Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09590


This item is only available as the following downloads:


Full Text
iUO XIIVII1. IDME10 183
eva.
P*t tresmeze vencidos $000
* V- I
,
.
SiBBIDO 9 DE AGOSTO SE 1112
Piruii adlantado 19|00O
PorU fraiif para t sibscripttr
ENCARREGADOS DA SUBSClUPgAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Aracaty, o Sr. A. da 1.eraos Braga; Ceari o Sr.
J. Jos da Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim
Marque Rodrigue; Para, UanoelPiohairo &
C; Imaionai, o Sr. Jconyrao da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
Alagas.oSr. Cleudino Falcao Diaa ; Bahia,
a Sr. Jos Martina Aires; Rio da Janeiro, o Sr.
Josa Pareira Martina.
PARTIDAS DOS CORRE10S.
Olioda todos oa dial aa 9> horas do dia.
Iguarass, Goianna, Parahyba as segundas
e aextaa-Ieiraa.
S. Antao, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho
e Garanhuns as tergaa-feira.
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoeiro, Brejo, Pea-
EPHEMER1DES DO MEZ DE JLHO.
4 Quarto craacinte as 8 horas e 20 minutos da
minhai:
12 Lu cheia aos 2 minatoa da manhia.
18 Quarto minante as2 horas e 82 mnalo da
tarde.
qaeira, Ipgazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Viata.Ug l ora as 6 horas e 24 minuto da man.
Ouncary e Exu iii qna< taa-feiraa. ,
Cabo, Serinhem, Rio Formoao, Una.BarrelrosI PREAMAI DE HOJE.
Agua Preta, Pimentelraa Natal quintas feiras. Primeiro is 3 fcoraa e 18 mlnutoa da manh,
(Todoa oa correioa partem n 10 horas da manhaajSegundo aa 2 horas e 5i minutos da tarde.
PARTIDA DOS TAPORES COSTEIROS.
Para a sal U Alagte 5 20; para o norte
at a Granja i 14 a 29 de cada mez.
, PARTIDA DOS MNIBUS.
Paja o Recie: do Apipucot 61(2, 7, 7 1|2, 8
e.8 1|2 da m.; de Olinda a 8 da m. e 6 da t.; de
Jaboaiao s 6 112 da m.; do Caxang Varzta
s 7 da m.; de Bemfica s 8 da m. J
Do Recita : para o Apipueot s 3 I 2, 4, 4 1|4,
4 1)2, 5, 5 1]4, 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda s 7
da m. e 8 1[2 da t.; para Jaboaiao a 4 da t.;para
o Caxang % Varxta s 4 Ii2 da t.; para Btme
4dat.
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundea e quintas.
Relacao : larga e eabbadoa a 10 horas.
Pazenda: qunlaa a 10 horaa.
Juizo do commercio : aegundas ao rucio dia.
Dito de orphoa: tergaa e eextea a 10 horaa.
Primeira vara do ilvel: largas a extaaae meio
dia.
Ssgandavara de cirel: quarlasc sabbados l
hora da tarde.
DAS DA SENARA.
4 Segunda S. Domingos de Gusmlo fundador.
5 Ter^i. N. S. las Nev, S. Osaldo.
6 Quarl Transfigurlo de Chrisip.
7 Quinta i S. Catlsno fundador des Theatinoi.
8 Sexta. S. Cyriaco diac. ; *. Emiliano b.
9 Sabbado. S. Homo ; .. Veri-:iano m.
10 Domingo. S Lcureoco m. ; S. Asteria y. m.
ASSIGNA-SE'
no Recite, em a livrria da.praga da Indepen-
dencia o.6 e 8, dos proprietarioa Mancel Flgari-
roa deFaria & Filho.
PASTE 0FFICIIL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia G de agoste de
186
Officio ao commandinte das arma.Sirva-se
V. Eic de informar sobre o que pede no Incluso
requeriment Coime Francisco da Eocaroac.ao.
Dito ao mesmo. Transmiti V. Exc. para o
Bm conveniente, a inclusa guia do soldado volun-
tario Sebastiao Ferreira de Arruda Coelho, que
se alistou na provincia do Rio Grande do Norte
com destino ao 9" batalho de tnfantsria.
Dito ao mesmo. CommuDico a V. Exc. em
INTERIOR
Relatorio do ministerio da fazeeda
apresen lado a assembla geral le-
gislativa na segunda sesso da dci-
ma primeira legislatura pelo minis-
tro e secretario de estado dos nego-
cios da fazenda Jos Mara da Silva
Prannos.
(Continuarlo.)
Tendo sido appllcada esss somma exclusiva-
mente substituidlo das notas dos valores cima
solegao ao aeu oflicio de 25 de julho ultimo, sob citados, Acarara sem emprego as seguintes quan-
n. 1,439, que segundo declarou-me o Exm. pre-' lias, que representam os saldos da operaco, e
sidente da Parahiba em officio do Io do correte [ foram immedietamente devolvidas caixa da
n. 4,504, o desertor Joaquim Jos Correa deixou | amortisaglo, a saber :
de seguir para esta provincia em consaquencia de '
Dos particulares.'
Da fazenda na-
cional .
Ol'RO
418:489*355
PRATA
1:9469060
100S640 1.737:455^4'
418:4909000 1.739:4019500
com que ae flzersm :
20.838 moedas de ouro de 20g000
183 d
" 1,403.826 de prata de
629.351
104.500
A receita duraote aquelle exer-
cicio foi de........
E a despeza com o pesioal e
utensilios :......
ter sido indiciado em crime de roubo naquella
capital, onde est sendo procesiado, depois do que
seguir o seu destino.
Dito ao mesmo: Sirva-se V. Exc. de mandar
apresentar ao delegado encarregado da repartilo
da polica, amanhla s 10 horas Jo dia, duas pra-
ras de linlia, alim de escoltarom uin criminoso
de morte at a provincia do Cear.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Declaraado-me o vice-consul da Baviera nesta
provincia Maooel Joao de Amorim, que durante
a sua ausencia na viagem que vai fazer corta,
encarregara do respectivo consulado a Jos Joo
de Amorim ; assim o commuDico a V. S. para seu
conheeimento e alim de que o faga constar ao
inspector da alfaodega.Communicou-se ao ca-
pho do porto e ao ebefe de policia.
Dito ao mesmo.\nnuindo ao que me reque-
reu o altere do 9 batalho de infantera Boa-
ventura Leitao de Almeida, que vai destacar no
presidio de Fernando, autoitiso a V. S. a mandar
adiantar ao mesmo alferea am mez de sold, que
dever ser descontado na forma da lei.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S pagar a Joao Carlos Augusto da Sil-
va, conforme solicitou o chefe de polica em offi-
cio dahootem, sob n. 1,211, a quantia de res
1:407909a, dispendida no mez de julho ultimo com
o sustento e dietas doa presos pobres da casa de
detengao, mi vez que esteja em termos os in-
clusos documentos que para esse limacompanha-
ram ao citado officio.
Dito ao mesmo. Recommendo a V. S. que
mande adiantar ao thesoureiro pagador da repar-
tidlo das obras publicas, conforme solicitou o
respectivo director em officio de hontem, sob n.
176, a quantia de 8:7503, constante do pedido jun-
to para a dosperas com as obras por arrematarlo
a cargo daqu.?lla repartirlo no correle mez.
Communicou-se ao director dss obras publicas.
Dito ao director geral da inslrucglo publica.
Designo os professores Antonio liutioo de Aodra-
de Luna e Simplicio da C'uz Ribeiro para cora-
porem a commisso que tem de examinar a Joa-
quim das Mercs Ferreira, que pretende propa-
se a urna das cadeiras de ostrucgao elementar
desta cidade.
Dito ao Sr. V. Lemont, cnsul de Franca.
Com a inclusa copia da informarlo prestada pelo
Exm. bispo diocesano, respondo aos officios que
me diriRio o Sr. viscoode de Lemont, cnsul da
Fringa nesta provincia, datados de 30 e 31 de ju-
lho ultimo, com referencia a urna representarlo
de Mr. Tisset [reres, acerca da quantia exigida
pelo vigario da freguezia de Santo Antonio pela
certido de casamento deJ. P. Adour. Reitero ao
mesmo Sr. consol a seguranza de minba perfeita
estima e subida consideraglo.
Dito ao director do arsenal de guerra. Con-
trate V. S. com o consignatario ou mestre do hia-
te nacional Sergipano a conduelo para o presidio
de Fernando do alteres Boaveolora Leitao de Al
meida, saa senbora e sua sogra, sendo estas as
tres pessoas que devem ser transportadas sem in-
demnisaglo alguma, segundo a concesslo de que
trata a portara de 16 de julho ultimo. O refe-
rido alteres leva em sua compaohia dous iihos
menores, sendo um de dous annos e oulro de tres
mezes.
Dito ao mesmo. Pelo seu officio da hontem,
sob n. 205, flquei inteirado de haver V. S. reco-
lhi>lo aos cofres da thesouraria de fazenda a quan-
tia de 5679889, importancia liquida pertencente
aos ooze mancebos, que filleceram sem indem-
iiisar a fazenda integralmente.
Dito ao inspector do arsenal de mtrinha.Au-
t iriso a V. S. pira nos termos do seu officio o.
265 de 2 deste mez a mandar fazer por arremata-
gao com a conveniente fiscalisagao quarenta bra-
gas de caes ao norte desse arsenal, em conslruc-
go do que j se acha construido.
Dito ao capito do porto.Com este officio se-
r apresentado a V. S. o recruta de marioha Ma-
noel Alvea de Lima, que diz chamar-se Maooel
Marques Cortea, a tira de que lhe d o conveniente
destino depois de inspeccionado.
Dito ao jeiz de direito do Cabo. Em vista do
que V. S. expe em sua informsgao de 2 do cor-
rente acerca da febre amarella e bexigat que es-
to grassando na villa de Ipojuea, o aatoriso a
utilisar-se psra o flm nella indicado dos servigos
do Dr. Corte Real, devendo Vmc. por esse offare-
cimento louvar em nome do governo.
Dito ao administrador do correio. Expega
Vmc. as convenientes ordens alim de seren fe-
chadas at amanhla ao meio-dia as malas que
tem de conduzir para o aul o vapor /'aran.
Dito aos bgentes da companhia brasiletra.
Podem Vmcs. fazer seguir para o sul o vapor Pa-
ran amanhla a hora indicada em seu officio de
hojo, preveniodo-o de que nesta data expego or-
dem ao administrador do correio para fechar as
respectivas malas naquelle dia hora mencionada
do citado officio:
Portara.O presidente da provincia atienden-
do ao que requereu o professor de francez do
pymossio provincial Antonio Jos deMoraes Sar-
ment, e teodo em vista a informagao prestada
pelo director geral da instruegao publica em 5 do
correte, sob o. 179, resolve conceder-lhe dous
mezes de litenga com vencimentos para tratar de
sua ssude.
Pela thesouraria da Bahia.
de Pernambuco.
do Maranhao ...
do Pira.........
de S-Pedro ....
235:7f8700
2:2479100
14:7709000
51:2799800
40:719S800
347:726J500
Dos particulares .
Da fazsnda nacio-
nal ....
OL'RO
127:6809000
109000
19000
500
200
96:8869369
138:89$010
PRATA
2:1709126
112029J874
114:2009000
Expediente do secretario
governo.
do
Officio ao delegado encarregado da repsrtigao
da policia. S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia manda aecusar recebido o officio deesa repar-
tirlo de do correte, sob n. 1,201, communi-
cando terem-se reentregado a prisao a acharem se
recolhidos cadela da villa de Cimbres os crimi-
noso de que trata o citado officio.
Os quadros n. 31 a o. 35 mostrara circumatsn-
ciadmente a marcha desta operago, que est
completamente terminada.
A snbititoigo feits com a renda ordinaria em
todo o imperio, segundo a liquidaglo coocluida
at ao dia 30 do mez de ebril, sobre a somma
de 17,626:7639600. da qual a caixa da amorti-
ssglo aioda deveora ao thesouro na impor-
tancia de 593:2129600.
O quadro n. 79 aprsenla, com distiocglo do
valores, a totalidade das notas substituidas desde
1859 at ao fim de margo prximo passado.
O de n. 80 mottra as datas das ordens que
determinara m as ultimas substituiges ; os prasos
que foram marcados, e os em que terminaram,
comegando d'ahi em diante a substituiglo a ser
feita com descont; a importancia dos descontos
que soffreramaa notas substituidas ; o valor das
que exitlegenEu.caixa por conferir e das que nao
foram anda am recebidas; e a despeza em que
importou a emissao de novas notss em substitui-
glo das que foram recolhidas.
Para occorrer a essa substituiglo mandei
apromptar em Londres, em 24 de outubro do
anno passado, 20 series de notas de 19000 no va-
lor de 2,000:0009. dez de 29OOO no de 2,000:0009,
quatro de 59000 no de 2,000:000, e cinco de
109000 no de 5,000:0009. ."
Por conta desta encommenda j foram recebidas
no thesouro 1,004 notas no valor de 1,304:0003,
faltando anda para completa-la 2,896.000 notas,
no valor de 9,696:0009.
Parecendo-me um dado til, mandei organlssr
o quadro o. 81, que junto, do qual consta minu-
ciosamente o numero de todas as notas encom-
meodadas de.sde 12 de abril de 1834, e bem asim
a despeza que se fez com cada orna das mesmas
entommeodas, oa importancia total de St
87.368117, sendo S 86.15541 do custo
deltas, e Sf 1.23376 das despezas feitas com
a remessa de cada urna das encommendas.
Combinando estes alg>rismos com o valor das
ootaa que teem deixado de apparecer ao troco,
v-se que a despeza com a acquisiglo do papel
moeda tem sido compensada com pequea (Me-
renga pelo lucro resultante ds invshdagao das
quedeixaram de ser substituidas.
Realisaram-se nos mezes de outubro e dezem-
bro de 1861 e margo do correte anno (res
queimas de notas inutilisalas, no valor de
42.412:6858, a saber: a primeira, de 26,997:2759 ;
a eeguuda, de 10,276:9779; e a terceira, de
5,138:4339.
As duas ultimas queimas foram feitas as
fornalhas do arsenal de marioha, com as devidas
cautelas, e em presenga da junta administrativa
da caia da amortissglo.
Alm disso queimaram-se tambem 11,500
tales de notas cujas substituiges se achavam
lindas.
Os demais servigos que estao a cargo desta
reparliglo contintm a ser executados com re-
gularidade, e no correr desta sesiao ser-vos-ha
apresentado, na forma da lei, o relalorio das ope-
rages realisadas durante o exercicio de 1861 a
1862.
Reporto-me ao relator'o do anno anterior,
quanto medida por mais de urna vez aventada,
de extinguir-ie o estabelecimeuto de que ora
trato, commetteodo-se reparadamente os aeus
servigos ao thesouro e ao banco do Brasil. O the-
souro nao dispoe actualmente de espago suffi-
ciente para todas ss suas eslagdas, e, poia, nlo
poderia sem inconveniente receber a da substi-
tuiglo do papel moeda e transferencia das pli-
ces da divida publica. O banco do Brasil poderia
lomar a si o pagamento dos juros das mesmas
apolices, mas esta providencia s por si nao im-
portara a extinegao que se tem em vista.
Urna vez que a medida nlo produzir grsnde
economa, visto que os servigos da caixa da
amorlisagao demandam pessoal que nao pode sa-
bir do quadro actual do thesouro, o crdito de
to antigo estabelecimento recommeoda que a
projectada extiocglo, ou antes substituiglo, se
reslise quando as circumitaociai lbe sejam intel-
ramente favoraveis.
Urna suppressao, porm, desde j pode ser fei-
ta com bem entendida economa, e a dos luga-
res de trocador e cobrador que lia muilo lempo
existem vagos, por ter a experiencia demonstra-
do a neceasidade de preench-los, sendo desem-
penhado pelos demaia empregados o servlgo que
lhes poda caber.
CASA DA MOEDA.
O dous ltimos relatorios vos deram noticia
minuciosa das alteragdes feitas no regulamento
qee rege este eitabelecimento. Depois disso, de
maio de 1861 at esta data, nenhum fado all
oecorreu digoo de menglo, alm do natural e re-
gular andamento dos respectivos trabalhos, que
vio sendo dessmpenhados com a perfeigao e
presteza qae permitiera as scanhadas proporges
do edificio.
O digno chefe deste estabelecimento de opi-
nilo que o regulamento vigente, promulgado em
1860, carece de algumas alteragdes, teodo-se em
vista nao s o estado actual mas tambem as no-
vas circumstancias que resoltarlo da mudangs
da repartigo para a casa que te esteonstruindo
no campo da Acclamaglo. O governo tomar na
merecida coosiderago ai medidas que suggere o
dito funecionario.
A cuohagem na casa da moeda durante o anno
de 1861 foi a seguate (tabella o. 82) s
Em ouro 377:4609000
127:6809000
Com estes metaes cunharam-se :
6.384 moedas de ouro de 209000
90.000 prata de I9OOO
48.400 a l 500
A receita foi de......9:0589-473
E a despez de......68:5769296
Alm destes trabalhos, a casa da moeda
apromptou diversos outros, como fossem urna
balaoga, que pela su perfeigao mereceu ser le-
vada exposigao nacional, diversas medalhaa pa-
ra os premios da mesma exposigSo, e da que teve
lugar na provincia de Mioas, e para a ioauRura-
gao do dique da ilha das Cobras ; quatro chipas
de sello para o correio, urna de ledras do the-
souro, tres de letras de cambio, duzentos e quio-
ze ponges com treseotas e quinze letras de dif-
ieren tes sellos.
Augmentou a sua collecgo de moedas e me-
dalias com algumas nacionaes e mais 56 moe-
das ingieras, 11 francezas e 70 portuguezas, to-
das de prsta.
Para se apreciar a quantidade e valor das moe-
ds que desde 1849 tm sido coohadas oeste es-
tabelecimento, junto o quadro n. 82, cima ci-
tado.
No arti especialObras, que acharis mais
adiaote, vo dou conta do adiantameuto das do
edificio que se mandou construir para a casa da
moeda.
OFF1CINA DE ESTAMPARA E DE IMPRESSAO.
Esta repartigo funeciona regularmente, com-
quaoto aioda se resinta da estreiteza do lugar
em que se acha estabelecida, necessidade que s
poder ser remediada depois de concluida a no-
va casa da moeda.
Oservigo nella executado durante o anno pas-
sado foi o seguiote :
Apolices.....: ; 15.000
Lettraa da trra, selladas e es-
tampada........ 464.156
Lettraa de cambio..... 157
Folbas de papel do sello propor-
cional .......; 375.172
Meias folhai de papel de sello
tizo.........1.610.436
Conhecimentoa de cargan sella-
dos e estampados. 169.502
Estam?ilhis do correio. 8.755.200
O quadro n: 35 voa mostrar mala circumstan-
ciadamente os trabalhos desta repartigo no re-
ferido periodo.
TYPOGRAPHIA NACIONAL.
O estado satisfactorio deste estabelecimento abo-
na o zelo e sptidlo do seu chefe, bem como jus-
tifica a necessidade que havia de sua mudanga
do acanhado edificio em que funecionava, e das
disposigoes do regulamento de 30 de setembro
de 1859.
A marcha de seus trabalhos regular, quer em
relacao parle typographicv quer na parte ad-
ministrativa.
Alm da reimpresslo das leis e decisoes do
governo de 1836, conclulo-se a da collecgo do
anno de 1837, e foi tambem impressa e distri-
buida a de 1861, pouco depois de Hadar o anoo.
Attendendo i considerigei que trouxe ao meu
coohecimenlo o respectivo administrador, deter-
minei que a distribuigo e remessa dos actos le-
gislativos e administrativos nao seja faita parcial-
mente, em cadernos avulso, s differentes re-
partirles e autoridades da edite o provincias, mas
aim depois redazldo a 4,000 o numero de 6,000
exemplares dos referidos actos que se aprompta-
vam aonualmente, visto ter-se recoohecido que
este numero era excessivo.
O prlo mec'Dico de P. AUuzet, de cuja ae-
quisigao vos falle! no relalorio do anno passado,
continuas a prestar ventajoso auxilio pela pres-
teza e economia das impressas.
A receita e despeza do estabelecimento no exer-
cicio de 18601861 foi a seguale :
Receita.
Renda do armazem,
proveniente da ven-
da de lmpressos .
Venda de lmpressos
inuteis........
Renda de encommen-
das :......
Impresses para dif-
ferentts repartigoes
publicas,coja impor-
tancia tem de ser
arrecadada pelo the-
souro ........
ALFANDEGAS E MEZAS DE RENDAS DE 1" E
2" ORDEM.
Del-vos conta o anno passado da importante
reforma porque passaram as alfandegss e mesas
do consulado, em virtud do decreto n. 2,647 de
19 do setembro de 1860.
Eolio informei-vos igualmeote que muitoi ne-
gocieiet de Pelotas, na provincia de S. Pedro
do Rio Grande do Sul, reelamavem contra os em-
baragos que ao commercio licito reaultavam da
disewjafS do art. 25. 1\ do decreto n. 2,486
r de 24> de setembro de 1859. As quelxas asenta-
vam principalmente aobre o modo de calcular o
prazo de dursgo das guias de que trata o mes-
mo artigo, e que devem acompanhsr as merca-
dorias am seu transito para as fronteiras, ou
para os lugares prximos a estas.
O governo imperial, bem pesando os fundamen-
tos da representlo que nesse sentido lhe foi
dirigida pelos ditos negociantes e tambem pela
cmara municipal de Pelotas, resolveu promulgar
o decreto n. 2,824 de 11 de setembro de 1861,
pelo qual parmittio que na tixaco do dito prazo
os empregados incumbidos de passar as guias ti-
vessem era attenglo nlo tmente as distancias,
mas anda quaeaquer outras circumstancias que
podessem toroar o transito das mercadoriaa mais
ou menos diffii.il e demorado.
Tambem publique! com data de 3 de margo do
correte anoo as instrueges recommendada no
art. 73 do regulamento de 19 de setembro de
1860, para os concursos e exames exigidos pelos
arts 68, 73, 78, 82 e 83 do mesmo regula-
manto.
Com este trabalho presumo ter nao s preen-
chido o dever que me era imposto por aquella
dispoaiglo, mas tambem attendido conveniente-
mente s prescripgdes do regulamento nesta par-
te, e necessidade de precisar, por maneira que
nlo offerecesse mais duvida, quaes os lugares que
llcaram aujeitos a coocurso por effeilo da refor-
ma, e quaes ss materias em que os concurrentes
deviam ser examinados.
Disse-vos, no meu relatorio anterior, que nao
havia anda experiencia bastante acerca da ultima
reforma das alfsndegas, e que. portanto, coovi-
nha guardar muito escrpulo no exame da re-
clamages que contra ella se apresentavaro. As-
sim tem procedido o governo. nlo se daixando
levar pelo desejo de iooovages, nem tambem
desprezando os avisos e qtieixas que chegam ao
seu coohecimenlo, j do commercio e agentes
nacionae, j do negociantes estraogeiros.
cootrariava as disposiges dos artigos 23S e 251
do regulamento de 19 de setembro daquelle an-
no, como em consideraglo ao que por officio de
23 de outubro expender o presidente a dita
provincia, relativamente aos motivos que leva-
rara a respectiva assembla provincial a decretar
e a presidencia a sanecionar, a rescislo do con-
trato celebrado com o dito Oliveira e outro indi-
viduo.
Recommendei, em data de 12 de dezembro ul-
timo, so inspector da thesouraria de S. Pedro do
Rio Grande do Sul, sobre repreientagao da direc-
tora da praga do commercio da cidade de Porto
Alegre, que expedisse as ordens cecessariss para
que cessasse a pratica de serem pagos pelos na-
vios que se dirigem ao porto da dita tidade os
guardas poslos a bordo dos mesroos pela alfso-
dega do Rio Grande, ou pela mesa de renda de
S. Jos do Norte : vjto que, em face do disposto
nos artigos 379 e 380 do regulamento de 19 de
setembro de 1860, ao eatado e nlo ao commercio
compete fazer o pagamento de taes vencimentos
durante o tempo de ida e volla dos refaridos
guardas.
Declarei, em circular de 30 do mesmo mez de
dezembro, aos inspectores das diversas thesou-
rarias de fazenda, que lhes cumpria fazer marcar
um prazo razoavel aos proprietarios ou adminis-
tradores dos trapiches, armazens ou depsitos al-
(legados, para se bab litarem esujeilarem os
ditos trapiches ou armazens s disposiges do ar-
tigo 283 do regulamento de 19 de setembro. Em
coosequencia desta Oidem, que nlo fez mais do
que prescraver o que de lei, consta-me que as
proviocias teem sido fechados aigunsdesses es-
tabelecimentos que nao se achavam era circums-
tancias de satisfazer s exigencias legves, ou nlo
quizeram submetter-se a ellas ; outros, porm,
teem -se habilitado e solicitado as respectivas car-
las de alfandegamento.
Mandei supprimir, em data de 15 de fovereiro
ultimo, por inuteis e desneceisarias, as duas co-
pias dos manisfestos, que, pelo menos na alfan-
dega d< corte, eram exigidas dos coramandantes
dos navios procedentes do reino de Poitugal,
porque taes documentos j vem escriptos na hn-
gua verncula. Di dispoiiglo do artigo 372
do regulamento, parece claramente deduzir-se
que as copias sao exigidas somente quando os
manifest forem eicriptos em lingua estran-
geira.
No intuito de simplificar e dar mais regulari-
dade escripturaglo das alfandegas, e em cura-
primenlo do artigo780 do regulamento, commet-
Oproprio regulamento, no art. 172, previo que! ii ao contador do thesouro conselheiro Antonio
em ijoca mais ou menos remota serla preciso 1 j0s de Bem, que examinasse na alfandega da
reconsiderar algumas de suas disposiges, que corte qual o melhor methodo a seguir, e formu-
oa pratica se mostrassem defeituosas ; declerou lase, de accordocom a respectivo inspector, os
que poderism ser alteradas por decreto todas as modelos que devam ser adoptados. A pericia e
que nao versassem sobre as difieren te laxas de
direitos e pregos de armaxeosgem, ou sobre o
quadro dos empregados, suas nomeages, acces-
sos, vencimentos e aposentadoriaa.
Para baver*me com perfeito conhecimento de
causa na execugao do dito artigo, exped aos ins-
pectores da alfaodega da corte e das thesouraria
de faitoda, a circular de 23 de outubro de 1861,
e Ibes exig que indicaisem as lacunis,
.'ou inconvenientes que a pratica e a re-
'iv------err> deacoberto o* legialagao porque
am as alfandegas e mesaa ae renaaa.
chegaram aioda as ioformages de todas
artigdes que aa devem prestar ; receberam-
zelo desse funecionarios asseguram que ser com
vantagem e sem demora attendida aquella neces-
sidade do servigo e fiscalisagao das alfandegas e
metas de idas.
Tenio asa.m submeltido vossa illustrada con-
siderlo as priocipaes medidas que no intervalo
da ultima sesslo legislativa foram pelo ministerio
da fazenda lomadas no interesie do servigo, pro
priamentedito, das alfandegas e mezas e rendas,
e que, portanto, estavam em sua aijada, vista a
.restriego que o governo se impoz no j ci-
tado artigo 1/2do rt-gutouicutu de f? e sutem-
11:0229200
9079700
6809200
128:0219500
Despesa.
Ordenados e gratifica-
Ces. i...... 5:5719160
Ferias dos operarios. 58:897986
Compra de materiaes. 51:885j848
Despezas mindas com
o expediente .... 935J280
140:6265600
Despachos do dia de 6 agosto.
equerimentot.
Antonio Jos de Morae Sarment.Pane por-
tara concediendo a llcenga pedida com vencimen-
tos na forma da lei.
Capitao Jote Pedro Nolasco Pereira da Cunha.
-- A vista da informagio do Sr. inspector da
thesouraria da fazenda, nao tem lugar o qae
requer.
Mari* da Silva Vasconcelloa.Prove o qie al-
lega.
Em prata 1.520:5779500 1.898.037J500
E no trimestre de Janeiro a margo de 1862:
Em ouro 283 3609000
Em prata 298:240J500
Saldo.........
No 1.* semestre do
exercicio de 1861-1862,
foi a seguate :
Receita.
Renda do armazem,
proveniente da ven-
da de impreisoa 2:749{800
Encommendaa..... 5669300
116:7909274
23:8369316
Impressea para dif-
ferentes repartigoes
publicas,cuja Impor-
tancia tem de aer ar-
recadada pelo the-
souro........
3:316100
31:1939400
Despexa.
Ordenados e gratifica-
Qea.........
Feriaa dos operarios. .
581:60095001 Compra de materiaes.
Despezaa miudaa com
o expediente.....
34:2393500
2.479:6389000
Afiniram-ae, no primeiro periodo 180:1259810
em ouro, e 8:1329214 em prata ; e no segundo
periodo 42 0799703 em ouro e 1:0535504 em pra-
ta, aendo esle metaes oa amoedados ou empre-
gados em diversas obra para particulares.
Dividindo por exercicio oa trabalhos da caa
da moeda, temos:
Pela tabella n. 83, que no exercicio de 1860
1861 receben. eH& par amoldar;
2.909J588
23:4479647
18:5915831
3409340
----------------< 45:2899406
Excesso da despeza do
referido aemeitre so-
bre a receita.
11:040990o
Ete dficit, porm, ha de provaTalmenta des-
apparecer, como no anno anterior, no segundo
semestre do crrante exercicio, quando de ea-
perar que se recolha maior receita do que no
primeiro, '
se das priocipaes, mas to receotemente, que
nlo posso dsr-vos j juizo seguro sobre todas aa
alterages indicadas.
Mesmo quando houvesse para laso tempo suffi-
cente, o governo entende que por ora deve II-
mitar-se realisar smente as moditicages que
sejam essenciaes, afim de prevenir abusos noci-
vos fiscalisagao. ou facilitar o servigo a orgo
das ditaa repartigoes ; esperando que mais com-
pletos esclarecimientos, e a experiencia de mais
algum tempo, foroegam todos os dados precisos
para a revlsao geral do regulamento, trabalho
que, por sua importancia e extengao, deve ser
confiado a urna commiiso composta de empre-
gados do mais idneos.
De ooformidade com este pensamenlo, e den-
tro dos limites tragado pelo artigo 172 do regu-
lamento, o governo est conduindo, para publi-
car brevemente, um decreto que determina al-
gumas alterages, cuja necessidade est bam re-
conhecida, a versara principalmente sobre os se-
guintes pontos:
Fixaglo da verdadeira inlelligencis do artigo
8* 5o do regulamento, que parece antinmico
com a doutrioa do artigo 22. .
Ampliagao da faculdade conferida aos inspec-
tores para eupregarem os primeiros e segundos
cooferentes como mais conveniente for, sem a
a restriego do artigo 36.
Suppressao das declarages, que sao obrigados
a apresentar dentro do prazo de 12 dias, os donos
ou consignatarios das mercadorias importadas, na
forma doa artigos 210 e 213.
Dispensa de alguma das especifioges exigi-
das pelo artigo 999 do regulamento nos manifes-
tos de navios procedentes de portosestrangeiro;
do que j em parte me oceupei na circular ex-
pedida em 10 de maio de 1861.
Suppresslo de urna das tres vas de notas para
despachos, exigidas pelo art. 544 g 2.
Explicaglo do art. 547, cuja doutrioa entende-
rn? alguns inspectores que era obrigatoria, do
que resultou a quasi completa inobservancia do
art. 545, que manda sujeitar as mercadorias ao
exame e conferencia intima antea de pagos os
respectivos direitos.
Desta materia j tambem me oceupei em cir-
cular de 18 de jnlho de 1861, mas ella lio im-
portante para osinteresses fiscaes que deve ser
consignada em decreto.
Dispensa doa abridores externos, pagos pelas
parte, e restabelecimento da pratica anterior,
em virtude da qual eram esses operarios foroecl-
dos pelas alfandegas.
Permisso s alfandegas de sexta ordera para
admittirem no pagamento dos direitos metade de
a importancia em bitheUs ou letras a prazo, na
forma facultada s demais alfaodegaa pela secgo
13. cap. 3*. tit. 5* do regulamento.
Declarago de que a nao abertura dos volumes
das mercadorias despachadas com carta de guia
para os portos do imperio, de que trata o artigo
629 20 do regulamento, nao ae entende com
aquellas que tiverem de tocar ou de aer baldea-
das em qualquer porto estraogeiro. E' esta urna
medida de glande alcance para a fiscalisagao.
Embora j fosse recommendada por meio de urna
circular de recente data, todava entende o go-
verno que deve aer confirmada por um de-
creto.
Coneessio de faculdade aos inspectores e ad-
ministradora para declararen improcedentes,
mesmo antes da formagao do respectivo procesio,
as apprehenses que, conforme as circumstancias
do fado, vericarem estar no caso de er assim
julgadas, com tanto que o sea valor nao exceda
aleada dos mesmos inspectores e administra-
dores.
E, finalmente, redaego da multa de dous ter-
gos do valor da mercadorias, vehculos e ani-
maos oa objectos apprehendidos, de qae tratam
0 art. 751 e oatroi do regulamento, metade do
mesmo valor.
Alm das providencial a que aliado, e que
deotro de poaco tempo- serlo posta em vigor,
outras muitas de menor importancia teem aido
tomadas a foram ji peblieidai. Mencionarel al-
gumas deitis.
Por ordem de 28* de novembro do anno passa-
do revoguel a de 10 de julho de 1857, que auto-
riaou o deposito exclusivo de todo o aisaeer pro-
cedente da provincia das Alagoaa no trapiche que
na cidade do Recite poiaue Miooel Ignacio de
1 Oliveira, aio t por entender quj> ejaa pratica
bro de 1860, paasarei em seguida a fazer algumas
observages sobre o mesmo regulamento em ge-
ral, e particularmente sobre a parte delle que
contm materia que depende da competencia do
poder legislativo.
Neis parte est o capitulo que trata do qua
dro dos empregados, suas nomeages, accessos,
remoges, etc.
Em outro lugar deste relatorio, sob o titulo
thesouro e thesouraria tive de oceupar-me
deste assurapto como 1 lea connexa de que all
trate!, e entao procurei demonstrar a differeoga
de posigao em que se a cha ni collocados os em-
pregados das alfandegas,n j ue toca a proraiscui-
dade dos accessos, que to acertadamente quiz o
meo illustre antecessor estabeleeer entre as di-
versas classes dos empregados de fazenda.
Permltti, pe' que me reporte neste ponto a
tudo quanto disse sob o titulo cima indicado.
Emquanto ao quadro dos empregados, parece-
me que o numero destes superior s necessi-
dades do servir em algumas alfandegas, e que
IM reduege onvenientemente feita, p> ti tra-
zer econoc.j aos cofres pblicos, ou p: tnenos
habilitar o governo para retribuir melhor algu- ,.cl.
mas classes que flearam mal remvneradas, e re- j Sendo est.
organisar o pessoal de outras repsrtiges. Ten- | governo tral
do em vista esta medida, expedi a circular de 13 mais conviei
de Janeiro ultimo, pela qual exigidos diversos posii'el a c
inspectores circumstanciadas informsges.
Poucss reapostas tem chegado at este momen-
to, e nlo espero mesmo que a reducglo seja acoo-
selhada pela maior parte dos cheles dessas repar
tiges : j porque a tendencia geral para elevar
o numero dos empregado, j por mal entendidas
la como est actualmente, tornando esta a tomar
o carcter que linha antes do decreto de 31 de
margo. Em qualquer dos case de miiler que
a alterarlo teja autoriada por vos, porque est
frs da competencia do governo.
Na cmara dos Srs. deputados offereceu-se o
aono passado um artigo addilivo ao orgamento,
que, convenientemente modificado, poderia sa-
tis'azer aquella necessidade.
As alterages a que me tenho referido se resu-
mem oestes termos : alterar o quadro do pes-
soal das alfandegas estabelecido pelo decreto
n. 2.647 de 29 de setembro de 1860, reduzindo o
seu uuraero ; isentar de exame os empregados
I das classes que nao eslo sujeitas a concurio
para o seus accessose regulara habililagesejue
ora se exigem dos empregados das ditas reparti-
goes, igualando-as em geral s do thesouro
thesourarlas, salvas as differenga que as espe-
cialidades de alguns empregos reiiuerem nos
seus provimentos ; regular novunente os ve'nci-
raeotos dos empregades das alfandegas e mesas
de rendas, de modo quo deaappare^a a desigual-
dad que ora se d a reipeito do mesmos etn-
pregados, nos casos de legitimo impedimento.
O estado das diversas alfandegas em geral
regular.
Habilitadas, como foram ltimamente, com
pessoal numeroso, o servigo vai aendo feilo de
modo que parece corresponder s exigencias do
commercio.
O conslderavel movimento da alfandega da
corto, e as multiplicadas attribuiges que com-
petem ao inspector, iohibera a este funeciouario
de exercer effeciiva inspecglo sobre todos os
pontos onde ella precisa, e as occasies mais
appropriadas. Tolavia nlo me atrevo a propor-
vos desde j como iodispensavel a creagao de
ara segundo ajudante para aquella repartigo.
Parece-me acertado aguardtr o resultado das
medidas que se adoptarem com o fim de simpli-
ficar o servigo dss alfandegas, para entSo decidir
se a dita creaglo urna uecessidade real, como
alguns opinara.
O governo luta com difficuldidos para achar
pessoal que se preste a pasar pelas provas de
haaitaglo exigidas 00 regulamento, quando se
trata de prover lugares as provincias longio-
quas ou menos rendoeas. Por esta razio, e para
que o servigo dessas repartigoes nao soffresse.
tenho prvido alguns lugares interinamente, at
que apparega quem se submetta s referidas pro-
vas. Julgo que, ao menos para as alfandegas
d Uruguayana, Albuquerque e todas as da 6.*
ordem, con vm modificar as regras dos concur-
so, limitando as materias do exame siodispen-
saveis, e deixando salvo a qualquor candidato
provar outras habilitages, se as tiver, afim de
adquirir direito ao scceiso as demais reparti-
goes de fazenda.
O inspector da thesouraria de Porto-Alegre,
qaem ordenei que informisse sobre os inconve-
nientes que a experiencia tslvez tera demons-
trado na execuglo do decreto n. 2, So' de 29 de
setsmbro de 1859, concernente navegagao da
Lagoa-merim, acaba de declarar, em officio de
12 do mez prximo passado, que duas nicas
disposiges desse decreto excitan reclamages.
Nasta informarlo refere-se aquelle fuaccionario
Si qua recebeu dos iospectores das alfandegas do
utu-oioudo e da Porto-Alegre, assim como dos
administradores das mesas ae reodas do Jagua-
rao. Pelotas, e Santa Victoria do Palmar.
Urna das disposiges contostadis a que diz
respeito ao prazo das guias de que trota o art.
25 1.*, a qual j se acha modificada pelo decre-
to n. 2,824 de 11 de setembro do anoo paasado,
conforme vos commuoiquei no comego deste ar-
tigo.
A outra a restricgSo eslabelecida no art. 14
I nico, o qual, na opiniao do inspector da al-
fandega do Rio Grande e do administrador da
mesa de rendas do Jaguarlo, deve ser ampliado
no sentido de -permillir-se que as embarcages
despachadas com carga possam demandar as pe-
quenas povoages situadas margem da referida
laga, rio Jaguarlo e canal de S. Gongalo, me-
diante licenga da competente autoridade admi-
nistrativa. Pondera-se que ha muilo sensivel
inconveniente para os povosdesses lugares, qae
actualmente slo obrigados a receber osaeussup-
primentos pelas vas terrestres ; e que nlo se
Jevo receiar a possibilidade da contrabando,
existindo, como existe, sufficiente numero de
embarcages na dita laga para a sua policia
esto de alguma importancia, o
examina-la pan resolver o que
procurando conciliar quanto for
mmodidade publica com os inte
ressesdo estado, qua todos devemos zelar, por-
que a todos aproveilam.
Alfandega de Pernambuco.Teodo apparecl-
do auusages de nilureza grave contra o pro-
cedimiento de alguns empregados desta reparti-
lo, cujos nomes nao foram todava declinados
eonsldersges pessoaas. Estou, porm, colhen-1 j'ulgou o governo conveniente mandar inspeccio-
do dados que espero me habiliten) para demous-1 na-la por urna commisslo composta dos habis
trar que, sem prejuizo dos trabalhos que compe-
tem s alfandegas, se poder diminuir o seu pes-
soal, pelo menos na classe dos cooferentes, e of-
Qciaas de descargs, quando nlo soja posbivel
consegai-lo tambera na do escripturarios.
Desde que todos os cheles das repartigoes fl-
caes se compenelrem da necessidade de exigir
mais assiduidade e applicaglo da parte do alguns
de seus subordinados, que infelizmente abusim
da benevolencia que lhes dUpensada, para o
que os mesmos chefes teem na legislaglo em vi-
gor meios efficazea, desde que se simpliquem
certas formalidades inuteis, que multiplicara os
trabalhos dessas repartigea, oservigo ser me-
lhor desempeohado, e nada solfear com a re-
dcelo de urna boa parle do pessoal que nelle se
emprega actualmente.
A jusliga pede tambem que se chame vossa at-
tenglo para a triplica divisfio dos vencimentos
que se sbonam a esses funecionarios, em virtude
da tabella que acompanhou o regulamante de 19
de setembro.
A retribuigo dos servigos poderoso incentivo
para o seu bom desempenbo. Parece, pois, de
toda a conveniencia que, a par da exigencia de
maior actividade e trabalho, se conceda maior au-
xilio aos empregados de que trato, quando por
molestia deixam de perceber urna parte dos seus
vencimentos de effectivo servigo.
Quando o decreto o. 2,082 da 16 de Janeiro de
1838 estabeleceu a diviso dos vencimentos dos
empregados das alfandegas em ordenado, gratifi-
cago e porceotagem, determinando que a grati-
fleago seria davida somente por effectivo exer-
cicio, a idea poda ser justificada como meio de
tornar os empregados mais assiduos : mas ento
no caaos de molestias, ellas s perdism a se-
gunda parte dos seus vencimentos, abonndo-
se-lhes o ordenado e porceotagem por ioteiro.
Urna vez que tambem a porceotagem licou-su-
bordinada condigo de effectivo exercicio, co-
mo quer o decreto n. 2,567 de 31 de margo de
1860, a poaigao do empregado que tem a iofeli-
cidade de adoecer, torna-se aflictiva, porque
precisamente nessa coojunctura que elle mais
carece do eslipeodio qae recebe dos cofres pbli-
cos, e que para muitos a aua nica renda.
Accresce que a pratica de tiea descontos sse
observa para com os empregados daa alfaodegaa
e dss reesbedorias, pela razio de eatarem os aeus
vencimentos divididos pelo modo cima indica-
do ; pois qua oa do theiouro, thesouraria! e
mais repartigoes de fazenda apenae perdem as
gratificagoes em idnticas circumstancias.
Convm fazer deiepparecer aemelbaute dei-
igualdade, oa reunindo a gratificago ao ordena-
do doi empregadoa das alfandegas e recebedo-
nas, continuando a porceotagem a ser devlda
lmenle pelo servigo edeiUvo, oa ficando iqu.il-.
e zelosos contador do thesouro nacional Rsphael
Arcanjo Galvao e 1" conferente da alfandega da
corte Felippe Vieir- da Costs.
Estes funecionarios pittiram desta corle no
dia 8 de Janeiro do correte anno, eregressaram
no dia 4 do mez prximo passado.
O governo incumbi-se nao s de syodicardos
facloa aobre que versavam as aecusages, mas
anda de examinar ae o regulamento e tarifa
eram observados fielmente oa dita repartigo, ou
se all seguiam-se praticas nlo conformes s da
alfaodega da corte ; sendo-lhes logo muito re-
commendado que harmonisassem qoauto fosse
possivel o servigo dsquella com o desta repar-
tigo.
No aonexo D acharis o relatorio que me foi
apresentado pelo chefe a dita commisso, e delle
veris ai medidas tomadas a fim de regulsriiar
o servigo da alfandega a que me refiro.
O governo aguarda as ioformages reservada!
que a mesma commisso tem de dar-lhe sobre
a segunda parte das Instrueges que lhe foram
expedidas, para proceder como requerem oa in-
teresses da fazenda nacional.
Alfandega da Parahiba. Comprehendondo
bem quanto sao uteis as iospeeges locaes re-
cmmeodadss no art. 2.a 2.a do regulamento
de 19 de sotembro, aproveitei a ida do contador
Raphael Arcaojo Galvao ao norte, para incum-
bi-lo tambem de alguns exames na alfandega da
Parahibs, no intuito de harmooisar o seu servi-
go, quanto ao mesmo contador fosse possival nos
pouco dias que tinha de estar oa dita provin-
cia, com o das alfandegas que j lhe eram co-
nfiedlas.
A prova de que a alfandega da Parahiba lu-
crou com eata visita, encontrareis no relatorio
que oQereco vossa consideradlo no anoexo C ;
cumprindo-me ioformar-vos que trato de provi-
denciar canvenientemente sobre as questdes for-
muladas pelo dito contador, qur em relacao
alfaodaga da Parahiba, qur de Parnombueo, a
que anda nlo tiveram solacio.
Tarifa.A tarifa actual, cuja execugao come-
gou em Janeiro do anno paasado, contina a
mostrar na pratica as vanlagens qie em geral
sssigaslei em meu relatorio anterior, e a justifi-
car a boa aceitago que tem tido por parte do
commercio, aslva urna ou outra reclamago, que
o governo nao despreza, pora attender em occa-
siao opportans.
Nao obstante, porm, o zelo e cuidado qua
preaidiram a esse trabalho, ama tarifa qualquer*
por mais bem elaborada que seja, nao pode
acompaohar aa transformarles por que passsm
com o andar do lempos, maitas das mercado-
riaa neUa contempladas. Os prsgos dos merca-
dos variemcoaataataatente, as modas trazem no-
val (erraM m ettifee de reitaario, e industria

ILEGVEL


DIARIO a>8 PELNAMBUCO *- S1

rnelhora 01 artefactos, e a eipeculago illiclla
uo cessa de excogitar meios de illudir o Oseo.
K* de mister acompaahir ai alteragoes qee ae
dio nat qusliflcsgoeo das manufacturas e as al-
ternativa* dos mercados, para que as taxas nao
se tornem lesivas a fszenda os as partea ; e isso
s6 ae ple conseguir por meio da revista peri-
dica da pauta. O regulamento de 19 de setem-
bro ettendeu esta necessldada, recommendando
oart. 166 que a tarifa seja anouMm-nte revis-
ta, guardados certas limites, e instituiodo para
ease fim macommisso em cada alfandega.
A coramiaso da alfaodega da verte occuia-se
deste trabslho, para ser submellido spprovago
do governo.
Devo aqui informar-vos que, pela observarlo
feita em diversas pragas do imperio, a redujo
dos direilos de alguna gneros conheciios como
de primeira nacessidade nao tem dado, em geral,
o resultado que se esperave, ito a mOdiGca-
co dos presos em beneficio do consumidor, e
eogmeolo na quantidade importada.
O favor que pretendeu fazer s tlasaes me-
os abastadas do pait a tem por ora redundado
em pro'eito do commercio importador, e em
nao pequeo prejuizo dos cofres pblicos.
A uoifurmidade que dove haver am todas as
alandegas da applicago das taxas, e no modo
de ofender a disposiedes da tarifa em geral,
urna Decessidade que o governo nao perde de
vista, e a que tratar de occorrer por meio dos
insoeeges peridicas ou extraordinarias, como
acaba de fuer em relagao as alfan legas de Per-
nambuco e da Parahloa.
Tarifa especial.Reporto-me so que em mea
relatorlo vosdisse relattvameute tarifa especial
di alfandega de Mato-Grosso, e que ae lam re-
clamado para a provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sal. Devo todava accrescentar que
o governo nao se tem descuidado de reunir ele-
mee tos pira aatisfazer esta medida, se Iftr auto-
risada e tornar-se iodispeosavcl; e que, segundo
informagdea fidedignas, os goverons dos estados
visinhos i-siavam dispostoa a elevaras respectivas
tarifas, afim de augmentar as rendas que tiram
presentemente de suas alfandegas.
-Eotrepostos.Osenlrepostos. armazens, depo
sitos e trapiches alfandegados vo se habilitando
segundo as diposig5es do novo regulamento;
tendo se, porm, fechado rm algumas provincias
varios que nao quizeram sujeitar-se a coodiges
legaes. O governo trata de nrgaoisar as ioatruc-
eoes necessarias para a polica, escripturago e
servido deases estabelecimentos, e bem assim a
tabella especial da retribuido que Ihes devida
pqj parte do*commercio. de conformidad* com o
disposto nos art. 276 e 289 do dito regulamento
Eato (ambem entre mos as inslrucgoes provi-
sorias que devern reger o aotrepoto do Para, com
relagao navgaco do rio Amazonas e afflaeotes,
a fim de facilitar o commercio de transito pelo
ditj territorio do imperio para os estados limi-
trophes.
E' trabalho que ei'ge curado exame, pira qae
Sejarn bm Hendida* a con v-nienei* das loca-
lidades a qajMlle se refere, sem abrir aa portas
ao contrabando.
Tendo- vos fallado das medidas adoptadas, e das
que coovem aioda tomar, para melborar o ser-
vico a cargo das nonas alfandegas mesas en
rendas, mostrsr-vos bel agora em resumo qual
fot a marcha da arrecadago qae por ellas fei-
ta noa dosa ltimos exercicios (tabella n. 86):
Comparando das rendaarrtcadmda* pelas alfan-
degas nos exercicios de 1859 1860 e 1860
1861.
Exerc. Direitos de im- Despacho ma- Interior e
portelo. ritimo e ex- extraordi-
59-60 27.181:607$9M 5 E^O^ 449:2108010
60-61 29.917:1299918 7_29t 3029678 3*6:5429472
Difr" 8,725:6208974 1.62417619878 ~8667i548
Sommadas as duas primeiras addicoes das diffe-
rengas e subtrahida dn total a terceira, temos
que a renda das alfandegas apresentou o consi-
deravel augmento de 4,277:71518304 no ultimo
exercicio, augmento que at certo ponto pdese
reputar progressivo, vislo como no primeiro se-
mestre do exercicio correle a receita coohecida
dessas estages j excede de igual lempo do
exercicio mais prospero, como idea \r.
Comparagao dasrendae arrecadadas pelas alfan-
degas nos\" semestres dos exercicios de 1860
1861 e 1861-1862.
Exerc. Direitos de im- Despacho ma- Interior e
portacao. ritimo e ex- extraordi
portaco. naris.
60 61 14,52735*98x5 3 313:2438201 152 637J002
61-62 15.778:3985539 3.859:0089301 395 6419615
Augm t 1.251 043J714 545 765} 103 243:004*613
O tugmeoto portelo, de 2.0t9 8139430 no
1* semestre do correnle exercicio em reWgo ao
1* do anterior, e como nao ha razo para recetar
o apparecimeolo de cautas desfa vori veis duran
te o 1 semestre em que nos adiamos, e por nu-
tro Ud,> a arrecadago da primeira parle do exer-
cicio 6 qaaai sempre meoor, pode-se esperar qae
s alfandegas spresentem no fim deste exercicio
um exesso de receita em relagao de 18601861.
nao menor de 3,1)00 000a e superior a 7 000:000$,
compartivameote ao exercicio de 18591860.
O augmento manifesta se proporcionalmente
nos tres aonos em que divido a receita a cargo
das alfandegas ; e porlanlo, se para esas aogmen-
to concorreu a tarifa que comegoo a ser execu-
tada em jaoeiro de 1861, a cobringa dos 2 % ad-
d'cionaes na exportado, e a essagn dos favores
concedidos aos productos do Estado Oriental, nao
menos eerlo que a exporl-go e os demais ra-
mos da receita mostrara progresso.
A demooslrtco seguinte indica quaesas alfn
degas em qae.lno I* semestre do exercicio corren-
ta novias augmento ou diminuicao de renda, com-
parativamente com a arrecadago do 1* semestre
d I8fi(1861
Hernia das alfandegas nos piimeiros semestres de 18661,1861 62.
ALFANDEGAS.
Rio de Janeiro...........
fiahia....................
Pernambuco..............
Rio-Grande do Sul......
Psr.....................
Maranhao...............
S. Paulo................
Paran ..................
Oar...................
Parahiba................
Alagdss.................
Rio Grande do Norte.....
Piauhy..................
Santa Cdharioa.........
Sergipe.................
Eapirilo Santo............
Mato Grosto..............
! Semestre de
186061.
10,642 6579140
1,653 24964
2.086:6S5s46l
1,300:33(9570
987 577g344
452:1403^61
318:12*9366
61:9059089
19R 5169099
97 8319*39
28-160s899
62:9748456
38 5993057
43 8973.504
12:420j<>76
10 0829730
_s_
17,993:23.^9028
A'lamento...............|...................
1.* Semestre de
1861-62.
10.59'
i. 6*9
3200:
1.165
760
568:
327
23:
282:
122
91
19
42
34:
35
16
53:
1233010
4239530
054*599
0779585
7728235
5733159
3099059
710f228
18389I1H
5348179
85<36I5
43"|767
6533214
461*987
9879908
9s>'9-217
9903236
20 033:0589(58
2 089:813343'
Li 'Uaiaereiiiu aguia o Ul'iviiiieuvu ua> arieca-
dsijes, segundo as verbas de recettas de todss as
alfandegas.
Importado.O valor das Irsosacges do com-
mercio de ircportacao, qne no anoo de 1859
1860fdra menor de 12, 2 % qu o do anno ante-
cedente, sobio no de 18601861 somma de
119 326:3039000; auoerior 7.704 6359000. o
6.9 % ao iie 18591860, que nao passou de ris
11l,62l:C6830OO.
S rnn.iirmna o term o meti dos valores im-
porludosons cinco annos a oleriores. que fol de
117.134:53290i)0, acharemos que elle menor
1,891:7719000, os 1,6 O/o que a somma dos que '
perteocem ao ultimo exitrcicio (quaoro o. 87.}
O resumo aeguinle, que se dedut do quadro n. '
88, indica a procedencia da importaco no exer-
cicio de 18601861, e bem ssim a proporco
com que esd* um dos paizes exportadores contri-
buio para ella.
Procedencia. Importancia Quotas.
18 7773000 0,01
Dlt-FEnENCA.
Para mais
1.036:1983886
1,113:3699138
116 826SS05
9:1868693
85:6678801
25:70*3940
66 69*8716
4:0519157
23:5679832
6 9819503
53:9999*36
2.541:7478707
Para menos.
48:5349130
135:2569985
126:8059109
38:1949861
73 543(689
9:4359517
431.7703291
lllnaii.ai i:a. ,
Cidades Iltnsealicas
Hollanda ....
Blgica. ; .
G.-Bretanha e pos.
Franga e possesses.
Hespanha e poss. .
Portugal e poss. .
Estados Sardos .
Aaolri..
Portos o'Africa .
Estados-Unidos .
Chile......
Per. : .
Rio da Prata .
Portos do imperio .
Pollos nao especifi-
cados .
84:9079000
5,586:6729000
56 7288003
2.075:6028000
56 206 1009000
20.533 8293000
1.913 4*99000
6,759:3093000
502 9938000
e0o
132:0n65000
11,539:2788000
126:9269000
23 8I5S0OO
7.230:3989000
644:22*0100
U.07
4.7
0,04
17
49.78
17.3
1.6
5.7
041
0.72
0 11
9.6
0.1
0,01
6
0.5
1.719:8289000 1,4
119.326:3019000
RvusU
Suena e Y ru3za
304:5518000 0.25
Comparada eisa imporlago com a que nos veio
dos mearan* paizes 00 aono de 18591860, temos
o segumte resultado :
PROCEDENCIAS.
ltussia..........
Suecia e Notwega .
Dinamarca........
Hoilanda.........
Ctdades llaniealicas .
G. Bretanha e possesses.
Frang e po*ses5es. .
He.cpanha e possesses. .
Portugal e possesses. .
Blgica.....: .
Ettados Austracos. .
Estados Sardos.....
Costa o'Africa.......
Estadoa-Unidos......
Chile...........
Rio da Prata........
Portos do Imperio.....
Portos nao especificados.
18591860.
12 0053000
312:5613000
77:08*8000
1l7.3l9i (00
3.828:250bOOO
54 600:4759000
19 353-461 fOOO
1.755:6798000
6 957.49(5000
2.42} 1613000
1.484 8678000
696 3553000
2.9 6289000
12 889 5918000
663 9643000
4.920:l83gOOo
645:5403000
633 0113000
111.651:6689'00
1860-1861.
18:7778000
304:5518000
84:9079"00
56 72830* >0
5 586:67'90o
59206:106s000
20 533 829.>000
1 913:4693000
6.759 30991 0"
2 075:602g0
866:8259< 00
502:993nO()0
132 0668000
11 539:2788000
I26:9^6b00o
7.2*0:3978000
644:2228' Oo
1.743:6433000
119 326 3019001
Divioiia peas provmci
cicio de 18601861 foi
Prowiiietas.
Rio de Janeiro .
Baha.........
Peroambuco.....
Maranhao.......
Para.........
Rio Graode do Sul. .
S. Piulo i .
P<"o........
Parahiba.......
Cei. ....'....
Santa Clharina .
Alagdas.......
Sergipe.......
Bspirilo Santo .
Ro Grande do Norte.
I'iauhy........
UlffERE^g.vS.
Para maxs Parameos.
6:7729000
' 7.8255001
1. '758:4239000
4.605:6319000
1.180:3688000
167:7909000
2,310 214^000
'i. ':632800o
11.137:655o00
8:010O00
60:6338000
198:18590(0
348:559 00
616:0429000
198:3629000
117:5628000
1,350:3139000
537:038i000
1:3188000
a.|a 1 : yi'< 1- _-., uu ticr-
como se !i>egae:
Importancias Quotas.
72.979:831 > 000 61.17
13.042:9928000 11.78
15 296:4788000 12 82
2.891 80ISOOO 2'42
4 709:8968000 3.95
6.754:412g000 5 66
567 53*9000 0,47
58:8279 27:978000 0.19
887:628g000 0 74
291:8863000 0 24
77:0998000 0.06
15 6 89000 O.Ot
47- 8000 0,0003
209:8889000 0,17
313:9478000 0,26
119.326:3038000
Urna apreciarlo mais exacta da importaco de
1601861, se deduz do quadro n. 89, no qual
eslao demonstrados oa valorea dos pnoripsea
gneros Importados no derennio de 1850 a 1860.
dividido em periodos quinqueunaes. comparados
com o anno fioanceiro de 18601861.
Etpjrlscao. O movimento da exportarlo no
anoo de 1860 1861 aprsenla mais notavel dif-
ferenga que o da importarn oesse mesmo pe-
odo.
Como veris do quadro d. 90, o valor dos g-
neros ento exportados sobio a 124.893:6399000.
somma que, comparada rom a do anno antece-
derle, q.e fot de 112.983:5489000, roottra um
augmento de 11,910:0919000. ou de 10.5 o0.
Este augmento torna-se mais seusivel, fazen
do-so i Vifln.*^0* nle"ore. Pois que anto sbs a rs.
19.904:6479000, ou 18.9 0,0-
As provincias que concorreram para ates re-
uitaoos, e propureo em que o flzeram, ao
I seguate,, como podis verificar no dito quadro
3 433-0223000
Alanzas.......
S-rgipe.......
Rio Grande do Norte.
I'iauhy...... .
1,317 969300D
222:0078000
328 0748000
201:5019000
I 05
0.17
0 26
0.16
124.893:7399000
Comoaroi1o-8e este resulta o com o do anno
de 18S91860, ve-se qaaes ss provincias que
ttveram augmeoto de prodcelo,que9 as que re-
trnsrm1arm nosB anno.

Sin. s.*s:
- 3
SsrB.
So.
-.

o>
*0
su
o
<

Procineias, .
Rio do Janeiro. .
Baha ......
Pernambuco, .
Maranhao.....
Para.......
S. Pedro do Sul.
S. Paulo.....
Paran. ; .
rarshiba.....
Csjsfi S .
Santa CithiriM,
Importancias.
79.083.7869000
8 422:9868000
7 444 534BOO
2.049:4840 00
59i2:8e09000
7.682:0588000
7 633:6108000
1.166:6629000
2,030 76 9000
1,254.984*000
1-42 374JO00
Quotas.
6332
6 74
5,96
1.64
4.73
6.15
616
0,93
1.62
1
.11
y* .*.M^.*4."Jt;''9"*SS
"* 05 *. ~a> kuu -i*o'qp o cji"-. ce en
fglilll111

8
ii8o-ftne 00 5
mi
MOo:
-1 r
19 j, -
-------------- ..
AJGOS10 Og 1862.
O resomo seguinte que st dedus Mtsadro o
91, demonstra qvaea foram oa paizes ea'sumido-
res dos oossos productos em 18601861 e em
que proporglo ; advertiodo, porm,qe compara-
do com o da exportacan por alfaodfgas- ha oalls
urna diu*eren;a de 2,399.9609000 que prom de
se haverem tomado oa meamos valorea da exoor-
tagio da alfaodega da Babia no exercicio de 1851
a 1860, por nao ler eaaa repartt;ao enviado a lem-
po oa dadoa precisos.
(Continuar-se-ha.)
nmBuco
REVISTA DIARIA.
Amanhia corneja o chriama na igreia do sol
rito Santo.
Jo dia 14 reune-se a sociedade Archeolo-
gtca Pernambucana, para a diacussao do'iiroiec-
to de estaiutoi1 que tem de presentar a com-
miasao incumbida da respectiva redaeco
-- Quinla-feira vindoura d o Club cmmtr-
cial; a cus partida do correte mes.
8. toe. e Sr presidite da provincia visi-
tn hontem a escola central do malhojo Castilho
regida pelo Sr. Gambea. '
N'essa occasiao digoo-se S. Exc. de escreveroo
albam da escola as seguiotes palavras aiss li-
songeiras para o estabelecimenlo : Visitando s
escola do Sr. Francisco de Freitas Gamboa ap-
flaud o adiantanwnto doaseus alumnos Recife
8 de agosto de 1862.Maooel Francisco Crrela!
Em iltenao is prosas do exam. a aue se
procedeu na Santa Casa da Miaericordia para o
preenchimeoto do l.gar de amanuense da respec-
tiva secretaria, fot pela junta administrativa pr-
vido no mesmo lugar o Sr. Francisco Gomes Cas-
Uoolem leve lugar, na directora geral di
oaireccao publica, o processo de hablliuco de
urna sennora, que pretende concorrar s cadairas
vagas do sexo fimioino desla cidada.
Exarolnaram os Srs. professores Simplicio da
Cuz Ribeiro e Antonio Rufino d'Andrade Luna ;
nao teodo-se concluido, coolioa hoje o acto,
proseguindo-se na prova escripia.
Reojellera -nos a seguinte :
Supplica Nossa Senhora da Concifo.
Vinde salvar-nos I
Ob I virgem santa 1
Da Conceico I
A vos reccorrem,
De dr prostrados
Os desgranados,
Filhos de Ado I
O fri Gaoges
Contra nos lanca,
Monslro lerrivel 1
Sem qae nos olhes
Do co rotundo,
Viver no mundo
Nao possivel I
Salvii os tristes
Deste contagio
Flsgellador I
Ah I Cooservai-os
J que os remistes
Quaodo paiistea
O Redemplor.
O negro inferno
Igual nao tem
Denlro em sea seio I
E' O CODlagio
Mais repulsante
E exterminante
Que ao mundo veio,
Com a sacra pisla
Pisai o monstro.
Que ludo aturra I
Qu qual a fra
Serpe de outr'ora, f
Todo devora, '
Lambendo a trra 1
Mas se decreto
E' do Divino
Legislador 1
Seja elle mesmo
Neste conflicto.
Do povo afilelo
Sustentador I
Paguem oa corpos
Dos filhos tristes
A ioiquldade.
M.a aun almas
Todas contrictas,
Vivam bamditas
Na eternidade.
!
iV. A.
S. Bento, 14 de margo de 1862.
Suspeodemos por algumia semaoaa a publi-
carao to folhelim a Carapuca de meu tio ; visto
ter o seu autor de fa'zer um* pequeoa viagem ao
interior da provincia. Esperamos porm conti-
nuar brevemente com esss publicsgao e talvez
dar luz alguna outros artigus mais desse nosso
collaborador.
E' falso que regeilassemos um artigo sobre
a commandt'a, que foi hoolem publicado por um
peridico desta ei-iade.
Chamamoa a alinelo do Sr. subdelegado
do Recife, para urna lasca ou cousa que o velha
de um becco qua oo estreilo, onde ba o mo
so de da. pauladas nos escravos que vao com-
prar qualquer coosa. e lem a desgrana de nao se
satlifazerem com o qae ha exposto venda.
Havendo o Sr. Guidi, teoor de forga, que
ltimamente esteve escripturado no Santa Isabel,
desojado dar um aero musical, lhe foi lembrado
o Club Commercial, cuja direegao se ollereceu,
sendo nao so aceito, como recoohscido socio ho-
norario do mesmo.
Era conseqviencia. pois, foi hontem noite
apresentado o Sr. Guidi respectiva directora
em o carcter de socio hooorario, e domingo
noite deve ter lugar o sero musical, cantando o
8>. Guidi es grandes arias do Trovador e Fosca-
ri, e a lindissima bailada do Rigoleto.
Hontem realisou-se o fechamento das duas
entradas da ponte do Recife, em cumprimento
da ordera da presi enca da provincia.
Labraremos ainda que se faga desde j effec-
tiva a transferencia do encatiamento d'a.T,ua po-
tavel eilltiminago gaz para o pasiadigo, elm
de nao soffrer a popvslago do Recife com a falta
daquella, e os trazeunles pela desta.
Alguem nos pe*ie lembremo para que se dern
providencias no ser tido de regularisar-se a sabi-
da e enfada do publico no theatro de Santa Isa-
bel de forma que se i.o repits o atropello que
se n as no tas de espectculo ; d^rmioaodo-
sa que a saluda das cadeiras e platea seja feili
oelas port'S lateraes do thettro, o a dos camaro-
tes pelas da trente, aproximanda-se os carros em
orden por sebre o alpendre.
Existlam.
Rntraram.
Sabiram.
Existem. .
370 presos.
13 >
7
A saber:
Naclooaee .
Mu lhe res. .
Eatraogeiros.
Esc ra os. .
Escravas. .
Total. .
376
268
11
32
57
8
376
repartido oa polica.(Extracto das par
tes do das 7 e 8 de agosto.)
For m recolhidos casa de detengo 00 dia 6
do correte :
A' ordena do subdelegado de Santo Antonio,
Joao, pardo, de 34 annos, escravo de Leoncio Ca-
valcante d'Albuqoerque, por briga.
AF orden do de S. Jos, Jos Antonio da Cos-
ta, atricano de 50 aonos, ganhador, tambera por
bnga. r
A'ordem do da Capunga, Eleuterio do Reg
Barros, pardo, de 35 annos. padeiro, pira veri-
guajo s em crime de eatapro.
Dia 7
A'ordem do Illm. Sr Dr.chefe de polica os
africanos Joaquim da Cunha. da 40 annos e Jor-
ge Joao Ferreira Lim, de 50 annos, ganhadores.
por terem quebrado a Oanga, '
A' ordem do Dr. juiz de direilo da 2 vsr
Antonio Cerneiro Piolo, braneo, de 29 aonos ne-
gociante igualmente por ter quebrado a flanes.
A ordem do subdelegado do Recifs Joso Rsv-
mundo do Nascimento, pardo, de 26 annos. ma-
rujo, por desordem. '
A' ordem do de Santo Antonio, Vicente Fer-
reira de Sooza Muniz, braneo, de 29 aonos sa-
pateiro, por disturbios, Tiburcio Ferreira Pinto
pardo, de 33 anoos, sapateiro, para cumprir
pena que lhe foi imposta como iocurso no arl
18, titulo 4o das posturas mamcioaes, e Antooio
Jos do Livraroento, crioulo, ds 33 annos eativa-
dor por embriaguez e suspeita de ser e'scravo.
A ordem do de S. Jos. Maooel Mstoiis Ro-
drigues Granja, braneo, de 28 aonos, carpina. oor
insultos, e fica diapoalcao do Dr. delegado do
I* districlo. ss pardas Felicidade Prea da Luz
22 annos, fateira, por proferir 1 alavraa obscenas!
e beohonnha Mana da Cooceigo, da 16 annos
engommadeira, por crime de ferimenlo leve
bem aisim as crioulas Maris dos Passos de 22
senos, quitandeira, e Mara, de 38 anna escra-
va de Dionisio, ambos por brig.
149
de agosto.
Alimentados a testa dos cofres provin-
".............
Movimento da enfermarla no dia 8
Tiverara alta :
Mmoel Riacho Moror, anemia.
Joi Jqes Bsrboza, intermitente.
Felicidade Pereira da Lux, aborto. f
Maooel Fernandas dos Ssotos, anemia.
Teva baixa :
Antooio Igoacio Graciano de Freilas.
Mataoouro publico :
Malaram-se psra o consumo desta cidade no
dia 8 do correte68 rezo*.
Obituario do da 8 de agosto, no cebitk-
hio publico :
Antonia Marta de Jesns, Pernambuco, 28 annos,
solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Jos Das Tbeodorio, Rio Graode do Norte, 62
annos, cado, S. Jos ; angina.
Desideria M*r1a Alves Lima, Pernambuco, 43
annos cas.-da, Boa-Vista ; phthystcs.
Angelo Nolaus Genova, 40 annos, Recife ; va-
rilas.
Arthur, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vista ; con-
vulses.
Jos frica, 70 annos, solteiro escravo, Santo
Ba-Vjsla ;
; tubrcu-
lo* seas respectivos cargos. Im sari envalo do
baoco do Brasil e oa outros dous tomados osa pra
--------j "---------a --"-""" Jiuouu. uma pin a crescendo
gas onde tiyerem de [anccionard'enlre as penosa e||e ms,ol(i0a
mais hab liadas an hnm n.aan.ki>...>. a. ,.;.- '
bom preenchimento do dito
Aotooio ; bronchite.
O ebefe da segenda scelo,
/. G. de Muquita.
Tertuliano, Pernambaco, 3 annos,
vern.es.
Joao, Pernambuco, 6 annos Boa-Vista
loa pulmonares.
Luiz Jos dos Saotss, Santa Catharina, 26 annos,
solteiro Boa-Vista_. tuberculoa pulmonares.
Joo Marques Viaooa, Pernambuco 21 anoos,
solteiro Boa-Vista ; tuberculoa pulmonares.
'om mullicados
Colonia militar de Pimenteiras.
Seohuras redactores.O abaixo asignado, di-
rector da colonia militar de Pimenteiras, vem
peraote o publico dar um tealemuobo de verda-
deira gratido, pelos bons e zelosos servigos pres-
tados durante o flagello do cholera-morbus na-
quelle ealabrlecimento, aos Srs. alteres Clemen-
te Francilio Tavares, ajudaole, Dr. Joaquim da
Silva Gusmo, facultativo, e mais emoregados, e
bem assim aos iospectores dos quarteirdes do
dislricto daquella subdelegada, o auxilio e fran-
ca cosdjuvago que todos esses senhores com
dedlcagio prestarsm-me, sao predicados bastante
poderosos para merecerem o meu completo agra-
decimeoto.
Aceitera, pois, esta provs de grslido, nao co-
mo adulago, porm como amigo e chefe de ums
reparligao que ssbe apreciar o mrito de seus
empregados.
Recife, 2t de julhode 1862.
Antonio Villela de Castro Tavaris.
i orresponileneas
Srs. redactores.A populago desla cidade foi
(eslemunha do incendio, que no dia 5 do correo-
te pelas 7 horas d>a mantisa, appareceu em nossa
loja de selleiro, oa ra Nova n. 45. O gravissi-
mo prejuizo que suffremos, seria total, pois ludo
ficaria reduzido a cinzas. se por ventara abaixo
do favor da Providencia,nao eneontrassemos as
autoridades, 9 em grande numero de nossoscon-
cidadoa um prompto e efficaz auxilio.
Seriamos, portsuto, censuraveis por lgralos,
se embora ainda impressionado doloroaamente
por aquello desastroso acootecimenio, nao nos
dessemos pressa em consagrar um voto publico
de recoohecimenlo, em geral s autoridades e s
pssoas que correram a prestronos >3o presti-
moso obsequio, em particular aos 1 lime. Srs.
Jos Ant ru de Souza, Francisco de Paula Fer-
nandes Moreira Jnior, Jos Luz Pereira Jnior,
Maooxl GnogalTes Medina, J os Baplista Braga,
Aolonio Humarlo Quimeiro, Priaco Jos d Sou-
za Lima, Jo. Marta Acette, MiKel Archanjo
Fraterno, Ricardo B. da Resurreigao Xavier,Jos
Lopes da Silva Gutmares, Alvaro Augusto de
Almeida, Auapicio Aotonio de A. Guimares,Ti-
burtino Crrela de Amorim, Ignacio Francisco
Gomes, Francisco Aotonio Coelho Jnior, Case-
miro dos Res Gomes, Joo Baptiata da S. Pr-
xedis, Henrique Joo Gastavo da Silva.
Queiram lao dignos csvallelros aceitar esta les-
temunho de respeitusa considerago e dos sen-
timeotos de gratido de que nos adiamos pro-
fundamente penetrados
Crnero& Irmo.
Recife 7 de agosto de 1862.
Srs redactores. Quizra responder cabal-
mente ao deputado Francisco Carlos Brando as
diatribes que me langou, mai a presas com que
devo seguir para o serlo, e mesmo a ausencia
de alguna documentos me inhibom diaao fazerj.
Apenas, porm, chegue a Tacarat enviarei oa
documentos que pussuo, para que fique de urna
vz para ssmpre Dem conhecido esse homem,
que se nao en*ergonhou de injuriar aquellos quo
por tantos ttulos eram dignos de sua gratidio.
Recife, 7 de agosto de 1862.
Francisco Vicente da Cunha Valpasso.
Publicayes pedido
Meio iiifalli vel de restabelcccr a balan-
ca as finan cas e de ler sobras an-
imaos na receita geral do Brasil.
mais habilitadas ao
em prego
4. Em compensagao das vantageos de triples
emissio, concedida ao banco do Brasil, elle aera
obrigado a rasgatar, tanto na corte, como as pro-
vincias, no praso mais curto possivel, todss ss s-
dalas do governo, a sebatituir meosalmenle o va-
lor dss que forera liradas da circulagao, por moe-
dss de prata e ouro, nacionaes.
Para tomar esta subalitaigo mais fcil oa
eiecugn, seria conveniente admittir na circula-
gao e oaa caixas publicaa, aa moedaa de prata e
ouro da todas aa oages, sendo lindos n'uma ta-
bella geral os valorea daa mesmas, em relagao ao
cambio de 27 d., que regulou o padro moderno
da moeda nacional.
5 Afim de fazer affluir as moedas de prata e
ouro, e conservar no imperio qasotiss regulares
na circulagao, o governo dever mandar baixar
m decreto ordenando que de 10 de Janeiro de
1863 em dlaote os direitos ds alfandega, do con-
sulado e outras repartiges publicas, logo qua
ebegarem ao valor de 1009 aejam pagos notada
em moada de prata ou de ouro, nacional ou es-
trangeira, menciooada na tabella geral, e metale
em bilhetea do baoco do Brasil. Urna tabella
desta ordem regulava os valorea das moedas es-
trangelraa em 1835 e 1836.
Para evitar que a moeda metaltica saia do im-
perio, e airva como ordinariamente acontece, de
meio de retorno do excedente dos valores impor-
tados, qae o valor doa productoa de exporlago
nao pode balancear, toroa-se de palpitante ne-
cesudade o augmentar a prodncgo de cada um
dos generas de exporlago. e iotroduzir o maior
numero possivel de gneros novos oa cultura
brasileira ; mullos ha que cultivados sm graode
escala augmentaran, consideravelmente a cifra
das exporlagoes.
O melhor meio para chegar a este resultado,
como temos dito em diersos artigos sobre agri-
cultura publicados no Diario de Pernambuco em
margo, abril, junho, ele, do auno d 1861. a fun-
dagao immediata do imperial instituto agrcola
normal em Pernambuco, que tantas vezes temos
lembrado cm vo at esta dala, ao paternal go-
verno de S. M. Imperial, iodepenJeiilemeote do
que se est organisindo no Rio de Janeiro aob a
mmediata protecgo pecuniaria de S. M. Impe-
rial. Y
As vantageos que resultaro para chegar ao
flm enunciado no litulo desta nosao artigo, da
fuodagaodo instituto normal em Pernambuco
como o delineamos o aono prximo passado. si J
ineonteataveis.
Com a introduegao de machinas aperfeigoadas
para a fabricagao do assucar, experimentadas naa
officioas do imperial instituto normal am Per-
nambuco, ha de se recoohecer a veracidade do
que dissemos o anno prximo passado em lugar
de ser a s.fra de 5,000.000 de arroDas de assucar
com os processos actuaes, as mesmas. cannas,
com os processos aperfeigoados, que sero em-
pregados no instituto, podero quaudo o novo
systema for generalizado na provincia, em poucos
aonos elevar-se a O e 15000.000 de arrobia
Generalizando e sugmeolaodo a cultura do al-
godo os provincis, nss vizinhangas da estrada
de ferro, como o dissemos em nosso artigo pu-
blicado em 18 de juoho de 1861, em poucos an-
oos as safras chegaro a centenas de mil a mi-
lhes de saecas. Se as estages foreno regulares
j se calcula que a safra vindours deste anno se-
r de 60 mil saecas ; sendo que o prego actual de
14)) a 15j> veoha a deacer mesmo a 10$ a arroba
60.000 scese de 5 arrobas formarlo 300,000 ar-
robas, a 10 sao 3.000:000000.
Mullos outros gneros o productos agrcolas,
viodo como en ente, a augmentar de anno a
aooo a cifra dos valores de exporlago, n'um tem-
po dado, que oo poda ser muito remoto, balan-
cear SO-ha o valor das exportagSes com o das
importages, e com estes augraeotos de pro-
duego que preteudemos attingir ao nosso deside-
rtum, de extinguir o dficit existente, e de ter
breve sobras, que permittirao ao governo a fac-
tura de novas viss de commuoicagao no interior
do paiz, melhorameotos dos portos da Pernam-
buco, e outros, melhoramenlus agricolis que o
governo imperial dever favorecer com fundos do
ihesouro nacional, como o fsz o previdente e pro-
tector governo ds Franga. Entre unirs leis pro-
tectoras da agricultura em Franga, citaremos a
a* 17 de jaldo de 1856 sobre o dr.ioagem ; isto
, o escuamento das aguas estagodas e sua eva-
cugo por meio de canos de barro, engenhosa-
meote assentados sob o aolo a certa proundida
de, Divelamento e declive.
Logo que appareceu o ministerio especial da
agricultura, commercio e obras publicas que
Principio*! a fuoccionar depoia de 3 de margo de
1801, esperavamos (Jver apresentar e por em
prtica muitos melboramentos por aquella mi
, nisteno, que em nossa opiniao o primeiro em-
bora nascido o ultimo de todos, o mais impor
taote, talvez o menos apreciado, (moins comprisl
pelos preiendentea s pastas mioistenaes; espe-
ravamos igualmente ver o governo aproveitar al-
guns dos meloa de melhoramxr.ioa por nos publi-
cados nos Diarios de Pernambuco de 1861.
Para nao prolongar mais eale artigo, cuja vasta
e importante materia nos tem levado aim da
extei-sao que Ihedesejavamosdar, perguntiremos
aos poucos leitores de artigos que nao sao ro-
mances, que coasiderago e importancia cabera
no Breail ao ministerio da agricultura, commer-
cio e obras publicas, que encerra em si os tres
elementos de produego da riqueza publica, com
a qual supprero-se as desperas dos outros seis
ministerios, emfioi todas aa despezas do estadof
Esperamos pela resposta. e em tanto confiamos
mullo na illustrago, sabedoris e experiencia pes-
soal do actual ministro da agricultura, commer-
cio e obras publica, o se S. Exc. o Sr. conse-
Iheiro Joao Vieira Lina Ctnaengo de Senirob
quizer poder apresentar melhorameotos no cur-
0 da sua estada no mioisterio a sea cargo, e im-
mortalisar o seu norae e sua adminialrago
Perosmouco, 6 de agosto de 1862.
F. M. Duprat.
Movimento da aaa da detengo do dia 7
de goiio.
Para chegar ao des'deratum, de, em poucos an-
nos acabar com o dficit existente naa nangas do
Brasil, de fzer voltar e cooservar o carr.bio sobre
Londres a 27 pences por mil ris, e mesmo fa
ze-lo subir a mais, indicremos alguna meios que
julgamos iofalliveis, e daio eate reaultsdo, ae o
Illm. gobern de S. U. In perial os julgar dignos
do serem postns em pralica e execugo.
A occasn de por aesso ler u'um numero do
Conexo Mercantil da corle, o projecto de fuso
dos bancos agrcola e hypoihecario, no actual
banco do Brasil, quo. devia ser d'ahi a pouvo
apresoolado a approvago das cmaras na actual
sesso, achavamos opportuoo e efficaz que nesla
fusao de dous bancos da rrte, no do bauco do
Brasil a elle fossem reunidos lodos os bancos,
com emistdes autorisadss pelo governo, existen-
tes as diversas provincias.
Concedendo exclusivamente so banco do Bra
II o privilegio de emillir bilhetes ao portador,
por um valor at do triplo do capital real repre-
sentado por sedulas do goveroo, metaes, etc. exis-
times em reserva, o governo deveria exigir do
banco do Brasil, em compensagao das vantagens
da fuso geral no mesmo, dos bancos das provin-
cias :
1. A creago com a devida brevidade de ban-
cos filiaes em todas as capltaes da provincia do
imperio com capital corre.pon-lente e em relagao
s preciadas de cada praga.
2.' Alem daa operagdes effectuadas antes da
fuso em todos os bancos de emisso, o baoco do
Brasil, dever affeclar, a em prestimos hypothe
carios, de metade do vslor doimmovel dado em
garanta, de um qaarto e metade do capital de
cada banco filial, o restoser era regado nos des-
tontos de letras e operagdes de semelhsntes es
tabelecimeotos. Para conveniencia e protecgo.
agricultura e industria, os emprestimos sobre hy-
potheca sero contrsbidos por 10, 15 ou 20 aonos
ao msximo.
O juro annual dever ser o mais commodo poa-
sivel, 5 s 6 por cento ao mais.
A cota a amortisar aooualmente dsver ser
calculada em relagao so prazo coovenciooado.
A cota concedida para cobrir aa despezas de
sdroioistrago dever ser a mais diminuta possi-
vel (em Frange o credit faocler exige para esta
cota 0, 60 c. por aooo por cada 100 francos.)
Estas tres.verbas deveriam ser reunid'as u'uma
so para facili ar mais os pagamentos por amor-
tisaco, que sero exig veis lodos os anooa, por
isso, na occasiao do empreslimo ser abatido da
quaatia emprestada o jaro 6 despezs ds admiois-
trago correspondente primeira anouidade.
3.* Os bancos filiaes oaa provincias aero diri-
gidos por trea directores conveoieotemente retri-
buidos, qae depositario aa garantas tiie>idai pe-
H*ar =
AnriuT *,i0 ^o** Poa que nao elle.
eAi 9m.e dVq::;"m.^^f. ? <
ea
Teudo lido no Diario de Pernambuco de 7 do
orreote um artigo s.,b a epigraphe-ao mrito,
nao posso comocompaoh-irode classe, ainda que
inferior em cathegoria, deixar de augmeutar 1-
gamas palavras acerca do homem justo, do chefe
exemplar, do amigo oedicado, e iioalment- do
mu digno administrador do correio desta cidade
o Sr. cavalleiro Domingo dos Passos Miranda.
Ven sei, que quando um gigante ergue a sua
voz, desde logo abalada. Sea a do pygmeu. Nao
obstante forgas disputa-lo. se nao com a forga
de que revisiido, ao menos com a linguagem
da pureza e da verdade.
Bem merecidos foram sem duvida os encomioa
tecidos ao Sr. cavalleiro Domingos dos Passos
Miraoda ; mas preciso ainda confesssr, sem
Oeader a sua mo-leatia. que alm dos predica-
dos apootaflos pelo autor do coramunicado, o Sr-
A. e M outros mais valiosos encerra em si o S'.
Passos Miranda. Siro o Sr. Passos Miranda alm
de ser bom amigo e to exceliente (befe, procu-
ra apreciar e defender a cusa de qualquer sa-
criticio proprio aos seus subordinados, sem dis-
tincgio a cathegorias, e smente por boodado
sua. Emfim para que ir mais longe, qaando a
geral estima s considerago de que elle gosa ao
os mais solemnes tesiemuohos de que o Sr. ca-
valleiro Domingos dos P.ssos Miranda o epilo-
go das melhores qualidades moraes e de todas as
virtudes cvicas t E* mister effeetivamente co-
ohece-lo para obter-se a perteita conviego de
que oo a lisonja nem a adolago que inspirara
lecer elogios, e sim a liogusgem da verdada
em prol do recoohecldo mrito.
Apenas por coohece-ln de perto e apreciar es-
ses seusexcellentes predicados, nao posso, nem
devo deixar de prestar preito verdade e justiga,
o que exclusivamente snimuu-me estas curtas
liahas, sem patenlear s minhs assigoatura,mes-
mo para arredar qualquer suspeita a respeito.

Para o Exra. Sr. presidente ver.
Tendo lido no expediente do governo do dia 5
do correte mez, transcripto no Diario de Per-
nambuco n. 182 ama portara do Bxm. Sr. presi-
dente da provincia, na qual concede ao meslre e
dono do hiate Sergipano p-rmisso para trans-
- de arrematar todo 0 legume
ue existir ns ilha ; porque nao podendo inssoa
.Igum. que os po.a.ir. embarcar, e tendo iofai!
livelmaote de oa perder alli. preferir d,r.lfce ou
vender por qualquer preC0t ,oro.nao.^ ,,le
deai arte um perfeiio monopolista.
E como S. Exc. talvez igooresse o que vimos
de expr, por esse motivo pedimos esperamos
que S. Exc. atteodeodo os juatue reclamos da-
quelles individuos qua possuem alli lanbem oa
meamos gneros, oblidos com seu suor e dinhel-
ro, ordene que Ihes seja concedido o poder sm-
bsrca-los pera aqui, se asaim quizerem.
Recife, 8 de agosto de 1862.
C.
Pergunta que oo offende.
Sendo cerlo que desde 18 de Janeiro do corren-
te aooo se acha sobre a cama o coronel comman-
dante do presidio de Fernando, Trajano Cesar
Burla meque, e j alejado de om p, pois desde
aquelle dia aioda nao sshio de seu quartel, e
nem podar sabir com os seus ps, seoo quan-
do mallo de sua vontade liver de embarcar para
Pernambuco, e como elle comramda um presidio
militar como o de Fernando ; qual ser o moti-
vo porque deixou o medico Dr. Cicero, nao ha-
vendo cholera T ser par nao vir descobrir s
molestia do coronel ? Forte cegueiral Forte pro-
tecgo 1
O Fernondis/a.
Constando aos abaixo asaigoadoi que, em urna
correspondencia publicada no Correio Mercantil
do B10 de Janeiro, se assevera que, como elei-
tores desta freguezia.no comparecern, eleigo
do da 7 do mez prximo ndo ; declarara que
falsa tal asaeverago, por quaoto nos volaram
nessa eltigo, como tambem assigoaram a acta
da apursgo dos votos. E porque j ao presi-
dente do collegio eleitoral dirigiram carta, em
sentido desta dedarago, a fajem agora pela im-
prensa para queleoha a maior publieidade pos-
sivel.
Escada 2 de agosto de 1862.
Boque Ferreira da Costa.
Aggl-j Eduardo Velloso Freir.
(As firmas estavam recoohecidas pelo labet-
lio da Escada).
Despacho proferido na petigo de Antonio de
Souza Moreira, acerca da quesiao que pende em
juizo relativo ao sobrado n 28 da rui das Cruzas.
A veoda de que se trata nada lem com este juizo
por sar negocio particular sobre que nao ha
acgo ; a que adnissivel o protesto que j foi
admiltido por parte do suplicado. Pode o sup-
plicante igualmente protestr se lhe convier pe-
lo facto do novo leilo. Recife 7 de agosto de
1862.Alemar Araripe.
Errata.
No Diario de 7 do correte, n. 181, na poesia
offerecids ao Illm. Sr. capilo Hylario de Aihay-
de Vascoocellos, por Paulo L. L. A. Jnior, oa
terceira liona da terceir quadra, onde se
Seu nome que vale la-se beu nome que
vale.
m
.^a
Prata do Hecife 8 de
agosto de 1862.
Va (\uatvo \\oraa da tarde
Coiaces da junta de corretores.
Cambio.
Sobre Londres90 d|v. 26 1[2 d.wjr 18000.
i. da Cruz MacedopTesideute.
John Calissecretario.
ailau^ega.
alandiaiento do da 1 a 7 .
Idaro do da 8 .
109 600J80!
11.419;95
121.0208751
Sflovltnenio da aifaudrar*.
Relames salrados comfazeodas..
c ora ganaros..
Velamos sabidos
com fazendas..
com eneros..
1S3
305
== 428
Exporta^ao
do dia 7 de agosto.
Escuna ingiera Zenith, para Liverpool, carre-
garsra :
Patn Nash & C. 40 siccos com 212 srrobas e
10 libras de algodo.
Brigue ingiez Xancy, pira Liverpool, carre-
garam :
Patn Naah & C, 70 saccoa com 396 arrobas e
i libras de algodo.
Brigue argentino Volante, para os portos do
Rio da Praia, carragaram :
Amorim Irmos, 911 barricas com 6,3*5 arro-
bas de assucar.
Importaco,
Summaca hespanhola Ardilla, vinda de teni-
arlou, consignada a Araoaga Hijo & C, entrada
hoje, manifestou o seguinte :
132 pipas e 140 barra vinho tinto, 23 pipas
dito catalbao ; aos mesmo.
Palaeho nacional Salsipueie.s, entrado da Bi-
hia hoje. consignado a Mala & Espirito Santo,
mamfetou o seguinte :
12,975 srrobas de carne de charque e 173 ar-
robas de aebo em rama ; aos meamos.
aeeebedorla de rendas Internas
fferaea de ivmaoiboco
Bendimento do dia 1 a 7 6:052*372
fdsm de da 8......, 827490O
6:8808272
Consmlado provincial.
Recdimeotododia 1 a 7
dem do dia 8 .
10:014767
743a43i
I0.758J20I
Movimeiitu <^o |.oro
Navios sahidos no dia 8.
Liverpool oela Parahiba llruue ioglez Mary,
capno George Debrix, carga parle da que
trouxe de Terra Nova.
Liverpool Ecuoa ing'eza Zenith, capilo E.
Weikehen, carga assucar e algodo.
Nao houveram entradas.
U-
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presideole da provincia, manda fazer publico,
que no dia 6 de novembro prximo futuro, pe-
raote a juota da fazeoda da mesrna ihesouraria
se ha de arrematar, quera por menos flzer, a
pbra do cano re esgoto oa praga Pedro II, ava-
llada em 10.020 rs.
A arremalaco ser feita oa forma da 'ei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas esperiaes abixo copiadas.
As pessoas que se prnpozerem a essa arrema-
tago compsragam na salidas sesses da referi-
da juota. no oia cima mencionado, pelo meio
da, competentemente habilitadas.
E par coosiar se mandou publicar o presente
pelo Diario.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
oambuco, 4 de agosto de 1862.
O secretarlo,
A. F. d'Annunciaco.
a C^au3utas 'tpeciaesda arremalaco,
acii arremtole dar principio aos trabalhos
ladiis depnls do contrato, e conclui-lo-ha no
prazo de quatro meses, cootados da poca em
que terminar o prazo de quatro meces soppra
mencionados.
1 riirry*%!*"" rW" K"ut~ I 2-' O. arrematante ser obrigado a alteo.ler ss
por arda ilha de Fernando de Norooha para esla I obrigseoes doengenneiro encarregado do direc-
capital omilho e fe.jao que all exi.tir en soa gao e Hscalisago dos trabalhos conecroentes
l <\ awr.M..nM .. 1...
propriedade. cooscios do carcter nobre ejusl-
ceiro de S. Exc. nao poiemos deixar de levantar
a nossa fraca voz, em vista de semelhaote deli-
berago, pedlodo a S. Exc. que ae digne conceder
a mensa liceoga qualquer oulra pessoa do pre-
sidio que pajuna tambera os referidos gneros
porquanto o mestre do hiato Serflipono oo ten-
do em aquella lagar escravos e nem pessoas suas
para fazer plantago alguna, e nem constando
ter elle arrendado em tempo algum terreno para
plantar, nao pode ter os gneros que allega em
ma pellcao ; donde tlaramente ae conclue qae
lo execugo da obra.
3.a Fica o arrematante sujeilp a observar em
toda sua plenilude ss prescripges conlidss no
orgaraento.
4.a O pagamento ses feito por prestsgoes
menaaea correspondentes ao numero de bragas
coocluidas, Ocando porm recolhida a tbaaoura-
ria como deposito, para garantir a obra at final
concluao, a decima paite do valor do certifica-
do roeosal, os quaea lhe sero entreguts om
mez depoia do concluida a obra, e sendo qne
ella ae ache em bom estado, e caso aasim nao

*^ f
MUTILADO


Vi
DiAliO Da. PKMfMIUOO. SABB.DJ O DI AGOSTO OE lfttl.
acontec, o arrematante ser obrigado a repa-
ra-I* para ter direio ao recebimento.
5.* O arremetila lie igualmente sujeilo *
dispoiigoea da lei n. 286, que dizem reapeito aa
arrematarles.
6.* Nio aer em lempo aigum atleodida qual-
quer reclamado por parte do arrematante ten-
dete a inderiinisseoes quaeaquer que aejim aa
allegacde em que se batear para esse am.
Conforme. Aulonio Ferreira 'Aonuncia-
cao.
O lila. Sr.ioapeclor da tbeiouraria rro'in-
cial, *m cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda aier publico que oo
dia 24 do correte, perante a juota da fazeoda da
nesma thesoerari, te ha de arrematar, a quero
por meos Q/it a obra de 38 bragas de cano de
esgnto na prega do chsfuriz do balrro do Rcifp,
avahada ero 4:5908000. A arrematarlo ser (eita
Da forma da lei provincial o. 343 de 15 da mato
de 1854 e aob ai claasulat etpeciaet abaixo co-
piadas.
As petsoat que se propozerem a esta srrema-
tagao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia
competentemente habilitadas.
l para cumiar to man loa publicar o presente
pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bucp 4 de agotto da 1862.
O secretario, A. G. da Aooaociecio.
Clausulas etpeciaes para a arrtmalacao..
Ia O arremattante dar com eco aos trsbalbos
oo prazo de 15 diat suprameociooado.
2" O arrematante ser obrigado a atteoder as
observaren do engeuheiroencarregado da direc-
cai e Qscarlssgo dot trabalhos, conceraeote
boa execuco da obra.
4a Fica o ar'ernataote tujeito a observar em
toda a ana plenilu la as prracripcea coudas no
orcaraeolo.
" 0 pagamento ser feito por proatacoet meo-
saes correspondente ao numero de bragas con-
cluidas, fleando pornri recolhido a thesiuraria,
como deposito para garantir a obra at final con
clusio a dcima parln do valor do certificado men-
sa|, os quaes lh sero entregues um mez depois
dn concluida a obra, sendo que ella aa ocli* em
bom estado, e caso aatim nao aconieca o arrema-
tante aera obrigado a repara-la, para ter direito
ao recebimento.
5a 0 arrematante fies Igualmente tujeito aa
disoosico-s da lei n. 286, que dizem respailo as
arrematarles.
6a N ii' aera em lempo algum atleodida qual-
quer rela maga o por parle do arrematante, ten-
denla a ioderunisaco, qualquer qe seja a alle-
gado, em que se basear para este Um.
Conforme, A. F. da Anunciado.
*r-lxOL O
Convite.
Perante o cooselbo do resista da guarda na-
cional dssle municipio sao convidados compa-
recerem na sala da sessoes da esmera muoicl-
d-l, no dia 14 do corre te s 10 horas da ma-
nina, atlm de arem iaspeecionadot por junta
mlica, oa cidados que ioterpuzeram recurso na
firma da lei
Ia bstalho de artilharis.
Manoel Lopes Rodrigues. Guimaraes.
Estevo Jos da Multa
t* de infmiaa.
Manoel GoncMe Ferreirs e Silva Jnior.
Jos Urbano de CarviUio.
M-iuBi M Jji'jim Francisco oo Reg.
4 2a baialho.
Luiz Francisco Gomes
Mliioel Ciraco de Figlredo.
Jos Francisco Rtbeiro Mchalo.
O secretario,
Firmioo Jos deOliveira.
Consulat de F ranee Per-
na albuco.
Le cnsul de Frailee a ses compatt iotes
residant ou de passage a' Pernam-
buco.
Mesiieur* et ch-rs eompalriotea.
J'ai l'honneur de vous prevenir que veodredi
prorhsin, 15 du couraot. un Te Duoi, sera c.h*n
t, une heure iprs midi, l'Eglise rte Nutre
ame de la Penha, l'nccssion de la fele de S.
M. Tompereur Napolen III, notre auguste sou
veraio.
Vous empresierez, comme toajourg, j'eu sais
sur, de vos reodre cettw ceremooi, qul sur
le sol etranger, eal pour ooastout, en meme
ternps qu'une reunin, uoe feto da famille, une
pr.mvo 'idente de calta unin, q qui exista entre nos.
Veuillez, M'tsieun et chers compatriotes,
agrer ici, rec l'assurmce de la satitfaction que
j'aurai de me trouver encor una fois, au nil
leu de vubs, elle de mes sentiaients sussi t-
voui qua diatingus.V, de Lmont.
k d iiia do Recife.
AUlma. junta administrativa da tanta casa de
misericordia do Recita manda fuer publico que
r,o lia 7 Jo correte, pelas 4 horas da tarde, na
tala de suas sessoes. vo de novo 6 praca as ren-
das das cass perlenjntes ao patrimonio dot or-
phos abaixo declarados, pelo lempo qu decor-
rer do dia a arramatago at 30 de junho de
186"). a taber :
Ra da Madre de Dos n. 4 por aooo 6013
Dita da Lapa o i por anuo 18<>A
Dita da C'Cimba n 5 pur anno 1 US
Dita do Birria n. 19 pur anno 168j>
Dita dita o. 21 por .rmo 1359
li ti da Senzala Velha n. 132 por anno 7009
Dita dita n. 134 por anno 70nj>
D la da Gui* n. S7 por anno 161S
Dita dita n.29,por ann> 1688
Dita do Pilar n. 2 por anno 96g
Dita do S"bo n 3 por anno 160a
Olla do Rosario d Roa-Vista n. 60,por anno 1449
Dita "a Cruz n.lf por asno 5008
Dua da Moeda n 21 por anro 3009
i)- preiendenles deem comparecer acompa-
nh'tfoi de seus fiadores, oh munilos de cartas
oe-ies.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cite 1.- de agosto de 1862.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
E^crivo.
A Iheaouraria provincial compra para o expe-
diente daa diversas rpariicoa provinciaes no
corrent" exercicio de 18">2 a 1863.
171 resmas de papel greve aperado, Ia eorte a
550(10.
9i ditas de dilo pautado bnm, a 6*000.
27 1|2 ditas de dito dd peso supprior, a 6?.
12 ditas de dilo lythographado /ecretarii do
governo] a 129.
2 ditss de dito deHollanda grande, a 308
3 112 ditas de dito de H jila oda grande paulado,
a 329OOO.
2 ditas de dilo de Ilollan la pequeo, a 248-
24 caixiohas de dito de peso Gno beira oura-
da, a 28.
48 ditas com envelops (lous tamanbos) a 39-
11 resmas de papel alo ac. a 6$.
4 ditas de dito ordinario, a 49.
6 caderoos de dito de Hollaoda grande (para
mapoas) a 2f.
32 ditos da dito de H llanda grande, a 500 rs.
30 ditos de dito de Hollaoda grande pautado, a
500 rt.
12 folhasde dito de HoMsoda grande, a 160 rs.
1|2 resma de dito par* desenho, por 409*
3 rulot de ditos transparentes de doze polega-
das de largura e 21,2 jrdas da com primelo,
89'>00.
3 rolot de panno transparente com 14 jrds
de comprimenlo e 36 pollegadas de largura, a
509i'00.
1|2 resma de papel para embruHio, per 69.
50 folhat de papel de Oorrao cartao, 160 rs.
56 "-adernot de papel mata burro, a 320 rs.
11)2 paulas grandes, a 400 rt.
600 envelops, a 29000 rt.
5 pasta* para secretaria, a 49.
60 pares de pastas dedapel a 640 rs.
178 caix.g com peonas de jaco, a 29.
700 peonas de ganco (n centu] a 29.
82 Duziat de lapit, a 80.
J4 doziat de lapit de cor, a 29.
386 canelas fluas, a 200 rs.
88 fraacos de gumma grachs, a 160 r.
24 peacos de borracna, a 160 js.
20 butijis com tinta tngleza,a 29.
110 garrafa* com tinta preta, a 640 rt.
105 frasees coro tinta encarnada, a 500 rt.
50 ditos com dita azul, a 500 rs.
12 libras de gomma arbica refinada, a 29-
1 groza de peonas de aro, para desenho,por 3|
4 libras de borracha para desenho, a 59*
12 duziat de lapit o. 1 para deteobo, a 19-
12 ditat de dito n.2 para detenbo. a 1$.
2 libras da esponjas ordlnariai, a69400.
6 T 2t libras de areia prets, a 320 rs.
6 ditat de lacre fino, a 59.
. 16 caixat com obreias, a 160 rs.
6 ditas com obreias de colla, a 160 rt.
1 faca para corlar papel, por 29.
Ii2 libra de camphora, a 2j.
3 ditaa de giz, a 160 rt.
5' 0 paos le obreiat, a 39 rt.
12 librat de vellos ttearina;, a 800 rs.
47 massot de cadarco de linho, a 19500.
5 regoat, a 29.
1 pedra de aflar, por 1c.
6 caixat de papelo. para archivo a 4J.
81 caivetes floos, a 38500.
40 rtspadeires, a 195'K).
22 thesouras Boas, a 3J.
21 folhinhas de almanark, a 19.
3 ditaa encarnadas, a I60.
1 carta graphica de S. H. Colton, por 20$.
1 livro grande com 300 folhas, a 129.
St ditos com 200 ditas, a 83.
4 livrot de 150 folhat a 69400.
1 dilo de 100 ditat grande por 58.
6 ditos de 150 ditas pequeos a 59:
1 dito de 90 ditas grande por 5$.
1 dito de 70 ditaa dito por 49800.
3 ditos de 60 ditas dito a 48.
1 dito de 36 ditas dito por 28400.
4 ditos de 30 ditas dito a 29
8 ditos de 26 ditas dito a Ijj'OO.
4 ditoa de 20 ditas dito a 19400.
1 dito de 16 ditat dito a 192"0-
6 ditos de 10 ditas dito a 18.
1 dito de 8 ditas dito por 800.
T ditos de 6 ditaa dito por 800.
2 ditos de 4 ditat dito por 700.
A arrematara aer feila no dia 14 do torran-
te perante a junta da fazenda da metma thetou-
nria, ao meio dia, aendo ai propostas laojadas,
em cartas fechada na reparlicao do crrelo.
A licilacao para esta arremataran aera feita em
fracefiag ceoteaimses da importancia total dot ob-
jectos fornecinos sgundo os presos porque v8o i
prar;a, e tob as seguintes condiedes :
1.a 0 contrato aera feito por am trimestre a
conlsr i,o dia em qe for approvado pelo Exm.
presidente da provincia, e subsistir at o flm do
exercicio, em quaoto nao houver declaraco em
contrario de qualquer dos contratantes que ter
eita com a antecedencia de um mez.
2.a As amostras dos objectua annunciadot, que
forem acceilot no acto da arremataQo, ficaro
depositadas na secretaria di thesoursris, at que
termine o contrato, atira de serem com ellas con-
frontados ot objectos foroeeidos.
3.a O arrematante fie obrigado a foroecer, nao
s aquantidade contratada dos objectos necessarios
como a que de mais Ihe for exigida, ticen in sem
direito a reclamaco e indemnisaco quaodo o
fornecimento for inferior.
4.a Qualiuer que seja a quantidade e qaalida-
de dos objectos pedidos, o arrematado os furoe-
cer dentro de quarenta e oito horas, e se o nao
fizer n'este prazo, ficarS obrigado a iodemnisar a
differenga das despezas com a compra dos mes-
mos objectos, que far a thesouraria onde en-
feontrar da mesma qualidade das amostras.
5.a Os objectos que forero regeitados por serem
inferiores aa amostras sero pelo arrematante
substituidos por outros deotro de 24 horas, lindas
as qnaes se proceder como na condigo prece-
dente,
6.a O* objectos nao compreheodidos no con-
trato, que se fiterem nacestarios, sero tambem
foroeeidos pelo arremalaote e nos referidos pra-
zos pelos prejos correles, sem o abate da licita -
cao
7.a Nao satisfazendo o arrematante por tret ve-
zes successivas oa fornecimenlos que lbe forem
exigidos, se considerar rescendido o contrato -
esodo elle obrigado, nao s a pagar a multa de
10 por cento, do lot.l da despeza du foroeeicnen
lo fetto no restaote do prazo do contrato como a
ind-ronisar o excesso desta despezs, ou conlLe
o [ ineciaento por arrematQo, ou poradminis-
traeo.
8.a O arrematante quando respoosavel pelas
indemnisicdes de que tratara as condiQea 4a e 5a
nao poder receber nenhuma quantia que se lhe
dever de foroecimentos feitos, tem que as tenha
pago.
9.a Para garantia da multa iodemniaaces de
que tratara as condiQea precedentes, prestar o
arrematante fianQa idenea.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam
buco, 4 de agosto de 1862.
O secretario.
Antonio Ferreira d'Anoaocia o.
Cooselbo administrativo.
de 235159, como consta da factura aballo de-
clarada, caja importancia ral descarregada nesla
data ao respectivo administrador e thaaoureiro.
E para constar lavrei este termo em qoe as-
signou o referido administrador e tnesoureiro.
E ea, Francisco Simes di Silva, ajudante
contador eterevi.
O administrador,
Domingos dos Pastos Miranda.
Os officises papelistas,
Edotrdo Firmioo da Silva.
Ismael Amavel Gomes da Silva
Luiz de Frn$* Olivetra Lima.
O pralicante,
Vicente Ferreira da Porciuncols.
O porteiro,
Manoel Marinho de Soaza Pimental.
Tribunal do comniercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio da
Pernambuco te faz publico que neata data fui
inscripto no liro da matricala dos commercian
Recebe carga al o dia 25 ao meio dia ; an- .
commeodas, pataageiroa a dinheiro a frete at o 1
dia da tahila as 2 horas : escriptorio no Forte
dn Mallos n. 1.
COMPANHIA BRAStLEIRA
DE
pfcftitTis mfm,
Espera-sa dos porto do norte at o dia 16 do
correle o vspor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
ot portos do sul.
Desde j recebem-se pastageiroa, a engaja-ae
tet o Sr. Joaquim da Cunha Freir, cidado bra- a carga que o vapor poder cooduzir, a qual dere-
tileiro, de 35 aooos de i lado, domiciliado e as- r aer embarcada no diadaaua chegada : diohei-
tabeiecida na capital do Gear, com negocio de
fszeodas, gneros do paiz e commissoet.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 7 de agosto de 1862
Julio Guimsres,
Offlcial msiur.
ro a frete e eotommendas at o dia di sabida aa
2 horat da tarde : agencia ra da Cruz n. 1,
escriptorio de Antonio Laiz de Oliveira Azeve-
do & C.
O cooselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar 01 objec-
tos seguioles :
79 covados de baetilha para cartuxot de pee/.
Quero quizer vender tses objectos, aprsente
as suas pro.msias em carta fchala na secretaria
do conselhos 10 horas da manha do dia 13 do
correte mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 8 deju
obo de 186-2.
Anonto Pedro de S Ba'reto,
Cunmel presidente.
Fra cisco Joaquim fereira Lobo,
Coronel vii/al, secretario interino.
Navios entrados no dia 6.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
aeguintes:
Para a escola do 2a batalho de intentarla de
linha.
6 resmas de papel almaco.
6 raixas de p-nnas de ac,o.
200 peonas d'ave.
2 caivetes.
6 garrafas de tinta preta para escripia.
6 duzias de lapis de pao
6 libras de areia para esoripta.
36 cullecces de carias para principiantes.
361'boadas.
12 grammslicas porluguezas por Monte Verde,
ultui 1 edifao.
12 como-ndios de arithmetica por Avila.
12 pautas do n. 5.
36 traslatos.
6 uejras para escripia.
18 lapis para as mesniat.
P.ira o arseul de guerra.
2 ppgas de Ota de la para silbas.
Queru qui/.er vender taes objectos aprsenle as
suas pmposias em carta f->cha la. na secretaria do
conselho. is 10 horas da manha do dia 18 do
correte mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 8 de
agosto de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Correio.
Pela *dminiatrcio do eorreio se fz publico
que em ronformidsde do decreto n. 187 de 15 de
maio de 1851 e respectivas lostrucco^s, leve hoje
lugar a abertura dat csrtas trizadas pertencen-
tes ao rrrez de jolhn de 1861, condemnadat a
consumo pelo art. 138 do reaulsmeotn dos cor-
reos do 21 de dezembro de 1844, assistio o ne-
gociante Albino Jos da Silva, dasta abertura
rasuliou adiar s 3 Cartas aomeote com docu -
memos descrilos em livro proprio para esse flm
lestinndo, ficando recolhido para ser entregue
quem de direito pertencer, urna carta de Luiz
S'iinh de Va-concellos do Cear para Antonio
Joaquim de Siqueira com 4J0O0 em cedalat,
dita de Antonio Ferreira da Rocha, do Porto
para Francisco Ferreira da Rocha Leal com urna
proenraco. dita d* D. Julia da Fooseca da fre-
Kuezia de l'mheiro para Luiz Antonio da Costa
com um atteilido. Pr ultimo procedeu-ie o
i'ueims das cartas mencionadas da que se lavrou
o reipertivo termo qoe o que se segu.
Correio de Perniror-uco 4 de igosto de 1862.
O administrador,
Domingos dos Paitos Miranda.
T rmo do consumo das cartas periencenles ao
mez de julho de 1861.
Aot 4 din do mez de gnito oe 1862, as 11
horas do dia, estando presentes o Sr. idminis
trador Domingos dos Paisos Miranda fl mais em-
pregados abaixo asignados, proceden-se em
virtude do art. 138 do regulamento dos enrreios
ae21 de dezembro de 1844 o consumo de 326
cartas e 48 jornaes, sendo 169 selladas a 157
ditat e 49 jornaes nao sellados na importancia
Pela mesma secretaria te faz timbim publico,
que tiesta data Cea registrada a escrptara publica
de dittracto da aor-.iedaae de Joi M>qes dos
Santos Aguiar, o Dr Joo da Silva Ramos e Lou-
rengo Pereira da Silva Pimentel, eslabeUcidoa
nata cidade aob a tirma de Azuiar, Ramos & C ,'
em vjrtude da qual Ucou detligado da sociedade'
desde 30 de abril do corrent* anno o ex-socio
Aguiar, a quem os socios Ramos & Pimeotel
deiooeram de toda e qualquer reipoosabilidade.
Secratsria 8 de igosto d 1862.
Julio Guimares,
OfQcul maior.
Pela mesma secretaria se faz igualmente pu-
blico que nesta data fica registrado o papel de
distrato da sociedids do I) Joo da Silva Ra-
mos e Lourenco Pereira da S'lva Pimeotel, esta-
belecidoa neata cidade sob a firma de Ramis &
Pimeotel, am virtode dn qaal fica o ex-socio Pi-
meotel daaoneraio do passivo existente e com di
reilo a quantia de 1:730960 qua Iba dever ser
paga em mansalidadas de 809.
Secretaria 8 de agosto de 1862.
Julio Guimaraes,
Oflicial maior.
Pela mesma secretaria sa fi igualmente pu-
blico, que nesta data foi registrado o contrato d
diatoluco da sociedade de Joo Luiz Ferreira
Ribeiro o Antonio Bento Fernanles B'x, eita-
belecidos nesla cidade sob a firma de Ribeiru &
Braga ; competi Jo a aqueile a Iiquidaco do ac-
tivo e PSS8V0 daextincti Arma, como nico res-
poosavel, e este desondrado de qualqaer respon-
sabilidade e pago da parte que lbe tocoa na li-
quidarlo feita at 4 do corrente.
Secretaria 8 de agotto de 1892.
Julio Gaimaraes,
Ofikial-ouior.
Pela metma secretaria se faz igualmeole pu-
blico que nesta data fica registrado o contrato de
aociedade feito em 30 de iunho prximo Ando,
por Domingos Ferreira das Neves Guimaret e
Francisco Augusto de Oliveira, ealabeleeidot nes-
ta cidade com livraris e typogrsphia denomina
datDoivertale officina de encidernacao,, tob
a firma de Guimaraes & Oliveira, com o capital
de 15:000$, foroeeidos pelo socio Guimaraes ; de-
vendo a mesma sociedad durar al o ultimo de
jolhode 1863.
Secretaria 8 de agosto de 1862.
Julio Guimaret,
Oflkial-maior.
Pela metma tecretaria te faz tambem publico
que netta data foi registrado o contrato de socie-
dade da Joc da Mello Costa Oliveira e Thomaz
Jui de Oliveira, estabelecidos nesta cidade tob
lirma de Mello, Costa & C, com 0 capital
de 10:9349557 entrando o socio Mello com
9:2349557,eo socio Jos de Oliveira com 1:7009
deveodo a sua suciedade darar por lempo de tres
aonus, contados do dia 1." de julho prximo
Dado.
Secretaria 8 do agosto de 1862.
Julio Guimaraes,
Official-m.-iar.
Santa casa da misericordia do
Recife.
A Ulan, junta administrativa manda fazer pu-
blico que no dia 14 do crrante, pelas 4 horas da
tarda, oa sala de tuas tesedet, iro praga as
rendas das casas abaixo declaradas, pelo lempo
que decorrer do dia da errematsco a 30 de junhu
da 1865
Ra da Lapa n. 2
Dita da Cacin.ba n. 5
Dita do Burgos o. 19
Dita dito n. 21
D la da Senzsla Velha n. 132
Dita dita n. 134
Dita oa Guia o. 27
Dita dita n. 29
Dita oo Pilar n. 2
Dita do Sebo n. 3
Dita da Moe la n. 21
Dita do Azeite de Peixe o. 15
Os pretendenles devam comparecer
nhados de seus fiadores,
destes.
Secretaria da santa casa
Recife 8 de agosto de 1862.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivo.
Pela thesouraria provincial s-i faz publico,
que a arremataco di obra de ap.rfeicoament de
ma parte da estrada da Victoria 00 logar deno-
minado Ladeira da Sicupira-tortafoi tranife-
rida para o dia 14 do corrrnle.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 7 de agosto de 1862.
A. F. O'AnnunriaQio,
Secretario.
Correio.
O Sr. Hiorique Antonio Crrela Lima queira
dirluir-se a repartirlo do correio, afim de lhe ser
entregue urna carta vinda da provincia da Pa-
rabiba.
L'rn sobrado de 2 andares
T;i O agente Pinto far leilo a reqaerlmeoto de
Manoel Alvet Guerra, por despacho do Illm. Sr.
Dr. juiz aipecial do commercio a por cunta e
risco de quem perlaocer d tobrado de 2 anda-
res n. 28, silo na raa diaCrazes, fregoezia de S.
Antonio, s II horas do di cima mencionado
em teu esnintorio ra da Cadeia o. 9.
imM
Um
PE
PernamUucaua
Amanha 10 do correte haver sessao ordi-
naria do Cunselho s 10 horas da manha, e da
Assembla Geral ao meio-dia, afim da silisfa-
zer-se o pnceito do 2* do art. 18 dos Estatu-
tos, pira o qua espera-se o comparecimeoto du
todos os mcioi A sessao lera lugar na ras Di-
reita o. 127, segn 1o andar.
Secretaria da Associaco Typogrspbica Per-
nambucana 8 de agosto de 1862.
O 1" secretario interino,
Jos Luiz de Franca Torre*.
COMPANH.JL BRASILEIRA
DE

At o dia 13 do correte, esperado o di
portos do sul o vapor Oyapock, commandan-
te O primeiro lente Antonio Marcelino Pootet
Ribeiio, o qual depois da demora do cusame
seguir para os porlos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga qua o vapor poder conduzir a qual deve-
r aer embarcada no dia de saa chegada, en-
commendas e dinheiro a frete at o dia da sahi-
da as 2 horas: agencia rui da Cruz n. 1 es-
criptorio de Antonio Laiz de Oliveira Azevedo
& c.
Para Porto Alegra pelo Rio Graod* do Sal
tegue com rcaia brevidade o patacho Novo Li-
mo, capito Luiz Antonio da Silva, recebe um
resto da carga s frete razoaval : a tratar oo es-
criptorio da Amorim Irmaos rus da Cruz o. 3.
A
predio em
chao proprio na ra do
Quemado n 30
Quarta-feira 13 do corrente as 10 horas.
Por intervengo do agente Euzabio em virio-
de do respeitavel despacho do lllm. Sr. Dr. juiz
municipal da ptimeira vara e em sua pretenda,
a requerimeoto do inventariante, tem de ter ven-
dido em 1-ilo sobrado de 3 snur.s n. 30 sito
na raa do Queimado parta do qnal perlaoce a he
ranea da fioada D. Antonia Mura de Castro, vai
ser vendida para pag-.n.ento dedienot ere lores
e parle perlencente a doui consenhores que au-
lorisam a venda das respectivas parles que pos-
iuem no predio, a asiim ser todo ella vendido
para concurrencia da licitantes deveodo o com-
prador eotrir jm o qatniilativo da parle perten-
ceote aqeU heranr;i pura depoiitu, o dai par-
tea perteorenle doi consenhores entregues a ei-
tet no acto de firmar-se a escriptura ; cujo lei-
lo ser efiVctuado no segundo andar do referido
sobrado s 10 horas do dia 13 do corrite.
Alogam-te 2 pretot para todo servi$o, oa
com alguma pralics de copeiro. outro com pra-
tica de servico de campo, e sendo para armazem
de assucar se f-.r todo negocio: quem quizar
alug los dirija-te a padaria do U se dir quem aluga : na mesma precisa-ie de
um menino portuguez de ida >e de 8 a 10 annos.
com alguma pralics de negocio : na mesma se
dir para quem .
Ama de leile
Aluga-ta urna preta moga, limpa e com booc
leile para criar: quem pretender dtrija-se raa
do Imperador n. 83. segundo andar.
Precisi-ne de 60) a 800 lix*s oe luna de
boa qualidade propria para padaria : ju" n ti-
ver e quizer vender dirija-te rus dot Quie-
tis o. 16, que achara com qum tratar.
Club commercial.


*<>.-
Rio de Janeiro,
prateode tegair com muita brevidade o veleiroa
bemeonhecilo patacho nacional oCapuan, ca-
pito Tbeotonio Jos da Silva Rosa, tem parle
de aeu carregameoto promplo : para o resto que
lhe falla, tr.ta-sa com os seus aontignatirioi An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. no teu es-
criptorio, ra da Cruz n. i.
LOTERA
Quarta feira 20 do correnle mez se
extrahtra' imprtterivelmente a sexta
parte da priuneira lotera beneficio
A reunio familiar
na nnite do dia 14.
do corrente miz ter lugar
Lenoo-se no Diariod* Pernambuco um aBr*
nuncio, no qual declara-se schar se lusta por
vanda a parte que tem Francelinn E. F Chavea
e saa mulber na casa da ra da Matriz da Bs-
Visls n. 23, faz se selenta ao comprador, que
para evitar queato tobre dito bem oa tea valor,
era conveniente por o sea preco em deposito
com citacao aos vendedores e ao abaixo assigoa-
do, visto que traz demanda com os vendedoras
para o pagamento de n,M de 700tf q*e lhe deva,
e nu leodo os meamos mais bem alem da paras
da cass referida, nao pode na pendencia da lide
dispr validimanta do que postae em da ce no doa
iredores.
J'.a-iuim Vicent* Marqoes.
Aluna s um Dio eque proprio para cupeiro
dos religiososracciscanos de Olinda, no ?r fi!1- oarD-rs 1.>1 _'<>: no
". -_ Uvrsmenlo n. I
de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade para o
Rio de-Janeiro o veleiro a bem conbecido brigat
niioDjil Almirantee, tem part de seu carrega-
meoto prumpio ; para o reto que lh falta, tra-
ta-se Cora o seus consignatarios Antonio Luiz d*
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio ra da Crui
rjuoaerjo 1.
consistorio da igreja de N.S. do Rosario
de S .nlo Antonio. Os bilhetes e meios
blhetes acharo se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespo n. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperstriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Di i cita n. 5 botica do Sr. Cha gas, e
na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ ate' as de 10$ se-
ro pagas uma hora depois da extrae-
cao, e as outras, porem, no dia inme-
diato logo que se tenham distribuido as
listas.
Servindode thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
ti, t-rciro andarj
A abaixo assgnaoa tem justo e contratad*
a comprada liberna sita na ra Direila dos Aro-
gados n. 42. com o Sr. Juo Lourenco dos San-
tos, se alauem se julgar com direito a impedir
tal oeeocio queira no prazo de 3 dias dirigir-se
ra estrella du Rosario o. 4 ou a mesma ra d.
44, qoe achro com quem tratar. Recita 7 de
agosto de 1862.
D. Alexandrina da Silva Siles.
tom
nhecid'
capito

180
144
168
125
700
70g
1628
168J?
96
160
8001
601
acompa-
ou munidos de cartas
de misericordia do
a brevidade pretende seguir o bem co-
veleiro brigae escuna Joven Arthur,
niquim Antonio Goncalves doi Saotus,
tem paite de aeu carr#g reto que lhe falta, tratase com ot saut consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C.,
no aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.
CVSS1M) POPULAR
BAILE
COMPANHU PERXAMBUCANA
DE
Navegaijo costeira a vapor
Paral.ib i, Rio Grande do Norte, Macan,
Aracity, Cear, e Acar^cu'.
O vipor JaKusrlbe, commsndanle Lobato,
ahir para os portos do norte at o Acarar,
no dio 7 de agosto as 5 horas da tsrda.
Recebe corsa at o da 6 ao meio dia. Eneorri-
neadaa. passageiros e dinheiro a frete at o di
da sahida as 2 horas; escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
o %
DR
MASCARAS EPHANTASIA
NO
MAGESTOSO SALAO
DO
PALACETE DA RITA DA PRAIA.
Sabbado, 9 do correte.
llavera nesta dia b dansa Baptlsta, a pedido de alguna amadores do
Ciaaloo, execular as mesmas dental que tiveram
lugar no dia 26 do mez prximo passado e nutras
que naquelle dia deixaram de ar exeeutedas.
Com o que se tornar o divertimenlo deste dia
mais variavel e aprazivel.
Ser mantida a boa ordem e observadas as
disposiedes do regulamento approvado pelo Illm
Sr. Dr. chefe de policis, afim de que no baile
Cassloo continu a reinar a boa ordem, morali-
dade e respailo do ro'tume.
Entradas para.damas gratis, cavalheiros 2J0OO.
AVI
isos ^teUitimos.
COMPANHU PERIUIBIiaNi
Navegaijo costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do Assu', Aracaty, Ceara*.
O vapor Jouarnss, commandante Vianna,
ahir para os portos do norte at o Cear do
dia 26 do corrente s S horas da tarde.
Sexta-feira 8 o corrente.
O asente Almvida far leilo a requerimeoto
dos deyositarios da mitas fallida de Victorino
Jos de S -uza Travassos Jnior e por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do con mercio, de
um piano de Jacaranda, 12 eadeirns, 6 ditss de
mogno. 2 ditas de balance, urna marqueza de
amarllo, uma cama de looa, uma mesa elsti-
ca, ouaa ditas ce amarello de 4 tboaa. um pai-
nel representando a cachoeira de Paulo Affooco,
2 quadroa peqnenes manto lindos, urna aarpenU-
II, um par do rosetas com pedra, um alflnele,
um par de boles inslez e ama crrente para o mesmo, um cofre
de ferro, 20 fra^queirss com marrasquino, um
csvsllo r(Jr pedrt-z, una prie da cata terrea da
ra da Imperatriz n. 50. As 11 horat da manha
na roa o Cad'ia d > Recife errrazem n. 4
Preciso se de uma .-ma seca para o se-'i^o
de ama casi de pequea familia : na ra estrel-
la do Rosario n. 10. segundo anrlar.
Urgencia.
Precisa se lomar a juro sobre hypotheca em
escravo ou casa neta cidade 2:0o0j : quem
quizer annuncie por este Diario.
MM----1 -----------. ^
Off'rece-se um rapaz que sib bem ler, es-
ernver e contar rorrectamenl- a lingos porlu
nueza para ajudar quli]uer feasoa no exercicio
de suas funcces ou para qualquer caix-'iraria :
a tratar oa ra doa Co*lhos n. 13.
Irmaiidfade acadmica de N. S.
do Bom Conselho.
Em virtude do aatigo 29 do romprnmiiso qae
nos rege, convido a lodos os irmos para compa-
recerem no rton.ing.i 10 do correte s 10 horas
da manha, no consistorio desta mesma irrmn la-
de, para proceder-IO, depois da missa do coslu-
nie, a eleico da nova mesa a 'n idiitntiva, que
tem d* reger a irroanlale de 1862 a 1863.
Consistnrio da irmandade acadmica de N S.
do Uom Conselho 7 de agosto <*f 1862.
Manoel J. S. B-tury.
_______________________S creta-io. ________
Oll-rece-s urna pessut para enitounnar e
o ais aigutn servicio ; na ra do Caldetreiro nu
mero 14.
Precisa se de um cirroc-
roa dos Pesrainres na. 1 e 3.
iro as padaria da
Our-m precisar de um ceixriru para tabtr-
na, padaria ou cobranza, oirija-se a travessa do
Oueimwio n. 1
E. A Byit-r *ai pt-> B-nia.
Pfter Tayior auouilo nglez retira-se para
Inlaterra.
Terrenos de marinha.
O agrimensor dos terrenos de marinha convida
ao Sr. Francisco Jos Harlii-s da Costa a compa-
recer na cas de sua residencia na rus Direita n.
74, para se lhe marc.r o dis i m que tem de se
proceder a medico do terreno de marinha, de
que requ*reu o respectivo titulo ; e ao Sr. Luiz
Antonio Vieira, para mandar rectier o termo de
w>
o-.
t
aal >
< 2
O %
* *
en ;
CC a
or C
c a g
O 03
w >
c ^
JZ - te
g ..
* 06
l C
w 1 ^
Chrisma,
Na igreja do Divino Espirito
Sinto.
Havendo o Exm. a Rvm. Sr. hispo dioeeauso
por carta pasloral de 5 do errente designado os
dlai 10. 17 e 21 do corrnle, s 5 horas da larde
para administrar em nossa igreja o Sicramento
la Confirmago, digoendo se movido celos sea-
timentOS do seu magnnimo e ; en Uz*jo curacas,
pplicar as offerlas dos chriimadus para as obra*
'}" nj""_'greja. Convido por ordem do nosso
irno juiz a todos os njembros da m<-sa reg'do-
ra e aos oossos irmos, acoaparecercm em nosse
igreja nos referido! dias psra assislirero a este
acto. Consistorio ds irmaniade do Divino Es-
pirito Santo 7 da agotto de 1862.
Ant nio Augusto dos Santos Porto,
Esrri'So.
rio a vapor
DE
medico da parte do terreno n. 1U0. que Bcou no i RqU pa l^Vftdft C CII gOll) Iliaca
sen eeuzioio til i)la transferencia, que fez de a as
outra pan ao Sr. Francisco Butelho de Andrade, de RaUlOS et PlllHlltel.
cujo termo desde marco se cha prompto, faltan-
do sr-r assigoado para ser rernettiio ihesoura-
rla da fazen la, atlm de Ser passado O respeciivo
mulo de aformento.
vaccas de leite
com criis.
Terca feira 12 do corrente
O ageute Pe-tana vender por conta e risco de
quem pertencer 4 excellentes vsccat de leila em
um ou mais lotes : terrea-feira 12 do corrente
pelas 11 horas da manha oo largo da pra;a do
Corpo Santo.
4 quem intertssar
Eduardo Firmioo da Silva, florista em ppele
panno, premiado com a medtlha da ex^osic^o
naci> nl, e adn ettioo o seu trabalho a figurar na
exj>osico universal em Londres, tem a honri de
annunciar ao reapoltavel publico que i encarre-
ga de qualquer encommenda de flores para se-
nhora, bem como te offerece a dar li(ei da met-
ma arte a aquellas senhoras que do seu presumo
sequizererr uiilisar, meoiaote p-ga quesecoo-
vencinnar : a tratar ns casa de sua residencia.
ma Furmo" n. 29, das 7 s 9 horas di manba,
e d'S 3 6 da tarde.
LEILO
DE
MOV
Terca feira 12 do corrente.
Pelo agente Euzebio se fir no dia cima s
10 horas do dia de uma mobilia de mognp a Luiz
XV, a outros movis, arriojos m nto precises a
uma casa, o que delxa-se de descrever por se
torear enfidonho este aviso, cujo leilo se effec
tust oa rus das Cruzes o. 11, primeiro sudar,
por conta e ordem de uma aeohora que se retira
para lora do imperio.
E'iseu de Souta U te n agnado pela prematura tsuiledeseu
muito prezado irno Gustavo de S- uza Mir-
tina, p'd seus amigos e collegas o oose
qvlo de asssiirem ums n.i.-g' que pela alma
te aeuiroSi celebrer-s-ha no da 9 do
corrente, pel'S 7 huras da manha, na igre
la matriz da Boa Vial*. E'es i* j proles-
la reconhecer nm'io aquelles que se pre-
starem lao justo quanlo caridoso obsaquio.
Sociedade
\Iniao BenclVceMc Aos Co-
cheiros em Peroambuco.
O abaixo assignado nao ten 1o a quem pausar a
directora da suciedade Ben*fcenle dos C'>chei
ros em Perniu.tuo. por eslarem ausentes e im-
pedido! os leui Ugtiiiios substitutos, v se na
rigorosa necessida le de conuciuar nesse cargo
at a coovocsco da assembla da mesma aocie-
dade, resoiuQo eta que lomou depois de seus
annunclos, por cooslderar aue tioba uma respoo
sabilidade para com asprimeiras sutilidades da
provincia. Recife 5 de agosto de 1862.
Antonio Jos Ferreira Refinador;
Podem mandar b-iscar s roupa lavada os denos
dos ns. seguir.tei: 123. 43 8 131. 77.213.25,
176. 121. 215. 36. 45 110, 195 8S, 83. 13.*, H5.
216.1(15.7,164 W 78.1.81.156 169 171 129.
Ouern precis.r de um eriaoo ponuguei pa-
ra todo servido de rasa e de ra, por barato pro-
co. dirija-e a ra Nna R. 55
Aluga-se o. segU'uln
rus larga do Rosario n 48
ra o. 44.
andar do
: a tratar
ODrao da
na nesma
SOCIEDADE
Archoelogica
.
O 1* sieretirio di soiedade Archeolo-
gica Pernambucana eoavida oa Srs. so-
cios insultadores reuiiirem-se no dia
14 do crrenle pelas 4 horas da larde oo
salo da biblioiheca provincial, aOm de
serem discutidos os estatutos sprcSiiota-
dos pela respectiva comn>'so.
Recife 7 ce agosto 1662.
A. R. de Torres B Io secretario interino.
Toda MliBcaoU
Antonio Gomes da Cunha e Silva, com loja
ra da Cadeia do Rerif,- n. 50. deronte ds
ds Madre de Dos, re^a aos seu numerosos de-
vedores tanto desta cidade como fura delta que
se sirvam mandarem pagar leus dbitos it ao
fim do correnle mez d* agosto, porque dS> p-
dendo mais esper.r paasar a usar do meio
quejulgar mais conveoieote para com aqaelle
que nao rumprirem sea ileseres.
Alugam- se duas casas trrreas novas e na-
des, quintal e cacimba por 209 nieosae : nu
Baixa Verde da Cpunga : a tratar na pra?* da
Independencia o. 15, loj da calcado.
na
ra
en-ia
O SbGaida aaodiio itaiUuo retua-au
aBihiaeRio de Jaeelra.
psra
[MUTILADO


DIARIO B HEHAMBCGO. SaBBDO 9 DI AGOSTO B i!6i.
i'-
Avis
O Sr. Albert Aichoff queira vit o prso de
oito diar, a contar da data desle, pagar o que
deve na ra larga do Roiario, fabrica de cigarros
n. 21, do contrario ser vendido para embolso da
dita divida, quatro relogiosque o meimo lenhor
deixou am roeu poder em garanta a dita qun-
ala. Recife 8 de agoito de 1862.
Antonio Mara de Brito.
Aluga-sa iu excedente caa de campo,
com bastantes commodos para faOtilia, multo bom
baoho, vista magnifica, muito freica, e tem el-
guns arvorcdos ; quem a pretender, dirjase a
ra da Conce.lgao n. "26, ou na ra Nova n. 26,
primeiro andar.
Precisa-se de urna ama para urna caa de
pouca'iamilia : di ra do Amorim n. 31, eegun-
o arriar. -
Quim precisar oe um bomem niuilo dill-
pente para alguma viagem procure na ra do
Hospicio n. 23, que se dir quem pretende.
Precisa-se de urna ama para comprar, cuei-
nhare engommar para urna pessoa : na ra das
Larangeiras n. 5, i-rin piro andar.
Quim preciat de urna ama de leite, Oirl-
a-se a ra Nova n. 40. que se dir aonde mora.
Aluga-ie o primeiro e suRundo andares do
sobrado no becco dai Botaa n. 10, com commo-
doa auQtcienle para familia : a tratar na ra da
Impiratnz segundo andar do sobrado n. 53. '
Jos Joaquim Lima Bairao saca a
vista ou pequeo prazo sob Lisboa : na
ra da Cruz n 30.
AllenffiO.
Os devotos do glorioso martyr S. Manoel da
Paciencia erecto na igreja de N. S. do Tarjo fa-
zem scieote que a testa do glorioso matiyr ter
lugar domiogo 10, sent orador da festa o Rvm.
padre mettre Antonio de Mello e Albuquerque e
a noile ter ladainha.
E-i justa a venda da parte que possue
Francolino E. F. Chaves e sua mulher, na caaa
da ra da Matriz n. 33, quem tenba de opper-e i 1ue n0 d'* do correte dissolveram
referida venda dirija-se ao cartorlo do tabel- mente a sociedade que tinham do estsbeleci-
lio Porto Caroeiro, oa ra do Imperador nestei ment de taberna sito na prsce da Santa Cruz d.
tres diai.
Joao Liz Ferreira Ribeiro e Antonio Benlo
Fernandei Braga abaixo assigoadoi, fazem pu-
blico para conhecimento de quem convier e com
especialidade ao respeitavel corpo decommercio
amigavel-
2, que gyrava sob a razo social de Ribeiro &
Braga, perleoceodo dito estabelecimento desta
data am dianle ao ex-iocio Joao Luiz Ferreira
i Ribeiro someote, ao qual fica competindo a li-
quidaco do activo e passivo da extinta firma
como nico respopsavel. Recife fi de agosto de
1862.Joo Luiz Ferreira Ribeiro. Antonio
Bento Fernandes Braga.
Ensio.
Ima pessoa competentemente habilitada e que
tem pratica do ensioo primario, francez, geogra-
phia e historia, couiiaa a leccionar por cases
X. particulares ; quem da cu preatimo se quizer
"utilisar, mediante urna paga razoavel, dirlja-ie
ra larga do Rusarin o. 38. segundo andar.
Ofl'ereco-se um rapaz ha pouco chegado de
ora, para caixeiro de qualquer casa commercial
neata praca, para o que d conhecimento de sua
boa conducta, e lera alguma pratica, e lofTtivel
letra : quem de seu presumo se quuer utilisar,
anouncie por esta folha para ser procurado.
Sociedade de edibces.
Capital social l,200:000j000.
As pessos que quizerem subscrever para a for-
mar'io do capital a esta grandiosa eutil empreza,
com o valor de terrenos ou casas a raediGcar,
situados na capital on arrataldes, devero dirigir
loas declararas por esciiplo, indicando exacta-
mente a situarlo, exteniao e confrontarlo de
seus respectivos terrenos ou casas a reediOcar,
no escriptorio do Illm. Sr. Dr. DIodoro Ulpiano
Coelho Catai>ho, ra do Imperador d. 81. Faz-
se igual convite s pessoa que quizerem subs-
crever quaotias de IQOgOOO al qualquir quantia
para cima, seja valor cm dinheiro correte, seja
era materiaes, madeiras, transportes, ele reali-
saveis em 10 prestacoes de 10 0,0 do capital subs-
cripto, pagando a primeira preslscao na occasio
em que for apresenlado, para assigoar o livro do
acto social, e si nove outras a 60 dies de praso
de urna a outra. Os arlislas e ebreiros sero
admillidoi a subscrever quaotias de 100$ a 200$
pagaveis em preitacoes semanaes de 2:500 e
1^250.
gfINo imperial Instituto do
Bom Conselho
Sprecisa-ie de um escravo para o servido >
baixo e offerece-se 20$ menajes
Precisa-se de orna ama para casa de peque-
a familia ; a tratar na ra do Queimado n. 0,
ou na ra da Seozala Velha n 140.
Precisa-ie de urna pessoa que coziohe bem,
e com limpeza, sendo escrava melhor : na roa
do Queimado, I-Ja n. 46.
Monte Pi Popular Per-
De ordem do Illm. Sr. director sao convidados
os senhoses socios a compareeerem essembla
geral que teta lugar domingo 10 de agosto pelas
10 horas da manha. O mesmo senhor director
manda recommeodar aos seohores iocoi que
nao deixem de comparecer, poii ha negocia a
tratar de grande monta, a beneficio da sociedade
e de lodos os senhores socios.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
lo 7 de agosto de 1862.
Bemjamin do Carmo Lopes,
l.8 secretario.
i'rtcisa-se de um caix la de urna taberna por balaogo, daDdo llanca a
ua conducta ; a tratar no pateo da Ribeira nu-
mero 13.
Couipanhia Fielitiade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G. compe-
tentemente aulorisados pela directora da compa-
nbia de seguros Fidelidade, lomara seguros de na-
vios, merendonas a predios, do seu escriptorio,
ra da Cruz o. 1.
3Roa estreita do Rosario3
u
Francisco Pinto Ozorio continua a col- 9
locar dentes artificiad tanto por meio de 0
molas como pela presso do ar, nao re- O
ceba paga alguma sem que as obras nao 0
fiquem a vontade de seus donos, tem pi
outras preparacoe as raais acreditadas *B
para conservaco da bocea; fe

Pateo do Livramento n. 11.
primeiro andar.
O dentista Nuina Pompilio planta deates irtl-
ftciaes por grampos e ligaduras a praiso do
sr, dantes ioeorruptiveii lobre otro, lyitem
noria-americano e faz todas asoperacoei d* iua
arte com proeptido limpeza
0 Livro do f ovo. !
Sahio & luz publica o LIVRO DO TOVO, cado sob a directo do Sr. Dr. a. Marques Ro-
drigues, contera a vida de N.. s. Jess Christo,
segundo a oarraco dos qaairo evangelistas,
mais os seguintes arligos : o vigario, o professor
primario, o bom bomem Ricardo, a moral prati-
ca, Simao da Nantua, mximas e pensamentos,
a bygiane, os deveres dos meninos, e o Brasil.
A publicado do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim unlformisar a leitura Das escolas prima-
rias, onde cada menino aprenda por am livro
difierente, e portaoto facilitar o trabalbo do mii-
tre a do discpulo, como tambem vulgariiar, por
m preco baratissimo, a historia do silvador do
mundo, e oa melhores preceitos da moral.
Venda-se o Livro do rovo, no Recife, na
livraria da pra^a da Independencia ns. 6 e 8, a
500 rs. o axamplar em brochara, a a 800 rs. car-
tonado.
a"*^ luaiu VBis> flum ^^T araW WWV ta*VT% Wm** arv*
Dentista de Pars.
15Ra Nova15. g
Fredarico Gautiar, cirurgio dentista ]
faz todas as oparaees desua arte a e co- .
loca dentes aitificiaes, tudo com -sdeln 3
rioridade a porfei(o que as pssoas-,en 8
tendidas Iba reconhecem.
Tira agua e pos dantificios, ate. m
ssmstswi Mus tmmmmm

I
s
i
i
Consultorio medicocirurgico
Consulta por ambos os systemas,
anin^T?"1"'' "' m,,'d,lia p"' ,ain0" rfl,',nl'. o proprelario deila eil.b.l.ci-
manto acaba de fazer urna reforma completa em todos os seus medicamentos.
..rfc es,e]0 ^f6,tem d9 I"9 o "medios do seu estabelecimento nao se conrundam com os da
TSELZS / R" CredUo de '"6 8empre gotaram e R"m .' Propnetario tem tomado
StSSr* deinscr6'efro nom m todos os rtulos, devendo ser considerados como falsiflca-
,.?,T 'qM .rPm 'Presenl8 nl m.rIL maior certe" comPaDhf urna conta assignade pelo Dr. Lobo Moiaozo a am pa-
pal marcado com o seu nome. -* w viu y*
Outro sim : acabado receber da Franca gnnda porcao da Ueta.ri da acnito a belladona ra-
rn.d o es es de summ. mport.ncia e cuja, propriedades sao to eonheeidaa q" o. meamSstV
mdicos allopatbas empregam-ai constanlemtnte.
Os medicamentos ivulsosqur em tubos qur em tincturascustarao a 13 o vidro
O propnetario deste estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos qua tem commodos
mmctei.tes para receber alguna escravos de um e oulro sexo doentes ou que precisem de atcma
oparacao, amaneando que sero tratados com lodo o disvalo promplidao, eoaoo sabem lodos
aquellas qua | tem tldo escravos na casa do aonunciante.
A siluagao magnifica da casa, a commodidadedos banhos salgados sao outras tantas Yanta.
geni para o prompto restabelecimento dos doentes.
i a 1 A.SP*S9" lae.quizarem fallar com o annunclantedevem procura-lo da manha at 11 horas
t de larda das 5 em diaots. a fora destas horai acharo em casa pessoa com quim a podero ac-
ender ra da Glia n. 3 casa do fuodao do Dr. Lobo Motcoso.
DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machioismo, a mais amiga no imperio, conlinua-se n
axecutar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade de machinas usadas
no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimenlo de moendas d carina de todoi 01 systemai e tamanhoi.
Machinas de vapor de diverssi qualidade*.
Taixas fundidas e batidas.
Oivos e boceai para fornalhas.
Rronzes e aguilhoes.
Rodas, rodetai e rodas d'agua.
Guindastes Exos e portatis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac.o para serrara.
Fatexas para barcos, etc., etc., tudo por prego que bem comldi.
aquim P. dos Santos
4ft-Rua do Oueimado40 \
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Reste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa taita da\
todas as qualidadas a tambem sa manda exeeutar per medida a Tontada dos fregue-jj
zes para o que tem
Casacas a* panno prato a 09,
85g a
Snbrecaiacosds dito dito a 358 a
Paletots da panno preto a de eo-
res a 35#, 30, 25, 10, 18c e
Ditos de easemira da corea a 2$,
158,1-^,75 a
Ditos de alpaea preta golla da
velludo fraocezas a
Ditos da marin stlim pratos a
da coras a 9f e
Ditos de alpaca de cores a 59 a
y^ Ditos de alpaca preta a 9$, 79,59 a
Ditos da brim da coras a ag,
49500, 49 a
Ditos da bramante delinho brin-
co a 9. 58
Ditos de merino da eordio prato
a 159 a
Caigas de easemira prata e de co-
res a 115, 109, 98, 79 e
Ditas de princaza a merino da
eordo prato a 59, 69500 a
Ditas de brim braceo de corea a
59, 49500 a
Calcas da ganga da corea a
Collete da vellido preto a de co-
res lisos e bordados 1129,99 a
Ditos da caaemira preta e da co-
res lisos e bordadoa a CJ,
59500,59
ia dos malbores profesaoras.
5g000j
5;
I Ditos da setim preto
309000 Dtoa da seda setim branco a 6
30;000 Ditos da gorguro de lada pratoa
a da cores a 79, 69, 49 a
2O5OOO Ditosdebrime usto branco a
38500, 29500 a
99OOO Scroulaa de brim da linho a 29 a
Ditas da algodo a I5GOO a
109000 Camisa 1 da peito dafuato branee
e de corea a 29400 e
8:000 Ditaa de palto delinho a 59, 49 a
39500 Ditai de madapolo brencaa a da
88500 cores 1 89, 2(500, 29 a
Chapaos prelos da masca frincaza
39500 forma da ultima moda a 10jj,
8$500e
i;000 Ditos de fe!tro a 69, 59, 49 a
Ditos da sol de seda ioglezea a
89000 fran-ezei 1148, 1*9, H| a
Colarinhos de linbo muito fines
69OOO novos faitios da ultima moda a
Ditoa de algodo
4950O Reiogioa de oaro patente e hori-
zontal a 1008, 909, 808 a 708000
28500 Ditos de prata galvanissdos pa-
8000 tante a borizontaea a 409 a 80800o
Obras de oaro, adereces e maioa
88000 adarecoa, pulceiraa, rosetas e
aneis a 9
Toalhas da linho duzia 108, 69 a
88500 Ditas granjea para mesa ama 39 a
390C
29200
19280
29200
8O00
18600
78000
29OOO
79000
9800
9500^
9S00O
48000
ItMfi!
Aluga-seo armazem do sobrado u. 2, no
becco das Bolas, para qualquer estabeUcimenlo :
a tratar na ra da lmperairiz sobrado o. 53, te-
guodo indar. ___________ _______
Attencao.
Deseja-se saber noticias do reverendo padre
Maooel Damas, tilho de Luiz Ferreira, natural da
(reguezia de N. S. da Boaviagm, de M'ssa-
rellos, da cidade do Porto, que residi nesta
provincia abastantes annos, pede-se por obse-
quios quem poirr dar alguma ioforma^ao a tal
reipeito a bondade de o fazer na ra da Cadeie
do Recife n. 3, ou na praca da Independencia,
loja doSr. Figueira, pelo que muito se lhe fi-
car obrigado.___________________________________
de commis-
ses.
Mua
de ummu
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
AS MU
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
Cas
u
O abaixo assigoado, proprietsrio. esttbelerido
domiciliado nesta cidade, ra Direita n. 94 e
Ufi, acha-se competentemente habilitado para re-
ceber gneros a consignarlo, tedindo assim aos
illm*. aeuhores oaitroa senhores que qweiram honrar me com
seas productos : aesucar, algodo, couros, etc.,
peloqae vala da conta de venda dai primeiris
remesaaa podero eolber a grande diligencia que
fa^o para bem servir, e por este meio poder me-
recer a palma, assim como as pequeas remes-
is pole e portsdor dellaa er o proprio conduc-
tor do sea liquido, poii nao haver duvida ser
despachado em cootinente, dobrando assim meu
taabaHio, o queso vista das primelras remes-
ase se pode apreciar, e que espero oa attencao
dos meus amigos coohtcidos e estriDhos. Recife
2 de agoito de 1862.
________Joo Baptiata da Rocha.
- Paulino Rodriguea de 01ieira arramaiaole
do Impoito de 20 por cenio sobre o consumo daa
aguardenteado municipio de Santo Aato e Es-
cada, avisa aoi contribuid tas dea'te impoito que
cessiram os podares da procara cao pastada a
Umbelioo Baodeira de Mello, por t eiia falle-
cido, Qcando sem vigor qualquer pagamento sem
nova procuraco para tasar a coilecta-do corren-
te anoo a Hadar esa 36 ele junho de a*** "'
qaidar alrazados, Recife 30 de jalho de .tWB.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ra do Cabugr n. 18, entrada pelo
pateo da matriz.
Essa galeria ornada eom oa augustos retratos
pholograpbicoa de SS. MM. e das lereoissimas
princezssimperises, assim como com os de mul-
tas das principies pessoas de.'ta cidade, est a
diipoiigo do publico, que apode visitar todos
os diaadas 8 horas da manha s 5 ds tarde, a
examinar os trabalhos expostoi.
Cootinua-se a tirar retratos por todos os sys-
temas photographicos, e especialmente por am-
brotypo eem carles de visita. Fazem-se tam-
bem mimosas miniaturas em talco para te collo-
carm em jolas.
Os precos doi retratos sao os mais razcavels
que se encontram nesta cidade.
J. Ferreira Villela, photographn.
^ 816Ra da Cruz--\ 61
O Dr. Rocha Bastos
d consultas todos os d i as.
Curs radical e em pouco ds moles-
- tlss syphiliticis e dos orgos genito uri-
9 narios.
sj* Consultas de gra;a das 8 as 9 horas da
gj manha.
awaTwlJW)wUj^s^v1fuijj' WW^PRanWWaWaWE
W^Safeail
:iU&
ffe
mTPTiurAnn
y,ujci s nu
s
Cariis de visita
Csrjea de visita
Cartes de visita
Cartes de visita
Gartoei de visita.
Precoi reJuzidos
Prer>os reduzidos
Pregos reduzidos
Precoi reduzidoi.
A duzia por 129
A duzia por 129
A duzia por 129
A duzia por 129
Duas duzias por 209
Duas duzias por 209
Novo estylo de pholographa
Novoestylo de pholographa.
Ambrolypos em caixas 29
Ambrotypos em caixas 29
Ambrotypos em caixas 2jj.
O retratista americano
Alberto W. Osboru
Ra do Imperador.
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-elrctko-magneticas-epispasticas obtem-se urna cura radical e ine
taliivel em todos os casos de inflamraagao ( cansado ou falta de resptrarao ), sejam internas
externas,como do figado, bofes, estomago, bajo, rins, ulero, peito, palpitado de corado, gar
g'Bia, olhos, erysipela, rheumasmo, paralysia e todas as aSeccoes nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as d i fie rentes especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o seu
tamanho e profundeza por meio da suppuracao sero radicalmente extirpados.
O uso dallas aconselhado e receitadas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, e as innmeras curas oblidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por ascripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias explicares, se as chapas sao para hornera, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescogo, brajo coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumfereneia e sendo inchacoes, feridas ou ulceras, o molde do seo
tamanho em um pedaco de papel a declaraco onde existem, aura de que as chapas seio dt
fojmaj da parte aneciada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pod"e-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas sero acompanhadas das competentes explicares e tambem de todos os acces-
orios para a collocagio dellas.
Cusa: seas pessoae que o dignarem honrar com a sua confianza, em seu esa ripio i o que
acharu abertoe todos os das, sem excepgo, das 9 horas da manha s da tarde.
||9 Ra do Parto |||
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para as encommendas infarma(5es dirijam-se a pharmacU de Jos Alexandre Ribeiro
ra do Queiouado o. 15.
Sortimaoto completo d* lobracaiacci de panno a *59, 288, SOJe 359, easaeo muito bem
feltai a 25g, 28g, 30S 85|, palatota acasaeados de panno preto de 16 at ?5jJ, ditos de eneaa
de eor a 159,185 *0$, palstots saceos da panno a easemira d* 89 at 149, ditos taceos de alps .
m erio e la de 49 at 69, aolna de alpaca e merino de 79 at 109, calca pretas de eaitmira de
s9 *ta 1*8. ditos de cor de 79 st lOf, roupss para menino de lodos os tamanhos, grande sorti-
mento de roupaa de trina como iejam calca, paletots e colletes, sorlmento de eolletes pretoi de
cntim, easemira e velludo de 49 a 9$, ditoe paraeaeamento a 59 a 69, paletot brincos de bre-
scante a 49 e 5#, calca branca! a-.uilo Dnai 1 5g, e um grande lortimento de fazendas 0n s e rto-
mrnas, completo sortimento de cisacnirai inglezas para homem, menino e senhora, seroulas do
loho e algodo, chapeos de sol de aed, luvas de seda de Jouvin para homem e senhora. Tee
j*os urna grande fabrica de alfaiate onde recebemoa eocommeodas de grandes obras, cae pare
riso eit sondo administrada por um babil x,etra de semelbante arte e um penoil de m:is d-
iineoenta obreiros escolhidos, portr.nto exscutaraos qualquer obra eom promptido e otis barate
dt a>aem outra qualquer cea.
RA
ro
aPEBADOR
*>.
RA.
DO
H1PERAD0R
55.
WMXL
Banco Unio.
Estabelecido na cidade do Porto.
Agentes era Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira
vedo & C.
.). VIGJNES
Os pianos desia amiga fabrica sao boje assaz conhecidos, para que seja necessario insistir
sobre a sua superioridade, vaniaf,ens e garanlias que ofiorecera aos compadores, qualidadesesias
_ inconlestaveis queelles tem definitivamente conquistado sebre todos os que lem apparecido n'esla
Aze-
Sacam por todos os paquetes sobro o mesmo
Banco a prazo ou vista, e sobre as agencias em
Lisboa, Figueira, Coimbra, Aveiro, Vizeo, Villa-
Real, Ilegoa, Vianna do Gastello, Guimares,
praija ; possuindo um leclado e machinismo que obedecem lodas as vontades e caprichos dos
pianistas, sem nunca falhar por serem fabricados de proposito e ter-se feito ltimamente melho-
raraentos imponantissimos para o clima desle paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e
por islo muilo agradaveis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel de Pars,
Barcelloi,- Lamego, Covllba, Draga, PenaQel! socio correspondente de I. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em lodas as expo-
Brsgsn;a, Amarante, a cito dias, ou 10 praso sices.
que^se convenciooar: no seu escriptorio ra da I No mesm0 gsiabeleciment se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas
_-7---------------------------------;dos melhores compositores da Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos, setdo tudo
CONSULTORIO ESPECIAL HOIEWATBICQ vendido por precos muito razoaveis.
DO DOUTOU
SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Noy) n. 6.
Consultas todos os dias atis desde as 10 horai
at meio da, acerca da seguintes molestias :
moitttiat da mvlhtrtt, moltttiat dai erian-
ra, moltttiat da ptllt, moltttiat dotolhot, mo-
ltttiat typhiliticat, todat ai ttpteitt dt ftbrtt,
ftbrtt inttrmitttnttt t su ai conttqvtnciat.
FHA.RMA.CU KSFRC1AL HOHKOPATIICA .
Yerdadeiros medicamentos homeopathicos pre
lirado som todas as csutela necessarias, in-
alliveis em seus effeitus, tanto em tintura,com
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
iTeii.
R. B. Os mediesmentos do Dr. Sabino se
aneamante vandidos err sua pharmaeia; todoi
que o forem tora deila s falsas.
Todas as carteiras o acompanhadas de aa
tmpresso com um emblema em relavo, tendo ac
reopr as seguintes palavrat: Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Este emblemat poete
Igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carteiras que nao levarem essa impreui
tssim marcado, embora enham natampa o Do-
na do Or. Sabino co faleos
11
RIJA NOVA NUMERO
Antiga loja de Gadault.
Acaba de receber desua encommenda um grande e variado sorlmento dos se-
guintes artigos, os quaea vende por menos 10 por cento do que em oulra qualquer
parle ; a saber :
Joao Guilheime Romer
fon-ador, estafador e coi-tinador
recommende-se com o seu prestimo em todss es-
tss psutissoes tanto de carruagens como de nso-
bilias, tambem piola carros e eocarrega-se de
todos os coocertoede ditos, faz arreios para ca-
vailos, novos e concertos, cortinados de cama e
de veranda, tambem arranja todoe os preparos
para os ditos lento douradoscomoenvernlaados:
na noDte Velha o. 8.
Os abaixo tisigoados participan! ao publico;
e com especialidade ao corpo decommercio des-
ta pn;a, que te acbam eslebelecidos na ra do
Crespo n. 14 com loja de fazendas e casa de com-
missdei sob a razo social de Jos Marques doe
Santos Aguiar & C flcando a cargo destas a li-
quidaco da extincta firma de Jos Goocalves
Malveira.
Jos Goucalves Malveiri.
Josaf. S. Agaii;.
Para msicas.
Variado sortimento de iastrumentos
pira musical milita rea e de orcheslrs,
instrumentos completos do chaves e
apiston muito perfeitoi entinados do fa-
bricante Gautrot Aia'
Para carros.
Guarcices cnroplat-s para arreios de
carros de metal do principe e de lato pa-
ra um e dous cavslloi, molas, viquetai
^ francezai para coberlcs, encerado?, ga-
jsvi loes, rica lanternas para carrol ecoups,
9 colleiras etc., etc.
Vid ros.
Um grande e variado sorlimeoto de cao-
delabros,serpentinas, lanternas com pin-
gentes e sem lies, palmatorias, topos
para vioho, clices, rodomaa para ima-
geoe redoDda e ova a grandes e peque-
as a vooladedo comprador.
Para retratos,
Michinn muito superiores francezas
eeraericanas grandes e pequeas, grande
sorlmento dechimieas para trabalhar am
todoe oe processos, caixinhas e passepar-
tou americanos e francezes, papel albu-
miaido etc.
Para
noivas. ^g
Al mal ricas e elegantes capellai que mjfs
se pode desejar, asseverando sem errar, ^pi'
serem as mais bonitas que aqui tem vio- sj*??
do, ricos manteletes prelos cosa vidrilhoa ^
fraoja o mais moderno oeste geniro.
Para presentes.
Muito lindas caixinhas para costura
com msica e sem ella, tnuilo prnprias pa-
ra dar-se de presente a alguma aenhora
que s" estima, ricos eitojos de barba para
homem.
Espelhos.
Grandes e peqaeoos com molduras
pretas e doeradai. propriospara ornar bo-
nitas salas, sendo os vidros muilo groases
e de primeira qualidade.
Avulsos.
Camisas de linbo para bomem.
Carleiras e chsiuteirs.*.
Bandeijas grandes de 30 palmes a 3.
Gollinbaa e manguito! para leohoras.
La de todas as cores para bordar.
Tslegsrcs.
Seda fiia de todas as cores.
Lindoi enfeiles pira senboras.
Oculoi a lunetas de toda ai qualidade.
Fumo francez, americano e tambem o
spreciavel fumo de borba com oe eeus
competentes cachimbos e tanari etc.
MUTIL&DQ
m f
srtrn------------ni


DUR1 DB PERKAIIBL'CO SlIBaDO 9 DR GOSTO DE 1862

/
SEGUNDA m DO
TrlESURO
HOMEOPATHICO
ou
Vade-inecum do homeopatha
pelo doutor
u$m% 1.1, ipiih.
Este livro que se tem tornado to popular,
quanto necessario, acaba de str publicado com
todos os melboramentos, que a experiencia t os
progressos da ciencia tem demonstrado, A no-
va edicgo em ludo superior primeria, en-
terra :
1.* Mais ampias noticias acerca do curativo
das molestias, com indiceges mui proveitosas
dos medicamentos novos recenlemente experi-
mentados na Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
2.* A exposigoda doutrina homeopatha.
3.* O estudo da apropriago dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
daa idades, dos sexos, e segundo as clrcumstan-
ciaa atmosphericas etc., etc.
4.* A preservago ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5.* K preservago das molestias epidmicas.
6.* Urna estampa illustrada demonstraliva da
continuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o anus etc., etc.
Vende-se na pharmacu especial homeopa-
thica, propriedade do author, ra da Santo
Amaro (Mundo Noto] o. 6.
Prego de cada exeroplar. 200000
N. B. O senhoresassignantes queiram man-
dar receber seus exempiares.
&3BK6M3BI3 MiSttg tteMOKS
Saques sobre Portugal.
O abaixo assigoado agente do Banco I
Mercantil Porluause neita cidada, saca 9
effeclivamente por todos os paquetes so- **
bra o mesmo Banco para o Porto a Lis- |
boa, por qualquer somma avista a a pra- **
xo, podeodo logo os saques s prazo serem '
descontados no mssmo. Banco, na razo A
de 4 por canto ao aono aoa portadores 9
que assim lhe convier : nss ras do Cres- fl
po n. 8 oa do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castra. V,
Aviso.
Joo da Silva lautos,
medico pela Universidade
de Coiinbra,
da consultas am casa, das 8 s 10 horas da mi-
cha, e presta-se a qualquer chamado com a bem
tonhecida promplido.
O abaixo assignado morador na cidade do Rio
Formoso, j leudo avisado e protestado por este
jornal de 11, 12 e 13 de juoho de 1860 a todos e
contra todos, que sa dem illegaimente stnho-
resde urna legua e meia de trra, que por jus-
tos e valiosos ttulos pertence ao abaixo assig-
oado, de novo se aprsenla scieotificando a to-
ds< em geral, e a cada um de per ai, que o abai-
xo ssignsdo o legitimo senhor e possuidorpor
justo e bom titulo da dita legua e meia de trra
na freguezia d'Agua-Prels, a qual comees do lu-
gar denominadoCaxoeira seccana ribeira do
rio Uoa.seguindo pala ribeira do riachoPiran-
gi grande cima. Declara para conhecimeoto de
lodos que dita legua e meia de trra demarca
pele norle com o rio Unapelo poente com o
riachoPirangi grandepelo tul com trras do
Calende e pelo Discante cora trras do engenho
Japaranduba e outra sismarla annexo : que os 11-
legitimos posseiros (oram chamados a eoociliago
para enlregarem a propriedade do abaixo assig-
oado e saberem que s o mesmo baixo aasigua-
do o legitimo senhor e possuidor da referida
legua e meia de trra, que j fui competente-
mente registrada, e a qual bouve por sismarla de
1782, que lhe foi traspassada e cedida por com-
pra aos legtimos sismeiros : pelo que os illegaes
posseiros logo que (oram chamados a eoocilia-
go abandonaram as obras, que em algumss pu-
les do dito terreno eslavam (azendo.
E aproveitando a ocessio declara mais que
tambera senhor e legitimo possuidor de urna
legua de trra em qoadro, que (oi concedida por
S. M. Fidelisaima em d&ta de sismara a Joao
Leandro Soares de Araujo e sua mulher D. Lou-
reoga Isabel da Visitaco, j (allecidos, e por es-
ts vendida ao Uado vigario de Uua Vicente
Ferreira de Mello e Silva, e pelos herdeiros des-
te, institu ios no respectivo testamento solemne,
(oi vendida ao abaixo assignado, como tudo cona
la do testamento escripluraa existentes, em a
qual esto indebidamente ediGcadua o engenho
Souza e mais dous da mesma freguezia de Agua-
Preta, sendo que desta legaa de trra em qua-
dro s fot vendida urna quarta parte no sitio do
riachoCaterabrefazeudo pio no dito sitio e
passagem do rio Pirangi. E pera que muguen)
se chame ao engao em lempo algam anda pelo
presente se protesta contra quaesquer outros,
que, por se apossarem de trras albelas, estao
sogeitos ss penas dos crimes, que se descrevem
no titulo 3o cap. 1 e 2 da parle 3a do cod. penal;
sendo que por motivos de molestia o abaixo as-
signado tem deixado de fazer effeclivo seus di-
reitos, o que far logo que cessem laes motivos.
Rio Formoso 15 de julho de 1862.
Antonio Gomes de Macedo.
Boa fama n* 35.
Vende os seguintes ob-
jectos abaixo mencio-
nados.
Grampos a balo com pendente douradoi a 2g
o par.
Pentes imitando tartaruga para bandees, ulti-
ma gosto a 39 o par.
Pivelas para siolos, fazenda inteiramente nova
a 20 o par.
AlQnetes pretos coro dourado para senhora, in-
teiramente novos a 29 cada uro.
Botes pretos com dourado para puchos, intei-
ramente novos, a 20 o par.
Botes de tartaruga para pannos a 10500 o par.
Na ra do Queimado, loja de miudezas n. 35,
da boa fama.
Tinta para marcar roupa.
Vende-se tinta para marcar roupa a 1$.
Agua de malabar para tiogir cabellos a 50 o
frasco : na ra do Queimado, loja de miudizas o.
35. da boa fama.
Cartas finas para jogar.
Vende-se duzia de biralhos de carias finas com
as pontas douradsa a 60, dita sem ser dourada a
3^500 e 4S : na ra do Qusimsdo, loja de miu-
dezas n. 35, boa fama.
Vendem-se tachas de ierro caado do aalor
mala acreditado : na ru do B um, armazem de
sstucir de Jos da Silva Loyo & C.
g M-mw mhbs- tasas mmmm
5
IfffMa
sem segundo
Casa de saade em Sanio
Usle
Amaro.
Dr. Silva Ramos.
Novo retratista.
Rus do Crespo n. 18, primeiro andar, tirant-
ee retratos pelo systema daguerreotypo por m-
dicos prego ; vo-se tirar retratos de pessoas
mortss deolro e fora da cidade.
Fitas de la para deb um.
Vendem-se pecas de Ota de la para debrum a
1$, e em vara a 120 rs., ditas de seda a 20400, a
em vara a 240 : na ra do Queimado, loja da
miudezas n. 35 da boa fama.
Vende se a taberna do pateo da Ribeira u.
13; a tratar na roa do Livramento o. 24.
Vende-ae urna mobilia de mogoo a Luiz
XV ; na ra das Cruzes n. 11, primeiro andar.
wa exposi-
cao de candieiros
a gaz.
astabelecimento j bem eonhecldo, e con-
ceitiiado nesla provincia pelos relevantaa aervi-
c js que tem preatado, contina has melhores con-
icoes debaixo da direcgo de sou proprietario
recebar doentes de todas as classes, os quaes sa-
rao t/atados. com todo a xelo a interesse pelos
pr: tos seguintes :
Primeira classe.... 30OOOou mais.
Segunda dita...... 20500.
Tercena dita...... 39000.
Em qualquer das classes oa brancos flearo sa-
paradoa dos negros. Os alienados da 2.a e 3/
clasjs nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
sendo furiosos pagaro mais a quarta parte. Os
alienados da 1.* classe pagaro segundo o ajusfa
^Gabinete medico cirurgico.J
O Ra das Flores n. 37. %
Serio dads consultas medIcas-cirargi-#
& cas pelo Dr. Eslevao Cavaleanti da Alba-
9 querque da 6 sa 10 horas da manhia, ac- %
vidade possivel. gj
l-o Partos. %
t.' Molestias de palla. 9
8.* dem do olhoa. 49
4.* dem dos orgos genitaes. g
Praticartoda aqaalquer operago am f*
seu gabinete ou em casa dos doantea con- 9
forma lhesfr mais conveniente. $
9
9
9
9
9
9
Alugam-sa ss casas terreas o. 105 da ra
de Santa Rita e o. 27 da ra dos Burgos, e o 1*
andar da casi n. 193, na ra Imperial : a tratar
na ra da Aurora n. 36.
Tocia attenco.
Custodio Jos Alves Galmarea avisa ao rei-
peltavel publico, principalmente a todos os seas
freguezes a amigos, que se mudo da loja da
aguia da ouro da ra da Gabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida a antiga loja
de miudezas que foi do fallecido Joo Ceg, hoje
ser conhecida pelogallo vigilante,a pede ao
respeitavel publico a aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimento,
onda acharao um grande sortimento de miudezas,
queatlsnga servir bem e vender por menos dez
ou vinte por cento. do aua em outra qualquer
parte_______________________________________
Preciss-so de urna ama de leite para criar
urna recemnascida : a tratar na ra da Aurora n.
80, 2* andar.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar, paga-fe 309 mensaes agradando : na iua
da Aurora n. 80, 2* andar.
l'rccisa-se alugar duas negras que salbam
vender na ra [rudas e horlalice ; na ra da
Cruz n. 56.
ENSINO
DE
PARTIDAS COBRADAS
AWLmtfLWBA
Dirigido por
SAS6EL FOSSECl DE MEDEIROS
DUAS VEZES POR SEMANA.
TERCAS E SEXTAS
DAS 7 AS 9 HORAS DA 1N0ITE.
RA NOVA N. 15, 2. ANDAR.
Baltar & Oliveira sacam
Porto.
sobre a preca do
Oferece-se urna pesioa para cobrar divi-
das, tanto no interior da provincia como para fo-
ra da mesma : as pessoisque precisar dirija-se a
pragada Independencia n. 6 e 8, em carta fecha-
da com as Iniciaes A. S. F. J.
Aluga-se a sala coro duas aicovas do ler-
ceiro andirda ra do Crespo n. 18, proprio para
dous mogos solteiros : a tratar na mesma loja.
AM
Preciss-se de urna ama forra
todo o servico de urna casa de
na ra do Queimado n 39.
que saiba fazer
pouca familia ;
Laboratorio
Lavagem
a vapor
DE
e engommado
de Ramos A Pi-
de roupa,
ruentel.
Empreza importante, que val prestando rele-
vantea servicos seus freguezes pala promplido
a perfeico com qua lava a roupa sem a estragar
PRECOS.
c*Roupa sortida (embora nao venham meias nem
lencos) 40 rs. por pega.
Pegas grandes isoladamente 100 rs.
iloupas de navios, vapores e hospitaes 70 rs.
Dita de familia que nao fregaeza 80 rs.
Dita da doeota da familia qua nao freguesa
a 120 rs.
Urna reda ou cortinado de cama oa veranda
a 500 rs.
O preco dos engommados mdico a confor-
ma as pegas, como costamam fazer as engomma-
deiras. O praso da entrega da roupa lavada
8 das, a engommada 15, sendo qaa muitai vezas
et prompta antes do praie. Deposito na ra
Nova._______________________________________
Aluga ae o primairo andar do aobrado n.
22. na ra estreila do Rosario '. a entender-se na
mesma ra casa n, 23, segundo andar.
e&a
0 Jos Elias Ferreira Coila tem ao p da %
( fundigo 3 casas para alugar, urna de 30$ ft
te e 2 de 109.
* ea*@8a
Pelo juiz de paz do segundo dislricto da
freguezia de Santo Antonio, ficou transfer Jo pa-
ra boje 9 do correte, a arremalaco da armaco
mais objaclos da loja o. 85 sita na ra Direita,
por execuco de Jos da Cosa Dourado contra
Jos Antonio Soares Rosa, cuja arrematadlo ser
feila na mesma loja pelas 5 horas da tarda, de-
poisda audiencia do mesmo juiz._______________
O abaixo assignado, gerente e nico hqui-
dalario da turna Rodrigues & Ribeiro, decidida-
mente autoriaado pelo meretissimo tribunal do
commercio, convida lodos os senhores que se
acham devendo mesma firma a que venham
quanto antes realisar seus dbitos, pois contra os
que forem remtaos lera o annunciante de proce-
der judicialmente. Recife 1. de agosto de 1862.
Manoel Joaqun) Rodrigues de Souza.
Hoga se aos devedores do fallecido
Joaquiui Jos Ribeiro de Oliveira que
teve loja na ra Diieita n. 55, que ha-
jam de vir pagar seus dbitos na mes-
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 e
48, evitando desta forma o receber se
judicialmente e publicar-se seus nomes
por este jornal.
Aluga-se um terreno que lica no
Caminbo Novo, o qual produz capim
todo o anno para o sustento de 4 caval-
Ios : na ra Real casa n. 15 que faz es-
quina com a ra que vai para a capella
da Estancia se daro as informacoes ne-
cessarias.
Chegou a nova exqoslco
Chegou a nova expoiico
Chegou a nova exposii.no
Chegou a nova exposi;o
Chegou a nova expotico.
Caodieiros a gaz
Candieiros a goz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz
Candieiros a gaz.
Sortimento completo
Sorliiuento completo
Sortimento completo
Sortimento completo
Sortimento completo.
Gaz de primeira qoalidade
Gaz de primeira qualtdade
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade
Gaz de primeira qualidade.
S tem na nova expsito
S tem oa nova exposi;o
S tem na nova expotico
S tem na nova expsito.
O proprietario deste estabelecimento avisa ao
publico em geral que lera recebido um completo
sortimento de candieiros a gaz para ricas salas,
quartos, escadas, engenhos e para esludos pa-
queos que pode com a economa de urna gar-
rafa de gaz ter para 60 horas de luz, ricas cadei-
rasde balsngo de ferro com estofo adamascado
de linbo, lavatorios de ferros econmicos com
lodosos pertences, com esgoto no fundo da ba-
ca, ricos quadros para ornamentos de sals e um
riquisslmo sortimento de objectarias a imitaco
de marlhn para senhoras approvadas na ultima
exposico das princezas tendo o premio maior,
riquissimas pulceiras a imitaco de camafeo, lu-
do se vende por diminuto pre'co que muito de-
ver agradar sos pretendentes ; na ra Nova n.
20 e 24. loja de Caroeiro Viann.__________^^^
Vende se a casa terrea o. 91 da ra Au-
gusta, com 3 janellas e urna porta de frente, com
duss salas, quatro quartos, corredor independen-1
te, cosioha fura, quintal murado e cacimba
meeira, calada e pintada de novo, em perfeito
estado, pode ser examinada pelos pretendentes :
a tratar na travessa da Madre de Dos n. 13.
Veodem-se os seguintes gneros no arma-
zem de Manoel Marques de Oliveira &C, ra da
Moeda n. 9 : mel em barris grande e pequea
por;o, agurdenlo de cana em pipas a em meias
ditas, cal de Lisboa muito nova em barris e em
porr;o, palha labu para torneirs._____________
Em casa de Mills Latham & C
na r.ia da Cadeia do Recite n. 52, ven-
de-se :
Queijos llamengos muito frescos chega-
dos pelo ultimo vapor.
Vinho do Porto engarrafado de muito
superior qualidade.
Cerveja de diversas marcas em barricas
de garrafas e meias ditas.
Arroz da India.
Salitre refinado.
Oleo de hnhaca.
Pedra hume.
Sulfato de ferro.
Secante.
Alvaiade.
Azarcao.
Tudo vende se por commodos precos
e a vontide dos compradores.
Em casa de Mills Latham & C. na
ra da Cadeia do Recife n. 52, ven-
dom-se duas machinas a vapor de nova
invencaopara engenho de assucar sen-
do urna deforca de 12 cavallos e outra
de 14 ditos e rame de ferro para
jardim.
EM CASA DE
, Hyppolito Domont.
iV. 9 Ra Nova V. 9|
I Nesta bem coohecido estabelecimento f$
i musicai exista sempre um completo sor- 12
I tmenlo de instrumentos musicaes dos l
melhores fabricantes da Europi. instni- S
i melos completos a pistn ou sem elles, 0
para msicas militares e de orcheitras e |
E outros muitos instrumentos de diversas J
qualicades e finalmente todos os oojeelos 8
pertencentes a msica se vendem neste *J
I estabelecinrento, 9
Msicas. A
No mesmo estabelecimento existe um |
grande e variado sortimento de operas B
completas para piano e canto a piano s, 52
assim como phanlasias, cavatinas, arias 8
e duelos extrahidos das melhores operas S
para piano e canto e piano s, modinhss S
brasileas com acompanhamento de pia- o
no, quadrilhas, valsas,polkas, schottischs f|
para piano, msicas diversas para flauta, sM
clarinete, rabeca, violo, melhodcs para 8
lodos os instrumentos.
exposico de fazendas baratis
simas na ra da Imperatriz
na loja e armazem da arara
numero 56, de Magalhes A
Mendos.
Vende-se muito barato para liquidar, a ser:
cortes de chila com 12 \\2 covados por 2(500, di-
tos de CJS8S de cores a 2&500, ditos pretos a
23500, chitas escuras a 160, 180 e 200 rs. o co-
vado, ditas fraocezas a 220, 240 e 280 o covado :
n* ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
500'
60 i
2101
40
sfioo!
Na ra do Queimado n. 55 loja da nr.u ic-zta
de Jos deAzevedo Maia o Silva, est vendando
todas as miudezas bantissimas, a saber
Frascos grandes com superior opiata a
Carriteia de linha de cores com 200 jar-
das a
Ditos de retroz de cores, menos preto a
C'ixas com iscaa para accender charutos
Duzias de meias cruas muito superior a
Novellos de linha muito grandes e su-
perior a 40, 60 e
Ditos de cores, a melhor que ha a
Fhospboros em caixas de folha, aa ca-
xa val o dinbeiro, a
Cartdes de linha com 200 jardss, s me-
lhor que ha
Ditos, ditos brancos e de cores com 50
jardas a 20
Duzia de facas e garfos cabo preto, Unas 3;VIO '
Dita de ditas cabo brenco a d;.. < \
Thesouras grandes de 6 polegadas a 40 e 80 i
Saceos para escrotos com siota de bor-
racha a 321!
Tiateiros de vidro com superior licla a 160
Ditos de barro co>n superior lila a 100!
Masaos com grampos lisos e de caracol a 40
Duzia de pbos^horos de vella a
Pares de meias de cores para meninos a
Groza de peonas d's^o superior a 50
Areia preta para botar na escrita a libra 100
Colxetesemcart5es.com duasordeus e
quatro pares grandes a 80
Baralhos decarlasfrancezas a 20
Ditos portuguezes finos. 160
Tbisouras pequeas, porm de superior
qualidade a
Colxetes francezes em calxa a
Duzia Dita de saboneles Uoos.a
Sabooetes grande e superior a
Tramoia do Torto muito superior a vara
120 a
Pares de botes para punhos a
Alm deslas miudezas tem muita mais que se faz
preciso vender e cao engaitar dinheiro, sssim
como sejarn : labyrintos para todo o preco, areia
preta a 100 rs., porm quera quizer comprar em
arroba veoda-se por "2$, baratissimo mesmo
para quero nao precisa.
REMEDIO INCOMPtUVL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares da individuos da todas as nacou
pode testemonhar as virtudes desteremedn
.neomparaveleprovaremeaso necessario,que,
polo uso que della fizeram lem seueerpoi
flembrostnteiramentesosdepoisdehateran.-
r-regadoinutilraente outrosiralamentos. Caria
passoa poder-se-haconvencer dtssaseuras m-
raytlhosaspalaleiiura dos peridicos, que Ih'ax
relatara todos os das ha muitos annes: .
ojaior parte dallas 8a0 to sor prenderles que
admirara os madicos mais celebres, n-iantii
1M pessoasrecobraram cora este soberano resiento
M | o uso da seus bracos a pernea, depoi? dedar
| permanecido longo lempo nos hospit,es,o tea
wjieviam soffrer a amputaso I Della? ha utu-
6 | cas quenavendo deixado esses, asylos depane-
timanlos, parase nao suLmetere a usa
SI ope-
ra^ao dolorosa foran curadas complete ente,
mediante o uso desseprecioso reioedio. Al-
gumas dastaes pesso na enfuso do Seu reeo-
uhecimento declarara estesresultados ben.-
soedianle do lord corregedor e outros mtt-
irados.afimde sssis autenticare* sua a firmaiw
INingue desesperara dcastdu desanda sa
20| tivessebastante confate* para encinar este r*-
IX! I m8dl CODStan,emen"egundo al-um lerapo p
' tntaaanto que necessi*.e natureza do nval.
sujo resultado seria provarincontestavetcanu.
Que tudo cura.
200
40
lj?600
600
liO
O ungento hentll, mais paurttev-
) nos seguintes casos.
lnflamua^ao da bexift
da matriz
Lepra.
Males das pamas.
160
Sebo do Cear.
Proprio para fabrica de velas ou de sabao :
vende-se era banicas a preco commodo ; na ra
do Vigario n. 9, primeiro andir.
Arara vende os chales.
Vendem-se chales de merino eslampados a 'r,
ditos da laa e seda a 2g, ditos de la a 1 j, ditos
abertos a 640, guardaoapos para mesa a 200 rs.
cada um ; na ra da Imperatriz, loja da arara
numero 56. ______________________________
Arara vende as gollas.
Vendem-se golliohas para senhoras a 500 rs.,
dita cam botozinho a 640, ditas redondas de
traspssso a 19, manguitos e gollas de linbo para
senhoras a 2$, lencos brancos a imitaco de la-
byrinlho a 1$600 e i$ : na rus da Imperatriz, lo-
ja da arara o. 56.
Arara vende as capas.
Vendem-se ricas capas para senhoras, de gros-
danaple preto a 20 e 25$, ditas de lioho de cores
a 6$, ditas de la a 9, ricos corles de organdys
com duas saias e com 25 covados por 8$, ditos
lisos com 15 covados a 7/, ditos de la de duas
saias ct^ra 22 cavados a S$, ditos de gorguro
com 18 ovados a 6500 : na ra da Imperatriz,
loja da arria n. 56.
Arara vende os corpinhos.
Vendem-se corpinhos bordados para meninos
e meninas a 1$ cada um, pegas de tiras bordadas
da largura, de 4 e 5 dedos a t g-280 e 1&600, pecas
de eotremeios bordados a 1, 1J200, 1JM00 e
I96OO ; lia ra da Imperatriz, loja da arara lu-
raero 56;____________________________________
Arara vende as colchas.
Vendejh-se ricas colchas para cama avelluda-
daa por!, ditas de fusto decrese 5# e 59500,
t*^Vto hit Q, .uUeitoies do lgodao S
Va ra da Imperatriz nu-
mero 20.
Vende se o seguate.
Bramante com 10 palmos de largura a 1^500,
riscadinhos escaros de cor fixa a 160 rs., ossas
de cores a 280 e 320 rs., oleados para cobrir
mesas a 2$, indianas muito hnas a lg, chitas a.
160, 200, 240, 280 e 320 rs., cambraias de sal-
picos de cores e brancas a 400 rs., cobertores
brancos e escuros a I5OO, 18600 e 2S, pannos
Qoos pretos e de coros a 25, 29IOO e ;i?, cara-
braias para cortinados a 23 a pega, ditas lisas a
29. 30, 48 e 59, tapetes muito finos a f- e 7*,
chapeos de seda e de castor muito finos edo ul-
timo gosto de Paris a SS e 9#, ditos de fellro fi-
no copa alta a 50, casemiraspara forro de carros
a 10600, corles de dita rjuito fina para caigas a
40, pegas de eolremtios a 19, e Goalmente ma-
dapoles, algoddes, brins, bretanhas e outras
muitas fazendas que o dono do estsbelediiitnlo
est resolvido a vender muito barato aura de
apurar dinheiro, dando-so as competentes amos-
tras com penbor.
fis&^MfiKfisi-G^taeew
Aiporcas
Caimhrii
Callos.
Aneares.
Cortaduras
2401 Dores decabeja.
das costas.
dos maasbros.
Enfermidades da c
em geral.
Ditas da anus.
Erupoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gangivas escaldadas.
Inchages.
nflaramagao do fgado.
do? peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Palmees.
Quoirsadelas,
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, ee qualquer
parta qua seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulaces,
Veias torcidas 011 no-
das as pamas.
coba
1
da Imperatriz n. 56.
Irsra vende as cambraias.
Vendeiu-se pecas de esmbraa lisa a 10600, 2g,
20500, 3$ e 30500, cassas adamascadas para cor-
tinados com 20 varas a 90, ditas de 10 varas a
40500 e 3$, cambraia de salpicos com 8 1|2 varas
por 30500 e 40 ; na ra da Imperatriz, loja a ar-
mazem da arara o. 56.
Arara vende a roupa feita.
Vondem-se paletots de panno preto a 60500,
1 8 e IOS, ditos de brim escuro a 3g e 30500, caigas
de casemira preta a 40500 e 55500, ditas de co-
res 50500 e 60, ditas de brim e fusto a 20000 e
20500, camisas fraocezas a 1$600 e 2$, ditas de
peilo de fuslo a 20500, ceroulas de brim a 10600
e20 ; na ra da Imperatriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as aberturas.
Vendem-se aberturas para camisas a 240 e 320,
leaos brancos com barra de cor a 80 rs., cortea
de caiga decores a 10 e 10280 cada um, meias
cruas a 120 o par, ditas Boas a 2(500 a dnzia :
na ras da Imperatriz, loja da arara n. 56.
SSE-I
eaba de
Compram-seacgoes do novo banco de Per
nambuco : no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Compram-s* dous escravos oe boa conduc-
ta, sendo um perfeito ofBcial de carpina e o ou-
tro de ferreiro: a tratar no grande armazem de
ferragens e miadezas na ra do Queimado n. 49
Compra-se urna preta moga que aaiba cozi-
nhar e engommar com perfeigo, e sem vicios :
quem tiver neslas cooliges, dirjase a ra do
Queimado, loja n. 51, que agradando, nao se
diiar de fazer negocio.
Compra-se urna uova lueira que seja bem
construida e forte : na praga da commercio Car-
po Santo o. 19.
Na ra da Gloria n. 40, Cumpra-se ama aa-
crava prela moca que aeja perfeita engomma-
deira._____________________ __________
Precisa-se alagar urna escrava pira vender
oa-rua, que seja diligante para negocio : ns roa
largado Bosarion. 21._______.___________
- Sarah Marsdea e seus tres ilbos menores
retirsm ae para a provincia do Maraobo.
Aluga-se urna casa propria para taberna
em muito bom lagar para um principiante com
poaeo dinhfvro, na Soledade rea de Joo Fer-
nandas Vieira, que descobre todo o pateo da
igreja ; a tratar a ra do Crespo n. 18, pri-
meiro aadK ou na pedira confronte a meara*
reja;
*IH
Venda de predios.
Um sobrado de dous andares e aoto, na ra
ds Goia n. 40, com 33 palmos de largo e 125 de
fundo, com um pequeo quintal ; ama grande
casa terrea feita a moderna, na ra da Ponte Ve-
lha n. 14, muito bem construida e com commo-
dos para grande familia ; urna dita na ra do A-
rago o. 20, livrea e desembaragadas; a tratar
oa ra Nova, loja n. 18, daa 10 horas da manha
s 3 da tarde.
Vende-sa a casi n. 25 sita no becco do Po-
cinho: a tratar no aobrado da ra da Aurora nu-
mere 62.
Vendem-ae dous lindos moleques de 8 sa-
nos de idade pouco maia ou menos : a tratar na
ra da Cadeia do Recife loja n. 64.
Vende-se uto cabriole! descoberto : na ra
do Imperador n. 17
Ra da Imperatriz n. I
Madama Buessard Millochau.
PARA LUTO
recabeu novamente chapeos de crep e de clina
para senhora, crep e tifio largo para manta,
cinto e fivela liza, tranga, b'co de la, fil, fita
larga e estreits, golinhas e punhos tudo novo e
de prego muito razoavel.
Aenco
a pechincl., na ra do Queimado n. -3,
esquina que volta para a Congre-
gacao.
Vendem-se
de cor, saceos e sobre a
Arara vende o fil.
Yende-sefillavrado fino a 10200 a vara, dito
a vara, dito de cores a 200 rs.
de cores a 800 rs. a vara ; na
loja da arara n. 56.
liso a 720 e 800 rs.
o covado, tirlatana
ra da Imperatriz,
Arara vende o babadin
Vende-se a fazenda por nome babadin com
palmas de seda, propria para vestidos a 500 rs.
o covado, dito enfestsdo a 640, lazinhas para
vestidos a 320 o covado. ditas muito fioas a 500
rs., ditos entestados a 640 o covado ; na ra da
Imperatriz, loja da arara o. 56.
Arara vende o riscado a Gari-
baldi.
Vende-se riscado a Garibaldi para vestidos a
280 o covado, fusto de cores para vestidos a 280
e 320 ocovsdo, csssas fraocezas finas a 280 e 300
rs. o covado, organdys fino a 320 o covado ; na
ra da Imperatriz. loja da arara n. 56._________
Arara vende ospaninhos.
Vendem-se pegas de paninhocom 12 jardas por
50, dilas de madapolo entestado a 3J500, da-
masco de 6 palmos de largura proprio para me-
sas a 10(00 o covado : na rus da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
saceos e sobre a 40,
aobrecasacoa a 6,7
Paletota de casemira
90 e 10;000.
dem de meia casemira,
40500 e 50.
dem de merino de cordo
e8S000.
dem de alpaca preta de 4 7$.
Coleles de casemira de cor muito finos a 48500.
Caigas de meia casemira a 30 4, e 40500.
dem de casemira, gosto moderno a 50000, 60,
7 e 80000.
dem de brim pardo e branco a 2g, 3 e 40.
dem de fuato e ganga a 20, 2J400 e 30.
Meia casemira para caiga e paletota a 600 rs. o
covado.
E outras maltas qaslidadas de roupaa Celtas por
prego muito commodo ; oa ruado Queimado nu-
mero 43
Chapeos de feltro a 1$'
Vende-se na loja de fazendas da ra da Madre
de Dos o. 16, detonle da ilfandegi.
Arara vende as saias.
Vendem-se saias bordadas para senhoras a
20500, ditas de 4 panos a 80, corles de esmbraia
bordados brancos e de corea com bibados a
20500, siotos para senhoras a 10280 para acabar:
ns roa da Imperatriz, loja e armazem da arara
numero 56.
Vende-se urna casa terrea na cidade da Ci-
liada confronte a bica da S. Pedro n. 43, com
muitos boni commodos ; os preteodenles podem
dirigir se a ra da Seozala Velba n. 120, ou
ra da Concordia, armazem da madeiras de Rufi-
no Cousseiro, ou oa rna do Lima, am Santo A-
maro, residencia do mesmo cima, das 6 s 8 ho-
ra da manha.
Vende se o engenho Drago, moente e cr-
rente, nao s d'agua copeiro, como de animaes,
sito na cidade da Victoria, tendo muito boas tr-
ras para qnalqnar lavoura e matas perto ; quera
pretende-lo, ditija-se ao mesmo engeoho e tra-
tar com o aeu dono, ou oa cidade da Victoria, na
ra do Mel, com o Sr. Joao Vicante de Brito
Galvo, que lhe mostrar o vencedor.
| ciegar ao novo |
ann&zem i
DI
%Bastos & Regof
J II
Na roa Nova junto a Conccico g
dos Militares n. 47.
Dm grande e variad* sorlloiOLt e 8
S* rowpas eitas, calgadose fazendas e toco -
estes se vendem por precos muito modi- S
&ficadoscomo ida seu costeme, assim cu- *
rao sejam sobrecaaaeos de superiores pan- B
nos casacoa feitos palos ltimos figuri-
nos a 260,280, 300 e a 350, paletota dos 1
mesmos pannos preto a 16, 18f, 200 a ;"".
a 240, ditos de casemira de cor mesclado jk
e de novoa padroes a 140,160, 180, 200 a
a a 240, dilos de casemira de cor mes- i%
dado e de novos padroes a 14g, 165, 189. SI
% 200 e 245, ditos saceos das mesmas ca- 3
Saemiraa da cores a 90, 100, 120 e a 14$, &
ditos pretos pelo diminuto prego de 80, S
& 100 e 120, ditos de sarja de seda a so-
? brecasacados a 12, ditos de merino de
I cordo a 120, ditos de merino chinez de
S apurado gosto a 150, ditos de alpaca
S preta a 7g, 80, 90 e 100, ditos saceos
fi pretos a 40, ditos de (alna de seda fa-
w zonda mailo superior a 43500, ditos de
a brim pardo e de fusto a 30500, 40 e a
g 40500, ditos de fusto tranco a 40, gran-
~ de quantidad* de caigas de casemira pre-
ta e de cores a 70, 80,9| e a 10g, ditas
pardas a 30 a a 40, ditas de brim de co-
res finas a 2J500, 30, 30500 e a 4J, dilas
de brim brancos finas a 4j5CO, 50, 5$500
e a 60, ditaa de brim lona a 50 e a 60,
colletes da gorguro prato e de corea a
50 e a 60. ditos de casemira de cor a pre-
tos a 40500 e a 5$, dilos de fusto branco
e de brim a 30 e a 30500, ditos da brim
lona a 40, ditos de merino para lulo a 40
e a 40500, calcas de merino para luto a
40500 e a 50, capas de borracha a 90000.
Para meninos de todos os tamanhoa : -al-
gas de casemira preta a de cor a 50,60 e
7g, ditas dilss de brim a 25,85 e a 30500,
paletota saceos de casemira pela a 60 e
a 70 ditos de cor a 60 e a 70, di-
toa de alpaca a 30, sobrecasacos de pan-
no preto a 120 e a 140, ditos de alpaca
prata a 50, bcnals para menino de todas
as qualidades, camisas para meninos da
todos os tamanhoa, meios rices ve tidos
de esmbraia feitos para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados lisos a 85 e
a 120, ditos de gorguro da cor de laa
a 50 a a 60, dilos da brim a 30, ditos de
cambraia ricamente borbados para ha pli-
sados e muitasoatras fazendas a roupaa
feitaa que deixam de ser mencionadas
pela sua grandeqaantldade ; assim como
recebe-se toda e qualquer encommenda
de roupas para ae mandar manufacturar
e que para este fim temos um complato
sortimento da fazendas de gosto a urna
grande officina de alfaiate dirigida por um
hbil mestre qae pela aua promplido a
perfeigo nada deixa a deaejar.
Vende-sa este unguenlo no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Stiacd, a na lea
de lodos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
Amarica do sul, Hsvana e Eespanha.
Veude-se a 800 rs., cada bocetinha cont
urna instruegao em portuguez para explicsr o
modo de fazer uso desta ungento.
O deposito geral 4 em casa do Sr. Soue,
uarmaceutico, na ra da Cruz n. ,22, esa
parnarabuco.
SYSTEM MEDCO HODELLOWAY
riLULAS HOLLWOYA.
Este inestiraavel especifico, composlo inteira-
mente de hervas medicinaes, nao conlm mercu-
rio nem alguma outra substancia delecten?. Bel
nigno maistenra infancia, e a conipleic.'oraas-
dalicada, igualmente prompto e seguro par:
desaneigar o mal na compleicao mais robustae
fenteiraraente innocente em suas operagsse ef-
' feilos; pois busca e reraove as doengas de qn.it
quer especie e grao por mais amigas e tenazes
que sejam.
Enlre milhares de pessoas curadas com asta
remedio, muilas que j estavam s portas da
morte, preservando era seu uso conseguirn]
recobrar a saude e forc-as, depois de haver tema-
do intilmente todos os oulros remedios.
As mais afllictas nao devem entregsr-sea des-
esperrtgao; fagam um competente ensaio das
1 efficazes effoitos desta assorabrosa medicina, o
| presles recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
I Aara qualquer das seguimes enfermidades:
ccidentes epilpticos. Febreto da especie.
Vende-se um sitio mullo perto da Soledade
com immeosas fructeirss, de muito boa qualida-
de, e com grande cacimba ora, de agua de be-
ber, tm boa casa com 4 salsa, 6 quartos, cozi-
nha fora, quarto para feitor, grande armazem
para eommodoa do aitio ; qaem o pretender
comprar, dirija-ie a rea da Cadeia do Recife de-
fronte do becco largo n. 2b, taberna, onde achara
os eaelarecimentos precisos.
Velas e arroz.
Vendem-ae valaa de eapermacete a 640 a libra,
arroz de cacea am aaccoa grandes a 20800 cada
am : na taberna da travessa do pateo do Paraso
n. 16, com oitao para a raa da Florentina.
Alporcas.
A iplas.
Areias ( mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou extenua-
c,o.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
de barriga*
nos rins.
Dureza no ventra.
Enfermidade no ventre.
Dilas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia,
Ictericia.
Indigcstes;
Infla mmaces.
Irregularidades da
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Kanchas na cutis,
Abstiucc,ao do venlrs.
IMitysica ou consump-
co pulmonar,
Reten^ao de ourins,
Bheumalismo.
Symptomas secundarios,
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Novos pentinhos doura-
dos, e fivellas para
cintos.
A loja d'Aguia-braoca acaba de receber novo
sortimento doa desejados pentinhos dourados, e
por isso ovisa a todaa as senhoras que os haviam
eocommendado, e mesmo as qae de novo os
pretenderen que elles sao poneos e como da
primeira vez em breve se acabaram ; assim como
qae recebeu igualmente urna outra pequea por-
go de fivellas de qualidade e goalo inteiramen-
te novos e agradareis, as quaes se vendem por
20000, e os pentinhos por 30000 o par.
Convetn pola, que as senhoras se spressem em
mandar comprar esses objectos ns saa predilecta
loja d'Agaia-branca ra do Qeeimado n. 16,
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanba.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instruego am portu-
guez para explicar o modo de se usir tiestas pi-
lulas.
O deposito geaal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz d. 22 era Pei-
nambuco.
Presten, ltenlo ao vigi-
laute, que est queimando,
como seja;
Retroz.
Lindas caixinhas cem 24 carreteis de superior
retroz, e sonido de todas as cores, pelo baralie-
simo prego d SUi a cafzioha que eihe a 100
rs. o carretel, nao haver pessoa alguma que ven-
do aua qualidade deiie de comprar : s no gallo
vigilante, ra do Cresp.i n. 7.
Linha para bordar.
Tambem chegada a este mesmo estabeleci-
mento a verdadeira linha frxa para bordar ou
encher labyrintho, que se vende pelo baratissimo
prego de 600 rs. o massioho ; s no gallo vigi-
lante, rus do Cr.spn p. 7.__________________
Bandoes.
Tambem chegado grande sortimento de ban-
does para cabello, que se vende pelo baratsimo
prego de 500 rs. o par ; s no gallo vigilante,
ua do Crespo n. 7.
Venda-se a caaa de pasto, sita na ra Di-
reita n. 113, por lar de se retirar para fora o do-
no do estabelecimento ; a tratar na mesma cass.
Milho e farsllo.
Na taberna grande na Soledade, vende-ae sic-
eos grandes com farello de Lisboa a 41500 e da
milho a 4#.

'-! '
NIUTILADO
P


6
tnaO M FKMAMBUCO SiBBADO t DE AGOSTO bl 1811
M
A.]\]\A
VNDESE NO ARMAZEM
PROGRESSO
DE
Francisco Feraandes Duarte
da Penlia 8
Os raelhores gneros que vem < este mercado e por menos 10 por cento do que am outra
qoalquer parte, garanodo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da praca, da en-
i enhos e lavradores o favor de mandarem suas encommendas a este muito acreditado armazem de
; .clha.los, afim de verem a differenc,a de prego e qualidade que faz, se fossem comprados era outra
talquer parte.
r\&&*3**l3|3.S confeiladas para sorie de S..Joao a 800 rs. a liara, tambera tem-se para
60 rs. a libra sendo era porgo, tanto* de urna qualidade como da outra se faz bati-
mento.
I&Sitatatt nOVaS em caixas com duas arrobas por 28560 e em libra a 50 rs.
la?&taig* l^f(\*Zi da safra ora de primeira qualidade a 850 a libra, am
barril se faz abalimento.
Vk Alilfl ItmiaeSia a mais nova a 640 rs. a libra, am barril a 600 n.
Ml| gados no ultimo navio a 19800.

* o mais superior que tem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
V X aj. SOU 0 me||i0r quen no mercado a 29800 e 5200 a libra, afianca-sa a boa
qualidade.
A U11X1U1 o que se pode desejar neste genero a 39000 a libra.
^tta fbYtO homeopathico a 2#200 a libra em porcao se faz abatimento.
1 ra.(\UeS UOVOS rje pav0 transado a 230 rs. a carta e em caixas com 40 cartas por
99000.
L&ta3 e*m am^.mdo^S confeitadas, proprias para mimo, contando mais con-
feitesa assucar candido por 18000 cada urna.
raias em caixinhas de 8 libras chegadas altimamente a 29000 cada urna a a reulho
a 480 rs. a libra.
nOiaXlana de soda em latas com differentes qualidades a 19440.
j>Oa*VX.\ a 320 rs. a libra.
VIlb.0 55* \P de superior qualidade Porto, Figueira a Lisboa 500, 560 a 640 rs.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
in&OS eng^rratadO Duque do Porto, Ligrimas do Douro, Carcavellos, Fei-
toria vollio, e deoutras maitas marcas acreditadas a 1920a a garrafa, em caixa a 129
larabem ha para 19000 a garrafa.
VifeBaps^Ufl aas marcas mais acreditadas a 159000 e 20*000 o gigo, a em garrafa a
10800
u^V*":ja da marca cobrinh ou de oulras marcas conhecidaa a 59000 a duzia a 500 rs.
a garrafa.
frlIlMI francazas e portuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
mUg 4 tamato em tattas de 1 libra por 800 rs.
tm.*flL\aiXaV Iffa*^CCiaS era latas de 1 e meia libra por 1&500, ditas com 3 libras por
20800;
Rival sera se-
gimdo.
Raa do Qaeimailo n. 55, lojs da miudezas de
Joi de Aiavedo Mala e Silva, conhacio por Jo-
t Bigodinho, eii vendendo pelos pr todos admiran, qaeiram ver o que 6 bom a ba-
rstistimo:
Pares de espatos da trasca superiores a. 1(180
Frascos da agos ambriada a melhor a... 40<>
Ditos de dita, frascos grandes, a 600 e.. 600
Cartas de alfioetes fraocetes, a.......... 100
Pacotas de papel a miza da, a............ 700
Caixas com papel de diversos gostos, a.. 700
Pares de sapaios de lia para meninos, a 200
Varaa de bico das libas, a.............. 80
Cordas para violao multo frescas a no-
_ y". *................................. 80
Frascos da banha Pbilocoma superior, a 1|000
Ditos da dita de reo, a................. 500
Ditos de cheiros muito fios, 500 a..... 800
Caixaa com apparalhoade metal para di-
vertir meamos, a................,. 400
Varas de franja para cortinados a toa-
lbae.a................................ 200
Carrileis de liaba preta aom 500, 600 a
800 jarda., a.......................... 160
Barra com phosphoros o aalhor e bo-
nitos, a.............................. j60
Missosde liaba fiaa para Bordar, a .... 240
Tranca de la de todas as aoraa a peca. 40
PCs de fita da eos, todas as larguras, a 320
Crozas da bolesde louca prstaado mui-
tofiaos.a............................. J40
P^as de fitas da liobo lisas superiores, 40
Ditas de cordo imperial, fiao e grusso, a 40
Frascos da macsc4 perola, muito floo, a 200
Ditos da dito oleo, maito aapenor, a.. 100
Ditos de oleo babosa superior, a 320 e.. 500
Bonocos qae choram, rueito lindos, da
16 .....,........ 500
Vanas de [>o para limpar denles, muito
superior, a...... 160
Ditas de phosphoros especiaea a am so-
bres ale.lio a ......... 160
Fioes de tlandres, pintados muito booi-
l0i. .......... 200
Varas de fita para fazer sintos dos me-
inores gosto, a........ 500
Duzia de phosphoros de gaz, do melhor
fabricante, a......... 210
Dan de eaaetaa de folha, maito boas, a 120
Lincas da gaz da todas as qualidades a bara-
tissimas.
Relogios
Vsnde-ss am casa da Johnston Pater A C,
. .do Vigario n. 3, um bailo son i ment da
i elegios de ouro, patala inglez, da um dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambera
urna variedade da bonitos trancallina para os
masmos.
ateum mmm-mmmmm
|Loja das 0 por-j
tas em frente do Livra -
meuto.
Balees de 15, 20. 50 e 40 arcos.
8 Grande sortimento da baldes de arcos
5 os malhores nests fazenda e grandes,
I chitas francazas largas escaras a 22u a
I 240 rs. o covado, ditas estrellas miudi-
m ohas a 160 rs. o covado, cambrais lisa
| nors forro com 8 1(2 varaa a 2J a peca,
g ditaa finas a 3, 4$. 59 e 6$ muito finas.
ditit de salpiquinho com 8 t|2 varis a
335O0 a pega, cobertas alcoxosdas bran-
cas e de cores para cama a 40500 e 5f,
cassas de cores francezas tintas segaras
a 320 rs. o covado, pega da bretanba da
rolo a 23, algodao trancado alvo maito
largo para toalbas a 10 a vara, anfeitea a
Garibaldi todoa pretos a 59 cada um. len-
cos bransos com barra da am, roapafeta da todas ss qealida-
des muito baratas, a loj a est sberta at
as 9 horaa da noit.
m mnmmmm eweMaast* m&
rVos Srs. consumidores de gaz
Nos armazans do cas do Ramos ns. 18 a 36 a
na raa do Trapiche Novo no Kacife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade t
reeenteroeole chegado a 149 a lata de 5 galne,
asim como latas da 10 a de 5 garrafas e ara
garrafas.
's \
8UITE11
Vendem em seus armazens
PROGRESSISTA

E
Venda-ae urna porgo de barra de cal de
Lisboa propria para obro de pedreiro a 49 o bar
ni ; no wsaaaeas do Tetgejre, caes da alfandega.
Sova atlencao.
O vigilante acaba de recebar aovo sortimento
de divaraos objactos qae se vendem por manos
20_por cnto do que am oatra qualgaer oart.
Slot s para seiihoras.
Rlqaissimos sintos dourados, pelo baratissimo
prego de 29, a com fiela ao lado a 49. assim co-
mo da tita de seda ou vallado a 2 : s no sallo
Tigilantw, raa do Croaoo n. 7.
Enfeites.
Vendem-se osriquissimos enfeites da cabrea
eom fraoja a vidrilho a 59, ditos sem franja a 3,
ditos trancados a 29500, ditos de lago de fita e
bicode seda a 29: a no gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Fivelas para siuto.
Riquissimas fivelas de agocom madrepefola no
centro a ig-200, ditas de madreperola a 320, ditas
doaradinhas a 340 : a no gallo vigilante, ra do
CrSD0 n.7.
de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, era arroba por 80000.
NaZCAa 120 rs. a libra e em arroba a 30000.
McVrla, maeaT?& taVaatVm a 400 rs. a libra, a era caixa com 1 arro-
ba por 60000.
Ki -t f.;-\\ allftaj pevide e arroz de massa branca ou arnarella, a 640 rs. a libra, e em cai
xinhas muito enfeitadas se faz obatimenlo.
1 &U%4)S
taaibem ha para 200 rs.
c" ?f*.XIlll,Vs8 lialtfiaXaS para fiambre a 300 rs. tarabera hamburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
Cll&G& muit0 novas a 56o rs. libra aera barril se far abatimanto.
a9atanQ o melhor petisco que pode haver por estar promplo a toda hora a 800 rs. a libra
X aU 5iaa* do rea* milito novo a 28t rs. a libra e em barris da 1 a meia arroba
a 59 a 756 a arroba.
lul!Oilar!2a8 em latas j proraptas para se comer a 19800 cada urna.
BauVia de parea refiQada etB iatas com 10 libras por 4>300.
Dita em barril. muit0 fina 8 alva a 440 rs# a jibra eem barrli a 400 rs.
CtaTtaeS eaaa bolW fraaeei. proprios para mimo a 500 rs. cada um.
uaTaBfilaMra imperial do afamado Abreu ede outros rauil03 fabricantes da Lisboa a 800 rs
a libra.
aA&VaameUaAa de 4iper.he em latas de 2 libras por 13O0O cada urna,
aVA%taS C tasa sv Paftl'--S de doce em calda as raelhores que ha em Portugal como sa-
jara pera, peego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs, a lata.
Deee* S*eC e em calda,, era latas, de 4 a 5 libras por 1500.
L/atOealaHl hespauhol a 135500 rs. a libra, ditio francez a 19100 ditlo portuguez a
800 rs., afianga-sea boa qualidade
V*%ie de primeira qualidade tanto do Rio como do Cesr, a 320 rs. a libra, em arroba a
9U00, dito mais baixo a 260 rs. e 79800 a arroba.
s9eaa\lliaa de Fraora a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em porejio se fas
abalimento.
SagU muito novo a 320 rs a libra e em garrafes com 5 libras, por 29000.
W "ST1A11& o reino das marca? SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
Uta do Maranhao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 49500.
W eia& da carnauba refinada a 400 rs. a libra, e emVroba o 129000..
iVzeiV* dee refinadoa 800 rs.garrafa e a em caixas a 99000
Vinagre de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 19800.
1 AliO cherez verdadeiro a 19500 a garrafa, a am caixa 149000.
1AHlO Draneo de Li?bo. o mais superior que ha do mercadoprop.no para raiss
640 rs- a garrafa e em caada a 49500.
j^\a rH\5J3 suspiros do fabricante Brando em meias caixinhas, por 2*500.
WllOg suspiros do fabricante Catanho ic Filhos em meias caxinhas a 29000.
Ol*S em caixas de 100 regala Imperial, Visgantes, e Panenlellas, a 29000 a caixa.
A 1.|*18 a muta imp0> a 180 rs. a libra, e em arroba 59500,
AXeilOkfA muil0 novagj a 1JJ600 rs. caa urna ancoreta, e a 400 rs. a garrafa.
ATf 0 de Maranhao a 120 rs a libra, e 39400 a arroba.
"alXe de postas em latas das melhores quslidades de peixe que ha em Portugal a 19500 r
fienebra de Ho\\ai&da m garraroe8 eom si garrafal ^ 9M00>
nlOStaTda ingleza muito nova a 19000 o frasco a Iranceza a 640 rs. o pote.
Alm dos gneros cima mencionados encontrar o respeitavel publico um completo sorti-
mento de todo que tendente a molhades,
Vidrilo.
Lindos vidrilhos pretos e de cores, pelo bsra-
tissimo preeo de I96OO a libra: s no gallo vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Para entreter o tompo)
Os lindos joros de domios a 19400, lie Jas cai
xinhas con jogoa de vispora a 900 rs.: s .10 gal-
lo viailaritP, raa do Crespo n. 7.
Caixaa de tartaruga e chftru-
teiras de charo para rap
e charutos.
O tabaquista qae aprecia a boa pitada de Lis-
boa ou mesrno Prioceza, Mearon etc., etc.,
justo que compre ama bonita caixa de tartaruga
toda mircbetada com a qual nao se envergonha-
r de offerecer da bo* pilada de sea gasto a to
dos os circumslantes que se schsrem em aua ro-
da, mirlos dos quaes louvaro o seu bom gosto.
Assirn como a caixa necestaris so trb^quistt,
charutira nao superfina no fumante e sendo
ella bonita como sao as de charao nochetas me-
lhor ser porque com isso deixa couhecer quin-
to sabe apreciar o boro. Para os mu commo-
diatas tambem ha bom sortimento todos encon-
trarao baratees urna vez que munidos de dinhei-
ro s iliruirom a ra do Queimado lojs da sguia
branca n. 16.
Potassa da tiussia
e Americana.
No escriptorio de Haneel Ignacio da Oliveira 4
Pilho, largo do Corpo Santo n. 19, por preco
mais barato dn qon em nutra qu*lqer parta.
Caslello -too,aifaiae
nMOLtBHfS
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Curmo n. 9.
SO c- ce -
"2. 1 f
"S = 5 s a.
3
** -O w O. S
* a 2 S*
I er t^-
*o v os, =r CS f e
S f[Tm.E.
S'ffDgB
Na ra da Gamboa do Carmo toja n.
12, vndese toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
jliqmdacao por todo.
o preco, na bem co-1
| nbecida toja do Ser-
tanejo.
|Rua do Queimado n. 451
SApparecam com di-
nheiro que nao deixaro
8 de comprar.
8 Chitas escuras finas a 160, 180 a S00
rs., cortes d* vestido prtos bordados a
vallado de casto de 1509 a se vendem
por 309, 409, 509 70. sshidas de baila
da vallado e setira a 129 a 139, camisas
para senbora a 2&000 e 32)500, golli-- has
da cambraia bordadas a 500, 600, 700,
ff 800, 900 a 19, ditas de fil bordadaa a 1-20
8rs., cssaveques de fusto a 59, 69,7$, 89,
meias de seda brancas a pretas para se-'
8 esteva la^OO o pr, tiras de bahados a
500 a "lio rs., laaade quadro eufeatadaa a
300 a 360 ra. o covado, cambraia preta a
400 a 440 rs. a vara, orgaodys de cores s
32 600 rs. a vara, fil branco adamsseado
a para cortinados a vestidos a 400 a 500
rs. a vara, cortes da colleta da caaemira
8 bordados pretos a 29 e 3000, ditna da
vallado de r a pretos a 3j, 49, 59 69,
_ paletots de brim branco fraocezes a'
39500 a 49500, ditos da casemira de co-
S res apratos a 149 e 169. ditos da alpaca
g| prets e da cores a 39, 3g500, 49 a 4)600,
, camisas da peilo da linho a 9500, cortva
I de collete da orgurao a I9")00, 1700,
g %92tl0, 3$ a 3$)00. colletes fetos d brim
Jfs branco a 29500, ditos feitos da gorguro
t a 2$500 e 30500, ditos feitos de casemira
jg a 3J5O0, 4$ a 4J500, ditos de vallado a
j> 59, 690 79, ditos -< fusiao de cores a
1J500, um vanado sortiuento de meias
ft para homaro o sonhora, grinaldas coro
s flores, chales da froco, espartilhos, a to-
da a qaalidada de roapas feilas para ho-
rnero que tado se vende por matado do
fs seu valor.
Por este annancio se faz constar sos Srs. offi-
ciaes de todaa as armas, tanto dasta provincia
como das malscapitaes do norte do imperio, qa*
ha a venda botos do novo padro, segundos
ultima ordem do miuisterio ds guerra, veoden
do-s duas abotuaduras por 39, advertindo qup
urna das abotuaduras de padro antigo, faz <
remeasas para onde forem pedidas, assim como
lamDem ha para vender o melhor panno azul in
Klez, a o melhor velludo preto do Porto, fizenda
desconhecidas nesta praca, o que se vende a re-
talho. Os Srg. offlciaesqne estao fora da provin-
cia podern renovar suas consignacoes fizando
quDtia certa^e os outros sanhores que nao live-
rem procuracio nestacaaa podem manda-la, ad-
vertinda que o lempo para a dita procurarlo de-
ve ser limitado, acompanhando ama carta da or-
dens pedindo as encommendas que forom preci-
sas, devendo ser dirigidas a correspondencia a
Joaquim Rodrigue Tavares de Mello, raa do
Queimado o. 39. Tambem ha galn de ouro su-
perior e farros francezas para alfaiste, aza furia-
da o par 109 '
Mocadas p meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'ngua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundicao
de D. W. Bouman.
Ra da Senzalla Nova u 42
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas deferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moorlibra a 120rs.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston; ti C ra da Senzalla Nova
u. 42.
A foja d'aguia brauca, ra do
Queima Heceheu pelo ultimo vapor os seguintaa ob-
jectos :
Bonitas ligas de seda para senbora.
Grandes e bem tecidos bandes da eltna.
Aspas de 850, a fita elstica para ees de balo.
B mecas grandes mui bonitas bom vestidss
Bonitos baaziohos com 9 frascos da cheiros.'
Lindas caixinhas com 6 ditos de ditos.
Traocellira grosso de cor para guarnecer vestidos
Lavas de camurta brancas amrp||,.
Liados boioes de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca scabs da recaber lindos
botes doporcellsnadourada com fina banha a
msviosasinscripQSes.oa qases porsuasdelicade-
zas a perfeicoMtornam -se dianos para presen-
tas, e com eaperialidade ns actaal qaadra quam
goslsrdo bom dirigir-a com dioheiro raa
do Queimado, loja d'aguia branca n.16, qie ,Cnl.
r em qae bem o empregT.
Soahail M-iiurs & C, tanoo receido or-
dam para vender o sea crescido deposito derslo-
srios vjsto o (sbricanta ler-ae retirado do naco
alo ; convida, portante, as peesoas qua qaizeram
possair am bom rslogio do oaro ou prata do ce
labra fabrcente Kornby, a aproveltar-ia da op-
portanldada aam parda da tempe, para vir tom-
pra-los por commodo prego no aaa aacrlotorio
rus do Trapicha n.J8.
Iunileiro e vidraceiro.
e
Grande e nova oflicina.
Tres portas.
31Rua Direita31.
Neste rico a bam montado estabelecimento an-
contraro os fregaezes o mais perfeito, bom a s-
bado a barato nn sea genero.
URNAS de todss asqaalidades.
SANTUABIOS qae rivalisam com o Jacaranda.
Ba.NHF.1KhS da todos os tamsnhoi.
SEUICUPlAS tdemldem/
BALDES idam idem.
Bacas idem tdem.
BAHL'S idem idam.
FOLHA em caixas de todas as grossurai.
PRATOS imitando am parfeigo a boa percal-
lana.
CHAI. El RAS da todas as qaalidadas.
PANBLLAS idem idem.
COCOS, CANOIEIROS a liendras psra qaal-
qaer sortimento.
VIOHOS em calas a a rstalho da todos os ta-
mandando-ae manhos, botar dentro da cidada,
am toda a parta.
Recebero-se encommendas de qaalqaar nata-
raza, cooeertos, qua tado aer desampanhada a
contento.
Manguitos e gollas de
cambraia ricimentt bordados
Vendem-se manguitos a ollas de superior
cambraia ricamente bnrdados pelo inslgnicanta
pretjo de 19 o par da manguitos com urna gol la.
sendo que smpre coatara-m 6 cada par, assim
pois recommeoda-seaos amigos da aanta eco-
noma que aproveilam a boa oecasio, dirigi
do-ge com dinheiro a loja da boa f na raa do
Queimado a. 22.
*6 n ooij3 op osjB[ o 99 *n sazna^ svp n\j
xa
lSISS370Ud
sudZBuue sitas uia ui^pao^
imm
MNTii Anm


dluuo d*jwtommm s.ibado ommxkj m *e
Atteneao
ao barateiro que est
queimando.
Vende-te manteiga ioglea de superior qeali-
dtde a 720 e 8uu r. i llora, dita francesa a 640
e 720 ra. a libra, cha hysom muito superior qua-
Udade a 2&880 e 39200 a libra, toaciobo da Lis-
boa muilo auperior a 320 rs. a libra, arroz a ltO
6 140 a libra, sletrla 320 e*00 ra. aullo superior,
taacarrao a 380 a 360 a libra, vinagre da Lisboa
Bailo superior a 320 e 360 ra. a garrafa, arroz do
Miran nao a 120 e 140 a libra, zeiledoce de Lis-
boa de primeira qaahdade a 750 e 800 rs. a gar-
rafa, dito de earrspsto a 360 a garrafa, charutos
Trelas muito fios a 20 rs. fazeado-se difereoga
m caixa fiobos muilo superiores a 560 ,
a 640 e 800 rs. a garrafa, e outroa muitos rnait
gneros, que avista dos compradores se venda-
rao por meos do que em outra qualqaer parte :
na ra do Noguoira o. 49.
Ra da Senzalla Nova n. 42
Vanda-sa em casa de S. P. Jouhston & C.,
sellios a silhes inglezos, caodieiros e casticaes
bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, ehicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous eavallos, a relogios da onro paterna
ingles.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado a 16.
Pos de arroz rom boneca em booltos vasos lloa-
rados.
Ditos dito sem boneca em paeotes.
Agua balsmica para conservego dos denles e
bom hlito 4a bocea.
Opiata ingleza para alvejar os deotea.
Leite virginal ceja utilidade reconhecida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para qaem soffre de tonlices
e dor de esbegs.
Paslilhaa de cheiro para se perfumar aposentos.
Acha-se venda no escriptorio de Antoni
Luizde Oliveira Azeedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra escripia pelo vitcooda de Urugeay.Ensaio
Sobre o Direilo Administrativo; dallamos de te-
cer elogios a esta obra, basta o nome de seu au-
tor para a tornar recommendada, dos volumes
em brochara 109, encadernado 128.
- Vndese uro casal -ie pavea e ama rotula:
na ra do Imperador n.27.
Enfeites para senhora.
Oa malboraa enfeites pretot a da cOres que tp-
pareca a 59500, 6 e 68500 : na loja da Vistor,
na ra do Queimado n. 75.
Luvas de Jouvin.
Vsnde-se luvas da pellica de Jouvin brancas,
para senhora, ltimamente ebegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Luvas de seda.
Vende-sa luvas da seda enfeiUdaa a 18600,
29000 e292OO, dilaa fio de Escossia branca a ra.
7U0. ditas da corea 800 ris, ditas de slgodo a
280 ris ; na loja do beija flor, raa do Queimado
aaro 63.
Escovas.
Vende-sa eseovas para denles finas de diversas
qualidades a 120, 160. 320. 400 e 500 ris : na
luj do beija-flor, ra do QuHroado o. 63.
Jogo de duuiio.
Vende-sa jogo de domin finos a 18200 : na
loja do beija-flor. ra do Queimado n. 63.
Botes para puuho.
Vende-ae botos de punho fios de diversas
qualidades a 200 rcis o psr. que tambera servem
psrs manguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Occulos.
Vende-se oeeulos floos de armadlo da seo, a
29,19, 640 e 400 ris : loja do beija flor, ra do
Queimado n. 63.
Ricos siutus dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditoa de fila
com Avalla dourada a 19500 : loja do beija flor,
raa do Qeeimado n. 63.
Eufeites para eabeca.
Vende-ae requissimos enfeites pars eabeca core
franja, e sem ella pelo baratissimo prego de 58
a 58000, ditos da vidrilhos a I96OO ; na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Muito lindas caixinhas e cabazes psra meninas,
da 100 ria al 29500: na luja da Victoria, na rus
do Queimado n. 75.
Franjas pretas eom vi-
driho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas e da cores
eom vidrilho a sera elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimado n. 75.
inhasdf peso verda-
deras..
Linhas Ansa de peso verdaderas, meadas
grandes a 240 ris : na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Phosphoros de seguran^
Phosphoros de seguranca, por que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
a raa do Queimado n. 75.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para guardar dioheiro
de ouro a prata a 2000, 28500, 19000, 18280 a
19500 : Da loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
Kosas artiticiaes para cabello.
A.L. B. F. teodo recebido um variado sorti-
mento do booitaa rosas qua se eslo usando para
eaballos, e de pannos com folha de velludo, ditas
de papel todas, as mais ricaa que se pode encon-
trar ven-ie-i os ra do Queimado n. 63, loja
do beija flor.
lucos casquines
A loja da boa f receben superiores basquines
de muito lina cambraia a imiUcao da de huno,
bordados a enfullados com apurado goslo eos
veode pelo barato prego de 89 cada um, tendo
sido aempre sea casto de 168 e 209, spressem-se
pois em compra-los na meoclonada loja da boa
f, na ra do Ooeimado n. 22.
Superiores ataalhaaos
adamascado.
Superiores atoslbado adamascado com 8 pal-
mos de largura a 1g600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f
Damasco par colxas e para
oraameDtos de igreja.
Vande-se muito auperior damasco de l de
urna s cor, muito proprio para colzas e para
oroamenlos, eom 6 palmos de largura pelo ba
rato preco de 28800 rs. o covado : na raa do
Queimado n. 22, na loja d* boa f.
Verdadeira pecMncha.
Vendem-se corteada superior gorguro de se-
da para eolleles pelo baratissimo prego de 19
29 e 39 o corle : na ra do Queimado n. 22, na'
bem conhecida loja da boa f.
Baleias para vestidos.
Btelas muito grandes a boas a 160 ris urna
na loja da Victoria, oa ra do Queimado n. 75.
Para os lab; quietas.
Lencos nuil > finos a imltago dos de linho de
muito bonitos padres e de cores fizas muito
proprios para as pesaoaeque tomam tabaco, pelo
barato preco de 49800 e 59500 a dazla : na raa
doOueiraodo n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Linha de croxei para la-
byrintho.
. As melhores linhas de crozel para labyrlotbo,
no vallo moostros s 320 ria um : na lo)a da Vic-
toria, na roa do Queimado n. 75.
Bramante de linho.
Vende-se muito superior bramante de linho
com duaa varaa de largura proprio para lences,
pelo barato prego de 29400 rs. a vara: na bem
conhecida loja da boa f, na ra do Queimado
n. 22__________________________________________
Potassa da Mussia
Vende-se emeau de N. O Bieber &
C, successores. ra da Cruz n. 4.
superior ctele Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa ebegada lti-
mamente, por precoa muilo mais commodos do
que em outra qualquer parta : no amigo a acre-
oitado deposito da ra do Braro n. 66.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
| timo vapor a sua encommenda dos seguintee ob-
yectos para baptisados, sendo lindas touquiohas
Ida aetim roui bem enfunadas, e cada ama em
j sua caixinha, gjpatinhos de setim branco, e de
; cores ricamente bordados, e meis de seda, o
1 melhor e maisbooito possivel. Agora, pois, os
1 pais qua nao quizerem esperar pela geoerosids-
de iaa senhoras comadres, dirigirem-se logo
munidos de dinbeiro loja 'guia branca, ra
do Queimado n. 16. onde bem podero comprar
esses galante* objeclos.
Petlas falcas
Stnios dourados para se-
nhoras.
Lindos slotos dourados psra senhoras a 2920(1,
ditos de ponta cabida a SJ, ditoa de fila a 1 jtiOO :
ns loja da Victoria, na rus do Queimsdo rt. 75.
Ricos espelhos de
moldara dourada par^
salas
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
porco de ticos espelhos de varios tamaohos para
ornamentos de salas, aflnngando-se serem os
melhores am vidros qua tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
I nara hArriar '11ali;far >]* fsIja nulidad.
IJCl"^. LFcS. 1% VlFl tlCl ? %\ A loja da aguia branca acaba de receber um
: oovo sortimento de superior aljfar branco ou
peroles falcas o qnal por sua perfeigo difficil-
monte se distingue das perolas verdadeiras e ser-
vem elles por sua extraordinaria grandeza para
asgargsnhlhas que presentemente eslo em mo-
da e sesmo para outros enfeites e romo sempre
vendem-se commodamente a 19, 18200 e 18500
oflo:issona ra do Queimado loja da aguii,
branra n. 16.
Lia muito boa da tod'9 ss cores para bordar, 1
79 a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei-
madn n. 75.
Lichas gaz,
Calxinbas com 50 novellos da liohas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caixa, dilaa com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grande
a 700 ris, branca* e preta* : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Para doces seceos,
Vendem-se muilo bonitas caizinhss redondas,
de madaira, de diversos lmannos, forradas da
papis de cores, muito lincas, propria* nica-
mente para doc-s eeccos de qualquer qualidade,
pelo barato preco d 4, 5 e 69 a duzia : na raa
do QueiriM'o, oa bem coohecida loja da mlude-
zas da ba fama o. 35.
Para S, Joo e S. Pedro.
Veddem-sa caixinhas com grande porcio de
amendoas tonf^iaiiss, e alguns centeitos pro-
Erios para o festejo da S. Joo e S. Podro, p*lo
arato preco d< 800 rs. cada urna : na ra do
Queimado, na bem coohaciis loja de miudezss
da b'-a ('mi n. 35.
Aiten^o o Vigilante
Que acaba de receber os linios collares coro
caracolsuihos de m-rlin inteiramente cousa nova,
Eropriamenle psra pescoco, que se vende oelo
aratissimo prego de 19000 a 39000, nao haver
pessoa alguma que deize de comprar cousa to
alegante; tanto pars senhoras como para criare:
i no Galo Vigilante, ra do Crespp n. 7.
Bolinhos fran-
cezes.
Na Padaria de A. F. de S. Beiris, rus dos
Pires D. **, vende se bolinhos francezes, ditos de
passas, bolachiohas de ararata, biscoito doce,
grosso e fioo, fatias, pao coaimum, dito de pro-
venga, bolacha : ludo fabricado das melhores fa-
llonas a frabalhado com petfeico a limos**
Pra liquidando troca-se
por prego barato um sau'>
tuario com as respectivas
imagens e TDftis as segniotes:
de Saiit'Anna, S Joaqum, S
Js, S Antonio, e do Menino
Jess ; na ru do Vigario n
9, primairo andar.
larcaca.
Vende-se na ra Direita o. 95 urna barcaca com
ledos seo* pertences a navegar para qualquer par-
te, e muo barata, da 12 caixas para mais : os
prHeodeiitea podem dirigir-se a J080 Bsptiata da
Rocha que Ihe informar melhor.
Cera esebo.
Vende-se cera da caroauba e sebo em vel s e
em pao, em caizotes de urna arroba, e em barri-
cas, du Rio Grande, por menos prego do que em
qualquer outra parle, albos 50 rs. a maunga, e
caf Fazendas pretas
superiores.
Grosdanaple preto maito superior palo dimi-
nuto preco de ? o covado, panno preto maito fi-
no a 3, 4, 5, 7 a M o covado, casemira prett
muito fina a 2, 29500, 3, 39500 a 49 o covado,
mantas pretas da blondo muito superiores a 12|,
man teleles da superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordados a 359, sdbrecaaaeas da panno
preto muito fino s 309, casacas tambem da panna
preto muito fino a 309, paletota da panoo prale
fino a 18 e 209, ditos da casemira de cor mas-
ciada a I89, superiores gravatiohas estrellas a
19, ditssda aetim maco a de gorguro maito sa-
periorea para daaa voltaa a 29, ditas estreitinhai
com lindos alQoales a 29, superior gorguro pra-
to para colletes a 49 o corle, ricos enfeites pretos
a 69, a assim outraa multas fszendas qae sendo s
dioheiro i vista, vendem-se por pregos muito ba-
ratos : na ra do Queimado n. 22. na bem conhe-
cida loja da boa fe.
Vende-se queijo do sertao ae muilo boa
qualidade : oa ra do Queimado n. 13.
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para fuoileiro
e bahuleiro, a 1^280 cadaum
nesU typographia se dir.
Chapeos de sol
com bouquet para sehora.
Entre os muitos e diversos objectos de gosto e
pbantasia que a loja da aguia branca ha recebido
aobresahem esses delicados e noviaimos cha
pos deso rom borjqaets. Hoje que os indis-
pensaveis balos nao permitiera que si senhoras
sndem de brago, faz-se de certo necessario que
cada urna tenha o seu chapeo de sol, e que este
corresponda ao valor, e bom gosto da um rico
vestido de sede. E' por isso que dita loja eca-
ba de receber orno por amostra urna peqoena
quaolidade desses bellos cbapeos de sol ornados
de finas florea o qae entre os novlssimo. Na
verdade elles se tomam grada veis ios olhos de
todoz, e a senhora qae os comprar pode orgu-
Ihsr se de seu bom gosto, ao contemplar que
trazendo-o fechado figura-se-lhe um lindo bou-
quet, e aberlo representa-se abrtgads em urna
csrregada roseira, emfim al onde pode che-
gar a perfeigo mesmo o eume ao bom gosto.
I S pena que viessem to poucos que talvez
'nochegoem para a vigsima parte das preten-
deiitee. Custa cada um 209 porem a senhora
que os vir nao ezitar de os dar ainda mesmo
que sejs preciso bulir n'aquellas oioedas de pra-
ta qae tem gnardadas em sua bolsioha reservada.
Asatm pois maodem quanto antes compra-los na
ra do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Camisas bord4das e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-se um bello sor-
timento de bonitas camisinhas de fina cambraia
com babadinbos e mui bonitos bordados da no-
ves e delicados desenos, as quaes servem mui
bem para os modernos vestidos de freote abarla
a vendem-sapelo dimiouto prego de 39 cada
ama ; assim como bonitos manguitos a balo com
goiliobas de superior cambraia e fil e todos bor-
dados, com punhos virados e cada par pela ba
raliasimo prego de2S. oque admiravel avista
da superioridadeda obra, bem assim puchos e
gollinbas tambem bordados com bonitos botdes
a 29 a gearnigo, o gollinbas soltas igualment
bem bordadas a 19 cada urna e manguitos a 800
rs. o par. A vista pois de am tao completo sor-
timento nenhuma senbora deixar de comprar
essesneceaaarios objecto: linio mais quanto a
coromodidade dos pregos convida a para que to-
dos sjm bem servidos coovem qua maodem
logo comprar na loja da aguia branca ra do
Queimado n, 16.
A laja da fcguia
branca ra do Queimado n. 16
Acaba da receber os precisos objectos seguin-
tes:
Aapss de balela grandes e pequeas.
Fita com colzetes branca, parda e preta.
Dita de la para debruar vestidos de cores.
Trancinha de caracol miado conhecida por bom
tom.
alfinetes pretos e broncos em caixinhas.
Asulhas imperiaes fundo dourado.
Ditas victoria em caixinhas a papis.
Retrox preto fino em csrreteis grandes:
Rap de Lisboa
em frascos.
Vende-se o superior rap prioceza Brasil che-
gado pelo ultimo vapor inglez oOoeida ; na loja
de Mrrcelino & C., ra do Crespo o. 5.
Boa compra.
Vante-n o excellente eogenho S. Josquim,
sito na freguezia da Varzea, urna legoa por non>
camiobo, moer.te e eorrente Q'agua por doua
acudes, terrenos e malas sera iguaes, pode s
frejar at 2.000 pies. Trocs-se lan.bem por pre-
dioa o mesmo aogeoho, porm s nesta praga ;
qaem se quizar enriquecer em pouco lempo, ai
rija-se a negocis-lo na ra da Praia n. 53, ter-
reiro andar.
rinhas e trabalbado com petfeigo e limpeza e
lado por prego commodo.
Veudem-se dous caixes de louro muito
boos para vlnds, e por bsrito prego; a tratar na
ra da Imperstriz a, 49.
Predio i venda.
Vende-se um sobrado na ra do Amorim, com
tres andares e solao, chaos proprio*, com dua*
lojaa por ser bastante largo ; trata-se na ra do
Vigario o. 10, primeiro andar.
A verdadeira esseucia de auil
para eogommado.
Acaba do chegar para a loja d'aguia branca,
raa do Queimado n. 16.
DA
Pandicao Uw-JMft?,
Boa da Sen zalla Nova n.4t
Neste estbales i ment continua a haveruro
completo sortimento de Doradas a meias moen-
ias para engenho, machinas de vapor a taixas
de ferro batido a coado da todos os tamanho
para dito.
C-.l e potassa.
Veudem-se estes dous ar-
tigos ultifp.amente chegados,
io bem*couhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadeia
do Recite n. 12, mais barato
do que em outra qualqurr
parte.
la do Crespo n 7, no
galio vigilante.
Nesta nova loja ba grande porcio de caixinhas
cota amendoas propriea para brinquedo de S.
Moao q.ase vende pelo barato preco de 800 rs.
cada urna qaem deixar da dar a urna menina
urna eaiilaba ; tambem tem grande porco d
caliaa propriaa para doces secos que vaod con-
forme seus tamanho a 6, 5 a a 41 a duzia
meodoas avulsaa a 800 a 640 rs. a libra : s no
vigilante raa do Crespo n. 7i
Mauguitos com goluhas.
Vende-ie manguitos com gollinhas, fazendi
muilo bda pelo barato preco de 28K)0, gollinbas
e puobos ultimo gosto a 200, gollinhas muito
Unaa e bem bordadas a 1$000 cada ama na raa
lo Queimado loja da miudezss da Boa fama
n. 3o. '
Tiras e eutremelos Dordados.
o/r"o'K?,APP.Cn,,e bordadas da 2,500.
d.UW. J.oOUe 4.000 ntremelos a 1J}600 e 5000
cada pega oa rea do Queimado loja da miudezas
da Boa fama, n. 35,
Bouecas fraucezas.
Vendo-se bonaess francesas ricamente vaatldas
49000 e 5*000. e IJ0O0 boneess da cera com oa
olhoa rt ovedcoa a 2|0O0 e 3000, na rus do Qaei-
mado loia da miadezas da Boa fama. n. 35.
F i vel as de a 50 para siutos.
Vende-se Arelas da ac para sinto a 1j>500 rt. a
29000 na ra do Queimado loja da miudezas
da Boa fama, n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120rt. cada ama aspa de seo
para balao a 160 rs. a vara, bandea a 19500 ra. a
2j00 o par, na ra do Queimado loja da miadezas
da Boa fsma. n. 35.
tlascariihas de seda.
Veode-aa eaacarrilhas da seda para anfeitar
vestidos a 29000 a pec.a na ra do Queimado
loja da miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borrscha para qaem padac
da arystpela a 159000 o par, meiaa de seda preta
para seohora a IgOOO o par oa ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama. r. 35.
A 2$5U0,s o pavo.
Veodem-ae cortes da cambraia branca com 2 a
3 babados a 29500, ditoa de tsrlslsna brancos a
de cores, com barras a babados a 39: na rus
da Imperstriz n. 60, loja o armazem do pavo da
Gama & Silva.
Perfumaras muito fiuas e
b ratas.
Opiata ingleza a 19500 rs, dita trancis a 500
rs., 640, 190C0. oleo da sociedade hygianiqae
verdadeiro 19C00 o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, tgua balsmica
para os denles a 19000, dita de Botot tambem
para os denles a 1(000 o frasco, pomsda franca-
za em pioa a 500 rs. e I9u00, 320 rs. sabonetes
maito tino a 640 rs., 800 rs. e I9OOO cada um na
ra do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
o. 35. ________________________________
bebo do Porto
em caixas de urna arroba ; na
ruado Vigario n. 9, primeiro
*ndr.
Grampos ei balao
com pendentes dourados.
A loja 'aguia branca contina na recepeo de
objectos do ultimo gosto, e por isso acaba de des-
pachar vindo pelo ultimo vapor esses deliesdos
a novissimos grampos de bonitas edres com pen-
dentes dourados o que de mais delicado se pode
encootrar. Essa loja como geralmente sabido,
lem sempre em vistas a commodidade de saas
boas freguezias e por isso tem resolvido vender
esses galantes enfeites a 29 e 39 o par, o que na
realidade maito o.ais valem. Convm pois que
a vista ds limitaco do prego a senbora que com-
prar um ou mais parea, no ss demore em psr-
tictpar as suas boas vizinhaa e intimas amigas de
collegio, para que aa emitlem no seu aparado
gosto, e maodem logo comprar outros pares oa
loja de sos affeico : que a d'aguia branca, rus
do Queimado n. 16.
Na officioa de carapina'de Carloa Hesse na
raa dos Pires n. 28, hs pera vender um ptimo
carro de 4 rod como um cabriolet da 2 rodas igualmeoie bem
feito ; quetn os pretender, pode dirigir-se a dita
ofhVina, qun achata eom quem tratar
das sei portas em Ireute do
Livrmeuto. 15,20,30 e 40
arcos.
Grande sjrlimento de ssisa a balao da arcos,
os melhorvB qe aqai tem apparecido no marca-
do a 950em&. 6$ 6500 cada aun, amostra aafli penhor ; a loja eal aberta at as y
horas da "afile.
Superior brim branco de
linho
Vende-sa superior brim branco de linbo tran-
cado pelo baratissimo prego de I52OO, 1c-i40 e
19600 a vara, dito muito eocorpado de doaa flos
a de linho puro a 2J a vara : na ra do Queima-
do n. 22. na bem conhecida loja da boa f.
A 2,400 rs. a c-uzia.
Lencos brancos finos para slgibeira pelo dimi-
nuto preco de29a00 rs. a dazia : na bem conhe-
cida loja da boa fe, n* ra do Quaimado n. 22
Cambraius de cores
Vendem-se cambraias francezaa de cores fa-
zanda muito Ona pelo baratissimo prego de 260
e 280 rs. o covado : oa loja da boa fe na raa do
Queimado n. 22.
Para luto.
Fumos de seda elsticos para chapeos largoa e
estreitos a 19500 : na raa do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
Lazii)has muito tinas
para vestidos.
Superiores laazirtbas para vestidos de muito
booitos partroesque se endem pelo baralisi[,o
prego de 440 rs. o covado : na rus do Queic.a
do n. 22, 00 loja da boa fe.
Queijo do sero
Queijo demar.teiga a 500 rs. a libra, e de coa-
Iha 400 rs., manteiga ingleza flor a 800 rs ,
francezaa 610, baoha refinada a 440, em Darrila
400 r?., gomriia de araruta a 100 rs., em arroba
a 2J800 : na ra ds Ouzes v. 21, esquina da
traveasa do Ouvidor.
Vende-se urna escrava.
Vende-se urna mulata de 16 annos, douco mais
ou menos, bonita figura, sem defeito aUum, e
t*m muilo bons principios de cozer, engommar
e cozinbar : trata-se na ra do Queimado n. 46,
loja
lint*tas .
Batatas novas s 60 rs. a libra
Terco o. 23.
no largo do
M chinas americanas.
Em cssa da N. O. Bieber & C., successores,
ra da Cruz u. 4, vendam-se :
Mschinas para regar hortaa a capim.
Ditas psradesrarogar milbo.
Ditas para cortar capim.
Salios com pertences a 109 a 20$.
Obras de metal principa prateadas.
Alcatrao da Suecia.
Verniz de alcatrao para navios.
Salsa parrilhade primeira qaalidada do Par,
Vinho Xeraz da 1836 em caixas de 1 dnzia.
Cognac em caixas da 1 dazia.
Arados e grades.
Brilhantes-
Carrogas pequeas.
tal de Lisboa,
Vende-se superior cal da Lisboa chenada lti-
mamente, e por pregos muito mais commodos do
que em outra qvalquf r parle ; no aotigo e moi-
to acreditado deposito da roa do Brum n. 66.
Um cabriolet.
Vende se um bonito cabriolet de duss rodas,
pintado e anveroisado da novo, por prego coma
modo : para ver, na vfficina de GrosgeiD. oa ru-
da Florentina.
Rival
igual
RA LARGA DO ROSARIO N. 36
Primeira loja junto da botica.
Florea artificiad maito bonilaaa 19.
Tesoorss psra costura com loque linas a 400 rs.
Botes de linho para cssaveque a 20 rs.
Ditos de seda para ditos a 30, 40 a 50 rs.
Pilas de clchete para vestido, vara a 320 rs.
Massinhos de contas miudas a 120 a 200 rs.
Stntos dourados a 1&600,
Eofeites pralos com franjas a 49800.
Meias brancaa para aenhora a t|400 a duzia.
Botes para punbo a 120 a 160 ra.
Escovas para limpar uobas a 320 e 500 rt.
Oitas para cabello a 1f.
Ditaa para roupa a 500, 800 a 19.
Linhas de croxei para bordsr a 60 rs. a miada.
Clcheles francezes em cartao a 40 rs.
Carretela de linha a 40, 60 e 80 rs.
Novellos da linha do gaz a 30 rs.
Papel tarjado para luto a 19280 a caixa.
Dito branco ede cores a 19 a caixa.
La para bordar sortida a 69400 a libra.
Pranja preta de seda com vidrilho.
Luvas de seda com toque a 200 rs.
Occulos aro d'eco muito bons a If.
Ditos de metal a 500 rt.
Franjas branest de linho a 80, 120 e 160 rt. a
vara.
Asulhaa francezss era caixinha a 220 rs.
Tinteiros com tinta tampa de metal a 180 rs.
Caivetes moito floos psra peonas a 600 rs.
Crreteis de retroz de cores a 280 rs.
Pinceis psra fazer barba a 400 e 600 rs.
Peotes de alisar de borracha a 560 rs.
Caixas de jogos de vispora a 800 rs.
Ditas de jogos de xairez a 1)600.
Meiaa para hornero cruas a JjOO a duzia.
Caixas de metal com peonas q'sco a 100 e 200 rs.
Ditas eom urna groza de ditas a 400 rs.
Um sortimento completo de rac Psulo Cor-
deiro a 19500. gaste grosso a Ij600, dito meio
grosso a 1J600. dito fioo a 1JJ280, Lisboa a 29700,
rolo fraocez a 2(900, Meurun a 19040.
Assim como neste eslabelecimento se eoconlra
um sorlimento perfeito de miudezas.
Na taberna da ra da Aurora o. 48, vnde-
se urna bomba para cacimba multo em conla,
assim como urna taboa para fazer velas; na mes-
la compra-sa peonas de emma.
Bordados baratos.
, Yndem te golliohat de cambraia e d '6 bor-
dadas a 500 rs., manguitos a 19 o par. marglos
com golla bordada de cambraia a 1.600. e Ursa
cordadas a entrnelos ; na rita da Imperalrit n.
w. lo) do paajp.
Canditiros do caz
mSsszn: ,ois -vic,ori
por precos
0.51.
a ioja da Victoria oa
gaz, que tem vindo o
meihores
rrercado.
commodos : na raa do Qaeiaado
CALQ
45 Ra Direita4S
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
complato desappaiecimenlo esl prximo I O
propietario deste bem sorlido astarel >:-i-to
convida oa seus numerosos freguezes a sur.m!r
o galcado velho, que todo est choi.-rico, tor no-
vo, e que possa resistir s mil schotis e msxzur-
caa qae vao ser dansadas em louvor do t<-.,r-
Uecimento da saude publica. Os prec,s con-
vidara :
HOiMENS.
Botinas sfamsdas Mi
_.Jiet. ; .
a non-plus-alira Nantes.........
> Nanles 2 bateriat..............
lustre....................
inglezes de botes.............
> batedores.......................
couro da porco.......
bezerro a lustre...............
inglezes ps selvagens.........
taxiados braaileiros............
Sapa toes non-plus-ultra.............
>
>



Isperane
Loja de miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A.
Coatureiros.
Agulhat Victoria papel a 120 rs.
Liohaa de200 jardas de todos ot nmeros s 80 rs.
Catcsrrllha a pega 29.
Ditaa muito boa vara a 400 rt.
Tranca de linho para lodo prego.
Franja de teda, de linho, de algodo muito ba-
rato.
Retroz, linhs de novelo etc.
Meias.
Um complefo sortimento sendo de cores psra
meninos a 240 rs.
Ditas brancas s 200 rs.
Ditas para seohora a 240, 300 a 400 rt.
Ditas psra homem a 59 e t$
Ditas pretas para senhora a 400 e 360 rt.
Gravatas
com botao a 19.
De cores muito loas psra homem s 1$.
Para meniooa estreilinhaa a 800 rs.
Pulceiras
de contas miudinha a lj*.
De cabello a 49.
De phantasia de dito etc. a 500 rs.
BotGes.
Para cssica e para caiga a groza 320 rs.
Para camisa muito finos groza 19400.
Grsndes para roapao groza I56UO.
Pequeninos pars crianga 19400.
Alamares.
Para espote a dazia por HO ra.
Colxetes.
De fio batido especial duzia 720 rt.
De cartao 14 parea a duzi 500 rt.
Em caixa pretos a duzia 800 rs.
Brincos.
A balo brincos, encarnados, azues e dourados o
par por 1.
Rozetinhas com podras que parece diamante o
par 19.
Penas e caetas.
De todas ai qualidade! especialmente de caligra-
phia e de langa.
Canelas para aprender escrever pelo systems de
Sculy ums por 500 rs.
Papel.
Alrosgo pautado 500 f ilhas 63.
Dito dito 420 ditas 49500.
Dito dito 420 ditas 4$.
Dito liso 39200.
Dito de peso azul e branco 4$500.
Dito azul liso 29500.
Dito pequeo tarjado 19500.
Dito pequeo de cores 1J200 e 19500.
Dito tarjado de preto 19500.
Envelopes canto 18
Obreias de colas 100, 120 e 300 rs.
Pentes de tai taruga.
A imperstriz 89 e 109 o que se venden por 168
e 2O9OOO.
Dirtrito para atar cabello a 49.
K imltago por 15.
De srripia pira meninos a 800 e 1S.
Tartaruga para alizar '' De blalo para solea"e cabello 400 rs.
Pentes de borracha pequeos para Iraztr por ca-
sa muito bons a 320 rs.
E iotlniJade de rticos novamente chegsdos
loja Esperinga ra do Queimado o. 33 A.
3 bateras e meia..............
esmaga robra..................
Naotes 2 bat^rias vaqueta.....
2 bateriaa bezerro......
trsbalhadores..........
brasileiros de 3J500 a..........
Sapatos2 solas e salto..................
tranga portuguezes..........
o francezes......
SEiNHORAS.
Botinas dengozas........
sallo de baler. ...!.".
pechincha de 48500 a. .
> americanas 3J5U0 a .
Sapatos de salto (Joly) | ,
sem elle (idem)......
tapete;........
a econon icos. ;......
> lustre 32 33. .
MENINOS E MENINAS.
Ha de ludo em relajo e nao se dixe >-h!r
dioheiro.
Um completo sortimento da couro de peteo,
fordavo, bezerro fraocez, couro de lustre, iar-
roquim, sola, couriuhos etc., que ludo se troca
por dioheiro vontade do comprador.
lSflflO
1*1(00
11.-IUO
IOjOOO
10*000
9>500
991'00
99000
75511
5 500
790(10
6,-fOO
59.-.W)
rfetiO
5JMK50
23000
.r>>i)0
2tH O
I5t0
55rii
59000
4.M0O
'-'rUO
3WO
15920
8t0
Sb'O
800
sera^os fugi v,.
jisa^
Est fgido desde 1 do correte mez ae ju-
lbo, o escravo pardo, Ricardo, boleeiro e carro-
ceiro, bem coDhecido nesta praga e feus arre-
baldes ; representa ter 25 annos de idade, c bal-
so e magro, tem cabellos rarapinbos raspado de
pouco tempo na cadeia, onde esteve por causa
de estar fgido, tem poucs barba eflta do iteiilea
na frente, rosto comprido e olhos redoodi>3 ; lem
sido eacontrsdo ni Capuima, e Olinda anda te-
diando e jngattdo cotu mais de 2(>9 au- lev u :
quem o spprebender e leur s casa deaeusanboi
na Pa8sam mente recompensado.
Antonio Valentina da Silva Barre.
2001 de gralilicat
a qaem pegar o pardo Francisco, de 17 afinca
de idade, de bonita figura, com todos os dente.-,
Cabellos carapinbos e ruivos, este par-in foi do
j Sr. Dr. Borgesda Fonaees, o qual viajo* eom *
mesmo sennor todo o sertao guburbut desla
! provincia, Dacaaaailamente qaande era sea es-
jeravo, e Ulvez anda se inculque a tervigo do
, mesmo : que u o pegar quoira entrega lo
legitimo dono na raa do llospirio r>. t.
fnacio Lab de B-ito Tbida.
Escrava fgida.
Ha dous mezes que aoaenloa-ae da cvj *. n
senhor a preta Lourenga, e suppoe-sn qua eal
nesia ci ,-d > t>rvindo como criada ; efs* preta
deu a melade de seu valor por conta de sua >l-
forris, e ero qualquer parte diz que l rra, elln
tem a pello bem preta, boa figura, allura 'egulja
e falla hi-m ; roua se a quem a vir, que < si iau
na ra Direita n. 82, ou que a remella r. seu e-
nhor Vicente Ferrura Barbeta, ns villa do Lt-
mo.iro, em seu silio Duas Pedras, quo seta gia-
tificado.
30t*degraliicaeai.
Fazendas baratas
NA
oja do pavo.
Cambraia organdys a 280 rs.
Vende-se cambraia organdys de cores com mo-
Jerm.-siBios padroes a 280 o covado, e csssas
fraocezas muito finas a 210, 280 e 300 rs. o co-
vado : s na loja do pavo, raa da Imperstriz
numero 60.
Chitas largas a U rs.
Veudem-se chius largas a 200 rs. ocosado por
ter um pequeo toque da mofo ; na ra da Im-
perstriz n. 60. loja 10 pavao.
Aipakiua280
Vande-se ests nova fazenda de linho a imitago
de sedas da quadrinhos miudiohos propria para
vestido do senhora, roupas para meninos, sendo
fazenda qae nao desbola, a 280 o covado : na ra
da Imperatriz n. 60. loja do pa*o.
Do engeoho Garai. prximo a villa do cj-bo,
eosentou-se no di '7 Ce juobo de 1861, um
I mulato de nomo Jacob, idade 20 annos poQCO
' mais ou menos, com os signe es seguiriles: es-
' latera regular, corpa robusto, cabic retfi-ad,
i r avrn.e!ba a, cabellos ruiros, olhos o
nariz regul*r, denlas pcrfeilos, cara larga, sem
1 barbf, boa Ogura, falla bem e apressado, costu-
ma lnculcsr-sa de forro e gosla do andar bt-.A
vestido, ns tu ral da Araceiy, fm cuja rumares
de suppor qse esti ja a^ouisdo por algaem ou
laude como forro, foi vendido no referido enge-
,ohoaSr.aD. Aona D. IQna Paes Serrato mi
abril de 1860 pelo Sr. Ji,ao Francisco LaroeifO,
reodeiro do erigeiiho Serra : quem capturar lito
escravo o entregar no engeubo Garai (1 a Sr.
D. Aon l)' cite a Jos dos Sanios N-ves, recebar i <:e gr*'i-
, ficago 300J, e o imposte da paisagem 10 foi
COO'luz'do enbarcailo.
l'i'gi.. uo n 11 co julbo urna e>iava a
< nome Cezaria, baixa e bastante secca do eorpo,
rotto pica to d* bezigas, naiiz um pouco aliiad,),
i denles quebrados na freote, falla defT.uo<*, as
I n os muilo feie, ur.has xrossss e pretas q,ue ia -
dicam ierio trabalho de cuznha, tem ur- > marca
de feria no hombio oireiio, levou um ruupu do
ihita lxa com palmas, e um chales j usado ?*>
iistras verde escuro e claro com raa.agens irtlja
por cima : quem a pe^ar, dirija-aa a seu tenfaet
oa ra do Jssi.' Ln 0.21, que ter generosau.'sata
recenspeosado.
lira ra 11 le a 1
Vendem se pegas da bramante de linha de
urna s largara com 27 varas a 109 a pega, tam-
bem ae veode 1|2 pega com 13 112 varas por 59 ;
oa raa da Imperatriz n. 60. loja do pateo.
tas iiau.rt
Vende-te a mala superior cera de carnauba que
ha no mercado ; na ra da Imperatriz n. 60, loja
do pavo.
Cambriias lisas a 3$.
Vendem-te pegas de cambraia lisa muilo fina
com 8 1|2 varas a 39 a pega : na ra da Impera-
trii b. 60. loja do pealo._______________________
Pah-tot> a 6$.
Vendem-te paletols de panno prelo fino e cor
de caf a 69 : na rus da Imperatriz n 60, loja do
pavo.
Chitas r se liras a 240.
Vendem-te chitat francezaa escuras a 210 o co-
vado : Da roa da Iin..ratni n. 60. 1- do pavso.
Chales baratos.
Vendem-te chales da merino de cores tendo
maito grandes a 3j : na raa da Impertida d. 60,
loja do pavo,
IVsM'pareccu "o da 5 do currrui naat, *.!
villa da Becada, o preto Joaqulm, crioulo. de 30
snooa, com o sigoaea seguinies: alio, magro,
ro.'to con prido e descarnado, olhos pequencg u
vermelhos, denles limados, peitos botados para
for j, bem presumido na falla e pouca barba. U-
vou camisa de chita cabocla e caiga de algodo
de listas, levando seu poder mais alguma mapa,
como caigas de caserriira de cor, de algodo an.!
camisas da mesma fazenda, chapeos de baela c u-
zenta etc. ; este preto oceupava-se em veadet
pao e linha sahiio com um panacom pintado J.j
encarnado no meto, suspetava-se que fuese pa-
ra o lado da povoago de Papacaga, sonde foi
escravo do padre Antonio Garoeiro de Alrrei:,
excapelio do collegio do mesmo lugar, u'unda
fez ums fgida para esta cidale, aonde foi veu-
dido soSr. Joo Romaneo de Azevedo Cmpes :
pede-sa s aatoridadrs policiaes e capues iTu
campo a 3pprehengo de dito escravo, e leven
illa da Etcada ao dito Campos, ou nesta praca a
Fraocisto Jos Leite, na rus do Impera or, qda
s gratificar generos-mente. Protesta ae contra
quem o acouiar.
Preta fgida.
No dia 29 do prximo passado desappar^cta
da casa de saa senhora a preta criouia de nome
Maris, alta e representa 50 annos de idade,
cum as pernigalgama cousa inchadss de erisi-
pela, anda mesmo na cidade por ser encontrad"
na ribeira nss tabernas a raa da Peone a ra
Direita: quem a aprehender condeza a toa de)
Rangeln. 60, aegundo andar, qae aera recom-
pensado, assim nono protesta-ae perda e dam-
aoa eoBtia qaem ativer occaltt.

0B
*
mr
\W. "


8
DIARIO DB fIBCUklBUCO. -*- SABBlDO 9 DB AGOSTO DE 1161.

Agricultura
agrcola.
Economa
Melkoramentos das raras de animats domsticos.
[Coneluso.)
U*ma dai condiges essencises para que a se-
leego possa ter bom xito qua o criador saiba
peceitameote o que elle quer; se elle hesita, se
quer obter diversas qualldadei em seas oimaes,
elle caminhar errado. Do estado profundo dos
processos que se tera seguido ni selocrao que
resultou a teguinte tbeoria :para fazei boas ra-
gas neceisario espeeialiss-las.
Quer-se, por exemplo, criar ama raga de gado
de agougue, escolham-se os animaea os roais
propriospiradarem a maiorquaotidade de carne
e o mais rpidamente possirel. Dimiouir-se-ha
Partiodo destes principios que se pode ctae-
gar a crear urna raga por crusimeuto. Por meio
da annihilago da rags das mes foi que um crea-
dor francez conseguiu formar a raga Charnoise.
Malingi crusou um carnciro merino com ovelhas
das rajas Berrichon e Soulonhesa ; as ovelhas j dar |i(e ; mas /precis saber escolher; basta,
resultantes desle crusamentos foram de novo 'quanto s meas, que lias sejam suffkientemen-
cruaadas por caroeiros merinos, e anal conse- ; te leiteiras para sustentar os seus bezerros.
guiu que as ragas lcaos se aproximasaem do ty-
po primitivo, proprio para dar la unas. Foi: ru9ainento e mesmo a meslicagem dao re-
por ura melhodo semelhante que Bakevel creou ,U"'M ^mediitamente, porm que enganam
multas vezes a quem os p5s em pratica. A sa-
leccao ama operago que exige maltas opera-
' cues de criadores; mas ella ganha em certeza o
I que perdem em rapidez. Se apenas se podem
contar duis ragas prodasidas por crusameato, a
Mastigagem.Como acabamos de dizer, nos, nenhuma por meitigagem, pelo contrario acha-
remos que todis as ragas celebres derem a sua
tendo-lhe dado um filho a alegra do principe nio tiogl-lo, e cada urna deltas operacoei exigan)
leve limites. Mas, ai I o peqaeno principe ia novas viagens.
bem depressa chegar ao seu primeiro anno, e sua a fabricigo dos teeidos de algodo, anda qae
me ainda nao Un ha descoberto o nome do roya- comparativamente mafs recente na Inglaterra e
terloso velho ; tsmia perder sea fllho, e nao oa- nao estando por tanto em clrcumitaociss absou-
sava conflar suas tfflicges a seu esposo. Esta lamente anlogas, apreseotavam todava em seu
vendo-a um da muito triste, lebrou-ie, para genero processos qussi tao complicados,
distrahl-la, de contar-lhe urna aventura que ac- o fio de algodo flava-se principalmente entre
bava de acontecer-lhe. Tendo-se ainda urna vez os camponezes das vislnhangas de Hanchester
perdido na floresta, chegou a urna gruta, na qual de Boltom e de outras cidades do Lancashire ;
um velho flava com urna especie de roda, como coostitaindo a tarefa das mulheres nos interval-
nunct dantes havia visto ; e continuando a fiar los dos trabalhos ruraes ; esto fio era comprado
sse velho cantava cangonetas, deque o principe por industriosos ambulantes, que iam de porta
a raga Dishley, o lypo dos carneiros 'agougue,
assiai como se creou a raga Durham, o lypo do
hoi a'agougue, lano pela precocidale, como pe-
,a massa de carae e aptido ao eogordamento.
crtisaiaetos nao se emprega o macho puro san-
gue; p^lo contrario na mesliragem entra o ma-
cn j crusado. Couclue-se do que precede, que a
oiestigagem nanea pode fazer nascer urna nova
raga, e que os productos oblidas sero mui irre-
gulares. Cira o cruaamenlo marcha-se seguro,
ainda que defamar; com a mestigagem marcha-
se corau um edgo ; pole-se obter bons produe-
lo, mas tambem se pode obler mus. C>mo j
isse, o valor do um reproductor depende nao
smenle de suas qualidades proprias, das de seu
pa era um animal crussdo, empregaia como repro-
ductor, a influencia de seus avs se faz algumas
vezes senlir de urna maneira bem patonte. Sup-
ponhairos que se allia urna ovelha de m 15a a
um carneiro de la fina, e que depois se slliam
os productores machos e femeas enlre si: eis
aqu em que consiste a mestigagem ; neate caso
pode bem acontecer que os descendentes desses
paes mustigados volteo a um ou a oulro typo de
urna maneira completa ; o atlavismo reapparece,
e se algumas vezes se alcangam aniones superio-
res, quase sompre ellos sao inferiores aos lypos
primitivos. Os criadores tem verificado muitas,
ve:cs eslo fado e lhe deram um nome especial
donoor.jndo-crecuo ou volt a trax.
De resto sempre fazer violencia s tendencias
Ds'.urses misturando ragas mui diferentes, e se'
nao se faz de urna maneira continua por meio de
reproductores bein dtliuidoi, bem fixos, o resal-
ledo escapa.
lii annos eniaioa se alliar
bras para obter una raga intermediaria entre am-
bas as espacies. Os animaes deram productos j
fecundos, o que demonstra que essas especies
sao mui prximas ; ctusou-se de novo esses pro-!
duelos, e, depois de duas ou tresgerages, o re-1
saltado desse crusamento deu exclusivamente I
aniaiaes da especie ovina. A natureza vollou a
urna Jas especies, e nao quiz deixar estabelecer
urna raga intermediaria.
Existe alguma cousa de anlogo na meslga-
gem, e acontece muitas vezes que os reproduc-
tores meitigos, alliados juntos, do productos
; origem seleego.
O melhoramento das maravilhosas ragas de
i agougue da Gra-Brelaoha foi feito por seleego
j e comegada, ha bstanles annos, por um grande
i numero de criadores que se serviram das ragas
locaes; entretanto quase sempre essas ragas fo-
ram fizadas por am nico criador, que, por as-
sim dizer, monopolisou todo o mrito. Q jando
em urna reglo se acha j am cerlo numero de
, aoiraaes melhorados, esses criadores privilegia-
I dos se chmaro Carlos e Roberto Colling, para
i os Durhans ou cbifres curtos, Blakewel para os
1 chifres longos, porqae estes criadores que con-
: seguiram fixar os caracteres e as qualidades des-
sas ragas.
Esta fixago se effectua porum mathodo a que
os criadores ioglezes" chamam in and in (por si
mesmo ou dentro de si mesmo), que consiste
na allianga dos reproductores em gra de prxi-
mo parentesco. Crusa-se um touro com todas
as qualidades requeridas com urna vacca esco-
Ihida ; a vitella produsida por esta copula co-
berta por seu pae, que lhe imprime o seu carc-
ter urna segunda vez ; se deile crusamenlo nas-
co ainda urna vitella esta ainda coberta por seu
pae, e a9sim por dianle. Comprehende-se que
alliando deste molo o pae com a fllha, o fllho
com a mu, os irruios enlre si, chega-se a for-
mar um grande numero de animaes, nos quaes
se encontrs urna mui grande identidade de carc-
ter e tendencias que se perpetuaro nao smeute
caroeiros com es- quaoJo,estiverem reunidos entre si para dar ani-
decorou o estribilho.
Meu nome ainda um myiterio ; mas a prin-
cezi o nao esquecer, quando me entregar sea
fllho, que ser mea herdeiro, de mim Wallotty
Trotl :
A princeza advinhou immediatamenle que esse
nome devia ser o de sea mysterioso protector.
Quando o principe chegou a tdade desuno e da,
o velho veiu reclama-lo. Espera, disse a prin-
ceza, vos vos chimaes Wallotty Trett.Ella na
se havis engaado ; e o velho lhe disse que, pa-
ra recompensa-la de ter adviohado o seu nome,
elle lhe enviara e a ensinaria a servir-so da sua
roca, com ajada da qual se podia fiar muito li-
oho em pouco tempo. Depois de cumprir a sua
promessa, o velho desappareeeu, enanca mais
em porta, acompanhados de umcavallode carga.
Este modo de abastecimeoto era necessaria-
menle muito incerto, e os teceloes Qcavam mai-
tas vezes sem trabalho por falta de materia pri-
ma ; demais, o prego do fio soffria grandes va-
racoes e alcaucava um valor tal que animava o
trabalho das criaogas, o que boje consume um
dos tragos caractersticos denossos districtos ma-
noactureiros.
_ Aconteca frequentemente que o pae era lece-
lo e a mulher Uadeira, trabalhando juntos em
urna modesta alcova. Algumas vezes o fabrican-
te dava Oo ao marido para formar o tecido, e o
algodo bruto para o trama, e o deixava, elle e
sua familia, execotar todas as operages necessa-
rias para converter estes materiaes em fazenda
maes proprios para os os que se tem em visla,
porm aiada imprimir seus caracteres a animaes
de outras ragas, serviodo assim para reproducto-
res por crusamenlo.
Em summa, a seleego um processo lento,
mas elle conduz lorgosamenle ao fim e os resal- destas revoluges, e fazer sentir as suas vauta-
lados que d sao maravilhosos ; em urna pala- Sen'' foi visto ; mss o principe e a princeza ensinaram de_algodo. Os regatdes aproveitavam-ss das fa-
a seus vassallos esta nova industria e Gzeram a
fortuna de seu reino, que se tornou a admirago
de todos os povos visiohos.
Tal o resumo, despojado de toda a sua fasci-
nado original, de urna legenda que o Dr. Cook
Taylor recolheu na Irlanda da bocea de urna po-
bre mulher velha, e que elle acredita aer quasi ,
idntica com urna outra legenda allema conser- i "A"""01"8.-8 ?*9't 1
va Ja pelos irmos Grimm. E' provavel que a boa
mulher do Dr. Cook Taylor acreditasse pamente
na verdad* de aaa historia, porque tem-se acre-
dilado em outras menos verosimeis. Em ultima
analyse, esta historia um exemplo ontre mil, da
tendencia popular attribuir a ftdas e a genios
bemfazejos, a seras myaieriosos, todas as inven-
goes uteis, cuja data ou origem Bao sao bem co-
nhecidas.
O foso marca ama das phases da grande histo-
ria da industria textil, urna das mais importantes
de nossa historia social. A arte de tecer com
toda a probabilldade, anterior a arte de fiar ; por
que os juncos, a palha, urna muillido de liga-
mentos, de fibras, de radculas, podem ser teci-
das no seu estado natural. Mas a fiago tambem
urna arte muito antiga ; a roca e o uioeram
conhecidos dos principies povos da aoliguidade ;
os iatios se servem ainda hoje desses instrumen-
tos primiltivos, que foram, at ama poea com-
parativamente moderna, os nicos meiosempre-
gatos de fiar. A fiago era a oceupagao ordina-
ria daa grandes damas dos lempos feudaes. Qual
fui o verdadeiro Wallotty Trolt.o inventor da ro-
da ? Eis o qae se ignora e talvez nunca se sai-
na ; mas, como quer que seja, elle foi o Arkwrigtb
do seu lempo, o que tragou e applicou urna das
vas onde a industria fabril de nossos das chegou
a seu gigantesco desenvolvimento. Se nao se ti-
vesse acbado o meio de fabricar os Tos mais r-
pidamente do que pela roca e pelo fuso, nao ha -
veria grande iuteresse em augmentar a rapidez
da fabricagao nem se teria pensado em aperfe-
goar os teares ; sem a roda, a machina de fiar
nao teria nsseido ; o vapor nao teria sido chama-
doem ajada das combioages mecnicas; eos
lucilos de algodo o de la, os filos, osleogos as
meias brancas, a roupa fiua, etc., nao teriam sido
como sao hoje, postos ao alcance das classes as
mais pobres. Se o mal se mostrou com o bem
nestas grandes revoluges induslriaes, e nao se
pode negar que assim nao seja, pde-se fallar
menos maravilhosas', qae tm teias Boas ; anda
sao estas machinas qae fazam toda a obra grossa,
e as mulheres empregadas nestes teares nao tm
outra cousa a fazer aeoo vigiar sua marcha, e
reparar, se houver necessidade, os accidentes
que podem sobrevir. E quanlo as pegas tecidas
chegam ao armazem, achara ahi machinas de va-
por e prensas hydraulicas para as apertar em
massas compactas ; em quanlo que o chefe da fa-
brica, ajudado pelos seus caixeiros, manitm no
sea escriptorio ama correspondencia com todas
as partes do mando, observa as fluctuagoes do
mercado, vende e compra com um lucro, al-
gumas vezes mui limitado.
Segundo quadro : fabrica de tecer lioho em
Leeds. Se pelo que diz respeito s fabricas de
algodo de Laoeshire, um lypo geral pode servir
para todas, nao acootece o mesmo s de linho.
Existe em Leeds um estabelecimento deste gene-
ro, lo nolavel, de um aspecto de tal modo ori-
ginal, de urna organisago to perfeits, que elle
excede muiio a tolos os seas rivaes : queremos
fallar da fabrica de M. M. Marshall.
Quaes sao as vantageos que se devem ter em
vista em urna grande construegao affaclada a
urna industria fabril? Urna vigilancia completa
crer, segundo os ealilotos, que contrahiam ers-
prestimos sobre penhor;
Que o tribunal da Donal Uzera fesultar urna
derogagao da inten;ao qae suppoiera em Mires,
mas que essa inteogo nao serla sufflcienle para
o contrato ;
i Que, lB ileso, levando ao crdito dos cli-
entes os bilheles existentes, Mires Ibes fazia sup-
por que os ttulos permanecan) a sua disposico :
que vendendo os ttulos depositados como pe-
nhor, estava obngado pelos pregos da venda "e
que daide que guardou as diflerengas, commt-
teu um roubo ;
Procurando depois se esse roubo raacom-
paohado da manejos fraudulentos, o tribunal de-
cide qae esses manejos resultam das diversas eir-
cumsiaocias apresentadas pelo juizo e nao era-
traditas na sentenga ;
a Que se o tribunal da I) >oai fundoa-se na
falta de inteogo fraudulenta, essa declaragio
dalxa de ler valor por que se acha em eoDiradi-
go com os lacios provados e por que sa apola
em um erro de direilo ;
a Qje nao se poderia tambem admitlir a ;-
(ifcago desses tactos por um pretendido cosa-
me dos oulroa eslabelecimenlos flaanceiros. o
sobre o todo dos trabalhoa, faciliJade d'accesso que completamente contrario a verdade. e uo
vra, a selecg3o o nico melhodo qae d corta-
mente ragas bem extremadas.
(Do Auxiliador da Industria Nacional.)
que voltam sbitamente a urna das duas ragas. Estado da industria do lnllO, da la e
do algodo dos tres reaos da Gra-
Biclaiiha.
sem produzir ragss intermediarias.
Era resumo, a mestigagem nao faz ragas, e o
crus?meato as produzdiflicilmeote ; vejamos sea
seleego permute alcangar o fim de ama maneira
mais rpida.
3" ua selecgo.-O melhoramento das ragas de uma fl"e9la- Etl" eram muil- po,,r"' T l6"
* ,, uo ; do nenhura meio de existencia senSo o fio que
maiaes domasllcos por seleego consiste em co-1 Qava a filha com a sua roca e com o seu fuso ; a
lher uma raga os reproductores desto aproseatam ainda assim, para ganhar com que salisfazor as
em msis alto gru todos os caracteres que se quer I mai urgentes occessidades, ella trabalhava des-
A hada do linho e das outras materias leciveis.
Era uma vez uma velha, que morava com
sua filha em uma miseravel cabaos, no meio de
fazer predominar neala raga e de os aliiar de mo-
que um dia o fiiho do re, estando a caga, se per-
do a tornar habitases as qualidades que ainda nao | deu na floresta e enlrou na cabana da viuva para
caminho. Admirado da belleza
sao seno accdentaes
tuindo a raga.
semana.
cipe estupefacto. So dizeis a verdade. achei uma
esposa mais preciosa e nnis digna de minha mo
vacca que do 20 garrafas' de que nenhuma outra mulher que eu coohega. | "a tarefa, os cardadores as le^
i, ,, I Eu vos eoviarei ama cerla qtiaotidade de linho ; casa, onde depois dea lercm
jtanto que outras dao 1 o e S(J eI,a for flads em uma smsua> eu a esposarel i portavam para a casa do fabrica
enlre os animaes consti- porguntar pelo
j da moga, e ainda mais admirado do grande nu-
mero de meadas de fio, que attestava ao mesmo
Para que esto melhodo sja de possivel appli- tempo a sua habilidade e assiduidade ao trabalho,
eaco, preciso evidentemente que lodos os ani- principe perguntou como ellas tinham produz-
maes que compe uma raga nao tenham os mes- '
mos caracteres, mas sim aptides differentes.
Tolo o mundo sabe, por exemplo, que certas
vaccas nao produzem a mesma quantidad9 de le-
te, mesmo nos periodos os mais activos da Insta-
go. As differengas sao enormes as rnesmas
ra;as: enconlram-se
de leite por dia, ntrela
mesmo menos. E se se quizesse fazer uma raga
leu-ira por seleccao, dever-se-bia escolhercomo
reproductor a raga que dsse a mxima quanlida-
de de leite e empregar seas descendentes para
perpetuar a especie.
Se setratassa de fazer uma raga de agougue,
e9colher-se-hia entre os toaros e entre as vac-
cas aqueiles cujas formas mais se aproximassem
do typo dos animaes proprios para o agougue,
isto animaes de ossada delgada, de membros
pequeos, de trooco e peilos vastos. Ora, do
mesmo modo que se encontra entre as vaccas lei-
teiras qualidades differentes, encontrar-se-ha en-
tre os individuos de urna raga bovina animaes
tendo tendencias a ura rpido eogordamento, a
am crescimento prematuro : entre estes que se
aeve esculher o reproductor.
can lo-se em um outro ponto de visla, lomara por
these os vicios de nossa civilisago moderna.
Que contraste entre os systemas manufaclurei-
rosdo ultimo secuto e do actutl I .: tomarmos
por exemplo, a produegao das faz*>ndas de la,
achiremos que esta ramo de industria florescia
no condado de Nerfolk muito tempo antes de ser
coohecido no oeste de Yorkshire : ha apenas '0
annos que ella fui (ranportada, em grande parte,
para este ultimo condado, onde as correntesda
agua offerecem os maiores recursos como torgas
motrizes e onde o carvo de pedra se obtem a
menor brego. Mas, no condado de York, como
no de Norfolk, em Kendal como no oeste da In-
glaterra, a fabricagao dos teeidos de a apreseo-
tavam, antes da inlroducgo das m ,chinas, uma
phy8onomia que hoje nos parecera j*iui singular
Apenas
eram abs
O fabricante
poosabilid
dos, proceda, quanto a produegao de sus merca-
doria, de uma maneira extraordinaria. Come-
gava por percorrer o paiz a cavallo para comprar
a la que mais tarde devia exercer a habilidade
do arteso ; ella visitava as herdades, assim co-
mo as cidades privilegiadas que possuiam um
A velha nao "queren- ] mercado de la, e obtinha deste modo a sua mi-
do confesssr que ella "resultava de quasi um in- j ea prima, aqai e ali e em pequeas porge.
veroo inteiro de trabalho, declarou ao principe | Esta laa era depois entregue i
qu
de a aurora at a noute escura. Ora, aconteceu
ciudades deste systema para corromper a mora-
lidade das mulheres, offereceodo-lhe ninharias
em troco de alguns punhados de algodo, de cuja
subtraego esperavam que o fabricante nao per-
ctbesse.
A existencia dos proprios manufacloreiros nao
constratava menos extraordinariamente com os
As estradas
de Lancashire eram to masque nao se poliam
transportar as mercadorias de uma a outra cida-
de seno s coilas de cavallos.
O Dr. Aikio, que vivia em Manchester na po-
ca em que esta industria ia desenvolver-se em
escala gigantesca, nos diz que antes de 1690 nao
haviam capitalistas entre oa fabricantes do Lan-
cashire ; cada um Irabalhava penosamente para
ganhar a sua vida, quer elle empregasse oulros
individuos, quer nao.
Durante os trluta ou quarenta annos que se-
guiram, o manufacturero conliouou a trabalhar
muito e a viver parcamente ; mas comegou desde
ento a ajuotar ura pequeo capital desde quo
principiou a vender os seus productos a negocian-
tes por atacado, que o vinham procurar e lazar
grandes compras.
Um grande fabricante achara-se antes das seis
horas da maoba no seu armazem, acompanhado
por seus Qlhos e aprendizes.
As 7 horas todos almogavam : este almogo se
compunha de ama vasilha cheia de broa ou de
papas de ava ou de cevada frvida com agua e
sal ; do lado estava uma outra vasilha com leite:
mestre e aprendizes, armados de colheres de
pao, tiravam as papas de uma vasilha, a as mer-
gulhavam no leite da oulra, e quanlo ambas U-
cavam vasias vollavam para o seu trabalho.
Desde o meado do ultimo seculo al poca
de Arkwright, o fabricante de algodo foi engran-
decendo puuco pouco o seu systema de opera-
ges. Em lugar de visitar os pequeos mercado
res das pequeas cidades, acompanhados de ca-
vallos carregados de mercadorias, os fabricantes
se limitaran) a levar amostras e a trazer encora-
mendas ; e medida que as estradas foram rue-
Ihorando, os cavallos de carga foram substituidos
por carros. Emlim vieram as iovenges de Wat,
da Arkwright, de Crampton e de Ilargrave, e o
Lancashire experimentou uma revolugo social
tal que o mundo raras vezes tem visto seme-
lhaute.
Com ajada de um outro Walloly-Troll, deixe-
mos alraz um espacode 60 ou 80 annos, e pare-
mos no meio do XIX. seculo.
Primeiro quatro ; uma fabrica de algodo do
Lanesbire. Examinemos esssa fabrica onde qui-
zermosem Manchester, Bolln, em Oldham.em
Ashlon, nao importa onde.
Eis um vasto e alto edificio feito de tijollo, cora
quaotas janellas quantos dias tem o anno, e s
vezes mais. Os tijollos sao cacuros, as janellas
nao tem nem um ornamento, e o aspecto geral
montono : qualquer que seja a qualidada de
productos qae ali ae elaborem, cerlo que o as-
pecto exterior nada tem de seductor ; mas ama
machina admiravelmente organisada, onde a in-
lelligencia, os dedos, o ferro e o ago, ludo func-
ciona com um Um commum.
Ura fardo de algodo bruto entra por uma por-
ta e sabe por outra j tecido, e da .primara ges-
tas portas asegunda, elle encontra em sua'pas-
aagem talvez um milhar de creaturas humanas.
O oditicio tem 6 ou 7 andares, dos quaes cada
um se compe de vastas officinas ou galeras es-
clarecidas por numerosas jaoella*. Ahi esto as
machinas destinadas a transportar oobreiro para
os andares superiores, para fazer subir e descer o
algodo, o para fazer mover os teares.
Estas galeras sao Iluminadas a gaz durante as
longas tardes do invern, tem apparelhos para
aquecer o ar na eslago fra, o ventiladores para
temperar os ardoresdo vero.
O algodo, transportado era fardos para um dos
andares superiores, desee de andar em andar
a todas as machinas ; uniformidade da tempera-
tura ( ponto mui importante era cerlas circums-
lancias) ; boa ventilago e ao mesmo lempo an-
nullago de correles d'ar ; tudo isto indepen-
aim disso se Mires se julgasse realmente com
direilo de obrar assim, nao taria enviado a seus
clientes letras falsas ;
cr Quanto ao abuso de eonfianga, o tribunal re-
dentemente de ama admiuisirago de todo o ma-j pelliu a razo invocada pelo guarda dos rMIos,
terial nacessario fabricagao. M. M. Marshall
pensaram que uma officina moostro podia reunir
todas essas coodiges, e resolvern) conslrui-la.
Querendo reunir, em um edificio de um s an-
dar, um carcter de ousadia e ao mesmo tempo
de grande solider, fizerara preparar por M. Ro-
nomi planos o desenos imitados da architectura
egypciaca antiga. Uiia entrada semelhante de
um lemplo egypcio, uma fachada de pedra co-
berta com uma larga cornija, ama charain que
reproduz a forma e as proporgoes da famosa agu-
Iha de Cleopatra, taes ao, no interior, os objec-
los cuja aspecto monumental fere as viBtas. Pe-
netrando no interior, encontra se ama pega que
tem 400 ps de comprido sobre 200 de largo ; o
tecto desta immensa sala sustentado por trila
pilares e esclarecido por 10,000 ps quadrados de
caixilhos eovidragados, de forma cnica, oceu-
pando os vrtices de ama multidao de pequeos
zimborios. O assoalho desta sala oecupado por
longas liohas de machinas por meio das quaes se
transforma o linho em fios, e um milheiro a'ope-
rarios esto oceupados em torno destis machi-
nas, com todo o espago necessario para a circu-
lago. O tecto ceberto de betn e de tal so-
lidez, que foi coberlo de trra vegetal que so se-
meou de relva. A sahida das aguas de vhuva tem
logar, como no palacio da Crystal, por meio de
pilares oucos que susteotam o tocto. Abaixo des-
ta vasla officina esto as grandes machinas e os
fornos para a venlilago e aquecimento, e alguns
dos apparelhos que po>'m em movimenlo as cem
machinas de fiar. Desta maneira, as operages
que seexeculavam em mullos ceios de cabanas,
sa a Jiam concentradas em um s e inicio, e p-
de-se dizer que todo o edificio se acha concan- i (jar4 ea
Irado em ama nica sala, onde lodos os esforgos dade.
visto como nao resultava nem do juiso neo da
sentenga que Mires tivesse deloogado a restitu-
gao ;
< Emflm, quanlo ao meio da casssgo tirado
da violago da lei de 17 de julho de 1856, relati-
vo a distribuiglo de dividendos ficticios o tribunal
admittiu a doutrina do recurso na parle qae diz
respeilo aos arligos relativos aos exercicios de
1857 e 1859, mas rejoilou no que diz respeito ao
de 1858, admittindo que a declarcao da sen-
tenga da Dooai sustentando que Mires obrara sem
olengHo fradoleota, nada tinha de Incompalivel
com os fados provsdos :
< O tribunal, pois, cassou, por interssse da
lei, a sentenga do de Donai e ordenou que a sua
senlenga fosse transcripta o impressa margem
da daquelle.
A academia das selencias da Pars recebeu
ltimamente uma commanicago, que deve inte-
ressar todos os amigos do progresao, e da hu-
raanidade; essa communicago demonstra a pos-
sibilidade de fazer desapparecer a papeira, este
elemento do crelini-av. Santiago, capital do
Chily, situada nos Andes, onde a papairr
endmica como em certas parles da Suissa e do
Auvergoe.
M. cnsul da Blgica, tendo viodo
estabelecer-se ahi com sua familia, suas duas fl-
uas, uma das quaes tinha a edade de dez annos
e a outra da doze, foram atacadas pela papeira
no Ora de quinze mezes. Afflicto pelo estsdo de
suis filhas, M. 0. ... consulla ura medico do
paiz que lhe acooselha quo as affaste immedia-
tamenle d'aquelle lugar, o as duas meninas sao
enviadas com sua me para a Europa e n;1o lar-
ver desapparecer a medonha enfermi-
da sciencia parecen) concorrer para tirar de cada
hora de trabalho o maior partido possivel. E'
imposstvel de trabalhar c fiar o linbo sem rauita
poeira e ura pouco de hmida le ; entretanto, os
operarlos se acham muito raeuosencommodados
do que d'antes pelos antigos roelhodos.
(Continuar-se ha.)
IUV IIOI1U W .1 w ....,, i* wo^&h.v-.------r----------W- I WUUUV .JU^LUll'O, UVbW UW UUUH1 .-.II UUUU, Q
e sua filha tinha fiado tudo no eipago de uma ; dores, que se enrarregavam de escolher e lazar: me-lida que se effectuara as differentes pbases de
sortimenios de qualidades conforme o seu gru : sua ttansformaQa0- Uma machina d(TMa 0 sl_
No espago de uma semana 1 Exclamou o prio- i de Unura e que cortavam com tbesourss as fibras g0,ja0 ma ouira sacodo todo o p ; ama machi-
f-> i a _._.L_1--___Jlfl r*\ ai n tan nrln lAnnaa I ...
mas se me haveis engaado, eu vos farei morrer
a arabas, para servir de exemplo aquellos que
ousarera engaar ao filbo de vosso soberano .
Conccbe-se o terror da moga Uadeira quando viu,
no dia seguinte.doze muas carregadas com lioho
dirigindo se para acabaa ; ella fagiu para a flo-
resta para entregar-se sem testemuohas a toda a
sua dor, a derramava lagrimas abundantes, quan-
do um velho curvado pelos annos se apresentou
dianle della.
Nao choris, minha .filha, lhe disse alie: Eu
me encarrego da tarefa qo o principe vos impoz,
com a coniligo de qua entregareis o vosso pri-
meiro filho quando elle tiver ebegado a edade de
um anno e am dia, ou se at essa poca Uverdes
descoberto o meu nome. A pobre moga aceitou
o pacto ; o velho fiou o linho nao ae sabe como;
e no momento em qae os oito dias tara expirar,
elle o ircuxe traosformado em bello fios. O prin-
cipe achando tudo a medida da seas desejos, es-1 E quando esse fio era entregue j tecido, ainda
posou a moga : elles viveramfeliie*, e a princeza \ restava tirar-lhe a gordura, bate lo, tosquea-lo,
demasiadamente longas.
Quando estes separadores tinham terminado a
as levavam para saas
cardado, a trans-
brlcanle.
Este formava fardos, e os transportava as cos-
tas de mullas para as cabanas dos camponezes,
onde a la devia ser fiada ; nao se limitavam a
percorrer deste modo as visiohangas immedia-
tas das cidades ; ia-se muitas vezes a grande dis-
tancia destas cidades.
Em geral, para poapar o tempo as pamas
de sua cavalgadura, o fabricante linha em cada
povoago um agente, a quem elle incumba o
trabalho de destribuir a la entre os camponezes.
As mulheres e as filhas destes, armadas com ve-
lhas rodas, flava m a la, que o agente vinba bus-
car e enviava ao fabricante.
Comegava-se ento uma nova serie de idas e
viadas; tratava-se de (dr o fio da la as ruaos
dos teceloes.
Estes teceloes se achavara disseminados por to-
dos os lados, era necessario ir t*s suas casas para
entregar a cada um delles o fio qae devia tecer.
Variedades
na de corlar dispoe todas as suas fibras paralela-
mente ; uma oulra a divida em lisles estreitos;
ama outra arredonda estes lisles por meio de
uma leve torso, formando uma espacie de corda
molla ; uma outra alooga essa corda e a converte
era fio; e durante tolas estas operages, ho-
rneo*, mulheres, criingas de ambos os sexos vi-
giara e ajudam a acgo das machinas
Nao se tem mais o trabalho de correr de ca-
bana em cabana, para fazer a cordagem em am
lugar, a fiago em oulro, tecelagem em um ter-
ceiro ; estas diversas maoipalages nao sao mais
hoje seno partes de uma mesma operaco sys
temtica, na qual todo o trabalho propriamenle
dito executado por meio de machinas qae, pela
maior parte, se aUmentam a si proprias; os obrei-
ros smente ae oceupam em adaptar as partes
entre si, opersgo delicada que as machinas nao
podem execatar.
Nao se deve acreditar, como fazem algumss
pessoas, que o trabalho actual das manufacturas
reduz os operarios ao papel de simples auloma-
tos ; pelo contrario, as suas funeges exigem mui-
la destreza, presteza, e discernimento.
Quando o fio foi transportado para as officinas
de tecer, l se encontraram outras machinas nao
sFOijietijh
0 DE110XI0 00 D1NHEIR0
POR
HENRY CONSCIENCE
(Continuarlo do n. 180.)
VIII
A' pouca distancia da casa do Sr. Kemenaer
n'uma outra casa vizinha havis um grande par-
que plantado de altas tilias, caja entrada era fran-
ca. Na extremidade e por baixo de sombro ar-
voredo schava-se collocado um banco, de onde
se descortinava a habitago do pae de Laura, e
mais alm os jardios e campos contiguos.
Neste banco estava Bertholdo sentado: sub-
mergido en profundo scismar tinha os olhos fixos
i'ura objecto sua frente, do qual pareca nao
poder desvia-los.
Depois que o desventurado mancebo fdra to
inesperadamente privado da fortuna, que devera
ter herdado, as arvoras haviam j mudado os seus
primeiros adornos : i cor rerde-galo de que ae
cobrem as suas folhas na primavera succedera um
verde escuro. As ginjelras comegavam a osten-
tar oa ssus purpreos tractos ; as hervas cresci-
das agitavam-se ao sopro do estio ; o trigo d*s-
abrochava em flores ; o rouxlnol absorvido nos
cuidados da paternidade parecia esquecido dos
sea* mgicos cnticos.
O pouco tempo decorrido al ento nenhum
melhoramento produzlra na sorle do poeta; o
seu exterior accosava, seoao a penara, ao meno*
uma preciio sempre em augmento. as suas
veste* gaitas pelo aio frequenle da escova come-
gavam j a desenhar-se aslinhas pardas das coi-
turas ; o chapea apezar de todo o trato mostrava
j aer muito usado. Emflm havia em todo o seu
aspecto o quer que fosse de indefinlvel que rere-
lava pobreza.
Era tocante a expreiio de abatimento qae se
nota va em saas faces emmigrecidas. Em pouca
emanis a ddr que lhe corroa o paito ivir
profundas rugas em sua fronte, e estampara na
physlonomia o cunho de profundo pezar.
Liavia longo tempo j que Bertholdo achava-se
sentado sombra do copudo arvoredo, sem qae o
mais pequeo gesto trahiise nelle uma commo-
gao quslqaer. Pouco a pouco, porm, afilictiva
expresio desenhou-se em seu rosto, e agitndo-
te convulsivamente levou as moi fronte como
para comprimir ai fortes pancadas do seu cere-
bro. E aps um instante de agitago a calma pa-
receu voltar-lhe ao coragao Triste sorriso se
deseohou noi seus labios ; elle murmurou com
vozqueixoia:
Ah minha pobre alma I Como soflres e ge-
mes I Aojo desolado, do paraizo desterrado er-
ras em torno do cu da la juventude com a es-
peranza de ouvir as auras, que passam, fallarem
sustento para a febre que me devora a alma e o
corpo 1 E sacrificando assim o mea tempo, a mi-
nha inteligencia, em sarama a forga moral que
me resta ama illuso aem esperanga, esque-
go que algaem vela, alguem cujos beneficio*
pago com ingratido I Excelleote Coorado I
Trabalha, la, fatiga-se desde manba at' nou-
te para ganhar algum dinheiro ; e eu, trate vi-
sionario, deixo pesar sobre seui hombros lomen-
te o rude encargo de prover substancia de nos
ambos I Aceito o prego de suaa vigilias o do seu
penoso trabalho ; como, bebo, patelo e vejo o
meu pobre amigo lutar com i miseria que ae
aproxima, sem ao menos ter acoragem de tomir
a minha parte no teu trabalho I Oh I cita vida
nao pode durar aisim... Quebremos ettss cadetas
que prendera a minha vonlade e a minha cora-
O QUE VAE PELO ML'NDO.
Acabara de por fachada da casa n 58 da
sua des Eperooiera ama lamina de marmorecum
essa instripgo :
Jo.ii hinus Lelewel Polomes,
Nuper nobis ereplus,
Yirtute ac ingenio pollens,
Longo exilio invicta*,
Sub umbra liberlates Belgarem,
Hanc tuleculam
Ad firmandam patria vertulem
Mullos per annos
Satis amplam sibi judicabat.
liara tabulam ad OBleroaO) re memorlam.
Cores polom dtenles possuere.
MDCCCLXII.
Joaquim Lelewel, Polaco, que ltimamente
nos (oi arrebatado, boroem notavel por sua co-
ragem e genio, e a quem um longo exilio nao
poude abaler ; habilou, durante muitos annos,
sob a sombra da liberdade belga, esta pequea
casa que consiJareva muito vasta para consoli-
dar-lhe o amor da patria.
O* Polacos, seus concirfados desolados, po-
seramessa lagea para eterniar sua memoria.
As declaraces inscriptas neises registros
do estado civel de Bruxelas, durante o mez de
junho ullirno, do o seguiote resultado :
Nascimeotoi. S*xo masculino 237 ; femeuino
207 ; total 444.
Fallecimaotos. Sexo masculino 183 ; femini-
no 159 ; total 342.
Os nascimentos excederam os fallecimenlos em
102.
Durante o mesmo mez foram rigistrados 176
casamentse pronunciados 4 divorcios.
Eis o resultado do primeiro semestre de 1862 :
1,470 nascimentos masculinos, 1,409 femininos ;
letal 2.879 ; 1,361 fallerimentos masculinos ,
1 255 lemininos. total 2,619, que com 171, se-
gundo o artigo 80 do cdigo civil, prefaz o total
de 2,790. Casamentos houve798, e divorcios 9.
O tribunal de cassaco de Frang acaba de
cassar, por intertsse da lei, a sentenga dada pelo
tribunal de Dooai a favor da M. Miri.
Eii uma analyse da sentenga cassatoria !
a O tribunal de cassago comega por ad-
mitlir que o de Donai aceitou como iodubitaveit
ot fados providoi pela primeira senlenga decon-
demoago, por isso qae os nao conlradisse, e
d'ahi tira a primeira dedugo que competia-lhe
informar-se da natureza do contrato, especial-
mente se Mires linha o direilo dedispor dos va-
lores depositados oacaixa geral dos caminnos de
ferro:
O tribunal considerando que as partes, qua
depositaran! seus titulos na caixa Mires, deveram
Oatros exemplos de desapparecimento da pa-
peira com a mudaoga do paiz, sao forneri1o3
por uma lurba de emigrantes do Valais citabelo-
cilos na Algeria. Entre elles havia ura grande
numero altacado desse mal ; ora, em menos d
iras annos, os que lobrevireram s febrrs do
paiz, eslavo livres das papeira?.
Esses dous fados acabara de demonstrar que
se pode curar essa enfericidade, que at aqu
frs julgada ineuravel.
Existe em Bayonna, no hospicio do campo
de Pralz, um hornera que acaba de completar
110 annos. No mesmo hospicio, estava uma mu-
lher de 1U8 annos ; morreu a 21 .deste mez de
j unbo.
Eit-aqui, sobre o movimenlo da pltpalagao
de Liege de 25 annos para c, algumas ootictas
importantes tiradas do uma brochura publicada
pela administradlo commuual.
A poputugo de Liege cresce rpidamente, pois
que se elevou. do Io ae Janeiro de 1837 ao Io de
Janeiro de 1862, da cifra de 59,363 habitantes
da 98,542, isto ura augmento de 39,179 em
26 annos, ou de 1,507 habitantes por annos.
A mottalidade nao segu ahi ascender!* da
populago ; palo contrario, dimioue reltt'va-
mente a esti.
E' sssim que procurando o meio ltbio annu-l
dos morios, verificou-se, durante o periodo de
1837 a 1841, ama mort'a para 29 habitarles ; de
1842 a 1847, uma para 33 ; de 1848 1852 (po-
cha do cholera), urna para 29; de 1858 a 18? 1,
uma para 38.
I>1> resultado extremamente natural devido
am grande parte ao progresso da hygiene e ao
desenvolvimeDto da riqueza.
O anno em que se venficou maior moitalida-
de foi o de 1849, em que o calor foi mais laten-
so ; regulou uma morte paralb habitantes ; o em
que se verificou menor foi em 1858, regulando 1
para 41. E.-ta cifra deaceu no ultimo anno a 1 para
34 por causa deuma certa, epidemia.
Antes do fim do anno a populago de Liga
lera excedido a cifra de 100,000almas.
Existe na Ioglaterra ura cavallo, chamado
Derk-t .'iie, que nao I ,'m menos de 3 milhes e
500 rail francos collocados em apostas sobra a
cabega para a pocha das condss de Epsam, qua
cii prxima. Esse potro on poucos dias far a
mullos felizes, e a outros desgragados.
O grande premio do Derby francez, qae suba,
com as eo iradas, a 300 francos, fui arlo domin-
go passado, cas corridas de Char.tilly, por ura
cavallo de nome Pensament), perteowote a M.
J. Robn, de Nantes. Haviam 17 concurrentes.
Um amador da laranjat fez no Correio de
Marselha a estatittica do consumo detti excel-
lente fruets nessa cidade.
Segundo elle, o valle de Suler, na ilha da
Maiorca, fornece, todos oannos, 60 milhes de
laranjas ao consumo marselbez, e a Ilespaoha
contioecital, o duplo ; isto Marselha consomm
180 milhes de laranjas, ou 90 laranjat para cada
habitante sobre uma pot alagao de 200,000 al-
mas.
L-se no Morning AdvertUer :
M Summer apresentou ao senado dos Esta-
dos-Unidos uma petico de 700 ps de extenso,
e assignada por 15,000 mulheres, pediodo a abo-
ligoda escravido.
(L' ndustri* et Commerce Btlges, Llissez.)
da tua bem amada I Quem te dera ao menos sen- gem... Pujamos destes lugares falaes l
tir no ar o perfume da flor tobre que ella des-
ctosou o seu melgo olhar I.... Tens ainda espe-
ranzas? Oh I nida esperes mais do futuro, abys-
mo sodj bro que s encerra dicepcoei e miseria I..
Penia no paisado; a elle te pode dar alguma
consolagol Sim; voltemos juntos a esses feli-
zes dias do pastado: transporta-te para junto
dessa acacia, cujas flores brancas como a nev,
tantas vezes cahiram entre ti e essa, cuja alma
tai lrm&a: tenta-te ao lado della, embevece-te
no teu terno olhar, ettremece de admirago ao
accento impirado da aua voz ; falla com ella, como
outi'ora, de Deas, da arle e da natureza... Sim,
sonhi, sonba, minha pobre alma; exhaure as
forgas que te raatam no anhelo insensato do bem
para sempre perdido l Chora e defloha at que,
livra daa priidei qae te ligam 4 trra, postal sa-
ciar a sede qae te devora na fonte do amor
eterno I
Ao passo que proonnelava estas palavras Ber-
tholdo ia pouco a pouco elevando a voz at que
chegou alomar um tom de amarga irooia. Quan-
do caloa-te saui labio* continuaram a mover-te
como te a ddr que soffria se traduzisie ainda em
palavras inarticuladas.
Passado tempo, porm, a expressao de lu phy-
siooomia mudou ; dirse-hia que idaa de ama
outra orden apreientavim-ie em tropel ao sea
espirito : comprima o labios convuliivamenle,
enragou a fronte com raiva.
E depoit levanlou-se, exclamando n'am tom
de desespero:
O' mea Deui I Ter-me-ha a congem aban-
donado? Que fago eu aqui 1 Alimento o meu mar
ty rio com desol dores peaumentoi; buico um aspirando;
E com effeito a Ha ato-se do banco em que se
tinha sentado, e camiohou com andar apressado
por entre os arvoredoicomo embutes da eitrsda
real: sabito, porm, iflrouxou o passo, e anal
parou de novo com todos os signaos da maior in-
declso.
Arrlmaodo-ie ao tronco de ama tilia cruzou o
bragos sobre o peito, e com os olhos pregados no
chao murmurou aps um longo silencio:
Sim, hel de moitrtr-ma reconhecido a Con-
rado pela affaigo quo me tem : trabalharei, ga-
nharei dinheiro... Mas como 1 O qae hel de fa-
zer? Versos, diz Coorado. Yersos eu I Que
sarcasmo I J fiz versos, j dei a luz am volume
delles. Algamas peisoas o applaudiram ; at
mesmo publicou -se nos joroaea quo ma aguarda-
ra um bello futuro, e que eu era destinado a fa-
zer honra minha patria com os meus versos...
Porm a multidao moslrou-se indifferente, e o
meu livro se vende com tinto vagar que nao pode
ainda pagir ao imprestor. Uma enorme divida,
de que nao sei como desonarar-me ais tudo
quanto me deixaram aa michas poesist. Fazer
vertoil Oh I nao, nao...
Asiim filiando comsigo meimo rollara aem
disto ae aperceber pelo mesmo caminho at o
banco que acabava do deixar, como se sqoalle
lugar exerceaae sobre elle uma attracgo myite-
riota e irresiilivel.
Ahi tornou a pirar, os aeus geitoi deseom-
pistadoi iodicavam que ainda ostra vez tloham
os seus peoiamentos mudado de curso. Com a
physionoraia revestida de amaiga irona replicn
Amorl Amor 1 E'um tyraonoteductor que
nos cega, e desvair fazeodo brilhar aos nossos
olhos uma promessa de felicidades; o dapois
tere-nos de repente no corarlo, deixando o pu-
nhil na ferida, afim de que a ferrugem da re-
cordaco a aggrava mais, e noi cania uma mor-
te lenta I
Aproximindo-se do banco, um grito despeda-
rador escapou-se-lhe do peito, e fixsndo o olhar
na casa do Sr. Kemanaer, exclamou com voz
tombria :
Nem mais uma esperanga I Nem mais ama
esperanga 1 seno na morte 1 Condemnar o mea
coragao pela centesima vez ao suf plicio de uma
lata intil ? Nao ; mais vale comprazer-me na
dr, volver desapiadadamente o ferro na chaga.
Isto apressar o curativo. Talvezque Deus liber-
te bem depresse a alma que me dea, i qual na-
da mait pode tatiifazer no mundo I
E cabindo lentamente no banco deixou a ca-
bega pender inerte tobre o peito.
Ao puto que elle ae entregava dette modo
ao seu deiespero, parecendo ter nitto um prizer
tinturouma petioa que mostrava andar em
procura de outrem aeguia ama das veredas do
parque.
Apenai essa peisoa aviilou Bertholdo, no seu
rosto deteohou-se uma expreno de alegra.
Dirigiu aeus patiot para o lado do mancebo,
chamou-o pelo nome com ar de quem era porta-
dor de agradaveit noticias.
O poeta, arrancado ao seo scismar, orgueu-
te, o diue com a fronte coberta de aubito ru-
bor :
Conrado, aabiaa qae a minha imaginsgo
enferma aqui me conduziris, nao ? Faltei de
novo s promesna que te fiz. Oh 1 Tem piedade
da minha ddr : perda-me l
O msico nao preatou attengo a estaa pala-
vras, o respondas :
Senta-te, Bertholdo, aenta-te : trago-te ex
cellentes noticias. Que falicidade te acontece 1
A alegra faz-me ficar (ora de mim...
Felicilade, e para mim I exclamou Ber-
tholdo Atando no msico um olhar scinlillanie.
Bertholdo, mea amigo, podea crer no que
te vou annuociar.
Laura I.....pergantou o poeta estreme-
ceodo.
Ouve, reapondeu o msico. Ante-hontem a
aociedade real daa bellas artes celebroa ama de
i suas aeiies, e eacolheu membros honorario en-
tre os artistas mais eminentes do paiz. O teu no-
me brilha ni lista dos escolhldos. Oh I mal
posso conter a minha alegra 1 A estrella da fa-
ma resplandecen para ti, Bertholdo ; j agora
oinguem pJe contestar o tea mrito. A'viita
deise indicio de alta estima que te deram juizes
competentes, leras a coragem de conquistar a
corda de lourot que te offerece tui ambigo ;
expelliri a duvida de tua alma ; preenchers o
brilhanto dettino qae Deus em sua bondide pan
tiretervoa : nao tado isio verdade ?
Bertholdo olhou para sea amigo com doloroso
torrir.
Meu Deus I Sers insensivel tanta hon
ra 1 exclamo o msico penotsmente contra-
riado.
Nao, nao ; reipondeu Bertholdo. Estou
contente... contente por te ver feliz.
Ainda nao sabes tudo, proseguiu Conrado.
O jornal publicou com a tua oomeago o relato-
rio do tecretario que te recommendou ao suffra-
gto dos seua collegai. Nesse documento t qua-
lificado de poeta cheio de tentimento, grande no
eilylo e peoaamento, emflm, poeta eminente ; e
para prova o proprio preaidenle leu anembla
o teu ultimo poema, intitulado A alma dtsvai-
rada. O jornal accretceota qae os ouviotes Q-
caram ao ultimo ponto commovidos, tanto qu*
derramaran) lagrimas. Pensa bem nitto, Ber-
tholdo : flzette chorar a veihot meslres da ar-
te I Oh 1 Parece-me que ette dia o maii bello
da minha vida I
Excelleote Conrado I disse o mancebo sus-
pirando.
Mat o que Isto ? Como nao te alegras
com este triumpho ? perguotou o mutico. Ou-
tro qaalquer em teu lugar agradecera o cea com
iffueo I
__Tudo itto muito bello na verdade : po-
rm o que noi vira d'ahi T A fima ? Poit bem :
ainda mesmo qae ella me dsse um lugar entre
os seus favorecidos, le dasobrigsria dos sacrificios
que faz a tua amisade to generosamente em
meu favor? Nao. Attim, pois, o dinheiro, s o
dinheiro aquillo de qae temos necessidade.
Convenbo, respondeu Conrado sempre sor-
rindo a procurando reanimar a coragem do aeu
amigo ; maa essa gloria, que adqairet, nao ser
(imbem pira nos uma origem de dinheiro, de
muito dinheiro talvez ? Nao comprehendes que
a tua nomeago o os elogios dos jomaos chama-
rlo attengo do publico para o tea livro ? pro*
vavel que se venda depressa um grande numero
de exemplares, e que em poucos das se segote a
edigo. Pagaremos ento ao impressor, podare-
mos reformar o nosso gaarda-roupa. Animo,
nao esmoreces I Nem tempre ha da fallir-nos
dinheiro ; lampo vira em que o lereraos com
abundancia, e sers t quem o ha de ganhar para
nos dous.
Um lampejo de alegra brilhou nos olhos de
Bertholdo, e como arrebatado por esta prediego
fitou no amigo um olhar torprezo, e tatisieito.
Ganhar dinheiro, eu I Ganhar muito di-
nheiro I exclamou elle. Oh 1 Conrado 1 Se dia -
seaaea a verdade I...
E accreacentou melanclicamente :
Mas engsnas-te, migo ; a peeiia irma
ioieparavel da miseria : ha entre ella a o di-
nheiro ama forga repulsiva que os conserva
maita dittancia um do oulro.
Que mania te apodera do tea espirito I
exclamou Bertholdo um pouco despeitado. Tens
agora ele de dinheiro ? Nao o posiuimoamui-
to, verdade : porm excepgo da nossa rou-
pa j um pouco gaita pelo usonida nos lea
faltado at o presente.
Amargo sorriio cootrabia oa labioa do poeta.
Conrado, que do teu relogio ? pergantou
elle.
O muiico pareceu sorprendido, o enleiadocom
esta perguota inesperada : heaitou um momen-
to, mas afloal respondeu.
Porgantes pelo mea relogio ? Mandei-o
concertar.
Nao, meu generoso amigo, nao busques
oceultar o que fazes por um pobre loaco. Ven-
deite o teu relogio, ou oempenhatte para pagar
o aluguel do mea qaarto ; nao foi isto ? Ao rae-
mos nao creiaa que eu aceito o teu aacrificio
com fri egosmo. O penumento do qae por
mim (ates, e de nao poder eu reconheoer tan'a
dedicego, me eit sempre presente ao espirito :
i uma dr de mais para o meu coraelo I o^ I
Se ao menos eu podessa conseguir algum impe-
rio aobre mtm mesmo ; ae toubette de algum
remedio para o mal quo me cooaomo ; se final-
mente podesse esquecer-ma desta imageas, daea
imagem tyraonlca que dia nout me pene-
gae 1
{Continuar-se ha.)
PERNAMBTJCO.-TYP, DE M, DE P. F* PILHO.
i i
mmm.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETVE2915X_TMFYYH INGEST_TIME 2013-05-01T00:51:38Z PACKAGE AA00011611_09590
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES