cima da laxa co banco de
log aterra. E pelo contrario Mrs. Knowlos & Pea-
lar obrigam-se a abonar ao governo porteguez,
pelo menos um joro igual a 1 por cento abaixo
d laxa do banca do Inglaterra sobre as somatas
provenionles do producto do empretimo a que o
governo nao carega dar applicago imreediata,
cria aos mdicos e nao mdicos prestaram ao
paiz ^or occasio da febro amarella e cbolera-
morbus, que ae trata de renamera-los com o
habito da Torre e Espada do Valor, Lealdade e
Mrito.
Casamento 'el-rei. E' ste uro capitulo ines-
gotavel para os jornaes c'aqui, para as convar-
sagoes de pobres e ricos, para os clcelos dos po-
lticos miudose graudos, para alimentar as mais
auspiciosas esperaogas de toda a familia liberal.
Nao ha j uinguem qao nao possua um retrato da
joven princesa italiana que o cu desticou para
partllhar no throuo portuguez das rt'speitosas
sympathis >ie que gosa o Sr. D. Luiz I.^Ultim-
raenie appareceu na Heviita Contempornea de
Portugal e Brasil, um artigo do Sr. marquez d<'
Pousa Holsteio, acerca da Sr." D. Mara Fia. E'
um escriplo recommeodavel e que so lem lido
com verdadeiro inl;resse coi tolo os ngulos do
peiz.
Um b.'l!o relra:to da futura rainha adorna o
r.urnero da Revista a que alludo.
A joven filha de Vctor Eoamenuel gentil de
foigdes e esbelta na estatura. A sua obiiiooomia
sympaihica, meigo o seu sorriso. Tem 03 nlhos
prelos e vivissimus. Toda a sua exprcsso e
agrad-.vel;
Estampou-lhe Dos no rosto, diz o seu bio-
grapho, a belleza desui alma.
Todos aqui fallan em festejos ou os dispon
para celebrar .condignamente uma allianga to
grata por todas as consi leragoes. Aassociago
Commercial de Lisboa nomeou uma commisso
Sao qualro os coches antigos da casa real que
se estao reparando, a saber, duas estufas e duas
.erlin Jas. A estufas sao talvez as mais antigs
que existem na casa real. Uma, toda de talha,
obra primorosa. Querem alguns que seja do rei-
nado da el-rei D. Manoel, oque parece toavia
nao exacto.
A outra toda dourada, porm .de mais sn-
galo lavor que a primoira. Tem excellentes pin-
turas que eslo ben conservadas. Em ambas se
nota que a coroa portugueza aberta. Ser dis-
pendiosa a reparago destes dous antiqusimos
coches, mas ficerao magnficos. As duas berlin-
daa sao do seculo passado ; uma, lem lindas pin-
turas e esio ambas em muito bom estado. Biz-
se que no prestito iro quatorza coches antigos,
sendo os qaatro agora restaurados, e os 10 que
foram resteuredo por occasio do baptismo da
Sra. D. Antonia e do casamonto deel-rei o Sr. D.
Pedro V.
A reuniao extraordinaria das corte9 parata ap-
provagao do contrato iponsalicio deel-rei nao ser
antes do dia 25 da agosto. O caaamenir
(por procurago) em setembro. na a entr.
rainha em Lisboa talvez so nao verifique
dos principios de eolubro.
Passam por certo os boatos que ha dias
pathsram em Lisboa de que o governo he
mandara quatro mil homens do todas as
para Badajoz, A Correspondencia de Espalda con-
ta que havi. chegado a Coruohas onde e iquar-
telara al segunda ordem, a columna movel que
havia orgauisado o capitao general do distrido.
At agora tem feito evolugoes, marchas e contra-
marchas pelas cidades de Lugo e Santiago. Pa
esta ultima sabir dentro em poucos dias o men-
cionado general.
Reuunciou o lugar o bispo de Macu, para
qae fora apresentado em novembro de 1843 A
reoancia foi aceita por decreto de 6 desle mei.
Ultima hora.
O Diario dt Lisboa
a\S. V?i!m em qU EBrpa recoDhBC 3 Na sitaagao actual da Servia t<
s da Italia ; e smeaca com o rigor das
smeaga com o rigor
leis lodos quantos desprezam os conselhos e avi-
sos que ora se lhes do.
O governo interpelado as cmaras sobra este
assumpt, responde pelo bom do seu presideote,
que, posto qua a cmara e o governo, o rol e o
paiz recoohegam os prestante servgos de Gari-
baldi ; se acaso este general comprometter a Ita-
lia ser pnnidocomo qualquer outro.
As duas cmaras em mogdes espeiaes decla-
raran] que se associavam aos intuitos de Sua Ma-
gostado, e que tomavaa como suas ss palavras
da proclamagao.
;sano um accordo ; a Suvia corita eoa armas uns
sessenta mil homens, o todas as rus de Belgra lo
j esto bem defendidas por raeo de barricadas ; o
I governo dirigi do novo um protesto aos consu-
mes, denunciando a maneira de proejer dos lur-
| eos era Chab.it/, assitn como a entrada do um 11a-
; vio de guerra ottomano no Banubio, conduziodo
' mujiigoi's e armas para a guaruigo do Belgra lo
No meio do tuJoisto a Porta parece queicr che-
gar um aiute pacifico, mas os seua genoraes
mostrara nao so couformar muito com esta ueces-
sidade.
E
no
na
0-
onde tnr de fazer quaruitnna nao menor d
IU das. Trouxe 43 das de viajero do Pai.
Bom, eaundo nos nformim, o estado sacu-
da guarnigao. A barra do Porto, s por ao-o
presente quadia, deua de ser acceasivel. L' p'i
vavul que, dentro era pouco, vejamos fluctuar
aas aguas do Douro o panh5o da marinha de
guerra in..erial, visto esta cida,!e er um dos po'-
los 'ie a crvela tem le visitar.
Nao se effectuou ua pnraeiro domingo do cor-
rete gosto, como dtssemos no anterior resumo
a viagem d* experiencia . pedidos.
Garibaldi ia-se por em movmento, mas 6 vi-
giado de perto por grande forga militar.
Os voluntarios j tiveram um encoctro com as
tropas do governo, perla de Girganti.
do da escuamufi foi desfavoravel aos
rios, qao retirarem.deixaodo no campo d
tos e 60 espingardas.
A Fringa fez embarcar em Toulon
mens para reforgu a guarnlgo de Ci
chJ.
Diz-e que chegra a Ptlormo um navio ame-
ricano carregado de armas. Acrescenla-se tam-
bera que desembarcara naquella cidade a-n regl-
| ment dando vivas oothusiaslico a Garibaldi.
Tal o estado da agitago em que ae acha o
novo reioo da Italia. O prximo paquete devo-
no trazer o desenvolvimente do segundo ocio
! deate novo drema.
O reconhecimento da Italia pela Ruia nada
leve de condicional Pelos documentos apresen-
| lados pelo governo s cortes vO-se que o czar
apresentra tres propostas aogo'erno italiano, e
erara : a dissolugao da escola militar polaca es-
labelocida em Coni, o compromisso para o go-
verno italiano de impedir a propaganda ou ioa-
lituico de commisses revolucionarias contra a
i Kuisia. e 1 certeza da que se evitar s formago
de legies polacas.
I O governo italiano respondeu quo a osela mi-
! litar polaca, por si mesmo se eslava a dissolver ;
I que nao exisliaro, nao tinbam existido nunca,
1 era o governo tolerara commisses revolucio-
narias contra a Russla, nem Contra qualquer paiz
(Com quem a Italia eslivesse em boas relagoes, e
; que nao consenliria na formago de legies po-
laca.
I Consta que o governo russo manfestara poste-
I riormente desejos de que o governo italiano en-
tregasse Francisco II o seu patrimonio, no caso
deste principe sahir de Roma, e do territorio ita-
frouteira.
Diz-se que a Franga e a Prussia esto de ac- j
cordo em que a Arabia seja cedida ao vue-rei do
Egypto-
A muoieipalidade portueoso dirigi ao Sr. D.
Luiz I uma mensajera fehcitando-o pela escolha
a puoceta a Sra. I). Mari Pie, para sua consor-
te. Ura. deputago municipal ir Lisboa -lici-
milhes.
Pelas ultimas noticias rocebi'as na Europa
da America do Norte, os confederados reforga
vam a Imita de S. James, preparando-re para ata-
car Sulfo k.
Em Ohio foi determinado o alistamenlo toreado
de tolos os hornees d 18 a 45 sanos de dade.
Os jornaes de Richraond publicam a parte olli-
cial da batalha de Fair-O.ks. Diz-se qua entra-
ran) em combate 85 reglmeulos e batalties, e que
entre morto, fendo e extraviados houve uma
perda de 5,807 homens. Houve posteriormente
outro conflictos prximos d<; Richmuud, sl'un
dos quaes foram bastante rentados e sanuin.o-
lenlos.
urna commisso composta do lodos os presiden-
tes das associaces pa escolbu qual deva s esse djalinciiro, vogaodo a iia >)e que cada as-
socugo uve adopiar uma bandeira e.pecial, co-
mo linham os gremios que compunbain a enliga
casa dos Viuia e Qualro.
Approvamosa idea oe um di.tinclivo para nos
actos pblicos se conheceroro as associaces, po-
rm nao approvariomjs o d. bandeira,nao por
ser uma vdheraporque ba muita cousa enliga
que respeitamo e at veneramos, mas
parecer menos accommodado
de 11 exonerando, pofh.t'.S$S!SXSl*!*'**
de goveroadr geral de Angola, o conselheiro Sa-
bastio Lepes Calheiros e Menezas, e nomeaodo
p.ra o substituir o capitao de fragata, que pro-
movido a capitao de mar e guerra, Jos Baplista
de Andrad, demilliudo de secretarios geral o Sr.
Jos Barbosa Sena, e nomesndo para o substituir
o segundo ofBcial graduado da secretaria de ma-
rinha e ultramar. Antonio Pedro de Carvalho.
Outro decreto promoveu o mejor do exercito
de Portugal Tlieotonio Mara Coelho Borges, que
tem feito relevantes servigos, a tenenle coronel e
em seguida a coronel.
Despachos lelegraphicos.
Mulrid 1210 horas da noile.
Turin 11 Muztni e Garibaldi tiveram urna
conferencia, la qual legalmente a auloridade to-
mnu cooliecimpnto.
Pars 12A Franca enva para o Mxico uma
divisao :e canhoneiros. O imyerador nao pro-
nunciar discurso algum na grande recepgo na
Talheriss na prxima sexta-feira 15 do correte.
L
-^-r**->** T-^x-'vyjKM
!AR E PERN^meCO
Temos vista cartas e jornaes da E.ropa, dos
quaes foi portador o vapor inglez Tynt. com da-
: de Haoiburgo 5, do Paris e Bruxellas7, de
de Porto 11 e de Lisboa 13 do cor-
por nos
. ao intuito civilsa-
dor que deve presidir s novas essociaces de soc-
corro mutuo, do artista.
O padre Aoatna lirokock
O governadorda Luzhnla prohiMo todas ss re- n^Tln!^*''
'"-------------<......- -- l ^asco- criHgou ao Porto no da 26 do passado
>eio de Lisboa, por Coimbra, onde celebrou mis-
sa do ru catholico grego-melchita, recebeodo
nessa oceesiao esniola parasusteaiago dos asylos
em que foram recollas es cinco mi'
cnnsiaas, cujns pas fonra trundados
em ISj'J, piioi turcos o druzzos.
laco^s rommerciaes cora a Nova rleans.
A situago da America chama a attengo da
Lurops. Toma certa.eoosistencia o boato do ne-
gociagdss entre a Franga, Russia e Inglaterra
para o roconheciui9Eto de confedt r'^ao do sul e
para uma mediago entre os belligeraules ameri-
canos.
monga do S. Basilio
e, segundo duern, bisoo de Da-
Criangas
na Syra,
^t,u.5 iHiKui o uruzzi >.
A qaesto foi examinada seriamente, e depois I cp ^J"'!,0,' i^6 obleve licectt do pre,ado di-
aoas governo. da Franr, e da R-sia osla- u, '' pd,.a KS llS3a>letn recoliudo emesrao-
ias, cerca de -iUO''.
a fazer a entrega desse palnmooio, quaudo se dm
a cireumstaocta cima apontadas.
O exemplo que a Russia e a Prussia acabam de
dar s nagoes que anda nao reconhteeram a Ita-
lia parece ter produzdo bom effeito na poltica
hepanhola. Falla-se do prximo reconhecimento
da Italia pelo governo de Madrid, embora fique
sojeitos coodicoes quejulgue necesserias, e que
o governo italiauo esteja dis;>osto a aceitar.
A Austria parece anda longe de querer dar se- s;''*nte quem tomasse a iniciativa da ;^az co
melhanla passo
dos
rem do accordo, foi que dirigirom proooslas Ia-
glelerra.
Logo que se espalhon esta noticia, correram
certos boetos, alguns dos quaes sa pode conside-
rar como menos vanUjosos para cora o gabinete
1e Londres, porque pareca baver suspei'.'s de
que elle logo i'.epois de r.'ceber as proposla apre-
sentra ao governo da Washington a idea d'uraa
alhanga contraria poltica do Mxico.
estes boatos foram bem depres^a dissipados,
sabendo-se que lord Palraerston e lord Russell
linham feito ,.utir para Washington um enviado
inglez, cora a misao especial de Informar o pre-
sidente Lincoln sobre es vistas da Franca, lem-
udo-lhe a conveniencia de su o proprio pro-
co o
O governo austraco acaba de conceder licenga
ao seu embaixa lor em S. Potershurgo, o ao sen
ministro em Berlira. A coincidencia destas Men-
eas com o reconheciraenlo das duas potencias
um fado muito significativo.
A gazeta austraca annunciou que os gabinetes
de Paris, Berlim e S. Petersburgo, faziam colec-
tivamente novas diligencias junio ao governo
pontificio, para conseguir que sua ss&lidada re-
nuncie ao poder temporal.
O papa recebeu urna meiisgem contra o poder
temporal, assigoada por 4,493 membros do clero
italiano.
Consta que os bispos italianos offereceram ao
santo p.dro uma parte dos seus rendimentos no
caso de reparago dos seus poderes.
A cmara dos lords era Inglaterra approvou
o bil das fortifiesges. Reoovou-se em discuso
o parallelo feito entre os meios de defeos di
Franga e daGra-Bretanha. Lord Rus-ell insisti
na necessidade da ter nao s homens, mas forli-
Dceges.
Nu ducorso de encerramento do parlamento bri-
taanico rxara se o principio deque a rainha de
neutralidad
Londres 8,
rente.
Sob a rabrica Exterior encontraro os lei-
lores rs rnissivaa de nossos correspondentes. Das
especial para s* octupar das :emonslragoe3 de jornaes colhemos o que damos em seguida.
jubilo que tencin, dar por to fausto successo, e] O e.tumpto que simultneamente com o em- I Inglaterra guardar a mais estrella
abno-se logo uma subscripgo que deve foroecer preslimo portuguez contina a prender mais a as queste pendentes,
os meios necessanos. elleogo dos portuguezes o casamento de el-rei I O conselho federal suisso, chamado a dar n
rf0 ii!h^0parS tS '** I.*" camara municipal D. Lu'z I. Tolos pra.agiam uma nova poca de cmara eiplicege sobre as palavras pr%feridas
de Lisboa prepara o seguate : venturas par. esle reino. Circulara por toda a "'-
U pavilhao central em que ho de ser recebi- parte os retratos da joven princeza da Italia
dos os regios ooivos, a sua comitiva e a corle 6 Por occasio do rozio consorcio ser o encar-
de elegante risco. A forma i rectangular. J, regado dos negocios de Portugal na corte de Tu-
na praga do commercio d eata capital principia- rio, o Sr. Borges de Castro, elevado ao posto
rara os trabalaos. de n inistro plenipotenciario na mesma corte,
A cobrtla ser apoiada em elegantissimas co- confermdo Saa Magostado el-rei da Italia
lnmoas jnicas, ao lado das quaes'cabera corti-
nados de seda azul. A paito superior ser co-
roada por uma bella cpula em que se apoiam
varios emblemas.
Aos lados do nascente e aoente do pavilhao, e
precedendo porom alguns dias de aviso por parle pessoas que forera munidas de bilheles de ad-
tio encarregado da agencia fiuancial.
7.* Fica entendido que Mrs. Knowles & Foster
nao tero direito a commisso alguma pelos pa-
...... Igual
graduagSo ao encarregado de negocios do reino
da Italia em Pertugal, conde de la Minerva A
embaixada portugueza vai adquirir uma impor-
tancia bastante consideravel.
Contina a dizer-se que o Sr. marquez de Loa-
separadas elle porum pequeo espago que deve l ir Turin buscar a futura rainha de Portugal
ser guarnecido pela guarda real de archeiros, ha- ficaodoentretanto com a presidencia o Sr S da
vera duas extensas galeras para conlerem, cada Bandeira, que Umbem ficar encarregado da oas-
uma mil pessoas. Estas galeras sero destinadas ta dos negocios estr.ngeiros ; sendo dada a das
para a imprensa, corporagoes artsticas, commer- obras publicas, segundo parece ao Sr Thiaeo
ciacs, Iliterarias e scientitlcas, e para todas as Hurta.
gamentos que flzerem em Londres por coota
deste emretimo, cujo producto ficar dispo-
sigao do Etm. Sr. mimsiro da fizenda. No caso
porm de terem de eTeduar remessas para Lis-
loa, em especie ou lelra, abonar-se-ho das
despezas inhareutes a essas remessas, mas nao
de commisso alguma.
8.* O presente contrato flea sujeilo ratifica-
Cd da^xra. S-. ministro da fazenda, quo ser
coramublcada pelo telegrapho e por escriplo,
cora a poitivel brcvidaJo s parles contra-
tantea.
Feito por triplicado em Lonires, sos 26 de
juuho de 1862.Guilherme Candido Xavier.
Kaowles < Fosler.
Approvade. Ministerio da fazenda, em 2 de
julho de 1862, (asiignadej Lobo d'Avila,
A reuniao extraordinaria das trte nara ao-
msso. provago do contrato esponsalicio de'el-rei nao
Estas galeras offerecerao tambam um agrada- ser antes do dia 25 de agosto,
vel aspecto. O pavilhao ter 22 metras quadra-j O casamento ser em Ons de setembro masa
dos, e cada urna das galeras 36 metros de com- entrada da rainha em L'sboa talvez nao se verifl-
primento e 9 de largura. As janellas dos edificios que antes dos principios de oaubro. J\9 eotro-
em redor da praga serao lambem adornadas com tanto fazem-se todas as diligencias para aue o
muito gosto. 'Consorcio se abrevie o mais possivel.
No intervallo de cada uma das janellas sero Consta que Sua Magestede ol-rei'o Sr Luix
simultneamente collocados escudos, sobrepostos v.i fazer a sua residencia permanente no nlacio
de cora real, com as armas de Portugal e s de da Ajuda, e que se val acabara parte para oeste
Saboya, e as de todas as municipalidades putu- e que para Isio est oraada a deipeza em 800 eon'
guezas. As coroas d'eates escudos sao muito vis- tos de ris.
losas, e excellentes o seu desecho. De todas
essea janellas pendero colch
uniforme. Ha teDjao de adornar as embocaduras lezia com que foi recebido o Sr. 1
das ras que vem dar praga com alegres fes- Carreira, enviado de el-rei D. L'iix. es de-
t-s e grinaldn, formando varios arabescos e a monslrages nao podiam ser maiores e o Sr
ofeites o lude mesclado de variegadas flammu- visconde fosse revestido do carcter da tmh.it.'
laa ana Mupliiarn or cima Por cartas de Turim sabe-so que tero sido ex-
coloridas de feilio traordioaria as demoostrages de etieoco a cor-
....... Vi .i_J....*, lia i.> nata nin Ir, i m\tiM ., ".*
laa que fluciuaio per cima das armas da Putu- dor.
8I e Saboya,
Ai noticias de Angola sao graves, galio
pelo ministro dos ettraogeiros de Italia, declerou
que pelo representante suisso em Turim, consta-
va que o minisiro italiano f.llara effeciivam.nte
da eveolualidade da annexo do Tessino Italia,
mediante ama compt-nsego para ossuissos.
As relagoes entre a Dinamarca e a Suecia
tornam-se cada vez mais intimes. Depois da reu-
niao dos estudantes das diversaa universidades
scandinavas em Copenhague, tem havido grandes
manobras, a que assistiram muitos officiaes dina-
marquezes. H. pouco tempo que os res da Sue-
cia e Dinamarca se reuniram uo palacio de Fre-
densburgo, e em consequencia disso celebraram-
se grandes fest-s
li-ta intimdale parece ter muita importancia
na presento situago da Atlemanha, em relao
Dinamarca.
Falla-se d%uma nova entrevista dos dous so-
beranos em Bolkarkog, code se tratar de uma
allianga oflensiva e deffensiva.
Trala-se de coavocar uma assembla geral de
todo os membros da asaociago em Eisinack:, 00
dia 7 de outubro. Sarao apresenladas tres ques-
les de alta importancia para a anembla :__a
O governo mandou ouvlr as sociedades
extenso geographica que deve ter o imperio ger-
mnico, o armamento geral ou particular do ira- las dos districtos obra o estado das caras e co-
parlo, a organisagao de uma marinha allema fra lheita de cereaes colmiferos, e auasi todas in-
da confeder.gao da Prussia. formaram que a colneita do trigo lora diminuta,
A Ausina e a Prussia nao esto as melho- e que a apparencia dos milhos era m.
res relagoea. A qnesto do Zoliwerin e a nega- A cmara municipal do Porto, em vereago de
tiva do gabinete prussiano proluzio grave sonsa- 5 do correte, representou ao governo pedindo a
gao em Vienne. Alguns estados mendionaes com livre importagio de cereae pelas barras do nor-
que a Austria contava, comegam a reflexionar, e te, como remedio para impelir a cris> alimenii-
soppoe-se qua alnal veuham a adherir ao tratado cia que a cresceole alta destas duas ultimas se-
franco-prussiano. manas danuocia.
A Pres'e de Vienna reforga a nclieia que tem O mercado deita cidade abastecido de milho
circulado acerca da prxima publicago do eata- pelo qae vem do alto Mioho, e da trigo pelo que
tuto proviacial para o reino lombardo-veneziano, se Importa pelo rio Doaro das provincias de
julgando-se que a dieta daquelle reioo lora coa- .Trax-os-Mooles e Beirs Alta. No Mioho foram
sul, se quizesse evitar a acetagao do ofTeroci-
meoto de mediagio quo era cominum so propu-
nhara apreseular as potencias da Europa.
As ultimas noticias do Mxico cao sao mul-
to satisfactorias, e anounciam haver ura comboio
de.viveros, destinados s trops frauce^as, silo
cortado era grande parte no caminho para Ori-
z.iba. imperador dos Francezes mandou cha-
mar o general Forey e leve uma larga conferen-
cia cora elle. O general parle para o Mxico.
A expedic'io de-e to.iiar importancia bellico
mais consi eravel do que at hoje. O embarques
successivos de tropas, quer para o Mxico, quer
para a Martinica forma rilo cora as que j all
existem em efieclivo ~M mil horneo.
Quer-se todo o prego evitar um novo desgos-
to, o entrar no Mxico, autt'S que a estaco das
f^bres_ volte de novo; deseja-se alera di.-to ler
uma forga militar muito imponente na costas
americanas, para ipoiar a esquedra forrailavel
quo a Franga envia para o novo mundo a ordens
do vice-alinirante Jurioo de la Graviere, e da qual
26 navios d'allo bordo se encontrara j reu-
nidos.
Os Francezes estao muito affectados com a pos-
sibiltlaie de uma guerra com oa Ealados-Ioido.
Falla -to de trinta Jf o ni (ores que os Americanos
opporiam s caos francezes, tazeudo-aa em pe-
dagos.
A expolico do Mxico vai ser tratada com ra-
pidpz e energa extraordinaria Diz-se que o im-
perador se despedir do general Forey, dizendo-
Ihe : General, depressa e bem.
O ministro da guerra e o proprio imperador,
diz-se, que se vCm afilelos cora os pedidos para
fazer parte da expedigo mexicaoa.
Os Francezes, segundo consta, oceuparo Gay-
olas como base de operages uo caso de que r-
bente a guerra entre a Franga e os estados do
norte.
No Mxico houve urna tntalivs de assassinalo
conira o representaste de Franga e contra o ge-
nerl Alroonte. O criminoso depois de coofessar
o rima foi coademaado s executaio.
Em data de 11 do correnteo remetteu-nos o
nosso correspondente no Porto as seguiotea no-
ticias :
O que ha de maior importancia a aproxima-
gao de ama crise alimenticia, se o governo a nao
evitar, abriodo de prompto os portes aos cereae
lem SSL ^.^"J r-egulador" ->d.nre!D0 se tabeleciraento do Sr. Matb.as da furi.
lem elevado o prego do pao cerca de 2aO res em ordeiros.
I c Consta-nos que anda poara atalhar-se o io-
grico- Cendio da cate, mss que aioa hontem exista 0-
do carvo.
A rais.a dura cinco quarlos do hor.
A corveta Barlholonteu Dias coodnzio nara
esta cija lo o b.taliao de cacadores n. 1 que es-
lav, na lina ua Made.re. Fo'i para o quar.el ds
lorre da Marca. Forga 40U pregas.
Obatalho de cacadore n. 7, que eslava em
\alenga ixuiou dequartel para Hulmanes. Pas-
ou a fazer a guarnido desia prega o regiment
Oe luiau'.ana u. o que por occasio dos uluraos
turaoltos linha sabido desta cidade para o Mioho.
Diz-se que o 18, que aciuslmenio el nW
cidaie, vai substituir em V*leugao5que vullir
ao Porto.
Os agentes do banco Unio desta cidade, no
estraogeiro, sao os aeguiutes :
Rio ie Janeiro, Tamm Piuzcker & Oiiveira.
Baha, Manoel Joaquim Altes.
Fernambuco, Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do A C.
Haraobao, Joio de Oliveira Santos \- Sobrioho.
I ara, Francisco liaudeocio da Cosa & Filho
Londres, BeiA of Loudoo.
Pars, Fredenc S. Baiin & C.
Hamburgo, Jot Gabe 1^ Filho.
Madrid, Jdime Meric.
Falleceu em Oliveira de o'Azameis no dia -2J
do pas.ado, o Sr. Auluino Pinto de Carvalho, iD9-
; Utuidor do asylo da infancia desvalida daquoila
villa, e o qual, expensas suas, mentirilla desdo
18o6 em que o inaugurara. Foi uma perda iro-
1 paravel pare os yobrea daquelles contornos, por
isso que o Sr. Pinto de Carvalho applicova uma
parle da .-ua fortuna actos da beueticeiicia.
O Firtao diz que na uoilo de 4 do correte
sabio de Vfzeu para Cambra de Sever um furto
destacamento do 1 commindado pelo Sr. capi-
tao Siqueira.
Segundo ouviraos, esta sahida tem ralteao com
, as minas do Bregal. Receia-se alguma v'iolenuo
dos povos contra os trabalhos daquelle eslabeie-
i cimento.
E' o que ouvimos. Nao ha, nem pode haver
cegueira. Ira gmar, que o otdtum produzdo
pelo fumo dos foruos da mina, uma prevengao
a mais parvo, que dar-se lde.
Seassimfo.se devia limitar-se o ternvel fla-
gello s s cercanas das minas Mas nao ha quen:
lhes tire a a.oeira da cabega.
Depois d.quella dala escrave o Dislricto de
Aveiro:
Comegam a realltar se os desejos dos turbu-
lentos daqu-lla localidad,'.
a Novamenle appareeem manifeslagoe contra
as mina, e domingo foi o 1* aclo do drama do
vanielismo que ha muito elli se prepara. Na ma-
drugada deals da appueceu era charomas o de-
posito de cirvo o uma casa que os proprietuios
das mioas alli tem.
Na sexta-feira tioha partida para aquella lo-
calidade uma gran le parle do destacamento desta
cidade, purera lieou aquartelado no proprio esta-
belecirn-uto que dista meia legua das margeos do
rio aoude era o deposito incendiado.
a Nao potemos deixar de duer que estes fac-
tos se devem inercia da respectiva aulondide
administrativa, ignorando por emqu.nto que ae
dssem providencias para salvar o laberioso es-
dos des-
Os exames feitos este anuo no lyeeu de Coim-
bra leer dado que fallar. Eram muitos os exa-
minandos e poucos os examin.ores. Como o
tempo de ferias, uma grande parla dos lale
da ooivaraidade linha ido para o campo deacan-
gar da fadigas do profatsorado.Foram ojj*-
ios os que stavam ni cidade para foraaarem o-
ras mesas, e o case foi que no primeiro dia da
e.xa : es bouve uma derrota.
Aoa exames do dia seguinle nenham eliminan-
do aecudiu i masa de lgica a bouve uma peqae-
na manifestajo conira oa examinadoraa, que daa
-
'

MUTILADO



DUlO Dft fUSlMBiMX). r SXA E1L4 S9 DI |G<)iXO fS IMS,
em resalalo ao dia i inmediato ir urna guarda de ci de escrivio prirsdfvo do jury e de execugdas
soldados para o lyceu, e piblicar-se um eit.il
citando as disposiges dos esUtutos da universida-
de, qua prehibcm que alguem eslraaho t s
mesas fallar com algum eliminador, e que este
receba cartas dentro ds sala dos exames. Ao en-
trara tropa no lyeeu os esUlsnles leventaram
nm grande sutsurro e grilaram cfra a (ropa qae
effeciivatBeale shiu, indo occaper urna casa no
meimo edtfieio das aulas mes oo pertenceute ao
lyce
crimioaesdto termo de Santo Anuo.
Est marcado o prazo de 60 dias para a apre-
sentegio dos rsquerimentos dos pretndanles,
cuja habilitacio na forma do decreto de 30 de
agosto de 18S8.
Ten lo nos dado a votegio dos nove senho-
res que devisas compor s admiaiitragao da isio-
ciaco Commertial Beneficente, na eleigao lti-
mamente procedida, devemos agora a noticia de
como ticou ella organisad*. ssgunde a escolas
posterior.
A derrota continuou, e um grande numero de
ildanles que tinha requer lo para fazerexame Sr. Manoel Gongalves da Silva, presidente,
nao quizsugeitsr-sa ao R quisi cario que tolos ] Sr. Joo Hatheus, rice-presidenta.
os clcalos Iha faziam prever.
Um correspondente de um ortsl desta cidsde,
em Coimbra, explica estas acontecimeutos dizen-
do que nao cr4 que inn;.j:n v pira as mesas de
animo Mo a reorovar tort el travere, mas com
preheu4e-se baia que oem todos teem estudado
os compendios elementares usados ao lyceu, que
os r*paz<43 eslu larasn, e uao prefuadarim quies-
qsur ij estes de que ali apeaas se indicara al-
gama*. |i iri'j.-. aprenlem elementos como com-
peadios oieamo indicaai.
L' claro, portioto, qua em Ihes fazendo per-
guuiss i m do com pea lio nao do urna, atrapa.,
llmu-sa a fi;sm reorovalos, corqus Uzeram mus
eximes, nao responleram e tolos Tiraos porque
os exara-s si i pblicos. Esls me parece a razo
do ,'desforeo;os examinandos linham algumas
. i .i c impou h i q 11 Ibes deram na matricu-
la, o siguas dos exauiinalores nao tcriaa nen-
bumas,
A S'ti Casa da Misericordia de Coimbra, ob-
teve do supremo tribunal de juslig, em segunda
reTiati, o Accdrdo que deciliu em seu faror o
pleito quBe.ulre ella o o Sr. Josquim Antonio
To.xeira Barbosa corra hi toaito sobre a hann-
51 qu > Amari Coutinho deixra rnesma. Santi
casa eo Sr. l) berleiros do linado.
A qaesto rersara sobre importancia superior
a tnnta contoide ru.
Nio temos conhecimento do accorJo. DeTe
ser olerreassule. Pessoss cooipeteutes izem
qu. urna das mr.is importantes questea jurdi-
cas que se tem pleiteado nos tribunaes portu-
gUHl.
O jorca! Diricto d'Avtiro, de 29 dopassido,
d a noticia que passaraos a trauscrever. l*or
ella se pode avahar a grande superstgao do jo-
to das .i. :-:i--, eoquauto concurre para a ali-
mentar quem tem pilo seo primeiro dcer o es-
claroce-lo e guia-lo no camioho da verdadeira
O Sr. Domingoi Aires lialheus. secretario.
Sr. Joo ds SilTa Regadas, theioureuo.
OSr. H II Swift, director.
O Sr. Joo Jos de Amoro, idem.
O Sr. Joao Ignacio de Uedeiros Reg, dem.
O Sr. Francisco Joao de Barros, idea.
O Sr. Luiz Jos di Costa Amorim, ilem.
Consta-nos qae S. Exc. o Sr. presidente da
provincia nao expedio portara alguma provi-
deocianlo sobro a representadlo do Sr. desem-
bsrgador ptovedor da Sania Casa de Misericordia,
quanto aduiiisao de pensionistas nos collegias
dos orphos e das orpbaias ; a meara represeu-
lac-io fol publicada no Diario de 27 do correte
maz, para que ae conhegt a Terdadeira situaQo
daquelles estabelecimeotos.
Sirva lito de recii-arao noticia que ho'jtim
demos acerca da matarla.
U*a das folhss desta cidade tem insistido
sobres conveniencia de um regulamento para o
servido de soccorros em casos de incendio. Este
regulamento exist das le S de janoiro da 1855.
A difficuldade, pois, que se nols para a com-
pleta regularilado desse S'rvigo, nao provm
da falta de disposi;oes escriptas, mas propria
da natureza delle, sobretodo quando os incendios
se mauifestam noite.
iieparti;ao u* polica.(Extracto das par
tes dos das 27 e 28 de agoste.)
Foram recothidos i casa de deten;o no da 26
do correnle :
A' orieni do Dr. delegado do primeiro dislrij-
to, Francisco Jos Marlias, b-anco, de 19 aonos,
frreiro, o pardo Francisco Antonio Dionisia, de
18 anuos, padreiro, indos do termo de Ipojuca,
cerno recutas, J>o Mtriins da Silva, tambem
pardo, de 26 sooos, dada agricultura para cor-
reigo, por ter sido encontrado dormindo sobre
os triibs da estrala de ferro, e Remrgio, igual-
mente psrdo, da mesen* Hade, escravo do tenente
coronel Joao Civalcanli Waulerley, viuda da Pa
til respeito rahibi, como autor da motle do inspector de
I quarteirao Antonio Joaqun '"mentel do termo
re.uo do crucidcado. Eis o que
diz refer lo peridico:
Teem ndalo pjr ahi estes dias a mostrar- j d Limooiro, e ferimenlos 1. m iuiividuo que
63 unis mig-.lhis de broa, a respeito das quaes 'Companhava o referido lo ector, quando pro-
se conta o seguales icuraTatn preode-lo no da 17 de Janeiro de 1860.
Urna muiner d'Aogoja costumiTa cozer 01 A' ordem do de Santo Antonio, o crioulo Luiz,
sou pao ao domingo, e assiii o praticou era nm | ^e *S aonos, escravo, de Ana Candida da Costa
d'e.'tes ltimos dorairigjs. Uu1! nao foi, porm, | Frias, por dosordem.
o S''o espanto quinlo, ao retirar ums das broas | A' oriem do sabdslegsde dos Afogalos, Joo
d > lomo, a encontrou tola listrada do sanguo.'', deAraujo, pardo, de 25 aunos, dado agri-
oit'o. diz a ve-sao. e como que a escorrer 1 .
i'ariiu outra e outra, e em todas as broas o insa-
no pbenorne.no/
A'ilicla, seo saber o que pensar d'aquelle
CIJO, a mulner foi chaoaar um sacerlote ao lu-
gar, alT the o suecalilo. V-io lia, venticou 0 [acto, e
depois de ter teito 01 precisos commeotos sobre
a origem d'aqoelle prodigio, que nio podia ter
p ir :; n sena 1 csstigar o (eo peccido de amas-
^.-ar so domiago, em coatravea^ao do preceito
oso, mmliu qua o pao [osie on'-erra lo o,,
agrado.
11 v versa o asserera que o pao f-a ll'ctiva-
rue"ie entrralo, mas o que eerto que ainda
rostaram as lies rn;:iirias que por aii so mos-
iri'fl, e que al na earidosa trouxe eo nosso es-
eriptorio. Saugue Dio Un Timos nos, escusi-
diM lo, uern coisi que o parecesso. Sj
ta ha lijuraj ililerenca do OUtro pSo, era um
pooco pira mala tostado a duro, taires pelo de-
inasiado calor dj forno em que foi cozito.
Todaria o caso melade serio miiada riii-
eulo. e a orte seria perlencu ao Sr. vigario (e-
ril eritica-la. N5s nao garantimos que o ecle-
Stistico que Cuernos allusoe, tivesse no caso a
parte qae so llie atribue ; sjj-p irnos me-rao que
a nao lem ; mas ni 1 uos parece (ora da propo-
sii 1 exam'ar se n'isio alguna cous de ver-
da le e prodeder depoi. em coaf irmidade do que
se avengiar.
>< O nosso poro est imbuido de maitos pre-
juios e supersti;6es, a-tjas tolas e ridiculas, os-
tras lirias e pengosas, mas todas contraria-- ao es-
piriio do chrisl anismo. U que referimos uns
d's primeiras. S > os pidr pels sua inisso SOCle.1 e religioso cuapre lioa-
p-r o espirite popular d'e-ses erros e eleva-lo
al a o couhac-asento d ras do ivaog-'lho, f .rern o- prim iros a imbuiir-
llio as i! ais tjrp.'s e asnalicis Ciencias, nao sabe-
W3 o 1'- qi'iiio havemos !: Caminlur
j a peucoe :'olre mos-aos chimarcivilisaJos
Dizeai que ha uuacasse d; bomsos politi-
,1 espirito de -;;it.i consiste e a emorule-
>; : 1 povo-, para poler mj fs ni .,0 le e??ra,---:as-
lo. Vamo-nos coaveoieado que para isss qi:
s; trabalha sssiduasie .. -, em vista ie factos des-
ta,aa(ure .
O i: eerto 11 -s nun;a como agors,
palmate n'esta loealida ie, se mostrou o
oso se deixsr ex dorar pelos
derolos a /;. D' frn- que, em lug\r
de adarmes pira diaote, camiubamos para
ir*-.
cultura per furto de cavallos.
27
A'orJom do D\ dslegado do primeiro disiric
to, Jos is Costa Andrajo, parlo, de 18 annos de
tdide, salleiro, remultilo pelo subdelegado dos
Afogidos, i raqutsic&o do mejor coramanJ.inle
interine do 2* batalhao da .guarda nacional, e
Mainel Cyrnco ds Paz, crioule, de 27 aunos,
carpina, para re:ruta.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
os crioulos Alexia ir Francisco de Araajo, de 50
aooos, emoeiro, por embriaguez edeiordero, An
touio, tambem da U anuos, escravo de Autouio
Jos da C>sta K'go, por disturbios, e Joao, afri-
cano, le 30 ar.nus, escravo de Mmoel lgoacio de
Acnoly, por Infraccao de posturas.
A' ordem do de S. Joa, o erioulo Jos, de 36
aonos, escravo de Joo Manoel Caroeiro de La-
cerda, por desobediencia, reqnisi.;o o'este.
A' ordem do da B la-Vista, o africano Caetano,
de 30 aonos, escravo do Candida llosa Taes Bar
r>'to, requisito d'esta.
A' ordem do dos Afosados, o pardo Paulo, de
13 anuos, escravo de Francisco Antonio Pereira
da Silva, por andar futido.
O chefe da segunda saclo,
/. G. de Uesquita.
Mofimento di enfermara do da 27 de agosto.
Existiam...... 330 preses.
Eutraram......
Sabiram.......
9
16
A saber :
Existem....... 323
Naconaes..... 216
Mulheres......
Esirint;eiros ..
E-Travos......
Eseravas......
4
29
63
9
Total........ 323
Alimentadas a casia des cufres provia-
ciaes............. 136
TiTerta baixa para a enfermara em o da 28 :
Antonio ( escravo ) de D. Eugenia, chaga.
Antonio ( escravo ) de Anlouio Jos da Cosa, (e-
ri Tientos.
Tiveram alia :
Joso Jis de Santa Ana.
Leopoldiou Esequiel Corros.
J*e(eacrTo] de Joo Maooel Pontaal.
! Fraaeueo ( e<*c-avo ) de Guilherme "la alotta.
i ^ Paasageiros do vapor ingles Tyne, viado de
1 Souliiampturi e portea interne-los : Joha Ker-
iinn li lio, A iopho H. Mull-r, Antonio Josquim
So-
Apoellanle, Jlo Piato| da Oiiveira e Soaza|;
appellado, Manoel Januarlo Beterra.
DSSICMAgO tu DA.
Designado o primeiro dia til.
Appellante, D. Delphiaa Mariaha Tarares Cor-
delro ; appellados, Braga & Antunai.
DISTRIBUir.CS.
Appellsates, Jos Josqui'm GonciWes Bastos e
Francisco Antoaio da Assis G jes ; appellado,
Joao Biptista GoncaUes Bastos.
Ao Sr. desembargaJor Sil va Guiraaraes.
Appetiante, Luiz Amonio de Sema Ribelro.
hoje seus curadores Dscaes Parete Vanos appellado, Manoel Joaquim Rodrgaos de Seuta.
Ao Sr. desembargador Villares.
ACGRAYOS.
AggraTaute, Antonio Pereira Lagos Galmaraes;
aggrarado, Caetano Pereira Gonjalves da Cuaba.
Negou-se provimento.
Aggravante, Joaquim Manoel Ferreira de Sou-
" aggravado, Aoloaio de Csrrslhe Sosros
Braalo.
Negou-se provimeoto.
Aggravante, Alaxanlrino Harlins Correia do
Barros j aggravado, Francisco de Barros Velloso
da Silveira.
Negou-se proTimeoto.
Aggrarante, Francisco Correia de Barros ; ag-
grarado, Jos Joaquim Alves.
Dea se provimeoto.
Aggravantes, Parete Vianna & C. ; aggrava-
do, Mauel Joaquim Rodrigues de Soess.
Negou-se provimeoto.
Nada mais bouve.
m** $&
t
Praca do &eeife 28 de
agosto de 1862.
pVs %alire kras da t.t&e.
Colacses da junta de corretares.
Cambio.
Nao boureram cota;es.
J. da Cruz Maodopresidente.
Joha Calissecretario.
Alfana**;*,
dendimento do dia 1 a 27. .
Idea de dia 51 ;
405:06S991
11 98666
417:055}j660
Hovlmeoto! va Aitatadecsi..
Velames tutrades comfazandas.. 413
om ganaros.. 295
Velimes sabidos

cem fazendas..
com cenaros..
== 708
61
124
== 192
Desearr*,s;Bm no dia 29 Je agosto.
Barca logleraCearferro.
Barca inglezaUonalde fasenda.
Galera fraacezaBerthfazeodts.
Importas/a o.
Hiate nacional Nicoldu I, rindo do A9i con-
signado a Prente Vianna dt C, saanifeston o se-
guinio :
2993 alqueires de sal e 350 molhosde palha de
caruaubi ; a ordem.
Polacba hespanhola Rengo, oda de Buenos-
Ayres, coosignaJa a Tosso Irmos, manifestou o
seguinta :
3,200 quintaes de carne secca, 8,000 lmguas
salgadas, e 20 couras seceos; a ordem.
Exporta^u
do oa 25 de agosto.
Patacho ameriesno Carrie lint, para Phila-
delohia carregaram :
H-nry Forster C, 240 couros seceos salga-
dos com 6,689 libras.
Barca ingleza Margar, pira o Canal, carre-
garam :
Sannders Brothers & C.-3.521 saceos com 17620
arrobas de assucar.
dem do da 2G
B-igue lubeckenso Nautilu, para Liverpool,
carregaram :
Jos Velloso^Soares Fiiho 303 saceos com
1,500 arrobas de assucar.
Feliciano Jos Gomes 300 ditos com 1,500 di-
tos de dito.
Patn Nash & C. 150 ditos cam 750 ditos de
dito.
Diigue portugus Bella Figuerens, para Lis-
boa, earregam :
Jos Joaquim Rodrigues Braz2 papagaios.
dem do dia 27.
Vapor francez Extremadura, para Eiropa car-
regaram :
S. Blum Lehmau & C. 1 caixinha cem 31,100
otaras de prats eos barra.
Bri,;ue lubeckense Naulilus, para Liverpool,
carregaram :
Patn Nash & C. 780 saecos com 3,900 arrabal
de assucar.
i* s.f'p-hs'j'l:, Sp das ---* lataerosi?
aje*-* d- B'T>aa:c)Ha;aji
Rndimento do dem de d! 28. .
27.
26:5095757
516.4500
17:0261257
.\a segsaia-ier* {liatem quasi qne io V. ....... ,"v"\'^,'',l! ;T < '
veiopS fpraesd. trs I. ciJad, em eonse- ff'8'.""* Bina. D. ulia Carolina
li l'eua bilelli, que ah so l^vantou. d lS epple,.DI ,T71'1 C"r Ml*"el Ptres UraD>:0.
tuce liioem Aog ja i mulhec qa cozeu o rdvern,lu J"se Luis Cerceire, Joao Ribero Lo-
tucc n io a -i Aog j i a muinec q
iiao ao domingo.
(i A maiorU dis pileiras oao qu:z cozer, e as
fimias que nio eslara-n sor.uas la pao Ja vas-
pera foi-lns ditfi il blelo das 'pidarias da ci-
dade I
Faltavt-uos mais esta I
O CoimbrieeiUe eauoirmdo as obras publicas
j feitas ou na actualidade em. rehn lilas pela
muoieipalidede de Coimbra, screve o aeguinlo:
As estradas das fre^ueias ruraes o'este con-
celho de Coimbra leen merecido lolt a atlcucao
da aetual cmara mun3pel. A importante es-
trals de Alvalaguez icha-sa j construida a
distaocia de 5 kilmetros, resiaudo outro tanto
pira se cincluir.
< A estrada de Tsvoiro, tambes de grandu
ulidale iiub'.ics. a cha se coust uiia na extensa >
de quasi 3 kilmetros.
..< Igaal4teute se tem construido e reformado
urna grande parle das rua e calcada! da frgua-
cia de Ceira ; da etri la dos foro is feira das
Ne'eS'; ilo alio da Portella da C>bi(i s Torres;
de Villa Pouc a Sernichi; da estrada principal
So S. Facundo ; da povoacao de Assafirje ; 4e
S. Silvestre Cio^a do Cimpo; fregueziadeBoto;
estrala que v das Almas da Couchoda m ti i -
inCCjiO a Celias, etc.
Teem-se construido d novo, ou composto, en
t;p|j o eooselho as s-guiutes fonlea :Cneira,
Castanheiro, Cillas, Moiioha e Val de l.iaha-
res, na freguezia de santo Amonio dos O i>..s ;
Sirgarrllho. Telhs, Sambraas, Cil'o, Aaisu^is .?
Abilheira, n freguezi* de Almalaguez; Carv.
haes, na freguezia de Aisifirje; Sobral na fre-
guezia de Caira; Villa Pones, na freguezia di
meal ; e Samao, na fregaezia de Boto.
< Da mesan frm so construio de aovo a pon-
te da madeira Se Lavarrabos e se relormavam as
pontes da Nszareth da Ribeira ; Coimbra, Outei-
ro e S. Sebastin, li freguezia de Boiao ; e S
Facundo.
Por esla forma tam a actual cmara falto u d
eervigo importantiasiao as reguszias rarses, que
nanea foram por tal saodo eitendidas.
Eos quanto s obras na cidade, alem das de
grande vulto, j referidas no relatono feto pelo
Sr. presileote da cmara, devemos mencionar as
aeguintes, effectuadas oo ultimo semestre:Pas-
eios da ra Larga, rua da Alegra, ra do Car,
mo, rua de S. Jeroayao, rua do Cotovello, raa
que d eatrada para o hospital e fyeB, parlo da
jua dos Estados e do largo do Museo, etc.
tllIftMPCi
REVISTA DIARIA.
Imsesaodo conselbo director da inslroccio
publica, hooteo celebrada, coacordou o mesmo
conselho nojulgamento da commisao de rame
das opposiloras s cadeiras desta cidade, consi-
derado ambas habilitadas para o exerccio do
magisterio.
Pelo Dr. juiz de direito do Bonito, foi co-
meado para exercer as fuoccoss de escri'o in-
tenoo do jury e execucoes crimieaes da mesma
comarca ao 6r. Manoel Thomaz de Villa-Nova ;
e pelo de boaona i oomeao igualmente para
idntico oflicioao Sr. Antonio Ferreira de Aauar
Jnior.
Acha-se em coicurso o provmenlo do offl-

; pes, Francisco G luqilves Nello, Joao A. Villana,
i). Amella de O. AlmeiJa, 140 para os portos "do
ul,
Passageirns do vj;or iogiez Tyne sabido
liara o Rj.o de Janeiro e Baha: Elu^rdo Angosto
Ryder, U. Biliomiro Rodrigues, W. II. Offen-
sandt.
Obituario do da 28 de agosto, no cehitk
rio publico
Francisco 11, frica, 40 annos, solloiro, Recife,
marasmo.
Mano.l Xavier Cirneiro da Cunds, Pernambuco,
12 annos, aolteiro, B a-Vista, enceohilite.
QuiQiino, Pernambuco, 50 annos. solteiro, es-
cravo, Simo Autonio, v.ariolasj
Antonio Pinto. Portugal, 19 aunos, solteiro, Boa-
Vista, tubrculos pulmonares.
Aodreta, Pernambuco, 21 anaos, solteira, Boa-
vista, varilas.
Val-riano, Pernambuco, 3 annos, Sanio Antonio,
bexigas.
CHRONICUOICIARIA.
Tribunal do commcrcio.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 28 DE AGOSTO
DE 1862.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
t F. A. DE SOUZA. .
A's 10 horas da manha, reunidos os Srs.
depuiedos Lemos e Malveira, o Sr. presidente
declarou aberls a sesso para mero expediente,
e designou o deputado Lemos psrs servir de se-
cretario.
DESPACHOS
Um requerimento de Vicente Ferreira da Cos-
ta, pedindo o registro da nomesgo de seu cai-
xeiro Pedro Pereira da Silva Guimires Jnior.
Regialre-se.
Ouiro do mesno, pedile por certido o re-
gistro di sua carta de commerclante.Como re-
quer.
Outro de Jos Lopes da Silva Guimaraes, pe-
diodo a transferencia dos seus llvros Diario e
Copiador, aioda nao escriturados, para a firma
de uimares, Souza 4 Compsnhia.Como re-
quer.
airo do mesmo. Jos Antonio de Souza e Vi-
cente Alves Machado, pedindo o registro do seu
contrato de sociedade.Seja ouvtdo o Sr. desem
bargador fiscal.
Outro de Francisco de Paula Ferreira da An-
ounciaco, pedindo ceriidae do theor do termo de
flanea do agente da leiies Gregorio Aotnoes de
Oiiveira.D se-lhe.
Outro de Jus Hygino de Miranda, pedindo
igual cerilla o.D-se-lhe.
Nidi mais heuvo.
SESSAO JUDICIARIa"*EM 28 DE AGOSTO
DE 1862.
PRESIDENCIA DO EXH. SR. DESEMBARCADOR
SOUZA.
Secretario, Julio Guimaret.
A'urna hora, o Exm. Sr. preaidenle abri a
eessao, estando presentes os senhores desembar-
gadorea Villares e Silva Guimaraes, e os seebores
deputados Lemos, e Malveira.
Lila, foi approvada a acia da sesso ante-
rior.
Foi assigoado o accordo proferido na sesso
antecdeme, entre partes :
GoDanlado prorsteisil.
Racdimectc do dial a 27. 28.891 939
Idsm do la 28......1:165|601
30:059;5i0
IIAMBURGO, 5 DE AGOSTO DE 1S62.
Bolelim commtrcial.
Desde O nosso ultimo o mercado tem-se echa-
do em mui favoravel aaimago, eos pregas dos
principaes gneros sustentaram o seu valor.
Caf.9 caf mediaron s sua posiQo eroa-
lisaram-se coosideravais vendas, sobretudo em
caf do Rio, e as transaccoes teriam silo nuis
consideravels ainda, se os vendelores nao tives-
sem estado espera de paquete, devido do
Rio.
Em 2 do correte, o telegrapho camminicou
de Lisboa as noticias vindas pelo vapor Magia
lena, e em coosequeocia das meemas o cal
subi logo l|8sh, mas os possuidores contionam
muilo reservados. Esperara urna sub :a succes-
siva dos prejos
O caf regular do Rio colado de 6 5|8 6
3)4 schillioce.
Impo:lacio do caf al Das de julho.
186253 milhoes de libras.
186157 1(2 dem dem.
1860551|2 idem dem.
185946 idem idem.
185838 idem idem.
Depsitos em los de julho.
1862-17 milhoes de libras.
186122 id-m idem.
1860-13 ilem dem.
185913 dem idem.
185821 idem idem.
Assucar.O assucar echase igualmente em
posigao mais favoravel, em consequeucia das
ultimas noiicas da Inglaterra, e sabemo se que
no interior ceaega a diminuir o assucar de ba-
terraba, lando falhado a colbeite do nono passa-
do. Vanderam-se cerca de 10 mil saceos 4
sucar braeileiroem julho.
Os pregos subram ultimamonte de 160
achilliogt arlO libras.
Colamos :
Assucar da Baha
em caixas, branco..l721 marcos as 100 libras
mascavo..U16 1(2 idem idem
ssccoibraoco..l7 1|2 21 idem ilem.
mascavo..l4 1i2-i6Il2 idem idem.
u Pernambuco
em saceos bronco..1821 idem idem.
maacavo..l416 Idem idem.
Importsgio d'assucar aid Bq. d0 ;u ho
1862-31 3i4 milhea delibras.
186133112 idem idem.
186024 3(4 idem idem.
185925 3|4 idem idem.
185824 1|2 idem idem.
Eo' ier em fin d julho.
1862-10 1|4 milhdta de libras.
186112 3i4 idem idem.
1860-8 3|4 idem idem.
18597 idem idem.
1858-23,4 dem idem.
Tabaco.Aa novaa importagoea do Braail mul-
to agradaram, e o negocio tem a sua exlracclo
1.500 bailas. Asqualtdades mais loas sao es-
ttmtti 9\T'i-.:'- ,,b8co "ie","
-3 i i ..h r18.:cU,n?V 2'qu.lid.da7 3,8
57b"na.!,nlh'!",,M- E,n ,ei,0 '"".-se
subi1d^0diF.lT0^P^i?0, d. a,0 subida. Faltando deposito, n transaegea foram
le as-
-----;---------JEr----------^----------.>------------------
multo liailadas; venderam-s ltimamente 103
bailas de algado do Cear i 18 acbillings ; eujo
aliodao logo paisou para outra mo por 18 34
scbillingi. O algodao do Braail. mesmo em par-
tidas msiorea, ooleria nesta momelo bellos
pMfOS.
Coaros.Como sampre acontece nesta estagio
os couros se acham em estado d grande frou-
Eldao._ Huraa o decurso de julho venderam-
aa 15,000 couros da differeates proveaieucias do
Brasil
Cotamoi ;
Couros do R0 Grande do Sul
seceos......89 schiiliogi.
salgados.... 55 112 ilem.
da Baha seccoi ... 7 l[2-7 3^ iiem.
de Pernambuco ilem 6 I|87 l|4 ilem.
O deposito g-ral de couros de cerca 51,000
TaplociSem raudauga notar. Urna 50
aseas valas da Babia venderam-se 2 lii
ichilliogs.
Celo.As 540saceas que ha pouco chegaram
do Para no navio P^/, renderam-se a 6 3i4
schilliigs. O cacio da Babia sustenta o seu pro-
f o ; o deposito a pequeo.
Jacaranda.Ai ultimai realas foram de cerc
de 300 mil libras em jolh%, a pregos mais bat-
ios; ultlmamento, porm o morcado se tem tor-
nado mais firme.
Cambios,
mezes de data 13 marcos 4 114
schilliogs p. Ist.
prazo curto 13 marcos 5 1I
schilling p lst
3 mezes de data 190 34 [reos
por 100 marcos,
prazo curto 189 li4 por 100
marcos banco.
Descont 21i23 0.0
Est carregando para Peroambu^o o navio Ca
pibaribt.'
Sobre L>n4res3
Sobre Pars
Assucar.O mercado continuou al ao fin do
mez paseado no mesmo eslsdoem qua o deeereve-
mos na nossa ultima reriita, aai ordena ltima-
mente ebegadaa da cidade do Porto, e qua flze-
ra seguir para ali um eirregsmento que so des-
uara nosia prags, aoimarara esle genero ; e
atada qu ai pregospoueoiubiram.comtudo sus-
tealam-se com aila firmeza.
As anlrada foram da 2*1 eilxss, 88 barricas e
17(ii sseess da Babia : 9.577 ..ceas, 100 barricas
Si v ** dlil" e 4 cah*les da Pernambuco ;
9Xi barricas, 35 caixas, e 168 formas do Para ;
71 barricas di Hadeira ; e 100 saceos de Liver-
pool.
A. existencia desta enero hoje da carca de
Ciixes Feixos Gigoi Barricas Saccas
1197 1359 283 6227 S6573
Alm disto existim mais 151 paneiros, formas
e cunhates.
AlgolaoEntrarara de Benguella 121 saetas,
de Leaoda 3S fardes e de Liverpool 50 ditos. Al-
godao do Brasil nao he no mercado, e por isso o
de Angola adquiri posigao mais rantajosa.
Para o que chegou ltimamente ainda nao se
abri prego*
Agoardente do Brasil.As triasagoes eftectua-
Ispccg > Jo arsenal de
marinha.
A inspecgo de arsenal de marioha contrata a
obre de 40 bracas di caes ea conlianaeio ao enea
do norte do mesmo arsenal, abra esla que deio
er concluida deutro do anco fioaoceiro corra-
te, t^cnm s seguales condiges :
1. No aliohaeseoto da estacada da basa do
ees existente ser fincada usaa fila de eeteies.
distantes palmos um do entro, contando-se de
cealro a centro, cajos esteies serlo de a sdairaa
le qualidada praprla pera agu. Csses eiteiM
terao ao menoi 1 palmo de dimetro, sendo an-
eado! uaaprefendiadede 13palmos, pelo me-'
* ,0 '"reno, ao so ceanlo a profundidade
de II a 13 palw.es de agua, que aclualaeoie ae
ache nesta direegao da muralha, e qu* sera con-
servada at se fazer o enrochamento de eorte asa
os lasos inforiores dos eeteios fiquea 24 palmoc
tb.ii do mu! de biixamar.
' Parallelamenle i fila de slelos de que ira-
das at ao fim do mei foram de pouea Importan- >a o artigo antecedente, e ea distsaci's de 15 nal-
." II I i m aman ii* l- > ,. ,- .^- I _.. .___________, ,*>___-- m .
Revista commercial. Lisboa, 12


l
B

a


o

t
A



i>
@



u
d

b

d

i)
$200
I
5100
1800
13800
13100
15950
15*300
18"00
13(!0
19300
28000
2*400
205
2201
5 I
130i
2s>600 |
1$650
1JJ500!
25050 i
1350|
25200
1500
15550
29100
2J18O0
4000 429000
Preros correntes dos gneros de importarao do
Brasil.
Algodao de Pernambuco. .
Dilo do Maranhao e Para. .
Dito de Angola.....
Dito da India..................
Assucar de Pernambuco b.
Dito mascavado .....
Dilo do Rio do Janeiro m.
Dito da Babia b.....
Dilo dilo mascavado ...
Dito do Maranhao. b .
Dilo dito mascavado. .
Dilo do Para bruto ...
Dito de Cabo Verde.....
Dito da ludia..................
Agurdente de canna do Brasil
Alpisla............
Arroz da Indis. Coa : .
Arroz da Maranhao e l'ara'up.
Dito dilo b^m .......
Dilo.dilo ordinario.....
Dito dilo rotado.......
Caf do Kd prmeira sorle .
Dilo dilo segunda Dilo dilo lerceira ilila ....
Diio dito escolha boa ... .
Dito da Babia........
Dito de Cabo Verde.....
Wilo de S. T. e Principe. .
Dilo de Angola........
Cacao do Para.......
Dito da Babia.........
Dilo de San Thomo.....
Cairo da India.................
Cera amnrella de Angola .
Diia dila de Bengnela ....
Cravo do Maranhao. .....
Cravo de Girofe.......
Chifres......
Couros seceos do Rio .
Couros verdes do Para. .
Ditos espichados das Mioas
Dilos dilos da Baha
da. U limamenle hoaveram algumas venias
para reexportar para a Ctsta d'Alrica.
A entrada foi de 148 pipas de Pernansbueo.
DaMaieira Teram 38cascos.de Glasgow 10
cascos e 54 pipas e de Cdiz f') ditai.
D> agoirdaute estrangeira as 'ransaeges leem
sido limitada?.
Azeile.O embarques teem sido de pouca im-
portancia, e im ha concurrencia ao mrcalo.
A colheila pendeate centinu a mostrar-so sa-
tisfactoria.
Arroz.Vendas limitadas ao consumo
traram de Londres 100 saceos e de
ditas.
Alpisla. -Algumas rendas para reexi>nrlsr.
Os aupprimentos rhegados foram de 300 barris
de Gibraltar,e de 155 saceos de NViaardiog-n.
Caf.Mo decurso desta revista entrarara de
Loaua 47 saceos, de S. Toom 1250 do Cibo
Verde 197 ditos.
Cintiauaram as transaegoas a serem resumidas
em consequenciis escasa*i do deposito.
Perm acabando da chegar os supprimentos
que aciaa mencionamos, nao podemos apreciar
eom seguranga o resultado que possa haver no
mercado com aquella entrada.
mo$ p,ra t(rra firmet ter enterrada urna outra
ma de estelos, em tulo igual, ideotici, e syaa-
3."
Cada m os esteios da fila ds frente ser!
preso ao correspondente la fia interior por urna
barra de farro de urna pollegada da diaaelrov
eom cabega em urna extreatdade, e porea roe-
ca em outra, que atravessaoao os rcf.ndos es-
telos por meio de fazes e por meio de tr.vea da
madeira pregadas, cooservarao ae duss filas da
eiteios em distancia Uxa e invariaval ; deeedo,
Em- porm, ficar esta barra de ferro ao menos 12 pol-
erpooi 450 leg'das abaixo da mxima baixama'.
4.a Depon de fiocadaa e ligadas as duas filii
de esteios, como fica dte no artigo antecelenta.
serio serradas as cabecas dos estelos da filada
fenla na a llura da baixamir, e pregar se bao
bem um jas pranebss de pinbo on outra madeira
ees cala urna das filas de esleios, no sentido lon-
gitudinal, desde o fundo do csoal ata o m! da
balxamar, de maneira femar urna especie da
caixo.
5/ Todo o espago interior das dats fl!s de ea-
teos ser conrenieutemenle ebea de pedrs da
alrenarla de boa qualidade at o nivel da Daixa-
mar. Tambem ser feuo um enrocbameiito.aa__
V'O
35600
652 M)
5500
5z0t)
4 $000
600
35800
GslOO
5JJ900
55100
45200
45500
4*300
35800
9
5
55OOO
45200
3?700

3S10D
48800
497OO
39800
35v00
35IOO
33000 35*00
75OIIO IO5OOO
300 3115
305 310
280 360
100 120
U. 20J00O S0$()iJ0
A exi3leneia_desie genero boje de 270 saceos Patle exterior da estacada al a altura da baixa-a
de Brasil e 3,733 das Colonias. mar, formando a superficie superior um taluda
Cera.Eotraram 552 gamellas de Loanda, 26 ou clinagao de 1 1[t de base por 1 de altura,
de Mossamedes e 246 de Benguella. I iobre a baso lormada, como fica dito, ser
Os possuidores sustentam os pregos cem fir- f*'1 UBQa Prede de pedra secca pela forma in-
meza.
Alguroas traniacgoes se teem roalisado e ape-
sar dos suppiimeuios ehegados o deposito in-
significante em vista de falta qu? havia das
qusiidades da de Benguella e mesn_ da de L-
anla.
Cacao.Nao cooslaui vendas, e com a entrada
ne mez passado de 261 ateos do Para os preg3
baixaram. De S. Thom pelo D. Antonia eutra-
ram 52 saceos.
dicada no respectivo desenho ; cuja prele ser
a faca exterior na grossura de 3 palmos, ligadas
as pedras coa argamassa de bom cetuentj hi-
drulico. Do nivel de 2 palmo abaixo da prea-
mar e para cima ser toda a muralha fei'.a ea
toda a grosaura com argamassa de cemuato e
pedras de alienara ou lijlo, terminando e3ta
obra ns altura do 3 pemos aciaa da presaer.
7.* A face exterior da toda a muralha ser bem
igual, tea puntas salientes
A


Dilos ditos de Angol......
Ditos salgado! do Maranhao .
Dilos dilos de Pernambuco
Dilos ditos da B ihia. .
Dilus ditos de Angola .
Ditos dilos de Cubo Verde ,
Dilos ditos das Ilhas .
Dilo?. ditos mouros.....
Conx.nhos........,
Deutefe de marfim, le.. .
os 11.. ,o.......
os oscravelho .
e.........
de pao ......
copal amarellla
da.......
ranea
D



B


140
80
160
120
80
90
90
1-20
80
120
150
70
3S200
19050
19HO0
G00
251110
t 00
45S00
29OO0
I92OO
l5>0
G^UUO
b




A.
(D
'J;.-MO
co
15300
100
n 1^5000 125000
.
@
. alq
e cu-
.
.
Dila ordinaria........
Dila do Brasil........
Linho dalndia.............. ta)
Melago............i?
Oleo de copahifia......
Pimenla da India......
Salitre dalndia..............
Salsa parrilba surerior.....
Dila dila reuular.......
Dita dita ordinaria......
Trigo eitrangeiro ....
Tapioca bou.........,
Uruc.............
Urzela de Angola e -.-ii.uc-
la superior.........
Dila do dita ordinaria ....
Dita de Cabo Verde.....
Vaquetas do Maranhao.
Dua do Para ....
Dila de Pernambuco .
Exporlamo.
Agurdenle de vioho. Alm. 69OOO
Azeile doce......
de purgucira .
Amcndoa doceem milo
Banha de porca. .
Batatas.........
Cera branca em grumo.
Dila dila em velas. ,
Ceblas.........,
Cenleio.........,
Cevada ..........
Carne de vacca......
de porco b
Chouricos.......,
Milito...........
Paios...........
Presuntos.......
Sal........
Trico rijo do Reino.
160
85
180
10
120
135
130
140
110
130
160
100
35600
1$200
15O50
15000
3?300
700
. .e pedraj, e t-:.,t.>j Couros.Tera-se cflectuado as transarroes nos a argamassa de cemento do nivel ^a baixa-
verdes de Para e slgalos do Maranhao. As mais UT Prcima.
qualidades icem empatadas. 1 8.a Nenhum material ser empregsdo na obra
* entrada foi de 510 da Baha, 1,6 0 do Parfi, s?m a precisa aulonsigao e approvagao do fiscal
1.995 de Loanda, 1,553 de Mossamedes, 2,562 ci a governo, o qual dar todss a* inslrucgoes pa-
Benuuelia, 2,436 do Cabo Verde. 253 !p Uadei- ra boa exacugo da obrs, devaodo o arremitau-
4ssoo ~;-sri
4 5200 -' J
9
59300
25 i 00
19400
I96OO
9$00O
5 359OOO
4O9OOO 429000
loO 105
12cuu0 159000
I8000 203 0 1
I25rt0(> 1113000
109000
700
2510(1
J-O
.
ama
11
B
65)00
795OO
900
15T0.)
1$:300
9.3OOO
U15100
I9OOO
2().)0
IjjSOO


.

Ib.
B

M
A
a
@

@
A
Duz.
Dito mulle......... b
Toucinho.
Vinlio de Lisboa linio .
Dilo dilo braneo ....
Vinagre de Lisboa Unto
Dilo dito braneo ....
?

P.

Londres 90 d|d .
Pars 100 did .
Genova 3 mjd. .
Hamburgo 3 in|d. .
Amslerdam 3 m[d.
Cambios.
... 54
. 530
. 526
. 48
42,50
65800
492OO
2J600
3$0I)
49300
400
400
420
140
470
360
IO5OOO
20t000
30 ;o
500
11050
55000
29OOO
700
700
35600
S5p000 909000
9050OO 9590OO
405000 455000
45$000 505OOO
4-3050
5500
29*50
45200
380
3S0
400
120
460
30
420
Moio 1>800
O50
680
. accas de S. Miguel, 42 fardos do Gibraltar
471 meios de sola ae Pernambuco.
Gomma copal.Tem havido falla desle gonero,
mas a procura taiubem lem silo pouea.
Enlraram de Loanda 1 crixi, 231 barricas, 2
mus ditss e 151 saceos de Benguella, 32 caix'ss
52 b-.rricas e 854 saceos, e do Ambriz 11 S3CC03
e 1 barrica.
Gomma do Brasil.Cont;nua empatad?. Nao
liv. mos SBpnrimenlo algum.
M-lago.Os pregos cotados suslentam-so com
multa Urcjeza, e algutis possuiiores inJa tem
maiores pretengoes. Venderam-se ceres de 200
pipss e as eutradas foram de 180 barris do Per-
aambuco.
Martlm.Continua na mesma apalbia.
Enlram de Loan.la 130 pont-s de Mossamedes
76 e de Benguella 512.
Silsa.Puucas trausaege, mas os precos coc-
serm se firmes.
Eotraram 396 rollos do Para.
Sal.Embarques regulares.
Urzella.Nao procurada, c aa irtcs-c^oes tem
sido insignificantes.
Vinhos.E-iibarques regulares.
Os possuidores aualentam os pregos, e pro-
'avel que nao tciinem mesuio, porque nao se
vote inda avaliar quai ser o resultado da co-
Iheila pendonte.
te seguir exsctan,enle a ordem de execu.u dos
trabolhos que pelo dito fiscal llie for delerriiineda.
9.a Se durante a execuco da obra o fitcal do
governo entender conveeiente alguma modifica-
gao no systema de coostru-gio, e essa moditica-
gao nao alterar o prtgo da obrs, o arrematante
Dea obngado a exeoT.ar eesa Baodilicago.
Pera o contrato da obra receben)-se propostas
aa secretaria da inspecgo at o da 10 do futuro
mez de setembro ao ateio da.
A pealada obra acha-se na racima secretaria,
e pode ser consultada por qwalquer qu quelra
della eucumbir se ; e bem assian o seu orgawen-
to, no valor de rs. S05$200 cada brega.
laspeceo do arsenal de marinhi d'o Pernam-
buco 21 de agosto da 1862.
Alexandre Rodrigues dos Aufos. .
Secretario.
':
:Z:4$
O corpo de polica compra pita farjarneoto
3o0 covados de panno azul, e 750 varas de brioj .-
quena quizer fornecer apreaenle-se com as amos-
tras e 8uas pro^ostas em carta lechada, n>. secre-
taria do niesrao, no dia I." da seteub.o prximo
Tiudouro, ao meio dia.
Luiz Jernimo Ignacio dos Sontos.
Tenenia-secretar .
Santa casa (k nisencor-
iia do Recife.
^ira.
KMBAllCAgoES DESPACHADAS,
P-roamburr pelo Porto.Despqie 2* barc.
port.Jcom 39741 trcs a-, 9aj# '
Mercurio [brig. porij com 132480 liiros do
'..a ir / ., ., Iil,r* Sr- cnmmendr.dor Jos Pirs Fcrr
.I5 Zii -? (' P-r -e% !2 b,rris 'ie lhnBOurcifa a santa casa de misericordia do Re-
vinho, 30 .. vinagre, 3 bi ns ->7 c-ix^s i- 8,;. cif.,, manda fater publico q-e. Pm rirude da de-
>,., Sob.rnsd, c-.m-P 'J,.!, t,-n!ia. 43 md- liberago da juoia admmUiraliva da m-soia aen-
'- 11j ''- V '"x'< d :h- 9 de '" la cas". f":i P-gsmeoto as amas da casa ^s ex-
ce. 0 de masaar, 20 de c-ra em reas, 28 de pastos, que comparecereas acoapanbsdas das
"erravlai de paaas. 130 de Og-s. 200 de respectivas crianga, no dia 10 de sU^mbro rro*
batatas. iOOc.u.ae 700 molhos de cebla,. 5 simo fut.ro. pl.Va 10 horas da anhaa. no sali
stress de cominos, 50 barricas de farioha, 69 da casa dr.s expones
rolme do drog**, 10 saccas de pimanta, 250 Secretaria dasaotacasa de misericordia do Re-
aneorotas de axeilonas, 8 gradea d.- qufcij!)3, 26 cife 25 ds sg su de 1162.O escrl5o
viilm-s. de r.bra de ferrn d h r...ll n
,. ,, ., .-,. I-. A. Lavalcaui Coub'.p-.ro.
- Acas,. [lug. PorUcom 18o barril com vi-1 Pela administrado do correio rata cidade
Dho oO com vinagre, 50 barra e 17 caixas com se faz publico, queem virtue da eonrencfiu noa-
l ,', Th n5 :' ."? -3 d **." Je Sflr0 Pldaa malas para EUopa no da 81 di
melada. 100 ancoreta. o'azeilon.a. loo bar- crranla de conormldade eom o annoncio oealS
ns de louciBho, 150 de carne eneaeada, 150 bar-1 corroio publicado no Diario de 29 de J meiro do
ricas de farinha, do de ervai-ce. 12 aacces deiauoo passado. As caitas s;.ro recrjji.ias M
epmwhos. 10 de pimenta 20 de grao, 0 le f,i- horas entes da que for barcada pa a h ia dJ
jao, lOO molhos de seolea, 2.5 rnoios de sal. vapor, e osjorna.s al 4 hora antes.
Correio de Pernambuco 22 da agstn do 18G2.
Madrid 8 d[v........ 935
Porto 8 div......... par.
Metaes.
Pegas de 89OOO .... 85020
Ongai hespanholas 15*000
Dilas mexicanas. 149200
Anuas de ooro dos Esta-
doi-Unidos .... 185400
Sobersnos (a prata). 45190
Ouro cerceado (a ooro) 15980
Patacas hespanholas 930
Dilas brasileiras ... 930
Ditas mexicanas 930
Viole franco..... 35330
Cinco francos .... 875
Prata portugueza (marco). 7-5900
85040
I592OO
149100
18500
49000
29010
910
940
940
3550
885
"85020
Fundos e accots.
3porcanlo daaiiantamento 47 a 47 1/4
Coopons.......47 a 47 1/4
Divida differida 47 a 47 1/4
Banco de Porlagal. 5109000 a 5505000
Dilo commercial do Porlo 2559000 a 2575000
Dito Mercantil do dito. 2558000 a 257S090
- Revista commercial
de 12 de julho a 11 de agosto de 1861.
o periodo desta revista o nosse mercado foi
regular era IransagOes, e ainda que na bnuve-
rem vendas de grandes importancias comtudo
qaasl tolos os gneros sustentaram as anterio-
res colagoas.
Inl-re elles, o caf do Rio, o melago e o algo-
dao adquiriram rantagem:
No mercado de faodos houve bstanle adivi-
nase. Oemprestimo que o geverao onlrabio
na praga de Loadres, e para o qual se presen-
taran! Immedietamente subtcripges muito aupe-
rions quanlij pedida, trouxeram esta anime-
cao. Na aclaalidade perem, o mercado fica mais
2 clices de poame, 19 di'os de cantara, 5
\l3, 29 volumes de pass-s, 20 barricas de no-
zes, 10 d'aliiste
Maranhao.Bom Successo (brig. port.) com
116 barris e 30 ancoretas de vinho, 6 pioas a 16
meias dilas e 30 barris de vinagre, 30 barris
'azeite, 65 de carnes, 40 de toucinho, 230 bar-
rica de farinha, 140 caixas e 1200 molhos d*
cebolac, 22 volumes de drogas, 29 de pncom-
m en das, 45 ctisas de cha, 33 do cera, 80 enso-
tes de azulejos,80 caitai de genehra, 5 volumes
le passis, 16 caixas de ac, 12 cestos do rolhas.
226 volames de batatas, 24 barriras de notes.
10 l|t ditas do cominhoa, 52 pegas de cairo, 15
volumes de lagedo, 25 de moba, e 123 garra-
(oes empslhados.
BARRA DE LISBOA.
Entradas
Julho 16 Beau. Vedel, Brasil.
Marianua, Teives, Pernambuco.
n 21 Taureg, Ferreira, Para.
a 23 Mercurio, Francisco Jnior, Pernam-
buco.
30 Maris da Gloria, Valente, Pernaulbuco
Agesto 2 Magdalena, Woolwsrd, Brasil.
f 5 Sympathis, Santos, Pernambuco.
Sahidas
Julho. 12 Jareo Sobrnbo, Pernambuco.
Oneyda, Bevis, Brazil.
24 t nao, Nobre, Para.
26 Bom Sucesso, Almeida, Maranhao.
27 Acaso, Souza, Para.
28 Extremadure, Souuer, Brazil.
Agoslo. 1 Oespiue 2o Duarle, Pernambuco pe-
lo Porlo.
< 2 Mercurio, Francisco Jooior, Pernam-
buco palo Porto.
c 7 Constante. Res, Pernambuco.
LMBAUCACUKS A' CARGA
PernambucoBrigues Relmpago e Florinda.
barca Corga, patacho Maris da Gloria.
Maranhao.Brigues Anglica 1* e Julio.
Para.Birsa Linda e bngue Tamega.
SO #0!^*3
Domingos dos Paasos Miranda.
Administrador.
yisos csants x
de Janeiro
Pretende seguir com mnila brevldade para
Rio de Janeiro oveleiro a bem conhecido brign
c :o-ial cAlmiranter, tnj parla de seu carregs-
ento prompto ; para o resto qua lh falta, tra-
ta-ae com os aeua consignatarios Antonio Luix da
Oiiveira Azevedo. no seu escriptorio rua da Crus
numero 1.
COMPANHft SRASfLEIRA
DK
IPIiTSS IJUPML
E' esperado dos portoi do sul at o dia 80 do
correnle um dos vapores da compaobia, o, qual
depois da demora do coslume seguir para os
portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sa>
a carga qua o vapor poder conduzir a qual devo-
r aer eaabarcada no dia de aua chegada, en-
commeadas e diaheiro a frete at o dia da sabi-
da as 2 boras: agencia rua da Cruz n. 1 as-
' criplorio de Aoloaio Luiz de Oiiveira Azorada
i& c.
Navios entrados no dia 27.
Canalbarca ingleza Margarit, espilo George
Asery, carga assuesr.
Navios entrados no dia 28.
Soulhssaptnu e porioe intermedios18 das, vapor
inglsz Tyne. de IS07 toneladas, ommandante
I. li. Jeliicoe. equipagem 110, carga fuendas, e
oulros gneros.
Ro Grande do Sul25 dias, brigue brasileiro Ca-
rolina, de 239 toneladas, capitn Jos Custo-
dio de Lemos, equipigem 13, carga 9100 arro-
bas de carne secca, a David Ferreira Bailar.
Rio Grande do Sul25 das, patacho brasileiro
Director, de 217 toneladas, capillo Antonio de
Souza Rodripnes, equipagem 10, carga 10,000
arrobas de carne secca, a Aeaorim Irmio.
Navio tahido no mesmo dia.
Rio de Janeiro e Bahiavapor ingles Tyne, eom-
mandante Jeilicoe.

RiodiJaMro,
pretende seguir com muita brevidade o veleiro*
bem coeheciso patacho nacional cCapaans.cn.
fito Tbotoaio Jos da Silva Rosa, tesa parta
d'' sea carregaaieoto pronapto : pera o resto qaa
I he falta, trata-* eom os seas sonsigaatarioa An-
tonio Luis do Oiiveira Azevedo C. no ten ea-
eriptorio, ma da Cruz a. 1.
MUTILADO I


KA1I0 11 1IRJJOCO. *~ SklA Ifil&A 19 DI 1G0S10 11 ilfli.
COMPANHIA BRASILEIItA
DE
t pmi a vifoi.
Ateo dia 30 do crrante, 6 esperado doi
portos do norte o Tapor Oyapock, rosaBaanan-
te o priraairo (c-nenta Antonio Marcelino Poetes
Ribeiro, o qual depois da demora do cosame
seguir para os portos do sul.
Desde i recebem-se passageiros, o engaja-se;
a carga que o Tapor poder cooduzir, a qual dere-
ra ser embarcada no dia de sua chegada : diuhei-
ro a (rete e eocommondas ale o dia di sabida as
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1,
escriplorio de Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C.
LOTERA
Sexta-feira 5 de seteaibro prximo
se extrahira' a ultima parte da priuiei
ra loteria beneficio dos religiosos
franciscanos de Olinda e primeira da
primeira da santa casa da misericordia,
no consistorio da igreja de N. S. do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilhetes e
l meio bilhetes a cha m-se a venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n.
15, e as casas commissionadas praca
da Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e atalas novas a 89 rs. t libra, o m
MI I IMITO
SOINO
mim.
Pan o Maranho segu por estes 8 dias o re-
"ieiro p^lhabote Garihaldi, lem parte do carre-
cimciio prompto, para o ralo tratase com
laeso Irisaos ou com o capilao Custodio Jos
Vlanna.
(EdDHIIPHillJl
DAS
Messagenes imperiales.
o dia 31 do corrente espera-se dos portos do
sul o vapor francez EUremrdure, commandaote
Somer, o qual depois da demora Jo coatume se-
guir para Bordeaux com escala por S. Vicente
e Lisboa.
(Eos S. Vicente ha um Tapor em correspon-
dencia com Gotea )
A eompaobia eocarrpga se de segurar s roer-
cadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
cerno lambem recebe dinhairo ol-jecto do valor
com destino a Londres em trausilo por Bordeaux
e Boulogne.
Para as condicjoes frft^s e passagens Irsta-se
na ageocia ra do Tmi.k h- d. 9.
COMPANIIIA. PERNAMBUCANA
DE .-
Navegaco costeira <& vapor.
Parahiba, Natal, Macau, Anteay, Cea-
r, Acaracu' eGianja.
O Tapor Jaguaribe, commandante Lobato,
sahir para os portos do norle ate o da Granja,
no dia 6 de setembro as 4 horas da tarde.
Recebe carga at o da 3. Eocommendas, pas-
8ageirose dinheiro a (rete at as 3 horas do di*
da sabida. Escriptorio no Forte do Mallos nu-
mero 1.
COlPAftlIA PE-RSASSlCW
DI
O vapor Maasanguape, commandaole Moura,
aahiri para os portos de sul de sua escala do
\ 5 de setembro s 6 horas da larde.
Recebe carga al o da ao meio dia. Ea-
contuteadas. passageiros e diabsiro a (rete at
e dia da aahida s 2 boras: escriptorio no Forte
do Mallos b. 1.
a
Babia
com multa brevidade pretende aeguir o ben co-
nbecido veleiro brigaa escuna Joven Arthur,
capilao Joaquim Antonio Goncalves dos Santos,
lem parte de seu carrgmenlo promplo ; para o
resto que lhe falta, trata se com os seus consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no sea escriptorio ra da Cruz a. 1.
#'
0^
LEILAO
DE
i9 duzias de
boas de
ta.
pinho,
e
O agente Almeida far leilo por conia e risco
de quem pertencer de 49 duzias de taboas de pi-
nho de di eraos tamsnhos, no srmazem dos Srs.
AzeTedo Irmaoa defronte do caes da slfandega :
aexia-faira 29 do crreme sll borss.
na ra da CadeiadoRecife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at 10$ serao
pagas urna hora depois da extraccjo,
a as outras.no dia immediato depois da
distribuicao das listas.
Servindode thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
U. C. C. de Mello, laojador do consulado
provincial, avisa aoa senbores propietarios e
maladonoade eslabeltcimeotos, que desde o 1.'
de julho do correle anno se acha encarrsgado
dos lancameoloa da decima urbana, e dos de
mais impostos das fregueziaa de Santo Antonio,
S. Jos e Afligidos.
Nesta typographia precisa se fal-
lar ao Sr. Manoel Ferrara d'Almeida,
que mora na Casa Forte.
23Largo do Tenj23
VenJe-ie os ganaros por menos vate por cenia do qus a outra ajuslqu repine, iSaa-
e.sa'o-se a boa qualidade.
ManUiga iigleza da safra tova do 750 a 800 rs. a libra.
Di la francvzs de premsita qualidado a 609 o 560 ri. a libra.
Qutijss flasaengos ehegad. s ltimamente a'5 e dos do passado vapor a 1*100.
Cal de pmeira asegunda qualidade a 260, 230 o 320 rs, a libra, o em arroba a 89 o t#;
Servej-s das maicas mais acred tadas a 480 rs. a garrafa.
Yiaao engarrafado do Parto a 19200 elti garrafa.
Dito ero pipa marca P. L. P. a 480, 60 o -0 rs. a garrafa.
Masas, maearrao, talharim e alelria a 300 o 400 rs a libra.
Passas novas a 320 ra. a libra, e em moias oalxas por 3 cada urna.
porcao se fax abatimaato.
A m dos gneros annunciados, encsntraraa serlimento eomp'eio de lude quanto o tndea-
te a molbados.
O escrivo da irmndsde do Sehhor Bom
Jesas das Dores, em S. Gonjslc. costida a todos
os irmaos. e devotos do mestno Senhor, para do-
mingo (31) comparectrem referida igreja afim
de assislirem fesia e Te euro de seu padroeiro.
O etcrjiao.Juau Manoel Lino da Rocha.
Ama de leile.
Precisa-se de un-a ama de leite : na roa da
Cruz n. 15, segando andar.
Ao publico e ao commr rcio.
O solicitador 1\ A. da Costs Mschado pode ser
procurado para os misteres de sua proflssao na
casa de sua residencia, na villa do Cabo, nos dias
de segundas, tercas, sezlas o sabbado
dias de quari
Refinador.
Precisase de um refinador que saiba
i perfeitamente desempenhar este lugar:
na refnaclio do Manguinlio.
costuras:
Na rus ora de Ssnta Rita n. 40, tosaa-se Da-
r coser costuraa de tedas as quslidades como
LEILAO
Pede-se attenco!
A 2 de setembro.
<5 agente Oliveira far leilao dos eicellentes
mofis e adornos de casa, drizados nesta cidade
pelo Exm. visco.le de Loures, soosistindo em
utos mobilia a mais rica, solida e perfeita de
qusrilis se lem efTerecido a venda al hoje, de
crislaes verdedeiros quaoto elegantes, de lin-
<1m porcellatwis para almoco, Janlir e para en-
','.:-s desalUs, de quadroi mullo apreciareis,
ec-n 'o todo do mais sumptuoso e agradavel que
pod-ia encommendar se de Franca e loglaterra,
cuja eaamera^.au oceuparia Jongo eapaco, mas
guarda-vestidos de jeesrand oom portas de op-
tircoe eepelbot, sjaatda-laataoo, cosoaaodaa toi-
1U, lavatorios, spparadores. louceira. mesa
elssilc* grande para jantar e outras. tifferenles
laoteroas, lampeea candelabros leHos e ber-
<;os. cadeirse estufadas cosa rolaanas, e outrss
para leilura e descaogo, um ssnetuario de gosto,
tapetes e moJtiplicados oulros objsotos, sao to-
dos de igual perteico e apreso, e de nao menor
lilidade sao um cofre de ierro alto, um cabrio-
lei, uma machina para lavar roupa, esponjia
arraodes, carlires, e oulroa objectoa: (era pois
.-.u:r o leilao na
Tenja-feiri 2 de
tc.-r.bro, as 10 horas da manhi. em armazem
graude, o. 20, sito na raa do Apollo.
. O hachar! Haooel Firmino de Melle, mu-
ot a su residencia da raa di lasperatriz para
a da Aurora n, 48, segando andar, ote pode ser
arocarado pr* a ana profissio do abrogado, das
3 heraa da tardo em disote, e dahi al as 9 da
aanhs, no sea escriptorio i* rus estrella do Ro-
Jie n. 27, inmiro udar.
Domingo 31 do correte haver no grande labo-
ratorio de lavagem de roupa a vapor, aito no Ar-
raial, uma exposico do machioismo e do pro-
ceaso de laragem para as pessoas que quizerem
assislir. Os proprietstios desejam que baja gran-
de concurrencia, e principalmente de senhoras,
para assim poderem provar as vaotagens da em-
preza.
O Sr. Claudio Dubeux ter as 9 horas e meia
da maoha mnibus disposicao das pessoas que
se quizerem utilisar.
Consulado d Fra ca.
O cnsul de Franca envida aos credores do
fallecido subdito francez Antonio Eugenio Barrel-
lier para comparecereoa no reapectivo consulado
desle ss 10 horas da manha al aa 3 da tarde,
afim de receberem a primeira prestaco do debi-
to a que Bcou obrigada a viuva do referido Bir-
rellier.
Franca e Brasil.
Excellentes fazendas france-
zas.
J. Mercier, estabelecido na ra da Cadeia do
Uecife o. 18 primeiro snlar, faz publico a aeua
freguezes, e a todo o publico em geral, que acaba
de receber de Franja, um completo sortimeolo
de fazendas do malhor gosto, as quaes vende a
precos muito commodo.
Fraaca e Brasil.
Oiciaes de alfaiate e costu-
reiras.
J. Mercier, com estabelecimenlo de alfaiate na
ru da Cadeia do Recifo n. 18 precisa de boos
ufliciaea e de costureiras.
freos* 80.de uma ocrava que.iej boa en-
gommadeira e costarrira, sendo moja e sadia :
quem a li'er e quizer vender, dirija-se a ra da
Aurora n. G2, segundo andar, qae achara cosa
qusm tratar.
Neva exposi-
?o de candieiros
I a gaz.
| Chsgou a nova exqostc&o
Chegoa a nova exposijio
i Chegou a nova oxposijao
I Chegoa a nova exposi?ao
Chegou a nova exposijao.
Candieiroa a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros s gaz
Cndieiros a gaz.
Sortimento completo
Sorti-i ento completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Sortimento completo.
Gaz de primeira qnalidade
Gaz de primeira qualidade
Uaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade.
S lem na nova exposico
S tem na nova exposico
S tem na nova exposigo
S tem ns nova exposijo.
O proprietario desle ostabalecimento avisa
Aviso.
Francisco Fernsndes Daarte, proprietario do
armazem progresao, faz ver ao reapeitavel publi-
co que o aeu ealabelecimento com a nova nume-
rado paaaou de n. 8 para n. 10, e para que nao
haja equivoco faz o presente.
Furlaram do abiixo asaignado, da villa do
Cabo, no dia 18 de agoato do correte anno om
cvallo rucoaujo, com oaaigoaes seguiotes : uma
cora na sarnelha, e na mesma uma pequea feri-
da do lado ; foi o dito cavallo alugado a Luis An-
tonio Lobo Hoscoso, que julgo aer ladro do ca -
vallos, pola tendo-o alugsdo para entregar no dia
aeguiote, ao passados j aete dias e aioda nao
reatituio-me. Fede-ae aa autoridadea que o ap
preheoderem, qae me aviaem,
Furtaraas mais da mesmo abaixe aasignado, no
dia 2 para 3 de marro do correte auno, dous
cavallo com os sigoaes seguintea : c 1.* casta-
nho escuro tapado, altura regular, gordo, com
uma fistrapreta que principia da sarnelha e Anda
ns cauda, a tem o ferro seguate R : o 2.* alaso
pequeo imitando a caxito, ioleiro, uma marca
de bexiga (do sellim) anda baixo, bola at meio
e um pouco desaaaalriado, osps calcados, e ama
aso tambem calcada pouca couaa, e na outra
uma marca branca da largura de um dedo, a
frente do beico branca em baixo do qnadril para
acoatella mioima uma marca branca, na acc*
uma maro rxa imitando a preta, constando que
se acba na fregueua de Agus Preta, no eegenho
Kiacho : roga-ae s autoridades a apprehenso
publico em geral que lem recebido um completo desle animtes, e me atissreu). Villa do C*bo
ao
sortimento de candieiros a gaz para ricas aalas,
quartos, etcadas, eogenhos e para esludoa pe-
queos que pode com s economa de uma gar-
rafa de gaz ter para GO horas de luz, ricas cadai-
raade balanco de ferro com estofo adamascado
de linbo, lavatorios de ferros econmicos com
lodosos perlences, com esgolo no fundo da ha-
cia, ricosqasdros para ornan i nu s de s. las e um
riquissimo sortimeoto de otjecisties a imiuco
de marfim psra senhoras approvs'lss na uluma
exposico das princezas toado o premio maior,
riqaissimas pulceiras almtl'Cao de camafeo, lu-
do ae Tende por diminuto pre'^o que muilo de-
ver agradar aos protoodeotea ; ni raa Noto n
20 e H, loja de Csroeiro Vianna.______________
Hotel e ccchcir;
confronte o oito da matriz de Pao d'A-
Iho, tanto para cavallos como para
carros.
O abaixo asaignado, lendo comprado este
ealabelecimento, lem montado de novo o m todo
acei i e preperces psrs receber psssageiros, ca-
vallos e carros, por prejos razoaveis ; o mesmo
abaixo assignado nao lea poupado despezas para
bem servir so reapeitavel publico, e promette to-
do talo eactividide que em laes estabelecimen-
ios recommendave!.
Pedro d Aaata Caroao-'C-
25 de age).to de 1862Vicente Alvesde Brros.
'>
Precisa-e oe um caixeiro Oe 12 a 1G
nes: na taberns da ra da Moeda defronte do nu-
mero I.
Aluga-ae anual, e pelo lempo d
aitio na Matriz da Varzea, sito na n
com muiloa arvoredoa e uma grande.
aa- | ditas mais pequeas pega -.ai mesas
quintaea correapondenlea as meimss
com mullos arvoredos, sendo o sitio da
de, e das pequenaa de estrada e cstra
pretender, dirijazse ao paleo do Carme
que volta para a ra de Ilorlas, sobrado n. 2, pri-
meiroandar;________________________*____
ArrenSa-se usna grande parle do sitio de
coqueiro, denominsdo Maris Farinbs, na fregue-
zia de MaraDguape : a tratar no eogonho Muri-
bara, (rtguazia de S. LoureoQO da MUa,
I
lesla um
do Fogo,
a, duas
om seus
lmbeos
sa gran-
: queaa
esquina
3T Para passar a festa.
Aluga-ae urna casa no Fojo com comnsodoa
para familia : na ra Nova n. 47, loja do fastos
i&Rego. ____
Francisco Jorge da Silva Paraohos, dentista
cam o seu gabinete na ra larga do Rosario n. 9,
tem a honra de identificar ao respeitavel publi-
co deata cidade, qua receben ltimamente de
Paria e da America do Norle um variado sorti-
meoto do objectoa do sua prolsso ahila nao
Tindos a eta cidade, como sejam denles de dif-
fereotes qualidade, transparentes mineraes per
Vulcmet, estes denles nao t pela solidez como
tambem pela graode relajeo de analoga que tam
com oa naturaes, sao aaperiores aos qae ordi-
nariamente tem vindo a esta cidade, razie por-
que preaeniemnle sao ellea oa mats adoptados
pelos melhoresdaniislas de Pars e da Aaaerica
do Norle. O annaociante tem tambem um gran-
de sortimento de massas Gos de diversas corea
para eocher os denles cariados, as quaes tem s
propriedade de adherir a cavidade e de solifl-
ca la do modo a polerlogo exercor a mstigs-
jo, dissipam intelramente as dores aioda as
maia sensiveis propiedades que nao tem a da-
mantina de que ordinariamente se fsz so, a qual
em vez de dissipsr motiva aa dores por cansa
d'agua ncidulada de sulphurico. Quem quizer
seaa dentea cariado, chelos de ditas manas a
recorrendo ao annunciante porque ella o ni-
co qua preseatemeato tam neata cidade ditaa
massas recenlemoate chegadas da America do
Norte e de Paris. A' vista das circumstancias
criticaado tempo tesa o sonuaciaote resolvido a
modificar os prejos e de seus trskalhos afim de
chegar para todos. O mesmo colloca dentea so-
bre base de ouro, platina ele sem extraejao de
raizes pela pre.o, a pivot u a pisto, deares-
aort de crochet, como melhor exigir o estado da
bocea. Para a conaervajo doa dentea em eala-
do de jaape Um o innasciante excellente pa da
China Terdadeire preservativo nico e magniflto
dentriQcio para conservar a bocea e dar-lhe um
hlito sublime, tornando oa denles pelo aeu uao
quotidiano sentos da carne qua Vulgarmente
chsmam pedra, da frouxido dos ervos alveo-
lados e de outros mu tos inconvenientes qae a
f-lta de taes presraTos occaaiona tendo por
origero a negligencia que conamum*nla ha qua-
ai em todo o publico, acontecendo assia per-
der-se o especial orosto da bocea ; o annancian-
le alm dalo faz todaa as oper< joes de sua pro-
flssao com toda a promptido poasiTel e delica-
deza. A entrada confronte a casa depharma-
cia de Sf Bartholomeu.
O abiixo assigoado, na qaalidade de proca-
rador do arrematante do imposto provincial do
suhsiaMo do gado no municipio do Recite, dcla-
ra hera l'rmioautemnle para conhecimanto de
todos que matarem ou pretenderem matar rexea
ns freguezia de fors da cidsde para rx,r i venda
naa de dentro da meama ciladecomo acaba de
cooceder a Illm.* cmara municipal do Recite,
que sero apprebeodidts tses carnes, e leve Jas
auloridade maia prxima para proceder nacon-
formi ade da lei, tola a vez qae na coodueco e
nos acougues se nao encontrar guias passadas,
o assignadas pelo mesmo abaixo asaignado. Re-
cito 28 de agosto de 1862.
^______ Decio de Aquino Fonaees.
Quem precisar de um crale portuguez pa-
ra erijo de caaa e de ra, al 10# nvnsaes, di-
rij se a tratar na ra as Cruzea n il A.
Hoje ao linear da audioacia do lllm. Sr. Dr.
joiz de orphos so ha de arrematar a preta Ma-
rianaa, Angola, por execujo do desembargador
Figueira de Mello contrs o casal de Francisro de
Carmino raes de Aodrads, a qual foi avahada
por 800.
gemente de algodao das
Estados-Unidos
Na livraria n. 6 e 8 da praca da In
dependencia distribue se sement de
algodao mandada vir dos Estados-Uni-
dos pelo governo.
Saca-se para Lisboa e Porto na
ruado Vigario n. 9, primeiro andar,
escriptorio de CarvalhoiSi Nogueira.
, e noa
quarlas e qaintas-feirai, na Tilla de N.
S. do 0' de Ipojuca, aonde offerece os seas ser-
Ticos a todas as pessoas que de sea preslimo se
quizerem utilisar; encarregando-se de receber
por sua conla qualqoer questio que penda an
os dous fros, vialoquspara esse fias se acha ha-
bilitado e da ccordo cora os Drs. Affooso de Al-
buqoerque Mello, Juo Gonzaga bacellar e Pedro
Gaudianode Ratis e Silva ; prometiendo empre
sejam obras de alfaiate s.ja qual for a p'eja o a
faienda, e de aenhora veslidoa para easamentoa
ricos e chaos conforme os flgurinose usuaeapara
cisa, pnjo commodo e conforme o gosto de cada
asa tantos poni de gulba como a machios.
Precisa-so alugar urna
preta para vender fruotas.-na
i ra da Lingueta taberua n 2.
No dia 23 do correute fugio o escravo Za-
caras de estatura regular, ir fula, olhos aver-
............. -.... P,v.n.,.. empre- Ibados caUo deade a leal, barba curia, e j
gar todo o zelio e actildade no que lhe for con- I Cm C4D''1|0< brancoa. falla descaojado como oa
fiado a bem de aeua coostiluinles.
pequeo curso
01
CHIHICA AGRCOLA
ron
F. Malaguti.
Esta obra de tanta uiilioade para os nossoe
agricultores, e qae to apreciada tem sido no Rio
de Janeiro, eooticia a estar venda oas livra-
riaa doa Sr. Figueiroa e Gu maraes & Oliveira,
a na lypographia commercial, ra ealreita do
Rosario o. 12,
Antonio Hilario Lisboa, subdito portuguez,
retirase para o Rio de Janeiro.
Gasas para alugar.
Aluga-se o Io andar do sobrado n. -2+ da ra
da Croa, proprio para escriptorio, o o 2* andar
da ra da Senzalla Nova, n. 9 ; quem pretender
dirija se a Pare-ule Viaoua A C, raa da Cadeia
do Recite, n. 57.
A rt mata cao.
Sexta-feira 29 do correte mez, depois da au-
diencia do lllm Sr. Dr. juiz municipal da 1.a va-
ra tem de ser arrematada por Tenda, por ser a
ultiaaa praja um sitio na Pasragem, eatrada qae
Tai para a Torre, o qual lea casa de menda,
porjo de arTorelos fructferos e grande baixa
psra capim, cujo sitio foi penborado aos herdei-
roa de loio Firmino da Costa Bsrradas, por exe-
cujo qae lhaa movem a viuva e herdeiros de
Joo Ferrelra doa Santos. Escrivo Uotta.
Couipadmia FiUelidevde de se-
guro martimos e terrea
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz do Oliveirs Azovodo V C. compe-
tentemente aotorisadoa pela directora da compa-
nhta da seguros Fidolidado, tomsm seguros do na-
vios, maresdorita o predioa, no aaa aacriptorio,
ra da Cruzn. 1.
Aos senhores
abaixo declralos precisase fallar na ra do
Crespo loja n. 1 i
Antonio Goojalves Ferreira senhor de ecgeoho
na Escada.
Canuto Ildefooso Emerenciano, Rio Grande do
Norte.
Franciaio Gorjslve8 Guimares.
Franciaco Antonio de Mello.
Francisco Xavier Cavalcanli Lin.
Joo Augusto da Carvalho.
Jos Franciaco Belem, senhor do engenho La-
rangeiras.
Harclaao Acciolt Lina Barradas.
Camargo ^Silva.
Orna peaaoa ae offerece para cobrar dividas,
tanto no centro detta provincia como em outro
qtialquer : aa pessoaa que de aeus servijos pre-
cisaren) polm procura lo na ra do (Jueimado
n. 7, aonde se dir onde dita pessoa mora ; a
meama pessoa tem dous escravos para alugar pa-
ra qualquer aervijo.
Aluga-se para paaeef a festa um grande, e
muito rendeeo sitio na estrada de Belm, por
ser toao coberto de arvorea de fructo : a tratar
na ra da Peono', loja do sobrado de 2 andarea
n. k________
Pcde-SM
ao Sr. F. J. R. F. J. ou a seu mano F D. R. F.
que venhina quaDio antes satisfazer o que com
tanta habilidade poderam alonjar dos abaixo
assignados. Iremos mais aliante, se preciso r.
Carrargo A Silva.
sertaoejoa, e tem o costumo de trazer fumo na
bocea, foi comprado ao Sr. Zeoobio Uves Tor-
res da cidade do Ico, d'onJe o dito eacravo
natural : quem o eppreheoder leve-o ra do
Crespo n. 15. que ser recompensado.
Aluga-ae uma eacrava boa coiiuheira e \T-
vadeira: qum preciasr dirija se ra do Ran-
gel n. 60, aeffundo andar.
No dia i de selembio ni sala das audien-
cias Boda a do Dr. juiz municipal da primeira
vara se ho de arrematar renda annual daa ca-
sas seguiotes : casa terrea o. 85 na ra daa Cin-
co Ponas e da casa meia-agua n. 35 na ra do
Forte por 216, caaa terrea n. 67 na ra da Im-
peratriz por alllOa. ciss terrea n. 30 na ra da
Praia de Santa Hita por 14Jconforme o escripto
em mo do porteirodo jaizo, escrivo Biplitta,
a requerioneoto do iuvealsnante Victorino Jos
de Souza Tnvasso.
Aluga-se uma caaa terrea no priuclpio da
ra lmptrial : a tratar na ra do Queimado nu-
mero 32.
Quem precisar de uma ama para casi de
poucs familia ou homcm soltsiro, a qualcoainha
e engomma, procure na ra Direita n. 22, que
ac'-ar com quem tratar.
Precisa-se de um bom amassador para uma
padatia que ae sujeite a vender pao na praja : a
Iratar i,a Torre em casa de Francisco
Arantes.
Jos
,yu*.,
Banco Unio.
Estabelecido na cidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobro o mesmo
Bsnco s prr.zo ou vista, o aobro as agencias em
Lisboa, Figueira, Coimbr, Aveiro, Vlzeo, Villa-
R-al, Regoa, Viaoua do Caatello, Goimares,
Barcelloa, Lamego, Covllha, Braga, Penael.
Braganja, Amarante, a tito dias, ou ao praao
que ae conTencionar: no aea escriptorio iua da
| Saques sobro Portugal. S
:m O ab 5? Urreantil Poriaenao neata cidade, aaca S
-^ effecTameuta por todos os paquetes ao- *
b o o mesmo Banco para o Porto o Lis- ||
boa, por qaalquor sosoma avista a a pre-
so, podando logo os saquea a prazo aerem
aescontados no mosmo Banco, na raan
de 4 por esnto ao anno aoa portadores
qao sssim lbeconvier : nss russ do Cres-
po n. 8oa do Imperador n. 51.
Joaauim da Silva Caatro.
Toda felencao
Antonio Gomea da Cunha o Silva, com loja na
ra da Cadeia do Kecife n. 50, dofronlo da ra
da Madre de Dos, roga aos seas numerosos de-
vedorestanto desia cidade como fora delta qae
se sirvain maudarem pagar aeus dbitos at ao
lioi do correla mez de agosto, porque nao po-
deodo maia esperar paasar a asar dea meios
qae julgar mais conveniente para com aquellos
que nao cumprirem seus deveres.
Toda f*UeiH?o.
Custodio Jos Alves Gaimarea avisa ao roa-
peitavel pablico, principalmente a todos os seaa
freguezaa o amigos, qus so madoa ds loja ds
guia do ouro da ra da Cabug para a ra do
Crospo n. 7, psra a bem conhocida o amiga loja
de miudozas que foi do fallecido Joo Ceg, hoj*
ser conhocida pelogallo vigilanta,o podo ao
respsitsTol publico o sos seus fregueses e amigos,
qao o queiram procurar no dito estabolocimonto,
oodo acbaro um grande sortimento do miudezaa,
qieafflaoja servir bem o Tender por menos dex
o Tinte por cento. do ias om oatra qaalqaar
parte
Boga-se aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Kibeiro de Oliveira que
teve loja na ra Oiteita n. 55, que ha-
j m de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
O abaixo assignado, lendo j protestsdo peran-
te o jaizo municipal do termo de Igaarass, con-
tra a irrita e oulla permuta que com elle proce-
dern) Sr. Urbano Jos do Mello e aaa mulber
sobre o engenho Cumbe de cima, alicito de que
os meamos se intitulara senhores, Tam de novo
prevenir a qoem quer que tiver recebido em
traosaejo directa oa indireclameote as letras
procedentes d.ste contrseto, a qae aceitas foram
pelo abaixo assicoado, que haja quanto antea de
devolve las ao dita Sr. Urbano Joa de Mello,
vist do seu nenhum valor e de compWta op
posijao legal qae o abaixo assignado promette fa
zer na poca do vencimenlo ellas alem de outros
meioa preventivos judicUes que em aua justa de-
feza empregar. O abaixo assigoado j ros Dia-
rio de Pernambuco e do Re> ife de 15,16 e 17 de
iulho do crranla anno tem f. lo snnuocios em
substancias nesle s>niido, e agora repele,para que
oioguem ao depois posaa inculcar ignorancia a
respeito. Recife 27 de agosto de 1862.
^____________Gaudoncto Lopes de Araujo.
Precisa-se Se 1:000} a juros por ..-po de
um anno, dando se por bypothecs uma casa ter-
rea livre e de9embarjada : a Iratar na ra de
Ilorlas n. 122.
Costura de vestido de seuhora
Cozem-se eenfeilam-so vestidos com promp-
lido e por prejo commodo : na rus da Coocei-
jao da Boa -Vistan. 47, esquina da raa do Rosa-
no. Na mesm casa lava-se e engomma-ae roa-
pa de hornera e de senhora com perfeijo.
I'recisa-se alugar urna prea de atis idada
que seja fiel e que leoha pratica de vender aa
ra : quera a tiver e quizer alugar, dirija-ae ao
largo da Sania Cruz n. 16. a mlquer hora do dia.
Preciaa-se de urn canelro de idaSe de 12 a
li anno, pouco maia ou manos, para taberna .
na ra Imperial n. 4.
Ne oa 15 do corrale desappareceu anas
(romas de roupa lavada, que um matulo trouxa
de Beberitc para eoiregar oa ra do Raogel, so-
brado n. 58, e diz que autregou a um prvto que
eslava ua porta da dita caaa para leva laa cima
no sobrado ; e corr.o dito preto nao entregou-as
st o presente, rogase s pe9Sosa que acharem
ditas trouxas ou tiverem aolicias dellas, o favor
de maud'reaa enlraga-las ou avisar na dita case.
Adverte se que a roupa toda est marcada com li-
nha encarnada e azul.o que graiilka-se oach-do,
ftemedios do Dr.
Radway.
Resolutivo renovador.
Prompto allivio.
Pilulas reguladoras.
Al ao fim do corrente mez de agosto deve
chegar impreterivelmeote o vapor braaileiro do
su!, e por elle devem Tir estes medicamentos os
quaes ae achavam o sabida do vaoor paasado a
10 lias no Rio. a bordo do brigue llondei, sem
se ter pjdido dar uma deacarga.
Droguista ra da Imperatns n. 12.
Roga-ae ao Sr. Antonio da Molla e Silva,
morador na ra do Sebo a. 51, o favor de ir dar
a retpoata da carta que lhe foi entregue, uma
ve que nao seguio para o Rio de Janeiro.
Aluga se uma excellente aala e uma aicoe-
ra do primeiro andar do sobrado na ra da Pe-
aits. n. 4,
Preci.a-se arreniar um sitio que leona bai-
xa para capim e terreno para oulraa planlajes :
na ra da Crut n. 52.
Araeoio Gonjalve, subnto
tira-se par o Rio d Janeiro.
Aluga-te o primeiro sudar do sobrado da
ra da Cadeia-Velha n 21, proprio. para escrip-
lorio: a tratar na loja do mesmo.
Alugam-sn o segundo
--. e lerceiro andar di
torlugue, re-.; casa da ra do Trapiche-Novo d. 18: a tratar aa
escriptorio da mesma casa.
primeiro-
Attenco.
- Manoel d Silva F.sso. suOdito peiUguez,; P^cisa-se de urna aasa para o servico de
ratira-s. rara o Rio de Jan-uo._______________ ; ,ma s pess08 na ,, H/rlal "'
Bandtijas de bolinhos r^"
Com perfeijo prepsram-se bandeijas com dif-1
f*rtnies mjelos de armajo o cheias com as'
melbores qualidadea de bolithos do nosso mer-
cado ; assim como os mesmos em libras por
prejo razoavel tambem tola a qualidale
paslelaria e podins e bolos francezes e diversos,
o mus b*m feito de nosso paizcom sseio : quem
precisar procure na ra do Raugul n. 60, para
juatsr.
Aluga-se uma casa terrea na ra da Coucei-
jo n. 31, retificada de novo, para ama familia
grande por ler bastantes corpmolidades : a tratar
na ra Nova n. 20. loja de Carneiro Vitnna.
Peoe-se encarecidamente ao Sr. Joa Can-
dido queira ter a boolale de mandar ou vir pa-
gar a quar.tia de que devedor ao Sr Manoel
Fernandes da Ora pelo serTijo de coiiuheiro que
elle servio em saa casa no engenho Montevideo,
em Ipojuc, a vindo o dito sei.hor a esta capital
sem ser pago, foi preso por escravo fgido, na
Venda Graode, por um capilao de campo.
Aluga-so um armazem com duas portas, sendo
uma larga, propria psra carros ou outra qualquer
jjg arte de offlcio ou negocio, na ra do Arago n.
17 : s tratar defront n. 8.
AO i;OMMEKCI. '
Jos Baslista da Pooseca Jnior declara ao
coasmercio desta praja, o a quem po sar, que nesta data nao existe em circulajo le-
tra alguma de seu aceite. Recife 23 de agesto de
1862.

seus nomes
Praeiss'SO fallar com urgencia ao Sr. Se-
baatio Antonio de Albuqaerqae Mallo, na tra-
resaa do Veras n. 15, aeguado andar,
^saada\ S^fiatt aka.-^ SBMakdst smlsssH *
'GWS!CCWBWf*>
A padaria do Lea do norle da ra do Coto-
vello i-recii de um nptimn arraisarlor.
A pesaoa quo aoounciou querer ser lavra-
dor de um engenho onde Ibe dessem bom sitio e
lhe offerocess* vantagens, dirija-se a rus Direita
numero 45.
O Sr.Anioaio Pavo, de Oliuda.laja favor (fe
ir padaria de Santo Amaro, a negocio qae o
meamo nao igoors.
Aluga-e a caa torrea confronte a igreja de
S. Jos do Uangufnho : na ra Augusta n. 26.
Bailar & Oiivoira
Porto.
sacam aobro a praja do
Aluga-se a caaa uno d* roa do JJurgoa
O. 27 : a traisr na roa d Aurora n. 3($.
A pessoa qoe aonuucioo precisar do um
sitio de lavrador de canoa pode vir so engenho
Mo*o ds regaezia de Meribeca, que fictri sa-
UsfeiCo.
Aiega-e o 2 andar e soto da casa sits
na ra da Cden-velhe, n. 18, com bastantes
commodos. a tratar na loja da mesms.
judicialmente e publicar-se
por este jornal.
Ensino particular.
Urna pessoa convenientemente habilitsda aa
propde a ensinar primeiras Ultras, latim e fran-
cez m algum engenho parto deata praja : quam
qaizer tiatar do ajuste dirija-se a ra da Palma
n. 38____________________________
Attenco
Em um eogenho diatante do Recife menos de
du>s leguas, ha um sitio desoccapado com opli
mos terrenos para paato do aonimaes o para io-
dos aa plsntsjoes, com algumas frectoiras, gran-
de casa, reconstruida de novo, toda de lijlo, coc-
iendo duaa sallas, cinco quartos, grande cozinha
e maa trea quartos separados para escravo, dous
copiares coberlos, duas cacimbas a um tanque;
que ae d a quem anounciou por este Diario
querer aer lavrador d'elgum engenho, ou d'arren-
dar a quem tambem annunciou por este mesmo
Diario querer arrendar um sitio com estas com*
modidades, coovindo a estes; ou a outro qual-
quer, pode dirigirse a ra do Cabug loja deoa-
rives o. 1 D, que achsro com quem tratar.


Offerece-ae uma mulher Oe idade para cozi-
nharem uma casa de pouca familia: na ra do
*o, evitando desta forma o receber se1, Arago w. H.__________________________
Precisa-si alugar um preto tie 1 para o ser-
vico de caaa : na ra Nova o. 16.
Nova escola particular
f de inslrucjao primaria p 9 colino; na ra da Cadeia do Recife n. 52. $Jp
# m &^m
Desencaminhoa-se uma lettra saccala pe-
los Srs. Aikwvight & C., o aceils pslos Sr. Fer-
reira i Matbeus a vencer em 6 de covembro pr-
ximo vindouro ds quanlia de 6:0005' 00.
Os aceitantes eslo prevenidos para nao des-
eonta la, nem paga-la em seu vencimenlo sano
ao aeu legitimo dono. Quem estiver de posse
o'ella pode entrega la na ra da Cruz armazem
n. 61, ou na ra da Cadeia do Recife n. 62, que
ser recompensado.
Aluga-ao ulU srmazem na raa do Corto ou
becco das Boiss ; a fallar na raa da Madre de
.Dos a. 4.
|& O Dr: Aoiooio Agripiao Xavier de Bn- gg
A to mudo* sua residencia da roa da Im-
W peratriz n. 47 para a mesass raa n. 24, mP
*jb onde pode ser procurado a qoalquor lio-
j% rs.psra o exercicio de sata profissio. gj*
Alugam-se dous grandes arma*
zenc na ra da Concordia proprios para
qualquer estabelecimento em ponto
grande : a tratar com o Sr. Miguel Jo-
s Aires na ra da Cruz do Recife.
Attenco
O abaixo assignado tendo-se j mu-
dado do aeu estabelecimento do hotel
da Escada, e de Gameleira para a po-
voajo de Jaboatn, como por ali te-
nha deizado espalhado algumas som-
ms de debito, em mos de varios
senhores, e at o presente nenhum dos
mesmos se leoha lembrada da vir-roe
procurar afim de saliafazerem sena d-
bitos, e nem seus aceites, por tanlo, voa
por meio deate"rogar, em amtgavel, que
eapera lodoa Ihes sstisfajam, na con-
furmidade como foram todos servidos do
contrario fazer entrega de auas conla,
e ledras a oulro para consegalr judicial-
mente, visto que assim o proroetteram,
com quanto o abuso tem sido sufcieole.
Aotooio Flix Pereira.
ou csplira

Carinas de visitaj
Orines da Tisita
Csrtes da Tisita
Carloes da visita
Csrtes do visita.
Prejos reJazidoa
Prajos reduzidoa
Prejos reduzidoa
Precos redkufdos.
129
I si
xa
por
por
Precisa-se de uma ama forra
oa na Nora o. 5, aeguado aodar.
A dalia
A dazia
A duzia por l;
A duzia por lie
Duas duziaa por SOS
Duaa dazias por 20$.
Noto estylo do photographia
Novo eatylo de photographia.
Atbbroiypos mcaixaa 2
Ambrotypoa em caixas -Jj
Ambroiypoa em caixas 2$.
O retratista americano
Alberto W. Osborn
Ra do Imperador.
Dentista de Pars.
15Rut Nova-15. g
Fredorico Gautiar, cirnrgiao dentista
fax todas as operaeoes dess arte a o co-
lees dentea artificiaos, ludo com -sdaln
| rioridade a perfeijo quo as psssoss-,on
9 undidas lhe raconhecam.
H Tam agua o pos denuncios, etc.
SeKNOfiKMS MSM3 SKSMMBNf K
>
i
.-
*
m



DIARIO f>B FEESAMBIJCO SEXTA Klfii 19 01 AGOSTO DE 1161
Juizo dos feitos da fazenda.
No dia 4 de selembro so mijo dia, i portee
da cas do depositario geni, na rea estrellado
Rosario, se tender eru praga pub'i.a uta carro
de 4 rodas n mo estado, araliado por 50$OO,
peohorado a Uanoel da Silva Perreira Viabaa por
Augusto Ficher, para pagamento do que esle de-
Te fazenda aacluaal. Recita 28 de agosto de
1862.O colicilador da (azeoda,
p. x. p. de Brito._________
Perdea-s* ama carleira com 39 dentro, e
juntamente un meio bilhete de n. 1400, cuja ro-
da suda no dia 5 de siembro, e eU assigaaio
com o nome de Josquisa Theophilo Sacio ; pede
aoSr. tbaoureiro, no caso que asa premiado,,
nao pague : e quem achou. querendo restituir,
iua-c no becco da Bomba n. 5, a Firmino Amo-
nio ile Figuo'.reiu.
__ Aiu^d-si) urna escrava com todas as hab-
li Jadea, e socoente para o interior de casa de fa -
so i a a tratar na ra da Airora n. 48, taberna.
1 Camisas para senhora a 1$000
So na loja do Pavao.
Vende-se camisas de madapolo francez muilo
bem enfeitadaa 1$ cada ama, s na raa da Im-
perttriz a. 60, loja e armazem do Pavao.
Chales baratissimos.
Vende-se chalea de merino muito grandes a
39. ditoa a garibaldina a 4j, ditos estampados
fazenda Gnisstma a 69, ditos pretos a 5#, ditoa de
rede a imilagao de reros com bonitas palmas a
89, ditos ala cassa do qmdros a 640 rs : s na
ra da Impsratriz n. 60, loja e armazeii do
Pavio.
Aos senliorcs] liscaes da lllma. cmara
municipal do Recife, com cspecialida-
de ao da freguezia dos Afogados.
Art. 6., tit. 4.* dss posturss muoicipaes de
30 de junho de 1819.
As carnea serio condutiiis para os arrogues
am carrogas beca liuspas e lavadas, cobertas com
pannos brancos e lieapos, cando absolutamente
prohibida a conducho de outro qualqaer mudo,
sob pena de 251 de'multa.______________________
Arrematado.
Pelo izo de orphios, depois da audiencia do
da 29 do correte, ra a praga de renda o eaera-
vo crioulo Sedonio, cora 27 annos, official de
serrador, avallado por 1:500 : Antonia, cabra,
com 26 annoa, avallada por 1:2009. por execugo
da Fraocelino Eleuterio Farreira Chavea contra o
Baldes de bramante.
Na loja do Pavao.
Vende-se balss de bramante mullo bem fel-
loi, sendo de por e tirar os arcos quaodo se quer
lavar, para senbora, e para meninas, do mesrao
bramante e de arcos : na ra da lmperalrizn. 60,
loja do Pavao. __________________________
Vestidos brancos.
Venda-se cortes de vestidos brancos bordados
a seda, proprios para noivas, pelo baralissimo
prego de 6$, ditos de tsrlatana branca borda-
dos a 10) : 111 ra da Imptratrtz o. CO, loja e ar-
mazem do Pavo.
Taratanas fil do Favo.
Vende-se tarlatana branca a de cores a 800 rs.
a vara, fil brinco liio a 800 rs dito lavrado e
palmiobas s 1; a vara, organdiz branco muito fi-
no a tf a vara : na rus da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Wrtji em frascos a 600 rs.
Grande, grande, maito e mallo aorlimento.
leos
psrs cabello, em virtude da depreciacaoque ten-
do tido o oleo edito pbilocome sociat hygiea-
niqaea por ler vindo lodo falsificado, reoDemos
am artigo idntico aquella da fabrica de Monpu-
las qua garantimossar o melhor coamelique pa-
ra o cabello, e os aromas escolhtdos lio susves e
dursdouros qua desafia mesmo quem nao queirs
o comprar.
Chegado pelo ya por fran-
cez s para o vigilante.
Lindas pentes de marrafa.
Sao chegados os lindos pentinhos donradiobos
com muito lindas molduras do differentes gostoe
para marrafas oa travessos, pois s com a vista
os compradores poderao apreciar o quanto sao
delicados, pelo barato prego de 3g o par, sssim
como sem ser dourados de lindos gottos, pelo
barato prego de2J o par: s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Luvas e sintos do Pavao.
Venle-se lavas de seda pretas a de cores a
exiaTrde sua raulher Joaquina- Viente Marques, 650 rs. o par. ditas de retroz a 640 rs., sintos do
seda muito ricos com fivellas douradss a 1$ cada
uro : na ra da loioeratriz n. 60. loja do Pavlo.
Luvas de pellica.
Tambero sao chegadas as verdadeiraa lavas de
Jouvin muito frescas, tanta para homem como
para senbora : s no vigilante, ra do Cres-
po d. 7. __________
Ricas fivelas acuradas para
sinto.
Vendam-se Gvelaa doiradsa a 2$ a 29500, aa
sala modernas que tena vindo ; na ra do Quei-
63, loja do Beija-flor._____________
tado 1
Ricas voltas de aljofares.
Vendem-se voltas de aljofares com crez de pa-
dre imitando a brilhante ; na risa do Queimado
numero 63. loja do keija-flor.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garfos finas de cabo da ba-
taneo de dona botes a 6JS0O. ditas para doca a
5SMH), dila de um boto a 6$200, dila para doce
a 53200, dila prela cravada a 39600. dila branca
a 39400, dita rolica a 39 a duzia : na raa do
Queimado p. 63. loja do >ija-flor.
Jogo de vispora.
Vndese jogo de vispora a 1; ; na mi do
Queimado n. 63. loja do beija-flor.
oreados baraiissimos
INSTITUTO VttCllEOLOGICO E
CEOGftAPIllGH PEKNAH-
Birao
O abaixo assigoa 10, no impedimento do 1. se-
cretaria, convida aos membros instaladores do
loa'.ituto Archeologlco a Geographico Peroamba-
cano, reuairem-ae no dia 1.* de setembro, pe-
las 4 horas da larde, nosaloda bibliolheca pro-
vincial, afim de se proceder a eleigso da direc-
co do mesmo Instituto, e das respectivas com-
aaissea de confurmidade com os eslealos olti-
massenle approvados.
Rutile 29 de agosto de 1862.
Salvador lleorique de Albuquerque,
2. secretario.
Ao Pavao.
Veoda-se neste eslabelecimento as fazenda,
mais baratas que em outra qaalquer parte, s
com o Gm de anjirar dinheiro, chitas largas es-
curas com pequeo toque de mofo a 200 rr. o co-
rado, ditas francezas a 240, 260, 280, 320 e 360
r. pegas de madapolo e elgodoiinho por pregos
baraiissimos, cassas e orgsn lys de todas as cores,
cambraias da todas sa qualidades e todas as mais
fazendas precisas para o consumo, alero de estar
esle eslabelecimento aberlo das 6 as 9 horas ds
noute,tambera se manda levar as fazendas e amos-
tras pelos caixeiros : na ra da Imperalriz n. 60,
loja do Pavo.
Sedas a 500 e 720 ris.
Vende-se sedas de listas e da quadros pira ves-
tidos de senbora a 500 e 720 rs, de quadriohos
rniuJus o cavado : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Koupa prahomens.
Vende-se caigas de casemira, de brim pardo,
de dito de cores, palitots frsncezes a 69, ditos de
panno prelo e cor de caf a 69, calcas de case-
mira preta a 39 : s na loja do Pavo, Imperatriz d. 60.
Cambraias lisas.
Na loja do Pavo.
Vende-se percas de cambraias lisas muilo finas
com 8 ardas a Sj.iui). ditas com 10 jardas a 39
ditas com 8 jardas a 3g,ditas com 10 jardas a 49 :
s na ra da Imperatriz n. 60,' loja e armazem
do Pavao.
Brilhautiaas de quadrinhos a
200 ris
Na loja do Pavao.
Vende-sa brilhaniinas de quadrinhos, tendo
abaixo assignado procurador j de todas as cores fazenda moto encorpada ornis
da cmara municipal do Recife precisa larga que chita ingleza, proprias para vestidos,
i 60 loja e areaaiem do Pavo.____________^^
0 aballo asignado, na qualidade da (ulor
do menor Filippe Francisco de Souza Morcourt,
ur.ico herdeiro da fallecida viuva de Simo Pinto
Kibairo e D. Francisca Florosa Ribeiro de Mello,
pe ie ao Illm. Sr. juiz municipal do termo de Se-
riuhem se di*ne providenciar acarea de extra-
vio dos bens perlcncenles ai casal do fallecido,
praticado pelo tnvenlarianle e depositario Laiz
Nilo Pinte de Albuquerque; sastm como protes-
ta aonullar as vendas e hypothecas de escravos
do meame casal que eslo sendo feitas pelo mes-
mo depositario e seu cunbado Joaquim Tbeodoro
do Rege Barros. "''
Recife 23 de agosto de 1862.
Henrii]ue Auguslo Milet.
Costaras de saceos.
As pessuas que quizerem
cozer saceos, dirijam se a ra
do Brum armazem deassucar
n 28 B, as quaes nao sendo
conhecidas, devero apresen
tar fiador. O preco estipula-
do de \$ por cada cento.
Na loja do pavo.
Vendem-se gollinhas mallo Qoaa de cambraia
bordadaa e de fil a 400 rs., manesjitos com gol-
linhas de cambraia bordada a 19280, maogaitos a
balo Qoissimoa a 19. leogos de liobo com labr-
rinlho a 23500, ditos de cambraia de algo>ao a
I imitado de labyriniho a 640, 800, 19. e finissi-
mas liras bordadas e ntremelos por pregos b*ra- |
tissimos : vende-se na ra da Imperatriz b. 60,
loja e armazem do pavio.
Vestidos baraiissimos.
Na loja do pavo.
Vendem se mullo lindos vestidos de cambraia
bordados a seda, sendo de tolas as cores a 69,
j ditos com barras e babados a 49500, ditoa a 4J,
I cortes de tarlatana brancos bordados e de cores
a 39. ditos de cambraia branca com babados a
29a00, ditos de cambraia bordados com babados
. e duaa saias a 49, cortes de barege com 22 cova -
j dos cada corle, tendo flos de seda a 4$, ditos de
la a 49, cortes de cambraia com salpicos bran-
cos e de cores, tendo 6 varas cada corte a 38.
ditos de salpicos maia finaa com 8 vsras s 49,
i ludo isto se vende por menos que em outra quai-
| quer parte para apurar dinheiro, s na ra da
Imppratriz n. 60, loja e armazem do pavo.
Anvelopes.
Vendem-se snvelopes da divarsss qualidades,
brsoco a 19100 e 19400, stul a 19. e de cores a
19400: aa ra do Queimado n. 63, loja do bai-
ja-flor. _________^^_
Papel adamascado de cores.
Venda-se papel adamascado de cores a 800
19, dito branco a 19200: na ra do Queimado n.
63, loja do beija-flor.
Gravatinhas de seda.
Vendem-se gravatinhaa de aeda para senbora,
de diversas cores ; na ra do Qaeimado n. 63,
loja do beija-flor.
Tiras bordadas.
Vendem-se ricas tiras bordadas para vestidos
e saias brancas a 800 e le : na ra do Qaeimado
n. 63. loja ilo beija-flor.________________^^^^^
Vende-ae eraa neguuha deidad de seis an-
nos, de bonita ligura, por preco comroodo, na
ra da Imperatriz n. 19 ; a tratar com Frederico
Chaves.
10 aEIMJU)
GBMDIiWmi
M!A6
o
indar com o procurador dos herdeiros
de Francisco Joaquim P-or Ja Coi-
vallio, a bem da mesma cmara e dos
herdeiros.
Jorge Vctor Femara Lopes.
Oleiro.
Precisa-se de um oleiro para ir exer-
cer sua arte na provincia da Parahiba,
quer se que Irabalhe bem em
raiuda ; da se passagem gratis
para la' c amanca-sc urna
dade : o prptend'ente queira dirigirse
a Fora d Portas, ra do Pilar a. 83,
segundo andar, para tratar a respeito.
As cassas baratas que
Pavao liquida.
o
Alpakin ou gorguro de liuho.
Vende-se esta nova fazenda a imitagao de seda
de quadriohos a 280 o corado : na ra da Im-
peratriz o. 60, loja e armazem do pavo.
Musselina branca a 200 rs.
Vende-se musseliua branca com 4 1|2 palmos
de largara a 200 rs. o covado : s na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavao.
Grodebicoal2
ris a libra, e sendo de 10
libras para cima a 100 ris
Vende-se nicamente por estes prec.os nos r-
mateos progressista e progresssivo, no largo do
Carmo n. 9 e raa daa Gruzea n. 36, affianga-se
ser muilo novo.
^!
Vende-se fioissiraas cassas francezas de cores
muito bonitas a 200, 210 e 280 rs. o covado : s
oa ra a Imperatriz o. 60, luja do Pavao.
Grande expsito de ba-
los de arcos na loja do
Pavo.
sortimeolo de baldes de arcos americanos "sendo
a Matbildo, Carola e a Eugenia que sao os
melnores e mais bem armados qae lem vindo ao
! mercado com diversos (rcennos sendo de 6, 8,
10, 15, 20, 25, 30 e 4o arcos e aQan^a-se a du-
' racao e boa qualidade dos ditos baldes : l na
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao.
Bramante do Pavo. Mocambique a 640 rs.
S na grande expisi^o
de fazendas novas bara-
tissimas, na ra da Impera-
triz, loja e armazem da ara-
ra n. 56, de Magalhes A
Mondes.
Fazendas por menos 10 0i0, queiram vir ver
para acreditar, a ser : cbilas a 160. 180 e 200 rs. I jg)
o covado, dilas francesas a 220, 249, 280 e 320 o i ^^
covado. cortes de chitas finas com 18 1|2 eova- ^2
dos a 23500, caries da casias francezas a 2-5(0,
ditas pretos a 2f,a00 : na ra da Imperalriz, loja
da arara a. 56.
Arara vende olestim para vestidos.
Vende-se a fazenda por nome olestim de linho
de urna s cor e quadriohos, propria para capas
a vasillos de aenhora e rouaa de meninos a 280
o covado, fustao de cores para veit dos a 280 e
320 o covado : na ra da Imperatriz, loja da ara-
ra n. 56.
Aos manguitos da arara.
Vendem-ae manguitoa e golla de linho para
senhora a Se, gollinhas a 500 rs., eofeiles para
tenhora a 2J a 3#: na ra da Imperatriz, loja da
arara o. 56.
Arara vende a popelina da China.
Vende-se a fazenda por nome popelina da Chi-
fla em la para vestidas de senhora a 320 o cava-
do, chales de merino eataaspados a 3g, ditos de
las a 19, ditos da la a seda a 29, ditos abertos a
640: na ra da Imperatriz, loja da arara o. 56.
Musambe da arara.
Vende-se a fazenda por nome musamb com
palmas de seda de 4 1(2 palmos de largo, propria
para vealidos de senhora a 500 rs. o covaso, fil
dealinho de cores a 200 rs. o covado, dito lavra-
do a 18120 a vara, liao fino a 780 e 80O ra. a va-
ra, tarlatana a 800 rs^a^y '" rt" *
Arara vende as crinolinas.
'endem-se bales a crinolinas de arcos, os
ais modernos que tem vindo, ditos de madapo-
o a brillantina, saias de cordio que faz vez da
lo a 2400, bales para menina i i'j : lis ra
Imperatriz, loja da arara n. 56.
O babadim da arara.
Vende-se a fazenda por nome babadim com lis -
Sorllmente completo da aobrecasacoa da panno a 25$, 28$, 809 359, sacos aiaiie 'snrr>
faltas a 25, 28|, 308 851, palatols acaaacados da panno prelo da 16 at 259, ditos da ta.Mra
de cor a 159,18g a 208. palstota aaccoa da panno a casemira da 89 te 149, ditoa aaccoa da alp**a
marin la da 49 at 69, sobra da alpaca a merino da 79 at 109. cale prataa da essercira'de
?9 t 145, ditoa de cor de 79 at 10$, rou> tara menino de todoa os lmannos, grande sortt-
manto da roupasda brins como aeiam caigas, palalots a eollates, sortlmonlo da colleUs pratostfa
mtim, casemira a velludo da 49 a 91, ditoa para casamento a 59 69, palitots brancoa da b;s-
seante a 49 a 5/, caigas brsnc maito finas 61, o am grande aortimentc da fszendat finas w-
mrnaa, completo sortimento de casamiraa ngleza para homem, menino e senbora, aeroalaslo
loho a algodo, chapeos de sol de seda, luvas da aeda da Jouvin para homem e senhora. T' :
i*os ama grande fabrica da alfaiate onda recabemos encommendaa de grandes obras, qc- ptr<
eso est sendo administrada por am hbil mtslra de semalhanta arta a um pessoal da mis 6-
lincoenta obrairos eseolhidos, portante exaculamos qualqaer obra eom promptido amis harst
de qaa am eatra qaalauAr caaa.

w
RIJA NOVA MI
Antiga loja de Gadault.
Aesba de reeaber desas encommends nm grande e vsriado sortimento dos se-
guinles artigos, oa qaaas vende por menos 10 por cenlo do que em oatra qaalquer
parte ; a saber :
Para msicas.
Variado sortimento de instrumentos
para musirs militares o de orchestrs,
instrumentos completos de chsves e
aplston maito parfeitos e afinados do fa-
bricante Gaatrol Aia*
Para carros.
Guarnieres computas para arreios de
carroa de metal do principe ede lato pa-
ra am o doua cavalloa, molas, vaquetas
francezas para cobertas, encerados, ga-
les, ricas lanternaa para carros e coaps,
colleiras etc., etc.
Vidros.
Um grande e variado sortimento de can-
delabros, serpentinas, lanternaa com I-in-
gentes e sem alies, palmatorias, copos
para vinho, clices, rodomas para ima-
i SaiVvto*! eovsas grandes e psqua-
bem
daqui
boa mensali-
Veode-se pecas de bramante de listas tendo ama
s largura, com 27 varas cada pega, pelo bara-
louc I tissimo pr-go de 109 a peca, tarobsm se vende
meias pegas do mesmo com 13 l|2 varas por 59,
esta fazeola propria para lengoes. loalhas. ca-
misas e serouias ale., a em proporgo do prego
que estl hoje o algodozioho torna-se esta fa-
zenda mais barata sendo da linho, isto s oa ra
da Imperatriz n. 60, lo]a e armazem do Pavao.
AluRa-ae duas casas, urna que tica por de
tras do CaUbouce o. 20 e oaira na povoago do
Giqui : a tratar ni ru Direita n 60.__________
__ Precisa-ae de cinco a seis cootos de res a
juros sobae hypoiheca em um sobrado de msior
valor pagaodo-ae oa juros mensalmente e com a
conoic,o se noiim.dodilo prazo nSo ser pa-
go poier a peasoa que der o dinheiro dispordo
dito sobrado para sea pagamento, isto pelo lem-
po de trfts /intus : a 'juern cooir aucuocie.
Aluga-se um aitio na Ponte de Ucba junio
ao sobrado a amelle, com boa casa aceiada e
muito bona comraodca para familia de trataman-
to, com agua de encanamenlo e b-nhoa de Cho-
que : a tratar na raa do Cresoo o. 14.
lodo Manual Martins, subdito puriuguez, re-
tira-se para o Rio de anmro; e d-clara qae na-
da dee i pessoa qae o chamou ra do Quei-
mado n. 53 9 annunciante lem-ae occaoado em
o servigo de cirrogas, a a peasoa de igual nome
que 'levo a asaa toja, dizes que esleve emprega-
do m armaz'ts de ero* socca.__________^_^
A. p..s-oa que diz querer arrendar un en-
genhi proiiico a via-ferrea, oa da porto de em-
barque, lenha a bondade de dirigir-ae casa do
Dr. Antonio Herculano de Ssuza Bandeira, na
Hha diis R.loa, qun lh ioformari quero tem
St;u''ui para Europa Mauuei Luurengo Gor-
reia de S, Brasileiro, nsado, e Francisco Jos
Fernn les Pir-a Porteguez, casado.
Joau Ma.lma Sal launa lea coniraiado veu-
der a sua taberna, sila aa Faaaaa;eaai da Mig late-
es : quem ae julgar com direito a embaragar ea-
te ne^jcio, dirtja-se a meama taberna no praso
de tres das.
Precwa-ae r-juj riomem para traDalhar em
um sitio e tratar de capim : a tratar na estrada
de Joe de Barros, sitio de Candido Alcoforado,
.OU n rta do Amo'i"> 0. 54. _____
Em um angenho peno da esta^ao de lpo-
jua precisa-sa de ums pasaos psrs eoainar pri-
meiraa letras, latim e francez : quem estiver ha-
bilitado e cu i"f, dirija->e a ra do Imperador n.
73, primeiro anlar. ^_______
Um hornea de 60 aaxus, sem lamina, utTe-
reee-ee para fetor de sitio perto da praga : quem
preriftar anquc
ffi
.^r%s.
Compra-se am ornamento rtoem uso: na
Boa-Vuts m aass do vigario.
Compra-se um scravo ae osgo, de meia
idade, quesaiba coainbar e fazer o servigo de fa-
milia : a tratar na ra da Gadeia do Ratita loja
O. 44.
Compram-s* aegea do aovo banco de Per
nambuco : no eacriplorio de Uanoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo o. 19.
Comura-ae um piano em uto : no pai*o da
matriz de Santo Antonio, casa do padre Freir.
La e seda para vestidos a
400 ris.
S na loja do Pavao.
Vende-ae la e seda para vestidos cam muito
bonitos palres, sondo fazenda que sempre ss
vendeu porl9, e torra-se a 400 rs o covado para
apurar dinheiro : s na risa da Imperatriz n. 66,
loja e armazem do Pavio.
speranca
Lt>ja de rau Queimado n. 55 4, de
Guitiares <$ Rocha.
Para balues.
Molas cobertas de fio para saias a 160 rs. a
vara.
Agulhaa victoria o papel a 120 rs.
Ditas fundo doarado a 120 rs.
Linha de peso, meada a 100 rs.
Dita froza para bordar a 80 rs.
Dita de carretel, 200 jardas a 80 rs.
Dila de cores, qaalquer qualidade..
Grava tas
com botss e sem elles a 19, de cores e pelas,
para homem e meninos.
Tranca de linho.
Recebeu am lindo sortimento destas trangas,
proprias para aa levea roupaa da festa, justo
qae vao-se preveaindo.
Bot5es
para casaca e cassveque, de cores e pretos, psra
camisa madreperula lina, de oito pira caiga a
320 a groza, muilo finos.
Colchetes.
Eets loja desojando sempre ter objectos novos,
recebeu clcheles reforgadoa do Do batido, aa
cairts sao em forma de urna carleirioha que se
torna maito elegante, s ha na Esperaoga a 80
rs. axaiiinhs, em cartao a 60 rs., oa dazia por
600 ra.
Pennas de ac
caligraphicas por 2$ e29100, verdadeiraa da Per-
ry, e de outras qualidades, por menos do que se
costuma vender, canelas para ae adquirir ama
posigao el'gaott (eserevendo) a 500 rs., da mui-
da qualidades como de borracha a 160, a balo a
160, a pistoleta a 120, e maito boas e muito ba-
ratas por 40 rs. cada ama 11
Perfumaras.
O cheiroso e suave sndalo a 19600 o fraseo,
(easencia concentrada) palbchouly, o mbar, o
bouquet de nupciaa, o de Lahore, a velivia, a
magnolia, a rosa, ojasmim, a flor de larangeira.
e um computo sortimento de perfumarla que te-
mos, tanto fraocezas como ingLoza.
N. B. Tumos feito ltimamente um contrato
com am fabricante que nos permiti vender este
genero, cujo consumo se adiada, por pregoa io-
teiramehle batana e sem rivalidade.
Na loja do Pavo.
Vende-se mogambtqae todo de la sendo fa-
zenda muito leve para vestidos de senboras e
roupa para meninos, cem delicadas cores m:u-
dinhas e tendo de urna s cor proprio para capas
de senbora tendo eata fazenda 4 palmos de lar-
gura e vende-se a 600 rs. o covado : na raa da
Imperatriz o. 60, loja e armazem do Pavo.
Laa mocambique a 400
res.
Na loja do Pavao.
Vende-se laziobas de urna s cor com qua-
drinhos e lists propria para vestidos e capas
sendo fazenda flnissima a 400 rs. o covado : na
raa da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo._______________________________^_^
Las com llores a 400 rs.
Vende-se lazinbas .muilo finas cem bonitos
padres a 400 rs. o covado : na ra da Impera-
triz a."66. loja e armazem do Pavo.
Para retratos,
Machinas maito superiores francezaa
americanas grandes e paquenaa, grande
sorlimento dechimicas para trabalhar am
todoa os procesaos, csixinhai e passepar-
toa americanos e francezes, pipel alba-
minado etc.
Para noivas.
As mais ricas e elegantea cspellas qae
se pode desejar, asseverando sem errar,
serem aa mais bonitas qua aqai Um vin-
do, ricoa manteleta a pretos com vidrilhos
franja o maia moderno neste gentro.
Para presentes.
Muito lindas caiiir.haa para costara
com muaica o sem ella, muito proprias pa-
ra dar-se de presante a algama aenhora
\ qae se estima, ricos astojos de barba para
i homem.
Espelhos.
| Grandes e pequeos com moldaras
i pretas e doaradas, proprios para ornar bo-
| nilas salas, sendo os vidros multo grossos
e de primeira qualidade.
Avulsos.
Camisas de linho para homem.
Carteiras e charuleiras.
toltfatiraM *'J.l46n.l\ 80,PA)MJ_e.&.
La de todas aa cores para bordar.
Talagarca.
Seda frxa de todas as cores.
Lindos enfeites psra senhoras.
Oculos a lunetas de todas as qualidades.
Fumo francez, americano e tambera o
spreciavel fumo de borba com os seus
competentes cachimbos e tanarl ele.
'B.
Venle-se urna exceliente mucama muUia
de 15 a 16 ancos com habilidades: na ra da
Cadeis do Recife a 5, loja-______________________
Ve.ide-se
no engsnho Meguahipe da itfixo da fregaezla de
Moribece, austro beslac ale reda gordas e ootii.
Bandas.
Pomada imperial, frasco J.
Japoneza a 19.
Imperador a 19.
Imperatriz Eugenia a 18.
Expoalcio universal a 29500.
Mojas americanas 500 n. a 19.
Tarlatanas com pal-
minhas.
N loja do Pavao.
Vende-se tarlatana com palminhas de cores,
tendo cores proprias para luto a 320 rs. o cova-
do : na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem
do Pavo.______________________________________
I O Gira-sol
i derente da Penha n. 33 vende manteiga iogle-
| za superior a 800 ris, dila franceza a 690, quei-
ijos do ultimo vapr a 1/J900, ditos a 19700 e
195C0. cha fino a 29800, catxas de doce de goia-
ba a 5.00, eapraaacete superior a 789 ris, sa-
; perior viohe do porto a 800. dito do Figaeira a
640, 560 e 500, e todos os mais gneros boas e
baratos.
LOJA
De marmore.
Previoe-se ao respeitavel publico qae sab-
1 bado 30 do crrante roez de ageste sbre-se este
eslabelecimento para sua formal liquidago, sem
I reserva de pregos e a retalho : encontrando os
i concurrentes um rico e variado sortimento de
.Tiznadas por pr*gos nunca valos. Para dar
i idea de um sem numero de artigos em fazendas
i que cooslituem o sorlimento deste estabMeci-
i ment se aonuncia o seguiole ero resumo :
i ricos vellidos de seda, pretos e de cor e muiloa
outro ditos de diversas qualidades, burousde
I velludo, da seda, e de casimira, capas de casi-
mir,, beduinos, chales de casimirs ede outras
qualidades, chapeos de seda para passeios de
aoult, rond de endianna branca, maoguitoa
zuavos, grande sorlimento de gollinhas, camisi-
nhaa, lengos muiio finos para mo, ditos para ca-
bega propr'os para igreja, pelerina, romeiras e
roupes, leques do madriperola, sndalo e outraa
qualidades, quiles bordados, liras dito, cascarri-
nas, trmgas,franjas, filas.penles de atar cabello,
labviinlhos, enfeites de cabega, camisas, mullos
objectos para luto e tempo de quareeme, vas-
mentas de meninos, comprebeoueodo booels,
sapatinbos, calciohas e meia : mullos objestos
para homem, senhora e meninos, etc.. ele.
Vende se ama preta de nagao, boa qmtan-
deirs, com duas crias da mesma ou sem ellas : a
tratar no pateo da Penha n. 6.
Vende-se orna casa terrea 00 balrro de San-
to Antonio : a tratar no primeiro andar do 00-
brdo n, 32 na praga da Bja-VUla,
Iras de seda para vesiidos de senhora a 500 rs. o
covado, eobertas da chita para cama a 29, col-
chaa de fusto para cama a 59, ditas avelladadas
a Sj, aberturas para camisas a 2 ada urna,
cortes de caiga para hornero, de b im escura e
clare, e de ganga e fusta* de quadrinhos a \$ e
1|280 o corle : na ra da Imperatriz, laja da
arara d. 56:
Arara vende as cass; s cliinfzas.
Vende-se a fazenda por oosse cassas chioezas
a imitago de sedioha da quadros, propria para
vesiiJes de senhora e roupa de meninos a 240 e
280 o covade, riscado a Garibaldia 280 o cavado
para vestidos, cobertores de algodo a 19, cam-
braias brancas a 1*600, 29, 2$5 ruada licperaliiz, loja da arara n.56.
Organdys da China da arara.
Vende-se s fazenda por nome orgentiys da Chi-
na adamascado e palmas de cores, propria para
vestido e muilo largo a 400 rs. o covado, capas
de la para seohara a 9$, dilas de grosdeaaple
modernas a 20 a 25$ : na ra do Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Arara vende fazenda por nome mais
a mim.
Vende-se a fazenda por nome mais a mim pa-
ra vestidos de senhora e adamascada, de bonitos
gostos a 360 o covado, pegas de cambraias de
salpiquiohoscom 8 1|2 varas a 3#300 e 4f
ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Tiras e ntremelos da arara.
Vendem-se tiras e entremeios da largura de 4
e 5 dedos, de bonitos gostos a 1J/280 e 1JJ600 a
peca, dilas de ntremelos a 19- 19200 e l600a
pege.corpinhos bordados psra meninos a 1; cada
um : na ra da Imperatriz, loja da arara n.56.
Cera de carnauba e velas.
Na ra da Cadete do Recife, primeiro andar n.
28, venda-se excelleolecers de carnauba e velas,
em pequeas partidas a vontade dos comprado-
res: a cem est embarrcada.
Um cavallo de sella.
Vende-se um ptimo cavallo de sella de boos
andares ; a tratar na raa da Csdeia do Recife,
primeiro andar n. 28.
Vende-se o eslabelecimento de molhado*,
silo na traveasa da Madre da Dos a. 2, quita com
a praga, o qual tem poucos fundos : a tratar no
mesmo.
Vendem-se rosas artiflciaes muito lindss,
de papel, pele barato prego de 19 cada ama, e
tambem se faz por menos tendo encommendaa:
na ra do Queimado, loja do Sr. Fetrao o, 10.
Farellu
em saceos grandes a 4$ : no armazem do Sr.
Luir Antonio Anees, na escadioha da alfandega.
Fa relio superior.
Na ra do Vigario n. 31, primeiro andar, ven-
de-se superior farello de Lisboa.
Loja das seis portas em frente
do Livrament.
A 4$500 e 50000.
Saias a bales com 20, 25 e 30 arcos, ss me-
lhores qae tem vindo ao mercado a 4fl500 e 5j,
ditas de 50 arces a 681 di-se para amostra com
penhor. A loja est aborta at aa 9 horas da
noite.
Sementes de hortalice viadas
ie Pars.
Chegsram loja de ferrageoa de Bastos, na
rus da Ctdeia do Recite n. 56 A, aa novas aemen-
tes de hortalice viodas de Paria, as quaes sao de
superior qualisade. e se vendem baratas.
Na ra da Peoba, loja do sobrado de dous
andaras n. 4, vendem-se remedies psrs curar
morpha, preparado! por Hlpiano Bezerra de
Mello radicalmente curado deale mal, e por isso
eocsrregado pelo governo da proviocia de curar,
como est curasao, no hospital dos Lazaros de-
i i* cidade.

u
Nesta trnde e bem montada fabrica de machiuismo, a msis antiga no imperio, eonlinua se 1
xecutar com a maior presteza e perfeigo encommendaa de toda a qaaltdade de machinas asadtc
no psiz, tendo sempre prompto o seguiole :
Grande sortimento de moendas de canna de lodos 01 systemas e lmannos.
Machinas de vapor de diversss qualidades.
Taixaa fundidaa e batidaa.
Crivoa e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhes.
Rodas, rodelas e rodas d'agaa.
Guindaatea flxoa e portalis.
Machinas de cylindros para podarla. ~ -j-
Serras de ago para aerraria. -------- ^
Fatexas para barcos, etc., etc., tado por prego qae bem conalds.

oaquim F. ios
40Ra do Qaeimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Reste estabelecimento ha sempre nm sortimento completo de roapa feita de
todas as qualidades a tambem ao manda execntar por medida I vontade dea fregao-
xes para o qae tem am dos malbores profsssores.
33
Casacas o* panno preto a Of,
851 e
Sobrecasacosde dito dito a 359
Palatols de panno preto e de co-
res a 359, 809. 259,109,189 o
Ditos de casemira de cores a 229,
15f,129.79e
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo francesas a
Ditos de merino setim pretos e
de cores a ff a
Ditos do alpaca do corea a 59 o
Ditos de alpaca preta a 99,79,59 a
Ditoa de brim do coros a 5|,
495OO, 49 o
Ditoa da bramante de linho bran-
co a 69 51 a
Ditoa de merino de cordio prete
a 159 o
Caigas do casemira prata e do co-
rea a 115, 109, 91, 79 t
Ditas do prineexa o merino da
cordao preto a 59, 69500 o
Ditaa do brim branco oda cores a
59.49500
Caigas de ganga do corsea
Collete de vellado preto o do co-
ros lisos o bordados a 199,9#o
Ditoa do casemira prata o de co-
rea lisos o bordados a ti,
59500,59
309000
309000
I0J000
99000
109000
8J000
8ff00
81500
39500
49000
89000
69OOO
495OO
31500
9000
89000
81500
Ditos do setim preto 59000
Ditos de seda e setim branco a 6 o &9OOO
Ditoa de gorguro d* teda pretes
o de cores a 79, 69, 49 o 5$00
Ditos de brim e fusto branco a
81500,19500 e 89OOO
Stroulaa di brim da linho a 29 e 292CO
Ditas de algodo a 19600 o I928O
Camisas de peito defastao branco
ede cores s i$400 o 29100
Ditas do peito de linho a 59, 49 o 8*000
Dltaa de madapolo brancaa a do
corea a 89, 2?5C0, 39 a 1|600
Chapeos pretos de massa francesa
forma da altima moda a IO3,
81500 e 79OOO
Ditos de feltro a 69 59, 49 o S9OOO
Ditoa de aol de aeda lnglexea o
fr--ncexes a 14|, 139, 11J o 79000
Colsriohos de linho maito fines
novos feillos ds altima moda a 9800
Ditos da algodo 9500
Ralpgioa de ouro patente e hori-
zontal a 100S, 909. SOS o 70f000
Ditos de prata galvaniaadoa pa-
tente o horizontaea a 409 o 80100o
Obras do oaro, aderegos o moios
aderecoa, pulcoiraa, roletas o
ancis a 9
Toalhaa de linho daxia 10*,. 69 o Wj
Ditas granjea para mesa ama 39 o W
MUTILADO


6
tt&jttU DB PEHHAMBLCO ~ SIXT> FERA 29 DB AGOSTO
1801
HttIQAO DE PREGO
SED
FRANCISCO FERNA.NDES DUARTE.
40 Largo da Penha 10
4 vamagern que o propriatario desie acrediudo armazem da molhados ten oferecid, ka
sido eonbeeida pelos seus numaros.wfreg.iei-*. mis como asalta aiada h.jam ilguns seahares que
nr.o <9 tem lado ao trabalho de esperimentar, rogo a todos elle* o favor da mandaren comprar suas
Mtemmendas no armazem Progrcsso do largo da Penha n. 10, afim da tarificaren! a exactido
de meu annuncio e a diITorenra de prego e quaUdada que faz, se fossera compradas em outra qual-
cwer parte, pois para isso se recebe em lodos os vapores e navios de tela finios da Eurapa a
matar parto Jos geros da -estila prop-ia. IVa maior ceacorrao^ii a eommodidade, resol re o
!L',eia"n"r!?f/'Sa r,,a'acoal qualies seahora* q-ie nao possam vir, Rom maadr. da da-
iprao aesto
este
n*sUQga li&g\Z 4a prim9ira ^lidade da safra ora a 00 i TJS M. a
libra, e era barril se faz abatimento.
" -'^** a mais nova do mercado a 600 rs. a libra, e era barril a 560.
AXlUi o que se poda dasejar nesta genero a 39000 a libra.
*a Sk^SSa o mais superior do mercado a 85800 a libra, e em poreao se tu abati-
mento.
QtlQVOS 3a t?lll chetrados oeste ultimo Tapor muito frseos a 2*000, ditos che-
gados em navios a U700.
!E.& ^^5^0 verdadero inglez a 2*000 a libra em porfi se faz abatimento.
l^u^S G^SSl SS.ftt U^-I^l conferidas, conteni diversas iguarias muito proprias
para mimos a l$000 caa urna.
SKvOL.B&& de soda em latas cot diferentes marcas a 18400, afian^a-sa a boa qua-
lid-.de, assira como teni latas grandes com bohchinha proprias para lanche a 2*500.
%agVlBia8 do I>OU?0 espe al vioho do Porto era garrafado vindo a sigunda vei
ao nossj merca a lJiOO a grrafa o em caixscoin 1 duzia qor 12*000.
\ l> C'g-iTT- 1.Q.O da? melhores marcas que vemao marcado, como sejao Duque
do Porto, Carcavellns e Feitu'ia a 1*100 garrafa.
r%.TH6 .$?.-.VA.-4 &OHI VIH rio Porto com 70 garrafas proprio para casa particular
em garrafas 32000, 6rbn-:a-S3 ser da superior quaJade.
itl tBl $l$* de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 600 rs.
a garrafa, e em caada a 3?500, 47000 e 4?50.
&& ea latas com l libras por 41000, e em barrita 400 rs. a libra.
Aviso aos senhores de enge-
nho.
Yeude-so ama moenda para eogeoho do eanna,
de namero 13 por 13, completa' de todas aa er-
ragent, jautamente 4 tacbaade ferro, aeado duas
batidas e daaa endldae, laaaaohoa regulares, to-
do porprecoe aoito commodos para liquidar, na
ra Nova o. 90, loja da Carneire Vianoa.
ios rubricantes de velas.
Teade-ae aebo derretido aaaito duro o alvo a
7J300 ra. a arroba: na ra Imperial n. 215, ta-
berna._________________________
Vendo-ae ni carillo bom andador de bai
xo a mel, per asalto coosmodo preco : na ra
do Roiario da Boa-Vista n. 12.
Grandes vaquetas
para cobrir carros e outras mais pe-
queas para guarda lama, por menos
do que cm outra parte: a' ra Direita
n. 45.
7~r
Chumbp! arabo l
Vendo-se ebussbo do muoicao soriido e de di-
versos nmeros, a retalho ou em porcoes, por
prego maia barato qae em outra puta : na roa
larga do Roiario n. 34, boliea.
Gaixas de tartaruga e charu-
teiras de charo para rap
echarutos.
O tabaquiata que aprecia a boa pitada de Lia-
boa ou mesmo Prlnceza, Mearon etc., ate.,
justo qae compre ama bonita caixa de tartaruga
toda marchetada com a qual nao ae envergonha-
r de offerecer a boa pitada de aea gasto a to
doa oa circamstantes que ae acherem eaa ana ro-
da, muitos doa quaea louvario o aeu bom goste.
Aasim como a caixa aecesearia ao tabaquista,
i cbaruteira nao superfina no fu asante e sendo
ella bonita como aioaade charo anebetaa me-
lhor ser porque com iaso deixa conhecer quin-
to sabe apreciar o bom. Para os tala eommo-
diataa tambem ha bom aorliaaanto a tedoa encon-
trarlo baratexa ama vez que aauoidos de dinhei-
ro se dirigirem a ra do Queimado loja da agnfa
branca n.16.
l*ot&ssa da ttssii
e Americana.
No eacriptorio de lanoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por prego
mais barato do qua em outra qualqaer parte.
asteI!o -Branco,aifalate
Tende-ae para liquidar coalas urna taberna
em boa leealidade, e bees afregaexada : oa pre-
tndante! poderao dirigir-se a ra do Codorniz
numero 1.
oja as 6 por-*
tas em frente do Livra -
ment.
Baloes de 15, 20, 30 e 40 arcos
Graide aortiaaeato de baldea de reos
oa aaolaorea neata faxenda e grandes,
chitas fraacazaa largas escuras a S2U o
249 ra. o covado, ditaa aatreitas naiudi-
nhaa a 160 ra. o ovado, cambraia lisa
para forro com 8 l|-2 varaa a 2* a pega,
ditaa anas a 3$, 49,5 e t$ asuito fiaaa,
Sditia de aalpiquinho coas 8 l|lvaraaa
3^500 a pega, caberlas alcoxoadas brin-
cas o de corea para cama a 4}500 e 55,
caasaa de corea francezas tintas securas
a 330 rs. o corado, pefa de bretaaha da
rolo 2j, algodao trasigado alvo muito
largo para toal^aa a 1$ a vara, enteitea a
Gsribaldi todoa pretoa a 5)> cada ura. len-
goa braocoa com barra i* cores a 120 ca-
da asa. roapafeita de tedaa aa qaalida-
des muito baratas, a loja aat aberta at
as 9 horaa da noite.
IBflPIal. -
Veadem em seas armazens
PROGRESSISTA
rV
E
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carmo n. 9.
>
.os Srs. MQ0umdrisde gaz
Roa armazens do eaa do Rxaos na. 18 a 36 <
aa raa do TraacheNovo no Heoife n. 8, se ven-
de gaz liquido aaaericano priaaeira qaalidada a
receataBaente cnegado 114* i Uta de 5 gel-a,
aaaim como lataa da 10 de 5 farraae o cm
garrafas.
im*t &
M^9,mae-T?kO 49 ti Ahvm 320 n. l., a ,B caixa grandes por
G3000. fifianca-se ser muito novo.
.*- VNf*^* muito n;vas a 5G ) rs. a libra eem barril com urna arroba por
129000 rs. r
M yl\6 je escabeche das seguntes qualidades savel, congro, corvina,
cherne, pescada, e vezugo a 15400.
2*1** ^ *' PmmeU a OSO rs. a libra, m caixa a GGO rs.
& 9 ara mba reGnada a 3018< a libA> e em arroba,,, f n,
_ a "*"a out f'vw uu rs.
1 Vi IS&gl 5Z rar3 Gimbre a 640 rs ? libra.
Am^ix^q francesas
por 260O.
^ em latas de 1 e raeia libra por 1^500, ditas cam 3 libras
^tiet|*3 4e il0Ull *** com genebra de Hollanda com 25 g^rra'as por 9J0C0.
I
i Z l r1*'^ muito limpo, a 1G0 r?. a libra e em arroba 4?S00
A C a ,jL,a; e 4^(500 a arroba.
"Mi 8mtiguSar
os em moias eaixinbas, o iulhor fabricante da Babia a 29300 cada urna
mo qua ba no morcado a 210 rs. a libra, e era garraes com 5 libras
por 1JG00, so o garr^fa val 500 r.
Ki Vf^iltaa do Franja muito nova a -200 rs. a libra,
muit) fina e alva a ICO rs. a libra a em sacias se faz abatimento.
s- eVill ) Uv^!?8 par, Jentes a 163 o 280 rs. o majo ora 20 raacinhos.
r& : S. i O g 7 a 2J300 rs. a groza o a 20 rs. a caixnha.
-V -\*. ^s?\--:\ ,]..s raarcas |eoente) oa XXX a 6*oOO a duzia e 500 rs. a garrafa.
e*VJf* bfAli das rais crelitadas marcas a 53000 a duzia e 480 rs. a garrafa.
Wl**.> D'ft&iC engarrfalo o miis uperior que lamviudo ao nosso mercado a 800 rs
lambira tenho de barril par3 500 rs. a garrafa.
T0U^\i0 LAtsbe* a 730OO a arroba e 280 rs. a libra.
I&8iie C3 a.ls avado a30)rs. a |ibra ea 9#000 arroba, dito da 2.a aualidada a
2G0 rs. e 83000 rs. arroba.
ATI OS de Maranhao a 100 rs. e 120 rs a libra, e era arroba a 33000 e 3500.
t'tm&CaaAttB hespauhol a 13200 rs. a libra, ditto francez a 13100.
^cmrmQUMl I imperial do afamado 4breu edo outro3 rauitos fabrieantes de Lisboa a 800 rs.
a libra, tambem ha para 500 rs. a libra.
* slIl^S CHl CtsAwS pecego, damaseo, pera, alperche, e ginga a G00 rs. alalia.
S ldVml A &$ ?aHt se faz a batimento.
atVIltl. !S francezas e portuguezas a; masnovosa 640 rs. a lata, em meias Iatinhas a
500 rs.
- \ O BotAcaUX, Marg, Me loque o S. Julien de Medoque a 9^000 e 10*000
a caixa, em garrafa 800 rs. e 1&000.
! l^IU'. o raelhor petisco que pola haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
gebol3S nov s a J8 0 cen(0 ea Ift200 0 molho com cent0 e tanfas> tambdmha
proprias para conservas a 4:i0 rs. o canto.
tal 8. (iOC muilo nova a 320 rs. a libra, e em arroba a 8*.
' pe gteVQ a 43 a resma, dito de peso paulado a 33, dito almajo bom a 33200.
M -SSa p5Ta SOpa estrellinha e pevide a 600 rs. a liba, era caixinhas sahe mais
barato.
Jflf?r|l de tOIOfte era latas da 1 libra por 800 rs eda 3 libras por 1J500.
A^^lte IOCP refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas com 1 duzia por 83500.
Ideal de Lfcba a 720 rs. a garrafa e 5600 a caada.
AmefldoaS de easca molla a 320 rs. a libra o 83000 a arroba.
Tnagre di tdrtb(la a 240 rs. agarrafa e 13800 a caada a fian.sa a ^
qaalidade.
'ijl'.^fli =|T>" das mais aerediladas mareas a 15&000 e 2OJ000 o pigo. eem garrafa
a 180O.
_ '**"> '->*='- o quese pole dezejar neste genero a 400 rs. a garrafa.
a* '^ -^ de tois as quiltad.s qu s procurar a 13000 rs. a garrafa.
JTarijii do I ara nha j mi!10 8lva e cheirou. ieo n r.bra.
ijflO para limpar faecas a 180 rs e era porosa se faz abatimento.
Cailll >qil4 iHaTleZ .9(IOr...,.,r.f..lo009.HuaMda.;
Alm dos gneros cima meacioaados eneontrari o respeitavel publieo um completo sorti-
metito de ludo que tendente a molhados.
Por cate acuantio ae faz constar aos Srs. offi-
ciaes do todas as arasaa, tanto dasta provincia
como daa aaais capitaes do norte do iaaperio, ha a renda boto-a do novo padro, segundo a
ultima ordem do ministerio da gaerra, venden
do-se duaa abotuaduras por 3$, advertin^lo que
ansa daa abotaaduraa de padro antiga, faz-sa
remessaa para onde (orean padidas, asaim como
tambem ha para vender o melhor panno azul in-
glez, e o aaelhor velludo preto do Porto, fazeadas
detcouhecidaa aesta traca, o que se vende a re-
talho. Os Srs. offlciaea qne esto fora da provin-
cia podom renovar suas coasignaces Qiaado
quantia certa, e os outroa sanhores que nao live-
raai procurar^o neslacasa podem manda-la, ad-
verando que o lempo para a dita procurarlo do-
ve ser limitado, acoaapanhaado ama carta de or-
dena pediado as eacoaaaaeadas que foren: preci-
sas, deveado ser dirigidas a correspondencia a
Joaquina Rodrigues Tavarea de Mello, r Quedado n. 19. Tamben) ha galao de ouro su -
3a'rpar'fJ3?"'......M p,ra laiate, aza forja-
A loja d'aguia brauca, ra ^
Queimado u. 16.
Racobeu pelo altivo vapor os aeguinles
actos :
Bonitas ligas de seda para seahora.
Grandes e bem teeidoa bandes de clina.
Atpaa 4' ac, e Da elstica para ces de balo.
Banecas grandes naui bonitas e bom vestidas.
Bonitos baazinhos com 9 frascos do cheiros.
Lindas caiziahas cos 6 ditos Tranc.llim grosso de cor para guarnecer vettido.
Lavas de *amuraa brancas e amtrellas.
| Lindos boies de bariha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber lino
boies doporcellanadourada com fina barh
aviosas inscripr5es, os qnies por suas delicade-
zai e perfeiQos tornam-se dignos para prcaes-
tas, e com especialidade na actnal qaadra, qum
gostardo bom dirigir-ae com dinheiro ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que acha-
ra em qae bem o eaapregar.
Soahall Mvllors & C, lando recebton or-
dem para vender o su ereseido deposito d<} rslo-
gioa visto o fabricante ter-se retirado do nego-
. ci ; convida, portaato, s peafoas que qaitsrtHB
I poesulr um bom ralogio de osro oa preta do ce-
lebra fabricante Kornby, a aproveitar-ae da op-
portcnldcde sm perda de tetnpo, par vir com-
pra-Ios por eommodo preco no sea eacriptorio
roa lo Trapiche n.98.
lkpaidafo por U4o
0, ""
m

Apparef am com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
- Chitas escoras iaas a 160, 180 e S00
rs., cortes de vestido pralo* bordados a
velludo de casto de 150; e se vendem
por 809,409, 509 e 709. sahldas de baile
de velludo e se!na a 129 139, camisas
para seahora a 2:000 e 89500, golliahaa
de cambraia bordadas a 300, 600, 700.
800, 900 a 19. ditas de fil bordadas a 120
ra., casaveques de fustao a 59, 69,7$, 89,
eiat de seda brancas e pretas para se-
nhora a 1J200 o par, tiras de babados
sOO e 700 rs., Iaas de qaadro entestada a
800 e 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 a 440 rs. a vara, orgaadys de eores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
rs. a vara, corles da collete de casemira
bordados pretoa a 29 e 39000, ditos de
velludo do cor e pretos a 39, 49, 59 e 69,
paletots de brim brancu francezes a
39500 s 49500, ditos de caaemira de co-
res e pretos a 149 ? 169. ditos da alpaca
preta e de cores a 3?, 3$500. 49 49500,
camisas de peito de linho a 29500, eorlo
de cellete de gorguro a 19500, 19700,
19200, 85 MSOO.eoiletei feitosde brim
branco a 29500, ditos feitoa de gorgurj
e 2*500 e 89500, ditoa feitoa de casemira
a 8J5O0, 4? e 4(500, dito; de vallado c
59, 69 e 79, ditos de fustao de core* a
13500, usa variado aortiasentn de aaeiaa
para hoaaem e 8"nhpra^,_ffriiil.i^
r .------ .- now, epnrl'.laos, e to-
da a qualid-la de roupss ftitas para ho-
cm que tudo se vende por mntade do
seu vi!-, r.
Haiagiiitosegoliasde
cambraia ricsmtnte bordados
Vmdem-s* manguitos e golles de superior
cambraia ricamente bordadoi pelo taalgaiflcaote
prer;ode 29 o par d* mangi>ito com ama golla,
s*jdoque stmpre custeram 69 c^da par, aasim
pola re-.omajenda-se aos amigos dr. sants or-i-
uomia que aproveitera a boa oeeaaiao, dirigi
do-se cok dinheiro a loja da boa f aa ra do
Queimado n. 22.
Venie-se um molequo de 11 anuos : na
ra de Hortaa n. 21, primeiro andar.
Relogios
Vande-ss am casa da Johnston Pitar ^ C.
. -. do Vigario n. 3, um bello sortimento de
lelogios de onro, patento inglez, de um dos mais
afamados fabrie&nles da Liverpool; tambera
ama variedade da bonitos trancallins para os
mesraos.
Rival sem
igual.
Rival sem ignal
Rival sem igual
Raa larga do Roaario n. 36
Rus larga do Roiario n. 36
Ra larga do Rosario n. 36
Pedro Tinoco vende
Pelro Tinoco vende
Pedro TinOco vende
Miadezas mullo baratea
Miudezaa muito baratas
Miudezia muito baratas
Cartoei de clcheles francezes a 40 rs.
Ealampaa de aantoa a 100 ra.
Ditas com vistas de guerra a 200 rs.
Ditas cera personageos a 320 ra.
Pentea de borracha para alisar a 560 ra.
Sintos duoradoa a I96OO,
Agulhaa fnncezaa em caixioba a 220 rs.
Lai para bordar a 69400 a libra.
Tesooraa flota com toque a 400 ra.
Botea pera puobo a 120 160 rs.
Tinteiros com tinta o tampa de metal a 180* ra
hfeiaa cruas para hornera a 29400.
bitas brancaa para aeohora a 2g400.
Endites pretos a 49800.
Liabas do crozel para bordir a 640 rs. o masso
Jogos da vispora a 800 rs.
Ditas do bello zadres a 1|600.
Gravataa com botae a I9OOO.
Pinceis pira barba a 400 e 600 n.
Palielria de misaioga a I9I8O o par
Carreteis do linha a 30, 40, 60 e 80 rs.
Luvia de aeda com toque a 200 ra.
Escoria para limpar dentei a 240.
Ditaa para cabello a If.
Ditaa bou para aohaa a 320 e 500 rs.
Ditas para roupa a 800 o 15.
Assim como uro sortimento completo de rap
Paulo Cordeiro a 19500, gane groaao a I96OO, dito
meie grosso e 1$600, dito fino a 1J80, Lisboa a
29600, rolo francez a 29900, alearon 1{040.
Vendetti-se tachas de
ferro cuado dof'ibricautemsis
acreditado : na ra do Bruta
n. 28 B, armazem de J >s da
Silva L Vande-seuma mobitia da jacarancom pedras
brancas, ama dita de araarello de raiz e de mof-
lo bom goato, vidrosoara eapelho de todos os
tamanbos de 12 at 36 pollegsdas de altura, ri-
cos Iremos de jacjrand cora consoloa de pedrs,
gomma laca, molduras francezas para enfeite
de orotsriae outras muitaa obris de bom gos-
to e por barato prt?o ; na ra da Camboa do
Carmo n. 12, loja de martineiro de Joao Goncal-
ves Lueaa Liaboa.
Chega vapor para o\i-
gilanle
Ac para balo.
Sao chegadas aa vardadeiraa asteas ou a;o p*ra
concertar ou fazer baldes, que com urna pequ?na
qnintia qudquer senhora pode fzer um grande
hallo, pois vende-ia pelo baratisiimo prco de
140 rs. a vara, oa pega com 50 metroi a 5J500 :
no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cordo de borracha.
Tambem sao chegadoa oa cordoziohoi de bor-
racha e de retroz, aortidos, de lindas crese de
toda as grossnras.qne mallo te deaejav, tan-
to pira pulseiras como para debram de collete,
o para muitai outras obras : no gallo vigilan-
te, ra do Cre Fita de borracha e de seda.
Tambem ao chegadas aa aaperiore fitas de
borracha, bsib como de aeda preta, propria pira
debrum de vestido, como pira co'lete, qae se
vende pelo barato preco de 160 rs. a vara : a
no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
tap k Lisboa em frascos
Vende-se o uperior rap princeza Brasil che-
gado pelo ultimo vapor francez Estrtmadure :
na loja de Marcelino 4 C.. raa do Creapo n.5.
Libras sterliuas.
Vendem-se no eacriptorio de Manoel Ignacio
de 01ielra & Filho, lurgo do Corpo Santo n. 19.
Vende-se ama grande casa de dous andares e
solio, na ra da Guia n. 40, e urna dita terrea oa
ruadoAragaoo 18: os pretendentce dirijam-ae
a ra Nova loja n. 18, das 10 horaa da msnbia
s 4 da tarde.
*6 *n oinjt3 op o8ji 9 'gg #n soznJ3 sp tn^
ni
G)M1
3
visissmooucf
suazBuiJB snas ma uiopoo^

ILEGVEL


DIARIO on mKuuuo*
., SEXTA FE1BA 20 DE A08KJ 01 1861.
' T
Cbke e alcatrao.
Coke t* nelhor qoalidade, muito proprio para
vapor, a taneen para todos o usos donettices,
tornos pequease grandes, etc., para eatea ser-
Titos, O cok* 6 aaais econmico do que qualquer
tro conbastivel, por ser meaoi da netsde do
prego e de nais duragao.
Alcalro, este sendo applicado 4 nsvios, bar-
casas, alvareogas, canoas, etc., presta auito boa
effeito, conserTanio a aadeira de todaa as qua-
lidades da bichos, leseado durar uaa teapo inde-
finido. Taabea cenaerva aadeira de ediica-
5es, preservaado-a dos bichos e contra o lempo :
as propiedades chimicas deste alcatrio de car-
vo aais forte de que qualquer entre, txtrahi-
do de aadeiras ou outriaasaieriai.
Quea precisar acbari a venda, no araszea do
gaz. Ra do impender.
Preco do ceke 12& por tonelada.
Prego do alcatra 5G0 r. por caada. ______
mullo
por
Prelas faleas
ou aljfar de fina qu?lidaae.
A loja da aguia branca acaba de receber na
novo sortimcnto de superior aljfar braace ou
perolas falgaa o qaal por saa perfeico difflcil-
aente se distingue das perolas Terdadeirai e ier-
vea elles por sua extraordinaria graadcra para
aa gargaatilhas que presntenoste eito ea mo-
da e aesmo para outros eafeit*s e coao temara
veadem-so comaodaaeate a 19, IgMO e 18600
o flo: isso na ra do Queiaado leja da aguia
braace a. 16.
Para lulo.
__ V rada-se una caaaa fraaceza
hora estada cora Bieldara, toda de aa
borato preco : aa roa do Caldeirelro
ora
larelle
a. 90.
Acaba de ctagar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queiraado n. 16.
Pos de arroz cosa boaeca em boaltoi raaos dou-
rados.
Ditos dito sera boaeca eaa pacotes.
Agua balaaaica para couservsgo dos denles e
boa hlito da bocea.
Opiata inglesa para alvejar os deates.
Leite Tirgiaal caja ulilidada reeouhecida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para qaea soffre de tonticas
e dor de cabala.
Paalilhaa de chairo para se perfumar aposentos.
Os aalhoras eafeltes pretos a da corea qua ap-
parece a 5J500, 6$ e $$500 : na loja da Victoria,
aa ra do Qualawdo a. 75.
Caixialto i cbaz^ pm*
as meninas trazares
nobrsfe.
Muito lincaseaiziahas e cabazas para meainas,
de 100 ris al 3>500: na luja da Victoria, na raa
do Queiaado a. 71.
Calendo fre*L
Loja do vapor, ra Nova n. 7.
Grande sortiaeoto do calcado fraocez, bsra
ssiiLO, i vista das qualidadee ; qaem duvlda>
deve *er na loja do ip ra Nora d. 7.
Acha-ae veoua no eacriptorio da Antonio
Luizde Olivelra Azavedo k C, ra da Graa n. 1
a obra eacripta ptlo Tiscoada de Urugney.laaaiu
Sobre o Direito Administrativo ; daizataoa de ta-
car elogios a esta obra, basta o nomo de sea au-
tor para a torear recoaaeadada, dos Tolusaea
ees brochara 100, eacadernado 12$.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vapor a sua encoaaaada dos seriales oa-
jectos para baptisados, asado liadaa touqniabae
de aelia nui en enfoitadae, e cada aata esa
eua ealiieha, sapatiahos deselin braaco, e de
corea ricameata bordados, e aaeas de seda, e
aaelhar a asis boalto possivel. Agora, pois, os
pas qua aso quizereat esperar pela generosida-
de daa stnhoras comadrea, dirigirem-ss leja
auaidos de dinheiro loja d'aguia branca, ruaaj
do Queiaado a. 16, ondebea podero conpr
essea galaatea objeclos.
Faaos de seda eUatieoa para chapaos largoa a
eatraitoa a lgtGO : na raa do Queimado i. 523,
na loja da boa l.
Liaunbti umita fina*
para vestidos.
Superiores toartahas para vestidos de mullo
bonitos padrees que se vendea pelo baratissino
preee de 440 rs. o covado : na raa do Qaeima-
do n. 21, na loja da boa f.
Ra da Se&inila H5f5 E! B
Neste estabeleciraento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 r$. dem
de Low Moorlibra a 120rs. "______
Pttas da Mm,
Vende-se em casa de N. O. Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. 4.
Para atar oaMlo.
Timbera ha chegado liados pentas de tarta-
ral* todo eatraaeade cea lia de borracha, de
(urana qua o cabelle amarrado fies deatre de ua
eaga-adade, iatelraaMle eansa nova, e de aulla
gesto, assia come cea laeo e Uros de lindes fei-
' Mes, que se vende por presa muito rezoavel: si
do vigilante, rus do trespa a. 7.
Luva do pellica.
Tarabea chegado as vesdadeiras luvas de
Jeuvil ailo frescas tanta para horneas cobm
para seahora ; s no vigilante ra da Crespo
7.________________________________________
Gravatinhas.
Taabea chegede as liadas gravrtinkss coa
lindos botes, que se vende pelo barato preeo de
1| : s ao vigiUate, roa da Crespo n. 7.
La\a yora bordar.
Tambe ha superior lia para bordar qae re
vende por 6$ a liara, assias como Ua de familia
que se vende a 19, e asa cada caixiaha muito Rea
pelo baratiasiao prese de 79 a calxinha : > ao
vigilante, raa de Ireapa a. 7.
Bre fama h. 33.
?tila os segaintes ob-
jetos asaixo mencio-
nados.
llov
. :...
i
Franjas prtttt com t-
driiho e aem elle.
Ricos sortiaaan'.os do franjaa pretas a da cOrea
sora vidrilho a seas e]Je : na loja da Victoria, na
raa do Queiaado a. 75.
aunas dk peso verisi-
deiras.
Llnhas Onas da
grandea a 240 rla :
do Quaimado a. 75.
peso verdadeiras, asadas
na loja da Victoria, na raa
^hosfthoros la seguras*;
Phosphoros da seguranza, por que livra de is>-
cendio, a 160 reis a caixa : na loja da Victoria,
aa raa do Queiaado n. 75.__________
aieks para T^stUim
Balslas muito grandes a boas s 160 ris ama :
na loja da Victoria, aa rus do Queimado n. 75.
Liana da eroal para lar
byrintho.
As melhores iiahas de croxel para
Ra da SoBz&lla tvn n.
Vanda-sa em casa da S. P- Joahston ii C,
sellins a siihoes inulazes, candieiros e casiieaes
bronzeadea, lonas inlazas, la da vela, chicotes
psra carros a montara, arreios para carros da
aa dois cavados, a relogies de oiro pitena
inglf.
(kl e potawa.
Veodem-se estes doiifl $&-
tigos ultimsmento caogad^a,
so bem conocido e acredita-
do deposito da ra da Gadea
do Recife n. 12, ruis >arm
d que em outra qualqu r
parte.
Manguitos cora golliatias.
Voada-sa mangailoa com gollinhas, tazena
aaile boa, pelo barato preco de 2j)00, golliaJta*
e puehoa ultimo oslo a 25000, gollinhas muito
finase bem bordadas a 1$000 cada nasa na rae
' do Queiaado loja da aiadezaa da Boa ama,
a. 35.___________________________________^^
i Tiras e eatremeios feerdadoa,
Vende-se pecas ae tiras bordadas da 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 eatremeios a 18600 e '28060
| cada peca na ra do Queiraado loja da aluAezae
da Boa fama, a. 3S.
novalloa
loria, na ra de Quei
onstros a 320 ria un :
ado "
labyrintbo,
ns lo;a da Vkc-
D. 13.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados psrs senhoras a S&200,
ditos da pona cabida a 3. ditos da Sla a 18<>00: !
na loja da Victoria, na ra do Queimado p. 75.
Ricos espetos de
moldura dourada par*!
salas.
Chegoa pars a loja da Victoria urna pequen
porcao de ricoa espelhoa de varios laraanbos para
ornamentos de salas, aftianQando-se serea os i
melhores em vidros que tea vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
a para bordar,;
Lsa muito bus de todas aa i orea para bordar, a |
78 a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei- '
mado n. 75.______________________^_________^
lainhas ciw gaz.
Gaixinhas cora 50 novellos ile linhss muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas cora 10 novellos graspos
700 ris, brancas epretaa: na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.
Bonecas francezas.
Vende-se hnaecas francezas ricarsente vastldsa
S 48000 e 58000. e 21000 boneoas de cera com os
olhoa aovedeos s 58900 e 38000, na ra do Quei-
mado loja de BRiudfiaa da lir,a Caima, a. 35.
Fivelas de ajo par>* sintos,
Veade-ae flvelaa de ac para aialo a 18500 rs. e
28090 na ra do Queimado loja ds miadezaa
da Roa faaaa. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna a3pa de a;o
para balao a 160 ra. a vara, bandes a 18500 ra. e
2^00 o par, na ra do Queiaado loja do aiadezas
da Boa fama, a. 35.
A 21500, so o pavo.
Vendera-se cortes de caabraia branca com 2 a
3 babados a 28500, ditos da tarlatana braacos a
d* cores, coa barras a babados a 38 : na ra
da Imperatriz n. 60, loja a armazem do pavo de
Gana & Silva^____________________^__________
i,asearilhas de seda.
Vende-se casearrilhas de seda para enfeitar
vestidos a 28000 a peca na ra do Queimado
loja da tciudezas, n. S5.__________________________
Meias le borracha.
Vende-se meias <5 borracha para quera padece
da erysipela a 158000 o par, meias de seda preta
psra senhora a lgOOO o par na ra do Queiraado
loja de miudezas da Boa fatia, a. 35.
Loja d$ rniudezas ra do Quti-
mado numero 33 A,
Costrenos.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Liabas de 200 jardas de todos os nuaeros s80rs.
Cascwrllha a prca 2$.
Ditaa auite baa vara a 400 rs.
Traeca de BB.0 para todo prreo.
Fraaja de aeds, de linho, de algodao auito ba-
rato.
Retroz, liiha de novelo etc.
Meias.
Ua coaplefo serliaeato sendo de coras para
aeaiaos a 240 rs.
Ditas braaeaa a 200 rs.
Ditas para s-nhora a 2i(), 300 a 400 rs.
Ditas para hoaea a 58 e 65.
Ditas pretas psra seahora a 400 e 860 rs.
Gravatas
coa bolso a 1?.
Da cores mallo boas pars hoaea a 18.
Para meninos estreitinhes a 800 n.
Pulceiras
de contas miadiaha a 1$.
De cabello a 4.
De phantnsiade dito etc. a 500 rs.
Botces.
Para casaca e para cala* a grora 320 rs.
Para camisa muito finos groza I8'i00.
Grandes para reapao groza 18600.
Pequeniaos para criaaga 18400.
Alamares.
Para capota a dazia por 800 rs.
Colxetes.
De fio batido especial duzia 720 ra.
De carteo 14 pares a duzla 500 rs.
Em caixa pretos s duzia 800 rs.
Brincos.
A bailo brancos, encarnados, azues a donrados o
par por 18.
Rnzelinhas coa pedras que parece diaaante o
par 1.
Penas e caetas.
De tolas as qualidades especialuentsda caligra-
pbia e da langa.
Caaetaa para aprender escrever pelo sistema de
Sculy uaa por 500 rs.
Papel.
Alnaco pautado 500 f .ibas 6$.
Dito dito 420 ditas 48500.
Dito dito 420 ditas 4$.
Dito liso 38100.
Dito de peso azul a branco 4$50O.
Dito azul liso 28500.
Dito pequeo tarjado 18500.
Dito peueno de cores 1J200 e 18500.
Dito tarjado de preto 18500.
Envelopaa cauto 1J.
Obreias de colas 100,120 e 300 rs.
Pentes de tartaruga.
A iaperatr e 208000.
Dimito para atar cabello a 48.
A. inoitago por 18-
De arripia para meninos a 800 e 18.
Tartaruga para alizar SJ.
De blalo para suiga e cabello 400 rs.
Pentes de borracha pequeos psra trazar por ta-
sa mullo bona a 320 rs.
E inflnidade de ariigos novamente chegados
loja EsperaDQa ra do Queiaado n. 33 A.
Esp<ios.
Taabea ha grande sortiaeate de espeibosre-
doadosde anidara douradoa de todos os lasb-
anos, coa excallente vidro, qae se vende pea
baratissiao de 3f, 41 a 6f : s no vigilsit, raa
do Crespo a. 7.
pendente deoraes a 2j '
altt-
Grsaies a balao coa
o par.
Pentes iaitasdo tartaruga psra bandos,
me gesta a 38 o par.
Fivelas psra aiates, hienas inteiraaeate nova ;
a 28 o par.
AlOaetes pretos coa doursdo para ssshora, in !
teiraaacata nevos a 2* cada are.
lotees pretos coa doursdo sara puches, inloi- i
rsaenta avos, a 28 o par.
Jetees de tartaruga para pannos a 18500 o par.
Hataja do Qaelaado, loja de ninaezaa a. 35, i
da boa lama. ______________________j
Tinta para mu car roupa.
Vende-se tiata para marcar roupa a 1 -.
Agua da alabar pt-ra Ungir cabellos a 58
(raaeo : aa ra do Queiaado, loja de miudiz&ao
35, da boa lama.
f$ p6M
de tartaruga e net s*
cen oursm e Sd
psra tar cabell,
A leja d'aguis branca ecaba de receber ersaa
I pentes de que as stnhores tasto pretisavaa r>is
igualar son icquoros douradj. U sorliroealoJf
p-queno, porui conipleto, porque lein de tsra-
raga e ma.'si, douradoa e em o ser. A balala
e perfeico delies dlfjteil ds:re.-,r, e 1 -. t !?
lioiitauo-nos a dUer que elles sao de na r;ege-
lIu uo.iastiu e .-pura^o goiij, e ii'< ci.-btsa
exe^^o, ua qusl o artista elevoa-se y > coa'
peiicia. Tem elles 1 forma d* u lar;o dp >** no
centro do que se conhece o fethe por aeio e
urna rella, itflO a!-a de rendfdoa, Isnle 9 ir
tartaruga como es u u,i -a. Agora, ... n;
apparece o bu e, c>.nveu que as tDhuinj -o 9
1 dea.orem em uiaodcr con-piar na loja 'agula
i ianca, ra do Qaeimado d. 1C.
Carlas lio*s panvolkrfte

Rapta* lini nafa inunr A leja d'tguia branca acaba de receber ua "Ji
Laitaa unas para jogar. 1 ,nrl)ni,jl0 flB ,, (0M Ue| Baj t ,
Venda-se dazia da b-.ralhos d cartas fiaas coa iultr3f0 opsro e,r,curea de r jv ahos.
aa poetas doaradss a 68, dita sea ser dourada a reprasentando rs flgur-s osar
8a00 e A% : aa ra do Queiaado, loja de aiu-j d.s UPrrts ;1, lt.lia e cutr*. J5tV.
35, boa fsaa.
Sfzas B.
Sintos.
Tambem chegado os ailo desejadoa aiatos
coa rieas fivelas de conche a borlla ao lado
cousa auito chique se veaale pelo barato prere
de 48. assia como riess flvelaa para sistos roa
peinabas de liados gostos qua se vende a 1(600
e 58; s no vigilante ra do Crespo n. 7.
isa
eairn.
Vandaa-se velas de esperaaceta a 640 a \i\:\,
arroz de casca aa ssccos grandea a 28800 /cada
aa : na taberna da travessado pateo de Psraiio
n. 16, roa oitio psra a ra da Florenliea.
w
flrosdenaple preto aaito superior pela dlai-
outo preco da 28 o aovada, paaao preto aullo fi-
ao a 3, 4, 5, 6, 7 e 9| o covado, cose mira preta
(gito fina a 2g, S8800, 3, 3^500 e 48 o covaa*,
aaataa pretas de blonda aullo saparioreaa 12$,
aaatelelea de superiores grosdenaples pretos ti-
tasete bordaaaa a 358, sobrecaaaras de panns
treto auito Ino a 808, casaeas taabea de pana*
preto auito fino a 398, paleteta de panne pretc
fino a 18 a 208, ditos de caseaira de cer aee-
clada a 188, superiores gravatinhaa eatreltaaa
8, ditaa da setia aacio a da goagaro auito a*>
,#riores para daaa voltas a 28, sitas estreitiaba*
coa lindoa alfiaatea s 28, superior getsaro pra-
to psra clleles a 48 o corta, rkoa eafeitea pretoa
a 68, e assia outraa auitss fazeadaa qua seseo a
liaheiro i vista, vendea-aa por pregas aaito ba-
-atos : na ra do Queiaado 1. ti, na bea conbe-
-da loja da loa f.
|W.
que eom t'rs baralbos assia boas e b ait s, nsc-
ns-se anda Dais rta'eitavpl u entretet FR""te
da nolte no divertido voltarele; lendb .-i>
rspadilha, manllbn, basto, etc., etc., e ] lo coa
trario um pichoso, p) q'ja! es tciiih --) j-
ns do boa cha do 'o-o da caa fr o
, pouco que prr'cr. Os b'rslhos de cas lo ?- -
ftnto* t,ur T>ii:ih. do e doorado cs*i-m 6$ a duzi, os inrmed
DUIUSS parapUUlO. S, outros 4, SSiOO o 35. Tambara b :
Vende-se baldeada punho fiaos da divisas: a 0, ..,. H, espsdilha eia-j
qualidades a 200 rcia o par. que abea serven t,,ta do nio na B ,is a canr.se o r .
para naaguitos da seahora : na loja do bei|a flor l 0(,r(, rt;'?\r.se ct, fin i do Q
Fitas de la pata dcbruin.
Vndense pegas de la de laa (ara d>brum a
15. e ea vara a 120 rs., diUs do seda a 28400, a
ea vara a 240 : na ra do Queiaado, luja da
aiudezas o. 38 da boa fama.
200 rcis
os di
ra o Queimado
63.
Qecvloa*
_ -*'4ftrUiie d'-Evii br'iica r.. 16, que sei ben
dO CC!lK5* i r,::*!'-T?T '
Vende-se oceules Unos de rancio de a;o, s
8. 18,000 e400r4is : loja do beijs flor, ra do
Queimado n. 63.
neos
ttsqvifttg
A loja da boa f recebeu superiores basquinas
de muito fina cambrsia a iaii^ao C de Unto,
berdadoa e eafeitados coa wuraSo gito eos
vende pelo barato prego de S; cOi 1D1, Undo
sido seapre sea cesta de 16g e 20..;, spressea-as
peis ea coaprs-los na aendonada loja da boa
f, na raa do Queiaado o. 22.
leratriz..

Saperior^ atealha^os
Superiores atoalbadn ."idansaccdo con 8 pal-
mos de largara a 1$6(>0 rs. a vara : na ra do
Queimado n.2t, aa loja d boa f.
Da mase pati eolxas
ornaneittoa -e i*if ja
fazendss baratas
NA
Loja do payao.
Cambraia organdys a 280 rs.
Venda-se cambraia orgaudys decores con BO-
dernissimos padres a 280 o covado, e caasaa
' francezss muito finas a 240, 280 e 300 rs. o co-
vado : s na loja do pavao, ra da Imperatriz
numero 60.
Vendem-se caixes va-
dos, proprios pRT funilsir
o bahuleirj, a 1|180 cadaum
aestt typographia se dir.
Camisas bordadas e outros ob-
jectos necassarios para
senfir^s.
Na loja da aguia braaca acu'-aa um bello sor-
aeato de bonitas caaiaiabas defina cambraia!
coa babadinhos e aul bonitos bordados da no- !
os e delicados desanos, ss quaes servea aul |
para os aodarnos vestidos de frente aberta
-sa pelo diminuto preco de 38 cada
ia coao boaitos aaaguitcs a balao coa
de saperior caabraia e fil e todos bor-
panhos virados e cada par pelo *a
prego de 25, o que adairavel aviata
ridadeaa obra, a bea assia puahes e
taabea bordadoa coa bonitos boioes
arricio, a galuchas solas igualaente
dadas a 18 cada uaa e manguitos a 800
r. A vista pois de aa tao coapleto sor-
llaeatb neahuaa seahora dallar de comprar
essesnecessarios objeclos tanto mais qaanle a
commodidade dos presos convida a para qua to-
dos stjaa bea servaos convem que nandea
logo coaprar na loja da aguia branca ra do
Oueiaede n. 16.
Vnde-sa auito superior da*>cc- aas cor, mnito preprio para relias e para
ornamentos, coa 6 paleaos largura pelo ba-
rato prece de 2fc800 r^. o covado : na raa do
Queiaado n. 2S, na loja da boa f.
Vecde se o seguirtte.
Bramante cora 10 pslaoa d larj'ir^ 5 i-fO,
Iri'cadinhos escaro lo cCr Oa a ItiO r?.. la
.do cores a 280 e 3-J!> r?. oleadas pars
masas a 2j, indi'nss "-sito bnas a lj, el
, 160. 20O, 2i0, 280 e 820 r ., csabrsias
j picos de cor>-s brancas a 100 rs., e-b
l brncos e escaros 00, 1 '
: Bnns protos 9 dn cor< .1 "i?. 2^100 e 85, t -
1 braas p*r cortinados a9$ a pega, ita
2- 88, 4$ e 55, treles muito lin. a <; o 7.'.,
I chapeos de seda e de rsat'ir mu! finc
liao (oslo de Paria r. c-; e 9>, eilu* de [elI 1 (i
loo copa alta a 58. f"sniraspar forro
a 1r-<-00, corles de dita rrui'o liea psra ca cas
BfirR 48, pee* d** entrearios a 1?, Oaslmes 1
dioifs, slgortoes, br.ias, bretsBbas 1
i rrui'as (ajenrta que o dono do sstabel)
all fenivi''fj a "n< -, Bulto Ja
apurar dinheiro, dan>'o-so asi
tras com rrtihor
Veo Jera-so cortes e au^erior gergurao e se-
da para colletes pelo baiaiisaimo preco de I9.
28 a 38 o corte : na ra d<> Uueaado a. 22, na ;
bem conhecida loja da boa f.
bu^ oi&fi^a
os iu\* qui9taa
Lencos nuita flnts alnlta^o dos ds linho da
Vende-se o excelleate ei>gaaho S. Joaqun,
sito na freguesia da ,;. s. 1.511 iegoa pt>i B
caminbo, noente a corrala d'agua por dona
acudo, terrenos ra sen iguaes, p'>* >
bajar at 1,000 pi .....' sel n>ba f.-i p*-
dios DMtano >..., voroi s ai-st p:cj
ijuiin a quiza; tul .jii^r...- em pouc ls i-o, #J-
nje .1 a negocia-lo na ra da Praia n. 5.1, lar-
cetro andar.
raanle te
lios.
>
Venda-se maito superior bramante ila liaho
coa duas varas da largura proprij para l-inr;<>- pelo barato prego dp 28400 rs. a vera: na bem
\ eonhetids loja da boa fe. na raa do Queimsdc
n. 22.
Veade-se barrsrom cal r-'ia rhegMa q]:i
mente, 1 59, rio .migo e acreditado depoia
ra do ltrnoi o. 66armazem.
Bordados baratos.
Vender se gollinhas de caabraia e de fil bor
dadas a 500 rs., aanguitos s 8 o psr, aaagaitos
coa golla bordada da caabraia a 1S600, e tiraa
bordadas e eatreaeios ; na ra da Imperatriz n.
60, loja do pavo.
Perfumaras muito finas e
baratas.
Opiata ngleza a 15500 rs, dita franceza a 500
rs., 610, 18000, olto da sociedade bygitniqne
verdadero a 1^(00 o fraco, oleo babosa de Piv 1 a<
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balaaaica' AipalLlU a OU ,
para os denles a 1(I00, dita de Botot taabea Vende-se esta nova fazenda de linho a iaitar;o
para os denles a 1(000 o frasco, pomada franca- de sodas de quadrinhos miudinhos propria para
za em paos a 50(1 rs. e 18000, 320 rs. sabonetes vestido de senhora, roupas para meaioos, sendo
muito tino a G40 rs., 800 rs. e 18000 caJa um nc ; fazenda que nao desbota, a 280 o covado : na ra
ra do Queimado luja de miudazas da Boa fama,
n. 35.
da Imperctriz n. 60. loja do psvan.
10
Raa do Qaeimado n. 55, loja de rniudezas de
Jos de Azcvedo Maia e Silva, conh?cido p. r Jo-
s Bixodinho, est vendendn (udo pelos proc.c.9
j sabidos, porm quera nao souber tenha a
bondade de ver o que b un e baralissimo:
Fraseos de Lavaode rauito finos, a .
Ditos de oleo babosa superior, a 320 e..
Frascos de agoa de colonia muito tina a
Ditos de dita grandes superior, a .
Qaizas com pos cor de rosa para limpar
denle, a.......i .
Dazia de aabonets mito fino6, a .
Varas de bico dasllhas, esl no resto, a
Carriteie de linha preta muito grande,
e tem muila linha, a..................
Bengalas Jo raellior goslo, a .
Tinleiros cora liota muilo boa, a .
Baralhos de cartas fruc7.as, a .
Ditas de cartas portuguezas muito fi-
nas, a. ......
Varas de fita de velludo recortada, a 160
Frascos de banha de ur;o muito supe-
rior, a...........
Ditos d dita trac9oarorile, a ....
Frascos de macar parola, rauito ilao, a
Ditos da dito oleo, m*ito Qao, a .
Varss de fita para fazer sintos dos me-
lhores goslo, a........
Babado do Porto rara lodo o prego. .
Labyrintu rauito fino psra tolo prego.
Barris com ohoaohor ia muito boos, a .
Msssji de linha dna para oordar, a ....
Carlas de clcheles superiores a 40 e
Escobas para limpar deoles, a 200 e
Garritais de retroz 'le tolas as cr^s, a
Bonecas nuas poim muito bonitas,
240 e..................
Grvalas de duas vo ln muito supe-
riores a............ ..................
Fies e msssos de oral de quilquer qua-
ltdade a...............................
Sabooetes grandes e maito Finos, a....
Agulheiros com agulhas......
Filar para eapirtilhos grandes e pe-
queos a 60 e........
Varas de bico de 3 e 4 dedos, a .
Calzas com agulhas francezas cartas, a
Llnhas em carloes brancas e de co-
res, a.................................
con
5G0
400
600
160
600
80
160
Grampus a i>al&
cora pendentes dourados.
A loja d'aguia branca conlina na recepto de
objeclos do ultimo goato, e por isso acaba de des-
pachar vindo pelo-uilimo vapor ssea delicados
novsimos grampos da bonitas cret com pen-
dentes dourados o que de mais delicado se pode
encontrar. Esaa loja como geraimente sabido,
tem seapra em vistas a commodidade de anas
boas freguezias e por isso tem resolvidn vender
esses galantes eo'eiles a 28 e 88 o par, o que na
realnla le maito mais valem. C nvrn poia que
a vista da limitjcao do prego a aeobora que coa-
prar um ou mais pares, nao se demore em par-
ticipar as suas boaa vizinhas e intimas amigas >;
collegio, para que as emittem no sea apurado
500 i 86'> e mandea logo comprar outros pares na
160' 'Ja de sua affeigo : que a d'aguia branca, ra
240 do O >euna lo n. 16.
160
240
600
800
200
100
500
160
240
80
400
210
320
800
500
120
80
80
120
200
20
las seis portas em trente do
Livrameuto. 15,20,30 e 40
arcos.
Grande aortimento de uaiaa a baleo de arcos,
a melhores que aqu tem apparecido no merca-
rlo a 48500, 58, 6g e 68500 cada am, d-se para
mostr com penhor ; a loja esl aberta at aa9
horas ds notte.
tiperior ferim branco d
tinbo
Vendo-s superior brtra braoco de linho traa-
gao pelo barctssimo rrego da 18200, 1j440 a
118600a vara, dito muito eaeorpado de doas os
Vende-se
40 a 50 arrobas de metal velho, proprio para
undigo, prego commodo : nares do Aragao nu-
mero 8-
a de linho puro s 2J a vare
do n. 22. na bem coni->ri-ta
: na ra do Qaaima-
loja da boa f.
%
rs. a nn.
I.nagos bMuc-oe Unos para algibeira pelo dimi-
nuto nango d8i0 rs. a dazia : na bem con ha-
ci4i Wfc da be* f, na ra de Qiw-d< n. 22
rieres
Tendera -ss eambraias francezas de coree fa-
zenda muito flna pelo bsratissimo prego de 260
e 280 rs. o covsdo : aa loja da boa f aa raa do
Queimado o. 2t.
Chitas largas a 200 rs.
Vendea-se chitas largaa a 200 rs. o cossdo por
ter na pequeo (oque de mofo ; na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavo.
Bramante a 10$.
Vendem-se pegas de bramante de linho de
urna s largura con 27var&s a 108 a pega, tsn-
tero se vende 1|2 pega com 13 1)2 varas por 58
na rs da Iropsratriz n. 60, loja do paao.
Carnauba
Veode-ae a mais superior cera de carnaaba qo*
ha no mercado ; na ra da Imperatriz n. 60, lo;*
; do pavao.
Cambraias lisas a 3$.
Vendera-se pegaa de cambraia lisa muito fin
com 8 1|2 varas a 38 a pega : na ra da Impera-
triz n. 60 loja do pavo.
Paletots a 6$.
Vendem-se psletote da panno preto fino a coi
I de caf a 68 : na ra da Imperatriz n, GO, loja d>
Ipavao.
Chitas escuras a 240.
Vendem-te chitas francezas eaeu-s a 240 o co-
rado : n< rus da Imperatriz o. 60, ija do pavo
Chales baratos.
Vendem-se chales do merino de cores sende
maito grandes a 38 : na raa da Imperatriz n. 60.
loja do pavo.
eiicg o pelo vsih
por fraheez s para o vigi-
lante finos pentes de mar-
rafa.
' chegado os lindos pentinhos dourados com
muitas'lindas molduras de diferentes goslos pa
ra majrata ou irarssos, pois s com a vitta os
compradores sabero apreciar o quanto sao deli-
cados pelo baratissiao prego de 3J00a o par :
sala como sem ser dourados de hodos gestes
pelo barato prego de 2$ : na raa do Ceespo n. 1.
6 no galo vigilaBle, ra do Crex>o n. 7.
Taabem cbeado aa liadas grampas a balao,
coass auito linda : s no vigilante, roa d Cres-
po a. 7.
A loja da hgtda
branca ra to Queimado n. 16
Acaba de receber os precisos objeclos seguin-
tes:
Aspas de balis grandes e pequenss.
Fits coa eolxetea branca, parda e preta.
Dita de laa para debruar veatidos de cores.
Trancinha de caracol aiado conhecida por bom
tom.
Alflaetes pretos e brancos em csixinhas.
Asolhas iaperiaas fundo doursdo.
Ditas victoria em caixinhaa e papis.
Retroz preto fino a carretela grandes:
ra.lAIZtaib]
A verdadeira essencia do aiiii
para engommado.
Acaba de chegar para
raa do Qaaiaadon. 16.
a loja d'aguia branca.
S do vigilante,
Collares para senhoras ou me
ninas.
E' chegado os muitos desejados collares de al-
jofares Bngindo madreperola, com urca crusioba
de pedras ogindo brilhantes que sao muilo ele-
gantes, pois s com a vista qne se poder apre-
ciar, que se vende pelo barato prego de 33 cada
um : isto s na loja do gallo vigilante, ra de
Crespo n. 7.
Adereyos pretos
Tamben chegaram os lindes aderegos pretos,
sendo unas pulsetras, rosetas, alfineles, tudo ea
orna caixloha, interaaente cnuaa nova nesta
prags, todos muito delicadoa pela grande aao
e obra que tem, poia as pessoss de bom gesto
- ti."o apr. ciar : s no gallo vigilante, ra do
Creepo D. 7._____________________________________
Agullias,
Tambera sao chegsdas as verdadeirss agulhas
Victoria, de fundo (Sobrado, qne se vende pelo
barato prego de 100 rs. o papel: s no gallo vi-
il>nte, rea do Crespo n.7.
fwti :#W-Ior,
Na ra do Queimado n. 55,
700 |
40
100 !
320
40
6o
1iO
SO
Ca pellas para noiva.
Tam'oem sao chegadas as lindas capellas bran-
cas, o mais delicado que pode haver, que se ven-
de pelo baratissimo prego de 78 e68, tambem ba
miras mais inferiores qae se vende por 28 e 38.
Pede-s que quem tiver de comprar qualquer
lestea objeclos, que se apreise antes que se sca-
oe, pois foi ap-Tiaz urnas pequeas amostras que
,._ recebeu : sno gallo vigilante, ra du Crespo
numero 7.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston" & C
u. 42.
ra da Senzalla Nova
Toalhas e guarcte-
n pos
Muito barato!!!
A' loja do Porto, esquina da ra da Madre de
Deas, acaba de ebegar na completo aortimento
de foalbas de linho para coao, e goardanapos
os quaes se vender por diminuto prego para fe-
char cootas, pois sao Tendidos por coala do pro-
prio fabricante.
de Jos da Azevedo Maia e Silva, st quelmatr o
todas as suas rtiuilcis muilo boas e baratsi-
mas, a saber :
Spalos du ttauga de la muilo superio-
res a 1J440
Ditos de la para manino3 de peito a 200 *b01
Pares de botos liara punhos a 240
Caixas com papel de diversas qualidades
sui tiao a
Ditos decores o melhor que ha a
ThesoUias de 6 pn|.-gaiias a
Ada pre'a maito fina (lu ra)
Pacas t'e lita para ct, i e upcrior qua-
lidadc a
Novellos de linha qo- ieru 200 jerds a
Mera dem de 4(10 jardas a
dem ieem de 800 jaMas a
Linha do gaz de 10 e 20 jardas a tres por
dona barato.
Caixas de folha com phosphoros a
Cornetis de cintre para enltater i-.e&i-
nos a
Carriteis do liuha da 100 jar es a
dem d Alexandre muno superior a
Duzia de facas e garlo?, cabo preto, Bai-
lo finas a
Caixas com colxetes trsncezes a
Ditas com phosihuros do a
1) tascos dito de vela muilo superior a
C iza com iica par> aci.>-iidrr cbarutoa
Duzias de meias ciaas m-ito encorpa-
daa a
Duzia de meias brancas a
Duzia ce meias brancas muilo flnss psra
senhora a
Masaos com grampos de todas as quali-
dades a
Bolgas muito finas para guard'r dinhei-
ra, servem timbea para guardar fumo,
e servem lambem (ara stnbora a 51)0 e
Thtsoaras pequenes, poim mullo li-
nts a
Ditas para uchas tan.bem muito supe-
riores a
Marcas para cobnr, tas p-qutnjf, perm
o prego cmica a
Pares de meias de cores para meninos a
Pares de meias brancas pera mauinas a
Groza de pennas d'sgo de todas as qua-
lidades a 500
Caixas com 100 auvtlopes aaita Baca a lw<
Groza de beles de louga praindos a 240
S3ca da Senzalla Nava n.4!ft.
Wes'ie asi : imecto coatinua a b&rersm
miadezaa coapleto sortiraeiito da moandass meias maen-
33 psra astehr), maehiaas de va;-<" i 'isas
da farra batido s
psra Jilo,
coada Ja tot'-is os amsbho
Grande attencao
Venda-se q"8rer ' i tjo mo para o encanaveriio, o-si pui le leu
a! .r : na rea do Aragao e, ti.
Fugiram
to
engeoiio
Jar ud;
de SeriL'hesa.
:: ,i, i.iii t>, (r auiarellada, de 10 ,ri
nos pu i i. is ou m nos de idade, altura poa-
bj menos do qoe a regular, cabello c-Mi.inho,
lem bart'aa Du mullas, olhos papudos, b i'-i o
nariz reglate: ; Juo das Hallas, C'inu>v,
aonos pouco mais <>u menos, altua recular,
grosso, [elides regulares, nariz Kr.,ibo sen
chalo, tem trvus ets um i i elo que ani'a com
o calca.ihar l-'.ni do puchando un !>>><
perna qusado arii-. tur ca^sa le tt-r trazi
i mull] lempo if^a, ,m h-"ou chapeo de ^alha de
284001 carnauba, roupa -'e .i.:. iobra i|600d riscado n beta cerdo, montadea en .n
quar.u cattanho com rnngalha: a p. .'ion ^W-
w p(sr poder rondozi los so referido enge-
nbo ou a casa He J i Piolo te Lsui^s Junicf,
qu s; gratiOrade.
Esciwo iugiij
No rta !. do rorrente raez deaspparerea d.'.
roa ios Pupo, derasa Olt*e(ra Villasboas orna sua e<:rr'Vo pi^ia i- r,o-
bi' Malbilse, c:.- ula, da idsde 'lo tunos, pouco
m-i.-ou i;ei:o?, jiiur c corpo regulares, denles
perfeitns, jes pequeos, irav fui no Sr. Pedrn Jor^e. e seapre morn
80
30
I0OI
8$500
40
20
O
40
SjOOO1
40
800 i
200'
4oo;
I
10 i
160 i
ischinss ameesnas.
En casa da N. O. Bieber & C., saecestores,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machtnaa para regar horus a capim.
Ditas para descarogar milhc.
Ditas para cortar cain,.
Selins com pertences a 10$ a 20$.
Obraa da netal principa praleadas.
Alcatrao da Saecla.
Veroix da alcatrao para navios.
Salsa parrilhade priu.^ira qusl< Vinho Xerez de 183$ em caixas de 1 duzia.
Cogaae em caixas de 1 dazia.
Aradoa e grades.
Brilhantes.
Carrogas pequeas.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundicao
de D. W. liouman.
OOlpu, Iguarasi : a ["'son qae a pegar i>o d-r no-
ticia di-lo, eotenda-ae cm teu scihor que ser
: bfm rerorri enf.n'lf"
: r Fngio do cwlleglo da C> neeigao Cruz -
,Alov, [boolaa] uu.a mulata n:uilolu, >ie noe
m Claodin, idade 'M tonos, V'n-ja e Ptji fc :
quTii a pegar, leve a aqnella CoMegio, que ie:
inraiifi"*rto Rec >nitr>) rri.-en a polica.
Et fHKin-.- desda 11 no correte nei dejar-
i Iho, o fscravo par'-, Ricardo, bnleciro e carro-
c.iro, bea COnbeeidO nesls pr.-ga o rus arre-
: baldes ; rapresonts ler S5 annos do l 1 xo e mgro. trm cbel!os.carar,>inhos raspadlo
! pouco lempo na cad*le, onfl* esteve i,r causa
: de eslar fugado, tpr p(,ucn barba e ff la de denles
loa frnnt*, rosto enmarido e olboa redondos ; lera
laido encontrado na Capunva, e Olinda and va-
jdisnao e jo(rrido com mais de i'jj que |pvon :
! qum o appreh' ni'pr e levsi a case <;HS>u'nhor
las Pasaager. da llvgdalpna que ser geoeroaa-
| menta reconanasaato.
Anlord" VaJorHn da -'jlva Rrroca.
m d piSc^Ji)
a qaem pegar o pardo Frarciscn, da 17 a noe a
de ida4e. de bonita fiKurs. ron todos ns dente*,
(b-l'os carepanhn e ruivoe, pi. icr "" foi a
Sr. Br. Biir*.-r d b'unspca, o qnal viajou (ua a
mesmo seanor torio o seDao e suburbios desa
provincia, i.acesi aria Beata quanr'o era s^a et-
cravo, talvez alada se lnculqe servieo da
aesno : que, o t*es;ar quvira entrega lo a son
ieiilino dono na ra de Heaa4io n. 6.
Ignacio Luis de lirilo Tabarda.


MUI1LADO
ILEGVEL


DIARIO DE fIRNAMBDCO
JtlTk FERJL S9 DI AGOSTO DE 1161.
Litteratura
* ^
Os recentes trabalhos sobre a condico
tsica e moral dos artistas.
Era cada poca da noisa historia vise elevar
- acema do morimeoto geral das ideas certas ques-
tesem que se revelan) de um modo surprehen-
deule ai preoccupagoes, as tendencia! e as ne-
eessidedes da sociedade. Era nossos dias, os es-
fargos tentados para raelhorar a aorta das classes
laboriosas, a importancia e o numero de traba-
lhos consagrados esta causa, ludo parece indi-
car qup, na realidade, ahi se atha a aspirarlo
do domo lempo. Este arrebatamento dos espiri-
tos exiga urna direcgo : por tinto, tornada ne-
cesaria, urna nova aeiencu sahiy das indiligen-
cias como por encanto. Sem coovenges com o
pasado, sem ligages com os partidos, a econo-
ma social constituiu um terreno sobre o qual po-
dem concillarse todas as opioies.
Depois que este grande campo dis investiga-
res (ot aberto s ideas, quero dizer, ha cinco
ou seis annos, appareceram mais esludos eipe-
ciaes sobre a situago das classes operaras, do
que durante os viole annos precedentes. En to-
t do o caso, a nocessidade de melhorar esta sita-
gao fui vivamente sentida, e excesivamente de-
monstrada ; porem ceasa o ajuste quando se tra-
ta do determinar os melhores meios de chegar a
m tal resultado. l)ns, como Mr. Aodigenne,
em sua obra sobre as popularles operaras, pa-
rrcera collocar sua esperanza no deseo'olfmen-
t das instituirlas dn mutua assislencia ou de
prevengo e na extengo deste systema para to-
das as surtes de infortunio! ou de abandono que
emeagam o artilla. Oulros, sem reeusarem o
concurso do instituyos deste genero elevam suas
vistas para mais alto e mais longe : Mr. Jules
Simn qusr que a sociedade empregui todos os
eeus esforgos, em elevar o artista vida e s vir-
tudes da familia.
Tirando de um amor sincero para o bem e pa-
ra cora seus semelhantes o animo de dizer toda a
verdade, o eminente moralista, se indica flrme-
mcnte sociedade aeus dnv,-> rigorosas sabe
Un bem moslr a arlM "q; a'Sa3i da io_
^J/'"" ue elles soffrem menos proveniente
.uto salario do que do deboche, c este
ru que mita os mus artistas e os perse-
Sociedad* internacional dos esludos praticos da
economa social vem .confirmar as trales revela-
ges o os salutares oroceitos contidos nos escrip-
ias de Mr. Jules Simn. Os dous volumes de
Hion-igraphias sobre os artistas dos dous mundos,
publ;cados om 1858 e 1859 por esta sociedade, of-
erocem-nos, debaixo de urna forma que tem sua
rloquencis, a de urna simples exposigo da fac-
tos c cifras, de numerosos exemplos em apoio
Certa opioio muito bem fundada, que ossolri-
itenUs dos artistas tem por principal causa seu
enfraqueciminto moral.
Quanto 5s doulrinas expostas por Mr. Jules Si-
mn sobre os felizes cfTeitos da vida de familia,
deutnuas que, em sua epplicago para o melho-
lement da sorle das classes operara*, poderlo
parecer pelo menos paradoxaes aos observadores
upcrliciaes, a monographia do msnejo agricul-
tor do campo fornece em seu apoio um leste-
rxunho to frisante quao pouco premeditado.
Nota-se urna analogii singular entre as induc-
cofs de Mr. Jules Simn e os fados expostos,
quer as monographias publicadas pela socieda-
de internacional, qunr anleriormeole sua fun-
dado, na obra de Mr. I.o Play, os artistas it-
ropeus. Ser preciso crer que os autores collo-
cadns evidentemente sobre pontos.de vistas mui-
to diversos tenham combioado em suas opinioes
pcio simples elleilo do acaso ? ou nao succederia
que de porte a parle tivessem realmente visto
ludo o que disseram, e dito ludo o que viram ?
A sociedade internacional leva naturalmente
para a economa social a maior parte nos traba-
lhos que tamos agora debaixo das vistas. Esta-
blecida fomente do lira de 1856, fez j apare-
cer dous volumes de sua inquirido sobra os ar-
tistas dos dous mandos. O torceiro volume est
agora no prlo.
Julgaraos que nao ha nem iodiscripgo nem
terondade om dizer que ella trar algumas lu-
es novas sobro a condigo de muitos corpos do
euuio da industria parisiense e sobre a impar-
tanto questo da allianga do trabalho industrial
com o trabalho agrcola. Um curioso esludo,
Icilo no raeio do um placer do condado da Ma-
tipoza, piular a existencia jornaleira, intima,
do um procurador de ouro di California : ser
ete o contingente do novo mundo.
Entretanto que, gragas aos trabtlhos da socie-
diJj internacional, monographias, cujos elemen-
tos ao compendiados soire os pontos mais di-
COLHETI1I
POR
AMEDEE ACIIARD.
Tersos^!* etolMutizem-nos conhecer a sttncio
actual dos artistas dos dous mundos, om histo-
riador emprehenleu dar a lux as condigu prin-
cipies por que passaram os artistas da velhs Eu-
ropa desde o principio da era ehriitaa at o tem-
po em que vivemos. Deicrever ai pissagens das
classes laboriosas, sua existencia no mel deste
cahos de povos de origens diversas, de coitumes
differeotss, cujo espectculo os Gaulezes dos of-
ferecem durante os prlmeiros seculos da nossa
era, era um problema, que se poderia crer inso-
luvel, e que Mr. de Celher resolveu com felici-
dade em sua historia das [clanes laboriosas em
tranca. O autor mostra-nos, com clareza, a
marcha continua deltas classes desde a conquista
da Gallia at a oossa poca, psssa en revista
todas ai circumstancias que tem transformado o
trabalho desde o principio do chrisliaoismo, que
o tem glorificado, at as instituirles eslabelecidas
do XIII at o XIX seculo, que o tem succeisiva-
menle regulado. Esta Importante obra preen-
ebeu numerosas lacunas as tradicoes dos fados
sociaei, e permilte ligar ao psssado as pesquizas
do presente.
O historiadores, os economistas e moralistas,
nao tem sido os nicos soffrer a grande preoc-
cupirao di poca.
Paleographos distindos, que talvez, em ou-
tros lempos, oo se teriam ligado fados desta
natureza, procurara tambem, nai lembrangas que
nos legou o passado, saber quaes eram no oulro
lempo as condices das populares operarlas.
Em um livro receotemenle publicado por Mr.
Mareel Canal, Margarida de Flandres, encon-
tramos urna aproximago digna de str meditada,
entre a situago material dos artistas do XIV se-
culo. e a dos artistas do XIX. Em 1835. um
operarlo ganhava por dia o equivalente de 2 fran-
cos, 50 c. 2 fr. e 75 c. O ganho das mulheres
nao parece ter sido, nesta posa, muito inferior
ao dos homeos, porque urna mulher recebia de
2 a 2 fr. e 50 por jornii. O salario de um pe-
dreiro era de 5 fr. a 5 fr. e 50 c. Para mais cer-
teza, o autor verifica esta avallarlo, fundada so-
bre o valor relativo das modas, por um oulro
calculo cujos elementos sao fornecidos pelo va-
lor relativo dos trigos. Resalte disto i'njJ cedia
interior, porem anda toda em vaolagetn da si-
jua^ao do artiiti do XIV seculo, sobretudo se se
levar em cunta o baixo prego pelo qual se ven-
diam ealo os objeelos de consummo, especial-
mente a carne.
O que concluir destas novas perspectivas ma-
nifestadas historia da socielade fraoceza, se-
no queconhecemos anda muito pouco a verda-
da, e qae talvez nossas chrooologias, laes como
sao redigidas ha maitos annos, encerram menos
fados raaes do que paixas e prejuizos?
Que iofluencii nao exercem sobre nos, sobre
oa eipiritos os mais esclarecidos, e os coracoei
os mais deatros, as opinioes previamente conce-
bidas ou adoptadas por conveniencia?
Nao impedem ellas de ver al os fados aduaes
e presentes sobro os quaei a duvida nao pos-
ivel?
Dizem, que nao temos o direito de decidir so-
bre os fados conlemporaneos ; o fuluro julgar.
I'orm o faetos nao eaiarao mais sob as vistas
do futuro, quei ter para iostruir-se as narra-
COes intleis daqueiles que oo existem mais.
As sciencias pbysicas eslo collocadas ao abri-
go destas eternas causas de duvida e da incerte-
za nao coocedendo valor algum a lodi a obser-
vado que nao resulta da vuta directa dos fae-
tos, de sua analysa methodica, e das induces
legitimas que podem tirar-se della.
Poder-se-hia, primeiro que ludo, para esco-
lher um methodo geral de observarlo que pussa
servir de pedra da loque s indagarles taitas e
dar a esta nova scieucia as garantas a a aulor-
dade que os melhodos scieulicos lem dado aos
outros ramos dos coohecimentos humanos, fuu-
uados, como este, sobre a observacao directa dos
factoa ?
Pretenderam que um semelhante methodo era
praticado j ha muito lempo na observarlo dos
fados sociaes.
Esta opioio, enunciada ltimamente por um
publicista dislioclo, muito sujeita contes-
tarlo. Sem davida, nunca veiu ao pensamien-
to de um escriptor dar seu parecer sobre tactos
econmicos, lem estar ctrto antecedentemente,
da existencia ou probabilidade d-s particulari-
dades ; que elle sabmetlia atiencao do publi-
co; porm porque um irabalho compoita neces-
sariamente urna observacao qualqaer, que pode
ser mais ou menos superficial, lem-se o direito
da dizer que todo o estudo sobre as questes so-
ciaes procede de um methodo de observado?
Nao de hoje que datam certamente as pes-
quizas directas dos fados sociaes.
Trabilhos importantes, pouco numerosos to-
dava, escriptos sobre a impruiso destas pes-
quiz>s, tem lirado dallas observarles ebeias do

verdade; concebidos, eiecatado com
thodo, nao offerecem entretanto o exen
um methodo determinado e escolhido
pensado.
Os meihidoi iclintiQcoi distingue,
principios claramente deQaidos, por urna ore'em | Esle dous quadros Vs5o'precedidosl de obse-
rigorosa na classiQcacao dos sctoi, finalmente va5dei preliminar oflerecendo, em um texto
por meio de regras uniformes a tracada de an- relamido a deieripcio da familia, do lugar em
mL qe U" e,t ***i > organisacao que
Methodo algum deste genero, at estes ulli- a rege ; os tragos ioteressantes dos seus costu-
raos annoi, linha anda sido applicado aos esta-; mes, seus meios enenciaes de existencia, e as
tolde economa social. i phases prihclpaes da sua hlitoria.
E' preciso mesmo attnbuir falta de um ver- i Em seguida a eise meamos quadros vem suc-
dadeiro methodo o estado incerto em que se ceisivinenle os contoi unidas ios ornamentos
acha esta sciencia. i e at notas comprehendendo os fadoi importan-
Se do methodo te pauasse aoi proeeuoi, serii | tei de organisacao aocial, as particularidades no-
facil demonstrar que existem tantos quantos es- lavis, finalmente a$ aprtciag&es geraes t as con-
criptores. Nao ha aqui da nossa parte, nem > clusin qae o autor dedui do
censura, nem critica.
Afirmamos simplesmente um fado, cuja exac-
lidao fcilmente se podar veridcir.
Todos os proceiso lo boni quando nio dis-
simulam a falta de estudos positivos sob o fcil
emprego das generalidades, quaodo do a prova
ao lado da aflraaco, e offerecem finalmente ao
publico irrecasaveis garantas
Estas garantas, ioherentes aos trabilhos dos
homens cuja aatoridade baseada n'uma longa
experiencia e n'uma notoriedade legitima, sao
raramente offerecidas pelos escriitores que tra-
ta m dai questei de economa social. E' pre-
ciso reconhecar quanto, aob asta nica referen-
cia, o emprego geral de um methodo teria vanta-
geos em urna scieocia em que os fados, se elles
raerecesiem crdito, poderiara exercer sobre a
opiniao um Imperio salutar; comprehende-se
melhor anda a necessidade pensando no desic-
cordo profundo que reina em Franca nos espiri-
to! sobre os principios os mais elementares da
ordem social.
E'raro que urna verdade nao se deicubra e
nao se traduza em fado quando ebegada a occa-
siao.
No momento em que a condico dn nossos ar-
tistas despertiva a attengao dos homens de es-
tudos, um delles iuterrogava, a este respeito, a
organisacao das sociedades europeas, apresen-
.'ando em aus observacoes esta exactidao rigoro-
sa, cuijo habito se adquire por um grande uso
das sClfncios naluraes.
O resultado desla alagarlo particular appare-
ceu dujois, em 1855, sob o titulo: Os artistas
europus\
Este tra'fcjUio logo em sua apparico causou
grande romoV. Se as questes que elle agitou,
liveram o drreito de abalar profundamente a
opioiao, o seu methodo nao tave influencia para
com os sabios e economistas.
A declarado da\ academia das sciencias, de
qae este methodo era um exemplo e um modelo
seguir-se, foi ouvfda, e urna sociedade parti-
cular omprehendeu seguir o exemplo e praticar
o methodo que urna autoridade to elevada re-
commendavs atlengo publica.
Nao se pode aprofuodar o methodo dado luz
por Mr, L Playe praticado depois pela Socieda-
de internacional, sem recorrer as obrsa era que
elle applicado, isto aos dous volamos dos
artistas dos dous mundos, e ao volume dos ar-
tistas europus
Completaremos o esboco que fizemos no mez
de maio ultimo, na fevista, por algumas indi-
cagas tiradas dos documentos da Sociedade in-
ternacional, onde se concentran hoje o uso e os
resultados do methodo.
O Om immediato para o qual se dirigem os ei-
forgos da Sociedade a execugao de mooogra-
phias, cujoi elementos sao observados pelos pro-
prios autores, no meio das familias a que ellas
dizem respeito.
.Cada obra cootm a descrtpo de urna fatni
lia judiciotamente tscolhida. offerecendo os ca-
racteres mais geraes da cathegona de artistas,
do que faz pane esta familia.
Eiia deicripgo, no plano actual das monogra-
phlas, est Lt trmente ligada ao estabelectmen-
to de um duplo orgamanto annual de receilas e
despezas.
O orgamenlo das reeeitai aprsenla todas as
particularidades relativas aos trabalhos e as in-
.usinas da familia, aos recursos tirados das pro-
piedades que ella possue, e finalmente as lub-
veogdes que o patro Ihe concede, ou que Ihe sao
foroecJas por diversos ttulos, pelas communi-
dades, corporagoes, pelo estado, a beneficencia
publica ou privada, etc.
O orgameoto das dezpezas avalia em ser e em
diuheiro todos os consumos a que dan lugar o
sustento, o habitarao, a roupa, at re- 'eiaces,
o servido de saude, o culto, a instrucn\o dos /i-
Ihos, as industrias, etc.
Estei dous quadros em que os faclr
mem em cifras qae se vericam reclpro
issigoalara primetramente a existencia
(Continuago do n. 198.)
11
As primeiras lagrimas*
A lembranca desta aventura cou gravada na
cmtratiga de Jacques. Desdo o dia do encontr
com o eatraogeiro, elle tomou mais gusto pela
arte'la guerra. Quaodo um esquadrao passava
o.-;.: estrada, elle o acompanhava at seotir-se
fatigado Algumas vezes reuna os meninos, e
!...i um simulacro de trabalho, onde seus bracos
iaziam maravilhas : to moco como ara, j mos-
traba urna aptido extraordinaria pira o jgo des
arm*s. Aspalavras do mercador d'Arrs, (aa le
flzeres soldado fars carreira ) sossurravam lem-
pre aeos ouvidos. Os annos se passavam entre
esludos, batalhas e passeios. Neste lempo de
guarraa, uo se ouvia fallar seoo em cidadei
al.-cedas e expedigoes aortifaras. Q cardeal Ma-
zarlo e o partido do re lutivam contra o parla-
mento, o principe e Mr. de Conde baliam-se, po-
rm at entao a cidade da O ce', protegida por
urna boa guarnigo, nada liona solalo. Jacques
muito que terii partido, se nao (ora o encanto
que txpertmealava em viver junto de Suzana de
Milrouvtlliers. Este sentimento era to im-
perioso, qae elle nao Ihe poda resistir. O acaso,
esse grande architecto do fuluro, o fez conhecer
o que ae passava em seu corago.
.'ao dia em que eslava assentado no jsrdim
0om a cabega baia a voltando urna adaga em
suas mos, sua irma Ciaudioa Ihe bate levemen-
te na espadua. Jacques estremeceu.
Em quepensaaf Ihe diz a travessa.
Eu nao sei reipoude Jacques.
Queros que te ttga ? Ta pensas na menina
Saiana.
Porque pemar de preferencia nclla do que
em outra, responde Jacques?
Por que Suzana Sazana.
Boa razar.
Muito bda, responde a menina, quem um
malicioso sorriso Ihe entreabriu os labios.
Euto explica-te.
Ou-. e Jacques, diz Claudios, tu pengas na
menina Suzana, por que tu a amas.
Jacques corou at a raz dos cabellos, e levan-
tou-se de um salto ; urna perturbago nova en-
cina sua alma, e mil sensacoes agradaveis o ani-
mavam ; elle puchou irma pelo braco.
Meu Oeus ? que teos ? exclamou Claudios,
espantada da rpida mdanos que so tinhi ope-
rado no rosto de Jacquef.
Escuta-me miuha irma, tu s urna menina.
Breve lerei quinze innoi, Ihe diz Clau-
dias.
Porm, continuou Jacques, dizem que as
meninas entendem melhor estas cousas que oa
ripazei: Por que me disseste que eu amav
Saxaoa '.'
Dizer-le o porque nao o sei, mas eu tanho
comprehendido ; tu nao lbe fallas como o fazes
as otaras meninas, quando a olhas pareces ter
mel nos olhos, tal a dogura com que o fazes,
por mats que a evites sempre a enconlras ; em-
fim n sei como, nem porque, mas tu a amas.
E' verdade murmurou Jacques largando o
braco de sua irma, eu amo-a.
Sua voz pronunciando eslas pslavrss, era to
grave e tan triste, que commoveu Claudios.
Est bem, diz ella paseando seus bellos bra -
gos no pescogo de seu irmo, Do le aflijas. Se
ao feio amar para que tem este ar trilla. Fa-
zes-roe vootada de chorar.
A pobre Ciaudioa eochugou sem olhoi com o
avente), depoii lomndo-se e pondo-se as pon-
tas dos ps chegou a bocea ao ouvido de Jacques,
ej disse-lhe:
__ Era leu lugar eu estara contente. Suzn*
ao tua iraai. Estou certa que
eu amor,, tu a desposar j.
Jacquei abragou Claudios.
Tu s ama boa irma, Ihe diz, entretanto eu
sei o que o dever me obriga a fazer.
Jacques reliroa-se e foi direilo ao caatello, an-
tes de chegar encootrou o Sr. de Malzonvitliers.
Eu o procurara, lbe diste saudando-o.
Que me quer, meu rapaz ?
Teobo de fallar-lhe n'am negocio muito im
portante.
Eu o escuto.
Senhor, tenhodezoito annos e alguus me-
zes, diz Jacqaes com o ar gravo de um embalxa-
dor; eu sou um rapaz forte e de alguma in3truc-
go ; berdarei algum dia duss ou tres mil libras
de um meu lo que cura na Picarda, em quan-
to ao que poseo herdarde meu pae eslou resol-
vido a ceder Ciaudioa; pero Ihe pois a mo de
sua lillia a meoiua Suzana.
Pedes miuha Qlha em casamento ? excla-
mou Mr. de Malzonvilliers como admirado.
Uigo-lbe, senhor, que amo | sua Glha, o
respeito que Ihe teoho e o meu dever nao per-
mittem de informa-la, antes de Ihe ter manifesta-
do meue sentimentos.
por isso que Ihe fago esse pedido. Nao
preciso izer-lhe que o seu coosenlimento me
eocher de felicidade, e que nao lerei oulro dese-
jo seoo o provar-lhe o meu devolameuto.
De repente Mr. de Malzonvilliers deu ama gar-
galhada, e lodo o ssogue de Jacqaes iiuiu seu
rosto.
Mioha preteogo o alegroa, senhor; confes-
so qae nao linha a preteogSo de toroa-lo to
alegra.
E' por que meu amigo eu nao esperava esta
aventura, mais divertida qae urna comedia de
Corneille.
Jacques despedagou as bordas de seu chapea,
porm conteve-ie.
Nao Ihe falte tempo para rir-ie, tenhor ;
agora s<5 deve responderme : nao Ihe possivel
ajunlamento de
seas estados.
O succeisocom que este methodo fra coroado
devia atrahir-lhe numerosa! entilas.
Aa aecusagoes mais violentas e msis oppostas
nao lbe fallaran. Emquaoto de um lado o cen-
suraran por lmpraticavel, do outro declaravam
que de ha muito elle eahira no dominio pu-
blico. |
Ataques similhantes provam que o methodo
de Mr. Le] Play a da soetedade internacional,
foi incompleta mente estudado, apezar dos hon-
rosos lestamuohos que elle recebeu.
As objecedes que elle hana encontrado desde
sua apparico acaban de ser reproduzcas na se-
gunda edigo da obra populacdtt operaras.
O autor consagra lbe om capitulo especial,
onde elle parece propor-se a examinar em suas
relagoes com os diversos procesaos egualmente
applicados para as observagoes das classes laborio-
sas, e especialmente com seu proprio systema de
esludos. Porm se se tretesse realmente de um
exame crtico dos dous systemas poitos assim
viita, o autor entrara sem duvida, na exposigo
razoavel de seus principios, na comparsgo exac-
ta e seguida de saus resultados, dos caminbos
que elles abriam respectivamente aos observa-
dores, das garantas de que rodeavam as obser-
vacoes.
Eram estes os elementos de apreciago que o
autor pona provavelmente sob os olhos do pu-
blico, juiz soberano e de urna iostaocia em toda
a opioio, se qulzesse tratar da questo do me-
thodo.
A fallar a verdade, elle s a considera debaixo
do ponto de vista de urna] applicaco euja exten-
so restrioge, nao sabemos porque, a obra de
Mr. Le Play ; os artistas europeos, passando em
silencio as pablicagoes e todos os trabalhos di
lociedade internacional.
Pelo menos, trata elle seriamente das trila
eseis monographias coudas no livro de Mr. Le
Play?
Trata de dez somente, daquellas que dizem
respeito aos artillas industriaos da Flanea e da
Inglaterra, e pergunla entao, com bastante ap-
parencia de razo, o que sigoificem estas unida-
des imperceptiveis ?
Que dados um pouco seguros poderiam a pra-
tiea tirar dahi ?
Que base um pouco solida poderia encontrar
ah ascienda social para suas adueges?
Afaslando-se aioda mais do exposto do metho-
do, o autor das populanes operaras liga-so de-
pois aconcluso dos livros e entra em urna or-
dem de ideas inicuamente estraoha ao objecto
que nos oceupa.
Na realidade, nao um systema que elle se
eiforga por julgar, um livro, am autor, sao
opioloei peisoaet.
Sem esta axplicago Do se comprehenderia,
que elle deixaase de consultar ai publicacdes da
sociedade de economa social, onde o methodo
apparece com nolaveis aperfeigoamenlos e apr-
senla novos e importantes resaltados, e que dei-
xasse deatleoder a sanego qua lbe deu ama
obra collectiva publicada por Mrs. Villerm, Cb.
Dupin, Michel Chevalier, o viscoude de Melum,
A. Cochim.elc. ect. 1
Alem disto, cooaervandose |oos limites em
que se collocou o autor daspoijuaroei operarios,
deseobre-se algama confuso em aas vistas.
Elle julga evidentemente a applicaco do me-
thodo de Mr. Le Play, da sociedade internacio-
nal actualmente, segundo os resultados a que
elle mesmo quer atliogir.
Os resultados qae eita sociedade lem em vista
nao sao aualogoa quelle a que se prope Mr.
Audiganne
Um melhodo fundido sobre estudos espeeiaes,
sobre mouographiaa, nao allingiria do forma ue-
nhama o fim a que se prope o autor das popu-
lanes operaras ; nos o recoohecemos.
Seu proprio processo Do aprsenla o mesmo
inconventeute T E'o que vamos examinar ago-
ra, com o espirito livre de toda a prereugo.
J demoi o plano do syslema de obaarvago
ridades, e finalmente de reclamar muito lempo e
cuidado. Porm o tempo e o euidadoi nada
vem aocaso, eo essencial que at aqui, os fic-
tos compendiados em seu plano nao tem sido
contestados. E entretanto, quanto nao tem elles
sido examinados e verificados em todos os senti-
dos I E' portanlo bem reconhecido que, pela
contestago e classificage dos fados, o systema
das monographias satisfaz a todas as exigencias
da sciencia econmica.
Chegamoi a applicaco do methodo, porque
era talvez, em razo de sua simplicidade, o mais
accessivel.
A applicago basei-se sobre este principio que
os pbeoomeoos da ordem sosial lem de commam
com os fsetos pertencentes s sciencias naturies,
isto que um numero limiltado de observagoes
leva meito promptamente conclusdes invaria-
veis.
A observacao como j o indicamos na exposi-
go do melhodo, tem por objecto urna familia,
um destes grupos nataraes que sao as verdadei-
ras unidades da sociedade.
O estudo de um cirto numero de familias, se
o principio eerdadeiro, levarii ruui prompta-
mente i cooclesoes invariaveii sobre as lels ge-
raes e particulares que regem a familia, o tra-
balho e a aropriedade nos lugares em que se fa-
zem os estudos. Porm o principio ser verda-
deiro T Existir entre ai familias, mesmo no
eslreito plano de urna cidade, de industria, eos-
tumos, hbitos, um modo de existencia, to se-
melhante que possa descobrir estudaodo-se es-
crupulosamente um pequeo numero destas uni-
dades sociaes, a condico geral de todas as fami-
lias da mesma classe, localidade, eprofisso?
Um hornera cajo parecer tem-se gloria em se-
guir, e cujas palacras merecem o respeito, mes-
mo daqueiles que nao parlilham de suas opi-
nioes, pensou na qaesto, e resolve-a afflrmsti-
vamente.
[Continuar-se ha).
r, ^*.P0U ?e lre* hor,. d itAi)ho, descobri-
ram i) tmulo real, poiiuindo anda precie.
Esse tmulo 7a centmetros da actual calceta-
ns eslava fechado por deas pedrea aobrepoita,
olldamnte seguras em dura e eipesaa algamasia
Couia singular, as daas pedr., apreseoUM* tra-
vos incrustados do seculo XIII. 0 que prora qtQ
se empregava mesmo as ruluas da capital,
a A viscera real fra collocada nesae tmulo
em umi ciixa de praia de tres a quatro mil-
metros, com a forma de um corago humano
Essa cala, composla da duas partes lord'dat
fra na maior parta deteriorada pelo oxydo.
Toda a parte adhereoli folhi de chambo
offerecia apeoai um reiiduo negro, cor de cinta
e metalice. A parte superior, pelo contrario, es-
tar bem conservada, e mostrava, de um lado
especialmente, ledo o brilho do metal primitivo.'
A poeira quq havia na placa de chumbo era
tamaem da duas especies: as extremidade, o
depoiilo era negro e metlico; no meio edr
era avermelhads. Essa cr cortida e a aggrega-
cao dasparcellas fitia crer em urna embalsama-
gao, a menos que nao seja mesmo o effeito da
viscera em decompoaigo.
Cremos saber, accrescenla o Nocellista, que
se exigir brevemaole um tmulo na metropole
o qual rec6ber enea deipojos reaes.
L' Industrie el le Commerce Belges.) Uusac?.
Variedades
- E'
Conlos nioraos.
O feliz Joo.
(Conciuso.J
preciso lornar-vos moleiro como eu.
Para isto, basta urna pedra de amolar ; o res-
to de nada depende. Eu lenho urna, com algu-
mas mssas verdade, porm eu cider-vc-Ia-hei
por pouc cousa, vosso nato somente
res?
que-
0 pe vai pelo Diado.
L-se no Novellista de Rudo : A noticia da
deacoberte do corago de Carlos V na cathedral
de Ruo tem produzido urna certa emo no mundo dos archeologoi, mas anda *em todos
aquelUa que sa inlereisam pelas nossas grande*!
recordages histricas.
Sabia-se geralmente que o corago de Car-
los V desemsava na celhedral de Ruo, desde a
morte desse sabio rei, que levo lugar em 1330.
Sabia-ae egualmante que o coro da metropole
ra escolhido para receber o reai deposito legado
Norraandia por um prioci.ee que foi um de seus
duques ; mas, depois da revoloco, nenhuma
inscri^co inoicava mais o lugar exacto em que
se achava o monumento histrico lo charo a
nossa provincia. A tradlcao local assignalava ge-
ralmente como o lugar do deposito urna ligetra
can lao de gesso que se achava em frente de
throno pontili vi lado circular marcava o lugar de urna inscrip-
go em marmore ou cobre, lirada em 17?}
Muitos membros do capitule metropolitano e
da commisso deparlamental das antiguidades ha
muito que sentiam a falta de um memorial qu*
iudtcasse ao recooheciuienlo dos habilatitei de
Ruo e a un;JaJe doa estraugeiros o nome de um
bemfeilor da cathedral e do mais sabio dos res
da Pranga. Elles eslavatn resol'idos a resiabele-
cer sobre urna lousa de marmore a inscripgo,
que, ao armo de 1733, ra substituida pela es-
j (ala de ahbailro.
a Antes, porm, de collocar eisa lousa com-
memoraliva, julgaram prudente assegurarem-se
se a cathedral de Ruo, duas vezes saqueada em
cus tmulos, possuia anda o corago de l)u-
guesclin.
c Devidamente aalorisados por monsenhor ar-
cebispo, Mr. Bartheleoiy, architecto diocesano, e
Mr. abbade Cochet, inspector dos monumentos
religiosos da diocese, ajudados por Mr. abbade
Robert, conego intendente, Mr. abbade Manon,
conego peniit ii uno, e por Mr. abbade Colas,
conejo e memtro da commisao das aniiguida-
des, empreheaieram easa vericago histrica,
que foi coreada por um feliz resultado.
Isto nao se psrganla, responeu Joso ; eis-
me o homem mais feliz da ierra. Ao disbo os
cuidados, quando terei sempre a bolia che-la.
pedra e deu o pato em pagi-
Elle tomou a
ment.
avahar o que se paisa em meu corago depois que nos ajudar
Jacques abaixou a cabega, e seas olhda des-
prenteram urna ligrima.
Affianco-lhe que se fosse rico e nobre, eu o
preferira a oo teria outro genro, Ihe diz o Sr.
de Malzonvilliers.
Se eu fosse rico e nobre? exclamou Jac-
ques.
Sim, respondeu o Sr. de Malgonvillien.
Pois Lirn, senhor, eu me eslorgarei por gl-
oriar fortuna e nobrezs.
Atienda, meu amigo, que estas cousis oo
se gantieui com lacilidade, e damia eu oo lh*
prometi esperar.
Jacqaes hesitou um instante, depois olbando pa-
ra o cu Ihe diste :
Coma ajada de Deus e meus esforgos, eu o
conseguir!.
Pobre rapaz 1 murmurou o Sr. de Malzon-
villiers, quando Jacques se affastaea ; penna
que nao seja marquez, ou millionasio.
Jacqaes se dirigiu para o parque do Sr. de
Malzonvilliers onde Suzana costumiva pastear
eiss hora. Elle a ancootrou, a Ihe coolou per-
feitamente o que havia tido com seu pae, nesta
occasio sua voz era trmula mas sua vista era
firme. Suzana corara primeira palavra de Jac
que, mas passada tua perlurbago, o olbou
com vista serena e cheia de caodura.
O seu pae Do me deu nenhuma eaperan-
ga, ihe diz Jaciues, porm eu esloa resolvido
tudo empreheoder com o fim de a merecir.
Permitle-me itso, senhora ?
O senhor me ama? Ihe diz Suzana com urna
voz doce e vibrante que soava como o cristal.
Se Ihe amo ?... eu daria minha vida por
mioha irmiliClaudina, porm, pela senhora (Deus
me perde) daria a salvaco oa mioha alma.
Eu sere sua mulher algum dia, meu amigo,
diz Suzaoa dando sua mo Jacques, que sen-
liu-se desfallecer com estas palavras; Nos somos
muito mogos, quisi dous meninos, porm, Deus
Tomae, disse-lhe o mcltiro, dando-lhe uta
seixo commum que eslava a seus ps, su vo?
dou anda urna oura boa pedra alm do merca-
do ; pode te bater em cima lano quanto se quei-
ra ; ella servir para endireitar vossos prges
velhos. Levae-a com cuidada.
Joao carregou o seixs b reliroa-se com o co-
rago entumecido eoio'lhos brhmlcs de aa-
gna :
Por mioha exclamava elle, D3scr ;mpei-
licado tudoque desejo me succede, nem mais
nem menos como se tivesse vindo ac munds> em
um domingo l
Eotretanto, como ello eslava era p ds-
de o amanhece: do dia, comecava a se^'.i- a fa-
tiga.
A Tome tarabem atormentava-o; porq^o, eora
o prazerde ter adquendo a vaces, havia secsu-
mido todas suas provisoes de urna s vez.
Ee nao avangeva mais seoo com di fue; Ida-
do e parando a cada passo ; a uodra e o s?ro
pesavam-lhe horriv?lmente. Nao deixou de cui-
dir que seria mui feliz se nada absolulamenta :i-
vesse a carrear. Arraitou-so ata urna foote ?-
sinha para descangar e refrescar-se bebendo ucx
pouco ; e, para nao ferir-se eos s pedras as-
entando-se nellas, eoilocou-as juni9 de si n
beira o'agua ; dopois pondo-se debrago avan-
goa-sepfra beber, porm tem querer empurrou
as pedras e cahiram no fundo.
Vendo-is desapparecer a sua vista, saltou de-
legria, e, com ai lagrimes nos olhos agradecen-
Deus que tinha-lhe feilo a graga da livra-lo
desleiocommodo, sem r-ue ella tivesse algumi
cousa a censurar.
Nao ha no mundo, exclamava elle, um ho-
mem mais feliz que eu m
E livre do fardo, o corago desembarazado co-
mo as perna9, cootiouou o" caminho at a casa-
de sua me,.
[Trad. porAhes da Fonseaa)
sei que amo saa fllha.
Et dou Jo, meu rapaz, Ihe diz o Sr. de
Malzonvilliers.
Um doudo nao vem polidamente pedir a
mo de urna moga seu pae.
Falla seriamente ?
Muno seriamente.
Cale-se, e sobretudo oo me olhe com es- .
te ar de pastor desgragado, sob pena de me fazer
rlr a morrer; ea estou fatigado, meu amigo.
Eu desejo sua respotta, diz Jacques.
V se para o diabo, a mioha resposta. Te-
oho por acceso lempo de oueir suas loucurst? Ve-
jan que bella alliioga, a fllha de MalzoDvilliera
com o fllhode fuilherme Grioedal (o falcoeiroll)
Zombe da mim o quanto quizer, laohor;
mai respeiteo nome de meu pae, pois por Deus
grande, exclamou Jacques,
Suzaoa, nao terei seno
Ea lenho alma
o a obterel.
E eu, exclamou
sua.
Jacques quiz beijar a mo de Suzana, mas ella
lbe abriu os bragos, ese abragaram. Ambos eram
gravea e ingenuos; acredilavam em seus co-
rago.
V e faga por merecer-me, diz-lhe Suzana
com as faces vermelhas e os olhos cheios de la-
grimas, eu lheesperarei supplicando Deus.
Elles trucaran um ultimo aperto de mo, e se
separaram.
Jacques tomou o caminho de sua casa serio,
porm sem parecer trale ; conlou tudo que
se havia passado i seu pae.
Nos nos amamos, termina elle, e noi caia-
o juro, se alguem o insullasse eu o viogaria, ain- remos.
da que foite o pae do Suzaoa. O pae Guilherme olhou as andorinhas qae fa-
E que (aria o aeonor ? disse de Milzon-
viiliers.
Eu o estrangulara, respondeu Jacqaes, e
levantando aeui bracos, preparou-se para por em
pratica a ameaga ; Mr. de Malg inviltiers erguea-
se rpidamente e levou as mos ao pescogo, onde
Ihe pareca j sentir os dedos de Jacques.
Eu Ihe pego perddo de meu arrebatamento,
Ihe diz Jacques; nunca deveria esquecer os
beneficios que tem prodigalisado a minha fami-
lia, a minha colera em nzao mioha jo'entu-
de, e nao parte do corago, esquega-s. senhor.
Se para merecer a sus Glha me preciso tentar
algum impoesivel, diga-me e com a ajuda de
Deas eu o conseguirei.
Ha sempre em um lentimento verdafeiro urna
expresso que commove, lagrimal vieram aoi
olhoi de Jacques, e a sua posigo exprima an-
gustia a reaiftoago : o Sr. da Malzonvilliers li-
nha bom corego, nao obstaate sua vaidide. Dan-
do a mo a Jacques Ihe diz

giam ao longe.
Juramentos de amorosos, diz elle abanando
a tua cabega calva, mas quer elles duren ou nao,
mlster partir, meu ilho.
Era mioha inlengo, respondeu Jacques
Pae e filho sperlarim asmaos. Nihonacos-
turnada reuniram-se para jiniar; Jacques nao
comeu, e as caogdes que tinha por habito cantor,
mornam em seus labios; Claudina receiava fal-
lar, porque chorara se o fizesse. Jacques e Gui-
lherme capriebaram por parecerem calmos. Quan-
do recolheram-ae para dormir, Guilherme abra-
gou como costamava seus tres Olhos, porm re-
leve por mallo tempo Jacques sobre o leu co-
rago.
Vae dormir, ihe diz elle, mu antea pede a
Deus que le d corsgem para tus vida, que co-
me c a amaoha.
Ao amaobecer toda a familia se reuniu. Jae-
quei tinha calcado groaso tpalos e polaioit,
um cinluro de couro ajustara a bluia seu
Nao se iffi'ija meu amigo; eu tambem mui-1 elegante corpo, urna mochila penda de suai cos-
to imei, porm eiqueci-me ; ha de tambem es-
qnecer-se.
Jacques fez um sigoal negativo.
Assim julava eu, diz o Sr. de MiIzodvI-
liers, porm a experiencia me provou o contra-
rio. B de mais muitos gentii-homeni me tem
pedido i mSode Suzana. E em contciencia pos-
ells retribu ao dar a preferencia i. um homem sem estado,
i aern fortuna, reoailir aqueliei que a tem T
tas, e um baslo armava
CUu'ini chnravsm
sui
8 mos. Pedro e
; Jacques estiva um pouco
pillido, mas ios vista era firme.
Para onde vi, meu Albo? pergunlou Gui-
lherme.
J neila poca Paris era a cidade mgica, o
centro radioso para oode convergiera todas as
inlelligencias actuaei. Jacques, sem betilar,
reiponden lbe :
A' Pars.
E' urna grande cidade cheia de perigos e
eorprezas ; muitos ahi tem chegado pobres como
tu a sahido ricos, porm melhor sabir misera-
vel, que sem honra, eus te abenge, meu
lho.
Jacques se ajoelhou entra seus manos, e Gui-
lherme poz suas trmulas mos sobre a cabega
de seu filho.
Quando elle levanlou-se, Guilherme quiz dar-
lhe urna bolsa cheia de ouro, mas Jacques'Do
aceitou, dizendo :
Guarde esse ouro, ser o dote de Claudios,
merc de Oeus tenho bragos, e cincoenla libras
em minha moxila por mim ganhaa.
O pae nao mustia, porm tirando de seu seio
urna medalha suspensa em urna Ola, lh'a poz ao
pescogo e Ihe diste :
La medalha perdida pelo estrangeiro ha
cinco annos. Tua teos bem ganho, guarda-a, e
se algum dia encontrares o geottlhomem, lh'a
restituirs, talvez qua se recorto da bospila-
lidade que lbe demos. Abraga-me, e Deus le
guie.
Jacques abragou seu pae e Pedro, e quando ia
abragar Claudina ella aaltou-lbe ao pescoco e dis-
se-lhe :
Eu le abrigo por mim e por ella.
Jacques estremeceu.
Sim, por ella, disse Claudina, muito me
pediu.
Jacques apertou Ciaudioa ao cortgao lembrao-
do-so de Suzana ; e olhou para o cu cheio de
coragem.
Os primeios raios do sol appareciam ; no hori-
soole fluctuaran mil vapores dourados, e a es-
trada apparecia no meio das lolides baohadas
de luz.
Paris eslava l em baixo, e Suzana era o prego
do iriumpbo.
Jacques se apartou dos bragos de Claudina e
parliu.
111
l'm paaso na vida,
A' algum passos da casiuba, a estrada fazia
orna elevago, e subia-se urna pequea ladeira.
Chegado ao vrtice, Jacques se vollou.
Na porta dacoiioha estiva Guilherme Grine-
dal, a junio elle ajoelhados Pedro e Claudina.
Alraz de si Jacqaes deixava toda sua (oltcidade,
ludo o que lioha amado : o jardim ebeto de som-
bra, o raliro onde elle tioba ensaiado sua pri-
meira suplica, e sonhado seus primeiros amores ;
alraz delle a paz e a felicidade, adame o des-
coohecido e talvez aventuras bem amargas.
Jacques se apoiou sobre o ieu basto, e olhou
o horisonte, milhares de lembraogas esquecidas
vieram de chaire seu corago ; duas lagrimas
cahiram-ihe as mos sem que elle seotisse cor-
rerem-lhe pela face, e c liraram desse scismar.
Jacques enchugou os olhos e conlinaou seu
caminho.
Depois da passar a nouteem Fauquerabergue,
chegou do outro dia demanha Fruges.
Na hospedara em que se arrancbou, alguna
carroceiroa converaivam alegremente, e Jacquei
nolou que ieua carros oitavam carregados, ape-
nas os seus emioaes comiso urna rago.
as primeiras palavras que Jacquei ouvu,
comprebendeu que urna tropa de batedores de
estrada tioham invadido o paiz, entre Aire e S.
Ornar. Segundo diziaaa, perlenciam elles 6 um
corpo da toldados hngaros, que o governo bai-
panhol lioha licenciido, e que procuravam ajun-
tar um grande espolio anles de deixirem a
Flande.
O babitantei te refugiavam em Montreuil, e
oceultavam leas haveres. Viam-ie mulheres e
meninoi correrem pela eitrads, e como elles fa-
milias nobres com grande squito de criados bem
armados.
Jacques eitava habituado estai scenas de
terror, oitigia-se a um dos carreiros e pergun-
lou-lbe :
- Os ioimigot aindi eitarSo longe ?
Quem labe ? Ihe diz o carreiro, talvez
dez leguas, e melhor estar em caa do que aa
estrada.
Jacques como rapaz resoluto continuou seu
caminho no intuito de chegar Heidin antea da
noute.
O ni era qaenle, e Jacques to2o caminhado
deste a manhs, comecou a ter fome, e valo
urna fonte cristalina rodeada de arvore, bascou
sua sombra, e tirando de sua mala algumas pro-
visoes, priocipiou a comer alegremente.
Finda a sua refeigo, oo veodo alguem Da
estrada, deitou-se sobre a relv. Ao principio
pensou muilo oa Dlha do Sr. de Malyonviliien,
e suspirou, e talvez que pensassa em outras cou-
sas seoo adormeceste.
Elie dorma como se faz aos desoto annos,
quando um ruido de patas de cevalios o acordou
rem em sobresello.
Sete cavalriros estavam em roda delle, em-
quaoto dous abriam sua mocbilla. Jacques le-
i vanlou-se de om salto, e com um socco atirou ao
chao um dos ladres, e se atirava um ou-
tro, quando tres ou quatro sallaram sobre elle e
o derrubaram, dando-lbe ama forte pancada na
cabera, que lh'a fez perder os sentidos. Nao foi
mister mais que cinco minutos para os ladres
roubarem o que Jacques tinha na mochilla, e
fugirem galope Jacques licou algum tanto im-
ouovel, quando polo levantar ae correu sobre a
estrada a ver o caminho que siguiam o rouba-
dores.
Um turbilhao de furaaga oodulava no hori-
lODte. Duas cidades se incendiavam. Um etqua-
dro de cavallaria se bata as margeos de um
ribeiro. Jacqaes nunca tinha visto o uniforme
dos soldados ; frente delles raarchiva um ca-
valleiro que pareca seu chefe, elle Jacques se
dirigiu. A vista de um rapaz que corra sem
chapu e quesi n, o capito se deteve,
Que queres? Ihe diz.
Jusligi. responda Jacques.
Qual a tua queixa ? Ihe diz o chefe.
Roubaram mioha mochilla, meu dtnheiro
e micha roupa.
Deixaram-te vivo e ainda te lastimas, rs-
paz? E'a exigente.
Jacques quiz respooder-lhe, mas o chefe Ihe
impoz silencio.
Passados algum inilantes, o ebefe volta-se pe-
ra Jacques e Ihe perguota se Francez, e do paiz.
Sim, diz Jacqaes.
Enlo deves coohecer o eamioho que atraves-
sa para se chegar s frooleiras de Flandres ; e
oeste caso vaes guiar-nos al l.
Jacquas oo se mexeu.
Nao oaviste ? diz-lhe o chefe.
Oavi, mas nao ando, respondeu Jacques.
O chefe impelliu seu cavallo sobre Jacques, e
Ihe apoiou o cano de urna pistolla sobre fron-
te, dizendo-lhe : Nao sabes que basta puxar o
galilho para que morras?
Puxe-o quaodo quizer ; porm eu nunca
servirei de guis contra meus patricios.
Como nao queres, Ihe diz o chefe, eu te
guiarei.
E dizendo algumas palavras i seus soldados,
estes se atiraram iobr*Jacquei, e o amarraran,
antes que elle ctfxiB/ebenlesii o perigo que o ;
ameagava. A' um lignal do chefe dous soldidoi |
pozeram Jacquei na gerupa de um cavallo, amar-
rando-o ielli, e o eijuadro parttu para o la-
dos de Hesdio. Na posigo forgada em qae esta-
r, Jacques bata com a cabega e com os pi noi
flancos do cavallo ; o ssogue subiu Ihe i caneca,
sua face loroou-se cor da purpura, seus olbo* se
injectaram, um ruido confoso e doloroso eoeheu
seus ouvidoi, o nome de Sazam expirou em seus
labios e desmaiou.
Porm, um momento depois, por um esforgo
supremo, pode chegar i sus bocea as cordas que
o amarravam : o inilioclo de conservago o rea-
nimou, e i muito cuito ple com os deotes de-
satar os Dl que O prendan.
O cavalleiro caotiva atajando o punhe de
ma eipads, Jacquea suspendeu-se com urna
mo e com a outra desfez o lago que o prenda
sella. Vendo se com os membros livres, olhou
pira ver se o observavam ; o chefe segua na
frente a os soldados o acompiohavam tara cui
dir no prisioneiro. O cavalleiro, entrelido com
sua arma, oo tratava de apresssr seu cavallo,
que ea razo da carga dobrada perdis terreno.
Jacques deuou-se escorregar ; e spinoi tocou
o eho, lodo o ten vigor Ihe appareceu. Apenas
tinha feito duzeotoi pasaos, ooviu urna dilo-
naco euma baila pasaeu i seu lado; vollou a
caiega e viu quatro csvalleiros qta o perse-
gu jm. Jacques era sgU a vigorlo, altara por
vallados como um cabrito, porm nao poderia
por muito tempo lutar na carreira com cavallos.
O cavalleiro cuja guarda eslava cooflada era o
mais ardeote em aersegui-lo,
Jacques, comprehendendo qae, por mais es-
forgos que flzesse, sempre o alcangariam, parou*
O cavalleiro ebegou tobre elle com a espada le-
vantada, Jacques evitou o golpe sallando para o-
lado, e agarraodo o soldado pela peros escuerda
o atirou ao cbo. Em quanto o soldado eslavo*
alordoado pola quoda, Jacques mootou no ca--
vallo e partiu. Por algum tempo os caroarades-o.
peraeguiram, porm. oo cooheceodo o paiz e
t-men o encontrar inimigo, vollaram. *
Logo quo Jacqaes cenhoceu que nao o perse-
guan mais, poz o seu cavallo i trote, e nao te-
na andado mais que urna Irub na. dueegao de Sw
Pol, adianto de Fieury, quando descobriu urna,
Iropa de caeaUeiros de infantaria. Jacquea hesi-
j l'iu se poda continuar seu caminho ; porm lem-
i broa-se estar prximo S. Pol, onde havia un
boa guarnigo. Urna senliaella que vinha trs-
Isontos panos adiaote di tropa, vendo um rapaz
j tao mal vestido montado em um cavallo tedo
; equipado o deleve.
Conduza-ma seu capito, Ihe diz Jaches.
- Era o que te ia propor, respoue-lhe o cabo.
O capito era um bonito rapaz, um fino bgo-
: de negro Ihe cobria o labio urna pallidez esa to-
do o seu roslo diva 4 mi pbyilonomia escan-
to e destioegio extrema.
Jacques julgou-se seguro, quando viu o capi-
to, eile o coosiderou sm silencio alguns instan-
tes, um ligeiro sarriso esclarecen seu rosto, onda
a melancola tinha lsogedo seu vu mysterioso.
Se s Francez, diz-lhe o capito, com urna
voz clara e doce, nada temai,. pois ests entre
amigos.
Jacques cootou tudo quanto Ihe havia suc-
cedido ; o offieiel o esculava lorcenda o bigoda
com os olhos fixos no de Jacques, este corou ta
lbe disse :
Por ventara me toma por algum espiao.?
Nao, Ihe responde o capito ; o traidor na
tem esse ar hooesto e esse olhar firme ; elle tre-
me, mas Do cora, tu s um bravo rapaz, e aos
vaes cooduzr ao lagar onde deixaste os batedo-
res da estrada.
Com muito gosto, diz Jaques; quando ca
deixei tomaram o caminho da abbadia de S.
Jorga perto de Bergueneuse, e nao podara es.
lar mais de urna legua.
Por ordem |do capito deu-se Jacques orna
farda, urna espada e pistollas. O capita Ihe per-
guotou te as sabia manejar.
Ha de ver, Ihe diz Jacques, co encentrar-
mos os bandidos que me roubarem.
Jacques ie eolio*ou freota da trepa que ia
compunha de duzentos eavalleiros, trazeodo na
garapa outros tantos granadeiros.
O oficial ia ao lado da Jacques, e Ihe diz :
Tu guias teu vallo como um velho tot>
dado, onde apreadeile a equilago?
Em casa de meu pae em S. Omer, re-yon
de Jacquei.
Se s de S. Omer. dares conheeer um bra
va faleoeiro chamado Guilherme Grioedal.
Por certo, responde Jacales, pois ma
pae.
O offieiel eitremeaeu e eeaiiderou Jacques at-
lintanaente.
Poii lu l filho deste homem que na car-
regou qusndo eu menino? O leu nome Jac-
ques?
Por saa vez Jacques olhou para o official, pro-
curando 1er em seu rosto um nome que sou co-
rago ji conhecia. O otlicul iba esteadeu i man
e ihe diz :
J leesjueceste do Sr. d'Atsoaville ?
Nosso bemfettor, exclamou Jacques a
apoiou os seus labios sobre a aa do espitae.'
Nio sou teu bemfettor, Jacquee, Ihe diz o
capito, e sim leu fi ho Gastn o'Asionrille O
pie est uo cu; (ai o amiga de Guilherme, o fi-
lho ser a amigo de Jacques.
(Continuar-aa-JU./
as.
I
PERNAHJ UC0.-1 YP. DM. F. DE t. ft f ILflO.



--Aen


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPWMAM3EZ_CIN099 INGEST_TIME 2013-05-01T01:14:52Z PACKAGE AA00011611_09606
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES