Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09579


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIRO IIXVI11. BDMERO172.
Por tres mezes adan lados 5|00(f
Por tres Mezo vencidos 6f 000
SEGUNDA FEI1A 28 DE J9LH0 DE MI
Por ano adiaitait 19$000
Porto fraaco iar t sibscrlator
DE PEMAMBW10.
ENCARRKGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Li-
ma ; Naial, o Sr. Antonio Marque da Silva;
Araeety, o Sr. A. da Lemoe Braga; Cear o Sr.
J. Jos da Olivera; Maraoho, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Maooel Pinheiro &
C.; mazme, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGAOOS DA SUBSCRIPGAO DO SL
Atagas.oSr. C>audino Falco Diai; Bahte,
Sr. Jos Martina Alve; Rio da Janeiro, o Sr.
Joo Partir Martina.
PARTIDAS DOS CORRE10S.
Olinda todos os dias as 9% horas do da.
Iguaress, Goianm, Pirahyba nai segundas
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altioho
Garanhons as tergaa-feiras.
Pao d'Alho, Nezaretb. Liraoeiro, Brejo, Pee-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricary e Ex n aa quai taa-/eiraa.
Cabo.Serinhem, Rio Forrooao, Una.Barrelroa
Agua Preta, Pimentolraa Natal quintas feiraa.
(Toflos os crrelos partem s 10 horas da iaohaa
IFHEMER1DBS DO MKZ DE JULHO.
4 Qjarto ereseenle ae 8 horas e 20 minutos da
manhaa:
12 La cheia ios 2 minutos di manba.
18 Qusrto mingaanta as 2 horafe 32 minutos da
tarde.
26 Lu nori as 6 horas 24 minutos da man.
PREAMA1 DE 110JE.
Primeiro as 5 horas e 18 minutos da manba.
Segando as 5 hora e 51 nilnatoa da Urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para sal at Aligon 5 20; para o norte
at a Granja 14 e 29 de cadi mez.
PARTIDA DOS OMIMBUS.
Para o Reeie: do Apipucot a 61[2, 7, 7 1(2, 8
e.8 1|2 di m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da t.; de
Jaboatao s 6 112 da m.; do Casanga s Varzta
a 7 da m.; de Btmfica s 8 da m.
. 2 6'JU : Dara Pipueot is 3 1|2. 4, 4 1(4,
4 1|2, 5,5 114, 5 1|2 6 di t.; pin Olinda as 7
da m. 8 1(2 da t.; para Jaboatao e 4 da t.; para
o Caxang e Farsea as 4 1[2 da t.; pan BtmAca
as 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAKS DA CAPITAL, i DAS DA SENARA.
28 Segunda. S. Innoceoc o p.; S. Natario w.
29 Tejge. S. Olivo rei ; S. Lacilis: s. Lobo .
30 Quarta. S. RuQdo m.; S. (Knatilia a.
31 Quii. S. Ignacio de Lnyolla fundador.
1 Sexta. S.Pedro ad vincula. Os 7 Macha*is Ir.
2 Silbido. Nossa Senhora dos Aojo*.
3 Domingo. Ioveogo do corpo de S, atavio.
Tribunal do commercio : segundas a quinta.
Relago: tergai a aabbadoa as 10 hataa.
Paxenda: qnintaa a 10 horas.
Juizo do commercio : segunda ao meio dia.
Dito da orpbaos: tarcas a aextas a lOhoraa.
Prmeiravara do ival: torgas a axtaaia maio
dia.
SegiBda vara da aival: qsirtiis aabbadoa il
hora da tarda.
ASSIGNA-SE
a Imana da preca
no Recite, em a Hvraria da prega da Ir__
dentVa n, a 8, doa proprialarioa Manoel fiue*-
ro da Pana di Filho.
__*m OFFlClfeL
GOVERNO DA PKOVIACli.
Expediente do din si de junlie de
Oflklo ao Eim. presidente das Alagoa.Pelo
primeiro vapor da companhia Brasilea, que
a'equi partir pira essa provincia, remello dous
caiioes cotn remedios o dua.i pegas de bailas,
com destino comarca da Bua-visla nesta pro-
vincia, e rogo VXF.xc. que os faja transportar
com os melosos o(ny, quo pura all dirijo aos
juires de rjireftn e municipal e promotor en,
algura dos vapo'es da con-.panhia Bihiana, at o
ponto rnais prximo daquella comarca, e O'ahi
por Ierra a_ seren entregues ao referido juiz de
direilo, enviando me a coota da despeza para ser
opportunsroenle paga.Ofkioe-se aos agentes
do comparihis Brasilea de paquetea a vapor
pan dar transporte aos eeixoes al AWgoas.
Dita ao F.tm. presidente do Cearora o
incluso tubo de puz vacinico satisfago a requiei-
go de V. Ex\, conliJa em seu oflicio d Io do
correte.
Dito ao f)'. chefe de polica.Iuteirado do que
refere e delegado de polica do termo de tara-
nhons, no olTkio juoto, por copia, ao de V. S. de
d. 1,129 de 2'J do corrente, com referencia a epi-
demia do cholera morbus, teoho a dizer-lhe em
resposte, que eslo dadas as providencias que
conviha lomar.
Dilo ao inspector da lh>souraria de lateada.De
accordo com a informado da contador!* dessa the-
souraris.ajjue se refere deV.3.datada de hontem
e sob D. 674 o utorlso s manjar pagir ao phar-
msceutico Joaquim de Almeida Pinto, a quanlia
de 3029528 rs., em que imporiam as tres ambu-
lancias, que foraeceu >illimamente para o trta-
me n t o do chulera morbus em diversos, ponirs da
provincia, coreo ss dos documentos, que de-
volvo, cobjrtos com oficio do inspector de saude
poolica de 3 do corr^tita. Commuoicou sa ao
inspector de sauJa pubc.
Dito a o rnesmo.Psla verba soccorros pbli-
coslo exercicio de 18GI62. mande V. S. pagar
a Benedicto Gjn?a|ves de Loa a quaulia di
5003 rs., como renumeragao de todos os servidos
por elle prstalos durante o lempo, em que es-
teve incumbido do tralameolo do cholera morbus
na villa do Agua-Prea. Coinaiuicou-ss ao
delegado de Uiranbuns.
Dilo ao mesmo.Transmiti V. S. a inclusa
coma em duplcala; q>ie me fui remetii la pelo
inspector do arsenal de marinha com uTicio de
21 do correte sob n. 253, atim de que mande
indemnizar o ministerio da marinha da quentia
da 12S00 rs.. dependida com o tratarueuto na
enfermara daqueiie arsenal do grumele J.io
Roberto, perlcucente a euarnii;ao da escuna Lin-
do'ja, ao servigo da alfjndega desta capital.
Communicou se ao iospacior do arsenal de
mariohi.
Dito ao inspector da thesoursria provincial.
Resiituo S V. S., para o Do conveoieote, o re-
querimenti documentado, a que se refere a sua
ioformago de hontem ob n. 410, visto eslarem
no caso
res desti cidade, nao podendo, porm, effectuar
o desembargue dos diloa genero, sera que, por
parle do commandante do mesmo presidio ae
procela exame para veiilicar se ha agurdente,
ou outra qualquer bebida espirituosa.
Despaclaos do dia 1 de julho.
Uequtrimtnto*.
Capillo Brasilia de Amorim Bezerra. Passe
portara cooceleodo quinze dias de licenga nos
termos do ari. 106 do regulamento de 27 de se-
tembro de 1860.
Jos Antonio Ferreira Viohas. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Joaquim Antonio da Figueiredo.Informe O
Sr. director do arseosl de guerra.
Thomaz Jos Meira Junte certidio de idade,
e pague 0 suplicante oa direitos de foiba cor-
rida.
Os abaixo assigoados moradores e proprieta-
rios na povoacjto de Atogados.luformeoSr.
director das obras publicas.
Gutha, irmao do fallecido principe Alberto, e o
principe de Leinengen. Oa miuiatros da corda,
bem como alguna altoe dignilarios, havism sido
convidados, e com eifeilo presenciaran) aquella
augusta solemnidade, celebrada tolavia no meio
da tristeza e do luto que aioda envolve a corte
iogleza por motivo do fallecimento do principa
consorte.
Depois de concluido o cassmento, o principe e
a prioceza Luiz de Hesse deixaram Osborne, e fo-
ram habitar S. Clare, pequea distancia da mo-
rada da rainha. fiessa nova residencia j forana
os angostos noiros visitados -por S. M., que por
esle modo quiz honrar seus illustres prenles ; e
recentemente acaba a rainha de conferir sea
novo genro a ordem da Jarreleira, que a marca
de maior dislDcgo que a soberana da Inglaterra
pode jamis conceder alguem. O principePre-
derico Guilherrae da Prussia assistio tambem
ceremonia do casamento da princeza Alice.
gresso que vai levando a arte martima, bateu a
opposigao, cooseguindo obler aquelle crdito.
lera larabem.'merecido a atleogoda cmara
a crise por que continuara a passar neste paiz as
classes operariaa em coosequencia da guerra da
America. Lord P.lmerston fallando esse res--
peilo disse que a loglatern olhava .seriamente
para isso, e que s esperava urna occasiao avo-
ravel para clarecer a mediago aoa partidos bel-
liger..?tes. K' 0 mesmo que j havia dito ease
priii'O ministro ; e todo o mundo sabe que a
Gra-Brelanha de ha moli leria intervindo n-a
gueixa americana, se nao receiasse urna rejelgo
absoluta por parle dos beigerantea.
Exiate todava na Inglaterra urna verdadeira
crise ero relagao s classes operaras, em que
milhares de pessoss sa echam sem o pao quoti-
diano, haveodo sido techadas no Lancashire mui-
tas fabricas j por falla de algodo. j por fal'a de
cepitaes com que possam fazer face ao subido
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBCO.
Lnmlres, 8 de julho de 18G2.
O vapor inglez Paran, entrado em Southamp-
ton ds manhaa de 4 do corrente. trouxo-nos a no-
ticia de urna outra n uiar.ga ministerial no Re-
de Janeiro. Esta coromuoicigaj nao veio, po-
rm, causar aqui sorpreza alguma, porque con-
forme havia eu aonumiado na mlnha uUims mis-
siva o publico ingler ao receber a noticia da for-
mag.io do ministerio Xitarias, se inclinara logo
a crer que, alientas as circumslancias heterog-
neas daque'la adminislragao, as cmaras brasi-
leras I he nao prestaran! o seu apoio. A queda
deste minislerio era, pns, mais ou menos espe-
rada equi, tem que todavis se calculasse com o
partido que deveria succeder-lhe, visto como a
votacSo pela qusl cahira o ministerio Caxias se
havia meoifeslado d'um modo pouco caractersti-
co. A escolht do marquez de Olinda pata orga-
nisar a nova administrado produzio neste paiz
excellenle elTeilo, porque este eetadisli brasileiro
aqui reputado como a melhor garanta da or-
dem e do progresso moderado na sociedado bra-
sileira ; e a Doticia de ha ver o imperador recusa -
do ao partido conservador puro a diasoluco da
camera fui recebida em Ioglaterra com favoravel
demons'.raqo, porjuaoto o publico ioglez vio
nesse fado una i'rova de respeilo por parle do
monarcha representasao nacional. Na Graa-
Bretanha bem recebida urna dissolugao da c-
mara elecliva somenta quando depois de varias
experiencias o psiz se cooveDca astar a cmara
dasgovernada ; afora isso, aquelle fado indica
sempre urna lula imprudente entre o soberano e
o povo. Ora, no caso sujeito, haveodo S al. que-
rido tentar aioda escolher um governo que po-
desseapoiar-se sobre urna maoria parlamentar
bem formlala, nao poda esta sabia poltica dei-
xar de merecer as sympalhias de um paiz emi-
nentemente constitucional
como esta, r onde as
iustituiges liberaes se achuru em jogo mui acor-
do ser approvadas as cootas, a elle ao- lado.
nexas, das despegas feuas pelo vigario da fregu- I As folhaa inglezas, dando noticia da nova ad-
zia de S. Pedro Marlyr de Olioda com as ob-.*s| xisUlragao brasileira, iisserara que represenlava
da respectiva matriz, por conta do produelo da
aegunda parte da 5a luleria, concedida a favor
daquellas obras, devendo o mesmo vigario ser
indemnisado, nos termos da citeda informadlo,
do sal lo, que se di a seu favor, de 318J620 rs.
Dito ao capito do porto. Com esle oficio
aera apresrntado V. S. o reiruta de marinha,
Albino Jos de Sani'Anna, afjm de que lho d o
conveniente destino, depois de inspecciona-
do.
Uito ao mesmo.Com esle oficio ser apre-
entado V. S. o recruta de marinha Joo Luiz
da Cosa Lima, aliii de que i he d o conveaieute
destino, depois de inspeccionado.
Dito aoiuil de direito deGiranhuns.Em seu
oficio de 12 deste mez declara-me Vnic. estar de
oossa dos medicamentos, que solicilou ero 18 de
junho ultimo, e pondera qu, vislo a epidemia
nao se fazer j muilo sensivel em certos pontos
dessa comarca, ser conveniente que a concesso
doa soccorros por parte da presidencia para as
diversas localidades da raesma comarca, a techa
lugar com iuformaipo ou a requisigo de Vine.,
que fui incumbido de dirigir a deslribuigao de
taes soccorros. Atteodendo as observages por
Vmc. feitas recommeudo Ihe que oQicie as auto-
ridades, a quem convier, para que Vmc. se
dirijam para o indicado lira, prevenindo o de que
em l'J do correte eoviei ao juiz municipal do
Buique urna pega de bjta, urna ambulancia de
mdicamente, e inslrucces para o Iratamento
daquelle mal.
Dito ao juiz de direilo da Boa vista Remello
Vmc para seu conhecimento, copia do aviso
expedido pelo ministerio da jusliga em 14 de
junho prximo to lo, declarando que S. fiJ. o
Imperador houve por bem approvar a deciso,
que deu esta presidencia, a segaiote consulta
feila por esse juizo, se nos crimes especiaes de
que trata a le i de 2 de julho de 1850 flangaveis oa
inaGangaves podiam os reos ser julgados a reva-
lia por nao eslarem presos, tu nao con puece-
rera exponlaneamente ao julgamento.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de
paquetas a vapor.Respondendo ao oficio de
Vmcs. de 19 do corrente, lenho a dizer-lhe que
nao podem os pralicos ser coagidos a presta-
rem gratuitamente os seus servigos a companhia
Brasileira de paquetes a vapor, como j Vmc.
tem sido declarado; sioto que 'ahi possam re-
aullar para a entrada e sahida dos vapores
embsragos, que a companhia pode remover sem
prejuizo de qualqaer direilo, que jelgue tar, e a
que Vmcs. fazem referencia 00 citado oficio.
Dito ao delegado de pelicia de lpojusa.Par-
ticipando Vmc. em oQicio o. 4 de 22 do corrente
que nesse termo a varila se ha desenvolvido, e
feito algumas victimas, rernelto-lhe um tubo com
pui vaccinieo, aflm de que o faga propagar con-
venientemente pelas pessoas do districlo de sua
jurisdigo.
Dito ao presidente e membros do conselho be-
ndceme da villa do Bom-Conselho.Em respos-
ta ao ofJlcio de Vmc. de 9 do correte, relativa-
mente a epidemia reinante nessa villa, teoho a
dizer-lhe qae em data de 3 desle mez remetli ao
delegado dease termo urna ambulancia de medi-
camentos para soccorrer aos indigentes, que
forem atacadoa daquelle mal.
Dito ao conselho de compras navaes. Pode
o conselho de compras navaes promover a ac-
quisigo dos objectos de material, precisos ao al-
rnexarifado de marinha e constantes do seu ofi-
cio de hontem datado, a que respondo.
Portara. Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor manden dar pasta-
gem para o Rio de Janeiro am lugares de proa,
destinados para passageiros de estado, no vapor
que se eaperi do norte, aubdita belgs Marie
Therese Kremens Dom e seu Olho Joaepb Dom.
Dita. O presideote da provincia, aitendeodo
ao que requereu o capilo do 4" batalho de r-
tilharia a p, Breailio de Amorim Bezerra, e ten-
do em vista o parecer da junta militar de aauda,
resolve conceder-lhe 15 dias de licenga, noa ter-
mos do art. 106 do regulamento de 27 de oulu-
bro de 1860, para tratar de aua aaude.
Dita. o presidente da provincia, atteodendo
ao que requereu Praocisco Veira, raeolve conce-
der-lhe licenga pira ir ao presidio de Fernando
de Noronhe, no hiate nacional Sergtpano, Uvo-
do comaigo oa gneros constantes da relacio jun-
ta, assignada pelo chefe de secgao servindo de
secretario do governo, com os pregoi constantes,
atlestadoi pelo presideote da jauta doa correcto-
1 Suisia eAjlemaoha, onde vio fazer ama viagem
j de recreago, devendo mais tarde encoDlrar-ae em
Goths com a raioha, que para all segnir, segun-
do s* efflrma. em meiado do mez de agosto.
Estdestinada para odia 11 do correte a ce-
remonia da destribuigo dos premios qae houve-
rem sido decretados pelo grande jury da exposi-
gao Internacional de Londres. Essa solemnida-
da ter lugar no palacio da exposiglo, sendo
presidida pelo duque de Carxbridge, eocarregado
de entregar aos representantes das potencias que
figurara na exposigo ioternacional os respectivos
premios.
O corpo diplomtico assistir essa feste em
graude uniforme, e nella tomarlo parte varios
principes esirangeiros aqu residentes. O prin-
cipe de Carignan representar naquelle dia a Ita-
lia ; o principe Osear vira representar a Sarcia ;
o principe de OraDge a liullaoda ; e o vice-rei
do Enypio a Turqua.
O Brasil aera representado pelo seu mioislro
nesta corle, constan do-rae que este nosso Ilus-
tre aneconario cabera a honra de receber nao
poacos premios que se acham j designados para
varios de nossos expositores. O nosao cha, as
oossa3 maleiraa. o nosso algolo, charutos e
calgido oblerao provaveimeote os priraeiros pre-
mios vista da alia reputago em que esto aqui
oases objectos.
Heservo-me para dar na Biaba prxima carta
urna minuciosa noticia da (esta da destribuigo
dos premios ; mas desde j posso annunciar qae
aera solemoidsde lo fastuosa como foi a da
abertura da exposigo no dia Io de maio.
Esta grande empreza hoja reputada viogada,
hivendo a companhia alcangado muitaa rauta-
geni nesles ltimos dias. O termo medio dos
visitantes do palacio de Kensingtoo tem regulado
nos ltimos quinze dias por sessenta mil p-*ssose
e pode presumir-se que esle meio-termo conser-
var-ae-ha ao meooa at o nm de agosto. Ora,
com este proveio calcula j a directora que po-
der nao s cobnr o capitel quedespeodeu para
a construego do edificio, como alcaogar um ex
cedeute que largamente servir para o juro dea
quaotias despendidas ; de modo que, na parte
tinancelra, veoha a exposigo universal de Lon-
dres satisfazer completamente o calculo daquel-
lea que para ella contribuirn] com 01 seua ca-
pitaea.
A receita at h. je j excede a que a exposlgio
de 1851 havia apurado no mesmo periodo, ha-
vendo o edificio de liyde-Paik castado qoasi o
mesmo que o de Kensioglon Core. Al entradas
na exposigo tem silo conservadas um sbilling
excepto nassextu-feiras e sabbados, em que tem
sido dous shillings e meio.
Von lever ao conhecimento dos leitores uro
incidente que tev# lasr na ultima qoinzena e
que muito agradar por cerloao publico brasilei-
ro, por lhe aer lisoogeiro. E' aqui costme im-
memorial celebrarse as universidades de Ox-
ford, Cambridge e Durham, a commemoregao dos
grandes bomens que por seus actos de beoecen
ca tem dotado aquellos estabelecimenlos, tendo
lagar nessa eccasio 1 solemnidade de conferir-
se pessoas destnelas o grao de doutor honora-
rio, que oeste paiz altamente apreciado. Cele-
brou-se 00 dia 2 do correle, em Oxford, aquella
commemorago, que so repele em cada quatro
ancos, e por essa occasiao haviim sido designa-
dos pelo vice-chanceller da univeraidade para
receberem receberem a mencionada honra o mi-
nistro do Brasil nesta corte, lord Pelmeraton, sir
James Outran, e sir Rouodell Palmer, alera de
outros, teodo o dilo vice-chanceller prviamenle
solicitado do nosso representante aqui o seu con-
seolimento para aquelle flm, coosentimeoto que
para logo lhe foi dado por S. Exc. O oome que
o Brasil boje sustenta lo ventajosamente entre
as nagoes da America, a syrapathla que nesle
paiz existe por suas iosliluiges, a total cessago
do trafico africano para o imperio, o finalmente
oa molivos peesoaes que reaidem no nosso repre-
sentante nesta cd.te, pesaos Ilustrada, hornera
de latirs, e demais muito condecido oeste paiz
onde se acha acreditado ha j bastantes anoos,
ludo isto foi por sem duvila a causa da grande
honra que a universidadede Oxford quiz conferir
sobre o ministro de S. M o Imperador do Brasil
junto do governo britnico.
Com eleito no dia 2 do corrente receben o Sr.
conselheiro Carvalho Moreira.das mos do vice-
chanceller da uDiversidade de Oxford, as insignias
de doutor honorario em leis, assistindo essa
ceremonia um numeroso concurso que applaudio
entusisticamente o representante brasileiro.
Nessa mesma occasiao receberam igual honra,
mas depois do mioistro do Brasil, lord Palmera-
too, air James Outram (o hroe da India), e sir
Roundell Palmer.
_ Na noite desse dia foi o mesmo ministro con-
vidado pelo vice-chanceller para am baile, que
teve lugar meimo em-Oxford, na residencia da-
quelle prelado.
Os jonaes ioglezes tem dalo noticia deste auc-
cesso, applaudindo a escolba que a univeraidade
sos psrtidos politicos, nao ple ser a divisa ex-
clusiva de um asiles.
As palavrasconservador e liberalta-mbem
nao me partee que hoje tenham urna significar
t o positiva que possa servir para estabelecer es
bausas que devera separar-nos no empenho de
melhor servir causa publica. (Muilos apoiado9.)
Creio, Sr. presidente, que neobum dos an'gas
partidos, que oenhum dos seus chefes o dos ses
aemDros roaisdistinclos pode hoje invocar o seu
passado como a vepresenlegao exacta do prsenle
e a norma onie* do futuro.
Emendo que nao, Sr. presidente, porque aquel-
las que assim procedessem fariam deshonra s
suas acluaes alliangas ...
O Sr. Martinho Campos :Nao apoiado.
O Sr. Paraohos :... negariam esse progresso
a que lodos aapiram.
O Sr. Uartinho Campos:Nao apoiado.
O Sr. Paraohos :Creio que conservadores e
.. liberaes somos todos nos, e isto mesmo o que
iogler. Assim, pois, o goveroo briaooico comega muilas vezes se tem repetido de um e outro lado.
tr------------------------------ ------------------- I-- f w arwSMBl wav lUbD V OUVIUU
reveniente seguiro os illusires noivos para a I prego que chegou aquelle artigo no mercado
a aiarmar-se sriamoote do|estado desavoravel
em qe aqui se acham as classes operaras, esta-
do que por certo peiorar quanto mais for duran-
do a guerra civil na America ; pelo que acredito
piameate cas palavras de lord Palmerstoo quando
diz que para mediar na guerra da America a
espera por um favoravel eosejo.
A Franga parece eslar de accordo este res-
peilo com a Gra-liretanha, e a impreosa do am-
bos os paires favorecen) sitamente a idea da roe-
diag&o, logo que as circumslancias a aconse-
lhem.
As noticias do theatro da guerra nos Estados-
Uoidos chegam ( por via de li-Iifax ) ata 16 de
junho prximo passado. No dia 2o daquelle
rtestno mez lioha havido defronte de Charleslon
urna at>guioolenta batalba entre os (ederaes e os
confederados, resultando numerosas perlas de
ambos oslados. Os federaes reclamam a victoria
nesse combate ; mas a circumstancia de haver a
irapreuea do norte guardado qiasi sileocio sobre
esse importante successo, leva a crer que sem I
rato a prelengo do exercito feleral de ler sido
vencedor defroole de Charleslon.
Em Kichmond as posiges respectivas Qcavam
sem nolavel alieragao, nao ser que es piquetes
do general Mac Clellao houvessem ganho algura
terreno, repellindoosdestacameotos do* generaes
Heislielraanns e Hookar. O general Beauregard
ticha deixado Monigomery para Richmond. O
general Jacksoo se vira nbrigado a retlrar-se Jisu
le das torgas do general Fremont.
Era Nova-Orleens o general Bulller continuava a
gove-^P militarmente, dando issso lugar varias
re:' .igoes por parle dos cousules eslrangeiros,
is q; ->a todava o delegado do presidente Liocoln
aa satifago pareca querer dar.
ngresso havia autorisado o governo a emit-
150 miihoes de bilheles, sendo provavel
1 somuia v na escala ascendente I pro-
J.ue aa oecessidedes da guerra pedirem.
"ente Lincoln se achava em West-Poiat,
a para aconselhar-se com o veterano ge-
neral (Scott, que all reside.
ppareceu finalmente nos ornaea franceies
rio do genral Loreucez acerca do ataque de
de cuja lomada fallaram lano algumas
ella as ideas do partido conservador moderado
de modo que as diversas crises roinisteriaes por
que temos recentemente passado nao tem prolu-
zido aqui seno lmpresso favoravel aos princi-
pios da ordem e legalidade, porquanto os dous
ltimos minetenos e o actual tiveram existencia,
principalmente pelo apoio que receberam do par-
tido conservador, mesmo aquelle que teve de du-
rar apenas quatro das.
O receio que o povo brasileiro tero de langar-se
em folias liberaes para a naco iogleza a maior
prava do seu bom senso e do rapeilo que os Bra-
sileros tributara s insllluiges mooarcbicis por
que felizmente se regera.
Desembarcaram em Southampton, de bordo do
Varan, 149 passageiros, haveodo cado 109 em
Lisboa.
O cambio do Brasil sobra Londres foi aqui cota-
do a 25 3|1 d.; o desta praga sobre o imperio
regulou desta vez a 24 d. 21 l[i d. por mil reis.
As fulhas inglezas oceuparam-se da descoberta
oa DiamaDiina de um bullante do tamenho d'um
ovo de ganso I
Seguem com efleilo no paquete inglez d'ama-
nha para o Rio de Janeiro, os Srs. Sauoders e
Tennent, encarregados de orgsnlsarem na capital
do imperio a caixa filial do novo banco entre
Londres a o Brasil. Consta-roe que esees indi-
viduos, alias j coohecidosdo imperio ODde resi-
diram, vo recommeodados casas inglezas de
primeira ordem eslabeletides no Rio de Janeiro.
A directora tenciona crear mais tarde Qliaes para
o banco na Bihia, em Pernambuco a em Lisboa ;
sendo possivel que principio sollicite das caixas
llliaes do uosso banco uaquellas provincias que
se encarreguem ellas mediante ralribuigo de fa-
zerem pelo novo banco operagoes de aaqaes so-
bre a Europa: isto lhe parecer talvez o meio
mais prudeota de marchar no principio da sua
carrelra. Mr. Frederico Yoale, que deveria par-
tir com aquella mlsso, desisti, como j in-
formei os leitores, dessa viagem. As aeges desle
novo banco ncam premio de 1[2 por cada
apolice.
As oossas emprezas frreas, que se acham
venda no mercado de Londres, conlinaam as
condigoes que ltimamente refer: isto as ac-
goes do Recife esto a J: 4 1|2 eS 4 de descon-
t, bavendo completado aa entradas na razo de
36 20 por apolice; as aegoes da Baha e de S
Paulo conservara premio, achando-ae ai prime!-
ras com o de 'J. 1 a l Ii2, a as segundas com
o de 5|8 a '* 3|8.
Os fundos braslleiroi de 5 por caoto ficam a 99
3|4 ex-di'idendo ; o os 4 1[2 porcento a 93 1(2.
Os consolidados iuglezes 3 por canto a 92; os me-
xicanos 3 por cento a 28 1|4 ; 01 3 porcento por-
tugueses a 45 1|4 ; os 3 por cento hespanhia a de Oxford fizera na pessoa do Sr. Carvalho Mo-
53 112 ; oa 5 por eoto ruasos a 96 3|4; os 5 por reir, e que leem attribuido aos motivos qua ci-
ma ficam apootados.
Devemos felicitar-nos sem duvida por am suc-
cesso que resiga o nosso merecimento como na-
ci, tanto mais qaando somos julgados por um
povo qae, como este, procura liger-se cada vez
mais ao imperio americano.
Assim, poia, registro aqui com particular satis-
fagan a noticia alludid, congralulando-me com
o paiz por ver o nosso representante to altamen-
te distinguido ao lado de lord Palmerstoo ede
sir Jemes Outram, ambos notaveia por sua sabe-
dona e acrisolado patriotismo.
Os trabalhoi parlamentares tocam aqui o seu
termo. As cmaras aero provaveimeote encer-
radas at o fim desta mez, viato como os orga-
mentosse acham quasi discutidos o nao ha ma-
teria nova de importancia que oceupe a atteogSo
das meamaa cmaras o do goveroo. Nada de
importante tem ltimamente occorrido 00 parla-
mento brilannico. nao ser a insistencia com que
lord Palmerstoo defendeu o consegoio o crdito
de 96 1,200,000:0:0. para a continuagao das obraa
do defeza da Gra-Bretaoba. Mr Osborne,
frente doa partidarios da defeta aimplasmeote
martima, ataeou a proposta, allegando que quaes-
quer lommas despendidas com defezas de trra
seriam infructferas, porquanto depois do famoso
combate entre o Uonitor o o Merrimac as bate-
ras de Ierra eram hoje reputadas problemticas;
e, pois, eoocluio avisando a cmara que negasse
ao goveroo aquelle crdito para o fim da-conti-
uaar com as obras da Portsmoulh. Plymoulh e
Spitbead. O govoioo, porm, explicando o aeu
pensamento de applicar aquella somma para
obras que venkaosa defender osgraodeaarsenaes
da, Inglaterra, aem toiam negligeaciar o pro-
(Apoiado?.
Somos conservadores, porque lodos queremos
conservare defender as Iosliluiges juradas ; lo
dos reconhecem que a monarchia a mais pre-
ciosa heranga de nossos maiorea(apoiadoe); que
aiolegridade do imperio a condigio eesenciil
para o futuro grande e glorioso que deiejamos
ao nosso paiz.
Sob esle poni da vista, pois, todos nos nos po-
demos chamar coo servadnres.
O Sr. Lima Duar te :Onde eit eolo a divi-
so?
O Sr. Prannos : Tambem somos liberaes, por
que todos querem os a monarchia, mas a monar-
chia no raaisperfeito consorcio com as liberdades
publicas (rauilos apoiados) ;c esta a exigencia do
seculo em que vivemos, esta a espirago bem
manifestada por lolo o paiz. (Muilos apoiados.)
Pelo que loca ao passado, senhores, pens qae
nao ha entre os nossos homens politicos nenhum
to pretencioso que se julgue o nico isento de
erros. Creio que ambos os partidos politicos do
dosso paiz, que todos os seus chefes e alliados,
podem dizer de si e de seus adversarios :]/io-
co.i inlra muros pecatur t extra.
Hontem ouvimos ao nobre deputado pelo mu-
nicipio neutro fallar de caatellos anligos, de ben-
deirasque conservero vivas todas as suas core e
as mesmas legendas. Mas ao mesmo terr.po o
nosso illuslre collega fallou nos de urna grande
>?. ga que se compe de caracteres a que ren
do a homeu agem que merecen), e na qual cont
amigos que muilo prezo.
Secom effeito subsisiissem esses anligos cas-
ttllos e essas aDtiges bandeiras a que se referi o
nobre deputado pelo municipio neutro, a exis-
leocia da liga off. receria o quadro do pheDome-
no maravilboso que tao brilhantemente nos pin-
lou o meu nobre amigo deputado pelo 4 dislric-
to da provincia do Rio de Janeiro.
Mas nao assim, Sr. presidente, os anligos cas
tellos cahiram em ruinas, como todas ai cousas
deste mundo de IransicgSo ; esses bandeiras de
guerra j nao fluctuara aobre as ameai dos ami-
gos castellos (apoiados); tambem nao foram tro-
cadas, como nos disse o Dobre deputado, durante
'queile paiz, sem que todava bou vase doi guardes ; foram mui voluntaria -
tnenor tundmoslo de verdale. Pueala,
via ido Hatada no dia 5 de maio ultimo
_ 'naral Lorencez, resisti bravamente ao
exerctlo fraocez, que haveodo perdido muita
gente ietirou-se para buscar reforgos. No dia 18
aioda iui de novo atacado o exercito francez pelas
forgai do general Zaragosa, que aperar de nao
ser batido nao pJe todava impedir que o gene-
ral mexicano Marques viesse a fazer junego com
aa tropos rencezas. Aclualmenle acha-se Lo-
rencez com o seu exercito em Ornaba, haveodo
conseguido, seguodo se a furnia, abrir es commu-
oicagoas entro aquelle ponto e Vera Cruz.
A siluago actual, porem, da expedigo fran-
ceza no Mxico nao favoravel, e esta circums
tanda lem vivamente inquietado o imperador
Napoleao, que cada dia faz partir novos reforgos
para Vera-Cruz. O almirante Jurien de la Gra-
vire acaba de partir com insirucgoei, e breve-
mente o seguir o general Forey qae ir tomar o
commaodo em chela das tropas raocezas.
A opioio publica em Frange tem-se manifes-
tado altamente contra o imperador por motivo da
expedigo do Mxico, qua desapprova ; e mesmo
oa cernir dos deputadoi appere>eram esse
respeilo sigoaeido descootentamenio.
Urna parte lelegrapbica de;Varsovia em 3 do
corrente, annunciou para aqui qua na noite desse
dia houvera uma tentativa de assassinato sobre
a pessoa do grao-duque Constantino novo gaver-
nadorda Polooia ;Jfelizmente, porem. a bala com
que foi ferido aua alteza imperial apenas o tocou
levemente no hombro ; o assassino havia sido
preao, e o principe sa achava sem o menor perigo.
cento sardos a 83 ; e 014 por cento turcos garan-
tidos a 103 1)1.
O algodo de Pernambuco tem sido vendido a
14 3|8 d. e 14 1|2 d. por libra ; o do Maraoho a
15 d. o 16 d. ; e o di Bihia a 15 3|i d.
Cacao de 52' 6 per cvrt; caf primeira quali-
dade 68' 8 i* per cwt; legunda dita 60' 67', o or-
dinario 5z' 59*.
Pao Braa 75' por tonelada.
Assucir branco da Pernambuco e ds Parahiba
24* 29* per cwt; mascavado 16' 6 d. 23* per cwt;
dito branco da Baha 21' 6 d. 28', o mascavado
17'21' percwl.
Couros salgados 5 1|2 d. 7 d. por libra ; sec-
eos 8 d. a 8 1(2 d.; o seceos salgados de 5 d. a
7 d.
Na ultima quiozena chegarsm de diversos por-
los do Brasil Inglaterra os seguiotes navios : di
Baha cFortitude 22 de junho aGreenock; de
Pernambuco Prioce Regenta 22 aGreenock; de
Pernambuco cComtoodore 23 a Greenock; de
Pernambuco clmogeoe 30 a Liverpool; do Rio
Grande cHargereih 1 do correte a Falmoulh ;
e da Baha Herald 3 a Queeoatowo.
Dos portos de Inglaterra para os do norte do
Brasil nao houve procedencias nesta ultima qain-
zena.
No dia 1" do corrente teve com effeito lugar em
Osborne a ceremoaia do casamento de sua alteza
real a prioceza Alice di Gra-Bretaoba com aua
alteza gr-ducal o principo Luiz de Hesse. A'
este acto aolemoe, qua foi todava celebrado sem
grande pompa naoi cortejo, assistiram, alera de
S. M. a rainha o toda saa real familia, o grao-
daque de Hesse, o principe e a prioceza Charlea
de Hessa, o tiuque reinante do Sixi-Coburgo-
IKTERIBR
MI DE .1 V\i;iH<>.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
Discurso do Sr. conselheiro Jos Mara
da Silva Prannos, pronunciado ua
sesso de 28 de junho.
_ Orgamento do imptrio.
Contina a segunda discusso do orgamento na
parte relativa ao ministerio do imperio, com as
emeodas apoiadas.
O Sr, Paranhos (signaes de attengo) :Sr.
presidente, escusado declarar cmara, porque
j live occasiao de meoifasta-lo, que adhiro in-
leirameote s opinidei hi pouco sustentadas pelo
nobro presidente do conselho, relativamente
questdes constitucinaei qaesuscilouo meu hon-
rado collega deputado pelo muDieipio neutro.
Eu seria temerario, apezar da replica do nobre
deputado, se por acato pretendessa alduzir no-
vos argumentos aos que com taota sabedoria e
eloqueoeia foram produzidos pelo nobre ministro
o Sr. presidente do conseibo, para provar a coos-
titucionalidade de actuel combinago ministerial,
e o direilo dos priocipes brasileirosque se acham
fra da imperio. Tratarei, pois, de outros assump-
tos, pelos quaes havia pedido a palavra.
Era roioha iotengo, Sr. presidente, limitar-me
neste debate defeza do gabinete de 2 de margo.
Acamara tem visto .que os x-mioistros, mem-
bros desse gabinete, parece terem por nica mls-
so presentemente a justificarlo de aeut actos :
m axcessode honra que ae faz ao gabinete de 2
margo, e que nos nao podemos nem deremos re-
cusar.
Todava, 01 brilbanles discursos que foram
proferidos hontem o na sesso anterior obrigam-
me a dizer algumas palavras sobre as questdes de
poltica geral, antes de emprehender a defeza dos
actos do gabinete transacto, que de novo foram
censurados por varioi Srs. deputados.
Eu reeeiaria, se eotrisse logo na discusso da
materia velha, fallar da todo ao preceiloAo Jovt
principi*m.
Sr. presidente, nprogresso a palavra do dia;
ella est inscripta em todaa as bandeiras.
0 Sr. Marlinho Campos: Anda bem.
O Sr. Paraohos:....nao ha entro os quem
pretenda flear estacionario, e meaos qaem pre-
tenda cieninhar para tras.
O Sr. SiUeira Lobo : Tomaran agora essa re-
sologao ?
OSr. Pinto do Campoi :Ha muilo tempo.
O Sr. Parenhoi:Por estelado, creio qae o
mente substituidas por estandartes df paz, que,
abrindo campo a novas e honrosas alliaogas, ten-
dera a guiar-nos para dias mais prsperos que os
desse passado que se records.
Sr. presideote, se eu nao sooho, se estas pro-
posiges por mnilo repelidas nada perdeem de
sua verdada, creio que os homens politicos, os
chelee de partidos que xistem em nosso paiz, se
acham accordes nos grandes principios comiitu-
cionses que ha pouco enanciei.
Qaaes sao,
rem
pois, os principios que nos sepa-
. ou antes qual a applicago que devemos
fazer dessas Ineses constitutiooaes aos proble-
mas da actualidad* ? is o quecumpre investi-
gar ; esta a misso que compete aos chefes de
nossos partidos politicos.
Posiaido destes seotiwentos, applaudi e ap-
plaudi eapplaudo de todo o corago a iniciativa
que tomou o nobre depulado pelo 4" districlo da
provincia do Rio de Janeiro, suscitando as ques-
loes sobre as quaes os homeos polticos que sao
chamados a dirigir os destinos deste paiz devem
pronuociar-se, ixaodo ah o verdadeiro campo
de oossas Iotas cooslitucionaes.
Era minha humilde opioio, Sr. presideote, as
opposlges nao devem sor. como leem sido eotre
os,-a negago absoluta do que diz e do qae
pralics o goveroo. Uma opposigo que aspira
ao poder deve ler ideas bem definidas e contra-
pd-las s que sustentar o governo, manifestando
completamente as suas vistas. O programma de
um partido nao deve ser com os pregos que se
do aoi emissarios martimos, queso se abrem
fra da barra. Desle procedimemo resulta o que
aconteceu ao ilustre cbife do gabinete de 24 de
meio.
Nao nos dizia aquelle illuslre cavalbeiro, as
vesperas de subir ao poder : O programma
est feito. mas s opporluoamenle pJe ser apre-
seotado a ?
E o que vimos nos, senhores 1 Vimos que o
illustra chefe do gabinete de 21 de maio, nos
transes do mais doloroso parto ministerial que o
paiz tem preaenciedo, nao tendo um program-
ma feito, pedio o do gabinete de 2 de margo, ti-
rou-lhe algumas proposigdes, deu-lhe outra for-
ma (apoiados), e veio no-lo apreseotar como obra
nova, recentemente chegada das.regies da mais
saa pbilosophia liberal.
OSr. Martim Francisco : Isso se dira com
rizo respeilo do ministerio anterior.
(He mais apartes.)
O Sr. Pinto de Campos : Continu, conti-
nu.
O Sr. Paraohos : E' a esta pratica que o no-
bre deputado pelo municipio neutro deve attri-
buir a instabilidade o fraqueza dos ministerios,
e nao falla de membros do parlamento oa com-
posigo dos meemos ministerios. E' preciso,
seobores, que a politiea nao s*ja am mysterio.
O segredo, diz o proverbio, a alma do negocio;
mas esle proverbio s pode ser applicado vida
intima dos partidos; ero suas relagdes com o paiz
os partidos devem sar francos e explcitos, na
(ribuoa o na impreoia, pelo orgo da seus bo-
mens mais distindoi.
as lulas polticas, assim como as lutai civis,
diz Duvergier de Heuranne, 4 pela aclividade e
pelo esforgo que se obtem o triurapho ; o tri-
mpho cebe aquellos que o sabem ganharcom o
soor de seu rosto.
Cumpre, portanto, aos homens distioctos de
todos os lados politicos, quelles aue possuem
capacidade eo prestigio de chefes, manifestar so
paiz qaaes sao suas vistai, indicar a derrota q,ua
devemoi seguir, sssignalar as devisas que nos
separara, o ante as quaes podemos lutar ooiute-
resse da causa publica, sem que reciprocamente
nos recusemos a jastiga reapeito a que temos
direilo.
Thiers, Da tua historio d* revolueo francesa,
enuncia um pensamento que me parece moito
verdadeiro. O illuslre historiador nota que, se
os partidos padesseca opproximar-se e entender-
se, as diisenses polticas desapparecerlam ou
ticariarn reduzidas a- muilo pouco.
Creio qua esV pensamento de Thiers a ne-
nhum pait poda ter tanta applicago como ao
Braail parece-rne que a maralha qae nos sepa-
ra rjQuilo delgada, se lhe lirarmos o cimento
das interesses pessoaes.
F.is. Sr. presidente, o voto que eu enuncio com
retego 6* manifestsges eloquenies qae onvimos
r,as ultimas sesioes. Se eu Uvera a capacidade
e prestigio necessarios para ser chafe, proceda-
ca assim, parque assim o julgo indispensavol A
cipios que reputo salvadores, e a sol
segundo elle, devem ter as quesles p'oeitfva,
da actualidad. Procurara consegu -In Mf to-
dos os meios lcitos ao meo alcance, ji na tri-
bun, j na imprenss, com a coadjuva^io dos
amigos que eu tivesse a fortuna de icomp'aohar-
me.
Eu, porm, Sr. presidente, son ipenss ara sal-
dado. .
Muitas Srs. deputalos r-E'oit digno ehei>.
O Sr. Piolo de Campos : E1I0 eel duealJ
isto por modeati*.
Um Sr. deputado: E' melhor chefe do ata
o Sr. Selles Torres-H >-nem.
O Sr. Paranhos :.... s.)u apenas m sol-
dedo qoe pede aos seue chefes que o dirijsm a
combate, que estabelegam a lata era ierrn> quo
seja franco e honroso para tolos, qua avilamos
e diga do Brasil que sus partidos sao penosos.
lelo 4, que a delesgao e a lula nao 4 pelos
principios, mas sim por certas o determinadas
peesoas. As pessoss valora muilo, terto, as-
sim oes relages particulares como na vida pu-
blica ; mas a digoilele do hornero algumas v-
zee exige que elle separe-ae de amigos amigos,
sem que todava abjure seus priocipios, ou di-
xe de servir mesma causa.
Sr. presidente, limo-me por agora a estas)
observagoes...
Muilos Srs. deputa tos : Apreslo o pro-
gramma, declare ae aceita ou jo es ldaa B
seu collega.
O Sr. Paraohos :A referencia que flz ao dis-
curso do meu nobre amigo deputado palo 4.*
districlo do Itio de Janeiro, nao pode daixar a
menor duvida sobre as impress.'es agradaveis
qoe elle em raim produiio ; nao tooaei, porm.
o seu discurso como ura programma ; pereca-
me qae elle spreciou o estado do paiz b ooa
ponto de vista geral, que indicou alguoi dos ma-
les que loffre nossa sociedade, sem ao tr.esm
tempo indicar o remedio qua devemoi appltcsr
eese estado de cousas ; esperemos, pois, o dei-
eovolvimento de suas ideas, nao as desvirtue-
mos, como eu vi logo praticar-ie no du segua-
te pelos jornaei desta cuite...
(Ha muttos apartes).
Sr. presidente, a hora est avangada, e ea o39
desejo abusar da paciencia da camera ; p-rtaato.
passo 2.a parte do meo discurso, i defeza dos
actos do gabinete de 2 de margo ..
Vozes : Oh oh o programma quo os
queramos.
Algum Srs. deputados : Continu no mesmo
asaumpto, continu.
O Sr. Pinto Lima :A hon est idiaolads.
(Risadas).
O Sr. Paranhos : Sr. presidente, os oobres
deputados fazem-me tornar ao ponto qae s
quera delxar ; nao me parece que a occasta
saja opporluna para apresentar programlas, a,
como j diese, s aos ebefes cabe formular os
programlas. Ha enlre nos um armisticio lici-
to, o sene violiresso armisticio se agora tratas-
sernos de discutir todas essas quesles ; nao
chegado o momento de separar-nos. O ooOre de-
putado que hootem orou ligurou nos como doos
cordeiros eo lado do minislerio, o quena qae o>
ministerio se decidiese por om dellee ; mas ea
pens qus dous cordeiros, anda que aa aoja
branco a ontro preto, podem rootiouar por al-
gum lempo oo meemo eprlaco...
O Sr. Rodrigo Silva : Sa nells nao bouver
lobo.
O Sr. Paranhos : Aproveitemoi, pois, sais
tregua para prestar ao paiz o servigo que sioda
ae Ibe pode prestar uuranle o reato da presento
sesso legislativa.
O nobre depulado pelo municipio oeutro toco*
hontem n'uraa questo que tan bem me paree
digoa de ser muito considerada pelo governo a
pela esmera. Uoo meus humildes votos aos do
nobre depulado. A eleigao o cadinho em quo
se apura a voolade da maioria nacional ; a es-
ceda larga e honrse por qua devem sabir as
maiorias e descer as minoras: tratemos, pois.
de aperfeigoar essa cadinho, de tornar franca o
segura a estrada por que todos devemos pasear.
A falla do throoo chamo a atteoco da as-
icmbla geral sobre esle objecto, a a resposta
da cmara dos Srs. depuladoe foi de ;ni-- > ac-
crlo com o pensamento manifestado do alto do>
throoo. Todos ne reconbecemos os abusos que
se do na qoaliQcego dos volantes, os esciodi-
los das duplcalas de diplomes e da apangues :
porque nao cuidaremos do melhorar, ao aseos,
o proceaso eleitorat qual se ach eslabelecida
pela legislad-o vigeole ? Esta melhoramento
di le eleiloral lerii um lervigo relvente, o os
o poderemos realisar le aproveilarmoi aa cir-
comstaociai ictaaei e o tempo de qae podemos
linda dlspor na presente sesso.
A queslo ioteressa a todos ; e por isso ea alo
duvido propor que se nome uma comrtissao.
representada por membros de am e outro lado
da camera, para oceupar-se com urgencia dessa
sssompto.
Ui um projecio ipreseotedo na sesso do sa-
no paseado por um nobre depulado pela provin-
cia do Cear, relativo qoaliflcago doa volaa-
paiz podo tranquilllnr-soarespeiti) dos designios
dos seu* homeos polticos. Consequenlemeale,
a palaTraprogresa*oooodo discriminar no/,- felicidad publica. Procurara pianiteiiar OABtia-
le; isie projecio, se nao estos engaado, foi
remeltiio a uma commisto especial, quo aioda
nao deu parecer algara ; ore, se oomeassomos
uma commisso como me parece que ella deva
aer composta para qoe nossos esforgos sejam
bem succedidos, composta do membros da ambos
o lados da cmara, esse commisso poderla
chemar a si o trabalho a que me retiro, o coa-
pleti-lo como maii coavier.
Daqui doui 10001 teremos ame eleigio ge-
ral, e a poltica j esle inno exigi por dais va-
tes diseolugo da cmara : porque dio traia-
remoi deata materia, qus to importante :
porque nao diremos eiti garanta s todas as par-
cialidades?
O numero de eleitorea est Iludo aioda sobra
uma baso provisoria, nao a da le do 19 de>
agosto de 1843, mas ostra tambem provisoria
ealabeleeida pela lei de 18 de agosto de !>>.'>. a,
bais detinitiva, que esubeleceu a le da 10-ie?,
de um eletlor por cada 100 legos, anda nao la-
ve applicago, porgue nao sa lesa procedido,
eemo bem disse o oobre deputado, to arrolaaiea-
to a populago do imperio. Nenhum de bs>
descoobece das difficuldadesqne so oppoaaa a
um perfeilo irrolimeoto da populago do tapo-
no, mis necessirio consegar oesse empenho.
porque s com o tempo pederemos ebegar a aoa
censo senio exacto, muito approximado. ama
disposigo eseeocial.de umi-dis primeirai leu da
paiz. que tem lido poeta de ledo com a acsenli-
aaeoto ds lodos os partidos, t' sato aa avalo
de que a commissoeepecial devana occa-
par-se.
Sr. presidente, j& que alguna sobres depoli-
dos me desviirim co cimiobo qua sa havia ta-
sado para nao abuaer domastaco da paciencia.
da cmara, pego licenga para clarecer aioda>
breves comideragoes ao nobea presidenta Ao
conselho, minisWo do imperio.
A illuslre commisso do orgamento fellou-ao
de ama autorieagao ao goveroo para psgamoat
do dote do sua alteza a Sea. prtncata D. Ja-
nuaria ; nao sai so sssa autorieego conce-
bida nos -ornaos mais convenientes, isto sao
aei ae a. commiasao pretende qoe o pagaasata
ao faga, pala renda ordinaria lmsaie, ou sa aar-
mitte .BCiuar a deipeza da qaa M trau sar
meio de mise da apolicea, sa a laadaa ordi-
nar-.a lr insafftcianla.
Sel n* asta autorisago (ari objscts da aa
Mttgo idditivo que nao rol aiada
ma su desdo ji chama a aUeogao do
mioislro do imperio e di lllusirada
para a coaveoiencia de acsHar-sa aa govarao
a Htbbxer esta despez asta rsaia eidMuit
.
14
1
ILEGVEL



DURIO DE FERMAMBCO. SEGUNDA. RitU ti Dt JLHO DE iici,
te for tufficieuie, o por oulro mel, no por notessidale do servico, qaando omaio er-
cato contrario, i vico o ditpeosao, nao devia conititetr dida de
Veio do enado a eta catear am projecto pret. Por este modo cooieguio-te ama econc-
relativo a alieoacio dos beoe de rit po*uldos ma que nao era para despiezar, acebou-se rom
por orporscoes de mo mona. Eale projecto mi pepineira doa rebaiedores, deque resulta-
ana parece digno de auvni,io do nobre mioistro
o imprio e de S Exc. o Sr. minitlro da fa-
aenla.
O projecto fui aqu adiado, porque se pre-
eenlarioj duvidat. no meu modo de ver proce-
Oectes, a reapeito de eo segundo artigo.
O art. 1. diapeoaa camv de votar animal-
mente lea pr que as corporace do mo-rnor-
i pstera adquerir ben de ral, nc*s;erios aoa
fina de ana ioslitoices ; no para tae cooceaede*. O art. 2* determina
que tejsm alienadoi e convertido! em apolcei
osbenedenii que nao forem inditpemaveis a
as** corporacoee.
Bata alituacJio de beos de rail, que em avalla
ta terami e aem necettidtde potsuem oa corpoi
co. Sao aflores qe etilo seque*lrdo da cir-
caiarJo geral, sao propriedsdee mil eproveita-
trat; a aua convenio ero litaloe da divida publi-
ca (aria subir o valor desle.
Eu, poia. m animo a rogar ao oobre miois-
tro do imperio que lance mu viitas sobre o pro-
jecto a que me reOro, e, se a aua doutrina me-
Tecor-the a consideradlo de que a julgo digna,
taja de contribuir para que alguma providencia
tomemoa oeaa sentido.
E' temp). Sr. presilenle, de pasur ajustic-
etelo dos actos do gabinete de 2 de marco, sobre
quede novo te UfMiaram censuras nssi caa.
Pirecia-me que o brilhante dtcn-so do nobre
ex-ministro da ju-ti; sos actos censurados do
mtnuterio da guerra, diepeuaaria outra qualquer
defeza ; mas o nobre deputalo pela 5 dislriclo
Ja provincia de Pern*mbuco volie* carga, pro-
dutio as mesmas censarse, e losioiolo uellas
e-om empenho quo exige tambem da nossa parte
alguma replica.
O nnbre depulado renov*] a censura qoe fez
ao meu nobre migo o Sr. ex- mioistro da guerra,
repelindo aioda urna re que o sea relatorio
estril, que ueste documenta nio se \i conside-
rlo algaina digna de am general como o Sr.
marquez de Caxia.
Se por ventura a observado do nobre depula-
to se referiste, creio que nao foi sie seoiimeo-
to, A c.-pacidade militar do nobre msrquz re
Caiia, eu me calara ; mas o nobre depulado.
iando dosjprojectot que receben 4e seu anteees-j forsm particularmente dirigidas ao ministerio
eitave confiado. (Maito bem ; muito
varo. multe* dividaa de exercicios finos.
O oobre depulado pela provincia da Fermm-
buco nada vi que-lh merecis aprese do rsla-
lorio do ministerio da guerra ; e todava, Sr.
presidente neete retorio te falla-de tima oira
med ia importante, qual o projecto do monte-po
militar.
Esta projecio eslava elaborado, e creia> qoa o
nabre ex-ministro da guerr o.opresenteio na
cmara de que membro. Elsequi um projecto
que vale mai* que um relatorio....
O Sr. Brendao IQual .
O Sr. Prannos : O do menU-pio militar, qe
ten por fim pouptr grande despeza ao estado.;,.
O Sr. Brandad :E' preciso ver as diiposieosi
do projecto.para se poder apreciar,
O Sr. Paraobos :... e aaiegarar a vaoUgem
do meio sold s familias de todos os oflkiaes do
exercito.
O Sr. Brsndao :Se for como o da mariohs,
nao vala a pena epre*uta-lo.
0 Sr. Prannos E" plano meibor concebido
que o da marioha ; o da roaiioha, certo, nao
compensa o aacrificio do estado, a cootribecao
que exige nao chega para as penoes qae anow-
almente se pagam,
O novo projecto de moote-pio militur do exer-
cito catabelecHo sobre base r>ais raaoaveis e
econmicas: mas por meio delle se consegue
ele grande resaltado, assegortr s familia* de
todos os nossoa oflluiaes a peoiao do meio sold,
de que hoje i'.guins esto privadas em virlude
da legialaco vigente, que nao concele eese fa-
vor aenao ao offictal que conta mais de inte an-
uos de eervico, salvos casos maito especiaes.
Eu disse, Sr. presidente, qae o nobre ministro
da guerra do gabinete de 2 de marga i;nht por
misaopriucipal a erounmia o disciplina de exer-
Ciin. J iodiquei acamara algara* Medidas qoe
tmbam [por fim a economa dos diuheirtis pbli-
cos ; aponltrei agora ama que mo-si-ra o zelo
que a diacipliaa militar do exercito mereceu ao
nobre marquez de C>xias.
Quero tallar desse reguiaraeoto que vimos na
cometo da presente seseSo tao ceneuradn pelo
chefe do gabinete de 2i de maio. do regula meu
lo quenha por flm coa retar benficamente o ar-
bitrio Ilimitado que exercem os comroandantea
tor, e confiando na llustracio experiencia dea-
te, diste a cmara qua espeta dentro em breve
lempo levar a affeito aquella reforma. Nos en-
tramos para o ministerio a 9 de ruareo ; oa rela-
torio foram feitoa em abril ; nao hsvia al eoto
o tempe necassario para bem apreciar eases pro- j
j-clos e avahar at circamstancia do thetoero. j
Oepoa que o Sr. ei-mintstro da guerra estadou
mai attentamente oa lrab.illios do sew antecessor
e cunveoceu-*e do estado dastinan^aa do pan,
cora todo o fundwmeato adontoa a resolucao da>
adiar a medida de que se trate.
Logo, o nobre ex-mtoi*tro da gaem nao dei-
xou da carnprir urna promes*a solemne que fizesse
cmara ; qamdu at"prda-vrat do nobre maniaex
te padessem eolender como urna promessa, uo
era esta to formal como no-lo disse o iiuIth de-
pulado. Razea muo poderosas te deram para
que nao se executatse a reforma in tirada; e o
que fez c nobre ex-ministro da guerra, com ss
que me
bem.
Reialorio do ministerio da fazeoda
presentado a assembla geral le-
gislativa na segunda sesso da dci-
ma primeira legislatura pelo minis-
tro c secretario de estado dos nego-
cios da fazenda Jos Mara da Silva
Prannos.
(Continuarlo.)
l'orm o maior inconveniente etl em qae,
qannlo mais s- vai rTistsndo o parentescos.quan-
'0^mi ,e alarga e eresee a genealoga, tanto mais
i dlffleil a notoriedad do partnteaco. lano maia
providencia parciaes que i citei, lustifica le- i omP"ca< o Justi/cacao pereceado de boa raxao,
i adiamento. ' esta ttsaz explicado
rmal habilitaco,
por va de regr. *
Easa notoriedad e facilidad* de jurtificacao
O Sr. Paranhot :-0 nobre ex-ministro da guer- ??*-*,'** ena re,o o irmos e Qiboa de
ra. nao t adoptoa na economa dot araenaea al- 1 '"", ,e "'-ndeo direito de repreten-
naroenle esse
O Sr. Mello Reg :lwo
oo relatorio de S. Exc.
gomas reformaa importante, como tambem cer-
taco)
lo que nao' se esqueceu d> reforma org.0lca para EX25.K1*. 4C
que o overno ra aulorisado. As commis.es i 2" i U rU -'80 po por urna simples justiflcacao.
depreciando por esse modo n rel teno de guerra, ple concorrer para que algaroas disciplina militar.
ideas atis e importante* qe tsie maoifetlades j A lei esabeleceu penas para tae falla, que
nee documento nao lenham o apreco que me-
rerem ou pttaetn desapercebidae.
Nsosou general, e. portento, nao sou apto para
Jiter quaes aeriam as vitlt elvalas de um ge-
nerrl que conlemplasse o estado actual da orga-
n:-.. ao n.linar do oosao pata ; maa, quaolo pos-
to entender destag qe*tv, creio que o nobre
Oepatad.i pele 8* tfHtrlctu da proiuci de Per-
AMobuco oo se mostrou hat>il eetrategico na a-
pvenscao que fezdoa acto* do nobre ei ministro
Acho nesse relatorio coosideraea de gamma
importancia.
O Sr. Mello Reg :Apoado.
O Sr. Braodao : Nao as vi.
O Sr. Parsnbos:O qH diz o oobre ex-mi-
nWtro da guerrs a resp^ity da orgaiiiaoo geral
do exercito orna cerda le iacoleatavel e digna
da consideraco do poder legislativo. Nao pode-
remos ter um vxercto perteiitmeoie organisado
bem instruido ... pao quando s f-rca de liflha
compuzer-se somente de corpo movis ; oscor-
iiot de guaruicio fixoa sao ama anomala u-
aiderados como paila do exercito piopriamnte
dice.
O Sr. Braodao:Ese peneameotonao novo.
OSr. Paraohoa : Vas urn const ier.;o ge-
ral de summt importancia, e pela qual se t qae
o rcaia perfeita orgaoisagao militar do pai, o fa-
uro do nosso, depende de uui concurso de cir-
curostaofiaa que actualmente e por multo tempo
se oo daro. Quando poJerrao, como b.mdis-
ee o nobre ex-cioistro da guerra, dotar as pro-
viociaa com a forca policial de qae ellet care-
etn, emao o exercito podara ter o emprego qae
Ihe proprlo, polst ter a melhor orgausar.o,
perfeita diaciplina e to*lrue<;o. Ento elle dve-
r ser enllocado More as provincias Irooleiraa e
:s corte : sobre as fronleiraa. porque ah el8o
todos os dito occorrem ; deixoa. porm a ap-
| plicicao deesas pena ao arbitrio do executor.
Faltavam instror;es que regalsssem este arbi-
trio, e doqui resulte a que o meo.:0 fcto, s
. mesma falta, linhs castigo diverse, segundo oa
con, n encantes que os determina vain,,..
O Sr. Branlao :Trstei dease regulsmeolo no
"iaiii'i.iu da gaerra.
<) Sr. rararihiis : .... tal commandaoce puuia
com, lebsixamento e praocha-lat s filia qua oulro
julgava as;z punida com um e6 desse cssligos
curreccionaes Era necessario acabar cera esaaa
injasti;a, ndr termo a aemelhaute arbitrio: o j gun iot-teneotea em que os reqnisitis legaea nao
proje, [,( de regalameoto annexo ao relatorio des- fossero rofpeitados. (Apoiados }
te anuo vioha satisfazer a esta nacessidade. E O mesmo nobre depotado, refrindo-se a opi-
lodavia, Sr. presidente, nos visso que tao louvt-.niao do nobre at-nrinitlro da gaerra, a respeito
vel tenlo do nobre ex-ministro da guerra ser- | da sapprea^ao dos posto de ofliciae subalternos
vio para um grave capitulo de aecusa^ao eontra | do corpo de engenheiros e do eslalo-maior da
o gabinete de 2 de mrc, rgaron-se oo como primeira oletee, notou que o nobre ex-eatoitro,
e dera pressa todava em
que occorreram naquellas
m
inspectoras que oomeuu tinham por Um rolher
o pracisoa esclarecimento para essa medida. As
commissoe a que me redro, e que nao escapa-
ram s censuras, nao trouieram despeza algama
ao estado, o nobre ex-mioistro aprovaitou para
ellas os cwromsndantea de arma, inspectores do
corpos e erapregados das thesoeraria de fazenda.
i relacao aot ootros parete, tal
fcil, e consequeotemeote a
ter bem firmada
Dtr e-h, porm, que o correctivo eit nos
art. 4* e 7o, vi,,0 como o juiz pode jalgtr impro-
cedente, sem reeurs >, a juilificaco.
Este correctivo depende muito do arbitrio dos
juizes: de molo que taoto podem peccir por
excesso de zelo a bem do ioteresse flteae, de
os quaes lodos nao percebem por esse uretra **- ?l"f""<,?^TL*?**_.M"tia?**- c-2mo por fTOr ai
nao oa vencimentos de aeut proprios
- ,.-.----- emprego. i
O oobre deputado pelo municipio neutro, quo I
tambem se oceupoa coro o acloa do Sr. ex-mi- j
nistro da guerra, ceoauroa a ultima promoco do
exercito ; disse-nos que deram-se accessos a mi-
litare que naolioham os requisitos legaes.
Nos termo em que o nobre deputado explfcou i
a gtia censura, parece que S. Exc. eslava peraua- !
dido de que nenhera militar pode ser elevado a
alfares ou ser confirmado nesie posto sem que te-
aha o curso completo de sua arma. Esta propo-
aic.o do oobre depalado oo exacta. So ceo- I
aura, poia, aasenteu sobre am base falsa.
A lei vig-nie eiige pare a nomeacao dos slferea j
aluir.no apenae doaa annos de tpprovaces pie-i
osa no curso ds respectiva arma ; o alferes alum-
noa polem passar a slferes tffectivoa ou segun-
dos -teoaotea leudo tre anno de
(Apoiadoa.)
approvac.au.
parle, admittiodo nutras iosuficieote.
Parece, portento, que, se o disposto no art. 3#
e 4 em [relaco aoa collattraes, ae restriogisse
os irrcaos efilho de irmao, se erilariam tae
oro nvonjenlea.
Tem suscitado tambem qaeixaa nao permittirlo
regulamento de 15 de janho de 1859 que se pa-
guem dividas pequeas, indesendeote de justid-
Cac*o, quando nao excetsm de 2009000.
O regalamento, quauto taxou em 200$000 o
mximo para juatifica^et de dividas, exigin-
do qae por quana excedente e uase da e-
?o ordinaria : quando perroiitio a appellacao vo-
luntaria no cnaosemque o valor da causa ex-
cederse de llOOiJOtK) e tmpox a sppellaco ex
officio nicamente |0o caso de er superior a.....
2:0'JO$000. lev em vista a aleada flxads ltima-
mente para os juizes de t* instancia o relacoe
pelo decreto n. 1,285 de 30 de novembro de 1853.
Os cdeles e sargentos podem passar a altere .MS *ni m,,">0 no art. 49 e permitlio que o
lendo doua armo de prace effacliva, a idade de ; ,.*?"_ O1*0(,ir Pgr quslquer divida (gran
dezoito anno. sofficienle robustez e certaa habi-
litsce praliras que os reguiaroentos resce-
vem ; aos esdete apena ae exige slm destas
condicOes, que teoham servido come interior.!
pelo rnenoa se:g mezeg.
Logo, as disposicea con ementes i proroocSo
de alfere e segundos-teoeotea nao preecrevein o
que suppoz o nobre deputado ; e 5. Exc. bao po-
dar citar urna pronaocio de alferes ou de e-
um acto ioconstilacions ; o certo porm qte
ah se nao trata seno de faltsa contraria di
cipliri] militar, que r.ao entram na categora dos
criroea proprianeutc ditos, e que sao punidas
arbitrio dos comman laoles dos corpos I...
0 Sr. B.-eodo:E quera lite deu autoridade
para ieso ?
Sr. Paranhot :A consliluico, que d ao
poder exertitivo a attribui;ao de regular a execu-
co das leig.
A legislacio militar tinha delgado a arbitrio do
executor a applicacao des pena ditciplioacea que
estabeleceu ; o governo podia dar instrucges
para a etecaco dessaa orenac^as icili rea.
O Sr. ilraodno d'aioda uro aparie.
O Sr. Paranhos :Maa ponhamo de psrte a
qiieslao da legalidad o projecto am ai prora
o que afflrraei interetse que a disciplina do
exercito, e nao so [a disciplina, mas lamber a
sorle do acidado brcsilern, mereie ao nobre es-
os campos proprios. para sus instruccao, ah es- roiniVo da guerrs. Aprecie o nobre depulado
ir.o as evaniualidadee da guerra ; oa corle, por- este Irtbalbo, nao tnb [o ponto de vista da tus
ie darjot que devem partir os auxilios para legalidade, mas sob o ponto de vista de sua alta
P"
conveniencia.
0 Sr. Rraudo :L"g0 que a legalidade delle
era duvj losa, nao rJe merecer elogio a ministro
que o fe/.
i O nobre ex ministro recamo eali da vida oda d
legalidade desse regulamento : na verda :e elle
lllegal, inioostitucional.
OSr. Paranbo :J mostrti, ou pelo menoa
j dei a razio porque rific ojalgo illeg'l ; mas,
como a accusar;Ro do oobre deputado foi de es-
lerilidade, estou Ihe mostranlo um trabalho dig
10 de aitenra i, ,<-i se como acto definitivo do
gorerno podia ser tensando, como projecto niio
q>ielqi:tr ponto do imperio onle a ordem publica
oa exija.
O cobre deputado dissts em um apsrte queisto
ao ideas que tudoa nos couhecemos ; mil ao
Idea verdsdeira, e qoe vaIs a pena de aerein
recordadas caatara, pelo menos, para prevenir
censuras como as que articalou o nobre depu-
lado,
A oplriio apreienlada nesae relatorio a res-
peiio da uppreeio do posto subiiternos de
ergenheiros e do estado maior de 1* claite, en
Idea de gran la alcance e pela prlmeirfl vez e
xiu-.ciad* segundo creio. Ella tem por lira, nao
rmente maior economa n.sdespezss do exerc- I pdedeixaVde ter eloa/s'dT."EU 7^0 mea pe-
(emento.
Aioda, Sr. preiidente, ouira prova do espirito
de economa dominoo na administrarlo do exer-
cito a medida tomada a respeilo eos aisenaea
de. guerra,
Utsse-se aqu qae reios operario foram des-
pelidoa ; |amentoa-se qo oeonomi* recahis-
se aobro os operario, c > tobre ot operario*
lo, tenso lamben dar a artilharia os ofiite qu
Ihe falum, constituir os officiie do orp t de en I
geohetrosco'n tola ae habilita(6u prottisionat I
necessarias para que possam ser um d:a geue-
saes, porque, senhores, entre tis nao se tem fei- i
10 devida disiiucco er.tre engenheiro militare
euzenheiro dril, cujas funeces sao diversas.
U br. Vieira da Silva :Apoiado, assim como i
trae ha um bello pleno de eeludcs.
O Sr. Paranhoa :A supiirassao proposts sol-
fre objec^es, alguna a qaererao mais limitada ;
toa medida propria da iniciativa de am gene-
ral como o nobre marqu x, e qte se arha conti-
da no relatorio que to estril parecea no nobre
deputado pelo 5o dislriclo de Pernambuco.
Quando o no-'re deputado enuncie u pela pri
meira vez esta saaesosura caasou-m ella sor-
preza ; mas, quando vi o desanvolvimento do seu
discurso, achei- a incgnita do juizo errado do
nobre deputado, reconheci que elle tinha lido o
relatorio do oobre es -ministro da guerr. me ti-
iihs-o lido com os clhos tilos em Xacaral.
(Risos.)
Sr. presidente, o ejercito brasileiro tem reci-
bido muito melliorsmetitosem ua leis orgni-
cas e disciplinares, e o nobre depulado por Per-
nambuco nao qaerer que se reforme smente
pelo mor de reformes.
A reforma, os raerhoraraentog mais Impor
tsotes oa nrgaoissco, Instraccso e disciplina de
m exercito, exigem serapre dspezaa avalladas,
e a pec nao era apropciada para tae despera.
Accresce que o oobre ex-ministro da guerra.
oto foi ministro pela primeira vez em 1861 ; elle
lioha sido antes, e ento muitos melhoraraeo-
to idirvduzi na sdminitrago e organigajo mi-
litar do nosso oaiz. Mioistro e chefe do gabine
te de 2 de marca, sus micsao nao era a de um
reforrr.ador, sua missso era {oda de economa e
disciplina, e elle a d*6empeiihou cabalmante.
Apoiado.)
Aqu: se disse qae o mea lloarado collega e o
abtnele a qe elle presidio rJo alteoderam
eorte pouco van'tajosa do soldado brasileiro. Quera
asaim ae .pronunciou logo depois recooheceu que
qualquer melhoramento oo snido dea prscae de
pret traria um consileravel augmesilo pe despe-
as, qae -ra impredeote pretender em nossa
ociase circumslanciss.
O Sr. Breadlo:Quem diste isto ?
O Sr. Parachos:Creio que ooobra depalado:
s'- Rrandao : Est engaaado. uo dase tal :
lea o meu discurso, e ver que nao profer oque
me atlribu) d:aie apenas, eai re-p"ala a um
parle, que nest caso nao se augmeo/tagsem os
eortmenio de empregado algas, quedada um
ae cootenlas.se coto os que actualmente tem.
O Sr. 1'aranho:O nobre deputado cao pode
deixar de reconhecer|qaeloaugmento;do*o!iodas
pracasde pr*l. qualquer que elle fuase. ccarre-
tana decreta nao iosigoifitente, desaezaiacem-
palivel com o ootto esia do fiuanceiro.
.O nobre ex-ministro la guerra, nao pudendo
acoptelhar cemelhante meJhoramento, nao e tet-
caiJon d torte do soldado brasileiro. Nao repe-
l rei o que a este regpeito o bera disse o meu
tibre eollega Sr. ei-miniglca da juslica ; poo-
dertrei apena a cmara que, oso 6 o obra ex-
minlstro da guerra procaroo raelhorera condlcio
do oldado brsslier no forneciraento qae por
em e ao mesmo lempo consgate alguma eco-
noma para es cofres patuco, aboliudo aigamas
tZlllV* lnconcnienles a respeilo de taes forne-
r.ert.*lf'*,e' por exemP>0. q cerUi peca de
ftSt-r?f f. T "" Por qaalquir ctr-
W, itlo Por oo ser nece.sjrio. tal
o toldado com
que deixava de
teodo esls opinio,
preenclier ss vagaa
desees, as raenmas qae julgara conveuleuie sup-
primir.
Oaviado esta censora, ponderei ero aparte ao
nobre depulado que o governo po podia adiar
de et pequea), se constaese de eteripturs pu-
blica.'titulo civil eu commercial qae livee
megma forr;, nao hateado, porem, duvida do
curador da herance e do agente fiscal.
Eata mama deterrainago se poderla sem in-
conveniente esleoder s divida de pequea im-
portancia, anda que nao constassem de titulo
alRum escriplo ; pondo-se o limita msximo de
5(>a000, que a Igada de juizes de pax pelo de-
creto cima referido, de accordo com o penas-
menlo do regalamento quando Ixoh em 2O0K0O0
e em 2:0O0jK)O0 equelle ouiros ctn.
Na realidade, parece injusto exigir que algtam
instaure am procesen, embnrs sammsrie, para
haver, v. *., lo. 20# oo 30j(000. fazendo ama
despeza nao pequea, e lendo am locommodo in-
qualilicavel.
Nio so seria iso de maior cornmodilade para
a parle-, como tambem d mai* vcniagem para
es heranr^is, que nao estatiam a pagar as cusa
gujela de tae jaatificaede.
Por to diminuta quaniias nao de presumir
o preeorhimentodas vegas de officia, porque a 1 fue 8,60,,m e aprsenle em juizo como credor
le exige que as promocoes te facam dentro do I Mf *? .re8'rn*nl* o "j
anno.
ef-
0 nobre dpalaJo, culhido nesta cenara in-
fundsJe, fes urna evoluco, e disse-no : a Ora 1
lautas illegtlida le.a teem silo commeilid-* que
aeri toleravel mais esta, afim de preparar
reno para um boa medida.
Para derorostrar qe illegalidades tinha
pralicadas dlo minisUrio da guerra, tilou
hre deputado a proxogo de am etpitao,
pouco anlea te bavie recusado o habitud
e a reforma, da nutro cepito que hoje eerv
Commandanle do eorpo policial da provin
Kio de J iceiro. Ambas as censuras sao ia
Cides. T
Enlenleu se, go sote, pelo Bienos durjanle
a droinutraco do meu nobre colleg, que jial-
var da arden de Avia exige que o uIRcia' ne-
nhuma nota lenha era toa vida militar, par que
potas obter o primeiro grao dt mesm* r'lsm.
Em lodo o ctso haveria sempre o correctivo da
oppolcao do carador ds h*ran;a ou do ageote i
fiscal, eo pilente arbitrio do joix em ordenar :
oa nao.
rio doa beos.Zpouco importa qu tejara morado-
rea do termo, ou de oatro riiinho.
De accordo com esta consulta foi tomad ata
imperial reaolucao de 13 de julho.
Tambem se declaro* por aviso de 19 de malo
do snno ptistdo que o ficto de se ignorar se exil-
ie, oa nao, agente cooiolar da nielo a qae per-
tence um estrngeiro. fallecido intestado, nao
motivo psra se proceder nos termos do regul-
menio de 8 de novembro de 1831 ; qae. pelo con-
trario, na davide, o que ae devt observar a re-
gra geral da arrecadaedes, que o regalameoto
de 15 de janho de 1859, deixando se a quera de
direito fr reclamar o que emeoder de juitice em
preienca da arrecadi(io, noi termoi drste ulti-
mo regularoento. I
U"ndo da (acullade qae Ins conceder o irt.,
178 do tobredito regulimeoto, o governo nomeou
m curador geral pan as heraocae jtcentet do
municipio da corte, fazendo iguaea uomeecei pa-
re as espitaes de alguma provincias, em que as
exigencis do servico e a importancia das heran-
See tornou necesssria a execa^o dsssa medida.
Dividaa de exercicioi.Sao eonhecida aa quel -
xa a que teem dado logar as divids de exerci-
cios lindo.
O thesouro esfores-se por liquida-las eom
promplido, mas os procesaos chegam-lhe com
demora, e eea numero avalla consilersvelmente
pelo rigor das restricQes do decreto de 20 de fe-
vereiro de 1840, qoe estabeleceu as bases do ootso
syslema de contabilidade por exeretcios.
_ Alguma proviiencia se tomata precisa.para all-
tlar o peao do Irabalho que recahia sobre o ths-
touro, e satisfazer, qusnto rasoavelinente foste
posslvel, as exigeacias do credores do estado,
entre o quaes te conta terapre bota numero de
empregado eivis e militares.
O governo julgou acudir efficszmente a esta
necesfidade da administraco publica, e iem pre-
juizo da fiscaliaaco que lhe cumpre nunca es-
qaecer, com as providencias que se contm no
decreto n. 2897 de 26 de fevereiro ultimo.
Por eele decreto a theaouraria de lateada,
logo que findtr o temeilre addicioaal de qualquer
exercicio, devero pedir o crdito necessario pa-
ra as dividn qae ficareui por pegar ; o Ibe-
touro incumbe habilitar aquellai reparlices, se
houver nido, oa crdito volado pelo poder le
gielativo, com o meios uecessarios para taes pa-
gamentos.
Assim habilitsdas, polero ss thesoursris,
sem o longo processo que exige o decreto de 1810
e, prtenlo, lodepenlentemenle de nova rleos
dos ministerio respectivos, pagar dividas que es-
pejara use condice definida pelos arta. 3o 4" e
* do decreto de 26 de fevereiro prximo pastada.
Ellas condicoei tSo : 1* que hija crdito par
os pagamento dessa especie ; i* quo a detpezs,
querido correle, fose autorisada pelo ministerio
competente ; Z* a exi.tanda de requerimeoto por
escriplo do credor, etiquidaco na forma dastos-
trucei de 6 de as-oslo de 1817 ; 4* fiailaieote.
que divida, se fr de vencimeoto lanzados em
folhas, nao cont mais de dous annos, alero do
semestre addiciontl do exercicio a que perteoctr,
oero miis de am anno, ae proceder de forneci-
mentos ou de nutra qualquer dtspeza publica.
E* de egpersr qae esla molida e a do decreto
o. 2881 do t8 de fevernro do mesmo inno, reli-
livo as despeas qoe os presidentes de provine!
polem aatorisar ob la retpooaabilidade, redu-
ram ronsideravelmente o numero das dvidss de
exerecio lindo, e isto em provetto do estado,
de seus servidores e de todos que teem contas
com adminlatracio publica.
Divida$ posterioret a 18501851.Dos pro-
cesso de divides posteriores ao exercicio de 1S50
1851. remettido* so thesouro em vlrtude di
intt'ucgea de 6 de egotto de 1817, Acarara por
liquidar, em 31 de dezembro de 1860, como coai-
ta do qasdro n. 26 do meu relatorio do aooo pai-
tado. 262 na irnuorlincii del3l:582$469
Accrescersm
durante on-
oo de 1S61 1032 > d 313:4288U
O art. 54 do rgulamenlo em quetlo mnda
que, pastado um anno depoia de concluido o in-
ventario, os ben de raz sejm vendido!, e reco-
Ihido o sen producto ao* cofre ; e atiim o diz
porque se refere etpretearaeole ao art. 53, como
de ve da phrsse ahi empregada serio vend-
o, etc.
A primeira dmi la versa sobre a iolerprelaco
da expreilo depois de concluido o inventa- i
rw Parece q ae qmz exprimir a mesraa
idea prodasida ns arl. 43 e 73 pelas palavras'
encerrado o inventario.
Qual, porm, dever ser as errectdece o c-
lo do encerramento do inventario, nao havenJo >
roeetauM tarann algara de encerramen- |
om-
rette-
anno
Totel dos pro-
testo em cu-
ija liquidacao
' leve de oc-
cupar-teothe-
anuro pela pri -
meira vez. 1314
l.iq'iidaram-
se. 426
415:0! Iz80
2I6.581395
198:429S8S4
iroro-
pooto
braiileiroi. Sr. preaideote, nem exacto qu* os i do poucodepoil de ser chamado para aquelleser-
por nao ar necessario.
forneciraento se nao fazia, fieavs
direito a receber em dioheiro e
receber como uoiformt.
O nobre ex-mioitiro da guirr* icaboa com es-
ta pratics, declarcudo qot q>ilJo que it forceci
operarios que dcix-.rm de ter Irabalho no ais*-
na| de guerra de (orla, ou em qualquer oulro,
[osteal tj-ienle o naciuntet, nem o f ta<-s lcment'ces.
A medida roi rxtentivj aos operario etrsn-
g-iros corno os nacientes ; a reduccio do tra-
tftiho nao se fez vlnl^utamente, foi gradual.
ti- nobres deputados nao podem querer econo-
ma no exercito e na armada sem que ella recsia
iseim sobre o pessosl como o material; a eco-
noma no material seria loo til, se por veutura os
arseuaes conservassem pessosl superior so ser-
vido que oelles se tizesse ; a relucho, pois, no
material do exercito, assim como no material da
armada, traz a necessidade de tambem rcduiir o
pessoal (Apoiados.)
Ora, a exclamarlo que os nobres deputados le-
vantaran] contra o gabinete de 2 de merco era
por acaso fundada ? Poter alguem com razio di-
zer que na corle, e em qualquer ds capitaes do
imperio, artistas que nao lenham servido nos es-
ttbelecimentos pblicos liquctu ipso fado tem
meto de subtislencia, uo encontrem trabalho
nos estabelecimeotoa particulares? l'ols n'ura pait
em que se seole falta de brecas, em que os jor-
naea estn to elevados, os operario que deixam
de lar trabalho oos arseuaes do estado ficaro re-
duzidos indigencia por falta de emprego? Nin-
guem seriamente o dir.
A economa nos arseuaes ola consisti someo-
tc na reduc(o do pessoal; o nobre ex-ministro
da gaerra supprimio algumas oflicinas, como j
aqu se pouderou, qoa eram desnecessaries. Km
Franca, pelo anno de 1851 ou 1855, procedeu-te
a um inquerito sobre o estado dos arsentea de
maiiuha, e deaaa exsme resaltoa como iudicaclo
ulilissima, que foi logo eproveittda, a desoec*-
aidade de fabricar nessea estsbelecimeolo pro-
ductos que oo sao esseociaes i defez militar, e
que a industria particular foruece pelo meemo
Pteco ou anda mais econmicamente. Foi o que
fez o oobre ex-ministro da gaerra.
Anda mai : ordeno-se que os wncimenioe
dos operarios fosem pago, nao a jornal, maa
pelo preco da obra feite. Eis aqui mu entaio,
uuia medida pela primeira vez posta em pratica
em nog60t araentet de guerri, da qual devemoi
espersrgraode economa. O nutre ex-ministro
da guerra calcula que estas e ootras economas,
que determ'nou dos irsenaes de guerra, darlo
urna redcelo na deapeza pablira nao inferior a
200.000.
Cabe aqui rectificar um engao do noire depu-
tado pelo 5o istrielo de Pernambuco. Elle nos
astegurou que o nobre s-minlatro da guerrs
prometiera cmara um regulamento para a re-
forma doa arieoRta do exercito.
O Sr. Braodao:Est ao rotatorio do anaxi pro-
simo passado esas proraetss.
O Sr. Pannho:Segundo a critica do hoflra-
io deputado, parece quo, ama v*z |tt* seaxe-
Icaste promesas, nio dado a ministro alguai
deisar de cumpri-li, que nechuma razo pode
justificar esse factp.
O Sr, Braodao :Juico qae o regulamtnlo i
eslava escriplo.
O Sr. Paraubos:Ors, eiti exigencia do oobre
depulado na nzoave!. Campre atlender s
ratos que miiirim e actaarim no animo do so-
bre ex-minittro da gaerra para nao dar execacao
proroeisa que hasta feiio i cmara.
O Sr. Brandlo :U Irabalho j esta va feito.
jando o Sr, Sebattio do Reg Barros rellron-
te do ministeri deixoa-o fulo,
O tf. Paranho :No relaioti do aooo prxi-
mo pistado o nopre ex-olnittro da guerra, fal-
etle, com tfT-ito, u arbitrio tomado como
talve o mal< favoravel s partes. B.sta, po-
uca im, Oxar terminantemente, o direito em
ree- de tanta g-avidade.
tiv- i O.itra duvida anda se suselt, e vem a serse
e am essa venda lem lugar s6depois de declarada va-
cante herenc, ou se tambem anda anles de
tal declaraco.
A respeilo da arremateco das divide, o aviso
n. 230 de 6 de setembro 'dt 1859 declamo que
nao podia ter lugar seno depois da declareclo
de vacancie.
Parece porm q-ie este aviso reslringio-a a esse
nico caao, quando o regulamenlo no art 53 ex-
presamente consigna a regra tambem para o ca
roc,oseuero ^.gnifi^ ^ =
ia. deque, te ,,,a e.t.v. ..I. ESWl^^
ful inspecciontdo ni forro, do regala- 4e*.e pr.zo, em poder dot caradores,
memos militares, e ib.peer,to de aude o jul- o art 54. cootequeolemente tambem o ai
goo incpti de conuuu.r er ir. Sendo o pro-1 55. se devera entender applica.ei, toa casos men-
evidentemente abrange
m t&os.
A lei de promoc,5es, porm, nlo c lio r
sa : o officia que cornmetteu urna falta, u
pare aempre inhibido do accesio ; ple m
lo por servicos ulteriores, os quaes eff
mente recommendam a esse capillo, que
officia hbil, e nlo tinha competidor que.o de-
vesse proferir.
Nio boato, prtenlo, coolr.tdicso ou patrona-
to em negar-te o habito de Avix a este olficial e
pouco depois ser elle promovido a mejor.
Quanto ao ulficial qo< hoje serve comocom-
roindante do corpo policial da provincia do llu
\ de Janeiro, Ceito qui esse officia foi rejrma-
viqo.; maso acto da reforma
O o (fie
doeriie ;
depois
6.,w ,^mm uc avu.a-juar er ir. aranu o pro- 0. se devera entpnder ar
cesto des luspeccao preseole o ministerio da I donado no art 53 que
guerra fui, era consequencia delle, refirmado. 0 mais do que o de bo vt
oflicial. porem, caleca d- meios ue gubaliteacia | Nem ha nulo incose
porem, careca de meio ue gubsisieucia
para sustentar sua arr.ila, e nio duvidou ticnU
car sua ssude aos deveres de bom tilho e de bom
esposo.
Sulicitou, durante o processo da sua reforma o
emprego de commindiute o corpo policial da
provincia do Rio de Janeiro, que entretanto va-
gou e o blete.
Nem ha nitto iocnoveuieole aigum porque
la est o correctivo oa ilitposicio dos ai ts,42 e 56.
Accresce que. quando se trata de arrematarlo
de bem vagos, islo se consigue expressarceote em
o art. 73.
0 art. 51 r .i ple fszer duvi.ia, porque provi-
dencia lmente pire o casoem que, por falta de
herdeiros, le devam jalgar vates ea hereoca : e
i.?.i A ..S.*f''ra0' JE f.e"'C0 :do ,'?l">- "..62 regala a coroifetencia do "
- >
Ficaram por
liquidar. 883 o >
Altai dos pncestos liquidados cima referidos,
tiverera andamento outros qae esperavara tola-
;o de davtdsi ou ettavtm em hquidar;o no 1*
de Janeiro, representan lo a somm de. .
131:0*it9t75 ; lendo, perianto, o total di divida
liquidada de 377:5825571.
O quadron. 40 mottra especificadamenle o qte
Sea dito, e bem assim oa ministerio! que penen-
ciara as divida ; a imporlanci reconhecida e
mandada pagar ; a do* processo suja liquidarn
parou por duvidts encoulradas no exime delle* ;
a que se cooaiderot preicripta ; a que oi redu-
zdi por erroi de calculo e vencimentoe iiideri-
dos ; a que nao se recooheceu por diversos roo-
tivoi ; e, finalmente, a que, eitindo j liquidada,
nlo cbleve aioda despacho de pagamento.
Dividas anteriores o 1851 18520 decreto o.
1,177 de 17 de maio de 1853 detertniuou que os
procesaos de divida anteriores ao exercicio de
18511852 futiera direclsmeule enviados ao the-
teur poUt thetourariatde fazenda. tltertda a-
sim a circular de 6 de agosto de 1817.
O art. 48 do decreto n. 2.343 de 29 Je Janeiro
de 1859 aulorisou a fazer-se a liquidaco dos di-
tos processos fora daa horas de expedanlo, e pa-
ra este.fim.foram expedidas as instructes de 31
de Janeiro de 1860.
h'e. o 1 de Janeiro do anno passado xieliam
por liqui ler, como e vfi do qutdro n. 27 do n-
fk. MsS1 ,* aleao^tiia. de de
OO OW90W que fra contrabido com a directa
ra da ettrada de tetro do D. Pedro II bttst-
flclo da eximen coapiahia do Mtttary, etalra
hoje no pusivo do eUdo, por virtude daa cUti-
tuln do cootrtto de encataptfio dt metat tota-
panhit.
Hoje pode ie contider*r i menciooada aiiviiai
redund a 5.033:7009547. alo *-mp,ehea.lida a
enntiio de bilhetei do Ibetoare. emittta it
oto reprttenla dficit, o aim ataa tateclpareo m
rende, vitlo qae o exercicio torrele ha ',;? tt.
luizer taat detpez come *ut pr*pria re.
ceit*.
Provm liolicaJ dimiouiclo : I*, de. .....(
6I6.053J33I, que e ptgtraao por cenia dsa s< -
ces permutadla dll etlrtdat de ferro dt Partera-
buco e da Baha, em com q jencii daa ItasB*-
daa feiisi pela respectitaa enropinhitt: 1*.
3,281:1259024, em qae te celculim ot jarree tasa-
Irtideapezit do psgiraeoim j f.-iio pelo go-
verno em Londrea por cool da rnntpaoleia !
f-ayywt de D. Pede. U te 31 de detetn-
bro de 1861, no termo d eiuptli'.."** t?*-
xit io decreto de II da fevereiro de 1850 -1.10.
que aulorisou a mesm compsnhia pera raliar
a terca parle do tea c.pu| w tneie de emprea-
IDio levantado na prsje de Lonlrr.
A tabella o. 15 lemoottri de quanto i credor*
a dte companhia, pclei tomma* qae editnlotj
ao theaouro, tirad* do p'oluclu do eeapresitoe.
e pela garanta de jarea qae tinds alo pM eer
liquidad. Eata divide monta 5.651.mSjtM.
V-te da mearas Isbellt que aa q isnie* (tJtaa-
bidii pelo theaouro em tiriude de op-racin cea
permutai de cc'i dei ettreda de ferrt de D.
Pedro Ii, de Pernunbaco e d Bhr, qu .;,.
mesmo thesouro irlo sehindo I rr.elid que -tft
comptnhe forem reelin1o n reatante de -u
fundo capital, sob-rn a 3.t8tl:3U9tS3, InrUi5.^
6:6569949 que iccrescersm por no perrcui
j eceita ao lempo em qae t operadlo fui tut-
penn, mi relitd< deliiiiiivsm*ni Irp n
da apreseaUcao da tabella o. 31 do uiumu reU-
lono.
Ileacilai etlst duas parcet da Jivilt a.*:-
. e deduai-Js a ia im30run.11 latjal ma das qu- cima meiiciooei com. ere lio da
lheoaro epagsmeoios porellr laattaj s me*
comoiohUs, acha-ie 1 favor dr.m a 4il-re..%a
de 5,033:7009517, que podem ier exig lo -a
prasot nio muito remotos.
DIVIDA ACriVA.
Uividsde irapoito.Liqailinm-e 00 p#rii>-
-do a que se refere este relatorio, 0494977; :-
divida dairaposlo, cajt arrecda;ao comp.ir
recebedorii do Rio de Jaoeiro, ten Jo or mu
importancia ra^punittei 7.403 co laclada-, ce-
rno ae v do qu 1ro n. 45.
Esle quadro especifica os imposto* do q>ae a
referida din lt provm e os exercicio a qa* t*f-
lenc-rn, bem como ntoatra que, d-tle t refortt*
do thttouru em 1850 al tu li o ale ann > de Ifjrll,
ubio s liqaidai;oo alginemo de 2.063:l"96w'
correepoiideute a 110.064 colUcla lo.
A tabeili o. 46 explici o lobrtdti qjedso.
por ella verii-ie :
I* Uue datse devedoret 20.305 oivert* arei-
avelrnente tetjt deniiui ni im oruncis e___
685 9752z~ ; 19,303, coju diilsa ao-arr.ar.ra
Cal.457j.l-ii, por meio de gaiaa da 3" ninli.i> >;
Oleie durante liquidscao, oa aialt de.e: t
abertas es con tes cor rentes ; e 1.001. repretet-
lando a somm de 31:5179843, com gaita da di-
rectora geral do conten o-o .
2* y ia 25.368 ptgaram et-cuii'trr ente a r ;t- -
li de 627:4839670;
3 Qje obuveram exoosrafo 971, cajea coa-
las correte! foram inerte pela importancia de
58:59l|993, em cooteiteocii ou de h'er-e re-
couhecido quo oda de*iar, aa de lesera jj
tegilmeote alliviados do pKmenio, tatataasstai
nest* naruero o collegio de Pelro les I.-,-
cimeri muoictpil, isentos di derima urbana pe-
la le de 23 de leteeibro de 1853 ;
4* Que da dmda total liquidada ficerta por
cobrar 691:1259759, que rorr-a^ondem t t>3 |o*>
devedortl ; cuoiitado 613:7219713 de 58 *i
-?1}"!?*' 1 ",fi*a*1 JUI0 f'iio. e..!...
//:(O96 que e diiteca por 4.755 respoo.--
veis, quem anida uo se abrirem cuntas cor-
rete!.
Retti anda grande somma de diviJ por liqui-
dar, mai 1 terceira cootadona continua cea rr-
penho neeie trabalho, tanto quinto lh\, per : :.i
o petioil de qae ditpe.
Do qutdro n. 47, relilivoios i-npost^arre.--
dados peles mesas de renda* e lolleclorir, t-
* que liquldaram-ae 8:8739110. de qoe tata
devedore 314 collectadoa ; e tjsaa o lapotm
que proiuzuim este algrimo e o* exercicios
esla(;6et a que corretpoode a divida.
A liquida;.!.) da divida desta prreedenvia. f-i a
at ao Um do aooo paattatti. labio S6l:0~2|a77
corresponleoie* a 16,408collecudoe, cuse i.ea-
bem te v do dilo qaidro o iui| dtmon-
miii:
terror relatorio
Cntraram ruait durante o aooo.
Liquidiram-ie
Total.
e de J.,,e,ro no' c- I &Z deToM dVul Hg^ento. ,U,2
para at
lutlmenle ra.uo pendo ; pode um offl iil como 1 Os art. 53 e leguintes, porm. d.ipoem sobre
o.c u.l comm.ndar esse corpo. sem q,.eslej. ., hc-r.nc.a jacenfe. e ben. vag ; TSm Ue.
tuto para todo o servico miniar. E' temeo ; ditposice. sao comman*. e nao exc usives Cum-
competlvel com as forc de um reformado, nlo 1 pr. tambem lixar o principio, nese o
er comparado ao serviCo activo d exer-1 E j que llz m.ncao do ert. 55 do
ple
cito.
O Sr. Mtrtioho Campo* d um aparte.
O Sr. Ptrauhoe:as circumstancia* actuaes
nao ha bcceasi lade de servico lo rgoros-s
como aquelles a qae pode ser chamado um offi-
cia da Ia clasie 00 exercito.
Dentis, tenborea, tratase de um officia de,
merecimeoto, que estava realmente doenle, que
foi inspeccionado e propuito para a relorm not
teraoi da lei.
reg. citado,
devo ponderar que o mtximo de 30 6i0 de rebate
thi laxado, para a venda dai dividas incobraeis
oo de diDcil M'.acao, veio inulili.tr compleja-
mente a providencia ; porqne impossivel acbar
quem arremate taes dividas com lio pequea re-
duccao, sujeilando-te desperes, e boi ou m
Cobranoa,
Seria melhor autorissr
pelo maior preco que
a veoda dessas dividas
se pudesse alcancar em
pr*Q.
Anomeeco para commandtote do Corpo poli-1 Quinto mtii lempo decoire, peiore ellas te
... /" P>idente da provincUyiem tormm : nmts preicrevem. quar.lo outras o
prno accordo com o guverno. aem q esmo devedore vio desipparecendo, ele, de sorte que
rhedmen. ?!VtnQ,nU,f0 *"*'" '-'este co- elgumas. em caten cobr.vei. oda JueMa
tildT.aude, uT"" h0C" em quV l0'pec' i'ffle"w*. com o lempo e torn.m s ves in"
cao^de laude deciartra .char-se esse officia. | leirameote perdidas e iocobraveis.
Ficaram por liquidar.....
A importancia dos proeetsos lqui-
dos oi de........ .
Tendo ticado em andameoto no Hti
1860, e espera de solacSo de
duvidas que foram depoit .olvi-
da., divenos 111 tomma de. .
r o total ta divida liquidada. .
. 335
. 20
l | ) J)
. 311
. 14
121:331*696
201:8339861
326:165g557
-ira
! Que ibriram-ie 15.626 cocui corralas a
nual numero de devedore, na lomat de......

ir:-
0 Sr. Vieira da Silva:laso o que prova cuo-
tra a junta de leude.
O Sr. Paranhoa :Coocluindo
Del-vot parle no relatorio do ibuo passsdo
que entrar em duvida se a exprsalo Ierra__
cooteslacao empregada 00 arl. I" do reglamento de 27 de
------------ tlr-------- r~- *" .--., t, do meu honndo pentiaamenle, padiam ellei ter entregues viuva
*'". *"oPr^0.*. que reduz*4 fca do exer- cabeca de casal, nlo obstante a arrecadacao pelo
cite de 18 a 14,000 prasas de pret. Quem asaim juico de orpbaos. urna re que provasae a iden-
procede, qter ecoooroti. o illivlo di popolaco udade de pestoa, a quslidade de conjuge. e que
queeupporl o onua dorecruimento. uo decla-
ma nem. procura popularidade a detpeito dot
grandes ioieressesnacionaea.
Sr. presidente cu estoa obligado a responder
por algucs sitos do miiiiileno da ftienda que
foram censurados, assim pelo oobre deputado do
municipio neutro, t queu
como pelo nooro deputado
inda de Percambueo
de; que hooteui
qual pretlei-me com muito praxer, ooviodo ou-
lro o;bre deputido pelo municipio neutro, qae
agora eali presente; nao detejo abusar da pa-
eslava procedente i inventario no lugar do do-
micilio do defunto, e dentro o imperio, para dar
partllha a herdeiros.
As setces reunidas e de fazenda e de jtitca
do conselho de estado, ouvidas tobre a queslo,
foram de parecer que. dispondo o arl. 3* Io
0 quadro o. 41, do qual te. colligem estes da-
dos, mostra tambera a reapeito da divida desta
segunda especie algumss' das circunstancia? que
roeiicionei, tratando da primeira.
Reunida, pois, es dividas da duas especies,
v-se que durante o anuo de 1861, liquidaram se
diverso processos ns importancia de.......
703:7489128.
Do que tica dito claramente se maoifesta que,
110 anno a que me reliro, a liquideQo desta di-
vid muito avultou, sendo este resultado, que
apenas cuttou a despea extraordinaria de. .
8:4249487, devido medida de que j i men-
clo, permittida pelo art. 48 do decreto de S9 de
Janeiro de 1859.
No meu relatorio interior, tratando do paga-
mento da divida eonhecida desta procedencia, j
liquidada e por liquidar, demonttrei a.necessi-
dadeque hivia de crdito para ene tira, por fer-
ie encerndo sem laido o exercicio de 1859
1860. a eolicitei eita medid*.
Pelo art. 1 2" do decreto o. 1.149 de 21 de
lelembro doanno passado lkou o governo habi-
litado para aatisfater aos credoret de exercicioi
Codo*. Por conta deste crdito realisaram-te os
pagamentos que constara dos quedros nmeros
42 e 43, not periodos decorridos de 9 de oatu-
bro a 31 de dexembro do referido tnno, e do le
de Janeiro seguiole at 31 de margo ultimo.
A tabella n. 44 demonstra que ppr conti do
eredito iberio no 4 do art. 11 da lei n. 668 de
II detelerobro de 1852 pagarsm-ie dividas de
exercicioi lindos Da importancia total de..........
1.918:7239061 desde o exercicio de 18521853
al 31 de dexembro de 1860, quando cessaram ot
253:0399795
2. Que cobrou-ie emiavelmat- daa
porlaocia de 20:326350. reinita a I 153 -
lectido, sendo 14:7839199 de 1.004 devedoret
durante o processo da li jui JerJo, e deptv* da
abertaa a* conti correte*, por aeio d* uiss o
tercen contadura ; 4:9J-9tt6 de 9t na. retpec-
tiae repart; 6e de *rrec*dclo. depoit de hi-
verem-jecolhido seus livro* el thetouro. e......
6379057 de 59, por ra*io de gai*< pastean as di-
rectora geral do contencioso ;
3.* Que reinttteram-te 9,918 cerlides des;
divid pin oj'iuo dos feitos, na imponencia a
105:0169118, de qae j se eoroa a dt 26:5911827
pagos por 1.981 coliecttdot, fsiten lo anida re-
metier 5 327 cerlide 00 ilor da 135:7309157 ;
4 Que fortra exonere loi do pegamento 44
devedoret dt quaolia dt 2:35jt>l80 por diverso*
motivni;
5.* Que lictram exist ndo no referido jai/o 7,9o3
cerlides. cajo valor total de 76 0689111.
Reunidas ae importancias liqaidsdat daa disi-
das detlti duai especie, desie a reforma da*
thesouro al 31 de der.-mbro da 1861, v-te qa
montam tomma de 2,324 2199526. da qaal a.ra-
da existe por cobrar a de 902:9219117.
0< quadro nt. 48 e 49 moitrtm o estado da
divide ulive liquidada em lodo o imperi. e da
que existe era execuclo no juixo doa feitoa da cur-
te, at so Oo de dexembro de 1860 e de .u-;
mz de 1861.
O total do primeiro quadro nlo combina com
o algaritmo da tabella n. 36 do relatorio do asan
passado, porque durante o mesmo en o h-gi-
r.wn ao thesouro novas relacoe di ihaturari>*
que alleraram a addice* dqaellt tabella.
Em dezemb^u de 1861 a impo-lencia da divida
era de 5.772:7'0<902rl. reputaulo-*e ci>b-ael a
quaolia de 4,677:1169538, dundo* a de......
328:4489248, e ioioluvel de 767:2i79242.
Por aviio de 1 de mirce de lstl. dirigido a
directora geral di conltbiltdade. aatcriaoti-ta a
extraerlo de certidoea, de grande quaoudt le de
divida ] liquidada, fora das hore do tip-l,.r,t
ordiuino da repinlo por tercahi-lo tsse ****-
co em atrxo e nao *er poni'el vncelo con-
junctemente com os meii da mesroi ntlurex re-
Itlivot a exercicioi mei* mol-n.os. A rx-coctt
desta medida, com o dispendio apena dt......
6:1219713 deu 50 461 eerliattftM n imporltncii de
38( :35lg478, da quaes foram j remeliUat para
o jaita 36.ZUI que r>'pre-nism 211.8199 roo*a
do 14,170 cuj somma de 138.5329478 (jai a*
est acabando de preparar para Urea o n -sto
destino.
Emprestimo* as repblica* de Pril*.Nio len-
do ido anda amonita] esls divida e n-01 pa-
gos os respectivos juros, lena elevada eos 31 .(a
dezembro do aaoo pateado 7,312:92'*9I79 qae
como i.-mstra a tabella o.....retalla dit pttjaaas
te pircellas :
Estido Oriental do L-ugaay :
Capital.. 3,570:2229920
Jarea.... 1.811:0030750
5.411:2269050
Confederlo Argentins.
CapHal.. 1.370:88* pal
Juros.... 530.8I8J8O
ciencia doi oobre. deputidei que me oavem e di dos bens.de que te trata,sem dedcelo de pro-
do nobre presideote do conselho oo s pela ra- entagem, um vez que oo sepooht em duvida na
zlojadiu, como lamnetn porque nao potso ler
a pretericao de agradtr par tinto lempo, nem
mismo por alguos intitules (dio apoiado) como
o Dobre depulsdo que boutem tlloe to brtlhan-
temente.
Ponho termo ; pan ooln occasUo, que nao fallir, seolo ante
qutado te trtter do or;ameolo do ministerio dt
duccao de porceotagem, se os conjuges ou her-
deiros jatiticareo o teu direito certo e lodabita-
vel hersoct ; devia-se logo ttTeclaar a entra-
paragrapho cima citado, foi annullado por for-
ca da dilposiclo de irt. 12 II da lei o. 1,114
de 17 de eiembro de 1860.
Divida de diversas origen*.No relatorio do
. auno psisado, dando conta da divida passiva in-
perle reclamante a quslidade de viuva e cabeca terna, fiz meocao da de 11,123:462S966 coottinte
de einl, e desde qae recoohega o procursdor le-
gslmeote constituido pan reclamar a eotreg dos
beos existentes no lugar do sbito fallecimenlo.
Quanto s expreises presente na trra
enteoderam a secces que rio carecem de ex-
plicsco ; pnrioanto, deade que o conjuge ou
herrieirot etilo presentes, em distancia tal, que
(tieuB, espoader cono devu ccniuiaf que poiiau bem scaulclar a aneeadaclo e iur'eitU-
da tabella o. 31 annexa ao racimo relatorio.
Compunha-ie esta somma da importancia dos bi-
Iheie* do thesouro existentes em circularlo, do
producto d* permuta de accoe das enredas de
ferro por apolices, o de emprestimo contrahi-
dos dentro do ptix em dillereotes poca, deade
e exercicio de 18571858 at ao de 18601861,
piratuppnr a deficiencia dos recanos ordinarios
v
l.901:698M09
A tomma relativa 10 EttidoUnttal nio.
prehende aind 1 despesi rxlnorjinirit lena
com divislo aaxilier, que ealete ea llu.tevi-
do oos ennoe de 1851 e 1855, dttpeit, qae, aa
forma doa reipectivoi acto H'ernaciooat,
ter iodemnisid* pele metrna repblica.
MEIO CIRCULANTE.
0 binco do Bratit, com o resgata de aait a-i)
coaloi de rit de papel moedt, rrelat>j em
abril do tono paeiuv. ompletoa a onaoie dar
dex mil conlo* que deda retirar d* circalica a
titulo de erapre.umo, em loaformrdaia da i im
5 de julho de 1853 e des re.peni*.* einuu. A
contlnucao do resgite, nt rita dt
conlot cada anno, t i exiiocc,as mm
<-
MiJTILDOl
ILEGVEL


IAUO 0t fBBNAMBCO/ r*
^
M
KDA FE1AA SU DE JLLHO DE I8i.
ca da numerario, corra immediilatneote por
coala do gorerno, que obrigado a pagar qus-
le a importancia aooual da |opera{o, malla
qua esta se fdr efectuando, isto .de tres em tres
A le n. t.lt4 da 37 da siembro de 1860. on
el arv, ti 11, auloriaou o governo para satis*
(aier os Niferidos psgameutos, durante o exarci
co da 18611862, emttlindo apolic de 6 % da
dirija publica interna, ou reeorrendo a qualquer
outri operaco da crdito que julgisie maii van-
tajoaa, ae nao podssse realisa-los com o produc-
to da renda publica.
Posto quaa* circunstancias do thesouro sejira
hoj raiii favorareis, o governo anteu leu que ou
podia prescindir do recurso extraordinario qie
ih< estar facultado, attendendo urgeosie de
outros empenhos, e prerisao da que as rendas do
eierciclo corrente nao aeguissem nos ltimos
meies a mesma marcha ascendente.
Consequeoleruenla cootratou-se com o bmeo
do Brasil, eui oorembro ultimo, que lhe seriim
pagos era apolice da 6 "/ ''' diii* iulerua os
dota mil cotilos da notas do ihesouro, que elle
d- turo.
As apolices f >r i ti enjillidas ao prego de 93,
enlo o oais geni na praga do Kio de Janeiro ;
tan lo-se entregae logo depois da assignatura do
contrato 1 075 dos referidos ltalos por conls dos
quinhentot conloa j racolhidoa caixi da amor-
titagao, e de igual soinma que de'ii atr e foi ef-
ectivamente resgaiada aoies do 1* de Janeiro
deste anno.
A oulra metida da aiissao lera lagar a eli-
da que o banco elTectuir o resgale de igual soin-
ma de i>>p-1 moeda.
Nesta o^r-r i-; i, como em OJtros actos de re-
ciproco inter9ss-, o goveroo enconlrou da parte
di directora 4o naneo do Brail o melaor secor-
do e boa vootade que folgo de tetemuohr-vos.
A tabella annexs ao relalorio do anno paseado
dar o circulado at o da 31 da marQidesse
en no 37.411:83150)0 de papel moeda.
Teolo-se resgitalo posteriormente dona rail
calos, e reconhecdo um eicesto di 181:6505:HW)
tu i<-Ua somms, como explica em ostro lugar,
ti-aria n lito numerario relur.ilo sommi le
35 219:151$, so as tubstituicas da diversas da-
se i Je u iias, lera l>a a ir-Uo -1-* 1 nt de 18)3,
nao demonstraasem urna oalra deducido, que nao
est ainda de'initivtmenle liquidada, prora
niente do papel moela, que Urnou-te sem alor
por nao ser levado so troco, e doa descontos que
jffreram as notas presentadas fura do* praxos
legaes.
As tabellas da csixa da amorlisaQao manifes-
lam que sis ultima deJucgo j cooheeids na
ioiiiortaocia de 661:6169. o que redas o papel
moeda em circularlo ao algarismo de......
31.584:5353000, que at o IIn do crreme exer-
clcio, segundo o que deixei cima exposto, diaii-
uuira de mil conios.
Km ferereiro ultimo as em;ssei offeetivas dos
diversos bneos apresentaram os seguidles alg-
rismos: banco do Brasil e suas caixis filiaes
30.1>89:90$OUO ; bmeo commercial e agrila
7 237:90O| ; bmeo rural e hvpotheca-io : .
1.984:1709; banco da Baha 2 58:970J ; ban-
co de Peruambueo 1.470:3009. e, liualinante, o
banco do Maranhao 256.0009 [tabella n. 51 ).
O banco do Kio-Grande Uo Sul nao lem hoja
emissao alguma.
Amellas emisiei reunidas do a somma de
43.596:4303.
Na msini data cima indicada liaban os so-
braditos estabalecimentoi nos seus cofres, como
parte do seu finio disponirel ou dagarautia
5.832:3139 em olas do tbesouro, e d'ahi resulta
q-ie a quaulilade do papal moeda circulante era
le 23.752.-2i2>.
Sommanlo este ultimo algarisoio com aim-
porltncia .ios burieles dos bsocos. cha-ae para
a drjulacao do papel fl iudario ero todo o impe-
rio 72.3.8:6529.
Em dezsoibr b.in-es sabia a 50 390:9809.
O pipal moela era represntalo por.....
37.411:831$, dos quaes 3.389:0609 existiam fra
da circuladlo, como (ando de gin.im da ai s-
io bancaria.
O'onla Hcoclae que, era de>.embro de 1860,
a >n ni do papel liluciario circulante montara
a 84.413:7519.
Comptra.la esta somma con a anterior, v-se,
que, ii) decurso da dezembro da 1S6<) a f-w-<.i-
ro desie anno, houre diminoiiji i de 12.065:0999
na massa garal do papi| rirculanle.
E*ia rtifT-Te^ca, pelo que fleo a manifest, pro-
veo jrincipalmeuU ds contraeco o^ersda pelos
bsneolf
Coiocidiotto es'.* fado com maior setiridade
m tiosaas tranaaccoas, indcala pelo augmento
rulare! qn apresentaram as renla* iiublicas in-
lerns, e as de exporiaco e Imporiaco, dejniho
de 1360 a juohi de 1861, e no prmoiro semestre
do corrt-nte pxercicio, h ratio oara erar que os
(lOSaoa >stab>*l>>cimi>nliis de cr<*diio, oscarin-'ula-
doa pea eiptri^ncia, ae tm conduziJo uiuma-
niriite com maisaserto.
A sua amistan elTclva, araliala em massa,
et. na rar do 2 1/3 para o sen fundo disponi-
vel, sedlo este compusto da notas do ihesouru
ts:>en-s melaliea*.
O curso do cambio oas pracas do Rio de Janei-
ro. Babia e Parnarnbuco continua larabau aquel-
le juizo, sendo que em jaomro do auno pastado
9bio a 26 3/4 na pri.-neira das ditas pravas, e
as oulras houva saques ao par de 27. 11 >]e a
cniaco no llio de J meiro de 25 7/8, e, segundo
noticias recentes, era iul em l'ernambuco e de
26 a -26 1/8 na Baha.
Toliria ueuhum dos bancos abri ainda o 1ro
co de suas nulas em ouro, prefennlo conservar-
se sob as restrugoes que uessa bypo-hese lites
prescreve a lei de 22 de agosto de 1860.
O papel moeda s- tama ca !a vez museieasso
nio s pelos reduc;oes que tam soffrido, cooio
.porque qussi o muco agente da circilaco rao-
etaria uas prorincias, onde nao exislem caixas
liaes do banco do B.-atil, nem outros stabe-
lecimentoi da mesma natureza ; e a escaaser
dessa numerario d se ao mesmo lempo qus se
vo creando e deienrolrtnlo onrut ncleos de
populat-ao pelo interior de algumas proriucias,
m lugares que nao ha multa vram dsenos.
O pensamento da le nao ei, perianto, lon-
Se do sua realiaacao ; e .:ora eff lo as difflcul la-
des, que a par de superiores bxoaHcios trar o
regimea normal de urna circula^o cujos iastru-
mentos represeniem moeda real, e nalla secon-
vertam ntale doa seus possuidores, come-
gam a farer-se sentir.
A euiiss i do banco do Brasil e uas caixas
flliaes era em f-v*reiro u'timo, como j cju
dito, de rs. 3).099:09090'(). U seus valores em
caixa sabitm a 15 359:222*245, i >iais de
niHtade da emiasao ellecti. Se o dito faulo
iiisporiirel, coiiiprehendeodo neata denomioago
os dinbeiros to'tialos a prexio ou am cunta cor-
rente, addw-ionarmos os der rail eonlos j em
pregadjs no resgale do pajel moela, teremus
um capital apenas un quinto inferior ao valor da
emiss.ao circulante.
O bino do Brasil considera esta situacao dos-
(arorarul ao* seus legilimos iateresses, e uor ou-
tfii lado nutre o receto da que nao po-leri sus-
tentar u pamarneolii >-m mtal da suis notas cir-
culantes, em pr**n dos dout outros bancos seu concurrente, o agri-
la e o rural, san q ie estes entrera ao mes-
mo lem jo 1NM regim^.i ecooomiro.
Por sua parle o bmeo commercial e agrcola,
ao que parece, jalga oa p.iogao difcil mi
cunlicoe* a que o ujeitou a lei de 22 de agoste,
o lando a emissso de bilhetes menores de res
5);!))) ua corte, exclaiolodi finio disjoniv*!
O banco rural liypolh-scario. cuja emissao
sutoria ala nao excede boje de 1,992:3009, race-
ber a somma de 400 cootos, em comDentaco
da faculdade que renuncia.
Em conformidad,? do artigo 60 dos estatutos do
banco do Brasil, loJss as veies que se augmentar
0eu fundo capital,yolera o goveroo xigic que a
Urca parte desse augmento eja applicada ao res-
gale do papal -moela. O dito banco solicita que
nao se torna effectiro este onus, em attengao ao
sierincioque j fez.'.resgitaulo dez mil cintos das
notas do tbesouro, otes da estar preeachido o
sea capital de triuta mil coatos, desembolso que
coastitae divida em juros e o3o exig re por to-
do o tempo da duracao do previlagio.
As vaotagens que o banco do Brasil espera to-
Iberda referida transaego e resumem em poder
elevar a sua emissao segaudo as oecessidades da
praca, e regular melhor o necessario equilibrio
eotre a circularlo de suas notas e sua reserva me.
talica.
O governo, comquanto tenha prstalo este
negocio a nacesssria coosideragao de que digno
e o repule por aui natureza urgente,entendeu qae
i nao devia tornar decisao alguma, sem priuieiro
iouvir o parecer da Ilustrada secgo de fazenda
I do couselho de atado Nao sendo inda conhe-
| cido este parecer, porque s s 23 do mez ultimo
foi questo subm-itiia ao governo, permiilireis
que ou me limitte exposigo do ficto e das cir-
cumslaocias que o delr>nuaraai.
Pallei vos u obngigao que hoje cabe ao go-
veroo de continuar o resgate do papel moeli. re-
tirando da circulagao dous mil contos aonualraen-
te, pelo iutermelio do banco do Brasil. Esta deve
ser folia com a renta ordinaria, ou, sa esta for
insufficiente, com aplleos da divi la iuterua un
por outra operario de crdito. A' vossa sabedo-
ria compele resolver se ou nao conemante sus-
pender por dous ou tres exercicios o dito resgale,
alientos os empenhos pecuniarias qaa aesse pe-
rilo temos de satisfazer, e ascoodifis actuaes
da nossa circulaco monetaria.
Ligado ao imprtame assurupto do meio cir-
culante est o da sunstituigao da actual moela de
cobre por oatra de uialhur qualidade e de aso
mais commodo. A falta de moeda de troco, e a
cori'enien-ia desuppri-la por cunhos mais per-
feitoa a de menor custo t>ara o estado, esto as-
tas maoifestas. A Ui de 22 de agosto o recouhe
ceu, e autorisou o governo paru realiiar aquella
medida debsixo das seguinies batel:
1.* O valor nominal de cada pegt nao podar
eigeder a 10 0,0 do cuito de sua liga e fabrico
2." Serio obrigatarios os pagamentos oa moe-
da de troco somonte aU o valor da mioima
moeda de prsta.
3.* O goveroo poler desmonetisir s moeda da
prala de 200 rs limitan lo s sublivisao doa cu-
nt k desla especie a 500 rs.
4.a Em seus regulamentos competa ao gorer-
oo, nao so marcar os prazos e modos da suban
tjn;io dt actual moeda de cobre,test tambera de-
tarminar a qualidade da liga da nova moela, seu
peso, valor, dimetro e typo.
5.a A mosda de cobre subitituila aera inulili
tada e venlida como sizalha.
6.a A actual moela de cobre que neo fr lvala
ao troco nos prazos marcados pelo governo ica-
ri sujeita s dispos'ges do art 10 da lei n. 53 de
6 de oulubro dt 1835.
Como vos iufonnei no relatoria do anno pas-
sado, o meu illustrado antecessor incumbi um
commis'c de pessoas competentes o exime das
quest'i qu* sa preodiam a emissao da nova
moela d troco* Essa cominisso, compona dos
Srs. viseoode de Iliborahy, cooselheiro Candido
Baptisls de Olireira, couseineiro Joaquira Fran-
cisco Vianna e Dr. Candido de Azeredo Couituho,
acaba de a^reseuiar o resultado da seus traba-
Iho*. no luminoso parecer que encontrareis jaoto
na presetite relalorio, e de que foi ralator o Sr.
vi'Roole da Itaborahy.
Traoscreverei aqu as conelusoes do dito pa-
recer :
1.a Que seja preferido para a nossa tnoala de
troco do Brasil o brooze composlo de 95 partea
de cobre, 4 de ettaobo e 1 de zinco.
2.a Que se cuuhem smente muelas de 20 ris
ramete reesbido convites argentes para volts' qaelle qus inda alli so cooservaram eram
rem Italia, e que os alistameotos de roanla- tnamidos pelos (sdcraei em coDseqaenta da ua
rios'conliauam em grande escala ; o que parece falta de recursos.
indicar que e iperim grare* e prximos scon- Oa eparatistaa deram liherdale 1,600 pri-
tecimentos, alteodeodo impaciencia e irritago sioaeiros da batalhi de Titlsburgo. A dificul-
que se nota oos partidos ganballino emaxzioista. dade em alimentar aquella geu'e, obrigau a lo-
Dizeua alguna correspondente* que o governo mar esta resologao, mas exigi -te dell-s o com-
fraocex remetiera ao pontificio una proposta ps- promisso de nSo toros rem a pegar em armas,
ra que, era iodemnitago dn proviocits anexa- Em Ricbmond luda se prepara para urna nova
das ao reino da Italia, seja dado ao govarno ro- peleja. As ascaragumas que tam havido proram
mano a garanta do territorio actual e o paga- que da qualqaer dos lados a peleja ser- desespe-
meoto de am* indemnisseo annaal. rada.
Em Mantua, Veron* e S. Benedicto houve B.m Memphis forara completamente destruidos
urna manifestago imponente para solemniaar o oa depsitos de algodao. Este genero eit
aonirersario da batalha de Solferioo. Apeaardaa 31 1|2.
prescripges das .utori la les austracas celebra- i l*roiimo a Gnirlestoii houve umt anguj'oo-
rm-se missasfunebresemlodas as igrejas. Nesta
circumstancias a polica limitou-aa a percorrer
as roas com palrolhas numerosas, mas ainda as-
sim o povo em garal traja va tocto, e ovadia sem
recelo algum todas as Igrejas aeode ia orar pelas
almas daquelles que morroram em defeti da II-
berdtdeda Italia. Esta ceremonia commemorali-
va esleve muito cooiorrida, mas nao houve in-
conveniente algum em que a polica tiraste qua
iotervir, e embora lhe nao agrad>s*e urna mani-
fstaco com que os peros demonstraran! clara-
mente os teutsentimentos verdaderamente libe-
rtes.
Em Lucarna na Suissa t*ve lugar urna es-
pecio dtcongressolegitimisiatrancar, promovido
lenta batalha em que os dous axercitos liveram
perdas considerarais. Reeeiava-se muito era*
os faderte tomaisem aquells eidide.
A ctusado tul psreee estar nos ltimos paro
sismos, apezar de anda ter fotgas para lutar com
a morte.
Acvrea de notreas cominerciaes diz nosso
correspondente de Hamburgo, em 5 do corrente :
O mercado rio tetlreu niodifteago imi'or-
tanle durante a ultima ovuiozen*, e t se vende
para supprir o urgente consumo.
Ciift- A melhor opiniao- qu ae motlrava em
principio do mex pastado para este genero nao
te veriiicou. Dapoit da theg-ad-a dat ultimas no-
ticias d ) lio, de 6 de juoho, amnanciando aval-
-,-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O ettCO, mtestrtcSrj mis tecessorios do
patacho hollandei.Sara Henriki, naufragado em
Ponta de Pedras,. foi vendido por 3090U0 rea,
sabbado, na perla da AssociagacrGoramercisl.
O patacho-ioglez Exprs, em viagetn de
GriiiiLav. foi encontrado 14 do correule US
latt. N. 4" e 59^, loig. O. 22" a 18^, pelo btl
gae austraco Perasl, qce faudeou uo sabbalo
em noso porto.
Pelo vapor ioglez enlrado honlem, iifoi
mam-nos, vieram cartas do nosso compatriota
Gongalves Das, quem constderava niorin, e
1 fardo fumo ; a Josqnim Beraardo dos
15 ditos ditos ; a Mano! Tarar-t Cor-leira.
6 ditos ditos ; t Antnni > Ju>Soirs Juoi-ar.
10 ditut ditos ; a .',>- Vicente 4* Listsw
16 cascos varlj, 7 pipas fimo virg-sal aaari-*
do, 2 ditos lirio lofatHtM ,-tu -6 ; a M;
i C.
lOO fardoa panno de tlajs '.ao. 1 csiia ataras V
dilo, i embrulho amo-Ira da paprl, I latn
getao, 81 a-roba* e dito m pe lr, f Barril
azeita d^ palas, 75 dito* cerr;*, 77 Utm to-
mo em Mba. 31 caues charuto, 5 me*
ttsara.
pelo conde daChambord. Calcula-se em 4000 o j tad* exiteoci ntqiiflla cidade. e mu peqae-
nomero de Francezes que se tem dirigido para | nos carregametilos para aqu, a* rranaaccoes lica-
alli. O principe recebeu lodos asrelmente.
A exposi(o universal de Londres lem levado
aquella eidade grande numero de organistas que
os principes tratam com tolas as aileu(5es. Es
tes (setos preocupan) muito as autorilades impe-
riaes, que rem naquellas reunioes paeideas um
principio proravel de luis civil.
As cmaras belgas rotiram um crdito un -
plementar de 160 mil francos para aielhorar o
armamento da gaarda cirica.
A attuago ioterna da Kissis continua as-
uttadora. Oan tersburgo s provincias. Em Fuln foram quei-
madaalOcatst; em Mohilew 20, em Czermtchow
44, 133 barricas e a lgreja; em Nowgarad tani-
bm tem havido alguna.
Os jorotes ingtezet fallara na existensia da
urna vasta cooflagracao em Crouttadt, e accres-
centam que o terror reina na* regidas goveroi-
mentaes; que a guarda encarr*gada da seguranza
rara quasi naralisadts. Com tolo os possuido-
res nao pareceui disposlos para forrjar rendas, e
(i-t concasaoes.
Colamos: Caf regular orlinario do Rio, 6 t;2
6 3/4 schiling*.
Em junho vendersm-se crea 25,000 saceos de
ctf do Braail:
Iaipoitac.au de caf al Gus de junho:
1862 47 milhds de libras.
1861 44
1860 49
1859 37
1858 29 1;2
Etist'ii,its em tina de junho :
que vae melhor de seus soffrimeolos. cerno elle|Coll, 190 b-las depia^.., ;..) ,,-..d, r.f.
metrr.o -era. Ana* bera qae nao temua a pec q,rt,baf, s*Mgota taiha. ^t.-. ;"# m-
lamenlar a perda dease brilhanle cantor braailei |r,n de tt)rrio>
ro, ettjo Tasto genio t pode ter por sepultura o>\ \\\tK* racimal #iranc.ref. aiadi 4t Arscfv
rai/s osvono. eonsigusdo a tm ossanas Aicsa dt tstasL os
Kkpartiqao da polica. (Eitraclo da par- Dfw*tUu o numie-:
te i da 26 de j.lho). i 300 molhoa y^llea d^ rabr.. 25 sse* c -
Foram recolbtdos casa de defeoc,ao no da 25 carnauba; a Terein- ^ran* eV C
do correte : 4jiia.5 patot.* >V>W.. I ar.o six
A ordem do Illm. Sr. Dr. ebef>a de polica, I a|0,so# \r# ,, ,.,., ., ... ,,. r,wm*m
Jos Antonio da Aibuquerque Pafiros. branco. 30 oerrieas -br-, -J ,-> f-11- 2l *
de 34 aonos de idade, cixiro a K-emvir.do peile9de cabra, 50- meio* d- sol a orJs= i
Amaro de Barres, crioalo, de 18 anuo, padei- j dirertj*.
ro : 9 primeiro preso pelo capitao recrutido- da
1S62
1861
18S0
1859
1858
19
15
13
12
19
uilhoea de libras
1,2
1/2
Aisucar. Em consequeucia do ettadu froux
b a ni so ada elle muslo deprimido nette mer-
cado.
As pequeas vendas que se realiiaratn, foram
com lado smui mudanc.a de prego.
Durante o mex de junho vendaram-te cerca de
30'J saceos de assucar da l'-rna 1 bico, inascaaa-
| do 15 3/ mareot e 1800 ditos da Baha a 14
miren*; a entregar venderam-se cerca de 8,000
da Parahyb*,
publica fdrs reforcada ; q-ie era prohibido aos es- | dese enero nos mercado* da [ngUttrra, tam-
trangeiros entrar nos ediiieiot pnblicoi, e qua ts
perdas em a. Peteraburg> eram avalladas em
muitos centenares de milhd-'S de rublo*.
Entre o partido chamado paulowisla e o allemao,
qae o da corle, existe una lucia encaruigala.
Aquelle pretende obrigar o imperador a o gover-
no a sahirem de S. Peie.sburgo. Os chefes de
conspirado ptuloriste dizorn francamente, que
os que licendiaram Moscow contra os Francezes, i saces* de siucar patteavado
pedem tambem incendiar S. Patarsborgu eoutra ^ 14 3/S. 14 3/i mareo biuco,
o* Allemes. E*t* stluscSo records 1789, quan-1 Algodao. O mercado t'.-n estado no ultimo
do s rcvoluQo fran eza quiz obrigar Luiz XVI a lempo muito ex:ilad-|e os prac.is ublrm rapi-
sahir de Verstiles para Pars. dameo'-e. Venieram-s< 127 bailas de Peroam-
O imperador Alexandre tem o mesmo carcter I buco chegar pelo Olto aos presos de 15 1/2 e
rresoluto e frico que Luiz XVI, e esta circums-j 17 t/4 tehitltog*.
aocii auxilia o triumpho dos revolucionarios. Tabaco. As oras diegsdas da tabaeo brasilei-
0 archiduque Constantino foi, segundo dizem i ro (oraa proaipumeuio v-oliles; o deposito
os telegrmmss, muito lem recetado*em Varso-lm seg-ioda mao por,sin-ls nnuti consde-
ia ; do da seguinte ao da recepeao, su hi la Jo i '*! L'iiiiiameote s *o vsaderacs 23 paaotet
theat 0, dispararan tobreelle um tiro da ravoi-1
freguezia de Santo Antooio, e o segundo peto
teneuU recralado-r da Bos-Viala, ambos-para ic-
crutat.
A' ordem do ssibJelegado do Reeifs, Jaiatho
Roque da Cuuha. emi-branco, de 2H annos,
pescador, por ivslt9<* dirigidos um inspector
de quartdro. e Valentiat Jos da Costa, crio-u-
I'1, de 18 anona-, te. vente, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Mara Fran-
cisca di Assuuipca-o, da 30 annos, costurai:*,
tambem por disturbios.
A' ordem do de $. >os, os pardos Francisco
Pereira de Barros, de 90 annos, lalhador, e Joau
Jote Rodrigues, de 51 sonos, pescador, e as en-
ovias Calharina, de otl annos, e.scrara da baro- '
Deis da Victoria, e Rota, de 28 annos, etrrara '
de Victorino Jos Ferreira, todas por braa ; e
bsM asaini Jua i'iira, tambara crioulo, da 25 an I
nos, escravu do pidre l'-ilieiano, requisico '
dosle. I
A' ordem do da Cspunga, o crioulo Franciseo, |
de 24 sanos, escrita de Suve&Filhos, raqui-1
slQo da juix especial do conimercio.
O chafe da segunda secc,o,
.'. ti. de Meiquita.
Movimeoto da casa de deten;ao do dia 25
de julho.
. 1 ta t
s;.
!- -*- Existiam. . 352 presos.
Eniraram. . 374 >
Sahiram. 14
Exisiem. . 360
A saber .
Naeionae . 2.54
Mulheret. . 6
Kstrangriro. 28
Escraios. . 63
Escravas. . 9
e 10 ris ; a 1.a cora o peso de 2 1(2 oiuvas. a
2.a da 1 0|0 no peso o a de oulro tanto no toque de
cada um do* melaet.
3.a Qia se adoptem o modulo a mutra que e
j'ilgaretn preferiris entraos modelos apresanti-
dos pela casa da ruoda.
4.a. fhialmante. Q1, ao menos como ansaio.
se comece a confiar niiueile estabnlecimento
nacional a nova moela de brome, at qua pda
experiencia ae possi decidir com seguranza se
ser mais vantajoso maoda-la fabricar era piiz
estrangsiro.
O goraroo adopta este parecer, e procarar,
sobre informarlo do perito e zeloso pruvedor dj
casa da moela,*? atlendebdo s forjas do o-ca-
ra en t o animal, habilitar aquelle esiabelecimeuio
para dar cooiecu fabrica;ao gradual da nova
moela, que destinada a satisfazar uoi* pecas-
sidade argenta, saotida por todas as classes da
oopulaco, e principalmente pelas meuos farore- B**0 subsistem sampre pir si mesmo e nao
ei-ias da fortuua. prescrevem nunca, sejatn qaies forera ot
Limitaalo-se a rnoiade Ireo *s pegas de 10 cessos que snalltm o seu e.xereieio
e 20 ris, nao sa pode prescindir da mola de
prata de 200 ris, caja fabricarlo hada silo
auspensa, na predso de que podesse ser subs-
tituida, ciih ni lo-ae da primeirt p;as de
maior valor.
(Continuar-te Aa.)
Oas-
ver, que o ferio levuraenie n'um horntiro.
ssssinofoi preto e diz-ae que polaco.
Diz a guata da BtlrMa, jornal minitteral
de Berln, que o geoerat Vaudertebeai, socarro-
gado pelo principa eieitor de lletse Css->ll de
ama misso extraordinaria junto do rei Gailher-
me I, fra por este reeebido, e que em resultado da 3 000 eoiros de Pernambueo, 5,000 d
da conferencia, sedera orie.n par* retroceder e 1.200 do Cear.
7 5/8 schilling* a primeira qualilade, e 6 5/8
a .segunda.
Cauro*. O mercado dusta genero continua
tranquil! .. A opinio desfaroravel para esse
genero imP<*de lran*ace- da maior importan-
cia e s com reducc/io dos prejos s* poderve tf
factuar vetiia*. Vendern! se fin jonlio tere
Bahs.
as tropas prussianas dispostas a Invadir o terri-
torio do principado. Dix-se que d'eotro en pon -!
co staro reslabeleclas relago as diplomticas 1
entra os dous paites.
Circulsm novanienU em Copenhague boatos
de que se pretende dar um golpe de estado con-
tra os ducados allewes, acrea.enlsndo se qie a
crise const-.tuciooal porqus est passsndo a flus-
sia, a iituagio pouco invariavel ern que se ach
o ll.sje Cassell, lerario de cedo o gabinete
Jinamarqupz a adoptar una lei fun Isnieutal.iia -
da que'eai lempo opportuno haja de se eslabele-
c-r urna di-ti qus trate dos negocios relativos
nosao Schlaswicb, mas ao Holstdn.
Nas*camaras austracas um debutado 1x01-
irou desejos de que o gorerno sa recouciliasse
com aHungria, a atajo (aetaoibem dem oas'.r-ou
o gabiueU, ssegurauio qae nao perdera mote
algum para o cuuseguir. porm uo terreuo legal
das inslilugoas oulorgadas pelo imperador, t'
precisamente nisto que est a maior dlfficuldade,
porque os Hngaros recia ni a coocesso dos
seas direitos histrico*,o regeilando tu o quinto
se Ihtt coucae por morc atclatira e em noma
da autoridade, pela simples razo deque a curi
ple annullar as sais eoitces.-oes qumlo millo
bera lhe pareca ; ao pass 1 que os direilos de urna
se
Cacao e apioca; S?m traosege a sem mu
d 1 ; 1 Ot* ufrC'l.
Jacaranda; S boureram peqanis rendas
era guiida :uo. As ullinias wporlagoes pejo
Alphield, nao f iran ainla au mercado.
E thilde; guiri mais Urde o Mara Louise.
Total. 3*iu
Alimentados a cusa dos cofres produ-
ca.'*............. 147
Morimenlo Ua enfermara do d; 26.
Tese baixi :
Flix Jos Kolrigue. ioternitUtife.
Tere alia :
Joaquin (Africano lir-e).
Matadoi ho publico :
M-i aiau -s- para o consumo des'.a cidade no
dia 25 do correle70 reies.
No dia 2697 iden'.
OaiTlAHIO UO DIA 20 UE JL'LIIO, trO-CBMITI-
rio PiBLieo :
Luia da Franca Marlilham, Pernambueo, 56
anr.o*. solt-ira" Boa-Vista, bydropitit.
Jos, Pernaoibueo, 4 ancos," Baa-Vitt, va-
riulat
CHBONICA JUOICIARIA.
.
HHumsucO
Hfvista numa.
Hija tem lagar, na directora g-'ral da instruc-
Qau ptMte*, o etiucursos eadeiras ragas de uis-
traecii e',i'iii"niar.
A paisa ni r a prora do coacurto para a ubs-
t't'iiQ da F ,0 1 depui* d'amanhaa.
So dia :il do corrente. p-l as 4 horas d>r
lardn, proceder a-ha na sala da; aetaes da
Sauta Casa da Misericordia, ao prneesso de ha-
btlttaco dos u incurrente* ao lugar de amana-
soca dn m-'jjsTo jstabei-i-i'r.enio qin foi ultima-
mente cralo pelo respectivo compromisso.
E**a n a li-.iii *._-. i > cifra se no exatne do* pro-
tendentes em principios da gramnialica nacio-
nal e orthojraphia, em arilhmlica e em nogai
*uc*1 de ripturacao mercantil.
Houve honlem lugir a fetlae de S
Vieeiite Perrer. palroeiro do 1* bitalhao le fi-
Ouanlo tos esforeos que o ministro austraco
diz ter f-ito. limitando-sa simples negoeisges I aairos di guarda i idonafdest/municrpio'
iiAfiu q pefi4iiuco
com os prineipaes chef-".* do partido conserrador,
nao produziram o ininor reautlalo ue.11 cne-
garao a produzir talrez por muito lempo.
A agitarlo 03 Servia toma boj carcter gra-
re ; alguna correavonlaole* a*aegurm que ae-
melhsnle estado devido il iui.-ru ISDCUS das
Oros 00 Hvanjelho e no Te iJeum o R*m.
Sr. padre Lino do Minie Carni!lo Luna, sendo
ambos i setos cal-bradot com pomp*, e com
assisteiioit do i r iprio batalha 1 em grande uni-
forme, que f->r. as li hrva do estylo.
lioje. s 7 horas da manha, celebrara se o
aulorllales turcas, sspedalraeiite depois dos ul- memento e vanas mists pelas almas das pracas
0 vapor ingtez Oneia A portad-.r de crias a
jornaesda Europa, cora dalas de litmburgo 5,
Bruxellas e Paris 7. Londres 8, Porto II e Lujos
13 do crreme. Delle* colhemos o teguinlo :
Eocerrarara-se as cortes portuguez*s no dia 30
de junho com a solemnilade do coslume.
E' j tora de duvida qua a futura cinsorte de
el-rei Luiz a pnacaza Mara Pa, Blha do
rei da Italia Viciar Emmsnuel. Assira o declirou
S. M. no dis 7 de julho em conselho da estado.
No dia 6 tinhs el rei Victor Emmanuel respon-
dido formalmente urna carta autographt de el-
rei Luiz, em que lhe pedia a rxo da augusta
prneeza Mara Pm.
Vctor Emmanuel declarou que er urna allitu-
c.a muito honrosa por lodos os motivos, a de
grande *atsgeai poltica e domestica para os
dous i'i'ins.
U podado* di eart authogrtpha foi um sobri-
nho do Sr. Jos Isidoro Goedes, e o apraseoiante
da mesms carta ao ra Ja Italia o encirregado da
negocios de Portugal em Tarn o Sr. Borgesd
Cislro.
Affirmi-se que o r dspois do da 16 de outub.-o, dia em que a Ilus-
tre princeza completa 15 anuos.
A ooticii d'ile eolaco causou geral alegra em
Turiu, segundo declarara toda* as corresponden-
cias e jornae* daquelle reino.
Oiz-se tambera qua o imperalor Nspolei sa
mostrou muito sittsi'eito cora a alliaog da cata
di Braganga de Sibois, que o fica sendo tam-
bem familia imperial franceza.
Continua a fall.r-se na entrada do Sr. Thiago
Hurta para o ministerio das obras publicas, patia
da qu est interinamente enearregado o Sr. mar-
quez de Loul.
Continua a fallar e nt reforma di camiri dos
pares.
Falle:eu ni lis 10 de ami spoplexis o Sr.on-
de de Bomilm. lente general, par do reino, e
um dos bravos do Mindallo. No dia 11 alleceu
tambem repentinamente o Sr. Costa Lobo, par do
reino. No da 9 faltona igualmente da ums auo-
plexii o Sr. Carlos Morsto Roma.
Na dia 9 ficou concluida a memoria que os
as nula* diltUetouro de 1JM0 a 5}0i)). e pres- j artistas das fibricss de funligo e eitaraparit do
crerenlo qae lili* os bancos troqsem seraaoal-
uien'e o* tiilh't*q*e recebetem dos utrot.
A S'tuagao reciproca desle eslabelecimenlos,
como elle* a apreciara, leruu 111* a um eeeu'do
que lera por Um a fuso doban r.O'nraercial e agrcola : liquidando-te a eguoio
< detittindo 10 mesmo tempo o rurtl do s-u di-
rei'.o deemisso, mediante vantagem correspon-
dente essa desistencia.
E'taqui os termos do accordo a que alluio,
.para o quil soticilou-so a approvago do go-
verno.
O (anco do Brasil elevar o au fundo capital
.ll.notl-.OOOJ.na forma do artigo-2' dos seut esta-
4ot.>i ;almdas|l41,000 SOfOOS j emitti tas.distri-
bair mais 24.00 que cora aquellas preeochem
1 dito nominaleapital de trila e tres mil coo-
(), pelos accionistas do banco cramete!al e
agrieol 1, pagan lo estos vista o valor d >t eucar-
trada* re*li*eda* (160$0J;) de cala uoia dat met-
mss *cvoe*. Por esta operagao o banco do IV-,1 -
sil recebar dos no/os accionistas 3,840:O}000.
O banco edmratrcial e agrcola Itjuilar-te-hi
flor sua eontf e rite, pudendo o do Brasil en-
regar-sdasls*opersglo. raediaute urna conmis-
s'to mdica, o regalaudo-te, uo que for appltca-
vel, pelas dispot'cet transitorias porque so (ex
em 1853 a liquidado djs exlliwio bneos cjm-
msrcial e do Brasil,
Bulho no Porlo. leraolaram em racordscao das
risitas qtieo Sr. 0. Pedro V fez aquellas fabrica.
No mesmo dts cel-broa te com grande appa-
rato a ceremonia de culloeego da primeir* p-
dri no monumeiito qua os Portuguexts rao eri-
gir memoria do duque de Brsgaoga, D. Pedro
l do Batil e IV de Portugal. O mouumeoto
erigido oas prai>s do Mindeilo.
Foi sagrado bitao do Porto o Sr. D. Joo da
Frtoes Castro e Mour, bitpo eleilo de Pekio.
Foi nomeado bispo da Vi/.eu ti conego da s
patrisrchal Aires Martin*, enligo jornalista libe-
ral e debtalo edrtes.
Foi approvado pelas cdrteao tratado daamisade,
commercio e navega-gao entre Portugal e a rep-
blica da Nova Granada, asignada em Washing-
tot em 9 de abril da 1857.
O novo remo da llalla acaba de ser recotna-
cito pela Ratsit o pelt Prussia, orno coasta dos
despachos i*It*grephicos receiiidos pelo nossAcsir
respndeme da Lisboa. Vao brsvemenl sr no
meados o* retpeziivus erabaixadorei.
*~*.A Autlria fas grtndo ariuamento an longo
do Miucio; estes trmamaatos foram augraaoia-
dos logo quo o gorerno auslri.Co Aioba que h-
vitm sido chamidos para a Italia todos os gari
bsldinoa que so achavam afatlados da Pennsula.
Un correspondente da Parts afflrma que os ro-
limosfaetos de Belgrado. Dizem mesmo alguus
i qua existe coumrencis entre essas autoridades e
j os bandos de tltastioot que degolam os chris-
to e sajaeiara a sua propriedade. Naala apra-
Ctijao ha talvez exegeraco, mas o facto que a
aituagao daquelle psiz te aggnva cida passo.
- Diz um despicho de Ragura que grande nu-
mero da oitomanos aceomraetleram o* moutene-
grinos em Zurwaguig*. perdn do no aocontro 5
mil hmeos ; acretceutaudo-se alera disto que
Derwich Pacha te vira forjado a retirar para
Danjani, d modo qua os Turcos vo cada vez de
mal a peior. 0< swccesso* vo alli adquiralo
tal gravidade, que as graudes poteucias se vero
obrigadas a sahir da neutralniade que guirda-
ram ueste conflicto. Os Torcos losaran o iu-
cendio Serva ; e o Montenegro e Herzegovina
sublevaram-se. sli a daminago oltornaua
ach se auiaacad portlo* os lados.
_ Cartas de Atheoas annuociam nova agita-
cao na Grecia. Na capital tam hiviio ooras de-
sordena, daudo era resultado mullas prues ; o
maior numero dos que tomatam pane ua ultima
seligSo recusam-se a aceitara ainuislia. D'aqui
pode-se concluir qoaOiasoroiio lavra em tolo
o paiz mais ou meos oeeullaiueute, e bem ae
eompreheode que an menor impulso dasenrol-
rer todas as suas furias, que lem estado sufli-
cadas pela accao do goveruo.
Em quinto questo lo Uni assucip-
lo do MOMQCMptl dianameaka tola a impreosi
uropa. Dapois dsa explteacO'S dadas na* c-
mara* frsuoe*** por Mr. Brillault ministro tem
pasta a M'. Fabr*. conh-ceu-si as actuaet iu-
taocoi do impera lor Hopotesa. que parece estar
j srrepenli-lo de ter dalo aquella questo urna
liiporttnds, que nao tinha tora** para su aten-
tar. A expedido franceza ser levada at a ca-
pital do Mxico, e ento r chimada a uacao
mexicana a pronuuciir-se sobre a forma de go-
veroo qie preferir, estando a Franca decidida,
segundo declara Mr. Btlliult s respeitir a eua
elshjo, qualquer qut teja, ainda que u'ahi re-
sulta a couseriago do goveroo da Jasrer.
A ordem do dia do general Lorencat tambem
tam t'eito impresso, prin:ipalni .-ote pela falla de
esclarecimemos quenelltse noli, qusu lu das
publicacoas fetis nos Eslados-Uuidos se podara
tirar couclusoet que d > sao muito vaalajosat pa-
ra a Franja. Noticia* de Ymu de J de
rano dizem que tuto o M'X'.eu se cha sublevado
eonlrs os Franco/. que eilo ameacado* de urna
completa destruidlo. Euiretaalo o Moniteur de
i'Arme iu q le ,i ultima victoria do*Prauceze*
Trihunal ta Relacao.
SESSAO EM 26 DE JULHO DE 1361.
Presidencia interina do Exm. Sr. ieumbargaior
Sitveira
A's 10 horas da'.mauhSa, pr-sentes os sonhore*
desembaigadores Oilir Lourenco Santiago,
Perelti. Atciuii, Uchtla Cavalcanti e Permita Jor-
ge, faltanlo os Srs. desemDargadoret Ca- tauo
Santiago e Guerra, procura lor da eora, abri-
le a ossfto
Nao h _is...'"1'5,-,c^o
'' Pa**adus o. leilos, e entregeteos distribu los
1-Tam-se os seguitiies
JILGASIKNrOS.
Carta testmnnhavel.
Agrvantj, Joo Flix Nopomaceno Jinior ;
agzravado, > juun.
Relator o 3r. desembargador Accioli.
Sorteados os Srs. de.-.embargadores Per-ira
Jorg-, Guirana e Peretti.
Nao Se lo 111,111 cuiiliecnuetito.
Agravante, Miguel Jot.de Abren ; ggrava-
do, o juizo.
Uelator o Sr. desembargador L'cba liia-
cauti.
Sortosdoa o* S-rs. desenibargadores Loureo<;n
K" fu *r tnaptj te
do 01* -t da sjsJsso.
Pincho portugu.v Isaiss, par a
Miguel, carrejaran) .
Antonio d'Almeila '-ornea, | ^pi a g raen
dllll Com VZ2 medida* d-a-c%j.
Carvalbo Nogueira A '., j iirrts coas
medida* de ael, meia nsps com TV atena
es Ufo*
Coonaulax. o a>r*rvto>*>atl.
Rtndlmanto d^dia 1 1 >. 7-i.-7ta?3J
dan d* dia M...... 47H,7M
T3:2lt7
praca do non
SO DE .H 1.11 < ajase 1HSS
A'S 3 HORAS HA TAH'.H-.
Ke*isla Semaial.
Canbios----------- Soeeoat-oa ifcr.- L-aolr*t a ?S
d. por lyjO.) r.. bf> l'*ns
!!6-i n. pur f S*W LtMa 1#
lUft a tlij* f,r c-it'.o .> ?-
n.:o, regaalsillo por J? 15.OM
ossa jo.-.* da semana.
Algodao-----------O !.. pro'ln:i J*ali-S4
t3|M0 r: :ot sroot; -t*
Nifi o iii-ti,o sM*%rStats*j
botas o da PtrarHlba
1?S-V':0 r*. por srn-bt iao,>-
borlo.
A-sticar------------0 branca twJotj > !* "iJUtH
3j60) rs. :,-ir airob. stsasta
i:i-s 4;,:.'!w r. tr,'
Hurgado de -ici'J' i JO]'*'.> --.
a a brtilo ou l'.anal IsTjW :
CtjUros- Us Spccos ol)SSkSS e.a lerata-
M a 17a rs. Ubi*.
Agusrdenla Yen.vu-.*,. ^jot-o t*.
Arroz ----- O tillaos a noit --.-'ilea*-*"
25SO rs. t*M arrtib*.
Azeite doce- 11 .;^ L>sb-i* reguWiu tor 3gi!,>
rs. pon tjotftt)-
BaCSlhSo---------Nao botica -ntral. reialri*><-
te iln t",-;'.>ii.i a ili>ire) ra. o-*'*
barrica, >Otado em *wc S.'-.SM
brn ...
Come secta- A a Uo tirande st>Oo>0JI Jo
l^tj (I 25i)0 p : ososo*.
a -lo Rio US i'rali !>
lOtVl) '. -aciii..i ui *-
19,100 arroba* da prios-ua, *
7.UCH da S SjOOdo.
Cha--------------------Venl-o te a 2J-VI rt. t*'.
Car a fio de podra Van Jas->e lu- .' ts- !-
tieladJ.
Cerveja------------ld.'o. de aVztOO0 a i-Jii 1. o sjst-
SM de arrala*.
Fariuha de trigo. Hetinoi-s* io 1.">* < 00
por barraca do P'.:t--l-tphio.
2.1; a 2."i3 f*. 'e NfW-iwifc,
2t! -53 le |,..|.j. 4. igf
i.'>3 :< Ti-'le. !.'a.|.i,.
ser S'NI tocftcas da prao.-!-
r, t.Utrj /> OtSStols, x-tll O
t"r.--.r 1. e 1,1,1 I IO H laa.
lla-it-.-ija A in*)l-x* reiideta-ao a .SSI r.,
e a frottOSH d* tfl "' I -
a I bra, !i au lo era ser i. t
barn.
iiiihaca- Veii-1e-*s a Ijc* rt. por sa-
lan.
- V -ule t -a
a tit-JOro. o*-"*-
t:f' ..-
^''r-a r.-ii!ei-s- *<
^ por arroba.
- o* oh Lis!-" -*' ;-
5;;v<:l-?iii;'- *'>* ''
..-ros |..!i WV*
r-s
Velas---------------*'-.de ,-.ati-po^_.aa v-:.:-ra-n-
fgvJ r-. f. '*
Descont O ra-bai'V !- lottraa issrsooo >*
III a t*i .0.' '1"n;-
Frrtes ----- pin 1.1 -.-.ulSv'-i >"''.; "
e t "' puf libra d* *,^ a-..
fallecidas.
Tem logar hoje a misas, que p-lo repouso
do Sr. Matinal Ferreira Atcioli. mandam diz-r
aUum aunaos, iu igreja da Noisa Senbora do
Terco.
Na sexta-feira t 6 O meia horas da tarde
fun l-ou em nosso porlo o vapor l'ersinunga,
vindo do parlo* do ul de sua escala, e s sab-
bado recebemos os jornaes da q 10 foi ella por-
tador, devido nao ler ptd:do mais largar a ma-
la oaquvlle dia.
As noticias da Sergipe aleangam 12 do cor-
rente, nad* d* importante bateado ociorrido.
A* do AlaKas chegain 23.
Ach *-se no todo extinelo o chilera ni villa
de Alalaia, tppirecendo apenss aUuas casos de
cbolerina nis diversas povoagoe* do municipio.
I. se no Diario dt Commercio :
t Sabbalo (19) leve lugar a sotemnidale do
anai'ersano ua iutlitoicso do Hospital da Cari-
dale.
A' 8 hora* da (iianh.ia prineipioa a missa
eolebiada pelo Rv.j. Sr. vigario eocommendado
de,la capital, o a ella comparecer am o Exm. Sr.
prtsideuiH da prntiocit ruin teu -ju ;.-.:, 1 > de
urden*, o Sr. conniendador proreior coronel
Man.i-I dt Costa ftloraes, varios mesarlos, al-
guma* petsoa*gradas di provincia o jiguana f-
mulas.
Terminada a missa S. Etc. ritltOS O astab-
ttcimen'.o, e mostrou-sa aaiisieitu peio asseio *
or 1*01 que netia encoiitroa.
c A' larde houve, como de coslume, a procis-
so do Sinilai(Bo Sacramento dentro do dito ea-
labelectiiento, qua percorreu as duas enferma-
ras.
< Durante o dia e 6 ooile eslave elle aberlo
para a vmi*c>o ; i uoile foi mais oucorrida,
seria muito mais se ella nao tone chuvus*..
Oelibelecimentoestavt dacoradimenia pte-
paraJo; notaa-sa mu,iio atseio uo 1-1:0 dos
dosillos f e estiva basiau'.e illuminado.
a A cipe.ii esitv-.* tambem ornada coan gos-
ti; finalojKUte pira as fotijas pecuniaria da um
dot priu -ipae* esiabeleciiuanlos co-no 6 este,
esleve alui do qun podenamos esperar
.< N-t e lirada a banda da msica de jolici* to-
ctva lalas panjas ojos lomara amda mais bri-
lhanle aquella acto.
Nao polecio* otilar le. ao terminar ests
no.ao noticiario^ teoiermoa siiicerna-elogios ao
mu* digno Sr. commendador, proveUor dests po*
estabelaaciineiilo. pelos relevaulet servidos qu
(>l|. lem prosudo desde sua iusl;>ti;u ; incao
Santiago, e Guirana.
NegOO-SS prnvimenio.
Aggravo de peticlo
Aggrarante, rrancisato de Paula Borge* 'J;h:;
agzravado, o juo.
Itelator o Sr. desembargador Accinli.
Sorteados os Srs. desembargalor-s GiUrsDa,
e I. inii t..a valctii.
Nao se lomo 1 conhecli)nto.
KSlC.IAC.iO liK pa.
Assignou-se da para julgamento das sm-
guintes
Appellnce* citeit.
Appellsnt*. -Dvmiogoa Jos Lopes da Sila ;
ppella-iii, Manuel Antonio Lopes da Silva.
ppellaote. a admi.iistraco do patrimonio de
orphos ; sppellado, Filippe Muura Calado Oa
Eiiitseca.
Ao meio-dia eoeerrou-se a sessxo.
ALFAN>>EGa lE :. RAM MIC >
d << prteu atoa gtnerm sauaioia n sfofi
Pubueacoes pedido
l) is belga* que artlsm nal prineipaes ras
das 6 para os 9- horat da Boite, ha dnus que pe-
gam no* bra^ui na* petsoas que com n'.les se eo-
contram, para fiz-lss parar pedir-lhe* oinhei
ro. Um da-U-s Obro o varias rezps deata maneira
com o eooioauoicante chatnanlo u pai, a quando
OOtO utoii uWim ami'iii" de *ua beng.ali para pu-
eha-lo do um lado sem bater-lh, hou.r grita-
ra de thi-f ( ladro ). Ser conteniente que a
polica faaja com que estes desgraciaos, O #
nos, peeam as esmolas com boa* ntaneir*, *
que elles nao pegue mais nos bracos de* pes-
soas.
iraca do Recie2U*i*e
' 'julho de \mt.
Ctrlacees da junta frctwnrettws^
Cambio..
Sobre Portugal-61) d,v. tttoVOiO
i. da Cruz Mas?d.ipreydente.
John liatissraalario.
produzto grave sensacao no Mxico, a qae dapois ssssl, zeioo e humanitarlocino.rtm sido, nao
desie aeontecimeuto Jurez perder taiiilo do
seu prestigio,
Nicaragua, Honduras, Gaai*.-nli, Costa Rica o-
S. Salvador proleslarim contra o tratado entre
Juaraz eo gabinete da W'athiogloa.
A baislhi de Richraond, q*o so p le cos.ai-
derar como urna dts man moriifera* (es, por *.-
sin dizer, o >t'.ci:n'. i de Piltsbirgo. II t topara-
listas tambem vencedores no primeiro Oa foram
desalojados depois das posico-s qua linnvn con -
quistado, da dirima maneira qu
Pitisburgo ; os ftsderaes limilaram-so a recobnr
o campo pardido, a'jora recebetsum uuporlau-
les retornos.
O general federal Pope eslava, a i mllbas uu
ul de Cormibo h cala vez traca de ape.-ltr
rotis o inimgu; lem m n>u pj>.lBt dous mil
nsioneiros hesarlorv, tlu e gaerrt o ano obj -u apireheu'i40s aut
inimigos
Em Psnstaalo pubcnu-so a lei mtrcial, mi
. as ae achavam convlesonca um est, cara-
luatinos gsnbal l'.ui \n Mtfeattt Um oBtcf nlsds foi a.l-,iadoaad* par ioJo os aabiuole, p|>sj%im bum, > oal ?i oiOf*
lem poupado, son* aerviQua picu o collocir mi
p em que o ai-ha.
U ouiiUKo, do doeutea que oneoutramot osa.
duas enfermaos era de ID pessoas, sendo & m.u.-
ItieraM o kl hum-in.
_ Na ierra-leir.a dore t*r lugar til igfeja de
Nossa Seubor do Ter;n, i a. 3, huras da caaubaa,
urna missa auilexme uelu 9apott*i. eterno, d Ua-
titioi BottQW Aacioli, seciWariu di camsrt mu-
nietpal. no-idad celebcr poc seut amigos. E'
uliima t-riifa que protlam estes amigos dos
Iscsvt q'M os ligaramv
Xt uUiua* coii4iun.ii.cac6s 4o Sr. l>r. Et-
lerau Cava'.csnli 'i*1 mal q iaWj pessoas alaca-
quarttH por A a, recutou-se D**licir, ob o pra-
tsxt'!-tS ou :er quem >o* quen, con-
te{uindra a cama
looia ocaiiiuc. 1 retuliou-lbe gravo ugmenU
4s. maltia o lilve que a norte. Doa doenia*.
AUsniJoiHSU
-oniiaonlo do da 1 a. %. .
Uoat do dis 16 ,
uvas
HSOA. SSk, SSltSkSSl*BfrSI.
Voiomotsniradosatooitaxeudaa..
um joaeros..
Volamos abldcat, o,m fsxonda*..
s com genero..
dos
de
Dasoartogam na dis 28 ds iho.
Escuna Qgl>aeZenitrto reto.
laSkiaorla^au.
Vapor nacional /'ersiuiin^'i, procedente
porto* do a.u.1, mauiiesXou n settu.ola :
1 ru,eU o um molde dt ferro, 1 tacto
lita ; i ordem.
l-.uiwa mntal Joven Arthnr, vinl da Ra-
hi, Oon>ignai*. a .ntcuio Luiz da Olireira
Azoved't el C, iiiaiiiieciu I.05) tiiix.nih.-is clmuts ; a Hauaol Joa.^oim
Ramo* Sitara & Cearos.
11 titn ditos ; a Jos Dias tiran Uo.
1 (tilo lirtts ttaootl tsi Xavier,
dt e.vportarno. .Se' i">i Je *i
do met dea] >* Veres lai-iaa.
Abanos .....:..
Agurdenlo Av cana. .
fd ni restilad.t 'iu do reina
Iden eaxaca......
liieni genobia......
dem ali-O'.i ou espirito d^
agnardeute......
Algulo e'.,, ,-a/ ,*. .
dem err rana oi em '.i .
Arriaz con cas'M.
dem descasradu ou pilad 1
Assucar nasesvssio ....
Iden branco.....
dem rafisado.....
Azeile de ame:tdiitu '11 >.
d ti ti i i ..... .
Id'in do c-ieo......
dem de msmeNO.....
Ratatis sltmestticJso. -
Bolacha ordnri* prwplta p.tu-
onbarqua*. .
dem llua......- -
Cifti biim......
I lem escolhaMMa restolho .
IdPin torrailov ......
Caluros...........
Cal..........
dem 1.1 1 :......
Carne secca- charque. .
Carasio vo**jbbjI .....
Cera de cin-iuiiit b.--.
dem idees vei.is .. .
Charutos......
CoCOS soocoo.......
\ CoufM e boi Bslgados .
dem seceos Popichodato. .
dem tofdea......
Iden iecnio-a cort:-it>*. .
dem de nuca......
Doco-Ser.C'is......
dem angella ota,aiatui... ^
Iden eni calda .
E.s-raiiudnresj;ra'-,i-.v-i .
Id mi pequeos ......
t. .jiros p:ir tt..ru ou 6sli
n*io ^ ... -
aUOiips Dsduna.1 ....
Saarinia de BiaiiJiocs .
dem de arasuta.....
Peijao de q-alquer qoaiian,
Frer.haes.......
Pu>i') em folha boiu .
IdDi (ipiiiiario 0 1 es-iollio.
lilemeui rolo kan. -
dem nrdiuam reaio'.Uo .
Gomma ........
Ipecacuniiha (rali) ....
Lenha em adas .
Toros. ........
^g^ Lentias e esteios. ....
Mel ou melado.....
Milio ......-
286 Po brasil......
Pedros de amolar ....
dem de iltcar
dem roblo .-
Piissasa. ..
Ponas ou cliiir* de vaccas e
uiivillia"........
Prauclic*. de amarettti don cii.stndtib s .
Idoni louru.......
Sa'aib......
Salsa iinrrillia. ......
Sebo em tama.....
Sola ou vaqueta
Tabois de ainurelio
aet'J a i
L,:. '>'.- \. \t' >'-*.
350:1365251
17.5U0;673
seTioae:1^
43
445
1SS.
rnaatai taVV
casi : ?,.-i
0 sHOW
9 sW*
fosV
a 5M'>
:*r^rt
l> 1 .
f. ,
2$StM
* aj**
abirsj
u HSM
Mt ida 28*!
s sa
1^
arroba i-5a>i
i$Ai 1
HJV1I
StJ.I'v
":'!>
.:: 1 ;.j
11,11 :5t
a:- ..a is.1
s t)
> tBUU
!>;.) 1
i::-:*. l
? )
Srial
> ->li.l
'....rs- 1?11
23N
i
-J.11 iosi
11S""
Ifjra u
-. i'
VM
U!! 4-JiKt.
-i r ^1
i;.*-.. > IflUW
SaTSm^o !$&>!
. Ji.-ira* t|BOa>
vtSttlN 3sfeMI
ttm
AUl r, oti
1flae.ael
Ifiuu
lSfjjms
;..j
arroba tj)H
vmxn
osario s *-*>
* lV-JS-wa*
um JAN
caada too
arriaba. SOi'
quit.lj. 5*1 *>
umt Hitl
s n%**>
a tS?t:u
MUta* 1
tent
24t*'i
urna ld'>
t S9>n
libra test:
arruba 25,*^
> 5jIM>
urna S3WJO
duziaj 104*5M>
'MUTILADO
t


t. H
".
DIARIO DR PERNAMICO,
fc-.SEGURDjL FSIB1 11
DI JCLHO B 1162.
dem diversas .....:
Tapioca........arroba
Travs ......urna BfOOO
Uohas de bol......cento 200
Vinagre........caada 280
Cha.........libra 500
Alfaodegade Pernambuco 26 de julho de 1862.
Approvo.[Assigoado.) Barros.
O primeiro cooferente, Manoel Caldas Barrete.
O segundo cooferente, Jos Mara Cezar do
Amara).
Conforme. O 4. escriturario, Joaquim Albino
e Gusmao.
Movimento do porto
Navio entrado no dia 26.
Trieste80 das, polica austraca Peros*, de 304
toneladas, capitn Frederuo Bellavita, quipa-
g-em 10. carga 507 barricas com farioha de tri-
go e oulros gneros i N, O. Bieber & C.
Navio$' tahidos n tii-esmo dia,
psUirrore Patacho americano C Jtcail. eapito
Samuel Leemao, em Ir.stro.
Assu'Brigue nacional Literal, capitao Joaquim
Gonjalves de Uouta, em lastro.
705OOO | luguez Ltms, de primeita marcha,'ainda rece-
580U I ba carga para 01 cortos cima, bem como pas
S'gfircs para o que tero excellentes commodos.
Para
lio Grande do Sol.
O pataclio Guarany segu com brevidade e
recebe alguma carga frele: trals-se cornos
consignatarios Marques, Barros & C largo do
corpo Santo n. 6, V andar.
LILAO
DE
ej
Kdnaes.
Facult de distilo.
De ordsm do Exm. &r. directorse fax publico
que o concurso a vaga de urna des sub>lituic6es
desta faceidade, ter tugar no dia 29 do corren-
te e nao ne dia 30, como por engao Coi publica-
do no edita! de 25 do crreme.
Secretaria da aculdade dedtreito, 26 de julho
de 1662.
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Rio grande do Sul.
Deveri sahir com toda a brevldade o patacho
nacional sArapeky, de primeira marcha, recebe
carga a (rete muito coa.modo : a tratar com Mi-
ooel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo
Santo n. 19, ou coro o capitao na prfC_a.
Sebolas em cai-
xas, molhos e soltas.
SEGUNA-FEIRA 28 DO CORRENTE.
O agente Pestaa (ara lailo por tonta e risco
de quero pertencer ceixas com sebolas, ditas em
moihos e ditas solas, as oais novas que ha ues-
te mercado por serern, desembarcadas ultima-
mente e sero vendijas a vontade : sgunda-fei-
ra 28 do corrente petas 10 horas da manhaa, do
arraazem do Anoea defronte da alfandega.
r -
Liquidado
]Caixas de tartaruga e charu-
teiras de charo para rap
e charutos.
O tabaquista que aprecia a boa pitada de Lis-
Casa de campo.
de fazendas, na ra do Cres->io
justo que compre unta bonita ceixa de
toda marrhelada com a qual nao se envergooha-
se r de ofTerecer da boa pilada de sen gasto a to-
dos os circumslanles que seschsrtm em sua ro-
da, nuios dos quaes louvario o seu bom goslo.
.tu. h!..* k e.b"!ge b8ba'n* *. Assim como a eaixa necesaari. ao tabaquista,
i seda com babados de quadros a 8, ditos cheruteira nao superflua no fumante e sendo
po loja n. 14.
Cheguem s pechinchat antes que
ac bem.
DMaira-**.
Sania-casa
da misericordia do
Red fe.
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recie, manda fazer publico que
oo dia 31 dn crrante, pclia i horas da tarde na
sala de suaa esses, de coriformilade cora a or
do mes mu mez, iro de noo a praca para aerem
arrematadas a juem mais der as rendas das tasas
abaixo declarada, que exislera (echadas, perlif-
cenles ao patrimonio dos orphaos, pelo tempo
que decorrer do da da arrematado a 30 de ja-
cho de 1861.
Os pretendientes devern comparecer acompa-
nhados ds seus adores, ou munidos de cartas
desles.
Bus do Sebo casa n. 3, por anno, 160jj.
Dita do Rosario da Boa-Vista, u. 6ll, por anno.,
141$.
Dita da Madre de Deoa, n. 4, por anno, 600#.
Dita da Lipa n. 2, por anno, 180Jf.
Dita da Cacimba o. 5, por anno, 114$.
Dita do Burgos n. 19, por anno, 16b?.
Dita do dito n. 21, por anno, 1230.
Dita da Senzalla Velha n. 134. por anuo, 700$.
Dita da dita n. 132, por anno. 700$.
Dits da Guia n. 27, por anno. li-J;.
Dita da dita n 29, por anoo, 168$.
Dita da Cruz o. 14, por anno, 50 >.
Dita da Muela n. 21, por anoo. 3L0#.
Dita do Pilar o. 2, por anno, 9C.
Sillo do Paroameirim, por auno, 400#.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
ci(e 25 de iulho de 1862.O escrivao,
F. A. Catalcanti Cousseiro.
O abaixo asslgnado, lanzador da recebedo-
de rendas internas geraea, pelo presente av-
os denos, gerentes, ou procuradores de casas
commerciaes do bairro do Recife, que cooliiui o
lancamento pelas ras dos Tanoeiros, Trapiche,
proga do Coromenio e ra do Vigario, aQm de
que tenham prompto* os seus recibos, papis de
trato eu arrendamantos, para ero vista delles aer
eito o procesas do meamo I anca memo.
Recebedoria de Pernambuco, 26 de julho de
S861.
Jos J. de Souza Limoeiro.
Conselhe administrativo.
^ conselho administrativo, para lornecimento
do^orsea' uo guerra, tem de comprar os objectog
eeguimes: .
Tara u corpo da guarmgao u provincia.
Dnbradigas para dous armarios,^.
Fechadnrai para os a.ssmos,4
Farro'.ho, 2.
Dobradicss para um cofre, J
Fechaduras pa o meimo, .
Dita para tres mesas granas, 6.
Diles para 7 diWs pequeras, 7.
Para o aienal de guerra.
Caivetes 9noa,.t''.
^..^-.uizer vender taes objectos aprsente as
propostas em carta uchaJa. na secretaria do
conselho, as 10 horas da mantiaa do dia Io do
gosto mez.
Sala das sessoet do conselho adminislrativo
para fornecimenio do arsenal da guerra, 26 de
julho de 1862.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario iuterino.
Sania Casa da Misericor-
dia doTTecife.
De ordem da lllm.a junta administrativa da
anta casa da misericordia do Recite fuco publi-
co qu_ tendo de prover-se o lugar de ama-
nuense desta secretaria creado pelo compromis-
o de 17 de margo do correle anno, ao pelo
presente convidados nao s os senhores que j
requereram dito lugar, como tambem aquelles
que o paisatn prateoder a comparecerem na sala
das sessdes da mesma junta no dia 31 do cor-
rete pelas 4 horas da tarde, alim de provarem
f erante eila que tem aa preciaas habilitacoes por
meio deum exame que versar sobre principios
de gramaa'.ica, pariiculaimente de orlhographia
ariihmvtica e nocoes de ecripturaQo mercantil.
Secretaria da santa casa da miseiicordia do Re-
cite 25 de julho de 1862.O escrivao,
________________F. A. Cavalcanti Cousseiro.
THEATRO
DE
Santa Isabel,
COMPANIA LYRIC1
G. MlUVINMiG1Ll.
Qaarta-feira, 30 Represeotar-se-ha a lindisaima opera de Ver-
di, intitulada
M
Navegacaa costeira a vapo
Macei pelas escalas
O vapor cPersinuuga*, commandante Moura,
cahir para os portos do sal tocando as escalas
no dia 5 de agosto, s 4 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 3 ao meio dia. En-
comrneodas. paasageiros e dinhairo a (rete al
o di* da aahida as i horas: escriptorio no Forte
do M'ttna n. 1.
LEILfiO
Mt
Um eseravo.
Terca-feira 29 do corrente.
O agente Piolo (aT leilao a reqaerlmento do
depositario da massa fallida de Parias & C. e
por mandado do Dr. juiz especial do commercio,
do acravo Agosiinho, pertencente a meama
massa, s 11 horas do dia cima mencionado em
seu esciiplorio ra da Cadeia n. 9.
Terca-feira 29 do corrente.
O 8RC
COMPaNHU BRASLE1RA
DE
nmifis mwm.
Espera-se dos portos do sul al o dia 29 do
correte o vapor Cruzeiro do Sul, commandante
o capitao de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros, engaja-se
a carga qu6 o vapor poder conduzir, a qual da-
ver ser embarcada no dia de sua chegada.diuhei-
ro a (rete e eocommeudas at o dia da sahida s
2 horas da tarde : ageocia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luu de Oliveira Azevedo
&C.
de grosdenaples de cores com tres babados com
pequeo toque a SOf., ditos pretos com babados a
12Jf, merino de superior qualjdade, proprios para
montada de senhora a 2$ o covado, meiin setlm
preto azul e verde a 600 rs. o covado, grosdena-
ples de cores a 300 rs. o covado com toque de
mofo, ditos lavrado a 500 rs. o covado, bombazi-
na ezu;rxa e verde escura entestada a 800 rs. o
covado, lencos de gsr;a de seda com (ranja a 500
r?., polainas de bnm de liuho multo Uno para
militar a 500 rs. o par, casavequet de cambraia
de salpicos e de DIO preto a 15500, toalbas de li-
oho adamascada para mesa a 50000. guardanspos
de linho grandes de superior qualidade que se
vende por 12$. a 8$, mantas para cavallo a Ifl ca-
da urna, riquissimos tapetes avelludados para
piano que se vende por 25$ a 12, vestuario de
fuslo branco e de cor para crianga a 1^500 e 2J,
palitols do brim pardo a 2*500, ditos brancos a
3J. ditos de alpaca de cor e merino selim a 4/,
chales de croch a 4, ditos de seda preta supe-
rior qualidade a 12, dilos de cassa brancos a 300
rs., manguitos com camisioha e golla a Sg, us-
tao branco fino a 400 rs. o covado, chapeos para
senhora a 1, ditos para meninos a 500 rs., en-
feilss para senhora a 500, um completo sorlimen-
lo de transa de diversas cores, gredas franjas,
bicco de seda branco e preto, boioes que s ven-
de por todo prego para acbar, e oulras muias (a-
zer.dsa que se vende pelo bardo.
Desappareceu no dia 21 do corrente o mula-
to Vicente, afilhado do Sr. iTasso, em cuja casa
esleve no dia 22, pedindo para compra-lo ; tem
os signaes seguiotes : cor vermelha. baixo. corno
ote A Cid. far leilao por conla e risco rofrC(ld0( ps e n)aoa ^ ".bellos uiv0Ps
dequein peitencer da fiuarda roupas, garda >-------
vestidos de arnarallo, sof?, cadeiras, marquezas,
consoloa, 1 candelabro e serpentinas muilo ricos,
2 burras (cofres), catteiras para escriptorio, se-
cretarias, camas, relogio de cima de mesa, dito
re algibeira, um eseravo a diversas obras de ou-
do: oa ra da Cadeia do Recife n. 53, s 11 horas
do dia cima.
ella bonita como sao as de charo nochetas me-
Ihor ser porque com iaso deixa conhecer quan-
to sabe apreciar o bom. l'ara os mais commo-
dislas tambem ha bom sortimentoe todos encon-
trarlo barateza urna vez que munidos de diohei-
ro s dirigirem a ra do (Jueimado loja da aguia
branca n. 16.
Aluga-ae a casa nova e- sitio junto ao palacio
do Sr. biapo, na Soledade, recenlemenu acabada
com commodidades para grande ficnilia, taotooo
jandar terreo como em cima, a caa muito ele-
tartaruga 8'tvts e toda illun inada a gax. com gradeamenlo
de ( dades da casa tem mais gabioele e terraco casa
de banbo, de triados, eocheira e eslribaria,' o si-
tio todo murado, com muita quaolidade de ar-
voredo de (rucio e balxa de capia, o sitio bem
plantado e o muito proprio para estraogeiro por
ser perlo da praga: a tratar na liberna grande da
Soledade.
Paulino Rodrigue, de Oliv.ua. f.z .cente
ao commercio desta praca que tem tratado a ven-
da de sua taberna siia oa rus da s. Miguel dos
Alogados, hvre e dessmbarajada de qealqner
onu.
Muita atten^o.
Furtaramhontem da loja de Figuei-
redo & Iruao na ra Nova n, 18, rre
trancelins chatos com seus passadores
sendo dous mais largos e um mais es-
treito deouro de 18 quilates, gratica-se
bem a quem os descobrir guardando-se
segredo pois s se quer conhecer o la-
drao.
Precisa-te de dona anuesadorea para paua"
ris, qua emendara pereitatr.eole do iraco : na
ra do Rosario larga n. 16.
LEILAO
DE
Duas casas terreas
Terca-feira 29 do corrente.
O agente Pinto far leilao s 11 horas do dia
cima mencionado de duas casas terreas sitis no
becco do Pocinho (reguezia de Sanio Antonio,
sen :o uma n. I9e outra o. 25, em seu escripto-
rio ra da Cadeia n. 9.
Os prelendentes poderlo examinar as referidas
caaas desde j, procurando enlenderem-se com o
mesmo agente acerca de qualquer informacao a
respeiio-das mesrnas casa.
Ao publico.
Os curadores liscaes da marea fallida de
Faria & C, previnem e avisen a lodos os dte,
dores da mesma Orina, que nao paguem quamia
alguma se nao aoa abaixo assigoado, visto como
estando fallida a referida firma, nenham deseas
socios pode mais recerer divida algorra rfo es-
tabelecimento. Itecife, 25 de julho de 1862.
_______________Saundert Bmlhers \- C.
COiYIPANHA BRASILEIRA
DE
Mauras IJUNML
At odia 5 de agosto esperado dos portos
do norte o vapor nacional Paran, commandan-
te o primeiro-teneote Antonio Marcelino Pooles
Ribeiro,, o qual depois da demora do coslume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual devo-
ra ser embarcada no dia de sua chegada, en-
commendas e dinheiro a (rete al o dia da sahi-
da as 2 horas: agencia ra da Cruz n. 1 es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C.
ix'Mlix
Sahe imprelerivelmente al o Gm do correle
mez o mullo veleiro brigoe nacional Siqueira,
lem parte de aeu carregamento prompto : para o
reato que Ihe (alta, Irata-ie com o consignatario
David Ferreira Bailar, na roa do Brum n. 66.
COMPANHIA PERNAMBCANA
29 do corrente.
O agente Oliveira, (ara (leilao a requerimento
de Hend 11. de Jong. capilao do naufragado pa-
tacho hollaodez Sarah Hendnka, por sutorisscio
do Illm. Sr. inspector da alfandega desta cidade,
coro assistencia e fiscal'saco de um senhor era-
pregado da mesma reparticao e em presenca do
Illm. Sr. cnsul dos Paizes Baixoa, e por 'conla
e risco de quem porlencer, de todos os salvados
relativamente carga e apparelho do referido
patacho, reculhldos no armaren] alfandegado do
barSo do Livramento silo no caes 'Apollo e
consistindo no seguiole : 29 caixaa com a porco
de assucar averiado aue contiverero, 37 barricas
e 133 saceos ni dita cooformidade, 81 molhos
de piassava, urna lancha, 3 ferros e 3 correnles,
3 cascos vazios, 4 agulhas da marear, u ia si-
nela, urna porco de marame, uma dila de -,
dilTarentes vargas e mastareos, um exce .it
chronometro, um oculo de ver ao looge, e mala
objectos miudos :
Ter^a-feira 29 do
correle, as 10 horas da manhaa (orincipiando
com o assucar) no referido armazem aKandegado
caes d'Apollo.
| pouca barba, que tras rapada deixaodo apenas bi-
gode, falla coropassada. E' naleral da Parabiba
do Norte, tendo all seus amigos senhores pren-
les do Dr. Pinto Pessoa, qe aqui me vende. Re-
presenta ter de idade dno mulato de 21 a 22 ao-
nos. Paga-se bem a quem o levar a rus da Auro-
ra n. 44. casa de Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcanli.
Aluga-se uma grande casa com sitios es-
trada do Arraial, esquina do Parnaraerim : a Ira-
lar na ra do Amorim com Guimares Alcofo-
rado.
Ao publico.
Nao tendo de cosame 1er o Jornal do Recife,
succede que agora que por intermedio de um
amigo chegou-me ao conhecimenio que o meu
maro Francisco da Rocha Pasaos Los, que echa-
se no Cear cobrando dividas de sua casa rom-
mercial, era chamado a ra da Cadeia n. 38, 2o
andar, a negocio de seu inleresse : em continen-
te dirigi-me a dita casa e ento soube que o que
motivava semelhante annuncio era a cobranca de
uma leitr.a aceita de favor por mcu mano ao ce-
lebre e histrico excommercianle desla praga,
o Sr. Candido Nunes de Mello, a posse da qual
lettra j (oi_reclamada por meu mano por meio
de uma aeco proposta por esta loro, e cujao-
branca nao passa de uma grande traQcancia, co-
mo provaremos se houver quem queirs.
Pego prtenlo ao respeitavel publico suspenda
seu juizo at que o mano volle de sua vlagem, e
prove nao ser se nao credor, infelizmente, e nao
de pequea quanlia desle homem, de cuja (alta
de carcter o publico j est bem senhor.
Protesto, portento, contra semelhante annuncio
e suas coosequeDcias, seolindo porm partir de
uma pessoa a quem respellamos, do contrario re-
correramos ao tribunal competente.
Recie, 23 de julho de 1862.
Joo Bullista da Rocha Baixa Lina.
Uma pessoa qe se acha ha muitos annos ha-
bilitada nos negocios judiclaes se offerece a lo-
mar conta de qualquer appelUcao vindo de fora
ou mesmo desta praga e de qualquer queato que
se haja de propor de novo e lhe dar o deudo
andamento com todo o zelo e ailividade ludo por
prego commodo : qaem ae quizer ulilisar de seu
offerecimento dirija-se s rsa do Queimado n. 9,
escriptorio do Illm. Sr. Dr. Casiello Branco n.
16. das 10 horas do dia s 3 da larde.
Menino fgido.
Ausentou-se no dia 24 do corrente, da compa-
Bhia do abaixo asslgnado, um menino forro, ida-
de 12 annos, psrdo, e charoa-ae Francisco ; le-
vou vestido uma camisa de algodao branco, lis-
lado de azul, calca da mesma fazenda, poim
toda azul e chapeo de palha bastante velbo ; ro-
ga-se as autoridades policiaes a apprehanco do
mesmo, e que o levem a ruada Palma 27:
como tambem prolesla o mesmo abaixo asaigna-
do heve-lo do poder de alguem que o tenha ho-
misiado, visto que lem de dar cuota delle a pes-
soa de quem o recebeu.
^_____________Padre L. A. Loyola.
Arremata o.
Pelo juiro municipal da 2 vara, depois da au-
.m.^ rf" .2 dV7eDle' ,e ha d^ '"!
a armacao da loja de (aienda sita na ra da
I raa n. 34, pfnhorada ror execucao da mesa ra-
gedora da ordem 3 deS. Francisco d.siacidtde
Kl-^o"e,d,me,m,aquem ""*':
Elogio sincero.
Dores de peito.
Padecendo minha senhora. de urnas dores con-
linuadaa no pe.lo. qu. bstanle allicciaibe cau-
sava por lhe tirar quaai a respirado. Undo (ello
?dfieMa,,e P.SS,el ***** melhor.,
ludo foi baldado, e s cora a api licaco das tha-
pas medlcioaes do Sr. Ricardo Ki.k. escrir orio
ra do Parln 119, ficou inleiramen.e toa o
curio eap.w de 37 das, pelo que merece, todos
eos sinceros elogios, nao s pela rapilez do cu-
rativo, como por nao causarem encommodo al-
Jos n. 12, Rio de Janeiro.
Lofz Jos Male.
Aviso.
LEILAO
IR
AVATA
Priocipiar Sa 8 horas.
Os bilhetss acham-se venda no dia do espec-
tculo, e os que foram comprados no dia 26 lem
ntrala oeila ooite.
PRECOS.
Camarotes de primeira ordem, aera en-
trada* ;..........6J000
Ditos de segunda ordem, idear. yjiioo
Ditos da terceira ordem, dem. 4^000
Entradas, eada uma.......1&0OC
Cadeiras e plateas como de cosame.
Avisos martimos.
llha de S. Miguel
por Lisboa
Sahe at o dia 30 do correte o patacho por-

DE
Navegaco costeira a vapor.
Parahiba, Rio-Grande do Norte, Macau,
Aracaty, Cear, e Acaracu*.
O vapor sJag^uaribe, commandante Lobalo,
aabir para os portos do norte at o Acaracu,
no dia 7 de agosto as 5 horas da tarde.
Recebe carga al o dia 6 ao meio dia. En com-
mendas, passageiros e dinheiro a (rete at o dia
da sahida as 2 horas ; escriptorio no Forte do
Malina n. 1.
iS
Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevldade para o
Rio de Janeiro o veleiro e bem conhecido brigtt
nacional*Almirante, tem parta de seu carrega-
mento prompto ; para o resto que lhe (alta, Ira-
ta-ae com os seus consignatarios Aotonio Luiz da
Oliveira Azevedo, oo seu escriptorio ra da Cruz
nemero 1.
Minteiga, vinho, velas e
farello,
Quarta-feira 30 do corrente.
NA ALFANDEGA.
O agente Pinto (ara leilao a requerimento doa
curadores Gscaes da massa (ellid* de Seve, Fi-
lhos & C, com autorisaco do Illm. Sr. inspec-
tor da alfaodega e em presenta do mesmo, de
75 barris e 75 roeios barris com minleig. 50
caixas com velas, 50 dunas de vinho de Bor-
deaux e 300 saceos coro farello, gneros perten-
cenles a mesma maaaa s 11 horas do dia cima
mencionado na alfandega.
Avisos diversos.
Attenco
Flix Venancio de Cantalicio pede a seus fre-
guezes que lhe sao devedores em quanto antes
venham pagar seus dbitos no espaco de 15 das,
do contrario lancar mo dos me'ios judiciaes
afim de lhe pagaren).
Companhia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C. compe-
tentemente autorisados pela directora da compa-
nhla de seguros Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorias e predios, no seu escriptorio,
ra ds Groan. 1.
Precisa-se slugar uma escrava de bom com-
porlameoto e diligente, que saiba coziohar e com-
prar para uma casa de pouca familia : a tratar na
ra do Queimado loja n. 49.
Bailar t Oliveira
Porto.
sacara sobre a praca o
Bollaos.
Com diversos modelos, bandeijas enfeiladas
de armaedes diferentes com bolinhos de todas as
qualidades os melhores do nosso mercado, assim
como as libras em separado, e tambem podios e
qualquer peatellarw, ludo (eito a primor e o
mais barato do paiz : quem pretender dinja-se a
rus da Penha o. 25, para ajustar-ae.
Koga-e aos devedores do fallecido
Joaquim Jos Kibeiro de Oliveira que
teve loja na ra Direita n. 55, que ha-
j.m de vir pagar seus dbitos na mes
ma loja ou na ra do Queimado n. 41 <
48, evitando desta forma o receber-se
judicialmente e publicarse seus nomes
por este jornal.
Precisa se alegar uma escrava que aeja lie
e recolhida e que tenha habilidadedeengommar,
para uma casa de diminuliasima familia: na ra
do Queimado n. 9.
O abaixo assigoado morador na cidade do Rio
Formoso, ) tendo avisado e protaalado por este
jornal de 11. 12 el3 de junho de 1860 a todo, e
contra todos que se dem iegalmente atnho-
resde urna legua e meja de Ierra, qee por jus-
tos e valiosos lilulos pertence ao abaixo aeet*>
oado, de novo se apreseola scienlicsndo a lo-
ds. em geral, e s cada um de per ai, que o abai-
?.?.i*ilin,d0. le8itD10 "hor e possuidorpor
justo e boro I tele da dita legua e meia de trra
oa freguezia d Agua-Preta, a qual comeCa do l"
gar denommado-Caxoeira secca-na ribeira do
rio Uoa seguiodo pela ribeira do riachoPiran-
X *!\m',- Declara Prs nhecimenlo de
todos que dita legua e meia de Ierra demarca
pele norte com o rio Unapelo poente com o
nacho-P.rar.gi grande-pelo sul com ierras do
Calende e pelo nascente com trras do enseoho
Japaranduba e outra sismara annexo .- que os II-
legitimos posseiros foram chamados a coociliaco
para entregarem a propriedade do abaixo assig-
oado e saberem que s o mesmo abaixo a.aiBoa-
do o legitimo senhor e possuidor da referida
legua e meia de Ierra, que j foi compeiente-
menle registrada, ea qual houve por sismarla de
1/82, que lhe (o traspasssda e cedida por com-
pra aos legtimos sisroeiros : pelo que os illecaes
posseiros logo que (orara chamados a concilia-
Cao abandonaran as obras, que em algunas Par-
tes do dito terreno ealavam (azendo.
E aproveitando a
tambem senhor e
ocaasio declara
man que
egiiimo possaidor uma
gi? $?}V.T* eni 1Ull">. Que (oi cooccoida cor
M. Fidelisairna em dita de sismara a Juo
s.
Os herdeiros do iioad Bernardo Pereira da
Silva e sua mulber Aooa Francisca de Souza,
tambem fallecida, tem justo e contratado vende-
rem o seu eseravo de nome Antonio, de naco,
quem tiver alsum embarace a oppdr a dita venda,
apresente-se ua rus das Cruzea n. 42, taberna,
no praso de tres das a contarda dala desle. Re-
ci(e. 23 de julho de 186-2.________
Apreaao-izie em declarar que a casa terrea
n. 6 da ra do Cotovello, Um parte nella como
herdeiro Martinho Avelino de Albuquerque. Re-
cife 24 de julho de 1862.
_______Manoel Joaquim da Silva Braslleiro.
Aluga-se uuia aala Uo primeiro andar da
casa da ra da Cruz n. 11, propria para escrip-
a (aliar no 2* andar.
lorio
Rio de Janeiro
At o dia 31 do correte sem
falta
Sahe a barca Racional Iriso, ainda pode rece-
ber algum testo de carga, escravns o passageiros,
o qual lem excellenies commodos: eolende-se
com o capitn Gapar Leite de Faria, ou com seus
consignatarios Araoaga, Hijo & C, ruado Trapi-
che Novo n. 6.
GLANDE
Laboratorio a vapor
DE
Roupa lavada e engommada
de Ramos APimeutel.
Podem mandar bascar a roupa lavada os donos
dos ns. : 3, 10. 11, 20, ti, *5. 28, 31.34. 35 40.
51. 52. 58. 59. 61, 6t, 70. 73. 75, 77, 77. 78.' 86.
94. 99 129.137. 15*. 162. 164. 168, 175.179,
181, 182, 198. 200. 201. 203. 201.
Aluga-se um 2* andar e soio em boa ra
desta cidade, com (res quartos, duas salas, co-
rintia espacosa e doo3 quartos mais no solo :
quem quizer dirija se a raa do Queimado esqui-
na da Congregado ti. 41. para traiar.
Aluga-se um '' andar com commodos bas-
tantes para homeos solteiros, que eatejam em
lojis ou emprego oodia, e s veobam pernoitar ;
ou ento a familia muito capaz que nao incom-
modea viaiohanga : As pesioas que prelenderem
dir'jam-se a ra do Rosario larga d. 28 para
sjustar.
Gasa para alugar.
Na ra Imperial n. 116, um andar muito fresco
para a prsenle eslaoao que vai entrar: a tratar
po largo do T-rco n. 141.
Josepha Jaciuiha Mana aa Conceico, cos-
lando lhe que Antonio Joaquim Fernandes de
Azevedo, pretende vender um terreno oo becco do
Pombal, no qual a aonanclante tem uma caaa
coberta de telha e lapada de palha, avisa a qual-
quer pessoa que queira comprar o dito lerreoo,
oo contrate negocio algum com o referido Fer-
nandes de Azevedo, sobre a casa, por pertencer
a annuncianie, que protesta haero aeu valor de
quem comprar o terrsno. Kecife, 25 de julho de
1862.
Eu abaixo asaigoada fago scienie ao putdico
que de hoje em diaote tica sera vigor algum a
procurado que meu marido Jos Marques de Al-
meida, e eu, haviamoa paseado a nosse lho Jos
Marques de Almeida Jnior, em que o autorisa-
vamos para cuidar de todo os nossos negocios,
cajos o'ora em diante ticam a meu cargo, em
eonsequencla da molestia de meu mando disso o
impossibihtar. Eogeuho Jaboatozinho 23 de iu-
lho de 1862.
^^^^ Isabel Msria d'Apreseotacao.
Arrenda-se uma propriedade em Apipucos,
lendo casas que se alugara pela (esta e que a
por si deixam a renda de toda a propriedade. ier-
ras oceupadas com espiro, que rendem de 500 a
600 feixes diarios de vero invern, e tendo
quera a arrendar a grande vantagem de encon-
trar tudo quaolo necessario para o servico
da mesma, canda, (erramentas, cavallos etc.,
o que tudo pode entrar no arrendameslo, con-
forroe o negocio : para nformasoes na ra Nova
n. 8.
*>tHiiOtts.
LEILAO
DE
12 vaccas Ieiteiras
Quarta-feira 30 do corrente.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 12 vaccas muilo boas de le
le, em um o mais lotes: quatla (eir 80 do
correle pelee 10 hars da aseaba* oo pateo do
Collsgio.
m
LOTERA
SABBADO 2 de agosto prximo ser
extrabida impreterivelmente a quinta
parte da primeira lotera beneficio
dos religiosos franciscanos de Olinda, no
consistorio da igreja de N.S. do Rosario
de Santo Antonio. Os bilbetes e meios
bi I lie tes acham-se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperstriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Ghagas, e
na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortea de 5:000# at as de 10$ se-
rao pagas uma bora depois da extrae*
93o, e as outrss, porm, no dia imme-
diato iogo que se tenham distribuido as
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Jesitno Maooel Ramos, subdito porluguez,
vai aos erlea da* provincias do norte do im-
perio.
Em audiencia do Sr. jiz ae paz do 3o dis-
tricto da (regoezia da Boa-Vista, ir a praga para
ser arrematada em hasta publica, uma duzia de
cadeiraa de Jacaranda cora aasento de palhioha,
avallada em 8lfj, terca-feira 29 do corrente.
Approvado e aulorisado porquasi todos
os governos, experimentado em di-
versos hospitaes de Pariz, e pormai-
tos mdicos os mais recommeuda-
veis desta capital.
VERDADEIRO MROPE
Depurativo, refrigerativo do sangue e
dos humores,
professor e membro da academia
de medicina de Florenca.
O syatema que publico o nico para curar
quaai todas e quaeaquer molestias, asaim como
pela prompta e radical cara qoe resulta.
E' etil psra purificar a massa do sangue e dar-
Ihe uma Hvre circulado, conigir oa humores,
eipellir a corrupgao, os cidos, a* bilis, aa mate-
rias corrompidas, glutinosas, ranhosas, origem
de toda* as molestias.
As psasoas que fizerem uso deste xsrope pode-
ro instantneamente apreciar sua utilidade,
conservanao-se sempre em um estado de laude
o mais dorescente e o mais perfeito.
NICA AGENCIA
119 Ra da Parto 119
Rio de Janeiro.
E EM PERNAMBUCO
Na pharmecia do Sr. Jos Alexandre
Ribeiro ra do Queimado n. 15.
Leandro Soares de Araujo e sua mulher D. Lou-
IStSi? d3 rVisi;80- J fallecidos, e por e-
tes venlida ao fioado vig.rio de Una Vicente
Ferreira de Mello e Silva, e pelos herdeiros des-
le. institu Jos no respectivo testamento solemne
01 vendida ao abaixo aasignado. como ludo cons-
ta do testamento escripturas alstenles, em a
qualestao indevidameote edificados o engenho
souza e mais dou3 da mesma freguezia de Aeua-
Preta sendo que desta legua de trra era qua-
dro s fot vendida uma quarta parte no sitio do
nachoCatembre-faieudo pio no dito sitio e
paaaagemdo rio Pirangi. E para que ninguem
se chame ao engao em lempo algam anda pelo
presente se protesta centra quaeaquer ontro*
que, por se apossarem de trras alhelas, est
ogeii.is a* penas dos crimes, que se descrevem
no mulo 3o cap. 1 e 2 da parte 3* do cod. penal
sendo que por motivos de molestia o abaixo as-
signado tem deixado de fazer eUectivo seus di-
rettoe, o qae (ara logo que ceaaem lae* ootlvoi
Uio rormoso.15 de julho de 1862.
,__________Antonio Gomes de Macedo.
Novo reralislu.
Rus do Crespo o. 18, primeiro andar, liram-
se relratoa pelo syatema dgerreolypo por m-
dicos preces ; vo-se lirar retratos de pessoas
monas dentro e (ora da cidade.
Aluga-se
Carvalho & No-
gueira
sacam sobre Lisboa, Porto e
llha de S. Miguel; na ra do
Vigario n. 9. primeiro andar
O abaixo asslgnado declara plo prsenle
annuncio que em data de 15 para 16 do corrente
mez, de junho prximo passado. desappsrecee do
seu sitio Calaate, contiguo aos Curraes dessa il-
la da Escada, um rapazsinho de nome Joaquim
de SanfAone, poralcunha Canhoto. idade de 20
aonoa, pouco mais ou menos, cor bfanca aver-
melbada, baixo e secco, sem figura, cabelloa lou-
ros escorridos, lem uma cicatriz no deio grande
de uma das raaos, corcovado no andar, eale in-
dividuo :evadio-se|roubando um cavallo dos sig-
naes seguiotes : alaao caboclo, de ambas as sel-
les, dous ps calcados, e salvo o erro, uma das
mos, ou cabellos branco ao p do casco, uma
bexiga no espinhaco, e nao ha lembranga do (er-
ro, corre o boato qoe tem appareciJo pelo eoga-
oho Javanda : ropa se as autoridades policiaes ou
quem quer qoe o encontrar a sua ppreheoeo,
com dito cavallo, que ser recompensado do aeu
trabalho, na dita villa.
____________Francisco J da Silva S>nlrc.
o primeiro andar da casa da ra da Cadeia n. 4
muito propria para escriptorio : a traiar no ar-
mazem da dila casa.
Alugarn-ae as casas terreas n.
de Santa Rita e n. 27 da ra dos
andar da casa n. 193, na
na ra da Aurora n. 36.
1U5 da ra
Burgos, e o 1*
ra Imperial : a tratar
Madame Elisa chunDerg e aea Bino Joseph
Scbmberg, ha pouco chegados da provincia do
Cear, reuram-se para a Europa no prximo va-
por francez.
-- Aluga-se o 3o e 4* andar da ra uo Caouo
n. 16, e o sitio da Ponle de Ucboa dafronle d-
ces : a tratar na botica junto ao qeartel de Pc
ItClO.
Attencoo.
A commissao encarregda de
promover um funeral que tem de
haver na igreja de Nossa Senhora
do Terco, terca-feira 29 do cor-
rente pelas 8 horas da manhaa,
por alma do tallecido Manoel Fer-
reira Accioli, convida e espera que
todos os amigos do mesmo falleci-
do concorram para assisttrem a es-
te acto de car idade.
OTerece-se uma pessoa muilo habilitada para
fazer cobranzas para fra ou dantro deala pra?a,
a qual d Dador a sua conducta, pois todo aquello
que o pretender e quizerem (zer as ditas cobrsn-
?as : dirija-a* a ra da Cruz n. 36, em casa do
Sr. Antonio Lopes Braga, que ah achara com
quem tratar.
Louvor ao merilo.
Inflammaco do ligado, peito e fal-
ta de re*>|>iraco.
Tendo eu uma rtn.ru criada que padecia de
uma Lllamrregao do ligado, a qual lhe atacara
lodo o peito, e assim lhe tomava a respiraco e
sabendo que um neto meu que litera a mesma
molestia, tendo-se-lhe pplicado aa chapa* medi-
cioae. do Sr. Bicardo Kuk, e.criptono ru. do
Parto n. 119, ficou perfeilameute bom, em vir-
tud, desle curativo felix diiigi-me so mesmo
senhor e resolv a applicaco das mesmss cha-
pas, e com efeito se pedem chamar virtuosa* ;
pois que no pequeo espaco de 26 di live **-
tislagao de ver minha criada pereitameoU boa
e reatabelecidade uma molestia que padecia ha
mais de 6 annos.
Em louvor de qoe lhe fago a presente decla-
rarlo para ser coohscido publicamente. Rea da*
Marrecas o. 32, Rio de Janeiro.
Jos Jacintho Pereira.
Recoobecida verdadeira a assigoalera
pelo tabelo Pedro Jos de Castro.
supra
miitii Ano
rpa.
Aalunio Jos Bingue* de Souza, vai a Eu-
Casa para alugar.
Aluga-ae ama excellent*caaa deum andar, m
Mooteiro : a traiar na ra da Cruz n 57.
Precia* se de um amasaador depadaiia: na
. na estreii* do Rosario a. S A,
V .


)
D1AEI0 Dfe i>EkflAMC04 SEGBJDi lllfiA 28 DE JULHO DE 1861.
Attencao.
Aloga-io a casa terrea n* ra Nova n. 34, com
8randes commodos par [tmilla, pois de raa
ra : a tratar com o proprietario na ra do Li-
rio ment n. 30, botica.
Toda attenco!!
Oa abaixo asignados liquidatarios da meisa da
enmela Arma de Jos Gongalves Malveira, ro-
gara aoa devedorea da mesma e muito particu-
larmente a aquelles a quam se tem entregua
cootae e cartas ae quaes nao respondern ou o
fizeram de modo inconveniente, que quanto an-
tea veuham sallar seua delitos, porque cima
de susceptibilidades est sempre a lei.
________________ 1- M. S. Aguier & C.
Casade saude m Santo
Amaro.
Dr. Silva Ramos.
Elle eslabelecimento j bem'eoobecido, econ-
eeituado neata provincia pelos relevantes servi-
cia que tem prestado, contina nss melbores con-
dlgoes debaixo da direegao de aeu proprietario
receber doentes de todas as classes, oa quaes se-
rao tratados tom lodo e relo e icteresse pelos
pregos seguirles :
Pnmeira classe.... 3g000ou maii.
Segunda dita...... 29500.
Terceira dita...... 29000.
Em qualquer das classes os trancos flearao se-
parados dos negros. Os alienados de 2," e 3.a
classe nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
aendo furiosos pagaro mais a quarta parte. Oa
allegados da I.* ejaaae pagarao seaundo o ajusu.
De <)00# a 1.000J Q00.
D-se por urna escrava que nao seja velha e
quei leona as habilidades de bem eogommar, co-
iinhjr e ensaboar, que nao aeja reapoodooa e
louel, depoia de dous das de eatada agradando
nao se duudar dar a quantia cima : na ra do
Vigario n. 8.
~~ Vende-te milho smericano em siccas de
110 libras, por 3: na ra do Amortm srmazem
de Gufmaraes & Alcnforado.
Compras
Compra-se um ryliadro usado para pada-
ria: a tratar n< ra de Lvrameoto n. 4.
Comprase urna escrava que seia peneila
engommadeira e costureira e de boa conducta :
na ra da Cadeia do Recife n. 35.
FAZENDAS BARATAS
Rna da Gadeia h. 40
loja de fazendas
DE
Martinho Borges.
Cujpraoi-se acroes do oovo banco de Per
nambuco : no eactiptorio de Meooel Igoacio de
Oliveua & Piiho, jorge do Corpo Santo n. 19.
Compra-ae nao sitio perto deata cidade, mas
que seja bem arvorejado ; ou tambem terreno
com capaciaade para fazer um bom : a tralar
na ra Velha d. Compra se um relogio de "
ouro chroooinetro ou patente ioglez de muito
boa quMidadee por prego muito commodo : na
ra Uireita n. 56. loja de calcado.
Compram aa doua escravos de boa conauc-
ta, sendo um perteitu oicial de carpina e o oa-
tro de ferreiro: a tralar no grande arraaiem de
ferragens e miudeaa na ras do Queimado n 49.
O proprietario deste grande eslabelecimento
est resolvido a vender barato um lindo e varia-
do aortimento de fazendas taea como :
Veatidos de aeda de 30$ ........
Casaveques de cambraia de 5$___
Manteletes de dita de 5J ..........
Manguitos bordados ..............
Cassss, o covado de 320 ..........
Chitas francezas o covado de 240 .
Sobrecasacos de panno fino de 22 .
Palitos de dito de 16 .............
Ditos saceos de 12 ..............
pregos eates que em parle elguma se encontrarlo
atteodendo-se superior qualidade das fszeodes.
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Esss estimada agua de colonia ambreada, da
que tantos a tanto tempo ser.lem a falla, acaba
de chegar em bonitoa frascos verdes, os quaes se
eslao vendando l50O cada .m ; assim como
chegou igualmente um graobe aortimento da
verdadeirasguade colonia de Piver em frascos
e garrannhas de differentes tamanhos, ludo ia-
ao na rus do Queimado, lojs ds sguia bran-
509000
15$l>00
109000
agooo
S600
3U0
95*000 o. 16.
SOfOOO
15j000
Apparelhos de porcellana dou-
rada para cha de bonecas.
A loja da agua branca desejendo que todos
facam a vontade a suaa bellas meninas est ven-
dendo commodamenle estes bonitos apparelhoe
de porcellana dourada, e pintada a 19500 e 2fl,
tendo cada um 6 casares de chicaras, e os mai
perlenees, a vista do que todos iro (munidos de
jinhetro] para.compra-Ios na ra do Queimado
Para
Attenco.
is senhoras do
b ni
CA
45 Ra Dircita-45
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
completo desapparecimento est prximo I O
proprietario deste bem aorlido estabelecimento i
convida oa seu6 numerosos freguezes a sustituir n ,!?-,''! .a ^"? *** '
o gateado velho. que lodo est cholenco, por no-: ra" u "1 Zt V'0 1* "- 1
vo, e que possa resistir s mil schotis einazur qal.jier pane. rj. m r .( ..
. que vo ser densede. em lou'oV ,1o "".b: tSSTTT "" i6 "" *** '**" h :i:
g0fct3.
E' chegado a loja do gallo vigilante roa
Uespo n. ,. os lindos er.mpos a balso J ,.,:.
lindos gestos e lindas ere. iaMresMto cus.
nunca vista, que avi.t. nerc.ri Mi M
senhoras mandar comprar iel traii>> rr,. ra-
q* de J ; asaim como minios sje.lc, : ,
Para luto.
Pumos de seda elsticos para chapeos largos e
eatreitos a 1^500 : na raa do Queimado d. 2-^
os loja da boa f. '
Gasa para alugar.
Aluga-ae urna casa na Capanga Nova, ra dos
1 ernambucaoas, bem tratada e com os commodoi
segsintea : duas salas, qualro quartos, cozioha,
galinheiro, quintal muito grande, todo murado,
com cacimba a tanque, diversas arvores de fruc-
W, o alagele barato: na ra do Imperador
Aluga-se um sitio no principio da Estrada
Nova com boa cas, cocheira, estribarla, quartos
para escravos, duas baixas de capim, e excellen-
te patio para vaccas : na ra da Cruz n. 56.
auaixo ansiguano roga encacei idaiuenie
ao !>r procurador de Jorge Perreira Peroandea
aiqueira, de Caruaru', que, valo a sua procura-
cao, nao lhe conferir poderes para receber a 1.*
citacao; haja de dar andamento como autor
Competente-acQo sobre as tiernas que seu cons-
tituir pe em duvida as duas letlras cons-
tantes dos auouncios losarlos nene Diario no
mez de maio prximo passado, afim de que se
possa chegar quanto antes ao conhecimento da
verdade.
Recife, 21 de julho do 18C2. Josquim L.
iUontciro da Franca.
Compra-se um papigaio que sija baslaote
fallador: na tbesouraria das loteras, ra do Cres-
po n. 15.
Yendas.
Aluga-se um sillo junto ao do sobrado com
as mesmaa qualiJades do fructas, com boa casa
de moradia, aala de frente, 4 quattos. sala de
janur e cosios : a tratar na ra dos Pescadores
n. 7. padana.
n,~",Alu6fl-se um grande amo na cidade de
Ultoda, confronte do jardim, com boa casa de
moradia sendo sobrado, com 3 salas de frente, 7
quartos, cosinha fora. 3 lojas repartidas cada
nma em separado, a melhor agua daquella cida-
de, baixa para capim, rojado para plantario,
capueira com lenha, muita arvore de fructa,
mangabeira, maogaeira. cajueiros, jaqueiras e'
muitas outras troclas, olaria prompla de forma,
lelhetros para tirar louga e lijlo, forno para
pao, estribara e cavallo.
Vende-se por 25-5 a obra em 3 volumea da
legtsIfQao peculiar da alfaodega e mesa de ren-
daa, contendo todoa os decretos, deciies, ios-
IrucgOese regulamentoa publicados desde 24 de
maio e 22 de junho de 1836 al o flm do anno
de 1861, como tambem a tarifa que se acha em
vigor.
E' escusado dizer a utilidade desta obra para
umempregado quedest-ja conheceras obrigacoes
que lem a cumprir no exercicio do aeu emprego :
na prac .la Iniapandencia liraria o. 6 e 8.
Vende-se aaccas granjea de arroz de catea
a $. e em cuia 160 : no armazem da estrella,
largo do Paraso n 14.
i"T Vedee u(Da escrava de S a 30 aouoa de
idade, boa vendedeira de ra, sem vicio, sabe
eosabor e lava de varelia. e faz o mais sarrico
de casa : quera a pretender diriia-ae a ra da
reona n. 3, andar.
Algodao de 2 larguras.
Vende-se superior algodao monstro com 2 lar-
uras, proprio para leoyoes e toalbas de mesa a
7 rs. a vara : na ra do Quaimado n. 22. na
bem conhecida loja da boa .
A 2,400 rs. a cuzia.
Lencos brancos finoa para algibeira pelo dimi-
nuto prego de2*400 rs. a dazia : na bem conhe-
cida loja da boa f. na ra do Qu*imado n. 22
Bonitos paliteiros de porcel-
lana dourada.
Agora ninguem deixar mais de ter em sua
mesa um bonito palitelro de porcellana dourada
pota que ces ae eslo vendendo a Ige 1S500
naloj da agola branca n. 16.
ca que vo ser dansadaa em louuir do reatebe-
lecimento da saude publica. Os pr^os con
HOMENS.
Botinas afamadas M

>
I


i)
Tiras ou entreuiei- s.
saaaaH--1?**? hi ,,ara Tenfl''f tira* tor'.-l.. 4*
125000; mdoa goato ass.m como bic de r.SHta da U.
sts*z:.:::::::: SpCr-SSira:;
lu'lre.................... lOJiOKL les amostras i,..i^&_____; I*r,u *u^ *~
l;es.
non-plus-ullra Naoles.........
lustre....................
Ingieres de botts.............
batedores.......................
couro da bererro e lustre..".............
ir.glezes pes selregens.........
taxiados brafeiros.
Sapates non-plus-ullra.......
Chapeos de sol
Joaquina Soarvs
Su].
vai ao Rio Graude do
Jos BeruardiooAlves, lem contratado ven-
der a sua taberna sita na esquina da rus de San-
ta Rita : se alguem ae julgar com direilo a em-
barazar este negocio, haja de dirigir-se a mesma
aberna, no praio de tres dias.
Fugio nu da 22 do correrle do 1o andar da
caaa o. 21 da ra do Rosario eslreila, um peri-
quito de cabjK. amarilla, e levou urna argols de
rame em um.|.c: quem o achou queira leva-lo
a mesma caaa que ser recompensado.
Precisase alagar ama ama forra ou capli!
va que sai ha cozinbar e engommar, para caaa d
paacs familia : na raa do Queimado loja de fa"
zendas n. 09, ou na ra da Praia segundo andar
d. 37.
com bouquet para seohora.
Entre os muitos e diversos objectos de goslo e
phaotasiaque a loja da aguia branca ha recebido
sobresaliera esses delicados e novissimos cha
pos deso com booqaeU. Hoje que os indis-
pensaveis baloes nao permittem que a^ senhoras
andem de brego, faz-se de certo necessario que
cada urna tenha o seu chapeo de sol, e que este
corresponda ao valor, e bom goslo de um rico
vestido de seda. E' por isso que dita lija aca-
ba de receber como por amostra urna pequea
quanlidade desses bellos chapeos de sol ornados
de unas flores o que eutre nos novissimo. Na
verdade elles se loroam igradaveis aos olhos de
todoz, e a senhora que os comprar pode orgu-
har-aedeseu bom goslo, ao contemplar que
irazendo-o fechado Dgura-se-lhe um lindo bou-
quet, e aberlo representa-se abrigada em urna
cerregada roseira, emm al onde pode che-
gar a perfeigao mesmo o cume ao bom gosto.
>0 e pena que viessem tao poucos que talvez
nao cheguera para a vigsima parte das pretn-
deme. Cusa cada um 20# porem a seohora
que os vir nao exitar de os dar anda meamo
que seja preciso bulir n'equellas moedas de pra-
ts que tem guardadas em sua bolsinha reservada.
Assim pois maodem quanto antes compra-Ios na
ra do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Cambraias de cores
Vendem se cambraias francezae de cores fa-
** muil<> Dna pelo baralissimo prejo de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Superior brim branca de
limbo
Vende-se superior brim branco de linbo tran- ro 16
canpel bar*,itsimo PreS<> de 1&200, 1^440 e
ljbOOa vara, dito muilo encorpado de doua floa
a de hoho puro a 2g a vara : na ra do Queima-
don.22, na bem conhecida loja da boa f.
Banba japoneza e outras umi-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
sus encommenda um grande e bello aortimento
de finas perfumaras doa maia afamados fabri-
cantes, sendo aa bem conbecidas e apreciadas
banhaa, japoneza, transparente, philocome im- I Botinas dengozas.
perlal em bonitos copinos com tampa de melal
dilanos copos gran'.es, dita em compoteiraa li-
sasi lapidadas, leos de babosa, philocome e
Lubio, pomadaa ou cosmesliques, finos extractos
doa preciosos eescolhidos cheiros Jackey-Club
mil flores miel d* Inglaterra Marechal, frincipe"
Alberlo, Oeorge l\ etc. etc. Kecommenda-se a
todas as senhoras de bom gosto o uso de qualquer
desses estimados exlractos porque aquella que
era ama sociedade, thealro, ou baile estiver com
seu fino lenQo orvalhado de lo sublimes aromas
lera por certo o prsier de ver as t nas visinhas
da direila e esquerda lhe rendendo homenagem
perguntarem donna F. onde comprou eise tao
agradavel cheiro ? E ella orgalhosa de seu boro
gosto, mas com ar prazenteiro lhe responder:
* H* Queimado loja da agua branca nume-
8 bateras e meia..
esmega cobra..................
Nantes 2 bateras vaqueta.....
2 bateras bezerro......
trslialhadores..........
brasileiros de 35500 a..........
Sapatos2 solas e salto..................
tranga porioguezes........ ." ]
francezes......
SENHORAS.
OJOOO I les amostras se po^ apr^i.MM.'to 7n .,
99000
yjftioo
7*500
5|5O0
7X000
6$500
5&5UU
65(00
6500
ojOOO
25000
59OOO
23000
19280
Ricos fcasquines
A loja da boa f recebeu superiores bisquines
de muito fina cambraia a imilago da de linbo,
bordados a enfeitados com apurado gosto. e os
vende pelo barato prego de 8tf cada um, fendo
sido sempre seu casto de 16$ e 20. apressem-se
pois em compra-los na mencionada loja da boa
fe, na ra do Qaeimado n. 22.
Laazinhas muito finas
para vestidos.
Supfriores laazinhas para vestidos de muito
bonitos padroesque se vendem pelo baralissimo
prego de 440 rs. o covado : na ra do Queima-
do n. 22. no loja da boa f.
Bailar & Oliveira saccam si hre a Uhia.
Mana das Dores Raymunda Oogue, subdita
hespanhola, retia-se para Portugal, levando em
na companhia auaa duas lhas menorea ; a mees-
sma faz scieote a quera se julgar seu credor apr-
aentar auas cnotaa no piaao de Ires dias.
Jo&o Guilherme Romer,
forrador, estufador e cor-
tinador
recoramenda-se com seu presumo em todas eisas
profissoes, tanto de carruagens como de mobilias,
tambem pinta carros e encarrega-se de lolos os
concertos de ditos, faz arreios para cavallos e
cojeertj, faz cortinados de cama e de varandas,
tambera arranja todos os preparos para as ditas,
tanto douradaa, como nvernisadas : na Ponte
Velha n. 8.
Aluga-ae o 3" andar da casa u. 8 da ra do
Imperador: a tratar na praja do Carpo Santo
d. 13.
Aluga-se um prelo bom cozmbeito : a tra-
tar na prega do commercio n 13.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro 01 venJa grande da
Suledade, assim como se compram caixilhos que
fossera de lija; na mesma vende-se urna bom-
ha de ferro de brego, que lira bastante agua de
Cacimba.
Areaiaae urna boa casa na estrada de Juao
de Barro, perto a capella, a qual tem qualro
quartos, duas salas e graode quintal com bas-
lanlfa larangeiras: quem a pretender dirija-ae a
casa cootiguj, a tratar cora o proprietario, ou a
ra do Qaeimado laja n. 33.
Precisa-se alugar urna escrava
para o servico de urna pequea familia,
preferindo-se que compre e engoixv
me: na ra da Cruz n. 45, armazem.
Toda atten$o.
Custodio Jos Alves Galmaries avisa ao res-
peltavel publico, principalmente a todos os seas
freguezes e amigos, que se madoa da loja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida amiga loja
de raiudezes que foi do fallecido Joo Ceg, hoje
sar conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico o aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito eslabelecimento,
onde acbaro um grande aortimento do miudezas
queaffiaoga servir bem e vender por menos dez
cj viole por cento. do auo am outra qualquer
parte.
O abaixo assigoado, procurador do Sr. Pre-
cilisao Peres Campello, avisa aoa proprielarios
das easaa que pagavam foro ao Exm. baro de
Capiberibe, que todos esses solos pertencem hoje
asea constituirle, a esse o aatorisou com pode-
res para os vender todos ou Sf parados, por isso
convida aos possuidores das ditas casas, que lhes
coovierem comprar o aolo, a tratrar com o mes-
mo abaixo assignado, assim como lhes pede quei-
ram meoiar pagar os foros vencidos : na rus No-
va dos Pires n. 80.
Mannel Gomes Viegae.
Camisas bordadas e outros ob-
jectos necessarios para
senhoras.
Na loja da aguia branca acha-ae um bello sor-
Umento de bonitas camisinhas defina cambraia
com babadinhos e mu bonitos bordados de no-
vse delicados desenhos, as quaea servem mui
bera para os modernos vestidos de frente aberta
e vendem-sspelo diminuto prego de 39 cada
urna ; assim como bonitos manguitos a balo com
gollinhaa de superior cambraia e fil e todos bor-
dados, com puohos viradoa e cada par pelj ba
ralisaimo prego de 2J. oque admiravel avista
da supenoridadeda obra, e bem assim puohos e
golliohas tambera bordados com bonitos botes
a 29 a guarnico, e golliohas soltaa igualmente
bem bordadas a 19 ceda urna o manguitos a 800
rs. o par. A viata pois de am lo completo sor-
timento neohuma senhora deixar de comprar
esses necessarios objectos tanto mais quanto a
commodidade dos pregos convida e para que to-
doa sejam bem sersidos convem que mandem
logo comprar na loja da aguia branca ra du
Queimado 11.16.
A loja da aguia
branca ra do Queimado n. 16
Acaba de receber os precisos objectos seguin-
Aspss de balis grandes e pequeas.
Fita com colxetes branca, parda e preta.
Dita de la para debruar vestidos de cores,
i'rencinha de caracol miudo conhecida por bom
tom.
Alfioetes prelos e brancos era caixinhas.
Aguihas imperiaes fundo dourado.
Ditaa vutoria em caixinhas e papis.
Itetroz prelo fioo em cirreteis grandes;
Manguitos e golfas de
cambraia ricamente bordados
Vendem-se manguitos e gollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo iosigoificanle
prego de 29 o par de manguitos com ama golla
sendo que sempre cuslaram 69 cada par, assim
pois recommeoda-se aos amigos da santa eco-
noma que aproveilem s boa occasiio, dirigi-
do-se com dinheiro a loja da boa f na ra do
Queimado n. 22.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-se pscoles coa 100 folhas de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacole :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
Acaba de_
| chegar ao novo
g armazem
g
IBasos k liegoi
i
MENINAS.
lis.13
se
53500
55000
OOO
2J0U
3a(KMi
11920
800
50(J
600
sahir
poreo,
salto de bater. .
pechincha de 49500
americanas 3J50 a
Sapatosde salto (Joly) .
sem elle (ideen) .
tpete. ....
econmicos. ; .
lustre 32 e 33. .
MENINOS E
Ha de ludo em relago e nao
dinheiro.
Um completo sortimento de couro de i
cordavao, bezerro trances, couro de lustre, mar- perier e ferros france^s ptfa alUtata aza las al
roquim. sola, courinhos ele, que ludo se troca l da o par 10;;. isssms, a* Hatjft-
por dinheiro vonlarte do comprador. ., ^
| Gaslel!o-BraGC!,-alaiac
ufar.
Por esle anoumio ae fez fjale wm 2!- ,0*V *s ,rn""- lM,l fl-" Prui :. ,
eono >* capitn do imtI* o ia*,M a -
ha a vrnd. bo.-, do no*o pe**. I
ultima ordem do mirisieiio da guerra, venda, -
do-sa duas aboluaour.a or 3. advem' a m
uma das abotuadutaa de paao BDliso f- i ...
remesas para onde f.,rem p.didae, aasi rvaeej
tambera ha para vender o n.elor |.INm ...
(le. o tcelbor velludo prelo rto Pr| ,
dertoiihecidesnefta praca, a a.a* tr. .. '
talhe. Os Sr*. t fflri-e qne eaiaa lera da i
ca podem u-novar suaa consUna oes
quintia certa, e os ..utros Mbbe-res ae i a,, i,, -
rao prctuiagao tiesta casa pujim saastda-la -
vertmdo que o lempo para a dita kracawa. '
ve ser limitado, atompat.handn asas caria 4a r-
dens pe-iindo as eocomsneo as que k>r. i
sas. devendo ser dtricidsa a rorrea ...-,.., a
Joaquim Uodri^ues Tavarea Queimado n. 30. Tamiem ha aalaa ale ara >.-
usteSo @
%
Camisas inglezas baratis-
simas.
Vendem-se camisas inglezas cem aberturas e
punhos de linho e com pregas largas pelo bara-
to prego de 30$ a duzia, assim como outras mul-
las superiores a 409: na ra do Queimado n. 22
na loja da boa f.
pechincha.
i\a ru do Crespo, loja de
4 portas n. 8,
vendem-se cortes de chilas largas escaras, de co-
ras Bise, de 10 covados, a 29 o corte, cassas de
cores lixas, fazenda que sempre se venden pos
640 e 800 rs. a vara, a 210 o covado, e oatrar
multas fazendas por pregoa baixos que so viata.
g
meamos panno
a 249, dos de
e da n i pad
ial| tos
ciado W e oov
i
ttenco
ao barate.ro que est
queimando.
Vende-se maoleiga ingleza de superior quali-
dade a 720 e 800 rs. a libra, dita franceza a 640
e 7-20 rs. a libra, cha hysom muito superior qua-
lidade a 89880 e 38200 a libra, loucinho de Lis-
boa muito superior a 320 rs. a libra, arroz a 120
e 140 a libra, alttria 320 e 400 rs. muito superior
macarrao a 320 e 360 a libra, vio.gre de Lisboa
muito superior a 320 e 360 rs. a gerrafa, arroz do
Maranhao a 120 e 140 a libra, azeite doce de Lis-
boa de primeira qualidade i 750 e 800 rs. a gar-
rafa, dito de carrapato a 360 a garrafa, charutos
varetas muito Qoos a 20 rs. fazeodo-se difTereoga
em caixa viohos muilo superiores a 560',
a 640 e 800 rs. a garrafa, e oulros muitos mais
gneros, que avista doa compradores se vende-
ro por menos do que em outra qualquer parte :
na ra do Nogueira n. 49
VENDA
Novidades da chuya, da
Arara,
Fazenda com avarla da chufa para os
freguezes da Arara,
RA DA IMPERATRIZ N. 5G.
nJf,?Ade",e cor,el de Cas"1 de bbados 19600,
JtWO, e 2500 o corte, pessas de cambraias de
salpiquinhoscom 8 1(2 varee a 29500, lencos
brancos linos a 200 cada um, ditos de cores a
80 rs ditos para rap a 120, e 160 ra. rs. cada
um ; na ra da Imperatiiz, Iota e armazem da
Arara, n. 56.
Fazendas sem defetto, da Arara.
Vaode-se cortea de chita unas cora 12 li2 co-
vados a 29500. ditoa de cassa de cores a 2S500
ditos preta a 29500. chales demerio estampados
a 29500. golinhai para senhoras a 500 rs., man-
guitos e golas de linbo a 2JO0O ; ne ra da lm-
peralriz. loja da Arara, n. 56.
Babadin da Arara.
Vende-se babadin com listras de seda, fazenda
muito nova para vestido a 500 rs. o covado, dita
com palmas solas de seda, de largura de 4 Ii2
palmos a 640 rs. o covado, laozinha para vestido
a 320 rs. o covado, ditas muito finas a 500 e 040
rs
o covado ; na rus da Imperalriz, loja da A-
rara, n. 56.
Chitas da Arara e cassas.
Vende-se chitas a 160.180 e 200 rs. o covado
ditas fraucezas a 220. 240 e 280 rs. o covado'
cassas a turca a 280 rs. o covado. cassas france-
5an" e 300 r,# CSTad<>. ditas organdin a
320 rs. o covado ; na ra da Imperalriz, loja e
armazem da Arar, n. 56.
Arara vende usto.
Vende-se fuslo de cores para vestido a 280 e
320 i, o covado, leDgoa de seda escoros pare
rap a 19600. pessas de cambraias litas a 1S60
29000. 2S500 e 39000, massos de pautes Bom Dar
denles a 200 rs.; na ra da Imperalriz, lujada
Arara, n. 56.
Ka roa Nova janto a Conceico
dos Militares n. 47.
Um grande e variado sortimento de
roapas feitas, calgados e fazendas e todos
estes se vendem por pregos muito modi-
ficados como do seu costume, assim co-
mo sejam sobrecasacos do superiores pan-
nos o casacoa feitos polos ltimos figuri-
nes a 269,289, 309 e a 359. paletots dos
meamos pannos preto a 16f, 18f, 209 e
J'tos de casemira decdr mesclado
padres a 14. 16&, 189, 20
>s de caiemira de cor mes- Jg
ovos padresi 14f, 16J, 18, J
ZU9 .i%, dios saceos daa mcamaa ca- J5
semiras de coreas 9, 10, 12 e a 14g, f&
ditos pretos pelo diminuto prego de 6, S
m 109 e 12, ditos de sarja de seda a so- t
brecasacados a 12f, ditos de merino de S
cordao a 1J, ditoa de merio chinez do 25
apurado goalo a 15, ditos de alpaca *
preta a 7$, 8, 9 e 10, ditos saceos S
pretos s 4, ditos de palha do seda fa- &
xenda mano superior a 49500, ditos de m
brim pardo e de usto a 3500, 4 e a
495C0, ditos de fuslo branco a 4, gran- *
de quantidado de caigas de casemira i re- S
ta ede corea a 79, 8, M e a 10, ditas
pardas a 39 e a 4. ditas de brim de co- o
res finas a 2J500, 8, 39500 e a 4$, ditas !
8 de brim brancos finas a 4|5G0, 59, 5J500 9
e a 69, ditas de brim lona a 59 e a 69, I
colletes de gorgurao prelo e de cores a 9
59 e a 69. ditos de casemira de cor e pre- fo
tos a 450O e a 5g, ditos de fuslo branco S
e de brim a 39 e a 39500, ditos do brim
lona a 49, diloa de merino para lulo a 49 B
a a 49500, calces de merino para luto a *
49500 e a 59, sapas de borracha a 99OOO. |
Para meninos de todos os tamanhos : al- JJ
gas de casemira preta e de cor a 59.6 e I
iS, ditas ditas de brim a 2$, 3 e a 3500, %
paletots saceos de casemira pitia a 69 e
a 79 ditos de cor a 6 e a 7, di- S
tos de alpaca a 39, sobrecasacos de pan-
no prelo a 129 e a 149. ditos de alpaca o
preta a 59, bcnels para menino de todas fi
as qualidades, camisas para meninos de J.
todos os tamanhos, meios rices ve tidos JS
de cambraia feilos para meninas de 5 a
8 annos com cinco babadoa lisos a 8$ e
a 129, ditos de gorgurao do cor o de la
a 59 a a 69, ditos do brim a 3, ditos de
cambraia ricamente borbados para ba pli-
sados e muitas outras fazendas o roapas
feitas que deixam do ser mencionadas
pela sua grsndeqaantldade ; aaiim como
recebe-so toda o qualquer encommenda
deroupaspara se mandar manufacturar
e que para esle um temos um completo 1
sortimento de fazendas de gosto o urna S
graode officiu de alfaiate dirigida por um X
hbil meslre que pela sua promptido o ti
perfaigo nada deixa a desejar.
Achate a venda no escriptorio de Antoni
Luizde Olivelra Azevedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra escripia pelo visconda de Uruguay,Eosaio
Sobre o Direilo Administrativo ; deixamos de te-
cer elogios a esta obra, basta o oome de seu au-
tor para a tornar recommeodeda. dos voluntes
em brochara 10, encadernado 12$.
S na loja dopavo
vendem-se sedas de quadres, ditas de listras ao ''',
compndo, e ditas de listras atraressadas, ditas' ;r
de qaadrinhos, sendo dos melhures padres e de- ^
liesdissimos gostos, com largura de chita ingleza f&
a 500 rs. o covado, pechincha, e dao so as x
amostras cora penhor : na ra da Imperalriz n. I ^
60. loja e armazem do pari de Gama & Silva. ^
Superiores atoalhados S
adamascado.
Superiores atoslhado adamascado com 8 pal- 9
moa de lergars a I$600 rs. a vara : na ra do | ^
Queimado n. 22. na loja ds boa f
Damasco para colxas e para
ornamentos f?e igreja.
Vende-se muito superior damasco de la de
urna td cor, muito proprio para colxas e para
ornamentos, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato prego de 2J800 rs. o covado : na raa do
Queimado n. 22, r.a Ioj da boa f.
rt
O
o
o
LOJA DE 4 PORTAS
de
Ferrao Maia.
Vende-se as u <;uiiitcs imMtm
das pelos baratisauM preroi
abaixo mencionados :
Capas de grofdeoaple preto
bordado a o.
Manteletes de dito dito 20
25 e 30|.
Oales de toitjuim bordi
os melbores que ttm app;m do no mercado a 8, 10, 15, -2"
25, 50, 40 e bOjf.
Cambraias e "bitis ranctz; s
cores segrate lindos padrees a
a 2*0 e 200 rs.
Laa aberta matisada a "20 c
400 rt.
Muitas outras Lzcndas exu-
tem expostas aos compradores *>
que segundo leus puros r.o
deixaio de agradar.
i *
:>
: *
O
i
v^SLPejr^;.. -csssceooe
. nurfija

da para colletes pelo baralissimo prego de 19
29 e 3 o corte : na ra do Queimado n. 22 na'
bem conhecida loja da boa f. --'
SC a..
Na ra do Qeeima'
I
8
I
I
8
Para os tabsquistas/
Lengoa muit) finos a imiiac.au dos de linho de
muito bonitos padres e de cores (xas muilo
propnos para as pesaoss que tomara tabaco, pelo i de Jos de Aievedo Maia
barato prego de 49800 e 5?500 a duzia na ra todas as n.iudoiaa baratisi
doOueimodon.22, na bem conhecida loja da Frascos grandes com raoei
t'<"' l-_______________________________ Carrileis de liuha de co:es u
das a
I Ditos de retroz de corea, meos pre;
I C'ias com iscas para aeccfidot charuto
Duzias de meias cruas muito safwiaw a
Vende-se muito superior bramante de lir.ho '^t' "'!,'"^.^^ 6t4Des e ,u-
cora duas varas de lar-ura proprio para leores DU, aCrl iv
pelo barato prego de 29 00 1?. a vara- na lie ni 1" ^l'lfcor ^ hl a
condecida loja L boaf, aa ru. ^ b^o^:^^^^ M''^ ^
Bramante de liiilio.
2,.. o
l:a
!>
Vendem-se caixoes va-
sios, proprios para funileiro
ebahuieiro, a l280cadaum
est typographia se dir.
I
2
A Yerdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca
raa do Queimado n. 16.
Precisa-se de uma ama de le te para criar
ama recemnascida : a tratar na roa da Aurora o.
80, 2* andar.________________^^
' Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
xinhar, psga-se 30 mensaes agradando : na ras
da Aurora o. 80, 2* andar.
Madapolo da Arara.
Veode-ae peasas de msdaoolao iufestado a 39
d'c'JZ24j8ra"a*** 460. Mooo, 59500
e bjjOOO. cobertores de algodao a I9OOO, ditos de
pello s 19500, roupa feila, palitos de panno Dro-
10 a 69300 e 89000, caiga preta de carimira a
4J500 e 59500, aeroulas de linho a tj600 e 29OOO
camisas francezas a I96OO e 29OOO : na ra de
Imperalriz, loja da Arara, n. 56.
A. J. de Mello tem dividido o seu sitio ds Pas-
sagera da Magdalena entre as duas pontea, o qual
lem na frente, entre estas, deselos palmos, e na
outra frente de aul i norte quinhentos palmos,
olhando esta para o nascante. Esta superficie'
edificndose em ambas as frentes, contemdeze-
seis lotes de trlnta palmos de frente e duzootos
de fuodo, e sobram alguna palmos ; e dndose
a cada lote menos frente e fundo, como cabi-
vel, creacem os loles, e por conseauinle os pre-
dios que se queiram edificar. Uma frente de .. J -\ti '~
quinheolos palmos olhando para o nascente, fres- TUa O VlgariO U. V, primeiTO
ca tarde, com dous porlos, o do Rio, e o da rutar
OambOa bastante perto. sao vanlagens que se nao *
encootram em outra algams parte. Est
do quasi todo, com porlao de ferro e g
casa pequea, mas commods, que precisa sutor-
io, faz-se lodo o negocio com o total sitio, ou
com alguna lotes, e recebe-se al algum predio'
por conta.i.Se algum capital dos perdidos nacom-
fiVacao d!teaTetSerer,TnP.reAado. compr" edi'' M">e i>esa de primeira qualidade 800rs.
iY~*^XPL!'>'*,H ,nn'- f"" 640rs..banha retinad. 440 rs
orna ronda a' ,a 1f.iVi" hJ8 g0"Dd de arriU00 ra.. gomma do araruta 100 rs. po
tale seguros m ,eU' Capi" ,ibr* em ,,rb* *8fl0 : Da ru" d" Cr" D- .
leis seguros, .fiquina da traresss do Ouvidor.
Sebo do Porto
em caixas de urna arroba ; na
jucaooao ______
it mura- T i '
SSk Manteiga ingleza e
franceza.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Pos de arroz com boneca em bonitos vasos dou-
rados.
Ditos dito sem boneca em pacotes.
Agua balsmica para conservegao dos denles e
bom hlito da bocea.
Opiata iogteza para alvejar os denles.
Leile virginal cuja utilidade reconhacida para
tirar sardas.
Vinagro, aromtico para quem soffre de tontiess
e dor de cabega,
Paslilhas de cheiro para se perfumar aposentos.
Anda pechincha
Na ra do Crespo loja de
4 portas n. 8.
Pecas de madapolo largo muito fino
cora pequeo toque de ararla sendo fa-
zenda limpa de 6^500 vende-se por 5$
a prca, ditas de dito mais baixo tam-
bem por 4#500.
para a ra do Queimado n. 43,
esquina que volta para a
Cougregaco.
Neata casa vende-se :
Chita largs, a 200. 20 e 240 rs. o covado.
Cambraia de cor muilo lina, a 300 rs. o co-
vado.
Ditas de salpicos muilo fina. 9 varas por 49.
Saiaa baldes erreuadis, a 59.
Ditas ditas de rnusselina a 3;j500, 49 e 49500.
Meias casimiras para caigas e paletots, a 600
rs. o covado.
Vende se.
Vende se uma casa terrea com um pequeo
aillo, na ra de S. Francisco em Oliada, perten-
tente aos berdeiros do finado llernardo Pereira
da Silva : quem quizer fazer negocio dirija-se a
travessa darua da Palma n. 30, cenrome a ta-
berna.
, Carloes de liuha com 200 jaras, a me-
Ibor que ba
Ditos, ditos brancoa e de cores com 0
jardas a
Duzia de facas e garfoscebo preto, finas
i Dita de ditas cbo branco a
Thesouras grandss de6 < legadas a 40 e
i Seceos para escrotos com sima de- bor-
racha a
Tintelros de vidro com sur eiior tinta a
Ditos de b;rro com superior tinta a
Mesaos com grampos Isi e de caracol a
Duzia de phosihoros de valla a
Pares de meias de cores pera mi r. n. s a
Croza de pennas d'ago Superior a
Areia prets para botar ne escrita a libra
Colxetes em cartoes.com duasordens e
qualro parea grandes a
Barslhos de cartas fraucezas a
Ditos portugueres finos.
Tbsouraa pequeoss, potm de aopericr
qusdade a
Colxetes francezes em eriza a
Duzia ce neias elvas, para bomem a
Dita de sabonetes linos a
Sabooles grapde e rooerias a
Tramte do Porto rumio supetior a vara
Pares de botos para punhos a
Alm deslas miudezas lem rauila mais que ae i-x
preciso vander e rao oogtilar dinheiro. .r.i
como sejam : labyiinlos para todo o on arria
preta a 100 ra., porm qutru quizrr arroba vende-se por 2$. baratiasim SBetaM
para quem nao Qtaoioa.
Pero las falcas
ou aljfar de fina qu*lula!r.
A loja da aguia branca acaba De tMooa
novo sortimento de superior aljfar braor.i .1
perolas falgas oqual por sua petieirao .nlu..-
CO
.
.'i 'I
Vi
Mi
a
sai
if.n
i ,1
!W
lu
-O
>
1- .
.>
1.0
Iff
Cocheira venda.
oa do Imperador n.! mente se distingue das peroles verda-ira. a str-
riolel e onze caval- ( vem elles por sua extraordisaria eran .laza tara
Vende-se a cocheira da ro
25. com dous carros, um eabrl.
nrr9uaP8dr S'nT 8frfgUe"da : '" Kl! >?M?U 'rr
Vende-ae ou troca-se por urr.a carroga, um
carro dos que trebalha na escadinha, por prego
commodo : na ra das Cruzes n. 22.
Grande sortimento de
camas de ferro pira ama e duas pessoas, ditas
pequeas para criaogee e bergos. l,olo de ferro
batido como fundido, dos maia lindos modelos e
ludo se vende por um prego muito em conla :
na ra da Icnperatrf* n. 75.
aa e meso o para oulros anfeites e ri.nio sempe
vendem-se commodeminte a 19, lftt'i.1 e 1J5. (I
o Do: isso na ra do QdciaMtfO leja da u..
branca n. K!.
Engeoho.
Vendem-se duai parles pertencenles a dou*
hardeiros da propriedsde Machado, em que est
levantado o engenhn Ponteble, junto a eslego
de Gameleira, e maito boaa trras a tratar no
eogenho Brago do Meio, cora Camillo Frenciico
de Lyra Cavalcanti ou uesta cidade com Autonio
Gomes da Cunha e Silva : aa ra da Cadeia do
Recife, n. 50.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se saperior cal de Lisboa ebegada lti-
mamente, por precos muito mais comraodos do
que em outra qualquer parle : no aoligo o acre-
ditado deposito MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
VeDde-sooma preta boa quitaodeirs tam-
bem se lioca por outra que seja cosinheira e de
oten idade : na ra nova de Santa Rita o. 65.
A ioja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo vapor os seguiblti la-
jelos :
Bonitas ligas de seda para senhora.
Graodea e bem tecidos baodes da clioa.
Aspas de ac, e fita elstica para ces Je lale
Bonecas (trandesmui bonitas e bom vestidas.
Bonitos baaziuhoa com 9 frascos da cheiros.
Lindas caixinhas com 6 ditos de diloa.
Traocellim grosso de cor para guarnecer vestider.
Luvas de cemuraa brncss e amarrUa*.
Lindos boioes de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba da recabar Harfloo
boioes de porcellana dourada com ti'.a i- ba o
ra a vioias ioscripgts, os qu ses por .ica>ta-
zas e perfeig'a loroam.-se dignr presai,-
tas, e com eape^ialideae na acto -adra, ji>i
goatar do bom dirigir-so com >beiro a rao
do Queimado, loja o'efiuia braujV'n. 16, qao acha-
ra em que bem o empreg
Vende-se uma etcji mulata, bnr.lta figu-
ra, ouilo sadia, com bilidades, da 23 osinos,
com uma cria : na da Senzalla Nora a.18.
MUTILADO
.


':". v


6
Mi.HK> DE PERH1MWJCO SEGUNDA FEIBA 28 DB JULHO M 1891

I
ME33
. AHINA
VNDESE NO ARM
DE
Francisco Feraaodes Duarte
fawtf
Rival sem se-
guado.
Rea do Qaeimado n. 55, lojs de miudeas de
Jos de Aieve s Bigodioho, est Tendeado pelos primos que a
todos admlram, qaeiram Ter o que bom e ba-
r a ti salmo:
Parea desapatosde tranca superiores a.
Frascos de agoa arubriada a melhor a...
Ditos de dita, frascos grandes, a 500 e..
Carlas de alGoetes franceies, a..........
Parotas de papel entizada, a............
Caixas com papel de diversos guatos, a..
Parea de sapatos de la para meni&os, a
Vara* de tico dasllhas, a..............
Cerdas piri violo multo (ruacas e no-
vas, .................................
Prascos de banha Phllocome auperior, a
Ditos d dita de ur;o, a.................
Ditos de ebeiros muo finos, 50O a.....
Caiiss c>Qi apparelhos'le metal para di-
vertir Dieulnos, a .....................
Varas de raoja para cortinados e toi-
lhss.e ................................
Carrileis de lioha preta com 500, 600 e
800jirdas, a..........................
Barris com phosphoros o melbor e bo-
l i tos, a..............................
Missosdt i i ii ha fina para bordar, a ....
TrauQs de las de todas as euros a pe;a.
PC
Crozas da jI-'.h de louga prstaado mul-
lo unos, a.............................
Pegas de lita* de linho lisas superioies.a
Ditas de coroso iiiperial, flno e grusso.a
Praacos de macaca petla, muito fioo, a
Ditos da dito oleo, muito auperior, a.. .
DHos de oleo babosa superior, a 320 e..
Bona , 160 a..................
Caixas da yl> para lioipar denles, muito
saperior, a.........
Ditas de phosphoros especiaos e um so-
brerenle, a.........
Pides de riandros, pintados multo boni-
tos, a...........
Varaa de uta para fazer sinios dos me-
Ihur* goato, a........
Dutia de phoapboros de gaz, do melhor
fabricante, a.........
Ditas de caetas de (olbs, muito boas, a
Linhas da gaz de todaa aa qualidades a bara-
lisaima*.
1|S80
400
600
100
700
700
S00
80
80
||0M
500
800
400
200
160
160
210
40
320
240
40
40
2(10
100
5
500
160
160
200
500
210
120
Os memores gneros que vera a este mercado e por meaos 10 por canto do que em outra
qualquer parte, garanlindo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da prac,s, de eo-
enhos elavradores o favor de ruandarera suas encoramendas a este muito acreditado armazem da
lhados, afira de verera a diffarenga de prego e qualidade que faz, se fossem comprados ara outra
\alquer parte.
Bh1a)M&uV*a\a confeitadas para sorle de S. Joao a 800 rs. aliara, lambem tam-se para
6i0 rs. a libra sendo em porc,ao, tanto de urna qualidade como de outra se faz abati-
mento.
U a >.&\*k i HflVaS 6m caixas com duas arrobas por 29560 e em libra a 50 rs.
arVaV.Alftlgsi. 1. ^SlCli^ da safra nova de primeira qualidade a 850 a libra, em
barril se faz abaiimento.
|&&n1itgtt ta***** a mas nova a 640 rs. a libra, m barril a 600 rs.
\IU!*}^& Mil* muito frescos chegados neste ultimo vapor a 25000 ditos che-
gados no ultimo navio a 18800.
^U.c\J t yxs \ki 0 majs SUperior qUe |6in vindo a este mercado a SOO rs. a libra.
O U& iVy^Soa 0 melhor que h no mercado a 28800 e 28200 a libra, afianc,s-se a boa
qualidade.
-'.r.:- iluT4.1 -ffiL 0 qUe ;e p0(ja desojar neste genero a 35000 a libra.
^JU\ 'pfftAO bomeopathico a 29200 a libra em porejio se faz abatiraento.
IW?li BOir0a de Pavi0 lransado a 230 rs' carla e em caixas eom 40 carlas Por -
93000. rus da Imperatrix, lojs o. 20.
S-a&VAS C^m AU5^':ft&0?*48 confeitadas, proprias para mimo, conteni mais con-
faites e assucar candido por 1)000 cada urna.
"i <&$$&$ em caixinhas de 8 libras chegadas altimamente a 28000 cada urna e a retalbo
a 430 rs. a libra.
uOt&Xil&Utt da Soda em latas com differenles qualidades a 18440.
oOltsVXAfu& ingleza a miis nova que h no mercado a 48000 a barrica e a retalho
a 320 rs. a libra.
VR\&0 tH& pV^^t de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 a 640 rs.
a garrafa, e eu cmada a 38500, 48000 e 48500.
Ralogios
Vande-sa em casa da Johnston Pater ct C ,
. do Vigario n. 3, um bailo sortimento de
telogios de ouro, patsuia inglsz, de um dos mais
afama ios fabricanas da Liverpool; tambera
ama variolada da bonitos traneellins para os
m asm os.
*f* *^a ^^a^T ^PS*W ^^^m^^^WwW^ ^s^sWf ie^rV^a^B^s7 aW" Wl
iLoja das ti por-1
I tisem frente do Livra- S
ment
iHaloeyde 15, 20. 50 e 40 arcos.a
Crande soitimento de baldea de icos 1
os melhores nesls (azeoda e grandes,
chitas (raocazaa Urgas eacsiras a 22U a S
240 rs. o co*ado, ditas astraitas ntiudi- S
nliaa a 160 rs. o covado, cambraia lisa jf
para forra com 8 1)*2 *araa a 29 a pe;a, S
dilaa finas 3, 4, 5 e %$ muito Unas, g
8 ditarde salpiquinho com 8 M farsea a
3^500 a pe(a, cobertta alcoxoadaa bran- ff
cas e de cores para cama 4}5O0 o 5f, -
caaaas de cores francezas tintas segwraa i
a 320 rs. o covado, pera de brelaoba de S
rolo a 2g, algodlo lrao;ado alvo manto 1
, largo para toalhas a lo a vara, enfeites a >
jH Garibaldi todos pretos a 5$ cada um. len- 1
| roa brancos com barra ores a 120 ca- j>
I da em. roapa feila da todas aa qealida- Jf
dea muito baratas, a luja esl4 abarta al au
aa 9 horas da noilo. j$,
Hd*5*ft!t6 Site $6*5 4aj* 5*6 MaKtftfiW^
Aos Srs. consumidores de gaz
Nos armazans do cAs do Ramos os. 18 a 36 a
ns ru do Trapiche Novo no Kecife d. 8, aa ven-
da gaz liquido americano primeira qualidade e
receutemenle chegarto a 14$ a lata da 5 galdee,
assim como lalaa da 10 a de 5 garrafas a ero
garrafa*.

NOS ARMAZENS
Mobilia.
Veniem-sedous negros mocos a muito ro-
bustos, proprios psra armazem da assucar, um
dito perfilo odkial de marcinelro, 4 moloques
boaitos sendo um de 17 eonos, oetro de 14, ou-
tra de 12 e oulro de 10 annos, urna negra boe
coaloheira : aa ra do Imperador n. 45, terceior
andar.
Cambraias
Vendem-se cambraias de corea de bonitos a
Na ra da Camboado Carmo loja n.
12, vndese toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phantliasia etc. por preco mais
cornmodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Ki^awtaftsattt^-Sswasfcia^sio we ss
V*D'ie-ae urna por^ao o barra da cal ue
Lisboa propria para obra de pedreiro a 4c o bar-
ril : no armazem do Teixeira caes da alfaodega.
Nova alleneao.
O vigilant* acaba de recebar novo sortimento
de diverso objectos que se vendem por manos
20 por cento do que em outra qualquer parte.
Sit-js para senhoras.
R. quiasimos sinios douradoi, pelo baratissimo
prego de 2$, e com ii>ela ao lado a 49. assim co-
Duqu.do Porto. Lagrimas do D.uro, Carcavellos, Fei_- ZZ^ gcsgjgg I^I 1 "H
Enfeites.
Vendem-se os riquissimoa eofeitis de cabega
com fraoj e vidrilhoa 5), dito sem franja a 3j),
ditos trancadoe a 2^500, ditos de logo d* tita e
bicode aeda a 2J>: a no gallo vigilante, ra do
liqmdaco por todo|
o pre^o, na bem co-1
nhecida loja do Ser- g
toria velrio, e deoutra3 ratitas mvcas acreditadas a 1200 a garrafa, em caixa a 129
tambera ha para 18000 a garrafa.
&II&M|)tta*|)LQ ,jas marcas mais acreditadas a 158000 e 20J000 o gigo, e em garrafas
l800
S*iff\ *,j>4 da rnarc* cobrinhi ou de oulras marcas condecid aa a 58000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
em latas de 1 libra por 640 rs. ~-------^
.vas de l libra por 80O rs.
.'SSfeAfl era latas de 1 e raaia libra por 1*500, ditas cora 3 libras por
_e casca mola muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 8#000.
20 rs. a libra e em arroba a 30000.
1%.JW5\*%, mae^TfSa.ti ba por 68000.
&t?*>\\ ilf\a, pevile e arroz de massa branca ou araarella, a 6i0 rs. a libra, e era cai
xinhas muito enfeiudas se faz obatiraenlo.
9d\\tOt rt^ 4".M'*?^ lixadjs os maisbara feilosque tem vinlo a este mercado a 280rs.
taaibem ha para 200 rs.
^'saXttUiid* Hg\*2.*** para 6arabre a 800 rs. tarabem hamburguez para fiambra a
6i0 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
^.iU*Hi.ffla.i ?51pa\0i muuo novas a 560 rs. a libra eera barril se far abatimanto.
S*la.'\MO o melhor petisco que pode haver por estar prorapto a toda hora a 800 rs. a libra
1. Ofl^liiU^ JO fsrllia<> muito novo a 280 rs. a libra e em barris da l t raeia arroba
a 59 e 78 a arroba.
^.jIOHT****S era latas j proruptas para se comer a 1|800 cada urna.
Bail de pOr0 refiQada-em latas cora 10 libras por 4300.
'IIlt* HI DWrrit mul0 gna e aiva a 440 rs. a libra eera barril a 400 rs.
*>-?r^5?5S C\l=*a bAl. rauc-l proprios para raimo a 500 rs. cada um.
99L\Tan*ilftalL% imperial do afamado Abreu ede outros mullos fabricantes de Lisboa a 800 rs,
a libra.
m*?!ll*l*5\lla de Aiperjhe em latas de 2 libras por 18000 cada urna,
1j<^%\'?aS C Sr^ K fU.6%s\3 de doce em calda as melhores quehaem Portugal corao sa-
jara pera, peseg, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
Hoce* 8i-eC> e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 18500.
L/1b\OCO\&%$ hespaohol a 18500 rs. a libra, dilto francez a 18100 ditto portuguaz a
800 rs., afianra-sea boa quilidade.
Vtfe.li de primeira qualidad* tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba a
98000, dito mais baixo a 260 rs. e 7800 a arroba.
SfrfeVfttltljmA de Franca a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e am porreo se fai
abaiimento.
5* : gU muito novo a 320 rs a libra e am garrafSes eom 5 libras, por 28000.
F ATlAlift do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs. a libra.
tiltil do Maranho alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 48500.
if t*l^i*j da camaubi refinada a 400 rs. a libra, eero'arroba o 129000..
\Xftlt^ fl^Cfc refiaadoa 800 rs,garrafa e a era caixas a 98000
Wliiagfe ja Lisboa a 240 rs. a garrafa e era caada a 1800.
Vl*l\0 cherez verdadeiro a 18500 a garrafa, e ara caixa 148000.
w lHuO DTft'ftaiO de Lisboa o mais superior qua ha no mercadopropjio para miss
640 rs- a garrafa e em caada a 49500.
ollUflllOS suspiros do fabricante Brandao era meias caixinhas, por 29500.
1 suspiros do fabricante Catanho & Filhos em meias caxinhas a 28000.
Creso- n. 7.
Pivelasparasiut
Ri']uissimas rlvelas de anconi mad 'ola no
ctalro a 1$200. ditas de madreperola a llaa ditas
lojra Hh ih a 340 : so no gallo vigilante, ra do
Crespo n.7
Vidritho.
Liulos vidriihos pretos e de cares, pelo bsra-
liasiuio preco de 1(600 a libra : s no gallo vigi-
lante, ra d->Crspo n. 7.
tanejo.
!Rua do OuoimadD n. 4S
DUARTE & C.
36 Ra das Cruzes de S. Antonio 36
9 .LA*NLI IMM Vll>10 O.
Nos os proprieiarios destes acreditados armazens participamos aos noasos moaeroso
freguazes que por todos os vapores a navios de vela recebamos da nossa propria eocomroaaWa os
melhores ganaros]tendente a raolhados, e por isso podemos vender por menos 10 por cenia aV
qua outro qualquer, como a experiencia o most ara por isse pedimos a tedos os Srs. da prafa a el
mallo, que anda se nao dorara ao trabalho da mandarem experimentar, o favor de o fazeretn, eertoa
de nada perderem, pois para isso nao poupareraos focis para bem servil-es ainda aaais a paxaois
menos entendidas, certos da esclarecer aos eoaipradores que s na roa das Cruzas n. 36 brsj
do Carmo n. 9, que devera inderecar os portadores, pois muito sa ovildam com oulras casas qaasi
dos mesmos ttulos (Progressista e Progressivo) pois sao as duas nicas filiaes.
iTI H hieila ingleZf a mas nova emas superior do mercado a 800 rs. a libra.
M.a flteiga ft UCeZl a melhor que se pode desejar a >0 rs. a libra a ara larril a
600 rs.
OOIIO ir' nC< X em cartoes chegados no ultimo vapor a 500.
i cinS SLCCaS em caixinhas de 4 libras muito novas e grandes a 48 a eaiiichi, ts
19280 rs. por libra.
M illlO al pista e pain0 a i60 rs. a libra.
Vlla II ll\ 12J.I o mais especial que se pode encontrar a 29880 a libra.
Clla IiySSOIl 0 melhor que se pJe dasejar da 28400 a 28800 a libra.
v.-H prt't <) o que se pode desejar neste genero a 29 a libra a a 18600 o ordinario.
Q lie I JOS flimellgOS chegados no ultima vapor a 28 e 19700.
IjUeijO pi'wtO o melho do mercado a 600 rs. a libra a sendo nteiro a 500 rs.
Paseas era eaxinhas de 8 libras ,19,4oors. i.bra.
FigOS eiU eaIXnh->S de 8 libra! a I86OO a 200 rs. alibra.
AtUeilduaB <1 CatCa lliole 320 rs. a noze, a I6O rs. a l.br. muito M
Ameixas francs s, 19aifcc*#!( com inm a 9000.
' Marmelacld SliperiOr araelhordo mercado
am latas da 2 lib. a 700 rs. a lib.
Apparecatu col di-
uheiroque nao deixaro
de comprar.
Chitas escoras finas a 160, I S) e 200
rs.. corles da vestido pratos bordados s
Talludo de custo de 150S e se veodem
por 309,409, 509 e 709. sabidas de baile
de velludo e selim a 129 13$, camisas
para senhora a -2-000 a 3;5(X), Rollishaa
de cambrais bordadas a 500. 600. 700.
800, -100 19, ditas de Ql bordadas a 120
Para entreter o lampo.
O linios ji>gos de domios a 18400, lindas cai
tiohas om jogoi de vispora a 'JO ) rs.: s no gal-
lo jilaole, ra do Crespo n. 7.
Doce da casca da Oiaba soors. oeaixo.
LataS COm tVlltaS eill Calda comopeeego, damasco, ginj, araeivasa
alperxa a 600 rs.
AilieildoaS COlifeitadaS comdivaraes co-esa 800 rs.
f IDIIOS ^eiU'TOS.^S e,igarrafa,]03 das S-guinles qualidades, duque do Porw, Parto
6no, Pedro V, velho sacco, genuino. r\eclor, Carcavellos, Feitoris, e Madeira saeta a
128 e 138 a duaia a a 19100 a garrafa e moscatel a 720 rs. a garrafa.
L)ll 8 am pipa proprios pira mesa de 38600 a 49 a esnada a de 500 a 600 rs. a garrafa.
do Porto, Lisboa e Figueira.
r., casaveques de fustao a 5$, &,7|, 89, *> ^1 rV a4 > _
meias de seda bnncae pretaa para se- % CI wcjt3das melhores marcas a 50) rs. a garrafa a 58000 a duzia. rliana*"*e ds
nhora a 1J200 o par, tiras de bahados a o marcas mais acreditadas de 148 a 209 o gigo, eognhac o melhor que se poda desejar
500 e 700rs., lasde qidr> enfastadas s fj a 900 rs a Karraf
300 e 360 rs. o envido, cambraia preta a < ,
400 a 440 rs. a vara, organdys de cor*s a 3> VTl
6U0 ra. a vara, fil branco adaiiascailo i <--1
para cortinados e'estilos 400 e 50D fl tjr6ftCDr& italiana a mais sublime qua lam viudo ao nosso mrcalo era fra.'cos granosa
rs. a vara, cortes da olleta da cernir g | 2>0fJ0 cadj um
di(5 Ora da verdadera hollanda em garrafoes de 16 garrafa* a 8000 cada um.
bordados pratos s 29 e 3000. ditos rte *.
velludo de tr e pretos a 8 49, 9 W. II f TaSG 1161 rfl Com 12 frascos de genabra de Holanda
palelola de bnm branco friocej-s a f* ^_ "...
9800
35500 49500 oitos d. casemlr. e co- |j j GarrfoeS com 5garrafas de superior vinagre a 18000
res a pratos a 149 e 169. ditos da alpaca S
prei. ada c Srts s 35. 9*500, 4|a 49500. V U ft gTe DUT Qtl L7$!)0.i 240 o.-rafa i 11
eamisas da peito de lioln a 295'.M)r cortas n f o,,rai "
ttl NCUMPAKAVtl.
UNGENTO HOLLOWAy
Uilharas da individuos da todas as ascos'
pode tastemunhar as virtudes destaramedi:
incomparavaleprovaramcaso nacessario,qua,
uelo uso que dalla fizeram tem seu carpos
morabrosi oteiramentesosdepoisdehatof em-
aregadotnuttlraanta ouiroairatamenlos. Cada
passoa poder-se-haeonvencar dessascuras ma- !
ravilhosas pelaleilura dos peridicos, quelh'as;
ralatam todos os das ha muitos annos; a a
maior parta dallas sao to sor prendantes qua
admiram os mdicos mais celebras. Quantai
pessoasrecobrara* com asta soberano remedio
o uso da seus bracos a pernas, dapois dadar
permanecido longo lempo nos hospitaes.o tai
leviam soffrar a amputacao t Dallas ha inu
cas que'ia vendo deixado esses, asylos dapada-
timanlos, parase nao submsteroaa aassaopa-
ra;ao dolorosa foramcuradas completaasanu,
mediante o uso dessaprecioso remedio. Al-
cudias dastaas pessoana enfuso da seu raco
ahacimeatodaelararam astas resultados benfi-
cos diant do lord corragedor e outros Magis-
trados,aSm le sais autentica rasa sua a firnativ
JNtngueaa -iasaspararia do astado desanda s.
tivessabastante confianza para encinar asta re-
medio constantemantesaguindo algam tempo t
trata siento qua necesstasse a naturaza do mal,
sujo resultado seria provar i neontestavelmente.
Qua tudo cura.
O augueuto ftaeatll, mal pardea
larmente nos frefralntetieasva.
de collale de Korgurac a 19'aio, 19700,
29200, 3$ e 3$50. col leles leitoe im brim
br 1:1 > a 29500, lites feilos da gor^uro t
a 29500 e 39500, ditos -ito de casemira .=9
a 3J500, 4$ e 4$5CO, dilo* de velludo a
59, 63 e 79, ditos da fustao de cores a Jg
1$500, u i variado aatUflMMln de mdias "i
para homam e sanhora, grinaldis com ffi
flores, thales da froco, espiriilhos, to- S
da a qujlidade da roupas feitaa para hj- *j
msra "loe tudo se varada por melado do
seu v! jr.
Aeuco
Chegou para a loja da victoria, canlieiros a
gas de novos gostoa e modelos, lauto para sala,
como par* esceda > q>iarta e para oulras muilas
cousas: aa loja da ruloria na ra do Quairnado
0.75.
Ricos pianos S
de varios autores, vendem-se ^
emeasa de Ralkmann Irmos & @
C, ra da Cruz n. 10. hk
kimtm
Hitos
em caixas de 100 regala Imperial, Viagantes, a Panentellas, a 28000 a eaixa.
*x*P*8** muita limpo, a 180rs. alibra, e em arroba 58500,
AXElloa muito novas, a 18600 rs. cala uma.ancoreta, e a 400 rs. a garrafa.
Afro, '" 'aranho a 110 rs a libra, e 38400 a arroba.
aVlporcas
Catmbra a
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Doras da cabera
das costas.
dos maabros.
Enfermidadas da culis
am garal.
Ditas da anus.
Erup^as escorbticas.
Fstulas no abdomen.
' Frialdad ou falta da
calor as extremida-
des.
Friairas.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
nflammaao d-> ligado
Inflamaago da baxig
da matris
Lepra.
Malas das pernas.
dos paitos.
de olhos.
Mordeduras da reptil
Picadura de mosquitos
Pul moas.
Queiaadelas,
Sarna.
Supuraroej ptridas.
Tinha, asa qualqua1
parta qua saja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das articulares.
Veas torcidas ou no-
das oas partas.
ilalC
de s m latss^da melhores qualidades de peixe que ha em Portugal a 18500 rs.
Cfotiebra t*v Hollanda ,m garrarM8 Mm M garraf por 9ieoo.
M-OSiarda ingje. muito nova a 18000 o frasco e franceza a 640 rs. o pola.
Alera dos ganaros a "na mencionados encontrar o respeiuvel publico um completo serti-
aeote de tado que 4 one ""'dos.
Gaimsrea & Luz, dnRos da lo|a de miudexas
da raa do Qeeimado a. 35, boa fama, partivipam
ao pablico qae o sau estabelecimento se acha
completamente prvido das melhores mvreadorias
tandantea ao maamo estabelecimento, e muitos
outros objectos s gusto, sendo quasi todos reca-
bidos de anas propriss eneomoiendas ; a estando
alies inteirarnents reaolvidoa a nao vaoderem
dado, aflaogam vendar mais barato do qua oulro
qaalquar ; a juntamente pedem aoa aeus davedo-
ras qua Ibas mandam ou ven ha m pagar os seas
dbitos, sob pana deseram juatigados.__________
Seahall Mallors & C, tena recebiao or-
dem para vender o sea crescido deposito derslo-
gios v[sto o fabrieanta tar-aa retirado do nego-
aia ; convida, portaoto. s pasaoaa qua qaizerem
poaauir am bom ralogio da ouro ou prata do ce-
lebra fabricante Kornby, a aprovaiUr-aa da op-
portanldada sem parda da lampo, para vir com-
pra-loa por commodo preso no ase eeerlptorio
rae do Trapiche n.18.
Vende-se asta ungento no astabelacimentc
garal de Londres n. 344, aStrand, a na lojs
da todos os boticarios droguista outras pe
toas ene a r regad a j da sua venda em toda
America do sul. Ha vana a Baspanha.
Venda-sa a 800 rs cada boeatinha contis
umi instruceao am portuguaz para explicar c
modo i fsiar uso des te ungento.
O deposito garal em casa do Sr. Soum,
harnucamico, na ra da Gru n. .%%, ta
parnambuco,
Moendas r meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d*agua.
Rodas, dentada etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundicao
de D. W. Rouman.__________
Ra da Seuzalta INova n. 42.
Netfe estabelecimento vende-te: ta-
chas de ferro soado libra 110 rs. dem
de Low Moorlibra a t20rs. _________
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
9800 a caada.
JlarraMaUHlO o ra.ii superior que se pola desejar a 18000 agarrafa.
S'.-sSpernifletti o mais superior do mircadoem cixinhas Je 6 libras a 48i0<'! e 700 rs.
a libra.
Vel.tg de eariialll>H 119500 a arroba a380alibra.
/^IICOTt ;iS comaceitonas as memores do mercado a 1^400.
VylXflS eom 1 arroba haspanhola contendo macaro taihirim e aletria a 68000.
-i!i 1X111 Is"" S com diversas qualidades de raassis conos.ja estrulinha psjsjf h re, a tJfOOO
e 640 rs- a libra.
CnOUriHS e l <>S os melhores do mercado a 560 rs. a libra.
I f 6ZIIIIIOS o que se pode Jezejar de bom a 640 rs. a libra.
l-IsgllyaS finas era latas j promptas a J9600.
PeYe em lutaS cavallnhas pargo, e linguadosa 1,?600.
XoilCllllO do reino a 320 r. a libra do novo, e 280 rs. do velho.
BaDha de POPCO 8 melhor do mecido em latas da 10 libras a 48000.
.TiaSaS p?>ra SOpl talbarim e macarro a 280 rs, e aletria a 320 rs.
PalitOS XadOS ammacosoom 20 asacinhos a 200 r.
I i pe gTeVe pautado e liso muito superior a 49000 a resma.
CtTVa C10Cea 360, piraenta a360, canella900 rs.,ecomijhosa 800 rs. a Ui>ra
1\ lltCS d(> g*aZ a 28300 a groza e 20 rs. a caixinha.
!/s J relinaUO #ra pacotes de maisda urna libra a 160 rs. a potes 560 rs.
&g'U muito BOvo a 280 a libra e sevadinha 200 rs.
rSrinha do Maranho a 160 rs. a libra e gomraa a 100 rs. a libra e 2830 a arroba.
late flO VIO e do Cear o melhor do mercado de 88500 a 98500 a arroba.
Ca Xlll lias as mis elegantes, propias para miraos ou mesmopara juarda-}>ias de 400 rs.
a 18500 e temo com 6 caixinhas a 59000.
Chocolle lit spanhol ferJaWro, 1WOO rt. alibr,.
Krvilhas portuguezas e franeexisa feijaoverd.*m.fi n.
a lata.
^aVel em latas chegado no ultimo vapor a 18600.
Bolaxinh* de soda era utas. 19400
l^eHII IliaS irallCeZaS 0 melhorlegamepsra sopa aguijado a 200 rs. a ra.
VreSOIltOS fiambre os melhores do mercado a 640 rs. a libra.
MaSSa de tOllUlte Jas melhoras qualidades em latas de 1 libra a 700 rs.. em 500
rs., e em potes de vidro a 700 rs. cada um.
Bolaclihha Cr&ckliel em l. las rom 8 el6 libras a 2J 500 a 48500 a a 409
Bala OS franceses de diversos nannos de 320 a 6)0 rs. o* ma} a rasrae*,*
para meninos a 80 rs. cada um.
A.Ve IclaS chegadas ltimamente a 3i0 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 400 rs a au.
AzetS doce reinadO a 99 a caixa SOO rs. i garrafa,
Arr..Z,B saceos de 5 arrobas do ver melho a 2850 o.
LlCOrei os maii finos queh no marcado a 19 a gurafa a 10* a duai,
para nien-"s.
Alatn dos gneros annunciados encontrar o repaiiavel publico todo qoa lar
ta a estes esubelecmentos. Os prapri-Uanos sciantificaru qua estes praeos s sersira
Johnston; 4C, ra da Senzalla Nora> IsjsSnrs. quamandaram seu compelen la importe e todos o
u, \%t '' l lar-se palos presos acos'.uaados, mIvo acuelles da lira da
os demais (raguetat da livro

mez.

V
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
i
MUTILADO


\
DIARIO DE PBRRAtf CO SEGUNDA fURaV U DE JUlflO DB HH

r
;"
Enfeites para senhora.
O* mtlbor#s enfeites pretos a de corea que sp-
pareae a 5*500, 6* e 6J500 : na loja da Victoria,
na rna do Queimado n. 75.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Muito lindas caixinhas a cabezas para meninas,
de 100 ria al 25500: na loja da Victoria, oa rea
do Queimado o. 75.
Franjas pretas com vi-
drilbo e sem elle.
Ricos sorlimentoe da franjas prataa a da corsa
com vidrilho a sea elle : oa loja da Victoria, na
raa do Queirosdo n. 75.
inhasch peso verda-
deiras..
Lianas flus de peso verdadeiras. meadas
grandea a 2-iO ria : na loja da Victoria, na raa
do Queimado a. 75.
Phosphoros de seguranc
Phoaphoroa de segursnga, por qua livra de in-
cendio, a 160 ria a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Btelas muito grandes a boas a 160 ris urna
na loja da Victoria, ni ra do Queimado o. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho.
Aa melhores linhas de croxel para labyrintho,
covellos monstroa a 320 ria um : na lo|a da Vic-
toria, na raa do Queimado n. 75.
FoDilero e vidraceiro.
Grande e nova oifcina.
Tres partas.
31RuaDireita31.
Keste rico a bets montado eetsbeleeimeoto an-
outraro oa fregaezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no sea genero.
URNAS de todas asqaalidade*.
SANTUARIOS qua rivalisam com o Jacaranda.
BA.NHEIHUS de todos oa taannos.
SEMICUt'lAS dem dem.
BALDES idsm idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em ceixse de todas aa groasaras.
PRATOS imitando im perfeigo a be* portal-
lana.
CHALEItUS de todaa as qualldades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANOIEIROS a flsndres para qael-
qaer sortimento.
V1DKOS em caitas a a retalho da todoa os ta-
tuandando-semanhos, botar dentro da cidada,
am toda a parta.
Recebem-se encommendaa de qualqaer nata-
raza, concarlos, qua tado aer deaeopenhado a
contento.
Sintos dourados para se-
nboras.
Lindos tintos douradna par senhoras a SJJ200,
ditos de pouta cabida a i$, ditos de Ola a 12600:
na loja da Victoria, na ru do Qoeimado n. 75.
Esperanca
Loja de iniudezas,rna mado n. 33 A, de Guimares
Especialidade chegada pelo vapor.
Botee de cornalina bresco*, encarnados, re-
dondos, chatos, oval, rr.eia borla e burla, i tea
destes boi5es nesls loja.eaonde se prepersm pa-
ra punhoa, colletea, etc., por 33 urna duzia, cu
1$ o par para punboa.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegoa para a loja da Victoria ama peqaaoa
porgo de ricos eapelhoa de varios iamaohos para
ornamentos de salas, aflangendo-ae serem oa
reeihf.rea em vidros que tem vmdo : na loja di
Victoria, n* ra do Queimado n. 75.
La
bordar
para
La muito boa da todaa aa corea para bordar, a
7JJ a libra : na loja da Victoria, na raa do Quei-
mado n. 75.
Lichas do gaz,
Caixinkas com 50 oovellos de linhes muito fi-
nas do gnx a 900 ria a caixa, rtitas com 30 no-
vejlos a 700 ria, ditas com 10 nrdica grandea
a 700 ria, brancaa e pretaa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Arara vende os palitos.
Vendem-se masaos de palitos linca com 20
matsinhos, por 200 rs.; na ra da Imperalrix,
oja fla arara n. 56.
Para doces seceos.
Vendem-se maito bonitas caixinhas redonda,
de madtira, de diversos tamanhos, forradaa d
papis de con, muito linJas, propriaa nica-
mente para doces seceos de qualquer qualidade,
pelo barato prego de 4, 5 e 6jj a duzia : na ra
do Queimado, oa bem conhecida loja de miude-
ttg da boa fama n. 35.
Para S, JooeS. Pedro.
Veddern-ae caixirihaa com grande porgo de
amendoas confritadas, e elguns ronfeitcs pro-
prios para o festejo de S. Juo e S. Pedro, pelo
barato prego d 800 rs. cada ama : na rna do
Queimado, na bem conliveiJa loja de miudezas
a boa fama n. 3>-
Luvasiie J'tUViii.
Vende-se luvas de pellica de Jouvio brancaa,
para senhora, ltimamente chegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n.63.
Luv .s de seda.
Ven'e-se luvas de seda enfeitadas a 1(600,
2$O e2J-20(i, ditas lio de Escorsia brancas a ra.
700. itee de core* 800 ria. dties de slgudo a
280 ria ; os loja do beija flor, ra do Queimado
nuiaero 63.
Escovas.
Veode-ae escovas pera dent** finas de diversas
qualidadea a 120, 160. 320. 400 e 500 ria : na
loja do beija-flur, ra do Queimado n. 63.
Jogo te domin.
Vende-se jogo de domin Cnos a 1$2Q0 : na
Joja do pije-flor. ra do Queimado n. 63.
Boles para puaho.
Vende-se baldeado pnoho finos de diversas
qualldades s 200 rcis o per. que tambem servem
para manguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
eculos.
Vende-se ocralos finos de ermago de sgo, a
2, 1?). 610 e400 ria : loja do beija flor, ra do
Queimado n. 63.
Flautas de bano com 5 chaves, annei ea-
treitinhos, ultimo gosto, ecom caixa, que se ven-
de pelo diminuto preco de 20$. tinta ioglezs (a
verdadeira) polea de l|i a 320, de lt2 garrafa a
640, pretiriese que s legitima que no pote
tem urna cavidade em forma de bico, que se pres-
ts melhor a vasar o liquido como a extraan da
rolh ; rus do Qeimadn. leja Espirase n. 33 A-
Rival sem
igual
RA LARGA DO ROSARIO N. 56.
Enfeites
prelos e de cores muito bons a 5;.
Sintox.
Sintos dourados a l600 e 39
Ditos lilas da vel ado flvrlis de t;o a 19509.
Teseui as linas
com pequeoo toque defertugem a 400 rs.
O'.taa limi'ts muro bonitas a 800 rs.
Ditas ordinarias a 30. C0, 12.1 e 2(0 rs.
Escovas.
P' ra limpsr unhas a 320 e 500 rs.
bitas para cabello a 800 e 1|.
DttM para roupas s 400. 800,19 e 19200.
Meias.
Para aanhoras a 8$4C0 a duiis.
Ditas para boroem a 59400,2J600 e 39500.
Flores.
Ramos de flores artificies a Ige 19200.
Coliietes
de metal propriaa para o diario a 19200 s dazia.
Ditas de metal principe a 41800 dutit.
Ditas ditas ditas para cha a 29400 a daxia.
Boioes
para punho rr uito bens s 120 e 160 rs.
Esperan^.
At que alinal chegoa a esta loja os a*mpre
estimados brincos baloes, que pela perMcSo ron
que foi execatado o pedida iica sanada a falta que
harta desle adorno que, sobra ser bom e bonito
barato, a 19 o par e tra urna oixioha : na loja
Esperanca, rus do Qoeimaio n. 33 A.
SSibAA TlhUttU IIUlli-iLLUWAl
MLULAS HOI.LWOYA.
Este inestimavel especifico, coraposto inteira-
raenie de hervas medirinaes, nao contera mercu-
rio era algn outra substancia delecteria. Bei
nigno maistenra infancia, e a eompleicjio raa-
delicada, igualmente prompto e seguro par;
desaneigar o mal na compleigao mais robustas
entei rameo le innocente em sitas operaces* ef-
feitos; pois busca e reraove as doen;as de qual-
quer especi" grao por mais amigas e tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com asta
remedio, umitas que j eslavara s portas da
morle, preservando era seu uso cbnseguiram
recobrar a sauda e forjas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao derera entregar-sea des-
eeperacao; fajara um competente ensaio das
efficazes effeitos desia assombrosa medicina, o
prestes recuperarao o beneficio da ande.
Nao .-a perca teropo em tomar esta remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades ;
Loja do Pavorua da Impera-
triz iiumero 60.
DE
GiVM & SILVA.
Veude-se neste eatabeleciment todas as fsxan-
daa por precoe mala baratos qua poasivel s
com o fim de aparar dinbeiro, assim como urna
grande porcao daa ditas faieodaa intairameote no-
ras, viudat pelos altimoa navios : os donos des-
te astsbclecimcDto rogstn a todoa oa aeus trega-
les, qua se d.em so trsbslho de procurar nesta
Otario es anncnclos ds loja do Pevao, porqaa
estao certos que rjsn p>rder&o seu lempo.
Cinbraiasorgandysa 2b0rs.
Veode-se esmbraisia organdys coro dilicadis-
simos deeenhos a 280 rs. : oa loja a armaiem do
Pavo, ds Gama A Silva, oa raa da Imperalrix
n. 60.
S o Pavo
Vende-se finlssimas cassss franeexas de varia-
dos padreas s J40, 260, a 280 rs. o corado : na
ra da Imperetrtx o.60, loja do tavao da Gama
& Silva.
Anda o Pavo a 200 rs.
Venda-se chita francesa escurs com diminuto
toque de mofo a 200 rs. o covado, a dits ingle-
xss s 140 rs. : oa ra da Imperelru n. 60, loja de
Gama & Silva.
Veude o Pavo a 280 rs.
Gorgurao de liaho jue feilo em vestidos para
aenhora ou rospa para meninos psrece sediohsa
a 280 ra. o covado, por ler grande porrjo : na raa
da Imperalrix n. 60, loja e armazem do Pavao de
Gama & Silva.
Tsrat*na do Favo.
V*nda-fe lartataoa de la com palminhaa aol-
tss s 320 rs o covsdo : na rus da Imperalrix n.
60. I"ja jo Pavao de Gama & Silva.____________
Vestidos de la.
Vend-se vestidos de lsziohas teodo as saiss
ji promfitaa, com muita roda, propriaa para ba-
lao a 4990, a b loja e armazem do Pavao raa
da lmperalriz n. 60, de Gama I Silva.
MtMfelina prtta.
Vende-a mneaelins preta maito fias, coa de-
licados padres, e caisas pretas maito oaa por
traeos baratissimos : na raa da Imperatriz n 60
loja e armaiam do Pavlo.
AGENCIA.
DI
Fundicao Low-Moor,
Roa da Senzalla Nova n.4
^esta eslsbelesimenlo continua a bavernm
completo sortimento da moandas a meias moen-
dai para engenho, machinas da rapor e taixas
de farro batido eoado de todos ostamanbo
para dito.
Hua do Crespo o. 7, no
galio vigilante.
Nssta nova loja ha grande porcao da caixinbaa
com amendoas propriaa para brioquedo de S.
rJooqaeae vende pelo barato preco de 800 rs.
cada ama quero deixar da dar a ama menina
urna caixinha ; tambem tem grande porcao ds
caixaa proprias para doces secos que vende con-
forme seus tamanhoa a 69, 59 e a 49 a dazia,
amendoas svulsss a 800 e 640 rs. a libra : s no
vigilante raa do Creapo n. 7,
Esperanca.
Contina a receber especialmente suas fazen-
das, lornando-as aasim mais baratas : nesta
quadra que temos todo quanto preciso s uiai
familia (em miu letasi a um alfaiate, aapateiro,
caixeiro, etc., o pequeo espago que nos concede
o Diario de Peruambuco nao nos permute clasai- I
ncar e numerar a ofinidede de artigos de que,
nos achamossorlidos, tanto em quinqutlharia co-
mo em artigos de uao diario e indlspeosavel : j
por isso as pessaas da prsca ou de fora que quei- [
ram comprar qualquer dos e4)jetoa de que faze- i
mos nosso rommercio, ser3i directamente oa in- j
directamente bem servidos.
Esperanca.
E' nesta loja que hi e continuar a ser o iepo-
sito das afrr,adas agulhas Victoria tanta a
aceilaco que tem tioo catas aglales que nos dis
pensamos de qial.juer elogio, a 120 rs. o papel
(flxo).
Toda alinelo ao gallo li-
gau>j, que est qaei-
mando.
Luvas d peliea.
Ai verdadeiras luvas de Jurtn, chegadinhai
no vapor francez: s ao vlgttante, ra do Cres-
po n.7.
Para os festejos de S. Antonio
e S. Joo.
Trinas e galG A superior trina e volantes do Porto para Br-
oas, oratorios oa igrejss, que se vende por ma-
nos do que em outra qualquer parte : s uo vl-
itilaute, rna do Cre*po n. 7.
Cascarritha
Lindas pegas de cascarrilha de todas as cures,
pelo baralisaimo prego da 19500 a pega: s do
vigilante, ra do Crespo o 7.
GtiapeliiL&s pra senhoras.
Lindaa chapeliuts ricamente enfeitadas, pelos
baratissimos pregos de 89 10000.
Dilos com pequeoo toque de mofo a GjOOO: i
no viailant ra do Crespo n. 7.
Hieos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditos de fita
cora Qvelia dourada a 15500 : loja do beija flor,
ru do Qaeimedo h. 63.
Enfeites para eabe^H.
Veude-se requissimos enfeites para cabeg cno
fsnjs, e sem ella pelo baraUsaimo prego de 5
* 5g000, ditos de vidrilboa a I96OO ; na loja do
*eij flor, ra do Queiroado n. 63.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para gasrdar dinheirn
deouro preta a S000. 28500, 19000, 1j280 e
295IK) : na loja do beija flor : ra 00 Queimado
Rosas ariciaes para cabello.
A. L. B. F. tena receido um variado sorti-
Mitu de bonitas rosss que se estao usando para
itfllos, de pannos com felhs de velludo, ditas
4 peoel todaa, as mais ricas que se pode eccoo-
irarveo.i-(S u, ro, do Queimado n. 63, loja
doja Oo'.
^Candieiros do gaz.
Chego para a loja da Victoria os melhores
csndteiroa do gai, que tem ttoato ao rr>ercad,
por prscos eommodos : ns ra do Queiroado
11. 51.
Touquinhas ou chapoznhos
para criantjas.
Lit'dcs chaportr.hos para menina e menino s
49 e 6000, ditos de (eltro pelo baratifstmo pre-
go de HjOUU, burieles de panno fino e l ta a 33000, dil. s de vellido fino a -i; 39500,
ditos de pslhinh* a SgOOO, touquinhas de seda
muito lindas a I9OO. ditos de t a 1*000: s
no vigilante, ra o Crespo n. 7.
eidenies epilpticos.
Alporcss.
A raplas.
A reas ( mal de).
Asihma.
Clicas.
Convulses.
Oebili go.
Debilida^e ou falta de
forgas para qualquer
eousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ven ira.
hnermidade no ventre.
Ditas no gado.
Ditas venreas,
tnchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre nter mi lente.
Vendem-se estas pilulas no estabalecimento
geral de Londres n. 224, Straod, a na loja
de todcs os boticarios droguista e outrss pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas conlem urna instrucc.io aro porlu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito gaaal em casa do Sr. Soum
pharmacetuteo, na ra da Cruz n. 22 em l'er-
nambttco.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigesloes.
Infla mmaedes.
Irregularidades da
merislruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstrucgo do ventre.
Phiysica ou consurap-
go pulmonar.
Reler^o de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo ( mal)
FAZENDAS BARATiSSIllAS
NA
Manguitos com golliuhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, faxendi
muito boa, pelo barato prego de gnUO, gollinhas
e punhoa ultirr.o gosto a 29000. gollinhas muito
tiiiaa e bem bordadas a 1$000 cads orna na raa
4o Queimado loja da mudexaa da Boa (ama.
n. 35.
Tiras e entremeios hordados.
Vende-ae pegas de tiras bordadas da 2,500,
3,000, 3,500 e 4.000 entremeios a I96OO e 29000
cada pega na raa do Queimado loja da miudezaa
da Boa fama, n. 35*.
lio ecas fraucezas.
Vende-se boneess franceses ricamente vestidas
49000 e 59OOO, e IgOOO bonecas de cera coro os
olhoa movedgos a 200 e 39000, na ra do Quei-
Eufeites do Pavo.
Vende-re ricos enfeites turca e i Girtbaldi
coro ricas franjas e bolotas a SfOOO. ditos dos | madu loja de rr.iudeas da Boa fama, n. 35.
meamos mais simples a 2J0OO ra., e ditos de fitas
cada um ero seu carto : na ra da Imperalrix h.
60, loja do Pavo.
trilhantina suissa.
Venda-se brilhanliua auissa de quadrinhos, a-
zenda muito encorpada para vestidos e mais lar-
gs que chita ingleca a 200 rs. o covsdo : na raa
da Imperalrit n. 60, loja a armsn-m do Pavo
de Gama & Silva.
Coictusdo Pavo.
Venda-se ricas colchas de fuslo de linho de
varios tamanhoa e difluentes deseohes : na rus
da Imperatrit r. 60, loja a armaxem do Pavo
de Gama A Silva
Chales pretos do Pavo.
Venda-se os mais modernos abalea prelos de
pona redonda coro bolota, guarnecidoa de bico
de seda largo em lugar de franja a 69OOO : na
raa dtlmperalrit n. 60. loja do l'avo.
Bales do Pavao.
Vende-se ricos baldes prendado* com duas salas
e bico m volta, pelo baralissimo prego da 69,
dilos de madapoln francez muito uran-iea com 6
arcos a 5g, ditos Coro 5 arcos a 3g500 : oa loja
do Pavap, rus da Imperalrix o. 60.
Binante do Pavao a lOfOOO a pega.
Ar.'i ds chegar a loja do Pavo, ama nova por-
'Creditado bramante de linho, rom largu*
im liso, lendn 27 varas cada pega, esta
propria para len;es, toalhas, ceroa-
isss, ete e vende-se pelo baratissimo
10$ a peca, s ns loja do Pavo ; raa
atri/. n. 60, da Gsm A Silva.
gao dr
ra ri-
fare
las.
prrgt
da Id
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se fivelss de ago para sinto s I90OO rs. a
29OOO ns ra do Queimado loja da miudezas
da Roa fama, n. 35.
Baleias.
Vende-ae baleias 120 rs. cada urna aapa de ago
para balo a 160 rs. a vara, baodea a lfJOOrs. a
29OO o par, na rus do Queimado loja da miudezas
da Boa fama, v. 35.
Cascarilhas de seda.
Vende-se casrarrilhas da seds para anfeitar
vestidos a 29000 a pega na ra do Queiroado
loja de miudezas, n. 35*.
irara&iis
Torrador.
2$Largo do TercoVZ
Maniatas ioglexs flor s 800 a 960 re. a liara,
dita francesa 610 ri.. bar.ha de porce> a 400 ra.
a Itera, mateas m.ito Sosa para sopa a 400 rs. a
libra quetjos do reino 29.dit0. do sertio a 5fi0
rs.s librs.servei. das melhores II II 500 rs. a
garrafa, rdinhai de N.ole.. fajsj ., lOMtiafc#
a 320 rs bolschmhs inglesa a 320 ra. a libra
aisim corese vend. oatros maitos cenaros U-
ralissimos, psssaa a 400 ra. a libre" sao asalta
novas, e se alauem davidar venha ver ao Turr-
Jor largo do Terco n. 23.
Gramposabalo
com pendentes dourados.
A loja a'aguia branca cenlina oa rectese 4e>
objectoa do ultimo Rosto, e por uso acaba de des-
pichar rindo pelo u'.timo vapor esees de.icaefea
a noTissimos granpos de bonitas rres cea aen-
dDtes dourados o que de m.ia delicado ae paajs)
encontrar, hi** loja como Reralaaesile sabido
temtr-mpre em vistas a commodidade desasa
boaa freguezias e por i.so tem resalvido v.oder
esses galantes enfeites a 29 e 35 o par. o qtae aa
realidade maito mais vsletr. t nm pois aae
a vista da iimitigo do prego a se1 hora que coss-
prsr um ou mais psres, rao 1 demore em par-
ticipar as suss bess vi/junas e intia a amiass d
cotUgio, para que aa eaittem no sea parad
Rosto, e msndem logo comprar outros pares aa
loja de soa afTeigo : que a d'sguia branca, raa
do Queimado o. 16
das seis portas em trente do
Livramento. 15, 20,30 e 40
arcos.
Grande sortimento de ssiia a bslao de arrea
os melhores que sqai tem spparerido no aerea-
do a 49500, 59. 6 e 695O0 cada um, oa a* para
amostra com penhor ; a loja est aberta at ast
horas da noiie.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha para quem padece
de eryslpela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhora a 1000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas ds Boa fama, o. 35.
A 2#500,so pavo.
Vendem-se cortes de camtraia brsncs com 2 s
3 babados a 29500, ditos de tarlctana braocos a
de cores, com brrras e bebadoa a 39: na ra
da Imperalrix n. 60, loja e atmaxem do pavo de
Gama V Silva.
Qhales do Pavo.
Vcndje-se chales de merino muito grsndes s
3g, ditqWdecas'ss decores a 800 rs. : na rus da
lmpera|rii n. 60. loja do Favo.
stidos do Pavao.
E' p.y-.hirieha, cortea de cambrtis brancos coa
babador a 295U0, ditos de Urlalana brancos e de
cores a 39, ditos com babadoa eduaaaaiaa muito
auperiores a 49, pegas de cambraia branca com
carociulma baanros e de corea, teodo 8 1/2 vara
c*da pica, por 4$, c.-tes de caasas de cores com
7 1/2 veras, padres novos a 29WO ; talo isto se
encontta na loja rio Pavo, qua vende dinheiro
a vista : na ra da Imperattiz n. 60, luje de Ga-
ma & Silva.
Vende-se os mais superiores alburnos ou so-
bre-ludes de borracha, proprias pira a invern s
129: na ru da Irr,peralrir n. 60, l"ja fo Pavo.
Cortes de phantatta,
Vende-se ricos corleare phantasia de dnea saiss
com delicados lavores a 69 cads um : na ra ds
Imperalrix 11. 0, loja do Pavo.
Manguitos.
Lindos msnguiti>s com gol!:: ha o mais fino
que se pode encontrar, vende-se pelo baratissi
ui'.i prego d* 75000, diloa sem goliinha a I90OO:
s 00 vigilante, ra do Creapo n. 7.
Gollinhas de linho.
Lindas gollinhas estampadas.............. 500
Ditas de linho meite fines................ 800
Ditas pretas com vidrilho................. 2)000
S no vigilante. ru do Crespo n. 7.
Oliados.
Vendem-se oliados pintados de linda* vistas
pekagene, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para meas de jantara Ij o covsdo : o ra
la lmprttriz, loja n. 20.
---I..L. --- -------_
Ra ta Senzalla Nova u. 42
Vende-ae em casa da S. P. Jouhston & C.,
xeloij silbuau ingleos, caorlieiros e casligats
broezeados, lonsc inglezas, fio de veb, chicotes
pa-a earroa a montara, arreios para carros de
uro a d?as cava!!-.'*, a relogtos de onro pstenta
nglex.
Meis.
traode sortimento de meias tanto para homem
romo para senhora, sendo de hornero I98OO e
2'00. e finos s 8800. ditas de fio de Kscocia a
59OOO a doia, ditas para menina a &400, dilr
para menino a SfOOO s no vigilante, rna do
Crespo n. 7.
iatults .
Rat.'tas novas a 60 rs. s libra ; no largo do
Terco n. 23.
Sachinas amencias.
Em casa a N. O. Pieber A C., auccessorss,
ra da Crut n. 4, vvndem-se :
Machinas para regar hurtas espire.
Ditas para descarogar milho.
Ditas para cortar ca.>im.
Selinr com pertences a 109 e 209.
Obrs de mets! principe prsieadaa.
Alcatrao da Suecie.
Veroia de alcatro para navios.
Sal** partilha de primeira qaalidade do Par.
Vioho Xerez de 1836 em eaixns de 1 duiis.
Cojinac em Caicna d 1 du/la.
Arados e gradea.
Krilhautes
Carrosas pequeas.
Ra da Imperatriz n 20, Alburnos de borracha.
loja de uarle Borgcs da Silva.
O dito Silva couiminica ao
respeitavel publico e com
especialidade aos seus nume-
rosos fregueses antigos e nio-
dernos, que constantemente
echaro na dita loje um com-
pleto e variado sortimento de
azenias proprias deste mer-
cado e vendidas pelos precos
mais eommodos, de que em
outra qualquer parte, affian-
cando a boa qualidade e dura-
cao Libras sterlinas.
Vendem-se no esciiptoiio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho : 00 largo do Corpo Santo
n 19.
Gullinliasdo Favo.
Vend-se gelin*'ai de cimbria bordados e di-
tas de fil bordadas a 500 teis : ca loja do Pavo
rus da Imperalrix n. 60.
Manguitos com gollinliac.
Vende-se manguitos cero gollinhas bordadaa a
I96O e marguitoa muito finos a 19 o par : ns
roa da ln pera Ir iz n. 60, loja do Pavo.
Para iiquirfaco troca-se
por prepo harato um sanc-
tuario cobj as respectivas
imagens e mais as goguinteca:
de Sint'Anna, S Joaquim, S
Jos, S Antonio, e do Menino
Jess; na ra do Vigatio n
9, primeiroandar.
Machinas para se later
caf mesmo na mesa.
A loja d'aguia branca recebeu as modernas a
ainadas machinas de porcellana para ae faxer
cal* mesmo ua mesa, isso por um meio fcil e
limpo, resullaodo aflnal que o caf feito em taes
machinas tero um cheiro e sabor superior ao feito
por outra qualquer forma : vende-se na loja 'a-
gnia branca, ra do Queimado n. 16.
Petra baptisados.
K loja 'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo vapor a ana encommeudc dos seguintes ob-
jeclos para baptisados, sendo lindas touquinhas
de setiro mui bem eoitiadee, e esds ama em
sua caixinha, aapatiohos de seliro brancb, e de
cores ricamente bordados, e meis de seda, o
melhor e mais bonito posiivel. Agora, pois, os
pas que nao quirerem esperar pela geoerosida-
de das senhoras comadres, dirigirero-se logo
munidos de dinheiro i loja d'cguia branca, ra
do Queimado n. 10. onde bem pudero comprar
eses galantea objertos.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior palo dimi-
nuto preco de *2 o covsdo, panno preto maito fi-
no a 3, 4, 5, 6. 7 e 98 o covado, casemira preti
T.u-to fina a 2$, 25^,00, 3, 39500 a 49 o covado,
mantas pretas de blonda muito superiores a 129,
manteletes de superiores grosdenaples prelos ri-
camente bordados a 359, sobrecaaacas de paDCc
preto muito fino s 309, casacas tambera de panos.
;-r-ei mullo tino a 309. paletois de patino prete
Uno a 18 e 209, ditos de casemira do ccr mes-
ciada a 189, superiores gravalinhae ealrcitts 1
19, dilaa de setim rosco a de gorgurao muito *
periorea p.sra dua* voltea a 29, ditea eatreitinhai
com uaos aliinele* a 29, superior gorgaro pre-
to para colimes a 49 o corte, ricos enfeites pretor
a C, e atoiin ijvs minias zeodss que seodo 1
inheiro viia, veitero-ae por pregue maito ba-
ratos : na ra do Queimado n. 2, oa bemcooha*
cidt loja da boa fS.
liras e entre mcios.
Veode-se liras bor iadaa tapadas a transparen-
tes, assim ('.in.ii entre meios muito delicados :
na ra da lmperatrie n. 60, loja e armaxem do
Pavo.-
Lencos e luvas.
Veoe-se lengos de cambra!* de linho com la-
byrictBo a 29500, ditos de imitagode labyrintho
a 19, luvas de sedas de todas ss cores a 500 ris,
erifeitdp prelos de vidrilho para cabega a 1 la-
vas de rer01 preto abertas a 500 ris o par ; na
raa da Imperatriz o. 60, loja do Pavo de Gama
& Silva.
Carnhraias do l'avo.
Pegaa de rambrsia lina com 101/2 varas a 69 a
pega, ditas com 8 1/2 varaa a 49, diUa de 8 pegas
a 39, dita para forro, coro 8 1/2 varas a I96OO ;
na ra da lmperalriz n. 60, loja do Pavo, de
Gama & Silva.
1 Grosdenaples do Pavo.
Vende-se grosdenaples preto multo iocorpado
Perfumaras muito linas e
baratas.
Opiata Ingjeta a 19500 rs, dita francesa a 500
rs., 640, 19000. oleo da sociedade hygieniqae
verdadeiro a 19100 o frasco, oleo babosa de Pivet
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os deules a 19000, dita de Botot tarxbem
para os denles a tJOOO o fresco, pomida trnce-
la ero paos a 500 rs. e I90OO, 320 rs. sabonetea
maito tioo a 640 rs., 800 rs. e I9OOO cada um na
ra do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35.
A 200 rs ,so pavo.
Veode-se chita francezi escura de cor fixa a
doas tustts c covado : ua ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do pavo.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Vende-s pelmatoriasde vidro a I9600rs., ditas
com mangas proprias para rapases a 49500 rs.,
cada urna, escetradeiras de vidro a 49500 rs.
e 59OOO o par, na ra do Queimado loja de
miudeza da Boa fama, D. 35.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-se as mais modernas a finissimas Ua -
zinhas de quaorinhos e de flores solas epalmi-
nhes, desembarcadas do ultimo navio viudo do
Htvre.pelo barstissimo prtco de quinkentos ris
o covado, e do-se os amostras com penhor : ha
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Pota da gussia
Vende-se em casa de N. O Bieher &
C, successores, ra da Cruz n. 4.
Pechineha m\\ igual
Para vestidos de senhora e rriangas vendem-ia
las de qusdribhos e tambem de listras da s4a
pelo diminuto preg> le 400 rs. o covado, meterte
do prego porque se vendera m ovtra qaalqasr
parte : na ra do Crespo n. 21.
Polassa da Hussia
e American-;.
No escriptorio de Manoel Igoacio dr Olinra 4
Filho, largo do Corpo Sanio o. 19, por prega
mais barato do que em outra qualqaer parte.
Vende-ae muito boa letria, eisa que tea*
quaai urna arroba a 4JO0O ria: oa raa da Im-
peratriz loja o. 6.
asera^o f*>e? ..
tata fagido desde 1! do correte scez deje-
lho, o esersvo pardo, Ricardo, buleeiro e carro-
curo, tem conhecldo nrste prsga a .-tus arre-
baldes ; representa ler i5 snnos de iCae. bai-
lo e migro, tem cabellos carepmbos isspado aaa
pouco temi ca radvia, onda eateve itr caua
de estar fgido, tem pouia barba e Ma Ce Oettea
oa frente, rosto coroirido e olhos redondos ; leto
sido eocoolrado ns Capunga, e Olieda anJs va-
diando e jegando com msia de 21'9 qur leve*
quem o apprehender e levar a casa de ai titubar
na Passagam da Magdalena qae ser generosa-
mente recompensado.
Antonio Vslentim ds Silva Barroca.
Cabaias hespanhoia, na
loja do pavo, a 400 rs.
fugio de caaa ou abano essigoedo o sea re-
cravo Eufrasio, ireto, idade 35 MHM, satura
baila, e taro por signal um piqaeaa lobinho ci-
ma da sotrancelha, tero sido visto nests cidaata
pela ra ireila, aterro dua Affogados, pcvocga
dette nome, e pela Soletada: qae os o ap^rehea-
der leve-o a rus da Impertira o. 42, que aera
b> w recompensado.
Manoel Alves Guerra.
fugo no da 1* o crrenla mez ti> rnge-
nho Piivilegio da fregaeiia de Agua Preta. o
eteravo criou'.o de nome Vicente, err os sig-
r ts srguiritts :bem preto, roatoccrr | iJo. nre-
Ihas pequenrs, pernas linas ps paqu.ors : ro-
ga-so ais capilea de o mi o a eprh*n*sa co
i referido csrravo qua ;e grciiocti genen-amec-
Vende-se este nova fazenda de padreadelica-
dissimoa com 4 1,2 palmos de largura, propria |
para vestidos de senhora a 400 rs. o covado : na
j le, podeodo ser entrego no referido engenho ca
1 na rus do Imperador n. "
83
na fente, chaj de nalha velho : qaem o ce-
gar leve o ra de Saota Thereza en: Oiinda,
segundo sobrado, que aera gratificado com geoe-
roaidaie.
a 19600*) covsdo : na ra
loja depma Si Silva.

da Imperatriz o.. 60,
Palctots do Pavo.
Veode-se palitols da panno preto fito a 69,
ditos de faory de cores s 69. caigas de casemira
preta a 49500: tona raa da Imperatriz o. 60, de
Gama Sr Silva.
Panninhos do Pavao.
Vendvse pegas de psnninho flnissimo com 10
vsrss af 6S : na ra da Imperatriz o. 60, loja de
Gama & Silva.
Carnauba.
Vende-se cera de caresuba de superior quali-
dade : na roa da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cambalas lisas.
Vendem-se pegas de cambraias lisas muito ti-
na!, com 8 a roela varia cada pega a 39: oa rtu
d Imperatriz n. 60. loja a armazem do Pavo.
Chitas escuras.
Vende-se chite frsoceza escara fszeods muito
encorpada a 240 ra. o covado: oa ra da Impe-
ratriz n. 60, loja e armazem do Pvo.
La a 400 rs. o covado.
Vendem-se Goissimas laziohas com os dese-
nos roais o odernoa que tem vindo a este mer-
cado, pelo baralisaimo prego de 400 rs. o covado,
por haver grande porgiio : oa ra da Ixperalriz
n. 60. leja do Pavo.
Sintos a LStiOU.
Vendem-se maderoiisftmoa sintos de lita com
Qvellas esmaltadas, pelo baralissimo prego de
I $600 : na tu a da lmpera\ix n. CO, loja do
Pero. A
Pugio 00 Olio la uo mez piozmo pssssdo
um esersvo de nome I), mingos, de cacao, coas
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazm do pa- i Gises sfguinies : boa altara, secco do corpo,
vo de Gama & Silva. | olhoa vesgos, falla muito submisaa, principal-
^^--------- I mente quvudo est bebado, o que ie costme ;
C. 1 sl"\a" I Ti, O la levou camisa de algodo listrado de azul ebrrta
o pota o bel.
Vendem-se estes dons ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadeia
do Recife n. 12, mais barato
do que era outra qualquer
parte.
Aviso.
Vendem-se tachas de ferro cumio do autor
maia acreditado : na ra do B-um, aimazem de
assucar de Jos da Silva Loyo & C.
Admiracao
Na ra do Amorim n. 43
No dia quirta-eira 23 do correle msz fugo a
mulato de nome Francisco, com idade de 51 a 22
annos, pouco mais ou n.tnos, com os igr:aes se-
guintes: grosso do corpo, altura regulr, nariz
afilado ecom pouca barba, e oa olhos vermelboa
e empapucados, levando vestido cami*a t.- ri-
Cdioho lie quadros siul e caiga de tlgoloTii-M
azul com dous remetidos nos joelhos, chapeo da
maiaa baizo j usado: pe-.e-se rs am ridadi s
policiaes que oapprehendam e levem-no ao sier-
ro ds Boa-Visla sobrado n. 4, 2* and*r, qua s;:
gratificado.
2008 k graticacdo
veodem-se saccas com cinco arrobas de arroz pi-
lado da India, pelo barato prtgo de 39, a ellas j cabellos caiapinhos e ruiv'os, este pardo
antes que seacabem.
Para neivas.
Bolioasde setiro branco, chegadas de novo, as-
sim como perfumaras das mais finas que tem
vinio : na loja'do vapor roa Nova n. 7.
Vende-se unta escrava
Vende se urna mulata de 16 annos, poaco mais
ou menos, bonita figura, sem deleito algum, e
tem muito bons principios de cozer, eogoromar
e coziDher : trata-se na ra do Queimado n. 46,
loja.
a qaem pegar o pirdo Frac-cisco, de 17 t c t. a
de idade, de boniU figura, com todos na deoles,
fui C
Sr. Dr. Borgesda Funseca, o qual viajoa eom a
mesmo aennor lodo o seno e suburbii s desta
provincia, necesaaUmente qusodo era ara es-
trave, a lalvez anda se inculqce a servige do
mesmo: quen o pegar qaeira eoirega lo a sea
legitimo dono na raa do Ilospiro o. 6.
Ignacio I.uiz de II- iu* Tabordc.
Goninia! goronia! gouma!
a 2,200 a arroba.
Vende-ae do armazem de Parete Viaooa &
C. ra di Cadeia n. 57.
Vende-se urna bnoila mulattbba de idade"
annos ; oa ra d< Cadeia do Recife n. 47.
Superior vioho do Hollares
Esta excellenle pinga que tem sido apreciada
por todoa vende-ie em barra de quiolo: nt ar-
maxem da ra do Vignio o. 7.
Gratificaco SOS
0 abiixo rss!gnado declara pelo presente so-
nuocio que ero data de 18 do mez de jolho ccr-
ren'e, ausentou-se de aeu pod^r o seu esersvo
de nome Francisco, que de ordinario coBiteci-
do por Francisco Pacheco, coro os sigsaes seguin-
tes: altura regalar, corpo leforgado, rosto re-
dondo, clhos acBElaiihedos, orriz chati, oralh-a
pequeas, sem barba, bocea pequea, cabellos ca-
rapinhos ; levando em ai camisa tranca de al-
godozinho e caiga de panno azul de algalio, j|
alguma causa trapilha, cuo eteravo ratusl da
Goisnoa, e julga-se ou (resame-se que ella re-
fugiou-s dentro desta mesma eldsda, oa em al-
gum dos arrabaldea da meso-a, ou ecto aegairia
seu destino para Guianua, inlilulendo-ee por for-
ro ou liberte, aeguindo lalvez para all por ter a
ou em algama bticaga ; oolaodo-ae qae esse et-
eravo sssis ladino : porlaoto recommeads-sa
a lodas autridsdes policiaes, caplles tfe caaapo
e ao registro do potto, que a lerere conhecneo'o
do dito escravn de o capturar e leta-lo a traja
da Boa- Vista n. '11. ou enl-.> em aeu sitio ao Caat-
po-Verde, que esebcrio a gralificsg* aapart,
em perla de lempo.
Joqaim Ifoide Bibelr ImIw.




8
DIARIO M PE13NAMBUCO SEGfJflDA FEMU 28 DB ."JLHO DK 1861.
Litteratura
J'jlguei nao ler enlen-
0 Yampiro do Vale da Graca.
(Connuago.)
Oh I mirto Ah pe bom lempo era este-
d4 pira. Born lempo I
Julguei dever rospeilar o locgo silencio que
clip guardou depois desla ullima expresso de la alegra
pezar. Mr. Kanali rorapea-o bruscamente por'
urna pergunta ijua causou-me o elTeito de um
tiro dado no ouvido no momento em que ueuos
o esperamos.
Poderia dizer-me, senhor Morel, o lugar
em que sa reunea os coveros depiis do seu
trabatlio ?
Fiquei inleriicla.
Oidosoa pergunt.
Tornou-a a fazer.
l'orgunto-lhe se conhoce em Paria o lugar em
que so reunem os coveiroi para comeram f
Desta vez, >>. tinha corapreheoddo ; porm
tomando a pergunls como um verdadeiro grace-
j J, s respond por eaias pilavras dilatorias :
Dir-lhe-hei mais tarde.
F. comecei a descer a escada.
Mr. Kaoali chamou-me e disse-me :
ihe que filio Iho serio, muito aerlo.
Que diabo de hornera dase comigq, para
Ta querelle saber oode se reunem os coveros?
Q ie significara esta monstruosa curiosidado, e
ei'.tavaganie fanlazia ?
Por ventura o senhor qnerer empregi-los
pir su* coala ? perguntei eu a Mr. Kinali.
Talvez, seubor Morel, talvez, porm como
o enlendo ?
Nio h duas maoeiras de entenie-lo.
Acredita, senhor Morel ?
Da minba parta nao couhego mais que
urna ; quanlo os ei pregan, para se fezer....
Cale-se, Sr. Hotel, cale-sel Nio obscure-
cimos o preseole; elle j bastante sombtio.
Kanali cantarolando
Quanlo a mini, oisso Mr
um pstribilho do Beraneer:
Eu estou vivo, bem nro, muito vivo.
Diga-tne, onde encouirarei estes tenhoret,
tenho a maior necessidade e o maior desejo de
Te-ios.
Eu sabia parfeitamente onde se reuoiam esl^s
ttnhoret, como acabava de chama-Ios o Dr. Ka-
nali ; porem dista vez siola, suppnnlo sempre
que elle quera, apezar de seus prol-sios em con
amor, que ateen eom o mundo, a qoe s aca-
bar co.ti elle. Percorreram asta hvro divino
por um caminho eatranho e difllcil, afl-n, dir se-
na. de que lhes parecesse mais amargo e mais
saboroso, o mesmo lempo, e para que cada
passagem chegasse mais memoravelmeole ao co-
raco depoii de ler assim atravessado por entre
os perigos. Este perigo para elles pra a mora
sob todas as formas, pois que habitavara o seu
dominio. Klies nao tinham como os jovens pa-
tricios e as graciosas Italianas de Bocage, a egois-
do dizerem. Morrena todos ao redor
da n, porem nos, felizss previNgiados da vida,
allronlamos o perigo por detras de mullas mar-
geos inl'ransitaveis, por detrs de duas ou tres
florestas bem espeasas ; no raeio de um circulo
de'flores, de passaros, anl, ros, sombras, per-
fumes salubres, e emanag'S vivificantes. > nao,
elles nao tinham o direito de dizer isto.
Marths e Cesar amavam-se cora o abanlono
dis ultimas boras, porque es Ja urna dallas horas,
poderia ser, para elles a ultima.
Que cada um ju'gua so a expresso aqu eia-
gerada. Collocira se no gabinete do doulor Ka-
nali, urna especie de calculador que nnnunciava,
por uti timbre de peudola, cada raotta que tiohi
lugar as sallas: ora durante quasi dout roezes,
le cinco em cioco minutos, esla pndula fatal,
dava urna panca la.
O calculo nao difllcil de 03tabelecer-se; per-
to da trezentas viles desappareciam toJos os das
no Val'' di Graga.
Mr. Kanaly, que nao deixra de ootar a afTeigao
le Cesar por sua lilha, o a terna inclioago de
Martha por elle, nao puohs obstarulo algum a es
la mutua lyrapalhia dos dous jovens. Pelo con-
trario, elle procurava o mais qua poda occasiao
de torear aua casi ajradsvel ao joven medico.
Tiuha para elle itlriigei misturadas da grande
eordislidade, da mais talvez para o poico lempo
jue se conheciam, bem que a natureza expansiva
do doutor explitassa a mullos repeitos esies ex
cenas de intimidado.
O aogro appirecia j debaixo da vista do amigo
de alguns dias.
Mamada Kanali fa/ia muito menos para altrair
e reler Cesar, s*m no entretanto mo'trar oppo-
sigo ao bom modo cem que seu maiido o treta-
va. Interiormente so fil gis com a maueira pela
qual ella recebia ao mancebo
Por exemplo, era-lha impossivel reprimir o
soITrimenlo e a apprehenso que ella expatimeo-
tava, qusodo elle chegsva e entrava na sala, ira-
pressao penosa que multas chegiva at o terror,
que chegva mesmo al o poni de obriga-la a
trino, rire divertir se a minha custi, illuli de j rctirar-se duraota alguns minutos. Porm era ra-
uovo sua pergunla, que cou sem resposla pre-
c:=<.
\ eris mais tarde que elle nao grscejavs.
D'tejava ra.iio saDer, coufesso Cira vergonha
ruii hi curioiidid'1, por quo razao a familia Ka-
nali, trocara a pomposa moralii do Vale da Gra-
?a, um verdadoiro palacio, pela do nosso hospi-
tal, resiiencia bem meocre em compara^ao a
wulra, lia no Vale da Grar;s salas proprias para
principes, uaj ser^o de casa real, um jardid)
immenso onde ie passeia por baixo de bellos ca
ra lanchis imitando os de Sao C'oud, encanta-
dores puntos de vista para qualquer lado que se
lare a vista. Oque oceultavs poisesta troca sem
razio plausirelT E notae, que para estuiar a
epidemia, o Dr. Kanali eslava mais bem colloca-
dii no Vale da Grr;a oode havism sempre mais
de dous mil doenles, do que no nosso ho;p:ial.
ro tambem, que ella nao procurasso, affl'Cta por
se conduzir assim, occssiao de fazer esjuecsr
ao excellente mancebo urna recepgo tao pouco
benevolente.
Infelizmente isto conliauava sempre a succe-
der. Tolos os dias. a mesiia terrivel recepgio,
as mes-ias vollasailaveise cordiae, Daver-se-hia
roncluir disto que Osar lembrasse a madama
Kanali slgucra que ella abjrrecia, temia, e que
Iha era intoiramenta impossivel reprimir o hor-
ror que Iho cau;ava esta semelhanga. E' o qse
nos diro, seai duvida. os aconteciuientos.
CAPITULO III
Afora estas contra riciales, as quaei elle aca-
bara por nao prestar atteoqao Casanova era o
amante mais f-liz do mundo.
A epidemia que reduza o feliz interno a sahir
mu raramente durante o da, e nunca durante s
onde estavamos lone de chegar a este importan- noule, tomava-lhe a prisao bem agradsvel e que
te nuttero.
E' provavel que eu nunca tivesse conhecido a !
causa que o fuea preferir urna residencia a ou- |
Ira seai o acaso da ci:cumslancia que vou refe-
rir.
Uai medico do Vale da Graca qua estava no
servico medical do nosso hospital, veiu um dis'
visita-lo. Foi urna excellente occasiao psra roim '
da contentar minha curiosidade. Eate mlico '
chim.irj-se Mr. Saiosoo.
Intorroguei o, e meu desejo foi atisfeito alem '
do que eu esperava. Mr. Sainson disse-me em I
voz baixa que havja amor e magia no motivo que !
obrigara o Dr. Kanali a deixar repentinamente j
em uma bella manhaa o Vale da Graga.
Amor e magia.! era mais do que o perguntava :
un obscuro eufetmeiro como eu, pouco corrom-
pido pelas surprezas da vila, para preitar bas-!
i. i' -i .:!!;": i. Amor e magia l porem eu nunca
es Uvera em^emelhante fesis.
Mr. Kauali, disae-me o Dr. Sainson, Mr. Ka-
mli, cojo carcter dove ser-lhe agora conhecido,
euidou, na sus chegada ao Vale da Graga, que
oi precedida das melhores recommenda^oes das
grandes asaocisQes medicas da Vieona, em se
fazer bem recebilo de todos os empreados da
casa. Ella rico; de.u muitos presentes, e tor-
nou-se cada vez mais atleocioso. Como a sala'
em que elle assistia permiliisso lhe receber al-
guroas pessoas, deu ja rila res duas vezes por se-I
mana a seus amigos de (ora, corapoitosera gran
da parle de doulores eslrangeiros vindos como gama.
rida.
Para elle ella nao teria silo lomele o Vale da
Grar;s, teria sido tambem o Vale da feiicilaie,
a nao ser o defeiio, em que j lhe fallei, varda-
dadeira impetfeico, a real desgrana para um
mancebo como elle desuado a prosso de me-
dito. Eis qual era esta deteito.
Cesar tinha um me lo espantoso de ser accom-
metto pelo terrirel flagello que ento reinara,
flagello do qual elle eslava encarregaJo da curar
os outros, medo sem limites, sera fundamento, a
indiscriptivel ; o medo toruava-o pillido, desvai-
rado e assuslado. Eslava constantemente trmulo,
banhalo de uia suor fri, e em elirio.
Som-Mite o nome da e.ii !->m:;i, desta epidemia
qua enchia enlo as salas que eslavam sob a sua
vigilancia, paralysava-o dos ps at a cabega. A
iodo u tostante elle juigiva-se atacado do mil,
[rido morlalmente, perillo.
Este joveo que se batiera com a eoergia de um
velho soldado durante o mez da junho do anno
precedente, tas Qleiras da valenie guarda mouil,
sobre a prac do Pantheon, tromia como ama fo-
Iha quando lhe era necsaario approximar se do
leilo de un, doente. Sa ella liavia cado no Vale
da Gra;a quando a epidemia ah apparecera com
loda a violencia, que hora obrigado a subraet-
ter-se a esta dura ohrigac.o por um lio muitu ri-
co de que elle depend''.
Este tio, amigo medico da armada, nao enten-
da que sen sobriLho Uvesse medo, de couia al-
ella de Pars era misso epidmica, aos quses se I
juntaran os priocipaes internos da casa. Estas'
renoiSea offareciam anda maior encanto por que
O receio do contagio romper por fra todos os
Jacos dasiotimidades estabelecida.
' seu eifeiio ordinario.
Apezar disto, e linda que Cesar devesse ser o
seu herdeiro, deixaria certamente seu servigo de
interno no Vale da GrQi, se nao tivesse feilo co-
[ihpcimento com mademoisella Marlhi Kanali.
Quando esle amor, o primeiro, penetrou na al-
ma de Cesar, se nao expeiliu dclla o medo, loca-
Poge-se, isola-se, o hornera com medo do ho- : tsrio tenaz, pattilhou ptlo menos o lugar qua el-
Diem. Sa roslam alguns lugares de agradavel ; le occupiva.
reunio, ento aquelles que tein
a felicidade de
aerem admiltidos nestas reun'.Ses, aproiimam-
ae, ligara-se, toroam-se eguaes, fazem-sa me-
lhores, e poe como em jogo oesla partida, que
sempre julgam (ser a ultima, ludo o que lem de
preiioso no corago e no espirito.
Ks porque se tomem De3las horas perigosas
amizades indestruciiveis te ellas lobrevivem, e
se conlralam alliangas d'almas mais vivas amia
que a smizade.
Nao ha lempo em que se vejam mais casa-
mento;, lem-se observado isto, do que as po-
cas que saccedem as grandes calamidades deste
geneo.
Entre os convidados para as reunioes do Dr.
FaDrlclus Kanali, notava-se um joven interno
que entrara ha dous anuos no Vale da Graca,
mancebo intelligenle, muilo bello, de estatura
a Apollo, e como o Apollo da fbula, cultivava
s arles com luperiorilade, era bom piutor,
bom msico, e bom cantor. Chamavam-lbe Ce-
sar Casanova. Seria perfeilo se nao tivesse um
defeito, qua nao lardsrei em dizer-ih'o, um bem
grande deleito para sua posigo. Mademoisvlla
Marina deslioguira-o entre todos os externos, in-
ternos, doulores francezes e eslrangeiros que
erara a 1 mi Huios nao reunioes da leu pae, e fal-
lando francamente esta paixo nada tinha em si
de extraordinaria, era tao pouco de criminosa.
Ella tinha dezoitoaonos, elle vinte e oilo. Aerea-
cente a isio a attragao que exercem um para com
outro dous jovens da sua edade, o privilegio
de se poderem reunir durante este triste anno
de 18i9. Por tanto elles se amiram com toda a
affeigao quepessot alguma possuia oeste momen-
to. Ella Ihes foi por aisim dizer legada por to-
dos, para ser partilhada entre elles dous lmen-
te. Hecomegaram eutao e*te bello poema do
Ilouve mesmo alguns instantes em que pareca
escapara verli^em Oeste extraordinario medo. E
Deus sabe todava se a criie epidmica diminua.
Elle esperava a noule com tanta impaciencia pa-
ra ir tasa do Dr. Kaaeii, que passava o dia me-
os allictu. Logo que anouiecia, dirigia-se para
l, e junto da joveu e t> -;a Marlha e^uacia seus
terrores. Ahi jogavam, locavsm, conversavam
sobre sciencias, viagens. htteraturt, nam-se, di-
vertiam-se muito tinalmeula nos sales do pie
deMirlhi. Somente ludas as noutes, em certa
hora, os risos, as alegres conversarles e a msi-
ca, ceisavam do repenle. Erara as carrogas que
eotravim.
A ntertup^o tinha lugar regularmente as on-
i ze horas.
O stnhor bem sabe, cootiouou Mr. Sainson,
'< que 6 a esta hora bstanle adiantada da noute que
1 estas carrosas principiam o seu trabalho. Mr.
1 Sainsoo serviu-se do termo proprio com que se
! designara estas especies de carruagens do Iram-
| pone. Porlanto aervir-me-hei do mesmo termo,
quero dizer da palavra tapeoirs.
Eis qual era a funecao dai lapeceiras: deviam
receber em lodos os hospitaes de Paris um certo
numero de victimas que moniam durante o dia
da epidemia.
Quando is tapeceiras levavam seus fardos; os
convidados que n?s estavara de servigo continua-
vamsaas disiracges, por um instante interrom-
pidas, e iicavam depois a tomatera, ponche, cha,
a jugirera o ecarte e o bostn.
Era ento que o Dr. Kanali divpttia a todoi
com o sou enthusiasmo e alegtia. Elle construir
um theairinho de marionnetas, do qual era ao
mesmo lempo o director e a compaohia. Sobre
as ponas de seus dedoi, cuja flexibilidade e de-
licadeza o senhor j deve ter notado, collocava
bonicas, e as fazia -fallar janella de sau thes-
ttinho cora toda a cmica loquacidada e chocar-
ricedos Italiaooiqae elle Uvera occasiao da ei-
tudar na Italia.
Todo o assumpto para elle era bom : davam-
Ihe otn, e elle improvitava aceas muitas vezes
excellentes, imitan lo com a voz e com os gestoi
o actores e as actrizes ridiculas queouvirs. Mais
para diante, nao me admirei tanto destas excen-
tricidades, quando soube, ladoae-vem a s>ber,
que Kanali fra em outro lempo comediante sob
o nome de Belleville. Fizara parte de urna com-
paohia de actores fraocezei, na Italia.
Como exclamei eu I o Dr. Kanali foi.... A
admirago aeccou-me o Qm da phrase na gar-
ganta.
Foi actor cmico em urna companhia am-
bulante ; porm, proieguiu o Dr. Sainson, nao
me deterei sobra esta parlleutaridade, porquoie-
riho pressa de chegar ao que lera duvida o se-
nhor mais deseja saber, quero dizer como pelo
fado do amore da magia elle foi oorigsdo a sa-
hir da Vale da Graga e vir installar-se aqu.
Saiba, pois, como islo luccedeu, e para ialo
uca a historia da pequea Coloraba.
A pequea Coloraba Vale da Graca trazia todas
as manhaas ao hospital, as quatro horas pelo ve-
rn, a as cinco pelo invern, petiohos de leile
que os interno esperavam com grande impa-
ciencia de interno que tem fome, dizer tudo.
Depois quo tinham lugar as reunio-s do Dr.
Kanali, a joveo Colomba nao deixava de ser le-
vada ao meio do sali, com seu pequeo cesto
sobra o hombro, onde era ama verdadeira alegra
alivia-la do aeu fardo.
Emquanio conversavam, devoravam estes deli-
ciosos peziohos anda perfumados da saborosa
quentura do forno.
Colomba Vale da Graga era urna joven extre-
mamente nolavel por sua balleza, elegancia de
seu talhe delgado, semelhante a esbeltas caria-
lides de Joo Gouyon, ele Grego de Paris. Era
urna benjo de gragas e perfeices espalbadas so-
bre ella.
E' preciso elevar-se at a l'ornari'.e da Ra-
phael para achar cousa tao eocaniadora, lio de-
licada, tao suavemente bella como Colomba. Ella
teria merecido que um outro Raphael uzease de
sua fizura ama nutra Fornarioa. \
O duplo milagre a'art9 e da belleza teria sido
completo. Este segundo Raphael, nao se apre-
sentou.
Colomba devia seu lindo noma ao acaso do seu
nasciraento, qua nao fra aoaunciado no mundo
sob os teclos doiradoi do Loavre, nem sob as cor-
tinas de seda de Versailles.
Una noute de invern, uns trabalhadoresque
passavam trantidos da fri pelo arrabalde de S.
Jacqaes, notavam atocoraias ao p da grade do
Vale da Graca, urna mulher qe torcia-se, gemia
e soffria bastante. Ioforraaram-se da causa de
suis queixai, e algans rainoioi depois estes ho-
mens loesram rudemente a campaiuha, Irazendo
em seus bragos esla joven para urna das sallas
trrea?.
Era lempo ; no mesmo instante vinha ao mun-
do urna linda menina, urna Infeliz destinada, a
nao ser o soccorro que tivera sua ma, a morrer
de fri aobre as geladas calgadas da ra.
Cuidou-se da menina. assim como de ;.ui n e.
Porm esta admirou a tolos, quando, tres dias
depois, deixot occullamenle o leilo, e deiappa-
receu, deixando a menina entregue a quem a
aceitasse.
O senhor bem deve suppor que a menina foi
aceita.
Qjaoto a fugitiva s se octuparam dola para
adtnirarem urna tal determinago : nioguem pen-
sou em procurar urna mulher que cuidava lo
pouco na lha.
Alguns dias depois, baptisou se a menina, a
urpha da grade, cora o nome de Coloraba Vale
da Graga, porque sua me dissera, quando se
lhe pedir algumas inforraagoes, ser marcadora
de hervas para os plisaros. Di nutrigao dos pli-
saros saltou-ae pelo faci natural da analoga ao
nome de ura pasiaro, e eicoiheu-ie o Ue^jJ jiora-
ba para dar-so a menina.
Nada mais simples depois do qua a
a este nome o de Vale da Graga, que d
logo ura nomo de familia, e qie familia l
Graga I
Eis Colomba baptizada, crescc-nlo e
no hospital corro so vivesso em cu
pae.
Corra pelos prados, rouparia, capea.., corre-
dores, sallas e jardios; a principio pareiii urna
lagarta verde que se arrastra pelo sol ; 'que nao
lem torga anda para andar ; depoii, urna herb-
lala que se vi correr, apparecer e deii parecer
no mesmo instante.
Esta menina de ninguem lornoa-a
annos, a menioa de lo loa, a menint
Os enfermeiros lhe eDiiuaram a ler, 01
a escrever, e os externos a dansar. E
nao tinha sempre um carcter sagrad
mais pura correcgo, porm Colomba tornava-se
to graciosa daniando como nos bailes pblicos
das barreiras.
Causava verdadeira alegra ver as poiig^es de-
liberadas desta fadaxioha de cinco annos. Colom-
ba era adorada.
Sua feliciJada crescia cora ella : uns lhe da-
vam as boas testas, oulros um lengo tr de roa,
ura lindo vesiilo de tarlataoi, briocos dio coral,
ou um colleirinho bordado.
Quando ella fez sea primeira communho na
egreja de Saint-Etienne do Monte, o cural ex'giu
com muilo rnidado que ella tomaue urna proas-
sao fra do Vale da Graga, ou que tivesse um era-
prego no interior da casa, ptefenodo muito a pro-
fisso, ao eaiprego.
Seguiu se este ultimo vol ; Coloraba entrou
em casa de um honrado padeiro do arrabalde de
S Jacques, na qualidada de portadora 'de pao.
proQsso muilo vulgar sem duvid, p6rm fui
ella mesraa quam a escolheu entre muitaaoulras,
que cooviriam melhor a seus protectores.
Ella gostava de aodar, subir e descer, ir de
urna casa para outra, levantar-sa cedo, e trazer
um cesto de pi tobre o hombros.
o que por' cooiequencia deixaria bem depreaa
da ser portadora dos paezinbosde leile.
Fallou-aa muito deste casamento no arrabalde
de Ssiot-Jacqaes e na roa des Bourgaiyaoos.
Pallou-se delle al nos Gobelim. Cada qual fa-
zia votos mais sinceros a generosos em favor da
sedacin e sempre prudente portadora de pes,
que chegra aos seus dezessiis annos.
Diise que todos fzeram volea por sua felicida-
de, disse M. Sainson, lo los excepto todava Cesar
Caianova, e o motivo desta excepgo, era porque
Caiar experimentara o principio deumgranie
amor por Colomba, que ella conhecia eaprecia-
va ha .tres annos, que eslava como interno no
Vale da Graga.
Porm nao se declarou, hesitou, nao ousou
unir-se pelo casamento a urna joven de nasci-
meoto lo obscuro e dovidoso ; esperou, deixou
paisar a occasiao, e acontaceu por limo que lem-
pre acootece, falUu a occasiao a quem a deixou
escapar.
Nao impossivel que Colomb com facilidade
se tornaste sua mulher ; asieguraram-me que
ella nio era indiferente s ternas aisiduidadea
do interno.
Porm, tudoiito conservou-ie vago o indeciso
de parle parta.
Teodo mudado as coasas, Golomba Vale da
Graga fez outra escolha. Seu casamento cami-
nhou muito di pressa. Porm et o ultimo mo-
meoto, fiel casi qae fra para ella lo boa me,
quiz trazer aos seus protectores pezinbos da lei-
le pela manhaa.
Vejamo la, pois, entrar pela ultima vez no Va-
le da Graga, cujo nome preparava-se a deixar
com immensa tristeza, e vir ahi com seu cesto
carregadocomo decoilume, para fazer sua visita
malioal aos convidados do Dr. Kanali.
J Iho fallei na maneira cordeal com que era
recebida ali ; julgue eom qua ligases de amizs -
de n-isiurados de pozares, ella foi recebida desta
vez, quando diise ao Dr. Kaoali, o a todos os
seus amigos que era esle o ultimo dia em que lhe
trazia pes.
Rodeiaram-ni, abragaram na, como quando
se dizem 01 ltimos adrases. Madama Kanali
foi buscar ao sea cofre de joiai um adereco d9
granadas comprado por ella em Carlsbad, onde
se trabalha nestas pedral com extraordinaria ha-
bililade, e o deu a C lloraba.
Mademoisalla Matiha querendo imitar a gene-
rosidade de aua ms, tirou dos bragos duai pul-
seiras de ouro que terminavam por dous bellos
lopasios, e offeteceu-os a interessante noivj.
A pobre menina cao respirava mais : trema,
chorava de felicidade o timidez, de alegia econ-
fuzao ; a commogao muito forte venceu-a ; foi
obrigada s assenlar-se sobre o diven. Esle re-
poaso de alguns ioitautes nao apazigou-lhe a
perturbacao ; viram-na empallidecer, queixar-se
de uraa lorie oppresso no estomago, e olhar ao
redor de ai com espanio. Sobreveiu lhe o solugo,
um solugo forte, dolorozo, iocessinte. O que se-
rii pois, meu Deus? I O circulo de leus olhos
torna se lvido, um grande frioapoiera se della ;
e logo leus denles comegam a balar uns nos ou-
tros. Putera o que ser?.. E'o cholera, disse
muito baixo a seus companheiros o Dr. Derro-
che! apolerando-ee da mo de Colomba, afim da
melhor assegurar-se seno le enganava.
I.' isto mesmo, repela elle, ella est perdida.
-s mesmo a outras rengas mais auda-
irts se posiivel.
CAPITULO IV.
Se Salomo Kanali, o celebre profeisor do
Gymnasio de Presbourg, nao deu vida a pessoa
alguma, certo que procaranlo dia e oouta os
meios da operar o phenomeno da ressurreigo,
chegou a resultados proligiosos, eiobretulo pro-
digiosamente ircprevliiei.
Por tanto, submettendo-ie um ser que nao
exista mais a orna combioaco de meios chimicos
cujas propriedades elle fxp'erimeoiava pela pri-
meira vez encontr o segredo de Ruysck, o fa-
moso analhomisla hollandez.
O segredo de Ruysck, consists em dar a urna
pesaoa, tornada inicuamente inaticavel pela de-
sorginissgo, a adade que sa quetia que elle ti-
vesse, cora tanto que dutanta a vida tivesse a el-
attiogido. Ruysck dava-lhe ou a frescura da
tras de um carcter nais peno.I aiada.
sa procer
mocidale, ou a nobre graviladi da edaie madu-
ra ou a serenidad da velhice. Que vantagem I
que superioridade nao tinha esle proeesso sobre
lodos os processos conhecidos e praiicadosdepoli
peloi Egypcioi I
Somente Salomo Kanali, encontrara o legrado
de Rayack, quetendo roubar o do Deus.
a Saba-ie que Ruysck. diz odicciunatio daa
sciencias medicas, possuia apios de conservar
em nossos tecidoe, depois da vila a molleza e a
maior parte das proptiedades que lo o seu apa-
oago. Quando o analhomista hollandez vende
o seu gabinete ao Czar Pedro I. dea-lhe ao mei-
mo lempo um manuscripto, no qual (azia conhe-
cer a compoaigo do licor conservador de que el-
le servia, e declarava expressamente, neste ma-
nuscripto, que esle licor nao era outra cousa se-
no o espirito do vioho, o espirito da borra da
cevada, aos quaes se ajunlava somente, na des-
tillago, urna poreio de pimenta branca. Porm
parece que Ruysik nao dera a verdadeira compo-
sigo de seu licor. Depois delle, julgnu se ter
arhado seu meio de conservago. leolTroiy, ero
1/31, foi cncarregado de fazer experiencias, po-
rm os resultados nao correspouderam as espe-
ranc.il concebidas. >
O acaao esla grande inventor que nao natu-
ral de Molan la e sim de iota a parle, entregou
o segredo de Ruysck a S'lora.lo Kanali e este ti-
rou delle um partido raaravilhoiamente f^cunlo
para sus fama e fortuna, bem que lailimaise do
fuado d'alma, nao poder consagrar todo seu lem-
po, e de ver loda a sua celebridade a obra to
ardentemente perseguida por elle a resiarrei-
gio.
Aquelles quo virara corpos embalsamados por
elle, dizem que exepto a alma, nada faltava a
estas bellas creacei de seu genio.
Os Egypclos, i!, ir, i o mais gabados profanivam
as partes mais sgralas lo horr.em o conco e o
cerebro para conservar as menos oobtes. i mo-
dernoi, sob pretexto de embalsatnaco, fazem do
hornera branco que se Ihes entrega una verdadei-
ro negro da costa d'Afnca.
ceotar
slituia
e da
'i
Ef.
4f.
;oru os
'orada.
temos
a dansa
nem a
Columba fui immeliitaraenie transportada pa-
ra urna das salai prximas; tinha j nal faces,
pescogo o sobre os bracos rgidos e frios como o
marmore, os sigues conhecidos da decoroposi-
go.
Quatro horas depois nao exista mais. O de-
mouio indio apertra-a entre seus bragos, e sul-
focara-a. Tudo estava acabado. Colomba eslava
moit*.
Voltando-se para Cesar Casanova e mostrando-
lhe o corpo geledo da pobre Coloraba o Dr. Ka-
oali disse-lhe ao ouvido:
n Fiaalmente, eii meu negocio I QuesigniQca-
vam, grande Deui I taes palavras em presenta de
um ta quadro e de lemelhanle dor l
Eis raeu n-gocio l
Dapois o doulor acrescentou :
Sao dez horas, esteja nestu mesmo lugar es-
ta noute s ouze horas. Teoho necessidade do se-
nhor pira uraa grande operago.
Em quanlo esperamos por esla grande opera-
go, amos dizer, ou antes o Dr. Sainson quem
vae dizer-nos anda quem era madama Kanaii,
porque ella representa oesla historia um papel
do qual lempo do nos oceuparmos pelo itneres-
se geral da narrago, e que toca singularmente
de pedo ao que quiz dizer M. Kanali ao admira-
do Cesar por estas palavras: urna grande opera-
gao.
Madama Kanali, era flha do famoso chiraico
Salomo Kanali, cujo uome conservara casndo-
se cum um horneo) da uru nome que eslava longo
do egualar ao seu. Esle Salomiu Kanali oasce-
ra em Dalmatia, e depois de ler fellO muitos es-
lulos em todas as sabias universidades de Italia
e Allemanha, obtivera da Austria a cadeira de
chimica e de historia natural no Gymnasio de
Presbourg.
Juntando a iraaginago sciencia, como a
maior parte dos Dalmacios, e nomeado professor
para um psiz muito ao alcance dascreogas escal-
ladas, dera em cheio alebimia, esle adrairavel
desvio dos grandes espirito!, fra meimo alera
dos limites da alchimia; porque nao procurara
fazer ouro, porm uraa cousa mais extraordina-
ria que esle precioso metal; proseguir passo a
pasto as cavernas da medilago, a calma dis
loogas noutes de leitura, em urna obra maior,
mais temeraria e formidavel de lodas.
Convencido como todos os impos, ainda que
ella nao fosse um impo, que os sanioi e os pto-
pheias shaviara (alto ressurreiges por meio de
processos scieaiicos descunhecidos do vulgo, e
cuidadosamente conservados na multido, elle
procurara roisucilsr 01 morios.
Acredilava mesmo o problema da ressurreicao
fra j resolvido na era moderna por alguns sa-
bios muilo prudeutes para dizerem cousa alguma
com receio de sereno queimados como feilicei-
ros.
A seus olhos esle milagre, pois que se chama-
Mediu-se o trabalho pelas suas forgas, e ella va a isto um milagre, por mais dillicil que foise,
A glorii de M. Knali, assim como a dos oo-
troi nao estava a abrigo das mordeduras da in-
vpja. Seus inimigo3 lhe objectavarr. qua seu meio
da conservago, bora talvez em certas conces
climatricas, nos tempos ordinarios, nao resisti-
ra ao veneno do cholera cuja invaso ameagava
enlo a Hungra.
Nunca elle conseguira neutralisar, diziam el-
les, os effeitos do flagello indiano, o mais rpido
de lodos os flagellos, o mais desoraoisador, o
mais hbil em destruir completamente, em alguns
minutos, a lace sublime que o homem recebau do
seu divino Creador. Em lodo verdadeiro rabio ha
um here ; quando este nao Plinio devorado
pelo Vesuvio, Pilastra du Rosier, cahiolo de
seu balo as oudas do Mancha ; Salomo Kanali
acceitou a provocago. S se esperava pela epi-
demia, ella nao se fez esperar muito lempo; a
crise da prova approximava-se rpidamente.
Por infelicidade, Salomo Kanali eatava, no
momento de responder ao desalo acceito, eslava
com um negocio deploravel enire mos.
Sibendo um dia por um alleio que atraveisa-
va os arrabal -lea que um viajante acabara de ser i i'r't'J^'"a
assassinado a alguma distancia da ciJade, a en-
trada de urna floresta chamada Ulrr.eaui), pen -
iva logo no seu segredo de dar vida a juelles que i
a nao tinham mais. Esta idea que nao o deixava
porque eslava seare ;
mesmo lugar, lugar onde o conde
sempre um de seas dedos como
apaga-la.
la pois caiar-se com aquella quo eitiea desati-
nada a ser um da madama kaoali, amihp, *
celebre chimitls, quanlo i noiva obs-rso'u pri-
meirimenta com curioaidade, depois eeaa ia
certa inquietago, liualmenle cora repinto, aajaj
leu novo s lhe ofTarecia sempre a mo n'
da, ou fulla no baile oa no pasaseio, e uto <
gou-a e perlutbou-a la;,lo man, quinto ella
va notado que o conde nao era candlo. A ai
aa, ou ao jogo, elle aervia-ae da aaao dire.la. ff
mais que a joven lizesie para po 1-rir-*
mo direils Ou conde, uuoc o consegua.
n.io fugii-lhe seaipte. Eu a seganda parlicatlf-
ridade.
Entretanto o lempo doa desposorios liths pes-
iado, e o da escolhiJo para a relebrago do ea-
aamento na egreja metrupolitaua de S. Ilarlieba
approxima>a-ae. El lo chegaJo com lodaa is *m
pompas, l.lumina-se S. Martisho, 01 orau) ta-
cara seas man btllos psalmos.
O acompsnhamento da noiva otros na 'reja.
Os jovens eipoioi eslo j debaixo do docel ;
qual nao a aJrairagau de lodos, quanlo ao e
mesmo do aliar nupcial, o esposo, ou *qe-il* q,
ia receber esla Ululo, era lagar da ni-u ler a
mo direila a joven esposa, apreserit>u-Ih' airada
a esquerda I Era multo I a noi-a nao se octave ;
fez um raovimento repentino sobie ai meare, a
apolerou se desla mo ireita qae seropre Iba
escapava. Horror I ella era dura e fris coao a
matmore.
Tomae sentido, menina, diise-lbe ama vi
de urna pessoa que ella nao va, tomae aenlida,
idei desposar um duende, urn mor>, lies d-e-
posaro vampiro Bem Strobold.
A noiva que deida eite momelo nao fui maia
noiva, deu uro guio de espanto qua se oa>ia a
todoi os lados da egreja, o desmaiou.
Traosjorlaram-na para casa. Aegr.j da S.
Matliulu con-i h r.in losa como msuenada peta
pruseuga do Vampiro, licou fechads Jurada fBa>
reula das, no Um dos quaes foi puncada peta
agua beula e ora^es do cosame.
Qianlo a Bara Strobold, com o aaxiiio da ia
deates pretextos que ie tem sempre depois ala
ura casamento de-manchado, fo provocad a
duelo por ura dos irmaos da uuia, e morrea Ca
um tol, e de espada. Porm Bao se lave a pra-
cau;'.i depois de sua rao:la de Iba enterrar unta
estaca no estomago, esquecimenlo qua sa psjzua
baa caro. O duenda vultou mullas vezas pira
entre os vivos e causou grandes desgranas
familias.
Vamos ter a prova desta assergao no que a:
leceu depois a lilha mesmo daquell* faja,
ama felicidade prov leucial lendo vitado C
se com o vampiro Bom Siroaboll, cssou coa a
doulor Salomo Kanali.
Viyendo s cora seu pae, Ta env,avara cd.
esta joven que a me de Marihs, loroou s* da
um carcter misturado du peuctragao a desvara,
profundiza e mysiicismo.
S:u pie, anda que o tiveise promettido, ejja-
rado, nao reuunciara era a a.cbaata. Deas j saaa
pesquizas subte a ressurteigio da bomem pela
honiem. Eolio, a cierna preoccapigo de aeS
outto mundo uesta j ven ejaaege, qae aegais eai
sau vo todos os desvius de seu pae ;eole aaaa-
do ideal, deseoutuci lo, misterioso, em que ella
viva muilo mais qua no mundo real, arraa-
poucu a pouco a erar muilo natural-
mente as eouias aobreaaturas : primeiro s arar
como seu pae, ni ressurreigo pelos meios pi
mente humanos ; depois a crer ao vamptri
COLHETUI
ORIGINAL DO DIARIO DE PERN.MBUCO.
MMU MUiM
0
CXVIII
StaiMARio.Al cartas radutidas da tosa do Bra-
sil enite o rio Mossot, na latitude de 4" 57'
24" S, e o rio de S. Fraocisco do Norte, oa la-
titule da 10a 27,57" S, levantadas palo pri-
meiro leante da armada Vital de Oliveire.A
Companhia Peroambucaoa de navegago
vapor.
Nao desesperemos ainda, nio ; embora nao
posiuamos navios, contentes poucos marinhei-
ros ; vejamos continua e prolongada indifferengs
contra a qual protestara algumas aympaihas e
dedicagoes de grande prego ; a marinba brasileira
exiaie ; progrde ioconieslavelmeote; porque tem
urna oicialidade diitiocta, apta, illualrada, que
estuda, trabalha e honra ao paiz pelos fruclos
que apreaenta deste estudo, deste trabalho ; qua-
si aetnpie desprezado, nunca retribuido digna-
mente.
Acabamos de receber ama collecgo de cioco
- mappas da costa do Brasil, em urna extensio de
tnais de Ggroi, ou de 120 leguaa maritimaa, que
compreheude O littoral daa quatro provinciaa do
Aio Grande do Norte, Parabyba Pernambuco e
Alagoas, levantadas pelo mui dislioclo Sr. pri>
muiro lente. Maooel Antonio Vital de Olivei-
ra, e nitidaraenta litograpbidos na ollicina nacio-
nal doSr. Eduardo Reaiburg, ao Rio de Janeiro,
lornou-sa portadora de pes de leile.
Era urna maravilha que fazia lembrar as lin-
das pintaras de Pompea, va-la sahir no invern,
pela manhaa, da loja de seu patrrj, com o cesto
collocado altivamente aobre o hombro eiquerdo,
mostrando seu roseo nariz, seus lindos denles de
lea, seus olhos azues, cabellos louros.i atravs
da nevoa de ooverabro e a funiaga qae enalavara
seus excellentes peziohos de Itite. I
Elles eram realmente superiores todos aquelles
dos outros padeiros dos arredores. Gabav^m-oos
por toda a parle. Estavam em moda.
O padeiro em cuja casa eslava Coloml a como
homem hbil, aproveitava-se da voga d porta-
dora para dar voga a seus producios. E ta fazia
valer aquellas.
Portanto havia elle ganho bastante di beiro e
fama, quando Colomba significou-lhe, co n todos
os circunloquiosimagioaveis, que iac*sa|-se com
um joven piutor do arrabalde Macons-Sojrboones,
nao era mais dillicil de realisar-se do que certaa
opperagei de chimica, qua passavam egualman-
te por monstruosidades, sacrilegios, cousas im-
poisiveis antes que a experiencia Ihes tivesse da-
do o sopro de ura desmentido. Nao coosiderava
o pbeoomeoo da reisurraigo, como difflculdada
vencida cima dos esforgos de genio que forano
preciioi a Colorabo para deicobrtr a America e a
Newton para atrmar a gravitara >. Eutregra-se
por tanto as mais arduas indagagoes, aos ensaios
e tentativas mais exlravaganteae atrevidas.
Tornou-se louco, ou somente hallucinado ?
Porm Salomo Kaoali julgou-so com direito de
conduzir do nada para a vida, e urna vez, entre
outras, de ressuciiar um javea tootto ha um
mez.
fcV esta urna historia inaudita cujo trigo encon-
traremos em mais deum lugar da vida de sua li
Iha, que nao s partilhava com elle desta crenga
da ressurreigo do homem pelo homem, porm
pied
QuanJo anoileceu, elle dirigiu-se por atilhos
sinuosos para a fliresta de Ulmenbaum, oole viu
cora efleito junio a um marco um homem morto
algumai hora antes pelos salteadores. Jalgava
nao ser visto ; comegou leu trabalho, trabalho
julgado diablico e complicado. Seria elle aegui-
do, elle a quem se vigiava sempre/ O camponez
ter-lha-hia armado um lago '. Seja o que fr, o
certo qua elle foi sorprendido por uiaa ronda
encarregada a noute da polica do campa, no mo
menlo em que iotroduzia urna lamioa de ago na
ferida do homem anaisinado, para oella por, sem
duvida, alguma substancia chimica.
Foi preso, e aecusado de ser o aasassino. Dahi
veiu o procesio criminal; era vo elle allegou
sus posigo oflicial, saus costumes at enlo irre-
prehetuiveii; como nao ousasse eonfesssr a jus-
liga, afrn de nao peiorar sua posigAo, que estiva
na floresta com o corpo do homem, uao para ma-
la lo, porm pelo contrario para dar-lha mi
nova existencia, foi considerado como o verda-
deiro culpado. Tioha de subir ao cadafalso. To-
doi o julgavam petdido. Entretanto alguns man-
cebos das familias oobres de Bade e de Peslh,
antigos discipnlos do doulor; conseguiram a po-
der de ouro e de trabalho, f'ie-lo sahirda priao
e obterem o seu perdo. fez urna conti blica do delicio, jurou que nao se oceuparia mais
da ressurreigo nem da alchimia, e para dar pe-
nhores certos da existencia tegular que prometlia
ter d'ora em disnte ; casou-se.
Despoiou urna joven d'Agram ; que tambem
contava em sua vida ura acootecimauto bastante
extraordinario ; e qae vamos dizer.
Aotes da se asar com o doutor Salomo Ka-
oali, estivera para faze lo com o conde de Mark-
feld.
Este conde fra j casado duas vezes, com as
mais lindas donzellas d'Agram, cidade hngara
afamada pela delicada e aristocrtica belleza de
suas mulheres. No lim de dous annos de casado,
morreram ambas de languidez, assim diziam.
Oetros procuravam urna causa menos precisa para
estes flns to promptos; porm d3o a eocooira-
vam. Entretanto por mais bellas que fossem estas
mulheres estavam longe de eguala-lo oasperfei-
ges do rosto e do corpo. Sem a singular alvura
de roslo, alvura de mate sem semelhmga com a
pallidez conhecida, nao deveria ternera compara
gao com marmore algum da antiguidade; e cou-
sa bem aingular, ainds que elle fosse cassr-se
pela terceira vez, ter-ee-hia dito que nao eove-
Ihecera um anno, um mez depois do seu primeiro
casamento. Pareca ter de trinta a trinta e cinco
annos de edade.
Alm destas particularidades das quaea tinha
os quaes nos encheram de orgulho; porque um
primoroso trabalho, que vae ainda revelar Eu-
ropa o que somoi ; o qoe valemos, em qualquer
ciencia a que nos dedicamos.
Estas cartas esbogadas com rara perseveranga
desde 1857 a 1859, cuslaram ao referido oflicial
incomraodos e privages que s podem avaliar
aquelles que como nos, o nao perderara da vista
durante o curso desta importante comraisso era
que mais de umi vez, sua vida eateve em perigo,
e o navio de seu coraraando (o hiate Parahiba-
no, qoe modestamente morreo) exposto urna
perda infallivel e desastrosa, qae merc de Deus,
nao veio, felizmente, enluctar oa nossos annaes
martimo", ltimamente to sombros.
Nao hauve pedra, nem baixo algum na terrivel
costa de sotavento, que o nosso intrpido ofli-
cial nao se acercasse para examinar, determinar,
e asslgnalar era suas carias, cora este animo va-
ronil pelo qual se tem distinguido os mais cele-
bres navegadores; de sorte que sao ellas, actual-
mente o melhor pratico que se pode consultar pa-
ra navegar-se com seguraoga pelo canal de S.
Roqu9.
O famoso Joo da Cucha, s Urcas do Tubaro,
do Mintite, da Conceic.o e da Cotia ; a nao me-
nos celebre rises das Brendas e cora das Lavan-
detras, e os perigosos recifes e baixos que se
prolongara desde os Toaros al o Cabo de S. Ro-
que, tudo, at ai mili pequeas pedras nellss se
encontrara fielmente situadas, offerecendo aos na-
vegantes aquella seguranga necessaria para che-
gar ao seu destino tem sioiitro.
Alem disso, urna multiplicidadedesondas.com
iodicigo dos fundos, se arha notada, e sao el-
las outras tantas guias infalliveis para a derrota,
qur de dia, qur noule.
E como o autor adoptou urna excellente esca-
la, que lhe permittiu dar o desenvolvlmento
maior possivel s suas indicages, v-se nellas
bem figuradss egualmente as embocaduras de
todos os ros, sondados at alguma distancia o
que 93o, ou podem ser navegareis, de rredo quo
suas cartas sao to uteis navegago Illa, como
de cabotagem, e quig mais anda lsta
A' navegacao alta ; porque os navioVqle de-
mandara o littoral do Brasil, e que procurara, or-
dinariamente a altura do cabo de S. Ruque, po-
dem approxtmar-se da costa sem receib, entrar
no canal ae o quiterem, ou quando no'jbord-jar
por fra o mais vaotajosamenie possiveL e adian-
tar assim a sua navegago. ,~ i
Oeste modo toda esta parle da costa desde o
Ro Grande do Norte at a Punta Pernambuco, que lem devorado tantis navios
mercantes e estrangeiros, perla a sioiiara repu-
iaco que tinha ; porque, nenhum navegsjdor ago-
ra Ir vasar nells, guiaodo-se pelas curtas do
primeiro leoente Vital, seno de proposito.
Novas expediges commerciaes. portapto, bao
de ser combinadas, gragas i seguranza adquiri-
da para esia navegago, que pardea lodosos seus
riscos, o o'ahi novas fontes de rlqu\eza para o
Brasil.
A navegago de cabotagem. principalmente ;
porque toda esta costa mui (requeodsda cons-
tantemente por ella, e as cartas em queito lhe
sao de muita ulilidade, e preencheriiu ama lace-
na que lhe era mui senaivel. C
Prestou, portanto, oSr. primeiro itenente Vital
de Oliveira om mmeoio servigo ao/ eomowcio
nacional o estrangeiro, com este seiu trabalho,
que deve acorapanhar um roteiro qua se est im-
primindo j. t
Indagua-ae agora com que re/cursos oraegou
6 levon elle cabo esta empre/za ; qua despezas
cuslou so estado, habituadlo pagar caro ao
estrangeiro o menor dos eairvigos deata ordem, e
tica-sa pasmado e sorprendido.
Primeirameote em ufas pequea barcaga, s
com seus instramentos^sua eoergia, sua vontade
irme, e aobretudo aua) iotelligencia, dosempe-
nhando deverea que lh incumba a capitana do
porto, concebeu a i/es grandiosa de levantar es-
ta planta. Esta id ida desde logo apodero -se li-
umente de suas Kaculdadei, e ei-lo la(s.ii|s.vel
Foi entre os discpulos de seu pae que ella ea-
nheceu o joven Hermano d Rosentb!. C>aa porque se amarim elle urna pergenia qae s
se responde por urna oulra perguula : porqae nao
sa letiam elle imado ? Joveni e bellos aaabaa,
a eiperavam urna occas.au da ae amaren, o asta
occasiao chegou.
Elles viam-se tres vezes por semana as liVes
do Dr. Salomo Kanali, e esto como todos os pees
nao conheceu que um joven amava na lha, e)i
qual era adorado, seno no dia em que eete pe-
diu-a oilicielmeote era casamento. Anda fas
M. de Roseolhal nao fosse da primeira cobreza d>
reino, perteocia a uraa familia bastante alia, a
muito rica para assuslar o doulor, qae pensara em
urna posigo mais modrsta para sua n.
Tolavi* dea o seo cooientimenlo, bem qae a>-
sejasse antea ter por Rento, algum sabio honrad.
que ootenleise de phisica e maibematicaa, capaz
de'o ajudar em suis pesquia.
Rosenthal nao era mailo sabio, prefers, salea
urna boa cagada de cabras mootezes as moole-
nhas, do que um trabalho assidao no fiado da
urna bibliolheca. Tinha lodos os sigsaes de aaa
temperamento resoluto ; era bem proporcionadla
e moslrava ler nra fume corago: porem eta tr-
raeza nao o lornava audaz para com a u-lla ajaa
elle escoibera para sua futura con p a un eir :
Mesmo em presenga de leu pae, elle sunca ousera
beijar-lhe a mo ; seus camarades admirarsaa-sa
desla reserva, resprva to excpssiva que ilgaats
procuravam nellas iuterpetragea estraVFgtalaa.
imponiveis. A filha do doulor s vis nistu malta
honradez, o que fazia com que ella o amaaaa
mais. Para alguna outros isto era inJilTerenee.
e frieza pela lilha de Saloxao Kanali. Ella a
amava verdadeiraminte a caga. Elle meemo pa-
reca dar-lhes razao. Aaseniava-se muilas vezas
durante quinze dias para seguir sem d-scaago
alravez de lagos, charcos e barrancos, a saga da
gura joven senhor dos arredores.
Seui olhoi azues de urna limpidez a*l*agea.
davam a seu rosto ama expraszao excepcionsl aa
meio dos lypos lo conhscidoa de sua raga tala
slava.
Faltava-lhe pois eite vigor de colorido do qae!
temos por habito tradiccional purpurear o reato
dos cagadore*. Isto nao dava com elle. Sema
Ihanle ao cegador negro da bailada aliemas, ti-
nha a pella liza e branca como se nunca Uvenas
perseguido o viado se nao a paluda ciar
da la.
Esta grande paixo pala caga devia ser-I
fatal.
[Continuar i- hi.)
na obra do progresso, prescrutando todos os por-
tos, todos os recifes da costa ao sul de Pernam-
buco, e ao norte das Alagoas.
Eram seus prlmeiros ensaios, que oraos um
dos prlmeiros a applaudir.
Mais larde, ei-lo commandando o hiato Para-
hibano, da stago naval de Pernambnco, e pro-
ieguiu lo na realissco de seu plano, conservn-
dole fra daquelle porto, onde tinha familia, e
affeigei que o prendiam, seis mezes e mais, em
incessanles explorages na costa, que o permitii-
ram reunir um cabedal immenso de observa-
rles.
A despeza que se fazia era aquella nicamente
que teria sempre lugar ; nada de extraordinario,
nao obstante virar-se urna e mais vezes as jan-
gadas e baleeirasera que o nosso collega embae-
cava, e perder elle relogio, instrumentos seus e
roupa.de que nunca redamoa indemnisaco.
Finda esta exploragn sem exemplo em nosso
paiz, vimos o Sr. teoents Vital proslrado pela en-
fermidade longo lempo ; porque ninguem pode
expor-se impunemente ao sol e chuva de oossa
regio, com esta coostancia por elle desenvol-
vida.
Depois foi predio passar a limpo eites Iraba-
lhos, euja ulilidade pratica se comegou a reco-
uhecer na viagem imperial, que foi om tconteci-
mento fecundo, a marcar urna era memo-
ravel.
Todos os jornaes tem sido unnimes em elogiar
o importante servigo do Sr. Vital, pralieando por
este modo om acto de justiga ; a associsgo Be-
neficente Martima de Pernambuco acaba de coo-
ferir-lhe o titulo de socio honorario, e o sabio
areopego brasileiro, o Ioslituto Histrico e Geo-
grsphico, trata de premia-lo com a nomeago
honrosa de seu socio correspondente.
O goveroo imperial tambem elogiou-o em or-
dem do dia, e em nossa opinio que nos afana-
mos de reconhecer como a de toda a armada,co-
mo a de todo o paiz, o Sr. Vital de Oliveira con-
quislou QQbremeDlu um posto do acetato as pr-
xima promogao de t de dezembro, provouioeon-
teatavel merecimento.
E gi esperamos qae o nobre Sr. minilro da
marinha, adepto esclarecido do progresso, admi-
rador enthosicsta da ntelligencia e illustrago
dos seui jovens camarades, nao perder esla bella
occasiao de premiar o mrito, e de animar lo
interessantes lervigos.
Deve o Sr. Vital de Oliveira ser condemnado
vegetar agora no commando lo vapor Thttis ?
Nao por certo. O seu lugar eat marcado, e con
vera nao perder a occasiao.
Deide o Rio de Janeiro at o Rio da Prsta to-
da esta costa precisa ser explrala, e o Sr. Vital
de Oliveira deve ser encarregado de levantar esta
planta tambem, a que depois poder adJicionar
a de Mossor al o Para ; o que nos dolar com
urna carta completa da todo o imperio.
Se tivessemos influencia na administrago da
marinha, concorreriamos para dar ao Sr. Vital o
commando de urn doa melhores vapores da es-
quadra, e sua cora misso seria a que cima pla-
nejamos.
Quem sabe se oSr. minilro da marinha nio
realiiar esta idea, que collocamos sob sua pro-
tecgo ?
Seria, por sem duvida, urna prova de grande
tino, ede patrioliamo, digoa de S. Exc. e nos a
agradecamos com reconhecimeoto em nome do
commercio, da navegago e do progresso do
Brasil.
*
Todos tem lido com o maior interesta os irli-
gos editoriaos publicados neste Diario, em que
se ha demonstrado com a lgica irrespondivel dos
algarismos, que das corapanhias de navegago
vapor iu bren donadas pelo imperio a qas relati-
vamente percebe menos a Pernambucana, nio
obstante ter mais encargos do que oulrat mais
favorecidas.
Tem, pois, calado no espirito publico, e pro-
vavel que egual impresso bsja produzido no
animo do goverao imperial, e da assembla ge-
ral legislativa, que com alie viven na maior I
monia, a justiga da reclamago que o ijno
rente, o Sr. Borges, aprsenla em asas to
patritica companhia, qae al boje anda i
percebeu o menor intereaae doa aeus fundos.
f
i
Por circumilaocias que so pecaliares i
as emprezas desla ordem, oo comeco de ar-
ganiasgo, a companhia chegou a um Uiaia sana
lo de abalimeoto da qae s pode salvar-as pata
enrgica e intellKaota admioistragu do ecoae
mico gerente o Sr. Borges, s peis emprestiata
que ella oblevs do Eilado, mediante a pegaasaajas
de um juro.
Mas de equi Jade qae os cofres pablitos par
cebain estes juros ; quando os accionistas at
agora nao livaram o menor dividendo !
Dcvem estas carrejar com todos os sacriilasaa
com lodos os onus para sustentar ama err presa,
que tem imprimido um nolavel progresso s pro-
vincial de Alagoas, Pernambuco, ParaLiba, kVia
Grande do Cear ?
O augmento das traossges por ella
nao produz ioconlaslavelmenle rendas a
res esles 8i:000&da subvengo** qae ella aaa
cebe snnualmanle r
Como, pois, so podar com jesti;a dusUaadajr
a uraa reclamago assim basesda?
Nao possivel qoe a illualrada e patritica S9_
sembla geral, que os oobres ministros aaa eon-
corram para melhorar a sorte da companhia Jer-
oambucana do vapores, digoa da ser patrocinada
por lodos os poderes do Estado.com asta, a st-
iros favore, qaal o augmento da rsapectivs sab-
veogo, a a coocessao da aVgamaa isengez.
Isto o que todos dizem. o qus todas escariar,
o qae os repetimoa ooa salisfago,
Babia 15 de julho,
E.A.
PERNAMBUCO.--TYP. DE H. f. DEF.e* ITLIIO,

MDriLADOi
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIBSFT92O_J4ILE0 INGEST_TIME 2013-04-30T22:24:51Z PACKAGE AA00011611_09579
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES