Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09572


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110 IHVHI 1DME10165
tres aezes idiaiuds 5$00o
tres aeze vencidos 6J000

**-
U.
SiBBADO 19 DE JULBQ DE Itll.
a
Pr mi dlantado 19|00O
* VtrU fraitt iin sibs eri ptor
DE PEMAMBUCO.
EWAUPEGADOS DASUBSCRiPCAO D NUKTE
Pariirj'ba, o Sr. Antonio Alataodrino de Li-
ma ; Htlal, o Sr. Antonio Marques di Silva ;
Arasaty, o Sr A. da Lamo Braga; Cear o Sr.
J. Jos da Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquina
Marqaas Rodriguet; Par, Manoel Pinhairo &
C; amazona, o Sr. Jaronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
Alaftas.oSr. Uaidino Falco Dias; Baha.
Sr.JOs Martina AWm ; Rio da Janeiro, o Sr-
Joio Partir Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
EPHEMER1DES DO MEZ DB JULHO.
Olinda todos oa dias aa 9)4 horas do di*.
Iguarass, Goianna, Parabyba as segundas
e sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho
Garanhuns as tergas-reiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limoelro, Brejo, Pes-
qieira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ez naaquai tas-feiraa.
Cabo,Serinhem,Rio Formse, Una,Barreiroa PREAMAR DE HOJE.
Agua Preta, Pimentolraa Natal quintas feiras. Primelro s 10 horas e 6minutos da manh*.
(Todos os corraioa partem as 10 horaa da ruanca Segando aa l Jiorae e 30 mnalos da tarde.
4 Qaarto rscente as 8 horaa e 20 mnalos da
maoha;
12 La cbeia aos 2 minatos da manha.
18 Qaarto mingaante aa 2 horas e 32 minutos da
tarde.
26 Laa ora aa 6 horas e24 minlos da man.
partida DOS VAPORES COSTE1KOS.
Para e sal ni Alano** 5 e 20; para o norte
at Granja 14 e 29 de ada mez.
PAHT1DA DOS OIH1BUS.
Para o Recite: do Apipucos s 61)2, 7, 7 1|2, 8
e.8 112 da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da t.; de
j'aboato s 6 \\2 da m.; do Caxang e Varxta
i 7 da m.; de Btmfica s 8 da m. i
De Recite : para o Apipucot s 8 1)2. 4, 4 1|4,
41|2, 5, 5 114, 5 112 e 6 ds t.; para Olinda s 7
da m. 8 \\2 da t.; para Jaboato s 4 da t.J para
o Caxang e Varzta 4 1|2 da t.; para Bemfica
aa 4dat. I
AUDIENCIAS DOb TRJBUNAfcS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segandas e quintas.
Relago : terga e sahbados s 10 horaa.
Fazenda : qatntaa a 10 horas.
Juizo do commercio : segandas ao meio dia.
Dito de orphos: Urcas antea s 10 horaa.
Primeira Tara do rival: tarcas extaaae mel
dia.
Segunda Tara de ctc : qaartaae sabbadoa l
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
14 Segunl. S. Boarentara b. card f.
15 Teres. S. Csmillo de Lellis fundador.
,16 Quera. Nosa Seobora do Carmo.
17 Quinta. S. Aleizo; S. Victoriano e oatros mnu
,18 Sexta. S. Marinha t. m-; S. Rufino b.
l Sabbado. S. Vicente de Paila ; S. Justa m,
.20 Domingo. O Aojo Cutodicao imperio.-
ASSIGNA-SE
loe Reclf*, em a livraria da pra; da Jndepan-
dmcia es.6 e 8, dos proprielarioa aVanoe] Figiti-
Iroa deFaria & Filho.
PAUTE QFF1CIIL
Ministerio da justica
2^_aeceo.Ministerio dos negocios da Justina.
Rio de Janeiro, 3 de juoho de 1862.Illm. e
Exi. Sr.A Sus Msgostide o Imperador foi pre-
senta 9 offlcio deaia presidencia de 14 de juoho
do ano pastado, commuoicaodo que o vigsrio
da freguezia de Pedro II consultara se sao iocom-
pativeit oa cargos de juiz municipal supplente
sempre em effectm lade, e de procurador da ma-
triz e dmtnistrador dus beos do orsgo; e o mes-
mo augusto seubor manda declarar que bem re-
solva V. Exc. responden i o qae, comquanto nao
naja disposigo especial qie declare iucompati-
Teis esses cargos, em vista do aviso de 4 de ju-
nho de 18IT, nao pode este juta dar deciao que
digs resuello matriz ou bena do orago, deven-
do em tal caso julgar-se impedilo por suspeito,
e pascar o ejercicio ao sea immediato.
Daos guarde a V. Exc.Joao Lina Vieira Cas-
saoso de Sioimb Sr. presidente da provincia
do Piauhy.
2*eego.Ministerio dos negocios da Justina.
Rio de Janeiro, 3 de junho de 1862.lilao, e
Exm.Sr.S. M. o Imperador, a quem foi pre-
senta o officio de 15 de setembro do son pas-
sado, em que V. Exc. deu coota da representa-
do que Ihe dirigi Joo do Reg Almeida contra
o terceire supplente to juiz municipal do termo
de Haraoguape, Estevo Jos de Almeida, pelo
[acto de haver declarado nullo, no acto de rever
a pronuncia proferida pelo aubdelegado de poli-
ca, um summario crime sob o fundamento de ter
sido dada s qucixa que o provocou por falso pro-
curador e nao haver procedido a licenca recom-
rneodada pelo artigo 92 da loi de 3 de dezembro
de 1841. manda declarar que bem resolver V.
Exc. deci indo que o procedimonto do referido
jaia era irregular contra a lei, que nao permu-
te por taes fundamentos a nuidade do processo
na reviso da pronuncia palo juiz municipal,
camprindo-ihe comente sauar as (altas que in-
duiem nullidales e proceler a quaesquer diligen-
cias que forera precisas para esclarecimento da
Terdade e raclificaco do processo.
Deus guarda a V. ExcJoao Ltns Vieira Can-
saslo da Sioimb.Sr. presidente da provincia
do Ciar. -
que pelas leis lhes sao facultados. E S. M. o
Imperador, a cujo alto conhecimeoto submettea
V. Exc a sua deciao em officio de 13 de junho
do anno passado, houve por bem, conformndo-
se com o parecer do conselheiro procurador da
corda, fazeoda e soberaoia nacional, mandar ap-
provar s resposts que dera V. Exc, declarando
que ao escrivo ne competa averiguar a lega-
lidade com que viera a figurar, como juiz, o es-
crivo doa fcitos da fazenda na qaalidade de To-
reador supplente questo que a poda ser sus-
citada pelas partes litigantes interessadas no
pleito. O que commaoico a V. Exc. para saa
inlelllgeucu.
Deus guarde a V. ExcJoo Lins Vieira Cn-
sanso de Sinimb.-Sr. presidente da provincia
do Piauhy.
2a saeco.Mioislerio dos negocios da justi-
ca. Kio do Janeiro, 13 de juoho de 1862.Illm.
e Exm. Sr.Teodo o promotor publico de Ita
das obras : caso em qus sero acompanbados dos
plaoos das mesmss obra* e dos orgameotos do
seo custo.
9. Tomar co-ohecimeato do estado em que
se acbam os negocios, tanto das loteras que cor-
rern) sob a respoosabilidade do fallecido tba-
soureiro, como das qae foram distribuidas para
correr no presente anno.
10. Fazer iorsotario e ter debaixo de saa
guarda quaesquer papeia perteocentes a nego-
cios de loteras, recibidos do tinado tbesoureiro
dellas.
11. Mandar eneadernar no flm de cada sano
aa ordena, avieos e quaesquer communleacoes
reeebidaa do ministerio da fazenda, relativamen-
te a loteras, e bem assim todos os oficios qae
pelo respectivo tbesoureiro lbe forem dirigidos
12. Crear um registro onde sorao lanzadas
por extenso as minutas de seas oficies e repre-
sentacoes dirigidas ao governo. e bem ai com mu-
niges e ordena que por mandado do governo li-
baiana, nessa provincia, recorrido de um despa- I ver de expedir ao thesoareire das loteras.
2* seccaj.Ministerio dos negocios ds justig.
Ilio de Janeiro, 3 de junho de 1862. lllm. e
Exm. Sr.Tendo o delegado de polica de Balu-
rite consultado a essa presidencia se devla ou
nao vista do decreto n. 1,090 do Io de setem-
bro de 1860, ser julgado improcedente um sum-
mario instaurado ex-officio por crime de fermen-
tos leves, nao lendo o deliquente sido preso em
flagrante ao que responder V. Exc, como o
commvnicou em officio de 20 de julho do anno
passado, qae a razio de se nao admittir boje por
taes crimes o procedimeoto oficial, fundamen-
to plsusivel para sejulgar por tal motivo im-
procedente o summario instaurado segun-
do a legislago auterior, salvo se o crimino-
so fdr preso em flagrante, ou o ofendido pes-
aos misar* ve I, casos itu, que, nos termos dos
artigos ','3 o 74 6* do cdigo do processo,
que nao foram alteradas pela nova lei, 4 fundada
a competencia da justic publica para proceder
naquelles crimes em que, em regra smeale, se
admitte a aceito particular do offendido : houve
por bem S. M. o Imperador mandar approvar a
mencionada deciso dada por V. Exc; conviudo
accrescentar que depoia do decreto citado, o pro
cedimento official pelo crime de ferimeotos le-
ves continua a ter lugar quando o offendido fdr
empregado publico, conforme o disposlo no ar-
tigo 2o 3o do decreto em queslo.
Deus guarde a V. ExcJoao Lins Vieira Can-
sancio de Sioimb.Sr. presidente da provincia
do Cear.
cho de pronuncia proferido pelo juiz municipal
em um processo instaurado por causa de una ti-
ros dados sobre as janellas da casa do juiz de
direito da comarca, e sendo estaparte ofleodi-
da, e os seus supplentes, um testemunha no
processo, alm de parete em grao prohibido de
um dos pronunciados, e outros, ou indigitsdos
uo ni estro processo, ou prenles prximos e ioi-
migos ligadaes, consultou a essa presidencia se
era preciso que, depois do despacho do juix a
quo mandarse o escrivo os autos a cada am
desses supplentes de por si, ou logo os fizesse
conclusos quelle dos supplentes que fossem no-
toriamente iosaspeito : e tendo V. Exc. respon-
dido, como o communicou em officio de 27 de
maio do anno passado, que, como os supplentes
erara impedidos e nao suspeitos, visto que aquel-
es que poda ser considerados auapeitoa por
parentesco eamizade erara impedidos, um como
testemunhi e outro como implicado no processo,
o recurso devia subir conclusa o Jo que eatives-
se legalmente desempedido : hoave por bem S.
M. o Imperador mandar declarar a V. Exc. que
deveriam os autos ser conclusos ao juiz a quem
compeiisse o exame do feito, e oa falta oeste
a seus substitutos, segundo a ordem desiguada
nos artigos 17, 1* e 19 da lei de 3 de dezem-
bro de 1MI, nao conviodo de maneira alguma
que se cooceda aos escrives a faculdade de
deixar s*e enviar os autos aoa juizea que enten-
deris ter contra si algum motivo de suspelQo.
Deus guarde a V. ExcJoo Lins Vieira Can-
sansao de Sioimb. Sr. presidente da provin-
cia de Sergipe.
f 13 Dar sua opioio sobre todos os negocios
concernentes ao servidos das loteras, de maneira
que sobre ella possa o ministro da fazeoda resol-
ver com perleito conhecimento de causa todss
as questoes pendentes.Visconde de Albuquer-
que.
Ministerio da agricultura commer-
cio e obras publicas
Decreto n. 2940 de 26 de junho de 1862.
Permitte que aa agencias da coropanbia de segu-
ros Fidelidade da cidade de Lisboa, eslabele-
cida em diversas provincias do imperio, conti-
nen a funecionar.
Attendendo ao que me requereu a directora
da companhia de seguros Fidelidade, da cidade
de Lisboa, devidameote repreaentsda e de con-
formidade com a mioba immediata resolu;o de
26 de abril do correte anno, tomada sobre o
parecer da secgao dos negocios do imperio do con-
selho de estado, exarado em consulta de 22 do
meamo mez, hei por bsm permiltir qae as agen-
cias da referida companhia, creadas as capitass
do imperio e das proviocias da Bihia e de Per-
nambuco, continuem a funecionar sob as iostrac-
coes que com este baixam.
Joo Los Vieira Caosanto de Sioimb do meu
conselho, ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da agricultura, commercio e obras publi-
cas, assim o tenhs entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 26 de junho de
1862, quidragesimo primeiro da independencia
e do imperio.Cora a rubrica de S. M. o Impe-
rador.Joo Lins Vieira Cinsanso de Sioimb.
aviso do ministerio da justica, namero 543 de 30
de noTembro de 1860, passidos7 os seis mezes de
que trata o artigo 45 do decrete numero 1130 de
12 de margo de 1853, designar o corpos a que
devem ser aggregados os oficia es de sua nomea-
Co, conveni que V. S. sobre este ponto informe
com o que se ihe oilerecer acerca do major aju-
dante de ordena Salvador Henrique de Albuquer-
qua de qee trata o seu oficio numero 39 de 22
de maio TtMmo, afim de se podar camprir o dis-
posto d'aquelie aviso.
Dito at- capito do porto.Urna vez que segun-
do o seu officio de hootem datado sob numero 86
foi considerado iocaptz do servico da armada,
por soffrer epilepsia o recruta M'anoel Jos do
Naacimenlo sirva-ae V. S de manda -lo pdf a dis-
poaiQo do Dr. chele de polica, aum de que Iba
d o conveniente destioo.
Uitoaomesmo.Comas inclusas copias das
informaces prestadas pelo delegado e subdele-
gado da polica do termo de Olinda, respondo ao
oficio de V. S. de 28 de junho ultimo, cobriudo
urna representaco do capataz d'aquella cidade
acercadas violencias perpretadss pelomesmo sub-
delegado contra os individuos matriculados n'a-
qaelli estadio.
Dito ao director do arsenal de guerra.Devol-
vendo a relacao que veio annexa ao oficio de V.
S. de 10 do corren!, sob numero 185, dos afri-
canos livres ao servico desse arsenal,recommen-
do-lhe que acresceote na respectiva observacao
o que constar do assentameoto de cada um dos
mesmos africanos prestando esclarecimentos que
possam aervlr para quando forem requeridas as
cartas de emancipado.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Concedo a autorisaco que solicita V. S. em seu
oficio de 14 do correte sob n. 249 para admit-
tir na companhia de artfices desse arsenal o me-
nor Maxrnisno de Azevedo, ama vtz que a seu
respeito acham-se preenchidas as coudicoes le-
gaes.
Dito ao deserabargador procurador da corda,
soberana e fazenda nacional.Queira V. S. io-
terpor o seu parecer sobre a materia do incluso
officio que em 15 do correte dirigi me o juiz
de paz do segundo districto da freguezia da Boa-
Vista desta cidade.
Dito ao commandante do corpo de polica.De
cooformidads com o que solicitou o Dr. chefe da
polica interino em oficios ns. 1,022, 1,069 e 1,086
de|2, 11 e 15 do correte,pega V.S suas ordena
pira que das 10 pracas destacadas no termo de
S. Beoto cinco vo reforgar o destacamento de
Caruar, e as duas promptas a que ae refere o
aeu offici4o.314 de ldest* mez, com roais duas
tirada- >lc^destacament de Goianna vo destacar
2* aec{5o.Ministerio dos negocios da justiga.
Rio de Janeiro, 4 de juoho de 1862.lllm. e
Exm. Sr.S. M. o Imperador, conformando se
com o parecer da seccao dos negocios do impe-
rio de conselho de estado que foi ouvido sobre
os oficios dessa presidencia, es. 119 e 177 de 2l
de setembro e 10 de dezembro de 1860, relativos
ao tacto de cooslituirem um s districto de paz
as duas parochias de S. Jos dos Iodios e N. S.
da Luz, estando ambas cannicamente providas:
houve por bem decidir, por sua imperial reso-
lago de 24 de julho do anno passado, que esse
facto illegal, por isso que est em manifesla
oppoaico com o qae prescrevem as leis de 15
deoutabro de 18*7 e 19 de agosto de 1846, e
manda queae proceda eltigo para julzes de
paz de cada urna das fregueziss, considerando
em vigor a que se fez para ambas. O que com-
rnnnico a V. Exc. para aeu conhecimeuto e de-
vida execugao.
Deus gurde a V. ExcJoo Lins Vieira Can-
sasao deSinimb. Sr. presidente da provincia
do Maranho.
Ministerio da fazeuda
Deerefo n. 2,936 de 16 de junho de 1862.
Regula o servico da extraeco das loterias da
corte.
Sendo conveniente regular o servico da extrae-
cao das loterias concedidas pela assembli geral
legislativa, ou que o forem pelo governo impe-
rial, em virtude da lei n. 1,099 de 18 de setem-
bro de 1860, hei por bem decretar oseguinle :
Art. 1* O ministerio da fazenda contratar o
servico da extraers das loteras com qvalquer
pessoa idnea que o executa ni qualidade do tbe-
soureiro das loteras da corte, mediante um esti-
pendio rasoavel, e por cuja conta corram todas
as respetivas despezas.
Art. 2o. O estipendio da que trata o artigo an-
tecedente ser tirado dos 2 "/, ora dedusidos do
capital das loterias em beneficio do tbesoureiro,
e o remanescente dessa deiucco ser recolhido
aos cofres do thesoaro nacional, e ahi escriptu-
rado como receita do estado, sob o tituloRen-
da extraordinaria, al quenas leis do ornamen-
to seja devidameote classiflcado, ficandoem vigor
oesla parte to lmente o decreto n. 57 de 28 de
novembro de 1810.
Art. 3o. O ministro da fazenda, para a boa exe-
cu;o da lei n. 1.099 de 18 de setembro de 1860
e do decreto n. 2,874 de 31 de dezembro de 1861,
oomear um fiscsl a cujo cargo Qqaem todos os
negocios relativos s loterias, e que se iocumba
especialmente de fiscalisar o processo das que sao
extrahidas na corte, dando parte ao governo de
tudo o que occorrer.e solicitando as providencias
que forem necessarias para garanta do publico.
O dito fiscal ser nomeado em commisso, e em
remunerado do seu trabalho ter ama quota qae
nao exceda a 300$ mensaes, do remanescente qae
for recolhilo ao thesouro na forma do art. 2*.
Art. 4". Ficam revogadas as disposicoss em
contrario.
O visconde de Albuquerque, conselheiro de es-
tado, senador do imperio, ministro e secretario
de estado dos negocios da fazeoda e presidente
do tribuoal do thesouro nscional, assim o tenha
entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 16 de junho de
1862, 41* da indepeodencia e do imperioCom a
rubrica de S. M. o Imperador.Visconde de Al-
buquerque.
oa fregu.
subdeleg
vares.
Dito at
to a Vmc
procurad
la
Decreto n. 2939 dt 26 de junho de 1862.
Concede companhia Confianza Maranheuse au-
torisaco para funecionar, e approva os respec-
tivos estatutos.
Attendendo ao qae me requereu a directora
da companhia Confianza Maranhens, de c61r*-|-fil de 1
formidade com a minha immediata resoluco de -
18 do correte mez, tomada sobre o parecer da
seccao dos negocios do imperio do conselho de
estado exarado em consulla de 25 de abril desle
' anno, lp\ per bem conceder referida companhia
autorisaco para funecionar, e bem assim appro-
var os respectivos estatutos, quo com este bai-
xam assigoados por Joo Lins Vieira Canssnso
de Sioimb, do mea cooselho, ministro e secre-
tario de estado dos negocios da agricultura, com-
mercio e obras publicas, que assim o tenha en-
tendido e fa;a executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 26 de junho de
1862, quadrageslmo primeiro da independencia e
do imperio.Com a rubrica de S. M. o Impe-
rador.Joo Lins Vieira Cansanso de Stnimb
da Ala"'
n
3f> ** >\
Ta-
Decrelo n. 2,946 de 7 de junho de 1862
Permitte que a agencia da companhia da seguros
Garanta, da cidade do Porto, estabelecida oa
capital da provincia do Psr, continu a fune-
cionar.
Attendendo ao que me requereu a directora da
companhia de seguros Girantia, da cidade do Por-
to, devidameote representada, hei por bem con-
ceder referida companhia a necessaria autorisa-
co para que s respectiva agencia, creada na ca-
pital da provincia do Para, continu a funecionar
sob as condicoes que baixsram com o decreto n.
2,905 de 16 de abril do correte anno.
Joo Luiz Vieira Cansanso ds Sioimb, do
meu conselho, mioistro e secretario de estado dos
negocios da agricultura e commercio e obras pu
blicas, assim o leona entendido e faca
cutar.
Palacio do Rio de Janairo em 7 de julho de
1822, 41" da independencia e do Imperio.Com
a rubrica de S. M. o Imperador.Joo Lins Viei-
ra Cansanso de Sinimb.
-Remet-
mbargador
.nda nacio-
.o que em 2 do
inicipal e de or-
'--acAo em origi-
uomei da Silva, a
j.iit. municipal, afim de
..a o vigirlo da freguezia da
i.j padre Joaquim Ignacio Goncalves
o facto constante desses pspeis e nos
itado parecer do desembargdor pro-
corda.
Portara]Os Srs. agentes da Companhia Bra-
sileira de 'Paquetes Vapor mandara transpor-
tar para o Rio-Grande do Norte e Maranho no
vapor que se espera do sul, dous caixoes contendo
crrante
phos de
nal feite
que se
que pr.
Gloria d
da Luz
termos do
caradqr d
2 seccao.Ministerio dos negocios da justica.
Rio de Janeiro, 11 de junho de 1862. lllm. e
Exm. Sr. S. M. o Imperador, a quem foi pre-
sante o officio dessa presidencia, datado de 8 de
maio do aooo panado, submettendo sua im-
perial deciso urna duvida suscitada pela ti.e-
aouraria de fazenda dessa provincia, que nao
julgando os juizes municipaes comprehendidos
no 3 do artigo 7" do regulameoto de 3 de Ja-
neiro de 1838, contestou o direito de dar o pre-
sidente da relacao desse districto licencia a es
tes empregados : houve por bem, conformndo-
se com o parecer da seccao de justica do coose-
lho de estado decidir por sua imperial e imme-
diata resoluco de 28 de dezembro ultimo, qae,
em conformidade da lei de 2z de setembro de
1828, compete aos presidentes das relaces con-
ceder licencas aos juizes municipaes at trila
dias, conviodo que da concesso de todas aquel-
las que segundo essa lei, lhes compete, dem
conhecimeoto s respectivas thesoararias pelo
modo que o governo determinar, o que Ihe com-
municopara sua indiligencia.
Deus guarde a V. ExcJoo Lins Vieira Can-
sanso de Sinimb.Sr. presideute da provincia
de Maranho.
2" seccao.Ministerio dos negocios da justica.
Rio de Janeiro, 11 de junho de 1862.Illm. e
Exm Sr.Teodo o escrivo do crime e clvel des-
sa capital Herculano de Souza Monteira consul-
tado a essa presideocia ae havia ineompatibili-
dale entre os cargos de juiz, vereador e escri-
vo dos feitos da fazenda, por isso que lbe fo-
ram entregues uns autes em que haviam f ac-
cionado muitos juizea por parte do vereador
auppiente da cmara municipal Antonio Jos da
Silva Rocha, e achou-se elle embaracado para
cumprie-0 despacho, por ser Silva Rocha escri-
vo doa feitos da fazenta e nao poder ser juiz
conforme a disposicio dos alvars de 8 de Ja-
neiro de 1827, e de 28 de oulubro de 1814, cor-
roborada com o argumento da ord. liv. Io m.
21 5, rupondeu V. Exe. que nao hi iucompa-
tibilidade entre os mencionados cargos, vista
da disposicio dos avisos de 19 de agosto de 1849
e 28 de maio de 1860, sendo inaccumalaveis os
exercicios simultneos de juiz e escrivo, e tam-
bem de escrivo de orphaos e vereador, quando
to fomente aquelle o nico no municipio, e
que, quando mesmo os cargos cima referidos
fossem incompaiiveis, nao poda o escrivo, e
muito menos pela forca dos artigos 142 e 162 do
cdigo criminal, que nao tem applicaco aiguma
ao caso, deixar de cumprir um despacho do juiz
porsemelhante motivo ; cabendo nicamente s
psrles o direito de lancarem mo dos direito
Ministerio dos negocios da fazenla.Rio de Ja-
neiro, em 18 de juoho de 1862.O visconde de
Albuquerque, presidenta do tribunal do thesouro
nacional, ordena que, para execuQo do decreto
n. 2,936 de 16 do crtente, se obserrem as se-
guintes instruccoes :
Art. 1. O fiscal das loteriss da corte 4 o dele-
gado do governo, sob cuja vigilancia deve ser fei-
to o servico da extraeco das mesmas.
Art. 2o. Compete ao ao mesmo fiscal:
1. Estudar todos os melboramentos admis-
siveis neste servico, e propo-los ao governo pa-
ra que sejam adoptados.
2*. Tomar juramento, e dar posse ao Iheon-
reiro nomeado pelo governo |para a venda, ex-
traeco e pagamento doa premios das loteriaa da
crte.
3. Crear um livro de assentameoto das lo-
teras, vista do qual se conheea com toda a
exactldo o numero de conceasdes feitas pelos
poderes legislativo e ejecutivo, e todas as oa-
tras circumstsocias que forem necessarias para
esclarecimento do governo.
4o. Fiscalisar o processo das loterias, para o
qua poder examinar se os taldeseontem o nu-
mero de bilhetas msreados no respectivo pleno,
e se no dia da extraeco soexecutadas as dispo-
sices do rogulameolo de 27 de abril de 1844,
5 Fazer no lira de cada anno, vista do
livro de assentamento das loteras, o projeclo de
d'stnbuicao das que dererao ser extrahidas no
a ano seguiote, e apreaenls-lo ao ministro da fa-
zenda, para que este, se o approvar, o convarta
em decreto.
6. Indagar se anda s reproduz o facto qus
algumas vezes se tem dado nesta casas encarre-
gadas da venda de rifas ou de loterias perteocen-
tes s provincias do imperio, e mesmo a paizes
estraogeiros, para que se tomem as providencias
que forem necessarias em ordem a fazer cessar
a iofracco do que a esta respeito dispoe o decre-
te n. 2.874 de 31 de dezembro de 1861.
| 7. Dar seu parecer sobe os requerimenlM
exigidos no art. 3o do mesmo decreto, que tem de
ser dirigidos ao governo pelos estsbelecimentos,
irmandades e corporaces a que se tem concedido
loteriss, para que o mesmo governo possa resol-
ver, nos termos do art. 2" 1* da lei o. 1,039 de
18 de setembro de 1860, se tem lugar a redueco
do numero das ditas loterias, annullacao das con-
cessas, ou modificaco de suas clausulas.
8o. Examinar e dar parecer sobre os reque-
rimeotos das adraiuistracoes dos eslabelecimen-
tos e egrejas que se acharara as condicoes do art.
5 do referido decreto, vendo oa requerrnoslos
por intermedio do ministerio do imperio, e ios
truidos com documentos aulhenticos que provena
ai circums.tjuGias dos ditos eitabelecimeotos, oa
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 16 de junhe de
186S
Officio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahiba.Em viata do que ponderam o brigadeiro
commandante daa armas einspector da thesouraria
de fazenda nos offlcios juntos por copia com refe-
rencia ao requenmento incluso tambera por copia
do lente do 7 batalho de infantaria Cietano
Xavier de Oliveira, vou rogar aV. Exc.se sirva de
expedir as suas ordens no sentido indicado pelo
referido inspector dignsndo-se commuoicar as
providencias que tomar afim de que poisa en at-
tender a pretenco do referido teoente.
Dito ao commandante das armas.Sirra-se V.
Exc. de informar acerca do que pede no incluso re-
qusrimento o.padre Antonio Malaquias Ramos de
Vasconcellos.
Dito ao provedor da Santa Casa da Misericor-
dia.Kespondendo ao officio que V. S. hootem
me airigio^pediodo autorisaco para mandar fazer
as despezas dos collegiosdosorphos no correte
anno econmico de 1802 a 1863, independenledo
orcamento que nao foi ainds nrganisado, cbe-
me dizer-lho que confiando no zelo solicitude e
economa com que ae deve esperar que a junta
da Santa Casa administrar a fortuna dos orphos
entregues a seas cuidados concedo a autorisaco
pedida no citado officio, certo de que de ora em
diante ser apresentado a esta presidencia o re-
ferido orjameoto as pocas determinadas pelo
compromisso.
Dito ao mesmo.Em Tista de sua ioformaco
datada de 14 do correte, mande V. S. entregar
a Mana Ponciana da Couceico o seu filho Joa-
quim Maximino Simes educando do coilegio dos
orphos.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em vista da ioformaco ministrada pelo inspector
do arsenal de marinha em 14 do crreme sob
numero 250, e que por copia Tai cobrindo o in-
cluso requerimeoto de Francisco Botelho de An-
drade, arrematante da obra do casa e atierro do
Forte do Mallos, mande V. S. pagar ao suppli-
cante a qaantia de 12:5i5$O00 a que tem direito
correspondente a mais de 13 bracas que fez do
mesmo caes, como se to ds citada ioformaco.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Derolvo a V. S.j reconsiderado, o peiido que
Teio annexo ao sea officio de 12 do correte, sob
numero 394, afim de que, conforme requisitou o
director da reparticAo das obras publicas em offi-
cio numero 158 de bontem datado, mande entre-
gar ao tbesoureiro psgador d'aqaella reparlico a
quanlta de 8:905S250 res constantes do mesmo
.pedido, para as despezas com as obras por ad-
miolslraco neste mez, descentaoda-se nessa oc-
csslo o cont de res, qua ae mandou adiantar
no dia 11 por conta de tal pedido.
Dito ao commandante superior do Recite.
Competlado ao governo imperial, nos termos do
diversos objectos que o arsenal de guerra tem de
enviar aquellas provincias.
Dita.Os Srs. ageotes da Companhia Brasilel-
ra de Paquetes Vapor mmdem transportar pa-
ra as Alagdas no vapor qae se espera do norte
dous caixoes contendo diversos objectos que o
arsenal de guerra tem de enviar aquella pro-
vincia.
Dita.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu a professora publica de iastruc-
gao primaria dt freguezia da Boa-Vista Francis-
ca das Lhagas Hibeiro de Oliveira e a informa-
Cao ministrada pelo director geral da inslrucco
publica de 8 do correte sob n. 159, resolve pro-
rogar por tres mezes com ordenado na forma da
lei para tratar de sua saude, a licenca de qua-
renta dias qua foi concedida a referida professo-
ra por portarla de 26 de maio ultimo.
Dita.O presidente da provincia, lendo em
vista o qae requereu o stereomelra da alfaodega
exe- desta capital Manoel Coelho Cintra, e bem assim
ss informa;oes ministradas pelas repartiedes
competentes, resolve cooceder-lhe 60 dias de li-
cenca com vencimentos na forma da lei, para ir
edrte do Rio de Janeiro tratar de sua saude.
Dita.O presideote da provincia tendo em
vista o que represento o respectivo commandan-
te superior em officio o. 58 do 1 do correte,
resolve privar do posto de alteres da prmeira
companhia do 2* batalho de infantaria da guar-
da nacional deste municipio Jos Cyprisno Ao-
t ii Des, por se acharcomprehendido ua disponga o
do 2 do art. 65 da lei n 602 de 19 de setem-
bro de 1850.
nr>s-Ayres por cinco arroos, em quanto se nao
edificara a cidade qae efe futuro servisse para o
mesmo flm, no territorio que forma o termo de
S. Nicolao de los Arroyos na proviocia de Bue-
ons-Ayres, e o que tica entre os Arroyos del
Medio e Pvon na provincia de Sacia s at a
altura da lintia do fundo da ;->elle termo que se
federalisa, ligando em fraternal abrac > as-duas
provinciaa que teem aido.oempre rivaes.
A 19 do correte entrou este projecto em
discusao, eaaltindo-lhe as vantagens os Drs.
Alsioo e Elisalde. Combateu o ttt. Velez Sarn-
eld, encarregado de representar a parte cmica
em todos estes-negocios, procuran lo lhes sem-
pre o lado ridiculo ; e entre pilherias e gracejos
demoostrou com talento e lgica qae observan-
do-so os preceitos cooslituciooaes, o coogresso
legislativo ordinario nao lioba (acuidades para
desfazer, por meio de uro voto, a armacao fe la-
ral que forma a coufederacao argentina, e que
por conseguinte nem discutir se poda um pro-
jecto de lei que tendose a fazer desapparecer do
gremio da nagao urna proviocia iateire, pelo que
apresentou em aobatituigao do que se discuta
doas projeclos, um declarando capital da rep-
blica a povoago de S. Fernando, na provincia
de Baenos-Ayres, com o territorio de quatro le-
guas quadradas, e outro estabeleceodo que o
poder executivo entrar ni posae e plena admi-
nistrago do governo da provincia de Buenos-
Ayres, que pela coastituigao perteucem ao go-
verno nacional, a que na forma da tnlado de 6
de junho de 1860 Acarara sob a aimioistraco
do governo da provincia at resoluco do
congresso.
O ministerio q'ie pelo orgia de Riestra declarou
nao seoppr retirada do projecto em discuiso,
com tanto que se adoptarse urna disposigo que
estabelecesse a coexistencia em Bueuos-Ayres dos
poderes legislativos provincial e nacional, encar-
regando-se ao presidente da repblica o exeretcio
do poder executivo da provincia.
Em virtude destts encontradas opinioes voltoa
o assampto outra vez commisio, reforgado
com mais tres membros, para que tenio-os
vista, propozeise o que mais conveniente lbe
parecesse.
Na imprema, na prac do commercio, nos
clubs e as reuni m potilicas nao se discute
oatra cousa, consideran lo-se vital este as-
sumpto.
O pensamento do ministerio ante-coostita-
ciooal, porque o presidenta da repblica nao
pode exercer outro emprego durante o periodo
da sua presidencia; mas tambem a constituido
se oppde a que se redura o numero das provin-
cias de modo que .(-" Fen)T.er a o. saber
anal >* ^^aaieic.OMUaadM tr.r menos
inconvenientes.
Sendo to grave o negocio, tornou a commis-
sao a exprimir-se de modo amphlbologico, dei-
xando ao arbitrio da cmara a designago do
lugar onde se estabelecer a capital permanente :
mas no art. 4o propa quo durante o termo de
cinco annos as autoridades nacionaas continua-
r o a residir na cidade de Buenos-Ayres, que,
como toda a provincia, se federatisar na ti'.en-
so do seu territorio, ficando debaixo di imme-
diata e exclusiva direcgo do coogresso e do
presidente di repblica, com as reservas e ga-
rantas que no mesmo projecto se estipu-
lan). Este novo projecto, que o mesmo que o
primitivo, excepto o art. 1* que deixa de desig-
nar a futura capital, apenas foi assigeado por
quatro membros o qut indica ter bavido grande
opcosico na sua discusso.
latamos pots na expectativa. Ao lado desta
de prolongada cafermidade que troixe jS do asa
paiz.
Os dous factos raai importsntes que se doran
na repblica oriental de Uruguay foram a desti-
luico do ministro do g-overoo e estrangelrot Dr
D. Hioriquede Arrascaeta, e a tentativa de ar-
sassinato de D. Nicul'o Antonio Calvo, contra m
pessoa de um amigo verhu. o Dr. Pesco, Italiano*
politico que- teem a habilidade de filiar-se uar
ms causas.
Nao se sabe porque estes dovs> aDtigos canta-
radas se arrutara-m lusteo-tando looga polmica,
de que resulto recordar o Italiano a Cilvo cor-
tos manejos qideuam mala prorerito do que
honra, e ir este armado de um ccete casa
daquelle, onde Ihe partira a cabega a nao ter
sido o opporluno auxilio dos viiioho*.
As cmaras prorogadas entreteem-ae a-discutir
os aossos borneas Ilustres, passado, presentes e
futuros, pira se saber o lugsr que estes devem
oceupar no cemilerio. Nasceu este- pensamen-
te da cabeca do Dr. Carrera, e mioistro que
autorisou a malanga de Quinteros, talvez para
tributar homenagem a alguma das Tittimas
daquelle iofando saccesso.
Aimpronsa official tem combatido a idea de
crear panle5es, funlando-se em quo nao seria
eslranho que as cinzis h >je qualiQcadaa como
Ilustres fossem amaoha espalhadas ao vento
para dar lugar a outras considerada mais Ilus-
tres. E' de suppr que o projecto durma o sera-
no dos justos pelos seeulos dos seculos noi
archivos da secretaria di cmara.
O peridico blanco La Discusin,, denuncia nas>
suas columoas editoriaes um horroroso aisassi-
nato perpetrado pelo commissario da polica do
um termo do departamento de Taquaremb. la
esta fra na persegaigo de dous jovens, am dos
quaes cahio desmatado do cavallo. Refreou an-
uo o compsoheiro a sua cavalgadura, oderecen-
do entregar-se se a polica- Ihe respeitasae- a
vida ; mas, surdo a toda clemencia, ordeno* s>
commissario aos seui soldados que matassem
ambos, o que se cumprio. Estes tactos, qua
com demasiada frequencia se repetem, nao ar-
rancara o ; iverno criminosa apaibia com que
vi converteram-se em assassinos aquellos mes-
mos que o povo paga e sustenta para seren
goardas da sua vida, honra e fazenda.
Tendo regrosado a Buenos-Ayres o general
Flores, procuras os emigrados federaes em Moa-
tevidu induzir o governo a tomar medidas vio-
lentas, mostraodo-Ihe correspondencias de Bue-
nos-Ayres em que outra vez sa annuncia urna
invaso.
* '-- Quai
rur agora nao tem is.o fundameniu. ,
posso asseverar todava que cousa que mais dia*
menos dia se far, porque nos paizes onde se nao
deixi aos partidos a hberdade de lutar nos comi-
cios, no parlamento e na imprensa, am
direito perfoito repellir a violencia com a vio-
lencia.
{Jornal do Commercio, do Rio.)
INTERIOR.
Despachos do dia 16 de julho.
Requtrimentoi.
Abaixo assigoados moradores na povoacao dos
Affogados.Informe a cmara municipal do Re-
cite.
Fraocisco Jos de Moraes Silva.Passe porta-
ra concedendo a licenca pedids.
Flix de Valois Silva.Nao tem lugar avista
da ioformaco.
Joo Adolpho de Souzi Brrelo.A'vista da
ioformago nao tem lagar.
Bicharel Mi noel Izidro de Miranda.Passe
portara concedendo a licenca pedida com ren-
cimentos.
Manoel Pedro de Castro Lima.Informe o Sr.
iospector da thesouraria provincial.
Commaudo das armas.
Quartel-greneral do commando das
armas Je Pernansbueo na cida-
de do Recite em 16 de julho de
1862.
ORDEM DO DIA N. 111.
Teodo-se apresentado nesta data, rindo da Ba-
ha, o Sr. alferes secretario do corpo de guarni-
Co desta provincia Joo Nones Sarment, deter-
mina o general commandante das armas que o
mesmo Sr. alferes esteja prompto a seguir para o
seu destino com a maior brevidade por assim
convir an servico.
Assigoado. Solidonio Jos Antonio Pertira do
Lago.
Conforme. Jos Francisco Coelho, capilo
ajudaote de ordens encarregado do detalhe.

EXTERIOR.
Huertos, \vres, 28 de juoho
de 186C.
O estado das cousas polticas de Rio da Prata
corre parelhas com o lempo. Assim como oa
temperatura estamos experimentando violentas
transidas que produzem innameraveis enormi-
dades, augmentando a morlslidade diaria, tam-
bem na atbmosphera poltica apparece cada dia
nova variante qua aTecta a moral publica,
produzindo transtoroos nos negocios pbli-
cos.
Na minha anterior referi-me ao projecto da
commisso do senado nacional que acooselhava
grande queslo, em que sempre lem sossobrado
as primeiras inteligencias argentinas, preoecu-
pa-se toda a populaco com a questo econmi-
ca. J na minha anterior dei coota de um pro-
jeclo do mioisterio da fazenda que crea seis
milhdss da pesos fortes em fondos pblicos para
resgtlar o papel-moeda, regularisando-lhe o
valor.
A apresentagao desle projecto produzio imme-
diatamente a baixa do ouro, o que proporciona-
ra aem davida bora lucro a algam amigo do
ministro, no jogo da praga, mas comegou logo
outra vez a duvila, e j ss vsadom oncs
428 1/1
A expulso da deputagao de Cordova proJuzio
oaquella proviocia profunda aensago, manifes-
tando a impreosa liberal a maior indigoaco
contra o congresso; mas, passado o primeiro
impulso, bao de acalmar-se os nimos, e de
esperar que se proceda a novas eleicoes com
tranquillidade.
Depois da submisso de Penalosa houve anda
um feito de armas na cidade de Rioja, sitiada
pelas torgas de Cirios ngel, lente do Cacho,
que ig-iorava a submisso do seu chefe ou s ella
se oppuohs. Felizmente foi esta giierrilha batida
por torcas de Uienos-Ayres ao commando de
Arredondo.
No Rosario houve nova mudaog ministerial,
ficando todas as pastas a cargo do Dr. D. Jos
Mara lubina. A impreosa dsqaella provincia
sustenta a idea de se estabelecer ali -a capital da
repblica.
O general Taboada tomoa conta de governo da
provincia de S. Thiago.
Em Calarmarca deu-se um saccesso dessgra-
davel. Acaman provincial expulsoj do seo
seio alguns membros por faltarem de continuo s
sessoes, e declsroo sem eUeito a lei que oomeu
Correr goveroador proprietario em coosequeocia
do vol que Ihe poz o governador interino
Omell. Cooliouava sublevada a campiuha
daquella provincia, sendo chefe da insurreigo o
seu aotigo commandante general D. Domingo
Bildoza.
Nos dias 7, 28 e 29 de julho devem verifi-
car-se em todas as provincias as eleicoes de pre-
sidente e vico-presidente da repblica.
Sanccionou-se o projecto de que fallei as
minbas anteriores correspondencias, autorisando
o banco a estabelecer sucursaes de deposito e
descont oa cidade de S. Nicolao de los Arroyos,
villa de Marcedes e povoacao de Dolores.
Cootinusm os Irabalbos do caminho de farro
de S. Fernando com actiridade, apesar do pessi-
mo tempo que taz, e j se eit construindo o edi-
ficio que deve servir de estago de partida.
Um destes dias teve lugar a recepeo official
do ministro americano Kirk, trocando eloquin-
tisslmos discursos elle e o encarregado do P.
E. N.
A 26 deu o general Mitre um banquete ao
mioislro de Inglaterra Thorton, que se ausenta
temporariamente deste paiz, onde conquislou
muiias sympatbias durante a saa residencia.
As noticias das demais provincias sao destitui-
das de interesse. Depois da invaso que os
Iodios fizeram na provincia da Siuta F, temos
noticia de outra que acaba de veriGcar-se na
proviocia de Mendoza. Viodo os selvagenj
acompanbados de muitos christaos dos que per-
tenceram gente de Juan Saa e outros caudi-
lhos, principia e governo a pensar seriamente
ueste perigo tomando medidas de precau-
go.
O general Urquiza nao d sigoaes de vida. Pa-
rece oceupar se exclusivamente do arraajo dos
seus negocios particulares.
Discate-se hoje no senado o projecto de lei
sobre a capital. Opportunamente darei cuota do
resaltado de urna discusso qae trsx em sobre-
salto o paiz ioleiro, dependendo d seu xito s
estabilidade da paz, que parece ser o estado
anormal destes psizes favorecidos do cu com
um clima frtil e beoigoo, mas desgranados que
farte pelo carcter dos seus ti'.hos.
Hoje s 3 horas ds larde deve enterrar-se o
conda de Brossard, encarregado de negocios e
BIO DE JANEIRO.
27 de juoho.
O Sr. ministro da marinha, acompanhado pelo*
official.encarregado do qaarlel-general da mari-
nha, dirigi se honlem, inesperadamente, i for-
taleza de Willegaigoon, onde ae acbam aquarte-
lados os dous corpos de marinha ; demorou-ss>
all at quasi urna hora da tarde, examinando tu-
do com a maior minuciosidade, e dirigio-se de-
pois fragata Conslituico, qae tambem exami-
nou.
28
Sihio ante-hootem deste porto para o Rio da
Prala o commandante da estagao naval iagleza,
levando comsigo os vasos de guerra Forte, Tri-
bune, Stromboli e Curlew. Da positivo nada sa-
bemos a respeito do que all o leva, mas hontem.
corra geralmente o seguiote, at certo ponto con-
firmado pelo commandante do vapor Ardnei, tam-
bem ingles, que acaba de chegar da Montevideo.
Ha lempos, por causa de um cachorro, teve a
tripolagao de am escaler da corveta Curecoa urna
rixa com ama torga de trra do Estado Oriental,
havendo ferimentoi, e sen lo insultados os offi-
ciaes ioglezes e o commandante da estagao naval
da mesma naco, que casualmente sobreveio
quando durara aiodi o conflicto. O ministro in-
glez teodo reclamado debalde do governo orien-
tal a puuigao dos que se Ihe antolbaram deln-
queme!, officioa para Londres, donde recebsu.
agora iostrueges. Nao sa sabe de que natureza
eatis sao, mas ultima hora corra em Montevi-
deo que aquelle ministro, se cootinuassem a re
cusar-lhe a satisfago que exiga, la pedir oa seus
passaportes e ratirar-se para bordo da corveta
Salillitt, teodo pelo sim palo nao mandado bus-
car ao Rio de Janeiro o reforco que acaba de par-
tir.
Se tudo islo assim pois que nada sffirma-
mos, e se chegarem a romper hostilidades, nao-
sabemos a esta guerra qae nome sa pora que na
historia Ihe record a origam.
Temos sempre summa satisfago em noticiar
os progressos ds industria, quer conseguidos en-
tre ni revelem os fructos da perseveranca a do
trabalho, quer oblidos em paiz estranho nos sir-
vam de estimulo e modelos, como resillados do
proficua experiencia.
Neste ultimo caso est, a nosso ver, um enge-
nhoso instrumento que recebram os Srs. V. Si-
do w & C, estabelecidos ra dos Ourives o. 61.
E' um piano de meio armario, fabricado na co-
nbecida casa de Pape Filho, de Pars, e dolado de
dous apparelhos mecnicos qae o tornam til
principalmente aos fazeodeiros e mais habitantes
do interior que dispoem de menos recursos para
a afinago desses instrumentos, pela distancia em
qae ae acbam dos que exercem essa profisso.
O piano que vimos parece satistszer ampia men-
te esta hypothese. Por meio de um mecanismo
especial que Iranspoe pela presso sobre as cor-
das as dilferentes oilavas a um nico tom, o do
l no diapaso, cooaegue o curioso verificar fcil
e promptameote a desafinago de urna nota, sena
carecer do ouvido urlico e fino do proseienal,
que para o mesmo fim consulta a justeza das
quintas, oitavas, etc.
A prova pratica, siogela, coocludeote, neste
caso a unidade do som, e urna vez puxado o re-
gistro da oitava correspondente nota duvidosa,
imposiivel nao distioguir o la falso entre as ou-
tras notas unisonas. Resta ento apenas a appli-
caco da chave para a situag.io da nota disso-
nante.
Nao Qca ahi porm o melhoramento do piano:
muitas vezes a causa da de=fioigo urna ou sao
duas entre as tres cordas de um piano ; e nesta
pesquisa tambem o afinador leva tempo, auxi-
liando-se nicamente com a sa* palheta. O pia-
no de lape filho adiacta tambem essa parte do
processo ; possae um abafador que permitte inu-
lilisar ioteiramente nesse intento as cordas fra do
prova, deixando soar a que est aujeita a afioa-
co.
Como se pode colligir desta breve noticia o
novo piano merece o exame dos entendidos, e a
atteogo dos curiosos.
-n -
Acabara da sahir a luz os dous primeiroi ci-
dernos de urna obra de cuja prxima apparico
j o publico Unha noticia. Sao as recordacoes da
exposico nacional, publicaco emprehcndida pe-
lo instituto artstico dos Srs. Fleiuss Irmos &
Lindo com a coadjuvaco litteraria dos Srs. mar-
que de branles, conselheiro Di* de Carralho
e Matii Sarment, lente coronal Conio Soares,
luuaiiinu uo senado naciona que acoosemava couuu uu uiu*aru, encarregauo ."*'' r> r.u^r^V n .,mhr. Fausto Uafir-
a capitaliMcao proTUoria da provincia de Bie-|e cnsul-general da Fidoca, fallecido 4epoUlRw.BwlVi Aumbuja, Fausto, ua wr-

*%^



DIARIO DE P1KN4MBUC0, SaBBDO 1 Dfc JLHO DE 116.
eiro, Andrade e Lagos, Aievedo, Feroandes da 6 horas para Nitherohy, d'onde, na barca Tercti-
Cunha oulroi. Contis estes dou* primeiro ca-
bemos novo estampas llthogrspbsfja*, quesera
asetem primorea artsticos do todava adequeda
idea des objectos qie representen). Para expli-
car a naturexa e Boa desia obra, aem duvida dig-
na de benvolo acolhimeDto, nada melhor pode-
mos lazar do que tramcre,ver-lbe aprefafo ea-
-ang&ada pelo Sr. marquec de branles.
O maravilhoeo etreito dao eipoeicoea nacio-
*aes que, em 1844 e depoia, tiveram logar era
Pars, Berln, Vienn, e Madrid, provocara entre
s o decejo de seguir-se o eiemplo dado por
queltae papitaes.
Oppi-f e a esse deaejo, lo ai a eren? de
algunt de ser inopportune a toa realisago, tomo
o temor de multes da que o aeu provavel insuc-
cesso roais desabonaste do que acreditaste o pata,
o E porm, como justa compenaacSo, eate roes-
trio deaejo malogrado inspirou entao naquelles
que o liohem tnanifettado e em alguosque o ha-
Tiam contrariado, profunda conviego de que,
para lvalo a e(Tito, eram inefJicazes os estor-
bos particalaras e tornava-se necessaria a acgo
oderosa de goerno. Forzoso foi aguardar mais
avoravel entejo para reproduii-lo.
A precootsada abertura da expsito inter-
nacional de Londres em 1862, e a evidente con-
venieDcie de concorrermos aquella justa do pro-
tjraeto de civilisago, oferecee-n aquel le en-
avojo:
Toca ve qussi ao tan fimo anoo de 1860. o
cempria que anticipadamente., de accordo com a
convicio adquirida, foase Invocada aquella aegao
Jodispensavel.
O imperial instituto Fluminense de agricul-
tura e a aociedade Auxiliadora da Industria Na-
cional, eocarregando-aa dessa patritica misao,
pediram respeitos*trente ao governo imperlsl que
faouvesse por bem aar o neceaaario impulso para
^ue fossem orgaaiaadae algumas exposigdes pro-
-viaeiaee, euma nacional netta corte como efftca
aneio de poder-ao cohecer o estado da noaaa pro-
lucgo agrcola a industrial, e promover o seu
slesenvolvimeoto.
Benvolamente deferida esta peligo eipedi-
a* s ordena neeessariaa aa auto.idades provin-
iaea. nomeada-a commisso directora central, a
encelados os seos trabalhos preliminares em agos-
to, consegaio -se no cario eepaco de tres mezes
Mguintes receber e coordenar os objectos expos-
tos, e realiaar-se a abertura da exposigo nacio-
nal no fayUMflimo dia 2 de dezembro de 1861.
Apreciada por oacionaea e estrapgeiroa tomo
- primeiro e aprestado inventario oaa forgas pto-
lactivae do Brasil, a exposigo desde logo infor-
tnou a ere osa da inopporlunidade e desvanecen
c temor deaeu insucceaio, ofTerecendo dapols am-
pio assumpto a retlexo doa que oceupam-ae de
joestdea econmicas, e dos meioe de desenvol-
ver riqueza nacional.
Alera desloa fructoa pradezio ella onlros de
enr valia. A concurrencia e comparegodos di-
versos productos expottos ao louvor ou censura
la trra e daa artes liberae* e mecnicas os defeito
anse devem corrigir, os aperfeigoamentos a que
tlies cumpre Mtingir, e os meios que Ihes con-
cern empregar, para que a sua prodcese ile-
rior possa Igualar, eeiiio exceder, a dos sxpo-
tores agora laureados.
Assim pois, so metilo e haver se converti-
o ero escola e ensino raoioo a expos'r.ao sjun-
tou o de estimular vivamente os briosdoa venci-
dos na pacifica arena que abrir ao concurso de
lodoa os productores, o de indicar a cada um a
enda que dere trllhar para avantarjar-ee tntre
s seua pares.
i Mas, embora de tantos beneficies gozasssm
os expositores, e as 50,000 pssos que viittram
exposicao, todava certo que nao se comple-
~1? cablDieole e fucundo peosamenlo que pre-
adira 6 sua orgauisagao. Sendo nacional devia
lia prodigahtar a todoa os Brasileiros, e nao li-
twar eos que percorreram as suas salaa as pro-
-veitoaaa H(ooa a til animado que I-be cabia dr.
loovmha Indeclinavelmeote occorrer a algum
,,'*' con,P1?">do_ aoaplo yassivel fosse
tj"* posamento, propo'rcioossse sos babilan-
4es dequalqoer localidade do paiz o gozosenSo
Je todos ao menos da boa parte doa fructos que
xioderam colhar os residentes cesta corte o pro-
vincia do Bio de Janeiro.
Gredoreaaao portento do nofso louvor e gra-
fidao os editores da presente obre, que, sando
hbilmente do enico raelopraticado. conseguirem
efferecer aos olhos dos que nao poderam ver, as
cenas e objectos mais ioteressatite?, e que mais
apreciados foram por aquelles que os viram .
30
Foi hootem inaugurada, como afiamos ao-
eunciado, a carraira iiaa barcas da companhia
Ferry.
A's 10 lioras o meia da manha chegaram
ponte da corte SS. MM. e AA. 11. acompanhedas
la aeus semaaarioa e dos Srs. ministros das obras
publicas, guerra e marioha. servio shi recebias
pala directora da companhia, gerente, o grande
numero da convidados, ao som do hymno nacio-
nal executado por algumas bandas snarciaes.
As augustas pessoas visitaram as tres barcas
que ettavatz, atracadas ponte, e examioaram
lodos os coaimodos, macbioismo, etc.
Pouco depois de 11 horaa, SS. MM. e AA. II.
e sus comitiva, em companhia dos Srs. ministros,
elguos senadores, dopuiados e ofliciaes da arma-
ta, directora da companhia e gerente, seguiram
para a capital da provincia na barca Segunda, a
tordo da qual is urna bauia de msica que tocou
eempre durante o trajelo. Neiaa mesma batea
pasaaram as tres calecas que trouceram SS. MM.
- AA. e seus semanarios.
Mais de 1600 convidados lomaran; ento lugar
as barcas Terctira e Primeira. E4a ultima, ao
largar, cahio sobre um paiacho que eslava tun-
deado as proximidades, e nao aendo iogo possi-
arel desembarazar o leme que soffrera no choque,
sateu sobre a barca de banhos, resultando da bs-
irucjao do lugar estragos recprocos, mas feliz-
mente de pouca importancia, e voltar-se um ea-
aler que imprudenlemente quiz pasear pela pta
da barca, sem que houvesse de lamentar-ae neste
incidente alguma parda de vida.
No enlamo adiautava-se a barca Segunda para
a ponte de S. Domlogos, onde so com demora
f ode atracar, por causa da extraordinaria baixa
ca mare.
Nessa ponte foram SS. MM. e AA. recebidas
pelos Srs. presidente e vice-presidente de provin
cis, presidente e urna commisso da cmara mu-
nicipal de Nitherohy, chefe de polica, secretorio
me governo e oulraa autoridades. Cma compa-
nhia de menores do arsenal de guerra fazia abi a
guarda de heors.
Entrando para as suas carruagena, e passaodo
pelo loga e Tapuca, foram as augustas pessoas,
acompanhadas dos Srs. mioistro ds obras publi-
s, prasideole e vice-presidente da provincia e
nutras pescoas de saa comitiva, a Icarahy ver a
asa comprada para o Asylo de Santa Leopoldi-
nai; e seodo recebidas pela mesa, examioaram
iodo o edificio. Nesta occaso foi presente a S.
Jf. o Imperador o plano das obras que eslo de-
terminadas, e vo ser emprehenJidas, atim de dir
aquella eslabelecimento as proporcoes preciaas
para receber 3J30 edacandas.
Dahi, tomando pelo Calimba e Cobaogo, foram
iSS. MU. e AA. Vicencia, percorraodo todaa aa
tontee encanadas, caixas d'agua e parte do enca-
namento, S. M. o Imperador provou a agua da
diveraas nascentea o ouvio do Sr. director daa
obras publicas tedas sa iuformacoea relativas
aquella obra.
Era seguida foram as Augustas Pessoaa ao ea-
rtanelecimenlo de crispi a deposito de saogaeau-
jgas no campo do JJooeeca, e dirigiram-ae dabi ao
Bajo de Santa Leopoldina, na ra da Praia, em
Altberohy.
.5. M. o Imperador viaitou com a mator mina-
aoaidade o esUbelecimenlo em todas aa euae
partes, demorando-se bastante lempo em verifi-
car como erara as ssyladaa tratadas, materias de
nsino.etc.
Pasaaram depois SS. MM. e AA. eseola nor-
aaaI, estabelscida em am presidio silo ma da
Ptincezi, .enio shi recebidas pelo Sr. director da
oatruccap, profesares da escola e pessoas con-
vidadas.
Lido um discurso pelo Sr; director da escola, e
prestado pelos professores juramento as maos do
tVC. director da inatruccao, o aborta assim a se-
ronda escola normal de iastrucgo primaria que
* provincia tem estabelscido, seguiram S. M. a
Jmperalriz o aa augustas prlocezaa para o Inga,
onde dsscanssram no palacio da preaidencia ; e
M. o Imperador foi a p para o quartel do
orpo policial.
Ah demorou-so Sua Hageatade pereorreodo
asas de arrecada5ao e provsoes, enfermaras, in-
alagou com cuidado como corriam todos os ramos
alaqoelle semeo, procos e quslidades dos gneros
* asaeio da casa, a provou do rancho dos solda-
AOI, mostrando-s mito aatisfeito da boa ordem
em qa eocontroarbido.
rs, sa pasaaram para a cite, acompaohadas pe-
las mesmas autoridades e principesa pesaos* que
aa companhanm durante toda a excurso.
Na estacfo da curte estava servido um jaotar,
offerecido pela directora o gerencia, qflo SS. MM.
e AA. dignaram rfe aceitar.
Antes de SS. MM. e AA. deiiareaa a mesa o Sr.
W. P. Jonea, direstor da caaspanMe, propox um
brinde a Sua Hageatade Iaspwsor e tua au-
gwata familia, qe foi vivamente correspoadtdo.
Heliraranavee depets a sas(uajSj>s pessoavemn o
ceremonial son que havicajt sMe recebida*. e a
que correspoediam com teeanla fTabilidade.
Aaaentou-seal4lo i asaao gnode numato de
convidados, e trocaram diversos brindes anlogos
feala que terminan.
Um accionista da companhia distributo pelos
convidados a poesa segainte:
Salve I a fiihos do progresse
Cujos nomes d'ora avante
Tero direito a cada instante
Da mais ssota gratido
Deste solo, que se ufana .
Da receber o estraogeiro
No sea lar hospitaleiro
a N'um doce amplexo de rmoo.
Salve 1 trea vezes I o monarcha augusto
< Que aoa filbos do progresso aaipara... anima I
a Silve a mao generosa e batiifazeja
c Que o progresso cooduz s mansas agaaa
*. Qae em aeu regaco o Guaortara eocerra I
Salve 1 in;a vezea I Raioey progreaaisla
De eterna gralido mil vezes digno
Dos tilhos deste solo americano I
a Nithercfiy 1 Nitherohy I que docemenie
Do Guanabara s margena te reclinas 1
Nilherohyl Nilherohyl Nympha encantada
No dece resonar de magos mohos I
< E' tempo de acordar i juuta aos festivos
Hymnosque nos eqfafam neste dia
< Rendaos de grstidao que te merece
a Raioey, Joaes, Galvo, eujos renomes
Em nossos cora;ss eternos licam 1
a Salve I os Qlhos do prosresso,
Cujos nomss d'ora avante
a Tem direito a cada instante
a Da mais santa gratido
Deste solo, que se ufana
De receber o eitrangeiro
No sea lar hospitaleiro
<: N'um doce amplaxo da irmao.
- 2 de julho
Por sentencia do juiz direito da comarca de S.
Joo do rriocipe, o Dr. Manoel da Arwijo da Cu-
nba, foram condemDados Manoel Garca stebos,
Pedro Manoel Martines, Manoel Antonio de Arau-
jo e Manoel Antonio Pereira. Oa tres piimeiros
em dez anuos e oilo mezes de gales para a lina
de Fernando, como autores do crime de tentati-
va de fabrico de n,oeda falsa ( bilhetes da 200
do banco de Braail), cuja fabrica se apprehendeu
em Piripiti; e o ultimo am sete aooos e quaren-
la dias. como cmplice no niesmo crime ;alm
da malla corresponden! a melado do lempo.
Foram absolvidos o tenente Antonio Dias da
Silva e Francisco Aotooio de Mendoose, aecusa-
dos tambem como cmplices.
O promotor publico, o Dr. Minoel Rodrigues
Jardim.appellou, para a relacao, da parte da sen-
teriijs que absolveu estes tres aecusados.
Pelo jury foram condemnados Noboa, Martines
e Araujo pelo crime de tentativa de falaidade das
notas de 503 do banco Rural e Hypothecaro, e
Martines tambem pelo crime de resteocie ; seo-
do bsolvldos os outros quatro aecusados.
O mesmoDr. juiz de iteito appellou da de-
cisodojury quanlo a abso|vi$o de Noboa do
crime de resistencia, e da de Pereira do de ten-
tativa de falsidade : e o promotor publico, Dr.
Jardlrn, appellou da mesma deriso oa parle em
que absolva os reos dos crirces porque foram ac-
i usados.
Sejs baos, rindo, como to- fr^arreuatefco en
peera
ercrever outro livro.
dos os estrangeiroa que cm animo daapraveaidb
vem eatudar as nossaa cousas, pata fazar e noaao
paiz conhecido no mundo, qae t o mais que al-
ie precisa para ser estimado. *
naUs
30 da janho da 18M.
Tava lugar hoatem a vostsllac: de ssyle de
expeetes da Sinta Case de Miesafcesjdia.
Fot urna soleaandada que deixeai profundas
gratas imprese,
O eoncurso foi luzide e immeawe, Ettiveraae
preeentea e Eira?. Srs.eooteHieiropeaaideuta da
provincia, arcebispo, shefe de polica, muitoa ir-
moa da Saeta Gasa, e vanas pessoas notareis
da cidade.
As dea horas e meia celebrou-se a missa na
capella do edificio : depoia delta (orara baptisadoa
alguns expoitea, de que foram padriohes os ir-
mos da Santa Casa.
Depoia.desta ceremonia foi servido um pro-
fuso copo d'agua, qae a mesa ofereceu aos visi-
tantes.
Aotaa de principiar eta eeremeaia o Sr. Fi-
gueiredo Leite como provedor da Santa Casa di-
rigi aos convidados urna breve, perem bem ela-
borada allocu;ao, em qua ainda ma ves moa-
mesa para realissr lodos os melboramentos qua
jalgn necessario e em favor doa inlelizes que
Iba foram confiadoa.
Viceram-se varioa briodea, avultando entre
elle-s pelo enlhuaiaemo com qae foram corres-
pondidos, os quaes foram ditifiidos i pbilaotro-
pica masa da Santa Osa. aos Exona. Stf. presi-
dente da provincia, arcebispo, baro de C'jtegipe
e bario de S. Lourenco.
Finito elle diricirara-se todos os convidados
aos diversos saldes qae estavam devidanseot-e
adrnalos.
Os dormitorios, as sslas dss aalas, aa de tra-
balho, todoa oa commodos do aditicio atum.tne- abundava.
o do poro que sa des-
alo festejos dCeerdade, aguardando o
aono futuro. Muitas poesas foram rectadas.^e-
lss jaaellaa; (oros o vivaa por toda a parta, at
flus foi reeolhido a urna hora da manhaa no de-
posito onde se coatuma guardar o carro, qua in-
dica o triumpho da heroica provincia da Baha
Em a noile de II do eorrento eme guarda da
honra do 10 batalha tofeertario eenduzia, i
eer entregue em casa de aeree! Jouquim Aoto-
to da Silva Carvalhal, bansetra dea veteranos,
que o moamo batothio atavia aolloaado em um
Iropho da armas qee se erigi no sen palenque
palos festejos do dia 2 da julho.
A soseaissao doa ve tersaos, e muitos outros
socios, o teoeote-coronel Jos Aato comminlia-
te do 10 batalbo, tenente-coronel Rocha Lima,
major Carlos Betbez, commaodante do esqua-
drao de cavallaria com seus officiaea e oa do ba-
talhao de caladoras, recebaran) a meanaa bandei-
ra ao som da msica marcial do dito 10 batalho,
sijae, e floree laucadas palas senhoras que so tl-
nham reunido na casa do referido coronel, eogri-
nsldadaa de capellaa da folhaa da independencia,
primirossmenta arraojadaa. Recolhida a btn-
dslra qua foi eollecada jaoto 4 efigie de S. M. o
imperador, e ornada da urna rica Gta bordada a
ouro, com a legeoda O 10 batalho de infanta-
na aos bravos da 2 de julho de 18e Sr.
Francisco Muniz Barreto recito* urna poesa que
foi geral a entusisticamente applaudida. se-
guiodo-se a leltera, feita pelo Sr. Cunha Valle de
outraa offartadas, e tambem geralmeots applau-
ddaa, principalmente a que foi offerecids com
florea pelea Exmas. Sras. D. Brasilia Nabuco, a
Brasilia Juoqueira. O Sr. teneota Fernandas,
do ilalho de caladores recitou ama poesa qoe
muitoagradou. o Sr. Dr. Gustavo Xavier de S
igualmente recitou umaoutra poesa qoe foi mul-
to interrumpida da eolhusiastitoa vivaa pelos bri-
Ihantaa panaamenlose msgoificas imsgeos da que
Na sanio snnusl celebrada aote-hontem pela
ftjdejnia imperial de mortirin foi lido o seguir-
te programma das queiiuc. oropostas para o au-
no de 1863 : ->
1* Em que difiere a febre lyprhoide da ente-
nte violenta e da meningile tuberculosa V
2* Haver, alm das rauaae geraea reconhe-
cides em todas as grandes cidades para o desen-
volvimiento da phthysics, causas especiaos no Rio
de Janeiro ?
Ser eom effeito lao frequeote a phthysica
como rezam as nossas estatisticas ? ou isso seta
devido aconfuso toro outras molestias pulmo
nares ?
3o Dos cosos era que se pode dar a verseo es-
pontanea, e qual o seu mecanismo ?
4" Esludo e analyse das diversas ipeccua-
nhas ; e quaes as suas indicaqoe!, e seus sscce-
daneos no uso thetapeutico .'
Em 31 de margo do correte anoo fiudou o
prazo marcado pela le de 22 de agosto de 1860
para o troco das notas de 109 em papel azul e cor
de rosa, e de 20$ e 305 tor de oca do banco Com -
merriale Agrcola, e 05 e 300 em papel branco
do banco Rural, mandadaa retirar da circulagao.
Como todo o valor emitirlo nao foi rergatado uo
prazo fatal, ficarsm fra dosbancos algumas des
sas notas, em pequea quantidade, mai sem valor.
Eottelanto consta-nos que rlguns especulado-
res tem trapingido essas olas aos incautos, pas-
sando-as pe'.o valor que iodicaro.o que, alm de
effecluar a fortuna pob ica, serve pars desacre-
ditar os estabdlecimentos que legalmenle asemit-
tiram.
Chamamos, pois, a attengo das autoridades
para este abuso digno da tepresso, dando mais
um aviso ao publico para quese nao deixe lograr.
8
Entrou hontem em terceira discusao no sena-
do a fixae.ao de forgas de Ierre. O Sr. Ferraz
offereceu as seguintes emendes, que foram apoia-
das :
i." Ao art. 4.* da proposta accrescente-se :
Estas disposiges comprehendem os cadetes e
soldados particulares que asseotarem preca vo-
lunlariaroente, e com a idade da lei.
2.' a Ao art. 3.* aupprimam-ae sa seguintes
pslavras do art. 7.: do srt. 26 do reglamen-
to approvado pelo decreto o. 772 de 31 de marco
de 1851, bem como as... ,.
3.a Supprima-se o \. do art. 6., redigin-
do-se convenientemente o mesmo artigo assim
alterado, s
4.a Ao art. 6.a Se nao passar a emenda sup-
pressiva do 1.a do art. 6.a, seja este substituido
pelo seguinte :
1.a Para reduzir o quadro da segunda clas-
se como for conveniente ao servico.
5.a Se nao passar a emenda suppressiva da
primeira parta do art. 7.a, depoia das palavraa
de 31 de margo de 1851,accrescente-se o se-
guinte- em beneficio nicamente dos officiaes
que por les's ou molestias adquiridas-no aervi-
(o nao poderem continuar nos corpoa em que se
acharemo msis como no artigo.
Oraram os Sre. marquez de Gaxias, Ferraz e
Souza e Mello, e Ocou a discusso encerrada, nao
havendo casa para votar-se.
receram dos visiUoles os nuiores elogies, pelo
aceio, pelo arranjo e pelo cuidado com que es-
tavam preparados : ainguem houva que nao di-
rigase philantropica mesa um voto de gratido
pela solicitude e desvello com que sa houve osa-
se cobre e humanitario ampenho.
Em favor desee pi eslabelecimento promeve-
ram os Srs. baro da Pass o Aotooio Jos de
Araujo Lima naquella occaaio, urna subacripea
entra os irruios da Santa Cssa e varias outrss
I pessoas, que rendeu a quantia de l:125tf. E' um
faci que nao podemos deixar paasar desaperce-
bido.que falla sabejamente em favor daa qualida-
des daquellesdous cavalleiros, e que moslrs os
seotimantos de que se acham animados todos os
que vem no aaylo urna garanta para a educado
de sent e quarenta e tantos orphos que all re-
ceben o p3o da caridade.
A casa dos expostos e das educaodas da Santa
Casa nao mais o edificio scaohado, sem ar, sem
luz e sem espaco : um magnifico palacete on-
de a par das roelhores condicoea hygienicaa se
vi a rpo carinhosa e previdente de urna mesa
qua nao poupou desperas por aquelles infelizes
de quem sao tutores dedicados.
E j que fallamos dessa mesa que tanto se tem
recommeodado pelos beneficios que ha feito.no
deixatcraos de registrar aqu o noma do seu pro-
vedor, o Sr. Manoel Jos de Figueiredo Leite ;
de seuescnvSo, o Sr. Dr. Luiz Rodrigues Du-
tra, e de sou thesoureiro, o Sr. major Francisco
de Sampslo Vianna, a quem se deve especial-
mente a realisaco de to bello pensamento : es-
tes honrados caracteres que recebara em nome
da humanidadeos mais sinceros agradecimentos.
Foi ums bella aolemnidade que hontem pre-
senciamos, e qae se nao se osteoiou erz pomposas
m-gnicencias,porque a fasta da caridade seoi-
pre modesta, brilhou todava pelo pensamento fe-
cuado que a icepirou. pela idea altamente hu-
manitaria que foi realisada.
7 de julho
Cachotlra; festejot do dia 2 dejunho.
Houve na noile de 24 a levada do c#rro trium-
phal para o lugar do coslume, qual
coocorrtu "m o. i'iotico, c
m
Foi ana bella faata. Via-aa ali mocidada es-
peranzosa repreaeota4a por urna commiaao do
bstalho do MinervaDous de Julhounida a
dos nossos irmos das qroviocias do sul e norte,
officiaea dos diversos corpoa da guarnigo, con-
fraiernissda eom os velhos da patria, a quera trl-
batavam oa maiorea reapeitos.
As dez horaa o Sr. coroael Carvalhal coovidou
a todas ss senhoras e eavalleiroa para ama ceia,
muito profusa e xpleadida. Todos os briodes
foram levantados so aom da muaica marcial do
10 batalho, e s 2 horaa da madrugada fiadou-
se o festim com um brinde S. M. o imperador,
S. A. esposa e dyoaitis.
junr
c*rn
mente
poste de
-lot'o de
CSAatA',
Destrihui^o de premios.
No domingo (6) a urna bora da tarde lave lu-
gar em palacio oa sala do docel a cero monia da
dettribuigo doa tituloa honorfico, com que o
jury da ex.oii<;ao geral da corte premaia oa ex-
positores desta provincia, conferidos pelo Exm.
Sr. presidente.
Assistiram a esse acto, revestido de toda ao-
lemnidade official, o Exm. prelado, os fuoccio-
narios pblicos, o corpo consular, a officialidade
dos corpos de linhs, polica a guarda nacional, e
um brilhante coocurso de pessoas do commercio
e gradas da cidade.
Duas bandas de msica tocaram antes e depois
da ceremonia, que foi aberta por um discurso
analoho do Exm. Sr. presidente, e encerrada por
urna breve allocuco do presidente da commisso
exposilora da capital, Dr. Pompeo.
Dos premiados- estiverara presentes e recebe-
ram ttulos os Srs. Antooio Paes da Cunha Ma-
mede, Moraes, e Albauo [por procurador). Os
expositores do Aracaty nao comparecern).
Discurso que o Exm. Sr. presidente
Dr. Jos Beato da Cuaba Figuei-
redo Jnior profer na oceusiao
de conferir os diplomas honorfi-
cos aos expositores da provincia,
-Seohorea Em cumprimentodas ordensispe-
naea cabe-me a ealisfaco da distribuiros diplo-
mss de memo hooroaa que pelo jury geral da
exposicao nacional foram conferidos aos produc-
tores expositores residentes oesla provincia.
Essas provas de insuspeila disUacgao encer-
rsm em si masmaa o louvor dos qee souberam
to dignamente merece-las.
Limitto-me, pois, a dirigir minhas sinceras fa-
Iicitacoea aoa premiados, sssocisndo-me assim
aos distinctos cavalheiros, cuia presenca veio a-
brilhantar o acto.
Fora eacussdo de mioha parte exprimir um
voto de ipeeotivo com relagao aquelles que *x-
pootaneamente remetieran) productoa para a ex-
posicao. J ellee bem manifestaram sua firme
esperanga as vantagens que naturalmente re-
sMliariam do primeira ensato desse genero que
tivemosoo paiz. E' licito portento acreditar que,
aam auxilio de impulso eslraoho, hao de coocor-
rer para outra festa industrial, porvtntura mais
completa.
Ha peosamentos de um mrito intuitivo que
dispensa qualquer demonstrago. Apenas e-
nuncisdos. revelam a todos os espiritoa oa ben-
ficos effeltos que delles se deverocolher. Tal
a exposigo nacional.
Basta reflectir que at bem pouco tempo urna
grande copia de productos naluraes e ariisticos
de urnas provincias ersm absolutamente ignora-
dos em outras.-.'Anda mais ; em alguna pontos
de urna mesma provincia fallava a noticia exac-
ta das preciosidades que ostras encerravam. Mui-
tas erara apenas conhecidss pelas disciipges de
estrangeiroa que vinbam observar nossaa rique-
zas, incitados pela curiosidsda ou pelo amor da
scieocia. Os nicionaes raras vezes se aventura-
vam a excurgoee peoosissimas, peto nico dese-
espectsculo pela soejedade dramatici Cacboeira- je de investigar esses Ihesouros.
na com o drsma0 crime punlodo o crime. A exposigo nacional vio, pols.supprimir essa
na noile de 27, encerrada a efigie de S. M., urna grande falla reunindo sob um ponto de vis-
percorreu diversas ras o carro triumphal. e de- ,' harmnico e no centro de ama populago nu-
pots toi conduzdo ao seu costumado deposito. 1 terosa, activa, Ilustrada e opulenta os riquis-
As8im terminaram os festejos do sempre me- | eimos e variados productos de um vasto e flores-
orinal iln l- J ^ "___ l_ ...; ____a
l como o
tremente
sus mu-
elos roes-
irmisados
"eparado
. o Im-
pou
man-
E'no.
limitado n
concorreu a
No dia 25, r.
sica, foi conduzidc
moa marioherpa<"
e depositado am <..
Na Praga se achava
um bello palanqae com a nnb.
perador.
Depois de feitas as devidas continen> e, sahio
a cmara municipal, da aala dos suassesses, di-
rigio-se casa do Sr. Dr. juiz de dileite. onde
se achava S. Exc. o Sr. preaidente i provincia,
e dahi, cora este, igrtja matriz, afim" de assia-
tir ao Te- tum.i que, igualmente, assistiram to-
das as autoridades desta cidade e S. Flix, mui-
tos officiaea e co^imandantes de diversos bata-
Ihdes, e um numeroso coocurso de pessoas.
Antes do Te-Deum otou o Rvro. Sr. vigatio Dr.
Caoflido de Souza Requiao, que, com um subti-
me e eloquonte discurso, despertou no corago
de lodos o mais vivo entbusirsmo que claramen-
te se roaaifestava pela alegra de todos os sem-
blantes.
Findo o Te-Deum, dirigise S Exc. com a c-
mara ao palaoque, e desencerrando-se a effitie
de S. M deu os vivas do cosame, tocando da-
pois o hyi.i.o nacional,ss msicas do batalho 12
e da polica da capital. Acabado esse acto deu o
bstalho as descargas do eslylo, fez ss continen-
cias e relirnti-se.
Nessa noile, e as de 26 e S7, illumnou-seto-
do o palacque o sala da cmara, assiui comemui-
tas casas particulares, havendo noite de 26 um
porcorrer sa dilate, limitado por um horisonte,
1Jt a tombem sem csua%-emo o progresso
del *tUe -elU promove' cujoSTraellsa nao nos
" f' com POdsross alavariea que as nages
..i Europa conseguir m avantajar-se ao
resto do maudo. e elavat-ae a esse grao de torga
e prospertdade do qae nao se eocooira ezeaplo
na historia aratiga e Bodern.
a !"L2 wp7* que MDr* *lorU < driliss-
gao e dado- hoja permanecvr indillereote ao me-
viaseenMastafl. qua, aajgeieoUndn ss com-
modtdsdas e gazas aoctaes, aperfeigOa ao mesmo
lempo a otelligencia e a moral, a alera huma-
nidade a seus altos destinos.
O Braail, que anhela marchar na senda da d-
vilisago moderna, hoje descaptivado das lutas
esteris da poltica especulativa, faz nobres es-
forgos para adquerir um nome entre os povos in-
dustriosos, nico braio, que d loros de civili-
sago.
Com essas louvaveis intengdes o governo impe-
risl promovaa o aono paseado na corte, e era al-
gumas provinciae, a exposigo aos productoa ln-
dwstriaes, como urna festa solemne, em que o
trabalbo humaoo, ji victorioso e enobrecido, ia
entre nos aubir ao aau throoo para receber a ho-
mensgem e tributo do louvor, a admirago qae
a sociedsde Ihe nao recuse.
A nossa provincia foi convidada comparecer
nessa baoquete industrial, e nossos corages pal-
pitaran) de emogo, na considerego de que tai-
vez o mundo tioba de coohecer nos por um des-
ses ttulos, por onde ss costuma afferir a dvilisa-
gao de um povo.
Limitadlssimo foi o lempo quetivemos para
entrar nesse certame era que linham de compa-
recer as riquezas naturaes e industriaos de todo
o imperio ; os convites nao chegaram mesmo a
lampo sos limites da proviocia : isso nio obstou
a que alguna cearenses das deas comarcas da
Fortaleza e Aracaty (anicas que tiveram tempo)
deixassem de concorrer, seno com todos os pro-
decios de nossa nascente induatria, ao menos
com aquellea que a opportunidade permittio.
Remelllas exposigo do Recife algumas
arootrae esees productos, foram all bem aco-
Ihidas a aprecisdaa pelo publico e pela directora
geral que as remelteu para a exposigo geral da
corte.
A provincia nao deve arrepender-se, e menos
envergoohar-se de seu comparecimento nessa
grande aolemnidade; pelo contrario s tem mo-
tivos de congratular-s pelo aprego que recebeu
de um publico clviliaado, e pela honra e premio
que Ihe cooferio o Ilustre tribunal do jury da
exposigo, como acaba de communicar-nos, de
ordem do governo imperjal, o Exm. Sr. presiden-
te da provincia.
Como orgao neste momento da commisso di-
rectora, e direi da provincia, apresso-me agra-
decer am seu nome e dos expositores benemri-
tos, a esse testemunho de aprego, dado aos seus
fracos ensaios, e declarar que o recebemos como
urna prova da solieltude e zelo, com que o go-
verno imperial procura promover e fomentar to
momentoaoa iotereaser, apresentando-oos esse
estimulo e iocentivo qua nos deve fazer redobrar
de exforgos, para que, aperfeigoaodo os nossos
productos adquiramos um nome, que nos torne
conhecicos no mundo.
Sao esses os nossos votos.
De minha parte, e como presidente da com-
missap eocsrregada de agenciar productos para a
exposigo. s vejo na menso honrosa com que o
jury nos distingui, urna prova de benevolencia
para com os sinceros desejos, com que a com-
misso procurou corresponder s intengdes do
governo, e prestsr um pequeo servigo sus
provincia : aceitamos agradecidos essa honrosa
dislioeco.
Fortaleza. 6 de julho de 1862.
Thomaz Pompen de Souza Brasil.
Continuo a hontem na cmara dos depu lados a
discusso do parecer da commisso de poderes
sobre aa eleigoea de eleitores daa freguezias de
N. S. da Luz di Pedra Lavrada o da Senhora da
Conceigo ta villa de Cabaceiras, da provincia da
Parahiba. Orou o Sr. Arago e Mella.
Eutroa depois em discusso o orgamento na
parte relativa ao ministerio dos negocios cstran-
feirot.
Oraram os Srs. Junqueira e Taques.
Ambas as diicussoes ficaram adiadas pela
hora.
Foi depois S. *.-'Imperador, am carru.gem.l P veie de assa"
palacio da presidencia, a reuniodo-ae a S. M rULu. n pM, r.
1.....I., .....t.. miMu,. .i,. 7 1 Bron s ot Bramares, que
Imtttttu i M|wi ptluMMs, Toluram j i heBej^gtnda yjagsa, polis
Fot nomeado oppositor da secgo de sciencisa
acceseoriaa da faculdade de medicina da Sabia
o Sr. Dr. Virgilio Climaco Oamazio.
9
O CoRtutton, bello barco aorte-americano,
entrado hootem des Estados-Uoidos. sobre ser,
segando affirmam, o maior vapor mercante de-
poia do famoso Great Eaiiern, fez a viagem mala
rpida de que ha memoria, gastando 18 das ape-
nas de Nova-York aqu, sem forgar as machinas.
De constraego elegante, meds elle 370 ps de
comprimento e 73 na maior largura, tendo ca-
pseidade para 4,000 tooeladaa de carga. As ma-
$""" de perfoigoado -trabalho, sao da forga de
1,500 cavallos. sala principal dizem-nos ser
maior do que a do 5reo/ Eastern, a
que em vastdo e aceio faria honra a
ci.
Perlence esta emb.rcago Unittd-Statu Pa-
ctfe Matl Steamshtp Company, cujos barcos na-
vegam entre o Panam e S. Francisco da Cali-
fornia, o, tendo sido j empregado no transporte
de tropss, chegoo a levar commodamente 4 000
honsens do ejercito do Mac Clellan de Vasbiogton
gem o Sr. Fielcher, sutor da obra
teociooa empre-
Dossai provincias e
ser
o certo
um pala-
moravel dia 25 de juoho.
9
Recebemos hontem o Regenerador de Nazs-
reth que alcance a 5 do correte.
O dia 2 de julho foi festejado naquella cidade
com pompa. O Regenerador descreve assim o
quanlo por esta occesio sa psssou :
a A commisso encarrilada dos festejos do
sempro memoravel Dia 2 da Julho envidou
todo os seus esforgos para festejar dignsroenle o
da da Liberdade ; e ajudada pelo enthusiasmo
da populago conseguio aeus fios.
Na noite do dia 1 de julbo foi o carro leva-
do para o Calabar entre vivas, saudagdes e poe-
sas. A madrugada do grande dia foi asudada por
foguetes, repiques de sloo a msica. As essas,
ao despontar da aurora, estavsm ornadas de ban-
deiras nacionaes, folhas de caf, flores o colchas.
Diversos arcos de folbagem estavam levantados
as ras, por onde devia transitar o prestito. A's
10 horas o distncto batalho patritico Com-
mercio e Artes que eslava elegante em aceio,
trsjando roupa a chapoa brancoa. com una rica
facha verde com o distico em caracteres doura-
dos ; na deficiencia da guarda nacional, marchou
precedido de urna banda de msica marcial para
o lusgr da reuoio; um batalho de joveos de 8
a 12 aonos cora a denomioago de Esperanga-
loantil tambera concorreu ao festejo, e um
luzdo esquadro de cav,iiaria ob a denomina-
cae de Uoiao Brasileira-. Todoa esses corpos
patriticos a immeoso concurso da povo Azarara
a entrada triumphal, sendo o carro guarnecido
pelos veteranos lidedores da independencia. Pe-
las janellas via-se o bello sexo entusiasmado,
recitando algumas senhoras poesas e laagando
florea sobra o emblema da liberdade A's 4 horas
?-! ,"deot'" P'6*1'10 P5s da municipa-
lidade depois de desfilaren) em continencia os
batalhoespatriticos efBgie de S M I collo-
cado no rico e eleganlo palacete, deu'os'vvas o
commandanle do batalho patritico Commer-
cio e Arles edes(rogaram-se. J eslava dis-
posto na matriz o acta de acgo de grsess ao To-
do Poderoso pelo eliz auccesso de oossss armas,
e onde o pregador imperial o Sr. Fr. Carneirofez
ouvir a sua voz eloquante em presenga da illus.
insuma cmara municipal, qee se aprsenlo*
em numero de cinco vareadores com o seu es-
tandarte.
A' noite illuminou-se o palacete, que apre-
senlava urna rica vala, tocando a msica diver-
sas pegas ; havs grande concurso de povo na
Praga ; aa casas estavam Iluminadas e a alegra
reinava por toda a parte. A ordem nao foi per-
turbada e o prazer foi completo.
a No dia 4 concluirm-sa os festejos.
a O batalho Commercio e Artes outrs
vez reunido, em numero maior de qaatrocentai
pragas, formou-ao na Praga e icompDhou o car-
ro, que percorrea toda a cidade acompaohado
de mmenso povo. Ao cbegsr ao lugar do Cala-
bar.subio ama machina, como coatumam chamar
aos bsloes aerostticos. A i*ma que ha aa di-
r.etioi poolos d cidade nio foi a obstculo
cente imperio.
Symbollsou-se o pensamento sympsthieo de
uniao e raternidade entre as provinciss ; das-
cortioou-se um largo horisonte para triumphos
mais explendidos; epsra complemento desse
quadro animador, ah veio a recompensa official,
que denunciando talentos at eolio igooradoa, e
coroando esforgoa meritorios, recoidou anda
urna vez o preceito constitucional que eooobre-
ce o verdadeiro mrito, e o anima sempre a no-
vas conquistas.
A esta provincia coube a honra de preceder
suss Irmaa na exportsgo de grande numero de
productos naturaes e artsticos.
Um disliocto memoro da commisso scienli-
fica teve a feliz inspirago de colher e apreaen-
tar esses producios devidamenle classifcados no
museu nacional. Foi um pequeo ensaio que
por muilos dias excitou o mais curioso exame
de urna multido de diversas classes, e deu
urna idea vantajosa das riquezas da proviocia,
o do brilhante futuro que Ihe promette o seu
solo fertissimo, e as variadas aptidoes ioduslriaes
de aeus habitantes.
Contta-mequa a mesa adminstrate da San-
ta Casa de Misericordia pretende apreseolar no
dia 2 de dezembro prximo vindouro urna col-
lego de productos, cuja importancia ser depois
pplicada em beneficio doa enfermos indigentes
que procura seu nico abrigo sombra daquella
piedosa inslituico.
Possa o mais brilhante resaltado corresponder
aoa exforgos daquelles que buscando alhar um
novo triumpho da induatria a urna obra de cari-
dade, escolheram para esse fim o anniversario
natalicio do mooarcha magnnimo, que se mos-
tra to extremoso proteotor das artes, como bo-
neGcente para a pobreza desvalida.
E' um voto, que a natural aasociago de ideas,
e o deaejo mu sincero de ver bem protegido um
pensamento to louvavel, me obriga a fazer a
todoa qua ma Duvem, e por tanto aquelles a
quem hoje distribuo os premios de mengo hon-
rosa.
Fortaleza, 6 de julho de 1862.
Seohore*.
Urna das feigoes caractersticas do seculo, urna
das mais bellas conquistas da civilisago moder-
na, certamente a gloriflcago do trsbslho, esse
producto da intelligencia applicado a modinesgo
da materia para a vida do horneen, e bsm-sstar
da sociedade.
_ Foram precisos seculos para que urna verdade
to simples, o preceito imposto por Deus ao pri-
meiro hornero, fosse davidameote compreheodi-
do pela humanidads, e enobrecido como o ver-
dadeiro instrumento do progresso, e perfectibili-
dade social, segundo os designios providenciaes
do Creador.
A industria, que a concepgao maja elevada
do trabalbo, em auas infinitas e variadas formas,
como base da sociedade moderna, faz todos os
das novas o patucas conquistas no dominio a
intelligencia e da nalarsza para a felicidade da
flumamdade ; i medid* qee vanga, o campo
qaeno combate nao ttineheirss. O genaral Hal-
Isck mandos logo oceupara cidade.
No dia 5 de jenho s euquadra ale Alto-Mis-
tissipi alacou aa canbenelraa eooH>*ad*s en
numero de oito, a algumaa milbaa de Mampbia,
Houve, durante duas horas, lata desesperad,
indo s pique quatro vasos conferados. AQosl fl-
caram vencedores oa federaos : a cidade renda-
se o foi lego eeeapsda pelo coronel Ellet.
O eeerel Boohan achsva-ae as pretfmfda-
des da Charlestoo, que devia ser am breve ataca-
da. Dizie-se qee os confederados tinosas ah nu-
merosas forga, tendo recebido soccorros de Beau-
regsrd, qte se sproxlmava para defender a ci-
dade.
< Na cmara doa representantes o secretarte *a
guerra Staotoo declarara qae oao eooatava offi-
cialmente ao governo que o geoeral Hontsr hou-
vesse organiaado em regiment de negro*.
< Havia aido remettido ao congresso o tratado
celebrado eotre os Estados Unidos e a Inglater-
ra para a represso do trauco da africanos. O tra-
tado deve durar dez annos.
< Na seaso de 18 foi adoptada pelo congresso
de Washington asa lei determinando que aoa
novoa territorios nao ser admittida a escra-
vido.
Dra-se em triste tacto em Nova-Orloana.
Um individuo de nome Mumford, tendo arranca-
do a bandeira da Doio que fra arverada ees ees
edificio publico, havia sido entortado.
Tinham-se recebido noticias do Mxico at
2 de juoho.
a Os francezea bavism aido batidos pelos ase-
xicaoos em Amstoe, parto de Puebla, e obrigado
retirarem-se para Orizaba. Commandavaoa o
mexicanos os geoeraes Negrete e Berrioaabel.
Doua batalhea de zuavos comegaram o ataque .
os mexicanos os esperaram e fizeram fogo & pe-
quena distancia. Depois de repetirem o slaqua
duas vezes da frente, os franceses dirigiram-as>
para as fortificages do Guadalupe, e ainda ahi
foram repellidos. Avaliava-se a sua perda em
600 a 800 homene.
Em Orizaba leve tambem lugar ura combate,
que iicou indeciso, entre os raccionarioa e o
liberaea.
Jurez fortifican aa vixinhangae da capital,
e estava resolvas a defeode-la al a ultima ex-
tremidade.
Bahia e Alagoas.IfstJa occorreu digno da
mengo.
DIARIO OE PERNAMBUCO-
O vapor Paran, entrado hootem dos porlos
do sul do imperio, sshio do Rio no mesmo dia
que o ingles, cajas ooticias demos em nosso nu-
mero de hontem. Da Bahia, porm, o Paran
trooxe uro numero do Diario de 15, e de Alagoas
noticias at 17 do torrente.
D'uma nova reseoba feita nos jotnaea trazidos
pilos dous vapores, tolheraos o seguinte :
S. Paulo.J era conhecido o resultado d_
eleico 'um deputado tssembla eral pelo 1*
dulricto da provincia em substituido ao cense-
Iheiro Jos Bonifacio, menos o collegio de Porto
Flix; seodo votados os Srs. :
Cooselbeiro Jos Bonifacio.......... 150 votos.
Dr. J. Meodes de Almeida........... 124
Chegra capital, de volla de sua viagem
Santoa e Mogy, o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
Fallecer o Rvm. capello da s e meslre
de ceremonias padre Fortunato Gongslves P. de
Andrade.
L-te no Correio Paulittano;
Na noile do Ia do correte foi brbaramente
assatsinado com um tiro de trsbaco o inspector
de quarteiro do lugar denominado Barteiros, do
termo de Bannal, Prudente Manoel Penna, por
um escravo de sua sogra, que logrou evadirse ;
o asssssioo postou-so de emboscada junto casa
da victima, e esperoa-a at s 8 horas da noite ;
Peona, ao abrir a porta, recebeu a descarga. To
certeiro foi o tiro queima-roupa, que urna bala
empregou-se no maxillar inferior e estrangulou-
o completamente, na testa e no meio do oariz
teye doua quartos de bala que varram o crneo,
seis no pescogo e o resto em cima do corago ;
ao todo 37 quartos de bala Era urna verdadeira
melralha. F6i geralmente sentida esta morte, por
ser a victima um cidado pacifico, o pai de nu-
merosa familia.
Na cidade de Piodamonhagaba, em um dos
suburbios, deu-se tambem no dia 1" do correle
urna rixa eotre varioa individuos, de que resul-
tou ficarem dous morios e outros feridos, sendo
origem da desordena o estado de embriaguez em
que todos estavam.
Joo Aotooio Antunea, feilor de Jos Farreira
Braga, da cidade de Sorocaba, palo escravo deste,
de nome Joaquiro. O assassino evadio-se.
Minas.Fallecer em Sabara o desembargador
Jos Lopes da Silva Vianna.
_Os serranos, autores das desordena de S.
Rorr.o, haviam fgido ante a forga que para all
enviara a presidencia da provincia.
Continuava a grassar na cidade de Passos a
epidemia de bexigaa ; felizmente, porm, era pe-
queo o numero das victimas.
Paran.Achsva-se marcado o dia 20 do cor-
rete para eieigo d'um deputado, em substiiui-
go ao cooaelheiro Zacaras.
Rio de Janeiro.Foi elogiado em ordem do da
do quariel-general de raarioha o Ia teoeote Ma-
noel Antonio Vital de Oliveira, pelo seu bello
trabalho sobre as costas do Brasil entre Mossor
e o S. Francisco.
Coocedeu-te licenga ao capilao de fragata
graduado reformado Aotooio Joaquim de Saola
Barbara, para continuar no servigo da companhia
brasileira de vapores.
Dorante o mez ultimo renderam :
Alfandega da corte............... 1,673:6183121
A racebedoris do municipio...... 591:8823237
A mesa provincial................ 9I:867cC83
A casa da moeda cunhou :
Era ouro para particulares....... 36:658(089
Em prata para ditos.............. 1959174
Em prata para o thesouro........ 34:3003000
L-se no Correio Mercantil:
Nss folhas que recebemos dos Estados-Uni-
dos, at 19 do passado, encontramos noticia* de
diversos combates e tlroteios em que foram ven-
cedores ora os confederados, ora os federaes, fi-
cando estes, porm, em posigo mais vantajosa
nos ltimos das e senhores de Coryolbo eMem-
pbis.
c O axercito de Mac Clellan am frente de Rich-
mond fra no dia 31 de maio atacado pelos con-
federados junto do Williamsburg; a vanguarda,
commaodada pelo geoeral Casey, teve de recuar
at alm do rio Chickahominy, que atravesaos em
confuso, seodo grande a perda de bomeos e ba-
gsgem.
No dia seguinte, porm, os federaes atacaram
os vencedores e os repelliram. O combate teve
lugar durante um terrivel temporal.
a O general Fremont, federal, eocootrra-se
em Harrisomburg com as torgas de Jacksoo, a
qaem persegua. A retirada da Jacksoo era feita
em boa ordem, gragas habilidade do general
de cavallaria Ashly. No encontr, que foi um dos
mai* sanguinolentos desta horrivel guerra, os fe-
deraes flearam vencedores matando grande nu-
mero doa contrarios, entre os quaes coco gene-
raes e muitos officiaea superiores. O geoeral
Ashly perecea no combate que tomou o nome de
Fair Oaks.
Aa forgas de Jackion mais Urde ancontrarara
0 derrotaran parto de ami dlviso [ader! sob o
Cu minando do coronel Ctrrold.
C'jrymho tiobft lido Ticuido depois de pe*
REVISTA DIARIA.
Amanha deve ter lugar a elelgo do noro
ccoselho director da Associagao Typographica
Pernambucana; o qual deve regar os trabalhos
do novo anno social.
Hoje se dever extrahir a quarta parta da
segunda lotera para o Gymnasio Pernambucaoo
(terceira conceaso) no consistorio da igreja de
Nossa Senhora do Rosario de Santo Antonio ;
deveodo comegar o pagamento dos premio* de-
":03 al os de 10$ urna bora depoia da exlrac-
co. Os bilhetea eatato veoda em todos os
pontos al s 8 1)2 hora* da manha.
No dia l.do correte foi dado luz no Rio-
de Janeiro um jornal diario sob o nmade Cons-
titucional, para o qual escrevem as melhores
pennaa da corle.
Sua misso na imprensa a de ser o orgo de-
partido conservador, cujos interesses, como eoti-
dade da forma governativa por que nos regamos,
nao tem sido em verdade represeotsdos da ba
muito na extenso convenanle no jotnalsmo da
corte. E de feito, ao paaso qae a opioio con-
traria maotinha all orgaoa permanentes de suaa
aspirages e de seua principio', o partido con-
servador psssava por intermiss'es. que davam
lugar a torrerem sem embargo ue"m impagaagea
principios cootealaveis, apreciaget inexactaa e
incompletas, commeitendo assim um quasi sui-
cidio em suas ideas, contra aa quaes convergan
as sophisticagoes dos adversarios.
Hoje, porm, qoe no trplice iotuito de res-
tabelecer o equilibrio da argumentago, de aa-
sigoar o verdadeiro caracterstico situsgo
politice, e de fornecer condiges para a critica
racional das ideas e dos principios, por meio do
contraste das aspirages respectiva, dado
eslampa o Constitucional, Balistas o partido
conservador urna neeessidade da sua existen-
cia ; preeoche urna verdadeira lacuna, e habilita
ao paiz por meio da eootestsgo reciproca a mar-
car a diftereng entre os dous principios, que
disputara a governago ; e por cooseguinte d-
Ibe o fio da esc>\ha verdadeira e assizada entre
ambos.
O contemporneo definindo-se, assim se ex-
prime em sua bella dieco : a Somos conserva-
dores.porque somos liberaes. Pugnar pela con-
servago da nossas iostituiges, pugnar a um
tempo pela liberdade e pela ordem ; pelo direito
individual e pelo direito collectivo ; pela eata-
bidade e pelo progresso ; pela monarebia cons-
titucional em eumma, que entre nos a condigo
uoica, necessaria, providencial, do aperfeigoa-
mento da demotratia, isto do bem estar de
todas as clssses da sociedade, essa uoica razo
de ser dos governos no estado adiaotado da hu-
manidade em que nos achamos. Quando envi-
damos esforgos pela conservacao das instituiges
que sao a gloria e a fortuna d'o paiz, nao pomo
nossa intelligencia e dedicago ao servigo exclu-
sivo da libertada ou do poder, nao de um e ou-
tro desses elementos constitutivos de nossa for-
ma de governo, em proporgoes vagas e indeci-
sas, mas de amboa pelo modo por que se acham
combinados, e definido no pacto fundamental do
imperio. Conservador synooimo de liberal a de
progressista nos termos da constituigo, ou por
outra, de constitucional
O titulo de Constitucional equivale por tanto
a um programma pela complexidad?, que fica
notada ; a nos tragando estas liohas em noticia
da sua exisleccia, saudamos ao cootemporaneo,
novo campeo das ideas mooarcbicas, desejan-
do-lha dilatados dias, com robuitecimento dos
principios qua commungamos na mesa da im-
prensa.
Encerrou-se na quinta-feira ultima a ter-
ceira sesso judiciaria do jury deste termo, por
haverem-se completados os das da lei.
No Constitucional l-se o seguinte :
O resultado da eleigo de um deputado pelo
primeiro districto de S. Paulo em todos os col-
legios, incluidos 53 votos dados ao Sr. Jos Bo-
nifacio por eleitores aluda nao recoohecidoa, e
excluindo o collegio de Porto Feliz, coja epara-
go era coobecids, o seguinte :
Dr. Jos Bonifacio........ 150
Dr. Meodes d'Almeida___ 124
Renaettem-ncs o segaiote :
a Mil louvores ao Sr. Dr. Gentil pela acertada
escolha que acaba de fazer, oomeando para o
lugar de iospeelor da estrada de Joo de Barros
o Sr. Ignacio Jos da Silva Braga ; nomeago
tanto maia importante quanto o nomeado lilho
de urna distincla familia, bem morigerado, esti-
mado da todos os moradorea daquelle lugar, tem
um meio de vida a que se dedica, e nao se poupa
ao trabalho para ganbar a vida honestamente ;.
posto que em casa da seus pais nao ihe falta
cousa alguma.
Com to bons predicados nao pode deixar de
honrar o lugar para que foi nomeado, nao pre-
cisando fazer da inspectora um meio de vida,
porque isso se oppe a sus ndole e fina edu-
tago.
Honra, pois, ao Sr. Dr. Gentil por to bella
escolha, que tem merecido geral aceilsgo dos
moradores da mesma estrada.
Recife, 18 de julho de 1862.Um morador
d'alli.
Por delibersgo do Banco do Brasil, forara
exonerados de directores da nossa Caixa Filial
os Srs. Dr. Augusto Frederico de Oliveira, com-
mendador Joo Pinto de Lemos, Jos Telxeire
Bastos e Luiz de Moraes Gomes Ferreire, Ho-
rneando para tubstitui-losaosSrs.
Baro de Muribeca, para vice-presidente,
JoaJoSode Amorim,
Pedro Von Schosleio,
Heorique Gibson,
correlo que estes dous ltimos nao aeeitaro.
Hontem estiveram embandeirados o dorara
j as salvas do eslylo os navios da armada e as for-
talezas, por occaso do vigsimo-primeiro an-
i niversario da ssgrago e coroago de S. M. o Irn-
pelador do Brasil.
Por decreto de 2 do correte mes foi apo-
sentado c-cbafa de lecgo da thosouraria de fa-
' zenda desta provincia Francisco Jos Martin
Peona.
Por decretos da mesma data foram Doea-
dos :
Chefe de secgo daquella theiouraria o pri-
meiro escripturario Pedro de Alcntara Pi-
: nbeiro.
Primeiro escripturario o segunde dito Jos.
Francisco de Sales Bsviers.
i Segundo escripturario o '.erceiro dito Horca.
Uno Duina, do Miranda fleaityea.


I '
'
DieVftaO Dfc miUMIUCO; ~ SABBADO 19 DI JULHO DE 18M

o delegado do (armo d'Agua Preta, por offl-
cio de 15 do correte participoa ter havido no
ageoho Coocei?ao da Rocha, d'aquelle termo,
di aeordem por cauaa de ama pescara, daqual
resudara sahir ferido Joa Lopes-de Saoioaio ad-
naioielrador do engeuho, por Alexaodre Munlz da
Silva, que aeacha preso e processado ; bem como
'jm filho deale de aome Itidoro, que pretender
soltar sea pai do poder da pairelha que o pren-
dera, feriado a um individuo appelliiiadoLabe-
ada.
Do M aranho diz o oosao correspondente :
< O reto Virissimo, escravo de D. Mara de
Araujo Franco de S, matoo com 10 [acadaa o
capito do navio Graciola Joo Joa de Souza.
O preto Vitisaimo era marioheiro do navio
Graciosa, e commetieu o delicio a bordo, com
ci camatanciaa aggravaDtes, no dia 30 de juoho,
sr6 horaa da maoha. J se tinha ioatauradoo
frocsio, deveoJo o prolo V ensimo ser enforca-
4o sem recurso algum, visto o sea crime estar
treoslo no artigo primeiro da leide 10 de jenho
M83S.
Foi nomesdo um conselho de investigado
apara tomar coohecimento doa actoa de nsubor-
dingo e desrespeito, praticadoa pelo capito
-Joaquim ferreira do Souza Jacaranda contra o
Eiai. Rr. cooselheiro Campos Mallo, preaidente
da proviocia. Este cooaelho foi ordenado pelo
.governo impenal.
< Nada miis havia occorrido, qua mereja men-
Repartido da. polica. (Entrado das par-
tes do da 18 de jelho).
Forana recolhidos casa de detengo no dia 17
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
Iztdorn da Costa Ribeiro, pardo, de 28 annos,
sem officio por suspeila.de ser criminoso.
A' ordena do subdelegado do Kecife, Marcos,
crioulo, de 38 annos, escravo de Joo Baptiata
Rocha Lina, por saspeilo em crime de furto, e
Francisco, Africano, de 48 aunos, escravo de Jos
'Leite:
A' ordem do subdelegado do Saoto Antonio,
Vanoel Ferreira do Nascimeoto, crioulo de 25-ao-
nos, dado agricultura, por suspeita de ser es-
cravo, e Haaoel da Cmara, braoco, de 20 annos,
jeroaleiro por embriaguez,
O chefe da segunda seclo,
/. ti. de esquita.
Movimento da casa da deieojo do dia 17
se-
A saber
Exisliam.
Entraram.
Sahiram.
Existem. .
Nacionaea .
.Vulneres. .
Eslraogeiroa.
Escravoa. .
Escravas. .


368 presos.
5
5
368
256
7
32
65
8
"368
143
no
Total. .
Alimentados a custa dos cofres provin-
csei.............
Movimento da enfermara do dia 18.
Tiveram alta :
Santo Jos Rosa.
oi Rodrigeos da Costa.
Matadouro publico :
Matarau-ae para o consamo desla cidade
dia 17 de juuho 71 rezes.
Passageiros do vapor nacional Paran, en-
trados dos portos dosul : Joaquim Firmino Pe-
reira Jorge, ajea aenhora e 4 escravos, Jos do
Reg Cirros, D. Francisca Rocha de Moraes
Mattoi e urna escrava, Izidoro Georani Varcoli,
cooselheiro Antonio Ignacio de Aievelo e um
escravo, It'"nardo deOrqueira Castro Mooteiro,
oldado nivel Manoel Trime- de Souza, impe-
riies mariobeiros, Manoel Joaqnim do Nascimeo-
to e JMinino das Uorea, ex-prrasdo exercito Ma-
noel Muoiz de Araujo, Joaquim Soarea de Albu-
querque, Francisco Pereira da Feoceca, Joao de
Souza, Minosl Joaquim do Nascimeoto, 15 pra-
eas da pret do exercito. Benedicto liberto, Aona
eacrava, a entregar, Manoel da Costa Ferreira,
Juiqeim Pereira le Souza, a crioula livre Mara
Luiza, Bemvindo e 1 lilho escravos, a entregar
ao desemtmgador Jos Ignacio Accioli, Isnacio
Pranciaco Pereira da Silva, alteres Joo Nunes
Sarmeato, Jos de Souza Pereira, 2 desertorea do
exertito, Joaquim Jo9 de Oliveira, Jos Godi-
slu do Oliveira, J iao Jos Jo Miranda, Maooel
G. Nones e um escravo, Augusto Cezar C. Cuoha,
Jos Nenes Guimares, Dr. Francisco Leo da
Costa Belem, Joo Teixeira Micha Jo, Boavcntu-
ra da Coala Azevedo, Dr. Antonio Pereira da Sil-
va Carvalho, Jos Gandes Nogeeira Germino, A-
dolpho da Silva, africano liberto Goncallo da Sil-
va Lisboa, Dr. Mariana Joaquim da Silva, Euge-
nio Jos Neves de Aodrado, Francisco Pereira
da Lira, Dr. Jos Antonio de Magalhes Baslo e
um escravo. Amonio Francisco de Moura, e.Mi-
aoel Joaquim di Silva Leo.
Seguem para o norte :
2* cadete Jos-Manoel da Cirros Rodrigues,
Autooio Pereira da Silveira Fra le, sua seohora,
um creado e dom escravos, Luiz A. O. Barro-
qutm, Dr. Firmo Joaquim de Mattos e um es-
cravo, lenle Candido Jos Coelho de Maura,
Candido Franklm do Amaral, duas pravas de
pret e cinco ex-pracas.
I'assageiro da sumaca hespanhola Fidela,
vicio de Barcelona : Candido C"hs y Birdera.
Passageiroa do vapor ioglez Magdalena,
sahido para Saalharjiptou e portos intermedios :
Joaquiui Teixeira, Antonio Correia, Joo Joa-
quim Barbosa, Antonio Pereira dos Santos, Ma-
noel Ferreira da Silva Terroso e sua senbora,
F. Jos Regalo Braga, F. Jos Pacheco de Ol -
veira, Eugenio Blum, Frederico Monhard, F.
Ferreira Bailar e duas creangas, Jos Luiz Gal-
tott.
Obituario do da 18 de juluo, no cbsitb-
.10 PUBLICO :
Venancia, Pernambuco, 7 mezes, escrava, B>a-
Visla ; varilas.
fiara, frica. 40 annos, solteira, escrava, Boa-
Vista ; hepelrophia.
Thereza, Pernambuco, 3 annos, S. Jos ; infls-
tuai;o.
Mara Corolina da Silva Floto, Pernambuco 37
annos, Santo Aolonio ; gastro inlerite.
Joo, Pernambuco, 20 annos casado, escravo,
Recife ; bexigas.
Joo. Pernambuco, 3 annos, S.Jos : inlerite.
Anoa, Florindi da Assumpgao, l'ernsmbuco, 40
annos, casada, Santo Amonio ; cancro. .
Su prelo encontrado morto no rio da Cspuoga,
Boa-Vista ; alTogado.
O jury de san tem; a foi composto doi Srs
guiles:-'
Alvaro Au gasto de Almeida.
Joaquim Bernardo des* Res.
Joo Alvares de Quintal.
Joa Francisco de Salles Baviera.
Iamael Ceaar Duarle Ribeiro.
Joa Francisco de Paula.
Jos Joaquim da Costa.
Capito Antonio Jos de Souza Coasseiro
Aotonio Goncalves Pereira Lima.
Dr. Carlos Frederico dos Santos Xavier.
Joaquim Pedro dos Santoa Bezarra.
Joaquim de Albuquerque Mello.
E preataram o juramento doa Santos Eran-
gelboa.
Interrogado o reo, procede-se a leitara do pro-
cesso.
O Sr. promotor publico pedio a condemnaco
do reo no grao mximo do art. 167 e 264 | 4 do
cdigo criminal.
O Sr. advogado deduziodo a defeza, pedio a ab-
aolvigo do reo.
Findos os debates, e preenchldas todas as for-
malidades da lei, o Sr. juiz de direilo propdx os
quesilos seguiotes :
1.*O reo Jucundiano Thomaz Borges da Fon-
seta, falsifico a assigoatura do bacbarel Joa da
Cunta Teixeira noa bilhetes de f. 3 a f. 4, nao
taodo cate coovindo nisso ?
2.*O reo com esses bilhetes falaiflcados obte-
va dos commerciantes Campos & Lima, a Alexan-
drino Carlos Maia, diohetro e iazeudaa?
3.*O reo commetteu o delicto com a sirca Dis-
tancia aggravaote de abuso de confianza nelle
posta ?
4."Existem circumstancias altenuantes a fa-
vor do rao ?
Lidos os quesilos e entregues ao jury da sen-
tenga, foi este condniido sala aecreta daa con-
ferencias 1 1/2 hora da tarde, d'onde voltoa s
2 horaa, respondendo aoa quesilos pela maneira
soguinte:
Ao 1 qaesilo :Sim, por 6 votos.
Ao V :Sim, por 9 voto.
Ao 3o :Sim, por 6 voths.
Ao 4*:Nao, por 7 votos.
Lidas as respostas pelo presidente 4o jury de
senteDQs, o Sr. juiz de direito publicou sua seo-
teoc, pela qual cosdemna o reo i pana de tres
annos e tres mezes de priso com trabalho, multa
de doze e naeio por cento do valor do dinheiro
fazendas sobre que versou o estelionato, e Das
custas.
Levantou a sesso, adiando-a para o dia aeguin-
te s 10 horas da manhaa.
Dia 15.
PRESIDENCIA do sr. dr. bernardo machado da
COSTA DORIA, JUIZ DE DIREITO DA PR1MEIRA VARA
CRIMINAL.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dio de Gusmo Lobo.
Etcrivo.o.Sr. Joajuim Francisco de Pauia Es-
teva Clemente.
Advogado, o Sr. Jos Roberto da Cunha Salles,
estudaote do 5" anno da faculdade de direito.
A'a 10 horas da maoha, depoia do toque de
campiinha e verificagao das cdulas, o Sr. jaizde
direito mandou proceder a chamada dos jurados,
e acharam-se presentes 47 Srs.
Foram multados em 208 cada um dos Srs. mul-
tados nos das auteriores.
O Sr. juiz de direito declarou aberta a sesso.
Entra erajulgameol^ o reo Rufino Marcos de
Castro, aecusado por crime de roubo.
O jury de sentencia foi compoalo dos Srs. se-
gaintes ;
Ismael C^sar Duarto Ribeiro.
Hercutaoo Duarle de Miranda Henriques.
Joa Aotonio Moreira Dist.
Ignacio Aotonio Borges.
Antonio Cardoso de Queiroz Fonseca.
Manoel Fonseca de Medeiros.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra.
Alvaro Augusto de Almeida.
Anlouio Nobre de Almeida.
Joaquim Jos de Soma Serrano.
Jos Candido de Souza Castro.
PorOrio da Cunha Moreira Alves.
E prestaram o juramento dos Santos Evao-
gelhos
Interrogado o reo, procede-se a leitura do pro-
cesso.
O Sr. promotor publico pedio a coademoaco
do reo no grao medio do art. 269 do cdigo cri-
minal.
O Sr. advogado daduzindo a defaxa pedio a ab-
solvigo do reo.
Fiados os debates, a preenchidas lodas as for-
malidades da lei, o Sr. juiz de direito propdz ao
jury de sentenga os quesilos seguintes :
1.*O reo Rufino Marquea de Castro, no dia 27
de novembro de 1859 tlrou para si contra a von-
tade de seu dono Pedro Rasielly, um bah, que
encerrava varias pegas de roapa e outroa objectos
de. valor ?
2.O reo para furlar a roupa e mais objectos
que estavam dentro do bah, violentoa a fecha-
dura do roeamo bah ?
3.O reo commetteu o crime com a circuns-
tancia aggravante da noite ?
4.O reo commetteu o delicto com a eircams-
tancia aggrarauto de ter sido im pe.ido por motivo
reprovado ?
5.*O reo commetteu o delicio com a circuns-
tancia aggravante de ter entrado na caaa do of-
fendido com intento decommetlero delicto?
6."Existem circumstancias atiene antes fa-
vor do reo?
Lidos os quesitos e entregues ao jury de sen-
teucs, foi este conduzido i sala secreta das con-
ferencias as 21/2 horas da larde, d'onde voltoa s
3 horas, respondendo sos quesitos pela maneira
seguiote
offerecer alm de outras vantagens, abundancia
d'agua para o gado, e nao sendo bastante o ter-
reno que est marcado poder lhe ajuntar al-
guna outra porc&o.
O Sr. Barata, pedindo tambem a palavra, die-
se que a cmara devta atteoder: primeiro, ae o
terreno era conveniente para o irn que se qaer,
em relsgo nao s quento a distancia que fica do
do matadouro como a aua aalubrjdade, segundo,
se o terreno nao era sufficients por ser pouco, o
proprietario que cedesse a parle que anda toase
oecessaria sendo que a commisao davta tratar
do ajaste sem nenbuma coudigo imposta pelo
proprietario.
Mandou-se de novo remellar todos os papis
relativos s esta qaesto para a sommisso, am
de tratar como tica exposto.
Despacbaram-se as pe tico es de Joo Alves
Ferreira, Joao Nepomuceno Coelho da Silva, Jos
Joaquim da Costa Maia, Joo Pedro das Neves,
e Luiz Jos de Franca.e levantou-se a ses-
so.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, official-
maior, a subscrevi no impedimento do secre-
tario.Reg Albuquerque, pro-presidente. -Leal
Seve.Barata de Almeida.Reg.Mello.
SESSA'O .ORDINARIA AOS 5 DE JUNHO
DE 1862.
Presidencia do Sr. Reg e Ibuquerque.
Preaentes os Srs. Reg, Mello, Barata, e Seve,
abre-se a sesso, e lid a e approvada a acta da
antecedente, l-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do subdelegado 1* supplenle ds fre-
gosla dos Afogados, Jos Buarqae Lisboa, com-
maoicaodo ter entrado em exercicio da subdele-
gaste da meama freguezie por impedimento do
proprietario.Iateirada.
Outro do fiscal da fregvezla de S. Jos, remet-
iendo o termo de vestoria feita do sobrado n. 4
da ruados Martyrios.Ao archivo.
Outro do fiscal da Varzee, participando ter obs-
tado queMinoel Luiz Francisco cootiouasse com
a edificago de urna casa de taipa no lugar do
Ceebang de baixo, para a qual nao Unha obtido
lieenga.Iateirada.
O Sr. Barata requeres, e foi approvado, que se
ordenaasa aoa fiscaes das fresaezias de tora que I
informaesem circumstanciadamente, e com ur-
gencia ae os juises de pez dos diversos districtos
de sea freguezia astsvo funecionando, por que
conatando qae as partes se queixem de que nes-
ses districtos no ha qaem Ihes ministre a juati-
q* de pata cmara deve tomar urna providencia
qaalqaer a fazer desapparecer semelbants incon-
veniente.
Despacharam-ae as petigoes de Aotonio Joa
quim Faraandei da Silva, Jos Antonio Ferro
de Figueiredo, e levantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boavlagem, official-
maiora escrevi no impedimento do secretario.
Reg a Albuquerque pro-presidente.Leal Se-
ve.Henriqae da Silva.Reg.Barata de Al-
meida.
5 SESSO ORDINARIA AOS 6 DE JUNHO
DE 1862.
Prsiidencia do Sr. Reg e Albuquerque.
Presentes oiSrs. Henriques da Silva, Seve, Ba
rata e Reg, abrio-se a aesso e foi lida e appro-
vada a acta da antecedente.
Nao havendo expeliente, despacharam-se as
petigdes de Augusto Ferreira Piuto, lieoriqae Gib-
soo, bschsrel Hermogenes Scrates Tavarea de
Vasconcellos, e levantou se a aesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem offUial-
maior a eacrevi no impedimento do secretario.
Reg e Albuquerque pr6-president.Henriques
da Silva.Leal Seve.Reg. Mello.
6a SESS.0
Findaude prsenla nao poseo deixarde invo-
car a benevolencia daquelle aeahor, suppriodo a
megaanlmidade de seu corelo a miaba fra-
quezs.
Pregaezis de Qaipap 13 de julho de 1862.
Joo Cemente de Meaquita.
Como tesleraunha Maooel Joo de Souza, An-
tonio Balduioo Paz de Souza, Franciaco Mandes
Sararva : e asis se nao coptioha, depoia do qual
ae via o receoheeimento das firmas do theor se-
guinte :
Keconbeco ae firmas, de Joo Clemente de
Mesquita, Manoel Joo de Souza, Antonio Bal-
duino Paz de Souza e Francisco Mondes Saraiva.
por ter aellas inteUo conbeclmento, do que tudo
dou (.
Panellas 13 de julho de 1862.
Eu \ ensucio Joa Ferreira Cruz, tabellio pu-
blico de paz o eacrevi e em teatemuoho da ver-
dade : 0 tabelio publlico de paz, Venancio Joa
Ferreira da Cruz : eslava o sigoal publico.
E mais se nao coutinha em dito abaixo assig-
nado e resoahecimenlo dae firmas, que o que di-
to dea, aqu por niim copiado em publica forma,
tira do deproprio original, ao qual me reporto, e
vas na verdede sem a menor duvida. e paseo o
presante aes 13 das do mez de julho do enno
do nasciroento de Nosso Senhor Jess Cbristo de
1862, 41* 4a independencia e do imperio do Bra-
stl, asesta povoago de Panellas termo da cidade
de Carear, comarca do Bonito, provincia de
Pernambuco.
Eu Venando Jos Ferreira da Craz, tabellio
publico de paz, o escrevi e assignei em publico
e razo.
Km f e teatemunhe de verdad, o tabellio
publico de paz, Venancio Joa Ferreira da Cruz.
Xditafts.
As propoetss sero entregan ao palacio da
!residencia at o dia 4 de agosto prximo via-
ouro, em caris fechada, e aberlaa do da Se ama
hora da tarde em presenga dos coaaaarreotes, do-
director das obraa publicas, do inspector e pro-
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em eumprimento da ordem do Eim. Sr
presidente da provincia manda fazer publico qae ,,
nVdia 7 de agosto prximo viudouro se. laW|^^J!^*Ab.?l?j!5f?!!!^
arrematar, peraole a junta da meama thesouraria
a quem por menos fizer, a obra do aperfeigoa-
menlo de ama parte da estrada da Victoria no
lugar denominado Ladeira da Sicupira-torta,
av.liada em 2:8609.
COMMKa.C.10*
alfa lid**,
Rendlmento do da 1 a 17. .
Ideas de die 18 ....
A arrematago aeri feita ni forma da lei pro- < fm'Triado. T qU* d
vlncia, n. 343. de 15 de maio de 185*. sob a. | SStfBtfT.
clausulas especiaes abaixo copiadas. u dirpit^ ^Sl -
As pesaoas que se propozerem a esta arrema-
tago comparegaa na sala das aesades da referi-
da junta oo dia auprameocioaado, pelo malo
dia e competentemeote habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o presente e
ablicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
mbuco, 17 de jalho de 1862.
O aecreta rio,
Antonio Ferreira d'Aonuociago.
Clausulas especiaes para a arrematago.
1.*Os reparoa da Ladeira da Sicupira-torta,
sero execatados conforme o perfil e o rea ment
approvados pela directora em cooselbo e apre-
aenlados a approvago do Exm. Sr. presidente da
provincia, importando em 2:8609.
2.*O arrematante dever comegar a obra no
praso de 15 dias e conclu-la no de 3 mezes coa-
tados seguado as disposigoes da lei regula men-
tar desia repsrligo.
3.*O pagamento ser feito em duas presla-
coes iguaes, correspondeodo a primeira a metade
da obra a a segunda a aua coocluao e entrega.
4."Para o mais qu* se noespeeica as pre-
sentes clausulas seguir-se-ha a lei o. 286 que
rege esta directora.
5.*Neohuma reclamaro, tundo por fim pedir
iuduuauis.ic.au, ser altea ..i la, seja qual for o seu
220 917J569 fundamento.
7:1149121 Cooforme.O secretario, Antonio Ferreira da
Aonunciago.
O empreileiro ser obrigado pagar o sello do-
reapectivo contrato antes de estar este assigndo,
acluiode-se no mesmo, alm daacoaeMgea aare-
sentadas e ora approvadas a de ser deduzida da
importancia total da obra a qserrtle correspoa-
xiu aos direites qUe ^evem psgar os objecto*
se porveatuta o governo
isengo do pagamento d
taea di renos cmese vai pedir.
O governo ao se obriga seeitaT r prpost*
mais baixe em prego, ae tamben nao apresent.TT
todas aa garantas neeeasariaa a boa esecugo da
obra, alm da algumas outraa condigoe que IImt
sejarn favoraveis.
Direcloria dat obras publicas, 16 de julho da*
1862.o director, Martiaeau
Pela secretaria ds cmara municipal desta ci-
dade, ae fax publico que em conieqeencia de au>
ter sido arrematado o imposto de alferigSasntf
dia anauociado, vai novamente em prega o di6>
imposto no dia 21 do correte.
Secretaria da cmara municipal do Recife, \%
de jeito de 1862.O official-maior, serviodS da
secretario. Franciaco Canato da Boaviagem.
THEATRO
DE
2i8:031}690
Movlneuto da alfaud>ata.
Volamos entrados com (asendaa..
a om genero*..
Vslamee sahidoa
c
>m fazendas..
cora enema..
418
L^.^jura;0f5s.
Ao 1* qaesito : Sim, por unanimidade de
votos.
Ao 2 e 3o:Sim, por 11 votos.
Ao 4o:Nao, por 7 votos.
Ao 5o: Sim, por 7 votos.
Ao 6o:Sim, por 6 votos.
Lidas as respostaa pelo presidente do jury de
seolenga, o Sr. juiz de direito publicou aua sen-
tenga, pela qual condemna o reo pena de qwa-
tro aonos e meio de gales, mulla de doze e meio
por ceoto do valor roubado, e oas custas.
Levantou a aesso, adiando-a para o dia se-
guale s 10 horas da maoha.
CHRONICAJUJDICIARIA.
JURY DO RECIFE.
3* SESSO.
Dia 14 de jHilan.
i'RESIDENCIA DO SR. DR. BERNARDO HACHADO DA
COSTA DORIA JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA
CRIMINAL.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dino de Gusmo Lobo.
Sscrivo privativo, o Sr. Joaquim Francitco
de Paula Bsteves Clemente.
Advogado, o Sr. Emilio de Moraes Das, esludan-
te do 5o auno da faculdade do direito.
A's 1U horas da manhaa, aberta a sesso pelo
(oque de campaioha, e depoia da veriQcago das
cdulas, o Sr. Br. juiz de direito mandou proce-
der a chamada doa jurados, e acharam-se presen-
tes 44 Srs.
Foram multados em 209 cada um dos Srs. mul-
tados nos dias anteriores.
Compareceu o Sr. Dr. Francisco de Araojo Bar-
ros, jaiz municipal da 2* vara, e apresentou de-
vidmente preparados para serem julgados, os
.procesaos seguintes :
A. a justiga.R. preso Ruao Marcos de Cas-
'.ro. Pronuncalo pelo Dr. delegado de polica do
! diatrido, em t de Janeiro de 1860, como in-
curso no art. 269 -1o r.od. crim.
A. a justga. R. preao Manoel Fabricio do
liascimento. Pronunciado pelo subdelegado de
Santo Antonio, em 3 de margo de 1862, como io-
eurso no or. 257 da cod. crim.
A. ajueliga.-'ti. preso Innocencio Jos Frati-
CMARA MUNICIPAL DORECIFE.
3. SESSO ORDINARIA AO 4 DE JUNHO
DE 1862.
Presidencia do Sr. Henriquts da Silva.
Presentes os &? ^"^ Sove- Bdrala; Re6. e
Mello, abrio-ae a sossilo, e foi lida e approvada a
acta da antecedente.
Leu-se o siguite
EXPEDIENTE.
Um oF.cio do juiz de paz do 4* anno do 1 V-iis-
tricto da freguezia dos Afogados, communicando
que por encommodado havia passado o exercicio
ao 1* supplenle, rao o tendo feito aos mais vo-
tados por se acharem todos impedidos.Iatei-
rada.
Outro d3 eogenheiro cordeador, dizendo ter ido
ao matadouro, como lhe foi ordenado, para o fim
de examinar e telbeiro all existente, onde esto
recolhidos alguna msteriaes e madeiras. restos
das obras taitas, achoa que os estelos do dito te-
Iheiro se acham muito arruinados, pelo que tai-
vez brevemente venha a deaabar todo elle, como
j desabou em parte e perder-se- ba as tenas que
o cobre, sendo que para evitar este prejuizo pa-
recia-lhe maia fcil e menos dispendioso reco-
Iher-se na caaa da administrago as telhas, lij-
los, madeira, etc.. que exiatem do meamo telhei-
ro.Resolveu-se mandar ordem ao administrador
para assim proceder.
Outro do fiscal da IJoa-Vista, informando a pe-
tigdo de Joaquim Jos de Souza, diz haver en-
contrado o aupplicante edificando urna mei'agua
com 19 palmoa de frente, sem que livesse decla-
rado esta circumstancia na meama peligo e nem
cooslava da cordeago do eogenheiro, editicago
eata que era inconveniente a vista do que dis-
pe o artigo nico da postara addiceional de 9
outubro de 1850, aecresceodo que as dimensee
das portas ejanellas sao de 5 palmos,, quaodo
deviam ser de 6, como determinara as posturas,
conclue asseverando ter conaiderado o auppli-
cante como infractor do art. 2 da postura addi-
cional de 11 de setembro de 1858 e do artigo ni-
co da de 8 de outubro de 1856.Posto em dlssus
ORDIfARIA AOS 7 DE JUNHO
DE 1862.
Presidencia do Sr. Reg e Albuquerque.
Presentes os Srs. Henriques da Silva, Seve,
Reg e Mello, abrio-se a sesso.
Foi lida e approvada acta da antecadente.
Leu-ae o seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do Exm. presidente da provincia,
remetiendo por copia o que dirigi ao cidado
Jos Firmo Xavier, declarando-lhe substituir o
fundamento da deciso, pela qual determinara
aquelle-cidado cessasse de exercer o cargo de
juiz de pai do segundo distrlcto da freguezia de
Santo Aotonio, visto qae nao se achava qualifica-
do.Que se remenease por copia ao terceiro vo
lado dizendo-aa-lhe que enirasse em exercicio
do segundo anno.
Oulrc do juiz de paz da freguezia de S. Fr. Pe-
dro Gongalvcs, Jos Pedro das Neves, aecusando
estar de posse do que lhe dirigir a cmara em 3
do correte, declarando-lhe que vista da deci-
so dada pelo Exm. presidente da proviocia com
referencia ao aviso de 12 de jaoeiro de 1856, nao
poda elle continuar a exercer o dito cargo ; diz
que justamente por forga do citado aviso que
nao pode deixar de exercer as funegeado mes-
mo cargo, visto como, teria isso lugar em vista do
aviso, se por fallecimenlo do primeiro juiz de
paz, tivesse elle servido no primeiro anno, como
substituto do elfectivo, e quizesse agora servir o
segundo como proprietario, e 4 isto o que o avi-
ao procurou evitar, conclue fioalruente dizendo
que passava a levar tudo ao couhecimento do go-
verno geral. Que se commuoicasse ao Exm.
presidente da proviocia, remeliendo-se-lhe co-
pia do officio do juiz de paz.
Outro do juiz de direito int-rino da segunda
vara, pedindo o pagamento da quantia de 70$,
importancia de custas decahidas pela justga pu-
blica.Mandou-se passar mandado.
Foi lido e approvado um parecer da commis-
ao encarregtda dos negocios do logradouro, no
sentido de qua o terreno appropriado para o lim
qae o destina a cmara, nao s quaoto loca-
lidade, como salubridade, mas que sendo in-
sufficienie o que j se acbs medido, necessaria
outra porco, que partindo do lugar do primeiro
terreno, v encostar na casa do engenbo, pelo
que a commiaso entende que, para po 1er tratar
com o proprietario, sobre o ajuste deve o en-
geoheiro ir ao dito lugar, e medir a exleuso des-
ee terreno.
Nao h i vendo mais nada a tratar, deapacbou-se
a patijio de Marcelino Jos Gongalves da Fonte,
e levantou-se a sesso,
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, official-
maior a subscrevi oo impedimento do secretario.
Barros Reg, presidente.Re^u Albeqeerque,
Osario de MelloHenriques da Silva.Reg
Mello Maia.Seve.
== 179
Descarragam no dia 19 Ja jalho.
Barca nacionalBoassieacarvo.
Escuna dinamarquezaNsncymercidorias.
Brigue portegaszOlindscal o batatas.
Patacho americanoChowaofarinha.
Patacho a ni trica noKoankemercadorias.
Brigue inglesFloristfatendaa.
Patacho ioglezMary Blockdem.
Importoslo.
Brigue brasileiro Olinda, vindo de Liaboa,
coasignado a Bailar & Oliveira, maoifeslou o
aeguinta:
65 barrs vinho tinto o branco, 35 ditos e 8
pipas vinagre 100 caixas btalas, 30 caixotea ve-
las da cera, 7 barricas dita em grume; s Maooel
Joaquim Hamos e Silva & Georo.
40 barricas alpisla, 9 pipas e 30 barra vinho ;
a Mauoel Ignacio de Oliveira & Filho.
6 pipas e 25 barrs vinho, 4 pipas e 55 barrs
vioagre, 14 saceos e 10 barricas cera em grume ;
a Thomaz de Aquioo Fonseca.
9 pipas e 31) barris vioho, 70 ditos toucinho,
6 caixas cera en velas, 4 barriese dia em
grume, 12 pipas vioagre, 150 caitas batatas, 275
ditas e 700 mothoa ceblas, 316 lages de canta-
ra ; a Francisca Severiano Rabello & Filbo.
5'i saceos semen, 1 caixote e 1 gigo looga para
jsrdim ; a Tasso Irmos.
14 barra paio ; a Miguel Joaquim da Costa.
1 caixa chioellas de orello ; a Satyro Serafim
da Silva.
2 ditas dita?; a Joo Luiz Vianna.
7 asTtaa marmelada; a Manoel Duarle Ro-
dn ------------... .
2C larris azeite de oliveira: 1S *.
Cos oiorim.
12J1HOS, lt csixas e 18 fardo
naesie objectos de botica ; a J.
4 fardos, 2 barricas e 1 ceia drogas miuaas ; a
Fabiic*ioes jwido.
liMA LAGK1MA *-i
sobre o tmulo do Illm Sr, Pedro
>' -lasco Vieira de Mello oflere-
cida ao seu irmo Elias Vieira de
.Helio, e a sua Exma familia,
A dor, e o prauto as expresses
me lolhem....
(Nova Castro.)
Dma alma acaba de deixar o seu eovoltori) de
carne e ama sepultura se abre para receber o
cadver de um hornero exemplar ; de um filho
amante : de um irmo carinhoso ; de um prenle
e amigo que era para os amigos e pareles um
typo digno de inveja ; de am cidado ornado das
mais aobres qealidades: Pedro Nolasco Vieira
de Mello, era este hornero qae acabo de piotar.
A parca tyranna roabou-o do aeio de sua fami-
lia, e o levos para a manao doa justos, deixando
mi. nalos, prenles e amigos inconsolaveis.
Cari & B.
5^arricas grao de
ervilhas, 1 dita peife
1 dita peras seccas, 100 socoretaa areitooas, 2 pi-
pas vio ho, 25 eaixas batatas; a I)jarle i C.
4jttixis cha, 6 ditas massa de tomates, 5 ditas
maHBelada, 4 ditas chocolate, 1 dita gelea ; a
MareSlioo Jos G da Fonte.
10* barris sal de pedra ; a Baltar & Oli-
veira.
'!. as vinho, 10 pipas vioagre ; a Amorlm Ir-
mos!
1 caixo spalos de trancinha ; a Alves & C.
1 caixote chapeos de palha, 1 dito registros ; a
a Manoel Jos da Silva Oliveira.
14 volamos portadas de cantada ; a Ilenrique
Bernardas de Oliveira.
9 voluntes urna machina de dislillac.ao; a Cu-
nha Irmos & C.
75 eaixas batatas ; a Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo.
20 ditas velas de cera : a AdIodo V. da Silva
Barroca.
Exportao
do da 17 de julho.
Barca franceza Marie A'icofa, para o Havre,
carregaram :
Tisset Freres, Si saceos com 415 arrobas e 20
libras da algodo.
Brigue portugus Soberano para Lisboa carre-
garam :
Thomaz de Aquioo Fonseca Jnior, 128 saceos
com 640 arrobaa de assucar.
Brigue portuguez Julio, para Lisboa, car-
regoa :
Thomaz de Aquioo Fonseca, 41 barris com
1,620 medidas de melsco.
Patacho portuguez Lima, para a ilha de S.
Miguel, carregaram :
Franciaco B. dos Santos Freitas, 174 barris
com 6,336 medidas de mel.
Joo do Reg Borges, 3 molhos com 80 varas
da madeira.
Brigue portuguez Amalia 1, para o Porto car-
regaram :
Francisco Augusto da Costa Gongalves, 150 sac-
eos com 750 arrobas de assucar.
Joo Ferreira dos Santos, 4 barrios com 22 ar-
robas de assucar.
Marques Barros & C, 1 dita com 4 arrobas e
12 libras dito, 1 sacco com 2 arrobas de caf.
Joaquim Franciaco Ferreira Ramos, maia bar-
rica com 1 arroba e 23 libras de assucar.
1 dita C?m a"oba e 28 libras da caf, 1 dita
com 1 arroba e-jU0/*" oe arroz.
1 dita com 4 arrobas e *14t>ra7oreiV", dl-
ta com 1 arroba e 14 librea de tapioca*
Patacho americano Indus, para New-York,
carregaram :
Henry Foster& c. 1923 saccoa com 9,615 arro-
bas de assucar e 100 couroz com 2,945 libras.
uetoebedorla de rendas Internas
geraea de Feruamnueo.
Rendlmento do dia 1 a 17. 31:6175357
dem da dia 18......; 875*780
35:493jl37
Recife. 14 de julho de 1862.
J.
Consulado
Raradimsnto do da 1 a
dem do dia 18
ttenco
Pede-se ao H. da engenhoca da Ibura, que
deixe-se de dar defneles, quando vera ra Di-
reita, procurando antes fazer raspaduras e mel I
Rapadura i mel,
SSo duas cozas bdas
Depots de um banho.
Dentro das canoas 1
A. *
Publica forma.Eu sbaixo assignado Joo Cle-
mente de Mesquita, tendo assignado dona com-
isce- ProryuGoiado plo subdelegado do Recife. ao, resolveu-se que foasem remetlidos esses pa- municados, um no Diario de Pernarbreo de 24
4,. SilUSH$a.-n. preau nutuuiv w.>. .v.u,n,
"roneuciado pelo subdelegado de Saplp Antonio,
rm 26 de ebnl de 1862, como ipciirso, p.o, a.rt. j
-em 14 ae fe' de 1862, como incurso no or. 201
* Vi. rvra. .,
su s.jusli$a.R. preso Antonio Joa Alp'.arri.
>
ja
udo cod. crim.
O Sr. juiz de direito Batea ereJalgsn-^^ 0 ro jOCUOdiaOO Thomaz
iBoEgfis-fi tonseca, aecusado pelo crime de este-
\aiTato e falsidade.
Sendo o ro menor, o Sr. juiz de direilo no-
coooa o Sr. Emilio de Moraes Dias, para servir de
curador, tendo o mesmo Sr. prestado o joramen-
u do Santos Erangelhos.
pejs a commisso de eJiQc?Qo (Mello e.Cezario
de Mello.)
A commiaso especial comeada pira tratar do
SU o terreno qae se pretende comprar para
o'paatadouro do gado, cpresentando o sea pare-
cer assiguando ?WCldO 0 5r. durlu>e* da Silva,
declara qe o terreno tenao a exleneo_que men-
ciona o engenhelro em sea officio, nao suffl-
cienle para o alimento de 2,500 rezes que se
tanto mala nao sendo
Arsenal de guerra.
Por ordem do Illm. Sr. coronel director do ar-
senal da gaerra, ae faz publico, que nos termos
do aviso do ministerio da guerra de 1860.ee tem de mandar manufacturaros arti-
gos de fardamento e equipamemo seguate :
80 frdelas de brim.
80 calces de dito.
80 carnizas de algodozioho.
80 pares de polainas.
60 moxillas de brim da Russia.
274 bornees de brim.
Quoru quizer arrematar o fabrico de ditos arti- i
gos, no pra ,o de 15 dia, comprela na sala da j
directora do mesmo arsenal pelas 11 horas da .
maoha do dia 21 do correle, com sua proposta .
em que declare o menor preQO e qual aeu ador.
Arsenal de guerra e Pernambuco 18 de julho ,
de 1862.
O amaoaense,
J J.i Ricardo da Silva.
Crrelo ger&l. j
Relaco das cartas seguras viudas dosul
pelos vapores inglez e brasileiro,
para os senhores abaivo declarados.
| Amaro Francisco de Moura.
Antonio Jos Lopes Filho.
Antonio Lopea Pereira de Mello.
Antonio Nobre de Almeida.
Antonio Pires Ferreira Filho.
Clementioo i'ereira Vlente.
Firmino Aotonio de Souza.
Felippe Daltro de Castro.
Francisco Marlios d'Annunciaco. __ '
Goncalo Joo d?s Solos"P0nii8. "*
qwtm de Oliveira Souza.
m Constantino Moura Cavalcanti.
o Ferreira de Oliveira Filho.
j jh de Souza Teixeira.
Jos Veiogart.
ico, 2 ditas painQo, 1 caixa I *J Ayrea de Almeida Freitas.
de escabeche, 1 dita feijo, \-*}1 S3rlus AuK"Sto da Silva.
Luiz Ferreira da Rocha T.
Maooel Fraucisco Pontea
Manoel Joaquim Machado Guimares.
Dr. Pompilio Cavalcanii de Mello.
Correio.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico que ho'je (19) as 3 horaa da tarde em
pooto tecbar-se ho as malas que deve conduzir
o vapor coateiro Persinunga, com destino a pro-
vincia de Mecei e porios intermedios.
Declaro que as seie anacrenticas ioaertas
no Diario de anie-hontem, j nao sao as que i
adopto, por qu=> em nova correcc,o eslo altera-
dae, e descuidei me de o advertir em lempo aos'
Srs. redactores.A J. de M.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornec.imento
do arsenal de guerra, tem de comprar us objectos
seguiotes :
Para provimento dos rmateos do arsenal
de guerra.
50 resmas de papel almsco.
50 ditas de dilo pautado.
20 eaixas de pennas de ac.
20 masaos de obreiaa.
10 caivetes.
25 duziis de taboas de pinho americano.
10 caadas de azeite de coco.
Para a casa ua giarda de palacio.
150 libras de velas estearinas.
Quem quirer vender tnes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada ua secretaria do
conselho, as 10 horas da manhaa do dia 21 do
corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimonto do arsenal de guerra, 11 de
julho de 1862.
Antonio Pedro de Si Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Obras publicas.
Ponte de S. Joao oa Ca-
inorm.
O director das obras publicas competentemen-
te aaionsado pelo Exm. Sr. presideute da pro-
vincia, faz publico que os desenhos e ornamentos
para urna ponte de ferro que se ha de construir
obre o rio Capibaribe, na estrada de Pao d'Alho,
ceri'u <1* eogenhos de S Joo e Camorim, de
conformidad.* J.? ^5. 13 da M do orca-
meoto vigente n. 5*4. JS *ch,nl patentes nare-
parilco das obras publica*. on3e ?era0 min,'r ,
das todss aiinormis6ei-nV-",I M ?ue ?te"
lenderem contratar a eoostrucgo dessa oora.
As propostas para a construido dessa ponto
devero ser remetlidas era carta fechada ao mes-
mo Exm. Sr. presidente ; deelaraodo-se no so-
hre-escriplo : proposta para a ponte de S. Joo.
Essas proposlas sero recebidaa tmente at o dia
21 do crrante mez e abortas no dia 22. no pala-
cio do governo, em preseoca dos proponentes,
que all devero comparecer at a 1 hora da tar-
de do mesmo dia.
O governo nao ae obriga a aceitar a proposta
mais baixe em prego, se tambem nao apreaentar
todas as garantas oeceasariaa boa execsco da
obra, alem de algumas outras condicoes que lhe
sejam favoraveis.
Directora das obras publitas 4 de julho
1862.O director, W. Marlineaa.
COMPANHIA LYRIC1
18.8 Recita da assignatura
AMANHA
Sabbado 19 de julho.
a gracia
Pela segunda vez represeniar-se-ha
tragedia lyrica do celebre maestro Dooiietti, di-
vidida em 3 actos, intitulada
GEHi DI vERtiY.
Os bilhetes
(aculo.
Principiar a 8 horas,
acham-se veoda oo dia do sapa'".-
EXTuiOBUlUMO BULE
NOS
Saldes do caes
EM
bencOcio do administrador.
Sabbado, 18 de julho de 1862.
A's 8 horas ds noite abrir-se-ho aa entradas
dos saldes, que ealaro ricamente adamadas.
Urna banda de msica marcial tocar entra-
da do baile, segundo o eoslume das aociedddes
aristocrtico da culta Europa; cessando essa
demonstrarlo (estiva depois da meis-noite.
Outra banda, vestida a carcter, locar no bai-
le, as melhores pecas do seu repertorio.
A compaohia d-a illuinioa^o gaz, em obse-
quio ao baneciado, mandou collocar no eal<>
principal urna rica estrella de f.>go, que produz
um effefto maravUuiTIKl \ yftt H^ o beoeflciad
'SS'ir'clJsa mullo agradecido. --
Apparecero duas lindas figuras de cera* d
estatura humana, viudas de Par, e Ilumnalas
a ricos vidros de diffrentea cores, para maior or-
namento do mrsmo salau principal.
Tudo asiai disposto a proporcionar aos Ilus-
tres concurreotes urna noite delicise.
Ser Cumprido o regulameolo policial.
Entradas para cavatheiros, a 2J e para dama
gratis.
C0BPAHHU
PERNAIBi'GISi
i
Navegado costeira a vapor
Machio pelas escalas
O vapor Persinunga, commandante Moura.
sahir para os portos do sul tocando na escala
co dia 19 de julho, s 4 horas da tarde
Recebe carga al o dia 18 ao meio dia. En-
corurnondas. passageiroa e dinheiro a frete ata
o dia .la sahida as 2 horaa : aacriptorlo no o:t*
do Mattos n. 1.
O brigue brasileiro Deolinda aiuda recebo car-
a e escravos a frete para o meamo porto : a
tratar com os consignatarios Marques, Barros &
C laro do Corpo Santo n. 6.
:
GOMPANHU PERJAMBCAiVA.
iNavegaijo costeira a vapor.
Paralaba, Kio-Grande do Norte, Macau,
Aracaty, Cear, Acaracu' e &raDJ.
O vapor igiiarasit. commandanle Viaana
sahir para os portos do norte al a Granja no
dia 2! do corrente s 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 21 ao meio dia ; en-
commendas, passageiros e dinheiro a frote at o
dia da sabida aa 2 horas : eacriplorio no Porta
do Mallos n. 1.
oravlneaal.
17. 61:69*3228
.....1:067J625-
6t:76l3853
Movimento do porto.
de Janeiro, e ostro do do llecift, de numere 114
de tantos de maio, tado do correte, que calum-
oiavam ao Illm. Sr. Maooel Florentino doa San-
tos, digno subdelegado desta dtstricto de Qaipa-
p, boje convicto da injuatica do que impensa-
damente avance), veoho mu publica e solemoe-
Bsent declarar por meio do preaeote, que seme-
haole procedimento mea foi lodo infundado e
guiado por principios frivolos e mesquinhos. Ho-
ja, repito, queoonheco de perto as qualidades do I
fV Livor'oool32 das, escuna iogleza Zcv.th, de
118 toneladas, capito Wukham, equipa-
gem 8, carga fazendas e outros gneros ; a
Johnaton Pa'er \ C.
Rio de Janeiro a porto intermedios7 dias e 19
hor-s e do ultimo porto 14 horas, paquete a
a| jt nacional Paran, do 8i0 toneladas, com-
mandanla o capito lente Jos Leopoldo de
Noronha Torrezo, equipagem 57.
Barcelona35 dias, samaca heapanhola Fiitla,
de 141 toneladas, capito Gerardo Mellen, equi-
pagem 12, carga vinho, paseas e outros gene-
ros ; a Aranega Hijo & C.
Navios nahidos no mesmo dia.
Rio da Praiabarca oriental Marianeta, capito
Jos Mara Fargoni, carga assucar.
Souihamptoa e portos intermediosvapor ioglez
Uagd-\hna, commandante R. Woolward.
Portos ,i sulvapor brasileiro Oyapock, com-
ni'.ndaute o 1* lente Ponles Ribeiro.
de
consommem msnsalmente,
abundante de pasto mesmo sachar subdelegado, nao trepido faxer I Observarlo.
Posto em diacui.o o Sr. Henriques da Sil, esta solem&e declaraQa, como reparo a iniuslioa Saspendeu do lamaro para os portos do sul o
pedindo a palavra, diise que o terreno era para o i que lhe bel feita, imputando fictos imaginario-., patacho ioglez Graffin, capito Francia Osnott,
flm qae *e dtiUa, por ser perto da cidade a Uo qu lie iQCipu, 'crg i ntesm qu tcoa d Ierra-Kora,
Obras publicas
ponte de ferro sobre o ria-
cho irurazinho,
O director das obras publicas competentemen-
te sutorisado pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, faz publico que os desenhos e ornamento
para urna ponte de ferro que se ba de construir
sobre o riacho Rrumzinho, na estrada di Pao de
Alho, de conformidade com o 85 art. 13 da le
do orcatnento vigente n. 514, se acham patentes
na repartido das obras publicas, onde serio mi-
nistradas lodas aa informaces necessaria aos
qae pretenderem contratar a coastroeco dessa
i obra.
ir^aUttii^- _.
io de Janeiro
Pretende aegui; com multa brevidade para o
Rio de Janeiro o veleiro e bem ceshecido brign.
nationa" Almirante, tem parte de aeu carrega-
meoto prompto-; para o resto qua lhe falta, trs-
ta-ae com os sus consignatarios Antonio Luis da
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio ras da Crus>
numero 1.
Ilha de S. Miguel
por Lisboa

Sahe at o dia 30 do corrente o patacho po?~
tuguezLlma, de primeira marcha, ainda rece~
be carga para os cortos cima, bem como pas-
sageiros para o que tem
oxcellentee commodos.
J
Rio grande do Sul-
Daver sahir com toda a brevidade o patacho
nacional Arapeky,> do primeira marcha, receba
carga a fres muilo commodo: a tratar cos Ma-
ooel Ignacio da OlUeira & Filhc, largo do Corro
i Sanio D. 19, oa aa a capital tu praqa.
a
MUTILADO
i il ni1"
w


BUHO B MaHAMKJCOi.te- SaBBAPO 19 DI JULHO B 1I62.
Para o Porto.
0 brigoe portsguez Amelia I. sahe al o dia
24 do crrante mez, para passsgeiros os quaes
offerece exeellentes commodos : trata se com o
capito a bordo ou cera os consgnalorios Da
da Madre de Dos o. 3.
ra
uoe*.
LEILAO
DO
Palhabote Duas
Ouarta feira 23 do crvente.
O agente Pinto far leilao a requerimento de
Apdr de Abreu Porto como depositario e por
mandado do r. juiz de orphaos do palhabote
Duas Luua*, perleoceote ao espolio do Uado
Manoel Joa Soares, as ti horas do dia cima
mencionado, porta da aasociacao commercia'.
gra de 20 ao.no?, ctloule, que fu lodo aer?lco
domeitico e urna grande quaotldade de obras
necessanas aoa Srt. advog.do solici'.&dores
que multo recommeudades se fazem pov parten-
cerera a aquello digno magistrado. Yodos osob-
jectos eataro expoatos a exarre de quero oa pre-
tendern na vespira e dia do leilao na ra da
Gadeia do Recite n. 3, primeiro andar.
LEILAO
Attenco.
O afete Oliveira (ara leilao daa esplendidas
tnobilias e tois objectos do uso de urna familia
eatrsogeira e pede a attenqao do respeitavel pu-
blico e dosseus amigos para concorrerem e apro-
veitarem a bella occasi3o de se refazerem de ar-
tigos magnficos, necessarios e t de galaDleria,
como fie primor em obra e qualidade ; s saber :
tnobilias completas e de roa o d^obra a msis per-
lera, e Jacaranda, tendo as meses e consolos
lindes lampos de pedra maemore, um riqaissi-
mo piano d vocea com caixa rica de Jacaranda e
feite de eiibommenda aem attenco ao alto cuito,
armarios de espelho, guarda roupas e guarda-
ves-Sidos de amarello e mogoo, mesas de abaa
para sof, redondas para sala, ditaa para advoca-
dos, ditas elsticas e outras, apparadores perfei-
tamaole entalhaJos, espelhos ricos, elegantes
vasos para flores, relogos para cima de mesa e
de parede, quadrose espelhos com molduras dou-
radas, cadeiras difiereotes de virne para terrario,
LOTERA
HOJE 19 do correte mez anda-
rao impreterivelmenteas rodas da quar-
ta parte da segunda lotera para a
edicacao da casa do Gymnasio Per-
nambucano (3.e concesso) no consis-
sistorio da igreja de N. S. do Rosario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acha m-se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
: na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
' Sr. Porto.
As sortes de 5:0U0# at as de 10$ se-
j ro pagas urna bora depois da extrac-
cao, e as outras, porm, no dia imme-
diato logo que se tenham distribuido as
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
0 Livro do Fovo.
Sihio i lux publica o LIVRO DO FOVO, publi-
cado aob a direceo do Sr. Dr. A. M.rques Ro-
drigues, contm a vida de N. S. Jeans Cbriato,
segundo a oarracSo dos quatro evangelistas,
mais os aeguintes artigoa : ovigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a morarprati-
ca, Simo de Nantua, mximas e peosamentos,
a bygiene, os deveres doa meninos, e o Brasil.
A publicaco do LIVRO DO POVO nao s tem
por lira uniformisar a leitura as escolaa prima-
rias, onde cade menino aprende por um livro
differente, e portento facilitar o trabalho do mea-
tre e do discpulo, romo tambem vulgarisar, por
m preco baralisaimo, a historia do ailvador do
mundo, e oa melhores preceitos de moral.
Vende-se o Livro do Povo, no Recife, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 8, a
500 rs. o exemplar em broebura. e a 800 rs. car-
tonado.
lojeccao Brow
Remedio infallivel contra as agnor-
rheas antigs e recentes, nico deposito
-_...>, V.UCII uiucirutes ue viuje para icrraco, l i .- J i n -.,-
litas de mogno e de balance, guarda livros en- na botlca tranceza, ra da Cruz n. 2,
?idracado, toileles com espelho e pedra, ditoa! preco 5.
cosn cpula, marquesas, lavatorios,estantes para
msica e para toilhts etc., toucadores, camas
para meninos, commoda. almarios de cosinha,
cabides, apparelhos para janlar, para caf a cha,
machina para caf, cryslaes, garrafas e copos la-
ndados, caodieiros par toJoi os mysteres, ga-
heteiros lieos, frascos de chero, porta licores;
alem de muitos outros artigos que seria enfado-
nho eoumerar, mas nao meos indiipensaveis,
sero patenleadas oDras de prata etc. :
Segunda-feira2l
do correte, s 10 horas da maoha ou logo que
baja numero de concurrentes, no armazem gran-
de da ra d'Apollo n. 20.
Urna mobilia de Jacaranda, 2
cadeiras de balando, 1 ca-
ma, i guarda roua, 1 se-
cretaria, 1 commoda, 1 ber-
c.o, 1 candelabro, 1 relogio
de algibeira patente
e dous escravos.
Sexta-feira 2-5 do crvente.
O agente Piolo far leilao doa bens cima
mencionados, existentes na ra da Moeda n. 7,
requerimenlodo ioveotariante dos baos deixados
por faliecimento de Pudro Borges Cerqueira e
por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orpho, s
10 horas do dia cima mencionado no refer lo
lagar.
inglez
HILA
DE
31 canoas.
e
Sexta-feira 25 do corrente.
O agente Pinto far leilao requerimento do
ioveotariante dos bens deixados por falleciraen-
to de Pedro Borges Carqueira e por mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos, do hiale Bebe-
ribe, de 30 tonelladaa e da canoa denominada
Gueribe, e de 30 canoas de carreira novase
de amarello, s 11 horas do dia cima mencio-
nado na ra da Moeda n. 7.
Os preUndeotes polero examinar o hiate
<'Beberibe e a canoa Guariba no caes do Ra-
mos em frente do arsenal de guerra, e as ca-
noas de carreira na ra do Brum o. 15, defroote
doca do bario do Livramento.
da
Loj
LEILAO
DA
ia de marmore.
Quinta-feira 24 do corrente.
O agenta Pinto far leilao a requerimanto do
depositario da massa fallida de Farias & C, e
por mandado do Illm. Sr. Dr. jaiz eepeclal do
commercio, de lodosos bens, objectos e merca-
dorias que conslituem a mesma massa, consis-
tiodo na armago e fazeodas da loja da roa No-
va a.....assim como da mobilia, joias e um es-
Clavo por nome Agostinho, s 10 horas do dia
cima mencionado na referida loja.
Os pretendeotes devero entender-se com o
referido agente em seu escriptorio ra da Cadeia
D..
LEILAO
Liquidado
Na ra do Crespo loja n. 14
est queimando por todo
preco para acabar, as se-
guintes fazendas, a saber:
Cortes de seda pretos com babados com algum
defeilo a 15. ditoa pretos ricos bordado* a seda
e velludo com babados a 408 e 509, ditos de se-
da de corea com babados com pequeo toque a
20JJ e 258, ditos de barege com babados a 5,
ditos de seda de quadroa a 8$, vealuarios de fus-
tao egorgurao de cor para meninos a 2$, 8g e
I 9$, caiuisinhas de cambraia bordadas com gol-
liona a 10 para senhora, manguitos com camisi-
I nhas a 2j500, chaly claro ede listras a 360 rs. o
I Corado, laxinha escoeexasde la eseda a 3C0 rs.
o coi-ao, l'j liso com S palmos de largura a
800 rs. a vara, ditos bordados n-866-w.^ ca-
i traas adamascadas para corlinadoa a 3.
i rs. a vara, ditaa adamascadas decorts a
tarlatana de diversas corea a 400 rs. a var..
da linho branco a 640 rs. a vara, brimzinho de
linhodequadros a 160 o covado, velludo de cor
proprio para vestuario de crianzas a 1$500 o co-
vado, cortes decolletede fustao a 160 e 400 rs.,
ditos de gorgurao de seda e selim lavrado a 1^500,
ditos de velludo superior qualidade a 39. cohe-
tes de gorgurao d cor e de seda preta a 3JJ, pa-
letots de casemira de cores a5$, ditoa de alpaca
de cor e merino setim a 4$ e 59, chalas de tou-
quim a 8$, manteletes de losquim a 129, cola-
riohosde linho a 160 rs., chapeosziohos de seda
para senhora a 2g, enfeites de flores a 500 rs.,
carteira com charuteiras a lgjOO, saiaa de cor-
do para senhora a I;6u0, meias de seda pretas
para senhora a IgOO, corts de casinetas da edr
a IgDOO, ditos de-ttrsemira pretas a 49500, casa-
veques de cambraia e de fil preto a 29, golli-
nhaa de croch a 19, tapetes para sala a 49, toa-
cados e golliuhai pretas para luto a 500 rs., chi-
tas pretas francezas a 200 rs. o covado superior
qualidade, luvas de seda de cores a 160 e 400 rs.,
ditos de relroz a 4C0 e 500 ra. com vidrilho. col-
chas de croch brancas a 69, rlquissimos cortina-
dos para cama a 89, chales de croch de la a 49,
panno de croch para encost de cadeira a 500 e
19 e outras muitas fazendas que se vende avista
do comprador e por tolo preco a dioheiro avista.
Pateo do Livramento n. 11.
primeiro andar.
O dentista Numa Pompilio planta dentes arti-
flciaes por grampoi e ligaduras a pressao do
ar, denles ocorruptiveie sobre ouro, systema
norte-americano e fax todaa asoperacoes de sua
rta e com promptidao limpeza
Na travessa da ra das Cruzes n
2, paime.ro andar, tinge se para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
ENSEO
Pratico-Theorico
DA
LINGUA FLANCEZA,
SEGUNDO
O NOVO METHODO
DO
Dr. H. G.Ollendorff
PARA
Aprender urna lingua em seis mezes
POR
( icero Pctegtino,
Bacharel em direito.
2 voluntes em 8.
Sabio do prelo o 1. volume desta obra, intei-
ramenle nova, e nica escripia em portaguez por
aquello systema, approvada pelo conselho direc-
tor da instrueco publica para servir de compen-
dio as aulas publicas de inairueco secundaria
da provincia, accommodada ao uso de quantoa
pretenderam fallar e traduzir com propriedade
a lingua franceza.
Acha-ae venda no escriptorio do autor, ra
do Oueimado n. 26, onde ainda se recebem as-
signsluras (75000), at a publicado do 2 volu-
me ; depois do que vender-se-ho a 103000 os
exemplares.
*mmmmm -ettHMM* mu
. Rocha Bastos*\
i
8
lodosos dias.
'-uri raaicai em pouco das mol
lias syphiliticas e dos orgos genito u. (.
narios.
Consultas de gra;a das 8 as 9 horas
manhaa.
Toda attenca.
Cadeiras de jac? ^ - to, mesa e meio de sala de dito,
guarda roupa, cama a franceza, me-
sa para jantar de amarello, cama de
ierro, bacia de rame para banho e
outros muitos objectos.
Segunda-feira 21 de julho.
Sem reserva de preco.
O agente Guimares legalmente autorisado por
ama pesaos que se relira para fora da provincia
far leilao doa movis da casa de 8ua residencia
tu ruadaPenba cobrado n. 4, onde se efifectua-
Xi O leilao s 11 horas cima.
" LELlO
6em reserva de preco.
Terca-eira 22 de julho as 10 horas
do dia.
O agente: Guimares por despacho do Illm, Sr.
Dr. jais de orphaos de;'la cidade e por absten-
go de beranQi que fazem oa herdeiros do falle-
cido Dr. Manoel Moreira Guerra, fir leilao no
dia e hora cima em o sea escriptorio na ra da
Cadeia do Recife n 3, primeiro andar, de lados
os beoa movis e semoventes que pertenciam ao
dito fallecido, como aeja.uma mobilia de ceregei-
ra, guarda vestido de apurado oslo, guarda lou-
cs, cama franceza, toet de Jacaranda, mesa pa-
ra advogado, lavatorio, cadeiras avulsas, crys-
taes, jarros de vidro e porcelana e outras multas
pecas de gosto, bem assim muitaa obras de ouro
como braceletes, alfioetes, srgolas etc., etc.
TAMBEN
vender duas scrava sendo urna oegrinha de 7
(ra8 sanos com alguna* habilidado 0 urna ne- ]
DO
THESOURO HOMEOPATH1CO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo tioutor
SUEIHD 0. L
Este livro qve se tem tornado to popular,
quaolo necessario, acaba de ser publicado com
todos os mclhoramentos, que a experiencia e oa
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va edicQo em ludo supsrior primeira, en-
cerra:
1.* Mais ampias noticias acerca do curativo
daa molestias, com iodicacoes mui proveitosas
dos medicameutos novos recentemente ezperi-
mentados na Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
! A expsito da doutrina homeopatha.
3.* O estudo da apropria;ao dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
daa idades, dos aexos, e segundo as circunstan-
cias atmosphericas etc., etc.
4/ A preservago ou prophilaiia das molestias
hereditaria*.
5.* A preservadlo das molestiss epideaicas.
6.* Urna eslampa Ilustrada demonstraba.-'
continuidade do tubo intestinal desj/tfa'bccca al
o anus etc., etc. ^ --'
Vende-se na PHARificA especial homeopa-
tiuca, propriedade d/o author, ra de Santo
^nyir.oJtMjiRrto^ftdvo) n. 6.
Pre?o de cada exemplar. 209000
N. B. Os senhuresassignantes queiram man-
dar receber seus exemplares.
isas i
a Bja
a >ua
res-
acas

Custodio Jos Alves Guimares avisa
peitavel publico, principalmente a todoa
freguezes e amigos, que se mudou da Bja'da
aguia de ouro da ra da Cabug para a vua do
Crespo n. 7, para a bem coohecida e amiga loja
de miudezas que foi do fallecido Joao Ceg, boje
ser eonhecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimento,
onde acharao um grande aorlimento de miudezas,
queaffianga servir bem e vender por menos dez
ou viote por cento. do gua em outra qualauer
parte
GRANDE
a
DE
e engomando
de Ramos A Pi-
Lavageui
de roupa,
mentel.
Empreza importante, que vai prestando rele-
vantes servicoa aeus freguezes pela promptidao
e perfsiQo com qua lava a roupa sem a estragar
PRECOS.
Roupa sortida (embora nao venham meias nem
lencos) 40 rs. por peca.
Pegas grandes isoladamente 100 rs.
Roupas de navioa, vapores e hospitaes 70 rs.
Dita de familia que nao fregueza 80 rs.
Dita de doente de familia, que nao 4 fregusza
a 120 rs.
Urna rede ou cortinado de cama ou varanda
a 500 rs.
O preco dos engommadoa mdico e confor-
me as pecas, como costamam fazeras eogomma-
deiras. O preso da entrega da roupa Uvada
8 dias, e engommada 15, sendo que muitaa vezes
aat prompta antea do praso. Deposito nn rUa
Nova.
Joao da Silva tamos,
medico pela Universidade
de Coimbra,
da consultas em cssa, das 8 s 10 horas da ma-
nhaa, e preata-se a qualquer chamado com a bem
aonhecida promptidao.
COMMRIG ESPECIAL H01E0FATHIG0
DO D0UT0R
n SABINO O.LPINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todoa oa dias tela desde aa 10 horas
at meio dia, acerca da aeguintes molestias i
nolutiai da muJWs*, molutias das cran-
eos, molettiat da pella, moieetioe dot olhot, mo-
lt$lia$ typkiliticat,todas at especies dt ftbrti.
ftbrttinttrmtcntet tsuas conseqvtneias
PSARMACl ESPECIAL HOHROPATKICA .'
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pra-
jaradoa som todas aa cautela necessariaa in-
alliveis em seus effeitos, tanto em tintura am
sm glbulos, pelos precos mais commodo's po*-
svais.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino ao
anicamente vendidos em aua pharmacia tedos
que o forem tora della a falaaa.
Todaa aacarteiraa ao acompanhadas de um
impreaso com um emblema em relevo, tendo ao
reopr as seguintea palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Este emblema poeto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carteirsa que nao 1 avara m eaae impresas
usim marcado, embora enham na lampa o no-
na do Dr. Sabino ato falaoa
Tendo-se effeciua.lo a venda em leilao da
taberna do Sr. Banlo Alves, sita oa roa do Vara-
douro em Oliods, roga-ae aos credores do refe-
rido Beato, que ioda nao apreseolaram suaa
coritas, queiram aprsenla laa no praso de oito
dias, a cootar da data do presente anouncio, adm
de poder-se effecluar o respectivo rateio, no es-
criptorio doSr. Joa Nunes de Oliveira, no becco
Largo, bairro do Recife, na certeza d6 que de-
pois de feilo o mencionado rateio a neohuma re-
clamaco se altender. Pernambuco. 18 de iu-
Iho de 1662.______________________'
Pelo presente declara o aoauo assigoado
que a caaa da ra da Praia n. 42, que oulr'ora
ot taberna de Jos Antonio Soares Roaas que
boje se acha transformada em armazem de carne
aecca pertencente a Goo$alo Alves lavare* como arrendamentodo armazem
Ratoneiro.
provari com o papel de arrendameolo
prietario, nao teodo o mencionado Jos
Na noite de 15 para 16 fnrtsram dOaa almofa-
daa de um cabriole!, do ailio de Joo Martina de
Barros, ra Real o. 10: pede-se a quem forem
offerecidas o favor de apprebende-las, assim
como o portador, que muito ae deaeja conhecer.
O abati asaigoado declara que o Sr. Grego-
s de Oliveira nao pode traspassar o
n. 73 da rus do Ira-
do pro- perador, visto que est nullo por nao estar as-
. Antonio signado o dito arrendamento pelo abaizo aasig-
Soares liosas direito algum no dito esttbeleci- m meotose nao como caizeiro que-ora se acha no testo contra todo e qualquer arrendamento i;ue
referido armazem. Recife 18 de julho de 1862. leja tiil sem sua interveocao, visto ser illesai
GongalQ Aires lararw. Ihomas da Camino Soarts BrenM.
4Uencao allencao.
it SAJo' Qrma de Vidal-* Bastos, roga os devedores da
mesma a msndarem qaao,0 ,nUl f
dbitos para assim deix.r de se ver oa obrigacSo
s mesmaa a um procurador par -
judiculmente. Recfe 27 6 junbo
ivRA DO QEIMABO U*M ,
r f4t>hrGBANDE201TMENTo|f1i(
i
%
!
!
S
i
!
f Sm"22T enp2 d* *'> Pnno a *5, 28, 30 a 3t3. eaaaeoa
de cor a 15, 18f e SOJ, paletota saceos de panno e casemra de 8 al 14a, ditos saceos de alnaaa
!?. \9, S *0.^<,7* at6 10. roupaa para menino de todoa oa amanhoe. randa aorti-
m.nto da roupaa de bnna como seiam calcaa, paletota e colletas, sortimento da eolletes pretos d
2Sl VST??. Tfllu de ** S- ita' para "m 5 6, paletota SSmfirt
mn 'aLt&tSS '" ." M. grande sortimento de fazendasfl.s e m"
K e.om.P.lel aonimento de casemiraa inglesas para homem, menino e senhora, aeroularda
doho e algodao, chapeos de aoldeaeda, luvaa de seda de Jouvin para homem e aenhor V Te-
iT 2? r"d .?" recebemos encommenda.P de grande, b". o, para
Hn6.,i.Ml!d0- admiQ8!r*,da por fmhab m"lr d Ihant. arte um pessol dabais d
Safsrt'ssrs.^^ obr,eom *. m.i.T .i
ARMAZEM
ROUPA~F
Joaqnim F. dos
^?
40Ra do Oueimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
todi
Neste estabelecimento ha sempre nm aortimento completo de roupa ftita de
i as qualidade o tambem ae mauda ezecutar por medida vontade dos freeua-
xea para o que tem ara doa melhores professores.
Casacas aa panno preto a Of,
85| a 30*000
Sobrecssacosde dito dito a 35#e 30j000
Paletota de panno preto e de co-
55000
5?000
@i
H
rea a 35, 80a, 25, 10, 18 e
Ditua decasemira de corta a 22.
158,1%. 7 o
Ditoa de alpaca preta golla de
Talludo francezas a
Ditos de merino setim pretos e
de corea a 9f a
Ditos de alpaca da cores a 5 a
Ditoa de alpaca preta a9, 7, 5 e
Ditos de brim de corea a 5f.
4*500, 4 e
Ditos de bramante delinho bran-
co a 6, 5$ e
Ditos de merino da cordio preto
a 15 o
Caigas de casemira prata do co-
res a IX. 10, 98, 7 e
Ditas de princeza e merino de
cordao preto a 5, 6a500 e
Ditaa de brim branco ede corea a
5. 4J3UO e
Calcas da ganga da corea a
Collete de velludo preto e de co-
res lisoss bordadoa a 125,95 a
Ditos de easemira preta e da co-
rea liaoa e bordados a 6.
5500,5
i0000
90O0
105000
85000
85300
38500
3J500
4000
8J0OO
65000
45500
28500
8000
85000
Ditoa da aetim preto
Ditoa de seda e setim brauco a 6 e
Ditos de gorgurao de seda prelos
naa .d 0rfi 78, 6*' S**
Ditos de brim e fustao branco a
38500. S5O0 e 8*000
Seroulaa de brim da linbo a 2 a '-zoo
Ditaa de algodao a 1600 e l$280
38500
Camina de peito defusto branca
ede cores a 2ci00 a
Ditaa de peito delinho a 5, 4 1
Ditas de madapolo braocaa e de
corea a 8, 2500, 5 e
Cha peo pretoa de maasa franceza
forma da ultima moda a 10a.
88500 o "
Ditos de feltro a 6, 5, 4 a
Ditos de aol de seda inglezea a
francezeaal48, 12, 118 e
Lolannhos da linho muito fines
novos faitlos de ultima moda a
Ditos de algodao
Relogioa de ouro patente e hori-
zontal a 1008, 90, 808 o
Ditoa do prata galvaniaados ps-
tente a horizontaea a 40 80J000
Obraa de ouro, aderecoa a mtioa
adereza, pulceiraa, rozetaa e
25200
3000
18600
75000
2000
7000
800
500
708000
de entregar as mesmaa
rem cobradas
de 1862.
Consultas medicas,
Serio dadas todos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereirs no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 53, desde s 6 at aa 10 horas
da maoha, meooa sos domingos; sobre.
1.* Molestias de olhos.
2. Molestiaa de coraco e de peito.
3. Molestias dos orgos da geraco 1
do anua.
O exame doa doentea ser feito na or-
dem de suas entradas, comecando-se po-
rm por aquelles que soffrerem dos
olbos.
Instrumentos chinacos, acaslicos e p-
ticos sero empregados em suas coosul-
tacoes e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obter certeza, ou ao meos
probabilidade sobre a sede, natureza e
causa da molestia, e dehi deduzir o pla-
no de tratamento que deve deslrui-la. o
curar.
Varioa medcamentoe sero tambem
empregados, gratuitamente; porm i
pela certeza que tem de sus verdadeira
qualidade, promptidao em seus effeitos,
e necessidade do aeu emprego argente
que se usar delles.
Praticarabi mesmo, ou em casa dos
doentea toda, e qualquer Opcrecie que
_ julgar conveniente para o restabeleci-
meoio do mesmos, para cujomse acha
prvido de urna completa collecrao de
instrumentos iudispensavel ao medico
operador.
Deitar olhos artiOciaes ; para o que
se acha prevenido de pegas e instrumen-
tos necessarios.
Por meio de experiencias pticas Indi-
car aos doenles qual o grao do vidro que
os oculos devem ter para que sua vista fi-
que bem acommodada, e jamis se fa-
ligue quando estiver applicado ao tra-
balho.
*M8MS MSMStKMSMQeteeM M9
Aos brs. consumidores de gaz
Nos armazens do caes do Ramos ns. 18 o 36
na ra do Trapiche Novo no Recife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemente chegado a 14 a lata de 5 gales
assim como latas de 10 a de 5 garrafas a em
garrafa.__________ """
- Da ra do Sol n. 21. lugio um escrevo de
nome Martioho, de idade 30 annoa, sem barba
estatura re8ular e dentes podres na frente ; oc-
cupa-se em juntar ossos e consta andar peloa
arrabaldea da cidade nessa oceupago, tem sido-
visto na estrada da Magdalena, dos Remedio
etc. : quem o pegar leve-o a dita casa, que ser*
recompensado.
i
I
i
S
I
I
I
I
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ra do Cabug n. 18, entrada pelo
pateo da matriz.
-sia galera ornada com os augustos retratos
photographicoade SS. MM. e das sereoissimas
princezasimperiaes, aasim como com os de mui-
tas das pnncipaes pessoas desta cidade. est a
diapoeicaodo publico, que apode visitar todos
os diaa das 8 horas da manhaa s 5 da tarde o
examinar os trabalhos expostos.
Cootinua-se a tirar retratos por todos c-ys-
temaa pbotoaraphieos, e especialmente por em-
brolypo eem cartees de visita. Fazem-se tam-
bem mimosas miniaturas em talco para se Bollo-
carem em joias.
Us precos dos retratos sao os mais razoaveis
que se encontrara nsta cidade.
________J- l-'arreira Villela. photographo.
sacara sobre a prega do
aneia a
Toalhaa de linho duzia 108, 6 a
Ditas graniea para meaa urna 3 e

9$000
ai
Cosinheiro.
Precisa-se deum bom cosinheiro oucosinbeira
Iivre ou escrava, par casa de grande familia :
na rus da Santa Cruz n. 64.
Francisco Uire, subdito italiano, vai a Ma-
celo.
-&
Gabinete medico cirurgico.*
0 Ruadas Flores n. 37. J
0 Sero dada conssltaa medicaa-cirurgi- 0
0 cas pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Alba- f|
0 querque da 6 aa 10 horas da manhaa, ac- 0
0cudiodo aos chamados com a maior bre- m
sj vidade possirel. 5
sj 1' Partos.
a. 2.* M'.estiasde pella.
8.* dem do olhos.
aj 4.* dem doa orgos genitaes.
a Pralicartoda a qualquer operagao em
tm aeu gabinete ou em casa dos doontes con-
^ forme lhes fdr mais conveniente.
000*90000 00 0000
aseoct ucho Ttipog va jj Uicn
flcvnamtiucAna
Amanha haver sesso ordinaria da
lialtar & Oliveira
Porto.
O abaiio assignado, proiurador do Sr. Pre-
cilisno Peres Campello, avisa os proprietario
descasa, que pagavam foro ao Exm. baro de
Capibanbe, que todos eses solos perteocem hoja
a seu constituinle. e esse o aulorisou com pode-
res par. os vender lodos ou separados, por isso
convida aos possuidores das ditas casas, que lhes
convierem comprar o solo, a tratrar com o mes-
mo abaixo assigoado, assim como lhes pede quei-
ram mandar pegar os foros vencidos : na ra No-
va doa Pires n. 30.
_______________Manoel Gomes Viega?.
----------- __ assem-
oiea geral, para se proceder a eleicao do con-
selho director, que tem de diriRir os lrblhos
soci.es do anno de 1862 a 1863; na ra Direita
n. 127.
Secretaria da Associaco Typogrsphica
nambucana 17 de julho de lb62.
Io secretario iulerino,
Jos Luiz de Franca Torres.
Irmaadade da enhora
Sant'Anna.
a-?S rd|m ?! mesa re8a"o irraandade da
r.w" Sa,n!,Anna da '8rej da Madre de Dos,
convido a todos os carissimos irmos a compa^
-i S.? D0 Cns,storio da mesma igreja, domin-
go 20 do correte, peles 10 horas da manhaa
anm de eleger-se a neva mesa que tem de re"er
no anno de 1862 a 1863. geC
Recife, 16 de julho de 1862.
O escrivo,
M. S. C. Simoes Jnior.
e
I Denfel, ik fwfe.
I 15RuaNova-15.
JFrederico Gautiar, cirurgio dentista S
faz todas as operaces desua arte a e co- *
leca dentes artificias?, ludo com -sdeln S
I rioridade a perfeijo que as pessoas-,en 3
. tendidas ihe reconhecem.
Tem agua e pos den tifiaos, etc.
IwsMMKNs mm mmmmm
Aluga-se urna grande casa com sitio na es-
trada do Arraial, esquina do Peroamerim : a tra-
tar na ra do Amorim com Guimares & Alcofo-
rado.
I Arrenda-se a casa o., na travesss da ra da
Per- fnssagero, entre as duas ponles defronte da casa
.de saudedo Sr. Dr. Ignacio Firmo, tem commo-
doa para grande familia e grande quintal com al-
gumas arvores de fruclo e banho no fuedo* a
tratar com BernarJino Francisco de Azevedo
Campos, n ra do Itosario ettreita n. 47.
I O proprietario da cooTeilana da ra "d
Cruz n. 21, tendo de se retirar para fora desta
praca vende o mesmo estabelecimento que se
acha bem montado e desembarazado, nao t
vende a dinheiro como a prazo dando boas fir-
mas.
a
BolinboSe
Cartdes de visita
Cerles de visita
Cartdes de visita
Cartdes de visita
Cartdes de visita.
Precos reduzidos
Pre;os reduzidoa
Presos reduzidos
Pregos reduzidos.
A duzia por 12
A duzia por 12
A duzia por 12
A duzia por 12
Duaa duzias por 20
Duaa duziaa por 20.
Novo oslylo de pbotogrsphia
Novo estylo de photographia.
Ambrolypos em caixss 2
Ambrotypoa em caixaa 2
Ambrotypoa em caixaa 2.
O retratista americano
Alberto W. Osborn
Ra do Imperador.
-Com diversos modelos, bsndeijas etfeiladas
de armaedes differentes com bolinhos de todas aa
qualidades os melhores do nosso mercado, assim
como as libras em separado, e tarubem podios e
qualquer pastellaria, ludo feilo a primor e o
mais barato do paiz : quem pretender dirija-se a
ra da Penha n. 25, para ajustar-se.
3KeNeHW8W9 Mema mmm*
nli.<-..l 5
Na noite do dia 15 do correle perdeu-se um
embrulho contendo a quanlia de 50: a pessoa
que achar a dita quantia e a quizer restituir di-
rija-se ao caes do Ramos armazem n. 4, que se-
r generosamente gratificado e tambem se dar
oa sigoaes da dita quantia e em que ra foi per-
dida. r
Alerta!
i
I
I
s
I
I
Saques sobre Portugal.
O abeixo assigoado agente do Banco
Mercantil Portuense cesta cidade, saea
efectivamente por todoa oa paquetea so-
bra o mesmo Banco para o Porto o Lis-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
zo, podeodo logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na rszo
de 4 por cento ao anno aos portadores
que assim lheeonvler : as ras do Cres-
po n. 8 ou do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Castro.
A pessoa que se offerece para caixeiro de
taberne.que diz ter pratica e dar coohecimeoto a
sua conducta dirija-se ao pateo do Tergo o 32
mi
pessoa civil, boa moral, e fiel, toma
por batanen qualquer estabelecimento. menos
taberna que venda espiritos pelo miudo. tanto
dentro da praga como fora della de que tem mui-
tusimos annoa de pratica, sugeitando se a fazer
a escrlpturacao: quem precisar annoncie para
ser procurado avista do tsbtlecimtnto dirl o,
ciclar eu meo los necessarios.
-
A pesaos que desejsr substituir a urna praca do
9 bataloao de infamarla, para completar dous
annos e alguna dias, mediante urna gratifleaco :
dima-se a ra da Aurora n. 10. 2 andar, que
achara com quem tratar ; preferindo se a al-
guem que j tivesse servido do exercito.
Attenco
Flix Venancio de Cantalitio pede a seas fre-
guezes que lhe sao devedores em qusnlo antes
venham pagrseos dbitos no esp.co de 15 di...
S!r?10 lDiar mh0 dos mei09 i1'ci.s
afim de lhe pagarem.
Companhia Fideliaade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro, com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernacbuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G. compe-
tentemente autorisadoa pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidadt, tooam aeguroa de na-
misfiS f" pre,,i0,' no ,,tt "criptorio,
'
>

]
< HliM


D1A110 Dfc x>lkf!AlUlJCO, *-. S4BBAOO 19 DE JULHO DR 1861.
n:
Furto.
,
A pessoa que furtou no da 17 do
corrente do quarto aonde ie guardan
o$ chapeos dos juizes de facto, queira
entregar un chapeo do Chyli com for-
ro branco e fita preta larga ao seu ver-
dadeiro dono na ra de Hortas n. 30,
do contrario -se publicara' o seu nome
por inteiro, pois ja se sabe quem o
furtou.
Pede-se muita at-
temjo.
O proprtelarios das casas forelra. ao morgado
do fallecido Joa Themoteo Pereira Baatos, aao
rogados a virem pagar os respectivo foros atra-
dos, para o que se devero dirigir ao bachare.1
Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque, pro-
carador ba.tante da inventarame e meielra a
Exma. Sra. D. Auna Joepha Pereira dos Santos.
Outro aim, que nao facam negocio com a casa
ita na travesa dos Exposto, n. 28, do Sr. Jos
da Costa Uourado, o qual nega-se a pagar o lo-
ro. Na mesma ra a casa n. 22, da Sra. Mana
Joaqaina Machadb Cavalcanti, que igualmente
nao se quer considerar foreira. Mora o procura-
dor na ra da Praia, no terceiro andar da casa
' n. 53. freguezia de Santo Antonio.______________
Quem precisar de urna ama de leite, diri-
ja-se ao pateo de S. Pedro n. 6, 1* andar, que
achara eom quem Iralsr._____________________
GABttWE PORTUUEZ|CastelIo-Bfaneo,-"alfaiate
militar.
Para luto.
UEITURA
ein Pemambuco.
De ordem do Illm. Sr. presidente do comelho
delibero Uto, convocado o mesmo conselho para
sesso ordinaria, segunda-feira SI do corrente,
s 6 horas da tarde.
Secretaria do Gabinete Portugus de Leilura em
Peroambuco, 17 de julho de 1862.
A. A. do. Santo. Porto,
1.* secretario.
Fumos de sada elsticos psra chapeos largos e
estreitos a 1*500 : na r.a do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
Gratificado 50S.

i
Precisa-se
de alagar urna escrava el e diligente para o ar-
tico interino e externo de urna casa de pequea
familia, e que saiba bam engommar -, assim como
de um moleque : a tratar em.Forado Portas, so
brado o. 26 da rua do9 Guararapes.________^^
Precisa-se de urna ama de leite para criar
ama recemnasclda : a tratar na roa da Aurora o.
80, 2* andar._________________________________
Freciia-se alugar urna escrava que saiba co-
tiohar, paga-se 30; mensaes agradando : na rua
da Aurora n. 80, 2" andar.
O abaixo assignado declara pelo presente an-
nuncio que em datado 18 do mes de julho cor-
rale, aseotou-se de seu poder o seu escravo
de nome Francisco, que de ordinario conhaci-
do por Francisco Pacheco, com os|sigaaes seguin-
tes: sltura regalar, corpo reforjado, rosto re-
dondo, olhos acaatanhados, nariz chato, orelhas
pequeas, sem barba, bocea pequea, cabellos ca-
rapinhos ; levando em ai camisa branca de al-
godoxinho e caifa de panno azul de algodao, j
alguroa couss trapilha, cuio escravo natural da
Goianna, e julga-sa ou prsume-se que elle re-
fugiou-se dentro desla mesma cldade, ou em al-
gum dos arrabaldes da mesma, ou enlo seguira
seu destino para Goianna, intilulando-se por for-
ro ou liberto, seguiodo lalvez para all por trra
ou em algama bircaca ; notando-se que esse es-
cravo assa ladino: portanto recommenda-se
s todas autoridades policiaes, espitaos de campo
e ao registro do porto, que a terem conhecimento
do dito escravo de o capturar e leva-lo a praca
da Boa-Vista o. 22, ou euto em seu sitio no Cam-
po-Verde, que receberao a graliflcacao s.ppra,
sem perda de lempo.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.
Pot esle aunando te fax constar aos Sr. offl-
ciae. de toda a. arma, tanto deata provincia!
como das maisespilaes do norte do imperio, qae
ha a venda botoe do novo padro, segundo a
ultima ordem do ministerio da guerr, venden-
do-s. duai abotuadura. por 39. adverlindo que
urna das abotuaduraa de padro anligo, faz so
' remessas psra onde forem pedidas, assim como
tambem ha psra vender e melhor panno azul in-
gles, a o melhor velludo preto do Porto, fazendas
desconhecidas nesta praca, o que se vende a re-
talho. Os Srs. offlciaesqne eslao torada provin-
cia podem renovar suas consignares Gxando
quantia certa, e os outroa senhores que nao live-
rem procursco nesta casa podem man Ja-la, ad-
verlindo que o lempo para a dita procaraco de-
ve ser limitado, acompanhando ama carta do or-
dena pedindo s. encommendas que forem pteci-
sas, devendo ser dirigida, a correspondencia a
Joaquim Rodrigue. Tavarea de Helio, raa do
Queimado o. 39. Tambem ha galo de ouro su-
perior e ferros trancen, para alfalate, aza forja-
da o par 10a. __________________
Algodao de 2 larguras.
Vende-se superior algodao monslro com 2 lar-
gura., proprlo para l.ocoe. e toalba. de meta a
700 ra. a vara : oa rua do Queimado n. 22, na
bem coohecida loja da boa f.
A 2,400 rs. a duzia.
Lencos branco lino para algibeira pelo dimi-
nuto preco d.29400 r. a. duzia : oa bem coche -
cida loja da boa f, na rua do Queimado n. 21,
Cambraias de cores
Vendem-se cambraiaa francezaa de cores fa-
zenda multo fina pelo baratissimo prego de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Aguj de e'onia ambria-
da e sem o ser.
Esas estimada agua de colonia riibreada, de
que tanto, a tanto lempo sentem a dia, acaba
de chegar em bonitoa frascos verdes, os quaesse
eslo vendando a 19500 cada am ; assim cepo
chegou igualmente um granhe sortimento da
verdadeira agua de colonia de Piver em frascos
e gsrrafinhas de differeules lmannos, ludo ia-
so na raa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16. ______
Boa compra.
Vende-se o excellente engenho S. Joaquim,
silo a ama lagos, por bom camiubo da freguezia
da Varzea, moenie e correte, d'agua, por doa.
acudes, terrenos e matas sem iga.es, pode safre-
jar at 2.000 raes ; trocase tambem por predios
aesta capital : qaem quizer enriquecer em pou-
co tempo e faxer negocio, dirija-se a rua da Praia
o. 53, 3* andar, qaeae dir quem faz.
Apparelhos d e porcellana dou-
rada para cha de bonecas.
Aloja da agua branca desejaodo que lodoa
fagam a vootade a suas bellas meninas est ven-
dando coromodameLle esses bonitos apparelhos
de porcellana dourada, e pintada a 19500 e 2$,
lendo cada um 6 casarea de cbicaraa, e os mais
pertences, a vista do que todos iro (munidos de
dinheiro) psra compra-loa na rua do Queimado
n. 16.
Superior brim braceo de
linho
Vende-se superior brim branco de linho tran-
cado pelo baratissimo prego de 19200, 19440 e
19600 a vara, dito muilo eocorpado de dous fio
a de linho puro a 2$ a vara : na rua do Queima-
do n. 22, Da bem conbecida loja da boa f.____
Frecisa-se de l;ot)0; a premio sobre hypo-
theca em beoa de raiz : qaem tiver annuncie saa
morada para se tratar.
Precisa se de urna am* de leile sem Ulho :
a tratar na rua Nova n. 52, oa na rua la Praia
p. 13._________________
Pd-se aoa Srs. Joaquim do Amanl Frei-
tas Leo e Usnoel do Nascimento Leito, o favor
de apparecer na raa da Praia u. 13, a negocio
qae nao ignorara.
Consulado de
Para noivas.
Nao lendo sido posslvel realisar-se a reuniao
dos credoresdo fallecido subdito francs Antonio
Eugenio Barrilier, por causa da chegadado vapor
ioglez no dia para tal designado, o cnsul francez
novameote convida aos meimot credore para
comparecerem no dia 21 do corrente ao meio dia
em ponto no consulado, e roga-lhes que nao dei-
xeni de comparecera), por que toda a demora
pode ler prejudicial a causar serio embaraco.
aos negocios do mesmo fallecido.
Botioa.de selim branco, chegadas de novo, as-
sim como perfumara daa mata tinas que tem
viodo : na loja do vapor rua Nova n. 7.
Bonitos paliteiros de porcel-
lana dourada.
Agora ninguem deixar mai de ter em sua
mesa am bonito paliteiro de porcellana dourada
poi que elle, se e.to vendendo a 19 e 19500
na loja da aguia branca n. 16.__________________
CALCADO
45 -Rua Direita-45
A epidemia declina sen.ivelmente, a o sea
complato desapparecimento est proxiavol O
proprietario deste bem sonido tslabeleciaei.io
convida os seus numerosos fregueze. substituir
o calcado velho, que todo est cholenco, por no-
vo, e'qoe posis raaislir s mil scholi. e mazzur-
css que vao ser dansada. em louvor do restabe-
lecimento da saude pufelica. Os preco con-
vidara :
HOMENS.
itamadas Milis. .
non-fftus-ultra Nantes........
Nantes 2 bateras..............
a lustre....................
inglezes de bo'.es.............
ba tedore;.......................
s como d. porco.......
bezerro a lustre...............
inglezes ps aelvegens.........
taxiados braiileiros............
/
Botinas afa
a
Jos de Azevedo Maia Jnior, portuguez
retira-se para fra do Impirio.
Aluga-aa ama escrava para lodo servico de
urna casa de familia : quem a pretender dirija-se
a rua da Cadeia do Recite n. 64, das 10 da ma-
nha s 2 da tarde. Na mesma casa precisa-se
alugar um preto de idade, para o servico de cam-
po, forro ou captivo.________________________
Jor Pearo Gome, subdito portuguez, vai
a Europa.___________________________________
Quem quizer alugar urna escrava moga, ro-
busta, para o servico interno de urna casa de
4>oace familia, que eosaboa, cozioha e engomma
toda e qualquer roupa de senhora e de homem,
por mais fiua e delicada que sejs, com msila per-
fei^ao o deligencia, e d-se para ser examinada:
na rua do ''ospicio o. 40.
Manuel Ferrelra da Silva Tarrozo, leodo-ae
retirado para Lisboa no paquete ioglez Magda-
lena, nao se pode ndo despedir das pesaoas da
sua amizade e daquellss que tizeram o obsequio
de o ir visitar durante a sua molestia, pede toda
deiculpa e offerece o seu preilimo naquella ca-
pital.
Compras.
Compra-ae urna escrava que seja perfeita
engommadeira e coatureira de boa conducta :
na rua da Cadeia do Recife n. 35.______________
Compram-se acQes do novo banco de Per-
oambuco : no e.criplorio de Manoel Ignacio de
Qliveira & Filho, larg do Corpo Smto o. 19.
Compra-se urna carroca com arreio. em
bom uso, para cavallo : no Rosarinho, junio ao
Sr. desembargador Villares.
Precisarse de urna criaJa livre ou escrava,
na raa do Crespo o. 14, loja, ou no pateo do Car-
ino por cuna da casa de bauho*.
Alug-se ama casa nos Coelhos, rua dos
Prazere.: a tratar na Gapunga no sitio defronte
do Sr. Duburg e contiguo ao Sr. Albuquerque.
Roga-se a pessoa a quem for oflerecido um
caixo com urna arrobi de vallas de carnauba,
conteni de 40 e de 80 rs., juntamente urna cal-
la de sabio ds fabrica da rua Imperial, com 41
libras ; tanto as vellas como o sabo levam as
iniciaea seguintes : I. A. G. M. e por extenso Ga-
meleira, appreheodam e levem-os ao becco do
Porto. abricaa de cigarros, que ara gr/mrtrcio.
afondas.
Veudem-se duas muito bois vacca com
crias, por muito barato prego : quem as preten-
der dirija-s. a travesa das Cruzes n. 14, que
achara com quem tratar._______________________
Calcados para li-
vrar de callos.
Botinas ioglezas de duraque para ho-
Vende-se una escrava.
Vende-se urna mulata de 16 annos, poaco mais
ou meos, bonita figura, aem defeito algum, e
tem muito bons principios de cozer, eogommar
e cozinhar : trtta-se na rua do Queimado n. 46,
loja.
ua do Queimado n, 10
LOJA DE 4 PORTAS
de S
Ferro Maia. 1
Yende-se as seguintes fazen- S
das pelos baratissimos preco* 8
abaixo mencionados :
Capas de grosdenaple preto j
bordado a 25$. |
Manteletes de dito dito 20, 1
25 e 30$.
Chales de touquim bordados *
os melhores que tem appareci- J
do no mercado a 8, 10, 15, 20,
25, 30, 40 e 50$.
Cambraias e rhiUs francezas J
cores seguras e lindos padroes a |
a 240 e 260 rs~.
Laa aberta matisada a 320 e
400 rs.
1 Muitas outras fazendas exis-
1 tem expostas aos compradores
1 que segundo seu precos nao
1 deixaro de agradar.
Ricos basquines
A loja da boa f r.cebeu superiores basquines
de muito fina cambraia a imiwc,ao da de linbo,
bordado. enfeitado. com apurado gosto a os
vende pelo baralo pre$o de 8$ cada um, tendo
sido seropr. seu casto de 16$ e 209, apressem-ie
poi em compra-lo. na mencionada loja da boa
f, na raa do Queimado o. 2. _______
Lazinhas muito finas
para \estidos.
Suptriore. lazinhas para ve.tido. de muito
bonitos padroes que se vendem pelo baratissimo
pre^o de 440 rs. o covsdo : na rua do Queima-
do n. 21. no loja da boa fsS____________________
>
>


>
>
Sapale non-plua-ullra........
Manguitos egollas de
cambraia ricamente bordados
Veodem-ae manguitos e Rollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo insigniflcinte
preco de 2# o par da manguitos com urna golla,
sndo que stmpre cuslaram 6$ cada par, aasim
pois recommenda-e aos amigos da santa eco-
noma que aproveitem a boa occaaio, dirigin-
do-se com dinheiro a loja da boa f na rua do
Queimado n. 22. __________________
B&nba japoneza e outras mul-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
la encommenda um grande e bello sortimeoto
de finas perfuman do. mais afamados fabri-
cantes, sendo as bem conhecidas e preciadas
banhas, japoneza, transparente, philocome im-
perial em bonitoa copinos com tampa de metal,
dita nos copos granies, dita em compoteiras li-
tas elapidadas, leos de babosa, philocome e
Lubin, pomadas ou cosmestiques, finos extractos
dos precioso e escolhidos cheiros Jaikey-CIub,
mil flores, miel da Inglaterra Merechal, Principe
Alberto, George IV. etc. etc. Recommenda-se a
toda as euhois de bom gosto o uso de qualquer
deises estimado extracto porque aquella que
em ama sociedade, theatro, ou baile estiver com
seu fino lenco orvalhado de tao aublime aroma
ter porcerto o prazer de ver as suas visinhas
dadireita e esquerda Ihe reodendo homenagem,
perguntarem donna F. onde comprou esse to
sgradavel cheiro ? E ella orgulhosa de seu bom
gosto, m com ar prazenteiro Ihe repooder :
na ruado Queimado loja da a;ua branca nume-
ro 16. ____________.

>
>


12(000
15-51100
llOO
1$C0
109000
9500
990OO
9*000
7t500
595OO
7y0CO
6*500
5&5UO
6*000
5*500
5*000
2*000
5*000
3*000
11260
3 bateras e n.c.a..
esmaga cobra..................
Nantes 2 bateras vaqueta.....
b 2 bterias bezerro......
> trabalbadores..........
brasileiros de 38500 a..........
Sapatos2 solas e salto....'..............
> tranga portuguezes..........
b > franceze......
SENHORAS.
Botinas dengozss.........
> sallo de bater.......
pechiocha de 4*500 a. .
> americanas 3$500 a
S patos Je sillo (J( !\) "
sem elle (idem)......
tapete:........
s econmicos........
lustre 32 e 33.......
MENINOS E MENINAS.
Ha de tudo em relacao e uo se dsixa
dinheiro.
Um completo sortimento de couro de jorco,
cordavo, bezerro francez, couro de lustre, mar-
roquim, sola, curinhos ele, que tudo se
por dinheiro voDlade do comprador.
sabit
troca
Camisas inglezas baratis-
simas.
Vendem-se camisas inglezas cem aberturas e
puohos de linho e com pregas largas pelo bara-
to preco de 308 a duzia, assim como outraa mui-
tas superiores a 40*: na rua do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
NO
Torrador.
n--Largo do 7Yrpo--23ll
1 .teiea inglesa flor a 800 a 960 rs.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-se pacotes com 100 folhas de papel ami-
tade branco e do cores a 800 e 640 cada pacole :
na rua doOueimado loja da aguia branca nu-
>SMWMH'll*tlM.eH"M
lAcabadeche-i
gar ao novo
armazem
DI
Na rua Direila n. 30, segando aodar, fj
J| tem para alugar ama mulata, que coi- fj
nha e eDgomma. ___
#SS & 9@0I
cocoi ,
Atteaco
Sapatdis de ditos, ditos para iiuujcu. u
Sapatoa de tranca do Porto, com sola
de corlica a.........................
Na loja de calcado da rua do Csbug n
6*000
45UU0
1*200
16.
Joo Corr6a de Carvalho, scientica a todos os
seus devedores, que desde j eotregou ao Sr.
Andi Avelino Sobreira de Jlello, procurarlo
para por mim poder ellectuar a cobranca amiga-
rel e judicialmente, o qual tica autonsado para
fazer qualquer convenco que o memo enhor
ache conveniente.
Recife, 14 de |ulbo de 1862.__________________
AluRam-te as casas terreas n. 105 da rua
de Santa Rita e n. 27 da rua dos Burgos, e o 1*
aodar da casa n. 193, na rua Imperial : a tratar
oa rua da Aurora n. 36. __________________
Precisa-se de um caixeiro que tenha pre ti-
ca de taberna e que d conhecimento a sua con-
ducta, a tenha de 14 a 16 annos de idade : na
rua do Camaro taberna a. 13, se dir quem pre-
cisa.______________________________
DE
:*a-se
o andar terreo de um sobrado em Santo Amaro,!
raa da Cidad* Nova n.24. com 3 quartos. 3sslas, I
cozinha fra e quintal murado : a tratar no mes- |
mo sobrado .
Precisa-se alugar urna ama ou escrava que
saiba eogommar bem e enaaboar alguma roupa
de crianca: n rua AuKusta n. 84, casa terrea.
Permuta-ae urna boa escrava por oulra to-
ro ando-seem dinheiro ama das parles, o que
convenciooareui : quem quizer fazer esle negocio
dirija-se a rua do Livramento n. 33, que achara
com quem tratar ou ni rua do Vigario o. 8.
Aluga-se um aiiio nos Atogado junto a fa-
brica de sabo, com grande casa de manda, 5
quartos, cosinha frs e estribsria : os preten-
dentes dirijam-se a Manoel Jos da Silva Grillo
no sitio juolo a S. Miguel noa AfogOos._______
Previoe-se ao respeitavel puilico que nin-
gaem fca negocio som o cabra Jos, idade de
1-2 annos, pertenceoto a Antonio Salusliano de
Carvalho, por se achar esta hypolhecado a Ma-
noelJoida Silva Grilla.______________________
S Nova
SFazendas erou-j
! pos feitas. !
'Ba da Iinperatriz n. 48, junio
a padaria franceza.
LOJA DE
i Paredes Porto.
ja Vende-se fil branco liso superior a
r 400 rs. a vara, cambraia lisa fina a 2/500, \
i 3*500 e 5* a pega, dita da Escocia mui- ^
^ to fina a imitaco de linho a 6* e G;50 -.;
a a pega, cortes de cambraia bordadoa a j
J 38500 e 4*, ditos superiores a 5*, ricas W
9 sai>s de musselina com 4 pannos a 3$ e \;~-
fe 3*500, gollinhas com manguito borda-
n, dos a 1*280 e Ij500. rices chapelioes aja
@ para baptisado a 3*500, 4* e 59. chales T
tt de merino estampados muito grnde a igf
63, manteletes de groseoaples a 12*, fe,
fc 16*. 20* e 25g. chapeos de sol para se- ^
P nhora a 5*. cambraia lisa de forro com W
pi 9 varas a pera 2f, cambraia de salpico g
S a 600 rs. a vara e 4*500 a pega com 8
f l|2 vaias, am completo sortimento de ^
roupas feitas por prego commodo.
Bollinhos fraa-
cezes.
Na padaria de Antonio Feraanles da Silva
Beiriz, rua dos Pires n. 42, vendem-se boltiobo.
franceze, dito, de passas, bollo de amendoas e
mais massas Qnas, por precos commodos e ira -
balhados com pcn'ic,o .; pao commum, dito de
provenga, bollacnas e bollachiohas de araruta,
udo fabricado com farinhas as mais novas do
mercado e com perfeigo e limpeza como podem
examinar os fregueze, tanto aotigos como mo-
deros, conhecendo o antigo que todo o fabrico
sahido hoje dest. estabelecimento nao mais o
qua era.___________________________
a libra,
Boceza a 640 rt., baoba de porco a 400 rs. |
, masas, maito fina, para s
tueijos do reino a 2*,ditos
ra,aerveja das melbores m
a, sardinhas de Nantes a '
r.., bolacbinha inglesa 320 rs: a libra,
como se vendaoarrfos muitos gneros ba-
imos, passas ajjoo rs. a libra, sao muito
e se algaejgdavidar veDha ver no Torra-
argo do Tern n. 23.
Bastos k Reg*
Na roa Nova junto a Conceico S
dos Militares d. 47. g
Dm Jti&t --variadai 'rlim.nt d.
pas feita, calgado.e fazenda. ejodo. *
Xai
1
S
Linhas.
s
m
Superior lioha de novello grande a 80 ris
oo gallo vigilante, rua do Crespo n. 7.
Aioda pechincha
Na raa do Crespo loja de
4 portas n. 8.
Pecas de madapolao largo muito fino
cora pequeo toque de arara sendo la-
zenda limpa de 6^500 vende-se por 5^1
a prca, ditas de dito mais baixo tam-
bem por 4#5l)0.
Milho
a ",f o sacco a dinheiro : no armazem n.
4, defronte da alfandega.
__ Vende-se um moleque e urna negrinha de
8 a 9 annos, de muito bonitas figuras : na rua
Direita n. 6.
Anda est por alagar o seguodo aodar do
obrado da travessa do Veras da Boa-Vista n. 15,
com granies commodo e muito boa visla: quem
o pretender dirija-se ao aterro ds Boa-Vista nu-
mero 34.
__ Virginio Horacio ie Freda, arremalaote do
imposto provincial de 2* sobre cabega de gado de
sola vaceum e cavallar, inclusive as testa, de
engenho, avisa ao cootribuiote que quanto an-
te, mandem satisfazer o qae devem de seos ani-
maes sollos no exercicio corrente, senao sero
empregados os meios miiciaes para esse 6m.-
__ Nicholaa Surges e Pedro Surges subditos
prussianos retiram-se para o Rio de Janeiro.
__ Aiuga-se uma escrava para servigo de casa
de familia : na rua do Livrammio n. 22, terceiro
andar. ________^______^
Osherdeiros do fallecido Jos Theodoro,
veodera a propriedade de sobrado da rua de S.
Banto da cidade da Olinda, perlenceote a seu
casal: qaem a pretender dirija-se a mesma ci-
dade rua de Mathias Ferreira ou a esta typogra-
phia onde se daro informacoet.______________
Na ruado Sebo n. 52 e na raa Novada
Santa Rita n. 1, precia-ie de urna ama para ci-
ta de familia.______________________
Aluga-se nma cata na Passagemda Magda-
lena junto a ponte gnnde, com 6 qnarlos, 2 sa-
lsa, cosinha fora, copiar, quintal lodo murado e
baoho no fundo : a. pesios que preleoderem di-
lijam-ae a rua Direita n. 3.___________________
Alaga-sa a ezceileate casa de 3]andares na
roa da Cruz, muito boa para os senhores nego-
ciaos.. : a tratar na rua do imperador n. 85, 1*
andar.__________________________^^
Di-it dinheiro a jaros sobre peohorea de
oaro e prats : no pateo de 8, Pedro p, U, le di*
l qaem d,
Acabaiu de che-
gar a loja de Bastos 4 Reg na rua
Nova n. 47, um grande sortimento de
chapeos do Chyli de todas as quahdades
copa alta com abas regulares e copa
baixa com abas largas, e por ser gran-
de a quantidade vendemos pelo dimi-
nuto preco de ib$, 18$ e 20$, esta
boa occasio que com pouco dinheiro
se pode ter um bom chapeo do Chyli.
Aos senhores de
engenhos.
Vend.-se por pouco mais de metade do cuito,
ums moenda para animae, toda de ferro, com-
pleta, tendo servido gmenle para moer 500
pes; achando-se para vender por ler o proprie-
tario comprado ama machina a vapor: O pre-
tendenle podem dirigirse par examinar, no
trapiche do cae. do Ramos, armazem do Sr. Le-
ma e para ajaslar oa roa do Sol n. 29, venda do
Sr. Victorino.
Vende-se urna das melhores tabernas da
freguezia de S. Jos, muito afrpguezada pi ra a
trra c mesmo para o mato, e passa-se o arren-
dament de todo o predio ou s da loja, faz se
esta venda em razo do dooo querer mudar de
negocio ; e vend-se metade a vista e metade a
praso : a tratar na mesma taberna no largo da
Ribeira n. 1, esquina de Santa Rita.
dem-se cambraias de cores de bonitos a
itesdesenhos a 280 e 3S0 rs. o covado : na
a Imperatriz, loja n. 20.
i i i
E pechincha.
Na rua do Crespo, loja de
4 portas n. 8,
vendem-ie corte de chitas larga escura*, de co-
ras fizas, de 10 covados, a 2* o corle, ossas de
cores fixas, fazenda qae sempre se vendeu pos
610 e 800 rs. a vara, a 240 o covado, e outrar
muitas fazendas por presos baixos que s visla.
Rap de Lisboa em frascos
Vende-se o superior rap priocezs Brasil, che-
gado pelo ultimo vapor francez Navsrre. ua lo-
ja de Marcelino & C., rua do Crespo n. 5.
Cocheira venda.
Vende se a cocheira da rua do Imperador n.
25, com dous carros em bom estado, um cabrio-
lel e enze cavallos, muito afieguezada : a tratar
na loja da rua do Crespo n. 14._________________
Novidades da chava, da
Arara,
Fazenda com avaria da chuva para os
fregueses da Arara,
RUA. DA IMPERATRIZ N. 56.
Vende-se cortes de cassa de baba Jos a i*600,
2*000, e 2*500 o corte, pessas de cambraias de
salpiqaiBhos.com 8 1|2 vara, a 2*500, lenco,
branco. Unos a 200 cada um, ditas de cores a
80 rs.dito para rap a 120, e 160 rs. rs. cada
um ; oa rua da Imperatiiz, loja e armazem da
Arara, o. 56.__________
s
i
8
Borzeguns iaglezes a 10$
o par.
Diuheiro avista.
Na loja dekfazendas de Marlinbo de Oliveira
Borges, rua da Cadeia do Recife u. 36.
Vende-se urna preta perfeita engommadei-
ra, cozinheira e lavadeira.sem molestia alguma ;
ao comprador se dir a razo da venda : na raa
da Imperatriz n. 47.
m-
A 200 rs. o co
vado.
' Linda, cassi. franceza. de cores a
200 rs. o covado, ditas miudinha. maito
finas a 240 rs. o covado : oa loja do so-
brado de 4 andares oa rus do Crespo o.
13, de Antonio Correi. de Vasconcelos
&C.
Libras sterlinas.
Vendem se na eicriplorio de Manoel Ignacio
da Ollrera $ Filho ; ao largo do Corpo Santo
n, 19.
Vende-se milho americano em sacca. de
110 libras, por 3* : na rua do Amorim armazem
deGuimaraes & Alcoforado.
Pechincha sem igual.
Para veslidos de senhora e criancas vendem-se
las de quadrinhos e tambem de listras de seda
pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, metade
do prego porque se venderia em outra qualquer
parte : na rua do Crespo n. 21.
CaiKJieiros do gaz.
Cbegou para a loja da Victoria os melhores
candeiro da gaz, que tem vindo ao mercado,
por prcos coira)odo8 na rua 0 Queimado
n. 51.
Fazendas sem defeito, da Arara.
Vende-se corte, de chita fian com 12 t|2co-
vados a 2*500, ditos de cassa de cores a 2*500,
ditos -preta a 2*500, chale de merino estampados
a 2*500. goliohas para senhorss a 500 rs., man-
guitos e golas de liobo a 2$O0O ; ne rua da Im-
peratriz, loja da Arara, n. 56.________________
s se vendem por presos muito mod-
_. Jos tomo i da seu costume, assim co-
mo aejam sobrecaiaco. d. superiores pan-
no. a casacos feito. pelos altimo. figarl- ,
no. a 265,2b?, 30*ea35*. paletols do.
8 meamos pannos preto i 16$, 18|, 209 *
a 24*. dito. d< casemira de cor mesclado
e da novo, padroes a 14*. 16*, 18*. 20*
a a 24*, ditoa de caemira de cor mes-
clado e de novo padroes a 14$, 16f, 18*,
20* e 2 semiras de cores a 9*, 10*, 12* e a 14J,
ditos pratos pelo diminuto prego de 8*,
10* e 12*, ditos de sarja de seda a so-
brecasacados a 128, ditos da merino de
cordo a 12*, ditos de merino chinez da
apurado goslo a 15*, ditos de alpaca
preta a 7$, 8*, 9* e 10*. ditos saceos
pretos a 4*, ditos de palha da seda fa-
zenda maito aupeiior a 4$500, ditos de
brim pardo e de fusto a 3*500, 4* e a
4*500, ditos de fuato branco a 4*. gran-
de quanlidade de cal-jas de casemira pre-
ta e de corea a 7, 8*. 9$ e a 10$, ditas 5t
pardas a 3*e a 4*, ditas de brim de co- |
re. tinas a 2}500, 3*. 3*500 e a 4g, ditas Jf
de brim brancos unas a 4J5CO. 53, 5J500
e a 6*, ditas de brim lona a 5* e a 6*, l
colletes de gorguro preto e de cores S
5* e a 6*. dito de casemir de cor e pre-
tos a4*500 e a 58, dito de fusto branco S
e de brim a 3* o a 3*500, ditos d. brim
lona a 4*, dito, de merino para luto a j a
a a 4*500, calcas de merino par luto a g
4*500 e a 5*, tapas de borracha a 9*C00. |g
- Para meninos de lodos os tamanhos :*-al- S
cs de casemira preta a de cor a 5*, 6* e 1
. 78. ditas ditas de brim a 2$, 3$ e a 3500, 5
ff paletols saceos de casemira pela a 6* e J
a 79 dito, de cor a 6* e a 7*. di- R tos de alpaca a 3*. sobrecasacos de pan- g
no preto a 12* e a 14*. ditos de alpaca a
preta a 5*, benats para menino de todas j
Saa qualidades, camisa, para menino, da
todo, os tamanhos, meios ricos ve tidos
da esmbraia feitos para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados lisos a S e
a 12*, dito, de gorguro de cor a de laa
a 5* e a 6*. dito, da biim a 3*, dito, de
|| cambraia ricamente borbados para bapti-
5 aado. a muita. oalra. fazenda a roapa.
feitas qua deiaam de ser mencionadas
pela sua grandeqaantidade ; assim como
reeebe-se toda e qualquer encommenda
de roupas para se mandar manufacturar
e que para este fim temos am completo
sortimento de fazendas de goato a urna
grande officina de alfciate dirigida por um
hbil me.tre que pela sua promptido .
perfeigo nada deia a de.ejar.
&9W6W$ll-9l0<^SiRW0^tfilf
SEDAS
Cinco tustes.
S na loja dopavao
vendem-.e edi. de quadros, ditas le istras ao
comprido, e dita, de listra. atravessada, dita
de quadrinhos, sendo dos melhores padiea de-
licadissimo gosto, cot, largura Ce .hila iogltz?
a 500 r. o covado, pechincha, e dao-.e as
smostras eom penhor : na ru. da Imperalrla n.
60, loja e armazem do pavao de Gama cv atlva.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muilo superior pelo dimi-
nuto preco de 2 o covado, panno preto muilo fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 98 o covado. casemira preta
muito fina a 28, 2*500. 3, 3*500 a 4 o cot do,
ma^ta.s prea^le^ln2th*^,?Deriore.a T-&'
'manleleTs de superiores grosdenaples preso, u-
esmente bordados a 35*, sobrecaiaca de panno
prelo muito fino 30*. casacas tambem de pacua
preto muito Coo a 30*. paletols do panno preto
flno a 18 e 20*, ditos de casemira de cor mes-
dada a 18*. superiores gravatiiihaa estrella a
1*, ditas de setim macla ede gorguro muilo aa-
periores para duas voltas a 2*, citfs eatreitinb.l
com lindos allineles a 2*, superior gorguro pu-
lo para colletes a 4* o corte, ricos eufeiles preto.
a 6*, e assim outras muitas fszendas quo seno a
dinheiro 4 vista, vendem-se por piejos maito la-
ratos : na rua do Queimado n. 2?, na bem confc-
eida loja da boa f. ^^___^_
Babadin da Arara.
Vende-se babadin com listras de seda.fszenda
muito nova para vestido a 5C0 rs. o covado, dita
com palmas solas de teda, de largura de 4 112
palmos a 640 rs. o covado, laozioha para vestido
a 320 rs. o covado, dita muito fina, a 500 e 640
rs. o covado ; oa rua da Imperatriz, loja da A-
rsra, n. 56.
Chitas da Arara ecassas.
Vende-se chitas a 160.180 e 200 rs. o covsdo,
ditas frocezas a 220, 240 e 280 rs. o covado,
cassas a turca a 280 rSl o covado, cassas france-
zas a 280 e 300 rs. o cavado, ditas organdin a
320 rs. o covado ; oa rua da Imperatriz, loja e
armazem da Arara, n. 56.
Arara vende fusto.
Vende-se fusto de cores para vestido a 280 e
320 rs. o covado, lencos de teda escuros para
rap a 1*600, pessas de cambraias lisas a IgGOO,
2*000,2g500e 3*000, massosde palitos finos para
denles s 200 rs.; na rua da Imperatriz, loja da
Arara, o. 56. .
Madapolao da Arara.
Vende-se pessas de madapolao iofestado a 3,
dita, de 24 jardas a 48400. 4*600. 58000, 5*500
e 6*000, cobertores de algodao a 1*000, ditos de
na ra da vuia do Recite pello a 1*500, roupa feita, palitos de panno pre-
to a 6JNM) e 8*000, calca preta de cazimira a
53500 e 5*500, seroulas de linho a 1*600 e 2*000,
camisa francezas a 1*600 e 2*000 ; na rua da
1 ^neratriz, leja da Arara, n. 56.
Vende-e urna porco "e 2DC0 'e'no pro-
prio para fnodicio
loja o. 7.
. No galio vigilante
Na rua do Crespo, loja n. 7.
Recebeu de sua propria encommenda um rico
sortimento de renda., bico. e labyrintbos de mai-
to lindo, padrdes, que te rende por preco. bara-
usto.
Aviso aos fabricantes de
cii^rutos.
Vende se fumo da Ierra de superior qaaUd.de,
caps., segunda e milo: n. :" da Senzalla-No-
na o. 1,
I
I
8
A loja d'aguia branca, rua to
Queimad u. 1G.
Recebeu pelo ultimo vapor o seguinle ob-
iecids :
Bonitas ligas de seda para senhora.
Grandes e bem tecidos bandes de dina.
Aspas de seo, e fita elstica para ces de balo.
Booecas grandes mui bonila. e bom vestidas,
Bonitos bauzinhos com 9 frasco do chelrox.
Lindes caixinha com 6 ditos de ditos.
Trancellim grosso de cor,para guarnecer velido,
Luvas de camursa brancas e amsrellas.
Lindos boioes de banha para
preseutes.
A loja d'aguia branca rcaba de receber indo,
boies de porcellana dourada com fina baLhs a
maviosas ioscripcoe, os quses por suas delicadt-
zas e perfeicoestornauj-so dignos para pr*en-
tes, e com especialidade na actual qudra, quem
goslardo bom irigir-se com dinheiro a rua
do Queimado, loja 'aguia branca n. 16, que acha-
ra em que bem o empregar.___________________
Chegaram as desojadas rosas
artificiaos.
Agora deve eessar o dssgosto que muitas e-
nboras s*ntiam por nao terem comprado das pri-
meiras rosas que n loja d'aguia branca recebeu,
isso porque dita loja acaba de receber am novo e
mais brilhante sortimento dellas, vindo estas da
maisa mais dtlicamenle orvalhadts. A senhora
que com a pequea quantia de 3* comprar orna
dessas formosas rosas, sentir um effeito anda
mais rpido (relativamente ao caso) do qua
aqueile que produz o prompto allivjo em qual-
quer molestia. Cumpre, pois, qua se nao de-
morem em as mandar comprar na rua do Q.ei-
mado, loja d'aguia branca o. 16, poi. do contra-
rio Ccarao sem ellas para S. Joo, o que nao
convm. Na mesmaloja teodem-se outras roas
mais baratas.
Vioho a 400 res a
garrafa e 3,000 a caada.
Vende-se vinho tinto a 40Q ris a garrafa e
3*200 a caada, chourica. dofeino novas a 400
rs. a libra e se for em barril te far abatimento :
oa rua da Imperatriz n. 88, defronte da Matriz.
Acha-ie venda no escriptorio de Aotoni
Luizde Oliveira Azevedo & C, rua da Cruz n. 1
a obra escripia pelo visconda de Uruguay.Eosai o
Sobre o Direito Administrativo; dolamos de le-
cer elogio, a esta obra, basta o nome de seu au-
tor para a tornar recommendada, do. volumes
em broebura 10*. encadernado 12g.____________
A verdadeira essencia de ail
para eogommado.
Acaba de chegar para
rua do Queimado n. 16.
a loja d'aguia branca,
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 16.
Pos de arroz com bonec. em bonito vaso, dou-
rado*.
Dito, dito sem bonec. em pacotes.
Agua bal.rnica para contervac,o do dente, e
bom hlito da bocea.
Opiata ingleza para alvejar o. denles.
Leite virginal cuja ulilidade reconhacida psra
tirsr sardas.
Vinagre aromtico para qaem soffre de tonlics
e dor de caberla.
Pastilhas da chelea para se perfumar aposento.
Veode-sa um preto bom reOnador e proprio
para todo o servico : na raa Direita dos Afogado
n. 13. ____________________
Vende-se um relogio bom e barato : na rua
Imperial junto a ca.a do n. 80.
Superiores atoalnaai
adamascado.
Superiores atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de largara a 1 GCO rs. a vara : na rua do
Queimado n. 22, na Tuja, da boa f
Damasco psiwcolxas e para
ornamemos de igreja.
V.nde-se muito superior damasco de la al
urna s cor, muito proprio para colzas e para
ornamentos, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato preco de 2$800 rs. o covado : na raa do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pechincha.
Vendem-se cortes de superior gorguro de te-
da para colletes pelo baratissimo preco de ]*,
2* e 3* o corte : na rua do Queimado n. 22, ax
bem conhecida loja da boa f.
Para os tabaquistas.,
Lenco muita Gno a imitaco dos de liobo de
muito bonitos padroes e de cores fizas muito
proprios para as pessoas que tomam tabaco, pelo
barato prego de 4S800 e 5*500 a dazia : na raa
doOueimodo n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Bramante de linho.
Vende-se muito superior bramante de linho
com dua vara de largura proprio para lenc.e,
pelo barato prego de 2*400 rs. a vara: na bem
conhecida loja da boa f, na rua do Queimado
o. 22.
Vendem-se caixes fa-
stas, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1^280 cadaum :
nesta typographia se dir.
IILEGVEL


6
DUMO DE IdlUMMKO UdBADO *0 M OLtO M lH
s
S,. ANIHA
^NDE-SENOARMAZEM
PROGRESSO
Ricas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A toja d'a gula bracea acaba da recebar im ex-
traordinario eorUweaio de rices fitas, lie boa
em qualidade qeio bonitas sos deaenhoi, tendo
entre, ellae o miii largo qee pessival; esiim
como Iguana pegas braoeae coa o centro liso
proprio para ioscrtpcoes, o militas ontras de de-
ferentes cores como de cal, r&ia, eecera, ele,
etc., e como de sea loevevel ceteme : a loja
d'agaia branca, na ra do Qeeimado n. 10, Ten -
de por preco conmodo easas boae e beaitaa fitas.
Nova altencao.
O vigilante acaba de recebar boto aortimento
de diversos objectos qee ae Tendem por manos
20 por cepto do que em oetra qualqeer parte.
DE
Francisco Feraaades Duarte
Os memores gneros que vem a-este mercado e por menos 10 por cento do que. era outra
walquer parte, garantindo-se a boa. qualidade, porisso roga-se a todos os Sors. da pnce, de en-
3nfh,7JaVfi T hvor*| ia suas encommenda* a este muito acreditada armaze da
V9rem dlff9renSa de Pre e 1ua,idade 1ae fazse f0M9m comprados era outra
f11 coneitodas para sorte de S. Joao a 800 rs. a libra, tambera tem-se para
b*U rs. a libra sendo em porcao, tanto de urna qualidade como da outra se fas abati-
mento.
Ba tatas nOVaS era oaixas com duas arrobas por 29560 e em libra a 50 rs.
3a*Uga I$\eZ* dasafrarioTa de primeira qualidade a 850 a libra, em
barr! se fazabalimentQ,
*^***fft fr**xa a mais nova a 640 rs a Iibr8) m barr1 a 600 n
Jljejsj (lO YQ1BA muito frescos chegados neste ultimo vapor a 29000 ditos che-
gados no ultimo navio a 19800.
Oueii nrato .
^i, 'V maiS Supenor qua ,em v,ndo a es'-e mercado a 800 rs. a libra.
u Ilidada ^^ qU6 h mercado a 2800 2*20 libra, afianca-se a boa
n IlX,1?Ji que se pode desejar neste genero a 39000 a libra.
- PTfK0 homeopathico a 2*200 a libra em porcao se faz abatimento.
Traques rovos
99000.
Si utas para senhoras.
R quUiimoa sinlos dourado, pele baratas! me
preso de 2*, e com iela ao lado a 4*. atsim co-
mo de fita de seda ou vallado a i$ : s no gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
afeites.
Vondem-ae es riquissimos enfeitee de cabera
cem franja a vidrilho a 5*. ditos sem irania a 39,
ditos trancados a 29500, ditos de laco de fita e
bicode seda a 2jt: a no galle vigilante, ra do
uf 6a*pO D* Te>
Fi velas para si uto.
Riquissimas firelas de ago com madreperola no
centro a 1*200. ditas de madreperola a 310, ditas
doeradiohas a 340 : s no gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.________
Vidriiiio.
Lindos vidrilhoa prelos e de cores, pelo bsra-
tissimo preco de 1J600 a libra : s no gallo vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Para entreter o tempo.
Oa lindos jogos de dminos a 1*400, lindas cai-
dnbas com jogoa de vispora a 900 rs.: i no gal-
lo vigilante, rea do Crespo n. 7.
A banha fina,
em copos grandes, chegoa para t loaj d.agaia
branca, rea do Qeeimado n 16.
de pavio transado a 230 rs. a caria e em caixas com 40 cartas por
LataS C*U1 aia^doaS confeitadas, proprias para mimo, contendo mais con-
fetese assucar candido por 1*000 cada urna.
das seis portas em trente do
Livramento. 15,20,30 e 40
arcos.
Grande aortimento de saias a balito de arcos,
os melhores qee aqei tem apparecido no merca-
do a 49500, 5*. 6$ e 6*500 cada em, d-ae para
amostra com penhor ; a loja eal a berta at as 9
horas da noite.
&
em caixinhas de 8 libras cliegadas altimamente a 29000 cada urna e a retalbo
a 480 rs. a libra.
SSolaXlIlS* d soda em ,atas com difrBren,es quajaes a 19440.
8M1&XRII& ingleza a mais nova que'h no mercado a 49000 a barrica e a retalhe
a 320 rs. a libra.
W 1UUO t!& pipa de superior qualidade Porto, Figueira o Lisboa 500, 560 a 640 rs.
-i garrafa, e ero csnadY ^3CCf''*3ui)Q 45500. ^
VIUDOS QgaTV&tftftOS Duquado Porto, Lagrimasido Doro, narmei'^!; p"-
loria vclho, e Jo ontras muilas mircas acreditadas a 1*200 a garrafa, em caixa
tamben ha para 19000 a garrafa.
8i'-.=.te,fb jas marcas mais acreditadas a 159000 e 20*000 o gigo, e era garrafas
1800
'^5'Y<8J*X da marca cobrinha ou de outras marcas conhecidaa a 59000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
RYTlliiaS francezas e portuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
fKftejg ;t& tQUI&to em tattas de 1 libra por 800 rs.
k,)B lOixafl tff<oQSMI em latas de 1 e meia libra por 1*500, ditas com 3 libras por
2,5800.
t%Hl<&1laOA9 de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, era arroba por 8&000.
&*>* a 120 rs. a libra e em arroba a 3000.
AietYl, inae^7r& ta\\t%Tlll a 400 rs. a libra, a em caixi com 1 arro-
ba por 6*000.
EiSttf-VW^h, pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e era cai
xinhas muito enfeiladas se faz obalimento.
V&lltQS &15 QtolltfSH lixados 03 raaisbam feitosque leravindo a este mercado a 280rs.
tambem ha para 200 rs.
^s*%XH.Utos IslgV-'-.'L"^ para fiambre a 800 rs. tambem hamburguez para fiambra a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
IjWMb\T1$&S 9&,WBdVQ o melhor petisco que pode haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
T malailf- *0 fiaO muito novo a 289 rs. a libra e em barris de 1 e meia arroba
a 5* e 79 a arroba.
-SlWtllfilJ i era laiasj promptas para se comer a 1*800 cada urna.
%auh4 de poreo refinada em lalas com 10 libra8 por 41300.
D\tfe lft baTrU mul0 fioa e m a 440 rs. a libra eem barril a 400 rs.
Garetes C i.af Hielaa*A imperial do afamado Abreu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
a libra.
fmaVSaslt-.Aa de Alperehe em latas de 2 libras por 19000 cada urna,
La? %\fcS C fl ir tTVSi'.S de doce em calda as melhores que ha em Portugal como sa-
jara pera, pesego, damasco, araeixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
UOe%?6 Sf CC5 e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 19500.
i> HOCO taita hespanhol a 19500 rs. a libra, ditlo francez a 19100 ditto portuguez a
800 rs., afianQa-sea boa qualidade.
ViSlC de priraeira qualidade tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arrobaba
99000, dito mais baixo a 260 rs. e 7*800 a arroba.
5*eva*ls.'!ia.a de & oca a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em porreo se fai
abatimento.
t ^tL muito novo a 320 rs. a libra e em garrafoes com 5 libras, por 29000.
T aTintia do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
lllta do Maranhao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 49500-
w fclaS d carnauba refinada a 400 rs. a libra, e emjarroba o 12*000..
flLXeitS "IfcC-e refinadoa 800 rs,garrafa e e em caixa* a 99000
\ \Aage de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 1*800.
ti JIO cherez verdadeiro a 19500 a garrafa, e em caixa 149000.
\ 1HI10 D^aflCO de Lisboa o mais superior que hi no mercadopropjio para mis
640 rs- garrafa e em caada a 4*500.
VSiaTtttOft SUSpros do fabricante Brando em meias caixinhas, por 2*500.
01108 suspiros do fabricante Catanho di Filhos em meias caxinhas a 29000.
UllOS em caixas de 100 regaiia Imperial, Viagantes, o Panentellas, a 29000 a caixa.
AVplSta muta |mp0> a 180 re. a libra, eem arroba 59500,
AX.ei\OB mu;t0 novaS) a 19600 rs. cada urna ancoris, e a 400 rs. a garrafa;
A ataTOX de Maranhao a 120 rs a libra, e 39400 a arroba.
"felXe de postas em latas dai melhores quaJidades de peixe que ha em Portugal a 19500 rs.
Geiicb de H\\a&da m garrafoes com 25 garrafas por 9*000.
OstostaTaa ingiera muito neva a 19000 o frasco e franceza a 640jn. o pola.
Alm dos gneros eima mencionados encontrar o respeitavel publico um complato aerti-
meato de tudo que tendente a molhados.
REMEDIO INGOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares da individuos da todas as nacdei
pode testemunhar as virtudefl desteremedie
iucomparaveleprova-remcasG aecessario.qua,
polo uso que delle fizeram tem sancorpoe
emhrosi nteiramentesaosdepoisdebaver en-
tregado intilmente outrostratamentos. Cadi
passoa poder-se-haconvencer dessascurasma-
ravilhosas pelalaitura dos peridicos, que&'as
relatara todos os das ha muitos annos i
maioi parta deltas sio tso aor prendente^bu
dicos mais celebras. Cwnu
>ra com este soberano reXadk
"?os e peritas, depois fc,jat
psrnuneciao tongov8mPO nos hospites,jp l#l
deviam soffrer amputa^0 Dallas ha -m
cas queiavendodoixadoess^s. asylos depCda.
timentos, parase nao submat^raai a essa|p.
raeao dolorosa forasacuradas fomplfitaos ,nU
mediante o uso dasseprecioso restada 41-
gumas das tees pesaos na enfusao de seu reco-
nbeeimento declararas estes resoltados bMeS-
cos dianta do lord corregedor e outros '
trados,afimda saais autantica-retn sua a f.rmativ
Ninguea dasaspararia do estado desanda si
tivessebastante confianza para encinar asta re-
medio constantamanteseguindo algum tempo c
trataamento que necesstasse a naturea- do mal,
eujo resultado sarta provarincontastavelmante.
Qua tudo eura.
O ungento he n&ll, mala par lien
larmente nos segulnteseasos.
llporcas
Caimbrai
Callos.
\nceras.
Cortaduras
Doras de cahega
das costas.-
dos maabros.
Enfermidades da eulis
em geral.
Ditas da anua.
Emplea escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdada ou falta da
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Qengivas escaldadas.
(nchaces.
nflammago do figado.
Inflaaaago da bexig
da matrix
Lepra.
Males das pamas.
dos peitos.
da olhos.
Mordeduras da raptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas,
Sarna.
Supuragoes ptridas.
Tinha, aa qualqtter
parta qua saja.
Tremor da ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulaoes;
Vaias torcidas ou no-
das as pamas.
Relogios.
Vende-se em casa da Jebnston Pater & C.,
. -j do Vigirio n. 3, um bello sortimento de
telogios de ouro, patente ingler, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
una variada da da bonitos trancellins para os
mesmos.
Loja das 6 por-I
i tas em frente do Livra-
mento
Baloei de 15, 20. 30 e 40 arcos.
Grande sortimento de baldes de arcos
os melhores nests faienda e grandes,
chitas francezas largas escaras a 22U e
240 rs. o covado, ditas estrellas miudi-
nhas a 160 rs. o eovado, cambrais lisa
para forro com 8 lii varas a 2* a peca,
ditas finas a 3*. 4, 5 e 6J multo Sosa.
flh ggJJe salpiqelnho com 8 lil varas s
3*500 a pega, eobertas aleoxosdas bran-
m cas e de cores para cama a 4*500 e ML j
eassas de cores francezas tintas seguras I
j, a 320 rs. o covado, peci de bretanha de 5
rolo a 2g, algodao traslado alvo mello
largo para tealhae s f* a vara, enfeitea a
Garibaldi todos pretos a 5* cada um, len-
cos brancos com barra de cares e 120 ca-
da ib, roapafeita de todas as qaatide-
Sdea muito baratas, a loja est eberta at m
as 9 horas da noite. al
wammmmm mmmtmmm
Superior cal de Lisboa.
Tea para vender em por$ao e a retalhe Ante
mo Leiz de Olivelra Azarado & C-, no sen es-
criptorio raa da Cruz n. 1.

NOS ABUAZIN8
PROGRESSISTA
Nobilia.
Na ra da Camboa do Carmo roja n.
12, vende-se toda a- qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti -
ga, phanthasia etc^ por preco mais
commodo do que em outra quaPquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Grande *
jliquMaco por todo
I o preco, na bem co-
| nbecida lojado Ser-1
tanejo. %
Rna doQueiraado n. 45. J
Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro i
. de comprar.
Chitaescaras ns a 160, 180 e S00 "
rs., cortea de vestido pratos bordados a 8
velledo de cesto de 150* e se vender S
i por 30$, 40*. 50 e 709.sahidas de baila 3
X de volitado e setim a 124 e 13$, camisas S
H para senhora a 2JO0O e 3^500, gollinhas m
S da cambraia bordadas a 500, 600, 700 S
9 800, 900 e 1*. ditas de Al bordadaa a 1-20 S
3 rs., casaveqaes defustao a 3$, 6*,7i,8*,
| meias de seda brancas e pretas para se-
8 ahora a 1$200 o par, tiras de babados a
300 e roo m., aasae qeaaro-euroaiaaa a
300 e 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 a 440 rs. a vara, organdys de cores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
H rs. a vara, eortes de collete de casemira
* bordadoa prelos a 2* e 3*000, ditos de
preta e de cores a 3*, 3$";V>0, 49 e 4J500,
camisas de peito de lioho a $500, cortes
de collete de arorgaro- a IJ500, 1^700,
I *200, 35 e 3}JO0.collet8s teitosdebrim
I branco a 2*500, ditos feitos de gorgurao
Sa 23500 e 3*500, ditos feitos de casemira
a 3(500, 4$ e 48500, ditos de velludo s
59, 6*e 79, ditos de fuslo de cores a
13500, um variado sortimento de meias
t para bomem e senhora, grioaldas coae
flores, chales de (roco, espartilbos, e to-
da a qaalidade de roepas feitas para ho-
rnera Que tudo ae rauda por metade do
Vende-se este ungento no astabelecimentc
geral da Londres n. 244, Strand, a na loj
de todos os boticarios droguista a outras pes-
soas ancarregadas da sua venda em to'da s
.marica do sul, Ha vana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs., cada boeetinha contera
urna instrucro em portuguez para explicar o
modo de fazar uso dasta ungento.
O deposito geral i am casa do Sr. Sourn,
harmaceutico, na ra de Gru n. 22, as
parnambuco.
Batatas novas
a 2*560 rs; a caixa com 2 arrobas, em libra a 50
rs., marmellada imperial em latas de 1 1(2 e 2
libras a 400 ris: vende-se no ermazem Pro-
gresso, largo da Penha n. 8.
Aljfar fino imitando perola.
Vende-ae a 500 rs. o flo de aljfar fino, imi-
ando perole : na rea do Qeeimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Poiassa da Russia
Vende-se em casa de N. 0 Bieber &
C., successoret. ra da Cruz n. 4.
Vende-se urna bonita mulatinha de idade7
annos; ns ra da Cadeia do Recite o. 47.
B Vende-se um malalinho com 15 annos, que
coxioha e engoman : e tratar na loja da raa do
Qeeiroedo n. 46. _________
Lagedo de Lisboa.
Vende-se urna porcio de legado de superior
qualidade, chgado de Lisboa pelo brigue OIis-
da. eioda por desembarcar: a tratar no eicrip-
torio de F. S- Rsbello & Filho, ra da Cadete
o. 55.
DUARTE & C.
36 Ra das Cruzes de S. Antonio 36
O LARGO DO CARMO 9.
Nos os propietarios desles acreditados armazens participamos aos nossos numerosos
fregoezes que por todos os vapores e navios de vela recebamos de nossa propria encommenda oe
melhores ganeros'.tendente a mol hados, e por isso podemos vender por menos 10 por cento do
que outro qualquer, como a experiencia e most ara por isso pedimos a todos os Srs. da praca e do
matto, qne-anda se nao deram ao trabalbo de mandaren! experimentar, o favor de o fazerem, certos
de nada perderem, pois para isso nao pouparemos forera para bem servil-es e ainda mais a pessoas
menos entendidas, certos de esclarecer aos compradores que s na roa das Crozas a. 36 e largo
do Carmo n. 9, que devem mderecar os portadores, pots muito sa ovjldam com outras easas quasi
dos mesmos mulos (Progressista e Progressivo) pois sao as duas nicas filias?.
Manteiga ingleza a mais novaemais superior do mercado a 900 rs. a libra.
Mailteiga francesa melhor que se pdVdesmr a 650 rs. libra a em barril a
600 r.
aou ma's especiel que se pode encontrar 2*890 a libra.
\-*na nySSOn o melhor que se pode desejar ds 29400 a 29800 a libra.
. Pre* o que se pode desejar neste genero a 2* a libra e 11*600 o ordinario.
QUejOS flamengOS chegados no ultimo vapor a 2 e 1*700.
QOeiJO pratO 0 melho do mercado a 600 rs. a libra o sendo inteiro a 500 rs.
Paseas em caxinhas de 8 Jibras .^ooesoor,.. ubr..
*igos*etu calxinha de8Iibr, moo,m rg> >libra.
Amendoa da casca mole, 320 rs. a noze,. m m. br. muito nov
Ameixas francezas *H, ,ibr, e m Ulil com 5 Hbra, 4W00>
Marmelada superior amelhordo mercad09mli|if didUM.ibril a400rs.,
har.
Doce da casca da goiaba m,, octxio.
Latas com frutas em calda com0pecego, damasco, gin., m*m**
lporxe a 600 :s.
AlliendoaS COllfeitadaS com diversas cores a 800 rs.
VinnOS generOSOS englirra(ad0s das seguintes qualdades duque do Porto, Porto
600, Pedro V, volho secco, genuino. Rector, Careavellos, Feitoria, e Madeira secca a
12* 3 13* a duzia a a 1*100 a garrafa e muscalel a 720 n. a garrafa.
111108 irc pipa proprios para mesa da39600 a 4 a caada eda 500 a 600 rs. a garrafa,
do Porto, Lisboa e Figueira..
er jaS das ^albores marcas a 500 rs. a garrafa a 59000 a duzia, cbanpanhe das
mareas mais acreditadas de 14 a 20* o gigo, eognhao o melhor que se pode desejar
a 900 rs. a garrafa.
enepra da verdadsira hollanda am garrafoes de 16 garrafas a 69000 cada um.
uenenra italiana a mais sublime aue tem vindo ao nosso mercado em frascos grandes
9ooOcada um.
r rasqiiei ra com 12 frascos da genebra de Holanda *800
' \jarraieS com 5garrafas de 3uperior vinagre a 19000
Jnagre puro de LiSOJ ,240rg4 ,gim;aaa l800acanada.
paletots ie brim branco franceies a* *I arraSQUHlO 0 maissiinerinr im. ea ,j j *a^
3J500 e 4*500, ditos de casemira de co- 8 Dfl ^ superior que se pode desejar a 19000 a garrafa.
re, pratos 14 e_16* Htea. d. ..pac I ASperiDacete o mais superior do mercado em caixinhas de 6 libras a 4?200 e 700 tu
VekS de Carnauba all500aarrob. .380alrra.
AnCOret^S comazeitonas as-melhores do mercado a 1,5400.
CaiXaS com 1 arroba hespanhola contendo macaro talhirime aletria a 69000.
alXlHha8 com diversas qualidadesde massas como saja estrelinba pevide etc a 600(
e 640 rs. a libra. *
Chouricas e Paios osmeIhor38do m9rcadoa 560 rs> ^
PrezUIltOS 0 que se pode dezejar da bom a 640 rs. a libra.
LiingUICaS finasem latas j promptas a 1*600.
PeXe em latas eivllnhas pargo, e linguadosa 1^600.
1 OUClhO do reino a 280 rs. a libra do novo, e 240 rs. develho.
Banha de porco a meihor d0 merc,do em ]aus da 10librasa mQOt
Massa de tomate
seu valor. fi
Atteac

Chegoe para a leja da victoria, candieiros a
gas de oovos goslos e modelos, tanto para sala,
como paraescada e quartos e para outras muilas
cousas: na toja da victoria na ra do Qeeimado
0.75.
Ricos pianos
de varios autores, vendem-se
emeasa de Kalkmann IrmSos &
C, ra da Cruz n. 10.
1*3
Ai

em latas de 1 librra a 700 rs,
Maesas para sopa laihar
Palitos lixados
Geimares Su Luz, donos da loja de miudezas
da raa do Qeeimado n. 35, boa (ama, participim
ao publico qee o san estabelecimento se acha
sompletamenle prvido das melhores ra ercadorias
tendentes ao mesmo estabelecimento, e muitos
ostros objectos < goeto, sendo quasi todos ^ca-
bidos de suas proprias encommendas ; e estando
alies inteiramente resolvidos s nao venderem
fiado, afian^am vender mais barato do qne outro
qaalquer ; e juntamente pedem aos seus devedo-
res que lhes mandem ou venham pagar os aeae
dbitos, aoD pena deserem iuaticadot.
Soehall Mellors & C, lendo recebtdo or-
dena para vender o seu crescido deposito de rilo-
gios V|sto o fabricante ter-ee retiredo do nego-
cio ; convida, portento, s peaaoas que qeiierem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do ce-
lebre fabricante Kornby, a eproveiter-se da op-
portunidade sem perda de tempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prego no seu eacriptorio
roa do Trapiche n.28.
nm e macarro a 280 rs, a aletria a 330 rs. '
em macos com 20 macinhos a 200 rs.
Papel greve pautado a liso muito superior a 4*000 a resma;
Ha'Va aOCea 360, pime&ta a 360, canalla 900 rs., ecomiohos a 800 rs. a libra.
PalltOS do gaZ a 29300 a geon a 20 rs. a caixinha.
??a I reUnadO #m pacotes de mais de urna libra a 160 rs. a potes 560 rs.
38 j, U muito novo a 280 a libra e sevadinha 200 rs.
Fsrillha *"** a ". a ISm e gomma a 80 rs. a libra e 29400 arroba,
iaat^ dO KlO d0 car o melhor do mercado de 89500 a 9*500 a arroba.
Ca X1) liaS a mais elegantes, propias para mimos ou mesmo para guardar joias da 400 rs.
a 1*500 e temo com 6 caixinhas a 5*000.
Chocolate hespanhol ,erd.daro a 1,000 n..ufe.
Krvilhas portuguezas e francezas, feij0 verd.d4 S4e, m rs
I raques os melhores do mercado a 10 a caixa e a 280 rs. a carta.
Savel
em latas chegado no ultimo vapor a 19600.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de y a por.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etr., etc.
Ru do Bt um o.. 58, fundico
;de D. "ftT. Bou man.
Libras esterlinas.
Vendse libras terlinaa no g
tono n. U da ra da C^deia do j^T
- No sitio da capell^ d0 Chora Mae,ul
do-sa wtltede rr,p,taa 400 ra. a grra(a.
100, VCD-
Ra d.^ Senzalla Nova n. 42.
am&m eitabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120rs.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston" 4 C ra da Senzalla Nora
a. 42.
Bolaxinhade sodaemiat.s.i*4oo
BulaXlllha ingleza mais nova do mercado a 4500 a barrica e 300 rs. a libra.
gentil haS tranCeZaS 0 melhor legume para sopa guipado a 200 rs. a libra.
reSUntOS fiambre os melhores do mercado a 640 rs. a libra. '
MaSSa de tomate das melhores quilidades em latas de 1 libra a 700 rs., em 590
rs e em potas de vidro a 700 rs. cada um.
BolacllIIha Cracknel eml4tascom8el61ibrasa2500a4*500ea4OO
t>a la IOS iraUCezeS de diversos taraanhos de 320 a 690 rs. os maiores e maracas
para meninos a 80 rs. cafa um.
AVtlaaS chegadas ltimamente a 320 rs. a libra.
Sardinhasde Nantes, 400 rs. a uu.
AzeitC dOCe refinado a9iaeaxae800 rs. garrafa,
<%rrOZ am saceos de 5 arrobas do ver melho a 29500.
LCOreS os mais finos que ha no mercado a 1 agarrafa e 10 a duzia, tamben temo
para menos.
Alim dos gneros annuneiadosencontrar o respeitavel publico tudo qua for pertencen-
te a estes estabelecimentos. Os propietarios scientificam que enes pracos s serviram para aqnel-
lasSnrs, que mandsrem seu competente importe e lodos os demais [regueras deliyro tertm de sujei-
lar-se pelos presos acostumados, salvo acjueljes de fim de mezj


ILEGVEL
1 1' l "UM i. I


/
DuaiO DE PERHAMBDOO SAMADO it DI JDLHO DI 188*
:N
Enfeites para senhora. Li* do P^a**** da impera-
Ui* numero 60.
* mtir% S1* weloae, de Aru que s-
peme i|500. 6 8JM0 : ni loja da Victoria,
na ra do Queimado 8. 75. _____
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Muito liadas cauiohae e eabaiae para meninas,
de 100 ria at 2j00: na loj* da Victoria, na raa
do Quejando n. 75.
Franjas pretas com vi-
driiho e sem elle.
Ricos aortimentoa de [ranjaa pretas a da cores
com vidrilho sea elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimsdo o. 75.
Zinhasde peso verda-
deiras..
Llnhaa Anas de peso verdadeiras. meadas
grandes a 140 ria : oa loja da Victoria, na na
do Queimado n. 75.
1 DE
\M&.& SILVA.
Vende-te neite sttbelecimento todaa as (sisa-
das por precos maia baratos qae possivel s
com o Bm de aparar dioheiro, aaaim como urna
grande porgao daa ditaa faaeodaa inteiram'ente no-
vas, rindas pelos ltimos navios : os doooa des-
te estabelecimsn'.o rogam a todoa os seus fregue-
ses, que ae deem ao trabalho de procurar nesta
/Harto es soouncios da loja do Pavo, porqae
esto certos qne nao perdero aau tempo.
Gambraias organdys a 280 rs.
Vende-aa cambraiaia organdys com dilicadis-
simos desenbos a 280 rs. : oa luja o armazem do
Pavo, de Gama 4 Silva, na raa da Imperalriz
p. 60. _______________________________
S o Pavo.
Vende-se Onissimae cusas francesas de varia-
dos padrsa a 340, 260, a 280 rs. o covado : na
raa da Imperatriz o. 60, loja do Pavo de Gama
& Silva.
Panninho 4o Pavao.
Vanda-se pegas de panninho Soissimo com 10
varas a 6g : na roa da lmperatris n..60, loja de
Gama & Silva.
Chites em cortes.
Vende-se cortes de chita franceza maito fina,
com 10 covados a 39400, affiangsndo-ee ser da
edr fiza : na raa da Imperatrix n. 60, loja e ar-
mazem do Pavo.
AGENCIA
DA
Phosphoros de seguran*?
Phosphoros de seguranza, por que livra de in-
cendio, a 160 ria a caiza : na loja da Victoria,
na raa do Quaimado o. 75.
Baldas para vestidos.
Slelas muito grandes a boas a 160 ris ama :
na loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho.
As melhores lionas de croxel para laby riutho,
novallos monstros s 320 ris em : na loja da Vic-
toria, na raa 4o Queimado n. 75.
Anda o Pavo a 200 rs.
Vende-ae chita franceza escura com diminuto
toque de mofo a 200 rs. o covado, o ditas iogle-
zas a 140 rs. : oa ra da Imperatriz n. 60, loja de
Gama & Silva.
Vende o Pavo a 280 rs.
Gorgurio de linho que feito em vestidos para
senhora os rowpa para mecios parece sediohaa
a 280 rs. o covado, por ter graode porgo : na ra
da Imperatriz o. 60, loja e armazem do Pavo de
Gama & Silva.
Tarlatana do Pavo.
Vende-se Isrlstaoa de la com palmichas sol-
las a 320 ra. o covado : na ra da lmperatris n.
60, loja do Pavao de Gama & Silva.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados psrs senhoras a 28200,
ditoa de ponta cahida a 45, ditos de fita a ljti:
na loja da Victoria, na rus do Queimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
porcao de ricos espelhos da varios tamanhos para
ornamentos de salas, afiiangando-se serem os
melhores em vidros que tem vindo : na loja ds
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordar,
La mnito bos da todas aa cores para bordar, s
Te a libra : oa loja da Victoria, oa raa do Quei-
mado n. 75.
Lir has do gaz,
Caixinbas com 50 novellos ds liohas muito fi-
nas do gaz a'900 ris a caiza. ditas com 30 no-
velles a 704 ria, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ris, Brancas e pretas: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Arara vende os palitos.
Vendem-se maasos de pslitoa Unos com 20
massiobos, por 200 rs.; na ra da Imperatriz,
oja da arara n. 36.
Para doces seceos.
Vendem-se maito bonitas caixiohas redondas,
de madsira, de diversos tamanhos, forradas de
papis de cores, muito lindas, proprias nica-
mente para doces seceos de qualquer qualdade,
pelo barato prego de 4, 5 e 68 a duzia : na raa
do Queimado, na bem conhteida loja d. miude-
zas da boa fama o. 35.
Para S, Joo e S. Pedro,
Veddem-se caixiohas com grande porgo de
amendoas coofeitadas, e alguns conteitos pro-
prios para o festejo de S. Joo e S. Pedro, pelo
barato prego de 800 rs. cada urna : na raa do
Queimado. na bem coohacida loja de miudezas
ds bos fama n. 35.
O Pavo vende a 4$500 rs.
Corles de bareges com fios de seda tendo 22 co-
vados, com barra, podeodo-ae fazer bsbadoa, pe-
lo baratissimo prego de 48500, s ns loja do Pa-
vao raa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Fundido Low-Moor,
Boa ala Senzalla Nova a.4t.
Nesta esta beles i meato continua a haverum
completo sortitaento de mocadas e meias raoen-
das para engenhe, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e eoade da todos os tamanho
para dito.
Fuoileiro e
iriiv
ro.
Ra do Crespo o, 7, no
gallo vigilante.
Nests nova loja ha grande porgo de eaixinhas
com amendosa proprias para brioquedo de S.
rJoio que ae vende pelo barato prego de 800 rs.
cada urna qnem deixar de dar a urna menina
urna caixinba ; tambera tem grande porgo de
caizas propriaa para doces secos que vende con-
forme seus tamaobos a 65, 59 e a 49 a duzia,
amendoas avulsss a 800 a 640 rs. a libra : s no
vigilante raa do Crespo n. 7
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Nesta rico e bem montado eatabelecimento an-
sontrsraoosfregaezaso maia perfeito, bem asa-
ITD11A t"0 D0 *'1 *en,r0
URNAS de todaa aaqealidades.
SANTUARIOS que rivslisam com o Jacaranda.
BANHK1RUS do todos oa tamanho.
SEMICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem idem.'
BAHUS idem idem.
FOLHA em caizaa de todaa aa groaauras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa percal-
lana.
CHALEIRas de tedaa aa qualtdadee.
PANBLLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS a flandraa para qual-
quer aortimeoto.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandando-ae maohoo, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendaa de qualquer natu-
ras*, conesrtos, que tedo aera desempenhade a
contento.
-^Tesdji^e urna parte no
cede de 51000$, o mais urna
divida-que tem de pigarem
os herdeiros do mesmo ea-
genho, com documentos fir-
mados, avultando ha mais df
4:000$: quem pretender fa-
zer este negocio dirija-se ao
Machinas para se iazer
caf mesmo na mesa.
A loja d'aguia brsoca recebe as moderna e
sesiadas machinas de porcellsoa para se fazer
cafe mesmo na meaa, isa por aa fteio fcil e
limpo, resultando a final que o cafe; feito em laea
machinas tsm um chero sabor superior so feito
por outra qualquer forma : vende-aa na toja d'a-
gia branca, rus do Queimado o. 16.
Para baptisado.
A loja d'agia branca acaba de receber pelo ut-
timo vapor a su> encommsnda dos seguintes ot>-
engenho Carauba sito na co-!J/iectos,Par bp""^j, sendo itod.s uuqu1Ch;
_ tw -,,,, de setim mu bem snfiht.das, eesda
marca de Pao aAlho ou na.
cidade do Recife a entender-
se com o Sr. Laurino de Mo-
raes Pinheiro.
Vende-se leite liquido ae vacca, a pataca a
garrafa, todoa oa das das 6 e meia s 8 horas da
maoha : no pateo do Carmo defronte do arma-
zem progressivo b. 9.
Vestidos de la.
Vende-se vestidos de laaziohas tendo ss saias
j promptas, com muita roda, proprias para ba-
lo a 4}00, s Da loja e armsaem do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazendi
muito boa, pelo barato prego de 28000, gollinhas
e puohos ultimo gosto a 2$000, gollinhas muito
finas e bem bordadas a lgOO cada urna na raa
do Queimado loja da miudezas da Boa fama,
n. 35.____________________________________
Tiras e entremeios bordados.
Vende-se pegas de tiras bordadas do 2,500.
3,000, 3,500 e 4,000 entremeios a 1*600 e 2&000
cada pega na ra do Queimado loja de mindezas
ds Boa fama, n. 35.
Bonecas fraucezas.
Veode-se bonecas francezss ricamente vestidas
49000 e 58000, e zJOOO bonecas de cera com os
BaSUUlUaS dO PaVaO a 4$000 olhoa raovedgos a ?80OOe3S00O. naruado Quei-
Vende-se ricas basquinas de fustao mui bem mtdo loJa de mi'le9 d Boa fama, n. 35.
Esperanca
Loja de miudezas,ra do Quei-
mado n. 33 A, de Guimares
A Rocha.
Especialidade chegada pelo vapor.
Botoes de cornalina braseos, encamados, re-
dondos, chatos, oval, meia borla e borla, s tem
destes botoes nesta loja,eaonde ae preparam pa-
ra punboa, colletes, etc., por 39 ums duzia, ou
19 o par para puoboa.
Vende-se um casal de Pates : quem os
preteoder dirija-se no largo da Penha o. 10.
Plantas da bano com 5 chaves, anoea es-
treitinbos, ultimo gosto, e com caiza, que se ven-
de pelo diminuto prego de 20$, tiots iogleza (a
verdadeira) potes de 1(4 a 320, de 1|2 garrafa a
640, previne-se que s legitima a que no pote
tem urna cavidade em forma de bico, qne se pres-
ta melhor a vasar o liquido como a extrago da
rolha ; ra do Queiraado, loja Esperanga n. 33 A.
squtn
bordadas, fazenda que aempre se vendeupor ltf,
el 69000 por 49OOO, para acabar : Ba loja do Pa-
vo de Gama & Silva, na ra da Imperatriz
n. 60.
Esperanza.
Enfeites do Pavo.
Vende-so ricos enfeites turca e Gsribaldi
com ricaa franjsa e bolotas a 5(000, ditos dos
meamos mais simples a 2(000 rs.. e ditos de fitas
cada um em sea carto : na ra da Imperatriz n.
60. loja do Pavo.
Brilhantina suissa.
Vende-se brilhantina suissa de quadrinhns, fa-
zenda muito encorpada para vestidos e mais lar-
ga que chita ingleza a 200 rs. o covado : na ra
da Imperatriz o. 60, loja o armazem do Pavo
da Gama & Silva.
Colchas do Pavo.
Vende-se ricas colchas de fustao de linho de
varios tsmsnhos a diferentes desenbos : na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo
de Gama & Silva
Chales pretos do Pavo.
Vende-se os mais modernos chales pretos de
ponta redonda com bolota, guarnecidos de bico
de seda largo em lugar de franja a 69OOO : na
ra dilmperalriz n. 60, loja do Pavo.
Luvasde Jouvin.
Vende-se luvas de pellica de Jonvin brancas,
para senhora, ltimamente chegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Luvas de seda.
Vende-se luvas de seda eofeitadas a 1(600,
29009 e 292OO, ditss fio de Escossia brancas a rs.
700. ditas de cores 800 ris, ditss de slgodo a
280 ris ; na loja do beija flor, ra do Queimado
numero 63.
Escovas.
Vende-se escovas para dentas finas de diversas
qualidsdes a 120,160. 320. 400 e 500 ris : na
loja do beijs-flor, ra do Queimado o. 63.
Bales do Pavao.
Vende-se ricos baldes arendados com duss bsss
e bico am volts, pelo baratissimo prego de 63,
ditos de madapolo francez muito grandes com 6
arcos a 5, ditos com 5 arcos a 3(500: na loja
do Pavo, ra da Imperatriz o. 60-
Bramante do Favau a 10,3000 Pc^o.
Acaba de chegar a loja do Pavo, urna nova por-
go do acreditado bramante de linho, com largu-
ra de brim liso, tendo 27 varaa cada paga, ests
fazends propria para lenges, loalhas, cern-
las, esmisas, etc., e vende-ss pelo baratissimo
prego de 10( a pega, s na loja do Pavo ; rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales Garibaldinos.
Vende-se na loja do Pavao, chales da merino
muito grandes de listrinhss a Gsribaldi, pelo ba-
ratissiro prego de 4&500, pecbincha : na rna
ds Imperatriz n. 60. de Gams & Silva.________
Chales do Pavo.
Vende-se chales de merino muito grsndes a
3(, ditos de casias de cores a 800 rs. : na ra da
lmperatris n. GO. loja do Pavn.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se fivelas de ego pars sinto a l500 rs. e
29OOO na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120rs. cada urna aspa deago
para balo a 160 rs. a vara, baodes a ltyOOra. e
29OO o par, na ra do Queimado loja de miudezaa
da Boa fama, n. 35.
Cascarilhas de seda.
Vende-se casesrrilhas de seda para enfeitar
vestidos a 25OOO a pega na raa do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha para quem padece
de erysipela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhora a 1(000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama. n. 35.
A 2$50,s o pavo.
Vendem-se cortes de cambraja branca com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tarlatana brincos a
de cores, com barras o babadoa a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
At que a final chegou a esta loja oa aempre
estimados brincos bales, que pela perfeigo com
que foi ezecalado o pedido fica sanada a falla que
avia deste adorno que, sobre ser bom e bonito
barato, s 19 o psr e em urna csizinba : na loja
Esperanga, ra de Queimado n. 33 A.
SYSTEIA MEDICO HOUELLOtt AY
PILLAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, cora posto i n tetra-
mente de hervas medicinaos, nao contera mercu-
rio nem alguma outra substancia delecleria. Bei
nigno mais tenra infancia, e a eompleigo mas-
delicada, igualmente prompto e seguro par;
desaneigar o mal na compleigo mais robustas
enteiramente innocente em suas oparagoes e ef-
feitos; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especie e grao por mais antigs a tenazes
que sejara.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, militas que j estavam s portas da
morte, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a saude e torgas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afilelas nao devem entregar-tea des-
esperago; facam um competente ensaio das
efficazes effeitos desla assombrosa medicina, o
prestes recuperarlo o beneficio da sande.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades
Esperanca.
Contina a receber especialmente suss fazen-
dss, toroaodo-ss assim mais barstas : nesta
quadra que temos todo quaoto preciso a ama
familia (em miudezas) a um alfaiate, aapateiro,
caixeiro, etc., o pequeo espago que nos concede
o Diario de Perosmbuco nao nos permitte clssii-
flesr o enumerar a inBnidade de srtigos de que
nos adiamos sottidos, tanto em qninqailbsria co-
mo em arllgos de uso diario e indlspensavel :
por isso as pesseas da praga oa de fora que quei-
rsm comprar qualquer dos objoctos de que faze-
motnotso commercio, serao directamente ou in-
directamente bem servidos.
_ urna eas
sua caixinba, sspatinhos dt cores ricamente bordados, e meias de^eda <>
melhor mais bonito possivel. Agora, pois,' os
psis que nao qulzerem esperar pela netosida-
de daa senhoras comadres, dirigiremos loga
munidos de dinbeiro loja n'sguia branca,-.ra
do Queimado n. 16, oode bem podero comprar
esses galantes objectos.
Ultimo gosto.
Peutinhos dourados, e com
pedras para bandos.
J nao entra em duvida que a Iom d'aguia
branca est a psr das ultimss modas que appa-
recem em Psris, e por isso ella acaba de receber
os bonitos e modernos ptnlinhos dourados e com
pedras, os quaes servem psra as senhoras mais
abrilhsntarem seus bem revirados bandos que
ornados com um par de ditos penlinhos, ticsm
de ceito aioda mais garbosas. Na verdade, a gra-
ca, boDiteza eperfeigao que disso resulta se oe
pode negar (salvo se o fizerem com o nico flm
de nao gastar os 3 e 49 que custa caaa par) as-
sim previoe-se as seohoras que apreciam o bom
gosto, que dests vez vieram poucos, e por tete
ser bom que msndem logo para elles para qu
depois se nao vfjam na collisu de esperar que
de novo os receba dita loja O'aguia brincs, ra
do Queimado n. 16.
Esperanza.
E' nesta loja que hi e continuar a aer o depo-
sitq.dss afamadas sgulbas Victoria tsnta a
ac'*^sgo que tem lioo estas sgulhssque nosdia-
... irnos de qualquer elogio, a 120 rs. o papel
(0
Jogo de domin.
Vende-se jogo de domin finos a lg-200
loja do beijs-flor. ra do Queimado n. 63.
na
Botoes para punho.
Vende-se botoes de punho fiaos de diversas
qualidades a 200 rcis o par. que tambem servem
para manguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Oeculos.
Vende-se oeculos finos de armago de
29, 1$. 640 e 4(10 ria : loja do beija flor,
Queimado n. 63.
sgo, a
ra do
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditoa de fita
com tivella dourada a 1$500 : loja do beija fior,
raa do Queimado n. 63.
Enfeites para cabeca.
Vende-se requissimos enfeites para cabega com
franja, e sem ella pelo baratissimo prego de 51
e 53000, ditos de vidrilbos a I56OO ; na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Vestidos do Pavo.
E' pechincha, cortes de eambraia brancos com
babados a 25500, ditos de tarlatana brancos e de
cores a 39, ditos com bsbadoa eduassaias muito
superiores a 4$, pec.as de eambraia branca com
carociohos brancos e de cores, tendo 8 1/2 varas
esds pega, por 49, cortes de cassas de cores com
7 1/2 varas, padrees notos a 29500 ; tudo isto-se
encontra na loja do Pavo, que vende dioheiro
a vista : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silva.
Alburnos de borracha.
Veode-se os mais superiores alburnos ou so-
bro-iudos de borracha, proprios para o invern a
120: na ras da Irooeratrizn. 60, loja do Pa?o.
Cortes de phantasia,
Vende-se ricos crteslde phantasia de duas saias
com delicados lavores a 69 cada um : na ra da
Imperatriz o. 60. loja do Pavo.
Calcinitas do Pavao.
Vende-te calcinhas de esmbraia bordadas para
menina a 19 o par : na loja do Pavo ra da Im-
peratriz o. 60.
Perfumaras muito liuas e
baratas.
Opiata ingleza a 19500 rs, dita franceza a 500
rs., 640, 19000, oleo da sociedade bygienique
verdadeiro 19C00 o frasco, oleo bsbosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa denles a I9OOO, dita de Botot tambem
para 00 donloa I000 a fritan, nnm.da franta-
za em paos a 500 rs. e I90OO, 320 rs. sabonetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e I9OOO cada um na
ra do Queimado loja de miudezaa da Boa fama.
n. 35.___________________________________
A 200 rs.,so pavo.
Vende-se chita franceza escura de cor Ca a
dous tustss o covado : na ra da Imperatriz n.
60. loja e armazem do pavo.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Vende-se pslmatorissde vidroa UfOO-M., ditss
para rapazes a 49500 rs.,
rs.
de
Tilia alten'
i
uei-
1
Luvas d pelica.
.erH.doir.il lu de Ju.io, keftadinhas
por francez; s ao vigilante, ra do Crea-
F i;a os festejos de S. Antonio
e S. Joo.
Trinas e galucs.
A superior trioa e volantes do Porto para ur-
nas, oratorios ou igrejas, qae se veode por me-
nos do que em outra qualquer parte : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
; com mangas proprias
cada urna, escarradeiraa de vidro a 4$500
e 53000 o par, na ra do Queimado loja
miudeza da Boa fama, n. 35.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-se ss mais modernas a finissimas la-
zinhaa de quadrinhos e de flores solas e palmi-
nhaa, desembarcadas do ultimo navio vindo do
Havre,pelo baratissimo prego de quinbentos ria
o covado, e do-se aa amostras com peohor: na
ra da Imperatriz o. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para guardar dioheiro
de ouro o prata a S9OOO, 2500, 19000, 1S280 e
13500 : na loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
Rosas artificiaes para cabello:
A. L. B. F. tendo recebido um variado sorti-
menio de bonitas rosas que se esto usando para
esbeltos, e de pannos com felfas de velludo, ditas
de papel toda s, as msis ricas que se pode encon-
trar veode-se na ra do Queimado n. 63, loja
do beija flor.
Gollinhas do Pavo.
Vende-se golinhas de esmbria bordadoa e di-
tas de fil bordadas a 500 ria: na loja do Pavo
ra da Imperatriz n. 60.
Manguitos com gollinhas.
Vende-ae manguitos com gollinhas bordsdaa a
19600 e manguitos muito finos a t| o par : os
ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
A gulhas.
A. L. B. F.tendo recebidoagulhasimperiaesde
ando dourado, vende na loja do beija flor, ra
o Queimado n. 63.
Oliados.
Vendem-se oliados pintados de lindas vistas e
paissgeos, lsrguras de 6,7, 8 e9 palmos, pro-
prios para moas de jactara 29o corado : na ra
da Imperatriz, loja n. 20.
Ra da Senzalla Noy n. 42
Vends-se em casa de S. P. Jonbston & C,
sellins silhoes inglezos, eandieiros e caslicaes
bronzeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
Paletots do Pavao.
Vende-se palitots de panno preto Uno a 69.
ta no,,. ,Mm f, SffJmngsStB& SttE
JGama&ST,
Tiras e entre meios.
Vende-se tiras bordadas tspadas e transparen-
tes, assim como entre-meios muito delicados :
na ra da lmperatris o. 60, loja e armazem do
Pavo.
Lencos e luvas.
Vende-se lengos de esmbraia de linho cem la-
byrinlho a 29500, ditos de imitagode labyrintho
a 19, luvas de aadas de todas as cores a 500 ris,
enfeites pretos de vidrilho para cabega a \$, lu-
vas de relroz preto abertaa a 500 ria o par ; na
ruada Imperatriz o. 60, loja do Pavo de Gama
& Silva._________________________________
Cambraias do Pavao.
Pecas de eambraia fina com 10172 varaa a 69 a
paga, ditas com 8 1/2 varas a 49, ditas de 8 pegas
a 39, dita para forro, com 8 1/2 varas a I96OO ;
na ra da Imperatriz o. 60, loja do Pavo, de
Gama & Silva.
Vestidmhos a 4#500.
Vende-se vestidinhos de seda enfeitadoa para
meninaa de 2 a 3 anaos a 49600 : na ra da Im-
peratriz n. 60. loja de Gama & Silva.
Grosdenaples do Pavao.
Vende-ae grosdenaples preto muito iocorpado
a I96OO o covado : na ra da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva.
ingle*.
Cabaias hespaulas na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazenda de padres delica-
dissimos com 4 1(2 palmos de largura, propris
para vestidos de senhora a 400 rs. o covado: na
ra da Imperatriz o. 60, loja a armazem do na-
de Gama & Silva.
Gascarriiha
Ltndts pegas de cascarrilba de todas ss cores,
pelo baratissimo prego de 13500 a pega : s no
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Chapelinas para senhoras.
Lindas cbapelinss ricamente enfeitadss, palos
baralissimos pregos de 89 e 109000.
Ditos com pequeo toque de mofo a 69000: s
oo vigilante ra do Crespo n. 7.
Touquinhas ou chapozinhos
para enancas.
Liodos chapozinhos para menina e menino a
49 e 6*8000, ditos de feltro pelo baratissimo pre-
go de 3$000, bonetes de panno fino e lago de fi-
ta a 35000, ditos de veludo fino a 49 o 39500,
ditoa de pslhlnha a 3J00O, touquinhas de seds
muito lindas a 19500. ditos de fil a I9OOO: s
00 vigilante, ra do Crespo n. 7.
vao
Coke e alcatro.
Coke da melhor quslidade, maito proprio pa-
ra vapor, e tambem para todos os usos domes-
ticos, fornos pequeos e grandes etc., para estes
servigos, o coke mais econmico do que qual-
quer outro combustivel, por ser menos de me-
tsde do prego e de mais dursgo.
Alcatro, este sendo applicado navios, bar-
cagas, alvarengas, canoas etc., presta muito
bom efleito, conservando a madeira de todas as
qualidades de bichos, fazsndo durar um temo
indefinido. Tambem conserva madeira de edifi-
cages, preservtndo-a dos bichos e contra o
lempo: as propriedades chimicaa desle alcatro
de caryo mais forte do que qualquer outro,
extrahido de madeiras ou outras materias.
Quem precisar achara venda, no armacem
do gaz. Ra do Imperador.
Prgo do coke 129 por tonelada.
Prego do alcatro 500 rs. por caada.
Manguitos.
Lindoa manguitos com golliohs o maia fino
que se pode encontrar, vende-se pelo baratissi-
mo prego d~5000, ditos sem gollinha a 1$500:
s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Gollinhas de linho.
Lindas gollinhas estampadas.............. 500
Ditas de linho muita fiuas................. 800
Ditaa pretaecom vidrilho................. 29000
S 00 vigilante, ra do Crespo n. 7.
Meias.
Grande sortimeoto de meias tanto para homem
como para senhora, sendo de homem a I98OO e
! 281"00, e fios a 2)800, ditas de fio de Escocia a
5$00O a duzia, ditas para menina a 29400, ditas
para menino a 29000 : s no vigilante, ra do
Crespo n. 7.
mniim
Delicadas lazinhss com flores bordadaa a agu-
Iba, cortes com 15 covados, pelo baratissimo pre-
go de 455OO, e covado da mesma fazenda a 820
ra. : na raa do Queimado o. 44.
Vnde-se
no bssar da ra do Imperador meias pretas para
senhora a 80 rs. o par, veslimentaa de lia para
meoinoa a 800 rs., grvalas de seda a 200 rs.,
cortes de brim settm a 29500, ditoa de casemira
a 28500, colariohosde esguio a 49 a dezis, fltss
largas lindissimaa a 400 rs., toncas de la para
meninos a 600 rs., manguitos de esmbraia e fil
a 18500.
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
do Recife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
Batatas novas
Ter?o n. 23.
Batatas .
a 80 rs. a libra
no largo do
Rival sem
igual
RA LARGA DO ROSARIO 36.
Enfeites
pretos e de cores muito bons a 59.
Sintos.
Sintoa dourados a I96OO e 39
Ditos fitas de velludo e fivella de ago a 19500.
Tesouras finas
com pequeo toque de ferrugem a 400 rs.
Ditas limpas muito bonitas a 800rs.
Ditas ordinariaa a 30, 60,120 e 240 rs.
Escovas.
Psra limpar unhaa a 320 o 500 ra.
Ditss para cabello a 800 e 15.
Ditaa para roupaa a 400, 800,19 e 18200.
Meias.
Para senboras a S|400 a duzia.
Ditss para homem a 28400,28600 e 39500:
Flores.
Ramos de flores artificiaes a If e 19200.
Colheres
de metal proprias para o diario a 1IS200 a duzia.
Ditas de metal principe a 45500 a duzia.
Ditas ditas ditas para cha a 29400 a. 4iia
Botoes
para panno maito bons 120 e 160 ri.
Febreto da especie
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmacoes.
Irregularidades de
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
Absirucgo do ventre.
Phlysica ou consump-
go pulmonar.
Retengo de ourina.
Rheumaiismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulcera, .-
Venreo ( mal;
Escravos fug
nc*
ndenles epilpticos.
Alporcas.
A raplas.
Areias ( mal de).
Aslhma.
Clicas.
Convulses.
Oebilidade ou extenua-
do.
Debidade ou> falta de
torgas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Feb'" SiBra* -"
:ntermitente.
dern-sa estas pilulas no eslabalecimento
geral de Londres n. 224, Slrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
enearregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna deltas contem urna instruc;o am porlu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
0 deposito geaal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
Escrava fgida-
Pugio 00 da 16 do crreme as 8 e meia horas
da noite, a escrava Caetana, de nsQao Costa, de
40 anuos pouto mais ou menos, estatura alta e
secca do corpo, rosto comprido, olhos regulares
e avermelhados, levou vestido de chita escura,
panno da Costa, e tem um panno amarrado oa
caberas, para encobrir os cabellos brancos que lem
na frente ; assim como se proceder com o rigor
da lei a quem a tiver acoitado, por isso pede-se
a quem encoolra-la levar a casa do seu senhor
na ra do Sebo n. 39. que ser gratificado.
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Bieber & CM successoras,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hurtas a capim.
Ditas para descarocar milho.
Ditaa para cortar capim.
Selios com perlences a 109 e 203.
Obras de metal principe prsteadas.
Alcatro da Suecia.
Veroiz de alcatro para navios.
Salsa parrilhade primeira quslidade do Para.
Vinbo Xerez de 1836 em caixaa do 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Aradoa e grades.
Brilhantes.
Carrosas pequeas.
FAZEMUS BAIUTISSIMAS
NA
Ra da Imperatriz n. 20,
loja de Duartc Borges da Silva.
O dito Silva comminica ao
respeitavel publico e com
especialidade aos seus nume-
rosos freguezes antigos e mo-
dernos, que constantemente
acharo na dita loja um com-
pleto e variado sortimento de
fazendas proprias deste mer-
cado e vendidas pelos precos
mais commodos, de que em
outra qualquer parte, affian-
cando a boa qualidade e dura-
cao das supra ditas fazendas
1ITAIL
sem segundo
Na ra do Queimado o. 55 loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia o Silva, est vandendo
todas as miudezas baralissimss, a saber :
Papis de agulhss a balo muito supe-
riores a
Caixas com muito Ooas obreisa a
Candes com clcheles, tem algum de-
leito a
Frascos de macass perols muito fino a
Caixlnbaa com papel pequeo de diver-
sos gostoa a
Pacotea dito dilo dito smizade a
Novellos de linha de Crux a melhor
que ha a
Caixaa com agulhss curtas de superior
quslidade
Entremeios, a peca com 3 varaa 1 \2 a
Sabonetes muito nnoa a
Papis de agulhss francezss com toque a
Psres de botoes para punboa de muitos
modelos a
Pares de meias eruas para meninoa a
Ditoa de ditas cruas para pequeo a
Ditos de ditas para meninaa a
Frascos com sgus de Lavande ambreada a
Ditoa com cheiros muito finos a 240 e
Ditos com banha muita fina a 240 e
Ditos com superior banha de urso a
Rap francez.
Um libraa a meias libras, fumo caporal e papel
para cigarros; ni na Nova a. 9.
80
40
10
200
720
720
40
200
igooo
120
10
240
160
160
200
800
500
320
600
Fugio no da 15 do crreme mez o escravo
de nseso Cagange, de idade de 46 snnos, com es
sigoaes seguintes: altura regular, secco do cor-
po, quando soda pucha pela perna etquerda.
anda meio curvado, falla de denles, o betco de-
bsjxo um tanto grosso, chupado da cara, tem
pouca bsrbs, alguns cabellos brsncos, foi vesti-
do com caiga de casemira ciosent, camisa de
madapolo descozida no hombro, chapeo do Chy-
li velbo na cabega: pede-se ss autoridades poli
ciaes e capitaes de campo de apprehenderem o
dito escravoe levarem a rus do Apollo o. 39,
que se retompensar generosamente.
Fugio de casa do abaizo assigntdo o seo es
cravo Eufrasio, preto, idade 35 annos, estura
bsixa, e tem por sigoal um pequeo lobinho ci-
ma da sobranctlha, tem sido visto nests cidade
pela ra Distila, aterro dos Affogados. ovo'rar
ueste nome, e pela" SoleJade : quem o apprehen-
der leve-oa rus da Imperatriz n. 42, quesera
bem recompensado.
Manoel Alves Guerra.
Fugio do poder do abaizo assignado o ei-
cravo Manoel de naci, maior de 40 annos,
ganhsdor.com os sigoaes seguintes: estatura
regular, cheio do corpo, olhos grandes e aver-
melhados, rosio redondo a pernas finas, costuran
embrigar-se, assim como tambem fugir, foi de
finado Francisco ds Costs Guimares, e compra-
do a um dos seus herdeiros, de presumir qu*
ande por Sanio Amaro ou suas immediacee ;
anda com camisa de baeta azul e brrele ('e sr.e-
rioheiro, pouco fallador e procura illudir, d-
zendo que anda garriendo: por isso peJe-se a
quem o agarrsr o trsga a ra da Cruz n. 33, n9
Recife, que ser gratificado.
Domingos Rodrigues de Andrade.
Fugio no Os 5 de Juobo prozimo paasado
do eogeoho Alagoa DaDft comarca de Nzarftb,
um estravo de uome Ignacio, de idade 42 annos,
pouco ou mais ou manos, o qual tem os sigoaes
seguintes : falta de denles e tem om tumor em
ponto pequeo na mo esquerda e faz-se bstan-
le doente do mesmo braco e da perna esquerds,
levou vestido camisa derisesdo e ums misla
de baeta de riscado e caiga azul, levou comsige
um csvsllo castango ceg de um olbo : quem o
pegar leve-o ao dito eogeoho ao seu seohor Ma-
noel Cabral de Mello, ou no Recife em casa de
Manoel Jos da Silva Oliveirs, ra do Encanta-
mento d. 13, que ser generosamente recom-
pensado.
Escravo fgido.
No dia 11 do corrente mez fugio de novo aa
Dr. Carolino P. de Lima Sanios, o seu escravo
Adalberto, cabra claro, baixo, magro, de pernas
um pouco arqueadas, olbos grandes, rosto com-
prido, de 26a 28 annos de idade, alfaiate, tem
por coslume Irazer bigode curto e o resto da
barba raspads, e andar com a cabega um pouca
inclinada, sendo qee fugio com a cabega raspa-
da por ter estado na cadaia : quem o aprehen-
der e levar a casa de seu stnhor na ra do Im-
perador n. 17. ser bem recompensado.
Dous escravos fgidos.
Em fins de dezembro do snno pssssdo fugio o
sscravo criuulo de nome Bonifacio, olhos aboga-
Ihados, estatura regular, grosso do corpo. nade-
gas grandes, com falla de doos denles na frente,
regrista e inliUla-se curandeiro; lem tidu
visto pela Estrada-Novs, Campo-Verde e Boa-
Vista, como tsmbem j foi pegtdo de outra ve:
que fugio em Olinda. Tambem se ausentoa no
dia 6 co corrente mez de julho, outro escraro
crioulo de nome Luiz, estatura regular, grosso
do corpo, olhos meio vesgos que o faz olhsr un:
pouco stravessado, com falta de dous denles ni
frente, tem os ps apalhelados e toma tabico :
j foi pegado de outra vez que fugio para ss ban-
das de Serinbem : quem os pegar e os entregar
no caes do Ramos caa n. 4, aera bem recom-
pensado.
Fugio no da 1" oo corrente mez ou eoge-
nho Privilegio da freguezia de Agua Preta, escravo crioulo de nome Yicente, com oa lig-
nass i guiles : bem preto, rosto comprido, ore-
Ihas pequeoas, peross ioas, pea pequeos : ro-
ga-se aos capitaes de campo a sprebenso de
referido escravo que se gratificar generosamen-
te, podendo aer entregue no referido eogeoho os
na rus do Imperador n. 83.
No dia 8 de julho correte, poucas horas
depoia de aair da cna de detengo, aonle esle-
ve preso por motivo de fuga, tornoa a fugir da
caaa de seoseobor o escravo de Borne Hercula-
no, oqual tem 26 annos de idade pouco mato
ou meos, cor fula, estatura o corpo regulares,
a falla um pouco descang. t e afinada, e tem
urna cicatriz proveniente de om uoheiroque teva
n'um dedo de una das mos : tendo o cabello
cortado muito rente, e urna argolla de ferro
com gancho no pescogo ; roga-se s autoridades
policiaes a csp'ura do mesmo, e sua entrega, na
ra do Cabug, loja o: 3, a Manoel Antonia
Goncnlves.__________
2001 de gratificado
a quera pegar o pardo Francisco, de 17 anooe
de idsde, de bonits figura, com todoa ns denles.
cabellos carapinhos e ruivos, este pardo foi d
Sr. Dr. Borges da Fonseca, o qual viajo com e
mesmo seohor todo o sertao e suburbios desta
provincia,necessaiismente quando era sea es-
cravo, e lalvez aioda se inculque a servico d
mesmo : quem o pegar queira entrega lo a se*,
legitimo dono na ra do Hospicio n. 6.
Ignacio Liix de Brito Tsberda.
MUTILADO


.
-
DI AMO M PEIWAMBDCO SABIA DO
.LitteraUura.
,? r
I Nao I SaBecadoe Mo
Caitos dodoiisdejulho.
*l'm*$fm de letras, reunidos nos
lmialfc>es patriticosacadmico
Ijcelstae -dous de julhojun-
to a os carros triuinphaes na noi
te de 5. v
Canto pelo Dr. Luiz Miares dos Santos, depois
ae cantad* um hymno por diversas senhoras,
de sua caa ra ireila da Misericordia.
Ou vistea, 6 mogo, o canto ua v
m gloria na clave, do sot varonil?
ouvlateg s nota, que branda no falla
n ii lateros calla o anicr do Braail ?
?.Ouvietesoos ares sonora harmona
yae o etber dizla tremendo acola ?
Constes: cerlo. Na horas da vida
Jamis quecida tal nota ser.
Jamis esquecida ; que a voz liberdade
Fro (i, mocidade, o hymoo do cu.
Palavra de anjo, celeste poema.
Dos mogos diadema, do povo tropho.
Trophu, que nos piala a pagina bella
Da historia siogella de heroico valor.
Djs dossos maiore a lula renhida
A palma vencida dos transes na dr.
O sangue do onartyr a Ierra ensopan lo
i)j chao foi brotando a historia do p.
JRa'zes de sangue que dizem p'ra a historia ? I
Palavras de gloria, palavras de f.
A f dos prodigio. De julho o poema
O moco, nao Irema de o mundo affrontar.
JJ ius lodi is tostados ao sol deste clima
Cota os olhos p'ra cima sdevern marchar.
E marchera a*aot?s. Nao seja apagada
A.historia tragada cora sangue pr'a nos.
uuardae-a as almas: man lie ao futuro
Logado lo puro de nossos avs.
T U
l< eotao que eos resta ? Fiis veteranos
Curvados osaono esmolam seu pao.
Ai delles I mendigos l vao porta em porta...
Oh nao fique mora p'ra nos a oago.
A imprenia dos li vres l jai abatida
Aos ferros jungida de infame priso.
Torturara -se ideas ali na masmorra. .
O' mogos I nao morra p'ra v* a nago.
Ao re as estatuas, de ouro os collossos :
Do raartyr os ossos diapersos no chaa,
No cimpo da lula, ao olhar de quem passa.
O mojos! reoasga por vos anago.
Por isso marchemos eom os caros emblema
Das utas suprema* de nossos avs:
O da mais bello da historia dos bravos
Si morre p'ra escravos. nao morre p'ra nos.
Canto ao memoravel dous de julho consagrado
ao gymnasio Bahiano.
Que ser? I Ougo alm um som confuso
Dj vo:es aosmilhare; j percebo
Longinquas uota3 de ruidosos hymnos
De lucidas, gentis, briosas hostes.
Qae ser?! Ougo vivas, vejo flores,
Veihos v mogos confundidos tolos,
E donas e donzelias a olharem
Para as lurbas que vem electrisadas.
Que ser ? I...
II
O brilbaule dous de julho
Acaba de despontar,
J tornaram-se em marulho
Cu e ierra, ares e mar:
Esteam ondas namoradas
E o arem ouvens coradas
Percorreodo a immecsidade,
E a ierragalas trajando
ludo nos dizliberdade.
Salve Salve 1 Patria miohs,
Que me das inspirarlo,
T, do universo rainna,
Prodigio da creago :
Salve I l, que defendida
Foste sempre, e nao trahida,
Como t hoje em dia Temos;
Sslve, patria, que tiveste
Liberdade, que nos dste,
E que...parece...inda temos.
Eufilho da um dos soldados
esses lempos de unio,
Estos momentos sagrados
Dedico mioha nago :
Nesla guerra generosa
Foi que n'uina espada honrosa
O arcabuz meu pae Irocou ;
Ciogiu a banda na guerra
Da sua, da minha Ierra,
Da naco que se firmn.
E eu canto cheio de gloria
O dia do meu paiz
'. d'Aguiar, Siqueira e Doresa
E oulros, a qual feliz I
Felizes, porqua do justo
Dormem hoje o somno augusto.
Nao de escravos como fomos ;
Felizes, porque lembridos
Yivem sempre aos altos brados
De horneas livre, quaes nos somos ;
Em quanto que outros nao morrem,
Mas curvados para o chao,
Yelhos, trpegos percorrem
O seu prvido torro :
Vivem, sim ; mas arrastando
L"m existir miserando
Na trra que os esqueceu,
Deprecando caridade
Na trra da liberdade,
Que um asylo nao lhes deu I
Na Ierra de antigos bravos
Firmada livre nago,
Onde os modernos-escravos.
Susteutam a escravido:
A escravidovil flagello.
Que o bomem em paralello
Poe com o bruto escravo seu
A escravido foragida,
Que veiu buscar guarida
Sob o Americano cu.
111
Basta, musa ; se toldou-ae
Hoje urnas horas o cu,
Por fin o sldesnublou-se
E limpo resplandeceu :
Se inda temos por vergonha
O que ao nosso bem se opponha
ManchaBdo o nosso Braail;
De glorias rica alvorada
Taremos nesta Ilustrada
Juventude tenhoril.
IV
Jovens, que m'escutaet sempre orgulhoso
Ao recordar-vos ditas j pissadas,
Jurae salvar o povo que brioso
Algemas rebentou multiplicadas.
Aos sedobrados golpes da crueza,
Com que tratados eramos oulr'ora,
Faz a Virgem por nos ama defeza
Ao Filho Eterno, e puro pranlo chora 1
Lagrimas sus pela cruz desceram
Ao coraco dos horneas, que se movem ;
Eis que do povo as magas j se ergueram,
E beogos do Senhor aobr'ellaa chovem.
L do norto essa America vaidosa
Quando hombrear-se quiz com os livres povos,
A' cada luc, anda gloriosa,
Novos transes soflria e golpes novos.
E o povo semi-n, descalco, pobre,
Quase sem armas vae fazendo a guerra ;
Vence constante e inclume, qae o cobre
Egida l dos cus, propicia Ierra I
E' que nos mais soffreramos calados
Dj governo de ferro e de egoUmo,
Do qu'eoaoutros que foram educados
Por quem n'alma plnlou-lbee o civismo.
E' que ajudados eramos por tanto ;
Que nao poderlo to bisoohas gentes
Vencer guerreiroi, que sabiam tanto
Descubrir loiroa para aa altas frentes.
Sim, que nao aram para ser vencidos
Os guerreiros de Ceuta e Aljubarrota,
* Se dos cus nao baixassem coohtcidos
Todos os meioa para til derrota.
Affeitos a vencer, ae o Portuguezea
Em Alcacer-Klbir foram proatradoa.
Nao, nio foram das armas os revezea
Qe oa prostrtfram no chao desbaratados.
Aca'uruobadoa pea mar _
Es areawuitulos, para T _
Os afogaram j sem cortina gente.
Se nao tado venaefam 1 Abrazados
Da fchrista,no fogo raJiaole.
Ao fi di do/toando irimlaureado
Com orea rei joven a campar ovante.
Mas aqu nem a f os abrazsva,
Nem dos povos direilos defendism :
Sscras leis seu governo desprezsv,
Todos a liberdade perseguan).
Nao podiam vencer-nos I Deus o braga '
Deste orea Brasil armara forte.
Gravando em nosao peito em firme trago
O dito ingenieIndependencia ou morte 1
Nos noemUoto ao batermo-nos constante
Tiohamos Deus na lucta Inearnicada,
Mirando a sua xruz qaa rutilante
Na bandeira real estava aleada.
E em reflexos poticos, sagrados
Ao estandarte aun- verde a cruz sorri,
E nos lsmpeios livres e assombrados
Visivelmeote 'uelle a'imprimiam.
VI
E formamos nago, e fomos forte
Imperio magasloso e floreaceote ;
Hoje ao proprio poder da altiva morte
Mostramos livre o peito e pura s frente.
A serreos livres serconvm unidos.
Oh jovens do progresso primoroso;
Das lides littarariaadeslimidos
Os jovens formam corpo magestoso.
Unio Litteraria a mocidade
De nascente inda simplice naco
E' da augusta adorada liberdade
O mais florante, vlrido floro.
E esse floro, se alta virlude o guia,
Soergaeodo-lhe a fronte para os cus,
Vae como nma grinalda em alegra
Ennastrar-se na c'roa de seu Deus.
Deolindo Pontes.
Canto recitado no ouleiro litterario e potico do
gymnasio Bahiano, e offerecido asen illustre
director e eitimaveis alumnos por Francisco
Muniz Brrelo.
Do gymnasio ao sacro-outeiro
Sobre o poeta ancio.
Para, 'nelle, ao dous de julho
Dar tambem sua canco ;
E sobe co'a reverencia,
Que o talento, a intelligencia,
Merecem ao trovador ;
E mais'oeste santuario,
Da que, ha pouco, voluntario,
Fez voto de ser cantor.
E foi bem justo esse voto
Do velho dePiraj;
Que collegios, como este,
Bem poucos no mundo h.
Honra a elle 1 Abeogo%Ia
A' sabia mo desvelada,
Que a tal ponto erguido o (em ;
Q'em servir a humauidade.
Educando a mocidade,
Nao cede a palma a ninguem 1
Eu venho cantar o dia.
Que patris mais grato ,
'Nesta recinto das lettras,
No qual lenho tanta f.
Venho saudar a Bahia,
A trra que a primazia
Tinha entre as mais, por gentil,
E hoje, triste, esmorece,
Defiuha, e j nao parece
A orinceza do Braail ;
A princesa,"que, lOSfl0. -
Dos humanos vendavaea.
No seu thronoda montanhas .
Imperara sobre as mais. J
Lellras, sciencias, e arles.
Do mundo as varias partes,
Lhe grangeavao. laureis;
Ornavam lhe a frunt-e e o eolio
As riquezas de seu solo,
As flores de seus vergets.
Quem viu-a formosa e rica.
E bella, como era ato,
Quem contemplou-a na guerra,
Nao n'a conbece hoje, nao.
Foi-se o civismo, a coragem,
Ilojede Roma a imagem
E'a Ierra, onde nasci;
Mu fado o vico lhe cresta ;
De julho da propria fasta
J, como oulr'ora, nao ri.
Matou-a civil discordia,
E quando ia a reviver,
Veiu a descrenga ; o egosmo
Fez-la outra vez morrer.
E morrer.&eda santa
Gerago, que se levanta.
Nao salva-la o nobre amor ;
Se contra o mal que padece,
Em cada filho que cresce,
Nao liver um lidador.
Jovens, meninos briosos,
Fazei co'a moie por oda
O que fueram com o brage
Vossospaes, vosaos avs 1
Co'as armas do entendimeoto
Sahi, sim, pelejarl
A obra do dous de, julno.
De que temos tacto orgulho,
A vos compele acabar.
Consammae-a, mocidade,
Irruios duas vezes meus, _
Por vossos paes, pela patria,
Por vossos mestres, porDeual
Cosummae-a 1 e um dia a historia
Narre do gymnasio a gloria
Vaticinada por roim 1
Um dia a patria, ditosa,
Abenga a proveitosa,
Idea deste festim I
Diario daBahia.[
s
'JLHO 08 iSM.
splriloe
Entre eslaa differentes causas algemas ha que
gepodara chamar justas, outras injustas e alge-
mas duvidoaas.
No enteadar do Sr. Dr. Jos Antonio de Ma-
galhaes Castro, nao importa que seja essa ou
aquella a causa de ae echar o Imperio em guerra
com outra naga), eom tanto que aeja paniio todo
o paisano espiao, oceupado em escotar e obser-
var oo interesas de inimigoa armados externos oa
mesmo internos: e enteode muito bem,
Pode um paisano julgarqae o Imperio nio tere
razes justificativas, ou causa legitima, escorada
em direito, para empreheoder ama guerra e
( motivos fundados, isto etililade ou conve-
niencia em faze-la ; mas nao aera licito que seu
pensameato se traduza em actos de espionsgens,
que fsvoregam o adversario.
Nao ser licito mesmo, que um cidado se cons-
litua espiao, quando a guerra leve por causa e
fim auxiliar urna naco, que ae debate aob o jago
da tyrannia.
O governo de nosso paiz, achando-se fraco em
relagao >aqaslle com quem acontecer entrar
em guerra, pode preferir urna negociagao ami-
gavel, que, ae fr commanicada ao ioimigo por
um espiao, poda acarratar funestas conseqeao-
cias, por quanto denuncia a fraqueza do propo-
nente ; raza pela qual a acgo digna de aevera
punigo.
E'opioio do Sr. Dr. Carvalho, que no decur-
so das negociagdes muilas vezes se adopta o par
tldo de ceder de urna e outra parte daa preten-
goea oppostas, sem decidir precisamente de que
lado estava a justiga. Neste easo cedem os dous
goveroos e convencionam acerca da parte, que
cada um ha da ter ni causa ou direito que
se sustenta; ou urna dalias cede totalmen-
te outra, recebendo por isso siguana compen-
sages.
Mas ae o ioimigo fr avisado qua convem
parte contraria estipulsr urna doatas convnceos,
se fr avisado do alvitre da tranaaegio por um
espiao mesmo paisano pode encarecer de sua
parte a adheso e preteoder alcangar o ulti-
mtum, seguindo a guerra o seu curso natu-
ral.
O Sr. Dr. Jos Antonio de Uagalhes Castro
defineespiao aquello paisano qae iotrodazir-se
dtsfargado as guardas, quarleis. arsenaes, forta-
leza, acampamentos, portos militares e hospi-
taes ; e, passando aoart. 108 pune o paisano que
receber ou flzer receber espides, ou soldado ini-
migos conhecidos com
Penasde priso com trabalho de quatorze a
dezeaeis aonoa no gra mximo ;Je oito dez
annoa, no gru medio ; de quatro aeis anoos
no gru minlmo.
Quando um acontecimento grave, urna qaesto
de importancia altera a boa harmona entre deas
oe mais naces, e um cidadio de patriotismo de-
generado anima-se i commetter a traigo pre-
vista no presente artigo, i bem justo, que se lhe
imponha urna pena rigorosa como a que se
estabelacida pelo s-mhor doutor auditor da g
da lorie.
a a
rileba
e V^.n
um brasileiro n
'lado reconhe
descobrir o estad-
o nossos desig os
rea X tuda a
Jurisprudencia militar.
Mrito do trabalho do Sr. Dr. Jos Antonio de
Magalhaes Castro, auditor de guerra da corte,
como autor de dous projectos de cdigos mili-
tares.
XV
Acho-me agora ua parte terceira, que se oceu-
pa dos crimes militaros, ou considerados tses
commattidos por paisanos; diztndo no
Art. 107. O paisano espiao, oceupado em es-
cutar e observar, no iateresse de ioimigos arma-
dos, internos ou externos.
Penasde priso perpetua com trabalho, no
gru mximo; de doze quaterze annos, n0
gru medio ; e de oito dez anoos no gru m-
nimo.
Segundo peosi o general Jomini um estado
pode ser induzido fazer a guerra.
Primeiro.Para reivindicar ou defender di-
reilos ;
Segundo.Para salisfazar grandea interesses
pblicos, taes como os do commercio e indus-
tria e tado que respeitsr propriedade das ua-
gee ;
Terceiro.Para sustentar visiohos, cuja exis-
encia fr necessaria para a seguranga do Estado
t a manutengo do equilibrio publico ;
Qusrto.Para cumprir eatipulagea de allian-
gas offeosivas e defensivas;
Quinto.Para propagar doutrinaa, comprimi-
Us ou defend-las;
Sexto.Para dilatar a influencia em poder por
mel da acquiaigoea necessarlaa aalvago do
Estado;
Stimo.Para saltar independencia nacional
ameacada ;
me.
dos nosso-
e advertiadj ou .
aquellea quem aarv
O direito da gentes admilte e tolera a e. \oj-
nngnm, julgando algunas raso* iaiUpoua .1,
para que o chefe de am exercito conhe i o
estado, posigo, forga e mais recursos d migo.
Mas essa tolerancia so pode ter lugar, quando
a espiooagem fr juila para orientar o governo
ou o chefe e nunca o ioimigo ; porque oeite ca-
so criminosa em conseqaencia dos prejuizos,
que acarreta ; prejuizos alias bem constderaveis.
Eotendem todos qae sabem alguma cousa de
direito internacional, que o Estado nao tem di-
reito de exigir am tal servigo, isto a espiona-
gem, excepto em casoa extraordinarios ; por isso
que elle reputado urna acgo ignominiosa, vil e
degradante ; mas que tem direito de punir, co-
mo fr de justiga, aemelhante procedimento,
quando praticado em detrimento de sua integri-
dade e seguranza.
Ainda que indigno e degradante o officio do es-
piao para aqaelle que o aprovelta, alguem ha
que o aconselhe mesmo nos caaos ordioarios, co-
mo am recarao qua tem por fim angodar com a
paga os mercenarios, que se qaizerem arriscar
servi-io, dando algumss vezes demonstragoes de
imparcialidade, procurando convencer ao ioimi-
go eousas que nao se do com o intuito de se
prevalecer da credulidade e indiscrigo delle.
D'abi vem qae a todos os publicistas e varios
eseriplores notaveis desde Xeoephonte e Plutar-
cho at os eontemporaneoa tm admittido eatra.
tagemaa, com tanto que nao importem violagSo
de um ajuste formal e abaso de confiangs.
Razes de sublime alcance levaram o Sr. Dr.
Jos Antonio de Magalhaes Castro nao omiltir
um castigo para aquellea quem ae refere o art.
108.
E como rConheee&uM vamos mal seno por
comparago com os parre mili adiantado? Exa-
minemos queja ae faz, fazendo a diligencia
para oa imitar, taires am dia chegsremos a egua-
lha-los.
Oa Lomen das duvidas se assemelbsm em to-
da a parte. Ls meitro nos paires adiantados, esses
borneo qae duvidam de tado quanto bom e
til, perguntario : de que servem es concur-
sos? E quaodo observaram a friera com oa prl-
meiros, foram recebidos pelo espirito de rolioa,
elleS disaeram entao triumphantemente : Os con-
cursos para nada aervem 1 Mas esses concurso
teodo continuado, afinal foi vencida a apathia e
o indiferentismo, e os borneo das duvidas, tive-
ram o desgosto de ver que elles aerviam para es-
timular o progresso e fazer desappsrecer a rotina,
Qlha da ignorancia e do iiolamento.
Os resultados de taes concorsos sao sempre
uteis, pois que elles pdem patentea aos olbos do*
lavradorea os bona fructoa do trabalho humsno,
guiado pela sciencia e pela experiencia, em lugsr
de ser dirigido ameole pela tradigo rolineira.
Os eoncuraos regionaea de qae vamos fazej
urna breve revista, ao oa de Nintea, S. Quiotino
e Albi.
Principiramos pelo deNantea, capital regiona
da districtos povoadoa por cultivadores condec
"os pelo seu amor rotina, e at certa po-
ca indifferenles a lodo o genero de melhora-
mentos.
Concurso de Nantes.
Eis o que diz urna testemunha oceular :
< Visitei com altango a exposigo de Nantes e
observei com satisfagao ama cresceote emulago
entre os propietarios e os rendeiros d'Oeste. A
vista da tintos animaos e instrumentos aperfei-
coadose um poderoso estimulante para os rendei-
ros que raras vezes tem occisio de observarem o
que se faz longede suas casas; Por pouco que os
proprietarios os ajudem, por meio de adianta-
mentos inlelligentes, o dasejo de melboramento
excitado por estes espectculos, elles acharo a
rotina menos obstinada, e o progresso gsohsr
terreno. Que os proprietarios fagam visitar os con-
cursos pelos seus rendeiros, e elles muito apro-
veltaro com isso.
a O paisano vendeano e o paisano breto, des-
acreditados por seu emperramento tradicional,
mostraram neste concurso de Nantes dispsiges
deum feliz agouro para o futuro.
Os animaes bovinos expostos excediim de 321.
A criagaodo boi e da vacca leiteira, formam, nos
districtos de Oeste, depois dos cereaes, a melho
parte dos productos da ierra. O milbo sarrace-
no e a couve de grandes folhas, occapa grandes
extenroBs do terreno, destinado ao sustinto des -
*es animaes. *
As ragas nintaza, chaloteza e partheneza offe-
reciam typos de notavel perfeigo ; alguns pro-
prietarios mais adiintados expozeram animaes
destas ragas cruzadas com as ragas inglezas de
Uurhame d'Ayr.
Finalmente a raga bretona pura e cruzada ae
achava tambem representada em numero e em
qjislidade de urna maneira mui animadora a es-
peraocosa. O jury dever-se-hia achar emba-
ragado para decidir-se entre tantos concur-
rentes.
Os animaes ovioos eram representados mais por
individuos do que por lotes, excepto o lote Sou-
th-dowos da princezide Bacciochi. Urna prince-
ja concorrendo com paisanos sobre rebanhos de
carneiros I O' tmpora 1 mores I
As ragas porcinas inglezas puras oa cruzadaa
COm a roca (iouuuci utfoiebiam v_* poj numeroso*
e bellos.
Entre grande numero da machinas distingua-
se urna ceifadora da um novo modelo, apresenta-
do por um Sr. Satz, que recebeu urna madalha
de ouro, e o celeiro movel de Mr. Pavy de Geral-
det de que j demos conta as noticias do Auxi-
liador de Janeiro.
O vivo inleressa que mostravam os paisanos
para estas machinas, diz urna tastemunha do con-
curso, era em P"te devido ao enorme vaaie feito
na phalange dos trabalhadorea rues, pelo cha-
msmento s armas.
< So nenie a Vende enviou ao exercito em
campaoha, tanto em conicriptos como em solda-
dos at enlo licenciados, mai de 2,000 parea de
bragos, e bragos dos mais vigorosos, e isto na ves-
pera das colheitas, para as qua* o pessoat
sempre insuficiente em lempos ordinarios.
A guerra, eminentemente destruidora para o
vencido, sempre urna cauta de ruina para o
vencedor. A agricultura quem roaia soffre em
paizes antigos e populosos, o que ser em paizes
novos e pouco povoados?
Nao ha porm mal que nao lenba um lado bom
Esta falta de bragos, diz a mesma tealemuoha,
faz pensar seriamente nos meios de os supprir.
Divemos esperar que esta eircumatancia aprea-
aar a adopgo das machinas uteis agricul-
tra.
O grande premio da honra foi conferido a Mr
Liazard, propietario de am bello dominio perto
de Saveney. Elle tinha 11 concurrentes, todos
proprietarios, todos teodo ltalo serios a essa al-
ta recompensa.
Estes fictos sao eloquentese demonstram urna
grande emulago para os progressos agrcolas em
Avergna a do Bodergae, e s planicies 6 tolli-
nas do Lsnsfdoc Septentrional e Central. Os Pi*
zes monlannosos nutrem as duaa ragas bovinss
celebres com os nemes d'Aolrac e de Salera. Ette
ultima d excellentea vaccia leileirsa, maao Ao-
trac produz animaea de tiro mui robuatos. Iro
carcter particular da cultura deitas regiea e a
applicagio das vaccis aos trabalboa do campo nis
trras leves. Os novilhos sao oralmente vendi-
dos aos eogordadores, que depois os vendem para
oa agougues.
Entre as ragas bovinas indicadas, di*tinguasa
a de Lazare, que boa leiteira, e produz os ex-
cellentes queijos da Roequeforl.
Quanto aos (porcos, geralmente elles sao mui
defeituosos : pernas grosssa e altaa, cabega volu-
ntse, corpo estrailo e achatado.
Nao obstante o estado pouco judicioso da cria-
gao, o concurso d'Albi offerecia um grande nu-
mero de bellos epecimeos desees animaes. Os
proprietarios desses paizes empregam grandes
seforgos para melborarem as ragas .
As cuitaras do paiz d'Albi, ainda que executa*
daa com meios iosufficientes, to todavia abun-
dantes productos.
Os cereaes, o milho, o shorgo, o faijo, as ar-
vorea fructferas, oliobo ea vinha,ao os ramos
mais productivos da agricultura.
O baixo prego do trabalho msnual, devido so
isolamento das grandea vas frreas, conserva
ainda nelles o uso dos antigos instrumentos ; mas
a prxima abertura de novas lionas de caminhos
de ferro, facilitando o transporte dos gneros, ele-
var o seu prego e por consequencia os salarios ;
desde enlo a coosequencia necessaria ser a
adopgo dos instrumentos apereigoados.
Mr. Guibal, a quem foi conferido o grande pre-
mio de honra, mereca asse premio pela applica-
gao qae fez ia suas trras de todoa oa aperfe!goa-
menlos indicados pela acianaia moderna.
As suas larras argilosas foram draioadas ; as
aguas das altaras foram aproveitadas para a irri-
gagode seus prados e repartida pelos campos
conforme as necessidades ; o gado, os instru-
mentos, os afolhameDtos, em urna pelavra lodos
os elementos de produego foram epplicados con-
forme as prescripyes da sciencia.
O premiado teve 11 concurrentes, o que prova
urna emulago mu activa nessas regies al ago-
ra recalcitrantes a'todi a innovago.
Nao mereca esse bomem por mais jusla razo
o titulo de duque, do que aquellea a qaem tem
sido conferido por haverem destruido horneas e
couns nos campos das batalhas ?
Ao destruidor os ttulos brilhante, a fama,
a gloria ; ao criador, ao bomem til do genero
homano, um premio obacuro 1 Assim anda a
hamaoidade I
(Do Auxiliador da Industria Nacional.)
Variedades.
Outros de egaal importancia dctaramo
Art. 109. O paisano que seduzir, oa tentar se-1 provincias ooded'antes reinava a rotina.
duzir pregas, qualquer das que zerem parte das
forgaa do governo ou do imperio para deserta-
ren) :
Penas de priso perpetua com trabalho, no
gru mximo ; de tres quatro annos no gru
medio e de oito dezoito annoa no gru miaimo.
Direi de passagem to somente que excessi-
vo o gru mximo imposto ao criminoao do art.
109 ; porque este nao revela peiores inlenges,
nem >guaes s daquelle que recebe espies ou
soldados ioimigos, cuja pena no gru mximo
nao de priso perpetua com trabalho. Direi por
ultimo, que carece de proporcio a pena do gru
medio.
Recife, 18 de julho de 1862.
Uanoel Januario Bezerra Montenegro.
(Continuar-se-ha.)
Concurso de S. Quinlino.
Este concurso foi, como se devia esperar, o mais
brilhante e o maia completo de lodos. Os depar-
tamentos que figuravam nelle, marebam afrente
da agricultura franceza em aeus phncipaes ra-
mos. A cultura aperfeicoada oellts estimulada
pela explorsgo am vasta escala de todos os pro-
ducios da trra.
primeiroa tena aa (ta|fika .mais ioeaao, porm
tem osis fcil commuaicagio C"> estreogeiro,
a evenfoalidade de algemas noticia* da patria, e
ama aocledade polaca mai numerosa; oa"
tros, mais isentos do servigo, tem ama vida quari
livre, porm livre no deaerto, tes coamunlca-
gopirafra da ma fortalezas, UPvsds que
possa tomar aupportaveis oa consientes"alien dos
da aolidio. x \
As ordena de deportares variando as diapo-
aigea, dfvidem oa coodemoadoa em diversas ca-
tegoras. Una aao privadoa de todos os dlreitoa
civis, outros somente de seas ttulos de nobrezi
para una est ioterdiclo qualqaer progresio; ogl
Iros podem sabir at o posto de officiil; mas
com a coodigo do nunca mais eotrarem na Po-
lonia. Entretanto, como grande favor, podara
obter licence para ver a familia, logo qae lenham
servido dez annoa na qoalidade de official. Ora,
sendo precisos das annos para obter ease posto,
nao ba quem ebegue a fazer valer os seus direi-
tos a essa irnica graga do Czar, e os que podea-
sem aproveita-la seria apenas para ver o destrogo
de urna famiUa dizimada pelos longos annos de
ausencia.
No lempo de Nicolu essas detengas de rigor
eram estrictamente observadas ; mss, depois do
novo reinado, os coodemnados esto ao arbitrio
doscommandantes militares, que cegamento
exercido quer psra bem quer para mal. Presen-
temente ludo negocio de capricho. Acontece
muilas vezes que aquellea que foram privados de
seas ttulos de nobrezs avengan mais do que os
que os conservaram. Algumas veres tambem
volam a patria os que foram condemnados a tra-
balho perpetuo como soldados, e sao conservados
em perpetaidade as classes inferiores o que
tem direito ao accesso.
Na Ruaste lodo funeciooario faz profi?5o da
desprazar a le, ainda maamo quaodo esla ama
resolugo do Czar. Urna daa conaequenciar do
despotismo crear por toda patte o arbitrio, ot
contra suas propria decisoes.
Elias Reonm'lt.
(7ndusfrie el Commirce Belges^Ulittes)
\
de
Agricultura.
Breve revista de alguns dos ltimos
concursos regionaes em Fraoca.
Para que servem estas revistas? Perguntar al-
guem. Quando ellas nao servissem para ostra
cousa, senlo para mostrar o nosso atrazo, laso s
j leria muita utilidade. Para avangar necesa-
rio convencer-se de que se est muito atrazado :
para marchar na via do progresso preciso reco-
ohece-la, sonda-la, examina-la com a conscien-
cia do qae se vae errado, e envergonbar-ae de
urna inferioridade geptorarel em um paiz cir>
Usado.
As dislilarias, as fabricas de assusar, de leos,
_j amido, etc., mulliplicam a riqueza industrial e
rural, comprehendida a crisgo do gado. Assim,
acha-se a cada passo, animaes aperfeigoadosqae
sao em outras partes do territorio o apanagio de
alguna habis agrnomos.
a>
A raga flameng, a maii eipalhada das ragas
bovinas, sustentou honrosamente a sua aatiga re-
plselo neste concurso, onda se achava repre-
sentado por um grande numero de individuos da
eseolha, tanto puros como cruzados, seja com o
Durbam, o Schwilz ou o Ayr.
As vaccas normandas, bretonas e bullandezas,
offereciam tambem magnificas amostrss. Os car-
neiros das rajas francesas ou inglezas affluiam em
rebanhos mais ou menos numerosos. As ragaa
porcinai de Middiesex e Wiodsor formaran) eguat-
mente um objeclo de urna bem merecida alten-
gao. A escola agrcola de Beauvais, to bem dii-
gida pelo padre Menee, obleve quatro msdalhas
de ouro por esses diversos animis.
O premio de honra foi conferido a Mr. Valle-
rand. Este agricultor agrnomo tinha SO concur-
rentes, todos agricultores emritos, e todos dig-
nos de premios. Os instrumentos e machinas, em
grande numero, todos ao nivel dos ltimos aper-
feigoameotos, nq offereciam todavia nada da
particular.
^ Concurso d'klbi.
Os depsrtamentoa que concorreram na exposl
As deportaces na Russia.
Quando os condemnados polticos da Polonia
percorrem nai condigei que assignalamos ; os
sleppes sem fim, que conduzem a Orembourg, seu
anico consolo eocontrarem-se no mesmo core-
boy com dous ou tres compatriotas.
Enlo aa mutuaa attenges, as animagoes, as
affeiges da desgraga, abreviam o caminho e mi-
tigan) os soffrimentos. Nessa cruel peregrinarlo
a barra de ferro torna-se um lago indissoluval de
amizade, e os corages permaoecem encadeados
ainda mesmo depois que sao liradas as cadeias.
Mas tambem com que anciedade sent um dos
viajantes correr-lhe nss velas a febre do comago I
A prostracao e a molestia vo separa-lo das ca-
deias que lhe deram amigos I Os outros susten-
tam-no com aeus bragos, forlificam-no com suas
palavras at que o mal o impede completamente
de se arrastrar at mais longo, e ofrga a eotrar
oo primeiro hospital, chorando ser ioterrompido
na csrreira de seu exilio. Ahi espera qae pssse
novo comboy, s nao espera mailo lempo, por-
que a Polonia foroece sempre novos conligeotes.
Muilas vezes aioda nao se acha de lodo restabe-
iccd<., _.o ;n.uio m na espersnga de ainda encontrar ali compatrio-
tas. Algumas vezes entretanto urna cruel decep-
co o espera : eenhum Polaco se acha no com-
boy. Huitos ha que tem tranaposto toda a dis-
tancia at Orembourg sem oulra companhia mais
que a de bandidos.
Em Moscow concanlram-se todos os comboys.
As prlses dassa cidade, alimentadas pelas pro-
vincias meridiooaas, esto edificadaa as eminen-
cias denominadas as Montanhas dos Pardats.
D'abi sahem duaa vezea por semana os comboys
que se dirigem para Yladximiezz, Novgorod e
Kazan, os quaes reunem ordinariamente de cem
a duzentos condemnados com que ae confundem
oa patriotas polacos.
De ento por disnte, para estea ltimos, torna-
se o trajelo cada vez mais triste. Em quanto
eslavam na Lilhuania, na Russia branca, pisavam
ainda o solo da patris. Urna vez tranaposla a
frooleira e passada Mescow, adeus Polonia, adeus
Europa. as margeos do Volga tado novo :
ou tro cu,outra vegetago ; e quando o exilado ae
mira as aguas desse rio, dapoi de longos meses
de horrivel perigrioago, v desvanecer-se todo
o seu passado nessas remotas regidas onde na-
nhama noticia lhe vira daqaelles que ama e que
o amam.
Entretanto aquicomega a melhorar a sorte ma-
terial dos condemnados ; pelo menos nao sofTrem
fome.
O camponez russo humano e caritativo. Ha-
bituado a todaa as iniquidades de um governo
desptico, nao er na justiga dos tribunaes, e
para elle todo o CGndemnado urna victima, che-
gando a ponto a aua lgica compaasiva de nao
fazer distinego entre o condomnado poltico, o
ladro e o assaasino.
Em cada cidade que passam os prisioneiros,
sabe o pavo ao aeu encontr, dando-lhea pao,
vveres, pequeas sommas de dinheiro am nome
de Jess Cbristo e da Santa Virgem. O comboy
escolhe am d'entre si que procedo irmimenle
partilha das eamolss. Porm o official e solda-
dos que formam a escolta liram de anre-mo a
sua parta, e ninguem se oppde s isso, porque do
contrario cariam alias interdictas.
Essas sceoas de caridade popular renovam-ae
em todos os povoados.
Em Kazan ha dous caminhos : oa Sibaria por
Eralhbourg, e o de Orembourg que vae para o
Oriente. Ah os futuros soldado de Orenbourg
daspedem-se dos condemnados & Siberia e aos
trabalhos forgados, e em poucoa diaa chegam ao
termo de sua.viagem.
Os papis que indicam a nalureza doa deudos
e conlm o decreto de deportaco precedem or-
dinariamente muito a chegada dos prisioneiros
Orembourg, de forma que estes sabem lugo o lu-
gar que Ibes destinado. Algumas vezes ha re-
commendages especiaes para este oa aquello ;
um deve ser enviado para oa lugares mais dis-
tantes ; oatro deve aer incorporado a tal compa-
nhia ou encerrado em tal fortaleza ; em larceiro,
como aconteceu com Mr. Sweczanka, nao deve-
na ler permisso de escrever, desenhar, ou
cantar.
Qaanto aos que nao tem recommendago espe-
cial, o msjor-general incorpora-os aos batalhoes,
em que ha numero menor de deportados, e im-
mediatamente faz aa convenientes participares
ao imperador.
Ha oito batalhoes do linha a que sao incorpo-
radas as victimas poltica, os quaes sao espalha-
dos pelas differentes solides que compem a pro-
vincia de Orembourg e o deserto de Kirghisa, que
se esleode do rio Oaral at o mar caspio e toca o
imperio klan chines.
Dous batalhoes esto constantemente em Orem-
bourg ; para os que tem de fazer parte delles,
chegada n termo de sus viagem. Mas para os
que sao incorporados a outros batalhoes ha aioda
a percorrer 600 verstes se forem para Twich,
1,000 para Protrowski e 1,500 para Pororosk, cas
frootelras da China.
Urna vez incorporados aoa bilalhoes ccmegsm
urna vida toda militar. Mas a situsgaa de un
difiere mallo da de outroa, conforme o Usar em
1 na flitam am Ornmhnurff nn nai ....;,,.. fli
RIQUEZAS MINERALGICAS.
Temos boje mais alguna pormenores sotrs ag
minas do ouro e azougae descobertaa no diaVricto
do Porto,
Segundo es esclarecimentos que haremos pe-
dido obter, o manantial de azougue netivode que
fillamoi em o nosao numero de 12 da abril pr-
ximo paasado situado no lugar de Casal-de-Pe-
dro, freguezia de S. Simio da Juoqueira, con-
celho de ViUa do Coode,elas mioaa de ferro aur-
fero e dequarizo aurfero encontram-ae mei legua
mais para o norte em Arcos e suas visiahemgas,
sendo todas de tal possangs, que podem fernecer
mil toneladas de minerio, de to boa qualidede,
que entra as respectivas amostras ama rendeu na
analyse a razo de 11 onga-s de ouro tino pir to-
nelada de rocha, sem que nesta bouvesse, ca-
ludo, vestigio algum visivel de metal precioso o
que lambem nao indispensavel.como explicla
excedente minerologia de Dana,, impressa eanv
Londres em 1855.
Temos sido informados por differentes viaa da
existencia nessas circumvisinbangas da outras mi-
nas de ouro, que j em tempo foram exploradas
ou que aioda o nao bavism podido a?.- era razo
de zelo pouco illustrado, ou antes da ciSsa aofre-
guido, com que os governos de oulrstr poca
estorvavam a execc;o desses traball.es. Logo
aliante no concelho de Barcallos ainda ha'cousa
de cem annos se lavrava outra mina que s foi
abandonada por falta de parseverengaf e de moios
como ae 14 em urna interessante memoria raanua-
cripla do noiso eximio Iliterato e erudito pbilo-
gogo, o commendador Senna Freitas, na qual ae
faz lambem mengo do ouro que os padias'do
convento do Bouro eslrahiam dasaras do Cavado
e ae aponte a notavel designago deProvincia
Ophirinaque alguna escriptorea antigos dersm
a estes terrenos situados ao sol do dito rio, de-
signacao qae se est looge de provar que foi esta
a verdadeira Ophir de Solom&o e dos Pheoicicr,
prova, comludo, com evidencia a nalureza abun-
dantemente aurfera da regio que mtreceu tas
antonomastico epilheto.
Sao bem conhecidos os extensotrabalhos sub-
terraneos que os romano effecuaram as ier-
ras qua uowuireui desde Villongo al Mel-
rea por espago de qoaai trea leguas, e qua
de cerlo lioham por objeclo a extraego do ouro,
como entre outras- muilas el rea mata neies, indica
a descoberls feila em 1834 e 1835 de moioboa
proprios para isio na tradas da Serra d* Santa
Justa e Cha do Cavallo-morlo \ exploxagio qua
foi descoolinuada|no porse acbarem exhaustas as
minas, mas por affeito de graudes crise politicaa
que nao permittiam j o amprego ntase gigan-
tescos trabalhos de abundantes populagoes ven-
cidas, prisioneiras e apenadas. A ruina chama-
da Castalio de Aguiar de Souzs, aituada prxi-
mamente no meio da linha quasl recta formado
pelos na morosos fojos ou pogos varticaea que do
accesso a essas galera subterrneas, era prova-
velmente um deposito fortificada aonde se i re-
colhendo o metal at ser cooduzrdo ao aeu ulte-
rior destino e aonde em caso de repentina in-
curso das tribus visnha, e ae acoihiam os
obreiros.
Mencionamos aqu essas anrigas minas, que
sem duvida con tribua m com urna parte dos
30,000 marcos de ouro que os romanos travam
anoualmenle da Galleis, das Aituriaso da Lusi-
tania, pela notavel circunstancia de que prolon-
gando para o quadrantedo oorle a dita liaba di-
rectriz dos Fojos, ella acompantia sempre, a faxa
de schistos de Vallongo e vae passar pelas mioaa
agora manifestadas em Arcos o oo Moote-de-Ca-
saes, como se pode verificar confrontaos [depoia
de reduzidoa a petrp cornmam) e mappas geo-
lgicos de Lharpe (Quarlerly review of lhe geal
aoc.) e do Sr. Carlos Ribeiro (Memoria eobre as
minaos de S. Pedro da Cova); sendo per conse-
guinte provavel que os filoes agora eaeonlratoa
sejam os mesmos que os antigos laborara m a qae
hoje poderam novamente s%-lo com vantagero,,,
por isso que, ae nao temos obreiros gratuitos, te--.
mos superabundante compenaago nos a pe, fe.-.
goados meios e methodos modernos, quev ae>
traclivos, quer metallurgicos, os quaes sir ojo
ludo na explorago de taes minas, como se-tem
reconhecido as de Vigra e de Glogan (Inglater-
ra, paiz de Galles] onde se acham mouladas. ma-
chinas capazes de pulverisar 40 toneladas.de ro..
cha por dia (lilustraled Lond. New, 4 jack.18611-
poia nao aa trata j de palbetaae mesme pepitos)
de ouro colhidas as reas ou n'outros depsitos
alluviaes, mas sim de atacar as rochas d'onttd
aquellas proveer ou de que sao cajunes sur.er-
fetagdes, rochas cuja existencia esa Porta-gal j
era positivamente asaeverada peUKocve).pedia
Britannica na eleigo de 1842.
Ser, pois, grande pena soe.ontimiarem im-
productivas estas nossas Tiquetes, e por isso cubj.
pre qae o governo pela sua pa-rl facilite pela ra-
pidez de suas providencias o. insl-.urago dos trzj-
balhos que devem fazer apiovei tSI a esle feCua.
disimo paiz etses perdidos tb esouros, e que ata
de sua directa utilidade, pr.estaro a sciencia. II-
ges geolgicas da subid'j interesse e abundan-
tes eapseimens miuora'.oglcos, (amostras de bis-
mutho, cobalto, lineo, manganez, etc., vimos na
jcolhidiserx voUa de Arcos), e quig mesm
podero. occcaionslmenle dar lugar a descoberta
de cuitosidodes archeologicas. em qe abunda
eta nossa. provincia inleranaenecse, lao digna
aas sertas irvesUgaooes dos bomar.s da sciencia
em gsral.
[Poltica Liberal.)
cao d'Albi petteociam ii regioes monUahosa! do ] que Bcan: em Orembourg oa d;s provincias. Os
PARN. TTP. DS M, 1\ DB tkMk rlLH.1852;


i
-

,J

m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEN6K8Q70_KES5TM INGEST_TIME 2013-04-30T19:57:28Z PACKAGE AA00011611_09572
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES