Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09591


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO XXXVIII. IUIE10/84

-a**
Por tres mczcs adianlados 5J00O
Por tieiaeze vencidos 6$000
m*
-
SEGUNDA FIRA II SE 1G0ST0 DE lili.
Par nao dilatado i8$00O
?orta fraict tari subscriptor
E*CA11REGAD0S DA SUBSCKIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino da Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Aracaty, o Sr. A. de Lomos Braga; Cear o Sr.
J. Jos de Olveira; Maranhlo, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Manoel Pinheiro &
C; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
Alagos, o Sr. C'audino Faltao Das; Baha,
Sr. Jos Uartins Airas; Rio da Janeiro, o Sr.
Jola Paraira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os dias as 9X horas do dia.
Iguarass, Goianna, a Parahyba naa aegandaa
a saztaa-eiraa.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Allinho
l/srsnnuna as tar?aa-eiras.
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoairo, Breio, Pea-
qaeira, lngazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouncury a Ex as qua.tas-feiras.
Cabo, Seriohem, Rio Formoso, Ona.Barreiros
Agua Preta, Pimenteiras a Natal quintas feiras.
(Todos os crralos partem s 10 horas da machaaj
IPUEMERIDES DO MEZ DE JL1.IIO.
4 Quarto crascante aa 2 oras e 15 niatos da
tarde;
12 La cheia aa 7 horas a 12 mina tos da man.
18 Quarto mingaanta as2 horas e 5 minutos da
tarde.
26 Laa ora aa2 horas minutos 59 da tarde.
PREAMAB DE HOJB.
Primelro aa 4 teres e 54 minutoa da machas,
Segundo aa 4 horas e 30 minatos da tarda.
ARTIBA DOS VAPORES COSTEIR03.
Para sul at Alagoca 5 a 20; para o norte
ata a Granja 14 a 20 da aada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
PMa o Recite: do Apipucoi s 61)2, 7, 7 1:2,8
e.8 i 2 da m.; de Olinda s 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboatao s 5 112 da m.; do Caxang o Yanta
s 7 da m.; do Btmfica s 8 da m.
Do Rtcifa : para o Apipucoi s 8 1|2, 4, 4 1|4,
4 1|2, 5, 5 1]4, 5 |2 e 6 da t.; para Olinda s 7
da tu. e 8 1)2 da t.; pira Jaboatao a 4 da t.; pira
o Caxang a Varita s 4 112 da t.; para BtmAca
aa 4dat.
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do aommerelo : aeguodas a qnntaa.
Relacao : targaa a aabbadoa s 10 horas.
Pazanda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : aegundaa ao malo dia.
Dito da orphios : lerdas a aaxtaa a 10 horaa.
Primairafara do siel: tergaa e extasa maio
dia.
Segunda rara do ciral : qaartasi aabbadoa l
hora da tardo.
DAS DA SEMAHA.
11 Segunde. S. TiburcioeSuzans mm.
12 Terca. S. Cara v. f.; 8. Nimia e Fontlqt,
'13 Quarta. S.. Hypolito e Cufiaoo airo.
14 Quinta. S. EuzeMo sac.
15 Sexta. S. Assurrpjao deNossn Senhsre.
10 Sabbado. S. Roque f. ; S. Jacinilm.
,17 Domingo. S. Joaquia: pae de Seniora.
ASSIGU-SE
no Recite, tm a livrara da praca da Indepen-
dencia ns.68,dos propriearioa Idanoel ligia -
roa da Farla & Filho.
mi OFFICIIL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da i de agosto de
186S
Officio ao Exm. presidente da provincia do Ma-
ranhao. Coro o oflicio de V. Exc. recebi uns
exemplares dos regulameotos expedidos por essa
presidencia durante o anno passado.
Dito ao Exm. presidente do Para.Na primeira
cpportunidade transmiti ao miniatro brasileiro
em Paris o oCQcio qae para ter esse destino V.
Exc. me remetteu com o seu datado da 26 deju-
lho ultimo.
Dito ao Exm. presidente do Cear.Opporluna-
mente ter o conveniente destino os despachos
que para sarem remetti los ao cnsul geral do Bra-
sil na Cayonns acompanhou o officio de V. Exc.
datado.du 14 de julho.
Dito ao ioapeclor da thesouraria de fazends.
Commuoico a V. S. para seu conbecimento e di-
recgo, que o padre Antonio Malaquias Ramos e
Vasconcellos no dia 27 de julho ultimo tomou
posse do cargo de eapello da colonia militar de
Pimenteiras, segundo consta de officio do respec-
tivo director de 28 do mesmo mez.
Dito ao mesmo. Deferindo o requerimeoto
que devolvo do cirurgiao Joaquim Jos Alves de
Albuqoerque, sobre que versa a ioformaclo de
V. S. datada de honlem, sob n. 722, o autoriso a
mandar abonar-lbe a quantia de 3008 como retri-
buigao do seu trabalho emquanto esleve incum-
bido do tratameoto dos desvalidos atacados do
cholera-morbus no 3* districto da freguezia de S.
Fr. Pedro Goncalves.
Dito an mesmo.Mande V. S. pagar so enge-
nheiro W. Mailioasu o que se lhe dover de seas
vencimentos at o dia 9 do correte, em que Co-
da o seu contrato como engenheiro enorregado
da direcelo das obras a cargo dos ministerios da
mariaba e imperio nesta provincia.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. para o fim
conveniente, copia do termo de contrato celebra-
do pelo director do arsenal do guerra como mes-
tre do hiate Sergipano Henrique Jos Vieira da
Silva, para a conducho do9 diversos objectos per-
teocootes ao estado, e que se desfinam ao presi
dio de Fernando.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista do que V. S. expi em seu officio desta
data,'sob n. 427, acerca dos papis que devolvo,
o autoriso a mandar pagar ao alteres Josa Rodri-
gues da Paixlo soraeote a quantia do 359863t de
vencimenlos de urna escolta que cooduzio presos
de Garanhuns para esta capital, e de que trata o
meu officio de 5 do correte.
Dito ao procurador da corda. Sirva-se V. S.
de dar o seu parecer acerca do incluso artigo de
posturas que acompaoha o officio da cmara mu-
nicipal da Villa Bella.
Dito ao delegado encarregado da reparti?5o da
polica.Mande V. S. pagar ao cargueiro Maooel
da Costa Lima a quantia de60, porque se obri-
gou a conduzir at Garsobuns duas pegas de bel-
la para o tratameoto do cholera naquella co-
marca.
Dito ao mesmo. Sando considerado incapaz
para o servido da armada em nspecQlo desauda
o recrata Victorino Gomes Barbosa, de que trata
o officio do Dr. chefe de polica interino do 1" do
correte n. 1,186, determino nesta data que soja
o mesmo recrula posto disposigao de V. S. sGm
de que lhe d o conveniente destino.Commani-
cou-se ao cepitSo do porto.
Dito ao director da faculdade de direito.H'ja
Y. S. de ioformar acerca do que pondera o ins-
pector da tbasouraria de fazenda no incluso offi-
cio que vae cobrindo os papis relativos ao afri-
cano livre de nome Malaquias ao servigo dessa
faculdade.
Dito ao cemmandante do presidio de Fernando.
Transmiti a V. S. para o m conveniente,
copia da relacao dos objectos que se acham em-
barcados oo biate Sergipano com destioo a esse
presidio.
Dito ao commaodante do corpo de polica.
Pole V. S. mandar dar baixa ao cabo de esqutdra
da seccSo urbaoa do corpo sob seu commando,
Basilio Rodrigues, visto ter coocluido o seu en-
gajani&nto como consta, de sua informago o. 3il
desta data.
Dito ao director das obras publicas. Trans-
miti a Vmc. para seu conbecimento e devida
execucao na parte que lhe tocar, a inclusa copia
do termo de contrato celebrado com o bario do
Livrameoto para a coostruc^o de urna ponto de
ferro sobre o rioCspibariba no lugar denomiaado
S. Joao na estrada do Pao d'Alho.Remetteu-se
tambem por copia thesouraria provincial.
Dito ao juiz de direito interino de Garanhuns.
Com a copia da informadlo ministrada pelo bo-
ticario formador da ambulancia que para ahi foi
remedida em 3 do mez passado, respondo a ulti-
ma parte do seu officio a. 41 de 20 do mesmo
mez.
Dito aos agentes ds companhia de seguros F-
delidada da ctdade de Lisboa nesta cidade. Re-
meti a Vmcs.para seu conbecimento e direcelo,
as inclusas copias que me foram transmiltldas
com o aviso do ministerio da agricultura com-
mercio a obras publicas datado de 11 do julho ul-
timo do decreto n. 2,940 de 2(3 do mez paseado e
das instruccoes porque se davem reger as agen-
cas da companbia de seguros Fidelidade da ci-
dade da Lisboa, estabeiecidaa as capitaes do Im-
perio das provincias da Baha e desta.
Portara.Os Srs. agentes dt companhia bra-
aileira de paquetes a vapor mandis dar urna pas-
sagem de proa at o Rio de Janeiro no vapor
Paran em lugar destinado a passageiros de es-
tado, a Luiza da Cooceicao Pereira, que consta
aer desvalida.
Despachos do dia V de agosto.
Requerimmtot.
Bernardino de Souza Oragem.Informe o Sr.
director das obraa publicas.
Claudino Pereira Pinto Cavalcaoli. Informo
com urgencia o Sr, Dr. juiz municipal do ari-
ury.
Feiicisno Pereira da Costa.Nao tem lugar.
Jos Gaapar Pealaos.Informe o Sr. delegado
tncarregado da raparlico da polici*.
Bachsrel Luiz Carlos de M"galhes Breves.
Passe portara concelendo a luenga pedida com
?ancimentos na forma da Ui.
Mariana Jos do Sacramento. Prove a sup
pilcante por meio de exame na forma da lei a sua
eapacidade professional.
Mara Candida Baodeira Magalhes. Prove a
supplicante por meio de exame na forma da lei
ana espacidada professional.
Palatino Augusto Barbalho Ucha.Informo o
Sr. cepito do porto.
Hespanba e posseas5es .
Portugal a possessoes .
Suecia......
Dioamarca .....
Cidades Ilanseaticas .
Russia ......
Blgica 4 .
Hollanda e possessoes .
Estados sardos. ,
Austria......
Tarquia ......
Estados-Unido3 .
Rio da Prata, .
Chile.......
Portoa do Mediterrneo .
Ditos nao especificados .
757:560$
5,855:416J
2,592:669$
1,547:523$
4,621 528$
640:219$
1.903044S
106 416$
704:392$
761:144$
800:277$
39,993.691$
3,934:527$
529:074$
460:2798
902:461$
127,293:599$
0,59
4,59
2.03
1,21
3 63
0.05
1,48
0.08
0.55
0.59
0,62
31.41
3.09
0.41
0,36
0,72
mwm
Hela Itrio de iniaiterio da hieida
airtttiiariti a asaenHa geral le-
gitlMtiTa aa ttgusa *e**<> da dec-
ala tratim lefUlalira pela aiii-
trt e iecretaria de ettada das lega-
cas di fazeada Jas tai-i a da lilfa
Faraanos.
(Continnsglo.)
r.' Pai"'- Valor. uota
Graa-Bretanba a possessots 47.332:340$ 87.26
rranga e posseiseei 13,851:039$ 10,88
No qusdro n. 89 cima citado acharis os va-
lorea e qusntidsdes dos principses gneros ex-
portados no decenio de 1850 a 1860. dividido em
tres periodos comparados com o anno de 18C0 a
1861 ; e no qoadro n. 92 as qosnlidades, valores
e pregos medios dos mesmos gneros no ultimo
quinquennio.
Reexportado e baldesgao.O movimento com-
mercial desta natureza. no anno de 18601861
calculado em 1,598:186$. quadro n. 93.
Comparado com o de 18591880, aprsente
urna dnninuicio de 539:9469 a qual eleva-se a
1.060:403$ se referir-se a comparacao ao termo
medio dos cinco aonos anteriores.
Despachos com cartas deguis.Neste ramo de
commercio tambem houve diminuidlo no anno
de 18601861, pois que o valor dos geoeros es-
trangeiros despachados com carta de guia de
urnas para oulras alfandegas foi eolio, como se
v do quadro o. 94, 23.073:047$, menos que o do
anno antecedente 2.035:816$. Todava compa-
rado com o termo medio dos cinco aonos ante-
riores, a differenca para menos so de .
1,149 917$
Despachos de gneros nacionaes.O valor dos
gneros nacionaes, transportados de uns para ou-
tros portos do imperio, e sajeitos ao expediente
1|2 0|0 as alfandegas computado no anno de
1860-1861 em 17,249:534$ (tabella n.95) Com-
parado com o do anno precedente, a anda o ter-
mo medio dos cinco ltimos annos, acha-se um
augmento : no primeiro caso, de 5,096:495$000 :
e no segundo, de 6,648.366$O00 o que confirma
que a producto agrcola naquelle anno foi pros-
pera.
Totalidade da imporlacao e exportado.Reu-
nidos os valores dos gneros importados ao dos
exportados no aono de 18601861, acha-se que
o capital empregado as transaeges commerciaes
do imperio com os paizes estrangeiros durante
esse periodo, segundo as avaliacoes officiaes ele-
vou-se a somma de 244.219 942$000maior que a
do anno precedente 19.614:726#000 ou 8, 8 0i0 e
anda maior que a do termo medio dos cinco l-
timos snnos, na raiao de 21.796:418$ ou de 9.8
0[0 (quadro n. 96).
Commercio com o Rio da Prata.
Importfin.Como veris do quadro o. 97,
nossas transaeces commerciaes com os Estado
do Rio da Prata tiverm mai 'a-- ouimajao no
"" gneros dessa procedencia importados no imperio
subiram a 7,230:39sJ$000, isto a maia de......
2,310 216*000 que no aono de 1859-1860. Feita
a comparadlo com o termo medio dos annos de
1855 a 1860. o excesso sobe a 2,532:801$.
Eiportaglo. A nos9a ezportago, porm, para
os ditos Estados nao raceb-uo mesmo incremen-
to e deixou no balaceo geral das transaeces
commerciaes do referido anno am saldo contra
nos de 1,730:797$, que a differenca qae ha en-
tre os vslores da exportacao de 18601861, e os
do anno anterior (dito quadro n. 97). Essa diffe-
renca, tooiaodo-se para compsragio o termo me-
dio dos cinco ltimos annos, de 1,766:111$.
Reexportadlo e baldeacao.Maior foi atnda o
decrescimenlo no Talor dos despachos desta
natureza.
Tendo montado apenas a 454:045$000 no aono
de que so trata, como ae v do referido quadro
o. 97, esta somma meuor do que a do anno de
18591860, 439:376$O0O, o do que a do termo
medio dos cincos annos antecedentes.........
736:310$.
RECEBEOORIAS. MESAS DE RENDAS DE
3" ORDEM E COLLECTOHIAS.
O qusdro n- 98 mostra a importancia da reteita
arreesdada nessss reparticoes, assim no exer-
cicio Qodo de 18601861, e Ia semestre do de
18611862. como no quioquennio de 18561857
a 18601861.
Dalle veris que no ultimo exercicio a renda
chegou a 10.049.873S633. superior da 1859
1860, que foi de 9,548:166#977.
No 1* semestre de 18611862, supposto che-
gasse a receiti somonte a 4,1U:307$204, nem
por isso deve-se raceiar que nao altinja pelo
menos do exercicio de 18601861 ; por quan-
to oo 2 semestre e no addicional que se realisa
o pagamento da maior parte das rendas lauca-
das, como o imposto de lojas, a decima urbana e
outras contribuicoes.
Nos quadros os. 99 e 100 encontrarais a esta-
tislica resumida das casas de commercio e outras
de que trata o cap. Io do regulameoto de 15 de
junbo de 1844, estabelecidas tanto no municipio
da corle e provincias do imperio, como especial-
mente no dito maDicipto e provincia do Rio de
Janeiro.
Pelo qae toca ao estado destas reparticoes,
nada tenho quaaccreacentar ao que vos dase em
meu rclatorio anterior.
Atlendendo representado da junta directora
da aasociagio commercial da provincia da Baha,
com a qual se conformaram o presidente da pro-
vincia e o inspector da thesouraria de fazenda,
acerca dos embarajos que soffria o commercio
de dita praca todas as veres que lioha de re-
correr recebedoria das rendas internas, collo-
cada na cidade alta, para sellar seus titaloa,
mendei, por ordem de 12 de dezembro ultimo,
deatacar ds mesma recebedoria tres empregados
para aaxiliarem, oo edificio da alfandega, a arre-
esdajio do imposto do aello flxo e proporaio-
nal.
Na mesma occaso dei as instruccoes precisas
para qae aquella aervico ae eiecutssse com ro-
gularidade, e poaso assegurar-vos qae a medida
tem eatisfeito ao commercio, sem prejuio algum
para o Estado.
NATEGACIO.
Navegacio do longo aurso.O quadro n. 101
mostra qae o numero dos navios procedentes de
portos estrangeiros, que procurarais os do impe-
rio no aono de 18601161, sabio a2,765, luan-
do 878.598 toneladas, aom 33.767 pessoas de
aquipagem ; e o dos que sahiram dos noaaoa
portos para aa outras naces a 2,469, contando
916,491 toneladas e 32,330 pessoss de equipa-
gem.
O termo a lio das entradas nos annos de 1855
a 1860 foi de 2,902 navios, mediado 901,724
toneladas, com 31,237 peaaoas de eqaipagem ; e
o das sabidas de2,682 navios, com 939,291 to-
naladss, a 30,077 pessots de equipagem.
O anno de latliOleOl, comparado com o de
18591860, ostra ama dimnuicao naa entra-
das de 97 navios e 38,855 toneladas, e o accres-
cimo do 3,111 pessoas de equipagem ; naa sbi-
las, a diminuidlo de 3*5 navios, e 93,479 tone-
ladas e o accrescimo de 796 marohairoa.
Igual compsraQlo sendo feita com o termo
medio cima referido, apraaenta o anno da 1850
a 1861 ama dimioico, as entradas, de 138
navios e 23.126 toneladas, e o screscimo de
2.530 marinbeiros; as sabidas, a diminuico da
213 navios, mediodo 22,800 toneladas, e o
accrescimo de 2,253 pessoas de eq uipagem.
O aeguiote quadro moalra a parte que nesta
navegaQlo tave a baodeira nacional.
Entradas.
Navios. Toneladas. Equipagem.
18591860.. 327 29,081 1,658
Termo medio
de 1855 a
1860....... 407 30,794 1,860
1860-1861.. 499 22,089 1,827
Sahidaa.
Navios. Toneladas. Equipagem.
1859-1860.. 142 25.283 1,251
Termo medio
de 1855 a
1860....... 228 30.891 1,590
18601861.. 265 21.281 1M
Navegacao de grande cabotanem.Esta nave-
gacio teve mais algam desenvolvimento em
18601861, quer em relacao ao aono antece-
dente, quer comparativamente ao termo medio
dos cinco ltimos annoa (quadro n. 102).
Em 18601861 o numero das entradas nos
differentes portos do imperio subi a 4,795 na-
vios,_ cora 799.350 toneladas ; e o das sahidas a
4,435, com 746,043 toneladas; dando-se, por
tanto, um aagmento aobre o anno anterior de
1,683 navios as entradas, com 275.279 tonela-
das ; e de 1.352 as sahidas, com 237,610 tone-
ladas.
Comparado este movimento eom o referido
medio, o augmento em 1860-1861 foi de 1,626
navios com 338.443 toneladas as entradas ; e de
1,340, com 297,122 toneladas as sahidas.
Navegacao do Rio da Prata.O numero dos
navios procedentes dos portos do Rio da Pra-
ta, e que entraran) nos do Imperio em o anno de
18601861 foi de 708, como consta do quadro
n. 97, com 68,289 toneladas, e 3,798 pessoas de
equipagem ; e dos que sahiram com aquelle
destino 399, com 52,596 toneladas, e 2,688 pes-
soas de equipagem.
A bandeira nacional concorreu para esta na
vegaclo, as entradas, com 476 navios, mediodo
13,243 toneladas, e tripolados por 1,446 roari-
?oOS n8> ^"'d" com 213 navios, mediado
11,894 toneladas, e tripolados por 988 pessoas de
equipagem.
QKi?mp,r,da esla naveK(lao com a do anno de
1859 1860, v-se que houve para mais, as en-
tradas de 1860-1861, 257 navios com 3.930 to-
neladas, e 1,058 pessoas de equipagem, elevan-
do se o augmento dos nacionaes a 185 navios ; e
que as sahidas dea-se tambem o augmento de
94 navios e 154 pessoas de Iripulacao, a a dimi-
nuico de 18,018 toneladas.
As sahidas ds navios nacionaes apresentaram
o augmento de 142.
Fazando-se igual compareci com o termo
medio dos annos de 1855 a 1860. resulla para
mais, cas entradas 147 navios e 412 pessoas de
equipagem, e para menos de 3.043 toneladas ; e
as sabidas mais 17 navios e 283 mariuheiros. a
meos 20,479 toneladas.
as embarcac5ea nacionaes o augmento de
103 navios as aotrsdaa; e 52 naa sabidas.
RENDAS PUBLICAS.
*< ,.aro"u 2 apraaaata e arrecadsc>o rtns
rendas gereea nos exerciclos de 18464? a
186061, e delle ae deduz o progressu qua tem
lido a receita publica do imperio, em referencia
aoa annos a quinquennios ahi descriptos.
Para que mais fcilmente possaia apreciar o
progresso das rendas nacionaes, farei algumas
breves comparaedes nao a entre os termos me-
dios das arrecadaedes effectuadas nos tres quin-
quennios em qae ae acha dividido o dito quadro,
mas tambem das rendas resliaadas no 1* semes-
tre do correle exercicio de 18611862 com as
do Io semestre de 18601861.
Comparado o termo medio do 2* com o do 1*
quioquennio, resulla o aeguiote :
Augmento na
Imporlacao 7,635:165$309, oa 45,3 por cento
Exportsclo 407:766$364, 9,9
Interior 957:362$796, 21,1
Peculiar do mu-
nicipio. 311;I67$847, 34,4
Extraordinaria 278:565$802, 110,4
9,590:028$18, 35,6
Diminuico no
despacho ma-
rtimo. 247:940$368, 46,1
Augmento me-
dio. 9.342:0878750, 34,7 a
Feila a compareci do termo mlio do tercei-
ro com o do segundo quioquennio o resultado
este :
Augmento na
Importado 5.799:267*631, ou 23,7 por cento
Exportacao.. 2,257:375$816, 50,1 o
Interior.. 2,778:869$895, 52.7
Peculiares do
municipio. 608:307$245, 50,09
Extraordinaria 191:370|287, 36,05
PROVINCIAS.
e muni
Rio de Janeiro
cilo. .
Rab : .....
Pernarobuco. .
Rio Grande do Sul. .
ParS. ......
Maraobo.....
S. Paulo .....
Paraui......
C?ar......
Parshyba; .
Alago as......
Ilio Grande do Norte.
Piauhy......
Santa Catharina. ,
Sergipe. ; .
Espirito-Santo .
Matto-Grosso. .
Mioss-Geraes. : .
Goyaz......
Amazonas.....
D'fferencas para mais.
Differencas para menos.
ARRECADA CAO.
De 1859-1860
23.839:0058733
4.817:0008716
5.992:429j673
2.600:729$709
l,659:78Wg302
1,171:778$638
1,213:503$189
186:938$953
433:953$455
280 254*058
206:377$086
230:278$! 46
138:556$8I3
139:279854}
131:4178517
5<>.827$858
93:7163463
546:932*852
25:579558
11:456*831
De 18601861.
DIFFERENCAS.
Para mais.
43,789 806$125
Augmento.
30.380
4.321
5.054
3,233
2,120
1,122
1,236
193;
472
252
201
117
107
147
106
67
38
542
15
13
:5198953
:441018
7688561
:7578953
: 961$319
:138$196
:499$56
:208$O79
:647g53S
:207$126
ft25|069
:455g321
: 502*000
5798879
:629*695
:824$792
:957$I92
:955?752
:905928
:979*960
49,748:2295881;
7.711:4943450
1,753:070$689
5 938:423-5761
6,521:5148220
633:02S-5214
46I:I72$010
21:9968373
6:2698126
38:684}080
8:300j334
16:9968931
2:523$129
7,711:4948450
Para menos.
495:5598698
937:611*100
49:6408542
28 0463932
51523017
H2 8228zo
31:054^813
24:7873S52
54:759-271
3.977S10
9:6288630
1,733:070$CS9
Diminuico no
despacho ma-
rtimo. ,
ll,635:210$92l, 32.09
Desta comparacao reconhece-se que o augmen-
to havido na receila de 1860 a 1881 sobre a do
exercicio anterior foi quasi todo realisado no mu-
nicipio neutro e provincia do Rio de Jaoeiro, e
que proviocias bem importantes, como as da Ba-
ha ePernambuco, tiveram anda oo dito exerci-
cio miugoa de receita.
Pelo que, porm, se pode avaliar a vista dos
dados existentes no thesou.ro relativamente ao 1
semestre do exercicio correte, e fura de duvida
que a renda das ditas duas provincias e de oulras
que apresentaram decresciraeoto oo exercicio
passado, reassume a sua marcha ascendente, gra-
Cas abundancia das ultimas safras.
DesejanJo prestar ao corpo legislativo a maior
somm pWsivel de dados eslaiisticos, para me-
lhor apretiV o estado da prodcelo agrcola do
imperio, a Aa marcha as diversas proviocias, e
as causas do ieu progresso ou esmorecimento,
bem como a, influencia que sobre a importado e
consumo o% geoeros estrangeiros no Imperio i4m
"aalteracoes feitss na taiifa das alfan-
i circular s diversas tbesourarias
em data de 31 de outubro do anno
e que at ao fim do mez de Janeiro
mssem, cada ama em relacao pro-
ae se acha:
'odaeso tem augmentado ou dimi-
i-WcVfCu anteriores V"" '""' ~ *
jnarcha que a imporlacao tem se-
!ndo-se por base os cinco ltimos
degas, exp
de fazenda
passado, p
ultimo inf
vincia a
!-.
- .-*. ,.
la pane c
2o, quai
Ruido, 10
annoa ;
:!', se da
aullado mai
22 2758000, 7,7
Augmento me-
dio. .11,612:9458924. 32.02
Comparada a arrecadaclo etlecteada no primei-
ro semestre de 1861 a 1862 com a de igual lem-
po de 1860 a 1861, temos :
Augmento na
Imporlacao. 1,324:6018339, ou 9,3 por cento.
Despacho mari-
"> : 5:027g053. 3. cr
Exportacao. 571:433*667. < 18,4
Interior 134:6488163, 8,8 <
Extraordinaria. 158.032}993, 103,9
2,193.743$237, 10,03
10:190*121, c 8,3
Diminuidlo naa
pecaliarea do
municipio. .
Augmento real. 2,183:553$116. a 10,03
Conclue-ee destas compsraces que no decurso
do primeiro psra o segundo quiaqaennio hoave
um progresao annual das rendas pablicas na ra-
zio de 6,94 por cento, bem como qae no espaco
decorndo do segando at ao terceiroqainquenoio
tambem as randaa experimentaran) am creaci-
mento annual na rstao de 6,4 por canto. Aioda
fazendo abstraccao do clcalo fandadonoa terraoe
mdioa das arresadacoes quinqaennaes, se pas-
aarmos psra a compareci annual, reconhecer-
ee-he que do exercicio de 1847 a 1857 em dien-
te, axceptoados os aonos da 1858 a 1860, tem ba-
vido um Progresso annual naa reodas publicas,
na razao de 6,13 por eeuto.
Finalmente da compareci dos dous semestres
cima indicados, recoohece ae qae o ultimo er-
recadou maia que o anterior na razao de 10 13
por cento. Releva, porm notar qae esla ditlern-
Ca provem em parte da aa tarem alterado duran-
te o aeguodo semestre algumas tatas e cobrado
outrsa que nao existiera ao lempo do primeiro
Se coosiderardes as rendas em ralelo aos dous
unimos exerciclos, veris que a de 1159 a 1860
sem nclatr a qae foi arrecadada pela nossa saeo*
cia em Londres, chegou a43,7:806|ia5, ao pas-
eo que a de 1860 a 61 elevoo-ae a 49 748 229*884
a-a0/^?11^0 um rescimo de_____~
5.SMJ 423*761, como melhor se conhece da de-
monstrarlo aeguinte, que indica ao mesmo lempo
aa provincias onde teve lugar o augmento, e as
Selfi n!3? im[a^i0 "ceitaf conforme a
reduccSeade tarifa em vigor lem re-
ir consamo dos gneros favorecidos
e moaificapo dos seus precos no mercado, ou se
o beneficia, aproveitou tmente aos respectivos
importadores.
As informacoes que chegaram at este momen-
to nao eompreheodem todas as provincias, e pela
maior parle nao foram organisadas de maneira qoe
facilitassem o estudo das queates qoe formulel;
todavia.no que respeita marcha da importado,
as que foram fornecidas aproveitaram se na or
ganisscao dos msppas que acharis annexos a es-
te relatorio, edellas sern-meem patte para cho-
gar aos resultados que ao tratar da importacla
submetti vossa considerado.
Quaoto aos effeitosda tarifa, dellea me oceupei
j no lugar competente.
O qua podia inleressar marchs ds prodcelo
foi tsmbem aproveitado para o aperfeicoamento
dos respectivos msppas, em virtude dos quaes,
entretanto, sabe-se apenaaquanlo exportamos de
nossos productos, mas nao quanlo retiramos del -
les para o cooaamo interno da populaclo, sem o
conhecimento do que nlo ae pode avaliar ao cerlo
a quaoto moota a masss total dos productos. A
respeito deste ultimo elemento encelaram so al-
guna trabalhoa que podem maia larde dar-vos re-
sultados satisfactorios.
DIVERSOS IMPOSTIS.
Imposto do sello.A resolacio n. 1,149 de 21
de setembro do aono passado autorisou o g<>-
verno para rever o regulameoto n. 2,713 de 26
de dezembro de 1860, nao podendo augmentar
as texas nem estende-las a objectos novos.
A necessidade desta revisio autoritada pelo
poder legislativo nlo foi desattendida, o goveroo
a;teve muilo ero vista.iaxigindo daa estaros fls-
caes arrecadadoras do imposto, a das thesoura-
rias de fazenda, o que a experiencia Ibes hou-
vesse suggerido sobre lio importante assumpto.
O regulameoto de 26 de dezembro, comquacto
melhoraste em muitos pontos a legislado ante-
rior, e estendesse o imposto, como exigiam
as|precises do tbesouro, e podiam compor-
tar diversaa claasea de coniribainles, lola-
via auecitou duvidasem sua applicacao, e levaa-
tou queixas que teem algum fundamento.
E' neeessario por maio de urna revislo geral
remover aa dundas qua na pratica se apresenta-
ram ; mas recooheceodo-te por outro lado a
conveniencia de algumas alterares que exce-
den) dos limites que foram marcados pela citada
autorisaco do anno passado, enlendeu o gover-
oo que aquelle trabalho devia ficar para mais
(arde, e tratou aomentedo qua era urgente e es-
lava inteirameote de accordo com o vosso pen-
samenio.
Brevemente ser publicado um decreto, em
qae te explicara mailaa das disposicoea a qae
me retiro, o ae estabelecem outras qae parecem
bem aconselhadas, j no intuito de tornar a ar-
recadacio do imposto do aello mais eflicaz, j
com o fim de beneficiar oa contribuintes pela re-
duccao das taxas, facilidade do pagamento, oa
eencio de toda a dependencia fiscal.
O imposto do aello um dos mais producti-
vos, a mais susceptiveis de ampliarlo aero gran-
de onas nem veame para os contribuintes ; e
neale sentido importa muito facilitar a cobranc,
evitando todo o rigor fiscal qoe nlo teja neees-
sario.
Posauida desta idea, o governo nao hesita em
restabeleeer algumas isences qae exisiism an-
tea do regulamento de 1860, e dispensar assim a
reten ;ao dos ttulos incursos na revalidacao, sen-
do que |para os effeitos legses bastar urca
copia authentica, como o requerimeoto a que
obrigado o portador do am titulo para haver a
dillarenca entre alna legal e a que effecliva-
mente psgou.
Por outro lado tambem certo que a expe
riencia aconselha providencias qoe escaparam
prstalo do regulamento actual, sem as quaes
muitos abuaoa a simulares serlo inevitsveis, e
nao lerio effeilo algumas das disposices do mes-
mo regelsmaato.
A penalidade em alguus casos muito forte, e
a imposicao daa multas nao est preeisameote
regulada, no que toca competencia das autori-
dades qua podem applica-las.
O meio execative, s adtaittido actualmente
para a cobraoea das multas, e do sello do capital
daicompjohias, uilhetts de lotera* tilufoa aa
portador, deveser extensivo aos casos de revali-
daclo, como effeito neeessario do que se prea-l
creve a este respeito.
O emprego do sello adhesivo pode facilitar
muito o pagamento deste imposto, e mesmo evi-
tar abusos que ora sao possiveis com o systems
do sello por verba em algans pontos do imperio.
Mas o sello adhesivo tem tambem inconvenieo-
lea proprios, que nlo devem ser desatendidos]
como o atiesta a cautela com que oulras nar,6.?s
0 admittirsm, e o regulamento de 26 de dezem- j
bro leve bem em vista quando deixou inteira-
mente dependente da experiencia a applicacao
desssa forma de sello.
O uso de tres diversas estampas de sello adbe-
alvo, como quer o citado regulamento. alem de I
muilo dispendioso, segundo ss informacoes rece-1
bidas de nossos agentes em Londres, pnderia
cafaar difculdades e confusio ao publico e aos j
recebedores do sello, pelo menos no comeno de
urna execucao nova para nos, e que nlo deve
ser lio facilitada como a das estampilhas do
correio.
A iolencio do governo cnsaiar o emprego do
sello adhesivo em escala mui limitada, e por
meio de estampilhas, de um s modelo, que, as-
sim como o papel sellado que o estado foruete
presentemente, servirlo indisliric.ian-.-nit> nara, o
~., -_ ,.-r>"vuai ou nxo, visto que oao a
denominado da estampilha, e sim o quantum
da laxa, que importa cobraoea do imposto.
Por este modo camiohe-ae com jusliicavel pru-
dencia, e attende-se mais a economa dos cofres |
pblicos, que ser maior se as oDcinss da casa
da atoada, cano se espera, poderem preparar as
chapas das estampilhas, recorrendo-se ao auxilio
da industria estrangeira nicamente psra a se-
qusimo do papel especial em que devem ser
impressas.
Ponderei-vos que o imposto do sello pJe ser
estendido a oulros actos nlo comprehendidos no
actual regulamento, sem que dahi resulte sensi-
vel grvame populaclo ; agora accrescentare
que esta medida parece convenienle, nlo tanto
para augmentar a renda, como para symplilicar
Oayatema da arrecadaclo.
Taea ionovacoes, porm, nao; cabem na facul-
dade que dsles ao governo, dependem anda de
vossa iniciativa. Apontei quaes ellas podem ser,
se nao quizerdes maior ampliecio, que por em-
quanto nao me animara a aconselhar-vos.
As letras sacadas em paiz estrangeiro, e que
sao aceetas e pagas no imperio, esto iseotasdo
sello proporcional, como expresso no actual
regulamento, que se conformou ao ditposto no
arl. 15 da lei n. 369 de 18 de setembro de 1845.
Esta isencaoa favor das letras sacadas de ou-
lros paizes nlo parece conveniente que subsista;
pelo menos est em desaccordo com o exemplo
das principses nares com quem comrner-
ciamos.
Seria somente razoavel exceptuar aquellas
que, nlo sendo pagaveis no imperio, todava
eirculem por nossaspragas, e sejam ahi nego-
ciadas, csso em que esto as sacadas entre as
pracas da Europa e do Rio da Prats.
As cartas de crdito expedidas para paizes es-
trangeiros nlo devem tambem gosar de sealo.
Creio que oio eslava tambem na mente do au-
tor do regulamento iseota-Ias, mas o arl. 3a,
dispondo que o sello nlo seja cobrado da pro-
prla carta, mas dos ttulos da obrigagao a que
que ella der lugar, isenta de fado os elfeitos
commerciaes desta especie, quando sao passados
para fra do imperio.
Coovm exceptuar daquella disposicao as ditas
cartas. O governo nlo o lar no trabalho qae
tem entre mos, para cumprimenlo do que he
recommendastes, pelo respeito que deve letra
da jai, que parece preterver urna desigvaldade
prejadicial aos inleresses do estado.
As letras dt cambio, em geral pdem pagar o
mesmo sello da tabella correspondente s letras
da Ierra, cobrando-se do mesmo modo que des-
tas em ama s vis.
Quando ae permiltio o uso do papel sellado
ero branco, pareceu indiipensavel que todas as
vas das letras de cambio fessem selladas ; e vis-
to que recahiris sobre ellas um imposto exceisi-
vo, se todas pagassem como aa letras ds trra,
formou-se urna tabella especial, augmentando-
se de 100 ria, para evitar frarcoes, a quota de
500 ria, que era a taxa de ama letra da ierra de
1:000$000, e divldindo-se a somma de 600 ris
em tres taxas iguaes de 2C0 ris, qae deviam
corresponder s tres vas do urna letra de 1:000J.
A experiencia, porm, lem revelado queaexi-
geocia do menor aello em cada va em cerlos i
casos Iludida, e que o imposto se toros assim ;
desigual, por depender do numero de vits das
tres que se passarem am.virtude de urna mesma '
operaclo.
Eviar-sa-ha este abuso, exigindo que se ps-!
gue o sello na altima va das letras sacadas so-
bre praca estrangeira, e na qual fr aposenta-
da ao aceite e pagamento, qaindo os saques se
rasen deuma psra outra provincia do imperio ;
mas subsistir a notada desigualdtde de impoeto,
e maior trabalho para os ageotes fiscaes e para
oa contribuintes, tendo de reger-se poc duas la-
bellas diversas, e calcular a laxa pelo numero das
vas de esda saque.
A tabella dos escriptos so portador nlo tem hoje
applicacao senlo ao bancos de circularlo, ni-
cos qae podem emittir taes titalos, depois da lei
n. 1.083 de 22 de agosto de 1860. Poder-ee-hia
tupprimir mais esta tabella especial, sujeilando
os ditos tilulos s tsxss da letras da trra, ae
fosse adoptada outra forma de pagamento, como
em parte reclamam os mesmos estabelecimentos,
e oomeadamente o. banco commercial e agr-
cola.
A rosoluQaa de 6 de setembro de 1852 manda-
va cobrar o s-ulo dos bilbetea ou vales dos ban-
cos de circulscjio por semestres, e na razio do
valor total da amistio autorsada pelos estatutos.
O reguUaavQ'.o de 26 de dezemsto de 186-0, *>
tabelecendo tabella especial para ates lulos
exige o pagameoto do imposto annuairaente, du-
rante o mez de julho, e manda calular a laxa
sobre o termo medio dos bilhetea da cada clas-
se, emittidos nesse periodo de doze mezes.
O banco commercial e agrcola represenlou
contra aquello segundo o modo de calculara im-
posto, pelo effeito que pode ter, de restriogir a
! emissae legal dos bilhetes de menor vlor. Creio
| que se p Je simplificara arrematadlo do sello
dos bilhetes dos b.ncos, a de quaesqaer ttulos
so portador, que para o futuro a lei permits -
mittir, coociliando ao mesmo tempo o interesse
! publico com o particular.
Conseguirse hia este ultimo resultado, co-
brando as laxas pela mesma tabella das letras
da trra, por semestres, e sem alinelo s clas-
tes dos bilhetes, como era preseripto pela lei de
6 de setembro de1852; sendo, porm, calculado
o imposto sobre o valor total da eroisssao effecti-
va, e uflo sobre a autorissds, que nam sempre
j corresponde ao fecto sobre que assenta a impo-
| sicao.
Adoptadas as medidas que deixo indicadas,
em lugar de tres tabellas haveria urna nica para
o sello proporcional.
Os quinhoes hereditarios e legados esto su-
. jeilos ao sello proporcional (rls. 14, 15 e 38, $
16) ; mas todos psgam a mesma taxa, posto qa
nem todos paguem o imposto especial de qua
trata o regulamento n. 2.708 de 13 de deiembro
i de 1860. Nlo seria desarrazoado exigir dos pri-
meiros actos o sello proporcional del|5oudo
ll2porceDlo, em lugur da taxa actual de lilO
por cento.
Admiltida esta ioa, seria preciso provideuciar
de modo que as provincias, onde niohouver im-
posto de herancas e legados, nlo se dsse desi-
s'gualdade ; o que se evitara fcilmente desde
que a nova taxa de sello ae estendesse a to-
dos os herdeiros e legatarios isentos do referido
imposto de successlo legitima ou testamen-
taria.
No tocante ao sello Oxo- tambem parece conve-
niente alterar algumas das taxas actuaes.no
mesmo sentido de igaaldada de tarifa e maior
facilidade de arracadaclo.
O regulamento vigente, redoziodo a duas ss
taxas dos autos, nlo provou inteirameote a con-
veniencia de simplificar o mais possvel a ap-
plicaclo do imposto. A taxi de 200 ris, que
se cobra do alguns autos, e de gnnds numero de
papis que delles fazera parte, satisfara aquella
condicio com pequeo onus para os litigantes.
O sllo dos livros poder ser de 100 a 80 ris
para todos os que tiverem ss dimensoes ordina-
rias marcadas no art. 63, e de metade no caso
contrario, abolida a diversidade de taxas qae es-
tabfleceu o art. 61, com recouhecida desi-
gualdade em relajo a certa3 classes de contri-
buintes.
Os tilulos de doutor ou bacharel formado pe-
las nossas faculdades pagam a taxa de 25$C0O.
entretanto qoe os de doutor em medicina e ou-
lros passados peas uoiversidades eslrsngeiras-
estlo sujeitos diminuta taxa de 200 rs. Creio
i"""1'. taaM ondftaar elevada a 10$000 semde-
irfmento ddsqub usarem de taes ttulos, e coa
manifesta juatica, comparad o.ss imposir.lo com
st que. assenlam sobre oulros diplomas scientifi-
cos e lilterarlos.
Estas alleracoes, ou outras que julgueis oais
adequadas ao fim que devemos tor em vista, de
alargar a base deste imposto, sem lorna-lo mul-
lo pesado, nem vexalorio em sua arrecadaclo
convena que fossem desde j decretadas, para qu
a revisao geral do regulamento fosse to com-
pleta quanto de desejar.
Toda a niformidade possvel as taxas impor-
tara, como sabis, facilitar o emprego do sello
adhesivo, que vamos experimentar, e que ser
preferivel ao uso do papel sellado, o qual pela
dlucaldada e custo do seu transporte se acha
anda liaitado corte e provincia do Rio de Ja-
neiro, e ao do sello por verba, que moroso, e
nao menos exposlo fraudes que qualquer doa
oulros.
Do mappa n. 103conhecereis a renda do im-
posto do sello flxo e proporcional lem, desde o
exercicio de 18471848, crescido progresiva-
mente tanto na corle como as provincias.
No referido exercicio a importancia arracadada
2 f,c,,,1pu. na recebedoria da corte, a ris....
266:4b$850 e uas provincias, a 370:0108937 : no
ultimo exercicio de 18601861 subi naquella
?tt&mmm*n e n" Provincias a
1,OVZ:ds4*012.
Emolumentos.A arrecadaclo da renda pro-
veniente dos emolumentos pela expedido dos ti-
lulos ou nomeaces de emprogados, e"que hoje
faz parle da receila do estado, lem lugar de um
modo lio variado e desigual, que nao se pode
desconhecer a necessidade de urna medida que
oniormisando as tabellas das diversas reparti-
coes, acabe com a anomala que se nota actual-
mente, da qual resulla prejuizo ao thssouro ou
s parles.
Nao a natureza nem o vencimento do lugar,
mas a secretaria, ou o ministerio, por onde sao
expedidos os respectivos ttulos e oomeacoes, qua
serva de regra para acobranca dessa contribui-
Co Assim, comparadas as tabellas de 21 de Ja-
neiro de 1813, de 19 e 20 de abril de 1844, o 5
de fevereiro de 1859, conhece-se que o titulo de
um empregado, cujo vencisiento seja de um con-
t de ris, eet sujeito a pagar de emolumentos:
se pertencer ao ministerio da jastica, 27$000
ao da fazenla, 388500 ; ao da marinha, 31S306 '
e soda geerra, 718833
A' vista de semelhanle desigualdade nao me
demorarei em demonstrar-vos a oecessidada de
ser o governo autorisado para regularisar este/
servico, pondo logo era execucio urna tabella
igual para todot os miniateriot, teudo todava,
submettids vossa spprovacio na futura sessao-
da assembla geral, para sofrer as alleraQOt que.
julgueis acertadas, e com a clausula denlo ser
estibelecida qaola algama superior mais eleva-
da das tabella que hoje vigorara.
Direitos oovos e velhos e de chancellara. _
Disposicoea anschrooicas, algumas das quaes d
lam de mais de dous seclos, como os reata' .D-
loa de 14 de Janeiro de 1859 el1 de novembr j'd
1861, aioda regulara hoje a arretadacao do d_
relies novos e velhos, e de chancellara.
No exame e tomada de cootas dos *>i arlnre
de reodas .ublicas que principalmente nh
serva quao vacillante e incerto o eonr JLT
to deste imposto, resultsodo d'abi a eo> ',.z "*
^e.B^aahr|idell"Aq1,," rBpre em Vt***'u en:
dt pubiiea. a legislecao concerne!* eslB ...
cumplo carece de ama reforma radie 8j.
Impoato sobre o consumo de agurdente O
quadro n 6 voa mostrar que a re odi d8te'im_
posto sobio, no exercicio de V .fi) __ i
230 943*017. Tendo a de 185- -60 eheg.do ape-
nas quantia de 168:356*223. ,,,, E?1
raiga em favor daqueile exrr,cj0 de 62:586>794
Com quanto no 1 wnat,e de 1861-62la ar
recadacao nao execedesse de 97:0598021 ha to-
dava esperance de que a do 2' semestre tej su-
perior, a aleve aaaiaB a r/,ealla no fim do exorcll
KtaT SOmIB ,"'1 q" M "oarno
Continuando aa que.xas de rju votdei noticia
no relatorio, que roe coube o honra de acre en-
lama ultima HMte legi.la.uva, contra disoo-
Sa JSESST& Io l" SStlniasa
i c?b,'D5a 6 ^W'^io desta imposto.
?IJ. ,raU de ""-r. quanto ihe posai-
rnAriJ '" teclamS0^s, mas o systama da arre-
"vao,dette imposto co ser:cebalment*roelhr-
raoo, le n5 ranovardea a aotonsaco cooferida
W'j art. 15 | Io da Ui n. 840 de 15 de aet*mbro
a 1855.
i Diiima de chtoctllaria.O decreto d. 2,743 da
MUTILADO
<%
ILEGVEL


bl ftt PB14MBDG0| MI SEGUNDA FEIRA 11 B AGOSTO DE 1861.
evereiro de 1861, c-ipedido para regular a co-
branga da mulla sabitituliva do imposto de 2 0iO
iia diiima de chancellarla, coala pouco mala de
um auno de execugo.
Elle tempo insufficiente para demonstrar os
vea inconvenientes, j quuolo forma da arre-
cadago, j quanto natureza da imposigo.
Algumas uviJa te teem levantado, potm
rarifsima a le ora que nao produz o mesroo
resultado. Asqueixasque conlra ella se formu-
lan) nao bastam por si s para determinar a sua
completa reforma, podendo apenas, se justas fo-
rero, servir de fundamento para algumaa altera-
raget.
A id de extinguir-se essa multa, e substi-
tui-lo por oalro qualquer imposto, ou por algum
j existente em quoto mais elevada, nao pode ser
aceita senSo depois de escrupoloso exame que
ponha patele a conveniencia de tal substituido.
Entre as duvidas suscitadas, segundo ss infor-
magoes ha pouco recebidae de alguns agentes da
admioisiragao publica, avultam as seguintes :
Se r pobre o appellante, ser obrigado, alm
de cutras provea, a justiGcar com juramento a
circumstancla da pobreza a fina de que lbe nao
eeja exigida, esmeute averbada a mulla? Pa-
rante quem dever ser prestado o juramento f E*
o jutz ou a reparlico fiscal quem deva loma-lo?
No caso figurado pelo art. 1?, 5*, deve-se tam-
tem exigir o juramento da parte, como se dispe
no 6* do mesmo artigo ?
Para que seja devido e cobrado imposto de
2 0|0, averbado anteriormente publicado do
decreto, preciso que anteriormente tenha pas-
sado em julgaco a sentenga f
Estas duvidas sero brevemente decididas pelo
governo.
Urna deltas, porm, depende de decisao do po-
der legislativo, e a seguinte :
Tem excitado censura a disposigo do art. 4o 3a
queobriga ao pagamento da multa logo depois de
interposta a appellago dando o appellado o direito
de requerer que seja julgada perempti a mesma
appellago, se o appellante nao pagar o imposto
dentro de um certo prazo. Pondera se que esta
disposigue exorbitante da autorisago legal,
porque crea, a titulo de iscalsagao da multa, e
sem razao bstanle, mais um caso de perempgao
do recurso.
E' verdade que se po'dera ler preferido o sys-
lama francez, que manda cobrar a multa depois
de decidida a appellago. e s quandoo partede-
cahe absolulamente dtlla. Mas do fado de se
ha ver estatuido pela forma exposta, para se con-
seguir maior facilidad e seguranza na fiscaliea-
rio, parece me que nao deve nascer consura ra-
eoavel ; porquanto o governo podia assim legis-
lar em virtude da autorisago que lhe fra con-
ferila. Demaii contra a dureza da medida ha
um correctivo, j as reililuigdei.
Qual, porm o recurso competente da decisao,
que julga perempta a appellago por falta de pa-
gamento da multa t
Da urna sentenga proferida nesse sentido, a
parle, em falla de um recurso especial e prcmi. lo,
usou da appellago, que fez seguir e de que se
conheceu ; sendo que, na hypothese, a decisao
do juiz a quo fra injusta ate porque a multa j
se achava i ffettivamenle pegs.
E' de prioieira inluigao que ha nccesiiJade de
um recurso contra a sentenga do juiz que pode
ser injusta assim como que esle recurso deve ser
prompto e de breve decisao, mesmo para que, on
caso de appellar delle a parte, nao surja a duvida
da falta de pagamento da multa, o que seria gy-
rar em um verdadeiro circulo vicioso.
O remedio, que se propoe como mais natural,
o recurso de aggravo de peligo ou instrumen-
io ampliando-se para o caso o disposto no ari. 15
doii 9 do regularmento de 15 de msio de 1842 e
art. 669 g 8 e 13 do decreto D. 737 de 25 de no-
vembro e 1850.
Em vossa sabedoria resolvereis o que or mais
acertado.
As decisoes dadas pelo governo sobre o impos-
to de que se (rata limitarn-se s seguintes :
A orden) n. 399 de 13 de setembro do anno
passado declarou que a simples quolidade dene-
ociane fallido nao bastante para que um indi-
viduo seja considerado pessoa miseravel, am
e que he posia ser applicjvel a isenglo-do arl.
a" do decreto o. 2,763.
A de n. 456 de 15 de outubro do mesmo auno
deterrjjioou a um collector que, no caso de appel-
lago das causas, em que so pagou iodevidamenle
a dizima pela legulago anterior j alterada, de-
vana cobrar tao (oxete a differenga entre as
anas laxas ; Ccando salvo s partes, na hypothe-
se de te verificar o encontr, o direito de pwHr
reslituigo da dizima, a que nao eram mais obri-
jpdas.
Finalmente, a de n. 485 de 25 de outubro ul-
timo estabeleceu a doulrina de que, paga a multa
na occaeiao de ioterpr-se a appellago da causa
principal, s na hypothese em que a causa seja
annullada, e, instaurada nova acgo, se rpita a
appell.ic.ao, dever tambera, ser repetida a co-
kranca da mulla.
Taxa de herangas e 'egados.Varias duvidas e
algumas dellas bem graves, teem apparecido so-
Lre a execugo do regulamento n. 2,708 de 15 de
ezembro de leKiO, expedido em virtude da au-
torisago conferida pela lei n. 514 de 2t de ou-
tubro de 188, artigo 46, para a arrecadago da
laxa de herangas e legados. Passarei a enume-
ra-las :
1." Os frlhos ?purios, isto de pessoas entre
as quaes luna impedimento para o casamento,
legitimados por carta para succederem, mesmo
abintestado, sao isenlos da taxa?
2.* L' devida a laxa das doagoes estipuladas em
cscripturas ante-nupciaes para se vericarem por
rrorte do doador ?
3.a As novas isengees consagradas no arl. 6o
to regulamento citado sao extensivas s herangas
e legados adquidos anteriormente promulgago
delle, dando-se-lhe assim um effeito retroactivo,
em prejuizo do Estado?
4.a A isenco da taxa, quanto as alforrias,
extensiva aos servigos, que o liberto que por-
rentura obrigado a prestar?
5.a Sendo nomeados para avaliarem bens em
inventario alguns '.Bogadores da recebedoria, de-
vem prestar novo juramento, ou podem ser ad
anuidos a servir aob o juramenta do cargo ?
6.* Desde quando se deve contar a taxa do uso
ructo de legados e heraogss; da data do falleci-
mento do testador, ou de outra qualquer ?
7.* Se as dividas de herangas nao consistirem
ein titulos, nos termos do regulamento citado,
artigo 19, e constarem, verbo-graga, de livros
commerciaes, devem ser esle recolbidos ao de-
posito publico?
8.a Aavaliago de acgoes de companhias e ca-
iros ttulos, no caso do artigo segundo do regu-
lamento, deve-ie referir ao dia do fallecimento
do testador ou do intestado, ou a alguma outra
poca ?
9.a Dos legados e herangas em moeda forte,
como computar-se o valor para o imposto? Pe-
lo cambio medio do dia do fallecimento do tes-
tado ou intestado? E se nesse dia nao houver
cambio ?
Como computar-se o dos legados e herangas,
e apolices da divida publica nao existentes no
espolio?
10. O artigo 36 do regulamento applicavel
somonte aos usufructuarios anteriores promul-
garlo do mesmo, ou tambera extensivo aos futu-
ros? O imposto era divida de que ahi se falla
comprebende qualquer taso, ou relativo somen-
te ao que cooslar depois de aberta a conta na re-
partigo fiscal ?
IIa Se o herdeiro ou legatario de urna proprie-
dade, verificado o caso de extingSo de usufructo,
a requerer e nao puler mostrar quo nada deve
da taxa do mesmo usofructo dever o juiz deixar
de o julgar extincto, ou exigir que satisfaga a
ttxa?
Eis as duvida principaes sajeitas i considera-
cao e exame do governo, e de cuja solugo seris
opportunamente informados.
ma qoestio snrge, porm, cuja solugo nao
parece caber nss atiribuigoes do governo.
B a seguinte :
Pode a Santa Casa da Misericordia ser institui-
da herdeira, nao obstante a sua qualidade de cor-
poragao de me mora ?
O regulamento citado no art. S* 11", falla
tambera em herangas, e j anteriormente liase
< mesmo no de 4 de junho de 1815, art. 7o pa-
ragrapho primeiro.
Todava o alvar de 28 de setembro de 1810,
iseotando aquella corporago do imposto, apenaa
az meaejo de legados, talvez porque reputou em
jigor ajjohibirao de ser ella instituida herdei-
'kiX'm^ lei da 'morlizsgo.
Ai*?*4.60.de 30 de "gosto de 1847, artigo
ZSZr n^D r.'8!' verdae. Ssota CM para
poder possuir todoi os bens de raiz, que de futu-
ro adquuisse. por qualquer titulo' oneroio. ou
gratuito, dispensada, para esse m lmente,
iei qu^a prohibem a amorlizago.
E'pbrtanto duvdoso se, vigorando estas leis
em todo o mafs para a corporago de que se traa
entrou oa mente da lei de 1847 dispensa la da l-
ceng para Uei cqaiaigM por titulo singular ou
i "b''i? ? Prohlb'Sao de Mtituida her-, Siza de bena da raiz.E' talvez eate o mpoi-
ueira, e adquirir assim por titalo univenil. mais lugeito a defraudaggo.
tmnosto obre lojas.E* geralmenta reconheci-
do qua o impoito de lojas nao deve subsistir so-
bre as bates actuaes, que o tornan
Devendo assenlar sobre o prego real da com-t
ira e venda,dos arrematares,trocas e doaces in
- deficiente, e solutumde bens de raiz.ua forma do alvar de 3 de
desigual emita distnbuigao entre aa pequins e 'junho 1809, a declarago dolosa que fazemw con-
ai grandes Induilnaa. Pode ler muito mais pro- tribuintea, assignalando leimmovel cuia trani-
ductivo lemjuitoclamor da parte de algum con- misiSo atributada, um valor inferior ao da
um
transacrao, e elevando o dos movis e icmoven-
tes.qusndo vendido,ou por qualquer modo alie-
nados englobadamente com os bem de rali, di a
este imposto urna falsa base de uercepcao, que
prejudica grandemente aos direiloi da azsnda.
E tanto mais difficil de prevenir esta fraude,
quanto ella se passa apenaa entre os contratan-
tes, cuja impunidade Oca plenamente garantida
pela sotidariedsde do proprio interesse que os
iodux ao silencio, aOm de furtarem iancgao
tribuintea que hoje pagam menos do que podem
pagar, e com alllvio de outros que ioflrem de al-
guma torte o peso dena desigualdade.
A aiiembli geral, revogando o annopassado,
da acc^rdo com o governo, a aulorisagoque ha-
via dsdo para a reforma do imposto de lojas pala
i numero 1,114 de 27 de setembro de 1860, ar-
tigo 11, paragrapho 10, nao dcscooheceu por
certo -a conveniencia da medida que se linha em
vista. Sen pensinenlo manifeito foi adiar a re- .
forma para occailio mal opportina, e incumbir | panal.
ao governo mais acurado exame da materia. Empenbado no esludo serio meditado das
O governo assim o compreheodeu, e nesse in- medidas que convem adoptar pira remover este
' procurou colligir ampios esclarecimintos abuso, aioda nao pAde o governo usar da autorl-
ssgao que, para melboramentoda arrecadagao da
siza dos bens de raiz. lhe conferio a lei a" 939 da
26 de setembro de 185T, art. 12.
Entretanto algumas decisdea importintei pro-
ferio o tribunal do theiouro, que flrmaram regra
sobre o modo da cobranga deste imposto. Urna
dellas a que declarou isentas de siza as trans-
ferencias de errendamenio de predios.
eu-so isti decisao sobre o caio de transfe-
rencia de arroodamento por tempo certo, ao
qual ara inherente a obrigago de pagar o inqui-
liso a decima do predio arrendado. Requeren-
do a parte inleressante que se averbasse a su-
blocagio, a recebedoria da corte exigi o paga-
mento da siza do contrato de traspasso do arren-
damento, fundando-se em que um tal contrato
envolva irsspasso de usufructo das bemfeiloriss
sujeitas decima urbana.
A directora geral do contencioso foi de pare-
cer que de tal cessao de traspasso earrenda-
mento nao era devda a sisa, porquanta este im-
posto recabe nicamente sobre a transferencia a
titalo oneroso, de direito reaes, e o contrato de
que se pretenda cobra-lo era urna simples su-
blocagao ou subarrendarento, que nao encerra-
va em ai nenhum elemento de direito real.
A secgao de fazenda do conseibo de estado
adoplou esle parecer, por julga-lo conforme
com o direito, e de acord com a ndole e natu-
rezado imposto da siza, o qual cessa logo que
se nao (ransfere o dominio pleno, dincto ou til
do immovel.
Nesta conformidade foi lomada a imperial re-
solugao de consulta de 3 de julho do anno pis-
tado.
O tribunal do thesouro, dindo provimeoto ao
recurso interposto da decisao, que mandara co-
brar a siza, no caso vertente, declarou por cir-
cular de 28 de abril ultimo que, na frma da ci-
no era devido o imposto [pela
patio de arrendamento de predios,
mas lo tmente nos cssos de compra e venda,
arrematagoes, trocas, dages t $olulum de bens
de raz, como expresrmele odeclaram o alvaii
de 3 de junho de 1809 e a resolugo de- 16 de
fevereirode 1818.
A ordem n. 405 de 17 de setembro do mesmo
anno (1861], explicando o sentido das de 23 de
agosto de 1850, 18 de setembro de 1851, 25 de
Janeiro de 1854 e 12 de Janeiro de 1855, confir-
ma a doulrina de que o direito de remir, inde-
pendentemente do pagamento de siza, as dividas
de herancas, s poda assislir aos berdeiros do
devedor e ao viuvo inventarame antes de con-
sumada qualquer execugo contra a mesma he-
ranga ou de effectuada a partilba, nao podendo
ser isentas do imposto as adjudicaeea de bens
da heranga feitas, posteriormente a taes tactos,
aos herdeiroi da mesma, ou aoconjugeinventa-
riante sobrevivente.
Suscitndose duvidas sobre o lugar em que
e f, 6^d,64?VUch? e devi. pagar a aiza doa bens transferidos, por
n. ri 525 addlcl0D81 de,x,r l meio de arrematago ou adjuJicsgo judicial.
1e.!e!:.c.1b_r*da n,a c*.rle. deDl' d.e Puc<> l*P<>. declarou-sepor circular : 1, que o -Mo n. 219
de 26 de agoito de 1851, estabe!ecen"j> que o pa-
tuilo
em todas as provincias do imperio, palo interme-
dio das repsrtiges fiscaet, tendentes ou a adop-
tar-te, com modifictgdas rezoaveis, o syslema
formulado na lei de 1860, ou a subslilui-lo por
outro que stja mais conveniente.
Varios desses asclareclmentos j foram trana-
miltidos ; outros te aguardara do zelo das pes-
soas a quem foram exprassamenle recommeoda-
i dos.
Segundo alguns fuoccionarios, o melhodo adop-
tado pela lei de 1860, para a percepgo da taxa
fixa e da variavel, presta-se a diversas interpre-
[ tages, e traria desigualdades prejudiciaes ao the-
souro ; pareci-lhes outroaim conveniente a sup-
j pressao de algumas excepges que as disposigdes
: em vigor admittem no pagamento desse imposto.
Outros ponderam que, em lugar do imposto co-
, mo o quizera estabelecer a lei de 1860, se tdop-
. tasse urna taxa fixa, mas grogressiva, ou que se
(applicste o syslema do sello flio e proporcio-
nal por meio de tabellas melhor organisadas do
que ts do regulamento de 15 de junho de 1844.
O governo presta a este assumpto a considera-
gao de que digno, e vista das informagoes
aioda nao recebidas e de reflectfdo exame sobre
todas, tratar de habililar-se para corresponder
ao pensameoto com que adiaslea na ultima ses-
sao a reforma que se projectava a respeito do im-
posto de lojas.
Os esclarecimenlos recebdos pde bem patente
urna difficuldade da questo, que nao era de to-
do ignorada, e vem a ser, a existencia de impoa-
tos provioeiaes da mesma natureza. que releva
ter em muita considerago no referido projecto.
Decima urbaua, e da legua alm da demarca-
jao.A renda de cada um deslesrrpoitoa cres-
ceu no exercicio de 1860 a 1861. Em 1859 a 1860
produzio a decima urbana, que, como sabis, s
Sm?SloPi0 ne?-lro,. r;od" oral- a 1uanUa de
98.b73s991 nos limites da demarcgao da cidade ; tada resolucao
entretanto que no exercicio de 1860 a 1861 ele- cessao e trstos
vou-se a 1.064:8785224, dando assim um augmen-
to de 84:O04S33.
Da relativa legua addicional, tendo-se arre-
cadado em 1859 a 1860 a quantia de 17:0165688,
em lt60 a 1861 chegou o seu producto a.....
17:6668144, verificndose urna differenga para
mais de 6498456, a qual unida ao augmento que
no meamo exercicio leve a decima nos limites da
cidade, eleva a differenga em favor do ultimo
exercicio a 84 6535689.
W". 1,114 de 27 de setembro de 1860, art.
12 8#, determinou que para o pagamento do
imposto addicional da corte devia regular a de-
marcagio que exittia em 1832. quando foi elle
estabelecido pelo Ia do arl. 2o da resolugo de
23 de novembro. Aviso n 396 de 27 de dezem-
bro de 1860, explicando esta disposigao legal, de-
clarou que s tinha ella por fim extinguir a d-
cima addicional medida que avangasse a de-
marcaco ordinaria, que continua a ser feita em
couformidade do
de 1845. Assim
meta abrigada pelas outras. Realmente que de-<
Vem por ahi alm fazer|muitos outros estragos es-
tes terrivels tufoes, e nao sabemos mesmo como
bao resistido os telhados das casas, expostos
acgo immediata desles venios.
Ne dia 8 do corrente, pelas 11 horas ds ma-
chia, viiitcu o Exm. Sr. presidente a biblioihe-
ca publica provincial, existente no convento do
Carmo, S. Exc. depois de examinar algumas
obras, foi-lhe apresentado pelo respectivo biblio-
tecario oMsnitor da familiasem que des-
cripta a estada de S. S M. II. I. I. neita provin-!
cia, btm como os festejos snto havidos ; e nea-
sa obra S. Exc. apreciou as villas do pavilhao
das illumioages da cidade por essa occasio,
vistas que foram litographadas na provincia.
Da villa de Gtranhuns escrevem-nos em
dala de 27 do panado mez o seguinte :
O digno medico homeopalha dessa capital, o
Sr. Dr. Lobo Mosccso, scienle da siluagao affitc-
tiva dessa comarca, bragos com o terrivel fia- j
Relio do cholera morbus, acaba de enviar ao Dr.
juiz de direito interino, dez boticas homeopathi- |
cas, qnarenta e tantoi fraicos de diversas tintu-
ras, e setenta e tantoa folhetos dotralamento
dessa molestia, afim de serem distribuidos pelos
lugares affectados.
:E' por lem.du vida um valioso presente na qua-
dra actual, quanto certo que no districto de
Corrente o Sr. capito Pasaos recorrendo a ho-
mepaihia, resgatoo, por assim dizar, quati do
poder da morte nao pequeo numero de afiela-
dos. Aceite o Ilustrado medico e philantropico
cidadao esta declarago, de origem iosuspeita e
autorisada, da verdade dos fados, res nonveroa
em relsgao doulrina que com tanta diiliocgo
profeasa.
E visto dirigir-me a quem tanto sabe con-
doer-se da sorteda humanidade, como apreciar
os phenomenos que a ffligem ; acrescentarei sem
argir o governo por falta de soccorros, e de
egosmo os habitantes desta comarca ; que a epi-
demia tem feito trezenlas victimas nos oistrictos
de Corrente e Palmeira ; duzentas em Bom Con-
selho ; cerca de cem no dialricto desta villa ;
igual numero ou excedente no termo do Buique;
oitenta em Canhotinho. Tem base aproximada
a exclido o precedente compulo.
logo os limites da decima simples coraprehen-
dam os que foram demarcados em 183t.
O administrador da recebedoria Ua corte iufor-
ma que, sendo este "
receita que mais avullam, nao sao elica'zes os
meios que teem sua disposigao para obviar a
extraordinaria delonga com que os conlribuinles
coocorrem satitfago delle.
Muitos proprielarios, e entre estes as proprias
corporages de mo mor, diz aquelle digno
funccionano, procrastinam quanto podem a so-
lugao de dbitos, provavelmenle porque, em-
aJ.a.Di3rp1'flH':,3em -:'nti/i. devidas, vio
gosandoda differenga que ha entre o plrSu^J
praga e o de 3 por ceoto, que a titulo de multa
te cobra pelo thesouro dos conlribuinles re-
mtaos.
gameato da siza se effectue na et(' xa fiscal do
ditriclo em que se acharem os ben, e per-
imposto um dos arligos de mittindo-o no da celebragio dos contratos, quan-
- do nenhum dos contraheoies reiifir no lugar da
tituago da cousa, nao comprebendo as arrema-
tagoes e outros actos judiciaes ; 2*^ que o mes-
mo se deve entender a respeito da compra de di-
reito e aegio de herancas, na hvpjthese de que
trata o aviso n. 148 da 5 de mai de* 1857 ; pois
que, era taes casos cumpre observar f ordem de
28 de margo do 1832, reslisando o p .emento do
K^^^^cifflref"* i||NM rgSA'Ji:
quelle em que exiitirem os mmo- /, segundo
convier aos interessados na expedafo dos com-
petentes titulos de dominio.
Tslvez, pois, tosse conteniente elevar a sobre-
dita multa a 9 por cento, estendendo-se a de
3 por ceoto comminada nos regulamentos da de-
cima urbana, e dos impostos sobre lojas eteges,
a ouiMs rendas inscriptas.
Meia siza.A resolugo legislativa, promulga-
da pelo decreto ua 1,149 da 21 de setembro do
anno passado, satisfez urna das mais urgentes
necessidades do servigo publico.
O art. 3o ta e o ari. 6a 2* do decreto n
2,SB9 de 28 de novembro de 1860, iucumbindo
privativamente aos tabellies de notas e aos ea-
crivesdo juizo de paz, nos lugares designados
pela lei de 30 do oulubro de 1835, art. Io, a at-
tribuigao de lavrarem as escripturaa de transfe-
rencias de escravos, ofereciara o duplo inconve-
niente de tornar summameota laboriosa, equasi
impossivel de ser bem desempenbada neste pon-
to, a tarefa daquelles serventuarios, e de dimi-
nuir as transaeges desta naturezs, em detrimen-
to das partes e dos cofres pblicos.
Permiltindo que os eicrivacs do civel de todas
as cidades, villas e freguezias do imperio livrem
cumulativamente com os tabellies de notas e
escrives do juizo de paz, e sem dependencia de
distribuijio, as referidas escripluras, tirastes a
esto ramo de negociago, que tanto avulta entre
nos, o tropego que lhe embargava o livre curso,
o dsles grande impulso percepgo do imposto
da meia siza.
Em execugo daquelle acto legislativo baixou
o decreto n* 2,833 de 12 de outubro do anno
passado, que revogou os citados artigos do de-
creto n 2-,699 de 28 de novembro de 1860 na
parle mencionada e bem assim naquella que
exige a incorporagao de verbo adverbum do co-
ohecimenlo do pagamento do impotto da meia
siza as escripluras, bastando somente que se
declare o seu numero, a data, a quantia e a esta- geral, e conitrucgio e reparos de igrej
g3o arrecadadora ; sendo esta dispotigao exten- trizes.
siva a cartas de arrematago ou adjudicagao, e
qualquer outro titulo do
LOTERAS.
Como vos annunciei em meu anterior relato-
rio, altendi necetsidade de regulamer.br as dis-
posigoes da lei n. 1,099 de 18 desetembro de
1860, que prohibi a extraego de lo'lerias e rifaa
nao autorisadas, corametteu ao govaruo s con-
cesto de loteras, e etttbeleceu bises para a iit-
calisaguo que muito reclamava o emprego desse
auxilio liberalitado a to grande numero de edi-
beleeimentci pblicos, irmandades, corporages
e empresas particulares.
O regulamento que biixou com o decreto n.
874 de 31 de dezembro do anno passado creio que
bem comprehendee o pensameoto do poder le-
gislativo, e tornar efTediva a tua providencia,
pondo termo a muitos abusos e Irregularidades.
Na forma da tobredita lei, pelo decreto o.
2,875 da mesma dala, foram designadas as lo-
teras que devem correr no presente anuo, em
numero de 60.
A tabella n. 104 moitra que, em 31 de margo
do corrente anuo, os premios nao reclamados re
colhidoi io thesouro em diversas pochas a!
39i:729s835, das quaes nao ss eonsidera pres-
cripta por ora parle alguma, porgue, segundo
tambera vos declarei no dito rer torio, o gover-,
no resolveu que o prazo da prescripgao, decre-'
tada a respeito dos dinheiros desta origem no '
3o do art. 12 da lei n. 1,114 de 27 de setembro
de 1860, fosse contado do dia da publicsgo da
mesma le em diante.
Exiflem por extrahir 255 loteras das concedi-
das pela assembla geral. Sem que estas se es-,
gotera, ou emquanto o seu numeio exceder ao
que pode correr annualmente, nao dado ao go-
verno fazer novas concessoes, e estas s podero
aproveilar a eftebelecimenlos pos de ntilidade
as ma-
0 do acquisigo por acto ju-
dicial. '
Entrando em duvida a recebedoria da corte
sobre a taxa, que, em vista do art. 12 7o da lei
de 27 de setembro de 18*50, devia ser cobrada
nos casos de transferencia de dominio de parte do
valor de um escravo, quer a transrcgo tenha lu-
gar por meio de urna s eseriptura, quer por ti-
tulos diversos, quer os vendedores possuam em
commum o mesmo escravo, ou tenham suas quo-
tas determinadas ou parlilhadas ; declarei-lhr,
por aviso n 371 de 13 de junho de 1861, quo a
i/HLiwv DerceDe.r no c*so sujeito nao era a de
40^000, mas sim a quota correspondente frac-
gao do dominio ; visto que, atienta a disposico
do artigo citado, a totalidade da tazas app'li-
cavel a transmisso do vallor integral de cada
escravo.
Em algumas provincias entrou-se tambera em
duvida se eram extensivas a todo imperio, ou se-
ment applicaveis no municipio neutro, as dis-
posiges do referido art. 12, 7, e regulamento
do 28 de novembro de 1860, na parle em que
exigem, sob pena de nullidade, eseriptura publi-
ca para os contractos de transaeges sobre escra-
vos, e prohibem, debaixo da mesma peoa as car-
tas de ordens em taes transaeges.
Parecendo-me, vista da" maneira genrica
por que se expressa a lei na 1,115 nesta parte, e
da natureza da questao, que era fra de duvida
o deverern taes deaposiyoes ser obrigatorias em
todas as provincias restringindo-se somente ao
municipio neutro onde o impoito da meia siza
pertence renda geral, o que respeila to quan-
lilativo e cobranga do mesmo imposto, assim o
declarei por circular de 17 de maio de 1861.
E como tenha a experiencia mostrado que,
tanto para os ioteresses geraes como para os
provinciaes, da maior conveniencia que mesmo
no vuantum do imposto e nos meios de cobra-
lo, haja toda a possivel uniformidade entre a le-
gisltgo provincial e a geral, chamei i attengo
das presidencias para este ponto, tive a satis-
fagao de ver que muitas provincias curaram im-
mediatimente de harmonisar seus regulamenlos
nesta parte com os que o governo imperial aca-
bava de publicar.
As vanttgens que destas medidas teem resol-
lado manifeatam-se de um modo muito signi-
cativo no crescimento da receita dette imposto,
squslfoijno segundo semestre de 186064
superior em 28:54-7g530 a de igual periodo do
anno anterior.
A lei recommendou ao governo que exsminas-
se as concesses feitas, autorisando-o para res- ;
tringir o numero dellas, annulla las ou modii-,
aar as suas clausulas. Em observancia deste
preceit), o regulamento exige que certos agra-
ciados, que se mencionsm na tabella annexa, aos!
quaes foram concedidas 189 loteras, jt ext'ra-
hidis al ao numero de 72, enviem seut reque-
rmenlos, devidamente instruidos, dentro do pra-
zo que expira no 1* de setembro prximo, se-
crttsria da fazenda, se pretenderem a continua- !
gao do mesmo favor com novas ou guiescondi-|
coei.
A dispotigao do arl. 9* jjg 45 e 46 da lei de
27 de setembro de 1860, que elevou a 12 0)0 80-
bre o fundo capital das loteras o bilheles pre-
miados de cont de ris, e dahi para cima, o im-
poeto de 8 0|0 sobre um e outros, nao podia dei- |
xar de produrir em favor do thesouro renda su-
perior que anteriormente percebia elle dessa |
proveniencia. Assim,a sua collecla, que no exer-
cicio de 1859 60 fra de 880;340tt000. chegou
no de 1860-61 a 1 222 4608000. dando urna dif-
ferenga para mais de 342.1205000.
Devo aqui observar que no producto do impos-
to de 8 0|0 sobre as loteras, de que trata a ta-
bella n. 6, comparativa da renda do 1 com o
2o semestre do exercicio de 1860lc6l, est
comprehendida a parte da recen, provincial dos
4 OtO addiciooaes, que piincipiaram a ser cobra-
dos em 12 de outubro de 1860.
(Coiinuar-s ha.)
REVISTA DIARIA.
A receila da va frrea no mez de julho proxi-
xlmo ptisado produzio em seus diOVrentea ra-
mos a quantia de 24:752j75.
Hoje oaoniversario da creaglo dos cur-
sos jurdicos, traniformidos ltimamente em fa-
culdades de direito.
No sabbado tocou por algumas horas duas ban-
das de munca marcial no edificio ; e honlem
noile esteve este illumioado, e anda locara as
mesmas msicas em solemnisagao do acto '
- As ventanas que ha alguna das tm ha-
vido, na noile de inte-hontem arrancaram pelas
raizas, deitando-a ae chao, uma das gameleirai
do arsenal de mannha, sendo aquella que eslava
29
A epidemia nesla comarca prosegue fazendo
victimas, e os lugares mais intensamente affecta-
dos sao o districto de Palmeira, onde j suecum-
biram muitas pessoas conhecidas, como Agosli-
nho de Godoy e Vasconcelos, sobrioho do viga-
rio do Allinho ; Pedro da Silva e outros: o cldi-
do Antonio de Barros Correia, vereador da c-
mara municipal, Ocava muito mal: e o termo de
Bom Comelho, onde o delegado de polica, o l-
ente do exercilo Joaquim Carioso dos Santos,
leudo sido attactdo do cholera com sua senhora
e mais familia, j houveram em sua casa duas
victimas, Qcando o dilo delegado muito perigo-
samente enfermo, apezar de estar sendo tratado
com cuidado pelo pratico Jos Pinto de Araujo
Madeirs.
P. S.Falleceu honlem s duas horas da ma-
nha o delegado de Dom Cooselho. Foi esse dig-
no empregado all o iris da paz no meio das In-
trigas e deiaffeiges policiaes do lugar ; e muito
se distinguir na presente quadra, em soecorrer
as peisoas pobres accommettidas da epidemia.
Mouj.tentidot pezames sua ioconsolavel viuva
e amigosespecialmente ao digno subdelegado
o Sr. Thomaz Theolonio, que se constituio com a
sua Exm. senhora o amparo da infeliz familia do
seu amigo nesses terriveis transes.
- 31 -
A siluagao presente da povoagao da Palmeira
de Garanhuns, onde lambem est reinando a epi-
demia, a seguinte de l etereve a 29 o subde-
legado capito Miguel Duarte, dizendo:
Ha trinta pessoas cabidas entre homens.mu-
lheres e meninos: appareceu me o Joo de Bar-
rose com elle visite! todas as casas de doentes,
a quem elle eatava administrando a homeopa-
tqia ; a muitos ache melhorados e para outros
mandei chamar o padre para absolver : esta po-
voagao est em estado de desolagao : o padre
Emygdio est forte porm muito cadavrico pelos
trabslhos: poucos sao os que cahem, que nao
morram ; de raioha parte farei o que puder, co-
mo tenho feito at aqui : o Antonio de Barros es-
t muito mal, mas eu o julgo salvo, tem febre
lyphoide e diarrhi podre : faz lastima o eitado
emque te tem acbado.
as ooticas, tinturas e folhetos "do rT. eU
Moicozo lem sido distribuidos pelo r. juiz de di-
reito interino pelo modo seguinte :
Duas boticas, tres frascos e folhetos ao Dr.
juiz municipal do Buique,
Urna dita, tres ditos e ditos, ao presidente da
cmara municipal de S. Bento.
Uma dita, ires ditos e ditos, ao professor do
Bum-Gonselho, membro da commissao daquella
villa.
Uma dita, tresditot, ditos, ao Dr. Jos da Costa
Doursdo, membro da commissao desta villa.
Urna dita, tres dilos, ditos, ao capito Passos
em Corrente.
Urna dita, tres ditos, dilos, ao padre Duarte,
capello e membro da coramiato de Corrente.
lima dita, tres dilos, ditos, ao padre Emygdio,
capello e membro da commissao de Palmeira,
Uma dita, tres dilos, ditos, ao juiz de paz Joao
de Barroi Correia. em Palmeira.
. O juiz de direito reservn para ti uma botica
e sete fraicos, sem fallar em alguns que tem dis-
tribuido a outros mais.
De Cimbres, em data de 19 de julho prxi-
mo psasado, temos as seguintes noticias :
Esta terrinha, gragas Senhora das Monta-
nhas, caja festa teve lugar no dia 2 deste corren
le, esforgos do Rvd. vigarlo, e do seu devoto
povo, anda est livre do cholera. Seu bento Fi
Iho se amercia de preservarnos ie to assuslo-
dor flagello, apezar mesmo dos desmandos do
seus ingratos filhos.
O invern foi o melhor possivel, a colheila
est sendo abundante ; todos os gneros ettao
por diminuto prego, e approxima-se a safra de
algodo, que, se nao falharem os dados, parece
ha de ser frtil. Se cootinuar o prego deste ge-
nero, os sertanejos ho de melhorar de sorte.
Quanto esta parte, vamos bem ; mas quanto
seguraoga de vida, nao somos lo Wizes ; por-
que no lugar Sonhor 5 sugeilos, isto Hermi-
oo de tal, Pedro Marlios Leite, e mais :}, cujos
nomes Ignoramos, emboscaram Jos Bolacha,
ederam-lhe uma tremenda sorra de peias que o
maltralaram bem. sendo para notar qua Hermi-
no, sahindo-lho a encontr, pede-lbe a garup
do cavallo para montar, mais adianto encontrs
os aggressores. e querendo Bolacha correr, nao
pie, porque Hermioo o obstave, pois para esse
fim que pede-lhe a garupa de seu cavallo ;
at hoje nao me consta de acto algum da polica
a este respeito, e sim que o offendido requereu
seu corpo de delicto.
a Facto mais horroroso se deu aioda : Joao
Baptisls de Lyra, mogo pobre, diligente o ho-
nesto, em procura de seu negocio vespera de
S. Pedro, vai Serr de Cimbre no lugar Cma-
Brava, casa do indio Manuel Correa, ami-
go, porque at eram prenle por bastarda, cha-
ma-lo para lhe puchar algum couro de cortu-
me ; all chegsndo, noite, com muita chuvg,
dofrae, e no outro dia manda por Correa comprar
uma gallinbs para almogar ; no abrir da carlei-
ra, Correa vio algum dinheiro ; e por isso de
pois que chegou, coovida-o para o rogado, e ahi
mala o ccete, onterra-o, rouba-o, no mes-
mo lugir se conserva armado, dizendo qua quem
o cercar morre. E' certo que o delegado tem
mandado varias tropas, mas nao o pegam ; e
s por esse receio, ou porque sendo elles do
seio da aldeia, nao querem pegar o seu eollega.
E o que ha de fazer a autoridad6 ? Nao o pri-
meiro facto desta ordem que fazem os indios
deita serra. Ha 16 ou 20 annos mataram uma
crian;*, s porque o virara furlaodo ovelhas de
seu pai ; astim outros.
Fezemos votos, porm que o Sr. delegado
faga essa importante diligencia, sem o que oe-
nhuma garanta teremos. Fazemos votos lam-
bem, para que a comarca tenha em seu seio as
primeiras autoridades, e que estas cuidando s
de seus deveres, sem voltirem ai vistas a antigos
resientimentos, nos d&em a precisa garanta de
bens e de vida.
N. B. No lugar da sepultura do iofeliz se en-
controu outra sepultura, e eremos que Msnoel
Cortea nao a primeira que faz.
O Cmbrense.
Honlem pala manba reuniram-seos mem-
bros da irmandade scademica de Nossa Senhora
do Bom Conielho, sob a preiidencia do Sr. Dr.
Aprigio Guimares, pira procederem elefgoda
mesa que a deve reger no futuro anno, ssbindo
eleilos :
Juiz, Dr. Tarquioio Braulio de Sousa Ama-
rantho.
Theioureiro, Dr. Jos Antonio de Fgueiredo.
Secretario, Manoel Joaquim dos Sanies Patury.
_. Procuradores.
Flonano Jote de Miranda.
Ltvno Vieira de Macedo Lima.
Joaquim Correia de Araujo.
Joao Jote de Moura Magalhes.
Antonio de Oliveira Cardlo Guimares.
, .., Adjuntos.
Antonio Pires Ferreira Jnior
Henrique Mamada Lins de Almeida.
Ernetto Bsndeira de Mello.
Jos Francisco de Paula Correia de Araujo.
Como quer que, para dar uma noticiado
tacto occorrido, ou de acto que ae deve por em
execugo, apenaa aeja neceisnio ouvir a narra-
gao delle porpetsos competente, demos a cons-
tante de nossa Revista de tabbado, lobre o sero
musical do Sr. Guidi, no Ciuft Commercial, sob
informagoes desse mesmo senhor, que se nos
moslrou extremsmeote liiongeado com a con-
cesso que lhe havia sido feita.
REPARTigAO da poucia.(Extracto da par-
te do dia 9 de agosto.)
Foram recolhidos casa de delengo no dia 8
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recite, os pac-
dos Jos Gongalves da Paixo, de 45 annoi de
idade, peleador, por estar pronunciado, ficando
diiposigo do Dr. juiz de direito da segunda va-
ra criminal, e Guilhermina Msria da Conceigo,
de 17 annos engommadeira, por embriaguez e
insultos, assim como os africanos Alexandre.de
72 annos, estravo de Augusto Cahor, e Mara, de
74 annos, escrava de Joo Joaquim Jos de San-
l'Anna, ambos requisigo dos seus ditos se-
nhores.
A' ordem do de Santo Antonio, Augusto Flo-
rencio dos Santos, pardo, de 19 annos, talhador,
por disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Cypriaoo Jos de Li-
ma, pardo, do 19 annos, percador, ditposigao
*o Dr. delegado do primeiro districto, para re-
ruta.
A' ordem do da Boa-Vista, Ignicio Florentino
Bezerra de Mello, branco. de 20 tnno, alfaiate,
por crime de ferimento, e Francitco.pardo.de
23 annoa, escravo de Constantina Jacintha da
Molte, requisigo desta.
O chefe da segunda secgio,
/. G. de esquita.
Passageiros do hiate nacional Do%s mo,
vindo do Aracaiy : Francisco Clementino Ma-
ra Pires, Luiz Antonio Ettevo e 1 escravo,
Frtnciaco Antonio Caroeiro Monteiro, Manoel
ris da Fsota, Manoel Leile da Silva, Mara Mag-
dalena, e 1 escravt a entregar.
Movimento da casa de detenjo do dii 8
de agosto.
Existiam. 376 presos.
Entrsram. 8 >
Sahiram. 6 s
Existen).
378
A saber
Nacionaes . 268
Mulheres: . 12
Eslrangeiros. 32
Escravos. . 57
Escravas. . 8
Total.
378
152
Alimentados a cusa dos cofres provin-
ciaes............
Matadoi'ro publico :
Mataram-se para o consumo desta cidade no
dia 9 do corrente99 rezes.
Obituario do da 9 db agosto, no cemitb-
rio publico :
Feliciana; Pernambuco, 4 annos, Santo Antonio,
bexigts.
Jote Ignacio Ribeiro, Pernambuco, 66 annos,
casado, S. Jote ; herytipella.
Bertnoleza Mara do Rosario, Pernambuco, 60
annoa, S. Jos ; sispor.
Mequilioo, Pernambuco, 50 annos, solleiro. es-
cravo, Bua-Vista ; bexigas.
Joanna, Pernambuco, 15 anexe, Recife ; inte-
nte,
Francelioe Tbereza de Jesui, Pernambuco, 18
annos, solleira, Recife ; congesto cerebral,
ime,leg?do 4t freBuezta de S. Lourengo pela
demora do procatio.
Improcedente.
JSSS:****1 ,ppellado' *<<> ai-
Improcedente.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel do
Nascimento Bicodoce. "auuct u
Maodou-se procesiar oreo pelo juizo de di-
relio.
Appellaoes civeis.
Appellante, Joaquim Franciaco Franco d-
pellada, Joaquioa de Faria Teixeira. v"
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Eduardo II. Bramah ; apcellado
Castao Gongalves Pereira da Cunha. "
Confirmada a sentengi.
DILIGENCIAS CR1MES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga ai leguintes
Appellaroes crimet.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Go-
mes C^elho.
Appellante, o juizo ; appellado, Jote Rodrigue
da Costa.
Appellante, Joao Ferro de Carvalho ; appella-
da, a justiga.
Appellante, Joaquim Teixeira Arouta ; appel-
lado, Jote Gomes de Albuquerque.
PITAS CIVEIS.
Com vista ao Sr. desembargador procurador
da coros
AppeUaco civel.
Appellante, a fazenda : appellidos, oa ber-
deiros de Domingos Antonio Gomes Guimares;
Ao mesmo Sr. desembargaJor e eo promo'or
de capellis
Appeilaro civel.
Appetiante, o procurador fiscal ; appellado.
Jos Antonio de Oliveira.
DESlNACAO DE DIA:
Assignou-se dia para julgamcclo das se-
guinlea
Appellaroes crimet.
Appellante, o jimo ; appellado, Joo Rodri-
gues de Souia.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco, es-
cravo.
Appellante, Luiz Jos Caroeiro ; appellado. o
juizo.
AppeUaco civel.
Appellante, a cmara municipal ; appellado,
Basilio Alves de Miranda Varejo.
DISTRIBUYO.
Ao Sr. desembargador Gaetaoo Santiago :
Aggravo depetico.
Aggravante, Rosa Mara de Lima ; eggravado
o juizo.
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorridos, Joi Pereira
Atelini a outros.
Ao Sr. desembargador Silveirs :
Recurso crime.
Recorrente. o juizo ; recorrido. Joaquim Aires
Pimentel.
Ao Sr. deseiuborgador Peretti :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Minoel Jos
de Santa Arma.
Ao Sr. deiembareador Accioli :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Jos Pedro do
Cirvalho e outro.
Appeilaro crime.
Appellante, o promotor ; appellado, Vicente
Fernandei Bezerra.
Ao Sr. desembargador Pereira Jorge :
x Rtcurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Marcolino do
Magalhea Prado.
Appeilaro crime.
Appellante, Mara Generosa do Bomfiu ; ap-
pellado, o juizo.
A' 1 hora da tarde encerrou-se aesso.
M rS 3 o t > i 2. o 2 c <. DS a H o o
ce M .o 1 1 Oi *. Masculino. 1 C3 1 o
oa te -A 1 1 1 1 m'. Femioino. 1 CC 1 -i >
o 1 m 1 1 A \ t* I Masculino. I 1 1 li r-35
* m 1 * 1 , eminino. a 1 S
a A * 1 a a Masculino. i
l l * * ! Feminino. A 1 i >
SI * * m _^ Masculino. 1 ? 9 O
SI * _ Feminino. w 1 1 > ce
si .i Masculino. ce 1 1 El > o
w r u, Feminino. J te 1 1
Publicacoes pedido
A um Jist inte replenle.
Soneto.
A glorii que le exalta hoje palete,
O genio que possues sabio do escuro,
O talento ret que teu futuro,
-' 'rs. e*111'! ue repelente.
Maior que o teu Para leu nome ingente
Da foite intelligencia abala o muro ; '
Nem mesmo Lamartine est seguro '
Peranle o nome teu que assombra a genio,
Estudante sera par, grande om potadas.
Teu milo immortal posto ao sereno,
O genio ree-legen as provas dadas.
Os me>lresdescienda, ao teu aceno,
As frortes immorlies trazem prestrada9
A s plantas de um Lama Tupi Meceno.
3r'
Na totalidade dos doentes exislera 133, sendo 4
homens e H mulheres alienados.
Foram visitadas as eofermarias estes qatro
dias : no Ia e ", s 7 1|2 horas ; no no 3" e 4J
s 7 1)4 da manhSa pelo Dr. Villas-Boas, no
impedimento do Dr. Dornellas ; e s 7 e 10 mi-
nutos, 7 1|, 7 1|4, 7 1|2, pelo cirurgiao Pinto.
O Dr. Pereira do Carmo visitou as enferma-
ras s 5 1(2, e 6 horas da tarde.
CHRONICA JUDICIAR1A.
TriboRal da Relaco.
SESSAO EM 9 DE AGOSTO DE 1862.
PRESIDENCIA DO EXM. 9R. C0N9EL11EIRO BMELIHO
DE LEO.
A's 10 horas da manha, presentes os senhores
detembargadores Caelano Santiago, Silveira, Gi-
lirans, Lourenco Santiago, Molla, Perelti e Accioli,
faltando os ars. desembargadores Pereira Jorge e
Guerra, procurador da corOs, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, e entregues os distribuidos
deram-se os seguintes
JLLOAIENTOS.
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Aure-
liano de Carvalho.
Relator o Sr. desembargador Caetano San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Peretti,
Motta e Gitirana.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Rai-
mundo dos Santos.
Relator o Sr. desembargador Silveira,
. -Sorteados os Srs. desembargadores Aceioli,
Gitirana e Molla.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joio de Mello
Azedo Junior.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Perelti,
L. Santiago, e Accioli.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Alexandre
Duarte Jambo.
Relator o Sr. desembargador Lourengo San-
tiago.
Sorteados os Sr9; desembargadores Accioli,
Silveira, e Peretti.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Francisco Ri-
beiro.
Relator o Sr. desembargador Molla.
Sorteados os Srs. desembargadores Accioli,
Peretti e Lourenco Santiago.
Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Thomaz Anto-
nio de Paula Buarque.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados os Srs. desembargadores Caetano
Santiago, Silveira e Gitirana.
Improcedente.
Habeas-corpus.
Negou-se a soltura pedida por Lourengo Go-
mes dos Santos, e se mandou responsabilisar o
Traca do Recife 9 de
agosto tle 1862.
\s (\ttatvo \iovas da tat&e*
Colaces da junta de eorrctoris.
Cambio.
Assucar masesvado, canal da Par.hba-l55
r arroba posto a bordo.
i. da Cruz Macedopresldentet
John Gatissecretario.
per
Randlmenlo do da 1 a 8
ld'?rs de dia 9 .
12l:0l075i
14.0788956
135.099^707
EfoTcmocto de. alan^eera
VelumonnridoB somaiendas..
ora gneros..
Velemos sabidos com fazendas.. !52
> cem gneros.. 192
== 2',i
DMcarregam no dia 11 de agoito.
Sumaca hespanholi Ardila vinho.
Exportado
do da 8 de agoslo.
Brigue uacional Sifueira, para os portos do
Rio da Prata, carr^garam :
Amorim Irmos, 400 barricas com 3 212 arro-
bas de assucir.
Importat^4e>,
Hiate nacional Tino, vindo da ilha de Fernan-
do, consignado a Manoel Jos Pereira Mvinho
mamfealou os seguimos gneros que o'squi con-
duzo e nao forana admittidos a desembarcar pe'o
eomman-laoio da mesma ilha, carregados or
Joaquim Francisca de Souza :
70seceoslarir.ha de mandioca, 6 barricas as-
sucar. 2 ditas bacalho, 2 ditas farinha de trigo
I barrilI fouelnho, 6 saceos sal, 1 garrafo atoll
doce, 20 arrobas cerne ateca.
Gneros vindos da Ilha a entregar a Jos Cae-
tano Ferreira de Souza:
5 latas fumo. 3 calas fazendas, 1 barril mel 1
barrica asquear brsnco, 1 dita dito mascavado,' 6
i ditas miuduzas, lougei e garrafes vasiis, 1 Ca-
poeira galliohas, 1 sacca milho, 1 fardo igno-
ra se.
Beeejbedorla de rendas Internas
ageraes de Pemambueo.
Rendimento do dia 1 a 8 6-880427?
" ......: 337S21C
7:2375482
Consmlado provincial.
Rendimento do da 1 af .... 10.7588^01
dem do dia 9....... 432J8
11:190*385
ALFANDEGA DE PERAMBUCO.
Pauta do prer.o dos gneros sujeitos a direitos
de exportafo.Semana de 11 a 16 do mea de
gosto t IStl
A,erc4lo'-ias. Unidades. Valores.
Abanos .,.,.. ceni0 1?20o
Agurdenle de cana. caada g400
dem resillada ou do reino s )>400
dem caxaga ....... S300
dem geaebia.

$400
ILEGIVEL



UMi A* mSAMIUCO. SEGUIDA filU
11 01 AGOSTO DE 1851;

arroba
>
>
t
>

caada

arroba
>
>
>
libra
um
arroba



libra

dem alcool ou espirito de
agurdente ..... .
Algodao em carogo. .
dem em rama ou em la .
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado ....
dem branco ......
dem reQoado .....
Azeite de amendoim ou mon-
dobim.......
dem de c6co ....;.
dem de mamona.....
Batatas alimenticias. .
Bolacha ordinaria proptia para
embarque.......
dem Qna........
Caf bom...... j
dem escolhaou restolho .
dem terrado......
Caibros.........
Cal..........
dem branca......
Carne secca charque. .
Carvo vegetal.....
Cera de carnauba em bruto .
dem idem em Telas ; .
Charutos.......cento
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados, libra
dem seceos espichados. >
dem verdes......
dem de cabra corlidos. um
dem de onca...... >
Doces seceos......libra
dem em geleia ou massa
dem em calda .....
Espanadores grandes um
dem pequeos .....
Esteiras para forro ou estiva de
navio......; cento
Estoupa nacional .... arroba
Fariuha de mandioca Mqueire
dem de araruta.....arroba
Feijo de qualquer qualidade.
Frechaes.......um
Fumo em folha bom ... >
dem ordinario ou restolho. >
dem em rolo bom. ....
dem ordinaro restolho
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raz) .... >
Leuha em achas.....cento
Toros.........
Linhas e esteios.....um
Mol ou melado.....caada
Milho........arroba.
50
3J750
15S0
S600
260
sgooo
aeiwo
4*000
quintal
urna


molhos
cento
2000
2320O
19500
19200
4 000
8000
8SO0
7c000
320
360
160
320
2J200
1S600
260
360
22*500
48000
180
230
100
320
113000
19200
400
600
4S000
2S000
169000
1S600
l$6O0
3g800
1J200
5SCO0
i8oo
7g500
I2g000
5000
29000
2G3000
2S00O
119000
53000
200
2J0C 0
59000
840
4S000
132O0
120
dante !, lente Montauty. Pasiagdro, 1
preao de Justina.
Na j bouveram sabidas.

Pao brasil
Pedra3 de amolar \ .
dem de filtrar .
dem rebolo......
Fhssava........
Puntas ou chifres de vaccas e
novilhos........
Pranches de amarello de
dous cuslados.....urna
Idum louro.......
Sabo........libra
Salsa parrilha......arroba
Sebo em rama..... >
Subo em velas.. ;
Sola ou vaqueta.....urna
Tabois de amarello duzias
dem diversas.....;
Tapioca........arroba
Travs........urna
Ualus de bol......ceulo
Vinagre........caada
Cha.........libra
Alfandega de Pernambuco 9 de sgoito de 1802.
Approvo.(Assignado.) Barros.
O iprimeiro conferonle, Domingos da Silva Gui-
maraes.
O segundo cooferenle, Joo da Frelos Bar-
bos'.
Conforme. O 4. escriplurario, Joaquim Albino
de Gusmo.
PRACA DO RECIFE
O DE AGOSTO >l 18G8
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Cambios Os saques da semana sober
k^"' ""rana de 26 14,
26 li2, e algum a 26 5i&, sobre
- Pars de 360 a 365 rs. por f.,
sobre Hamburgo 1 685 rs. por
M. B., e sobre Lisboa a 106
por cento de premio, mon-
tiodo crea de 36 40,000 ; e
tobre o Rio de Janeiro ao par.
A'.godo O desta proviocia vendeu-se 1
159*00 rs. por arroba; o de
Micei posto a bordo de 159
15S30O rs.. e o da Parahiba a
169300 rs. por arroba posfo a
bordo.
Assucar-----------O branco vendeu-se de 33000 a
356OO rs. por arroba, some-
nos a 29600 rs., mascavado
purgado de 29200 a 2350 rs.,
e o bruto a 19700 rs. por ar-
roba.
Agurdente Vendeu-se a 50g000 r. a pipa
Couros-------------Os seceos salgados venderam-
se 170 rs. a libra.
O pilado da InJi^venleu-se de
. O Illa). Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em enmprimento d ordem do Yxm. Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico,
que no dia 6 de novenikro prximo futuro, pe-
rante a junta da fazeoda di mesma thesouraria
se ha de arrematar, quem por menos fizer, a
obra do cano de esgolo na praca Pedro II, ava-
llada em 10.0209 rs.
A arrematagao ter feila na forma da !ei pro-
vincial d. 343 de 15 de maio de 1854, e sub as
clausulas especiaea abiixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arrema-
tado compsregam na salidas sessoes da referi-
da junta, no dia cima mencionado, pelo meio
dii, competentemente habilitadas.
E pira constar se mandou publicar o presente
pelo iario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 4 de agosto de 1862.
O secretario,
A. F. d'Aonunciago.
Clausulas especiaes da arrematarn.
1.a O arrematante dar principio aos trabalbos
15 das depols do contrito, e conclui-lo-ha no
prazo de quatro mezas, contados da poca em
que terminar o prazo de quatro mezei suppra
mencionados.
2.a 0_arrematante sera jbrigado a attender as
obrigseoes do eogenheiro enea/regado da direc-
go e fiscalisago dos trabalhos coacernentee A
bi execuco da obra. *
3.* Fica o arrematante cujeito a observar em
toda sua plenitade as prescripgoes contidas no
orcamento.
4." O pagamento ses feito por preitages
meosaes correspondentes ao numero de bracas
concluidas, fleando porm recolhida a thesoura-
ria como deposito, para garantir a obra at final
concluso, a decima parte do valor do certifica-
do memal, os quaej Ihe soro entregues um
mez depois de concluida a obra, e sendo que
ella se ache em bom estado, e caso assim nao
acntela, o arrematante ser obrigado a repa-
ra-la para terdireiioao recebimento.
5.a O arrematante fici igualmente sujeito s
dispoiicdes da lei n. 286, que dizem respeito as
arrematarles.
6.* Nao ser em lempa aigam attendida qual-
quer reclamaclo por parte do arrematante ten-
dete a indemnisacoes quaesquer que sejim as
allegares em que se basear para esse flm.
Conforme. Antonio Ferreira d'Annancia-
gao.
O Illa!. Sr.inspector da thesoursria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda faier publico que no
dia 24 docorrente, pnale a junta da fazeoda da
mesma thesouraria, se ha de arrematar, a quem
por menos fizer a obra de 38 bragas de cano de
esgoto na prega do chafiriz do barro do Recife,
avahada em 4:5909000. A arrematarlo ser feita
na forma da lei provincial n. 343 de 15 d* maio
de 1854 e sob as clausulas especiaes abaixo co-
piadas.
As pessoas que se propozerem a esla srrema-
. tago comparegam na stla das sessoes da referida
mKXaManU' no dia "cin111 mencionado, pelo meio dia
'1 o.w> C0Pet8ntemenle habilitadas.
E para constarse mandou publicar o presente
pelo Diario.
Secretaria da tbeiouraria provincial de Pernam-
buco 4 de agosto da 1862.
O secretario, A. G. da Annunciago.
Clausulas especiaes para a arremataco..
Ia O arremaltante dar comeco aos trabalbos
no prazo de 15 dins supramencionado.
2a O arrematante ser obrigado a attender as
observagSes do engenheiro encarregado da direc-
cao e fiscalisago dos trabalhos, concernente
boa execugo di obra.
4a Fica o arrematante sujeito a observar em
toda a sua plenitud as prescripgoes contidas no
ornamento.
4a O pagamento ser feito por prestarles men-
saes correspondente ao numero de bragas con-
cluidas, ficando porin recolhido a thesouraria,
como deposito para garentir a obra at final con-
clusao a decima parte do valor do certicado men-
sal, os quaes lhe sero entregues um mez depois
de concluida a obra, sendo que 11 t .n
oom enauu, .0o u.jiui nao aconlega o arrema-
tante ser obrigado a repara-la, para ter direito
ao recebimento.
5a O arrematante fica igualmente sujeito as
disposicoes da lei n. 236, que dizem respeito as
srrematacoes.
6a Neser em tempo algum attendida qual-
quer rsclamago por parte do arrematante, ten-
dente a inderanisacao, qualquer que seja a alie-
gsgo, em que se basear para esse flm.
Conforme, A. F. da Anunciago.
SgOOO
169000
830c 0
080
JSlJOOO
53000
6*010
23SOO
3j800
89000
200
280
18500
Arroz-------------
29600 a 32060 rs?rjpr arroba.
Azeite doce- t .-_) enaen-se a 29t00 rs. por g
Eacalho- -
1 29$00 rs. or ga
lao-
lira atacado fez-se a ultirta
venda a 89OOO rs., e a retalho
de 4;000 a U9OOO rs. a bar-
rica, ficando em deposito cerca
de 6.000 barricas.
Carne secca- A do Rio Grande vendeu-se de
2y000 a 29800 por arroba, 0-
cando em ser 54,000. Nao ha
do Rio da Prata.
Cha------------------Vendeu-se a 2J500 rs. a libra.
Citvo de pedra- Vendeu-io a 12S000 rs. a to-
nelada.
Cerveja-----------dem de 49OOO a 43600 rs. a du-
zia de garrafas.
Fcrioha de trigo-Retilhou-se de 229 a 239 rs. a
barrica de Philaoelphia. de 238
a 259 rs. a de New-York, de
24-9 a 259 re. a de Genova, e
de 269 283 a de Trieste; fi-
cando em ser : J200 borricas da
primeira, 600 da segunda, 200
da terceira, e 3,500 da quarta;
= o todo 4,500 barricas.
Louga--------------A iogleza ordinaria vendeu-se
de 280 a 300 por cenlo de
premio sobre a factura.
Hanteiga--------A franceza negociou-se de 520
a 540 fs. a libra, e ainzle*
de 600 a 650 rs. a libra.
Oleo de linhaga- Yendeu-se a 18800 rs. per ga-
lo.
Queijos-----------Os flamengos venderam-se de
IgiOO a IgeoOrs.
Toucinho---------- O de Lisboa vendeu-se a 8000
rs. por arroba.
Vinagre-----------O de Portugal regulou de 1109
a 1209 rs. a pipa
Vioho ----- Os de Lisboa venderam-se de
2209 a 2409 rs. a pipa, e os de
outros paizes de 1909 a 2009000
reis.
Velas-------------As de composigo venderam-
se a 640 rs. a libra.
Descont-------O rebate de lettras regulou de
11 a 18 por cento ao anno.
Fretes ----- Para o Canal pela Parahvba a
40 pelo lastro, e 15|16 pelo al-
godao para Livorpool. etornan-
do em Macei de 3|4 a7|8; e
orregando oeste ci lade a 718.
, iasj fe
O
MoYimeuto do jjorto
Navios sahidos no dia 9.
Lisboa34 das, brigue portuguez Bello Figuei-
rens, de 244 toneladas, capito Jos Ferreira
Lsta, equipagem 13, carga cabola, vinho a ou-
tros gneros ; a Francisco Severiano Rabello &
Filho.
Navios entrados nomesmo dia.
AracatyHiate nacional Dous Irmos, capillo
Joaquim Jos da SiUeira, carga dlferenlee ge-
nero.
LiTerpooIPatacho dloamarquez Nancy, capito
Apience. carga assucar e algodao.
S. Miguel por LisboaP.ta.ho portuguez Lima,
capitio Bernardo Piolo Corra, cirga assucar e
me!.
Navio entrado no dia 10
Rio de Janeiro9 dias e 18 horas, brigue escuna
de guerra braiileiro cToneleiro comman-

Convite.
Peranle o conselho de revista da guarda na-
cional dsste municipio sao convidados compa-
recerem na sala dai sesses da cmara munici-
del, no da 14 do corrate s 10 horas da ma-
nhaa, aflm de serem inspeccionados por junta
medica, os cidados que interpuzeram recurso na
forma da lei.
Ia batalhao de artilharia.'
Manoel Lopes Rodrigues Guimares.
Estevo Jos daMolta.
Ia de infanlaria.
Manoel Gongalves Ferreiri e Silva Jnior.
JosUrbsno da Carvalho.
Manoel Marinho do Nascimento.
Joaquim Francisco do Reg.
2a batalhao.
Luiz Francisco Gomes
Manoel Ciraco de Figueiredo.
Jos Francisco Ribeirn Machado.
O secretario,
Firmioo Jos deOliveira.
Consulat de France Per-
nambuco.
Le cnsul de France a ses compatriotes
residant ou de passage a' Pernam-
buco.
Messieurs et chers compatriotes.
J'ai l'honoeur de vous prevenir que vendredi
prochain, 15 du courant, un Te-Deum, sera chan
t, une heure aprs midi, l'Eglise de Notre
Dame de la Penha, l'occasion de la fete de S.
M. l'empereur Napolen III, notre auguste sou-
verain.
Vous empresierez, crame loujours, j'eu suis
sur, de vous rendre cette ceremoni, qut sur
le sol etranger, est pour noustous, en meme
teraps qu'une reunin, une fete de famille, une
preuve 'idente de cttle unin, qi fait la forc,
qui existe entre uos.
Veuillez, Messieurs et chers compatriotes,
agrer ici, avec l'assunnce de la satisfaction qu
j'aurai de me trouver encor une fois, au mil
ieu de vous, celia de mes aentiments aussi d-
vous qut distingues.V. de Lmont.
Hospital Portuguez de
O Hospital Portuguez de Beneficencia, estabe-
lecido no sitio do Cajueiro, precisa de um feitor:
quem se achar para isto habilitado, diriji-se i
casa do respectivo provedor. ou ao mesmo esta-
belecimento. Recife 9 de agosto de 1862.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LEITURA
em Pernambuco.
Devendo solemniar-se na prxima sexta-feira
15 do correte mez, o 11*. anoiversario da ini-
tallagao do Gabinete, a directora convida todos
os senhores associados e o respeitavel corpo aca-
dmico a assistlrem asesso magna, quelir lu-
gar no referido dia 15 s 1! horas da manha,
nos siloes do mesmo estabelecimento.
A directora espera que os senhores sssociados
e man convidados, accedendo voluntariamente
a este pedido, se digniro abrilhantar o acto com
as suas desejadas honrosas presengas.
lendo de fechar-se o estabelecimento depois
da sesso magna, toroar-se-ha a abrir "as 5 horas
da tarde, e estar patente aos senhores visitan-
tes at as 10 horas da noite.
Sala das s.sioes do Gabinete Portuguez di Lei-
tura em Pernambuco, 9 de agosto de 1S62.
Bernudino Gomes de Cxrilho,
Director.
Joaquim Gerardo de Bastos,
1.* secretario.
Gabinete Portuguez de
Leiura.
A directoris previne a todos os senhores asso-
ciados, que desde o dia 11 do corrente em diante
fica suspenso at posterior aviso, o expediente do
Gabinete, em consequencla dos trabalhos de de-
coragao a que nelle se vai proceder, para solem-
nisar condignamente o anoiversario da instilla-
gao do mesmo Gabinete, o que ter lugar no dia
15 do corrente mez.
Sala das seisoes do Gabinete Portuguez de Lei -
tura aos 9 de agosto de 1862.
13 rnarino Gomes de Cirralho,
Director.
Joaquim Gerardo de Bastos,
1.' secretario.
Tribunal do commereio.
Pela secretaria do tribunal do commereio de
Pernambuco se faz publico que nesta data foi
registrado o contrato de sociadade de Jos de Mel-
lo Costa Oliveira eThomaz Jos de Oliveira, es-
tabelecidos Detta cidade sob 1 firma do Mello,
Costa l C, com o capital de 10:9349557, entran-
do o socio Mello com 9:2349857, e o socio Jos de
Oliveira com 1:7009 devendo a sua aociedade
durar por lempo de tres annos, contados do dia
10 de julho prximo fiado.
Secretaria do tribunal do commereio de Per-
ntabuco 8 de agosto de 1862.
Julio Guimares,
OfDcial-maior.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes :
79 covadoa de baetilha para cirtuxos de pega.
Quem quizer vender taes objectos, aprsenle
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho s 10 horas da manha do dia 13 do
correte mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 8 de iu-
oho de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal, secretario interino.
Navios entrados no dia 6.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
eguintes:
Para a escola do 2a batalhao de infanlaria de
linha.
6 resmas de papel almajo.
6 caixas de peonas de ac.
200 peonas d'ave.
2 caivetes.
6 garrafas da tinta preta para escripts.
6 duzias de lapis de pao
6 libras de areia psra escripia.
36 collecces de cartas para principiantes.
36 laboadas.
12 grammalicas portugums por Monte Verde,
ultima edie-ao.
12 compendios de arithmetica por Avila.
12 pautas de n. 5.
36 traslados.
6 pedral para escripia.
18 lapis para as mesmas.
Para o arsenal de guerra.
2 pegas de fila de la para silbas.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposlas em carta fchala, na secretaria do
conselho, is 10 horas da manha do dia 18 do
correte mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 8 de
agosto de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Sata'casa da misericordia do
Recife.
A Ulma. Junta administrativa manda fazer pu-
blico que no dia 14 do corrente, pelas 4 horas da
tarde, na sal de suas sesses, irlo praeja as
rendas das casas abaixo declaradas, pelo lempo
que decorrer do dia da arremataco a 30 de junho
de 1865.
Ra da Lapa n. 2 I8O5
Dita da Cacimba e. 5 144$
Dita do Burgos n. 19 16*5
Dita dito n. 21 125$
Dita da Senzala Velha n. 132 700$
Dita dita n. 134 700$
Dita da Guia n. 27 162$
Dita dita n. 29 IG83
Dita do Pilar n. 2 96$
Dita do Sebo n. 3 160$
Dita da Moeda n. 21 30g
Dita do Azeite de Peixe n. 15 601
Os pretndanles devem comparecer acompa-
nhados de seus fiadores, ou manidos de cartas
destes.
Secretaria da santa casa de misericordia do
Recife 8 de agosto de 1862.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivo.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremataco da obra deaptrfeiQoamento de
urna parte da estrada da Victoria no lagar deno-
minado Ladeira da Sicuplra-torlafoi transfe-
rida para odia 14 docorrente.
Secretaria da thesouraria provincial do Per-
nambuco 7 de agosto de 1862.
A. F. d'Annunciaco,
^________Secretario.
THEATRO
DE
tem parte de seu carregimento prompto ; para o
reato que Ibe falla, trata-se com os Beus consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Atevedo 4 C,
no seu scriptorlo rus da Cruz n. 1.
tOMPANHl BRASILEIRA
DE
nmm & vwg>.
Espera-ee dos p.,rtos do norte at o dia 16 do
corren e o vapor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os porlos do tul,
Desde j recebem-se passageiros, e engaia-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual oeve-
r ser embarcada no dia de sua chegada : dinhei-
ro a frete e emommandas at o dia da sabida as
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1,
escriptono de Antonio Luiz deOliveira Azeve-
do & C
pardejirros, quslro mangas de vidro para dei-
tir flores, urna manga de vidro para reloglo
Um "^' CM,iSaa de metal, um dito de jar-
ros de broaze e muitos outros objectos.
Quarta-feira 13 do corrente
dAAPrr46r,r ,eili0 Pr iotvr'snco
2 n AImea dos okJecl0i "i"" niencio-
nado, no segundo andar do sobrado da ra
da
MU
llao. Principiar s'O arasdo'diV'acima!
Imperatriz n. 47. os quaes objectos poder
examinados pelos pretndanos na vespen
00 le 30. Priucti.iar m ..... m. E. _
COMPANHA BRASILEIRA
DE
At o dia 13 do correle, esperado o de
portos do sul o yapor Oyapock, commandan-
te o primeiro lente Antonio Marcelioo Poetes
Ribeiro, o qual depois da demora do costume
seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual deve-
r ser embarcada no dia de sua chegada, en-
commendas e dinheiro a frete at o dia da sabi-
da as 2 horas: agencia roa da Cruz n. 1 es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azovedo
& C.
Rio de Janeiro,
pretende seguir com muita brevidade o veleiroe
bem conhecido patacho nacional aGapusn, ca-
pito Theotonio Jos da Silva Rosa, tem parte
de seu carregamento prompto : para o resto que
lhe falta, tnla-secomos seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo cV C.
criptorio, ra da Cruz n. 1.
no seu es-
de Janeiro
Pretende ssguir com muita brevidade para o
Rio de Janeiro o velero e bem conhecido brigue
nacioo^cAlmirante, tem parta de seu cirregi-
mentoTi*mpto ; para o resto que lhe falta, tra-
ta-ae coed os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Akevedo, no seu escriptorio roa da Cruz
numero 1/.
COMPANHA LYRICi
Di
Quarta-feira, 13 de agosto de 1862.
Primeira representaco do melodrama trgico
em tres actos, como foi escripto para o thestro
de Vienna pelo celebre maestro Donizetti, intitu-
lado
14 HDEROMN
A aecopassa-se em Paris no reinado de Luiz
XIII, sendo ministro o cardeal Richelieu.
Principiar s 8 horas.
PANH1A PERNAMBUCA.NA
DE
yft^fi&o^s.teira. asuana*
ivahiW, Kio-tarande do Norte, Macau,
Afacaty, Cear, e Acarara*.
O vap. sJaguaribe, commandante Lobato,
sabr pala os portos do norte at o Acarac,
no da 7 e agosto as 5 horas da tarde.
Recebe, carga at o da 6 ao meio dii.Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o di
da sahida as 2 horas ; escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
Leja de marmore
(Em continuacao.)
Quarta-feira 13 do corrente
O agente Pinto far leilio a requerimento do
depositario da maisa fallida de Ferias & C e
por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commereio da srmaco efazendas da loja n. 41
da rui Nova, assim como de um escravo, movis,
joiase mais objectos que constituem a referida
massi.s 11 horas do dia cima mencionado n
aterida loja.
Um sobrado de 2 andares
Terra-feira 12 do corrente.
O agente Pinto fir leilo a reqnerimenlo de
Manoel AlvesGuerra, por despacho do lllm. Sr.
Dr. juiz especial do commereio e por conla e
risco de quem pertencer do sobrado de 2 anda-
res n. 28, ilo na ra dasCruzes, fregoezla de S.
Antonio, s 11 horas do dia cima mencionado
em seu escriptorio ra da Cadeia o. 9.
l*i
do
DE
Um predio
chao proprio na ra
Queimado n 30.
Quarta-feira 15 do crtente as 10 horas.
Por intervengo do agente Euzebio em virio-
de do respeitavel despacho do lllm. Sr. Dr. juiz
municipal da primeira vara e em sua presenja,
a requerimento do inventariante, tem de ser ven-
dido em leilo o sobrado de 3 andares n. 30 silo
na ra do Queimado part do qual pertence a he-
ranga da finada D. Antonia Maria de Castro, vai
ser vendida para pagamento de diversos credores
e parte perlencente a dous consenhores que au-
lorisam a 7eoda das respectivas partes que pos-
suem no predio, e assim ser todo ella vendido
para concurrencia du licitantes deveodo o com-
prador entrar eim o qesntitalivo da pirle perlen-
cente aquella heraDQi para depoeito, e o das par-
tes pertenceoles dos consenhores entregues a es-
tes no acto de lirmar-se a escriptura ; eujo lei-
lo ser effecluado no segundo andar do referido
sobrado s 10 horas do dia 13 do corrente.
L arimvera
21 tfua da Cadeia do Recife 21
Loja de miudezas de
Fonseca Silva.
Os propietarios deste estabelecimento tlm a
honra de avisar ao respeitavel publico, e mui oar-
ticularmeote aos seus fregueze, qe teodo efec-
tuado a mudenca de sua loja ra da Caduia do
Recife n. 16, acha-se j funecionando na casa
cima, aonde outt'ora fui o armazem dos Srs. C.
J. Astley & C. A Primavera j bem ceohecida
nao s dti seus numerosos freguezes, como do
publico em geral, tem um completo smimento
de miudezas, que se endem por precos razoa-
veis, em grosso e a retalho, assegurando-se aos
compradores a ingenuidade dos tratos.
Aluga-se um terreno qu? fica no
Caminho Novo, o qual produz capim
todo oanr.j para o sustento de 4 caval-
los : na ra Real casa n. 15 que faz es-
quina com a ra que vai para a capelkt
da Estancia se daro as informacSe ne-
cesarias .
Precisa-.se alugar urna escrava que saibe co-
tiobar, piga-se 303 mensaes agradando : na roa
di Aurora n. 80, i' andir.
No lerceiro andar o sobra jo n. 52 da rua-
da Cadeia do Recife, precisa-se de um escrava
ou escrava que cesiohe.
Precisa-se de orna ama se... para o se;vig
de urna cata de pequea familia : na ra estrel-
la do Rosario n.10. segundo andar.
Aluga-se
a loja do sobrado n. 2 da rus dos Mirtyrios com
commodos para familia : na thesouraria das lo-
teras.
O abaixo assigoado lendo no iario de
Pernambuco de 9 do corrente um annuocio da
Joaquim Vicente Marques, em que decan aquel-
lo que pretende comprar urna parte, pertencenta
ao abaixo assigoado,da casada ra da matriz de
Boa-Vista n. 33, que deve per em deposito o
prego porque elle Marques move urna questlo-
contra o abiixo assigoado, em que lhe pede o
pagamento de mais de setecentos mil rit (7009}
declara que sendo o mesmo Marquesex-tu'.or de
mulher do abiixo assigoado e aposentando susa
contas como credor da mesma por aquella quan-
tia, foi julgado pelo muilo diguo e illustrado Sr.
Dr. juiz de orphaos, que o ex tutor nao s na
era credor, mas era devedor a sua ex luteada
de quantia msnr de 90J
Como o abaixo assignado visse n'aquelle aa-
nunclo um mel indirecto de abalar o seu crdi-
to commercitl, liuila-se so que fica dito, que
bem desenha a sua situado em face do ex-lutor
de sua mulher, siluago de credor e nao d de-
vedor, pois al contra aquelle move urna execu-
go em juizo. Qunto a venda da parte da casa,
nada dir o abaixo aisignado, porque nem elle,
nem a parle com que contraa, recuaro pen-
te teas de aranha semelhantes.
_____________rrancelino E. Ferreira Chaves.
Aluga-sfl urna expeliente ssla e urna alco-
va na ra da Penha, lado da sombra, propria pa-
ra escriptorio ou para morada de algum hornero
solteiro : na ra Uireita n. 9.
Quem precisar de urna ama de leite dirja-
se a ra das Trincheiras n. 36.
Aluga-se um escravo proprio para osecico
de padaria por ter delle alguma pratica : a tra-
tar na ra do Rosario da Boa-Vista n. 12.
mez se
i vaccas de leite
com crias.
Terca feira 12 do corrente.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 4 excellentes vsccas de lcite em
um ou mais lotes : terga-feira 12 o corrente
pelas 11 horas da manha no largo da prags do
Corpo Santo.
Quarta feira 20 do coi rente
osea tan' t'Mp' -* ti ulmi
parte da primeira lotera
dos religiosos franciscanos de Olinda, no! "
consistorio da igreja de N.S. do Rosario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acham-se a venda na respec
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas coramissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr.' San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimente!, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia doltteife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As tortea de 5:000$ ate as de 10$ se-
rao pagas urna hora depois da extrac-
cao, e as outrss, porm, no dia imme-
diato logo que se tenliam distribuido as
listas.
Servindode thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Precisa-se
alugar um preto para andar vendendo fazendas
na ra com ura caixeiro : quem tiver e quizer
innuncie por eite jornal para ser procurado.
Precisa-se da quantia de 450a pelo tempo
de 10 mezes, a um e meio pur cento ao mez.
dando-se boas garantas : quem quizer fszer tal
negocio, annunde para ser procurado.
beneficio *' ecarinrio para a ra
m
do Rengo1, sobrado
andar n. 51.Tito Fiork Romano.
de
Aluga se a palana
n. 32, cede-se o sobrdo
dira.
di ra do Livrar;,ec:a
a quem pretender a pa-
Urgencia.
Terca-feira 12 do corrente.
Pelo agente Euzebio se far no dia aclms s
10 horas do dia de urna mobilia de moRoo a Luiz
XV, e outros movis, arranjos muilo precises a
urna casa, o que deixa se de descrever por se
lornar enfidouho este aviso, cujo leilo se efec-
tuar na roa das Cruzes n. 11, primeiro sedar,
por conta e ordem de urna senhora que se retira'
psra fora do imperio.
&Y1SOS
COMPANBU PERNAMBUG41U
R
Navegaco costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Assu', Aracaty, Ceara'.
O rejor Jjuorosst, commandante Vianna
sahir para os portos do norte at o Cear no'
da 26 do corrente s 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 25 so meio dia ; eo-
commendas, passageiros e dinheiro a frete at o
da da sahide das2 horas : escritorio no Forte
do Mattoa n. 1.
tPMil
a Babia
com multa brevidade pretende seguir o bem co-
onecido e veloiro brigue eicum Joven Arthur,
capilao Joaquim Antonio Gongalves dos Santos,
ceblas
O agente Pestaa vender em leilo por conta
de quem pertencer 50 caixas com ceblas de
superior qualidade em lotes i vontade dos com-
pradores e pelo maior prego offerecido para fe-
char conta : boje 11 do corrente pelts 10 horas
da manha na porta do armazem do Sr. Annes
defronte da alfandeire.
LEILO
SE
Uns mobilia de Jacaranda com tampos de pedra
marmore, duas cadeiras de brago de Jacaran-
da, urna poltrona, siis espelhos sendo quatro
com moldara dourada e dous de Jacaranda, 12
quadros jscarand, ama mesa de cbarao, urna commo-
da de jicirand obra multo btm acabada, urna
mirqueza de casal com dous colchdese travls-
seiro, urna dita com coleho, um lavatorio de
amarello, um ipparador, urna mesa elstica,
um guarda louga, duss carteiras, ama mesa
com cinco gavetas, urna cama de ferro -pera
menino, urna cadelra para baelo, urna colum-
na, urna tornelra, duas quirtinheirss peque-
as, dous candieiros a gaz, ous candelabros,
omgrande lustre de 11 luzes, um globo para
cindieuo, um vaso de pedra marmore, am
Precisa-se tomar a juro sobre hypolheca em
escravo ou casa nesta cidade 2:000} : quem
quizer annuncie por este Diario.
Gfftrece-se um rapaz que stb^bem 1er, es-
crever e contar correctamente a nngua portu-
gueza para ajudar qualquer pessoa no exerclcio
de suas funegoes ou para quelquer eaixairaria :
a tratar na ra dos Colhoa n. 13.
I
5, Aviso ao corpo do commereio.
Nos abaixo assigoados temos dissolvo amiga-
velmente a sociedide que tinhamos na 1oj'da
ra do Livram>>nto n. 14, que gyrav com a fir-
ma de Ferreira Irmo, ficando a cargo do socio
Firmiano Jos Rodrigues Ferreira Jnior o activo
e passivo da mesma casa, e Dcando livre o de-
setnbaragado de toda e qualquer responsabiliza-
da o ex-socio Franceliuo Deodato Rjdrigues Fer-
reira. Recife 10 de agotto de 1862.
Firraiano Joi Rodrigues Ferreira Jnior.
Francolino Ueodato Rodrigues Ferreira*
O abaixo assignado previne ao publica e a
quem pretender comprar ao Sr. Jos da Csta
Marlins, o sitio denominado Pogo Fundo, em Ipo-
juca, que o mesmo sitio pertence ao abaixo es-
signado e seus manos, por heraoga do seus paig.
i esa>0,8Daix,' signado sabe que o mesmo Sr.
Jos da Loita M*rtins procura vender o referido
sitio, e como elle nao senhor e sim morador e
isto contra a vontade de seos douos, por se ter
apossado, o abaixo assignado vai peraute os tri-
bunaes procurar seu direito: declara em tempo
para melhor clareza, que o sitio conhecido por
Pogo Fundo, na villa de Noisa Senhora do O'da
freguezii delpnjuca, e faz extrema com o enge-
nho Salgilo e liba do Quaresma. Recife 24 da
julho de 1S62.
._____ Bernardo da Silva Frcco.
Oflerece-se urna pessoa para er.goo:mar|e
mais algum servico ; na ra do Caldeireiro nu-
mero 14._______
A quem interessar
Eduardo Firmino da Silva, florista em ppele
panno, premiado com a medalhi da exposigSo
nacional, e admettido o seu trabalho a figurar na
exposico universal em Londres, lem a honra de
annuncisr ao respeitavel publico que sa encarre-
gi de qualquer encommeuda de flores para se-
nhora, bem como se offerece a dar ligoes da mes-
ma arte a aquellas senhoras que do seu presumo
sequizerem utilisar, mediante a paga quesecon-
vencionar: a tratar na casa de sua residencia,
ras Formosa n. 29, das 7 s 9 horas da manha!
e dis 3 s 6 da tarde. ________
Precisi-se de 60U a 800 feixes de lenha de
boa qualidade proprit para padaria : quem ti-
ver e quizer vender dirija-se ra dos Quar-
teis n. 16, que achara com quem tratar.
O abaixo assigiuao jelga etr detun de todo o debito a que se obrigou em juoho do
anno prximo paseado, perlencente a Dunrte An-
tonio Serva em virlude de um ibatimeoto e pe-
quena moratoria que de seus credore obteve em
seus creditos.em consequencia do o Ao estado dos
negocios do meimo, cujas quantias o abaixo as-
sigoado garanti, e boj. julga estar q>ite-, mas
se ainda issim alguem se ju:gar credor do mes-
mo Duarte por contas de livro, letras ou qual-
quer titulo, queira ter a bondade de i presentar
seus ttulos na ra da Lingoete n. 1 para ser KfE-
bolsado, no praso de 8 dias. Recife 9 de agosto
de 1862.Jos Miguel dos S>nlos.
Guilherme Leal vai a Bahia.
Club commeraal.
do corrente mez ter lugar
A reunio familiar
na noite do dia 14.
Offerece-se urna pessoa para cobrar disi-
ds, tanto no interior da provincia como para fo-
ra da mesma : aa pessoisque precisar dirija se a
pragada Independencia n. 6 e 8, em carta fecha-
da com as loiciaes A. S. F. J.
Aluga-se a sal com duas alcona do ter-
eeiro andtrda ra do Crespo n.18. proprio para
dous mogos solteiros : a tratar na mesma loja.
it
Precisa-se de urna ama forra
todo o servigo de ama cesa de
na ra do Queimado n 39.
que saiba fazer
pouca familia ;
O abaixo assignado, gerente e nico liqui-
datano da firma Rodrigues & Ribeiro, decidida-
mente autoriiido pelo meretissimo tribunal do
commereio, convida todos os senhores que se
seham deveodo mesma firma a que venhaco
quinto antesHelleer seos dbitos, pois contra os
que forem remissos ter o annunciante de proce-
der judicialmente. Recife 1.* de sgosto de 1862.
Manoel Joaquim Rodrigues de Soaxa.
r ociedade Onze de
Agosto-
A aquello estudiles que foram convidados
para fazer parte da sociedade- -Onje de Agostoso
previne que a reunio pars instsllago da mesme
ter lugar hoje as 4 horrs do tarde, no sobrado
da ra da Cooceicao n. 6.
Escravo fgido,
Fugio do abaixo assignado o seu etera^o Joo,
Angola, maior de 40 annos, com os sigoaes se-
guintes : estatura regalar, magro, e urr pouco
cambaio, por ler um joelho ochado, tem o roato
comprido. bocea grande, olhos avernelliados, e
voz um pouco rouquioha, e costuma trazer una
brinco na r.relba es]uerd, andava ganhando, 6
muito ladino, e de preumir que se intitule for-
ro, j esleve no Rio de Janeiro para ser veudo,
(Tunde veio ha poucos mezes. Foi comprado ao
Sr. Jos Paulo do Reg Barreto, da villa do Ca-
bo, que o houve de ama Sra. D. Mara das Ierras
do eoxenbo Serrinha, depois de ter ebrgado do
sul fugio para o Obo, aonde dizem que tem ama-
zia e filhos, e onde foi capturado. Amd* con-
serva sigues do castigo que soUreu por esta fu-
ga. Dias depois dse haver ausentado pela ul-
tima vez, foi visto no bairro de Santo Antonio;
grande mentiroso, e de crer que pretenda l-
ludirquem o csplurir; deixou ficar a roopf,
levou vestido caiga de brim de cor e aioiia de
madrasto. O abaixo assigoado protestar com
todo o rigor di lei contra quem o icoilar. Ra-
commendi-se aos senhores capites de campo e
autoridades policaee, e qem o trouxer ao ar-
mazem da ra da Cruz no Recife u. 33, ser ra-
coopenaado.
MUTILADO i
ILFGfVFI


'

Millo ft Piajuiauco. ^ segunda feiba u ni fcflETrtoH^Hf"
ATl^-
OSr. Aibert Aschoff-qlfeira til *
cito di.., a contar da data deate, paga0que
deve na ra larga do Rosario, fabrica da *""
n 21 do contrario ser vendido para embolso da
dita divida, quatro relogiosqee o mesmo seehor
deixou am meu poder em garant a dita qusn-
lia. Recite 8 de agosto e 1862.
Antonio Mara de Brito.
__Aluga-sa urna excelleule casa de campo,
com bastantes coramodos para fartilia, multo bom
banho, vista magnifica, muito freica, eUinal-
guus arvoredos ; quem a pretender, dirija-so a
ra da Conceicao n. 26, ou na ra Nova n. 26,
prioieiro andar. ______^_______
Ptecisa-se de ma ama para urna cosa de
pouca familia: na ra do Amorim n. 31, segun-
do andar.
Aluga-ae um moleque proprio para copeiro Leodo-se do Diario de Permmbuco um an-~
por ser el, ou pera qulquer servico : no roa do'
Livrameolo n. 12, Urceiru andar
4ma de teite.
Aluga-ae urna prela aio.a, limpa e com boa:
leitepsra criar: quem pretender dirija-se ra
do Imperador o. 83, legando andar.
Aluga-su o pumeiro e spkuuoo amares do
sobrad no becco das Bolas n. 10, com commo-
dus sui:ientepara familia: a tratar na ruada
Imparalriz segundo andar do sobrado n. 53.
nuncio, no qwal declara-se achar-se iusta por
venda a parle que lem Francelino E. F. Chives
e sua mulher na casa da ra da Matriz da Boa-
Vista n. 23, faz-s flenle ao comprador, que
para evitar questao sobre dito bem ou leu val^r,
ser conveniente cor o sen preco em d'poeito
com citaglo aos vendedores e ao bayio assigna-
do, visto que traz demanda corr os vendedoret
para o pegamento de rusia de 1'oOJ que lhe deve,
e nao lendo os mesmoi oVts bem alem da parte
da cass referida, naoptde na pendencia da lid*
dispdr validameule do que possue em damnodos
credores.
Joaquim Vicente Marques.
lO
0 Livro do Poyo.
Sabio & luz publica o LIVRO DO POVO, publi-1
cado tob a direceo do Sr. Dr. A. Marques Ro-
drigues, e eonlm a vida de N. S. Jess Chiisto,
segundo a narraco dos quatro evangelistas,
oais os seguintei irligos: o vigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca. Simio de Nantua, mximas e pensamenlos,
a bygiene, os deveres dos meninos, e o Brasil.
A publicacao do LIVRO DO POVO nao s tam
por fim untformiiar a leilura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
difirante, e portento facilitar o trabalbo do mes- ment acaba de fazer urna reforma completa em todos os aeua medicamento.
Ensiao.
i ma pessoa competentemente habilitada e que
t*ra pratica do ensino primario, francez, geogra-
phia e historia, comiua a leceionar por casas
psrticularos ; quem d ion preslimo se quizpr
Qtilisar, mediante urna psga razoavel, dirija-*-? a
ra larga do Rosario n. 38, segundo aniar.
Ollcrece-se um rapaz ha poucu cbtgado de
lora, para caixeiro de qualquer casa commercial
nesta praca, pala o que d coDhecimento de sua
boa conducs, e lern alguraa pratica, e sofTrivel
letra : quem de seu prealimo se quizer utilisar,
Bountie por esta folha para ser procurado.
Soeiedade de edificares.
Capital social ,200:000$000.
As peiso que quizerem subscrever para a for-
macao do capital a esta grandiosa o til emprer,
tcn o valor de terrenos ou casas a r*edifica-,
situados na capital otz arrabaldes. deverao dirigir
tuis declaraCji'S por escriia, indicando exacta-
mente a situaco, eztenio e confrouts^ao de
seus respectivos terreno* ou casas a re-edificar,
do escriulorio de lllm. Sr. Dr. Diodoro UlpiaDO
Coelho Gatanho, ra do Imperador n. 81. Faz-
se igual copvit-.i s pesaoas que quizerem sebs-
crever quantias de 100$0O at qualqusr quanlia
par clrua, seja valor eoj dinheiro correte, seja
em rxiateriaes, madeiras, transportes, etc reali-
sav-.is eui 10 prestacoee de 10 0,0 do capital subs-
cripto- pagmdo a primeira prestac&o oa occasiao
eai que for a^resnlado, para assignar o livro do
acto social, e as nove ouiras a 60 dias de praso
de urna a outra. Os artistas e ebriros sero
adraillidos a subscrever qu&olias de 10!'$ a 2005
i--ivcis em prealiQoes somanaes de 2J500 e
?'250.
^m s^ssss?^"
Jos Joaquim Lima Bairao saca a
vista ou pequeo prazo sob Lisboa : na
4JJ g ra da Cruz n 30.
Consultorio medicocirurgico
Consulta por ambos os syslenas,
Em consecuencia da mudanca para a sua nova residencie, o proprietario delta sitibeleci-
| 3-Rua estreita d Rosario3
n Francisco Pinto Ozoro continua a col- 9
locar entes articiaes tanto por meio de
& molas como pela presso do ar, nao re- 0
@ ceba paga alguma sem que aa obras nao 9
% fiquem a vontade de seus donos, tem pi t
", outras preparare as maii acreditadas #
<9 para eonservaco da bocea. 0
tre e do discpulo, como tambem vulgarisar, por
am prego baratlssimo, a historia do salvador do
mundo, e oa melhores preceitoi da moral.
Venda-se o Livro do Poto, no Recite, na
linaria da praca da Independencia ns. 6 a 8, a
500 rs. o xemplar em brochara, a 800 rs. car-
tunado.
Dentista de Pars.
15Ra No\a15.
Pateo do Livramento n. 11.
primeiro andar.
O dentista Numa Pompilio planta demtes rt
Sciaea por grampos e ligaduras a a pressao do
sr, dantos incorruplivois lobre ouro, systema
norte-americano e faz todas asoperaces da sus
arte com prorrptido a limpaza
Frederico Gaulier, cirurgiao dentista
. faz todas as operaces desua arte a e co-
H leca denlas artificiaos., ludo com -sdela
noridade parfeico que as pissoas-,en 8
. tanrtirtQ* Ttia rarnnhprtim .
O deseio quo tom do que os remedios do seu estjbelecimento nao se confuodam com os da
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ;o proprietario tem tomado
s precaucio de inscrever o 8e nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelle quo forera apresentados sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certoa acompanhar urna conta assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo a am pa-
pal marcado com o seu nome.
Outro sim : acaba de receber da FraDca granda porco da tinetars da acnito a belladona, re-
medio estes de summa importancia e cujas propriedades sao to couhecidas que os mesmos Srs,
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsosqur em tubos quer em tlncturascuslarao a lj o vidro.
O proprietario desle estabolecimeoto annuncia a seus clientes e amigos que tero, commodoa
lufficieutes para receber alguna escravos de um e outro sexo docntes ou que precissm de a!-ama
aparacao, affiaoQando que sero tratados com todo o disvelo a promptido, como saben: todoa
quellas que i tem tdo escravos na casa do annunciante.
A aituacao magnifica da casa, a commodidadedns banhos salgados sao outras tantas vanta-
gans para o prompto restabelecimento dos doentes.
Aspessoas que quizerem fallar com o annunciante devem procura-lo da manba at 11 horas
t de tarde das 5 em diante, a tora destas horas acharo em casa pessoa com quem se podero at-
ender raa da Giia n. 3 tasa do (undo do Dr. Lobo Motcoxo.
IJNu
imperial Instituto to'
Bom Gonselho
B precisa-so de um escravo para o servi
?; bnixo e offerece-se 20J> mensses
Precisa-se de urna ama para casa de peque-
ra familia ; a trat'r na raa do Queimado n. 0,
tu ni ra da Semala Velha n 140.
u
tendidas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificios, etc.
Nesta grande e bem montada fabrica de machioismo, a meis anliga no imperio, conlinua-se r>
executar com a maior presteza e perfeicao encommendas de toda a qualidade de machinas usadas
no paiz, tendo sempre prompto o egainte :
(irande sortimenlo de moeodas d cenna de lodos os systemai e tamanhos.
Machinas de vapor de divorsss qualidadea.
Taixas fundidas e batidas.
Oivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhde9.
Rodas, rodelas e rodas d'agua.
Guindastes Bzoa e portatis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serraria.
Fatexas para barcos, etc., etc., tudo por pTeco que bem conaida.

23^^
m&
m
&x o
PriCisa-se de urna pessoa que cozinhe bem,
e com limpeza, sendo escrava melbor : na raa
do Queimado, loja n. 46.
Prccisa-se de um ceixeiro para tomar con-
ta de urna taberna por balaoco, dando Ganga a
sua conducta ; a tratar no pateo da Ribeira nu-
ccro 13.________________________________
Companhia Fidelidade do se
guros maritiuios e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro, com o capital de
16:000:000$
Arenles eui Pm-n.-rnilniro
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo di C. compe-
tentemente aulorisados pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam sepuros de na-
vioi, mercadorias e predios, no seu eacriptorio,
ra da Cruz n. 1.
__ Aluga-seo armazern do sobrarlo n. '2, no
becco das Buias, para qualquer eslebeltcimenlo :
a tratar na ra da Imperairiz sobrado o. 53, se-
gundo andar. ^^_^________^____
Attenco.
Deseja-se saber noticias do reverendo padre
Manoel Damas, lho de Luiz Ferreira, natural da
freguezia de N. S. da Boaviagam, de Missa-
rellos, da cidade do Torio, que residi nesta
provincia bastantes annos, pede-se por_ obse-
quio a quem podr dar alRuroa ioiormacao a tai
respeito a bondade de o fazer na ra da Cadeia
do llecile n. 3, ou na praca da Independencia,
loja doSr. Figueira, pelo qoe muito se lhe fi-
cari obrigado.___________
Casa de commis-
ses.
O abaixo assignado, proprietario, est>belecido
e domiciliado nesta cidade, ra Direila n. 94 e
U5, acha-se competentemeole habilitado para re-
ceber gneros a consignacao, pedindo assim aos
lllms. senhores de engenho e lavradores, e m.-ii
outros senhores que queirm honrar-me com
seus productos : assucar, algodo, couros, etc.,
peloqje visia da conta de venda das primeiras
remessa9 poderao colher a grande diligencia que
fa^o para bem servir, e por ust meio poder me-
recer a palma, assim como as pequeas remes-
aa pode o portador dellas er o proprio conduc-
tor do seu liquido, pois nao haver duvida ser
despachado em continente, dobrando assim meu
rabalho, o queso vista das primeiras remes-
xas se pode apreciar, e que espero na attengao
: <3os meus amigos cooheciJos e estranhos. Recifs
'l do agosto de 1862.
Joao Iiiplisla da Rocha.
Aluga-e o segundo andar do tobraiio da
ra larga o Rosario n 48 : a tratar na mesma
ra o. 44.
H SOCIEDADE
i Archoeloffica Per
| nasubucsna. |
^ O" sacrelcrio da soeiedade Archeolo- Jl
8S| gica Peroambocana convida os Srs. so- Sj|
i i\ cios iostailadores reunirem-se no dia SJ
up 14 do crrente peias 4 horas da tarde no &&
f salo da biblioitieca provincial, am de t
3 serem discutidos os eslalutos aprsenla- p$
^y os pela respectiva commiaso.
lecife 7 de agosto 1862.
A. R. de Torres Bandeara,
Io secretario interino.
vmsam
Toda ateoeito!!
Antonio Gomes da Cunha e Silva, com loja na
ra da Cadeia do Recite n. 50, defronte da ra
da Madre de Dos, ruga aos seus numerosos de-
vedoras tasto desta cidade como tora della qwe
se sirvam mandarem pagar seus dbitos at ao
fim do correte mez de agosto, porque nao po-
dendo mais esperar passari a asar des meios
qeejulgar mai* conveniente para com aqaellea
que nao cumprirem bps deveres.
mm Alugam-se duas casas larreas novas e gran-
des, quii-1 e cacimba por 20$ meosaes : na
Baixa Verde da Capuoga : a tratar na praga da
Independencia n. 15, loj de calcado.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ba do Calinga n. IH. entrarla pelo
pateo da matriz.
Essa galera ornada eom os augustos retratoi
photographicosde SS. MM. e d*s sereoisaimas
princezaeimperiaes, assim como coro os de mui-
tas das principaes pessoas desta cidade, est a
disposicao do publico, que apode visitar todos
os dias das 8 horas da manba s 5 da tarde, a
examinar oa trabalhos expostos.
Continua-se a tirar retratos por todoa os sys-
tema3 photographicos, e especialmente por am-
brotypo e em cartdes de visita. Fazem-se tam-
bem mimosas miniaturas em talco para se collo-
carem em joias.
Os precos dos retratos sao os mais rszeaveis
que se encontrara nesta cidade.
J. Ferreira Villela, pholographo.
MMMiHniii'Mi-aftmaMHM i
1 O Dr. Rocha Bastos
d consultas lodosos dias.
Cura radical o em pouco das moles-
tia syphililieas e dos orgaos genito uri-
narios.
Consultas de Braca das 8 as 9 horas da
manba.
- '
! ':
i
\ G .
\
-
A
;-:
:
,
-. r-
itt:
- -r
:
**!
:-
eiftl
g
Defronte Jo becco da Gongrega^o letreiro verde. \
Neste estabelecimento ha aempra um sorlimento completo de roupa falta de
todas as qualidadea a tambem se manda executar por medida a vontade dos freg -
zea para o que tem am dos melhores protaasores. \
Ditos de seda a setim branco a 6 e
Ditos de gorguro da seda pretoa
a d cores a 70, 69, 4$ e
Ditos de brirae fusto branto a
^wy
V >_i*
85ge
Sobrecasacosde dito dito a 359 *
Paletots de panno preto e de co-
res a 359, 809, 259,109,189 e
Ditos decasemira de cores a -2-i,
15J, 129,79 e
Ditos de alpaca preta folla de
velludo fraBcezaa a
Ditos de merino sotiin prstoi e
de cores 9J e
Ditos de alpaca de cores a 59 e
Ditos de alpaca preta a 9JS, 79,59 e
Ditos de brim de cores a 5j,
49500, 49 e
Ditos de bramante dalinho bran-
co a 69. H e
Ditos de merino de eorda preto
a 159 a
Calcas do asumir pr*ta da co-
res a 129, 109, 9, 79 o
Ditas de -rir.za e merino de
eordao preto a 59, 69500 e
Ditas > brim branco a de cores a
59. 49500 e
Galeas de ganga d& torosa
p$|j Collete de reliado preto e de eo-
"?^3 resliso.ee bordados a 128,99 e
i5 Dil* de casemira preta e de eo-
p&& res lisos e bordados a 69,
ggS 59500,59
309000
308000
209000
99000
109000
3S50O, 29500 a
Seroulaa ds brim de linho a 2$ e
Ditas de algodo a 1*600 e
Camisas da peito dafusto branca
ede cores a 29400 e
83000 DiUs de peito le linho a 59, 49 e
395OO Ditas de madapolo brancas e de
8$500 cores a 39. 29500, 29 e
Chapeos pretos de massa francesa
35C0 forma da altima moda a 109,
8S500 e
49OOO Ditos de feltro a 69, 59, 49 e
Ditos de sol de seda ingleses e
89000 francezes a 14$, 129, 11$ a
Colarinhoa de linbo muito Anea
69OOO novos faitioa da ultima moda a
Diioa de algorto
495OO Rlogios do ouro patente e hori-
zontal a 100$, 909. 80$ e
28500 Ditos de prata galvanisados pa-
9000 tante a horizontaes a 409 e
Obras de oaro, aderegoa o meioa
89000 adereces, pulceiras, roxetas e
au.is a
Toclhaa da linho duzia 10$, 69 e
8$5O Ditas granes para mesa urna 39 e
391)00
29?00
1&2S0
Cartdisde visita
Carioes de visita
Candes de visita
ftra Carioes da visita
'' Cartoes de visita.
Precos
2*200
3000
7*000
2*000
reJuzidoi
Precos reduzidos
Pregos reduzidos
Pregoi reduzidos.
A duzia por 129
A duzia por 12*
1$600 c3S3lA duzia por 12*
CU A duzia por 12*
Duas dmias por 209
Duas duzias por 20*.
Novo eslylo de pholographia
Novo eslylo de photngraphia.
79000 '<-*-'-< Ambrolypos em caixss 29
Ambrotypos em csixas 29
Ambrolypos em caixas 2*.
O retratista americano
Alberto W. Osborn
Sortimente completo de iobreasacoi de panno a 25*. 28*. 308 359, casacos multo bam
(aitaa a 25$, 28$, 30$ e 35$, pale'.ots acajacados de panno preto de 16 at 15*, ditos c!a casemir*
Je cor a 159,18$ a 2(1;-, palatols faccos de panno e ctsemire do &9 al 14*, ditos rceos da alpaca
merino la do 49 at 69, solu-e i. alpa:a e mer. de 7* at 10*, caicae prt;as de cas mira de
s9 -ti 14$, ditos de cor de 79 at 10, r^upas para menino de todos os tamanhus, grande sorli-
mento de roupas de brins como tejara calcas, palctuti e cclletts, sorlimento do colletes pretos de
mtim, easemir e velludo de 49 9$, ditos para casamento a 59 a 69, paletots brancos de bra-
seante a 49 e 5f, calcas trancas ruito finas a 5, a um grande sorlimento de (azendaa fl r- s e mo-
mrnas, complolo sort|mcutode aaemirai inglezas para homem, menino e senhora, seroalas '.o
loho e algodo, chapoi de sol de, aeda, luvas de aeua de Jouvin para homem o senhuia. Tea
jos urna grande iabrlca de sl&iale onde recebemes encommendas de grandss obras, qae pan
nso etil seni'o admi^iatrnda poi **d hbil mestre de amelhatito arte e uui pcssoal de mais 'I-
lincoenla obreiros escollados, portanto aiscutau-os qualquer obra *om promptido e nall barate
ic que em oatra. qualquer un,
RA
1-0
llPEKAOP,
OO
70$000
80|000
9
9$000
4900o
3?
tmumu mmmim mmmm
E JUNTA CENTRAL 0E HYGIENE PUBLICA
Ra do Imperador.
RA
LO
IMPERADOS
OO.
DR
Banco Unio.
Eslabelccido na cidade do Porlo.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
veclo & C.
Sacam por todos os paquetes sobro o mesmo
Banco a prazo ou vista, e sobre asagentiaa em
Lisboa, Figueira, Coimbra, Aveiro, Vizeo, Villa-
Real, Regoa, Vianna do Castello, Guimares,
Barcelloa, Lamego, Covllha, Draga, Penaliel,
.1 VIGJNES
Os pianos dcsla amiga fabrica s|o boje assaz canlieciJos, para qus seja necessario insistir
sobre a sua superioridade, vanianens^e garantias que offerecem aos comp adores, qualidades eslas
inconteM^V'is ^ueelles tem rkait-ryamenie conquistado sebre todos os que tem apparecido n'esla
prara ; possuindo um lechdo e niachinismo que obedecem todas as voniades e caprichos dos
pianistas, sera nunca flbar por serem fabricados de proposito e ter-se feit> ltimamente melho-
raraentos impouantissimos para o clima desle paiz ; quanlo as vozes sao melodiosas e flautadas, o
por islo muilo agradaveis aosouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesla fabrica como ni do Sr. Blondel de Pars,
socio correspondente de I. Vigne?, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expo-
Brsganca, Amarante,
que se coavencionar
\ Cruz n. 1.
cito dias, ou ao praso' sicees.
no seu eacriptorio iua da
ELECTRO MAGNTICAS EPISPAST1CAS
Para serem applicadas s partes aectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-electro-magneticashepispasticas obtem-se urna cura radical a ina
fallivel era todos os casos de inflammacao ( cansado ou falta de respirafao ), sejam internas --
externas,como do ligado, bofes, estomago, bago, rins, ulero, pello, palpilacao de coracao, gar
gaita, olhos, erysipela, rbeuraatisrao, paralysia e todas as afeccocs nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as differerjtes especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o seu
ta.canho e profundeza por meio da suppuraco sero radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselbado e receiladas por habis e distinctos facultativos, sna ef&caia n-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazera merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, depoisde 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer 'as necessarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia e sendo inchacoes, feridas ou ulceras, o molde do seu
tamanho em um pedaco de papel e a declarado onde existem, am de que as chapas sejo di
taima! da parte affectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serao acompanhadas das competentes explicaces e tambem de todos 01 acces-
orios para a colloca^ao dellas.
Cosa: seas pescoae que o dignarem honrar com a cua confiaBca, em seu esariptoio, que
acharu abertoe todos os dias, sem excepc,o, das y horas da manha s da tarde.
119
119
O Sr Guide subdito italiano relira-ie
Bahia Rio do Janeiro.
parai
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
&WSII1
Para as encommendas i.^forraaroes dirijam-se a pharmacia de Jos Ahxandre Ribeiro
ra do Queimado n. 15,
CONSULTORIO ESPECIAL HOSEWATHIC
DO DOUTOR
Sk&INO O.L. PINKO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todoi os dias atis desde as 10 herai
te meio dia, acerca da seguintei molestiaa
fioiesttai da tnttlhtrtt, molcstiat das erian-
fat, moltttiat da ptl'.i, moltttiat dosolhot, mo-
Uttiat iyphiliiicat,todat at tspecits d ftbru,
f$tr$tinttrmitttnttt$tua$ eonttqutnciat,
Pii.VK-lACl* BSPBuUL KOHEOPATKICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa prc
jara.os aom todas aa cautela necosaariaa. ln-
alliveis em seus effeitos, tanto em tintura,jms
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
svei.
N. B. O medicamento! do Br. Sabino lc
anicamente vendidos ere sua pharmacia; todoi
qee o forem tora dola sa falsas.
Todas as earteiraa o acompanhadas de mu.
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
reopr aa segaintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
Igualmente na lista dos medica Diento* que sa pe-
la, As earteiraa qae nolevaremesseirapresss
assim marcado, embora enham natampa o o-
ra do Dr. Sabino sao falsos
Jlo Guillieniie Romcr.
Forrador, estufador e cortinador
recommenda-se com o seu preslimo em todss es-
las psoQssoes tanto de carruageni como de tro-
tinas, tambem pinta carros e encarregi-se de
todos os coocertos de ditos, faz arreioa para ca-
vailos, novos e concertoi, cortinado! de cama e
de veranda, tambem arranja todoa os preparos !
para os ditos tinto douradoscomo envernlsados:
na ponte Velha n. 8._________________________
A abaixo assiguada tem justo e contratado
a compra da taberna sita na ra Direila dos Afo-
gados n. 42, com o Sr. Joo Lourenco doi Sn-
tos.se alguem se julgar com direito a impedir
tal negocio queira no prazo de 3 dial dirigir-se
ra estreila do Rosario d. 4 cu a mesma ra n.
44, que acharo com quem tratar. Recite 7 de
I Agosto de 1861.
D, Alexsdtina da Silra Sales.
No mesmo eslabeleciment se acha sempre um esplendido e variado sorlimento de msicas
dos melhores compositores da Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos, sei do ludo
vendido por precos muito razoaveis.

intiga loja de Gadault.
Acaba de receber desua encommenda um graode e variado sorlimento dos se-
guintes artigos, os quaes vende por menos l por eenlo do que em outra qualquer
SSSj parte ; a saber:
StS Para msicas. Para noivas.
"^^ Variado sortimenlo de instrumentos
^^ para msicas militares e de orcheslra,
^^ instruoientos completos de chaves e
|2) apiston muilo perfeitos e.alir.ados do fa-
wjs bricante Gaulrot Ain-
Para carros.
As mais ricas e elegantes cspellas que
se pode desejar, asseverando sem errar,
serem as mais bonitas que aqui tem fin
do, ricos manteletes pretos com idrilhos
franja o mais moderno neste genro.
Para presentes
Muito lindas ceixinhaa para costura
mi
Guirnicoes compUtas para arreins de
carros de metal do principe ede latao pa-
ra um e dous cavallos, molas, vaquetas
francezas para cobertas, encerados, ga- homem.
Jj;s) loes, riess laoternas para carros e coupes,
w colleiras etc., ele.
com msica a sem ella, muito proprias pa-
ra darse de presmte a elfiuroa senhora
que se estima, ricos eitojos de barba para
Vid ros.
Um graode e variado sortimenlo de can-
delabros, serpentinas, lanternas com pin*
gentes e sera elles, palmatorias, copos
para vinho, clices, rodomas para ima-
gens redondas e ovaas grandes e peque-
as a vontade do comprador.
Para retratos,
Machinas muito superiores francezas
%es^) eamericanas grapdes e pequeas, grande
sortimenlo de chimicas para trabalhar em
todoa os processs. caiiinhas e passepar-
tou americanos e francezes, papel albu-
ggg min>d0 elc-
swaiej
mmmmm
Espelhos.
Grandes e pequeos com molduras
pretas e douradas, proprios para ornar bo-
nitas salas, sendo os vidros muito grossos
e de primeira qualidade.
Avulsos.
Camisas de linho para homem.
Carleiras e charuteiras.
Banleijas grande! de30 palmos a 3$.
Gollinhas e manguitos para senhoras.
La de todas as cores para bordar.
Talagarca.
Seda frexa de todas as cores.
Lindos eofeiles para senhorai.
Oculos e lunetas de lodaa as qualidades.
Fumo fraocez, americano tambem o
spreciavel fumo de borba com os seus
competentes cachimbos e tanari elc.
"''?''i** x?
<.
MUTILADO
ILEGVEL


DURIO B PEWIAMBLCO SEGUKDi. FRilA i*
1862
SE61JDA EDICtVO
THESOURO HOMEOPATHIGO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo tioutor
SilDH Este livro qe se tem tornado lo populir,
cuanto necessario, acaba de ssr publicado com
lodos os melhoramentos, qe a experiencia t oa
progressoa da sciencla tem demonstrado. A no-
va edicgao em ludo superior primeira, eu-
eerra:
1.* Mal ampias noticlai acerca do curativo
daa molestias, com indicagoes mu proveitosas
dos medicamentos novos recentomenle experi-
mentados na Europa, noa Estados-Unidos e no
Brasil.
2.* A eiposicao da doctrina homeopatba.
3.* O estudo da apropriago dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentoa,
aaa idades, dos sexos, e segundo as clrcumstan-
ciaa atmosphericss etc., etc.
4.* A preservado ou prophilaxia das moleatias
hereditarias.
5.* A preservaQao das molestias epidmicas.
6." Urna estampa illuatrada demonslraliva da
continuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o anus etc., etc.
Vende-se na pharmacia especial homeopa-
tihca, propriedade do aulhor, ra de Santo
Amaro (Mundo Noto) n. 6.
Prego de cada eiemplar. i 20*000
N< B. Os senhoreaaasignantea queiram man-
dar receber seus eiemplaree. .
j| Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado agente do Banco
Mercantil Portaenae nesta cidade, saca
effecTamente por todos os paquetes so-
bre o mesmo Banco para o Porto e Lia-
boa, por qualquer aomma avista a a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo serem
5f4 descontados no mesmo Banco, na razo
8 de 4 por canto ao uno aos portadorea
| que assim lheconvier : naa ras do Crea-
9 po n. 8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Aviso.

JoSo da Silva lanos,
medico pela Universidade
de Coimbra,
da consultas em casa, das 8 s 10 horas da ma-
chia, e presta-se a qualquer chamado com a bom
conhecida promptido.
Gasa de saude em Sanio
Amaro.
Dr. Silva Ramos,
Este eslabelecimento j bem conhecldo, eeon-
ceituado nesta provincia pelos relevantaa servi-
Sos que tem prestado, contina as melhores con-
dices debaizo da direccao de sen proprietaiio
receber doentes de todas as classes, os quaes se-
tqfl tratados com todo e zelo e interesse pelos
presos seguiotes :
Primeira classe.... 3#000oumais.
Segunda dita...... &500.
Tereeira dita...... 3$OO0.
Em qualquer das classes os brancos flearao se-
parados dos negros. Os alienados de 2.a e 3.*
classe nao furiosos pngarao a diaria ordinaria,
sendo furiosos pagaro mais a quarta psrte. Os
alienados da 1.a classe pagarao segundo oajust'a
H & Ra das Flores n. 57. 9
@ Sarao dada consullas medicas-cirurgi-^
cas pelo Dr. Estevo Gavaleanti de Albu-
3!> juar^ue da 6 aalO horas da manha, ac-
cudindo aos chamados com a maior bre-
vidade possivel.
g*t l-o Par.os. m
$ 2. Molestias de pelle. fg
^ 3.a dem do olhoa. j
@ 4.a dem dos orgaos genltaei. t
Uj Praticartoda equalquer operago em #3
r:rj aeu gabinete ou em casa dos doentes con- g
i<, forme Iheslr mait conveniente. 9
ENSINO
DE
PARTIDAS COBRADAS
E
Dirigido por
MVXOL FOXSFV BE MEDEIROS*
SEAS VEZES POR SEMANA
TERQAS E SEXTAS
DAS 7 AS 9 HORAS DA aOITE-
RA NOVA N. 13, 2. ANDAR.
O aballo sssi*nado morador na cidade do Rio
Formoso, j tendo avisado e protestado por este
jornal de 11,12 e 13 de juoho de 18G0 a todos e
cootra todos, que si dhem illegalmente sanbo-
resde urna legua e meia de trra, que por jus-
tos e valiosos ttulos perlence ao abaixo assig-
nado, de novo se aprsenla scienlilicando a to-
dss em geral, e a cada um de per si, que o abai-
xo assignado o legitimo senhor e possuidorpor
justo e bom titulo da dita legua e meia de trra
na freguetia d'Agua-Prets, a qual comega do lu-
gar denominadoCsioeira seccana ribeira do
rio Una.seguindo pela ribeira do riachoPiran-
gi grande cima. Declara para conhecimento de
todos que dita legua e meia de trra demarca
pele norte com o rio Unapelo poente com o
riachoPiraogi grandepelo sul com trras do
Calende e pelo nscente com trras do eogeoho
Japaranduba e outra sismara anneio : que oa il-
legitimos posseiros foram chamados a eonciliagao
para enlregarem a propriedade do abaixo assig-
nado e saberem que s o mesmo abaixo assigna-
do o legitimo senhor e possuidor da referida
legua e meia de trra, que j fui competente-
mente registrada, e a qual houve por sismarla de
1782, que Ihe foi traspasssda e cedida por com-
pra aoa legtimos sismeiros : pelo que os illegaes
posseiros logo que foram chamados a concilia-
rio abandonaran) as obras, que em algumas par-
tes do dito terreno estavam fazendo.
E aprovaitando a occaaio declara mais que
tambem aenbor e legitimo possaidor de urna
legua de trra em quadro, que foi concedida por
S. M. Pidelissima em dala de sismara a Joao
Leandro Soares de Araujo e sua mulher D. Lou-
renga Isabel da Visitacao, j fallecidos, e por. es-
tes vendida ao finado vigario de Una Vicente
Ferreira de Mello e Silva, e pelos herdeiros des-
te, instituidos no respectivo testamento solemne,
foi vendida ao abaixo assignado, como tudo cons-
ta do testamento e escripturaa existentes, em a
qual esto indebidamente edificados o engenho
Souza e mais duu3 da mesma freguezia de Agua-
Preta, sendo que desta legua-de trra em qua-
dro s foi vendida urna quarta parte no sitio do
riachoCatembre fazendo piao no dito sitio e
paasagem do rio Piraogi. E para que niuauem
se chame ao engao em tempo algam ainda pelo
presente se protesta contra quaesquer outrbs,
que, por se apossarem de trras alheas, eslo
sugeitos as penas dos airees, que so descrevem
no titulo 3" cap. 1 e 2 da parte 3a do cod. penal;
sendo que por motivos de molestia o abaixo as-
signado tem deixado de fazer effeclivo seus di-
reilos, o que far logo que cessem taes motivos.
Rio Formoso 15 de julho de 1862.
Antonio Gomes de Macelo.
Wovo retratista.
Ra do Crespo n. 18, primeiro andar, tiram-
se retratos pelo syatema dag'jerreotypo por m-
dicos presos ; vo-se tirar retratos de pessoas
moras dentro e fora da cidade.
Alugam-sa as casas terreas n. 105 da ra
de Santa Rita e n. 27 da ra dos Burgos, e o Ia
andar da eos -. n. 193, na ra Imperial : a tratar
na raa da Aurora n. 36.
Tola attenco.
Custodio Jos Alves Galmarea avisa ao rea-
peltavel publico, principalmente a todos os seus
freguezes e amigos, que se mudou da toja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida e amiga loja
de raiudezas que foi do fallecido Joao Cogo, hoje
ser conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito eslabeleoimento,
onde acharo um grande sorlimento de mudezas,
queaffisnga servir bem e vender por menos dez
ou vinte por cento. do que em outra qualquer
parte
Precisa-se de urna ama de leite para criar
urna recemnasclda : a tratar r.a roa da Aurora n.
80, 2a andar.__________________
Bailar & Oiiveira eacam sobre a praca do
Porto.
Boa fama n. 35.
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
Grsmpos a balo com pendente douradoa a 2$
o par.
Penles imitaado tartaruga para bandei, ulti-
me gosto 3jo par.
Fivelas para slntos, fizenda inteiramente nova
a 2# o par.
Alflnetes pretos com dourado para senhora, in-
teiramente novos a2$ cada uro.
Botos pretos coro dourado para punhes, intei-
ramente novos, a 29 o par.
Botes de tartaruga para punhos a 1^500 o par.
Na ra do Qaeimado, loja de miodezaa o. 35,
da boa fama. _________
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roupa a le.
Agua de malabar para Ungir cabellos a 50 o
frasco: na ra do Queimado.loja de miudszasn.
35, da boa fama.
Cartas finas para jogar.
Vende-se duzia de biralhos da cartas finas com
as ponas douradas a 60, dita sem ser dourada a
30500 e 48 : na ra do Qutimsdo, loja de mu-
dezas n. 35, bo fama.
Fitas de la para debrum.
Vendem-se pecas de Qta de la para debrum a
18, e em vara a 120 rs., ditas de seda a 20400, e
em vara a 240 : na ra do Queimado, loja de
miudezas o. 35 da boa fama.
Nova exposi-
cao de candieiros
a gaz.
Chegou a nova exqosigao
Chegou a nova exposigo
CriBgou a nova exposigo
Chegou a nova exposigo
Chegou a aova expsito.
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz.
Sortimento completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Scrlimenlo completo.
Gaz de primeira qaalidade
Gaz de primeira qualidade
tiaz de primeira qualiJade
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade.
S tem na nova exposicSo
S tem na nova exposiQo
S tem na nova exposigo
S tem ne nova exposico.
O proprietario deste ostabtlecimento avisa ao
publico em geral que tem recebido um completo
sorlimeDlo de candieiros a gaz para ricas salas,
quirtos, escadas, eogenhos e para estudos pe-
queos que pode eom s economa de urna gar-
rafa de gaz ter para 60 horas de luz, ricas cadei-
rasde balando de ferro com estofo adamascado
de linbo, lavatorios de ferros econmicos com
todos os pertences, com esgoto no fundo da ba-
ca, ricos quadros para ornamentos de salas e um
riquissimo sortimento de objectarias a imitago
de marfim para senhoras approvadis na ultima
exposico das princezaa tendo o premio maior,
riquissimas pulceiras a imttacao de camafeo, lu-
do se vende por diminuto pr$o que muito de
ver agradar aos pretendentes ; na ra Nova n
20 e 24. loja de Carneiro Vianna.
T Vendem-aa lachaa de ferro cuado do aator
mais acreditado : na roa do Brum, armazera de
MIMM de Jos da Silva Loyo & C.
lNmUMENTOS I
DE 5
MSlSAj
EM CASA DE
I Hyppolito Domont. |
|AT. 9 Ra Nova N. 9|
o Nesla bem conhecido eslabelecimento #3
s musicai existe sempre um completo sor-
I lmenlo de instrumentos musicaes dos S
Jg melhores fabricantes da Europ, instru- 12
JS mentos completos a pistn ou sem elle, 3R
S para msicas militares e de orcheitras e S
outros muitos instrumentos de diversas *
E qualicades e Doalmenle todos ns oojectos S
** perteoecntes a msica se vendem neste I*
I eslabelecimento,
Msicas.
No mesmo estabtlecimento existe um 9
grande e variado sortimento de operas 1
complelas para piano e canto e piano s, 5
assim como phentasias, cavatinas, arias S
e duelos exlrahidos das melhores operas ?
para piano e canto e piano a, modinhas f
brasileiras com acompanhamento de pia- 5*
no, qoadrilhas, walsas.polkas, schotlischs S
para piano, msicas diversas para flauta, f
clariaeta, rabeca, violo, melhodcs para 8
todos os instrumentos.
exposico de fazeudas baratis
simas na ra da Ioiperatriz
na loja e armazeoa da arara
numero 56, de Magalhes A
Mendes.
Vende-se muito baraio para liqaidar, a ser:
cortes de chita com 12 1|2 covados por 2g500. di-
tos de ossas de cores a 20500, ditos preos a
20500, chitas escuras a 160, 180 e 200 rs. o co-
vado, ditas francezas a 220, 240 e 280 o covado :
na ra da Imperatriz. loja da arira n. 56.
uojmpms.
Na ra da Gloria n. 40, compra-se urna es-
crava preta moga que seja perfeita ,.engoaima-
deirs.
Compram-se acedes do boto banco e Per
oambuco : no escriptorio de Masool Ignacio de
Gliveira Filho, lirg do Crpo Snto n. 19.
A
Libratorio
DE
Lavagem e engommado
Je roupa, de Ramos A Pi-
mental.
Ernpreza importante, quo val prestando rela-
vantes servicos seus freguezes pela promplido
a psrfcico com que lava a roupa sem a estragar
PREgOS.
Roupa sortida (embora nao venham meias nem
longos) 40 rs. por pega.
Pegas gran les isoladameute 100 rs.
Rvjupas do navios, vapores e hospitaes 70 rs.
Dita da familia qu nao fregueza 80 rs.
Dita de doeute de familia que nao fregueza
a 120 rs.
Urna rede ou cortinado de cama oa varanda
a 500 rs.
U prego dos engommados mdico e confor-
me as pegas, como coatumam fazer as engomma-
deiras. O praso da eolrega da roupa lavada
8 das, e engommada 15, sendo que muitas vezes
est prompta antes do praso. Deposito na ra
Nova.
Alaga-ee o primeiro andar do sobrado n.
22, na ra eetreita do Rosario : a enlender-se na
mesma ra casa n. 23, segundo andar.
ag) Joa Elias Ferreira Coala tem ao p da 9
49 fundigo 3 casas para alugar, urna de 30$ o
K o2de 100. 9
Precisa-se alagar urna oscrava pera vender
na ra, quo seja diligente para negocio : na ra
larga do Rosario a. 21.
Sarn Marsdea e seus tres Ulbos menores
retiran) se para a provincia do Maranbo.
Aluga-se urna casa prupria para taberna
em muito bom lugar para um principiante com
pouco dioheiro, na Soledade raa de Joao Fer-
nandos Vieira, que descobra todo o pateo da
igreja : a tratar na ra do Crespo o. 18, pri-
meiro andar ou na padsria confronte a meama
igreja:____________^_____________________
Koga-se aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Kibeiro de Oiiveira que
teve loja na ra Direita n. 55, que ha-
jam de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
48, evitando desta forma o receber se
judicialmente e publicar-se seus nomes
por este jornal. J
Coojpram sa dous escravos !e boa conauc-
ta, sendo um perfeito offlcial de carpina e o ou-
tro de forreiro: a trslar no grande armazem de
ferragens e miudezas na ru do Queimado n 49
Compra-se urna prala moga que saiba cozi-
nhar e engommar com perfeigao, e sem vicios :
quem tiver neslas condicOes, dirjase a ra do
Queimado, loja n. 51, que agradando, nao se
deixar de fazer negocio.
Compra se urna nova liteira quo seja bem
construida e forte : na praga da commercio Cor-
pe Santo n. 19.
,
'' 1
Remedio infallivel contra as agnor-
rheas antigs e recentes, nico deposito
na botica ranceza, ra da Cruz n. 22,
preco 3#.
Libras sterliuas.
Vendem-se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oiiveira & Filho. largo do Corpo Santo n. 19.
Venda
de um grande predio em
terreno proprio.
Vende-se o sitio denominado Cortume, no fim
da ra de S. Miguel noa Afogidos, com aa pro-
porges seguintes: Com 300 bragas do rio Ibura
cima e 120 de largo, urna casa de um andar no-
va demorar, eom 2 grandes salas, 6 quarlos,
terrago do lado, porta propria para entrar carros
para a loja, tendo nesla 4 quartos proprios para
escravos, cocheira junto a casa para 5 cavallos,
casa de baohocom tanque e bomba com um al-
grete ao lado, urna grande olaria coberta de telha
sobre pilares de lijlos com 400 palmos de com-
primento e 60 de largnra, tendo no centro um
grande (orno que leva 16 mil lijlos grossos com
coberta de ferro as extremidades, tem urna casa
sobre pilares de lijlos com um forno pera obras
Qois, na outra extremidade ha tr*s quartos para
os trabajadores, que rendem 108*000 por aono,
tendo no mesmo sitio barro para ambos os tor-
nos, e parte da lenha cortada nos mangues do
mesmo sitio, tem 5 carros de trabalho, 2 canoas
para conduzir lijlos, 2 ditas pequeas, tem um
viveiro promplo e 4 principiados, tendo em todos
peixe, 115 ps de coqueiros de fruclo, 2 peque-
nos principiando a botarem, laranjas de embigo,
saleta, fruta-pao, goiaboiras, jaqueiras, manguei-
ras, tudo novo principiando a botar, caes para
embarque em qualquer mar. Recebe em troca
algumas casas terreas ou sobrados deum andar,
em qualquer das ras desta cidade ; a tratar no
mesmo sitio, ou na ra Nova n. 18.
Vendo-se o engenho Drago, moeote e cor-
rete, nao a d'agua copeiro como de animaes,
sito na cidade da Victoria, tendo muito boas tr-
ras para qualqu*r lavoura e matos pertos : quem
pretende-lo, di rija-ae ao mesmo engenho, a tra-
tar com o seu dono, oo na cidade da Victoria na
ra do Meio com o Sr. Joao Vicente de Brilo
Galf&o, que lhe mostrar o vendedor.
Vende-se por preciso um escravo mualo,
com 20 anuos de idade. sabe cozinhar, tlel e de
boa conducta, o ptf co de 900J: a tratar 00 pa-
leo do Paraizo n. 30, 2* andar.
Vende-se urna mobilia de mogoo 5 55
XV; oa ra das Cruies a. 11,1 andar.
Vende se a casa terrea n. 91 da ra Au-
gusta, com 3 janellase urna portado frente, com
-o <*}** nuat'" taurina, corredor indenenden-
te, cosioha fora, quintal murauo e cacimun
meeira, catada e pintada de novo, em perfeito
estado, pode ser examinada pelos pretendentes ;
a tratar na travessa da Madre de Dos n. 13.
Em casa de Mills Lathain & C
na ra da Cadeia do Recie n. 52, ven-
de-se :
Queijos flamengos muito frescos chega-
dos pelo ultimo vapor.
Vinho do Porto engarrafado de muito
superior qualidade.
Cerveja de diversas marcas em barricas
de garrafas e meias ditas.
Arroz da India.
Salitre refinado.
Oleo de linhaca.
Pedra hume.
Sulfato de ferro.
Secante.
Alvaiade.
Azarcao.
Tudo vende-se por commodos precos
e a vontade dos compradores.
Eui casa de Mills Latham & C. na
ra da Cadeia do Recife n. 52, ven-
dam-se duas machinas a vapor de nova
invencaopara engenho de assucar sen-
do urna deforca de 12 cavallos e outra
de 14 ditos e rame de ferro para
jardim.
Grande armazem I
Tintas para todos os|
gneros de pintura, s
*RUA DO IMPERADOR N. 22.5
Joao Pedro das Neves tem a honra de I
participar ao publico e em particular aos 32
Srs. artistas pintores que tem estabeleci- 8
8 do na ra do Imperador n. 22, um gran- ||
d% armazem de tintas para lodos os gene- **
E ros de pinturas, onde os Srs. artistas
acharo a mo para combinagao de sua S
m arteum completo sortimento de tintas Si
g de todas as cores, das quaes sa lhes dar S
11 amostras nao s psra que possam reco-
nhecer suas boas qualidades, como para
combinarem o seu emprego ; acharo i
tambem em quanlidade verniz copal, rd-
xo, branco, trigueiro, para quadros, para 8
S carros e para o interior, plnceis, olos se- i
cativos, essencia de terebentioa rectifi- 8
Scada a mais propria para dissolver as Un- fft
tas, pe iras psra buroir, ouro em p, ou- 8
i ro em folhas, diamantes para cortar vi- <
S dros, sortimento completo de objectos 2
fl para fiogir madeira, calxas com creioes 2
papis de lindas e finas cores, pinceis ff
de marta, lelas para quadros j estendi- J|
das. palbetas para pintores, vasllhames
de folha lindamente pintados para loilets, 1
easencias aromticas, oleo de amendoa
verdadeiro, colla fina para pintura, ps- 8
aellas para cosinhar colla a banho mi- *
ra, gomma copal alva e amarla; can-
daraca, gomma laque e muitoa outroa
objectos proprios a pintara e a marci-
Sneiria.
Sendo esto ealabelecimeolo intairamen-
Re novo e nico oeste genero, aupprido -
directamente por grandes fabricas de i
Pars, Londres, e Hamburgo, est no ca- l
so de offerecer ao publieo productos no- fT
fvos e garantir seas verdadeiras quali- S
dades. |
8 No ponto em que seacha montado po- tt
de satisfazer qualquer eocommenda para M
I grosso trsto e a retalho quer em tintae S
8 secaa quer em moida em mana psri o |
que tem a competente machina.
KM****;* wmmmtmmx
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55 loja de miadezas
de Jos de Azevcdo Maia Silva, est vendsndo
todas as miudezas barjti9imss, a saber :
Frascos grandes com superior opiata a 500
Carrileis de linha de cores com 200 jar-
das a g0
Ditos de retroz de cores, menos preto a 210
tonas com iscas para accender charutos 40
Uuzas de metas cruas muito superior a 2SlU'J
^ovellos de llnha muito grandes e su-
perior a 40, COe 1So
Ditos de cores, a melhor que ha a jo
Phosphoros em caixaa de olha, s a ca-
xa val o dioheiro, a gQ
Carloea de linha com 200 jardas, a me-
lhor que ha gQ1
Ditos, ditos brancos e de cores com 03
jardas a orj
Duzia de facas e garfoscabo preto, unas 3"0
Dita de ditas cabo branco a 3&2O
Thesouras grandas de 6 polegadas a 40 e 80
Saceos para escrotos com siula de bor-
racha a 320
Titeiros de vidro com superior tinta a ICO
Ditos de barro cod superior Unta a 100
Masaos com grampos lisose de caracol a 40
Duzia de phosphoros de vella a 200
Pares de meias de cores para meninc a 160
Groza de peonas d'ago superior a juo
Areia preta para botar na escrita a libra 100
Colxetes em cartes, com duasordens e
qualro pares grandes a 80
Baralhos de cartas francezas a i'iu
Ditos portugueresnoa. 0
Thesouras p-equenas, porm de superior
qualidade a 209
Colxetes francezes em caixa a 50
Duzia de meias alvas, para bomem a 1;60
Dita de saboneles linos a otj
Sabooeles grande e superior a lio
Tramoia do Porto muito superior a vara
120 a 160
Pares de botes para punhos a 2<0
Alm destas miudezas teta niuita mai que se faz
preciso vender e nao engeitar dinheiro, assim
como sejam : labyrintos para todo o preco, areia
preta a 100 rs., porm quem quizer comprar em
arroba venda-se por 2$, baralissimo mesmo
para quem nao precisa.
Sebo do Cearc
Proprio para fabrica de velas ou de sabo :
vende-se em barricis a prego commoo ; na ra
do Vigario n. 9, primeiro andar.
Na ra da Imperatriz bu-
hEffclGINCMPmvr.
UNGENTO HOLLOWAY
Kilhares da individuos de todas $ t,.,^
pode testemunhar as viriudes destcrtmedi:
incotnparaveleprovaremeaso necessaric,qu.
pelo uso que dalle fizeram tem hcotmi
aiemhrosinteiramentesaosdepoisdehaTer ea-
?regadointilmente ouirostratamenios. ad
pessoa poder-se-haconvencar dassascuras ni.-
ravtlhosaspelaleitura dos peridicos, osabV
ralatam todos os dias ha muitos ancos ; a .
maior parte dellas sao lio sor prandant.s qut
admiram os mdicos mais celebres. O^nw
paeaoas recobra raa eom sta soberano -c-ec-
o uso da seus bracos a pernas, dept: datrjr
permanecido longo tempo nos bospittea o mi
iaviam soffrer a ampuiago 1 Dellas ba ian,-
casquehavendodeixadoesses, asylos dfc-it-
ttUMBtoi, parase nao submetereE s/om
ragao dolorosa fora curadas completai ,
medianu o uso dess.precioso rtatadic.
SSL \'"Po.naenfusodr s, rece-
uhoetmento declarara, teareaultados h6Z
.di.nt. do lord corredor oo, L.!
irados.afimde ataautenticare aaeafirinati,
lNingtteaa desesperara do estado desv,e
tivessebastnte confianga para encinar es; re-
medio conslantemennseguindo t!gum tempai .
tratamento que necesstasaa a natureza o mt,
cujo resultado seria provarinconteataveu*u.
Quj ludo cura.
Onngnento heutll, ma.s par.teo-
larmate nos BMufnteacasos
mero 20.
Arara vende os chales.
Vendem-se chales de merino estampados a 3#,
ditos de las e seda a 2$, ditos de laa a ljj, ditos
abertos a 640, guardanapos para mess a 200 rs.
cada um ; na ra da Imperatriz, loja da arara
numero 56.
Arara vende as gollas.
Vendem-se gollinhas para seuhoras a 500 rs.,
ditas com bolozinho a 640, ditas redondas de
traspasso a lj, manguitos e gollas de linho para
senhoras a 2&, leocoa brancos a imitagao de la-
byriolho a I56OO o i$ : na ra da Imperatriz, lo-
ja da arara n. 56.
Arara vende as capas.
Vendem-se ricas capas para senhoras, de gros-
danaple preto a 20 e 25g, ditas de linho de cores
a 65, ditas de la a 9g, ricos cortes de organdys
com duas saias e com 25 covados por 8, ditos
IllOt'Mm 15 covados a "/, ditoa de la de duas
saias H 22 covans a bS, ditos de gorgurSo
com II covados a 6j)500 : na ra da Imperatriz,
loia d arara n. 56.
' t----------------------------------------------------------------------,
v Arara vende os corpinbos.
Vendem-se corpinhos bordados para meninos
e meninas a 1JJ cada um, pegas de tiras bordadas
da larjura de 4 e 5 dedos a 12S0 e 1S600, pegas
de eremeios bordados a lj>, 1200, 1S400 e ,.
l60tV; na ra da Imperatriz, loja da arara na- K^r^222^^-S2^St2--:f*
mero 6.
Alporcas
Cimbras
Csllos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabega.
das costas.
dos meaubros.
Enfermidades da culi!
em geral.
Ditas de anus.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gongivas escaldadas.
fuebaces.
nflammi-gao do figado.
Vende se o segui-tte.
Bramante com 10 palmos de largura a 1^500,
riscadinhos escurosde tr fixa a 160 rs., es asas
de eores a 280 e 320 rs., oleados para cobrir
mesas a 2$, indianas muito hnas a 1$, chitas a
160. 200, 240, 280 e 320 rs., cambraias de sal-
picos de cores e brancas a 400 rs., cobntores
brancos e escuros a 1320Q, 1^600 e 2?, pannos
linos prelos o de cores a 2, 200 e o-~, cam-
I braias para cortinados a 2$ a pega, ditas lisas a
23. 35, 4S e 5S, tapetes muito linos a 6-j e 7$,
! chapeos de seda e de castor muito Anos e do ul-
; timo gosto do Pars a S e 9tf, ditos de fellro fi-
no copa alta a 5>, casemiras par:: forro de carros
a 1^600, corles de dita muito lina pura calcaa a
4tf, pecis de entremsios a 1"\ e fimluieDt ma-
dapoloes, algodes, brins, bretanbas e outras
muitas fazendas que o dono do estabelecimanto
est resolv o a vender muito barato afim de
apurar dinheiro, dando-so as competentes amos-
| tras com penhor.
InflamKgo da be^tt;
da matriz
Lepr.
Mies das pamas,
dos pe tos.
de olhos.
Mordeduras de repiia.
Picadura de mosquito!
Pulmes.
Queiraadelas,
Sarna.
Supuragoes ptridas.
Tinha,- ei* gnalquei
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das arcnlacocs.
Veas torcidas ou jo-
das as perr.?s,
Vende-se esta ungento no estal;1'- jente
geral de Londres n. 244, Suand, e :.a toja
de todos os boticarios droguista e ouiras pes-
soas ancarregadas de sua venda em toda, a
Imarica do sul, Havana e Hesnanha.
Vende-se a SCO rs cada bocetinha conltt
urna instruccao era portugaei p?ra plieare
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral era rasa do Sr. St-uaa,
harmaceutico, na ra da Crux n. t22. es
parnambuco.
Arara vende as colchas.
Jem-se ricas colchas para caras avelluda-
e chita a -2c, cobertores de algodao a
rui da Imperatriz n 56.
Arara vende as cambraias.
Vertdem-se pegns de cambraia lisa a I36OO, 2g,
2J}00A33 e 35500, cass>s adamascadas para cor-
tinados com 20 varos a 93, ditas de 10 varas a
4&500 a 33, cmbraia de salpicos com 81|2 varas
por 3fc500 e 4$ ; na ra da Imperatriz, loja a ar-
mazem da arara n. 56.
Arara vende a roupa feita.
Venderh se paletola de panno prelo a 63500,
8 e IOS. ditos de brim escuro a 3ge 33500, caigas
de casemira preta a 4$500 e 5J500, ditas do co-
res 53500 e 63, ditas de brim e fuslo a 23000 e
23500, camisas francezas a 1J600 e 2, ditas de
peito de fusto a 23500, ceroulas de brim s I36OO
e 3 ; na ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as aberturas.
Vendem-se aberturas para camisas a 240 e 320,
leaos brancos com barra de cor a 80 rs., corles
de caiga decores a 1| e 13280 cada um, meias
cruas a 120 o par, ditas finas a 2500 a duzia :
na ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Arara vende o fil.
Vende-se flllavrado fino a 1$200 a vara, dito
liso a 720 e 800 rs. a var, dito de cores a 200 rs.
o covado, tirltlena de cores a 800 rs. a vara ; na
ra da Imperalriz. luja da arara n. 56.
Arara vende o babadin
Vende-se a fazenda por nome babadin com
palmas de seda, propria para vestidos a 500 rs.
o covado, dito entestado a 640, lazinbaa para
vestidos a 320 o covado, ditas muilo finas a 500
rs., ditos entestados a 640 o covado ; na ra da
Imperatriz, loja da arara n. 56.
Arara vende o riscado a Gari-
bsldi.
Vende-se riscado a Garibaldi para vestidos a
280 o covado, fuslo de cores para vestidos a 280
e320 o covado, csssas francezas finas a 280 o 300
rs. o covado, organdys fino a 320 o covado ; na
ra da Imperalriz, loja da arara n. 56.
Arara vende os peannos.
Vendem-se pegas de paniohocom 12 jardas por
53, ditas de madapolio entestado a 33500, da-
masco da 6 palmos de largara proprio para me-
sas a 13(00 o covado : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Acaba de
I chegar ao novo!
armazem
DI
i
Bastos & Resol
fe
Ka rna Nova junto a Conccicao
dos Militares n. 47.

I
C:
ala
*'
Arara vende s s&ias.
Vendem-se saias bordadas para senhoras a
2&500, ditas de 4 panos a 33, cortes de cambraia
bordadoa brancos e de cores rom bsbados a
23500,aintos para aenhoraa a 13280 para acabar:
ns ra da Imperatriz, loja e armazem da arara
nurn.ro 56.
Velas e arroz.
Vandem-se velas de espermacete a 640 a libra,
arroz de casca em saceos grandes a 23800 cada
um : na taberna da travessi do pateo do Paraizo
o. 16. com oilo para a ra da Florentina.
Bom negocio.
Vende-so por preco muito mdico nm excel-
ente piano novo, e" de optimia vozes : quem
quizer annancie.
Vende-ae por qaasi metade de seu valor
um carrinhn de 4 rodas para 1 ou 2 cavallos :
annuocle.
Vende-se por menos de melado uma divida
nao pequea, e bem documentada, de um senhor
de tres engenboa em Serinhaem : na ra da
Gloria o. 17.
Na ra Direita o. 9, ae dir onde se vende
por prego mdico aa daaa para curativo de mor-
pha, em qualquer dos tres periodos em que se
ache, preparadas por Ulpiano Bezerra de Mello,
radicalmente curado deste mal, e por isso encar-
regado pelo governo de curar, como est curan-
do, aoa doentes do dito mal no hospital dos La-
saros desta cidade.
Vende-ae um ca'rlolet descocerlo : na ra
do Imperador n. 17
a
3
N

Ora grande e variado aortlmente de W,
roupas feitas, calcados e fazendas e lodos
estes sevendom por pregos muito mol- |K
fleadoa como i da seu coslume, assirc eo- ^
mo sejam aobrecaaacoa de superiores pan* a|
noa o casacos feitos pelos ultimes bgeri- '.''
noa a 269,289, 30} e a 35. vlelots dos J
meamos pannos preto a 16$, 18j, 20$ 5.-
a 249 ditoa de casemira de dr mesclso ^
e de novos padrees a 14$, 16$, 18$, 20$ a
e a 24$, ditos de casemira de cor mes- 4$
ciado e de novos padres a 14g, 163, "C i
20$ e 2(3, ditos saceos das mesmas ca- ?
semiras de cores a 9$, 10$, 12} e a 14$,
ditos pretos pelo diminuto prego ile B$,
10$ e 12$, ditos de sarja de seda a se-
brecasacados a 123, ditos da merino de
cordlo a lz$,ditos de merino chioez de
apurado gosto a 15$, ditos de alpaca
preta a 73, 8$, 9$ e 10$, ditos sarcos g
pretos a 4$, ditos de palha d seda fa- .
zenda muilo superior a 4s500, ditos de ,
brim pardo e de fuslo a 3$500, 4$ e a
4$500, ditos de fusto branco a 4$, gran-
de quantidade do caigas de casemira pre-
! ta e de cores a 7$, 8$, 9J e a lOf, ditas
par-as a 3$ e a 4$, dilas de bnrji de co-
rea finas a 23500, 3$, 3$50 e a 4J, ditas
de btim brancos fines a 45C0, 5$, 5500
O e a 6$, dilas de brim lona a 5$ e a Ce, .
Scolletes de gorgurc prato e de cores a
5$ e a 6$. ditoa de casemira de cor e pre- I
m tos a 4J5C0 e a 53, ditos o fusto branco 33
6 e debrlm a 3$ ea3$500, ditos d brim S
lona a 4?, ditos de merino para luto a 4$ S
.11 4$500, calcas de merino pars luto a
X 4$500 e a 5$, capas de borracha a 9$000. f|
X Para meninos de toos os lamanhos : el- ~l
M Ca de casemira preta de cor a 5$, 6$ e fe
S 73, dilas ditas de brim a 1%, e a 3$500,
paletota saceos i* casemira preta a 6$ e
8 a 7$ ditos de cor a 6$ e a 7$, di-
toa de alpaea 3$, sobrecasacos de pan- ^
8 no preto a 12$ e a 14$, ditos do alpaca
preta a 5$, bonets para menino do todas ":".
gas qualidades, camisa para meninos de
todos os tamanhos, meios rices ve (idoa
8 de cambraia feitos para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados lisos a 8f e
m a 12$, ditos de gorgurao de cor e de la
|55j 6$, ditos de brim a 3$, ditos de
II cambraia ricamente borbados para bapti-
8 sadoa o muilas outras fazendas a roupss
feitas que deixam de ser mencionadas
g pela sua grandequsntidade ; assim como
I recebe-ae toda e qualquer eneommenda
de roupas para se mandar manufacturar
e que para este fim temos um completo
sortimento de fazeodsa ue gosto e uma
grande ofcina de aifaiate dirigida por um
8 hbil meslre que pela sua promptido e
perfeigao nada deixa a desejar.
Novos pentinhos doura-
dos, e fivellas para
cintos.
A loja d'Aguia-branca acaba de receber novo
sortimento dos desejsdos penlinhos dourados, e
por isso avisa a todas as senhoras que os haviam
encommendado, e mesmo as qoe de novo os
pretenderem que elles sao poucos e como da
primeira vez em breve se acabaran); assim como
que recebeu igualmente uma outra pequea por-
go de fivellas de qualidade e gosto inteiramen-
te novos e agrada veis, as quaes ae vendem por
2$000, e os pentinhos por 3$000 o par.
Convern pois.que as senhoras se spressem em
maodar comprar essea objectos na sua predilecta
loja d'Aguia-branca iva do Qaeimado n, 16.
SYSTEflA MEDICO Hd;LL>vvA
PILULASHOLLWOi'A.
Este inestiraavel espocifico, compesto a; "-ira-
mente de barras medicinaes, nao contm mereu-
rio nem alguma oulra substancia delecten!. Bei
nigno maistenra infinnia, e a coraploir' -aas-
delicada, ualmenie prompto e segurj 51er
desaneigar o r^al na comple'!fao mais rol islac
jenteiramente innocente em suas opwaces i 1
feitos; pois busca e reraove s doengas de
que%e;nT.i'' "r*n nop mas flnlieas latazos
Enlre milhares de pessoas curadas cera tste
remedio, muitas que j es'.r.vam s portas da
rnorte, prefervando era seu uso eonseguiram
recobrar a saude eforgis, depois de haver unta-
do intilmente todos os outros remedios.
As ruis afilelas nao devem entregar-sea dai-
esperago; facam um competente ensao '
efficazes effoitos desta assombrosa medicina, c
prestes recupvarao o benelicio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedie
Aara qualquer das Seguintes enfermidades;
cridantes epilpticos. Febreto da especie.
Alporcas
A ni pulas.
Areias ( mal de).
Asthina.
Clicas.
Gonvulsoes.
Oebilidade ou exlenua-
o
Debilidade ou f.-lta de
forjas para qualquer
cousa.
Desinleria.
Dor de garganta.
da barriga;
nos ros.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Dilas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Goita.
H-ir.ionhoidas,
Iiyropesia,
ictericia.
[ndigestes.
Infla ramaQcs.
Irregularidades da
menstruarao.
Lombrigas de (oda es
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
AliSt-uccao do ventre.
yhlysiea ou consump-
qo pulmonar.
Retengao de ourica
Rheumatisrao.
Symptomas sccund5.:io:;
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Ytnereo (mal]

Febre intermitente.
Vendem-se eslas pilulas no tslabfllecimenio
goral de Londres n. 221, Slrand, e loj!
de todos os boticarios droguista e outras pessOM
encarregadas de sua venda em toda a & menea
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a SCO rs., cada
uma dellas contera' uraa instrucc,o era porta-
guez para explicar o modo de se usar destfspi-
lulas.
O deposito gsaal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ruada Cruz n. 22 era Par-
nambuco.

Presera atienes* ao \ig-
late, que est queimandfc,
como seja;
Retroz.
Lindas caitinhas com 24 cai-eleis de sspfrlor
retroz, e sortido de todas as cores, pelo hjrjtis-
simo prego de 551(10 a caixinha que &.. a 100
rs. o carretel, nao haver pessoa alguma qu3 ven-
do sua qualidade deixe de comprar : s no gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Linha para bordar.
Tambem chegada a este mesmo estabelari-
mento a verdadeira linha frxs para bordar ou
encher labyrintho, que se vende pelo baralissimo
prego de 600 rs. o massinho ; t no gallo vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Uandoes.
Tambem chegado grande sortimento de bsn-
does para cabello, que se vende pelo baniissimo
prego de 500 rs. o par ; s no callo vigilante,
a do Crespo n. 7.
Vende-se a casa de pasto, sita na ru Di-
reita n. 113, por lar de se relirar para fora o do-
no do estabelecimento ; a tratar na mesma casa.
Milho c farello.
Na taberna grande na Soledade, vende-ae sac-
eos grandas com farello de Lisboa a 4(500 e de
milho a 4j>.
''


M&100 Dfi PERIUMBCCO SKUKDA IEIBA 11 DB AGOSTO DI 1811
VEDE-SENO ARMAZEM
OCRES
Rival sem se-
gundo.
Raa do Queimado n. 55, lojs d miudezas de
Joii de Azavedo liaia e Silva, conhecide por Jo-
s Bigodinho, ata Tendeado pelos prtcos que a
todoi admirara, queram ver o que bom e ba-
raUaiimo:
Parea de tpalos de tranca superiores a.
Fraacot de agoa ambriada a melhor a...
Ditoa de dita, frascos grandei, a SOO e..
Cartas de alfinetea francezea, a..........
Pacotea de papel amizade, a............
Caixas com papel de di versos g os ios, a..
Parea de tpalos de la para meninos, a
Varaa de bico datllhae, a..............
Cordat para violo muitd frescas e no-
*. .................................
Frascos de banha Philoeome superior, a
Ditoa de dita de urgo, a........
DE
Francisco Fernandes Duarte
Os melhores gneros que vem a este mercado e por menos 10 por cento do que em outra
qualquer parte, garantindo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da pra$a, de an-
enos e lavradores o favor de mandarem suas encommendas a este muito acreditado armazem de
I Miados, afira de verem a dileron^a de prec,o e qualidade que faz, se fossem comprados em outra
aiquer parle.
JMMMfeftfl confeiladas para sorte de S. Joo a 800 rs. a libra, tambem tem-se para
6i0 rs. a libra sendo em por$o, tanto de urna qualidade como de outra se faz abati-
mento.
Batata3 EOVaS em caixas com duas arrobas por 2^e0 e em libra a 50 rs.
Mamteig* I^g\eZ% da safra nova de primeira qualidade a 850 a libra, em
barril se faz abatimiento.
Attlg* f !& a mais nova a 640 rs. a libra, im barril a 600 rs.
|W&}4Mi &0 ffcl&O muito frescos chegados neste ultimo vapor a 2*000 ditos cha-
gados no ultimo navio a U800.
n^ & u S"H> o mais superior que tem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
^,r, melhor que h no mercado a 29800 e 29200 a libra, afianca-se a boa
qualidade.
***** ttUXlWl o que se pode desojar neste genero a 33OOO a libra.
Li&a pTQtl homeopathico a 2*200 a libra em porgao se faz abatimenlo.
Al\U\US iOVO de pavj0 transa(io a 230 rs. a carta e em caixas com 40 cartas por
99000. r
felas e^m ammaOaS confeitadas, proprias para mimo, contando mais con-
feitese assucar candido por 19000 cada urna.
r&SaS era caixinhas de 8 libras chegadas altmamente a 29000 cada urna a a ralalho
a 430 s. a libra.
oOlfcX^feia de soda em latas com differentes quilidajes a 19440.
Wi&II&Rft ingleza a niais nova que lia no mercado a 49000 a barriese a retalho
a 320 rs. a libra.
%' lYlk.0 S' yiptl e superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 640 rs.
a garrafa, e em caada a 39300, 49000 e 49300.
W UfttS emgaVfaffli&M Duque do Porto, Lagrimas do Douro, Carcavellos, Fei-
toria velho, e deoulras maitas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
tambera ha para 19000 a garrafa;
IM! das marcas mais acreditadas a 159000 e 20*000 o gigo, e era garrafas
l800
tvWVfejft da marca cobrinha ou do oulras marcas conhecidaa a 59000 a duzia a 500 rs.
a garrafa.
_lT *J12 ftancazas e rortuguezas em lua do i lit.. r. oo tm
&-; "--: tOlliatC 6m taitas de 1 libra por 800 rs.
MLtofcaJI f YKfMWXAS em latas de l meia libra por 1500, ditas com 3 libras por
2i800:
JkHi<6^1%ft^ de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 80000.
M'a 120 rs. a libra e em arroba a 3000.
<*, maeaTfa a tftltafttt 400 rs. a libra, a era caixa com 1 arro-
ba por 69000.
Eifttf alll.&ufl:., pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai
xinhas muito enfeiladas se faz obatimento.
I MltwS uQ aalltQa ijxad0s os ruaisbein feitosque tem vindo a esie mercado a 280rs.
tambera ha para 200 rs.
KaXUlItOS iVg\<&XaS para fiambre a SOO rs. tambem hamburguez para ambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
CliamY$afl |ftOS mu(0 novas a 560 rs. a libra eem barril se far abatimeuto.
Taueinka &ot*tao
a j 6 79 a arroba.
jHaUrt$a8 em latas j promptas para se comer a 19800 cada urna.
Baata do porco refiaada
Mltn em DfeYti* muil0 Bna a alva a 4
**Y.fca com bollo Craneez
Marmolad
a libra.
v.!\ rmeiaO.a de Alpercbe era latas de 2 libras por 19000 cada urna,
i ->- v. MTHV jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e serijas a 300 rs, a lata.
IJOC ;-5 SeeOS e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 19500.
UmOCOl&t hp,nhoI a 19500 rs. a libra, ditlo francez a 19100 ditlo
800 rs,, afianja-sea boa qualidade.
%Ui de primeira qualidada tanto do Rio como do Cesr, a 320 rs. a libra, em arroba a
99000, dito mais baixo a 260 rs. e-79800 a arroba.
e\'&.A&J\a de Franja a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em poreao se fax
abatimenlo.
g<4 muito n0vo a 320 rs. a libra e em garrafoes.com 5 libras, por 29000.
1? *UP17*-3*i do reino das marcas SS5 ou galega, a 140 rs, a libra.
Vita do Maranhao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e era arroba 49500.
1J280
400
600
100
700
700
200
80
80
19000
500
800
Ditos de cheiros muito finos, 500 a.....
Caixaa com apparelhoa de metal para di-
vertir meninos, a..................... 400
Varas de fraDja para corlinadot e toi-
Inas.a................................ 200
Carrites de lidia preta com 500, 690
800jardaa, a.......................... J60
Barra com phosphoros o melhor e bo-
nitos, a............................... 160
Mataos de linha fina para bordar, a .... 240
TranQ de la de todas as corat a peca. 40
Pacas de fila de cs, todat as larguras, a 320
Grozaa da botdes de louga prataado mu-
toflnos.a............................. J40
Pecaa de filas de linho lisas superioret.a 40
Ditat de cordo imperial, fino e grosao, a 40
Frascos de macar perola, muito fino, a 200
Ditos de dito oleo, muito superior, a.. 100
Ditoa de oleo babosa auparior, a 320 e.. 500
Bonacos qua cboram, muito lindoa, a
_ 60 .................. 500
vanas de p para limpar denles, muito
tuperior a......; 160
Ditas de phosphoros especiaet e um so-
bresalente a....... > 160
Pioes de landres, pintados muito boni-
ir10"'! : 4...... 200
Varas de fita para fazer aintot dos me
lhorea gotto, a........ 500
Duzia de phosphoros de gaz, do melhor
fabricante, a........ 240
Ditsa de canetaa de folha, muito boat, a 120
Llahss da gaz de lodaa at qualidadea bara-
titaimat.
Relogios.
Van de-se a casa da Johnston Patar & C-,
. .* do Vigario n. 3, um bailo sorlimento de
1 elogios da ouro, patala inglaz, de um dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambem
utaa variedad* da bonitos trancallint para os
mesmos.
^^ ww^ nn sra^w wm wwt w^rw vw visirvt'av
|Loja das 6 por-|
tas em frente do Livra-
mento
BalOes de 15, 20, 30 e 40 arcos.
Grande sorlimento de baldea de arcoa
ot melhores nests fazenda e grandes,
chltaa franetzas largas escuras a 22U e
240 ra. o covado, ditas slraitas miudi-
nhas a 160 rs. o covado, cambraia lisa jf
para forro com 8 1[2 raras a 29 a pe?a, 3
ditas finas a 39, 49,59 6J muito finas,
ditas de salpiquinho com 8 1|2 varas a
395OO a peca, cobertas alcoxoadas bran- jf,
cas a da cores para cama a 49500 e 55, J^
cataas de corea francezaa tintaa aeguraa 1
a 320 rs. o covado, p*;a de bretanha de
rolo a 2$, algodao trancado alvo muito 1
largo para toalhas a 19 a vara, nfeites a S
Garibaldi todos pretoa a 59 cada um, len- Jm
qos brancoa com barra de cores a 120 ca- o
da um, roapafeila de todas as qualida-
dea muito baratas, a loja est abeita al si
as 9 horaa da noila. n
A.os Srs. consumidores de gaz
Nos armazans do caca do Ramos ns. 18 36 a
ns ra do Trapiche Novo no Kecife n. 8, aa ven-
de gaz liquido americano primeira qualidada a
recentamente ebegado a 149 a lata de 5 galota,
aaaim como latas da 10 de 5 garrafaa em
garrafaa.
MMT
Vendem em seus armazens
PROGRESSISTA
E
nNUBWlfl
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Carmo n. 9.
Vende-se urna por$o de barra de cal de
Lisboa propria para obra de pedreiro a 49 o bar
rll ; no armazem do Taiaira, caes da alfandega.
Nova ltenlo.
O vigilante acabado recebar novo sorlimento
de diversos objectos que te vendem por menos
20 por cento do que em oulra qualquer parte.
Siutos para senhoras.
Riquissimos sintos dourados, pelo baratiasimo
prego de 2J, e com fivela ao lado a 49, asslm co-
mo de lita de seda ou velludo a 2fi : a no gallo
vigilante, rna do Crespo n. 7.
Nobiiia.
Enfeites.
Vendem-se os riquissimoe enfeitet da ctbeca
eom franja e vdrilho a 5$, diloa sem franja a 39,
ditos transado a 2*500, diloa de laco de fita e
Meo de teda a 2$: a no gallo vigilante, roa do
Crespo n. 7.
i
Fivelasparasinto. -
Riquissis-.as tirelas de neo com madreperla no
centro a 19200. ditas de madreperob a 320, ditas
douradiohas a 340 : s no gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Vidrilho.
Lindos vidrilhos pretos e de cores, pelo bara-
tissimo preeo de 19600 a libra: s no gallol'igi-
lante, ra do Crespo n. 7.
muilo novo a 28 rs. a libra e em barris de 1 a meia arroba
em latas com 10 libras por 49300.
140 rs. a libra e em barril
proprios para mimo a 500 rs. cada um;
* imperial do afamado Abreu eda outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
portug,uez a
da carnauba refinada a 400 rs. a libra, e em|arroba o 129000..
V<*3 l^G refinadoa 800 rs.garrafa e e em caixas a 99000
% ITiagfG da Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 19800.'
l'lttO cherez verdadeiro a 19500 garrafa, a em caixa 149000.
V111113 Ta^CO de Lisboa o mais superior que ha no mercadopropjio para miss
640 rs- a garrafa e e;n caada a 49500.
UfUIQS suspiros do fabricante Brando em moias caixinhas, por 29500.
T$t 38 suspiros do fabricante Catanho Se Filhos em meias caxinhas a 29000.
* S era caixas de 100 regala Imperial, Viagantes, e Panentellas, a 29000 a caixa.
A1P-S & mula imp0 a l80rs a ]bra, e em arroba 59500,
AXfclUttA^s muito novas, a 19600 rs. cala urna ancorela, e a 400 rs. a garrafa.'
AtkTOa de Maranhao a 120 rs a libra, u 39400 a arroba.
* *** de postas em latas das melhores rjualidades de peixe que ha em Portugal a 19500 rs.
Ctautoa de HllaAda m garraroe8 CQm 25 garrafas po, 9|iO0.
lOStarda ngleza muito nova a 19000 ofras.ioe tranceza a 640 rs. o pola.
Alom dos gneros cima mencionados encontrar o respeitavel publico um completo scr-
manto de tudo que tendente a molhados,
Para entreter o tempo.
Os lindot jogns de dminos a 19400, linda ca -
znhaa com jogot de vispora a 900 ra.: a no "al-
io vigilante, ra do Crespo n. 7. __ -
Caixas de tartaruga e chami-
teiras de charo para rlp
e charutos. 7
O tabaquista que aprecia a boa pitada d'Lis-
boa ou mesmo Frinceza, Meuron etc., etc.,
justo que compre urna bonita caixa de tartaruga
todamarchelada com a qual oo se envergonha-
r de offerecer da boa pilada de seu gasto a to-
dos os circumstantes que se achsrem em aua ro-
da, muitos dos quaes louvaro o sen bom gosto.
Assim como a caixa Recatearla ao tabaquista,
charuteira nao superflua no fumante e sendo
ella bonita como sao as de charlo nochetas me-
lhor ser porque com isso deixa conhecer quan-
lo sabe apreciar o bom. Para os mais commo-
dislas tambem ha bom sorlimento e todos encon-
trarlo barataza urna vez que munidos de dinhei-
ro sa dirigirem a ra do Queimado loja da aguia
branca n.16.
Potassa da Kussia
e Americana.
Na escriptorio de alanoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por preco
mais barato do que m outra qualquer parte.
Gastello-Braneo,alfaiate
militar.
Por ette annuneio te faz constar aos Srs. offi-
elaet de todat as armas, tanto deata provincia
como dat maiscapilaes do norte do imperio, que
ha a venda botosa do novo padro, segundo a
ultima ordem do ministerio da guerra, venden-
do-te duaa abotuaduraa por 3. adverlindo que
urna das abotuaduraa de padrao enligo, faz-so
remessaii para onde forem pedidas, assim como
tambem ha para vender o melhor panno azul in-
glez, e o melhor velludo preto do Porto, fazendas
desconhecidasuesta praca, o que se vende a re-
talho. Os Srs. offlciaes qne esto fora di provin-
cia podeai renovar suas consignacoes filando
quantia certa, e 02 outros senhores quenlo tive-
rem procuradlo nestacasa podem manda-la, ad-
verlindo que o lempo para a dita procurarlo de-
ve aer limitado, acompanhando urna carta de or-
dena pedindo as encommendas que forem preci-
sa, devendo ser dirigidaa a correspondencia a
Joaquina Rodrigues Tavares de Mello, rus do
Queimado n. 39. Tambem ha gallo de ouro su-
perior e ferros francezas para alfaiate, aza tona-
da o par 109. '
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommendacom a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
I Grande
|liqmdaco por todo
o pre^o, na bem co-1
nhecidalojadoSer--
tanejo.
|Euado0ueimadone451 f
Apparecam coro di-
I nheiro que nao deixaro
de comprar.
Cbitat escuras finas a 160, 180 e SOO
rs., cortes de vestido pretos bordsdos a
a vallado de custo de 1505 a se vendem
I por 309,409, 509a "Os.sahi.ias de baile
SJ de velludo e setim a 129 e 139, camisas
f para senhora a 2;000 a 39500, gollhhas
" de cambraia bordadas a 500, 600, 700,
800, 900 a 19, ditas de fil bordadat a 120
rs., casaveques de fusilo a 59, 69,7, 89,
meias de seda brancas e prelaa para ae-
"--- n/ r1 u k.Luiiu,
500 700 ra., lias de quadro enfestadaa a
300 e 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 e 440 rs. a vara, organdys de cores a .
600 rs. a ,vara, fil branco adamascado -
para cortinados e vestidos a 400 e 500 .'.
rs. a vara, cortes da colleta de catemira
bordados pretos a 29 e 39000, ditos de
velludo de cor e pretos a 3j>, 49, 5J e 6.3,
paletots de brim branco francezes a
3950O e 40500, ditos de casemira de co-
res a pretos a 149 e 169. ditoa de alpaca
preta a de cores a 3J, 3J500, 49 e 49500,
camisas de peito de linho a 29500, corles
de colleta de orgurlo a 19500. 1700.
29200, 3J e 3g300, colletea feitos de brim
branco a 29500, ditos feitos de gorgurao
a 29500 e 395OO, ditot feitot de casemira
a 3$500, 4$ e 48500, ditos de velludo a
59, 63 e 79, dilos de fusilo de cores a
_ 18500, um variado sortimenlo de moiaa
para homem senhora, grinaldat com
flores, chalea de froco, esparlilhoc, a to-
ja da a qualidade de roupas feitas para bo
meca que tudo se vende por melado d
8 sen valor.
Moendas p meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
RudoBrumn. 38, fundicao
de D. W. Bouman.
Ra da Senzalla Nova n 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston & C., ra da Senzalla Nova
d. 42.
A loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo vapor ot teguintea ob-
Bonitasligaa de teda para tenhora.
Grandes e bem tecidoa bandea de clina
Aspat da aqo, e fita elstica para cet efe bailo
B;oecas grandes mui bonitas e bom vestidas
Bonitos bauzinhos com 9 frascos de cheiros '
l-indat caizinhat com 6 ditos de ditot.
Trancellim grosso de cor para guarnecer vestidos
Luvat de camursa brancas e amarellss.
Lindos boies de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber lindoa
boioea da porcellana dourada com fina banha e
maviosas inscripces.ot quaes poreuatdelicade-
zat eperfeicoettornem-te dignos para presen^
tes, e eom especialldade na actual quadra au.m
coatar do bom dirlglr-.e com diohelro' F
do Queimado, loja d'aguia branca n.16, que acha-
x' em que bem o empregar.
Souhall Mellora & C, tanda receido ,'.
dem para vender o aeucreaeidodepoaito daralo-
giot valo o fabricante ter-te retirado do bmo-
cio ; convida, portento, a.pcttoat qua ntoSL
po.sulr m bom ralogio da oaro ou prat. do c
tSJSS^lS?iSS!tSS\2r '"--.-um m eco-
nr. in. nM .nmnT.^T wmP P" ? om- nomia qe tprove em a boa oocaaio diriain-
SAtSiffSt Pr0, ""*"*** do-..cqomdrnh.iroaloj. uXSu'WS
f unileiro e vidraceiro,
Grande e nova oflcina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste rico a bem montado ettabelecimento en-
contrarlo ot fregaezes o mait perfeito, bem aca-
bado e barato no teu genero.
URNAS de todat as qualidades.
SANTUARIOS que nvalisam com o Jacaranda
BANHEIROS de todos os lmannos.
SEHICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixaa de todat ti grottaraa.
PRATOS imitando am parfeiglo a boa portal-
lana.
CHALEIRAS de todat aa qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS a flandrat pira aial-
quer tortimento.
VIDROS em ctixas a a retalho de todoa ot ta-
mandando-aem*nhoa, botar dentro da cidade
em toda a parta. *
Recebem-sa encommendas de qualquer nata-
reta, concert, qua tudo terf desempenhado a
contento.
Manguitos e gol las de
cambraia ricamente bordados
Vendem-te manguitos gollaa de tuperior
cambraia ricamente bordadot pelo iotigninesnte
preco de 29 o par da manguitos com urna golla
aendo que stmpre cusaram 69 cada par, assim
poit recommenda-teaot amigoa da santa eco-
nnmi. 111.a inrn.allam m U^. i n .r.r.i

Queimado n, 22.
r


MUTLTALX)
UOOUd
oa uiapuoA
iwm
ILEGfVEL
ft i aaittatiitaitifai ~ '



e
W"


DIAKIO D_ PXRKA1UU05. ~ BIGUflDA FEIRA U DE AGOSTO J>1 lili.
ao barateiro que est
queimando.
Vende-ie mantelga ingiera da aupetior qaall-
dad a 720 e 800 r. a libra, dita franceza a 640
e 7 ra. a libra, cha bysom muilo superior qaa-
lld_ a 29880 e 38200 a libra, toucinho da Lis-
boa muito superior a 320 rs. a libra, arroz a 120
e ltO a libra, aletria 320 e400 rs. muito superior,
msarrSo a 320 a 360 a libra, vinagra da Lisboa
mulo saperior a 320 e 360 rs. a garrafa, arroz do
Jiraoho a 120 e 140 a libra, azeite doce de Lis-
bea de primeira qualidade a 750 e 800 rs. a gar-
ra, dito de carrspato a 360 a garrafa, charuloa
t.retos muito Anos a 20 rs. fazendo-se differenga
en caixa vinhos muito superiores a 560 ,
1640 e 800 rs. a garrafa, e outroa muitos mais
jeneros, que avista dos compradores se vende-
So por menos do que em oulra qualquer parte :
ia ra do Nogueira d. 49. __________^^^
Ra da Senzalla Nova n. 42
Ynda-se em casa da S. P. Jonhsion <& C,
ellias a silhoes inglazos, candieiros e ca atipes
bronzeados, lonas ioglezas, fio da vela, chicotes
para carros a montara, arraios para carros da
una a dous cavallos, a relogios da onro patenta
ingle. _____________________________________
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Pos de arroz eom bocees em bonitos vasos dou-
radoa.
Ditos dito sera boneca em pacotes.
Agua balsmica para conservago dos dantea a
bom hlito da bocea.
Opiata iogleza paraalvejar os dente.
Leite virginal caja utilidade reconhacida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para quem soilre de tonticas
e dor de cabera.
Fastilhas dacheiro para aa perfumar aposentos.
Achato venda no escriptorio da Antoni
Luizde Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra aacripta pelo vi9conda de Uruguay.Eosaio
Sobre o Direito Administrativo ; deixamos de te-
cer elogios a esta obra, basta o nome de aeu au-
tor para a tornar recommendada, dos volumes
em brochura 109, encadernado 12*,._____________
- Vende-se um casal de pavea e urna rotula:
na ra do Imperador n. 27.
Enfeites para senhora.
Os melhorea enfeites pretos a de coros qua ap-
parece a 59500, 6* e 6J500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado d. 75.
Luvas de Jouvin.
Venda-aa luvaa da pellica de Jouvin branaaa,
para senhora, ltimamente chegadaa : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.____________
Luvas de seda.
Vende-se luvas de seda aofeitadas a 1(600,
2^000 a 29200, ditaa fio de Escossia branaaa a ra.
700. ditas de corea 800 ris, ditas de algodao a
280 ris ; na loja do beija flor, raa do Queimado
naaaro 63._________________________________
Escovas.
Vende-se estovas para den tes Unas de diversaa
qualidadea a 120,160. 320. 400 a 500 ris : na
loja do beija-flor, ra do Queimado o. 63. .
Jogo de domin.
Vende-se jogo de domin Anos a lg-200 : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.______
fiotes para punho.
Vende-se botoesde punho unos de dlvtrsaa
qualldades a 200 rcla o par. que tambem aervem
para manguitoa de senbora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Occulos.
Vende-aa occulos finos de armago de ac, a
29,19, 640 e 400 ris : loja do beija flor, ra do
Queimado o. 63.
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditos de fita
com fivella dourada a 19500 : loja do beija flor,
raa do Queimado n. 63.
Enfeites para cabeca.
Vende-se requissimos enfeites para cabera com
'funja, e sem ella pelo baratissimo preco de 5J
5SO00, ditoa da vidrilhos a 19600 ; na loja do
beij* flor, ra do Queimado n. 63.
Fazendas pretas
superiores.
Groadenaple preto muito saperior pele dimi-
nuto preco de 29 o covado, panno preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9f o covado, casemira pre
muito fina a 2$, 2*500, 3, 39500 a 49 o covade,
mantas pretas de blonde multo auperioreaa 129,
manteletea de auperiorea grosdenaplea pretos ri-
camente bordados a 359, sobrecasacaa de panne
preto muito fino a 309, casacas tambem de panne
preto multarfno a 309, paletota de panno prete
fino a 18 e 209, ditos de casemira de cor mes-
ciada a 189, superiores gravatinhas estrellas a
19, ditaa de aetim maco a de gorguro muito au-
periorea para daaa voltas a 29, ditaa estreitiuha
com lindos slflnetea a 29, superior gorguro pre-
to para colletes a 49 o corte, ricos enfeites pretoi
a 69, e assimoutraa multas fazendas que aendo 1
dlnheiro i vista, vendem-aa por pregos muito ba-
ratos : na na do Queimado n. 22, na bem conbe-
eida loja da boa li. ________________ ____
Bonecas francezas.
Vende-se bonecas francezaa ricamente vestldaa
i 4$000 e 59OOO, e 2f 000 bonecaa de cera com oa
olboa movedeos a 28000 e 39000, na ra do Quei-
mado loja de miudexas da Boa fama, d. 35.____
Fivelas de ac para sintos.
Vende-ae fivelaa de ac para sinto a 19500 rs. a
29OOO na ra do Queimado loja da miadezas
da Boa fama, n. 35.
Baleias.
Vende-se btelas 120 rs. cada urna aapa de ac
para balo a 160 rs. a vara, bandea a 19500 ra. e
2&00 o par, na ra do Queimado loja de miadezas
da Boa fama, n. 35. _______
Cascarilhas de seda.
Vende-ae caacarrilhaa da seda para enfeitar
vestidos a 29000 a pega na ra do Queimado
loja da miudezas, n. 35.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para guardar dinbeiro
deouro e prata a 29000, 2J500, I9OOO, 18280 e
1(500 : na loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
Caixinh&s e cabazes para
as meninas trazerem
no bra Muito lindas caixinhas e cabazes para meninaa,
de 100 ris ate 2^500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Rosas artificiaes para cabello:
A.L. B. F. tendo recebido um variado sortt-
mento de booitaa rosas que se esli usando para
esbeltos, e de pannos comfolha de velludo, ditas
de papel toda a, aa maia ricaa que se pode encon-
trar vende-ae na ra do Queimado n. 63, loja
do beija flor.
t icos DSssqumes
A loja da boa f recebeu superiores baaquines
de muilo fina eambraia a imitagao da de linbo,
bordados a enfeitados com apurado goslo e os
vende pelo barato preco de 89 cada um, tendo
aido aempre seu custode 16$ e 209, apreesem-ae
pois em compra-Ios na mencionada loja da boa
f, na ra do Qaeimado o. 22.
Superiores atualhados
adamascado.
Superiores atoslhado adamascado com 8 pal-
mos de largura al$600 rs. a vara : na ra to
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1$280 cada um :
nesta typographia se dir.
Chapeos de sol
com bouquet para senhora.
Entre os muitos e diversos objectos de gostoe
pbaotssia que a loja da aguia branca ha recebido
sobresaliera esses delicados e noviasimoa cha-
peos deso com bouquets. Hoje que os lndis-
pensaveis baldes nao permitiera que ss senhoras
andem de braco, faz-so de cerlo necessario que
cada urna tenha o seu chapeo de sol, e que eate
corresponda ao valor, e bom gosto de um rico
vestido de seda. por isao que dita loja aca-
ba de receber como por amostra urna pequea
quantidade desees bellos cbapeos de sol ornados
de fioas flores o qae entre nos novissimo. Na
verdade elles se toroam agradaveis aos olhos de
todoz, e a senhora que os comprar pode orgu-
lhar-ae de aeu bom goslo, ao contemplar que
trazendo-o fechado figura-se-lhe um lindo bou-
quet, e aberto representa-se abrigada em urna
carregada roseira, emGm at onde pode che-
gar a perfeicao mesmo o cume so bom gosto.
S pena que viessem to poucos que talvez
nao chegaem para a vigsima parte das preten-
deres. Gusta cada um 209 porem a senhora
que os vir nao exitar de os dar ainda mesmo
que seja preciso bulir n'aquellas moedas de pra-
ta que tem guardadas em sus bolsioha reservada.
Assim pois mandem quanto antes compra-Ios na
ra do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha psraquam padece
de erysipela a 159000 o par, meiaa de aeda preta
para senhora a 1(000 o par na ra do Queimado
loja de miudezaa da Boa fama, n. 35.
A 2#500, s o pavo.
Vendem-se cortea ue eambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditos de tarlatana brancoa a
de cores, com barras e babados a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
Perfumarlas muito finas e
baratas.
Opiata inglesa a 19500 rs.
Rival sem
igual
RA LARGA DO ROSARIO N. 36
Primeira loja junto da botica.
Florea artificiaes muito bonitas a 19.
Tesonras para costura com loque Unas a 400 rs.
Botes de linho para casaveque a 20 rs.
Ditos de seda para ditos a 30, 40 e 50 rs.
Fitss de clchete para vestido, vara a 320 rs.
Uassinhos de contss muidas a 120 e 200 rs.
Sintoa dourados a 19600.
Enfeites pretcs com franjas a 43800.
Meias brancas para senhora a 2J400 a duzia.
Botes para punbo a 120 e 160 ra.
Escovss para limpar unhas a 320 e 500 rs.
Ditas para cabello a 1$.
Ditss para roupa a 500, 800 e 19.
Liohas de croxel para bordar a 60 rs. a miada.
Clcheles francezes em cartio a 40 rs.
Carreteis de linha a 40, 60 e 80 rs.
Novellos de linha do gaz a 30 ra.
Papel tarjado para luto a 1f2S0 a caixa
Dito branco ede cores a 19 a caiza.
La para bordar soriida a 69400 a libra.
Franja preta de seda com vidrilho.
Luvas de seda com toqHe a 200 rs.
Occulos aro ri'aco muito bons a lf.
Ditos de metal a 500 rs.
Franjea brancaa de linho a 80, 120 e 160 rs. 1
vara.
Agulhas francezss em caixinha a 220 rs.
Tinteiros cora tinta lampa de metal a 180 rs.
Caivetes muito finos para peonas a 600 rs.
Carreteis de retroz de cores a 280 ra.
Bordados baratos.
Vandem aa golHnhaa de eambraia e d* fil bor-
dadas a 500 rs., manguitoa a 19 o par, manguito*
com golla bordada de eambraia a 1(600, e tiraa
bordadas e ntremelos ; na ra da Imperatriz n.
60, loja do pavio.
dita franceza a 5C0
rs., 640, I9OOO, oleo da sociedade bygienique _
verdadeiroal9C00 o frasco, oleo babosa.dePiver Pnce para fazer barba a 400 o 600 rs.
verdadeiro a 800 ra. o frasco. ^Wmato\l^jS*Z^2**"'
para os denles a 1000, dita de Botot tambem g zas de jogos de vispora a 800 rs.
para oa denles a 18000 o Irasco, pomada franca- ?,il." de !_ "dr a W& a
V 1Vi BMTn o iwion 990 ra ihonAlaa tala P"* homem cruas a 19400 a duzia.
mafto1 nn?. ig, ?! daTo? na Cal, de metal com peonas afta, a 100 e 200 rs.
ra do Queimado loja de miudezaa da Boa fama,
n. 35.
Franjas pretas com y-
drilho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas e de cores
com vidrilhoa sem elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimado n. 75.
inhasde peso \erda-
deiras..
Linhas flnaa de peso verdadeiras, meadaa
grandea a 240 ris : na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Sebo do Porto
em caixas de urna arroba; na
ruado Vigario n. 9. primeiro
andar.
Damasco para colxas e para
ornamentos de igreja.
Vende-ae muito superior damasco de la" de
urna s cor, muito proprio para colxas e para
ornamentoa, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato preco de 2$800 rs. o covado : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pechincha.
Vendem-se cortes de superior gorguro de se-
da pira colletes pelo baratissimo prego de 19,
29 e 39 o corte : na'iua do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
Camisas bordadas e outros ob-
jectoa necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-se um bailo aor-
limento de bonitas camistnttas de fina eambraia
com babadinhos e mui bonitos bordados de no-
ves edelicadoa deaenhos, as quaes servem mui
bem para os modernos vestidos de frente abarla
e vendem-s pelo diminuto prego de 39 cada
urna ; assim como bonitos manguitos a balo com
gollinhaa de superior eambraia e fil e todos bor-
dados, com punhos virados e cada prpelo ba-
ratiasimo preco de2J, oque admiravel avista
da superioridadeda obra, e bem aasim punhos e
gollinbas tambem bordados com bonitos botes
a 29 a gearnicao, e golliohas solas igualmente
bem bordadas a 19 cada urna e nnnguiks a 800
rs. o par. A vista pois de am to completo aor-
timento nenhuma senhora deixsr de comprar
esses necessarios objectoa tanto maia quanto a
commudidade dos pregos convida e para que to-
dos stjam bem servidos convem que mandem
logo comprar na loja da aguia branca ra do
Queimado u. 16.
Grampos a balo
com pendentes dourados.
A loja d'aguia branca contina na recepcao de
objectoa do ultimo gosto, e por isso acaba de des-
pachar vindo pelo ultimo vapor esses delicados
e novissimos grampos de bonitas corea com pen-
dentes dourados o que de mais delicado se pode
Ditas com urna groza de ditas a 400 rs.
Um sortimento completo de rap Paulo Cor-
deiro a 19500, gasse grosso a 1}600, dito roeio |
grosso a 1$600, dito fino a 1,20, LUbos a 29700,
rolo fraocez a 29900, Heuron a 19040.
Assim como nesta estabelecimenlo so enconlra
um sortimento perfetto de mtudezas:
Attentfo
a pecblncli, na ra do Queimado n. 4,
esquina que volta para a Congre-
gado.
Vendem-se
Paletots de casemira de cor, saceos e :oLrj a
99 e lOfOOO.
dem de meic casemira, saceos e soi;e a "}
49500 e 59.
dem de merino de eordSo sobrecasaecs a 8,7
eS$000.
dem de alpaca preta de i a 7$.
Coleteada casemira de cor muito noi s .,QQ.
Caigas de meia casemira a 39 4, e 455uO.
dem de casemira, gosto moderno o 5(T0, 11$,
7 e 890CO. '
dem de brim pardo e branco a 2, 3 o :;,
dem de bati e ganga a 59, J-luO e 3 S
Meia cssemira pera caiga e paletots a 600ra. o
covado.
E outras muitas qeslidades de roupas ieitaj por
prego muito commodo ; na ruado Qaeimadr. nu-
mero 43.
Veodem-so os seguintee gneros do araj-
zem de Manoel Marques de Oliroira t C raa da
Moeda n. 9 : mel em barris grande e pequfDa
por^ao, aguar-er.to de cana era pi;-ss e cm raeies
ditss, cal de Lisboa muito nova em barru o em
porco, palha labuS pera torneiris
Candieiros do gaz.
Chegoa para a loja da Victoria os meiliore:
candieiros do gaz, que tem vindo ao irerc; por precos commodos : na ra do Quemado
n. 51.
Batatas =
Batataa novas a 60 rs. a libra
Terco o. 23.
ao largo do
ir cuta 45
Loja de miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A.
Coatureiros.
Agulhas Victoria pa^el a 120 rs.
encontrar. Essa loja como geralmente sabido., L'inaa deSOO jardasi de todoaos nmeros a 80
rs.
Phosphoros de segarae
Phcsphoros de segursn$a, por que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Baleias muito grandes a boas a 160 ria urna :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75
Linha de croxei para la-
byrmtho.
As melhores linhas de croxel para labyrlntho,
novellos monstros a 320 ris um : na loja da Vic-
toria, na ra do Queimado n. T5.
Para os tabaquistas.
Lencos muiti finos a imitadlo dos de linho de
muito bonitos padroes e de cores fizas muito
proprios para as pessoas que tomam tabaco, pelo
barato preco de 49800 e 59500 a duzia : na rea
doOuetmodo n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Bramante de linho.
Vende-se muito superior bramante de linho
comduaavaraa de largura proprio para lenc.ea,
pelo barato preco de 29400 rs. a vara: na bem
conhecida loja da boa f, aa ra do Queimado
n. 22.
temsempra em vistas a commodidade deseas
boaa fregaeziaa e por isso tem resolvido vender
esses galantes enfeites a 29 e 39 o par, o que na
realidade muito mais valem. Convm pois que
a vista da limitacio do preco a aeobora que com-
prar um ou mais paree, nao se demore em par-
ticipar as suas boas vizinhas e intimas amigas de
collgio, para que as emittem no seu aperado
gosto, e mandem logo comprar outroa parea na
loja de sua affeiao : que a d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Na oficina de carapina de Carlos liesse na
ruados Pires n. 28, ha para vender um ptimo
carro de i rodta ha pouco tempo acabado, assim
como um cabriolet de 2 rodaa igualmente bem
feltV; quem os pretender, pode dirigir a dita
officinl, que achara com quem tratar
A ioja da aguia
branca ruado Queimado n. 16
Acaba de receber os precisos objeclos seguin-
tes:
Aspas de balis grandes e pequanaa.
Fita com colxetes branca,'pirda e preta. .
Dita de la par* debruar venidos de corea.
Trancinha de caracol miado conhecida por bom
tom.
Alfinetes pretos e brancos em caixinhai.
Agulhas imperiaes fundo dourado.
Ditas victoria em caixinhaa e papis.
Retroz preto fino em carreteis grandes:
Cascarrllha a pega 29.
Ditas muito boa vara a 400 n.
Tranca de linho para todo preco.
Franja de sed:, de linho, de algodao muito ba-
rato.
Retroz, linha do novtlo e.tc.
Meias.
Um completo sortimento sendo da cores para i
meninos a 240 ra.
Ditas brancaa a 200 rs.
Ditas para senhora a 240, 300 e 400 rs.
Ditas para homem a 59 e l|
Ditas pretas para senbora a 400 e 360 rs.
Gravatas
com bolo a 19.
De cores muito boas para homem a 19
Para meninos estreilinhas a 800 rs.
Pulcciras
de contas miudinha a 1;.
De cabello a 49.
De phaclasiade dito etc. a 500 ri.
lotes.
A epidemia declina snsive'mnr'e, e o sea
j completo dejap,;:;'cimento es'.S prolijo I O
I proprielsrio deste bcro sortido estabe'.C'j'.cer.to-
1 convida o seua nemorosos freguezes a ?u';>''.iluij
' o calcado vclho, que lodo esta cholenco, ter do-
i vo, e qae posss resistir s mil schotis e m zzor-
' ees qae vo ser rtansadss em louror do
I lecimento da saude publica. Os pie
vidam :
IIOMENS.
Bolinas afamadas Milis.
restba-
os .01J-


>
>


>
>
I
non-plus-lira ames.........
Nantes 2 balerias..............
lustre....................
ioglezea de boioes..............
IzgQDO
i-00
Ir.liOO
toaooa
ICOtO
baiedores....................... O 500
das seis portas em trente do Jj^*j,
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados para senhoras a 29200,
dil3S de ponta cahida a 49, ditos de tila a 1*600:
ca loja da Victoria, na ra do Qaeimado n. 75.
Potassa da iussia
Vende-se em casa de N. O. Bieber &
G., successores, ra da Cruz n. 4.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se saperior cal de Lisboa chegada lti-
mamente, por precos muito mais commodos do
que em outra qualquer parle : no antigo e acre-
ditado deposito da ra do Brum n. t'fi.
Micos espelkos de
moldura dourada par
salas.
Chegoa para a loja da Victoria urna pequea
por;o de ricos espelhos de varios tamanbos para
ornamentos de sales, affian^ando-se seren 01
melhcrea em vidros que tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Para baptisados.
A lnja 'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vapor a sua encommenda dos seguintea ob-
jectos para baptisados, sendo lindas touquiohas
de selim mui bem enfeitadas, e cada urna em
sua caixinha, sipatinhos de selim branco, e de
cores ricamente bordados, e mei*s de seda, o
melhor e mais bonito possivel. Agora, pois, os
pais que nao quizerem esperar pela generosida-
do da3 seuhoras comadres, dirigirem-se logo
munidos de dinbeiro loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16, onde bem poderao comprar
esses galautes objectos.
Rap de Lisboa
em frascos.
Vende-so o superior rap princeza Brasil che-
gado pelo ultimo vapor inglezaOneida ; na loja |
de Marcelino & C, ra do Crespo n. 5.
,aa
Pera *.?-
Predio venda.
Vende-se um sobrado na ra do Amorim, com
tres andares e sold, chaos proprios, com dnas
loja (jor ser bastante largo ; trata-se na ra do
Vigario o. 19, primeiro andar.
Lvramento. 15,20,30 e 40
reos.
ide sortimento de salsa a bal&o de arcos,
sores que aqui tem apparecido-no merca-
_iQ, 5. 6S e 6500 cada um, d-se para
fr com peonor ; a loja eat aberta al as9
da noite;______________________________
Superior brim branco de
linho
Vende-se superior brim branco de linho tran-
cado pelo baratissimo preco de 19200, 19440 e
19600 a vara, dilo muito encorpado de dos oa
a de linho puro a 2$ a vara ; na ra do Queima-
do n. 22, na bem conhecida loja da boa f.
A 2,400 rs. a -uzia.
Lencos brancos Onos para algibeira pelo dimi-
nuto preco de294OO rs. a duzia : na bem conhe-
cida loja da boa f, na ra do Queimado n. 22
Cambraias de cores
Vendem-se cambraias francezaa de edres la-
teada muito fina pelo baratissimo preco de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na ra do
Queimado n. 21._____________________________
noe groza t40O.
Grandes para rcupo groza 15j6O.
Pequeninos para crianga 19400.
Alamares.
Para capote a dazis por 800 rs.
Colxetes.
De fio batido especial duzia 720 rs.
De carto 14 pares a duzi* 500 rs.
Em caixa pretos a duzia tOO rs.
Brincos.
a rouro de porco.......
bezerro lustre........,......
inglezs ps solvsgens.........
taxiados braiileiros............
Sspates non-plus-uUra................
3 balerirs e meia..............
> esmaga cobra..................
Nantes 2 balerias vaqueta.....
> s 2 baleriea bezerro......
> triLslhddores..........
brasileiros de 3JJ500 a..........
Sapatcs 2 solas ealto..................
> tranca purlagueiea..........
i > trnceles......
SENHOEAS.
I Botinas den^oja.
96000
!.'?f;oo
TjOO
.-.S5Q0
~;0C0
ri.--50O
[9500
BNO0
. sC!l
itOO
9000
2*000
19880
zmo

aalto de balrr.......5W0
pechincb! de 49">00 a.
americaniia 35500 a .
Sspatoa do sslio (Joly)
1 > sem ali? (idem) .
> tspete: .
econmicos. ; .
> luairft 32 33. .
MENINOS E
MENINAS.
Mf'OO
2?5CO
39000
I9S20
800
.VO
89"
?ah?
A verdadeira esseucia de anil
para eogommado.
Acaba de chegar para a loja
ra do Queimado n. 16.
d'aguia branca,
JkGlfiaNCIk
Ha de ludo em relsc.o o nao se
. i dinbeiro.
A balao brincos, encarnados, azuea e dourados o Um completo ^uncnto do ceno it '-reo,
par por I9. icordavao, fcezerro rancez, couro de lustre, mar-
Rozetinnas com pedras quo pareca diamante roquim. sola, cnurinhos etc., que ludo se troca
P" # I por dinbeiro i vontade do comprador.
Penas e caetas. !
De todas as qualMades esperialraen;. fio caligra-1 ~-
phia e de lan;a.
Caetas para aprender escrever pelo systema de ; .
Sculy urna por 500 :s.
os fugi;;
La a multo boa da todas as euros para bordar, a
75 a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei-
mado n. 75.
iftbas do gaz,
Caixinhaa com 50 novellos da liohas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caiza, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ria, brancas e pretaa: na loja da Victoria,
Da ra do Qaeimsdo n. 75.
Venda >k predios.
Um sobrado de dous an-Jares e Soto, na ro
ds Gnia e. 40, corr. 33 palmos de largo e 125 da
fundo, com um pequeo quintal ; urna grandu
casa tarrea feita a moderna, na ra da Ponte Ve-
lha o. 14, muito bem construid* e com commo-
dos para grande familia ; urna dita na ra do A-
rago n. 20, librea e desembaraesdas ; a tratar
na ra Nova, loja n. 18, das 10 horas da maDha
s 3 da tarde.
Parolas falcas
ou aljfar de fina quslidade.
A lojada aguia branca acaba de receber um
novo sortimento de superior aljfar branco ou
porolas fslc.as o qual por sua perfeicao dilficil-
mento se distingue das perolas verdadoiras e ser-
vem elles por sua extraordiaaria grandeza para
asgarganlilhas que presentemente eslo em mo-
da e mesmo para outros enfeites e como sempre
veodem-so commodamenle a 1;, 1S200 e 1$500
o fio: isso oa ra do Queimado loja da agui.
branca n. 16.
I'A
Vende sa a cas o. 5 sita no tiecco do Po-
cinho: a tratar no sobraio da ra da Aurora ou-
mero 62.___________________________________^^
Vendem-se dous lindos mole^ues de 8 an-
uos de idade pouco raais ou menne : a tratar na
tua da Cadeia do Recite loja n. 64.
Fundido iiOW-Noor,
Boa da Senzalla Nova n.4%.
Neste eslabalesimanto continua a haverum
completo sortiiaenio de moendss a meias moen-
das pata engenho, machinas da vapor a taixas
de ferro batido e coado de todos os lamar.ho
para dito,
Para luto.
Fumoa de seda elsticos para chapeos largos e
estreitos a 19500 : na raa do Queimado n. 22,
na loja da boa f.________________________
Lazinhas muito tinas
para vestidos.
Superiores lazinhas para vestidos de muito
bonitos adroes que se er_derr> rielo baratissimo
preco de 440 rs. o covado : na
do n. t, no loja da boa f.
Papel.
Alma.o pautado 500 fn'h.-sCg.
Dito dito 420 ditas 49500.
Dito dito 420 ditas 4g.
Dito liso 39200.
Dito de peso azul e branco 4$5C0.
Dito azul liso 28500.
Dito pequeo tarjado 19500.
Dito pequeo de cores 18200 e 195O
Dito tarjado de prto 19500.
Envelopes cento 18.
Obreias de colas 100,10 e 300 rs.
Pentcs de tai taruga.
A imperatriz 85 e IO5 o qus se vend por 162
e 209000.
Direito para atar cabello a 49-
A.imitQo por 19.
De arripia para meninos a $00 e L-.
Tartaruga para alizar ?>.
De bululo para suica e cabtllp 400 rs.
Penles de borracha ;>oqueuo8 para trazar por ca-
sa muito bons a 320 rs.
E inBciiisda de artigas novamente chgados
Isi. fugiuc desde 11 do corren1.". r.-,ez deja-
ilho, o esrravo pardo, Ricardo, boleeiro e arro-
! cairo, bem ron^e'ido nssta prara e seua arre-
i baldes; representa t*r 25 snoos do \x>i, b*t-
1 xo e migro, t?'i cbelloacarapDbos raspado cte
jponto lempo na cadete, onda estevn per cansa
i de es'sr fgido, lom pouca barba e(ltj Be lenle
[na frente, resto comprido e oihos redondos ; rm
i sido encontrado di C-punga, e Olinda -nda ^a-
jdiando e jog'.udo com maisde2C't qae levou
qeem o epnreher.!er e lev.r a casa de .'uuscijhor
na Passagam da Magdalena que lera generosa-
menle recorr. laoss '0.
Antonio Valentim la .Silva Barroca.
9
lli
atific^c^
ua do Queina- jl0ja EgperDc, rui do Queimado n. 33 A.
A8T1G0XOS0 GEREYOIX
'.' .:> pur de eatstainhaia JS'iiirariorua dcsBeaux-Arts, is,cmPqjis
(i 1 o d'estc Asit:;i* um Remedio mjstriose >*ni perigo para a &uie
c 11.-.., esibaraca osefleitos quakmer outro Uatn-
menlfl tocrno.
O oleo de istanbas da India empresa-sc tan so-
..,,,,....! .. -, .: vi<:-. sabro-partepflee-
Itaila duranK o accesse c come asiefianativo ua Guita
|e doa Kheurostisi
Ikwi iTAwo : lio de Janoiro, Enune ('.liovc-
M; Babia. Jos* Gaiano lerroira KRprimUptra
[Pcruambuco, d'XImcida Pinto Maranhao, Fer-
1 lira i; (; Kio-Srande do Sul, Coule eGodny
Chapeos de feltro a 1$'
Vende-se aa loja de fazendas da ra da aladre
de Dos a. 16, deronte da alfandega.
Para liquidaco troca-se
por preijo barato um sanc-
tuario com as respectivas
imagens em*is as sfiguintes:
de Siiit'Ann, S. Joaquim, S
Jos, S. Antonio, e do Menino
Jess; na ra do Vigario n
9, primeiro andar.__________
Harcaca.
Vende-se na rus Direita n. 95 urna barcaria com
ledos seu pertences a navegjr para qualquer par-
te, e muito barate, de 12 caixas para mais : os
pretendentea podem dirigirse a Joao Baplista da
Rocha que lhe informar melhor.
Cera e sebo.
Vende-se cera da carnauba e sebo em vel-s e
em pao, em caixoes de urna arroba, e em barri-
cas, do Rio Grande, por meno preco do que em
qualquer outra parle, alhos a 50 rs. a maunca, e
caf do Rio : na ra da Cruz n. 33.______________
Boa compra.
Vende-se o excellenta engenho S. Joaquim,
sito na freguezis da Varzea, urna legoa por bom
camioho, moente e correte o'agua por dous
acudes, terrenos e matas sem iguaes, pode sa
frejar al 2,000 pee. Troca-se tambem por pre-
dios o meamo engenho, porm s nesta praca ;
quem se quizer enriquecer em pouco tempo, di-
rija-se a negocia-lo na ra da Praia n. 53, ter-
ceiro andar.
Machinas americanas.
C, successores,
Cal e potassa,
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
t_obm conhecido e acredta-
lo deposito da ra da Cadeia
dO ReCife n. 12, mais b&ratO Obras de metal principe prateadas.
J I Alcatrao da Suecia.
do qutj em outra qualquer
parte.
Veiie-se urna escrava.
Vendo-se urna mulata de 16 anona, pouco mais
ou menos, bonita figura, sem deeilo algum, e
tem muito bons principios de cozer, eDgommar
e cozinhar : trala-se na ra Co Queimado o. 46,
loja. ______
Fazendas baratas
! a quena pegar o r>*roo Francisca, de 17 annoa
; da idade, de. benita figura, com todos os denles,
'cabellos csrapinhos o ruives, este pardo toi do
' Sr. Dr. Borneada "seca, o q'ial viajoa com *
ooesmo sei'uor iodo o sertao e suburbi i deata
provincia, necessa:itmanta quando e: s-
eravo, e tilvez ^in'^a so inculqee a servico de
mesmo: que.- o pegas aue'ra entrega 'o a se
legitimo dono na ros Ho tlnjpi-in o. 6.
Ignacio Loii de Bri'.o Tal arda.
NA
Em casa de N. O. Bieber &
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descaroQar milho.
Ditas para cortar capim.
Selins com pertences a 109 e 209*
Loja do pavo.
Catabraia organdys a 280 rs.
Vende-se eambraia organdys de corea com roo-
dernissircos paJroes a 280 o covado, e cassas
francezss muilo finas a 240, 80 e 300 re. o co-
vado : s na loja do pavo, ra da imperatriz
numero 60. ____
Chitas largas a 200 rs. ,
Veudem-se chitaa Urjas a 200 rs. o cesado por I ^'J^
ter um pequeo loque de mofo ; na ra da Im- ;
peralriz n. 60. loja do p Escrava fgida.
Ha dous catas \i: f.ussolou-se da cij etci
\ senhor a preta L-. urnnea, a suupe-se q'.'e asi-
nesta cidado ssrviod como criada ; essa preta
' deu a melado do sea valor por conta da i ua al-
[forrij, e em qualquer parte diz qm forra, tilo,
tem a palle bem preta, boa figura, altura -egul3:
e falla bem ; roga-aea queai a vir, que d avis
1 na rna Direita n. 82, ou que a remella a seu se-
t nhor Vicente l'eireira Barbosa, na vi'.a Uo Li-
' moeiro, em seu s-itio Dnas Podras, que era gia-
R
Vendem-se doaa caixoes de louro muito
bons para venda, e por ^arato prego; a tratar na
ra da Imperatriz n. 49.
do Crespo i 7, no
gallo vigilante.
Nesta nova loja ha grande porco de caixinhaa
com amendoae proprias para brinquedo de S.
rJoo que se vende pelo barato prego de800 rs.
cada urna quem delxar de dar a urna menina
urna caixinha ; tambem tem grande porco de
Caixas proprias para doces secos que vende con-
forme seus lmannos a 69, 59 e a 49 a dezia,
mendos avulsas a 800 e 640 ra. a libra : s no
vigilante ra do Crespo n. 7i
Manguitos com goliinhas.
Vende-se manguitos com gollinbas, fazeoda
muito boa, pelo barato prego de 2&000, golliohas
e punhos ultirco gosto a 99000, gollinbas muito
finas e bem bordadas a 1JO0O cada orna na raa
do Queimado loja de miudezaa da Boa fama,
n. 35.
Verniz de alcatrao para navios.
Salsa parrilhade primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixas de 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhanles.
Gsrrocas pequeas.
Cal de Lisboa,
Vende-se superior cal de Lisboa chegada lti-
mamente, e por pregos muito mais commodos do
que em outra qualquer parte ; no antigo e mui-
lo acreditado depoaito da roa do Brum n. 66.
Bolinhos fran-
cezes.
Na padaria de A. F. de S. Beiris, ra dos
Pires o. 42, vende-se bolinhos francezes, ditos de
passas, bolacbinbas de ararais, biscoito doce,
grosso e fino, fatias, pao commum, dito de pro-
venga, bolacha: ludo fabricado das melhores fa-
rinhas e trabalhado com perfeiglo e limpeza e
ledo por prego commodo. ^^__________
AipakUi a 280
Vende-se eita novafazenda de linho a imitago
deaedas de quadrinlios rniudinhos prnpria para
vestido de senhora, roanas para meninos, sendo
fazenda que nao desbota, a 280 o aovado : na ra
da Imperatriz n. 60. loje di. paao.__________'
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-se pegas de tiras bordadas da 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 enlremeios a 19600 e 29OOO
cada pega na ra do Queimado loja da miudezas
ds Boa fama, n. 35.
Bramante a 10$.
Vendem-se pegas de bramante de linha de
urna s largura com 27 varas a IQtf a peca, tam-
bera se vende 1|> pec.a coro 13 1|8 varas por 59 ;
oa rus da Imperatrix o. 00. loje d pavo._______
Carnauba
Vende-ae a mala superior cera de carnauba que
ha no mercado ; na ra da Imperatriz n. 60, loja
do pavo. __________-
Cambraias lisas a 3$.
Vendem-se pegas da eambraia Usa mito fina
com 8 1(2 varas a 3f a pega : na ra da Impera-
Iriz n. 60. loja do ptso._______________________
Paletot a 6|.
Vendem-ae paletots de yanao prato Qno e cor
de caf a 69 : na ra da Imperatriz n 60, loja do
pavo. ^^^^^
Um cabriolet,
Vende-ae um bonito cabriole! de dnas rodas,
pintado e envernisado de novo, por prege coma
modo : pjra ver, na oflUina de Crosgatn, na lu-
da Florentina,
Dsappareceu no
  • villa da Escada, o prelo Joaqun, irioulo, de SO
    anno, com i'S siK'iat-s seguinles : alto, magro,
    rosto ccmpriJo o descarnado, olhos i p.i-uos o
    vermelhos, denles limados, pellos bolates para
    fon, bem presumido na falia escura b-rba, le-
    ?oo camisa decbita cabocla e caiga <)e algodao
    de listas, lavando seu poder mais a'guma ronpa,
    como calcas de easerrra de cor, de algodao azul,
    camisas di mesuia fazenda, chpeos de b.iuiacin-
    zenta eie. ; o*te prelo ocenpava-se em vender
    pao e linha saludo com um panacum i iv.ado da
    encarnado no n:f:o, suspe.tava-se que fosso pa-
    ra o lado da povoago de Papacaga, ai nde oi
    escrivodo padre Antonio Carueiro 'o Alraaida,
    ex-capello do collegio do ruesojo 1"K ", d'ndo
    lez urna fgida para ests cidale, aonda fol ven-
    dido aoSr. Jo Rrmarico de Azeveo< Campos :
    pede-ae s axloiida.tes poileiaes e cpiles de
    cimp villa da Becada ao dito Campos, ou nt.-'.a prsfa a
    Francisco Jos Leite, na ra do Impers.lor, ejea
    se gratiflear fuen smente. Protesta-ae costra
    quem o scooter".
    Chitas escuras a 340.
    Vendem-se chitas franaezas escuras a 240 o co-
    vado : na rna da Imperatrii o. 60. lj do pavao.
    Chales baratos.
    Veadem-se ehales da marin de coras sendo
    muito grandea a 39 ; na ra da Imperatriz n. 60,
    loja do pavao,
    Preta fgida.
    No dia 29 do prximo passado desapearsceo
    da casa de aua senhora a preta crioula de nomo
    Maris, alia o representa 50 aonos de idade,
    com as pomas alguma cousa iachadas da "**"
    pela, anda mesmo n? c.idade por ser enconlrfdfi
    na ribera nss tabernas da ra da Penha a roa
    Direita : quem a aprehender condaza a roa ao
    Rengel n. 60, segundo andar, que ser. "">-
    pensado, assim como protesta-se pedas e das-;
    noa contra quem a lier eeeulta.


    MUTILADO

    ILEGVEL


    DIARIO DB PIBNAMBUCO SEGUHD flIRA 11 DI AGOSTO OB 1161.
    L literatura
    Impressvcs litterarias.
    Water loo,
    Poesa do Sr. Magalhaes.
    ' Os grandes homens nascem, amorren) pro-
    posito. Csrtaroente a humanidad oo vive i
    da vida material, ella vire iambam e principal-
    mente da vida espiritual. As idas sao o seu ali-
    meoio, e rialisaodo-as successivamaute que el-
    la conseguir essa robustez e energa a'alma com
    o auxilio das qaies poder laogar-se vigorosa
    ravez do espigo e do lempo para esse lermo
    que a razao lhe apona na extrema desse horison-
    W Icnginquo chamado perfeigo
    tem dous periodos dislinctos :o da sua
    arias e nadas em suas grosseirae martaMias aira
    dentro da campa de 89, oi-se tronquillo dormir
    DoPaotheoo aob a guarda do poro qaielo e si-
    lencioso.
    Napoleo depoia de haver com a desmesurada
    espsda de Garlos Magno partido o craoeo dos
    falsos deusesdo passado, e quebrado o seu Olim-
    po entre as lias mios de brome, (ol-se distra-
    hido embalar aos coocertos eternos da tempesta-
    de sob a vigilancia do mundo taciturno. Um
    deixou em legado a libordade e a egualdade, e o
    oulro a coosolldaco e garantia daquelles princi-
    pios, e por isto o destino do ultimo oimais tem-
    pestuoso.
    Nao que o de Mirabeau fosee menos activo e
    menos travado de lutas e obstculos, e para jul-
    ga-lo basta considerarse que elle teve que des-
    truir o antigo mundo aocial, e construir o mo-
    derno. Elle teve principalmente que repellir os
    ataques do partido da realeza, que vira o raivoso
    Elisa
    gerego, e o da toa VxTatta*ial:" mai'da con- espedagar com a sus omnipotente lgica de en-
    cepgao realisago a transigi nao rpida, I C0Dlr0. ao marmore da tribuna da Consti'uinte os
    neru immediata. A intelligencia tambem est
    sujeia, se assim me posso eipriniir, a lentas e
    peridicas gestacss sabmettidas s mesaias fa-
    ses que as da naturesa physica, durante as quaes
    ('3 ii coocepgoes) loinm esse gru do vilali-
    Uade o desonvolrimento que no mundo externo
    I Sea issegaca a prolongago da existencia. Se
    ellas anecipam-se poca regular e opportuna
    Jo seu nasemento, lornam-se abortos que noi-
    eameote dilferom dos da naluresa physica em
    queo desta perdem a existencia, e nao relo-
    rum oais ao ser; no entanto que as do mundo
    moral remergulharn-se, por assim diier, no cra-
    uc iia humsnidsde, onde se formaran) fim de
    readquerir o gru de consisteoei sufciente para
    Ihes garantir a cootinuidade de vida.
    As r.osias coocepgoes porem na sna apparigo
    no mondo prelico nao se ostentan na sua forma
    primitiva :a espiritual.
    A :"..: i moral teodo de apresentar-ae no thea-
    absurdos previlegios de que dependa a sua exis-
    tencia : o que era um preliminar indispensavel
    realisago de sua obra.
    E como os pequeos jamis podem altingir o
    alvo sublime dos hornees superiores, aconteceu
    ainda, que este bomem eminente leve combates
    a dar at mesmo algans membros do sen parti-
    do, que ignorando a sua derrota, teotavam em-
    bargar-lhe o passo.
    Marat, homem positivo e de instinctos ferozes
    tioha a vista nimiamente curta para segui-lo nos
    seus vas activos, e o paludo Robespierre sem
    duvida mais capaz que Marat de o entender, nao
    enxergava todavia delle seno a figura gigante
    que !he fazia sombra. Em compensarlo da sua
    my pi., Marat pedia a cabera de Riqueti de Mi-
    rabeau sem duvida como a miis perigosa re-
    publica.
    Nao admira : a maruja rude e ignorante que
    acompanhou Colorabo descoberli da Americs,
    tro das lides humanas tem necessidado de encar- ameaco-o de morte por nao lobrigar como elle
    nar-se na forgs material : o typo, a idea deve i f,~?T OWHO o novo mundo, e quaodo o al-
    moMir se emum homem fin de poder lutar, jlivo e ?U9ado
    iiflu'r, vencer o transformar. E' entao que ap-'
    parecem no mundo laucados pela mo da provi-
    dencia esses moldes das grandes ideas do pro-
    gresso chamados os grandes bomens. Com um
    fisto Olhar elles observam as cousas do seu tem-
    pe, ss difficuldades e prejuizos seculares amon-
    loados pelas paixoes e pelos inleresses, e prepa-
    racu-ae para a lula, porque elles sabum que urna
    idea cunea cede oulra o seu lugar seno depoi I ""i"'-*8,
    de embates saogreolos e porfiados, em que os
    membros crjfraquecidos do velho priocipio, sao
    obrodos sob os vigorosos pulsos do novo. Foi o
    que acconteceu com a liberdade e a servido,
    esta representada na realeza autiga e na aristo-
    cracia, quella as revolutos deb e 69.
    rnunlo aDtigo gerou a escravido, a edade
    lia a 9ervido, eos teropis modernos a liber-
    genovez, de volta de aua gloriosa
    veio depor aos ps do soberano da
    creado, a inveja roxeou-lbe os pulsos com a ca-
    deia da farro, em vez de laurear-lha a augusta
    frente.
    Notemos qua nessa peleja dada pelaFranga e a
    Europa ao colosso da liberdade havia ainda in-
    lerrupgo para o descanso, porque, com quanto a
    sentisse morta de direito, ella nao
    obstante contava prolongar muitoa sua existen-
    cia da facto ; mas quando a aotiga monarebia na
    possos de Luiz XVI foi d facto vencida em Fran-
    ca, e Bonapartedeiombanhava a espada para ex-
    lermina-la na Europa, o apego vida converteu
    essa guerra em guerra continua, delirante, deses-
    perada em que todos os rneios indistinctamenta,
    a bala e a espada, o punhal e o veneno, a trai-
    Era regoaijo de urna n slunza nperiof, que i I
    lmente encontrara a sua tranquilizada no malo .. m... .., _. .
    da tempestsde I maohaa do ultimo eli.'O, todoi ot bebe-
    Quando a medoeridadeqeiz dar-ge gloria di ?" dPl,t de ,e1rem ,ido' espalh.rim-
    na rictoria sobre o genio, quaodo a Inglaterra ,e K flore,la *$ 0* abel
    uma Tictoria sobre o geoio, quaodo a Inglaterra
    representada oa peqaeoa figura de Welliogtoa,
    quiz explicar a queda.de Napoleio como um fac-
    to natural, devido aos aeus exforgos, o genio da
    poesia revoltou-se contra a impostura, e arrao-
    cou-lbe a mascara revelando a causa sobrenatu-
    ral deiie successo estupendo oestes sublimes
    versos :
    Eram poucos, certo, e contra os. poneos
    Armadas as naces a que pugnsvam
    Ante elle o Thabor e os Alpes curvos
    Yiram passar as aculas vencedoras.
    Poucos que se oo rendem, mas que morrem
    Ob I que para vencer bastantes eram 1
    A trra em vo cootra elles pleiteara
    Se Deus que os via, oao dissessebasta.
    Mas invensivel mo Ihe toca o peito
    E' a mo do Senbor,
    Basta, guerreiro I tua gloria mioha,
    Toa torga em mim est, tens completado
    Tua augusta miiso :s homempara;
    Aqu a par de uma imagina;o quaii homrica
    apparece a razao severa do historiador philoso-
    pho, que vae buscar a causa das grandes crises
    humanitarias nao na vontade nimiamente peque-
    a dos homens; mas oa Providencia Divina que
    as promove por meio dos seos grandes emissa-
    rios.
    Quando uma idea tem satisfactoriamente ger-
    minado oa intelligencia humana, e acha-se em
    estado de dascer a realidade pratica a Providsn-
    cia envia para esse fim um grande homem.
    Realisada a sua misio, satisfeita a aua razao
    de ser elle, desapparece. Algumas vezes, esses
    mesroos seres privilegiados aujeitos a essa lgica
    providencial revoltam-se contra ella, entao ai dos
    pobres mortaes que se acham diante delles, por
    queseu bnco tempestsde, a espada raio.
    A tempestado envolve-os em suas azas da de-
    Hespanha o mundo, que o seu genio lhe havia uooio, e arrasta-os em sus carreira atravez dos
    eos leropis modernos a ..
    dade: las tre9 crearas a ultima somente cor-! ao e P8fiu"o eram empregados com egual ze-
    responJeu oatursa elevada do homem A ; lo : foi por isso qe o desiiao (leste foi mais lem-
    edade media, verdade, era j um visivel pro- i pestuoso._
    grosso sobre a aotiguidale ; todivia faltava ha-! Napoleo morreu quando davia, morreu depois
    iia:..dade subir mais alguns degrus, reconha- da Wni* batalhadada em prol da causa do pro-
    cer-se e elevar-se altura de sua 'dignidede., gresso : foi nesse diai que o genio da liberdade
    abismos deixando-lhes os membros pregados as
    ponas dos rochedos, e o raio fulmina-os.
    A resistencia, porm, essa severa disposigao
    divina bailada, porque a forca do homem ha
    desempre curvar-se ante a de Deas,
    Por mais precipitada que seja a sua carreira, ha
    de sempre encontrar o brajo de Deus, barreira
    ingente.
    E' admiravel a grandeza d'alma, que esses es-
    pirites escolhidos guardam depois de dobrsdos
    pelo poder de Deus.
    Elles seotem, que ahi nao ha humilhaejo,
    porque o brayo do infinito, que os fez vergar,
    e que cima dellesDeusDeus lo somenle se
    eleva na sua augusta e suprema magestade.
    Dianle dos bomens Napoleo partindo para o
    desierro que o condemnou a Providencia, como
    con ligao para que elle podesse tragar o mappa de
    viagem do genero humano, manda ainda que o
    acompanhe esse suberbo cortejo de generaes qua
    o cercara junto das Pirmides, de cima das quaes
    Para attingir este ultimo marco era necessario i vollou Pra junto da Providencia, que o enviara, I elle fazia ver ao seu exercito quareota seculos de
    irenspdr o degru intermediario, islo a meia 'a5aftl10 Da su' partida o seu antigo molde, que gloria o admiraco oa posteridade.
    edo ; mas essa degru era do lo'oga data :se- se ndor, de encontr aos rochedos de Water-I E' cousa digna de reflexo: quando a aguia
    -30g
    su : .uiiam paasado sobre elle, e o lioham con
    Sdi:daJo em sua base de pedra.
    Cite estado do cousas nascido da admiracio
    da iL-rya physica, foi pela mesma forQa physica
    uca::o por meio da compresso e da tyrauia.
    I
    A naturesa humana ama tanto a vida, que on-
    de eta mais lhe apparece. ahi ella deposita niis
    ani.i. Ora a orga o fundamento da vida ; o
    n :i: nao polia pois deixar de descobrir-se e
    eurvar-ae respeitoso diaote della. E' o que sem-
    pr? tem acoBtecido. foi tambem o que aconte-
    ceu ao bergo das sociedades modernas.
    Aptsar do seu amor independencia osvelhos
    e vfl. ules guerreiros da Germania e da Sueci
    nao poderam recusar a homensgem ao nico ele-
    menlo predominante do seu tempo-^a torca ma-
    te:;s,. Acercaram-n'a e serviram-n'a com essa
    effuo de coraco com que as geracoes prirailt-
    vas rkdes e simples servem ao qu admirara
    tm .. Tudo porem st arrefece no coraco hu-
    Bteno.
    Po ilia om que nos velhos guerreiros a admi-
    rado pelos seus valeotes chelea cedeu o lugar
    teflixio, e que elles pensando ter pago ao he-
    loismo o tributo, que Iho era devido, prepara-
    rse: A soi volta para o lar domestico, onde os
    reclama va m o amor da mulher e o dos lilhos,
    perceberam as ameias dng castellos a face car-
    (ancuds e desdeohosa dos seus hroes, e cheios
    Jo tonsteroaco viram-os aliivoi descer, e irem
    em tom amear;ajor plantar na entrada da ponte
    iivadiga o moottete de cem batalhas. O terror
    fe-:oj escravos. O feudalismo, que principio
    f-a uma sociedade formada pelo amor, admira-
    reconhecimento expootanooa do povo dos
    ciate, que defeodiaru do inimigo o seu lar e fi-
    i.. tornou-se desse dia em diante a sociedade
    de oscravos, cuja paz era garantida pelo cutello
    do castellao, e cuja condiqo de existencia era a
    fra'iueia dos serves.
    A oossa naturesa nao se pode erguer uma
    altura ra do ordinario sem sentir vertigem, ou
    . i .r-se sobre sua coodir^o.
    0$ sientes hroes daquellas hordas guerreiras
    n5o poderam comprehemier esse preito rendido
    psios seus briosos companhelroa d'armas, essa
    adoraco de homem homem nascida da admi-
    r;o sincera da grandeas tenao como um dever
    > )gu sua naturesa superior e quase divina, e
    os iui'oeiles successores desses primitivos sami-
    tiuses couverieram em direilo essa embriaguez
    sublime dos seus aotepassados.
    be os primeiros servos porm haviam suppor-
    ado a sujeigo dos seus checs em parle por
    CUi-traugtmento e temor, e em parle por admi-
    i /.-. j .- gratido pelo ampaio dado ao que elles
    loo e Santa Helena, onde se partiu. O Napoleo caneada de percorrer os ioQudos'espacos Jo "co
    i de 1812 e de 1815 j nao era mais o genio da li-i veio pousar em Santa HelenaHudson-Law
    ' hardade defendenlo com sua espada de fogo a quiz a forja de baixeza constrange-la a desviar
    entrada do templo da egualdade construirlo pela i os cilios do sol para abaixa-los at elleverme
    revoluQo : era um grande homem que alfim f- oojento que se arrasta no Iodo.
    ra iofiei sua roisso. O que se revolva naquella alma cto grande
    A capa de Nesus da realeza foi-lha fatal : o como o mundo quaodo o chere de mil bata-
    veceno da ambicio que ella encerrava depois de IhasBragos cruzados sobra o largo peitocon-
    haver debalde rogado sobre esse peito, onde se
    anlohava sement a magnanimidade e o herosmo,
    rasgou por fim a dureza do marmore, peoetrou-
    lhe o seio, e manchou-o. Aqui Napoleo nive-
    lou-se com os bomens ; mas tendo sempre a
    cabega sobrsnceira a todos elles, e impondo-lbes
    com o seu olhar de aguia.
    A queda pede a reparaco, o enviado de Deus,
    porm, s a Deus devia conta de sua misso, e
    quem do universo a nao ser o infinito poderia
    julga-lo ? Essa turba de pigmeua qua gyrava ce-
    ga seu9 ps, e que nao ousava, e nem podia
    encars-lo de frente, ou esse conselho de gene-
    raei que tmidos trsmiam ao aspecto sereno e
    tranquillo do hroe ? lias e outros s podiam
    ser instrumentos cegos de 1815, peristilo sombro
    de Sauli Helena.
    III.
    Em 1815 no campo de Waterloo leve lagar o
    ultimo esforco da realeza moribunda que lhe ar-
    raacou a vida.
    O temor da morte sement poude suscitar-lhe
    essa for;a sobrehumana com que ella gmbuu no
    seu ultimo dta de existencia a aua ultima victo-
    ria ; mas como o de toda causa morta, o seu
    triumpho foi ephemero e estril, porque nao lhs
    poude conservar a vida. O golpe de um brago
    moribundo era por demais fraco para poder of-
    fender o carv*lho robusto da liberdade j bastan-
    te ti rmo no slo da Europa.
    Essa victoria nao passou, pois, da uma dessas
    consolages, que a morte traz a algumas de auas
    victimas para lhes oo tornar extremamente
    amargurado o ultimo momento.
    Mes se o golpe foi fraco reapeito da causa da
    revoluco, porque ella se auhava nimiamente
    consolidada, oo deixou de abalar o velho colos-
    so, que tinha entao por pedestal a sua am-
    bieio.
    A Providencia quiz nesle acontecimento pre-
    parado por ella aviaa-lo de qua o seu papel esla-
    va lindo, e que elle devia-se preparar para deixar
    a seens.
    Todavia ao hroe decahido, para assegurar a
    ellcacia de sua obra, ella eooservou fszendo-o
    descer do seu pedestal ao pavimento ; onde se
    acbavam reunidos os outros homens, a sus ami-
    ga aureola de gloria.
    Desae dia em diaote os satellitei sbirros da
    causa mora quizeram parodiar com elle o mar-
    i i i _.< T- e vau multo UHKCiauj laiuuia tutu ouo u ujoi-
    iDham de m,s charo no mundo, quebrado o for-,, fl de PromHelhou> e n parodia sublime para
    i'"- rn\l "I," ""'- deen,a dfl Urese hoi, roto o interesa commum que en- a,lfln4.M0 conUmnlava.
    atteocioso o conlemplava.
    O abutre qua lhe roa as eotraohas a a fiel e
    generosa Inglaterra com ecou a representagao do
    tro elles havia, os seus succesiores oo se cur-
    tj.tm mais diante dos seus Dovoaseoboresseoo
    S'fhfu a..ea5.a(!.0iade r,,M, e i0iga^t' COm seu lrag'co P"Pel Pla perfidia, e terminou-o pelo
    .da esperaoga de ver algum dta bntbar a a.- | veneno como se esiivesse em suas mos adianlar
    S". """" ?" ". A".8: i 1e e,lav fl"d0 Pe,a Providencia. Restava-
    111 a ainda, (e foi parque elle demorou
    rora da liberdade.
    na e humtlha mais a nsluresa humana do que a
    desigualdade ficticia. A ausencia deinleresse
    commumeis a occasio de rsbentar entre a
    aristocracia e essa maioria oprimida chamada de-
    P-ji lerceiro estado essa guerra looga, paciente,
    Ovjcura principio ; mas que se foi pouco pou-
    co turnando visir! no decurso do esculo 12 cora
    itLertago das communas, e que tendo por al-
    liado a realesa acabou por abalar a sua ioimiga
    co '..'otio de Luiz XI.
    A realesa era porm o proprio chefe da aristo-
    cracia, que, por temor do extremo podero de
    aua orgulhusa e desobediente vassala, ligou-se
    se seis an-
    nos oeste estril rochedo de Saota Heleos) fazer
    o seu lestameoto, em que tioha de expor a mar-
    cha, que a humaoidade devia seguir para que
    podesse saboresr os fructos de sua obra gigao-
    tesca.
    O teatameoto termloou-se por fim, e em 1821,
    essa graode figura histrica eovolvendo-se em
    sua apa [nebre foi dormir o aomno eterno como
    a sua obrs junto imagem do infinito em uma
    liba do grande ocano.
    Um anno depois, em 1822, libertou-sa a oossa
    Un divorcio.
    A o ve I la allema.
    templara no cu esse resto de luz do lado do oc-
    cidente meio-encoberts por casas nuvens cinzen-
    tas? Pensava talvez nessa hura solemne e reco-
    ihida da creago e ao som dasondas ......
    que murmuram seu cntico de morte, na tua
    queda lo radiante e magestosa como a desteas-
    tro que se occullava : ou quem sabe, lia porveo-
    tura, uesses rsios de luz a marcha da humaoida-
    de tragada pelo dedo de Deus. Mas eac ,eiio
    firmecomo o marmore......onde o ralo bata
    e recuava em um desses solemnes mjbmentos
    em que sua alma se achava i, em mudo collo-
    quio com Deus, sacrificou uma lagrall a lem-
    braaga saudoss de seu filbo ausente era a pri-
    meira vez que uma idea terox lhe liona vindo
    sombrear a fronte vasta onde dormilava o genio
    das batalhas. Seria bello ver nesse momento o
    amor paterno adogaodo a figura rude e severa da
    liberdade. 1
    MaMigo sobre a oagao que oo sabefveoerar
    a grandeza santificada pela queda I A c .nfianga
    Ilimitada desse hare, que como Ther'atocles
    viera pedir ao rei da Gra-Bretaohi sei uimigo
    a protaego do pavilho inglez. devia sn4nobra-
    menle correspondida por uma generosidjde aera
    limites ; e todava a perfidia foi o primtaro acto
    que correspendeu a essa nobre confian. Nao
    se parou s oislo. A Inglaterra quiz ser sublime
    de baixeza, e o foi. Nos delirios do seu odio pa-
    queoino imaginou para causlicar aquella grande
    alma villanas das quaes o vulgacho o mais cor-
    rupto e immoral se eovergonharia oas suas vio-
    gangas mesquinhas.
    Vergonha eterna a gerago que insulta
    O laao qae magnnimo se entrega.
    O enlhusissmo, que produzem estes versos, vae
    at as lagrimas, e, na posse delle nao sei a que
    mais admire : se a figura magnnima e calma de
    Napoleo, que se me pinta na mete vcodo com
    piedade esaa turba de pigmeas arranbarem-lhe as
    botas, ou o rosto rubro de cholera do geoio de
    mioha patria deixando ouvir oa omnipotencia de
    tua indigaago o grito generoso de sua alma su-
    blime que veio em maldigao tierna retumbar nos
    ouvidos desse sbirro sciclliano que contra o en
    viado de Deus escarrou todas as baixezas e iodig-1
    oidades.
    E emquaoto com a maii negra ingratido a Eu- I
    ropa blasphemava aobre o tamulo do maior dos!
    seus lilhos, e desacatava essa sombra magestosa,
    o reconhecimeoto fazia exclamar ao geoio da
    America:
    Da liberdade elle era o mensageiro
    Sua espada cometa dos tyranos
    Fot o sol que guiou a human1, lado,
    Nos o bem lhe demos que gozamos
    E gerago futura agradecida,
    Napoleio dir cheio de assombro.
    /. T. da S.
    convidaran] passeiar. Os doentes mais taci
    turnes e melanclicos daixaram os quartos ; todo
    o hospital passeiava estara alegre. O co sor-
    ria e a suave los esclareca os negros peosamen-
    toa dos bypocondriacos ; em todos os trilhos que
    serpeoteam as encostas das collinas, encootra-
    vam-se grupos divagaodo aqui e all, conversan-
    do e sorriodo como o cu.
    Dous paueadorea subiam lentamente, descan-
    sando um no brago do outro, uarvJesses lindos
    camiohos que conduiem por longos circuitos ao
    assalto daa rochas escarpadas. Eram um homem
    e uma mulher, dous burguezes de Berln, dous
    esposos. O marido tioha quareota aonoa, a mu-
    lher trila e cloc. Era louro e ella tambem. Era
    alto, um pouco ebeio dt corpo, o porte um tanto
    desairoso, o rosto cheio e fresco, a mais amavel
    e honesta physlooomia do mando,um ar simples,
    sem nobreza, mas aem vulgaridade, tioha emfim
    todas as appareocias de um geotlemsn rico e
    honrado. Ella era alta, gorda, sem excesso e
    nao sem graga, o andar lnguido, a tez alva e
    rosada, o toilette elegante de uma mulher que vi
    boa companhia e nao desgosta de agradar; tioha
    sido muito bella, era aioda rauito agradarel. Se
    estaram doeLtes oo pareciam, se tioham estado,
    a virtude ctrativa daa aguas do Roseo-Badeo fi-
    zera um milagro. Sua physionomia, bem como
    seu andar, respirara a dogura, bondade ecalma.
    Talvez qua nessa placidez se podeise perceber
    algum enfado, mas esse enfado moderado, que
    nao ae approxims do terrivel spleeo. Nao se
    fillsvam, mas, realmente riviam a tanto lempo
    juotos, que j oo tioham o que fallar, ou antes
    comprehendiam sem fallar; e depoia o declive
    era escarpado u sol queote; em certos lugares
    aa arvores meos unidas deixavam passar seus
    raios dourados e o cuidadoso marido, julgando
    sua mulher mal abrigada por um pefueno cha-
    piu de sol, empregava todo o cuidado em cobri-
    la com o seu vasto guar la-chura. Assim cami-
    nhavam, mudos, tranquillos, somente algumas
    vezes voltavam um laoto a cabega para observa-
    ren] uma bella arvore, um rochedo spero, um
    raio brincando com'um passaro oa folhagem,
    m esqaillo saltando de ramo em ramo, uma
    planta enterrada oo musgo, um bypocoodriaco
    caminbando s e pensativo.
    A proporgo qua aubiam, seguindo ssropre a
    espiral ascendente do caminho, manos passeia-
    dores eocootravam ; afioal achavam-se solados,
    tinham excedido o limite ordinario das excurses
    do hospital.
    Minha querida Kat, disss o marido, oo te-
    mes fatigar-te? Quares ir ate o cimo ?
    Meo caro Fritz, disse ella, deseja fallar-te;
    esta solido propicia a uma grave cooverssgo ;
    se oo ests canudo, subamos al essa rocbi,
    ali acharemos um banco em que poderemoa
    descaogar e cooversar sem sermos incommo-
    dados.
    Vamos I bam sabes que nunca rou de en-
    contr aos teus desejos.
    Cooduziu-a ao lugar indicado, aem nada mais
    dizer.
    Alguos ramiohos de abetos tinham eahido so-
    bre o banco ; aacudiu-os com a mais escrupu-
    losa altengo ; ella aiseolou se agrsdecendo-lhe
    com um sorriso encantador, e fazendo-o assenlar
    jauto a ai.
    Meu cbaro Fritz, priocipiou ella, boje sao
    dez de agosto.
    J havia pensado nisso.
    Sabasqua amaoha ae completaro quioze
    anuos que somos casados.
    Quioze annos.
    Elle coofenlou-se em repetir estas duas pala-
    vras simplesmeote, sem mostrar admirar-se, nem
    querer discutir aa datas.
    Durante tolo esse tempo, continuo ella,
    leoho ti dado algum motivo de descontentamen-
    te, meu charo Fritz?
    Nenhum, pens eu. E creio que nao ters
    tambem censura alguma a (azer-me, mtnha, que-
    rida Kat ?
    Por certo que nao. Nossa looga unio s
    leve um dia de ddr, foi aquello em que Deas cha-
    ra o u a ai o filbo que nos ders...
    Ambos suspiraran), depois de um momento de
    silencio, ella coutinuou :
    Sim, tenho constantemente echado em ti
    um amigo verdadeiro, leroo e fiel ; o qae foste
    para mim. ful para ti ; nenhom deoosfallou s
    promesaas doa primeiroadias de casamento, tan-
    tas retes e lo depressa esquecidas por outros ;
    eiaea quioze annosse tem passado pacificamente,
    aem uma ouvem oa aereoidade de nosso cu ;
    quietogo mra aillo talvez multo perfeita ;
    i.mi felicidade lo calma uma desgraga.
    A estas palarras, elle oo fez oenhumaexcla-
    maco, mas obserrou sua interlocutor! com ar
    ioterrogador :
    A monotona desta tranquillidade ; conti-
    duou ella, acabou por mo cingar, meu amigo ;
    digo-t'o francamente ; nao te aecuso por isio,
    Deui me livre I mas nao me desculpo. Fizo que
    pude ; o aborrecimento apoderou-se de mim, a
    dfpeito de todos os esforgos, e me domina.
    Creio que essa nicamente a minha molestia ;
    as aguas de Rosen-Badn nao podem cura-la.
    Sioto um vago e irresistivel desejo de movimenlo,
    de mudaoga.
    Na ociosidade em que vivemos em razo de
    oossa fortuna, nunca live outro cuidado, outro
    penaameoto, outro objecto seno t; meu filbo
    me dialrahira alguma cousa desta preoccupsgo
    exclusiva, mas infelizmeote um instante apenas !
    A*siin por essa constancia e uoidade de affaico
    tenho consumido toJo o meu amor comtigo, meu
    caro Fritz. Nao me queiras mal por isso: eu te
    amo anda, mas nao de forma que esse senti-
    menti sej sufcieote para encher s mtnha vida.' D ,. ...
    Preciso de outro : uma oecessidsde imperio- ; tSiatlsj fia IRll ll-t l'ia 00 llllllO, da litit
    sa ; morrerei definitivamente se a nao aatisfizer
    incontinente. Eu poderia seguir o exemplo de
    xarti as maridos. Por muito Umpo podamos
    comer carn de pombo quando a nao comemos
    exclusivamente ; a variedade impede a sacieda-
    di. Dahi essas uoies qae podem mui fcilmen-
    te ser eternas, porque oo sao immutareif, in-
    dissolureis porque oo sao muito intimas. Nio-
    guem quebra os lagos commodos, e o canoigO
    que rerga oo quebra. Deixemos a outros esses
    costumes ; mas nos obremos com mais franque-
    za sou de leu parecer, nao temos lilhos e a
    oossa separaco s a nos separa ; julgas que
    opportuna, nao quero comegar hoja a contradi-
    zer-te. J escolhsste novo marido?
    Quasi que si ai.
    Coohego-o 1
    Nao; mas quoro mostrar-to. E'a meo
    amigo intimo, e oo poss concluir negocio to
    importante aem pedir teas Conaelhos. Vas ver
    o Dr. Schutz, e espero que approvars a mioha
    escolha. Aioda nao viste o Dr. Schutz?
    Nao.
    Entretanto desde que aqui estamos, nao se
    passa um s dia que o nao encontremos daas oo
    tres vezes em nosso passeio.
    E vamos encontra-io j ?
    Descendo eocruzilhada prxima, ao p
    ds Rocha do diabo, entre um abeto e um car-
    ralbo, passaremos anta elle sem parar; polers
    observa-lo de passagem : um desses homens
    que se julga de um golpe de vista
    primaira vista te agradar.
    Basta que te agrade.
    Nao, islo um casamento de conveniencia ;
    comprebendes que nao quero mais fazer um casa-
    mento de amor.
    E j flzeste algum ?
    Neguei eu j isso?
    Vamos, pois, ver esse seohor... seohor?
    Schutz, Aoacharsis Schutz.
    Ah I Schutz !
    Desagrada-te esse oome?
    De forma algama, mas estava pensando i.ra
    que Schutz e Scbwartz se parecem, e que nao
    mudars muito, de madama Schwartz para ma-
    dama Schutz. De Schutz a Scrnvirtt vae muito
    pouco.
    Camlnhamos, pois, disse ella sorrindo.
    A essa reflexo e depoia dessa concluso des-
    cerara.
    Depois de cinco minutos de marcha silenciosa,
    madama Schwartz tomando o brago de seu ma-
    rido:
    Observa, disse ella a meia voz;
    Mr. S.-hwartz olhou.
    Diaote delles, junto a rocha, entre o abeto e
    carvalho indicados, eslava assentado um mancebo.
    Mr Sshwartz para obsrvalo a vontade modero
    o psaso, e, camiohaodo devagarioho, procedeu
    com methodo ao seu exame, estulando seu fulu-
    ro successor desde a cabega at os ps.
    O doutor liuha na cabega ura pequeo barrete
    d'onde se espargiam os unidos frocos de uma ci-
    belleira d'ura louro desraaiado ; ao nariz uns ocu-
    los do ouro ; uma barba longa da cor dos cabel-
    los lhe moldurara o rosto; um semblante pen-
    sativo fixo n'um livro. Mr. Schwartz soube de-
    pois que asse livro era um Plslo ;outros li-
    vros sahindu das vastss algibeiras de um ampio
    paleto!, eis tul-) quanto p Je a principio ver o
    observador. O personagem observado, adevi-
    nbando sera durida a presenga de madama
    Schwartz levantou os olhos de sobre o livro, ti-
    ro u o chapu, levantando 'se da reir, e enlo
    pode Mr. Schwartz verificar que o noivo de sua
    mulher tinha seis ps pouco mais ou menos, urna
    physionomia agradarel e seria, olhos melancli-
    cos por traz dos oculoi, uma fronte espagosa e
    pensativa, o aspado emfim de ura honrado sabio
    allemo. Discretamente, sem fallar, foram tro-
    cadas de passagem dus ou tres saudacas. Mr.
    Schwartz nao paron ; Mr. Schutz nao e boliu, e
    com a vista someate segua madama Schwartz
    que vollou um pouco a cabega inlencional-
    mente.
    A vinte passos de distancia, na volta da estra-
    da, quando sua voz nao podia mais chegar at 0
    doutor, que j tinha continuado a sua leitura :
    Enlao ? perguotou madama Schwartz.
    Muilo bem 1 disse Mr. Schwartz.
    Eslou muilo satisfeita por ver que o meo
    goslo te parece judicioso.
    Sou sempre feliz em aer de tua opinio ;
    o melhor meio de rae nao engmar. Eis-me,
    pois, tranquillo sobre o leu futuro ; mas eu?...
    Imitar-me-has...
    Cjmo 1...
    Como te substitu...
    Era fcil.
    Substituir- me-has.
    E' mais difficil.
    Ainda nao Uzeste como eu a tua escolha ?
    Aioda nao.
    Pois bem -la por li.
    Tivesle esla bondade? 1
    Julgas que i peosava em nim ? Procurei
    tambem para ti e achei. Partirs amanhs para
    Paris.
    E' ahi ?...
    Que encontrars madama Blum..
    Madama Blum ?
    E desposa-la-has.
    Mal a conheco.
    Conhego-a eu.
    Mas...
    E' uma das minhas melhores amigas da in-
    fancia ; convm-te s mil marevhas, eoofia-te
    em mim ; seu marido morreu o anno passado,
    de proposito para l'a ceder.
    Itastava que elle se divorciasse. Partirei
    amanha.
    (Confinuar-se ha.)
    JrtVrf ** Vchl?0$ qalquer out
    dlmZsa.l.T ,,BplM P""!" taes sao as
    .m ?\fB8Pl0 <9 Pedra que se em-
    pregam, til a eacala sobre que eslo cooce-
    bidis as construcgoei. a superficie dealas cons-
    truccoes cobrem Mis geiras de tarreoo.
    O corpo prineipal do aditicio, conitraido de po-
    dra, ter 550 ps de comprimento, seis andares
    cobertos com uma cornija, e mullos ceotos de ja-
    nellas com caixilhos de cantarla, o que dar ao
    edificio um aspecto monumental a graodioto.
    As janellas em lugar di serem divididla em
    umaiofioidadede pequeos caixilhos, traniuUti".
    rao a luz por meio de grandes ridros moltados.
    Tudo quinto foi posiivel obter, relativamente a
    leveza e reotilago, pelo emprego dos lilos
    nucos na conitrucgo dos parimeotos debain do
    posto de rlsta da solidez, pelo emprego deco-
    lumoas de ornamento de ferro fundido ede rgas
    maisigas di mesma materia ; com o fim de ri-
    lar os incendios, pelo nao emprego de maderas
    todas eitas rantageos.dlisemos os, foram qI-
    culadas e realisadas.
    as duas extremidades do eorpo do edificio -:;
    tendem-se em volts, duas alas da mesma altua
    que o corpo principal, cada uma de 330 ps e
    espero que comprido, destinadas pira armazeBS.
    Alrn da ala accidental, se acham outras con -
    truegoes menos altas, que devem ser affecladas s
    operegoea preparatorias da fabricagao, emqaaoo
    que as que occapam o lado oppoilo devem s?
    consagradas tecelsgem e a operaos que s
    egaem.
    Agricultura
    patria, e os membros do guerreiro estremeceram
    ao terc.iro estado elemento j .mportante na oa- de salilfacc|0 ,m sua ca0)ps, por ver uma oatu-
    po. Depois dai derrota do inimigo commum as re giga,9 como a dosis realissr primeiro a
    duas silladas acharam-se de (rente no campo da | us obra colol5al a 0bra da liberdade.
    Victoria, e a realesa eDtao poude de perto obser-
    var a torga e s habilidade, que a democracia ba-
    ria adquerido nos combalds. Nessa occaaio el-
    la, que conhecia perfeitamenle os sus inleres-
    *;:, iecooheceu O grave erro, que commellera
    esuiagaado sse poderoso elomento, ao qual a
    prenda a ideotidae de naturesa.
    A realesa reconhaceu, qua a sus allianga com
    democracia eslava fiada desde o di, era que humaoidade,
    ambas no campo do combate ergueram os tro- iugtez, nao
    pheu da victoria, porque desde esse dia reap-
    pereceu a diversidade de seus interesses. Por
    cunseguiote mais larde ou mais cedo ellas se vi-
    lism ns mds.
    A America, que linba melhor comprehendido
    as suas coacepges, porque s o genio pode com -
    preheoder o geoio, competa, e s ella poderia
    realisar a vasta epopa dassa figura, que domioa
    a hamaDidade.
    Para isso appareceu Magalhes.
    Emquaodo os bardos di Franca sardos aos de-
    veres, que lhe Impuoham o patriotismo e a
    toroaram-se o orgo do odio
    trepidando mesmo em multar
    o giganta adormecido, o poeta do Brasil toman-
    do de junto dos ps de Deus a lyra dos biroes
    deixou ouvir ao mundo recolhido a ioebriado
    esses sons grsndiosos como o colosso, que elle
    muitas outras, e assim teria um meio de salis-
    fazer essa necessidsde; mas bem me cooheces,
    e sabes que oo admiti todos os costumes de
    miohascoDtemporaoeaa: trahir-tel oem mesmo
    a idea poderia admitlir; porm as leis de dosso
    paiz permittem qne oos separemos. Meu pare-
    cer o qui o fagamos por um divorcio amiga-
    vel, por uma aoDullago de contrato feita de
    commum aceordo.
    Ella fallara com um tom meigo e egual elle
    ouvia-a com a cabega baixa, os olhos fixos no
    chao, aobre o qaal descrevia, com a ponteira do
    guarda chura, liabas embarazadas, E como
    guardases silencio:
    Entao, meu amigo, acrescenlou ella, ciu-
    so-ta adroirago? afflijo-te. Nadadizes: em que
    pensas?
    Pens, disie alie, elevando para ella um
    Os doentes do tom, que, para quslquer moles-
    lia, tem o ligeiro spleeo da ociosidide, e que po-
    dem pagar caro a cara, oa pelo meos o trta-
    me g t o, obram mullo bem ir Baden-Badeo oa
    eitigo daa aguas. Ahi eocootrarao lodos o pra-
    zeres do invern oo corsgo do esto ; a civilisa- cousa semelhaots, e nunca'
    gao dascapitaes no meio de um agradavel cam- raco?
    po, concertoi, bules, theatros, o tumulto, o bri- | Talva que sim, de eerlo tempo para e.
    lbo e o ruido de Paris, sem fallar dos divert-1 Se podesses calcular exactamente esse tem-
    meotos locaea naquella capital prohibidos. Alm | po, acharias por occarrencia, que o teu aborre-
    diaao, de lodos os lados te vem fontes de que cimento preceden o mea, quem sabe? .
    e lgdo nos tres reinos da IreUiha.
    A leuda do linho e das outras materias teciveis.
    (Coocluso.)
    Terceiro quadro : uma fabrica de alpaca ou
    alpaga, em Bradlord.
    A lpica, gragas aos aperfeigoamectos introdu-
    zidos em sua fabricagao, serve para formar, oo
    somente quando ura pregado sem mistura, mas
    quaodo misturado com a seda e o algedo, bel-
    los tecidos para vestidos das damas.
    O-Uohair oa la das cobras d'Angorak tambem
    se toroou da moda.
    Bradford conta numerosas e immeosas manu-
    facturas no modelo das de Lsneshire para a fa-
    olhar lerno'a affictuos, pens, mioha querida ; brica$io das fazendas de l, da alpaca e de mo-
    Kath, qae s muito boa e prudenle, e qae ex-1 hair, e quisi todos os diasse cooilrueca oovaa fa-
    primiste muito honestamente teus sentiaaentos e
    bricas.
    leu projecto.
    T mesmo, meu amigo, nao sectas algama
    pensaste Beata sepa-
    Amonarchia quiz prepararse para esse futuro descantara, sublimes como os primeiros bymnos
    duetlo e para isso procurou ordenar aarotaa pha- | j, oatureza primitira.
    laoges dessa aristocracia apodrecida e bastarda, i q espectculo impuoha pela magnificencia :
    que s sabia aos pi do ihroco queimar o ioceo- [ er, 0 geD0 aa poaaii celebraodo em harmooiai
    o da adulsgo, e beijir em languidez inminiua ciernas como o bello o genio daa batalhaaada
    aa mo9 das grandes damas da corle. Era tarde : j liberdade. Nessa epopa, que a maior obra
    o elemento popular, que soubera am momelo ,jos noisos lempos, o coodor dos Andes scompa-
    ser hypocrita com a sua companhsira de triara- Dnou com 0 ,BU olhar da fogo a aguia altiva, que
    i.luis repeindo pira o fuado do seio o odio li-
    gadsl, qae lhe votara, j era bastante forte, e
    li,. sua impaciencia s esperara o grito de guer-
    ra, e um chele, que o guiasse aos combatas pa-
    ra \-4 ella se precipilasse em sua colera aobre a
    realesa enfraquecida por muitoa gneros de cer-
    rupgo e acabasse de desmontar essa arialocracia
    que itvia someule da seiva enfraquecida daquel-
    le elemento. O rabile foi a revolugo de 89,
    o chee do exercito popular foi Mirabeau.
    II
    De Mirabeau i Napoleo a transigi fcil e
    natural. Mirabeau foi a cabega, Napoleo foi o
    brago da liberdade. Mirabeau destroiu com a pa-
    lavra, Nspoleo com a espada ; mas como a idea
    antecede acco, o geoio da liberdade eocarnou-
    ae primeiro no orador da asseroale cooeliluinte,
    a depila no guerreiro Ilustre dos campos de ba-
    tatn de llireogo-Iena e Austerlitz.
    Mirabeau depois de uma lula de gigantes eom
    devaasava o cea da Europa, riu na sua marcha
    triumphal pelo mundo o guerreiro Ilustre qae
    Com a poota de sea glsdio
    No mappa das nagoes tragara ss ralas.
    Conlemplou-o na immobilidade de Jpiter
    Olympio desdenhado ai abobadas de balas, que
    dobrandoas em signal de homeoagem omni-
    potencia de seu ginio rioham respeilosase hu-
    mildes curvar-se a seas ps. *
    E ao sol de Mireogo, Wegram, e Austerlitz ad-
    mirou-G assistlodo firme como uma estatua de
    brooze, calmo como o destino> a aooiqailla-
    gao desses Tiles, que ousavim levantar-secon-
    tra seu poder.
    Apenas nolou-lhe na imperturbabilidade do
    rosto uma pequea distinti croduzida pelo
    prsztr que lhe csusavam
    O infernal retiolim do combate d'armas,
    Os trovoes dos caohes que rebombaran:,
    ts insuuic.es do passado, a de as harer atirado O sibilo rebeolam a agua mais linda e clara do mando.
    Alfredo de Masad achara-a sineersmeote um
    pouco salgada ; ha all um pogo em qae ella fu-
    mega realmente, e parece que babem-na com
    avidez, porque nao tica muita para humidecer o
    lveo lo bem calgadodo rio que coiteia a Coa-
    wrsaco. Eite pobre rio absorvido em sua foo-
    ta pela lndiscripgo das doentes.
    Entretanto se tiverdas necasiidada de um re-
    medio msis onergico contra um spleeu mais ca-
    neteriaido, contra uma verdadeira hypocondria,
    nao voa aconselharei que o vades procurar em
    Baden-Baben e sim em Rosen-Badn.
    As cem vozes da Urna ainda nao Czeram soar
    a rossos ouvidos este ultimo nome como o pri-
    meiro, e vou talvez revelar-ros um paizdesco-
    nhacido.
    Ha, em uma extremidade da Bohemia, looge
    dos isminhos de ferro e da maltido um velle-
    zinhoocculto, quan perdido. Certa-o de todos
    oa lidos um circuito ovil da collini rochosas e
    cobertas de millas ; a elevada barreira deiteeir-
    co natural ebre-ae apenia era um lugar para dei-
    lar passar um regalo, ao longo do qual foi con-
    oervado um trtlbo pelo qual entrara e sahem os
    raros hospedas do deserto. Alli oso ha iheatros,
    concertos, bailes, cem jogosde azarea ; mas so-
    mente fontes saudarois em torno das quies oo
    ae faz o menor barulho. Propriamet/t fallando
    nao ha tambem uma cidade.
    A' meia-encosta, entre bosquezinhos da arvo-
    res, que maia aliante se fechara em floresta es-
    palham-se algumat casas alvas, silenciosas'. 0s
    habitantes daifas cuas to verdadeiros hrpocoo-
    driiCOS. ,j0e nao cuidara em dirertlr-se, mis em
    c'i".ar-se ; bebem srismeole uma agua tranquil-
    la, em horas certas ; nos interralloi paiieiam
    methodicamente as afQaencias dss (ontes eis
    todos o seas praieres.
    Se a demanda deslas fazendas continuar na
    mesma progreiso, bam depreita ser necessario
    para siliifazer a estas neceasidadei sempre cres-
    cenies, dar um novo desenrolvmenlo industria
    fabril.
    Parece ter chegado o tempo em que uma nova
    organtiago, fundada no principio da ceniralisa-
    g, se torna oecessaria^.e esta oova orgaois&co,
    se acha a ponto da realisir-se, pela execugo de
    um plano concebido em proporges at hojodes-
    conhecidss.
    Nao sei. Entretanto nao ha muito" lempo
    qae me aborreces ?
    Nao. Cuido mis oo futuro do que no
    passado ; e a por previsto que tedeiio. Ho-
    ja aborrecemo-oos simplesmeote, sem saber por-
    que ; amanha talraz sajamos um para o outro
    um pesado firdo. Separamo-noa boje ; nao es-
    peremos por amsnha ; erilemos lornarmo-oos
    aaaa importunos para eolo oo diixarmos um
    do outro uma dessgradavel recordarlo. Em todo
    o caso devemos decidir aem damora intil, e
    obrar desde qae esolvermos o que convm fazer.
    Ha sitaacoes em que aano pode parar aem po-
    ngo. Estamoa am uma dessss falsas posiges?
    saiamo-noa dalla deate modo. NaoUnhjrazo;
    Toda, mioha qaerida amiga, nao poderei
    oega-lo. Rocoobego agora a aolidez e agadeza
    de tu eapirito. Contra uma lei universal, seria
    poqso pralente revolter-se, pueril asar de ao-
    phiamas e dalongis ioateis. A natureza humana
    i da asiencia rariavel ; at meimo a uniformi-
    dade do bem a desgasta. A cama do pombo
    muito agradavel, a entretanto niogaom poder
    limentsr-se com ella viole eum dtss aeguidos;
    t>s jornias ltimamente publicsram a grande
    aposta e grande eleondede que ganhou ura I Do proprietario dessa collossal eslabilecimenlo
    Americano, realissnio este miiagra, at entao Rodera fszer-se muito bem e tambem muilo
    julgsdo impossivel, de alimeoter-se durante tres mtl. mas QI nio podemos impedirmos de af-
    semanss com carne de pombos. E uma exsep- t,gar e3peraDga de qua a ultima melada do ae-
    gao essa. que somos incapazes de renovar.... [ culo x,x p6de marcar n08 annaea da humaDda.
    Coraprehando, pois, muito bem, minha querida de algama coula majg iotereiseate do que uma
    Encontr-se oa lioha do caminho de ferro de
    Leeds a Sk.iptoo, um ponto donde um pequeo
    valle, no qual corre um ribeiro, se dirige para a
    cilade de Bradford, distante tres mhis pouco
    mais ou menos.
    Nasle ponto de junego est situada a cidade de
    Shipley, om dos salellites de Bradford, quanto i
    fabricagao doa pannos.
    Nao longo de Shipley, se acha uma proprieda-
    de ha poseo comprada por M. Salt, um dos gran-
    des ioaustriaea de Bradford, onde elle possue
    muitos eitsbeleciraentos.
    Esta propriedade alravessada por uma estra-
    da, um rio, um canal 6 uma estrada de ferro
    Naale momento, coostrue-sa all uma fabrica que
    ser talvez a msis bella do mando e o ncleo de
    ama cldide que attrahir bom depresia a alten-
    gao eos economistas.
    E
    de reno'
    minha
    amiga, que depois de quinza annos de casada
    estejas sborrecids de mim. Aioda assim para
    qua to larde me eborrecesses foi preciso ter
    muita boodade, pelo que te sou teroamecle gra-
    to. Mesmo oa tua confidencia vejo uma prora
    evidente,que oo era preciaade lu ioaltera-
    vel fidilidade. Quizesle deixar-me porque nun-
    ca me trabilla); oulrji por esa* razo ao dei-
    simples pocua das machinas da vapor.
    Se deixando a extensao de Shipley, oos diri-
    girmos para o lado de Biogley, bem depressa se
    chega a vastos terrenos que ha pouco apreseota-
    vam o aspecto de campos verdejaotes, mas que
    hoje se cobrem de immeosas construeges. Dir-
    se-hla que trata 4e-um palacio legislativo, da
    O edificio principa!, dersndo formar a officin
    de fiago, as materias primas eotraro assim sn
    um armazem e fario o gyro dessa immensa fabn
    ca antes de chegarem promptas ao armazem o?
    poslo.
    Este grande eslabeleeimeato possuir raeios d
    commuoicago em harmooia com as saaa rasla.
    prcporgoei.
    Ao longo da fachada occidantil ?; conitrue am.
    bella estrada, que passa por uma ponte de larri
    fundido, terminando no caminho de ferro d
    Leeds a Skiptoo, depois o rio Aire e o canal d
    Leeds a Liverpool sobre uma outra ponte de -M.
    ps de comprimento, construida segundos prin-
    cipios, di fsmosa ponte tubularbritanoia. Em
    segundo lugar, o canil acompanba do lado norte
    os armazeos, que tero muitos guindastes para
    carregar edescarregar os bateis. Finalmente, um
    ramal do caminho de ferro penetrar no ic-terior
    dos edificios, onde os guindastes carregirj e
    descarregaro os wagons com grande prontp'.i-
    do.
    Outros guindastes Sarao o mesmo aos carral
    ordinarios, subir e descer de am a oulro andar as
    materias brutas a fabricadas, e provsvelraente
    tambera uma parte dos operarios,, poupando-lho
    assim as pernas.
    Qual deve ser a possanr.a dss forgas motrlzes
    que devem dar a vida a esla prodigiosa fabrica 1
    As machinas de vapor, collocada em dous bellos
    edificios dispostos de cada lado da entrada prin-
    cipal, deixar escapar sua fumaga por uma eipe-
    cie decampanila italiana, do 50 ps de altura.
    Tem-se, dizera, empregado 1,200 toneladas de
    pedras nos alicorees da sapala sobro a qual re-
    pouzam as machinas.
    Ascaldeiras, estabelecidasna parte incliaada o
    terreno, sero alimentadas por meio de canias
    subterrneos, pela agua do Ayre, e laogarc ff
    poi um outro canal a agua aervida.
    cima da oficina de tecelsgem, ao estendcr&
    um immenso nitro e reservalorio, capaz de conter
    muitos cenloi de pipas d'sgaa da chava dos te-
    lhados dos edificios, agua aproveitadepars i la-
    vagem das las. Entra o canal e o rio se eslabelte-
    cer a fabrica de gaz, que dever alimentar 5,000
    bieos.
    Quanto aos ierres postoa em movimecto pelas
    machiohas e que cobriro, nos differentes anda-
    res, uma extensao superficial de 10 a 15 3iras,
    somente a sua descripgo exigira um rolumoso
    artigo. Limilamo-nospor tinto a dizer queesin-
    veuges as mais recentes e os processos de fabri-
    cagao os mais aperfeigosdos sero alli postos om
    parlica.
    Aioda nao fallamos do pessoal, que entretanto
    deve chamar a seria attengo do creador desae
    grande estebelecimento. Os edificios, machinas e
    officioai sero dispostos de maneira a raceber e>
    a oceu;>ar ,.">oo trabalbodres ; e como pelo me-
    nos se deve contra um egual numero de nao tra-
    bajadores para proverem eitea operarios om
    todo bem estar da vida domestica, o estaoeleci-
    mento implica, directa ou indirectamente, uma
    populago de 9 ou 10,000 almas. Ora, esta ma-
    nufactura se est constraindo, como j dissemos,
    oo campo, alm dos limites de Shipley. Mr. Salt
    tem por tanto do fundar uma cidade ao mesmo
    tampo qae a fabrica, qae deve proporcionar oa
    meios de existencia a seus habitantes. Por isso o
    seu plano comprehende a construegao de 700 ta-
    sas de difierentes classes o dimenses, porm o-
    dss bem claras, arejadas e seccas; lsrgis, jar-
    dina, pragai espagosaa, terreos reservados para
    jogos pblicos, uma egreja, sacla, um mercado,
    banhos e lavarioi, uma cozinha commum, >m
    vasto refeitorio, o outras eonstraegoes com finada
    utilidade publica.
    Tal ser Salteire, nome que, se todavia a'.su-
    mas circunstancias imprevistas nao fizerem pa-
    ralyar o trabalhos, deve em breve ter essa- no-
    va cidade que vira a aer uma daa curiosidades
    do Yoikshire. Algum joroees avaliaram em jaeio
    milho de at (12 milbes de cruzados) o :ut<>
    provavel de todas $ construeges desse esiabe-
    Iecimento ; mas parece que nao subir lo alto.
    Como quer qae seja, eis uma eommunidade era
    perspectiva, cujo pao quetidisoo, o bem ser so-
    cial e o progresso moral, v3o aebar-ss iotima-
    maula ligados fortuna de um s homom. Quan-
    do os negocios marcharen) bem, quaedo os pan-
    nos tivarem bom prego no mercado de Bradford,
    quando todos os brsgos estiverem empegados,
    e|o crdito for bom, Seltaire poder aer urja de>
    noisss communidades iodustriaes, porque ella
    parece fazer a sui estra as condigno* as mais
    favoraveis.
    Mas deve-se esperar que o rento da adrersi-
    dade '.enra aasoprado sobre ella, o sse rento
    que nao poapa mais ss fibrlcaa de pannos da
    la do que as outras, para juJgtar at/; que ponto
    ella constituida, de maneira resistir s ricis-
    siludes da fortusi. E' inatal. acc escentsr que
    iaso. depender ca grande paxle uo aabedcr:a e
    da philaDtropia daqaelle qae for chamado adlri-
    gir ene immenso eitabeleciruento.
    IBouschiild Wcrds.)
    E' um erro geralmente- espilb ado de que a In-
    glaterra, reaervando-s as fabricas de la e de
    algodo, daix-a Irlanda fabricagao quisi ex-
    clusiva do linho. Este erro se funda ni is'.erdic-
    go que tez Guilherme lll seas subditos irlan-
    dezes d'exportar pannos de la, excepto para a
    Inglaterra, o qua 4x presso na Irlanda de uma industria., cajo 9 pro-
    ductos leriam eneoairado nos mercados in^iezes
    uma concurrencia desastrosa. Em consecuencia
    a Irlanda ahandonou o algodo e a lan para en-
    tregarle fabricagao dos tecidoa de linho. Mas
    a logliterre, e sobre tudo a Escossia, nao renun-
    ciara) fabricagao do lioho por meio das aa-
    chinas, e bem depressa o Wallotty-Trott inftlez
    ae torno superior ao irlandez. Aiuda bojo. a
    uoica cidade de Duoda pruduz tantaa fazendas
    de lioho, nao como Bellast, sur. rival na Iriacda,
    mis como a lrlaoda inleita. A proporgw das
    manufacturas da linh nos tres reinos nao tem
    soffrido senao leves ooditicages desde 193),
    poca em que a eslatistica official apreseolava os
    segaintes dsdos :
    Na loglaUria exisliam 169 fabricas de te-
    cidos de linho, onde fanecionavam miiChinas re-
    presentando ama forga de 4,200 cavallos, e em-
    pregando 16,573 individuos.
    Na Escoasia 183 fabricas representando u.jra
    forga de 4,815 cavallos, eapregando 17.S97 in-
    dividuos.
    Na Irlanda 40 fabricas somanta, cuja? ma-
    china representaran) 1,980 carallos, e empre-
    gande 9 617 individuos. Mis na Irlanda a iiadei-
    ra e o tecelo latam ainda com Wallolty-Trolt.
    Segundo M. Hall, mais de 170,000 individuos'
    se oceupam na lrlaoda oa industria do linho, a
    155,000 (usos fiam 300 toneladas de linho por se-
    mana. Avalia-ae em mais de 50.G00 o numero
    de individuoi que vivem do commercio do li-
    oho ; e o valor annual doi tecidos fornecidos no
    commercio pelo paiz d'Ulster de 4 milbes do
    libras sterlinas, e finalmente o capital eosperha-
    do nesta industria excede a 5 miihoes 4a libras.



    (Do auxiliador da Industria Naoional.)
    PERNAMBiJGO,-TYPLDE, I^DK |. P, & PILflO.
    MUTILADO


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EO1SKOTKN_KIKKGI INGEST_TIME 2013-04-30T20:30:03Z PACKAGE AA00011611_09591
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES