Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09569


This item is only available as the following downloads:


Full Text
p?
1110 XXXVIII. IDU10I62.
y-
<

\ '

.1
HUTA fEHA Ifi BE JB|BO DE Itli
Ptr mi a.iuta.o *1HM
Forte fnwmjvn nhUtrlfUr
I4RI0
IDOS DA SUBSCRIPTO O NORTE
Parahyba, o Sr. Aatonlo AlCxandrlno da Li-
na; Natal, o Sr. Antonio Marquei da Silva;
Aracaty, o Sr. A. da Lemoi Braga; Cear o Sr.
J. Jet da Olireira; Maraohio, o Sr. Joaquim
Marquee Rodrigue*; Para, Manoel Pinhiiro &
C; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PARTIDA DOS CORRKIOS.
Sr.
IEGADOS DA SUBSCR1PCAO DO SOL
, o Sr. Claudino Palcio Din; Babia
Martina Alraa;
aira Martina.
Rio da Janairo, o Sr-
IIPHESiERIDES DO HEZ DE JULHO.
4 Quarto araaaaota aa 8 oras e 30 niatos
manhia-
!t La abala aoa 2 mlnutoa da nanhia.
18 Q a arto minjr, tanta ai 2 boria e 32 minutos da
tarda.
*6L..noT...6bW....inoa.d...n.
Cabo, Serinhiom, Rio Formoao, Una,Barreiroi PREAMAI DE HOJE
Agua Preta, Plmentelraa a Natal qoictaa elras. Primeiro a 7 boraa e 42 mnalos da miabas,
(roaos oa crralos partam a* 10 horas da manta;Segando aa 8 Moras e 6 mnalos da
ARTE OFFICIAL
tai
GOVERNO DA PROVINCI.
lente do da 12 de junde de
86*
So ao director gersl da ioilraccao pabli-
*m poder ter eiecucao oa arts. 6 e 11 da
de 10 de jaobo de 1861, haja V. S. de
am ooro plano de estados parao gymna-
rincal, a as alterabas qaa deva sollrero
"auto do mesmo estabelecimeoto.
presidente da relagao.Sira-se V. S.
'or o seu perexer sobre a materia dos
iaiz de dirailo da comarca do Cabo
I do correle, e do juiz municipal do
mesmo come de 10 a SO do mes pas-
aado iwm referencia notneicao da escrivaes
~ieamo termo da I-ojuci.
iospecior da th'eaouraria de fazenda.
onvenientes exemet, passo s mios de
Inclusa copla da acta do conselho admi-
do arsenal de guerra datada de 4 do
iao mesmo.Estando em termos o recibo
pbm duplcala, que me foi remedido pelo
rifjafeiro commandanle dai armas com officio
lemjklm 0b n. 1352, mande V. S. levar em
conta so major commandanle do corpo de guar-
niclasiesla provnote Herculano Sancho da Sil-
va Podra a quanlia de 45 por ella despendida
com O transporte de 3 pracaa que vieram em
aerrico esta capital.
Dito ao mrsmo. Devolvo i V. S. os papis
que vieram annezos sia informacao de 30 de
jaobo ultimo sob n. 585, sflm de que, da con-
formidade com o parecer da contadoria dessa
thesouraria, mmde pagar ao aargenlo Joaquim
do Barroa e Silva, visto assira o haver requisita-
do o chefe de polica n.o officio de 29 de Janeiro
desla anno n. 144 lmenle a quantis de 128900
despendida pelo delegado do termo de Carnar
com as diarias abonadaa aos recruias Jos Igna-
cio Gomes, Manoel Lopes da Silvs, Antonio
Taroaade* da Mello, Antooio Joaquim Caetaoo,
"francisco Ribeiro o Maoosl Soares Teisaira
*~am oraca os qaatro primeiros no extr-
doue ltimos na armada, como se t
aces aonezaa aos meamos papis.
mesmo.Conformando me com o pa-
pur cpia> do deiembargador proco-
roa, fazenda e soberaoii nacional, ha-
" mandar pagar ao promotor publiso
ia do Llmoeiro baibarel Casar Ociavia-
livaira os veocimeotos que deJxot da
relativos aos dias decorridos de 9 a 12
ltimos.
mesmo. Transmiti V. S. os in-
clusos documentos, sflm de que, estando el I es
om t ts lgaos, mande pagar ao gerente da
Comps Ha Pernambocana, que assim o requisi-
tou em oficio de hoolem. a quanlia de 2919200
'* P^ P*Dle de diversas passageoa por coots
do ministerio da guerra bordo dos vapores da-
quell* panhia, como se vS dos mesmos do-
cumentan.Communicoa-ieao gerente.
Dito aa oipector da tboiouraria provincial.
A Joio Carlos Auguato
pagar no mar de junho ultimo, ccm a alimeiecio e
ditaa dos presoa pobres da casa de dtenlo,
urna i z que eslejam nos termos legaai o in-
clusos documentos que me lram remelildos
pelo IB de polica interino com oficio de
honten, sob n. l,066.-Communicou-seao che-
le de polica.
Dito ao mesmo. Recommeodo V. S. que
estanda era termoi legaea a inclusa conta, man-
1 P* Joo Jos Ferreira de Mello, ou
4 sea procurador, cooforme solicilou o chefe de
polietajoterioo em officio da hoolem sob n. 1068
a quanlia da 335*400 rs despendida com o sus-
tenta dos presos pobres da esdeis do Llmoeiro
nos aezei de abril a junho deste anno.Com-
municou-se ao chefe de polica.
Dito ao commandanle do balalho o. 44 de in-
D-nlL da 8e'da nacional do municipio do
Rio fjrmoio.Em resposta ao officio que Vmc.
me dirigi em 2 de maio ultimo, tenho a dizer-
lhe qae, tendo o meu antecessor, avista da to-
dos a Bapeia qua lhe foram presentes, expedido
P a de 13 de margo deste anno junta por
opte, a nao sendo regular que Vmc. deize de
dr:lni execucio, baja de deferir juramento ao
I da 6.* companbia do batalnao sob seu
commando Francisco do Reg Barros Goisbeirs.
coa< a mesma portara se determina.Com-
munieoa-se ao commandanle superior respec-
DJto ao commandanta do corpo de polica.
no alllU2e. 00 aUeitsdo Joo a seu officio n.
juadesta data, maode eogajar oa aeecao volante
do corpo sob seu commsndo, o psisano Francisco
Jos do Nascimento.
Dito ao juiz de direito do Pao d'Alho.Nio
navendo modellos para as informaces exigidas
pelo art. 38 do regulameoto n. 120 de 31 deja-
cetro de 1842. nam para oa mappas que os pro-
motoree publicas devem prestar de seas traba-
Ihos meosaes, campreque astea sejam or'ganisa-
dos de conrormidade com o aviso do ministerio
da juanea de 6 de oovembro de 1854 junto por
copia, s) aquellas de conformidade com o artigo
do ragsjlamento qua as exige.
Por asta occasiio lhe remeti copla da circular
expedida em 19 de abril de 1858, para execacao
do aviso do ministerio dajuatica de 23 de marco
do mesmo anoo, a&m de que Vmc. observe o
qna neils se determina para boa organaacao dos
mappsa semestraes exigidos no mesmo sviso.
Assim Bea respondido o seu officio de 26 do mez
psssado.
Dito ao delegado de Papacaca. Intairado
falo *eu officio de 25 do mez passado do estsdo
da epidemia do cholera-morbus nesss freguezis,
e tendo em 3 do crranle remellido i Vmc, urna
ambulancia de medicamentos psra soccorro dos
indigentes, tenbo a dizer-lbe em resposta, que
se frem oecesseriaa novas providenciaa me par-
ticipe, alim da proceder-se como (Or eonve-
nieote.
Portarla.Oa Srs. agentes ds Compaohia Bra-
seira ata paquetea a vapor mandem dar trans-
porte psra a provincia da Babia por conta do
minutario da guerra no vsporqae sa eapera do
noria ao soldado do 8. baUlhio de inantaria
imael los Santos Nonsto, que val reunir-ae ao
ssu corpo all estacionado.
Dita.O presidente da provincia, attendendo
' raquereu o primeiro cadete da compa-
mT tfe"T,"8ra Costino Cirneiro de Ai-
" tf*ve oneofler-lhn trea mezes de li-
T'oWa^V d0 "' ,06 d0 gln>eoto
?^S EaW>' loo de 1860, para tratar
d.'J,"1 ***/de 'ra d* C8pital- e flenl" d P-
tda'*' ** c#mn,BBIC01', o commandanle das
Sr.
Jos de Barros Correa Selle.Informa o
inspector da thesouraria provincial,
Joaquim Manoel de Oliveira a Silva.Informo
o Sr. inspector ds thesouraria provincial.
. Joao de Lima Freir.Junta folba corrida.
Jos de Moraes Gomea Ferreira.Volte ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Manoel Colho Cintra. Passse-se portera
concedendo a licenca pedida, com vencimentos,
na forma da lei. -
;$
r-AB/rio* dos VAron3 costeiros.
Para sal u Alegoes i 5 20; para o aorta
ata a Granja 14 a 29 da cada m..
rARTlOA dos osiniBDa.
r"2 ***e i o Apipucoi s 6 Ii2, 7. 7 l|f, 8
i.8 l|94f >; de Oha a 8 da m. e 6 da t.; de
JboMm- a 6 i |2 da m.; do Ca*an a Yanta
a 7 da m.; da Btm/le s 8 da m.
Do i para o Apif%coi s 8 lit. 4, 4 1|4,
4 lsS, 5, 1|4, 5 1,2 a 6 da t.; para alinda a 7
da as. 0 8 1|2 da i.; para Jaboato a 4 da t.; para
o Cmani Vtrtta a 4 Ii2 da I.; para BtmfUa
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNA t DA CAPITAL.
Tribunal do commerelo : segundas a q ala tas.
Rslacao: tarcas a aabbadoa s 10 eraf.
Faxanda: quintan s O boraa.
Jutzo do commerelo : sagradas ao malo da.
Dito do orphlos: tercas a saxtaa s 10 horas.
Primara vara do cval: tercas a axtasaa malo
dia.
Segunda vara do aival: q tarnt aabbadoa l
horada tarda.
DAS DA SEMANA.
14 Segunda. S. Boavenlura b. cari
15 Teres. S. Gamillo de Lellia fand,
16 Ouarla. Nossa Senhora do Carm.
17 Quinta. S. Aleizo; S. Vicloriaoo a
:18 Sexta. S. Marinba v. m. ; S. Rufin
119 Sabbado. S. Vicente de Paula ; S.
20 Domingo. O Anjo Caslodio do imp
ASSIGNA-SE
so Reeifs, em a livraria da praca da Indepan-
dencia Di.6e8,doa proprialarios ManoaFfnW-
roa do Faria 4 Filho.
EXTERIOR.
eejfaehos do da 1 de Jalao.
Riqu$ritn$ntoi.
Antooio Jos da Silva.Informo o Sr. Dr. jale
oMcipal la primeira vara desta cidada.
Cosms Francisco da Enaatoltao.Informo o
Sr. Dr. chefode polica.
Doraiogosloaquim da Silva. Informe o Sr.
|1 dasts cidade.
do Bandaira. Certifiqae o
Dr. Jais mi.
Francisco!
que cenata
itoftfiL
peciOTdsthi,______
lanocoocio Montal
elseo.Informe o Sr. ios>
Tjmnelal.
rif^vini01""608''
Joaqolm Ferreira da Araojo Gaimariei.
foca o Sr. inspector da hneour
al.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Braxellas. 4 de junho.
Teocioosvs fallar-lhe nesls correspondencia a
respeito da Allemanha : porm mudei de pare-
cer. Acabo da recebar ama carta do Moacow de
am mea amigo, a qual ioteresssr mais aos
seus leitores ; porqne explica a sigoiflca;o dos
movimeotos incendiarios, cuja notieia alterado-
ra nos fei traosmitlida pelo telegrapho, e torna
palpaveis por aisim dizer ss raides secretes des-
se flagello que se deseovolve no vssto imperio
doi Ciares.
Para melhor comprehender-ie o qae se segu
devo di ter que hsvis eu pergantado a esse ami-
goae elle acraditava aeriamente qae a Rosis
proseguisse na sua poltica oriental. Eis s res-
posta :
No meio do cbos em qua se atropellam urna
mullidlo de questes polticas as mais inexcru-
tavea, e quede um a outro extremo do mundo
poem milhares de penoss em movimentoeis que
apparecem os correspondentes de Paria dizendo
que estamos anda smesgados com a reapparico
deass qnestso do Oriente, de todas a mais srdua,
e a mala complicada. E como justamente se sap-
poe haver ama secrete iolelligeocia entra a Rus-
aia e a Franca, succede que ae tenia aberto o
campo a coojecluraa e combini^oaa bem atrev-
dss e temerarias.
Entretsnto vejamos se esses raaeios oa essss
esperances, como quizerem ftudo depende do
ponto em que se collocar o observador) estao
bem parto de Iraduzirem-sa ea fsetos.
Ogoverno rasso nao pode seriameate panssr
enr*suscitsr d,e prompto a queatao do Oriente. A
crise por que l^wa.yvv.lm.oie o paix nao da-
queiias que ae possa sp"-*** < provo-
" -1-- uemanns anda nai era
mais uu que urna aassa iaerte e ccm ventade,
urna cousa da que se dispunba bailo prazer ;
esse povo nasceu no dis em que o Imperador
Alexandre II, subindo ao tbrono, proaeguio com
loberbo vigor e energa a obra da reforma so-
nbada, e apenas bosquejsda por Alexandra I.
L se vio aele aooos, a a Rossis mudou de
aspecto a de carcter. Este imperio paralyssdo
sob o jugo de ferro do despota Nicolao se aeba
agora ebeio de aoimaco. O sopro poderoso da
liberdade passou por asta paiz ; ella agltou-se,
:*a
volucio.
A abulicao daa eervos srmou o nobra a o cam-
ponezum contra o outro: o primeiro lastima a
parda dos seus privilegios, o segando, qussi no
estado sel^agem, quer nao so libertar-se o mais
dopresia poasivel, como timbem cooservar as
suas Ierras para o trabalho.
Dahi naacsm de parle a parte as retriminscOes
violeotas. e aceusagoei mais que injustas contra
agovaroo a contra -o imperador. Nao obstante
Alexandre II nao esmorece ; nio o fazem esbar-
rar nem as ameagas, nem os clamores. Anda
mala : nao quiz limitar a sua ac$o a assa nica
reforma que entretanto taria bastado para tornar
floreacenle o seu reinado. Creando am povo
desejou que elle aprendessa a ser llvre ; e cir-
cnoicrevendo pela inslituico de am conselho de
ministros com paita a saa autoridade de impe-
rador at entao illimilada, nao hesitou deste
modo abater cooaidaravelmenle os obstculos
que se oppunbsm libsrdade da imprensa e da
tribuna. Sob sua inspiraco a inatraegio publica
soffreu urna transformado completa e Balotar :
j nlo se eosios na Ruaaia como oulr'ora a obe-
diencia pasiiva ; nao ae sernos joiaa para colher-
se cardos.
cididamente sa acba condemnado am toda a
parte.
P. S.O rei Leopoldo depois de aoffrar urna
recahida, que muito faz receiar-se pela aua vida,
vai agora melhor.
Pars S4 de jonta.
Nestes altimos dias se tem a Franca oceupado
do sea estedo da finsogas, a da slOjr* jo ao
Mxico. Alai do ornamento absorva o* traalhos
do corpo legislativo, e d. lagar s questes de
primeira ordem, cuja aoluclo eonventionoa-ae
chamar ramete do edificio.
Em primeiro lugar sabo-sej qoo ogoverno
nao est disposto a anteceder urna hora ae quer a
reno vacio da representado do patz : os deputa-
dos terio pois de execatar at o flm o mandado
que lhea foi confiado em urna poea, sps da qual
ae ha modificado tio singularmente o estado de
c ousss I
Por consaguinte sobrs tinda lempo para discu-
tir-se acerca do regiman daa candidaturas offi-
ciaes e da pressio eleitoral, acerca da aitoacio da
imprensa e doa inconvenientes de ama autocra-
cia administrativa qae tem infelizmente substitui-
do so syitema de aalutar decentralisacio.
Tendo-se pedido e votado am crdito de 15 mi-
Ihes ooticia de urna derrota soffrids no Sni-
co pelas tropas fraocszas, provsvel que as deli-
berares sobre o ornamento rectificado trsgam al-
guma luz para esse negocio que se acba tio obs-
cura.
O qae ae passou em Roma Pontifical pouCoecho
produzio na Franca, e os bispos vollaram ssuas
dioceses, sem que isso produzisse matado que
am leve rumor nai provincial Conbece-se per-
leramente que o paizj est muito cangado dessa
qaasto romana ha tanto lempo indecisa.
Maia alguna incidentes que ltimamente occor-
reram oo parlameotode Kerlio, algumas veleida-
des do movimeolo ds Europa oriental eis em
poucas palavras os fsetos importantes da ultima
quincena.
O corpo legislativo comegou na disenssio do
orcameoto 16 do presente mez. Passo a dar os
prfocipses resultados dos longos trabalhos da com-
missio.
O orcameoto ordinario pars 1863 fora apresen
tado com o augmento definitivo de 71,461,105
francos.
Por ama serie de modificscoes sdoptadss, e
que foram aceitas pelo cooselho de estsdo, s com-
missao reduzio esse augmente em cerca de dez
milhoea.
A cifra definitiva a total das despezaa do orea-
metilo ordinario ae eleva agora a 1,720,271.078
fr. O orgamento extraordinario aoflrau arma re-
d5.a.0.<, <,esoe milhoes e mel, e boje de
121,114,500 fr.
Se compararmoa eataa duaa cifras tolalidade
das deepezas de 1862 (orcamento votado e orna-
mento rectificado) resultar em proveito de 1883
ama diminaicio de 125,991,650 frj_
Aa economas adopiadjs,^rmUtliram" qa' "i-I
commissao podesse supprimir 0 imposto eddiclo-
oal sobre o sal, supnrsio na qual o governo
consentio. ^-s
Para eontrbilangar, porm, a eommiiio aio
"itar da propor a aalapeta da eUneJno do
imposto mui recenlemaote abolido. A eate reapei-
to ella ae declara impeliida c paisa necesatdadae
hnancelrai quar do orcattealaa rectificado de 1862,
quer o de 1863.
A commissao sdoptou igualmente o augmento
do preco do papel sellado, e as medidas relslivas
a algtni sutos de processo ; eviiou am imposto
sobre as quitscoes e as fscturss ; e restabeleceu,
anda que temporariamente, a decima por dupli-
cas sobrs os registros em substituido do syite-
ma propoato, respeito do qusl pede so governo
que faga um nevo estado.
O direito sobre os livros dos agentes de cam-
bio foi reparado de maneira a tornar-ae menos
oneroso em cada especie, e mais productivo no
todo.
O imposto sobre cavallos e cerrasgens soSreu
tambem importantes modicasoes : as commu-
pss para baixo de 1,200 almas nio ser abso-
luta menta applicado ; as de20,000 simase dabi
para cima nio ser applicavel s carraspeos e ca-
vallos empregados em parte no servico da agri-
cultura, oa de alguma ioduBtris conhecids ; e fi-
nalmente nessss communss psra cima de 20,000
almas so meo te ser devido dos cavallos e cerrua-
gom meio imposto.
A eliminado de cinco milhoes de pequeos
contribuimos desapparecea. Sem desconhecer o
peoaamento generoso desse projecto, a commis-
aao aoleodeu qae nio poda anda mostrsr-se li-
beral, qaando era fcil eotrever-ae a necessidade
.------------de mpor sacrificios mltiplos o coosideraveis a
na Kussia os descontentes ; e, como cima dis-ioetroa contribaiotas am maior escala, mailos dos
os, o bre e o campnos se jolgsm com di- Tuses nio sio menos digoos de interesse a soii-
E' claro que semelhante transiccio podia dar-
se sem violentos sbslos e pangos : nio tio f-
cilmente qae se paisa de um rgimen aatocratico
para o da ama libardade relativa, E poia na -
gaem admire qae apesar do progreiso consuma-
o'o.ou antes por causa meamo delle, abundem
reito de queixsr-se do imperador, e os fuoccio-
narios clamem igualmente.
O reinado da corrapcio ebega a aeu flm : a
venalidade e a suzerania, oulr'ora tio frequen-
tea na Ruisia, a que aa haviam inoealado nos
costumes dos Russos, hoje se veem seriamente
perseguidss ; os fuoccionarios do ora am disnte
davem vivar dos seus vsneimentos : maia ama
serie numerosa ds descontentes, a qae se juo-
tsm os commsrcisntss qae lsmentam amidi-
teccio dos negocios.
E finalmente todas asas crilicaa amargas, a
apafxonadas recriminagoes vbo anir-ae a voz da
democracia alimentada pelos Rumos rasidentes
em paiz extrangeiro, espalbaado na Russis ideiss
republicanas e socialistss, como faz Herlzeo com
o sen $ino (jornal rusio publicado em Lon-
dres).
Assaltado da todos os Isdoa por taes difflcal-
dadea o imperador Alexandre II commetleria a
loacura de proseguir na teotaUva da Nicolao, an-
da mesmo com o auxilio de Napoleio III ?
Nao o eremos ; e fazemos mil votos psrs que
Alexandre II continu na aua obra grandiosa sem
dar ouvidos s (ataes recnmioac,en de ama ca-
marilha de reaccionarios, de qaem alie nio tem
querido separar-se por piedade (exagerada sem
duvida) memoria de seu pai.
Infelizmente a auiencia do grao-duque Cons-
tantino sarvir de reforear de am modo singu -
isr em p balan ge ambiciosse intrigante. Nesse
ponto de vista para lastimarse a nomeago
do grao-duque para governador da Polonia, A
influencia dessa principe, sinceramente dedica-
do ao progroiao, quaai. indiapenaavel am S.
Peteraburgo, para contrabalangar a obra inrra-
teira da camarilha abiolata.
S a necessidade indispansavel de pacificar a
Polonia, aioda qua preciso fosss restitair-lhe a
aoa autonoma, s esas neceiiidade, figo,* obri-
gsris Alexandre II a privsr-ss actualmente de
aeu irmao. O ultimo facto 6 mais urna prora
da que a queatao do Oriente esperar aioda mui-
to lempo a sos solujao, a continuar a conservar
o sea carcter de enfermidada catonice, o ac-
liga.
Depola qae foram escripias eitai lnhss o ter-
ror comecou a reinar ea S. Petersburgo. O in-
cendio altama com o seu clerao ainistro eass
cidade qaa qnerem reduzir ruinas : ludo
aovimeato, tudo conjarscio. Esperamos to-
dava qae Alexandre II nio parca a cabeca no
taelo dessa labyrintho, e qae aatba reaiatir aoa
exrorcoa aomblnadoa da aristocracia da demo-
cracia.
A carta qaa precede nio oa leitorea ao facto
das causea que deram lagar aos secntecimeotoa
da *. e qaa ate primeiro acto da ama
immeoss tragedia, que prete representar-se as
asrgens do Netva. r o mando valbo qae lata
contra o novo ; a pola ha raala para agua
eataclvias. O raaaUudo na* aat
iror ie aa teglai% afio^tte*, f
irdar-
cltude.
E' plsasivel esse acto da com minio ; mas sem
desconhecer o valor do motivo allegado por ella,
diremos que oatro ha mais preponderante. A eli-
minado era contraria -i verdadeira noci de
igualdade, isto ao t Atflpio fundamental das
democracias. _r
A commiasio dopoia de haver dito qae c o go-
verno animado de melhor espirito de concessio
so tem procurado, como ella, o bem e a ver-
dade sem obstioscio e susceptibilidades > ae-
crascenta :
c Nio queremos innovaces ; queremos com
exactidio o direito de inquerito e o equilibrio
real ; queremos, emflm, sabir da vereda de mero
expedanle, e entrar no verdadeiro lyitenra floan-
ceiro. Aps a gloria, aps o aaplendor da paz,
vamos fundar aqaillo qae fsz a aolidariedade, e a
duracio.
Ea ama linguagem qae merece ser applaadida:
infelizmente, porm, o corpo legislativo nio tem
o lempo, qae era de desejsr, para meditar e dis-
cutir soba os relatnos imporlsntes e volumo-
soi, que lhe foram distribaidos. A sessio foi pro
3? V1*.87 corMnl. discussio deve ter-
minar deolro dessa prato.
r.i? come5o a 16 por am di,crio de Mr.
ihi. fV"** '0 o imposto dos rditos,
tese completamente impopular na Franca. Lou
a-apota o corpo legialativo receban a commtnha-
eao do projecto pedindo os cinco milhoas de cr-
dito extraordinario psrs a sxpsdicao do Mxico. O
voto foi immedislo.
Aps ella um dos tinco Mr. Ernest Pccard
aprofuudou a qaeatio convidando o governo e a
cmara ao ayateaa de economas : ao que Mr.
lVg!*..r#,poot,e* 1" eiB ,t0 de economa se ti-
nos feito o qaa era possivel fazer-se, sendo indis-
'!MT^0J"im5qlod,r,ceiu- AB"> endoors-
do Mr. Dsrimon foi pronanciado o encerramento
da discussio gersl.
Foram igualmente submeltidos a votos e adop-
tados es orSamentoB doa ministerios da estado e
dai justica ; a no ontro dia oa dos mioisterioa do
interior e das floancaa.
Por eaaa oeeaatio oa meabros de opposlcio
trouxeram frente aa Importantes qaeatdee, que
ae llgam ao rgimen da impranss, ao systema da
pressio eleitoral, ao despotismo sdmiotstrativo, e
ao importante capitulo da segaran^a publica. Fo-
ram eolio pronuociadas expresioes que nio poa-
sivel que fiqaem sem echo. Mr. Baroche incoa
bio-aa de reapondar.
Em seguida foi discutido o orcamento do mi-
nisterio da guerra : o da discussio resaltoa que
fosee conservado a qaadro no catado emane ae
schavs, da 400,000 bomena. sea fszer-se a rea-
paito dalia a menor economa.
Chegando a ye do ercameata oa mioistsrio da
cao publica, saaeiuraaaa geoeroasa ra-
oham a aanUaanto, da
fi-
. Segola-aa o ornamento ds agrcultara, commer-
co o Wrm publicas.
T rateada'deesa grava qoesti relellvs ins-
truccao aaMica, digamos logo qua os partidarios
da losscaccBo primarla obligatoria no esmorece-
rn! anda.
Neste armonisaram noraweote do direho aons-
tttaaeaaf 0>peU;io,com qo no senado demoos-
tr>/**>^"Batata dessa reforma capitel,
Saea*laa)ra- aoviaento nae poda derzar da ee-
tander-se rorhficar-ie : sepessarmos trosuffra-
gio uoirenal. ehegaremoi a encarar como naces-
aaria lawtrucco primarii obrrgatoria.
Entrttanta o senado persiste na sua recusa, e
a peicio paasoa ardam do dia.
Contfaaaa a ees es mesmaa a objecedes op-
postas, tata que a ioatroccio obrlgaiora vai fa-
rir a libardade da cemmane, a a libardade do pai
de familia : demaia, qae as familias- pobres a ss-
sutencu doa meaiaos anda oa mais pequeos
pode ear aacaaaaria a seui paia, e por esse Isde a
ostrucQie obrigatoria ameaga a familia na aua
existencia. Tado talo- nao passa de argumentos
capciosos.
As familias taem so seu alcance institaiedes
pertancenies so caito qua professam. A auto-
cracia do pai de familia tamperada a muiloares-
peitos pala lei nio poda ler ameacida por esse
Isdo. E Doslmenle all, onde a conscripcjM mi-
litar priva a familia doa bracos adultos a valioaoe,
pode-sa dizer qae urna aem-razio obrtgar-se a
requeatar as escolas meninos aioda na in-
fancia?
A instrucco primaria obrigatoria a eooserip-
qo do stogresso a da liberdade: nio sem razio
qu* claaacio at que Baja comprebendlda e ss-
tiafeila eana oecessidsde urgente daa aoeiedades
moderosa. Neste-ponto a estatiatica tem tambem
a aua elocuencia: de maia de cinco milhoes de
meninos capazas de reqaantar aa aulas primsrias,
nao as frequeotsm qussi 1,200,000.
A Franca nae deve recuar parante sacrificio al-
gum para abrir ua numero sofflciente de escolss,
e pagar oa profesBores necessarios. O seu orca-
meoto da paz e do progresso nio deve ser negli-
genciada o paaso que se d a malor expansio so
orcamaalo da guerra: a victorias que convm al-
canear-ee sobre a ignorancia das populacej sao
igaitmeata gloriosas, sio igualmente fecundas.
E locaajdo ansie ponto c?rre-noa o dever de
apontar palo meaos o seguiote ficto importante :
acaba de sor noaeada ums commissao para or-
ganiaar o eosino industrial a commercial. Esta
medida foi adoptada em vlrtuda de um rotatorio,
qae o qaadro mais brilbante da ailuacio presen-
te da unioanidade ; onde ae aappde chegado o
momentcJBe sa oceupar de um ramo de eosino
que, col. do cima da ios trucha o prtffisrt; er-
vedelig la iostruegb aecundariV dada nos
collegio lycaaa.
Tralajd. atase poaino ***' -.9, a^sjAem p>
f'ZaaV^w "tOn'U .- TtvBa7a~hta-
0 VS*ograpnia pratiea, as scienciss
oqbe$ ds industria a do commer-
. o deaanho.
O corpoJlagiilativo termiuou a 22 desle mez s
discuasio*aalerada do or^amanto das despezai, e
a disaiMiaBp armamento das receilas, que foi
'"JBffi*1* WJ*Macetad, fornaca ao governo oa-
easiaode esMlicaa-aacobra a expedido do Mxi-
co; pota a WTr-* aoolio a intereiiar-se muito
atoos **fWOfyj Mxico, o tempo de dar-se
a coobe- ao F-blico os fundamentos e alcance
das .. ^coes rancazas.
Dizem qae quando a bandelra tricolor fluctuar
nos muros do Maxieo, o governo francez reconha-
cera quenada maia reata a fazer-se all senio re-
gularisar a qaeslio de indemnisaedes.
A derrota eoffrida pelas tropas frsocazas altra-
bio coro eapecialidade a attengo publica, bastan-
te inquieta a eate respeito. Parece qae a exped -
cao mexicaoa inaugura urna poltica nova para a
Franca: pelo menoe constitue um precedente
cneio de coosequeocias iocalcalavaifl. Nio fl-
taos no mundo injustiess a reparar, povoa a aoc-
correr: e urna vez internada nesss vereda on-
da ir parar a Franga?
Para sustentar at o flm o papel de reparadora
das njesticaaeeem-razes.cumprir-lhe-hs com-
bater o despotismo no Oriente, e a ansrahia no
Occidente I Reata agora aaber ee os seus recursos
sio tees que posiam prover gloria dessa inter-
veocoo universal I
Era isto justsmente oque desejsramos ver des-
envolvido naa proximaa explicagoes.
Roma proieguio naa suss grsodes solemnida-
des por occasiio> da caoonisacio doa marlyres Ja-
poneses, sotemoldadeo em que ae desenvolveu
um sppsrato magoifico.
No domingo do Eapirito-Sanlo a Baslica da S.
Pedro achava-se esplendidsmente decorada; e
logo s 7 horss foi abarla para dar entrada ao
prestito pontifical, qaa parti da aseada real do
VsticBoo; 184. bispos, 54 arcebispos, 5 patriar-
chai, 43 cardeaea todoa desfilaran) entre duaa
alas de Frsncszes e guardaa uobrea, sendo prece-
didos de lonumeravel multidio, ordena religioaas,
cooagoa, mongas, ete., a seguidos do santo psdre
na sua cadaira conducida a hombros, levando na
cabeca a triplica eoia.
Comecaram logo aa ceremonial da beocio, la-
dainba de todoa oa ssntos, cntico do Fen-Osa-
lor, 1.Hura di bolla de csnonlsacio; depois o Te-
Deum, a mina, e oulraa ceremonias at ama
hora.
No dia eeguiate reuno-ss o consistorio dos car-
dases ns sala real. O papa pronuociou umacom-
prida allocucao ea latim, e o cardeal Mathaua
reapoodeu-lhe com a leitura da suppUcs dos bis-
0 verdadeiro interesse de esda am desees do-
cumenioa reaahe da coaparsco de ombos el'lei.
Nio fcil, porm, desigoar-lbea am carcter
oxecto. Quaai que foi um concilio eatalaindo
como dogma a oaceeaidade do poder temporal:
urna qanteo da supremaca da igraja sobra povos
e res, ama qusatio da libardade de conaciencla.
emflm urna recusa a maia formal de toda e nal
quer traosaccao sobra o peonado oa o futuro doa
acontecimenioB provocados pela revolucao ita-
Depois do consUtorio foi servido aa grande
banquete ns bibliothece do Vaticano ; e o flm do
dia psssou-se nos ardas.
,N *,'DU*M,r ("J amo remete de todas ts
eolemoidades o santo padre paseen revista aoa
aaus Zuavoa no campo dos Pretorianea, o benseu
o quar le.
O biapoe retiraram-ae aflnal da cidade eterna,
o na volla i suss dioceses procarsrsm excitar
maoifeitacosi elericaes, espscialmente os bispos
frsncetes
Ea Simes, Touloaee, Rennes, a mota outroe
lugires bpavaram cortajoe no meio de urna pom-
pa solemoe com belja-mio improvisado, etc.
As douinoaa profaesadas no consistorio de 9 de
jaobo sio por tal maneira excassivss e absolutas,
por tal maneira contradictorias com oa iotesaesee
a principloa da soatadtde moderna, qua neubum
partido podara acal ti-las da todo aem daeappa-
recer laaediataaento do numero dos vivos. Eis
porque a im preas al tramonte na o el arica Isa
tem mostrada sobria de coamentarios a roapeito
dea patarras pronundadae aa Roma : eaaa im-
prooaa aeate a neceeeidade de ees liberal relati-
vamente, e at certo ponto. De tudo isto ae po-
de concluir que ae nio ebegari ao resoltado am-
aicioaaejo^a que aa palavras do popa a dos bis-
pos nio echoario ao mando eatholico coao ara
de crer.
Se houvesse menee sbsotatisaa mais profunda
serie a impreasio causads sebee es populsoa
contemporneas: mas am Rosanfcgvioram 01 com-
pro rallaos. Tudo na munda tea nadada daaois
ds reforas da impraasa, a dn reejttanW : s
|fetaltfUelitaeBae*B*a*i aacre-
produccio impossivel dos lempos de Gregorio Til
e Innocencio 17?.
Cada seculo levar urna parle de soberana: a
corte de Roma pouco- ae importa com isso : olba
aa phasts da historia como ephemeros triumph'os
do inferno : v os povos marchando, or espiritas
trsosformsodo-se, a fleo tranquilla I Diz que os
transviadaa voltario; maaem qaanto nio voltam
os val amildicoando : om grande erro-I
A Franca, que buscou coto empeabo a st>lugao
da queatao romana, sabe agora depois do consis-
torio de 9 do jaobo, qae nio ha negociacSo pos-
sivel com a santa a O* espirito moderno- oio
repugna com as traniscces ; sabe que ellas abon-
dam na historia : mas a corte pontifical nio quer
enchergsr isso ; ella nio discute nem diplom-
ticamente, nem de outrr forma, promulga suss
vontadas ; e o que desacredita' a aua missio
ter ella neceaaldade da protaecie das bayooelas
francesas para sustentar esss poticao.
O parlamento de Turio abalado pela sapplica
des bispos resolvau timbem de eeu lado dirigir a
Victor Emmanuel tambam urna supplics, decla-
rando impossivel qaalqner trinsacco e appel-
lindo para as sympatbiaa e bom- aenso ds Eu-
ropa.
A caloross discussio soseitsds nesse parlamen-
to sobre s questio de Brescis, e s carta de Gari-
aaldl, foi favoravel ao ministerio. Mr. Raltazzi
precarou mostrar de um lado que nanea autori-
aara esperancaa prematuraa relativamente aoane-
goctoa romanos, a de outro lado reservar ao go-
verno a direccio absoluta dos armameotoi nacio-
nses.
Alguns deputsdos exigiram ums sverlguacio ds
conducta do ministerio. Mr. Raltazzi raclamou
um voto de cooflanco, que Mr. MiDghetti solici-
lou por ordem do dia explcita : a ordem do dia
toi votada por grande maioria. E' provavel que
o ministerio uie para com os presos de Brescia
do direito de indulgencia que lhe permute o seu
trlumpbe.
No estado em que se schsm aa cousss s amnis-
ta pura a aimplea aeria maia para deeejar-ae.
Sibe-se muilo bem que os secusadoa aio sao ini-
migos do governo e da Italia : pde-se por em
dunda a sus prudencia, porm nao o seu patrio-
tismo.
Dapois do voto de eonfianca, que lhe foi con-
cedido pelo parlameoto, o ministerio expoz a si-
taaco lint nceira da Italia.
Em 1862 o dficit aeria de 500 milhoes, se oio
fosse reducido a 225 peloa recursos extraordina-
ria, cooceases de camiobos de ferro, e de ca-
naei, a pela emiaaio de bilbetes do thesouro.
Para fazer face ao dficit que anda Dea o mi-
nistro das flnangas propoz s cessio dos bens ae-
nhoriaes, a venda doa bena eccleaiaslicoe, e urna
' minao de 100 milhe de bilbetea do the-
-"-tio favoravel im-
Em aegu ida a cmara tratou dos projectoi de lei
relativos orgsnisscio do crdito conceroente
aos bens de rsiz, unificico monetaria, e
abertura de um canal de irrigacio na alta Italia,
nu aqui trabalhos uteis, discutidas desioteressa-
ai. e louvaveis praoceupacoes 1
v AIta.Uf Wb* dos aaiu fllhos-maia uo-
brea- (Julaeppe Mootanelll. Foi elle om doa que
raatt trabalbaram para dar o impalao i aua pa-
Na cmara dos depulados de Berlim sacceda-
r"B7ef- Dr,0**cto de resposta talla dothrono.
air. de Wincke e muitoa dos seus amigos, apre-
leniaram m que nio tinba grande aigoificacao :
O conflicto parece qae fora origiaaeeJMor algu-
mas risas isolala*; a os Toreos finatssad
macarena por aaansinar o Pacha, que se i
ao bombardea ment. Entretanto este pri
poucos prejuizos.
Belgrado sebs-se sftusds a aargem dire_ _
Danubio, oa- confluente deita rrr o do Salan
cidadella ele va-ae sobre urna especie do pro-
montorio, qoo domina o confluente.
A noticias mais recentes sao- eo*trsdictor1aa :
segurrdo ana o eidadells asta em poder doa Ser-
bio! ; aeguodo outror bavta-so eonciuMo om ar-
mislicw.
A Grecia coolioua am movimento. Os
deitiooa da naciooaiidade italiioa agitan j
dameote a naciooaiidade grogs. O
tes volver os olboe pare o Epiro,
ThrwCis, proenraa um Victor
um Csvour una forca poltica.
Co.
Ah est a eiplieacao do que ae pass.
opposigo qunr urna coBStiluiote, e- quarl
mele designar um successor para o rei qua
tem herdairo directo que procura um he
entre as vagas dos acootecimentos, e nos
melos, do tesso.
Eis tambem uma ameaca perpetu de renovav-
Co dessa questio do Oriente 1
G. M.
INTERIOR.
nelle insists pelo tratado da commercio com
Franca, combatando aa tendencias particulari-
ladasdos estados diasidentes : pedia tambem o
reconhecimeoto do reino da Italia. De um outro
lado, e logo no cometo dos debates, Mr. Von der
Heydt fez em nome do ministerio ums declara-
cao na qual combateodo de todo o parlameo-
tariaDi3mo Parecia fazer algumas cooeessdes.
** 'Posta foi deliberada por 219 votoa
contra 101 depois de inserir-se no projecto dos
progressistaa duis emendaa importsnlea, uma de
Mr. Sybel relativa a questio da Usase, e outra re-
lativa ao deaenvolvimento dos -principios consa-
grados pala coostilnicio.
Qusndo foi ella apresentada ao rei, este res-
ponden secc emente e com muito laconismo, dan-
do a enteod er que ealava pouco sstisfeito com a
assembla, a resolvido s nio modificar o seu mi-
nisterio.
As promenores desee sudieucia
xsm de ter a sua importancia,
ver.
real nao dei-
como vamoa
Seriam cinco boresds tarde qusndo o presi-
dente da cmara dos deputsdos se spresentou em
palacio com os vinle membros da deputacio. O
grao-mareen al conde Packer condazio a depu la-
Cao sais de recepcoo. Alguns momentos de-
pois appareceu o rei acompaohado de Mr. Von
der Heydt e mais am sjadaote de campo: cum-
primentou oa deputadoa inclinando simplesm eote
am pouco a cabega. Mr. Graboa ediaatou-ae al-
guns pasaos, e declarou que a cmara, resolver
apreseniar a sus resposta falla do tbrono e pe-
dia pola a aua magestade permiaaio para a ler.
O rei fez signal de assentimento, e o presidente
a leu. Finda esss leitura sus magestsde paasou
tambem e ler e sua resposts, que trszis escripia
n um pedaciobo de papel, ecumprimentando ou-
tra vezligeiramenle, voltoo-ae com tanta rapidez
para deixar a aale qae o presidente vio-se obli-
gado e seguir a toda a preaaa ao conde Packer
para entregar-lhe o docamento. Chegando a
porta o rei paroa nm instante am qusnto entre-
gara o aeu papelsinho so grio-marechal alga de
este tranimilli-lo ao presidente.
Estas clrcumstsnciss produziram mui grande
sensseo.
A cmara dos senhore com o m de separar
mais esteosivameote e sua poltica da dos depu-
tsdos declsrou qae nio considersva a seseio ac-
ta al como uma nova aaesio, massim como a con-
tinuarlo da qae foi interrompida pele diaio-
luco.
Besa theoria original provocou um conflicto
com a cmara doa deputadoa. Muitoa membroa
deala ultima propozeram a nomeacio de uma
com missio de vinte membros que se encarrega-
riam de redlgtr um rotatorio, em que fosee cla-
ramente definida a attitude qae davarta tomar de
ora em diente a cmara doa dapulados em anas
relacoea com a doa aenhoraa.
Quaoto Polonia um Ukaie regaln finalmen-
te attribufcdia do lugar lenle governador,
do chefe doa trricos clva, a d commandanle
das tropas.
O primeiro possue todos os dlreitos soberanos,
excepcao do poder legislativo ; exarca a auto-
ridade administrativa, o execotorie por interme-
dio doa dous segundos;. tem o direito de perdosr
e de confirmar as sentencaa proferidas peloe tri-
bunaes competentes, e isto ao limites proscrip-
tos pels leglalaeio. S a experiencia pode moa-
trar o que deva eaperer a Polonia deaea nova or-
ganiagio.
O conaeibo.de catado de Varosla celebrou a
aoa primeira aessio a 10 do correte mez. A se-
gunda tari tugar sob a presidencis do narquez
de Wielopoltki que eaeaperava com o grio-du-
que Constantino por todo o mez de julho vin-
douro.
Ogrio-duqua parti de S. Petersburgo psra
une viagem a Londres de Mis aaaaoaa entea de
r aera o seu pasto. Toaari provisoriamente a
[tojo de lugir-tanenta general, a depois o de
vlae-rei. que parece ladicar que ama aonstltui-
ci eeri concedide e Polonia.
A cidade de Belgrade foi bombardeada palos
Tarcos, incidente eateeujae conser1ua dara aer multo graves. E* sabido que. os Tunos
oceopam a cldaiella, a qaa acidad'* pertenca ios
Serbtaa)
RIO DE .IWIilUI
Rea torio a presen tado assembla ge-
ral legislativa na segunda sessa (
deeima segunda legislatura, pel&r
sistro e secretario de estad
negocios do imperto Jos Itde
de Sonza Ramos.
Continva$o.) ,
ADESTHEO LGICAS.
O goveroo imperial nao pode ainda osar da
autoriaacio concedida pelo artigo 1*. 2* da lei
n. 781 de 10 de setembro de 1854 psri o ere-*"
de faculdades theologicss no imperio, em
daa difficuldadea de que foslea informa/i
om doa meas illuitradoa sntecessores o
rio, que vos foitido ns senao de 1S55-.
E lodsvia sio tio maoifestas s necessidade,!
hs de proporcionar-se ao nosso cielo meioa
", a aa vattigena
ir o
fa*
vid -aouro, n. /
.oa oa sacribw
. de Tazar para pro.

que

deociar-ou sobre bjecto de tauta magoilude, i
que ae coosiga aplainar aquellas difcaldadt
tu mpro nio perdarmos de viste qae oe raeoe-
de mtruccao proporcionados ios que se deitinam.
ao estado eclesistico nio companhado os
progreisos, qae desto algo Vos se '
aado am rotaeo 4s outra jia do --.
Este circumstancia explica, talvea, o esi
gerai, pouco aaturactorio de nosso clero,
ponto de vista da iiluitraco.
Estou persuadido de que a creado de uma fa-
culdade theologtce, qae ae noderia efiectaar sen .
grande dispend o, muito coocorreris para elevar
o prestigio do nosso clero, e que altrahiria mea-
mo para a vida ecleaiaatica muitos ioveos dotados
de talentos, que dalla iao anualmente desviado
pela impossibilidade de obteram ama oali
superior, que satisfaca aa auaa aapiraces.
INSTITUTO COMMERCIAL.
Estando aioda dependente de voaia approra-
5a0'reforma promulgada palo decreto n. 2741
de 9 de fevereiro de 1861, nenhuma execacio te-
ve a hoje na parte em qua altaron oa venci-
mentos dos prolessores, e augmentoa a d
com este estabelecimeoto.
Por esss mesma razio acbam-se regidae
carnete as aulas do curso preparatorio, fl
mathematicas elementares do curso profi:
Neste ultimo sao electivos somente os
sores de escripturacio mercantil e de esta]
geographia commercial,
Tendo pedido demissao os professores do/s
reito mercantil e economa politics, materia "*
foram reuoidaa em umatcadeire, foi esta
em coocurso, bem como as de francez, alie
ioglez, e maihematicas elementares,para aaoM
exuttm ioacriptos diversos candidatos.
governo, porm julgoa dever aobreatetjBl
provlmento definitivo deaaaa cadeiras, at q
voa pronunciis sobre aquella reforma, e dei
tais oS fundos precisos para aa desperas qae
creou.
No dia 3 de fevereiro do correnta anno
abertas as aalas do Instituto com 160 otaL.
nio ae tendo porm matriculsdo nenham na
de escripturacio mercantil.
O goveroo mandn fazer no edificio do e
nato do imperial collegio de Pedro II itgu
accommodacaes necesssriss psrs que nelle p
tambem fuoccionar eate eatibalecimento,
Nio estando sinda aufflcientemeole experimaJI
tada a reforma, a qae me tenho- referida,
poaso informsr-vos sobre a aua conv
cumprinoo-me, porm, nio dissimulsr
mss pesion eotandidaa julgam-a
para que oinsliluto possa altingir os
croacie.
ACADEMIA DAS BELLAS
Algum deienvolvimaniaiatm a
mmente a academia
coocorreram no ultimo
doa quaes 36 frsquentaren o creo d
oocturoe.
A regularidade, porm, com que Ibas nV
madis faltas, e a justiga aom qae fort
gadaa, fez subir a 50 o numero doa alum
perderam o anno, tendo-sa alm disso desposta
4 do curso nocturno, e fallecido que reqpafl
vam o din roo.
O penaionlsta Victor Meirelles da Lime,
concluido sena eeludoe na Italia o no Freo
grenou ao imperio trazendo um grande
painel de aua compowgao, represantsodo
meira miass celebrada no BraaiU
O novo peniioniate Joaqaim tes da Siavaj
mariee Jnior, alumno da gravara de l
ji remetten os seos primeiros estudos^
O governo entendon dever adiar a ex,
de bellaa artas, qaa aio poder ter Vogar.
depois de feitas ** reparacoas de qua o:
mete carece o- edificio da academia, o qo
j aatoriaadaa. Esses cooterioa, porm i
modeiam a ioeafilcteoeia do edificio, rea
do deaenvolvimento que lea tida a acad
aobre a qual nada poda o gaverno deli
que o hebilaais previamente eom os
eisos.
O gosla das bollen artes, alada p
volvido entra naa, caraca aer acoi
par nato-das expoetodea a doa prai
tituea aan duvida um estmalo po
tsmbom por outsos incentivo!,
segurar-ae a oxtraegao da mal
por ora encoatran pouco apr
qua os artiataa, qaa aio dispi
curso, nao deseniaem dienta
taaapo o do dinheiro, qua------
poaic&es.
A nibtiolhaca da a
raoteoenno con
fea algamaa
/
'


tau!
I mentoi i


LAD







DURIO &fc #M*AMWJCO.
ACADEMIA IMPERIAL DE MEDIC
CiU academia continuo taoccionar
mette no decano
o con
"NfDlWiua
equelle p
onhecim
o, ref
83 de '(7
Vil
setembro te 1839 foi elevtdo o na
Ues de 3 a 7, sem qae d'shi ptovfs*u
v *w*.a *# i t 1 ** y*o^ nnnma
i ^'-neficlo qae Uve ein-vista, da poder o trl-
I ^< cia teodo havid, dorante
deva aap IrajM a* vosa
^MK; isjump-
l ttisttn, -
LfVsaajne patritica
Mcafjania telaavoe*
e elhoographie braslleirs, re-
sua revista trimsossl. na qual
publicad diversas memorias devl-
,e dedicacio de tees dgaos aocios.
de relacoes scieuliices e liltsrarias
l&S acadtmua e sociedades estrangei-
ra o ioatttuto maoter illeaoa oa eredi-
ibldo conceito, qvfl tem sabido gran-
asjgaodo-se, porm-, 'da vez mais aua es-
hereoe actividade, sette o ioalilato decienci
^

Bu para qae (oi inititutdo.
Parece me que, respeitaodo o aoligo coitame
observado, quando exlilla em Inteiro vigor a pro-
visio toada da SO 4* narc a I70t, m virtude
da qual pedia* aer MDtrtH sitvMHutos ana lil-
la dor jatees, tta qae aa *ppoeaa so bslgamaado ** usas eejel-
Ua asmi* a r*isnuo iaHnn B..
. Senda tto l*con**ttvel eanveoiencia pb4ka
qae nlnoe i**t ewto persuad*) qov s!tfopvaTets a medidas
que mam acerladaa totea, para que esle tribunal
fuotrione com toda a regutsrtdade.
CAIHCDRAE*.
Em geral, o estado da nostaa catnedrse nio 6
satisfactorio : quesi todas oarecem de reparos e
de paramentos. ,
A da Baha aclu-i tao damnificada qae ha
multo deixou o cabido de fuocctoaar selle* Ho-
je ser*a de cathadral a igraja doa jeeoltaa que
tambem neceaaita decoocertos. orgados pelo dig-
809 eatabilidsde, poasam carai
eaaei da; igraja.
C0RYiSTajs^aJ
a' das ordene reHtfHaa, eXM*l
tes,| facto qa* ellas iHtH fie**,
0 Utu
"*- J
numero de vic-
tj* imperial doitj ta -ateto i dispo-
preeWantes das referidas provincias os
T-Ja*os para acadir ss populares accem-
ohecem, procurando sabir do batimento, tntjt* *M14as pelo terrivel flsgello, mas dirigio-ae
tea,cahido. pela ^alissaio-en saga,*,* Uta dea- ^ttJja>aos daa outraa, em.cinglar de 7 de ja-
ral e do eootaeta*B uMMUdev eiraffltimo, fazeoo-lheo a esto lasalto as con-
Aiaim oa benealaiinaa eteanam n**to cidvme ara venientes recommandageea, alm de qae poasam
jnoafaita, a* to4e5>o* "lr devidamente aaetoaaide* pasa caso de
ente; aetcxmetHas eerem tambem atacadas a* su** espectivts pro-
as oclas.
e meios pecuniarios, qoa o inhibe de pAr m no metropolita em 30:0009000. 0 governo at-
-lecuQao projectoa, que conaidera da summa
itilidide, epata caja tealiae^ao reclama es au-
xilies dos poderes do Estado.
Sobre repreaenraco do respectivo secretario
czpedio o governo circular aoa presideetea de
provincia, autorntmdo a acqaiaic^o de aerolites,
a>asadas fosaeia, amostraa de miaeraea, e outros
bjctesjpqae poasam enriquecer o wuieu do
inatato.
ARCHIVO PiBLICO.
Oeervi^o deeta repartigo tem pr-ogredido re-
seelarmeote.
fot eforces do respectivo director comegou-
me a formarvma pequeo bibliorneca ptr aso do
esrallivo, *tendo para ella coacorrido o official-
*saior, com e donativo da 312 velames.
' de necesaldade remover- le a reporliQao dos
posalos, qe actualrceota occnpa no convento
* Santo Aotonto, pira 'tlgam outro predio
aeihe proporciona m-ethores accommodaQdes,
Undo-aa alm disso os viscoa de incendio, a
m^Ml seacha *xposta.
aviado que no archive publico sejam arre-
aos todos os documento, que posssm tote-
ar a aotsa hiatorla, dirig me aoa divcraoe
pterloe, solicitando aa providencias nectes-
iea atim de que sejam elles colleccionados e
atreges aquella r*partic.ao.
BIBLIOTfECA PUBLICA.
Ete estabelecimeoto toi frequontado dorante o
ano prximo passido por 1,890 leitores, qae
vsmnsuitr*sn 5,939 obras.
No mesmo periodo (oi augmentada a biblle-
sidos pelo mioiaterio do imperio e presidentes
*ejprovincia 104, por dillereotes typograpbias
3HI, por ua autores, ou por peeeoes dedicsdas
o culto daa letras 136. e compradla 61.
w*-se precise completar aa collecc.des de me-
jsssaaias acadmicas, de revitaae jotnsea ien-
aslcoe "
collegie de lnst
dem (requema
a capaes de Imil
asisto nio
Aa frequeote
que faiem pro'
xiaao, reva+aes
HT, JuatTflcam
maniTeitam a c
a deliberado
a admtesio de
Parece-me
melhort ment
aera rta reWHI
iras%|llU?o.
ev* eerporQO
taMMatiias ____
ds hemildade e amor do pro-
rporscoesv
e formar collecc,des ds obras relativas o tido de deliberar.
tendendo is forjas do ornamento vigente, sppli-
cou para esse fim a qaantia de 400j000.
Isla calhedral carece tambem de paramentos na
importancia de fcOOOft.
Na de Pernambuco acha as o tecto srruiasdo.
exigise premptee reparos. Sent igualmente
[alta de alfaias e da am orgto.
Na do Cear, apetar de nova, nio se pede pres-
tar aes olidos pootificaes, nena permita a ios-
tailagio do cabido, em razio de seu errado plsno
de ooostruccio.
O governo, nio teodo no ornamento meios pa-
ra occorrsr a detfpesa da 17.6U0J00O com obns
do qae ella neceaaita, declarou ao reversado his-
pe qae, os vosea primaira reuniio, terieiscoohe-
cimeato deste objecle para deliberardes o que
msis acertado fr.
As calhedrana da Mariaeoa, Goyaz e Coyabi
carecem igualmeota de coBcarloa e alfaias para
que aellas poasam ser dignamente celabaadaa as
ceremeniae do nosso aullo. A ultima, edificada
ha mais da cera anuos, talver deva ser susti-
tuida.
CAPELLA IMPERIAL
Curo o prolongamento do ra Sata da Setem-
bro, si.ffreu o edificio ds capaila imperial, lor-
nsodo-se por Jsso aacessarie constrair algamaa
modificagoes em subsliluicio das qae foram de-
molida.
J foram prsenles ao governo as pislas dss
obras precisas ; porm aiada ato laudo sido or-
ganisado o orcamento da despezs, sd em oatra
occasiao se poderi resolver a tsl respailo.
SEMINARIOS.
Nao podando o goeroo esquecer a importancia
destes ealsbelecimentos qae, qasndo bem mon-
tados, contribuem poderosamente nio s psra a
illustracao como principalmente para a educarlo
[ do claro, tem eatudado com atten(io as queates
relativa am nossos seminarios, sobre que tem
vttreeesea se>ie4e-ea-'
necessldad de ama reforma, a
vaeieocia de continuar em vigor
mada pelo governo de taspeoder
vIqos.
muito podarla eeneerrer para o
las ordena religiosas ama medida
legislativa qae na ompellisse a cooveater, den-
tro de am- presa determinado, aa apolioaa da di-
vida publica, ebm a clausula de ioalienabilidade,
es bens de rsta e semoveolss que actualmente
possoem, e que alm de distrabi-las des Bus de
aua rnstitaicio, reoccupando-as com a sdminis-
tracio de inlace ses puramente materias*e saen-
dsoos, ternam-ie qeeei completamente impro-
ductivos em poder daqueliaa carnarac&as, com
manifest prejulxo ds producto e ds riqea do
pais
O emprego daqaelles svullsdos valoras em ti-
tule* da divida publica aasegararia ia ardeos re-
ligiosas am reolisseote liquido mais qse suffl-
cieote para saa sosteataQo, reetitaindo cotre-
tsoto so commarcio e industria raliosas pro-
itriedadea, que eje nada contribuem hoje para a
a qae aerao cada vas mala mal
m razio da escasees de pessoal,
em aquellas aerpare^eea.
la sobre este objecto o que f6r
Tiqueas publica
admioiitradaa,
da que sa comp
Vea resolver*
msis scettsdo.
il, i America meridional, e as Itoguas iodi-
cecesasrla para semalhanie despeza
satis ser maito avultida.
empregadaa da pibliolheca reclmame
de seite exiguos vencimenlos.
. sao se scha impressa ama parte do texto
ra Fluanineose, a asta mssms com bastao-
actidoe. Convir que se complete essa
ioiereasaote pubhcacao, a se entsnderdss aoetta-
*to eoosignar os meios precisos para tal des-
lea.
. COHMISSAO SC1ENTIPICA.
Ten do explorado qusai todoa oa pontos da pre-
locia do Cear, commissio repteseatoa se
srno imperial ponderando a conveniencia de
.Judos os seus membros chamados i corte,
> tripa toi concedido por aviso de 10 de maio
_BTs..
Aeommisio ragreasou a ass corte s 24 de
joino do aao prximo passado, teodo gaato em
.Vfigem expo
seaes.
(
^dr,
JO.
. que-
-sfiao stim*^
ds
ei-
-Seodo anda necessario alguro lempo K.ra col-
ligir, claasicar e concluir os respectivos traba-
lhes, toi a meama camaisaao rcorgantsada por
*iso de 7 de ocvambro, prximo fiado, marcan
alo se novse maeorea vencimenlos somenle aos
chefes, com e&cp* lo dpresidente, que oenfau-
JZta retribuicao L.sgio pela cootinua^io doa aew*
trabalhu.
Aiem disso t percebem gralificagoes um sd-
junclo ds secjao de botaniss o dous da astrooe-
ssiea e geographica.
A commissio esoers poder dar principio bre-
vemente a publicacao de aus trabalhos.
ti y SEU NACIONAL.
Nenhuma al!era(io occorrea em relaee a este
itabelecmeoio, que mtreca ser-ros referida.
-' de necessidade remover-a o conasrvatorio
Je msica do edificio do museu, onda sante-se
salta da espaca para a classifisacao e exposi^ao
4ie novas collec(es.
Eaaa madanca teri lugar, logo que se pesas
gtrover sobre am edificio conveniente para o coa-
aervstorio.
.O goveroo aupprlmio, por aviso de 4 de juoho
alo^anno prximo pissado, acausigosgae de .
' 000, que, para a icquisico de cellee^oes
laa a medalhss, se bavia posta i dlspe-
diuctor da seceso de numitmatica e er-
que actualmente serve de cnsul ge-
fperio no reino da Prasaia.
Tambem, por aviso de 17 de fevereiro ultimo,
iyicta a cemmissio do adjuolo viajante do
askaeae, de que bavia sido encarregado, por por-
esi de 21 de j.nho de 1860. L. Jarques Brunet
sBestante a Rratificacao de 8000 annuaes.
NEGOCIOS ECCLESIASTICOS.
Ido da maior conveniencia que se guarde
Jila hsrmonia entr os poderes espiritual e
aspe-ral, devem ss suas reciprocas relaces
aasftar-ae de tal modo estabelecidss que se evi-
D conflicto, sempre aranoso causs da re-
Hgfio e aos legtimos interesses do estado.
ttrtretento esaas relagoea nio se acham, em
-dMiu* pontos, claramente definidas entre no,
-jete podem reaaltar difficaldades que ser
*c*txado (revenir.
Este importante sisumpto contina a oteupir s
eltenco do goveroo.
BISTADOe.
Codos os bispadoa, com excepci* do Diaasaati-
a, se acham prvidos de psstor. O governo de-
fjeria que nao ae dsse aquella excep;io ; mas,
iecorando acertar, busca informacces que o
Km tao delicado objecto, e logo qae as ob-
f Jolformes e ssliafactorlaa, nio desaorar a
kKolha.
reverendo blspo do.Rio-Grande do SuWfez a
Piiirada solemne na diocese em 28 de julbo
SitlilDO. *
do Para e Cear tmara ra posse por procu-
o primeiro em 23 de maio, e o segundo
pe da auno pssssdo ; Uzeado aquel-
la solemne em o 1* de agosto e es-
_ Miembro.
laraoho, agrado em 20 de outabro do
-aneo passsda, tomoa posse por procuraCor em 5
-de fevereiro ultimo, e (ex a aua entrada solemne
ata diocese era 21 de margo.
OdeGoya?, agrado em o Io de dezembro,
isoastdou tomar posee por procurador em 27 do
mesmo maz, deseado brevemente seguir psra a
a>ua diocese.
fot decreto de II de maio de 1861 toi nomes-
lolspo deS. Paulo o monseobor Sebastio Pin-
to do Reg, qae se schasoofirmsdo pala santa s
desale 4 de outabio. Eaoommodoa de saada ts
etardado a aua aagrscio, que espero padece, co-
jeo alo Aoven, effeelaar-se com brevidada.
.Aggravodo-ae oa padeelaentos pbysico do
aeverendo bispo do Ble de Jaaeiro, pessoa elle s
dmioietracio da diocese ao vinario geral do bis-
pada canego Josa Joaquian Persirs da Silva, e
na jais dos casamealo cenege Jos Antonio da
SilvsXbavea.
WfiliJilO METROPOLITANA.
orgaaisacao peste imprtente tribunal, que
-alecide em ultime instancia pleitoa que envolvem
sa la ntimos istteresses das millas, contina
* alai agsr a serios embsragos, difBculUndo jul-
ai qae so devem ser retardados o lempo
taala preciso para formar ama opino
Bflderecids.
da igrejs brssileira informa
rocaodo oa vjgarea gerses da
I diffieuidadas em reunir o tri-
0 edificio que actualmente serva da semiosrio
no Para, psrs flear completamente reparada, na-
ceasits aioda de 30:8539137, como j foi commu-
aicado camera doa seoherea depatados.
Os concerlos de que carece o aeminario de Per-
nambuco foram orctdos em 28 306(120.
Para obrase acresceotamento do grande semi-
nario da Baha sio precisos 18:0009.
Quer esle, qaer o pequeo seminario precisan)
de movis para aa aolaa avahados em 1:0009.
Para cobrir as despezss, oreadas em 21:1789400
com os reparos de qae carece o seminario de
Marianna, sio sioda oecessarios 15:1780100, vis-
to que o goveroo re pola applicar para tal fim a
quantia de 00OJ>.
O de Cuyab, qae funeciona em um proprio
nscional, anda nie possae os commodos preci-
aos pan a admiasio de alumno, apeaar da lar o
governo distribuid* oeste axercicto 4:0009 para
as suas obras,
O de Goyiz anda nio foi inaugurado por falla
de aditicio accommodado, falta que o governo sa
torear para que ej removida.
Tambem o do Rio Grande do Sal oto "",
edificio proprio. P*
levanHsavm
T O" estado do seminario do Maraohio, que se
lio sensual que nao
um ptoUclo aprs-
aagaaeslando o nu-
lo cuja adop-
14 qae e es-
iaU aseas uso-
s/M ) aaisi pi a.
cha eslstbelecido em dous dormitorios do con-
vento de Santo Aotooio. satisfactorio.
Quanlo ao de S. Paulo, construido pelo finado
hispo, chamo s vossa alten^ao para a representa-
do qua pende de vosss decisio, pedindo dispen-
sa da lei da amortlsa;io para poder posauir orna
cata a elle contigua e um sitio daaa leguas dis-
ta mp da cidsde.
E" fra de durida que do pessosl do profassora-
do dependem em grande psrte os beneficios que
os seminsrios podem produzir; por isso, no que
lhe compete, o governo contina a proceder em
tal asumpto com o necesssrio cuidado. ,
Seria conveniente qae em todas ss dioceses
existissero, alm dos grandes, pequeos semios-
! rio,, em qae seensioassem ss materias prepars-
j toas, e que, admittiodo smente alumnos in-
ternos, de tenra idsde, fossem a escola em que
podeasem ser com tempo apreciada devidamen-
te as seas qualidades moraes e voo^io psrs o
sacerdocio. Marcharamos sssira com passo mais
seguro para a regeneracio do clero.
Infelizmente o nosso estado flosneeiro nio per-
mute a reallsacio de todas ss ideas recoohectda-
oente uteis ; e nio seria acertado emprehender
novas despezas qusndo s maior psrte dos semi-
narios existeoles precisara do auxilio dos cofrss
publico para ae maolerem.
palacio* episcopaes.
Smente as dioceses do Rio de Janeiro, Bshia,
Pernambuco, Para e Haranhio, existe ra proprios
perteocentes mitra oa so eslsdo destinados ps-
ra resdencis dos respectivos bispos.
as outras residem os prelados em casa par-
ticulares, cajos aluguei sio pagos pelos cofres
pblicos, resultando dahi urna despeza annual
conaideravel, inda temporariamente augmenta-
da por nio estarem concluidas as obraa do pila-
do episcopal do Usrsnhio, e por ter o do Psr
de servir de seminario at que se concias o edi-
ficio psra elle destinado, que se acha em cons-
truccio.
A casa em que reside o reverendo bispo do
Cear, apela qual paga-se o excessivo aluguei
snnusl de 4:2005000, nio tem, segando Informa
o emolo bispo, as accommodsc,des oeceisariss.
Este inconveniente s6 poder ser removido com-
prando se ou edificando-se outro predio.
MATRIZES.
O estsdo decadente de nossas matrfzes por
vos cor,hecido, Para cotloea-las em am p con-
veniente fra necesssrio despender sd com este
objecto a msior parle das rendas do estado o das
provlnciss.
Me*mo em slgumas dasfreguezias do munici-
pio da corte, as matrizes se acham arruinadas, e
nio possoem os precisos paramentos.
S os esforcos de parochos, qae, por suas vir-
tudes e zslo evanglico, tenhsm captado a esti-
ma dos poros, podem contribuir do modo mais
efficaz para collocar os templos em am estado
compatlvel com a pompa do caito calhollco.
Ao passo porm que todoa lamentamos a deca-
dencia em qae os vemos, qusndo todas as con-
veniencias aconselham que de preferencia trate-
mos de melhera-Ios, sogmentv-ss o> numero dss
freguezlss com til profusio que, psrs a despeas
proveniente ds creai;o de novas parochias, o go-
verno v-se toreado a pedir-vos que no prximo
exercicio a respectiva verba seja augmentada com
a coaaiderave somms de 99:864520.
Parece-me qae este sssumpto merece ser to-
mado em considerado pelo poder legislativo.
fAROCHAS.
Tratando das mstrizea manifestei a inconve-
niencia dt repartida erescio de freguezlts, que
augmenta o* embarazos com que luamos psra
melhorar o estsdo dos nossos templos.
Sabr esle objecto chamei a alteocio dos reve-
rendos bispos, qae muito podem auxiliar o go-
verno no em pecho de impedir qae se creem novss
parochias, qusndo esss msdids oio seja imperio-
samente reclamada psra que nio fslte sos fiis o
pssto espiritaal.
Asabdivisio dss freguezias difficulta a apreien-
tacio de parochos, e fai com quealgumas fiquem
privadas de sicsrdotes, que ministren] os socor-
ros ds reLigiio. q
Dssejsva, nests occasiao dar-ves exactos ssels-
racimentos sobra o numero das freguezias qae ss
acham providasMle vigarios collados, dss que sao
regidas per vigarios eocommsndsdos e interinos,
e dss qae esto vagas ; mas nio posso fsza-lo
por nio ter recebide algumas dss informales exi-
gidas.
Entretanto posso aaeegarar-vos qae nio
minuto o numero dss que nio possaem vigar;__
collados, por falta dos contarlos 0 proposlu di
alguna prelados.
Este sssumpto occnpa a attso^ao do governo,
qae espera ser cosdjnvado, para a obierrsocis ds
sel, pelos meamos prelados, a quem sio pode es-
capar a vsntsgem de serem as parochias regula*
par laceradles de prondan hablliUsoes, e qae.
HiaSlONARIO.
A quectio que ae levanto* poresus* do decre-
to o. 373 de 30 < o julbo de 1814. e qae predutio
s iaterrapcie da remeaaa para o irrperie de mis-
sionirios ctpach oh os, nao tal ainda concluida.
E', porm, de aperar que e seje e brevemente,
vists do interesas e empeoho com que s santa
s promove ludolque reapeita propga;io da f
cathoiic, principalmente em ama poca em que
o eapirito do erro o as falsas doutrlnss religiosas
procurara fater proselyto, enviando por loda a
parle os seus sgeples e eapalfaaodo profusamente
os seus perniciosas escriptos.
O governo imperial, por seu lado, tem envida-
do todos os esforejes psrs conseguir esse resultado
sem quabre, porm, dos direilos do estado.
Entretanto, sem desconhecer s prvficiancis e
sptidio dos espuchiobo* psrs este servico, cum-
pre-cos cuilar do estsbelecimento de mlssdes
nscionaes.
Ests iustiluijao ni seris oova entre nos, a dshl
j colhemos bons resultados.
Ella servir psra estimular os nosse sacerdotes
e fortalecer s vecscio dos que desejarem abracar
a vida ecclesiastics.
Com effeile, nada pode haver de mais nobre
para o escardte do que, pela predica da palavra
divina, eoainar a piedade e a vlrtude, melhorar
oa costumes e extirpar os vicios.
Alm dests animacio aos sacerdeles que, ins-
pirados pela f, deejarem desempeohar a miasio
mai* ardua a sublime de sea ministerio, colhere-
mos a vantagem de prever em os proprios re-
cursos, em um futuro nio maito remoto, ss ue-
cessidades da eatechese e civilisecio dos ind-
genas.
ALIMENTACAO PUBLICA.
Os gneros alimenticio lm conservado os pre-
sos ordinarios, concorrendo so mercado em quan-
ttdade suficiente par nelle moler a abundan-
cia.
E*l aitoscao favoravel veio coafirmar a opi-
no daquelle, que attributram a "arsstia dos
anoos anteriores a causas de oeture. mais ou
menos transitoria e particularmente
*-4. d. e5oc9, que, prejudteando
' n '"****' Pfoduzido a escassez da
0 consequeote encarecimenlo dos ge
Com relami, pn,_ bastecimento db esc
na verde, as circamstancias nao t ti sldr^igu!
man* favoraveio, pois qua esse geoerV*., iao es-'
sencial para a alimentaco publica, tem/naotido,
com pequea varisgio, os sitos presos, que su-
bi duade alguna aonos. 1
O goveroo nio tem ido indiffereote como sa-
bis, a este asumpin, qae lio d* pe .nlerea
i segwranca, ssade publica so b a-estar da
populacio. *
Limiando-se, porm, cobo deve. sjaos meios
Indirectos, a sos acc.ao torna- se*qui av"tsJ1^ e
mauifeatamenle insufficieote psrs remover o mal
do que ae queixam ao mesmo lempa* populac3o
ds ctte oa negociantes, qae de diversas pro-
vincias para aqui cooduzem-o gado destinado
para a corte.
Aiiribuem mullos esle estado de cousas im-
poasibilidade de livre concurrencia, ao passo qae
outros entendem que s o monopolio convenien-
temente org nisado poder remedia-lo.
Se exacto, como se tem sffirmsdo, qae as
condiQes do commarcio do gado vio-se tornan-
do dedia emdia mais desventajosas, compre s-
doptar-se providencias, que possam melhora-lo,
lavoreceodo so mesmo tempo o desenvolvimien-
to deste ramo de industria, da qul depende o
abasteciment} das nossss grandes povoaedes, e
que constitue pare mollas provincia* a fonte msis
importante, se nios astea, de saa riqueza.
Interesses de tanta grsvidsde reda mam a at-
tenco dos poderes do Estado e o goveroo pela
sus parte, desejsndo reunir lodos os os esclare-
cimentos que posstm ser neceessrios psra com
aeerto se resolver sobre esle objecto, maodou
proceder inqulritos osa' provlnciss deS. Paulo
e Mioas-Gerses e exigi dos respectivos presi-
dentes, por aviso de 28 de jsoeiro ultimo, infor-
magoes, que opportuoamente voa aerio presentes
alim de que adoptis as medidas legislativas, que
em vosss sabedoris enlendsrdes. mais convenien-
tes e efficazes para a consecucio daqaelles flns.
Infelizmente, efundo saalltasaanoticias (de 19
abril) posto qua a epieeorii teeh declin.do de
sus maior iotensldsde oas comarcas de Ssnto
Rumio, oae se pede ainda ter esperance
de sus completa axlfnecio ; visto como continua
a deaeasolvcr-sa, siads que com carcter pouco
grava, nos- termos do Cabo, Escads, Agaa-Preta a
na fregoezla de Muribeca do municipio do ca-
Plsl.
Na cid a de do Recite conserva a epidemia e mea-
ano carcter benigno, sendo pouco eeosideravel a
morlalidade por olla causada. Para todos os la -
gsres sffectidos cootins s presidencia a enviar
os aeccorros cooveoleoiet.
INSPKC5A.0 UE SALDE DO PORTO.
O decreto n. t,734 de 23 de Janeiro de 1861 el
terou o systama de polica taottsria dos portos,
desde saaito em pratica entre n, substitaindo
ti quagaa** pela desinfecr;io dos navios, dos
pasaapPAsTe da carga.
R' da cr*r qae o novo systems, sem davlda mais
commodo aoa viajantea a mais conveniente so
commercio, produsa os sslutares effeitos que s
seieocla assignals ; porm alods oio ti vamos oc-
cssiio de experimentsr s efficacia das providen-
cies oltimameole decretada, porque felizmente
tem sido aatiifatorio o estado auitsrio dos nossos
portas.
Pensam alguna que, para colher todos os bena-
*ih u,tn,e, 'esse systems, sio oecessarioa
estsbeleeimeotos proprios para accommodsr as
meresdorias suspeitss alojar os passageiros viu-
dos de portos infeccionado, aflm de seren abt
submettidos s meiiJas, qua elle preacreve.
Mas, sinds qaando estivssse bem demonstrada
e reconhecida a oecessidade da tses estabeleci-
mentos, com secommodaedea sufficieotes pan rt-
ceberem meresdorias, s sua ccnstructjo oio dei-
xarla de ser retardada, attendeado-sa ao avalla-
do dispendio, que com ella sa faria e ao estado
pouco lisoogeiro do thesouro.
O referido decreto o. 2.734, fizando venclinso-
tos aos empregsdos ds ssledss portos, est de-
pendente de vosss approvacio.
Pareceodo-me inconveniente que os ioopeclo-
res dos portoa spenas percebam os emolumento
devidoa pelas cartas de saude, qae psssam so
navios que as solicitara, sobretudo attendeodo s
que os mdicos da visita sanitaria percebem na
corte a gratificado annual de 3:000, espero qae
resolvereis a este respelto como mala acertado
for.
HOSPITAL MARTIMO' DE SA.NT4 ISABEL.
Este ealabelecimeoto funecionou at 30 de ju-
oho do aooo paseado, quaodo desappareceram os
casos de febre smsralla no porte desta ci-
dsde.
Dessa dataste o presente schs-sa fechado, ob-
Rata disposicio extensiva, poie, ao offlcio
depositario garal cread* esa lodo* os term
provincia, pela le p. 5: 5 de Moho proxi
pinado, segundo j o declaro* o Bita. Sr.
sidente.
Inlormam-nos qus acha-re o qasrtel ou
psrque de eetlhsrta de Oliads em 'completo
abandono, ende at sido arrancadas a* porta* do
mesmo, dalH aabtrshidas.
Paree* eme aa dve tratar de evitar qa* teto
continua, snde-ae as can venientes providencias,
mesmo porque oes dtxem exlatirem ness* qasr-
tel objectae paTtancaatea ao catad*, qas ssim
vio senda sabtrahido*.
Poi ordeoado ao commsodinte do bstslho
a. 4)4 da Rio-Formoso, qua dsae execoei*
portara da presideocia de 13 de msreo ultimo,
deflriodo juramento so espito da 6* compsnbls
do mesmo bstslho Francisco do Reg Barros
Goisbeirs ; visto carecer de fundamento e motivo
de sua recaes.
Teodo aa chovas accumulado oa ra larga
do Rosario porcio de lama, exhalara, ella* agora
um ftido Incommodo, e sem duvida prejudicial
a saude publica.
E' conveniente, portaoto, qas se mande proce-
der s respectiva limpexa ou remocio, para evi-
tar os effeitos slludidos.
Por portarla de 14 do correte foram Do-
meados supplentes da subdelegada do Recite,
os Sr*.:
2 Jos Bsplists da Fonsecs Jnior.
3 Jos Prsnclsco de S Leilio.
4* Caetaoo Cyriaco ds Costa Moreira.
5* Miooel Estanislao da Costa.
6 Aoastsclo Jos ds Costa.
Sendo boje a festlvidsde de Hosss Se-
nhora do Carmo, envlaram-nos o seguinte so-
neto :
L 00 cimo ds montsnhs sppsrece
A celeste visio da vlrgem para;
Nova estrella do mar, 00 co fulgura,
BnlbanUaeim* aurora resplaodece.
Eia sobra as rochas do Carmello desee
Lxenle navem d'uma immenaa altara :
R, vists por Ellas, em figura
A reinba de imperio recoobec*.
Nos coa, na tarrs, todos espersvam ;
Eis que Maris am Nszsreth ossoids
Como os prophetss lodos indicavam.
E por todo universo engrandecida
Por quem oa Elisoos saspirsvsm.
Eis a Hii, ao Carmello orometlide.
L-se no Aeoriano Oriental:
Ssiba o compadre,que am dos meos corres-
pondentes da cidade invicta do occidente, par-
tlcpando-me os feitos mais notsveis all occor-
rldos, me diz que em ums procissio de Peni-
leocia que ltimamente all se fez, vsi um cor-
sno DRurando snjo qai me faz recordar as oos-
ae Terceiroa, Passos e Endoenga, em que
anda i tres annos, se viam igaaes msndrioes
representar propheta a santos; cootaodo-me o
eguiote caso em que um Blho dests ilhs s quem
alii coovidarsm psra flgarar de snjo, tosou os
diabos que o tentaran) :
Fizeram-se aqui as procissdes de Penitencia ;
s ultima foi a do Triumpho, aonde excellente
J?eroa mboco, 17 annos, splteiro, eacrs-
olo. ttano.
Peroambaeo, 35 apnot.
ernambaco, 8 das, Bos-Vists, e*-
pssmo.
Coeeae, Fotnaumbuco, 7 das, Be*>.Vists, ee-
pasma.
Um borne* cuj* oome ignora-** Por ter fsllsti-
* ao *otrr na hospital Pedro II.
UreaU Ras a* Virgen, Pernambaco, 90 aa-
aaa, viarvs. Bea-Viat., velhlte.
Harta Alesandrtaa dr Concei^&o Amorlm, Per-
nambuco, 23 anoos, casada, S. J0i4, eonges-
tao cerebral.
Miooel dos Santos Bello, Rio de Janeiro, 90 so-
do, olteiro-Boa-Vista, phtysics pulmonar.
Uereocis. 30 sonos, Bos-Visls, hemiplegia.
Constancia da Alboquerque Maranbio Mello,
Pernambuco, 55 aooo*, calada, S. Jos, iota-
rite chrooies.
Jos Jaouirio de Arauo, Pernambaco, 40 snno,
csssdo, S. Jos, cholera.
CHRONICAJUDICIARIA.
Tribunal da Relaco.
SESSAO EM 15 DE JL'LIIO* DE 186X
PRESIDENCIA DOBXM. SR. C0SELHB11O EMURfO
DR LEAO.
A's 10 horas da msnbia, presentes os senhores
desembsrgadores. Caetano Santiago, Gitrana,
LourenQo Santiago, Peretti, Accioli a Ucboa C-
valcanti, faltando os Srs. desembsrgadores Sil-
veira, a Guerra, procarador da corea, abria-so
a essio.
Passados o* feitos, e entregues os distribuidos
deram-se os seguiotes
JLLGAUESTOS.
AppeHaget crimei.
Appellsnle, o juizo ; appellado, Francisco An-
tonio Uarianno. H
A' novo jury.
Appellante, o ]*izo ; appellado, Jos Mery
da Silvs.
Msodou-se juntar copia da acta, e que o jai
de direilo desse 1 razes de saa eppellacio
Appellante, o juizo ; appellado, Domingos Ei-
coci Drummond.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Francis-
co Alves Peqaeno.
servando-se o disposto no decreto o. 2.801 de 19, eatylo, 0 ssots pratica. ir um' horoem vestido da
it,m
t
je^
cgulri-
planta-
IheiUa
os de
?
SAUDE PUBLICA.
No decurso do snno qus acaba de Andar eon-
servou-se sempre favoravel o estsdo sanitario
da capital do imperio.
A excepeo da phtisies, ds syphilis e de slgu-
febres intermitentes e erytipelatosa, que
mas
sio endmicas nos Ingsres paludosos da bahia
do Rio de Janeiro, nenhuma epidemia grave por
sea carcter ou seus effeitos apparecea no muni-
cipio neutro.
A febre amarells, que j se considersvs end-
mica no nosse porto, deixoa de manifestsr-se do
fim do vario de 1800. e st hoje nao resppa-
receu.
Este notavel aeonteciaento do nosso estsdo sa-
nitario se confirma pelo exao.e do mappa esta-
tistico da morlalidade, qoe registros 8,587 bi-
tos, representando portaoto urna diminuic.o de
2,431, em relecioeo anoo aolecadente.
Na fregaesia da Goaratiba msoifestoa-s* da-
rn te o anno a epidemia das bexigas, que feliz
mate nao se prepageu a outro* pontos.
O goveroo dea, come era de aeu dev*r, as pro-
videncia convenientes para atalbar os progre-
so* daquelle mal e para serem soccorrldos os eo-
fermo oeceisit.sdos.
A junta central de bygieoe publica contina s
cuidar dos deveres a atm csrgo; mas mullo lhe
reata ainda a fazer a bem da salubridad publica
e da polica sanitaria (Aooexo B.).
Tambem osa provincias o anuo de 1881 tocou
quasi a seo term, sem qoe dursote elle a ssude
publica aoffresenotvel alteracio.
Diversss molesliaa, qae se manifestaran! com
carcter epidmico em algamaa deltas, foram, em
geral. benignas e lio pssssgeirss, como as can-
sas almospherice, que determinaran! o sea ap-
paracimento.
Naa provincias de Par, Rio-Grande do Horte,
Cear, Alagoas e Plaaby. a febre amarells, os do
Ro Grande do Norte s bexiga, as do Paran e
Mioae-Gerae. signos case* fe febre peroiclo-1
sas, e oa da Bshis diversas molestias qoe ataca-
ram especialmente es individuos emigrados dd
ssrtio e quedessppsrsccrsm medida qae elles
regressarem a seus lares, foram ss nicas que se
manifestaran! dorante aquello periodo, sem que
todava produzinem notareis estrago.
Nos ltimos dias, porm. do mez de dezembro.
daquelle mez, que redusio o aeu pessoal ao res-
trictamente oecessirio para sua cooservscio, e
para acudir promplameota ao servico, quando
circamstancias extraordinariss exijsm a sus aber-
tura.
Em vlrtude dessa redueco e da diminaicio dos
veocimeotos dos empregados, que tiveram de
permanecer no hospital, a despeza mental com o
seu eusleio, que seria de 2:9O0O0O, passou a ser
de 1:500.
Fra paca desejar qae a sdmioistrscio deste
estabelecimeoto passasse para a Santa Casa da
Misericordia, mediante urna subvencio annual.
Nesse intuito dai algum passos; porm nao coa-
viudo mesms Santa Csss encarregar-sa dalla
por causa da situsgio do hospital, leve o goveroo
de desistir da idea.
Entretanto, parecendo-me conveniente que ca-
le estabelecimeoto perca e carcter de reparticio
publica, deixando o governo de iotervirnaa me-
nores psrticularidadaa da sua adminiatracio in-
terna, embora conserva sempre sobre sua mar-
cha a acco immediata e efficas que deve ter,
hegoei a combinar com os mdicos, que all ser-
emanas bxsa*a de um coatrato, em virtude do
ual devia ficar a cargo d'lle o cualeio do hos-
pital, mellante a subvencio de 1:3009 meosaes,
destinado psrs as despnss do cooserva^ao, e s
diaria de 2 por cada um doa enfermosa que all
f'jsaem tratados. |
Deasa providencia resultara notavel economa"
para o thesouro, sendo tambam de esperar que
com ella nada perdera o serviqo do hospital.
Demore!, porm, a celebraeso daquelle contra-
to, porqoe em objecto de tanta gravidade, qae en-
tende com a ssude publica, deseja o governo po-
cederjeom toda a|circumspeccio e madureu, de-
pois de ouvir o juizo esclarecido de pessoa im-
parciae e compelaotes.
INSTITUTO VAOCINICO.
O servieo da vaccinacio continua a ser ftito
com regularidade na corte e as espitses das pro-
vine! ss.
A mesms regularidade, porm, nio se nota
quanto a outroa pontos, nio a em virtude da re-
pugnancia das classes menos esclarecidas, coma
porque nem todos os commisssrids vscciosdores
procedem com necessario zelo no desempeoho de
um encargo oio retrbluido.
O progressivo desenvolvimento da illutr;ao
00 paiz deve coacorrer poderosa me o te para que
ae propague o uao de lio til preservativo.
Forsm vaccioados 16,327 individuos no perio-
do de julho de 1860 a juho de 1881, cerno cons-
ta do msppa, aooexo kt.
ESTABELECIHENROS DE CAR1DADE.
Os eatabelesimeotoa pios a cargo da Santa Ca-
sa da Misericordia funecionaram com regularida-
de, como era de esperar de aua xelosa sdminis-
traco. (Aooexo C.)
O hospital gersl recebeu dursote o sano pis-
sado 12.385 eofermoa, dos qasas sshirsm curados
9.945, fallecersm 1,645 fiesram as enfermarlas
795. A morlalidade regulou por 13,2 0[0.
No hospilsl de Pedro II atrsram 00 mesmo
anno 274 alienado, sahicam curados oa deixsram
o estabelecimeoto 175 ; fallecerana 78. a fiesram
em iratameoto 377, dos quaes 208 homeos e 169
mulheres.
No recolhimento dss erphiaa existiam, no prio-
cidio da 1861,79 orphias e 23 pensionistas, en-
traran! durante o anno 19 orphias e 1 pensio-
nista.
Retiraram-se no mesmo periodo 1 exposta, 1
pensionista, 4 orphias qua se casaran, 3 qae fo-
ram estabelecidas, e 1 reclamada por sua familia.
Fallece* 1.
Existiam por tautojno estabelecimeoto, no prin-
cipio do correte aono, 80 orphas, 36 expostas e
23 pensionista.
Na casa dos expostos forsm recolhidas 510
crisocM.das qua* alleceram 265,e foram rotla-
madas por seus pais 7.
Destes algarismos v-se qus a proporr,ao ds
morlalidade, que bavia lid* progressivo decresci-
mento desde o mao de 1858, e que toi em 1860
de 17, 5 0(0, levom-e, no decano do aneo pr-
ximo fiado, a mal* de 50 0i0.
Este resultado, sem duvida pouco aalisfacterio,
oio ser maito psra admirar ae i* stteader oa-
lureaa especial deszaseaUbelecimentos, que.raea-
mo nos paizaa msis adiantados da Eureps, ni*
tem conaeguld* senio lentamente a depoia de*
mai constants eaforos, diminuir craacida oa*r>
talidad* da* infellzes, qa* nelle* sao soccor-
rldos,.
Nao podando sttribuir essa maier mortalidad*
seoio accio de cauaaa transitoria* tadepen-
dentes do zelo da adminislrecio, j provado aes
anoos anteriores, o governo coofia que a solici-
tud* philantropia daa digooa meeabros ds mes-
ms adminialrscio se emeenhsrso em investigar
squellas causea, sfim de que sejea* promptaaeo-
te removidas naquillo qae dependes dea sea* *s-
forcos.
(Continuar-u ha).
appellado, Joio Fa-
sppellsdo, Joio. Maooel
appellado, Joio Mximo
appellado, {os Igoaclo
ojo, que mais parece msrmaojo, provocando o
riso das passossssnsstas, e pasmaeeirs dos esm-
poneus. E' costme escolher para este fim um
hornera aioda aovo, e de boa presenca.e quando
est prximo o dia nio fltaos candidatos ao tal
emprego, os quae* sofirem primeiro multas mao-
gaces de algn irmsos do Carmo, pertenceotes
aos artista; e a este respeito nio posso deixar
de lhe coramunicar o seguinte csso occorrido por
tal occasiao:
Reside squi um tal Jos de Meieiros. filho des
Fanaes da Vera Cruz, dessa ilha e que teri pouco
mai ou meos 40 aooo* de idade. Disaeram-lhe
aoa do lac^ carissimos Irraao, que elle seria ao-
jo cale ano, por ter as qaalidades requeridas,
ele aso que era preciso eosaisr-se no modo de
andar os procissio. so qae soouio de boa f
o nosso Jos, de Ifedeiros. e combioaram que o
enaaio teria lugar no da 2 do correte, noite,
no adro de S. Francisco.
Porm um verdadeiro amigo de Jos de Me-
deiros, ssbeodo do convite, correa a aviss-lo, de
que elles o querimca?oir 00 adro, riodo-se
sua casia. Jote de Madeiroa podia tambem casoar
com siles oiocompareeendo no local e hora de-
signados ; mas como michselense oio se conten-
tou com islo. Antes da hora foi psrs o adro, es-
condendo n'om esnto do prtico do edificio ams
vardaaauinba de S. Miguel (ccete ou bordan), e
abio a dar urna volta a espera que aoottecesae;
e quaodo voltou hora aprazada j achou do
adro os qaatro sucios que o tioham convidado, e
que projectavam divirtiese sua casta, porm
foram buscar lia e achirara tosquesdos. O nosso
Joi de Medeiros, comegando a ensaiar-se, e an-
dando do lado opposto psra aquella aoode tinhs
escondido o bordio, langa mi deste, e agora o
veris I Sacudi tres st a prtca da Restsuraco,
(distancia de os50 a 60 metros] e ouviodo gri-
tar o qaarto, quu fieara alraz 'na ladeir de S.1
Francisco, retrocede* a dar-lhe a devida recom-
pensa.
< Este facto torno*-se publico nesli cidade, e
geralmente se d s razio a Jos de Medeiros. qoe
tambem soube ensinar os tses esperto, que j
por vece* tioham impunemente prgalo iguaei
eecoadasa pessoa de fra da trra.Ambrozio.
Refarticao da polica. (Extracto das psr-
tes do dia 15 de julbo).
Forsm recolbido casa de deteacio no dia 14
do correte :
A.* ordem do Dr. juis muoici'al da 2a vara,
Joio Sabino da Silva, branco, de 51 anno, car-
pina, por oio ter. como depositario, apresenta-
do os beos que se schavsm em seu poder.
A' ordem do Dr. delegsdo do 1* districto, Joio
Aotooio Ferreirs, branco, de 17 annos. eotalha-
dor, e o pardo Jos Looreoco do Nssciment, de
19 sonos, marcineiro, psra recratae; Ioeocencio
Rodrigue Lima, branco, de 22 anno. propie-
tario, a Vicente Lerins Alves de Figuciredo,
tambem branco, de 21 anno, dado negocio,
por se terem opposto ama prisa o, bem como s
parda Candida Maria do Espirito Saoto, de 22 an-
no. eostureira, por briga.
A' ordem do subdelegado do Recito, o Portu-
gus Bernsrdino Francisco Juoqueire, branco, de
24 sobos, cocheiro, por insultos, a o Veoezisoo
Jos Peronea, tambem branco, de 23 anno, es-
livsdor, por embriaguez e briga.
A' ordem do Saoto Antonio, os pardos Jos
Joaquim da Silva. d 20 aonos, dsdo sgricul-
tura, pera averigoaces em erim* de estelio-
nato uso de armss detazss, e Maria Joaquioa
do Nascimeoto, d 19 snoot, eostureira, por
disturbios.
A' ordem do de S. Jos, o crioulo Martinbo
doa Saotoa, carpi, posto disposicio do Dr.
delegado do primeiro districto, para recruta.
A' ordem do da Cepungs, o Portugus JoSo
Jos Alvos ou Leite Marques, branco, de 35 an-
oos. (eitor, por briga
A' ordem do da Varzea, Hanoel de Jess da
Hora, pardo, de 18 anno, padeiro, posto dis-
posicio de Ulna. Sr. Dr. chele de polica, psrs
recruta, fei sollo per ser defeilaoao.
O abofe da segunda seccio,
A G. dt Maquila.
Movimento da casa de deten;io do dia 14
de julbo.
A' aovo jary.
Appellante, o juizo
gandes de Araujo..
A' novo jury.
Appellante, o juizo
de Souza.
A' oovo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Belarmino Fer-
reirs Cslado.
A* oovo jury.
Appellante, o juizo
Espinla.
improcedente.
Appellante, o juizo :
dos Santos.
Improcedente.
Habeos-corpas.
Negou-se soltara pedida em bsbeas-corpos por
Jos Caetaoo Gomes.
DILIGENCIAS C1VF.1S.
Com vists so Dr. curador geral
Appellaco civel. I
Appellante, Hanoel Gomes da Silva ;\ppella-
do, Maooel Claro Goncalves Guerra. \
DES1CNACO DE DI*: \
Assigooa-se dia para julgamento \das se-
guales l
ppellacbts crimes. J
Appellante. o promotor : appelladosFBrasilno-
Joi Fernsndes. y ^
DlBTRlBUgAO.
Aggravo di petico
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago :
Aggravante, Mathias da Azevedo Villarouco ;
aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Silveifa :
Aggravanl*, Francisco Rodrigues de Almeida ;
aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Gitlrana :
Aggravante, Jos Faustino de Lemos ; aggra-
vado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Peretli :
Aggravante, o desembargador Figueira di Mel-
le aggravado, ojaizo.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Aggravante, Manoel Pereira Caldas ; aggrava-
do, o juizo.
Ao Sr. desembargador Ucboa Cavalcanli :
Aggravante, [Jos Maria de Alcocer ; aggrava-
do, o juizo.
A' meia-hora depos do meio-dia eocetrou-se
a sessie.
Existiam.
Entraram.
Sahiram.
Exiatem. .
369 presos.
13
15
387
A saber:
Nacionaes 256
Mulheres; . 5
Eslrangeiros. 30
Eseravos. . 68
Escravss. . 8
Total.
367
1EKNSMBUC0
na_ JIEV1STA OlRIA.
O Rxm. Sr. presidente da provincia no intaito
. de dar ciaeucao ss vistas de legislador provincial
deienvolveu-se oa povoagao do Crusogy, termo 1 cosa reluci ae eatataldo noa arta, 6 11 da le
da cidade de Goysnn, prorlncia de Perosmbu-
co, ama epidemia, quo desde logo se recoobeceu
ser o cholera-morbus, e qoe, propsgsndo-sa pou-
0 a pouco pelo* manleipios eircumvislob**, io-
4 11o a provincia da Parabybs, onde peoetrou
% capital, msoifeitaodo-*e tambem *m se-
Riida oas provincia do Cear Rio-Grande do
orle. *m>
Nio obelante iKpompto* socoorro*. qa* tem
sido prestados peSidmioiatraclo daquelle* pro-
vincias, a o carscler evidenUmante mato besjj
no, qse Um aprMaoUtU w afideaia kmmi
rraaaVll d* 18 de jeobo da 1861, acaba da recem-
meadar a directoria geral da ioatruceao publica,
que confeccin* Ib* proeenha am nava plan
da simio* para o Gynsaasi Pravinctal, bem co-
mo a*modiGcar,5s qae o respectivo ragaUmee-
to hj a arsesr.
Nos tarmoa do avisa do ministerio de lc-
tica de 18) d* taswiro prximo paseado, o* oficio
d* juanea awwaoMu cread** oa as que se
d*am rsg* provfsaria oa
fas]
Alimentado a casta do* cofres provin-
ciaes. r........ 145
Movimento da enfermara do dia 15.
Tiveram baixa :
Jos Dusrte de Ollvelra, rbeamatismo.
Lahd*Pr*aea de Carvalho, lotermiileote.
Tev* Na :
Joa Veroolco. *
Psssgeiroa do brigue nacional Marqutx dt
Olinda, sabida par* Rio-Grande do Sal pelo
Rio da Janeiro: FrardeUna de Albuquerque
Bandeirs de Mello e so* tia Antonia da Albu-
querque Beodeire da Meno, um escravo Laiz
crioulo do capito Francisco Vieira Leilio de
Mello.
Matadocro ubiico :
Mataram-se para o eensumo desta cidad* no
dia 15dejanho81 retes. ,
OarrcARio 00. ou lIJsaJinxHO, no cnntl
ruanco :
Perneaba**, 3 aais, Bat-fUU, -
sao
'

!
Publica;oes a pedido.
1M" -U^ mmm^^mtm*^^^*-
Ao publico
Acaba de dar-se eomlgo um facto que deman-
da explicacio afira de que, pessoss mal inteocio
nadas, oa inimigos gratuitos nio tirem delle 11-
lsccesdesfavoraveis minha repata^io.
Joio da Silva Piriaa, era meu credor porduss
leltrss que a sus iotoleraocia a mi vontade fize-
ram ajulzar pelo juizo commercial; ama dellas
proposts pelo esrtorio do eicrivio Maooel Maria,
ebegou o p de penhora, qae recahio em am es-
cravo meo, e do eacravo penhorado assignei de-
posito.
A esse mesmo tempo sjuiza Parias a outra le-
tra pelo mesmo juizo, escrivio Paes de Andrsde.
A respectiva accao eslava apenas iniciads.
Nssts cnnjuncturs procuro ao mesmo Fsrisa, e
lhe proponho de vender o escravo e por fim
execucio, no que elle aasentio : em coosequen-
cia vendi escravo psguei-lheem minhainten-
cao eisa execuco com o seu producto.
A deslealdade porm por mais esta vez illa
quiou a mioba boa f : apreseata-se-me um reci-
bo queguardei suppondo *er a quitscio da execu-
Qo, ao passo que como muito tempo depoi* ve-
ri liquei, elledizia respailo accao inicial pelo
csrterio de Paes de Aodrsde II!
Nio tinhs examinado tal recibo e flqaef tran-
quillo s respelto de tal execucio e deposito....
As deligeocta* qae priociptei a fazer aflm de
pagar essa letra, que como se vi, oio pensoi te-
la pago, foram interceptada por graves iocora-
modoa de saude, qoe m* proatraram de eama.
Decorridoa uns qastro mezes, pesco msis oa
menos, soa citado pelo mesmo Fsriss para apre-
sentar o escravo avaHacio, o mesmo sscravo-
que por seu mesmo consenso eu tinha vendido a
cajo producto elle baria recebide 111 Poi eolia
que verifiquei a citada em que se me tinha en-
volvido 1...
Offereci diversos objeclos em substitaicio a
preso, a da valor equivalente: a nada accedee o
mesmo Fariaa at qoe finalmente extrahe um
mandado de captura contra mim, em virtude do
qual estiva por sgaos dias deteoto II
Eis por lano a expliescio que me compre dar
a esse fado, cajas honras devem distinguir con-
sidera velmente ao aeu autor entre os homeoo
leaes, honesto probo*.
O publico portaoto, es meu* conheeidos veem
que essa deteocio oio me pode prejodicar, e sim
' quem dalla foi o autor.
Eliat Ptrtira Gongvlves ia Cunha.
Dialogo entre o Pirequet e o JuqniRlia.
Nao sabes diz o Pirequal, qae aioda **n-
tioo* o insignificante oolicUdor do Apedy a da*
expaosio sua estopeada e prodigiosa Inaagi-
ncao Til
Comment, aonttenr 1 quelUipan
vous de prononetr ? ,
Oul, Vellozo amigo, pois anda ignoras
Olti.
Ei-la : a mentirs, ipveja, a faria *
aespero"aeompanhadc.de um d'eue aascju
tes rabudos e atrevido, qaa tem por fim a co-
barda, a futilidide e banaldade de so** ioqa*.
liflcavei moxoolfdss, formam o aeu pago '"TtMS.
.davel, cejo paliau/o fcil s auazmenl*, zembaav-
do de sais ira potadas e saberba* oodas, as kcea*>
mitle toto ores,
lito squi par nos qae ningacJ nos ouc
(fut d dir, d-m* *m traeos miados.
r- J que rt omisso e neaMtat*. *n dar
ao manos ama corridella no que d 1 boa mm mo
d* verdadeiro o* falso dixem o* joro a es- dina t.
qa* hit Mttats illum ciali, Ljav tt tbMufmi upa
magna vui,a*Jtw\o dt Pernanbuct ouaaoca
159, acere* das notictaa do Appdy. UtndiU t
*r?9 '2. i'1*18 d ltam**k* a* SasMlaaon*
doApody dix: o ricaco de Carsubss, logo qca>
o ivstaim swancpR nutu M aaNuate* d*W
rMUtlLADQ

......'
MMat
KUSI
ana


1
**&
II
DIAliO D% #BAMiO0. QUAftTA lt DI JLLHO Oi lii
termo, mandn por id se* miser/vel caixeiro co-
brar ludo, qmnto te lhe den, ordenando o
mesmo que arrancaue al ti afgolat de Qut "
orelhas das mulberea do* sesj devedoMaf O
mesma,aiqueroso aoimalejo feve o destoco dt tf-
haogar que o cbolera-mefbus tem e'l menot
medo ao poro, do que tolera coca que aquello
misera vel (sia gtoaioa ex pr esto) usurario pro-
cura trrecadar o qualhe devtm. Agora, mi amxce
eneatU rizumt Ni, que conhecemoa ease rl-
Rada abalutameato ; < os mais todum, nao
le aaro man libios ; appellemos para a cons-
cieocit da todos os habitantes daquelie termo,
pedinde-lheeespeciilmeote que se digaem res-
ponder acerca daquelie facto com urna t osla-
vrt ou sin ou nao : sa auperar o primeiro,
protetto solemuimente nunca mais por o preto
no braceo pira cumprimento do que me tenbo
encarregado, e alem ditso fica o dito por nao dito,
su o segundo porem desmtntir o ficto, resullarl
em bem a utilidade desmascarar-sa a mais re-
quintada perversida le audacia d'esse que ul-
irapasst a limitada esphera de sua nihilldade ;
d'esse cujo coracao, lalvez bem eapesinhsdo,
veneno, aaogue e lagrimas escorra. Finalmente
cooclao que do arrojo d'essa etlooteada cabega,
que est la merci des vens ti des fiott, tudo
pole sabir; qaem no probare onde est o hoc
opus, hic labor est, e a tanto nao o ha de ajudar
engenho ou arte.
Vou me deixiudo ficar un pouco mistado, e
per iaso ralbo-me ainda das pagioaa do mea fa-
vorito Bardo :
Raga iafame de vboras dolosss 1
Podeise urna t oocoole-las todas,
E o piloto (otse eu : iriumphu eterno 1
Ii*re era o mundo e os scalos vingadot 1
Desejos sempre vaos 1.. reaes t dores.
Acretceola Juquinha:
Em quanlo olbos e mos houver nt trra
-ons e mos apedrejem-o passindo. a
Et requieicat in pace.
E' verdade. Pirequel, antes de separarmo-
nos, sabes quem esse tal dos palanfrorios do
Apody ?
Sei, estou bem certo disto ; porem etta cer-
Usa s ter o seu respectivo sello, depois.da che-
ga i i do Jaguaribe dos portos do norte.
flien, vion cher ami, je vous remercie.
E eu tenbo concluido.
Ainda corre porconta e riico do
Pirequeti.
Recite 15 de julbo.
Edita**
Pela ipipsscioToVtffdlfi se faz patlico que
do dia 18 do eorrente mez, depois do meio dii,
na porta damesmt alandegs, ae bao de arrema-
tar em hasta publica os objectos constantes dos
rolumes abalxo declarados, compraheodidos no
o. do art. 299 do regulamento, aendo a srroma-
tagao livre de direitosto arremattanta.
S/M 4 caizas com paufusos de ferro, grandaa,
com porcas pasando 1WI libras, valor da libra
167 M. 1111088.
Diversas pegai da ferro fundido em obra pe-
tando 602 libras, vslor da libra 100 rs.. 608200.
Diversas pegas de lalo pesando 40 libras, va-
lor da libra 8(0 rs 330600.
H P 1 caita com duas maogueirssde sois pa-
sando 40 libras, valor da libra 500 rs.. 20rO0.
W Duro 1 cala com medicamentos nao clatti-
ficados pesando 100 libras, valor da libra 20, 200S.
S/M 1 caixa cooleodo 1 tallo de coaro coberlo
de algodo, verdadeiro valor 16g0O0 : 1 cinta de
couro coberta de gilo, verdadeiro valor 100000;
2 patrones pequeas, valor de cada urna 600 rs., j "em 730 mesmo
lhiis Baitot i..... 408|000
dem 41ViscondedeSuissuna. I8O9OOO
dem 43Jos Francisco Larra. 305000
dem 45 *- fos -Francisco Larra
. Penna. .'...... 75fG00
dem 47O meamo..... 570600
dem 49Bernardino Jos Monteiro 900900
dem 51Bernardino Lopes de Oli-
veira.......... 75*000
dem 53Innotencio Rodrigues Li-
ma........... 451000
dem 570 mesmo...... 45&OCO
dem 59-Alexsndre Jos da Silvl. 45*000
dem 61Orpho Jos Rodrigues
Lima......., 450000
dem 63Bernardino Lopes de Oli-
vaba ....... : 9O5OOO
dem 65Mara do Csrmo Nanea
Ferreira......... 60*000
Idam 67Herdeiros de Joo Vieira
Lima.......... 45*000
dem 69 Alexandre Joa di Silva. 60*000
dem 71Antonio Fereira de Ol -
veira Ramoa....... 45*000
45*000
COMMRMICIO
\ t*raca do Recife 15 de
'julho de 1862.
iVs t\uairo horas da tarde.
f.olacees da jnnta de corretores.
Cambio.
Sobre Londres 90 d|v. 26 d. por 1*000.
Sobre Pars -90 d[v. 366 rs. por franco.
i. da Cruz Hatedopresidente
* John Gatissecretario.
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
oa. '* OE JULHO DE 1862.
m banco desconta na pre__' -na a 10*/.
ar> anno at o prazo de 4 mezes, e a .' -'* o
de 6 mezes, e toma dinheiro em cantas correles
simples ou com juros pelo premio e prazo que se
convencionar.
AliAudesr,*,
.enlmeuto do dia 1 a 14. .
dem do dta 15 ,
172:6800118
14.2365511
186 916*629
Hovlmeuto da *lfskndsx,
'--el entrados eomfazendas.. 2z7
loii gneros.. 106
DesairriMQi no dia 16 de jalho.
Barca nacionalTSoassicacar*o.
Patacho iogltzHollhyhorkbaealho.
Patacho ioglezMary Blockmercadorias.
Escum dinamarquezaNsncyidem.
Patacho americanoRoaDkefarinha e aendas
Brigue inglezFloritmerca.loriar.
Iinportafo.
Pathaco americano Roanakt, viodo de New-
" entrado em 14 do eorrente, consignado, a
y Foslers & C maoifestou o seguinte :
717 barricas farinha de trigo, 50 .caixas cha,
i rooinhos, 100 ditas gaz, 75 volumes candi-
. 2 grades de ferro 1 caixa arreios, 1 dita sal-*
13 machinas para coser, 1 burra de ferro, 1
rica smenles; sos consignatario?.
0 baraicas farinha de trigo, 30 caixas cha,
Exportaco
do dia 14 de julho.
vio Ioglez Zoi, para o "Canal, carregaram :
jfts Lathsm & G.,600 saceos com 2,000 arro-
bas de assucar.
Brigue iaglez Cantos, para Liverpool carre-
garram :
Krabbe Thom & C', 1*100 saceos com 6,000 ar-
roba de asiucar.
Barca fraoeeza Marie Nicola, para o Havre,
carregarim :
Tissetsfreres, 150 saceos com 1,258 arrobas de
algodo.
Barca oriental Marianita, para" os portos do
Rio da Pnta, carregaram :
Amorim Irmos, 250 barricas com .1,436 aaro-
bas e 5 libras de assucar.
Brigue portuguez yutea Amelia, para Ben-
gaella por Lo-oda, carrega :
Antonio de Almeili Gomes, 150 pipas com
27,550 caadas de agurdente.
Brigae portuguez Soberano para Lisboa; car-
regar :
Thomaz de A^uioo Fonceca Jnior, 45 pipas,
10 ni--as com 9,190 medidas de agurdenle :
-; Patacho portuguez Lima, para liba de S. Mi-
guel, carreg-ram
Palmeira & Bretrao, 3,000 achaa de leohs.
Brigue portuguez Julio, para Lisboa, carrega-
ram :
Jos di Silva Loyo & C, 10 cunhstes com 99
arrobas a 19 libras de assucar.
Thotnaz de Aquioo Fonseca, 45 barris com
1,845 medidas de mel.
Brigue portuguaz Amalia /, pira o Porto car-
regaram :
Cuoba Irmos & C. 2,200 saceos com 11,000
arrobas de assucar.
Heeebedorit. das rendas Internas
areraesi de Pernambuco
lUndimento do da 1 a 14. 27:9733934
Idam 4a dia 15......: 3:016a703
1*200; 1 par de loros de couro cobertos com ma-
Ihta da rame, valor 3*000; 1 tiln de couro
braoco pesando 2 libras, valor da libra 2*700,
5*400 ; 2 pares de eaporas da ago valor de ama
500 rs. I5OOO ; 3 talios de couro velhos, valor de
uoi cada 200 rs., 600 rs. ; 1 ciato de coaro io-
vernitado apparelhido de prats, valor 12J000J;
1 bandelra de flanella velhs, valor 200 rs.; 1 sac-
co com pontai de couro pesando ama libra, valor
500 rt.; 1 chicote com acaula, valor 2*000 ; 1
chicote para mo, valor 2*500 ; 1 aspada com
bainha e copos dourados, valor 16*; 2 espadas
com baiubas de ac e copos doarados, valor de
cada urna 6*000, llgOOO; ama bainha de metal,
vaor I9OOO.
J. P. Sramgman 1 caixt com 2 resmas de 'pa-
pel paquete pesando 6 libras, valor de cada libra
340 rs. 25040.
Le Chevalier 1 caixa com fraaquiohoa contando
colla liquida pesando bruto 96 libras, valor de>
cada libra 2*. 192*030.
S/M 2cslxiohas de madelra pesiado 6 libras,
valor de cada libra 1*. 6*000 ; 2 embrulhos com
cartas geographicas pesando 6 libras, valor de ca-
da libra 55,30*000 ; 2 embrulhos com 30 varas
de taltgarca, valor de cada vara 200 rs., 6*00 ;
1 embrulho com 6 fechaduras de ferro, ordina-
rias, pesando 5 libras, valor de cada libra 300 rt.,
1$500; 1 embrulho com calxinhas cootendo ilhs
de metal pesando 1 'ibrt, valor 840 ri.; 1 em-
brulho com impretsos petando 13 libras, valor de
cada libra 1*. 1US000 ; 1 embrulho com 5 calxi -
nhaa cootendo liorna pesando X libra, valor de
cada libra \$, 1*500 ; 2 embrulhos com linha
preta pesando 3 libras, valor de cada libra 15,
3*000 ; 2cartet com 8 enfeites para cabera, va-
lor de cada um 2*. I65OOO ; 15 calabrotes de bar-
bante pesando 7 libras, valor de cada libra 270 rs.,
18890 ; 4 chapeos de feltro,-aendo dous em bom
estado, valor de cada bm 4*. 8*000 e dous al-
gnma couta estragados, valor de cada um 800 rs.,
1*600.
4* seceo da aifandega, 15 de julho de 1862.
O 1 escriturario
Joo Carneiro Lins Soriano.
Domingos Alfonso Nery Ferreira, commeodador
das ordens da Rosa e di Chrisio, commandan-
te superior interino da guarda nacional desie
municipio, e presidente do conseibo de revista
di mesma guirdi nicional por S. M. Imperial,
que Dos guarde, etc.
Faco saber que na 3a domioga do presente
mez, (20 do correte; se reunir o cooselho de
revista da guarda nacional, como determioa a 2*
parte, do art. 25 do decreto 1,130 de 12 de margo
de 1(53, na sala das sessoes da cmara munici
pal desti cidade s 11 horas da manhs, na con
f:-T>1dade do art. 44 das nstruccoet u. 722 de
25 d<> ouiuu.. '" 4850, afim de tomar conheci-
minlo dos recursos, qu* .:-"> sobre os casos
do ait. 33, e qu forem interpostos pela f**ra
determinada no art. 38 das ditas nstruccoss.
E jara constar a quem convier msndei publi-
car pela imprensa.
Quirlel do commando superior interino, 12 do
julho^de 1862.
Domingos Alfonso Nery Ferreira.
Olllm. Sr. inepector da thesouraris pro-
vincial em cumprimento da resoluco da junta
da fazenda, manda convidar aos propietarios
abaiio declarados, para eotregarem na mesma
nrari no n-az0 aa M uaJi a contar *'
. K,._.-----r__----,_ __ ,,,.,.,, importao-
ia das quotas com qae devem entrar para o cal-
mnito da ra das Laraogeiras e partes da do
a comegar da extremidade da do
2UeT,ai '" T" E,lre'la Ra.ngel ale ^.^-..
c^roforme o disposto na le provincia n. ,
' Adverte-se que a falta de entrega voluntaria
ser ipunida com o duplo das referidas quotas,
segundo o artigo 6 do regulamento de 20 de de-
zembro de 1844.
37*500
60*000
681000
dem 85Orpho Joo Rodrigues
Lima ...,.
dem 77Alexandre Jos da Silva,
dem 790 mesmo..:...
E para constar se mandou afBiar- o presente e
publicar palo Diario. *? j
Secretaria da tbesoararia provincial de Per-
nambuco, 14 de jucho de 1862.
O secretario.
Antonio Ferreira d'Aanuneiacao.
tedaraefs.
Lisboa.
Pretenda sabir ou toda a brevldavda o brigue
portuguez Soberano por ter mais de mei car-
ga prompla : pera o reato da carga e pistigairoi,
trttt-ae com o eontigoitario Thomaz da Aquioo
Fonaeea Jnior, na travesea da Madre de Deoa o.
7, primeiro andar, oa com o capitio Antonio A-
gottinba da Almalda. na ra?a.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Navegajjao costeira a vapor.
Parahiba, Rio-Grande do Norte, Macau,
Aracaty, Cear, Acaracu' e Granja.
O *apor lauaratt. commaodaoie Viaone,
lahir para os portos do norte at a Graoja no
dia 21 do eorrente a 5 horas da tarde.
Recebe cargt at o dia 21 o meio dia ; en-
coalDModas, passageiros a dinheiro a frote at o
dia da sabida as 2 horas : escrioiorio m Forte
do Maltot o. 1.
Santa casa da misericordia do
Recife.
A II!tria. junta admioiitrativa da aanta casa de
misericordia do Recifa manda fazer publico, que
no dia 17 do eorrente, pelas 4 horaa da tarde ni .
sala d fluas sessSes, irao a prega para serem srs
rematadla a quim mais der as reodas das csai-
abalxo declaradla, perteDtentes ao patrimonio dos
orphns, palo tampo que decorrer do dia da arre-
matigo a 30 de junho de 1865.
A siber:
Ra da Madre de Daos n. 4,1:621* por enno.
Dits da Lapa n. 2,182* oor anno.
Dita da Cacimba n. 5, 3005 Pr anno.
Dita do Burgos n. 19. 205* por anno.
Dito do dito n. 21, 125* por anno.
Dita di Seozalla Velha n. 132, 753* por anno.
Dita da dita n. 134. 753* por anno.
Dita da Guia n. 27,1625
Dita da dita n. 29, 168* por anno.
Dita do Pilar n. 2, 157$ por anno.
Dita do Sebo n. 3, I6O5 cor anno.
Dita do Roiario da Boa-Vista n. 60, 2015 Por
anno.
Parnamerim (sitio) 500$ por anno.
Os pretendentet devem comparecer
nhadot e seus fiadores, ou munidos
dettes.
Secretaria da tanta casa de misericordia
Recife 10 de julho de 1862.O escrvio,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
acompa-
de cartas
do
cW\NHI* BRASILEIfU
DE
At o da 17 do crrante, esperado dot
portos do norte o vapor Oyapock, commandan-
te o primeiro teneote Antonio Marcelino Pontea
Ribeiro, o qnal depois da demora do csiume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, o engaja-se
1 carga que o vapor poder conduzir, a qual di-
tera ser embarcada no dia de aua chegada.dinhei-
ro a frete e entommondaa at o dia da sabida s
2 horas d*a tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
critorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C.
FUNDIQAO
DA AURORA.
imo, a mais anliaa no Imperi, aor
odas de lad) a ejialMade do machi
Nests grande e bem montada fabrica de machtaismo,
execatar com a maior presteza e perfeico eocomm
do pais, tendo tempre prompto o segaloie :
Granda tortimeDto de moeodas d canoa de todos os systemas e tdajtrtt
Machinas da vapor de diverisi qualidades. '
Taixaa fondidas e batidas.
Criros e boceas para forcalhas.
Bronzot e agutlhes.
Rodas, rodelas o rodas d'agus.
Guindastea 6x01 e porlatis. ,
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de sqo para serrara.
Fatexas pars barcos, etc.. etc., tudo por pr?$? que bem convida.
cntiu i" a
as usada
ot.
Ra das Larangeiras.
Obras publicas.
Ponte de S. Joo ou Ca-
morini
O director das obras publicas competentemen-
te aatoritado pelo Exm. Sr. prndente da pro
vincia, ftz publico que os desenhos e orcimentos
para urna ponte de ferro que se ha de constrair
sobre o rio Capibaribe, na estrada de Pao d'Alho,
perto doi eogenhos de S. Joa> e Camorim, de
confrmidade com o 5." art. 13 da le ao orga-
naoui "i;-"1""- 544. se acham patentes n re-
partigo das obras publicas, en e .g
das todas asinformages necettarias ao.
tenderem contratar a coottrucQo dessa o
As propostas para a conttrucco dea
deverio ser remettidas em carta fechad'
mo Exm. Sr. presidente ; declarando s
bre-escripto : proposta para a ponte d
Essas propostas sero recebidas some' a
21 do crrante mez e abe''" ^,8 J2. o
** An ""*<"" m-> presenta dos propo
que aluuevero comparecer at a 1 hora da
de do mesmo dia.
O governo nao se obriga a aceitar a propo
mais baixi em prego, se Umbem nao ipreter
todas as garantas necetsariss boa exeeac
obra, alem de algumas outrascondicdss'qu
Sv,,-... .-------------...
Directora das obras publitat 4 de julho ^de
1862.O director, W. Martineau.
io de Janeiro
Pretenda seguir com muita brevldade para o
Rio de Janeiro oveleiro e bern conhecido brigae
nacional Almirantee, tem parta de seu cirrega-
mento prompto ; para o reto que Iha falta, tra-
ta-te com os teus consignatarios Antonio Luiz da
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio roa da Cruz
namero 1.
Para o Porto.
O brigae porlsgaez Amalia I. sabe al o dia
24 do eorrente mez, para passageiros aos quaes
offerece excallentea commodos : trata-se com o
capito a bordo oa com os consignatarios na rus
da Madre de Deot n. 3.
eandro k Miranda.
Ra do Crespo numero 8 A.
A 200 RS. O COVADO.
Vende-se lia de bom gotto a 200 rs. o covado.
Saiis decimbraia bordadas a 2jJ400.
Cortes de vestidos de cambraia braoco bordados de 10
Orgaudys miudinhoa malisado a 500 rs. a vsra.
E outras muilas ftzendas por biritissimos pregos.
a 35*.
Casa de campo
S0G1ED/VDE
Unio Beneficenle
Francisco Jos Fernandas Pires aluga a sua
casa nova tita na Soledada junto ao palacio do
Sr. bispo, com grandes commodidades.para urna
numerosa familia, tanto no andar terreo como
em cima e propria para estrangeiro por ser mui-
to fresca, e ter as commodidadet precisas, alm
da casi tero mais gabinete, tarrago eapagoso, ca-
sa de baoho, de criados, cocheira e estribara, o I
sitio todo murado com muitos arvoredos, todo o tracao, visto nao ter hivido reuhiao da assemblat
fructo, baixa de capim, gradiamento e jardim ni j no dii 13. por filia de numero,
frente e a cata toda illuminada a gaz e acaba- Secretaria da sociedade Unio Beneficenle Ha-
Martima.
Pela segunda vez seit-ntideo aos senboroa ao-
cios electivo pan umi reuna > da assembls si-
ral no dia 18 do correte, pelat 6 e meia horas
da tarde, afim de tomar posse a nova admioi*-
Ass e Aracaty.
Segu no dia 21 do correle o hiate Exhali-
go. ainda recebe algutna Cira* e passageiros:
da com muito gosto, os preten lentes apparegam
porque nem sempre apparecem destas ommo-
didades perto da praga : a tratar oa mesma ou
na taberna grande da Soledade, e pode ser vista
at is 9 horas da noite.
Aluga-se ou vende-se um sitio am Bem-
ca s margem do Capibaribe, com casa para fa-
milia, arvore fructferas e algum terreno para
plantago de capim : a tratar na ra Real n. 1
ou na raa Nova n. 47 loja de Bittos & Reg, a
entender-te com o tocio Reg.
ritima 15 de julho de 1862.
Ballhasar Jos dos Res.
______________________1.* secretario, ..,-
Aluga-se em bom soDrado de 2 andares e
soto na travessa do Veras da Boa-Vista n. 15,
com muitos commodot, tendo gabinete desde o
primeiro andar at o solio, alem da escada prin-
cipal ttm oulra no iolerior que vai al o soto,
com susseosinhas e dous quiotaes e am grande
lelhero, coebeira e atlribara : quem o preten-
der dirija-e ao aterro da Boa-Viita n. 34.
Isabel Carolina Barrellier, seus
ilhos e genro agradecen* cordial-
mnte as pessoas que se dignaran
de assislir no dia 12 do eorrente
as exequias de seu presado marido,
pai e sogro Antonio Eugenio Bar-
rellier, e de novo lhes rogara a
sua assistencia a missa do setirac
dia, que por sua alma se deve ce-
lebrar na matriz da Boa Vista no
dia 18 do eorrente as 7 horas da
manhaa.
Precisa-se de um caixeiro que tenha prati-
ca de taberna e que d@ coohecimeoto a sua con-
ducta, a tenha de 14 a 16 anoos de ade : oat
ra do Calaran taberna n i'1 *:-' quem vre-
30:990^637
Cottsuhado provincial.
iltndlmento do dta 1 a
dem do dia 15 .
14.
57.-738JS618
l:120j273
58:8583921
Movimento do porto.
.Vario sahido no dia 14.
Rio da ?rat*Brigue bespanhol Corma, caprto
Agoslinho Talieda, carga assucar.
Navios entrados no dia 15.
Barcelona40 diis, polaca nespanbola Perla, de
180 tonelalss. capito Marianno Estape, equi-
pagam 13, carga viabo, passas e ootros gene-
ros; a Arsfltga Hijo &C.
Havre43 das, barca traocazi Havre, de 180
toneladas, capito Martin ot, equipageo. 13,
. carga oHffereates mereaderiat a Tlsset Fr-
rt A 41*
Navio tahido no memo dio.
Rio-Grande do Sul palo Rio de JaneiroBrigue
OMciMal rauta dt Olinda, capitio Agotti-
jgtto Gome* da Silva, carga aisucir outros
gneros.
Observado.
PaMoa pera o aul urna galera e urna barca
ambas amerlcanaj.
N. 2Claudio Dubeux .....
dem 4Anna Mara da Conceigo.
dem 36Anna Thereza do Sacra-
mento. -.........
dem 8A mesma ......
dem 10Ordem Terceira de S.
Francisco........
dem 12Mara do Carmo Moreira
Fragoso, Bernardina Jaciotha Mo-
reira Fragozo, Francisco Moreira
Fragozo.........
dem 14Marcellino Jote Gongal-
vea da Fonte.......
dem 16Irmandtde do Divino Es-
pirito Santo.......
dem 18Dr. Felippe Lopes Netto ,
dem 20Antonio Ferreira Braga,
dem 22Jos Francisco Fernandos
dem 24 Herdeiros de Antonio
Lite Pitta Ortigueira.....
dem 26Antonio Jos Dias. ,
dem 28 Herdeiros de Antonio
Mello Cortes. .,.*...
dem 30Irmandade do Santissimo
Sacramento de Santo Antonio .
dem 1Joo Antonio Ctrpinteiro
dem 3Joaquim Antonio da Sil-
veira ... ,.....
Idam 5Bartholomeu Francisco de
Sbuza......., .
dem 7Jos Pinto da Costa .
dem 9Joo Francisco doa Santos.
Ilem 13Jote Googalves Torres .
dem 15 Herdeiros de Antonio
Mello Cortes........
Ilem 19 Joo Nepomuceno de
Paula e Silva.......
dem 21Viuva de Victorino Jos
de Medeiros.......
dem 23-Elizeo Alberto da Sil-
veira..........
dem 25Anna Joaquina Xavier
Cirneiro *......
Ilem 27Manoel Ferreira Ramos .
dem 29Luis Gomea Silverio .
dem 31 Francisco Luciano do Re-
g Calillo & Filhos.....
Ra do Queimado.
N. 20Herdeiros de Silvana Mara
Fereira Lobo e Jos Joaquim Pe-
reir de Mendonga .- .
dem 21Hanoel Ignacio da Oli-
veira ..........
dem 24Malinas Lopes da Costa
Maia..........
dem 26Joaquim de Souza de
Miranda Couto.......
dem 28Antonio Jos de Maga-
lhies Batios. ..... 240&000
dem 30Viuva e herdeiros de
Jos Leo de Castro .....
dem 32Rodrigues & Ribeiro e
Jos Francisco Lsvra Penna .
dem 34Jos Francisco Larra .
dem 36Rodrigues & Ribeiro .
dem 33Antonio de Azevedo Fe-
reira..........
dem 40Herdeiros de Francisco
Googalves Rodrigues. .
dem 42Albino Jos da Silva .
dem 44Bernardino Jos Monteiro
Idota 46Filhos de Manoel Carnei-
ro Lias....... .
dem 48Dr. Sebastio Gongalves
da Silva e Dr. Ludgero Googalves
d> Silva......
dem 50Vio va e herdeiros de Joo
Manoel Perelra de Abreu .
dem 52Ctpella doa Fraxerat de
Gaararapes..... .
dem 31Antonio Jos de Miga-
Ihet Bastos......
dem 33Jote Moreira Pontea e Al-
bino Jos Ferreira da Canhi. .
Idam 37-Irmtodada das Alma* 4o
Ricifa. ..:.-
dem39 -Antonio los de Maga-
72S000
45*000
36000
36S00J
54$0O0
120S0OO
135O0O
37500
165000
219600
369000
27900o
959000
459000
28S800
219600
289800
1359000
- 369000
UffOOO
1229400
129SO0O
45S000
1039500
369000
129600
28J8O0
369000
219600
1359000
90J000
979500
909000
2409000
2089200
909000
905000
1509009
1509000
120*000
4509000
S751O00
1359000
1509000
1509000
4509OOO
1509O0O
1391010
THEAlTRO
DE
metal principe (.,rs coutervar a conn.. ,
oudros com moUuri( carteiras para escriptorio,
I candelabro e esfoattDa de crystil, loretoa e
mascaras par j0g0 ae espada, muitos outros ob-
j&.Ctos para"o uro de urna esta de pouca familia ;
as 11 horas do dia cima.
COMPANHIA LYRia
G. M.VRMVNG^luV.
AMANHA
Qainta-feira 17 de jalho de 1862.
18.a Recita da assignatura.
Pela segunda vez representar-se-ha a grande
tragedia ly rica do celebre maestro Donizetti, di-
vidida em' 3 actos, intitulada
GEM. DHEIfiY.
Personagens. Actores.
Conde de Vergy.....Sr. Butolocci
Gemdi, sua mulher repudiada. Sra. Slella.
Ida de Greville, nova mulher
do conde *......Sra. Bossi.
Thomaz, joven aribe Sr. Guidi.
Rolando, escudeiro do conde Sr. G. B. Gotti.
Guido, aQVtgoado do cond9 Sr. Orlandini.
Corot, figurantes, etc.
A acgo patia-se em Berry no castello de Ver-
gy, reinando Carloi VII.
poca cerca de 1428
Principiar s 8 horas.
Os bilhetis scham-se venda no dta do espec-
tculo.
LEILAO
DA
Taberna do Sr. Bento Alves
no Varadouro em Oliuda
em 16 de julho as 11 horas
a diuheiro ou a prazo com
garanta.
Atteoco
m
O agente Guimares por despacho do I'.lm.
Sr. Dr. juiz do commercio far letlo da taberna
cima declarada para pagamento dos credores.
do Sr. l're-
-os proprietarioa
o ao Exm. baro do
,ses solos pertenceo hoj9
esse o autorisou com poda-
,oCr lodos ou trparados, por sao
.. aoi possuidores dasditat catas, que lhes
nvierem comprar o solo, a tratrar com o mes
> abiixo assigoado, assim como lhes pedequei-
Ti manjar pagar Oslas-TiitQTrrT--nS-Uia._No--
va dos Piret n 30.
Manoel Gomos Viegas.
Offereca-se urna aiua par* u serrigo inter-
no de urna casi: na travissa da ra das Flores
n. 2._________________________________ .
No da 18 do correut, deujils da audiencia
do Dr.' juiz muieip"! da Ia vara, tem de ser ar-
COVBuv, iuo......
o covado, filo liso com u ,
800 rs. a vara, ditos bordados a fcKu .. .
braias adamascadas para cortinados a 320 e 400
rs. a vara, dilat adamascadas decores a 300 rs.,
tarlataca de diversas cores a 400 rs. a vari, brim
de linho braoco a 640 rs. a vara, brimzinho de
liobodequidros a 160 n covado, velludo de cor
proprio p-'ra vestuario de criangas t 13500 o co-
vado, cortet d collele de fuito a 160 e 400 rt.,
ditot de gorguro deseda e setim lavradea 19500, remala8 duaJ e,crav0s, sendo urna semi-braacs.
ditot de velludo suptnor qualilade a 3J?, colle-____n*______a. :....____iuim -..._.__HE
Arijos m&
%.
GOVAIvBU PER>AMBtCUU
DB
iSavegacaa costeiraa vapor
Macei pelas escalas
O vapor Persinunga, commandanto Moura,
sahir para os portos do sul tocando naa escalas
no dia 19 de julho, s 4 horaa da tarde.
Recebe carga at o da 18 ao meio dit. En-
commendas. passageiros e dinheiro a frete at
o dia da athida as 2 horas: escriptorio no lorte
do Mallos n. 1.
LOTERA
Sabbado 19 do crtente mez anda-
rao impreterivelmenteas rodas da quar-
ta parte da segunda lotera para a
edifica rao da casa do Gymnasio Per-
nambucano (3. concessao) no consis-
sistorio da igreja de N. S. do Rosario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
billietes acbam-se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespo n. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperetriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pmente!, ra
I>ireita n. 5 botica do Sr. Cbagas, e
na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at as de 10 se-
rao pagas urna hora depois da extrac-
cao, e as outras, porem, no dia imme-
diato logo que se tenbam distribuido as
listas.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues'de Souza.
les de gorgnro dt col1 e de seda preta a 39, pa-
lelols de casen.ira de cores a 5$, ditos de alpaca
de cor e merino setim a 4-3 e 59, chales de tou-
quim a H$. manteletes de totquim a 120, cola-
riohosda linho a 160 r., chapeoszinhos de seda
para senhora a 2$, enfeites de floras a 500 rs.,
carteira com charuteiras a lgOO, saias de cor-
do para aenhora a 19600. meiat de seda pretas
para senhora a 1J500, cortas de casinetas de cor
a 15500, ditos de)semira pretas a 40500, casa-
veques de cambraia e de Ci preto a 2$, golli-
nbat de croch a 1#, tapetes .para sala a 49, ton-
cados e golliohas pretas para lulo a 5t)0 rs., chi-
tas pretas francezas a 200 rs. o covado superior
qualidade, luvas de seda de cores a 160 e 400 rt.,
ditos de retroz a 4C0 e 500 rs. com vidrilho. col-
chas de croch brancas a 89, rlquitsimoi cortina-
dos para cama a 89, chiles de croch de la a 49,
panno de croch para encost de cadeira a 500 e
10 e outras multas ftzendas que se vende avista
do comprador e por todo prego a dinheiro avista.
com 27 aonos de ilade por 8000 e oulra crioula.
com 22 aoous de idade por 70115 diversas obras
de ouro e prata, por execugo de D. Mariann*
Dorolht Josquiua contra Jota Rodrigues dos
Palio*. E' a ultima pruga.
Fagiu do poier 00 abaixo ataiguado o escravo
Manoel, de nagao, maior de 40 annm, ganha
dor, caoi os tignaet seguintts : estatura regular,
cheio do corpo, olhos grandes e avermelbado
rosto redondo e pernas finas, coituma embria-
gir-se assim como tambtm fugir ; ful do finado
Francisco da Coala Guimares, e comprado a am
dos seut herdeiros, de presumir que ande por
Sanio Amaro, ou tuas irame-Jiages. Anda cora
camisa de baeta tzul e barrete ae marinheiro,
pouco fallador e procura illudir dizendo que an-
da sanhando.
Para o Ass
At o dia 19 do eorrente pretende sahir o biale
nacional elaguaribe, por ter o aeu carregamen-
to prompto, recebe passageiros : a tratar jcom o
meitrt a bordo, oa na na do Cretpo lojy n. 14.
RiodeJaneiro.
1,
Lourengo Genttno e Planelo Jos Antonio,
subditos italianos, retirad-te pera ra dt pro-
vincia.
Precisa-se alugar urna escrava para o ter-
vjgo de urna casa eslrangeira de pequea tmi-
lis, cuj escrava siiba lavar roupa, paga-se bem;
na rui da Cruz n. 10. _____________________
Fugio no da 15 do eorrente mez o escravo
de nagao Cs?'nge, de Idade de 46 anoos, com 01
sigues teguintes : altara regalar, secco do cor-
po, quando anda pucha pela perna esquerda, an-
da meio curvado, falta de denles, o beigo de-
bsixo um tanto grosso. chupado da cara, tem
pouc bsrbt, alguas cabellos braocos, foi vesti-
do com caiga de casemira aiosenta, easii madapolo descotidt no hombro, thapodo Chy-
li velho: pele-te as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo de aprehenderis o dito escra-
vo e levarem a ma do Apollo n. 39, que se re-
compensar generosamente.
Urna pesioa civil, boa moral, e He!, toma
por balaoc.o qualquer estabelecimento, menos
taberna que venda espirito pelo miudo, tanto
dentro da praga como lora del la de que Um mui-
tissimos annotde pratica, tugeitaudo se a Cazer
a escriptnraco: .quem precisar annancie para
ser procurado avista do estabelecimento dar os
eselarecimeotos necessariot.
Aluga se un segundo andar na ra do Rin-
gol dafronte da botica, com commqdps para fa-
milia : a fallar na ra do Queimado o. 75, loja
da Victoria.
* offerece-ae um rapaz para caixeiro de al-
gum taberna do qne tem pratica, dando conhe-
cimtnio de tui conducta : quem precitar annan-
cie por esta folha para ser procurado.
Precist-ae fallar ao Sr- FrtBciaco Sitnes
oa Saotet, e poritao rga-*-Ibe querr annuny
ciar aua morada.
CilXElllO.
Ni Ubarna grande da Soledade precisa-a j4*
um ciixeiro ou mesmo dos novo, na metmo^a-
sa vende-se tecosrandescom milbn^' ftrello
11_58 a de farinha a 80900. ^____________
da
O brigue braaileiro Deolinda aiadi recabe car-
ga e eteravos a frete para o mesmo porto: a
tritarcomos consignatarios ajjji-uts, Birros dt ja Manoel de SS e Souza, por execuco da Ntr-
C, largo do Corpo Stnto n. I, ldxo Jos a Costa Pereira, por ser altima pr?.
Pela jaiz do paz do priQieiro oiatricto
Boa-Vista vai arrematir-te no dia 16 do~corrtn-
*e tra porta to mesmo julx os bens penborsdoa
Deposito de velas de car-
nauba e composicao.
Franciaeo C. R. Jnior para oommodo de seus
freguezes tem posto a venda as velas de sua fa-
brica, sita na travessa dat Oruxes n. 12, na ta-
barnt da travessa dos Exporto* n. 18 etraz di
matriz de Santo Antonio, vade offereea as mes-
mas vaotagena que at boje tem offerecido em
sua prasjtw fabrica._____________________^___^
BdlillhflS.
Com diveraoa modelos, bondeijas enCeitadts
de srmagoea differeoiea com bollnhos de todas as
qualidades o nalhores do notao mercado, ttiim
como as libras em separado, e tambam pedios e
qualquer pastellaria, tudo feito a primor e. o
mais barato do paiz : quem pretender dirija-
rus dt fSnbji n. 25, para ajuiUr-**
Alerta!


Consulado de Franca.
O Cnsul de Frang roga a todos os credores do>
Uado Antonio Eugerjio Barrillier, para compa-
recer to em teu consulado 00 dia sextt-feira 18
do correle ao meio dia, arim de poder fazer at
clatsificago de crditos e haver urna deliborag3o>
definitiva sobre os negocios tendentes ao estado
dos poucos bens deixados por fillecimento do
mesmo. Recif, 15 de julho da 1862.
Consulado de Franca
Em confrmidade com o art. 7* da convengo
cousuitr cbncluida em 10 de derembro de 18*0.
entre o Brasil e a Frange, o cnsul da mesma
nago faz publica que o subdito Eugenio Barril-
lier, falleceu no da 12 do eorrente. Recife, 14
de julho de 18S2.______________________
Attencfr ^
Joo Correa de Carvalno, scieotifica a todoa~os
aeua devedores, que desde j enlregoa ao Sr.
Andi Avelino Sobreira de Mello, procuraco
para por mim poder effecluar a cobrauca amiga-
re! ejudirialmeole. o qual tica autoriaado psra
fazer qualquer conveugo que o meamo teiihor
ache conveniente.
Recife. 14 de julho de 1862-
A pessoa que desejir aubstitair a urna pragt-d
9# batalao de iofaotaria, para completar dous
anuos e alguna dias. mediante ama greliOcaco :
diriji-se a ra da Aurora n. 10. V andar, qae
achara com quem tratar; preferiodo ce a al-
guem que j liesio tervido no exerejto._________
A!ux.am-se as caas ter-reaa o. 1U5 da ra
de Santa Rita o n. 27 da ra doa Burgos, e o !
andar da casa n. 193, na ^ua Imperial : a Uaiac
na raa da Aurora n. jk
Manoel Mala da Silva, daclara que nao do-
ve nada a pesaos alguma, tanto nosta praga como
fra ; alguos dbitos que aqai contrthio om so
gocios pora o mato, auao lettraa foram pagas ao-
tes e no veuciment, o que fas publico por haver
outra pettoa com igual neme. ________
Offirece-s* urna crioula para
vico interno do orna casa,* a qual
ensaboa e engomo*: ni ra da
67, CaM tarrea.
ama do ser-
cosinha bota.
Impartir! n-
.:
MUT1LADOI
. a


V
^
p
9 Y^
1-x-
*N
,*5*,
^**
/
\
1
/
0UB10 M HaHAMlDOO. Ki OUiB'n IRA 16 DI JDLHO iS42.
\
Alteado.
ViodMa a )oJ^f.iendM da tus do Queima-
no n. 47, com poneos fondos e muilo afregueza-
ds : a tratar na retama,
Qoom precisar a* una afl
criar em sua cata dirij
18. qae achara co
..de leite parra
to boceo do Padre d.
tratar.
mi&
Ni ra do Colofello n. 12, inda ae pteciaa de
urna ama de leite.
Ptecisa-se de un moleqae para copeiro de
urna caa iogleza : na ra do Trapiche n. 15.
Casa de satide em Santo
4maro.
Dr, Silva Ramos.
Este eitetelecimento j bem conhecida, eton-
eeituado mata provincia pelos relevantes servi-
ros qua teta preitado, continua na melborea con-
dic&es (hfbaixo da direceta de teu proprietario
recebar-3oen tes detodaa aa cianea, os ruaes se-
ro trtalos com todo tero e icterease peloa
apresos aeguiotea :
Primeira classe---- SjOOO ou mais.
Segunda dita...... 2500.
Terceira dit.....,, 2000.
Em qualquer das cla.wsoe oa brancos Qcarao so-
Carados doa negrea. Os alienadea da 2.* e 3.c
lassa nao furiosos pagarlo a diaria ordinaria,
'.sendo furiosos pagaras mais a quarta parte. Os
alienados da <* clmae pagaro segando o ajusta.
Viva os verdadeiros
amigos,
I. Hunder, alaiate da
AUemanha, aioda existe com sua industria de
machina de costura de alfaiale, e qae est promp-
to para servir aoa amigos anligos, como aoa
novos.
CompaahitA Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
l&OOfcOOOf
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. compe-
tentemente aulorisadoa pela directora da compa-
nhta-de-seguros Fidelidade, toma ai aeguros de na-
fioa, marcadoriis e predios, no sau escriptorio,
ra di Cruz n. 1.
Hotel popular
Ra Direta n. 50.
Fornece-se comidas para fora com muito asseio
o promptido, por muito menos do que em outra
qualquer parte, sc-rao sempre oaseguiotes precoa:
Para urna pessoa 259000
-Para duas 45000
Para tres 658000
nao de vacca todos oa dominios a 400 rs.
Joao da Silva lanos,
medico pela Unlversidade
de Coimbra,
-abia, e presta-se a qualquer chamado com a bem
oonhecida promptido.
tnmmm mummmtmma
Saques sobre Portugal. 5
I
i
s
O abano aaaigoado agente do Banco
Mercantil Portnenae neita cidade, taca
efleclivamenta por lodoa os paquetea so-
bra o meamo Banco para o Porto Lia-
boa, por qualquer aomma avista a pra-
zo, podendo logo oa asquea a prazo aerem
descontadoa no meamo Banco, na razo
de 4 por canto ao iodo aoa portadoras
qaa aasim lheconvier : naa ras do Crea-
po n. 8 oa do Imperador o. 51.
Joaquim di Silva Caatro.
Francisco Jos Rodrigues, subdito portu-
guez, retira-ae para fra do imperio, deixando
por seu procurador Antouio Alvea Vilella.
SECUNDA EDHIAO
no
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo doutor
UMSk ID. 1. WSM.
Este livro que se tem tornado to popular
quanto necessario, acaba de aar publicado com
todos os melhoramentos, que a experiencia os
progresos da sciencia tem demonstrado. A no-
va mliccao em ludo superior primeira. en-
cerr :
l.* Maia ampias noticiaa acerca do curativo
das molestias, com indicacoes mai proveitosss
dos medicamentos novos recentemente ezperi-
mentados na Europa, nos Estadoa-nidos e no
orasil.
2.* A exposicaoda doutrina homeopatha.
d. O estudo da apropriacao dos remedloa se-
gundo as predomioanciaa doa temperamentos
das idades, dos sexos, e segundo aa circumstan-
ciss atmosphancaa etc., etc.
4.* A preaervaco ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5.* A preaerva$ao daa molestiaa epidmicas.
o. Urna estampa illustrada demonstraliva da
conlinuidade do tubo intestinal desda a bocea at
o anus etc., etc.
Vende-ae ni pharmacia especial homeop-
tica, propriedade do aulhor, ra de Santo
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
v nre de 5ad* exenjPlar. ; 20*000
N. B. Os aenhureaassignantei queiram man-
dar receber seus exemplarea.
0 Livro do tovo.
Sabio i luz publica o LIVRO DO POVO publi-
cado aob a direceo do Sr, Dr. A. Marques Ro-
dngaes, -e contm a vid de N. 8. Jess Cbiiato,
segundo a oarracSo oa quatro evangelistas, a
maia osseguiotes ariigoa: ovigaro, o professor
primario, o bom aomem Ricardo, a moral prati-
ca, Simo de Naotua, maximsa e pensamentoa,
a byglsce, os deverea doa meninoa, e o 'Brasil.
A publica cao do LIVRO DO POVO nao s tom
por nm uolformiaar a leitura naa escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
difirante, e portanlo facilitar o trabalbo do mee-
tre e do discpulo, como tambera vutgarisar, por
m preco baratissimo, a historia do ailvador do
mando, e oa melborea preceitoa de moral.
Veodo-ae o Livro do Povo,* no Recife, na
linaria da praca da Independencia na. 6 a 8, a
500 rs. o exemplar m brochara, a a 800 rs. car-
tonado.
Pateo
Livramento n. 11.
piurneiro andar.),
p dentista Njima Pompilio planta denles artl-
flciae. por graEpoa e ligadura. praio do
"..antea lonorruptiveia .obre ouro. .y.tema
norte-.mencato e faz todaa aa operaC6ea da au
ta e com promptido a limpeza
Mudanca.
Manoel Antonio de Carvalho
com 1 )ja de f&zendas na ra do
Queintadon. 17, mudou o eu
estabe lecimento para a casa n.
27 da mesma ra.
Na
2, pjimei
sa cores cOm
Consultorio mefacirurgico
S-UVAlBA. GLOHIV CASA. HO F*3NDiYO-3
RA BO EIMiiDO M!AB-
^ fcCBANMOETIMEKTo|fli^
NDASEROUPKSP^
(aitaa !*****??! *IL2ZXS2* P;nno "* ?* 80 35- **oa multo b.m
da cor .% V& .^t n.?:.P^'. ""d0< d Pno? P"to da 16 at 15, ditoa de ..mira
i ,3'V8f ,h P1,loU aaccoa da panno o casemira da b$ at 14. ditos saceos da .ln.e.
V*I ?Ad* *! tl 6' ,obw de 'P"" merin6 d 7# at 10, calca? preta. da c.rnir. 5.
* ". d,t0 d ""7 > 10|, roapa. par. m.niSo de todo, os UmSSm. gSSSTt
manto da roup.a de brina como ae am aalcaa, paletota a colletes, sortimenlo d. eolleu oreto. d.
m.U atti JS.rd6 ** 9Jh 110* "men' 5 6. Poetla bran o/de br-
sainta a 4 a 5#, calcas brancaa muito flnaa a 5f, a um grande aortimento de fazenda. fln.. mo-
mroaa. completo sortimenlo de c.aamira. ioglSza. par! homem, menino aenhora .o.fafdi
doho a algodao. chapeo, da aoldeaeda. luvaa da seda da Joavin para homem .Vnhr. Ta-
jeo, ama grande.fabrica de alf.i.te onde recebemoa ancoramendaa da grande. b.a bm cara
nao MU .codo adminiatrada por um hbil ma.tr. de aemeihanto arta um PV..o" Vmeia d.
pravessa da ra das Cruzes n.
o andar, tinge-se para todas
presteza e commodo pre9o.
LIN
ENSIl>0
Praco-Tlieorieo
DA
UA FLANCEZA,
I
SEGUNDO
O NOVO METHODO
DO
Dr. j. G.Ollendorff
PARA
Aprended urna lingua em seis mezes
POR
Cwn Peregrino,
Bacharel em direito.
2 volumes em 8.
8aolj
meaioa t
medicoa ali.
Os medica...
O proprietario ^
sufficieutes para receber a
oparayo, affiancando que se,
aquellaa que i tem tido e.cravos na u...
A situacao magnifica da casa, a comm
f ans para o prompto restabelecimento dos d<
As pmooaa que auizerem fallar com o
ARMAZEHH
ROtJPAF
Joaqoim F. dos Sanios
40-Bua h Oueinafc-*'-1
IV*r *t.^,\pj0OijB a jongregaco letreiro verde.
Nesta eatabelecimento ha aempre um aortimento completo de roupa feit. de
tod.a aa qualidades a tambem ae manda execatar por medida vontada doa fregue-
zea para o qae tem um doa malbores profeaaorea.
. uia-
_ t>.ucura-Io de manha at 11 horaa
^^^^^*irjr^.a-^^~^-^*
Especial hOnieopathieo
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
.h TLr '"""* "n '"lM t""! nem tao pouco superior .03 que pot
amo nwftor. Has aanta qua noli, nao ba Irafianc a, e que o servico de'oreoiracio como tr
sasfazer ae necassidades daquella preparafao. p
deauSut^ll0r09/Cham'M Vendae,eeDt08 d homeop&thia, acommodados intelligencia
TmCSSTT; 1 Cm Pr'SU*Se 8rlui,ament o "u proprietario, com seus esforcos e
^' s P*6038 ^ssiudas, sem aisncco alguma, qua o procurem, pois
que o seu rnaior prazar ser til humanidade soffredora. F
.wnaitaa toaos os dia1-
j| Cura radical em pjuco daa mole?
tisa ayphiliticas o dos igaos genito uri-
narios. ,
Consultas de grasa daa 8 aa 9'^.ora da
manhia. n.
mmmmmmmmmmm
a-BlKAS
de Hnmburgo
Alugam-aa a vendam-ae por qualquer preco
na ra do Rangel n. 18, amola-ae todo o farro
orlante.
atacas ae panno preto a OJ,
85f o 309000
obrecaaacoa da dito dito a 35* o 305000
Paic. <*eoanno preto e de co-
rea a 3a, u^, ot* toj, 18 a io000
Ditoa de ca.emira de coras a
lSf, 12, 7 o
Ditoa de alpaca preta golla da
velludo francezaa a
Ditoa de merino aetim pratos e
de corea a 9f o
Ditoa A
Alug;
a-se
a casi terrea n. 19 na nova ra travesa do Pi-
res bairro da Boa Vista, com 2 salas. 4 quartoa,
co.ioha fora, cacimba e parte com cerca e maro
emoito fresca ; a tratar na ra do Rosario da
Boa-Vista n. 55.
1 A- ----- Km
unos ae alpaca preta a9, 7, 5 e
Ditoa do brim do corea a 51,
45O0, 4 a
Ditoa da bramante delinho bran-
eo a 6, 55 e
Ditoa de merino da cordio prato
a 15 o
Caigas de casemira praia a da co-
rea a IX. 10, 9$, 7 o
Ditas do princeza o merino da
cordo preto a 5, 65O0 a
Ditaa da brim branco o do corea a
5, 4500 o
Calesa do ganga do corea a
Colleta do velludo preto o de co-
res lios a bordado, a 19,9 a
Ditoa do caaemira prata o de co-
rea liaoa o bordadoa a 6,
5500,5 '
QgOCO
102)000
8000
JW
8|500
39500
4000
8000
6*000
4500
5S500
1000
8000
Sf.500
Ditoa de aetim preto
Ditoa da aeda o aetim branco a 6 a
Ditoa da gorgurao da seda pratoa
o do corea a 7, 6, 4 a
Ditoa de brim o fuatao branco a
iww. 5001
Ser; ilrtu u' lYudo 4 a
Ditaa da algodao a 15600 e
Camisas do peito dofualo branco
e do corea a 2c .00 o
.DUaadon-OA^.i.v m ^ 4f g
unaa ao madapolo brancaa a de
corea a 3, 2500, 2 a
Chapaos pretos de maaaa fraucaza
forma da ultima moda a 10a.
8J500 o
Ditos do feltro a 6, 5, 4 a
Ditoa do aol de seda inglezaa a
francezea a 14J, 1J, 115 o
Colarinhoa da lindo muito finca
novoi feitios da ultima moda a
Ditos da algodao
Relogioa da ouro patenta a hori-
ion tal a 100$, 90, 80J a 70JOOO
Ditoa da prata galvani.ados p-
tente a horizontaea a 40 a 30JOOO
Obr.a de ouro, adarecoa a meioa
aderecoa, pulceiraa, rozataa a
anaia a 5
Toalhaa de linho duzia 10J, 6 a 9J.O0O ^
Ditas grandes para meaa ama 3 o 4$000||p
5000
55OOO
55DOO
35 1280 '
3000 '
1(600
"5000
J5000
7000
5800
5500
Caixeiro,
RUA NOVA MINERO 11
Artiga loja de Gadault.
Aluga-se para lamilia ou escriptorio o pri-
meiro andar do aobrado n. 22 na ra eatrelta do
Rosarlo ; a entender-ae no segundo andar da ca-
es n. 23 da niesma ra.
Precisa-se da trezemoa a qua trocelos mil
ris a Juros sobre penbores de ouro, pelo tempo
de quatro mezes, nao trepidando-.e a psgir um
bom juro a quem quizer azer este negocio a
trataros ra da Matriz da Boa-Vista n 35'i*
andar.
Bailar 4 Oliveira aacam .obre a or.ca
\flA *
Porto.
do
Aviso.
.,,.^Cab.a *2 "*eber aa encommend
quintes artigp, os quaaa rende por menos
parte^ ber:
Para msicas.
Variado aortimento de instrumento,
para musicaa militare, e de orcheelra
inatromentoa completea de chavea e
aplaten muito perfeitoa e afinados do fa-
bricante Gsutrot Aia-
Para carros.
.S*5'". ,pUlM p,fa "re' <
carros de metal do principo de lati p.-
ra umo dous eav.llo.. molw. vaqueta.
francezaa para cobertas, .encerado., ga-
15m riM lanleraaa paracarroa ecoaps,
colleicaa te, ele. H '
Vid ros.
P* Mtnd e variado sortimenlo de can-
laB>roa, aerneolinaa, lanternaa com pin-
) aem siles, palmatorias, copos
vbo, clices, rodomaa para ima-
gooacodonda.e ovis grande, e peque-
as a ?ontade do comprador.
*ra retratos,
i muilo superiores francezaa
e americanas grandes e paquenaa, grande
aortimento da chimicas paca tr.balbar am
todoa oa procesaos, caiziobaa e passepar-
lon americanos o francezea, papel alba -
amado etc.
grande e variado aortimento doa ae-
10 por oeoto do qae em outra qualquer
Para noivas.
Aa maia ricsa e elegantes cspellas que
se pode desojar, asseverando- sem errar
serem as mais bonitas que aqai tem viu-
do, ricoa manteletes pretos com vidrilhoa
franja o maia moderno neate genero.
Para presentes.
Muito lindaa caixinhaa para coatura
com msica o aem ella, muito propriaa pa-
ra dar-.e de presante a alguma aeobora
que se estima, ricos estojos de barba para
neaaem.
Es pe nos.
Grandes e peqoenoa com molduras
pretaae doaradaa, prpprioa para ornar bo-
oitaa aalaa, sendo os videos multo grosso.
e de primeira qualidade.
^^lyulsos.
Camisa, de linho para homem.
Carteiraa a cbaruteires.
Bandeija. grandee de 30 palmo, a 3.
Golhnbaa e manguito, para seoboras.
Lia de todaa aa cores para bordar.
Telagarc..
Seda frAxa de todaa aa corea.
Lindoa enfeitea para aeafaorae.
Oculoe e luneta, de todaa aa qualidade.
Fumo trances, americano o tambem o
aprecia?el fumo de borba com oa aeus
competente, c.cbimboa o tanari le.
Gama & Silva, donoa da loja denominada do
Pavao, na ra da Imperetriz o. 60. avinm a seus
devedorea a virosa pagar aeua debiloa al o dia
15 de julho de 1862. e oa que at es.a data nao
vierem pagar, aero aeua debiloa entreguea a um
procurador para oa receber judicialmente. Re-
Cifa28de junho de 1862. e
? J?*lso assignaao, procurador da Santa
Casa de Misericordia, declara que sarao de ne-
ohum vigor oa recibos daa rendas do. predios do
patrimooio, que da data deata aoouncloem dian-
ie nao Uverem. oo verso a data do recebimeoto a
sua assigoatiira. Recite 1." de julho de 1862.
_________Symphropio Olimpio de Qneiroga.
Toda attenco.
Cuatodio Jos Alvea Guimarea avi.a ao raa-
peitavel publico, principalmente a todoa o. .
fregueze. e amigo., que ao mudou da loia da
sguia de ouro da ra da Cabugi para a ra do
Creapo n. 7, para a bem conhecida o .miga loia
de miudeza. que foi do fallecido Joto Ceg hoie
aar conhecida palo-gallo vigilante.o pede ao
ra.peitavel publico o aoa aeus freguezese amigo,
que o queiram procurar oo dito eatabelecimento'
onde acbarao um grande aortimento do miudeza.'
qae afflaDca servir bem e vender por menos des
ou flote por cento. do quo em outra qualquer
GABIEHTE PORTUGUEZ
I LEITURA
em Pernambuco.
De ordem dolllm. Sr. presdante do con.elho
deliberativo, convocado o meamo con.elho Da,.
saetlo ordinaria que teri lugar quarla-feir. i
do correla, Aa 6 hora, da Urde. B
Secretaria do Gabinete Portugus doLeiiura
Pernambuco, 12 de julho de 1862.
A. A. dos Sanios Porto,
I.* secretario.
Precisa-ae de um caixeiro para taberna, de 14
a 18 aonoa de idade, que tenha alguma pralica
da mesma : no pateo da Ssuta Craz esquina da
ra Velha n. 92.
-*
Graninete medicocirurgico.^
# Ra das Flores n. 37. *
0 Sarao dada consultas medicaa-cirorgi- %
0 ca pelo Dr. E.tevao Cavalcanti de Albu- m
0 querque da 6 aa 10 horaa da manhia, ac- m
0 cudindo aoa chamados com a maior bro- m
Svidade possivel.
I-a Partoa.
2.* Molestiaa de pollo.
8.* dem do olhoa.
aj 4.a dem doa orgoagenitaoa.
^ Praticartoda o qualquer operaQo em Z
^ aeu gabinete ou'em casa doa doantea con- .
formo lhea for maia conveniente.
%
WBS
300ociaco Cgno a vap hica
Pctcnambucatta
Domingo, 20 do corrente. s 11 horas da ma-
nbaa haver sessao ordinaria da sssetxbla ge-
ral, am de ae proceder a eleicao do conselho
director, que tem de dirigiros trabalhos sociaes
do anno vindouro.
Seeretaria da Associaco Typogriphica Per-
nambucana 14 de julho de 1862.
O 1 secretario interino,
Jos Laja de Franca Torres.
Dentista de Taris.
15Ra Nova15.
Frederico Gsutier, cirurgiao dentista
faz todas as oparaces dess arte a e co-
loca dantas artificiaos, ludo com -sdeln
rioridade o perfeieio que as passoas-,en
tendidas lhe reconhecem.
Csrtis de visita
Carloea de visita
Candes do visita
Carloes de visita
Carlees de viaila.
Precoa reJuzidoa
Pracua reduzidoa
, Prtfos roduzidoa
Prejos reduzidoa.
A duzia por 12
A duzia por 12
A duzia por IX
A duzia por 12
Duaa duziaa por 20
Duaa duzia. por 30.
Novo estylo do pbotogr.phia
Novo eatylo de photograpbia.
Ambrotypoa am caixaa 2
Ambrotypoa em caixaa 2
Ambrotypoa esa caixaa 2.
O retratista americano
Alberto W. Osborn
Ra do Imperador.
i
i
i
i
i
i
Tam agua e pos dentific.os, etc.
Inmkmqms 6M3 mmmxm*
O abaixo assignado
avisa a todos os seus fregue-
zes da praca e do mato que
venham a sua taberna da ra
das Cruzes n. 41 A, da porta
larga pagarem seus dbitos,
no prazo de 30 dias, e os que
o nao fizerem sero chama-
dos a juizo, Recife 8 de ju-
lho de 1862 Joo do Couto
Al ves da Silva.
Frederico Chaves alaga sau .obrado alto no
Poco da Psnella, com bona commodoa para fa-
milia, jardlm aoa ladoa, terraco, coebeira, estri-
barla, casa para criados e cacimba, por preco
commodo a tratar na ra da Imperatriz n 19
Lisboa, Porto e iiha de
S. Miguel
Carv.lho & Nogueira aaccam .obre .. pr.caa
cima : na ra do Vigario n. 9, primeiro andar.
Attencao.
Tirara-ae paaaaportea para dentro a fora da
Imperio na caaa de Jos Pedro do Reg ra das
Altei^aO allenfaO.
ama'd'e'ViaVl"/'!'"- iul..laie Je eilieet.
Consultas medicas, *
5 Serio dad*, todo, oa diaa pelo Dr. Co.
.*J5 S Perirs no aeu escriptorio, roa
da Cruz n. 53.de.de .6 at aa 10 horas
aa manbaa, meooa.o.domiDgo.; sobra...
m i.* Molestia, de olho..
2. Molestia, de coracao e de peito.
, J." Holeslis. do. orgo. da gera;o ^
! O exame do. doente. er felto na or-
dem de auaa entradas, comecando-se po-
| rm por aquellea qae soffrerem dos
Z olho*.
S Instrumentos chimicos, icsticos e op-
Z ticos ero empregados em suas consul-
tacoea e proceder com todo rigor e pru-
| dencia para obter certeza, ou ao menos
I probabilldade .obre a sede, natureza e
cau.a da molestia, a dahi deduzir o pla-
no de tratamento que deve de.trui-le. o
cur.r. *
Vario, medic.mentoa sero tambem
Sempregados, gratuitamente; porm 4
pela certeza que tem de aua verdadelr.
8 qualidade, promptido em seus effeitoa,
e neceasidade do seu em prego urgente
Sque se usar delles.
Praticar abi meamo, ou em caa doa
I doente. toda, e qualquer operadlo que
julgar conveniente para o reslabeleci-
U ment dos mesmos, para cujo fim se acba
p'ovido de urna completa colleccao de
K oatrumenlo. indispen.avel ao medico
g operador.
Deitar olho. artiflciae. ; para o que
8- se acha prevenido de peca, e iu.lrumen
tos necessarios.
Por meio de experiencia, pticas indi-
car aos doeotes qual o grao do vidro que
o. oculos devem ler para que .ua vista fi-
que bem acommodada, e jamis se fa- 1
8 ligua quando a.tiver applictdo ao tra-S
oalho. m
Aluga-se um segundo andar na/
ruadaSenzala Nova, com duas sala*,
quatro quartos e costaba no sotao, pdr
prec/> commodo : na livrana n. 6 e
da praqa dalndependencia.
Aos Srs. consumidores de gaz '
Noa armazeoa do cae. do Ramo. n.. 18 o 36 o
na ru. do Trapiche Novo no Kecife n. 8, ae ven-
de gaz liquido americano primeira qualidado o
recentemente chegado .14 a lata de 5 gaioes.
a.sim como latas de 10 e de 5 garrafaa a.'em
garrafa..
Est par. lugar-te o 2" aodar do sobado
da ra Direila o. 85 e a loja do mesmo, qixe se
acha com armajao para qualquer estabelecim
to : quem pretender falle na ra das Cruzes
brado n. 9.
No da 17 do corrente- rr:
matar por vonda sm '" PuDllca orph?- -i0? de Olmda, depoia da audien-
ptro ->a mesmo juizo, um ascravo crioulo, com
idade de 31 annoa, com o oflicio de canoeiro por
12005, urna escrava criouls com 34 anno. do
idade por 700. outra dita de naco com 50 an-
oos de idade por 400
No dia 17 do correte mez, se ha de arre-
matar por venda em praca do juno de orpbo.
do termo de Olinda, depoi. da audiencia do mes-
mo juizo, urna escrava crioula com idade de 29
aonos pnr K?.
Precisa-se da um menioo de 10 a 12 anco,
de idade, pouco mai. ou menos, para caixeiro do
loja, porm qer-se do. chegtdo. IH
na-rus da Imperatriz n. 78-
Quera precisar de um eacravo. pardo, de 18
20 anno.. para creado : pode dirigir-se a ra de
Sanjo Amaro, casa o. 26, que fica por traz da ra
AltSfiO.
O sbalxo assignado avisa a quem conv
pessoa alguma naja de effectuar qualquer t.
Cao sobre 29 latirs por elle acceitaa. o ti
quaotia de 29:000, em favor do Sr. Urban.
de Mello, pois que ellas proceder de um ce
to de permuta por elle feito aobre o seu ene
Cimbe de Orna, sito em Iguarass, contrato
que oao pode subsistir por laborar em nulli
substancies, e gravissima leto; como o rr
sbaixo assignado acaba de protestar perants
municipal dequelle termo, est prompto a
valer o seu direito em todo tempo em de
traco de sua completa exoneraco a re.i.
Recife, 15 de julho de 1862.
Gaudencio Lopes de Araujo.
-7 Ollerece-se ums ama para casa de pouca
lamilla : a tratar na Ra de Santa Rita n. 40 2*
andar.
M.noel Jos Alvea Pinbeiro, f.z scieole so
respeitav.l corpo de commercioe particularmen-
te aos credores da Sra. viuva Dias Feroande
que tem justo e contralado com a mesma senho-
ra a compra de seu estabelecimaoto cito na roa
larga do Rosario n. 37, e sua importancia ser di-
vidida por todo, seus credore.: por i.so te al-
guna dos seohore. seus credores se quizerem op-
por a semelhante venda o podero azer nestes
tres das.
Da ra Oo Sol o. 21, fugio um escraro fie
nome Martinh", de idade 30 annos, sem barba
estatura reBular e denles podre na frente ; oe-
cupa-se em juntar ossos e consta andar peloa
arrabaldes da cidade nessa oceupacao, tem sitio
vislo na estrada da Magdalena, do. Remedio,
etc. : quem o pegar leve-o a dita casa, que ser
recompensado.
Precisa-se de um menino forro
para se eccarregar smente de tratar
de um cavallo : na ra da Lingueta i>.
1, taberna do Uuarte.
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
Ba do Cabug a lg, entrada pelo
pateo da matriz.
Es.a galera ornada com os augustos retraloe
photographico.de SS. MM. e d*. serenissirras
princesa, imperises, a.sim como com o. de mul-
tas das priocipaes pe.aoaa desta cidade', est a
dispoaicao do publico, que apode visitar todos
os da. da. 8 horas da maoba s 5 ds tarde, o
examinar o. trabalbo. exposto..
Continua-se a tirar retratos por todo. 0. sys-
temas photographicos, e especialmente por am-
brotypo eem carloea de visita. Fazem-se tam-
bem mimosaa miniataraaem tslco para aa collo-
carem em joiss.
Os pregos dos retratos sao os mais rszoaveis
que se eocontram nata cidade.
Aluga-.e um preto norn cotinheiro : quem
0 preteoder dirija-se a ra de lionas n. 24.
Ao Sr. Cesarlo Launauo V.niura
J"aUr: na roa da Imperatriz n. 78.
deaeja-se
Manoel Carpioteuo da Silv., faz scieote ao
publico e eapecialmeole ao commercio, que por
nao .ar de commum ccordo do lodo, os credo-
res, a compra da taberna do Sr. Rento Aires ci-
ta no Varadouro da cidade da Olinda, Meando
este motivo .em effeito a referid, compra.
forj
por/
O bacbarel Virgilio Coelho,
mado em scienciat jurdicas e sociaei
advoga especialmente em o foro coi
mercial; e, para o exercicio de sua pr.
iso, pode ser procurado das 8 hora;
da manbaa a's 3 da tarde ; na ra d'Au-
roracasa n. 10.
Antonio do Patrocinio Pereixa Tal a Por-


*"
DUmiO D* j>lkJUM*UGO. QUARTA F1I&4 1 DE JDLHO DE 1861.

flPMptEA
PSfl
l^
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
mam mmmmm
electro-magnticas epispasticas
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Gom estas Chapas-elrctro-magneticas-epispastica.s obtem-se urna cura radical e in-
fallivel em todos os casos da inflammacao ( cansado ou falta de respiracdo ), sejam internas ou
xternas,como do figado, bofes, estomago, bago, rins, tero, pello, palpitadlo de coracao, gar-
ganta, olbos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affecces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as difiranles especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o seu
tamanho e prfundeza por meio da suppuraQo serio radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receitadas por habis e dis tinelos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tera a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por scripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias explicacoes, se as chapas sao para hornera, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabera, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, deolarando a cieumfereneia e sendo inchaces, feridas ou uberas, o molde do seu
tamanho em um pedaco de papel e a declaracao onde existem, afina de que as chapas sejao da
foimaj da parte aflectada e para scrembem applicadss no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serio acompanhadas das competentes explicacoes e tambem de todos os acces-
orios para a collocagSo dellas.
Gusa: seas pessoae que o dignarem honrar cora a sua conBaBca, em seu esariptorio, que
acharu abarloe todos os das, sem excepto, das 9 loras da manha s 1 da tarde.
Castello -Branco,alfaiate
militar.
Por eale sonnncio ie faz constar aoi Sn. offl-
ciaeg de todas aa arma, tanto dosta provincia
como dai maiscapilaes do norte do imperio, que
ha a venda bol6es do novo padrio, segundo a
ultima ordem do mioisterio da guerra, veoden
do-a* duaa abotuaduraa por 3}. adverlindo que
orna das abotuadurai de padrao aDtigo, faz-so
remeaaaa para onde forem pedidas, asiim como
tambem ha para vender o melhor panno azul io-
glez, e o melbor velludo preto do Porto, fazendas
desconhecidas cesta pracs, o que se vende a re-
talbo. Os Srs. offlciaes qne estao fora da provin-
cia podem renovar auas consignares fizando
quantia certa, e os outros senbores que nao live-
rem procurarlo neitacasa podem manda-la, ad-
vertido que o tempo para a dita procuradlo de-
ve ser limitado, acompanhando ama carta da or-
dens pedindo as encommendas que forem preci-
sas, devendo ser dirigidas a correspondencia a
Joaquim Rodrigues Tavares de Helio, ra do
Queimado n. 39. Tambem ba galio de ouro su-
perior e ferros francezis para a Ka i ate, aza forja-
da o par 109.
Para luto.
Pumos de seda elsticos para chapeos largos e
eitreitoa a 18500 : na roa do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
Algodo de 2 larguras/
Vende-se superior algodo mooatro com 2 lar-
guras, proprio para leocoea e toalbas de mesa a
700 rs. a vara : oa ra do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
||9 Ra do Pam
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
ytw
Eifsinlfl
o 119
\ Para as encommendas
ra do Queimado n. 15.
informales dirijara-se a pharmacia
Alexandre Ribeiro
Fazendas baratas.
Cortes decasemira a 39, merino atol e jardea
2J o covado, casemira alvadia e verde fiMro co-
vado a 19900, casemira alvadia de doas larguras
a 29600, bramante de lioho a 29500 a vara, gros-
denaples.amarello a 800 rs.,tafet amarello a 500
rs., camisas para senhora a 1} e 2&500, velludo
encarnado e preto a 29 e 3g, golliahas com pu-
nbos Anos a 2J, sobrecasacas de panno fino a 259,
meias para senhora a 29500, gollinhas de chro-
cb a 59, paletots de caaemira a 99, e ditos de
alpaca fios a 49, chapeos de castor branco itui-
to floo i 109: na ra do Qaeimado n. 7, defroo-
te do becco do Peize Prito.
A 2,400 rs. a duza.
Lencos brancos finos para algibeira pelo dimi-
nuto preco de&9400 rs. a dalia : na bem conhe-
cida loja da boa f. na ra do Qaaimado n. 22
Cambraias de cores
Tendem-ae cambraias francezas de corea fa-
senda multo fina pelo baratiasimo prego de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 2.
Superior brim branco de
linho
Vende-se superior brim braoco de linbo tran-
cado pelo baratiasimo preco de 19200, 19440 e
15600 a vara, dito muito eocorpado de dous fioa
a de linho puro a 2$ a vara : na ra do Qaeima-
do n. 22, na bem conhecida loja da boa f.
Ricos basquines
A loja da boa f recebeu superiores btsquinea
de muito fina cambraia a imite rao da de linho,
bordadoa e efeitados com apurado- gosto e os
vende pelo barato prego de 89 cada am, tendo
sido aeeapre sea casto de 16$ e 209,
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Eaaa estimada agua* de colonia ambreads, de
que tantos a tanto tempo senlem a falta, acaba
de chegar em bonitos (rateos verdes, os quaes se
eslo vendando a 19500 cada am ; aasim como
chegou igualmente um granbe sortimento da
verdadeira agua de colonia de Piver em frascos
e garrafinhas de di rieren tes tamaobos, tudo is-
so na raa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.___________
Apparelhos de porcella ua dou-
rada para cha de bouecas.
A loja da agua branca desejando que todos
facam a voolade a suas bellas meninas est ven-
deodo commodameiite estes bonitos appareibos
de porcellana dourada, e pintada a 19500 e 2$,
tendo cada um 6 casares de chicaras, e os mais
pertences, a vista do que iodos iro (munidos de
diobeiro) para compra-Ios na ra do Queimsdo
n. 16.
Sola do seriad.
Vende-se urna porgao de sola do serto : na
raa do Queimado loja n. 16, se aira quera a
vende.
"Pfir* nt. ,
ele-
Bonitos paliteiros de porcel-
lana dourada.
Agora ninguem deixar mais de ter em sua
mesa um bonito paliteiro de porcellana dourada I
pois que ellas se eslo vendando a i; o ij500 '
na loja da agaia branca n. 16.
Banha japoneza e outrasmili-
tas novas perfumadas.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
sua encommeoda um grande e bello sortimento
de finas perfuman! dos mais afamados fabri-
cantes, sendo as bem conhecidas e preciadas
banhai, japoneza, transparente, philocome im-
CALCADO
45 Ra Dreita~45
A epidemia declina aenaiveltnente, e o pea
completo j,-f;pparecimento est prximo O
proprielario desle bem sorlido estabeleciaento
convida os seus numerosos freguezes a substitar
o gallado velho, que todo est cholenco, por do-
o. e que possa reaistir s mil sebolia e inazzur-
cxs que vo ser dansadas em louvor do restebe-
lecimento da saude publica. Os precos con-
vidara :
HOMENS:
afamadas Milis. .'
non-plus-ultra Naoles.........
Nantes 2 baleras..............
a lustre....................
ioglezes de boles.............
batedores....................... 93500
9 couro da porco....... 99000
bezerro o lustre............... 9fc000
lfOOO
129(100
11SG00
10*000
105000
.donada lo^dTboa S?,,ial em bonil" eopinhoa com lampa de metal,
f, na ras do Qaeimado n. 22. d,la n9 C0P. piales, dita em compoleiras h-
Laazinhas muito fnas
para vestidos.
Supcrioreajaazinhas para vestidos de muito
bonitos iiadroasque se vendem pelo baralissimo
prego de 440 rs. o covado : na ra do Qaeima-
do n. 22, no loja da boa U.
consultorio espbcial hoiepath.co Novidades da chuya, da
DO DOUTO&
SABINO O.L PINHO.
Eluade Santo Amaro (Mundo
< Novo) n 6.
CcQsmltas todos os dias atis desde as 10 hars
at hato dia, acerca da aeniutea molestias 1
v.okttiat da mulhtrtt, mrltstiat das crian-
tit, maltstiat da pilli, moltstias dot olhos, mo- salpiquinhos com 8 1 [2 varas
Jtttiat typkiliicat, todas as tsptcits dt ftbrtt, brancos finos a 200 cada um
feot.
Arara,
FaZenda com avaria da chuva para os
freguezes da Arara,
RA DA IMPERATRIZ N. 56.
Vende-se corles de casta de babadea a 1JG00,
2^000, e 28500 o corle, f essas de cambraias de
a 295OO, lengos
ditos de cores a
'"mtcntas a sua* constqutneias,
PHARa&v.>"RVCCUL BOMBOPAT1IC .
Verdadeiros medicaiu.'" homeopathieoa pra-
erados so a. toda* as caatela i, "'ariaa, in-
alliveiaem seus effeitos, tanto em tintara, ou,.
mglobalos. pelos prejos mais commodos pos-
eveis.
N. B. Oa medicamentos do Dr. Sabino sao
rucamente vendidos em saa pharmacia; todos
qaa 9 forem (ora dellas falsas.
Todas as carteiras o acompanhadas de am
impresso com am emblema enr^Jlevo, tendo ac
reopr as segaintes palavras : O. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Este emblema poato
analmente na lista dos medicamentos que se pe-
de, Aa carteiris qae nao levaremesaeimpreasa
asaim marcado, ambora enham natampa o no-
J" Or. Sabino aio falaoa
Laboratorio a vapor
DE
Lavagem e engommado
de roupa, de Ramos & Pi-
mentel.
Empreza importante, que vai prestando rela-
vantes servigos seus freguezes pela promptido
e perfaigo com que lava a roupa sem a estragar
PREgOS.
Roupa sorlida (embora nao venham meias nem
lengos] 40 rs. por pega.
Pegas grandes isoladamente 100 rs.
Roapas de navios, vapores e hospitaes 70 rs.
Dita de familia que sao fregaeza 80 rs.
Dita de doenle de familia que nao a freguesa
a 120 rs.
Urna rede ou cortinado de cama ou varanda
500 rs.
O prego dos engommados mdico e confor-
me aa pegas, como costamam fazer as engomma-
deiras. O praso da entrega da roupa lavada
8 dias, e engommada 15, sendo qae muitas vazes
ost prompta antea do praso. Deposito na ra
Nova.
80 rs, ditos para rap a 120, e 160 rs. rs. -cada
um ; na ra da lmperatiiz, luja e ermazem da
Arara, n. 56.
Fazendas sem dilato, da Arara.
Veuuv, J "ntt*a de chita ins com 12 l|2co-
vados a 2500. onu. ""*" de cores 2500,
ditos preta a 2*500, chales demB.iu'."o,,mt,ad0
a 295O, goliohas para senhoras a 500 rs., miu-
guitos e golas de linbo s 2$000 ; ne ra da Im-
peralriz, loja da Arara, n. 56.
18000
1*000
i000
1J0(J0
1000
18000
1900
Manguitos e gollas de
cambraia ricamente bordados
Vendem-se manguitos e gollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo insignificante
prego de 2* o par da manguitos com ama golla,
sendo que stmprecustaram 6$ cada par, assim
pois recommeoua-seaoa amigos da santa eco-
noma que aproveitem a boa occasio, dirigi -
do-s com dioheiro a loja da boa f na ra do
Queimado n. 22.
Curso de estados
mentares
ou
Gollecco de tratadi-
nlios separados.
Contendo as mais uteis noyes
acerca dos principacs ra-
mos de conheciinentos humanos.
POR CANILLO TUMO,
Primeiro livrode leilura 1 vol. in-12. .
Elementos de aritbmetica 1 vol. in-12. .
Elementoa de algebra. 1 vol. in-12. .
Elementos de geomatria. 1 vol. in 12. .
Elementos de astronoma, seguida de urna
noticia acerca do calandario. 1 vol. in-
12 com mappas........, .
Resumo de geogrsphia geral enliga e mo-
derna. 1 vol. in-12........t .
Resumo da mythologia. 1 vol. in-12. .
Resumo da historia santa, contendo o ao-
tigoeo novo testamento. 1 vol. in-12. 1$000
Resumo da historia da Europa durante a
idade media. 1 vol. in-12........lgOOO
Resumo da historia da Europa moderna. 1 Mantelga Dgr<,ia flor 800 e 9
1 vu.. ... ._. ...........10OOO l *u. Rtn M banha (
saa e lapidadas, leos de babosa, philocome e
Labio, pomadas ou cosmestiques, finos extractos
dos preciosos e escolhidos cheiros Jackey-Club,
mil flores, miel do Inglaterra Marechal, Principe
Alberto, George IV, etc. etc. Recommenda-se a
todas as senhoras de bom gosto o uso de quaiquer
desses estimadoa ezlractoa porque aquella que
em ama sociedade, tbeatro, ou baile estivor com
sea fino lengo orvalhado de to sublimes aromas
ter porcerlo o prszer de ver as suss visinhas
dadireila e esquerda Ihe rendendo bomenagem,
perguntarem donna F. onde comprou esse to
agradavel cheiro ? ella orgulhosa de seu bom
gosto, mas com ar prazenteiro Ihe responder:
na ruado Queimado loja da agua branca nume-
ro 16.
Botinai



>

>
>
Sspales

>

>
>
Spalos 2 solas e sallo..^..........
> tranga portuguezes........
> francezee. .
SENHORAS.
Botinas dengrzas.......
> sallo de bater.....
> pechincha do 4500 a. .
americanaa 3J500 a .
Stpatos de sillo (Jolj) I .
sem elle (idem)......If9:20
tapete.-........ 8U0
b econoc icos. ;......I
lustre 32 e 33.......
MENINOS E MENINAS.
Ha de tudo em relagao e uo se deiza sahit
dioheiro.
Um completo sortimento de couro de porto,
cordavo, bezerro francez, couro de lustre, mar-
roqairo, sola, courinhos etc., que tudo se iroca-
por dinheiro vontade do comprador.
inglezea ps selvagens......... 7;5U0
taxiados braiileiros............ 5}50t>
non-plus-ullr................ 7;0CO
3 bateras e mela.............. Ct500
esmaga cobra.................. 5?500
Nantes 2 bateras vaqueta..... ti&OAO
o 2 bjterias bezerro...... 550O
trsbalhadores.......... ;00O
brasileiros de 3S50 a.......... -^OCO
. 5#100
. ilOCO
. 19280
. EJJ5C0
. 56000
. <$000
. 25500
. ssnoo
(

R
Camisas inglezas baratis-
simas.
Vendem-se camisas inglezas cem aberturas e
punhos de linho e com pregas largas pelo bara-
to prego de 30 a duzia, assim como outraa mui-
tas superiores a 408: oa ra do Queimaao n. 22,
na loja da boa f.
NO
Torrador.
23Largo do Terco-T6
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-sa pseotes com 100 folhas de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacote :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
sahna- K&MG9M MttSMX
8
Habudin da Arara.
Vende-se babadin com listras de seda.ftzenda
muito nova para vestido a 500 rs. o covado, dita
com palmas solas de seda, de largura de 4 1|2
palmos a 640 rs. o covado, laozinha para vestido
a 320 rs. o covado, ditaa muito finas a 500 e 640
rs. o covado
'ra. n. 56.
na ra d
1 Imperatriz, loja da A-
ditas fra..
cissas a turc& o __
zas a 280 e 300 rs. o cavaoo,
320 rs. o covado ; na ra da
armazem da Arara, o. 56.
Unas o.
Imperatriz,
loja e
Resumo da historia da America. 1 voi. iu
Vende-se em Penumbuco as princi
vrarias e no Rio de Janeiro na do eoiu .
Garnier raa do Ouvidor n. 69.
Veade-*e a cata lerrea d. 91 da ra Augas-
ta, com tres janellas e urna porta de frente, duas
atlas, qualro quartos, corredor independente, co-
zinha (ora, quintal murado, caci"-1^ meieira;
esta casa est em perfeito <"' -o, caiada e pin-
t. ^,- __ ^ p0(je ,or examioaila pelos pre-
ces : a tratar na traveasa da Madre de
n. 13.____________^_^____^_
Vende-se urna mulaiinha de 8 a 9 suuus de
i : na ra do Sol n. 9.
*a *z> t 04Khj*i
de porco
a libra,
a 400 rs.
Acaba de che-
gar ao novo
armazem
Cinco ttsies.
S na loja dopavo
vendem-se sedas de quadros, ditas de listras ao
comprido, e ditas de listras atravessadaa, ditas
de quadrinbos, sendo dos meIhores padrdes e de-
Icmpstis gustos, com largura do ibita inglesa
a 500 rs. o covado, pechincha, e do-se aa
amostras com penhor : oa ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do pavo de Gama & Silva.
jf
DI
Bastos & le gol
*as pr
etas

rr\ x>. a libra, massas muito Unas para su^a <> iw ... -
libra, queijos do reino a 23,ditos do serto a 560
ra.a libra,serveja das melborea marcas a 500 rs. a
garrafa, cardinhas de Nantes a 400 rs., toucinho
a 320 rs., bolacbinha ingleza a 320 rs. a libra,
aisim como se vende outros muitos gneros ba-
ratiisimos, psssaa a 400 rs. a libra, sao muito
novas, e se alguem davidar venha ver no Torra-
dor largo do Terco n. 23.
Cambraias
Vendem-se eambraias de corea
alegantes desenhos a 280 e 320 rs.
ra 4a Imperatriz, loja o. 20.
de bonitos o
o covado: na
Arara vende fusta o.
Vende-se fuslo de cores para vestido a 280 e
320 rs. o covado, lencos de seda escuros para
rap a 1 600. pessas de cambraias lisas a lgt,
29000,2S500 e 35000, masaos de palitos finos para
denles a 200 rs.; na ra da Imi .-ralriz, loja da
var XZJ Vi?
Arara, n. 56.
pensad italiana particular
com quartoa para alagar, tambem se manda co-
mida lora : na ra da Cruz o. 9, 1* andar.
Aluga-se urna grande casa com sitio na es-
rada do Arraial, esquina do Psrnamerim : a tra-
tar na raa do Amorim com Guimares & Alcofo-
rado.______________________________________________
Roga-se ao Sr. Geaario Aureliano Ventu-
ra, tenha a boodade de ir a ra Imperial n. 78,
qae ae Ihe daaeja fallar.__________________^^^^^
Aluga-se ama acrava de boa conducta e
que aabe perfeitameote coziohar e fazer os mais
arraojos de casa : quem a pretender dirija-se a
ra do Crespo, loja de Alvaro Si Magalhaes.
Pedo-aa ao Sr. Jus Maiia Draga Jnior,
veoba ao largo de Rosario n. 4, 2* andar, a ne-
gocio de seu interease.______________________
Precisa-ae alagas urna ama que saiba cozinhar
o diario de urna casa de pooca familia : quam
quizr dirija-se a botica da pra;a da Boa-Yista
n. 32, esquina da ra do Aragio.
Manoel Jos Prea, sbulo portugus, reli-
ra-ae para o Rio de Ja-:;;-- 1
Madapolao da Arara.
Veude-se peisas de madapolao infestado a lie,
ditaa de 24 jardas a ',$. 00, 40600, gOUO, 5$500
e 68000, cobertores de algodo a ljfOOO, ditos de
pello a 1S5C0, roupa feita, palitos de panno pre-
to a 6J30U e 80000, caiga preta de cazimira a
4$5O0 e 5500, seroulas do lioho a 1600 e 20000,
camisas francezas a 10600 e 20000 ; na ra da
Imperatriz, leja da Arara, n 56.
S frota california S
I de I
IFazendas erou-l
I pas feitas. 1
|ltua da Imperatriz n 18.junto^
a padaria frauceza. s>
LOJA DE
9 Paredes Porto. 2
^ Veode-se fil branco liso tuperior a /
te 400 rs.a vara, cambraia lisa tina a 2/500, ^
30500 e 50 a peca, dita da Escocia mui- W
S to fina a mitacao de linho a 60 e 60500 ^
eos a pee, cortes de cambraia bordadoa a g
= 3J500 e 40. diloa superiores a 50, ricas S
P saias de musselioa com 4 pannos a 3J e ti?
j 30500, gollinhas com maoguitos borda- ','-
Z dos a 10280 e 10500. ricas chape ^
* para baplisado a 30500, 40 e 50, ...
( de merino estampados muito grande a
gat 6$, manteletea de grosdenaplea a 120, g
T 160, 200 e 25$ chapeos de eol para se-
VP nhora a 50, cambraia lisa de forro com y
^Ej 9 varas a pe;a 2f, cambraia de salpico *
aa300 rs. a vara e 40500 a pe?a com 8 ^
1|2 varas, am completo sortimento de ^
& roupas feitas por prego commodo. @
:-- ua do Queimado n. lu
LOJA DE 4 PORTAS
de m
Ferro & Maia.
Vende-se as seguintes fazen- ^
das pelos baratissimos precos ^
abaixo mencionados :
Capas de grosdenaple preto W
bordado a 25^1. < ^
Manteletes de dito dito 20, 1?
25 e 30^. |
Chales de touquim bordados 9
os melhores que tem appai-eci- 9
do no mercado a 8, 10, 15, 20,
25, 30, 40 e 50#. *
. Cambraias e "hit^s francezas W
cores seguras e lindos padrGes a \
a2i0e260rs.
Laa aberta matisada a 520 e *
400 r. m
Muitas outras fazendas exis- W
tem expostas aos compradores W
que segundo seus precos nao ^
deixarolde agradar.
V eias a

Milho
3,s o sacco a dinbeiro : no armazem n.
4, defroDte da alfandega.
buLpfa&.
Compra-ae urna eacrava
engommadeira e costureira o
na ra da Cadeia do Recita n
que aeja perfeita
de boa conducta :
35.
Compra-se
ama balanza decimal, com todoa os seus pesos,
em bom estado, seja qual for o seu autor : na rus
da Senzalla Velha n. 84, ou rea do Hospicio
n. 70.
Venda*.
lVso aos fabricantes de
charutos.
Vende-se fumo da Ierra de superior qualidade,
iaa, segundas e milo : na ruada Senzalla-No-
1.
Atteo^o.
Vende-se ama mobilia do amarello em
Mudo ; ni ra do Rosario eitreita o. 18.
bom
Vende-se
am piano inglez em forma de mesa de muito
boaa vozea e em bom estado proprio para apren-
der : quem o pretender o pode ver na ra da
Camboa do Carmo o. 21 e a tratar do preco no
primeiro andar do sobrado da ra Direita n, 21,
o qual se vende por matado de seu valor.
Vende-se ama preta perfeiia engommadei-
ra, cozinbeira e lavadeira, sem molestia algama ;
ao comprador ae dir a razo da venda : na raa
da Imperatriz n. 47._______________________________
Vende-se milho americano em saccaa de
110 libras, por 30: na ra do Amorim armazem
deGaimares & Alcoforado.
Libras sterlinas.
Veodem-ae libras sterlinas no escritorio n.
14 da raa da Cadeia dn Recife.
No gallo vigilante
Na ra do Crespo, loja n. 7.
Recebeu de sua propria encommeoda um rico
aortimento deprendas, bicos e labyrinlbos de mal-
lo lindos padrde, que ie vende por pregos bara-
liimcr.
Remedio
rheas antig
":~* tjanceza,
preco 5;
Bol
C&o Brow
infallivel contra as agnor-
as e recentes, nico deposito
ra da Cruz n. 22,
inhos fran-
Vendem-se calas com 25 libras de esperm
cete a 640 a libra, a retalho a 680 : na Iravessa
do pateo do Psraizo n. 16, com oito para a ra
da Florentina.
. E pechincha.
Na ra do Crespo, loja de
4 portas n. 8,
vendem-se cortes de chilas largas escaras, de co-
ras fizas, de 10 covados, a 20 o corte, cassas de
cores Gxas, fazenda qae sempre se venden pos
610 e 800 rs. a vara, a 240 o covado, e outrar
muitas fazendas por pregos baizoa que s i vista.
Vende se" um cabriolet de 4
rodas em muito bom estado, as-
sim como um cavallo ruco, no-
vo e de muito bons andares : na
ra Nova n. 56, sobrado de um
andar.
Na roa de Borlas n. 18 vende-se espirito de
graduarlo subida, licorea de todaa as qualidades,
aiiiz, reino e genebra, tudo por menos do que
em outra qualquer parte, tambem ae vende lia -
guijas do serto a melbor do mercado por preco
mullo barato e muitas mais quaJidades de gene-
ros que s avista delles se fazem os precos.
Vende-se leile liquido de vacca, a paiaca a
garrafa, lodos os dias das 6 e meia s 8 horas da
manha : no pateo do Carmo defroote do arma-
zem pronressivo n. 9.
Rap de Lisboa em frascos
Vende-se o superior rap prioceza Brasil, che-
gado pelo ultimo vapor francez Navarre. ua lo-
ja <*e Marcelino Si C., ra do Crespo n. 5.
Attencoo.
Vende-se um aitio as Ateas, estrada da Vic-
toria, com seis moradas de casas de tiipa, tendo
o sitio vinte ps de coqueiros e mais arvoredos :
a tratar com Joaquim de Almeida Qaeiroz, no
lagar do Barro.
cezes.
Na padaria de Antonio Fernandes da Souza
Beiriz, raa dos Pires o. 42, vandem-se bollinhos
francezes,- ditos de paisas, bollo de amendoas e
msis maasaa finas, por precos commodos e tra-
balbados com perteico ; pao commum, dito de
proveoca, bollachaa e bollachiohas de araruta,
tudo fabricado com farinhas as mais noves do
mercado e com perfeiro e limpeza como podem
examinar oa freguezea, tanto aotigos come mo-
dernos, conhecendo os aotigoa que iodo o fabrico
sabido hoje desU estabelecimenlo nao mais o
qua era.
- Veode-se urna cnoula, bonita IJgura, de 18 a.Veai*'e >*" d ru do Imperador n.
a 20 annos, sem vicios nem molestia : na roa do
Queimado n. 13.
Sant'Anna.
Est exposta a venda a novena completa da
Senhora Saoi'Anoa : na ra ra do Imperador
o. 15, daa 9 da manha as 3 e meia da tarde.
liocheira venda.
Linhas.
Superior liona de novello grande a 80 res
no gallo vigilante, ra do Crespo n. 7.
s
Anda pechincha
Na ra do Crespo loja de
A portas n. 8.
25, com doas carros em bom estado, am cabrio-
let e onze csvalloa, maito afieguezada : a tratar
na loja da ra do Crespo o. 14._________________
Aos senhores de
engenhos.
Vende-se por pouco mais de metade do cusi,
urna moenda para animaes, toda de ferro, com-
pleta, teado aervido rnente para moer 500
pes; achando-ae para vender por ter o proprie-
lario comprado ama machioa a vapor: Os pie-
Peca S de madapolao largo multo nO tendeles podem dirigir-ae pars examinar, no
com pequeo toque de arara sendo fa- trapiche do caes do Ramos, armazem do Sr. Le-
zenda limpa de 60500 vende-se por 5$ s^ySo^" ,Ui d S' Dl *9' d* do
apeca, ditas de dito mais baixo tem- 1 Vende-se urna n.grot. de 14 .anuo., bonita
bem por igoOO._______________________ figura : na ra Imperial n. 49._______________
Vende-se a taberna sita no pateo do Terc.o
o. 1, com poucos fundos para am principiante :
quera pretender dirija-se a mesma.
No pateo do Carmo o. 1, vebde-se urna ea-
crava de bonita figura, propria para todo o ser-
T1J0.
Na ra Nova junto a Conten; a o
dos Militares n. 47.
nm rinde o variado a' -'
roap&.ToKS/caiQaose tazeuaaae lodos
astea ae vendem por precos muito mo li-
neados como de sea costume, assim co-
mo aejam aobrecasacos de superiores pan-
nos e caaacos feitos pelos ltimos flguri-
nos a 269,989, 309 e a 359, paletots dos
mtsmos pannos preto a 16g, 18f, I0f t
a 249, ditoa de caaemira de cor mesclado
e de novos padrdes a 149,169, 189, 209
o a 249. ditos de casemira de cor mes-
ciado e de novoa padrea a 14{, 16j>, 189,
209 e 2(|, ditos saceos das mesmas ca-
aemiraa de cores a 99, 109, 1^9 e a 14f,
ditos pretos pelo diminuto preco de 89,
109 e 129, ditos de sarja de seda a so-
brecasacados a 12g, ditos de merino de
cordo a 129,ditos de merino choez de
apurau'u K-l a 15$, ditos de alpaca
preta a 7J. 89, S &-109. ditos saceos
pretos a 49, ditos de palha da seda fa-
zenda maito superior a 49500, ditoa de
brim pardo e de fuato a 39500, 49 e a
49500, ditos de faslo braoco a 45, gran-
de quantidade de calcas de casemira pre-
ta e de cores a 79, 89, H e a 10$, ditaa
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de co-
rea finas a 28500, 39, 3J500 e a 4J, ditas
de brim brancos finas a 4J5CO, 59, 5J500
e a 69, ditas de brim lona a 59 e a 69,
rolletes de gorgurao preto e de cores a
59 e a 69, ditoa de csenme de cor e pre-
tos a 49500 e a 5J, ditos de fuslo branco "
e de brim a 89 e a 39500, ditos da brim|
lona a 49, ditoa de merino para luto a 49
a a 49500, calcas de merino para luto a
49500 e a 59, capaa de borracha a 99000.
Para meninos de tolos os tamanhes : al-
gas de casemira preta a de cor a 59.69 e
7$, ditas dltss de brim a 2f,, 8$ e a 38500,
paletots saceos de casemira pieta a 65 e
a 79 ditoa de cor a 69 e a 79, di-
toa de alpaca a 39, sobrecasacos de pan-
no preto a 129 e a 149. ditos de alpaca
preta a 59, bonete para menino de todas
aa qualidades, camisaa para meninos dr
todoa os tamaobos, meios ritos ve lides
de cambraia feitos para meninas de 5
8 annos com cinco babados lisos a 8f
a 129, ditoa de gorgurao de cor e de la
a 59 e a 69, ditos de brim a 89, ditos de
cambraia ricamente borbados para bapli-
sados e muitas ouiras fazendas e roapas
feitas que deixam de ser mencionadaa
pela sua grandeqaaotiHade ; asaim como
recebe-so toda e qualquer encommeoda
de roupas para ae mandar manufacturar
e que para este fim temos um complato
sortimento de fazendas de gosto o urna
grande officina de alfaiate dirigida por um
hbil meatre que pela aua promptido o
perfeigp nada deixa a deaejar.
superiores.
Grosdenaple preto muito superior pet dimi-
nuto prego i!e S o covado, panno preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9g o covado, casemira preta
muito fna_a 2J, 25500, 3, 3J500 e 49 o covado,
as de blonda muito superiores a 129,
de superiores grosdenaples prelos n-
-A-A~~ ^fOjj. ...|.r-r(-.'.- H. ------
preto muito fino s 309,'casacas tai
preto muito fino* 309, paletots
Gco a 18 e 209, ditos de casen*
ciada a 189, superiores gravsi
19, ditas de selim maco e de g-
periores para duas volla: a 29, ditas ...
com lindos alfinetea a 29, superior gorgurao pia-
lo para colletes a 49 o corle, ricos nfeites preto
a 69, e assim oulras n nilas. fazendas que sendo a
dinheiro vista, vendem-se por precos maito bf-
ratos : na ra do Queinjadon. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
A ioja d'aguia branca, ra u\*>
Qu/imado n. 16.
Recebeu p^lo ultimo vapor os seguintes ob-
jectos :
Bonitas.Vigas de seda para senhora.
Grandes e bem lecidos bandes de clioa.
Aspas de ac, e fita elstica para ces de baic.
'i,oteas grandes mu bonitas e bom vestidas,
lonilos baazinhos com 9 frascos de cheiros.
-indas caixinhas com 6 ditos de ditos,
rancellim grosso de cor para guarnecer vestidos.
uvas de camurta brancas e amarillas.
lindos boies de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber lindos
, boies de porcellana dourada com fina banha e
maviosas inscripQoes, os quaes porsuas delicade-
zas o perfeic.oes loroam-se dignos para presec-
U', e com especialidade na actual quadra, quem
gestar do bom dirigir-se com dinbeiro ra
do Queimado, loja d'apuia branca n.16, que acha-
ra em que bem o empregar.
a
4
:i
i
Vinho a 400 ris a
garrafa e 3,000 a caada.
Vende-se vinho tinto a 400 ris a garrafa e
35200 a caada, chouricas do reino novas a 400
rs. a libra e se for em barril se far abatimento :
na ra da Imperatriz n. 88, defronle da Matriz.
Acha-ae venda no escriptorio de Anioni
Luizde Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra eacripta pelo viscouda de Uruguay,Eosaio
Sobre o Direito Administrativo ; deixamos de le-
cer elogios a esta obra, basta o oome de aeu au-
tor para a tornar recommeodada, dos volumes
em brochura 100, eocadernado 12$.
Chegaram as dtsejadas rosas
artificiaes.
Agora dave cessar o desgoeto que muitas se-
nhoras ssnliam por nao lerem comprado das pri-
meiras rosas que a loja d'aguia branca recebeu,
isso porque dita loja acaba de receber am novo e
mais brilbante soitmenlo dellas, vindo estas do
maisa mais dalicamente orvalhadis. A aenbora
que com a pequsna quautia de 29 comprar urna
desses formosas rosas, sentir um effeilo anda
mais rpido (relativamente ao caso] do qua
aquelle que produz o prompto allivlo em qual-
quer molestia. Cumpre, pois, qua se nao de-
morem em as mandar comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16, pois do contra-
rio ficarosem ellas para S. Joo, o que nao
convm. Na mesma loja vendem-se oulras rosas
mais baratas.
Superiores atoalhaclos
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
mo de largara al$600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f
Damasco para colxas e para
ornamentos Vende-se muito superior damasco de l de
urna s cor, muito proprio para colxas e par
ornamentos, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato preco de 258OO rs. o covado : na raa do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para
ra do Queimado n. 16.
a loja d'aguia branca,
As Sras. floristas.
Na ra Nova n. 56, vende-se papel de aeda pro-
pria para flores e muilo em conta.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Pos de arroz com boneca em bonitos vasos dou-
radoa.
Ditoa dito sem boneca em pacotes.
Agua balaamica psra conservsco dos denles e
bom balito da bocea.
Opiata ingleza para alvejar os dentea.
Leile virginal caja ulilidade reconbecida para
tirar sardas.
Vinagre aromtico para quem soffre de tontiets
e dor de cabece.
Pastilhas de cheiro para se perfumar aposentos
Verdadeira pechincha.
Vendem-se cortea de superior gorgurao de se-
da para colletes pelo baratissimo preco de 1$,
29 e 39 o corle : na ra do Queimado o. 22, na'
bem conhecida loja da boa f.
Para os tabaquistas.
Lencos muit* finos aimllscao dos de linho de
muito bonitos padrea e de corea fizas muilo
proprios para as pessoasque tomara tabaco, pelo
barato preco de 49800 e 59500 a dazia : na raa
do Oueimodo n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Bramante de linho.
Vende-se muilo superior bramante de linho
com duas varaa de largura proprio para lencea,
pelo barato prego de 29400 rs. a vara: na b>e
conhecida loja da boa f, aa .na 49 QRm&
*
Vendem-se cajxoes va-
sios, proprios j^ara fuuileiro
e bahuleiro, a 1#280 cadaum :
nesta typographia se dir.

aa.


. --#
V
'>*
wtwo m wamMroco QU*H ta IRA i db jclho m ihi
.***?** ***^,.-
"-g*g;-~T
-SENOARMAZEM
PROGRESSO
Ricas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
traordUiario .ortriDBoto o. rtcn tita to boa
L! .i-** m,i, laJg0 "" PO"*el; assir*
como algumas pecas brancas com o airo liso
proprlo para wscripcoes, muita, oatra. de dif-
erente cores como do caf, rota, escura etc.
etc., como do sea loavavel eoatume a lois
d aguia branca, na raa-do Queinado n. II ven-
de por prego commodo eaaas boa, o bonita.' fitai.
DE
Francisco Feraandes Duarte
rgo ia Fenlia $m
rt-^r^,^ e P 10 por canto do ,ue m oulr.
acnhos e lavradofes o favor de IndaStas^ro^nT"86 ldS S ^"'-^ ***> da -
nioIhaJos.afiradeveremadiflZn TnT. ^"" .M,e mH,t0 "*< armazem de
qualquer parta. 9re"Ca de Pre e I"1"1'* 1u '". 'ssem comprados ara outra
Batata* nnvafi
**a*t*iga iJtoT 7dU3S 8rrbaS'"*M em 'ibra a 5 "'
barril fz abulto. S3fran0Va ***** MlMwto 8 85 ** -
l^s^r a r t a 64 -** -barrn 6o T
'Wo. no ultimo von.UlS8S^g',,0,n",' uUra *8P0'a *? cho-
Cha Vy&ii
qualidade.
o **?** o que se pode desejar nesle genero a 3*000 a libra.
*I*JkT* h0me0palhC 2'20 a Hbra 6a>lS50 se faz batimento.
9J00S0.la9VOS ^ PaV tranSad a 23 rs- carla e em cai* 40 canas por
Lelas com am^adoafi ,* j
m tta .car candido por .JoO ^ ET '"' B",", """*' "* "-
aSOra'ibTa da 8 ,ibras cheadas aUmarante a 28000 cada una e a reialbo
Bolaxliitoa
Nova atiendo.
O vigilante acaba de recebar boto sortimento
de diversos objectos que se vendem por mano
M por canto do que im oalr qaalqaer parta.
Siotos para senhoras.
w!2!!?M ""'"S d?Brad0. Pelo bsratissimo
EES tft ,0D1 fiTeU ao l,)0 a.slm co-
bo da Ota de seda ou vallado a 1$ : a oo alio
vigilante, rna do Crcapo p. 7. no gano
Enfeites.
MI?d,"-*rlqutMlmoooolilUo de cabeca
com franja e vidrilho a 5*. ditos sem irania a 3*.
dito, trancado, a 2*500, ditos do lago de fltVe
bico de soda s 28: a no gallo vigilante, ra do
croapo n. 7.
Relogios
Van de-s a am casa do John s ton Pater d C,
-do?igario n. 3, um bailo sor limen to da
elegios de ooro. patento inglar, do um dos mafs
afamados fabricantes de Liverpool; tamben
a variedade do bonitos trancallins para os
mesmos.
Fivelaspara sinto.
ntX*If'Si?L?i8S e a?ocom ""Jraperola no
rf/.VJ*a00l" m,drPe'Oja a 320. ditas
doar.diobara 340 : a no gallo vigilante, roa do
Vidrilho.
Lindos vidrilhos pretos o de cores, pelo bara-
lasimo preeo de 1600 a libra : a no gallo igi-
laote. ra do Crespo n. 7. "
Para entreter o tempo.
O lindoa jogos de dminos a 1 $400, lindaa ca -
zinbas com jogoa de vispora a 900 r.: a no al.
lo iafilinte. ra do Crsspo D. 7. K
A banha fina,
jLoja das 6 por-!
tas em frente do Liyra-
t ment
BalSes de 15, 20. 30 e 40 arcos.
Grande aortimenlo de baldes de areoa
os melhores nesli fazeoda e grandes,
ehilaa francezaa largas escaraa a 22U e
z*y o ovado, ditaa oatreilas miadi-
nnaa a 160 ra. o eovado, cambraia lisa
para forro com 8 1[2 varea a 2 a peca,
di as finas a 8, 4. 55 e 6)1 muito finas r
aMtas de salpiquioho com 8 l|zvaraaa S
aW pega, cobertaa alcozoadas brao- i
ca e de corea para cama a 4500 e 51.
caBBae de cores fraocezas tintas segaras 8
?ni SI* 0Ico?ao. P*5 de bretanba de I
rolo a 2$, algodao trancado alvo mailo
rgl ?!," t0,Ih" !* nn. enfeitea a
Oanbaldi todoa pretoa a 5J cada um. len-
as 50a brancos com barra i cores a 120 ca-
9 aa am. roapafeita da todaa as qaalida-
S o?aUo "N""' 'oja est abarla at
I aa 9 horas tfa noite. K
* mmmumm mmmmm*
Superior cal d Lisboa.
nio lllfV 555 '.m M,,So relllho Ant^
oto La z de Ohvoira Azarado & C-, no sea ei-
eriptorio rea da Cruz n. J.
NOS ARMAZENS
PROGRESSISTA
o raais superior que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra,
o melhor que h no mercado a 29800 e 2&200 a libra, a6anca-se a boa
em copos grandea, chegou para i loai d ataia
branca, raa do Qasimado n 16.
das seis portas em rente do
Livramento. 15t20,30e40
arcos.
Grande sortimento de saias a bal&o de arcoa
?' m!L.^,- do a 4500. 5JJ, 68 e 6*500 cada am, d -ae par.
amostra com penbor ; a loja eat aborta at ai 9
horas da noite.
Na ra da Camboado Carmo loja n.
12, vndese toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
gPi phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.

airea cobrinha ou de oulras marcas conhecidaa a 5#000 a duzia e 500 rs.
V
da soda em latas com differentes qualidades a HP440.
M. ingieza m|s nova qufl y nQ meTC3Q mQQ a barrca ,
a u rs. a libra.
i o m pi|V. dt sUper.. ..nIMada Port0j Fguera fl LUboa g6() # g4o ^
^^ a garrafa, e em caada a 3 8500.
BBk^w 4&>BiuTOai uuqmau rurw, ^,.1-... i o,..,, a,m.ao iDV; rdP
elho, e de oulras maitas^marcas acreditadas a 1200 a garrafa, em ca xa a 12J
n ha para lOOO a garrafa.
a^ das marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
l,$80O
SXVlfak da ma.'
a garrafa.
SiifVUll&f* francezab- e portuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
-.'' ^ 9nkat ,-m taitas de 1 libra por 80O rs.
&^%lX*el ?s\'8'i.Cf'>V>S era latas de 1 e rneia libra por 1|500, ditas com 3 libras por
80800..
.meQqtfetl de casca raoje njuiK, .novas a 320 rs. a libra, m arrb por 8^000.
K &l&m a 120 rs. a libra e em arroba a 3$0OQ/.'
le^U, mae^T?a l talliai! m a 400 rs. a libra, a em caixs com 1 arro-
ba por 69000.
l^S-if^llllSIl^ pevide e arroz de massr -anca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em ca
xinhas muito enfeiladas se faz obalim '.o.
I' ftllMH d- aftt8 ixaci08 os mai m feilosque lem vnilo a aslQ mercado a 280rs.
tambera ha para 200 rs. \
ZftZUmtttB iaglZ^S para fiambre a ?00 rs. tambera hamburguez para fiambra a
640 rs. a libra e do reino o mais novo r ha a 560 rs. a libra.
Ctuvuricas f^aio mul0 novas a r3 a Iibra e em barrH se far abat.im8n(0>
saune 0 raelhor pelisco que pode haver p )Star promplo a toda hora a 800 rg> 11bra
T Urina 9 Ao RlM raui.o novo a 0 rs. a libra e em barris de 1 e meia arroba
a 5f e 79 a arroba.
^UOayUJ^f em ^atas j promptas para se c< &*fc de ^Or^ refinada em latas 00^x0 libras por 4300.
i*u^ em D&rru muil0 fina e alva a 440 rs a ,ibra eem barril a i00 rs>
^*40iS C^f* hoM firaa^Z pr0prios para mimo a 500 rs. eod. um.
n&a^iaalaaa imperial do afamado Abreu ede outros muitos fabricantes da Lisboa a 800 rs,
a libra.
^xaviaelfeda je Alperche em latas de 2 libras por 19000 cada urna,
Kiat&S C^i? radas de doce em calda as melhores quehaem Portugal como so-
jara pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
Hoces steeos e em caida) emlataSf de 4 a 5 librag ^ 1?>500j
Umoealata) hespanhol a 19500 rs. a libra, ditto francer a 19100 ditto portuguez a
800 rs., afianja-sea boa qualidade.
Vi&ie da pnmeira qualidade tanto do Rio como do Cear, a 320 rs.. a libra, era arroba a
99000, dito mais baixo a 260 rs. a 7*800 a arroba.
cfreVaaiRSia de Franga a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em poreao se faz
batimento.
roga nidio novo a 320 rs. a libra e em garrafSes com 5 libras, por 29000.
k &YIRaa do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
M lia do Maranhao alva e ebeirosa a 160 rs. libra a em arroba 49500.
* eiaS da carnauba refinada a 400 rs. a libra, eemfarroba o 12*000..
cVXfMf d^ee refinadoa 800 rs,garrafa e e em caixas a 99O00
% laagre de Lisboa a 240 rs. a garrafa a em caada a 19800.
W Illa O cherez verdadeiro a 19500 a garrafa, o om caixa 149000.
\ a\lO bTaaeO de Lisboa o mais superior que ha bo mercadopropio para mu
640 rs- a garrafa e em caada a 4*500.
^ wataiOS suspiros do fabricante Brando em meias ctixinhas, por 2*500.
If 1108 guapifog 0 f^icanto Cuimbo & Filbos em meias eaxrnhas a 29000.
llltOS n caixas de 100 regala Imperial, Viagantes, o Panontellas, a 29000 a caixa.
APS*a muita Hmpo, a 180rs. alifara, e em arroba 59500,
Aieitenas muito novas, a 19600 rs. caa urna ancorea, e a 400 rs. a garrafa;
ATOf. g Maranhao a 120 rs a libra, e 39400 a arroba.
* ^aZa^jj postas em latas das memores qualidades de peixa que ha em Portugal a 19500 n.
GeaebtfMe Kaltaada tm garrafoes com 25 garrafas por 9*000.
M.OStaYda inghxa muito aova a 1*000 o frasco e francesa a 640;rs. o pola.
Alm dos gneros cima mencionados encontrar o respeitivel publico um completo serti-
mento de todo que atndente a molaados.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Hilharos de individuos do todas as naco.-
podemtostemnnhaas virtudes destaromedio
ncomparaToloprovaromcasonocossario.qua
pelo uso que delle fizeram "tem seu corno.
ambrosinteiramentesosdepoisdohaTorem-
pregadointilmente outrostratamentos. Cada
possoa poder-se-haconvencer dessascurasma-
ravtlbosas pala le tur a dos peridicos, quelh'ai
relatara todos os dias ha muitos annos: ,
maior parto rfll =- -- r-.-a.mau>
admiram os mdicos mais celebres. Quantat
possoasrocobraram com esta soberano remedie
o uso de seus bracos o pernos, depois dedar
permanecido longo tempo nos hospitaes.o tai
deviam soffrer a amputaso I Dallas ha iatu
casque'iavendodeixadoesses, asylos depado-
timantos, parase nao submoterem aossaope-
ra$ao dolorosa foram curadas completamente
medanlo o uso dessapreeiso remedio. Ai-
gumas dastaespessoanaenfusode seu reco
nhecimento declarara estesresullados beneS-
cos dianta do lord corregedor e outros magia -
irados.afimfa *' '"" tna>-^
Jtof^l aososperaria doestado desande u
ttvossebastante confianc.a para encinar este re-
medio consiantementeseguindoalgum tempo c
traumento que necesstasse a natureza do mal
eujo resultado seria provarinconteitavelment*
Que tudo cura.
O ungento he util, mala pardea
larmente dos seajolntes casos
*&mmmm-mmmmm*
ande
ae PUBTE*C.-
o Ra das Cruzes de S. Antonio 36
9 LARGO DOCARlffO 9.
frou6zesoML0rffirietarOSdMteac^iudos rmawM Participamos aos nossos numerosos
jg.gaggg^gg*?*11' !ela cebemodenossapropriaoncommenda
que outro SEU Inol,ado.s' e Por Pderaos vender por menos 10 por ceoto do
de nada^erd em nol, nfr, a-traba,ho d n,"d' xperimenUr, o favor de o faaeremTcertos
dos m^^X^SfTSZ por!ado-es'pois T,osa ovi,dam com oulra, *u,si
M .,u,os ^rogressista e Progressivo) pois sao as duas nicas filiaos.
anteiffa n^Ie?
Ma f *m>ls nova e ma,s superior do mercado 90 M"-
600 rs.
I
I
i
I
I liquidado por todo
| o prego, na bem co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
Ra do Queimado n. 4S-
Apparecam com di-
| iiheiro que fio deixaro
de comprar.
'".."V "1-----; a lou, 180 e 100
cortee da ve.Udo pr.toa bordado T.
* "?braia bordadaa a 300 600 7on
JO. 90 .If. dita.de BI6 taU& A *
SaaaJrrviViVD?'6m-8*
nhoraatftsn nn.c.",?..pre,".P" ao- 9
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabera
das coscas.
dos mombros.
Enfermidades da culis
om geral.
tas de anus.
Grupeos escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gangivas escaldadas.
Inchaces.
nflammagao do figado.
Inflamaiago da baxip.
da matriz
Lepra.
Males das pamas,
dj>s paitos.
de olhos.
Mordeduras do reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas,
Sarna.
Supura$5es ptridas.
Tinha, om qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veias torcidas ou no-
das as pomas.
nbor. .1*100 p^AR-aC
500 o 700 r., laaade qaadro enfe.tadi
300 360 ra. o eovado. cambraia preta
400 440 r. a vara, organdy. de coras
600 ra. a ,vara, 016 branco adamascad
. para cortinados e vestidos a 400 e 50
Mopoi pretos a 2 e 3*000, ditoiT d B
w .elludo de cor e pretos a 3*. 4*. 5* e 6*
paletots de brim branco franceze. a
35500 e 49500. ditos d. casemira de co- &
res pr.toa a 14 e 16*. ditoa de alpaca *
preta e d. cores a 3*. 3J500. 4* o 4*500. 8
camisas da peilo de llnho a 1*500, cortes
de colleta de norgtiro a 1*500. 1700
2*200, 3S e 3J500.colletea feitosd. brim
br.nco a 2500, ditos feito. d. gorgurao
. 2500 e 35500. dito, feito. de casemira
a 3J500. 4g e 4|500, ditos de velludo a
15*. 6* e 7*. ditos de fusto de corea a i
1g500, uoi varisdo sortimento de meias P
fe para hom.m e seohora, grinaldas com
O flore, cbalt. de froco, esparlilboa, (o- 8
I da a qaalidade de roupaa feitas para bo-
2 mem que tudose v.cde por metade do
SE seu valor.
Attenc
ia r
Vende-so este ungento no ostabelecimento
geral de Londres n. 244, oStrand, e na loja
de todos os boticarios droguista o ontras pes-
soas oncarregadas de sua venda em toda a
Amrica do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada boeetinha conten
urna instrucQao em portuguez para explicar e
modo do fazar uso deste ungento.
O deposito geral i em casa do Sr. Soum
barmaooutico, na ra de Crut n. 512,
pamambuco.
Chegou para a loja da victoria, candieiro. a
gaz denovosgostos e modeloa, tanto para sala,
como paraescada e quartoa e para outra muitas
comas : na loja da victoria na ru do Qaeimado
0.75.
>@$@^
mi
| Ricos pianos
^ de varios autores, vendem-se
^ era casa de Kalkmann Irmao &
C, ra da Cruz n. 10.
Batatas novas
2*560 r.; a caiza com 2 arroba., em libra a 50
'S., marmell.da imperial em lata, de 1 1(2 e 2
libras a 400 ris: veode-ae no armazem Pro-
treso. largo da Penha n. 8.
Aljfar fino imitando perola.
Vende-.e a 500 r. o flo de aljfar fioo, imi-
ando perola : na ra do Queimado, loia d'asuii
branca n. 16. _______
Potassa da Snssia.
^ Vende-se em casa deN. O Bieber C, successores. ra da Cruz n. 4.
Gaimaraes & Luz, dono, da loja '
da raa do Qaeimado n. 85, boa far... ,auipem
ao publico qae o seu estabelecjmento se acha
completamente prvido daa melhorea mercadera
tendentes ao meamo eslabelecimento, e muitoa
oalros objectoa do gosto, sendo quasi todo, reci-
bidos de *ua proprias encommendaa ; e estando
lie. inteiramente resolvido a nao v.nderen*
flado, aangam vender mais barato do que outro
qaalquer ; e juntamente pedem aoa seus d.vedo-
res que lh.s mandem oa vaBbam pagar o seus
d.bitos, .oo peo. de.erem ia.tic.doa. *


w
Vende-se urna bonita mol.tinb. de idade7
rrno.; na raa da Cadeia do llecife d. 47.
^~~~*~^~~mm^m-~^^____
Pechincba
ti. praca da Independencia o. 37 e 39 vnde-
se borzegaios de Ustre para horneen a 6*, 5$ 4a
Borzeguins de senbora a 3)J. 2* e 1*.
Borzeguios de vaqueta inglezes a 8*500.
S.patos rasos de lastre aem alte a 2*.
Sapate de lustra par. boaaem menino a 23.
Borzeguins de lustre para menino a 2*.
Sapatos de tspete a Ig,
Ditos ale traeca a 1*180.
Sapatos de aetim raneo a 500 rs.
v.ode-se um mvt.tizib.ocom 15anno>, qae
cozinha e engomma : a tratar aa loja da ra do
Qaeimado o. 46.
Soahall Mellora & C, t.odo recebldo or-
dom para vender o aea creacido deposito de rslo-
go v[slo o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, porlanto, s peasoas qae qaizerem
possuir am bom r.logio de oaro oa prata do ce-
lebre fabricante Kornby. a aproveitar-ae da op-
portanid.de aem perda de tempo, para vir com-
pra-loa por commodo preso no aea eteriptorio
ra do Trapicha n.28.
Moendas p meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Bodas d'agua.
Rodas,' dentadas etc., etc.
Ra do Brum n. 38, fundicao
___________de D. W. Bouman.
Ra da Seazalla Nora n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 180rs.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston]! & C ra da Seazalla Nova
a. 42.
nceza a meinor que se pda desejar a 650 rs> a libra 9 em barri|
Cha I ^ ma'S eSpecial ,ue M pda eocon,rar 2*880 a libra.
n. 1^SS11 6lhor 1ue se Pd desojar i 2400 a 25800 a libra.
a ^ pre tO 0 que se podo desojar neste genero a 2 a libra a a 136Q0 o ordinario.
Ouenos flaiaengos chegados noukiino vapor a m e mm
Patinas Prat0 m-e,h. d merad 60 Ub" e inleiro 500 rs.
A mpivao Pm D0Z9S ,60 rS- Ilbr* mut0 nov<
Marmelada eopenor. nalhordo mmjam ]alM d,duis|ibri, 1
Doce da casca da goiaba m MIi(1. (
La-atas com frutas em Rliia .
alporxe a 600 rs Ca^ mo pt^go. damasco, ginja, ameix..V
Aiiiendoas coufeitadas COmai coresa *~..
Vnoos firenerosns
- .s.... wisITS^Sjar^!^^"-
^ S%tfg.*%S"" *.* H .600 ,, gl.f..
,, 900 rs. a garrafa. g,g0' eogahac malhor W se pode desejar
Genehft da***** ho"an . O....oui< ue tiolanda *80O
...u garrafas de superior vinagre a l#QO0
i mSqainO 0 mai,superior que se pode desejar a 13000 g.rr.fa.
.'" ?6te maS SUP9rr d mmmw em Caixiahis de 6 librS a 20 e 700 rs.
Veks de carnauba nim**m&, easoaiibr..
AOCOretclS comazeilonas as melhores do mercados 1#400.
Ca Xa8 com arroba hespanhola contendo macaro talharima aletria a 65OOO.
^'X'e^io aTibdraV.erSaS qUt'd4d9Sde maSSaS e0!" s,Ja *s">^* Pavtda etc., a 6*000
Chouricas e faos osmelhoresdo m8rcadoa 560 rs> a ^
i reZUDtOS 0 que se poda dezejar de bom a 610 rs. a libra.
LlIlgUlCaS finas em latas j promptas a 1*600.
PdXe em latas c.v.lnhas pargo, a linguadosa 10600.
lOUClUflO do reino a 280 rs. a libra do novo, o 240 rs. do velho.
Bantla de pOrC wk*>mmtomUm 4olOUbraaa49000
MaSSa de tomate flm latas de 1 Ubrr. 700 rs.
Manas para SOpa ta.barimo macaco a 280rs,e,etriaa 320 rs.
ralltOS llXaaOS em macos com 20 macinhos a 200 rs.
Papel greVe pautado a liso muito superior i 4*600 a resma.
KfVa docea360.pimentaa360,canelIa900rs.,ecomiQhosa 800 rs. a libra
h-lltOS do gaZ a 2300 a groza a 20 rs. a caixinha.
^in'efina(l0 'm Pae0leS ^ maSd' Um> HbM' 16 P,es 56
"O, mu, Bovo 280 a libra e sevadinha 260 rs.
Farinha *vMnri*. ieo rs.. iw. g0mm.. so .. nbn e 24M, arroba#
ravinhaf ad0CMn 0n,8,hr d marCad de &m0 a950oba.
CllOCOlate hespanhol verdadeiro a l,0OO rs. .libra.
Urvilnas portuguezas e francezas -
alata. utcasMb, feyao verde d. 646a 720 rs.
Traques 0? melhores do mercado a 10 a caixa e a 280 rs. carta.
*avel em latas chegado no ultimo vapor a l>600.
Bolazinha de soda am i.us. 1*400
Kl^nha ingieza anwsn0vi do merc.do.4500 a barrica a 300 r, a libra
W^lT fa,C|eZa8o^1^P-soPaeguizadoa2OOr,alibr,. "
* resuntos fiambre melhor88do mercadoa 640 m, libra<
irlassa de tomate das melhore8 Idad9S em ta
rs o em potes de vidro a 700 rs. cada um
Bolachinha Cracfcnel om U tas com 8 0l. brasa 2,500 0 4*500 0,400
BalalOS franceses da diversos tamanhos de 320 a 600 rs. os maiores e marac,
para meninos a 80 rs. cada um.
AVeaaS chegadas ltimamente a 320 rs. a libra.
Sardinhasde Nantes a 400 n. .uta.
Aiet dOCe refinado a9ae.ix.e800 .agarrafa,
aTZ ara saceos de 5 trrobas do vormelho a 29500.
LICOrei os mais finos que Ira no mercado a 1 agarrafa e 10 a duzia, tamben tomrj
para menos.
Alira dos gneros aanuneiados encontrar o respeiuvel publico tudo qu for pertoncer*-
te a estos estabelecimealos. Os propriatariosseisntifieam que estes procos s serviram para aquel-
los Snrs. qoo mandarem seu competente importe o lodos os demais fraguezes de livro taram da suki-
lar-aa polos procos acostumados, salvo aquslles do am do nm, ^^
l
'




DiaVRl 01 rERHAHiCCO u QUARfA FEI&4 18 OB HJLHO DB IMS
i
Enfeites para senhora. **fc <**Mm da impera-
O* melhorts
paraca a 55I
na ra da O
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Multo liadas eaixiohai a cabana para meninas,
da 100 ti at 2&500: na loja da Victoria, na raa
da Queimado a. 75.__________________________
Franjas pretas com- vi-
drilho e sem elle.
Ricos aortimaotoa de franjas pretas a da coras
cosa vidrilho e sen elle : na loja da Victoria, na
raa do Quejando a. 75._______________________
Zinhasde peso verda-
deiras..
Lichas fioas de peso verdadairas, meada
grandes a 240 ris : na loja da Victoria, na na
do Qaaimado d. 75.
Phosphoros de seguran?
Phosphoroi de seguranza, por que llvra de io-
ceodio, a 160 ris a caiza : na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Btelas muito grandes a boaa a 160 ris ama i
na loja da Victoria, ni ra do Queimado n. 75.
*ri numere 00.
DE "
G\M\ fc SILVA.
Vende-se neste estabeleciment todas ss falca-
das por precos mais baratos que p os i ve 1 s
com o fim de aparar dinheiro, assim como urna
graode porgo das ditas (aieodas inieirameote o-
ras, rindas pelos ltimos nsrios : os donos des-
te estabelecimento rogam a todoa oa seus fregue-
ses, que se deerh ao trabalho de procurar neste
Diario os annancios ds loja do Paro, porque
estao certos qae nao perderao sau lempo.
Ctmbraias organdys a 280 rs.
Vende-se esmbraiaia organdys com dilicadis-
simos desenhos a 280 rs. : ns loja a armazem do
Pao, de Gama & Silva, na raa da Imperatrix
n. 60.
Panninhos do Pavao.
Vviftde-se pecas de panninho floissimo com 10
fase* a 6g : na ra da Imperatrix n. 60, loja de
Gama & Silra.
litas em corte.
Vende-se cortes de chita francesa maito fina,
com 10 corados a 2&400, afflangando-se ser de
cor fita : na ra da Imparatris n. 60, loja a ar-
mazem do Paran.
GI&NUlzV.
Di.
S o Pavo.
Vende-se finissimas cassss francesas de varia-
dos padrdss a 240, 260, a 280 rs. o corado : na
ra da Imperatrix n.60, loja do Pari de Gama
& Silva._________________"____________________
Anida o Pavo a 200 rs.
Vande-se chita franceza escura com diminuto
toque de mofo a 200 rs. o corado, a ditas ingle-
zss a 140 ra. : na ra da Imperatriz n. 60, loja de
Gama & Silra.
Vende o Pavo a 280 rs.
Gorguro de lioho que feito em reatidos para
senhora ou reupa para meninos parece sediohas
a 280 rs. o corado, por ler grande porcao : na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo da
Gama & Silra.
Linha de croxel para Ia-
byrintho.
As melhores lionas de croxel para Iabyrintho,
norollos monstros s 320 ris um : na loia da Vic-
toria, na rus do Queimado n. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos doarados psra senhorss a 2$200,
ditos de ponts cahida a 49, ditos de fita a 1)600:
na loja da Victoria, na rus do Queimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou pars a loja da Victoria ama pequea
porcao de ricos espelhos de varios tamanhos para
ornamentos de salas, sffiangando-ae serem oa
melhorea em ridros que tem rindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Las? para bordar,
La muito boa de todas ss edres para bordar, a
79 a libra : oa loja da Victoria, oa raa do Quei-
mado n. 75.
Liabas do gaz,
Caixinhas com 50 novellos de lionas maito fi-
nas do gaz a 900 ris a esixa, ditas com 30 no-
vellos l ,'< ris, ditas com 10 norellos grandea
a 700 Alacraneas e pretas: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Arara vende os palitos.
Vendem-se masaos de palitos finos com 20
massiohos, por 200 rs.; oa ra da Imperatrix,
oja da arara n. 56.
Para doces seceos,
Vendem-se maito bonitas caixinhas redondas,
de madeira, de diversos tamaohos, forradas da
papis da cores, muito Unas, proprias nica-
mente para doces seceos de qualquer qualidade,
pelo barato prego de 4,5 e 65 a duzia : na raa
do Queimado, oa bem conhecda loja do miude-
zag da boa fama n. 35. )
ParaS, Joo e S. Pedro.
Veddem-se caixinhas com grande porgo de
amendoas coofeitadas, e alguns confeitos pro-
prios para o festejo de S. Joo e S. Pedro, pelo
barato prego de 800 rs. cada ama : na raa do
Queimado, na bem conhecida loja de miudezas
da boa fama n. 35.
Luvasde Jouvin.
Vende-se luvas de pellica de Jouvin brancas,
para senhora, ultimameat* chegadas : oa loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Luvasde ssjda.
Vende-se luras de seda efeitadas a 1J600,
2$0O0 129200, ditas flo de Escossia braocas a rs.
700. ditaa de cores 800 ria, ditas de algodao a
280 ris ; na loja do beija flor, raa do Queimado
numero 63._________________________________
Escovas.
Vende-se estova para deotea finas He diversas
qualidades a 120, 100. 320. 400 e 500 ris : ns
loja do beija-flor, ra do Queimado o. 63.
Jogo de domin.
Vende-se jogo de domin finos a l-200 : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Botes para punho.
Vende-se botes de punho finos de dirsrsaa
qualidades s 200 rcis o par. que tambem aerrem
para maoguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Occulos.
Vende-se occulos fios de armaco de ac, a
29,19. 640 e40Oiis : loja do beija flor, ra do
Queimado o. 63.
Tarlatana do Pavo.
Vende-se tarlatana de la com palmiohas sol-
tas a 320 rs. o corado : na ra da Imperatriz n,
60, loja do Paro de Gama & Silra.
O Pavo vende a 4#500 rs.
Cortes de bareges com fios de seda tendo 22 co-
vados, com barra, podendo-se fazer babados, pe-
lo baratissimo prego de 49500, a na loja do Pa-
ro roa da Imperatrix o. 60 de Gama & Silra.
Vestidos de la.
Vende-se reatidos de laziohas tendo as saias
j promptaa, com muita roda, proprias para ba-
leo a 49OO, a na loja e armazem do Paro ra
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silra.
Basquinas do Pavo a 4#000
Vende-se ricas baaquinas de fusto mui bem
bordadas, fazenda que sempre se rendeupor 11$
e_169O00 por 49000, para acabar : na loja do Pa-
ro de Gama & Silra, na raa da Imperatriz
n. 60.
Enfeites do Pavo.
Vende-se ricos enfeites turca e Garibaldi
com ricas franjas e bolotae a gOOO, ditos dos
meemos msis simples a 2J000 rs., e ditos de fitas
cada um em seu carlo : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavo.
Brilhantina suissa.
Vende-se brilhantina suissa de quadrinhos, fa-
zenda muito encorpada para reatidos e mais lar-
ga que chita ingleza a 200 rs. o corado : na ra
da Imperatriz n. 60, loja armazem do Paro
de Gama & Silra. '
Colchas do Pavo.
Vende-se ricas colchas de fusto de lioho de
rarios tsmanhos e differentes desenhos : ns rus
da Imperatriz n. 60, loja a armazem do Paro
de Gama A Silva
Chales pretos do Pavo.
Vende-se ot mais modernos chales pretos de
ponta redonda com bolota, guarnecidos de bico
de seda largo em lugar de franja a 69OOO : oa
ra dalmperatriz n. 60. loja *o Paro.
Bales do Pavao.
Vende-se ricos baldes areodados com duaa saias
e bico em rolts, pelo baratissimo prego de 69,
ditos de madapolo francs muito grandes com 6
arcos a 5, ditos com 5 arcos a 35500: na loja
do Pavao. ra da Imperatriz n. 60.
Bramante do Pavao a lOflOOO a pe Ao.b. a* ^l'.cfcii a luja 4o FaT&u, <. Fo,
c.o do acreditado bramante de lioho, com largu-
ra de brim liso, tendo 27 raras esda paga, esta
fazenda propria pars lenges, loalhas, crca-
las, camisas, etc., e rende-se pelo barstissimo
preco de IOS la peca, s na loja do Paro ; ra
da Imperatrii) n. 60. de Gama & Silva.________
Chales GaribaIdinos.
Vende-se na loja do Parlo, chelea da merino
muito grandes de liatrinhas a Garibaldi, pelo ba-
ratissimo preco de 49500, pecbincba : na raa
da Imperatriz n. 60. de Gama A Silra.
Fundido Uw-Moor,
Ba da Senzalla Nova n.4.
Neste esta beles i ment continua a haverum
completo sortiraento de moendas meias moen-
das para engenho, machinas da vapor a taixas
de farro batido a eoado de todos os tanianho
para dito.
Roa do Crespo n. 7, do
gallo vigilante.
Naata ora loja ha grande porcao de caixinhas
com amendoaa proprias para brioquedo de S.
rJoo qae se rende pelo barato preco de 800 rs.
cada urna quem deixari de dar a urna menina
urna caixinha ; tambem tem grande porcao de
caixas propiiaa para doces secos que vende con-
forme seus tamaohos a 69. 59 e a 49 a duzia,
amendoas arulsas a 800 e 640 is. a libra : s no
vigilante raa do Creapo n. 7i
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazenda
muito boa, pelo barato preco de 20000, gollinhas
e puohos ultimo gosto a 29000, gollinhas muito
linas e bem bordadas a 1J000 cada ama na ra
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
d. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-se pegas de tiras bordadas de 2,500.
3,000, 3,500 e 4.000 ntremelos a 19600 e 29000
cada pega na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bouecas fraucezas.
Vende-se bonecas francesas ricamente restidaa
49000 e 59000, e 2|000 bonecas de cera com os
olhos n o ved eos a 28000 e 39000, na ra do Quei-
mado ioja de miudezaa da Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-ae firelas de ac para sinto a 19500 rs. e
29000 na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-ae baleias i 120 rs. cada urna aspa de 850
para balo a 160 rs. a rara, bandes a 15500 rs. e
29OO o par, na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contrarlo os fregueses o mais perfeito, bem aca-
bado o barato ao seu genero.
URNAS de todas as cualidades.
SANTUARIOS que nralisam com o Jacaranda.
BANHE1ROS de todos os tamanhos.
SEHICUP1AS dem dem.
BALDES idem idem.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixaa de todas as grosauras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa percel-
lana.
CHALEIRAS de todas as quslldades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CAND1EIROS e flandres para qual-
quer aortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandando-se manhoa, botar dentro da sidade,
em toda a parte.
Recebem-se eneommendas de qealqaar nata-
raza, contarlos, que tado seri desempenhade a
contento.
Vende-se urna parte no
engenho Iohama, a qua] ex -
cede de 51000$. e mais urna
divida que tem de ptgarem
osherdeiros do mesrao en-
genho, com documentos fir-
mados, avultando ha mais d?
4:000$: quem pretender fa-
zer este negocio dirija-se ao
engenho Garauba sito na co-
marca de Pao d'Alho ou na
cidade do Recife a entender-
se com o Sr. Laurino de Mo-
raes Pinheiro.
Esperanca
Loja de miudezas,ra do Quei-
mado n. 33 A, de Guimares
A Rocha.
Especialidade chegada pelo vapor.
Botea de cornalina brancos, enearnadoa. re-
dondos, chatos, oval, meia borla e borla, s tem
destes botes neata loja.e aonde se preparam pa-
ra punhos, coltetes, etc., por 39 urna duzia, oa
19 o par para punbos.
Plautaa de bano com 5 chaves, anoea ea-
treitiohos, ultimo gosto, e com caixa, que se ren-
de pelo diminuto preco de 20g. tinta ioglesa (a
verdadeira) potes de l| a 320, de 1|2 garrafa a
640, prerioe-se qae s legitima a que no pete
tem urna caridade em forma de bico, que ae pres-
ta melhor a rasar o liquido como a extracto da
rolha ; ra do Queimado, loja Esperanza n. 83 A.
Esperanza.
At que afinal chegou a esta loja os semprs
eatimados brincos bales, que pela perfeigo com
que foi execulado o pedido flea aanada a falta que
baria deste adorno que, sobre ser bom e bonito
barato, a 19 o par e em ama caixinha : na loja
Esperanca, ra do Queimado n. 33 A.
Esp<
liascariihas de seda..
Vende-se cascarrilhas de seda para enfeitar
restidos a 29000 a per. na ra do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha para quem padece
de erysipela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhora a lgOOO o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fams, n. 35.
A 2^500, s o pavo.
Vendem-se cortes de esmbraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditos de tarlatana brancos
de cores, com barras o babados a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do paro de
Gama <& Silra.
Perfumaras muito linas e
baratas.
Opiata iogleza a 19500 rs, dita franceza a 500
rs., 640, 19000. oleo da sociedade bygisnique
rerdadeiro a I9COO o frasco, oleo babosa de Pirer
rerdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa deotea a 19>00, dita de Botot tambem
para os denles a t$0)0 o frasco, pomada france-
za em paos a 500 r 1. e I90OO, 320 rs. sabooelea
""> Uno a 640 rs. W" o 10000 cada um ni
ra do Queimado lo a de miudezaa da Boa fama.
n. 35.
A 200
Vende-ae chita fr ncezs
dous tustas o cora
60. loja e armazem
rj
o
atdri
Chales do Pavo.
Vende-se chales de merino muito grandes a
33, ditos de cassas de cores a 800 ra. : na ra da
Imperitrii n. 60. loja do Pavo.__________
Vestidos do Pavo,
E' pechiocba, cortes de cambraia brancos com
babados a 29500, ditos de tarlatana brancos e de
odres a 39, ditos com babadoa eduassaiaa muito
superiores a 49, pecas de cambraia branca com
carociobos brancos e de cores, teodo 8 1/2 raras
cada peca, por 49. corles de castas de cores com
7 1/2 raras, padres oovos a 29500 ; Judo islo se
encontra na loja do Pavo, que rende dinheiro
a riela : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silva.
Vende-se palm
com mangas propri
cada urna, eacar
e 59000 o par, na
miudeza da Boa fa
ral
,so pavo.
escura de cor fixa a
na ra da Imperatrix n.
do paro.
eranca.
Contina a receber especialmente suas fazen-
das, tornando-as aasim mais baratas : nesta
quadra qae temos ludo quanto preciso a ama'
familia (em miadexas) a um alfaiate, sapateiro,
caixeiro, etc., o pequeo espaco que nos concede
o Diario de Pernambuco nao nos permilte classi-
Bear e enumerar a ioGnidade de artigos de que
nos echamos sorlidos, tanto em quinqailhsria co-
mo em artigos de uso diario e iodlspensarel:
por isso as pesseas da prega ou de fora que quei-
ram comprar qualquer dos objectos de que faxe-
moa noaso commercio, serao directamente ou in-
directamente bem aervidos.
Esp<
eranca.
E' nesta loja que hi e continuar a ser o depo-
sito desfamadas aguihas Victoria, tiota a
aceita^' que tem tioo estas agulbasquenosdis-
pe os de qualquer elogio, a 120 rs. o papel
I
aeDC&O ao fi-
lante, que est quei-
ndo.^
Luvas de pelica.
AUMerddeiras luras de Juvin, chegadinhaa
no vspjr francez: s no rigilante, ra do Cres-
po
Paimatoris devidro lapi
dado.
r a
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, ditos de fita
com fivas dourada a 19500 : loja do beija fior,
ra do Qaeimado n. 63.
Enfeites para cabeca.
Vende-se requiasimos enfeites para cabeca com
franja, e sem ella pelo baratiaaimo preco de 5|
e 58000, ditos de vidrilhoa a 19600 ; na loja do
fceija flor, ra do Queimado n. 63.
Carteiras.
Vende-se ricas csrteras para guardar dinheiro
de ouro o prata a 29OOO, 2g5O, I9OOO, 1$280 e
19500 : na loja do beija flor : ra do Queimado
numera 63.
Rosas artificiaes para cabello:
A. L. B. F. tendo receido um variado sorti-
meoto de bonitas rosas que se eslo usando para
eabellos, e de pannos comtolha de velludo, ditas
de pspel toda s, as mais ricas qae se pode encon-
trar reode-se ns ra do Queimado n. 63, loja
do beija Uor.
Alburnos de borracha.
Vende-se os mais superiores alburnos ou so-
bre-ludos de borracha, proprios para o inrerno a
129: na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cortes de phantasia,
Vende-se ricos crtes|de phantasia de duas saias
com delicados larores a 69 cada um : na ra da
Imperatriz n. 60. loja do Pavo.
Calcinitas do Pavo.
Vende-se calcinhaa de cambraia bordadas para
menina a 19 o par : na loja do Paro ra da Im-
peratriz n. 60.
Gollinhas do Pavao.
Vende-se golinbaa de esmbria bordados e di-
tas de fil bordadas a 500 ria: na loja do Paro
ra da Imperatriz n. 60.
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas bordadas a
1*600 e manguitos muito finos a 19 o par : na
ruada Imperatrizn. 60, loja do Paro.
Tiras e entre mtios.
Vende-se tiras bordadas tapadas o transparen-
tes, aasim eomo entre-meios muito delicados :
na ra da Imperatris n. 60, loja e armazem do
Paro.
Agulhas.
A. L. B. F.tendo recebidoaguihasimperiaesde
undo dourado. rende na loja do beija flor,
o Queimado n. 63. '
ra
Ojiados.
Vendem-se oliados pintados de lindas vistas e
psisagens, largurss de 6,7. 8 e 9 palmos, pro-
prios para masa de aotara 3$o corado : na ra
a Imperatriz, loja n. 20._____________________
Ra da Senzalla Nova n. 42
?ende-as em cssa da S. P. Jonhston & C,
setiios e silbos inglezos, candieiros e eastioaes
bronzeados, lonas inglesas, fio de vela, chicotes
para amos e moataria, arreios para carrol da
umadoui etuUoi, o relogtos de onro pitante
Lencos e luvas.
Vende-ae lencos de esmbraia de lioho com Ia-
byrintho a 29500, ditos de imacaode Iabyrintho
a 19, lurss de sedas de todas as edres a 500 ris,
enfeites pretoede vidrilho psra cabeca a Ig, le-
ras de retroz preto sbertas a 500 ris o par ; na
na da Imperatriz n. 60, leja do Paro de Gama
1 Silra. ______________________________
Cambraias do Pavao.
Pecas de cambraia fina com 101/2raras i6|i
pca, ditas com 8 1/2 raras a 49, ditas de 8 peess
a 39, dita para forro, com 8 1/2 raras a I96OO ;
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Paro, de
Gama Silra.
s de vidro a 19600rs., ditaa
para rapases a 49500 rs.,
eiras de vidro s 49500 ra.
ra do Queimado loja de
1, n. 35.
Paraos festejos de S. Antonio
e $. Joo.
Trinas e galdes.
A superior trina e rolantes do Porto para ur-
nas, oratorios ou igrejas, que se rende por me-
nos do que em outra qualquer parte : s no ri-
gilante, ra do Crespo n. 7.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-se ss ma a modernas e finissimas la-
zinhas de quadrinhoi e de flores soltas e palmi-
ohas, desembarcada do ultimo nsrio rindo do
Havre,pelo baratiss mo prego de quinhentos ris
o corado, e do-ae as amoatraa com penhor : na
ra da Imperatriz 1. 60, loja e armazem de Ga-
ma <& Silva.
a
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-ae esta ora fazenda de padres delica-
dissimos com 4 12 palmos de largura, propria
para restidos de sen hora a 400 rs. o covado: na
ra da Imperatriz n. 60, loja a armazem do pa-
ro de Gama & Silra.
Gascarriiha
Lindas pegas de cascarrilba de todas as cores,
pelo bsralissimo prego de 19500 a pega : s no
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Chapelinas para senhoras.
Lindas chapelinas ricamente enfeitadts, peloa
baratiasimos precoe de 89 e 109000.
Ditos com pequeo toque de mofo a GJOOO: s
no rigilante ra do Crespo n. 7.
Touquinhas ou cnapozinhos
para enancas.
Lindos chapoziohos pars menina e menino s
49 e 69000, ditos de feltro pelo baratissimo pre-
co de 38000, bonetes de panno fino e lago de fi-
ta a 38000, ditos de reludo fino a 49 e 39500,
ditos de palhioha a 38000, touquinhas de seda
muito lindas a 19500. ditos de l a 19000: s
no vigilante, ra do Creapo n. 7.
Coke e alcEtro.
Coke da melhor qualidade, muito proprio pa-
ra vapor, e tambem para todoa os usos doms-
ticos, fornos pequeos e grandes etc., para estes
serricos, o coke mais econmico do que qual-
quer outro combuatirel, por ser menos de me-
lada do preco e de mais duracae.
Alcatrio, este seejdo spplicsdo i navios, bar-
cacas, alrarengas, caaoaa etc., presta muito
bom effeito, conservando a madeira de todas as
qualidades de bichos, lazando durar am tempo
indefinido. Tambem conserva madeira de edifi-
ocoes. preserrendo-a dos bichos e contra o
lempo: as propriedddes chimicas deate alcatro
de carye mais forte do que qualquer outro,
extrahido de madeirks ou outraa materias.
Quem precisar achara renda, no armacem
do gaz. Ra do Imperador.
Preco do coke 129 Por tonelada.
Prego do a lea ir 500 rs. por caada.
Manguitos.
j Lindos manguitos com gollinha o mais fino
i que se pode encontrar, reode-se pelo barstissi
mo prego d# 75OOO, ditoa aem gollinha a 19500:
s no vigilante, ra do Creapo n. 7.
Gollinhas de linho.
Lindas gollinhas estampadas.............. 500
Ditas de linbo muita fioas................. 800
Ditas pretas com vidrilho................. 29000
S no rigilsnte, ra do Crespo n. 7.
Vestidinhos a 4#300.
Vende-se vestidinhos de seda enfeitados para
meninas de 2 a 3 anuos a 4*500 : na ra da Im-
peratriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Grosdenaples do Pavao.
Vende-se grosdenaples preto multe incorpado
a 19600 o corado : na rus da Imperatriz n. 60,
loja de Gama & Silva. _________________
Paletots do Pavo.
Vende-se palitots da panno preto fino a 63,
ditos de faney de cores a 69. calcas de casernira
prata a 49500: s oa raa da Imperatriz o. 60, de
Gsiua ^ Silva,
Delicadas lazinhas com flores bordadas a agu-
lha, cortes com 15 corados, pelo baratissimo pre-
(0 de 48500, e corado da mesma fazenda a 320
rs. : na ra do Queimado n. 44.
Vende-se
no basar da raa do Imperador meias pretas para
tenbora a 80 rs. o par, vestimentas de Ua para
manaos a 800 rs., grvalas de seda a 200 rs.
cortas de brim setim a 29500, ditos de casernira
a 29500, colari'ohos de eaguio a 49 a duzia filis
largas lindisaimas a 400 rs., toucas de l para
menioosa 600 rs., manguitos de cambraia e fil
a 19500.
Cal e potassa,
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
do Recife n. 12.- mais barato
do que em outra qualquer
parte.
Meias.
Grande sorlimento de meias tanto para hornera
como para senhora, sendo de bomem a I98OO e
?9f'0O, e finos a 29800, ditas de fio de Escocia s
59OOO a duzia, ditas para menina a 29400, ditas
para menino a 29OOO: s no vigilante, ra do
Crespo n. 7.________________________________
Batatas .
Batatas oras s 80 rs. a libra '; no largo do
TerQO n. 23._______________
Rival sem
igual
RA LARGA DO ROSARIO N. 36.
Enfeites
pretos e de cores muito bons a 59.
Sintos.
Sintos donrados a 19600 e 39
Ditos fitas de velludo e firella de seo a 1J500.
Tesouras finas
com pequeo toque deferrugem a 400 rs.
Ditas limpas multo booitasa 800 rs.
Ditas ordinarias a 30, 60,120 e 240 rs.
Escovas.
Para limpar anhas a 320 e 500 rs.
Ditas para cabello a 800 e 11.
Ditaa para roupas a 400, 800,1| e 19200.
Meias.
Para ssnhoras s 21400 a duzis.
Ditas psrs hornero a 9*00,296OO e 39500;
Flores.
Ramos de flores artificiaes a Ige 19200.
Colheres
de metal proprias para o diario a 1*200 a dazia.
Ditas de metal principe a 4g500 a duzii.
Ditas ditas ditas pars cha a 29400 a daila.
Botes
pira punho maito bons a 120 e 160 n.
.-
y
MUTILADCJI
Vende-se urna mulata de 25 aonos, sadia, e
com habilidades ; cose, coziuha, ensaboa e ren-
de na ra : a tratar em Fora de Portas ra do
Pilar n. 141, 2 andar.
Mapbinas para se la*er
cal mesmo na mesa.
A loja d'aguia branca recebeu as modernas o
aeeiadas machinas de porcellaoa para se azer
caf mesmo na mesa, iaao por um meio fcil e
"mpo, resultando final que o caf feito em taee
n^'r oil! Um,u ebeiro e sabor superior eofeita
eua brS,',U"qUer forn,a : f en,le-,e l0 *-
guia branca, ru. 00 QUPm,d0D. 16< '
. Para baptisados.
cores ricamente bordaoa.emei.a de ida !
melhor e mais bonito poeiirel. Agora Voia <
pas que nao qulzerem esperar pela goerosida-
de daa senhoras comadres, dlrigireWs JL
munidos de dinheiro loja o'iguia braMa ti
do Queimado n. 16. onde bem podero comprar
essea galantes objectos.
Vende-se um esssl de Pares : quem os
pretender dirija-se 00 largo da Peoba o. 10.
SYSTEHA MEDICO HODKLLOW A Y
Pl LULAS H0LLW0TA.
Esta inestimavel especifico, composto inteira-
mente de hervas medicinaes, nao conten mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Bei
nigno i mais tenra infancia, e a compleiclo mas-
delicada, igualmente prompto e seguro par;
desaneigar o mal na compleic,o mais robustas
fenteiramente nocente em suas operac,5ese ef-
feitos; pois busca e remove as doenras de qual-
quer especie e grao por mais amigas e tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam s portas da
morte, preservando em seu uso conseguiram
recobrar a sauda e torgas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afilictas nao devem entregar-se a des-
esperaban; facam um competente ensaio das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades;
ocidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
Debilidad* ouextenua*-
Qo
Debilidade ou falta d/
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ven ira.
Enfermidade no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmaces.
Irregularidades da
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
Abstruc^ao do venlre.
Phlysica ou consump-
$o pulmonar.
Retenco de ourina.
Rheumalismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
ulceras,
1 Venreo (mai,
Ultimo gosto.
Pentinhos dourados, e cota
pedras para bandos.
J nao entra em durlda que a loja o'aguia
branca est a pardas ultimas modas que aocj-
recem em Pan, e por isso ella acaba de receber
os bonitos e modernos pentinhos douradoa e cora
pedra, oa quaes aervem para aa senhoras maie
abrilhantarem seus bem revirados bandos que
oroadoe com um par de ditos pentinhos, licam
de certo aioda mais garbosa. Na verdade, a gra-
Ca, boniteza epeteiQo que disso resulta se nao
pode negar (sal?o se o uerem com o uoico tm
de nao gastar os 3 e 4 que cuata cada par a-
aim previne-se as senhoras que apreciara o bona
gosto, que desta vez rieram poucos. e por iaae
ser bom que mandem logo para elles para que
depois ae nao rejam na colliso de esperar que
de novo oa receba dita loja o'aguia brinca, ra
do Queimado n. 16.
Candifiros lo gaz.
Chegou para a loja da Victor&.os melhores
candieiros do gaz, que tem vindo a"n, mercado,
por precos commodos : na ra do Queirn--'
n. 51.
ebre intermitente.
Vendem-se estas pilulas no eslabelec.
geral de Londres n. 224, Strand, e na
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
enearregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Uespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna deltas contera urna instruccao em portu-
guez para explicar o modo de se usar desias pi-
lulas.
0 deposito geaal em casa do Sr. Soum
pharmaeeutieo, na rna da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Bieber & Q., successorss,
ra da Crus n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarogar milho.
Ditas psra cortar capim.
Selins com pertences a 109 e 20$.
Obras de metal prncipe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilhade primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixas de 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrosas pequeas.
FAZEMUS LURTISSIMAS
NA
Ra da Imperatriz n. 20,
loja de Daarte Borges da Silva.
O dito Silva comminica ao
respeitavel publico e com
especialidade aos seus uume-
rosos freguezes antigos e mo-
dernos, que constantemente
acharo na dita loja um com-
pleto e variado sortimento de
fazendas proprias deste mer-
cado e vendidas pelos precos
mais commodos, de que em
outra qualquer parte, affian-
cando a boa qualidade e dura-
cao das supra ditas fazendas
HOTM.
sem segundo
Na ra do Qaeimado n. 55 loja do miudezas
de Jos de Azeredo Maia e Silra, eati vendando
todas ss miudezas baratissimss, a ssber :
Papis de agalhas a balo muito supe-
riores a 80
Caixas com muito Qoas obreiss a 40
Cartdes com clcheles, tem algum de-
bito a 10
Frascos de mscass perola muito fino a 200
Caixinhas com papel pequeo de diver-
sos goatos a 720
Pacotes dito dito dilo amizade a 720
Novelloa de linha de Crux a melhor
que ha a 40
Caixas com agulhas curtas de superior
qualidade 200
ntremelos, a peca com 3 varas \\2 JOOO
Sabonates muito finos a 120
Papis de agulhas frsncezas com toque a 10
Pares de botes para punbos de muitos
modelos a 240
Parea da meias cruas para meninos a 160
Ditos de ditas cruas psra pequeo a 160
Dilos de ditas para meninas a 200
Frascos com agua de Lavando embreada a 800
Ditos com chelros muito finos a 240 e 500
Ditos com banha muita fina a 240 e 320
Ditos com superior bsnha de rao a 600
Rap francez.
Em Hbras meias libras, fumo caporal e papel
para cigarros; na na Nora n. 9.
A 200 rs. o co |
vado.
#
s^p Lindas cassas raocezas de cores a
a 200 rs. o corado, ditas miudinhas muito
of Anas a 240 rs. o corado : na loja do so- A
ja. brado de 4 andares na rus do Creapo n. Z
* 13.de Antonio Correia de Vasconcelos 1
Vende-se urna morad de cssa tarrea na
ra dos Pescadores com 3 quartos, 2 salas, cost-
nha, quintal e cacimba n. 35 : a tratar no patee-
do Carmo n. 7, segundo andar, ou na ra de S.
Francisco d. 19.
Escra^os giros.
Escravo fgido.
No dia 11 do corrente mez fugio de noro a&
Dr. Garolino P. de Lima Santo*, o seu escraro
Adalbe' i>aixo. magro, de peroas
** com-
'501
e ot.. j dt
. i..m a cabega ui pouco
.efugio com a cabesaV*"*08"
-o na cadeia : quem o apre,*"1*
casa de seu aenhor na ra do Im-
perauor o. 17. ser bem recompensado.
Fugio urna escrava em 11 de julho, por no-
me Luzis, crioule, idade 35 anuos, lerou vestido
de cbita escura, e um chales de algodao qussi
braoco desbolado, tem falta de deotea oa frente,
os oasos dos pulsos sao bolados para fra meia
polegada, estatura regular ; lerando um taboeirc
graode cem tainhas de Alagoaa, laranjas," goax-
ma, bananas e um caixo de charutos ; cuja es-
erara foi comprada ao Sr. Jos Jacinlbo de Car-
ralho, em Sanio Amaro : roga-se a lodasss pes-
soas que della noticia liverem pegarem-na e
lera-la ao aeu senhor, na ua Direita n. 99, qu
se pagar o aeu trabalho.
Dous tscravos fgidos.
Em ns de dezembro do anno paseado fogio o
escravo crioulo de nome Bonifacio, olhos aboga*
Ihados, estatura regular, grosso do corpo, nado-
gas grandes, com falta de dous deoles na frente,
regrista e imtala-se curandeiro; tem m<1
rielo pela Estrada-Nora, Csmpo-Vetde e Boa-
Viata, como tambem j foi pegado de outra vez
que fugio em Olinda. Tambem se ausent, u m
dia 6 do corrente mez de julho, outro estrave
crioulo de nome Luiz, estatura regular, grosso
do corpo, olhos meio vesgos que o (az olhar um
pooco atravessado, com falta de deus denles na
freole, tem os pea apalhetados e loma tabaco ;
j foi pegado de outra vez qoe fugio para aa ban-
das de Serinbem : quem oa pegar e oa entregar
no caes do Ramos casa n. 4, ser bem recom-
pensado.
Fugio uo da 1" ao correle mez do enge-
nho Privilegio da freguezia de Agua Preta, c
escravo crioulo de nome Vicente, com os sig-
naas seguintes : bem preto, rosto comprido, ore-
Ihas pequeas, pernas finas, ps pequeos : ro-
ga-se aos capites de campo a aprehenso do
referido escravo que se gratificar generosamen-
te, podendo aer entregue no referido engenho ou
Da ra do lmrjera No dia 8 de julho correte, poucas horas
depois de sair da casa de deUucao, aonle este-
ve preso por motivo de fuga, toroou a fu-i- da
casa de seuaeobor o escravo de Dome Hercula-
no, oqual tem 26 auooa de idade pouco maie
ou meos, edr fula, estatura o corpo regulares,
a falla um pouco descansada e afinada, e tem
urna cicatriz proveniente de um unheiroque leve
! n'um dedo de urna das moi : tendo o cabello
i cortado muilo rente, e urna argolla de ferro
I cono gancho no pescogo ; roga-se s auloiidadet
policiaes a csp'ura do meamo, e aua entrega, na
| ra do Cabug, loja n: 3, a Hanoel Antonio
Goocalves.
Fegio a 20 de abril um escravo por nome
Henrique, pertencente a Jerooymo Barreiros
Raogel, do engenho Pedra de Fogo da freguezia
de Agua Preta, com or sigoaes seguintes : idade
de 22 a 25 aonos, bem preto, estatura rtgular
pouba barba, denles perfeitos e bem alvos, rosta
bem liso, tem as costas com marca de castigo, *
muito riao e tem muita prda, desconfia-se que
elle anda trabalhando na estrada de ferro, por
isso pedo-seas autoridades policiaes e aos Src
capites de campo de o aprebenderem e entre-
garen) nesta praga a Jos Francisco Carneiro,
ra Nova o. 47, ou na estaclo do Gtmeleiri,
que aera recompensado.
Escravo fgido.
Roga-se a todas as autoridades policiaes c
captura do escravo crioulo de nome Feliciaoo.
que se acha fgido desde o dia 7 do crrante
mez e tem os sigoaes seguintes; edr preta, ros-
to um pouco redondo, com duas pequeas fon-
das na testa, bastante ladioo, quando fslia ri-
sonho, levou camisa e caiga de algodao de listrs,
e chapeo de couro, tem de idade 24 a 26 aonos,
natural da villa da Asaemola provincia da
Alagois : quena o pegar leve-o ra do Quei-
mado n. 10, a entregar a aeu senhor Joo de Si-
queirs Ferro, qua ser bem recompensado.
2001 de gratificare
a quem pegar o pardo Francisco, de 17 aonos
de idade, de bonita figura, com todos Oa dente,
cabellos carapinhos e ruivosr este pardo foi do
Sr. Dr. Borgesda Fonsecs, o qusl visjou com o
mesmo senhor .todo o serlo e auburbjps desU
provincia,necesaailamente quaOra aeu es-
craro, e talvez aioda se inculque a serrigo do
mesmo : quem o pegar queira entrega '.o a ser
legitimo dono na raa do Hospicio n. 6.
Ignacio Lais de Brito Taborda.


DIARIO M PERNAMBDCO ft QUAlTA FEIdA 16 DR JtJLHO DI 186"*.
L literatura.
Jurisprudencia' niitafl
Jerio do trabalho do Sr. Dr. Jote Antonio de
Magalhes Castro, auditor de guerra da corle,
como autor de dout Jioicclos de cdigos mili-
tares.
XII
A doulrioa do art. 78 revulvea-raa no penaa-
menloalgumas medidas .e os remedloa que urge
tomar eoi ordem que sedte o exercito nacional
cora urna legislado, que aecompalbilise com os
elemectos honrosos, que para elle eniram.
Pouco nao para que sedeixe de lamentar o
Habito em que est o paiz de ver com indiffereo-
ce, que o governo ae tarta de bravuraa, dando
incremento a perversidade como peuhor de aeu
gradecimento :
Mas tempo do todos se convenceren), que
pola caegar o dia, em que se veja esgotado o
ocano da obnegago, para fazer sosobrar a bar-
ca do arbitrio e com ella o pescador de heros-
mos, enforcado as malhss da rede recruta-
flora. *
A imperfeigo das leis militares ou antes a
excentricidade de quasi todas ellas urna como
nao de vaslistimas proporcoes, em que a arbitra-
nedade e as maiorea injostigas tero franca passa-
gem, umi vez que sejaua acompanbadas pelo
despotismo, que esliver associado barbari-
dade.
Nao
actual e
compativel com o espirito do seculo
muito meaos com os elementos consti-
tutivos do exercito brasileiro urna lcgislaco, que
d lugar ter em pouco a importancia conquis-
tada pelos brios valorosos de um militar, ceja
bravura o colloca n'uma bella poiico so-
cial.
Quem nao se confranger, lembrando-se, qoe
o brigadeiro Feliciano Antonio Falco, militar
disliocto, enrequecido de illustrago e de gloria,
succumbiu sob a presaao do desgoslo, que ihe
causavam oflcios menos convenientes enviados
da secretaria da presidencia, por insinuares do
ministerio da guerra, quando elle commandante
das armas deata provincia?
Vioguem deixtr de ru acompanhar no pezar,
que me doiiioa a leoibrauca de speras repre-
hecsoes (alias injusticas eu uenos fundadas em
*"s) por meio de avisos contra o brigadeiro An-
tonio Nunes de Aguiar, batharel em matheraali
cas, quartel-mestre general do exercito, ex-presi-
decle da provincia de AIsgas e da do Cear,
ex-deputado por esta ultima e actualmente conse-
lhoiro director geral da 3a directora aa secretaria
dos negocios da guerra.
Os ttulos que ornsm os militares, parece,
darem-lhesdireilo alguma delicadeza da parte
daquelle sob cuja dependencia commelleram
alguma falta, capaz de aJmoeatagao e censura,
para que a iniciativa da desraorallsago nao par-
le daquelle quem cumpre acercar de respei-
tose garantas a torga moral de oQiciaes de certa
cathegotia em face de seus subordinados.
Infelizmente tem te visto reprehender em
ordem do dia e por meio de expressdes dolorosas
a oQiciaes distioctos e notaveis j pelo seu ele-
vado posto, j pelo seu herosmo e j finalmente
porsua illustracao e probidade.
Entre outros mencionarei o Exm. Sr. bario
de Suruhy, que pelos annos de 1859 e 1860 e na
qualidade de ajodante do exercito foi amarga-
mente reprehendido em varios avisos, cujas in-
justigas o rboveram a solicitar do monarcba sua
exooeracao, que nao lhe foi denegada.
i 'i0'03 ae cDselheiro de guerra, veador
ce S. M. o Imperador, sua bravura eiercida na
campanha da independencia, o posto de tenente
general que occupa, sua asceoso por duas vezes
ao ministerio da guerra nao iospiraram o menor
acatamento no acto das admoestagoes qoe
soffrera I
Aqui b"-
teiient
VictSL
ca sol ..ule
originado- influencia d pouco (segundo consta) por u
ao- delicada do ministro da gut.
. i seu estado sanitario se achav
melindroso.
No Hio de Janeiro foi tambera victima de um
ortissimo resentimento o Sr. Jaufret, primeiro
tenente 'armada, commandante de um vapor de
{eerra e membro da commisso de limites do
norte do imperio, ftllecendo em 1861 por causa
de acres reprehenses passadas em presenga de
seus cantaradas pelo chefe damesma commisso,
que se jalgou o Hendido por nao ter sido urna vez
cumprimentado II
Algum jornaes da corte publicaran) urna carta,
em que o infeliz Jaufret declarava morrer de
taes desgostos, recommendando seas pobres fi-
lhinhos proteccao de seus amigos.
Accresce tudo islo que o capito-teuente,
chefe da referida commisso nao receben a me-
nor admoestaco; ao contrario, passado algum
tempo, foi elogiado como muito zeloso do cum-
primento de seus deveres de chele, seguiado-sa-
lhe immediatamente a nomeago para outra
commisso do mesmo genero no Per I
Mas nao deve serassim : ponba-se um freioa
taes cousis : remunere-se a bravura eom o lou-
vor e nao com a barbaridade qoe a recompensa
tlevids smente aos malvados e perversos.
Esses e semelhantes outros tactos nao podiam
escapar a perspicacia e illustrace do illustrissi-
mo Sr. Dr. Jos Antonio de Magalhes Castro,
mui distincto auditor de guerra da corte, e por
isso se l em seu projecto e cdigo penal mili-
tar o citado art. 78, que tenho a satisfago de
reproduzir hoje, por dizer:
Art. 78. O militar, quo maltratar o seu inferior
de palavras e ameagas
Peosde prisSo com trabalho de dezoito a
vinle e quatro annos, no gra mximo ;de dez
a quatorze mezes no gru medio ;e de tres
nove mezes no gru mnimo.
Alm do defeito que enterra este artigo, se-
gundo j notei, acerca da excluso do maltrato
por meio de facto material, pde-ae tambem
notar um menos importante sobre o aeu gru
medio, dizeodo-.e que pecca elle pela ausencia
de proporgo com referencia ao gru m-
ximo.
Talvez fosse mtis acertado, que o medio aa
referida pena uo consistiese smente em priso
de dez quatorze mezes, quando o mximo de
dezoito STinte e quatro annos; accrescendo,que
nao se pode saber, se a priso do gru medio
E que val n'este clima um daaalento
Se um leu rato sequer n'elle fulgura.
Se excepgo de meu triste pensamento,
Nada transpe dos ares a espessura?l
Se ao menos assim como te eslou vendo
Eu podaste soobar que tu me *ias
E de l d'onda ests resplaudeeendo
N'este hemispherio tu me destinguiss I I
Ai I se ao menos eu cr9te que vaiJosa
A' muitos aobre a trra tu amavas,
E n'esta multido to venturosa
O vate infortunado tu contaras 11....
Pode o arcano da morte revellar-se
Haver novo diluvio, e cabos de outr'ora,
Pode a ordem dos astros alterar-se;
Nova trra surgir do canoa agora;
Pode o som da cscala crystalina
Nao mais inebriar a alma do crete,
E pode a brisa mansa vespertina
Aos aromas da flor ser iadifl'reote.
Mas l do oorte gelado
Vir o claro de leus ralos
Cahir em frouxos desmato!
Sobre as campias do sol? I
Entra os mortaes que te adoran
Haver c um mais diloso
Que quanlo astro formoso
Circula no cu azul?}
Haver na Ierra um poeta....
(Mus infeliz creatura
Oe todaa quanto a natura
Este munao todo encheu ;)
Na trra haver um poeta
Feliz de amor e de gloria,
Tudo eotre taotosvictoria,
E este poeta ser eu?l I
E mais que ludo diflkil
V mais que tudo fallivel
E' mais qus ludo impossivel;
Nem devo n'isto pensar:
Quanlo mais que negras nuveoa
J do horisonte se erguendo
A bella estrella aorvendo
Ya o para sempre a levar.
D.
Kevisla religiosa.
Roma, a capital do orbe catholico, traja galas
no meio das provages.
r/eS,2 da C4non's8Sao verificou-sa coro admi-
baliii A\r t cerem0D durou seis horas. A
oaati ca do Vaticano esiava magoicamente de-
corada ; alumiavam-na mais de dez mil lumet.
onnmafquez de La"lelto. ministro da Franca,
coocorreu cora Ires mil francos.
Nunca foi to solemne a commeroorago do
grande da, em que o Espirito Santo desceu so-
ore os apostlos, reunidos no cenculo.
La eslava a Sanlssima Virgern. Me do Filho
do Lteroo; no Vaticano o P.e dos eis. que de-
ciarou o dOKma da Cooceigo Immaculada. Em
nar"em S disc'Pul "o Chrislo; em Roma
n,IiL, 'reseo,os successores dos apoatolos, re-
presentando o orbe catholico I
.i '!61 "difeslago que ha deattestar aos
seculos futuros, quanto (re e robusta a f,
ni?-B n?,t. "'o que os impos cuidavam ace-
ptico e indifferentel
Admiravel manifeslago que nos deve encher
fitosf n6slodos' cathoiicos, e como calho-
Como catholcoa. sim. Como catholcoa somon-
te, que como portuguezet...apenas nos resta co-
bnr a face, e chorar.
S6 desta infeliz ierra que nao assistiu aquella
augusta solemnidade nem se quer um represen-
tante do episcopado I
Da Inglaterra, da Prstia, da Rutsia, da pro
na rurquia os tuccessores dos apostlos pode-
approximar-se ad sacra limint opoUolorum,
'r o primo -> pastor oeste di* para sempre
-IfC^ # a r
de Portugal nem um so iv
te e deploravel confrontaco i
'ouie guardo* com aenlineliat vala
-ios das suas dioceses, para que nao po-
-i acudir ao chamameoto do primeiro pas-
Quena demonstrar, como que s eatsnde
principioEgreja ivre no Estado Uvre ; e
ze3eii seculos, e ha dezoito que retuicitamos da
morte da e'icravidio para a vida da liberdade,
cerno ousim dizer-nos anda agora : das a Deua
o que de Deua e a Cesar o que de Cesar ?
Nao doremos aos Cesares cousa que nao dera-
mo* a Deus ; e se os Cesares tem a nosss obe-
diencia, aibam que a tem das mos de Dsus,
ondea depositamos como bomens lirres, e donde
a podero haver como chrislos, como bons fi-
laos da egreja.
Assim o compreheadea o episcopado fraocez,
que pesar da insinuado obedeceu ao seu pas-
tor.
L esliversm na solemnidade da canonisago
57 prelados frincezes a saber: 6 cardeaes, 9 ar-
cebiepos, e 42 bispos.
Ora em I"ranga ba 89 ss archiepiscopaes e
episcopaes, daa quaes 5 eatio vagas. Portento
foram a Roma 57, e deixaram de ir 27. Deste
numero aao o emioentistimo cardeat-arcebispo
de Cbambery, e os rerarenditaimoa bispos de
Ajaccio, Nantet, Blois, Senas Coutsoses, Peri-
geux e Verdeo, oa quaes estavam doentes; os
rererendissimos arcebispo de Tours, a bispo de
Angers que anda eite anno hariam feito a riai
ta ad sacra limine, e nao podiam ausentar-sede
novo sera detrimento de aeu rebaoho; os rere-
rendissimos arcebispo de Tours, bispos de Laral,
Rodei, Poitiers, Arras, Tarbea, e Meaui que es-
taram impossibilitados por ambaragos grares; e
os dessea 27 que nao foram, j te sabe que 17
estavam legtimamente impedidos; reatara ape-
na 10 acerca dos qaaea por ora aioda se nao sa-
be que motivo osimpedlu ; maa aabe-ae que to-
dos ou quasl tolos rmnif -staram a aeuarebaohos
a grande magua que Ibes Acara por n&o poderem
ir naquella aanta peregrinago a Roma, levar
cooaolages ao amargurado pontfice e atsisr a
grande solemnidade.
Se os explendores da gloria por tantas ricto-
"as ganhaa aa Italia e na Crimea, nao baatam pa-
ra dar a um throno o prestigio do throoodoa so-
ngos Cesares ; ae no orbe daa grandes potencias,
nao ba corda imperial que gire superior thlara ;
onde est o Cesar, abi em qualquer parte -Jo mun
do, ao Monitor Tosoano dia: Todo os ciaa-
aaos sao eguaes petante a lei : oa biapos se se
eximem dos dorares de cidado, sao poderlo rt-
conamendar a lei. Quando ae trata de Julgar
os bispos sao cidados Quando se trata de Ibes
dar pasaaporte para Roma, sao biapos. Vira a
proteccao.
Um decreto do dictador de aples de 22 de
setembro de 1860 diz : Todos os beos da casa
archiepiscopale episcopal sao considerados beos
naconaes. lato apela prolecgo do gorerno
italiano.
Pela protecgao do gorerno italiano expulssram
de auaa dioceses os bispos de Salerno. ola,
Arersa, Acerra, Ischia, Borlno, Lacedonia, Cas-
teilamar, Sorreote, Reggio, Aquila Sora, Amalo,
Acerenta de Matera, Bar, Teaoo Trenlo, Ros-
"no, Isernia, Calri. Sesse, Casera, Cappacio,
*''? Aoglooa de Turiei, Saot'Aogelo-dei-Lom-
Dardi, Muro, Cereto SantAngelo-dei-Goti Ruro
e Bitooto, Audria, Oria Ugento, Caiszzo, Mooo-
P J! 51!18 e RsP0" F'ggia, etc.
yue feito do cardeal de Angelis, arcebispo de
rermo ? Est preso ha dous annos aem processo
e sem condemnago, pela prolecgo do gorerno
Onde encontraremoa o arcebispo de Arelino ?
uesterrado ha muito tempo, pela proteccao do
governo ilaliano.
E o cardeal arcebiapo de aples? Desierra-
do em Roma, pela protecgao do governo ita-
liano.
E Mgr. Csrli, arcebispo, inpartibus ? Est en-
cancerado, pela prolecgo do gorerno italiano.
E o arcebispo de Bergamo ? Jalga-se que ser
amanbSa despojado e eocarcerado, pela protec-
Sao do gorerno italiano.
Que acontecen, a Mr. Antonio Ciusl, vigario
capitular de Bolonha ? Trea annos de priso e
2,500 francos de multa, pela proteccao do gover-
no italiano.
Que prolecgo goton D. Antonio Mazzooi. cura
ae &. Froculo ? Um anno de priso e 1,000 francos
de multa.'
E que espers o bispo de Fano Depois de ser
ara
do pequeo, que poasa pedir para si, o tributo que preso emquioia feira aanta, aapera ama eondem-
nm
c
porisso, em quanto peruiue, que os demsgogos
vo e venham por toda a parla para agitar os po-
vos, e proclamar a revoll), veda aoa pastores
sagrados o uso de sua liberdade, nega-lbea o di-
reito, que nunca cenhum governo negou nem
ao mais humilde de sana subditos 1
Mas ao menoe ali aioda seis bispos da provin-
cia eccletiasiica de Torio, e aeaaenta a um do
reino de aples protestara enrgicamente contra
a violencia do goveroo piemoolez. Ali ao me-
nos anda ha coragem para fazer amargar ty-
rannia o prazer da vioganga impial
Sesseota e sele prelados erguem a voz para da-
rem ao mundo o testemuobo de sua f I
A Italia eacrava do Piemonte protesta pela boc-
ea de seus bispos.
E todava essa Italia que protesta, ainda l foi
representada, na grande selemnidade, por urna
numerosa pleisde de seus bispos, sobre cuja
fronte brilha a aureola do mariyrio.
Os marlyres da f proclamando a saulidade de
outros martyrea I Que admiravel espectculo 1
Fez-lhes Deus a gnr.a da pro-vaco, para que
no grande litro dos fastos da egreja o nome da
bella trra de Italia nao faitease eotre os mais
brilhaotes nomes da christandade r
Portugal, esse nem ao- menos mereceu ao Sa-
nhor aquella graga que o quando oos livra da
deshonra I
Terra exlranha abrigou no seio oa reatos mor-
taes de um bispo de Guarda, de um biapo de
Coimbra, de um bispo de Vizeu e de um arce-
biapo de Evora, que hooraram a patria com aaaa
letras e virtudes.
Oh I se essas victimas da pereeguigo revolu-
cionaria e impa podeasem quebrar a lousa do
sepulcro, tambem Rortugt-l, eemo o Pimoste,
sena representado na grande assembla de bis-
pos pelos seus prelados proscriptos I Mas a Beus
nao approuve conceder a eata pobre trra nem ao
menos essa cooso!go ; e- ha de Bear registrada
nos fastos da egreja- a vergonaa, de que s Por-
tugal nao teve nem se quei um bispo que o re-
presentaste ali 1
Expulsamos as fllhas de S. Vicente de Paulo, e
retemoa os bispos, para qu estes nao ebedecam
voz do supremo pastor I
Quando fazeraes esta triste courontago estre-
mecemos pelo futuro desla tarro, que parece
per tenca ao Deua da Cruz?
Oh I era justo que nao fosse a Roms nenhum
bispo do reino qne reconheceu por boa a expolia-
gao da egreja, e a de tres priocipea chrlatos pra-
(icada por Vctor Emmanuel. Sejamor ao meaos
coherentes ao mal, e aaiba o mando que anda-
moa merc do estraogeiro, que qaem dirige
nossaa relages com o pae commum dos Res o
gabinete de Turim por intermedio do coode De
La-Mioerrff.
E pois que o gabinete do Turlm nao concedsu
patsaportes aos bispos que lhe estavam aujeilos
no temporal, imita se em Portugal easa pratica
da genuioa liberdade 1
Mas ao menos em Italia ha quem diga a eises
oovosSyllas e Marios qua alagara de aangue ci-
dades e aldeias errv nome da liberdade: no
momento em que so quer fam acreditar que o
papa nao seria nunca to livre no- aiercicio da
sua autoridade, como quando fieasse subdito do
remo de Italia, eoto que um gorerno, chaman-
do-ae catholico, e dizeodo-se respertbso para com
a e.graja, faz de bispos urna especie departas da
ultima classe a quem nega o primeiro impres-
criptivel direito de todo hornera 1 a
Assim se exprimiram os bilpoa napolitanos ; e
em harmona com ellea os da Umbrit dirigin-
do-se ao santo padre, diziam c os impiorno
podendo agrilhoar os pastores dar dirersas partes
do mundo, estendem sua mo do-ferro sobre nos,
que habitamos infelizmente este reino de Relia
lo gabado, e fazem isso com medo de qe roe-
mos, segundo nossos desejos, 4 cidad eterna,
sonde noa cbama a roz do successor de S. Pe-
dro, rigario de Jeaus Christo. Em nome da li-
berdade calcara aos ps oa direitos de cada um
de nos, direitos peto menos to inrrolares, co-
mo os de outro qualqaer cidado ; e direitos de
bispos, que esses homens deriam respeitar mais
escrupulosamente, por Isso que proctnm a
egreja Uvre no estado livrelt
Na Italia, no paiz doa arcabuzamentoa a ra-
gem evanglica inspira semelhantes prole*
P..riU)?a|? Oh i Este ailencio sepulcral
nesmos : acaao aobre o re:
deiiw 'i aa sombras da morte?
S. a. u 'stlma aenhora infanta D:
bal Mara, Un.. *<*<> Roms n0 dla
crranle, e foi depois1 recabtda por aua
dado-. ,.
Araliam-se em Qiwtro mil o *clMS,
cularea e resalares, sem contar os .
riodea de differente poros da christan
aohavam em Roma na solemnidade da ca
sagao
Cootam-se algumas oonverses de prole in
te, Tista deate xlraordioariu eapect
olfesto testemunho da unidade de creo
licaa.
A- municipelidade de Roma coneetfeu o faro de
cidados romanos a todoa oa biapos estrangeuos,
que foram aasistir solemnidade, acudindo ao
chamameoto do aummo pontfice.
Todos esses bispos accordaram em dirigir aa
padre santo urna representarlo matrt'estaodo sin
aatiafagao pela nobreza e abaegagoeom que ten
procedido o aummo pontfice no meio das prova-
ges com que Deus aprouve eiercilar a constan-
cia no soffrimenlo de sua egreja militante. E ao
mesmo tempo pedem todos unaoimemeete au.t
eantidade, que continu sustentando- com eguat
aiergia os direitos da aanta ae, ntreos quaes de-
ve de especialiaar-se o poder temporal, como con-
digo externa da liberdade- e independencia.
Esta manifeslago lera produzido protunda im -
preaso na diplomacia.
Contina em Franga a guerra entre os pedrei-
res livres doGrande Orienle,e oa do tito es-
cessez. Mr Viennet, que o grao-mostr desta
rito, protesta contra o ej>athema qae contra elle
fulminara o marechal Maquan, que o gro-me-
tre doGrande Ortente;por graga.do imperader
Luiz Nspoleo.
Por falta de espago- nao podemos meacionar
agora algumaa circunstancias curiosas desla l*ta
magonlta.
Gomes-d-e Abreu.
igao, pela protecgao do gorerno italiaoo.
(Naco.)
A AVARE2A JULGADA POR MUITOS SABIOS-
O ararenlo tudo tem por licito, diz Quinto
Curcio.
O avarenlo para ninguem bom, e para si mui-
to peior, diz Publio Mimo:
No que mais se v o desconcert da avareza,
e em desojar tanto o que servos alcanzara,
o o que aioda em reis nao tem im, diz Plinlo
Snior.
Em quanto ha dinbeiro, ha avareza, diz Ju-
renal.
E' doutrfna da avareza cuidar o bomem tanto
em si como no qu*am tem, diz Plutarco.
O ec'crmo de avjreza fcilmente se "amos, diz
Sallustio.
A mais fsia ararezw a da velhice, porque nao
ha maior ignorancia, que fazer tanto maior pro-
viso, quanto menos Cea de vida, diz Cicero.
O ararentt) nunca fas coaaaboa seno quando
morre, diz Seoeca.
De haver pobres tora a c muitos occasio de ara-
reza, diz S. Jeronymo.
Todoa os malas- que o ararenlo teme, todos pa-
dece, diz S. Gregorio.
do
iti-
^e-
e
prole a*&
livalu i ji
rjgasjw-o-
Os cap lies dos qusw'o bairros, em
eolio dividid a tUte, acompyn
cavalgaia fcafta^s saas corapanolas.
icanio tJeSTviotor, o commaodsjsjte* efe
brigadas, e os quatro espitaos, pararam de'espa-
go a espago pata saudar as damas que estavam
em auas jaoellas: em cuja presenga davam dula-
rentes vollas, procuranlo as mais galhardaa e
elegantes posigots, aflm de fazerem brilhir os
jaezea, e os adornos do vestuario, e sdue tudo
sua destreza.
Todas aa casas, das roas por onde transitara
esta famosa cavalgata, se mostravam sumptuo-
sameote decoradas as frootarias, j com pannos
riquissimos de Arraz, j com os mais unos da-
mascos e sedas do orienle.
A's dez horas, os religiosos de S. Vctor, re-
vestidos de capas, comegavam a sair em procis-
sio solemne, na qual era levada a caixa do sanio
aos hombros de doze cucanos revestidos de alvas
e dalmticas.
O caralieiro do estandarte proceda a caixa ;
em seguimento iam os religiosos, e fechavsm o
squito os cnsules governadores de Marselha,
vestidos de roxo, acompaohadoa dos capitaes,
regedores, e de numeroso poro.
Era esta marcha feita por toda a cidade com
eslrondosos gritos de alegra, ao som dos sinos,
trombelas, tambores e salvas de ariiiberia. Em
sitios expressamenle preparados parara a procis-
aao, e enlo se caotavam hymnos e anliphoOas
em louvor dosaoto; a erara remitidos estes cn-
ticos com urna salva geral de artilherh, de todaa
as fortalezas e Daros do re efcrtstianisitfno. As
ruis estavam alcatifadas de flores, qoe ss damas
de suas janellas langavam as mos cheiaa. Ra-
colhid a procisso a abbsdia, ali ae offerecia urna
a Slyi6 BftDM WH 0irt* dUBlidc- a
wNem ama recordaclo da innocencia com
SmetM caricias da-.am's
ocos dessa poca, ia r#1
pies ou com trabalho, porquanto o illustraI abandonada da mo de Deus I
aeK doutor auditor, deixoa4 de o declarar, j Howe acaao toainuagao do gorern
Sammario da proteccao dada pelo go-
verno do re da Italia ao episcopado
e ao clero catholico.
PALAVRAS DO PAPA.
Ditera de Roma que, oa ceremonia da bongo
das bandeiras, que tere lugar o dia 3 do mez
passado, proferiu 3, santidade o segointe dis-
curso :
Regozrjo-me, meas querido filhos, por esla
circumstsneta prorideccial que nos rene para a
bengo das rossas bandeiras, no mesmo dia em
que a egreja cerca de honras o eaianarte glo-
rioso e sagrado do filho de Deua Jssut Christo
pparece-no* hoje nessa croz tornada o immor-
os'visl pendo doa chrislos. !tts lhe rogaremos qae
v$te.peU-4U4Ji9ianQa nestes lempos de prora-
coes e dores, e qa^tb-'dvfilB"'PeTee? ftOaVma-
ges de seus ttlhoa as santa;- nogoes de-direilo,
da verdade e da justiga.
a Ns-lhe rogaremos que co permita- que as
almaa so-pervertam maia longo das veredas das
divinas coes.
E quanlo a va, meue filhos. em aome
daquelle de quem 9c-a vigario na trra, eu ros
abengd-o por terde compreheadido os cossos
interesses e por lerdas rindo proteger eom o
vosso brago oa lei indestructirei a vivificantes,
'(iiuauliirBsni liUDra, jjaatlym <;->dicogao. au-
lla -Ihes aeopre fiai,.eonssrrae em rosaos gene-
rosos aeios essa energa calholica que coo9'.itu
a gloria, o -- preciosa tradigao-doa filhos de
Deus.
Bm dia nos compareceremos ao rale de Je
aapb ; qae ver-o juiz de lodoa-os homeaa;
necessorio que l poseamos ebegar, todos sem
eseepgo, com o deposito ioriolaralaaente coa-
serrado.
a O mesmo arrepeodimeoto encontrar all
u,ma cora, perqu o-Seobor bom, e abre a
toda a familia os brago* da sua misericor-
dia. Tudo se confundo e desaba am torno de
va. Oala Deus Padre qua noa encheu de seu
beneficioa, oxsl o Filho. cojo aangue noa remiu,
cuja palavra cooatitae a uetsa torga, oxal o-Ea-
pirilo Santo qua Ilumina e anima, voaconserve
sempre som decahiawato nem quebta, na posse
do nebro senilmente- que ros reuaiu debaixe
desla bandeira do sucamo pontice.
ce Rogamos pois par ros, e vos abengoamos
neata bella solemnidade. Porm, oremos tambera
por aquelles que sao nossos inimigos, declaradoa
oe eccultoa, que conspira contra a egreja e
contra o aeu ebefe, cujas conspiragoea coostituem
os nossos pexigos e oe da jusuca, para que e cu
os allumie, os toque, os deleuba nessa funesta
va e oa converta. W necessario por cer'.o um
grande milag/e, maa elle o Daua-doa piodigios
e ninguem pode assigoar limites, sua miseri-
cordia. Elle nao peimillir qe oeste mundo
tudo se abysme de urna vez : a egreja, a justiga
e o direito.
Estas duas noticias da-as o Diario do Pavo.
I., 7. k ^ -watn. au ae onerecia umt p,S8Ddo em lucti as p
.?,,i n Se"'d1 re ,oh ?D?Ias'- 40i regedores, e aa pea- penetrar e resguardar d
soas de maior destioegao. r *, rfll8..,K:::
fermioada as etiquetas do banquete, entra-
vam lodos os convivas na egreja para assitirem as
vesperae, e ao panegyrico do santo martyr, com
que termina va m as ceremonias religiosas.
Ha j dazenlos e cincoenta e trea annos que
estas funecoes se nao fazem ; pois a ultima de
que ficou noticia, foi celebrada em 1609, na qual
coube a Pretrito de Espioaasi a honra de mon-
tar o cavallo de S. Vctor, levando na mo o seu
estandarte.
O povo de Ma/selaa aioda assim lera preten-
dido arremedar o cue j foi, fazeodocom que um
improvisado cavalleiro percorraas ras da cidade
com um tambem improvisado estandarte ns mo,
na respera do dia em que a egreja ali conmemo-
ra o santo guerreiro.
Nao est precisamente averiguado quando esta,
feslas tiveram principio em Marselha ; oque se
sabe so certo, que o famoso S. Vctor, guer-
reaodo as legioes idolatras de Roma, recebeu a
palma do mariyrio no terceiro anno do rV seculo.
SANTO SEPULCRO.
Diz a Patrie que os embaiadotes da Franja e
da Ruasis pediram ha pouco a Porta Ottomsna
sutorisag-o para ser reconstruida, a expensas-de
suas nages, a eupula do templo do santo sepul-
cro, quei est em risco de desabar.
A Per'a respoudeu a esla requisigo, que seria
acolhida fivoravelroenle, cora lano queosallao
obrando no lo&resse dos subditos chrislos do
seu imperio, fosse admttldo a contribuir com a
terga prte para a* despezas da recoosttucso do
venerando monumento.
Afrma-se 1ue *** proposla nSofoi aceita por
ambas a potencias, e que egualmente rejeita-
nam a idea lsmbrada pela Porta de fazer que con-
corressem a Auttria, rrlespanha, a Italia e oa-
tros paizes eaibolicoa para os reparo da egreja
de Jemsalem.
A eates esclarecimenlos acerescenta a rart'e.que
impossivel prever o fularo, mas que, se a ques-
to do oriente se travasse n'este campo as duas
grandes potencias outr'ora ioimigas, neate caso
alliadas, veriara agrupar -se cm ralor delta, por
diferentes fundamentos todaaas populagoescbris-
laa do oriente.
OBJECTOS NOTAVEIS QfJ3 FIGURAN NA
EXPOSICAO DE LONDRES.
El Contemporneo, peridico madrileo, refe-
'.uiio-se as noticia que lhe ooviuu um seu cor-
respondente, diz que na expesigo de Londres
esto merecendo geral admirago o tres segua-
les objectos :
Urna cadeira toda construida do notas do baj-
eo, representando cm ralor mttslieo superior a
oiloceotos cootos de ris, em cujo espaldar estO'
pregados os numero e series das notas que en-
traran) na aua fabrica, a qual derida ao eoge-
nho e cabedal de um lord inglez.
Um aMi-merrimacs; islo um navio modelo-,
K-t/toseutauu porum rrgaofim, com am enorme
magneto Ba quilha. o qual, altrahiado os navio
encouragados, na s6 aa submerge. como os con-
serva debaixo de agu todo o tempo-preciso para
poderem morrer atogalos oa ioimigados.
Alm destes dous ta extraordinarios inventos,
que en hora buena daseobriu o correspondente
do Contemporneo, ha tambem urnas maqifinas-
polyglotas, compostas de muilos tubo acsticos,
cada urna das quaes serve to soaieate para um
determinado idioma.
Quem por conseqtiencia se muir de seis ou
oito deataa machinas, pode com ella fallar outra
tantaa linguaa.
Do mesmo modo que ha machiuas de moer
lemoDtsodo os
dos aromas da
d<* a doce ex-
queaffluiam
nome.q.*!
amo am vao esquece, desie non aue \ .Minan
enchendo de lnguidos eoleios me transporta
em risos ao mundo ideal, era aoohosii rtos que
inflammaram vi.ea nos malignos siaoi da refle-
*io, metamorphose de um perfil de anfa. Innata
flxibidade me desvaneca os gestos dettroVde seu
porle converteado aa formas ns materia.
Successivos das unidos annos me reconta-
ran) esse mysterio da infancia, deste primeiro
nome que os orgos conjuoctos se esforcam par
balbuciar, por abrsoger idea sublime da aua
signincagomeSeio bemdito que fraiereTaa 4
uoio das substancias de idntica cordialieaide,
lago estreno que perfeito no ristrel, nao sai ur-
que reaego me gravoa este eterno enuncio.-No
desenvolvimeoto das base perceptlreis da cooa-
cieacla captirou-nie aa lides no conhecimenCo
real das faeuldades ligoa-me irresislirelffleflte
ella, por nexos que potencia alguma desliga.
Quizera lecer em meu corago um canto que
previlegiasse so filho fuga das inconstantes
eventualidades terrenas.
A ultima pircella deste rdante trienaio es-
coou-se, eclipsou-ae oaa treras do nada esie vul-
to que de amenos dt.reltos reflua rida in-
teira.
Ao menos frustraram-se os rotos jurados de
serpes banidas que nao abnegivam este sanclua-
rlo sagrado loticto em sua esseocia, que ultra-
profanss fibras intentaran}
a, qua s6 Deas poderia
da evaso sacrilega.
E o coro de arebaojos em victoria baixaram i
trra, em um hymno de extasa adormecern! o
corpo, qua solt as prites a alma voou livre 0
feliz com ellea, zombando da mesqvrahez destes
vermes reunidos, amontoados no destrono do
sanctuirio.
Da tardo recebi bengo fria, deposta em flor
qae brotou na campa, orralhando-a depoitf em
beijos ao orar lhe. E aem me bem cedo asbat-
me na cresneice, chorando com ella opranto o-
rido quo symbolisi casta e santa crenga, que
parifica a perda da realidad-e sumida, sobrev--
rerrdo na elernidada soffrega lembranga.
Pranto d'alma I Baralba os leu. ais na rocho-
sa pecha que sepulta sidos. Derrama o teu
pranto do fel resequido do coraejio. Rumoreja
como a ion le ^ns seraoa se perturba do litloral
pedroso. *^as por Deus, nao revele s irosgem.
Nao atierre o germen que a consommo. Por
Deua nao modeles a obra rlogativa v-e era-
sou ? Consrva-a inabalarel, imperlarbarsl s
sedueges perenaer da ooule. Nao verlas- ungi-
da na solido as amarguras qae a amp'.ido re-
vate a lampeja. Afnnuneia, porem, nos tangi-
dos dobres da melancola o corso livre d:S la-
grimas.
Rsvez sioislro depois da perda desse idole ma-
terno, Da rispidez vida de rairrha atinencia, pri-
vada de affavsis csrinhos, fez-ma libar a tragar
essas sensagoes prejudiclaer, que corroem os ssa
tido, que corresponden] acs orgao sem imperio
no dominio da vontade. Nogi vertiginosas"
qus deslumhraran a apparigao da asslyse, abra--
gando a soccsssv 1e ideas recentes, Pen lela
que parcialmente arrastou-rae para Rectos de
trato deliciosos- qae a deidade apegeado-se te-
nazmente, a moco asptica, decrescou alent
elevando a propnsao.
A mim mesrao impsz a energis etclcriva de
menoscabo, deduzindo a obscuridad o q pertencia a um mundo sap-srior da s'Jbsteneias
mortaes, semalhaoga qoe com o destrato dissi-
pou a bausa primaria da desigualdade,-
Funebre depois so aatolharam em tora* di flo-
rescencia jureuil essa illus apaixona. rida
da venturas, doarada de magoirJcnncia i>l. .1, so-
nos-embalados na doeo poesa do corago. Quo
altiogiodo os escolhos a fluida regstago mate-
rial, debalde arreigou a prova alias bein trente
de.ua apparencia fingida na esphera expansiva
da rerdade que nao raealf,. rasalila a ordera dos
factos aujeilos induego.
Se o meu Pranto exclus* d exaltago o tab-
desto culto que tenho modelado- na deditago, ae
elle despregasse o vu'deinrisver que a perma-
nencia de um dever de honra e de familia, roja-
o com o incgnito, (I) revelara ao> ntundo e a ti
que em parte tena contribuido para-este sigillo. -
o poni primario de aeu ebiecto,o estenso mo-
vel que subjugindo nova torga, nova tenden-
cias mraoflaliscu o aeu carne oo meu yeito, gra-
vou o porte aeraphico de saas forma ao capri-
cho r*'"rt*a do vi o frvido omor.
E hoje tu bem sabes q*e nao a v+jo, que um
canto escoado oa dor priVea pelo- infl'Macia da
dura ausencia de regar oes flor, que imd ins-
tante vivificad e reanimvla pelo zophiro tepido
o perfumse d ventura, por deleiro negligente
ceifoii-se nos rumores tempestuoso de urna des-
pedida chorosa e trale tav-ada para um outro cea
que nao o meu ? (2)
Cango quesahida como-e goivo da-meloccolia,
daoegriu a sombra hatraeoioaa do- urna aadeia
de rotos, remordendo o peso inso frivel da- sau-
dade, impoata pelo desuno.
Se por mero aentimeoto- oa phantaaia varda-
deira nutri em minha alma o foge involuntario
do amor, foi chamba abrasadora daquella que
usando doa termospriso simplesj repetindo
as palavraspri.o com trabalho, visto que por
amor da clareza costuma empregar com repet-
cao um vocabnlo maia de urna vez, como faz cora
a expresso gra mximo, gra medio e gru
minlmo.
Talvez fosse mais conveniente, que o medio aa
referida pena conalslis.e antes em priso simples
de oito uatorie ""Q""^ **. conq.t^'oa.^eta *...e ab.olute nho,
,,.. n **?mSE&SXm (atonda, do. poro, conquisaado. ,
de Portu-
gal, para que o episcopado porlaguez nao obe-
decei.e ao primeiro pastor? Em Franga a nota
do Moniteur significara isso ma.mo; e todaria
apesar delta e episcopado franceaeotendeu, que
dar a Cesar o que pertence a Ceaar, nao negar
a Dea., o qae pertence a Deus.
Dar a Ceaar o qua de Cesar 1 E onde esl
boje esse Cesar ? Onde est o soberana do poro
J.udeia pelo.direito da
mnimo
poder dar lugar
tre. nore mezes, seja de priso simples de um
seis annos. -^
Estou persuadido que esta alteragao ha ae
coorlr todos os militares; porque, segundo se
sabe, ninguem ha ne.te mundo, que nao leona
am superior, de quem se possa soflrer um mal-
trato por meio de palavras, ameagas e factos
rusientes.
Esta convlcgo me d a certeza de nao ntrer
Acaao foi em vo que vau ao mundo o liber-
tador do genero humano?' Volamos aoa lempos
do abaolutismo pago, ou estamos oos da liber-
dade do Christo ?
Dar a Deas o que perteoce a Dsus, e a Cesas o
que pertence a Cesar,, se esse Cesar tem alguma
cousa que nao perteoga a Deus.
Civis romana sum, diaia outt'ora o orgulho-
so filho da cidade dos sele montes, a com isto
eslabelecido pelo Sr. Dr. Jos Antonio de Maga
lhes Castro em seu imporiantiaaimo projecto de
cdigo penal militar, art. 78.
Recite, 15 de julho de 1862.
lanoe Januario Bezerra Monte-Negro,
(Continuar-se-ha.)
h. estrella do norte.
remedio U*7^ftitefM qeria atteslai sua soberana no meio di. escra-
affliwni o distinelo e glorioso exercito impe- jW* dos povos conquistados. Eotao aira en-
Bui Todava a sabia commisso poder entender, !gio,, qae a cidade por excellencia conceda ao
que melhores razo.s militara em'prol do preceito individuo, de ou ras torras, oa, quando multo, a
qu.a,"A ;i c. n- in.6 Aninnin rtM,na- alguma populagao nolavsl.
Eato sim ; eoto essa populago recebendo
aquella dadiva, munus accipient, conaervava a
recordacao della oo oome que com o privilegio
lhe concedan), e por iaao ae chamava municipio,
Ie seua habitantes municipes, para que o mundo
soobesse, que se regiam pelas leis de Roms, a
se equiparavam sos cidados romanos, por gre-
ca o linhsm obtido, como dadivs o havism sccei-
tado. E todos os outros povos. quaes os da Ju-
deia, havldos como escravos daquelle povo so-
berano, repreaeotado pelo seu Cesar, pagavam o
tributo como prego da vida que Ibes hariam dei-
xado, como recoohecimento da subjeigio qae fi-
cara sendo a condico de sua existencia.
Agora digam-noa se rollamos a esses tempos;
diftam-oos onde est esse poro soberano, repre-
sentado pelo seu Cesar, onde esse Cesar que nao
reconhece o Christo, e onde o povo eteravo que,
recoobecendo o Christo, leu obrigaco de obe-
decer a um Cesar, que o nio reconhece.
Digam-dos isso por Deus, psra qae nao nos
oegsrmos so Cesar pago e conquista-
M. E. Z.
Depois de loogaa eras de saudades,
De laoguea desalemos e suspiros
Exalados em vo as solidadas,
No seio dos fesiins e nos retiros,
Bella estrella do norte fugitiva.
Tu brilbaste de novo radiante
Atojando am minha alma a flamma vira
Pe ui -' mais srdeotee delirante...
Mas que val am suspiro meu saudoso,
Se o vento abafador do Meiodia
Suftoci-o pelo espigo, e desdito.o
Sequer pode ebegar xooa ira ?? I
O vigario arebiepiacopal do Bolonha, sentencia-
dlo, em 26 de junho de 18GC, a tres mezas de ptt-
.o e 2,000 francoa de multa, pela protecgao do
governo italiano.j>
O bispo de Faenxa, sentaocliado, em 4 de julho
de 1860, a tres.annos depri o e 4,000 francos
de multa, pala protecgao do governo italiano.
O biapo de Placeoga, sent iciado em 7 de ju-
lho de 1360, a quatorz mez >a de priso e 500
francos de mulla, pela p :otacc&o do goveroo
italiano.
O vigario geral da Placen a,.Mgr. Testa, sen-
tenciado a doze mezes de pt ,so e 1,000 francoa
de multa, pela protecgao < o.governo italiaoo.
O cooego Oatacchioi, senlinciado a aeia metes
de priso e 500 francos de aulla, pela protec-
gao de governo Italiano.
O coooro Mareiti, sentan iado. a aeisxmezes de
priso e 500 francoa de mult i, pela proteccao do
governo Italiano, a
Oconego Tirotti, sentanc ado a seis meses de
priso e 500 francos de mu a, pela protecgao do
goveroo italiaoo. a
O conexo Gemas!, senteo iado a seis mezes de
priso e 500 fraooos de mu ta, pela protecgao do
governo Italiano.
O cooegoMoraodi, seotei ciado a 500 francos de
multa e seis mezes de pris o, pela protecgao do
goveroo italiaoo.
O conego Rocci, sanlecc ado a sais mozos do
priao e 500 francos de mu ta, pola protecgao do
[governo italiaoo.
O coneeo Ferrari, seotei ciado a seis meses de
priso e 500 fraoeoa de mu ta, pela protecgao do
goveroo italiaoo.
O padre Regioald Btrgioald Barbin!, da ordem
pregadores, professor da theologia em I'orli, sen-
tenciado a doze mezea de priao e 2,000 francos
de multa, pela prolecgo do goveroo Italiaoo.
O cardeal arcebispo de Pisa, eocarcerado sem
processo e sem eondemosco em 18 de margo de
1860, e demorado preao ate 6 de jucho pela pro-
tecgao do goveroo Italiano.
Quatro padres Jesutas eocaresrados en 25 de
mato de 1860, e ainda que innocentes retidos em
priso quarenta das, pela proteccao do goveroo
italiaoo.o
Mrg. Flix Caotimorri, biapo deParma, obriga-
do a (ugir da sus diocese, apela protecgao do go-
veroo italiaoo. >.
Um decreto de Terencio Mamiaoi, ministro de
instraego publica, ordenando que ae teche o se-
minario de Placenga, aioda hoje fechado, pela
protecgao do goveroo italiano.
O Exm. Sr. cardeal Gaataoo Bauffi, bispo de
A FLAUTA.
Pan, dees dos pastores e dos gado:,.nao obs-
tante a aua extica figura, entendeu que devia
peraeguir urna aympba, e deilando-ae ao alcance
de temerosa Synnx, que lhe fugia a todo o fole-
go, chegado s margeos do rio Ladon a traosfor-
mou em caaca. Querendo anda depois de
transformada aprovaita-la de algum modo, cer-
tou-a em pedagoa, e faz a. primeir flauta.
Ditem anligoe eacriplorea, que (ora eate ins-
trumento aaavieaimo primitivamente composto
de sele tubos; e,segundo Plutarco, esle numero
symbolisavs. os sele mais scintillaotaa corpoa
celestes eotre oa qaaea figurara com aupremacia
o diiino Apollo, rei doa aatros, a quem a flauta
ou frauta era eapecaalmeote consagrada.
Em antigoa tempos, entra gregoa e os roma-
nos, a flauta logrn a hoaxa de figurar sempre
em todos os fesiins, na theatro, no circo, e al
meamo as ceremonias fnebres. Fabricou-ae
eoto esla ioatrumento ora de varias madeftaa, e
meiaaa, ora de otaos de iffereotea alimariaa.
Trazeodo a terreiro a autoridade de Varro, a
flauta simples leve a principio lo smente qua-
tro orificios; maia tarde fez-ae de doua tubos,
cada am de quatro (uros ; finalmente em nossos
das acha-sa levada a aua fabrica mais extrema
pereic,a.
msica, como aoa realejos chamo um espirituoso! .em leviaodade talrfz de sua edade. fcil de-ce-
esenptor nosso, ha agora machinas para cada um der o de resiatir. ateo e>JLvios que em um- es-
tallar sua vontade roa liogua qualquer. culo imprima a lava batojada de um vulco de
Assim como lodos eslo habilitados a locar du-
ferenles msicas n'um realejo, nao com maior
difculdade, serriodo-sadaquellss prodigiosas
fnacAtKas-rad"ttcor3S, podem fallar differeoto
linguaa : o processo facilimo.
Por exemplo, um portugus pretende pergurt-
tar a um francs : amaes vos osembusteiro ra>
nao tem mai. do que pronunciar estas palavras
juntos urna das extremidades de am certo tubo
acutico da mschiaa ; o francs que deve tez o
ouvido applifado a oulro extraoo do mesmo tu-
bo, oure i m mediata raen le a t.-a lucto : a; mez
vous les bourdeurs ? Se o francs est resolv-
do a reapooder, o que o eacata recebe j tradu-
zidaa am portugus as palavras que lhe sao di-
rigidaa.
O que sobre lado convida a fazar-se acquisigo
destaa famosas machinas dlraduzir correctamen-
te, o prego porque esto annunciadas em Lon-
dres, segundo afiirroa El Contemporneo. Com
a bagalella de dez mil reales, que quanlo cas-
la cada ama, pde-se diierque se conquista um
idioma ; 9 quem quizee dispor de riate, triol,
quarenta ou cincoenta. realea, tica habilitado a
fallar dous, tres, qu.tro.ou cinco idiomas ?
Dette modo acabar-te-nao talizcaente as mis
iraduccoes.
MULHERES. IVPOGRA l* AS.
Houre ha pouco em Pars, ns imprema, Du-
pon!, urna pequea aublevago par cansa dos ty-
pograpbos se opporem a que aa.mulher3a.3e de-
diquam a arle t-ypographica.
Esta manifestacao deu em -.esullado ser-em con -
dea)nados quatro a dez das de priso pelo tribu -
otl correccional.
Tem sido, muito reprobada esta acgo dos ty-
pographos, porque sendo ama axt lllustrada e
partidaria do progresso, nao ae daran) oppor a
tudo que poaaa contribuir para melhorar a con-
dgo da mulher.
Um peridico parisiense diz que as que al ago-
ra se teem dedicado a arte typographlca d&o oa
melhores resaltados, adrertiodo-se qae compoem
com tanta ou maior ligeireza que os homens.
{Naco.]
acootega
dor, o tributo que Ibes drennos, como subjal- Imola, mettido em proejase., pala proteccao
tos palas armas, como escraros pela conquista, goveroo italiano..
Mas se essea Oessres pagaos abaron ha de-1 Muilos blspoi toscanos i o ameiga.d.oi ou rxa-1 toshas de cera branca,

A ATALAIA DE S. LZARO O A CORRIDA
DO CA VALLO DE S. VCTOR.
Assim promiscuamente ae deoomioava urna
antlga ceremonia, talvez mais prolana que reli-
giosa, coas a qual a eidade de Marselha soia
festejar o sea patrono S. Victor.
Comegartto .s funegoes na tarde da respera
do santo por urna apparstosa e latida correria
de cavalleiros, semelbaote s caralgatas ou ea-
valhades, qae oo nosso reioo sao de aotiga u.ao-1
ca, principalmente naa vigilias de certas feataa
celebradaa aooualmeole em varias freguezia.!
ruraes e prolongava-se a correria al alta ooule,
estaodo a cidade vistosamente illiminada.
Bita festa, qae na aua origera lora instituida
para se levar pela seguraoga da cidade, chama-
va-se a atalaxa de S, Lzaro,
Todoa os annos era nomeado am fidalgo natu-
ral de Marselha para representsr a S. Victor, e
erar na mo a bandeira do santo, que na sua
abbadia ae guardara desde tsmpos immemo-
rlaes.
Montado n'um sobarbo carallo ricameote ajae-
zado, rodeado de doze pageos com brandoes
acces.os, e scompaohado do corpo da nobreza
dividido em alas, que se destioguiam urnas dss
outras pelas cores e formas capricbe.as de asus
traios, percorria o nobre cavalleiro as rusa prin-
ipae. Cada fidalgo figurara nesta especie de
procisso eotre dous pagena, que le varara na aaoj
PRANTO DA ALMA.
Ao Sr. Joaquim Manad de Sxnuiira Cavalcanti.
Pranto d'alma dei easa mioba prodaego,
porque seodo filha de urna experleocia oo inter-
rompida de fados reridicos, de gosos amargos de-
talbados no periodo de minha existeocla, mais ou
meos acakruohada de recnditos escoodrijoa na
causa mortuaria, adoptei-e como adequado ao
prefacio, risto que se dedllham tambem teclas
em coocerto com meloda de sus descripgo.
Nao pretenda dar-lhe nanea publicldade, mais
S influencia duplicada as inatanciaa da amisade
para com o meu amigo, quem hei dedicado es-
le pranto, estreitou me com cuito urna extre-
midade tal que hoje o publico ingenuamente aem
preteoco devaogloria nem deceosura aquelles
que de ridiculo imputar este meu producto.
E' siogello e triste na rerdade esse pranto, so
de rocabulos oo carece de adulterio oa iorerso,
eu o deacrero tal qual aenti, earaaiando laca
quo os traoses oo permitiera emanar. O paito
rirgem ioefleito prereogo colbida oo sacrario,
estraohar com o choque este culto singular e
myslerioso de um rallo que 4 8videncia oa aup-
posigo oo pide tr-er 0 q0 de sua origem. Des<
de eoto i ri^a a brscos com perplexidade co-
roou r^prichosa chimera, aabilea adheridas na
qc"-Visis teram chorar alma no chorar do
corpo.
Analoga da morliga alampada esclarece a fur
perenne baste. Demais- a iffabiliL-ade auaro de
seus cootosoos toroeados-admirarelmocte oa-vo-
lupluosidade, a languidez de aeua clhos filtrevam
como que mgica aympathia, que conrerlefem-
me cegameote insictua^o deste virgneo anjo
de caodar.
Ah I se na apathta BBonetooa de minha prostra-
go faaci3arem-me aa-htDocenles oarrsos da cal-
ma de sua rida, pradiga'e tersura e de-viva
alegra em paga, aem oaperanga de reciprocida-
de, amsi-'i pela copia da imagiaago, amei-a
como viao em relala adolescencia.
b'ahi o desassocego desta paixo refreiad as
prisoea da impossibidade, o diasabor misturado
oos amargos queixumes de um juramento leal,
mas de iraca coapcao, variou maneisa de mam
viver. Porque ella abstracta nos climas- di vanos
quo viagens prolongadaa de anaos reassumia ama
t vez o solo de mioba patria, entns'^acia-me a
fraqueza de um perjurio quenada liaba disolto
de obstar, tfilig'.arme um proposito cresade no
intento della romper talvez a uniso. coajanr.la
por am talismn indisaolurel..
Eoto o mordaz e pungente riso da. ioera duli-
dade me apouquentava horriralmeete nesta ten-
gao, qae recattia oa expectatlra iacerta de urna
esperaoga tarda.
E rivendo como vivas, junto i. mim, em ca-
denciosa entizado de porfeita siaceridade, muitaa.
vezes te ealraobava a hedionda insipidez que na,
mudez me cercara, o merencozio vagar de minha
coorersago outr'ora lo animada. Era, como
depoia em declaragsote di.se, agndo punhal da
detepgo colbida na, partida, era a dor da sauda-
de que me ralava a vida, ara o Pranto d'alma.
que esvasiaodo o calix dissotrta o fel, era o va-
cuo abysmoso de um eo'.3v qua na fuga essurecia
o mundo ou ersm o ealo.vo bem duro de nao
poder segui-lc.
Os vioculoa acorrentadoa patria a &S/oc*m
espanto por pouco que previas delir-aa, o crea-
cente abatimenio do urna meditago incuravet, o
pezar profundo e saosival da separarse, escaMa-
va-me o cerebro e substitua ao vigsr vital a lea-
la e delirante febre. A apparenlo affectagao con-
siderada oa imagem da alegra em muito difteria
da transformado, iocansaveis estorbos de am
pae desvellado illuminoa a alai tlluseo dester-
rada n'uma realidade nefanda.
Ella partiu, e comtigo debrugado no horisonte
que a encobriatalraz pasa sempre, chorei amar-
gamente minha desdita, guardei enbrandecido
atas letras, cujo panaor na vista era o nico que
derramara-me o aalienle balaaroo que suavlaa-
me os suspiros em vao.
Da noute oo sileocio ainda boje e toda minha
vida hel de peair bonaoga, carpilo aaudosaaslma
a volta do anjo amante alem do ocano, a lia-
jora potica da crte. E ama parle de sua tran-
ca d'ouro a gotta mllagross de um pbillro que
refrigera as feridaa ulceradas do corago, repas-
tado atrozmente na desesperance.
Aisim perdia-a sem f jamis de rtata-la um
protesto solemne no po de meu jazigo, liando
a deciso do tempo confirmando-o enviar em
paa.agem o genio pavoroso da destreieAo, des-
morooaodo as bases carcoaaldas deale tecido,
trar palete luz myaterloao distico em loscrip-
cfto leglvelAmei-a..
Recito 1862.
Graciano Lytio Rodrigues Ferrtira.
tos o*9 rubores da infancia que 4obalde devnelo
(1) Querendo fallar-te da D. M. A. 8. natu-
ral do Rio de Janeiro, motora daate Pranto.
(2) Partida deata provincia para a do Rio Gran-
de do Sal-
PiRN, TTP. D5 M, F, DI FARIA Fl
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6EWAXGMQ_REIAOP INGEST_TIME 2013-05-01T01:12:25Z PACKAGE AA00011611_09569
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES