Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09588


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO XXXVU1. IOIERO 181

-*
* m m i ii
Por tres ^tiesdffi?tft5|000
Por tres naez vencidos 6|Q0
?**'
I**-"
*
ODISTA fJRi 7 DI AGOSTO DE 1112.
"RfiS
? otado i|00O
lM II
PrU fr*# pan iitocrlpttr
*
PERMM
BSGARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino da Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marque* da Silva
Arasaty, o Sr. A. da Lemoa Braga; Cear o Sr.'
J. Jos da Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim
Marqaes Rodriguee; Para, Mapoel Pinhiiro 4
C; Amazonaa, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO DO SOL
Alagoas, o Sr. Claudino Faleo Diat; Baha,
Sr. Jos Martini Alvee; Rio da Janairo, o Sr.
Joae Paraira Martina.
-~
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os diat aa 9.4' borii do dia.
Iguarass, Goianna, Parahyba ni segundas
a eextae-leirae.
S. Autao, Bezerroa, Bonito, Cantar, Altinho
o Garaununs as tercas-eras.
Pao d'Alho, Naiaretb. Limoero, Brejo, Pea-
qaeira, Iogazeira, Floraa, Villa-Bella,Boa-Vata,
Ouncary e Ex n sa que. us-eirai.
Cabo, Serinhem, Rio Forxfcoao, Una.Birreiroa
Agua Prett, Pimenteiras Natal quinlas eires.
(Todos oa corraioa parten-, aa 10 hora da miDha
IPHEMKRIDES DO MEZ DE JULHO.
4 Quarto triscante at 8 iioras e 20 mnalos
menha:
12 La chela aoi 2 mina toa la masha.
18 Qaarlomingaante as 2 hora* e 32 minutos
tarde.
26 Lia ora ai 6 horaa e 24 minatsa da nao.
I PREAMAt DE HOJE.
Ptimelro a 1 hora e 42 minutus da zaanhs.
Segundo a 1 hora e 18 minutos da tarde.
, I tm:AT^^Yr^:;9^JAmmaka wrmmAts da captal.
T2T* ------- br dt r2: ,,and" ++
Par o Reelfe: do Apipueoii 6112, 7, 7 1|2, 8 R,Ucao: ,,rc" bbadoaialO horaa.
djM' !|2_da m.; de O/indo a 8 da m. a 6 da t.; depasanda: quintas a 10 horaa.
ffii* ,UL?'.trT"i VarztxTA w-"m : -.
Do Recifa ; para o Apipueoi a 8 t|3 4 4 1.4 |DUo di 0^PhSo, : '$" 10 horaa.
4 1|2, 5 5 li4,-5 12 e 6 da t.; para Olinda i 7Primera tira do elvel: tsrcu o extaaae malo
da a, a 8 1r2 da t.; pira Jaboaiao a 4 da t.; paral ^ia.
Va JJs Yarz*a &l 4 1l2d '; parafl*m/lca!Segnda v**a de sivel: quartaac aabbadoa l
|aa 4i. | nort(it urde.
DAS da biaba.
i ?T.0d o ?om'n*os Gosrr? fundaior.
5 Terca. N. S. das Re.es, S. Osvaldo
6 Quarla Transfigurao da Chriato
7 Ouinta. S. CsHano fundador dos ThritiriOS
8 Snta. S. Cyrico diac. ;t. Emiliano b.
9 Sabbado. S. Homo ; .. Veri-'iano n>.
^10 Domingo. S L-urenco m. ; S. Asteria t. m.
' ASSIGNA-SE
no Reclfa, em a livraria da prae da Icdepoa-
deneia i.6 e 8, dos proprietarioa Uanool Final-
roa ta Fina & Filio.
Aviso.
Sendo nos regular em a re-
messa do Diario aos assignan-
tes do interior desta provin-
cia e das do norte e sul do im-
perio, sorprende-nos sempre
as queixas que recebemos, e
por isso pedimos-lhe queiram
indicar em suas cartas de re-
clamago nao s os nmeros
que lhes faltam, como as da-
tas dos correios em que de-
viam elles ir, afim de que pos-
samos pedir providencias
quem de direito competir, e
obter favoravel remedio.
PAITE 0FFICIL
G0VERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do dia 4 de agosta de
1863
OlEcio ao procurador da coros.Sirva-io V. S.
do dar o seu parecer aobre o incluso o lucio do
juiz municipal supplente do termo de Cimbre
datada de 12 de julho oltimo. acompanhado de
urna repreaentago que faiem oa eleilores sup-
plenles da parochia de Alagoa de Baixo contra o
respeclivo juiz de paz Carlos Jos de S.
Dilo ao mesmo.Sirra-se V. S. de dar o seu
parecer acerca do que pondera a cmara municipal
delgaarassu.no incleao officio relatirgmenteaol0
e 2 juizes de paz do 2o districto da parochia do
mesmo nome, que at o presenta nao tem que-
rilo prestir juramento e tomar poise deaae
cariro.
Dloao chefe de polica.Pelo oriclo de V. S.
b. 1,186 de 2 do correte flquei inleirado de que
terminando o secretario dessa reparticao Dr, Joa-
quim Jos de Campos no Io deste mz a li'cenca
de que gozava, entrou nesse mesmo dia no eier-
cicio do seu cargo.
Dito ao inspector da theaouraria de fazenda.
Ao alfares secretario do corpo de guarni;o dea-
ta provincia Joao Nunes Sarment que segu pa-
ra Tatarat com escala pelas Alagoaa, mande V.
S. nio s abonar o quantitativo que tiver direito
para o transporte de aua baggam no itinerario
que tem de fazer de Piraohas qaells. villa, mas
tambem o qae for necessario para a conducco
de dez volumea contando artigoa de fardamento
para o referido corpo, sendo por mar de Micei
i Piraohas, o por trra deste lugar aode seu dea-
tino.Ollicioa-ae ao agente da companhia e ao
preaidente daa Alagoas.
Dito ao mesmo.Nos termoi de aua informa-
cSo do Io do correnl, aob n. 712. dada acerca do
officio que devolvo, do commaodante auperior
interino da comarca do Rio Formoso, de 28 de
julho ultimo, mande V. S. pagar ao negociante
Jo3o Baptista da Rocha a quantia de 2185860 pro-
veniente dos vencimenloa relativos ao mez de
julho do anno prximo passado, dos guardas na-
cionaes destacados no districtoDuas Barras, ti-
rando oa do mez de junho para aerem satisfeitos
quando pelo thesouro nacional for distribuida a
quantia ncessaria para as-divida do exercicio
prximo lindo, conforme indica a conladoria des-
sa thesouraria.
Dito ao mesmo.Em vista da inclusa conta
mande V. S. pagar a quantia de 104SOOO em que
importa urna carteira bomeopalhica (ornecida
pelo Dr. Sabino Olegario Ludugario Pioho, a re-
quisito da presidencia para o tratamento do
cholera-morbus. febre amarella e iotermiltente,
na comarca da Boa-Vista.
Dito ao mesmo.Estando em termos os inclu-
sos prets em duplcala, mande V. S. pagar a
Jos Joaquim Teixeira, conforme aolieitou o che
e de polica em officio de 2 do corrente, aob n
1,118, a quantia de 8J0O0, era que importara as
elapes foroecida pelo delegado do Limoeiro ao
deaertor do 9o batalhSo de infantaria Antonio
Gomes de Souss, remetllilo daquella villa para
esta capital.
Dito ao mesmo.Em vista da nforma^o de
V. S. n. 693, de 28 do mez passado, e do que so-
licitou o respectivo commaodante superior inte-
rino, em data de 11 de junho, e officio n. 52,
mande V S. entregar ao quarlel-mestre do ora-
mando superior da guarda nacional deste muni-
cipio, a quantia de 182*500 para compra dos ob-
jectos de expeliente constantes do orcarneolo io-
cluso doa batalhes 1* de artllharia, I, 2o, 3 e
4o de infantaria, e seus respectivos 'conselhos
de qualiucacao e de revista.
Dito aa inspector da thesouraria provincial.
Cessandocomose 4 da Infurmago junta por co-
pia, do director da reparticao das obras publicas,
o fundamento porque d-ix >u essa thesouraria de
pagar ao arremataote da oora dos reparos do cor-
po de polica Jeiuiuo da Costa de Albuqueraue
e Mello a quantia de 595J792 a que tem direito,
mande V. S. effectuar osee pagamento, como s
recommeodou em 10 de abril ultimo, ficando aa-
sim respondido o aeu officio do Io do correte
sob n. 174.
Dito ao director do arsenal de guerra.Por
parte do brigadeiro commaodante das armas $e-
rao mandadas recoiher a esse arsenal aigumas
taboas do pioho que serviram em um avarandado
construido no boapital militar afim de que V. S.
o mande aproveilar na factura de caixotes para a
remessa de notas felta pela thesouraria de fazen-
da ao thesouro nacional, ou em qualquer outraa
obra.
Dito ao cemmandante do corpo de polica.
Pelo officio de V. S. n. 34 desta data, fiquei in
teirado de que os soldadoa da secco volante do
corpo sob seucommando Jos Ricardo de Lima
e Maooel Jos de Mello, tendo concluido aeua
engajamenlos, conlrahjram novos, depois de jal-
gados para isso aptos.
Dito ao director das obras miiitares.Cumpre
que V. S. me enve o on-amento que deixou de
acompaohar ao aeu officio de 25 de julho ultimo,
sob n. 120, relativamente a substituido pelo gaz
da illumioaco do quartel da companhia de art-
fices, que actualmente feita com axeite.
Dito ao director da colonia militar de Pimea-
teiras.Respondo aoseu officio de |12 de junho
ultimo, dizendoque deve Vmc. remetler para o
arsenal de mariuha o sino quebrado desaa colo-
nia, afim de com o seu material fundirse oa
officio sa daqueile estabelecimenlo um outro sino
para o aervico da mesma capella.
Dito ao juiz de direito de Garaobuns.Recon-
mendo Vmc. que se ae chegar a aeu coobeci-
mento que a epidemia reinante atacou o colle-
gio de Papacaga nao deixe de prestar a este lodoa
os aoccorros que estlverem o seu alcance a m
de que o referido collegio aoffra em tal caso o
o menor estrago que for possivel.
D!! eogenheiro W. Martioeau.Fidaodo
no da 9 deste mez o cootracto comlVmc. celebra-
do e tendo Vmc. de partir para a Inglaterra no
prximo Tapor como me declarou em aeu officio
de 28 no max fiado, n. 168, devo dizer-lbe que o
gorerno concorda na renovado d^o dito contracto
com as aetuaea condiroes devendo o respectivo
lermo Uvrar-ae em sua volts d'aqoelle paix, que
dever ter lugar no futuro mez de dezonil.ro.
Dito ao inspoctor da aaJe publica.Mande
Vmc. preparar urna pequea ambulancia conten-
do os medicamentos constantes da nota jante, a
m de ser enviada ao juiz de direito da comarca
do Brejo.
Dito ao commissorio vaccinsdor provincial.
Constando de officio do chefe de polica e Inspec-
tor da laude publica de 2 do eorrenta haver-se
desenvolvido na freguezia da Varzea a peste da
varila, recommendo a Vmc. que di aa providen-
cias necessarias a este respeito.
Dito ao gerente da companhia P>>roambucana.
Pode Vmc. fazer aeguir para os portos de seu
destino os vapores Prtiinwngo. e Jaguaribe, nos
das e horas indicados era seu officio de hoje.
Dito ao conselho administrativo. 1)3 confor-
midade com a informacao da thesouraria de fa-
zenda datada de 31 de julho ultimo, aob n. 714
approvoa compra feita pelo conselho administra-
tivo, conforme participou-rce em aeu officio de
25 de junho passado findo. do material preciso
ao presidio de Fernando. Quanlo a cal deve esse
conselho observar o que lhe foi determinado em
officio de 24 do citado mez de junho.
Dfto ao presidente e membrosda junta de qua-
lifkacao da fregueria de Nosaa Seohora da Luz.
Cumpre que Vmcs. nao s remettam as actas da
primeira e segunda reunio da junta de qualifl-
cago dos votantes dessa freguezia, que deixaram
de acompanhar o seu officio de 15 de maio pr-
ximo findo, mas tambem informar por que na
Ip'e"0'* 1u'lilca;ao nao se cumprio o decreto n.
2,865 de 21 de dezembro do anno passado, que
lhe foi reroeltido em 18 de janairo ultimo.
Dito a cmara municipal do Recife.Approvo a
arremataco do imposto de afTericoes de que trataa
cmara municipal do Recife, em seu officio de 28
de julho ultimo sob n. 74 pela Iqumtia de...
i5:2;tl50C0 e coro a condicao mencionada no cita-
do olflclo de sugeitar se o arrematante a hypo-
thecar o beos de seus fiadores para pagamento
da referida arrematado.
Portara.-Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor manden transportar a
seus destinos conla do ministerio da guerra,
no vapor que *e espera do norte as pracas com-
prehendidns na relego jonta.
Dita.O Sr.gerente.da companhia Pernambuca-
na. mandedartranaportepara.Maeei por conta do
minislenoda guerra no vapor Persinungo que se-
gu a manhaa para os portos do sul ao capilo
Antonio Fraocisco d'Avila esua familia composla
de 3 Blhos.
Dita.o Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagera de proa no vapor
Vertmunga, at Macei em lugar destinado a pas-
aageiro de estado a Maria Francisca dos Santos
que cons'a aer desvalida.
Dito O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagem de proa na vapor
Jaguaribe, al o Cear em lugar destinado a pas
ageiro de estado a Francisco Ferretea Gome
teeses que consta ser desvalido.
Dita.O presidente da provincia conforma
se com a proposla do Dr. chefe de polica lo
no de 2 do corrente e aob n. 1.189 rssolve a>
do servido publico exonerar a Antonio Basili.
Castro e Souia, do cargo de subdelegado de v
licia do districto Peripiri da (raguezia do Bonito,
e nomea par esse mesmo, cargo o 1" auppleole
Manoel Antonio de Vasconcelos.
Despachos do dia 4 de agosto.
Requerimentot.
Abaixo sssigoados proprietarioa de acouguea,
eslabelecido nesta praja.Informe a cmara mu-
nicipal deata cidade.
Padre Jos Gregorio da Silva Carvalho.Infor-
me Sr. Dr. director geral da instruccao publica.
Joo Baptista Fragoso.A' vista da informarlo
do Dr. juiz de direito especial do commercio, in-
deflrido.
Jos Felix;da Cmara Pimentel Jnior.Infor-
me o Sr. director do arsenal de guerra.
Quintitiano IFerreira Callado.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Umbelino GoncalvcsVAzevedo.Informe oSr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Palacio do governo de Pernambuco, 6 de agos-
to de 1862.
Tenho presente o officio de hontem agora re-
cebido em que Vmc. communica que, senlo con-
vocada a cmara municipal dessa villa para a
apuracao geral des votos da eleico de um debu-
tado a assembUa geral legislativa a que ae pro-
cedeu no dia 6 do mez passado nos collegioa que
constituerao 3 districto eleitoral desta provincia,
deixou da fuocionar e de proceder a mesma apu-
racao por falta de numero legal em consequencis
da se terem retirado doua doa vereadores, e con-
sulla se pode convocar os venadores immediatos
em votos aquellas que se retiraram, e proceder
a dita apuracao.
Em resposta tenho a dizer-lhe que devendo a
apuracao geral dos votos de qualquer eleigo pa-
ra deputados verificar de 30d.'s depoia dalla fei-
ta, com expreasa nos arts. 1 12 do dec. 842
de 17 de selembro d 1856. e 25 das lnstruccoes
de 22 de agosto de 1860, e sendo esse trabalho
urgente e importante nos termos do art. 28 da
lei do Io de nutubro de 1828, cumpre que Vmc.
como presidente interino desta cmara a convo-
que para o da immediato ao em que este for re-
cebido, juramentando, se necessario for, os cida
daos que houverem obtido votos para vejado-
res at completar o numero legal para haver ses-
sao, a Gm de proceder-se a apuracio de que se
traa, como determioa o art. 13 de Janeiro de
1852, fazendo isso mesmo publico por editaaa e
convidaudo oa cidados para aasiatirem a seme-
lhante acto.
Deus guarde a Vmc.Manoel Francisco Cor-
ro.Sr pro-presidente da,camara municipal do
Cabo.
presidenta da Baha, as quaes por nao haverem
actualmente communicaces directas de Nava-
York para all, tomarei a liberdade de eocanri-
nbar por intermedio de V. Exc.
Deus guarde a V. Exc Illm. e Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de Pernambuco. Miguel
Maria Lisboa.
A garanta da emisaao do estabelecimenlo de
qu 11 se trata assenla noa seguintes ttulos (tabella
n. f)5):
Valor em apolicea da divida pu-
blica r
Relalorio do ministerio da fazc_
apresentado a assembla geral le-
gislativa na segunda sesso da deci-
ma primeira legislatura pelo minis-
tro e secretario de estado des nego-
cios da fazenda Jos Maria da Silva
Prannos.
(Continuacao.)
Banco da Bahia.O prazo couredido pelo de-
creto n.2787 de 27 de abril de 1861 para a subs-
tituirlo das olas menores de 25?)0OO termioou
em 10 de julho do mesmo anno : do dia 11 em
dianle comecou o prazo de 10 meres estobelecido
para o descont legal, que deve terminar em 10
de maio deste anno.
Segundo o relatorio da direccSo apresentado a
assembla geral dos accionistas em 9 de marco
prximo passado, apenas axistis na clrcnlaco ero
notas daquelles valores 9:420000 e sofiriam j
o descont de 80 0|0.
Dell de julho a 10 de fevereiro desle anno t-
nhara vindo ao troco 1,294 notas de OJOOO. e
385 da 20^000, que produzirara um descont de
4:721$0OO com que a direcloria havia entrado
para os cofres da theaoararia de fazenda.
A emisso deste banco, autoriaada pelo decreto
n. 2,685 de 1860, era de 2,832:760jf000 : nao po-
dendo, porm, esle estabelecimenlo trocar suas
notas em ouro, na forma da lei de 22 de agosto
ama reduego se fez de 3 0|0 sobre aquella quan-
tia, e novo limite se lhe marrou por aviso de 31
de maio, para o anno quo vai de 22 de agosto de
1861 a igual data de 1861, na importancia de.:...
Para garantir sua emisso tem o banco da Ba-
ha em seos cofres os seguintes valores (tabella
n. 64) :
1,301 apolices da divida publica
de juro de 60(0, cujo valor no-
minal de.......
153 apolices da divida publica de
5 0,0 no valor nominal de .
2,382 accoes do Joazeiro do va-
lor de S 20 com oito chama-
das realieidas, que a diversos
cambios importara em .
Quola de carteira.
Como fica dito,
sada de. .
a emisseo aatori-
Coraaarada com aquella garanta
1 deixa urna margem para emis-
so de.........
128:000gfl00
198:0005010
256:0C0J000
513:300*000
257:30e000
1,208 0005000
101:4008000
Quola de carteira .
'ido esla somma com a
"torisada .
331:0975217
1.643:4975217
1,4I6:380J00
3,059 8775117
2,832:7605000
O fundo para troco das notas de 25 OO da
emisso, na importancia de 64:0005 e fez sempre
parte de caixa, segundo os .documentos existen-
tea no thesouro.
Nanea a emisso exceden a serum das letras
descontadas.
As operaQoes Imitaram-se ao descont de le-
tras e ae recebimento de diuhelro a premio.
O fundo de reaerva de 34.7685260.
O dividendo do ultimo anno conhecdo no the-
souro foi de 8, 7 0,0 sobre o capital.
As letras protestadas pertencentes a este esta-
belecimenlo ao de quantia lo insignificante,
que demonstrara a cautela com que se tem cen-
duztdo as operacoes de descontos.
Nenhuma Informagao d noticia da cotaco das
accoes desle banco.
Tambem nao consta cousa alguma em relaco
faee dos negocios e estado da pra?a.
Banco de Pernan buco Queimarsm-se 17 500
notas de 205000. e 58.000 de 10S0OO na impor-
tancia de 930.0005000, que foram substituido por
notas de outros valores Actualmente s existe
nactrealaeao o seguinte : em notas de 200*000
IfiSL Mf" de 1O00- 4'639! Pm dil" de
505000. 3,000; o que ludo somma 1,470:300.
A substituigo conclulo-ae em 28 de fevereiro
Dr'm0 passado, ficando sem valor a quantia de
3:2005000. que, junta proveniente dos descoD-
,os importancia de 1:7745000, faz a somma
de 4:9745000, que foi recolhida thesouraria de
fazenda, em eonformidade do decreto d. 2 681
de 10 de oulubro de 1860.
Este banco tioha urna emisso de 1,486 0005
entornada pelo decreto n. 2,685 de 10 de no-
vembro de 1860, mas, nao podeodo cooserva la,
por nao estar preparado para abrir o trdjo de
suas olas" em ouro, ord-nou o ministerio da
fazenda em 31 de malo do anno passado urna
reduecao de 3 /,. que j realisou-se era parte,
e dele verificar-se em sua totalidade al 22 de
agnsfo roximo futuro, quando a dita emisso
nao pofer exceder de 1,441:4205000.
gtranlia da emisso se compunha dos
1 ttulos (tabella n. 66):
ees da divida publica de
s valores, e de juro de 5
573:8005000
104:0005000
Officio ao Sr ministro da agricultu-
ra, para mandar para esta pro-
vincia as sementes caso vo ter
ao-Rio de Janeiro.
I.egaco imperial do Brasil nos Eslados-Unidos.
Washington em 11 de junho de 1862.
Illm. e Exm. Sr.Tornando se cada dia mais
vanlajosa e urgente a extencao da cultura do al-
godao no Brasil, vista di dealruico que tem
aoffrido ltimamente a dos Estados-Uoidos, e da
rasoluQo que sslo tomando muitos agricultores
nos Estados-Unidos, de nao renovarem suas ae-
menteiras ; e constando-me mesmo que V. Exc.
desejava obter sementes para deslribui-la na
provincia a que to dignamente preside, dispuz
que, de urnas 25 saccas da dita sement que por
favor pessoal do admin strador da alfandega de
Nova-York me foram roioislradas, fossem remet-
tidaa ordem de V. Exc. oito. O od*o cnsul
geral nos Estados-Unidos j por ordem mioha as
embarcou e encaminhou, como V. Exc. ver pelo
conhecimeoto junto.
Como o barco qne as leva (o brigue Chowan)
de que ao conaignatarioa os Srs Ripps & C, que
generosamente ae prestaran! a recebe-laa livres
de frete, poder em vez de ir ao porto do Recife
aeguir para o do Rio de Janeiro, rogo a V. Exc.
se sirva dar aa providencias necessarias para que
as referidas oito saccas de sement sejam recebi-
daanasle ultimo, 00 caso de all aportarem.
V. Exc. se servir, outroaim, aceitsra offerta
que da dita sement fago, e manda-la deslrlbuir
como julgar maia conveniente.
Techo oatras oilo saccas promptas para o Sr.
mU*-e>
ta aufflcientememe garantida
e abaixo do limite legal. 227:1175217
O fundo para troco da emisso era em feverei-
ro prximo passado de 872:420, superior a 25 OO
da dita emisso. |
A emisaao nunca excedeu > somma das letras
descontadas.
As operacoes do banco conslaram de descon-
tos e depsitos, tanlo por letras, como em cootas
correles.
O fundo de reserva de 50:8205618, que 9 di-
recloria nao julga auOlcienle para fazer face aos
prejuizos que tem de soffrer o banco oa flosl li-
quidarlo das massas fallidas.
As letras protestadas montara a 231:288^249
As massas fallidas, que perteoee esta quantia,
urnas se achara em adminislrsco, onlraa fizeram
concordata.
Alera daquella somma ha 88 5485062, que sao
devidos por firmas fallidas, mas que ae achara
em melbores circunstancias, porque os devedo-
res derara novas garantios, e aiconvences jua-
tadas teem sido cump'ridas nos respectivos
prazos.
Para diminuir o grvame dastas perdatdelibe-
ron a assembla geral dos accionistas que se de-
duzissem semestralmente dos lucros 5 0|0.
Sobre a cotaejio das accoes deste banco nao
veio ao thesouro Informacao alguma posterior a
12 de outubro do anno passado, poca em que el-
las se achavam ao par.
Em relatorio do fiscal daquella dala diz se que
nesta provincia nota-se em geral alguma anima-
cao, renascendo a esperanca com as melhores co-
Iheilaa.
O dividendo do anno ultimo foi de 10, 6 0(0.
Era dala de 20 de maio consultou este banco
se. nao tendo chegado a aproveitar-se da facul-
dade de emitlr at ao limite marcado oa tabella
Dn,e" ao decreto n. 2,685 de 10 de novembro
da 1860, e antes reduzido a somma de suas notas
emeireulacao a 2,170:0155000 eslava compre-
neodido na obrlgagao imposta pelo 3 do art. 1
da le n. 1,083 de 21 de agosto e art. 6 do referi-
do decreto, e conseguintemente se se achava dis-
pensado de propor o recolhimento de urna parte
dessaa olas como consequencia de nao poder
anda troca-las em ouro.
Respondeu-se-lheem 31 que, na forma do que
resolver, o 6<>'ero luav-riai para lodosos b!n-
dasiam d!"""^ ? dl1Psia < W citada,
deviam lies no primeiro snno. que ia comecar
a de agosto prximo futuro, reduzlr 3 0,0 no
quantum uxado par sus emissoes pela tabella
anoexaao decreto n. 2.685, visto que, oos ter-
mos dOei. tal restrieco devera recahr. nao so-
bre o limite 011 mximo legal, a que ella pode at-
tingtr ; que. oestes termos, o banco devla consi-
derar como limite da sua emisso legal em o no-
vo anno, que ia comecar a 22 de agosto nao a
somma de 2.832:7608000 que lhe marcara o reve-
ndo decreto n. 2.685, mas a qae reau ?a da de-
duccas de 3 0,0 ou de 84:882S000; que se a sua
emisaao effectiva eslava anda quem deste Z-
gundo limite, nao licaria o banco obrigado iras.
tnogi-la no periodo a que a lei se refere, maa
que esta circumstancia nao o isentava do cum-
plimento do art. 6 do decreto, e que perianto
co^'S^t^e^'urn^eXo^-ro'atS'a
impedimento para cada director snbsiiluido deva
ser contado do dia da aubsluuico
Banco do Maranho.A aubstituico das unlaa
menores de 2000 fez-se al \9 de ",,'
1861 aera descont, comeando este no dia
guinte. *B
Em 19 de margo prximo passado devia ter fin-
dado aquella operaco, mas, nao poisuindo ainda
o thesouro ama conta em forma que faca conha.
cer lodos os pormeoorea della, s se pode avan-
car que o descont reilisado monta a 805000 e
que as notas existentes em fevereiro nana dea
cont de 100 0,0 importa va m era 220
n A2 WSiKSSS99 f0 qu decfel
J. 2.685 de 1860 msrcou para a emisso deste
Em consequencia de nao habilitar-se este ban-
co para trocar suas-notas em ouro depois do
prazo de nove mezes decorrido da data da lei de
22 de agosto, urna reduccio de 3 0,0 lhe foi im
posta, e a somma facultada pelo referido decreto
desee., a 497:90|000 para o anno que deve e -
totnar m 22 de agosto de 1862.
sem escusa, devia-se proceder conforme a dis-
posicao do art. 61 dos estatutos do banco ; por
que, dada a renuncia depois do exercicio, verifi-
ca-se o impedimento do escuso ou escusos por
mais de 30 das, e portanto aa vagas, que se
derem nos lugares de directores, devero ser
preenchidaa pelos sapplentes.
Caixa Reserva Mercantil.Esta caixa estabe-
lecida na cidade da Bahia com estalotos appro-
vados por decreto n. 2.56t de 24 de malo de
HHW, capital realisada de 2.375:2009000, tem
oiiridos grandes prejuhos, resultafo
commercial por
Ota.
que pwsou aquella
da crise
provin-
De ura officio do respeclivo fiscal com data de
o de setembro prximo pasaado constoa ao so-
verno: B
1. Que o capital havia descido a 2.323:7005
i'JSaSUs f',ll,' inda entrar a quantia de
1.676 300gC00 para que Ociase completo o fundo
de quatro mil contos com que foi concedida a
mcorpnraco deste estabelecimenlo de descontos
e deposites.
2. Que haviam ttulos em liquidado de firmas
''"hiiMdeai, na importaocia de..........
031 :oJ2j689
3.* Que concordatas se fizeram com devedores
de letras no valor de 101:5485000.
4. Que, a Dio sr o fundo de reserva na
somma de 69:2155379. j teria chegado o lempo
de liquidar-ae o estabelecimento, por schar-se
realisada a perda de 20 "I, sobre o capital
effeclivo.
ta caixa portera ollar a ella por meio de arr.or-
liaaco-s semsstracs da 10 ror ceoto. sendo que
a escrlputuraco dessaa operacoea se dV.ingue
dadaalelras de que trata o art. 23 dos r?3pec-
ttvos estatutos ; iem como que irregulardci-
xar parada qualquer lellra vencida por mair da
trista das depois do protesto.
A' mesma caixa comraerclal permilllo-se, Mr
aviso de 7 de junho, que elevasse o seu fundo
de reserva pela deduego de 10 por cento do la-
cro liquido de cada semestre, e negou-se liceaca
pira mwiim. ^ -- -
jes da estrada de ferro de
[dro Ha 1305000.........
n dem da Bahis com a
enerada realisada de *. 15 0 0
fros cambios, *6, 10:635...
a tari
QooriEl
E corad
99:1763796
e carteira............
a emisso autorisada
''*...........................
E' evidente que a garanta nao s
suiliciente, mas ainda tem
um excesso de.................
776:9745796
763:O00OO0
1,519 976J796
1,486:0005000
33:9765796
O fundo para troco das notas, qae foi estable-
cido na importancia da 4a parle da emisso,
sempre existi era caixa e era somma muito
malor (371:5OOJ00O) que a fixsda.
A emisso foi sempre inferior somma das
letras descontadas.
As operacoes deste banco limllaram-se ao
descont de letras e ao recebimento do dinheiro
a premio em conta corrente e por meio de
letras.
O fundo de reserva de 57:8485652.
O divileodo do ultimo anno foi de 12 /,
Tem este banco em letraa protestadas
1077515524, das quaes, segundo as ioformaces,
nem todas sero perdidas.
As accoes deste estabelecimento foram coladas
com premio al 10 /0 e aigumas vendas se
fizeram.
Os negocios apreaentam actualmente roelhor
aspecto; a confianza ae reslabelece, e a direceo
entende que as operajoas prometiera, se nio
maiores interesaos, pelo menos maior seg-
ranos.
A este banco se declarou em 12 de novembro
que nem a lai n. 1,083 nem o regulmeDto
n. 2,685 exigem qoe a restrieco da emisso dos
bancos se torne eUectiva logo no principio, ou
em poca determinada do anno corrente, e que,
portanto, o preeeito legal ficar aatisfeito, urna
vez que o banco tenha Uectuado a restrieco
dentro do anno.
Banco do Rio-Crsode do Sul.Este estabeleci-
mento, creado com a faculdade de emitlr notas
ao portador e vista, encontrou sempre difficul-
dades para sustentar na praca a emisso que
reslisou em quantia muito pouco importan-
te. Aconselhado pelos faetos a retira-la da
circulaco, ha muito tempo que se conserva como
banco de descootoa e depsitos.
Pessue um fundo de reserva de 11:6335771
(tabella n. 671, e tem sido feliz em suas opera-
coes, seudo que nao foi ainda obrigado a protes-
tar urna a de suss letras descontadas.
O dividendo do anuo findo em junho de 1861
foi de IIL Tjj % sobre o capital realisado.
A 25 de julho do anno passado declarou-se ao
fiscal deate banco que, na forma da imperial
resologo de consulta de 13 do mesmo mez to-
mada aobre parecer da secgo de fazenda do
conselho de Estado, nao poda o mesmo bsneo
fazer outraa operacoes alm das designadas noa
estalotos ; seodo-lhe smeote licito abrir contas
correntes nos termos do art. 72 dos mesmos es-
tatutos, e qae por conseguinte cumpria ao fiscal
oppr-se a que o banco nzesse empreslmos sob
fiaoQa, a nao ser na forma do art. 74.
Em data de 3 de outubro expedio-se aviso ao
mesmo riscal, declarando lhe que a eleico das
commisses fiscal e de contas est compreheodi-
da na letra da disposico do art. 2* 12 da lei
o. 1,083, e approvando as seguintes respostas
offerecidas pelo mesmo fiscal no parecer dirigido
presidencia da proviocia :
1.a Que a intelligencla que ae deve dar ao
art. 2 11 da le n. 2.083, quando o numero
dos directores nao fdr cinco, ou mltiplo de 5,
se acha declarada na consulla de 5 de (svereiro
de 1861.
2.a Que a assembla geral dos accionistas a
competente para decidir se devia eleger outros
directores no caso de algum ou de todos renun-
ciaren! os saus cargos, cabendo uoicamente ao
governo examinar se os estatutos do banco fo-
ram, ou nao, observados.
3.a Que mesma assembla geral compete
providenciar se deve proceder-ae nova eleico,
dado o caso de reouociafm tambem os seos
eleitos, pereceado, todava, qua, estando prxi-
ma a eleico dos directores e dos suppleoles,
conforme o art. 37 dos estatutos do bauco, e
ficando portanto o baoco com orna legitima
direceo para substituir aquella na hypothese
de impedimento, fra conveniente consultar o
governo antes de ter lugar urna nova eleigo de
directores.
4.a Que, se depois de entrarem os novos di-
rectores em exercicio, algias oa todos aolicitas-
Eotendendo esla associacao bancaria que, com
o flu de acreditar suas accoes, e alcangar alguns
lucros, podia retirar por sua conta do mercado
ama parte das que constituiam o capital efecti-
vo, la ngou mo desta operaco, e recolheu urna
porcao dellas.
Consultada a esle respeito a secco de fazenda
do conselho de Estado, foi ella de parecer que o
acto pralicado era muito I. 'guiar, visto como
nao tnha em seu apoio artigo algum dos estatu-
tos q-ie lhe concedesse a faculdade de negociar
em fundos publico?, ou ttulos commaudilarie*,
e muito menos de comprar e vender suas pro-
prias ac'.oes.
Resolvida esta consulta no sentido do parecer,
ordenou se que as accoes fossem devolvidas a
mercado, relevaodo-se a directora das penas em
quo incorrrs, por se achar provado que neste
sssumiito obrara de toa f, e de accordo som o
respectivo fiscal.
A direeco cumprio a ordem do governo, como
o aOirmam o mesmo fiscal e o presidente da pro-
vincia, o primeiro em officio de 4 e o segundo
em 10 de outubro do anno findo
das accoes nao soffreu prejuizo algum.
Outro fado se deu oesl& estabelecimento que
foi destpprovado pelo governo. Eotendeu-se ali
que, sendo sete os directores da caixa, devia a
assembla geral dos accionislaa na renovarlo
annual, dar por findo o mandato de dous direc-
tores. Oavida a mesma secco do conselho de
Estado, (o seu parecer que a caixa Reserva
Mercantil devera ter feito a substituicao de um
e nao de dous de seus directores, sendo que,
como j fra resolvido a respeito do (Banco da
Baha lambem com sete diretores, a regra a
seguir-se substituir um s dos directoras em
que o commercio lende a
oda um dos tres primeirot annos do quioquon-
010, dous no 4*. e tambem doua no 5a. Neste
sentido ae officiou ao presidente da Babia ; e em
i de jaDeiro desle anno a substituirlo qoe de-
via ter lugar, por ter completado o estabeleci-
meuto outro anno de sua existencia, verificoo-se
em um e oo em dous directores.
Ni sesso da assembla geral doa accionistas
de \ de Janeiro ultimo deu-se aotorisaco di-
rectora :
1. Para impetrar do governo a faculdade de
entrar o estabelecimento era oncurrencia na
compra de suas propriaa acc'S mediante a cote-
aoofflcial da pra^a, Uvando-ae os lucros que
obtivessem dessa operaco ao crdito di conta de
ttulos em liquidarlo, para minorar as perdaa
originadas da criso por que tem passado a pro-
vincia da Bahia. '
9. Para igualmente impetrar do governo im-
perial a concesso de adquirir fundos pblicos e
de coropanhias approvadaa, fazer eraprestimos
sobre hypotheeas de bens de raiz, e abrir cootas
correles de crdito, proeedeodo em todos os ca-
sos com as indispeasaveis cautelas exigidas em
laes operacoes.
Do ultimo relatorio da directora v-se que o
capital contina a diminuir : delle consta que a
quantia de 2.375:2005. realiaada na poca da ap-
provacao dos estatutos, est bojereduzlda a de
2.317:700J. Cm tudo o fundo de reserva ele-
vou-ae a 74:0355856, e os ttulos em liquidacSo
ajuizidos, deque jtratei
ouico.
O balango mostra que se haviam empregsdo
era descont de lettras 1.299:510$033, em lettras
caucionadas 333:168 e em operacoes de hypothe-
190:0005. O dinheiro tomado a premio era
comprar e vender as sas proprias aecs
pelo fundamento de que a ama tal autorisacfto sa
oppuoha a lei de 22 de agosto e erart. 2* 5a dfa
aeus estatuios. S
Caixa de Economas da Baha. Os estatutos
desta caixa foram approvados por decreto n
2.j40 de 3 de marco de 1860 com o capital real-
sado de 961:1665. Tem aulorisseo este estabe-
lecimenlo para um capital de tres mil contos di-
vidido era aegoes de mil ris.
Em 25 de Janeiro deate anno o seu balao-o
mostrara que o referido capital havia descido'a
900:1775, qe suas upera^es principaes eram do
lettras descontadas em que empregou......
684:747gl07. e d* lettras caucionadas, cujo saldo
montava a 103:1335853.
O fundo de reserva importava m 19:855*383.
O dividendo do ultimo anno foi de 8,16 por
ceoto.
Consta do mesmo balance a existencia de tilu-
4rnm li',_ui,laSo que se elevara a quantia de
116:7395974, mas esta somma parece bem pira-
da, vista do parecer da comniisso de exame,
no qual se decan quo o activo se achava su lu-
cientemente garantido, tanlo quanfo era possivel
na quadra actual.
Os descontos fritos ror esta associacao banca-
ria reuularam de 9 a 12 por cenio.
A directora declara
melhorar.
No inlulio de ajuizar di legalidade da existen-
cia de quaesquer sociedades ou companhias com-
prehenoidas na lei n. 1.983 de 22 de agosto de
1860, que por ventura exislissem as provincias
sem lerem ainda preenchilo as obrigacoes im-
postas pela mesma lei e seus regulameotos, ex-
ped circular para esse um aos respectivos pre-
sidentes, e das respostas recebidas colhem-se os
seguintes dados.
Alagoas. Existem nesta provincia quatro csta-
belicimentes da natureza daquelles a que ae refe-
re a a sobredita lei ; a saber :
Caixa Econmica, convertida hoj* era Caixn
Commercio/Companhia t7;iao MercantilSo-
Na revenda | ciedade Kmpreza AlagoanaCaixa Econmica
da cidade do Penedo.
A primeira foi creada no Io de junho de 1856.
Instituida com estatutos defeituosos, que por is-
so, nao obliveram a opprovacao do govorno Im-
perial, levo de converler-ae em Caixa Coromer-
cial, e hoje tm estatuios approvados pelo de-
creto n. 2.807 de 19 de junho de 1861. Esta
caixa de descont e deposito. Seu capital po-
de ser ele'ato al 500 contos, dividido em ac-
coes de 1005, e actualmente faz parte delle a
quantia de 223.1005, que era o capital da Caixa
Econmica na data de sua converso. Com o fondo
de 451:8035 j ella funrcionou em 1858, provin-
do o seu dacrescimeoio da crise commerclal que
all exerceu forte presso.
A sRunda foi incorporada no Ia de setembro
de 1857, com estatutos approvados pelo decreto
n. 1,960 de 22 de agosto antecedente, e tem por
fio eslabeleceruma fabrica de fiar e tecer algo-
dao, e urna fuodigao della dependente O ca-
pital da companhia de 150 cornos divididos em
50 accoes de 3.00115 cada urna. Segundo as in-
formacas colbidas, um empreslimo de 20 contos
lhe foi feito. autorisado pela lei provincial n. 315
de 23 de abril do mesmo anno, quando ella ain-
da eslava em projecto. Nao sendo anda suffici-
enteso capital eo empreslimo, liveram os accio-
nistas de entrar com a quantia de 25.8385269
e a direceo contrahio urna divida de 3,2155700.
Esta companhia lam lutado com muitos obstcu-
los para a terminacho de suas obras,
A terceira tem por firn estabelecer a navegaco
por vapor onlre a capital, a cidade daa Alagoas
e ss villas de Pilar e Santa Luiia do Norte, com
privilegio exclusivo por 35 annos, era virtudedo
contracto celebrado com o presidente ds provin-
cia, e lutorisado pela lei provincial n. 265 de 21
de abril de 1855, e auxilio de 30.0005 do governo
geral, concedido na Ui do orcarneolo de 1860-61.
Os primeiros estatutos nao foram approvados
por irregulares, mas, procedendo-se organiaa-
Co de outros, penden esles da approvaco do
governo.
O capital da empreza de 15o.O005, dividido
liveram alguraa dirai- | era tres mil accoes de 503 ris cada urna.
Geralmentedeaeja-se na provincia daa Alagoas
ver creada esta companhia.
A quarla funecionou sem estatutos sl pro-
mulgaco. da le de 22 de agosto ; e consta que
issrsssvs'gtx ^u:. ea
por cenlo, 00 semestre a que pertence o dito ba-
la 050.
As laxas dos descontos nao excederam de 8 a
12 por cento.
As accoes eram contadas com abatimento de 38
a 40 por ceoto.
Por aviso de 13 de selembro de 1861 decla-
rou-se ao fiscal e ao presidente da provincia,
que o faci de nao haver a dita caixa realisado
lodo o seu capital fixado, nao pode ser lido co-
mo falta de cumprimenlo de urna coodico es-
sencial que determine a dissoluco da mesma
caixa, nos termos do decreto de 10 de Janeiro de
1849 que lhe applicavel ; porquanlo oera os
decretos de 8 de dezembro de 1859 e 24 de mar-
co de 1861. os. 2508 e 2561. que approvaram e
alternara os estalotos da sociedsde, lhe impoze-
rara s obrigseo de preencher o fundo social de
quatro mil contos pars que podesse funecionar,
nem nessas pocas se achava ainda em vigor o
decreto n. 2.711 de 19 de dezembro de 1860 cu-
lo art. 12 o que manda marcar prazos aos ban-
cos, companhias e sociedades commerciaes para
concluirem a distribuyo de suaa accoes, sob
pena de caducar a aotorisaco com que se incor-
poraran.
Caixa-Commercial da Bahia. Tem esta caixa
estatuios approvados pelo decreto o. 1.753 de26
de abril de 1856, e um fundo realisado de 2.500
coulos.
As operacoes em qae emprega os seus fundos
sao as de descontos exclusivamente. Do seu ba-
lango se v que em dezembro do anno pasaado
possuia ttulos de carteira 00 valor de......
I'878^9l5810, e que tioha dado sobre caucoes
483:9508. O dinheiro recebido a premio para au-
xilio deslas transacoes pouco exceda de 198 con-
tos.
Era seus cofres existia um fundo de reserva de
83:790|25I ; e o lucro que nesse semestre se di-
vidi pelos socios corresponda a 4,04 por cenlo.
A taxa dos descontos regulou de 8 a 12 por
cenlo.
Bem como todos os estabelecimentos de crdi-
to, soffreu este alnuas prejuizos ; ajuizou-se
orna somma de 46T955125. e o balanco d con-
ta de 200:025|001 com o titulo da firmas fallidas.
Com tudo a comraisso de exame nao reputa
era mo estado esta caixa, e o proprio fiscal do
governo declarou em officio de 8 de jsnelro dea-
te anno que ella funecionava regularmente, e que
seu estado era satisfactorio.
Por aviso do 1 de junho, expedido de eonfor-
midade com a imperial resoluto de consulta de
la de maio anterior., tomada sobre parecer da
secco de fszenda fo conselho de Estsdo, decla-
rou-se ao fiac*\ aa caixa commercial da Bahia
que as quant'.as emprestadas a prazo fixo pela di-
Piauhy.Nesta provincia ha rnenle urna com-
panhia denominada da navegaco a vapor no
Parnnhiba, cujos estatuios perdem da appro-
vaco do governo imperial, Foi incorporada
em 20 de novembro de 1858.
Das informacoes recebidas nao se conhece qual
o capital da companhia ; apenas se diz que func-
cioni com um s vapor, e duas barcas de rebo-
que, com que faz o servico da navegaco enlre
esta capital ea cidade da Parnah.ba. Dapois de
approvados os estatutos, e em virlude do contrac-
to celebrado com a presidencia da proviocia, de-
ve ella apressntar para o servico outro vapor.
Maranho Existem ns provincia as compa-
nhias Ail Confianga Maranhtnse e de
Navegaco a vapor.
A primeira foi Incorporada em 5 de margo de
1856, para abaslecimeoto d'agui potavel do rio
Ail capital, com o tundo de 200 0005000 Seus
estatutos foram approvados} por decreto de 26 de
abril de 1856.
A segunda realisou a sua incorporado em 17
de julho de 1855, para edificaco de armazena oa
praca do commercio. com o fundo de 80:0005000
divido em 4,000 accoes de 205000, das quaes rea-
lisou somante 3:000. Nao tem estatutos appro-
vados por duvidas que appareeeram, e que cons-
ta terem sido solvidas ltimamente.
A terceira foi incorporada em 1856, afim de fa-
zer a navegco a vapor nos los Itapicui. Alea-
rim, Pindar e Turxass, e na bacia entre a capi-
tal e a cidade de Alcntara, e a navegaco cos-
teira entre as cidade do Para e Fortaleza
com o fundo de 500i000g000. Seui estatutos fo-
ram approvados oor decreto o. 2:020 de 11 do.
novembro de 1857.
Est em liquidaco|a Companhia Industrial Ma-
ranhense que tinha por fim o fabrico do sabo.
A companhia Ail, lutando com difficuldades
para as obras do encanstenlo das aguas, pedio
e obteve concesso para augmentar com maia 100
cootos o capital de 200 contos queja tinha, ga-
ranlindo o governo provincial o juro de 8 0,0 so-
bre a importancia delle.
A provincia tomou a 5a parle das duas emis-
soes do capital, mai havendo difficulda de em
completi-lo, resolveu ficar com um terco das ac-
edes.Depois de muitos embaraQos e perda de
urna machina, e de multas que lhe foram impos-
tas, concluio o gerente da companhia as obraa
do encanamento, as quaes, comiedo, ainda pre-
cisam dos a perfeiQoamentos indicados por ama
commisso nomeada para exa'.eina-los.
A companhia ConAcmc* Maranhinttcons-
truio com o capital realta do um edificio na pra-
ca do commercio com diversos rmaseos, que
servem para a venda' doa gneros nao'.prohibidos
por le e ama csj'j onde funeciona o corpo do
i
aaawj|p|pr>j
.'*
*


*
DIARIO ftt ELl-SAMBCO. W QUISTA FElRi j DB AGOSTO D| 1861.
-i-
commercio. O edificio est construido em ter-
reno arrendado cmara municipal por Wau-
nos que fiodsm em 1891, passando no flm deste
tempo para propriedada da dita cmara o que
nelle se achar edificado. Oa eatatutoa jinda nao
foram spprovados por duvides eocontradaa a res-
peito da propredade do terreno ; mas a compa-
nhia tem faocciooado regularmente, e leito o*
dividendos nos lempos marcsdos.
A compaohia de navegado o oaoor. creada
om o capital de 500 eontoa elevou-o depoia a
800 msa s realUou 596:600000, nao podendo
prencher o resto. Munida des vaporea conveni-
entes comecou a navegar na linha do sul. A
fuodi(3o que eslabeleceu j tuneciona, e nella fa-
rem-ae, smeote oa concertoa das barcaa da
compaohia, mas inda lonas aa pecas neces-
arisa para eogeohos Te machlotsroos para o
que tem roschinitlM habilitados. Gom 6 va-
corea e 9 barcal despeodeu ella 501:9693509;
com a fuDdiqio 115.25523 ; com armazena e
oulros objectos 52:876^505 : e importando todss
estas eddicoea em 70:KHlft2u7, resulta um de/i
E'ia compauhia dii precisar de algum as con
cessoes para que possa mantec-se-. As subven-
s provincias do Cear, Para e
Miranhao. e tem assim os celres geraes, raon-
tam a 208:800*000, mas, segando representa a
mesma compaohia, este auxilio iniufficieutc.
as provincias de Goyae. Benita Cstharioe. Pa-
ran, Coar, S?rgipe, Rio Grande do Norte, Ama-
zonia, Parahyba, e Espirito Santo nao consta
exislire.m essociacoas da ntftureza das de que tra-
te a lei de 22 de agosto de 18G0.
Na de Minas e S. Paulo ha aomenle as caixas
filiaes do banco do Brasil.
[Continuar-te ha.)
tOarTlvldicos para a inalauraco do preaesso
e para a pronuncia.
Esta queatlo importante por que a mate-
ria de direito tem sido explanada, conforme o
entender de cada m dos contendores ; de in
e outro lado, pola, aa capacidades jurdica*, tem
tratado da questo, com algum deienvolvimeoto.
Um acontecimento ioespersdo leve lugar do
dia 9 do correte, qaando deate porto ashia para
B
3IARI0 DE PERNAWBUCO
Temos v|ia jornaes e cartas do norte, dos
tjuses foi portador o vapor Paran, entrado hon-
em. com dalas : do Amazonas at 1C e do Para
t 27 do pastado, do Maranho at 1, do Cear
at 2, do Rio Grande at 3 e da Parahiba at 5
do correte.
Amazonas. la mal a trarjquilidsde publica e
segrenos individual, por quanto quasi que dia-
riamente davam os joroaes de Manus noticias
d'algem espancamento, morte ou roubo. A poli-
ca, porm, co-nsegue apanhar os criminosos e
iiislaurer-lhes os processos.
rara. A lm do que nos diz o nosso correspon-
dente, na carta sbaixo, encontramos mais o se-
guinle no Diario de Gran-Pora :
A sociedale musicsl Phyl'Euterpe fez uro
passeio martimo em 6 do co'renie bordo do
vapor Monarcha da acreditada companhia de
cotnmercio e oavegario do Amazona?, que foi
generosamente olerecido para esse flm pelo ceu
disiincto gerente o Sr. Pircenta Bueoo : foi urna
faoccao brilhante pelo prazer ruidoso,(e pelo
i'onteutamerrto expansivo que todos maoifesta-
aro, e pela b.oa harmona em que todos se con-
tiveram.
O U(marcha largou a boia sabbado pelas 10
horas da imito, deu um bordo at so arsenal de
marinha, descreveu urna magnifica curva, eiez a
proa pona do Mosqueiro onde fundeou era
hora e meia da madrugla, tendo a Phylarmo-
nica da sociedade locado sempre durante o tra-
jelo lindas e variadas pecas dos autores msis
conhecidos ; muitus individuos deiembsrcaram
all. e s 8 horas da menha seguio o Monarcha
noveroeole viagem costeando a baha de Santo
Antonio, eotrou pelo furo ds Vigia, passou em
frente dos estabelecimeutos agrcolas dos Srs.
Reoies, e Luizde la-Rocque : regreasoo d'alli, e
turnou a seguir pela baha de Santo Antonio, en-
trou nc rio Maguery, e veio sihir ponta do Pi-
oheiro onde rncorou novameole : all desem-
barcaran] todos para casa dos Srs. Ksalfuse Boy-
le oede foram muito bem recebilos por estes
cavalhsiros e obssquiados com profusio, que era
para admirarse : tocou-se milito, rio-se e fol-
gou-se cjuito, e s tres e meia horss da tarde
oisseram-se adeus ; o Monarcha fuoiegou oulra
vez, agisram-se lencos e rhpo9, fez-se alga-
zarra brava, e a romaria martima seguio para
Belro, que se va surgir pela proa 'enlre as
aguas coruo urna cidade encantada, o Monarcha
(ez-se so largo, deu o bordo de etiqueta jelo ar-
senal de marinha, descreveu outra curva, e fa-
zendo-se o mais possivel ierra, demandou o
aocoradeuro eulre os cumprimentos, e as sauda-
des doa navios fondeados no porto; s cinco
reres e meia chegou boia : todos os convivas
se retiraran) saudosos das horas felizes que all
f>assaram, entre os airaros de irmos e de ami-
gos.
Eis a carta dojoosso correspondente :
Nao sei quaes sejsm as noticias variadas e
inleressantes que nesta oceatio possa transmit-
tirao seu D'.ario, e merecam amenguo dos seus
cstimsveis leitores.
Que esta provincia caminba em paz, facto
por demais anouaciado, e que na actualidade se
realisa sema mnima altereco. Commercialmeo-
ta aliando os negocios vo proseguindo com
mais oa conos eniraec.o, e apezar das noticias
ro estado dessa prar* em referencia a abalos so-
brevindos ao crdito de siguas individuos, pouco
oa nenhum cuidado j d, porque em negocio
nem todos gaoham, e cooseguinlemente quem
perdeu, que soffra o resultado da sua desgraca
ou m gerencia dos seus oegocios.
Milito cuidado tem dado ao bom e pacifico
povo parense a alleracio da preciosa sade de
S. M.a Imperatriz.
< E, na verdide, a virtuosc esposa do cosso
adorado monirtba merece as alteocoes e sym-
palbias disvelladas do grtade povo brasileiro,
porque as virtudes do seu corceo e a piedade
ce sua alma bemfazeja sao reaes e ioexcedive.
Por isto. Codos quantos oouberam dos incom-
modci de Sua Magestade e Imperalrix, fazem
?oos so co pelo prompto resta>lecimenlo de
sua importante 6ade.
a Passando agora aos negocios daigreja, teoho
a participar que S. Ere. Rvms. o bispo diocesa-
sio, parti oo dia 1* docorrente para a capital da
iroviocis do Amazonas, onde val demorar^-se
por algum tempa a tbem do servico espiritual.
S. Exc. acompaohado por alguas secerduUs,
esaim cemo Gcou no governo ecele9kstico desta
provincia o respectivo vigario gersi.
O Exm. bispo foi acompanhtdo ac .embar-
gue por grande numero e autoridades e pessoas
a primeira gerarchis.
Nos annaes forenses desla cidede, .ltima-
mente lem-se suscilsdo duasquestee importan-
te.!;, e que maisou menos '.em prendido a atteu-
o do publico.
< A primeira urna quena dada pee um ne-
gociante portuguez contra culro ioglez, pelaim-
pala^o injuriosa de negoctaes de moia
falsa
O ioglez, arrogante e bravio como lodo o
breto, nao po(6ndo provar a sua asserco, foi
aGoal de coutas parar cadoia por alguos diss,
pois o offeodido s Ihe quiz mostrar, que um in-
sulto lio atroz, nao fica impune no Brasil, e por
taate perdooe-lhe o restante do tempo de pri-
sao.
O ioglez deu per paos e por.pedras, fez pro-
textos sobre violencias, e de perdis e damnos
em seu negocio, e para cumulo da sua audacia
ou antes desgnea, em um requerimeoto dirigido
0 justiya, iojuriou, iovectivou, e ameacou os
juizes ; em resultado de ludo, (eodo-se sggrava-
publico o denunciara agora ror calumnias dirigi-
das aos magistrados julgadores da causa.
Veremos aioda o resultado desti cootenda,
<;u9 tanto tem dado de si 1
a A segunda, i urna questo crime, em que
feao empenhadoa varios caracteres influentes
des dous partidos da provincia, pelos individuos
que nella flguram.
c A relacao do districto, em virlude da aeco
de oullidade de um testamento, que se diz fal-
so, mendou proceder contra as peesoas complica-
das na falsiflcago deste documento.
Em coosequeocia disto o chfe de polica Dr.
" yaiho J. Metra e o promotor ad hoc,instaura-
ra m o processo e pronunciaram a priso e livra-
mento a um individuo, influencia liberal, por
Essa influencia bomisiou se para se furtar
priso ; e esgotsdos todos os recursos, o chefe
J polica para a salvar, os membroi do partido
fUiML"c.-rret'D1 r8laao do Maraoho, sob o
pronuncia
o sul a caohonheira Bdmonie; seriara pouco
mais ou menoa 11 horts da noate, estando a bar-
ca (ranceta Guajar na franqua para segair via-
gem, foi sobre ella o vapor de guerra nacional
Belmcme, e causou- Ihe averias que a impediram
de partir. O vapor soffreu o racimo modo al-
gum as averias. Ignoramos oa motivos de seme-
thsnte sioistro em urna nolte de lio magnifico
luar que pareca dia, e causado por um navio de
guerra brasileiro, cuja ofBcislidade nao poda
ignorar [os meios de cahir sobre um navio,
quando alias o porto nao est coalhado de em-
barcaces, e o rio largo bastante.
Consta agora pela chegada do Paran que a
canhonheira est em Maranho a concertar das
averias soffridas, assim como aqu esteva tam-
bero a concertar por quatro diaa a barca, e todo
o necessario foi feito pela mestranca do arsenal
de marinha deste porto : constando que o agen-
te consular de l'rsnca pretestra pelss avarias,
perdas e damnos causadas por qualquer sioistro
superveniente ao navio
Alguna ratnenos tem spparecido nesta ci-
dade, e segundo as denuncias dadas pelos jor-
naes, consta seren ums porcio de desertores
que aqui flearam da corveta Imperial Marinhtiro
e da BehnoiUe.
Aote-hontem leve lugar no theatro desta ci-
dade, um expectaculo particular dado em bene-
ficio das obras da igreja de N. S. das Mercez.
O Exm. commaodante das armas da provin-
cia, Mancel F. Sergio de Oliveira, tomando so-
bre sua proteccao este bello templo, visto estar
ahi e irmindade da Cruz, perlencente aos mili-
tares, tem feito renascer esta igreja ds deca-
dencia e ruina em que estava, e com a mais se-
vera economa.
. Aote-hontem pois subi a scena o appara-
loso melodrama do Sr. Luiz Alfredo Monteiro
Baeoa, intitulado: Idalina ou scenas da vida
intima, ornado de msica, toda da composico
do taleotoso maestro o Sr. Gurja o.
O tbeatro estava litlerslmeote cheio, e bri-
lhante pela sociedade escolhida que em ai reu-
na.
O melodrama que da composico de um
pariense, foi muito applaudido, sendo o autor e
curiosos chamados A scena, pois o enredo gra-
dou e o jogo da scena foi animado.
a O appello do Sr. commsndante das srmas
foi comprehendido, vista da grande concor-
rencia que a muito nao se observa no theairo e
pelos exforcos dos actores, em geral officiaes
militares, os quaes trsdusirim com felicidade o
peosamento do autor.
c Finalisando, remello ai alteraroes mar-
timas :
A descarga :
Pearlbares ingleze.
Emely Carolinadita.
James Adebgaleota franeexa.
L'niaobarca portugueza.
A' carga :
Patriotahiele nacional.
La Flechepolaca freneeza.
Fleur du Porobarca dita.
Adilegalera dita.
Til Bitpatacho inglez.
Amanha pela madrugada segu para o sul
o Paran
Maranho.Fallec6ra na capital o juiz muni-
cipal de Caxias Dr. Pedro Weocs cup Getanhede.
l.e-se no Puhlicador Maranhensez
O novo hiate que o aono troximo passado
veio de Pernambuco para o servico da capitana
do nosso porto, e que ahi estava ancorado des-
tinado a soffrer talvez a mesma sorte dos bate-
loes da excavaran, foi por ordem da presidencia
competentemente apparelhado, e hoje pela acti-
vidade e zelo do Sr. espito do porto, sanio pela
primeira vez barra fora, em urna viagem de ins-
trueco levando em seu bordo 14 aprendizes ma-
rinheiros ero companhia do seu coromsodaote o
Sr. 1* tsnente 'arrr.sda Jos Fraocisco Pinto.
Estes jovens embarcaram-se cheios de ale-
gra, nenhum delles quix ficar, anda mesmo o
msis crianza. O hiate ganhou e transpox rpida-
mente a ponta d'Ara.
S. Exc. tem recommendado s autoridades
que faQam exforcos para eogajarem meninos, es-
pecialmente os desvalidos para virem assenlar
praca ossta importante corporeQio. O numero
que S. Exc. deseja completar o de 100. Como
oada Ihes falta, e apreodem a 1er, e da-so urna
grslificeco de cem rail res aos pees, mes, ou
talores dos que se eogajarem, nao podemos dei-
xar de coocorrer com o nosso fraco contingente,
pedindo as autoridades, que nao deixem de se-
gundar o empeoho de S. Exc. para levar ao fim
'im intento, que tanto coocorre para augmentar
a nossa forrea de mar, e o poder do imperio.
a Porque tantos meninos desvalidos, que por
ahi andam sallando pelas ras, destinados lal-
vez a se perderem, oo hio de ser aproveitados
nesta esperanzosa corporaco, onde encontrara
todos os meios de vida honrosa, e nma cerreira
alerta para serem uteis si, e aos seus pas?
A casa de educandos artfices, outro estabe-
lecimento importante, offerece na verdade um
asyiu e alguma instrueco a meninos desvalidos.
Mas osofficios que ahi se ensinam nao se podem
considerar como urna garanta de um futuro pro-
meledor, pois os sapateiros, alfaiates e pedrei-
ros, formando a graode maesa dos artistas da
nossa cidade, to grande o seu numero que o
salario que a maior parte delles gaoham nao sa-
tisfsc as primeirss necessidades da vida.
Alem disso estando o numero de meninos
va em lohamuns, em virtud* de ter cabido doen-
U do camioho.
< Receiando-se que a epidemia ataque Sobral,
S. Exc. fez pas all seguir o dia 23 do prximo
pesiado os Drs. Doria e Vital, e no da 29 o phar-
maceutico Amaral.
c Greio que o cholera oto deixar esta provin-
cia, sem haver roubado a eiiatenca a tslvet 12,000
pessoas.
a O com roer co est parausado ; nao entrara
gneros do interior e nada sahe, sena o remedios.
Nao ha gneros em deposito; a barca iogleza
Azul sabio pira Liverpool sem completar seu
carregament ; o brigue francez Palutro proce-
dente do Havre com carga de fazendaa e varios sr-
tigos. e que esperara encontrar sua carga prompta
para a volts, seguio para o Par com lastro de
rea em busca della.
c A barca iogleza Vafeo* scha-se tandeada ues-
te porto espara dos gneros que aioda devera
chegsr do interior, e quo Deus sabe quando
viro.
A alfandega est chela de lateadas; talvez
nao leoha menos de 1,000 voluntes em seus rma-
teos ; mis os denos nao aa despachara, porque
nao lm quem Ihe as compre, e porque falla di-
uheiro para pagamento dos direito.
c A thesoursria de faxeoda est exhausta, di-
zem-me que pagou-se o pret tropa, mas que
nao se poder fazer o mesmo folha dos offi-
ciaes.
c A provincial lambem est em spuros I
c E' por certo bem triste o aspecto que boje a-
presenla esta provincia, to differente do do aono
pastado por este lempo. Eoto tudo era activt-
dade e movimeoto ; as mercadorias nao se de-
mora vam nos depsitos da alfandega, nem nos r-
maseos dos negociantes, todos sita vam satisfeltos
e olhavam para o aono futuro como um aono de
prosperidade I
c Aprouve Deus o contrario, submettamo-nos
humildes sua santa vontade 1
A alfandega do exercicio de 1861 a 62 renden
511 cootos de res, mais 135 do que o aono ante-
rior.
Apezar dos estragos e strazos- causados pelo
cholera, supponbo que o reudimenlo do correte
exercicio nao ser inferior ao de 60 a 61.
Fallecsu hootem (1 de agosto) victima de
solfrimentos do corceo o mejor Joi Feij de
Mello, natural desta, mas que residi por longos
annos nessa provincia.
Rio-Grande. Nao tendo recebido cart de nono
correspondente, recorremos aos jornses, donde
extratamos as noticias seguintes :
Achava-se ero grande declinsao o cholera
oo Apody e S. Goocalo.
Em Barreiros desenvolvera-se com carcter
mo, fazeodo bastantes victimas.
A Peoha continuava a ser fortemente cei-
fada.
Na Macahyba e immediacdee achava-se ex-
toclo o mal, haveodo morrido 22 pessoas.
as msrgens do Potengy, de cento e nove
pessoas atacadas apenas fallecern) 2 enancas.
Tomara posse do cargo de ajudanle do ins-
pector da alfandega o Sr. Jos Antonio Sera poico
de Assis Carvalho.
Fdra assassinado, na barra do Quiri, Vicen-
te Nuoes. conseguindo evadir-se o assassloo.
Parahiba. Limltamo-noi preiente catta ds
nosso correspondente:
Asstembls provincial foi prorogada por seis
das, deveado amanha eocerrarem-se os seus
trabalhos.
Sua Magestade o Imperador dignou-se acei-
tar ojuizadi) perpetuo da irmandade de Nossa
Seohora do Rosario doa homens pretos desta ca-
pital ; pelo que na noite de 31 do mex ultimo, dia
da chegada do vapor que trouxe essa noticia,
esteve illuminada a frente da igreja e a mutica
marcial percorreu as suas da cidade.
a O numero das pessoas que receberam o sa-
cramento da coofirmaco foi crescido, e todos
flearam satisfeitissimoscom o desioteresse e boas
maneiras do actual visitador, Dr. Patricio Manoel
de Souza. |
a As novenas ds psdroeira tem sido feito^com
pouca pompa, e algumaa noites consta) foram
engeitadas ; sendo a dos legislas, a dot taber-
neros, e a dos caixeiros e commerciant
E' o que ba a referir-lbe.
PURNAINaUCO
REVISTA DIARIA.
Por despacho do Ia do corrente, cooce
Exm. Sr. presidente da provincia a proi
que Iba oliciteu o Sr. Antonio Jos Dm.-i-
bra, que havia oblido do seu antecessor a
dade de dar urna serie de espectculos d,
eos oo theatro de Santa Isabel.
Essa proroga;o de dous annos, e sob a* mes-
roas condiedesdo despacho primitivo de 11 de
fevereiro prximo passado, que conceder a em-
preza dramtica sem subvenco ao referido Sr.
Coimbra ; o qual se sugeito eveotualda de
de astabeecer-se dentro o'aquelle prazo urna em-
preza regular e subvencionada, fica-lhe todava
o direito de coocorrer com prefereocia em igual-
dado de circumstancias.
Os espectculos devem comecar no dia 1* de
marco viodouro.
Consta-nos que em breve seguir o mesmo Sr.
Coimbra para a corte, afim de tratar de negocios
tendentes a reasacao de sua empreza ; que sem
donativo ou subvenco dos cofres pblicos tsr
de ser alimentada pela concurrencia do publico,
o qual n'essa ausencia de subvenco tem por cer-
to uma condigo de satiafico do bom gusto da
arte.*
Com essa coocesso deu o Exm. Sr. presidente
da provincia mais uma prova de estima que tem
que eesa caa pode receber preenchido, como es- Pe'a a,le dramatice, e mostrou desejar satisfazer
t, nso ser melhor aos sais dessas enarcas pro-
curar-Ibes uma profisiso honrosa na companhia
de aprendizes marinheiros, do que deixa-los en-
tregues a uma vadiaco pernieiosa ? Nao veein
elle que s vadiacio traz os vicios e que do vicio
essa oecessidade do publico, que entre nos se v
baldo de distraeco s lides diarias que vive
eoliegue.
A empreza de que que se sobrecarrega o Sr.
Coimbra por demais forte ; mas elle procuri-
ao crime oo ha mais do que um passo ? O que r^. estamos cortos, dar exectocumprimento to-
ser meisgrato ao coracao de uro psi, ver seu fi- dos os deberes inherentes ella, conseguindo ia-
Iho honrado e nobre, porque serve a patria, ou tisfazer aj os menores caprichos dos amadoras,
aviltado, infamado, preso em uma cadeia por ter e o justificar aquellas que se ioleressaram por
commettido algum crime ? Quando mesmo esca-
pe a puniere das leis, nao ser mais duro ve-lo
forsgido, ou (aojado miseria, do que presian-
essa coocesso, ero cujo oumero se acha com
prehendida a muito disiincla commisso directora
do theatro de Santa Isabel, que, apreciando
as
do servicos ao paiz? Depois de servir o palz ha { D08S iotences desse senhor, soube aproveita-
aiuda um largo futuro a esses mogos na marinha |la> com vantagem para o nosso. publico.
Visitamos ltimamente a machina, que aca-
ba de montar o Sr. J. J. Keller, ra da Impe-
ratriz o. 9 armazem, e que serve para tirar pilos
sem o auxilio de gallinha, que tambem dispen-
da oa creaco dosmesmos.
A mchica formada por um pequeo caixo
forrado de algodo, e no qual se conserva o grao
de calor do corpo humaoo, isto 32graos, por
meiod'agua a ferver que existe um de seus la-
dos e aue continuadamente aquecida por uma
luz que Ihe Coa di paite inferior.
Para que os ovos pastem por sua completa
traosformaco, o necessarios viole e nm diss
oo interrompidos, durante os quaes tres vezes
dieriemente devem ser um pouco expostos
oo ar.
Apenas tem ellos ehegados ao seu 21 dia, co-
megam os pintos a furar a casca e a sefairem qSasi
que de hora em hora, como aconteeeu quando
visitamos essa curiosidade.
A'principio cambaleaotes, vo pouco 6 pouco
ganbando vigor, e oo fim de um dia paaaem a ser
entregues um outro, chamado creador, que Ibes
eosioa o meio de se sustentaren) por lisse sem
nenhum auxilio, e seguem a marcha ordinaria.
Na verdade essa uma curiosidade real e de
extrema paciencia, porquanto oo s a ms'chioa
eomo o systema sao de iovengj do Sr. Keller,
que preteodeu-a apresentir nossa expoiico
ultima, e que, se nao o fez, foi devido ercums-
taoclas supervenientes.
Aquelles que se dedicam i difuio da raes
gallincea, encontraro nessa ioveo=ao um meio
avmcarem mais rpidamente; estamos
fundamento de aue
xceaiva.
mercante, o que Ihes poder dar fortuna e con
sideraeo.
Emquanlo ao bom tratimento, a companhia
offerece as melhores garaolias, pois est sob o
comsnaodo de um ofncial intelligente e que toma
o maior iateresse pelos seus jovens comman-
dados.
Nc dia 18 do corrente falleceu na enfermara
militar deala cidade o alteres do 10* Catalbo de
infamarla Manoel Ivs de branles, natural de
Pernambuco.
a Foi sepultado no dia 19 em uma das cata-
cumbas superiores do cemiterio da Misericordia,
a expeosas da officialidade do 5* batalho, os
quaes cotisaram-se voluntariamente para darem
ao seu finado carnerada um jezigo decenio, visto
que elle nao :inha deixado meios com que decen-
temente podeise ser sepultado:
A mesms officialidade, com os da polica,
acompanbaram o enterro. Foi mais uma prova
do amor da classe, pratieada por to diitiactos
militares.
a Tal accao merece pela sua nobrezs, com
efteilo, ser registrada com os mais sinceros elo-
gios.
PUuhy. As ultimas datas recebidas no Ma-
ranho alcaoQam 6do panado.
Fallecer, oa villa do Senhor Bom Jess
da Gurgueia, o mejor Gustavo de Souza Marlios.
Havia declinado bastante a cholenca, que
ceifava no termo da Independencia.
Tomara posse do cargo de presidente da
provincia, 13 da paisado, o Exm. Sr. Jos Fer-
nendes Moreira.
Cear. A seguinle certa de nosio corres-
ponde narra qusnlo por alli occorrera :
a O Paran spanhou-me descaigo, s conlava
com elle amachas, e chegou hootem s 7 horas
da noite.
Vou sproveita-lo para Ihe dizer alguma cou-
sa, respeito ao cholera, que o que exclusiva-
mente preoecupa a todos.
Nssta capital do-se poucos casos ; o gover-
no mandou fechar s enfermara?.
a enlermarias, e despensar
rs injeridles e. os mdicos e enfermeiros, fleando smente o hos-
I pital da Misericordia para nelle serem recolhidos
o concedeu n "do conneciineoto do recur-je tratados os que forem sendo eccommettidos.
por este modo o Cr?m.ronUnc,Udo' JuI8aDdo1 Em Maranguape o mal lera declinado muito ;
lemente ve-s. n V"6"el' e ""ui-, ortalidsde agora de cerca de 4 por dia.
esTo por trra fomentos aa provincial t Em Baturit tambem vaeem dlminuico ;as
O nariido'lihAral um 'ultimas ooliciasso de morrerem de 4 a 8por dia.
Ibaote iu ado e entre me nu",^? ,0a. "T" A' nolici" do Cr,,< do I"' Portan-
de
convencidos, podero obter algumas'machias
semelhantes do iuveotor, cujo fim nao esse,
dores06 ** pre8lar a servir ao8desejos dosama-
-- Em soluco duvids proposta pelo Drei-
denteida cmara municipal do Cabo, sobre se do
da chamar os supplenles de vereadores para
completar a corpora?o e poder expedir o diplo-
ma ao deputado ltimamente eleito pelo 3o dis-
trieto, visto se recusarem alguos dos effectivos
afunccionarem.resolveuoExm. Sr. presidente
da provincia que, sendo_ a apuraco geral dos
votos de qualquer eleicao para depatadot trabs-
Iho urgente e importante, em vina do arliun 28
da lei do de outubro de 1828, devia o referido
presidente convocar para o dia immediato ao do
recebimeoto do offlcio, que em outra nri9 ,.
transcripto, a cmara, juramentando os sunnlen-
tes em sus ordem numrica de votos, al con
templar o numero para poder ella fuoccionar
Com o fim de desenvolver eolre dos o cnl-
livo das melhores especies de algodao, hoje um
dos mais importantei ramos do nono commer-
cio, em coosequeocia da guerra da America do
Norte, tem sempre, os Exms. Srs. ministros da
agricultura, na corle, preaidentea em noisa
provincia, procurado obter sementes escolhidaa
para sersm destribuidas gratuitamente aos agri-
cultores.
Em satisfacio de repelidos pedidos, acabam de
ser expedidos de Washington, pelo ministro brs-
sileiro alli residente, oito saceos, que breve che-
gario i nosso porto pelo navio americano
Cnasta, cootendo smenles, que, apenas aqu
cheguem, serao destribuidas por aquellos que se
quizerem dedicar ao cultivo de semelhante ar-
busto.
Nao podemos calar em nosso peilo a expressao
de jubilo que sentimos, pelo interesas que toma
o Sr. cooselheiro Miguel Maria Lisboa, nosso en-
viado extraordinario e ministro plenipotenciario
em Washington, pelo deseovolvimeoto de cosa
agricultura, que se nao se Ihe der impulso forte
deflnbar extremamente. Nos, poii, agradecemos
a esse lenhor o servico que vem de prestar-nos,
e pedimos-lhe recorde-se sempre de nossos agri-
cultores.
O Sr. presidente da provincia autorisou o
Sr. inspector do arsenal de marinha a fazer arre-
matar a coQ8truccao de 40 bracas de cass to nor-
te do mesmo arsenal. lm do mais erita-se co-
mo poederou em uma representarlo o referido
inspector que continu a aglomeraco de arelas
oas proximidades do lugar em que essa obra ficou
parada.
Acha-ie nomeado subdelegado do districto
de- Periperi, na freguezia do Bonito, o Sr. Ma-
noel Aotonio de Vasconcallos ; visto ter sido di-
mittido oSr. Antonio Basilio de Castro e Souza
Foi coDcedida a gratificarlo correspondente
a quarta parte do respectivo ordenado, por eon-
tar mais de 25 ancos de magisterio, ao professor
de iostrucgSo primaria de Timbauba o Sr. Fran-
cisco Jos de Souza.
Assenia esta couceisao co artigo 31 1 da lei
regulamentar da instrueco publica numero 369
O Sr. Eduardo Ctndido de Oliveira foi no-
meado thesoureiro daCaixa Filial pela respectiva
directora.
Em data de 18 do panado escrevem-nos de
Santa Luiia, comarca de Mossor o seguinle :
A epidemia do cholera-morbus aproxima-se
muito d'esta villa. Em S. Sebsstio, capella desta
fregueiia, tem ella grassado com icteosidade, tem
j perecido viole e oito pessoas.
'.' O Mosquita foi substituido por um outro ho-
tueopatha, com a differenga de nao saber appli-
car os remedios, como aconteca em pouco com
o primeiro.
O piquete, ou uucleo sanitario aioda se con-
serva na Ipoeira.
a No Apody a epidemia tem declioado baste-
le : o Dr. Mendes mandou pedir ao juiz de direito
a dispensa da commisso em que eli se achava.
Por offico do referido medico se reconhece
que nao est looge a ixtineo do cholera n'aquella
villa. *
Felizmente aquello povo enconlrou em to
inteligente medico, alem de medicamentos, os
mais assiduos, e pateroaes cuidados.
Fioalmeote est sendo executada a senleoca
que julgou livres Thereza, e seus cdco filhos.
c Em Campo Graode nao ba cada digno de
meoco.
O relatorio apresenlado pelo Dr. Vellozo,
(em agradado ios homens conspicuos da comarca.
Sua Exc. rene ao mais elevado tino, uma intel-
ligencia oo vulgar.
a As bendalheiras d'esta villa aioda conliouam.
Chegou o nosso promotor, bacharel Alcibiades,
Dos se compadeceu dos noisos vexames.
A dos.
Do Ouricury temos as seguiotei Doticias,
datadas de 18 de julho prximo passado.
Esta semana foi-se sem quem a neblina nos
encommoda-se, Gcaram porem os defluxos nos
ricos, e o calharro nos pobres ; um lutar com
as ventas.
As febres, a que por aqui chamam cesioes,
continuam a ceifor a triste humaoidade, e os re-
medios que o governo nos mandou, m uada tem
aproveitsdo; Appellamos para a mudanca da es-
laceo
O jury chamado Granja, foi convocido pera
28 deste, porem duvilo que reuna-se numero
sufficiente para os trabalhos nao s por cauada
febres que tem cootamioado o termo, como mes-
mo pelo temor em que est a populacho da inva-
so do cholera, que devora as comarcas do Crato
e Jardim, na proviocia do Cear. Na bella ci-*
dedo Crato, o morticinio tem sido espanto*
nao ter a dedicarlo e abenegico da p
de um Sr. Joo Brigido, segundo "
tem coadjuvadoo disiincto l>-
tieiiio .ena ireplica'do, quaTu-_0ca Ja tUv ,
cifra a quatro ceios e rouitos dentro da cidade
espatendo a cifra dos moitos pelos Brejos e Ser-
ras, as dues comarcas, onde a disciplina, peni-
tencias, e reaas lem sido com prodigalidade. O
cholera caprichoso, nao respeila mesmo a con-
tnecao.
Por aqui ainds estamos em paz, mais duvido
que deixemos de ser visitados pelo terrivel hos-
pede ; nao temos recursos, e cada quil irate de
si, e tenha confianca em Daos.
O nosso vigario aGoal tem-se proposto a fazer
um cemiterio (por que na igreja j nao temos se-
pulturas de mais de cinco mezes) para o que vai
chamando aos povos que esto limpando e aplei-
nando o terreno, a
Repartiqao da polica.(Extracto das par-
tes dos das 5 e 6 de agosto.)
Foram recolhidos casa de deteneao oo dia 4
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,"
Jos Antooio da Costa, braoeo. do 44 sooos, cer-
plna, Joaquim Ferreira de Lima Lsbareda,'brao-
eo, de 38 annoi, agricultor, Aodr Lopes Bezerra,
branco, de 22 anuos, agricultor, Joaquim Jos d
Abreu, branco, de 26 annos, agricultor, Joo Ri-
beiro da Silva, branco, de 28 annos, agricultor,
Joaquim Vidal de Castro, pardo, de 46 annos,
agricultor, Manoel Francisco dos Santos, pardo,
de 25 annos, agricultor, Jernimo Forreira Tava-
res, pardo, de 23 annos, sspaleiro, Manoel Cor-
roa de Mello, pardo, de 25 annos, agricultor,
Francisco" Perera, indio, de 25 annos, agricultor)
Manoel Francisco dos Sanios, crioulo, de 25 ao-
nos, agricultor, todos viodos de Garanhuns como
criminosos. Flix Benedicto dos Santos Marlyrios,
branco de 33 annos, sapateiro, por ser criminoso
de morte na provincia do Cear.
A' ordem do subdelegsdo de Santo Antonio,
Luiz, pardo, da 16 annos, escravo de Umbellina
Candida Nunes do Mello, por infraccSo de pos-
tura. r
A' ordem do dos Afogados Casimiro Lucio Ta-
vares. branco de 25 annos, charuleiro e Ignacio
Barbosa de Freitas, pardo, de 31 annos, msico,
ambos por crime de ferimento.
A' ordem do da Varzea, Maooel Alves de Li-
ma, pardo, de 22 annos, para recrula.
5
A' ordem do Dr. jufc. aiEuicipal da segunda
vara, c portuguez Lu Joo Affonio, de 24 an-
nos, negociante, por oo ter, como depositario,
cumprido fielmente os seus deveres.
A' ordem do Dr. delegado do l* districto, Ma-
ooel Jos de Souza, de 24 sddos, sem offico,
Leopoldiao Ezequiel do Souzs, de 21 aaios. fu-
oileiro, ambos braocos.e os crioulosManoel Ro-
drigues da Paz, de 48 asaos, estivedor e Joaquim
Jos do Saot'Aona, de 38 annos. sapateiro, todos
disposico do Dr. juiz municipal da primeira
vara, para serem processsados por crime de to-
mada de preso ; e bem assim Guilhermina Fer-
reira da C'juceicao, branca, de 25 anuos, eogom-
madeira, por ter dirigido insultos um inspector
de quarteirao.
A' ordem do subdelegado do Recife os pardos
Manoel Joaquim Vieira, de 32 annos, e Jos Vi-
cente Ferreira, de 25 aooos, amboa jornaleiros,
tambem por insultos que dirigirn) um inspec-
tor de quarteirao.
A' ordem do de Santo AdIodo, o pardo, Isaac,
de 26 annos, escravo de Aotonio Eloy Rodrigues
da Silva, por ter espaocado a outro escravo.
A' ordem do de S. Jos, Dorotba Mirla da
CoBcelcao.de 20 annos, lavadora, e Luiza Maria
da Conceicao, de 40 annos, faleira, ambas por
insultos e palavrasdeshonestas.
A' ordem do da Capuoga, Liberato Nunes da
Mlvs, croulo, de 29 annos, servente, por espaa-
car.a sua propria mi.
O chefe da segunda seceo,
/. G. de Mesquita.
Movimeoto da casa du deteneao do dia 5
de agosto.
Existan]. 371 praiOf.
Entraram. 12
Sabiram. 11 v
Alimentados a cusa dot cofres provin-
*taea..... 155
Movimeoto da enfermara o da'6* de" agosto.
Tiveram alta:
Jos Severo do Naicimeoto.
Ignacio Barbosa do Freitas.
Joo Jos (africaoo livre).
Tevo baixa :
Malsquias, escravo de Augusto Piulo de Lomos.
torctcolo.
Matadouko publico :
Malaram-ae para o contumo desta cidade *no
da 6 do corrente14 rezes.
" Pisssgeiros do vapor nacional Paran, vio-
do do Pora e portos intermedios : Francisco
Luis de Oliveira Azevedo, Leopoldo Cesir Bir-
reto e 1 escravo, Manoel das Neves, Migutl de
Almeida Gomes, capito W. P. Jonge, piloto, j.
G. Weers e 8 pesioai naufragadas do brigue hol-
laodez Jotnna Christina, Aotonio C'ndido Ao-
tunet de Oliveira, Ladislao A. de Almeida For-
tuna, Joo de Asiis Pereira Rocha o 1 escravo,
Jerooymo Cibral Rodrigues Cbavee, Aotonio Au-
gusto Poreirs da Silva, Jos Rodrigues de Ao-
drsde, Francisco Cleto Toscano de Brito, Ignacio
do Reg Toicaoo' de Brito, Follzardo Toscano de
Brito, 1 praca de pret.
Seguem para o sul:Santiago Muoieta, Chris-
tovao Rodrigues de Souza, Angelo David, alferes
Carlos Agoitinhodos Sioto, Carlos de Cerque-
ra Lima, Francisco de Souza Mendes e 1 criado,
Dr. Francisco Jacinlho Pereira da Molla, sua se-
nhora, 1 fllho menor e 3 eseravos, 1 desertor da
armada, 1 aprendiz e3 recretas para a marinha,
1 deseitor, 8 soldados, 6 recrutas para o exercito
e varios eicravos a entregar.
Obituario do da 6 de acost, no cemite-
rio publico :
Joaquim Jerooymo Serpa, Pernambuco, 84 an-
nos, viuvo, Santo Antonio ; apoplexia.
Prisco, Pernambuco, 6 annos, escravo, Boa-Vis-
ta ; ttano.
Um prvulo morto, exposto na roda, Santo An-
tonio.
Francisca, Pernambuco, 6 annos, Recife; morte
natural.
Anna Maria da Porciuocula, Pernambuco, 50 an-
cos, solteira, Santo Antonio ; acazarca.
Antooio, Pernambuco, 3 annos, Recife ; be-
xigas.
Isabel Silvina Miranda Seve, Pernambuco, 72 an-
nos, viuva, Boa Vista ; pneumona chronica.
Francisca Maria de Freitas, frica, 60 annos, sol-
teirs, S. Jos; ascite.
Um prvulo morto, exposto na roda ; Santo An-
tonio.
Joanna, Pernambuco, 5 mezes, escrava, S. Jos ;
dyseoteris;
Existen). .
A saber:
Naciooaea ,
Mulheres; .
Eslracgeiros.
Escravoi. .
372
26%
9
27
63
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSO EXTRAORDINARIA AOS 30 DE JUNHO
DE 1862.
Presidmcia do Sr. Barros Reg.
Presentes o Srs. Reg e Albuquerque, Ilenri-
que da Silva, Seve, Maia, Reg e Mello ; abri-
se a sesiao. Foi lidae approvada a acta da an-
tecedente.
Le-ae o seguinle
EXPEDIENTE.
Um offico do Exm. presidente da provincia,
autorisando a cmara a mandar por coyamente
em praca as lojes da -naca da Independencia que
nao foram arrematadas, servindo de base nova
arrematado os precos offerecidos.Que se an-
nuociasse a precia para dia 7 de julho prximo
viodouro.
Outro do mesmo,communieondo ler approvado
as arrematacesdoi aluguis dos tatitos dos as-
aoogues pblicos das fregaezias de S. Jos e Boa
Vista, das cazinhas das ribeiras das mesmas fre-
guesas, daslojas da praga ds Iodopendeocia, da
' da rna Imperial, bem como do imposto de
is poresrga de farioha e outros legumes
idos nos mercadospublicos.Que se fizessem
rmos de contratos, e o procurador que sac-
e as letras.
jtro do mesmo, respondendo com a copia do
_^..icer do presidente da relacao os cilicios da
cmara do 18 de fevereiro, 18 e 26 de margo. 29
de julho do aono paitando, e 19 de maio ultimo,
sob ns. 7, 13, 16, 42 e 53, relativamente a reca-
sa de entrarem em exercicio tres dos jui/es de
paz da freguezia do Poco da Paneila.Que se re-
presentase ainda a S. Exc. acerca de semelhan-
te questo. referindo-se-lhe minuciosamente lu-
do quanto se passou.
Outro do cidado Francisco Casado da Fonsecs,
2 supplente do juiz de paz do 3* districto da fre-
guezia dos Afogados, communicando que por
doente, como provou com aitestado medico, nao
poda vir prestar juramento e nem exercer o car-
go de juiz de paz.Que se chamaise o terceiro.
Outro do admiolitrador do cemiterio publico,
informando o requerimeoto, no qual Joo Perei-
ra Montinho pede para se mandar dlsfazer o en-
gao dado na extraeco da guia psra o eoterra-
mento de um seu escravo, que sendo crioulo se
declarou Africaoo ; declara que do atteslado jun-
to, que dava muila importancia, do Dr. Joo
da Silva Ramos, consta que dito escravo era
crioulo, entende por isio que o supplicante deve
ser attendido.Despachcu-se neste sentido.
Outro do mesmo, juntando o do capello da-
quelle estabelecmeoto, queixando-se do estado
de humidade em que seacha o ladrilho da casa
onde reside, a qual Ihe tem trszido grandes sof-
frimentos, affirma o administrador ser exacto e
que convm substituir o actual ladrilho por ou-
ro de alvenaria batida.Posto em discusso re-
lolveu-se que se ordenasse ao administrador
mandir cobrir o ladrilho com asphallo, nao s
por ser mais durivel, como porque evitar a hu-
midade.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
remetiendo o termo de vistoria feito na casa o.
47 da ra do Raogel.Inteirads.
Outro do fiscal de S. Jos, communicando ler
concluido o mez passado a limpeza do cano de
esgoto do paleo da Penha, e agora va se obr-
gado a mandar procede-la da novo, porque seu-
do a bocea do referido cano mui prxima ao des-
pejo, as grandes msrs havidas ltimamente fhe-
ram que todo o lixo ah depositado nelle eclres-
se, privando assim que as aguas plajviae* teoham
fcil sabida ; e por isso convioha que se collocas-
se na entrada uma grade de ferro.Mandou se
oeste sentido ordem o procurador.
Ootro do fiscal da Boa-Visle, representando
que os ladrilho do passeio e dos alpeodre9 da
ribeira daquella freguezia acham-se bastante ar-
ruinados, e precisara de ser reparados, bem como
substituidos por outros signos caibros da coberta
do assougue publico da dita ribeira,Que se offi-
ciosse ao eogeohero para orgar a despeza a fa-
zer-se.
Outro do fiscal do rogo, communicando qse as
estradas de sua freguezia acham te intransitaveis
pelos atoleiros e buracos produzidos peles gran-
des chuvas que tem cnido.Nao sendo essas
estradas municipaes a cmara flcou ioteirada.
Foi remettido para uma commisiSo especial
composta dos Srs. Reg, Barata e Dr. Angelo, um
requerimeoto de Manoel Coelho Pioheiro, repre-
sentando sobre a liceo;a concedida a Joaquim
Pereira Alhsndra para estabelecer uma padaria
na ra do Brum junto ao sobrado que alli possue
o supplicante.
O Sr. Reg e Albuquerque fez o seguate re-
querimento que foi approvade :
Achando-se liquidada a questo proveniente
do desfalque encontrado nos cofres municioaes
pelo ex procurador AntODio Joaquim de Mello
Pacheco ; roqueiro que se expeca as ordene pre-
cisas para que se realise a cobranca desla quan-
tia quinto antes.
Paco da cmara 30 de juoho de 1862.O ve-
resdor Rege e Albuquerque.Msndou-se ordem
ao procurador.
Deipachiram-se as peticoes de Antonio do Re-
g Medeiros. bacharel Ernesto d'Aquino Fomeca,
Francisco Manoel de Oliveira,Ferreira r Marlios,
Heleos Varia doCarmo, Dr. Ignacio Firmo Xa-
vier, Joo Pereira Moulioho, Joo Pedro das Ne-
ves, Valdlno Ribeiro da Silva ; e levantoa-se a
teuiio.
Eu Fraocisco Canuto da Boa-Viegem, official-
maior, a subsersvi no impedimento do secretario.
-Barros Reg, pioiideDle,Reg.Maia.Leal
Seve Reg.Mello.
CHRONICA JUOICIARIA.
Tribunal da Relacao.
SESSO EM 5 DE AGOSTO DE 1862.
PRESIDEHCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO ERBELIXO
DE LEO.
A's 10 horas damanba, presentes os senhores
desembargadores Caetaao Santiago, Silvtira Gi-
tirana, Lourenco Santiago, Molla, Peretti e Acctoli
faltando o ira. deiembargadorea Pereira Jorge e"
Guerra, procurador da coii, abrise a sesso.
Passados os feitos, e entregues os distribuidos
deram-se os seguintes
JCLGAME^TOS.
iecurio crime.
Reconecte, Joo Leaodro de Barros ; recorri-
do, o juizo.
Relelor o Sr. dssembargador Molta.
Sorteados os Srs. des.mbargidores Accioll,
C. Santiago, e Gitirans. '
Improcedente.
Appellaces crimts.
Appellaotes, o uizo e Joi Moreira da Silva
appellados, Francisco Estoves Pees Brrelo
outro.
Procedente a appellac.o do juizo, e improce-
dente a da parte. r
Appellante, Francisco ds Cosa Soares; epnel-
leds, a justica. KF
Nullo o protesso de fl. 13 em diante.
Appfllaote, ojuizo ; appellado, Florencio Pe-
reira Lopes.
Mnd0"-se processar pela lei de 2 de julho de
Appellante. o juizo; appellado, Filippe Nery
de Vascoucellos.
A' novo jury,
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Pe-
reira de Barros.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ,
reir Pire*.
A' novo jury,
Appellante, o juizo ;
cravo.
Annullou-se o processo de fl. 118 em diante.
Appellante, o juizo ; appellado, Minoei de
Freitas Nogueira.
Ao julgamento do jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Flix Jos
Correa.
A' novo jury.
/>pef/acoescit;ets.
Appellante, Goocalo Francisco Xavier Caval-
canii Uchda ; appellados, os religiosos do Carmo.
Confirmada a senlenca.
Appellante, Manoel da Coita Fonseca ; appel-
lado, Joo ds Carvalho Almeida.
Confirmada a senten<;a.
Appellante, Luiz Ignacio da Rocha Juca ; ep-
pellada, D. Anna Joaquina de Albuquerque.
Desprezaram-so os embargos.
Habeas-corpus.
Negou-se a soltura pedida por Luiz Antonio
da Silveira Tavora, em habeas-corpus.
UESH.NAi.AO DB DIA.
AssgDou-se da para julgameDlo da se-
guinle
Appellaco cirei.
Appellante, Jos Joaquim Dourado ; appella-
do, Jos Joaquim Rodrigues Guimares.
appelledo, Tcente Fer-
appellsdo, Ismael, es-
i
diligencias civeis.
Com vista ao Dr. curador geral
Appellaco civel.
Appellante, Msnoel Joaquim Nunes Bairo ;
appellada, D. Isabel Maria da Conceicao e ou-
tros.
Com vista ao Sr. desembargador procurador
da cora
Appellaces civeis.
Appellante. a fizenda ; appellado, Theotonio
Jesuioo de Oliveira e outroi.
Appellent, a faienda : appelledo, Norberto
Muniz Teixeira Guimares.
Appellaute, o padre Emyudio do Reg Toscano
de Brito; appellada, a irmandade do Livra-
mento.
(Eita causa oo foi julgada, como por eogaco
sedisse oa esso de 2 do correle.)
DlSTRlBl'lCAO.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Aure-
hano de Carvilho.
Appellaco civel.
Appellante, Jos Rodrigues do Passo Jnior !
appellado, Joaquim Antonio da Silveira.
Ao Sr. desembargador Silveira :
Recurso crime.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Joaquim Ray-
mundo dos Santoi.
Appellaco crime.
Appellante, Joaquim Teixers Arouca ; appel-
lado, Jos Gomes de Albuquerque.
Ao Sr. desembargador Gilirana :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joo de Mello
Azedo Jnior.
Appellaco crime.
Appellante, Manoel de Parias Lemos ; appel-
lado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Lourenco SaDiiago :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Alexandre
Duarte Jambo.
Appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Rodrigues
da Cosa.
Ao Sr. desembargador Molta :
Recurso crime,
Recorreote, o juizo ; recorrido, Francisco Ri-
beiro.
Appellaco crime.
Appellante,-Joao Ferro de Carvalho ; appella-
da, a justiga.
Ao Sr. desembargador Peretti :
Appellaco crime.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Go-
mes Cjelho.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Recurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Thomaz Anto-
oio de Paula Buarque.
Ao Sr. desembargador Pereira Jorge :
Rtcurso crime.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Jos
Muniz.
Appellaco civel.
Appellante, Francisco Moreira da Cesta ; ap-
pellado, Joaquim Ferreira da Veiga e filhos.
A' 1 hora da tarde encerrou-se a sosso.
correspondencias
Negocios da comarca do Liaioeiro.
O governo que reflicta.
n
J Ihe disse na minha primeira corresponden-
cia que conspirava-se contra os Drs. promotor
publico e juiz municipal, e quaes os Gni que vi-
sa essa comprico, sem ser a do irt. 107 do c-
digo peoal. As cousss j se vo desmesesraedo ;
um advogado desta villa trata de dar uma quexa
por cr me de injurias contra o Dr. juiz munici-
pal, por ter este as razes de um aggravo repel-
lido com energa as injurias e calumnias quo o
tal sdvogsdo irrogou ad juiz municipal. Mas es-
te felo pi dre fica assim descarnado ; e en-

v n'

Estila
B^B^B>RMMMO>aOBaa*V



^^O WttMJOCO/ *>- Q.MA fElM 7 01 AGOSTO W lMi
8o en dlrel, qua o tal sdvog.do etpera, de pa-1 valor le nin nr .. ,
'o ajustado, que o Dr. juiz de direito entre no reveladoid. v/rd-T" p,r"' ,,,Bplei e ,lncera
ozode una licenga que lequereu ao Exm. Sr. | Qa 'de.
Recife, 4 de agosto de 1862.
no
gozo ae ama licenca que teq
pieaideote da provincia, para effectaar o teu
Combinado projeclo, contando om a cflectiva eon-
demnaco do jaiz municipal, que neceasariamen-
te na occasio da instauragao do procesto eatar
no exercicio da rara de direito. Sari Uto para
nalm um facto rirgem, um juiz ser proceasado por
tar brilhantemente repellido insinuages offenai-
ras de lea carcter 1 Aocioiamenle desejo vsr es-
te destecho, e creio que hsver eguaa turvas. e
alguem nellaa ir beber. O que adaira me ee-
aeverarem que o tal rbula tem em aeu poder
resposta a ama consulta qae fez abi a um doulor
drogado.
Nao o advogado rbula, comooutros seguio-
do a este, rao aqui moito comentes, e esp.lhsm
que procuraa de proposito esse advogado dou-
tor, porque eate assevera que coota com as cou-
sas a seu geito na relego.
Nao aceito esta noticia, porque se ease doutor
diz lito a eales palparos, para illudi-los, poia
por minhi parle repillo um semelhante modo de
apreciar a honra dos caracteres que actualmente
compoem a relaeo Pernambucana.
Dizam que o juiz de direito est a par desse
trama ; eu, porm, nao creio em tal, apezar da
ogeriaa que ha... Deata (orma eatabalece-ae o ri-
diculo precedente de que todos os advogadosqae
nao aabem discutir, os ignoraotea flcam aulorlsa-
doa a maltrataren) os juizea. Nao creio em tal.
ii*** e D,rn,0Da ridades desta comarca no lempo dojuiz de direi-
to o Dr. Citauho, desappareceu com a sabida dal-
le, nao quero por hoje contar donde parliram as
provocagoes, porque iato car para occasio mais
oppnrtuoa.
Dizem que o juiz de direito na relagoaemes-
tral que forneceu presidencia, corlou no juiz
municipal e promotor: nao garant a noticia por
ora, porm com vagar apparecero as verdades,
lomam mais que haver eotreigo eate anne:
b Ine contarei ponto por ponto, o que houver e
sssnescieqiejl se azem ao juiz municipal e
o Dr. promotor. r
Limoeiro, 2 de agoato.
[O velho da Pedra Tapada.)

A. M.
Ao meo primo e amigo o Illm. Sr. capi-
lao Hilario de Athayde Vasconcellos,
no dia de seos annos.
Da de jubilo, um dii de glorias,
ue altas memorias qaizera cantar;
Mas, ah I que urna masa to rude, to pobre
Um canto tao nobre nao pode eotoar?
Se as cordas da lyra eu vibro tremendo.
a musa gemendo parece dizer:
Cantar oa triumphos de here tao gentil
Em lyra tao vil nao oases fazer.-
Nao penses amigo, qaa seja illusao,
Pois mea corelo me diz pulsar:
~ beua faitoa illuitres. seu nome que vale
Em versos sem arte podera cantar I
Celebre teas faitoa facunda liogoagem.
Ja que nao dado lyra deat'alma
ecar-te urna palma nos cantos gentil.
Um dia de jubilo, um dia de glorias,
e altas memorias quizera cantar:
Bm ,q-ue "ma nma ,0 r"de. o pobre
m canto tao nobre nao pode entoar.
h,.A?2o ri>lrml0'' bri" oa 3,985 arro-
bas e 23 libras de assucsr.
Patacho portugus Lima, para a liba de S. Mi-
guel, carregaram :
arroba e 26 libras de aaaucar e 1 dito com farinha
de mandioca. '"'"
Palmeira 4 Btltrio, 1,500 acbat da lenna.
Importueo,
Vapor braailelro Paran*, viado dos portos do
norte, maolettu o seguate :
1 caixotai calcados e 2 olumes encommendas
a Antonio da Almeiia Gomea. '
1 caixote ; a Kalkmaoo Irmos & C.
1 dito : a Jos de Vasconcellos.
1 dito ; a Antonio de Sonza Bayoe.
1 volurae ; a Clemente deAraujo Lima Jnior
1 encapado ; a Igoacio Tivarea da Silva
1 dito ; a Jos Joaquim da Silva Gomes.
1 caixao ; a Francisco Joao de Barros.
1 gaiolla ; a Antonio Augusto Pereira da Silva;
Beeebedorla de rondis Internas
geraes de Pcrsambneo.
Reodimento do dia 1 a 5 4:425M21
%*X PleDlUd# ""# ,onllWn0fll,nG'obt,i compreheodido. no dn-
v- Opuae.0to.arf feito por pre...c5e. meoN Sr&Vo. p^Z^Vt"""10'' '"" ***
saes correspondente ao numero de bragas con-
cluidas, fleando porm recolbldo a thesouraria
como deposito psra garantir a obra al final con-
clusao a decima parte do valor do ertifleado men-
al, os qaaes lhe sero entregues um mez depois
de concluida a obra, sendo que ella se ache em
oom estado, e caso aesim nao aconteca o arrema-
tante ser obrigado a repara-la, para ter direito
ao recebimeoto.
5* O arrematante rica Igualmente
disposig5es da lei n. 286, que dizem
arrematage.
6 Ne ser em lempo algum attendida qual-
quer recbmacao por parte do arrematante, ten-
denla a indemniaaco, qualquer que seja a alle-
gado, em que ae basear para esse fim.
Conforme, A. I. da Anunciaco.
sujeito as
respeilo n
Publicacoes pedido
A Exm. Sr.1 D. Mara da ConceicAo Ran-
go, de Torres Bandeo*, a seu dig^o
CONSORTE E MED AMIGO O kl.M. Sr. Dfi.
Antonio Rangel de Torres Bandeiba e
As Exm.- Sr.- D. Anna Joaquina de Sou-
ZA liANGEL, E GUILIIERMINA OlVMI'IA DE
Souza Rangel, na chorada morte de sa
joven irma e clnuada, a exm. sr.a d.
Mara do Espirito Santo dk Souza Ran-
G3L.
ELEGA.
A luz serena e pura da aira estrella
Vacillsra innocente
Na dubla esphera do vitajeaminho.
Nem meio curso anda...
Eil-a apagada!... Meiga luz do empyreo,
Alegre a dos bem-vioda,
Acsbisle de todo? ou te esconderte?...
De gloriosos fulgores
Oceanoa som-margees degru primo
Sao do throno do Altiesimo:
Eil-a oiperceptivel. Torna, ah torna
Aos fraternos bregos.
Nosso trato e carioho, ai! tao breve
Duri assim desprezaste
Se msl-polidos, pois terrenos, futeis
Do cu luzente a um aojo.
De puro amor, do coragao nascism'.
Mas quando foi... Ah I Nunca
O virtuoso natural tao brando
Ingrato perturbou-te
Desconhecido, desdeohoso enfado.
Atiende a nossss lagrimas I...
Nosso pranto continuo !... o vlrgem cOro
Das socias formosuras
Deslenla aera ti, flbil chamando
Armia I Armia Os ecos,
Armia nos responden! commoridos.
On ie os risos e as galas
Do ameDo valle? A deleitosa vs
O doce patrio rio
Em eiloncio deleixa, perturbado.
Tan uivao v &i flurea,
A' crreme argentada o teu semblante
(Candura da alma ingenua)
Desparecendo psra sempre (oh I magua I)
Eslaocou-lhes as gragas,
A t'iave alecria eocotadora.
A fuoebre tristeza
nenhum, nenhum consenle prazer tenue
A asesta lautasie.
n,,u, lacrimosos
Aos .
Misera suu..
lloje nasce, e hoje mesmo esvae- v
Pareoi*>;co. .amizade...
Tao noidos 1... E j lo separados !...
E o coragao sensivel...
O coragao, que a mlureza deu-nos !...
Itefjsa a consolar-se,
Eolao que val se nos alongue a vida ?
Accrescimos de males.
Qje a flamruea espada virilice ezpellira
(Jusliga de Deus grande I)
D)S constante* delicias do Elen puro
O barro damasceno.
Mas tu, lilha do cu, tu verles nica,
Keligio Divina,
Almo balsamo em [nossas morlaes chsgas.
Se candida inoocencia.
Se ao justo a negra morte apaga breve
Eito dia mundano,
L na elherea Sio, l junto o solio
Tremeudo, flammcjante.
Do Simmo Omnipotente, em bnlho eterno,
E gozos ineffaveis,
Gloriosos triumpbaro. L graclssa
O anglico semblante
A nos volver parece > doce amiga,
E dizer-ons contente:
Cheguei pritneira do desterro a patria.
Hosanna I Mitiguemos
A nobre magua, pois; ella o prescreve.
K.sies ais dissonantes
A velha flauta polvorosa e bronca
Gemer apenas 3Je;
Triste nenia, que olfrends se associa
De brancas, puras llores,
Qae depomos Da campa inexoravel
D prsnto humedecida I
Antonio Joaquim de Millo.
Eu triste depooho a lyra esgotads,
Mas tens em minh'alma mil votos secretos
De puros affectos de um pello constante
Paulo L. L.A. Jnior.
POESA
?.,,; rancl8CO A- C Azevedo e a
sua consorte a Exm Sr. D, Eliza
SSSfi e sua amad Alhinha, fal-
lecida no dia Z de agosto.
5.-106J802
Consulado provincial.
R.ndimanto do da 1
dem do dia 6
a5
7.-529J159
1:6928541
!>8daFa6^.
i1ana Gasa da misericor-
dia do Recife.
9:2US800
Movimento do porto
Pr e portos intermedios9 das e 5 horas a do
ultimo porto 14 horas, paquete a vapor nacio-
nal Paran, de 840 toneladas, commandante o
capitao-teoente Jos L. de N. Torrexao.
ohn* d',, bl,Cfl i8la" francit Carvill, de
398 toneladas, capitao W. Me. Resitt, equipa-
gem 13, em lastro a ordem.
Barcelona por Beoecarl 53 dias do primeiro
porto, 44 do segundo, sumaca hespanhola Ar-
ana, de 112 toneladas, capitao James Ferrer,
equipagem 11. carga vinho e oulros gneros: a
Aranaga Hijo & C.
Naviot sahidoi no mesmo dia.
Liverpool pela Pavahib Brigue ioglez Flortst
capitao W. C. Fydeman, em ltiro.
Liverpool Escuna ingleza Afary Block. capitao
Richard Ruodle, carga aaaucar e algodo.
. nos referidos pn-
zdl pelos pregos correales, sem o abata da licita-
gao.
7." Na.xtisfazendo o arrematante por tres ve-
zea successi'a os fornecimeotos que lhe forem
exigidos, se ctn.iderar rescendido o contrato fl-
eando ella obrig\do, nao s6 a pagar a multa de
10 por cenlo, do triial da despaza do forneeimen
lo felto no restante di-oraio do contrato como a
indemnisar o excesso d'eV despais, oa contiene
o fornecmento por arremaVcao, ou poradminis-
tracao.
8.1 O arremstaote qaando resV^savel pelas
ndemnisagoes de qae tratam as condH* *a 5"
nao poder raceber nenhuma quanlia V'e ,e !
dever de foroecimenlos feitos, sem qae aVtenha
pego. 7
,-'! P.ara *ar,Dli da indemnlsages" .
a?!u?i.Ms!?!?$?M Pre1enes, prestar>
arrematante fianga idnea.
h^.lCtilAli da l.heour?ri provincial de Pernam-
buco, 4 de agosto de 1862.
O secretario.
Antonio Ferreira d'Annancia ao.
Correio geral.
Relaco das cartas seguras viadas do
pela vapor Parau para os
A?i*os Miintimof?,
senhores abaixo declarados.
i |l?l,,aBlni,t,,H ** t "* d.
1-s W'd0 Reciu m,nda f"er pblico qe
no du 7 do crrante, pelas 4 horas da tarde, na
Ma da suss s.saoes, vo de novo praga as ren- I Alermn. a
nio,"fMVx%P.e |,enMDtM a, P*" d0 or" S222S? HolUod.Cav.lc.nti Agrieio.
phaos abaixo declarados, pelo tempo qua decor-
- arrematagao at 30 de junho d.
Para Porto Alegra pelo Rio Gra do I
segu com maita bravidade o patacho 'oto L
a capitao Luiz Antonio da Silva, rae be ui
resto da carga a frata rasoaval : a tratar oo u
criptono da Amorim Irmaoa raa da Cruz i>.V
COMPAMIA PERNAMBLCASA
H
Navega^ao costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte, Jkta-
vcau do As$u\ Aracaty, Ceara'.
oNyspor Iguarass. commandante Viaona
hir'W/* 8 Portos do norte at o Cear no*
dia 21 do>Prrenle.a 5 horas da tarde.
Recebe caff' al* dia 25 ao meio dia ; en-
commendas, pa54?gueiros a dinheiro a frete at o
dia da sahida as2s,or" : escriptorio no Porta
do Mattoa n. 1. ______
IW"
da saadade.
I
Ao mrito.
Nao o elogio que cria o mrito ; nao por
furca delle, que o homem honesto, z.loso oe si,
e reapeitador dos ootros eomprehende a obnga-
co, que lhe impoem o cumprimento de seus
der'eres ; mas, 6 que, em verdade, o elogio deve
ser a liuguagem respeilo daquelle, que assim
je conslilue 1
Eu fallo do llim. Sr. cavilheiro Domingos
dos Passos Miranda, mui digno administrador do
curreio desta capital; e (alio pela imprenss, para
que o ino de minha traca voz possa melhor
jetumbar por esta provincia, e mesmo fra dalla,
al que chegua ao alto conhecimento de um
goveroo de justica, que hoje felizmente nos
dirige.
Sou empregado publico, postoque deeondigao,
e chsse ilifferente da doseohor administrador do
correio ; mas. tendo lido occasio de, por di-
versas vezes, ir sua repartigao, observei a or-
dem nella guardada, i gravidade, e delicadeza
cora que seus empregados a todos tratam ; a
afabilidad?, e agaaalho, que o senhor adminis-
trador, com tanta circumspecgo, prodigalisa
quanios o procuram ; faliava-me smeote saber
da ordem, e regula-nento do seu expediente em
vina do esmr, e dedicago de sua parte; e foi
por uso, que moveu-me a curiosidade ver e
observar os livros de sua escripturago; e de
laclo, o aceto, e nitidez dos referidos livros
oceuparam-me a atteugo 1 e a ordem e direc-
co, que observei oo trabalho me fez bem cou-
ven'cer.que nsm a admioittrago do correio echa-
ra um'melhor administrador, e oem oa senhores
enp:egalos um chefe de mais bondade, do que
na pessoa do lllm. Sr. cavalheiro Domingos dos
Passos Miranda, de quem ora, lo cheio de
alisfago, me oceupo 1
S S nao tem smeote affiigoes nsquelles, com
quem Vive em contacto ; tambem O'entre aquel-
es, que, ainda q*e de looge. respeitam o seu
alio mereeimento, gosa da maior estima e con-
aideracao; aeodo por isso digno de elogio da
maior quilate e melhor exposlo.
Mas, de qualquer modo, aceite 5.5. estas
miohas expresadas; e bem que ellas nao sejam,
Morreste Isabel!... foi ama flor,
Uue saudou a manha cheia de vida
E que... ah I .. j murcha e aem perfume
Sobre a relva a tarde vio cahida penyme
Morreste, florzinha I... oh !... bem depressa
O tributo pagaste da natura : uePre>8a
Cedo foila victima innocente
D'uma morle penosa e prematura! I...
Dasle vale de ddr e do inopia
Dignou-se o Senbor de te salvar
Do co eras nota harmoniosa,
E portento ao co foste habitar.-
F. antes d'ires acampa descansar
Tus mi chorse... como eu vira ?...
Um beijo d'amoro adeus final
as faces algentes t'imprimira I
Eoxugai vosso pranto, temos pas I
vossa dr se termine I... reste ed)bora
Urna sandosa lembranga desse anjinho.
Qu par de Deus por vos implora.
P. L. L. de A. Jnior.
UMA LAGRIMA
offerecida ao meu amigo o Hinn
Sr. Dr. Antonio Hun-el de
Torres Bandeira por occasio
nlaada a Exm.' Sr. D Maria
do Espirito Santo Souza
Rangel,
Nao choremos esta morte,
Nao choremos casos taes ;
Quando a trra perde um justo,
Coota um aojo o co de mais.
Das.
Na tu rezndoseos arcanos sao incom-
prenesaireis J t o mesmo Deoa l um run-
go livro tao bello, quanto vario : o bomem
simples contemplador, ser limitado elevan-
do-se ao infinito a encontra a f por sus-
tentculo ; sua razo fies absorta admi-
rando o poder do ente, que o craou. Mas,
Senhor, tomo que a harmona est na
divtrsidade, a booanca na tempestarle, a
felicidad na desgraga, a vida na morte?!
sim : alm do tmalo est a elernidade, e
o homem ae apraz em pensar que seu
amigo, seu prente nao finda com o p, e
o nada. O camioho o mesmo, e todos
nos celo ou tarde o haremos trilhar: o
fnebre sosr do campanario, estas vozea
lagubres, lodo este cortejo de luto, que
cerca o sepulcro, lembra-nns que mais
um vijor do deserto da vida descanga soa
cabega na fria lousa. Mas, para que phi-
loaophia, religio quando temos um cora-
gao, e este concentrando a ddr, que o di-
lacera, so as lagrimas, e o pranto traz-lbe
o balsamo da conaolago e conforto ? sim:
morrea Maria do Espirito Sinto Souza
Rangel na primavera da vida I foi urna
flor, que no momento de abrir auas ulti-
mas ptalas a mo glacial da fltha do pec-
cado aegou, e lerou a a manao doa jus-
V" ; foi a virgem, que morreu na arvorada
da fe>stencia. Choremos um pouco sua
auseocn para pagarmos este tributo a na-
tareza ; uu vos, que amargamente la-
mentaes seu p.ssamento, lembral-vos, que
suas apreciare ririudes terSo urna recom-
pensa digna delio, qu, a vida um de-
gredo para a alma <0 justo ; o corpo urna
prisau de fadigas e scffrimentos; qua s na
eternidadeacba o sanio lenitivo de saas
res. E vos, respeitaveis senhoras. que
doraes a sentida morte de vossa cara ma-
njete asjo de vossas affeigSes, r.primie
um cuco a dr: e lerabrai-vos qaa no c
esta >ma candida alma fazendo coro-com os
aojosgue sua ausencia temporaria, a
lodos v,s havemos seguir seus paesos e
u 2T eosolago n'alma, e os olbos
humlde\dos vamos todos depositar sobre a
lousa dc,epulcro urna corda de perpetuas
e saudaiA,i e elevar nossas
throno do4jtjsmo.
l)escanciim paz.
Recife 6 b, agesto de 1862.
Kleno dt Torres Bandeira.
K O Illm.
ra-
ioal
.a-
um
que
nao
oragoes ao
conmtr?o
andlmento do da
Idam 4. da 6 .
^"Hejra.
la. .
78 549J53
8.399S940
da um obscuro na sociedade, nao terso o devido Ro da Puta, carregaram;
86:949*193
Morimenio da 'a.ndesja.
Valumes entrados com faxeodi. __
c t om enero.. g
Velamas sabidos com azendas..rj~iT
( com eneros.. 70
Desearregam no da Y daago
Polaca austracaPiraatmercadoriaa:
Exportaco
do dia 5 de agosto.
Brigue ioglex Mary Block, para Liverpool,
regaran) :
Patn Nash & C. 20 aaccas com t'O arrob
3(1 libras de algodo.
Brigue americano Volante, para os portos
Sr. inspeclor da tbesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr
presidente da provincia, manda fazer publico"
que no dia 6 de novembro prximo futuro, pa-
rante a junta da fazenda da mesma thesuuraria
se na de arrematar, qaem por menos fizer a
uSd\tmT0020/rrODaPrS?,PedroII'"a-
A arrematagao aera feita oa forma da ei oro-
J.ncia n. 343 de 15 de m.io de 1854?e ob as
clausules especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esss arrema-
tagao comparegam na salidas sesses da refer-
da junta, no da cima mencionado, pelo meio
da. competentemente habilitadas.
e!oParfo,,,*r m Secretaria da (hesouraria provincial de Per-
oambuco, 4 de agosto de 1862.
O secretario.
A. F. o'Aonundaca ^
Clausulas especiaes da arreviatacu -
! O arrematante dar principio aos tro
15 das depois do contrato, e conclu-'
prazo de quatro mezes, contados da
qu. torminar o.prazo de quatro meze
mencionados.
2.a O arrematante ser obrigado a at.
obrigagoes do engenheiro encarregado d.
gao e lscalisago dos trabalhos concern c-
bo oxecugo da obra. ,ea $
3.a Fica o arrematante sujeito a observl
toda sua plenitude as prescripgdes contidflr em
orgamento. u, no
4/ O pagamento ses feito por pres
rc^fisaee uetnondaali>a ir. .uuuun -oes
concluidos, fleaodo porm recolhida a the.
ria como deposito, para garantir a obra at'*
concluso, a decima parte do valor docert
do mensa], os quaes lhe serlo entregues
mez depois de concluida a obra, e sendo
ella ae ache em bom estado, e caso rf.ssia
aconlega, o arrematante ser obrigad
ra-la para ter direiio ao recebimento. ^ .sror.
5.a O arremtenle fica igualmente/ P
dispoiiges da lei n. 286, que dizem / ,u:itn s,
arrematages. resoeito a!
6.a Nao ser em tempo aigum resPel,l> a
quer recisr r p
dente a indemnissges quaeaquer qw^MjlxVU
allegaces em que se basear para esse fim.
Conforme. Antonio Ferreira d'Annuncia-
go.
A cmara municipal da cidade de Olinda, eseu
termo, etc.
Faz saber aos seus municipes, qua o Exm.
presidente da provincia dirigto-lhe os oficios se-
guinte :
4.a secgio.Palacio do governo de Pernambu-
co, circular em 7 de julho de 1862.
Convindo comegar, quanto antes, a colher-se
noticies e ioforraages acerca dos productos do
reino mineral vegetal e animal deata provincia,
que habilitem o governo imperial a promover o
desenvolvimento das differentes industrias, a que
elles do origom, recommendo acamara muni-
cipal de Olinda, em observancia do aviso do mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas, de 13 de junho ultimo, que pelos meios
I ao aeu alcance, procure obter, e enviar a esta
; presidencia minuciosos esclarecimeotos sobre
1 este objecto, e bem assim, quando fr possivel,
amostras doa producios, para serem submettidos
aoalise chimica. Entre tu lo deve merecer es
pecial attengo a parte relativa a agricultura, e
a mioerago de ferro e carvo de pedra, e de
tetra, devendo indtear-se a respeilo destas suas
posiges topographicas, e a* distancias, que ex-
istirem entre alias, e os mercados, e os meios de
transporte dos productos. Maooel Francisco
Corris.
4.aaecgao. Palacio do gov.rno de Pernam-
buco, circular em 21 de julho de 1S62.
Cumpriodo o dieposto no aviso circular do mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas, datado de 4 do crtente, recommendo a c-
mara municipal de Olinda que remeta trimes-
tralmente aquella ministerio por intermedio
desta presidencia, os esclarecimeotos que poder
obter sobre a cultora de todos os gneros, quer
de consumo, quer commerciaes, a que por ven-
lora se dixnem os lavradores desse municipio.
Maooel Francisco Corris.
E para constar mandou-sa fazer o prsenle edi-
tal, e aduar nos lugares do cosame e nos po-
voados deste termo e publicar pea imprensa,
convidando se aos municipes deste termo a pres-
tarem a esta muoieipslidade os esclarecimentos
e amostras das callaras, vegetaea e mioeraes.
Pago da cmara municipal de Olinda, 31 de
julho de 1862.
Christovo Pereira Pinlo,
Pro-presideote.
Marcolioo Dias de Araojo,
Secretario.
O Illm. Sr.inspector da tbesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda faier publico qae 00
dia 24 do correte, perante a junta da fazeoda da
mesma thesouraria, se ba de arrematar, a qaem
por menos iizer a obra de 38 bragas de cano de
esgoto na prega do chafiriz do bairro do Recife,
avallada em 4:5909000. A arrematagao ser feita
oa forma da lei provincial o. 343 de 15 da maio
de 1854 e sob aa clausulas especiaes abaixo co-
piadas.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tagao comparegam o. asa das sesses da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia
competentemente habilitadas.
B para constar ae maodou publicar o presente
pelo Diario.
Secretaria d. thesouraria provincial de Pernam-
buco 4 de agosto da 1862.
O secretario, A. G. da Aoounciago.
Clausulas especiaes para a arrtmataco..
Ia O arremaltaote dar comego aos trabalhos
00 prazo de 15 dias suprameociooado.
2a O arrematante ser obrigado a alteoder as
nbservages do engenheiro encarregado da direc-
gso s fiscalisagae dos trabalhos, cooceroeute
boa execacao da obra.
4* Fioa o sriemsunte sujeito s observar em
601fi
1803
1441
188|
1259
700
700
162
168
96$
160
n. 60,por anno 144
500
300
la 3
12 folhasde dito de Hollanda grand
' '2 resma de dito para desenho. por
rer do dia da
1865, a aaber.
Rea da Madre de Deoa n. 4 por anoo
Dita da Lapa n. 2 por anno
Dita da Cacimba n. 5 por aooo
Dita do Bargos n. 19 por anno
Dita dita d. 21 por anno
Dita da Seoxala Velha d. 131 por anno
Dita dita o. 134 por aooo
Dita da Guia o. 27 poraono
Dita dita o.29jpor anno
Dita do Pilar o. 2 por anno
Dita do Sebo n 3 por anno
Dita do Rosario da Boa-Vista
Dita .Cruz D. 14 por aano
Dita da Moeda n. 21 por aooo
Os pretenderes devem comparecer aeompa-
nbadoa de seas fiadores, os munidos da cartas
Secretarla da santa casa da misericordia do Re-
cite I.' de gesto de 1862.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Escrivo.
A thesouraria provincial compra para o expe-
diente dts diversas reparlicea provinciaes no
correte exercicio de 1862 a 1863.
58000re,B,M d8 PaP"' 8t9Te aparado' ** ,orle
95 ditas de dito pautado bom, a 6000.
i ljl ditaa de dito da peso superior, a 6.
governo? a V''0 l7lho*r8Phdo ('ecretaris do
Q?a de dil deHoIlaQda grande, a 30
a 32*000 a,dedil de Hollaoda grande paulado,
2 ditas de dito de Hollanda pequeo, a 24.
24 eaixinhas de dito de peso uno beira doura-
da, a 2.
48 ditas com envelops (dous lmannos
11 resmas de papel almago, a 68.
4 ditas de dito ordioario. a 4.
6 caderuos de dito de Ilollaoda grande (para
msppes) a 2f. 6 VK
oa 5it0s d,di, de Hollanda grande, a 500 rs.
SO ditos de dito de Hollanda grande pautado, a
de. a 160 rs.
r-r 40.
3 ro transpareotes de doze polega-
da's deUrgura" 2,.,li,rdas de omprimento, a
3 rolos de panno transpare;'6 c,om,24 lard"
de comprimenlo e 36 polleeada wg"i a
50000.
til resma de papel para eibi*/",6' .
50 olhas de papel de borro csrla0- .?' .
-5 cadernos de papel mata boTrao, a 3U rs.
102 pautas grandes, a 400 rs.
600 envelops, a 400 rs.
5 pastas para secretaria, a 4.
60 pares de pastas de papel, a 640 rs.
178 caixas com peonas de ago, a 2.
700 peonas de gango (o cento) a 2.
82 Duzias de lapis, a 800.
14 duzias de lapis de cor, a 2.
386 canelas finas, a 200 rs.
88 frascos de gomma gracha, a 160 rs.
24 pedagos de borracha, a 160 rs.
20 botijas com tinta ingleza, a 2.
50 ditos c'oiifoTflt,Preta, a 640 rs^
12 libras de gomma arbica refinada"1 J"^v-.
1 croza de pennas de ago, para desenho,por 38
4 libras de borracha para desenho, a 5.
12 duzias de lapis o. 1 para desenho, a 8.
12 ditas de dito n. 2 para desenho, a 8#.
2 libras de esponjas ordioariaz, e 6400.
6 Tira-linhas, a 1.
2t libras de areia prets, a 320 rs.
6 ditas de lacre fino, a 5.
16 caixas com obreies, a 160 rs.
6 ditas com brelas de colla, a 160 rs.
1 faca para corlar papel, por 2.
1|2 libra de camphora, a 2g.
3 ditas de giz, a 160 rs.
5(0 pans da obreias, a 3 rs.
12 libras de vellas atearioas, a 800 rs.
47 massoB de cadatgo de lioho, a 1500.
5 regoas, a 2.
1 pedra de aliar, por 1.
6 caixas de papelo. para archivo a 4.
81 caivetes finos, a 3500.
40 raspadeiras, a 1500.
22 Ihesouras finas, a 3.
21 folhinhas de almanack, a 1.
3 ditas encarnadas, a 1*600.
1 carta gtaphiea de S. H. Colton, por 20g.
1 livro grande com 300 folhas, a 12.
21 ditos com 200 ditas, a 8.
4 livros de 150 folhaa a 6400.
1 dito de 100 ditas grande por 5.
6 ditos de 150 ditas pequeos a 5:
1 dito de 90 ditas grande por
1 dito de 70 ditas dito por
3ditos de 60 ditas dito a 4.
1 dito de 36 ditas dito por 2400.
4 ditos de 30 ditas dito a 2
8 ditos de 26 ditas dito a 1500.
4 ditos de 20 ditas dito a 1400.
1 dito de 16 ditas dito a 120q.
6 ditos de 10 ditas dito a 18-
1 dito de 8 ditas dito por 800.
7 ditos de 6 ditas dito por 800.
2 ditos de 4 ditas dito por 700.
Rodolpho de Araajo Lins.
Antonio Carloa Damasceno.
Antonio Jos Marque.
A. Paulioo Souza Uchoa.
Damaao M. Barata.
Maooel Varella do Nascimento Jnior.
Correio.
f.,PlakadtDnUtr85io d0 orreio desta cidade se
h.r lC^Ue hj9. {7) ao n,ei0 dia eS ponto
ssnfcKa, ,o hor"'e "'-- --
Correio.
f.TP^1aK'dm,Dsl'a?a0 ^ correio de,ta '^ode se
nonfo fh.qBe h:j-e l?1 3 hor" ": Urde em
S Tan:. .,r","b? a B,,M ^ue de'econd, "
iXPtSXW\nAdes,iDo w
medio, Parahlba- N"'. Ceat e portos nter-
para foroecimento
comprar os objec-
A arrematagao ser feita no dia 14 do crran-
le perante a junta da fazenda da mesma thesou-
raria, ao meio dia, sendo as propostas Ungidas,
em cartas fechada oa repartigo do correio.
A licitaco para esta arrematagao ser feita em
fracgOss cntesimses da importancia total dos ob-
jectos foroecidos segundo os preces porque vSo
praga, e sob as seguintes condigdea :
1.a Q contrato ser feito por sm trimestre a
contsr do dia em qae for approvado pelo Exm.
presidente da provincia, e subsistir at o fim do
exercicio, em quaoto nao hoaver declarago em
contrario de qualquer dos contratantes que ser
feita com a antecadencia de um mez.
2.* As smostras dos objectos anounciados, que
forem acceitos no acto da arrematagao, ficaro
depositadas na secretaria da thesouraria, at que
termine o contrato, afim de serem com ellas con-
frontados os objectos foroecidos.
3.a.O arrematante fica obrigado a fornecer, nao
s aquantidade contratada dos objectos oecessarios
como a que de mais lhe for exigida, fleendo aem
direito a reclamago e indemnisago quando o
foroecimento for inferior.
4.a Qualquer que seja a quantidades qualida-
de dos objectos pedidos, o arrematante os foroe-
cera dentro de quereota e oito horas, e se o nao
fizer n'este prazo, ficar obrigado a indemnisar a
differeoga das deapezas com a compra dos ses-
mos objectos, que far a thesouraria oode en-
contrar da mesma qaalldade das amostras.
5. Os objectos que forem regeitado por serem
inferiores as amostras serio pelo arrematante
substituidos por ou'ros dentro de 24 horas, lindas
aa qnaes. se proceder, como na condigno prece-
dente.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo
do arsenal de guerra, tem de
tos seguintea:
Ou,Cruil<.ecbaeH,lha para c'o de P'*.
Wuem quizer vender taes objectos anreaenio
SSiSSS ehm Tfechadi ESE
correte mer '" '" taDhaa d dia 13 do
na?aafra^!SS,5e5 d coas^ administrativo,
S ViSe !o d0 "seDalde 6uerra- 8 dei:
Antonio Pedro de S Barrete,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal, secretario interino.
navios entrados no dia 6.
cia~flnQSrnn;fera 7 do,co"oie depois da aadieo-
Jo Sil Dr;rUiZ d0a feUos da fa"oda, a, 10 ho-
"er'oVegJinie: P"Sa Pr ?enda a 1Uim m8
LmSS ll"e', rua do Bom Goso o. 21, nos
fftty? Plos.ds frente e30de' fun-
i./a 1 q"art0 e quintal em aberto em ea-
ada norrUfl8,aV-al,a.da/m508- ^ fo penh-
nUSJfflf ** pr9intial con,ra
A escrava Maris, de nagSo Congo renreaenlan
fi0.d4a5eam7oo;e "^ ^?!Kt:
onaseiit.rd F2nc"0' de aCao Mogambique, re-
peroas dUt^T de id,de' ^^oso da,
peroas, do servigo do campo, avahado em 400?
A renda annual do sobrado de um andar na rua
\,61*.T. ? la' "16> C0,D 2 alas- qrloe, Io-
ta e quintal, com a parede de detraz desapruma-
.trh iltUta e 36. penhorada ao de-
s.mbargador Thomaz Xivier Garcia de Almeida.
J16^ Car'A,errea Da rua da S. Dent n. 40,
Pacheco Vi*Ir penhorada 'herd.irosda Joo
dem da casa terrea na rua da Boa-Hora n. 21
em mo estado, avallada em48. penhorada a ir-
mandade de S. Benedicto.
dem da casa terrea na rua de S. Pedro Mar-
u A'n V,,,d* em 60>' Penhda a Candida
Mara do Amparo.
Ir 'AmolAJ-viA. terrea na rua da Bica dos Q-iatro
Rio de Janeiro,
Pito Thaotonio Jo. da Silv"lRnaap,",D' "
cnptono, rsa da Cruz n. 1.
An-
no seu es-
l
do
Juciii
.''?,"L'Ai"'.""'". d.... LSS
na
53-5??
rrega-
o resto qaa lhe falla, tra-
Oliveira Azevedo
namero 1.
, no seu escriplorio ma da Crux
a
IPIU
rado.
"" "vecBcSo con-
Idem da casa terrea na rua do Aljube n. 8, com
commodos para familia, avahada em 96, por exe-
cucao contra Antonio Bernardo por Maooel Tor-
resTla Silva.
dem da casa terre na rua do Carmo n. 2, ava-
llada em 120, por execugao contra Maooel Hen-
nques por Aolonio Rodrigues de Oliveira
dem da casa terrea na rua de S. Pedro Apos-
010 n. 3, com sufTicientes commodos para lami-
lla, avahada em 96$, por execugao contra Aona
Ferreira da Rocha Lima por Aona Maria do Espi-
rito Santo. v
dem da casa terrea na estrada do Pogo n. 5,
avallada em 60, por execugao contra Maria do
UjrameDlo por Juveocio Francisco Gomes.
dem das casas terreas na travesea da estrada
nova de Saolo Amaro n. 28, 29, 30 e 31, com
commodos para familia, e bem construidas, ava-
hadas cada urna dellas em 120. por execugao
contra Jos da Costa Barros por Anna Joaquina.
dem da casa terrea na raa d& Guadelape n. 4,
com 2 salas, 2 quartos, cozinha e quintal em
aberto. avahada em 60, por execugao contra Ole-
gario Milito da Silva por Congelo Jos de Santa
Anna.
dem da casa terrea na rua da Bica dos Quatro
Cintos n. 14, com 2 salas, 2 quarios, cozinha e
quintal em aberto, avahada por 72g. por execu-
gao contra o r. Maooel Joaquim de Miranda Lobo
or Igoacia Justiniana dos Passos.
dem na mesma rus n. 14, avahada em 48,
por execugao contra o referido Dr. Lobo pela mes-
as Igoacia Justiniana dos Passos.
dem na rua do Bom-Pim n. S2, em mo esta-
do, avahada por 48, por execugao contra o mes-
mo por Manoel Simes.
dem na mesma rua n. 22, com 2 salas, 2 quar-
tos, cozinha, quintal em aberto, moito deterio-
rada, avahada por 60, por execugao contra o
mesmo Dr. Lobo por Maooel Simoes.
Recife 4 de agosto de 1862. O solicitador da
fazeoda proviocial,
Joo Firmino CorrSa d'Araujo.
com1 nanita brevidade preteode segair o bem co-
nbecido e veleiro brigue escuna Joven Arthur
Z ru!?"'" AnlD G0D5alves d0 Sant;
2P e.ue ?." ""'Siento prompto para o
resto que lhe falta, trala-se com os seu con iK-
nalanos Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i
no seu escriptorio rua da Cruz n. 1. *
COMPANHU PERNAMBUCANA
DK
Navegado costeira a vapor.
Parahiba, Rio-Grande do Norte, Macau,
O vapor Jaguaribe, commandante Lobato,
sahir para os portos do norte at o Acata,
no dia 7 de agosto as 5 horas da tarda.
Recebe carga at o da 6 ao meio dia. Encom-
mendas, passageirosediuheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas ; escriptorio no Forte do
Mallos o. 1.
r 3
5QS,
THEATRO
DE
Santa Isabel
COMPANHIA LYRIC4
DE
fifi
Sexta- feira 8 do correle.
O agente Almeida far leilao por contae risco
de quem pertencer de um escravo de meia ida-
de muito sadio, no armazem da rua da Cadeia
do Recife n. 48, as 11 horas do dia cima.
Sal b a do 9 de agosto.
Primeira representago do melodrama trgico
em tres actos, como foi escripto para o ihealro
de Vienna pelo celebre maestro Donizetti, intitu-
lado
M4 U DE ROHW
A aegao pasta-se* em Paris no reinado de Luii
XIII, sendo minWtro o cardeal Richelies.
Principala 4 8 hora*.
Quinta-teira 7 do correte.
O agente Almeida far leilao a reqnerimento
dos cutadores flseaes da maesa fallida de Joaquim
Francisco de Mello Santos por mandado do lllm.
Sr. Dr. juiz especial do commereio de 1280 cai-
xas com sabo de diversas qualidades, perten-
cenles a mesma massa, as quaes se acham de-
positadas no trapiche baro do Livrameoto no
Forte do Mattos, at 11 horas do dia.
LEILAO
Sexta-feira 8 do correte.
O agente Almeida far leilao a requeriraentj
dos depositarios da massa fallida de Victorino
Jos de Sjuzs Travassos Jnior e por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, de
um piano de Jacaranda, 12 cadeiras, 6 ditas de
mogno, 2 ditas de balango, uffja marqueza de
amarllo, urna cama de lona, urna M?esa elsti-
ca, duas ditas de amarllo de 4 taboas, um pai-
nel representando a cacboeira de Paulo ACfongo,
2 quadros pequeos mailo lindo, urna serpenti-
na, sm par de resetas com pedra, um alnete,
um par de botoes do punho, um relogio patente
Ingles e ama correte para o mesmo, um cofre
de ferro, 20 frasqueiras com marrasquino, um
cavall corpedrez, urra parte da casa terrea da
rua da Imperatriz n. 50. As 11 horas da machas
oa tua da Cadeia do Recife atroezem n. 4
nLELA0~
DE
Importantes livros de di-
reito e duas grandes
estantes para os mesmos.
Quinta-teira 1 do crtente,
dia desocupado para os Srs. acadmicos.
O agenta Olimpio Ferreira da Silva, de pieos
conflauca de urna Exm.* Sr a viuva de um juiz
de uireito, vender em leilao duas grandes es-
tantes e urna potcao de magnficos livroa de di-
reito proprios par'a os Srs. acadmicos e advo-
cados' Em sea escriptorio oa ruada Cadeia do
Recife n. 27, primeiro andar, s 10 hora da ma
Basto,
\
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO

'T-A \-
-; -


)

DIARIO & SRSaMBOCO. r, QUINTA FftUU 7 DI AGOSTO H l!6.
< .-..
lihil
tyipottante
A 7 docorreute.
O agente Oliveita fer leilo a requerimento
los respectivos curadores fiacaes da massa fallid*
e Amono), Frsgozo, Sanios & C, e por men-
uado do lllm. Sr. Dr. juiz penal do commer-
ci, doi btot abaixo designados do socio Jos
Antonio de Azevedo Santos Jnior, e perteocen-
O abaixo aisignedo vendo enlr os bensde
seu filbo Jote ADtouio de Azevedo Santo Jnior,
que tem de ser vendidos pelo egei.iede.leiP
Oliveira, um carro denominado- victoria-jqu*^
propriedade de seu genro o Dr. Antonio radia
de Arsujo, pelo presente protesta embome de
dito stu genio haver pelos meios de direilo o
referido carro de quem quer que o compre, bem
como denunciar de falsaria a casa commerclal,
que veudeu e leve a aimplicl'ade de aceitar im-
bcil conseibo de por sua letlra declarar qae
langava a venda a um, tireva aconta e passava
recibo a oulro.
Jos Antonio de Azevedo Santos.
tencfto
0 Litro do Poyo.
i
Quero nrciear ae um homeru
multo diu-
rna do
tes a massa da referida firma, consiitindo em i gente para/alguma viagem procure na rti
urna linda secretaria, sof de molas, consolos e lluspiciq ti. 23, que se dir quem pretende.
ricas cedeires de Jacaranda eslufades de damas-
co, grande espelho de venir, estante envidraga-
da, cadeiras de rodar e de abrir, mochos com pa-
lhinha, ptimos quadros ccm molduras douradas,
um tjete grandee cinco pequeos, eacarradei-
rasde porcelana, nichos para gaz, cbaiuteita de
Jacaranda, cadeiras americsoas, guarda roupa,
armario com lampo de pedra, leilo francez de
rxoguo com colcho de molas, mesa de p de cc-
tna, cabides para roupa e calcado, relogio gran
ibeira, palmatorias de vi/ro com mangas, ba-
oheiro d marmorecom caixa para agua, bacia e
jarro, um par de canecos aiues, escrivsoinba de
metal galveuisado, um cabriolet de 4 rodas e
urna elegante victoria americana de 4 rodas com
langa e varees e com arreios para i caballos, li-
vr.js e folhetos diversos, joroaes, a iiluslrego de
Londres -em 7 velumea encederuadoe, dicciona-
rios 'academia fraoceza e ostros, difiranles
obr# histricas de romncese de viageos, sendo
tuo do mais esmerado gosto e eacolha, e finel-
'ret ote de um ptimo escravu pardo e de um ca-
vallo rodado:
Quiota-feira 7
do correte, as 10 horas da manhs, no andar
terreo da casa n, 87, na ma da Gloria.
Tendo-se deeentaminbado no da 5 do cor-
rente do poder dos abaixo assignadosduas Ictlras
de seu aceite aaque de Ramos, Dupret & C, am-
bas no valor de 9S4$13l re. e veutidis em Ja-
neiro e ebril de 1861: pede-se a quem quer que
es 'echa senado o favor de restilui-las ra do
Cabg n. 16, visto que essaa lettras foram setis-
felas pela concordata firmada entre os secadores
e os ceilantes em 10 de favereiro do mesmo
anno. Recife 6 de egoeto de 1862.
Burle Jui.iur & Martin*.
Eliseu de Souxa ,Mnius, profuuoamente
magoodo pela prematura moite de feu muilo pre-
lado irmo Gustavo de Souza Mullos, peda a
seus amigos e colleges o obsequio de assisrem
um* mitse que pela alma de seu imito celebrer-
s-ha no da 9 do corrente, pelos 7 horas da ma-
nhaa, na igroj* realiiz daBoa-Vist". E desd*
j protesta reconhecer muito aquelles que se
prestarem lo justo quanto ceridoeo obsequio.
O abaixo asiignado faz scitnte a tod'js os seus
devedores, muilo particeleimente rao da maiaa
(as crueira) de Candido Nuces de Mello & C,
de que infelizmente liqudate tio, que saa resi-
dencia na rus da Penha n. 21, segundo andar ;
nao deve eer sabida somante pelos credores ds
iel crueira; e eim tambara pelos seus devedores,
pols j demasiada condescendencia, e nao pede-
r continuar aisiin, por quinto os seus credores,
provenientes da til crueira, nao querem lhe da
a menor espera, e que porUoto nao ae impora
deincommodar a ess* oa aquelle, j pelos meios
jadiciees e j por annuocios publiceodo os seus*
nomes por extenso, urna vez que assuas amiga-
veis maneiras nada ho conseguido; e assim es-
pera j al 20 do corrente, pestndo aos seus de-
vedores nSo o levena a semelbante passo, contra-
rio as suas convicgdes I... Recife 5 de agosto de
18t>2.Francisco da Rocha Paseos Lia*.
Sahio lu publica o LIVRO DO POVO, publl-,
cado aob a direceo do Sr. Dr. A. Marques Ro-
drigues, contera a vida de N. S. Jess Chiiato,
segundo a narrarlo dos quatro evangelistas, s
mais os seguintcs arligos: o vigario, o professor
primario, o boro homem Ricardo, a moral prati-
ca, Simo da Nantua, mximas e pensamentos,
a bysiene, os deveres dos meninos, e o Brasil.
A. publicacao do LIVRO DO POVO nao s tem
por flm UDlformiiar a leilura nai escolas piima-
riaa, onde cada menino aprende por um livro
differente, e portento facilitar o trabalho do mee-
1 Ir e do discpulo, como lamben) rulgarisar, por
am prego bara'.tssimo, a historia do salvador do
mundo, e os melhores preceitos da moral.
Venda-se o Livro do Povo, no Recife, na
lTari da prega da Independencia ns. 6 e 8, a
500 rs. o exempl*r em brochura. a 80 rs. car-
tonado.
Aluge-se um quarto
Florentino n. 14.
a tratar na rus da
Caixas com queijo
___jprato.
Quarta-fcira&Xi corrente.
O egenle Pestena vender em leilo por conta
e risco de quem pertencer caixas com queijns
pratos vindos no vapor parsado e por iseo oa mais
oovos que ha nesle mercado e sero vendidos
quarta-feira 6 do corrente peles 10 horis de|ma-
nh&a, no armezem do Annes defronte, da alfan-
dega.
Coriipanliia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azavedo & G. compe-
tentemente autorisados pela directora da compa-
ohia de seguros Fidelidad, tomem senuros de na-
vios, meresdorias e predios, no eeu escriptorio,
rus da Cruz o. 1.

mtmmmmHtam mmmn
Dentista de Pars.
15Ra Nova15.
i
Frederico Gaulier, cirurgio dentista
faz todas as oparaeoes desua arte a e co- .
loca den tas srtificiaas, ludo com -sdeln 8
rioridade a perfeigo qua as psssoas-,en 1
tendidas lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncios, ate.
Consultorio medico cirurgico
3"R\3\DA CiiOftU CASA. DO F13N1>\0-3
Consulta por ambos os systemas,
Em eoDseeuencla da mttdanca para a sus nova residencia, o proprietario desla sstebslsc-
manto acaba de fazer ama reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem ds qia os remedios do sea estabelecimento nao se confundam com os da
nenhum oulro, visto o grande crdito de que aempre gozaram gozam ; o proprietario tem tomado
s precaugio de inscrever o sea nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelles que forem apresentados sem esta marca, e querido a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certea acompanhar urna conta assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo em pa-
pal marcado como sen nome.
Oulro sim : acaba de receber da Franca grande porgo da tinctara da acnito a belladona, re-
medios estes de summa importancia e cujas propriedades sao to conhecidas que os meemos Srs.
mdicos allopatbas empregam-as constantemente.
Os medicamentoa avulsosqur em tubos qur sm linduras custario a 19 o ridro.
O proprietario desle estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos qua tem comrnodos
iiifficieutes para receber alguna escravos de um e oulro sexo doontes ou que precisem de algama
operago, afflangaodo que sero tratados com todo o disvelo e promptido, como sabem todos
aquellas que j tem lldo escravos oa casa do annunciante.
A siluagao magnifica da casa, a commodidadados banhos salgados sao oatras tantas venta-
gene para o prompto restabelecimento dos doeotes.
Aapessoas que quizarem fallar com o annunciante devem procura-lo da manha at 11 horas
t de tarde das 5 em diante, e fora destas horas acharo em casa pessoa com quem se podero an-
enler ra da Glia n. 3 cass do fundo do Dr. Lobo Moteoxo.
i

Precise se muito fellarcom o Sr. Meooel Je-
rooymo Uchda Cavelcante, apontador que foi da
via frrea do dietricto de Frexeires a Bello-monte,
na ra da Cruz no Retife n. 34 taberna.
Aviso.
A parecen na ru do Raogel n. 22 taberna,
urn cavallo castanho, grende, com cengalha,
quem se julgar com direilo elle dando os sig-
nees certo lhe ser entreesf, ^Mgando todas desuezits t os st9 Molla i Ribetio tem urna carta
^vinda do norte, na prega da Independencia
n?. 24 e 30._____________________________
Qjm irecieer d urna etna de leite, iri-
j-se a ru Nov n. 40. qua ee dir eonde mor.
Lis lleinemeno,
Rio de J ri i ro.
subidlo alemo, vai ao
A arrematagao da caca de sobrado sita na
ra da Cruz do Recife n. 10, pertencente aos
herdeiros do finado Jo3o de Pioho Borges pare o
dia 5 do correnie, deve ter lugar no dia 8 depois
da audiencia do Dr. juiz de orpbos, como ficou
transferios._____________________________^^
Alaga-se urna excedente caee aseobrsdad*
com corr.modos pare qualquer familia porgrande
que seja, sita em Santo Amaro ; assim como alu"
ga-fiZ um tscrovo pere trebalher de serveofe ou
para qu*lq'er oulro servigo : na ra do Hospicio
numero 74. _________________^________
Aluge-ee urna cesa na povoago de Beb*ri-
be no correr da igreja, com 3 (juarlos e fundos
para o rio ; a tratar na mefma casa, oc na-jua
Velha n. 66.
-i -r
SfJ
Quarta'feira 20 do crtenle raez se
extrahira' impreterivelmente a sexta
parte da prhneira lotera beneficio
dos religiosos fracciscanos de Olinda, no
consistorio da igreja de N.S. do .{osario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acham-se a venda na respec-
tiva thesouraiia ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 5 botica do Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
s'sortes de 5:000$ ate as de 10$ se-
ro pagas urna bora depois da extrac
cao, e as outr-s, porm, no dia imme-
diato logo que se tenham distribuido a$
listas.
Servindo de tliesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
>dtte*B9
GuAJNI^
Laboratorio a vapor
DE
Roupa lavsda e engoicmada
de Ramos Pimentel.
Podem mnderbscer a roupa lavad* os dooos
dos ns. seguintes : 24. 115.213, 27. 69. 67,45.
123, 43. 195. 106,110. 215. 72. 8. 83. 214, 152,
36. 30. 10. 131. 132. 88. 77. 176, 25. 123.
Sociedade
\]i\iaollci\eVcciitc dos Co-
cheiros em Pernambuco.
O abaixo assignedo nao teodo a quem passar a
directora da sociedede Beotficente dos Cochei-
ros em Pernarutuco, por eslarem ausentes e im-
pedidos os seus legtimos substitutos, v se na
rigorosa necessidade de coniiuuar nesse cargo
ele a com-ocscao de assembla da mesma socie-
dede, resolugo esia que tooiou depois de seus
annuocios, por considerar que tioba urna respoo-
sebilidede pars eom as primeiras eularidades da
provincia. Recife 5 de agosto Antonio Jos Ferreira Refinador;
Os abaixo asignadoe itarticipam ao publico
e cern especialidede eo corpo de coromercio des-
le prega, que se acharo esvaoeiecidos na ra do
Crespo n 14 com loja de fazeo.ies e casa de cotc-
rcisfoee sob e raao social de Jos M-rques dos
Santos Aguiar & C ficando a csrgo destes s li-
quidagso da extincta firma de Jos Googalves
Melveire.Jos Goagalves Malveir*.Jos M.
S. A guiar._______ ______
Quem precisar de uui caixeiro para taber-
na, padaria ou cobrang*. dirija-se a Iravessa do
Queimado n. 1.
E. A. Ryder vei p-ra Behia.____________
Jos Joaquim Lima Bairo saca a
vista ou pequeo prazo sob Lisboa : na
ra da Cruz n 50.
Aluga-sn o primetro e segundo andares do
sobrado no becco das Bo'ss n. 10, com commo-
dcs sufficieote para familia : a tratar na ra da
Imperatriz segundo andar do sobrado o. 53.
Aluga-seo armezem do subrado n. 2, no
becco das Buies, para quelquer eslebeUcimeoto :
a tratar na ra da Imperatriz sobrado n. 53, se-
gundo andar.
Do sitio que oi do fallecido Fr. Ro-
mao, em Sant'Anna, fugio bontem a
noite 4 do corrente, urna negra crioula
de nome Bernarda, alta, gorda, de ida-
de de 30 annos, toma muito tabaco
muito regrista, supoese estar p
Monteiro, Poco, Casa Forte ou Aj3*fr
protesta-se contra a pessoa flfi" a tive
em sua casa e C?& s as autoridades e
a quem a psfsa pegar o favor de a
mandar emregar no dito sitio ou na
ra do Cre^po loja n 1 6 de Campos &
Lima, que tera' gratificado.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ra do Cabug n. 18, entrada pelo
pateo da matriz.
Esss galeria ornada com os augustos retratos
photographicoa de SS. MM. e das sereoissimas
princetas imperiees, assim como com os de mul-
tas das principaes pessoss desls cidade, est a
disposigo do publico, que apode vieiter todos
es diss des 8 horas da manhaa s 5 ds tarde, e
examinar os trabalhos expostos.
Conlinua-se a tirar retratos por todos os syi-
temas piuilographicos, e especialmente por am-
brolypo e em caflcJes de visita. Fazem-se tam-
bero mimosas miniatura*s.m talco para se collo-
carrra em joiae. *>.
Os pregos dos retratos sao os mais razoavefs
que se eiicontram nesta- cidade.
J. Forreira Villela, photographo.
1 (frKua da Cruz~\ 6|
O Dr. Rocha Bastos
d consultas lodos os dias.
Cura radical a-em pouco das moles-
tias syphililicas e dos orgos genito uri-
narios.
Consultas de greca das 8 as 9 horas da
3) manhaa.

mm

JtU

its
&
3-- Ra estreita do Rosario3
ai
o
i
l'eter Taylor subdito inglez relira-se para
Inglaterra. ________^^^^^^^_
Terrenos do^t^
O ai'CeWde sua residencia na ra Direita o.
74, para se lhe marcr o dia em que tem de se
proceder a medigo do terreno de marinl^s, de
que leqmreu o respectivo titulo ; e ao Sr. Luiz
Antonio Vieira, para mandar rec-ber o termo de
medigo da parte do terreno n. 100, que ficou no
seu dominio til n*la transferencia, que fez de
outra parte ao Sr. Francisco Botelho de Andrade,
cujo termo desda margo se echa prompto, fallen-
do ser assignado para ser reraetlido thesoura-
ria da fazenda, afim de ser pessado o respeciivo
titulo de eforamento.
Francisco Pinto Ozorio continua a 9 locar denles artificiaos tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re- 0
cebe paga alguma sem que as obras nao Q
9 fiquem a voutade de seus donos, tem pos 0
cairas preparage as mais acreditadas 9
s9 para conservaco da bocea. 0
Chumbo! chumbo!
Vende-se chumbo de muniglo sortido e de
diversos numero*, a relslho ou em porgea por
prego mais barato qua em oulra parte : ra lar-
ga do Rosario n. 34, botica.
4 quem interesar
Eduerdo Firmino da Silva, florista em ppele
panno, premiado com a medlha da exposigao
oacunel, e admeltido o seu trabalho a figurar na
exposigao universal em Londres, tem a hdnra de
annuncisr ao respeitavel publico que ae encarre-
g de quelquer eocommenda de flores pare se-
nhora, hem como se offerece a dar ligoes de mes
ma arle a aquelles senhores que do seu prestimo
se quizerem utiliser, mediente e pega que se con-
vencioner : a Iretar na case de sua residencia,
ru Formosa n. 29, dsa 7 s 9 horas da manba,
e das 3 a 6 da tarde.
30OS de graliCcacuO.
Do engenho Gira;, prximo a villa do (Cabo,
ansenlou-e no dia c de juoho de 1861, um
mulato de nome Jacob, ldede 20 annos pouco
meis ou menos, com os stgnes seguintes: es-
tetura regular, corpo robusto, cabrea redonda,
cor avermelbada, cabellos ruivos, olhos vivos,
nariz regohr, deotes perfeitos, cara larg, sem
barba, boa figura, falla bem e apressado, co'tu-
ma inculcer-se deforma, e gosta de ander bem
vestido, natural do Aracaty, em cuja rom>rca
de suppor qtr"esteja acoutado por algaem ou
~-tt* EfifrTorro, foi vendido no referido enge-
nho a Sr* D. Arma Delfina Pae* Brrelo em
abril de 1860 pelo Sr. Joo Francisco Carneiro
rendeiro do engenho Serra : quem cepturar dito
escravo e o entregar no engenho Garepa a Sr.a
D. Anna Delfina Pees Brrelo ou na prega do Re-
cife a Jos dos SenlosNeves, rtceber de graii-
ficego 300f, e o importe da paasagera se fo-
conazido embarcado._______________________
Precis*-*e de urna ama pera comprar, cosi-
nhere engommer para ume pessoa : na ra das
Lerangeira* n. 5. nrimeiro andar.______________
Aluga ee um moleque de 18 anus para
qualquer sertigo e tambem pera ander c m car-
roce : na ra dos Mariyrio* o. 2.
Joo Luii Ferretea Ribtiru e Antonio Bento
Fernendes Brags abaixo aseignadus, fazem pu-
blico pera conhecimenlo de quem coovier e com
sppcislldade ao respeitavel corpo decommercio
que no die 4 do correte di*soleram amigavel-
meute a aociedade que tioham no estabeleci-
meniode leberna sito oa prega da Santa Cruz n.
2, que gyr a va sob a razo social de Ribeiro &
Braga, pertencendo dito estabelecimento desta
dele am disnta ao ex-aocio Joo Luiz Ferreira
Ribtiro sortele, ao qual fice compelindo a li-
quidacao do activo e passivo da extinta firma
eawo nico respoosavel. Recife 6 de agosto de
1862.Joo Luis Ferreira Ribeiro. Antonio
Beotn Fwnande* Braga. ______
.4 liento.
Lava-se e engomma-se com perfeigo roupa pa-
ra fora, ecose-se vealidos de senhor por prego
comnodo ; na ra da Conceigo n. 47, esquina
da ra do Rosario.
Attenco.
A
Deseja-se saber noticias do reverendo padre
Manoel Damas, filho de Luiz Ferreira, natural de
freguezia de N. S. da Boaviagero, de Missa-
rello, da cidade do Porto, que residi nesla
provincia abastantes annos, pede-se por obse-
quio a quera poler dar algama informago a tal
respeilo a boodade de o fazer na ra de Cadeia
do Recife n. 3, ou na praga da Independencia,
loja doSr. Figueir&a, pelo qoe muito sp it^-fi-
ctsfa ae commis-
soes.
O abaixo assigaado. proprietario, eslebelecido
e domiciliado nesta cidade, ra Direita n. 94 a
95, acha-se competentemente habilitado para re-
ceber gneros a consignagao, pedindo assim aos
lllm*. senhores de engenho e lavradores, e meie
uulros senhores que queiram honrar-me com
seus productos : assucar, algodo, couros, etc.,
pe j n^e vista da conta de venda dea primeiras
remesses podero colher a grande diligencia que
fai,o para bem servir, e por eele meio poder me-
recer a palma, assim como as pequeas remes-
ses pode o portador dellss *er o proprio conduc-
tor do seu liquido, pois nao haver duvioa ser
despachado em cominete, dobrando assim meu
trebalho, o queso vista das primeiras remes-
ses se pode apreciar, e que espero na altengo
dos meas amigos conhecidose eslranhos. Recife
2 de agosto de 1862.
Joao Baptiata da Rocha.
Furtarem ne noiie de 3dotorrente, do en-
genho Sent'Anna, fregaezie de Santo Amaro de
Jaboatiio. um cavello ceslsnho andrinho, com os
quatro ps calgedos, caitredo de pr.uco ; quem o
pegar leve ao dito pogenho que ser gratificado.
Um rapez com bastaotes habilitagoes pera
negocio de molhaoos, offerece-se dando fiador a
sua cenducta, para tomar conta de urna taberna
ou para na mesma se aseociar : quem precisar e
quizer, faga o favor dirigir-se a ra do Imperador
n 81, que encontrar com qoem tratar.
Frintiecu de t'auU Vieira do M-llo relira-
se para o Rio de Janeiro, levando em saa com-
panhia o menor Carlos
Cr,
Sorlimento completo de sobrscasacos da panno a 15$, 289, 309 a 359, casacos multo bsm
feitas a 25$, 28$, 30$ e 3J, palatots acasacados de panno prelodo 16 at 259, ditos de caseraira
da cor a 159.18$ e 2$, paletots saceos de panno e cssemira de 89 ata 149, ditos saceos de alpaca
m crin la M 49 at 69, sobra de alpaca t merino de 79 at 109, caigas pretas du casemira da
s9 at 14$, dnos as cor de 79 at 10$, roapas para menino de todos oa tmannos, grande sorti-
mento da roupas da brins como seiam caigas, paletots a colletes, sortimento de colletes pretos da
mlim, tasemira. a velludo de 49 a 9|, ditos para casamento a 59 a 69, paletots brancos da bre-
scante a 49 e 5|, caigas brancas maito finas a 5f, e am grande sortimento ds fazendas fina s a mo-
mrnas, completo sortimento de cas*, .irse iuglezas para homem, menino e senhora, seroalas do
dono o algodo, chapeos da sol de seda, luves de seda de Jouvin' para homem e senhora. Tea
jeos ama grande fabrica ds alfaiate onde recebemos encommendas ds grandes obras, qse part
nso est sendo administrada por am hbil meslre de semelhante arte o um pessoal de mais d-
lincoenta obreiros escolbidos, portento ejecutarnos qualqaer obra com promptido a mais barata
ds que em oulra quelquer casa.
toes de visita
oes de visita
, toes de visita
Cr\oes (|e visita
Cari de visita.
Pregos reduzidos
Pragos reduzidos
reduzidos
reduzidos.
\Prgos
Pregos
Pregos
A duzia por i*jj
A ama p"o7lb
Duas duiias por 209
Duss duzies por 2U9*
Novo estylo de photographta
Novo estylo de photograpbia.
Ambrolypos em caixas 29
Ambrotypos em ceixas 29
Ambrolypos em caixas 29.
O retratista americano
Alberto W Osborn
Ra do Imperador.
RA
DO
IMPERADOR
RA
no
nsufflIOR
55.
PAllIIOk
Banco Unio.
Establecido na cidade do Porto.
Agentes em Pernambuco.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobre o mesmo
Banco a prazo ou vista, e sobre as agencias em
Lisboa, Figueira, Coimbre, Aveiro, Vizeo, Villa-
R-al, Regoa, Vianna do Casiello, Gulmares,
Barcelloi, Lamego, Covllha, Braga, Penafiel,
Braganga, Amarante, a cito dias, ou ao praao
que se convenciooar: no sea escriptorio ra da
Cruz o. 1.
Precita ee vender em bairo p*ra urna padaiie; trata-se na
ru do Queimado q. 18 A, loja.
Est just* a venda da parte que possue
Francelino E. F. Cbves e sua malher, na casa
da roa da Motriz n. 33, quem teoba de oppdr-se
referida venda dirija-se ao cartorlo do tsbel-
lio Porto Carneiro, aa ma do Imperador nestes
lias din.
D. Francisca Senhorioha de Mendonga
Piolo e seus filhos, agradecem cordealmen-
le a todas as pessoas que se dignaram assis-
tir es ultimes exequias de seu prezado ma-
rido e pi Severieuo Pinto, e de novo ro-
cera as mesmes peseoes o caridoso obsequio
de aetiitir a misss que por alma do mesmo
pretendem mandar celebrar no dia 9 de
agosto, pelas 7 horas de manha, na Igreja
da Sni* Cmit,
Alugase um moleque proprio pera eopeiro
por ser .fiel, ou para qualquer servigo; na ra do
Livramento n. 2J, terceiro andar.
- Paulino Rodrigues do Qliveire arrematante
do imposto de 20 por rento sobre o consumo das
agurdenles do municipio de Santo Anlo e Es-
cade, avisa aos conlribuinUs desle imposto que
ceesaram os poderes da procarago passada a
Umbelioo Baodeira de Mello, por ter este falle-
cido, ficando sem vigor qualquer pagamento sem
nova procurago para fazer a coilecta do correo-
te anno a fiuaar em 30 de juoho de 1863 e li-
quidar atrezadna. Recife 30 t* julho de 1862.
CONSULTORIO KSFEUALHOMEvriTBiGO
DO DOUTOR
SABINO O.L PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consaltas todos os dias atis desde as 10 horas
t meio dia, aeerca da seguintes molestias :
noltttiai da tnuthtras, mottttiat das erian-
[at, moltttiat da ptllt, moUttias dot olhos, mo-
ttliat typhiliticattlodat as ttptciu dt fibrtt
ftbrtt intermitiente 1 c suas eonttqumeiat,
V r-HARMACIA ESFKCIAL HOmSOrATKICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pra-
jarados som todas as cautele necossarias, in-
alliveis em seus effeitos,tanto em tintura, nmi
*m glbulos, pelos pregos mais comrnodos pos-
sveis.
M. B. Os medicamentos do Dr. Sabina sc
anieamentevendidosem saa pharmacia; todoi
que o forem fra dellas falsas.
Todas as earteiras o scompanhadas do ma
tmpresso com um emblema em relevo, tendo ac
reopr as seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos qua so pa-
lo, As earteiras qaa nao levaram esse impresse
tss'im marcado, robora enham na tempe
n* do Or. Sabino so falsos
*J. VIGNES
Os pianos desta amiga fabrica sao hoja assaz CDnhwidos, psra que seja necessario insistir
sobre a sua superioridade, vantap.ens e garantas que ollarecem aos corapadores, qualidadcseslas
incontestaveis que elles lem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido n'esta
praga ; possuindo um laclado e machinismo que obedecem lodas as vontades e caprichos dos
pianistas, sem nunca Libar por serem fabricados de proposito e ter-se feiti ltimamente rcelho-
ramentos importanlissimos para o clima dcste pa" ; quanto as vozes sao melodiosas e llamadas, a
por isto muilo agradaveis aos ouvidos dos apr^iadores.
Fazem-se conforme as encommend?* lamo nesta fabrica como na do Sr. Blondel de Paris,
socio coi respndante de I. Vignes, err-011]3 capital foram sempre premiados em todas as expo-
sires.
No mesmo eslabeleciment* e acha sempre um esplendido a variado sortimento de msicas
dos melhores compositores d Europa, assim como harmonios e pianos harmnicos, sepdo ludo
vendido por pregos muito razoaveis.
R14 NOTA NUMERO II
Antiga loja de Gadault.
<&&
^^ Acaba de receber des encommenda um grande e variado sortimento dos se-
/? guiotes arligos, os qusssvnde por menos 10 por eento do que em outra qualquer
parte ; a saber:
Para mu'icas.

Pateo
11.
do Livramento n.
primeiro aodar.
O dentiata Numa Pompilie planta destes arti-
Qcaes por grampos e ligaduras aa presso do
er, dantas ineorruptiveis sobre oaro, eyetema
aorta-americano faz todas as operages dtsaaisem reserva de
ite 1 com promplido limpeza Jjulho de 1862.
. Rita de Ceseia Pereira Vianna e Jos
Pereira Vianna Jnior cordialmeole agra-
decem a* pessoas que se dignaren) assietir
es exequias de seu presido esposo e pai e
desda j convidara pera a miesa do aelimo
dia que se ha de celebrar na igreja matriz
do Corro Santo, sabbedo 9 do corrente,
pelas 7 huras da manhaa.
__ Quem uver objeclosde qualqoer natureza
que sejem recolhidos no trapiche do Remos, quei-
ra vir recebe-los no decurso de 3 dias e pagar a
competente armazenagem visto qae esse trapiche
passou a novo inquilioo do Io do correte (agos-
to) por diante
/?gsV
Alaga se o segundo andar da casa di ma
das Crazas o. 36: a tratar na raa do Crespo n.
7. loja, _______________
Manoel Jos de Siqueira Pitaoga preten-
dendo retirar-se desta provincia com saa fami-
lia, e nao podeodo e nem devendo faze-lo sem
que pegue o que deve, roga a seus devedores o
favor de lhe virem pagar para qae se poobam
livres de passar pelo desgostode verem aeus no
mes publicados por eale Diario, pois que o far
pessoa algama. Recife 28 de
Joao Guilherme Romer.
Forrador, estufador c cortinador
recommendi-se com o sea prestimo em todas es-
las psofissoes tanto de carruegens como de mo-
bilias, tambem pinta carros e eocarrege-se de
todos os rooceitos de ditos, faz arreios para ca-
vallos, novos e concertos, cortinados de cama e
de verenda, tambem arranja todos os preperos
para os ditos tanto douradoscomoenvernlsados:
na ponte Velha n. 8.
Na ruado Sol n. SI ha para alegar s es-
cravos a 5jj semanal, proprios para servigo
enchada,
Variado sortimento de instrumentos
pera msicas milita e de orchestra,
instrumentos coroj^o de chaves e
apiston maito perf*os entinados do fa-
bricante Gaatrot A*e*
carros.
pelas para arreios de
do principe e de lato pe-
eavellos, moles, vequelas
coberlas, encerados, ga-
lernas para carros ecoaps,
etc.
Vidros.
ande e variado sortimento de can-
, serpentinas, lanternae com pin-
e sem elle*, palmatorias, copos
nh<>, callee, rodomas para ima-
red.ondas e ovis grandes e peque-
vontadedo comprador.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
Para retratos,
Michines muilo superiores francezas
jsmericanas grandes e pequeas, grande
sortimento dechimicas pera trabalhar am
todos os processos, caixiohas e passepar-
tou americanos e frsncezes, papel albu-
minsdo etc.
Para noivas. ,
As mais rices e elegantes cspellas que 1
se pode desejar, asseverando sem errar, .
serem as mais bonitas que equi tem vio-
do, ricos manteletes pretos com vjdrilhos
franja o mais moderno neete genero.
Para presentes.
Muito lindas ceixinhas para costura
com msica e sem ella, muito proprias pa-
ra dar-ee de presente a alguma aenhora
que se estima, ricos estojos de barba para
homem.
Espelhos.
Grandes e pequeos com moldaras
pretas e douradas, proprios para ornar bo-
nitas sale, sendo os vidros muito grossos
e de primeira qualidade.
Avulsos.
Camisas de linho para homem.
Carleiras e charuteire.
Bandeijas grandes de 30 palmos a 3g.
Golliohaa e manguitos para senhoras.
Laa de todas as cores para bordar.
Talagerce.
Seda fitxa de todas aa cores.
Lindos eofeites para aenhoras. ,
Oculos e luneta de todas as queliu des.
fumo francez, americano a tambem o
spreciavel fumo de borba com os seus
competentes cachimbos e tanari etc.


-->
V
y
tfiltlO Dfi PEUUMIDSO QUIflTA FEIRA 1 I AGOSTO DI 18M
Rival sem se-
gundo.
S. ANIHA
VNDESE NO ARMAZEM
PROGRESSO
/
Francisco Eernandes Durte
w Mrgo 4a Penha ts
Os melhores gneros que vera a este mercado e por menos 10 por cento do que em ontra
qualquer parte, garanndo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Sors. da praga, da an-
ennos elavradores o favor de mandaren suas encommenda3 a este muito acreditado armazem da
;-.olhados, afim de verem a difterenc,a de preco e qualidade que faz, se fossem comprados em outra
wlquer parte.
A,Ha^**imS confeitadas para sorte de S. Joao a 800 rs. a libra, tambem tem-sa para
640 rs. a libra sendo em porcio, tanto de urna qualidade como de outra se (ai abati-
mento.
*.!&*&* HOVfcS em caixas com duas arrobas por 28560 e em libra a 50 rs.
Mamtega Y*g\eZ da safra nov* de primeira qualidade a 850 a libra, em
barril se faz abaitmonto.
M&Htag& TrMtdZft a mais nova a 640 rs. a libra, m barril a 600 rs.
*WftlJi9fl Ao TiV muito frescos chegados neste ultimo vapor a 2#000 ditos cha-
gados i) ultimo navio a 19800.
' QUfc}* pTftt 0 mai SUpr;or que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
Gli liy8il 0 melhor quena no mercada a 2&8 00 e 4*200 a libra, aBanca-se a,boa
qualidade.
$&5t H.HX1BI o que se pode desojar neste genero a 390OO a libra.
Ova pT^tO horaeopatbico a 2*200 a libra em porcio se faz abatimento.
TTaqUS UO\OS de pavio transado a 230 rs. a carta e em caixas com 40 cartas por
95000.
!L&taS C*H1 amtJrtfc&OaS confeitadas, proprias para mimo, contendo mais con-
feites e assucar candido por 1*000 cada urna.
aS&aS em caixinhas de 8 libras chegadas altimamenta a 2?000 cada urna e a relalho
a 480 rs.* libra.
1^0\aXUUa de soda em latas com differentes qualidades a 1*440.
BalaXimlia inglesa a mais nova que h no mercado a 4*000 a barrica e a retalho
a 320 rs. a libra.
VuYlO em pipa de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 640 rs.
a garrafa, e em caada a 3*500, 4*000 e 4*500.
VUUOS felIffaTtaaAoS Duque do Porto, Lagrimas do Douro, Carcavellos, Fei-
toria v5, e deai!3 maltas marcas acreditadas a 1200 a garrafa, em caixa a 129
tambem ha para 1*000 a garrafa.
&Ua!*p** das marcas mais arrediladas a 15*000 e 20000 o gigo, a em garrafa a
1#800
SfiVftja da marca cobrinha ou de #*" carcas confoecidaa a 5*000 a duzia a 500 rs.
. a carrafa.
francezas e portuguezas em latas da 1 libra por 640 rs;
fa \ &,m?VX.a f taUC*a8 em latas de 1 e raeia libra por 1*600, ditas com 3 libras por
9|80O:
meud^aS de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 80OOO.
?t|%eSa 120 rs. a libra e em arroba a 3$000.
k.\^fia, U*ae\T?fa5 Q ta\UaTl a 400 rs. a libra, a era caixa com 1 arro-
ba por 6*000.
tatte\\'3U&, pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai
xinhas muito enfeiladas se faz obatimento.
^altOS dt5 dtwatCS lixados os maisbam feitos que lera vindo a este mercado a 280rs.
Uabera ha para 200 rs.
1?^eXUUt08 Ug\ezeS para fiambre a 800 rs. tambem hamburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
Ch.9UY$aS palOS mul0 novas a 560 rs. a libra eem barril se far abatimento.
3&1&25I o melhor pelisco que pode haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
T *>XltlaVu do ?>'.UO muito novo a -2SC rs. a libra e em barris de 1 a meta arroba
a 5* a 7* a arroba.
Gil*UTICOS em latas j promptas para se comer a 1|800 cada urna.
}&R\.* de pOTeO refinada em latas com 10 libras por 4300.
Dita em Danil mut0 fina e alva a 440 rs. a libra eem barril a 400 ra.
**YOeS COS bollo CraUeeX proprios para mimo 500 rs. eada um.
nlariSielada imperial do afamado Abreu e de outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
a libra.
*melada de Alperche em latas de 2 libras por 1*000 cada urna,
LattaS C im Iv fUeta8 de doce em calda as melhores quehaem Portugal como se-
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs, a lata.
DoeeS S$eC9S e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 1*500.
CboCOlat hespanhol a 1*500 rs. a libra, ditto francez a 1*100 dilto portugnez a
800 rs,, alianza-sea boa qualidade.
dat de primeira qualidade tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba a
9*000, dito mais baixo a 260 rs. e 7800 a arroba.
SeVadinba de Franca a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em porcao se fai
abatimento.
Slg muito novo a 320 rs. a libra e am garraf5es.com 5 libras, por 2*000.'
* :*T1&ba do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
Dita do Maranhao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 49500.
VelaS da carnauba refinada a 400 rs. a libra, e em|arroba o 129000..
AxeitS 40Ce refinadoa 800 rs,garrafa e e em caixas a 9*000
Vinagre de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 19800.'
Vll&bO cherez verdadeiro a 1*500 a garrafa, e em caixa 14*000.
Villbo bTaUeO de Lisboa o mais superior que ha no mercadopropjio para miss
640 rs. > garrafa e em caada a 45500.
Gufs.TIl.t08 suspiros do fabricante Brando em meias caixinhas, por 29500.
DitOS suspiros do fabricante Catanho & Filhos em meias caxinhas a 2*000.
DitOS em caixas de 100 regala Imperial, Viagantes, e Paneotellas, a 2*000 a caixa.
AlplSta muita limpo, a 180 rs. a libra, e em arroba 5*500,
.AxeltOU&S muito novas, a 1*600 rs. caa urna ancorela, e a 400 rs. a garrafa.'
ArfOS de Maranhao a 120 rs a libra, e 3*400 a arroba.
9*Xe de postas em latas das melhores qualidades de peixe que ha era Portugal a 1*500 ra.
Geaebf a de ttoilauda -ra garrames com 25 garrafas por 99900.
HavOStaYda ingleza muito nova a 1*000 o frasco e franceza a 640 rs. o pota.
Raa do Qaeimado n. 55, loja da miudezai de
Joi de Axevedo Mala Silva, cochecito por Jo-
te Bigodinho, est Tendeado pelos precos que a
todoi admiram, queiram ver o que bom e ba-
ralinmo:
Parea de aipiloide traagaeuperlorea a.
Fraaeoa da agoa ambriada a melhor a...
Diloa de dita, fraaeoa grandea, a 0 a..
Cartaada al&netea franeexea, a..........
Pacota de papel amizide, a............
Caixaa com papal da diveraoa goatoa, a..
Parea de tpalos de lia para meninos, a
Varaa de bico daallhai, a..............
Cordal para violo muito fraacaa e no-
va. .................................
Frascoa da banha Pbiloeoma superior, a
Ditos da dita de arco, a..........,.....*
Ditos de ebeiros muito fios, 500 a.....
Caixaa com apparalkoa de metal para di-
vertir meninos, a.....................
Varaa de franja para aortinadoa a toa-
lhaa, a................................
Carriteis da lina arela com WO, 6*0 a
800 jardas, a..........................
Barris com.phosphoros o melhor e bo-
DllQB, liillHHIOtMMII/lKlS'
Hsasosde liaha fina para bordar, a ....
T/ranga da la de todas as corsa a peca.
Pacaa de fita de coa, todaa aa largaras, a
Grozaa da boldes da louca praleado mui-
to finos, a.............................
Pegas de fitas de linho lisas superiores,
Ditaa de cordao imperial, fino e gtoaso.a
Frascos da macaca perola, muito fino, a
Ditos da dito oleo, multo superior, a.. .
Ditoa de oleo babosa superior, a 320 e..
Bonetoa qaa chojam, muito lindo, da
160 a..........
Caixas de p para limpar denles, mallo
superior, a ......:. .
Ditaa de phosphoros especiaos a um so-
braaaleote, a......i .
Pioes de flandres, pintados multo boni-
tos, a... ....
Varas da fita para fazer alntoa dos me-
lhores gosto, a........
Duxia de phosphoros da gax, do melhor
fabricante, a.........
Ditsa de caetas de folha, muito boas, a
Linhas de gaz de todaa aa qualidades a bara-
tlisima._______________________________
Vende-ae urna porcao da barra decada
Liaboa propria para obra de pedreiro a 4$ o bar
ril; no armazem do Taixeira, caea da alfandega.
Relogios.
Vende-sa am casa da Johnston Pater de C,
. h4 do Vigario n. 3, um bailo sortimento da
telogios da ouro, patate itiglaz, da um doa mais
afamados fabrieantas de Liverpool; tambem
urna variedada da bonitos trancellins para os
mssmos.
mmmm mmmmmmmm
1SS80
400
600
100
700
710
200
80
80
19000
500
800
400
200
160
160
240
40
320
240
40
40
200
100
500

500
160
160
200
500
240
12
Loja das C por-|
tas em frente do Livra- 2
ment.
Balites de 15, 20, 30 e 40 arcos.
Grande sortimento da baldea de arcos
os melhores aesta faxenda e grandea,
cbitaa francezaa largaa eteuraa a 22U a
240 rs. o covado, ditaa estrellas miudi-
nhaa a 160 rs. o covsdo, cambraii lisa
para forro com 8 1(2 varaa a 28 a peg,
ditaa finas a 3#, 49,5 a 6S muito Bnaa, M
ditsa da salpiquinbo com 8 1|2 varaa a j
3$5O0 a pega, cobertaa alcoxoadaa bran- Jf,
cas a da cores para sama a 49500 e 5|, '
caasaa de corea fraacezaa tintas aeguras 1
a 320 rs. o covado, pega de brelanha do -
rolo a 25, algodao trancado alvo multo
largo para toalhaa a 19 a vara, onfeitea a
Garibaldi todoa pretos a 59 cada um, len-
cos bran eos com barra se cores s 120 ca-
da um, roupsiaita da todas as qualjda-
daa muito baratea, a loja aala abarla at
aa 9 horaa da noito.
mmmm reste mmmmmx
Aos Srs. consumidores de gaz
Nos armaxans do caa do Ramos as. 18 o 36 t
na ra do Trapiche Novo no Kecifa n: 8, aa ven-
da gax liquido americano primeira qualidade e
recentamente ebegado a 149 a lata de 5 gal5aa,
aaaim como latas da 10 a do 5 garrafas o am
garrafas. _________^_____________
MMTEtt
Vendem em seus armazens
PROGRESSISTA
{
l
E
ipiini^nw
NA
Ra das Cruzes n. 36, e largo do Garmo n. 9.
o o
V
o
II
li.

si
si
B
o m
Si
O 2.
-, co
Q. m
Si
M n
3 3"
le
s
3
|JS!
l-ar~!gl!
9
83 0
g. t
rfl) A
< o-
CC
ry.
3
c
5
^
B-
a. o
s
a
sr
o
m
^ a
a
o" 3*
2. w
O T3
-a S
B
O
<
01
te
Nova atieneao
O vigilante acaba de recebar novo sortimento
de diversos objeclos que se vendem por manos
20 por cento do que am outra qualquer parte.
% Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti -
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenJa com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
xmmmmm-mmmmm*
f Grande f
Sintos para senhoras. mua uMiLsL nn **' a
isiirnos sintos douradoi, pelo baratiimo 5 IlCIUllaCclO DO u>
!e 2, a com llela 10 lado a 45, assim co- B t\lY\ A *B
fila de seda ou filudo a 2g : s no gallo ] j O HT**0* > **A UCU1 CU g,
unecida loja do Ser-
S la S
lo-Ia
o M o.
s S*? IP
5 t B. N
S o. "2 te
a "
"2. w
*B.
"a. O
g B
f s
a
&* S *
S m B
S* 3 6
w od S. on
SO
Cfi
o
o
o
? s
O
5- W
%
S-O
18 5
80
c& on
**
1 .
Ib
o, B
O
5
CP.
er
o
os
o
O -.. Si
o n
S P*" B g 1
iriiiif
-"S-a
o.
a, ye
1 5
o
i
o.
o
ra
B
g
os
o
o
B.
CB
?
ce 1
a
I
B9
3
B
O.
O
B>
a
B
8-
M S P "B W
S C -. O o- ">
o ?
^ 'a
O 9
er
5
S5
^3
V.
O
B
2.
O l"
O o
o. ^S
B 3
B ^
o
B
D
I
B
a
a
c
o
O
a.
o
"T
o
o
3
o-
o
B
o
B
Enfeites. ,a
Vendem-se os riquissimos eofeites da cabt,
com franja e vidrilho a 50, ditoa sem franja a 's,
ditos trancados a 3500, diloa de laco de fila e>
blcode seda a 2#: a no gallo vigilante, ra de
Graspo n. 7.
Fivelas para sinto.
Riquissimas fivelaa de ago com madraperr' a D0
centro a 1#200, ditas de madreperola 32,ditas
douradiohas a 340 : s no sallo vigilante, rjaa do
Crespo n. 7. <
Vidrilho.
Lindos vidrilhos pretos e de cores, pelo bIra-
tssimo preco de I56OO a libra: s no gallo ?iei.
lante, ra do Crespo n. 7.__________________.7
Para entreter o tempo. ,
Os lindos jogos de dminos a 10400, lindas cal -
xinhaa com jogos d> .s pora a 900ra.: s no/qal-
10 vigilante", fui do iiresd'd n. i. '
Caixas de tartaruga e t5^1
teiras de charo para r
e charutos. i
O tabaquista que aprecia a boa pitada de Lis-
boa ou mestno Princeza, Mearon etc., etc.
justo que compre urna bonita caixa de tartaruga
toda mirchetada com a qual nao ae envergonha-
r de offerecer da bo* pilada de su gasto a to-
dos os circumstaotes que se acbsrem em aua ro-
da, muitos dos quaes louvarao o seu bom gosto.
Assim como a caixa necesearia ao tabaquista,
charuleira nao superuua no fumante e sendo
ella bonita como sao as de chsrao nochetas me-
lhor ser porque com isso deixa conhecer quan-
to sabe apreciar o bom. Para os mal commo-
distas tambem ha bom sortimento a todos encon-
trarlo barateza urna vez que munidos de dinhei-
ro sa dirigirem a ra do Queimado loja da agaia
branca n. 16.
Potassa da Kussia
e Americana.
No escriptorio de Hanoellgnscio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por prego
mais barato do que em outra qualqier parte.
Castelto -Branco,---a!faale
militar.
Por este sonando se fax constar aos Srs. offi-
ciaes de todas as armas, tanto deala provincia
como Jas maiscapitaes do norte do imperio, que
ha a venda boldes do novo padrao, segundo s
ultimaordem do ministerio da guerra, venden-
do-sa duaa abotuaduraa por 3J, adverlindo que
urna das abotuaduraa de padro antigo, faz-se
remessas para onde forem pedidas, assim como
tambem ha para vender o melhor panno azul io-
glez, e o melhor velludo preto do Porto, fazendas
desconhecidas nesta praca, o que se vende a re-
lalho. Os Srs. offlciaesqne estao forada provin-
cia podem renovar suas consignares flxsndo
quintia certa, e os outros ssnhores que nao live-
rem procura gao nesta casa podem manda-la, ad-
verlindo que o tempo para a dita procurado de-
ve aer limitado, acompanhando urna carta da or-
dens pedindo ss encommendas que forem preci-
sas, devendo ser dirigidas a correspondencia a
Joaquim Rodrigues Tarares de Mello, ra do
Queimado n. 39. Tambem ha galio de ouro su-
perior e ferros francezas para alfaiate, aza forja-
da o par 109-
9
I tanejo.
!Ruadaue?,liadon-45,
Apparecam00}11. 8
nheiroquenodeixarao|
de comprTr'180 soo j
Chitas oscura finas a 160. bordados a
rs., cortes do vestido pratoa vendem
vallado de cusi de 1504 a S de baile
por 30, 40, 50 e 70,8ahidaa\c8miai
da velludo a setim a 12 a 13, j|iHhas #
para senhora a 2$000 e 3500, gr.. 700, *
da cambraia bordadas a SOO, G00,\i->
800, 900 e 1, ditas de Ql bordadas a>u
rs., casaveques de fuatao a 5, 6,7j, b M
fppiflc fia arla br.nr.i nrojiia '
nhora a I200 o par, tirua u Dabados a
500 a 700 rs., lasde quadro entestadas a
300 a 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 e 440 ra. a vara, organdys de cores a
600 rs. a vara, fil braoco adamascado j
para cortinados a vestidos a 400 e 500 ^ rs. a vara, cortes da collete da casemira "
bordados pretos a 2 e 3000, ditoa da
velludo de edr e pretos a 3, 4, 5 e 6,
paletots de brim braoco francezes a
IB 3500 a 4c500, ditos do casemira de co-
"* rea a pretos a 14 e 16, ditos de alpaca
preta e de cores a 3, 38500, 4 o 450O,
camisas de peito do linho a 3500, cortas
de collete de gorguro a 1500, 1700,
2^200, 33 e 33500, collete feitosdabrim
m branco a 23500, ditos feitos de gorguro
8 a 2500 e 3500, ditos feitos de casemira
a 3S500, 4S o 43500, ditos de velludo a
5, 6e 7, ditos de fuatao de cores a *J
13500, um variado sortimento de meias S
para hornera a senhora, grinaldaa com
flores, chslas da froco, espartilhos, e lo-
8 da a qualidade de roupaa feitaa para ho-
mem que tudoae venda por metade do
8 seu valor.
Mocadas e meias moendas.
Taixas de ferro batido e"
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru doBrum n. 38, fundicSo
de D. W. Bouman.
Ra da Senzalla Nova n. 2.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston^ & C, ra da Senzalla Nova
a. 42.
5
a -t.
s S-s
en 5" fS
B
-
SgI
a p.

ra
3
5"
g S
% Z
s W
rx
- 2
3
8-
o<
3
3
v.
<=> S

=3
O
fi|

>t3
O

c
B
s
^s
o
o
f i
p!
s*
3
Vi s S 8 .

a 3 S. p 2 WJ
8 X V3 S |fSflr
S-gS?-^ |w 5-H
-BCT-g^ O o,_ 0.-3
8 J 1 C ^ S-
5" N g. C

.'SlrJ
g. I cd ; g
m ^^ I a,
c^u m o rsa
asf g ?S
^.g CP 3
!? w 1
p^o 09
09
P
Si B i
- g B3 "
i. 8 S
09 IbbbW


I en "
s o 8*
1 ssg S
o
*a
B>
O
o
c
n
-s
-o
a na
5-
^^
C53 1
g I
3-
">J T3 2
- a 3 H
? 1- <- 5. a:
M en
o B. a
o, ^> O I
5 -8
t
f
1
N g S o-
03 05
o' O J
o o 2
O a, o
- 2
en ^ D
f
:r
cu
i
0 _-
B >*
I-
05

a.
aa
a
*"

O
o
sa
8
ra a.
5* .-
o
Orara
o=2
o ra -
* S 5
... cd a
O Q3
O ^ r-
o a.
^
o- _.
c: o>
6, O CB
.-i S"
-I 5L
I i s
3-0
I
-1 ra
O S
Js
OS c
.
sr
ra
Sr
CB
O
o
o
B
A loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo vapor oa seguiotes ob-
jectos :
Bonitas ligas de seda para senhora.
Grandes e bem tecidos bandees da alia.
Aspas de oco, e fita elstica para ces de balo.
Bunecaa grandes mui bonitas e bom vestidas.
Bonitos bauzinhoa com 9 frascos de cheiros.
Lindas caixinhas com 6 ditos de ditos.
Trancellim grosso de cor para guarnecer vestidos.
Lavas de camurta brincas e anurallas.
Lindos boies de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba da recaber lindos
boies de porcellsna dourada com floa banha e
msviosas inscripces, os quaes por suas delicade-
zas a perfeicoesloraam-se dignos para presen-
tos, e com especialidade na actaal qaadra^ quero
gostsrdo bom dirigir-se com dinheiro raa
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que acha-
ra em qae bem o emf>rR/ir.
Punileiro e vidraceiro.
Grande e nova oiuciua.
Tres portas.
31 RuaDireita31.
Neate rico a bem montado estabelecimento an-
contrarao os (regaezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no sea genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que nvalisam com o jacarandfi.
BANlIElHUSda todo o tamanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas ss grossuras.
PRATOS Imitando am parfei;ao a boa portal-
lana.
GHALEIBAS da todas as qualidades.
PANELLAS idem dem.
COCOS, CANDIEIROS a flandres psra qaal-
qaer sortimento.
VIDROS em calas a a ratalho da todoa os ta-
mandando-ae maohos, botar dentro da cidade,
em toda a parta.
Reeebem-sa encommendas de qualquer natu-
raza, concert, que tado sera desempanbsdo a
contento.
5
f 'T)
" "C kaass! < ^ [je

a> O
! -cu?
O o
O.J
as
P 9
S B ;?
n B ffi
Souhall Mallora & C, tsndo recebido or-
dem para Tender o aeu creacido depoalto daralo-
gios v(lo o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portento, s passoas que qaizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do af-
iebre fabricarla Kornby, a aprovaltar-sa da op-
portanidade sem parda da tempo, para vir aom-
Alem dos gneros cima mencionados encontrara o respeitavel publico um cmplalo seru- pr,-ios por commodo preso no ss escriptorio
manto do lado que tendente a molhados. 1 raa do Trapiche n. 18.
-^ .
CD O B
S r
o
o
CD
a

fj a,
I S
sr b
03 .
cr
o
=
o
M CO ",
s I S-
I C. a,
o.
B
o
9
=
"a
ra
as *
5 s
m ce -
3 c*
I D
B
a**
O)
f$i&*
ra
03
i>
O
O
c
k: 1. Ig S
a?" S
i M.J.S
i I
i1
-I Q3
3
o
trsa
"I* S I S 5 c5
ti
a1
" a ir t-1 i
2_ bj c ^ *
^ 5
*3
E
C
&aVU P
D
D
s
a OD
ig

a>
w
vg-
/
o
en
s
oo


en
o

i
s
F
Manguitos e gol las de
cambraia ricamente 4>ordai>s
Veadem-se manguitos e Rallas de su''
cambraia ricamente bordados pelo ini,B0V*,,.
prego de 2 o par da msnguilos com un)jf.'*
aendo que stmpre costaram 6 cada PZ"
pois recommenda-ee aos amigos jtff"
nomia que aproveltem a boa oecaaian/011?;
do-aa com diohairo a loja da boa l
Queimado n. 22,
a raa do
isissaaooad
sn97n5TOJB snos rao raapuoA
i
JLtS^IS

MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO" I
JMUTILADQ


-=c=
;- .'
DIARIO Dfe PIRNAJUUGO. QUINTA FURA 7 DE AGOSTO
SEGUNDAEDICC VO
THESOURO
DO
HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo doator
^lHH IL
Aviso.
O abaixo assignado morador na cidade do Rio
Formoso, j teodo avisado e prologo por ate
jornal de 11, 12 e 13 de jaaho de 1860 a todos e
cootra todos, que s dizem illegalmente i*nho-
resde urna lgua e meia de trra, que por jul-
ios e valiosos ttulos pertence ao abaiio assig-
--aos os mellorarentos, que a eii'er'iVDca "os n>(loi "e novo le ipreienti identificando a to-
e livro que se tem tornado to popular,
lo necessario, acaba de ser publicado con!
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va tdicso em ludo superior primeira, en-
terra : '
1/ Mal ampias noticia! acerca do eerativo
das molestias, eom indicac,dei mui proveitosas
dos medicamentos novos recentemeate ezperi-
raentados na Europa, no Estados-Unidos e no
Brasil.
2. A expsito da doulrina homeopatba.
3. O eBtudo da apropriacjio dos remedios se-
UD a aS Predomi[iDCias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, o segundo as circumstan-
cits atmosphericsi etc., etc.
4.* A preservajao ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5.* A preiorvecio dss molestias epidmicas.
6. Urna esta.Qjps alustrada demoostraliva da
coutinuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o a us 9, etc.
Vende-se ni pharmacia rsPECiAL homkopa-
iincA, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Mundo Noto) b. 6.
Prejo e cada exemplar. : 209000
N. B. O senhoresassigoantes queram man-
dar receber seus eiemplares.
fenei8MSi93 *ammmuamm
baques sobre Portugal.
O abiixo assignado gente do Banco 8
Mercantil Portuenae nesla cidade, saca fij
efectivamente por todos os paquetea so-
b o mesmo Banco para o Porto Lis- X
boa, por qualquer somma atrista a pra- *f
ro, podendo logo os saques a prszo seren
descontados no mesmo Banco, na raxo A
de 4 por canto ao anno aos portadora M
que assim lheeonvler : as ras do Cres- S
po n. 8 ou do Imperador u. 51.
Joaquim da Silva Castro. 8
Attencao.
Precisa-so aligar urna ama, captiva ou forra,
que aaiba fizer todo servigo de urna casa de
pouca familia, a tratar na roa do Queimado
n. 69, loja de fazeodas, ou na ra da Praia d. 37
segundo andar.
j Vendem-se tachas de ferro caado do autor
man acreditado : na raa do Brum, armazem de
[ ticir de Jos da Silva Loyo & C.
gH3MsaK9SSr 6M Sftfti&MSB
8
v
Joo da Silva iamos,
^edicppela Universidade
de cambra,
conielia am casa, das 8 ai lu ifeorai da ma-
ula, e presta-ae a qualquer chamado twq a Dam
onhecida promptidao.
dss em geral, e a cada um de per ai, que o abai-
xo assignado o legitimo tenhor e possuidorpor
justo e bora titulo da dita legua e meia de trra
na freguezia d'Agua-Prela, a quai cometa do lu-
gar denominadoCxofira seccana ribeira do
rio Uoa.seguindo pela ribeira do riachoPiran-
gi grande cima. Declara para conhecimento de
todos que dita legua e meia de trra demarca
pele norte com o rio Unapelo poente com o
riachoPirangi grandepelo >ul com trras do
Calende e pelo ateante com trras do engenho
Jsparanduba e outra sismara aonexo : que o 11-
legitimos posseiroi [orara chamados a eoociliacao
para entregarem a propriedade do abaixo assig-
nado e aaberem que s o mesmo abaixo assigna-
do o legitimo seohor e possuidor da referida
legua e meia de ttrrs, que j foi competente-
mente registrada, e a qual honve por sismara de
1782, que lhe foi trsspasssda e cedida por com-
pra apa legtimos sismeiros : pelo que os illegaes
posseiros logo que foram chamados a concilia-
cao abandonaran! as obras, que em algumas par-
tea do dito terreno estavam fazendo.
E aprovaitando occaaiao declara mail que
lambem tenhor e legitimo possuidor da urna
legua de trra em quadro, que foi concedida por
S. M. Fidelisaima em data de sismara a Joo
Leandro Soarea do Araujo e sua mulher D. Lou-
reoga Isabel da Visilago, j fallecidos, e por es-
ts vendida ao finado vigario de Una Vicente
Ferreira de Mello e Silva, epeloa herdeiros des-
te, instituidos no respectivo testamento solemne,
foi vendida ao abaixo assignado, como ludo coos
la do testamento escripturaa existe ules, em a
qual estao indebidamente edificados o engenho
Souza e mais dou3 da mesma freguazia de Agua-
Prela, sendo que desta legua de trra em qua-
dro s foi vendida urna quarla parte no sitio do
riachoCalambre fazendo piao no dito litio e
paaaagem do rio Pirangi. E para que niuguem
se chame ao engao em leo po algsm anda pelo
presente se protesta contra quaesquer oulros,
que, por se apossarem de trras alhelas, esto
logeitos as penas doa crimes, que se descrevem
no titulo 3o cap. 1 e 2 da parte 3* do cod. penal;
sendo que por motivos de molestia o abaixo as-
signado tem deixado de fazer effectivo seus di-
reitoa, o que far logo que cess8m laes motivos.
Rio Formoso 15 de julho de 1862.
Antonio Gomes de Macedo.
Precisa se de um carroceiro na padaria da
ra dos Pescadores os. 1 e 3.
ENSINO
DE
PARTIDAS DOBRADAS
E
Dirigido por
iakoel mam de medeiros
DUAS VEZES POR SEMANA
TERQAS E SEXTAS
DAS 7 AS 9 HORAS DA N01TE*
RA NOVA N. 15. 2 ANDAR.
Lava-se e
'
asa de saaiie em Santo
maro.
Dr. Silva Ramos.
Este as'.&belccimento j bem coohacido, e eon-
".uado nesta provincia pelos relevantes servi-
i que tem prestado, contina na melhores con-
des debaixo da direcc&o de seu propietario
ceber doentes deludas as claases, ei quaes le-
o tratados com todo e zelo e i-toresse pelos
recos seguintes :
Primeira classe.... 39000oumaii.
Segunda dita...... 23500.
Terceira dita...... 59000.
Em qualquer das classos os brancas Gcarao se-
rrados dos negros. Os alienados de 2.a e 3.a
este nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
.ndo furiosos pagarao mais a quarta parle. Oa
leados da 1 clsse pagarao segundo o ajusfo
l?iift|
te par* barbiar e
--.... --.u,,i|ns ns r -
OUi mi tout.. -- ----- Utl UO
Rangelu. 18,
abalhsde porta fechada, os preQos sao os mes-
os dos que trabalham de porta aborta, sangra,
ra denles, aluga bichas, ventosas, amolla er-
.roentas, pode ser procurado a qualquer hora,
ssim como tem aGadore de cnica muito iu-
>eriores.
Novo retralista.
Hu.
raspo n. 18, primeiro andar, tram-
e retratos pe... ^g,erreolypo por m-
dicos presos ; veo-se .. .elr.i0,d- .,
monas dentro e f ora da cidadef"108 de Pesso
Alufr.am-sa as casas terreas n. 105 u- sr~
da Santa Rita e n. 27 da ra dos Burgos, eol'
andar da cas* n. 193, na ra Imperial : a tratar
na ra da Aurora n. 36.
Casa para alugar.
Aluga-ie ama excellentaeaia de aro andar, no
Monleiro : a tratar na ra da Cruz n 57.
engomma-se
qualquer quadade de roupa com pres>
teza e perfeiqao, a presteza tal, que
em 5 das a contar do da do recebi-
mentQ da mencionada roupa, ica
prompta e entregue ; os precos s5o os
seguintes:
lloupa de homem lavada e engom-
mada.
Como calcas, camisas, colletes
peca. ..........
Seroulas..........,
Lencas ou outra qualquer pec,a
pequea..........
Roupa de senhora.
Medante ajuste que todava nao sera'
exorbitante, os pretendentes pots po
dem dirigir-se a ra Formoza n. 17.
160
(JO
rs
rs.
40 rs.
%
EM CASA DE
Hyppolilo D umont.
i/Y. 9 Ra Nova N. 9]
Neste bem conhecido eslabelecimento '
musicai exista sempre um completo sor- 3
timeoto de instrumentos de msica dos i
melhores fabricantes da Europi. instru- ]
mentos completos a pistn ou sem elles, '
para msicas militares e de orchettras e '
outros rauitos instrumentos de dl'ersss '
qualicades e finalmente lodos os 03Jeclos I
pertenceotes a msica se vendem neite '
estabelecimento,
Msicas.
No mesmo estabelecimento existe um
grande e variado sortlmento de operas
completas para pimo a canto e piano a, ,
assim como phantasias, cavatinas, ariaa
a duelos extrahidos das m*lhores operas
para piano e canto e piano s, modinhas
brasileiras com acompanhamento de pia-
no, quadrilhai, valsas.polkas, schotttschs
para piano, msicas diversas para flauta,
cidsela, rabees, violo, melhoJcs para
todos oa instrumentos.
sems^ffundo
-?-
i
Alaga-se um mulato cozinheiro e urna es-
crava quitandeira, que lamDem cozioba e ensa
boa : na ra do Imperador, no sobrado n. 55,
terceiro andar.
exposicaodefazendas baratis-
simas na ra da Imperatriz
na loja e armazera da arara
numero 56, de Mag*lhes
Mendes.
Na ra do Queimado^ 55 loja da miudezas
da Jos daAzevedo Mala \Sllva, asli vendando
todsi as miudezas bsrati-sim*, a saber
Frascos grandes com auperior otrijja a
Carriteis de linha de cores com (BJr-
das a
Dito de retroz de cores, menos preto
C-izas comiscas para accender churutoi
Duzlas de meias cruas muito superior a
Novellos de llnha muito grandes e su-
perior a 40, 60 e
Ditos decores, a nielhor que ha a
l'hoaphoros em caitas de (ulna, s a cai-
ta val o dinheiro, a
Carldes de linha com 200 jardas, i me-
lhor que ha
Ditos, ditos brancos e de cores com 50
jardas a
Duzia de facas e garfas cabo preto, nts
Dita de ditis cabo branco a
Thesourac grandes de 6 polegadas a 40 a
Saceos pan escrotos com sinta de bor-
racha a
Tinteiros de vidro com superior tinta a
Ditos de narro coi: superior tinta a
Masaos com grsmpoa lisos e de caracol a
Dazia de olios, hurus de vella a
Pares de meias de cores para meninos a
Groza de pennas d'ac,o superior a
Areia preta para botar na escrita a libra
Colxetesemcarloes.com duss ordena o
qualro pares granles a
Baralhos de carias fraocezas a
Ditos portuguezes finos.
Th'sourae pequeas, porm de superior
qualidade a 200
Golxeles francezes em caixa a 40
Duzia de meias alvas, para homem a 1:-' "'
Dita de sabonetes linos a 60U
Saboofct?s grande e superior a 1X0
Tramoia do Torio muito superior a vara
120 a 160
Pares de hotes para punhosa 2f0
Alm destas miudezas tem muita mais que se faz
preciso vender e uo engeitar dinheiro, assim
como sejam : laberintos para todo o preco, areia
preta a 100 rs., porm quem quizer comprar em
arroba vende-se por 2g, baralissimo mesmo
para quem nao precisa.
REMEDIO INC0MPARAV1L
UNGENTO HOLLOWAT
Milliares de individuos da todas as cscot
pode testemun hus rirtudes desttremedi
mcompiravalaprovaramcaso nacssario,qua,
pero uso que dalle fizeram tem seucerpoe
embrostnteiramentesaosdepoisdahaTtrem-
regadoinutilmenta outrostratamentos. Cada
passoa poder-sa-haconvencar dessascur? mt>
ravnhosas palal eitura dos peridicos, qu. Ih'ai
rehtam lodos os das ha mullos annos: .
ma.or parta deltas sao lio sor prndenles qu
15t4dminm OS madieos ais celebras. Quintas
10 pa&easricobraran com ,st soberano remedio
o uso^a seus oracos a pern8> d 0> # rwmane^ldo longo lempo nos hoapitaes.o la
deviam soffHw a ampuia(ao 1 Dallas hi iwu-
casqua'iavenrrftdeixadoasses, isylos depide-
timanlos, pars\nao submatareK atntOM-
njo dolorosa fortM^curadas completente
mediante o uso desseprecioso recedio. Al-
gumas dastaas pessoana eniuso de seu raco-
nbecimento declararan astesr#S^liados benfi>
eos diante do lord corregedor eo^tros aaif.
irados,afimde maisiutenticaree suaVafirmtiy
Ninguem dasaspararia doestado desale s*
tivessebastante confians pan encinar eseXr
medio constantemanttseguindo ilgnm tempe
trataaanto que necesstasse a naturezi do mal,
cujo resultado seria provarincontastavelmente.
Que tudo cura.
500
60
240
40
80
60
20
8S500
3209
80
320
160
100
40
20
160
500
100
80
20
160
Ounguonto he all, mais partiea-
' nos seguintes casos.
Inflamaaco da be^ifa
da matrir
ViDde-ie muilo barato para liquidar, a ser:
corles de chila com 12 1|2 coaaoa por 2J500, di-
tos de cassns de coras a 2^500, ditos pretos a
2500, chitas escuras a 160, 180 e 200 rs. o co-
. vado, ditas fraocezas a 220, 240 e 280 o covado :
na ra da Imperatriz. loja da arara n. 56.
u oi&pros.
Compra -se urna escrava
eogommadeira e costureira a
na ra da Cadeia do R*cife n
que seja perfaita
de boa conducta :
35.
non,buco : uV"*e$& do ooo banco de Per
Olieira & Filho, l*forio de Manoel Igoacio de
---------r---------------------------^roo Santo n. 19.
Compram a doua eaeravn .;___:__x____
ta, sendo um perfeito nfBcial de carpim tro -jic-
tro de ferreiro: a tratar no grande armazem oe
terrjeos e miudezas na ra do Queimado n 49
Arara vende os chales.
Vendem-se chales de merino estampados a 88,
ditos da 15 e seda a 2J, ditos de la a I, ditos
abertos a 640, guurdanapos para mesa a 200 rs.
cada um ; na ra da Imperatriz, loja da arara
numero 56.
Arara vende as gollas.
Vndem-se gollinhas pera seuhr-" 500 rs.,
ditas cm bntaozinho a 6ii -'"s redondas de
traspasso a 1&, manguit- e |0lUa de linho para
enhorai a 2, lene "'jcos a imilaQo de la-
byrinlho a fWfi* $ ns rus da Imperatriz, lo-
-- ,r. 56.
Toa attenco.
Custodio Jos Alves Gaimarlea avisa ao rca-
peitavel publico, principalmente a todos os stus
freguezes e amigos, que se mudou da loja da
aguia de ouro da ra da Cabsg para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida e aniiga loja
de miudezas que foi do fallecido Joao Ceg, hoje
ser conhecida pelogallo vigilante,e pede zo
reapailavel publico aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimento,
onde ach rao um grande sortimenio de miudezaa,
que affianca servir bem e vender por menos d6z
ou viole por cento. do ana am outra qualquer
Compra-se urna prets mo^vquij sa'fra czi-
nhar e engommar com (BerfeicSo, e sem vicios
quem tiver neslas coodnces, dirjase a ra do
Queimado, loja n. 5;t, que agradando, nao se
deixar de fazer negocio.
Arara vende as capas.
". Vendem-se ricas capas para senhoras, de gros-
i>, LapI?. v'Te} t20 ?5- di,s de IWw de cores
ricos eortei de organdya
Comprase u
po Santo o. 19.
a nova liteira que seja bem
na pra;a da commercio Cor-
L
6?, ditas de la a
'ora duas saias e com 25 covados por 8S,' ditos
.soi com 15 covadoi a 7/. ditoa de la de deas
c*or com 12 covadoi a 8, ditos de gorgurao
! ioi818 corados a 6500 : na ra da Imperatriz
1 a arara n. 56.
*nda
Aitencao.
Veodie-se urna obra de panorama em 15voiu-
mes, /tssim como algumns obras jurdicas de
granide importancia : quem pretender annun^ie
V Arara vende os corpinhos.
e tfindem-se corpnhoi bordados psra meninos
daannas a Iftcada um, pegas de tiras bordadas
deargura de 4 e 5 dedos a 1J280 1600. pecas
ntremelos bordados a lj. 1g200. IjMOO e
wO ; na ra da Imperatriz, loja da arara nu-
-*ro 56.
8
Gabinete medico cirurgico.g
Ra das Flores n. 57.
Serodadz onssUai medlcas-cirurgi-
J- peloDr. Estevo Cavalcanti de Alba- n.
qaarqu, -.udindo aos cnuca(toa com i w*ior bre-
vidade possivel.
l-o Partoa.
2.' Molestias de pella.
3.* Id6ra do olhos. 8
4.* dem dosorgos genitaes. Praticartoda equalquer operac.o am #
seu gabinete ou em casa soi doentes con- j
) orm Ihes Cor mai conveniente. ^
^ssec-3 s9ee4is
Aliga se o primairo andar do sobrado n
na ra estreila do Rosario : a enteader-se na
sma ra casa n. 23, segundo andar.
Precisa-ae de
urna recemoascid
80, 2* andar.
lesbia a
a : ^trat
oa de leite para criar
ratar na ra da Aurora n.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinh&r, paga-se 30; oiensaes agradando : na ra
da Aurora n. 80, 2* andar.
Precisa-se alugar duas negras que saibam
vender na ra fructas e hortalice ; na ra da
Cruz n. 56.
lili
Laboratorio a vapor
bailar & Oliveira sacam sohre a prac,a do
Porto.
Offerece-se urna pesioa para cobrar divi-
das, tanto no interior da provincia como para fo
ra da mesma : as pestois que precisar dirjase a
pra;a da Independencia n. 6 e 8, em carta fecha-
da com as iniciaos A. S. F. J.
Aluga-se a sala com duas aicovis o ter-
ceiro andirda ra do Crespo o. 18. proprio para
dous mogos solleiros : a tratar na meama loja
que saiba fazer
pouca familia ;
Freciss-se d-c urna ama forra
lodo o servico de urna casa de
na ra do Queimado n 39.
DE
e engommsdo
de Ramos A Pi-
0 abaixo assignao, gereote e nico liqui-
dalario da lirma Rodrigues & Ribeiro, decidida-
mente autorisado pelo meretissimo tribunal do
commercio, convicia lodos os senhores que se
achata deveodo mesma firma a que venham
luanto antes realisar seus dbitos, pois contra os
qutforem remiesos ter o annunciante de proce-
der jclalmenle. Recite 1. de agosto de 1862.
^anoel Joaqun. Rodrigues de Souza.
Queijo bons a 1,000 r
Em porcao faz-se abalimento ; no arma
da estrella, laren do Parsizo n. 14.
Arara vende as colebas.
jndem-se ricas eoleb-s para cama avelluda-
rila de w i-jn.u uo .uics a uw v yvuuy,
na v chila a 2$, cobertores de algodo a
Uoi cabriolet,
Vende-se um bonito cabriolet de duas rodas,
piolado e enveroi$ado de novo, por preco coma
mooT : para ver, naofficina deGrogean, na ru-
da Florentina.
Vende-se um caixo grande para deposito
de bolacha e urna balance grande com seus pe-
sos; na ra do Rsneel n. 69. deposito.
Tagem
de roupa
mente!.
Emprcza importante, que val prestando rele-
ites tervigos seus freguezes pela promptidao
irfero com que lava a roupa sem a estragar
PRECES,
f-upa sortida (embora nao venham meias nem
'?] 43 rs. por pe?a.
^?s granles isoladsmente 100 rs.
Rout-j de navios, vapores e hospitaes 70 ra.
Dita -Cmilia que nao fregueza 80 n. _
Dita de 20 n.
Jrbt rede^, cortinado de cama oa veranda
G ra.
O preco doo egommadoi mdico e confor-
s a< peen, como coste mam fazer as engomma-
P'%o da entrega da roupa lavada
4luga-se
urna negra boa cosuQeira e propaia para todo o
aervico dei urna casa ; tt4tar na ra da Cruz
numero 57.
ras. v, Wi0 da eDlregl ,ja roupa
lias, e engoma,.,, 15 seodo q(1# muit Tezes
prcmpla antes di, ,PJ1I0> Deposito na ra
- Us abai o acsignados previnem a qucu. n-
r que ninguem faca contrato nem transaccao
urna com D. Mana Alexandrioa
Boga- se aos deveoores do lallecido
Joaquim Jos Ribeiro de Oliveira que
teve lojam ra Diteita n. 55, que ba-
ja m de vii pagar seus dbitos na mes-
ma-ioja ou a ra do Queimado n. 41 e
AS.^eyitando desta forma o receber se
judicialmente tpublicar-se seus nomet
porTste Tc?ftPa''___
U abaixo .l$s'gnado declara ao
publico que desd\jioje deixou de ser
caixeiro de sua ca commerciai o Sr.
Jeronymo Pinto dt Souza. Recie 2
de agosto de 1862.
Joao Pereia Moutinbo.
re a escrava muiata de nome Colecta ou ou-
s quaeaqucr bens p^rleocaotes ao casal do seu
ecido sogro Antonio Anees Jacome Pires, vis-
como os tiene do segundo consorcio eslo sub-
es ao pagamento das legitimas maternas dos
i.-;'os do pjimeiro casal, que nao as tendoi
.do por e nao ter feito o respectivo inven- |
., em lempo cpporluoo, devem agora ser del-1
iinteirados pelos bens que exislirem, e no lo-1
en ta ri i a que se est procedendo por fallec-
ment do mesmo aeu iog'0 pelo juizo de orphoa
desta cidade. Escrivo Facundo.Recife 4 de
agosto de 1862.
Manoel Luiz da Veiga.
Antonio Ignacio da Silva.
Precisa-se de urna amade meia idada para
Jacome Pires | servi^u do macan de pota familia ; na ra
Aiterico o Vigilante
Que acaba de receber os linios collares com
caracolsinhos de murfiro lnteiramente cousa nova,
propramenle para peseoco, que se vende Dlo
baralissimo preco de 1$000 a 3;00, nao haver
pessoa alguma que deixe de comprar cousa to
elegante; tanto pera senhoras como para crianga:
s_6 ao Galo Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Bolinhos fran-
cezes.
*Na na Jara de A. F. de S. R*iris, ra dos
Pires n. 42, vende se bolinhos francezes, ditos de
passas, bolachinhas de araruta, biscoito doce,
grosso e lino, (alias, pao commum, dito de pro-
venga, bolacha : tudo fabricado das melhores fa-
rinhas e trebalhado com perfei^o e limpeza e
tudo por prego eommodo.
da Carritos doCarmo n. 15.
Pretiia-se de um caixeir. porluguez,
qupno ; no paleo do Tergo n 21
pe-
O abaixo assignado pede por favor a quem
se constituir seu credor, que nenes oito diai lhe
tirern suas contal do que lha deve da aociedade
que teve com su sobrinho H. Pedro de Mello.
Recife 3 de agosto de 1862.
Antonio Joaquim de Mello.
Attenc
Ai pessosS que se julgarem credoraa da finada
darcelloa Rila Maria de Oliveira, queiram apre-
eatar suss contal devidamente legalisadai. na
ua da Croz do Recife n. 51, segundo andar, ifim
e leram attendidas em occasiao competente, isto
to praio da 3 das.
Cunalo Joi Affunso, lendo eelebrsr urna missa caoladi e emento,
pelo repouso d'lm de seu pres&o irmo
o Dr. Bernardo Jos ArToneo, falUido oa
provincia do Cear, convida aos set. a ni
gos e aos do finado seu irmo para cuipa-
recerem no convenio de S. Francitco, Sxia-
feira 8 Jlo corren te, pelas 9 horas da ia-
oha, e pelo que lhee ser eternamete
eruto.
Blll IIMiWlMIIIMHIl || Zj*
Ama de leite \
Aluga-se ama preta moca e limpa e com bom
leita para criar : quem pretender, dirija-se a ra
do Imperador n 83, segundo andar.
Jos Nuoea Guimares, aubJiio
retira-se para Maceio.
portuguez,
Agostinho Augusto de Mello subdito portu-
gus retira-ae par o Rio de Janeiro.
Aluga-se urna casa na Passagem da Magda-
leBa, junto a poste grande, com 2 salas, 6 quar-
los cozioha fon, loto, quintal murado, cacimba,
e ptimo baobo no fundo ; aa pessoas que pre-
tecterem, dirjate-se a ra Direita a, 3.
Novos pentinhos doura-
dos, e fivellas para
cintos.
A loja d'Aguia-branca acaba de receber novo
sortimento dos desejados pentinhos dourados, e
por iiso avisa a todas as senhoras que os haviam
encommendado, e mesmo as que de novo os
pretenderen] que elles sao poneos e como da
pri-meira vez em breve se acabaram ; assim como
quo recebeu igualmente urna outra pequea por
cao de fivellas de qualidade e gusto integramen-
te .novos e agradaveis, as quaes se vendem por
2?}000, e os pentinhos por 3JJ0OO o par.
Convero pois, que as senhoras se spressem em
mandar comprar esses objectos na tua predilecta
loja o'Aguia-branca ra do Queimado n. 16.
Venda
de um grande predio em
terreno proprio.
Vende-se o sitio denominado Cortume no fim
da ra de S. Miguel nos Allegados com as pro-
porcoes seguintes :
Com 300 bracios (de rio cima Ibara) e J20 de
largo, urna casa de um sodar nova, de morar,
coso duas grandea salas, seis quartos torrago do
lado, porta propria para entrar carros para a
loja, lendo nesta qualro quartos proprio para
eseravM, coebeira juoto a casa para cioco ca-
vallos, casa de banho com tanque e bomba com
um algrete, ao lado urna grande otaria eoberta
de telha sobre pilares de njollos com 400 pal-
mos de coreprimeoto e 60 de lareo lendo no
centro um grande foroo que Uva 16 mil tijollos
grossos com eoberta de Ierro as xlremidades,
tem ama casa sobre pilares de lijlos com am
forno para obra fina na outra estremidade ha tres
quartos para os trabalhadores que rende 108;0d0
\'or anno, lendo no mesmo sitio, barro para am-
os tornos, e parte da leoha cortada dos
ngues do mesmo sitio, ttm cinco carros de
albo, duas candas para conduzir lijlos, duas
\ peqnenai, tem um viveiro prompto e qua-
troViocipiados, tendo am todos peixe, 115 ps
de Vuiiros de fruclos doas pequeos princi-
pianta a botar, laraojai de umbigo e teleta,
fruciaVo, goiabeiras, jaqueiraa, mangai, tudo
novo \ncipiaodo a botar, caes para em-
barque V> qualquer mar ; recebe-ie em troca
Iguma cV terrea oa sobrado de um andar em
qualquer \ ras desta cidade,a tratar no mesmo
litio eu cava Nova n. 18.
Arara vende as cambraias.
endem-so pecas de cambraia lisa a lg600, 2$, I
)00, 3# e 35500, cassas adamascadas Dra cor- '
tinados com 20 varas a 9JJ, ditai de 10 varas a
J500 f> 33. cambraia de lalpicos com 81|2 varas '
por 395OO e 4?); na ra da Imperatriz, loja e ar-
mazem da arara.n. 56.
Arara vende a roupa feita.
Vendem-se palelots de panno preto a 65500,
8 e IOS, Moa de brim escuro a 3$ e 35500, calcas
de casemira oreta a 4^500 e 5g500, ditaa de co-
res 5J}500 e 6J, ditas de brim e fusilo a 2j}000 e
2JS500. camisas francezas a 1J600 e 2g. ditas del
peito de futlo a 2#50O, ceroulas de brim s 1{600 |
e2g; na ra da Imperatriz, loja da arara n 56.
Arara veorte as aberturas.
Vendem-se aberturas para camisas 1 UQ e 320,
leaos brancos com barra de cor a 80 rs., cortes
de calca decores a 1# e 18280 cada um, meias
cruas a 120 o par, ditss fioas a 2gS00 a duzia :
na raa da Imperatriz. loja da arara n. 56.
Arara vende o fil.
Vende-se flllavrado fino a 19200 a vara, dito
liso a 720 e 800 rs., dito de cores a 200 rs. o co-
vado. Itrlatana de cores a 800 rs. a vara ; na ra
da Imparalriz, loja da arara n. 56.
Ruado Imperador n. 15.
O proprietario deste estabelecimento que ly-
pographia e encadernaejo, identifica aos seus
freguezes que abre as 9 horas da manha e fecha
as 4 da tarde, at aonuncio : assim como que
contina Ur venda cartas de ABC, laboadu,
cfthecismos, econamia da vida humana, car'.-
Ihas, traslados, tanto avulsos "'mo em collec-
cues, Simo de Nantus, pau.' cartas de enter-
ro e para officios, compe^o doloroso, manual
ds micsa e da cor-ftr-'ao,augmentado com a nove-
na da ConceifJo, conforme usam os reverendos
carme-W-o, novena, oflicio, salve, e versos de N.
s. doCarmo, e lambem a exposico sobre o es-
copulario, o livro religioso, conteudo muitas e
diversas devogoes, apudautas, procuracea bas-
tantes e especises, caminho do co, rgistos de
muitas e ditTereotes iroagens, bilhetes diversos
para botica, e lambem em branco para nelteses-
crever se o que se quizer, riluaes de Paulo V,
manual da missa por Itoquet, diccionarios fran-
cezes e de Roquet, ditos de Fonseca, e outres
muitas cousas que p oecasio se mostrar.
Na ra da Imperalriz au-
0.
Vende se o seguate.
Bramante com 10 palmos de largura a 1500,
rifeadinhos escurosde cOr fixa a 160 rs., cassas
de cores a 280 e 320 rs., oleados para gefefji
mesas a 2$, indianas rr.uo linas a lg, 6hitaa a
160. 200, 240. 280 e 320 rs., cambraits de "l-
picos de cores e brancas a 400 rs.,.cobertores
brancos e escuros a 13J00, US600 e/$* pODoa
finos pretos 9 de cores a 28. 2QrJ e 3J, cam-
amas para cbi-tlUSt-l a P'^T la *
29. :. -lg e 59, tapetes muito lios a 69 e 7>,
chapeos de seda e de castor muilo finos e do ul-
timo gusto de Paris a S9 e 99, ditos do fellro fi-
no copa alta a 59, casemiras para forro de carros
a I96OO, corles de dita muito fina para calcas a
49, as de eolremtios a 19, e finalmente ma-
dap oes, algodoes, brins, bretanhas e outras
muL.as fazendas que o dono do estabeleciiusnto
est resolvdo a vender muito barato afim de
apurar dinheiro, danJo-so as competentes amos-
tras com penhor.
5S&a&!fc-^lfc>$ flHNH|U!
Alporcas
Caimbras
Callos.
A.nceres.
Cortaduras
Dores de cabeja
das costis.
dos metebros.
Enfcrmidades da c
em gtral.
Ditas de anus.
Erupcjoes escorbticas.
Fstulas no abrloraen.
Frialdade ou fajfj ue
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gingivas escaldadas.
InchaQes.
[inanimado da figado.
Vende-se
Lepn.
Males das pernts.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmdes.
Queimadelas,
Sarna.
Supura^oes ptrida.*-
|Tinh; ~^ qualquw
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares;
Veas torcidas ou
das as pamas.
no-
este ungento no estibclecimento
geral de Londres n. 244, Stiauj, e na leja
de todos os boticarios druguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
Imsrica do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada b'ocetinha
urna instruc^o em portuguez para
modo de fazr uso deste ungento.
O deposito geral i em casa do Sr. Soaia
harmaceutico, na ra de Cruz n. vS2,
parnambuco.
xplicsr c
ei
SISTEMA MEDICO HODfcLLOWAY
PILULASHOLLWOYA.
Este inestimavel esDecifico, composto inteira-
mente de hepras 'meicines/no contera mercu-
rio nem/lgumi oora subsiarria delecteria. vi
oignar "ais lenra infancia, e a coropleigso mis-
dalicaf desarj'f'g8' mal na compleigo mais robusiaa
'entjeyamente innocente em suas operacesa #:
bito>,JLhna remove as doauetiMa u:a-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com ests
remedio, muitas quo j estavam as ponas da
morte, preservando era seu uso conseguirarn
recobrar a saude e forcas, depois de haver tecla-
do intilmente todos os oulros remedios.
As mais afilelas nao devera entregar-sea des-
esperarlo; fagam um compleme ensaio das
Arara vende o babadin
Vende-se a fazenda por nome babadin eom
palmas de seda, prnpria para vestidos a 500 rs.
o covado, dito entestado a 610, laazlnhas para
vestidos a 320 o covado. ditas muito finas a 500
rs., ditos enfestados a 610 ; na ra da Impera-
triz. loja da arara n. 56.
Arara vende o riscado a Gari-
bsldi.
Vende-se riscado a Garibaldi para vestidos a
280 o covado, fustao de cores para vesdns a 280
e320 o covado, cassas francezas 6aas a 280 e 300
rs. o covado, oruandyi fino a 320 o covado ; na
ra da Imperatriz. loja da arara n 56.
Arara vende ospaninhos.
Vendem-se pecas de paninho com 12 ardas por
59, ditas de madapolSo eneslado a 3j00. da-
masco d 6 palmos de largura proprio para me-
sas a 1$(00 o covado : oa rus da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Arara veude ts saias.
Vnndem-se saias bordadas para senhoras a
29500, ditas de 4 panos a 39, cortes de cambraia
bord.dos brancos e de cores rom babados a
29500. lintoi para senhorai a 19280 para acabar:
na ra d Imperatriz, loja e armazem da arara
numero 56.
eficazes effeitos desla assombrosa medicina, o
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca teinpo em tomar este remedio
I tora qualquer das seguales enfermidades :
ciiegar ao novo
Vende-se urca casa lerrea na cidade de 0-
llada confronte a bica de S. Pedro n. 43, com
muitos bons commodos ; os pretendentes podem
dirigir se a ra di Senzala Velha n. 120, ou
ra ds Concordia, armazem de roadeiras de Rufi-
no Cousseiro, ou oa ra do Urna, em Sanio A-
maro, residencia do mesceo cima, das 6 s 8 ho-
ras da manhaa.
Vende se o engenho Braco, rnente, e car-
rete, nao s d'ague copeiro, 'como da aoimae?
sito na cidade da Victoria, tendo muilo boi Ier-
ras para qual jusr lavoura e malas perto ; quem
pretenda-lo, dirija-se ao mesmo engenho e tra-
tar com o aeu dono, ou na cidade da Victoria, na
ra do Meio, com o Sr. Joao Viente de Brto
Galvao. que lhe mostrar o ven Vende-se um sitio multo perto da Soledade
com immeoias fructeiras, de muito boa qualida-
de, e com grande cacimba nava, de agua de be-
ber, Um boa caa com 4 salas, 6 quartos
nha fora, qaarlo para feilor, e grande
comprar, dirijs.se a ra da Cadeia do Recife de-
Velase arroz.
V*ncjem-ie velas de espermacele a 640 a libra.
!m? i8 .C8k,C8 '? ,.iCC0' *"nd" 2*00 1
tu ,Vbe-r' d" lrave<8, d0 Ps,eo dTparalzo
n. 16, com oitao para a ra da Florentina.
COZl-
armazem
a^mszem g
DI
astos & Rego
Na ra Kova janto a Conceico g
dos Militares b. 47.
Om grnelo e variada lortlmento de %
25 roupai feitis, calcados e fazendas e todos 9
@ astea le vndete por pi.ec.os maito med- s
ficadoi como i seu costume, assim co- X
roo sejam lobrecaiacoi da tuperiore pin- 1
noi casacos eitoi pelos ltimos figuri- i
noi a 269, S&9, 309 e a359. palelots dos fc-
fmesmoi pannoi preto a 16|, 18|, 209 *.
a 249, ditoi de casemira de 6r rnosclsdo F^
* e de novoi padroei a 149,169, 189,209
Sea 249, ditoa de casemira de cor mes- fe
j.i ciado e de novos padres a 14$, 16, 18$, ||
* 209 e 24f, ditos saceos das mesmas ce- /'.
semlrai de coren 99, 109, 129 e a 14J, K
0 diloi pretos pelo diminuto prego da 89, H
U 109 e 129, ditos de sarja de seda a so- &
* brecasacados a 12jJ, ditos de merino de *
fe cordao a U9,ditos de merino chinez de 8
** apurado gosto a 15J, dilos da alpaca g
* preta a 7g, 89, 9 e 109, ditos saceos
3S pretos a 49, ditoi de palha d* seda fa-
zenda muilo superior a 49500, ditoi de
^ brim pardo e de fustao a 39500, 49 e a k
g| 49500, ditos de fustao brinco a 49, gran- i
5 de qsanlidada de caicas de ciemira pre-
rS ta e de com a 79, 89,9jJ e a 10$, ditas
6 par Jas Ojta 49. ditas de brim de co- S
B re finss a 2J500, 39, 39500 e a 4f, ditas
H de brim brancos finas 4|500, 59, M500 *
g e a 69, ditai de brim lona a 5 e a 69,
g colletes de gorgurao preto e de cores a
g 59 e a 69. ditos de c&semira de cor e pre-
ts tos a 49500 e a 5$, ditos de fustao branco
e de bnia a 39 e a 39500, ditos de brim
1 looa a 49, ditos de merino pars luto a 4.9
E a 49500, calca de merino para lulo a
{9500 e 1 59, capas de borracha a 990OO.
-. Para meninos de tolos os lmannos : ral-
i5 c< de casemira preta de cor a 5ft, 69 e
7$. ditas ditas de brim a 2g, 3$ e t 3c500,
l-, palelots saceos de casemira preta a 69 e
79 ditos de cor a 69 a 79, di-
I toi de alpaca a 39, lobrecasacos de pan-
no prelo a 129 e a 14, ditos de alpaca
preti 59, booili para menino de todas
Sai qualidades, camisas para meninos de
toloa 01 tamsnhos, malos ricos ve tidoi
I de cmbrala feitoi pan meninas de 5 t
* 8 annos com cinco babadoi liso! 1 8$ e
a 129, ditoi de gorgurao de cor e de la
F a 59 e a 69, ditos de brim a 39, ditos de
i csmbraii ricamenteborbidoi para bapli-
{* sados e mullasoulraa fazeodas e roupai
feitai que deixam de 1er mencionada!
I pela sa grande quintidade; assim como
I reebi-ie toda e qualquer encommendt
de roepis para te mandar manufacturar
f e que para este fim temos am completo
i sorlimento di fazendsi de gosto umi 1
g grande oEncins de alfaiate dirigida por um ]
? hbil meilre que pela aua promptidao e <
perfuico nada deixa a deiejar.
es-
ccidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areia? ( mal de).
Asihma.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou extena-
gao.
Debilidade ou filia de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventra.
Enfermidade no ventre.
Dilas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueta.
Herysipeli.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Vendem-se estas pilulas no estabelecimontc
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sal, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna deltas cont6m urna instruegao era portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
Febrelo da especie.
Gotia.
Hemorrhoidas,
Hydropesia,
Ictericia.
Indigestes.
Inflamniacoos.
Irregularidades da
meiistruari'.
Lombrigas de toda
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
AbstrucQo do venir?.
Phtysica ou consump-
c,o pulmonar.
Reterujo de ourica.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (malj
lulas.
O deposito gaa
I e em
casa do Sr. Soum \
pharmaceutico. na ra da Cruz n. 22 em Par-
nambuco.

Vende-se urna
Ponas, propria pira
mesma ra n. 69,
taberna na ra dai Cinco
principiante ; a tralsr es
Rosas ariileiaes para cabello:
A.L. B. F. tendo recebido um variado sor'.l-
roenlo de bonitai roas que se esto usando vara
eabellos, e de pannos com folhs de velludo, diac
de papel todas, as mais ricas que ee pode encon-
trar veode-aa na ra do Queimado 11. 63,
do beija flor.
.ijs
Presid atienes* ao ng-
laiite, que est queimando,
como seja;
Relroz
Lindas caizinhas com 24 cerreteis de superior
relroz, e sortido de todas as cores, pelo baratin-
simo prego de JJ100 a caixinha que sibe a 100
n. o carretel, nao liarer pessoa alguma que ven-
do sua qualidade deize de comprar : s 00 gallo
sigilante, ra do Creipa o. 7.
Linha para bordar.
Tambera chegadi a este mesmo eslabeleei-
mento a verdadeira linha fila para bordar cu
encher labyriaibo, que se vende pelo baralissimo
preco de 600 rs. o massinho ; s no gallo vig-
lante, ra do Crspo n. 7.
Bandoes.
Tambem chegzdo grande sorlimento de ban-
does para cabello, que se vende pelo baralissimo
preco de 500 rs. o par ; s no gallo vigilante,
ua do Crespo n. 7,


MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
-
. MUTILADO
1


V

DIARIO BI FERHAltBtKX) QUINTA FEIRA 7 DR AGOSTO OK 1861
X
7.
Ricos basquines.
kloja da boa ( reeebeu superiores basquinei
da muito fina cambraia a imitago da de lioho,
bordados e eafeitados com aparado gosto e o
reode palo barato preco da 89 cada um, tendo
atdo sempre aeu caito 169 209, aprsssem-se
poia em compra-loa Da manciooada loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Vende-se o segainte a aaaer: am eeixao
d 9 palnoa de comprido a 8 de altara com 4
gavetas puchadorea de metale cada gacela com
2 repartimentos entidragados, obra bem feita e
aegyra, moito proprio para depoiilo do padarie a
meamo de urna taberna, onde pode ter amostra
iodos os gneros que devem estar livrt da ra-
tos, baralaae poeira, mala 12 taboas de 12 a 14
palmo da comprido e mais de palmo de largo,
maia 5 barris de 5* queforam do sinti aeodo 2
arqueados de (erro : na ra do Liviamento loj
0.8.
NO
Torrador.
23Largo do Terfo%3
Manteiga ingiera flor i 800 a 960 rs. a libra,
dita franceza a 640 rs., banhadeporco a 400 ra.
a libra, mateas maito finas para aopa a 400 ra. a
libra, queijos do reino a 29,ditoa do serlao a 560
ra.a libra,terraja daa melhores marcas a 500 ra. a
garrafa, sardinbas de Nantes a 400 rs., toucinho
a 3-20 rs., bolachinha ingleza a 320 rs. a libra,
aisira como se venda outros muitos gneros ba-
raliisimos, passas a 400 rs. a libra, sao maito
novas, e se alguetn davidar veoha ver no Tarrs-
dor'largo do Terco n. 23.
Acha-ee venda no escriplorio do Antoni
Luizde Oliveira Aievedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra tacripta pelo viaconde de Uruguay,Eosaio
Sobre o Direito Administrativo ; daixamoa de te-
cer elogios a esta obra, basta o nomo de seu au-
tor para a tornar recommeodada, daos volumes
em brochara 100, encadernado 18$.
Vende-ae um casal na ra do Imperador n. 27.
Assenhoras iloristas.
Na ra Formosa casa n. 29, ha para
vender papel para fazer llores, folhas de
roseira soltas e atadas em palmas, sorti-
das em tamaito e as melhores que res-
te genero se tem visto, ditas em velludo
verde perfectamente assombradas, bor-
rachas e pincas para frisar as flores, flo-
res cortadas em suas caixinhas, carre-
teis de rame coberto para talos de flo-
res, clices para cravos e rosas, arraig-
ues ou apndices para as mesmas, e ou
tros objectos que sao mister ao traba-
llio de tal arte, oque tudo se vende por
prec.o cornmodo.
Vndese por 80$ um piano deja-
caranda', maneiro e em bom estado,
proprio para quem quizer aprender :
na travessa do pateo do Hospital do Pa-
raizo, sobrado n. 16 defronte do n. 30.
Enfeites para senhora.
Oa malhoraa enfeites pretos a de cores que ap-
parece a 59500, 68 e 6g500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerein
no braco.
Muito lindas caixinhas e cabazas para meninas,
de WO ria at 2^500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Luyas de JtftWI n.
Vende-se luvas da pellica da Jouvio brancas,
para senhora, ltimamente ebegadaa : na loja do
boija flor, rea do Queimado n. 63.__________^^
Luvas de seda.
Vende-se luvas da seda enfeltadea a 15600,
9000 0 29200, dilaa no de Escoasia brancas a rs.
700. ditas da corea 800 rete, ditaa da algodao a
280 ria ; na loja do Beija flor, ra do Queimado
numero 63. ^^^^^^^^
Escovas.
Vende-se escovaa para deotes finas da diversas
qaalidades a 120,160. 320. 400 e 500 ris : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.______
Jogo (le domin.
Venda-se jogo de domin finos a lfl200 : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63._____
Botes parapunho.
Vende-se botes de puoho finos de diversas
qaalidades a 200 rcis o par. que tambem servem
para manguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Occulos.
Venda-aa occulos finos de armagao de ago, a
29, 1$, 640 a 400 ris : loja do beija flor, ra do
Queimado o. 63.
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditos de fita
com fivella dourada a 19500 : loja do beija fior,
ra do Qaeimado n. 63.
Enfeites para cabeca.
Vende-se requasimos enfeites para cabeca com
franja, e sem ella pelo baratissimo prego de 51
a 5$000, ditos de vidrilbos a 19600 ; na loja do
beija flor, ra de Queimado n. 63.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para guardar dinbeiro
daouro a prata a 29000. 20500, 19000, 1(280 a
1$500 na loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
fticos casquines
A loja da boa f reeebeu superiores bisquines
de muito floa cambraia a imitago da de linho,
bordadoa a eofeitados com apurado gosto e os
vende pelo barato prego de 8$ cada um, tendo
sido sempre seu casto de 16$ e 209, apressem-ae
poia em compra-loa na mencionada loja da boa
f, na raa do Qaeimado o. 22.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
mos de largura a 1J600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para colxas e para
ornamentos te igreja.
Vande-ae muito superior damasco da l de
urna cor, muito proprio para colzaa e para
ornamentos, com 6 palmos oe largara pelo ba-
rato prego de 2$800 rs. o covado : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadera pecbincha.
Vendem-se cortes de superior gorguro de se-
da piracolletea pelo baratissimo prego de 19,
2$ e 39 o corle : na ra do Queimado n. 22, na
bem coohecida loja da boa f.
Franjas pretas com y-
driho e sem elle.
Ricos sortimeutos de franjes pretas e de cores
com vidrilhoe sem elle : na loja da Vicloria, na
ra do Queimado n. 75.
ifara os tabs quistas,
Lengo muito fino a imitago dos de linho de
maito bonitos padres o de cores fixas muito
proprioa para as pessoasque tomam tabaco, pelo
barato prego de 49800 e 5#500 a dazia : na raa
doOueimodo n. 22, na bem coohecida loja da
boa f. J
Bramante de linho.
Vende-se ruito superior bramante de linho
com duaa varas de largura proprio para lenges,
pelo barato prego de 29400 rs. a vara: na bem
(orinecida loja d~a boa f, na ra do Queimado
0. 22
inhasde peso verda-
deras..
Linhaa finta de peso verdadeiras, meadaa
grande a 240 ris : na loja da Vicloria, na raa
(lo Quairnado o. 75.
Phosphoros de seguran^
Phosphoroa de seguranga, por que livra de in-
cendio, a 160 ria a caia : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Btelas muito grandes a boas a 160 ris urna
na loja da Vicloria, na ra do Queimado n. 75.
Potassa da teia.
Vgfra^seemcasa deN. O Bieber &
C, successores. ra da Cruz n. 4.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa chegada lti-
mamente, por pregos muito mais commodos do
que em outra qualquer parte : no amigo a acre-
ditado deposito da ra do Brum n.66.
Linha de croxe! para la-
byrintho
As nfelhores linhas de croxel para labyrintbo,
novcllos moDSiros a 320 ris um : na lo|a da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras*
Lindos tintos dourados para senhoraa a 29200,
ditos de pona cahida a 49. ditos de fita a lcGOO:
na loja da Vicloria, na tua do Queimado n. 75.
Ricos (uspelliaOS de
moldura dourada pars
salas
Chsgou para a loja da Vicloria urna pequea
porcao de ricos espelhoa de varios lmannos para
ornamentos de salas, affiangando-se aerem oa
melhores am vidros que tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordar,
Laa maito boa do todaa aa edrea para bordar, a
79 a libra : na loj da Victoria, na ra do Quei-
mado n. 75.___________
Linhas do gaz.
Caixinhas com 50 novellos de linhaa muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caixa, ditaa com 30 no-
Tallos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandea
a 700 ria, brancas e pretas: na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vapor a sua encommeuda dos seguintes ob-
jectos para baptisados, sendo lindas touqaioha*
de selim mui bem enfeitadas, e cada ama em
sua caixinha, sapalinhoa de selim branco, e de
cores ricamente bordados, e meias de seda, o
melhor e mais bonito posaivel. Agora, pois, os
pais qua nao quizerem eaperar pela generosida-
de daa ssnhoras comadres, dirigirem-se logo
munidos de dinheiro loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16, onde bem podero comprar
esses galantea objectos.
Frulas falcas
ou aljfar de fina qulidade.
A loja da aguia branca acaba de receber um
novo sortimento de superior aljfar branco ou
perolaa falcas o qaal por aua perfeigo difficil-
mente ae distingue das perolaa verdadeiras e aer-
vem elles por sua extraordinaria grandaza para
asgargantilhas que presentemente esto em mo-
da e raeamo para outros enfeitea e como sempre
veudem-se commodamente a 19, IgzOO e lg500
o fio: isso na ra do Queimado loja da aguu
Dranca n. 16.
Para liquidaco troca-se
por preco barato um sanc-
tuario com as respectivas
imagens e mais as seguintes:
de Saat'Aiin^, S. Joaquim, S
Jos, S. Antonio, e do Menino
Jess; na ra do Vigario n
9, primeiroandar.
arcaca.
Arara vende os palitos.
Vendem-ae masaos de palitos finos com 20
maiBinhos, por 200 ri.; na ra da Imperatriz,
oja da arara n. 56.
Para doces seceos,
Veodsm-ae mallo booilaa caixinhas redondaa
de madeira, de diveraos tamaohos, forradas de'
papeia de cores, muito lindas, propriaa nica-
mente para docea seceos de qaalquer qualidade,
pelo barato prego de 4, 5 e 69 a duzia : na ru
lo Qaeimado, na bem conhecida loja da miude-
xas da boa fama o. 35.
Para S. Joo e S. Pedro.
Vdddem-se caixinhas com grande porgo de
amendoaa coafaitadas, o alguos confeitos pro-
Eros para o festejo de S. Joo e S. Pedro, palo
arato prego de 800 rs. cada ama : na ra do
Queimado, na bem eonbieida loiej de miudezas
(Ja boa lama o, 35.
Vende-se na roa Direita n. 95 urna barcaga com
todos seu pertences a navegar para qaalquer par-
te, e muito baratt, 6 da 12 calxas para mais : os
pretenrientea podem dirigir-se a Joio Baplista da
Rocha que Ihe informar meihor.
Vende se urna casa terrea na freguezia doa
Afogadua, com alguos commodos, concertada.ha
pouco ; quem a quixer dirija se a ra Bella n.
34, a tratar com o abaixo assignado
Jos Flix doa Santos;
Fazendas pretas
superiores.
Groad ana pie preto maito superior palo dlmi-
Bato preco da 59 o aovado, panno prelo multo li-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9f o covado, casemira preti
muito fina a 2g, ttfOO, 3, 39500 a 49 o corada,
mantea pretaa do blondo mallo aupertores a 129,
manteletea da superiores grosdenaplea pretos ri-
camente bordadoa a 359, sobracaaacaa do pannt
preto maito fino a 309, casacaa tambem de panna
preto muito fino a 309, paletots do panno pretc
fino a 18 e 209, ditoa do casemira de cor mes-
dada a 189, superiores gravatinhaa eatreitaa i
19, ditas da satim maco o de gorguro muito aa
periorea para daaa voltas a 29, ditas estreitiuhai
com lindos allineles a 39, superior gorguro pre-
to para colletea a 49 o corte, ricos enfeites pretot
a 69, e assim outras maltas fazendas qae aendo 1
dinheiro i vista, reodem-sa por pregos maito ba-
ratoa : na ra do Queimado n. 22. na bem conhe-
eidaloja da boa f.
Vende-se queijo do serlao de maito boa
qualidade : na ra do Qaeimado o. 13.
# Vendem-se caixes va-
sios, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1#280 cadaum
nesta typographia se dir.
Chapeos de sol
com bouquet para senhora.
Entre os muitos e diversos objectos de gosto e
phaotasia que a loja da aguia branca ha recebido
sobresaliera esses delicados e novissimos cha-
peos de sol eqm bouqaels. Hoje que os indis-
pensaveis baldes nao permiltem que as senhoras
aodem de brago, faz-so de certo necessario que
cada urna lenha o seu chapeo de sol, e que este
corresponda ao valor, e bom gosto de um rico
vestido de seda. E' por isao que dita loja aca-
ba de receber como por amostra urna pequea
quantidade desses bellos chapeos de sol ornados
de finas flores o que entre nos novissimo. Na
verdade elles ae lornam igradaveis aos olhos de
todoz, e a senhora que oa comprar pode orgu-
Ibar-ae de seu bom gosto, ao contemplar qu
trazendo-o fechado figura-ae-lhe um lindo bou-
quet, e aberto representa-se abrigada em urna
cerregada roseira, ernfim at ande pode che-
gar a perfeigo meimo o cume ao bom gosto.
S pena que viessem lao poucos que telvez
nao cheguem para a vigsima parle das preten-
derles. Custa cada um 209 porem a senhora
que os vir nao exilar de os dar anda meamo
que aeja preciso bulir n'aquellas moedas de pra-
ta que tem guardadas em sua bolaiaha reservada.
Assim poia mandem quanto antes compra-loa na
raa do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Camisas bordadas e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-se am bailo sor-
timento dei bonitas camiainbas de fina cambraia
com babadinhos e mui bonitos bordados de no-
vse delicados deseDhos, as quaes servem mui
bem para os modernos vestidos de frente aberta
e vendem-se pelo diminuto prego de 39 cada
ama ; assim como bonitos manguitos a balo com
gollinhas de superior cambraia e fil e todos bor-
dados, com puohos virados e cada prpela ba-
raliaaimo prego de 2$, o qae admiravel avista
da superioridade da obra, e bem tssim punhos e
gollinhas tambem bordados com bonitos botes
a 29agBarnigao, e gollinhas soltas igualmente
bem bordadas a 19 cada urna e manguitos a 800
rs. o par. A vista pois de um to completo aor-
timento nenhuma senhora deixiri de comprar
esses necessarios objectos tanto mais quanto a
commodidade dos pregos convida e para que to-
doa aajam bem servidos convem que mandem
logo comprar na loja da aguia branca ra do
Queimado ?. 16.
A oja da aguia
branca ra do Queimado n. 16
Acaba de receber os precisos objeclos seguin-
tes :
Aspas de baleia grandes e'peqianae.
FU* com colxelsj branca, parda e prata.
Dita de laa para debruar vestidos de cores.
Trancinba de caracol miado conhecida por bom
tom.
Alfinetes pretos e brancos em caixinhas.
Agolhas imperiaes fundo dourado.
Ditas victoria em caixinhas e papis.
Retroz prelo fino em carreteis grandes:
Rap de Lisboa
em frascos,
Vende-se o superior rap prioceza Brasil che-
gado pelo ultimo vapor inglezoOneida ; na loja
de Marcelino & C, ra do Crespo n. 5.
Predio venda.
Vende-se um sobrado na ra do Amorim, com
tres andares e soto, chaos proprioa, com duaa
lojas por ser bstanle largo ; trata-se na ra do
Vigario o. 19, primeiro andar.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca,
raa do Queimado n. 16.
&GEN*.l\
DA
Fundido iow-Noor,
Ba la Senzalla Nova n,42.
Nesta estabelesimento continua a haverum
completo sortimento de moendas a meias moen-
das para engenho, machinas da vapor e laixas
de farro batido a coado de todos os tamanho
para dito,
Booecas francezas.
Vecde-sa nonecas francesas ricamente vestidas
49000 e 59000, e SfOOO bonecas de cera com os
olbes rr ovadgos a S5OOO e 39000, na ra do Qaei-
mado loja de miudaiaa da Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-ae fivalaa do ac para ainto a 19500 rs. a
29OOO na ra do Qaeimado loja do miadezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-ae baleias 120 rs. cada ama aapa de ac
para balo a 160 ra. a vara, bandea a 19500 rs. e
29OO o par, na ra do Qaeimado loja da miodezaa
da Boa fama, n. 35.
Gascarilhas de seda.
Vende-se caacarrilhas de seda para anfeitar
vestidos a 29000 a pega na ra do Queimado
leja de raladezas, n. 39.
Meias de borracha.
Vande-se meias de borracha para quem padece
da erysipela a 159000 o par, meias de seda preta
para seohora a 1(000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, a. 35.
A 2#500, s o pavo.
Vendem-ae cortes de cambraia branca com 2 a
3 babados a 29500, ditos de tarlalana brancos a
da corea, com barraa a babados a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo da
Gama & Silva.
Perfumarlas muito finas e
baratas.
Opiata ingleza a 19500 rs. dita franceza a 500
rs., 640, I9OOO, oleo da sociedad hygieoique
verdadeiro a 190OO o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa denles a 19000, dita de Botot tambem
para os dentes a 1(000 o frasco, pomada franca-
Rival sem
igual
RA LARGA DO ROSARIO N. 36
Primeira loja junto da botica.
rs.
Flores artificiad maito bonitas a 19.
Teaearas para costura com loquu finas a 400
Boles de linho para casaveque a 20 rs.
Ditos de seda para ditos a 30, 40 50 rs.
ritas de clchete para vestido, vara a 320 rs.
Masainhos de cootas miudas a 120 e 200 rs.
Sintos dourados a I96OO.
Enfeitea pretos com franjas a 49800.
Meias brancas para aenhora a 2J400 a dazia.
Botes para puoho a 120 e 160 ra.
Escovas para limpar anhaa a 320 e 500 rs.
Ditas para cabello a lf.
Ditas para roupa a 500, 800 e 19.
Linhas de croxel para bordar a 60 rs. a miada.
Clcheles francezes era carto a 40 rs.
Carreteis de linha a 40, 60 o 80 rs.
Novellos da linha do gaz a 30 rs.
Papel tarjado para luto a I928O a caixs.
Dito branco e de coras a 19 a caixa.
La para bordar sorlida a 69400 a libra.
Franja preta de seda com vidrilho.
Luvas de seda com toque a 200 rs.
Occulos aro d'ago muito bons a 1$.
Ditos de metal a 500 rs.
Fraojaa brancaa de linho a 80, 120 e 160 rs. a
vara.
Agulhas francezas em caixinha a 220 rs.
1 Tinteiros com tinta lampa de metal a 180 rs.
Caivetes moito fios para peanas a 600 rs.
Carreteis de retroz de cores a 280 rs.
Pinceia para fazer barba a 400 e 600 rs.
Peales de aliaar de borracha a 560 ra.
Caixas dejogos de vispora a 800 rs.
Ditas de jogos de xadrez a 1)600.
xa em poa a 500 rs. e 19000, 320 rs. sabonetes
maito tino a 640 rs., 800 rs. e 19000 cada um na
raa do Queimado loja de miudezaa da Boa fama,
n. 35.
Sebo do Porto
em caixas de urna arroba; na
ra do Vigario n. 9, primeiro
andar.
Grampos a balo
com pendentes dourados.
A loja d'aguia branca contina na recepgo de
objectos do ultimo gosto, e por isso acaba de des-
pachar vindo pelo ultimo vapor esees delicados
o novissimos grampos de bonitas corea com pen-
dentes dourados o que de mais delicado sr ida
encontrar. Essa loja como geralmente s^jido,
tem sempre em vistas a commodidade de suaa
boas freguezias e por isso tem resolvido vender
esses galantes enfeites a 29 e 39 o par, o que na
realidade maito mais valem. Convm pois que
a vista da limilago do prego a senhora que com-
prar um ou mais pares, nao se demore em par-
ticipar as auas boaa vizinhas e intimas amigas de
collegio, para que as-emittem no sea apurado
goslo, e mandem logo comprar outros pares na
loja de sua affeigo : que a d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Na ollicina de carapioa de Carlos Uesse na
raa dos Pires n. 28, ha para vender um ptimo
carro de 4 rodaa ha pouco tempo acabado, asaim
como um cabriolet de 2 rodaa igualmente bem
feito ; qijLSJn oa pretender, pode dirigir-ae a dita
officina, qae achara com quem tratar
Meias para homem cruas a 29400 a duzia.
Caixas de metal com penoas d'ago a 100 e 200 rs.
Ditas com urna groza de ditas a 400 rs.
Um sortimento completo de rap Paulo Cor-
deiro a 19500. gaste grosso a ljOO, dito meio
grosso a 1S600, dilo fino a f80, Lisboa a 29700.
rolo francez a 29900, Meuron a 19040.
Asaim como cesta estabelecimento se eoconlra
um sortimento perfeito de miudezas.
MMA
das seiSiportas em trente do
Livrafmento. 15,20,30 e 40
arcos.
Grande soriaienCu de sais* balas de arcos,
os melhores que aqai tem apparecido no merca-
do a 49500, 59, 6S e 69500 cada um, d-sa para
amosiraVom penhor ; a loja est aberta at as y
bor.it da c\le: ____________________
Superior brim branco de
linho
Vende-se superior brim branco de linho tran-
cado pelo baratissimo prego de 19200, 19440 e
19600 a vara, dito muito encorpado de dona Dos
e de linho puro a 23 a vara : na ra do Queima-
do n. 22, na bem conhecida loja da boa f. .
A 2,400 rs. a auzia.
Lengos brancos finos para algibeira pelo dimi-
nuto prego.de29400 rs. a dasia : na bem conhe-
cida loja da boa f, na ra do Quairnado n. 22
Cambraias de cores
Vendem-se cambraias francezas de cores fa-
zenda muito fina pelo baratissimo prego de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Cal e potassa
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem.conhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadeia
do Re c i fe n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
Cera esebo.
Vende-se cera da carnauba e aebo em vel:s e
em pao, em caixoles de urna arroba, e em barri-
cas, do Rio Grande, por menos prego do que em
qaalquer outra parle, albos a 50 rs. a maunga, e
caf do Rio : na ra da Cruz n. 33.
Boa compra.
Vende-se o excellente engenbo S. Joaquim,
sito na freguezia da Varzea, urna legos por bom
camioho, moente e correle 'agua por dous
agudes, terrenoa e malas sem iguaes, pode ia
frejar at 2.000 pea. Troca-se tambem por pre-
dioa o meamo aogenho, porm s nesta praga ;
quem ae quizer enriquecer em pouco lempo, di-
rija-se a negocia-lo na ra da Praia n. 53, ter-
ceiro andar.
Vendem-se duaa caixes de louro muilo
bons par venda, e por barato preco ; a tratar na
i ra da Imperatriz n 49.
la do Crespo b 7, no
gallo vigilante,
Naata nova loja ha grande porgo de caixinhas
com amendoas proprias para brinquedo de S.
rJoo qae aa vende palo barato prego de 800 rs.
cada urna quem deixar da der a urna menina
urna caixinha ; tambem tem grande porgo da
caixa.propina para doces secos que vende con-
forme seus lmannos a 69. 59 e a 49 a duzia
amendoaa avulsas a 800 a 640 la. a libra : s no
vigilante ra do Crespo n. 7i
Para luto.
Pumos de seda elsticos para chapeos largos e
estreitos a 19500 : na rea do Qaeimado n. 22,
na loja da boa f. _____________
Lazinhas muito finas
para vestidos.
Superiores lazinhas para vestidos de muito
bonitos padres que se vendem pelo baratissimo
prego de 440 ra. o covado : na ra do Queima-
do n. 22, no loja da boa f.
Queijo do serto
Queijo de manteiga a 500 ra. a libra, a de coa-
lha a 400 rs., manteiga ingleza flor a 800 rs ,
franceza a 640, banha refioada a 440, em barril a
400 ra., gomma de araruta a 100 rs., em arroba
a 29800 : na ra das Cruzes n. 24, esquina da
travessa do Ouvidor.
Na taberna da ra da Aurora n. 48, vende-
se urna bomba para cacimba muito em conta,
asaim como urna taboa para fazer velas; na mes-
la compra-sa peonaa de emma.
Isperniica
Loja de miudezas ra do Quei-
mado numero 33 A,
Costureiros.
Agulhas Victoria papel a 120 rs.
Linhas de200 jardas de lodos os nmeros a80ri.
Cascarrllha a pega 29.
Ditaa muito boa vara a 400 rs.
Traoga de linho para todo prego.
Franja de seda, de liaho, de algodao muito ba-
rato.
Relroz, linha de novelo ele.
Meias.
Um complefo sortimento sendo de cores para
meninos a 240 rs.
Ditas brancas a 200 rs.
Ditas para senhora a 240, 300 e 400 rs.
Ditas para homem a 59 e 6g.
Ditas pretas para senhora a 400 e 860 rs.
Gravatas
com bolo a i;.
De corea muilo boaa para homem a 19.
Para meninos estreitinhas a 800 ra.
Pulceiras
de contas miadinha a 19.
De cabello a 49.
De phantaaiade dito etc. a 500 rs.
Botues.
Para casica e perilga a groza 320 rs.
Para camisa nos groza 19400.
Grrsde para roupao groza I96UO.
Pequeninos para crianga I940O.
Alamares.
Para capote a dazia por 800 rs.
Colxetes.
De fio batido especial duzia 720 rs.
De carto 14 pares a duzia 500 rs.
Em caixa pretos a duzia 800 rs.
Brincos.
A balo brincos, encarnados, azues e dourados o
par por 19.
Rozetinhas com podras que parece diamante o
par 19.
Penas e caetas.
De todas as qualidades especialmente de caligra-
phia e de langa.
Canetaa para aprender escrever pelo svslema de
Sculy urna per 500 rs.
Papel.
Almago pautado 500 folhas 63.
Dito dilo 420 ditas 40500.
Dilo dito 420 ditaa 4#.
Dito liso 39200.
Dito de peso azul e branco 4$500.
Dito azul lito 29500.
Dito pequeo tarjado 19500.
Dito pequeo de cores 1J200 e 19500.
Dito tarjado de preto 19500.
Envelopea canto 18.
Obreias de colas 100,120 e 300 rs.
Pentes de tartaruga.
A imperatriz 89 e 109 o que se vendau por 16$
e 209OOO.
Direito para atar cabello a -19.
A imitago por 19.
De arripia para meninos a 800 e 1.
Tartaruga para alizar 3g.
De bfalo para suiga e cabello 400 rs.
Pentes de borracha pequeos para trazer por ca-
sa muito bons a 320 rs.
E inflnilsde de artigns novamente chegados S
loja Esperanga ra do Queimado n. 33 A.
Attenijo. .
Vende-se por mdico prego um excellente ea-
btiolat; a ver e tratar, na ra do Arago n. 37.
Venderse urna mobilta do aawareliu com
pouco uso : a tratar no pateo de S. Pedro n. 1.
Sebo do Cear.
Proprio para fabrica de valsa ou de sabo :
vende-se em banicia a preco commodo ; na raa
do Vigano n. 9. primeiro andar.________________
Queijos do serto.
_ vendem-se frescaea queijos do serlao em por-
go -t prego commodo : na rna do Queimada
n. 14, Ir j- 'e ferragena.
Candieiros do gaz.
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros do gaz, que tem vindo ao mareada
P.Pregos commodos : os ra do Queimado
D. J1.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se em casa da S. P. Jonbston di C.,
sellins a silhoes inglazos, cendieiros e castieaes
bronzeados, lonas inglesas, fio de vela, chceles
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, a relogios de onro patenta
inglex.
Bordados baratos.
Vendem se gollinhas de cambraia e de fil bor-
dadas a 500 rs., manguitos a 19 o par, maogeitos
com golla bordada de cambraia a 1J600, e tiras
bordadas e enlrerteios ; na ra da Imperalriz n.
60. loj* do pavo.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n 16.
Pos de arroz com boneca em bonitos vasos dou-
rados.
Ditos dito sem boneca em pacotes.
Agua balsmica para coniervajo dos denles e
bom hlito da bocea.
Opiata ingleza para alvejar os dentes.
Leile virginal cuja utilidade recouhecida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para quem soffre de tonticis
e dor de cabega.
Paatilhas de cheiro para at perfumar aposentos.
Cocheira a venda.
Vende-se a cocheira da ra do Imperador n.
25, com 2 carros, 1 cabriolet e 10 cavallos, tam-
bem se faz negocio somente com as bemfeitorias
a dinheiro ou a prazo : a tratar na raa do Crespo
n.14._______________________________________
Vende-se urna escrava.
Vende-se urna mulata de 16 annos, poaco maia
ou menos, bonita figura, sem deleito algum, e
tem muito bons. principios de cozer, eogommar
e cozinhar : trata-se na ra do Queimado n. 46,
loja.
Batatas novas
Tergo n. 23.
Batatas .
60 rs. a libra
Fazendas baratas
NA
Loja do pavo,
Cambraia organdys a 280 rs.
VeDde-se cambraia organdys de cores com mo-
dernissimos padres a 280 o covado, e caasas
francesas muito finas a 240, 280 e 300 ra. o co-
vado : s na loja do pavo, raa da Imperatriz
numero 60.
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas largas a 200 rs. o cosado por
ter um pequeo toque de mofo ; na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavao._________________
Alpakina280.
Vende-ae esta nova fazenda de linho a imitago
de sedas de quadrinhoa miudiohoa propria para
vestido de senhora, roupas para meninos, sendo
fazenda qae nao desbota, a 280 o covado : na ra
da Imperatriz n. 60. loja do pavo. ________
ao barateiro que est
queimando.
Vende-se manteiga ingleza de superior quali-
dade a 720 e 800 rs. a libra, dita franceza a 640
e 720 rs. a libra, cha bysoni muito superior qua-
lidade a 2880 e 3&200 a libra, toucinho de Lie-
boa muilo superior a 320 rs. a libra, arroz a 110
e 110 a libra, aletria 320 e 400 rs. n u'.lo superior,
macarro a 320 e 3G0 a libra, vinagre de I.'.fboa
muito auperior a 320 e 360 rs. a gerrafa, arioz do
Maranho a 120 e 140 a libra, azeite doce de Lis-
boa de primeira qualidade a 750 e 800 rs. a gar-
rafa, dito de carrspato a 360 a garrafa, charutos
varetas maito finos a 50 rs. fazeodo-se diilerenga
em caixa vinbos muito superiores a 560 ,
a 640 e 800 rs. a garrafa, e outros muitos mais
gneros, que avista doa compradores se veuda-
ro por menos do que em oulra qualquer parle :
na ra do Nogueira n. 49.
45 Ra Uireila4S
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
completo desapparecimento est prximo! O
proprietario deste bem aoriido estabelecir&ento
convida os seus numerosos freguezes a substituir
o galgado velho, quo lodo est cholerico, por no-
vo, e quei possa resistir s mil scholis e mazzur-
caa que vio ser dansadaa em louvor do restabrt-
lecimenlo da saude publica. Os pregos con-
vidara:
HOMENS.
Bolinas afamadas Milif. ..'.:. 12000
non-plus-ullra Nantes......... 12^000
Nantes 2 balerias.............. llgoO
lualre.................... IO9OOO
inglezes de botes.............. IOsOOO
batedores....................... 99500


>
>


> couro da porco.......
bezerro e lustre...............
iDglezes ps aeivagens.........
taxiados braaileiros............
Sapaldes nou-plua-ultra................
Jcboo
y stioo
79500
j. 500
79000
C;5CO
5&00
69000
55500
53U0O
2O00
ici'O
2c00O
15280
3 bateras e meia..............
esmaga cobra..................
Nantes 2 bateras vaqueta.....
> b 2 bateras bezerro......
> > trabalhadores..........
brasileiros de 3J50 a..........
Sapatos2 solas e salto..................
> tranca portuguezes..........
o francezes......
SENHORAS.
Botinas dengozas.........59500
salto de baler......; 5500
y pecbincha de 4500 a. 4J000
> americanas 3g50 a 2s500
Sapatosde sallo (Joly) ..;... 35000
sem elle (idem)......I5920
tapete......... 800
a econmicos........ 500
lustre 32 e 33....... 800
MENINOS E MENINAS,
lia de tudo em relago a nao se daixa sabir
dinbeiro.
Um completo sortimento de couro de porco,
cordavo, bezerro francez, couro de lustre, mar-
roquim, sola, courinhos etc., que lado se troca
por dinheiro a vootade do comprador.
Esera^osfugi
UOi
no largo do
Manguitos com gollinhas.
Vendo-ie manguitos com gollinhas, fazenda
muito bOa, pelo barato prego de 2g000, gollinhas
e puohos ultimo gosto a 25UOO, gollinhas muito
finas a bem bordadas a 1J000 cada urna na ra
do Queimado loja da miadaxaa da Boa fama
o. 35. *
Tiras e ntremelos bordados.
n ZS&lS2> pe.c" fle ll-r" bordadaa da 2,500.
3,000, 3,500 e 4.000 ntremelos a I96OO e 29OOO
cada peca na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Machinas americanas.
Em caaa da N. O. Bieber & C., auceesioraa,
ra da Crus n. 4, vendem-se :
Machina para regar hortaa a caplm.
Ditaa para descarogar milho.
Ditas para cortar capim.
Selins com pertences a 109 a 209.
Obras de metal principe prateadas.
Alcalrao da Saeeia.
Veruiz de alcalrao para navios.
Salsa panilha de primeira qualidade do Par.
Vinho Xeraz do 1836 em caixas da 1 duzia.
Cognac em caixaa dol duzia.
Aradoa e grades.
Brilhantea.
Garrotas pequeas.
Cal de Lisboa.
Vende-se superior cal da Lisboa chegada lti-
mamente, e por pregos muito maia commodoado
que em outra qualquer parte ; no antigo e mui-
to acreditado deposito da ra do Brum o, 66.
Bramante a 1U#.
Vendem-se pegas de bramante de linha de
urna s largura com 27 varas a 109 a pega, tam-
bem se vende 1|2 pega com 13 1(2 Toras por 59 ;
na raa da Imperatriz o. 60, loja do pavo.
Carnauba
Vende-se a mais superior cera de carnauba qae
ha no mercado ; na ra da Imperatriz n. 60, loja
do pavao.
Cambraias lisas a 3$.
Vendem-se pegas de cambraia liaa muito fina
com 8 1(2 varaa a 39 a pega : na ra da Impera-
triz n. 60, loja do paviu. ___________________
Est fgido desde 11 do correle mez de ju-
Iho, o escravo pardo, Ricardo, boleeiro e carro-
cairo, bem conhectdo nesta praga e m-us arre-
baldes ; representa ter 25 annos de idade, bai-
lo e magro, tem cabellos carapinbos raspado de
pouco tempo na cadeia, onda esteve por causa
de estar fgido, tem pouca barba e falta de denles
na frente, rosto comprido e olhos redondos ; lem
sido encontrado na Capunga, e Olinda anda va-
diando e jogando com mais de 209 Que levou :
quem o apprehender e levar a casa deseusenhor
na Passagem da Magdalena que ser generosa-
mente recompeniado.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
r'ugio da casa do ur. Francisco Domiugues
da Silva a sua escrava de nome Iria, parda, de
estatura regular, e secca do corpo, tenoo 24 an-
nos, pouco maia ou menos; roga-se a pessoa
que a encontrar, a faca conduzir a aeu senbor,
que satisfar o seu trtbalho, e protesta contra
qualquer que a occullar
Paletots a
Vendem-se paletots de panno preto fino e cor
de caf a 69 : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
pavo. ___________________________^^^^^
Chitas escuras a 240.
Vendem-ae chitas francezas escuras a 240 o co-
vado : na ra da Imoeratrii n. 60^1>^jadopavo.
Chales baratos.
Vendem-se chales de marin de cores sendo
moito grandea a 39 : na roa da Imperatriz n. 60,
loja do pavo.
200 de gralificaco
a quem pegar o pardo Francisco, de 17 aonoa
de idade, de bonita figura, com todos os denles,
cabellos carapinbos e ruivos, este pardo foi do
Sr. Dr. Borgesda Fonseca, o qual viajou com
mesmo sennor todo o serio a suburbios desta
provincia,necesaailamente quando era seu es-
cravo, e talvez ainda so inculque a servlgo do
mesmo: queso,o pegar queira entrega lo a seu
legitimo dono na ra do Hospicio n. 6.
Ignacio Luiz de B'ito Tabnrda.
Escrava fgida.
Ha dous mezas qae ausentou-se da casa de aeu
senhor a preta Lourenga, e suppe-Be que est
nesta cidade sarvindo como criada ; essa preta
dea a metade de sea valor por conta de aua al-
forris, e am qualquer parte diz que forra, ella
tem a pelle bem preta, boa figura, altura regular
e falla bem ; roga-se s quem a vir, que o aviso
na ra Direita n. 82, ou que a remella a aeu se-
nhor Vicente Ferreira Barbosa, na i


moairo,
tincado.
em seo sitio Duas Pedras, que ser gra:
'*,'
MUTILADO


s
DIARIO DE fttNAMICO, QUINTA FURA 7 DE AGOSTO DE 1161.
i rirm
Litteratura
ROMA.
Aiim'u^o de S. s. PiIX, por occa-
siao da canonisaesio dos mayrt-
res dodapao.
Veneraveis Irmaos.
Muito grande foi, sem duvida, o nosso jubilo
r-nr h no auxilio, s honras eos cultos dos santos a fin-
te e sete valorlos herai ds nossa divina religio
leudo tos ao nosso lado, a vos veneraveis irmaos,
que, sendo dotados de eximia piedade e virlude,
e participando da nona sollicitude pastoral oestes
caUmitoso lempos, pelejaes denodadamente pela
Casa d'lsrael, nos enchia de conforto e conso-
larlo. Mis prouver a D->us q po q>j" nos sentirnos repassados desie prazer,
ne>ihuiia causa de tristeza e de luto nos contris-
tarse por oulra parte. Mas nao podemos deixar
ce nos contristar e atligir muilo vendo os males
e din.nos tristissim >s, e nunca asss deplorados,
' qua ao prsenle opprimaoi e avexam miseramen-
te a i-g'pji catholics, e propria sociedade hu-
mana, cum grandisilmo prejuizo das almas. Mili-
to bem ronheceis venoravei irmaos,a gurri ver-
(ta'-elramaote cruelissima que faom a tudo que
calholico esses horneas inimigos da cruz de Chris-
ti, os quaes, nao sustentando neohuoia doutrina
8ia, e ligado eutre si por bomioosa uoiao, blas-
ph"'i\am i!e tu lo o que ignorara, e machiutm com
todo o gnero da me os perversos abalar, e al
se Dodessera acaso algum dia, destruir de todo os
f anda meatos da uossa religio santisiima, e da
sociedad*, e transfundir erro* perniciosiaaimos
de toda a casta no corago e no enteodimento de
ledos, e corrompe los e arranca-losa religio
caiholica. E assim 6 que estes astutsimos for-
jadores de fraades, e artfices da mentira nao le-
vsntam raao de trater das trevas a luz, exagerar
con novas, desvariadas e enganosissirais irmas
e pMavras, e por todos os modos dissemioar por
toda a parle, essas monstruosas invengoes de an-
llgoi ert is, j tantas vezes combatidos e repelli-
dos, e pelo gravissimo juizo da egreja condemna-
dos. Com estas funestsimas e lotalmeute da -
Lelicas arles contaminan e deturpam toda a sei-
acis, espalbara mortal pegonha para amina das
almas, favorecen) a vida licenciosa, a devassido,
e todos os desejos depravados, invertem toda a
ordem religiosa e social, e forcejara por exoguir
toda p idea de Justina, da verdade, de direito,
do li;'B'>stidade e do religio, escarnecer, raenos-
prasarn e combaten) os sanssimos dogmas e
d.:utrinas de Jess Christo. Era verdade causa-
r. is horror, repugnaucia e ot trememos de tocar
linda que de leve sement os priocipaes e mais
, 11 otos erro.;, com que lurteos taes nesles
i pos miserabilsimos baralham todas as cou-
S9- di i"as e humanas.
Nenhum de i* ignora, veneraveis irmaos, que
estes homeos destroem iutairamente aquella ne-
c -^i.a coherencia, que por vontede de Deus
lo entre a ordem assim natural como sobre-
Em qnanto, porm, com magua e rpidamente] sistis de abrandar e alllviar por todos ai nosias
coniigoamos aqu estes priocipaes erros dos oos-! gravissimas angustias e dissabores. E por isso
sos tempes infelicissimos, omitamos, veneraseis nesta mesma occasiao confessamos aserta e pu-
jirraaos, a resenha da multas outras quasl Inou-' *
meraveis filsidades fraudes, que de todos tos
I sao ptimamente conhecidas e raanifeitai, com
as quaet os inimigos de Deus e dos horneas se
esforgam por perturbar e destruir toda a ordem
religiosa e publica.
Deixamos em silencio as muitissimas e gravis-
slmas injurias, calumnias e atirantas com que nao
cessaui de dilacerar e perseguir os sagrados mi-
nistros du altar, e esta s apostlica.
Nao fallamos da hypocriaia verdaderamente
blicameote com as mais ampias expressoes os
sentimentos do nosso amorosu'simo e gratisi-
mo coragao para comrosco e pira com todos os
oatros veneraveis irmaos, como para com 01
proprloi fiis. Pedimot-ros, pois, quiodo re-
gressardes aos toiios hispidos, quelnei em nos-
so nome manifestar aos mesmos fiis confiados a
Tossa vigilancia estes sentimentos do nosso cora-
gao e fsze los sabedores do paternal amor qua
lhes temos, e da bengSo apostlica, que do inti-
mo da oossaalmi eacompanhada do desejo de
ioiqaa com que os campeos e salellites das fu- toda a rerdadeira prosperidade, Colgamos "arden-
oestissimas allerages e rebollies, especialmente! tmente de langar sobre tos, veneraveii irmaos,
natural, e qne por ellos se mua do todo, subver-
l >, e destroe a propria, verdadeira e legitima in-
' ia divina revelago, a autoridade, a cousti-
laico.e o poler da egreja. E a lio temerario modo
de pensar sao rhegados. que j nao ternero, ne-
g'.r ou^adissimamente toda a verdade, toda a lei,
poder e reito de origem divina. Pois que nao
sl ;>cja:n de asseverar que a scieocia da philo-
ecphia e dos coslurnes, tem como as leis ciis,
poJem e devera afaatar se da revelago divina e
socieda Je verdadeira, perleila, e de todo livre,
nem gosi d'> .iireiios seus proprios e constantes
confer os pelo seu divino fundador, mai perten-
C3 ao poder civil definir quaes sao os direitos e
es limites d5 egrej, dentro dos quaes p le exer-
ce: os meamos direito?. Por onde perversamen-
te invectaui que o poder civil pfjie inlroinetter-
se lascowsas pertencentes a religio, aos coslu-
rnes, e ao rgimen espiritual, e impedir que os
bisp03 o Oeis, comniuniquem livre o mutuamen-
te cora o romano pontfice, a quem Deus consti-
tuiu pastor suprema de toda a egreja, a fim de
qje se dissolva de toda aquella uoio aecessaria
e'ustj-vlissima, que deve forzosamente existir por
divina iasiii'ngao ua jess Ciristo, tuitoi-.Nu830.
entre os merabros do myslico Corpo do mesao"
C'nrisl3, e o seu cebega visivel. Alm Je que
nao teem o mais leve receio de espalhar entre o
tovo, engaosa e fraudulentamente, que 03 sa-
grados ministros da eg'eja, e o pontfice romano
deveni ser excluidos totalmente de todo o direito
e dominio sobre as coasas temporaes.
Demais, nao duvidam dar por asseotado com
teda a imprudencia, que a revelago divina nao
edtente nao serve para nada, mas que ite no-
Civa so aperfeigoamento do bomem, e que a mes-
ma revelago divina imperlelta, o por isso est
aujeita ao progresso continuo nillimitado corres-
pondente ao adiantameulo da humana razo.
Por onde nem receiam andar pr*goaodo que
i prophecias e os milagrea exposios e referidos
as sagradas letras sao invengoes dos poetaa ;
que os sacro-santos mysterios da nossa sania f
sao o resumo das iave.tigagos dos philosophos,
e que uos santos livros do velho e do oovo testa
nii-nlo se coatem invengoes fabulosas, e que at
Njsso Seohor Jess Christo, temos horror em di-
ze-lo 1 urna chimera, urna liega o i Aisim que
estes lurbulenlissimos adoradores de dogmas abo-
mioaveis blasonara que as leis sobro contumes,
nffa circcem desaocgao divioa, e que cao pre-
ciso que as leis humaoas se conformen) com o
oireito natural, ou receban) de Deus forga para
obrigar, e portanto asseveram que nao ha le divi-
na nenhuma.
Tambera ousara oegartoda a acgo de Deus so-
bre os homeos e sobre o mundo, e aCQrmam te-
merariamente que a razao humana, independen-
te de Duus, o nico arbitro da verdade e da
falsidade, do L-ni e do mal, e nao tem nenhuma
oulra leiseno a si propria, e que sulBciente
s pela aua virtule natural para promover o bem
dos horneas e dos povos.
E como sao lio ousados que derivam perversa-
mente todas as verdades da religio da forga oa-
lural da razo humana, por isso attribuem a ca-
da homem um como direito primario, pelo qual
rtode pensar e fallar livremenle da religio e pres-
tar u 1) -os aquellas honras e cultos que cada qual
ju'iga o molhor, segundo sua propria vontade.
Chegam a ponto tal deimpiedade e impuden-
cia, que se esforcam por osolar o cea e desfszer-
se do mesmo Deus.
.Pois nao estremecen) de dizer com a mais re-
aiViaaa maldide t com egual estulticia, que nao
exisie nnhuma divindade suprema, sapientissi-
nia e provideotissims, disliocta do ooiverso muu-
do qe Deus a mesma cousa que a natareza,
e por isso est sejeilo a mudaegas ; que D*ns se
forma realmente do homem a do mundo; que
todas as cousas sao Deus, e teem a masmissima
ubslancia de Deus, e que Deus urna e a mes-
LTa cousa com o mundo, sendo por isso espirito
com materia, oecessidade com liberdade, verda-
de com falsidade, bondade com maldade, ustiga
com injusliga. .
Na verdade, nada rusia louco, mais Impo, nem
inais repugnante com a propria raiao se podera
uunca inventar nem escogilar. Da autoridade,
uois e do direito deliram to alrevidameote que
theg'am a dizer com despejo que a autoridad* nao
mais que algarismos, e a aomma das orgas
msteriaes, e que o direito consiste DO ficto ma-
terial, e todos os deTeres do homem sao um no-
mo vo, e todas as aegoes humanas teem a forga
do direito. ,
Ora pois, estes taes accumulando inveogoe3
obre 'ioveogoes. delirios sobre delirios, e pisando
aos ps toda a autoridade legitima, lodos os leg-
timos direitos, obrigagoes e deveiee, nao duvidam
substituir em lugar do direito verdadeiro e ge-
nuino os falsos e meolirosos direitos da forga e
subrogar ordem material das cousas a ordem mo-
ral das aegoes. .
Nem recouhecem outras orgas, seaao aquellas
que teem a sua sede na materia, e poem toda a
norma e honestidade dos costumes em amon-
toar eaugmeotar riquezas por quaesquer modos
que seja, e em salisfaxer a quaesquer damnadas
paixoes. ......
E com estes nefaodos e abominaveis principios,
deeudem, afagam e exaltam o reprobo sentido
ta carne rebalde ao espirito, e do-lhe os dotes
e direitos naturaei. os quaes dizem que sao oppri-
midos pela doutrina catholic, menospresando
inleiramenle o aviso do apostlo quaodo dase :
c Se vos viveides segundo a carne, morrereis,
das se vos pelo espirito fizerdes^norrer as obras
da carne, viverels (1). Alm de que trabalham
por invadir e destruir todos os direitos da pro-
priedade particnlar de cada um, e perversamente
fiDgem e imaginara em aeus coragOes e na sua
mente um certo direiio nao circumsetipto porne-
nhuns limites, do qual pensam que goza o estado,
que ousadamente sappoem ser a origem e a ton-
ta de todos os direttoi.
da Italia, repetem bocea cheia que querem que
a egreja goze da sua libardade, ao passo que com
o mais sacrilego descomedimento cada dia mais
atropellam todos os direitos e todas ai leis da
mesma egreja, e lhe arrebatan os seus bens, ator-
meotam por todos os modos e encerram em car-
ceres os bispos e ecclesiasticos que desempeaham
egregiamente os seus deveres, expulsam violen-
tamente de seus conventos os membros das ordeos
regulares, e as virgens dedicadas a Deus, e os es-
bulhim de seui cabedaes, e tudo tentam e explo-
rara para reduzir mais torpe escravido e op-
primir a propria egreja. E no momento em qua
sentimos por certo o mal particular regozijo pela
vossa to despjada preienga, vos mesmos vedes
que liberdade teem agora o biipos di Italia, noi-
sos veneraveis irmaos, os quaes pelejando valo-
rosa e constantemente as pelejas do Seohor nao
poderam, por estorvo dos adversarios, e com
grandissimo pozar do nosso coracao, vir ver-nos,
acompanhar-vos e aisistir a este ajuntamento,
como des^javam ardenlemeote, segundo os arce-
bispoa e blspos da infeliz Italia nos declararam
era auas cartas cheiissimas de expressoes do sao
grande eleclo e reverencia a esla santa s.
Tambera veles que nao est aqui presente um
nico bispo de Portugal, e nao pouca magua nos
causa esla ausencia, pela natureza das difllcul-
dadi que impedirn) que elles podessem dirigir-
se a ltoma.
Deixamos, porm, de mencionar muitas outras
cousas trilles e horrorosas, ommettidas por estes
sequazes de perversas doutrinas, com inrrivel
pena nao s nossa e vossa, mas tambera de todos
oa boos.
Tambem nao dizemos nada da impia conspira-
cao e de toda a sorte de iniquas machinages e
enredos com que p ioteirameoie o domioio temporal desta s apos-
tlica ; ser malhor aotes commemorar nesta par-
te o consenso per certo admirare! com que vos
mesmos, com todos os outros veneraveis irmoa
da lodo o mnndo calholico, assim as cartas a vos
dirigidas, como as pasloraes dirigidas aos fiis,
ouuca cessastes de assoalhar e refutar estes er-
ro, e juntamente enainar, que este dominio tem-
poral da santa s foi dado ao pontfice romano
por singular disposigo da Divina Providencia, e
que necessario para que o mesmo romano pon-
tfice nunca esleja sujeiio a neohum principe ou
poder da trra, e possa as3im exercer com ple-
nis.-i'Dj liberdade em toda a egreja o poder su-
premo de apasceotar e reger todo o rebaoho do
Seohor, e a autoridade que divinamente recebeu
do mesmo Jess Christo. e prover ao maiorbem,
utihdsde e necessidades da mesma egreja.
Tudo o que al aqui lamentamos, veneraveis
irmaos. offerace um espectculo bem triste. Pois
quem ha que nao veja que com a iniquidade de
la o depravados principios, e com to perversos
desvarios e macbin rompe miseravelmeute e se arremesaa perdigo
o povo christo ; qua se combate a egreja caiho-
lica, e a sua doutrina salutar, os venerandos di-
reitos, leis e sagrados ministros, e que por este
mnioie r>forgam o propagara tolos os vicios e
toda a maldade, e que a propria sociedad soii're
grande abalo?
Nos portanto, tendo bem gravados oa memoria
os deveres ao dosso ministerio apostlico, e ex-
tremamente anciosos do bem espiritual e da sal-
vagao de todos os povos que vos foram por Deus
commettilos j que (usando das pslarras de Leo
nosso sanlissimo prodecesior)nao podemos de
oulra sorte regaros que nos foram confia los, se-
no perseguindo cora o zelo da f do Seohor,
aquelles que sao destruidores e eslo estragados,
e separaudo-os dos que aiuda slo saos, com a
.erirlade que podemos ; par > esla pesiase
nao espalhe mais iougcv!e7\t^-v-..-^K.u.tt tnam. .nz
apostlica nesle vosso numerosissimo coogreiso,
reprovamos, prescrevemos econdemnamos espe-
cialmente todas referidas mximas errneas, que
sSo ioleirameate repugnautes, e sumisamente
contrarias nao someote a f a doutrina caiholica,
e as leis divinas e ecclesiasticas, mas tambem
lei e justiga sempiterna e natural bem como a
recta razo.
E pois vos, veneraveis irmaos, sois o sal da tr-
ra, e o guardas e pastores da grei do Senhor,
nos vos estimulamos e vos rogamos com o maior
encarecimento, que pela vossa acrisolada religio
e telo episcopal, assim como at hoja teodes feito
com-grande louvor vosso continuis com todo o
cuitado, diligencia e empenho a desviar destes
pastos venenosos os fiis que vos eslo confiados
e a refutar e destruir j com a palavra, j com
opportunos escriptos, tautas e to monsiruosas
opiaies. Porquaaio bem sabis que se trata de
negocio importantsimo todas as veies que se
trata da causa da nossa iintisiima f, e da egre-
ja caiholica e sua doutrina, da salvagao dos po-
tos, e do bem e traoquillidade da sociedade hu-
mana. Por isao quaoto esliver na vossa mo,
naocesseis nunca de affastar pan looge dos fela
o contagio de to crua peste, isto de tirar de
diante de seus olhos e de suas mos os livros e os
jornaea perniciosos, e de doutrlnar e instruir as
siduasuente os mesmos fiis nos sanlissimos pre-
ceitos da nossa augusta roiigio, e ademoesta-los
e exhorta-los a fugir destes mestres de iniquida-
de cmoda vista de urna serpele. Coutinuaea
fazer convergir todos os vossos cuidados a pensa-
mentos principalmente em promover a educagn
sania e cientfica do clero, em fazer que res-
planiegam nelle todas as virtudes, e para que i
sua carreira dos estudos s-ja salutar. Vgiae
tambem atteotiisimamente e procurae que no en-
sino das bellas letras, e das disciplinas superio-
res, nunca se ensiuue cousa nenhuma contraria
a f, a religio e aos bons costumes. Havei-vos
varonilmente, veneraveis irmaose nunca vos que-
brantis Dem descorocoeis no meio da gravisiima
perturbago e ruindade dos lempos presentes ;
maa confiando illimitadameote no divino amparo
e embragando em tudo o escudo inexpugr.avel
da equidade eda f, e laogando mo da espada
do espirito, que a palavra do Deus, nao cesseii
de resistir a lodos os esforgos dos inimigos da
egreja caiholica e desta s apostlica, de retor-
cer-Ibes as suas armas e quebrar-lhes seu im-
perio.
No entretanto p>rm levantando de dia e de
noute os olhos ao cu nao cessemos veneraveis
irmaos. nao cessemos de rogar e supplicar sem
descontinuar com fervorosismas rogativas, e como
coraco humilhado, ao clementissimo pae das mi-
sericordias e Daus de toda a coosolago. Aquel-
e sobre os mesmos fiis.
Exposico sjne ocardeal Malte, de-
cano do sacro collegio, acompa- dt unU g doHpalrimooo 0 s. Pedr0 per.
libado de varios membros do epis-1 tencla a ,odoi 0J catn0|leos que eitaveli dis-
A vona toz efectivamente, lemehinte a
trombeta lacerdotsl, proclamoa em todo o uni-
verso que a um deiigoio particalar di Dlrina
ProTideocia se dere que o principe romano, col-
locado por Jess Curisto como o ebefe e o cen-
tro de toda a ana egreja tenhi oblido nma sobe-
rana temporal ; e nos, portanto devemoi ter
por certo que eisa soberana nao foi fortuitamen-
te adqnerida para a santa s, seoo que lhe foi
dada por ama disposigo especial de Deus, que
a conserron por urna larga serie de anooi, per
consenso unnime de lodos o estadoi e de to-
dos os imperios, teodo tido fortificada e mantida
por urna eipecie de milagro.
Declarastes egaalmenle n'uma lioguigem ele-
vada e solemne que quereii coniervar energi
mente e guardar Intein e inviolavel a soberana
civil da egreja romana, ai suas possessdes tem-
poraes e os seus direitos que pertencem ao uoi
verso catholieo ; que a protecgo da soberana
copado leu e entregou ao padre
santo em nome de todos os prela-
dos presentes em lioma.
Sanli-simo padre'.
Desde que os apostlos de Jesui Christo no dia
legrado de Pentecosts, eitreilamenle unidos
cora Pedro chefe da egreja receberam o Espirito
Saoto, e levados por leu divino impulio, innun-
ciaram aos homens de todos os pontos do globo,
reunidos na cidade santa, e a cada um em seu
idioma, as niaravilhas de Deus, desde ento nun-
ca, seguado eremos al hoje e al te repetir a
mesma ceremonia, se acharara reunidos tantos
herdeiroi seus ao redor do venoravei successor
de Pedro para ouvlr sua palavra, escotar os seui
decretos e fortificar sua autoridade.
Assim como cousa alguma poda succeder que
fosse oais doce aos apostlos, atravez dos pin-
gos da egreja nascente do que acbarem-se reu-
nidos ao redor do primeiro vigario de Jess
Christo na Ierra, realmente inspirado do Espirito
Santo aisim para nos no meio das angustias pre-
sentes da santa egreja nada nos mais agrada-
vel e mais sagrado que depdr aos ps de vossa
santidade todo o amor e venerago que sentimos
em nossos coragoes, declarando nicamente das
altas viiludes do nosso soberano pontfice, e at
que ponto do intimo de nossos coragoes, adheri-
mos ao eosino que nos d como um outro Pedro
e aos principios que to firmemente resolveu e
decidiu.
Um novo ardor inflamma nossos coragoes urna
luz de f ainda mais vivificadora Ilumina as nos-
sas iotelligencias, um ardor mal sagrado invade
m nossas almas.
Sentimos que a nossa liogua se anima pelo fo
go dessas chamas sagradas que acendiam no do-
ce coracao de Maria um deaejo mais ardente ain-
da da saWago dos homens e exeitavara os apos-
tlos reunidos roda delta a pregar a grandeza
de Deus.
Dando, pois, vivas aegoes de gragas a vossa
santidade, por nos ter permiltido oestes lempos
to difliceis approximar nos do.solio pontificio,
consolar-ros na vossa allicgo, e manifestar-vos
publicamente os sentimentos que nos animsm ao
nosso clero e aos poros confiados aosaa solici-
tude, acclamamos-vos com urna s voz e um s
corago, e pedimos por vos ao cu todos os bens
e a mais completa felfcidade.
Vivei largo lempo santo padre e vivei felizmen-
te para o goveroo da egreja caiholica.
Goutinuae, como fazeis, protegendo-a tom a
vossa eoergia, dirigilo-a com a vossa prudencia
adornando-a com as vossas virtudes.
Marcbae a nossa frante, como o Com Pastor,
dando nos oexemplo; apasceotae as ovelbat e
os cordeiros nos pastos celesliaes; dae-lhe de be-
ber as aguas da celeste sabedoria, pois sois para
nos o mestre da sa doatriaa e sois o centro da
unidade, porque sois para os povos a luz indefec-
tivel preparada pela sabedoria divina, a pedra.o
| fundamento da mesma egreja, contra a qual as
I portas do inferno oo prevalecero. Qu*ndo fal-
laes a Pedro que ou vimos; qnaodo dftoretaes a
Jesus-Christo obedecemos. m
Admiramos-vos ao ver-vos camprir no meio de
tanta adreriidade etempestades.com a fronte se-
rena e o coraco imperturbavel,os deveres do vos-
so sagrado ministerio, sempre de p, sempre la*
vencivel.
Mas em quanto que n'iito acharaos ,antos mo-
tivos pira gloritlcar-vos, oo podemos deixar de
-olver as nossas vistas para tristes espectcu-
los. >
De todas as partes, com effdito, se nosaprr
pr.
isen-
iT ho-
la que das trevas faz resplandecer a luz e que j
pode das podras suscitar iilhoa de Abraho, que
pelos merecimeotos do seu Unigeolto Filho de
Nosao Seohor Jess Chrialo, queira ealender a
ua mo auxiliadora a egreja e a sociedade, des-
persar todas as mximas errneas e todas as im-
piedades e com a luz da sua divioa graga Ilumi-
nar o eoteodimento de todos os que vivera no
erro, e coDverle-los e chama-Ios asi, afim de
que a sua santa egreja alcance a desejadissima
paze em toda a reloadeza da trra receba em
dia maiores augmentos e prsperamente vigore
e floresca. E no intuito e podermos mais f-
cilmente conseguir o que pedimos e buscamos,
oo acabemos de ioterpor por nossa medianeira
para com Deus, primeiro Immaculada e Sioliaii-
ma Virgem Maria M3e de Daus, que sen<*o mise-
rlcordioiissima e amorosissima me denos todos
raatou sempre tolas as hereslas, e cujo patroci-
nio o maii efttcaz diante de Daus. Pegamos
tambem o auxilio assim de S. Jos esposo da
mesma Virgem, como dos apostlos S. Pedro e
S. Paulo, e de todos os bemaveoturados da corte
celestial, e com eseclalidade daquelles que ha
poueo toram referidos nos lacios doisintose que
j honramos e veneramos.
Mas antes de dar fim ao noiso discurso, nao
podemos conter-nos sem que de hoto vos teite-
muohamos e confirmemos a grandlss-.ma cooso-
lago que temos em gozarmos da vossa saolissi-
raa p.esenca. Venerareis irmaos, que com tan
ta f, piedade e acatamento, ligados flroiusima-
menle com oosco e com esla cadeira de S. Pedro
e deiempenhando voi do vosso ministerio, vos
gloriies de oromover com todo o afioco a msio
gloria de Deus e a salvagao das almas, e
sentimentos muito concordes, e com um desvelo
e amor verdaderamente admiravel, juntamente
tam criminosos alternados commellidos
mena que, depois de devastaren) eate bej.'.o j.
de Italia, do qual aois, tanliiiimo pad j o ap*j0
e a gloria, fazem todoi os seus esforgo para aba-
lar o destruir at aos ltimos vestigios a vossa
soberania e a da santa s, soberania flue somo
o principio de tudo o qae ha grande na sociedade
civil.
Nem os direitos eternos reconhecidosrdoi seca-
Ios, nem longa posse de um poder pacifico,
nem tratados ratificados e confirmados pela Eu-
ropa inteira, o tem podido impedir de tudo cal-
co rem com deipreto de todas as leis que at hoje
teem ai Jo o ipoio da exiatencia o durago doi im-
perios.
Para eoi occuparmoi porfm do que nos toca de
mais parto, vemoa-vos, sanlissimo padre, despo-
jado dessas provincias, cuja reedita ajudava a
prover dignidado da saota l, equitativa ad-
mioistrago de toda a egreja, e isto pelo detesta-
vel crime desses homens que ee cao servem do
nome da libirdade seoo como de um vu para os
seus excesso.
Voasa santidade rosiitiu com inqaebrantavel va-
lor a estas culposas violencia, e devemos dar-
vos as mais vivos aegoes de graga em nome dos
catholicoi-
Recochecemoi que a soberania temporal da
santa s tima instituigo necessaria e manifes-
lamenle estabelecida pela Providencia Divina, e
oo hesitamos em declarar que no actual estado
das cousas humanas, essa soberania temporal
absolutamente necessaria para o bem da egreja,
e para o livre goveroo das almas*
E' precito evidentemente que o pontifie roma
no, chele de toda a greja, nao teja aubdito nem
mesmo hospede de neohum principe, mas que,
eslabelecido nos seus Estados o no seu proprio
dominio, perteoga a si mesmo, e que na digoida-
de; paz e fecundidad* d'uma saota liberdade pos-
sa proteger a f caiholica, defender, reger e go-
veroar toda a repblica christa.
Quem poderia negar, no maio do conflicto das
cousas humanas, das opioices dasiostitoigde* di-
versas, a necesiidade de conservar n'um canto
da Europa, entre os tres continentes do an-
tigo mundo, como um lugar sagrado, ama sde
augusta, d'onde possa successivamente dirigir se
aos povos e aos res urna grande e poderosa voi,
a toz da justiga e da Terdade, voz imparcial 3 sem
preferencia, tos que a trra nao comprima e que
os artificios noseduzem?
A oo ser assim,. do que modo podara ter
rindo os pastores da egreja, em seguraogt de to-
das as partes do universo, para tratar com vossa
santidade acerca de to graves inleresses, se, che -
gando de tantos paizes, de tantas nagoes diversas,
livessem encontrado, dominando oeslaa margeos,
um principe que oluasse com suspeita os seus
proprios principes ou que a estes mer-ecasse tus
pella por causa da aua hosti'ldado?
O christo tem deverea para com a egreja co-
mo o cidado pan com a si patria, deveres
que, sem se combaterem, sao, todavia differa-
tes.
Como poderiam os hispe*curopri-los seoo ti-
resiem encontrado em Koma um poder temporal
como o doi papaa, ioteiramenle indepeodenle de
todo o poder eslraogeirc, centro, por assim dizer
de urna concordia loifeisil, iseoto de todo oins-
tincio de domioio humano, de todo o projecto de
dominio terrestre?
Livros, Tiernos para o nosso pontifico, ral e li-
vre ; pastores vigiamos pela egreja; cidadoa,
procuramos na justiga o bem da uossa patria ;
oo trahiremos nem os deveres do pastor, nem
os deveres do cidado
Pois que assim, quem ousaria atacar urna so-
berania to antiga, fundada em to graves razoea
e n'uma necessidade to imperiosa? Qual outro
poder lhe pode ser comparado, coonderando-o
at debaixo deiso mesmo direito humano, sobre o
un descanga a segurouga doi principal ea II-
berdade dos povos? Que poder ha que saja to
veueravel e to tanto? Que monarchia ou rep-
blica ple glorificar-se nos seculos passados e
nos presentes de direitos mais augustos, mais an-
tigoi, mais iaviolavais? E s* esses direitos te
acham no que se refere santa s, despresados e
calcados, que principe poder eitir seguro no seu
ihrono ou que Estado no sea territorio? Assim,
1 sanlissimo padre lutaes e combsteis pela religio
sem duvida alguma, mas tambem lutaea e com-
bsteis pela justiga e pelo direito qUe to as na-
postoa a sacrificar a vossa vida antes que aban-
donar, n'um ponto essa cauta de Deus, da egre-
ja e da justiga. Applandiodo com as nossas ac-
clamagoes essas magnificas patarras, responde-
mos que estamos dispottoa a ir comrosco priio
e morte ; lapplicimos-TOS humildemente que
permanegaat inabalavel nesse firme designio e
neisi constancia, dando aos anjos e aos homeos
o espectculo de urna alma invencivel e de um
valor soberano.
Isto o que tos pede a egreja de Jasas Chris-
to, pira a qual i soberana temporil foi provi-
dencialmente attribulda aos pontfices romanos,
e que compreheodeu que a pretecgo dessa so-
berania, lhe era at tal ponto necessaria, sendo
assumplo proprio seu, que n'outras pocas e no
meio dos mais formidaveis perigos todos os pa-
dres do concilio de Constanza qoizerim admlnis
trarpor si mesmos em commum as possess^s
lemporaea da egreja romana, do que do f os
instrumentos pblicos.
Isto a o que tos pedem os chrisios dispersos
por todos os paizas do globo, que se felicitara
por dos terem visto vir livremenle a vos, para
cuidar livrementa dos inleresses das suas cons-
cinncias ; isto o que vos pede, finalmente, a
sociedade civil, que cumprehende que a subver-
so do vosso governo abalara os seui proprios
faodsmtntos.
Que mais 1 Coodemnastes com justa senleoga
a.estes homens culpados que iuvadiram os bens
ecclesiasticos, eproclamasles nullo e de neohum
effeito ludo que elles realissram ; decretaste!
que todos os actos intentados por elles eram il-
legitimos e sacrilegos ; declarasfs, com razo e
com bom direito, que os autores de todos esses
crimes eram merecedores das peoas e censuras
ecclesiasticas.
Estas graves palavras sabidas de vossos labios,
e estes actos idmiraveis, devemos nos acolhe-los
com reipeito, dando-lnes de novo o noiso pleno
assentimenlo.
Com effeito, sssim como o corpo soffre sempre
quando soffre a cabega, qual eat uoido pelo
lago dos membros e por urna mesma vida, assim
tambem necessario que sofframos em peifeita
sympathia comvosco.
Estamos unidos da tal modo a tos na vossa
trate allicgo que tudo o quo tos soffreis tam-
bem o soffremos nos pelo acord do nosso amor.
Supplicamos a Deus que pouha fim a perturba-
cues to iojuslaa e que davolva a aua liberdade
e a aaa gloria primitiva egreja, esposa de seu
filho to miseravelmeute despojada e oppri-
mida.
De resto nao para nos nada de admirar que
os direitos da santa s apostlica sejam atacados
e contestado! com tanto odio O violencia, por-
que ba j muito lempo que a loucura de um
grande numero de homens tem chegado a fazer
aforro, nao s para regeitar alguna dos dogmas
>1a egreja, mas para destruir pelo allcerceaa ver-
dade e toda a repblica christa. Dabi as tenta-
tivas impas de va scieocia, e da falsa erudigao
contra as doutrinas e a iospirago dos livros sao-
tos ; dahi os perUdos meios de induzir a mon-
dada em todos os erros do seculo, depois de a
ter arrebatado a tutela da egreja sua me, e tra-
zo-la muitas vezes demasiado alTastada de toda a
educago religiosa ;- dahi, essas totbo e perni-
ciosas theorias sobre a ordem social, e religiosa
que se derramara Impunemente por toda a parte;
dahi o habito, aobretudo Desta regio, de des-
presar a autoridade da egreja, de se arrogaros
seus direitos, de catear aos ps os leus maDda-
mentos, de enfraquecer es seus ministros, de es-
carnecer do sea culto, e de decretar elegios e
honras ios erros sobre a religio e mesmo aos
membro xaram extraar no camiotro lados Teoeravpia. sacerdotes de Uiaiul Sao e:**"'
sos de suas cadeiras, forgados a extlar- se, tangi-
dos na priso.
Anda mais, sao ignominiosamente amalados
perante os tribuoaes civis em recompensa da
firmeza com que desempenham as faocges do
seu santo ministerio. Ai santas espoiai do Christo
gemem.so cxpuliai de suas casas, esgotadas
de privages ou bem peito de suecumbir. Os
religiosos sao forgadot, a seu pezar, a entrar no
muodo; o canto patrimonio da egreja est
exposto violencia e a injostiga ; ama mullido
impura de livros, de jornaea e de gravuraa de-
tpsiavtis faz urea guerra encarnicada f, aos
costumes, a verdade e ao mismo pudor.
Has aquilea que preparam tata designios sa-
bara muito bem que na santa s, como m um
baluarte ioexpugoavelse acham a forga, as armas
da verdade e da justiga para repellir lodos es as-
saltos do inimigo.
Ahi se acha um ponto de ohservago, d'onde
oa olbos vigilante! da seotioella suprema deseo-
brem ao looge as ciladas to inimigo para es de-
auoclar depois a seos soldados.
Dahi essa guerra implacavel, esseodio eterno,
essas immorredourss paixas dosmus que que-
rem opprimir a saeta egreja romana e a ata sede,
e destru-la iatelrameote, se isso fosse jamis
possivel.
Quem, pois. santissimo padre, vista ou se-
ment pela nirrsgo destes excessos, poderia
conter as saas lagrimas ?
Assim impresaionados da urna justa d&r, ele-
vamos nossos olhos e nosias mos para o cu,
implorando com todo o ardor de nossa alma o
Espirito Divino, afim deque aquella qe outr'o-
ra em egual dia, deu a forca e a santidade egre-
ja nascente, sob a autoridade de Pedro, lbe d,!
boje que so'.s seu pastora seu chefe, a prosperi-
dade e a gloria.
Seja Maria testemuBha dos votos qua formamos,
Maria solemnemente honrada por vos oeste maa-
oo recinto.com n titulo de ImmaQBlada.
Sejam tstemuobas estas cozas sagradas, ob-
jecto de nona veaeragio, estai aiozai de Pedro
e Paulo, patronoi da santa egreja romana.
Sejam testemunhas essas veneraveis reliquias
de tantos pontilicos, de martyres e de confeaso-
res, pelos quaes est santificada a trra que pi-
samos.
Sejam, sobretodo, testerranhas esiei santos
que hoje mesmo, por vosso decreto soberano, fo-
ram coliocados na classe dos habitantes do cu,
que, por seu noro Ululo sao chamados a proteger
a egreja, oque nao se asquecero tambera, do
alio de seua altares, de offerecer aoaDeus Todo
Poderoso as suas primsires oragoes pela vossa
sonservaco.
Agora, pois, em preaenga desta assembla, nos
bispos, com receio do que a impiedade finja igno-
rar os erros, ou ouse negar, condemoamos o
erros que londes coademoado ; repellimos e re-
jeitemos as doutrinas novas e extranhas que sao
espalhadas de diversos lados em detrimento da
egreja de Jess Christo ; reprovamos e condem-
oamos os sacrilegios, as espoliagoes, asvlolagdes
das immuoidadea ecclesiaslieai o outros alten-
lados commettidos contra a egreja o- a cadeira de
S. Pedro.
Este protesto, pedimos que teja inserido as
actas publicas da egreja ; demais, pronunciamo-
lo com toda a confianga, em nome de todos a-
quelles r>e nossos irmaos quo c-sto ausentes, em
uome daquellei que, retidos em casa pela vio-
lencia [v\ refenti domi), so celam e gemem oes-
te dia ; e daquellrs que, negocios graves oa o
mu estado de siude impediu de te acharem com
nosco.
Juntamos nossa toz a do oosio clero e do
nosso povo fiel, todos animados para comvosco
do mesmo ardor e rsspeito e nao mostraran)
elles o seu zelo para com tosco do modo mais
brilhante, j por suasiocessanles orages, j pe
da seus adrorYria*. e lomiudo por fim reola-
goes decisivas 1
Prsxa a Deas qae caiam do arrependioento
essas poucos desgranados ecclesiasticos religiosos
que esqueceodo a sua rocago, ntgam a obedi-
encia devida a teas taperioret, e usurpando te-
merariamente a autoridade da egreja, correm
tua perdigo I
Uoiremot nossas lagrimas s rostas, smtiui-
mo padre, solicitando ardentefflente do Seohor,
emqaanto que proitrados a vossos ps vos pedi-
mos essa forga celestial que d voisa bengo
apostlica e paternal.
Seja a vossa bengo aJ>uodante e sia do
fundo do rosto cors-lo, afim de que nosse
estnia sobre os, como tambem recala sobre'
nossos irmoa bem imados qae esto ausentase
sobre os fiis confiados nossa solicitude.
Seja ella pan bossis dores e para as do mun-
do urna dulcficaco e um allirio que fortalega
oossadebilidade, que fecunde nossos trabalhoi e
nossas obras, e qoe, emflm, traga promptamente
para a santa egreja de Dem lempos mais fe-
lizes.
Boma VIII de junho do anno do Senhor, 1862.
(Seguem-se duzendas e sessenta e cinco assig-
naiuraa de cardeaes, patriarchas, arcebispos e
bispos do mundo calholico.)
O padre sanio respoudea o seguate :
A manifestsgo e exposigo que acabaesde fa-
zer-noi, Tenorareii irmoi e amados filhos, csu-
saram-nos profunda alegra, pois um penhor
de vosso amor para com a sania s, e um gran-
de e precioso testemuoho desse rinculo de cari-
dadecom que os pastores da egreja caiholica sa-
ta o eslreitamente noidos nao s eutre si, mas
tambem com esta cadeira da Terdade; oque
mostra clarameote que Deus, autor da paz e da
caridade esl com nosco.
Ese Deut est por nos, q*m ser contra dos ?
Portanto, ao meimo Daus louror, honra e glo-
ria ; e a vs paz, sada e alegra : paz para os
vossos coragoes ; sade aos fiis em Christo en-
tregues ao vosso cuidado : alegra a vs e a elles
para que unidos com os sautos eotoeis com jubi-
lo o novo cntico na casa do Seohor peloi seculoi
dos seculoi.
(Noco.\
Variedades
DOUS DAS DE
GRANDE FESTA
DE TAVIRA.
NA CIDADE
O Dr. Francisco Tavares, r/uma obra intitula-
da a Iostrucgoes e cautelas praticss, etc. acerca
das aguas mineraes do reino impressa em
Coimb-a em 1810, no capitulo XUI a pagina 175
diz o seguinte:
< Junto cidsde de Tavira, capital do reino
do Algarve, ha am roci asss espagoso cercado
de borlas, cooventos e casas, chamado a Atalaya,
roui agradavel pela vista de mar, de rio, e de
florestas sempra rerdejaotea em qualquer daa os-
tagoes do inno. Serr elle de pssseio publico, e
para o manejo e exercicios da tropa, da qual po-
dem ali manobrar tres mil homens. O seu solo
de rocha coberta de trra mareosa. Na parte
mais alta deate rodo entro a borla do Tiro e a
das Cams oascem em abundancia una olhns de
agua, qae at ba poucos lempos a esta parle s-
mente serriam ao regado das horlas viaiohas.
Esta agu, que causava a quem a beba urna len-
ta cao de goato nao commum, oo era conhecida
ainda assim por medicinal, emquanto o Dr. Joo
Nunes Gago, medico daquella cidade, nao co-
megou a fazer delta til applicago, fundado nos
resultados, que assim os reagenU-s como a eva-
poracS'o Irie flzerara conhecer, o quo as observa-
ges tem confirmado e autorisado. Eu darei so-
monte aqu o resumo de suas obsor7ages ana-
lyticaa, cujo original conservo, bem como outros
de nutras origeos de que tenho tratado. Nasce
esta agua mansamente por entre fendas d'uma
rocha calcrea, e em qualquer de tres principaes
fendas abundante, sendo a chamada Fontinha
de Sanio Antonio de quasi ma telha de agua.
E' constante de todas em qualquer lempo ou
eilsgao, depois'de graudes s6ccss, como depois
de aturadas chovas ; o que parece mostrara prO-
faindidade da seu manancial. Ua toda a carleza
de que estes cirios, cuja agua mu cristalina,
communicam entre si; adverte-se porm que
estegoando por algumas horas perde algum tanto
a sua diaphaneidade. O MU sabor agradavel
sobre o picante ljrissimaminle-, e os que presu-
men) de paladar exquisito, pretender sent.-lo
distiactameote sulforeo.
Em qualquer estago, ou temperatura da ct-
mosphera eleva o Ihermometro na eacala de F. a
78 grSu. n 00 n meio na de R. e apenas fas
Silguroa pequeoissima variagao para mala ou me-
nos segundo a atmoiphera est mais calorosa oj
mais Ir.'.- Podo, como ordinario, a semsgo
pelo tacto ento qi.-..\si na razio inversa.
A analye pelos reaeu\Vsr j/>ela e-vaporago
nada mostrara de eaiofre, mas maniibvgiran-
de abundancia de gaz carbnico, coosequeot-i
menta trra calcara e silcea mu dividida, mu-
riatos de soda e caicario em pequeas porgoes
e por estes principios tem prodazido os elle i tos
que se notiram perteocer i iguas de que em ge-
ral se tralou nos captulos V e IV, principalmen-
te os das gazosas. >
Esta rpida noticia colhida pelo Dr. Francis-
co Tavares, como elle mesmo coofessa, de urna
exce'.lente c Memoria sobre a analyse e virtudes
medicinan das aguas thermaea da fontinha do si-
tio da Atalaya da cidade de Tavira que aca-
demia real das sriencias apretentou em 1787 e
socio correspondente Joo Nunes Gago.
Sendo pois estas aguas muito recommendadas
pela seiencia, e procuradas rom grande f e qua-
si sempre com admiraval xito-pelo povo, a oo
salando at hoje- devidamente aprovnitadas, in-
tentaren) varias pessoas da cidsde de Tavira fazer
reverdecer o an-tigo peosameoto de as empregar
n'um eMabelecimeoto de banbos.
Comegaram logo senhoras ecavallciros a tomar
sua coota este importante assumpto.
Varias damas da cidade de Tavira, constitui-
das em commissao, proposeram se arraojar um
basar, para o poderem conseguir, dirigirn) se
a todas as suas coroproviaciaoas pediodo a cada
urna um briode ou um qualquer auxilio.
To boa voolade e to patriticos seotimsatos
Jespertou este convite das damas tavirenses, que
em pouco tempo so corjieguiu reunir rnaii da se-
lecentos premios para figurarnos na lotera do
bem projectado basar, sendo a-lguos delles de la-
vor muito apreciavel.
Ricos o pobres concorreram todos com egual
eulhusiasmo, cabenda aos tavirenses nesle em-
penho c maior louvor.
Alm de commisso smenle composla de se-
nhoras, havia outra de cavalleiros, para a auxi-
liar no3 trabalhos quo as damas nao podiam pes-
soalmente dirigir.
Ainda alm dostas duas commissss lomaram
tambem um lugar muito importante oeste aa-
sumpto o patriticos artistas tavirenses, qua
muilos e valiosos.servigos, desde qua se achia
associados n'um monte pi por elles criado, teem
prestado sua Ierra natal.
Estes honrados, e benemritos operarios que a
suis expensas ha poucos anno restauraram a
egreja de Saoto Antonio d'Atalaya, que em 1612
hara sido construida juntamente com o conven-
io de fraiiM que lhe cooliguo, e que o vanda-
lismo do 1831 havia profanado, destruido, e des-
pojado de tudo, tratando se agora de urna festa
patritica, l correram logo a lomar o seu lugar
de hoors.
Para o projectado basar era preciso um pavi-
Ibo, e construido este junto egreja de Santo
Antonio, os artistas tavirenses tomaram a seu
cargo a festa de arraiai, armando urna vistosa
arcara, vestida de murta florida, teodo nocen-
tro um jardtni com fuste de repucho, e dous ta-
blados, um para a tua banda de msica e outro
para a do batalho de caga lores n. 4, as quais
ali locaran) na vespera e dia de Santo Antonio,
em quinto oo fufara vendidoa lodos os bilhales
da grande rifa destinada construego do projec-
tado edetlcio de banhos.
O pavilho era todo torrado de pannos brancoi
e oocarnados, e nelle achavam-se cinco senho-
ras Tendeado aot concurren!o os.bilbetes da
rifa.
Nunca na Hada Atalaya Grande da formosa
Tavira houve urna to lusida e bem dirigida
festa.
As duas noutes eslireram encantadoras : a luz
da la, derramada por todo aquelle aspagoto ro-
Meio Trarataos Nevet Qulntioo, D. Carlota da
Mello Parsir de Vaieoncellos, e D. Maria Candi-
da Pereira da Silva.
A committo dot sinlbelroi compunhi-se dos
Srt. Titcoode de Tivin, presidite da cimara,
prior de S. Thiago, Dr. Parraira e Dr. Marques.
Todos, segundo ai loformagott que temos re-
ceido, tribalharam de corigo para o bom xito
do teu empenho ; e com maita etpeciilidade o
Sr. Dr. Parrelra, hbil facultativo, qoe muitos
e bom servigos tem prestado, e sobretudo na pro-
pria crise do cholera morbus em 1855, ao seus
muito dedicados e gratos amigos tavirenses.
O producto do basar deu em resultado a quin-
til de de tiii ceios mil ris ; mis alm desta
lomma diz-se haverem mais un cenlo e oitenta
mil ria de donativos feiios por varias pessoas.
O benemrito governador civil do Algarve dix-se
que mandar reunir a ettat quintiaa maia centoe
cincuenta mil ris. quede Lisboa para ali foram
maodadot em 1855 para toccorro dos oacessitados
durante a epidemia, mas que nao chegaram a ser
distribuidos.
Avante, pois, ponha-se por obra um to til
proprosito.
Prosigam as damas e o cavalheiros taviren-
ses, at verem realisados o seui cobres desejoi.
Quem eitas palavris aqui escreve, um tavi-
rease, que sabe amar de lodo o'coraglo a trra
do teu bergo, e que por isso oo pode deixar de
se aisociar em peosamento aos seus mui saudosos
conterrneos, a quem das margeos do Tejo hoja
sauda com mil e mil eocomios.
COSMTICO ECONMICO.
Refere Plinio que as damas romanas se serviam
dos caraces para amaciar a pello, braoqaea-la a
tirar as sardas.
E obtiohsm estos resaltados, secesndo os cara-
ces ao sol, e depois reduziodo-os a p, e mis-
turando-o com egual quaniidade de feriaba do ta-
ras. E' um exeelleota comestico. Nao tem in-
convenientes o seu oso, como outros, que por* ahi
leempregim, os quaes fazem grelar a pello, en-
rugam n'a, manchando-a de nodoas.
Por conseguinte as damas porluguezas pedem
emitar, se quizerem, as romaoss, aproveitando
os caraces, que bsslos sao em nossas viohas : a
estes davem preferir, porqae sao os medicinaes^
que sob varias formas se applicam aos phtysicos,
UM MONUMENTO EM MACAU,
Est ameagada dedeslruigo a ruina msls pit-
toresca e o nico monumento mais 9otavei qua
lemos em Macu ; que o frontespicio qoe resta
do antigo templo de S. Paulo, que foi eligido pe-
las
Con
mos puras dos prinieirot chrisios do_ Japo.
numido pelo fogo em Janeiro de 1854, h\ aprc-
veitado para cemilerio, ao qual serve de entrada
a magestosa fachada, toda de granito e de ele-
gante arcbltectura grega. Na parte inferior tem
dez columnas de ordem jnica, e outras dez da
ordem corinthia, correspondentes superiormente
s primeiras, eolremeadas de vaos ou cncavo
com boas estatuas.
Pela belleza da perspeetivi, boa execugao do
irabslho. e recordeges, qua suscita dos templo
de noisa proiperidade e podero no Oriente, ei-
te mouumerjto a unics cousa digna de attengao
qae oeste gecero ba m Macu.
Querem aproveitar a pedra deau'a edificagao, se-
gundo nos ioformam, para obra oovas. Ca do
extremo occidente reclamamos contra semelhaote
intento, e pedimos s autoridades daqi-ella ci-
dade conservem a-juelle glorioso pac'ro da chis-
taodada de outras oras, e que poupem mais- esse
labeo aos muito que j temos oestes ltimos teai-
pos pela demoligo ou desamparo dos noss?8-mo-
oumeotos. .
Em vez de destruir a fachada da S. faulo, ne-
vera haver todo o cuidado em conserva-la, ropa-
rando-a convenientemente pan quo continuo a
resistir intemperie do clima e ios tufes, como
por sua solidez lhes lera resistido ha mais d3
oas seculoi.
aoi
MERCADANTE.
Este celebre compositor, que o IMWH inteiro
lem durante muitos aonos 'estojado pela excel-
encia e primor das suas greadei prolucg*"S m-
sicaes, segundo referen) dous periodiejs ita'i.anos,
acha-se ceg em tonsequeocia de urna oparago
dolorosa que leve de soiTrer.
Se es estorbos da seiencia alo forem suffitieo-
tes para restiluir-lhe a vista, a desgraga que hoj
atorraeata o graode maestro tarnar-se~ha urna
importante perda psra a arte, que elle teato- en-
grandecati e nobilttou com o seu iuspirade* ta-
lento.
NOTICIAS DE POMPEIA.
Estiva se representando no th. airo do ?om-
peia, no auno de 79, quando a lava do Vesuvio
sepaltou as suss ciozas aquelle grande cidade, a
aual tinbaj aido muilo arruinada pelo terremo-
to do anno"&c antes de Jess Christo;
Sumido nss ruinas, jmencionado L>!lVrot
mais tarde deseotulhado e agora acaba de- sa
abrir, para continuara fcnecionar, sendo j pa-
sados 1763 annos.
O empresario anounjia ao publico a reaborura
daquella colyaea com a seguate origiaslijeimo
programma :
a Teodo estado fechado durante 1800 annos o
thealro desla cidade, torna a abrir ai suas portas
no prximo domingo, lavando sceoa a opera A
Filha do Rtgimento. Espero quo os nobres o
plebeus couiinuaro dispensando-me a mesma
benevolencia que ao meu antecessor Mr. Quii o
Marcio ; pois eu por minha parte buscarei egualar
as suas raras qualidades financeirei.
No Porvenir, peridico de Sevilba, timbera sa
v a seguinte curiosa aolicia ceres da cidado de
Pompeia:
Urna escrupulosa ansiyse do i'oysico Frode-
rico Clandat, dea em resultado deacobrir-se a
composigo do vidro, ou cryslal, que se u.-iva
em Pompeia.
Das ruioas desle celebre mocumento extraiu-
se am crystal de 70 eenlimetros de comprimeo-
to, por 56 de largura, e 3 melimelros de gc,ossu-
rs, o qual analysado chy nucamente, deu o se-
guinte apuramento : Slex 6943; cal 7 > soda
17; alumina 3 ; oxido de ferro 1 ; isto urna
composigo quasi egual a doi vid ros que-presen-
temente se fabricam.
a Faltou ao sabio inglez, dizer psra que ser-
via na enliga Pompeia aquelle boceado de crys-
lil, qoe autores fidedignos suppoem ter perteoci-
do ea passe-parteut que deveria guarnecer um
retrato photographico da loba que amameutou a..
Rcmula e a sea irmo Romulo.
A LARANGEIRA
Esla bella arvore, que to saboroso e refrige-
rantes fruclc3 produz, foi trazida da China oa da
India, para a Europa no principio do XI sesulo.
A larangoira mais antiga que se conhece, a
que est em Versailes. chamada o Grande Con-
destavel. Fot semeada 6m Pamplona em 1-121,..
trazida para Cantilly, e lomada oa occasiao de se-
ren secuestrados os movis do condestavel da
Bourbon, em 1523, foi cODduiida para Fonlaino-
bleau, e de l para Veraailles, em-1684, onde ac-
tualmente existe serviDdode eolevo e admirajo
ao curioso viajante que ali vae visita-la.
UMA ANTIGA JOIA DA COROA DE PORTUGAL.
O magnifico brilhante cenhecido pelo nomo da
Saacy, possuido hoje pela familia Demidoff da
Russia, que em 1787 o comprou por 310 coritos,
appareceuba pouco em um bailo em Paria, .ipre-
sentou-o ali o representante daquella familia, O
joven conde, que tom 170 costos de renda.
O brilhante Sancy perteuceu a Carlos o tema-
rario. Trazia-n na batalha de Nancy, em que o(
mor'.o. Um sol lado saisso acboa ento o bri-
lhante eveodeu-o por um cruzado a um padre.
Esla soobe oque comprou. O brilhante veia pa-
rir por avultado prego coroa de Portugal. Por
morte do cardeal D. Hanrique foi veodldo por 17
contos i JJarcey de Sancy, francez Foi desle in-
dividuo que lhe veiu o nome de brilhante Ssnry.
O brilhante indio. Pesa cenlo e tantos qui-
lates.
Depoit de ser possuido por Sancy perteoceu
Jacques II de Inglaterra. Elle reodeu-o por 102
contos a Luiz XIV. Na occasiao de 1789 que se,
suppoa ter sido vendido a familia Demidofl.
(1) Ai Rom. c. 8, r. 13.
eom todos os outros reneraveis irmaos, os Bispos i ^5es 0 fundamento das cousas humanas,
de tolo o muodo calholico, e coro os fiis com- i ^t n0 nos toca fallir mais sobre esta grave
raeltidos os vossos cuidados e aos delles, Dao de- materia, a nos que temoa eicutado sobre ells ai
"(2) Epist. Vil ad. Equ". per Ju\, C 2 EdU. "JJJJ P". ? 1H Rom.
la admiraVel 'generoiidade com que offereceram ci. reflectiDdo-se as serenas aguat do Gilo, e
o dinheiro de S. Pedro, beodo bem qoe rindo mosiraodo ao looge ai do oceaoo, dar aquelle
em soccorro do pastor supremo, trabalham pela extremo cantioho do continente urna feigo deli-
cooservago de sua libardade ? ciosamente phantistica.
Praxa a Deas que 'odos os povos se enten- Alm desla luz quo vinha reflectirse na face
dam entre si para pdr em segoraoca esta causa da Ierra, na Atalaya havia ama esplendida illu-
sagrada do ehristimlsmo universal' e da ordim minago, fogueirai de alecrim, e fogos dearti-
tociall flci- .
Prsza a Deut que os reii e os poderosos do se- A commisiao das damas era composta das
culocompreheodam que a causa do pontfice Illmas. o Exmas. Sras. viscondessas de Tavira,
a causa de todos os principes, e de todos os es- D. Ains Parrelra, D. Luiza de Bivar. D. Gertrudes
lados, vendo e yallindo os criminoso eilorcoa Vito Pereira da gilva. Freir, D, Mia da Eocar-
BALA ESTRATGICO.
Assegure urna correspondeocla da Nova-York
que durante a batalha que se deu perlo de Rich-
mood, Mr. Lowe, celebre areonauta, estove met-
tido n'um balo a 2,0*10 ps de distancia da trra,
observando lodos os movimentos do inimigo o
commuaicando ao general Msc-Clellan por meio
de um Qo elctrico.
ERNAMBUCO,-TYP, DE J. F. DEF.4 FILHO.

__.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIWF748VY_CB3RUA INGEST_TIME 2013-04-30T23:03:10Z PACKAGE AA00011611_09588
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES