Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09567


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w

AIIO XIXVIII lIBIO 160.
ftr tres aexesadiutadts 5$000
ttr tres aeze Teteidoi 6|000

SfiUlBi
Fttt truc|iniufcicriftor
=fc
DIARIO DE PEMAMBUCO.
EMCARRKGADOS DA SUBSCRIPgAO DONt?

Parahybs, o SrvAntonio Alexaodrino de Li-
mi; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva-;
Araty, o Sr. A. dt Lemoi Braga; Gear o Sr.
J. Jos da Olireira; Maraohio, o Sr. Joaqaim
Marqaei Rodrigues; Par, UaooelPinheiro &
C; Amazonas, o Sr. Jsronymo da Coala.
PARTIDAS DUS CORRE10S.
Olinda todos os diaa as 9} horas do dia.
Igaarass, Goianna, Parahyba as aagundas
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerroi, Bonito, Garuara, Altinho
Garanhuna na* tergae-feiras.
Pao d'Aiho, Nazarath. Limosiro, Brejo, Pes-
ENCARREGADOS DA SUBSCBIPCAO DO SOL l16',* lD"ej". Floras, Villa-Bella, Boa-Vlsla,
Alago... o Sr. ClaudW F.llio DI..; B.hia. P Sbo^eVinMeT2?"rSO^'V, n
Sr. Jos Martin. Alr*; Rio d.Jsneiro, o 8fL*2?&Jt*0Kt .Bsrrairo.
Jo* Paraira Martina./ *^" f "'. Pentelraa BfataUaintsa felras.
|{Todo* os crralos partan as 10 horas da raanha
i Airea;
lina./

IPJ3BMKR1DRS DO MBZ DE JULHO.
4 Qaarto srasaanta ss 8 horas e 90 mina toa da
manfaia;
tS Laa chela aos 2 mina toa da m.nhaa.
18 Qu.rto mngiant. asi hora, e 32 minutos da
tarde.
16 Laa ora aa6 hora* e24 minutos da tan.
PBEAMAB DE HOJE.
Primalroa* 6 horss e 6 mina toa da retoba.
Segando aa 6 oraa e 30 mnalos da Urde.
PARTIDA DOS VAFORES COSTEIROS.
Para e sal ata Alatoa. 5 a SO; para o norte
al a Granja i 14 a 19 de cada mes.
'AMIDA DOS OKIIBUS.
Para o Recite: do Apipueot s 6 1|2, 7, 7 liS, 8
e.8 1|2 da m.; de Olinda as 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboatao i 6 1,2 da m.; do Caxang e Varzta
las 7 ds m.; de Btmfie* s 8 da m.
a f% \\ a*?! *g** I*. W.
4 1|2, 5. 5 li4, 5 1,2 e 6 da t.; para O/inda a 7
da os. e 8 1 [2 da t.; para jaboatao s 4 da t.; para
o Coxanod* Farseo s 4 1|2 da t.; para Btmfiea
I AUDIENCIAS DOS TRIBUNA ES DA CAPITAL.
Tribual do commercio: segunda* a qui.tai.
Relaco: tercas e atibadoalO^oraa.
Pazenda : quinta s 10 hora.
Juizo do commercio : ofendas a meio dia.
Dito de orphlos: tercas e sextas s 10 horss.
Primeira Tara do civol: terca* eatasae molo
dia.
Segenda Tara do cirel: q aartass vahado* 1
horada tarde.
IBT OFFICUL.
DUS DA SENARA.
14 Segunda. S. Boareotera b. card. f.
,15 Tere. S. Cimillo de Lelli. fendadOr.
16 Quarta. Noesa Seohora do Carme.
\ 7 Quinta. S. Aleixo; S. Victoriano e ostros fflaV
16 Sexta. S. Marin v. m. ; S. Rufina b.
19 S'bbado. S. Vicente de Paul. ; S. Justa* m. '
,20 Domingo. O Aojo Custodio do imperio:
ASS1GNA-SE
ao Recife, em s lirrsrla da nraea da Indepen-
dencia n>.6 e 8, dos proprlstarioa Manosl Figmel-
iroa d. Fatia & Filho. ^
reracidade do (acto nella
providencias dadas res-
GOVEftWO DA PROVINCIA.
Expedienta do dia O de iunlie de
Offlelo ajo ehefede polica.Em riita da ioclu-
sa queipa d0 subdito porluguez Josquim Luis da
aiiya^dirigida ao respectivo conaul e por este
trasoda ao meu conhecimento, sirva-se V S. de
.nformar-me aobre a
relatado, e quaea as
peito.
Dito ao inspector da thesoararia da (azenda.
Constando-me de parlicipacao do brigadelrocom-
mandante das armas de hontem datada, sob nu-
mero 1340. que na noile anterior fallecer oesta
eidade, onde viera a servico o alfares reformado
do exercilo Joo Nunes da Fonceca Galvo, que
servia de ajudante da fortaleza de T.macdar.
assim o declaro a V. S. para seu conhecimento e
Mirecao:
\ Dito ao mesmo.Constando de offlcio do bri-
adeiro commandante das armas de hontem da-
tado, sob numero 1338, qae no dia anterior f6ra
mandado recolher ao stimo batalho, a que per-
tence o soldado Alberto Jos Placido, que se soba-
ra empregado como serreote no hospital militar,
25 n? ,UDsUluido Pelo paisano Antonio da Cunha
a Olireira ; assim o communico V. S. para
-aria conhecimento e direceo.
* .Dito ao meamo.Tendo em vista a su. infor-
macao de hontem aob numero 629, recommendo
Jj S. eue mande pagar ao cirurgiao Odiloo
. Aaltrichiliano Brayeer a quaolii de 5808000 rs.
proveniente da griflcaco diaria de t0000 rs.,
que vencea em 96 dias em qae estere incumbi-
do do tralameoto das peasoas pobres atacadas do
cholera morbus na villa do Bonito, e para este
devolvo os papis que vieram annexos a sus
citada informado.
. P,1*0 meamo.Ao cirurgiao Odon Austri-
cniliano Brayoer, mande V. S. pagar a qaantia
de 240S000 rs. proveniente da diaria de dez mil
res que vencea desde 12 d abril at 7 de maio
desde anno, seu fallecido pai o cirurgiao Jos
J" f r9yner quaodo encarregado do iretamen-
10 dos desvalidos atacados do cholera morbus no
districto de Gapoeiraa na comarca do Bonito, co-
mo se v do incluso attestado, que me foi re-
medido pelo juiz de direilo daquella comarca com
offlcio de 3 do correte mez.
Dito ao raesmo.Auloriio V. S. a vista de
sua informagao datada de hontem sob numero
* Dod Pgar a Manuel Figuelroa de Pa-
na 4 Filho, a qaantia de 1(59410 ra em que se-
guodo a coota qae devolvo em duplcala, coberta
com officio do presidente do cooaelho adminis-
trativo do arsenal de guerra de 4 do correte e
aob numero 58, importam os annunsios manda-
dos publicar pelo mesmo oonielho no Diario d$
ernambueo, darante os mezes de abril a iuoho
eateanno.
Isito ao inspector da theioararia provincial.
1 neis ds coala junta mande V. S. pagar a
endo Aires da Silva, conforme solicitou o
/Lle Plicia en> offlelo de bootem sob nume-
1060 a quantia de 405OOO rs. em ane "a
aluguel vencido nos mezes de dez
prximo passado a marco ulty
Dito ao eommiissrlo raccinador provincial.
Remeti s Vmc. urna caixs cootendo tubos ci-
pilares de puz vaccinieo.
Dito ao meamo.Remetts Vmc. so delegsdo
do cirurglao-mor do exercilo com temps de po-
derem aeguir para o presidio da Perneado no hia-
te Tino que est s psrlir para aqaella ilh. 10
tubos de puz vaccinieo.
Dito so subdelegado do distrlcto de Daas Bar-
r8,i^(0Dst,0(l0 de offlcio d0 Dr- cneB de polica
0. 1084 de 7 do correte que ahi grana a varila,
remello a Vmc. ama caixinba contando pez vac-
cinieo, e recomendo-lhe que o (sea propagar pe-
las peasoas do districto de sua jurisdlccao.
Dito ao conseibo administrativo__Respondo ao
offlcio do conselho sdministrativo datado de hon-
tem sob n. GOdizendo-lheque sobesteja oa com-
pra das madeiraa raqueaitadas pelo commandan-
te do presidio de Fernando, at qae eate preste a
informaco que nest* data exigo acerca da ulti-
ma parle do citado offlcio.
Dito ao mesmo.-P como va o'cooselbo sdminis-
trativo para provimento dos armazens do almo-
zarifado do arsenal de gaerra s compra dos ob-
jectos constantes do iaclaao pedido sob n. 44.
Portara.O presidente ds provincia coofor-
mando-se com a proposU n. 1052 do Dr. chafe de
polica interino de 9 do correte resolre conside-
rar rsgos os cargos de subdelegsdo da fregueiia
da Varzea, 4, 5 e 6 suppleotes do mesmo ds-
legido, e nomeia para os exercer bem como pa-
ra os de e 3o sapplentes os ci Ja daos se-
guintes :
V
Subdelegado,
major Francisco
Xarier Carneiro
iionuen^ o

>
-------x. _.lin>'
coda>aoella. "
Oito ao mesmo.Pira que eu possa resolver
acerca do que pede Gabioo Joaquim Gomes no
requerimnto sobre que versa a sus informacao
de hontem sob numero 391, faz-se preciso que
V. S. declsra se pela verba rotada para o expe-
diente du consulado provincial ple ser pags ao
supplicante a diaria que vencer como servente do
meamo consulado conforme indica o procurador
fiscal deisa tbesouraria.
Dito .0 mesmoDeclaro V. S. psra seu co-
nhecimento e direceo, que segundo consta de
officio do chefe de polica de 8 do correte sob
numero 1053 o alfares Jos Looguioho da Costs
Leite, acha-se aulorissdo pelo delegado de Ta-
carat a receber nesia thesoursria todos os di-
nheiros provenientes de cootas j procassadas que
(enham de ser paga, ao dito delegado.
Dito ao mesmo.Mande V. S por em hasta
publica a obra do aperfeigoamento de urna parte
da estrada da Victoria 00 lugar denominado la-
deira ds Sicupira-Torta, serriodo de base a essa
arrematago o ornamento junto por copia e a
I .lana inclusa que nesta data approrei, e para
u3s fim me foram remettidas pelo director dss
obras publicas com officio de 7 do corrente sob
numero 151.
Dito ao mesmo.Pode V. S. nos termos de
su* informacao de 7 do corrente sob numero
388, mandar effecluar .0 Dr. Maooel Buarque de
Macedo Lima, a entrega da quantia de 2:6779000
que por officio de 21 de margo ultimo, se man-
3ou fazsr .0 iutz de direito da comarca d. Bo-
isla para a factura do. reparos de que precisa-
ra o acude do Oarlcary, risto assinr%aver sol! -
citado o mesmo juiz de direito em officio de 14
de junho prximo fiodo.
Dito ao mesmo.Rscommeodo V. s. a ex-
pedigo de auas ordeos para que por intermedio
do thesoureiro da repartico de polica Joaquim
Gilseoo de Mesquits, sejs entregue ao delegsdo
do Ouricury a quantia de SOOgOOO res por conta
do crdito concedido no artigo 13 paragrapho se-
gundo da lei do ornamento rigente, afim de ser
applicada ao. concert, de qae precia, a cadeia
d'aqaelle termo, qae se acha em mo balado se-
gundo con.ta de officio- do chefe da polica de 5
do correte aob numero 1041, certo de que o
meamo delegado dover opportanameo'e prestar
coota. dessa quantia.
Dito ao inspector do arsenal de marioha.Man-
de V. S. substituir por oatro o africano livre Ra*
pbael qua se acha ao servico do Seminarla epis-
copal de Olinda, conforme solicita o respectivo
reitor.
Dito so mesmo.Ioteirado do contedo do of-
flcio que V. S. me dirigi hontem sob, o. 247 le-
nbo a dizer m respoata qae pode aceitar o offe-
recimeoto qae faz Francisco Botelho de Andrade
da qaantia da 151| pelo casco do briguo Ceartnse
eflectuando-.e a.aim a venda deeae casco com
mas mil res sobre aaraliacao da mestran^a des
se ar.enal.
Dito ao commandante superior d. gaarda na-
cional do muoicipio de Naazaeth Para aer to-
mada em coosdersco a proposta .presentada
per offlcio de ds V. S. n. 137 de 17 do mez pasas-
do psra offlciaea da seceso do batalho de reserve
n. 3 da guarda nacional desie manicipio, preciso
se faz que V. S. declare se o proposto para ca-
ptao da 2" companhi. da me.ma seccio, Affon-
.0 de Hollanda d Albuquerqua Maranhao, o
meamo que foi nomeado tenante da 1" com o
neme, de Affonao de Albuqurque Maranbfto.
Dito .0 juiz de direilo interino de Garaohuos.
Ioteirado pelo mu offlcio n. 33 de 28 do mez
pasudo do que Vmc. refere acerca do estado ds
epidemia no termo de Papacara e districto de Pal-
maa, pede a jastics qae ea o louve pela solici-
tad empregsda e acertadas providencias que
tomou em favor dos habitantes desaa comarca e
autorice a loerar por parte do goveroo os ci'da-
dios Joaquim Cardoao do Saotos, Thomsz Teno-
rio d'Albuiuerque Vill.-nor., Vicente Ferreira
da Craz, M.noel Feitoaa da Silva, padre Minoel
Emigdo d'Oliveira. Miguel Reinaaxo Dusrte, e
Francisco Pereira de Carralbo, a qae allade o
ea citado officio pelos servigos prestados em bem
da namanidsde naquellas localidades.
Dito ao inspector ds esude publics. Msnde
Vmc. preparar com urgencia e entregar ao cir-
rugiao militar Francisco Alvares Gulmaraes que
ral errir 00 presidio de Fernando, onde ba re-
celo do apparecimento do cholera morbus, 01 me-
dlcaneotoi .onstaates di relajo i
sapplente
Lio.
. Suplentes
i Msooel Josquim Anlune. Correia.
3 Francisco Xavier Cmeiro da Cuoha Miranda.
4 Mmoel Fraoci.co, de CarralhoPas.de An-
drade.
5 Andr de Hollanda Cavalcante.
6* Joo Csvalcaote de Albaquerque Lins.
Dita.O presidente da provincia tendo em vis-
U o que requereu o thesoureiro das loteras An-
tonio Jos Rodrigues de Souza, rasolre nos ter-
mos da informarlo da ihascuraria proviocial da-
tada de hontem e sob o. 390 cooceder-lhe seis
mezes de licenca para ir s Europa com a condi-
co porm de ser durante a saa ausencia kubati-
luido por seu irmao Joa Rodrigoea de Souza, que
dever ser'ir com aflanca prestada pelo euppli-
caote e sob a respoosabilidade deste, observando
alem disto os regulamentos e ordene em vigor e
satisfazendo as exigencias da meama tbesouraria.
Expediente do secretario do
goveroo.
Offlcio ao chefe de polica.S. Exc. o Sr. pre-
sidenta da provincia manda remoller a V. S. os
boletiBs ns. 28. 29, e 30 do expedieote do gover-
oo imperial oos mezas de novembro, dezembro
e Janeiro ultimo Iguaes a todos os juizes do di-
reilo meaos os ds Goianna, Brejo e Giranhuns.
Dito .0 commandante das armas.u Ezm. Sr.
presidente da provincia, mandando sstisfazer por
despacho de hoja o pedido de batneos pesoa e
medidas para o rancho do 7" batalho de inania-
rla assim o manda commaoicar a V. S. em res-
posta ao seu offlelo dd 8 do correte sob n. 1333.
D es pac no sd o din .V ue/tf/rr. -
J iWTusrimntoa.
Antonio Noberto de Souza Lealdade.Nao tem
lugar.
Francisco Verisaimo Bardeira.Informe o Sr.
director geral da instruc;o publica.
Joto Aotonio o'Oiiveua.Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Joaquim Coelho deS.nt Anoa.Informe oSr.
Dr. chefe polica.
Joo Francisco do Reg Maia.Informe o Sr.
ioaoector da theioararia provincial.
Joao de Castro d'Oliveira Gnimare..Informe
o Sr. inspector ds thesouraria de fasends.
Sabatuo Antonio de Alboquerque e Mello.__
Informe o Sr. director gersl da ioslrncco pu-
blics.
EXTERIOR.
se sebs diridido em nlo manos de 24 litlos. A-
pesar disso lado a esmara dos depatados est
abarla, e teremos vivas discusses ceres do er-
cameoto, porqae alia insiste sobretodo ea ceo-
sidersreis rsdacedes no orcameoto militar:
A presente situaco nao deixa de sar favor.vel
para o dessnvolvimsoto dos direites constitaeio-
oaes, porque estando a cmara dos diputados se-
gura do sea apoio morsl, ella nao se deixar des-
enea minnar naa seas sccoas por qu.esquer consi -
deracoea, ao meamo lempo qae o mioisterio cor-
to de toda a (alta de apoito moral oa opioio pu
blica, so se aeha em estado de alimentar a saa
existencia por meio de concessoes rontade do
povo.
Tambera nao neohuma questo de urna esta-
bilidad e aegurada do ministerio. Depois de ha-
ver o mesmo encontrado com grande trakalho um
ministro do commercio para o seu complemento,
elle est agora procurando um novo presidente
em lugar do principe de Hobenlohe, o qual da
sua licenca nao roltar para o seu posto de mi-
nistro. As negociarles essa respelto com o Sr.
de Bismark nao leraram a oenbem flm.
Do meamo modo aa tratoa sem resaltado qaal-
quer com oantigo ministro dos eslraogeiros o Sr.
da SchlelniU.
Em todo o easo nao ae encontrar fscilmente
um presidente, sem modificaco do resto do mi-
nisterio, e essa modificaco, bem qae depois do
eocerramonto da presente sesso do verso, psssa
por indubitavel.
Quanto aoa negocios da Hesse Eleitoral poaco
de novo he a dizer.
Como os nosaosleltoressabem, o principe Elei-
toral se declsrou prompto a aatisfaxer a resolu-
to ds dieta de 24 de maio, e aceitn a demisso
do sea ministerio, debaixo da coodico que o mes-
mo continussse a direecAo dos negocios at a for-
macao de um novo ministerio. Esse novo minis-
terio, porm, anda nao entrou em vida at esta
hora.
E' rerdade qae o sjudaote general do principe,
o general de Lossberg, reeebeu e aceitou a ordam
para formar um novo gabinete, e tambem i apre-
sentou ella urna lista de mioistros, na qual figu-
ram o Sr. Wigsod como ministro do interior, o
Sr. Guschlsg para si finan?as. o Sr. Bischofshsu-
sen para os negocios eslrsogairosf o Sr. do Loss-
berg para a guerra, e o Sr. Wageoer para a jasti-
Qa, cuja lisia foi em geral bem acolhida, porque
todas a. pes.oa. citada., bem qae em maior par-
te muito conservadoras, com tudo perlincem ao
partido do direito.
Maa assim flcoa o negocio, e de balde espere a
approvacao do dito mioisterio, aaaim como do sea
programas.
A culpa dave aer principalmente attrlbuida se-
gundo psreca, disaenco que altimamente se
mostra sempre miis clara entre a Pruasia e a
Austria, na questo hessisns. Se ambos fossem
de accordo o principe Eleitoral cederia logo. A
Austria, porm, nao querem Cassel um ministe-
rio dedicado influencia prusslana, e anima o
principe Eleitoral para resistir presso que con-
Uafjja, da. tro jsaiaria rewAYuV fronteira
lase.
)urante |
incfort 1
l'portancl,
M, antij
lugr"
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Hamborgo *l de junno.
No dia 6 do correte a cmara dos depatados
prussiana coocluio a discuiso do endereco. Fot
adoptado por 2l9.rotos contrs 101, o projecto pri-
mitivo de que fallamos na nossa ultima, com duas
emendas tmportaotae, urna doSr.de Sybel rela-
tiva questo Heaslana, e a oatra do Sr. de Bres-
gen ceres do deseovolvimeoto da conslituico
no seotido da autonoma das communss e dos
cercos, e nomeadamente d'uma melhor adminis-
tracio flnaoceirs.
No da segaiote, 7, o presidente ds cmara dos
deputados, o Sr. de Grabow, receben demanha
cedo a commuoicaco qua el-rel receberia s 6
horas da tarde a depatagao do endereco. Esas
depatagose componha do presidente'de Grabow
e de 30 siembros tirados sorte.
A recepcao nao foi muito afiavel. Eotrando na
sala derecepcao el-rei responden em urna ligelra
ioclnagao da cabe;a s respeitosss reverencias
dos deputsdos, e emqaantoqueo presidente Gra-
bow, dspols de hever pedido liceo ja, dea leltura
do eodereco, el-rei mostroa repetidamente por
seus gestos a sua discordancia.
Finds a leitura, el-rei, cojo (adose acharara
o Sr. von der Heydt, e o marechal da corte, conde
de Piickler, lea a segninte reapo.li :
c Accolho com go.to a. aeguranca. de fldeli-
dade e de leal dedica^o que acabam de me aer
exprimida. Declarando de novo que me colloco
invariavelmente .obre o terreno da eonstitalco
loM?" e do Ble" ProraDDB" novembro de
1858, e que me acho a esse respeito em pleno
accordo com o mea ministerio, screeceotarei que
espero firmemente de ver realissr por actos os
sentimenlos que me maoifestsstes. Ecomo citas-
tes ama (*) passagem do mea programma de
1858, queris flear delta peoelrados linh. por li-
oha, porque eolio coahecereia bem o. meu. .co-
lmenlo..
Depoi. de hsrer pronunciado essis palanas,
el-rei saudon de novo, inclinando a cabaos, ess-
hio da salla da audiencia, sem se fazer apreseolar,
como de costme, os membros da deputacao.
Essa recepeo nataralmente nao poda deixar de
cansar grande sensseo. Ao resto nioguem es-
perara um resaltado immediato do eodereco oa
da diseusao qae preceden sos adopeo.
0 efleito das latas parlamentares essencial-
raente lento oa Allemanba. Maa nao ae tinhs es-
perado urna forma to aspara e a frieza da recep-
eo da depulaco do eodereco, nao contribuir
para tornar a msioria maia concillante e maia
msllearel.
Entretanto nao ae dere esquacer qae o miois-
terio de fado se decidlo a sstisfazer largamente ss
exigencias da representaco nacional. J seapre*
sentar.m o. orcameoto. par. 1862 e 1863, e de-
ve-se dizer que os mesmos ae acham especializa-
dos de urna m.neira qae corre.poode o mais com-
pletamente pos.ivel a toda. .. reclamares da
propo.t. de Hagen.
Com o maior inlerease ae esperara pela' espe-
eialisacao do orcameoto do mlniaterio da gu.rrs,
e pde-ae dizer que o meamo excedeu esse res-
peito todaa aa esperances.
Em lugar dos amigos 13 ltalos desse orcamen-
to, se eocontra agora aeasents e tantos, e um
anlco Ululo qua englobivs 31 milhee de Iba lera,
as de pentecostes leve lugejr em
o Meno ama assembla desasis
Reuoirsm-se all ana trila depuV
stuaes, da Prussia, Bivisra, Wr-
lerjj^su-a^ra, Hesse, Naeeaa, Henover, Thu-
rioga, Bremen e Mecklembargo para tratar acer-
ca, de reunios regulares de depatados liberae.de
toda a parte da Allemanha, para discutir o. ne-
gocio, commun. da Allemanha. Assisliram em
maior parte ss notabilidades reconhecidas do par-
tido liberal. Prevslecea neisi essembls di-
recto do Nacional Vtrein, ma. tambem ae achou
representada a direco oppo.l. ao meamo, o as-
sim chamado partido grande-allemo, o qual
requera coostitaico de ama Allemanha reunida,
mclaindo a Aaitra-allema, e .6 admittlria no
ultimo caso como um mal ioevitarel ama Alle-
manha sem a me.ma, e debaixo da hegemona
prussiana. Depois de longas discusses a assem-
bla flcou de accordo de convocar em brere os
depatados liberaos de toda a parte da Allemanha,
e expresamente tambem da Austria allams, no-
meando psra execucao deasa resolueo urna com-
miaso composta de 13 membros cujo numero de-
ve ser elevado at 40. A commisso em coose-
qaencis disso j convidou dous dos msis impor-
tantes membros do parlamento de Vienns, osSrs.
Rechbsner e Priog para entrar na commisso.
Segando se dix a primeira reanio ter lagar em
agosto prximo, ficaodo desss msneira creado em
orgo. cuja influencia na (alta d'um parlamento
allemo, nao deixar de aer de importancia para
bem da anidado allema. Nao se sabe ae o. aus-
tracos aceitaro o convite. A ira prensa aa.tria-
ca al agora ao meno. nao ae mostra muito aa-
ttsfeita com os resultados ds diU sssembls em
Francfort. Ella recis a preponderancia da dir-
cao do Naciooal Vereio, e qae assim se crearis
um oovoorgao contras direceo grande-a lie raa.
Do outro lado evidente, que ae os austracos se
abeterem esss preponderancia se tornar anda
maior. .
A segunda cmara da dieta do reino da Sixo-
nia, convocada para deliberar o tratado de com-
mercio Allemao-francs, concluio no di. 16 do
correte a ana discussso que darou tres dlss, e
epprovoa o mesmo Irstsdo qassi unnimemente.
A Saxonia desss maneira o primeiro estado, no
qoal a representarlo do paiz se pronuncio acer-
ca do tratado. Espera-se qae naa proximaa se-
manas seguiro aa cmaras prussiana e hdense.
Nos 00tros estado. d'AUemaoha anda nao ae tal-
la do tratado, entretanto ae aaserera de Berln,
qae estio crescendo as esperances da sua final
ralifleaco geral.
Na Aaslria, o Reiebsrath foi adiado por siguas
- em consequeacia das fastas de pentecoste.
coofMclo* entre ga.roico turca da fortaleza, e
a Popuiacao serrians e as antoridadee da eidade.
No da 15 do corrente bouveram noros cooflictos,
m cuja oeeaaio ura moco serviaao foi morto
pelas praeasd'am eorpo de guarda turco. O com-
bata quedisao reeultoofoi sanguinolento e darou
t manbsa seguate. Foram demolidas diver-
sas portas, e s depois de mediaco doa coosu-
1* ,eDg*ca ioterveo;lo das autoridades
semanas, (olpossivel restsbelecer provisorlsmen-
te s tr.nqatllidade. O. torco, se retiraram para
a fortaleza. Acerca dos acontecimento. qae de-
poia liveram lugar dentro do. maro, da mesma,
*Umo' 'ecimeoios positivos. Segaado
ae diz teve lugar orna aedico das tropas tarcas
contra o pacn commandante, recusando o mes-
mo de ceder ae exigencia das mesmaa de ae Tin-
garen da popaUco servan*.
Na noute d da 16 para o dia 17, a fortaleza
comeos de repente a bombardear a eidade. Ao
meio da do dia 17 cessou o bombarieameolo,
que ao re.tar nao tinha causado gr.ode prejoizo.
No raesmo da chegoo em Belgrado o principe da
Servia que liaba ealado .asente em ame visgem
d inspecco militar. liso sao as ultimas noticiaa
que caueam em toda a parte a mais rivs seosaco,
e parecam querer comecar ama ora pha.e da
que.tao oriental.
Londres, sa de junho de 186 8.
Pela mala fraoceza de Bordeo, vioda do Bra-
sil em l dojeorreote, temos aqu noticias do Rio
de Jaoeoro at 25 de maio prximo passado.
Ojornaea de Loodres publicaran) logo a nol-
cia.da queda do mioisterio Caxias, aonunciado
que uso Uvera lugar em consequencia de urna
manobra parlamentar dirigida pelos Srs. Oltoni
e Zacharias de Goes Vaaconcellos, e em virlu-
de da qual o mioisterio decahido fora censurado
pela maoria de um voto por oecasio da rispos-
ta a falla do throno.
Pablicaram igualmente qae harendo o ministe-
rio Leixlaj pedido a S. M. o Imperador a disso-
lucao da cmara, resolvea este augusto seohor
dar a demiaio a essa administrarlo, encarre-
gando o chefe do partido conservsdor na cma-
ra dos deputados da formaco de um novo mi-
nisterio.
A or6,i{<> da actual admioatracobrasilei-
ra, formada de individuos perteocentes sos dous
grandes partidos naciooaesconservador e libe-
ral,nao|enconlrou oa impreoss inglesa o acolhi-
"'Vlf?!'1 que MrU P"deejar. Alogla-
lerra habituada a governar-ae em circumalaocias
normaos por um dos seas partidos exterores.whig
oa lory.nao poderia aimpatiaarcom um ministerio
que leva em si o germen de sus destruic.o. Foi
assim qae logo algumas folhas disseram qae
? 1 V pre,enle mioisterio brasileiro ums no-
tavel dideranca de opioio eotre o actual minis-
tro da (azeoda e o da marinha a respeito da
qaestao bsnearia.
Nenhum jornsl, entretanto, ceosurou nem le-
vemente o modo por que em taes circumslaocias
. m a i- nAnj. exerceu a ana prerogativa,
COi
no oa
por
diai
() Eiss pisssgem dula : 0 mando dere ss-
ber que a Prussia est eempre piompt para pro-
"^r o direito.
tni9 aeguoda-feira paasada as essei se
schim reabertas. Antes do sea diamento o par-
lamento tinha approvado ama proposls do minis-
tro das financaa de emittir ama aomma de 83 mi-
Ihoes dos bilhetes d'emprestimo, empenhadoa no
bsneo no anno de 1860. para cobrir o dficit cr-
reme. A approvacao imperial nao deixon espe-
rar, e do meamo modo o banco conaentio, e des
de maitos aonos a emisso dos bilhetes de 1860
a primeira operaco fiaioceira que suciedeu
bem. Nao smeote se scbsrsm ataigoadoi em
poueos dias os 83 milhes pedidos, mas aa aubs-
cnpoei j excedsrim nolsvelmente lomma re-
querida.
Depois da reabertara das tuas eessdes a cma-
ra dos deputados do Reiebsrath se oecapou com
a discasso do orcameoto militar, e aa sus ses-
so do dia 18, ella approvou o meamo na im-
portancia de 135 milhes de florn de 1862. Quin-
to a Haogria, a ettiaco sempre s mesma, e
ame tentatlra qae o goveroo acaba de fazer, pa-
ra formar um partido governamentat falhou com-
pletamente. Como concessoes o governo tinha
offereddo o recoohecimenlo das |i.de 1848 e a
convocarlo de ume dieta aob base das mesmas,
fazendo por contra a cendico, que e dieta dere-
ria immedialamente rerer essas leis, e spprovar
as p/opostss da governo de ama reuoio dos ne-
gocios fiosneeiros e militares da Hungra aos ds
Austris. Sob base desse programma se devis
formar um partido, e garantir o aucceaso dos pis-
os do goveroo di diets. Nao se encontraran)
porm os elementos para am semelhsnte pulido
e o governo ee est sgors dsndo todo o trsbalho
para fazer crer qae os respeetivoe estorbos nao se
fizeram do seu lado. Em eonsaquencia ssris pos-
slvel a retirada do sea posto do conde Palffy, ae
tu al goreraader da Mu agria, o principal autor
dessa agttaco.
Grande aeassco tem dundo as ultimas oc-
carreneiai em Belgndo Servia. J desde al-
gama, lemans all tiobtm tido logar. dlfTirentej
ulvo modo nao poda aer, visto
.* .!i r-voii buaaar o gover-
t parlarneuiar, emuo.a ft.<~." ^u
-a urna maiotia de momelo. A
"f", ^ oral, porm,*-. respeito da duraco
do 'ac.afmloiaterio proaidido pelo Sr. Zachariaa
e qoenaogovernar o palz por muito tempo,
pois Ibe (aira o apoio sincero at daquellea qae
com elle concorrer.m para queda da admima-
tr.so Csixi.s. Assim puis aqai gerslmente
esperada a noticia de urna nova mudanza mina-
terial no Bra.il, sem que todava teohsm osjor-
nses indicado probabilidade em (avor deste ou
daquelle lado da camera.
A relaco actual do. ministros, segundo foi
aqu publicada, a aeguinte :
Presidente do conselho e ministro do imperio,
Zacharias de Goea e Vasconcellos; marioha, Jo-
a Bonifacio de Aodrade ; fazeoda. Das de Car-
valho ; estrangeiros, Carneiro de Campos; jus-
tgs, Furtado; guerra, baro de Porto-Ale-
l6 ?,obra Publie. commercio e iodastria,
oa e Albuquerque.
Seguir pelo paquete de Southamplon de 9 do
prximo mez o Sr. Thomsz Jones Teoneot, en-
carregado pela direstoria do noro banco bra-
siloiro inglez de ir ao Rio de Janeiro organiaar
esta nova emprezs.
Havia eu dito que a pesso incumbida dessa
tarefa seria o Sr. Frederico Youle ; maa por cir-
cumsianeas sapervenientes nao poda eala indi-
viduo alias muito competente a toa os respei-
tos aceitar a commisso qua posteriormeote
joofl'da ee Sr. Teonent. Este Sr. ser acom-
panbado de mais tres qae formario o pessosl da
directora no Rio de Janeiro.
As acedes dests nova emprezs scham-se neste
mercado com o premio de 6 1|2 por arelo : as
operacoss bincariae dests nova iostitaico co-
mecaro provsreimente no decurso de trss me-
zes logo depois da orgaoisaclo no Brasil da com-
psnhis.
Contlnusm a descoolo oesta prses as ac-
coes da estrada de ferro do Recife, sodo a sus
ullims eolselo deje?41|2 a St 31i2 abaixo do
per. Ae da Baha e de S. Paulo, porm, ae a-
cham com o seguinte premio ; ai primeiras com
? l e" ,e6ndas com o S 5i8s
Oalgodo de Pernimbuco flea a 12 d. 3i4 e 14
d. por libra ; oda Bihia a 12 d. Il4 :e O de Ma-
ranhao a 12 d. 3,4. Cacao a 5264 s. per cwt;
caf primeira qualidade 6884 s.; segunda 60
Z ordnar'o 5259 s. per cwt. Po-
Brasil7a s. por tonelada. Alinear de Pemara-
naco o da P.rshibs, branco 2429,s.iper cwt ;
m!"T, <7-21 s. 6 d. E coaros s>lgsdos5
d. 1|2 a 7 d. ; seceos 8 d. a 8 d. 1|2; e seceos
salgados 5 1(2 d. a 7 d. por libra.
Os coosolidados ioglazes 3 por cento Qcam s
a n 1[8. Os brasileiros 5 por cento a 101 ; os
* 1(2 por eeoto brasileiros a 91 li2 e 92. Itelia-
o AP.rc,rt0 7a I ; 3 por cento mexicanos
27 3|* J i 5 por cento ressos 93 I18: 3 por cen-
to haspaohoes 54 7|8 55 ; 3 por cento portugoe-
ie,*o,|!,.J 6 ,rco 6 M ('854J83.
Do Brasil chegaram a Inglaterra ns ultima
quiazena os segantes navio :
De Pernimbaco cXaotar (8) a Falmoulh ; da
PareajeneJemee Hall (8) aGreenoch ; da Ba-
n*. n Rolution (10) e Fslmouth :
do Rio Grande Rio Grande (10) a Falmouth ;
da Parahiba cAarora (13) a Falmouth ; da Per-
nambaio Coiter (12 a Falmouth ; da Parahiba
cGIacas (13 a Liverpool; de Pernambuco Pri-
nz Regenta (13) a Falmouth ; da Parahiba cHeo-
ry Cierna (13 a liverpool ; de Macei cRhondo
(tJ e ueeostown ; ds Bsbis Toroea (13) a
Falmouth ; do Rio Grande Aona 14 a Briatol:
de Macei Albinias (20) a Liverpool; de Per-
nambuco P.Mlnde (20) a Lirerpool: e dePer-
oambuco Tritn (20) a Falmouth.
Da Ioglaterra para diversos portos do Brssii
seatairam no mesmo decarso os segainles:
De Liverpool Til-bit ^8); para o Para ; de
Liverpool Falcon (12) para o Ciar : de Llver-
S?0?*?"!'*" K6"nie (18) para a Bihis ; e de
Wallerford (Irlanda) Bsnshee (16) para o Rio
Grsod.
Depios qae escrevl a miaba ultima carta re-
gressou a este reino de sus visgem no eslrsn-
geiro sea alteza real o principe de Gallea, ba-
vendo-se demorado algara tempo em Perl, com
o Imperador Napoleio.
Sueellezareal chegou a tempo para sssislir no
dis i" do pioximo julho ao casamento de sus sa.
gasta Armas, a princesa Alice, com o principe
Lulx ae xteess. Esse ceremonia ter lagar em -
iborae, P.epj]f parti ninas ce toda l lid o
a familia resl, havando deixado o castalio de
Windior no dis 20 do corrente.
Sus magestade a raioha vsijsapportando a gran-
de dor qae a aBige com urna reiigoaco admira-
vel, nao derzaodo de pootualmeote cumprir es
deveres do Estado que Ihe incumbem Agora
para maia exarcebar a aua dor, tem a raioha ti-
do de lamentar a grave enfermidade de eu au-
guilo to o re Leopoldo da Blgica que com
quanto ae ache presentemente com ntame me-
Ihoraa nao eat todava ai o 1a convalescente dos
ataque, de pedra e de pulmona que o trveram
oestes ultimo, tempo. bem prximo da sepultu-
ra. A idede avancada do Ilustre paciente dei-
xa tambem recelar pela sus vida, to precioaa
em geral e especialmente a rainha de quera aua
magestade belga tem constantemente sido o Ges-
tor. Deas queira eooaervar por maitos aooos
a vida de to prestimoao principe, qae ba j
tanto tempo tem preatado a Blgica e a Europa,
valiosisimoaervicoi. O duque de Brabante a
cha-ae de volta aBruxellas, em companbia do
llustre enfermo.
Fallecen esta capital no dia 17 do correle
lord Canoiog, ex-viee rei da Iodia, e que ba ape-
nas um mez bsviatregreaaado de Calcuta,havendo
entregue o rice-reinado a lord Elgio. O Ilus-
tre descendente do grande ministro George Csn-
nmg suecumbio ns idade de 50 annoa as conse-
cuencias da moleatia que ad|aerira oa clima da
India, oode reaidio por maia de seis anoos. Seus
ralerantea servicos, prestados oa alta adminis-
traco do paiz e especialmente no governo da
Iodia havando sido elle quem por sua aabedori
conseguio vencer a rcente rebellio cipaya que
ameacou de separaco aquella importante psrte
da mon.rchi. iogleza, foram recompensados dios
antea da sea morle pela coocesso da ordem da
Jarreteira com o qae o coodecorou sua magesta-
de a rainha.
A Inglaterra chora a perda desse seu grande
homem de Estado, j pelos servicos que lhe ha-
via elle prestado, j peloa que lhe poderia ainda
prestar, altalos os conhecimentos especiaea de
lord Cannang na administraco da India In-
glesa.
O restos mortaes de John Cherles, Io conde
e 1 visconde de CanDng, foram depositados no
dia 20 do correte na abbadia de Wealmlnater
ao lado das ciozes do seo llustre progenitor o fa-
moso ministro George Caoning.
as cmaras ingleses nada tem occorrido de
importante depois da mioha ultima missivs. Ape-
ase lord Russell, teodo sido iolerpellado acerca
do estado de relec.dee da Ioglaterra com a Franca
posteriormeote approvacao da coaveocAo de So-
ledad celebrada entre a Ioglaterra o preaideote
Jurez, declama qae o gabinete britanoico em
nada fallara a lealdade devida ao sea slliado ;
porquaoto pela convenci de Londrea nao s js-
mais era a Ioglaterra obrigada a contribuir com
tropsi de desembarque, como tambem lhe era li-
vre terminara aua aeco logo que bouvesse con-
seguido o flm a que se propozrs na.mesma con-
vencao.
Assim, pois, declsrou o conde de Russell, nln-
guem poderis sccassr s Gra-Bretanha da haver
alraigoado a allian;a por haver-se retirado do
iorlx'co dePoil de ler conseguido a reparscao que
.o.ABJ?C8rJ Mn> """" ""Jliri rtiMI P t-
veroo ornaiiflico, em coi etr^e/
reserva. 1W^*A*
A pesar, porm, desss declratelo offlcial a im-
preaao geral aqai acerca dessa emergencia qua
ai relacoea polticas entre, este gabinete e o de
Pars tem consideravelmenAe arrefecido pelo mo-
do interesseiro com que o ''governo brilsnnico tem
procedido ns questo m^xicins sem consallar as
conveniencias da s-%Wca.
A verdade qae a Franca se acha boje muito
embarazada cofa a expedico do Mxico, que Ibe
vai sendo muiyo desastrosa, j pela perda de mul-
la geote em cdioseqaencis da epidemia, j pela
recente derrota que soffrersm is sais forcu jau-
to do Mxico,'e tambera pelas extraordinarias des-
peras em qup esta iocorrendo por virlude di-
qaelli exped5?ao
Ora, tudo isto far por certo m rootade da
parte do imperador para com a Ioglaterra, pois
que se esta houvesse seguido s Franca at final a
teria lirrdo de alguna embarazos serios : o sim-
ples epo,o moral da Ioglaterra teria concorrido
para facilitar Franja o con.eguimento de sius
ns.
Disto nao se inflr., porm, que .. relacdes en-
lrosous mencionados gabinetes estejam amea-
?,df!te rnD,nra> quando certo que ambos re-
nh/tera a necessidade de manterem illea
enga que cimentaram om a guerra do
guerra
im1 da questo mexicana tratou-se no para-
lo britannico da prov.vel mediaco da logia
I e da Frange no. negocio, da oio Ameri-
u eese respeito o coode de RusseUexpli-
.se de modo s esclarecer asssz a opioio pa-
acerca do qae pretende fazer o gabinete in-
naquelle sentido.
opioio desse ministro a oecasio por em-
olo oopportoneparasquelle flm, e nem exis-
ccordo algum entre a Ioglaterra e a Fringa
rea deiemeihante mediago. Pode comtudo
ceber-se que em principio a Ioglaterra reco-
ece a necessidade de mediar naquella questo,
receodo que quaoto esss necessidade ae acha
^combioagao com o gabinete das Tulheria*.
Airaa-bretanha com terror a cootinuaco
da luWercida nos EsUdos-Uoidos, porquaoto
della lhe restJ.vA.maior mal, se como certo a
importago do .IgodaXdos Estados-Unidos for es-
cassea odo. *" *"
A Inglaterra tem bascado remediar esse incon-
veniente recorrendo Indis, que em'erdade pro-
cura abastecer o mercado ioglez com aeftaila ma-
teria prima ; ma. poder easa poasesso fritan-
nica conseguir o seu flm ? E' tristemente pe li-
gativa que pode ser respoodida esta questo, vis
lo como nao s a cultura desse artigo na Iodia
anda muito diminuta, como tambem porque ca-
rece ella de capitaes para desenvolver esse ramo
de agricultura, embora actualmente se esteja for-
mando aqu am banco agrario com o fim de re-
mediar esse mal.
Assim, pois, o goveroo ioglez tem am ioteresse
inmediato era ver fioda a triate lula que eat
despedagando a grande obra.do immortal Was-
hington. Manscircamstancias nao Ibe parecem
por em quanto farorirels, risto que os ponidos
all ae conservara ainda em um estado de encar-
nlgamento iodlsiv.l. Qoalqaer medisco .eria
por coo.egainte mal receblda, porqae elle, a
olheriam provavelmeote como teodente a favore-
cer o adversario im repsrarem na imparcialida-
de do expediente.
A Franca comeca advogar pela impreosa a Idea
da mediaco; e em taea eircumstaocias nao me
admirar que venha ella a resllsar-so logo qae
ama opportuoidede se aprsente.
As noticia de Vera-Cruz caegim al 20 de
msio ultimo. As forgss do general Dousy tioham
deixado aquello ponto a marchas forgadaa para
aoccorrer e diviso de geueral Loreocez, que se
achara cercada pelaa forcaa de Saragosaa depoi
da batalha em que eesas tropee trances. foram
obrigadas a fazer urna retirada. A noticia deste
conlratemof lena- -prodjjxjdo, grav sensago em
I Frange, e o imperad acaba da de oumeroses rereos, que sa eleva a ute
e dous mil horneo.*.
O general Forey, babu t disacto offlcial, aca-
ba da aer nomeado oommDdante em chefe da
ezyedice. meaicaaa, e devert* seguir immeliata-
rnente peta aea deslino. ^^
O impender reeonhece de que
ra psra a aoa dyoastia um mi
armas francesas na expedlce
'-eU|urr msi itiai3P
sen principie ; e pois nao daixar de empenhar
iodos e eus recursos-para fazer triomphar asna
idea, oo restando a meoor duvidar deque o con-
egur atienta a lomma de recurso de qae di*-
p6e. '
O corp legislativo acaba de votar um crdito
extraordinario a favor da expedigo, e maito-
mai conceier aioda logo que para em flm for
requisitado pelo goreroo imperial.
A H8ipanracooeraf-aaeparad.da Franca an
qaestao mexicana-, havendo approvado a conven-
cao de Soledad e conaegviatemente retirado de>
Mexjco as auas tropas.
O general Prim acaba de aer nomeado pleni-
potenciario da Hespanha para negociar deftnitU
vamente o tratado com o atesieo.
Dos Estados- Lioidos temos folbas sl 12 do cor-
renta viodss 'pelo vapor Europa. O general Beau-
regard cooaervave se em Richmond disposto *
oppor-ae ao general Maclellao, que todava nao
tinha tacado ainda aqaelle ponto.
Havia ti lo lugar no Mis.iisipi, junto de Mem-
pbls, um combate naval entre oa beligerantes re-
sultando unja completa destruigndasfr pa-
vaei confederada! : as tropas fva-
caaram Memphis 00 dia 6 do cor* logo de
poia dests sccao.
No Teonesiee e no Kentuchy, porm, a. forcaa-
do1 sul (ioham obtido algumaa vaatagenaiobreoa
tederaes, sendo a mais notavel alcaagada em Sha--
nandoab Yalley pelo general Jackion contra Fre-
mont.
O espirito publico no Sal da oiao continuara
na maior excitco contra o norte, devldo prin-
cipalmente ao despotismo com qae as autorida-
des militares da federacao estso tratando as po-
oagoes conquistidai. Esse expedieate tem con-
tribuido immsoiamente para exarcebar os odio*,
de modo que se torna cada vez mais impraticavel
a recoostrueeao da grande familia americana ol>
o p em que s formara o libertador Wasbiogton.
No parlamento italiano foi largamente discu-
tida urna moca o do deputado Crisp, pediodo urna
commisso deioquerito acerca da toiarreico oa
movimeoto de Sarnico, na proviocla de Brascia.
O presidente dos ministros, Mr. Rstszzl, oppoz-
ie a esss medids declarando que ella implicara
urna censura ao governo, que tinha a cooscien-
cia de haver cumprido com patriotismo o sen
dever. Depois de am renhido combate, em que-
lomaram parte o autor da mogo, Mr. Ratazzi, o
general Bixio e outros, foi repellida aquella mtte-
gao, sendo approvada plenamente a politice se-
guida pelo governo nessa emergencia. O minis-
terio, porm, teve de apreaentar sanegao da c-
mara um projecto de lei, regulaodo d'um mudo
liberal o principio das associagea politiesa,
reiervaodo-ie (odevia o direito de aupprimir in-
da a associagao que tender a comprometiera
marcha do governo : varias peoas sao decretadas
nesae projecto contra os fautores de rebellidee
promovida sombra das associsgdes poltica*
com existencia legal.
Urna petico hsvia tido presentada ns esmara
electirs contra o bitpot italianos, que ae prn>
nunciaram ltimamente em Rom contra a or-
dem poltica existente na Italia. Neise documen-
to se peda qae sejim alies processadoa e punido*
P'-,-.a- tf8S ,e'' 8^n> aja um exemplo
"^!t 'a 'jbT*5?* qun--lam4uar em detri-
LVrVr"fV D""'CO por que M re**
rauda como acaba de ser propost.
mJEEt deo?008,"5o hostil por parte doa biii
K .juri,dcca0el?il e Poltica do rei Vic
Kmmaouel, leve lugar receotemente porocesa
rADrtOD"a?ao d0 B"7'w J'Ponezea, quaado
S?rf.dMM D,elaao reunidoi na eidade etera*
i? ,0 psD, "ID8 pre.entagio em favor do
poder temporal, que lodoa consideraram sena
*u u!i poo,lfi"0o. o menos de importan.,
ca ndispensavel psra o livre exercicio da^aalorf-
um iV0,l01llcs Pontificia. As foihss ds Europa
tem j publicado ene doenmeoto, que se resn-
me no eeotido que .cima indique!.
u marquez de Lavallete e o conde de Monla-
cello. o rnm.iro embaixador fraocaz. e o aegun-
nrf B,,B,f,d,n,a ea hee d0 ercil0 de *-
piCao em Boma, haviam ebegado a seu postoa :
un. ?M0* porlD er* n,"mo D mrb* -
mica do governo pontificio, com quanto algumas
lomsi pretendan que a nova era da poltica fraa-
ceia em relagao questo humn,a 10 maotfesU-
F rendaeo"!?1* Pe'" ,dhd" de Ro,n, d,x^
No reloo de aplas a insurreico parece ago-
ra tocar o aeu termo, desde qae as torcas france-
mLSSt,ct,on.,d, D* f'onteira noartHWl-lejrdr"
il.1 u.dH eo^8i* JHTrp7e.Mo d.sl5er7
"lo sshiam pars 8S/proiocias n.politan.a ; a
agora qae o coode de Ifootebello lera instrucedet
para vigiar mus de peno toda frooteira poo'tifl-
o n.M?.ae l4l0' oenh"m darida reta de que
u.iu?i ?"rbon te' Eu T," tomo *' aPl0' tere nn
!S i 90m qae *>l>d P1m Morida-
dei do papa.
l*. di',8 lo torrente Uvera lagar em Roma a
grande aolemoidade da caoonisaco do martyraa
d-P2 m"# qu!.' M"l>ni 22 cardeaes. e mal*
L-1 "P01' Ne,M occaaio saa aentldade pro-
naneiou, como de coatume, urna aliocago, ree-
-1 80' u!c08 polticos ds Italia, que
condemoou como atteotatorios ds liberdade e ieia
,.?ja ""! *mt Petizo do que em cir-
cumstaocias anloga tem o pontfice romano di-
to contra o movimenlo poltico italifnoS
vi cardeaes e bispos estrangeiroe que Vvlam
at es" fut' comecvm a retirar- da
cidsde eterna, havendo todava prnatado previa- *.
mete obedieocia s doutrinas prolessadas pelo
pontfice romano em relaco quest-o do poder
temporal pontificio. A represeaUco dirigida por
estes e outro. prelados/ sos atildado ama
pova desss assergo. j'em que toda vis dera r-
ceiaise para o g*oj*erno italiananovos emaara-
C<>a am viriuae oeste altimo recurs que contra
elle acaba de adoptar a corte de Soma.
.
Lisboa *8 ele jambo.
Contina abarla e com grande fervor a aol
cripco para o. asyloi d. crsogas deevsiida*
que ficaram depola de aabida para a Franga da
irmas da earidade. Beoecios sobre beneficio*,.,
donativos sobre donativos, corridas, tourdaa,.
entbosiaimo, emflm, a moda, e al no exerd
co das virtades este agente civilissdor capri-
choso. O abandono poaco louvavel em que esteat
innocentes fonm deixado pela aristocracia qo
Ihea da va protecgo em quanto ofazia peUamioa.
daa Alnas de S. Vicente de Paula, despertara
bro no partido liberal maia araocado, e alea-
ran) eala fogueira de philanlropia a cujo breada
calo* ae aquentam oe arphosiohos, que lasa fi-
caodo sem auxilio am mnsdamio d **Milo.
SS. MM. el-rei o Sr. m 1 *z e seu augusto pal
el rei o Sr. D. Fernando tambem concorreram
com urna boa aomma de coatoa de ria em ios-.
cripges para este piedoso cofre. A subscripgc,
montara nontem seguste quantia :
Inacripcee. 46 05OJ00O
Ttulos de divida. 189*900
Metal .... 5:t44860
Rs. 51:384*760
nontira
iporlantia se-
Na segunda feir' 3a do correla, lerao encer-
radas a corte geraes ordiniriii, pessoalmenta
pele augusto chefe o esUdo. O programma raa-
pectivo ja foi publrcado aa folba offlcial. Tiohan
sido prorogadss t esse da.
Dsram-e no dia 25 deate mes, pelan4
. nVTurln <> e Li,D0* osetiptaraa
o caiimerjfe de S. M. el-rei t Portai e Sr,


DIARIO
D. Luiz Felippe [V com
Sanle, ttlha de alai
bm!. ffirma-se
ufo eco______
das pelH e*mrfS,Ugts8iivat
rin para o consorcio real e do-
ataba.
que se etpiltaea ano ceftette t
quem primeira eseolblda po o-
para com elle purtllrmr do ihrooo a alfei-
o de Portugal. Uailaa e mei dOseocntra
?potheses tomeram o lugapdte venante por
lente tempo.
/ Aquella aomma foi vetadte pelo parame*
/ alinda meamo antea de -public nomo iflr-ra?-
Sjtnw oniotte .'el-rei.
^"fcewaode partido liberal qoeria e desejava ar-
denlStBente ajan toase a lha do re d'Italia, por
igoicar ama alliao^e de principios, o vinculo
ndiaeoluvel deste piz, esteoeialmente liberal
tVi grande e respeitada potencia, caja po-
ten fortes sympathiss ni Europa livre. A
de Caroi Alberto, desse re infeliz que
briagal acolrifu no seu occaso, vira, pois, ser
bjeeto de viraa e popolarlssimas affeicoes aes-
a terfat.
Gorrera rariai versees obre o pensamiento po-
ltico do ajustado coesorcio do augusto irmo de
Pedro V cora a Alba de Vctor Em manual.
i-e a fdra promovido pela diplomacia iu-
tleze, de accdrdo com a eoltica daa Tutheriaa.
Oatroi ifflrmarn que a Hespanha nao v coas
nona olhoaeata alliaoga. Seja come Idr, o poro
*>riguez appiaade-t, el-fei rictoriedo cem
eothusissmo or.de quer qde apparece. O meamo
ceder Mura noia do joren monarcha. E
* bom saber que esta popalaridade nao com-
prada nem odicial, mas espontanea, sincera, 11-
Iba de coovieces. A imprecisa progressbts co
Decouhontem a diseursar Scerca da escoihs ma-
trimonial do soberano, apprevindo-a em come
da nar;2o.
Parece que o presidente do conselho de mi-
nistros, o Sr. marquez de Lour iP buscar
umeesa Mara Pa a Tarn. A ceremonia do
casamento, diz-fe que ser celebrado na a pa-
trlarchal. qae se anda restaurando. Em S. Vi-
cente, onde provisoriamente est a nao poda
er, pelas tristes recordares que tiaz aquelle
atgeiteso templo, junto ao qnal jaz o pautbeon
te asa de Braganja. Era S. Bomingoa foi o
casamento do infeliz irmo do soberano, e igual-
mente sudosas seriara as reminiscencias que
jjroduzina a celebrado desta solemoidade na-
tjaella igreja.
Poriagal, que foi um dos priaaeiros paizes que
o a recoohecer o novo reino de Italia,
. alltaoca-graflde alcance poli-
loencoe os destinos do paiz e d
felicidades ao re e sua augusta
.
tico. Dec.
rerdadeiras
Jaapoiada.
Contina
H
*

y
a fallar-te em grande (ornada, ou
fjomeajo de novos psres do reino. Parece
que acedera 40 e tantos! Como tire occa-
*io de lbe dizer, a oomeaedes sao cooditio-
nae*. Cada am dos notos comeados se obrigar
..a rotar, dii-se pela reforma daquella cmara.
Parece tambem que depois de encerradas as
cOrtet hatera modiflcigo ministerial, sahindo o
r. Gaspar Parelra da Silva, ministro dos nego-
sot da iuttica passaodo o Sr. Braancamp do
reiao para a justlgs ; eo'.rando o Sr. Jos Esle-
-io para o reino, e sendo novameote rtcooduzido
o Sr. Thlago Horta para as obras publicas.
O paiz eooitui tranquillo.
Mo da 17 do crrante foi assignado no minis-
terio das obras publicas o contrato celebrado
asntre e governo e a compsnhia nio Mercantil
para a oavegajao a vapor entre Lisboa e a ilhs
ala Ma leirs. A companbia de oavegaco L*j-
tanxa tambem concerrer, mil parece que nao
lbe convieram as condicoei do prograruma. No]
wamo da o Sr. marquez da Loul apretentou
a cmara o projecto de le que approva este
Contrato.
Por decreto de 10 do correte fot nomeada
orna commissao, que procedeodo 4 reviso do
regulamento de policia dos portos de 30 de agos-
to do 1839,e teodo em vlata toroa-Io mais prea-
ta,oie ao commercio e navegacao, e mais fcil
pora se accadir com promptos soccorros. em
qualquer caso de perigo nutico,e procaraodo
aa respectivas disposiges manler perfeito ic-
*6rdo com o regulamento de pilolagem de 30 de
aetembro, derta propor um novo systema de
.polica e vigilancia nos portos e costas do reino
Falls-se na orgaoisaco de um banco rural
em Traz-os-Montes, eujo estabeleciraento pro-
jecta o 9r. Jos Manoe! Ado Branco. Accres-
enta-se que esta companhia bancaria ter a sua
Mde em Villa-Beil, com caixas flliaei era todaa
n cmaras que se julgar converiniP Ssto te
ftjjtasando os estatuios.
Pf portarla de 12 do corfbv.ie fai manda-
abrir concurso para a coostrnecao por em-
tada do lauco d'estrada do Parto Povoa de
^im, comprebendido entre a ribeira de San-
Ioa e a Tl"* d'Azarara no comprimento da
*,z68 metros.
J-JJJ,''e da '="*5o ser o prego total de. .
Igualmente foram mandados por a concurso os
mus laucos da mesma estrada, comprebeodidas
entre o padrao da Legoa e ponte de Horeira.ei-
fP*1^' repsragao desta ponte no comprimeuto
5,295,50 metrose entre a ponte de Moreira
rtbeiro de Santello, no comprimento de
5,986.10 metros. A base da licilaco para o pri-
"irolano ser de 11800 ; para o segundo de
S.UtXIJ.
Novamente 6..maudaio por a cooeurso a cons-
t^cao, porempreitada, da seceo da estrsda de
.jwtga a Ponte de Lima compreneodida entre os
* Neiva e Trevelle, e bem assim das duas pon-
te sobre estes rios, edo ponteo sobre o ribeiro
Souto d'ei-rei.
JA licilaco para a qual servir de base a quao-
de 21:500$, verificir-se-ha nodia21deju-
ibo, perante o governador civil do dislricto de
".
f Os jornaes da ilha de S. Miguel dio a noti-
a 4e^-j esfarelB ssentes os carria de ferro na
bada que looduz os materiaes para a doca.
itrabalhos nao podiam ter maior imnalio.
Pela mesma forma protegoiam M obras do
oofo theatro. *
A junta correspondente em Barcelona da
MocisQo industrial portense, desejoia de
preatar todo o apoio ao deaenvolvimeoto das in-
striis peninsalares, reaolveu reunir-se em ses-
eao publica no dia 28 de jalbo de 1863 para ad-
judicar dinereotas productos de Portugal e Hes-
panha, que mais se recommendem pela sin per-
eico e meracimento.
Esta iesoluco um valioso estimulo, e um
novo tneio de promover a desentoluco e aper-
(eicoamento da riqueza industrial dos dous
reinos.
Eis os productos a qae serlo conferidos pre-
venios :
^Primeyo.O titulo de socio de mrito ao
refrtesnntaote e'.eito por qualquer associacao, ou
a qijjflquer particular que seja o primeiro a es-
tabelecer um tervigo regular de navios de va-
por ou de vela entre o porto de Barcelona e o
le Lisboa ou Porto.
Sflundo.-o titulo de socio de mrito, meda-
S* P"1* madaltia-Je Jrbnra ou menco ho-
aonnea ao representante e.tito por urna asaosi
5ao ou ao particular que baja .mpprlado a.VA
paaba as industrias que apresenTm ais resul-
tada em favor do paizdarante os cinco annos ul-
'"r0* .CDl*' o ** de Janeiro de 1857.
Tttctiro.Medalba de prata, de brome ou
menco honorifles ao representante eleito por
ffll associacao ou ao particular que remella
lia mais noticias, amostras de productos, ou
possa ser til ao objecto proposto pela
i com referencia Hespanba.
rto.A mesma distineco ao que facilitar
la corporaco msior somma de amostras
aducios e noticias iodustriaes agrcolas d
IgS!.
noMedalha de prata, de bronze, ou
cao honrosa ao productor de fiados, tecidos
estamparas de algodo procedentes de Hes-
* \,e que por 8Ba nHdade e importancia
ejsm dlguos^-- nremios.
Jhores tedo de la, segundo o se. merac?L.nto
SRSEme,B, duUncsi0" '-!?S
fcOn0;7!!,h,.4e ptaU' d9 br0DM e me>s5o
5do de S^"*10' "'Id0 IboreiK!
*.g?ex7e'^mX?UUDC5 PrdUCt0r POf-
^Hl^B^"0'1^^ P"1."" ou men-
aje noooriuce ao operario barcelonez qae facilite
'ws economas ou adiantamentos na sua res-
pectiva industria.
Duodcimo.Igual distineco so operario por-
iMnei oo meamo caso.
cao
inte-
e um Invento de reconbecida
. ara as Industrias.
As amostras de tecidos devem ler aa propor-
s ^dispensareis para podarem ser examinadas.
Devem ser todas as amostras eutregaei na se-
cretar** a jtala aamspflSBafawle asates de M de
dbzerasaw doaKlsrncasdo portare de direitos.
Coartado eatrsjsaatho ate juey os nornas dos
premtnatea seria* isasaartos atepeciedicos msto li-
des d Portuapf e asaaapaoate.
asacrtmsqwtsiawMesdiversoeav/los
i carga>^s fssssi ate carate*, taXqae eraaa pro -
legroteopela .' IMmueaaj ate FayaJltotawwco-
Ihidas ao asylo de Santa Catharioa. .
Por este motivo, aquella Ilustre bowfitora don
o aiylo a trullada eamola de 156900B rea em
dinheiro, 12 leitos de ferro, \t en verges. 12 col-
toes, 12 travesseiros, 12 cobertores de l, 12 de
algodo, e 6 frascos grandes com oleo ioglez do
ligados de bacalho.
Sua Exc.declarou mata que contribuirla men-
salmente para o asylo com a quantia de 48*000
res, tsto 576JOOO res por aono.
Este valioso subsidio represents o juro annnal
do deaanove coates e duzeules miljrels em ins-
CTipces.
Recebram se ne miolsterio da marinha noticias
oliciaea da provincia de Mozambique at data
de 9 de abril do correnta anno. Em todos os dis-
trictos da provincia havia aocego. A fragata D.
Ftrnando, ten Jo sabido do porto de Mosambique
com oeslino para Lisboa no dia 22 de fevereiro,
foi seossada por lo grande temporal ao aul das
ilhas de B tio, que desarvorou dos maatros grande e do tri-
quete, e eotrou arribado no mesmo porto no dia
25 de marco a reboque do vapor inglez Oreifsf.
Eis urna carta de um amigo a outro escripia a
bordo da fragata O. Fernando que leala cr-
euroalanciadsmente o desastre occorrido ;
Meu caro amigo.Sahimes de Goa oo dia 12
de Janeiro, chegamos a Mozambique no dia 11 de
fevereiro, d'oode partimos no dia 21, sm novl-
dade digna de reterir-se. Naregamoa pira Cuta*
d'Africa Occidental: quando chegamos latttude
38' 55'E, e em 19* 16'S. principiou a levaoUr-se
muito lempo e mar (diaa 5 e 6 de marco,) de sor-
te que no dia 8 reuni o commaodsnte o conseibo
de offlciaes e resolveu arribar a Mozambique, por
que o maatro grao le se acbava em muito mo
e*talo eo do traquete completamente podie e
toda a enxarcia real em pesaimo estado pela sua
m qualidade.
O tempo cootinaou rijo, e oo dia 9 as nove
horas e meia da manba ouviram-ae dous gran-
des estslos e logo em seguida am grande balaoco:
desadorarnos do mastro grande, qae cabio sobre
a borda, e quebrou por tres partes, levando com-
f'go o mastaro da gata, e deixabdo toda aequi-
pagem, como bem de suppor, por que nao sabia
se.elle faria algum grande rombo no casco,- im-
pedido por algum d'aquellea graodes mares Lau-
camos em seguida (ora aquelle hosoede, antes to
deiejado e agora to aborrecido. Um outro golpe
de mar nos arranca o mastro do traquete cora
todo o seu panno, levando comsigo o gurups, e
deixando nos completamente entregnee ao rigor
do vento dos mares. Para cumulo de desgraca,
cojnhecemos depois que o lome eslava quebrado:
sol nos fsltava fogo a bordo e algum rombo uo
casco para termos a certeza de tormos s6 algons
segundos de vida II Mas a Providencia ainda noa
liaba reservado para outra occaaio.
i Neste estado nos conservamos por ti es das,
at que oo dia 12 o tempo nos deixou armar urna
guindola, com ella navegamos popa, deman-
dando trra, fosse qual fosse 1 Assim andamos
ai i ao dia 23, em que avistamos Ierras do S. de
Mozambique: porem melteu-s a ooile, e uo da
24 eslavamos ao N. do porto, sem pdennos en-
trar. O commandante convoco* novamente con-
selho de officiaes para se decidir o que mais con -
vitrtia fazer n'aquellas tristes ciccumstancias ; o
cojosj-lho resolvea que tosemos para Pemba. vis-
to au termos leme nem panno, porque se o tempo
augmen tasse podamos ir praia e perder-se lado
o todos. As 6 horas da tirde avjslou-se urna
ela no horisoote, fizemo-lhe tiros e a 7 ja alia
nsvegava para na ; coobecemos eolio que ara
um vapor inglez. Maodou nos a bordo m oli-
cial para saber o que precisramos, e depois de
informado do lamentsvel estado em que nos acha-
ramos disse que no da 25 nos pegava a reboque
para Mozambique, maa como o vento amainan
um pouco mais, resolveu pegsr oo reboque n'a-
quelle mesmo dia, e s 11 horas da poite j a
(regata U. F$rnando deitava quatro a meia mi-
lhas a vapor sem ter vapor.
No dia 25 a tres e um quarto horas da tarda
fundeavamos em Mozambique onde eocootranaos
a Joven,Carlota Warvuraba d'masira grande e
do de meten*; o\rapor inglez Pala.lon sem leme
e fazendo uso da rmachiaa para esgotar a maita
agua que fazia. E> vapor linha sido rebocado
pelo nosso vapor Mar\a Anua. O commandante
do Orettu nosso salvador, disse que no cabo das
Agulhas tloha encoolraaVp urna galera porlugueza
em mo estado, porem qiue lhe nao (ora possivel
aoccorre-la, por que rloha corrido com o tempo,
Oesconava-se que fosse a Viajante. At aqu
acootecimentos do mar, que pouco podem inte-
ressar a quem por aqu nao anda, Waaque mui-
to prazer teoho em contar-lhe porque d'estes, a-
pezardeserem presenciados por muu'.a gente, nao
ha quem seja depois o historiador. 1
A fragata D. Fernando, emeonsequenciada
catastrophe que lhe acomeceu nao piiie vir para
LINDA FE1BA n DI 3ULHO DE 1I6
*
=
_ civilisazate, a patentes ar-
sdaa do seahw rei D. Mi noel, moa iaMtft
ar*; manifestatdo por esta ocmsU e jaWa quo
me cauaa salistaxer-se no meu ritimdo amadlrl
da qae a naco tem ha aeculos erar adrerto, raav
gatada agora poramasubsaripzo aspontsuea dos
mata latea e aonsafcat aaseditM, as toda alo-
osrrhi.efrasrevli: ^
Teob resolviste ir aatflocar or sjjnha* nti
mloaa pedra fumtaeaaaCal do aasassaamenre ve-
giate ao iramortasasad* autos ehm tmiad*$,
praajarde Luis V CMet., K Moque e.
actese faga coa teda>*oleaioidfe, para oqt^
eoserv^l o-ewi^motitat ciWI>iiw^prograB>
.ma, que foi submettldo mioha. regia aaurnva-
ao-pelo-mesmo duque, presidente da cuimnino
central dos subscriptores, e qe oaix asaigna-
do pelo ministro a secretario de estado dos ne-
gocios do reino.
O mesmo ministro e secretario de estado astim
o tenhs entendido e taca eaecetsr. Paco da A-
juda, em II de jaoho de 18M.-El-rei.Ansel-
mo Jos Braemcamp.
Eis o programnsa par* a solemoidade da col-
loeazo da pedra fundamental do monumento de
Caranee :
Art. 1. Sua Magmtide el-ri ha por bem d-
aignar o dia 28 de torrente mes de julbe, pelas
seis horas da larde, para Ir collocar porsuas re-
gias mos a pedra fundamental do mooumento
que se Isa de erigir na praeo de Luis de Cames
memoria do immortal autor dos Lusiadas.
Arl. 2. Se acaso S. M. imperalris do Brasil
vitiva, daqueza de Braganga, se dignar de ad-
sistir a este acto, o duque mordomo-mr tomar
as disposizes necessanas para a respco da
mesma imperial aenbors.
Art. 3.* Para esta solemnidad se faro os con-
vitas do esiylo ae corpo legislativo, ao corpo di-
plomtico, cmara monicipal d Liaboa, aos
trlbunaes e mais pessoas que fermam a corte,
academia real daa sciansias e demais corpera-
Zes scieniilicas e lilterarias, s autoridades ec-
lesiasticas, cvis e militares, assim com eatraa
qusesquer pessoas que dorara concorrar mes-
ma ieslividade.
Art. 4. Ao poenle da praca de Luiz de Cam-
mea se armar a tribuna para SS. MH., e a fa-
milia real.
Art. 5.e No centr da praca pasa o lado do
poenle se armario tres pavilhts conveniente-
mente aderezados, klupetando-se o espado qae
mediar entre ellos e tribuna real.
Arl. 6. Dentro de parilho central, sobra
ama meza cubera ta reliado estar o modelo
do moouveoto, e una eacraranioba para a as-
da dfl(Hco dogmtica do mysterio da ltnmaca-
lada Coucoieao.
*ra se levar s effeito esta obra rauaiu-se urna
~'o composta de numerosos ca-
signaluras do auto
Iho do ladodireito
gislativo,
m a tico.
Art. 7.
desta ceremonia. O pari-
* destinado para o corpo le-
e o da eic uerda para o corpo diplo-
No meio
do alicoree tetar a pedra
e coserte com ama al-
fu oda mental aprumada,
califa de velludo cariezim franjado de ouro.
Arl. 8/ Junto do|alicerce hsrer dous bufe-
tes eobartos com banca es de velludo carmesim.
Art. 9. No bufete do lado esquerdo esUr
urna psdiola turrada] de seda azule branca, e
sobre ella um cofre de marmore. ,
Art. 10. No bufet do lado direito estar urna
bandeja de prata com um cofre do mesmo.metal;
e bem assim seis salvas, coottodo a primeira o
auto do asseniamentt) da pedra fundamental ; a
segunda a lamina com a iascripco commemora-
tira ; a terceira as ranadas nacionaet de ouro,
prata e cobre ; a quarU a trolha de prata com o
cimento ; a quinta a colher ; ea sextas camar-
telo.
Art. 11. A tribuna real, e pavilho cntrale
todo o espazo intermedio sero rodeados por
duas alas da guarda dos srcheiros.
Art. t. A'a 5 horas da tarde ae tropas da
guarnlzo de Lisboa formaro em parada aos tres
lados da praz* de Luiz de Camdes, Qort9 e ,ui e
leste.
Art 13. S M. el-rei a seu augmto pai el-rei
o senbor D. Fernando saindo do pa;o da Ajuda,
e trazendo por guarda de hoara um esquadro de
cavallaria, eotraro na praca de Luiz de Cames
pela ra do Alecrim.
Art. 14. A amara municipal de Lisboa, a cor-
te, a commissao centrsl dos subscriptores do
raenuraeolo, e msis pestoss convidadas, espera-
rao suas msgestades no vestbulo da tribuna real,
iodo depois oceupar os lugares que lhes estive-
rera degtinados.
Art. 15. Os offlciaes mores da casa real, os
gentia homeos da cmara, os ajatUaites de cam-
po de auas magetudes e o^it- -
missao central dos sabscripJfeg i-
buna real, Aj| vn.^e.ajtfK mage
Ai'i. 1(6. Assim quesnss magests^
chegalo tribuna recebero a coMn
tropas.
Art. 17. Em seguida encamiohar-aa-na o cr-
t*jo par.a o centro da praza, onde xa frente os
porteiros da real cmara com as massas de prata,
logo os res de armas, arautos e passavantes
com as suas cotas. Seguir-se-ho as corpora-
goes, .autoridades e mais iodividuos convidados ;
guardando entre si a ordem da precedencia ; a
cmara municipal de Lisboa ; os titularas e mais
pessoas que forman a-edrte, iodo os graodes do
reino na ala direita' e cubertos, e os outros per-
sonagens na ala esquerda ; a academia resl das
sciencias | a commissao central dos subscripto-
res do monumento ; e por ultimo sua msgesta-
deoSenhor D. Fernando, e S. M.'el-rei, segui-
-em
Lisboa, eso a muito custo para tpa. no mez la. 2 gealli h,)mei <> "al cmara, a ajudao-
de agosto, afim de l se arraopr para eWo poder 2 j**"?', c ,
seguir para Lisboa. Felizmente oo'hWve dei- h "'- -.A. [m 5ue S'.M- e|-"houver chegs-
hiiuve des
graza alguma. e todos Bcaram de sauae;-
O vapor Maa Anna, leve ordem de \ir xoc-
correr o vapor de guerra ioglez Pantaln,por ter
encalhado ao p da Babia de Pemba, i que\eslava
em miseravel estado ; o Uaria Anna, foi ciim ef-
feito soccorre-Io. e trouxe-o a reooqule seis\dias,
sendo elle um navio muito maior do que o Miaa
Anna, que leve a fortuna de o traxer si Mozambi-
que ; e livra-lo de apaohsr o temporal de qe*e a
fragata D. Fernando foi victima.
No dia 13 do correte na occaaij em qu
vapor Lisboa entra va a barra do Porto, fai in
dido por dous grandes vagalboes de
quasi o aubmergiram. Eis os pormep
mar,
pres qut
poderam obter.
O vapor Lisboa achava-se ao largo ;do cast
flzeram-lhe sigoal para poder entrar, quaod
mar cabisse. O Sr. Contente, capito do vap
aproxlmoa o navio demasiado, e vem at sobn
banco d'areia, que est fora das pedr*s de Fi"
gueiris a N. O. e ah sollreu urna volts de ma
que lbe rebeotoa em cima da^.pa, quebrsodo
lbe s roda do leme, levando lhe a bitacula, a que
brando-lhe mais a claraboia da cmara, a qual (o
ionundada completamente.
Na occasiao em que o vapor ebegou sobre/ o!
banco, o capito msndou-o parar, porem se-
gundo eogenheiro, que n'essa occaai se acbava
a tomar ar no convez, vio a grande valta de mar
que corra sobre o nav^o, e pode gritar para baixo
que dessem a forza toda ao vapor, para fugir, se
possivel fosse.
Foi o que raleu para a salvado do navio, por
qae assim aquella grande massa d'agoa i pie
alcanr/fr o leme e bitacala, que destrua.
a-piloto, que eslava ao leme foi arremessado
tal distancia, que Qcou em perigo de vida, e
esl no hospital. Ocapilo, que eslava junto es
rodas foi levsdo de encontr rods do leme, e
ano-se bastante, mas anda assim, deu rolla ao
leme, e salrou o rapor. As cmaras encheram-
se d agua, e alguna passageiros chegaram a trepar
aos maatros. Todos flearam alagados.
O rapor apezar de soffrer um choque de tao
immeusa quaotidade d'agua, e adormecen um
pouco, nao desgoverna. Quando oa pilotoa da
barra viram o perigo que o vapor corra, aalta-
ram as catraiaa e flieram os sigoses precisos
para a entrada do rapor, que em seguida ae
realisoo.
A ceremonia da collcajo da pedra futamen-
tal do monumento, que se ba d levantar na
praza de Luiz de Camdes memoria do inmor-
tal autor das Lusiadas euectuar-ee-ha s
seis horas da tarde do dia de boje, 28 do cor-
rete.
Para este acto foram convidados o corpo le-
gislativo, o corpo diplomtico, a cmara muni-
cipal de Liaboa, os titalares e maa pessois da
corle, a academia real das ciencias e demais
corporales scieoliQcis, e lilterarias, aa autori-
dades ecclesiatticas, ciria e militares. Tambem
sere convidadas a associaces populares, e de
elaaaa da capital, para que delta* possam enriar
do ao pavilhao.o duque de Saldanha, presidente
da commissao central dos subscriptores, lera o
aulo narrativo desta solemnidide, por elle pre-
viamente redigido, bem como a seguinte inscrip-
Zao escubida em lamina de cobre:
INomiol immortaliAloisiide 'CmbeosLu-
silanorum poetarum temporis sui principes
hocmonumenlum roluotarita etargiollonibus-
(uilerectumcuius lapidem auspicalem>n tanti
operis raolitionemLudoncus LPortugallias et
Algarbiorum rexquarto kaleodas meosis juiiis
aono mdcccliiplaudentibus ciribus unirrr_
tolemoiter fltit.
Art. 19. Fioda esta leilurs, o mesmo duqae
presidente offerecer a SS. MU. urna peona de oa
ro para assignar o auto ; e obtida a permisso de
a. M. el-rei, ser tambem assignado pelo minis-
terio, pela commissao central dos subscriptores
do monumento, pelos presidentes das camsras
legislativas, e pelo da cmara municipal.
Art. 20. Assignado o auto, sarao apreteolados
em salvas de prata a S. M. el rei: pelo vice-
presidente da commissao central, Francisco de
Paula S. Thiago, o cofre de prata ; pelo duque
presidente, o auto j assignado; pelo secretario
Joequira Pedro de Souza, a lamina commemora-
tiva ; e pelo ihesoureiro. Carlos Krus, as moedas
nacionaes.
Art. 21. S. M. el-rei recebendo todos estes
objectos, deposita- los-ha no cofre, e fechando-o
chave entregar est ao presidente da cmara
municipal de Lisboa, para ser depositads com um
traslado do auto, do archivo dos pacos do con-
CG IDO,
Arl. 22. Os membros da commissao centra],
Antonio Feliciano de Csslilho, Jos da Silva Mon-
des Leal Jnoior, Jos Maa Eugenio de Almeida
e Antonio Silva Tulio, tomario a pedila em que
est o cofre de marmore, e a lerarao at junto
ae &. M. el-rei, que recebendo o cofre de prala
das maos do duque preaidente, o matter dentro
no de marmore. Depois
gaes conduziro
' .* or>ela flortftooraeu Dio* trouxe para
9. H. el-rei dous magnficos carelios arabas.
Na cidade do Porte tannimea-ovao dia 16
a correte na casa da sosar aocawcs verea-
res com os caradlelro jae {ras peosa-
nlo de promover o loraoMatMaMo ate um mo-
nto a 0. Pedro IV es* dMafkam i cmara
ra de mordo com elle tevaveme ptmsameoto
realisszo.
O peotament eras frrvrvrai cMncHTo com o
que tambem j. linha. Udo a Bsmav cateara, que
na swa- uttrmr vereaclu so bfla oceupsdo deste
assumptOk
Para a reunio qae no dia 16 tere lugar noa
pazos do conselho, por convite da Exma. cma-
ra, foi tambem convidado o Sr. conde de Ferrei-
ra, e ah se resolveu que se nomeaase urna grau-
J%f0Bmi," eo'*0 mtsma occaaio e-
coihido trea dos cavalleiros que ae haviam diri-
gido cmara e o Sr. viscoode de Lagoaca co-
mo presideate da muaitipalidade para faierem a
escolhs dessa commissao.
Aprestntaram-st os riscos que j htvia pira o
monumento a D. Pedro IV, que em tempo se
projeetara levantar no largo da Torre da Mar-
ca, porem como a aova idea 6 erigir monu-
mento na praza de D. Pedro, foi o architeeto da
mar o Sr. Costa Luna enesrregado de adoptar
os aotigoe riscos ao aero sitio onde apresentar
um novo.
O monumento ser feito por subscripeo, mas
quando esta nao enage parece que a cmara
eoairabir um emprstito ; mas ha toda a es-
perance de que s obteoha por subscripzo toda
a somma precisa, qae se calcula em 20 a 30 con-
loe de rea.
Resolreu-se tambem qae na segunda feira foe-
sem cooridadae algumas das senboras portuen-
ses mais retpeilarels para se cooitituirem em
commissao auxiliadora adra de promorerem
igualmente a aubscripco para e projeetsdo mo-
numento, dereodo aer escolhilas as que estive-
ram no taemorarel erco daquella eidade.
Foi uma escolente resoluto, que nao pode
deixar de produzir proficuos resaltados.
A inaugurado derer j ter lagar no dia 9
de jnlho, por ser o aooirerasrio da entrada do
exercilo cooslituciooal oaquella cidsde.
O Diario publica o ralalorio da coramisio en-
carregada por portara de 24 de dezembro de In-
vestigar as causas que produziram as molestias
de que falleceram, El-rei o Sr. D. Pedro V de
saudoaa memoria, e os Srs. infantes D. Joo e D.
Fernando, e de examinar o estado de aalubridade
das prazas reaes de Belem e daa Necesstdadei.
A cooclusdo deste relalorio seguate :
1.* A doenz que grassou na familia real, sen-
do causa ds morte de S. H. el-rei o Sr. D. Pe-
dro V, e de seus augustos irmos os Srs.. infantes
0. Joo e D. Fernando, foi i febre typhoidr.
2." As causas que lbe deram origem nao ha
raze alguma para qut se julguem difftrentes
las que costumam desenvolver commnmente s
febre trphoide, e actuarsm sobra os tres primei-
ros augustos enfrmoa n'uma das digreasoes que
Ozeram. emquaoto que nt ultimo eao, no Sr.
lofaota O. Joo, hoare mais am exemplo de
transan ttso.
3.* Os pazos das Necessidades e de Belem, nao
podem ser considerados iosalubres, supposto que
precisem, mormeote o primeiro e as suas im-
mejiages, alguna melboramentos de importan-
ca.
Foi determinado em decreto de 12 do cor-
rente <|ue a letra da medalha de D. Pedro Vcom-
memo.rativa drexpedizo d'Adgola, seja substi-
tuida por esls: a Expedizo d'Aogola 1860. >
A fita correspondente a esta medalha ser de
cor azul ferrete, orlada de amarello.
Gelebrou-ae com grsnde pompa oa capella
do Sr. O. Pedro do Rio, na ra Pormosa a cere-
monia conjugal do Exm. Sr. Sr. Franciaco de
Mello, filbo dos Exms. marqueses de Ficalho,
com a Exm. Srs. D. Josefa de Brito do Rio, Alba
dos Exeas. Srs. O Pedro de Brito do Rio e D. Ma-
ra Braz Brito do Rio.
Cjusta que S. M. el-re o Sr. D. Luiz escre
vera uma certa ao nobre marquez de Ficalh
commuoicando-lne que linha resolrido sgraci
com o titulo de condea da Fcalho|seas futios
Sr. Francisco de Mello. Mss el-rei quiz iores
lo neste direito no tia de matn- alegra da a
ft^HoSt ^prora de met
srvigos do pae e pelo
consideras
ment
.erra JJar-
aenhora
laoia Isabel Maria. Veio de > Vecja*
i S das e meio, e de Gibraltar enT 3L bor j?Mueiiaoraario.-0 Ululo (te mco de'feitos pertagueut
arnflo-me
Saldaoha, sus
subscriptores p
grande poeta n
rem-se concia1
collocagao da
honrar a memo
os mesmos quatro ro-
a padiola at ao alicerce.onde o
director da obra, pegsndo oeste cofre, o deposi-
tar na cavidade da pedra fandamental, e lhe a-
aentar a lage para esse Bm apparelbada.
Art. 23. S. M. el-rei. recebendo das mos do
!!" a,Drfd0.d* lr.lhB' q08 lbPriolar o
vogal conde de Farrobo, am pouco de sement,
o dallar as juntas da pedra. e em aclo conti-
nuo a bater com ocsmartello, que Ibeatroffe-
recidopelo membro da commissao viscoode de
Menezes.
Art. 24. Uma girndola de foguetea, correa-
poodfda por uma aalva real do castalio de S. Jor-
ge t demais fortalezas, bem como dos navios da
gerra sartosno Tejo, annunelaracollocazoda
pedra fundamental do monumento consaorado
memoria de Camdes. "~"
Art. 25. O cortejo rollar na mesma ordam
acompanhando SS. MM. tribuna real, em fren-
te da qual deaQIaro, na pretensa doa meamoa
augusto wnhores, aa Iropas que formarem a pa-
Pazo de Ajuda, em 14 de junoo de 1862. Aa-
rida.
pelos
fllho.^
o dia 18 eotrou o rapor de
tJholomeu Dio que lerou ata bor
'*.^infanta Is
em
meit.
A Sra. infanta D. Izabel Maria, depois da aua
viagem oa corveta eotregou ao commandante des-
le navio a quantia de 45OJ00O, para aerem dea-
tribuidoa pela guaroicao.
Alm desta aomma offereeeu mala ao comman-
dante uma csixa de ouro com brilhsoie, no va-
lor de 200fOOO para mais.
O segando commsodante foi tambem contem-
plado com am chrooometro do melhor autor ; e
todos os outroa officiaes foram briodadoa com
botes de brilbaotea para eamise.
O aervico dos paquetes entre Lisboa e Sou-
thamploo termina no lira do corrale mez, sendo
a ultima expedizo de Soulhamplon no dia 27 e
de Liaboa no dia 7 de julho. Para a Gra-Bre-
tanha expedem-se malas diariamente por va de
Hespanha e Franja.
Pelos paquetes ioglezes da carrelra transatln-
tica contiousm a expedir-se malas para a Gra-
Bretaoha, bem como pelos oavios mercantes mo-
vidos a vapor ou de vela. As correspondencias
que bouverem de ser remettidas tanto por una,
como por outros, nao t sujeilsa s frsnquia, mat
s so porte terriyirisl aquellas que nao sejam
dos portos d'oode sabirem os ditos paquetes ou
navios.
. Votou-se uma importante medida, qual a
abolicao dos patsaportes no interior do reino,
couta que s era acooselhada pelo desojo de aug-
mentar se emolumentos aos empregadoa dos go-
verooa civis, sem que o publico au(erisse de tal
vexame a mais pequea vanttgem.
Parece quechegara ordem geral da congre-
gado de S. Vicente de Paulo, pan te ratirsrem
para a Franga aa irmaa de caridad, que flea-
ram anda no hospital fraocez de Lisboa, e no da
Madeira, e acretcenta-se que o imperador dos
franeezes ra nomear superior para aquella coa-
gregszo. Pelo menos itto o que se dizia ga-
rsnente ha dias.
Chtgou no dia 15 Lisboa, rindo de Sea-
thamptoo no paquete ingles Magdalena o coa-
de de Muotter, enviado extraordinario dt S. M.
o rei de Haoover, e o seu secretario o conde Pio-
len, sobriobo do ministro dos negocios estraogei-
ros doHinorer.
No dia 18, foi recebido em audieocia solemne,
por S. H. el-rei no paco de Ajuda, o conde de
Mcnaler, essislindo a esta ceremonia a corte, mi-
nistros e cavalleiros de estado e mais dignatarios,
que para taes actos costumam ser convidados.
Tambem consta qae boure no pazo da Ajuda
um jaotar dlplomatiro dado ao mesmo enriado e
ministro plenipotenciario.
No dia 7 ebegou ao Porto o caralleiro V.
Peruzzi qne foi ministro dss obras publicas, oo
gabinete italiano,presidido por Carour. No mes-
mo dia vfitou a cidade, e foi capella de Gar-
los Alberto e quinta e casa onde expirou o rei
liberal, que abdicando a corda nos campos de
Nararrt, foi cidade do Porto exhalar o ultimo
alent da rida.
Mr. Peruzzi parti s 6 horas do mesmo dis na
diligencia de Vianna, para embarcar no domingo
para Vigo.
Chegou de Civitta Vecchia bordo do ra-
por Barlholomeu Diae um zuavo do papa Pi IX.
E' este o Sr. Mello, portugus, que tem servido
oo exercito pontificio e que vem ver s sua patria.
Trtz o uniformo usado uo seu corpo, e que
orlgioalicsimo. Em breve volts para Roma.
L.
illctcio
foi
DIARIO OE PERNAMBUCQ.
aquella ceremonia u auas respectivas depata- selmo Jos Braancamp.
Soes. -**" --r"~~ *~ "*v. ----^
T> o seguidle decreto :
ad0 larechal duque de
ASaamiatio ceolral dos
ntar um monumento ae
Luiz de Camdes, schi-
as obras oecetaariat para a
dra fundamental ; quando eu
do immortal cantor dos titos ttoe ue Draga e a provincia, a
Ke daa gloriotas- ar#actte e de mmiit.u grande e glorioso iconticntbo
i*1 Eu B.?g,t Dr,ct0' 1ue i* Pprorado pe-
lo excelleniiaeimo arcebispo de erigir uma gran-
de e magettosa eslatin di Vlrgem Santltsima com
a iovocazao da Immaeulada Coneelzo Do alto
do monte Samieiro, conlinuszo do monte Espi-
nho, para o lado do meio-dia.e perto do sanclua-
rio do Bom Jesas.
aVvirgem tomar a attitude de abencosr a ci-
o-ase de Braga e a prorincls, e a estatua alrrtr
Pelo rapor francez Navarre. recebemos noti-
cias ds Europa, com datas : de Hambargo 20, de
Londres, de Bruxellas e Pars 24. do Porto 29, e
de Lisboa 29 do corrente. Dllaa extraamos o
seguinte :
As correspondencias da America nao tazem
meoco da derrota dos franeezes no Mxico, ape-
zar de se tarem eochido oa jornaes europeos
com noticias em contrario. O goreroo imperial
acbara-se litteralmeote sem neubuma especie
de noticia do corpo expedicionario. As commu-
nlcacoea entre o exercilo francez e Vera-cruz,
constara que esto por tal modo interceptadas,
que nenpum dos despachos expedidos pelo g-
neral Loreocez conseguir chegar s mos do
forerao do imperador, E' laso o qae plica a
MUT
i
publtcacio do JToniteur do relalorio do general
mexicano Sartgoxs.
As noticias recebima na Europa foram por
ra do Mtxico que est em commaolcseio com
o mar, de sorte que s pelo ioimigo e que al-
guma couta pode saber-so do corpo expedido
nario francas.
Grande abate produzio ea Patio aat
?ao, siosjavteroJHaate critica. MingatHa.se
sobre os* pwrigatoque arre atropa fraocez*,
te apena de IrJMO horneo toa eatado ote i
rar, pote tyte tm doaaaes tte onate, 6dO fl
ram em ajbala,
Reconnteae-sa sgera quautte Napoleo XII
(Iludido por Afmoote e ttus partidarios, e pelas
l*f*aaZoe do proprio Dubois de Salgny que
promtta um proounclamento em massa a faror
dos mooarchicos. Em Orizabs, cidade da 20 mil
almat, id 92 pessott sttigntram o manifest de
Almonle, apoisdo pelo exercito francs. Em Pue-
bla, o Moniteur que o diz, a populacho nada
mait fez do que proounciar-se contra o goreroo
de Jurez. Puebla a aegunda cidade de impor-
tancia no Mxico. -
Estea tactos, de lodo o ponto significativos,
mostram-nos o corpo de exercito fraocez do
quai Loreocez como que perdido oo seio do paiz
ioimigo, e a uma cooaiderarel distancia do mar.
Aggrava ainda mais a situado n9o harer noticias
tambem do geoeral. Duai edos dous mil homeos
de reforzos qae elle conduzira para o Mexko.
Cartas daquella capital dirigidas impreosa da
Paris, piotaram a diviso do geoeral Loreocez,
teodo de am lado as tropas mexicanas ; cujo nu-
mero augmenta de dia para dia, e pela recta
gtarda um bando de areotureiros' e de asltet-
dores em que o Mxico tanto abunda.
Fallava-se em qae seriam enriados para a Am-
rica 20 mil homens, mais isto por destacamentoa
succestirot, dos quaes o primeiro que Acara a
partir, era de 5.000 homens.
Lord Lyons, ministro de Ioglaterra em
Waabogton esperado em Londres.
As sessSes do corpo legislativo foram proroga-
pas at 27 de jaoho.
Era esperado em Paris de regresso de Roma,
Mr. Morlot.
Dizia-se qae no seu trsjecto por Paris, quando
te diriga para Roma, o blspo da Nova-Yorck,
fora recebido pelo imperador Napoleo.
A Ratita rvconbecer prximamente o rei-
no de Italia.
Garibaldi demettio-se de presidente das so-
ciedades de emanciptzo.
O imperador Solouque (o banldo do Heiti.
O principal ministro daquelle soberano, tralou
de insurreccionar o paiz; mis o novo goreroo
conseguio suffocar o movimenlo, verificando,
cem medida preventiva varias prises.
As cmaras portugaezss eocerraram-ae no dia
30 de junho, o gorerno continua forte com o spolo
do paiz, cmaras e pazo.
Assigotram-se em Turin ss eteripturas matri-
mooiaes de S. M. el-rei O. Luiz, com a prioceza
MariarPia, lha do rei Vctor Emmanuel. Este
enlace tem multas sympalhiai em Portugal.
_ As sabicrlpzoet a (>vor dos asyioi to j va-
liotsimas, sebera a cincoeota e tantos cootos, el-
rei suOscrerea com 10 contos em ioscripzes.
Continua a fallar-se muito na reforma da c-
mara dos paret.
O goreroo obtere uma autorisazo para formar
O exercito.
Vai-te reformar brevemente a ordem de S. Thia-
go-da Espada. Esta ordem segundo se assere-
ra, especial destinada galardear serviges cien-
tficos e litteririot.
O paiz continua a gozar de socego e tranquilli-
dade.
Foi approvsdo o projecto para a renda do ca-
mlnho de ferro do sul com coodizoes mu ranti-
josas para o eatado.
Fot dispensado do imposto por 3 annos s em-
preza do palacio de crystal do Porto, e isentos de
direitos os materiaes qae por elle importar.
Foi extiocto o imposto sobre casa melos qae
se cobrara em Goa.
Foi autorisado o goreroo a contrahir um em-
prestimo at a quantia de 200 contos para a con-
cluso das obras da alfandega do Porto, e outro
de 1,100contos com applicQo oo prximo, aono
econmico s obras de estradas.
O Sr. baro de Moreira foi nomeado escrivio
da mesa grande da alfandega de Lisboa d'onde
fora em 1833 verificador. Nao exacto oque al-
guna jornaes disseram de ter o baro ido ao
paco eotregir a el rei todas as suas condecora-
Cues e ttulos e que se jusliQcssse, pois certo
que no dia da sabida do paquete e em que teria
lugar a ceremonia da ioaugurazodo monumen-
to de Cames se apreteotsria com lodos os seus
'u'a'otos naqaellas sole'^ilTl\u^'*-.. v
A raioha de Hespanaa deuf luz uma iota uta.
Tornara a agitar-so a idea da cadencia
Austria daa vastas margenado Danubio m com-
peosazo do reino reneziano.
Os que adregam esta idea admitlem a maior
potsibilidede de constituir um throno para o ar-
chiduque Maximiliano tm res do do Mxico.
O pipa oeste caso receberia as Marcas e a Om-
bra, com a condizo nao s de aceitar guarnieres
mixtas nss suis prorinciis e de admiltir certas
restriccoes no poder temporal, mas de consentir
que o parlamento italiano te reunase em Roma.
As noticias do imperio oltoraaoo sao pouco
pacificas. Todos o jornaes da Europa aecusam
conflictos diarios entre os Turcos e o Mootene-
grinot, htreodo tempre perdat contideraveie de
um e outro lado. Denrich Pacha tomou de as-
salto, depois de 6 horas de combate, a forte po-
licio de Oshog, que segundo parece, era defen-
dida pelo proprio principe de Montenegro.
Publicou-se em Milo um projecto de eoofede-
razo danubiana astignado por Kossuth. A pri-
meira coodigo a aceitado pelos estados inte-
reisadot da mooarchia aot cohstilucionaes.
Quanto Huogria-, diz Kissuth, nao teodo ella
ainda conquistado a ma independencia, deveria
escolher um rei eatholico romano, e que deseen-
de de uma dat familiat reinantes da Europa. Kos-
uth deieja que a Transyirania, a Servia, a Croa-
cia e a Dalmacia escolhessem o mesmo rei que a
Hungra, mas sdmitte a eventualidade de mo-
narcbtaa e de principados separados. -
Este novo ponto fundamental comprehende ou
trot pontot com a independencia doi exercitos a
ledo do gorerno federal, a adopzo da liogua
fraoceza e certas disposizes para o cato de paz
ou de guerra.
O imperador da China secundando os es-
forgos dos sitiados desautoritou e condemnou a
degredo perpetuo o rice-rei da provincia de Saug-
bsl, o qual harendo se entregado ao vicio do
opio apenas oppuoha uma dbil resistencia aoi
rebeldes.
O nosso correspondente no Potto d-oos em
carta particular datada de 26 de junho ai seguin-
tes noticias :
Cessaram os tumultos do Micho. Os nimos es-
to appareotemenle acalmados. Tem havido mul-
ta prudencia e tinn poltico da parte do gorerno e
das autoridades civis e militares.
Algoos cavalleiros considerados das localida-
des em que mais se manifestaran] osseotimentos
deiordeiros, tem-se empeobado oa conservado
do socego e ordem publica.
Esto presos o Sr. Braga, alguna individuos que
directa e publicamente concorrerim para agitar
as massas. Sao todos pessoas obscuras.
Foram demllidos alguna administradores de
conselho pela Ubieis do seu comporlamento na
occaaio dos tumultos.
A commissao de ioquirito mandada pelo go-
rerno provincia do Moho tem encontrado mul-
tas irregularidades na formago das matrizei.
O Braca reme, jornal de Braga, foi querellado
por tres nmeros.
Ns tarde do dia da procisso de Corpus Cbrisli
boure na Covilha uma demonstrago religiosa.
O poro com uma cruz alzada parcorreu aa ras
da villa dando riras santt religio, ao padre
taoto e ao Sr. D. Luiz I. Acabada a romana
recolheram-ae os romeiros auas casas, sem que
fostem incommodedos, porque nao praticarea
acto algum de violencia.
No dia 16 reaniram-se no pazo municipal por-
tense coojunctimente com oa actuaea venado-
ras alguns cavalleiros que tireram o pensament
de coadjurar a Eira.* cmara no proposito em
?ue estara de levar realisszo m monumento
memoria doimmorlil dador da caria constitu-
cional.
Abi te resolveu nomear uma grande commU
sao pars tratar dos meios ds solver esta divida
de gratldo nacional, e particularmente do' Porto
oode, como sabido de todos, foi o theatro de
gloria do saudoso duque de Braganca o Sr. D.
Pedro IV.
Quindo em ama de nosats eartas demoa noti-
cia dos monumentos que ae projectavam levantar
neala cidade memoria do bemquisto Sr. D. Po-
dro V, distemos aer uma vergooha para oa por-
tuenses o preteader-ie perpetuar a memoria do
neto em meia de am padrao publico, tem pri-
meiro aa erigir ao avd ama estatua, exittitm oa
aecretsria da municipalidade alguna deseabas i ue
ha maitos anuos all hariam siete
lLEGVEl
Esta rerdida e o exempU ha pouco dado pelo
raril na estatua equeatre eriaida na capital do
imperio, o aa phrata de am aietindo scriplor
brisileiro, tomis estrenuo defensor da indepen-
da do Brasil, o Sr. D. Pedro I, locou os brios
dos portaeoses, e segando os etforzot qq remo*
desenvolver, perece estar ehegtdt a poca de '
** ao cobo uta momento ao Sr. D. Pedro IV
Pettaga, cumprindo-se atiim a promassa f
P Jilear no tempo em qae por toda a parte .
Cirtade invicta te tpontaram ot vestigios dessa
tute heroica da liberdade travads em 1832 el83l
teireeter daa trinebeiras que defendam o
rorro;
Ftzem-se os poitireis eiorcos para qaa aa
oorasdo alludido monumento sejam inauguradas
no dia 9 do prximo mes de julho, annlreraario
di entrada triumphante do duque de Braganca
no Porto em 1832, frente doi 7,500 homena
deaembirctdet oat praiti do Miodello oa rea-
pera desle dia.
O litio escolhido araza de D. Pedro e h
a idade, para enllocara pedra fundamental do-
monumento, se nomearfum aimples toldado de-
veteranos, dos que aesiMiram o cerco do Porto-
Segundo o Vattona, phrece que ser eteolhi-
da s seguinte planta, coja disenp^ao lomamos do-
mesmo peridico : \
E delineado o aoco ou^aob solo em uma for-
taleza com quatro baluartes* figurando aa inex-
ptgoaveis tinbat de defeza desta cidade, durante-
o memorarel cerco de 1832a(l833 ; pode dizer-
se que represents o Porto. \
Ai coras de carvalho queVcircumdam o pa
rapeito deata fortaleza, reeorden*. aquellas victo-
rias que o raloroso exercito do I com mando era
chele daquelle principe ganhou n)s batalhai o
acgoei militares dadas nsquelle gloffvOso tempo.
Elevase do ceutro di fortaleza uafaprpo po-
lygooo octavado com quatro pedettiei ou\stilo-
bitoa salientes, pan lrvirem de base a estattuia
que sdoroim este monumento, no qual grav
o nome do protogooiita na face principal.
Quatro ettataaa alegricas devem occapa
esse pdestaes : le, a sciencia, o valor e a
historia : historia que deve Iranamitlir aoi rin-
douros os feitos do hroe, qae aoniquillou o des-
potismo e den aoa portegoezes ni guerra licoe
dertlor, edepoisdella a maii sabia legialaco.
Ergue-ie entre eitst estatuas um elegante
stilobalo, igualmente polygooo. em que est
grando o sempre lembrsdo dia 9 de julho de 1832:
em que Sua Mageitade Imperial e Real eotrou
no Porto, para quebr
A face posterior,
de 1833, em qae o
dade, embarcando
pital.
Sobre este slilobato asienta a mageiloii aoJ
tataa pedestre do magnnimo monarcha, que se>
despoja de duas coras e dout sceptros para dar
aos portugueses a carta constitucional. Com
mao direita offerece D. Pedro a cirla. sustentan
do na esquerda a etpada/com qae a defeodeu./A
(arda deste soberano digalla, porque alegar e
(estiro foi para os portutjbiet a entrada do
cito libertador nps muros do Porto.
A pez de artilharia sobre.que pouss o p-
direito e as balas que eito proximai sao indi-
catiro do animo bellico que manifestou durante a
guerra.
Os materiaes que derem ser empregadoa na
construezao, to o granito ptrt a fortaleza, e mar-
more branco para o restaote. Ai estatuas, a
cordis, e legendas devem ser de bronze.
Na noite de 16 tere lugar no theatro de S. Joo
o grande concert musical promovido pela com-
missao da lociedade do palacio de crystal, eocas-
regeda de exigir am monumento memoria do-
seohor D. Pedro V no sitio em que este boodoso
e muito amado monarcha inaugurou em 3 de
tetembro do anno passado as obrai para o pala-
cio de crystal portueose. Foi uma testa em ludo-
digna do elerado lim a que se destioou. O- I
diestra e cantores eram a melboria dos amado-
res qae nesta cidade cuttivam a matice. Seoho-i
ns e nralheiroi, que nunca pensa
pilco de S. Joo l tirenm nesta
gar. O tablado foi transformado
estara adornado com luxo, goito e
orcheitri estara ao fundo n'uma bancada, e era
frente deste, e em fileirai de cideirai, is senho-
rat e ot cavalhtiros que tinham de cantsr. Do
lado esquerdo collocarara-se cinco harpas, con-
fiadas a igual numero de seuhoras.
A orebestra en composta de 33 primeiros
segunden riolioos, 8 vjoleae, 7 rioloncellos
contrsbassos, 6 flamas e flsuiins, 2 oboes, 2 el
rinei 5 fagotes e clariot, 9 trompas e trornbi
n' *" 'es e 5 orgios expressiros.
rcial tinha 27 executantes e oceu
ior cima di porta principal
pl -J. ~ ,- -----
Os coros conprehendiam 35 senhoraaTprime.
ros e segundos supranoso 42 caralleiros (tenores
e baixos). v
Na tarde do dia 13 estere immioenle na barra
desta cidade um grande naufragio, que a dar-se
nao seria de coosequencias menos desastrons. e
1851 QU9 0 d0 vat>or Porto- em
?01" n* barra TaPr Waaei da carrera
entre o Porto e aquella cidade quindo uma onda-
de desmesurada grandeza galgou o rapor r.srren-
do-o da popa proa, e logo em seguida mais
duas ragas que lhe despedazaran! a roda do
leme ; quebrara a caixa da agulha de marear aa
verandas que ficam por cima da borda falsa, aa
tnncheiras, as escadas da veranda de rolas, os
bancos de salto, as portes da escada da cmara e
alguns ndros da clara-boia da mesma.
O primeiro pillo que eslava ao leme, quando
veio a primeira volta do mar, fot de encontr a
meia larenjs, e perdeu os sentidos, fictodo mal
(erido no rosto. O capito que nesta oecaiio te
achava sobre a varaoda com o segundo piloto,
vendo que o vapor deigoveroava correram ao-
teme, e conseguiram dar-lhe a direcco idequa-
da. A nao ser esta resoluzo immediata e o ler
sido por preveofo passadaa canna do leme ae
convemeotes talbas, o barco terse- hit perdido
com a carga e 148 passageiros que conduiia.
porque o mar eslava alteroso, mecedeodo-ae asi
ondas encapelladas com tal rapidez, que cau-
toa admirado aos praticos o fazer um mar ido- /
revolto nette tempo. I
Fkel.,*a,eot> Lisboa, pode safar-se do perigo*
trabalhando a machina a toda a (Orza, e (omo
dentro do no o ancondouro costumado sem ajan
avariaa do que as que fleam mencionadas, e sem
outres desgrezas pesiotes alm da acontecida ao
piloto, e alguns intigniflcautei ferimenlds de
qualro dos tripulantes. T
A agua invadi a camera altura de am me-
tro, e entrou no aitio oode eatavam aa caldeiras
dando at cintura aos empregadot natmtchioa,
os quies cootinutram a trabslhar a sangue fri
empregendo o etforzos precisos pira que a agua
* cf?*aMa Praluar o.effeito do vepor.
O Usba, nao ioterrompeu a sua carrei-
i'xL s k dia? dlpoi, del9 contecimento sabia
elle barra do Douro.
Na noite de 2 foram roabadoi os penhoni
do Monte de Piedade da Caixa de crdito da
associezao Industrial Portuense, no valor apro-
ximado de seis cootos de ris. Eito presos o
continuo da caixa de crdito Antooio do Gouto
Mooteiro. e o continuo da associago industrial,
Jos Teixeira doa Santos. Astuiorididas j boje,
sera duvids, conhecem oladro. e aabem a ma-
ueira porque se effectuou o roubo. Parte deala
foi deicoberto a deligeoeia do regedor da fregu-
zis de Si ritos Ildefonso, n'um dos boeiros da ra
de D" M2n a ** en<*e ,e echaram envolvidos em
pannos 83 cordee e correles de ouro, 34 bro-
ches do mesmo metal, relogios, colheres de pra-
ta, brincos, pulceiras, anueis, e muitos outro
objectos de ouro e prsta.
Em Lamego foi julgado pelo jury o celebra
salteador Bandarra e sua quadrilhi. A audien-
cia principiou no dit 9 e acaboa em 13. O pro-
cesso comprehendla 22 reos, dos quaes alguna
j morrenm, e foi instaurado em 1857 1 Ao iurr
(oram submeUidoa 214 queaitos, que levaran *
dicidir 15 hons. O celebre Bandarra (ol con-
demnado 10 annos de degredo para frica,
os ieus 17 compaoneiros, mais oa manos cum-
plicet, em diverts penis. A leoteozt importa
aquelle nao satisfez a opimo publica. E" reo de
horrendos crimes. O'jury deu por preredoi
todos os crimes que o Bandarra e aeos compa-
nheiros eram ecusados, porm o juft, o Sr. Fe-
lizberto Antooio de Campos, com o sea curasao
bondoso, na parle em que a le deixa ao arbitrio
do julgador certai ipreciagoes, foi pouco rigoroio
para com lodos. O deltgado ippellou.
PERNAMBUCQ

>i
*

, REVISTA DIAR.A.
A thesounria provincial paga os jaros das spo-
lites da divida provincial, que te venceram a
ultimo de junho prximo piteado; e igualmen-
te retjala a plices da l4 tee de metma di-
ridt.


J
'(Wtfifi-.- I
S5
WAliODifM
J edldc
Cimpello par* errlr lotenoameot* luir de no da 6 do corrate (BlfilTooin
ttertiaiM'i capitana do porto, o impedimento r*Udc#o desembargader AlVii^^Ht Ucboi,
40 retpecltro uoccionarlo que do da 5 entro* no e os ieai patricioe do terceiro dM rielo qatzeram
gozo da Iteenca, que lhe fra concedida para tra- -goe etn sea lagar fie***e o DrT* l var .-pagan-
^TVSLV: ** faw!fni0 ,,iire,no, com MaTT"
________*wgnao para funccionsr no con-, con o.qnetlBieoiOj^ reltvantet eertIco* qae
selho de wrista da guarda naeional o Sr. Dr. Juii
oe*paieta*,r,.
Sacea rabio i dse de roneo, qae na sexta -
ueida ae propinara o Sr. Antonio Engenio
*. Mbdtto francs, com pilara na ra d
Impnrtriz.
B nolarel qae eata importafio te v amiudan-
drn entre oda por eeaa forma I
Soccorridopoloi Srs Dr. Agripino, Garlo*
rico jjwira de Brito, anda poderam
anedisos, dapoj de empregadoa tolos oa m
eenselhaoa peii aciencia. nuUir algasias ta,
ranea* de i*tielo para elle, por terem neutr._
ado grande qaantdade de arsnico por rneio do
perozydo de ferro hydrolado ; otas substancie
toxica, aperar di presteza com que foi combatida,
j tfeha aido absorvida; e astlm ludo foi effeeti-
ramente em vo, e marte tere legar a urna ho-
ra da manhia de.aabbado nltimo.
f -Apuros finanroiroa foram o nrettfo qne demo-
veu-o a praticar esse acto de verdadeira ieucura,
aggravado pelas Injuria que softreu de um cre-
dor de pouco mala da dtenlos mil rie.
lio pdeme* deizar de lamentar, por eata oc-
casiao, as exigencia qae se rao dando nos neg*
esos de pequeo capital, quaoio o commercio
osa grosao eocontra recursos satisfactorios no des-
cont de-seus ltalos de crdito.
~r- Pelieeeu aabbado a Exm.a Sr. DiAnna Ma-
Franciica de Paula Civalcioti de Albaquer-
.av do noao amigo o Sr. Dr. Antonio Luiz
"lea o ti de Albuquerque.
moa ao amiga os seotlmentos rerdadeiros
pezar que o amito* o lhe veio roubar mata
Me membro estimado dess familia.
Foi nomeado o Sr. major Fraocitco Xivier
(Corneiro Lins para subdelegado da Varzea.
\ Esperamos qae com eata medida cesta o estado
me abandono em que ia aquella fregaazia, onde
desacato se snceedtam, segando queixas que
4**111 haremos recebido, com freqoencia iotole-
**svt.
Foram igualmente nomesdos os Srs. Manoel
uim Aotuae* Cortea, Fraaciaco Xavier Car-
da Cunha Miranda, Manoel Francisco de
rvalho Paea de Aodrade, Audr'de Hollaada Ca-
nli e Jlo Csvalcinti de Albuquerqae Lins
os lugares de P, 3, 4', 5* e 6* upplentes
mesma sabdelegacia.
- Teodo o Sr. Dr. chafe de polica. Cirios de
aquelra Pinto, recebido denuncia de ter na sex-
feira de despacharlas na alfanlega dous cai-
i com imagen para a caaa dos Srs. Cunha
ao, que dispertaran) dasconftsnce ; man-
do mmeJitamente o Dr. Correa d* Silva,
del egtdo da capital, em companhia do eapito
Wtjtge Lesl, em procura de um desses seohores,
~ aubdelagido de polica do diatrcto do Recite
procura de outro; dirigiodo-se ao mesmo
po a alfandega, com o seto e activi lade poli-
que s* osar em casos idnticos, e aabeodo
*Wi haviam sahido ditos caixoe, procurou
dos ditos commercieoteo, e examiaoe-a
aqeslle dialiaito br
Qambecoe ao paiz
Ao* Cet rente*,
significa tira do
ten prestido a Per-
pete, dar ama prora
jo .nerilO, faxende o 8 librea de dito.'
com que onome doExm. eousalheiro S e Al
baiuerque soja o anic lembrado oa allelo que
de orocader, em conseqnencia 4a raga
Dr. Miguel Farnandea Vialra.
Cldo .de qae oenhum a doa
ireosaadeiiario de abracar orna
riato cont de orna accio tao boni-
a, o Cer s dte esperar as
qae olbam cima 4* todo a
a.
Um Clarante.
as
em pr
co ims
estenos,
mtnucii
brimento d
Os volu
sb as y isla
tes Pioho
iflspekrao, p'
tende?
peloc
eados.
A
de muitaa pesio as, encontrando cia-
da seis polegidat, poaco mais ou
as mandou furar, e proceder a mais
averiguacoes para chegtr ao desco-
verdade, nada se encontrando.
foram deapicbados na alfanjeg
_oe mut dignos primeiros contaren-
wges e Peregrino da Silva, cuja
-se assererar, nada eicaparia, al-
o interesan que tomam
-abalbos qae lbe sao mar-
Srs. redactores.Apezar de river retirado do
blido do mundo, de res eroquando dedico algu-
maa boraa leitnra doi jomaos que entre nos ae
publican: o, deparando n'nm dalle* com a no -
ticie de qae acabara de praticar-ae a operaco
cexariana pela primeira vez neata jfJncia,
renbo reclamar contra eia asseicio, p^Wuanto
j foi executada na ra da Cruz do ReWe, em a
caaa de sande do* anteoeaaorea do* Sra' Soum &
C, hs cerca de lote aonoa, extrahindo-ae do
rentre de operada toda a oasada do feto, fisto
achar-ae corrapto j, resultando a ana morte al-
guna diaa depois. De Vmc
O matulo.
seas
entre
de qualquer
nseg
jalao, que
Pergnntas que nao offendem.
Srs. red adore,Com esta epigraphe, e ob o
anooymoum caja assigoatura nao foiextorqui-
dati ama algiearra nos arisos diferaoa do sea
eonceitaado Harto de 10 do contente mes, n.
157 em relacio a um professor de primeira let-
traa ( o&a diz se publico ou particular) que tem
abandonado a sua eadaira, e que o* pas do* me-
ninos procurara cerardetse abandono com um
abaizo assignado.
Como porm teoham-me apparecidoalgam in-
difiduos qneixindo-se de harerem assignado nm
papel per chamado do aobdelegado e instancias
do respectivo eacrirao. contra mm, ignorando o
contendo por nao saberem 1er, e nem eacre-
*er, ignoro ae o autor daquello asqueroso eserip-
lo quer referir-se a mim, e por laso recorro ao
prelo do san mesmo /Harto, convidando a esae
pseudnimo que levante a mascara, que falsa-
mente o cobre, aatigoe o noaso ata ex qtu nao
foi extorquida a tua atsignatura, reapoosabeli-
ae-ee pela peblicac&o eacripta, declarando o no-
me do profaasor, ou se quiz referir-se e aliadle ao
professor publico de primeira* lattraa da poroa-
cao de Beberibe, aOm de que o publico cooheca
de ana entidade, que comprehende o que aeja
honra e vergonha, para o absix* aasignsdo acei-
tar a luva. reaponder-lbea perguola e coofenee-
lo cabalmente da sua.injutta aggreaaao, perfidia
e aleirosia, por quaoto qem lam consciencia do
que dix ou eicrere, nao se occalta, a menos que
seja alguna serandija, ou a escoria de poree.
O padre Francisco Verisimo Bandeira.
COMMKMCIOc
14 M-lJL t*. UM-
paro o Barre,
Baret frane
carregarsm
Tisset rere, 1,000 conro Migado* fejrdos con
53.751 libras.
Logro portegietVtWw, para Lishoa, carrega-
ram !
Carralho Nogueira 4 C, 109 saceos com 500
arroba* de estacar, 1 barriquinha com 5 arrobas
rbomaz de Aqulao Fomeca, 257 saceos com
fatt5 arrobas de dito.
loe portugez 8. Manotl 1, para o Porjo,
jaran :
oel Joaqeim Ramo* e Silra, SOS couro
ido com 5,912 libra.
ato rendan laternatn
de Pernnmbneo.
londimento do da 1 a 11.
dem do dia 12.
16:6741*60
t:493514
18:l67j97*
CostnaUdo provlnelstl.
Rtndlment do da 1 a 11. 50:898^746
dem do dia 13 ..... 5591896
5T458|638
PRA^A DO REGIFE
tal DE JILHO D 18C*
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Senanal.
a26
wiifnto 4o
. _^_ "fUP ****dot no
loe intermedios -
ranees Ifavrre, de 1171 tonejai
* A. de la No, eqolp
nreotea motoadoria*. S
9 o porto* intermedios48 horas, rapor bra-
iro^er#tntm#a> o* 422 tonelsdas, commsn-
thtZ W^1 "'rrga.ea tfoe Santos Meare.
P-43 dias, esco,na iogieza Mary Biokc,
>-l4JS, Uieladao, capillo Richard Raadle, equi-
nafsm f, e,rg, fmn4a*: a Milla Lalbam & C-
LWorpoot59 diaa.brigae iogtez Ftoritt, de 228
***?*** capillo Jydeman, equipsgem 10, car-
** ?*?d* i Southal Mellon & C.
1L 1*2 ~~** *" pateetlo americano Roanoh.
1,T'ttM'l". eapiio Leng, equipagem 8
carga farloha do trigo e oatrot smaoro: a
Henry Fo.ier 4 C.
Navioi tahidoi no mesmo dia.
Rio 4 xaeeir Rabia -raeer francs Aavnrre,
couimandaeje A. de li Neo.
Macei>-*rlge ioglez /a6e/&, eapito W. Wil-
ham,fem lastro d sreia.
Obterfar^io.
SWo o (andaou no \hdibo para acabar de
carragar o brigoe ioglez Pfoc* Prince.
Ml\**&.
Azeite doce- -
Bacalho- -
., fleando em ler 8.500 quin-
19000 a 19200
^P^on-s^t^f ^raca do Recife 12 de
se possa
ae
formarT
O merUtissimo tribunal da relaco conceden
no sabbado Jhabiat-corpus aosSrs. commandable
auperior Aotwniode Albuquerque Maraohio e ea-
pito Anacleao_ de Mitloa, iodigilados pai e ma-
rido d j resucitada parahibana ; dando astim
mai* ama prmra da juiliQi que presido seu*
acto*.
Rkarti($ao da polica. (Extracto da* par-
tes do dia 12 Me jalho).
Foi recolhid o casa de detenelb no dia 11 do
crrante :
A' ordem da? Subdelegado da Boa-Viata, o preto
afrietio MiuoeH, de 48 anoos, escraro de Manoel
Castodio Pelxoilo Soares, por espsocamento.
Nada mais occorreu acarea de prises.
O chele da segunda eecc&o,
/. G. de Mezquita.
Mofimen (o da casa de deteocao do dia 11
de jalho.
tisliam.
itraram.
ahiram.
tem. .
A saber
Naciooae* .
Mulheres.- .
Etlrsngeiros.
Escraro*. .
Escrara*. .
Total. .
379
1
6
374
256
4
34
72
8
"374
preio*.
>
mentados a cusa dos cofres prorin-
es.....;....... 151
Motimento.da enfermara do dia 12.
*sr-TwOT8m baixa :
jnio Googalv! da Freites; constipadlo.
renco Gomes dos Santo; sarnas.
Teve alia :
noel Carlos Pimintel.
' Paaiageiros que vieram no rapor fraocez
avarre, entrado de Bordeaux e porlos ioterme-
lioe :Jos Joaquina de Oliretrs Goncales, Eli-
darlo Jos do Santos, Bruon Henrique, Catal-
:aatt de Albuquerqae, Jean lrec Graf, Luiz Ve-
Kinho, Jacob Kuol, Julin Smpalo, Larco Ge-
olioo e Dapelo Felice.
Seguem para o sul: Francisco Ferrelra Bor-
re e um criado, John Whelfield e Joaquim Fran-
iaco de Paala.
P*geiro que fleram no rapor brasileiro
rPartnnnoa. entrado de Macelo e portos inter-
medios:altere Joaquim Pedro do Reg Barros,
Francisco de Paula Andrade, Silvestre Jos Fer-
oandes, Francisco Jos Peres, Antonio Jaeintho
deSsmpaio, Benedicto, escraro do Dr. Antonio
Joaquim Buarque.
jf Matadouro publico :
lf*tarao-se para o consamo delta cidade no
dia 12dejunbo 98 rezes.
I Obituario do du 12 de jclho, no c emite-
PLBL1CO :
loado Jos da Silva Hartohao, 23 annos, sol-
UTO, Boa-Viata ; pulmona.
Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista; diar-
Villio de 1862.
\8 quatro \iotm 4k. t*xtAe.
Cota cees da junta de correUres.
Cambio.
Nlo hourerara cotaQdea.
i. da Cruz Matadopreoidente
John Gatissecretario.
Al fondear,
andimento do dia 1 a 11. 148:276*134
dem do dia 12.....1 10:336#320
1586129454
Motlmento da nlfondegeat.
Volme* entrados comfasendaa.. 54
> eom generes.. 59
?olimos sahidoa aom lazan das.. 45
c com gneros.. 95
113
140
afei
la, frica,76
la; pop
lao Theo
le, 50 anoos,
^dea. ltbert-
R. Boa Vist
Manoel,-Pernam
Joaquim Jos da
?
JoaJ de Santa Anna, Pernambuco, N i
nos. caaAda, Boa-Vista; gastro-enienie.
Anna Theois* da Silva, Pernambuco, 2 rx
Santo Antonio; tumor.
" '- -
v
^ttO do Nor-
+ diarrha.
.-00', 35 anoos, sol-
.j^o me0t.1l.
, i dia, S. Jos; espssmo.
Ira, Portugal, 44 anuos, sol-
tefe). Recita; apoplaxia cerebral.
irtins, B.i'hia, 28 anno, aolleiro, Recife,
talca pulmonar.
Eugenio Barrilier, Pars, 51 annos, ca-
Bja-Vfista; enfebenameoto.
rnambuco, 10 maces, Santo Aolo
de*.
Pernambuco, 82 annas, fiara,
o ; connettio cerebral.
nambuco,5 mezas, S. Jo ; bron-
acitca de Paula Cavaleaotl d'Al-
^efoambuco, 84 anuos, riera, Sea-
municattos.
* "'
Aes Ccarasr.
,e que aa tem tornado nolivaia
cale brea pelo un nmi o
progtasao, o as iosti||||Oea
da un commenlwatMai de
o reunern em Masaso.
Me Exea. M*e*ftelca Dr. An-
"^l morali-
iraeio
PMW
ia*sado, elle
1 d> patrelo*.
Descarragam no dia 14 do jalho.
Brigue portaguezSoberanopedrea.
Brigue ioglezCantoscarvae.
Barea naeionalBossaicaidam.
Patacho ioglezllalbybolbacalho.
Importac&o.
Vapor francez Navarre, riodo de Bordea,
consignado 4 agencia, maoifestou o teguiole :
1 caixa lecido de algodio, 1 dita dito de seda ;
a Linden Wild & C.
1 dita luvas; a viuva Lacn;te.
1 dita capas para chapeos le sol;- a Hanoel
de C
25 ditas qaeijos; a Tasso Irmosi C.
1 dita Blas de aeda ; a Vez 4 Leal.
1 dita calcado; a L. M. G. Ferreira.
1 dita drogas; a J. Almeida Pinto.
1 dita retratos ; a Jos Joaq/'m C- Maia.
1 dita sanguexugas, 1 dit *ces, 2 ditas quei-
jos; a Sodr & C. M -
1 caixa chapeo*; a Christiani Irmao.
1 dita dinheiro; a J. da Silva Castro.
1 dita objectoa para igraja j ao padra Egidio
Gonzaga.
1 dita lecido de seda, 1 dita manteletes, 2 bar-
ris tinho e 1 caixa fecidos; a F. Souvsgodt C.
1 caixa gslao de ouro; a H. Adour.
1 dita mereearia ; a Cmara & Guimaraos.
1 dita fitas e calgado; a Ferrelra & Hatheus.
1 dita mereearia e 1 dita roupt ; a E. A. Bor-
le 4 C. \
2 ditas objeclos psra igraja; a Souer Ma-
guen.
25 ditas quijos; a N. O. Bieber C
1 dita objeetoe de IlUographia ; aSeottWilsoD.
1 dita manteletos; a Manoel Goncalrea da
Silva.
10 ditsa queijos; a Vicente F. da Costa.
1 dita musical, 1 dita instrumentos de dits
a L. Deloucbe. #
1 dita jornaeo e figarinos; a Filippe Nery
ColISQO. JT
1 dita teci los de aeda ; a Monteiro & G.
1 ditaprezuntot.l dita conserva, 1 dits troc-
las em censerra, 2 ditas fama e 1 dita amoitras;
a Tia&et Frrea. .,
' 4sixa caixinhaa a frascos; a Sabino O. L.
ibo.
I dita Hvros; a Miguel Calmon.
sl dila amoatraa; a I. H 4 C.
- 1 caixs rendas; a Antonio M. Lopes.
1 dita egalhaa, 1 dita tecidos de eeda ; a Fer-
reira & Araujo.
1 dita mereearia, 1 dita calceto : o L. Vil-
lanos.
1 dita tecidos; a Maeslraly.
1 dita aalmo em sal; a O. de Soasa Franca.
1 dita amostras ; a Seve Filhos & C.
1 dita dita; a Ch. Laclare.
90 di|s ceblas ; a Francisco Sereriano Ra-
bello 4 Tilho.
4 dita lava; a Antonio do* .Sanios Siaaeira
Cffalcanlt.
1 dita retrato; a Antonio Francisco Crrela
Cardeso.
1 dita tabaco ; a J. B. de Olivalra.
50 ditaa cebla; a Antonio L. de Olivelra
Azavelo.
70 caitas queijos; s Breodar sil.dsB nr
Patacho ioglez Hollj/och, vindo de Torta Nora,
consignado a Satandera Brothers & C, saanlfeatou
o sr-guinte :
2.010 barricas baealMo ; aos mesmo.
Patacho naoiooel GoriooM*, rindo do Rio Gran-
da do Sal, contlgoadoto Baltbar & Otiraira, ,ma-
nieatou o seguiote :
10:185 arrobaa 4o catee da eh arque, 57 couro*
vaccuas e 209 calta velrtde oajm : aot mesmo*.
Brigue aaetootl Catiro l, vlnX do Rio Gran-
de do Sal, coeaigsado a Maia do Espirito Santo,
maaifettou o saguiate :
. 9780 arrobas do carne de charque, S12 ditas de
graxa em bexigag. 49 coaros rsecaos soceos, 5
barris com 300Uagtuaom aalmonre, 20t>etixs
eolia de sano, 90 ditas eom ubi* ; a orOem.
aonoguet Rio Koam, fiada o Rio
joado a Maia do Espirito
n aagaipla :
o satatt 44 charqoe, T8
, a ordean.
Cambios Sobro L-Hidra saccou-ae
d. 001190OO rs., sobre Psris do
168 s 370 por f., sobre Hambut
go e 690 rs. por M. B., e sobre
Lisboa de 106 a 108 por eente
de premio, regulando por 3t
40,000 osaaquea da semana.
Algodio Aa vendas do deata provine
regularan 4o 10J500 a 109709
ta. por arroba, parm Iracon-
do o fapor melhorea noticia,
provavel que aaba, O d
1 aiacai posto bordo reguloa
4n 119500 allfROOrs., eo ds
Parahiba a 129200 rs., ledo
antas das noticies de melhoris.
A*sucar> O braoco vondeu-se de 2^800 a
396OO rs. 00c arroba, aoote-
no a 29600 rs.. maseavado
TQ porgado de 29300 a 29400 rs.,
e bruto de 19830 a 1990 rs.
Agurdente Venden-so a 52J000 rs. a pipa.
Coaros- Os seceos salgados renderam-
ae a 170 rs. i libra.
Arros ----- Opilado da India e Hartnhio
fondea-se a 39000
roba.
O de Lisboa rendeu-se a 39000
rs. o gallo-
As vendas em atacado effectuo-
se a proco oceulto, que auapei-
ta-ae aer 79500 rs. por barrica.
Retalhon se de 69OOO a IO9OOO
rs
taes.
Batatas Venderam-se da
rs. por arroba.
Caf-------------Vondeu-se de 69000 a 89OOO r.
por arroba.
Cha------------------Veodeu-se de 29200 a 2J450 rs.
a libra.
Carvao de podra Vendeu-te a 12500O rs. a to-
nelada.
Cerreja-----------dem de 4*000 a 4S600]rs. a du-
zia de garrafas.
Carne secca- A do Rio Grande f ondea-so de
19600 a 29400 por arroba, e a
A do Rio da Prata de 15400 a
____ N398O0 ; Ocando em sor 9Q..000
tacha dt,n.riata> 4.
aeaenoa.
Farinha de trigo. O mercado esti reduzido a 3,400
barricaa; sendo 1,4(0 de Phi-
ladelohii, 200 do Genova, e
1,800 de Trieste, lendo-se re-
talbado de 189 a 259 rs. a pri-
meira, de 24 a 259 rs. Ja se-
gunda, e de 269 239 > ter-
eeirs.
Geoebw----------Vendeo-ao a 400 r. a botija, e
a 550OO rs. a frasqueira.
Lou?a--------------A igleza ordinaria vendeu-se
a 300 rs. por cento de pre-
mio sobre a factura.
Mnteiga A francesa rendeu-ee a 560 ra ,
e a inglesa do 650 a 700 rs. a
libra, existndo em aer 1,500
barris.
atja- Veodeu-se d;e 19700 a I98OO rs.
o galio.
Queijos Os flamengos vendbram-se de
19400 a I96OO rs.
Touctnho---------- O do Lisboa vendeu-se a 8#500
rs. por arroba.
Vinagre O de Portugal rendeo-se de
1059 a 120g rs. a pipa.
Violto ----- Os de Lisboa regaln de 2109
a 2409 ra. a pipa, e de outros
paires de 2009 a 2209 rs.
Velas ----- As de com posicio renderam-
ae a 660 rs. a libra.
Descont-------O rebate de leltras regulou de
10 a 18 por cento ao anno, des-
contando a caixa filial cerca de
290 contos de ris 10 por
cenlo.
Fretes ----- Para o Canal a40, para Liverpool
a 30 pelo las ir o, e 3(4 por li-
bra de algodio.
Domingos Alfonso Rea*- Ferreira, commendador
das ordena da Rosa e de Chrislo, commandan-
te *^perBt interino da guarda nacional daste
municipio, a praaidente do conselho de rerista
da mesma guarda nacional por S. M. Imperial,
qae Daoa guardo, etc.
Fca sabe que aa 3* donfoga do presente
mez, (10 do cor renta; se reunir o cooeelho da
revista da guarda nacional, como determina a 2a
parta de art. 25 do decrete 1,130 de 12 de marc;o
de 1853, na sala das eessdes da cmara munici-
pal daata tidade s 11 boraa da manhia, na con -
forraidade do art. 44 daa instruec5t u. 722 de
25 de onlubro de 1850, afim de tomar cocheci-
to oto dos recursos, qae versarem sobre os casos
do art. 83, e que forem iotarpostos pela maneira
determinada no art. 38 das ditas iaslraecdas.
E para conatar a quemeonvier mandel publi-
car pela lea prensa.
Quastel docommando superior interino, 12 do
jnlho do 1862.
Domingos Adorno Nery Ferreira.
Pela inpec{ao da alfandega ae faz publico,
que no dia 14 do correle depois do rneio dia se
bao de arrematar em hasta publica, porta da
mesma repartidlo, duas csixas com enfeites para
cabera no valor de 389000, que foram arremata-
das em hasta publica no dia 20 de Janeiro do
5. por ar- correnla anno por Thomaz Dias Souto, cujas
mercadura tao joigades abandonadas de confor-
midade Com o disposto no g 2* do art. 301 da
regulamente, sendo a arremataco litro de di-
reilot ao arrematante
molar (das amarellas).
de oleo de llnbaca.
ocre.
a sonidos,
a arroba de pos preto*.
1 barrica de rozo-trra.
8 libras de tacante.
1 arroba de verde meeaa.
1 arroba de branca dits.
8 libras do zarcio.
Maia airoba da alraiade.
8 libras de'anlz.
48 vidroa para lampadas.
Madeiras.
12 taboaa da a amello com 25 a 30 palmos.
18 ditas de loaro eom 25 a 30 palmos.
18 trates ou lijha.
18 tercaa
18 frecbaes.
20 enchameis.
1 pranebio da amarello.
1 dito de loaro.
200 ceibros.
Para a officioa de tspateiro.
350 coa ros de cebra.
60 vaquetea.
Qaam quizer tender taes objectos, aprsente
aa auaa propoatas em caria fechada na aecreteria
do conaelhoia 10 boraa da manhia do dia 16 do
correte mez.
Sala daa sesses do conselho adminiatrativo'
para oroecimento do arsenal do guerra, 8 de ju-
cho de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francitco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal, secretario interino.
4a 11 ccao da alfaodoga de Pernambuco 9 da
jalho de 1862.
O 1' eteripturario,
Joio Carneiro Lins Soriano.
Crenle acamara municipal daata cidade ir
nvamenos i praca nos diaslO, 12 e 14 do cor-
rente, o impoeto de afferic,dea ; aquelles que o
pretenderem arrematar apreseotario Ganga id-
nea na forma da lei, sem o que nao serio admit-
trdes a lm;ar na dito imposto.
Pace da samara municipal do Recife, em ses-
sio de 7 de julho de 1862.Francisco Canuto da
Boa-Viagem, officiat-uaior serviodo de secre-
tario.

aa1a^i
b^iaurmdfe^.
Oleo jo
'.%
Hamburgo SO de junko.
Bolttim eommercial.
Dursnte olio dias o mercado esteva mais ani-
mado, mas neite momento o mesmo se acha na
actiga posicio, limiando-se ao supprimento do
cootumo, e iaao ainda mais porque o alto des-
cont de 56 0/0 nio pormilte emprezas de es-
peculado.
Caf.Desdo a aosss ultima o marcado moa-
tron bastante animagio, e venderam-se cerca de
14 mil sacos de cafa do Brasil'; mas oeste mo-
mento reine grande trsnquiklidade, e os possui-
dores se conservan) dialantes do moresdo.
As noticies do Rio de Janeiro de 25 de msio,
qae acabam de ebegar nenhuma influencie exei-
ceram ebre|o mercado.
.,50l!m.0?:"~c'f rcfeul" ordinario do Rio6
1/2-6 3/4 schtlllngsT
Assucar. Em onsequencia de coaeeasoea
maiores de parte doi possuidores, tem tido lagar
considerareis trsnaatcoes oa semana pastada, e
de assucar braailein venderam-se 1,800 saceos a
25 barricaa maacave da Baha.
eaixaa mascaro de Pernam-
O
do.
seg
Cojiselho administrativo.
onselho admfDfstratlro, pr
enal de guerra, tem de com
300 saceos o 200
buco.
B cerca 4e 5,100
hib entregar.
Algodio.Con Unraaodo
lceos de mascaro da Para-
_ a subir o* precos em
Liverpool, sendo oa deposito 00 atarior quisi
exhauato*. bavia us grande movimonto, se nio
'lt*o genere paral realiaar aa ordoos.
Vendaram-ae 107 balas do algodio de Pernam-
1 -T4 ehrBSfc Pto geral de
S.0.^!!*2f*< lea em primeira mi
e maior de 500 bala.
JOO redozidos Um batido
ltimos dias.
rom :
da Babia arariido a 55/8.
aebillingt, termo medio.
"> dem, dem, dem.
dem, idemjidenu
4,500 picle*
Tabaco.Peleo
mais tranaaccooa n
Em lei lio ao tend
33 bailas 4o taba
20 3/4 scbilHag.
194 bailas i 7 1/
117 idam 6 3/
128 idam 4 7 3/
Depoaito de tabaco da Bi'hta
1,000 rollos.
Coaros.S a precos reduzido* 6 possirel *l-
fectuar rendas. ** ?
a w? ""'JUJ6;-"*.hnm de 2.900 eourot ds
*'.!?. a.323 de Pernambuco 5 5/8 e 6 1/2
obihnga, e 2.600 do Rio-Grande do Sul i 8 5/8
chiillags. '
soSutebUa"0 pr0^B"d0' e M P*0 !
Desde e noeas ultima enlraram de Santos oa
JIM 4n & t*' 0 CnrMiaaintv com 9.400
ssdoi do c-f. do Rio de Jadeiro o navio
Nanna coa 2528 eaeces de dito da Bahio o afio
Orion, com 877 bailad de UbacoV308 aaLoa
97 caixa. da assucar, 9M fallas do pUam.
Partiram :
Para o R da Janeiro os narlos 41
Para o Maraahio o afio R$firtnc:
rovimento dos armazens do arseai
de guerra.
sms de papel almajo,
tas de dito pautado.
zas da pennas de ac.
ataos de obris*.
anivates.
uziis de taboas dPinhfjOBericano.
nsdas de azeite de edeb.
Para a caaa da guacda'de palacio.
150mibra de telaa ealaprioas.
Quepi qurrer vender lies objectos aprsente as
anas proposlas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas dar manhia do dia 21 do
correte mez.
Sal daa eeasoee do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de sirerra. 11 de
jalho de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel togal secretario interino.
Ctnselbe administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem do comprar os objeclos
egointes:
Para o 2* batalhio de iofaotaria.
2 trenas de 2 palmos.
2 estadios triangulares de metal.
Para o 9 batalhio de infantera.
6 reamas de papel almajo.
6 calzas de pennas d'eco.
200 ditaa d'ave.
2 caivetes.
6 girrafa de tinta para escrerer.
6 duzia* de (apis de pao.
6 libraa de are para escripia.
36 exemplares di collecc.de de carta* para
principiantes.
36 Uboada.
12 grammatieat portuguezas por Monte Verde
ultima edicao.
12 compendios de arithmeticas por Afila.
12 pautas.
36 traslados.
6 pedras para escripia.
18 lapis paca as ditas.
Qaem quizar tender taes objeclos aprsente as
propostas em earta fechada, na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhia do dia 18 do
corrente mez.
Sala das Jiesse do conselho* administrativo
para fornecimento do arsenal da guerra, 9 de
julho da 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
I Coronel presidente.
.! Ftftncisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel tonal secretario interino.
Conselho admistrativi.
0 conselho administrativo, para rorneelmento
do arsenal do guerra, tem de comprer o objec-
toe/s*gutnies:
Para o presidio de Fernando.
2-pecas do cabo de cairo de 3 lt2 pollegadas
de groaaora.
Para o sorvlco do almoxarifado.
3 duziaa de caetas de etpinho da quaod.
3 caivetes finos.
2 leroos de medidas de amarello, de um aelu-
roim a rneio alqueir*.
2 medidas de 15 centesimos de alqueire, aendo
todas as medidas aferidae.
12 garrafas com tinta pret.
S caizas de penosa 'tgo jjas lina que se lian
as reparlicoes.
Para o sarticn do caraploas.
4 tiara* de gis ftno (chamado do reino).
5,000 ptegos ripaes.
2 duziaa de verromaa caibeaa*.
X daiia 4o dita caixsss.
fon o sertico da faaileiroe.
2 aaixoa da folbaa de tendr* dobradas.
9 dtta 04 diu paqueos.
Male arroba da arama de fercp proprio
marntbes.
MeU arroba 4a acamo mai* fino
ligeitis
Pata o artico do tanoeiro.
1 quintal 4o arce* de ferro para ancorlas.
500 erara de ferro pequeos para oa meamos.
Para oservico de ferreiroa.
1 barrica de aria de caldear.
2 lenc/ej de ferio proprio par* {echaduras de
e porta e citxoes de madeira.
pjlma* triangulas do 3 pollsgadas.
t arroba delternit.de faceo.
Para o aetvico geral do presidio.
Ua imperial.
ba da barbante ou fio do rolos.
_ aom breu. 4
< Pfit de cabo do linbe do 11(2 pollagada do
irossnr.
i arroba do colla da Babia,
para
proprio para
,, Pr*
m
Aliaos aaritimoa.
Para o
Rio-Grande do Sul
com escala pelo Rio de Janeiro
O brigae nacional Msrqaez de Olinda. te-
guiri para 00 portoa do sea dodino at 15 do cor-
rela, receba tmente escroto* a frele : a tratar
com ot consignatarios M. I. de Oliteira & Filho,
no largo do Corpo Santo n. 19.
lio de Ja
Pretendo aegoir com msita bra..
Bio da Janeiro o veleiro e bem eonb
nacional Almirantea, tem parto del
ment prompto ; para o reato que Ifcfl |P>. trs-
ta-ae com oa aeus consignatarios Anloo Luiz aba
Oliteira Azeredo, no seu escriptorio n daCstsa
numero 1.
Piara o Porta*
Obligo* porUgaes Amalia I. sabe at odie
24 do corrente mez, para paaaagairoa os quaes
overeen excallentea commodoa : trata se com o
capitao a bordo oa eom os consignatarios na ni
da Madre de Deoa n. 3.
iWSOf*.
C0IPHHH PEUAIBIJCaNA
DB
iMavegaeao coslera a vapo?
Macei pelas escalas
O vapor Persiouuga, commandante Moara,
sahiri para os porto* do sal tocando as escalas
no dia 19 de julho, s 4 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 18 ao rneio dia. n-
eo m meo das. passegeiros e dinheiro frote at
o dia da sabida ai 2 horas: escriptorio no forte
do Mallos n. 1.
Segunda-fdira 14 do corrente
O agente Almeida fari leilio por aonto o a-
co de qaem pertencer de um cabriole! novo
2 caralloo e urna mulatinha linda pega de 9 sai-
nos de idada muito propria para ae fazer dafla
um presente, as 11 horas do dia cima na porta
da aaaociacao eommercial.
Para o Ass
At o dia 19 do crrante pretende sabir o hiato
nacional Jaguaribe, por ter o seu ar~
lo prompto, recebe oaasaiteir'
v tugre a uno
sabe para Lisboa impreterivelmente no dia 15 do
correte mez de julho recebe ainda alguma
carga e passageiros, para o que trala-se com o
consignatario Thomaz deAquino Fonseca.na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
Lisboa, Porto e ilha de
S Miguel
Carvalho & Nogueira ssccam aobre as pracas
ima : na ra do Vigario n. 9, primeiro andar.
acim
COMPANHfAEBRASILEIRA
IPMISMS l MMML
E eaperado doa porlos do tul at o dia 14 do
corrente um dos vapores da companhia, o qual
depois da demora do cosame seguir para os
portos do norte.
Desde ji recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder cooduzir a qual deve-
r ser embarcada no dia de sua chegada, en-
commendat e dinheiro a frele at o dia da sahi-
da as2 horas: agencia roa da Cruz n. 1 ea-
eriptorlo de Antonio Luiz de Oliteira Azevedo
4 c.
RiodeJaneiro.
o
O brigue brasileiro Deolinda ainda recebe car-
ga o eicraros a frete para o mesmo porto: a
tratar com os'consignalarios Marques, Bmoi Si
C largo do.Corpo Sanie ih 6.
L^
isboa.
LEILAO
4l \ do corrente.
Por mandado do Illra. Sr. Dr. juiz especial do
commercio e em presenta dos Srs. curadores
Oacaes da maaaa fallida de Luiz Antonio de Sou-
za Hibeiro, o agenta Oliveira fari l*il3o de todas
as ferrageos, miudezis e mai mercadoria da
toja que foi de dito fallido aita oa ra do Quai-
mado o. 32, constantea da retpeotivo balando esa.
poder do referido agente para previo exama do*y
pretendeate, a qaem para este fim especialmen-
te convida :
Segunda -feira i A
do correnle, ao rneio dia em ponto, na mencio-
nada loja. ra do Queimado n. 32.
LBAO
^rrente.
->ola a rlaco
ai mobitiad a japnndi.
------ marquen. cadeirM,saHfci
de janlar, um grande realejo, pianos, coserlas de
metal principe para conaertaa a comida asteado
quadros com moldun, earteira* para aecripterio"
candelabro e serpentina de cryslal, orete J
mascaras para jogo de espada, rouitos outro ob-
jectos para o uto de urna ctaa de ponca familia -
em seu escriptorio roa da cadeia do Recife, n. 48
as 11 horas do dia cima.
Avisos liviWficizV
GLANDE
Laboratorio a vapor
DE
Pijupa lavada e eagommada
de Ramos APiuientel.
Podem maodat bascar a roupa lavada os do-
?-f <,o;n : vt' x(fI< 3*. *5, 67. 26. 180.86. 60
33 168 137.21. 27, 124.113.152 58.62,3.
177,25.52.43. 103. 36 51. 8. 105. ISt.
Pretende sabir com toda a brevidade o brigae
portugus Soberano por ter maia de mola car-
ga prompla: para o reato da carga e passageiros,
trata-e eom o consignatario Thomaz da Aqeieo
Ponseca Xaoior, na tra testa da Madre de Deoa n.
7, primeira andar, ou com o capitao Antonio A-
goetinho de Almeida. na praca.
GOMPANHIA. PERNAMBUCA.NA.
Navegaco costeira a vapor.
Parahiba, Rio-Grande do Norte, Macau,
Araoaty, Cear, Acaracu' e Granja.
O vapor Igmaraet, commandante Viaooa,
sahiri para os portes do norte at a Granja no
dia 22 do corrente a 5 horas da tarde.
Recebe carga at o da 21 an rneio dia ; oo-
commendas, passageiros dinheiro a freta at o
dia da ahida as 2 horaa ; eacriptorio no Porte
do Mattoi n. 1.
COMPANHiyRftSILEIRA
ppt?gs o nm.
At o dia 17 de correte, d esperado doi
esperado
h, commsndan-
rcetino Pontee
o do cusame
correetto
portoa do norte o rapor Op
te o oMmeiro lente Aot
Ribero, o qual depeia 1
seguir* para oa partea d
Daade ji rocabem-ae j
a carga une, o tapo* podor eo^dbntr,
teci aer embaraaOoio dia de so* chegada .dinhei-
ro o freta encommondaa al o dia da sabida as
AC. tO'a^ttasaai aaNaBaBaassas* eaainii
o engata-oo
o qttal da-
LOTERA
Sabbado 19 do corrente mez anda-
rao impreterWelmentea roda da quar-
ta parte da segundo lotera para a
ediicaco da casa do Gymnaoio Per
nambucano (3. concessao) no consis-
istorio da igreja de N. S. do Rosario
de Santo Antonio. 0$ bilhetes e meios
bilhetes acham-se a venda na respec-
tiva tbesouraria ra do Crespo a. 15
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieit-a, tua da Imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentes, ra
Direita n. 3 botica do Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia do Recife loja n. 45 do
Sr. Porto.
As sor tes de 5:000$ ate as de 10| se-
rao pagas urna hora depois da extrac-
cao, e as outras, porm, no-da imme-
diato logo que se tenbam distribuido *9
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souss.
Aos Srs. cousumidores de gaz
Nos armazens do cies do Ramos na. 18 e 36
ns roe do TrapitboNovo no Recife n. 8, a* en-
de gaz liquido americano primeira qualidad* a
recentemente ebegado a 14 a lata de 5 gales
asslm como lata* da 10 o do 5 garrafn o osa
garrafa.
Fugio ama eacrava em 11 de julho, por Bo-
rne Lazi, crioala, idade 35 anaos, levoa vestido
de chit escora, o am chalee de algodio ojosot
braoco desootsdo, tem flta de denle* na fraatte.
os oi*o* dos palios sio botados psra tora maia*
polegada, estatura regular ; ltanlo um laboeiro
grande cem teiobaa do Alagoas, laranjaa. gam-
ma, banana* e um calzao da charutos ; caja ew
crava foi comprada o Sr. Jos Jaciatho de Car-
talho, em Santo Amaro : roga-ao a todas as pes-
aoo* que .della nolici* titerero pegarem-na o
leva-la ao aeu aeobor, oa iua Direita n. 99, *
ae pagari o aou trabalho.
Bal* para alugar-ae o 2* anda* Ou obrado
da roa Direita n. 85 e a loja do nttne, qua> ao
acha aom armario pata qualoaer eetabeleciaaoa-
to : quam preaodec falle na ra ala* Crnaeo oo-
brao n. ta, ____________
No da 17 do corrente mez. se hade ana-
matar por renda em praca publica do jaiso o
orpbioa do termo de Olinda, depois da *udt*s*>-
cia da mesmo jaita, em ootravo crioatlo, oa**
idada d Sl anace, com o adicto do caneewo par
1:2000, urna ooarawa crionta oom Si sano o*
idado por 700. oatra dita do noci com 5t am-
doa do idada por 4001
No dia 17 do corrente moa, aic%* do *ae>
matar por venda em praca 4o JU* d orpbloo
annos por 9IOf.


PrtCiM-
Frege.nat
totelo da
B raa do
ocUco Me-
retlram-se
zfypothejca-se'"Rasa terrea en boa ra
e dewmbaracejlFe tratar ni raa Bella
8, com Me noel Joa da Silva Gabral.
Gasa de saude em Santo
\maro.
gftr. Silva Ramos.
EalJP letabelecimento f bem eoohocido, e con-
lUuado naati provincia pelos relevantee servi-
lla que tem prestado, contina osa melfaorea eoo-
"~es debaixo da directo de aeii proprietatio
Ibar doentes de todas as clanes, os quaes se-
tratados com todo e lelo a icteresse pelos
liegos aogaioies :
fweira clasae.... SgOOOou maii.
Anda dita...... *>500.
Ifrceira dita...... tftOOO.
Em aiqaer das claases os braocoi flcarao se-
parada* dos negros. Os alienados da 8.a e 3.a
lesee o o furiosos psgaro a diaria ordinaria,
sendo (ariosos pagarlo mais a quarta parte. Oa
alinalos da 1.a clssss paga rao segundo o ajusta.
BOHO M liaJUMlOCO- SEGUNDA
Companhia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$
Agentes em Pernambuco
Antonio Luis de Oltveira Azevedo & C. compe-
tentemente autorisados pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam seguros de na-
vioi, marcadoriaa e predios, no ssu escriptorio,
raa ds Craz o. 1.
0 _
Mercantil
ffectivameaUj
bit o masmo L
boa, por qaalquer somma avista a
zo, podando logo os aaques a praxo
descontados no masmo Banco, na raz&o
de 4 por canto so anoo aos portadoras
qaa assim Iba confiar: naa ras do Cres-
po n.8oa do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
a .
Ao respeitavel publico em geral, e ao
corpo do commercio em particular.
A. C. P. de Burgas Ponce de Len, em satisfa-
C8o aos desejos de sea sogro o Sr. eommendador
Antonio de Siqaeira Cavalcanti, tendo deizado a
vida de agricultura a depols a do commercio,
acba-se bojeempregado no (oro desta cidada co-
mo solicitador de caasss, a naata condico offe-
rece aeus servidos aos que qaiaerem lhe cooflar
as snas demandas, esseneialmente as qaa devem
ser tratadas perante o juizo commercial, nio s
porqae se jalga de alguma forma hsbilitado, co-
mo porque neata especia mais se dedicar.
O sollicitsdor Burgos se prestar grataitamente
a fazer valer os direilos dos qae realmente po-
bres, estiverem dolsrosamente' sob a oppresso
dos descomedidos a losuportavets caprichos de
injustos poderosos.
Elle pode ser procurado na ra de Santo Ama-
ro, casa n. 26, que Bca por Iras da raa do Sol,
das 8 s 9 horas da maoha, e das 3 s 5 da tar-
de, e no intervalo de9 as8 horas, no escriptorio
da roa eslreita do Rosario, sobrado n. 27, on oa
asa das audiencias.
dfOYO.
segundo
mais os i
primario,
iliea o UVRO DO.POVO, publi-
#io da Sr. DrsgjL lltrqces Ro-
lam a vida de N. s. Jess Ghtisto,
a?So dos quatro evangelistas, s
s srligos: o vigario, o professor
bomem Ricardo, a moral prati-
ca, Simo de Naotua, mximas a pansamentos,
a bygisne, os devares dos meninos, e e, Brasil.
A publicacao do LIVRO DO POVOnld> # tlm
por flm uniformizar a teitura as escalas prima-
rias, onda cada menino aprenda pon aa livro
difirante, e portaeto facilitar o trabado do mos-
tr e do discipalo, como tambem vul
am preso barsllssimo, a historia do
mando, o os melbores preceitos de m
Veode-se o Livro.do Povo, no
liraria da praca da Independencia
500 rs. o exemplar em brochara, a a
tooado.
iear, por
llvador do
ral.
Recite, na
10 rs. car-
SEGUNDA EDICC.V0
DO
TBESOURO HOMEOPATHICO
00
Vade-mecum do homeopatha
pelo dootor
uwm il. f mil.
Este livro qae se tem tornado lio popular,
quanto necessario, acaba de aar publicado com
todos os melhoramenlos, qae a experiencia a os
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va edieco em lado superior primeira, en-
cerr :
1.a Mais ampias noticias acerca do carativo
daa molestias, com indica toes mai proveitosas
dos medicamentos novos recentemente ezperi-
mentados oa Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
2.* A exposicoda doatrina homeopatha.
3.* O estudo da apropriaco dos remedloa se-
gundo ss predomioanclaa dos temperamentos,
daa idades, dos sexos, a segundo as circunstan-
cias almosphericas etc., etc.
4.a A preservarlo ou propbilaxia das molestias
hereditaria.
5.a A preservaco das molastiss epidmicas.
6.a Urna estampa Ilustrada demonstrativa ds
conlinuidade do tubo intestinal desde a bocea al
o anua etc., etc.
Vende-ae na phamucu especial hoheopa-
tbica, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Preso de cada exemplar. 2OS000
N. B. Os senhores assigosntes queiram man-
dar receber aeus exemplarea.
Hotel popular.
Ra Direita n. 50.
Foroece-se comidss para (ora com muito asseio
e promplido, por muito menos do que em outra
qaalquer parte, sero sempre ossegniotes precos:
Para ama pessoa 25*000
Para duas 459000
Para tres 655000
Mi de vacca todos os domneos a 400 rs.
Joao da Silva fiamos,
medico pela Unlversidade
de Coimbra,
da consultas em cass, das 8 s 10 horas da m-
nha, e presta-ae a qualquer chamado com a bem
aoohecida promplido.
Consultorio medico-cirurgico
3--R13A.DA GLORI* CASA. DO F\}NI>&0-3
Em consecuencia ex
manto acaba de fazer urna .. .r.ol ,ui wuu. >. .-____. -jju4-.
O desejo que tem de que oa remedios do sea estabelecimento nao ae contendam com oa da
nenhum outro, valo o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ; o proprietario tem tomado
a precauco de inscrever o seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsiflca-
doa todos aquellos que forem apresentados sem esta marca, e quando a peasoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assignada pelo Dr. Lobo Moseozo a em oa-
pal marcado com o sea nome. -
Outro sim : acaba de receber da Franca grande porco de tinctara da acnito a belladona, ra-
mean eates de summs importancia e cujas propriedades sao tao conhecidas qae os mesmos Srs
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
- Os medicamentos avulsos ar em tubos qur em lindaras caatarlo a 11 o vidro.
O proprietario deste estabelecimento annancia a sous clientes e amigos que tem commodos
aufficleotee para receber alguna escravos de um e outro sexo doentes ou qae precisem de algunas
operaco, affiancando que aerao tratados com todo o disvelo e promplido, como sabem todos
aquellea que i tem tldo escravos oa casa do anrrunciante.
A aituaco magnifica da casa, a commodidade doa banhos salgados sao outras tintas vante-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
i a ,1 PJ8*0" q quizerem (aliar com o annundante devem procura-lo do manha at 11 boraa
t de tarde daa 5 em dianta, e (ora destaa horas acharo em caaa pessoa com quera ae oodero an-
ender raa da Glia n. 8 as* do (uodo do Dr. Lobo Motcoio.
Pateo do Livramento n; 11.
primeiro andar.
O dentista Numa Pompilio planta denlas arli-
flciaes por grampos e ligaduras a a prsalo do
ar, dantos ioeorruptiveis sobre oaro, aystema
norte-americano e (az todaa aa opera;oes de saa
rtae com promplido e limpeza
Nudanca.
Manoel Antonio de Carvalho
com loja de f&zendas na ra do
Queimado n. 17, mudou o seu
estabelecimento para a casa n.
27 da mesma ra.
Na travessa da ra das Cruzes n.
2, pjimeiro andar, tingese para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
EN SINO
* Pratico-Theorico
DA
LIHGUA FLANCEZA,
SEGUNDO
O NOVO METHOOO
DO
Dr. H. G.Ollendorff
PARA
Aprender urna lingua em seis mezes
POR
Cicero Peregrino,
Bacharel em direito.
2 volumes em 8.
Sabio do ralo o 1.a "!" <- -*-
kKUA do queimado wm ,
f.u. f untmr 2T?0l d* gft!*S5' PJ,Dno 28. O a 35. c.aaaoa multo bem
leitas a 25|, 281, 30J, e 8oJ, paletots acasacados de panno preto de 16 at 15, ditoa de easemira
f0' 1*9.18$ a OJ, palelots saceos de panno o caaemira de 8 at 14, ditos saccoa de alpaca
"i .? f-1*? ** at ** ,obr# d# ,Dae* n1'11* < 7| at 10, calcas pretas do easemira da
( at 141, ditos de corda7 at lOf, roapas para menino de'todos os tamanhos, grande sorti-
monto da roapas da brins como seiam cal?as, paletots o colletes, sortimento da colletas pretos d
mtim, easemira o velludo de 4 a 9f, ditos para casamento a 5 a 6, paletots brancos da bre-
scante a 4 o 5#, calcas brancas malte finas a 6$, a am grande sortimento de (azendas fina s o do-
mrnss, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino o senhora, sroslas da
dono o algodo, chapaos de sol de seda, lavas de seda da Joavin para homem e senhora. Te-
jaos urna grande fabrica da aUaiste onda recebemos encommendas da grandes obras, qae para
nso est sendo administrada por am hbil mestre de semelhante arta a um pessoal do maia da
(incenla obreirosescol nidos, portante exacatamos qa aiqaer obra com promplido amis barate
da qaa em oatra qualquer casa
roupa rarpA
uuici eacnpia em portaguaf
pelo conaelboS
I]iecial
hOmeopatleo
Mili
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
Nesto consultorio poda ser procurado o respectivo proprietario qualquer hora havendo
ah sempre grande sortimento dos vordadeiros medicamentos homeopathicos, preparados em Pa-
rs (as unturas) por Gatellan e Weber, os mais acreditados pharmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de homeopathia.
O proprietario deste consultorio nao pretende, todava, qua seiam os seus medicamentos
infallivais, porque nada ba infallivel em factos humanos; nem tio pouco superiores aos que por
ah m preconisam, porque certo que o que ns-fazemos, outro o pode egualmente fazer to bom
senao melhor. fdas afianca que nelle nao ha trafkancia, e que o servico dalpreparaco como por
elle mesmo propneurio, que nio tendo grandes commercio de carteiras, acha-so sufficiernle para
sasfaxer s necessidades daquella preparajao.
Hesie consultorio seham-se venda elementos da homeopathia, acommodados intelligoncia
de qualquer pessoa ; assim como prasta-se gratuitamente o
assim cuino prosia-se gratuitamente o seu proprietario, com seus esforcos e
medicamentos, i todas as pessoas necesitadas, sem distinr^o alguma. qaa o procurem. wis
que o seu maior prazer ser til i hnmanidade soffredora.
approvada
o publica para asrvir C
.. ...i publicss de inatrueco
da provincia, o accommodada ao aso d
pretenderen] (aliar e traduzir com prot
a lingua (ranceza.
Acba-ae venda no escriptorio do au'.
doj)uelmado n. 26, onde anda aa rece,
signsturas (78000), at a publicacao do 2 a
me; depols do que vender-se-ho a 10])
exemplarea.
por
tec-
ieo-
arla
is
raa
ae-
lo-
Oos
81 b--JRua da Cruz\6
I
i
g
I
8
O Dr. Rocha Bastos
d consultas todos os dias.
Cara radical o em pouco daa moles-
tas syphiliticas a dos orgaos genito ati-
narlos.
Consultas de graca das 8 as 9 horas da
maoha.
Joaquim F. dos Santos
40-Rua do Qaeimado4Q y
D3rc^t^4o-Decco da Uongregacao letreiro vertie.
todas
Reste estabelecimento ha sempre am sortimento completo de roapa taita de
aa qualidades e tambem se manda execatar por medida vontade doa (reaue-
zea para o qae tem am dos melbores profesores. g-e
Casacas
Alaga-se por mez um escravo coziobeiro e
outro para todo servico ; na ra Velha, casa nu-
mero 35.
Q-BJXAS
de Hamburgo
Alugam-aa e vendem-se por qualquer
na raa do Rangel n. 18, amola-se todo o
orlante.
preco
(erro
~ Alaga-se a casa n. 5 da paaaagem da Mag-
dalena, a segunda paasando a ponte grande com
commodos para grande amtlia, urna excelente
baixa de capim e algumaa (ructeiras, com agua de
beber dentro da mesma : a tratar da ra da Craz
n. 2*.
Os proprietario da contenera da ra da
Croz n. SI, tendo de retirarse psra (ora desta
pra^a, veodem o mesmo estabelecimento que se
acha bem montada e deaembaracado, nao s ven-
de a dioheiro como a praso, com boas firmas.
Precisa-se da .irezenioa a quairtceuios mil
ris a Juros sobre peobores de ouro, pelo tempo
de quatro mezes, nao trepldando-ae a paganas
bom juro a quem quizer azer este negocio a
tratar na raa da Matriz da Boa-Visla o. 85 Ia
andar. '
RA NOVA MERO 11
Antiga loja de Gadault.
parle ; a saber
Para msicas.
Varlsdo sortimento de instrumentos
psra msicas militares e de orcheslra,
instrumentos completos de chaves e
aplaton muito perfeitos e aunados do fa-
bricante Gautrot Aia-
Para carros.
iGuarnices completas para arreioa de
carros de metal do principe ede lato pa-
ra um e dous cavallos, molas, vaquetas
iraacezas pars cobertes, encerados, ga-
lesj deis laoleroas para carros e coops.
colleitM etc., ele.
Vidros.
Usa g/eoaje e variado sorlimeoto de can-
delabros, serpentinas, laoternas com pin-
gantes e sean alies, palmatorias, copos
para alnho, callee*, redomas para ima-
gens redondas ovis grandes e peque-
as a vontade do comprador.
Para retratos,
Machinas muito superiores francesas
americanas grandes e paquenes. grande
seflimente le chimicas para trabalbar am
todos os procesaos, csixiobaa psssepar-
tou americanos e franceses, papel albu-i
mioadpelc.
qae em oatra qualquer
Para noivas. .
As.mais ricas e elegantes capellas que
se pode desojar, asseverando sem errar,
serem as mais booilas qae aqai tem vio-
do, ricoa mantelelaa pretoa com vidrilhos
franja o maia moderno neste genero.
Para presentes.
Muito lindas aixiohas para costara
com muaica o aem ella, muito proprias pa-
ra dar-ae de presante a algama aenhora
que se estima, ricos eatoios de barba para
homem.
Espelhos.
Grandea e peqaeno.i com moldaras
pretas e doaradas, proprios para ornar bo-
oilas salas, sendo oa vidros malte grossos
e de primeirs qualidade.
Avulsos.
Camfaas de lioho para bomem.
Carteiras o charuleiras.
Bandeljas grandea de 80 palmes a 8.
Gollinhaa e mangaltoa para aenhoras.
Lia de todas as cores para bordar.
Talega rea.
Seda freza de. (odaa aa cores.
Lindoa eofeites para aenhoras.
Oculos o lonetas de todas sa qualidades.
Fumo frantez, americano o tambem o
aprecia ral fumo de borba cea oa sena
competentes cachimbos e tanari etc.
Ramos & Pimeotel alugam captaos de am-
bos os sexos para o servigo do laboratorio de la-
vasem de roupa.
Baltar & Oliveira
Porto.
aacam
sobre
a praca do
Iaslrucco primaria.
Urna pessoa assaa habilitada naa materias de
nstruccao primario, pretende dispor do lampo
que Iba reata das 3 horss da tarde em diente
para leceionar a alguna menteos por cesas oar-
tieula ea. Os que se quizerem utilissr do seu
preatimo dirliam-se a secretaria da ioatruccio
a pesaos.
ae panno preto a Of,
851 e
Sobrecaaacoade dito dito a 35 a
Paletota de panno preto e de co-
rea a 35, 80, 25, 10, 18 e
Ditoa de caaemira do cores a 22.
151,12, 7 e *
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo frontesas a
Ditoa de merino setim pretos e
do coros a 9J a
Ditoa de alpaca de corea a 5 a
Ditos de alpaca preta a 9, 7, 5 a
Ditos do brim de coros a 51.
4500, 4 o
Ditos de bramante delinho bran-
co a 6, M o
Ditoa de merino de cordo preto
a 15 e
Calcaa de easemira preta o de so-
M W. 9f, 7 e
Ditas de princesa a merino de
cordo prato a 5, 6500 e
Ditaa de brim branco ede corea a
5. 4500 o
Calesa da ganga de cores a
Collete de vallado preto e do co-
rea liaos a bordados a 11,9e
Ditoa de easemira preta o de co-
res lisos e bordados a 68,
5500,o
30000
309000
S0000
99OOO
10*000
8000
8500
8|500
*3|500
43OOO
89000
6000
49500
JS500
9000
89000
8|500
Ditos do setim preto
Ditos do seda e aetim branco a 6 a
Ditoa de gorguro de seda pretos
o do cores a 7, 6, 4 e
Ditos de brim e fusto branco a
81500,29500 o
Saroulas de brim de linho a 29 a
Ditas de algodo a 1600 a
Camiaaa de peito defuato branca
ede corea a S&400 e
Ditaa de peito delinho a 5, 4 a
Dltaa de madapolo brancaa o de
cores a 8, 1*500, 2 o
Chapaos pretos de massa franceza
forma da ultima moda a 108.
8*500 a
Ditos do feltro a 6, 5, 4 a
Ditos de sol de seda inglezes e
frsncexesal4|,lt9, 11J a
Lolarinhos do linho mnito fines
novos feitios da ultima moda a
Ditos de algodo
Relogioa de oaro patente e hori-
contal a 10|. 90. 80J e 70|000
unos de prsta galvsnisados ps-
tente e horizontaes a 409 30100o
Obraa de oaro, adorecoa e meioa
aderecoa, pulceiras, rozataa a
aneia a
Toalhas de linho dosis IOS, 6* e 9J00O
Ditas grandea para mesa nma 3 o 4000 i
5000
59OOO
5000
39OOO
2200
1280
2200
3*000
1|600
7000
29000
79OOO
9800
9500
Collegio de Bem-fica.
Eate estabelecimento precisa de am prefeito.
Mariaoo Nigro do Rapbael, Luigi Nigro do
Raphael e Carmello Cabriola, subditos italianos,
segaam para o Rio de Janeiro.
James Cluk, subdito iogiez, vaiao norte.
Gabinete medico cirurgico.j
Ra das Flores n. 37.
Sero dada conssltas medlcaa-cirnrgi-1
ca pelo Dr. Eatevo Cavalcanti do Alba- <
qaerqueda 6 as 10 boraa da manha, ac- I
cudiodo aos chamados com a maior bre- I
m vidade possivel.
m 1'* Partos.
0 2.a Molestias de pello.
8.a dem do olhos.
f 4.a dem dos orgoa genitaoa.
S Frailear toda e qualquer operaco em \
seu gabinete oa em caes doa doentea con- }
forme Ihea fr maia conveniente.
publica, que se lhe indicar
Aviso.
Gama & Silva, donos da loja denominada do
Pavao, na raa da Imperairiz n. 60. aUam
devedores e virem pagar seas dbitos
15 de julho de 1862, e oe qae al
seas
al o dia
vierem pagar, sero sens debites entgoVa'a um
Augusto Huniz
sol do imcerio.
Machado vai aoa portea do
O
abano aealgoado, procurador a
Casa de Misericordia,- declara que ser! o ne-
nhum vigor os recibos das rendas dos predios do
patrimonio, qae da data deste aonuncioem dien-
te nao tiverem o8 verso a dala do recebimenlo o
assigoatara. Recite 1.a de julho de 1882.
Symphroolo Olimpio de Qoatroas.
saa
Toda attenco.
Custodio Jos Alves Gelmsrtes avisa 0
peltavel publico, principalmente a todoa
res-
?!??''"'T'' / M""w" da" lia'"!
agola do oaro da roa da Cabu para
Crespo n. 7, para a bem conb icide
de miudszas que foi do fallecit o Jlo Cago
ser coohecid1 polo-gallo vi, liante,-Tp^aJ
respeiteve publico o aoa sea. regaozee J?
qae o queiram procurar no di o eatabeledBeSo,
onde acbario um grande sortii lento de min saa*
(jue afflSDca servir bem e ven. ter por mono dez
ou rile por cenlo, do que T
pwe.
m oatra qaalqaor
:
ML
Precisa-se de ume ama para todo
urna casa de pouca familia : na praca
Santo o. 17.
servico de
Corpo
do
mmmmmmmmmmm
Dentista de Pars. J
15Ra Nova
15.
Frederico Gautier, c'trurgto dentista
fez todas as operaces desua arte a e co-
locadenlas artificias*, ludo com -sdeln
rioridade o perfeicjio que as pessoas-,en
tendidas lhe reconhecem.
Cartdss de visita
Cartes de visita
Cariea de visita
Csrtea de visita
Cartes de visite.
Pregos redazidea
Precos reduzidos
Precos reduzidos
Precos reduzdo.
A duna por 12
A dazia por 12
A dazia por 12
A dazia por 12
Duas duzias por 20
Deas duzias por 20.
Novo estylo de pbotogrsphia
ru do
o sntigs lote NoTO sslylo de photograpbia
Ambrolypos amcaixas 2
f Ambrotypoa em calas 2
Ambrolypos em caixss 2.
O retratista americano
Alberto W. Osborn
^yiiedjperador.
I
Tem agua e pos dentificios, etc.
mmmammmm mmmamm
O abaixo assignado
avisa a todos os seus frgue-
zcs da praca e d mato que
venham a sua taberna da ra
das Gruzes n. i\ A, da porW
larga pagar em seus dbitos,
no prazoMe 30 dias, e os que
o nao fizerem sero chama-
dos a juizo, Recife 8 de ju-
lho de 1862 Joo do Couto
Alves da Silva.
Frederico Chavea alaga saa sobrado ailo no
Foco da Panella, com bons commodos psra fa-
milia, jardim aos lados, terraco, cocheira, estri-
barla, case pars criados e cscimba, por preco
commodo : a tratar na raa da Imperalriz n. 19.
O abano assignado acabando de ler oeale
jornal am aonunclo doa Srs. Gurgel & Perdlgo,
pete qasl se chame a sua loja da raa da Cadeia
n. 2d, a seu sobrioho Antonio Pioto de Mon-
dones, roga aos mesmos senhores o obsequio de
declararen) por esta mesmo jornal qnal o motivo
Recife, 11
que deiermioou o referido aonuncior
de julho de 1862.
Joaquim Bernardo de Mendonca.
Alage-se o sobrado ce um andar e aoio
na rus Velha n."W, que faz quina para o pateo
aa santa Cruz, a no aolo tem quatro portea e
irea janellae para o oascente e poeote, tem quin-
tal e cacimba : quem o pretender dirija-so a raa
DlreiU n. 91, primeiro sodsr
isa-se de am menino oa moleqne oara
r o offlcio de (rreiro e serralheiro
i ose faz mui-
io di
qae seja de boa conducta, assim coi
lo em coate todaa aa obraa leude
Icio; comoeejam baaiearae,v.
coooertos de carros e moisjbas de
m rua.JsOTa a, W, se m
Attencad atencaO.
"V1 "?!5 ao.' "luidatario da extiocta
firma de Vidal 4 Basto,, rog, a0, 4M#dorM di
mesma a mandarem quanto antea pagar seas
dbitos para assim deixar de se ver na obrigacSo
de entregar as mesmas a um procurador para se-
rem cobradas judicialmente. Recife 27 de jaoho
de 1862.
Joo Carlos Bastos i
Consultas medicas,
Sero dsdss todos os diss pelo Dr. Cos-
me de S Pereirs no sen escriptorio, raa
da Cruz n. 53, desde afi at as 10 horas
da machia, meos aos domingos; sobrs.
1.a Moleatias de olhos.
2 Molestias de coracao e de peito.
3. Molestias dos orgoa da gerago e
do anus.
O exame dos doentea ser fello ns a0i
dem de bas entradas, comecandd-ae po-
rm por aqaellea qae soffrerem d
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos o opPJ
ticos sero empregados em saas coosul-
lacdes e proceder com todo rigor o pru-
dencia para obter certeza, oa ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza e
cauca da molestia, e dahi deduzir o pa-'1
no de tratamentoqae deve destru-la, oa
corar.
Varios medicamentos sero tambem.
empregados, gratuitamente; porm
pela certeza que tem de sua verdadeira]
qualidade, promptido em saua effeitoa,
e necessidade do seu emprego argente
que se usar delles.
Praticar ahi mesmo, ou em cass doasj
doenles toda, e qualquer operaco qi
jalgar conveniente para o restabeleci-
mento doa meamos, para cujo flm se acha
prvido de ama completa collecco de
inatrumenloa indtepensavel ao medico
operador.
Deitar olhoa artificiaes ; para o qae
se acha prevenido de pegas e instrumen-
tos neceasarios.
Por mel de experiencias pticas indi*
cara aoa doentes qnal o grao do vidro que
os oculos devem ter psra que sua vista fi-
que bem acommodada, e jamis se fa-
tigue quando ealiver applicado ao tra-
balho.
Aluga-se um segundo andar
ra da Senzala Nova, com duas sa
quatro quartos e cosinlia no sotao,
preco commodo: na librara n. 6
da praca da Independencia.
is,
>r
eS
Thomaz de Aauioo Fon seca saca sobre Li_
boa : n ru do Vigario n. 19.
Precisa-seda urna ama para co
comprar, na ra daaLarangeiras n. 16
S. Blum, Lebmam & C, ra
vendem libras esterlinas.
0 Sr. c
francisco A?
"a
qaeiri apear
r .-na ra Nova n. 4
ocio.
Roa da Imperatriz n, 5.
LOJA DE MODAS
DA
Esmera
Fazem-as vestidos, capas, bern<
ma moda, assim como receber
todos os mezes, tambem Uval
Chille e de palha da Italia, poij
moda, e (azem-sa cortinados
nellas.
tudo da alij-
os figurines
se chapeos do
lo-se ultima
a camaa e ja-
Rus do Sebo o. 54, do-sej
theca em cesa terrea.
OS com bypo-
Heliodoro de Aquino Fosecl
quem convier, que tendo adqulr
posee d'ama terceira parte da ca
ra do Livramenlo n. 1, e isto
bens do cssal de sea pai Th
Fooseca, com sus mi D. An
Souza Foosecar
faz poDlico
o dominio e
lo sobrado da
parliihas dos
az de Aqaino
ogelica de
e por fallecimenio\l?sla- les
venda da referida parte ao Sr. Jos 3| Pa"
Ferreira Juoior, por escriplura publica Ce|eDr,,da
dia 29 de marco do correte anno ideado
transferio-lbe a posee e domioi 'oe
parle do dito predio iioba e por Ir**
e faz a presente declaraco, am de ?.ne
com direito sobre o o*10*
DO
eulSo
nessa
titulo
qualquer que julgar-se
predio ou na parte referida, o faca reclamad.".
Recito 10 de julho de 1862Heliodoro
Aquino Fooseca.
- Aluga-ae urna casa terree, na poroacao di*
Beberibe : a tratar na estrada de Joao de Barros)
sitio daviura Rutioo. [M/
Mudauca.
i
Fonsecs [Silva, com loja de miudezas i
da Cadeia do Recife n. 16, acientificam ao resJ
peitavel publico, corpo do commercio e aos fre
guezes, que se acham em mudanca de seo esta
belecimento para a mesma raa n. 21. onde foi
outrora armazem dos Srs. C. J. Astley & C
Ootro sim, que tendo de largar a dita caaa fe-I
zem o traapasso da respectiva chave, com auto
riaacao do senhorio, peasoa que queira estabe
lecer-se com loja ou armazem, para o qae tem
necesssria capacidade.
Ra estreita do Ro
Francisco Pinto Ozorio coot:
locar dentes artificiaes tanto
molas como pela pressao do
cebe paga alguma sera que ala obraa
flquem a vontade de aeusdqinoa, tem
outras preparaede as mais \ acreditadas
para conaervacco da bocea;
na a eol-lj
r meio do;
r, nao re-3
nao
pos
Francisco doa
retira-so para o Rio d
acao oa bocea: (
dos Sanios, suDd yto
Rio da Janeiro. V
de urna mulher ld<\ia
portugus
Precisa-ae de urna__
cozinhar, para casa de pouca famili
ra dss Crazas n. 35.
Marcos Eetany, subdito brltan
psra f>a da provincia.
que sai bar
a tratarai
oK reUie-et-V

Offerece-se am sacerdote pa
engenho, oa qaalqaor capellana do
preclear annencie.
Vicenta Ferrol re de Bttoxe, eetath
raa Novo, tendo na parte policial de 3
prximo passado, o nome de um preso
seu, declara qae para eitar equvocos,
em diante ae assignsr Vicente Ferreira
Res.
Traepassa-se o arrendamente do a i'1
o. 73 daroa do Imperador com aa mesm)aMaa,
diQea do dito arreadamente, feito por
ra publica pelo lempo de 6 annos, e tal
ainda 5 annos e 7 mezes para vencer
armazem e melhor que ha am dita ru
acba bem preparado para armazem de le
preienoentoe eioaajjam-se com 0 setal
-----------------i de |T
-j
LADO I





E JUNT1 CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS ME&iStttMS
ELECTRO-MAGNTICAS EPIS*PASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serena applicadas s partes affeciadas
sem resguardo nem ineommodo
Com eslas Chapas-elkctro-magnkticas-kpispasticas obtem-su urna cura radical a in-
fallivel em todos os casos de infUmmagio ( camayo ou falta de respirado ), sejam internas on
externas,como do 6gado, bofas, astomago, baco, rins, ulero, peito, palpitagao de coracao, gar-
gaaU, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia a todas as affecces nervosas, ele., etc. Igual-
mente para as diferentes especies de tumores, como lobinhos eserof ulas etc., seja qual fr o sen
tamanho a profnndeza por meio da suppuraeio serio radicalmente extirpados.
O uso dallas aconselhado e receitadas por habis o disnctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, a as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, depois da 24 annos de existencia a de praca.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
fazer as necessarias explicaces, se/as chapas sao para homem, senhora ou chanca, deca-
lo a em que parte do rorpo exis, .. na cabeca, pescoco, brago coxa, pama, p, ou tronco
orpo, deolarando a cieu inferencia e sendo inchaces, feridasou ulceras, o'molde do seu
anho em um pedaco de papel a a declaracao onde existem, ana da que as chapas sejo di
fama] da parle affectada e para scrembam applicadas no seu lugar.
)de-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e lambem de todos os acces-
para a eolloeacio dellas.
Cusa: seas pessoa* que o dignarem honrar com a sua confianca, am seu esariptorio, qut
acbaru abertoe todos os das, sem excepco, das 9 horas, da manhia as 2 da larda.
119 JRu o Parto
y" -PERTO DO LARGO DA CARIOC^l
CIMA
inforraaces dirijam-se a pharmacia
ama gamella
i dti baldea d'agoa
aseria : a fletar di
urna emeirinha
grande para banno, que lera
I e ama grade de louro para jasena : a iriur na
Capunga Vilh, no sitio do (illecldo Jlo Evan-
geliita, e tambem se alaga o sitio com. grande
caa de vivenda, casa para feitor, senzala para
pretos, vivelco, balsa para capim a com miis de
duzentos ps de larangeiras e mattoa oatros sr-
voradoa de fructo.
Para luto.
Famos de seda elsticos para
estraltoa a I9300 :.ajme 4o, "
na loja da boa f.
119
Castello-Bfanco,alfaiate
Algodo de 2 lai
Vende-ie superior algodo moi_
guras, proptio para leocoes e toilhn
700 ri. a vara : na ra do Quaimado
bam toqhecida loja da boa t.
m Mar-
de meaa a
n. 22, na
Para as encommendas
ra do Queimado n. 15.
Por cate annuncio ae fax constar ios Srs. offl-
ciaes de todaa as armas, tanto deiia provincia
como das mais capitaes do norte do imperio, qae
ba a venda boioea do novo padrao, segundo a
ultima ordem do mioiaterio da gaerra, venden
do-*8 duaa abotuaduraa. por 39, advertiodo que
ama das abotuaduraa de padrao antigo, faz-se
remeaaaa para onde forem pedidas, aasim como
tambem ha para vender o melhor panno azul lo-
gias, a o melhor vallado preto do Porto, fazendas
deiconbecidaa neata praca, o que ae vende a re-
talbo. Os Srs. offlciaes qne eato (ora da provin-
cia podem renovar aoas conaignacoea Brindo
quaotia certa, e os oatros senbores qae nao tive-
rem procurarn neata casa podem manda-la, ad-
verando qae o lempo para a dita procurarlo de-
ve ser limitado, acompanbando ama carta da or-
dens pedindo as encommendas que forem preci-
sas, devendo ser dirigidas a correspondencia a
Joaquina Rodrigues Tavares de Mello, roa do
Queimado n. 89. Tambem ha galio de ouro su-
perior e ferros francesas para alfaiate, aza forja-
da o par 109._____________
pzendas baratas.
Cortes decaaemira a 3j>,merino aiol e verdea
2| o covado, caaemira alvadia e verde fina o co-
vado a 19900, caaemira alvadia de dais larguras
a 29600, bramante de liobo a 2500 a vara, groe-
deneplee.amerello a8O0 r;,tafet amarello a 500
rs., camisas para senhora a 29 e 2a5O0, vallado
encarnado e preto a 20 e $g, gollinhircom pu-
nhos finos a 2|, sobrecaaacjia de panno fino a 259,
t-eiaa para aenbora a 29500, golliohas de chro-
cb a 59, paletots de caieinira a 99, e ditos de
alpaca finos a 49, chapeoside caitor branco mui-
to fino s 109 : na roa do Queimado n. 7, defron-
te do becco do Peixe Frito]
A 2,400 rs. a duzia.
Lencos brancoa finoa para algibalra palo dimi-
nuto prece de29400 rs. a dasia : na bem conhe-
cida loja da boa f. na ra do Qaeimado n. 22
Cambraias de cores
Vendem-se cambraias francesas de corea fs-
zenda multo fina pelo baratlasimo prego de 260
e 280 rs. o covado : na loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Alaxandra Ribairo i
CONSULTORIO ESPECIAL HOIEdPATBICO
LO DOUTOK
SABINO 0.L.PKH0.
uade Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
altaa todoa oa diaa tala deade aa 10 horai
meio dia, acarea da aegniutoa molestiaa i
lutiat da mulhtrtt, moltttiat da crian-
tttiat da'ptll, moltttiat dotolhot, mo-
jph\HUcat,todat at tspecitt d$ ftbrtt,
ntermiUsntss tas conttqutnci<*t,
HARMACl UFKC1AL HOUOFATKICA.
deiroa medicamantoa homeaaathicqs ora-
ion todas as caatela nasamHHa. *n-
a em aaV tos, t uto em tintara,cama
em glbulos, pelVw os mais com modos pos-
eveis. ^
M. B. Oa mediesmentoa do Dr. Sabina sia
nicamente vendidos en: sna pharmacia; todos
que o forem fora della ai falsas.
Tedas as caxteiras o acompanhadaa da am
impresao com am emblema em relavo, tendo ao
reorrr as segaintaa palavraa: Dr. Sabino O. L.
tinto, medico braaileifo. Este emblema* posto
Stalmente na liata dosmedicamentos que aa pe-
i, As carteirae qae nao lovarem esse impresse
aasim marcado,ombora enham natampa eso*
ma de Dr. Sabino sao falsoa
v
i
GABIEMTE PORTUGUEZ
Superior briiii braaco de
linho
Vande-se anperior biim branco de linbo tran-
cado pelo baratisaimo prego de 19200, 19440 e
19600* vara, dito muito encorpado de doaa Coa
e de linio puro a 2f a vara : na ra do Queima-
don. 22, na bem conbecida loja da boa f.
agua de colonia ambreada, d
alent lempo seo tem a falta, acaba
chegar em bonito* frascos verdes, os quaessa
eato vendando a 19500 cada um ; aaaim como
chegou igualmente um granhe sorlimento da
verdadeira agua de colonia de Pivar em fraacoa
e garrafiohas de differeutea tamaohos, tudo la-
so' na raa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Apparelhos d e porcellaua dou-
rada para cha de bouecas.
A loja da agua branca desejando que todoa
tac.am a vootade a auaa bellas meninas esl ven-
dando commodamele estes bonitos apparelhoa
de porcellaoa dourada, e pintada a 19500 e 2$.
tendo cada am 6 cesrea de cbtearaa, e os maia
pertences, a vista do que todos iro (munidos de
dioheiro) para compra-ios na raa do Queimado
n. 16.
DE
LEITURA
ein Pernambuco.
De ordem do Illm. Sr. preaidsnte do conselho
deliberativo, convocado omesmo conselho para
sesio ordinaria, qae ter lagar qaarta-feira 16
do correte, a 6 horas da larde.
Secretaria do Gabinete Portogaez de Leilura em
Pernambuco, 12 de julbo de 1862.
A. A. T. Sanies Porto,
1." secretario.
Pensis \uAiwi plicular
com qoarlos para alagar, lambem ae manST-Ec
mida (ora : na raa da Craz n. 9, 1* andar. *
GRANDE
Laboratorio a vapor
DE
Lavagem e engommado
de roupa, de Ramos 6 Pi-
inentel.
E reza importante, que vai preatando rela-
tj servidos seas freguezea pela prompldo
Seico com que lava a roupa sem a estragar
PREgOS.
apa aortida (embora nao venham meiaa nem
neos] 40 ra. par pega.
Pegas grandes iaoladameote 100 rs.
Roapaa de navios, vaporea e boapitaes 70 rs.
ila de familia que nao frogaeza 80 ra.
ita de doenta de familia que nao 6 freguaza
aMOrs.
1 Urna rede oa cortinado de cama oa varanda
a 500 rs.
O prego dos engommadoa mdico e confor-
me aa pecaa, eomo.coatamam fazer as eogomma-
deiras. O praso da entrega da roupa lavada
8 diai, e eogommada 15, seodo qae muitaa vezas
sta prompta antea do prase. Deposito na ra
Nova.
Vende-ae ama as imeiborea taberuia da
freguezia de S. Joa, muto afreguezada tanto
para trra, como para o bato, com baatantea
cornmodoe, e paaaa-ae o aireodamento pelo lem-
po que o comprador quier, de todo o predio oa
s da loja ; faz-ae este negocio pelo dono querer
mudar de negocio, e veode-se melado avisia e
matade a praso : quem a pretender pode dirigir-
se a mesma taberna no largo da Ribeira de S. Jo-
s n. 1, esquina de Santa Rila.
Na rna de Hortas n. 18 vende-ae espirito de
gradnago subida, licores da todas aa qualidadea,
aniz, reino e geoebra, ludo por menoa do que
em oulra qualquer parte, lambem se vende lio -
guijas do serto a melhor do mercado por prego
mallo barato e muitaa maia qualidadaa de geoe-
ros que aaviitadellesae fazem os prego
Ricos Casquines
A loja da boa f recebe u superiores bu quines
de muito Boa cambraia a imitigao da de liobo,
bordado t enfeitados com aparado goato e os
veode pelo barato prego de 8| cada um, tendo
sido impre sea casto de 16J e 209, apressem-se
pols em compra-loa na mencionada loja da boa
f, na ra do Qaeimado o. 22.___________________
Lazinhas muito finas
para vestidos.
. Superiores lazinhas para vestidos de muito
bonitos padrees qae se vendem pelo baratisaimo
prego de 440 ra. o covado : na raa do Qaeima-
do n. 22. no loja da boa f*.
Bonitos paliteiros de porcei-
lana dourada.
Agora ninguem dallar maia de ter em sua
meaa am bonito psliteiro de porcellaoa dourada
pois qae elle se eato vendendo a 19 e 19500
na loja da aguia branca n. 16.
coo
11J00
109000
Manguitos e gollas de
cambraia ricamente bordados
Vendem-se manguitos e gollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo insignificante
prego de 29 o par do manguitos com ama golla,
asndo que atmpre coslaram 69 cada par, aaaim
poia recommeoda-ae aoa amigo da santa eco-
noma que aproveilem a boa occaaio, dirigi-
do-se com dioheiro a loja da boa f na raa do
Queimado n. 22.
Banha japoneza e outrasumi-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
aua encommeoda am grande e bello sorlimento
de linas perfuman dos maia afamadoa fabri-
cantes, sendo aa bem coohecidaa e apreciada
banhaa, japoneza, transparente, philocome im-
perial em bonito eopinhoa com lampa de metal,
dita noe copo gran.'.es, dita em compoteiras li-
las e lapidadas, leos de babosa, philocome e
Lubio, pomadas ou eosmesliques, finos estrados
dos preciosos e escolhidos cheiros Jackey-Club,
mil flores, miel de Inglaterra Harechal, Principe
Alberto, Gaorge IV. etc. etc. Recommeoda-ae a
todas as seohoras de bom gosto o uso -de qualquer
desses estimados extractos porque aquella que
em ama sociedsde, thealro, ou baile ealiver com
sea fino tengo orvalbado de to aublimea aroma
ter por cerlo o prazer de ver ssauas vitinhaa
dadireita e esquerda Ihe rendendo homenagem,
pergantarem donna F. onde comproa eise to
agradavel cheiro ? E ella orgulhoaa de aeu bom
gosto, mas com ar prazenteiro lbe reaponder :
na raa do Queimado loja da agua branca nume-
ro 16.
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
completo deiappaiecimento esl prximo 1 O
proprielario deale bem orlido estabelectmento
convida oa seus numerosos freguezes a substituir
o gateado velho, que todo esl cholerico, por ho-
to, e que posta reaiatir s mil acbolia e mazzurr
ca qne vo sor dansadaa em louvor do reatabe-
lecimeoto da saude publica. Os pregos con-
vidara :
HOMENS.
Bolinas afamadas.Mili. : *
d non -plus-ultra Nenies........
> Nantes 2 baleras............*..
> lustre....................
> ioglezes de boles............^
ba tedores..............'.........
> a coaro de porco.....
s beierro e lustre.............
ioglezee pea aelvageoa.......
s taxiadoa bratileiros..........
Sapa toes non-plus-ultra................
3 batera e meia..............|
> esmaga cobra..................
Nantes 2 bateras vaqueta.....
2 bsterias bezerro......
> trabalhadorea..........
> brasileiros de 3}500 a..........
Sapato 2 aolas e aalto..................
> traer! portuguezos..........
b franceses......
SENHORAS.
Botinas dengozas.........
> aalto de baler.......
> pechincha de 49500 a. .
> americanas 3J500 a .
Sapatos de sallo (Joly) ..*...
sem elle (dem)......
tapete;........
o econmicos........
lustre 32 e 33.......
MENINOS E MENINAS.
Ha de ludo em relic.au a nao ae deixa
dioheiro.
Um completo sorlimento de couro de porco,
cordavo, bezerro francez, couro de lustre, rxar-
roquim, ola, courinhos etc., que tudo se troca
por dinheiro vootade do comprador.
100
950O
5000
29000
59000
29OOO
19280
Aluga-ae urna grande cosa com aillo oa es-
trada do Arraial, esquina do Parnamerim : a tra-
tar na ra do Amorim com Guimares & Aleofo-
rado.
Vendem-se dous fardamentos
completos muito ricos para boleeiro e
pagem com chicotes de prata nos hom-
bros e colletes bordados : na ra da
Praia taberna n. 55.______________
MaJpserla.
Vende- se urna porgo de olla do aerlo : na
raa do Queimado loja n. 16, se dir quem a
rosea.
Atten?o.
Roga-se ao Sr. fiscal da freguezia da S. Jos,
q-u jiap nhapqain m lpmhre de dar inleiro cum-
prmento a seus deveres, Tsngando suas vista
para am grande quarsdouro de roupa que exiate
na praia do Caldereiro defronte de ama taberna,
qae alm de impedir o traoaito publico, v-ae os
viaodanlea obrtgados a nada dizerem, para nao
soffrerem urna boa dse de insultos.
Caixeiro.
Precisa-se de am caixeiro para taberna, de 14
a 18 annos de idade, que teoha algama pralica
da mesma : do pateo da Sania Craz esquina da
ra Velba n. 92.
Camisas inglezas baratis-
simas.
Vendem-se camisas Inglezas com aberturas a
pachos de linho e com pregas larga pelo bara-
to prego de 30$ a duzia, aaaim como-outras mal-
tas superiores a 409: oa raa do Qaeimado n. 22,
na loja da boa f.
Magalhaes des,
recebando varias fazendas novas as vende por
prego bsratiasimo para acabar, na roa da Impe-
ratriz, loja e armazem da arara n. 56.
|000
29500
3J00O
15920
800
500
800
sahir
Papel amisade branco e de
cores.
Vndese pacotas com 100 folhaa de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacote :
na ra do Qaeimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
mmmmm mmm mmm*
Acaba dechef
gar ao novo |
armazem %
As Sras. floristas*
Na ra Nova n. 56, vende-se papel de seda pro-
pria para flor* e moli em conta._____________
Vtiifla 00 um. pacta yercita oogomnaadet
ra, coziobeira e lavadeira, aem moleatia algama ;
ao comprador se dir a razo da venda : na roa
da Imperatriz n. 47.
Vtnde-ae milho americano em saceos de
110 libras, por 39: na raa do Amorim armazem
de Guimares & Alcoforado.
Libras sterlioas.
Vendem-se libras sterlinas no escriptorio n.
14 da raa da frdeia do Recite.
. Pieciaa-se de um moleqae para copeuo de
ama casa ioglez* : na ra do Trapiche n. 15.
ir,
Na rea do Cotovello n. 12, anda se precisa
urna ama de leite.
de
<
RETRATISTA DA CASA IMPERIAL
ttaa doCabug n 18, entrada pelo
pateo da matriz.
galera ornada com oai augustos retrato
grapbieoade SS. MM. eVdaa aereoiaaimaa
zaaimperiaea, aasim eonx> com os de mui-
a principaea pessoaa desfs cidade, est a
Icod'' ubico, ^u.e a.'pode viaitar todoa
das b uoris^da mahaa s 5 da tarde, o
ar os trabalhYJ expostos.
inua-sea liraiT retratoa por todos os sys-
pbotograpbico>e especialmente por am-
.. o e em carloes de) viaita. Fazem-se tam-
bec'mimosaa miniatura" em talco para se eolio-
carem em joisa.
prego doa retrat
encontram nst
18 aao oa
cidade.
maia razoaveis
precia
a ca
e de/u
I Na ra do CaDugj
i'da matriz precii
viaje iaterno d
* Preciaa-ae
14 a 15 nno."
ra dol)pe
~-f Alug-
dO/Apollo n
raaa; 1 Ira
- Aluga
0_a*e*}"^r
0.I8, eotraoa
e de urna ama p
S
eio pa-
o ser-
um aixeiro para taberna de
d fiador a saa conducta : na
1. 2.
aito.eapagoao armazem da ra
ode foi eatabelecido o Sr. Tar-
da Craz n. 22.
ra
n preto bom cozioheiro : quem
se a ra de Hirtas n. 24.
10 Launaoo Ventara deaeja-so
Imperatriz n. 78.
nteiro da Silva, fas cente ao
imeote ao commercio, qut. por
um aeeordo de todoa oa crado-
- taberna do Sr. Bento \lva, ci-
ta cidade de Olioda, ficando por
iffeito a referida compra.
fissAo,
da mar
rorac
arel Virgilio Coelho, for<
.encas jurdicas e ociaes,
ci al mente em o (oro com-
, para oexercicio de luapro-
e ter procurado das > horas
Nar
proc
a a's 3 da tai de
a. O.
das Gateadas n
amanta com o
as, o mais
na roa d'Au-
a-sa fI-
ppolito
AUencao.
Vende-se a loja de fazendas da' ra do Queima-
do n. 47, com poneos fondos e muito afregueza-
da : a tratar na mesma. ,
Viva os veraadeiros
amigos.
I Hunder, allaiate da
Allemanhs, ainda existe com sua iedustris de
machinada costura de alfaiate, e qae esl promp-
to para servir sos amigos, antigos, como aos
novos.
Preciaa-ie de ama mulber que cuznbe e
engomase para duaa pessoaa : na ra das Agoas-
Verda n. 33.
i'Oi&pras,.
Compra -ae urna escrava qae seja perfeita
engommadeira e costurira a de boa conducta :
na roa da Cadeia do Rcifi n 35.
Cotnpram-ae 4 rod
novos oa em bom aso
rio loja o. 31.
das de c
: aa ra
carro americano,
larga do Rosa-
/ Cmprense
ama balanga decimal, com lf doa oa seus peos,
em bom ealado, seja qaal for oeu autor: na ra
da Senzalla Velba n. 84, oa raa do Hospicio
n. 70.
vendas.
Bollinhos fran-
cezes.
Na padaria de Aotonio Fernandes de Souza
Beiriz, raa dos Pires n. 42, vendem-se boliinhos
francezes, ditos de paaaas, bollo de amendoas e
mais massaa fin*, por prego com modos e Ira
balhadoa com perfticao ; pao commam, dito de
provenga, bollacbas a bollachiahas de aramia,
tado fabricado com fariohaa as maia noves do
mercado e com perfelgo e limpeza como podem
examinar oa freguezea, tanto aotigo como mo-
dernos, conbecendo os aotigo que lodo o fabrico
sshido hoje deste estabelecimento nao mais o
qae era.__________________________
Vende-ae ama mulata da 25 annos, ada, a
com habilidad ; cosa, cozinhs, enaaboa o ven-
de na raa : a tratar em Fora de Pertaa roa do
Pilar n. 141. 2o andar.___________________________
Vinho a 400 ris*
garrafa e 3,200 a cangda.
Vende-se vinho tinto a 400 ris a garrafa e
392OO a caada, cboarlcas do reioo novas a 400
ra. a libra e te for em barril ae far batimento :
rlz 0. 88. defronte da Matriz.
DI
Vortes de chita da arara.
Velrf-- Mtita o rhitai flna com 12 1|2
COV8. por 295OO, cmn a* iaa por
la e eda a 2f, dito* de merino e*.
anguilos 0 golla de linbo par
Jlas bordad a 500 rs. : ns 1
, loja da arara n. 56.
Arara vende as capas.
' m-e capas para senhora a 6$, ditaa de
a flnaa loj;, manteletea de groadenaple
odernoa a 25 e 309, baldes de arcos mo-
para senhora, ditos s brilhsnttna, ditoa
para meninaa a 2|, alaa de cordo que
debalo por 19400; oa rna da Impera-
te da arara n. 56.
Bastos & Bego\
Na raa Nova junto a Conceico
dos Militares n '"
Cinco tustes.
S na loja do pavo
vendem-se sedas de quadros, ditas de listras ao
comprido, e ditas de listras atravessari*, ditaa
de quadrinhos, sendo dos melhores pad:oea a de-
licadissimoa gustos, com largura de chita ingltza
a 500 rs. o covado, pechincha, e do-ie as
amostras com penhor : na ra da Imperatriz n."
60. leja e armazem do pavo de Gama Si Silva.
Fazendas pretas
Gr.
nulo*
no a
mu*
Vi d.
la
Arara vende as saias.
Vendem-se saias bordadas psra seoborsa a
29500, ditas de 4 pannoa a 3j>, cambraias lisas a
pega 1|600, 2, 29500, 39, 39500, madapolo fino
de 24 jardea a pega a 49400, 4J600. 5, 59500 a
69, dito entestado a 39 ; na ra da Imperatriz,
loja da arara n. 56.
balangas grandes e pequeas, e que foram de pa-
daria : no baaar da ra do Imperador.
Nomesmo estabelecimento
racebe-se todo e
sem lemiU.
qualquer objecto para vender
Vende-se urna parte no
eugenho Inhama, a qual ex
cede de 51000$, e mais urna
divida que tem de pigarem
osherdeiros do mesmo en-
geuho, com documentos fir-
mados, avultando ha mis d?
4:000$: quem pretender fa
zereste negocio dirija-se ao
eugenho Garauba sito na co-
marca de Pao 'Alho ou na
cidade do Recife a entender-
se com o Sr. Laurino de Mo-
raes Piuheiro.
des : quem os
PcwJut n. 10.
^uado Queimado n. 10!
_ LOJA DE 4 PORTAS I
de |
, Ferro Maia. ]
Vende-se at leguintes fazen-
das pelos baratissimos precos .
abaixo mencionados :
Capas de grosdenaple preto ]
bordado a 25$.
Manteletes de dito dito 20, '
25 e 30#. <
Chales de touquim bordados '
os melhores que tem appareci- '
do no mercado* a 8, 10,15, 20, '
25, 30, 40 e 50$.
Cambraias e ?hiUs francezas '
cores seguras e lindos pdrOes a '
a 240 e 260 rs. <
Laa aberta matisada a 320 e '
400 rs. I
Muitas outras fazendas exis- '
tem expostas aos compradores '
que segundo seus precos nao '
deixarfio de agradar. '
Cortes de cassa da arara.
Vendem-se cortes de cassa prata a 29500. ditos
de cores a 2/500, cortes de organdys com 15 co-
rados a 79, ditos rom 25 eovados a 89, ditos de
laa com 22 eovados a 8g, ditos de gorgaro com
18 eovados a 6500 : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Vende-se lanziuha para vestidos a 3X0 o
covado ditas muito linas a 500 a 600 rs. o covado
fuatos leves para vestidos a 280 e 820 rs. o
covado, gurgurao de linbo para vestidos a 280 rs.
o covado cassa a turca para vestidos s 240 e 280
rs. o covado. caaaas franeezaa finas a 280 e 300
o covado, ditaa organdia a 320 rs. o covado: ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
rora&iDM
NO
Torrador.
iSLargo do Tr?o--23
Hanlelga ingleza flor a 800 e 960 rs. a libra,
dita francesa a 640 ra., banha de porco a 400 ra.
a libra, mjissas muito finas para sepa a 400 ra. a
libra, queijos do reioo a 2.dito do sertao a 560
ra.a libra,erveja das melbores marcas a 500 rs. a
garrafa, ardinbas de Nanteaa 400 rs., toucinho
a 320 rs., bolacbinha ingleza a 320 rs. a libra,
aiaim como se vendo outros muitos gneros ba-
ritiisimos, paseas a 400 rs. a libra, sao maito
novas, e se alguem devidar venha ver no Torra-
dor largo do Terco n. 23.
Cambraias
Vendem-se cambraia de cores de bonitos e
ilegnti dsenhos a 280 e 320 rs. o covado : na
roa da Imperatrir, loja n. 20.
Velas a 640. .
Vendem-se csizaa com 25 libras de esperma-
cete a 640 a libra, a retalho a 680: na travesss
do paleo do Paraso a. 16, com oito para a ra
da Florentina.
E pechincha.
Na ra do Crespo, loja de
4 partas n. 8,
ojo sejam Su^.ccaaacoa de auperiorea pan- i
noa a caaacoa feitoa pelo* altimoa figuri- '
noaaUy,289, 309 e a 359. paletots dos
meamos pannoa preto a 16|, 181, 209 a
a 249, ditoa de caaemira de dr meaclado
e de novoa padroes a 149.169, 189, 209
a a 249, ditoa de caiemira de c6r mes-
ciado e de novoa padrea al4f, 16g, I89,
209 e 24|, ditoa aaccoa daa meamaa ca-
aemira de cores s 99, 109, 129 e a 14|,
ditos pretos pelo diminuto prego de 89,
109 e 129, ditos de aarja de aeda a so-
brecaaacados a 12|, ditos do merino de
cordo a 129, ditoa de merino cbinez da
apurado goato a 159, ditoa de alpaca
preta a 7f, 89, 99 e 109, ditoa aaccoa
pretoa a 49, ditos de palha do seds fs- !
zenda maito superior a 49500, ditoa de
brim pardo e de fuato a 39500, 49 e a j
49500, ditos de fatao branco a 49, gran-
de quantidadedecalca de casemira pre-
ta e de corea a 79, 89,9| e a lOf, ditaa
pardas a 39 e a 49, ditaa de brim de co-
rea flnaa a 2|500, 89, 39500 a a 4$, ditas
de brim brancos flnaa a 4$500, 59, 5(500
e a 69. ditaa de brim lona a 59 e a 69,
colletes de gorgurao preto e de corea a
59 e a 69, ditoa de casemira de cor a pre-
tos a 49500 e a 5$, ditoa de fuato branco
e de brim a 89 e a 39500, ditoa da brim
lona a 49, ditoa de merino para lulo a 49
e a 49500, calcas de merino psra luto a
495OO e a 59, capaa de borracha a 99000.
Para meninos de todos os tamanhos : al-
cas de casemira preta e de cor a 59,69 e
75, ditas ditaa de brim a 2J, 3f e a 39500,
paletots aaccoa de casemira preta a 69 e
a 79 ditoa de cor a 69 e a 79, di-
toa de alpaca a 39, aobrecasacos de pan-
no preto a 129 e a 149, ditoa de alpaca
preta a 59, bonata para menino de todas
aa qualidades, camias para meninos de
todoa os tamanhos, meios rices ve lidos
de cambraia feitoa para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados liaos a 85 e
a 129, ditos do gorgurao de cor e de lia
a 59 e a 69, ditos de brim a 39, ditoa de
cambraia ricamenteborbados para bapti-
aadoa e muitas ostras fazendas e roapss
i feitss que deixam de ser mencionadaa
I pela sna grande qaanltdade; assim como
recebe-ee toda e qualquer encommenda
{de roapaa para se mandar manufacturar
e que para eate fim temos um completo
sorlimento 9o fazeodaa de goato a ama
grande officina de alfaiate dirigida por um
hbil meatra que pela aua promptidao a
perfelejo nada deixa a desojar.
*'^avari^aw^swi^bw ^*ss9^aavupBvu^Bw^*a^/^epsJBt
Peixes em conserva.
Emfim chgou o afamado peixe Salmn e La-
goalas do fabricante Tbomas Koight, em lats da
2 libras, vindo em direitura de Terra-Nova, no
patacho Susy : em casa de James Grabtree 4 C,
ru* da Craz o. 42.
Achae vena no escriptorio da Aoioni
Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1
a obra eacripta pelo viiconde de Urugaay.Eoaaio
Sobre o Direilo Administrativo ; deixamoa de te-
cer elogtoa a eata obra, basta o nome- de seu au-
tor para a tornar recommeodada. dos volumes
em brnebura 109, encadernado 12g.
MOVIS. www,rw m
Veode-se por necesaidade a por muito manos W
do aeu valor, ama mobilia de amarillo compoala
de um aof, 12 cadairas, dous consolos, um* me-
ta redonda, um lavatorio e urna meaa de Jantar. .7.111?Va ,e a '"" J?*^n"
tudo em muito bom aatado, aa peaaois qne a qui- '* *:* 89 J 41. em cbaoaxpro-
zerem comprar, dirijam-se a loja do sobrado da P'1.0" I0 qu">ea plsntsdos e algijjrrarvore-
raadasAguss Savdej,n. 100. dos de fraot, como sejam laraocelras, eapo-
-------------------------- xelrps, mangueiras ale. cacimba com mallo
gua de beber: a tratar na praga de Pedro
vendem-se corles de cbilaa largassaucaras, de co-
r fu, de 10 eovados, a 29 o corte, cun da
corea fizas, tazenda que sempre se venden pos
640 e 800 rs. a vara, a 240 o covado, e oatrar
muitaa fazendas por prejos baixos que I vists.
*
19 Vende se um cabriolet de 4 tjp
rodas em muito bom estado, as- A
sim como um cavallo ruco, no-
?o e de muito bons andares : na
ra Nova n. 56, sobrado de um ^}
andar. m
Venden-ae 2 caaaa ilaa na Capunga en-
No pateo Jo Carao o. 1, vesJlMBassssMBBsU(>a agu
erar 1 de bonita figura, propria pata ^lllWljJ.'ib.v 4.
A verdadeira esseucia de ail
para engommado.
a loja d'aguia branca,
Acaba de chegar para
raa do Queimado n. 16.
Atten^o.
Vende-se um lindo muUtioho de 16 a 17 an-
nos, proprio para todo o servido : a tratar na rna
do Apollo n. 86. 1* andar.
Acaba de chegar para a
loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Pos dearros com booeca em bonitos vasos doa-
rados.
Ditos dito sem booecs em pacotes.
A gaa balea mica para conservado dos denles e
bom hlito da boeca.
Opiata inglesa para al vejar os denles.
Leile virginal caja ulilidade 6 reconhacida para
tirar aa talas.
Vinagre aromtico para quem soffre de toolicis
PaaUaa^?.eir4o'9ara aa aait aafrtpoientos.
Ditas da ditapara ta deltas" nos gtarda-ronpas.
yupenores.
j^le preto muito superior pelo dirni-
de 29 o covado, panno preto muito n
6, 7 e 9f o covado, casemira preta
2g, 29500, 3, 39500 o 49 o covado,
is de blonda moilo auperiorea a 129,
-"^ -Ip pretoa ri-
de panno
)b paona
-w pannVawlo
^Msemira de cor meV
ciada a I89, superiores gravalinhas estreitaa a
19, ditaa de aetim maco e de gorgurao muito aa-
periores para duaa volia a 29, ditaa eitreitiohae
com lindos elfioete a 29, superior gorgurao pre-
to para colletes a 49 o corle, ricos enfeite pretos
a 69, e assim oulraa muitas fazendas que sendo a
dinbeiro vista, vendem-ae por pregos muito ba-
ratoa : oa ra do Queimado o. 22, na bem coobe-
cida loja da boa f.
A toja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Receben pelo ultimo vapor oa seguintes ob-
jecto :
Bonitas liga de aeda para senhora.
Grandea e bem tecidoa bandea de cuna.
Aspas de ac, e Ota elstica para cea de balo.
Booecas grandea mui bonitas e bom vestidas.
Bonitos baazinhoe com 9 frascos da cbelros.
LinaVacaixinbas com 6 ditos de ditos.
Trancellim grosso de cor para guarnecer vellidos.
Luvas de camua brancas e amsrellas.
Lindos boies de banba para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber lindos
boies de porcellaoa dourada com fina banha e
mavioaa inscripedes, os quaes por suas delicade-
zas e perfeic.dea loroam-ae dignos para presen-
tas, e com especialidade na actual qutdra, quem
goatardo bom dirigir-a a com dinbeiro 6 roa
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que acha-
ra em que bem o empregar.
Para os tabsquisiasQ
Lencos muita finos aip> muito bonitos padrees e de cores fizas* muito
proprioa para aa peieoas que lomam tabaco, pelo
barato prego de 49800 e 59500 a dazia: na raa
do Oueimodo n. 22, na bem conbecida loja da
Vendem-se
sios, proprios
ahuleiro,
ta typogr
caixes va*
Jtoileiro
cadaum:
se dir.

\
Cbegaram as desejadas rosas
artifciaes.
Agora deve cessar o deagotto que muitas e-
nboras sanliam por nao terem comprado daspri-
meiras rosas que a loja d'aguia branca recebeu,
isso porque dils loja acaba de receber am novo e
mais briibante aortimento dellas, vindo estas de
mais a maia dilicamenie orvalbadis. A senhora
que com a pequea quanlia de 39 comprar urna
dessas (ormosaa rosaa, sentir um effeilo ainda
maia rpido (relativamente ao caao) do que
aquelle que produz o prompto allivio em qual-
quer moleatia. Cumpre, pois, qua se nao de-
morem em as mandar comprar na ra do Qaei-
mado, loja d'aguia branca o. 16, pois do contra-
rio ficarao sem ellas para S. Joo, o que nao
convm. Na mesmaloja vendem-se outras roas
mais baratas.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
moa de largara a 1J600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para colxas e para
ornamentos de igreja.
Vende-se muito superior damasco de l de
urna id cor, maito proprio para colzas e para
ornamentos, com 6 palmos de largara pelo ba-
rato preco de 29800 rs. o covado : na raa do
Queimado n. 29, na loja da boa f.
Verdadeira pechincha.
Vendem-se cortes de superior gorgurao de te-
da pira colletea pelo baratisaimo prego de 19,
29 a 39 o corle : na ra do Queimado o. 22, na
bem coDhecida loja da boa f.
Bramante de linho.
Vende-aeiheailo superior bramante de linbo
com duaa varea de largura proprio para lensw#
pelo baratopre^ode 29400 rs. a vara: na bem
coohecida loja da boa f, oa ra do Quaimado
n. 22
4&ftv



DU1I0 DE nUQHKGO ^ 5IGHDA fUiU 14 DI JLO MIM
Ricas
etc.
,
recebar ex-
Utas, lio boas
._ deieuboi, tendo
Usa o mita MWrtie poitivel; assim
costo algamaa pocas bajacas con o centro liso
proprio pera ioscripooes, e multas outraa de dif-
ftrentea cores como de caf, rxa, cacara, etc.,
te, cono de ten louvavel cottume : a loja
d'aguia branca, na mi do Queimado n. 16, ven-
da por prego commodo etsas boaa e bonitas fitas
Nova atienea -
O vigilante acaba de receber novo sorlimento
do diTuaoa objectos que ae Tendera por mnoe
90 poHanno doqaa en outra qualquer parto.
Siatos para senhoras.
Riqaissiroos sintos douradoi, pelo baratiasimo
precio da 2#, com ela ao lado 49, aistm co-
no de Ota de seda ou valludo a 8$ : a no gallo
vigilante, roa do Crespo ir. 7.
Enfeites.
Veoden-se os riquisatmos enteltes do cabera
com (moja e vidrilho a 58, ditos sem franja a 39,
ditos trancados a 2*500, dito do Ufo de fita e
aleo do seda a 29: s6 no gallo vigilante, roa do
Crespo n. 7.
Fivelaspara sioto.
Riquissimas Arelas de a?o com nadreperola no
centro a 1JJ200. ditas de madreperola a 320, ditas
doaradiohaa a 340 r a no gallo vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Vidrilho.
Lindos vldrilhos prelos e de cores, pelo bara-
tiasimo proco de 18600 a libra : s no gallo vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Para entreter o tempo.
Os lindos jugos de domloa a 19400, lindas cai -
zinhaa com jogos de vispore a 900 rs.: s no gal-
lo Igilante, roa do Crespo n. 7.
A banha tina,
em copos grandes, chegoa para t loaj d,agola
araoca, ra do Qu'iroado n 16.
das seis portas ecn trente do
Livramento. 15,20,30 e 40
arcos.
Granle sorlimento de asas a bal&o de arcos,
es melhores que aqu tem apparecido no merca-
do a 49500, 5.j, 6 e 69500 cada um, d as para
amostra cora penhor ; a loja est aberta at as9
horas da noite.
DEMEDIO INMPlkftVEL
UNGENTO HOLLOWAY
Mtlharas do individuos do toditas nicoei
podes testemunhar as virtudes desteremedio
jacomparavaleprova rara caso naeessirio.qua,
solo uso que delle fizeram tem seucorpoa
embrosi nteiramentesaosdepoisdehavar em-
pregado intilmente outrostratamenlos. Cadi
p63soa poder-se-haconvencer dess*1 ta-
raviLhosas pelatettura dos peridica a'as
ralatam todos os dias ha muitos anr t a
rosior parto dolas sao tao sor prond qu<
aimiram os macucos mais celebras.
psisaasracq^rarav co --
o uso Ja sam
P9rmane,cJKT
avJrYm soffror a ..
eas que av.saio ieixado esses, asyios depade-
timenios, parase nao submaterem aessaope-
rajao dolorosa forawcuradas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
guajas das ta9s pessoa na enfusao de seu reco-
ntiecimauto declarara estesresultados beneS-
eos diante do lord corregedor e outros magis-
trados,afim ia mais autenticaren sua a Qrmativ
'Jf aguaos desesperara do estado desande si
ttvesse bastante confianza para encinar esta re-
medio constantementeseguindo algam tempo c
trauma ato que necesstasse a natureza do mal,
cujo resaltado seria provarincontestavelnieMe.
Que ludo cura.
O aagoento he til, mais par tica
larmeate nos seguales casos.

Vsne-e.m
-do Vilano
lologios de onro, patente inglez,
afamados fabricantes de Liverpool;
qma variedado de bonitos irancellins para os
mesmos.
I !
Loja das 6 por>j
tas em frente do Livra-
mento
Balees de 15, 20. 30 e 40 arcos.
Grande aortimento de baldea de arcos
oa melhores nesla lateado e grandes,
chilss traocezaa largas escaras a 22U o
140 rs. o corado, ditas estraitss niudi-
nhas a 160 s. o aovado, cambraia lisa
8 para forro com 8 l[i varas a 29 a pees,
ditas floss a 89. 49. 59 e 6J noilo floas.
difs de salpiquinbo com 8 1|S varas a
39500 a peca, cobertaa alcoxosdas bran-
cas e de corea para cama a 49500 e 5J,
cassas de cores franeezsa tintas seguras
a 310 rs. o covado, poca de breUnha de
rolo a 2J, algodao trancado alvo mallo
largo para toalhaa a 19 a vara, enfeites a
Garibaldi todos prelos a 59 esda um. len-
tos brancoa com barra : cores a 180 te-
da em, roepa feita de todas ae qaalida-
dea muito baratas, a loja eal aborta at
as 9 horas da nolis.
- I .. IX'I
NOS ARMAZENS
I
PROGRESSISTA
PB06BESSIV0
DE
Superior cal de Lisboa.
i para vendar em por
sit de Oliveira Azave
criptorio ra da Cruz n. 1.
Tem para vendar em porci o a retalho Anto-
nio Laiz de Oliveira Azarado & C-,
no aea es-
% JMobilia.
Na ra da Camboa do Carmo loja n.
12, vndese toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phantbasia etc. por preqo mais
com modo do que em outra qualquer
parte, (az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Wmmmmmmmmmmmmm
Grande
1 liquidado por todo
I o preco, na bem co-
g nhecida loja do Ser-
tanejo.
Ra do Queimado n. 4S.|
Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
fin*. a eU.
36 Ra das Crtiizes de S. Antonio 36
9 L4iGODOiR!10 9.
Ks os proprielarios destes acreditados armazens participamos aos aossos numerosos
fregnze que por ledos os vapores e navios de vela recebemos de nossa propria encommenda os
memores gneros]tendente a molhados, e por isso podemos vender por menos 10 por canto do
qne ontro qualquer, como a experiencia o mosi ar por isso pedimos a todos os Srs. da praca e do
matto que ainda se nao deram ao trabalho de mandaren experimentar, o favor da o laureo., certos
de nada perderem, pola para isso ro pouparemos foreas para bem servil-es o ainda mais a pessoas
menos entendidas, cortos de Aclarecer aos compradores que na rna das Cruzes n. 36 e largo
do Larmo n. 9, que devem inderecar os portadores, pois muito se ovildam com outras casas quasi
dos mesmos ttulos (Progressista a Progressivo) pois sao as duas nicas filiaes.
^lailteig'a 1 ngleza amtia nova enaig SUperor do mercado a 900 rs. a libra.
luanteigsa francesa melhor que se pode desojar a 650 rs. a libra e em barril a
600 rs.
l ^ ***"** o mais especial que se pode encontrar a 29880 a libra.
Clia hySSOn 0 melhor qne se pode desejar ds 29400 a 2800 a libra.
. pretO 0 qUe se p,^ desejar neste genero a 20 a libra e a 1*600 o ordinario.
QueijOS fltmeilgOS ebegados no ultimo vapor a 29 e 1|700.
tldeijf O pratO 0 malho do mercado a 600 rs. a libra e sendo inteiro a 500 rs.
^1 UeiyOS dO SClt O muito superior a 640 rs. a libra tambera temos para 500 rs.
Passas era caxinhas de 8 libras t25oo .500 rs.. m.
Figos em calxinhas de s mm. 1*600. aoo rs. Ub*.
AraeildoaS da CaSCa mole 820 rs. ores a m rs. a libra muito novas
AmeiXaS iranCeZ^S.U.libraeeml.uwcomSlibras .40000.
Marmelada superior, melhordo raarcado em Iitil da dlll8librs a 400 r8>
libra.
Doce da casca da goiaba 800 Mxao.
I 'd maraS 6m caixinhas proprias"* ki mino. 29500 e 800,rs. a librj.-,^^"-^,
cai-iri eomo peeego, damasco, ginja, amenas e
Alporcas
Gatmbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras
Dores de cabera
das costas.
- dos raembros.
Eaermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Empeces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Friairas.
Gingivas escaldadas.
Incbaces.
nnammacao do figado.
Inflamma^o da bi>tfi
da matriz
Lepra.
Malas das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Polmes.
Queimadelas,
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja:
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulacoes.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-ss este ungento no estabelecimentc
geral de Londres n. 244, Strand, o na loja
ds todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
VauoVse a 800 rs., oada boeetinha conta
um* instrucc,ao em portugusz para explicar c
modo de lazar uso desta. ungento.
0 deposito geral em casa do Sr. Sonm,
barataceutico, na rui ds Cruz n. 22, so
psrnarabuco.
Panno de algodo da Bahia.
Venda-se no escriptorio do Antonio Laiz de
OlkPira A.zevedo & C. na ras da Graz n.l.
Aljfar fino imitando perola.
Vende-so a 500 rs. o fio de aljfar fino, imi-
odo perola : na ra do Qaeimado, loja d'agu
branca o. 16.
Polassa da Snssia
Vende-seemcasa deN. 0 Bieber jk
-C., successores, ra da Cruz n. 4.
Venle-se por preco muito barato urna ta-
blela pro:>ria par tente de loja, nova, assim
como um teiro-vmbafg proprio pers vender fa-
asndas e miadezas, teoraj argoUs para depen-
purar as mesmas miudezas } a ra Oireits nu-
mero 75.
-------------------------------------------------------1-----------------------------------
Pechinchf
yira senbora a 20Uu ssjw, gottinhas
de cambraia bordadas s 300, 600, 700,
800, 900 e 1. ditas de fil bordadas a 120
rs., casaveques do festio a 5, 6,7#, 8,
meiasde seda brancas e pretss para ae-
Inhora a 1J200 o par, tiras de babados a
500 e 700rs., laasde qsadro entestadas a
5300 e 360 rs. o corado, cambraia prela a
400 e 440 rs. a vara, organdys de corte a
600 rs. a .vara, 016 bisoco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
8 rs. a vara, cortes de colleta de casemira
P bordados prstos s 29 e 39000, ditos de
vallado de edr e preloa s 39, 49, 59 89,
paletots de brim brsneo rancezes a
39500 e 49600, ditos ds casemira de co-
res e prstos a 149 e 169. ditos de alpaca
preta e de cores s 39, 3|500, 49 49500,
camisas do peito de oho a 29500, cortas
do colleta de Rorgurao a 19500, 19700,
29200, 3f o 31500, colletos leitosde brim
braoco a 29500, ditoa (eites de gorgaro
a 29500 e 39500. ditos leitoa de casemirs
a 35500, 4f o 4J500, ditos da velludo s
59, 69 e 79, ditos do asto do cores s
15500, um vsrisdo sorlimento de meiaa
psra homtm e aenhora, groaldaa com
flores, cbalss de froco, esparlilhoe, e to-
da a qualidade de roopas feitai para bo-
* mem que todo se vende por motado do
i sea valor.
gflttoi mmm mammmmm
Attenco
Chegoa para a loja da victoria, eandieiros a
gas de novos gostos e modelos, tsnto para ass,
eomo paraescada e quartoa e para outraa multas
soasas: na loja da victoria na ra do Qaeimado
Q.75.
rs.

Ricos pianos
de varios autores, vendem-se
era casa de Kalkmann Irmaos &
C, ra da Cruz n. 10.
Aenca
Guimsres & Luz, donos ds loja de miudezss
da rea do Qaeimado n. 85, boa fama, participara
ao pablieo qo o sea estabelscimeato se acha
completamente prvido das melhores mtrcadoriaa
>ao masroo estsbelecimento, s muitos
jectos ao gosto, astuto quasi todos rses-
asas propriss encommendaa ; o estando
site tateirsmsnts rasolvidos a nao vsndersm
fiado, aflanram vender mais barato do que antro
qstiquer; e juntamente pedsm aos aeus devado-
res que Ibes mandem oa venbam pagar oa sea*
dsbltns. soP peo dssersm justicados.
Soshall Mcllors & C, toado rscsbldo or-
dem para vender o seacrescidodeposito denlo-
giss vjsto a fabricante ter-so retirado da nego-
cio ; eonvids, portsoto, s peseoss que quiersm
possvtr smr bom raiogio do oaro oa prata do ce-
lebro fabricante Kornby, a aprovsitar-se da op-
portsnldade sem parda do tsmpo, para vr com-
pra-loa por eommedo pieea ao sea oscriptorio
ras do Trapicho a.28.
om diversas cores a 800 rs.
\ f 1IlI10S 8'ierfrJS0S "8t os' -das seguintes qualidides, duque do Port, Porto
,2*' ,?1 : V?lh0 ecco' gem ,0 Kaeror Carcavellos, Feitoria, e Madeira secca a
12 e 13 a duzta e a 19100 a rrafa e muscalel a 720 rs. a garrafa.
Dt08 em pipa proprios para mesa de <600 a'4| a es nada e da 500 a 600 rs. a garrafa,
do Porto, Lisboa e Figaeira.
&erVeja9 das melbores marcas a /sOO rs. a garrafa a 5*000 a duzia, ehanpanbe das
marcas mais acreditadas de 14 a 209 o gigo, cognhac o melhor que se pode desejar
a900rs. agarrafa. T
vaeneora da wdailairt hollanda erra garrafdes de 16 garrafas a 6JWO0 cada um.
tveiieDra uliana a mais sublime qae lem vindo ao nosso mercado em frascos grandes
a 2|000cada um.
r rasq II ei ra cpm 12 frascos de gwtfal de Holanda 9800
IxarriIotS eom 5 garrafas de superior vinagre a 1*000
Vinagre paro de Lisboa l40 ,grrafa,, 1|800, cmda
>1 ar rasqulUO 0 mais superior que se pode desejar a UOOO a garrafa.
SiSper mcete 0 mais superior do marcado em caixinhas de 6 librasa 4200e 700
a libra.
VeldS de Carnauba a U9500 a arroba e380a libra.
/\ttCOretaS comaxeitonas as melhores do mercados lftiQO.
vLaiX3S eom 1 anoba hespanholacontendo macaro talharim e aletria a 65000.
waiXinii S com diversas qualidadasde massas como sja estreliaha pevide etc a 69000
a 610 rs. a libra. > '
Chourii^as e Pa i os 08 malhores do mereado 1560 rs a Hbr>
Salames 0 melhor que se pode desejar a 700 rs. libra.
I reZUntOS 0 que se pode dezejar de born a 640 rs. a libra.
LllgUl3S finaaem latas j promptas a 19600.
Pe Xe em latas cavallinhas pargo, e linguados a 1^600.
I OUCUallO do reino a 280 rs a libra do novo, e 240 rs. do velho.
Banha de pOrCO a melhor do mercado em latas de 10 libras a 4#000.
M.aSSa de tomate em latas de i librra a 700 rs.
MatSaS 9*** 80Pa talharim e macarrao a 280 rs, a aletria a 320 rs.
r aritOS IlXaaOS em macos com 20 macinhos a 200 rs.
Papel gre Ve paulado o liso muito superior a 4W00 a resma;
sf Va dOCCa 360, pimenta a 360, canella 900 rs., ecominhos a 800 rs, a libra. -
P&lltOS do gaZ a 2300 a goza a 20 rs. a caixinha.
Sai retinado ,m paeoUM de maisd# umt 1bra a 1Q0 M> t potg 360 ^
Ea^,U |"Bto'",T* 28 ',ibw andinlia 200 rs.
J~J f* I*l C o melhor do mareado de 8500 a 9500 a arroba.
Chocolate hespanhl^.^.,^^.^ .-
hrvilnas portuguezas e francezas
a lata.
Na prses da Independencia n. 37 e 39 vnde-
se borzegii>s de lustre para homem a 69, 59 e 49.
Boraegaina de aenhora a 3. 29 e 1J.
Borteguiosde vaqueta ioglezes a 89500.
Sapstoa rasos de tostre sem salto a 2f.
Sapates de Instes para hornean e asnino a 2J.
Sorteguios do lustre para menino a 2).
Sapstos de tapete a 1J,
Dito* de tranca a 19*80.
Sapatos de selim braoco a 56V rs.
ihiii
~ vando-se um malatinbocom 15 aot
engomma : a
Qaeimado D. 46.
ottaba a engomma : a tratar na loja da
" ein
Moendas p meias moendas.
Taixas de (erro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rwias-d'agua.
Bodas, denttdM ele., te.
Ru do Brum n. 38, fundi^So
de D. W. Bou man.
Ra da Seazalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento v/ende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 ra. idea
de Low Moor libra a liOrs.
Arados amaricaoos e machna
para lavar roupa: em caja de 8. P.
4 C ra
a feijo tarde de 640 a 729 rs.
rraqueSso, memores do
Savel
mercado a 109 a caixa a a 280 ra. a carta.
PABA A FESTA
S. ANA
VNDESE NO ARMAZEM
PROGRESSO

DE
Francisco Fernandas Duarte
largo da IVnlia
libra,
Os melhores gneros que vem a asta monada a por meaos 10 por sato do qne om oatra.
qualquer parte, garanndo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snre. da praoa, da en-
genhos elavradores o favor de mandarem suas encommendas a asta nwito acreditado armazem <
molhados, afim de verem a diferen?a de preco e qualidade qne faz, se fossem comprados em
qualquer parte.
^mj***8 confeitadas para sorie de 8. Joo a 860 rs. a libra, tambera tem-se r
6*0 rs. a libra sendo em por$ao, tanto de urna qualidade como de outra se faz abati-
mento. ^T
Batatas llOVaS em caixas com duas arrobas por 2560 e em libra a 50 rs.
mamtalga Vmgleza da safra nova de primeira qualidade -a. 850
barril se faz abatimento.
Hantalga ftaalCaZa a mais nova a 640 rs. a libra, am barril a 600 rs.
"*"#* sTClatO uto fregcosebegados neste ultimo vapor a 29000 ditoa
gados no nltimo navio a 19800.
! ^ "** o mais superior que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
una nyason 0 meXtl0r que h no mercado a 2jg0o e 29200 a libra, 1
qualidade.
** UXtaaB\ o que se poda desejar neste genero a 39000 a libra.
Glia pTCtO homeoptico a 29200 a libra em porcao' se faz abatimento.
1 Taques HOYOS de pavio transado a 230 rs. a carta e em eaixas eom 40 cartas por
99000. r
luc.\aS eom ameaaoas confeitadas, proprias psra mimo, contendo mais con-
feites e assucar candido por 19000 cada urna.
IraSSaS em eaixinhas de 8 libras chegadas altimamente a 2O00 ada ama o a
a 480 rs. a libra.
oOiaXiniia da soda am latas condbrentes qualidadoaa 19440.
sBOlaXlntlia ing'cia a mais nota que h no mereado a *9000"" ^easn Iho
y a 320 rs. a libra.
.,ltaliO tal PIPS de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 a 640 ts.
a garrafa, a em caada a 39500, 49000 e 49500. /
VillllOS engOTTafadoS Duque do Porto, Lagrimas do Douro, CarcaYellos, Pe-.
toria velho, e de outras maitas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
tambera ha para 19000 a garrafa;
^naMpaaaue as marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
1800 I
SfjTV*}^ da marca oobrinha ou de ouiras marcas conbecidaa a 55000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
1STVlluaS francezas e portuguesas em latas de i libra por 640 rs.
5l.Si.tm ala tomate em tattas de 1 libra por 800 rs.
V meX*S f ranelas em latas de 1 e meta libra por 19900, ditas com 3 libras por
20800. )
iaVmen&OnS de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 8,5000.
AOieS ,, 12o M# lifcr, e em arroba a 30000. \
WetTia, maeattae e talnavlm a 400 rs. a libra, a em ca oba^ ano-
ba por 69000.
e e
am latas chegado no ultimo vapor a 1600.
em latas a 19400
Bolaxinha de soda.
OOlaXinha inglez'i a mais nava do mercado a 49500 a barrica e 300 rs. a libra.
AveaaS chegadas ulmamante a 310 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes. m re., Utt.
Aaeite doee refinado .99.e.x..soo rs.agarrafa,
ArrOZ 9m ,4^0, de 5 arrobas do varmelho a 29500. fr
LlCOreS m raais fiaos qoaka no marcado a 1| agarrafa a 10 a duzia, taabem temo
para manee.
Alsm dos ganaros aanunsiadqsancontrari a respeitavel pubiioo tudo que for nerjtncen-
le a estes esubelecimentos. Os proprkeurioa Kiaotificara que estes precns s sarviram para aquel-
las San. que mandares seu aompateou importo a lodos o domis lieguaaaa iln limn M| \u-U palos projoa aeosiu---------------
StPeWlft nO pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra,
xinhas muito enfeiladas se faz obatimento.
IrailVOS He v&enteS lixados os maisbam feitosque tem vindo a este mercado a 28urs.
tambem ha para 200 rs.
PfeZnnlOS inglf zes para fiambre a 80O rs. tambem hamburguez para fiambra a
640 rs. a libra a do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra. >
CnOnrit^aS e paiOS *, MTII, 560 rs. a libra eem barril se farf abatimento
salame 0 melhor petisco que pode ha ver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra
* '**ttkn dO reino mut0 novo a 2S rs. a libra e em barra de 1 e maia arroba
a 59 a 79 a arroba.
l^nOnTlCM em latas j promptas para se comer a 1*800 cada urna.
Banha de poreo refiaada an btog wm 10 librS por 4|300#
Dita em barril mat0 fint e tlva a 440 re 11bra aem ^ a 400 ts
GartoeS eom bollo CraneeZ proprios par. mimo a 500 cada um.
meittOia imperial do afamado Abroo ede outres muitos fabricantes de Lisboa a 800 r
a libra.
marmeimoa de Alperche em latas de 2 libras por 19000 cada nma,
*^***,ns om *b metas de doce em calda as melhores quehaem Portugal como
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
UOeeS SeeeOS a q d^ em latas, de 4 a 5 libras por 1500.
I nOCOlOtO hespanhol a 19500 rs. a libra, ditto francez a 19100 ditto part
800 rs., afianc.-8ej boa qualidade. \
* de primeira qualidade tanto do Ra como do Cear, a 320 rs. a liU
09000, dito mais baixo a 260 rs. e 78^0 a arroba. f'
ta, e em porQo sa tal
Sagn
Farinnn
Dita
W CiaS de carnauba refinada a 400 rs a libra, e em arroba o 129060.
BxZeltO vftOCe refinado a 800 rs. a garrafa, e em eaixas a 99000.
Ogro de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 1800.
O InnO eherez verdadeiro a 19500 a garrafa, a am caixa 149000.
VinnO branCO de Lisboa o mais superior que ha no marcado pronr
640 rs* a garrafa a em caada a 49500.
-.naTniOS luspiros do fabricaata Biando am metas caixinhas, por 2950
01\08 suspiros do fabricante Catanho O Pilhos em metas caxinhas a 29000.
**** em eaixas de 100 regala Imperial, Tiagantas, ePaneoielUs, a 29090
AlpiSta muita limpo, a l80rs. a libra, am arroba 59500,
il0n%\8 muito novas, a 19600 rs. cada orna ancorla, a a 400 ra. a gan
de Maranha a 120 rs a libra, a 39400 a arroba.
em arroba a
Sevadlnba de pvanca
A
l^ da posus em latas das meliiores qualidades da paixe que ha em Portugal a
*rn de HoViania 9m ^^ ^ u anUM ^ 999t
Mostmmm
San dj
frasco e francesa a640rs. o pota, i
' o raspeii [ publico ai




i
i

hora.
p-
bdi VI*
e cabazes para
meninas trazerem
nobra MoiU lindaa caiziobss esbazes para meninas,
dalOO tU al* 2*500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado o. 75.________- ___________
Franjas prelas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos tortiBealM de franjas praUt a da cores
ota vMrilho a sea elle : na loja da -Victoria, na
raa do Queimado a. 7a.
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 6
DE
G\M\ fc SILVA,
Veada-sa Mato eetatoledoMnio todas aa fazen-
4e*#*r proeje* mata baratos ae poaeivel a6
Ki a fin da aparar dinheiro, anim como una
acto porcia dos dlas ieseodas intelrameote no-
vas, vtadaa Balea alUssee navfqs : oa doooa dea*
te estsbelocimento rogara a lodoa oa aens frage-
te?, qae ae deem ao trbala da procurar neata
harto os sonando* da loja do Parlo, porqae
ostia eortoa qae nio perdario asu lampo.
Gambraias organdys a 80'rs.
Vende-se cambraiaia organdys com dilicadis-
eimoe dsenboa a 380 re. : na loja e armaaem da
P*T*> d Gm S'l. raa da Imperatriz
inhasde peso verda-
deiras..
Linhaa flnaa da peao verdsdeirae. meadas
rodea a 40 ria : na loja da Victoria, na raa
Qaalmado a. 75.
Phosphorosde seguran?
Phoaphoroa de segursncs, por que livra de in-
eeodio, a 160 ria a calza: na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.__________________
Baleas para vestidos.
Balelai muito grandes a -boas a 190 ris ama i
B loja da Victoria, oa roa do Queimado n. 75.
Linha de croxel para la-
byriotho. '
?a melhorea liohas de croxel para labyrlntho,
nOTtlloa monitros a 320 ria im : na loja da Vic-
toria, na raa do Queimado a. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos doaradoa pan senhoras a. 2*200,
ditos de ponta cabida a 4*, ditos de fita a 1*600:
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Ricos espelfctps de
moldura do^rada para
salas.
Chegoa para a loja da Victoria ama peqaeoa
porco de ricoa eapelhos doTariostamaoboapari
ornamentos de salta, affiaocaodo-se aereas oa
melhorea em vidree que lem rindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75;
S o Pavo.
Vende-ae Doisaimaa cassaa francesas da varia-
dos padrdas a 140. 960, e 180 rs. o corado : na
ras da Imperatrix n. 00, loja do Pari de Gama
& Silva.
Aindao Pavo a 200 rs.
Vende-ae chita francesa aseara com diminato
toque de mofo a 900 rs. o corado, e ditas ingle-
sas a 140 rs.: ns raa da Imperatriz n. 60, loja de
Gama & gilra.
Vende o Pavo a 280 rs.
Gorgurao de liaho qae faito em rostidos para
**nhora ou roapa para meaiooa parece aediobae
a 980 ra. o corado, por ter grande porco : na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do Paria da
Gama & Silra.
Tarlatana do Pavo.
Vende-ae tarlatana de lia eom palmiohas col-
isa a 818 ra. o corado : na roa da Imperatriz n.
68, loja do Pari de Gama Silra.
O Pavo vende a 4$500 rs.
Cortes de baregea eom fioa de aeda tendo 91 co
radoa, com barra, podeudo -ae fazer babador, pe-
lo baratisaimo prego de 41800, a na loja do Pa-
rio roa da Imper*tris o. 60 de Gama i. Silra.
Vestidos de la.
Vende-ae vestidos d liazio*aa toado as salas
J promptaa, com muita roda, propriaapara ba-
lio a 4100, a na loja e armazem do Pari raa
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silra.
Basquinas do Pavo a 4000
Venda-se ricas basquinas de fu ti o mal bem
bordadas, fazeoda que aempre aa renden por UJ
e 168000 por 48000, para acabar : na loja do Pa-
ri de Gama & Silra, na rea da Imperatriz
n. 60. *-
La para bordar.
Lia mniio boa de tedas as core para bordar, i
78 a libra
mado ri. 75.
d. 75
u
na loja da Victoria, na raa do Quai-
Qhas do gaz*
Caixinhae com 50 novellos de liabas muito fl-
-f J| a 900 ria a calza, ditas com 30 no-
> OtO ria, ditas con. 13 co vellos grandes
k ia, brancas preUs: na loja da Virarla,
a do Queimado-a. 75. *
Arara vende os palitos.
Vendem-ae masaos de palitos finos com 90
massinhos, por 900 rs.; na ra da Imperatriz,
oja da arara n. 56.
Para doces seceos,
Vendem-ae maito bonitas caixiobas redondas,
de madeira, de direrios lmannos, forradas da
papis fia cores, muito lindaa, propriaa nica-
mente para doces aeccoa de qualquer qualidade,
pelo barato prego de 4, 5 e 68 a dazia : ne raa
do Queimado, na bem conbecida loja de miude-
zas da boa fama n. 35.______________________
Para S, JooeS. Pedro.
Veddem-ee calzlnhas c*a> grand* pn;io d
amendoaa confailadaa, e alguoa conleitoa pro-
prios para o festejo de S. Joo a S. Pedro, pelo
barato prego de 800 rs. cade ama : na raa do
Queimado, na bem conhseida loja da miudezas
da boa fama n. 35.
Luvas de Jouvin.
Vende-ae luras de pellica de Jouvin brancas,
para seohora, ltimamente ebegedas :na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63. __________
Luvas de seda.
Yende-se turas de seda enfeitadas a 18600,
28080 e 28*200, ditas fio de Escossia brancas a rs.
*0. ditaa de cores 800 tis, ditas de algodao a
980 ria ; na loja do beija flor, raa do Queimado
numero 63.______________________________
Escovas.
Vende-ae eseovasj>ara denlas fioas de diversas
qaalidades a 120,160. 390. 400 e 500 ris :
loja do beija-flor, ra do Queimado d '
63.
na
Jogo de domin.
Vende-ae jogo de domin fiaos a 15900
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
na
ualsvc
Botes para puuho.
wse botes de puoho finos de dirersaa
quaTVe es a 900 res o par. que tambera serrem
pera manguitos de seohora : na loja do beija flor
rata do Queimado n. 63.
Occulos.
Vende-ae occulos fios de armaco de
98,18. 640 e 400 cela : loja do beija flor,
Queimado o. 63.
ac, a
ra do
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados A 28, ditos de fita
com firella dourada a 15500V loja do beija flor,
raa do Qaeimado n. 63.
Enfeites para caneca.
Vende-ae requisamos eofeites para cabeea com
i.' ,6m el-a P'l baratiseivo preco de 5i
e 58000, ditoa de ridrilbos a IpoOO ; na loja do
beija fiar, ra do Queimado a. 68.
Carteiras. _
Vende-se ricas carteiras para guardar dinheiro
de ouro a prata a 28000', 2J500, 1*000, tg-280 a
18500 '. na loja do beija flor : ra do Queimado
numere 63.
Rosas artificiaos para cabello
A. L. B. F. leudo recebide em variado sorti-
eabellos, e de pannos com folha de relindo, ditas
de papel toda a, aa mais ricaa que se pode neos
trar vende-se na ra do Qaeimado n. 63. lea
do beija flor
Agulhas.
Enfeites do Pavo.
Vende-ae ricos enfeites turca e Garibaldi
com ricaa franjas e bolotas a 55000, ditoa dos
meamos msissimples a 2|000 rs., e ditoa de fitas
cada um em sen cartio : na rna dsrompetatriz a.
60, loja do Pavio ^
-W-
' Brilhantina suissa.
Vende-se brilhaotina salsea de quadrinhos, fa-
zenda maito encorpada para vestidos e mais lar-
es qae bita ingleza a 900 rs. o corado : na ra
da Imperatriz o. 60, loja e armazem do Paria
de Gama & Silva.

^^^ .
Vndanse eeeu
raras a 61: ns
Gama [Silva.
CbiUi em cortes.
6rtes da ahita francesi
Vende-se corlee; de ahits francesa malte flaa,
com 10 carados a 28*00, afflaneando-sa ser de
cor flze: ae raa dp Imperatriz o. 80, laja o ar-
mazem do Paria.
\GfiNClrV
Fundido Low-Moor,
Boa da n ajas I lisa Nova al.4*.
Nesta eJtsbelesimenU) continua a havernm
completo sortiannto de moendss a meiss moaa-
das para engenho, machinas da rapa a taixas
de ferro batido a coado do todoi 01 tamanho
para dito,
Raa do Crespo n. 7, do
gallo vigilaste.
Neata ora loja ha grande porco de eaizinhas
com amendoee pr prisa para brinqaedo de 8.
rJoio qae se rende palo barato preco de 800 rs.
cada ama qnem daitari da dar a ama menina
ama caizinba ; tan bem tem grande poreio de
calzas proprias par i doces seeos qae rende con-
forme seus tamanb js a 68, 58 e a 4f a dazia,
amendoas aralsas i 800 a 640 id. a libra : s no
vlgilsnte raa do Crispo n. 7i
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazeodi
maito boa, pelo barato preco de 2f000, gollinhas
e puohorftaltimo gosto a 28000, gollinhas muito
fioas e bem bordadas a 1$000 cada nma na raa
do Queimado loja de mladasas da Boa fama,
n. 35.______________
Tiras e ntremelos bordados.
Veode-se pecaa de tiras bordadas de 2,500
3,800, 3,500 e 4,000 ntremelos a 1|600 e 98000
cada peca na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas fraucezas.
Vende-se bonecaa francesas ricamente reelldaa
i 48000 e 5|000, e 21000 bonecas de cera com oa
olhoi moredeos a 2f000 e 38000, oa ras do Quei-
mado loja de miedezss ds Boa fama, n. 85.
Fiveias de ac para sintos.
Vende-se Arelas de ac para sinto a 1|500 rs. e
98000 na rus do Qaeimado loja de miedezss
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-ae baleiaa 190 rs. cada urna aspa de ac
para balio a 160 rs. s rsra, bandes a 18500 rs. e
9800 o par, na ra do Qaeimado loja de ademe
da Boa fama, n. 35.
Colchas do Pavo.
Vende-se ricas cok'-as do fusta o de lioho de
varios iamanhpo a difierentes desenhos : na rea
da ImperaitTn. 60, loja e armazem do Pari
de Gama & Stlva
Chales pretos do Pa\ao.
Vende-ae oa maia modernos chales pretos de
MBjtejredonda com boleta, aaroecidoa de bico
de aada largo em lugar de fraoja a 6SO0O : na
rea dilmperatrls n. 60. loja do Pari.
. Bales do Pavo.
Vende-se ricos bsloesarendados com duas salas
e bico em rolla, pelo baratissimo preco de 8,
ditos de madapolio frsncez mullo grandes com 6
arcoa a 55, ditos com 5 arcos a 3$500: na loja
do Pavo. ra da Imperatriz n. 60.
Bramante do Pavao a lOgOOO a peqa.
_ Acaba de chegar a loja do Pari, ama nova por-
eio do acreditado bramante de linbo, com largu-
ra de brim liso, tendo 97 rarss cada peca, esta
raisuua e propna para leugoes, toains, ceroa-
lae, esmisaa, etc., e reade-se pelo baratisaimo
praco de 10| a pega, s na loja do Parlo ; ra
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silra.
Chales Garibaldioos.
Vende-se na loja d8Parlo, cbalea de merino
muito grandes de listrinhas a Garibaldi, pelo ba-
ratissimo preco de 48500, pecbincha : na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silra.
Cascarilhas de seda.
Vende-se cascarrilhas de seda para enfeitar
reddos a 18000 a pega na rna do Queimado
lejp de miadezas, n. 35.
Meias de borracha.
[ende-se metas de borracha para qnem padece
irysipela a 158000 o par, meias de aeda preta
Lsenhora a 1S000 o psr na roa do Qaeimado
[de miudezas da Boa fama, n. 35.
500, s o pavo.
Vendem-ae cortes de c'ambrafa brsncVcT?a
3 babsdos a 28500, ditos de tarlatana brsoeos a
de cores, com barras e babados a 38: na rus
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pari de
Gama & Silra.
e
Perfumaras muito uas
__baratase
Opiata iogieza a 18500 rs, dita francesa a 500
rs., 640, 18000, oleo da sociedade bygieniqae
rerdadeiro a lpXOO o frasco, oleo bsbosa de Piver
rerdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
psra os denles a 18000, dita de Botot tambera
para os denles a 1J000 o frasco, pomada fraoce-
za em pana a 500 rs. e 18U00, 320 rs. sabonetea
maito fino a 640 rs., 800 rs. e 18000 cada um na
rus do Queimado loja de miadezaa da Boa fama,
n. 35._______________,
A 200 rs., s o pavo.
Vende-se chita franceza escara de cor fiza a
dous tustss o corado: na roa da Imperatriz n.
60. loja e armazem do pari.
Chales do Pavo.
Vende-se cbalea da merino mullo grandee a
3f, ditos de casias de cores a 800 rs. : na rna da
Imperatrix n. 60. loja do Pas-
ao.
Vestidos do Pavo.
E' pechiocha, cortes de cambraia brancos com
babados a 98500, ditos de tarlatana brancos e de
cores a 38, ditos^com babados edgaaaaias muito
superiores a 48, peas de cambraia branca com
carociohos brancos e de cores, teodo 8 1/2 raras
cada peca, por 48. cortea de cascas de cores com
7 1/2 raras, padres ooros a 98500 ; lado uto se
encontr na loja do Pavio, qae rendo dinheiro
a rala : na raa da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silva.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-seasmais modernas e floissimas lia-
zinhas de quadrinhos e de flores solas e palmi-
ohas, desembarcadas do ultimo navio riodo do
Havre,pelo baratiasimo prego de quinhentos ris
o corado, e dio-se ss amostras com penhor : na
rna da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ge-
ma {Silva.
Alburnos de borracha.
Veode-se os maia superiores alburnos oa so-
bra-tudos de borracha, proprioa para o invern a
198; na roa da Imperatriz o. 60, loja do Patio.
Cortes de phantasia,
, Vende-se ricos crtes|de phantasia de dos salas
cam drlicados lavores a Of cada um : na raa da
Imperalrli o. 60. loja do Pavio.
~* I I
Calcinitas do Pavao.
Vende-se calciohss de esmbraia bordadas pan
menina a 18 o par : na loja do Pari raa da Im-
peratriz n. 60.
Gollinhas do Pavao.
Vende-ae golinbas de cambeta bordados e di-
taa de fil bordadss a 500 ris : na loja do Pavo
raa da Imperatriz n. 60.
,- Manguitos com gollinhas,
de-se manguitos com ollinhaa bordadaa a
. e manguitos muito finos a 18 o par : na
da Imperatriz o. 60. loja do Pavio.
Tiras e entre meios.
Vende-se tiras bdrdadaa Upadas e transparen-
tes, assim como entre-meios maito delicados :
na rus da Imperalris n. 60, loja e armazem do
Pari.
^iSSBwSe &&&&&S&
^* ^lendo recebido agulhas imperiaes de
Oliados.
V' ...ess-se oliados pintados de lindas rielas e
paisageos, larguras de 6, 7. 8 a 8 palmos, pro-
arias para meta de jactara *8o corado : na ra
da Imperatriz, loja n. 90.__________________
Ra da Seuzalla Nova n. Al7
ia ata usa de S. P. Jonhiton 4 C,
**" singlazos, caodieiros ecaslieaai
kosusaHos, Sgfc,,, fio da rola, chicotes
prtanos- i,, arreios para carros de
su g dous cari relogios de onro Datante
inflas. 4 r
a 18, luras de sodas de todss aa cores a 900 ris,
enfeites pretos de ridrilho para cabeea a 1| la-
ras de retroz preto abertaa a 500 ris o psr; ns
raa da Imperatriz n. 88, leja do Pari de Gsme
& Silra.
Gambraias do Pavo.
. Pecas de cambraia fioa com 101^9 raras a 68 a
paca, ditas com 8 1/9 raras a 48. ditaa de 8 pecaa
a 38, dita para forro, com i 1/2 varas a 18600 ;
5,r"/**Bl*ralnB- W Pario.de
Gama & Silva.
Vestidinbos 4#50Q.
Vende se reatidiohea de seda enfeiladee para
meninss de 9 a 3 sbbos a 48500 : na raa da Im-
peralriz n. 80. roja de Gama di Silra.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Vende-se palmatorias de ridro a 18600rs., ditas
com mangas proprias pars rapazes a 48500 rs.,
cada ama, esesrradeiras da ridro a 48500 rs.
e 58000 o par, na roa do Qaeimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35.
nova
3|vRuaDireiU^r8l.
' *,U- ** bem moudo MtabdoadTffleato aa-
" oslregaeas o mala pereite, bem asa-
lto ao sea genero,
tedae aa qaalidades.
qae nralisasn eot t jacarsadi.
i todos os tamanhos.
ideas dem,
ideal.
em dem,
m ideas.
aaizaa da todaa aa groesuras.
Manda asi perfeijio a boa porcel-
aa.
S da tedas aa qaalidades.
> idem dem.
A.NDIKIROS flandres para qaal-
I4>
calzas a a ratalho da todoa os ta-
DlUJtd
8^anaaf
BAK
SaUHCrjp;
BALDES
BACAS
BaUrfi
FOLHA .
PHATOS
CHALEll
PANBLL]
COCOS.
qaer aortis
VlPMSl
mandando-se manhos, botsr dentro daaidada,
mi tedTa pte.
"ai-aa encommendas da qoalqaer nata-
rasa, aoncertos, qae tado aari daaampanhada s
contesto.
Esperanca
Loja de miudezas.rua do Quei-
mado n. 33 A, de Guimares
A.Rocha.
EspeiaKdade chegada
Botes de cornalina brascos,
pelo va]
Botes de cornalina brascos, encarnados, re-
dondos, cha tos,' oval, tat borla e borla, a tem
destes botes nesta loja,a sonde se prepsram pa-
ra punbos, colletes, etc., por 38 ama dazia, oa
18 o psr pare ponhos.
Flautee da ebaoo com 5 chaves, annaia es-
(reitiaboe, ultimo gosto, e com calza, qae ae ren-
de pelo diminuto prego de 90f, tinta ingleza (a
rerdadelra) polea de 1(4 a 890, de lt2 garrafa a
640, prevne-se que s legitima a qae no pota
tem una cavidade em forma de bico, que ae pres-
ta melhor a rassr liquido como a extracte da
rolha ; raa de Qaeimado. loja Esperanca n. 83 A.
Esperanza.
Al que aflnal chegoa a esta loja oa ssmpra
estimadoa brincoa balea, qae pela perfeicio coro
que Toi ezecatado o pedido flea aanada a falta que*
baria deste adorno qae,.sobra aer bom e bonito
barato, a 18 o par e em ama caizinba : na loja
Esperance, ra do Queimado n. 33 A.
Esperanza.
Gontins s recebar especialmente anas fazeo-
das, tornando-as assim msis baratas : nesta
qaadra que temos todo qaaolo preciso s ama
familia (em miudezas) a aa alstate, sapateiro,
caizairo, etc. o pequeo espago qae nos concede
o Diario de Pwnameueo nio nos permitte classi-
flear e enumerar a inflnidade de artigos da que
aoa acharaos sortidos, tsnto em quinquilharia co-
mo em artigoa de aso diario e iodlspensarel :
por laso as pesseas da prega ou de fora que quei-
rsm comprar qualquer dos objeclos de qae fsze-
moe nosso commercio, serlo directamente oa in-
directamente bem servidos.
Esperanca.
E' nests loja qae h a continua a aer o depo-
sita das afamadas agulhas Victoria, tanta a
aceitarjrrj que tem tido estss agulhas que dos dis-
pensaflos de qaalquer elogio, a 120 rs. o papel
i?ua da Imperatriz n. 5, na
loja de modas da
Esmeralda
Recebeu-se em direitara de Paria o maia bo-
nito sortimento da chapaos da pslha da Italia
enfeilados a ultima moda para meninos o me-
oioas, cbapelinba de pslha da Italia para n-
abors, lavaa de pellica snfeitadaa com flores a
piernas pars nolras, botinas do selim brancos,
rostidos de blonda, ricos espartilbos, pentes de
tartaraga, cascarrilhas de todas as cores, res-
t a arlos para meninos, sspatiuboa para bsptisa-
dos, ssiim como bicos de blonda da todss as
largaras, dito de goipure, ricas traocaa de aeda
de todas as coras, manteletes de grosdensple a
Fchalo o Harie Aotoioet, ricaa capellaa e plu-
mas e marraba e mallos oatroa objectoa que se-
ria eafadonho mencionar, por tanto eapera na
benevolencia das familias* para virem visitar o
dito cstabsleclmenlo que achsrio ludo a gosto
e em conta.
Batatas novas
a 98560 r#. a calza com
re., marmellada imperial
librea a 400 ria: veode-se no
aresao, largo de Penarais. 8.
18 .. .V
emHbraa58
8
aran a rea, Pra-
SKSTMA MlimiJO H0DKLL0WAY
PI LULAS HOLLWOTA.
Esta ineslimavel especifico, composto inteira-
menta do hervss soodicinaos, nao eonlm mercu-
rio Bem algnma ontra subsuncia deleeteria. Bei
nigno mais tenrs infancia, a a compleicao mas-
delicada, igualmente prompto a seguro par;
desaneigar o mal na compleicao mam robustas
'enteirarnente innocente em suas oparagase ef-
feitos; pois busca a remore as doenejis.de qual-
quer especie e grao por mais amigas o tenazes
que sajam.
Entre mimares de pessoas curadas com ssu
remedio, muitas que j esUram is portas ds
morte, preservando em sea uso conseguiram
recobrar a saude e forcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais alictas nio derem entregar-sea des-
esperago; facam um competente ensaio das
eflicaxes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recpperaro o beneficio da saude.
Nio so parea lempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidades:
Machinas para se fair
caf mesmo na mesa.
A lojs d'aguia branca receben as moderoaa a
acatadas machinas de porcellana para se fazer
caf mesmo na mesa, isao por um meio facri e
limpo, resaltando afloal que o caf faito em lees
machinas tem um eheiro eeabor superior aofeit
por ontra qaalquer forma : reoda-ae na loia o'a-
gpia branca, ra do Queimado n. 16.
Para baptisados.
A loja d'agua branca acaba de receber pelo ul-
timo raporasua encommenda dos segalotes ob-
jeclos para baptisados, sendo liodss tonquiotass
de selim mai bem enfeitadas, e cada ama eaa
sua caizinba, sapalinhos desellas branco, e de
corea ricamente bordadoa, e meias de aeda,
melhor e ufis bonito possirel. Agors, pois, os
pas que nao quizerem eaperar pela geoeresida-
de daa senhoras comadree, dirigirem-se loco
munidos de dinheiro i loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16, onde bem podero comorar
erses galantea objectoa.
ecidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Araias ( mal de) .
Asihma.
Glicas.
Convulses.
Oabilidade ouaxtenua-
(io.
Debilidad*) ou falta de
toreas para qualquer
eousa.
Desinleria.
Dor de garganta,
da barriga;
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfarmidade no ventre.
Ditaa no figado.
Ditas venreas.
Eneaaqueca.
Herysipela.
-u- biliosa.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Infla mmsces.
Irregularidades da
menstrusc^io.
Lombrigas do toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstruogio do ventre.
Phtysica ou consump-
gao pulmonar.
Retengao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Toi
Ultimo gosto.
Pentinhos dourados, e com
pedras para bandos.
J nio entra em davida que a loja d'agaia
branca est a par das ultimas modas qae apna-
recem em Paria, e poriaso ella acaba de receber
oe bonitos e modernos pentinhos doaradoa e cosa
pedras, os quaea servem para as senhoras mata
abrilhantarem seus bem reviradoa bandos qae
ornados com um par de ditos pentinhos, fleam
de certo ainda mais garbosas. Na verdade, a gre-
ca, boniteza eperfeicio qae diseo resulta se nao
pode negar (aslro se o fizerem eom o nico fim
de nio gastar os 3 e 48 que costa cada par) as-
sim prerine-se as senhoras qoe apreciam o boa
gosto, qae desta rez rieram poneos, e por isso
ser bom que mandem logo para elles psra que
depois se nio rejam na collisio de esperar qae
de novo os receba dita loja d'agaia branca, rUa
do Queimado n. 16.
Ulceras,
enereo (mal)
mu*
sem segundo.
Na rna do Qaeimado n. 55 loja de miadezaa
de Jos de Azeredo Maia e Silra, esti rendando
todaa aa miadezas baratissimss, s saber :
Papis de agulhas a balo multo supe-
riores a
Caixas com milito finas obreias a
Cartoes com clcheles, tem algam de-
trito a
Frascos ds macass perola mallo fino a
Caixinbaa eom papel pequeo de diver-
sos goales a
Paco tes dito dito dito a raizada a
Novellos de linha de Gruz a melhor
que ha a
Caixaa com agulhas curtas de sapsrior
qoalidade
Entremeios, a peca <*om 3 raras 112 a
Sabonetea maito finos a
Pp*ia de agulhas francezas com toqae a
Parea de botes para punbos de muitos
80
49
16
908
720
720
40
200
18000
120
10
Tico doloroso, l",10del08 a
n. /" Sfres de nietascrass para meninos a
UW !-,..
irfido.
As r
no rapo
pon.7
Pciir
eldade
irjfran
, que est Luvas d peliea.
sdeiras luvas de Juvin, ebegadinhas
rancez; s ho vigilante, roa do Crea-
fea tojuo doS. Antonio
\ e S. Joo.
Trinas e gatees.
A superior trina o rolantes do Porto para ar-
nss, oratorios oa igrejae, qoe se rende por mo-
nos do qae em ontra qaalqoer parte: s no ri-
Rilante, ra de Crespo n. 7.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazenda de padroeadelica-
dissimos com 4 1(2 palmos de largars, propris
para vestidos de seohora a 400 rs. o corado: ns
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pa-
vio de Gama & Silva.
Cascarriiha
Liodss pecas de cascarriiha de todas ss edres
pelo bsratisslmo pre?o de 18500 a peca: s no
vigilante, rus do Crespo n. 7.
Chapelinas para senhoras.
Lindaa chapelinas ricamente enfeitadas, pelos
baratiasimos precos de 6*9 e lOfOOO.
Ditos com pequeo toque de mofo a 6JO0O: s
no vigilante ra do Crespo n. 7.
ate.
estas pilulas no estaba'aciment
geral jdres n. 224, Slrand, a na loja
de todos os*) boticarios droguista e outrss pessoas
enesrregadasSde sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se aa> bocetinhas a 800 rs., cada
^ma del las c/ntem urna insiruc^o am portu-
k, licar o modo de se usar deslas Di-
luas.
0 deposito geaal 4 em casa do Sr. Soum
pbarmseeutico, na ra da Cruz n. 22 em Foi-
oambueo.
__. de ditas cruaa para pequen? *
Ditos de ditas para meninas a
Frascos com agua de Lavando smbreada a
Ditos com ebeiros muKo finos a 240 e
Ditoa com banba muita fina a 240 e
Ditoa com aoperior banh de arso a
Venda-se urna bonita mulatinna de tdade7
annoa ; na roa da Cadeia do Recife n. 47.
240
160
16o
200
80O
a/x.
aao
oo
Vende-se urna preta coztobeira e lambern
eDgomma : na ra do Rosario n. 23.
Escra^osfug
in
i-V
Touquinbas ou chapoznhos
para criancas.
Lindos chapoziohos pars menina o menino a
4 e 6*000, ditos de feltro pelo baratissimo pre-
co de 3SO00, bonetes ds panno tino e laco de fi-
ta a 3fQ00, ditas do velado fino a 4 a 39500,
ditoa de palbioha a 3J0OO, touquinhaa da seda
muito lindas a 1*500, ditos de fil a 1*000: s
no vigilante, risa do Crespo n. 7.
Coke e alcEtro.
Coke da melhor qualidade, maito proprio pa-
ra vspor, a lambern para todos oa asos domes-
ticos, tornos pequeos e grandes etc., para estes
aervieos, o coke maia econmico do qae qaal-
quer ootro combastivel, por ser menos de mo-
tada do prego e de msis durscio.
' Alcatrio, este sendo applicado navios, bar-
cacas, slvarangas, canoas etc., prests muito
bom effeito, conservando a msdeira de todss ss
qaalidades de bichos, lazando dorar um lempo
indefinido. Tambera conserva madeira de edifl-
ciqobs, preservando-a doa bichos o contra o
lempo: ss propriedades chimicas deste alcatrio
de carvio mais forte do qae qaalqoer outro,
eztrabido da madetras oa oatrss materias.
Quem precisar achar venda, no armacem
do gaz. Ra de Imperador.
Preco*do coke 129 por tonelada.
Preco do atcatro 500rs. oor caada.
Manguitos.
- Lindos manguitos com gollinha o mais fino
que se pode encontrar, vende-se pelo baratas!
mo preco de7J000. ditos sem gollinha a 12500:
s no vigllsnte. rus do Crespo n. 7.
Gollinnas de linho.
Lindas gollinhas estsmpsdas.............. 500
Ditaa ds linbo maita fioas...............;. 800
Jgtt pretascom ridrilho.................2*000
g no vigilante, rea do Crespo n. 7.
_ Delicadas tiaziahas com flores bordadaa a egu-
1 'i c"/if!LC0" ,5 C0T*,*. Pe'o baratissimo pre-
co de 4f500, e corado da mesma fazeoda a 820
rs. : na rna do Quelmsdo n. 44.
Giosdenaples do Pavao.
. &?- grosdsosples ntuto maito ocorsJa.
f,S*d > ^la IsjperalrU n. 60,
lojadeG.naa di Silva. m-
Vende-ae na
ditoa da fa
Paletots do ParSo.
de panno
rea a
pralo fino a 6f,
Vende-se
no basar da raa do Imperador meias pretaa para
senbora a 80 rs. o par, veslimeotasUUe Ua para
meoinoa a 800 rs., grvalas da eeda a 200 rs.,
"SS^* b,rim 6Uia-t *W*>, ditoa de caaamira
a 21500, colarmhoade eaguiio a 4 a dazia, fina
largaa lindisalmas a 400 rs., toacaa de lia para
meninos a 600 rs., manguitos de cambrsla e fil
a 1*500._______________
Gal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra a Cadeia
do Recife n. 12, mais barato
do au#>eni nutra qualquer
Meias.
Grande sortimento de meias tanto para homem
como para senhora, aendo de homem a 1*800 e
2*T00. e finos a 2*800, ditas de fio de Escoci s
5*000 a dnzia, ditaa psra menina s 2*400, ditas
para menino a 2*000: s no vigilante, raa do
Creapo o. 7.
Batatas oras
Terco O. 23.
Batatas .
80 rs. a libra
uo largo do
Rival sem
igual,
RUA LARGA DO ROSARIO l. 36.
Enfeites
pretos o de coree maito bons a 5*.
Sintos.
Sintos doaradoa a 1*600 e 3*
Ditos fitas de velludo a flvells de a$o a 1)500.
Tesouras finas
com .pequeo toqae deferrugem a 400 rs.
Ditas limpas muito bonitas a 800 rs.
Ditas ordinarias a 30, 0,120 o 240 IS.
Escovas.
Para limpar inhas a 329 o 00 rs.
Ditaa psra cabello a 800 e II.
Ditas para roapes a 400, 800,1* e 1*200.
Meias.
Para senhoras a 2|400 a dazis.
Ditas para homem a 2*400,2*600 e 3*500
Flores. ,
lamos da flores artiflciaee alfa IpNk
Colheres
de metal proprias para o diario a 1*200 a dwzia.
Ditas de metal principe a 41500 a dazia.
Ditas ditas ditas pan cha a 2*400 a asa.
BoKJes -v,.
aiaOtMOrs.
Machinas americanas.
Era casa da N. O. Bieber & C, saccessores,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas psra regar bortas e caplm.
Ditas para desearocar milho.
Ditaa para cortar capim.
Selins com perlences s 10* e 20*.
Obras de metal principe prateadas.
Alatele da Saecia.
Verniz de alcatrio para navios.
Salsa parrilhade primeira qaalidade do Para.
Vinho Xerez do 1836 em caizas de 1 dozfa.
Cognac em caizas del dazia.
Arados e gradea.
Brilhantea.
Carracas pequeas.
Dous e sera vos fgidos.
Em fios de dezembro do anno passado fogio o
acraro crioulo de norte Bonifacio, olbos abaza-
Ihadoa, estatura regular, grosso do corpe, nade-
gas grandes, com falta de doos deoles na frente
regrista e iotitela-se curandelro; tem aido*
visto pela Estrada-Nova, Campo-Verde e Boa-
Vista, cjmo tambera j foi pegado de outra ve
que fagio em Olinda. Tambem se ausentou no
da 6 do corrente mez de jolho, outro escravo
crioulo de nome Lois, estatura regular, gresso
do corpd, olbos meio vesgos qoe o faz olhsr um
pouco atravessado, com feltarTle dous desatea na
frente, Um os ps apalhetados e loma tabaco-
ji foi pegado de outra ves qae fugio para aa ban-
das de Serinbiem ; quem oa pegar e os entregar
no caes do Ramos casa n. 4, ser bem recom-
pensado.
FAZENDAS BARATISSIHAS
HA
Ra da Imperatriz n. 20,
loja de Dnarle Borgcs da Silva.
O dito Silva comminica ao
respeitavel publico e com
especialidade aos seus nume-
rosos freguezes antigos e mo-
dernos, que constantemente
a cha rao na dita loja um com-
pleto e variado sortimento de
fazendas proprias deste mer
cado e vendidas pelos precos
mais commodos, de que em
outra qualquer parte, afian-
cando a boa qualidade e dura-
cao das supra ditas fazendas.
| Pechincha
{sem igual para acabarf
Fogio no da 1" ao corrale mez do enge-
nho Privilegio da fregaezia de Agua Preta, o
escravo crioulo de nome Vicente, com os sig-
nis aeguintes :bem preto, rosto comprido, ore-
ihas pequeas, pernaa finas, ps pequeos : ro-
ga-se ana capilies de campo a aprehenao do
referido escravo que ae gratificar gene rosa meo-
te, podando aer entregue co referido engenho ou
oa ra do ln-neralor d. 83.
No dia 8 de julho correte, poucas horas
depois de sair da casa de detenco, aon'.e esle-
ve preso por motivo de fuga, tornou a fuRlr da
casa de senseohor o escraro de nome Hercola-
no, o qual lem 26 anoos de idade poaco mais
oa meos, cOr fula, estatura ecorpo regulares,
a falla um pouco deacancada e afinada, e tea
orna cicatriz proveniente de um onheiroqee leve
n'um dedo de ama das maos : teodo o cabelle
cortado muito rente, e urna argolla de ferro
com gancho no pescojo ; roga-se s autoridades
policiaes a cap'ura do mesmo, e sus entrega, as
ra do Gabug, loja n: 3, a Manoel Antonia
Genes Ivs.

3
i
Lindaa laasinhas de qoadroa corea es-
caraa a clarea a 200 rs. o corado. '
Superiores chitas fraocezas largas com i
am pequeo toque de mofo a 200 rs. o
aovada'.
Lindos corlas de chita fraoceza larga
escarss e claras com 11 covadoe cada
corte a 2*500: ns raa do Crespo A 13.
O ultimo gosto.
Chsgaram as lindas mocambiqoes de |
coreo ae maia delicadas da quadrinhos o
palaae de aeda flogiodo sedas, eom dass
larguras a fazenda maia moderna qoe
ha pera vestido a 480 rs. o covado: aa
loja do sebrsdo de 4 andares na raa do
Crespo d. 13.
Fugio na nolte de 7 para 8 do correte, de
casa do abaizo'aasignsdo, a sua escrava mulata,
de cor clara de nome Hara, idade 25 aanoe,
poaco mais ou menos, bastante alta e ebeia da
coipo, cabellos corredizos, e gosta de andar besn<
penteada, leroa vestido de chita cor clara, aaia
e cazavaqae, a sala atacada por cima do caiave-
que, levou mais am chale azal ferrete com barra
da cor e urna coberta de chita j desbotada. Ra-
ta escrava veio ba pouco de Uamanguape do nor-
e, remettida pelos Srs. Moreira & Primo, a
quem ltimamente a compre), porm provavel
qoe nao teuba sabido desta praca e eslej oeeut*-
tada em alguma casa : roga-se aa autoridades
policiaes e capite de casnpo a apprebeosaa da
dita escrars, e lave-la roa Nova n. 67, aegua-
do andar, ou roa da Cadeia Velba do Recite,
loja n. 22, que se gratificar generosamente
trabalho.Joko Plreir Moatinbo.
Candieiros do gaz.
Chegoa para a loja da Victoria os melhorea
candieiros do gaz, qoe tem rindo ao mercado,
pe* precoa commodos : na raa do Qaeimado
n. 6t
-_---------------------
ucez.
; e]
lo caporal t
Escravo fgido.
Roga-se a todaa aa autoridadea policiaea *
captara do escravo crioulo de nome Feliciano.
que aa acha fagido desde o dia 7 do corrate
mes e tees oa lignaes segaintes; cor preta, re-
lo am penco redondo, com duas pequeoaa eri-
dsa na testa, bastante ladino, querido falla ri-
aonho, levoa camisa e calca de algodao de listra,
e chapeo de couro, tem de idade 24 a 26at>noe,
nataral da villa da AssembMa provincia do
Alagoas : quem o pegar leve-o ra do Quei-
mado n. 10, a entregar a asa senhor Joio do bV
queira Ferro. qae ser bem recompanaado.
2001 de grattficaca
qaem pegar o pardo Fraocisco, do 17 anao
de idade, de bonita figura, com todoa oa deoiao.
cabailoo earapinhos e rorros, este pardo foi a>
Sr. Dr. Borges da Fonsecs, o qual viajoo eom a
mesmo senhor lodo o aerllo a suburbios daos*
provincia, necessaiUsjflMr qusrldo era sesr ee-
cravo, a taires ainda ae inealqae a servico d*>
lo a sea
mesmo; quem o pegar
papel immM
Ignacio Laiz de
MUTILADO


DUM
Utteratura.
Armaud Ckai'est.
sou eu o nico que oosa confiar ao papel
' i intimoi ptniamenloi. Ghegido ao
calvario'que ae chama existencia
antea Je dirigir o ullimo adeas s
ltqbes da infancia, interroguemos o
i eitorcemo-nos o maisque nos (6r por
por voltar a essa edade.
Qe me importa o mundo e aeui juios? E' s
para raim que eacrevo estas lionas. Parece que
j estou rjalo o riso escarnecedor cora qoe os
mancebos o hoje acolheriam minhas ingenuas
eoolis'i, ae a publicidade Ibes prestasa suai
82ai. Nao-, occultemo-las e occultemo-las muito.
Depoia de tsr lido as primeiras lionas, en o
coofeiso, heaitei proseguir no exame da papelada
que o caso me fizera descobrir; porem a curioajF-
dale veoceu a minha discrigao. E, dilo-heieom
ran juea, encontrei nessa historia de um amor
da infancia, todas as grataa e paras eensiges
que oulr'ora experimentara. Depoia uve a idea
de fazer que os outros seotissem as mearais emo-
coea que me caossra a leltara de minhas pro-
priaa conQaadea: Leraro a bem os leitores esaa
minha idea? O futuro o dir. ,
Limitar-me-Jiei a copiar textualmente o mi-
neen lie, alterando apenas oa nomes dos perso-
I
fllho da burguezia, e educado as ideas
Sto acanhsdas, que sao particulares a esas
lasse. Oa daz primeiros annos de minha vida
passsram-se como essas noutes frescas e serenas,
Wturbadaa pela atmospbera. Minha me,
HjMJavei creatura do bora Deus, urna des-
sas^jlarezas senslveis que s vivera pelos ou-
tros, oerciva-me dos mais taros cuidados; ti-
uha ir mim-em ternura inquieta que se pode-
rla chamar preaciencia do coragao.
nha apeoaa doz annos quaodo os mdicos
aconaelharam que me mandaaaem para o campo,
em razio da minha compleico iraca e delicada.
Foi um negocio de estado 1 Eu era o mais moco,
o Benjamn da familia. Maus irmos e irmas,
sem ae mostrarera cioaos pela notavel preferen-
cia que me dar minha me, esfrcavam-se por
me tornarem a s aprazivel para que a ella foj-
se agradarel. A vista do que fcil couceber a
egitagao em que a declso dos facultativos poz
urna familia pacifica e to unida. Um cura do
campo, aotigo amigo da cisa, p6z lira s indeci-
sos,. propoodo receber-me como pensionista.
Ella morava na povoago da Condroz, cercada de
billas florestas; a caca, a eiperaoga de apaahar
os tordos e os passaros, aa correrlas pelos cam-
pos; tudo isso concoma para seduzir a minha
JOYjn e rdante imaginado. Aceitei.de todo co-
ica proposts, a minha boa m|e lave de re-
k easa recordago sioto como que um remor-
as, e aa pilpebras racillantes mal comprimem as
rimas. A mudanza da vida e todos os praze-
e eaperava gosir nao me fue rara coobecer
imonto do sacrificio a que se impuoha mi-
ase ; eu chorara, mas a louea incuria da
ia sorria por entre as minhas lagrimas. Hi-
la me I hoje que pens nisso, dero pare-
bem .iogratol Obi Albos I que peqaeoos
jsoostros de crueldade nao sao ells com seu sor-
riso ingenuo e eslouramento nataral I
Deixei a miaba cidade natal, esaas rerdejaoles
cargaos do Mosa, onde aprend a dar os primei-
ros passos. Pobre me 1 para dar o ultimo sig-
ua! de a leus aoseu ingrato filho, qu parta, -
eara no limiar da casa, e olhara-me com os
olbos do coragao, por que as lagrimas cegaram-
Ea. E meu pae, irmos e irmas? A rista do
churriao que conduzisse o meu corpo envolvido
na morlalha da innocencia, nao lena feito cor-
rer mais lagrimea. Os proprios risiohosporque
o meu semblsnte travesso prevena em meu favor
--deixaram suas occupagdes para me rerem par-
Apovoago de"'est situada a cinco leguas
> f-iege. Caegamos_ noute._Eu estar opprK
'aJ,51*)mno^**D5rmi aob o peaC*.
de urna vasta cbamio de cosiaba : o
~ transportou-ma para o meu leito,
^Jti9'J todas as precaucoes,- aflm de qae nao fos -
' 3 perturbado o meu rapouso. Essa cura era um
sacerdote honrado e respeitarel; depois como de
Limenoais e alguns outros espiritos escolhidos
eotrou na vida social. Nao cabe aqu apreciar a
sai conducta; tulo quaoto polerei dizer que
brs bora, tolerante e de urna caridade evang-
lica.
II
Ao despertar pela manba vi-o em p cabe-
ceira de minha cama, sorriodo-me.
Eolio l preguigoso; oa passarinhos gor-
geism nasarrorea ha muitas horas ; levanta-te ;
ramos almfar.
O bom cura nao quera dar-me tempo de re-
fleclir na mudanga de minha posicao. Vesti-me
de presss. Depots do almogotomou bous trena
de armadilha, e seguimos para a floresta.
Eu amo a sombra e o silencio dos bosques;
suas abobadas sombras me azem scismar; atem
disso, os acres perfumes das mil flores agreste*
que crescem junto s arrores ro-me ao,cerebro
e prodazem-me urna febre de independencia que
com difficuldade poderla defioir. A mudanga de
vida era muito brusca. No fien de urna bora fui
obrigalo a assenrar-me, e meu compaohairo
mido
fu maga
bom cu
contiooou s o teu paisaio, promeltasido tomar-
ana na folla.
fiasco dos bosques o repouso me acalma-
ran 6 ardor fabril; o isolameeto a qua me sla
enrolveu toda a minha alma como a tria morta-
Iha de um cadarer. Estremec; urna emogo lo-
deflnirelapertava-me a garganta; nao chorara,
porem o mea coragao nadara em sua propria
dor.
OI minha me I se liresse podido deacan-
car minha fronte sobre teus]oelhoa, os solagos
exhalados lirremenle ter-me-hiam aliviado o
pelto I Has alo estaras ali, e eu senil ento to-
do o vacaque a mi ausente deixa no coragao
de sea fllho. Os das que seguiram passaram-se
tristemente; depois, o habito, esse irmao do
tempo, mitigou pouco a pouco aa minhas dores.
De mais, eu tloha ama vida muito aetira; esta-
ramos no esto nessa estacio ha tantos aitrac-
tivos no campo 1
U ma manhia me disse o cura:
-Armand, deres telar hoje o tea toilette,
porque temos de fazer urna riaita. Teoho nota-
do que de certo tempo para c nio cuidaa de ti...
Vem deixs-me alisar os teus lindos esbeltos loa-
roa.
Qusndo o meo toilette estar prompto, olhou-
me sorrmdo:
Bem, me disse He ; o ar lirre e a vida do
campo j te hio dado alguroa edr e aoimagio...
Quio feliz e orgulhosa ficaria tua mi se le risae
assim.
Iamos risitar uma senhora j idosa, qae en-
riurirs com um menino de minha edade, e ama
encantadora menloa pouco mais relha. A me
me acolheu com caricias, e os fllhos com trans-
pones de alegria ; urna hora depoia eramos oa
melborea amigos do mundo, e percorriamos as
aleas dos judos, com as moa enlagadas, o sor-
riso nos labios e a felicidade nos olhos I A coo-
flanga se esiabelece to depresss entre meninos
da mesraa edade I
O menino chamara-se Osear, e a menina Julia.
Achei este ultimo nome to doce de pronunciar
que o repeta aem aaber porque Julia era to bel-
la, to risonhs, e elem disso to traressa qae
me iuspiroa logo mais ympalhia queseo irmao.
Osear era muito gordo e bochechu lo, um tanto
mal criadioho pela indulgente ternura* de sua
me.
Todo ease dia passoa-se como am agradare)
sonho. Qaando nos despedimos promettemos
toroarmo-nos a rer muitas rezos. O bom cura
diese :
Quando te enfadares de estar em casa, rem
para a casa de madama D'** ; nio eorre perigo
algam de te perderes seguindo essa grande alea
do bosque.
Agradec-lhe com urna especie de effusio,
pois que esta autorisago me anchis de ale-
gria.
Dous dias se psssaram e confesso qae alem-
branga de meua noros amigos* me preoecupon
muitas rezes. Tioha fallado a Julia deum lindo
ca 11 de coelhoa brancos que catara criando no
presbyterio; de sua parte, ella me mostrara aua
cabra de pello comprido e macio, de barba rea-
peitarel, de andar altivo e quasi selragem. No-
le que ella trahira o secreto desejo de possuir
tambera coelbos brancos. Communiquei isso
ao bom cura, que autoriaou-me a dar-lh'os.
Tenbo hoje necessidade de ausantsr-me,
disse elle; se ests decidido a te privares de teus
coelhos, lera os t mesmo a teus amigui-
nhos.
Nao sei porque ligara o nome de Osear ao de
Julia, porque era somonte dests que me preoecu-
para.
Parli ligelro, com o coragao nadando em ale-
gria. Madama D"** eatava ausente. Todos os
coelhos do mundo sariam* poneos para pagar o
aorriso que me concedeu Julia em signal de agr-
decimento.
Immedialamente dirigimo-noa ao jardioeiro
para dar-lhes um aailo conveniente. Eu e Julia
uo nos separaramoa ; quanlo a Osear, talvez
ana ciume, relirou se para um caramanchel
oe madesilvas eflmdealisallar a aua rootade.
Poitoa oa coe 1 fioa^aunra-(jajnr seguro e tv-'-
dos de bastante couve verde, pe"
as aleas do jardn).
Caminharamos de mos dadas,
palarrs, mas aorriodo-nos com a iog ^ade de
duaa criangaa. *
Entretanto lembro-me que alia me disse que
os meus cabellos eram mais lindos que os de seu
irm i, e que ma pareca alguma cousa com o
Menino Jess de cera que estova collocadode-
baixo de urna redoma sobre a cbamio da aala.
Ri-me da comparago, mas con'
agrada*.
A' tarde ella reiu cooduzir-me com a ama al
o meio do camiobo do presbyterio- Peso cami-
nho colbia algumas flores e entretinba-se em
nnundar-me enm alia*, acompaohaodo ca Ira
ressura de grandes risadas. Quando desped-me
apertei-lbe a mao.
Veoha muitas rezes, muitas rezes, me disse
ella.
Eu estara commovido. Conserrei-me em p
sobre ama pequea eminencia e segui-a com o
olhar al perde-la de rala. Ella vollou-ae mui-
taa rezes sgitando o su chapea de palha de lar-
gas abas. Continuai s andar scismando.
Em que scismara u ? Porrentura ae pergun-
ta a briaa o qe ella diz folbagem que lbe cau-
aa to doces emoges? H>, na natureza, mysle-
FHttai H I J "" i-_
iirai i**"
rios qae a seiencia
trar ; sffloieadea im
analyssr, a a que o"
que.
No lim do mes d a_
una resfriamento, spiohsl aa defluxio
Nio ma record dosj rircumlaqaioa .a em pre-
ga ei para-fazer que O bom cora atlantifieaase a
msdama bi** o med astado de mdleaia ; o que
sei que o consegu.
Em ama manhia ella reiu com I seas doas fl-
lhos. Jmaia me poderei esqaaaar{do olhar cheio
de triateza que me (angou Jalla, stendendo aua
roaada mosinha; contra micha roatade daaa la-
grimas sa me escapram dos olhoad>mu eram la-
grimas bem gratas I porque corraraaa entra dous
sorrisos.
Osear, indifferenis e rolurel, anaontrara mi-
nha pi a meu pequeo ancinho da jardiaagero, a
punha todo em deaordem no jardn. Julia Do
me deixou ; em um inatante que nos acbamos
tt paasoa oa llodi is dedinbos nos snoaia da meua
cabellos a diise-me :
E' preciso ficir bom depressa.... Fico triste
qusndo pssso ums semana qua o sao rajo ; s
acho prazer em brincar com os coelhos qua roc
me dea.
Couss singulsr I tioha meooreympailta a Os-
ear do que a Julia, e entretanto nunca pode tra-
ta-la por tea come a seu irmo.
III
Depola de tres Si imanas de claustrado forgada,
sent-me com o rljor necessario para Ir fazer ums
risits de coovaleaceuga madama D***. Paasei
todo o da em aaa casa. Julia tere para comigo
mil aitences deli :adaa; entre outras quiz dar-
me Lili, aua bonit
leite da
paito.
Sua mi, que m
projeclo, e ficou
Lili logo qae prep
recebe-la.
Julia nio caba
ao rento, pararemos erque-
gota- de suor qua corrlam
IV
eabrioha branca, porque o
cabra b m para todas as affeges do
aito me amara, approvou essa
convencionado que u levara
jraise um lagar pruoriopara
)m ai da contente; ttiia tarde
fomos ilsitsr a mi iba futura ama de leite.
Voc ba de trata-la lio bem quaoto trato
aeua coelhos, nio' perguotou-mo ella acarician-
do aaa fororita. ,t/ caprichosa, teimoaa, maa
nio m. Nao goi ta de Osear porque maltrata-a
sempre, maa esloi carta qua ha de ama-lo mui-
to I Lere-a aempre aoa lugares am que bourer
sebes, porque teol o notado qae prefere os re-
nov* dos espinl eiros a qualquer outro ali-
mento.
Levava comigo nm cinturio da couro enrerni-
aado a pas*sel-o pelo pescoco de Lili em forma de
colleira. Julia aoriiu. *
Venha busci-laum dia desta semana; me
disse ella; depois d'amanbia, mama tem de ir
a Villara e entio poderel acompanha-lo at o
preibyterio. Deaia forma rerei ae minha Lili aera
bem albergads.
A perspectiva le passar um dia inlelro em
companhia de me ha amiguinha coocorrea muito
para o mea resta leleeimento. No dia apraaado
dirigi-me pira aua easa. Fazla um calor abra-
aador e a aihmosp hera comprimida nio dar pss-
sagem a menor rii agio; entretantoealaramoa no
meiado do mez deaelembro; dir-ae-ba que o
api do eatio reaerrara aeu rdante calor para da-
simular um dia ainda, os demaia do oulono.
Qual nio fot minba aurpreza', quando ao entrar
na grande erenida do bosque, avistei Julia aa-
aentsda a borda da estrada, deafolhsodo com ar
diatrahido algumas ionocentea margaritas. Um
grito de alegria escapou-ma do fundo do cora-
gao Ella sorria-me com um aorriso terno a an-
glico. Assantei-me ao seu lado.
Qual a razio da eocontra-la aqu? pergun-
lei-lbe. v B
Esperara-o.... Sabia que roc ria, con-
duti minba me e Osear at a caainha de recreio
do bosquisioho o corr para aqu aflm de caassr-
Ihe umasarpreza.
Macbioalmeota baria tomado aaa mi entra as
minhss; obedecendo a urna* torga deaconbecida
apertei seaa dedinhoa entre os meus, e no. olha-
mos por muito tempo sem fallar.
Nesse mudo estasis ter-nos-hiairin>< cam-
a da-
idama

Gonraciouuu-ae que Julio,
mi, ajudar-me-hia a eendozu
rio, reconduzindo a eo depoia em una do
cura oa da criada. A distancia era -aaa de
urna lugaa e o passeio agradabilissi n Parti-
mos depois de jantar. Lili, segura p, carreia
or aaa aeobora, dar saltos axtraoraj o arios ;
pulara daqui para ali, levando nos algufmaa re-
zea de raalo, porque Julia ria-se tanto,bue aio
toado mais forca para contar o fogos imel,
chamara-ma para ajada-la. Algumas '> js pa-
rramos para uetxar a poore canrinr ni
montas de.herva qae Crescem debaixo w.. espi-
nbeiros.
Confesso-o com toda a franqueza: durante to-
do eaaadia a lembranga de minha mee, de mi-
nha familia, nio me reiu urna s vez ao peosa-
mento. Eu eslava como que enterado e absorto
nio aei por que aeotimeota, que nuoca mais ex-
perImentei com o mesmo eocsnto.
O cu eobria-aa danurena; o cimo das gf andes
arrorea agitava-se; noa boaquea todoa aa arvores
senliam rpidos eatremaetmaotos ; a tempestade
ia arrebeotar. Nos, com as cabegaa descabertas
lalia me parecer to baila como balsa
i elhar tloha um brtlbo deslumbra-
aua tas colorida dar urna expresso de
almagao ao aeu lindo rosto. Eu a contemplara
como os meninos piadosos contemplara urna asi-
la imagem, cuja milagrosa influencia, exaltada
pela auperstlco das mies, tocou sua joren ima-
liDagaa,
Um incidente, que a principio nos diverliu,
Ma mudar o curso de nossas ideas ; digo a prin-
cipio porque prorocoa o episodio mais tocante
deeta aimples historia.
Como sabam os leitores au tirara o mea ciotu-
io para pO-lo ao pescogo oTLili; ora a flrella
Se na ai daaa ponas reeebera Untos e tio
tea aaoodidelas qae o clchete torcera-se. Lili
ou porque obedecase ao capricho de sua natu-
reza rsgabunda, ou porque oa aardos ribombos
do trorio a espantassem.deu um salto prodigio-
so, quebrou o cinturio e metteo-se por entre a
mata.
Seguimo-la ; mas o maldito animal dessppsre-
eau a ooisos olbos.
Por mais de duas horas peteorremos as reredaa
da floresta intilmente. Julia perdeu um de aeua
sapatos e esta vamos angados de fadigi; alem
disso a chura caba a eantaros, os relampagoa fa-
zilaram, e, por ioterrallos, o formidsvel ribombo
do trorio fszia estremecer a trra.
Julia tomara-me o brago, qoe aperlara com
torga ; tioha modo. O fino peono de seu rostido,
completamente molhado, eslava collados aos teus
braetnhos.
Pare! debaixo. de urna espessa carnada ; ah a
trra estara enxula. Julia aasentou-se ; sssen-
tei-me junto a ella. Espera vamos que a tempes-
tado passaase. Toda a noasa alegria desaparece-
r, a Julia tioha repetidos calefrioa. Tirei mioba
vesta de panno azul para cobrlr-lhe os hombros;
oppoz-se a iaao ; maa afinal ceden.
Em qaanto corramos aps Lili liohamos es-
quecido aa horaa ; a chura continuara a eabir e
odia deaipparecia rpidamente.
Em quaoto roc descanga, Julia lha- disse le-
rantando-me, vou procurar o eamioho que devo-
ra os seguir.
Julia poz-se a chorar.
Nio quero flcar s.... Teoho medo 1 excla-
moaeom a roz tremola.
Eolio esperemos que o bom Deas envi
para este lado algum guarda oa lenheito, disse
tomsndo o meu lugar.
Aqaeci-lhe ss miasinhss entre as minhas,
unimo-nos debaixo da csooigsda como douapin-
teioboa aob as azaa de aua mi.
Era completamente noule, mas a chara cee-
aara ; um rantofrio, aguando as folhas das gol-
tas de chura que cahiam era outras folbss e arro-
res desembsracara-as agarrando-sa aos ramos
doa reixos, produziam um brando cicio.
Julia deacancara a cabaca sobre o meu hom-
bro ; eu senta a aua respiraco rogar- me branda-
mente a face ; ella esforgava-se quaoto poda por
conaervsr entreaberlea as palpebras pesadas; o
somoo tnba-se apoderado delta.
Espere, Julia, roa preparar-lhe um peque-
no leito de folhas, disse levsntando-ma ; Voc
dormir at que amaoheca ; quaoto a mim ro-
lare!.
Juotei algans fetes, corlei sgaos ramos de can-
nigada, e, apezerdalobacuriade, preparai, eme-
Ihor que fot poesire, um pequeo leito, sobre o
qual estendi meu colote, miaba grvala e aeu
arantal. Eila deitou-ae e minha vesta aerriu-lhe
de cobertura, Um de seus ps, privado de cal-
gado, estara todo molhado ; tirei a meia, e aqu-
ci-o com a minha respirsgio. Julia estar qui-
ai dormiado ; entretanto disse-me com a roz mais
lerna que nuoca:
Voc muito bom Armaod I Meu- irmo
Osear nio mostrara por mim tanto destelo.
Bem depr<>f* a aua reapirs^ao lenta e eompas-
aoa aonunciara que j dorma. Tomet-lha e
outro pesiobo entre as mos, depoia da o ter de-
aembaragado da meia e do sapalo ; O agradare!
calor qua aa commanlcara a aeua membros 'r-
eos e delicados faziam-lfae tio bem que o aeu
somoo nio foi perturbado.
O bom cura ; rendo que eu nao rollara a noute
correr a caaa ae madeer D*,v ; eata, rollando
Madama D*" abragoa-me com ternufl; quin-
to a Julia aorria-sa para mim.
O da deapodisrs no horisonte, e nos despeda-
mos de madama D"* a aua filfa*.
Estaramos no aeio da grande alea.qae segua-
mos qusndo ouri balidos qaeixosos ; chsmel Li-
li, e o pobre aaimslsinbo, cheio de rergonha po-
la aua fgida, reiu lamber-me aa mios ; quiz
conduzi-la, fez alguma reaistencia ; mas o curs
que nio prometiera a Julia trata-la eom breadu-
ra, iofliogiu -lhenm pequeo castigo, e ella se-
guiu-me.
O cura obrigou-ma 'a cooserrsr-me na cama
durante todo o da seguiote ; mas au, para ter
occasiiode recommandar Lili ao zelo da criada,
pedi leite de cabra mattaa rezaa.
Nesse mesmo dia madama D*** fot prevenida
de qae a cabra ra encontrada.
Tornel a ver Jalla muitas rezas. Depois de
nossa aventura da floresta o seu procedimento
para comigo era iacompreheosirel ; ora paseara-
ma seu lindo brago rozado palo pescogo ; ora
abragara-me com vehemencia, fugindo logo de-
pois como urna corea espantada.
Chegou o inrerno com todo o seu eortejo de
churaa, de nere e tsmpestsdes.
O bom cura quera aproreilar os oossos longos
seres cuidando de minha instraegao.
Eu era de urna imaginago muilo riva, iode-
pendente e vagabunda para sujeltar-me por mui-
to lampo ao enfadooho trabalho de instruir-me,
Deseobrira, entre as obras clsticas qua o cura
punha mioha disposigo, um lirrtoho de capa
azul: era Paulo e Virginia, de Barnardin de
Saint-Pierre.
A' principio li-o distradamente ; depois, gra-
dualmente, fui tomando mais riro ioteresse pela
pura affefgo desses dous meninos, cojas candi-
das almas abriam-se para a rida como aa airas
corollas psra os ratoa do aol.
Nao eramos, eu e Jalla, doas meninos tsm-
bem ? As nossas grandes e silenciosas florestss
tem por rentara menoa poesa do qae os raatos
bosques da Martinica ? Nao passaramoa quaii ama
noute inuira debaixo de ama cannicada, como
Paulo e Virginia debaixo de nm prosaico cbapu
de aol.
Depois da leitura deate lirro, meus pensamen-
tos mudaram de rumo ; urna raga melsocolia apo-
derou aa de mioha alma.
O bom cura me fez urna manba corar, per-
gaotando-me ae a lembranga de minba boa e ssn-
Ij mi roe nio obrigara a ter aaudades da rida
de familia? A qua causa; senio a essa, podarla
^"o. sjuanda a toroei a ver e as ecba-
TWKf. **- aaBra?lrg1nU. Emflm pa-
ra Imitar pertejUsj,,,, oa doaa hroes 4* *v-
nardin de Sslnt-Pt
eontrar
lou-ma
FOIJutETIIl
0 DEMONIO 00 D1NHE1R0
POR
HENRY GONSGIENCE
n
(Contlnuagio do n. 157 )
A casa do velho Robya, situada n'um qnarlei-
rao retirado, era de muito humilde (apparencia.
Tinha urna porta ao nivel da ra, que lbe servia
de nica entrada, e quatro Jsnellaa guarnecidas
de rarea de ferro para maior segaranga.
Hariam no lado dlreito do corredor, qae se
prolongara at o fundo da casa, differentes por-
tas que daram entrada para as saletaa, onde
mandaram esperar aqaelles que linhsm algn-
ma cousa a pedir ao Sr. Robyn. A relha criada,
que coalumara abrir-Ibes a porta ao Unir da cam-,
paohia, conhecia as vontadea do amo, e tinha
ordem para nao introdazir n'uma meama saleta
duas passoas a um tempo, aflm de que ostss nio
podessem saber urna da oatraque se achavam
oanuella caaa.
A' es^rda, mais prximo i rus, havia urna
pona, por onde ae entreva para o escriptono.
Era este n'uma sala um pouco alta, e um pou-
co vasta. As suas dass jsnellaa conaervavam-se
cobertas de cortinas verdes, sflm de que da parte
de fora ainguem lsngssse para o interior olhares
curiosos ; e porque pelos vidros eitrettoa pouca
lu podia penetrar, reinara ali urna certa obicu-
ridade, que entresteeia a gente, a contrangta o
oragio.
A' excepgio de urna carteira de cor preta, irea
cadeiraa, urna poltrona guarnecida de coxina, e
algumas estantes com gavetas fechadas e destina-
das para guardar papis, naquella sala nenbum
outro movelae ochava, salvo am armario graode
circulado de charpas de ferro batido, pregado no
cbio por fortes cavilhss tsmbem da ferro, e pr-
vido da maitas fechaduras de segredo.
Na meama manba, em qae Bertholdo eom
mais vontade do qoe successo pleiteava a causa
doa artiatas em caai do pae de Laura, Honck,
eacrereote do Sr. Robyn, achara-ae, sentado
carteira do escriptorio. Por longo tempo cooser-
rou-sa com a cabega meltida entre as alas sem
se morar. Qaem o sarprehendasse naquella po-
sicao no meio do iriste ailencio que reinara na
lajpponi sem duvids que aquella bomam
Ido ou ociosidade cabira em profundo
listas a alegra, que de vez em quaodo
1 como um relmpago nos olhos do escre-
vente, ara suficiente para iodicar qua elle eata-
va acordado, e o obaervador atiento teria eatre-
mecido ao sentir a chamma daquelle olbar de
vbora.
Monck deixou a final cahir os tascos na car-
teira : um sorriso maligno contrahia-lhe o sem-
blante, e elle mormurou :
O Sr. Kemenaer auapeitar alguma cousa?
Dirige-ma pecgentaa tio singulares, faz-me Un-
ios agradoa a carinhos, e faila-me n'ama liogua-
gem to diaai HAKlae talvez procure co-
nhecer se eu ei lo de certos negocios re-
sua .
te. ue seu passeio, ncou muo admirada de nso en-
contrar aaa Qlha em casa. O cura, o guarda-ca-
ga, o rendairo e seas criados pozeram-ae em noa-
sa procara, armados de lantrdas de estribara.
Poi o eura e o guarda que aoa encontraran), i
quatro horas da manhia, adormecidos debaixo da
espessa cannlgada. Antes de ceder ao aomno, eu
tinha col locad o os pesziohos de' minha compa-
oheira aro peito, aflm deque nao podease aer in-
commodada" polo fro.
V
O bom cura-nio leve animo dono reprehen-
der. Acordou-noa com a precaueo, mandou-me
vestir oa meua vestidos,porque eu tiritara de
froe eocarregou o guarda de carreger Jalla.
Senli neaaa eccaaio nao ser bastante rigoroso
para prestar esse eerrieo a mioha amiguinha.
Madama D*** recabeu-nos com affegos, repre-
benses e lagrimas.- Reunidos em torno de um
boa fogo, e depois de termos bebido um dedo de
rtoho de Xraa era agua lepida, Julia referiu
nossas arenturas. O bom cura coacluiu-aa con-
tando a poiigo em que nos encontrara.
servados que elle I
aa suspeilasse qae
para queimar, ea;
de onrol Sr
nhor nio j
posa coa
sem mala i
o Sr. Robyn. Oh I
qae eata ma dea
m. qae rale saceos
1 o se-
mim, no caso de que a neceasidade ma obrigue
a recorrer aos meios extremos. Nioguem sabe o
que pode rir a aceonleeer 1 O Sr. Robyn diz to-
dos os diasque me deixat um legado considera-
re!, mas pensa qua ha de ilrer eternamente, a o
testamento rae sendo eapagado de dia em dia.
Forte relbo ararenlol Tem medo de fazer um
testamento, como ae importassa ialo no abando-
no prematuro dos aeas bees. E se ama a pop le-
xia o fulminar ? Picare! aem nada; Bertholdo
passar a mo em tudo. o que havemoa de
ver I...Em lodo o caso, ae eccooteceraemelhante
deigraga, se me for preciso deixar esta caaa, o
Sr. Kemenaer ae inleressar pelo pobre Honck, e
delle cuidar...O precioso documento qae tem a
sua assignatura aera urna poderosa carta de re-
commendagio : elle rico, e nio ter durida em
sacrificar alguna milnares de francos para salvar
do perigo a aua boar, e talrez tambem a sua li-
berdade...
A campaioha do corredor linia, e chamoa a at-
leogo do eacrerense de urna maneira particular:
alie meamo ae diriga psra a porta, como ao ea-
peraaae algaem : maa na phisionoaia aa lhe de-
buxou notavel conirariedade, rendo entrar no
escriptorio a ralba criada, que Iba diese em voz
baixa e mysteriosa:
E' aquello empreiteiro qae c estere bon-
tem. Conduzt-o.para a cmara verde.
Espere que desga o Sr. Robyo, resnmngou
o eacrevente.
Tambem eat ahi urna malher qua espera
na cmara redonda ha mea hora aeguramente.
A apparencia vulgar; as faces estio banhadas
de lagrimas...Nao parece aea grande couss.
Sel qaem ; ama rnulher muito mal veati-
de.^Uargirda, lembia-s do que eu the dase?
fajado vier aquello obretro que me tallou ante-
bartem porta, conduza-o aqai para o eacrlpio-
rio. Eolio, como rio aa couaas 14 por cima?
Mal, muito mal. lossiu toda a noute. s
pareca quequeria ir para a outro mando. Hon-
lem i larde e hoje peta manhia fallei-the algu-
mas rinta rezes e a todo o proposito, aconae-
Ihando-o que flzeaae o aeu testamento. Nao te-
nbo pressa xresponda ella. Pramette sem-
pre deixsr-me um boa legado; e se a mora nio
levar do repente o Velho sovioa, estou carta de
queumdis sereirics. E' por isso qoe nunca lhe
fallo de mim, maa aempre de aua pescas.
Boa Marganda I disse Monck auapirando.
Neste caso urna amisade reciproca ; porque eu
fago o mesmo em sea favor.
E' am beneficio de nos ambos. Elogia o
mea celo*, como tem feito, e eu continuare! a
elevar a novena a aua dedicagio. Aaaim o ve-
lho avarente nos deixar muito mais do que o
faria sem isso. Pouco imparta que a um de nos
catba malor qaionio qua ao outro, urna vez que
temoa da reunir oa oossos dous legados.
E' verdade, Hargarida.
E quando elle mor rerisso que hade aer
vida alegre que pssssremos I O nosao cssameolo
nio sari demorado; nio somos prenles do re-
cebedor...
Tsmbem verdsde.
Nio somos mocosnem ua nea oalro,
conttnaou Hargarida estregando as mos e sor-
rindo ; e nem tio poueo somos bonitos: mss
qusndo livermos dinhelro verio que isso bas-
tante para vivermos em boa harmona, e perfel-
tamente felizea. Que diz, meu caro Monck.?
Comoaabe, pena- tambara assim, respon-
deu o asmenle aba meas reflexoes.
Volto Ptflfl a anda do
; 4 dj0 ttt**a *J9*10uu
se deum momento para outro, a escapar-nos. E
se assim 'acconteeeseemeu Deus !Bertholdo,
esse tagarells, (icaria na poase de tudo.
Monck suspendau os hombros.
Mas vamos que isso accontecesse, repeta
Margarida suspirando e que um dis se o fosse
encontrar morto no aeu leito : entio, o qae ha-
via de dizer ?
Nada.
Nad ? Ah 1 aa eu estivesee no seu lugar 1
O qae faria ?
O'que faria I- Sa soubesse imitsr a letra do
relbo assim como roc', a elle morrease sbita-
mente, feria eu masma um testamento.
Honck, trmulo de estupefacto e talrez de
anciedade, responden :
- Loucs I Pois quar ver-me no cadafalso ?
Ora, deixe-me fazer as cousaa : nio ba ainda o
2ae raceiar. Espero qua eata manba corra tu-
o medida doa oossos dosejos. Bertholdo carou
um abysmo a aeus ps com auaa proprias mios:
eu Bello o precipitare! hoje.
a Sim l Entio qae- fez elle ?
alie allribuir a micha tristeza ? Ainda eu nao ti-
nha doze annos I
No principio do novo son, rollando Liega,
por alguos dias, passei em casa de madama I)***.
Abracei-a, abrace! Osear, mas quando chegou a
rez de Julia, Acarnos alguos segundos em pre-
senta um do outro, sem sabermos quem derera
aero primeiro. Tomei-lhe s mo e senli qae ella
me allrabia docemente; abracei-a.
Occulto em mioha algibeirs, au lerara o peque-
o rolume de Paulo a Virginia, e nio sei eomo
poude deixsr-lh'o na mi, comquanto catramos
sos i urna jaoells da sala ; depois do que sen-
ti-me msis calmo e tranquillo.
Aidda boje pergunto a mim mesmo a raxBo
porque assim obrara ? E nio posso explica-la. E'
que os tnstioctos, nos meninos, rem sem durids
em soccorro dos seotimentos.
O meu dever perm limitar-me a referir sim-
plesmente ar minhas impressoes d'ontio.
VI
A primarers, eom o sea sopro vivificador, ac-
raciara amorosamente a trra; o aol, com seus
ardeotes raios beijvra aa florirrhas; e os pesia-
ros, encontrando ama abundante colberta, prose-
gulam na sua louea inercia e melodiosos cao-
tos.
Nessa poca do anoo tudo muda, transfor-
raa-se e resplandece. O effluvios da primavera
inuodam tudo que vive, anove-ae respira; *
eomo um fluido magaatieo. que. emanando de
Deus, circula as arterias dar mundo.
Oh I como eu desojara ardentemente que che-
gasse esaa agradarel primavera I Nao porque sao-
tisse a caga, a pesca, e todoa oa prazeres campes-
tres ; maa porque, com oa bellos diaa qae ella
oflerece, pedia ir mais rezes essa de madama
D**V
No dia de minha prlmeira risita, o bom cara
teve ama longa conversago com a me de Julia ;
nao aei o qae disseram, mas a bes senhora disse
a aea fllho:
Porque nao ests sempre em companhia de
tua irma e Armand?
Osear responden eom a voz queixosa :
Arabo alles-estio sempre combioadoa para
me contrariar..., Armaad di aempre razio a
JuRa;...
Era verdade; mas sa nessa occasiao tieso
pniliilo inff/t.it w.'.ih*0 Oj... l& lo taia faifn.
Pondo de parte este invidente, o dis psssou-se
como ordinariamente. Todarla quando Jwlia to-
mara-ama alea do jardim e ea a segua tinha a
certeza de no fim della eneontrarmoa o cura e
madama D"\ A' noute, deapediodo-me de mi-
nha amiguinha,. eata disse-me, qussi ao oa-
rido:
- At i rista, Paulo
Uma alegria immeosa inundou-me o coragao.
No olhar qae lhe dei em reaposta ella compre-
hendeu aem durida o que aa paasara em mim.
Esse nome de Paulo e esse olhar foram um poe-
ma completo I'
'Ierre, Julia, prelezta la .-----
rar-se do aalor do sal tomara ua gusrda-ebuva.
e assim, aabos da hteos dadoa percorriaaecV aa
aleas do jsrdia. Hsdama D** sorria para aos ;
maa nio nos perda de rala.
Um diadia da lato para o meo coragie__ma-
dama arisou-nos que Jalla tioha de entrar em
um collegio, e, pois, seria forcoso separar-nos.
Sahi oecultameote da sala eme dirig Jijando
do jardim, sflm de chorar i minha roa oa
ioIucoi suffocaram-me. Julia ae refir^
cboroso, tocoosolarel e desesperado,
a mi aem dizer palarrs, asientou-
lado e chorou tarabea comigo.
Quando levante! a cabega madama
cura eatavam em p i entrada do earai
olhavam-oos silenciosamente. Sorpr
olhar furtivo que troesram. Nio obatai
siooomia de madama D*** exprima tai
voleocia, tanta piedade, que os meas sol
plicirsa.
E1 uffla irmia qae vae aaparar-se i
mi, disse ella com a voz commovlda,
por maito tempo; os dias psssam rapt
longaa ferias chegam no flm de agosto.
E ea que esperara os bellos dias da pri,
para v-la mais rezes '
A pirtids de Julia eslava marcada psra
dous dias. Que de lagrimas derramel
iniervallo I Que de rezes, fllho ogofsta, los
oha mi por testemuoha dos meus soffr
tos
O bom cura passara talvez por essas dolorosas
phaaes da vida, porque noule, aiseotados aa-
bos debaixo do panno enfamagado da chamtn,
fallou-ae de Julia, eaquanto pelas faces ae cor-
riam silenciosas lagrima*.
A existencia do bomem ama serie de pro-
vas, elle incesantemente o ladibric de e
cas qae lhe martyrisam os senilmente*, traen
que deve.tir da rista conquistar unra poatcao
lodependeote na rida ; vivemos em um secuto
qua o homem intalligeote poda ebegar tudo ;
trabalba Armand, estada, a aljama coa*, e
teus mais charos desejos sarao cumprdos.
Ah o bom sacerdote nio penis va que o to-
rnera qusndo chega a seralgurta cousatema
deixado nos espinos da estrada suas mais sealae
illuses, seus mais paros seotimentos, nssj
rages mais generosas f Onde encontrare lile
mais essa alegria ingenua, esias effusoea Isujo-
cenes que sao as primeiras lore da infancia I
VII
Eacrerendo estas linbas saudose lagrimas ae
sobara do coragio e obscurecem os olhos. Ah
que roa fallar da primeira lacerago de mioha
alma, e, miu grado meu, todas as dores- de eolio
aio movidas.
* O mea preceptor eompsrtilhsra de raeu*;
ment. Lerando-me casa de madama Q*
dia aprazado para a partida de Julia, nao
roa diatrabir-me doa peosameolos, qae me i
capavam, pelo contrario fsllou-me inceaa
mente-ti'elia I Julia ia deixar sua mi, a
ai suas effeices; oecessitava de muita coragom.
Elle me drsse qae que ns nossa edade a eiperau-
gs sobrenadara em todas aa affltcges.
Qusndo cbsgnei estsva mais calmo. A peque*
na csrrasgam do reodeire eslava a espera no pa-
leo. Ao aviats-la despertou toda a minba d*r
maia viva e magosnte.
Julia tinha aa palpebras vermelbaa o Jntomeci-
daa, e eslava pallid. Abf$o-me oc yeflaaio.
O almogo eslava prompto ; s Osear rere cora-
gem de devorar um perna d' IraogoJ
Chegou a hora da despedida. Eu era rwiima
da uma especie de delirio, calmo em ap7"ijeje,
porqoe a Intensidade r febre *ecara_ ras aa
lagrimas ; porm nio ria edusa aijrams em tomo
de mira ; a carruageni parliu, perdeu-se no es-
paco, sem qme eu fizesse o-menor, raorrmeoto.
Um pensaraeato atrareasou-me o espirite1 e lha
deo maia lucidez. A carrusgem doria dar uma
graode rolla para ganhar a estrada real. Deilel
a correr airares doa campo*, e cheguel ne> Bo-
rnete- ea que ella tinha de pastar.
Julia recoohaeeu-me, e griten : Plrnto at
brera I e deaappareceu como um aonho. 6ahi
aem sentidos beira da estrada, apertiodV noa
labioi o lenco que ella me deixra,
Quando roltei a carroagem olo appareera* sa-
nio como am ponto negro no caniioh'o empoelra-
do. E com ella ia o- mea sooho da infancia',-o
que miaba alma tinha de maia puro o~ ssntc:-' o
meu primeiro smor t
Antea-da poca das ferias deHe o carpo. O
bom cara eneoatrara perseguidores- entrerse seus
proprios superiores. Suas humildes virtadea ex-
citaram deaconflanga.
Nanea mais toroei a ver Julia. t da sslar t
qae serrfeito della ? lembrsr-se-ha aiinda do po-
bre Armand qae cbamava aea Paul da mesla
forma qae ea chamara- a minha Virginia?
Eal terminada a minha tarea. Se i leilor len
eslaa linbaa com o meamo inters* qae eu, agra-
decer-rae-bs talvez t-laa dado publie idada.
Joiph' Remoul in. .
[L Industrie et Commeree Belges.--Ulisttt.)
ama as poesas de Bertholdo e dizendo'alegre-
mente :
Elle mandou imprim-las em segredo, es-
perando que sea tio loa perdossse essa desobe-
lienci, quando nao hoaresse maia remedio.
Come aimplorio I pensa que nioguem aabe
diato : como ae ea qae sea aeu ininaigo aio lhe
andaaae espreltando oa passos I como-sa, gragas
ao dinbeiro, nio aa pedesse penetrar todos os
segredos ? Agora sou- au qaem ha de apreaen-
tar o lvro a aeu lio, e Deua aabe aa a colera do
Sr. Robyn nao me trar* alguna milbare de fran-
coa I poia i o deeajo de nio prejudicar a Ber-
tholdo, seu herdeiro natural, que o tem feito
differfr constantementa o aeu leatameato: aquel-
lo filho da aeu irmo. e nos somosestraohos...
Oh 1 E' precito guerra entre mim e Bertholdo
guerra im placa vel e arden te, maa legitima I Elle
nada sabe, nada auapoita na sua cega conflaaga i
melhor, roelhor I um ioimigo qae dorme ven-
cido com maior facirldade. Se en encontraaae
neste lirro alguma* qae me eervisse de eras
maia Corte ainda I.... Qual 1 s rejo eriancicea ;
patarras e idia que nada aigoiflcam : S nho.da
mocidadeSuppUcz.
Oaco a campanbia, disse Honck com roz- mociamaeavppixca. da- nouteAo rouxino
braoda^V abrir, Hargarida ; a aa for o homem. Sobre 'tmulo deum menino Uttalento t
de quem lhe falle!, traga-o aqai; maa deixe-."* Honck continua va a volver aa paginaa com ra-
flear a com elle ; a aua preaenga poderia prc-/ |P'dea sem 1ae provavelraente essa peaquiza lhe
dicer o nosao projeclo. '" f teaaa o resultsdo ambicionado ; porque pouco a
Honck segaindo a criada com o olbar, aur-. P i" deeapperecendo a expresso do alegria
; a cada ras que lhe
escriptorio, e deixou-se cshir coa precaugao na
larga poltrona que ae aebar perto do araario,
que servia de barra.
O- Sr. Robyn pareca ua relbo decrepito, bem
que- cao fosse anda sexagenario ; maa ha muito
que lenta eofarmidade lhe censomia a existen-
cia. Oa aeua Hbloa azulado, a cor amarelteo-
ta das facea atiestavam evidentemente que elle
sofftia da uma molestia do coragao, e por oon
aagaiote tairesde uma bydropesia oo peito :
oaaso qae tioha por tal forma luchadas as per-
es e os ps, qae nao podia mais arrastar-ae
sem auzilio deautra peaaoa.
Todo o exterior do Sr. Robyn, semblante, at-
titade, e prostrsgo do corpojaecusava progresi-
vo an ni quila ment :. somante os-olbos coniorva-
vam ainda toda a vivacidade ; e apeoaa penetren
no eaeriploriovolveu rpidamente em torno dea!
um olbar desconfiado e icqeiridor.
O eacrevente cumprimeutou o patro aem dei-
xar a carteira, e inlerromper aea trabalho.
Houve um momento de ailencio, aps o qua
Robyo iadicou a porta i criada, e diaae eom a
"voz ainda firme, maa que de vez ea ojiando tra-
hia sbitos desfalleclmentos:
Venha c, Honck* GonflrmarM-se ea es-
clarecimentos que lhe deram acerca do emprei-1 Robyn.
Uiro? E' preciso qao tenhamos todo o cuidado : Acem mil frailo ao muito, segunde**]
poda ser que elle j. tivease pedido dlnheiro a ou- -
ceios mil frsncos. Tado manbou bem por
maito tempo ; porm ha quince diaa abatea-ae
uma parte das cooslruagesceaecadas. Foi real-
mente grande perda ; toda vi- ceato que a em-
preada possa dar ainda um lucro cestaideravel.
Mas esse accidente fet com qae se clamaase, e
se dissesse que eu eslava arrainwde immedia-
tamante es fornecedoras assHaratB-me. O mea.
crdito est em perigo, e arister que ea leoha
dinbeiro diapooirel pan comprar ea materiaea
precisos & construccao. 0< goretao fixou am
praso para a conclua das abra, findo o caral,
pagarei ama malta extraordiaaria por cada-^ia de
demora. Teoho pola aeoessidade de rea \um
grande numero de trabalbadorea aflm d' \u-
perar o tempo perdido. E como o gar s6
me psga depois de reedificadas aa constroeges
labatdaa, falta-rae o dinhiro necessario. O se-
"nhor podia-me fazer o obsequio que Iba pego.
Acho-me na alternalir, oa da ganhar trala mil
. Trancos, spezar da deigraga saccedida, oa daaban-
1 dooar a empreitada, a oonfeisr-ne coapleta-
mente arruinado.
A qaanto podea montar s desposea e< JQJ
as obras que reatara a construir? porgan?,tou
imepto.
murou depois qae esta deaappareceu
Casar-nos 1 eassr-uos Talvez, se for con-
aiderarel a parte da heraoga qae te couber. Sim,
casira com tea dinheiro, com aos cincuenta
mU francos, se os tivesaes 1... Que velh. ton-
ta I... Oh 1 o amigo impressor... reuooheQO
pela rcz.
Um operario eolio na ponte doa ps,olean-
do com medo ao redar de at, como am Udrio,
tiro de dentro da jaque ta um lirro que passou
s mios do escrereele.
Bate receben o lirro, procarou naa algibeiras
algumaa moedaa, e deu-asao operario.
Aqu taa a recompona promeltida, disse
elle.
Has o operarlo, olhando para o dinbeiro, con-
tinuara a lar a mi estendida.
O que quer mais ? perguato o escrerente
flegiodo-se admirado.
Faltara aluda cinco francos, respondan o
outro.
Engana-se : relo at que dei muito.
Oh I Senhor 1 como pode dizer lamelbaole
cousa ? O aenhor bem sabe como aio esses ne-
gocios : pois quer engaar a um pobre dia-
bo, que se arriscou para prestar>lhe um ser-
Tico ?
Pois bem, sena peuco ? Receba o lirro
oatra res, e r-se embora. *
O aenhor. falla aasim, porque ssbe qae ea
nada tanho que tazar do lirro. lito nio lhe fica
bem : atienda queso hsrism quatro exemplareil morios, e que busesm
encadernados, porque o sobrlnho do sea patrio leocia a felicidade e a
nio quera mais do que esses. Subtrahl as fo-
lbss uma a uma, e eu meamo eocsdernel o lirro.
Se rierem a aaber, serel com toda a certeza dea-
pedido rergonhoaamente.
J nio lhe del a recompensa promeltida?
Nio ;,porm se maia nio posso conseguir,
de-me so mana urna molbadura.
ToaowMtoe a molhadura, e va-se embora,
replicn Ma>ov com enfado dando mais algumas
aoedas de cobre, e iodo ella mesmo abrir a
porta.
Voltando sala do escriptorio contemplou o
lvro de todos os lados cpm nm murmurio ^t
a Ulaapho : depois dirl^do-a
debuxada enPaeu lambante
paasara pelos elhos um aovo titulo, escapara-
be um morimeDto.de impaciencia;
Da repente deu am salto, e perecea apoderado
de sbito tremor, ao pasao qae firmara os olhos
n'aaa das paginas do livro, como quem duvida
do que v.
O usurario! murmurara. O-twurorto I Qae
bom aojo lhe inspirou este titulo ? 0ra aqu
est uma couaa que capas de-causar uma apa-
plexia ao Sr. Robyo. Leiamoa:
a.....cuja fronte paluda est marcada cobo
aello do crme, e que bnaea em vio na riqueza o
re'pouso que lhe foge......a
e....Assim, pois, o enfado a a ociosidsde o aqaf
bruoham no Correr do dia, e noute, qumdo qe
efunda na sua poltrona, deixa escapar ua suspi-
rotriste como um gemido.....
Bravo ; nao poda ser melbor l Perm
esse Bertholdo est lonco, ou inconcebivelmen-
te estpido. Descrever o resultado da seu lio,
e nem meamo esquecer-ae da poltrona deste 1
Telo-hia feito com lntengao ? At a edade de
vinte annoa eateve elle na unlveraidade, e depois
emquanto aiimeulava eaaaaidaa pueris e estra-
vagantes oeooliaraa-lhe alguma cousa devido
aos meus cooselhos, o negocio qae aqu faze-
mos ; nio obslsoto, poderla fcilmente porcebe-
lo, s nio vlvesse as novena. Por cooseguinte
fot ama casualtdade : lea nos seus Irnos qae os
homens usurarios sio homens devorados de re-
em vio no aeio da opu-
psz. Innocente! Julga-
se mais sabido do que ; olha com desprezo
psra o pobre eacrevente; e lie tolo qua rae elle
meamo cavar a sua ruina sem disto se aperce-
ber 1 Qae acaso feliz 1 Ah 1 Honck, meo rapaz,
o ten inimigo cahin n'ua lago ; nio o delxea
escapar.,,. Ougo oa passos do velho Robyn na
esesds. Occulteaoa o lirro al qaa os nego-
cios commerciaea este]am concluidos para nio
comprometter o resultado qae eapero.
Monck aiproxtfflou-aa da carteira com preste-
i za, asae/utou-se, o deu a sua phisionomia a ex-
".".sslo dn miior trsnquillldade de espirito : pe-
gn na panos, e '
tro, e neste csso hareria quem nos aotecedeaae
na poca do renciraealo.
Nio ha o qao recelar, diaae o- escrerente.
O empreiteiro sjjreu am accidente inesperado ;
maa at agora- tem aido honrado nos sias
tratos.
Eolio iulgss, que podemos tratar com
elle?
Sim, eunhor; e pela forma*, porque hontem
convencional oa
Toma aa charos; abro a oelxs, e rae ctV
mar o empaeileiro.
A' eslaa palarraa Robyo tirou muitas chavas
de uma argola de ferro, que txazia auapensa a um
lado, o passou-ai ao eacrevente. Em quaato
Manck abra as fechaduras, e fazia moverem-se
por molas iecretas\i charpas de ferro.o velho se-
gua todos os movimenlQs de suss mios, a liaba
os olhos pregados na burra como se receiasse que
al mesmo o seu fiel Honck fosse capaz de rou-
bar-lbe.
O interior da horra era dividida em diversos
compartimentos, fechado cada ua delles com
soa {echadora propria. Robyn den. ao aea ea-
crevente a chave sement de ua dos comparti-
mentos que continha o dlnheiro necessario para
os negocios do dia.
Executada a primeira parte da ordem do aea.
pslrio, Honck sahiu do escriptorio, o voltou daiii
a pouco aeguido de ua hoaea de apparencia
diatincta, ao qual offerecea uaa eadeira. Depoia
voltou a carteira, ficaudo por deltas do emprei-
teiro, em posiQo que pudesse ver o semblsnte e
sobre tado oaaalhos do pitro.
O senhor que se chama Guido ? pergaotoa
Robyn. Deseja alguma cousa de mim ?
Acho-me n'uma poaicio critica, responden
o vliltsdor, a venho pedir-Ihe qae tenba a hon-
dada de empreatar-me certs quantia por seis me-
as;. Estou dlsposto a dar-lba um jaro vanta-
joso.
Os lempos nao stio bons: o dinheit tem-
a tornada tio raro disse o Sr. Robyn susptrao-
dMnrgaendo os olhos ao cu. Em qoe estado
se acham os seus negocios?
Ga pessaBO estado presentemente. Sac-
cedeu-ae naa deigrsgi. Eajifaite^coB o goj-
clcalo.
tea
fe-
Quanto tea ainda a recebar do gawjtao?
Cento e cineoenta. mlafrancoa.
E de que aomma preciaa?
Com rile e vinco mil francos vi
lo lerar felizmente a fim a empreitadja.
Vinte e cinco mil francos 1 E' umaaanuma
enorme l
Ji disse que paga um jaro v*nt)oso
. Hae aio empresto dinbeiro a juroe.
Nio empresta f> juros? parguaJo*;* em-
preiteiro admirado. Eutretnnto "-Vffja- dK
lo./.. Entio rejo que nio ple loccorrar-aua ""
Nao ; maa posso ser seu associodo, "
Como, senhor?
E' ailo simples. Resu-lho pouco maa aa
menos cem mil francos de obras a fazer. Secun-
do o sea calculo, aa tirer o dinheiro ""ajario a
empreitada pode deixar ua lacro lirreflu des-
pezaa de eerca de trinta mil frantoa. 19
rinta a oito ail francos, isla para as sj
restam a fazer, sete ail frarjcos. P
empreslo-lha por ssis peses a somma
associo-ma ao seuhox a arabos partilha1
le lucro.
Porm o aenhor ngana-se, replicn o em-
prettelro. Assim tira do seu dinheiro -uaiaro da
mais de jo /.
Nao empresto dinheiro
Sr. Robyn com Rengeos.
E esti diaposto a psrtilbar don
ainda pdem occorrer durante a
obras?
Has o-aenhor disse que nio ha'
co : assim pois o lacro certo.
Entio o que quer o aechar
prebendo 1
Asiignfi letras a difieren
somma total de rinle e oito mUj
B o aenhor d-ma lom
mil, naa 4?
Juitimente.
O empreiteiro mord
e batea con os pea
a juros, repeta o
qae
das
ra-
la
h
-
-
ISHfllHSEra


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9RYBWH9R_K4EQGM INGEST_TIME 2013-04-30T20:12:36Z PACKAGE AA00011611_09567
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES