Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09581


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO IIIVHI. IDMEIO174.
r tres meiestian lados JJJOOO
Pi* tre vdffi yeocidoi 6J000

** i < -
m
FEI1A 30 BE JOLEv DE |.
Fr hm tiutadt IfOOO
Porta fraict tan t iibscrif ter
DIARIO DE PERIVAMDIO.
-.
MGARREGADOS DA SU BSCKIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio AUxandrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
Aracaty, o Sr. A. da Lemoa Braga; Cear o Sr.
J. Jos da Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim
Marqaes Rodrigues; Para, Hanoel Pinhairo &
C; Amazonas, o Sr. Jaronymo da Costa.
1NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO 00 SUL
Atagas.o Sr. Claidino Falcao Dias; Bahia,
Sr. Jos Martina Airas; Rio da Janeiro, o Sr.
Joao Persira Martina.
PARTIDAS DOS C0RRE10S.
Olinda todos os dias as 9# horas do dia.
Iguarassu, Goianna, a Parahyba as aegandaa
e sextas-feiraa.
S. Anteo, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho
Garanhuna as tergaa-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pes-
qaeira, logazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viala,
Ouncary e Ez as qua> taa-feirae.
Cabo, Seriohem, Rio Formoao. Una .Barreiros
Agua Preta, Pimentelraa a Natal qaintaa feiraa.
(Tooa os correios partem aa 10 horaa da manha
IPHEMERIDES DO MEZ DB JLI.110.
4 Quarto crascanta as 8 horaa e 20 mnalos da
manhaa:
12 La chela aos 2 mine toa da manhaa.
18 Quarto mingaante as2 horas e 32 minutos da
tarde.
26 Laa ora aa 6 horaa a 24 minutos daan.
' PREAUAI DE UOJE.
Primeiro as 6 boras e 54 minutos da manha.
Segando as 7 Moras e 18 mnalos da Urde.
FARTIDA DOS VAPORES GOSTEIROS.
Para aal ti Alagoaa 5,* 20; para o norte
t a Granja & 14 a 29 de cada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recie: do Apipucot a 61|2, 7, 7 1|2, 8
e.8 1|2 da m.; de Olinda a 8 da m. e 6 da t.; de
Jaboato s 6 112 da m.; do Caxang o Varita
s 7 da m.; de Btm/ica as 8 da m. 4
Do Recite : para o Apipucot s 8 1,5, 4, 4 1|4,'
4 1|2, 5, 5 1|4, 5 1|2 a 6 da t.; pata Oiinda a 7
di id. a 8 1 |2 da t.; pera Jaboato a 4 da t.; para
o Caxang e Yanta ia 4 1)2 da t.; para Btmfica
at 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas a quintas.
Relaco: tercaa a aabbadoa s 10 horas.
Fazenda: quintal a 10 horaa.
Juizo do eommercio : eegundaa ao reto dia.
Dito de orphioa: torgaa e aextaa a 10 horaa.
Primeira rara do ivel: tarjas a extasa malo
da.
Segunda vara de eivel: qaartase sabbatoa l
hora da tarda.
MiTE 0FFICI1L
DIAS DA REMAS A.
22 ?f*!,ndV ni l0D0C.enc' p- : S. Razarlo m.
29 Teiga. S. Olavo re ; S. Lucilla- 8 lobo b
30 Quarta. S. Ru6oo m\; S. Don.tili, v
31 Quinta. S. Ignacio de Loyolla fundador,
1 2?j S-P"dro ad >"la. Os 7 Hacheaos TS*
2 Sat>bado. Nossa Senhora doa Aojos.
3 Domingo. Iovengo do corpo deS.stevfo.
ASSIGNA-SE
no Recie, em a livraria da praga da Indepen-
dencia ns.6 e 8, dos propriatarios Manoel Fisuel.
roa daFaric 4 Filho.
Ministerio do imperio.
3* secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 19 de junho de 1862.
Illm. e Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Impe-
rador o requerimento de IIeuriqu6 Ricardo 0'-
Reyli em que pede ser declarado cidado brasi-
leo e habilitado nesta qualidade para ezercer o
cargo de Toreador da cmara municipal da villa
de S. Fidelia, allegando : Io, que nasceu de paia
francezes. mas nesta cidade, em casa situada no
largo da S no auno de 1822, e (o baptisado Da
freguezia do Sacramento, como consta de una
certido que aprsenla, contendo o thecr do as-
aemo de seu baptismo, lavrado a 22 de agosto do
1855, em virtude de sentenga do juizo ecclesiaa-
tico, sobre justiGlica^eo de Ihe ler aido ministra-
do o Sacramento em 10 de selembro de 1822,
teodo elle niscido em margo do dilo anno; 2o
que exerceu a proissSo de advogado no (Oro da
tilla de S Fidelia, com provisoes do presidente da
relagao do ditricto, as quaess s3o concedidas a
ddados brasileiros, juntando para prora, urna
ertido da secretaria da relago, em que isso se
turma ; 3", que foi eleito supplente de vereador
da cmara muoicipal di referida villa de S. Pida-
lis lendo exercido esse cargo al 4 de Janeiro de
1861, em que foi suspenso por portara dessa pre-
sidencia, expelida em deferimeuto de represen-
tado da relerida cmara, pondo em duvida a sua
nacionalidade, vista de documentos publicados
no peridico Ordem, com o 11 m de persuadir que
o supplicaole Francez; e 4J Analmente; que o
aeu nome oo lisura Das listas doa subditos da
nago franceza, como prova com um attestado do
respectivo cnsul, constando, ao contrario, no
consulado, que elle Brasileiro, no gozo dos di-
direilos e prerogativas de ciladeo deste imperio.
E o mesmo auguslo sanhor, "conformanJo-se,
por aua ircmediala resolugo da 5 do correte
mez, com o parecer da seceso dos negocios do
imperio do eoDselho da estado, exarado em
consulta de 9 de junho prximo passado ha
por bem mandar declarar a V. Exc. que, d3o sen-
do irrefragaveis e coucludeotes as provas pre-
sentadas em contrario tque foram exhibidas pe-
lo supplicante priocipalmedta a ceriidi de bap-
tismo, que prova jurdica, deve elle ser maati-
do oa posse dos direitos de cidadlo brasileiro,
em quanlo nao ae apreaeDtarem oulras provas
qu6 destruam is que o supplicante tem em seu
favor, obserraodo-ae aisim a doulrna do art. 5
do decreto n. 500 de 16 de fevereiro de 1817
confirmada por varias deciaes do governo.
O que communico a V. Exc. para seu conheci-
aVeolo e exuedigo das necessarias ordena.
Deus guarde a V. ExcMarque: de Olinda.
Sr. vice-presidenle da provincia do Rio de Ja-
neiro.
4a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 1- de julho de 1862
Illm. e Exm. Sr.Em solugo ao officio de V.
Exc. de 30 de maio ultimo, declaro V. Exc. que
pode mandar abonar as faltas dadas pelo mejor
Joo Baptiata da Silva MaDguinho, no exercicio
do logar de continuo da aulas preparatorias an-
nexaa a faculdade de direito dessa provincia, du-
rante o lempo que servio como presidente do
conselho de qualicago guarda nacional, por
ser este servido gratuito e obngatorio por lei, e
por isso spplicavel a elle a ultima parte do aviso
citado por V. Exc. de 19 de julho de 1860. Deus
guarde V. Exc.
Harquez de Olinda.Sr. presidente da provin-
cia de Peruambuco.
5* secgo.Rio de Janeiro.Ministerio dos no-
gocios do imperio, em 3 de julho de 1862Illm.
o Exm. Sr.Poi oavida a secgo dos negocios do
imperio do cooselho de estado sobre o offlcio nu-
mero 61 de 4 de outabro do anno paseado, no
qual V. Exc, representando que o inspector de
saude dessa provincia, talrez fundado na disposi-
cao do artigo 60 do regulamento numero 828 de
29 de selembro de 1851, que alias s traa de
substancias e drogas medicioaes, tem-ae julgado
autorisado, as visitas sanitarias, a mandar pe-
remploriamente inutilizar oa gneros que a seu
juizo sao julgados deteriorados, sem deixar ne-
nhum recurso asparles, oque tem excitado quei-
zas, consulla :
1*, se curial a pratiea seguida pelo mesmo
inspector, ou se applicavel aos gneros alimen-
ticios a disposicao do artigo 61 do regulamento,
podendo os interessados requerer novo exame, e
neste caso a quem compete a nomsacao dos pe-
ritos ;
2, se a inspectora de saude competente pa-
ra ordenar a ioulilisagao dos gneros, tomndo-
se assim executora de suas propriaa deliberarles,
o se deve recorrer polieia, e, neste caso, ss
esta deve antes de qualquer processo lazer exa-
cutar aa decisoes da inspectora, ou ae de?e pro-
ceder o processo de que irata cari. 65.
E S. 11. o Imperador, conformaodo-se, por sui
Inmediata rasolago de 19 do mez passado, com
o parecer da dita secQo, exarado em consulta de
7 de maio deste anno, manda declarar V. Exc
o seguinte :
1*, que o art. 60 do regulamento annexo ao de-
creto u. 828 de 29 de selembro de 1831 compre-
neode em sua disposijo os gneros alimenticios,
como manifest pelas palavrasalgumas subs-
tancias esto falsificadas, corrompidas ou alte-
radas, e com estes gneros se deve proceder
da raesma maneira porque se procede com os
medicamentos e drogas deque falla o mesmo ar-
tigo ;
2% que aos ditos gneros alimenticios appli-
cavel em toda a sua extensao o disposto no artigo
61 do mesmo regulamento;
3o, que a nomeagao doa novos peritos de que
trata o citado arl. 61, deve ser feita pela autori-
dade sanitaria da mesma maneira porque o fdra
a dos primeiros peritos para execucio da disposi-
$ao do art. 60;
4, que na execugao das medidas que se bou-
rerem de lomar para a execugSo das deliberarles
da autoridade sanitaria devem observar-se as
dispusieres dos arla. 62,63 e 65, dando-se as par-
tes os recursos estabelecidos no regulamento, e
hvrando-se os termos necessarios pelos mode-
los aonexos s lostrucges approvadas pelo avi-
so de 28 de agosto de 85.Deus guarde 5 V.
Exc.
Harquez de Olinda.Sr. presidente da provin-
cia do Rio Grande do Norte.
6a secsao.Rio de Jsneiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 5 de julho de 1862.Exm.
6 Rvm. Sr. Foi ouvida s seccao dos oegocios do
imperio do conselho de estado sobre os ofliciosde
16 de junho ultimo, em que o Rvm. provisor ge-
ral deate bispado prope em nome de V. Exc.
Rvma., o padre Francisco Cardoso de Mello para
Tigario da freguexia de S. Sebastio de Itabapoa-
na, e o padre Jos Guedes Hachado para a de
Nossa Senhora da Penha do Morro do Coco, am-
bas no muoicipio de Campos, da provincia do Rio
de Janeiro, eotendendo o referido Rvm. proviaor
geral nao dever incluir na aegunda proposta o
nome do primeiro dos meociooados sacerdotes,
nao obstante ter na mesma occasio concorrido
igreja sobra que ella tersa, e de haver sido laa-
sen) approvado.
E S. H o Imperador, conformando-se por sua
immediata resolugao de 2 do correle mez com o
5"2J*I a* ree'ida seccao, exarado em consulta
de 26 do mez passado, ha por bem mandar decla-
rar a v. exc. ttvtna. que tica manlido o concurso
para o provimento da primeira daquellas igreias,
ordenando que seja devolvida a V. Exc. Rvins
para ser reformada, a proposta que se refere ao
prontneolo di Iregsezla do Morro do Coco, pelos
fundamentos do citado parecer, de qu junto urna
copia para seu conhecimento e governo
Deus guarde a V. Exc. Rvma.Mrquez de
utinda.Sr. bispo conde capello-mr.
Consulta a que se refere o aviso cima.
Senhor I Houve por bem V. M. imperial orde-
nar, por aviso de 23 do correte, que a secgo
dos Degocios do imperio do conselho de estado
coosaltaase com aeu parecer sobre as inclusas
propostas para provimento das lgrejas parocbiaea
de S. Sebasliao de Itabapoana, e de Nossa Senho-
ra da Penha do Morro do Coco, ambas no muni-
cipio da cidade de Campos, e bispado do Rio de
Janeiro. A seccao tem a honra de executar a or-
dem de V. M imperial.
Poslas em concurso as igrejas mencionadas,
comparaceu para a de S. Sebistiao dollabapoana
um s opposilor, o padre Francisco Cardoso de
Mello, e para a de Nossa Senhora da Penha de
Morro do Coco ae aprasentaram doua oppoaitorea,
o mesmo padre Cardoso e o padre Jos Guedes
Hachado.
No concurso foi o padre Cardoso approvado com
dez pontos e meio, e b padre Guedes com seis
poatos; aquelle em ambos os exames, e este no
nico a que se propozera.
O concurso foi revestido de todas as formali-
dades legaes; mas urna das propostas nao foi re-
gular. Para a igreja de IlabapoaDa propoz o
Rvm. provisor, em nome do Rvm. bispo diocesa-
no eomocumpria.ounlcoopposltor della o padre
Cardoso ; e para a igreja de Nossa Seohora da
Penha do Morro do Coco propoz o padre Guedes
aoraento, quando a esta igrejs tambara se havia
opposto o padre Cardoso, que at obteve no exa-
me nota auperior do seu competidor. De as-
sim haver procedido d o Rvm. provisor por mo-
tivo o ter proposto para a Igreja de Itabapoana o
padre Cardoso, nico que a ella se oppozra, e
que j all servia como encommendado.
Comquanto a scc.ao tenha para si que o Om do
Rvm. proponente, fra prover ambas as igrejas
com os concurrentes que appareceram, pondo
o urna o unico opposilor della, e na outra o con-
currente que cra s pela retirada do compa-
nheiro, todava este arbitrio nao Ibe era permit-
tido, embora fossem boas as suas iotencoes. A
dispoigo da lei que regula as propostas nao an-
torita aemelhante acto.
O alvar de 14 de abril de 1781, chamado dat
[acuidades, determina que dos concurrentes ce-
jara propostos tres que raais dignos forem. Este
preceiio auppe a existencia de maior numero de
oppositores, o que nem sempre acontece, como
na hypothese prsenle, onde para urna igreja se
apreaeotaram dous, e para outra um Bornete.
Por isto a pralica tem admiltido, e a proviso de
J de agosto de 1827 auloriaado, que aa propos-
las possara contar menos de tres nomos, para que
as igrejas nao Qquem aem pastor. Nao ha, po-
rm, pralica nem disposicao nenhama que per-
mita preterigo de um nome, quando coocorre-
ram tres ou menos de tres. Neste caso devem
ser todos incluidos, fazendo o proponeote aa ob-
servac.6es que julgsr necessarias oa conve-
nientea.
Na hypothese preseota a proposta' da um com
preterido de outro, que tambero concorreu, equi-
vale a urna apresentago, que da privativa attri-
buigao de V. H. imperial, como padroeiro e che-
le do poder executivo (arl 102 2a da conati-
tuicao.)
Nao obsta a que seja incluido na proposta da
igreja do Morro do Coco o padre Cardoso o ter
sido proposto para a de Itabapoana, como cum-
pris, por ser o nico opposilor a esta : as pro-
postas devem ser o resultado e a expresso exac-
ta do concurso ; e eolio V. M. imperial resolve-
r como o pedir o bem publico e da igreja. Nao
compete ao prelado proponeote a apreciacao
destas circumstaocias. (Alvar de 14 de abril de
1781 cima citado). S lbe dado fazer obser-
vaces.
Portanto a seccSo de parecer que, mantido o
concurso regularmente (eito, seja devolvida ao
Rvm. bispo diocesano, ou a quem suas vezes fi-
zer, a proposta relativa igreja de Noasa Senho
ra da Penba do Morro do Coco, para reduzi-la aos
termos da lei, iocluiodo es dous oppositores,
aiim de que V. M. imperial delibere como for
juslo, vista desta e da proposta da igreja de S.
Sebastio de Itabapoana, que est regular.
V. H. imperial, porm, resolver como houver
por bem.
Sala das conferencias da aecgio dos oegocios
do imperio do cooselho de estado, em 26 de ju-
nho de 1862.Visconde de Sapucahy.Bernardo
de Souza Franco.Manoel Felizardo de Soaza e
Mello.
Como parece. Paco de S. Christovo, em 21
de julho de 1862.Com a rubrica de S. M. o Im-
perador.Mrquez de Olinda.
Dtcrcto n. 1,153 de 9 de julho de 1862.
Aulorisa o governo a mandar passar carta de ua-
turalisagao de cidado brasileiro a Hanoel Car-
los Godioho e outros.
Hei por bem sanecionar e mandsr qua se ele-
cuta a reaolucao aeguinte da assembla geral le-
gislativa :
Art. 1. E' o governo autorisado para mandar
passar carta de na turalisacao de cidado brasi-
leiro :
I.* Aos subditos portugaezes Hanoel Carlos
Godinbo, Domingos Francisco Moreirs, residentes
oa (provincia do Maranhao ; Anselmo Jos da
Cruz, Joaquim Dias da Silva, residentes na pro-
vincia do Espirito-Santo ; Francisco Gomes Cu-
nta, Joaquim Dias Braga, Jos Joaquim de La-
cerda, Aotonlo Bento da Costa Real, residentes
na provincia de Sergipe; Antonio Carneiro Pei-
xoto, Euguenio Jos Naves Andrade, Jerooymo
Jos Texeira, Antonio Jos Aoluoea Guimarea
residentes na provincia das Alagoaa ; Aotoolo
Cordeiro da Silva, Manoel Jos Gongalvea Fra-
ga, residentes na provincia da Baha ; Francisco
Jos de Souza, residente na do Paran ; Fran-
cisco Antonio de Souza Azevedo, residente na do
Pisuhy ; Francisco Noronha de Henezes, residen-
te nado Cear ; Hanoel Jos da Cruz, Jos Hor-
tense Terra Vargas, residentes na de Hias Ge-
raes ; Joo Baptiata Antonio Peixoto, Francisco
Jos da Costa Faria, residente ns provincis do
Para ; Antonio Viceote Porto, Joaquim Guilher-
me da Costa, residentes na de S. Pedro; Joo Jo-
s dos Santos, Hanoel Antonio Teixeira, Antonio
Manoel Taixeira, Jos Joaquim Teixeira. Placido
Jos da Silva, Manoel Jos de Carvalho, Jernimo
Jos da Carvalho, Bernardo Joa de Braga, Fran-
cisco Bsrnsrdes da Costa, Antonio Jos de
Carvalho, Jos Joaquim da Rosa, Manoel Pereira
da Silveira, padre Francisco Moreira de Carvalho,
Francisco Jos de Soaza Guimarea, Antonio Jo-
s do Couto, Joaquim da Coala Guimaraes, resi-
dentes ns proviocia do Rio de Janeiro ; Fernando
Mendes de Almeida, Jos Antonio Pereira de La-
cerda Braga, Ballhazar Correa, residentes no mu-
nicipio da corte ; Joo Jos Chaves, Hanoel Fer-
reira Haeiel, Antonio Joaquim de Lacerda, Pau-
lino Halla, Dr. Joaquim Jos Pereira Santiago,
Francisco Haria da Lima e Antonio Pereira de
Souza Ribeiro.
i 2.a Aos subditos francezes Eugenio Aristides
Piersone Eduardo Gross ; aos subditos italianos
Joo Pedro Tury, Jos Pagononelli e padre Do-
miogoa Gallezio ; ao subdito allemao Francisco
Antonio Netto : e os subditos austracos Ernesto
Dinix Street, e Carlos Seidle.
Art. j. Ficam revogadaa as disposice em
contrario.
O marques de Olinda, conselheiro de estado,
senador do imperio, presidente do conselho de
ministros, ministro e secretario de astado dos ne-
gocios do imperio, asslm o tsaha entendido e
faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 9 de julho de
1862, 41 da independencia e do imperio.Com
a rubrica de S. H. o Imperador. Mrquez de
Olinda.Julo Lios Vieira Cansanso de Sioimb.
Traositou oa chancellara do imperio, em 12 de
julho de 1862.Josinodo Nascimento Silva.Re-
gistrado.Publicado na secretaria de estado dos
negocios do imperio, em 15 de julbo de 1862.
Jos Bonifacio Nascentes de Azambuja.
Decreto n. 1,161 de 9 de julho de 1862.
Autorisa o governo a dispensar a Joo Joaquim
Ramos Silva o lapso de lempo de doua annos
nos exameadelatim e ioglez, am deque pos-
ta matricularse na faculdade de direito do Re-
cite, e fazer acto do 1* anno, que freqaenta co-
mo oavinle.
liei por bem sanecionar e mandar que se ele-
cute a seguinta reaolucao da assemtila geral le-
gislativa :
Art. 1. E' o governo autorisado para dispensar
a Joo Joaquim Ramoae Silva o lapso de lempo
de dous annos nos axames de latim e inglez fei -
los em 1859, afim de que possa matricular-se na
faculdade de direito do Recife, e fazer acto do l8
anno, que frequenta como ouvinte.
Art. 2. Ficam revogadas aa disposicoes em
contrario.
Omarquez de Olinda, conselheiro de estado,
senador do imperio, presidente do conselho de
ministro, ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio, assim o tenha entendido e
faga executar.
P'lacio do Rio de Janeiro, em 9 de julho de
1862, 41 da independencia e do imperio.Cm a
rubrica de S. H. Imperador.Mrquez de Olinda.
3a secgo.Rio de Janeiro. Hioitlerio dos ne-
gocios do imperio, em 15 de julho de 1862Em
resposla ao officio de 5 do correte mez, em que
a Illma. cmara municipal pede a expedigo de
ordem para que ae colloquem as frentes do edi-
ficio da secretarla do imperio e da iypographia
nacional os lagedos que faltam, manda S. M. o
Imperador declarar a mesma cmara que a obri-
gago dos propietarios dos predios de collocarem
lagedo. derivando-se do 12 til. V secgo 2a do
do cdigo de posturas, com a allerago, quaoto
largura, da postnra de 14 de abril de 1852, nao
comprebende a substituigo dos meamos lagedos
quando destru Jos por mo eslranha ; e sendo aa
faltas dos queexittem as frentes daquelleaedi-
ticios provenientes da deslruico que sajas dos
que existan) quando se procedeu ltimamente ao
calgameoto da ra da Guaida-Velha, esperava o
governo que o emprezario do mesmo calgameoto
os fizesse substituir sua expensa, como era, e
aioda do sen dever, e por isso nao se officiou
Illma. cmara, logo que foram notadas as (al-
tas dos lagedos ; cumprino que a Illma cma-
ra providencie convenientemente aobre os repa-
ros de que trata.Harquez de Olioda.
6a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do Imperio, em 16 de jolho de 1862.
Illm. e Exm. Sr.Handa S. H. o Imperador que
V. Exc. Rvma. faga por da novo a coocurso a
igreja parochial deS. Sebaatio de Itabapoana,
no muoicipio de Campos, da provincia tk.Jftiiff
de Janeiro, por isso qua o padre Francisco Ca,
doso de Helio, nico proposto em officto de 16
de juDho ultimo, foi apresenlado por decreto
deata na de Nossa Seohora da Penha do Morro
do Coco, no mesmo municipio, para a qual tam-
bem foi propoalo em officio de 10 do corrente
com o padre Jos Guedes Machado.
Deus guarde a V. Exc. Rvma.Harquez de
Olinda.Sr. bispo conde capello-mr.
6a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 17 de julho de 1862.
Illm. e Exm. Sr.Sua Hagestade o Imperador
ha por bem que V. Exc. revereodiarima mande
por de novo a concurso a igreja parochial de
Noisa Senhora do Pilar, por nao merecer a sua
imperial approvac.o a proposta felta pelo provi-
aor deste biapado, em nome de V. Exe. reveren-
diaaima, por officio de 12 de junho ultimo, do pa-
dre Manoel Fernandea Sampaio:
Deus guarde V. Exc. reverendsima.Mr-
quez de Olinda.Sr. bispo capello-mr, conde
de Iraj.
sua credencial, proferia o Sr. Vasconcellos e Sou-
za o seguiste discurso ;
c Senhor 1 Teoho a honra de passar s roaos
da V. M. imperial a carta pela qual sua mages-
tade el-rei o senhor D. Luiz I bouve por bem
acreditar-rae #u enviado extraordinario e minis-
tro plenipofenxiario junto de sua magestade im-
perial.
a Sao to conhecidos os sentimentos d'el-rei
meu augusto soberano para com voisa magesta-
de imperial, e cor tal forma manifestados oa car-
ta de que me vaoglorio de ser portador, que es
minhas eipresadea caro, mo grado meu, a
quem do que a vossa magestade imperial escreve
sua magestade Odelissima. Compro todava, ae-
ohor, Vas summo prazer, com o mais profundo
respeito.o dever, cojo desempeoho mais espe-
cialmente me foi recommendado : certifico a vos-
sa magestade imperial a coosiderago elevada, a
ioalteravel, cordialsaima estima, a o mais vivo
loteresse de sua magestade fldellasima pela pa-
eoa de vossa mageatade imperial, por toda a im-
perial familia e pelo eograndecimenlo a prospe-
ridade da nagao braslleira, to dignada sua surte
presente, como do futuro anda mais bullante
que a espera.
a Lisongeado em extremo pela misso de que
pela ierceira vez me acho incumbido, nao deaco-
nhego, senhor, que, apezar da mioha decicago e
zelo, mal a poderei desempenbar, ae vossa ma-
gestade imperial se oo digoar auxiliar-me com a
aua ioapiecisvel benevolencia. Ouso, poia, soli-
citarla, senhor para vantagem mutua de Portugal
e do Brasil.
c Uiierasses recprocos de grande rnagnitude,
relaces intimas de misado e de paranteaco uoem
esireiiamenla a nagao a que vossa magestade Im-
perial nroaide e a que eu teoho a honra de repre-
sentar.* Oxal, aeohor, eu possa contribuir como
devo, como ardootemeoie desejo, para o deseo-
volviraanlo daquellaa meamos interesses, para
maniere estrenar cada vez maia as boas relagoes
to reluotente existentes entre Portugal o Bra-
.l. D
Reapoeta de S. M. o Imperador.
Muito me peohora esta prova da amisade de
sus magestade fidelsima el-rei de Portugal, meu
caro e presado aobrioho. As rela;es que feliz-
mente existen entre nossos paizea sao as que as-
segura o idioma em que ambos ooa exprimimos,
e aatou aerto, Sr. Joa de Vasconcellos, de que
em vossa Ierceira misso junto ao governo brasi-
leiro continuareis com o mesmo zelo a mntelas
no p da maior cordialidade. >
17 de agosto prximo vindouro, a eleigao de um
deputado provincial por ease 5a dstricto, e da
necessidade oe dar cumprrmento a ordam deata
presidencia de 5 de maio deste anno, approvoo
procedimento que Vmc. leve, por isso qua tem
applicago a esta hypothese a doutrioa do aviso
n. 425 de 25 de novembrode 1857.
Portera.O presidente da provincia lendo em
vala o que requereram Rodrigues & Nunes, con-
signatarios do pslhabote nacional Principe, ebero
assim a ioformago do capito de porto n. 9, re-
anlve conceder permisao para Domlngoa Fran-
cisco Arouca matricularte independale de apre-
aentago de carta de piloto, vialo Dao haver pes-
aos habilitada para esse fim, como capito do
mesmo pslhabote Da viegem a que est deslioado
*?.!! dB 0cera6e o frequente.. se.
hit?. Ce1ld".0U flC(>n>P"hadas de febres ma-
ligoas, que gastara as furgaa do paciente.
Suppoe-se que pelas festas de julho, que cale-
orara o trigessimo primeiro aooiversario do seu
remado, possa elle vlr pela primeira vez, desde o
comeco da molestia, ver a sua chara cidade da
roxellas r ser urna entrada triumpbaote. Mu
euduvido muilo queisto seja possivel.
Oduqae de Brabante val melhorado : talver
oDrasse bem em ir faier uso doa banhos, como
tenctonava; mas o estado duvidoso do rei sel
pse o retem forgoaameol aqu.
A cansara nao est Irabalhando : tomou por
suas maos urna tregua de 15 dias efira de dar fis
suas secgoes o tempo necessario de examinar
para o Rio Grande do Sul. devendo. porra. a I g.ndio.o pro.e Toe ST^SL^f*". !
aignar lermo na capitana do porlo.'pelo qual JSt^.,528 %u* ^ '^
SBirrsLaafapra qua,uer ^j~^&asfr uti,id.de pJ
ra viagem que pretenda fazer.
Dita.O presidente da provincia attendendoao
1 que ponderou o director geral da ioslrucco pu-
i biica em officio de 22 do corrente sob n. 168, re-
olve designara Mara do Rosario dos Saotos Pi-
pheiro, para regar interinamente a cadeira de
insirucgo primaria da freguezla da Boa-Vista
deata cidade, durante o impedimenta da respec-
tiva professora Fraociaca daa Chagas Ribeiro de
Oliveira, percebando a graticago meosal equi-
valente ao ordenado da professora substituida.
Despachos do dia S6 de julho.
/featinmenioi.
Francisca Severiana da Mello Falcao. Iufor-
me o Sr. iospeclor do arsenal de marioba.
Bacharel Joo Juvencio Ferreira de Aguiar.
Concedo dous mezea ua furma requerida.
Arcediaco Joo Jos Pereira.Dirija-se a the-
aouraria provincial.
Joo de Araujo Cesar.Informe o Sr. Dr. juiz
municipal do termo de Nazaretb.
Offlciaes do 1 batalho de infantera da guar-
da nacional do Retife AoSr. director do araenal
de guerra para attender aos supplicantea me-
diante indemnisago a nao havendo inconve-
niente.
6 secgo.Rio de Janeiro Ministerio do im-
perio, em 17 de julho de 1862. Exm. e Rvm.
Sr.Tendoeommuoicado V. Exc. reverendisaima
por aviso desta data, a resolugo que tomou Sua
Hagestade o Imperador de mandar pornovamen-
te a coocurso a igreja de Nossa Senhora do Pilar,
para a qual fra proposto pelo provisor deste bis-
bado, em nome de V. Exc. reverendisaima, o pa-
dre Hanoel Fernandea Saropaio, cumpre-me ob-
servar V. Exc. revereodiasima, que este sacer-
dote, vigario collado na igreja de S. Jos de Por-
to-Alegre do Mucuiy, arcebispado da Babia, ha-
via pedido ao seu prelado licenga por seis me-
zes: e sendo lhe esta denegada, abaodooou a sua
igrejs, e aqui na corte, para onde se dirigi, al-
legando vir por escala, soltcitou do governo,
omittindo aquella circumatancia da recusa, a mes
ma licenga de seis mezas para tratar de sua sau-
de gravemente arruinada, segundo ella dira ; li-
cenga esta que lhe fot concedida, mas que, vis-
ta de representado do prelado, foi logo depois
cessada pelo mesmo governo, como sendo obiida
subrepticiamente.
O procedimento deste sscerdote foi portanto
muito irregular e incorra em crime como ponde-
ra o seu prelado. E oo foi meaos irregular que
elle, occullando aquellas circumatancias, se op-
puzesse a igreja e fosse admiltido a concurso. A
simples declarago de renuncia da sua igreja que,
segundo se deprebende da informago do mesmo
provisor do bispado, servia de base aquelle pro-
cedimento, oo tinha sido approvada pelo gover-
no, e nem anda recebida pelo sen prelado, que
era o comnetente para a receber; e por isso nao
era sufficeote para que elle se considerasse des-
ligado do vinculo de obedieocia para com o mes-
mo prelado, do qual nem licenga apresentou pa-
ra sabir de sua igreja, como era necessario que o
flzesse, nao s pela sua qualidade de sacerdote,
como e aioda mais, pela de parocho.
Deus guarde V. Exc. reverendissima.Mr-
quez de Olinda.Sr. bispo capello-mr, conde
de Iraj.
6a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio doa
negocios do imperio, em 19 de julho de 1862.
Exm. e Rvm. Sr. Tendo proposto o provisor
geral do bispado do Rio de Janeiro, em nome do
respectivo prelado, o padre Hanoel Fernandos
Sampaio, vigario collado da freguezia de S. Joa
de Porto-Alegre do Mucury, nesta diocese, para
parochia da igreja de Nossa Seohora do Pilar na
proviocia do Rio de Janeiro, houve por bem Sua
Magestade o Imperador nao approvar semelhan-
te proposta, pelos fundamentos declarados no avi-
so de 17 do correte, do qual transmiti V.
Exc. reverendisaima, urna copia; cumprfado qua
V. Exc. revereodiasima tome as providencias que
lhe parecerem necessarias a respeito do procedi-
mento que teva o referido padre.
Deus guarde i V. Exe. revereodisaims.Msr-
quez de Olinda.Sr. arcebispo da diocese da Ba-
hia.
Mi misterio dea negocios estran-
geiros,
No dia 12 do corrente mar, pelas seis horas da
tarde, fot recebido per S. M. o Imperador, em
audiencia publica, no palacio de S. Christovo, o
Sr. Jos de Vasconcellos o Souzs, nomeade en-
viado extraordinario e mioistro plenipotenciario
de sua magestade fidalisalma nesta corte.
I Na occasio de entregar a S, H. o Imperadora
^GOVERNO DI PROVINCIA.
Exp 'lente do da 26 de junho de
J .186*
OffjHi ao Exm. presidenta da provincia da Pa-
rabibVParticipo V. Exc. que segundo decla-
rou-ofai obrlgadeiro commandante das armas em
hontem datado, sob o. 1,439, nao ebe-
uelle quartel general o desertor Jos
orreia, de que trata o officio de V. Exc.
orrente sob n. 4.066.
comtosndayw uaa armas.Sirva-se V.
mlttir novsmnte o seu parecer sobre o
Luis Tbeolonio Bezerra, no incluso re-
to documentado.
mesmo.Sirva-se V. Exc. de interpor
o seu pyiecer sobre a materia do incluso officio
do duefclor das obras militares de honiem data-
do sob 119.
Dito ao director geral da iostruego publica.
Desgoo os professores Miguel Archaojo Hindello
e padre Vicente Ferreira de Siqueira Varejo.
para compor a com misso de exames, de que tra-
ta o officio de V. S. datado de hontem sob n. 170,
que tica assim respondido.
Ditoao inspector da thesonraria de fazenda.
Declaro V. S. para seu coohecimeoto e fim con-
veniente, que segundo participoo-me o director
das obraa publicas em officio de hontem sob d.
165, coDsurairam-se com a illuminago do pala-
cio da presidencia no mez de maio ultimo 6.300
ps cbicos de gaz e ao de junho prximo lindo
4,600 ps.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. para seu co-
nhecimento e direcgo que nesta data autorlso o
director do arsenal de guerra a mandar fornecer
mediante a competente indemnisago, 400 cartu-
xos sem bala para as salvas que se tem do dar na
occaaio da festa de S. Viceote Ferrar, que se ha
de celebrar amanha ni igreja do convento do
Carmo desta cidade.
Dito ao mesmoEm vista da inclusa conla em
duplcala, estando ella em termos, mande V. S.
pagar ao Dr. Felippe Nery Cullago, conforme ao-
licitoa o capito do porto era officio de hontem
sob n. 96, a quantla de 241J, proveniente de im-
pressoes que fez de livros e outros objectos para
o expediente daquella capitana.
Dito ao mesmo.Satisfaieodo ao que V. S. so-
lcito em seu officio de 27 de juoho ultimo sob
n. 575, tenbo a dizer segundo as informaces mi-
nistradas pelas repartieres competeotesque dos
nove recrulas remettidos pelo delegado do Li-
moeiro, os quaes constara da relago annexa aos
papis que devolvo, sete sssentaram praga no
exercito e oa de nome Hanoel Rodrigues de Sou-
za e Jaciotho Firmioo de Lima foram postos em
llberdsde, e por isso mande V. S. entregar ao
negociante Joo Joaquim Teixeira, ou a pessoa
por elle autorisada, conforme requisitou o chefe
de polica em officio n. 963 de 16 do citado mez
de junho, a quanlia a que liver direito o meamo
delegado por haver appreheodido taea recrutas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Pode V S. conforme indica em sua ioformago
de hontem sob n. 411, mandar entregar ao viga-
rio da freguezia de S. Pedro Harlyr de Olinda,
Joo Jos Pereira, o beneficio da 3a parle da 5a
lotera, concedida a favor das obras da matriz
daquella fregnezia, am de que possa elle occor-
rer as despezas com a continuarlo das mesmas
obras.
Dito so mesmo. Minde V. S. por em hasta
publica as obras dos reparos ds estrada de Pao
d'Albo, servio Jo de base a essa atrematago os
cinco orgamenlos juntos por copias, que nesta
data approvei, a para esse fim me foram remet-
tidas pelo director da repartigo das obras publi-
cas com officio de 5 do corrente sob n. 150.
Dito ao capito do porlo.Fago com este offi-
cio apresentar V. S. o recruta de marinha, Be-
nedicto Amaro de Barros, afim de que lhe d o
conveniente destino depois de inspeccionado.
Dito ao director das obras militares.Em vista
da ioformago da thesouraria de fazenda sob o.
683, autoriso V. S. a aceitar para o corrente
anno finaoceiro, a proposta que faz Carlos Luiz
Csmbrone para a reinogo das materias fecaes do
quartel do 4a batalho de arlllharia a p, me-
diante a quantia de 100;} annnaes. Fica assim
respondidos os officios de V. S. de 3 e 17 de
maio nltimo, sob o. 75 e 80.
Dito ao juiz municipal da Ia vara.Haja Vmc.
de mandar preparar e remetter-me com antece-
dencia as guias dos sentenciados que eativerem
no caso de seguir para o presidio de Fernando,
por que o hiate Sergipano, tem de seguir para
all at o dia 29 do corrente.Officiou-se ao com-
mandante daa armas acerca da remessa de pragas
e de objectos.
Dilo ao presidente da cmara municipal da vil-
la de C'brob.Respondendo ao offlcio de Vmc.
datado de 4 de junho ultimo, tenbo a dlzer-lhe
que em vista da imposaibliidade que bouve de
reunir-ss a cmara municipal delsa villa para
expedir as convenientes ordene aos juizes de paz
da freguezia do mesmo nome, e da de Sslgueiro,
afim de convocaren) os respectivos eleitores para
o collegio leiloral qua tem de proceder no dia
EXTERIOR
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Bruxellas 9 de junho de 1869,
Nao tero havido realmente urna poca de tan-
ta agitago como esta noasa. Quando se espera
com seguranga a aolugo de slguraa das grandes
questoes polticas, que dividem a Europa, eia que
por ama aubita transformarlo, por um lance ines-
perado, vmonos outra vez entregues s mes-
mas incertezas, vemos que novas questes se
veem reunir s que j exisliam, augmentando
assim o quadro geral deltas.
Na miohs ultima correspondencia trateida si-
tuago poucb satisfactoria da Ruasia ; e agora
eis que a tocha incendiaria, provisoriamente
abandonada, substituida peto astannato, quee
boje a ordem do da. Dous factos se deram em
oito dias attenlatorios um da vida do general Su-
den, e o outro da vida do grao duque Constan-
tino.
Eale ultimo apenas chegando Vsrsovia com
as melhores iotengOes, e sendo comprimeotsdo
por muitos Polacos, que o encaravam at meamo
como a salvagao da Polonia, ao sabir do Ihealro
do dia 3 deste mez, foi ferido por ama bala, que
veio de encontr ao seu uniforme rasgar-lbe as
carnes.
Em Belgrade [consequencla funesta da velha po-
ltica russiana; o conflicto com a sublime Porta
constitae um perigo para toda a Europa: e aroea-
ga brindar-nos, alm de tantos outros motivos de
sustos, com urna guerra oriental, sobre ludo se
se confirmar a noticia quasi official que acabo de
ter, a aaber : que Gaiibaldi rene um grande
exercito de voluntarios para fazer urna descida
Albania na Grecia, ou Honlenegro.
O general italiano que anda actualmente com
ps de la respeito governo da Russia, por isso
que este acaba de reconbeter a nova ordem de
cousas na Italia, anda que com algumas restrie-
gues, defeode-se de qualquer participsgo neaaas
empresas revolucionarias, que reprova ; reenva
os Polacos e Hngaros ostensivamente ; liceocia
os regimentos, etc. Has oo esse o melbormeio
deengrossar as fileiras daquelles que parlilharo
da nova empreza de Garibaldi ?
Esta pergenia nao urna conjectura vas. Em
quanto o ministro Rsttazzi falla no aeio do parla-
mento italiano, e nega toda e qualquer participa-
gao as emprezas do partido da accio, os escrip-
tonos de arrolamenlo funecionam publicamente,
aos olhos mesmo da polica, em Genova, e em ou-
traa cidadea da Italia.
O que dos trar o prximo faturo? S Deus o
sabe. A Allemanha ahi est sempre com o seu
movimento unitario.
Urna vez regulada a qoestao do Hesse pela in-
terveogo da Dieta, e mais anda pela rivalidade
entre a Prussia e a Austria, que pela primeira vez
na historia produiio pelo meos o bom resultado
de promover a jusliga para aquello pequeo paiz
forgando o grande Eleitor de Hesse a restabele-
cer a conslituigo de 1831, e a lei eleitoral de
1849, eis que surge a questo Schleswig-Hols-
tein, prestes a entrar n'uma pbase abrasa-
dora.
Em Berln e em Vienna praparam-se notas
idnticas para o governo doamarquez com o Om
de obriga-lo a executar finalmente o tratado de
1852 : e note-se que a iolerpretago dada pelo
governo dinamarquez difiere de Indo e por tudo da
da Allemanha.
Na Prussia est immnente urna crise : o con-
flicto entre o rei e o povo serDeceasariameote o
resultado funesto da obatoada cegueira do rei
Guilherme I, que chamou para o poler, e nelle
conserva contra urna cmara liberal e progres-
sista um ministerio detestado, um ministerio reac-
cionario, e que pretende reinar, e governar des-
pticamente, tendo na bocea Ungidas phrases II-
beraes.
J mui vivas discussoes bao advertido o gabi-
nete von der IIiy.1t de que a cmara soffre e to-
lera impacientemente a ingerencia desse mesmo
gabinete nos negocios pblicos. Quando chegar
a discusso, que est prxima, do orgameoto da
guerra, que o palz julga muilo oneroso, ao passo
que o re nega legislatura o direito de reslrio-
gi-lo, o rompimento tornar-se-ha manifest : se
a cmara regaitar o orgameoto, ou ae restriogi-
lo contra a eapectaliva do rei, teremos urna nova
dissolugo, que desta vez ser acompaobada de
algumas novas leis reaccionarias, sobre tudo de
urna lei eleiioral destinada a eleger-se urna c-
mara impossivel I
A' vista disso, Uve ou nao raxo em dizer no
comego desta missiva que a situago em vez de
aclarar-se, cada vez ae aaaombra mais, e que nos
teremos ainda ncuito que esperar a proclamago
definitiva da paz universal, aonhada por alguna
espirites idealogicos ?
Passeceos agora nossa querida Blgica.
O ret Leopoldo continua a soffrer. Ha dous
dias sinda passou por nova operarao : entretanto
o seu estado tera-se tornado to melhorado qne
j elle pode oceupar-se outra vez doa negocios pa
blicos ; o \Monitor todos os das publica um
grande numero de crditos. J pude mesmo en-
tregar-so lettars. A's tardea manda chamar
Laclteo om ou oulro pianista para ouvir tocar.
Apezar dessa mudenca favoravel, receio muito
que o real elllustre albo possa supportar longo
lempo sinda ssa truel snferoidade da pedia,
bhes, que comprebende urna serie de caminhos
de ferro, pooles, canaes, ele, repartidos pelas
diirerentes provincias, electrisou dealguma forma
a cmara, que tinha necessidade de qualquer dis-
cusso, visto como o gabinete, era virtude da
molestia do re, julgou inoportuna a spresentago
de qualqaer lei, produiindo desi'arte urna espe-
cie de pasmaceira parlamentar, de que cbacotea-
va na imprenaa a opposigao extra-parlamentar.
Entretanto pode-se dizer que a questo nao foi
completamente estril. Alm do cdigo pena
revisto, obra inmensa que a cmara atinal tr-
minos, creou mais urna lnstituigo de ha muito
reclamada pelo eommercio de Antaerpia, deati-
nada, semelhaoga dos eslabeleciraeotoa ingie-
res, a promover emprestlmos de dioheiro aobre
mercaduras consigoadas : depois anda a lei ins-
tituindo soba garanta do estado umacaixa geral
de economa e recesso.
Mr. Frre Orban. ministro das finangss, du-
rante a longa e difficil discusso sobre essesdous
projectos deu provas do seu talento de imminen-
te financeiro, estadista, e grande orador.
A aecgo central da cmara regeilou por seis
votos contra um a lei aobre a respooaabilidade
ministerial propoata por occaaio da petigo uo
lugar-tenente Bajos, que se acbava parada a es-
pera de urna deciso instancias dos dous denu-
edos da extrema esquerda Mrs. deGotlal.e von
Humbert. Esse lei ter a mesma sorte perante
r cmara. Leis de urna natureza to delicada
nao se improvisam assim 1
Entretanto pode muito bem ser que a cmara
obrigue o ministerio a apreaenter-lhealgum pro-
jecto relativo a esla questo.
A cidade de Antuerpia contina a hoatilisar
o governo : quinta-eira passada leve lugar all
um novo meetiog, a que comparecen Hr. Coo-
mans, depatado clerical, que espera pescar as
aguas turvaa, e arrastar os aoluerpianos ao mo-
vimento que elle quer provocar por sua associa-
go contra aa despezas militares. O meeting, se-
gundo confessam os proprios interessadoa, foi
mais calmo, e menos apsxonado que os ante-
riores.
Por si mesmos comegam ellos j a fatigar-se
de sua violencia : o ponto qua o governo nao
os contrare. E' esla urna verdode de que a
maior parte dos goveroos fazem pouco uso, pois
que perseguem.inatauram loagoa e iatermiuaveis
proeaeso, a fazem marlyres. O nosso ministe-
rio liberal, ao contrario, deixa oa antuerpanos
gntarem e bradarem ana vootade. Eotrelanto
aa fortificages avaogam, as cidadelas, que o
cavallo de batalha delles, se coostruem, edaqui
a seis meses Antuerpia poder ser defendida com
successo contra o mais forte exercito de invaso
francesa.
Creio j ter dito em eulra occasio que quasi
todos os nossos bispos furam Roma, aaaist.r
eanonissgao dos marlyres japonezes ; qasi to-
dos, at mesmo o cardeal arcepiapo de Malines.
voltaram ssuas casas mui tranquillamente.
O bispo de Gand quiz ter a sea ovago, e o que
mais sua demooatrago em favor do poder
temporal do papa. O clero fez nesie Intaito lu-
do o que era humanamente possivel : preparava.
decoraya aa casaa contra a vonlade doa seus pro-
prietaiioa, Uuitos dos quaes destruiram as grioal-
das de flores ebandeiraa, que collncavam em
suas residencias. Na occasio do desembarque
do biapo fizeram-se discursos, e elle foisiudalo
pelo clero de aua diocese. e seminaristas de San-
ta Barbara : os curas eochiam de flores a carrns-
gem do principe da igreja.
Porm em lugar de liroitarem o seu enlhusias-
mo aos gritos de viva o bispo Ipozeram-se
tambera, a bradar viva Po IX papa e rei I e
oulras aeclamages desta eapecie. A multido
ou ao manos grande parte della responden com
gritos de viva Garibaldi I Viva a Italia II > A
ooute eales gritos foram repetidoa por baixo das
janellas do palacio episcopal.
Eia aqui o que ae ganha em querer promover
manifestages artificies. Nada mais curioso do
qoe ler-se a exposigo dessesacooteclmentosnos
jornaes de Gaod 1 O Btm Publico, orgo do bis-
po, pinta o acolhimenlo enihusiaslico preparado
pelas popularles, que ssniram ao encontr do
bispo ; ao pssso que as fulhas liberaes do lugar
representara a entrada daquelle como um fiasco
completo.
A verdade acha-se entre esaas duas versdes.
A raioha da Inglaterra prximamente espera-
da em Bruxellas : oinguem ignora a grande ami-
sade que tribus o nosso rei aquella rainha, que
lhe escreve quasi todas assemsoas.
De Bruxellas a rainha passar Cobourg-Go-
tha. O govaroo inglez insiste junto ao noaso para
que a Blgica ae decida emfim a coocluir o tra-
tado de eommercio ; e como prova das suas
boas disposiges abaodonou a opposigao que mos-
traya ba aioda pouco tempo contra o projecto de
capitalisago das portagens do Escalda.de que se
trata ba mnito na Blgica.
Mas a crise do algodo em Ga, a miseria
cresceote dos operarios sem trabalho, tornan)
esse trabalho aoglo-belga muito delicado actual-
mente. Por iofelicidade nao ae pode nem ao me-
os prever quando ser o Ora da lula fratricida
entre o norte e o sul dos Estsdos-Uuidos.
Ao terminar cata correspondencia, onde me
dada a preciosa liberdade de analysar cada urna
por si ss differantes questes que agitara, a Euro-
pa, lembrei-rae de que oada havia dito sobre a
questo do Hexico. Entretanto devo dizer alga
ma cousa esae respeito, ainda quando aeja so-
mente para lembrar o quanto foram exactas as
minhas previsdes sobre essa empreza absurda.
indigna, e injuatlficave!.
O imperador arrepeode-se de ter comegado
esas questo : elle pode como seu to achara sua
Hespanha oo Hexico ; mas ento o Warterloo
nao se tornou muito mais modesto em suas vista*
l de Pars.
Por pouco qua se possa sabir com honra edssa
mo passo, em que a Fraoga deixari ficar muitos
homeos, e maito dinheiro, todava nao se hesi-
tar. Como annuncia o Constitucional da hojo
j foi abandonada a idea de fuodar-se ma rro-
narchla no Hexico. Agora cootaotam-ae s com
ir capital viogar a derrota soffrida e a honra
do estandarte francez, respiogado com o sangua
de 10 a 20 mil homeos, que voltaram Fraoga
jurando, porm, muilo tarde, que l nao os tor-
oaro a apanbar mais I
IrtTERIR

RIO DE .ia>:eiro.
12 de julho de 1862.
Hontem nao houv-d seiso no sensdo por (sita
de numero legal.

MUTILADO
"'


DIARIO DB PERNAMBUCO. "- QtllhXA FElRA 36 DS 5ULBO DE 1161,
Enroa faoolem em discuiso na ciBiudoi discussao 4o pirerer comatelo poderes
fleput.do o parecer de committae A*.V**m: Obve Mel e ores droftegejiiae da S*
obre asel.icdee deeleitoree dWda de Mogy diiCnm dSorocebefSo primeiro
^ft/^!,""; 5 dp ^TA d0cl : 5Ulriel da P1""' S. Paulo, Oro. OS Ro-
Jietrrcio da provincia de S. Paulo, v)iou o Sr. drigo Silva,
Martirn Franci.co. .... Continuo'* logo em seguida a dlscuaeo do or-
Continuou djpois a disuaeao do remenlo na ] comento na parte relativa ao minutario da mari-
darte relativa ao ministerio dos egocios estran- nb* Oraram oo Srs. Tavaree Baato., *-
jeitos. Orou o Sr. Paraobo.
Ambas aa discutsoea flcaTam
hora.
adiadaa pela
O Sr. ministro da guerra visitn hontem d
archiro militar e a offlcioa litbographica aooe-
xa. No archiro ti0 todas as obraa encaladas
tsnlo em desenlio como *obre o exame de obras,
o, passando secrelsria Jo corpo de eogenbet-
tos, soube ah qe todos os trabalhoa ealavam
m da. Na lilhograpKia vio e examioou w im-
portante, gvavurae a impreisoes que eslo entre
rxaoe, e moatrou-ce aaiisfeito dessrereparti-
-coe..
Consta-nos que o Sr. Dr. Thoeaaz Al-vea Jenior
To nomaado interinamente para o cargo de lente
da segunda cadtra do primeiro aooe da eacola
"militar, em lugar do finado Ur. Jussoano Jos '
4a Rocha;
O importante pleito (eralmente conhecido sob
o d<-noainaco de quetto Cielo, teve hontem seu
ultimo julgamenlo no tribunal da releco.
O debite versou obre dous pontos: T, jul-
ar-.e poreeotenc a deiisteneia requeiida pelo
&r. commendador Francisco Jos Cardse, como
ct-ssiooario do Sr. Joo Pereira de Souz C'lda;
S", decidir-se se o mesmo Sr.'C.ldas tinha direito
do proseguir na aeco.
O primelro poni nao idffrea conteiteco. A
desistencia eslava no caso de serjulgadt por
eenienca.
Quanto ao legando ponto, etteve o debate ani-
mado.
OSr. deaembargador Comes Ribeiro sustentou
que o Sr. conimendador Cardlo nao era procu-
rsdor *m causa propria; que a escriptura cele-
brada eotra elle o o Sr. Clin apenas de
sociedade, com a condico de proseguir o Sr.
lardoso 00 pleito, faietido amigsvel cotuposico,
e que nao sendo a escriptura de eesso de direi-
tos, devia o Sr. Caldas lomar parle na accao e
proseguir nella.
O Sr. conselheiro Coala Pinlo enlendeu que a
seriptera de ceuo de lodo o direito e accao,
em reserva alguma.
Diste que o requerlraenlo do Sr. Cldes nao
devia ger iodefero, mas deieotrauhaJo dos
autos, tisto como nSo era aquill* parte na cauta
desde que celebro easa eicriplura ; e pois nao o
<:oniideravi com direito alguw para proseguir na
etco, que nem admitte o recurso de revista
ctenla a compoiijo das partes.
Os Sr. desembargadores Brga e Pereira M.>n-
teiro concordaram com o Sr. cooselheiro Casta
Piolo quinto a nullidade do procetso, Picando o
Sr. Caldas fra da arco.
^O Sr. desembargador Mascarooba limitou-se a
rqceDer os embargos oppoitos pelo Sr. cornroen-
dador Gerallo Jos da Cunha ao acorlo refor-
mando a sentenja que man le ve o Sr. Goraldo na
posse eno dominio do trapiche CUlo.
A esie julgamenlo esteve presente o Sr. conse
iheiro procurador de cori, que requeras, e
vence-so qao se declarasie no acordo que
ficava salvo fatenda publica o direito de haver
dos Sra. Cardoio e Cildaa a cnuita imposta pela
ordenaco aoa qua vendm e comprara coma
litigiosa.
13
Hontem nao heuve sessao no senado por falta
de numero legal.
A cmara dos depibdoa approvou hootem o
o resnenlo oa p.rte relativa ao ministerio dos
egocioa estrangeiros, dep..ig de ler o S'. Cuaba
Hgoeiredo fundamentado um requerimeo-lo. cuja
discussao ficou adiada pela hora, p.diodo ao
goreroo a lula nominil dos individuos que fo-
rana romeados substitutos dos juizes rounicip.es
provmcia de Mioaa no actual qujlrieooio,
nem como a relaco das oomeaces e demiisoei
dos ageni de polica desle oulubro do anuo
panado at fins de abril deite anno, com decla-
rado dos mottvea que determinaran, as ditas
comeacoes e demisies.
Ocupouse ltimamente com a discussao do
orcamento do ministerio da mariuba. Ofaram
os Srs. C. Madureira e Silveira da Molla, ficando
t ducusio adiada pela hora.
Reuoidaa hontem, i lt horas da manhaa,
no gabinete portugus de leiUra, mais dedu-
zenias pessoas, oceupou a presidencia por accla-
macao o Sr. Keinaldo Carlos Mootro, o qaal
convidou para aervirem de secretarios os Srs. A
-J. Alendes Campos e J. G. Lima Camacho ; e
depois de pronuuciir um discurso alluiivo
reunio, lea a seguiote proposta, que submelleu
o ucu-so :
Npmear-ae-ha urna commiasao composta
de^presidente, Ihesooreiro, dous secretarios e
seis membros encarregada de orgaoiiar dooativos
favor dos asylos da infancia desvalida de Lis-
toa e Porio.
*." Distribuir-se-hao listas s penosa que as
aoliciterem nesta reoniao pera o mesmo flm
oevendo o produelo obiido ser aolregue ao Ihe-
soureiro da eommiasio.
2; lmpetrar-se-ha licenca da directora do
gabinete portugus de leilura, para nelle ser
abert roa lista geral de subscripeao para as
pessoas qu* espoutanearaante quizerem concorrer
para o mesmo tiro.
4." Cotitratar-se ha com urna das companhlas
dramticas delta corte, para dar um espec-
tculo no Ihoatro lyrico em beneficio dos
asyloc
*.* O produelo geral dos donativos sera
rerueltido directamente pela commiasao S. M
r. o 6r. D. Luizt, aura de que S. M. se digne
dispur delle conforme aclnr justo, em beneficio
dos mesmo asylos.
6. A commiasao dar conta pela imprenaa
do Ro de Janeiro e Lisboa do resultado obiido
na aubscrlpcao eral.Reinaldo Caiioa Moot-
ro. Jos Bento Ramos Pereira.Aotonio Xivier
Bodnguea Pinto.Joao Gooealvea Lima Cima-
rho.Jos Martina de Carvalho Gaimarae.
Conilaolino Joaquim de Atevedo Lemos.Jos
Luiz Pereira.Joo Pernandet de Mallo*.An-
tonio os Marques de Abreu Jnior.Jo Joi-
quim de Castro Jnior.Vensncio dos Santos
Peretra.
Posta em dlscusio oraram os Srs. Caetano
Ferreira, Soare, Dr. Beroardino de Almeida,
MndeeCampo, Xavier Pinto, Constantino de
Lemos, Leile BasU, F. Pai e J. J. Duarle, e
loram apreieutadaa diversa emenda! ao art. 1*
passando rnente a aegointe :
Depoia da palavrasinfancia desvalida
diga e4do reinosupprimiodo-se, da Lisboa
o Porto.Mondes Campos, o
Fol em seguida approvda a eommissao se-
guinte, apresentada pelo Sr. preaideote, submet-
teodo-ie smeute a escrutinio a eleicao do pre-
sidente di mesa.
Theaoureiroa.-Jos Banto Ramos Pereira.Joi
Lulz Pereira. Jallo Eruesto de CaaUo Sousa.
Jo.quim Jea Duarle, Contamino Joiquim de
Azevedo Lemos, Joo Fernandos de MaUo. Jos
Mattins de Carvalho Guimires.
Secretarioa.Joo Gongalves Lima Camacho,
Antonio Xavier Rodrigues Pinto.
Procedeodo-se a escrutinio, ubio eleilc para
presideole da commiasao o Sr. commendador
Antonio Jos Alvea Souto.
Tendo pedido dispensa do cargo de secretario
Sr. Lima Camacho, foi acelamado pela aisera-
ii o Sr. Reinaldo Carlos Montero.
*m seguida a assembla approvou um TOto de
toevor aoa iniciadores da idea.
^SpSS.'.S'" dis,rituid" Mo 4.t
aoi en casa do Sr. Ihesoureiro, roa de S. Pedro
fcer. D0.4b'Dee portugu,z de leilura est
.Va' ll,U geMl d "iolra, a q..| J
'ii rotSo. "^ de Pe"0" -
'aleh.'r"/,t0 de B|Wli,B0 h"nauldad
roos e lotfM cor,S *ne-
n-'B,ieD.d" mQ Protectora i infancia desvalida
nao e io obedecer a um impulso natural, con-
menU cum^lt "m preceito sagrado, e
tiVfl ,ocledde, zelaodo a conaervago e cul-
oJ-a ,e" noT0 ''en'es, de urna parte da
an.?ah asas bemfeitore.
,3T\. '"nidada, aioltamos com a
r.rM.4. ^onU" eoJ >! mala fiel a
aa i. iniimUd' ,ubia,e n,P" credor a.
ai Intimas a pUMS homaoageo..
deUnm1?ontt"r,",70 ,eMd *" Mt'
Comiauoi bMiem a cmara do. dapitadoi
. e Gome
de Somia.
Amba ao disevisoea fleeram addiadaa pela
hora.
Fonra oftarectdos o. aoguintes additivosao re-
ferido orcamenlo :
Ao filhaodea ofeisos da armadacaaada.com
consentimantodo eeo pai, ou snoprimento ju-
dicial, e na falta da solteirae, Um Oireito a per-
cep;io do monte-pio.AntonioCandidO da Crur
Machado.Francisco Carlos da Lu. a
a Continua em vigor desde j a autoriaaceo
concedida ao governo, em irtude do 2* artigo
6o da lei numero 1,100 de 18 de selembro de 1860.
Lamego Costa.Cona de'Oliveira.Carlos d*
Luz. a
Os filhoi aseore, dos officiaea da armada,
al rompletarem a idade da le, tcm direito a
porcepeo do monle-pio de aeus pais.Lamego
Costa.Cerri. de Oliverra.Csrlo. da Luz.
< O govarno Dea autorisido a despender para
corceco do melhoramento
  • guro a quanlia da 4:00055000.Carlos da Luz.
    Cona de Oliveira.Lamego Cos.
    Hontem nao hoave esiSo no atando por falla
    do numero legal.
    Na cmara do. deputados, b.ontem, antea da en-
    trar-se na ordem do da, o Sr. baro de Man
    apreaentou o seguate projecio :
    A aesembtea geral resolve :
    Art. I. DMde que o Oaoco do Brasil reill-
    ea o pagameite de i- notas am ouro vonta
    na nn nA.i. 4.,. n .___ ____t -....*
    *^|oo fa dore pungila da orphandade elo ac-
    cresQa a penuria doa meie. de subsistencia f
    Cramoaque sim. porque confiamos em Dos, e
    judo esperamoe da genero.ldade nunca desmen-
    tida de nossos coocidados.
    r.,uniJder,0Uoa,l."bL,crip50e ,m beneficio da
    ramills do Dr. Rocha, ha urna aborta na preca do
    commercto pelo Sr. Viaon* da Lima.
    Pilleceu e sepoltou-ao bootvm o Sr. tenenle-
    h. h V.7.T *~8 ""I *m OBro Tonu* ""ee" epulloa-ae bootvm o Sr. tenente-
    de do portador. Oca o tus amiaaio aujeila ae ra- general Firmino Herculaoo do Moraea Ancora
    graa segumiee; J cona*lh.lr d ZiZJSZT***%"'
    conaelhairo de guerra e commendador da ordem
    de
    Avir.
    -20-
    Por provises de S. Ere. Rm. o Sr. blapo con-
    de capellao-mor, em data de 15 e t8 dejelhj
    crrante, furam oomeado. eoadjutore. desta fre-
    gu.na oa Rv. Mmoel Diaa do Couto Cuimare. e
    Albino Pinlo Perreira.
    22
    a ornara vitalicia oceupou-.e hontem com as
    materias constantes ds acta qe publicamos no
    lugar compleme.
    Sabbado 12 do corrente foi asaissinadi na aoa
    fazenda de Artpucaia, em Ilaguiliy, por um aeu
    eicravo, a Sr." I). Marii Iaabel Travaaioa Dodg-
    soo, vhiva deThomaz Butler Dodgsoo. que foi
    administrador da fabrica da Punta a'Art. ()
    assassioo evadio-se, porm as autoridades, se-
    gundo consta-nos, tem empregato as mais acti-
    vas providencias para a sua captura.
    16
    Hontem nao houve aeseo em neohiima das
    cmaras por falla de numero legal.
    Por caria imperial de 12 do correte foi no-
    meado o Sr. Albano da Souza Uiorio rice-presi-
    dente da provincia de Malo-Grosso.
    O Sr. Ezequiel Corre dos Saotoar, director do
    Monte-Po da sociedade Pbarmaceuiio.i Brasilien-
    se dsita corle, foi oomeado pera servir de prn-
    denle do mesmo Monle-Pio durante o corrente
    anno social.
    17 -
    Hontem nao houve sesso no aenado por falla
    de numero legal.
    A (amara dos depuiadoi approvou hontem, do-
    pols de orarem os Srs. C. Midureira e Martin
    trancisco, o parecer da commisio de podere
    aobre a elelco de eleilores dai freguezia da S
    de Mogy das Giuzes e de Suroraba, do primeiro
    ditricio da S. P^ulo.
    Oceupou se depoia com a discanto do orea-
    meolo, na pute relativa o ministerio da mari-
    nhi. Orou o Sr. mioislro reipectivo, licn !o en-
    cerrada a discuisio.
    Furam apresentidas is segulr.les emendas :
    Ao 22.Inclusive a utntis de 40 000*000
    prs o melboramenlo da barra da cidade de Ma-
    manguape, da provincia da Parahiba do Norie.
    Carniiro da Cunha.Diogo Velho.
    Ao 2accresceuleielO.- pra ou cotiatrueco de urna casa em que funccio-
    ne a capitana do porto de Sergipe.rzLeandro Bi-
    zerra.Fiel de Carvalho.Caletea*!
    Accreacente-e ao 22.Sendo 50 0005)000
    para melhoramanto do porto da capital do Cear
    Figueira de Mello >
    Augmer.tese a verba do 13 com a quantia
    de 8:000;COO, que sero eapecialrneule applica-
    dos eontinuacao dos melhorameolos do porto
    d capital da provincia da Paralaba, emprrhen-
    ios pela respectiva capitana.Arego e Mello.
    Diogo Velho.
    Foi tambem apre.entado o segoinle arligo ad-
    dilivo:
    Pica o governo autoriado a farer a deapeta
    necesiaria com o esludo das barrai da provincia
    de Sergipe, bem como aulorisadj a mandar rae-
    Ihorar a Uoleroa ealabeleci Ja na barra da Colin-
    Kuibr..=Leandro Bezerra.Galazins Fiel de
    Carvalho.
    18
    Hontem nao houve aeaso no seoado por falta
    de numero legal.
    A cmara dos deputados approvou hootem os
    pirecereadi commiasao da podarea obre aselei-
    Coe de eleilores das parochias de Teio, Santa
    Victoria e Moslarda, do segundo dntricto do Rio
    Grande do Sal, e da regueiia d Saoto Antonio
    do Rio Abaixo, da provincia de Mato-Grosio.
    Adoptou projeclos que approvam aa peoses
    sonases de 2005)000, concedida ao ac-praea do
    exercito Amaucio de Oliveir, e de 600J>000 con-
    cedida a D. Juanita Augusta Pecanha da Silva,
    viuva do contador da otannha Aotonio Jos ds
    S;lva, reparlidamente com aa Ires filhaa do mes-
    mo contador ; bem como o que aulorsa o go-
    verno a mandar passar carta de natorilisico do
    cidado branleiro a Jos da Cruz Loureiro Sam-
    paio e a alguna ouiros eslraogeiro.
    Occupou-se dspois com a discusiodo projecio
    que dispensa as leis de amorlisaQo para que a
    veneravel ordem terceira de Nossa Sfnhora das
    Dores da capella da provincia do Rio Grande do
    Sul e outras possam posiuir bens de raz.Po-
    ram ofTerecidsa varias emendas ealeodendo o
    mesmo fvor a diversa corporacoes, ficando a
    discussao adiada pela hora.
    Approvou em seguida o orgaroento na parle re-
    ativa ao ministerio da marioha, conjunctament
    com aa seguintea emendaa :
    Ao 22.Inclusive a quantia de 40:000j)000
    para o melhoramento da barra da cidade de Ma-
    manguap, da provincia da Parhiba do Nnrle. >
    a Accrescente-se ao 22 :Sendo O.OOO^OOO
    para melhoramento do porto da capitil do C Augmeote-se a verba do 13 con a quantia
    de 8.OOO3OOOO, que eero especialmente applica-
    do eontinuacao dos melhoramento do porto
    da capital da provincia da Parahiba, empreho-
    dido pela respectiva capitana
    Tratou ltimamente da discusiodo orcamenlo
    na parte relativa ao ministerio da guerra. Ora-
    ram oa Srs. Villela Tavarea, ministro respectivo
    e Mello Reg, ficando encerrad! a discusiSo.
    Foram apresentados 01 seguioles addilivo. :
    O governo autorisado a crear no municipio
    da corte um eollegio militar para educado dos
    joven, qae se deslinem ao serviQO do exercito,
    debilito da. .(guiles bases :
    1.* O aosino do eollegio comprebeoder <
    iostrueco necessaria para a matricula as escolas
    militarea do exercito.
    a 2.* Os alumnos o8o sero admiltidos com
    menos de sete nem mais de dez anno. de idade
    e seu numero nao exceder a 120.
    3.* OsOihoa doa oflkiaes inferiores, subal-
    ternos e capites, sero racebido. gratuitamente
    at ao numero de sessenta ; o. do. ofilciae. su-
    periores pagaro a mensalidade de 10J>000, e os
    do. ofBciies geoerae. a de 'O.3OOO. O numero
    desta ultima cla.se, porm, nao exceder a vinte,
    excepto ae o quadro daa oulras nao estiver pre-
    anchido.
    * ** Na ciaase dea sessoota alumnos graluilos
    aerao preferidoa : 1, os filhoa do militare que
    morrerem emeampaofaaoa nells ficarem mutila-
    do ; 2o, oa orpbioa da paia ; 3, oa dos que li-
    verem prestado servicos militarea relevante.
    i. F alumnos educados gratuitamente le-
    guirao a carreira militar, oa outroa poderio e.co-
    lher outra qualquer.
    6.* O rgimen do eollegio era militar.
    7.* A despea aonnal nao ecceder a 40:000o1.
    Lima e Silva Sobrioho.Mello Rigo. <
    Pica o governo autoriaado & conceder ama
    tape ao. ofilciae que a reqaererem, e quehou-
    veram servido no exercito durante a lata da in-
    dependencia. Junqaeira. o
    Por decreto de 12 do orrente foi concedido
    ao tenente-coronel Franciaco Vicente Vianna e
    Joo Vicente Vianna, fllho. legilimoa de Fran-
    cisco Vicente Vianna, o foro de fidalgo cavalleiro
    da imperial casa de qua jgosava o pai do. gra-
    ciado.
    Por decreto da mesma data, e sobre repre-
    eotaeo do ministerio da guerra, foi concedida
    ao caplto reformado do exercito Jos Franciaco
    da Silva a pen.o annaal de ISOgCOO por acbar-
    se ceg e em idade avancada.
    Por decreto de 16 foi oomeado arcedl.go da
    S do bi.pado de S. Podro do Rio Grande do Sul
    o vigario geral do mesmo bi.pado Vicenta Zefe-
    nno Diaa Lopes.
    Por decretoa da mesma data foram apre-
    seolados o padre Joo Peixoto de Miranda Vera.,
    o. igreja parochial de S. Gabriel daqaelle bi.pa-
    do, e o padre Francisco Cardoao de Mallo, na igra-
    ja parochial de Nossa Senhora da Penha do Mor-
    ro do Cdco do municipio de Campoi. diocaao a
    proTiocU do Rio de Janeiro, gww *
    Na cmara doa depulidoe, hootem, aote. de
    urr-ie oa ordem do da, o Sr. Talxeira Jnior
    nunciou aa leguinle interpellaces :
    * "a forn> d I- 13 do regiment deit. ci-
    ara, annuncio a eguinle interpellacea ao
    oda' nogocioa da agricultura e da fa-
    i* V Ql o mollvo porque o governo imperial
    tem demorado a declio da coo.ulta feila pela
    directora da estrada de ferro de Pedro II em
    U !e ?6.de JUDh0 Gai0- "*W a inteligencia
    da
    por ella dada a diversoa arligo. do. estatuios
    muirrt -1 >m ,. L ; O
    m
    graa seguiote*;
    I O naoirtjTit da emtelo total do banco
    poder aer elevoio pela admtoiMra-o do memo
    ao tnplo do fondo diipoolv! existente em aeua
    corea em moeda de oere leg|, em 1*m* da
    meama especie, ou em prata de enze dinheiro,
    na proporcS autorisada pela legislico vigente.
    < .' 'Par fundo disponivel entender-e-ha
    toda e qua-jquer quantia recolbida aoa cofre do
    baoco as eipciea deaignadaa no parigrapho an-
    tecedente, emquanto a importancia nao excedar
    ao fundo capital affectivameote realiado petoa
    accinniatas.
    a -3 As nota de cem e duzentoe mil rii
    emiiiiu pJa caixa central, embora realisavei
    em metal, voniada do portador, tmente na
    mesma caixa, ero todava recebidae como moe-
    da legal nas^eilice. publica, de todo o imperio.
    _ Arl. 2.* Ficam revogada. todas a ditpoti-
    {es em contrario.
    c Pago daca mira dos deputados, em 12 deju-
    lho de 1862. o
    Entrando na ordem do da, coutiouou a 3* dis-
    cutio do projecio que dispeoaa a ljt de mor-
    tiaigo para que a veneravel ordem terceira de
    Noisa Senhora dis Dores di capital da provincia
    do Rio Graode do Sul e outri%orj>oraces pot-
    aaaj posiuir bens de raiz. DepoT. de um geiro
    debate entre os Sr. Coila Pinto, Curo, llarli-
    oho Campos e Junqueira, ticou a diicuaiAo adii-
    da a requerimento do primeiro deslea tenhore.
    Foram pprovidaa em eguid, em i* discus-
    sao, as respoatas do governo abrindo creditoa aup
    plementarc tot ministerio da guerra e fazenda,
    depoi de alguma observarle, dos Sr. ministro
    daquellarepartico, Maninho Campos a F. Ocla-
    viano.
    Foi depoii approvado em urna t discuno,
    depois de algumas observacoea dos Srs. Villela
    Tarares e Jjguaribe. o projecio declanodo que o
    ordenado do carcereiro vitalicio aposentado da
    villa do P,r na Parahyb.a, Manuel Antonio Bas-
    los RalclitT, tasado em 125$ aoouaee.
    Entrando ltimamente em discussao o projecto *m approvino o emprego pn
    que declara epplicav*| aos empregados da junts em obra que por sua ntturez
    do commarcio do M>ranho a diaposic do art. radae ?
    14 da Ui n. 719 de 28 de selembro de 1853. par.
    mea lerem pagos pelos cofres gerae os ordena-
    doa que se lh fioaram devendo at a extineco
    da meama junta, ficou encerrada a diicusio, nao
    ae votindo por falta de numero legal.
    Foi apreaentada a seguinle propoils convsrti-
    di em projecio de lei:
    A 6* eommissao de cootas tendo examinado
    a proposta do governo que lixa as desperas do mi-
    niaterlo da agricultura, commercio e obraa pu-
    blicas, e depois de conferenciar cora o Exm. mi-
    nistro, a aprsenla convertida em projecto de lei
    com algumas emendaa que pensa dever-ae adop-
    Art. 6/ O moiiiroe lecretario de estado do
    negocios da agricultura, commercio e obras pu-
    bhcaa e luturisado para deapenaer cora o objec-
    los designado nos seguiote paragraphoa a quan-
    tia de.... r '
    5.
    6.
    170:0005)000
    6:000*000
    20:0008000
    8:000j000
    15.000000
    23 0008000
    10:0003000
    tk.63300
    491
    . a Propotta.
    1. Secretaria de ettado .
    2. Sociedade Auxiliadora da In-
    dustria Nacional ....
    3. Melhorameolo da agricultura.
    4. Descobrlroenlo e exploraco
    de mina ......
    Evenluae......]
    Jarlim Botnico da Lagos de
    Rodrigo de Freta .
    7. Dito do Passeio Publico .
    8. Cupo de bomboira. .
    9. llluminaco publica. .
    0. Garanta de juris estradaa
    de ferro e de rodagera .
    t. Obras publicas geraes e auxi-
    lio s proviociae. .
    12. Irnpecco geni da obra pu-
    blica* do municipio e seu
    auxilarea......
    13. Lfmpext e irrigacoda cidado
    14. Telegraphos......
    15. Trras pubtica e coloniae.io.
    Calechese e civiliiaelu do
    indios........
    17. Subveoeo s eompaobias de
    1D navegaco a vapor. .
    lo. Cirreio geral......
    19. Eiercicioa findos.....
    Emenda* da commisio.
    No 3. En vez de< inte cont de
    ga-se Ruronla cont de re.
    No U. Em vez deobra publica B
    auxilio s provinciadiga-secanaes, poniese
    estradas.
    No 12. Supprimim-aaai seguioles quanliat:
    Africaooa livrea e sua adminiatrs-
    codiga-se( Emquanto nao
    torem emaocipados) ....
    Seguraoca do morro do Caalel-
    lello, etc........
    C'lcamenlo por parallelpipedos .
    Coiiservacio do eucaoaroento de
    Maracan........
    Difireme, obra as Panera. ".
    16
    K%200000
    4^-22*800
    68. OOfOOO
    63 4!
    2.-iAJ(
    lo. ]
    o de rjit
    450O0
    >O)JOOO
    %
    -di-
    geraea e
    IhOOGJOOO
    100:000j>000
    6:0003000
    8:0003000
    190 5699705
    mmmll'.po"' ^."^^is-diga-.e-
    No 13. Era lugar das palavra.para a ir-
    rigado daa ruaa a 6 OOOJJ por mez, 72000#-di-
    g*-Pjra auxiliar alguma emireza quoge pro-
    ponha a fazer o ervigo de irrigao, 20:0009000
    No 5 15. Ficam extincta 1 delegada sus-
    pensas pelo governo, e conaervada nicamente
    a cinco ora existentes emquanto fr precito o
    semeo que pretlam.
    Ni artigo-medlco, demarcago, legitlma-
    Co e revalidarlo de larrasem vaz de114:000
    reduza-ae a cifra a64.0009.
    No artigo cu.teio daa colonias a cargo do
    governo-supprima-se20:000}reduzodo-ae a
    A committo reserva -te para
    do projecio dar as razdea que a determioam
    aconjelbar as reduccoes aponladas.
    da 1862.Luiz Carlos.-Caroeiro da Cunba. .
    Madureira, com restri<$o por opiuarquadeve
    ser suppnmido. os lugares de conaullor, do
    ca do Rio Grinde.
    .*"J1Ad-,u"d0 S'. general bato dePorlo
    M, ..--------- .** e0"'! uarao ae ror
    Alegre era o assumpto principal da. discutioes
    imprensa: o Echo do Sul guerreav.-a cm e
    5L L-. ,a,eiD,h0 oe endone: o Comm$r
    exal, memorando o. .ervico. do candidato.
    ieama coropanhia ?
    a 2.* Em face da intelligencia dada pelo go-
    verno imperial 10 art 27 do decreto n. 2 711 de
    19 de dezembro de J860. que esteodeu a cora-
    *0an !.* ,,oc,eaae. anooymaa aa diipotiges doi
    S 10, 11, 12 e 13 do art. 2." da lei n. 1,083 d
    t de agosto do meimo anno, licito compa-
    nhlasreelegerem oa directores que, deveodo ser
    eubaiiluidoa pelos seus esialutoi, podum at en-
    lao aer reeleitoa ?
    e 3.* Qmes as modifieacoas que tem sido tai-
    tas ao contrato celebrado pelo governo imperial
    cora a compaobia da estrada de ferro de I). Pe-
    dro II, para sua conslrucro, uso e cusleio ?
    4.* O governo imperial tem garantido juros
    mesma compaohia sobre aa quanlia despendidas
    com reparaco de estrago da obr*a provenan-
    les de faltas e imperfeicoe ni ua conslrucco, e
    tem approvado o emprego prematuro da capitae
    nhra que por sua mtureza deviam erdemo

    5.a Quaests razdes queinduziram o governo
    imperial a approvar a innovado do contrato ce
    lebrado pela directora da meama compinhia em
    junhode!861 com Roberts, Harvey & C.. detli-
    gaodo-oa da obrigaco e reaponiabilidade de par-
    te da obra ; e bem atsim o novo contrito pars
    acabamanto daquella obra com um do socios
    dess mesma firma ?
    6.a Sej foram approvadas as contal ien,es-
    traes da mesma companhia que ha quatro annoa
    pendeui de deciiao do governo desde o segundo
    semestre de 1858 incluiive, e quie. o. motivo,
    qao obrigiram essa demora ?
    Paco da cmara dos deputados em 19 de ju-
    Iho de 1862.J. J. Teixeira Jnior.
    Foi depoia apresenlida a seguiote propoit
    convertida em projecto de lei, bem como o orca-
    menlo da receita geral:
    A primeira commisio de orean ento tendo
    examinado a proposla do poder execulivo oa par-
    ta que lixa a deipeza do miuiaterio dos negocios
    da fatendi para o exercicio de 1863 a 1864, tem
    a hoora de aubinetler illuilrada conaideraco
    deala augusta cmara o aeguinte parecer :
    O orcamento desta ministerio para o futuro
    exercicio de 1863 a 1864 apreaenta notavel iccre-
    ciroo de despezas, comparativamente com os cr-
    dito, votado, para 1851 a 1862, e com o. pedi-
    dos o anoo paseado para o exercicio correte. A
    qu.ntia pedida de 15,754:874S365. isto maia
    1.437:4129251 do qae a decretad para 1861 a
    I862.que foi de 14,at7:462StU ; maia 764:4968148
    do que a pedida para 186* a 1863, que foi de r.
    14,990:4('522.
    su
    Esse augmento de deapez, determioado em
    -ja quisi toialidade pela obrigaco de atisfazr
    servicoa legalmente autoriaado, pelo deafavordo
    cambio sobre Londre, para oode annualmenla o
    eatado tem do patsar fundos eonsidera'eis, pela
    necessidade de, na ausencia de sobra de um pa-
    ra oulro exercicio. emiliir o theiouro larga .om-
    ina de bilhetea como antecipacau de receita, e por
    _, outras circo matan cbs abaixo apuntadas, decom-
    8' OOJOOO* pe-aa e e*plica-ae pelo reforco que tiveram a
    eguintea verba.:
    io ?/O e amor,'saao da divida externa, maia
    lt*7:o96J92t. Eata quaotia com que foi dotada a
    veiba agora creada ( 2.* } repre*enta a diffaren-
    ?a eolre o cambio par de 27 porque coatem-
    e eilcular e.fe ramo do ervlgo. e o medio de
    25o porque ltimamente tem sido feitas a. re-
    measaa.
    7ionacr2,d,a diTid, DlerDa '**. mi ra.
    nd:99bS, alganamo resultante da addico de rs.
    rirSxi iuro> de 6 l correapoodente a r.
    9,749:6g, vilor das apolicea dadia em permuta
    dasaecea da aatrada de ferro; 129:000^, ju roa
    de 2,150 apolicea entregues ao banco do Brasil
    na forma do contrato feito com sis tlabaleci-
    ww melo para o reigate annual por conta do ettado
    65:5695705 de-2,000:000 -e ^apel moeda ; 20*000, juroa de
    urna apolice de 4009, emiltida em pagamento de
    divida enliga.
    a Caixa de amortiiscao, mais 10:3208000. D-a-
    de o exercicio de 1859 a 1860 lem-ae despendido
    por essa verba, al-n da consignaco volala de
    40:0009000, mais 12;000000 com a assignatiin
    de nota, do theaouro. Addicioomdo 1:080*000
    pedido, para expediente na forma da respectiva
    tabella demostrativa, e deduzindo 2:760J, ven-
    cimeotos de dous lugares que por deinecessarioa
    nao lera aido prvidos e devem ser supprimidos,
    resulta a somma accrescida.
    Peoslouiatas e aposentados mais 87:9433000,
    a saber: 42 1779566 de novas peoids, aposeuta-
    dorlaa. jubilssoea e reformaa ; 45:7659434 cor-
    reapoodente a pentea que electivaaiente sao
    pagas pelas theaourariaa, em virlude de lei. exi-
    tanle, antes de expadido o Ululo definitivo pelo
    theiouro.
    < Tbesouro e ihetouraria de fazenda, mal
    11:9998000 provenientes de ordenados de empre-
    ^Un^t ipre-
    9 m^Ll.7, Em *" de ~ 630.0459-diga-.e- gado, creado pela ultima lei do or5menlo. gra-
    - n a ao t7 lificaQoes eootras exigencias do servico miuda-
    ftUrAuJ 8" Em T" de2.433:000Sd iga oe manta explicadas nos quadro. demonstra tiros
    uovfiwiofl. ()aa deaoezil deilfl minilarin i a !-. n -m
    daa despezia deate ministerio fl. 35 e fl 38.
    i dlacuaao EttiQes de arrecadaco, maia 53:0859, ex-
    cesso devido s reformas reaisadas aalfnde-
    gs e outras estacoes Uicaes pelo decreto o. 2 647
    Ha 1Q (1a ulnm hm Ma 4QAA m X.^_t__ ____.' .
    T.fa.,l T P0"1".. ga e outra estacoes Uicae pelo decrelo o. 2 647
    MSfiT i i r 7 d0 deP"doo, 18 de julho de 19 de selembro de 1860, e maior quota de
    i 1862.Luiz CarloaCarne ro da r.unh. r nnrAninunn. ..!. nra.t.i. lt-r. Z: JZS?.
    -- -- -- -- ----------------- -- .-., u u UIOIUI 4UUIH
    U porceolsgens pel prevista eievaco de receita.
    tm AdministraQo de estampan impresso do
    us theaouro nacional, miis 1:6199000. Nesta verba
    Ih.. 11 i "*""* ae cooiuitor, oous mesouro nacional, mis 1:6 99000. Neata verba
    clatn. 'eCS, lnU,e"' Um de ** 0fflcU1 d d-'6 Um 80 > 10:6108000 P."a gratifica
    retara. ces da trea addidn. n, .ni...... ;______
    ces da tres addido e uminitrueior, e jornae*
    i'nmn. k d* 0Per>o. o a dimouco de 9,0009000 que
    fomoa obsequiadoa com folhaa do Rio Graode torio deapeodidoa com committo de venda de
    .< peI bri8U9 L*S'ro, qae alean- papel sellado e compra de papel.
    1 do correle. Premios, de.contoa de bilhele, etc., mais
    300,0009, juros calculados das letraa que o the-
    FoVr,.'"iNia.u^a excu."ao a t,cnJ)- 80uro leB1 de conervar em cireulsco, como
    iuiz a taJSi- !UJ Pr senfe5 ao reipectivo anticipado de rec.ila, nao havendoe.aldoa do
    ni* r di Ca" C'rneiro Flore, di pra- exercicio anterior.
    a Juro do amprietimo do cofre doa orpboa,
    mai. 100:0009000, os quae, com o crdito vota-
    da do para o exercicio de 1861 a 1862. perfazem
    m- 300:0009000, despea annaal qae effectivamente
    do tem lugar com esse servico.
    c Abateodo de 1.866:5585921, em que som-
    p- mam oa accre.cimo Mos as verbas menciona-
    das, a quantia de 429:146$667, precedente deie-
    duc^de. em outra. veibas, a saber :
    < Juros di divida externa, meooa 152:5863667
    < Ju 101 da divida inscripta, menoi 6:0009000
    < Empregados de repartijOea ex-
    tincta, menoa...... 7:7183000
    Juizo doa feiloa, meooa 3139000
    Cesa da moeda, menos i7:534000
    < Administrado dos proprio. na-
    cionaaa, meno...... 5:000fl000
    a Ajuda. de cuito e gratilicacOe,
    eno.......... 30:0009000
    Obra., menos......200:U00jJ00
    temo a differenca notada entra a quintil decre-
    tada para o exercicio de 1861 a 1862 e a pedida
    ,,---------------- -* ''v u{j carmnalo. 10-
    pellava para a coherencia e iu.tica do. elei ore.,
    econ.Mer.Ta um dever de onra* rael kao do
    Sr. barao pelo 1* di.trcto da provincia.
    *.*m22?l Pre",D,e ida7o.Dr. Ju.tiniaoo Joto
    da Rocha, deixando sua familia em completa po-
    i'r'fafV dl?'d' .de M:575 C0,n hypoiheco
    ri M V T10 D0 b,oco R"l e^Hypotba-
    de iban ?2?.V> ** Wt**K tO
    \\m U.m Pr8dl ,,l r" Nova do Con-
    de o. 176. de ir e.cravo. e triste, de cisa. Sua
    lamilla eompoe-se de quinze pessoae, alm da
    vluv. neo filhaa e tres filhos, dos qu.es um
    .tif 'T' qat- atl\Dl\ot orphos, mi oc- ..ua par o exercicio oe 1001
    tambem oVdh.'Um",<,r" '' "BU'^00nh'l" W* ** ,ltt">'
    .ir-Rocbl "l0..era !octo d" 8t.belacimenlo
    slgum que garandase iui fami. meio8 de
    aubitstencis, como se prova com aa ceriides
    existentes ne.ts lypogr.phi.. tmmmmm
    O nico monte-pio que elle legou i sus fami-
    lia da repuiacao to laboriosamente adquirida
    que Iba gnngaara a supariorid.de do. seu. talen-
    tos eda.ua illuatracao; a aboegacio propria a
    favor da caasa doa ssua principios eolticos aae
    las de ... Inteligencia na ainJrii.d, di en
    pe";1 ,i.;5Ta "U" *> >* **
    Nao valere tao procioao logado aa .omm. .aul-
    a Cumpre observar qua esse augmento da des-
    posee em graode parte nominal, como, por
    exemplo, o accreasimo de 7t3:996a000 oa verba
    Juroa da divida interna fundada, o qual em
    grande parte compenaado pelos juros de 7 % que
    o Estado percebe das acedes permutadas daa es-
    tradas de farro, computados em 501:6989811.
    Nao fonm, porm. incluidos na proposta
    ootros servicos a que alia o thesoaro taro de
    acodir no exercicio da 1863 a 1864. Taes sao:
    < Pagamento de dividas de xer-
    cicios fiados...... 200:0009000
    < Rtsgste do p.pel-moed.. 2,000;00OS0O0
    c Deipezee am Londre por con-
    t, aa curada do ferro do D. Pe-
    dro II, com o aervlfo do em-
    pre.tlmo de 1858, S 99,378
    (cmbio de 27)......
    f Adiant.mento em Londrea por
    conta da companhia Uoio e
    Indu.iria X 47, 528 (cambio do
    **)..........
    Adiaotimento da garant ad-
    diciooal de 2 /. provinciaea
    daa estradaa de ferro da Bahia e
    Pernambuco tt 31,202,7 8
    (cambio de 27) : ; '.
    DifTareo^a de cambio entre o
    par de 27 e o medio de 25 5/8
    por qua tm sido faltas etaaa re-
    metas para fazer face a esees
    adiintamentoa
    882:9689868
    422:4719110
    277:3549518
    8i:39j>525
    bstis qu.ntia., com qoanto nao sejam dea-
    pendida em retribuido de aervicoa do estado,
    coosliiuem odui para o theaouro, e desde que
    taera anoualmaole do cofrea, aem entrada,
    dentro do anno lloaoceiro, da aommaa equiva-
    lentes para reembolso, devem aer levada conta
    daa deaptza.
    Por parto da companhia da ettrada da ferro
    de D. Pedro II nao ha que esperar ptgimeoio,
    porque o ett-do dav-|he a somma de......
    2.369:4419655, na qual ser encontrada a impor-
    tancia daa daspezaa que por conta dellae forem
    feitia em Londres. Equivale essa despeta ao em-
    bolso parcial dene emprettimo, cujo produelo
    ha multo que eat gasto.
    Quanto ao adiantimeato doa doua por ceolo
    provinciaea Kirantidoa a estradaa de (erro da
    Bahia o de Pernambuco, embora devam ar pa-
    gos pelos cofres daa respectivas provincias, at-
    sim como pela compaohia Uoio e Industria o
    que o estado Ihe tem tambem abonado em Lon-
    dres, nao se verificando, como nao se tem veri-
    ficado at hoje, o embolso devido, tendo mesmo
    2 Preaurairque nao tenha lugar no exercicio de
    1863 a 1864, e estando o governo adstriclo por
    contratos aatisfsco dessea empanhos, o ihe-
    souroler forcostmeole de foroecer as quantiai
    indicadi, qe nao podem deixar de erconi-
    aeradaa deapeta efTecliv. do exercicio.
    a Tndo-e oceupado com aate ateampto, nao
    pode a commisio deixar de ponderar a conve-
    niencia de tomar o governo medidas tendentea a
    regulariair eate esta 10 de coui.s, porque o the-
    ouro, que lula com embaracoa para satiifazer
    seui proprio compromissos, nao pode, nem de-
    ve fazer sacricioa para daiempenhar obrigacet
    alheia*. *
    a Eulendendo a commistao que convem Impe-
    dir, quanto fr poaiivel, a realisicao de despeza
    para ai quaes nao houver o corpo legislativo de-
    cretado oa fundoi oecessario, .em o que a lei
    do orcamenlo punca ser o que deve ser 00 sys-
    tema constitucional que 00a rege, a parecendo-
    Ihe que iudubilavelmente lera o theaouro de fa-
    zer faca ao servicos enumerado, julga que de-
    vem serelles conUmplados com as eoosigoieoes
    iodicadaa para e aeu preencbimenio, e neise
    eotido propoi arligoi additioa propotta.
    Alm deetea ha anda outros encargos que
    nao fonm comprel.endldos nis previsoes do ur-
    cmenlo, e para oa quae a commiso no indi-
    ca por ora quantia alguma, por serem elles de
    realisaco eventual, e nao podermoa calcular o
    slgarismo em que imporlar o aeu enmpriraento
    no exercicio para o qual foi apretentada a pro-
    poeta em que.to : sao alie. :
    < I." A divida flucluaole representada por let-
    tr. do Ihesouro no valor de 4.336:5009, divida
    que, aeguodo toda a pmbibilidade, pasear para
    o tono financeiro de 1863 a 1864.
    2.* Juroa das apolicea que forem emittldas
    para pagamento daa reclamaces haapaoholaa
    775:0909708. e das presas das guerrea da inde-
    pendencia a do B10 da Prata 624:0009, e, como
    desuppnr, por meo de emiaio deitei tltuloi
    fr autoras lo o pagamento, o quae juros moo.
    taro em 90:300fi; ae os mencionados tituloa fo-
    rem dados pelo preco que obtiverara na ultima
    operaco deaaa ordem fita pelo governo.
    fl 3.a Importancia das chamadaa qua por ven-
    tura facatn a companhias da estradas de ferro
    por conta da acedes poisuidas pelo ettado,despo-
    sa Uileiraoienie eventual, e que no exereicio de
    1861 a 1862 foi de 349,9369777.
    4.* Differenca de cambio das remeasas de
    fundo aeitinadui ao pagamento em Londrea de
    encommendas dos diversos ministerios, garin-
    li de juro*.
    Convem notar que denlro do exercicio veo-
    cem-te o emprestimos de 1843 a 1814. cujo re-
    maneacentes obem, os do primeiro a (3.217:7778777. embio de 27, e o do segundo a
    2.356.600(20.947:5355555, cambio de 27).
    Para cumprimenlo das obrigaces dos contrato
    relativos a taes emprestimos est j o governo
    autorisado para fazer as neceisaria operace a
    crdito pela le n. 1,114 de 29 de setembro de
    1860. art. 11, 11.
    c Se alguma dessss operaees se Bzer em Lon-
    dres, como provavel qae acooteca com a da
    solucodo segundo emprestimo, tem |o iheeouro
    de carregar durante o exercicio com a despeza
    para levantimento do novo emprettimo a sub-
    stituido do anligo, commisso aos notsos agen-
    tea, ele.
    Em vista ;dos empenhos que pesaro sobre o
    Ihesiuro no prximo anoo financeiro, e recoohe-
    cendo a oecest'dade de tentar as poiivei res-
    triegoes as detpeas sotes da recorrer a outros
    meto, de preancher o dficit previsto, a commis-
    so examinou ts differentes verbaa deste minis-
    terio no intuito de propor .as reduccoes realsa-
    veis sem detrimento do servico publico. As ver-
    bas do ministerio da fazenda sao, porm, pela
    maior pirle, poriua natureza, flxas a obligada,
    e outraa so lo su.ceptiveis de modilicajoea em
    suas dolaces por leis especiaes.
    Mesmo no que diz reapeito ao pestoal o
    ministerio da fazenda aquello era que menos te
    pode reduzir. Em geral a. repartices s tm os
    funeciopario. sedicientes pars ss oeceesidades
    do servico, e nao sao comparativa acote os que
    gozsm de miis larga retribuigo em vista do tra-
    balbo com que carregam.
    Em algumt. alfaodegas, porm, o numero
    do empregados superior exigencias do ser-
    vico, segundo contesta o proprio mililitro no re-
    latorio apreseotado at.embla geral legialaliv.
    na presente ssso, e a ma reduc^o, effectuada
    em termos convenientes, pode trazer Igunia
    economa aos cofres pblicos sem prejuuo do
    bom aodamaotoda admioilrac.o. Nao serio to-
    dava avultadas nesle ponto a economa, e e
    verificaro leotamenle, attendeodo ae a que nao
    postivel, em ferir os dos principios deiuitig,
    expellir, de cholea e sem motivos, das reparii-
    coes publicas servidores do estado que do. .eus
    empregos garantidoa por lei tiram oa meios de
    viver e de manter suas familias. A reduego 6
    deve ter lugar proporco que se derem v.gas,
    nao sondo asas preeocbidae e eliminados os ret-
    pectivos lugsres, cojo numero mais limitado po-
    der ser novamente litado.
    a Nesse sentido alguma cousa pensa a commis-
    so que convem fazer-se ; ma em aisumplo to
    especial e pratico s a experiencia da admioia-
    Iraco e o coohecimento exaclo das necessidades
    do servico pode dictar medidaa adequadai. Cum-
    pre, portante, que o governo collija oa dados pre-
    cisos para veriflcar-se o que se pode cooaeguir, e
    que alguma providencia aej iniciada no intuito
    de reduilr-ae o pessoal de.necessario e de me-
    Ihorar a orgeni.aco do servigo.
    Limitando se s conaideragoes ex posta, a
    commisso de parecer que, convertida em pro-
    jecto de lei, seja a proposta submeltida delibe-
    rado da casa.
    Arl. 7o. O miniatro e aecretario de ettado
    doa negocios da fazoda autorisado para dispeo-
    der com os objectos designados 00 i-Kuint-s pa-
    raitraphos a quaotia de. 15,754:8749365
    a A eaber:
    1. Jaros, amorlisaco o mais des-
    pezas da divida exteroa fun-
    dada, pertencenle ao eata-
    do, ao cambio par de 27. 3,496:1845444
    S. DiOereoca entre o cambio par
    de 27 e o medio de 25 5/8
    porque ae flzeram aa remes-
    ase de julbo de 1861 al
    abril do correte. 187:596J92I
    3. Jaros da divida ioterna fun-
    , dada, i......4,i74:152000
    4. Ditoa da anta ioacripta antea
    da emistao das respectivaa
    .plice., ele...... 6:0005000
    5. Caixa da amorti.acao, filial da
    Babia, etc...... 50:3209000
    6. Pemioni.t.t e apoaentados. I,153:9s6930
    7. Km pregado, de repartiere ex-
    octa........ 18;649S000
    8. Tbesouro e thesoursrias de
    fda.......I,235.i73g000
    9. Juizo dos feitos ds fazenda. 72:4(09000
    10. Estacoes de arrecadi$io. 3.197:1009000
    11. Casa da moeda...... 135:1669000
    12. Administrado da estamparla
    e impresso do tbesouro na-
    aionsl ....**. 50:8471000
    13. Typographia nacional .- lW.OOOpOOO
    14. Adsioulrasao de proproi na- ]
    flonaaa o de terrenos dia-
    mantinos......
    15. Ajudaa de cuito e'areliflcal
    Moa por ervico lempora-
    ,. r tiof 'ordiBarioa. .
    16. Curadora de Africano lire
    17. Meditacio de terreno, denin
    rinh.s......
    18. Premios, de.cooto.'de*blihe-
    tea da alftodega, commit-
    tet, corretagens, seguro
    juros reciproco, agio d
    moedes e melaes. .
    19. Juros do emprestimo do cofre
    dos orphos......
    20. Obras.........
    21. Eveoluaes.......
    22. Repo.icoe. o reitiluicocs. .
    23. Pagamento do er*presumo do
    cofre dos orphos. .
    24. Dito de bens de defuotos e
    ausentes.......
    25. Dito de depoiito da qualquer
    origem.......
    26. Exercuioa lindo.....
    Moedas.
    No 27, em vez de 9. diga-ie. .
    Accretcenie-ie :
    { Despezas am Loodres com o
    eervico do emprestimo da
    1858.........
    Adiamntenlo em Londrea por
    conta da companhia Uoio e
    Industria.......
    Adiaiitameoto da garanta de 2
    0|0 provinciies dai etrada.
    de ferro da Baha e Pernam-
    buco.........
    } Differenca. de cambio na remei -
    aa da quantiaa comante
    dos 5 cima......
    a 1*850 da cmara dos depuiados, em 19 oe ju-
    lho de 1862.Paulino Jos Soares de Souia.A*
    T. da Moncorvo Lima.F. de Saltea Torree-
    liomem. >
    Al* commisio de ornamento, depoi de
    examinar a propoala do mioiilerio da faieoda
    J2I.*?!*.." "> para o auno financeiro de"
    1863 a 1864, vem lubmetter vo.sa deliberaco
    o retultado do seu trabalho:
    A receita geral foi oreada na
    proposla em ...."... 5t,5f0:W0900O
    E a despeza em.....51,029:0535000
    42:4705000
    60:0001000
    1:9005000
    8:000:000
    400.0009000
    t 3W:()08feOO
    1.000:0001000
    *:0O0|vJ0O
    9
    i
    t
    i
    2O0.(K)09000
    882 9689888
    122:4719110
    277:3545518
    84:9398528
    Resulta um saldo de .
    o qual dosaparece em pre.enja do
    cargo que pesaro sobre o tbe.ou
    exercicio :
    < Divides de exercieio. findo.
    Retgate do papel-moeda. .
    Adiaotamento a fuer em Lon-
    drea com o eervico do empreali-
    mo de 1860 por conta da compa-
    nhia Uuio e Industria. .
    Adiantamento em Londres da
    importancia da garanta doa 20 0|ft
    provinciaea das estradas de ferro
    da Baha e Pernambuco. .
    Differenca de cambio na re-
    messa para Londrea por conta
    das companhias cima trenciona-
    daa e da estrada de ferro de D.
    Pedro II.........
    Divida a estrada de ferro de
    D. Pedro II........
    < Pagamento das reclamacoe
    bepinholas........
    < Dito das prests das puerras
    d independencia e do Bio da
    Prata..........
    478:9*75000
    a aeguinte eu-
    ro no referido
    200:0009000
    2,000.0005000
    422 4719110
    277:3549518
    84.9399528
    2,369:4419655
    775:0909708
    624.0009000
    6,753:407548
    quantia que, addicionada ao algariamo da despe-
    as indicada na propots, eleva a desoeza prevista
    para o eiercieio de 1863 a 1864 a 57,772:4609548
    a qual comparada com a receita 1
    orgad de........51,500:000000
    aprsenla o dficit de .... 6,282:4609548
    Nao foram comprehendidoa no calculo ci-
    ma a divida flueiuente consistente em bilbeteado
    theaouro na importancia de 4.336:5009. a divida
    reultanl9 da permuta daa accei da ettrada do
    (erro na somma de 2.529:1439336. e os juros das
    epolicesque forem dadas em pigameoto das re-
    clamaces hespanholase das presaa dai guerras
    da independencia e do Rio da Prata, to for elle
    autornado mediante emisso dssses ttulos por
    correiponderem a obrigacee de realiaaco even-
    tual e outras em grande parte forado exercicio.
    Eita iltua^o de notsas linanga, comquanlo
    ao aeja deammidora, exige todavia que se fa-
    cam alguma redcele as despezas publicas
    presciudindo-se mesmo daquelle melboramen-
    toa que sem grsnde incoovenienle possam ser
    adiado at que.se restabelec o equilibrio no or-
    namento. Desde o exercicio de 1856 a 1857, que
    legou um vido de 11,000:0005, lodos ea outroa
    de que ha bataneo nao puderam com leu re-
    cursos ordinarios e propriot salisfazer os encar-
    go eempre creicenteado tbetouro com o desen-
    volvimiento que tem lido oa servico a com oa
    adianlamentos compaohia, cujo reembolsse
    nao ha podido efTectuar. O augmento do impoa-
    los e as operaeoea de crdito lomaram -se neces-
    isnos para evitar ou|preenchar os deeitos.mas es-
    tes expedientes que aggravam oa vexames do pre-
    sente e prejudicial ao futuro.nodevemcontinuar
    a ser applicadoi.sem que priroeir.mente se verifi-
    que at que ponto aa depezas p^dem aer dimi-
    nuida* aem detrimento do servico etseuciaes
    do Estado. Olrabslho parcial e iioiado de cada
    urna das commissei doo-eamenlo nao o maia
    proprio pira conseguir este resultado, poii qua
    so pelo exame comparativo doa graos da impor-
    j tancia e necesidde daa detpeze do dtveroa
    j ministerios se operariam methodic.amente a re-
    duegea que fostem poniveis.
    < Eta commisso julga, portanlo, dever pro-
    por-voa qua, antes de entrar em terceira discus-
    ao, o orcimente volte s el respectivas com-
    missoe, am de que catas reunida iudiquam em
    um relatorio commura quaea ae ecooomiaa quo
    se podem obter nos gastos do servico publico,
    tendo em attenso aa circumstanciaa actuaes do
    theiouro.
    No entanlo abstemo-noi de propor os meios
    de preeocher o dficit, o qual nao pode ser exac-
    tamente calculado aa nao uepoia que aa comms-
    es reconsiderareni o orcamenlo da detpezv ge-
    ral, se julgardes conveniente a adopcao desta
    medida.
    A commisio chamar, porm, voaaa aiten-
    co sobre alguna outros pontos connaxos com o
    questoda que se trata.
    c O uto immoderado da faculdade dada ao go-
    verno de lupprir a intufilciencia das dotace doa
    servicos ioicriptoa no orcamenlo tem aido consi-
    derado por algeos como urna daa cautas do rpi-
    do incremento das despeza. A non l'gialaoio
    ninceira vario de lyitema desde 1853 sobre o
    modo de provenir o sofftimento dos servico. pela
    , iniufficiencia dos fundos volidos.
    A lei numero 58 de 8 de oulubro de 1853 es-
    tatuto que c quando em qualquer dos ministerios
    se dr o caso que em alguna doa artigos do
    despezas especificadamenle concedida saja di-
    minuta a quantia calculad, e em oulro artigo
    baja aobra aa somma arbitada, poder o raa-
    peclivo miniatro aupprir a falta com a sobra
    dentro dos limites da somma cooaignada ao
    respectivo ministro, sujeilo todavia pela sua,
    reapoosabilidade pelo uio que Qzer desta per-
    < mino. >
    A lei n. 514 de 28 de oulubro de 1818 abollo-
    esta faculdade de applicar a coosigoacea de
    urna a ouiraa verbaa. e lubmiuio-a no art. 53 pelo
    aeguinte diapoiigao :
    Quiodo as quolas votadas nao battarem para
    c as uespezs a que sao destinadaa, e houver ur-
    genle nece.sidade de silufazi las, ou de fazer
    despezas com objectos nao contemplados na
    a presente lei, nao estando reunido o corpo le-
    giilaiivo, podero ellas ir deliberadas em con-
    c selho de ministros e aatoriaadaa por decreto.
    a Esla diipoiico, que cootinha em embryo o
    lyilama dos crditos lupplemenlares e extraordi-
    nario, rol deaenvolvio, definida e raculariaada
    pela lei n. 588 de 9 de setembro de 1850. Tem
    sido comtudo censurada a facilidade que ella of-
    ferece de elevar sem limita algum as coosigoa-
    cois daa verb.a; a esperance de que 01 factoa
    contummados do excetso da despeza, alias maia
    ou menos justificado com a aua utilidad, sejioa
    sempre approvado pelo corpo legislativo, indas
    muiia vezea oa ministro a oltrapaaaarem oa li-
    mites do orcamenlo, dentro doa quaes procura-
    ra ra encerrar-ae aa por ventura nao eaivessem
    autoritados a empregar o expediente de que M
    trata.
    Dahi resulta que as prevites do orcamenio
    qua.t nunca se verifican), e que urna das mais
    importante, iltribuicoes do parlamento, qual a
    fixacao das despezas, deixa da corresponder na
    pralica ao flm para que a cooatituico a conferir.
    A vista, parm, da grande imperfeico com
    i..i oraBU*ao orcamentoa do imperio.
    jotelra iuppiMM dos crednos supplfmcat.rsa

    IMUTILADOJ


    \
    DI10 DI HKHMtUCOi QUARTA FEUU 90 01 JlLHO DE 18.
    23.8399000
    5783000
    358:3315000
    74:112$0 65:868(000
    304:8445000
    95:4105HOO
    191:758*000
    33:379000
    50:6815000
    21:1175000
    7,447:8693000
    48:6545000
    746S000
    16:9145000
    96:2075000
    492:695gOOO
    337:7765000
    15:9I69>'00
    7 2:4'09000
    18':7853000
    100:7925000
    255800o
    5
    10,6075000
    48 711*000
    49:364^000
    poderla comprometter oa Intereases da admtnls-
    traco eollocar o gOTerno em serial difficul-
    dade*.
    * Softo esta urna materia en que, pela aue
    grardade, ci a* devera tentar experienctae
    admittir innovaces seo grande clrcumapeegao,
    a commissio acha preferlvel que por ora ae res-
    trinja o uso dos crditos supplemenlares aoa
    nteos caaoa em que aa deapezaa slo variaveis
    por sua oatoreza intrnseca, ou em outros ter-
    mos, aos nicos casos em que a deficiencia das
    consignares provm de circunstancias iodepen-
    denteada adtninietraclo. como aejam aa difieren-
    (as dos cambios, os juroa da divida fluctuante, as
    porcentagens doa empregados das estscss de
    arrecadacao e outras da mesma especie. Q jauto
    is rubricas onde nao ha posslbilidade da mesma
    variaclo no valor dos aervicos, e que sao de ca-
    rcter tiio, nao ser permiltido o eoi prego dos*
    crditos supplemsntares.
    a Foi sempre com semelhante restricto que
    des i > 1834 al o senatut consulto de 25 de detem-
    bro de 1855 tsla autorisacSo existi na legisleglo
    fraocezs, donde nos a imitamos incompletamen-
    te, tirando-lhe aquella limilacao.
    Mas como anda asaim. por defeito dos cal-
    calos do orcameoto, poderla dar-se insuficiencia
    de crdito em alguna artigos de despezaa flxaj, a
    commissao de parecer que si (acuite aogover-
    00 o transportar as sobras das verbas superabun-
    dantes para as oulras em deficiencia, nao poden-
    do porm ter lugar esta transferencia senlo do
    nono mez do exercicio em diante, e devando ser
    autorisado por decreto com as meamas formali-
    dades exigidas pala le citada de 1850 para a
    abertura dos crditos supplementares. A com-
    bloago deates dona recuraoa assim modificados e
    isanloa dos principaes inconvenientea que cada
    um delles podara ter sendo empregado de urna
    maneira absoluta, no entender da commissao
    o meio mais etlicaz para conciliar asatisfaco nao'
    nter rom pid das necessidadea do servido com as
    conveniencias de orna bem entendida economia
    no dispendio des dioheiros pblicos.
    i Depois deslas conalderecoes, a commissao
    de parecer qaa, convertida em projeclo de le,
    seja s proposla sujeita deliberars desla au-
    gusta cmara rom os artigos additivos que ella
    tem a honra de prop>-vos.
    CAPITULO II.
    Receita geral.fenda ordinaria.
    Art. 9.* A receita geral do Imperio oreada
    oa quanlia de 51,5005000.
    Ari 10. Esta recolta aera efTectuada com o
    producto da receita geral arrecadada dentro do ex-
    ercicio da presente lei, sub os ttulos abaixo de-
    signados :
    1. Direitos de consumo, Qeando
    iseuto delles o sal estrao-
    geiro........30,496:9255000
    2. Ditos de bldeselo e rseipor-
    tacao........
    3. Ditos idem para a costa da
    frica .......
    4. Expediente dos gneros es-
    trangeiros navegados por
    caboisgem, livres de di-
    reitos de consumo ,
    5. Ditos dos ditos do piiz. .
    6. Dito dos ditos livres. .
    7. Armaieoagem......
    ' 8. Preoiios de assigoados. .
    9. Ancoragem.......
    10. Direitos de 15 0i0 das embar-
    carles esirangeiras que pas-
    ear a nacion 11. Ditas de 5 0|0 na compra e
    venda <1e embarcaedes .
    12. Ditos de 15 0(0 do pao-brasil.
    13. Ditos de 5 0|0 elevados a 7 .
    14. Ditos de 2 0|0......
    15. Ditos de 1 oO do ouro em
    barra........
    16. Ditos de 1)2 0Q dos dia-
    mantes .......
    17. Expediente das eapatazias. .
    18 Juros das acQes das estradas
    de ferro........
    19. Rendado correiogeral. .
    20. Dita da casa da moeds. .
    21. Dita da seohoriagem da prala
    22. Dita d lypograpnia nacional
    23. Dita da caa de correcto .
    21. Dita da fabrica da plvora. .
    25. Dita ili de ferro de Ypaoems.
    26. Dita dos arsenaes. ....
    27. Una de prophos nacionaes .
    28 Dita de terrenos diamantinos.
    29. Foros de terreos e de mari-
    nhas, excepto as dooiani-
    clpio da corle, e producto
    da venda daa posees ou
    dominios uteis daquelles
    terrenos de marinbas cajo
    aforani-nto for pretendido
    por mais de um iodivideo
    a quem a lei nao mandar
    dar preferencia, ou nao
    sendo esta requerida em
    lempo, os quaes sero pos-
    tos em basta publica para
    serem cedidos a quem mais
    der ;..... 9:550$000
    30. Laudeasios, nao coropreheo-
    didos os proveniente das
    ven !a3 de terrenos de rua-
    rinhi da corte..... 10:0205000
    31. Slza dos bensderaiz. .2,174:1175000
    32. Dacirna urbana de urna legua
    elm da demarcarlo. 16:9175000
    33. Dita a riiciorj.nl dn corpora-
    co-*s de mao mora 95:3275000
    34. Direitos no'oa a velhos e de
    chancellara..... 250:3235000
    35. Direitos das patentes dos offi-
    ciaes da guarda nacional 9i:816y000
    36. Dizima de chancellara, 79.928*1100
    37. Joiasds ordena honorficas 19:0005000
    38. Matriculas ;das facilidades de
    direito e de niedicioa 104:2125000
    39. Mullas por ofracco de regu -
    lamentos......111:0855000
    40. Sello di papel fixo e propor-
    cional........2.208:36'ty0O0
    41. Premios de depsitos pblicos 13.6*93000
    42. Emolumentos......191.1365000
    43. Imposto dos despachantes,
    correctores e agentes de
    leiloes....... 60:5555000
    41. Dito sobre lojas, casas do
    descontos. eir..... 959:8865000
    45. Dito sobre casas de movis,
    roupa, etc., fabricados em
    paiz eatrangeiro .... 27:7565000
    46. Dito de 12 0|0 das loteras. 950.413*000
    47. Dito de 12 0|0 dos premios
    das m-smas.....390:4325000
    48. Dito sobre a niineraco. *
    49. Dito sobre datas mioeraes. 31000
    50. Tata dos escravo. .... 3106055000
    51. Venda de Ierras publicas 23 870#lKM)
    52. Cobranza da divida activa. 260.232*000
    Peculiares do municipio.
    53. Renda do imperial collegio de
    Pedro II....... 52:0005000
    54. Concesso de pennas d'agua. 28.O0S000
    55. Di.irnos......: 12 799*000
    56. Decima urbsua......1,100:0002000
    Art. If O governo Oca
    (Ir bilhetes do tbesouro at a aomma de ris.
    Q f\r.l\fliflH AAM.A lAlul____. A
    TT_---------------------------------
    autorisado para emit-
    =
    *
    57. Emolumentos de polica.
    58. Imposto sobre casas de modas
    59 Dito no consumo de agur-
    dente........
    60. Dito do gado do consumo. .
    61. Meia siza dos escravos.. .
    62. Tan de berancas e legados.
    93. Armazenagera da agurdente.
    Extraordinaria.
    64. Contribuicao para o nioute-
    pio........
    65. Iodemotsaces, incluiodo o
    producto das Joterias que
    ' o governo deve mandarex-
    trahir nos termos dn artigo
    1 da lei n. 636 da 20 de
    ageio de 1853, e da de n.
    1,979 de 15 de aatembro
    de 1858.......
    '66. Joros da espilaes nacionaes .
    <67. Producto de loteras para fa-
    , ser faces deapezaa da ca-
    sa de correcto, do me
    Ihoramenlo sanitario do
    imperio .......
    68. Venda de gneros e proprios
    .nacionaee......
    69. Receita eventual.....
    5:6imiiiO
    3:8005000
    211 824*000
    135t'OOSOOO
    190:001. *000
    249:000*000
    31:051*000
    595*000
    ... ------- -- v ouaiuiB uo res..,.
    8 000:000*. como anlecipaco de receita no exer
    cicio desla lei.
    CAPITULO III.
    Disposicoes geraes.
    a A.rV }*' Fi',m ea **or todas as disposicoes
    da le do orcameoto antecedente que nao ver.a-
    rem particularmente sobre a fliacle da receita e
    despeza, e Dio tiverem sido expressamente rero-
    gadas.
    Art. 13. Ficam revogadaa aa leis e disposicoes
    em contrario.
    Additivos da com miado.
    a Art. I" (additivo), que fitar sendo o 12da
    proposla.
    Da data da execuco da presente lei em
    dianle a faculdade de abrir crditos supplementa-
    res, concedida ao goveroo no artigo 4 da lei de 9
    de selembro de 1850, s poder ser exercida a
    respeito daquelles verbas do orcameoto em que
    as despezaa sao variaveis por sua naturezs, como
    sejam a difirenos dos camblos.os juros da divida
    fluctuante, a porcentagem dos empregados daa
    estecss de arrecadacao, outraa da mesma es-
    pecie.
    a } i.' O ministro dos negocios da fazenda
    ajunler todos es annos proposta do orcamento
    da despeza geral do imperio urna tabella cooten-
    do a nomenclatura dos servicos comprehendidos
    na disposicao deste artigo.
    2. Nio do lugar a crditos sapplemeols-
    res as verbas do orcamento relativas a obras pu-
    blicas.
    Art. 2 (additivo), que fleari sendo e 13* da
    propoala.
    c O governo poder appliear as sobras de urnas
    outras rubricas da lei do ornamento quaodo os
    fundos votados em algamas dellaa nao forem
    bastantes para aa respectivas despezas, e houver
    precisan urgente de aatiafaze-las.
    Este transporte, porm, nao se efTectuar sa-
    nio do nono mez de exercicio em diaote, deven-
    do ser deliberada em cooaelho de ministros a
    sua necessidsde e autorisado por decreto refe-
    rendado pelo ministro a cuja reparligo perten-
    cer a despea e seguindo-se as outras formalida-
    des impostas nos H 6 e 7 do art. 4 da lei de 9
    de aetembro de 1850 para os crditos supplemen-
    tsres.
    Art. 3. (additivo) que Qcar sendo o 14 da
    proposla.
    O minslro da fazenda nao poder ordenar o
    pagamento, sob pena de sua responsabilidad*, de
    servico algura sem que na lei que o houver au-
    torisado estejam consignados os fundos corres-
    pondentes a despeza.
    Art. 4. (additivo) que Qcar sendo o 15 da
    proposts.
    a As disposicoes do $ 11 di lein. 114 de 27
    de selembro de 1860 sro exlensivssaos crdi-
    tos especiaos concedidos pela mesma lei, na par-
    te em que Ibes forem applicaveis.
    Art. 5. (additivo) que ficar sendo o 16* da
    proposta.
    a A autorisacio dada ao eoveroo no art. 29 da
    lei de 28 de ootubro de 1845. e prorogada pelas
    lais de ornamento posteriores, para rectificar a
    tarifa e melhorar o syatema de arrecadacao, nao
    eoroprehende a faculdade da elevar os impostos
    sobra airoportacao e exportarlo com olmde
    supprir a insafficiencia das rendas.
    a Art. 6. (additivo) que ficar sendo o 17" da
    proposla.
    Os lugares que vagarem as classes de escri-
    turarios e oferentes da alfandega da corte nao
    serio prvidos at que por lei seja fixado o seu
    numero.
    Art. 7. (additivo) que ficar sendo o 18 da
    proposta :
    A gratificagao que percebem os empregados
    das alfandegas, mesas de rendas e recebedorias,
    em virtuie da tabella n. 1 aonexa ao regulamen-
    to n. 264 de 15 de selembro de 1860 e da tabella
    B a que se refere o 10 do art. 12 da lei o. 1,114
    de 27 de aetembro do mesma anao. fies des-
    de j encarporada ao ordenado dos referidos era-
    pregados.
    a as faltas por molestia devidamente justifi-
    cada parante os respectivos chefes, os ditos em-
    pregados perdero dous tercos da porcentagem a
    que uverem direito se a molestia nao exceder de
    ' seis mezes, e toda a porcentagem excedeodo des-
    se prazo.
    Art. 8. (additivo), que ficar sendo o 19 da
    proposta :
    a Nao haver mais do que dous concursos pa-
    ra o provimeoto dos legares das classes ioferiores
    das repartieres da fazenda. O accesso dos quar-
    los eacripturarios do thesouro, doa empregadoa
    da clssse correspondente as thasourarias e ou-
    tras repartirles da fszenda, fica isenlo de con-
    curso.
    Art. 9. (addilivo), que ficar sendo o 20* da
    proposti :
    As dividas de impostos, de que ha lanamen-
    te), e que nao forem exigidas dentro do prazo de
    cinco annos contados do primeiro dis do exercicio
    a que pertencerem, prescrevem contra a fazenda.
    c Art. 10 (additivo). que ficar sendo o 21 da
    proposta :
    A clausula prescripta na ultima parte do
    5 dosart. 2" -a lei o 1,083 de 22 de agosto de
    1860 nao ser applicada s companhias de segu-
    ros existentes.
    Psqo da cmara dos |deoutados. era 19 de
    julhode 1862.F. de Salles Torres-Hocem.A.
    T. de Moncorvo e Lima.Paulino Jos Suares de
    Souza. >
    Foi mais apresentsdo o seguinte projeclo :
    c Os abaixo asseignsdos, membros da 6*
    commissao de coolas, compenetrados da eii-
    guidade dos veocimentes que percebem os eos-
    pregados das diversas administracoes do correio,
    t.em a honra de submetter consideradlo da c-
    mara o seguinte projeclo :
    A assembla geral legislativa resolve ;
    Art. 1*. Fica o governo autorisado a elevar
    a despeza com as ad.-ninistrsces dos correios
    quanlia de mais 25.320$, que ser distribuida da
    maneira seguinte ;
    < 1*. Ni adraDslrac,ao da {corte 6:810$, ca-
    beodo como gratitlcaco addicional, alm dos
    vencimentos que actualmente percebem os em-
    pregados.
    Ao administrador...... 600*000
    As cootador........ 4008000
    Ao thesoureiro....... 4OO5OOO
    Aos quatro Io* officiaes chefes de
    turma, a 360*..... 1:440*000
    Aos cinco 2" ofciaes, a 120*. 6065000
    Aos 10 praticantes, a 80*. 800*000
    Aos 20 eacripturarios, a lO*. 2 000J000
    Ao agente do mar...... 200*000
    Ao ajudante do mesmo. 100*000
    Ao porleiro......... 20000
    Ao ajudante do mesmo. 100*000
    6:8405000
    < 2*. Na administrado da Baha 1:700*. ca-
    beooo como graliucacao addicional. alm dos
    veoctmenios que actualmente percebem os em-
    pregados :
    Ao administrador thesoureiro. .
    Ao ajudante contador.....
    Aoa 2 officiaes papelislae, a 200*.
    Aos 3 praticaotes, a 100*. .
    Aos 2 eacripturarios a 100$. .
    Ao porleiro. : ...
    Ao agente do mar......
    A 1 prallcante porleiro ,
    Importancia da equiparado.
    100$000
    1:10005000
    1:100*000
    2:1003000
    I 6.* Na adminislrscio do Rio Grande do Sul
    1:700*000. Ficam igualados os vencimentos aoa
    dos empregados da Ba.tia ePernambuco pela ta-
    bella actual, esbando como grsliflcscio addicio-
    nal por esta lei.
    Ao administrador thesoureiro. 400$000
    Ao ajudante cootador. .... 200*000
    A 1 official papelist...... 200$000
    Ao pratteeota porteiro..... 100*000
    Importancia da equlparacao.
    900*000
    800*000
    1:700*000
    7. Na administrarlo de S. Paulo 1:900*.
    Ficam igualados os vencimentos sos dos empre-
    gados da Baha e Peroambuco pela tabella ac-
    tual, eabendo como gratificacao addiciooal por
    asta lei:
    Ao administrador thesoureiro. 400$000
    Ao ajudante contador..... 20QOOO
    A 1 official papelista..... 200**'00
    A 2 escripturarios, a 100* 200*000
    A 1 pratUaota porleiro .... 100*000
    Villela Tavaree, Pislho, Silverr da Molla, Fl-
    gueira da Mello, Esperidilo, Cunha Figueiredo,
    Nunea Goncalvea, Fleery, Brando, Paranago,
    Couto, Csrnairo da Cunha. Cesar, Lima Duarte,
    Brlat, T a varas Bastos, Fausto. Paes de Meo-
    dooga, Viristo e bario de Man, a favor; e en-
    tra, os Srs. J'guaribe. Martioho Csropos, Bar-
    cellos, Salathia!, Lessa, Ribeiro da Luz, Bezerra
    Cavarcanll, Tatieira Jnior, Amaro da Silvelre,
    Aogelo do Amara), Carreo e Vleira da Sitva.
    Sore proposta do Revio, bisco da dloceaa do
    Rio Grande do Sul fuinoroeado lente ioterino da
    cadeira de rhethorica e eloquencia aagrada do
    seminario da dita diocese o padre Joaquim Caci-
    que da Barros.
    revogsdas para este flm af t)lsposi;5es em con-
    trario.
    O governo Ara autorisado 8 contratar, sobre
    ss bases da lei de 26 de junbo do 1852, a cons-
    trcelo de urna estrada de ferro, qu, partiodo
    da barra do Pirehy, sa eotranhe pela provincia
    de Mioas-Geraes, procurando o rio de 8. Fran-
    cisco, peladirecgao que Mr julgada mais eonva-
    niente.Evaristo Ferreira da Veiga.
    O governo fica autorisado a innovar os con-
    tratos das companhias de navegaclo a vapor do
    "araobo e Pemambuco, poCendo augmentar as
    der do dVMldeote i cmara municipal daCa-
    brob, com relaja o a impossibilidade de ter-sa
    reunido a mearas, para expedir aa conveniente
    ordena aos juizes de paz da respectiva f,egue-
    zia e daquella de Salguelro, par a convocedlo
    dos eleitores, alien de elegerem um deputado
    provincial 00 da 17 de aguato.
    Esse procedimento receben a >anrcjo do Exm.
    Sr. presidente por ser-lbe applicavel a doulri-
    na do aviso de 25 de novembro de 1857.
    Estiveram hootem embandeirsdos e dorara
    Importancia da equiparse-io.
    1:100*000
    800*000
    1:900*000
    Foi noroeado arcediago da cathedral do bispa-
    do do Cear o couego da cathedral do de Ma-
    rianna, Joo Baptista Ferreira.
    A' requesiciio do ministerio da guerra foi no-
    meado eavalleiro de S. Bento de Avizocapitao
    do segundo regiment de cavallaria ligeira Her-
    culane Alexandrioo de Mello.
    I 8,0 Na admlnistraco de Hioas 2:1805000,
    Ficam igualados os vencimentos ans dos empre-
    gados da Bshia e Peroambuco pela tabella ac-
    tual, eabendo como gratificacao addicional por
    esta lei:
    Ao administrador thesoureiro. 400$000
    Ao ajudante contador.
    A 1 official papelista .
    A 1 prsticante porteiro.
    A 2 escnpturarioa a 100*.
    A 2 addidos, a 140. .
    Importancia da equiparadlo.
    200;000
    200*000
    lOOSuOO
    2003000
    280$000
    1:380*000
    800&000
    2:180*000
    9.* as administracoes das ALgo.a, Para-
    byba, Cear e Santa C4hariea, na razio de 5005,
    2 000$, eabendo em cada urna de gratificacao ad-
    dlcionsl :
    Ao administrador thesoureiro. 200*000
    Ao ajudante contador..... 200*000
    A um praticante porteiro. : 100*000
    5069OOO
    118:98.5*006
    56:499$000
    99:900$000
    70:778*000
    127:594000
    Depsitos.
    1. Empreatimo do cure dos or-
    phao........ 1,666 808*000
    2. Bens de defuoloa e ausentes. 530:361^)00
    3. Ditas de evento..... 2:400*000
    4. Premioa de lolerlas .... 50:000*000
    5. Salarlo da Africanas livres 3:5945000
    6. Depsitos de diversas origcos. 1,201:6375000
    3,454:000*000
    < 8 10. Nss administracoes do Espirito Santo,
    Sergipe, Rio Grande do Norte, Pnuhy, Amazo
    oaa, Goyax, Malo-Grosso e Paran, na razo de
    500* a cada urna, 4:000*. eabendo de gratifica-
    cao addiciooal:
    Ao administrador thesoureiro. SOOfOOO
    Ao ajudante contador..... 200*000
    A um praticante porteiro. 10o$O00
    500$000
    < Art. 2.* Ficam revogadaa as disposicoes ero
    contrario.
    Paco da cmara, 18 de juiho de 1862L.
    Carlos.Carneiro da Cunha. a
    Entrando-sena ordem do dis, deu-se comeco
    4 discusso do orcamento na parle relativa ao mi-
    nisterio dos negocios da agricultura, commercio
    sobras publicas. Orara1 os Srs. Ferreira da
    Veiga, C. Ottoni e C. Madureira, ficando a dis-
    cusso adiada pela hora.
    Foram offerecidaa as teguiotes emendas :
    t No 3V Em vez de 20:000diga -se .
    40:000*.
    No 3 11.Em vez de obras publicas geraes
    e auxilio s proviociaesdiga-seCaneas, pon-
    tes e estradas geraes.
    < No 12.Supprimam-sa ss segaintes quan-
    Africanos livres e sua admiuistra-
    cao (emquanto nao forem emao-
    psdos.........11:000*000
    Seguranca do morro do Castello, etc 100:0005000
    Cal;ameoto por parallepipedos 65.569$705
    Cooservaclo do encanamento de
    Maracan........ 6:000000
    Ditlerentes obras as Paineiras 8:000500t
    4005000
    200*000
    4O051100
    300*000
    200*000
    100$000
    100*000
    1:7005000
    c3. Na administrado de Pernambuco 1:500*
    caliendo como gratificacao addicional, alm dos
    encmenlos que actualmente percebem os em-
    pregados .
    Ao administrador thesoureiro. .
    Ao ajudante contador.....
    Aos 3 officiaes papelistas, a 2005.
    A 1 praiicaute. '......
    Ao porteiro........
    Ao gente do mar......
    400*000
    200*000
    6005000
    100*100
    1005000
    100*000
    1:500J0OO
    a 4." Na edmioistracao do Para 1:400$. Fi-
    cam igualados os vencimentes aos dos emprega-
    dos da Baha e Pernambuco pela tabella actual
    eabendo-Ihea como gralificscao addicional por
    esta lei:,
    Ao administrador thesoureiro. 400*000
    Ao sjedante contador. .... 200*000
    A 1 escripturerio. ,..... lOOyrfK)
    A I praticante porteiro..... IOO5OOO
    Imporrancia da equiparse!.
    800*000
    600*000
    1:400*000
    i 5.* Na administreelo deMaranhlo 2:1P08-
    ?m 'Sealados os vencimentos aoa dos emi>re-
    f 1* pv>ruamsweo pels tabellr,
    nial, eabendo como gratiocaciv addiciounl
    p* 11 Ii ;
    Ao ajudante contador. *\ 200RUOO
    Aos 2 ofciaes papelistas, a 200*, 400*000
    \
    ac
    por
    190:569*705
    Era vezpoisde 1,014:568*155Jiga-se .
    823:898*50.
    No 13.Im lunar das palavrespara a ir-
    rigecao uas ras a 6:000* por mez, 72:000$di-
    ga-separa auxiliar alguma empreza qua s pro-
    punha a fazer o servico de irriga5o,_2O:09O*.
    c No 15Ficam extractas asdelegacias sus-
    penses pelo governo, e conservadas nicamente
    as cinco ora existentes emquant for preciso o
    servido que prestara.
    No artigomedicao. demarcarlo, legitima-
    dlo e revalidacao de ierras, em vez de114:000*
    reduza-sea cifra a 64:000*.
    No artigocosteio uas colonias a cargo do go-
    verno supprimam-se 20 000*,., reduzndo -se a
    verba a 220:000*.
    Em vez nnis de 636:700*diga-s616 700*.
    A commissao reserva-ae pura na discusso
    do projeclo dar as razos que a determinara a
    acooselhar as reduccoes apootadas.Luiz Carlos.
    Carneiro da Cunha. C. Madureira, cora res-
    tricQao por opinar que devem sersuppriraidos os
    lagares de consultor, dous chefes de scelo inu-
    teis e um de 1 official da secretara.
    c Ao 3 1. Os vencimentos dos empregados
    desta aecretaria ficam Igualados desdo j aos dos
    empregados da secretaria de eslado dos negocios
    do imperio de igual categora.
    O goveroo supprimir na mesma secretaria
    osempregos qua julgar dispensaveia.Fausto de
    AguiarFerreira da Veiga.Leandro Bezerra.
    A. T. do Araaral.Lamgo Costa.A. ds Cos
    Pinto Silva.A. Fleury.Oiogo Velho.Correia
    de Oliveira.F. J. Fialho Silvj Nuoes M.
    Dantas.Carneiro de Meolonca.Baro de Mau.
    Rodrigo Silva.Correia do CoutoI. R. Barcel-
    los Fiel de Carvalho.Mello Reg.Lima e
    Silva Sobrioho. Vilella Tavares.Salathiel.__
    Piolo de Campos.Almeida Pereira.J. P. de
    Mendonca.Silveirs da Molla.Bario 4a Villa-
    Bella. Viriato Jaguaribe.Fonseca Vianna.
    Bezerra Cavalcanti.Vieira da Silva.Gomes de
    Souza.
    Aor.Ficam supprimidos os lugares de
    consultor de dous chefes de secQloedeum 1
    official di secretaria de eslado, propicio que
    o governo for dando deslioo aos actuaes serven
    luaros.C. Madureira.
    a Ao 8 9*.0 bairros de S. Christovao, Ita-
    borahy e Bngenho Novo participarlo do benefi-
    cio da illuminic.au a gaz, sabsiiluindo desdo j
    os combustores de gaz aos caodeeiros da azeile
    que ainfa all existem, e eitinctos estes e sus
    aomiuistraclo proporclo dos combustores
    qua forem comtanlo a prestsr luz.C. Madu-
    reira.
    Ao 11.Diga se 20:0005 Prs auxilio e
    cenclusao do caes de Santos.J. t>. Nebias
    Rodrigo Silva.Martim Francisco.Barbosa da
    Cunhs.Bario da Bella-Visia.Costa Pinlo
    F. Leas J. Cirrao.
    Ao U, ou a respectiva.emenda da eom-
    misslo, accrescente se :inclusive 20:000* para
    quaesquer obesa provinciaes do Amazonas.
    Ao I 15 accrescente-se :Mandando o go
    vernomedir urna legua de terraaqoe fica conce-
    dida cmara de Serpa, da provincia do Amaio-
    nss, noslimities da villa, para seu patrimonio.
    Ao 16 accrescenle-se :Inclusive tfcOOOj
    para aa casas de educandos e de educandas da
    provincia <1o Amaaouas.
    1 Ao I 17 accceacenU)-sft:Ficando o governo
    autorisado a despender o que for oecessario com
    0 estabalecimenVo da navegai^o a vapor 00 rio
    Madeira, da provincii do Amazonas.Angeio a*,
    do AmaraLIVancisco da Serra Csrneiro. *
    t Ao 11 accreecante-ae : Sendo 100:000*
    para a construyan da ntrala da Passa Viole
    provincia da Minas. Lima Duarte. Silveira'
    Lobo.
    Ao M acerescente-se s somma inlicada
    100 000* para roelhoramenlo das estradas da ca-
    pital cidade de Baturit e da villa a porto du
    Ar-aracft & cidade do Sobral.Figueira de Mello.
    Bandeira de Met*.Manuel Fernandos Vieira.
    J. de Alanear. a
    c Ao II accreaceala-se :Sea Jo 80:0o0$ di-
    vididos igualmente para con atruena o da estrada
    do presidente Pedreirs ate a ponte do Parapatig,
    e deste ponto segurado para o interior da Minas.
    Lima Duarte.Ribeiro da Luz.Urdas.Cy-
    rillo.Ferreira da Vaiga.
    Acbam-se inscriptos com a palavta os Srs_
    Diogo Velbo, Ltitls) da Cunha, Paula Poncata
    > Alexanriuo de Mello.
    Foram concedidas aa honras de monsenbor
    protonotario apostlico ao antigo ceadjuclor da
    S Cathedral da Guiaba padre Fraocisco Jos
    do Couto, pelos ssus boos servicos prestados a
    igrej.
    Efectuou-sa taontennfteilo dos cadeiras e ge-
    raes do circo Grande Ocano qua deviam ser oc-
    cupadss bonlem, e cujo produelo reverter em
    beneficio do recolhimento das meninas desvali-
    das dos asylo de Santa Thereza e da sociedad*
    de baoeficvncia portuguesa.
    Entradas para asistir ao leillo 122 pessoss
    dando a razio de 1* por cada urna, a somma
    de 122$ ajsls) destinada aoa asylos da infancia
    desvalida de Portugal, e foi logo remeliida a ca-
    sa hincara do Sr. Suelo.
    As cadeiras foram vendidas a 10* 5*, 4*,
    3*500 e 3$, prnduziodo a quaotia de 1:5725500.
    Da* geraea vendeu-se pequeo numero a 3$, 2*
    e 1*500, obleado-ae 1 125*000.
    23
    O senado occapou-se hontem enm as malarias
    que coostam do resumo da aessao publicada 00
    lugar competente.
    Contiuuou hootem na cmara dos deputados
    a 2.* discuasa do orcamento na parte relstiva
    ao ministerio dos negocios ds sgricul' ., com-
    mercio e obras publicas. Orsram os Srs. Diogo
    Velho, Jaguaribe e Leilo da Cunha, tlcando a
    discusso adiada pela hora.
    Foram oflsrectdas as segaintes emendas :
    Ao 11 accresconts-se80:000* para a con-
    closao da estrada que vai da capital do Cear ao
    Baturit.F. R. de Araujo Lima.Leandro Be-
    zerra, Manoel Fernanles Vieira.Jaguaribe.*
    a Ao 11Substitutiva dos ^ri. Pig,ueira de
    Mello e outros. Em vez de 100:000*. digs-se
    70:000* sendo 50:000* para a estrada que vai da
    capital do Oar porto e villa da cidade de Ba-
    turit, e 20:000$ para a aue dirige-se do porto e
    villa da cid.de do Acarac para a cidade do So-
    bral.Vieira da Silva.A. Pereira Pinto.Ro-
    drigo Silva.Nones Goncalves.Salathiel.
    Ao II. ou respectiva emeoda da com-
    missao, accrescente-se : Inclusive 100 000*
    para conduelo da airada ltimamente aberta
    entre as provincias do Para e de Goyaz.Siquei-
    ra Mendes.Angelo T. do Amaral.Fausto de
    Aguiar. Gomes de Souzs. Lamego Costa.
    Salathiel.Brla-.F. da Veiga.Leandro'Be-
    zerra.Leilo da Cunha.Vieira da Silva.A.
    Fleury.Aragao e Mello.
    a Fica desde ja estabelecida para supprimen
    to I escola agrcola provincia do Maranho
    a prestaco aonua de 12:000*.Virialo.Nunes
    Guncalves.Serra Carneiro.Carvalho Reis.
    Vieira da Silva.
    Ap, 11sendo 40:000* para melhoramento
    da .ada do Picu', deade o alto da serra do
    me o nome at a povoa;ao de S. Jos, em Mi-
    nas. ibeiro da Luz.Ferreira da Veiga.
    Bielas.
    11sendo 20:000* para a exploradlo
    apucahy, em Minis Geraes.Ribeiro da
    erreira da VoUa.B tss.
    II accresente-se 100:000* para au-
    obra do canal Pomongs, na provincia de
    cuja planta e nr^amenlo j se acham
    ordem do governo.Leandro Bezerra.
    arvalho.Siqueira Mendes.
    17 accreacente-se :Ficando a obriga-
    vapores da compaobia Braaileira toca-
    birra do Acaracu' tanto lempo quanto
    iso para o vapor de reboque recober as
    1 passageiros, 01a entrega-loa.Leandro
    F. de Carvalho.Siqueira Mendes.
    k
    Ao i 11 liga -se 30:000* para auxiliar a
    Conetruc;o do caea da cidade do Rio Grande,
    provincia de S. Pedro.Flix da Cunha. Ama-
    ro da Silveira.
    Ao 11, ou respectiva emenda da com
    misslo, accresceute-se : 40 000$ para auxilio
    da estrada geral do litoral para o interior, na
    provincia do Paran.Silveira da Multa.Viei-
    ra da Silva.Oliveira Bello.Gomes de Souza
    SilviooCavelcanli. A. Pereira Pinto.Carneiro
    de Mendonca Salathiel.Cynllo.Brlas.
    R. d> Luz.Lima e Silva.Ferreira da Veiga.
    Gasparino.I. O. Nebes.Lamego Costa.Cos-
    a Pinto. Birlo da Belta-Visla.A. J. Henri-
    ques.F. J. Fislho.Almeida Pereira. R. F.
    de Araujo Lima.Leaodro Bezerra.Couto
    Rodrigo Silva.Calazaos.F. de Carvalho. Es-
    piridilo L, Carlos.A. T. do Amaral.
    * Ao tiaesreacente s :E provinciaes.
    a Eleve-s a verba a 980:700*
    a Sendo 100:000* para auxiliar a conclusao da
    ponte de Ssnl'Anna e a abertura de urna estrada
    de rodagem da capital para o interior da provin-
    cia da Parahyba do Norte.
    Sendo 50.000 como garanta de juros aos ca -
    pitaes de qualquer empr-za que se proponha a
    realissr |a navegaclo a vapor nos ros S. Frao-
    cisco e das Velhas em continuac.ao.-L. Carlos.
    Carneiro ds Cunha.
    Ao 3.*Inclusive a quanlia de 12:000*
    para auxilio da escola pralica da agricultura do
    (". tim. no Maranhlo ; augmeotando ae a verba.
    C. Paranagu. Viriato.Fafcio.Vieira ds
    Silva.
    Ao 11.Senlo 40:000* applicados ao me-
    Ihoramenlo das duas estradas que partem da ca-
    pital para n centro da provincia daa Alagoas,
    pastando pelos municipios da Imperalrit e As-
    sembles, sem prajuizo do auxilio que por eata
    verba Iha dev* ser distribuido.Bspirldilb E.
    de B. P.Banjamim F. da Rocha Vieira.A. C.
    Tavares Batios.J. Paes de Mendonca.Lean-
    dro Bezerra.
    Foram tambem iidos osseguietes artigos addi-
    tivos, dos quaes s os dous primeiros foram
    apoiados. ficando os outros reservados para oc-
    casilo propria :
    < O governo mandar com urgincia levantar
    urna ponte de madeira sobra o rio-Grande, no
    lugsr denominado Jagura, entre a provincia de
    S. Paulo e a de Minea, segundo a planta e orca-
    meoto qufl'ji existem na secretsria do imperio.
    Esta obra ser executada pela presidencia
    de Minas ou S. Paulo, por administrarlo ou
    contrato, despendendo uella o goveroo a qwaaiia
    de 80:000*,Joaquira Octavio Nebias,Brotas.
    A. da Cosa Pinto Silva.Barboza da Cunha.
    Rodriga SilvaFerreira da Vigs.Sel.ihiet.
    L. Carlos.Fonseca Vianna.Ribeiro da Luz.
    Mello Franco.Cyrlilo.Lima Duarte.Ma-r-
    lioj Francisco. Bario da Bella-Villa.
    < Fica o goveroo autorisado a mandar medir e
    garantir o dominio da aldeia de Pacatutia em
    Sergipe, licaodo os iodioa daquella aldeia res-
    pailados em aa posset de seua antepassado*.
    Leandro Bezerra. F. do. Carvalho. Siqueira
    Meudes.Calazans.
    < O governo fica autorisado s elevar a quatro
    veie* por mez a partida dos correioa da provin-
    cia do Cear, em lugar de duas com actual-
    mente.Jaguaribe.
    a O governo fie* autorisado a contratar a
    coostrucelo de urna ponte que subetitua a qua
    une o bairro de Santo Antonio ao do Reclfe, na
    cidade dest* nosia, a qoal se ache. arruinada.
    Siltinn Csvalcanti da Albuquerque.Paes Barre-
    to.E^aminoodas.Vieira da Silva.S. de Ma-
    eedo.Uenjamim F. da Rocha Vieira.Villela
    Tavarea.Bezerra Cavalcanti.Sspiridio E. dos
    B. p.Cunha Pjgueirdo.
    a Aprsenlo como additiv o seguinto pro-
    jecto.Sslslhial.
    a Art. uuic O governo fie autorizado a con-
    tratar com quera melhoru* coodic tegundo aa bases da lein. 64t de &d.e junhn de
    1852, n prolongamenlo do tronco principa da
    estrada a ferro de D. Pedro 11 Jas te a barra de
    Pirahy, tatemando se para a provincia fie Mi-
    nea &'procurar o valla do no-Grande n. mesm*
    prrwiacw, al o posto m que o mesar o to co.-
    mc* a asr navegaval ; bam como a c/unlinaa^ao
    da mesma estrada do lorio desde o p*,oto em que
    o. ria-rsnde deUe d ser navegav 1 14 qaelle
    do rio S. Francisco am qua co aof o aft-lo :
    calve.Serra Carnaire.Vieira da Silva.
    . a Ao artigo additivo essignado peto Sr. depu-
    tado Villela Tasares e outros, aecrescente-se :
    Ou a comprar algum predio proprio para aquel-
    lo flm. mediante exame e parecer de urna com-
    missao de engenheiros nnmeada pelo governo,
    e devendo realisar-se o pagamento em presta-
    rles annuuaes. Nunes Goocalves.LellJo da
    Cunha.Serra Carneiro.F. C. Brando.Paes
    Barra to.Villela Ta vares.Eparainotrda*.Sil-
    vino Csvalcanti de Albuquerque
    < O governo fica autorisado para tontio-aar a
    auxiliar a publcelo das obraa do l)r. Martina
    [Flora Fluminense) com a qaantla aonual de
    2:000*.
    Com auxilio sociedsde propagadora das
    Bellas Artea oesta corte para a sustentaclo- do
    aeu lyceu 2,000* aonuaes.F. J. Fialho
    c Ficam isentos de direitos, expediente ou
    qualquer outra taxa de importaclo, os machi-
    nismos, utensis e apparelhos neoessarios para a
    empreza de lllomioacla a gaz contratada pelo
    governo da provincia do Haraohlo, com os Ame-
    ricanos Marcos William e Silvestre S. Baitin : e
    tambem os tubos, combustores e apparelhos para
    a distiibutclo do gaz at a quanlidade precisa
    para se levar a effeito a dita illuminaclo seu
    augmento no futuro, assim como os que forem
    oecessarios para a substituirlo. A mesma isen-
    prebeoder as materias primes importadas para
    a prodcelo do gaz, deveodo, na forma do con-
    trato, flxar-se annualmente o quantum dassas
    materiasViriato.Carvalho Res.Vieira da
    Silva. = Seraa Carneiro. Nanes Goncalves.
    Gemes de Souza.
    < O goveroo fes autosisado para conceder
    companhia que se orgaoisar e privilegio da
    navegaclo a vapor ras aguas das lagoasNorte
    e Menguabada provincia das Alagoas, por tem-
    por lempo que olo exceda a trinla e cinco an-
    nos, debaixo daa condiedea seguntes :
    a I." A companhia mantera a navegaclo por
    vapor entre as cidsdes de Macelo e Alagoas, e
    villas do Pilar e Santa Luzia do Norte, com es
    cala pela povoaclo do Coqueiro-Secco, podendo
    estende-la a outros pontos, sem otlensa dos di-
    reitos adquiridos.
    c 2.* O governo auxiliar a companhia com
    urna eubvenclo de 30:000* prestada pela forma
    que julgar mais conveniente.
    a 3.a A companhia gozar do despacho livre
    de direitos na importarlo de todos os objeclos
    Europa, foram os Srs Antonio Luiz de Oliveira
    Aze7edo& C. revestidos das funeces de agentes
    do B*nco Uniao do torto, que gyra com im>
    capital de dous mil contos fortes.
    E' mais una prova do crdito de que gozan
    esses seahores, e da apreciadlo e cooflanca que*
    merecern em tods a parle.
    Do silicio abaiso consta o que so acaba de>
    dar na via-ferrea, na manhaa de 28 do cor-
    rente :
    < Reparlteo fiscal da estrada de ferro do Ra-
    cife S. Francisco, 28 de juiho de 18r}2.Illra.
    e Exm. Sr.Gommunico V. Exc. qua o tren
    de materiaes, que aa acbava em servigo esta
    manhaa nos trabalhos da 4" aeccao da estndado
    ferro, desencarrilhou-se no desvio da estaglo do
    Cutambuea,, resultando deste accidente a raer-
    le de dous trabalhadores < varios ferimeulo*.
    Nenhuma informarlo circumalancia:a leodo
    ehegado ao meu coohecimento, e deven .'o par-
    tir amanhia, pelo primeiro trem, um de meus
    ajudanles incumbidn de >\aminar as causas que
    determinaran! aquella triste oceurrencia, reser-
    vo-me para ero outra opportunidade Cummuni-
    car V. Exr. as informacoes que novamenle me
    forem ministradas.
    * Dos guarde V. Eyniro. e Exm. Sr.
    Dt. Manoel Francisco Corra, preaidenle da pro-
    vincia.
    < *Y Buarque de Macedo, engenheiro fiscal.
    Movimeoto da casa de delen;lo de dia 28
    A saber:
    Exisliam. Entraran). Sabiram. . 357 7 1 presos. a
    Existem. . ~363
    Nacionaes Mulheres: Estrangelros. Escravos. Escravas. . 250 6 28 71 8
    Tota!.
    363
    146
    Alimentados a cusa dos cofres provin-
    ciaes.............
    Movmento da enfermara do dia 29.
    Teve baixa :
    Antonio da Silva Rocha.
    Passageiros do paquete Cruzro do Sul
    vindo do Rio de Janeiro e poitos intermedios;
    2 !?,*T Mred" D.8S?.em -Desembarjador Jos Pereira de Castro Multa.
    mSe! ;. la doJmpo,l d.e me,a Pels Dr. Tri.tlo Ar.hur de Campo. P,o. sn. senhora
    compra do. v.pcre, deque precisar. e 1 escra.o, Maris P. Munleiro lf.ac e 1 -
    - .:. .ih J tLa2S? d" "Uencoes crava, Maria Gloria da Conceiclo. Antonio Pe-
    que teem sido concedidas s emprezas do nave- j dro ue Miranda. Paulino Diss F.rnaudes, guar-
    gacao por vapor mais favorecidas pelo estado | daa marioha Arlhar Silveira da Molla e Amonio
    circum.tancias.-Espiridao Eloy; Manuel Perdigan Fe*roandes. alteres Francisco
    em idnticas
    de Barroa Pimenlel. Benjamim F. da Rocha
    Vieira. A. C. Tavare. Bastos. J. Paes de
    Mendonja.Leandro Bezerra.
    or Fica o governo autorisado s approvar a in-
    orpora(lo da companhia que se crganisar, na
    provincia da Bahia, para a eonstrucco de ama I ,'0YdVd'e'ucamaTada. 'Jos Joaqun
    va de es*"
    road con....
    ciuade r ^ -H ..ii.... 1
    Evaristo de Barros, sus senhora, 2 Ulhoa e l
    soldado seu carnerada, Thereza Rodri/ues da
    Silva, 3lhos, 1 criado e 5 escravos, Bernardo
    de Senna do Espirito Santo. Maria de Santa
    Vera-Cruz, eapitao Joaquim Martina Fontes e 1
    de Pinaza
    Silva
    earns de ferro, ou-pelo systems tram Carneiro, Aureliaoo Colonia, Fraocisco da S
    tortee for mais conveniente, enlre a Qoeiroz. padre Julo Soares de Albuquerque
    da Cachoeira e a Chapada Diamantina,
    Com ara ramal para a villa da Feira de Sanl'An
    na, debaixo das seguintes condi^oes :
    a 1 A companhia ser obrlg.da s comecar as
    obras da referida estrada, dentro do prazo de
    dous annu 1 contados da data da assignatura de-
    finitiva de contrato, caducando ipto fado, e fi-
    cando de nenhum efteito a concesso se dentro
    desse perodo nao forem comegadas as obras
    c 2 A companhia obriga se, per clausula
    expre.ss, a nao reclamar em nenhum lempo,
    prestaco, subvengan, garanta de juro, empres-
    timo, ou qualquer oulra onu* pecuniario do es-
    lado.
    3.* A companhia goxar de isenclo de todo
    e qualquer direito de imporlaclo e de expedien-
    te aobre o material, machinas, instrumentos e
    utensis necessanos execucao dos trabalhos da
    eas presa.
    3.* O governo conceder companhia gra-
    tuitamente 20 leguas de terrenos devolutos as
    matas do Orob para esisbelecer leieralnienie a
    estrada, os trabalhadores contratados, e promo-
    ver a cultura do algodlo terminados os trabalhos
    da mesma.
    5.* A companhia gozar mais do privilegio
    de explorar, dentro da zona 'la estrada contrata-
    da, quaesquer mina, que descobrir, principal-
    mente as de producios chimicos e nalurses, ce-
    rno o salitre, o nitrato de so<' e o brax, po-
    dendo tambero para esse tira impostar, isentas de
    direitos, as machinas e instrumentos que se fi-
    zerem mister sos trabalhos de explorarlo das
    mesmas.
    n *-S.I ilPVnl8\aVOnd!c5eid\"n9lrUCi0*lAmprico.Perns''buco. Sanos, escravo, S. An-
    O mala rali > /liro.nin a >..i..i^... 4. ._ .
    criado, Antonio Jos de Viveiros, Manoel Caval-
    canti de Alouquerque Jnior e 1 escravo, Jos
    Joaquim de Faria da Motn, Jlo Francisco da
    Cosa, vigirio Domingos Leopoldo da Costa, Ri-
    cardo Bernardo Mooleiro, vigario Manoel Cor-
    deiro da Cruz, Auiiusto Muoiz Machado, Fran-
    cisco Augusto Machado, Luiz Goui;alves Perei-
    ra, Juse Joaquim Das Ferreira, Domingos da
    Silva Ramos, Antonio Teixeira Pinte, Manoel
    Tavares Cordeirn, Barteu Fhilcher Alien, Ales-
    ssndre Turo e Manoel Teixeira Rodrigues.
    Seguem para o uorte:alteres Brnirdi-
    no Accioli, pharmsceutieo Antonio Das Feruan-
    des Luna, Antonio de Dos Cie, Dr. Manoel
    Adriano da Silva Ponies, segundo leneote da
    armada Antonio da Cosa Oliveira, Ji-s Lmbe-
    Imo dos Santos, Luchise Viocen;o, Dr. Galdne
    I* Carvalho Andrade, sua senhora e 3 ascravoa,
    3 prscas e 3 ex praeea do exercilo.
    Matadouro puulico :
    Mataram-se para o consumo desta cidade no
    dia 9 do correle81 rezes.
    Obituario no da i& ue juliio, ro cbsiitk-
    rio publico :
    Cabioo, Pernambuco, 17 annos, solteiro, *scra-
    vo, Boa-Vista, tubrculos.
    Lourenco, frica, 60 snnos, solleiro, escravo,
    Boa-Vista, cholera.
    Antonio Leandro da Silva, Pernambuco, 50 an-
    nos, casado. II a-Vnii, varilas.
    Jos Nicol > Pruden Diniz, Paria, 48 annes, viu
    vo, Boa-Vista, cerebnie.
    Bernarda, Pernambuco, 24 annos, soleira, es-
    Sanio Antonio, varilas.
    c crava,
    o. A planta, as condicoes da construcQao e a
    ionio, varilas.
    Joo, Pernambuco, 2 anuos, S. los, coagest
    pulmonar.
    mais relativo direceo e trabalhos da em-
    preza, e governo estabelecer no contrato qae
    com ePa celebrar, guardadas ascoodicdss cima
    mencionadas.
    < Paco da cmara dos deputados, 18 de juiho
    de 1862 J. J. Fernandes da Cunhs.M. P. de
    Soura DantasSilveira Lobo Piolo de Cam-
    pos.P. de Mendooga.Fi-I de Carvalho.Gas-
    pariano M. de Castro.Bario de Bella-Vista.
    Viriato. Cruz Mnchado.Vieira da Silva.
    Calazans. Crvatho R. C. Paranago.J.
    Madureira.Lefiio da Cunhs.Paula Sanios.
    Ribeiro da Luz.A. J. Henriques.Jos Antonio
    Ssraiva.J. J. O. Jenqueira Juninr.Tiberio
    Martim Francisso.Aragao e Mello .F. J. Fia-
    Iho.L. A. Pereira Franco.Pedro Moniz.F.
    C. Brando.J. A. Chaves.A. Spinola.Piolo i ^.
    Lima.Espiridilo E. de B P.
    A discusso das interpellsgdes annunciadas na'
    sesslo de aul*-honiem nelo Sr. Teixeirs Ju-
    nior ter lugar sabbado 26 do correte 1 bora |
    da tarde
    I gj g
    SI
    I I
    3 I
    I : 1:1
    I i I i I
    III
    s
    1:1:
    I I II
    hI I CO I O I O I
    Mnsculino.
    3;
    lili
    1 1 mi Femioioo.
    I a I 10 I
    2
    Is.
    o
    I M Masculino.
    I I I
    p.miniun.
    t
    3*1
    m
    REVISTA OIABIA.
    Ha dias tendo noticia o subdelegado de Olin-
    da.oSr. tenent* Litis Cald'S, de que na mal
    nha do sillo dos fra es Beotoa apparecera meu
    cadver j am ossada, dirigio-se para all com
    toda promplido, a tira de certificarse desss
    existencia.
    Conduzindo em sua companhia os peritos n-
    cessarios, chegado ao poni, procedeu a compe-
    tente vesloria; da qual resullou a existencia
    apenas de nssos e de roupa, que sem devida
    pertenceria so Onado.
    Pelo* aignaes suppoe-se Ur este sido de cor
    presa, presumindo-se igualmente que fdra al-
    gum escravo que andaase fcgi-lo.
    O referido subdelegado no entretanto prosegue
    as competentes pesquisa,, para ch*gar ao flo
    desse facto.
    Foram tomadas clgumsa providencias para
    previiir a subtraegao rio* objecto* existentes no
    Parque de OlinJa, poetando ae alli ura set.Li-
    oella.
    Fot designada para reger interinamente a
    cadeira de iiutrucc primaria do *exo famiaino
    da treguezia da Boa-Vista desta cidade, dudante
    o impedimeolo da respectiva profassora, a Sra.
    Maria do Rosario, dos Saatos Pmheiro.
    Vence a sneseza- aeubor* pelo exercicio urna
    graliUcaQao meosal equivalente a importancia do
    ordenado da pyofesaora Bctiva.
    llonlem. leve priocipio o coocurso, sub
    tituigao vaga.Ua Faculdade ue Direito desta ci-
    4a te.
    Da lusa-caria escripta da vi!U do
    lili
    I I I -I
    Masculino.
    I I I
    Pemininn.
    1
    1 T
    _ Maacul
    no.
    I I I
    1=1.1
    . Femiuino.
    I co I
    a.7

    A ...
    Illl
    ! I I I S
    Masculino.
    Co
    en

    Femini.io.
    I ^3
    I
    3t
    O

    PJ
    x,
    -I
    o
    o
    o
    SS
    o
    01
    >
    53
    FlO
    s3
    >
    o

    " 1 7 e 20 miou-
    7 l|i horas de
    Na toisliade os doeuiea existem 142, sendo V
    homens e 14 mulheres alienado?.
    Ftiram visitadas as enfermarlas estes qualroi
    dias : no 1* 7 horas; no 2'
    toe; no 3' i Tl|2. no *. s
    l'raanha pelo Dr. Villas-Rn.a*. n im; e.niu-n-
    h do Dr. Dornell.s e 7. 7, 7 Ii4. 7 huras de
    I .-Bunhaa p*lo cirurgio Pinto, e s 5 i|1, 5 'i,
    I da tarde pelo Dr. Pereira do Carmo.
    CHRONICA JUDICIARIA.
    Couselho S- peaaoa desta cidade, copiamos o s-
    guinte tracho.:
    c O ceolece eal e jui em seu '.:ror. O dele-
    gado deete Urmo, o lesete Joaquim Cidoso
    dos Santos e sua tuuiher e>lao a mora, a
    Proaeguio hontem o acto-do concurso para
    O preencbimenlo-da cad.ira vagas da instruc-
    ;! elementar.
    Team os can !i Jatos no. primeiro dia dado as
    pao-vas escripias, conliwasram no seguinte na*
    oraes, com que fecharan o respectivo processo.
    Coneorrerara quauo candidatos; o jutg*-
    mento dev* hoje Ur lugar.
    Compozeram e, co-mroisslo de exame oa "5rj.
    professores Miguel Arcbaujo Hindello 4 padre
    Vicente Ferseira de Siqueira Varejo.
    PtU sreaidaaea foi approvado 0 proca-
    Tiihaiial ia Itclacao.
    SKSSAO EM 2 li JULIIO DE1S8
    PRESll/iNClA UO-XXM. S. CONSELHRIRO iltSRLISt
    Uli LKO.
    ht* 10 horas damauhia, presentes es aenhoie
    desambargade-res Ca^taoo Santiago, Silveira^fi-
    lirana, Lnurta^o Santiago, Peretti Accioli. 1*1
    i*ado os S, uesembargaderes Pereira Jetare e
    uerra, procurador da cuida, abr:o-se c. es-
    sao.
    Passadaa os feitos, e entregues oa disbiboidoa
    Bom- deram-sa os aeguiutes
    ZULGAalErTOM,
    Appeltacrs zrimes.
    Appeli/snte, o juizo"; ajpellaCo, Manoel Fran-
    cisco Chave.
    Improcedente.
    Aepsallaaite, o juias,; apne'.lado. loao Rodrigue
    de Fiyueiredo.
    Improcedente.
    Apptliaue, o .uizo ; aupellado, Manoel Gae
    da Silva.
    A' novo Jury.
    Appellaate, o juizo
    to Cardse Gama.
    A' novo jury.
    Appellaole. o juno ;
    Arruda Cordeiro.
    Improcedente,
    appotladO* Ap.VojIo. Pi-.
    app#lecto, Frs uU MUTILADO
    .*



    <5
    DIARIO M PIRSAHIDCO. QUARTA flllA 20 DI JLHO M H62,
    *
    ".------------------------- ------ V
    Appellanle, o juiio; appellado, Antonio. Ana-1 comida, cshio ama colher de metal dentro da va-
    celo dos Santos, iilha, onde esleve por algum tempo ; relinda
    =

    A' doto jury.
    DESIGNACO DE DI.*:
    Assigoou-te da para julgar^ento dai se-
    guales
    Appellaces c\vtit,
    Applltnle, a fazenas ; a.-pellados, Ollveha,
    Irmao & G.
    DIS^RIBCjgnO.
    Ao Sr. deseaibar^aJur Caelano Santiago :
    Appellato crime.
    Appellale, o juizo ; appellado, Jos Luiz da
    Silva.
    ffecurso crime.
    Recorrenle, o juizo ; recorrido, Funciico Jos
    e Almeida Lima.
    Ao Sr. desembargador Silveira :
    Recurios crimes.
    Recorrerte, o juizo ; recorrido, Jos Antonio
    Bertholdo.
    Ao Sr. desembargador Gilirana
    Recursos crimes.
    Recrreme, o juizo ; lecorrido, Marcolino Te-
    Teira de Lim.
    Ao Sr. desembargador I.ourenro Santiago :
    Recursos crimes.
    Becorrente, o juizo ; recorrido, Jos Cavalcan-
    ti Ferraz de Aievedo.
    Ao Sr. desembargador Mulla :
    Recursos crimes.
    Recorrerte, JooZeandro de Barros ; recorri-
    do, o juizo.
    Ao Sr. desembargador Peretti :
    Recursos crimes.
    Racorrente, o juizo ; recorrido, Vicente Alves
    Linbares.
    Aggravo de pelico.
    Aggravante, Justino Peretri de Farias ; aggra-
    vado, o juizo.
    Ao Sr. desembargador Accloli :
    Appellago crime.
    Appellsnte, o promotor ; appellado, Antonio
    Jos da Silva.
    Ao Sr. desembargador Pereira Jorge :
    Recurso crime.
    Recorreole, n juiio ; recorrido, becharel Ma-
    noel Antonio dol Passos e Silva.
    Appellaco crime.
    Appellaote, o juizo ; appellado, Jos Abes
    de Casiro e Silva.
    Aggravo de\peticao.
    Aggravante, J o e S Lava'icanli d'Albuquer-
    que ; eggravado, o juizo.
    Ao meio-dia encerrousea sesso.
    que tul ella ser io-se a comida, e um cario iocom-
    modo apparereu. cora symplomaa da envenena-
    meoto, os quaes (oram convenientemente com-
    balidoa, oenhum mal resallando n'ahi.
    Nessa mesma cidade, a varila ooulava
    com intensidad, sem com ludo facer victimas.
    L-se do Jornal i
    t Um crime borrando e lastimoso acaba de
    dtr-se nu Iiie-azul do terma da Abadia, que
    provaouuma loucura rematada, ou o rejjuiLte
    da pertersidade.
    All existe Jos Pinto, de Carvalho, casado
    com D. Josepha de tal, de quem lem quatro Q-
    Ibiohos.
    a No dia 4 do pastado Jus Pinto eritrou em
    casa, e achou dormiodo em urna esleir sua det-
    ditosa mulher, acompaobada de seas qualros -
    Iho.
    C'Qltlosimetite separou os (ilhos da mal, e
    deyois, muDiodo ae de urna barra de ferro, des-
    (eixou sobre a infeliz urna horrivel pancada, que
    a teria matado instantneamente, se nao o obs-
    taste urna rede, que eslava armada em distan-
    cia ao alcance da estenso da barra.
    EnlretaDto, atordoada pela naneada, a in-
    feliz Josepha acordou e gritara por toccorro, em
    quaolo o brbaro marido conlinaava sus obra
    com a barra. Nete conflicto urna escrava apa-
    receu, e agarrando de i:n das enancas, a me-
    nor, a laorjou por cima da desgranada mi, como
    pra defindela ; com tleito o brbaro marido,
    Isla deste qaadro, hao podendo resistir ao
    olhar da innocente crianza, e vendo que a mi
    pouco podia durar, abaodonou-a armado da bar-
    ra de ferro, e evadio-se.
    O gritos da moribunda, o "choro dos Qlboa
    e o clamor da preta fuera m apparecer algumas
    pessoss, entre as quaes alguns prenles da des-
    grtQada, que, coodutida para a casa de um des-
    les o capilo rmenla, dfas depois deu a alma
    ao Creador, e sepultou se oa capelia de S. Joo
    do Rio Fundo.
    A sutoridade proceden a corpo de delicio,
    instaurou proces'0 contra o brbaro assatsino, e
    prosegue na deligeocia para captura-lo.
    A infeliz gosava no lugar, dos foros de urna
    excellenle esposa e extremosa roi,- com quin-
    to oeslts .occasies sempre a maledicencia in-
    cumba-te de explicar taes fictos, com todo, at
    o presente, einda nada te disse que justifique o
    facto do feroz marido.
    Sergipe, Tallecer,' victima de urna cooges-
    to cerebral, o Dr. Porto.
    Ala'qas. Nada digno de rnenc.o encontramos
    nos jornte*.
    NOTICIAS COMMERCIAES E MA.IUTIMAS.
    Rio Grande do Sul, 10 de julho.
    Cambio. Sobre Londres, 2le 2* 1|4 d.; Paris,
    390; Himturgo, nomiual; Rio de Janeiro, 2 a
    0)0 a 90 dias ; Babia, nominal ; Pernambuco,
    uominal; n.oelt Daciooal, 6 a 7 fi.
    Fretes.Rio de Janeiro, 460 ; Babia, 560 ;
    Pernamcuco. 700; Inglaterra, couros silgados,
    65 sch. 5 0|0, cinti, nominal.
    Rio de Janeiro 22 de julhi.
    Cambio.Sobre Londres25 Ifi,
    o Havre, 365 rs.
    Paris. 368 rs. por fr.
    Apolices.-De 6 0,0, 92 a 92 3|*. 93 e 93 % Ofi.
    Acces.Banco do Brasil 558 de premio.
    Fretes.Para Gihraller, 42 e 50 ib.
    Escalos Uoidos, 45 sh.
    Descontos.10 1|2 e 11 }i)\o ao anuo.
    Gneros.Assucar branco de Pernambuco, 33650
    e 33850 rs por arroba; dito dito de
    Macei, !J;'i[) rs. por arroba.
    Caf lovado, 8$600 e bjsCO por arroba.
    Sahio para o Rio Grande do Norte, o bri-
    gue Unido do Norte, 2 do correte.
    - Eulraranj, procedentes de Pernambuco :
    14 o bngue inglez Flying Clond. com 13 das de
    viagem ; e 22, o paiacbacho inglez Express.
    com 12, e o brigue nacional Encantador, com 9
    dias da Babia, onde tocou.
    Bakia, 27 de julho.
    C ambios.Sobre Londres- 26 e 26 118 a 90 div.
    Paris365 a 370 rs. o fr.
    Lisboa108 a 112'por cento de prem.
    Ha m burgo684 a 685 rs. porro, b.
    Metaes.Doblos hespanhoes, 30g500 a 31500
    da patria, 305000 a 3Pt00.
    Tataces brasileiros2000 a 2&000-
    hospaohes?S"03 a 23100.
    mexicanos-lo9G0 a 2j000.
    Chegarato., probedentea de Pernambuco :
    15, o brigue dinamarqaez Agalhe, com 11 dias
    de viagem ; a 16, a barca inuleza Dora, com 4 ;
    17, o patacho hollaoda Gruo, com 14 ; 19 ;
    a polaca hesitan hola Perla, com 6; 23, o pata-
    cho inglez Grifan, com 4 ; e 24, bsrea aus-
    traca Adomeneo, com 4.
    San j para Pernambuco : 24, o brigue
    D. Affonso, e 19, o brigue escuaa Joven-Ar-
    thur ,
    oilmento da aiisoriea,
    Valamaa talrados comlazendaa..
    c tom ganaros.. 23
    Valamas tbidos com faiandas..
    c tom teneros..
    46
    540
    == 586
    Researragam no dia 30 da julho.
    Escuna hanoverianaAtlanticmercadoriat.
    Exporta $&
    do dia 16 de julho.
    Brigue vortugaez Sobtrano, para Lisboa, car-
    regara :
    l liorna/, de Aquino Fonteca Jnior, 40 tceos
    com 200 arrobas de asiucar.
    Barca fraoceza Havre, para o Havre, canega:
    J. Mendeboux, 2,000 acnaa de leoha.
    Dia 28.
    Patacho inglez Mary Block, para Liverpool,
    carregaram :
    Sauoders Brothers & C, 116 laceas com 619
    arrobas de algodao. *
    Vapor fraocez Nauarre, para Bordeaui, car-
    regaram :
    Tisset Freres, 111 saccas com' 598 arrobas de
    algodao.
    P. Manrir & C, 1 csixa com 22 libras de biu-
    oilba.
    Patacho portuguez Lima, para a liba da S. Mi-
    guel, carregaram f
    Jos MeDdes de Freitas, 2 barricas rom 1 1)2
    alqueire de firioha de mandioca.
    Ricardo Cordeiro de Miranda, 1 baniquinha
    com 40 nbrss de caf.
    Beeebedoria de randas Internas
    greraes de Pemambaeo.
    Rendimeoto do dia 1 a 28. 51.-0770977
    dem dt dia 29......; 1:86U522
    52:9398499
    Consulado provlnelal.
    Rtndlmento do da 1 a 28. 77:1255637
    Idom do dia 29......1:6469473
    78:7715110
    provincia manda fazer publico para conheclme
    lo de quem potsa int&rettar, qa, segando lhe
    foi commaoicado em officio de 28 de junho ulti-
    23 mo pelo Sr. Dr. chafe de polica da provincia de
    MiQit-Geries, acha-sa racolhide cadela da res-
    pectiva capital como fgido o ascravo preto de
    nome Claudico, cajos sigoaes e mais circums-
    taacits coaita da nota que te segu.
    O oficial servlodo de secretario
    Jote Xavier Fauatiao Ramos.
    Stcc_ao. Sacretsria da policia da provincia de Mi-
    nas Geraes 28 de juoho de 1862.
    NOTA.
    Claudico, crioulo, idade 34 anoos, barbado,
    rosto redondo, olbos i reos e grandes, nariz cha-
    to, bocea pequoaa, boos deolea, altura regular,
    cheio do corpo, tem um golpe oa cabera e diz
    ser ear.ravo de Jos Antonio, residente em Pa-
    jea de Flores, provincia de Pernambuco, que o
    otregou a Pedro de tal alian da o cooduzir ao
    Rio de Janeiro devendo voltar ao Recife, que
    fugindo foi preso oeita provincia, no termo do
    Pirna.
    O mesmo escravo declarou que aeu senhor
    pardo, j idoso, alto e Um arrendado id pe-
    queo sitio de cultura do qual lira sua subsis-
    tencia.
    Antonio Marciano da Silva Poules,
    Secretario da polica.
    Rio grande do Sul.
    Daver sabir com toda a brevldade o patacho
    nacional >Arapeky,> de primeira marcha, receba
    carga a frea muilo commodo : a tratar com Ala-
    noel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo
    Santo n. 19. ou com o capilo na prga.
    f fsmilla que retira-te dettt provincis, e tem re-
    serva ae prego doe objecios sclma mencionados,
    exittentei no primeiro andar do sobrado d. 18 dt
    ra do Raogel ; netta mesma occasiao vende-
    ee-ba um
    Movimento co jiorto
    tv
    i IAR0 iit PERWtM^UCO
    Temos 6 vista jornaes do Rio. Baha e Alagos,
    de que fui portador o vapor Cruzeiro do Sul.
    com dalas : do primeiro 23, da segunda 27 e do
    ultimo 28 do correle. Deltas colbemos aa noti-
    cias que seguem.
    S. Paulo. Acbava-se concluida a elei^ao da um
    depuiado para preeochiment da vaga do Sr.
    conselheiro Jo> Bonifacio, oqual foi reeleiio
    por 169 votos, alm de 53 tomados em sepa-
    rado.
    Fra ejecutada a pena da morte imposta
    ao escravo Amonio, da cidade de Bragao;a, por
    baver morto seu senhor.
    Era intenso o fri, variando o thermome-
    tro de 10 e 12 Reaumur, descendo no dia 16
    at 8.
    Minas Geraes. 11)via tido incumbido de exa-
    minar as amostra de carvo dt pedra do arraial
    do Fonseci, apretenttdat por Leandro da Fonse-
    cs Arantes.
    Le se no Minas Geraes :
    T-ndo fallecido oa cidade do Porto o rico ca-
    pitalista Antonio Ribeiro Fernandet Fjrbet, que
    viveu aqui por longos annos, deixou para esta
    cidade os seguiotes legados :
    Para cinco pessoas40.000$, sendo 30 eni p-
    lices da disida publica fundad*.
    Quatro apolicea de 1:000$ Santa Cisa de
    Misericordia, para os juros serem applicados s
    desbezas com o curativo de pobres enfermos.
    Dual ditas irmandade do Sanlissimo Sacra-
    mento da pirochia do Ouro Preto. para com os
    seut juros auxiliar as funcfoes de Endo,entas.
    1:500$ para serem distribuidos por cinco fa-
    milias mais oecessitadas, residentes na mesma
    paroebia, e qoe vivam honestamente.
    Rio de Janeiro. Forano cumiados : comman-
    dar.tv' do brigue-escuna Fidelidade, o Io lenle
    Francisco Romano Sleple da &ilva, durante o
    impelimenlo do capitao-lencnte Bonifacio Joa-
    qun de Santa Aona.
    No dia 12 do crreme oxm. Sr. monteohor
    Piolo de Csmpot celebrou missa na matriz de S.
    Jos, por alma do Dr. J. Jos fla Rocha.
    Assurr ira o commando do vapor de guerra
    .V;:j', o capito-tenente Mamede Simoes da Sil-
    va, para o quei havia sido ltimamente do-
    meado.
    Dos prlot dos Srt. Laemmert S'hiu ha
    pouco, o Systems mtrico, comparado por
    meio de tabulas com o syttema de medidas usa-
    do no Brasil, ioleressante trabalho do espilao
    de artilharia A. J. do Am.aral.
    Por decreto de :~ do passsdoconcedeu-se o
    titulo de imperial fabrica de teios de algodao
    de Todot ot Santos, oa Babia.
    Por ditos de 12 do correle, foram traosfe-
    i'idoi :
    Para a 3a corr.panhis do 1 betalho de arli-
    lharia p, o cipitao do 2o da mesma arma, Ma-
    iioel Eleodoro da Fonseca ;
    Para a Ia deste batalho, o capito do 3 Fran-
    cisco Nunes da Cuuha ;
    Para a 8a deste, o capitao do 1* Antonio Jote
    do Amaral.
    L-ie no Crrelo Mercantil:
    a TcdiIo sido concedido por le o premio de
    2:0'. (15 a cada lavrador da proviocia da S. Paulo
    que colhesse meUde HOalqueires de trigo, apre-
    Bectaram-e nat condigoes exigidas os Srs. Leo
    nsrdo Jos Borges, Luiz Yaz Brsgam;a Filho, D.
    Leuriana Francisca Duarle (viuva de Jos Fran-
    cisco da Cjiceieao] e Manoel da Cnsla Luccas.
    < U ministerio da agricultura j expedio a or-
    dena de pagamento.
    a Verificou-te ltimamente que o 2 macbinis-
    la do vapor Jequitinhonha etleve preso no po-
    rao dor ordem do commaodale do dito vapor;
    CODslituindo este fado urna verdadeira iofraceo
    do art. 29 do regulamento do 10 de julho de 1857.
    que marca as peoas 1 que esto sujeitat taes pra-
    xis a bordo dosoavios de guerra, ordeoou o mi-
    nisterio da marinha ao respectivo quartel-gene-
    ral que fizesse sentir ao referido commandante a
    irreguloridadedo teu proceder.
    Por decreto de 10 do crranle Ocou sendo
    extentiva 4 agtncia que a companhia da aeguros
    Fidelidade, da cidade de Lisboa, eslabeleceu na
    capital da proviocia do Maranho a autorisa;o
    que lhe foi concedida, para que ai outraa agen-
    cias creadas nat capilaes do imperio e dss pro-
    vincias da Baha e Peroambuco continuem a func-
    cionar sobre as instruc;es bailadas com o de-
    creto n.2.910 de 26 do mez passtdo.
    A provincia de Minas esl fornecendo scien-
    cia ottadat anli-diluvijoai. O Sr. tenente-coro-
    nel Francisco de Paula Foe-aeca Vianoa, distinc-
    to fsienleiro do termo de Santa Luzia, chou em
    orna lapa de salitre na sua tascada do Bom Jar-
    dim.sita na freguezia de ldatlozicihot, daquelle
    termo a eoorme ossada de ura mastoilotte, cujot
    deoles petam cada um mais delibrs, e am osso
    do p meis arroba.
    O Sr. Fonseca Vianna ia remedar esse fostil
    M Sr.contelheiroCunha Figueiredo, que aa pre-
    sidencia de Minaa procurara obter dos fazendei-
    ros preciotidtdes, para enriquecimento do ma-
    seu nacional, ou para fundado de um museu na-
    quella provincia.
    J o illustrado viajante Dr. Lund tinha encon-
    Irado, ha alguna anoos,-m urna lapalambem de
    salitre, oa fazenda da Bebida, perteoceole ao vin-
    culo de Jagura, alm de outrai ottadas moat-
    truotas, urna de lal-canastra, do tamanbo de
    am boi. O Sr. Lund mandou-aa para a Dina-
    marca.
    , Ora, a fazenda da Bebida prxima do'ao anno al Pr8Z0.d? mezes. e 2 /.
    Bom Jardim. Parece, poic que ha naquelles ter- de raezcs. e loma dinheiro em conlas correles
    renos um vatio c.npo para aaindagajoes dos implet ou com juros pelo premio e prazo que se
    cocrestores de Cuvjr. convencionar.
    Baha. Foi designado o dia 3 do prximo tgot-
    *o, para a diitribuicio dos premios da ExpoucSo
    Nacional. *
    Chegra, 20 do correo, a cnrvett Beberi-
    oe, traiendo i tea bordo o Sr. capillo de mar e
    guerra Fraocisco Cordeiro Torres e Alvim, chefe
    lCooav*i, ..,, t,do m,ior#
    c.~k2;J* >mn,?liio tomou poste, seguindo o
    &r.cnets3ile divuao Fr.ncitco Maooel Barroso, e
    seu secretario o diatinclo 1 teoente Euiebio Jo-
    s ADt0**,> Um,r eonU divi.ao naval do
    H10 da Pratt, para onde foi removido.
    J ere conhecido o resultado da eleiSao de
    am membro 4 astembla provincial, pelo 3" dia- .nHi^.nift a n c 1
    SS'.,5ISd0 ,,scolha no Dr- M"el' J*. Mta'
    Em Ssoto Amaro, em casa de Jos Lucio i
    sorgei, oa occaiiao em que se preparava ame \
    Navios entrados no dia 29
    Rio de Janeiro e portosiotermedios6 dial e 20
    horas, paquete Cruzeiro do Sul, couamaodau-
    le Mancebo.
    Rio-Granda do Sul23 dias. brigue escuna na-
    cional Cysne, de. 267 toneladas, capilo Jos
    Monleiro de Almeida, equipagem 12, carga
    14,000 arrobas de cirae secca; a Amorim Ir-
    mo.
    Navio sahido no mesmo dia.
    AracatyHiate brasileiro Aracaly. capilo Joo
    Heorique de Almeida, carga diderentes g-
    neros.
    Observadlo.
    O brigue Volanie eotrado 00 dia 28, proce-
    cedente de Buenos-Ayres. oriental e nao (ame-
    ricano.
    THEATRO
    DE
    antaIsabel
    COMPANHIA LYIUC1
    a
    1PJUBJL
    Baha
    Cabriolet de 2 rodas.
    eom muitt brevidade pretende seguir o bem co- I
    Dhecido e veleiro brigue escunt Jovao Arlhar,
    capilo Joaquim Antouio Gongalves dos Santos I
    lem parte de seu carragamenlo prompto ; para
    reato que lbe falla, trata-se com oa seus coosig-
    oatartos Antooio Luiz de Oliveira Azavedo 4 C.
    no seu escriptorio ra da Cruz m. 1.
    LlEfi
    DE
    12 vaccas leiteiras
    IIOJE 30 DO CORRENTE.
    O agente Pettana vender por conta o riico de
    quem perteocer 12 vaccaa muito boai de laite.
    em am oa maia lotes : qutrta feira 30 do cor-
    rente, pelas 10 horas da maohaa, no patio d
    Collegio.
    Aracaty
    0'** Dou> Irmaot legue para o Aracaty
    no da 31 impreterivelmente, tem quaai toda a
    carga prompta : a tratar com Tatso Irmoi ou
    com o meitre Jos Joaquim da Silveira do tra-
    piche do algodao.
    I'B
    G. MtVRIN ADIGaU.
    Pitaes.
    IUI
    < orrespuniencias
    Srs. redactores. Chegando me t mos ca-
    sualmente o jornal Independer de sabbado.l0 de
    margo do coirenle anuo de 1862, nelle deparei
    com com um edital do Sr Dr. juiz municipal do
    termo de Barreiros, pelo qual fazia saber que le-
    va em pra^a por venda as larras do eogonho Sju-
    za, sito na fregxezia de Agua Preta, avaliada por
    vinte e cinco contos de reis, penhoradaa a Jus
    Antonio Pereira e sua mulher, porexecurao que
    Ibes movem aviuvi e herdeiros de Joo Ferrei-
    ra dos Santos : apresso-me pelo presente a de-
    clarar a todos em geral, que o Sr. Jos Antooio
    Pereira e sua mulher-, nao to senhore dai ter-
    ral do dito eogenho, e por isto nao podem ser
    oem hypnlheo'adas, nem vendidas por forma al-
    guma, porquanto u que tou o legitimo senhor
    de dilaa ierras porque comprei-as aos herdeiros
    do finado vigario de Uua Vicente Fereira de
    Mello e Silva, que nouve por compra aos Qaa-
    dosjoo Leandro Soares .de Ara ojo e sua mu-
    lher D. Lo-ureo;a Isabel da VisiUro, a quem
    S. M. iidelittima deu porsismara urna legua
    de ierra em quadro, ni qual esto comprehen-
    didus o eogenho So^za da freguezia de Agua
    Preta e mais dousque Lhe sao annexos, com lu-
    do coosla do testamento e escripluras existentes
    em meu poder ; pelo que rogo ao Sr. Dr. jais
    municipal de Barreiros, qua a bem da juslica te
    nene de n3o proseguir em dita execuQo, j por
    que as tetras penhoradas nao sao d*o executado,
    j porque o exequente s deve fizer peuhora em
    bens do-proprio devedor ; no en tanto pelo pre-
    sente protesto fazer eirocii"s as penal da le
    contra quaesquer que aos sobredilos der, e rece-
    Ser o valor de djtai terrat em pagamento. E
    quem quizer ver e isber se sou o legitimo se-
    ohor das terral dos referidos engenhos, dirija -se
    a mim, que terei a latisfaco de mostrar que por
    vicio de possuir ai cousas muiloi postuem o que
    alheio.
    Se nao teoho requerido meu direito pormo-
    tivo de molestia, que logo que deiappareca o fi-
    rei ; apenas fago o preteott para demonstrar que
    nao sou iodTesente ao esbu'ho que com seme-
    lhante execu;o se me quizfazer.
    Queiram seohorea redactores dar publicidade
    a estas linba em abooo dt verdade, pelo que
    me confessarei eternamente grato.
    Rio Formoto, 17 de julho de 1862.
    Antonia Gomes de Mactdo.
    (Esl sellado e reconhecido.) '
    a m-
    0 Dr. Trialio de Alencar Araripe, oJciat da im-
    perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
    do commercio detla cidade do Recife eieu ter-
    mo, capital da provincia de Pernambuco. por
    S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, que Deas
    guarde, etc.
    Faco saber aos credores de Joaquim Jos Sil-
    veira com inerciaii te matriculado com casa de
    cambio, e descontos netta cidade, que pelo pre-
    sente sao cahmades para comparecerem oa sala
    dos auditorios no dia Io do prximo futuro mez
    de agesto s 12 horas da maohaa, afim de obser-
    var-se e dar-ie ioleiro cumprimento ao dispotlo
    oo art. 900 do cdigo do commercio. de ifor-
    midade com o que ditpe o artigo 899 do Q.mo
    cdigo, visto ter o referido Silveira regaido
    moratoria do merilitiimo tribunal do comfieriio.
    E para que o prsenle ebegue ao conhe
    de todos os credores do referido impetran!
    dei passar editaes, que sero publicados
    prensa, e aunados na forma do estylo.
    Cidade do Recife, 26 de juoho de 1862.
    Eu Adolpho Libralo Pereira de Oliveir
    vente jurrmenlado, oescreviEu Manoe,
    Rodrigues do Nascimeolo, eterivo o tob
    Tritlo de Aleotar Ararij.
    O Dr. Tristao de Alencar Aruipe, olficial
    perial ordem da Rota e juiz de direitr espe-
    cial do commercio desta cidade do Reci j tea
    ttrmo capital da proviocia de Pernamfv .o por
    S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, q4 Deas
    guarde, etc. w
    Fago saber aos que o presente edital virem, e
    d'elle ooticia tiverem, que a requerimento de
    Bastos & Lemos, acha-se aberta a la fsllencia
    pela teotenga do theor seguiote :
    Vendo-se da petigo a fl. 2, que oa commer-
    ciantes Bastos & Lemos, apreienlam-se em esta-
    do de insolvencia, cessaodo os seus pagamentos,
    declaro aberta a sua fsllencia, e dato tua exis-
    tencia legal do dia 23 do correte mez.
    Para curadores Bscaes oooieio oa credoret
    Francisco Joo de Barros e Jjaquim Jote Silveirt
    que preslaro juramento ; o aQm de se comear
    depositario convoquem-ee os credores para o dia
    31 do correla mez, pelas 12 borss da maohaa
    os sala dos auditorios.
    Mando que em lodos osbens, livros e papeisdos
    fallidos se pooham sellos e se publique a fallen-
    cta por editaes para seguirem-ie as diligencias
    legaes.
    Recife 25 de julho de 1862.Tristo de Alen-
    car Araripe.
    Nada mais se coolioba em dila sentenga aqui
    transcripta, e nao tendo aceitado a noameago
    de curador fiscal o credor Fraocisco Joo de Har-
    ros, foram em seu lugar oometdoi os credores
    Arnedeo Schtefter & C. : por tanto to pelo pre-
    sente convocados lodos os credores dos indicados
    fallidos, comparecerem na sala dos auditorios,
    no dia, mez e hora cima designados.
    E ser este edital publicado pela imprems, e af-
    Gxado ns forma do estylo.
    Cidade do Recife 29 de julho de 7862.
    Eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira, es-
    crevenle juramentado, oescrevi.
    Eu M-nofl Mara Rodrigues do Natcimento, es
    crivo o subscre.fi.
    Triilo de Alencar Araripe.
    Quarta-fcira, 30 de julho de 1862.
    Representar-se-ha a lindistima opera de Ver-
    di, intitulada
    T8AVIATA.
    Divldindo-ie c 2 acto, para arranjsr-se me-
    lhor a sala dejogo, em daas partea, acabando a
    primeira com a aria do batytooo. e principiando
    a segunda com o (6ro dos matadores.
    Principiar s 8 horas.
    Os bilhetas achtm-se veoda no dia do tspec-
    laculo, e ot que foram comprados do dia 26 tem
    entrada neita Doite.
    PRECOS.
    Camarotes de primeira ordem, sem en-
    "das =..........6$000
    Ditos de segunda ordem, dem. 95000
    Ditos da terceira ordem, idem. 4JJO00
    Entradas, cada urna.......1$00C
    Cadenas e plateas como de costume.
    N. B.A empreza lem a honra de participar
    ao respeilivel publico que se vo principiar os
    beneficios dos i rimeiros artistas qae foram es-
    cripturtdos oa Italia, daodo-se um em ctda te-
    mana, sendo o primeiro da prima-dona a Srs.
    Slella na semana viodoura, com a opera
    POLIUT
    Titos naritittos.
    Rio de Janeiro
    At o dia 31 do correute sem
    falta
    Sabe a barca nacional Iris, anda pode rece-
    ber algum resto de carga, escravos e paitageiros,
    oqual tem excellenles commodos: enlendt-se
    com o capilo Gaspar Leita de Faria, ou com aeut
    consignatarios Aranaga, Hijo & C, ra do Trapi-
    che Novo n. 6.
    LEILAO

    PE
    Um carro americano de 4 ro-
    das com cavallo, arreios e
    laDternas.
    Sexta-feira 1* de agosto.
    O agente Pioto far leilo por conta de qtem
    pertencer e sem reserva de prego do carro cima
    mencionado, 1 hora em poDta do dia cima
    mencionado em frente ao sobrado n. 18 da ra
    o Raogel, onde haver leilo de movei.
    DE
    lio Grande do Sul.
    O patacho Gaarany segu com brevidsde e
    recebe slguma carga frete: Irata-se cornos
    coDsignatarioa Marques, Barros & C largo do
    corpo Santo n. 6, 2* andar.
    OMitffer:j.o
    NOVO BANCO
    DE
    Pernambuco.
    EM 29 DE JULHO DE 1862.
    O banco descorita na presente semana a 10*/,
    Praca do Recife 29 (le
    * julho de 1862.
    \s quatro horas da tarde.
    Colacees da junta de corretores.
    Cambio.
    Sobre Londres 90 d|v. 26 d. por 1*000.
    i. da Cruz Macedopresidente
    John Gatissecretario.
    Alfaudeysi,
    "a 1 a 28. .
    374088*387
    18595*332
    392 683*719
    eo#.
    (cmiPiiHfflnji
    DAS
    Messagenes imperiales.
    No dia 31 do corrente espera-se dos porlos do
    salo vapor rance Savarre, cemmandante Au-
    bry de la Noe, o qual depoia da demora do cos-
    tumMeguir para Bordesux com escalas por S.
    Vicente e Lisboa.
    Em S. Vrenle ha ara vapor em correspon-
    dencia com Gore.
    A companhia encarrega-se de seguraras mer-
    caduras embarcadaa a bordo dos vapores assim
    como tambem receba dinbeiro e obj-ctos de va-
    lor com destino a Londres em transito por Bor-
    deaui e Boulogoe.
    Para aacondiedes frete e patsagens trata- te na
    tgencia ra do Trapiche n. 9.
    Correio.
    Pela adminislnco do correio delta cidada se
    faz pablico que boje (30) a 1 hora da larde fe
    char se-ho as malaa que tem de cooduzir o va-
    por Cruzeiro do Su ;> com destino aos porlos do
    norte ; os seguros al ao meio dia, e os jornaes
    at asII horas dt manbas.
    Tribunal do commercio.
    Pela secretaria do tribunal do commercio de
    Pernambuco se faz publico qua oesta data flet
    reglttrado o contrato de sociedade attigoado oes-
    ta cidade em 15 do rorrete por Jote Alvet da
    Silva Guimarei, e Max Hambarger so ios so-
    lidario! e respoosavais, eilabetecidos oesta dita
    cidade soba Arma de Alvet Hamborger & C, da
    qual s pode usar o tocio Guimtret ; devendo
    mesma socielade durar por lempo de tres annoa,
    contados do 1.* de julho crrante, com o capital
    de 54:000*000, foroscidna 36:0009 palo socio so-
    lidario Guimares, e 18:000$ por um socio com-
    man tario reaideole em Paris.
    Secretaria do tribunal do commercio de Per-
    nambuco 28 de julho de 1862.
    Julio Guimares.
    Officlal-maior.
    Crrelo geral.
    Relaco das cartas seguras \ indas do sul
    pelo yapar cruzeiro do Sul para os
    senhores aba i yo declarados.
    Albioo Jos Ferreiri da Cuoh.
    Dr. Antonio da Cuoba Figueiredo.
    Antooio de Oliveira Cardoso Guimares.
    Pirmina da Cunht Reg.
    Ignacio Alcibiadea Velloso.
    Ignacio Gomes Porto.
    Joo Rufino da Silva Ramos.
    Joaquina Lina de Soma.
    Jote Mari Eerreira.
    Luiz Jos Ferreira.
    Miguel Calmoo Duplo Almeida.
    Oclaviano de Souza FraDQa.
    Porfirio Amaocio Gongalves.
    Ia seccao. Secretaria da polica de Pernambuco
    28 de julho de 1862.
    O Illas. Sr. Dr. chele de polica lnttrino detta
    COMPANHIA BRASILEIRA
    DE
    MQPTK8 l IlWfca.
    At odia 5 de agotto esperado dos portos
    do norte o vapor nacional Paran, commandan-
    te o primeiro-tenente Antonio Marcelino Pootea
    Ribeiro,, oqual depoia da demora do costume
    seguir para os portos do sul.
    Desde j recebem-se passageiroa e engaja-se
    a carga que o vapor poder cooduzir a qual Reve-
    r ser embarcada no dia de aua chfgada, an-
    commeoda e dinheiro a frete at o da da sabi-
    da aa 2 horas: agencia ra da Cruz ?. 4 es-
    criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
    & C.
    lo de Janeiro
    Pretende seguir com muila brevldade para o
    Rio de Janeiro o veleiro e bem conhecido brigue
    nacional Almirante, tem parta de teu carrega-
    ment prompto ; para o retto que lhe falta, tra-
    ta-se com ot leuscontignattrios Antonio Luiz de
    Olivaira Azevedo, no seu escriptorio roa da Cruz
    Damero 1.
    C01PAKHU PERNAMBvUGaiNA
    DB
    iVavegaeao cosleira a vapoi
    Macei pelas escalas
    O vapor Persinunga, commandante Moura,
    tahir para oa porlos do sul tocando as escalas
    no dia 5 de agosto, s 4 horas da tarde.
    Recebe carga al o da 3 ao meio dia. Eo-
    commendas. patsageiros e dinbeiro a frete at
    o dia da aahida s 2 borts : escriptorio no Forte
    do Millos d. 1.
    D
    Urna casa terrea.
    Sexta-eira 1- de agotto.
    O agente Pioto fu leilo de urna casa terrea
    sita em cboaproprioa na ra do padre Floriaoo
    d. 35, com 1 palmos de frente e 60 de fuodo
    tem 8 meia-aguas no fuodo, aa 11 horas do dia
    cima mencionado em aeu escriptorio ra da Ca-
    dera n. 9.
    DE
    DIVIDAS.
    Sexta-feira 1* de agosto.
    O agente Pinto levar oovameole a leilo aa
    11 lloras do dia cima mencionado, a reqeeri-
    n.enlo do lestamenleiro dot bena deisadoa por
    Mlecimento de Ponciano l.oureoqo da Silva,
    por despacho do juiz municipal da segunda va-
    ra, tret iettrat a vencerem-ae na importancia de
    9.588$. serviodo de base o maior prego obudo
    oo Uilo do da 9 de julho do correlo anno.
    Rio de Janeiro,
    pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
    bem conhecido patacho nacional Capuso, ca-
    pito Tbeotonio Jos da Silva Rota, tem parte
    de ten carregameoto prompto : para o reato que
    lhe falta, trtta-secom os teus consignatarios An-
    tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. no teu es-
    criolorio. ra d Croz n. 1.
    tJ "'*
    Otf.
    LEILAO
    de
    Um escravo.
    Terca-feira 5 de agosto.
    O agente Pinto far leilo a requerimento do
    depositario da matsa fallida de Fariaa & C, e
    por mandado do Dr. juiz etpecisl do commercio,
    do eteravo Agoaiioho, perteoceole a mesma
    masta, s 11 horas do dia cima mencionado em
    leu etciipurio ra da Cadeia n. 9.
    LEILAO
    SE
    Rio de Janeiro.
    Sabe impreterivelmente al o flm do corrente
    moz o tr.oiio veleiro brigoe nacional Siqueira,
    lem parle de teu carregameoto prompto : para o
    reato que lhe falta, trata-ie com o consignatario
    Dtvid Ferreira Balttr, Da roa do Bram o. 66.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DB
    Navegaco costeira a vapor.
    Parahiba, Rio-Grande do Norte, Macau,
    Aracaty, Cear, e Acaracu'.
    O vapor cJaguaribe, commaodsnte Lobato,
    tahir para os portos do norte at o Acareen,
    no dia 7 de agosto as 5 horas da tarde.
    Recebe carga at odia 6 ao meio dia.Eaeom-
    mendas, passageirose dinheiro a frete at o dit
    da aahida as i horaa; escriptorio no Forte do
    Mattoi n, 1.
    e
    Muleig, vinho9 vela&
    farello,
    Quarta-feira 30 do corrente.
    NA ALFANDEGA.
    O agente Piolo far leilo a requerimento doa
    curadorea Uscaea da masa fallida de Seve, Fi-
    lhoa Si C com auloriii(o do lllm. Sr. inspec-
    tor da alfaodega e em presenta do mesmo, de
    75 barril e 75 meios barris com manteigs. 50
    ctizas com velas, 50 duiias de vinbo de Bor-
    deauz e SUOaaccoa com farello, ge.oeros perlen-
    centea a mesma mana t 11 horaa do dia cima
    mencionado na alfandeg*.
    DE
    Urna mobilia de Jacaranda
    com peira, 1 piano forte, 1
    guarda roupa, 1 tocador, 1
    estaote para livros, 1 relo-
    gio, 1 cama franceza de
    mogno, 1 mesa elstica, 2
    apparadores, 2 cadeiras de
    balanco, 1 sof de ama rel-
    io, 12 cadeiras de faia, 1
    apparelho para jantar, 1 di-
    to p*ra alraoco, 2 campo-
    teiras,4 garrafas decrytal,
    garfos, facas e muitos ou-
    tros objectos.
    Sexta-feira 1- de agosto.
    O igente riato far leiio por tonta de ima
    LEILAO
    Tres predios.
    Sexta-feira 1* de agosto,
    Pelo agente Euzebio te far leilo de tres pre-
    dios sendo um sobrado do 2 andares, cbo pro-
    prio, oa ra da Guia n. 42, cora 33 palmos do
    frente e 130 ditos de fundo, rende por aono
    1: 20j ; urna caaa terrea na ra da Ponte Velba
    n. 1, cbo proprio, conteodo 3 jsoellas o asa
    corta pe freote com 40 palmos e 90 ditos de feu-
    do. 4 quarlos, cotinha fora, quintal, as paredes
    sao de 3 lijlos, bem feita e com alicerces para
    sobredo, rende 450] ; ama caaa terrea na ra da
    Arago n. 20, chao foreiro. com 28 palmos da
    frente. 80 dilot de fundo, 3 qoartot, coeioha to-
    ra, quintal, rende por anno 3GO>, os preiendea-
    lei queiram examinar com antecedencia os refe-
    ridos prediot, que foram ha poaco reedificados,
    e se acham ero perfeito estado,cajo leilo lera la.
    gsr na ra da Cadeia do Kecife n. 45, s 11 ho-
    ra do ilia cima.
    LEILAO
    200
    DE
    saceos
    milho.
    com
    Quinta-feira 31 do corrente.
    U agente Pettana vender por conta e ritco de
    quem periencer 200 aaccoa com eicellente milbo,
    os quaea tr > vendidos em um oa asis lotes:
    quinta-feira 31 do correle, pelaa 10 horaa da
    uisnha.Dt porta do Acns delrunle daalfandega.
    Yisot diventt.
    Por vozet temos declarado que os empre-
    gados-dete Diario nao etio eocarregadoe do
    lomar oem iliriiinar ttsigoaiuraa, e nena fazer
    iranferenciatde moradas, devendo todaa esta tl-
    terecoes terem fetat na livrarii o. 6 e 8 da prara
    da Independencia, onde existem livros para est*
    langamenios ; e de novo previnimos aos Srs. as-
    signaotet, que tiverem da fazvr qualqaer das r-
    feridaa alteraqoes, de te dirigirem a referida li-
    vraria, nao sendo valido qailiaer oulro lugar
    ou meio. Igualmente advertimos aoa qae eo
    acham por pagar, qaa nundeiu realitar seise pa-
    gamentos, pois a tempo proprio j ha maro
    pesaos.
    Precisa-je de um destnbuidor pa-
    ra este Diario : na livrai a n. 6 e 8 da
    praca da Independencia.
    "LOTERA
    SABBAOO 2 de agotto prximo seri
    extrahida impreterivelmente a quinta
    parte da primeira lotera i beneficio
    do$ religiosos francisca nos de Olinda, no
    consistorio da igreja de N.S. do llosa rio
    de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
    biliotes acham-se a venda na respec-
    tiva thesouraria ra do Crespo n. 15,
    e as casas commissionadas praca da
    Independencia n. 22 loja do Sr. San-
    tos Vieira, ra da Impera triz loja de
    ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
    Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
    na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
    Sr. Porto.
    _ As sortes de 5:000jJ at as de I0f se-
    rao pagas urna hora depois da extrac*
    cjio, e as outras, porem, no dia imme-
    diato logo que se tenliam distribuido as
    listas.
    O thesoureiro,
    Antonio Jos Rodrigues de Soma.
    Fugio da caaa do a-aixo atsi^oa lo, a attea
    semanas, pouco maia oa menos, um escravo do
    oooe Joaquim, cacao Angola, cor preta, paifcq
    batanle por eme peroa, baiio e rosee/coa 45
    tonos de idade, levoa calce e casaiea zloho. chtpo de copa alta ji velho, ialga-ae m
    ande por Santo Amaro de Jibo.tao. por tase)
    pede se a todta as pessoas qae o pe'gtr levtsa
    cita de lea senhor aa ra da Prala a. 31, Re-
    cife, qae ser generosamente recosa pe aseOO.
    MtDoel Jotqaim la Coala Fiaoiioe.


    i
    i
    /
    /
    s
    *
    t
    AUencao.
    Alaga-10 a casa terrea ni ra Nova n. 31, com
    grandes commodoi para ftmilia, poii de rua a
    ra : a ira lar com o proprietario ua rua do Li-
    Tramento o. 30, botica. ____________
    Toda aUencao !
    O abaixo assignados liquidatarios da maisa da
    extiocla firma de Jote Coocalves Malveira, ro-
    gam aos devedorea da mesma e muito particu-
    larmente a aquellea a quem ae tem entregue
    cootai e cartas as quaes nao respondern) ou o
    fieram de modo inconveniente, que quanto an-
    tea Yenham saldar seus dbitos, porque cima
    de susceptibilidades est sempre a lei.
    J. M. S. Aguiar & C.
    Gasade saude em Santo
    Amaro.
    Dr. Silva Ramos.
    Este estabelecimento jai bemleoohecido, e con-
    eeituado nesta provincia pelos relvenlas servi-
    ros que tem prestado, contina nis melhores con-
    dlges debaixo da directo de aeu proprietario a
    repeber doentes de todas as classes, os quaes se-
    -fao tratados com todo e telo interesse peloa
    presos seguintes :
    Primeira classe.... 32)000 ou mais.
    Segunda dita...... 2*500.
    Terceira dita...... 2*000.
    Em qualquer das classes os brancos flcarao se-
    parados dos negros. Os alienados de Z. e .
    classe nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
    sendo furiosos pagaro mais a quarta parte, Oe
    alienados da 1. classe paRaro segundo o a|usf.
    Aluga-se um sitio no principio da Estrada
    Nova com boa casa, cocheire, estribara, quartos
    para escravos, duas baixas de espiro, e excellen-
    te paste para vacos : na ra da Cruz n. 56.
    __ Aluga-se um grande sillo na cidade de
    Olinda. confronte do jardim, com boa casa de
    moradia seodd sobrado, com 3 salas de frente, 7
    quartos, cosinha fora, 3 lojaa repartidas cada
    urna em separado, a melhor agua daquella cida-
    de, baixa pars capim, tocado para plantaco,
    capueira com lenha, muila arvore de frucla,
    mangabeira, mangueira, cejueiros, jaqueiras e
    muitas outras (roclss, olaria prompta de forma,
    telheiros para tirar leuca e lijlo, forno para
    pao, estribara e cavallo.
    Aluga-se um sitio junto ao do sobrado com
    as mesmas qualidades de fructas, com boa casa
    de moradia, sala de frente, 4 quartos, sala de
    jantar e cozinha : a tratar na ra dos Pescadores
    u. 7. padarta. __________^^
    Joaquim A. Soires Tai ao Rio Graude do
    Sul.
    Precisa-se alugar urna escrava
    para o servico de urna pequea familia,
    preferindo-se que compre e engom-
    me : na ra da Cruz n. 45, armazem.
    _^ v-----------------
    AUencao.
    He chegado taberna da ru da Cacimba n. 2,
    comifrenie para a ra do Vigario, o procioso cha
    malte, que se vendpor prego commodo.
    Awm
    O abaixo assignado, advugado dos auditorios
    desta cidade, julga conveniente declarar a quam
    interessarpossa, que, desde que oceupa o lugar
    de secretario de polica desta provincia, lem
    constantemente recusado e recusar encarregar-
    se, querpor si, quer por ioterposta pessoa, do
    patrocioto de causas criminaes, em que intervem
    ou possam intervir as autoridades policiaes da
    provincia.
    Tem-se encarregado to smente de questei
    civeis e commerciae, e de alguns procesaos de
    fallecer, que, como so sabe, correm pelo juixo
    especial do commercio. Destes e dsquellas con-
    tinuar a incumbir-se, em quanto lh'o permitti-
    rem os seus graves iocommodos de saude e ss
    obrigagoes do seu emprego ; e se encarregai
    sem escrpulo, assim dos processos instaurados
    pelos juizes de direito por crimes de responsa-
    bilidade, como de processos crimes yindos de ou-
    tras provincias, que tenhsm de subir por appel-
    lagio para o superior tribunal da ielagao dodis-
    tricto.
    Recite, 28 de iulho de 1862.
    Dr. Joaquim Jos de Campo'.
    Aluga-se o excelleLte tcrceiro andar Oa ca-
    sa da ra do Vigario n. 23 : a tratar na mesma
    roa, casa n. 7, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
    segundo andar. ____________
    Fuko do poder do abaixo assigoado o ea-
    cravo Joo, de nagao, maior de 40 annos, que ha
    pouco veio do Rio de Janeiro, e que andava no
    ganho, com os signaes seguales: estatura regu-
    lar, olhos avermelhsdos, secco do corpo, com um
    joelho iochado euro pouco cmbalo. Foi com-
    prado ao Sr. Jos Paulo do Reg Brrelo, no
    Cabo, que o comprou a urna seohora do eogenho
    daSernnha; presmese andar vagueando, e
    julga-se que todas aa noites Tem ao Recife ;
    ladino e tem a voz um pouco rouquenha ; dizem
    que tem filhos no Cabo. Recommenda-se este
    escravo aos sanhores capites de campo e as au-
    toridades policiaes, e quem o trouxer ao seu se-
    nhor na ra da Cruz do Reciten. 33 ser recom-
    pensado.
    Domineo9 R. de Andrade.
    Pede-se ao Sr, Maiioel
    Ignacio de Siqueira Cavalcaa-
    ti seiihor do egenho Mussai-
    ba, de vir a esta praga a nego-
    cio que nao ignora, na ra
    das Cruzes n. 36.___________
    AUencao.
    Ao Sr. Manad Joaquim da Silva Bra-
    sileiro, declara-se que Martinho Avelino
    de Albuquerque nao tem parte na c&sa
    terrea n. 6, sita na ra do Cotovello ho-
    je Mondego, entretanto pedese ao mes-
    mo senhor que appareca a' ra do Im-
    perador n. 5i, primeiro andar, das 9
    as 3 horas da tarde, afim de se lhe mos-
    trar ttulos acerca da referida casa,
    dignando-se tambem de apresentar os
    ttulos pelos quaes diz que o menciona-
    do Martinho tem parte em dita casa.
    Canoa furtada.
    Dessppareceu do sitio do Toque, defronte do
    porto da Capunga, no dia 2 de julho do correte
    anoo urna canoa de carreira aberta,que pega para
    mais de 16 pessoas, foi comprada ha pouco ao Sr.
    Adriano Xavier Pereira da Brito, e bem cooha-
    Cida por lodoa os caooeiros por ter sido aempre
    da propriedadeda viuva do Sr. Dr. Brtlo defroute
    do mesmo porto, est calafetada de novo e en -
    veraisada de preto por fora, ha toda desconfanos
    de lar sido furtada por um preto do Sr Feliciano
    Gome*, que no df der delle iodo pelo lio abaixo, e nesta occasiio
    alie deelarou que prometlia lhe dar sumlco no
    dia quarta-feira 2 d correle, altando a mor
    bastante secca nao pie chegar ao moiro para ser
    trancada, approveilou aoccasioea cooduzio tai-
    vez para a esconder pelos mangues ; roga se,
    portalo, qualquer pessoa qae achar ou a te-
    nba em seu podar em algum porto oa olaria,
    querendo restitul-ls, ou der noticia certa aoode
    Steja, ser generosamente gratificado pelo abai-
    xo asignado, aeu legtimo dono. Sitio do Toque
    na Torre 28 de julho de 1862.
    __________Francisco Cav|canti de Albuquerque.
    Elofl

    DlAIiO 0fe-ls\AAMCX>. ~ QUAM A HURA 30 DE JULHO DE 1861.


    ogio sincero.
    Dores de peito.
    Padecendo mioha senhora, de amas dOres con-
    tinuadas no peito, que bastante afilicgiolhe cau-
    sara, por lhe tirar quasi a respirarlo, leudo fetto
    quanto lbe fosse possivel psra obter melhoras,
    ludo foi baldado, e s com a applieagao das cha-
    pas medlcioaea do Sr. Ricardo Kirk, escriptorio
    ra do Parlo n. 119, ficou ioteiramente boa, no
    curto espseo de 37 das, pelo que merecem todos
    raeus sinceroa elogios, nao s pela rapidez do cu-
    rativo, como por nao causarem encommbdo al-
    gum, nem precisarem de resguardo: ra de S.
    Jos n. 12, Rio de Janeiro. '
    Luiz Jos Maia.
    De 900$ a 1:000^000.
    D-ae por urna escrava que nao seja velha e
    que lenha aa habilidadea de bem eogommsr, co-
    zinhar e ensaboar, que nao seja respondona e
    infiel, depoia de dous diaa de estada agradando
    nao se davidar dar a qusntia cima: na ra do
    Vigario o. 8.
    D-se a quintil de 700$ a juroa com hypo-
    theca em casas; quem qaizer dirija-sa a ra do
    Jardim n. 43.
    Aviso.
    /
    O abaixo sssignado morador na cidade do Rio
    Formoso, j teodo avisado e protestado por este
    jornal de 11,12 e 13 de junbo de 1860 a todos e
    rootra todos, que sa ditera illegalmente senho-
    resde urna legua e meia de Ierra, que por jus-
    tos e valiosos ttulos pertence ao abaixo assig-
    oado, de novo se aprsenla scientiDcanJo a to-
    dss em gersl, e a cada um de per si, que o abai-
    xo assignado o legitimo senhor e possuidorpor
    justo e bom titulo da dita legua e meia de trra
    oa freguezia d'Agua-Prets, a qual comega do lu-
    gar denominadoCaxoira seccana ribeira do
    rio Uoa.seguindo pela ribeirt do riachoPiran-
    gi grande cima. Declara para coohecimeoto de
    todos que dita legua e meia de trra demarca
    pele norte com o rio Unapelo poente com o
    riachoPirangi grandepelo sul com trras do
    Calende e pelo macete com terrss do eogenho
    Japaranduba e outra sumara annexo : que oa 11-
    legitimos posseiros foram chamados a conciliac,o
    para entregarem a propriedade do abaixo assig-
    nado e saberem que s o mesmo abaixo assigoa-
    do o legitimo aeohor e possudor da referida
    legua e meia de trra, que j foi competente-
    mente registrada, aa qual houve por sismaria de
    1782, que lhe foi Iraspasssda e cedida por com-
    pra aos legtimos sismeiroa : pelo que os illegaes
    posseiros logo que foram chamados a concilia-
    rio abandonaram as obras, que em algumas par-
    tea do dito terreno eatavam fazendo.
    E aprovsilando a ocosio declara maia que
    tambem senbor e legitimo possaidor de urna
    legua de trra eni quadro, que foi concedida por
    S. M. Fidelissima em data de sismaria a Joao
    Leandro Soares de Arsujo e sua mulher D. Lou-
    renga Isabel da Visitago, j fallecidos, e por es-
    ts vendida ao fioado vigario de una Vicente
    Ferreira de Mello e Silva, e pelos herdeiros des-
    te, instituidos no respectivo testamento solemne,
    foi vendida ao abaixo assigoado, como tudocons
    ta do testamento a escripluraa axislsntes, em a
    qual esto Indevidamente edificados o eogenho
    Souza mais dou3 da mesma freguezia de Agua-
    Preta, sendo que desta legua de trra em qua-
    dro s fot vendida urna quarta parte no sitio do
    riachoCatembre-fazendo plo no dito sitio e
    passagem do rio Pirangi. E para que ninguem
    se chame ao engao em tempo algim ainda pelo
    presente se protesta centra quaesquer outros,
    que, por se apossarem de trras alheias, esto
    sugeitos ss penas dos crimes, que se descrevem
    no Ululo 3o cap. 1 e 2 da parte 3* do cod. penal;
    sendo que por motivos de molestia o abaixo as-
    signado tem deixado de fazer effectivo seus di-
    reilos, o que far logo que cessem laea motivos.
    Rio Formoso 15 de julho de 1862.
    Antonio Gomes de Macedo._____
    Moyo retratista.
    Ra do Crespo n. 18, primeiro andar, liram-
    se retratoa pelo syatema dagBerreotypo por m-
    dicos presos ; vo-se tirar retratos de pessoas
    moras dentro e fora da cidade.
    Alugam-se as caaas terreas n. 105 da ra
    de Santa Rita e n. 27 da ra dos Rurgos, e o 1*
    andar da casa n. 193, na ra Imperial : a tratar
    na ra da Aurora n. 36.
    Aluga-se o 3o e 4e andar da ra co Cabugo
    n. 16, e o sitio da Ponte de Uchoa dafronte d-
    cea: a tratar na bolica unto ao quartel de Po
    licia.
    AUencao.
    Offerece-se urna pessoa muito habilitada psra
    fazer cobranzas para fra ou d-ntro desta praca,
    a qual d Dador a sua conducta, pois todo aquelle
    que o pretender e quizerem fazer as ditas cobrsn-
    cas : dirija-se a ra da Cruz n. 36, em casa do
    Sr. Antonio Lopes Braga, que abi achara com
    quem tratar.
    Casa para alugar.
    Aluga se urna excelleotecasa deum andar, no
    Mooteiro : a tratar na ra da Cruz n 57.
    Precisase de um amassador de padaria : na
    ra estreita do Rosario n. 2 A.
    A quem coiivier.
    O abaixo aaaignado avisa ao respeitavel publi-
    co que ninguam faga negocio algum com a parte
    do sobrado sito na ra do Rsogal n. 31, perten-
    cendo a Sra. D. Mara Francisca da Conceigo,
    visto que se acha bypothecado e vencido de*de o
    dia 27 do correte mez e anno.
    ^__________C. II. Chapman.
    Salvador Rodrigues da Silva vai ao Rio de
    Janeiro.
    Os curadores tiscaea da fallencia de Joaquim
    Luiz dos Santos Villiverde regam a todos es ae-
    nbores credores de apresantarem aeus crditos
    oestes oito dita, na ra do Imperador o. 75, pri-
    meiro andar, afim de se proceder a clsssificac.o
    conforme determina o artigo 859 do cdigo do
    commercio.
    Toda aUencao.
    Custodio Jos Alves Gaimaraei avisa ao res-
    peitavel publico, principalmente a todos os seas
    freguezes e amigos, que aa madom da luja da
    aguia da ouro da ra da Cabug para a ra do
    Crespo o. 7, para a bem conhecida antiga loja
    de miudezas que foi do fallecido Joao Ceg, hoja
    aera conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
    respeitavel publico a aos seus freguezes e amigos,
    que'o queiram procurar no dito estabelecimento,
    onde acbaro um grande sortimenlo de miudezaa,
    quaaffianca servir bem e vender por menos dez
    ou viole por ceato, do que em outra qualquer
    parte.
    Offerece se urna ama para cusinhar em
    ma casa de hornera aolteiro : quem preciaar
    procara no Porta do Mallos largo da Assembla
    d. 16, primeiro andar.
    Precisa-te de urna ama de leite para criar
    urna recemnascida : a tratar na roa da Aurora n.
    80, 2* ndar.
    . Preciaa-ae alugar urna escrava que saiba co-
    zinhaf, paga-se 30a mensaes agradando : na ra
    da Aurora n. 80, %' andar.
    Aluga-se urna grande casa com sitio na es-
    trada do Arraial, esquina do Parnamerim : a tra-
    tar oa ra do Amorim com Guimares & Aicofo-
    rado.
    U abaixo assignado thesoureiro
    das loteras, tendo de ir a. Europa por
    interesse partieular.aonde pouco se de-
    morara', participa ao respeitavel publi-
    co que deixa na gerencia de seus nego-
    cios tanto de loteras como particulares,
    e sob sua responsabildade, a seu irmao
    e procurador Jo Rodrigues de Souza.
    Recife 26 de julho de 1862.
    Antonio Jos' Rodrigues de Souza.
    Aluga se o primairo andar do sobra Jo o.
    22, na ra estreita do Rosario 1 a eotender-se na
    mesma ra casa n. 23, secundo andar.
    Na ra do Mondego, olaria n. 13, lem urna
    escrava eozioheir* para alugar-se, com a conai-
    ;o d* nao sabir ra.
    N* ra do M d 1 0009000 a juros sob bypotheca em alguma
    casa terrea.
    Freciaa-ae alugar duaa negras que aaibam
    vender na ra fructas e hortalice ; na ra d
    Cruz n. 56.
    Mana Carneiru oe suuza Lacniua Villa.
    secca, viuva de Joo Antonio Villa-secca,
    roga as pessoas da sua amizade e de seu
    finado marido que se dignem comparecer
    eassisiir na igreja do convento de Nosss
    Senbora do Carmo missa de rquiem,
    que tem de ser cantada no stimo dia, 30
    do correte, s 9 horas da manhaa pela al-
    ma de seu referido marido, e espera da
    piedade de todas as pessoas que a honra-
    rem com oseu comparecimento, pelo que
    lhes ser eternamente grata.
    au leuuu numeru auulcieuiu par* wta
    garal da irmandade de Sani'Anna, para eleger a
    nova mesa para o anno de 1862 a 1863, de novo
    a mesa regedora convida a seus irmos para no
    dia 3 de agosto, as 9 horas do dia, para, reuni-
    dos em mesa geral, aa proceder a nova eleicao.
    Jos Rodopiano dos Santcs.
    Secretario,
    Na estrada de Olinda, em Santo Amarojun-
    toa casa de saude do Sr. Dr. Ramos, aluga-se
    um terreno j plaLtado de capim em paite, cam-
    ba, estribaria para 3 cavallos, coebeira e quarto
    para boleeiro, mur'do em parte e fechado com
    porto, ludo novo ; para tratar, na ra do Impe-
    rador, botica n. 38. ou no caes do Ramos ns. 8
    10 e 12.
    I Vende-se milho americano em saccas de
    110 libras, por 39: na ra do Amorim armazem
    de Guimares & Alcoforado.______
    FAZEADAS PARATAS
    Ra da Gadeia n, 40
    loja de fazendas
    . DE
    Martinho Borges.
    O proprietario desle grande estabelecimento
    est resolvido a vender barato um lindo e varia-
    do sortimenlo de fazendaa laea como :
    Vestidos de seda de 30$ ........ 50&000
    Casavequea de cambraia de 5.... 15g000
    Manteleteade dita de 58 .......... 103000
    Manguitoa bordados .............. SOOO
    Cassss, o covado de 320 .......... 8600
    Chitas trncelas o covado de 240 J300
    Sobrecasacos de panno fino de 22j> 25{000
    Palita de dito de 16J ............. 2O5OOO
    Diloa aaccos de 12g .............. 15000
    pregoseites quaem parle alguma se encontrarao
    attendendo-se superior qualidade das fazendas.
    Para luto.
    Pumos de seda elsticos para chapeos largoa e
    estreitoa a I95OO : na raa do Queimado n. 22,
    na loja da boa f.
    Aigodo de 2 larguras.
    Vende-ae superior aigodo monstro com 2 lar-
    guras, proprio para lencnea e toalhas de mesa a
    700 rs. a vara : na ra do Queimado n. 22, na
    bem conhecida loja da boa f.
    Esperanea
    Loja de miudezas ra do Quei-
    mado numero 33 A.
    Costureiros.
    Agulhas Victoria papel a 120 rs.
    Liohas de200 jardas de todos os nmeros a 80 r>.
    Cascarrllha a pees 2;.
    Ditas muito boa vara a 400 rs.
    Transa de linho para todo preco. Diloa de retroz de cores meooi sasassi a
    Franja de seda, de linho, de algodao muito ba- Calas com lacas para accei.der cru:.
    rs t o.
    Reros, linhs de novelo etc.
    Meias.
    Um completo sortimeulo sendo de cores para
    meninos a 240 rs.
    MVaill
    seni segundo
    Na rua ao Qgeimado o. 55 loja da miadezac
    de Jos de Azevodo Maia Silva, est van.l' u :*.
    todas as miudezaa baritissimaa, a aafeer :
    Frascos grandes com superior oiiala a 5C0
    Carnteis de liuha de cores com 200 jar-
    das a '
    l'recisa-se de urna ama para cozuhar : na
    rua do Cabug o. 18. sobrado.
    Fracisa-se de um copeiro escravo ; na rua
    da Cruz n. 38.
    A esmeralda.
    Loja de modas, rua da Imperatriz
    numero 5.
    Lavam-se chapeos da Italia e pe-ae ultima
    moda. Na mesma precisa-se de cotlureiras.
    Procc-pia Rosa oe Jess, Portugueza retira-
    se para o Rio de Janeiro.
    Aluga-se
    um grande sotao : a tratar na rua do Hospicio
    n. 14.________
    Devide-se o eogeuho Peres em sitios, para
    o que offerece ptimas proporces, estes sitios
    sero a voolade doa prelendentes tanto na ex-
    tenso como no dominio, foro renda, at mesmo
    venda. Arrenda-ae a casa de vivenda de enge-
    nho com lodosos commodos, estribaria, coebei-
    ra, casa de escravoa e criados ; o sitio com porta-
    gem e Ierras de plantaces: a fallar com o te-
    uente-corooel Reg Albuquerque, no Afogado.
    Precisa-se de urna ama : na rua de Aguas-
    verdes n. 50, segunilo apdar.
    Aluga-se urna escrava para servico interno
    de urna casa da pouca familia ; quem a preten-
    der, dirija-se a rua do Hospicio n. 64.
    Ao publico.
    O abaixo assigoado declara que deizou de ser
    caixeiro de Antonio Jos Bitancourt e nao se
    responsabilisa por falla alguma a seu raspeilo.
    J. L. M. Franca.
    AUencao
    O abaixo assignado chegando hontem do Ara-
    caty, onde se achava em cobranzas, no vapor Ja-
    guaribe, e veudo seu nome na lista dos passa-
    geiros como Raimundo da Rocha Passos Lins,
    declara se chama Francisco como abaixo se T,
    como deixaria de fazer este, sa nao houvesse al-
    gaem que aqui se acha procurando em tojos os
    lugares dar-me como ausente, como succedeu no
    Aracaty, que estando remigo esse alguem, flzera
    passaruma cerlidao nesse sentido, a qual eu leo-
    do-a denunciei'do falsario autor, o qual se acba
    pronunciado com quatro mezes de priso e multa
    correspondente.
    Recife 29 de julho de 1862.
    __________Francisco da Rocha Passos L'ns.
    O abaixo assignado, teoao noticia de que
    Ignacio Barroso de Mello, como lutor de D
    Constancia Perpetua Baplista, flzera pinbora em
    duas oitavaa partes do sobrado de tres andares n.
    10 da rua do Queimado, declara a quem convier
    que per titulo legitimo senhor e possuidor de
    todo aquelle sobrado, como pelos meios compe-
    tentes provar.
    Recife 29 de julho de 1862.
    Antonio de Azevpdo Vi'lamuco.
    Paga-ae generosamente a quem apprehen-
    der e levar Porto Calvo, em Alagoas, a entre-
    gar ao Dr. Maooel Filppe da Fooseca, os escra-
    v Fideles, Quirino e Maria, que no dia 16 do
    correte mez de julho fuiram do eogetih i Lsga
    Redonda. Fideles de estatura regular, secco e
    de olhos vermelhos, e irmao da Quirino, que
    alto, secco e desdentado. Mara baixa.seccs,
    tem ospeitos grsndes, os psapalhetados e mar-
    ca de ferro de pesclo, foi comprada naata mes-
    aia cidade do Recite, para onde se suppe terem
    vindo todos tres. Recommenda-se e pede-sa
    tambem polica a captura desses escravos que
    perlencf m ao referido doutor.
    Banco Unio.
    Estabelecido na cidade do Porto.
    Agentes em Pernambuco.
    Antonio Luiz de Oliveira Aze-
    vedo & C.
    Sacam por todos os paquetes sobre o mesmo
    Banco a pr*zo ou virta, e sobre as agencias em
    Lisboa, Figueira, Coimbra, Aveiro, Vizeo, Villa-
    Real, Regoa, Viaona do Caalello, Guimares,
    Barcellos, Lamego, Covllhaa, Braga, Penarle!,
    Braganc.8, Amarante, a tito das, ou ao praso
    que se conveocionar: no sea escriptorio iua da
    C'ut n. 1.
    A 2,400 rs. a uzia.
    Leocns brancos finos para algibeira pelo dimi-
    nuto prego de 2^400 rs. a duiia : oa bem conhe-
    cida loja da boa f, na rua do Quaimado n. 22.
    Cambraias de cores
    Vendem-s cambraias francezas de cores te-
    lenda muito floa pelo baratsimo prego de 260
    e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
    Queimado n. 22.
    Ditas brancas a 200 r..
    Ditas para sanhora a 2i0, 300 e 400 r.
    Ditas para homem a 5j) e 6$
    Ditas pretaspara senhora a 400 e 360 ti.
    Gravatas
    com boto a 1$.
    Da corea muito boas para homem a 19.
    Para meninos estreitinhas a 800 rs.
    Pulceiras
    de contas miudinha a 1$.
    De cabello a ic
    De phsLtasia de dito etc. a 500 n.
    Botoes.
    Para casaca e para calca a groza 320 rs.
    Para camisa muito tinos groza l$i00.
    Grandes para roupo groza 10600.
    Pequeninos para ensoga lj 100.
    Alamares.
    Para capote a dezia por 800 rs.
    Colxetes.
    De fio batido especial duzla 720 rs.
    De carto 14 pares a duzia 500 rs.
    Em caixa pretos a duzia 800 rs.
    Brincos.
    Duzas de meias cruas muiio superior a
    Novellos de linha maito grandes e su-
    perior a 40, 60 e
    Ditos de coren, a melhor que ha a
    l'hcs; huros em tallas de tulla, s a cai-
    xa val o diubeiro, a
    Carles de linha com 200 jarlas, i me-
    lhor que ha
    Ditos, ditos brancos e de cores cosa lt
    jardas a
    Diizia de facas e garfoscabo preto, unas
    Dita de ditas cabo branco a
    Thesouras grandes de6 polegadas s 40 e
    saceos para escrotos com Muta de t. r-
    racha a
    Tioteiros de vidro com superior atarla a
    Ditos de barro com superior tinta a
    Masaos com grampos liaos e de caracul a
    Duzia de phos^iboros de valia a
    Pares de meias de cores para men nes a
    Groza de peunas d'ago superior a
    Areia preta para botar na eclisa a 'Ira
    Colxetes em carles, com dussordcii* e
    qualro parea grandes a
    Baralhoa de carias francesas a
    Ditos poilugueres finos,
    rbtaouras paquease, po-m de aasMiici
    qualidade a
    Colxetes francezea em caixa a
    | Duzia ce meiaa alvas, para hoi c-m a
    i Dita de sabrteles liaos a
    O
    210
    m
    l
    ao
    80
    20
    00
    i

    2t
    1 I
    ;,. >
    IIW
    NI
    ItO
    I
    M
    mu
    m
    lio
    t-o
    Superior brim branco de
    linho
    Vende-se superior brim branco de linbo tran-,
    gado pelo baratissimo prego de 18200, 1J440 e j
    lcCOOa vara, dito muito encorpado de doua os
    e de linho puro a 2JJ a vara : na raa do Queima-
    doB. 83, na bem conhecida loja da boa f.
    A belo brancos. encarnados, azucs e dourados o I S2u5 P p"'e e 5U.;'er r "
    nr nnr 1* I BWa 00 1'00 mullo SUper Kr S VI ti
    v1 i"ut iff. j 12(1 a
    Rozeiinhas com peJras quo parece diamanle o D., ,-,. ._ .
    par | r r i Pares de bolo-1 pira punhosa
    Ppnas p rinetie '< Alm deSl" n)iu,lei"s lem n'u,,a asit 1 ** u-
    lu"l cuiiciaa. | preciso vender e nao ei-itrr Cu i>.-" > "v.m
    De todas as qualidades especialmente do caligra- tomo sejam : labynntoa para lod o i r ..-*
    phia e de langa. i preta a 100 rs.. poim qum quier -o-',. .r tas
    Canelas para aprender escrever pelo sysloma de arroba veoda-se por 2$, hora lisa ia
    Ricos basquines
    A loja da boa f recebeu superiores buquines
    de muito fina cambraia a imitago da de linbo,
    bordados eenfeitados com apurado gosto eos
    vende pelo barato prego de 8$ cada um, tendo
    sido sempre sea casto de 163 e 200, apressem-se
    pois em compra-los na mencionada loja da boa
    f, na rua do Qeimado n. 22.________
    Laazinhas muito finas
    para \estidos.
    Superiores laazinhas para vestidos de muito
    bonitos padrdesque se vendem pelo baratissimo
    prego de 440 rs. o covado : na rua do Queima-
    do n. 22, no loja da boa f.
    para quem nao i rpcisa.
    e um soDradinbo noo na c::aja)
    na rua das Mingueiras ao ^a M
    Vndese
    de Olinda sito
    bica de S. Pedro, excellente para ps>s. i a testa,
    tem casa de morada, eccheira, eai.it.aria. t
    ba, banheiro, i-lacta ile espan, tudo saatis i > :
    tratar na mesaia casa com o dono ou r, > I
    ne rua do Livramento n. 4.
    Vende-se um i>om escravo pard, ri -I do
    alfaide: quem pretender, dirija-se a rua do co-
    tovello n. 8.
    Manguitos egollas de
    nbraia ricamente bordados
    350,000 rs.
    Acha-sa expolio i venda um fornidsvrl caval-
    lo possanU, de cor ro alo, c. .:. raras i
    para carro ou cabriole!, p^lo prego ?cin indica-
    do : qu: m o preferir, dirija-su para v*r .'" rbesV
    ra do Sr. Thomaz, sita na troTaass da ri* n. 20, e a tratar com seu dono na rua dn l'-s*e.o
    n. 3, das 7 horas da manha perdiaot-v
    tem-se manguitos e Rollas de superior
    aia ricamente bordados pelo insignificante
    1 de 2$ o par de manguitos com urna golla,
    8 que sempre cuslaram 6 cada par, assim
    p<^ecommenda-ie aos amigos da santa eco-
    no^^ que aproveilem a boa occasio, dirigin-
    do4sycom dinheiro a loja da boa f na rua do
    Queimado n. 22.
    Attenca<

    GSsJnisas inglezas baratis-
    simas.
    odem-aa camisas ioglezas com aberturas e
    puoWoa de linho e com pregas largas pelo bara-
    to pnego de 30jJ a duzia, aasim como outraa mui-
    tas superiores a 403: na rua do Queimado n. 22,
    na loja da boa f.
    pechincha.
    Na rua do Crespo, loja de
    4 portas n. 8,
    vendem-so cortea de chitas largas escaras, de co-
    rs fixas, de 10 covados, a 5jo corte, cassss de
    cores lixas, fazenda qae sempre se venden pos
    640 e 800 rs. a vara, a 240 o covado, e outrir
    muitas fazendas por pregos baixos que s vista.
    Novidades da chuya, d
    Arara,
    Fazenda com avara da chuva para os! num
    Um rapaz com idade de 15 a 16 annos, o
    qual sabo bem 1er, escrevere contar, deseja sp-
    plicar-so a arle do pbarmacia, dando fiador a
    sua conducta, qualquer senhor pbarmaceutico
    que quirev ae utilisar dos seus aervigos aonuncie
    por ata folha para ser procurado.
    Ciompras.
    Comprase um preto ou preta que teja
    perfeito coMoheiro : na rua Dr-Mla n. 17.
    Compram-ae dunoa para embrulo : na
    roa larga do Roiario na. 17 e 19.
    Comprase urna escrava que seja perfeita
    engommadeira e costureira a de boa conducta :
    na rua da Cadeia do R-rife n. 33,
    Compram-se aeges do novo banco de Per
    nambuco : no eacriptorio de llaooel Ignacio de
    Oliveira & Pilho, larg do Croo Santo n. 19.
    Compram a doua escravos de boa conauc-
    ta, leudo um perfeito olcial de carpina e o ou-
    tro de ferreiro: a tralar no grande armazem de
    ferragans a miudeaa na rua do Queimado n 49.
    Compra-se um paptgoio que aeja bastaote
    tallador : na Ihesouraria daa loteras, rua do Ctes-
    po n. 15._______
    Compra-te urna caaa terrea que lenha doua
    quartos. com quintal e cacimba, sendo na Boa-
    Viata, em boa rua : quema tiveraonuncie.
    freguezes da Arara,
    RUA DA IMPERATRIZ N. 56.
    Vende-se cortes de casia de babados a IjOOP,
    2&000, e 29500 o corle, pessaa de cambraias de
    salpiquinhoscom 8 1|2 varas a 2$5C0, lencos
    brancos finos a 200 cada um, diios de corees
    80 rs., ditos para rap a 120, e 160 rs. rs. cada
    um ; na rua da Imperatiiz, luja e armazem da
    Arara, n. 56.
    Fazendas sem deleito, da Arara.
    Vende-sa cortea de chita finia com 12 1|9 co-
    vados a 29500. ditos de cassa de cores a 2&500,
    ditos preta a 2^500, chales de merino estampados
    a 29500, goliohas para senhoras a 500 rs., man-
    guitos e golas de linbo a 2JO0O ; ne rua da Im
    peratriz, loja da Arara, n. 56.
    Sculy urna por 500 rs.
    Papel.
    Alroago pautado 500 fjlhas6J.
    Dito dito 420 ditas 4*500.
    Dito dito 420 ditas 4$.
    Dito liso 39200.
    Dito de peso azul e branco 4$50O.
    Dito suI liso2c')00.
    Dito pequeo tarjado 19500.
    Dilo pequeo de cores lj'200 e 15500.
    Dito tarjado de preto 15500.
    Envelope cfr.to 1$.
    Obreias de colas 100, 120 e 300 rs.
    Pentcs de tartaruga.
    A imperatriz be e IO9 o que se vendeu por I69
    e 209000.
    Direito para alar cabello a 49.
    A imitago por 19*
    De arripia para meninos a 800 e 15.
    Tartaruga para alizar 3g.
    De bfalo para suiga e caballo 400 rs.
    Veriles de borracha pequeos para trazar por ca-
    sa muito bons a 320 rs.
    E inflnidade de iltigos novemente chegados a
    loja Esperanga rua do Queimado n. 33 A.
    Na rua da Imperatriz nu-
    i mero 20.
    y ende se o seguiute.
    Bramante com 10 palmos de largura a 19500,
    riscadiohos bocotoS de cor flxa a ICO rs., c;--~-
    j de corea a 280 e 320 rs., oleados para cobrir
    i mesas a 2g, indianas muito hnas a 1$, chitas a
    160. 200. 210, 280 e 310 rs., cambraias de sal-
    I picoa de cores e brancas a 400 rs., cobertores
    , brancos e oscuros a 15200, 15600 e 29, pannos
    1 finos pretos e de cores a 29. 29OO e 39, cara-
    I braias para cortinados a 29 a pega, ditas lisas a
    -2c. 39. 4j? e 59, tapetes muito lios a 69 e 79,
    i chapeos de seda e de castor rouo fios e do ul-
    timo gosto de Taris a 89 e 99, diloa de fellro fi-
    no copa alta a 59. casemiras para forro de carros
    a I5GOO, corlea de dita muito fina para caigas a
    49, pegas de eutremiios a 19, e fjuilmeale ma- j
    dapoles, algodes, brins, bretanbas 6 oulras
    BDUilaa fazendas que o dono do estabelecimento
    est resolvido a vender muito barato afim de
    apurar dinheiro, dando-so as competentes amos- nunciante, na rua do Trapicho n. 15. smoiono.
    iras com penhor. 1-----------~~-------------------------------------------------
    Hua do Imperador u 15.
    0 proprietario Jesie (atabal cimonl-j quo iy-
    po.--;>:i;j c eneadernagao, scientiiioa eos seos
    freguezes quo abre as 9 horas -la aseabas iVcko
    as 4 da tarde, al aonuncio : .'SJim toro qae
    contina a ter venda carias de AC, '*' -ir*ftu.
    catherismos, economa da vida humana, rarti-
    Ir.as, (rasladua, linio avuhos corso eu c II :'.-
    ges, Simio de Nantur, pautas, cartas d* eoter
    'o e para officios. compendio dolo'is>, manual
    da miisa e da cogussSo, augmentado cooi ti n.ve-
    na da Coaceigao, conforme usam os rever
    carmelitas, novena, cilicio, salve, e veaos de N.
    S. do Carmo, e lambem a exposigo "iren es-
    capulario, o livro religioso, contmdo aauiao O
    diversas devoces, apudauta*. Bnssraro s bas-
    tantes e esperues, cammbo do ctt, r- -i ^0
    muilas e difforentes imag'os, bilhi*tes >
    para botica, e lambem em branco para nli'in.
    crever-se o quo se qu'zer, ritmes de Paulo T,
    manual da misas por Ro|uet, diccionarios I rao-
    ce/es a de Roque!, ditos de Fons ca, ostra*
    muitas cousas quena ocrasio ae ni---.
    Vende-se as catas terrenan. l na
    rua do Rosario da Boa-Vi>t.i, n 19 na
    tuade Santa Rita, ns. 14 e l nu ua.
    Jos Saporili lem para vender um lio i sjooelro
    com moldura dourada, pintado a tlo, ri .
    tando a pousaia oe um cag-dor ii'un a cooa i^o
    campo, de urna das melhores escolas de pteeon
    na Italia.
    0 n.esmo tem psra trocar urna imi?.-m da ;:-
    nissimo marmore branco, reirca*nt;n 11 X mo
    Senhor o Redemplor, subiodo ao 000 ; u.ra
    imagem de madeira, pinirda a uleo, rvpreseolaa-
    do N'issa Senhori da Piedade, l'ndo .\r>s*o S-
    nior moro no eolio, de um vulio aaws 'h. te,
    que pode aervir para se collocar oobco j ailu
    I alguma igreja, ou fazcr-ie tlla um BaajoaalM
    I andor para procifsao, tanto o Badem i r ci r>-.i a
    | imagem de Nossa Ser.hora, aoo lan.bi:-.. udb
    doa mHhores anillas e escultores di Dalia :
    quem pretender possuir algnm dastes int^re.sar-
    les otjecto, apparrga a rnlenler-so curr o so-
    Fazendas baratas
    NA
    Lojadopavao.
    Cambraia organdys a 280 rs.
    Vendo-se esmbraia organdys de cores com mo-
    dernissimos padres a 280 o covado, e csssa
    francezas muito finas a 240, 280 e 300 rs. o ca-
    vado : s na loja do pavo, rua da Imperatrir
    Chitas largas a 2U0 rs.
    Veudemse chitas largas a 200 rs. o cosado por
    ; ter um pequeo toque de mofo ; na rua da Im-
    , peratriz n. 60. loja do pavao.
    Alpakiiia 280.
    Vande-se esta nova fazenda de linho a imitago
    de sedas de quadrinhos miudinhos propria para
    I vestido de senhora, n upas para meoioos, sendo
    fazenda que nao desbota, a 280 o covado : na rua
    ida Imperatriz n. 60, loja do pivo.
    Babadin da Arara.
    Vende-se babadin com listras da seda.ftzenda
    muito nova para vestido a50O rs. o covado, dita
    com palmas solas de seds, de largura de 4 1|2
    palmos a 640 rs. o covado, lanzinha para vestido
    a 320 rs. o covado, ditas muito finas a 500 e 640
    rs. o covado ; oa rua da Imperatriz, loja da A-
    rara, n. 56.
    Chitas da Arara e cassas.
    Vende-se chitas a 160.180 e 200 rs. o covado,
    ditas francezas a 220, 240 e 280 rs. o covado,
    cassas a turca a 280 rs. o covado, cassas france-
    zas a 280 e 300 rs. o cavado, ditas organdin a
    320 rs. o covado ; na rua da Imperatriz, loja e
    armazem da Arara, n. 56.
    Arara vende ustao.
    Vende-se fusto de corea para vestido a 280 e
    320 ri. o covado, lengos de teda escaros para
    rap a I96OO. pessaa de cambraias lisas a lg600,
    25000,2fi500e 39000, masaos de palitos finos para
    deoles s 200 rs.; na rua da Imperatriz, loja da
    Arara, n. 56.
    Mdaftolo da Arara.
    Vende-le pessaa de madapolao infestado a 39,
    ditaa de 24 jardas a 4J400. 49600, 5g000, 59500
    e 69OOO, cobertores de algodao a I9OOO, ditoa de
    pello a 10500, roup feila, palita de panno pre-
    to a 69500 e 80000, caiga preta de cazimtra a
    4S500 e 59500, seroulas de linho a I96OO e 290OO,
    camlsaa francezas a I96OO e J5OOU ; na rua da
    imperatriz. loja da Arara, n. 56.
    *.
    Sebo do Porto
    em caixas de urna arroba ; na
    rua do Vigario n. 9, primeiro
    andr.
    Bailar & Oliveira sacam sobre a praca do
    Porto.
    Empresta-ae 1:300 com hypotheca em pre-
    dio nesta ctdade : rua Direita o. 82. primeiro an-
    dar, at as 9 da msnhaa. e denota das 3 da tarda
    OUerece-se ama ama de leile: na ua do
    RiDgel o, 67,
    AUemjao o Vigilante
    Que acaba de roceber oa lindos collares com
    caracolalohos de marfim ioteiramente cousa nova,
    propriamente para peicogo, que se vende pelo
    baratissimo prego de 1*000 a 3*000, nao havari
    pessoa alguma qae deixe de comprar cousa to
    elegante; lano para senhoras como para criaocs:
    so do Galo Vigilante, rua do Crespo n. 7,
    Manteiga inglezae
    franceza.
    Msnteiga ingiera deprimeira qualidade 800rs.
    a libra, francesa 640rs., baoha refinada 440 rs.,
    em barril 400 rs., somma de aramia 100 rs. por
    libra em arroba 2*800 : oa rua das Cruzes o. 24,
    iquioa da travesa do Ouridor.
    Bramante a 10$.
    Vendem se pegas de bramante de linha de nova de Santa Rita, en 18 no becco do
    [Ti" 2? vara94o W* pe?a' ta,S" Axial as Cinco Pontas, sendo est:. meia
    Dem se vende 1|2 pega com 13 1\2 varas por 59 ; '
    na rua da Imperatriz n.' CO, loja do pavo.
    agua, poden' quem as quizer comprar
    dirigir se a rua da Cruz do Recite se-
    Carnauba
    ._, I eundo andar da casa n. 4o, das i lio
    Vende-se a mais supenorcera de carnauba que,& j i
    no mercado ; na rua da Imperatiiz n. 60, luja fas da manliaa as 9, e das o lif'r;ts da
    i tarde em diaote, sendo a entrada da
    'casa pelo becco das Crioulas.
    ha
    do pavao
    Cambraias iisasa3#.
    Vendem-ae pegas de cambraia lisa muito Gira.
    com 8 1|2 varas a 3) a pega : na rua da Impera-
    triz d. 60, loja do pavo.
    Paletots a G$.
    Vendem-se paletots do panno pretp fino e cor
    de caf a 6J : na rua da Imperatiiz o, 60, loja do
    pavo.

    Chitas escuras a 240.
    Vendem-se chitas francezas escuras a 210 o co-
    vado : na rua da Imoeratric o. 60. l<>ji do pavo.
    Chales baratos.
    Ven lem ae chales de marin de cores sendo
    muito grandes a 39 : na rua da Imperatriz n. 60,
    loja do pavo.
    Bordados baratos.
    Vendem ae gollinhas de cambraia e de fil bor-
    dadas a 500 rs., manguitos a 1* o par, manguitos
    com golla bordsda de cambraia a 1J600, e liras
    bordadas e eotrrscios ; na rua da Imperatriz n.
    60, loja do pavo.
    Iuglez tal qual se falla,
    ou resumo da conversacao ingleza e
    franceza com pronuncia figurada.
    Para aso das pessoas que querem fallar iogliz:
    vende-se na livraria acadmica n. 79.
    70,000.
    Vende-se por 709 os seguiotes objectos ludo
    em bom estado am fardio pira guarda nacional
    (cegadores), banda floa, borrelina, adragooas (al-
    fere}, fiel para espada, por este prego para quem
    precisa aproveilar-se : oa rua Nova n. 8.
    Vende-ae urna machina de coser toda a
    qualidade de costura, tem muilo pouco uso, e
    vende-se por precisao, por isso d-se em conta :
    na rua das Aguas Verdps n. 11, sobrado.
    Veode-se chlysopoupes e caoados ds bor-
    racha para sobrecaliente : na pbarmacia do Pin-
    to rua do Rosarlo o. 10.
    defiendas, na rua do Cres-
    po loja n. 14.
    .Cbeguem s pechinchat antes qie se
    ac bem.
    Cortea de vestidos de barege com babados a 4J,
    ditos de seda com babados de quedas a Pf, ditos
    d grosdenaples da cores com res baba des rosa
    pequeo toque a 209, ditos pretos com babados a
    i 129, merino de superior qualidade, proprios para
    montarla de s-nliora a 29 o covado, merino i.-ttoa
    j preto azul e verde a 600 rs. o covado, groadena-
    * pies de cres a 300 rs. o covado com tcqua do
    mofo, ditos lavrado a 500 rs. o covado, bnmbazi-
    na azu|ria e verde escura enfestada a S'K) rs. o
    covado, lengos de garga de seda com franja a 50O
    rs., polainas de brim de linho muilo fioo paro
    militar a 500 rs. o par, casavaquea de cambraia
    de salpicse de Gl preto a 1?500, toalhas de li-
    nho adamascada para meia a 59*100. guardanapos
    de lioho grandes de superior qualidade qae so
    vendo por 129, a 89, mantas para cavallo a Ifi ca-
    da urna, riquissimos tapetes avellodadoa paro
    piano que se vende por 25f a 129, vestuario do
    fusio braoeo ede er para criaoga a 1*500 e 2*,
    paliiots de brim pardo a 2*500, ditos Desoco* a
    }$. ditos de alpaca de cor e merino selisa a 4/,
    chales de croch a 4*. diles de seda preta supe-
    rior qualidade a 12*. ditos de cassa brsocos a 300
    rs., manguitos com camisinha e golla O *$ fjs-
    lao branco fino a 400 rs. o covado, chapeos para
    senhora a 1*. ditos para meoiooo a 5'. 0 ra., m.
    folias para senhora a 500, um completo sortimen-
    to de transa de diversas cores, gredas franjas,
    bicco de seda branco e preto, botoes que sa veo-
    de por todo prego para acbar, e outras muilas fa-
    zendas que se vende palo barato.
    MUTILADO


    6
    llAHK) DE PER1UM1UCO QUAlcU FEIBA SO DB JliLttO DI 18 ti
    mar
    . AHINA
    VNDESE NO ARMZEM
    PROGRESSO
    DE
    Francisco Fernandes Duarte
    rgo da Penha
    Os raelhores gneros que vem a este mercado e por menos 10 por ceoto do que em outra
    qualquer parte, garanlindo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da prac,a, da en-
    , enhs e lavradores o favor de mandarem suas encorarnendas a este rauio acreditado armazem d<
    i .olhaJos, alira de verem a difierenca de preco e qualidade que faz, se fossem comprados em outn
    wlquer parte.
    flklft* 6i0 rs. a libra sendo em porcao, tanto de urna qualidade como de outra se faz abat-
    monto.
    Batata*! HOVaB em caxas cm dUM arrobas por 29560 e em libra a 50 rs.
    Ma^tftlg& l^fclfcZ* da safra nova de primeira qualidade a 850 a libra, em
    barril se faz abatimento.
    M&U*gfc fr&RteX* a mais nova a 640 rs. a libra, am barril a 600 rs.
    $^1J38 do stolsMl muito frescos chegados neste ultimo vapor a 29000 ditos cha-
    gados no ultimo navio a 19800.
    >|U.lilJ# pralO 0 ma,s superior que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
    Uua nygSOn 0 me^or qUe na no mercado a 29800 e 29200 a libra, afianc,a-se a boa
    qualidade.
    Rival sem se-
    gundo.
    Raa do Queimado n. 55, loja d miudezas de
    Jos de Azevedo Mata a Silva, eonhecido por Jo-
    te Bigodinho, est vendando pelos presos que
    todos admirara, queiram ver o que bom e ba-
    ratistimo:
    Parea de aapatos da tranca superiores a.
    Frascos da agoa ambriids a melhor a...
    Ditos de diti, frascos grandes, a 500 e..
    Cartas de alfloetes francezas, a..........
    Pacotes da papel amizade, a............
    Caizas com papel de diversos gostos, a..
    Pares de sapatoa de lia para meninos,
    Varas de bico dsc Ilhas, a..............
    Cordas para violo muito frascas e no-
    vas, t.................................
    Frascos de baoha Philocoma superior, a
    Ditos di dita de ur;o. a.................
    Ditos de cheiroa muito finos, 500 a.....
    Caiiss com apparelhosde metal para di-
    vertir meninos, a.....................
    Varas de franja para cortinados e toa-
    Ihss, a................................
    Carriteis de lioha preta com 500, 600
    800jardas, a..........................
    Barra com phosphoros o malbor e bo-
    nitos, a..............................
    Msssosde lioha fina para bordar, a ....
    Tranca de la de todas as corea a pega.
    Pcs de rita de eos, todas as larguras, a
    Grozas deboldesde louca pralaado muk-
    toQooa.a.............................
    Pe;as de fitas de linbo lisas superiores, a
    Ditas de cordao imperial, fino e grosso, a
    Frascos de macaca perola, muito floo, a
    Ditos d* dito oleo, mello superior, a.. ,
    Diioa de oleo babosa superior, a 320 e..
    Bonecoa que cboram, omito lindos, da
    160 a..................
    Canas de p para limpar dentes, muito
    superior, a......: .
    Ditas de phosphoros especiaos a um so-
    brsateme, a....... .
    Pioes de flaodres, pintados muito boof-
    l0,i ...........
    varas de fita para fazer sin tos dos ana
    lhores gosto, a........
    Duzia de phosphoros de gaz, do melhor
    fabricante, a.........
    Ditss de caetas de folha, meito boas, a
    1J380
    400
    600
    100
    TOO
    700
    800
    80
    80
    I9OOO
    500
    800
    400
    200
    160
    160
    240
    40
    320
    240
    40
    40
    200
    100
    500
    500
    160
    160
    200
    500
    Relogios.
    Vsnda-ss am casa da John5ton Pater G.,
    . i4 do Yigario n. 3, um bailo sortimento da
    telogios da oaro, patate ingles, de um dos mais
    afamados fabricantes da Liverpool; tarabea
    unta variedad* da bonitos traneeHini para oa
    mesmos.
    mmmm mmm-mmmmm
    |Loja das 6 por-j
    *5 tas em frente do Livra-
    mento
    [Balos de 15, 20. 30 e 40 arcos.i
    Grande sortimento de baldes de arcos
    os melhores nesls fazenda e grandea,
    chitas francazas largas escuras a 220 e
    240 rs. o covado, ditss estreitas miudi-
    nhas a 160 ra. o covado, cambrais lisa
    para forro com 8 l|-2 varas a 2) a pega,
    ditas finas a 39, 4, 59 e 6$ muito finss,
    ditas de sal piqun ho com 8 ||2 varas a
    395OO a peca, cobertas- alcoxoidas bran-
    cas e de cores para cama a 49500 e 5f,
    cseas de cores francezas tintas segaras
    a 310 ra. o covado, pega da brelanba de
    rolo a 2f, algod&o trancado alvo maito
    largo para toalhaa a 19 a vara, enfeilee a
    Garibaldi todoa pretea a 59 cada um. len-
    cos bramoa com barra )# cores a 120 ca-
    da am, roapa feita da todaa as qaaiida-
    des maito baratas, a loja aatt abaita al
    aa 9 horas da coila.
    fc
    NOS ARMAZKNS
    PROGRESSISTA
    1
    %
    qM nuxim
    o que se pode desejar neste genero a 39000 a libra.
    retalho
    barrica e a retalho
    aaVTa<|la\BS lld'VOS de pavio transado a 230 rs. a carta e em caixas com 40 cartas por
    99000.
    u&\aS ft^H\ &m<&l&AO&f? confeitadas, proprias para mimo, contando mais con-
    feitese assucar candido por 19000 cada urna.
    WaSaS em caixinhas de 8 libras chegadas altimamenta a 29000 cada urna a a
    a 480 rs. a libra.
    ttOiaXlllua de soda em latas com differentes qualidades a 19440.
    !>01<&lk7&>&U& ingleza a mais nova que h no mercado a 49000 a
    a 320 rs. a libra.
    VillilO t* p& de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 a 640 rs.
    a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 45500.
    Vn1kS ftalga^raf^dOS Duqua do Porto, Lagrimas do Douro, Carcavellos, Fei-.
    loria velho, e deoutras muitas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
    tarabem ha para 19000 a garrafa.
    QsBt&aBpnnlM jas marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, a era garrafa a
    1*800
    Stl?'V a garrafa.
    **TVllViaS francezas e pbrtuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
    M&$& & tOIliald em latas de 1 libra por 800 rs.
    iVHllXa\8 Cf anecias em latas de 1 e meia libra por 19500, ditas com 3 libras por
    2(9800;
    &mQndoVQ de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 80000.
    fliOSiCSa 120 rs. a libra e em arroba a 3,5000.
    iYletT*, maClTa taV\lH.m a 400 rs. a libra, a era caixa com 1 arro-
    ba por 69000.
    LstYYl^lMs, pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e era cai
    xinhas muito enfeiladas se faz obalimento.
    arfelllOS uft CliSllAftS xados 03 maisbem feitosque tem vindo a este mercado a 280rs.
    tambe m ha para 200 rs.
    WWLJHkXQtb lHg\Z*S pira fiambre a 800 rs. tambera haraburguez para fiambra a
    610 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
    un"3Vlas3 pUlOS mu,t0 novas a 56O rs. a libra e era barril se far abatimento.
    Sai&XHQ o melhor petisco que pode haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
    m. SiA-wlUll-s wO >?lla\ muito novo a 289 rs. a libra e em barris de 1 a meta arroba
    a 59 e 79 a arroba.
    jHOsl?ly^S em latas j promptas para se comer
    BtvaYiA de poreo
    Dita e>m kri
    libra, e em porcao se faz
    a 19800 cada urna.
    refinada em latas com 10 libras por 49300.
    muito fina e alva a 440 rs. a libra eem barril a 400 rs.
    GfcttoeS C3r* bollo trauco pr0pros para mimo a 500 rs. cada um.
    ilia a>laa^ imperial do afamado Abreu ede outros rauitos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
    a libra.
    m.a?S*te|.da de Alpercha em latas de 2 libras por 19000 cada urna,
    aUmWftS C^Wi 1> rUCifiS de doce era calda as melhorej que ha era Portugal como sa-
    jara pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs, a lata.
    DOCet* SfjCCOS e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 19500.
    l>It,OCOl&\ hespanhol a 19500 rs. a libra, ditlo francs a 19100 dilto portuguez a
    800 rs afianra-sea boa qualiJaJe.
    *-Aie de primeira qualidade tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba a
    99000, dito mais baixo a 260 rs. e 79800 a arroba.
    9C\aailia.a de Franca a mais nova do mercado a 240 rs.
    abatimento.
    vSEgil muilo novo a 320 rs. a libra e em garrafes com 5 libras, por 29000.
    av Tilma do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
    191%a do Maranho alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 49500.
    H C1&* da carnauba refinada a 400 rs. a libra, e en/arroba o 129000..
    A.1,ClV &9CC refinadoa 800 rs.garrafa e e em caixas a 99000
    Vi&agrQ da Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada
    W l!5.1\0 cherez verdadeiro a 19500
    VH\lO braiieo de Lisboa o mais superior que ha no mercadoprowio para mise
    640 rs- garrafa e em caada a 49500.
    U U108 suspiros do fabricante Brando em meias caixinhaa, por 29500.
    lf HOS suspiros do fabricante Gatanho & Filhos em meias miabas a 29000.
    08 emcaixas de 100 regala Imperial, Viagantes, e Panentellas, a 29000 a caixa.
    Aipiaia muia limpo, a 180 rs. a libra, e em arroba 59500,
    AXClVOaaS muil0 novf a i?600 rs. cala urna ancoreta, e a 400 rs. a garrafa.
    ArtOX do Maranho a 1*0 rs a libra, e 39400 a arroba.
    ***^ do postas em latas dai memores qualidados da peixa que ha em Portugal a 19500 ra
    GeiiebTa de Hollanda #m garraf5w ^ 26 garrafas por 9#600>
    H&OStaTa ingleza muito nova a 19000 o frasco e franela a 640 rs. o pota.
    ^ JMge!erOSaCiraaJme.aC10na maoto do todo quo atendente a molhades, r
    Linhas de gaz de todas
    tissimsa.
    2 JO
    120
    as qualidades o bara-
    a 19800.
    a garrafa, e am caixa H9000.
    Veodem-sedous negros mogos a muilo ro-
    bustos, proprios para sroiazem da assucar, am
    dito perfeilo offleial de marcineiro, 4 molequss
    bonitos sendo um de 17 annos, oalro ds 14, ou-
    tro de 12 e oulro de 10 annos, urna negra boa
    cotinheira : na ra do Imperador n. 45, tarceior
    andar.
    Cambraias
    Yendem-se cambraias de cores de bonitos a
    alegantes desenhos a 280 e 320 rs. o covsdo: na
    ra da Imperatriz, loja o. 20.
    aos Srs. consumidores de gaz
    Nos srmazans do cas do Ramos ds. 18 a 36 s
    ns ra do Trapiche Novo do Recite d. 8, ae veo-
    de gaz liquido americano primeira qualidados
    recentamente chegado a 149 a lata de 5 galdes,
    assim como latas d 10 da 5 garrafas en-
    garrafas.
    Nobilia.
    . Vode-se urna porgao de barris da cal ae
    Lisboa prapria para obra de pedreiro a 49 o bar-
    nl : no armazem do Teixeira caes da alfindega.
    Nova alien?ao
    O vigilante acaba de recebar aovo sortimento
    de diversas objectos que se vender por menos
    20 por ceolo do que am oatra qualqaer parte.
    Sit >s para senhoras.
    R quiaaimos siotos dourados, pelo barati
    pre^e de 29, e com flvela ao lado a 49, aasl<
    mo do Uta de seda ou valludo a lf : so no
    vigilante, rqa do Crespo o. 7.
    Enfeites.
    Vsndem-se os riquissimos eofeites do c
    com franja a vidrilho a 59, ditos sem franja
    ditos trancados a 29500, ditos de lago ds
    bico de seda a 29: so ao gallo vigilante, r
    Creapo n. 7.
    Fivtlasparasito.
    Riquissimas flvelas de ac com madraperolano
    esotro a 19200. ditaa da madreperola a 3x0, d|lss
    doaradiohas a 340 : s no gallo vigilante, rUWdo
    Crespo n. 7. f
    Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
    12, vende se toda a qualidade de mobi-
    lia tanto ao gosto moderno como anti -
    ga, phantbasia etc. por preco mais
    commodo do que em outra qualquer
    parte, faz-se toda a qualidade de obra
    de encommendacom a maior brevida-
    de e o maior apuro da arte.
    Grande
    SSliquidaijao por todo|
    o pre^o, na bem co- i
    I nhecida loja do Ser-1
    tanejo. g
    Ra do Queimado o. 45|
    Vidrilho.
    Lindos vidrilhos pretos e de cores, pelo bsra-
    tissimo pre;o de I96OO a libra : s do gallo vigi-
    lante, ra do Crespo n. 7.
    Para entreter o tempo.
    Os lindos jogos de dminos a 15400, lindas cai -
    xinhas com jogos de vispora a 900 rs.: s do gal-
    lo vigilante, raa do Crespo d. 7.
    Attenco.
    Para as seahoras de bom
    gosto.
    E' chegado a loja do gallo vigilante ra do
    Crespo n. 7, os lindos grampos a balio de muito
    lindos goatos e liadas cores, inteiramenle couss
    ounca vista, que s avista merecer a pena as
    seahoras maodar comprar pelo baratissimo pre-
    co de 25; aaaim comomuitos objectos tendeles
    a miudeasque se vende ludo por menos do que
    em outra qualquer parle, quem quizer ver pode
    experimentar qae s no gallo vigilante ra do
    Crespo n. 7.
    Tiras ou entremeios.
    Tsmbem bs para vender tiras bordadas de
    lindos gostos assim como bico de rnda ds la-
    byrioto proprio para fronbas ou toalhas de lia-
    dos padrdes por prego muito baralinho que pa-
    las smoslrasse poderi apreciar tanto em presos
    como em gostos: s do gallo vigilante ra do
    Crepo n. 7.
    :i
    Gaslello Branco,alfaiale
    Por este anonado ae faz constar aos Srs. offl-
    ciaes de todas as armas, tanto dasta provincia
    como das mais capiues do norte do imperio, qes
    ha a veoda boldes do novo padrao, segundos
    ultima ordem do ministerio da guerra, venden-
    do-sa duas abotuaduras por 39, advertindo que
    urna das abotuaduras de padro antigo, faz-se
    remessaa para onde forera pedidas, assim como
    tambero ha para vender o melhor panno azul in-
    glai, a o melhor velludo preto do Porto, fazeodaa
    desconhecidas oetla praca, o que se vende a re-
    talho. Os Srs. offlciaesqne eslao fers de provin-
    cia podem renovar suas consignacoes Hundo
    qutolia certa. os outros sanhores que nao tive-
    r*m procuraco nestacasa podem manda-la, ad-
    vertindo que o lempo para a dita proenracao de-
    ve aar limitado, acompaohaodo urna carta do or-
    dena pedindo as aocommendas que (orem preci-
    sas, deveodo ser dirigidas a eorres;>oodenei a
    Joaquim Rodrigues Tsvares de Mello, rea do
    Queimado n. 39. Tembem ha galao de ouro su-
    perior e ferroa francezss para alfaiale, ata forja-
    da o par 109. '
    A loja d'aguia branca, ra do
    Queimado n. 16.
    Recebeu pelo ultimo vapor os seguiotea ob-
    jectos :
    Bonitas ligas de seda para senhora.
    Grandes e bem tecidos bandes de dina.
    Aspas de ago, fita elstica para ces do balo.
    B mecas grandes mui bonitas e bom vestidas
    Bonitos bsuzinhos com 9 frascos da eheiros. *
    Lindas caizir.has com 6 ditos de ditos.
    Trsocallim grosso de cor para guarnecer vestidos.
    Luvas do camursa brsncss o amarllas.
    Lindos boies de banba para
    presentes.
    A loja d'aguia branca acaba de receber liados
    boies de porcellanadourada com fina baoha
    miviosas inscripcas.os quaes porsuasdelicade-
    cas a perfetc.etoroem-ee dignos para presen-
    tas, e com especialidad na actual qaadra quem
    gostsr do bom dirigir- con dioheiro' raa
    do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, qi It.
    r em que bem o erapragar.
    Apparecam coui di-
    nbeiro que nao deixaro
    de comprar.
    Chitas escuras flnaa a 160, 180 a 100
    rs., cortes da vestido pratos bordados a
    valludo de casto de 1509 a se vendem ,
    por 309,409, 509 o 70. sabidas de baila
    da velludo e setim a 129 e 139, camisas 5?
    pira senhora a 2M)00 e 39500, gr.llinhas fC
    de cambiis bordadas a 500, 600, 700, "
    800, 900 a 19, ditas de 016 bordadas s 120
    rs., csavaques de fustn a 59, 69,75,89,
    meias de seda brancas o prelas para se-
    nhora a 15200 o par, tiras de babados a
    500 e 700 rs., lasa de quadro entestadas a
    300 e 360 ra. o covado, cambraia preta a
    400 a 440 rs. a vara, organdys de cores s
    600 rs. a vara, fil branco adamascado
    para cortinados o vestidos a 400 e 500
    rs. a vara, cortes da colleto da casemira
    bordados praios a 29 e 39000, ditos de
    ! valludo de cor a pretos s 39, 49, 59 o 69,
    palelota de brim branco fraocezes a
    39500 a 49500. ditos da casemira de co-
    , res o pratos a 149 o 169. ditos da alpaca
    E preta a de cores a 39,3(500, 49 49-500.
    S camisas da peito de linho a 25500, cortas
    S de collata de gorguro a 19500, IcTO, J
    292OO, 38 e 3j.)00. colletes eitos.do brim 2
    branco a 29500, ditos feitos d gorguro i
    8 a 2]500 e 39500, ditos feitos de casemirs S
    a 3P500, 4$ a 4J500, ditos de velludo a |f
    S59, 69 e 79, ditos ds fuslo da cores a *9
    18500, um variado sortimento de meias 2
    8 para homem e senhora, griaaldaa com flt
    flores, chales de troco, esparlilhos, o to- 8
    Sda a qualidade de roupas feitas para bo-
    mam que tudo se vende por metade do 4
    seu valor. ||
    Attenco
    6
    Chegou para a loja da victoria, candleiros a
    gax de uovos gostos e modelos, tanto para sais,
    como paraeacada e quartos e para outras muitas
    cousas: na loja da victoria na ra do Queimado
    d.75.
    . DUARTE & C.
    36 Ra das Cruzes de S. Antonio 36
    O LAiGO DO CARMO 9.
    os os proprietanos destes acreditados armazens participamos aos nossos numerosos
    freguazes que por todos os vapores e navios de vela recebemos de noasa propria encommanda o
    melhores ganerosjtendente a molhados, e por isso podamos vender por menos 10 por ceoto do
    qua outro qualquer, como a experiencia o mostar por isso pedimos a tedos os Srs. da praca e do
    mallo, que anda se nao deram ao trabalho da mandarem experimentar, o favor de o fazerem, eertos
    de nada perderem, pols para isso nao pouparemos forjas para bem servil-as o ainda mais a pessoas
    menos entendidas, eertos da esclarecer aos compradores que s na ra das Cruzes n. 36 largo
    do Carmo n. 9, que devem nderecar os portadores, pois muito se ovildam com outras casas quasi
    dos mesmos ttulos (Progressista e Progressivo) pois sao as duas nicas filiae.
    Manteiga ingleza a mt\s nova amas superior d0 n,ercad0 a 800 rs. a libra.
    Manteiga francesa a melhor que se pode desejar a 650 rs. a libra o am barril a
    600 rs.
    Bollo franctz
    Peras seecas em
    1*280 rs. por libra.
    Milho alpista e painco a eo rs. a Hk.
    v/lia 11 UXim 0 mas especial que se pode encontrar a 29880 a libra.
    Cha hySSOn o sielhor que se pode desejar de 2*400 a 23800 a libra.
    L/Ha pretO 0 que se pode desejar neste genero a 29 a libra e a 15600 o ordinario.
    QUeijOS flatnengOS chegados no ultima vapor a 2 e 19700.
    ^ueijO pi'atO o rnelho do mercado a 600 rs. a libra a sendo iuteiro a 500 rs.
    Passas em eaxifilias de 8 libras a2$ ,400. a iih.
    FigOS em CalxinhaS de B libras a 1*600 a 200 rs. a libra.
    AmeildoaS d Casca mole a 320 rs. e nozas a 160 rs. a libra muito novas
    AmeixaS franCeZ^S a 19 a ibr, m latas com 5 libras a 000.
    Marmelada Superior ameih0r do marcado am latas da2lib. a700rs. a I ib.
    Doce da casca da goiaba a 8oo rs.
    em cartes chegados no ultim vapor a 500.
    4 libras muito novas e grandes a 49 a caixinha, a a
    como pecago, damasco, ginja, ameixas o
    frascos grandes
    9800
    a 19000
    garrafa a a 19800 a caada.
    Ricos pianos
    de varios autores, ?endem-se
    em casa de Kalkmann Ir usaos &
    C, ra da Cruz n. 10.
    Alteiteo
    o catxao.
    Latas com frutas em calda
    alperxe a 600 rs.
    AtliendoaS Confeitadas Com diversas coresa 800 rs.
    * 1 lili OS gtiierOSOS engarrafados das seguintes qualidades, duque do Porto, Porto
    fino, Pedro V, velho secco, genuino. INector, Carcavellos, Feitoria, e Madeira secca a
    129 e 139 a duzia a a 19100 a garrafa e muscatel a 720 rs. a garrafa.
    UllOS empipa proprios para mesa de 39600 a 49 a caada ede 500 a 600 rs. a garrafa,
    do Porto, Lisboa e Figueira.
    3erVejaSdas melhores marcas a 500 rs. a garrafa a 59000 a duzia, chanaanhe das
    marcas mais acreditadas de 149 a 209 o gigo, cognhac o melhor que se pode desejar
    a 900 rs. agarrafa.
    ixenebra da verdadaira hollanda em garraf&es de 16 garrafas a 9000 cada um.
    1 l_*eneOra italiana a mais sublime qua tem vindo ao nosso mercado em
    a 29000 cada um.
    1 raSCJlieira com 12 frascos de genebra de Holanda
    VJrarr&lOeS com 5 garrafas de superior vinagre
    Vinagre puro de Lisboa a2i0 rg
    Marrasquino o mais superior que se pode desejar a 19000 a garrafa.
    dsSper mcete o mais superior do marcado em caixinhasde 6 libras a 49200 e 700 rs.
    a libra.
    VelriS de Carnauba a H950O a arroba a 380 a libra.
    A UCQ retas eoraazeitonas as melhores do mercado a lf540O.
    L/aiXaS com 1 arroba hespanhola contendo macaro talhirime aletriaa 69000
    .'aiXinUHS com diversas qualidadesde raassas comossja eslrelinha pevide etc. a 69000
    e 640 rs. a libra. *
    Chouricas e Pai es os melhores do mercado a 560 ta a Ijbra
    I reZU UtOS o que se pode dezejar de bom a 640 rs. a libra.
    LjingUlaS finasen latas j promptas a 19600.
    reiXe^ era latas cavallinhas pargo, a linguadosa 1#600.
    1 OUCUillO do reino a 320 rs. a libra do novo, a 280 rs. do velho.
    KaUUa de pOrCO a melhor do mercado em latas de 10 librasa 4JSO00.
    Ma 98as para SOpa talharim e macarro a 280 rs,e aletria a 320 rs.
    PalltOS llXadOS emma^oscom 20 aacinhos a 200 rs.
    1 apei greVC pautado a liso muito superior a 4*000 a resma:
    BTVl UOOea360, piraenta a 360, canalla 900 rs., ecomiohos a 800 rs. a libra.
    Pi lltOS do gaZ a 29300 a groza a 20 rs. a caixinha.
    8a 1 retinado am pacotes de mais de urna libra a 160 rs. a potes 560 rs
    Sa&m'
    Guimsres & Luz, donos da loja da miudezas
    da ras do Qeeimado n. 85, boa fama, partisipira
    ao publico qae o san estabelecimeoto ie aeha
    compleiauanle prvido das melboras raercadesiis
    Undantes ao dndio estabelecimanto, a amitos
    outros objectos >!e Rosto, sendo quasi todos reca-
    bidos da suas proprias encommendas
    r> muito novo a 280 a libra a sevadinha 200 rs.
    Farillha doMaranh
    iJafe do Rio
    Ca xinhas as
    ao a 160 rs. a libra e gomma a 100 rs. a
    a do Cear o melhor do mercado de 89500
    libra e 29800 a arroba;
    a 99500 a arroba.
    mais elegantes, propias para mimos ou mesmo para guardar joias de 400 rs.
    19500 e temo com 6 caixinhas a 59000.
    estando
    alies inieiramaota reeolvidoa a nao vaoderam r|iALtp liPttnalhnl
    Dado, allan?am vender mais barato do que outro V/Il Tt.ui'lc; iit aijailiiui verdadeiro a 19000 rs. a libra.
    Krvilhas portuguezas e francezas, reijao verd.da 64oa ru
    a lata,
    ^aVel em latas chegado no ultimo vapor
    Bolaxinha de soda era utas
    Lentillias francesas
    qaalquar ; e juntamente pedem aai seua davedo-
    res qua lhaa mandem ou vanbam pagar es aeus
    dabilns, sob pena daseram jti*iicdo.
    Soahalt Mvllora & C, t.uno receoioo or-
    dem para vender o seu crescido deposito darslo-
    gioa v(slo o fabrUaota ter-se retirado do Dego-
    clo ; convida, portante, as peaaoas que qizeram
    posauir um bom ralogio do ouro o prata do c-
    lebre fsbrianla Koruby, a aproveilar-sa da op-
    portunldada sem parda da lampo, para vir eom-
    pra-Ids por commodo prego no seu escriptorio
    raa do Trapicha n.18.
    Moendas e meias moendas.
    Taixas de ferro batido e
    coado.
    Machinas de vapor.
    Rodas d'agua.
    Rodas, dentadas etc., etc.
    Ru do Brum n. 38, fund cao
    de D. W. Bouman.
    Ra da Seuzalla Nova n. 42.
    Neste estabelecimento ende-e: ta-
    chas de ferro coado libra UOrs. idem
    de Low Moor libra a 120rs.
    rs.
    a 19600.
    a 19400
    e maracas
    Arados americanos e machinas
    para lavar roupa: em casa de S. P.
    Johnston; 4 C ra da Seuzalla No?a
    u. 42.
    o melhor legume para sopa e guizado a 200 rs. a libra.
    reSUntOS lia more 0s melhores do mercado a 640 rs. a libra.
    irlaSSa de tomate das melhores qualidades era Iata3 de l libra a 700 rs., em 500
    rs, e em potes de vidro a 700 rs. cada um.
    Bolacllinlia Cl'acknel em latas com 8 e 18 librase 29500 e 4*500 e a 400>
    BalaOS franceses de diversos umanhos de 320 a 600 rs. os raaiores
    para meninos a 80 rs. cada um.
    Avelaas chegadas ltimamente a 320 rs. a libra.
    Sardinhasde Nantes a 400 rs. a uta.
    Aeita dOCe refQadO a99 a caixa e 800 rs. agarrafa,
    ArrOZ gm saceos da 5 arrobas do vermelbo a 2550o.
    LlCOreS os mais finos que ha no mercado a 19 agarrafa e 109 a duzia, tambe tamo
    para menos. ,
    Alam dos gneros annunciados encontrar o reepeitavel publica tudo qua for pertanceo-
    le a estas estabelacimentos. Os proprletarioa scUatiScam que estes procos s servirara para aquel-
    les Snrs. qua mandarem sea competente importo e todos os domis f i egMeiss da livro tenia da sajai-
    tar-w palos presos acosmmados, salvo aqualles de Im da raNj




    DlJUO b PKRSAUlCO QORTA HUL4 80 DI JOtHO DI IMS
    f
    Enfeites para senhora.
    O melhortt enfeites pretot de c6ret qut sp-
    pareee 59500, 6 e 6$500 : na loja 4a Victoria,
    na ra do Queiatad* a. 75.
    Caixinhas e cabazes para
    as meninas trazerem
    no braco.
    Hnito lindas eaiiiohaa e cabaiaa para meninas,
    d100 rea at 29500: na loja da Victoria, na ra
    do Queimado ti. 75.
    Franjas pretas com vi-
    driiho e sem elle.
    Ricos sortimeotos de franjee pretas e de cotes
    com vidrilho e seos elle : na loja da Victoria, na
    raa do Queimado n. 75.
    inhasde peso verda-
    deras..
    Liabas Oois de peso verdadeiras, meadas
    grandes a 240 ris : na ioja da Victoria, na ras
    do Queimado a. 75.
    Phosphoros de seguran^
    Phosphoros de segranos, por que livra de in-
    cendio, a 160 ris a csixa : na loja da Victoria,
    na ra do Queimado n. 75.
    Baleias para vestidos.
    Btelas maito grandes e boas a 160 ris anta
    na loja da Victoria, na ra do (.tueioindo n. 75.
    Linha de croxel para la-
    byrintho.
    As melhores lionas de croxel para labyrlntho,
    novellos monstros a 320ris um : na loja da Vic-
    toria, na raa do Queimado 75.
    Cinco tustes.
    S na loja do pavo
    Tendem-sa aedsa de qaadros, ditas da listras ae
    comprido, e ditaa da listras atravesaedas, ditss
    de qasdrinhos, sendo dos melhores padroes a de-
    llcadissimos gostos, com latgura de chita inglesa
    a 500 rs. o covado, pecbincha, a do-aa as
    amostras com penhor : na ra da Imperalrix n.
    60, loja e armaiem do pavo da Gama & Silva.
    Superiores atoalhados
    adamascado.
    Superiores atoslbado adamascado com 8 pal-
    mos de Urgra a 1J600 rs. a rara : na ra do
    Queimado p. 28, na loja da boa f
    Damasco para colxas para
    ornamentos de igreja.
    Vende-se muito superior damasco da l de
    urna so cor, muito proprio para colxaa e para
    ornamentos, com 6 palmos de largura pelo ba-
    rato preco de 28800 rs. o covado : na raa do
    Queimado n. 22, na loja da boa f.
    Verdadeira pecbincha.
    Vendem-se cortes de superior gorgurao de se-
    da pira colleles pelo baratissimo preco de 19,
    29 a 39 o corte : na ra do Queimado n. 22, na
    bem conhecida loja da boa f.
    Rival sem
    igual
    RA LARGA DO ROSARIO N. 36.
    Enfeites
    pretoa e de cores muito bons a 59.
    Sin tos.
    Slotos dourados a 19600 e 39
    Ditos filas da velludo a Ofelia de ac a 19500.
    Tesouras unas
    com pequeo toque deferrugera a 400 rs.
    Diiaa limpaa aauio bonitas a 800 rs.
    Ditss ordioarias a 30. 60, 120 e 240 rs.
    Escovas.
    Para limpar anhas a 328 e 500 rs.
    Ditss para cabello a 800 e lg.
    Ditaa para roupas a 400, 800,19 a 1 $200.
    Heias.
    Para sanboras a 2(400 a duzis.
    Ditaa para homem a 29400,2(600 e 39500;
    Flores.
    Ramos da floresarliflciaes a lge 19200.
    Colheres
    de metal proprias para o diario a 19200 a dazia.
    Ditaa da metal principe a 4(500 a duzit.
    Ditaa ditas ditss para cha a 29400 a duxia.
    Botdes
    para punho muito berjs a 120 e 160 rs.
    Sinios dourados para se-
    nhoras.
    Lindos sintos dourados pan senhorsa a 39200,
    ditos de ponts cahida a 49, ditos de Ota a 1&600:
    na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
    Ricos espeihos de
    moldura dourada pars
    salas.
    Chegoa para a loja da Victoria ama pequeDa
    porcao de ricos espeihos de varios tamaohos para
    ornamentos de salas, affianjando-ae serem os
    melhores em vidros que tem rindo : na loja da
    Victoria, na ra do Queimado d. 75.
    La para bordar,
    La maito boa da todas as cores para bordar, a
    79 a libra : na loja da Victoria, na raa do Quei-
    mado n. 75.
    Liohas do gaz*
    Csixinhas com 50 novellos de linhas maito fi-
    nas do gax a 900 ris a eiixa, ditas com 30 oo-
    Tellos a 700 ris, ditas com 10 novellot grandei
    a 700 ris, btancas eptetas: ns loja da Victoria,
    na ra do Queimado n. 75.
    Arara vende os palitos.
    Vendem-se maaaos de palitos finos com 20
    msssibbos, por 200 rs.; na ra da Imperatrix,
    oja da arara o. 56.
    Para doces seceos,
    Vendem-se maito bonitas caixinhss redondas,
    de maJaira, de diversos tamaohos, forradas de
    papis de cores, muito lindas, proprias nica-
    mente para doces seceos de qualquer qualidade,
    pelo barato preco de 4, 5 e 69 a duxia : na raa
    do Queimado, na bem coobecida loja de mtude-
    xss da boa fama o. 35.
    Para S, Joo e S. Pedro.
    Vsddem-sa caixinhas com grande porc,o de
    amendoas confeitadas, e alguos confeitos pro-
    prios para o festejo deS. Joao e S. P-dro, pelo
    barato prego de 800 rs. cada urna : na ra do
    Queimado, na bem conbecida loja de miudexas
    da boi fama n. 35.
    tara os tabaquistas,,
    Lenco muit finos s imitaqao dos de linho de
    maito bonitos padrdea e de cores Oxas muito
    proprios para as peaaoasque tomam tabaco, pilo
    barato prego de 49800 e 59500 a daxia: na ras
    doOueimodo o. 22, na bem conhecida loja da
    boa f.
    Bramante de linho.
    Vende-se mullo superior bramante de linho
    com duas varas de largura proprio para lences,
    pelo barato prego de 29400 rs. a Tara : na bem
    conhecida loja da boa f, na ra do Queimado
    n. 22
    Luvasde Jouvin.
    Vende-se luvas de pellica de Joti'in brancas,
    para senhora, ltimamente ebegadas : na loja do
    beija fl.jr, ra do Queimado n. 63- _______
    Luvos de seda.
    Vende-se Iutss de seds erjfeitadas a 1$600,
    29OOO e 292OO, ditas fio de Escossia btancas a rs.
    700. ditas de cores 600 ria, ditas de algodao a
    280 ris ; na loja do beija flor, raa do Queimado
    numero 63.
    Escovas.
    Vende-se estovas para denles finas de diversas
    qaalidades a 120,160. 320. 400 e 500 ris : ns
    loja do beijs-flnr, ra do Queimado o. 63.
    Jogo e domin.
    Vende-se jogo de domin finos a lg-200 : na
    loja do beija-flor. ra do Queimado n. 63.
    Botdes para punho.
    Vende-se botesde punho fios de diversas
    qualidades a 200 rcis o par. que tambem aervem
    para manguitos de senhota : na loja do beija flor
    ra do Queimado n. G3.
    Vendem-se caixes va-
    sios, proprios para funileiro
    e bahuleiro, a 1280 cada um :
    nesU typograpbia se dir.
    Attenefto
    para a ra do Queimado n. 43,
    esquina que volta para a
    Congregado.
    Nfata casa vende-se :
    Chita larga, a 200, 220 e 240 rs. o covado.
    Cambraia de cor muito lint, a 300 rs. o co-
    vado.
    Ditas de salplcos muito fina, 9 Taras por 49.
    Saias baldes srreodadaa, a 59.
    Ditas ditas de mutselioa a 39500, 49 e 49500.
    Meiaa casimiras para caigas a paletots, a 600
    rs. o covado.
    Veode-se muito boa letria, caixa que tem
    quasi urna arroba a 4fl000 ris: ns ra da Im-
    peralrix loja n. 6.
    Toda atiendo ao gallo vi-
    gilante, que est quei-
    mando.
    Luvas de pelica.
    As verdadeiras luvas de Juin, chegadinhaa
    no vapot franca; s bo vigilante, ra do Cres-
    po o.7.

    Para os festejos de S. Antonio
    e S. Joo.
    Trinas e galOes.
    A superior trina e volantes do Porto para ur-
    nas, oratorios oa igrejas, que se vende por me-
    nos do quo em outra qualqner parte : s no vi-
    gilante, ra do Crespo n. 7.
    Cascarritha.
    Lindas pecas de cascatrilha de todas as coras,
    pelo baratissimo preco da 18500 a peca : s no
    vigilante, ra do Crespo o. 7.
    S uadoOiieimadoD.iO'
    8 LOJA DE 4 PORTAS '
    m de
    Ferrao Maia. j
    Vende-se as seguintes fazen-
    |? das pelos baratissimos precos .
    7 abaixo mencionados :
    Capas de grosdenaple preto
    H bordado a 250.
    Manteletes de dito dito 20,
    , 25 e 300. \
    Chales de touquim bordados
    os melhores que tem appareci-
    do no mercado a 8, 10, 15, 20,
    25, 50, 40 e 50$.
    Cambraias e "hitos rancezas
    g cores seguras e lindos padroes a
    a2i0e260 rs.
    Laa aberta matisada a 320 e
    240u r.s*
    Muitas outras fazendas exis-
    J tem expostas aos compradores
    ' que segundo seus precos nao
    J deixaro de agradar.
    Libras sterlinas.
    Vendem-se no escriptorio de Haooel Ignacio
    de Oliveira & Filho : no largo do Corpo Santo
    o. 19.
    ?da-sjsj por 259 a ** tai S volumes da
    legulacao peculiar da alfaodega e mesa da ren-
    das, contando tedas oa decretos, decises, ios-
    tracc.6ee e regula mentes publicados desde 24 de
    mato a 22 de juoho de 1836 al o flm do aono
    de 1861, coma tambem a tarifa que ae acba em
    Tigor.
    E' acusado dixar a ntilidade desta obra para
    um empregado qaedeseja coohecerss obrigacoea
    que tem a cuoaprir do aierctcio do seu em prego :
    ns praga da Independencia livrsria n. 6 a 8.
    Vende-se saccas grandes de srrox de caaca
    a 35. e em caa 160 : no armazem da estrella,
    largo do Parale n 14.
    Chapeos de sol
    com bouquet para senhora.
    Entre os muitos e diversos objectos de gosto e
    phantasia que a loja da aguia branca ha recebido
    sobresaliera esses delicados e novissimos cha-
    peos deso com bouquets. Hoje que os indis-
    penssTeis balaca n9o permittem que ss senboras
    audem de braco, (az-se de eerto necessario que
    cada urna lenha o seu chapeo de sol, e que este
    corresponds so Talor, e bom gosto de um rico
    vestido de seds. E' por isso que dita loja aca-
    bs de recebercomo por amostra urna pequea
    quantidade deases bellos chapeos de sol ornados
    de finas flores o que entre tos novissimo. Na
    verdade tiles se toroam igradsveis aos olhos de
    todoz, e a senhora que os comprar pode orgu-
    Ihsr-se de seu bom gosto, so contemplar que
    triendo-o fechado figura-se-lhe um lindo bou-
    quet, e abarlo representa-se abrigada era urna
    carregada roseira, emflm at onde pode che-
    nr a pereijo meimo o cume so bom gosto.
    S e peoa que viessem lo poucos que talve
    nao cnegum para a vigeaima parle das preten-
    deote*. Cuita cada um 209 porem a senhora
    que os vir nao exitari de os dar ainda raeamo
    que seje preciso bulir n'squellas moedas de pra-
    ta que tem guardadas em sua bolsinha reservada.
    Assim pois manden) quaoto antes compra-Ios na
    raa do Queimado loja da agula branca n. 16.
    AG1HC1\
    Fundido Low-Moor,
    Ba da Sen zalla Nova n.4
    Nesie astsbelesimeDto continua a haverum
    completo sortimento da moeodas meias moen-
    das para esgenho, machinas da rapor a taixas
    de ferro batido e eoado de todos os (amanho
    para dito,
    Ra do Crespo n 7, no
    gallo vigilante.
    Nesta aova loja ha grande porcao da caixinhas
    com amendoas proprias psra brioquedo de S.
    rJoao que se vende pelo barato preco de 800 rs.
    cada urna quera deixari de dar a urna menina
    urna caixinha ; tambem tem grande por;ao de
    caixas proprias para doces secos que vende con-
    forme seus lmannos a 69, ftf e a 49 a duxia,
    amendoas avulsss a 800 a 640 rs. a libra : s no
    vigilante raa do Crespo n. 7.
    Vende-se urna escrava.
    Vende-se ana mulata de 16 annoa, poaco mais
    oa menos, bonits figura, aem deleito algum, e
    tara muito bona principios de coser, engommar
    e coxinhir ; trata-te na ra do Queimado n. 46
    toja. *
    Gomma! gomma! gomma!
    a 2,200 a arroba.
    Vende-se no armatcm de
    C, ra di Ctdeia n. 57.
    Parete Vianna &
    Manguitos com goliiuhas.
    Vende-se manguitos com gollinhas, fazenda
    muilo boa, pelo bsrato preco de 2JO0O, gollinhas
    e punbos ultimo gosto a 2j00, gollinhas muito
    finas e bem bordadas a lgOOO cada ama na raa
    do Queimado loja da miudexas da Boa fama,
    o. 35.
    Camisas bordadas e outros ob-
    jecto* necessarios para
    senhoras.
    Na loja da aguia branca acha-se m bailo sor-
    timento de bonitas camisinbas de nns cambraia
    com babadinhos e mui bonitos bordados de no-
    vse delicados desechos, ss quaes serven mui
    bem para os modernos vastidos de frente aberta
    e vendein-se pelo diminuto preco de 39 cada
    ma ; aasim como bonitos manguitos s balo com
    gollinhas de superior canbraia e fil e todos bor-
    dados, com punbos virados e esda prpela ba-
    ratisaimo preco de2J, oqae admiravel avista
    da superioridadeda obra, a bem asiiro panhos e
    gollinhas tambera bordados com bonitos botes
    a 29 a gaarnico, e gollinhas solas igualmente
    bem bordadas s 19 cada urna e manguitos a 800
    rs. o par. A vista pois de am to completo sor-
    timento nenhuma senbors deixiri de comprar
    essesnecesssrios objectos tanto mais quarito a
    commodidade dos ptecos couvida e para que to-
    dos sejam bem servidos convem que mandem
    logo comprar na loja da aguia branca ra do
    Queimado n. 16.
    Tiras e ntremelos bordados.
    Veode-e pejae de tiras bordadas de 2,500.
    3,000, 3,500 e 4,000 entremetas a I96OO e O00
    cada pega na ra do Queimado loja de miodezas
    da Boa fama, n. 35.
    Bonecas fraucezas.
    Vende-se bonecas francesas ricamente vastidaa
    49000 e S&OOO, e 21000 boneess de cera com os
    olhos n ovedeos a 2g000 e 39OOO, oa ra do Quei-
    mado loja de miudfia da Boa fama. n. 35.
    Machinas para se ater
    caf mesmo na mesa.
    A loja d'aguia branca recebeu as modernas e
    sceiadas machinas de porcellana pata se faxer
    caf mesmo na mesa, isso por um meio fcil e
    limpo, resultando afloal que o caf feilo em taes
    machinas tem um cheiro e sabor superior aofeito
    por oatra qualquer forma : vende-se na loja d'a-
    guia branca, ra do Queimado o. 16.
    Para baptisados.
    A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
    timo vapor a sua encommenda dos seguintes ob-
    jectos para baptiaados, sendo lindas touqaiohas
    de selim mui bem enfeitadas, e cada urna em
    sua caixinha, sspaliohos de aelim branco, e de
    corea ricamnote bordados, e meia de seda, o
    melhor e maia boolto posaivel. Agora, pois, os
    pais que nao quizerem esperar pela generosida-
    de das senhoras comadres, dirigirem-se logo
    munidos de dinheiro loja d'aguia branca, ra
    do Queimado n. 16, onde bem poderao comprar
    esses gslantes objectos.
    Occulos.
    Vende-se occulos finos de armarn de
    29, 19. 640 e400 ris : loja do beija flor,
    Queimado n. 63.
    50.
    ra do
    tticos sitcs dourados.
    Veode-se sintos dourados s 29, ditos de fita
    cora fivella dourada a 19500 : loja do beija Cor,
    ra do Qeeimado n. 63.
    Enfeites para cabeca.
    Vende-se requissimos enfeites para cabera com
    franja, e sem ella pelo baratissimo preco de 5fi
    e 5$000, ditos de vidtilbos a I96OO ; na loja do
    beija flor, ra do Queimado o. 63.
    Chapelinats para senhoras.
    Lindas chapelims ricamente enfeitadss, pelos
    baratissimos prego de 89 a IO9OOO.
    Ditos com pequeo toque de mofo a 69OOO: s
    no vigilante ra do Crespo n. 7.
    Touquinbas ou chapozinhos
    para enancas.
    Lindos chapozinhos para menina e menino a
    49 e 69000, ditos de feltro pelo baratissimo pre-
    go de 38000, bonetes de panno floo e ligo de fi-
    ta a 33UOO, ditos de veludo fino a 49 e 39500,
    ditos de palhinha a 3(000, touquiobas de seda
    muito lindas a 19500. ditos de tilo a 19000: s
    00 vijilante, ra do Crespo n. 7.
    Manguitos.
    Lindos manguitos com gollinha o mais uno
    que se pode encontrar, vende-se pelo baratisai
    1110 preco d* 79000, ditos sem gollinha a 19500:
    s no vigilante, rus do Crespo o. 7.
    GoUiunas de linho.
    Lindas gollinhas estampadas.............. 500
    Ditas de linho maila fina.................. 800
    Ditas pretas com ridrilho................. 29OUO
    S no vigiUnte, ru> do Crespo o. 7.
    Fazendas pretas
    superiores.
    Grosdenaple preto muito superior pelo dimi-
    nuto preco de 29 o covado, panno preto muito fi-
    no a 3, 4, 5, 6, 7 e M o covado, casemirs prela
    multo Dos a 2g. 25500, 3, 39500 a 49 o covado,
    mantas pretas de blonda muito superiores a 129,
    manteletes de superiores grosdenaples pretoa ri-
    camente bordados a 359, sobreessacas de panne
    preto muito fino a 309, casacas tambem de panne
    preto muito fino a 309, paletots de panno prete
    Qno a 18 e 209, ditos de casemira de cor mes-
    ciada a I89, superiores gravatinhas estreitaa a
    19, ditas de selim maco a de gorgurao muito su-
    periores para daaa voltas a 29, ditss eslreilinhsi
    cora lindos alnetes a 29, supetior gorgurao pre-
    to para colleles a 49 o corte, ricos nfeites pretoa
    a 69, e assim outraa muitos fszendas que sendo 1
    dinheiro i vista, Tendem-se por presos muito ba-
    ratos : na ra do Queimado n. 22. na bem conhe-
    cida loja da boa f.
    Meias.
    Carteiras.
    Veode-ee ricas carteiras psra geardar dinheiro
    da ouro a prata a 29000. 2(500, 19000, 1fl280 e
    I950O na loja do beija flor : ra do Queimado
    camero 63.
    Rosas artificiaes para cabello;
    A.L. B. F. teodo recebido um variado sorti-
    nento de bonitas rosas que se eslao usando pars
    aballo*, e de panooa com folha de velludo, ditaa
    % papel toda a, as mais ricas que se pode eneoo-
    jj-ar ven.ie-sa na ra do Queimado n. 63, loja
    ,doja flor.
    Grande sortimento de meias tsnto psra homem
    como para senhora, sendo de homem a I98OO e
    2(00. e finos a 28800, ditas de fio de Escocia s
    59000 a dazia, ditaa para menina a 29400, ditas
    para menino a 29000: s no vigilante, roa do
    Crespo n. 7.
    Perolas falcas
    *
    ou aljfar de fina quelidade.
    A loja da aguia branca acaba de receber um
    novo sortimento de superior aljfar branco ou
    perolas (algas o qual por sua petfeicao difficil-
    mente se distingue das perolas verdadeiras e ser-
    vem elles por sus extraordinaria grandeza para
    asgargantilhas que presentemente eato em mo-
    da e mesmo para outros enfeites e como seropre
    vendem-te commodamente a 19, 1(200 e 1(500
    o fio: isso na ra do Queimado loja da aguia
    branca n. 16.
    A loja da gguia
    branca ra do Queimado n. 16
    Acaba da receber os precisos objectos seguin-
    tes :
    Aspss de balis grandes e pequsnss.
    Fita com colxetes branca, parda e preta.
    Dita de la para debruar vestidos de cores.
    Traocinha de carscol miado conhecida por bom
    tora.
    Alfinetes pretos e brancos em caixinhas.
    Ag"^a imperiaes fundo doarado.
    victoria em ctixinhaa e papis.
    Re 'zpteto fioo em csrreteis grandes:
    \
    Aliento
    Fivelas de ac para sintos.
    Vende-ae Arelas da ac pars sioto a 19500 r*. e
    29OOO na ra do Queimado loja de miudazas
    da Roa fama. n. 35.
    Baleias.
    Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
    para balo a 160 rs. a vara, bandees a 19500 rs. e
    C00 o par, na ra do Queimado loja de miudezas
    da Boa fama, n. 35.
    Jascarilbas de seda.
    Superior vinho do Collares
    Esta excellente pinga que tem sido apreciada
    por todoa vende-se em barris de quinto : na ar-
    mazem da ra do Vigario n. 7.
    Vende-se cascarrilhaa
    vestidos a 29000 a pega
    loja de miudezas. n. 35.
    da seds para enfeitar
    na ra do Queimado
    Meias ae borracha.
    Vande-se meias de borracha psraquam padece
    de erysipela a 159000 o par, meias de seda preta
    para senhora a 1(000 o par na ra do Queimado
    loja de mludeza' da Boa fama, n. 35.
    B9VIBM:
    NO
    Torrador.
    8Largo do TergoiS
    Mantelga inglesa flor s 800 e 960 rs. a libra,
    dita franceza a 640 rs., banba de porto a 400 rs.
    a lifcra. maesas muito linas para sopa a 400 rs. a'
    libra, queijos do reino a 29,ditosdo ssrto a 560
    rs.a libra,ser veja dss melhores marcas a 500 rs. a
    garrafa, sardinhas de Nantes a 400 rs., toucinho
    a 320 rs bolachinba fngleza a 32 ti. a libra,
    aisim como se vende ouiros muitos gneros ba-
    ratissimos, passas a 400 rs. a libra, to maito
    novas, e se alguem duvdar venha ver no Torri-
    dor largo do Terco n. 23.
    Gramposabalo
    com pendentes dourados.
    A loja d'aguia branca contina na recepgao de-
    objectos do ultimo gosto, e por isso acaba de des-
    pachar vindo pelo ultimo vapor esses delicados
    e novissimos grampos de bonitas cores com pen-
    dentes dourados o que de mais delicado se pode
    encontrar. Essa loja como geralmente sabido,
    tem sempre em vistas a commodidade desasa
    boas freguezias e por isso tem retolvido vrnder
    esses galantes enfeites a 29 e 39 o par, o que na
    realidade muito mais valem. Convm pois que
    a vista da limitaco do prego a senhora que com-
    prar um ou mais pares, nao se demore era par-
    ticipar as suas boas viiinhas e intimas amigas de
    collegio, para que as emiltem no stu apurado
    gosto, e mandem logo comprar outros pares ns
    loja de sua affeigo : que a d'aguia branca, ra
    do Queimado n. 16.
    A 2#500,s o pavo.
    Vendem-se cortes de cambraia branca com 2 a
    3 baados a 29500, ditos de tsrlatsna brancos e
    da cores, com barras o babados a 39: na ra
    da lmperalriz n. 60, loja a armazem do pavo de
    Gama & Silva.
    af> barateiro que est
    queimando.
    de-se maoteiga ingleza da superior qaali-
    a 720 e 800 r. a libra, dita franceza a 640
    re. a libra, cba hyaom muilo superior qua-
    2$880 e 3&200 a libra, toucinho de Lis-
    da '
    fid'
    b .ito superior a 320 rs. a libra, arroz a 120
    J i libra, aletrla 320 e 400 rs. maito superior,
    matarro a 320 e 360 a libra, vinagre de Lisboa
    muito superior a 320 e 360 rs. a gcrrsfa, arroz do
    Maranho a 120 e 140 a libra, axeite doce de Lis-
    boa de primeira qualidade s 750 e 800 rs. a gar-
    rafa, dito de earrspato a 360 a garrafa, charutos
    varetas muito finos a 20 rs. faxendo-se differenga
    em caixa vinhos muito superiores a 560 ,
    a 640 e 800 rs. a garrafa, e ootros muitos mais
    generes, que avista dos compradores se vende-
    rao por menos do que em outra qualqner parte :
    na ra do Nogueira n. 49.
    VENDA
    A. J. de Helio tem dividido o seu sitio da Pss-
    sagem da Magdalena entre as duas pontee, o qual
    tem na frente, entre estas, decenios palmos, eoa
    outra frente de aul i norte quinhenlos palmos,
    olhando esta para o ateante. Esta superficie,
    edificando-se em ambas as frentes, contera deze-
    seis lotes de trinta palmos de frente e duzeotos
    de fundo, e sobram alguna palmos ; e dndose
    a cada lote menos frente e fundo, como cabi-
    vel, crescem os lotes, e por conseauinte os pre-
    dios que se queiram edificar. Urna frente de
    quinhenlos palmos olhando para onascenle, fres-
    ca tarde, com dous portes, o do Rio, e o da
    Camba batanle perto, sao vanlagens que se nao
    encontrara em outra alguma parte. Est mura-
    do quasi todo, com porto de ferro e gradara,
    casa pequea, toas commoda, qae precisa concer-
    t. Fax-se todo o negocio com o total sitie, ou
    com alguna Jotes, e recebe-se al algum pr^tio
    por coota. Se algum capital dos perdidos nac/ra-
    mandils se livesse empregado oa compra e edi-
    ficaco destes terrenos (tantas vexes annuncis-
    dos) os compradores eatariam hoje gozando de
    ama renda e cantando glories com os seus capi-
    aets seguros.
    Batatas novaa
    Tergo o. 23.
    Batatas .
    60 rs. a libra
    no largo do
    Candieiros do gaz.
    Chegoa pars a loja da Victoria os melhores
    candieiros do gaz, que tem vindo ao mercado,
    por prec.08 commodos : na ra do Queimado
    a. 51
    (Miados.
    Machinas americanas.
    EmcasadeN. O. Bieber & Q., aiccesiores,
    ra da Crut n. 4, veodera-te :
    Machinas para regar borlas e capim.
    Ditas para descarocar milho.
    Ditaa para cortar capim.
    ISelins com pertenoea a 109 e 205.
    Obras de metal principe prsteadas.
    Alcatro da Suecia.
    Veroiz de alcatro para navios.
    Salsa parrilhade primeira qualidade do Para.
    Vinho Xerez de 1836 em caixas de 1 dnzia.
    Cognac em caixas de 1 duxia.
    Aradoa e grades.
    Brilhsntes
    Carrocas petjuenas._______^___________
    Vendem-se oltados pintados de lindas vistsa a
    paisagens, larguras de 6, 7, 8 a 9 palmos, pro-
    prios para mesa de jantara 29 o covado : na ra
    da lmperalriz, loja n. 20.
    Ra da Senzalia Nova n. 42
    Vende-se em casa da S. P. Jonhston & C,
    sellins e silhoes ingiero, candieiros e castijaes
    bromeados, lonas ingieras, fio de Wltf ehicotes
    paTa csrros e montera, arreios para earros de
    um a dous cavtUos, a relogtoi de onro piUnta
    iagl.
    Grande sorment de
    camas da ferro ptra ama a deas petsoas, ditss
    pequeas para criangas e bergos, tanto de ferro
    balido como fundido, dos mais lindos modelos e
    ludo se vende por um prego muito em conla :
    na ra da Imoeratrlz n. 75.
    Eageuho.
    Vendem-se duas psrtes perteocentes a don
    hsrdeiroa da propriedsde Hachado, em que est
    levantado o engeoho Pootable, junto a estago
    de Gameleira, e ni ilo boas trras a tratar no
    eogenbo Brago do Meio, com Camillo Francisco
    de Lyra Cavalcanti ou nests cidade com Antonio
    Gomes da Canha e Silva : na ra da Csdeia do
    Recife, n. 50.
    Superior cal de Lisboa.
    Vende-se superior cal de Lisboa ebegada lti-
    mamente, por pregot muito maia commodos do
    que em oatra qualquer parle : no antigo a acre-
    ditado deposito da ra do Bruro n. 66.
    Para liquidaco troca-se
    por preco barato um sanc-
    tuario com as respectivas
    imagens e mais as seguintes:
    de Sant'Anna, S. Joaqum, S
    Jos, S. Antonio, e do Menino
    Jess; na ra do Vigario n
    9, primeiro andar.
    Urna coche ira impoitante a venda.
    Na ra do Imperador n. IX existe urna co-
    cheira que pela sua posigao e commodidade a
    melhor desta cidade, com a qual se faz todo o
    negocio ou com cavalloa e carroa todos notos ou
    sem elles, e a mesma se acha livre de impostos
    atraaados; tambera se inclueno mesmo negocio
    com permisso da seu dono a melhor vacca tou-
    rina que tem vindo a esta Ierra ; a tratar na dita
    casa a qualquer hora.
    Veude-se urna loja de alfaiaucom armagn
    e seus oerteoces ; a tratar na ra Direita n. 43.
    Vende-se um ptimo sobrado de um an-
    dar e soto, em chaos proprio*. com duas fren-
    tes, com tres portas em cada frente, varaoda de
    ferro tods envidracada at oae trapairaa ; os pre-
    tenderes entendaos ae com Verfssimo Antonio
    de Mallos, na ra Aucuate ri. 65.
    Perfumaras muito tinas e
    baratas.
    Opiata ingleza a 19500 rs, dita francesa a 500
    rs., 640, 19000, oleo da sociedada hygitnique
    verdadeiro a 19C00 o frasco, oleo babosa de Piver
    verdadeiro a 800 rs. o frasco, sgus bslssmics
    para os denles a IcOO, dita de Botot tambem
    para os denles a 1$000 o frasco, pomada france-
    za em paos a 500 rs. e IgoOO, 320 rs. sabonetas
    muito fino a 640 rs.. 800rs. e I9OOO cada um na
    ra do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
    n. 35.
    mM
    das seis portas em irente do
    Livramento. 15,20,30 e 40
    arcos.
    Grande sortimento de ssiss a balo de arcos,
    os melhores que aqui tem apparecido no merca-
    do a 49500, 59, 63 e 69500 cada um, di te para
    amostra cora penhor ; a loja est aberta al aa9
    horas da noiie.
    Vende-te ama preta boa quiiaodeira, tam-
    bem se tioca por outra que seja cosinbeira e de
    meia idade : na roa nova de Santa Rita n. 65.
    Cal e potassa.
    Vendem-se estes dous ar-
    tigos ltimamente chegados,
    no bem conhecido e acredita-
    do deposito da ra da Cadeia
    do Recife n. 12, mais barato
    do que em outra qualquer
    parte.
    Para noivas.
    Botinas de setim branco, chegadts de novo, as-
    Potassa da Kossia
    Vende-se em casa deN. O Bieber 4
    C, successores. ra da Cruz n. 4.
    Cocheira venda.
    Vende-te a cocheira da roa do Imperador n.
    25, com dous carros, um cabriolet e onze caval-
    los boas para carto, e muilo afreguezada: a tra-
    tar na ra do Crespo n. 14.
    Vende se urna eacrava e '28 a 30aunos de
    idade, boa veudedeira de ra, sem virio, sabe
    ensahoar e lava de varellt, e faz o mais svrvigo
    de cata : quero a pretender dirija-te a ra da
    Penha n. 3, 1* andar.
    Potassa da tiussia
    e Americana.
    No escrlptorio de Manoel Ignacio de Oliveirs &
    Filho, largo do Corpo Santo n. 19, por prego
    mais barato do que era outra qualquer parle.
    fscravos f ag co*.
    Est fegido detde 11 do correte mez de ju-
    sim como perfumaras das mais finas que tem | lbo, o esetavo pardo, Ricardo, boleeito e carro-
    sin^o : na loja do vapor ra Nova n. 7.
    Agua de colonia ambria-
    da esem o ser.
    Esss eslimada agua de colonia embreada, da
    que tantos a tanto lempo sentem s falta, acaba
    de ebegar em bonitos frascos verdes, os quaes se
    etto vendando a 19500 cada um ; assim como
    chegou igualmente um granbe sortimento ds
    verdadeira agua de colonia de Piver em frascos
    e garraliuhas de differeutes tsmanhos, tudo is-
    so na ra do Queimado, loja da aguia bran-
    ca n. 16.
    ceiro, bem conhecido nests prac.a e eus arre-
    baldes ; representa ler ib annos de idade, bai-
    xo e magro, tem cabellos carapinhos tsspado de
    pouco lempo na cadeia, onde esleve por causa
    de estar fgido, tem pouca barba e falta de denles
    na frente, rosto comprldo e olhos redondos ; ten
    sido encontrado ni Capunga, e Oliuda anda va-
    diaodo e jogaodo com mais de 209 quelevou:
    quera o spptehender e levar a casa deseusanhor
    l oa Passagem da Magdaleoa que seti generosa
    mente recompemado.
    Antonio Valentim da Silva Barroca.
    Acba-ae venda no escnpteriu de Antoni
    Luis de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1
    a obra escripia pelo vitconde de Urugusy.Eosaio
    Sobre o Direito Administrativo ; deizamos Fe te-
    cer elogios a esta obra, basta o nome de aeu au-
    tor psra a tomar recommeodada. dnoa volumea
    em brochara 109, encadenado 12.
    A verdadeira essencia de ail
    para engommado.
    d'aguia branca.
    Acaba de chegar para
    raa do Queimado n. 16.
    a loja
    Acaba de ebegar para a
    loja d'aguia branca, ra do
    Queimado n 16.
    Pos de arroz com noneca em bonitos vasos dou-
    rados.
    Ditos dito sem boneca em pacotes.
    Agua balsmica para conservarlo dos denles e
    bom balito da bocea.
    Opiata ingleza para atvejar os denles.
    Leile virginal cuja utilidade reconhteida para
    tirar sardas.
    Vmagre aromtico para quem soffro de tontices
    e dor de cabera.
    Paslilhas de cheiro para se perfumar spotentot.
    Aiada pecbincha
    Na ra do Crespo loja de
    4 portas n. 8.
    Pecas de madapolao largo muito fino
    com pequeo toque de arara sendo fa-
    zenda iimpa de 6$500 vende-se por 5"
    a peca, ditas de dito mais baixo tam-
    bem por 4#500.
    eteravoa pecas um com
    do autor |17 annoa e ou tro com 85 : na travesea da Uadre |
    ppareihos de porcellana dou-
    rada para cha de bonecas.
    A loja da agua branca desejando que todos
    fseam a vontade a suas bellas meninas est ven-
    deodo commodamente esses bonitos apparelhoa
    de porcellana dourada, e pintada a 19500 e 2$,
    tendo cada um 6 casares de chicaras, e os mais
    pertences, a vista do quo todoa iro (manidos de
    dioheiro) para compra-Ios na ra do Queimado
    o. 16.
    Bonitos paliteiros de porcel-
    lana dourada.
    Agora ninguem deizar mais de ler am aua
    mesa um bonito palitelro de porcellana dourada
    pois que elles se esto vendendo a 19 e 19500
    oa loja da gala branca n. 16.
    Bolina japoneza e outras mui-
    tas novas perfumaras.
    A loja da aguia branca acaba de despachsr, de
    sus encommenda um grande e bello sortimento
    da finas perfumante dos mais afamados fabri-
    cantes, sendo as bem conbecidas e preciadas
    banhas, japoneza, traoaparente, philocome im-
    perial em bonitos copiohoa com lampa de metal,
    dita noa copos grandes, dita em compoteiras li-
    sas e lapidadas, leos de babosa, philocome e
    Lubio, pomadas ou cosmesliques, finos extractos
    dos preciosos eescolhidos cbeiros Jackey-Club,
    mil flores, miel da Inglaterra Harechal, frineipe
    Alberto, George IV, ele. etc. Recommeoda-se a
    todas ss senhoras de bom gosto o uso de qualquer
    desses estimsdos extractos porque aquella que
    em ama sociedade, Ihealro, ou baile esliver com
    sau fino len^o orvalbado de to sublimes aromas
    lera por certo o prtzer de ver as suas visinhas
    da direita e esquerda Ihe rendendo bomensgem,
    pergantarem donna F. onde comprou etae to
    agradase! chairo T E ella orgulhoaa de seu bom
    gosto, mas com ar prazenteiro Ihe responder:
    na ruado Queimado loja da agua branca nume-
    ro 16.
    fugio oe caan ao abuzo aaaignadu o aeu es-
    cravo Eufrasio, preto, idade 35 anno9. eslura
    baixa, e tsm por tigoal um pequeo lobinho ci-
    ma da tobrancelha, tem sido visto nesta cidade
    pela ra Direita, aterro dos Affogados, povoac.o
    dette nome, e pela Sole4ade : qutm o apprehen-
    der leve-oa rus da Imperatriz n. 42, quesera
    bem recompensado.
    Manoel Alves Guerra.
    Fugio oe Olioda no mez prximo pastado
    um escravo de nome Domingos, de na;o, com
    os sigoaes seguintes: boa allura,secco do corpo,
    olhos vesgot, falla muilo submissa, principal-
    mente quando est bebado, o que de cosame ;
    levou camiaa de algodao liatrado de azul aberta
    na frente, chapeo de palha velho : quera o pe-
    gar leve-o ra de Santa Thereza em Olinda,
    segundo sobrado, que ser gratificado com gene-
    roaiita'le.
    200S de gratificado
    a quera pegar o pardo Francisco, de 17 annos
    de idade, de bonita figura, com todos os denles,
    cabellos carapinhos e ruivos, este pardo foi do
    Sr. Dr. Borgesds Fonseca, o qual viajou com a
    mesmo sennor lodo o serto e suburbios desta
    provincia, necesaaiiamente quando era seu ei-
    cravo, e talvez aiods se inculque a servico do
    mesmo: quera o pegsr queira entrega lo a se*
    legitimo dono na rus do Uoapirio n. 6.
    Ignacio Luiz de B'ilo Tabarra.
    Papel amisade branco e de
    Cf-res.
    Vende-sa pacotes com 100 folhas de papel ami-
    sade branco a de cores s 800 e 640 cada pacote :
    na ra do Qaeimado loja da aguia branca na-
    muro 16.
    Venden -se dou
    Vendem-se tachaa de ferro cuado do autor |t7 annoa e oulro com
    mais acreditado : na ras do B-um armazem de d Deu 13, a Iraiar. com Jos Joaquina Das monta qualquer.
    ssucti de Jos da Silva Loyo ti C, f emsode. i P"l" "' I
    Vende-se ura escravo de bonita tlgura, mui-
    to sadio, moi,o e muito robusto, perfeilo tanoei-
    ro, faz qualquer obra teodanle a sua profhsio, e
    . dlstilsco por ter disso multa
    do caes do Ramos a* 2,
    i
    MUTILADO
    Gratihcao SOS
    O abtixo essignado declara pelo presente an-
    nuoclo que em dsta de 18 do mez de julho cor-
    rente, ausenlou-se de seu poder o seu escravo
    de nome Francisco, que de ordinario e conheci-
    do por Francisco Pacheco, com os sigoses seguin-
    tes : altura regalar, corpo reforjado, rosto re-
    dondo, olhoa acastanbados, nariz chato, orelhat
    pequeas, sem barba, bocea pequea, cabellos ca-
    rapinhos ; lavando em si esmisa branca de al-
    godiozinho e calca de panno azul da algodao, ja
    alguma eousa trapilha, cuio escravo natural de
    Goianna, e julga-ae ou prasame-se que ello re-
    fugiou-se dentro detta mesma cidade, oa em al-
    gum dos arrabaldes da mesma, ou eoto seguira
    seu deatioo psra Goiaons, ioUtultndo-se por for-
    ro ou liberto, segaiodo tal vez para alli por trra
    ou em alguma bateaba; notando-se que ease es-
    cravo astas ladino: portento recomienda-te
    s todas autondadea policiaes, capitea de campo
    e ao registro do porto, qua a terem conhecimestto
    do dito escravo de o capturar e leva-lo a praeu
    da Coa -Vala o. 22, ou ento em seu sillo no Cam-
    po-Verde, que receberlo a gratifleaso aapprs,
    aem perda de tempo. _
    Joaqun Ignacio Ribeiro Juolor.


    8
    DIARIO M PEWUMBUCO. # QUARTA FURA 30 DI "JLh'O DE 1881.
    Liiteratura
    =
    ?
    . 0 vampiro do Vale da Graca.
    CAPITULO VIL
    (Continuago.)
    O anima, que a lulo elava, loraava beca des-
    culpave, seu d-'STiu. seu erro de ie amaretn e
    se verem, apesar de sbus paes, apesar do uni-
    verso inluiro. Quera oo caria desarmado pnr
    lano herosmo os pa.xao, (aula aboegeco no
    meio. do perigos; quem nao perdoatia a este
    amor, quc-^arecia aer o ultimo que ficra sobre
    a Ierra neili hora em que o mundo material pa-
    reca abismar-se na perl.ubago Dsica. o o mun-
    do moral na confusao das opiniei polticas, e
    que pareca tocar a seu fim?
    Ourm nao perdoaria ? Digamos.
    Ouus pessoas entretanto nao perdraram, ellas
    TPpresentavam urca o orgulho tendido, oulra o
    JDatismo; eram implacaveis. Eram o Dr. Ka-
    ii I e sua mulher. Este especlacuio de sus Iilha
    enlregje a Cesar desperlou em madama Kanali
    todas as suas superstigoes e crengai dos vampi-
    ros, dos duende, e de todos os seres sobrenatu-
    ral*, uos quaes tantos poros do Oriente crram.
    Cieem, e erario sempre.
    Sim, e-, raurmu-ou em voz baila roa-
    dJoia h.auali apenando com tren or visivel o bra-
    50 Se seu imndo ; elle. ; 0 eterno perseguidor
    fla nossa familia, o demonio que perseguiu suc-
    cessivamenle a minha me, e a mim ; a minha
    niae sob o nomo de Bem-StrorabolJ, e a mim sob
    O de Kosenihul. Persegue agora em Franca a
    riossa querida iilha aob o da Cesar Casanova.
    bim, ia^ora a vez de nossa Clha
    las circunstancias, que ello devia
    apporeceu I
    O que veiu dar as palavras de madama Kanali
    um lom quasi prophelico e que trouxe o desfe-
    cho desla scena, [jram as palavras dos dous
    amantes.
    Vou refer-Isa taes quaes ouv-as :
    Mariha, eslaes bem rcsolvila?
    8iiB, meu amigo.
    Coosenles en seguir-me, querida Mariha?
    Sim, e para qualquer parle onde te agra-
    dar levar-rce.
    Por toda a parle ?
    Por toda a parte.
    It flecte ; nao o lastimars um
    Nao, ,
    Raclamavam de tal forma ate gabinete, qte, ra junto do leito oda ea deporera Jlo Paul nellaa olo tem rotulas, pareeera ter sido deapo-
    le-lo-biam dado, ereio, >e Cesar estivesse ver- Desormeaux : jadas del las depoia de um essallo, oa por um fe-
    dadeiramente doente. Porm elle nao estafa O senbor bem sabe, prosegua elle deslg-
    mais ahi, soubs iproveitar-ae da confusao, para naodo-me o celebre clubista, a impressio geral
    fugir com toda a rapidez, de pezar e de dores que rae haver com a desap-
    Etoo certo, que eu somante ouvi as ultimas paricao to imprevista deste homem lio popular
    palarras que elle disse ao fugir : Nao pude em Parla.
    leva-la em vida, virei busca-la depoisde morto. Pens como o senhor, que a dor e o pezar
    Vi o depoisganhar apressadamente a extremi- causados pela sua morte aeroimmenaas em Pa-
    dadeda sala, e a eseada por onde deiappsre- ra, porm urna desgreg* irremediavel.
    ceu. Oh I nao inteiranienle irremediavel.
    Qie signiGcagao dar agora a esta ameaca de Olbel para M. Kanali com o mesmo aentimen-
    Cosar, a nao crermos como mslaraa Kanali noa lo de discripgo que elie putera em insinuar-me
    ultima (rase.
    1 -
    vampiros. Virei busca-la depois de morto.
    CAPITULO VIII.
    ; e aqui, ues-
    apparecer, e
    dia?
    qua acontecer, nao me amalJi-
    Acontega o
    (oars ?
    Nunca.
    Loto, cumpra-se nosso destino! A favor
    da tempestada vamos deixar esta casa ; afastar-
    nos ae 1'aiis alravcz da obscuridad?, e uoir-nos
    para sempre.
    Seja moa unidos para sempre. Someote a
    Diorte poder separar-nos.
    Nem a
    apellan lo co
    eos a Iilha d
    Fui ouvjndo este voto to solemne que mada-
    ma Kanali deu um grito de terror, e apperecou a
    sua Iilha e juelle que lbe fallava de serem uni-
    dos al alm do tmulo. Muito perturbado, po-
    rem menos conveucido que sua mulher sobre os
    vampiros, o doutor tomou sua Qlha pelo braco e|
    levou-a para seu quarto dizendo-lhe que sabia !
    finalmente por que ella desejava tanto fazer-se
    irmaa oe cardade. Madama Kanali seguiu-os.
    Nao tenho necessidade de dizer-vos qua Cesar'
    nao apresenlafa symptoma algum do mal que pre !
    lexija pata chi'gar al roademoisella Mariha ;
    algutl symptoma, a nao ser um mdo lerrivel de:
    achar-se em til lugar; e este medo, e esta au-
    sencia de qualquer molestia que tornaram o cas-'
    ligo que elle ia receber do pae de Mariha, de
    urna onginaliiade la burlesca como comovenle.
    Eis qualjoi esto castigo.
    Dapois que Mr. Kanali levou sua filha para aeu
    quarto, voltou para oode ficra Cesar entorpeci-
    do peb sorpreza, e onde eu estiva ainda admi-
    rado ; elle disse a do^s internos que o accompa-
    nhavam, tomando pata com elles o tom e a au-
    toridale de uro. doutrjr, empregali na casa, bem
    qua nao perlentesse ao estsbelecimento.
    Este mancebo est
    O homem doenlu que viera para tomar o lu-
    gar de Cesar Caaaoofa fot trazido em urna pedi-
    la por muitas pessoas Inquiotas, muito agitadas,
    e trales sobre ludo como se livessem soffrido
    urna mesma inelicidade de familia. Seu grao-
    de numero a principio ndmirou-rce. Como, em
    imilhanle noute, e a tal hora, se acbavam reu-
    nidas tintas pessoas ? Admirei-me em segundo
    lugar por esla part cularidade nao meos singu-
    lar ; todas estas pessoas cooheciem -se.
    O baralho produzido pela sua entrada na sala,
    lando apasiguado um pouco, procurei obtor de
    um dellus alguos osclarecimentos ; sube que a
    pessoa, ou para melhor dizer, o persooagem que
    acabava de ser transportado para o nosso hospi-
    tal, escoltado por tantas smpalbias, era um ce-
    lebre clubista da salla Marte! ; o orador oais
    segaido, mais applaudido, e mais popular.
    Nao se conheceria a exacta sigoificacao deslss
    palavras: orador, clubista, *ala ilartet, se se
    esquecessem quo estavamos em 1849, pouco
    mais ou menos em repblica, na poca em que
    os clubs estavam em voga, e em que por con-
    sequencia os oradores preocupavarn muito a al-
    lencao universal, liubam seus saccessos, sua
    clientella, e ir.ilueocia muitas vezes temivel.
    Entre estes clubs o mais celebre de ha mnito,
    o nico deque anda hoje se lembram, era o da
    sala Marte!, colloc&do a pouca distancia do nos-
    so hospital.
    Ahi, onde se agitavam e discutiam as mais
    calorosas queats da poltica e pnilosophia so-
    cial ; agitavam-sa to Lilemente que algumas
    vezes davam-se murros na tribuna quando se es-
    lava orando.
    Ora, nosso persooagem, fdra atacado da epi-
    i demia em urna destas sesses oratorias, e no
    meio de seus admiradores da sala Marlel ; elle
    ! eslava seriamente doente.
    | Nao era urna repitico da scena de Cezar Ca-
    | sanova. Atacado no meio de 8eu triumpho.seus
    1 amigos apressaram-se a traze lo para nosso hos-
    i pital, onde elle chegou em um estado baataute
    grave.
    A elrvecencia das paixoes produzia casos qua-
    si sempre iocuraveis, edirseram-me com effei-
    to, que lora em urna questo em que o orador
    a tnorte a~enan.r no. h a;.a r^.. I aDusara de 8UJS torcas, levado pelo calor da pa-
    MoSto! a U.d 'a'em s usb ?! Vdo dfmal^A ZZ' SS ff" "0tt" ^
    o doutor A espada embebida no veneno in-
    diano havia-o atravessado, em quanto elle lan-
    cava urna replica animada a seus adversarios.
    Depois da notavel figura de Cezar, nunca vi
    typn to correcto e to bello com o do orador da
    sala Marlel. Era um homem de trinta e cinco
    a quarenta aonos, Sua cabelleira prels, muito
    comprida, enlo era moda republicana traze-la
    assim, cahia-lhe Sobre seu pescogo de admira-
    vel alvura ; a barba egualmenle preta, termina-
    va em pona, a mneira dos reis de Babylonia,
    sobre seu peito de um de.senvolvimento slnetico ;
    e, na verdade os oradores nao sao tambem atle-
    tas?
    Tar-ae-hia crido ver um dos jovens Strapas
    da collossalcidade bblica, cidade sahida em um
    dia das cinzas para se nos mostrar expressameu-
    Is mais bela que a Grecia, mais elegante que
    Alhenas, e sobretudo usis perto da grandeza idei-
    al dos lemiJeuses. Nada mais leroo e magasto-
    so ao mesmo lempo que seu olhar aioda queja
    bem amortecido pelo ra.al cujas dores atrozes
    elle suporlava heroicamente. Seu retrato con-
    servou-se em lembraca de alguos de aeus con-
    temporneos. Goaou da popularilade, enfeliz-
    mente lo epliemera, da protografia de circums-
    lancia.
    Anda qae a lembranc,a de seu nome esteja hoje
    . um tanto perdida como a de aeu rosto, nao o
    favor de examina lo. escrevrei em toda a sua infegridade. Nao se
    >>nhorl exclamou Cesar admirado, ha er-|sabe a quem se pode offender, mesmo louvaudo-
    10, eu vim aqui para... se, quaado se toca no passado sempre do loroso
    Esta muito doente, vejam, j seu cerebro de nossas discordias civis. S direi pouca cousa
    muito doente. Fac,am
    perturbado nao tem mus coosciencla do que fez.
    Seohores, aCQraao-lhes que nao estou doen-
    te ; vim aqui para ..
    Cnolera fulminante I continuou o doutor;
    enm a mo sobre o leito de Cesar; cholera ful-
    minante I
    Porem, senhor, exclamou ainda Cesar, mul-
    to BRitao por esta ameaga que ihe dava urna
    molestia to horrivel para elle, repito-lhe que
    nada tenho, e vim para...
    Caimbra iocessanle ; vejam, replicou obsti-
    nadamente o doutor, o seu corpo est todo cris-
    pado.
    Porem, senhor, eu nao experimento caim-
    bra alguma, e na verdade...
    l-'acjs encovadas I
    Eu nao tenho faces encovadas.
    Nao interronipa a deflnicao do pae da me-
    dicina 1
    Ainda quando ella fosse o av da medicina,
    O senhor nao me provaria...
    Kanali replicn com auloridade :
    Pollo secca ou coberta de um suor fri ;
    olhos encovados, nariz afilado.
    Porem meu nariz...
    Pego-lhe quo oio interrompa o divino Ilyp-
    pocratss ; nariz afilado, faces encovadas, orelhas
    has, labios descorados, e l.viJos. Ilypocrates
    ilion.
    Eu fallaroi tambem 1
    Cile-se, senhor. Nolem ainda, senhores,
    continuou o doutor, dirigiodo-se aos dous inter-
    nos, nolm ainda,jiagooslico magnifico 1 que
    elle tem a cornea opaca.
    -Eu?...
    O senhor tem a cornea opaca.
    Sim, elle tem a cornea opaca, disaeram os
    dous internos, por imitaco.
    AITirmo-lhes, aenhores...
    D'aqui ha powco appareccro os desmaios.
    Cesr exasperado, levantou os bracos para o
    cu, murmurando: desmaios 1
    Desmaios, repetiu Kanali. Falta de animo ;
    perds instantnea de movimento e dos sentidos.
    i
    acerca de seu nome.
    Suppoohamos que ella se chamava Joo Pau-
    lo Desormeaux, esta alteraco em aeu nome nao
    lorua-lo-ha obscura, v se, quo a Sua origam
    nobiliaria nao ae oceultava, previlegio que nao
    obstara sua popularidade.
    Aseu immenso talento oratorio, elle junlava
    quaiidades de urna extraordinaria humaoidade.
    Possuindo .alguma fortuna, s guardara o que
    Ihe era necessario para viver em urna pequea
    sala doarrabalde S. Marlinbo. O resto perlera-
    ca aos pobres de cuja sade elle tambem cuida-
    va, porque estudra para medico, e exercera esta
    proGsso no Brasil.
    lsto leva-me a dizer-vos que nao ae deixou 11-
    ludir por esperaoga alguma logo que fui atacado
    pela epidemia, e provou-nos islo com um so-
    cege adroiravel qae poude oteupar-se de aua ai-
    tuaco som afu>gir >s pessoas qoe o tioham ae-
    companhado ao nosso hospital.
    nanlo elles partiram, e Deus sabe qjautas
    vezes elles voltaram aeabeca para trnalo a ver
    entes de o deixarem, elle disse ao doutor Nivl-
    re, qae interrogava om sua infallivel experien-
    cia a marcha de seu pulso ; e examinava ao
    mesmo lempo o grao de coolraccao de suas pu-
    pillas :
    < Nada me salvar, doutor ; porm ae o se-
    nhor quizer, eu posso soffrer menos do qaa se
    sotfre de ordinario no estado em que me acho.a
    Mande dar-me um banbo, e diga que me
    deixem escrever em paz os meua ltimos pensa-
    melos em favor do povo. Foisatiseito imme-
    diatamente. Deram-lhe o banho, e elle escreveu
    durante duas horas como se nada sentase. Era
    Qrme como um romano, As dorea acommet-
    tiam-no cruelmente : na terceira hora foram
    maia atrozes ; algumas vezes as caimbras eram
    lo violentas e lo intoleraveis que o papel e o
    lapis cahiam-lhe da mo. Experimeotou mui-
    tas vezes por grandes esforcos de vontade conti-
    nuar seu trabalho. Porm ao amanhecer sua
    cabeci enfraqueceu, encostou-se fraco e desfal-
    bem que anda coolinuem a reapiracio e a circu-1 lecido a beira dobanheiro, e todo seu corpo des-
    laco. O doente que ali est com desmaios
    sao obslaote respirar ainda.
    Se eu respiro ainda I
    Sim, respira ainda um pouco, disse Kana-
    li ; porem bem depressa aobreviro accidentes
    taes que a respiraco...
    O que sobrevir ? pergunlou Cesar fazeodo
    eiforcns para saltar fra do leito.
    Syncopes, carphologias, responden Kanali.
    Porem, pela centesima vez, disse enraive-
    cido, Casanova, ou antes experimento dizer, por-
    que foi de novo interrompido pelo doutor.
    Vejam como ella se agita. Chegou ao pe-
    riodo lgido; loca no periodo mais grave. E'
    um caso suberbo 1
    O medo acabou por substituir a colera na
    alma de Cesar, que, depois de ter negado, e du-
    ?idado, acreiitava agora a visla desta persisten-
    cia di doutor que ficra atacado do cholera rin-
    do respirar um dos seus focos mais activos.
    O doutor continoou:
    Senhores, eis o resfriamf uto glacial que se
    apodera delle ; elle treme, seus membros se
    oteiricam. Obiervem 1
    Casanova, ouvindo estas ullimas palavras, ul-
    gou que ia morrer, nao teve mais a menor duvi-
    da quando o pae de Mariha termioou sus des-
    cripi;3o anathomica por estas palarras :
    Est perdido 1
    Perdido? oxelamou Cesar, perdido I
    Entretanto, proseguiu o implacavsl e ir-
    nico doutor, vamos tentar um medicamento enr-
    gico, desesperado.
    Nao quero I leve aioda torga de dizer o po-
    bre Cesar.
    Sem fazer caso da resistencia de Cesar, o dou-
    tor comecou logo sua prescripcao.
    Primeirimente friegues sobre o corago.
    Gemidos de Cesar.
    Vesicatorios sobre o epigaslro.
    I.amentages de Cesar.
    Ejacalagaes sanguneas.
    LimenUcoes mais fortes de Cesar.
    Vomitorios.
    Suffocagoes de Cesar.
    Cal viva ao redor do corpo.
    Ao ouvir este ultimo tratamento pela cal viva,
    a mocidade suffocou-lbe o mdo. Saltoo da ca-
    ma. Ia pOr termo a estas ameacas, ia reaglr con-
    tra o mal quebrando a cabera do doutor, quando
    trouxera a sala, com movimenlos multiplicados
    O orador da sala
    appareceu debaixo d'agua.
    Martei cessara de viver.
    Foi nesle momento que en vi ebegar o doutor
    Kanali, que me levou logo para o gabinete oode
    o grande clubista acabava de expirar.
    Sem ter necessidade de me tomar a parte, por-
    que nao havia nnguem que nos podesse ouvir,
    elle disse-me :
    Sabe, senhor Morel que o senhor tem urna
    pesada lar- fj nesta casa, principalmente nestea
    ltimos tempts infernaes.
    Ohl bem pesada, respondi eu, porm islo
    mesmo a vida, ella nao leve para pessoa .al-
    guma. Porm o habito e a resigaacao..,.
    E o senhor bem pag ?
    Como se toase um marecbal de Franca.
    Porm emfim I...
    Triste vida, bem triste, continuei eu aorrin-
    do, sem adviohar de modo nenbum onde nos le-
    vara este dialogo ; porm a salisagao de aervir
    pessoas honradas....
    E' necessario todava nao perder oceasiio de
    ser til a ai mesmo. e o senhor nao rico, bem
    vejo, pelo que me diz,seobor Motel, lome sen-
    tido !
    O aviso de um perigo semelhante fez-me
    sorrir.
    Oh 1 cortamente que nao, nao sou rico, e
    provavel que nunca o seja. Porm que fazer ?
    Tslvez tambsm nao tenba amor ao dinhei-
    ro ? e enlo......
    Pelo contrario, tenho-lhe mulo amor, po-
    rm elle nao me ama, e eis porque nunca nos
    veem juntos.
    Ainda urna vez onde nos levar esle dialogo ?
    perauntei eu a mim mesmo.
    M. Kanali cootiouou a fallar-me ainda em voz
    baixa.
    Se o senhor quizesse poderia ter dez mil
    francos.
    Como 1 se eu quizesse 1 quem nao querer
    dez mil francos ? Com dez mil francos e o pouco
    que possuo irei viver como um fidalgo na Nor-
    mandia em algum logar de nosso bello valle de
    Auge, perto de.Leaieux. Ora I se eu quero ter
    dez mil fr-ncos I
    Isto depende de sua vontade, senhor Mo-
    rel.
    Te-Ios T
    Ganha-loS.
    Vejamos de que maneira trala-se de ga-
    nho-los.
    su
    Nao iuteiramenle irremediavel repeta elle
    sustentando meu olhar interrogador.
    Nao comprehendo, diase-lhe eu por fim, ss
    reslrigOesaiogolares que o senhor parees dar a
    affirmaco do faeto maia evidente, o mais rreps-
    ravel que ba no mundo. Eis urna vida bem ex-
    tiocla, e o senbor nao a reanimar. ^7
    Talvez, digo-lhe eu ainda urna vez, senhor
    Morel.
    Nao ha talvez ; e por mais doutor que o
    senhor seja....
    Perdo, se quer dizer que uo ressuscila-
    rei o homem que alli jsz immorel a noasos olhos,
    tem razo, aioda que leoham apparecido sobre
    a Ierra ambiciosos, rivaes temerarioa de Deas,
    que lenham pretendido....
    Nao disto, bem sei : o seobor fallava de
    me fazer ganhar dez mil francos.
    Precisamente, disse M. Kanali lomando al-
    guma cousa do emphase e som de voz dos char-
    lares de prega publica. Nao tenho a faculdade
    de ressuscitar esta homem, disse-me elle ; nao,
    porm tenho a de restlluir-lhe a superioridade
    phisica de que elle era dotado antes de morrer.
    quero dizer, tornado deacoohecido pela mo fa-
    tal da destruigo ; tenho a faculdade de reililuir-
    lhe a abundante carnago, a solida e ardeote pal-
    lidez, os olhos ebeios de genio e revolta a bocea
    Irnica, como a da todos oa oradores populares,
    desde Demosthenes at elle, pasaando por Mi-
    rabeau.
    E que trumpho, que gloria para aquelle que
    flzesse esta translormar.au, que praticassa esla
    embalsamago, grande obra sem referencia, gra-
    tas a Deus com a obra infame e informe destes
    pretendidos conservadores cuja arla consiste em
    tornar as pessoas entregues s auts mos malfa-
    zejaa maia feios, destiguradoa e desconhecidos,
    do que eram antea que a elle foasem confiados.
    A gloria daquelle seria mais maravilhosa que todas
    as glorias destes lempos e de todos osoutros lem-
    pos ; baleriam palmas, gritaran) vendo passar
    o milagre, viriam de longe para ve-lo ; o esta-
    do nao tica na indififerente ; desejarfa recompen-
    sar o creador,deste prodigio. Darilbe-hiam is-
    tineges, honras, e commeodas. Sa se do luga-
    res e reconi pensas a um homem hbil por ter di-
    to que havia urna estrella de mais em algum
    canto longiquo do cu, como se esta estrella nao
    estivesse ahi sempre, o que se nao dai qaelle
    que ti ver descoberto oulra cousa alem de urna
    estrella intil, porm que tiver dado a o homem
    o meio de s deiiar a vida em meio,quando che-
    gar a sua hora ? A gloria deste ser iocommen-
    auravel |assim como o servigo prestado ; e esta
    gloria, pode ser a minha.
    Enlo I quem Ihe impede, doutor, que ella
    seja a sua, quem o detem ?
    Urna nica cousa, senbor Morel, urna
    nica.
    E' pouco,
    Ao senhor compete decidir ; aeria preciio,
    disse o doutor rodeiindo com o brago com a fa-
    miliaridade ]de collega ; aeria preciso que eate
    homem estivassa a minha disposigo durante
    quarenta e oito horas.
    Este ?
    Esle.
    Ouarenta e oito horas I exclamei eu, quan-
    do a auloridade exige imperiosamente qua elle
    desapparega em doze horas.por causa da elevago
    excessiva da temperatura, por causa...: de mui-
    tas cousas. Isto impossivel 1
    A auloridade I... a auloridade 1 tnur
    impacientemente M. Kanali, porm com
    desconfianga, sem duvida, em seu desden"
    autoridade.... Todava, sa roubando-ae e.-
    mem, a auloridade, fosse substituido por
    o que primeiro chegasse, ha tantos a cheg1
    neste momento..,.
    Langou um olbaa aignificalvo sobre a gal
    onda reioava um silencio, que permitta ao
    tor realisar, sem excitar a menor reclamao, a
    substituigo em que elle peosava... Elle Crmi-
    nou assim : Nesle caso oque lera a dizer i au-
    loridade? o que veria ella niato ? /
    Eu dsse-lhe por minha vez.
    E quem ousaria fazer esta subs'.iluV;v.
    O senhor. >
    Eu ? /
    Creio, que j Ihe disse o precoc le
    recompensara sua condescendencia,
    Diga antes a minha cumplicidade. 0
    CuToplicidade... condescendencia.... pouco
    importa I Diga aim ; e em troca lera estes dez
    bilhetes do banco, abriu aua carleire, enlre-
    gue-me este homem que, d'aqui a alguos dias,
    quando seus partidarios julgarem desapparecido
    para sempre, eu fa-lo-hei apparecer de novo bri-
    lhanle, suberbo e real de expresso, quaai vivo.
    Acceita o negocio ?
    Confesso que vaccillei um instante ; pare-
    ceu-me a primeira vista que eu nao commettia
    lgum acto irreprehenaivel acceitando ; porm a
    rrflexo, esla consciencia d'alma. aobreveio logo,
    comprehendi que por um corpo em lugar de ou-
    tro, era ir gravemente coutra as ordena da aulo-
    ridade, ordena que, respeitaveis em lodos os
    lempos toruavam-se sagradas uestes dlaa pingo-
    sos para a saude publica; disse aioda que isto era
    mu, pelo que toca a religio, chamar sobre um
    individuo as orages destinadas a outro ; peosei
    finalraenfe no que no moral aoflreria a casa, quan-
    do a substituigo fosse conhscida, e nao deixa-
    ria de aer com um homem como M. Kanali, h-
    roe de concerloa ; disse ludo isto sem esquecer,
    que foi depois da urna experiencia semelhante a
    que me elle propunha que o doutor sahira do Va-
    le da Graga. Recusei pois com muita franqueza
    a proposigao do meu tentador, e repelli-a do mo-
    do a nao deixar-lbe mais desajos de renova-la.
    Ella ia retirar-ae, porque o dia j appsrecia
    as salas; depois voltou para dizer-me : poiaque
    teve a deploravel fraqueza de nao cooaenlit em
    ganhar dez mil francos, vou rogar-lbe doas cousas.
    Ouvlrei.
    ',.,- A primeira que guardar, segredo sobre o
    qu acabamoa de fallar.
    Promelto-lhe. Qual a oulra ?
    E' que me diga agora o que nao quiz dizer-
    me a primeira vez que lh'o pedi ; que me indi-
    que o lugar que neeessariamente deve existir em
    Pars; o lugar onde se reuoem os coveiros.
    Nao respondi a primeira vaz a sua pergunta,'
    porque nao a julgava seria; porm vejo que me
    eoganava. Estes aenhores, dissa eu so doutor,
    que me ouvia com muita atteego, reunem-se
    todo os dias, as seis horas, em Montmartre, na
    ra Hyrrha, oode japtam em commum. Eoto
    hoje mesmo, disse-me Kanali, jsntarei na ra
    M vaha. Porm o aenhor obrou mal em nao acei-
    tar Sr. Morel. E retirou-se cantando esta copla
    de um vaadeville.
    E' to agradavel enriquecer aquella ?t* se
    amam.
    de p...oa e palavras, urna pessoa pata a qual Facilmeote, oh I muilo fcilmente.
    ieclamav-se o g.bioele em que estiramos. \ AbaiI(Qdo alnd, mi9 a TOT, e iev9.Uuome p-
    CAPITULO IX.
    A ra de Myrrha em Mootmartro : ella co-
    mega na ra da Chausse Clignancourt, e muda
    eu nome de Myrrha no da Conslantina, quando
    chega a seu bello mel ; bello aqui um'modo de
    fallar, porque, a fallar verdade, nem a ra Myr-
    rha nem a ra Conslantina despertara a Idea do
    bello, as duas metades valem a mesma cousa ; o
    principio lo feio como o fim.
    Nada mais incorrecto, tortuoso, mal edificado
    disforme, e de deploravel aos ps a aos olhos do
    que esla comprida ra Myrrha. Assemelha-sea
    estas simples ras da provincia que ae chamam
    ra de Paria para honrar Paria que passaria mui-
    to bem aem esta honra. Descendo, ou para me-
    lhor dizer, cahindo do centro da ra Chausse
    Clignancourt, a ra Myrrha assemelha-ae tambem
    a sella de um csvallo, cujaa sllhas mestras se
    quebraram. ^
    Que ra I oh 1 qWrua 1 Aqui elevam-se casas
    altas e estreitas, e aloogam-ae o mais que podem,
    como para dizetem : prestae-oos alleogo, roa que
    pasases I
    Em seguimento destas casas ha um andar junto
    as casaa grandes, apparecem outras malofes ain-
    da porm mais feias. Estas ultimas esto sebre-
    carregadas de balces: balcao no primeiro, do
    segundo, no lercelro, no quarto andar.
    Finalmente todas estas casaa grandes abafam as
    pequenaa, umaa tirando o ar e a luz das outras.
    Algumaa vezes apparecem casss melhores. Sao
    grupos de casas reunidas em montes e decoradas
    com o nome de cidades.
    Sao aonunciadas por urna grsde, e urna altea
    ds arvorea rachilcaa cooduz a ellas. Tem em sua
    frente urna exteogo de paredes ebeias de buracos,
    estes buracos sao ss jsaellss, E coqjo fi|sj }a-
    . por
    recao. Tudo ahi aioistro e horrivel ; v se su-
    bir deseer, apparecer, desapparecer alravez dos
    espiraea destas casas, homenscom os bracos ni,
    meninos mais que meio us, mulheres com os
    cabellos em desorden, com os vestidos abortos,
    fluctuantes, despedagados, repazes escorregando,
    para deseer mais depressa, sobre o cor.-imo das
    oseadas maisalio, tioalmtnle, nade, o cu e as
    andorinhas.
    Ao p destas casas mais desiguaes, ou to desi-
    guaea, veem-se lojas, como no centro de Paris,
    que vos offerecem tudo o qoe o desejo e a ne-
    cessidade podem desojar, porm com um carc-
    ter particular de accumlago, de mu gosto.e de
    abandono e deasarraojo.
    Os logislas parecem vender fazeodas j usadas;
    os aapateiroa, calcados que de ha multo perderam
    seu lustro, os chapeleiros, chapus que j haviam
    levado chuva e queconservavam a poelra, os ne-
    gociaotea de movis, leilos que mais de urna vez
    foram vendidos ; os especieiros comesliveis
    arrancados a um naufragio ; as modistaa caa-
    peua sobre os quaes julga-se ver as ridicu-
    las figuras que os usaram ; oa relojoeiros,
    pndulas que nao se moviam, e relogios que oo
    regulavam. Isto nao maia que o mu goslo ;
    porm o que realidade e nao apparencia, a
    afficiiva visinhanga de todas estas lojas : o que
    vende carvo sujs com a sua poera o que vende
    espelbos ; o que vende pasttis perfumase a aeu
    pezar, com a agua de sabo que langa constante-
    mente em frente da sua porta o barbeiro, eate
    tambem perde-se e se obscurece oa fumaca resi-
    nosa do padeiro.
    E' encantadora a ra Myrrha em Montmartre.
    Dissemos que no meio ella modava ; este meio
    indicado pelo encontr da ra .evisse que atra-
    vessa perpendicalarmenle a ra Myrrha. E' um
    pouco adente da ra Levisse e sempre na ra
    Myrrha, que existe a cremera deste nome, a ce-
    lebre cremera Myrrha de que vamos fallar.
    A cremera Myrrha offerece a seus amigos as-
    sim como a seus inimigos um desenvolvimento
    de apparencia que se compe, a direita e a es-
    querda da aua porta de entrada, de um systema
    de praleleiras, em chapas de crystal, fechadas por
    urna vidraga ; o crystal de um verde escuro,
    poim as prateleiras sao numerosas e de urna
    agradavel variedade de productos. Esla varie-
    dade a principio admira, porque a palavra cre-
    mera, s iodica em rigor um estabeleeimento de
    leite, ovos, manleiga e qoeijos.
    Quem poaeria dizer tudo que se eneontra e se
    vende na singular cremera ? Assim atravez da
    vidraga da direita v se um copo e urna colher
    de metal, objecloe que indicara que algumas ve-
    zes se bebe ponche neste estabeleeimento falsa-
    mente dedicado ao lacticioio. Urna meia dazia
    de chicaras de falsa porcellana, com um bordado
    ao redor, esto arranjadas no fim da coro. Ne-
    nhuma est intacta, todas tem o seu deleito. To
    mar-se-ha caf assim como se toma ponche oa
    cremera Myrrha ?
    Toma-ae tambem leile pois lambem existe urna
    terrina cheia de leile, este leite est meio Rober-
    to de moscas que o cobririam inteiramente se
    nao parlilhasse suas cariciaa urna outra terriua
    cheia de ameixss paisadas. Estes insectos sabem
    do leite para as ameixss sem que nada os pertur-
    bo em aeus prazeres. P maravilhoso ver os tra-
    gos de sua morada na cremera Myrrha.
    Tudo est marcado por elles : os espelhos, os
    quadros, aa cadeiras, os papis, as pinturas, e o
    tecto, aoffreram tanto qoe s poderia dizer sem
    exagerago que os espelhos eram de crystal e mos-
    cas, assim como os quadros, cadeiras e outros
    objecloe.
    A segunda praleleira roeatra aos visitantes urna
    enorme tigella cheis al os bei^os de cbocolaie
    cora creme, o crerae desappueceu, o chocolate
    advinha-se. O lugar de honra est oceupado por
    um bocado de vitella de um vermelho vivo.divi-
    dido em lombas excessivamente desenvolvidos,
    lombos, quo poderiam em lempo de guerra tor-
    nar-se em cabos da artilheria.
    Ao domingo, desenha-ae ura oval com rodi-
    nhaa de cenouraa em roda deste lombo; porm,
    muitas vezess este lombo substituido por um
    coelho collocado no prato em urna attltude pit-
    toresca, dir-ae-hia que vae fugir.
    Alm do coetho e do vitello, veem-se garrafas
    de grasa, urna caixioha de cha, um vaso com ce-
    rejas e am busto em gesso de Beranger todo des-
    figurado pelas moscas.
    Mais cima, na ultima praleieira, veem-se as
    porcelanas aos dias de festa.dous vasos com ro-
    sas artificues, e urna cesta lambem de porce-
    lana.
    O fundo da paredo onde ae encostam as prate-
    lelra-s, que (Ora piolado em algum lempo, apre-
    aeatava aaaumptoa lirados do praierea cyoe?e-
    i:cos relativos a mesa.
    No meio havia urna cagada de javali; mais ci-
    ma urna de cabrito monlez. Que referencia ha-
    veria entre os banquetes dos freguezes. o cabrito
    e o javali ?
    Tambem ae janta na cremera da ra Myr-
    rha ? *
    As prateleiras enllocadas a esquerda da
    moslram que ae bebe tambem nesle lugar.
    Sobre a primeira veem-se garrafas de cognac,
    do velho Rhum,. de agurdenle que parece lote-
    ressar muito a ra Myrrha.
    Tambem ahi ha licor ; as damas nao sao es-
    quecidas ; l-se sabr Ilustrados rtulos i Flor
    de jasmim ; Lagrimas de Adonis ; Espirito da
    Beraoger; Agua dos anjos ; Eeite de amor, ele
    Nao, as damas nao sao esqueeidas, porque v-se
    espalhado em um prato de sopa, bilhete para o
    baile do Chateau-Rouge, no vero, e no invern
    para os bailes da opers, e em tolas aa eslagOes
    bilbetes por mdicos pregos para todos os con-
    certos a divertimentos.
    A prateleira que est por cims desta, oerlence
    mais particularmente aoa fructos e ao loillelte do
    bello sexo.
    Vi sobre esta prateleira nm espartilho com to-
    das as suas baleias, entre um cesto de nozes e
    outro de batatas; na segunda melado ds mesma
    prateleira v-ae urna perdiz empalhada como
    para provar que na cremera Myrrha a caga nao
    intoirameute desconhecida. O fim da prateleira
    consagrado para a exposico de urna cabega de
    vilello, que espera melanclicamente sua sorte
    com um ramo de eatss as ventas.
    Acabavsm de dar cinco horas e meia na torre
    da egreja de Montmartre : e o Dr. Kanali parava
    a entrada pouco monumental da cremera Myr-
    rha. Antea de entrar abi procuren assegurar-sese
    era esae mesmo o estabelecimeato que Ihe haviam
    indieado pela manha. Elle o julgiva menor.
    Por isso ao entrar ficou surprehendldoa vista da
    interminael perapectiva de mesas que encon-
    trn. Ficou perturbado. Julgou ter diante de s
    o refeitorio de urna populago ioteira. Adian-
    tou-se sempre, e viu que isto terroinava por um
    alto tabique por detraz do qual vism-se outras
    mesas; finalmente elle viu alm destas duas gi-
    gantescas, urna cosioha do infermo e urna grande
    chamin de onde aahiam torrentes da chammas.
    A vista desle extraordinario espago, o doulor
    fez mais de ama reflexo : e indo collocar-se no
    cenlro ds cremera, para onde aflluiam j oa fre-
    guezes, psnsou que nunca suppozera quehou-
    vasse em Paris to grande numero de homens da
    especie que elle proenrava. Sua grande admira-
    gao doplicou-se vendo entrar lo grande amero
    de mulheres como de homens.
    A maior parte destas mulheres vinham sos, e
    tomavara sem ceremonia, lugar ao redor das me-
    sas. Muilaa o'entre ellas comegavam logo a con-
    versar com os bomens, com a maior familiari-
    dade.
    Kanali atormaotavs o espirito para aaber e so-
    bre ludo para explicar de urna maneira pouco
    mais ou menos satisfactoria de que modo covei-
    ros se achavam assim misturados aaociedade das
    mulheres, aa quaes, em geral, qualquer que toa-
    se a sua ordem, ao mu pouco dispoatas a ac-
    colher pessoas desta profisso pouco attraeoie.
    Elle eslava destinado a passar de sorpreza. Jul-
    gae-o.
    A quem reconhecau elle no meio de-.'es ho-
    mens? Antigos companheiros de theatrol sim,
    actores I e actores com oa quaes elle havia re-
    presentado am outro lempo. Como elle sem da-
    vida elles envelheceram vinte 04, porm live-
    ram um bello envelhecer, elle os recoohecara, o
    que fazia-o recaiar, pela meama razo o ser re-
    conhecido por elles. Eocoatou-se ao pilar ao
    qual sua mesa eslava encoatada o envolveu-sena
    fumaga da sua sops. Vr-se-ha que esta pre-
    caugo nao Ihe serviu de cousa alguma. Porm,
    cousa aingular I encontrar actores onde procara-
    va coveiros 1 ter-se-hia engaado no lugar?
    Nao.... elle achava-se realmente no lugar indi-
    cado. Haveriam ahi reunios das duas cathego-
    rias? Poderiam admilli-lo? Nao, impossivel de
    admiltir-se, o riso e as lagrimas reunidas 1 Elle
    va o riso ; porm nao era cousa alguma que Ira-
    bisse a ddr. Todaa estas pessoas sem serem mo-
    delos de elegancia, estavam deceotamenle vesti-
    das. Traziam chapees de palha, vestes azues e
    caigas brancas.... Havia porlaoto, erro em sua
    va entrampa) a estas refltxet, veiu asseotar-se a
    sus aua eolhoa-o filamente. Em vio He quiz
    moalrar que olo reparava ser o objecto desta
    persistente attengo; este olhar impacientou-o
    muito, impacieBtou-o a fpooto qoe elle se vil
    obrigado ou a deixar a meaa, ou a perguotar a
    este curioso mal educado que motivo tinha para
    encara-lo assim.....
    Senbor, disso-lhe Mr Kanali, psrece-me....
    Parece-me, interrompeu o curioso imperti-
    nente, que eu sou Saint-Amable, e que t es Be-
    lerille.
    Eu nao sou Beleville.
    Como I nao s Beleville ? Oh I ss o s I Re-
    conhego-te ; pricoeirameole estivestes no Lu-
    xembourg a vinte francos por mez ; dapois as
    Folies Dramatiques em casa do pae Mourriez, que
    nos pagava lambem muito pouco ; porm que
    noa tratava muito mal ; depoia na Gait.....
    Nunca represeniei em parte alguma, se-
    obor ; exclamou o doutor vargooboso e alegre ao
    mesmo lempo por este encontr, (erido em seu
    orgulho, e satiefeitoemauss lembrangas epromp-
    to a estrangular Mr. Saint-Amable, a quem ao
    mesmo tempo quera abracar.
    Nunca representaste em parle alguma di-
    ses t '.'
    Ranea, senhor, e este tratamento de t,
    inconveniente,...
    Kanali fez um movimento pira levaotar-se ;
    porm Saint-Amable reteve-o pelo brago:
    A prova de que representaste, que repre-
    aentaa ainda neste momento ; um pouco melhor
    do que represemavs oulr'ora.
    Senhor, d fim.....
    No aioda o Um estamos no prologo, meu
    caro Beleville.
    Senhor, esta grosseira importunidade....
    Quera acceilar um copo de Madeira em
    honra da tua volta entre eos ?
    Entre quem ?
    Elle pergunta entre quem, oh deuses im-
    mortaes I entre nos comediantes, bohemios, o
    que quizeres ; porem dize-me queres acceilar o
    copo de Madeira que te offereci?
    Nao, senhor, disse Kanali que, no entro-
    tanto arda em desejos de beber com seu anligo
    companhelro.
    Ah islo mu, Beleville, muito mu. Ter-
    nos-hias contado tua campanha da Italia. Mi-
    chelin, o primeiro da companhia ambulante de
    que fazias parte, e o nico que voltou vivo a
    Paris
    Michelio nao morreo ? elle est aqui I
    Tu o cooheces eoto, ah tu o coahecea I
    O doutor trahira-ae ; elle balbuciou :
    Nao.... ha tantas Michelins... conhec um
    Micbolio.... cirurgiao.... eis como....
    Eis como ledesmascarasles 1 Rapaz! traga-
    nos do Madeira I
    Kanali oo achando mais pretextos, e vendo
    que se havia compromettiJo, Wvanlou-se resolu-
    tamente desta vez, e deu urna volta para allas-
    lar-se; senllu-se fortemente attrahido por doua
    bragos. Olha, e senle-se abracado, e ouve dize-
    rem-lha :
    E' Micheiin, o pequeo Michelio, e agora o
    grande Michelio.
    A commogo veoceu o orgulho '
    O doutor enternecido, abragou tambem Miche-
    iin ; e depois abragaram-se todos tres.
    Pego que me nao traiham ; eu nao sou mais
    comediante.
    O que s, pois, infeliz?
    Sou rico.
    E' rico I
    Sou celebre.
    Celebre 1
    Sou medico.
    Medico I
    Conla-oos onto porque milagre....
    porta
    CAPITULO X
    Nao agora. Pego-ihea antea quo me digam
    onde esiou, porque canfesso-lhes que tudo que
    vejo aqui a urna hora poz-me em tal estado que
    nao teoho mais consciencia de mim mesmo.
    Eslaes na celebre cremera Myrrha.
    Bem 1 porm eu eaperava eocontrar aqui...
    O que? o qua esperaras?
    Porm nao.... Ainda urna vez pego-lhes
    Tua fallera primeiro; nao acreditaran) com que
    fim me acho aqui Rogo-te Saicl-Aimable,
    d me a coohecer este lugar para que eu aaiba...
    Soberba localidade I disse Salot-Aimable,
    em quanto o doutor mandava bascar os melbores
    vinhos da casa ; principiemos, se le apraz, pela
    dona da casa.
    A pessoa que estsea vendo aasentada so balco
    mademoisella Zelia Patviarcha, qua o oceupa ha
    dez annoa. Ella conquistou-o, poder-se-bia di-
    zer, porque, antes de ser a soberana desta casa,
    foi por muito tempo aua criada. Tornando-ae
    velha, e suas economas chegando a um valor
    elevado, le la comprar este estabeleeimento. Eis
    como el!a aubiu a esle throoo de acaj que urnas
    vezes tribunal e outras ooofessiooario. E' do seu
    balco que ella ordena e d suas ordens aos seus
    empregadoa, cozioheiros-, criados e criadas, e en-
    lo um ihrono; ah que ella recebe as quei-
    xas, e enlo- um tribunal, do freguez que paga
    e que quer ser tratado segundo o seu dinheiro ;
    finalmente ahi que ella recebe as coufissoes da -
    quellas que pagam pouco, eos suspiros daquellas
    que nao podem mais pagar: o balco muda-se
    ento em confessiooario.
    ZeHa amou, e foi bella, meu caro Beleville.
    Ainda conserva de sua belleza magnficos cabellos
    louros e hombros encantadores e arqueados. as
    sociedades ella feria ainda duasou tres conquis-
    tas sa experimentaste o orgulho retardatario de
    tirar partido de aeus bellos restos. Ella prefere
    conserva-loa pela digoidade de sua casa. Nao se
    sabe, alm disto, quanto as renuncias do mundo
    sao mais completas e mais sinceras- entre estas
    mulheres, qae aolre as mulheres do vida honesta
    e regular. Muito. mais depressa e resolutamente
    ellas se retirara de acea e entram nos bastido-
    res. Sua philosopbia grande ; conhece-se a ri-
    gidez excessiva de seus coslumes quando lhes
    acontece converterem-se para o bem. Enlo
    mais que urna mudanga de coslumes que se ope-
    rs, quaai ama mudanga de sexo, tornam-se ho-
    mens pela alta madureza de aua intelligencia.
    Porm eu nao conhecia esto mundo.
    dss sitas pessoss qae acabo de no mear nao sa
    acnam as qae vsales procurar.
    Nao reapondeu o doutor aturdido pela enu-
    meragao feita, aem tomar fol.go, por sea enligo
    companheiro. r
    Como I nlo achastes, exclamaram ao mes-
    mo tempo Sainl-Aimable e Michelio ; e a auem
    vieste eolflo procurar? H
    Kanali respondeu :
    E' intil responder, por agora....
    Nao, oo intil, falla___
    Ainda urna vez, meus bous amigos,
    Falla.
    Vim aqui procurar um coveiro....
    Ha aqui tantos coveiros como comediantes.
    Eolo oo me tioham engaado 1
    Nao, porque tens dousem la presenga.
    Doas o qus?
    Dous coveiros I
    Dous coveiros7 gases sao elles?....
    Eu e Michelio somos coveiros.
    Ora I aei que s5o comediantes.
    Isto nao impede. Portento no tbaatro son
    o segundo cmico Saint Aimable, e na cidade o
    coveiro Plquellard.
    Que ouco?
    E eu, disse Michelio, sou no thealro o alil
    Michelio, e na cidade o coveiro Flor dos Campos.
    Bom Deusl o qaa me dizem ? Feficito-me
    de lodo o corago, pelo ioferesse do motivo que
    me (raz aqui, porm nem por isso estou menos
    sorpreso.
    Nisto nao hs nada de singular, e quando
    soubares... vaea j saber por qeo eu Michelio, a
    muiios outros que seacbam somos comediantea a
    coveiros.
    Ea os esculo com muito inaresse, meaa
    amigos.
    Saint Aimabla disse ao seu ex-collega Bele-
    ville :
    E' lempo de te dizermos, porque fHM eu
    Micheiin e outros cumplamos os emprego* de co-
    mediantes e coveiros. A repblica de 48, araboa
    com os theatros : ha mais de um auno IJbMB nao
    os hs, nem havero por maifo tempo. A opera' fez
    duzentos francos de receits, e o Ibealro francez
    de cincoenla a sessenta frac-eos. Onde ir? Que
    fazer'.' Faltavam bragos para accirdir as exigen-
    cias da epidemia ; iIfsrecemos- os nossos ; ss
    pompas fnebres acceitaram-nor ota alegra.
    Salves I salvos como se diz na sceoa dos boule-
    vards.
    Comegamos logo o trabalho, gac-hanraf cloc
    francos por dia,quero dizer por iMu'.e, v.y.o qao
    trabalhamos durante a noute. Alm disto dispo-
    mos do nosso tempo da maneira seguiotc i das
    seis horas as ooze da noute representamos a co-
    media, de ooze da noute at pela manha a->?mos
    o que j te disse ; assim que do onze /.ora? det-
    xamos depressa nossos trajos do theatro e coe-
    mos a administrago das Pompas que i os veto
    o vestido preto.e todos os accessorios de rigor.
    Sabes agora, charo Beleville, porque motivo
    nos tornamos coveiros assim como muilos artis-
    tas que aqui se achara. Agora compete-C* di-
    zernos porque motivo nao menos singular rleste
    aqu procurar coveiros.
    Kanali contou enlo aos dous collegas o fim
    scienlitico que elle prosegua ha alguos alrcrez
    das difliculdades levantadas por toda a parte con-
    tra elle pela ignorancia e fanatismo, e disse-.he
    que esle fim seria salisfeito da maneira eeguinte-
    Neohum dos dous ignora a morto Oe Joo
    Paulo Desormeaux, o clubista adorado, venerado
    e chorado por todos os fanticos da aaa Marlel?
    Como poderiamos ignora-lo? sotemos de
    enterra-lo amanha t
    Sim I ento sou feliz Farei a miaba for-
    tuna.
    Como 1 a tua fortuna ?
    E a minha gloria immortal I
    Tua gloria 1 tua fortuna i... qiaa analoga
    ba nisto, explica-no, que significa %
    Sim, minha fortuna e gloria, e para-cada am
    de vos am bilhete ds mil francos.
    . (Jai bllhelete de mil franco* 1 *h I Bele-
    ville, nao noa causes urna falsa alegra ; atorra-
    ramos por isto.
    Ta conheces, assim como ea, os pozares
    universaas, respondeu o doutor K.aaali, que ia
    propor a Saint Amable a a Micheiin,. o que
    havia recusado, os pezaroa tanalicos cauaadoa era
    Paris por esla cerda irreparavel para- o partido
    republicano. Elie perde am Deus em Piulo De-
    sormeaux. Pois bem, elle lhes ser restituido
    por mim 1
    Por ti ?
    Por mim o celebre doutor I atrelas Kinali.
    Sim eu lh'o restitairoi se-quizeres auatar-me.
    Estou prompto ; falla.
    Kaoali fallou. Depois de ter eaposto aoe-
    seus dous amigos o qus o letor sabe j, isto a
    superioridade conservadora de embalsamago so-
    bre todos os precessos confiedlos e por coalla*
    cer, o doutor disse-lhss mais intimamente :
    Ougam-me, j que ara dos deas tem de ea-
    terrar o corpo do itlastre clubista, eonaentiro
    em tira-lo da cova tres dias depois para eolre-
    ga-lo grande e sublime operago de que acabo
    de lbea fallar ?
    Os doas amigos da Kanali cocaultaram-ae c=ra
    a vala, e liveram arabos o mesmo peostmaoto
    queSaiol Aimable eccarregpu-se decoumaute*
    logo ao doator.
    - O que nos propes corrar algum perig" aa
    o sei, porm a amizade fsz-nos seu pedido pe'/}
    gracioso meio de um bilhete da mil francos.
    Finalmente, acceitam ?
    presenga em semelhante lugar, tornara elle a
    pensar. Porm urna pessoa, emquaoui tile esta-
    Conhece-o, pois, a fundo, meu caro Bele-
    ville.
    Sem ter ainda chegadoaesta ultima pertei-
    go, continaou Saint-Aimable, mademoisella /.->-
    lia soube j adquirir o bom seoto de saber sus-
    tentar a balalba com os mus dias da velhice.
    Edificoa esta fortaleza o'onde a ver aproximar-
    se sem medo. Deu vinte mil francos por este es-
    tabeleeimento, que depois que ella o comprou vale
    mais de trila mil francos, e alm disto ella tem
    pago muilaa dividas antigs.
    E' verdade que poueas pessoas, costinao"
    Saint-Aimable, estaara como ella em posigode
    augmentar o valor de sua casa. Ella conhec3
    tantas pessoas antes de comprar o estabeleeimen-
    to -t tez deltas aua clientella. Esta clientella jun-
    tando-te aquella que ella havia comprado, com-
    prando o estabeleeimento, eatas duas populagdes
    de conhecidos offerecem urna physianomia de
    muitas mistura*. Tensom tua presenga a amos-
    tra dos typos dos doas sexos que se aaseotam to -
    dos os dias a eatas mesas: escuta e observa.
    Eis empregadoa que gaoham de duzentos a qui-
    nhanlos francos; viuves cujos marido* nada dei-
    xarem ; rendeiraa da ra dos Martyres, da ra
    Rochechouart, e de outraa muitas ras que nao
    jantam em auaa caaas porque lemem o cheiro da
    cozioha, e porque oo tem cozinheiras ; negocian-
    tes duvidoaos, fraudulentos, que compram pela
    manha as mercadorias a crdito, e que aa ven-
    dem a dioheiro um quarto de hora depois com
    clncoenta por cento de prejuizo ; seus nortes sao
    multo conhecidos na prsca.... do palacio da jus-
    liga, velbas jugadoras da bolsa que offereciam
    aeus encantos como garanta, no tempo em que I
    tinham encantos.
    Eis ali, junto a janells, pintores descoohecid.os,
    ha mais de quarenta annos; na outra Janella,
    que forma o ngulo, escrives que pcoroellem i
    eis ao lado escrives qae nada cum'^rem ; a aua
    direita, comediantea qae comegam, e outros que
    acabara ; eis entre dous postas, jovens actrizes
    que ainda nao ae piotam para represenlarem ;
    mais adente grandeacoquetles a quem o director
    da Porta S|Martioho ou do Vaadeville vem aatis-
    tir aos seus ensaios no th-4tro da Torre de Aa-
    vergne, e que nunca foi nem ir ; jovens que se
    dizem discipulas do conservatorio e que o sao d -
    felizmeote para o conservatorio ; eis Analmente
    directores sempre tratando de crear compa-
    nhias para a^aiaco prxima, falso pretexto a fa-
    vor do qu**, jantam a crdito durante todo o tem-
    po que precede esta celebre eslago, que ainda
    oo fc indicado em kileodario algam.

    Acceitamos.
    Bem 1
    Somente...
    Ainda temos someote!
    lia algum.
    Digam-me logo I
    Saint Aimable replicou :
    O lugar em que se depositar amanhia o
    republicano da aala Martei, est sempre cbeio te
    gente. Nao ser possivel a qualquer hora do dia
    ou da noute praticar o rapto ao qual deaejas as-
    sociar-nos sem expor-se a ser descoWrto; a sor
    descoberto compromatter ludo, a operag,".;, a t
    e a nos.
    Esta objeegio tem sea peso, diise o doutor;
    porm em quanto tempo avahas qae esta Imgu
    ticar vasio ?
    Pelo modo que levam as cousas; em valo
    dias.
    Sim, ara vinte dias, disse Michelio bebeeje
    a ultima goita do seu cognac.
    Pois bem I nao precipitemos ss ousas, dei-
    xem os para 'aqui vinle dias a execugaa do pro
    jeciio, disse. Kanali.
    Com eatas condi;oes faro o que eu desaje,?
    Sim, inteiramente.
    O doutor abriu aua carteira e offereceu como
    penhor um bilhete de cem trancos a cada sa tea
    seas amigos.
    Posso contar com ambos ?
    Para vida e para a morta I Est justo, *-
    qui a vinte dias, a execugo, responde Saiat
    Aimable levantando-se. Perdi, peroa 4 preci-
    to que ta digamos adeus : eata noute represen-
    tamos no Palacio-Real em beneficio da fiuva te
    um artiata.
    Quanto sois felisas em rapreaeotar I
    Sim ; porm as onze horas, deixaraaeo a
    comedia pela oulra msica
    Sei. porm sabis que Boilesa,
    do Parnaso, disse;
    a menos alegre.
    elogislater
    IContinumr-M-k*.)
    -
    '
    Agora dite-ae, caro Beleville, se entra to- PERNAMBUCO,TYP. DE 11, F. DE P.4 FILIO.
    MUTILADO


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EWWXHMLAH_RR0PKT INGEST_TIME 2013-04-30T20:48:44Z PACKAGE AA00011611_09581
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES