Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09556


This item is only available as the following downloads:


Full Text
IO XXXVHl. IUHERO149.
* "7
Por tres mezes adanlados 5f000
Por tre meze vflncidti fjJOOO
**"?*
.Mil '.-J OtJfJ
?f '<**-
v -
.
^Mvv


TERCA FEIBA I DE JOLHO DE IStZ.
m m
Por udi adlantado 19|00O
Porte fraieo par t sibseriiter
E.NCAUREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrfoo de Ll-
mi; Natal, Sr. Antonio Marqus da Silva ;
Aracaty, o Sr. A- de Lemoa Braga; Cear o Sr.
J. Jos d Oliveira; Miranhio, o Sr. Joaquim
Marquea Rodrigues; Par, Manoel Pinhiiro &
C; Amazonas, o Sr. Jaronymo da Costa.
Ollndf
*
- os Oas
. Goianna,
-iras.
de dii
Das segundas
X
ENCARREGADOS DA SBSCBIPCO DO f
Alagftas, o Sr. Claudiuo Falcio Das; T
o Sr. Joi Mar Um Alves; Rio dtJaneir j
Joo Psralra Marti/as.
Sr-
-.tao, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinhe
mimos as tereTs'-feirai.
-od'Alho, Nazarelb. Limoelro, Brejo, Pes-
,<", Iogazeira, Flores. Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex nasquartas-feiras.
Cebo, Sertabiem, Rio Formse, JJna.Birreiroa
AgaaPreta, Pimeoteirea a Natarqiintaa eiras.
BPBBMKRIDES DO MEZ DB JULHO.
4 Quarto crcente as 8 oras e 20 minatps da
maaaaa: ^
II Lo cheia aoa 2 minatos da mach.
arleminguintc ts 2 horas 6 32 minutos da
ttfe,
J6 Le novan 6 horas e24 minutos da man.
PREAMARDEHOJE.
Primeiro ss 7 horss e 42 minutos da tarda.'
(Todos os crralos partem n lOhoraadt manhajsegundo as 8 horas e 0 mnalos da minht".
costamos.
a 30; para o oprle
PARTIDA DOS VAP0RB5
Pri o tul at*- Alago! ib.
at a Granja 14 a 39 de ida mez.
, PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recite: opipaeottl\2, 7, 7
a.8 1|2 da m.; de Olinda s 8da m. a6 da t.;
AUDIENCIAS DOS TRllJUNArS DA CAPITAL.
Tribunal do'comsverciff: gands a qoiclia.
g Ralscao: tw(d a itbbatfosi 10 honra.
Jaboato s 6 1|2 da-m.; do Caxang a Varzt
s 7 da m.; do Bemficas 8 da m. v* -
2=5:
ees:
PISTE OFF -iU.
a.

GOVERNO DA liO YINCIA.
*w L LEl M1
Obtcharel lfaaosl rancia co Correia, presi-
dente da provincia Psrmm buce.
Fago saber a to jsos seus habitantes que a as-
mbli legisla' /a provincial decreto e en sane-
cionei a resol ,o seguinte :
Art. unir ,. Fica o presidenta da provincia en-
torilado t conceder a Antonio Carnsiro Machado
Ros, ajK ministrador do consulado provincial, e a
Javeq/.iO Temporal, praticanle da thesoursria
provincial, licenga por lempo de um anno para
>' .srem de aua saude onde bem Ibes convier, e
rehogadas
as
com os respectivos venc meo toa,
ditposigoes em contrario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades, a
Quera o conhecimanlo a exeeugio da prsenle re-
aolugo perteocer, que a cumpram e fagam cum-
prir to ioleiramente como nella se eontem.
O secretario desta provincia a faca' imprimir,
pb'i-"sr o correr.
Pala?. fc governo de Pernambaeo, 26 da Ju-
nho de ISoz,, 41* da independencia e do impe-
rio.
L. S.
. Manoel Fraucisco Corrtia.
Sellada e publicada a presente resoloco nesta
secretaria do governo de Pernambaeo, 26 de iu-
nho de 1862. '
\Joio Rodrigues Chaves.
Registrada 0... do
cites.
Secretaria do governo
juoho de 1862.
Fortunato da Silva heves.

litro 5.* da leis provio-
de Pernsmbuco, 26 de
t. 542.
O bacbarel Manoel FranciaeoCorris, presiden-
te da provincia da Peroambuco.
Fago saber todos os seus habitantes, que a
assemblt legislativa provincial decretou e eu
sanecionei a resotoco seguinta:
Art.-ncico. Fica concedido ~ a Jlo Francesco
o**80 Haia IodemniaacSo da quantia de ris
94W488, importancia da 178,800 palmos cbicos
d?"f|"0 om tnnsporte medio de 20 brtgas a ra-
Sa. .Slft1 CUb"' reT0ada d8P8t-
Mando, portanto, a todat aa autotid>ides qaem
o tonhecimento e execajao da presente reso\v9M
perteneer que a compran) a facam cumprir, tb
inteirameole como nella\se contera.
O secretario desta provincia a faga imprimir,
publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambaeo,26 de junho
de 1862, quadragesimo irimeiro da independen-
cia o do imperio. i
'.. s
Manoel Francisco Correia.
Sellada e publicada i1 presente resolucao nest
secretaria do governo de Peroambuco, em 26 de
junho de 1862.
Joao Ron9u*s Chaves.
Registrada a ffs. 5 do l^" 5a de leis pro-
vinciaes. 1
Sacretaris do governo e Pernambaeo, 26 de
juobodel862. ?
Fortunat' da Silva Neves-.
N Mr. ^ -
Obacharel Maooel Frad-1SC0 Correia,
dente da proviocia de Pert smbuco.
Fago saber todos os seuP habitantes,
assemhla legislativa >rovin
presi-
que a
cial decretou e eu
sanecionei a resolugo seguiot*
Art. 1. Fica o presidente
Si provincia auto-
Cunha Lims Can-
tjara, professor de msica do collegio dos or-
phos de Santa Therexa de Olin^a< ^e conformi-
oide com as leis que regular? a> posenta-
dorias.
Art. 2". Os veocimentos que tiver.de perceber
correr por conta dos cofres provinc'aes> ravoga-
das as disposiges em contrario.
Mando, portanto, a tolas as autoriiade* laen.
o coohaetmento e execug&o da prese ,le resolu-
cao perteneer, que a cumpram e faca cumprir,
tao ioteiramante como nella ae conten'*
O secretario desta provincia a faga imprimir,
publicar e correr.
Palaeio do governo .. Peroambuco, eni de
junho de 1862, quadragesimo ,.;.., d1 -D<-e-
pendencia e do imperio.
L. S.
,,. Manoel Francisco Correia.
Sella e publicada a prsenle resolucao ,ela
secretaria do governo de Pernambuco. aos 2 r de
junho de 1862.
_ Joao Rodrigues Chaves.
Registrada a fl.... do llvro 5 de leis provi ,-
ciaes.
Secretarla do
jaoho de 1862.
Fortunato da Silva Heves.
armas em offlcio d hontem datado,sob n. 1257,
miado V. S.. pagar' ao cabo de esqaadra Anjonio
Francisco do aseimeoto a gralificago a que
tem direlto por hiver apprehendido o desertor
daquelle batalbao Joao Raymund Jos da Silva, a lodos. aa rJem hoje a OMtros choramrama-
Commu rtoo-se ao eosnmandante das armas, obla aqiiaUas choram e astea riem I
tambam grande hoja I"ITStlifagSo doa que to-
llo ministerio dos
faxanda: quintas s 10 horas.
Juzo da commerto : segundas ao malo diaf.
- dHp da orphios i tarcas a sextas s 10 horas.
Do Recifs : pars o pxpucot s 8 lil, 4* 4Jj4, ,,
41i2,5,4.1i4.iTl|2eiiB<4 Pa OftWalf^ ^^o aival: tarctr. txtaaao mel
da m. a 8 1[2 da t.; ptra Jaboato s 4 da t.; para
o Caxtngt VaHia s 4 1|2 da t.; paraflswA'ea's.
ae 4fja. I h
\ da aival: qaartasa *abbdos II
DAS DA SEMANA.
30 Segunda. S. Mircal b. ; S. Lucios,
1 Terca. S. Tbeodorico ab. ; S. Abrabo.
2 Quarta. Visitacao de Nossa Senhora.
3 Ouincj. S. Jacintbo m.; S. Heliodoro b.
4 Sexta. S. Isabel rainba de Portugal f.
5 Sabbado. S. Atbanasio m. ;. S. Pnilomen v.
6 Domingo. O precioso aangoe de Christo.
ASSIGNA-SE
no Recite, em a livrsria da praea da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, dos propriatarlos Maaoel Fgasl;
roa deFiria 4 Filho.
bicionavam
das I
a queda
seis
a As coasas nesle mundo neo podem Sgradar
D.ito^ jjgj^octtfaddr4t coroa e fazenda nacio-
1ia4.*iSirvl3i. y. S. dar o sea perecer cerce
do qoe pede no incluso requerimanlo Jos Cse-
tano de Alboquerqaei aobre que versa a informa-
gao tambem junta da cmara municipal do Re-
cite, sob B. 50
Dito ao. chafe de polica.Em vista dsa iofor-
magoes minittradat pela directora da inttruc-
gao pablica sob n. 149, e pela inspectora do ar-
senal de marnha sob n. 230 de 14 e 18 do cor-
rente sohsJHp atera do offlcio que me oi diri-
gido pelo antecessor de V. S. em data de 6 desta
mez e sob o. 918, coovm que o delegado da
polica dotarmo de Serinhaem mande presentar
ao inapector daquelle arsenal, para ser alistado
na compsnhia de aprendixes marinheiros o me-
nor a que allude, bem como quiesquer oulros
que eslirerem oas mesmas circumslancias, e Id-
rem de robasta construegao.
Dito ao juii municipal do Limoeiro. Para
cumprimento do diiposto no decrete numero 17
de 30 de agosto de 1851, baja Vmc. de remellar-
me os requerimenios dos pretendentes aos offi-
cios de tabelliao e escrivo de orphios ausentas
cipellas e residuos desse termo, vago por filleci-
mento de serventuario Joto Paulo Gomea de Pai-
va e Pinbo, que anda existem pendentes dein-
formago desse juizo com urna relago nominal e
numrica dos meamos pretendentes e declaragSo
circunstanciada dos hibilitacoet de cada um dea-
tes na forma do decreto citado.
Dito ao director das obras publica!.Pelo of-
flcio de Vmc. desta data, fico ioteirado de que o
ajadante de engenheiro Joaquim Galeno Coelho,
estove na airada do norte nos das 25 e 26 e in-
forma que j tem melborado mailo os lugares
que offerecaram embtracos ao transito.
Pelo mesmo offlcio fico certo de que Vmc. to-
mar como convier aa providencias necessariat
para que taet embaragos nao se repitam.
Dito ao commitsario vtctioador.Remetto por
copia Vmc. o offlcio dttado de 26 do correte
sob numero 999, em que o Dr. chefe de polica
communica htver se desenvolvido a peste da va-
nla no povoado de Gameleira, aflea de que cer-
to do seu contedo d as necessariss providencias
a ene respeito.
Dito ao vigaroda fregaozia de Bezerros,Fi-
cauQo-touuado pelo seu offlcio com data de l
MM!."er-'hS2 q11t ~"*4sjHasar nessa fre-
gueziaaebre amareiraTqiirn%stauimos das
tem recrudescido, aTactando a maitasWp>s{a
as quaes se acham em tratamento, tenho a dl-
zer-lheque exped ordam ptra que com este of-
Ocio lhe sejsm entregues os medicamentos por
Vmc. pedidos para occorrer os pobres accom-
mettidos d'aquelle mal.
Dito ao t'hesoursiro das loteras.Remetta-me
Vmc. com urgencie urna relago de todas as lo-
teras concedidas e anda nao extrahidas com de-
ca rigi das partea que toda tem de correr.
Portara.Os Srs. agentas da companhia bra-
sileira de paquetes vapor, mandem dar trans-
porte para Micei por conta do ministerio da
guerra no vapor que se espera do norte so phar-
maceutico Manoel Fraocisco Botelho, que val ser-
vir na informara militar de Tactrat, bem como
a aua senhora.
Dita.Os Srs. agentes da companhia braailei-
ra do paquetes vapor, mandem dar transporte
por conta do ministerio da guerrs para a Parahy-
ba ao alie ->t Joao Bezerra de Salles e ao soldado
Joao Gongtoves de Oliveira; ambos do corpo de
guarnicao o'aqueila provincia, e para o Rio Gran-
de do Norte, aos soldados da respectiva compa-
nhia de cegadores Jos Freir de Cantalice, Fran-
cisco Alexandra Fagundes e Antonio Jos de San-
ta Anna.
Dita.Os Srs. agantea da companhia brasilei-
ra dos paquetes vapor, mandem dar transporte
para a corle por conta do ministerio da marinha
oo vapor que se espera do norte ao eommissario
de primeira classe Silvestre Igoaco do Bom Sae-
cesso.
Dita.O presidente da provincia tendo em vis-
ta a proposta apresentada pelo tenenle coronel
commandante do municipio de Olinda, sobre a
qual informou o respectivo commandante supe-
rior em data de 6 e 23 do correte, resolve de
conformidade com o art. 48 da lei numero 602 de
18 de setembro de 1850, nomear para lente da
oitava companhia do meamo batalho o alferes
da segunda Joaqaim Jos de Ferreira de Al-
meida.
governo de Pernambuco, 27 fit3
Expediente do dia S9 de junho
de 186S
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do
Rio Grande do Norte.Com a inclua copia da
Informsgao ministrada hoje pelo director do ar-
senal de guerra, respondo ao offlcio que V. Exc.
me dirigi em 11 do correte solicitando a re-
meta dos objectot que aioda fallam para com-
pletar os que por aviso do ministerio da guerra
de 16 de margo de 1860, foram mandados foroe-
cer companhia da caca do rea dessa proviocia.
Dito ao provedor da santa casa da misericor-
dia.Em vista da informsgao junta por copia
ministrada pela thesouraria provincial em data
de hontem sob d. 363, manda V. S. faaer por
administragio e de conformidade cem o orna-
mento tambem junto por copia os reparos de
que precisa a casa n. 66 da ra da Cacimba per-
tenceote ao patrimonio dos orphios.
Dito ao Inspector da thesouraria de fazenda.
Nao havendo inconveniente, mande V. S. adan -
lar ao almoxarife do hospital militar a quantia
de 1:400$ constante do pedido junto, pera occor-
rer as despezas daquelle estabelecimentona pri-
meira quinzena do mez de julho prximo va-
douro.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. en addita-
melo ao meu offlcio de 14 do correte, que
vista das razos apresentsdas pelo pharmaceuli-
co Joaquim de Almeida Pinto, na informago
junta por copia, deve ser paga a importancia
das ambulancias por elle fornecidas para o tra-
tamento do cholera-morbus, de que trata o mea
citado offlcio com o abale' smente de 3849160
rs. indicada ni predita ioformagao.
Dito ao mesmo.Recommeodo V. S., que
leodo em vista o incluso reqoerimaoto e docu-
mentos elle annexoi, mande pegsr ao Dr.
Francisco de Paula Ctvalcanti de lbuquerque,
oa pessoa que para iiso se mostrar autorisada,
urna gratifcago na razia de 159 diarios, por ter
ido elle incumbido pelo Dr. juiz de direilo ds
comarca de Flores do tratamento das pesioas
atacadas do cbolera-morbus no termo di Villa-
Bella.:
Dito ao mesmo. Transmuto V. S. para o
lim conveniente a inclusa copia do termo de
contrito, celebrado pelo director do arsenal de
guerra com o mestre do hiate nacional Tino
Manoal Pereira Mariono, para a coodncgio ao
presidio de Fernando no mesmo hiate dos pas-
sageiros do estado.
Dito ao mesmo.A'vista do incluso aliena-
do em duplcala piscado pelo commandante do
segando batalho de infantera, e qae me foi
transmilUdo pelo brigadeiro cotamandaute du
Despaehos do da 87 de junho.
Requerimenios.
Padre Antonio de Mello lbuquerque. Nao
tem lugar a vists da informago.
Capitao Candido Leal Ferreira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Clara Adelsyde Paes d'Andrade. Ioforme o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Fraocisco Jos da Silva. Requeira pelos ca-
naes competentes.
Joao Vicenta de lavares Bandeirs.J foi pos-
t em concurso o lagar a que allude o suppli-
ca,''1,le*
Joba Leonard Thomas. O supplicante ser
at ^ndido logo que se tenha Andado o tempo de
seiV"
Veremos, porm, o que farto os velhos, j
que os mocos nio tiveram animo oa tino de se
aguantar no.poder.
< Felizmente os csricterea testa da governa-
gio do ptiz j sao conhecidos pelos seus actos
psasados, garanta sufflsieote pira um esperan-
goso futuro.
< Esta provincia, aperar desemelbantes oseil-
lagdee politicss,- e qu mais oa menos animara
os partidoi, val pogredindo em perfeita paz,
sendo igualmente satisfactorio o sea estado de
saude publica.
a O Sr. Brusque, reservado e caoteloso ni
manifastagao da aua poltica, tambem prosegue
sem opposico pronunciada dos partidos.
c Por fallar em partidos, tem-ae levantado
urna seria eeleuma entre os membros de ambos
os lados, deque o padre Angelo Caatodio, viga-
rio da fregosla de Moja, qae repentinamente
fallecer, depois da tomar urna chavena de caf,
fra envenenado.
e 0 fado tem corrido de boca em bota nestes
dias, e lomou tal gravidade que a presidencia
nsandou a Moj desenterrar o cadver e proce-
der, aos necessarios exames. Para este fim parti
o vapor Monareha cooduzindo o delegado de po-
lica desta capital, bem como doas mdicos ; es-
tes, porm, para salvarem maior responsabilida-
de, consta que trouxeram para aqui as visceras
do vigario, para serem aoalytadas pela msstrao-
ga medica de um e d'outro partido.
c O vapor chegou hontem noite, e hoje do-
mingo o que corre no publieo.
Teremos de ver grande polmica, porque os
partidoi estio inleresitdos na averiguagio deste
acontecimento, e como o padre liberal, vere-
mos o que apptrecer a semelhtnle respeito, vis-
to oa conservadores dizerem que o padre fillec-
ra de um ataque apopltico.
a Urna noticia deiagradavel dio-nos hoje os
jornaes, annunciando o naufragio do brigue por-
tuguez Ligeirolt na altura do.Gurpi, que sahira
de Lisboa no fim do mez de maio, com destino a
este porto.
a 0 Jornal de Amazonas relata .o que encon-
trara o vapor Cruzeiro do Sul pelo seguinte
modo
c O Cruzeiro do Sul, entre 'o Maranhio e o
noaao porto, aviatou, pelas 3 hbrss da tarde do
dia 20, um navio encalbado dos baixos da liba
de S. Joaozinho, islo pouco msis ou meos
{ttOmilhas distantes de Maranhio, ou 190 deste
pon. f. __
t O digno commaudTe uo*rH.,____>va-
vel intuito de preslar-lhe todo o soccorro possi-
vel, com especialidade o de salvar-lhe a gente,
demandou o navio aproximando-se quafato pola
dos baixos ; fundesndo s 4 horss da tarde,
mandando bordo am salva-vidas..
a Logo que o vapor deu fundo, reconheceu
que o navio encalhido era um brigue, que o sal -
va-vidas encontrn bleiramenie aninrjonatfo.
< O navio eslava inclinado sobre E. B., por ca-
jo lado o mar, cobriodo loe a borda, chegava ao
mel doconvez em todo o comprimenlo do cas-
co ; as escotilhas eitavam abertas ; havia na p-
pt um nome escripto, mas, como esti, da parte
de E. B. eslava debaixo d'agua, o mar s deixa-
va ver do lado de B. B. as tres primeiras leltras,
que eram : am L, um I, e um C ou G. Deste
mesmo lado tinha urna aguia dourada com um
floro no bico, que seguia por debaixo d'agua
para o lsdo de E. B., o que faz suppor que des-
te Isdo deveria ter oatra aguia ; na tolda as amu-
radas estsvam pioladas de branco e azul ; a
prds nio tinhs figura alguma notavel, apenas no
beque alguns pequeos dourados, e duas ancoras
no fundo.
c Em redor do navio fluetuavam algumas pi-
pas, barris, ancoretas de azeitonas e resteas de
cebollas ; por csusa do muilo mir nos baixos o
salva-vidas apenas tomn, um barril com esta
marca no tampo: P. R. R., e no batoque I & B.
O navio estava com o panno largo, e pelo
bom estado em que eslava este, bem como o ap-
parelho, cabos de laborar, pinturas, etc., etc.,
de crer que estarla encalhado ha dous ou tres
das somonte.
A's 5 1(3 horss ds larde o Cruzeiro suspen-
deu e conlinuoa aviagem pira este porto. >
Suppe-se qae os passtgeiros e tripolacio
embarcaram na lancha e boles com destino cos-
ta, oo que seguiram para Maranhio em algum
navio costeiro.
_ Chegoa tambem da aus viagem de iostruc-
cao do Amazonas, a canhoneira flemonia.
a Consta que perto de Santsrem estivera enca-
mada, perdeodo netsa occasiio, aflm de safa-la
quatro prigas, alm de ostras qae tem perdido
desde o Rio a este porto.
a A canhoneira deve partir para a corte nos
principios de julho, asiim como a corveta Impe
rxal Marinhtiro, seguir com destino'so Porto,
com escala por Vigo a fazer quarentena, na ma-
nbia de 26 do torrente.
Continuara a soffrer quarentena nesle ponto
na p
coi
Cvale
Rio Gra*de.*ks ultimas noticias do centro
dio cosastanto o mal em Ferreiro-Porto. e
em dioslMMft em Cear-minm, Jsianao, S
IttXifaiacei.
'. Erxr data domingo diz-nos nosso
le : ".
eriade importaa a noticiar-lhe
tiva da morte |HFanreoenamento
infeliz aanlher que se diz filha do
Antonio da lbuquerque Miranho
lulher do capitao Aoacleto Jos de
Marroi, a qual aioda continua sob as vistas da po-
lica ; Sendo que o ficto se deu como pasto a
ex por
< Na noite do dia de S. Joo urna praga da
guarda nacional que est Cazando ierigo de po-
lica, e Basta occasiio em servigo o :adeia, ob-
sequiosa presenteou a aquella infelia mulher com
bolos e um copo de vioho ; houveram recusas,
novat instancias, especialmente para que eesa mu-
lher eogolisse todo o vioho que coolinha o copo,
ao que- elli te nio quiz prestir, sendo que entio
o obsequioso presenteador forcejn para que con-
seguisse o seu iotento procursndo entornar maior
porgasdo vinho ; maa prese qae est destina-
do que esss mulher vivera embors todos os meios
procurados pira tira-la do numero dos vivos.
Dizer-lhe o que a polica fez e a quem a opi-
niao pablica aponti como autorea deise novo cri-
en e 9 que est na consciencii da todos.
c Esse publico a quem o Sr. commendador An-
tonio de lbuquerque Maranhio Civalcanti cba-
mou de ocioso, j lavroa a sua sentenga iaexo-
ravel e ella se ha de cumprir.
A noticia da quebra da sociedade bantaria
deita proviocia, sob a firma Amorim, Fragoso,
Santos & G.a chegou s esls com edrea tses que
duvidamos fosse a meama dirigida por homens
em cujos peitos palpitava se quer um vislumbre
do sentimeoto de honra ; mas sao taes os tactos
escaodalosos, sao tantos os prejudicados, a sotu-
rna arrancada aos incautos tao avultada, que
duvilarltm desses tactos se infelizmente nao fos-
se certp que o luzir do ouro cega os fracos de es-
pirito, que para se comporem s Ihes falta va a oc-
oaslao
a Estamoa anciosos por noticias exactas.
C'totinusmos i soffrer as consjamelas de
um inferno sbandtutissimo de pesadas, diarias e
coolintadas chavas.
a Nao tenho tempo para maii e apenas accres-
ceuiarai qy a epidemia nesta provincia est com-
pletamente extincta.B
r'BrUiBUCO
contra lo.
Commande das armas.
Qn& 'tasl-ajpMMsrstl do co minando dan
^ne -as de Pernambaeo na cada-
de fo Becife em $8 de junho de
iej Z. a
V OnDEIf-'D'O DIA'N. 103.
O gene, al commandante das armas faz cerU).pa-
ra os fin convenientes, que no dia 25 deste mez
foi o Sr. > cadete do 4* fialilhao de artllharia a
p Berniio Rabello da Sirva Pereira examinado
praticameu pela respectiva commissso, na arma
de arlilbiri e foi approvsdo simplesmente nss
segaioles e eialidades :
NomnelaV a da pega e reparo, de esptogrdi
e seu aso, ^ :icios de cam pan ha e de bter, ma-
nejos da arm exercicio-d fogo e escolada pe-
lotio. |
Assigoado.-a. oliionio Jos Antonio Ptrtira do
Lago. s
Conforme. j si Francia
sjudsnte de orde s encarrgi
>, Coe/Ao,-capitao
p do detalhe.
DIARIO Di PERNAMBUCO.
do Sul recebemos eartss
i imperio com Jatts: do
'3, do Maraobo 25, do
a 28 e da Parahiba 29
Pelo vapor Cruxeir
e jomaos do norte
Amazonas 9, do Par
Ceir 27, do Rio-Gra
do crrante.
Amazonas.X assen 4>la provincia dirigi
um nova felicitagio ao 1 tm. Sr. presidente Dr.
Carneiro da Caoba, pela r. ineira econmica pela
qual dirigi as rendas pub cas, salvando a pro-
vincia da erise terrivel cor, queluton :
Para.Nosso correspot^ guinte : .
Eis o vapor Cruzeiro d Sul, com bravissi-
ma viagem, e cooduzindo a \ opilada noticia,
Cliegada do Paran, de nova N rganisagio minis-
terial, por liso que o gabioet parlameotar, ou
antes chrismado dos mogos, nic podara ter mui-
to tempo deduracio. %
Astim como foi grande c "'jubilo dos que
de, oa prose-
i pela cOite,
asso que os
etc., sio
rma que o
ittido pe-
r.... Eoten-
os navios viudos desta prvtncj
vapores depoii de algumas fe
logo admittidos a livre pratl'
cholera morbus mais fcil
Ja ntvegago villa do que a
dam os mestres da ciencia II
* As slterages martimas sio as legniotes,
nesta ultima quiozens :'..-
Nivios descarga :
Lindo Piquete, hyate bruiletr*.
Progresio, idea. ,^
Feliz yentars, brrgoe portguez.
IzabellsTt'.-Vrlgin americano.
Sphere, iarca franceza.
Guijwi.tBem.
.. Izsbea-Sewtt, brigue iogleg.^:> Y
Edavigiii), polaca heipanhola.
a tJhyate Santo Amaro,"s'gnlo lipntem para
ase porto. > .
Mranho.Nsds de importante occorreu aps
a passagem do Paran. ~'
Cear.O mais minacioio resumo dis ultimii
noticias do cholera acham-se a seguinte missivs
de notso correipondeqte :
Pouco ou nada lenho qae dizer-lhe, porque.
c
c



cr
c
a Em AcataAC-e Maranguape oileotou-te com
urna ferocidadf extraordinaria. Ali em multo
commuogam as ideas da mocid,
jautas, segundo lhes chamam \
alm do cholera de nada mais aa.traA*.
a Nesta capital o numero das victimas suba
hootim a 170, continua alisjbativa, augmen-
tando uos diaa, diminoiodo oulros a mortaMda-
de. No dia 25molferam 8.
Na Pacatuba decresce o mal consideravil-
mante.
iSaf 'e:
poucos diat suecumbiram 60 pessoss, iocluindo
o padre-Angelo que l se achava ministrando os
loccorrot esplrituaes.
a \ Edb Mar08*Pe tem sido grande a mortali-
dtde. No dia 23 pars 24 do torrente s em casa
da aogra do tenente-coronel Euiz Visnna auc-
cumbiram 6 pessoas I
c No dia 25 alleceram 22 pessoas.
< Multas fsmiliaa tem emigrado psrs ests cida-
de, o desanimo tem se apoderado da populagio
de maneira que nao ha all quem ae preale aoaer-
vigo de enterramentos, lavagem de roupa, enfer-
meiros etc.
Em Saoto Antonio um pequeo lugarejo
perto de Maranguape morreram 60 pessoss. Po-
de dizer-se que o sitio dos senhores Mendes
compreende so esta povoagio,
Nada mais lhe digo porque me acho um
pouco iocommodado mas nao do cholera, grigas
a Deas.
HE VIST* ftttUtA.
Sob proprio pedido, foi concedida ao Sr. Mel-
chlsedech Gomes Pereira de Vascoocellos a exo-
neragao do lugar de ajudante do procurador fis-
cal d* iiendo provincial em Flores.
A lotera que est a venda a Ia parle da
I* a boefkio da matriz da freguezia da Escada.
a*<-xxtvty. aevir ter lagar sabbado prximo.
no consatoTio di igreja de Nossa Senhorado Ro-
sarlo di freguezia de Santo Antonio.
O 3r. Dr. Miguel Joaquim de Ctstro Masca-
renhas acha-se Borneado Io medico do hospital
militar desta idade.
Hontem.Vpor obra das 10 horss da manhia,
precpitou-se de um 2 andar da ra do Angio
urna pards escrava da Sra. viuva Silva Neves ; a
qual eicravs soflre de ataques epilpticos.
Da queda resultou-lhe apenas urna fractura na
cabeg, e a deilocagio do quarto esquerdo.
No vapor que hontem sahio pira o norte,
seguiram os Srs. cooselheiros Francisco Jos Hur-
lado, ministro demissionsrio do gabinete de 24 de
msio, e Dr. Francisco Liberato de Mallos, chefe
de polica d Maranhio.
Falleceu hontem o Sr. Joaquim Machado
Portella urna congeilo cerebral, de que fora
accommettido em dias da semana Anda.
Temos noticias da comsrea de Garanhuos
com di ta de 19 do pateado.
O Dr. juiz de direilo interino considera extnc-
to o cholera em Correntes, onde primeuamente
se elle minifestou naquella comarca, bem que
aioda appareeam casos. A mortalidade all com-
puta se em cerca de duzentas petsoas; e j foi
abetta a escola primaria, cajos exercicioi foram
interrumpidos pela torga das circunstancias, e
mesmo por que o respectivo professor occupira-
se enlao no curativo dos accommeltidos.
No povoado di Palmeira declarou-te a epide-
mia, sendo grande o numero dos affectadose
crescido o dos morios. O Dr. juiz de direilo In-
terino tem para all enviado soccorros e dado as
providencias so seu alcance em taea conjuoctu-
ras- sendo nisto ajudado com efflcacia pela com-
mitsio da soccorros, cujos membros tem pro-
movido ubscripcoes pira esse fim.
No termo do Bomconselho desenvolve-se j o
mal, tendo afiectado a 47 at o dia 15, e dettes 7
havlaa fallecido. Em Buique porm val elle em
declinagao, pois nao tem continuado a fazer vic-
timas ; todava j comega pelas immediagdes de
Agoisbellts.
-- Segne hoje, no vapor Cruzeiro do Sul, de
volla sos provincia natal o nosio amigo o Sr.
Dr. Francisco Ferreira Correa. Desejamos-lbe
prospera e feliz viagem, o qae v encontrar aua
familia no goso das felicidades que se pode de-
sajar.
Pertagsiros do vapor nacional Cruzeiro do
Sul, viudo do Para e portos intermedios:Mi-
guel M.,da Assumpgio Lopes, sua senhora e 4
raoi, Dr. Chrtstovio dos Santos Civaleanti e
l-scravo, Carolina Mara da Conceico, Domin-
. go de Sonza Leio e 2 atera vos, Joio Manoel de
Areujo, Manoel Gomes da Silva, Joaqaim Gomes
... ds Silva, alferes Raymund Augusto Dias Mar-
tina, sus senhora e 3 filhos, Jos Gomes de
Araojo Qdintella, Jlo Antonio da Rocha, Boti-
cario Peiioa Bandeira Coit, Oliodo Pampho de
Mones, Francitco Gomes Marques Fonseca, Fe-
Ust Jos Vsz de Oliveira, Luir Antonio Goncsl-
ves, Joio Jos de Amorim,.Lulz D. Davils, Mi-
guel Ferreira de Mello, Felicia escrava a entre-
gar e 1 desertor dd exercito.
Segekm para o sal:Jote Ferreira da Sil-
va Jnior, sua senhora_e 1 criada, Antonio Fsli-
eio de Vatcoucellos. Francisco Jote, de Mello,
. Alvesde Souza, 13 aprendizes marinheiros, 6
pregas do exercito 1 desertor e 2 recruUa.
Pasiigeiroi do vapor nacional Oyapock, sa-
bidos psra os portos do norte ;
Eugenio Drogo Tpsctpo de Brlo, Fraaclsco
vleire, Jos* Alves .yenorio, Dr. Pedro Antonio
Cesar, am menor dejlez aonoi, D- Luiz D. Da-
vllla e saaaeohori, Maooella Divilla e um filho
menor tam criado, Dr.Luiz.Xodrigues Vlanna,
P. Antonio de Oliveira Antones, Dr. Joiquim
Graciana, de Araujo, J. Pinto dos Santos. Jos
MsrtiniFernsndea de Figneirefo, Antonio Nu-
aes de Oliveira, Joaquim Rodrigues do Amaran-
te, alferes Joan BezairT de Sillee e um soldado.
William Massdem.
Pastagdiros do brigue p*rJrtugusz/o'i>en Aheli*.
entrados le Lisboa
Cstharioa, Gomes e orna filha, Jos Machado
de AvillafM iua mulher e duas filn menores,
Agapito Jos, sna mulher e dous filhos menores
Catharina icterina Autoolo Aires.
Rwjmiyo da polica..Exlftcto daa
tes dos diai 29 e 30 de juoho.
Foram reeolhidot a cata de delengio no dia
27 do correte.
A'ordenado Illm; Sr. Dr. chefe de polica,
Luiz Ignacio de Souza, branco, de 88 aonos de
idsde, dado i agricultura, vindo de Fernando,
por ter acabado a sentanga, e Joo Pedro do Ro-
pat-
annot, mafoiaeiro, para
erdadeira coodigao.
ado do l* dittricto,
Nilrs, branco, de 2i
ira averiguagftes
Toio deAlmei-
infraegio do
1e julho de
'-*nt, de
mo,
tirio, Afr.vw v
averiguagoes t
A' ordem do
Tranquilino Angeu
annos de idide, ch.
em crime de roubo, e.
da Lima, de 23 annos,
art. 6* das posturas mi
1849 ; Carolina de Almeida
19 annos, coslureira, e Ha,
de 36 annos, engommadeira, ,
A' ordem do subdelegado de
os pardos Jos Pedro de Miranda,
dado agricultura, Manoel Jerooymo
de 35 annos, sem offlcio, e os crioulot .
Ferreiri da Silva, de 30 annos, ganbador,
tyro, de 35 aohos, escravo de Joaquim Ante
Carneiro, todos por briga ; e bem assim o par..
Luiz, de 40 annos, escravo de Joaquim Francis-
co de lbuquerque, requisigio destes, para ser
castigado, por desobediencis.
A' ordem do da Magdalena, Manoel da Silva
Baptista, branco, de 32 innos, caixeiro, por des-
orden).
Dia 29 -
A' ordem do subdelegado do Recife, Benedicto
Ferreira Delegado, pardo, de 22 annos, marujo;
e Jos Francisco dos Santos, crioulo.de 32 an-
nos, pedreiro, por briga.
A* ordem do de s. Jos, Antonio Jos de Arau-
jo Correia, branco, de 20 aonoi, dido negocio,
e Aotonio da Cunha Oliveira, pardo, de 38 an-
nos. correeiro, tambem por briga.
A' ordem do da Boa-Vista, Angelo Custodio
da Luz, ou de Oliveira, pardo, de 21 annos, car-
pina, por ter tirado urna mulher honesta do po-
der de sua mii, levindo-a psra sus casa.
A* ordem do da Magdalena, Amancio Alves
Ferreira, semi-branco, de 30 aonoi, dado agri-
cultura, pordesordem.
O chefe da segunda secgio,
/. G. de Mesquita.
Noli dos gneros consumidos na enferma-
rla da casa de delengio do dia 1 30 de junho
de 1862.
~ ongas
Pies de
Assucar
Cha ....................
Arroz...................
Farioha.................
Galinhas................
Carne verde.............
Gneros consumidos
dos presos pobres de estado recolhidos casi
de_detenco do dia 1 a 30 de junho de 1862.
1.165.
72 libras e 4 oocas.
11 ditase90 oitavas.
97 ditas e 12 ongas.
8 alq. e 21 decimos.
33 3/4.
398 ibrss.
com a alimentagio
Pes de 3 ongas.
Caf.........i...........
Assuc*................
Dita salgada...........
Bacslho.............. .
Farinha..................
Feijio...................
Aceite doce............. 12gir'r.8ongssel/
Vinagra................. 45 garrafas e 1/4.
Toocinho................ 203 libras 12 ongas.
Movimento da casa da delencio do dia 28
de junho.
4,446.
277 libras e 14 ongas
r" ditas e 12 ditas.
....._ ..^rsi.
299 libras.
593 libras.
111 alq. 6 decimos.
53 alqueires u l/
A saber
Existism.
Entraram.
Sahiram.
Existem. .
Nscionaes .
Eslrangelros.
Mulheres. .
Escravos. .
Escravss. .
360
18
8
370
presos.
>
D
263
28
5
67
7
370
Total. .
Alimentados a custa dos cofres provin-
dses.....;.......
Tiveram baixa :
Manoel Carlos Pimentel, otile.
Joo Jos (Africano livre), hydrocele.
- Dia 29
Existiam...... 870 presos.
147
Entraram..
Sahiram.......
6
3

A saber
Exittem....... 373 a
Naciooaes.....
Estrangeiros..
Mulberes......
Escravos......
Escravas......
266
29
3
66
7
Tolal........ 378
Alimcntadoc a custa dos-cofres pro-
vinciaes................................... 150
Movimento da enfermarla do dia 29.
Tiveram baixa :
Manoel Carlos Pimentel, otile.
JoSo Jos (Africsno livre), hydroceli.
Movimento do dia 30.
Existem 32 doentes, sendo 26 livres e 6 es-
cravos.
Molestias em tratamento:
Febres intermitientes. 5
Daltros................ 1
Gonorrba............ 1
Rheumalismo ........ 3
Sarnas................ 2
Pleuriz .............. 1
Anemia............... 1
Gastralgii............ 3
Dores asteocupas.... 1
Bronchiles .......... 5
Otile.................. 2
Ferimenloa............ 2
Ganglionile .......... 1
Solugo................ 1
Hydrocele............. 1
Ulceras............... 1
Aiciie........... *
Total................. 32
Tiveram baixa :
Raymund Jos de Saot'Anna, intermittente.
Benedicta (escrava da Francisco Ricardo de Mes-
quiti), lyphilis.
Joto Francisco dos Santos, ferlmentos.
Tiveram alta :
Jote Ferreira de Oliveira.
Loarebco (escravo de Jos Minoel de Barros
Wanderlay).
Loureoga (escrava de Francisco Ferreira de
Mello.)
Matadouro publico :
Mataram-se para o consamo desta cidsde no
dia 29 do correte 91 rezei.
No da 3090.
Obituario do du 29 de iomho, mo cemite -
aio publico :
Joo Vicente Ferreira, Pernambuco, 43 annos,
cssado, Boa-Vista ; hypetrophia do coragio.
Innocencia, Pernambaeo, 1 anno, Boa-Vitti, es-
crava ; dentigio.
Tiburcia Valerieni, Pernambuco, 2 mezes, Boa-
Vista ; diirrha.
Joio, Pernambaeo, 2 mezes, Boa-Vista; con-
vulies.
Luiz da Costa Nogueira, Pernambuco, 50 annos,
viuvi, Boa-Vista ; anemia.
Mara Francisca da Conceigio, Pernambaeo, 40
annos, viuva, S. Jos; congenio cerebral.
Lourenga dos Praieret do Espirito-Saoto, Per-
nambuco, 46 annos, cssada, Recife; cho-
lera.
-30
Uenrique, Pernsmbuco, 5 mezes, escravo, Boa-
Vista gsstrile.
Manoel de Jess Coutlnho, Pernambuco, 30 an-
nos, soltelro, Becife; entente,
Joa-yaif Lopes Mendes, Portugal, 30 anao*, sol-
teiro, Boa -Vista : h e pa ti te ch roica. -y
Maria Rita, frica, 62 annos, sol te ira, S. -Jos ;
espasmo.
Emilia, Peroambuco, 3 annos, Boa-Vista, va-
rila s;
Umbelina Mara da Conceigio, 25 annos, soltu-
ra, Saoto Antonio; anemia.
Maria, Peroambuco, 1 anno, Santo Antonio ; be*
zigas.
Alesandrina, Pernambuc, 1 aano, S. Jos; con-
vulget.
*.uiza, Pernambuco, 1 aono, escrava, Boa-Vista;
"aslro enterite.
'ida Xavier de S, Pernambuco, 65 annos,
'i, S. Jos ; detynteria.
fJHRCN|CA_JUDICIARIA.
JURY DO RECIPE.
3* SESSO.
PRES. 'A DO SR. DR. BERNARDO MACHADO DA
COST. I'UIU*. JUIZ DB D1RE1TO DA PRIMEIRA VARA
CRIMINAL. \
Promotor puoiicovO Sr. Dr. Francisco Leopol-
dino de Gusmo t\bo.
Sscrivo privativo, o\JSr. Joaquim Francisco
de Paula Esteves Clemente.
A's 10 horas da manbiw, "berta a sestio pelo
toque de campaioha, e depoSis da verifiesgio das
dou proca-
presen-
Srs. se-
x
cdalas, o Sr. Dr. juiz de dlreuL
der a chamada dos jurados, e acha
tes 11 Srs.
Foram multados em 209 cada
guiles-:
Antonio Jos da Silva Brasil.
Dr. Emifdio Marques Santiago.
Dr. Jote Joaquim de Souxa.
Jos Antonio Moreira.
Manoel Alves Guerra.
Dr. E?ydio Henriques da Silva.
Jos da Costa Dourado.
Dr. Joo Vicente da Silva Costa.
Dr. Joio da Silva Ramos.
Jos Luiz Pereira.
Luiz Pereira de Parias.
Elias Figueira de Mello.
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
Demetrio de Azevedo Amorim.
Galdino dot Santos Nunes de Oliveira.
Arphelim Jos da Costa Ctrvalho.
Ignacio Maooel Viegas.
Miguel Vieira dos Santos.
Antonio Csrdoio de Queiroz Fonseca.
Jerooymo de Hollaoda Cavalcanti de lbuquerque
Antonio Jos Gomes do Crrelo.
Joio Marques de Amorim.
Jos Marques da Fonseca Borges.
Dr. Felippe de Souza Leio.
Fraocisco Ctvalcanti de Souza Leio.
Joio Coelho da Silva.
Herculino Autonio de Moraes e Silva.
Jo^^uneiro Leo.
JdtxJaBm Pedro Carneiro Cam pello.
Miguel Nunti Correia.
Nereu de S e lbuquerque.
Sendo insufficiente o numero de 11 jurados
presentes para haver sessio, o Sr. juiz de direito
procedeu ao sorteio de mais 37, e sshirsm sor-
teados os Srs. seguintes:
Josquim Salvador de Siqueira Ctvalcanti.
Alexaodre Rodrigues dos Aojos.
Domingos Alfonso Nery Ferreira.
Ignacio Aotonio Borges.
Dr. Joaquim de Souza e S.
Silvino Guilherme de Barros.
Dr. Manoel Francisco Teixeira.
Dr. Joo Pedro Maduro da Fonseca.
Joaquim Jos deSsnt'Anna Barros.
Jos Candido de Souza Miranda Castro.
Antonio Nobre de Almeida.
Dr. Carlos Frederico dos Santos Xavier.
Dr. Ioooceocio Serfico de Assis Carvalho.
Dr. Joo Francisco Teixeira./
Galdino Ferreira Comes. 7
Agostiohe Ferreira dos Santos.
Antonio Jos da Costa e Silva.
Joio do Reg Pacheco.
Dr. Francisco Jote Martina Peos.
Dr. Jerooymo Salgado de C'stro Accioli. .
Jos Fraocisco de Paula.
Luiz Jos Pereira Simes.
Dr. Joaquim Aetonio Carneiro da Cunha Miranda
Joaquim Francisco Livra.
Jos Hygioo de Souza Galvo.
Jos Aotonio Moreira Dias.
Joao Alves Quintal.
Manoel Bastos de Abren Lims.
Joo Pioto de Lemos Jnior.
Ismiel Cesar Dusrte Ribeiro.
Dr. Maooel Pereira de Moraes Pinheiro.
Belmiro Augusto de Almeida.
Braz Marcolioo do Sacramento.
Maooel Antonio Viegas.
Manoel Jos Teixeira Bistos.
Dr. Demoslbenes da Silveira Lobo.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito.
Coocluido o sorteio o Sr. juiz de direilo man-
dou proceder as necessariis notificages, e levan-
te u a sessSo adiando-a para o dia seguinte s 10
horas da manhi.
/


Balancete da reccita e despeza da c-
mara municipal do Recife, no mez
dcoutubro de 1861.
RECE1TA.
Saldo em 30 de setembro de 1861
Exercicio de 1860 a 1861.
Imposto de cordeages o. 1 28......
dem de 500 rs. porcabeca de gado
vaceum, n. 1 a 7..................
dem de 100 rs. ovethum, n. 1 e 2
dem sobre fogo de artificio n. 1 a
13................................
dem de estabelecimentos da fregue-
zia do Recife n. 1................
dem aobre curraes de peixe n. 1..
Multas pelo fiscal da freguezia do
Recife, n. 1 a 22.................
dem dem S. de Jos, n. 1 a 2....
dem idem do Pogo, o. 1.........
dem idem-da Varzea n. 1 e 2......
dem chefe de polica, n. 1 a 2.....
dem delegada do 1" districlo, n. 13
a 47..............................
Iaem subdelegada de Santo Anto-
nio,n. 3 a 4....................
Cemiterio publico, n. 1...........
Exercicio de 1860 a 1861.
Imposto de estabelacimento da fre-
guezia de Santo Autonio, n. 555
e 55o....................
Multas pelo Bical da freguezia do
Recife, o. 55 a 56................
dem idem de Muribeca, n. 1......
Multa pelo regulamento de 26 de
agosto de 1851.0. 607 a 608.....
Ribeira deS. Jos, n. 55 a 57......
Talho de agougues, n. 56..........
Exercicio de 1859 a 1860
Imposto de estabelecimento da fre-
guezia de Santo Aolonio, n. 618.
Multa pelo regulamento de 26 de
agosto de 1851, o. 661............
Exercicio de 1858 a 1859*.
Imposto de estibecimento da fre-
guezia de Saoto Antonio, n. 637.
Multa pel regulamento de 26 de
agosto de 1851, n. 693............
Exercicio de 1857 a 185%.
Imposto de estabelecimento da fre-
guezia de Santo Aotonio, u. 637,, 2J00O
5:455^486
146S410
1:1845500 11930O
52$000
2*000 2000
1799000 m 168000 249000
6229000 .
8S00O 881S40O
69000
339000
209800
12$000
519902
3005000
2J000
49OOO
29000
forjo
V
* i
-MBiM
i
vi
\
-


ii iiNwimmpw


MJi
a
DIARIO DB fllNAMBCO. *- TSBQ4 FElftl 1 DE JULHO
&t
r,
Hulla pelo regulamenlo de 26 do
agosto-de 18M n.4,.........,
Exerciciodet85fa,ie57,
Imposto de estabeteoimeate da rre-
guezia de Santo Antonio a. fj3tk
Multa pero regalamento de 16 de
agosto de 1851, n. 336...........
Eiercicio de 1855 189*
Imposto de estabelecimento da f re-
gueiia de Sanio Antonio, a. 641.
Hulla pelo regalamente da 26 de
agosto de 1851, n. 413............
Exercicio de 1854 a 18B
Imposto de ealabaWcimento 4a Ira*
guezia de Sacio Antonio o. 863.
Mulla iiele reclmenlo de 26 de
agosto de 1851, n. 485,.........

OTSSEiA.
Cora a (olha de ordenados do mez
destembro, n. 162..............1
Jury e eleices o. 1 a 3............
Cusa eriminaes n. 1 e 2..........
limpeza dems, n. lili......
atadoaro. 0,1 a 4................
ssveoluaes e dividas paisirat, n. I
Cesuiteno publico, o. 1.............
dem de S. Loureoco, a. i..........
4#0Q0
9foeo
respoitii ueste ponto ao Sr. Barros Barreto, por
quanto 8. S. talla em gaarda-gados qte subsii-
tuem as paisagens nivel, e eu digor soo suLbati-
'tmnhMOcellas: creio que este ultime o sen
peosameoto, porque o primeiro n&o tem applica-
cio possivel.
U te o me illustrado collsgs que nao quiz ti-
rar bcilhe *t este Id. quante eu listo ti.
tesa ameuwdo no oullaja lionasTerrea aigu-
......
uet.

nuil
boje qoe a lioha tveMOe
toa*.
Qaaotto oo trenado msnadro pooCetta
cooato dos asoapajacutoao. omxt hasj
guido.depois tfw me*oo esforc, taso
aio, e aoeaacaniei que. a aaaei nla se
cerdar das Utas que para tal ftm
antecessores e das di|Cessoea bavidos na
braoopjecto.
,. 9e,,ttnha sido o Sr.
primeiro lugar teclao
ea o igcora
a que ras
non
precedern^
e-
> decidir por essa concludencii, aegue-se
intil t prejudicial a vista
Barrtfo quem em
* aquelle abuso,
eapondeoef%
297t20LnaaOjoe
28fOWrq*e i-1
48|000
1:268*360
1:5195330
Saldo em'31
pasaado
de outuuio prximo
4:772*26*
4:0565729
8:81BgM8
Cmara
*e 1861.
municipal do Reoia, 5 do aovembro
O procurador,
Jorat Vctor Ferreira Loptt.
lialaueee da receita e despeza da c-
mara manicipal do Recite, no hp
de novembro de 1861,
RECEITA.
Saldo em 31 de oulubro de 1861.
Eiercicio de 1861 a 166-
Imposto de cordeacei e licengas -.
_. 47...................... ... o .)
dem por 500 rs. poxcabecs .gado
vaceum morto para cousaio, o. 8
dem de 200 rs. por cabera do* gado
saino, n. 1......................
dem 4 100 re. por cabaca 4* o%%-
'hum ? 3................^../....
Ilam sobre fogo artificial, .,14 a 20
dem idem de eatabelec'.mento da
treguezia de S. Joa, j.li 3....
dem idem da Boa-Vi;,te, n. t a 3..
idea idem dos Afog/idof, n. 1.......
Mullas pelo Ocal, do Recife, o. 23
a 42..............................
dem idem d.e Santo Antonio,"n.
tendeado que s V. S. entenda de direito, qsan-
do dei meu despacho deapretiado a excepcae de
prescripcio, por-me pelas roa* 4* amargara,
lndispondo-me com os tnieresiaJas, sifailaaade-
Ihes, que eu era jais aecusador, ato Jas tsa-
e pasa logo despachou uas se tapla
lac.ao com o cecurte dassa despacho, o
fSL?0* <*itfc bmm "<* qe s allego* na
. lio gateas e,4os. o urm canto *
pairea?saaeajiar a letaotn, rimm
'isporao. caso villa a* a dia oda qa
aS.'SKaT*
sardo o mea Mpaesa*.
Sr. Dr. Bcou tfeiapoirtarhslmo-r e aigrrHi'-
' a^ualUi qaeu Ubtajfa* qu.-8- peala-
rle mallo, quawn ?( Uoha rargontia,
U4M da, e maito ceuUamenle por deo-
t 4o rie aacaledau-se, taoto^ue ainda hoja se
dj que sanie fgido; abiil, exuttit, eicuit,
i ral eutro Wdbetnbo do irammatice dou-

, oillutaSr.
informado
_0 Sr^Lanejoeoaelhpu a co
a**a p i u i iaeffas at qaa (*
traego aaMtraisa os po-
laraslasTsMfa das elrt^
E' real qu e*1
quasi coduida
. BDeaaao 4isse
que se eu lo
das esta-
tmente tfb
..averia o es-
nentaa.
,oa-Viagem estaae
,ui ebeigaai; Uto
.mbla, acraaceaHanda.
tfo fiscal eutao nle daria
onatracco de ama abra
6 que ate quar roubar
.r qusae>.
neo que diste o Sr. Barros
as demats eatacoes. Vajo qaa S.
.a do que eu, porqaante extginde,
oastrueto das estacoes permaocn-
wateira seceso parece qae aa Uie reapea-
,ua a otaria da liba ao foroecia lijlo* au-
jqIvs para coaitrai-laa o meamo tempe qae
tuanel, e outras obraa d'arte. O que se me
deu come reapsU, a Mestice, exigencia, fot que
e geveroo j havia recebido como ebras perma-
meu asrer
daquella
a glor"
s
T
peeajjl ite, Pra qaf os ieiioras o veiam, visto como ea
,o atcorde para saber enquegvtun-
filaQo_*St sofera que o juiz de direito
a prescripaje de 10 asnos fuoitdo em
rea ate prsrcsn- que nao sabir a- nsov, am
termo 4a aviea. e a de 20 assoa pelo
i de que emiasetro de 1843 fdrs proouo-
ciaajo Antonio DqotKiino esmo autor do
deqss as impar io opiti Soarea, s reja a
pranaacia 4s Munidauo tstarroaspfra o carao
da prascriaci>1jbem castra Soarea; d'onde
provioha que, contado dasds jaaoita de 1843 o
tempo para prescripcao, naatevfemJfei/Mojat
reito,_eem 1 Rfsua- racoev Dicast Ji
du*n%, se o bomem aiejapraaia k arada lavar
urna ania duxia de p.fraafsaas Oes ama acola
dosnrlsaaroa rudiavaatoa da> gramtaatiea I
Contina o "
/58500
1|600
1850g
28*000
89000
6(000
2jt000
133|000
dem idem deS. Jos. o. 3a 79..
dem idem da Boa-Vista, n. 1
m idem de S. Lourenco, a. 1....
m pela deltgacia, a. 48 a 66....
dem pelos ubdelegado de Santo An-
tonio, n. 5 a 21..................
Foros d terrenos mameipaes, o. 1
Cemilerio publico, n. 2...;........
DESPEZA.
Com o expediente e impressdev,
"...............................
laem os ordenados do snez de oa-
tubro, n. 3 e 4....................
dem o tribunal do jury e eleiedes,
,."' e *..........................
Idern;custas crimioaes, n. 3 e 4....
dem limpezae das raas, n. 5 a 9...
dem erentaaes e disidas pssaivss.
n. 2 e 3..........................
Jdem cemiterio publico, n. 2.!1!1*
8%&000
239*000
308000
"OOOO
17^
igooo
7|000
0038OO
cripcao de sito : porque, se a proaescis Sao
produx neebum dos seua eBaitoa contra o nao .lilasi
pronunciado, Umbem nao poda produxir coo#a' da. Ta
eale a iatarrupeso da prescripcao: iato 4, a* o '
nao pronunciado d4o fica suieilo a accaaacae e
oentes as esU^oee de madeira; e d'abi erigiooo. julgaiaeoio, e a efspenao 4* exercicio dos di-
ta ama queato que eioda etli pndente de ao- faitea politicoa, oera a prisas e livramento, como
elTeilot da pronuncia proferida contra oulro;
Umbem naa pode estar aujeito a interrapeio da
prescripcao como claro.
Estes argumentos do Dr. Plnag em -ajada
3:4649680
Saldo em 31 de
passado
selerubro prximo
40JO00
2:3258202
469400
2159934
389600
26g980
10013466
4:023J902
3:4979506
7:^9409
Cmara municipal do Recife, 13 de dezembro
la 1861. .
O procurador,
Jorge Victor Ferreira Lopes.
Cmara municipal do Recife.
talaioHro' publico da cidade do Recife.
Mataram-se para consumo desta cidade no
snez de junho do correle anuo 2,427 rexes.coDS-
tanles da relago infra.
Viuva Adelo i Corapanbia........
Joo Cbrisoatomo de Albuqaerque.
Virginio Horacio de Freitas........
Venceslao Uacbado Freir Pereira da
Silva.......>.......................
Jos Francisco de Souza Lima......
Manoel Paula de Albuquerque......
Maxiiiiano & Lucas de Mello......
Mnoel de Souza Tavares.............
Eellarmioo Alves de Arocha......
Francisco Candido da Paz............
Joaquim Jacintbo....................
Feliciano Joaquim da Casta ........
Miguel Alves Lima..................
Ernesto Celestino de Mendonca...... '
Jos Joaquim Ferreira...............
Luizde Franga Soares................
Pedro de Athayde....................
Joaquim da Coala Ramos............
Antonio Fraocisco Ferreira..........
Fedro Francisco da Costa.............
Herdeiros *e Lniz Antonio de Barros
Francisco Jos Dias da Costa.....
Manoel Francisco dos Reis Usmpello
4 C..............
624
156
156
155
151
143
140
138
138
138
102
70
70
69
52
32
27
25
22
13
3
2
acia.
Cairelaste e Sr. Barros Barreta achava-ae am
urna poaieao contrariada pelos inglezee, e ea
acho-me favorecida pelo estado defiohsote da
cornpaabia 1 O que me parece 6 qaa naa bouve
boa aa retpoata que deram ao Sr. Barros Bar-
reta, per isas qae, qutodo S. S. foi engeoheiro
fiscal nao se construa a abasada do tunael, a
bem poacos eram as obrss d'ale da segunda sec-
;ao em costrucco.
O que diaae na assembla, foi qaa aa exig a
coQstrucco das estacoes intermedies da primei-
ra serr;e, qae oengrnheiro da compaobia flcou
aorprebendid de minha reclesneco, e aseeveceu
qua um ex-administrador da provincia, cosa as-
aislencia do eegenbeiro lineal de entao oSr. ca-
pitao Medairos bavia recabido aseatagoea de ma-
deira como definitivas; acerescentei, porm, qae
o Ilustre Sr. Hedeiros me havia declarado que
tal recebimedto se nao dra. Se o Sr. Barros
Barreto tambera reclamea, eu nao o contesto;
mas ha de coavir, que se o n&o diese na assem-
bla, foi por ignora lo, ja pela sorpresa do enge-
oheiro em chefe, ji porque S. S. ncnhnm traba-
llio aeu deixou na repartirlo fiscal.
Finalmente, nao veja naa miohaa psfavrss o
Sr. Barres Barreto, nem os demais eogenheiroe
que me precederam, a maisleve censara aosseas
actos, cujo brilhe nao serei ea por certo, to pe-
queo na classt, que pretenda offuses-lo.
Recife, 30 de jucho de 1862.
Buarque de Mace do.
Erralat do commmicado tahido no Diario de
23 do corre nle.
Em lugar de ltenlos dig-se:reconhecidos
tantos e io r* aervicos ; l*-em direi-
toa, diga-a*. ._ x^^ aiiaos^-m-tuaar
do corpo colegial do vice-director diga se:as-
aunJha desej lodo o eorpo collagial e sea vice-
director.
omqaa sacra de causar-lhe mais
4aa aseaste J est baaeada na
lieaseoaa rstes.
Ffsncsvf am bachsrel por mais atrazado que
Mja srgameotar deiia moaln Q Bfcjar. Pioag
do
.iKliiVi.! Publicares a pedido.
concludencia datj------ '
falsa S. ae dignado coapaaassr
directora am sessae desta c
soa axoapete adireito _
aeu constltainte, par coassguiota pansiam as saas
allegiQoea eoGcludeateo aa lego pea parte
adversa destrato auas asoaaaaaaa amaras pravas
mais robustas, e MufdaaaamaaBawgiaaaesos com
as Balayad confio documsnlos lirsdaa poroaatMBa 4a>aaaos exis-
tentes no cartoris daaaaaaaaaau a appsraota
concludencia, e pertea TS. a cansa. Admira
rtMa% Msaal laalo A^ a** s^a. *. ---.:_ a>ll>-;
a^saaaaaaaaay-^saaa^^saaaaqr- a MUIW ,111001 CSkC^V yUTT"
gW-mi a desfaier srgumentos desta. natureza !
Psaasmos a ouiroa tactos em' qae s Sr. Dr. Pi-
nsg toroa-sa calumniador.
Tratando ao publico o tacto da priaao de um
Sabino Nunes Riheire do termo da Catle, depoia
* 'Jf V Ue foi'pajsador de meda talaa
de 185J psra 18S4 4U : Agora pot
taz elle fallado deaociou delle pera ola o julz
manicipal Antonio Ferreira Dutra, tswem de
Catle. Com 4 copia da daan ca Antonio Fer-
reira Datra requeren a prisao 4o Sabino ae juiz
municipal do termo do Principe, e este prendes o
Sabino, quanda ae achara jogando na villa no dia
5 de dezembro : no dia 6 maodou-lhe Intimar a
. : e no dia 7 foi solt a Sabia por
rffem tfe AaSeos-aojami do Dr. juit da direito conde de Suaasahs.
luodaaOo-aa este palfsolta-lo em qae nao Savia
- I******911 9*'* Bri,ao 1u "a-
nicipal nao Un ha direito do o mandar prender-
la! qual. B sotlou oSabino que baria sido pre-
so por crias inaOsecavel de moeda falsa. Bem
dina o Sableo qae contara com o juiz 4a direito,
a sainada cafltinuar seu meio de vida, de pss-
asr bous falso.. ..
Ora, Sr. Dr. Pinsg, S. S. nlo tirou par cerli-
dao esta miaba ordem, oso a tem em asa poder,
e porque do industria oceultoa a verdadaira ca-
Gaia Filial.
rios, .redsci,,>re-PaM P^>,M *-
obsauv omu ,olos l**'. rogo-mse o
co as nasate u. *re" ** c^*"^ do pabli-
ro boSITmu. **" wm C0-te0 T--ei-
xa Filial 40-^,4.
8euaaaat.J5ek
'^Marb
Illm. Sr.Tendo
as cosaaaaiaamm do swt
das quasm coaase a vasOad
mau da sor astoagado daaCal-
BraaU naata praviacia o
oassasdo
do
Dr. Piaaoja.Para aaim ate te la-tea, qaaoa sllcgaai para soltar Ssbtno, apresen-
lelligencta mala extravagante qae ama de a pro- lando spenaa ama razie menos farte. e levan-
nuncia proferida contra um, prejudicar a prss- tanda me aMSSte 4izerj-aue e juiz monieipal
iuo o juiz municipal
#a ip*etr Hacer-
Correspondencias.
Cmara
1862.
2,427
municipal do Recite, 30 de junbo de
O procurador,
Jorge Victor Ferreira Lopes.
Communicados.
Estrada de ferro.
Sob este ltalo precarou no Diario de boje o
Sr. Manoel de Barros Barreto rectificar alguna
fados por mim referidos na assembla proriocial
qnando por diversos dos mejis honrados collegas
fui ioterpellado acerca da empreza cuja fiaciliaa-
cao me esl confiada.
Creio que S.S. nao Coi jutto n eaa apvatae>o,
o que me parece poder ser altribuido ao poaco
cuidado com que lea os meas discursos.
Nio real que ea qaizesse arrogar a mim ex-
clasimente o planto dae cercas, e a eoostruccao
los callU guarde em substituido aa oaeeellaa,
nem lo pouco a idea da soppresso do trem es-
pecial que cooduiia noa domingos o ministro pro-
testante da villa do Cabo para sala cidade. .
O que disse acerca destes dous pontos foique
o plantio daa cercas nao ae liona podido raaHsar
em proveilo pela impoaaibilidade em que nos
ochavamos de oblar um arbasto que medrasae
sos terrenos arenosos, e qae natas cpndicoes ha-
ra eu proposto ao goveroo o emprego de fios e
postes de farro galvanicado para corearos lugs-
ses em aborto.
Tudo mais quanto refeYi acerca desle ebjeto
foi com o fim de mostrar oe argumentos de que
so baris servido a companhia para eximir-ae da
obriga;o que lbe bavia imposto o gojrerno.
Pode bem aer que fosse o Sr. Berros Bsrreto,
em nivel do matadoaro (crtioque destaque
quer fallar, quando diz que foi sob ana fiscaliza
Cao que ae coostruio a primeira sm directo
Cabanga, para substituir a pattagem ao niee,
que all exislia), eu nio o contesto ; e admilto
Breve respoita que d o juix de direito da co-
marca do Sendo o bacharel Miguel Goncat-
vei Lima ao juis de direito ia capital do. -
Cear Dr. Joo Valentino Dantas Pinagi, "im deposto concludentement*
pela correspondencia que fex inserir contra cessos ; um instaurado em 1
elle no n. 53 do jornal Dous de Dezembro,
tmpresjo na cidade do Natal.
0 Dr. Pinsg sondo filbo da enliga comarca do
Asa, que comprehendia esta, o tendo sido della
juiz de direito por muitos annoa, entendeudo
que os negocios forenses hoje eorriam anda com
aquella mesma lsxidao de quando elle foi juiz
da direito, que com a aaa voz fazia desapparecer
os crimes, veio nos ltimos dias de oulubro ou
primeiroa de novembro esta villa, onde dina
elle, vinha moatrar, se o Soares lioba ou oio
prescripcao em aau favor; (Soares um bomem
que se achava processado por am criase com-
mettido em 1841) neale propoaito entregan o seu
cliente prisao, a nao tendo sido feliz com a
sva prescripcao, a com mais outras pretenedes,
nio s neste juizo, como no superior tribunal da
reUcao, abiil excessit, evasit, erupit. isto co-
mo chialossmente disse o senador Vasconcelos.
amolou as canellas, estirn ss gambias, deu
aa trancase foi-se com os danos, e assim eo-
colerisado foi vomitar no Dous de Dezembro
toda a bilis do seu fel contra mim, calumnian-
do-me.
Nio assignando dito jornal, custou chegar
ao mea conbecimenlo dita correspondencia, i
qual dara suficiente resposta a presen tan Jo ao
publico copia dos accordioa da relac.au confir-
mando oa meas actos por elle ceosuradoa; mas
desejando mesmo dar maia solemne desmenti-
do s circamstaocias pelo Sr. Dr. Pinag narra-
das em sua correspondencia, va!ho*me das co-
lumnas do Diario de Pernambuco, que uni-
versamente lido, para que uoiversalmenle seje
lida a minha justa defeza daa aggresadas, com
que calumniosamente fui accommetlido por um
magistrado, que, rebaixando-se da cadeita de
juiz, veio oceupar neste termo a de advogsdo de
criminosos, para sabir vomitando calumnias con-
tra o juiz que fez jastica.
Desprezaodo tudo quanto disse o Sr. Dr. Pins-
g relativo aojoizo da formarlo da culpa, por-
que, quando fossem exactaa suas assercoee, em
nada me podem prejudicar, passsrei & refutar o
que diz positivamente respeito a este juico de
direito.
Diz o Sr, Dr. Pinag na ultima parte do se-
gundo trecho de sua correspondenciadevendo
nolar-se que para o offerecimento do libello
offlciou no proeesso, depois de suieito ao co-
nhecimento do jury, escrtvSo do crtme e nie do
jury do termo do Principe, onde Sabino offerece
o libello : tudo ieto com annnencra do Dr. juiz
de direito, e tudo irregular.
Antea de dar a resposta devid, previno ao pu-
blico que o Dr. Pinag eotende pouco de erara-
matica, o que al t sentir ao tribunal da rela-
qo na sasleota;io dos meus argumentos ; sirva
de exemplo logo este pedaclnho delle, que aca-
be! de citar, do qual oio podem saber os leito-
res, qusl foi o escrvSe que offlcioa, se foi o do
crime do termo do Jardim, como elle primera-
mente assevera, ou se foi o do crime e jury do
tormo do Principe, ou se foram ambos, como ae
eollige da icilara do dito trecbo.
Eaciarecendo, porm, o qoe elle deixou con-
fuso, digo, que o eecrivi qae officiou, depois
de afiecto o proeesso ao coohecimeoto do jary,
foi o do jury do termo do Principe, a quem no-
meei provisoriamente escrivao do jury dojermo
do Jardim, visto como neste ultimo termo nie
exists escrivio do jury, pors o interino de crime
que existi era maito ignorante e eslapido. Ti-
16 nhasciencia dlsso o juiz municipal do termo 4o
* Jardim, a quem aa havia commanlsdo, o foi
* DAr atta *Jk*fln nuai amia >%,.nJ.u per cala razio qaa este juiz mandes offieiar. pa-
lo escrivio de jary de termo do Principe, qae o
.sesmo que toase S. S. o autor 4ea.alemb7a~nc.~. Ir* Dr Pin* ^^TLtJ^?,* e,
Ma auando tratai daila anata ai .u.mU. r i. r. Dr. PInag4 leve tambera sciencis duta cir-
' Has qusndo Iratei desta ponto a assembla fal-
lara uta passagens daa segunda e terceira ses-
es. nss quaes creio nio ter S. S. intarvido, e
ahi foi que adopte! am todas, publicas oa parti-
calaret, os emita guarde de preferencia is cao-
celias e o flzcoaa previa asaentimeato dogover-
oe, por isio qua estas eram exigidas pelo regu-
lamento.
Alm disso os vallados de defeza de qae me
eeapei, o que prese ter aido 4a exclusiva exi-
gencia minha, lo oa de 9 ps de largaja e 4 #
oa profundidede, que servem da cercado a li-
aba.
Aao tei se ha conmo ou minbaa paltrru em
camslaocia, mas, nio lbe convindo fallar a ver
dade, porque aa eiposfcio desta oio encontra-
vs censura a minha pessoa, oecallou-a, a nu-
bllcou a ionexactidio.
Tratando ter interpoalo Soares pcaaeripcio
persnle mim, ter provado que o crime ora c6m-
mettido em principio de 1841, e que elle Soares
residi sempre no termo da colpa, diz :e nio
obstante o juiz de "direito despretou a excepcao
de preacripjio, e diz-ae, que a relacio confir-
mou a decisio do julz de direito* Ora, Sr. Dr.
Pinag, nio tenha s por fim illudir ao publico,
nio digae diz-se que a relacio coafirmou,
porque V, S, lera real ceilezi, porquaolo, ea-
offandem; mas fjara os o publico possa apre- mo codifo etc. etc.
ciar aa rwoes em quefuadei-me, traescrevo aqu
os argumentos 4a que serv-ma no meu des-
pacho.
Ei-los: ?*.
Desprezeia prascripjio do 10 annos porque
para, qae leona lagar essa.prescripcao necesa-
rio que 4 reo eiteja preaosMe sem interrap?o no
distncto da culpa pelos ditas 10 annosart. 273
do rag, e o Sr. Dr. Pioeg apenas trstoe de
provar qaa o veo sempre residi oo termo.
Ora residir do termo maito difirante de es-
tar presente^ eem ioterrupeo ao termo, como
lie claramente exige a le.S o Sr. Dr. PioSR
e oatros cgos de interesse de por criminosos no
andar da ra qae enteodemloestar presente
eem interrupete no termocomo residir sempre
no termo.
Ea suaieoiei esta doatrina fundado pe letra
pura do artigo citado, e citai eoto em abono de
minha inlelligencia a segunda hypothese do sv.
de 19 de junho de 1860, que diza sabida do
reo no termo do delicio aieda momeo U naa re en-
te, altera o prese para a prescripcio. E por-
que, interrompida a prescripcio, o temos de
presenca corita-se como se fosos de ausencia,
como esclarecidamente eatabeleca o ar. n. 166
de 17 de julho de 1855, so a prora decisiva de
20 anuos poda aproveilax ao reo Soarea.
Desprozet a prescripcio sltegada de 20 aonoa,
primeira mente porque a provs, qae deu, nio
poda ter torca em juizo; e em segunda norque o
direito Bogase-ihoe a existencia dee d
nos ; alljauoi a fulilirfd da orova
porque ?rodniio aata tealemunhaa no juno ma
oicipal da villa do Jardim sem ciiac.o Dem co-
nhecioiento do denunciante, ou do promotor, que
por uso nio mereciam t, ord.Jiv. 3, tiU 1 13,
Pereira e Souza nota 484; segando, porque pro
duzio cinco testemuohas no jaizo municipal deste
termo no dia 2 de novembro, dia feriado no (or,
qae por isso tambera nio pcoduz effttito m jui-
zo, ord. liv. 3. tit.-18pr. e 1: terceiro, porque
afora eataa provas, produzo maia qaalro teste-
munhas, que por malta f que merecessem na
podlam merecer mefhor do que 13 a 14, qne lia-
ra dous pro-
'3, e oulro era
1861: qaarto, flaalmeate, porque [ipsis ver -
b\i} anda qae boavesse 0 excepiente exhu-
berantemeate provado aam contestado alguma,
que eate crime, coja preacripcio allega, se dera
em principio de 1811, nio Ihe polia esa provs
ainda aproveitar para a prescripcio de 20 annos ;
por isso qae. tendo este crime sodado una pro-
nuncia era 16 de Janeiro de 1843. e susleoiade a
17 do meamo mez e auno, se va do documento
de fli. 90 e verso, que nunca foi revaga la, foi
por virtude dessa pronuncia interrompideo curso
da prescripcio, que comacara na data do crime,
e comecou de 17 de Janeiro de 1813 para ci a
contar-ae o novo tempo della, como bem. clara e
terminantemente eslsbelece o artigo Jlo regu-
lamento n. 120 de 31 de Janeiro 4 1812^ e por
cooaeguu.te $6 pode contar am seu favor,o exce-
piente 18 annos e 8 raezes.
Ne suileo lacio deste despacho dissepelo que
respeila a prescripcio de 20 annos da mesms sor-
te procurou o recorrente mais extensameute es-
clarecer a inlelligencia do artigo 275 do regla-
mento, em contraro do que segvi eaa minha da-
sicao, mas esta extenso arrazoado, loge de de-
mover-me, cencorrea ainda maia parafirmar-me
na inlelligencia que dei a esse artigo Isto que
a preacripcio refere-seaos delictos.e aioaosde-
lioquenlas.ao faeto enioi peasos.e qoe porcoo-
seg4ote todas aa vezea, que em um crime em
quetemam parta diversos reos, se desvuma pro-
nuncia, embora involva esta somenteSsfguns e
nio todos os indiciados, pelo fado s desia pro-
nuncia, mesmo parcial, ceme;ari da aaa data a
contarse o novo Brazo para a preacripcio desse
mesmo crime para todos os reos lnvolvidos ou
oio iovobidos aella ; porque cortio o curso da
prescripcao do crime, quem quer qae tenha to-
mado parle neile esl com aquelle curso cortado,
oio lhe podendo aproveitar o tersido eximido da
pronuncia, ama rez qae seja eompcehendid em
outra dada antes doa 20 annos, ditar d pri-
meira pronuncia, pola sendo am dos* effeitos da
pronuncia o da ioterrupeo da presetlpCfO do
crime, (nole-se bem do crime) nio pode padecer
duvida, que emquanto vigora a que effactuou
aquella interrupeio, vigora este effeilo.oor torga
do qual este mesmo crtme nio pode conaervar
dous prazos differenles para prescriujao, am mais
aotigo, outro mais moderno ; am que le ha de
acabar em 1863, oulro que termino em 1861.
w*uo jeM&pa, e contra a lettra da leiartiga
citado injlne id ; so porm bouver pronuncia in-
torrompe-se o prazo da prescripcio, e* comeca 4.
cootar-se o tempo della da data da mesma dto-
nuocie. "^
Pelaa raides allegadas era minbss decisea fo-
ram ellas confirmadas aa relacio ; portanlo ve o
Sr. Dr. Pinag, que aio aou singular.
Ainda Inaislindo sobres meu modo de entender
o direito, diz o sobredito doutor ;-ue4o-se qae o
Dr. julz de direito julgou coacludente de direito
a allegacao da preacripcio, visto que mpodou
responder ella a parte contraria : e julgando-a
assim ooncludeote de direito, despjesoua depois
fundado ao meamo direito qae nao poda ignorar,
quando ouvio a parte por jalgar conejudento a
allegacao de prescripcio. Quero diser qoe aa a
prescripsin en contra o direrto o juiz devia dea-
preza-lasem ouvfr a parle or ilga-|a iocon-
cludnte, nio poda despresa-la Ospoit, com o
fundamento de aer contraria ao diftilo a allega
ci de preacripcio. Parece qoS-assim Jeve en-
tender-se o artigo 281 do regulamenf^. 120.
Ora nio ha menino estudante de lgica, que
oio raciocine e argumente melbor do que o Sr.
Dr. Pinag. Ora Sr. Dr. Piaag, pois B. S. que-
ra apresentar-me urna excepcio de preacripcio
com ama prora de 16 tectemuohaa e de muitos
documentos em como faziam mais de 20 anuos,
quo se dera o crime porque se achara processa-
do Soares, e quera que ea nao julaaue esaa
sua arenga concradeote, no caso de que se nio
apresentasse cousa melhor contra M Ljalgando
cooclodente, segue-se que, dando ilK parte
contraria, devia dt neeessidade jaigsr conforme
aquella concludencia, como se a "parte adrersa
nao podease allegar melhor diretlo? Onde foi
S. S. beber aemelhante lgica depravada ? Se-
gando iaa doutrioa, Sr. Dr., InutlfOog vala que
ordena o aitigo 281 se de a parle adversa, por-
que sae pode dar vista, quando se acha con-
cludente a a I lega sao, mastodaa aa vezea que o
juiz julga consludenta da nacetaidado obligado
aioliaha
lev est trecho por ola
aera : Conhecendo pelas
diligaacias e informsyoaa a que proced, que Sa-
bino aues Ribairo, preso ai eaaeis desta Tilla,
i sedaos 4o Jasa moaterpat, serea ama violencia
esa aa pansa, lato como sem urna causa justa
4** *g|afco tai areso perajCTardem Orbal
eeatra a lafaataaate disposgio 4o artigo 175 do
csdtgo do proeesso. a por eooseguiuta por ordem
IHoavtiasa como eetabofaaa o artiga 176 do mas-
a desta Caita ar-
aci. am Sr. advoca-
?t2.,;4oSu' -.ridouTv^
reuni a mesma dlreetotia
re ter lugar dita conaulli; mas aio
acerca
na!
aj
resalreo v "
._ data diapensar ,
balboa da V. S. e convidar outro advogao*.
para a retejida consulta, como paca se ent-
regar dos diversos faitea que traz em juizo ; o qut
edmmuaieo a t. S. para asa coobecisnoate agr
decendo 'oa sorvicoa prestados.
Deoa guarde i V. S. Calta Filial do Bsoco
do Brasil em Paroambaeo. 27 de junho de 1862.
Dr. Vicente Pctatra do Reg.Vio-
Para qs poia d3o uiou S. S. da lealdade que
se deve espsrsrde um magistrado, psra que oc-
cullou a priaeipal causa ? Para que fallando em
passsdor de moeda falaa (de qae alus est, elle
mala justificado, do que o Sr. Pinag de auas ma-
zelaa) diz que ella assim animado continuar sea
meio de vida do pasear moedas falaas. ? Para
qae esta reticencias Sr. Dr. Pinag? Se elln
se referena a mim, desde ji o desafie para expli-
ca-lea aob pena de aer am Julgador que deve oc-
eupar a cadeira de reo por calamoiador, o que
na verdade.
Tratando ltimamente o Sr. Dr. Pinag de um
proceses instaurado contra o major Jos Baptista
dos Santos por um tacto dado a 14 anuos, a qae
foi despronuaciso per falte de provas, diz:
Ioterpoz recurso da nio pronuncia para o Dr.
juix de direito ; mas dizem que delle que vem
a cousa. rremos para entio fallarmoi. E'
de admirar qaa dada a queixa, a inlorpoato o re-
curso, estando na villa o Jos Baptista, a com oa-
tentacio, nem fosse preso, e nem deizssse de ir
a casa do Dr. juiz de direito.
J urna vez ihe pedi explicacio de anas reti-
cencias Sr. Dr. Pinag, e torno agora a pedir sob
a mesma condicao de continuar a chama-fe ca-
lumniador. O gato rairo, do que usa niaso cuida,
E'tao pura faiaidada do Sr. Dr. Piaag, quan-
do diz que : c dada a queixa e interposto a re-
curso estando na villa Jos Baptista (que >
mesmo se contraria logo adiaota onda ut) aula?
__.,tf,-+*V*nh*~ -' pao eeteujJo ptaso o *Bpv1IIS7e
porque (rod-oate aate teslemanhaa oo juno ma- c>,_, ,, -*wBt4-irwiioua ajrmaca da culpa ;
foi Bufido elle por sea procurador no recurso em
crime insffiancavel contra a dieposicio do direito,
a isto depois de o juiz de direito oio permillir ao
Soarea nem qae eblivesse ama cerlidio estando
solt.
E' malte para lastimar qae am magistrado nio
tao* pajo da faltcr a veranda liv auiludadamcai-
le ; em lio poucas palavras falaeou a verdade o
Sr. Dr.'Pioag duos vezes ; s 1" drzendo que se
deu s queixs e se ioterpoz o recurso estando na
vills Jos Baptista; e com ostentacio; a contra-
riedade desta foi apreseotada pelo mesmo doutor,
como j fica referido ; e a 2a fazeodo erar que
tendo sido processado a revelis, fura ouvido no
recurso por procurador em crime ioaffiaocarel.
O fado deu se do modo segainte : Soarea de-
nuncia de Jos Baptista, e immediata mete man-
dn o juiz passsr mandado de captura, mas nio
tendo sido schsdo em casa Jos Baptista, Instau-
rou-se o proeesso sua revelia ; e julgada im-
procedente a denuncia mandou o juiz no aeu
despacho passar contra-mandado. Depois desse
fseto apparece Jos Baptista na villa, quando eo-
lio havia o Dr. Pinag interpoalo recurso da des-
pronnneia ; qnerta este que Jos Baptista em II-
berdade em virtude do despacho de oio pronun-
cia, fosse sempre preso por vjrlule do recurso,
que ioterpoz o adversario, sem lembrar-ee, que
esta recurso nio polla suspender o effeiio da des-
pronuncia, como eitabelece o art. 445 do reg-
lamelo n. 150.
Ora, ae Jos Baptista eslava em aaa liberdade
e dentro da villa, por que nio poda figurar no
reenrao por Intermedio do sea procarador ? Dizer
o contrario oio entender de direito cousa al-
guma, como ae d vergoohosamente com um ma-
gistrado de vinte e tantos annoa como o Sr. Dr.
Pinag, o que veriflqaei por mais de- um tacto.
Estando eu em casa do Dr. Paulino, chegou o
Dr. Piaag, e alli em coo'eraas, perguntei-lbe :
Sr. doutor, como qae a lei estabelece que os
meoores de 21 aonoa nio podem ser condemna-
doa a gsla, e li ama ssntenca, ha poucos diaa,
dada pelo juiz de direito do Recife, condemnando
a galea um menor de 21 annos ?
Rsspondeu-me elle: e a lai falla doe meno-
res de 21 oa de 17 anuos ?
Ora esta ignorancia para um jaiz de direito de
23 annos maito significati?s. Vindo aasistir no
meu jaizo a urna reperganta de testemunhas, qae
elle havia re BLda. quz ioquerir i teslemunha ;
en isse-lb 9 nao consenta, pois competa ao
juiz, replicn dizeodo, que nio concorda va, por
qae lioha aiodlle quem requeren, e por isso
devia ioquerir, poia a prora era aaa.
Foi preciso aignlfiear-lne qoe elle nio vinha
dar prova alguma, que o acto era reperguntar a
testemuoba, isto tornar a pergenenla por
aquillo mesmo qe havia respondido na pegun-
ta, e que se s inquericio competa ao juiz, da Tes-
ma sorle competis-lhe a reinfosticio, o que mos-
trei-lhe lendS q o. 16 dn A>""if "orens?, com o
que caloa-se. [*)
Tendo eu desprezado a preseripcid allegada
pelo Dr. Pinag advogado do reo, ioterpoz elle
recurso psra a relagio, e ais raides deste re-
quereu tambem que seu cliente fosse sollo por
ordem de habeat corpus, visto como o proeesso
eslava nullo.
Ora am advogado em urnas razes de recurso
de prescripcio dirigidas ao tribunal da relacio,
para onde nio vai o proeesso nem trsslado, pe-
dir que se mando-soltar sor habeos-corpus o sea
cliente, por que o proeesso est nullo, s estando
maluco, como lbe chamem todos os pareles nes-
te Ierra, eso maito bem acredito, por que no
mesmo dia em que veio ella a miaba casa aasis-
tir a sobreoita reperganta na presenca dos Sra.
Rodrigo de Medeiros Rocha, Targioo Gomes Pe-
reira, Joao Rodrigues de Costa afamada e de Ig-
nacio Goocalves Valle, disse que oSo acreditara
que a la fosse opaca, entenda que aquella las,
que apreaeoiava, era propria ; e mais logo em
outra conversa, oa eonlinuacio da mesas, disse
que o mundo nanea leve principio nem fim.
Foi esse prximo que nao se pejoo de escrever
algumas mentiras para deprimir o mea carcter
viato como con a verdade o uio poda facer ;
previaam-se, pois. meas amigos cearenses, que
o seu jais de direito da capital, alm de maluco,
sabe calumniar e lhea avisa um calumniado
Villa do Principe, 21 de abril de 1862.
Miguel Goncalvet Lima.
Resposta,
Illm. a Exm. Sr.Em tesoste so officio, de
V. Ezc. datado de bonlem commuaicando-me
que a Illma. directora daasa Caixa resolver
dispensar os meus irabalhos como asa advagado
e convidar outro para sor consultado a socarre-
gado dos diversos pleitos que ella traz am jaizo,
visto lar au sido convidado pala mesma directo-
ra para ama consulta aesaa Caixa, a bavanao de-
signado o dia da hontem s 10 horas, aio ter
comparecido, permitta-me V. Esc ponderar que
com quanto nio me tlvease obligado ajpreater-me
a consultas ds Illma. directora da Caixa tora do
meu escriptejato, toiavu o qae respond eos por
jT** *^^r"** reosoe socaes qua recebi pasa ir
a Laixa, fui [como exiga a digudajjaj, da nobre
profisio de adrogado) que ira nfo que fosse
convidado o/fwiafniente, e prestada a neceisaria
condcelo, altentoa o meu estado de aaade, o
mi tempo. e a diatancia daa localidades.
Entretanto agradejo a V. Exc. a urbanida-
da com que ae dignos de tralar-me, e Illma.
directora a dispansa qua acaba de cenceder-me,
de lio oneroso encargo.
c Deoa guarda V. Exc Recife, 28 de junho
de 1862. Illm. a Exm. Sr. ecoade de Suessa-
as.Dr. Vicente Pereira do Reg. >
D leudo lirado todas as minbss decises por
cerlidio, dizendo que quera ir comigo ao reg,
reqoereu ao colleclor lhe certifleasse quanto ba-
ria Sabino pago de no vos e voltios di re tos pelo
alvar de soltara que obtuve por ordem de ka-
beatcorput. Vejam aomo tem conbecimenlo do
direito, que coobeceu qua eu 080 devia asslaoar
oalrar de soltura, sen qua livesse alie pago
vraoToa relhoi direitoi,
A' sentida morte do Illm. Sr.
Joaquim Machado Portella.
SB* donte, heareux wlni qu'une plm ceelaine
Anend tieloriaui 4aat I'oneet l'autre n-ne,
A,t Cmmn.)
Daos acaba de chamar para jante do si
um dos Pernamboeeoos mais distinctos
pelas eminentes qaalidades qae o enobre-
ciaos, aio e6 como cidado conspicuo e
amigo prestimoso, se nao tamben como
extremoso e desvelado chafe de familia !.._*
Queremos fallar da honrado agricultor,
senhor do eneenj], No~-Jla frsguezia de
Murj\aaa^ Tlim. Sr> Joaquim Machado
Accommettido por urna febre perniciosa,
que affectara-lhe particularmente o cere-
bro, o Ilustre finado, depois de tres oa
qaalro diaa da mais evanglica resignacae
no aoffrer, cercado da todos os seas filhos,
parantes e amigos, de todos es recursos da
medicina e confortes da religiio, despe-
dio-so de tods s aaa familia, e com a ae-
reoidade e placida OOaara do urna alma
verdaderamente chrlataa, transpos a bar-
reira qae separa eata vida da elernidade I
Morrer assim ; sem estremecer diante
do eoniquilameoto desta vida ; aam recuar
aterrado ao abrir-se-lhe debaixo dos ps
a vorag.ru negra do tumalo, s pode fazer
aquelle que nio transviou-se jimiis do
caminbo do derer, e qoe adormecido na
paz de urna consciencia sempre pura, nio
reeeia acordar ao sol da eteroidadel As-
sim morreu o Sr. Joaquim Hachado Por-
tella 1
Se aa vaidades humanaa nio podiam ter
aos seas olhos o apreco, com qae muitos
as procuraram loacameote nessss conde-
coracoes, ceasea tralos e nessaa distinc-
Qoes e grandtzas, que s valem e deslum-
hra n pelas sass exterioridades, incon-
testare! que sobrsvam-lbe qualidades su-
periores que bem justifican) a aincera esli-
ma e a subida consideracad de que goza-
ra, e que lio merecidamente soube conse-
guir de todos.
Foram muilss ss lagrimas na ddr ; fo-
ram contrlclas as precea na affliccio ; fo-
ram as,dos os desvelos de seus boos fi-
lhos e de toda ana Exm.* familia I Dir-
s bia qaa a morte de um s golpe qui-
zera quebrar lodos os eloa, que preodiam
tantas existencias, e qae beirs do fmu-
lo procurara arrojar maia de ama existen-
cia.
O Ilustre finado era pai dos Drs. Ma-
noel do Nascimeoto Hachado Portella,
lente da faculdade de direito do Recife e
deputado assembla legislativa provin-
cial ; Joaquim Pires Hachado Portella, di-
rector geral da instrnecao publica, vice-
presidente da provincia e deputado as-
sembla legislativa provincial ; do capilio-
e diaitucto agricultor Jos Tbomaz Pires
Machado Portella, de Francisco Hachado
Portella alumno do 4* aneo da escola de
medicioa de Pars e prente de outros ci-
dadies nio menos respeitaveis.
Seas Qlhos pela posieAo qae oceupam nr
sociedade, e pela geral conaideracio,
qoe gozam, sao o mais bello elogio qoe **
pode fazer memoria do Aado. f
Dirigiodo oossos sinceros pezanea iV-
da aua Exm." familia a a sosa filhos, -
ramemos algumaa perpetuas e sai.
sobre a lousa do finado, qae sebead'
justo na perigrinaco deste mundov
canea agora na mansio doa jas tos 1
Vapor nacional Oyapocb, procedente dos por-
tas do sal, msnifestou o seguinte :
1 saco* caf ; a Augusto de Oliveire.
2 vplumes chsrope ; a Joio da C Braw
4 C
1 fardo ciupoa ; a Ferreira & Aranjo.
1 csiaa liana de pescar ; a J. da Coala Kibeiro
Rogo Uns. a.
t votme ; a M. J. de Olivsira.
t diaa ; a Fraocisco B. P. Teixeira.
1 diaa; aoB*. Lacas Antonio H. Castro.
i dito; a Fotmeira & Beltrao.
toronte : o Ranos & Lima.
1 volume ; a los Alejandre Ribeiro.
2 ditoa ; a Antonio Laix de OUveiza Axavedo
4C.
1 rodetes de ferro ; a Manoel Joaquim Ramos
& Silva.
1SI saceos e 1 barrica feriaba de mandioe.
ola dita caf, 60 latas tamo, 1 caita roapa
uisds, 2 folbss qeeijes, e 10 caitas rap ; I os-
een de diveraoe.
Brigue nacional Santa Barbara Vencedor*
vindo 40 Rio de Janeiro, consignado Amorira
' Irruios, manifest* o segainte :
^60 volumes e 200 barriqalnhaa cascos vastos
U4os. 538 ssccos e S barricas caf, 55 rollos
aa fono, 2 saceos feijio ; ordem.
Exporta^o
do dia de junho.
Barca r|ean, mperador, para Phlladel-
phia, carre^. m .
Matheua Au, 4 Q,t 5i50 saceos eom 27,500
arrobas 4o esat
Brigue hospaobu. "orina, para o Rio da Pra-
ta, carvogaram:
Amorim & Irmos, -\ barricas com 3,450 ar-
robaa 4 assacar. \
Lugre portugus Julio, *a Lisboa, eatre*-
garam: -
T. A. Fonseca; 30 pipas c6m 'ao medidas do
agurdente. "i .
He>e)*s4orisi ate rendas 'nternaa
Cera.es de Pernambu >.
Randlmento do dia 1 a 28. Sv '19J465
Id.m do dia 30......5.c. vjjJ641
32:372.. ,ft6
REND1MENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE PEltNAHBUCO DO
HEZ DE JUNHO, A SABER :
Rendas dos propros nacionaes.. 3640250
Foros de terrenos de marinha .. 319|917
Landemios....................... 4503200-
Siza dos bens de raiz............. 6 473#76l
Decima addicional das corpora-
edes de mi morta............. 2 411456
Direjtos novos e velhos e de
chancellara.......~..........- 1:1760.535
Ditos de patentes dos officiaes da
guarda nacional................ 3060000
Dizima de chancellara........... 1:0550049
Hulla por infraccoes do regla-
me nto........................ 1900319
Sello do papel fixo................ 3:796*940
Ditodo proporcional............. 7.7250578
Premio do depsitos pblicos.... 32J951
Emolumentos................. 7508OO
Imposto sobre lojas e casas de
descontos............ 11:9480250
Dito sobre casas de moris, roti-
pas, etc. fabricados em^paiz es-
trangeiro............
Taza de escravos.........
Cobranca da divida activa ....
Indeiuu.isac.6es...........
1:3600000
1:7928000
1:9580800
257*300
42^72|jE&
de juuba de
Recebedoria de rernambuco30
1862.
O eslSaTao,
Manoel Antonio Simes do AmaraL
- amatmao rwixcio.l.
andimaotedo4U1 a/28. 91:051 SI6:
Idsm 4a dia 30. ..... : 5:96176
97:0071439-
.
ii
Moviment o do porto.
Navio entrados no dia 29
Londres, 45 dias, brigue inglez Stephen 4 S
rah, de 277 toneladas, capitio S. Johnston,
equipagem 9, carga Usendaa e plvora ; a Ro-
lde & Bidoulac.
Glasgow, 48, diss, barca brasileira Boacica de
262 toneladas, capilio Pedro NoUsco Vieira de
HMlo, equipagem 15, carga carvao pedra a
Amorim Irmio.
Navios saudos no mesmo dia.
Purahyba.Barca inglesa EUza Hands, capilio
Eduird Lamb, em lastro.
demPatacho iugllz Plorist, csplto Ha naa h,
em lastro. f
Observa;io.
Fuodlaram no lamarao am brigue inglez e
oulro dinamarqarc, mas nio tiveram commum-
cacio com a Ierra.
Naci* entrados r.o dia 30.
Para e portea ioternedtos8 dias e 10 horas, o
paquete a vapor nacional Cruzeiro do Sul, de
1,100 toneladas, commandsnte o capitio de
mar e guerra G. Mancebo.
Cardiz 28 /diaa. brigue inglez Flying. Send,
de 160 Itoneladas, capitio Tbomaz Laboy,
equpage/a 10, carga sal a Saunders Brothers
& C. Se&aio para o Rio de Janeiro.
Talcuaoa-53 dias, barca americana Olivia, de
237 toneladas, capitio Backer, equipagem 23,
carga zeite de peixe, ao capitio. Veio re-
frescar segaio para New-Beadford.
Trieste 67 dias, brigae dinamarqus Agathe,
de 2l' toneladas, capitio Uilhelm oo Appen,
equipagem 9. carga 1,930 barricaz com farinha
de Irigo: a Kalkman&C.
Rio He Janro19 diaa, brigae nacional Santa
Brbara Vencedora, de 232 toneladas, capitio
//oselmo Peres, eqsipsgem 12, carga caf a
>utros gneros : a Amorim & Irmio.
R .0 Grande de Sul 22 dias, barca nacional Ma-
thilde, de237 toneladas, capHao Jos Ferreira
Pinto, equipagom 9, carga 10,000 arrobas da
carossecca; a Manoel Alves Guerra.
isboa42 dias, brigue portaguet Joven Amelia,
de 266 toneladas, capitio Rodrigo Antonio
Bruno, equipagem 16. carga vioho. vinsgre e
outros gneros ; a Antonio de Almeida Go-
mes.
Ifavio tahido no mesmo dia.
Portos do norteVapor nacional Oy'apotk, com-
mandante o primeiro tente Pontea Ribeiro.
Observacio.
ospendea do temario para o Rio de Janeiro o-
brigue inglez Cantos, capitio Findlaay, com a
meama carga qae trouxe de Atlea.

es
ter
ea-
COMM
Fraca do Recife f 0 de
junho de 186f
\s cuatro Inoras ? tarde.
Colacoes da juRta de c rretores.
Nio feoversm cotaedes. /
i. 4aCruz Hace .opresidente.
John Gali /ecretario.
tandear
sBdtmssto de 41a 1 a 28. / 358:2080367
(dem ds dia 30 14:4040470
/
366.6070837
Moslmento d
Telenas entrados con
\ alfatndesxst.
.sendas.. 33
lom ^neroa.. 133
Valamss sabidos
a
oro .,---- -"
lf/t fazandas.. 101
tf-h eneres.. 253
168
354
Desearrega i de julho.
Barca inglezaCor '-bacalhio.
Brigue ioglezEli: bethferro a earrao.
I- jportafo.
Vapor naciona Cruzeiro do Sul, procedente
doa portea do no te. maoifestou o aegninte :
100 rollos a* panilba ; a S. T. Bastos &
Irnioa. /
1 roame ar/ Dr- Sarment Filho.
1 dito ; ao D/ Jse Antonio de Figueiredo.
160 ssccos /'tos, 1 caixio fazendas, 1 embru-
iho e 1 csix Ate ignora-so o conteido ; or-
den,
Srditaes.
0 Dr. Trjsto de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Roaa, jaiz de direita especial
do commercio desta cidade do Recife e seu
termo, capus aa provincia de Pernambuco
por Sua Mageslade Imperial e conatitucional*
o Sr. D. Pedro 11, que Deas guarde etc.
Fago saber pelo presente, que o presidente
e directores da caixa filial do banco do Brasil*
nesta cidade, por sea procurador e solicitador
Rodolpho Joio Barata de Almeida, me endere-
caram a peticio do tbeor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.A direccio
da caixa filial do banco do Brssilneste cidade, ra-
quee a V. S. qae se digne admilti-la a jaaliQcar
a aussncia de Joaquim Cordeiro Cimpos, que nao
foi encontrado neste cidade, segundo ceriificou o
offlcial que o procarea, aGm de ser citado por
carta edital com o prazo legal, para oa tormoa
de urna accio de letra, que ao aapplicado e a
outros propoz asopplicante, e para todos os tor-
mos da execacio ; requer a V. S. qae justificado
o deduzido e julgado por sentones, ae pasee a
csrla requerida. Escrivio Paes de Audrade.
Pede a V. S. deferimenlo.Espera recebar raer-
c>Procurador, Rodolpho Joao Barate da Al-
meida.
E mas sa nio continha a nem alguma outra
cousa msis se declarara em dita petieo, que
aqui fica ipais verbia transcripta e copiada, a
qual sendo me a presentida, dai e profer o des-
pacho seguate/:
Sim, marcado o dia 21 do correte mez.-Re-
cite 16 da naio de 1862.Alencar Araripe,
Nada mais se continha em tal despacho aqui
iocerto. por torga do qual oa peticionarios apre-
sentaram suas testemunhas qua depozeram con-
venientemente acerca da aasencia do justificado
Josquim Cordeiro Campos, e sendo devidanooto
adiados o preparados os autos, foran-ns con-
clusos e nelles dei e profer a sentones 4o tbeor
que se segu :
Hsi por justificada a ausencia de Joaqun Cor-
deiro Rioelro Campos, que se proras estar ero
lugar incerto ; pelo que seja citado por cuta edi-
tal com o pruo de tilaia dlu. para o fim jaque-
I
v-


iripe.
outra
dita eesaeae,a, qs aqui es-
transcripta copiada, ea
qual o esuiveo raapecMvo, 14-
\6 P*e de Aodra Je, que este subs-
, fez pasear o- presaste adiUl, caose o pra-
tinta diat, pela qel chana cita. a hei por
1 M r>*fHcitfo auseat e Joaquim Cordeiro
'"'^empoo, p* qa <#ttrtro do rencroneae
cassaweea oto esta jarix, sUogaatdo o que
bem de aeu dirailo jualig, ob pesa de
juir a causa seus devidos termos a cua re-
; portaoio toda e qualquer pessoa, psrest
! c*akao4o darofetida justifieado, po-
lee-hao (aieracieote de todo o expendido,
p.ra que .todos cargue a noticia, mandei
ibs poftiKaatoa pe. saprea.
Dado o ptsiado nesta cidade do Recite de Per-
namftaco aos 27 de jaoho de 1862. Ea Mmoel
* Larvalhe de Carvarho Pao *e Aorado, eacri-
*ie o subscrevi.
TrlstSe de Aleocar Araripe.
** de Alencar Araripe, offlcial da im-
oaoen d Rom, ejot de direit especial
imercio desta ci Jade de Recite e seu ter-
mo capital da proriocia de Pernambuco, per
Sua Mageatade Imperial e Constitucional, o
** Podre H, qer Deas gua rde.
Fa saber pelo prsenle que o presidente e
lirecioror da caixa filial do banco do Brasil,nes-
ta cija da, por aeo procarador o solicitador Ko-
dolpdo Joo Barata de Almeids, me dirigiram a
potico do theor aegunte :
Ilim. 9r. Dr. juiz do coram.rcio.--A dlreccao
da eaixt lili al do baaco do Braail nesia cidade.re-
a ausencia de Martina & Irmos. que se achira
m lugar incerto e nao aabido, aegundo a cerli-
ados por carU adital coa a prato da lei para
reapaaderem os termos de urna aceita de letra.
que i aupplieante lhes propoz e a ostros, e para
todos oa termos d eica;it ; requer a V. S. qoe
justificado e ulgado por senieoca o dedaiido ae
piase a carta requerida para o fim exposto. Es-
crivo Paes de Aodrade.
rsdor, Rodolpbo Jo&o Barata de Almeida.
E ruis ae nao continua e nem outra. alguma
causa se dociarava en dita peticao, que aqu es-
t verbo ad verbum transcripta- copiada, na qual
del o seguiote despacto :
Sim. marcado o di 21 do crrante mee Reci-
i ***" m*TO" do" 1802: Alano ir Araripe.
Nada mais sa :conlinha em tal deapacho, aqui
mu bem a fielmente transcripto sopiado, em
cumprimenlo do qual os peticionarios apresenta-
ram auas teatemoohae, que depozeram coovenieo-
temeota acerca de auspociados justificados Mar-
tos ci Irmaos, e senda devidemenle sollados e
preparados os autos, foram-me conclusos, e nos
tnesmos dei e profer a seuleoca do tbeor se-
guiote :
Hei por juslicada a ausencia de Martina & Ir-
mos, que se mostrou acharem-se em lugar iu-
certo ; assim maodo quesajam citados por carta
da-editos com o prszo de trints dapara o flm
**qrio. E pague a justificante as cusas. Re-
iir26de maio de 1861Trislo de Aleocar
Araripe.
Nada mais se continha em dita senteoca, que
qttRaaripais verbis copiada e transcripta, por
Jorca da mial o escrifo respectivo, Manoel de
Carvalho Pies de Aodrade, que eate subscrereu,
*ez pasaar o presente adital com o prazo de trila
a, pelo qual e seu theor, chamo, cito e hei por
citsdos os justificados aasenlea llartios & Irmo,
para que dentro do supradito prato comparecam
anta eate juno, allegando o qoe fdr a bem de
seu diseito e j.tica, aob pena de proseguir a cau-
aa seu termos a reveiia ; prtenlo toda e qual-
qer pessos, prente, amigo oa conhecido dos
aonreditos justificados poder-lhes^hafazer sciente
do que cima Oca dito.
E para que chsgue a noticia a todos, mandei
imrsar edilaes, q^e serio afiliados nos lagares
do costume e publicados pela imprensa.
Dado e passado oesta cidade do Recite de Per-
namouco, aoa 27 de jaoho de 1862.Eu Manoel
de Camino Paes de Andrsde, escrivo o subs-
_ Tristao de Aleocar Araripe.
Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial do-im-
--i>o-feiiaafriSL, Ueso Uu'ourf urf: iikVli }-\ni
termo, por S. M. I. o C. o Sr. D. Pedro II,
que Dios guarde* etc.
Pago saber aos que a preaente carta de editos
vreme della noticia tiverem, que por eate juizo
p_eodein uns auto de eiecu?u de lentenga de
"Slrat 4 lrmo> coolra Jusliniauo Francisco de
Assts e.Custodio Ferreira Mouliabo, e tendo-se
proseguido os seus devidos termos, (Ora peobo-
rado para seo pagamento a quantia de 1509000
om seiulaa, pertencente a Custodio Ferreira
Moutinho. e arado em publica audiencia deete
jaizo, oella pelo solicitador MVlquiades Aoluoes
de Almeida me fdra feta a petigo^iata"
seguinle termo : --
Aos 16 diaSTdyin7t de junhode 1862,
DllC"-,fl
' o respocii o oramento, aro s -
d-piVeliettorta en conwlno. ^
, No prazo de 15 das o arremaUnte princi-
piar a obra, reunindo oa materia es, o lega que
ae agua* do riacho Chacn derem lugar ail o
aterre do rombo e as mais obrsa,
fidBBlX ir* s>aM fcl sisalda ftKalsif raietrifl amaanil t>e
imirucQo* doeogenheiroencarregado da flsea-
liaaca o afreta}* dee trabalhos, e bou assim o
que a raspeite diz a lal provincial n. 286.
4.a O pagamento aera .ffeetuado em dnaapres-
tff^e Igoaes, rendo a prmeira qoando o aterro
esliver de todo coDclotdo, e a segunda logo qoe
as obras esliverera coocluidas. O arrematante nao
fkar aojeito a reaooosabilidade alguma, depois
de ter entregado a obra.
5.' O arrematante nao fer direlto a indemni-
ta?ao'alguma, qualqoer que aeja o motiro em
que ae bisear para tal flm.
Coaforma.O seeretario, Antonio Ferreira da
ABnuncia^o.
trt J)r-
iDtunea p
nteVdo
ifLfti
mpu- JLatai
4oe n r > 1
Consulado provincial.
De ordem do Sr. administrador interino do cos-
aulado provioeial ae faz publico que oa trinta
das uWis marcadoa para a eobraoga a bocea do
cofre do 3.* aeoseaU do anno floanaeiro de 1861
a 1862 dos Imposto d detima dos predio ur-
banoa daa rregoasiaa desta cidade .dos Afogados,
de 20 0|0 sobre o conaume de agurdente, e de
50[0 aobra a renda dos beoa de raz perteoceotes
a corporacaa de mi marta, odam-se no dia 8
do corrate, e que fleam sujeiios a malta de 3
0|0 os que pagaren depof dease praso.
Mesa do causalado provincial de Pernambuco
i.* de julh de 18610 chafe da 2.a aecgo,
Franciaco Ferreira Martina Ribeiro.
Pela administraco do correio desta cidade
se faz publica qne hoja (l| as 3 horas da tarde,
lechar-se-ho as malas que tem de condozir o
vapor Cruzeiro do Sol com deatioo aos porto
do sol, e os seguros at as 2 horas.
Por esta subdelegada se faz publico que se
acba depositado um boi, o qual Ibe foi entregue*
peio fiscal da fregnezla, dlzendo-lbe o ter re-
mettido o subdelegado da Paseagem, a vista do
que qnem sejaigar tomdlreilo compare; que
provaodo lbe .ser entregue. Subdelegada do
Io dlsUiclo do Afogados 16 de junho de 1861.
Osublelegado Io suppleote, Jos Buarque
Lisboa.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectoa
seguiotes :
Para o 9a batalhlo de infanlaria de linha.
2 estadios triangulares de metal.
2 trenaa de 15 bragaa cada urna.
Quena quizer vender teobjeeloaprsente-as
suss propostas em- carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 hora da manha do dia 2 de
julho prximo rlndonro.
Sala daa sessoea do conaelho adtoiolstrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 25 de
junho de 1862.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Consulado de Por-
tugal.
Nao se tendo effecluado o leilao da casa e mo-
bilia perteoceotes ao espolio do finado subdito
portugus Jos Bernardo de Medeiros, de novo
ae sonancia que o referido leilao ter lugar
quinta feira 3 de julho, ns Estrada Nova do Ca-
zang, onde est cita a mesan casa, pelas 11 ho-
ras da manha.
Consulado de Portugal.
De novo se annunna, que nao tendo havido
concurrentes bastantes no leilao da coeneira que
foi do finado subdito portaguez Jos Ribeiro de
Parla, nr ra do Imperador, proceder-ee-ha a
novo leilao oa qaarta-feira 2 dejelho, pelas 11
horas da manha. '
O conselfio administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar oa objec-
toa seguinte :
Para a compaohiede cavallariav
11 espadas com bainhas.
Para o 2 batalhio de intantriav ~~"""
378 boies grandes de metal prateado com o
o. 2, amarello.
162 ditos pequeos de metal prateado com o
n. 2, amarello.
Para o 7o batalhio.
2 caldairaa de ferro paro 100 pravas,
ra a esc^turacao do escrivo das officinas
Tragedife-^rica
em tres acto de DONtttTTI, lottclada
POLIUTO.
Tomam parte oa distinetos artista Sre. Slella.
Sra. Tartinl, Bartholucci. Orlandinl.
Secundarias partes, coros, etc.
Principiar s 8 horas.
Os bilheles esto venda no da do especia-
O enredo deata grande opera o martyrio de
S? en^,,ao, 1e aacrifiearam pela propria
religilo, parsaguido pelos saaerdolea de Jpiter
Dedo, imperador romano, a Severo, sen nro-
consul.
A accio paasa-sa em Militenas, capitalde Ar-
menia, no anno 257 da noaaa era.
Avisos martimos.
Para o Ass
pretende aeguir t o dia 3 de j.lho o patacho
nacional tEnula$ao: quem no mesmo qeizer
car regar, eotenda-se com os aeo consignatarios
Antonio Lu* de Oliveira Azevedo & C, no aeu
eacriptorts) ra da Cruz n. 1.
DAS
Messageries imperiales.
No dia 1 de julho espera-a dos portos do sul
o vapor francez Bearn, commaodante F. Vedel,
o qual depois da demora do costume seguir pa-
ra Bordea! locando em S. Vicente e Lisboa.
(Em S. Vicente ha em vapor em correspondencia
com- Gore.)
A companhia enearraga se de segurar aa mer-
cadorias embarxadas a bordo dos vaporea aasim
como lambem recebe dinbeiro e objectoa de va-
lor com destioo a Londrea em transito por Bor-
deaui e Bocloguet
Para aa condiceoea fretes e paasagens trata-ae
na agencia ra do Trapiche n. 9.
k
COirANHIl PtRNAMBUCItU
B
Navegado costeira & vapor.
0 vapor Persincnga, commandante Boura,
sahir para os portos Co snl tocando as escalas
no da 5 de julho, s 4 hora da tarde.
Recebe carga at o da 4 ao malo dia. En-
eommendas. paasegeiros e dinheiro a frete at
o dia da aahida aa 2 horas: ascriptorlo no forte
do Mattoa n. I.
Para o Aracaly.
Segu brevemente o biate aEzhalaQo, pora
carga e passageiros, trata-se com Gurgel 4 Ir-
maos, no escrlptorio da rurda Cadeia n. 28.
GOIPA
LILAO
DE
Arftz de casca
O agente Almeida far leilao por eonta e rlaco
de quem perteneer de 100 aaccos de arroz de
casca : terca-feira Ia de julho, s 11 boraa do
dia, na porta do armaiem do Annes.
Aviso* diverso.
LOTERA
Sabbado 5 de julho corrente andarao
impreteriTelmente ai rodas da primeira
parte da primeira lotera a beneficiada
matriz da freguezia da Escada.no coto
titorio da igreja de N. S. do Rosario
4e Santo Antonio. O bilhetes e meios
bilhetes achatase a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 ioja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Inrperatriz Ioja de
ferragens n, 44 do Sr. Kmentel, ra
Direita n. 3 botica do Sr. tChagas, e
n ra da Cadeia do Recife Ioja n. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at as de 10$ se-
rSo pagas ama hora depois da extrac-
c3o, e as outras, porem, no dia imme-
diato logo que se tenham distribuido as
listas. \
O tliesoreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou2a.
Vende-se umacrioula de idade de 25 a 30
anno, que lav, eogomma e coiinha. todo com
perfeiQao : trata-se na ra da Madre de Deua
o. 13.
^Estabelecido no lugar da Capunga, una dos arrabalde
mais prximos da cidade do Recife
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
igiBite; mmu fifi g&sen.
0 director do ioternato de S. Bernardo nio tendo evitado esforcos nem saerilf-
coa para proporcionar aoa seu alumnos ama perfeita educajo phiaica, moral, intel-
'*?tual rejijioaa, oOerecendo-lhes urna habitaco com todas aa corwiicoea de !-
bridada, habis professores que sao aoiieitee en prepara-loa convenienraaienle ao tim
W^ a q ae desttnam, medico pratieo oae lhes fec comprehendar oa preceitoa do bygiena
Cgjx e lhes cure as doeoga, e finalmente a>m sacerdote Ilustrado e honesto que lbe expU-
qarmr prhrrtptor da- reKgti-o ctrrist, eapaw qr aasim constituido- n*o deixar- c se
estabalecimeato d merecer dos Sra. paca de familias o auxilio e coofleaca com que j
alguna o tem-honrrt; elhes rog, bem como a (odav aepesaoas ioterewata, que aa
diguem d .visitar o meamo sea eatabelecimeolo, onde aempre encontraro franco in-
gresso.
O collegio tem a so sede rras elegantaa a espaeosaa propriedadaa da Sr.* viuva
Lasserre e doa Srs. Roberto & Pitfao, Capaoga Velha.
Cora o fim de tornar mala breves e commodas as communicacoea doa Srs. paes e
correspondentes, o director lhea aviso qoe- as encommendaa e toda aa corresponden-
cias podero ser entregos na caa de residencia do seu irmo o Dr. Pereira do Carmo
O* nr h)j do- St. Joaquim Ferreira da Costa-, na Nov 56.
Na offlcioa de carptoa .de Carlos Hesie, na
roa dos Pires n. 28, ha para vender um ptimo
carro de 4 rodas, hapouco tempo acabado, assim
como um cabriolet de duas rodas igualmente
Sem f*'0 : 1uein os pretender pode dirigir-se a
-ina que achara com qaem'trataf.
^> C. J Astley & C. mudaram o
9 ^u escriptorio e armazem de
gi fazen das para o largo do Corpo
A Santo n. 15.
Isabella Wood vae so Rio de Jsneiro.
-* Precisa-se de ums ama forra ou captiva
para todo aervico de ama casa de pouca familia :
na roa deHortaa n. 50
Jeronymo Joaquim Rodrigues, subdito por-
tugus retira-ae desla provincia.
m mmmmmmmmmm
Consultas medicas,
entem
crela-
diai
ivo
propostas
auoieacia, que aos feitoa e partea dava o
juiz especial do cammerrio Tristao de Alen-
*/ Araripe, pelo eolicitador Melquades Aotunes
le Almeida, por paras dos exequeotes (ora acca-
*da a penhora feita em dinheiro do executsdo
tolio Perreira Moutinho, e requerido que lbe
*era aesigoados osdez dias da lei e des aos
credere lacerto. DMssTido-ae pin isso os res-
pectivos edltae, o que ntiJoTpelo juir, deferio-
Ihe na forma requerida, do (pe para constar Oz o
presente, extrahido do prolocoiv a que juntei o mandado termo de penhora epro-
curajao bastante que seguem : ea Adolpho Li-
berato Pereira de Oliveira, escrevenle juramen-
tado o escrevi.Manoel Mara Rodrigues do Nas-
ciTiento, escrivio o subscrevi.
E mais se nao coulinha e nem alguma outra
cousa mais se declarava e mostrara em dito ter-
dio laqui mu bem e fielmente copiadas e trans-
-rtpta dos mencionados autos, e em seu cumprl-
ento o respectivo escrivo fez passsr a presen-
te carta com o prafo de dez dias, pelo qual cha-
no, cito e hei por citado os credbres iocertosdo
dito supplicado para comparecerem nesle juizo
dentro do indicado prazo aa de allegsrem o que
tiver aob o expendido.
Portante toda e qualquer pessoa o poder
setentiflear do que tica dito.
E para que o preaente chage aa conhecimen-
4o de todos, mandei passar editaesque serio pu-
blicados pela impreuae, e aluzado nos lugtree
do costume.
Dado e passsdo nestacilade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, sob meo signal e
ello qoe ou vaina sem sello ex-caasa aos 17
lias do mez*fte junbo do anno do naacimento de
flosso Seohor Jess Christo de 1862, quadrsgesi-
mo primeiro da independencia/ e do imperio do
Braail.
Eo, Manoel Maria Rodrigaea do Nascimento,.
escrivo o subscrevi,
Trislo de Alencar Araripe.
-O Dr. Fraociaco Do mingues da Silva, uiz des fei- Brsz Marcelino do Sacramento
tos da fazenda, a auditor de guerra nesla cid- Nos medicamentos que foram requisilados
de do Recife porS. M. I. a C. o Sr. D. Pedro quaotia de 1:946*370.
II, que Dos guarde etc. Para o araenal de guerra.
Fago aaber aos que o presente vlrem, qae Caors 4 Barbosa :
tendo a lei provincial n. 526 de 3 do correte 5 arrobas de oleo de liohaga a 99 a arroba.
mez, oreado no termo desta cidade maia aso es- 2 arrobas de amarello francez n. 2 a 500 ra. a
crivao dos feitos da fazenda provincial, acha-se libra.
birlo o concuo para o provimento detioilifo I 4 duzias de brochas sortidas a 240 rs. a brocha,
desa officio ; e por laso o pretenden tea devero! O conaelho avisa aos fo meced ores acims men-
apresentar os seus requerimentos documentados cienados que o fornecimento dos menores deve
ni forma da lei no praso de 60 dias, contados de ter comco no Ia de julho ; os objectos com-
oob. ; pradoa para o arsenal sero entregues no dia 4,
E para que ehegwe a noticia d todos, mandei o os medicam*ntoprao hospital militar no dia
pasaar o presente, que ser publicado pelo Diario
f>ado e paasado nesta cidade do Recife aos 21
de jonho de 1862. Eu Antonio Jos de Oliveira
< Miranda, escrivio o escrevi.
a escri-'turaco do escrivo
'este arsena1-
"'Ihas de papel
' rda-
. pau-
vro no-
tado
fiV
ment a.
tado. X
Quem qu
as suas pro;
ria do cooseh.
de julho vindou,.
Sala das sesst>.
para fornecimento do ai.
uno de 1862.
Antonio Pedr*.
Coronel pres
*Ss._ Francitto Joaqu
~^-^Coronel vor*'
ConseluTTsiidQi^ ^tlV0#
O cooselho administrativo, para foreeci'
do arsenal de guerra, em cumplimento a
22 do regulamento de 14 da dezembro de
faz publico que foram aceitas aa
senbores abaixo declarados.
Para e rancho dos menores do arsenal de*
guerra.
Manoel Antonio de J-esu : el' ^
Po de 4 oocae a 49 arroba.
Rolacha a 49400 a arroba.
Joio Carloa Augusto da Silva :
Assucar refinado de segunda sorte a 120 ra. a
libra.
Cha hyssoo a 2$560 a libra.
Caf em grio a 300 ra. a libra.
I Manleiga franceza a 700 ra. a libra.
Arroz pilado a 110 ra. a libra.
Bacalho a 100 ra. a libra.
Carne verde a 160 rs. a libra.
Dita secca a 140 ra. a libra.
Toucinho de Lisboa a 280 rs. a libra.
Farinha de mandioca v4f o alqueire.
Feijao preto ou mulatinfao a "g o alqueire.
Azeite doce de Lisboa 700 rs. a garrafa.
Vinagre de dita a 210 rs. a garrafa.
Para a botica do hoswiul militar.
DK
M1U
J^av^tgociwliiw vapor
Parahiba, Rio Grande'do Norte, M
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
japor tJaguaribe, 'commandante Lobato,
Granja,
sahir para os portos do norte at i
no dia 7 de julho as 5 horas da tarda.
Recebe carga at o da 5 ao meio dia.Eocom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
'anida as 2 horas ; escriptorio no Forte do
n 1.
O retratisia americano
O retratista americano
O retratista americano
O retratista americano.
Rna do Imperador
Ra-do Imperador
Rus do Imperador
Ruado Imperador.
Notos estyloe de ambmtvpo
Novos estylos de ambrotypo
Novos estylos de ambrotypo
Novorestylos de ambrotypo.
Muito baratos
Muito baratea
Muilo baratos
Muito baratoa.
Lindoa cartees de visita
Lindos ctctoej de visita
Lindos cflrtes de visite.
os cari
oa of rt
isa^ae de urna ama para cozinhar
rna das Larangeiras n. 16.
da
Hattos
Para Maranhao e Para.
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
bem conhecido patacho nacion.UEroulacao. ca-
pitao Aotonio Gomes Pereira, tem parte de sea
carregaroento prompto ; para o ret que lhe fal-
I Jivii'nr C?m ?* 8e8 i0n,i8c'"* Luizde Oliveira Azevedo & C. no seu escriptorio
a da Cruz n. 1. r
lilla de S Miguel.
r de S. MigueU. segu com muita
Macho portuguez Lima de primeira
>u* tercos do seu carregamento
o resto ds carga, e passageiros :
a consignatarios Joo do Reg
da Cruz n. 38.

1
2
rodimam,
segu com toda bravidade a linda e velera barca
nacional tlris, de primeira classe, capitao Gaa-
par Leite de Paria, a qual tem parte de seu car-
regamento prompto : par o reato, trata-se com
os seus consignatarios Aranage Hijo* G. ra
do Trapiche Noto n. 6. *- "*
^2.
coaspr
asi l#
S ff'*01**. 8e^"8f uma creada i
9 para laraV e engommar a roupa de deas r
pessoas :'na roa do Imperador o. 41.
Grande arma-
zem de ferragens e miu-
\ dezas,
A ra daQueimsdo n. 49.
Antonio Prancisco de Souza Magalhies Jnior
proprietario deste estabelecimento participa ao'
commercio desta prar^a e a lodos os seus dove-
dores, que deade 19 do corrente mez o Sr. Fran-
ciaco Jos Crrela Marques deixou de ser seu cai-
xeiro.
A viuva e filhos do fallecido
Joaquim Machado Pbrtella. con-
vidam'a todos os amigos de seu
marido e pae, para assistirem as
exequias pelo seu repouso eterno,
que ddvem ter lugar hoje, pelas
9 horas da manha, no convento
do Carmo.
lew
liados, pela I gr-v
- -'Rio-
Franciaeo Domingoea da Silva.
o lllm. Sr. iosoector da thesouraria pro-
viociaH em comprimeato ds ordem do Exov Sr
presdeme da provincia, de 7 do corrente. -man-
vindouro, parante a junia da fazenda d meima
thesouraria, ae ha de arrematar a quem por me-
nos fizar a obra da bomba do riacho Chacn- na
ramiOcacio da estrada de Muribeca, avallada i
qeaotia de 1:320|000.
A arrematajsao aera feita na forma da lei pro*
incal d. 313 de 15 de maio de 1854, e aob as
"Clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se proposerem a essa arrema-
4ecicraparocaa na cala toa sestees da refer-!
da jjJoitr no dia- upraatteneiiiBado- pela bmo
i* e sacspeeenseaienco rrabilUattaa. |
E par eoaater se mandn afflxar o presente
pntaMea sasto Morsa. i
ITe USal) 4 thaeooravi prorincial de Par-
artsiaa, f I da> jeabo de 1862.
O seereUrto, Antonio Ferreira da Annanciaco.
P*"aiia eopeeiee por* a rreinatacio.
L (* refera ssaatear are si .Chaeoo, na
15, deveodo serem recolhidoe'n botica daquelle
estabelecimento.
Sala das sestes do conselho administrativo,
para fornecimento da arsenal de guerra. 30 de
junho de 1862.
Frantifco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal aecrelario interino.
THEATRO
DE *
Santa Isabel.
COttPANHU IYRIC4
nn t
13.a Recita da assignatura.
Qoiota-eirt jaik
Para a
Grande do Snl
com escala pelo Rio de Janeiro
seguir com toda a bravidade o brigua nacional
Marques de Qlinda>,dtr primeira marcha, -tem
j prometa maior parte de? seu eerpegamento !
P***.0 ostente trsta-ae coa Manoel lgnacioi
de Oliveira. & Eilbe, no largada Corpa-Sanio
O* 1 J.
O dono (La-caa de paato italiana do becco
da Hua mudou-ee para a ra da Cruz n. 9 ter-
ceiro andar, a contina com sea estabelecimento
de dtor comida s pessoa* que qaizerem honra lo
com sua freguezia-, tenr qnartoa mobilhadoa para
alugar, aasim comb toma pensionistas pars co-
mida.
Rio de Janeiro
Serio dadas lodos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereira no sen escriptorio. ra
da Cruz n. 53, deade i 6 at as 10 horas
da manha, menos sos domiogos ; sobra...
1.* Molestias de olhos.
2 Molestias de corado e de peito.
3.o Molestias dos orgos da gerago e
do anus.
EO exame dos doentes ser feito na or-
dera de suas entradas, come;>ndo-se po-
rm por aquelles que soffrerem dos
| 'albos.
. Instrumentos chimicos, acsticos e op-
, ticos serio empregados em suas cooaul-
toede e proceder com todo rigor e pru-
. dpncia para obler certeza, ou ao menos
j probabilidade sobre a sede, nalureza e
cau i a da molestia, e dahi deduzir o pa- i
no de tratameato que deve deslrui^L-jiu-.lI^i^
| ""VMrios medieamentos serio lambem 3 res ds fortaleza da
i embregados, gratuitamente: porm 2 "..........r-
| pelatcerjMaqueUm aj, aajk T8rdadeira 9
i qualidaderpTOmplido em seus effeitos, S
Cenecessidade do seu emprego urgente 1
P que se usar delles.
Praticar ahi mesmo, ou em caaa doa S
! doenlas loda, e qualquer operjeo que I
julgar conveniente para o restabeleci- S
ment dos mesmos, pars cujofim se cha Jft
prvido de urna completa collecco de II
instrumentos indispensavel ao medico S
operador. g$
Oeitar olhoa arliQciaes ; para o que S
ae acha prevenido de pegas e iustrumen S
los necessarios.
Por meio de experiencias pticas indi-
cara aoa doentes qosl o grao do vidro dos I
oculos devem ter para qae aua vista fi- *
que bem acommodada, e jamis se fa-
dlgua qusndo estlver applicado ao tra-
balho.
ENSILO
Pralico-Theorico
DA
alugar u
de pouca
oja de c
li-
ra ni do
recsa te
estrave pora o serico de na casa
milia : na-ra larga do Rosario n. 31.
iICdo.
do Trapiche Movo n. 2J, cal e reslau-
jmniprciw. preH>a-se de-nbus copciroa.
LINGUA FRANCEZA,
SECUNDO
O NOVO METHODO
DO
Dr. H. G.Ollendorff
PARA
Aprender urna lingua em seis mezes
POR
Ciceiro Peregrino,
Bacharel em direito.
2 volumes em 8.
Sahlo do prelo o 1.a volume desla obra, intei-
Terrenes c marinha.
O agrimensor doa terrenos da manaba convida
O'Sr. Dr. Freacrsco- Augusto da Corta por ai, a
Sra-. Q. Ros Candida- Gooijalves Ferreire por son
procurador,, a compaeeerem na caaa de- sua re-
sidencia, na rna Direila n. 74.. alm de se Ibea.
marcar o dia em que tem de se proceder a nredl-
eo doaterrenos de marina, de qne requererem
oa respe<*tivoa liluloa.
Antonia'Peteira dos Santos-, aubdlte porte-
gnee, retiras a pero, Portagalk
ramele nova, e nnica escripia em portagaez por
qnellesystema, approvada pelo conselho direc-
tor da instrueco publica para servir de compen-
dio as aulas publicas de inslrucQo secundaria
ds provincia, e accommodada ao uso de qnaotos
preteoderam fallar e traduzlr com propriedade
a lingua franceza.
Acba-ae venda no eacriptorio do autor, raa
do Oeeimado n. 26, onde aipda ae recebem aa- Debidade ou falla de
SSfSSa""'' '"""""ff0 d0.2 T0,- 'aivtsa nar, !
me; depoia do que vender-se-ho a IO5OOO os
exeroplarea.
Narilia de Dirceo
lyras de Thomaz Antonio GoDzags, precedidas
de urna noticia biographica e do joizo critico de
autores estrangeiros e nacionaes, e das lyras eo-
criptas em resposta s suas e acompanhadas de>
documentos histricos por J. Norberto. d* Soocat
3ilva, ornaba de ums estampa representando o>
aoter n masmorra da ilba daa Cobra*, 2 vot.
8.a primorosamenteimpressos e bem eucadenMH-
dos em Paria 6g.
Eis o que se 1S no Jornal do Commercio da
dia 23 do prximo passado.
Urna boa nova lemos para- dr" aos amante
das leltras patrias : orna esmerada edice daa
Irovaa de Thomaz Antonio Gonzaga conhecida
de lodos pelo nome de Marilia de Dirceo. De-
ve-ae este apraciavel trabalho ao Sr. J. Norberto
de Souza Silva, que com louvavel dedicacio *
nossas glorisa litterarias emprehendeu formar
urna bibliolheca brasxleira do melhores autorem
nacionaes amigos e modernos, sendo a reim-
pressaedas lyraa de Gonzaga o primeiro resolta-
do sea lidar nesla ardua, mas nao iogloria ta>
refa. Se foi o primeiro, estamos certos qne o>
bom atolhimento q.ie lhe despensar o publico
tar com que nao seja o ultimo.
Nao se julgue porSm que o Sr. N..>rbrloso
liajilasse a urna simples reimpressao. Alero dar
empregar nesle empenho o dissernimento do>
critico, escoirnendo de erros qusnto lhe foi pos*-
sivel as ediqes anteriores, com o que de urna
cousa na apparencia fcil fez outra que nio
para todos, enriqueceu a obra com urna seri
de trabalhos que formara um volme isuat osa
das lyras.
Nesse volume offerece-noa o Sr. Norberla.
depois de urna advertencia aobre a presente edi
?o ealgumas r^Qexoes aobre as anteriores, ox
juizo critico de varios escriptores nacionaes e es-
trangeiros acerca das poezias de Gonzaga, urna
nolicia sobre a Tida e obras deste, enriquecida
de muitas notas e seguida de pegas justificativa
que o documentos histrico, alguos doequae
inditos at agora e de grande valor, e remata
pela reprodcelo do chamado Dirceu deMariiia,
ou lyras escripias por m3o nao de todo conhe-
I fortaleza da ilha das Cobras,
a A oulr'ora to debatida questo sobre a tr-
ra natal de Gonzaga d-a o Sr. Norbero por de-
cidida a favor da cidade do Porto, mas fosse q
fosse o oergo do poeta, as suas lyras, isto
sua parte mmortal, ninguem
Brasil.
< Trsbalhos desta ordem nao carecem de elo-
a O Sr. B. L. Garnier foi o editor desla bella
obra, que dos nossos padrdea lilterarios nao a
primeiro que lhe deve nova vida.
Veode-se em Pernambuco as principaes U-
vrarias.e no Rio de Janeiro ca do editor D. Gar-
nier, rna do Ouridor
SYSTEHA MEDICO IIODELLOWAF
PILULAS HOLLWOYA.
Este inesiimavel especifico, coraposio inteira-
mente de hervas medicinaes, nao coniera^mere-
j rio nem alguma outra substancia delectemt J&
I nigno mais lenra infancia, e a compleigeo mas-
delicada, gualmenle prompto e seguro parj
desaneigar o mal na corapleigao mais robusta
jenteiramente innocente em suas operagoesaesV
feitos; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especie e grao por mais amigas e tenazesr
que sejara.
Entre milhares de pessoas curadas com esta
remeaio, muitas que j estavam s portas cjaj^
morie, preservando era seu uso conseguir3
recobrar a saude e forcas, depois de haver tentan-
do intilmente todos os outros remedies*.
As mais afflictas nao devem entregar-se a des-
esperaco; facam um competente ensato das
effcazes effeitos de3la assombrosa medicina, ce-
prestes recuperaro o beneficio da sande.
Nao se perca tempo em tomar este remed
Aara qualquer das seguintes enfermidades:
qual
, a%
disputa ate
epilpticos.
ccidentes
Alporcas.
Ampolas.
Areias ( mal de).
Asthma.
Clicas.
Gonvulsoes.
Debidade ou extena-
gao.
m
fliilJr\tl
9
Alvaro & Magalh3os mudaram o aen
flestaberecimeotoda ra da Cadeia n. 53 \
- pera a-rue-do Gnespo n. B, aetif 2
bem cooheeida loja> da Case rufa oote'eae 9
pertencente a Adriano, 4 Gaairo. S
Pretende seguir con muila brevldade pan 0
Rio de Janeiro o velerro e bem conliecide briska
raaateoal .essosisussst ssa ooste de sea catres!
mela prompU ; pas>iaa aa laa.frtU Hs>
ta-se com os aeaa oonaigoatarioa Aotonio Luis, da
Oliveira Azevedo, 00 seu escriptorio rna da Cru
mnrevo-1.
Pf>ra f J&tWMl ra da Cruz sobrado n. 13, ha,
pmt de ua carga comprada, e para a resto d "** caa* Mi* faptstega asa (SOrto do
nrosoMr a pastagairee, a- qoe* oflVrece o malho- l*aerrer coan msatto boo coramodo*
~tt^TZ?Stiffinn P2~ fa*ajquem desejar u-
prime ro andar. om capl*o-aS/. Ftsncis- ?**** n**** fc% roa cima
o Antonio ItsMltr, na prac. que VcharV comtjtasrm tratar.
Agencia Fluniioeose
CASA DE
COMMISSftES E C0NS1GNAC0ES
DE
, Arthur MarieC.
RIO DE JANEIRO,
fiua da Alfadega numero 62.
Recebem em consignagao toda e qutlquer mer-
cadoria, pedendn o eommitente sacar a melade
da importancia de suss facturas a 60 diaa de
vista.
Enorregam-se de restesentar qualquer casa
commercial como agentes, assim como de ven-
der e slugar escravoa pagando os alugnais adan-
lados aun perda de dias, comprare veoder casas,
ehacaras e qualquer esta beleci mea toa commer-
cial, fabril oa agrcola, cobrenga^le dividas e
harangaa lomando a sea cargo, a cameUer em
qualquar luga.c q.ue ae lhe designar a quanas
cobradas. ~
Tira dfprcmas, carta imberiass e toda e
qualquer certidao.dao messrias, pagam pensoes
da cnjlagn aaeraasam blleitaa de lotera.
Q oroprielarios desxe esjtabelecimenlo aran-
tema, todas as pessoas qu se dignarem hnra-
los com saaaardeos, oaapregario trida activi-
dsoaneaissast, aUs* d sWer no casi breve
tetas* psasifsi.as Utaroeae de seu comnriitau-
tes. que encontrarse en todos seos setos, lel-
dade e ponlusldade, que convem a. lodo o'comr
mercranteqne presa-sua reputagio qae desvie
agasajes la*
leal a, ao- aaaaaat qM quissaisa
forcas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventra.
Enfarmidade do ventre.
Ditas do figado.
Ditae venreas.
Enchaqueca.
Herysipelj.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Vendem-se estas plalas
Febreto da especie.
Gotla. -
Hemorrhoidas. -
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestoes.
Infla mmacoes.
Irregularidades de
menstruac So.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de podra.
Manchas na cutis,
Absirucgo do ventre.
Phtysica ou consumo-
cao pulmonar.
Retencao de ourina
Bheumalismo.
Symptomas secundario.
Tumores. ,
Tico doloroso,
lloaras.
Venreo (malj ^

; .
no estabelecimens
eao-
Busclaetsscom sgame erdem, podas selle se
dirigir trectimDte tfist toda aafliDca.
geral de Londres n. 224, Straod, enaloi
de todos os boticarios droguista e o utro* pessoa
eocarregadas de su venda em. u>Aazi
do Sul, Havana e-Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 8)> rs., caaa
urna dellas contera urna insiruccao em-portu-
guez para explicar o modo de se usar dess pi-
llas.
O deposito gsas em esa do Sr. Smm.
pharmaceutioo; ^ da Ctau n. 2 em Pcr-
nambaco. v
%
... .i.
\
tal
rbeas antigs e^centt^r unteon--------------
na botica trancia, rola, da Crttm-tt^
preco 3jjf.


EffPl FELRi
UM*
_-
i
_
CoDltorio medico-cirurgico
Consulta por ambos os systemas,
tueequencta da mudanza par a eua ora residencia, o proprietario detla eatabelecl-
teente acaba de fazer imi reforma completa em todoeos seus medicamentos
fcW UQ Hl Uta IClULUia wuiii- -- w "- --------------------- _
O deseio que tem de que ot remedioi do aeo eatabelecimento nio te confuodam com. oa a
Beabam outro, visto o grande-crdito de une Mmpre gozaran e gozam ; o proprietario tem tomado
neotucio de inacreTer o sea nome em todos oa rtulos, devendo ser considerados como laieiuca-
dos toosiaqaellea que forem apresentadoa aem esta marca, e quando a pessoa qoe os mandar com-
pra queira ter maior certeza acompanhari urna eonta assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo em pa-
nal marcado com o seo nome. ,, ., .
Outro sim : acaba de receber de Franca grande porcio de tinctrs de acnito belladona, re-
medio* eates de summa imporUncia e cujas propriedades sao tao eonhecidas que os meamos srs.
Mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tubos qur em tlncturas custarao a 1J o vidro.
O oroorieUrio deste eatabelecimento annancia a seus clientes e amigos que tem commodos
" a- .i., .m ilAanlAa mi (ru nrar*
de algami
como sabem todos
Icientes para receber alguna escravoa de um e outro sexo doentea ou qae precisem
operario, amargando que aereo tratados com todo o disvelo e promptidao,
aaaellas que ii-temtldo eecravoa na caaa do annunciante. .
A altaacao magnifica da casa, a commodidad* dos banhos salgados sao oatras tantas Tante-
aras para erompto restabelecimento dos doentes. .
Aspeesoas que quizerem fallar com o annunclante devem procura-lo de manhaa at 11 horas
de tarde das 5 em diante, e fora destas horaa acharo em eaaa pessoa com quem se podero en-
tender raa da Glia n. 3 as do fundi do Dr. Lobo Motcoxo.
--------!-----------
Urna casa para alugar.
Alaga-se ama casa terrea na ra da ConcaicSo
da Boa-Vita n. 31, com muitas commodidades
para ama familia, por preco commodo; a tratar
na ra Nova n. 10, loja de Ctrneiro Vlanoa^
Toda aitenco.
Custodio Joa Aires Gslmates avisa as res-
peitavel publico, principalmente a todos os sees
fregaezea e amigos, que se madoa da loja da
iguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida snliga loja
de miudazaa que foi do tallecido Jlo Ceg-, boje
sari coobecida pelogallo vigilante,e pede so
respeitavel publico e aoa seus fregueses e amigos,
que o'queiram procurar no dito eatabelecimento,
onde acharo um grande aoriimenlo de miodezas,
que affisoga servir bem e vender por menoa dez
ou viole por cento. do que em outra qualquer
parte
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLIC
mhwm
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas CHAPAS-ELBCTRO-aUGiKTicAS-EWSPASTiCAS obtem-se urna cura radical e n-
fallivel em todos os casos de inflamraago ( cantado ou falta de respiragio ), sejam internas ou
exlernas,como do figado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, pello, palpiago de coracao, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysiae todas as'affecces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as differentes especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o sen
tamanho e profundeza por meio da suppuracio serio radicalmente extirpados.
O uso- dallas aconselhado e receitadas por habis e distnctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, as innmeras curas obtidas o fazera merecer e conservar a confianza do publico
qua j tero, a honra de merecer, depoisde 24 annos de existencia e de pralica.
As encommendas das provincias devetn ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de facer as necessarias explicacoes, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, brajo coxa, pama, p, ou tronco
do corpo, deolarando a cicumfereneia e sendo inchac.oes, feridas ou ulceras, o molda do seo
tamanho em um pedaco de papel e a deca racao onde existem, a&m de qae as chapas sejao da
ojmaj da parte affectada e para scremfaem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar \ir de qualquer ponto do imperio do Brasil
l As chapas serio acompanhadas das competentes explicacoes e tambem de todos os acces-
orios para a colloca^ao dallas.
Cnsa: seas pessoae que o dignarem honrar com a sua confianca, em seu esariptorio, qua
achariu abertoe todos os dias, sem excepto, das 0 horas da manhaa s 3 da jarda.
||9 Ruado Parto ||
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
mm
KROA B0 QUBIMAO W.M
~ ANDE20ffiMEHT
ftSEROUPKS
Sortimenle comple o da sobracaaacoa da panno a 15S, 289, 80J a 359, caaacos maito bam
faltas a 25f, 28, 30$ a 81J, paletota acasscados da panno preto de 16 at 159, ditos da caaemira
de cor a 159, lo| a SOf. palatots saccoa da panno e caaemira da 89 ato" 149, ditos saccoa da alpaca
m crin a la da 49 at 6j, sobra de alpaca a merino da 79 at 109, calcaa prataa da caaemira ds
89 at 14 J, ditos da cor da 79 at -tj, roapaa para menino de todos os tamanhoa, grande aorti-
mento de roupaa da brina1 aomoseiam taigas, paletota a colletes, sortimento da eolleUs pretos ds
satim, caaemira a velludo de 49 a 9f, ditoa para casamento a 59 a 69, paletota brancoa de bra-
mante a 49 a 5f, calcaa brancas maito fins a 6f, a am grande sortimento de fazendaa fina a e mo-
darnaa, completo sortimento de caaemiraa ioglezaa para homem, menino a aanhora, aeroalaa ds
linho algodo, chapeos da sol de seda, lavas do seda da Joavio para homem o aanhora. Ta-
mos ama grande fabrica de alfaiate onde recebemos encommendas da grandes obras, qae para
seo est sendo administrada por am hbil mostr da samelhanta arta a um pessoal da mais da
oncoeota obreiros estol nidos, portantoexecutamosqaalqaer obra com promplidio amis barato
de qaa am oatra aaalauer casa
Precisa-ae de ama ama a para cozinhar'
na raa do Raogel n. 7, aegando andar.
mmmmm mmns mummm
| Saques sobre Portugal.
O absixo assignado agente do Banco
| Mercantil Portuense nesta cidade, ssca
effectivameote por todos os paquetea so-
bra o mesroo Banco para o Porto a Lia-
boa, por qualquer somma ivista a a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo serem
desconlsdos no mesmo Banco, na razo
de 4 por canto so sooo aoa portadoraa
qae assim lbeconvier : nss ruaa do Cres-
po n. 8oa do Imperador n. 51.
Joaijuim di Silva Castro.
Aos rSs. consumidores de gaz
Nos rmaseos do cias do Ramos na. 18 e 36 a
na raa do Trapiche Novo no Recife n. 8, ae ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemeote chegado a 149 a lata de 5 galea,
assim como latas da 10 e da 5 garrafas a em
garrafaa.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15.
Frederieo Gautiar, cirurgiao dentista
fai todas as operaces dasua arte a e co-
loca dantas artificiaes, ludo com -sdela
rioridade aparfeifio que as pssoas-,en
tendidas lha reconhecem. j
Tsm agua e pos dantificios, etc. %
9^BWfJwvMBNB 9KMQ wawwawlaw^aWl
Preciso.
Precisa-ie de urna escrava qae aeja Sel e de
boas costumes, qae sirva para todo o servido da
urna casa de familia : a tratar na ra do Sebo n.
36, ou na ra da Cruz n. 63, e no caao de nao
podarem comparecer oestes lugares, qaeiram
annanciar ou mandar dizer por um portador para
se ir tratar na caaa do dono ou dona.da mesma
eaerava.
Aluga-se
um solio de um terceiro andar com 4 quartos a
um grande aalo, janellaa de um e outro lado,
em boa rus, o qual proprio para caiieiroa aa-
slstirem quando o patrio nao tenha todos oa
commodoa precisos, s se alaga com carta da
flanea : quem pretender, dirija-se a ra larga do
Rosario o. 33, a tratar na loja.
roa di
Para as encommendas informales dirijam-se
Queimado n. 15
a pharmacia de Jos Alaxandra
Giiimares & Villar
COM LOJA NA.
BA DO CRESPO W. 17.
Tendo um grands aortimento de fszendas de gosto pedem
As senhoras que
mandem var suai
Ac bam de i
brancos bordados
[azendas prometiendo servi-laa o melhor possival.
ceber pilo ultimo vapor francez am grande aortimento de vestidos
>ara 309, 409e 509 e ntremelos ricamente bordados largos a es-
Figueiredo i Irmao
Ra Nova a. 18
Neste estabelecimento baver sempre um
grande sortimento de roupss feitaa e por medi-
da, tanto para hornees e para meniooa e um
grande e variado aortimeoto de fazendaa tanto
ioglezaa como fraocezaa de bom gosto e baratas,
aasim como tambem diverass joias de ouro de 18
quilates e de brilhaotes dos melhores fabrlcantea
da Paris.____________________
de Hamburgo
Alugam-ae e vendem-se por qaslquer prego
na raa do Rangel n. 18, amola-se todo o ferro
orlante.
S0C1EDADE BWAKiA
Coovida-se aoa aocioa commanditarios da ao-
ciedada Amorim, Fragoso, Santoa & C- a reuni-
rem-ae no aalao do ibtatro de Apollo, no dia S
do prximo mez de julbo, ia 10 boras da ma-
nhaa, aQm de tratar-se doa iuteresses dos ms-
enos socios.
G. elmold, Saxonio, vai
viada.
para fora da pro-
Preciaa-ae de ama ama que ssiba cozinnar
o diario de um'a casa e engommar alguma couas:
a tratar na ra estrella do Rosario n. 23, segun-
do andar.
Precisa-ae de urna ama
qo n. f2, segundo sndar.
no pateo do Ter-
ARMAZEM
ROUPA FUTA
treilos proprioa para enfeitar vestidos brancoa e roapaa de noivas ; manteletes a ca-
pas a Luiz XIV e
istai
im F. dos Santos,
40Ra do Queimado40
Defronte do beccotla Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre um aortimento completo da roapa falta da
todaa aa qualidadea e tambem ao manda ezecutar por medida & vontade dos fregu-
bordadas de todaa as qualidadea.
Esperam a proteceo
das respaitavais sjenhoras.
Quem espera sempre al canga.
atro estabelecimentos
conhecidos da ra Real
uiiiuui us, o*, o, 62 e oo.
WDIL3. kWmb '
Presunto je fiambre.
O melhor qu tem vlndo a este mercado afianzando a boa'qualidade a 400 rs. a libra.
IVlarmelada 0me|hor qte n,, iiDr,, 70ora.
r ftSSd S a, mas, 0Tas qUe na a iDra 480 rs.
\UeiJO d0 fer|j, 0 melhor que ha a500 ra. a libra.
.TlaBteig'a fra caza a libra 700 rs.
Manteig& lagaa libra 720, 800, 900 e 1 o melhor que ha.
I 811 tOS d0 g r01a jj500, duzia tO ra.
E maistada qianto tendente a molhadoa qaa aa torna enfadooho annunciar, poia qae
a vista dos estabelecimentos verao os Srs. fregaezes como se acham completamente sor lid os de lu-
do quaolo lhe pertono e qua logo cootinasremoa por asts folha.
jEscriptorio de advocada]
Ruado Imperador n.
37, primeiro andar, a es-
querda.
Neste estabelecimento trabalha o advo-
gado Joaquim Borges Carneiro (graduado
em direito pela faculdade do Recife) des-
de aa 9 at as 3 horaa do dia.
Advoga em todos oa juizoa a tribumea
desta prsQi, e ensarrega-ae de negocioa
para o interior da provincia, principal-
mente para aa comarcas de Santo Antao,
8m Rio Formoso, Bonito, Nazareth e Goianna.
Recebe gratuitamente aa causas dos
desvalidos, nao podendo cada qual tra-
No meirco eiiaueietiaurniT Tmiuww*
ae tilaloa e patentes de empregsdos p-
blicos e officiaes da guarda nacional do
interior, mediante mdico estipendio.
Rm sua falta e impedimentos aar
substituido, dos negocioa civeis, pelo Sr.
Dr. Joaquim Jos da Campos, e nos do 1
crime pelo Sr. bacbarel Jorge Dornellaa
Ribeiro Pessoa. II
___!*HvWJjrfMWOT WBriajF^aBfaj(iBjaBjaja; afsajaj aracw as'fsrw #**
Ao respeitavel publico em geral, e ao
corpo do commercio em ^"^cular.
A. C. P. de B "noce ti saUsfa-
C9o aos desejo endado;
I
zes para o qaa tam am dos melhores professores
FUNDIQAO DA AUROP"
Antooi' ' :.5o a
vida mercio.
acha-ar .dade co-
mo aol igo offe-
rece ae lhe confiar
as saas a que devem
ser Ira' .ercil, nao a
porqu' a habilitado, co-
m<' -ia se dedicar.
.aprestar gratuitamente
doa que realmente po-
.olorosamente sob a oppresso
e insuporlaveis caprichoa d
AtteDco.
Autonio Cesario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n. 32, e est venden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e affianca a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Criado.
Precisa-se de um bom criado para tratar de
c avallse servigo de sitio, dando garanta para a
aua conducta: dirija-se ao sitio com porto de
ferro, no Corredor do Bispo.
Oaoa ao uuuuu vui fJuuv
i
Amaro.
Dr. Silva Ramos.
Este estabelecimento j bem eoobecido, e con-
ceituado neata provincia pelos relevantea servi-
dos qua tem prestado, contina nsamelbores con-
dlc.es debaizo da direccao de seu proprietario &
receber doentea de todas aa claasea, os quaes sa-
rao- tratadna^com todo e zelo e icteresse pelos
l^regos seguinlelT-" ~-
Pri meira clasae.... 3&O0O o u m a i.
Segunda dita...... 2500.
Terceua dita...... SgOOO.
Em qualquer das classes os brancos ficaro se-
paradoa dos negros. Os alienados de 2.a e 3.*
classe bao furiosos pagarlo a disria ordinari-
sendo furiosos pagarlo mais a quarta parte. '
alienados da 1.* classe pagarlo aegando oai. .
m m
J
Casacas aa panno preto a Of,
S5f o
Sobrecaaaeoa da dito dito a 359 a
Paletota de panno preto a de co-
rea a 35, 30, 25, 10, 18 a
Ditoa de caaemira do coras a 22,
15|,12.7 e
Ditoa de alpaca preta golls de
Tallado (raaeeias a
Ditoa da marin aetim pretos a
de coras a 9f e
Ditoa de alpaca da corea a 5 a
Ditoa de alpaca preta a 9, 7, 58 a
Ditoa da brim da corea a 51,
4500,4e
Ditoa de bramante delinho bran-
co a ff, 55
Ditoa de merino de cordio prato
a 15 o
Calcaa de caaemira prata a da co-
rea a lt. 10, 9f, 7 a
Dltaa da prioceza e merino de
cordio prato a 5, 62*500
Ditaa do brim branco a de corea a
5. 49500 e
Calesa da ganga da coros a
Collele de vallado preto a de co-
res lisos a bordadoa a 12,9 e
Ditoa do caaemira preta a de co-
rea liaoa
50500,5
a bordadoa a 6,
30000
30JJO00
10J000
9000
100O0
8J000
35500
38500
3500
46000
85000
6000
4500
28500
fOOO
85000
38500
55OO0
53000
Ditoa da setim preto
Ditos d seda a aetim branco a 6 a
Ditos de gorgurlo de seda pratoa
o do coraa a 7, 6, 4 a 5000
Ditos de brim a fustao branco a
88500,2500e 3000
Saroulaa da brim da linho a 2 a 2200
Ditaa da algodo a 1600 o 1&280
Camisas de peito de fustao branca
ede cores a 2*400 a 2200
Ditas de paito delinho a 5, 49 a 8*000
Ditaa de madapollo brancas a da
corea a 3, 25500, 2 a 18600
Chapaos pretos de maaaa francesa
forma da ultima moda a 10,
88500 o 79OOO
Ditoa do feltro a 69, 59, 49 a 25OOO
Ditoa do aol da seda inglesea o
francezea a 148,129. U8 79000
Colarinhos da linbo maito finas
novos (sitios da ultima moda a 800
Divos de algodo 5O0
Relogioa de ouro patente o hori-
zontal a 1008, 90. 80S a 708000
Ditos do prata galvaniaados pa-
tente a horizontaea a 409 SOfOOO
Obras de oaro, aderecoa a meioa
aderemos, pulcelraa, roistas a
anaia a 9
Toalhaa do linho duzia 108, 69 a 9000
Ditas grandes para meaa ama 3 a 4500o?
Nesla grande e ben montada fabrica do machioiamo, a mais antiga no imperio,
executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade de n
no paiz, tendo semprejprompto o segdtnte
Grande sortimento de moeodaa
Machinas de vspor de diverass qud
.do na ra d Santo Ama-
sa n. 26, s por traz da ra do Sol,
4a 9 horas da manhaa, e das 3 s 5 da tar-
to intervalo de 9 as 3 horaa, no eacriptorio
estrella do Rosario, sobrado n. 27, ou na
daa audiencias.
Taixas fundidas e batidas.
Crivoa e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhs.
Rodas, rodelas e rodas d'agua.
Guiodaatea f ios e portatis.
Machinas de cylindros para padaj
Serraa de ac para aerraria.
Patezaa para barcis, etc., etc., ti
l canoa de todos os systemas e tamanb'
lidades.
:
ia.
Ido por prega que bem convida.
- A padaria do lelo do norte, ra do Cotovel-
0, preciaa de um forneiro que deaempenhe o saa
jpeve% _________________^___
Cmnahia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida.no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo ii C. compe-
tentemente autorisados pela directoriada compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam aegtros de na-
vios, mercadoriaa e predios, no aeu escriplorio,
_____________________I
Preciaa-ae para urna casa ealraogeira de
pouca familia, urna boa cozioheira, preferindo-
ae urna que seja Portagueza : a tratar na rus do
Trapiche o. 8, 1* andar.
<'
/

v,
ra da Cruzo. 1.
ENSAIO MEDICO-LEGAL
Sobre os ferim
snos e outrks o flemas physicas com applicaco
legislando criminal patria.
Especial hOmeopathico
ID IB* EiMWi
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
Nesta consultorio pode ser procurado o raspectivo proprietario i qualquer hora havendo
ahiaempre grande sortimento dos verdadeirw medicamentos homeoeathicos, preparados em Pa-
rs {as tinturas) por CattUan e Weber, ot riis acreditado! pharmaeeuaos do universo como
preparadores de remedios de/ ^opWila. ...
O proprietario desty' xn Mo pretende, todava, qua sejam os seus medicamentos
infaweis, porque nod|f llivel em "^ humanos; nem tao pouco superiores aos que por
ah se preeonism, porqu to que o quenwfazemos, outro o pode egualmente fazer tao bom
nella nao ha trlfipancia, e que o servico da^preparaeao como por
lando grandes eombaercio de carteiras, acha-se sumeiernie para
_ preparars). V
venda elementos da hom*pathia, acommodados i intaUigencia
v. o prestaba gratuiamente o i proprietario, com seos esforcos e
inefieajaentos, todas as pessoas necessitdas, sem distinejiu alguma, qaa o procuren), pois
que o sea maior prsxur 6 ser ul Womtnidade soffiedor.
seuao melhor. Mas afiance
elle mesmq^>'nri"*,'ro, que
sasfezer is. 'es daqi
Baste consu -ham
ae qualquer pessoa JOS SORIANO DE SOUZA
Doutor em medicina pela faculdade do Rio de Janeiro,
(Obra especialmente destinada s autoridades criminaes).
Ha muito tempe, que era geralmenle sentida a falta d'uma obra, que podesse auxiliar as
nossas autoridades criminaes na forroscao dos corpos de delicio de ferimentos e d'outras offensas
physkas; foi com intenso de encher essa lacuna que o Sr. Dr. Soriano compz o presente
Ensaio. Existe em lingua portugueza alguroas poucas obras de medicina legal originaos ou tra
duzidas ; mas estas alm d'oulros inconvenientes que temos ouvido allegar, tem o de nao conlerem,
nem poderem tudo da legislado patria. Ora essa falla se acha preenchida no Ensaio de euja publicado esta-
mos encarrtgados.
Achando-nos ni impossibilidade de dar ao publico urna noticia exacta, e circumstanciada da
presente obra, toman os a liberdade de copiar aqui as ultimas linhas com que o seu modesto autor
termina a ntrodueco da mesma obra.
' com nten$aD de rencorrer para esse fm leuvavel, (o progreeso da sciencia) qcepubli-
co este pequeo escripto, nao que lenha a preiencao dehaver de modo algum satisfeito o fim
que destinado, mas o ff qo somonte com inlencao de que peder seivir para chamar a alleucao
de pessoas mais competen'es sobre este objecto to deslembrado entre nos. Este escripto
principalmente destinado s pessoas que ;e acham encarregadas da administrsco da Justina cri-
minal, e que nao ten i lempo, nem dados com que possem lr com proveilo as grandes obras
estrangeiras que trate m "da materia. O Ensaio dividido em duss parles: Na primeira don
algumas noces sobre as feridas e varias utras offensas physicas: na segunda fa$o um breve estudo
sobre a legislado criminal respectiva. INinguem mais do que eu sabe quantas lacunas e imper-
feices se acham neste trabalho; que nao sendo destinado aos profissionaes devra con ter urna
expsito substancia!, clara, precisa e sobria de detalhes, e todo mundo pode julgar quanto i
difficil satisfazer ta i intento. Mas considerando uestes defeitos que douo titulo de Ensaio.
Se as cousas correrem de modo que lhe possa dar outra ediceao, espero en to, com o auxilio
da critica justa e auiorisada, poder fazar desspparecer ou diminuir taes defeitos.
< Entretanto se este trabalho assim mesmo imperfeilo como vae, poder ser til ialguem, fica-
rei com isso bem pago-, e se me faltaram as forjas para melhor exeeuta-lo, que ao menos se atienda
em meu favor i boa vontade com que o emprehendi: Ubi de sin vires tamen est laudando
voluntas. |
Recebemse assignaturas na livraria ECONMICA.
COMPAMIIA DA ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)*
De conformidade com as instruccoes recebidsa
da reapectiva directora, faz-ae publico que des-
ta dala em diaete sao coovidadoa oa accionista!
desta companbia a cumprirem com oa termoa do
aviso que por ordem da mesma abaizo cam
publicados.
Escriplorio da compaobia, 20 de maio de
1862.
Por procursQio de E. H. Bramab, theaoa-
reiro.
(Assignado)R. Auslio.
Declaracao.
^.- y~
Aviso.
Deparando no Jornal do
Recife de 24do corrente, sob.
n. 173, com urna demonslra-
co das pessoas que retiraram
quantias por lettras e bilhe-
tes da sociedade em commaii-
dita de Amorim, Fragozo,
Santos A C, hoje fallida, e
nessa demonstraco vendo
um nome de Joo Rodolfo por
12:000 j (doze contos de reis)
apresso-me em declarar ao
respeitavel publico e espe-
cialmente ao corpo do com-
mercio, que nao sou devedor
por quantia alguma a seme-
inante estabelecimento, e ao
contrario sou credor directa
e indirectamente da predita
casa na qual infelizmente fui
empregado; e bem assim que
a mencionada quantia de
12:000$ sao saques de Joo
Rodolfo Gomes, da Parabiba,
Pelo presente faz-te pablico qae por urna re-
solugo da directora desta companbia tomada
nesta data tem-ae feito a ultima chamada de urna
libra eaterlioa por cada ac^ao, a qual deveri aer
paga alio dia 30 de janho do prximo viudouro,
do Rio de Janeiro em caaa doa Sra. Uaua Mac
Gregor & C, na B.hia aoa Srs. S. S. Davemport
a. C. e em Pernambuco no eacriptorio do lhe-
soareiro da meama companbia.
Palopreaeote fice tambera entendido que o I J-<,,._*. j rpfrtrda ROmp'
caao de nao aer a dita chamada ou prestado sa-' UfcSCOmaaa na reiOriU bOCie-
tisfeita ata o dia marcado para aea pagamento o
accionista queincorrer nasaa falla pagar juros a
razio de 5 por cento ao auno aobre tal chamada,
a contar deaso dia etique seja realizado o pa-
1 Volme em 8. a 5*000
Josi Nogueira de Soma..

lamento.
No caao de nio effectuar o pagamento deata
chamada dentro de tres mezea eontados do dia
cima flxado para o embolso da meama, ficaro
aa acedea que iocorrerem em tal falta aajeitas a
aerea confiscadas, segundo as disposices dos
eatatatoa a este raspeito.
Por ordem dos directores.
fcssianad). H. Bellarmy, asentarlo.
99 GreahaovHoaie, Od Brord Streete.

dade. Recife 27 de junho de
1862.
Joo Rodolfo V. de Azevedo.
A abalxo aasigoada, viava de Francisco Ma-
thiaa Pereira da Costa,aviss aoa Srs. neociaolea
a a todos em eral qae nio se responsfbiliaa por
dividaa cootrahidaa por sea entlado Liberata Pe-
reira da Costa cadete do 1* bstalho da jnfanta-
ria e agora do 9* da mesma arma, a paraw
ninguem ae chame i ignorancia fas o precinta.
Recita 29 de janho de 1862.Auna Macha* d*
Lana Freir Costa, y
>
ff A Al I


fiUftlM
1
-r
tamos,
medico pela Universidade
de Coimbra,
, d*i 8 i 10 hora* da ma-
jalquer chamado coa a bem
w
=
di eoaeeltae em caa.
nhia, e presta-se a qualqu
onhecida prompttdao
* O herdeiroa e eoDaeohotea do eogenho Bre-
i na freguezia de Serinhaam jaoto ao transito
. Ti, frrea team aseentado eotre si Tender ou
trocar per casas neita cidade as auas respectivas
partas ou mesmo levar o engenbo a praga por
trreodaroeoto a quem mata dar : quem preten-
der dirija-se a raa da Cruz n. 47. tercairo andar.
GRANDE
Laboratorio a vapor
DE
Lavagem e engommado
de roupa, de Ramos mentel.
Empresa importante, que tai prestando. iele-
Tantes eervigoe i saaa freguezee pela PrmP""
perfeigo com que lata a roupa aem a estragar
PREGOS.
Roupa aortida (embora nao venham metas nem
leocos)40rs. por peca.
Pecas grandes isoladamente 11 ra.
Roepae de navios, vaporea e hospltaea 70 rs.
Dita de familia que nao6 fr*8me80ra..
na. m anoni da familia ue nao treguase
a-se o sitio da Man-
gabeire.em frente ao Jardltn Botnico em Olinda
sobrado com Ho quartos, tres atlas e frente e
sala de traz, cosicha fora, boa agua de cacimba
a melhor da dita cidade, com arvores de fruclaa,
mingueiras, msngabeiras, maracujaea, coquatros
e DMilas maia fraclelras, baixa de capim, rosado
para plantelo, cspoelra com 1"M." olera
prompia pawfaser lijlo grosso e le, louca e
telba ; quem pretender dirlja-ee is Cinco-Pon-
tas casa n. 111. ________________
Aluga se a casa terrea
noto do sobrado cima citado e multo fresca
peqaena ; com *f mesmas qaslidedes
mas
de
fructas que o do sobrado; qaem pretender
dirija-se is Cioco-Poojaa casa o. 1
DE JOLHO Di iseis
um sitio oa estrada de ielo *e Barros paaaando
capella da Cooceigo, oprimeUo a direita, com
boa caaa de pedra e car e baatantlaarvoredos de
tracto : a tratar na Soledad, piaV n. 14, da-
fronte da igreja. .
ym
Para tato.
SEGUNDA EDICTO
DO
Dita de doente de familia que
lima reda ou cortinado de cama
a500rs.
ou veranda
THESOURO HOMEOPATHIGO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo aoutor
MMM i. 1. OT1D.
Eite livro qae se tem tornado tio popular,
qusnto neceasario, acaba de aer publicado com
lodos os melhoramentos, qae a eipcrieocia a os
progressos ds sciencia tem demonstrado. A o-
ra edieco em lado superior i prlmeirs, en-
terra : ,.
1.* Haia ampias noliciaa acerca do curativo
daa molestias, com indicagSee mai proveilosas
dos medicamentos botos recentemente ezperi
mentados na Europa, noa Estados-Unidos e no
Rrssil.
2.* A exposigoda doalrioa homeopatha.
3.* O estudo da apropriago dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
daa idadea, doa eexos, e segundo aa clrcematan-
ciaa atmosphericas etc., etc.
4,,* A preeervag&o ou prophilaxla das molestias
Os melbores bolos de todas as qaalidadea,
e bandejas entenadas com caatellos, com malta
perfeicao, para calamento; aisim como pudios
e todaa as qualidades de psstelaria, e mais em
coota do que em oulra qualquer parle : quem
precisar, dirija-aa a ra de Santa Rita n. 52.
O Sr. Cyrtlo Antonio da Coala qaeira por
favor apparecer na ra da Cruz o. 11, armaxem,
a negocio.
Avin-ia ao Sr. fiscal da freguezia de S.
los e a qaem maia competir, a execuco das pos-
turas munteipaes, que os moradores ou morado-
ras do segundo andar do sobrado o. 50. na ra
das Aguas-Verdes, com a maior sem-cerimoola
lancam na ra aguas ptridas, cajo fedor ipdica
conterem aquellas aguas materiaes fecaes.
Pumos de seda elaalicos para chapeos largos e
estreltoa a 1J50O : na ra do Queimado n. 22,
na toja da boa f.
Algodaode 2 larguras.
Venda-se superior algodio mooslro com 2 lar-
guras, proprio psra leogoes e toslbas do mesa a
700 rs. a vara : ns ra do Queimado n. 22, na
bem conbecida loje 4a boa f.
A 2,400 rs. a duzia.
Lencos brincos finos para algibeira pelo dimi-
nuto prego de 29*00 rs. a dasia : na bem conhe-
Cida loj da boa f, na ra do Quaimado n. 22
* lotinas desetim.
Chegaram no vapor francez as bellas bolinea te
setim branco para senhora, o vendem-ae em
co'nta na loja do vapor, raa Nova n. 7.
Ama.
Preciaa-se de urna ama que aaiba cozinhar,
para ama caaa da familia, preferindo-se eacrava:
a tratar oa ra larga do Rosario n. 21, fabrica de
cigarros._________________
Cambraias de cores
Vendem-ae cambrslss frsncezae de cores fa-
xenda multo fina pelo baralissimo prego de 260
e 280 rs. o cavado : na loja da boa f na rea do
Queimado n. 22. _______________
Superior brini branco de
"< linho
Vende-se superior brim branco de linho tran-
cado pelo baralissimo prego de 1$200, 1)440 e
18600 a vara, ditomuito encorpado de doaa flos
de lioho paro a 2g a vara : na ra do Queima-
do n. 22, na bem conbecida loja da boa f.
Algodo da Baha.
Proprio psra roupa de eacravos e saceos de aa-
sucar : vande-se na rus da Cruz n. 1, eacriptorio
de Antonio Laiz de Olivelra Axavedo C.
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Essa eslimads sgus de colooia ambreads, de
que tantoa atento tempo seolem a falta, aesbs
de chegar em bonitoa fraacos verdes, os quaes se
esto vendendo a 1)500 cada om ; aaaim como
chegou igualmente um granbe sortimento da
verdsdeira agua de colonia de Piver em frascos
e gsrrafinhas de differentes tsmsnhos, ludo is-
so na raa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16. ______.
O preco dos engommadoa & mdico e coofor- hereditarias. o..Blp
Tea ecas como costumam faier as engomma- 5/ A preaervagao das molestias epidmicas.
.iras P O Vaso da entrega da roupa lavada 6. Urna estampa illuatrada demonstraliva da
li""* "__*__. iV .Inar .. multas vezea contiouidade do tabo intestinal desde a bocea at
me
8 dias', e"ogmmadVl5, sendo qae multas
esti prorapta antee do praso. Deposito na ra
Nova.
4
*>

11
'
V;
f
*
continuidade
o anua etc., etc.
Vende-se ns pharmacia especial
thica, prepriedade do author, ra
Amaro (Hundo Novo] n. 6.
Prego de ceda exemplar. .
N. B. Os senhorea assignsntes
dsr receber seus exemplares.
Uoje, depois da audiencia ao julio munici-
pal da primeira vara vai i praga afim de ser sr-
rematada a caaa terrea n. 142 no largo dss Cinco
Poetas da freguezia de S. Jos, em chao foreiro,
avallada por 2:000, penhorada a viuva e her-
deiroa de Marcelino Antonio Perelra, por exece-
gao de Lalz Jos Pinto da Costa como cessiona-
rio de Francisco da Cunha Araujo Pinheiro.
Precisa-se alugar urna ama secca
que saiiv lavar e engommar para o
servido de urna casa de pouca familia :
na ra estreita do Rosario n. 10, segun-
do andar.
. Picos basquines
A loja da boa f racebeu superiores bisqulnes
de multo fins eambraia a imiiagio da de llnbo,
bordados e enfeitados com apurado'gosto eos
vende pelo barato prego de 85 cada id, tendo
sido aempre seu cuato de 16$ e 209, epressem-se
poia em compra-Ios na meocionada loja da boa
f, na ra do Qaeimado n. 22. ____________
Apparelhosde porcllana dou-
rada para cha de bonecas.
Aloja da agua branca deaejando qae lodos
fagam a vootade a saaa bellaa meninaa est ven-
dendo commodamenle esses bonitos apparelhoa
de porcllana dourada, e pintada a 1J500 e 2$,
tendo cada um 6 caaarea de chicaras, e os mais
pertences, a viata do que todoa irao (manidos de
dioheiro) para compra-loa na ra do Quelmsdo
n. 16.
HOMEOPA-
de Sanio
. : 20*000.
queliam man-
Rua estreita do Rosario n. 22,
primeiro andar.
O dentista Numa Pompllio planta dentea arti-
ficiaos por grampoa e ligaduraa e a pressao do
ar, dantea ioeorrupltveia sobre oaro, systema
norte-amenes no e faz todaa aa operagdes de sea
acta e com promptldo e limpexa
Feitor.
Preciaa-s de um feitor casado : na rea Ido
ondego d. 105.
Thomaz de Aquino Fonseca saca aobre Lis-
boa, na ra do Vigario n. 19. primeiro ailar.
Bailar & Oliveira sacam sobre a praga do
Porto. ^^____
Gabiuete medico cimrgico.j
S Ra das Flores n. 37.
Sarao dada cona&Uaa medlcas-cirargi- |
cas pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Alba- <
querqae da 6 aa 10 horaa da manhSa, ac- 1
9 cudindo aoa chamados com a maior bie- 1
am vidade possivel. I
Z 1- Partoa. I
a 2.* Uolestiaa de pella. <
8.a dem do olhoa. 1
f 4.* dem dos orgaos genitaea. 1
Z Pratlcaratoda eqaalquer operago em sj
Z seu gabinete om em caaa dos doentea con-
^ forme Ihea fdr mais oonyenienta. sj
0 livro do Povo.
Sahio luz oublica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a dlrecgo do Sr. Dr. A. llarqaes Ro-
drigues, e conlm a vida de N. S. Jess Chrlsto,
segundo a oarragao dos quatro evangelistas, e
mais os seguintes arligos: o vigario, o professor
primario, obom homem Ricardo, amoral pratl-
ca, Simo de Nantua, maxlmaa e pensamentos,
a bygtene, os deveres dos mecios, e o Brasil.
A publicagio do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim anlformisar a leitura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por nm livro
differente, e portento facilitar o trebalho do mos-
tr e do discpulo, como tambem vulgarisar, por
um prego baralissimo, a historia do ailvador do
mando, e os melbores preceitos de moral.
Vende-se o Livro do Povo, no Reeife, na
livraria da praga da Independencia ns. 6 e8, a
500 ra. o exemplar em brochura, e a 800 ra. car-
tonado.
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propoe a ensinar fora da
praca primeiras letra, latim e francez:
a tratar no pateo do Terco n. 33.
SI 6Ra da Cruz--l 6
O Dr. Rocha Bastos
r d consultas todos os dias.
Cura radical e em pouco daa moles-
| lias syphiliticas e dos orgaos gemto uri-
S narios.
Consultas de grsga das 8 as 9 horss da gt
R manba. / ajk
mmMxmmm -mmmimfmm
Advocada
O bacharel A. R. de Tortas Bandeira contina
no exercicio de aua profisso de sdvogado, tem o
seu escriptono na casa de-sua residencia, ra do
Imperador n. 37, aeguodo andar, entrada a direi-
ta, onde rod ser procurado das 10 horas da ma-
nba at aa 4 da tarde.
Francisco Ferreira Correa i
% tendo de regressar boje no i
0 vapor Cruzeiro do Sul para o (
A Rio de Janeiro com destino ao j
0 Paran, e nao lhe sendo possivel (
@ despedirle pessoalmente de to-, (
^ dos os* seus amigos, o faz por (
Q meio deste oferecendo-lhes o (
stt seu exiguo prestimo. Recite 30
m dejunho de 1862.
Offerece-se para criada de urna casa de pou-
ca familia, ama Pottuguexa : a tratar no primeiro
becco o. 4, que Oca em frente da ra dis Plores
e da camboa do Carmo.
Lazinhas muilo finas
para -vestidos.
Superiores lazinhas para vestidos de muito
bonitos padres que se vendem pelo baratisaimo
prego de 440 rs. o corado t na ra do Qaeima-
do n. 22, no loja da boa U.____________^_
Bonitos paliteiros de porcl-
lana dourada.
Agora ninguem deixara maia de ter em ana
mesa um bonito paliteiro de porcllana dourada
pois que el les se eslo vendendo ile 19500
na toja da agaia branca n. 16.
ISIUWI-JKtf "L
Militares d* individuos te todas as ofrcjes
pode testemunhaias virtJsstie
ineomparaveleprovaremeaso necassario, qu,
pelo uso que dalle Qzeram tdBtlen orpfle
membrosi n teira meo tesaos depois de bal
pregado intilmente outrostratamentosv Cada
pessoa poder-se-haeonveneer dessascurss ms-
ravilhous pelaleitura dos peridicos, que lh'as
relaum todos os dias ha muitos annos} e a
maior parte dellas sao tio sor prndenles qae
admirara os mdicos mais eelebres. Quintas
pessoa recobrara com este soberano remedio
o uso de seos bragos e per as, depois dador
permanecido longo tempo nos hospitaes.o tas
deviam sofrer a ampataco I Dellas ha tan-
cas que'iavendo dcixado esses, asylos de pade-
timentos, parase nao submeterem aessaope-
rago dolorosa oiam caradas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gamas das laes pessoa aa eufusio de sea reco-
nfaeeirnento declararas estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afimde mais aateoticarem sua a firmativ
Ninguem desesperara do estado desaude se
vesseb8Stante confianza para encinar esta re-
medio constantementeseguindo algum tempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar incontestavelmente^
-Que tudo cura.
O ungento be n111, mais particu-
larmente nos sesjulntes casca.
v.
Manguitos e gollas de
eambraia ricamente bordados
Veodem-se'mangaitoa e gollas de superior
eambraia ricamente bordados pelo insignificante
prego de 2 o par de manguitos com urna golla,
sendo que stmpre cuslaram 6) cada par, assim
pois recommeoda-se aoa amigoa da santa eco-
noma que aproveitem a boa occasio, dirigi-
do-se com dioheiro a loja da boa f na ra do
Queimado n. 22. ______ "
Preciaa-se de um forneiro e de um amaa-
aador : na raa da Seozala Nova n. 30.
Aluga-ae wm amo no principio da Estrada
Nova, com boa caaa de morada, cocheira, aatri-
baria, qnartos para pretoa, doaa grandes baixa :
de capim e alguna arvoredos por barato pregos
na ra da Cruz n. 56, se dir.
Ama de leite
Aluga-se urna excellente ama com muito bom
leite : quem precisar, dirija-se a ra dos Pirea
numero 54.
Camisas inglezas baratis-
simas.
Veodem-se camisas inglezas com aberturas e
punhos de linho e com pregas largas pelo bsra-
to prego de 308 a duxla, assim como outraa mul-
tas superiores a 409: na ra do Quelmauo o. 22,
na loja da boa f. _______________
Queijos de coalha
Banha japoneza e outrasmui-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
aua encommenda am grande bello sortimento
de finas perfumante Moa maia afamadoa fabri-
cantes, sendo as bem coohecidaa e apreciadaa
banhas, japoneza, transparente, philocome im-
perial em bonitos copinhoa com tampa de metal,
dita nos copos grsnes, dita em compoleiras li-
las e lapidadas, oleoa de babosa, pbilocome e
Labio, pomadas ou coamestiques, finos extractos
doa preciosos e escolhidos cheiros Jackey-Club,
mil flores, miel de Inglaterra Merechal, Principe
Alberto, George IV, etc. etc. Recommeoda-se a
todaa as senhoras de bom gosto o aso de qualquer
deases eatimadoa extractoa porque aquella que
em ama aociedade, theatro, ou baile estiver com
seu fino lenco orvalbado de lo aublimea aromas
ter por certo o praxer de ver aa suas viainhaa
da direita e esqaerda lhe reodendo bomenagem,
pergantarem donoa F. onde comproa ene lo
agradavel chetro ? E ella orgulhoaa de sea bom
gosto, mas com ar prazenleiro lhe reapondera :
na raa do Queimado loja da agua branca nume-
ro 16. __________.
Por lempo de seis mezes necesiia-se oe
1:000$ com seguranga em urna caaa terrea que
rende menaalmente 203 qaem este negocio qui-
xer fazer, annancia para se tratar das coodlgoes.
Gratiao.
Vendem-se os mais novos qneijos de coalha
em pequea e grande porgo a 500 rs. i
na taberna grande Ja Soledade.

Na travessa da ra das Cruzes n
2, pjimeiro andar, tinge-se para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
Aluga-ae a caaa terrea da ra do Fogo n.
16 : a tratar na ra da Cruz n. 1, eacriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Aze'edo.
Os abaixo assignados curadores
iscaes da massa fallida de Amorim,
Fragozo, Santos & C. competentemente
autorisados pelo Sr. Dr, juiz especial
do commercio, convidam aos Srs. so-
cios commanditarios da sociedade que
gy ra va nesta praca com a referida fir-
ma a entra re m a massa com a presta-
cao de 50 por cento que falta para
completar o capital porque cada um
se obrigou pelo respectivo contrato so-
cial registrado no tribunal do commer
ci, istonp prazo de 30 dias. Reeife 28
dejunho de 1862. Assignados Johns-
ton Pater & C.Hnry Foster & C.
n EsriiplnraraA. .
Urna pessoa habilitada em escripturagao mer-
cantil por amboa oa systema, dispondo de al-
gumaa horaa vagaa propde-se a tornar coota de
algumaa escripias, para o que podera aer procu-
rada daa 6 as 9 horss da manba e das 5 horas
da tarde em diante : na ra do Imperador n.
81, segando andar.
PEQUEO CURSO
DE
Chi mica- Agrcola
POR
F. MAL AGUT.
Acaba de chegar de Antuerpia esta interessan-
tissima obra, vertida em portugus pelo primei-
ro lente de engenbetroa Philadelpho Augusto
Perreira Lima, a qaal muito recommendavel ae
torna aoa nossos agricultores, que nella encon-
trarlo theoriesmente lodos os melhoramentoa
de que susceptivel essa fonte de riqueza do
noaso psiz.
Acba-se venda, pela diminuta quantia de
19, na livraria do Sr. Figueirda nraga da Inde-
pendencia na. 6 e 8, na do Srs. Oliveira & Gui-
marea eaqoina do Collegio, e na raa estreita do
Rosario typegraphia commerclal.
O homem ainda mesmo em seu infortunio cos-
tra o que.
Existe cumprindo sentenga no Presidio de Fer-
nando de Norooha um homem, que auas quali-
dadea o recommendam. E' generoso, prestimo-
o e ptimo amigo, e como tal tem sido conside-
rado por lodos os commandos, e gozs geral sym-
pathia de todos os empreados, e mesmo preaos
daqnelle lugar ; o Sr. Hanoel Caetaoo Nunea
Pinto. Oeoa o qaeira restituir ao seio da socie-
ja Um tfe hUi op,*v>>x_f.ninry assim o dese-
Permuta-se urna caaa terrea Erawua ao Fo-
go por ouira em qualquer ra : a fjtav na Praia
de Santa Rita n. 25.
Milho e farello.
Vendem-se saceos grandes de milho e farello
de Lisboa : na taberna grande da Soledade.
Francuco Joa Grmnn vi a Mrei6.
Agencia de passaporte;
Claudino do Reg Lima lira passaporte para
dentro e fora do imperie por commodo prego e
oreateza ; na raa da Praia, primeiro andar n. 47.
Peroeu-ae urna letra da qaaniia de 32130180
sacada a 6 do presente a praao de 60 diaa, aceita
por Bento Jos Ferreira Lima, e sacada por Beu-
to Antonio Carpiqteiro da Silva ; quem achou fa-
r o favor da levar ao pateo da Ribeira n. 15,
valo de nada servir a oatro, por j se ter dado
aa providencias.
Vendem-se caixoes va-
sios, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1280 cadaum :
nesta typographia se dir.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-se pacotas com 100 folhas de papel ami-
aade branco e de corea a 800 e 640 cada pacote :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16. ______________^_
llnflammagao da bexifa
da matriz
Lepra.
Hales das pernas.
dos peos.
de olhos.
Mordeduras de reptil,
Picadura de mosquitos.
Palmos.
Queimadelas,
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loj
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadis de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada boeetinba conlm
urna instrucc.o em portugus para explicar o
modo de faxer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
barmaceutico, na ra da Crux n. 42, em
pernambuco.
Alpdrcas
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da culis
em geral.
Ditas de anus.
Erupees escorbticas
Fstulas no abdomen.
Frialdad* ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchages.
nflammago do figado.|
N.S. doarmo.
odeme* -.* Uu jv. v pi% J m Je Vw,1 i- tl/'fl^OI
da^ nhia a 3 1|2 da tarde.
iVFsgalhaes d Men-
n des, / ^
^rpcgbando. varias {zendaa ao?aa sa vende por
prego baralissimo para acabar, na ra da Impe-
ratriz, loja e armazem da arara o. 56.
4UenciO! allencao!
Aos pais de ftmilia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-ae a
venda um completo e variado sorlimenlo de boaa
fazeodas, e que a viata de auas qualidades alo ba-
ratiaaimamente vendidas, e paramis veracidade
do qae Oca dito, abaixo vo mencionadas atgamas
das ditas fazendas, a saber :
Manguitos com gollinhas.
Vende-se mangnilos com gollinhas, fazenda
muito bda, pelo barato prego de 25000, gollinhas
e pTInhos ultimo gosto a W000, gollinhas muito
finaa e bem bordadas a JOOO carta urna na ra
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35. ^^____^_
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-ae pegas de uras bordadas de 2,500.
3,000, 3,500 e 4,000 entremeios a 1&600 e SfOOO
cada pega na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama. n. 35.__________________
J
Cha
res a 180.320 400
f
o co-
Os Srs. Vicente Elias Cavalcanti
de Albuquerque, {morador em Seri-
nhaem, tenha a bondade de apparecer
na ra Nova n. 47, loja de Bastos &
Reg, a negocio que nao ignoram.
Attenco.
*
O Sr. Joaqaim Bilelo Uariz qaeira comparecer
ra do Queimado o. 29, aigundo andar, que se
lhe deseja fallar com argencia.
Preciaa-ae de urna ama secca para encar-
regar-ae de ama crianga : qaem ae quizer pres-
tar a iaso dando fiador a aua conducta dirija-se
a ra do Pilar o. 143, primeiro andar.
Saques pelo paquete
francez.
Carvalho, Nogueira & C. e Rezende
& C. sacam sobre Lisboa, Porto e IIha
de S. Miguel: na ra do Vigario n. 9,
primeiro andar, e ra do Brum n. 58,
armazem.
No dia 1* de julho em presenga do Sr. juiz
de paz ae ha de arrematar os atencilios de am
tgougue todos, na ra da Senzala Nova n. 13 :
quem os pretender dirija-se a mesma rus
horas do dia.'
Aluga-se
o sobrado de um andar solao o. 26 na traveasa
do Pocinho, com baataotea commodoa para fami-
lia, com quintal grande, cacimba e plantea : a
tratar na ra da Palma n. 41, ou na ra Nova
oamero 3.
Padaria
Na padaria da ra dos Pires o. 42,
de.am amassador.
precisa-se
Venda.
Urna pesaos com bastante pratica de mta-
dezaa se offerece para caixeiro : a tratar na tra-
veasa do Rosario loja de miudezas de Haia &
Landelino, que dari as iofermages necesssrias.
Mudanca.
* Manoel Antonio de Carvalho
com loja de f&zendas na ra do
[ Queimado n. 1 Y, mudou o seu |
[ estabelecimento para a casa n.
[ 27 da mesma ra. 5
$
. O professor Miguel Jos da Holta esti resi-
diodo na raa do Livrameoto, cesa o. .33, onde j
morou. Contina com o seu estabelecimento de
iostruego primaria, e admilte alguna alumooa
meio pensionistas por mdico preco.______
> Manoel GongalvesNunes Machado, morador
em Goianna, vem doclarar por meio deste aviso
que tres letras ns importaocia de 3:000^000 que
comprou aoa Srs. Ferro & Haia, aceitia pelo Sr.
Jos Gomes Pessoa, do eogenho Tabalioga, j me
foi pago sua Importancia, deixando de aa entre-
gar ao dito Sr. Pessoa por me serem roubadaa de
mea escriptorie.
Precisa-se
jaall
de am bom amassador, e qae entendade fornear,
para urna padaria distante da praga 5 legoaa; pa*
ga-se bem se o servigo agradar : a tratar em
caaa de Tsaso Irmos. ra do Amorim n. 35.
Alugam-ae doua bona escravos, oa quaes
foram de eogenho, para todo e qualquer aervlgo,
ainda mesmo de padaria ; na Torre, sitio do ce-
pillo Jos Mariano.
Ayso.
Gama & Silva, donos ds loja denominada do
Pavo, na raa da Imperatriz o. 60, avlaam a seus
devedorea a virem pagar seus dbitos at o dia
15 de julho de 1862, e oa que at easa data nio
vierem pagar, aerao seas dbitos entregues a um
procurador para oa receber judicialmente. Re-
eife 28 de junho de 1862._________
Predio venda
Vende-se a boa casa de dous andares n. 28 da
ra daa Cruzes, bairro de Santo Antonio, em
chaos proprios, e em perfeito catado de conser-
vagao, visto nao precisar de concert algum ;
faz-se esta venda em'.consequencia de seu pro-
prieta rio ter-se retirado deata provincia : a tra-
tar oa ra do Trapiche n. 14, com Manoel Alvea
Guerra, que tem oa poderes necesssrios para a
dita venda.
Cortes de chita da araran-
Vendem-se corles de chitaa finas com 121(2
covados por 29500, chales de lia por 19, ditoa de
la e seda a Sjj, ditos de merino estampados a
28500, manguitos e golla de linho para senhora a
-295OO, gollaa bordadas a 500 rs. : na ra da Im-
peratriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as capas.
Vendem-se capas para senhora a 6$, ditas de
lazioha finas 109, manteletea de grosdensple
preto modernoa a 25 e 309, baldes de arcos mo-
dernos para senhora, ditos de brilhantlna, ditos
de arcos para meninas a 2$, salaa de cordo que
faz vez de bailo por 19400; na raa da Impera-
triz, loja da arara n. 56.
Arara vende as saias.
Vendem-se saias cordadas para senboras a
29500, ditaade 4 pannos a 39, cambraias lisas a
pega l|600, 29, 295OO, 39. 39500, madapolao fino
de 24 jardaa a pega a 49400, 4fi6O0. 5$. 59500 e
69, dito enfeatado a 39 ; na ra da Imperatriz,
loja da arara n. 56.___________________________
Cortes de cassa da arara.
Vendem-ae cortes de cassa prcta a 29500, ditos
de cores a 2/500, cortea de organdys com 15 co-
vados a 79, ditos com 25 covados a 89, ditos de
la com 22 covados a 8$, ditos de gorguro com
18 covados a 65500 : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Cambraiaa de
vado.
tuJo pre'ir^Fde corea a 29.
deza de corea a 160 rs. o covado.
engos pequeos a 80, 120 e 160 rs.
hapeoa de caator fino a 8}.
Chitaa pretas multo largas e finas a 240 rs.
Algodso trsngado prelo muito bom para vesti-
dos de cscravoa a 200 rs.
Cambrala lisa com 10 jardas a 29*
Cassa de salpicoa com 10 ditaa a 3j.
. Cambraia bordada para cortinadoa com 8 va-
ras a 2/.
Vndese urna morada de caaa terrea na ra
doa Pescadorea n.33, cpm 3 quartos, 2sala, co-
zinha, quintal e cacimba ; a tratar no pateo do
Garmo o. 7, segando andar, daa 3 horas 4a tarde
em dlanle.
Um carro de passeio.
Vende-ae um carro proprio para cocheira oe
mesmo para casa particular, por prego commo-
do : a tratar na travessa do arsenal de guerra n.
7, armazem. 1
Queijos de coalha a 400
rs. a libra,
e inleiro a 320 a libra, maoleiga inglesa flor a 960
e 720, frmeeza a 640, cevadinba a 200 rs., sag a
240, banha refinada a 440, e em barril a 400 rs.,
gomma de ararata a 100 rs., e em arroba a 2980o,
vinho do Porto, Pigueira e Liaboa a 480, 560 e
720 a garrafa, e 39500, 49 e 49800 a caada, es-
pirito de vinho de 38 graos a 240 a garrafa, 19800
a caada, caona engarrafada a 200 rs.: na roa
daa Crazea n. 24, esquina da traveasa do Ou-
vldor.
Vendem-se mai bonitoa aapotis proprios para
embarque; no principio da estrada de Ballem,
primeiro sitio em Santo Amaro.
- Precisa-se fallar ao Sr. Manoel
Joaquim Pereira Magalhes : nesta ty-
pographia^^______________*
Precisa-se de um moleqee
puto da na do Arsglo o, l.
oe casa de
ltenlo allencao.
O abaixo aaaignado, liqoidatario da eitincta
firma de Vidal & Bastos, roga aos devedores da
mesma a mandarem quanto antes pagar aeua
debitoa para aasim deixar de se ver na obrigag-o
de entregar as mesmas a um procurador para se-
rem cobradas judicialmente. Reeife 27 de junho
de 1862.
Joo Carlos Bistos Oliveira.
Sitio venda.
i
Vende-se um sitio pequeo, porm ptimo de
larras, com maitas larapgeiras, coqueiros e mais
arvores fructferas, rhao proprio, oa estrada de
Joio de Barros, em frente ao portto do da viscon-
dega de Goianna; a tratar na ra estrena do Ro-
sario o. 38, segundo andar.
Alaga-se am pieto da Costa, bom trabaja-
dor de padaria, tanto de masseira como de for-
aot: a tratar na roa do Sebo o. IrX___________
. fia rea a Saudade n. ti, aluga-ae um par-
do escravo para lodo qialqiei serrgo.
Vende-ae ou aluga-ae o ailio denominado
Galana, aito na freguezia da Varzea, de muilo
boas varzeas, com bstanles ps de cafezeiros, co-
queiros, larangeiras, etc., etc. : a tratar na ra
do Sebo n. 10.
Peixe em conserva.
Vende-se salmn e lagostaa em lasaa de 2 e
2 libras, ebegado ultima mente no patacho ingles
Busv> de Terra Nova, em casa de James, Crab-1
tree & C ra da Cruz n. 42._______________
Vende-ae a parle de nm sobrado em urna
das boas raa da Boa-Vista, a qaal rende ac-
tualmente 4009 : a tratar na ra da Imperatriz
n 58.
Venae-ae ama casa terrea na raa do Soce-
go da Boa-Viata, a qual tem booa commodos ; a
tratar na ra da Imperatriz n. 58,
Venda de predio e terreno
com algum dioheiro a vista e o resto
a praso, com seguranca no mesmo
predio.
Vende-se a metade do aobrado aito na roa da
Concordia n. 84, o tambem a metade do terreno
no fundo do mesmo sobrsdo, com frente para a
Vende-se urna grande casa de doaa anda-,casa de detencio; para qualquer informago de-
res e solio, sita ns ra.da Guia, com 33 palmoa"verlo oe pretndanles eotendar-ae com o agente
de largura e 130 de fundo, com am pequeo Guimaries, em aeu eacriptorio na ra da Cadeia
qaiutsl, em chao proprio, livre e desembargada: do Recite n. 3, primeiro andar, dae 10 horaa da*
na raa Nora n. 18, loja, se dir qaem vende. maohaa ao meio dia. e daa 3 aa 5 da tarde.
Vende-ae urna eommola, carteira, meaade Vende-se ama caaa terrea! alta na ra do
jantsr, urna cadeira de balango, tido de amarel- Padre Ploriano n. 35, com 8 mei-agaas oe fundo;
lo, por prego mdico : na ra larga do Rosario, a peasoa que pretender, dirija-se a ra da Penha,
numero 33. .sobrado n. 2.
Acaba de che-i
gar ao novo
armazem
DI
iBastos & Reg]
Na roa Nova janto a Conceico
dos Militares n. 47.
Om grande e variado sortimento de
Mapas feitas, calgados e fazendas e todos
estes se vendem por pregos muito modi-
ficados como do seu costume, assim co-
mo sejam sobrecaeacoa de auperiorea pan-
noa o casseos feitos pelos ltimos flgmri-
nos a 269,389. 309 e a 359. paleto ts dos
meamos pannoa preto a 16f, 18J, 20f e
a 249, ditos de casemira de cftr meaclado
e de novos padrdea a 149.169, 189, 209
e a 249, ditoa de casemira de cor mes-
ciado e de novos padres a 14f, 162,189,
209 e 24$, ditoa asccoa das mesmas cs-
aemiraa de corea a 99. 109, 129 e a 141,
ditoa pretos pelo diminuto prego de 89,
109 e 129, ditos de sarja de seda a ao-
brecasacados a 12$, ditoa de merino de i
cordo a 119, ditoa de merino chines de
apurado gosto a 159, ditoa de alpaca
i preta a 7$. 89, 99 e 109, ditos saceos
pretos s 49, ditos de palha de seda fa-
zenda muilo superior a 49500, ditoa de
brim pardo e de foatao a 89500, 49 e a
49500, ditos de fustao branco a 49, gran-
de, qusntidade de caigas de casemirs pre-
ta ede cores s 79. 89,9$ e a 10$, ditaa
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de co-
res finas a 2J500, 89, 39500 e a 4$, ditaa
de brim brancoa finas a 4$5C0. 59, 5$500
e a 69, ditaa de brim lona a 59 e a 69,
colletes de gorguro preto e de cores a
59 o a 69, ditoa de casemira de cor e pre-
tos a 49500 e a 5$. ditos de fuslo branco
e de brim a 89 e a 39500, ditoa de brim
lona a 49, ditoa de merino psra luto a 49
e a 49500, calcaa de merino para loto a
49500 e a 59, eapaa de borracha a 99000.
Para meninos de todos os tamanhoa : cal-
5as de casemira preta e de cor a 59,09 e
$, ditas ditas de brim a 2$, 8$ e a 39500,
paleto ts saccoa de casemira preta a 69 e
a 79 ditos de cor a 69 e a 79, di-
tos de alpaca a 39, aobrecaaacoa de pan-
no prelo a 129 e a 149, ditos de alpaca
preta a 59, bonete para menino de todaa
aa qaalidades, eamiaaa para meninos de
todos os tamaohos, meios ricos ve tidos
de cambraia feiloa para meninaa de 5 a
P, annos com cinco babados lisos a 8$ e
a 129, ditos de gorguro de cor e de lia
a.5j e a 69. ditos de brim a 39, ditos de
eambraia ricamente borbados para bapti-
sadoV a muilaa outras fazendas e roapaa
feitas que deisam de ser mencionada!
pela sus grande qaaottdade ; aasim como
reeebe-ee toda o quslquer encommenda
de roapss para se mandar manufacturar
e qae para eate fim temoa um completo
sortimento de fazendas de gosto e ama
grande oficina de alfaiate dirigida por um
hbil mealre qae pela aua promplidao e
perWgionada deixa a desojar.
Bonecas fraucezas.
Vende-se bonecaa francezis ricamente vestidas
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35._____
Fivelas de ac para siutos.
Vende-se fivelas de ago para ainto a 19500 rs. e
29000 na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para bailo a 160 rs. a vara, bandees a 19500 rs. e
29OO o par, na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Japi
Cascarilhas de seda.
Vende-se caacarrilhas de seda para snfeitar
vestidos a 29000 a pega na ra do Queimado
loja de miudezas. n. 35.__________________^^
Meias de borracha.
Vende-se metas de borrscha psraqsmm padece
de eryaipela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhora a 1$000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Palmatorias de vidro
dado.
Vende-se palmatorias de vidro a I56OO rs., ditas
com mangas proprias para rapazes a 49500 rs.,
cada urna, escarradeiras de vidro a 49500 rs.
e 5J0OO o par, na ra do Queimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35._________________.
Perfumaras muito finas e
baratas.
Opiata iogleza a 19500 rs, dita franceza a 500
rs., 640, 19000, oleo da sociedade hygienique
verdadeiro a 18000 o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os denles a 18000, dita de Botot tambem
para os denles a 1$000 o frasco, pomada france-
za em poa a 500 rs. e 19000, 320 rs. sabonetas
muito Uno a 640 rs., 800 rs. e 19000 cada um na
ra do Queimado loja de miudezaa da Boa fama,
n. 35.
A 200 rs,,so.pavo.
Vende-se chita franceza escura de cor fixa a
doaa tustea o covado : oa ra da Imperatriz o.
60. loja e armazem do pavo.
A2#500,soj)avo.
Vendem-ae cortes de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tsrlatana brancos e
de cores, com barras e bsbsdos a 39: na ra
da Imperatris n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-aeaamais modernas e finissimas la-
zinhas de quadrinhos e de flores solas e palmi-
chas, desembarcadas do ullimo navio viodo do
Havre.pelo baralissimo prego de quinbentos rie
o covado. e dio-se as araoalraa com peohor : sa
raa da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-ae eatanova fazenda de padree delica-
dissimoa com 4 1\2 palmos de largura, propria
para veatidos de senhora a 400 rs. o
ra da Imperatriz n. 60, loja o arma
vio de Gama & Silva.
pa-
As afamadas agulhas*impe-
riaes com fundos dfurados,
ededaes demar^
a d'aguia branca,
Acabam de chegar para
roa do Queimado n. 16.
Cabn
Vende se um eabri|ftde duaa rodas e desco-
serlo, em muito bomkttedo, e pintado de novo,
com arreioaparaa*_caVallo : para ver, na alu-
cina de Hr. CrBtjeiD, na roa da Flrenljli, e
para tratar, n;'rua do Trapiche n. 14,
andar.
z
r i
_
e-se a caaa terrea n. 2 da Mi)
dos, com 2 salaa, .2 quartos, coiinba
tal murado, e cacimba ; quem a pre-
se a ra Direita n, 41.


LaBBaV lili

ara el]
te e
acaba d rtteber um i-
de ricas fila, to boas
bonitas nos desenhos, tendo
largo que poislrel; sssim
brancas eom o centro lito
Sai, multa oulras de di-
cal, rdxa, ucm, etc.,
como-de tea louvavel costume : leja
f branca, na rus do Queimado n. 18. Ten-
1 preco ro.-nmoilo etaas boas e bonita fila.
bravatas de setim eom
ponta larga a i$
Vandem-se grvalas pretas de bou. selim e
eotn pona larga a 1J cada un, to barata
assim so se aba na rea do Queimado, ioja d'-
guia branca a. 16.
Nova altencao.
O vigilante acaba de receber novo sorlimento
de diversos objectos que se vendem por menos
20 por cento do que ea> outra qualqeer parte.
Enfeites.
Veodem-se osriquissimos eafeites de eabeea
eom fraoji e vidrilho a 5j>, ditos sem franja a 3jf,
ditos trancados a 25500, ditos de lago de fila e
bico de seda a 2!J: s no galio vigilante, na do
graspo n. 7.
BIS
Fivelasnrasiato.
Kiquissimas flvelas dfe acocora madreperola no
Qtro a 1*200. ditas de madreperola a 320, ditas
douradiohae a340 : s no gallo vigilaote, ras do
Crespo n. 7.
Vidrilho.
Lindos vidrilhos pretas e de cores, pelo bara-
tsimo preeo de 1*600 libra: s no gallo vigi-
lante, rus do Crespo a. 7.
Para entreter o lempo.
Os lindos jagos de dminos a 1*400, lindas ca -
liabas eom jogos de vispora a 9O0r.: s no gal-
)o Titilante, ra do Crespo o. 7.
A harina fina,
em copos grandes, chegou para loaj d.agoi
branca, rea do Queimado n 16.
Loja e miudeza8,raft deQaei-
mado n. 33 A, de Guknares
ftfewhtw
Chegsram os botos de cornalina brancos en-
carna dos, que te rende por 39 a dazla^o por 12
o par para punhos, s ba nesta loja, cruiea de
cornalina para rosarios, e proprias para encastoar
em ouro a 1*. flautas de bano de 5 chaves.ootn
csixa, pelo barato precode 20$, pos dearrossro-
matisado a 1*100, esa- frascos maito lindos a 39,
agulhas victoria chegou novo aortimanto, o prego
o mesmo da 120. carteiraa para eacrever, pro-
prias para viagam. eom tiotelros etc. a 12 e lfi.
ntremelos bordados, e transparentes a 1*500,
19800, II, 29500 e 3, liras bordadas para caigas
de meninas e salas a 1$ a 2*, labyriotho inglez
80,100,120.160, 200 e 240 rs. a vara, fitas finas
de grosdeoapla aehamalotado proprias pacs cin-
los a 15500 a vara, colheres de metal principe
par* b* -**, a5l$5Qa a dowa-, (aaaada
cabo de balanco a 6 e 7*000, cabo de visdo por
4#500, meiaa para hornera a 1*860, 2t00, 31*00,
59 e 69 a duila, meiaa de seda para crtanca rea-
cem-naseida, lindas core a S9 o per. metes de
algodao pora meninos e menina o 940 o par, flo-
re arflcieea pora eoeitea a lj>, cafalta pora
noiva, s a Biperanca venda por 5J, de flor de
laracgeira, Atas do velludo Urges o eitreitinhaa
como so proearaa 19 a paca da etrile, teaoara
pera un ha de ac finas a 19500, carta ate. para
eostora a 60, 800, 19280 e l*O0, pootudas d*
ac para corlar fios no comeco do Ubynntho, s
tem a Esperanza, que rende por 1$, tinta azul e
pret* (erdsdeira ingleza) a 320 e 640. que se
vende barata por ser receida directamente do
fabricante, peonas de ac logeeaia e de mnitss
qualidadea a prego difiranles, papal almag ic-
glez, .reama de 500 folbas a 6* (pasttadoj, dito al-
oaaco fnocez, reama de 420 (olhaj-a.49 (pautado),
dito em ser paitad a 39X00 o 49, dito peqoeoo
tarjado e> p*e+ a 1*690-, dearado a 1 feOO, do
coros a 1*600, bordado como reods, e pintado
eom palma, roses, etc., por preces razo*veis, a
ama infinidad da srltgos baratos, escotodos
eom gosto e acert para uso domestico,especiali-
dades viadas de encommeade, ala vista neale
mercado, que recebe ceta oasa constantemente.
*
HOS ItUUVS
o
c
bB*
a
o r**
O at a paasaavaat
32- ?*
Ilfl
das seis portas em trente do
Livrameato. 15,20,30 e 40
arcos.
Grande sorlimento de saias a bailo de arcos,
os melhjcas*qe aqui tem apparecido no merca-
o^i 4*500, 5*. 63 e 6*500 cada um, di so para
amostra eom penhor ; a loja est aberta at as 9
hores da noile.
Kelogios
Vende-ss sm cas da Johnsion Pater A C,
. do Viga rio n. 3, um bollo sorlimento de
i elogios da ouro, patente ingles, de um dos mata
afmalos fabrieantas da Liverpool; tambera
ana variedad da bonitos trancallins pata M
mesmos.
BMHNM9 mmm mmmmm
JLoja das 6 por-|
tas em frente do Livra -
meato
BalOes de 15, 20, 50 e 40 arco.
Grande sorlimento de baldes de arcos
os melbores nesti fazenda e grandes,
chitas francezas lsrgas escaras o 22U e
240 rs. o covado, ditas estrelles naiadi-
nhas a 160 rs. o covado, cambrais lisa
para forro eom 8 1(2 vares a 2* a pega,
dita finas a 89. 49,59 e 6| multo finas.
ditas de salpiquiobo eom 8 l|2 raras a
II 39500 a pega, coberlas aleozoadas bran-
S cas e de cores para cama a 4*500 e 5J, .
H cassas de cores fraocezas tintas segura 8
i a 320 rs. o corado, pega de bretaoba de S
I rolo a 25, algodao trangado aero maito
, largo para talhas a 1* a rara, enfeites a
m Garibaldi todos pretos a 5* cada um. len-
H gos brancos eom barra 4s cores a 120 ca-
I da um, roupafeita ds todas as qualids-
8 des maito baratas, a loja est absrla ate j
as 9 horas da ooit. II
KM,wswa*eM mmmm nm
Superior cal de Lisboa.
Tees para vender em porcia o a retalho Anto-
nio Laiz de. Oliveira Azeredo & C., no aeu -
:t,in,a .... 1. g
I
Guimares Luz, donos da loja de miudezas
da ras do Queimado n. 35, boa fama, participtm
ao publico que o sea estsbolecimento se acha-
co repleta meo le prvido das melbores mercaderas
Vndenles ao mesmo estabelecimento, e muilos
outros objectos ie goslo, sendo quasi todos rece-
bidos de auas proprias encommendas ; a estando
eites inteiramente resolvidos a nao venderem
Hado, afiaugam vender mais barato do que outro
qalquer ; e juntamente pedem sos seus devedo-
res que ibes maudem ou vnham pagar os aeus
deilos. sop pen de seren iuitigado*
Soahall Metlors & C, lando recetado or-
dm para vender o seu crescido deposito da rslo-
gioa vislo o (abricaate ter-se retirado do nego-
cio ; convida, porlanto, s pessoas que qaizerem
potstrr um bom ralogio de ouro oa prata do e-
lebr fabricaste Rornby, aproveitar-se da op-
portunidade seca perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prego i sea eicriptrio
ru dTraoich n. 18.
Ra da SenzaltaNovan. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhsion & C.,
seiiins e silhes inglezos, candieiros e castijaes
bronzeadog, lonas ioglezas, fio da vela, chicotes
.para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, e relogios de onro patenta
inglez.
.
Queijos
os mais frescos que tem vindo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
2000 e no passado a 1#800.
Amendoas
eonfeitadas as mais bonitas que ba no
mercado a 800 el# a libra : vndese
no armazens Progressista e Progresst-
vo no largo do Carmo n. 9 e ra. daa
Cruzesn. 56.
ao
Chegou para a |0j da victoria, candieiros s
g*l don>vM.iHln .modelo, lauto para sala-,
como pr* esea.i ^ quarlus evpara outras muitas
coaia: na ioja da nciori na raa do Queimado
a. 75.

m
de *no autori
emcaav-de KaJitra
-ua da Cruj
SJJ
Na ra da Gamboa do Carmo Ioja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi*
lia tanto ao" gosto moderno como anti-
ga, phantbasta etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenda eom maior b re vida-
de e o maior apuro da arte.
stt* fe& M aVMsatt-aereis *sa aifi
Grande
I liquidado por todo
* o pre?o,nabemco-
nhecidalojadoSer-
tanejo.
Kua do Ooeimado n. 45.1
Apparecam eom di-
nheiro que nao deixaro
de comprar
Chitas escuras finas a 160, 180 e 200
rs., cortes da vestido prato bordados a
rallado de cueto de 150* e se vendem
por 30*. 9, 509 709, sabida de bailo
de rollado sem 129 1%*, camisa'
pac senboea a 2*060 o 3*500, gollieha
da cambrais- bordada s 500, 600, 700 *,
800, 900 19, ditaa de Ol bordada 120 f|
.., caaareques de fuslao a 5*. 69,75,8*. -
meiasdo seda branca opretaa para se-
nhora a 1*200 o par, tira de babada a
500 e 700rs., laa* de quadro enfeitada a
300 e 360 rs. o eotsdo, cambraia preta a
400 a 440 rs. a rara, orgaodys de cores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para oortinados e rostido* a 400 e 900
rs. a vara, cortes d collete do eaaemira
bordados pretos a 2* e 3*000. dito de
relindo de cor pretos s 3*, 49, 5* e 6*,
paletots. de brim brancu fraceeze a
39000 a 49900, dito do eaaemira de co-
re* pretos 14* e 16*. dito de alpaca
preta e da eorea a 3*, 3J500, 49 49500,
camisas de peito de linho a 29500, corta
de collste de irorguro a 19500, 19700,
99200, 3J e 35500, eoltetes fettos de brim
branca a 29500, dito feilos do gergurao
o aIOte 39500, dilos feilo de casomir
a 3JSO0, 46 o 45500, dito de reliado a
5*. 6*e 79, ditos de fosto de corea a
1$500, um variado soriimento de meiaa
paree fanmoaa o arhor\ grinalda eom'
flore, charo de froeo, espartilho, e to-
da m qualidade d-roeps etlas para ho-
mem que ludo e rende por metade da
seu ralor.
I
Caetas caligraphicaa
a 500 rs
Heceotemoote inventada pelo prefassor Ssni-
ly, aaquae cem a extraordioara rontage' do
obrigar o aceaiomar astea soaspis o discipolo a
pegar na pao de modo adequado, sedo -
nacida ei esoetas de peqoeass chaca caawe-
aisia>o lagar ende- se derem eolloeor os trs t,lrrpR
dedo, fta4o aaaia maito a eacripi, o con- '
tribvioa Mbiamaserra para qualqar pusoaosn
oo*o tesapo sdqaotir uata bea letra. Nota-se
iada- qoe servem tan lo per adalleo como na
6BHSSIV0
DB
merhor que se pdde desojar a 050 rs. a libra e em barril a

DUARTE & C.
36 Ra das Cruzes de S. Antoftio 36
9 I. lftO DO CARxUO O.
Nos os propriatarios dastes acteditaios armazens participamos ao nossos numerosos
fresaazes que por todos os vapores navios da val recebemos de nossa propria encommenda os
meahor generos^en Jeme a molhsdos, a por iss podemos vender por menos 10 por cania da
que outro quslauer, cerno a experiaocis o mostrar par isso pedimos a todos os Sra. da prsca a 4o
matto, que anda se nao deraa a trabalko. do sMnlarem experimentar, o favor de o fazerem, certos
de nada parderem, pois para isso alo poaparemee loreas para bem serviles a anda mais a pessoas
meaos entendidas, cortos da clarecer aos compradores que s na raa das Gruas n. S& e largo
ao Csrmo n^. 9^1 qua dasem iadoreear oa-portadores, pois muto se ovildam eom outras casas quasi
dos meamos ututos (Progressisu Profcosarvo) po sao as duas nicas frliaei.
Manteiga ingleza ,,^5 9miii ^m ^ mte9 & 900 r a libra.
luanteiga raucena,
600 rs.
zf~. "UX,m o mais especial que se pode encontrar a 2880 a libra.
Lna IiySSOU 0 saeUior que se pode desejar da 29400 a i800 a libra.
Oll^ pretO o que se pode desejar neste genero a 29 a libra e a 1*600 o ordinario.
QUeijOS flilliengOS ebegados no ultimo r.por a 2 197OO:
HfleijO pratO 0 malho do mercado a 600 rs. a libra a sendo inteiro a 500 rs.
Quei/OS dO Ser to muju, superior a 640rs. a libra taabem temos pan 500 rs.
Passas era caxinhas de 8 libras 445qo .soors. a Bkn.
Figos era calxinhas i98libra.. iooo.aoo r.. .libra.
Araendoae da casca mole, 320 nox. ieo .. ibr. mio nons
Ameixas francez^,l,,Ubr,eemlattaeom5ljbra814|000#
larraelada Superior a melhor do mercado em latas da duas libras a 400 rs. a
libra.- ,
Doce da casca da goiaba oao.
1 amaras em eaixinhas proprias para mimo a 29500 e 800 rs. a libra.
Latas eom frotas em ealda,.^, damasco, gDJI> lmaXMi
alperxe a 600 rs.
AliieildoaS COnfeitadaS eom diversas cores a 800 rs.
Y nilOS generOSOS engarraados das seguintas qualidades, duque do Porto,* Porto
bao, Pedro Y, relho sacco, genuino. Rector, Careavellos, Faitoria, a Madetra secea a
129 e 139 a diuia a a lflOO a garrafa e moscatel a 720 ra. a garrafa.
DH08 n, pipa^r^rios. paj^wesA.de Z&* *- j .....6"""-*
derVt jaS das melhores marcas a R"0 rs. a garrafa e 59000 a duxia, ehanpanne das
marcas mais acreditadas de 14| tWOf o gigo, eognhac o melhor qua se pode desejar
900 rs. a garrafa. \ j *
ene Dea da verdadsira hollanda em garraVoes de 16 garrafas a 69000 cada um.
Ijsenebril' UatianVf maii swbfiirs qii-'tem vindo ao nosso mercado em frascos grandes.
a 2|000 cada um.
Frasqiieira eom 12 fraseos dejgenebra de Holanda 9800
IxarraioeS eom 5 garrafas do superior vinagre a 19000
Vinagre puro de Lisboa alw g.rrafa i8oo a caad..
Ti arra>qm HO 0 maiisuperior que se pode desejar a 19000 a garrafa.
.SjSpermaCets? \> mais superior do mareado em caixinbas de 6 libras a 49200 e 700 rs.
a libra. i
VeL'S de Caijnallba all500aarroba e380 a libra.
A'ICOTetas com.zeitonas as melhores do mercado a 1#400.
V/aiXaS eom 1 arroba bespanhola contendo macaro talharim e. alelria a 69000.
-jaiXinflaS cora diversas qualidades de raassas como saja eslrelioha pevSds ete., a 6*000
e 64*0 rs. a libra.
Choaricas e Pa i os os mim d0 marcado, 560 n a lbra#
calameS o melhor que se pode desejar a 700 rs. libra.
I rezlintOS 0 qtspododezejar de bom a 640 rs. a libra.
LngUlCaS finasemlaus jpromptas a 19600.
Heixe-etll la^Sc.vairinbaspargo.aliDguadosal^OOO.
I OUCinhO do reino a 280 rs. a libra do novo, e 240 rs. do velho.
oanha de pOrCO Haelber >mercado em latas do 10 libras a 49000.
M38S* de tomate em latavde 1 librr a 700rs
UlaiSaS para SOpa talharimemaeanaea 280rs,ealelria a 320 ra.
r alltOS llXadOS emmacoscom 20- asacinhos a 200 rr.
Papel greve pautado a liso muito superior a 49000 a resma.
rra OCea 360, pimenu a 360, canella 900 rs.;ecomiohos a 800 rs. a libra.
Pallt'JS do gaZ a 29300 a groza e 29 ra. a ctixinha.
sa-1 retinado em: pacotas de mais da urna libra a 160 rs. potes 560 rs,
^ag"0 muito novo a 280 a libra e sevadinha 200 rav
Farinha doMnsjnMo lOO ra. Rlm e gomma a 80 rs. libra e 29400 a arroba.
^' |? fa Ca malbor do mercado de 89500 a 99500 a arroba.
Ca XI n has mai8 pegantes, propias para mimos ou mesmo para guardar joi.s da 400 rs.
a 19500 e temo eom 6 caixinbas a 59900.
^^e he^Pfnhcj| waadeiroaWOO ra. a libra*
| V\2. POltU^UeZaS e ^eWIS. feijao verde da040. 720 rs.
M rabiles os melhores do mercado a 10| a caixa ea 280rs.aeartav
^aTel em latas chegado no ultimo vapor a 19600.
Bolai:inha.te socia^^^^oo,
BohXnha fctgtpZ9\ ma8 nova do nsaraadoa^SOO a barrica e 3OO rs. t-librt.
**^**^^ chegadas uliimamente a 320 ra. a litar.
Sa rdinlias de Na ntes r a a uta.
Azeite date, refinado .^ira-e 800*n. agarrafa,
A ,ozt-sa(^da5twha,^WTOelhaa.31iWO
8 PEDRO
VENDE-SE NO ARMAZEM
PROGRESSO
DE
o mais superior que tem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
o melhor que h no mercado a 29800 o 29200 a libia, anwea-se a boa
os mais Enos que hs no mercado a 19 agarrafa e-109 a duxia, tambem tema
para menor. .
,*tfsm dos genero, aannneiados encontrar o rasaOitarei psablieo tadp que fer per Uncen -
meaiW Al ra. galre, ra da Gadeia n. 7 : GUbarm SisjHt, 1l-Snr8> 1^* ntandarem sea competenie importee todos cdemUfreguesa deHvro tam pratesiordooalafns^^^ raasat ijar-se palos procos acostumados, alvo aquellea-de na de mea,
Francisco Fernandes Duarte
largo da Penlta
Os memores gneros que rem a este mercado e por menos 10 por canto do que em outra
qualquer parte, garanUndo-se a boa qualidade, por isso rogare a todos os Snrs. da praca, da
gonhos^eUvradores o favor de mandasam saa. encommendas a este muito acreditado armam 4a
molhados, afim de verem a diflerenca da proco e qualidade que fax, se fbssem comprado, em oolra
Quii(jU8r parle &
^1M,i*1** ***i** para sorte de S. Joo a 800 rs. a libra, umbem temase para
B0 ra. a libra sendo em porcao, tanto de urna qualidade como de outra se fax .bati-
mento.
WLiftBUiga trmela a *& nova a 640 r*. e Kbra,am barril a 600 rs.
tt^M aO T^lsaVa aujto fugeos ^dg^os te8le uit5mo v8^r t 29000. ditos cha-
gados no ultimo nsvio a 19800.
Qaeijo prato
Oa aysson
qualidade.
aUXlaat 0 que M ^ deg^,r nesle geoaro a 3^000 a libfa
Clia ptatO homeopaihieo a 2-9200 a libra em porcao se fax abatiraenio.
^SSStt0V<)S de Pavio tensado a 230 rs. a carta e em caixas eom 40 cartas por
99000.
Latas eom amemdoas eonfeitadas, proprias para mimo, contoneo mais eon-
fetese assucar candido por 19600 cada urna.
faSSaS em eaixinhas de 8 libras chegadas ah mmente a 29000 cada urna e a relalho
a 480 rs. a libra.
DOlaXiaiia d soda em Jalas eom differentes qualidades a 19440.
aaVaiaXissaHa ingleza a mais nova que h no mercado a 49000 a barrica e a retalho
a 320 rs. a .libra.
VianO esa pipa de superior qualidade Porto. Figueira e Lisboa 500, 560 640 rs.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
VtiIieS engarrafados Duque do Porto, Lagrimas do Douro, Carea'solbs, Fei-
toria velho, e de outras muitas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
tambem ba para 19000 a garrafa.
* a sbsbP a a lie das marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
10800
fiavvaU .. _.......*_*_!.. ... j. ______ ... )-----------------
a garra r.
soiTVIluaS francezas e portuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
Iralaea le tomate em uttas de 1 libra por 800 rs. j \
VmtlX&a traaeexaS em latas de l e meia libra por 19500, ditas cm 3 libras por
2,5800. x "
^-aeaaoa de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 8)91000.
NOZeSa 120 rs. a libra e em arroba a 3-5000.
Wetria, maearrae e talaaTim a 400 rs. a Ubra, a em caix. eom l arro-
ba por 69000.
Ei8Vreilial\a, pevide e arroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em eai-
xinhas muito enfeiladas se faz obatimento.
* ailieS aC ae**ee Ixad03 03 maisbam feitosque tem vindo a este mercado a 280 rs.
Umbem ba para 200 rs.
PreZUlltOS lllgleZtS pare fiambre a 800 rs. tambem hamburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
lillOUriQa& epalas n,m,0 n0Ta8 a 560 rs. a libra eem barril se far abatimento.
^aiaiate 0 melhor petisco que pode haver por esur prompto a toda hora a 800 rs. a fita*
T eaeaae a re&O muito novo ixMm, libra e aaa barris de l a meia arroba
a 59 a 79 a arroba.
%-iUOatibas em Uiasj promptas para se comer a 19800 cada urna.
Banaa de pareo refinid, em ,alas Mm 101brag por 4f300>
vita em barril mil0 fina e aWa a uo r8# a Ubra eem barril a 400 rs#
Gartoes eem bollo Craaeez
MLarmelada
a libra.
***laa*i* J**"*_ eOM S nietas deSoceem calda as melhorej que ha em Portugal como se-
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
UOCeS SeeeOS em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 29000.
Chocolate hespaiholal9500rv a libra, ditto francea a 19I0O dlto portuguez a
800 re., afianca-sea boa qualidade.
Vaaie de priraeira qualidade tanto do Rio eomo do Ceara, a 320 rs. a libra, -em arroba a
99500, dito mais baixo a 380 rs. e 89500 a arroba.
stsVadlAna abatimento.
^*8**^ matto-novo a 320 rs. a libra eem garrafoes eom 5libras, por 29000.
Farnha v, ,eno das marcas SSS ou galega, a J40 rs, a libra.
9a\ia do Maranban atrs e cheirosa s t60~rr. a libra e em arroba 49500.
etej de carnauba refinada a 40O rs a libra, e em arroba o 129000.
AZeltS dSee refinado a-800 ra. a garrafa, e em caixas a 99000.
Vinagre da Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 19800.
lSkaaVO abare verdadairo a 19600 a garrafa, a em caixa 149000.
Vi HE O braaCO de Liaboa o mais superior que ha no marcado propria nara m>< -
40 r- gortafa e eiff caada a 4|500. r F ,M*a
^"rUlSS suspiros do fabricante Brandio era maias eaixinhas, por 2f600'.
***S suspiros do fabrican le Caunho & Ftlhos em meias axinnas a 29000.
UltOS^ea^xaVdVlOO^regalrV imperial, Yugantes, e Panentellas, a 29090a caixa.
AtpiSia muij limpo, a 180 rs. a libra, e em arroba 59500,
AzeitOfiaS muito novas, a 19800 rs. cato urna- ancoreto, a a dOO^rt. a garrafa;;
Ana* de MaranbSo a ISO rs a libra, e 39700 a arroba. j
srSlXe da postas em latas da, melfinrris ipilt-i^ p*'*- quavh, am. Pnr^g,!' t |y;Q0 y,,
r ** e*iaaa ginnioea eom 2o garrafas por- 99000.
llOStard oglexa- muito nova a> 9000 orasco e franeeza a 640 ra. o pota.
i^-doagymroaacma.a.ea^oMKi^ orespeinvol publico' um-
tnwflto de M*f fio ntate arKfctdo,
proprios para mimo a 800 rs. cada um.
imperial do afamado Abreu ede outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
J
l
nLT~r-.r*r% #r-tf


/
'%
.

'i
*
-.

1
\
*
-

s
\
?


t-
4
DIAMO -H BWUIrtOCO TER(?A FEIO A1 f* JBLHO _* 118
i

".
*
*
tt-ta
A epidemia #eelU* eensitelmeote, o ee
eompUt eseppsretfpewto e*ta prximo! O
preprietMM ettt bm tortido e*Ub*ledmento
convide o* ira* numeroue* fregueses a substituir
o calcado telho, qe todo est choUriee. ppr do-
to, qu paaai roatstir 4a mil sobo Us e maizur-
eaa qa* raoier dansadae am louror do restabe-
leeimeato da ande publise. Os precos eon-
HOMENS.
Botinas afamada* Mills. .


9
>

*


noo-plu-*ltr NaitUfl.......
Nantaa 2 bateriaa.............
a laitra...................
ioglezei de botei...........-
batedotoa.............. ........
*500
a mn a. porco......'.* 91000
bererro a Uitre.............*
ingieres ps seiregeoe.........
tallados bratilelro....
Sapatdas noa-plus-eUr*..
*.
79000
69506
&500
69000
59500
59000
31060
59006
29009
19
a I bateriaa e mola..............
a esmaga cobra..................
a Nante 2 biterUs taquela.....
> a 2 balera* boxarro......
a a trabalhadares..........,
a braaileiros de 3J500 a..........
Sapatoa 2 aolaa e salto.................
a tranca portagaezes......... .
a franceses. .
SENHORAS.
Botinas dengoza. ........ 59560
> aalto de bater......; 59000
pechiocha de 43500 a. 4J0OO
americanaa 3|500 a 29500
Sapatos da aalto [JolyJ J 39080
- sem elle [dem) ...... 19920
a tapete;........ 800
a econoitico*. : 500
> lastra 32 33. .. !_. .1. 800
MENINOS E MENINAS.
Ha de Udo em relc.o e nao ae daiza aahir
dinheiro.
Un completo sortimeato do couro de porco,
cordavao, bezerro trance, ceoro de loatre, mar-
roqaim, sola, coarinboa etc., que todo ae troca
por dinheiro tentado do comprador.
Barato que admira.
Via tu* 4o Gaesf o *. 14.
Liquidado.
Cortea do seda de corea com babadoa com pe-
Ineuo toque a 20, 25 a 309, ditos de seda de qe*-
ros s 10 o 129, ditos do ajase o barege com baba-
dos a 5|, 7, 8 IOS. cbaly clorido do la a a soda
a 400 rs. o cotdo, barego de seds a 320 e 500
ra. o corado, laaxinha de cores lisas o do qua-
dros, cotedo a 330 e 400 rs., alpaca de seda de
qusdros a 3Q0* 360 o corado, bombastoa de
retase corea enfeetada a 700, W e loco
Bq de coraaperior qualidade a 19900 o
corado, growaoaple do coree com toque l
%30M00e50Ora. o corado, seda de corea U
vrad s i$ a corado, csisas o org*ndy a 2
280 o eodo, eorlea do' eoUeUs do Jeei
corea de seds s 39. diloa -de gprgurlo
carea a 29 e 19008. Unj de lai|0daj^H
e.eOOr*.. ditos doauVls*. UtradoJiaf-
de toaquim bordados a Mf,.manta* !
prete a 4'e 6& ferina branco de Hoto
o 19* rara, tapetes de cores para sala a 4
dito* grande* atlludado* a 12 e 159. panno _
casemira a 41, 5, e de 2. psletoU de bnm bre-
eo a 39. ditos pardos a 29500. ditos de caaeaira
a 61, ditos de alpaca a 4 e 69. olletaa do gor-
guiao de eoreae de setim preto a 3 a 49. sapaSof
de borracha a^tf mantas e graraUe de sed* de
cote* par* homem, que tende-se por toda psa*
eo. meiaa de seda pretas pata homem e lenhora
*J9.1950Q o 29, Uvaa de- aadaM cores a 200.
409*600 rs., dUas de retro-^608 e 800 rs.. ri-
co* rertaarios do cambra!*bordado para baprl-
ado, e dito* de fucilo gprguiao parai crtaaca
que ae rendaras qor toeo preco para acabar, cha-
lea de lia de camello croch a 4 a 55, tuautem-
tes de grosdenaple a !&, cassreque* de cambraia
a 29, ditoi de fil a 59. capierhs* de merino para
senhora a 59, chapeos de sed* enfeilados. tanto
para seobota como par menina a 2$, e S|. ~-
feites de Dores e Troco do ultimo gosto a jW), 1
e 11500, diversa eeUimefites de chita 0 casa*
pret em ratatho a 100 r. o corado totas* P*r-
viagem i 6. 8 a 108, um com plato sortimento de
tira bordadas a ponto ingles, (taoja de soda,
eo francos, u outras muitas lateadas que se ren-
de por preco multo barato por querer acabar.
loa a
d.25
Ctmbraias organdys a 280 rs.
vVeadu-te, ambraiaia orgaody com dlieadis-
lirtfu deaeobo* a 280 rs. : na leja rmazem do
defronte do feecco Latjo. \u_ **^> ""
V*nd*m-* tamanUa1 da torUlicaa, stmai* ^ Pnvflft
ora* qua ha no auccada, asalm como T**4eige- O O raviu.
oero* d* molhado* maito barato. O rinjao ttua* V*odo-*i 'uimaacasaaa francezaa de raria-
da loaaa as qa*Ud*d*s. J___________________ 4o* padrdaa \ 260. 0 a. o oorado : aa
----------------------ruaa Impera. 60, loja da Parla da Gama
Batatas a 1$ a arrota, onouri- 9pa4eora. rlibr. ,
Vendem-M glgo* com um* rrob* ie MU a
19. chaurtasii de.Mino ajMO rtfaltbn.. *M
m barrUa IsU rtamento, toucioho de Soaso*
,69 a tor v UO Ubr. a* raa d* Ittpeta-
tf* ay 88. frafruutU. da totrls.
Anda o Jt
Vende-s* chita fraoc
toque de mofo a 200 rs,
as a 140 r. : aa roa da
Gima k Salta.
Tiras ou ntremelos bor-
dados.
Fhospboros de segoranca, por qua llrra de J-
remelos bordados if **>. 1 tU a caixa: o. loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Yendem-se tiras ou
liados fostosf >Ho* bsratialmo* pr*oa de 19500
a 1|600; 6 no galorigilaat*. ru* do Crespa,nu-
mero 7. __________________
VGE.I\^1\
Bk
Atleneo
VMdeaarae seguale* objeta*, Udo pe pre-
co muilieoBMUudo. sonde uta muiohu, m tor-
udur. s* bSlSKB, "TT '- da paao-tudoj Gama di Silra.
SSuaodetj aSa Atteocao.
'H$ ra da Santa Cru* T, rar^e-aa^eVne do
sertio a 320 r*. u>libf LSaeijotau erlao notos
o o* m*ia fr**ei BB*. HHi* *>
da maAdioca a 49 a tac-
mca um alqaa r*. mudida tefhs,
e a cala a 140 r ^e. tambam queijos do qaalha a
360 a libra, a ouisoa multo*- geooros qu*
risU^OaomptadraF. ^^ ___________
i a 200 rs.
"uracos* diminuto
'o, a dita* inale^
la n. 60, loja do
Veade o P&vo a -s.
Gargaiuo de liuho que faito au. < pata
ahora ou roapa para meninos pa. as
!280 rs. o corado, per ter grande por$ a
a Imporatrls o. 60, loja e armsaem da .
Fundida tow-Moftr,
Phosphoros de seguran?
Baleias para vestidos.
Btelas moito grandes e boas 160 ris um*
a* loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
da Senzalla Karv* n.456.
Reato Ubalasimeato coatioua a baterum
completa sorouMOap > moandas a metas nwen-
^f$x%^i,mSiamiMr*tM etaiwt
dartVtxv batido e coado de todoi os Uffljnho
paru.'*l,______________
Lin|ta de croxel para la-
byritho.
Tarlatana te Pava.
Tade-se Urlatan* de lia com palmiohas sol
tas a 310 rs. o corado : oa rus da Imperatiix n.
60, loja do Pari do (jama & SUta.______________
Oueijos.
la
americanas.
Em caa de N. O. Biabar 4 C, successorss,
ra da Crux n. 4, tendem-ee :
Machlnaa para regar hortaa e capim.
DiUs para descarocar milho.
Dita* para cortar capte.
Selina com perteoces a 109 o 209,
Obras do metal principo prateadas.
Alcatro da Saocia.
Veris do alcatro para natos.
Salsa parrilha de primeira qoalidade do Par,
Vinho Xerez da 1836 em caixae de 1 dusia.
Cognac em caixa a de 1 dusia.
Arados e grados.
Brilhentes.
Garrocas pequeas.
SEDAS
Cinco tustes*
S na loja dopavSo
tendem-ae aedas de quadros, ditas de listrss ao
comprido, o ditas de liatras atrareasadas, ditas
de qaadriohos, sendo dos meihores padres e de-
licadissimos goslos, com largura de cbU inglesa
a 500 rs. o cotsdo, pecbiecha, e dio-so as
amostras com penbor: na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do patio de Gama & Silta.
Vendem-se oa rae Direita n. 99, afronto da
loja de mudezaa, qaeijos rindos do norte no al-
tlmo rapor a 2|200, dito* a 29. ditos a 19800, di-
tos do serto a 29, osa libra a 560. ditos de qaa-
lha a 440. aletria a 400 rs., maearrao e Ulharim a
320 a libra, eaixoes do doce de goiaba a 19500,
toucioho da Lisboa a 320. sag a 320, cera*.
do reino a 240 a libra, arroz a 140, a dito a .
gomma a 120, mantelga iopioca a 800 r*. 1.
m~. dita francesa a 720 e 800 rs., cha bytson a. 29800,
31. e 39200, dito de Rio 2$, tinhoa de todas as
qualtdadea a 500, 560. 640, 800 a 19, Uinha*
multo grandes tlndas da Ligoa a 400 ra., o os-
tros muitos gneros. ______________________
O Pavo vende a 4#500 rs.
Corles de baregea com fio* de *ed* teodo 22 co-
rados, com barra, podando-se faier babadoa, pe-
lo baratiisimo prego do 49900, s oa loja do Pa-
tio roa da Impertnz o. 60 da Gama A Silva.
Vestidos de la.
Vende-i* teslidos de liazlnhas tendo as ssias
ja promptaa, com muits roda, proprias para ba-
ti a 4900, i na loja a, armazem do Pasao ruu
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silra.
atiba e carpioa de Cartoa Heaie na
a dos Pire* n. 28, b* para tender um ptimo
o do 4 rodea ba pouco lempo acabado, assim
um cabriole! de 2 rodas igualmente bem
'uem os pretender pode dirigr-ae a dita
achara com qnem tratar.
As meihores lichaa de croxel para labyrintho,
ootallo* monstros a 320 ri um : na loja da Vic-
toria, Q* ra do Queimado n. 75.
^a da Rossia.
Yenu. ^adeN. O. Bieber
C, succestk. 'la Cruz n. 4-
&
Liquida
zeu
de fa-
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindoa sintos dourados psrt seohoras a 5'20,
ditos de ponts cabida a 49, ditos de fita a 1b60 :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegoa para a loja da Victoria urna peqaeoa
percio de ricos espelhos detsrios lmannos pars
ornamentos de salas, sfDaocaodo-e serem os
meihores em tldros que tem tindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Basquinas do Pavo a 4^000
Vende-se ricas baaqainaa de fuatao mui bem
bordada*, fszeoda que sempre se teudeu por llf
e 169000 por 49000, para acabar : os loja do Pa-
tio de Gama & Silta, na raa da Imperatriz
a. 60.
Cambraias
Vendem-se cambrafae de cores de bonilos o
Enfeites do Pavo.
Veade-sa ricos enfeiUs turca e Giribaldi
com ricaa raojas o bolota* a 58000, ditos dos
meamos mais simple* a 2fl000 ri., a ditos de fitas
esda um em sea carlao : aa ra da Imperatriz o.
60, loja do Parlo. _____________
Brilhantioa suissa.
Veode-se brilhantina suissa da quadriohos, a-
alegantesdesenhos a 280 e_3J0 rs. o corado : na MB(jt mMM encorpada para reatidoe e mais Ur-
g qao chiU iogleza a 200 rs. o efltado : na ra
da Imperatriz n. 60, loja o armazem do Patio
da Gama & Silva.
Na ru$ o* crespo, Um u \^ para bordar,
Vende-se para acabar, e por _.0Q0 <-** j-r** ^rve*i*^,
completo sorlimeoto do fazendasint, Ig (r
ih, auisiaa alUmies, todas propria *.,( me
cado, o algumas receotemente ehegada.
Obras de vidro, _
escarradeiras, e palmatorias*
lapidadas com mangas.
Vende-se na loja d'sgaia bracea mui booitat
escarradeiras de tidroa de cores a 49500, 5 e 69,
assim como palmatorias do ridro lapidado com
mangas bordadas a 49500 eada um : na rea de
Qaeimado. loja d'aguia branca n. 16.
raa da Imporatrls, loja o. 20.
Ra da Senzalla Nota n. 42.
Neste estabelectmento vende-ie: ta-
chas de ferro coado libra 110 ri. dem
de Low Moor libra a 120 r*.
Engenho.
Vende-se por spolUee da ditida publica, e
tambem arrenda-se mediante a* detidaa garan-
tas, no caso de nao apparecer comprador que
chegue ao jklo pre^o, o engenho Serrarla do
municipio da villa oo C%bo. e que nelle existe co-
mo rendeiro o Sr. Antonio alanoet do Reao Bar-
ros, caja renda ser afTactuad aoprebtnaemio
todaa as trras qua demarcam o meamo ogeafao :
os preUndentes dirijam-se ao abaixo aaaiguado,
que se acha deridamente autorizado para tratar
desse negocio.Caelano Pinto de Veras,________
Urna carroca.
Vende-se urna carroca em muiU bom catado,
com o* eompeienU* arreios aoroa par* um es-
tallo : treltr na raa do Trapiche n. 14, primei-
ro andar. ____.
Para doces seceos.
Vendem-ae maito bonita* caixinhas redondas,
de madeira, de diversos (amachos, forradas de
papis de cores, muito liadas, propria* nica-
mente para doce* seceos de qualquer qualidade,
pelo barato preco de 4, 5 e 69 do Queimado, os bem conhecida loja do mina-
las da boa fama o. 35.________________^______
Para S. Joo^S. Pedro.
Veddem-ae caixioha* com grande porgio de
amendoaa coofeitadas, e alguns confeltos pro-
prios para o festejo de S. Joo e S. Pedro, pelo
barato preco da 800 rs. cada ama : na roa do
Queimado, aa bem conhecida loja de miudezas
da boa fama n. 35. ______________
-f
Fazeedas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior pele dimi-
nuto preco de 29 o corado, paono preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 o 9f o corado, casemlra preta
muito fina a 2f, 29500, 3, 39500 a 49 e ovad*,
maD tas pretas de blondo moito superiores a 129,
marrteletea de superiores grosdenaple* pretos ri-
camente bordado* a 359, aobrecasaca* de panno
preto muito fino a 309, casacas tambem de pao*
preto mUo fino a 309, psletoU de panno preto
floo a 18 e 209, Ho de caaemira de cor mee-
clada a 189, auperiorea graravinhaa estrellas a
19, ditas de setim maco periorea para das* rollas a 29, ditas o**MStUih*a
com lindos aldnetes a 29, superiqr gorgurao pre-
to para colletes s 49 o corte, ricos enfeites pretos
a 69, assim outras muitas fszeodas qua- sendo a
dinheiro tists, tendem-s* por prejos roaito ba-
ratoe : na ra do Queimado o. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.____________________
Arado americano e machinas
para lavar roupa: em casa deS. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
a. 42.
1 >' '111
Moendas p meiat moendas.
Tartas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
RudoBrumn. 38, fundic5o
de D. W. Bouman.
Colchas do Pavo.
Veode-se ricas colchas de fuslo de linho da
tartos tsmanhoa e differeoles deseohos : na rus
da Imperatriz o. 60, loja e armazem do Pavo
da Gama Stlra ____________
Chales pretos do Pavo.
Veode-se o* mais moderno* chales pretos de
pool* redonda com bolota, gaarnectdo* de bico
de *eda largo em lugar de franja s 69000 : aa
raa dalmperatriao. 60, loja do Patio._________
(Miados.
do
eb-
A loja d'aguia Dranca, ra
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo tapor oa seguintes
jecto* :
Bonitas ligas de seda para senhora.
Grandes e bem tecidoa bandees de dina.
Aspas de ac, e fitaelastiea para ces do balo.
Bonecas grandes mui bonitas e bom rostidas.
Bonitos baazinbos com 9 frascos de cheros.
Lindas caixinhas com 6 ditos de ditos.
Trncelan> grosso de cor para guarnecer rostidos.
Luras de camursa brancas e amsrellas. _______
Vandem-se olladoa pintado da Und<* litin ,
paisagena, largura a. o, 7. 8 a 9 palmos, pro-
prios para meas de jaotara 29 o corado : na raa
da Imperatriz, lojs n. 20^_________________
Bales do Pavao.
Vende-se ricos baldea sreodsdos eom duasalas
bico *m rolla, pelo baratissimo preQo de 69,
ditos de madapolo francez muito grandes com 6
('reos a 5f, ditos com 5 arcos a 3 do Patio, ru da Imperatriz o. 60.
Bramante do Pavao a 100000 a pega.
: Acabe de ebegar a loja do Pavo, ama nota por-
r^o do acreditado bramante de linho, com largu-
Cde brim liso, tendo 27 raraa cada peca
tendajo propria para lences, loalhss
1 Us. c *_. etc., e tende-se pelo bsi
'"*'_. "Itr5"a pe?, ao pa ija do p
Meias em quantidade*
Na loja d'aguia branca acha-se um completo
sortimeato de meias de lodss as qualidades e
presos, sendo psrs horneas, seahorss, meninos
e meninas de 6 mezes a 12 aonos. Ennomerar
oa differeoles prtcoa contundir o pretndeme ;
assim quero se qoizer convencer de quo baratea
a* esto ollas tendendo, dlrigir-se com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na rus do Queimado
numero 16^______________ __________________
Superior sebo em velas e em
pes, caixas de urna
arroba
Veudem Auloaio Luis d* Oliteira Asetedo &
C., no aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.__________
La muito boa de todas aa core* para bordar, a
"* a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei-
[o n. 75.______________________________________
Lfqhas do gaz*
50 oovellos de liaba* muito fi-
lis s caixa, ditas com 30 no-
700 ris, dUas com 10 notellos grandes
brancas e pret*: na loja da Victoria,
ueimado n. 75.
''aixinba* c
'o gaz a
na ru
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os meihores
candUiros de gaz qae arm tiado ao mercado, por
precos commodos : ns pqia da Victoria, na iaa
do Queimado n. 75. N
Jacaranda superior.
Tempera tender Antonio Luiz de Oliteira A-
zatado C, no tea escriptorio roa da Cruz n. 1.
0
ttenc
36 Ra Nova 36.
Acaba de chegar oeste estabelecimento um
completo sorlimenlo de relogios de ouro o prata,
sendo descuberto, com ponteiro grande no cen-
tro, e tende-se-por prego muitissimo barato.
Coraes lapidados.
Sao grossos que admira.
A loja d'aguia bronca scaba de receber urna
pequea quantidade de coraes grossos lapidados,
os qeaes sertem para as toltss que ultimsmentt
Luvasde Jouvin.
Vende-se lutss de pellico de Jouvin brancas,
para senhora, ltimamente chegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Toda attencao ao gallo vi-
gilante, que est quei-
mando.
Luvas de pelica.
As terdsdeirss luvas de Jutio, chegadinhaa
no vapor francez: s no vigilante, ra do Cres-
po n'7- ^^^______^_________
lpferatriz n. 60. da
DI
Gama
& Silva.
Chales Garibaldinos.
Vende-** na loja do Pavso, chalet de merino
muito grande* de listriohaa a Garibaldi, pelo ba-
ratissimo pr*fo de 40500, pechinebs : na ra
da Imperatriz o. 60. de Gama Silra.
Chales do Pavao.
Vende-se chales de merino multo grsndes a
38, ditos de casias de corea a 800 rs. : oa rauda
Impera' i n. 60, loja do Pavao.
Luvas de seda.
Vende-se luvas de seda enlejiadas a 1$600,
2$0O0 e 2J200, dita* fl de EscosaU branca* a r.
700. dita* de core 800 rU, ditas de algodo a
280 tis ; ua loja do beija flor, raa do Queimado
numero 63._________
Escovas.
Veode-se escoras psrs denles finas de diversas
qualidades a 120,160. 320. 400 e 500 ris : o*
loja do beija-flor, ra de Queimado o. 63.
Lindos boioes de banha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber liados
boioes de porcellans doarsds com fine banha e
maviosea inscripces, os qeaes porsuasdelicade-
zas o perfetcdss tornam-se dignos para presen-
tes, e com especialidade na actual quadra, quem
goatar do bom dirigir-se com dinheiro ru
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, qae acha-
ra em que bem o empregir._____________________
Para os festejos de S Antonio
e S. Joo.
Trinas e galCes.
A superior trine o rolantes do Porto para ur-
nas, oratorios oa igrejas, aue se teode por me-
nos do que em outra qualquer paite: s ao vi-
gilaate, ru* do Crespo n. 7.
Jogo de domin.
Vende-se jogo de domio finos a lg-200
loja do beija-flor. ra do Qoeiaado a. 63.
na
Botes para pinino.
Tende-se boioes de punho finos de ditersa*
qualidade* a 200 rcia o par. que tambem aerrem
para manguito* de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Chegaram as desejadas rosas
artificiaes.
Agora dore cessar o deagosto que muitas se-
ohoras santiam por nao terem comprado daapri-
meirasrosas que aloja d'aguia branca recebeu,
isse porque dit loja acaba de receber am noto e
maia brltbanle sortimento delUs, tindo esUs de
mtisa mais dalicamente ortalhadss. A senhora
que com a pequea quantia de 53 comprar ama
deesas lormosas rosss, sentir um effeito aioda
mais rspido (relatttstnente ao caso) do que
aquello que prodos o prompto allirio em qual-
quer molestia. Compre, pols, qua se nao de-
moren] tm as mandar comprar na raa de Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16, pote do contra-
rio flearoaem elUa para S. Joo, o que nao
contm. Na metma loja vendem-se outras rosas
mais baratas.__________
Cascarrilha
Lindas pecas de cascarrilha de todas as cores,
pelo bsratissimo prego de 18500 a peca: s no
vigilante, ros do Crespo a. 7.
Vestidos do Pavo,
E' pechiocha, cortes de cambraia brancos com
bibados a 29500, ditos de Urlataoa brancos o de
corea s 35, ditos com babadoa e duaaaaias muito
superiores s 45, pegas de cambraia branca com
carociohos braocos e de cores, teodo 8 1/2 raraa
cada peca, por 4f, cortes de castas de cores com
7 1/2 varas, padres ootos a 29300 ; ludo isto se
eneontra na loja do Pari, qa* teade dinheiro
a rista : na raa da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silra.
Ghapelinas para senhoras.
Liodas chapelinss ricamente eofeitadas, pelos
baratissimos precos de 89 e 10*000.
Ditos com pequeo toque de mofo a 6J000: s
oo tigilanle ra do Crespa o. 7.
Occulos.
Vende-s* occulos fiaos de srmaco de
2$, 19, 640 e 400 rla : loja do beija flor,
Queimado o. 63.
50, a
ra do
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados s 29. ditos de fita
com fi'ella dourada 19500 : loja do beija flor,
roa do Qaeimado u. 63.
Batata notas
Terco tft 23.
Batatas .
a 80 rs. s libra
oo Urge do
Touquinhas ou chapozinhos
para criancas.
Lindos chapozinhos para menina menino a
49 e 69000, ditos de feltro pelo baratissimo pre-
go de 3J000, bonetes de panno floo e lago de fi-
ta a 3g000, ditos de velado uno a 49 39500,
ditos de palbUha a 3$000, touquinhas de seda
muito lindas a 19500. ditos de fil a 19000: s
no tigilanle, ra do Crespo n. 7.
Alburnos de borracha.
Vende-se os mais superiores alburno* ou *o-
bre-tudos de borracha, proprios para o interno a
129: ns raa da Imperatriz n. 60, loja do Parlo.
Cortes de phantasia.
Ven da-se ricos crtesjde pha afasia de duaa salas
com delirada latero* a 69 cada am : na ra da
Imperatrizn.60. loja do Pavao.
llf*_fL
sem segundo.
Na roa do Queimado n. 55 loja d* miedeza
de Jos de Azerodo Maia e Silra, esti tendendo
todas ss miudezaa bsralissimss, a saber :
PapeU de agulhaa balo mallo supe-
riores a
Caixae com muito finas obreias a
Csrtes com clcheles, tem algum de-
aito*
Frascos de macass perol muito fino*
Caixinhas com papel pequeo de diver-
sos gosto* a
Pacotea dito dito dito amizade a
Notellos de iinha de Crui a melhor
que ha a
Caixas com agulhss curtas de sapsrior
quslidade
ntremelos, a pega com 3 tara* 1(2 a
Sabonetes muito fino* a
Papis de agulbaa francezaa com toque a
Pares de botes para punbos de muitos
modelos a
Pares de meias craas para meninos *
Ditos de ditas craas para pequeo a
Ditos de ditas para meninas a
Frascos com agua de Lavando embreada a
Ditoa com ebeiros muito finos a 240 e
Ditos com banha muita fina a 240 e
Ditos com superior banha de araos
As tiras e ntremelos da
arara.
Vendem-se tirasbordadaa da largura de 4 e 5
dedos a 19280 e 19600 a pega, ditas de ntre-
melos finos a I], 19200, 19400 e 1&600 a pega,
collarinho de linho para homem a 500 rs. : na
ruada Imperatriz, loja da araran. 56.
Arara vende os palitos.
Vendem-se masaos de palitos fino com 20
massinbos, por 200 rs.; na ra da Imperatriz,
oja da arara n. 56.______________________________
Manguitos.
. Lindos manguitos com golUnha o maia floo
que se pode encontrar, tende-se pelo baratissi
mo prega d 79000, ditos sem gollioha a 19500:
no tigilanle. ru* do Creape a. 7.
Calcinitas do Pavao.
Vende-se calcinhas de esmbraia bordada para
menina a 19 o psr : na loja do Pavo ra da Im-
peratriz o. 60.
Gollinbas do Pavo.
Vende-se goliobas de esmbria bordado* e di-
tas de fil bordadss a 500 ris : o* loja do Pato
ra d* Imperatriz n. 60.
Enfeites para* caneca.
Veod-ae cequisaimoa ntait t** cabaca eo*
franja, e sem ella pelo baratissimo prego de 51
e 53000, ditos de tidrilbos a I96OO ; na loja
do
belfa flor, ra do Queimado n. 63.
Carteiras.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoslhado adamascado com 8 pe-
mos de largura a 1$600 rs. a rara : oa ra do
Queimado n. 28, na loja da boa (.
Vende-se riess carteiras pars guardar
de ouro o prata a 29000, 22500, 19000, lf280 e
I9500 : na loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
Rosas artiiciaes para cabello;
A.L. B. P. teodo recebldo um- variado sorti-
mento de bonitas rosas qae se esli asando para
abellos, e de pannos comtoth* de telludo, ditas
e papel todas, t$ mais ricas que se pode encon-
rar rende-se na ru* do Queijaado u. 63, loja
do beije flor.___________v %______'
Damasco, para colxas para
ornamentos de igfeja.
Vende-se muito superior damasco de 1S de
urna s cor, muito proprio para colzas e para
ornamentos, com 6 palmos de largara pelo ba-
I rato prega de 258OO rs. o corado : na rea do
dinheiro Queimado n. 22, o loja da boa (.
Gollinhas de linho.
Lindas golllohaa estampadas..............
Dilaa de Moho meta fiaas.................
Ditaa pretas com ridrilbo.................
S no rigilsnte, roa do Crespo n, 7.
500
800
29OOO
Manguitos com gollinhas.
Veode-se maoguitos com gollinhas bordadss a
1JG00 e manguitos muito Anos a 19 o par : na
ra da Imperatriz n. 60, loja do Pato.
80
40
10
200
720
720
40
200
1S000
120
10
240
160
160
200
800
500
320
600
Vende-se urna negrinha com 11 aonoa,
Donila figura, recolhida, propria para todo enti-
no : na roa Direita n. 82.
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
doRecife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte. ______
Tiras e entre meios.
Vende-se tires borladas tapadas e trsnsparen-
ts, assim como entre-meios muito delicados :
os rus da Imperatri* o. 60, loja e armazem do
Pavo.
Agulhas.
A. L. B. F.tendo recebido agulhas imperiaes de
,undo dourado, tende os loja do beija flor, ra
o Queimado n. 63.
~__ VENDE-SE urna coobilia de amarello oe-
va, conlendo as segointes pecas: am sol, 12
cadeiras, 2 ditaa de braco, 2 de balaogo 2 conso-
los e mess de mel de sala : para ter na ra Dl-
reiU n. 127, segundo audar, e para tratar oeste
ypographia^___________________________________
Para os tab^ quistas.
Lentos muita finos a imitagio do da lioho da
muito bonitos padres e de cores fixaa muito
proprios para aa peeaoaaqo tomam tabaco, pelo
barato prego de 49600 e 59500 a dosis: na ras
deOueimodo d. 22, na bem conhecida loja da
boa fe.
Pauno de algodo da Baha.
Veade-se oa escriptorio de Antonio Luiz de
Olireira Azorado C, na roa d Craz n.l.
Aljfar uno imitando perola.
Veode-se a 500 rs. o fio de aljfar fino, imi-
tando parole: na ra de Qaeimado, loja d'aguia
branca o. 16,
I
Verdadeira pecbincha.
Vendem-se cortes de superior gorgurao de se-
da para colletes pelo baratiasimo preco de 19,
29 e 39 o corte : na ru do Qaeimado n. 22, na
bem conhecida Ui da boa f.
Meias.
Grande sortimento de meias tsnto psra homem
como p*ra senhora, sendo de homem a I98OO e
2*000, e floo a 2*600, .dita de fio de Escocia a
59000 a dutia, dit par menina a 29400, ditas
pa^ menino a 2JO00: 16 no rigilaate, ra de
Crespo n. 7.
Lencos e luvas.
Vende-se lengos de cambraia de linho com U-
byrinlbo a 29500, ditos de imita gao de labyrintho
a 19, lera* de sedss de todas as corea a 500 ris^l
enfeites pretos de ridrilbo para cabeca a>lf, lo-
ra de retroz preto aberta a 500 ris o par ; na
ruada Imperatriz o. 60, loja do Pavo de Gama
& Sil ra. ________________
Attencao.
Ao rival sem igual.
Ra larga do Rosario numero 36.
Fitas de relindo eslreitinhaa para nfeile
peca 720 rs.
Sintos dourados a 19600.
Dito* dito* com poota* cahidas a 3;O00.
La para bordar sortidas, libra a 69400.
Escora para cabello a lj.
Duzia de meias craas para homem a 29400.
Cartas de alfinetes a 100 rs.
Franjas pretas com ridrilho a 320 e 400 rs.
Enfeites de retroz com franja a jOCO.
Duzia de meias par senhora a 29400.
Pentes de n ssa para atar cabello a 500 rs.
Tesourasordinsrias para cortar patios a 30 c<
Sabonetes de bola de cores a 4C0 rs.
Franjas de seda.
Bieos pretos largos e estreitos.
Trangss pretas com tidrilho e branca.
Escoras para unhas a 320 e 500 rs.
Carriteis de retroz a 300 r.
Tranca de seda de cores a 200 rs.
Car retis de iinha a 30. 60 o 80 rs.
Ltnha do gaz Ustroza a 30 rs.
Dita do Pedro Va 30 rs.
Rap Paulo Gordeiro e Gisse a I96OO.
Dito Heuron a 19-
Caizinbas com papel para namoro a 2$ e 39.
N. B. O dono deste eslabelecimeato prompli-
flea-se a mandar um caixeiro com as miudezas
que qaizeruQ! em casa das familias que isto
exigir.
Vende-se um escrato com 22 aonos de ida*
de, cozinheire e forneiro, e tem outras habilida-
des : a tratar na travesea eas Cruzes n. 4, se di-
r quem rend.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para aloja d'aguia branca,
ra do Queimado n. 16._______________^^
Venoe-se o sitio
Sr. Bitpo, em Ola Ja :
rarapes n. 46.
por deirsz do paUcio do
a tratar aa ru* dos Gui-
Bramante de linho.
Vende-ae muito superior bramante de linho
com duaa taras de largor* proprio para lences,
pelo barato preco de 29400 ra. e tara : na bem
conhecida loja da boa fe, oa ra do Queimado
o. 22
NO
Torrador.
23-Largo do 7Terpo2B
Hantelga ingina flor s 800 e 960 rs. a libra,
dita francesa a 640 rs., banha d* poreo a 400 r.
a libra, maaa mailo una* para sopa a 400 rs. a
libro, qaeijos do reine a 29,ditoado srtao a 560
ra.a libra,ser raja da melborea marcas a 500 r. a
garrafa, sardinbao de Naateee 400 rs., toucioho
a 320 r*., bolachinh inglez* a 326 u. a libra,
ainm como se tendo outroa muitos gneros ba-
ratissimos, passas a 400 rs. a libra, sao maito
notas, o se algaem duridar tenha ter no Torra-
dor lergo do Terco n. 23.
Cambraia do Pavao.
' Paca de cambraia fina com 101/2 varea a 69 a
peca, dita cem 8 1/2 varas a 49. ditaa de 8 pecas
a 39. dita para forro, com 8 1/2 taras a 19600 ;
oa ra da Imperatriz o. 60, loja do Pavo, da
Gama Silra.
" Vesttdinho* a 4J500.
Veade-se teelidinhoe de teda enfeiUdo* para
meninaa de 2 a 3 aneo** 49500 : na ra da Im-
peratriz n. 60. loja de Gama Silr. ______
_ Jgfjr1.1 _
~ Grosdenaples do Pavao.
Vende-ae grosdenaple preto mutto incqrpado
a 19(00 o corado : ua roa da Imperatriz n. 60,
loja de Gama Silra.
Ra do Crespo b, 7, no
gallo vigilantes -
Nesta nova loja ha grande porcao de caixioha
com amendoaa proprias psra brinquedo de S.
rJoo qae e vende pelo barato preco de 800 rs.
cada urna quem deisar de dar a ama menina
urna caizinba ; tambem tem grande porcio de
caita* propria* para doces secos que tande con-
forme seus lmannos a 69, 59 e a 49 a
amendoaa atulsss a 800 e 640 rs. a libra :
tigilanle roa do Crespo n. 7i________^^
EscraYOS fgido*
Paletots do Pavao.
Vende-se pelitots d panno preto lino 1 69,
ditos de faoty de ores a 69. calca de caaemira
preta #49500: s na raa da Imperatriz n. 60, de
Gm* & Sllr.____________________________
Enfeites para senhora.
O m*lhora enfeites pretoa e de cAra qua ap-
parece a 59500, 6 6|500 : na loja da Vittoria,
na rUa do Queimado n. 75. ______
Um terreno.
Vende-** por preco *ommodo um Urreno a*
raa do Hospicio, proprio para a* edificar ama ce-
nt hateado terreno (ufficiente para ficar com
em quintal eapacoio : a tratar na za do Trapi-
che n. 14, primeiro andar.
Vendem-** dua* negrtoha, com algtma
habilidad* ; naiua larga do Rosario o. 3*.
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
DE
(i\tt\ k SILVA.
Vende-se neste estabelecimento todas ssfaseo-
das por precos mais baratos qae 6 postitel s
com o fim de aperar dinheiro, assim como urna
grande porcao da* dita* faseodaa inUiramente no-
tas, rindas pelos ltimos natioa : oa donos dea-
te estabelecimento rogam a todo o* eua fragua-
res, qae se daem ao trabalho de procurar neete
Diana o aunando* da loja do Patio, porque
estao certos que alo perderla tea tempo.
Panmnhos do Pavo.
- Vende-ae pee de panninho floiulmo com 10
vera* a 6f : na raa da Imperatriz n. 60, loja de
Gama 4 SAve._____________*
Chitas em cortes.
Vende-ie cortes de cbila fraocaii mello fina,
com 10 corados 29400, afflancsndo-se aes^oe
cor sa : na rae da Imperatriz o. 60, loja e ar
m?em do Paran.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no bra Multo liadas caiziohas e cabasas pare meninas,
de 100 ris al 29500: na loja da Victoria, aa raa
do Queimado o. 75.
Franjas pretas coin vi-
drilho e sem elle.
Rico sorlimentos de franjas preUa de coras
com ridrilho e sem elle : na loja ds Victori, na
ru* do Queimado n. 75. ____________
Fegio no dia 12 de abril deste crtente so-
n do poder do abaixo asiignsdo, o pardo de no-
mo Francisco de 17 auno* de idade, que tem bo-
nita figura, todo* o* dente, cabello carapinhoa
e ruivoB, teodo sido este pardo escraro do Sr.
Dr. AntoDio Borgs da Fonseca, de presumir
que ande por algum dos lagares por onde o mes-
mo sennor tem tisjado, como sejam Igusrtss,
Goiann, Ingi S. Joo, Campia, Serra de Tei-
xeire, Pao 'Albo, Limoeiro, aa tres tilla da co-
marca de Paje de Flores, sendo que segundo se
suppe esteja tambem no engenho Inhama poi
hater sido visto ha poucoadias em Iguarass por
.VL'j ter amizade com sns malatlnbos desse engenho,
anda de presumir que o dilo escraro por ah
se inculque como a serrico do dito Sr. Dr. Bor-
gs da Fonseca, aim de nao ser apprehendido :
quem pois o aprehender ondeqaer que for encon-
trado esao escraro e o rir entregar ao aeu legi-
timo dono na ruado Hospicio n. 6, qae ser _*:
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz daBrito Taborda.
s no
Venda.
Urna penoa qae retira-se para fora da provin-
cia teade ame escrata moca com urna cria, caja
escrara cozlnba, lata bem e engemma soffritel-
mente; na roa de Apollo n. 86, primeiro andar.
Inhasde peso yerda-
deiras..
Linhas fina* de peso verdsdeiras, meadas
Srsndes a 240 rla : na loja da Vittoria, na raa
o Qaeimado n. 75*
Attencao
Fugio no dia 20 do corrente, o es-
cravo pertencente ao Sr. Dr. Carolino
Francisco de Lima Santos, de nome
Adalberto, o qual e bastante conbecid
nesta ctdade e intitula-se de forro, com
OS signae seguintes : olhos grandes,
testa larga, pouca barba, pernas um
pouco arqueadas, baixo etc., etc. : re-
corximenda se aos capitaes de campo e
mais autoridades policiaes de o prende-
ren, e rcmette-lo a casa de seu senhor
narua do Imperador n. T, que sera',
generosamente recompensado aquello
que o levar
ILEGVEL
*


^
f
DIARIO PE PBIHAMBUCO J* TBfiQA FIIHA i DI JULHO 01 186*.
Litteratara.
A carteira de toarroqultu pe
(Continuagio.
Estas palavras anda que ditas em voz bai
liernm coip que o doutor refieellsse. Ni "
proferidas por causa da febte smente.
elle.
Hua com effelto oaaila coanexlo
palovras desle horneen cegando di
duello, e afirmando do ouj*
que o douior uo renioypL.
come de Cavalier que nao era
Depois de ter deixado a
le gozar e exprimir a satis
lava de nao morrer aera te
bo. de qaarenta mil franco
objeclo, e o atlenlado de
doutor assegurou-lhe oo multe
la cuidar no que acabara de ouvr,
nao acreditara nisto muitd Seriamente, se o se
caro doente te nao aageitaae a urna grande so-
nnodade de gestos e palavras. Elle tranquillistro-
se a estas instancias do doutor
A noute que eeeeguiu bao oi m. ^ \
"u (lia aeguinte, o Dr. Footeoay veio ace'mpa-
nhado da urna outra pessoa alera de miro. Esta*
pessoa epparecer muilaa vezes em miohas nar-
rares. Chamara se M. Weber : algumas vezes
nos o chama vamos pelo seo nome de baptiemo
JU. Mximo. M. Weber era considerado como
pessoa ligada os ioteressea da casa, porm ve-
ris que elle e alguna oulroa preenebiam menos
eximsivamanle funeges particulares no interior
do hospicio.
Agora, disse logo o doajor ao doente, nao
na cooveniente algum em que o senbor falla
aua vonlade ; porm aempre.com moleracao,
oo accidente que pretende ter-lha acontecido na"
noute qae para aqu veto.
Porm eu nao pretendo, digo asOtfioWl
disse vuameote o ferido assentano-se no le;,
Nao duvidamoa disto, diste Mr. Weber,
porm, nesta sortas de aconlecimealos
taihea e o modo, pelo qui
servem de muito na convii
rar, e o senbor nao estar
tes ltimos diaa. ..
Oh I mea Deus I 01 <
tona sao mu simples, ti
sel nome e morada, na iotengio de lhe faxerem
agurdente ?
ada absolutamente.
jas senbor.
titea do qae eo
muito mal aagtzes.
tBia
poto dmela noute, com quarenta. mil francos nr, achara o sea qaeride amigo, o doutor,
>|nlW>ia. I l i" / lll VaiKaM l li. 1. j ------ -
algibaira I
Para ae encontrarem com elle na ra deflau-
terille, sera sarem vistos,! nem aispittad's. lo-
maram aimplesmente ama ra para lats a do-
lida a ra Polaaenoiere, depois entra na roa
do Paraizo, qae atravessa, bem o a ra de
Hauteville, e tilde tois apressadr i elle, ex -
eederam-no, e O^SfJraram em porta, ou em
frentedelta, ocoffitw em al? canto obaoaro.
Nao faltam cantos obscu meta diales on-
lulhos e desses informe* ,c,reffl
'. Logo que les o laogaram-ee ajbre
la ijttjmm-c jtmlt com ama puaba-
^o a.queelae : Por-
V depeledo o eeiem
Deso
com lagar, para r '
mloljgj
-Per
B'rme,
relogio, que m robar
lembro, urna bofa e
O seohor rep
ffl dus'
quo-harla^ne*
afba e'"
Laza
ocla que na<-
'rsagao ; de-
salo ensina'
jeja va cor
. e diri-
,om o aaeu
segundo me
t
guido ?
boalerard, por-
, anda a esta hora ;
encootrei ingam na
rl do boalerard, at
Palais-Royal,
quaotos das .
ha
Sai
parece-me at que so
de que nao sonbo I
Fazem boje sais
auxili nJo a memoria
Seis das I dormi durante ejffdis 1
pois que. depoia de ter jantado no Palais-Roya],
resotvi ir a Feydean para ouvr cantar Ellaviou,
fodiam srsete horas e ^eia ; o dia aioda
va claro.
c ~~~. *ea Can>inho Vomou o aeohor para ir
Pydeani ? pergun *-lbe M. Weber.
bah pelo erron, tom'ei a ra Virienn*,
ate o caminho feydean ; entrei neate camlnh,
esturo e se- .1-0 at o fim, depoia tomei diret-
,,'' ?-,u '' no lheatro dePeydean onde toml
um biih- e de orchestra ...
7I '^'Jao 8e "'arrompo, ditsa Mr. Weber,
pore^n 9 pergenia qae von dirigir-lbe abraar
ffijito assim o pens, a confissao amigavei que
o aenhor tem a bondade de fazer-me, e causar-
Ibe-ha menos fadiga. *s
Oh I nao me sioto fatigado, disse o doente.
Entae, tanto melhor, disse-lhe Mr.-Weber.
Am fle "egurar-se ae o feridd nao se engaa-
ra, dando a seu interlocutor a senraoc de que
naoexpenmeotavadifflculdade alguna em comi-
nuar este rHerrogalorio. pois preciso aar-lhe
seu verdadeiro nome, o doutor aprozimou o ou-
tUo de seu peito, e durante alguna minutos ea-
cutou o ruido de aua respirac&o e o eco de aua
voz as cavidades. Depois diato fez um gaato de
BQirmagaosalisfeita Mr. Weber. limpando com
seu lengo o; labios do doente. onde nao appared
ceu nodoa alguma.
O tenhor conhec algsem em Pars ? per-
guntou-Ihe Mr. Weber.
Excepto fr. Garris, meo correspondente,
nao conhego absolutamente niaguem nasae luga/.
E' elle quem vende a micha agurdeme, qem
dirige meas negocios com o norte da Allemanba.
O aeuhor negociante?
De agurdenle, sim, aenhor.
O sennor dizia, portento, qae fra Fey-.
den seis dias.
Sim, aenhor, e depois do espectculo que
acabou muito tarde, tendo aido a representarlo
em beneficio de um actor, entrei no eaf qae ha
ao lado da estrada. I'azis multo calor eu abala-
re, tinha sede, ped urna limonada gelada.
Pego-lhe novamenle perdo, interrompeu o
aliento interlocutor, o aenhor nao ligou conver-
stjo com pessoa alguma durante a representa-
gao ?
Nao.... palavras insignificantes trocadas
com as pessoas que me fleavam prozimas, sobra
o mrito dos actores...
E no caf para onde fei depois do espect-
culo lambem nao conversn com alguem ?
Ah, sim ; convarsei um pouco. Dous man-
cebos, vestidos com elegancia, Tieram asarntar-se
mesa em que eu lomara a limonada, e (ssram,
aem dirigtrem-ae precisamente a mim.da btHezt
da noute, da falcidade que se gosara em,respi-
rar depois do execravel dia de calor que tivera-
tnos. Fui eu qaem Ibes dase enlo que nao de-
rerismos queixar-nos muito dos inconvenientes
do estio; queessesardeolescalorea teriam como
resultado final excelleutea colbeitas de vinbo e
agurdente, o que me levou a dizer-lhes qae eu
morava ora em Roehella, ora em S. Jlo da An-
tjely, onde possuia Jmuitos depsitos de esp-
ritus.
E estes doua aeohoret nao lbe pergantavam
* de que nao esa seguido ?
mioh aude recobrada.
__>, a.senhor.eulh'erogo.
_ p .hegaodo a porta de Mr. Cerris, mee
corr ademe, qee dona hmeos, sabindo de
\io 6*r *lue rae ficava em frente, langsram-se
- vfe mim, e agarraram-me.... seoii como um
.lolento socco no peito___ depois n3o sei mais
o que se paasou.... e sim que acho-me nesta
lasa. *~ 7*
Noesquaoe nada?
Jolgo que bo....
Nao disse aoadoua mancebos que esliveram,
uo caf Feydeau, a mesa gom o seohor, que tra-
lla comsigo quareota mil francos?
Nao.... porm, permitta-me dizer-lhe qae
cousa alguma nie faz pensar, nem me prora qae
fosaam lies qae me roubaram, obserrou o
,da* aj^
aqui, nao.,.. Porm vejamos se bem
o senhor nada diisesae diante delles
a os Uzessem suipefur quetlohaem seu poder
" grande somma decir,ha/e.. de mais, por;
qae rajo.liohf aanhoreoeaslgo, a a no(e, esta
qaanlia da qaareaU mil irascos? *-*
B' muito simples: eu estiva as tres horas da
(arde no h ico ; a teociooando jantac no Palais-
Royal, e ir dapoie a Feydean, nao queria volver
a casa do meo correspondente, .Mr. Cerris, na
ra de Hauteville, pra ahidepojr estes quareota
mil francos, que, alm disso, nao me cautaram
peso algum, porque esta quanlia era toda em le-
tras do banco.
E eatavam em sua carteira.? -
Em minba carteira, qae sempte Iroux* eo-
migo; someote qando_^jLJi nrefiiio pagara
despeza q Bino cfj2|?o- ralfih a balsa fl-
eo u presad fe*dU||H^pd carla*ra, e ti re
ambos os objectos da-*igrteira, e viqne-a tacha-
dura nao eslava abierta-,- Alm arito, aqaellaa que
mefariram nao Mbjjfar;....
Sabiam todo"; o sennor *?lrgerjOu-se; alias
viram-no entrar no baoio, rlram-io sabir, jan-
taram no meamo hotel em qer o sahbor jaoioa ;
e depois de terem visto a aua cariis* qae o se-
ohor nao abra diante delles, possivel, potm
qae ellas virara qu hsvja nella dioheiro palo vo-
lume, seguiram-o, e o feriram para rouba-lo.
O que reala sempre a saber se os dot rriao-
cojuis qua esrireram com o aeohor do eaf fr>y-
todo o da, e que acabaran por apuohala-lo no
momento em que o sennor enlrava em
caaa.
Porque razao, disse o douior a" Mr, Weber,
aproveitaodo-se da grandeaorpreza em que esla-
va o aeu doente pelo que acabara de ouvr, por-
que razio estes dous homeos, depoia de terem
morto, ou quasi morio ao infeliz qae jai- aobre
este leito, depois de terem perpetrado o crime,
nio o deixaram sobre a estrada. Era muri mais
simples, parece-me, do qae esperar que pastaase
urna carruagem, deiiarem-oo deolro e traze-lo
para aqui. Realmente, nao compreheado
Mr. Weber sorria-se.
Oh I nao era tao simples como jato, eo ae-
ohor rae comprehede-lo fcilmente. Deixe-me
primeramente dizer-lhe que a conducta destes
dona bandidos prova que nao sao novos do ofi-
cio; conainta lambem que lhe dig que se-siles
nao seguiram ao senbor, porque sabiam por
elle, a ra para a qual elle ia quando sabase do
caf onde beberam junios.
Porm u s o disse ao doua mancebos com
os quaes me encostres no caf I exclamou o
doente.
Pois bem I tire o senbor meamo aa coose-
quenctas Coreadas de sua rndiscripgo.
Porm entio aeriam os dous mancebos....
Permitta-me que continu, disse Mr. We-
ber. E dirfglndo-se ao doutor Fontenay :
Eu dizia qae ae os dous bandidos que rou-
baram ao aenhor nao oaeguiram, porque elle
lbea bavia indicado sua morada, urna casa distan-
te, isolada, para onde elle ia s, a orna hora de-
i. Sabidos'
pert#io' aJO!__.
*1 ssorto, ou qc rto, em vez de wattm I
" para aqui jixaram aobre a S|
E'pTr 4ndo assim, p'rorosj tnfatllt-
)Jm' jas raiaaae o dia, q er .pois, ama averiguago, estafarla io-
ie com qae se conbecesstm Mitos de
arto compromettedores parr
.o se o senbor na*, baria dito
alem delles, qo> ia nassa au
.o, qae trarO**o,-
nt mH francos ;4^|faTtca esciar
infarmagoaa, poria tofajoPcampo
dos, e, coirr-eataa meaaaC informa
asa*sainos ficariam apanhados.
Botratants que, trazendo para aqui o bomem
assaasioaao por elle, e contando, com ama emo-
go que, faria crer as pessoas qae os ooriam,
que alie fora gravenieale ferido em um duello,
detviavam inleiramente as suaneitas.
O acoutecimento nao ae.podana atlribuir aoto
a um aastssinalo, e segundo elles pensaras-,- a
policia nada tinha a vat ntUd. rltjH
E, quer aaher, porque aioda, rriHv os dous
aassssinoi viram que o bomem ferioq por elles
,ue toca no cercada le S. nao eslava morto, nao o acabaran lago de matar?
* E' porque sabiam perfeitamente que matando-
o inleiramente, elle nao seria racebido aqui, e j
lhe explique! porque nao convinhs a aua sega-
ranga petsoal qae elle flessse expolio sobre a es-
trada. Nio meamo impossirel que elles te-
nnam calculado aeu golpe da mafleira qae nao
feriase aua victima de um modo desesperado, e
sim de manerra' i deixa-lo river aioda algumas
horas ; porem eile o poolo delcaJo, difflcil, e
problemtico de aaa combinagao, porque calcu-
lando assim, a morttfou a vida poderis egaal-
menle rrahi-los; a morte, aobrerindoimmediata-
mente, depois do assassinato, o que aso soceedeu
no caso presente; a vida, vellaado bustanta com-
pleta, e forte-, agezar de sua previsao, par? qua
O ferido achasse am si a faculdade de lembrsr-se,
a energa de fallar, aquella emfim de fsxer reve-
iagoes, o qae precisamente aconteceu.
Entretanto que o doator oavia com admfragao
aqalle que acabara de fallar, ainda'qie eile U-
resse ja dado, bastantes rezes na cata, proras de
aaa extraordinaria psnetragao, e em quanto
doente edotirava-o taabem aem explicar precisa-
mente os deveres que elle cumpria neste mo-
. aquom
W. wabanera a ligfp to deosir, ritpondea-lhet
coa odo-fTavel e sttM'ifflieto, qi, epezar daa
espersncaa concebidas, Mr. Caraher, morrera na
00f*:Paeaede. A esta noticia, ambos fiogiram
unta extrema dor.muito extrema para aer sincera,
e aa dtixaram sabir opprlmidos aobre aaaadeiraa.
Ficaram mudos e consternados.
Block, aahiodo em primeifn lagar'deste estado
silencioso, perguotou ao doutor Fonterisy, se ao-
------- aeu digno aroyo tirara, ao menos,
lembCanga
a bem agra-
fcaapei-
te Mr.
alar
rw, aeu digno aa
__ dier algumas pa
dalles,.* de sua fart"
jsVBHTaiJB^H
mo
ment ; de sua^aarleellcpensava porque maneira
procedera par chegar a seu fim ', apoderar-se
dos dous criminlos sea com-promerter a fama
do hospital, que realmente perdera a reputagao,
deadeo momento em qae se suppuzesse-, qae elle
tornra-s8 um auxilio da preteitura de policia,
urna ratoeira col locad a na passagem dea Pari-
sienses ou dos estrangeiros interessados, por di-
versos motivos, em lhe vir pechrpor alguosdias
a bospitalidade discreta.
Depois de ter pensado por alguta lampo, per-
sonagem cuiaa fuoccoes ae exao*ro d'ora am
diante, aem"qbesejam preciaos aitYor commeo-
iciso
tarios,*dftaa [Mrtnido para o doutor e para
com a mesma pteoccopsr/ao iotarrogadora :
tes doua frnaeBs virio hoja provavetrnente saber
noticias do ferido %... 1tftf ^i
ErTee derem estar abi, respond eifj-d ala
poueo mais ou menos a hora am que erTes rem
recebar noticias do estado do doente.
Como, os meas robsdores estio ahH Meus
asaassioos eatao nesta casa i Deixie-me r
Deixae-me descer I Quero ve-Ios I Quar
me entreguem a pus quirents mil francoi
sceleradoa I Oh I meus quareota mil francos I
E o ferido sallara 5 abaico do leito pa* errar
rir-eju.l., '' !" -fe-" V -.t""!
dous assassinos- Fot impedido pelo douJor; que
(oi.ibo ir q^.Dto elle erpuoba perigosamenta
sua saude e >ida deixandoassim a cama e o re-
,ua pouso, e que alem disto ocuidado de se apode--!
r'rem doa> dous tnalvadosrcompetia a outros mois
habis e ex-peri meo lados que elle.
Eu, jalgaodO'derer ir recebe-lo* eeatm coaas- turbaio,
nos tres dias precedentes tiiriga-me j para a
porta ; porem fui retido per mT Weber:
e di Mr. Block. como alguem qua treos* algima
observagio a fuer a duaa peanas igualmente
ioteressadas em recebe-la antes di irmaia a-
dianto.
Deste movimento de demira, Mr, Weber, qae
o tlnha acomelhado, espera va da parte dos dous
homena, naturalmente bastante dasejosos de
terem a carteira am seu poder, elgam ges-
to de irreaiitfVel cdtrariedade on de iapa-
fSHfi
tac
qoOra1
nepain
uasabe, coac que an-
mdeaje terriva*-:dra-
TK.M
que i
ciencia espontanea q
donde elle tirara
mais decisivas que
que hara pblido at
gos para cnegar ao
verdatip, m
' Os gaatos efperaos.p
lilamente^ nao m-'i
oremofto.;,aaayblal
.aras porta com projectos pro
sio, peqtt approiraar-se
aun* p48soa,-e Block que pareaau cootrahir ain-
mio na-ljrtislade ameagadora de aua
aignaes aggravantes. de ta primeira
fugir em caso de neeessidade, e ferir
[sde a qaem tentasse agarra -Jos.
CAPITULO III
i de martoquim, gue nao coolinbaj
trahirla finalmente, e
iquenclaa, e
diicutiveis
Bis esfor-
ento da
^Hflbr falharam com-
itro mostroa me-
svze, que tendo olbado
------------, em nome
da f*JBHB^BB,t' roprios nomes,
>1ll8j|a A eoassa o .reoienlemelte
posstel ; flaalinanle, que nao poueasae cousa al-
^"MbOP itttjlU-weommendagao,
eMfMnFB5 frezentosT/ancoa. O doutor nao
? 4S9 fWS?*1 ** a-rfawniia qae elles
deixaram no hoapifal em aua prtmeirs risita che-
gana lacfl Wmmmt despezar. A
conveTslfJj le ponto final, a o
doutor nfo sabia porque man ira impederia estes
homens lio forlemente ausptitas da ae retirarem,
quando o Instigador desta sce Mr. Weber, en-
troi na sala com a bael na mao, e finga dizer
algumas palavras em voz bario ao doator.
E$le pequeo manejo turbulento e misterioso,.
i" rimira-lhe de repente aobre o roato ama grin-
i uqaietagao, porm o doator para disaipa-la
apivssou-se a diaer a Mr. Weber : pode dizer o
que a estes a en b orea.
Achei por baixo*-do_ traresseiro do defunto ;
urna pequea earteira ; diaaa ento Mr. Weber.
Ah. I o senber aehou. .
Urna carteira de marroquim preto.
As palavras de sorpresa pronunciadas por usn e
oulro ao meamo tempo, i provocadaa com calcu-
lo por M. Weber, nio forana precisamente am
grito de natareza lalotre os compromettesss. Nao
mosiravam commogio a1gum-
Julguei qae esta carteira conlioha talvez
papeia de familia, carta* importantes, notas. .
familia do de-
stele suppor. seoSb,j^e.Mr.lVebe?
aalmeo'le>fhi fechara "$ saber; bjectos
|ga< iot^arrflc'ahtes reunidos ao acasf eooservava-se
assim detida entre a mo deste ultimo a da
Block. O doutor ia exprimir oa motivos pelos
quaes impedir a traosmisio, quando um acci-
dente imprpylslo, unV'episodio queaoentra-
va no plano premeditado, arraojido entre alie e
Mr. Weber, dan di repente urna direraao a mar*
aba das coaaaj, estare a ponto dedestribuir in-
leirameote este plae tao bem executado al es-
a como isto competa de dlreito
furrto, eu rinba. .
Pois s>em I antregno-nna-eatairaTlaira, disae
um dos dous pretendidos amigos dcAefuoto, nos
a 'Tir^wCljMii 11 ni r,
lato foi aioda djtp aem affleclagao, pelo ma-
) qualquer ojo Mr.
liaafjpda ere ludo isto
.procurar eatVecMaValgi-
se traUva, examinara a
produrtda sobre osles
prente
o qual na
fazeodo
carteir;
1 fora a
dous numen
umasifund
podara iostef
alies jalgaram ter
rjclim, ertaram lo:
o quam bdeqaSBbei^i de
da que fora roubad.
.fulminar;- porque se
ojado inleiramente sua
di esperar por eata ter
FOLHETB11
A FILHA
DO
Empreste-me j su vestta e se avena!
branco, sea caigas de ourelo ; preciso distes b-
jectos por alguna instante, sim, tamo por algun-
instantes sea lagar de enferueiro; e eoif ista ba-
da na mo, acompanho o doator que;~ae boje,
receber este senbores. Depeie-, dirigiudo-se di-
rectamente para o doator : quando descer-mos.
dir-lhe-hei, doutor, o que e-senbor deve dizer
estes seohore, e como dere portar-separa con
elles. Vou primeirsmente dexa-io ao p da es-
oada, deixa-lo-hei a porta d sslio, que est ber-
ta, afim de que elles mi vejara- quando nos aepa-
rar-mos. Depois, tornarei a paaaar, e a subir, e>
alguna minutos depois, tornarei-a descer, sempre
com esta bacia na mi, voltarei a sala, onde o-
aenhur estar, com elles, e rerei.. .
Meas cakes de ourelo, miaba-veatia, e me
aventai branco de enfermoiro pasaaram em atjt
instante do mea corpo para o de Mr. Weber, qae
os vestiu com a facilidade do um bomem habitua-
do a traze-los ha muilos aonoa.
Agora, o que voa diaer- foi-me referido pelo
doator depois da aua entrevista com os falso
Block e Maldesvze. por nio ter podido asistir a-
esta eutrerista. Estes, teado-so informado, co-
mo nos diaa precedentes do estado em qua- se
civel macbrs sabida par saaim dizer de balxo da
era:pBa eonfondHore prerde-los.
* Certimente, para elre* e. pora todos, esta car-
4 Uira de um negociante, de om induslrit com re-
Msgoea activa*,. carregarra papis, e-nestes pa-
pas,-por menor que losseo seu numero, dereria
encontrarle certamente o verdadeiro nome da-
quaile a quem Itaviam aponbaiado : pois bem 1
eat nome, a nao-ser um acaso-milbares de vezes
impossivel, nao sendo o qae elles haviim dado no
'boapitl-pelo verdadeiro nome.de sua" victlaaa,
tornava^se um tesWmunho mortal contra etle
este neme s bastara* or arajuer-lbes o ceda-
nim. '
Esta aeguoda carielra era portnto ama aecu-
sacao completa no momento em que elles sup-
panham tudo acabado, ludo consamado, admil-
tindo aeapre, bem entendido, que os verdadei-
ros culpados, eram elle.
Sobre seua rostos nio appareceu r menor per-
rOa^ao, apaoaa Mr. weoer rtu ou jmgou ver'
um delles dardejar am rpido e furtivo olhar
para a porta, emquanto- o oulro, Block, contra-
bla a mi na algibeira da caiga,, como-se empu-
ohssse subsilmenta ama arma. Porm lado itto
era falto de tal maneira,. que o observador pode-
ria atlribuir indifferentemente estas fugitivas in-
tengoes sua imagina gao, ou a realidade. Por
issO'Mr. Weber, qae no entretsnto era-muito io
telligente a eate respeito, nio aoube o-que crer,
nem pensar. Elle receiou por um instante, ape-
zar dos aparentes indicios, que o doente,.em seu
defiri tivesse, nio inventado o qae bavia dito a
elle e ao doutor,.porm alterado a verdade sobr
alguna pontos ; finalmente aua perplexidade era
extrema. Oue faaer? Porm, se elle nio se ti-
vesse engaado, se n9o boavesse nada de imagi-
nario na conflsaio do doeate, esa elle se preci-
pitaste repentinamente aobre estes dous homens,
podia auteeder qae um se aoroveitasse da aber-
tura da porta para evadir-se, e que o oalro fi-
esse uso do seu punhal.
Eolio haveriam gritos, um assassiai, a oasa
comprometida e isto era aobretado oqaeconvi-
nha evitar.- filie quz completar a prova da car-
teira. Tiroo-a da algibaira, poia ae bavia pro-
carado urna de marroquim preto, e apieaeotou-a
a Block, com-a intengao de dar-lh'a. Este es-
tendeu a mao psra toma-la ; porm o douior
Fontenay deteruao mesmo lempo a Mr.. Weber
le ponto, bm qae nio tivesse anda tldo algum
serio resultado.
I grites estridentes que parlirum de
prmeiro atrdar do hospital, acompanhadoa d
frenticas pancadas com os ps, qae flzeram es-
r o tocto .da sala em que se acbaram
neste momento os quatro personagens.
Os um barulho infernal de movis da arriba-
dos e quebrados. Paasava-se no safio alguma
cousa extraordinaria^ para esta casa de ordinario
tao tranquilla.
O doutor Fontenay adevinhou o qae isto era ;
empallidaceu ; acabava de reconbecer rozdo
doente, 4o pretendido defualo. airares deste fra-
casso de ruidos mltiplos, e diversos. Julgou
mesmo ou vir o que dizia Mr. Dominico : Os as-
sassinos I os acelerados ( Meus qaarenta mil
francos I meus qaarenta mil francos 1
A este grande alarido, os doers bomens. Bloek'
e Mildevzevdirigiram-aeparaa porta,nao saben-
do o que sobrevena de extraordinario ; procura-
va m, e desconfiaran ; aeus olhsres eram vagos,
e inquietos.
Se a voz de Mr. Dominico lhes fossa mais fa-
miliar, elles deeobririam tudo ; urna tragedla
Uvera lugar no sali; porm elles s tinham
ouvido esta voz, orna nica voz, no m-eio do ba-
rulho de um caf... Nao importa 1 terrvel in-
termedio De seu lado, Mr. Weber, nio sabia
que partido tomasse ; como o douior, elle tam-
bera suspeitava*. algum grave incidente f em ci-
ma, e tambem jolgra< reconbecer a ro do fe-
udo.
Por felicidade, M. Weber, oproveitando o pr-
meiro pretexto que Iba vea a idea ; E' um dos
nossps dolles disse elle ao doutor, que lalvez
tenha algum accesso de- febre cerebral corro a
locar a campanbia para que vao logo em seu au-
*^; Disse isto, e dingiu-so do sslao para o"
coa/etfor.000*8 eslava o eorujr da campanbia,
loeou cbm muita torga am deabafar a voz desta
infeliz-que nao podera saber que seas assassinos
estavam abr aem procurar correr a elles para
viogar-se.
. Devoris ter adevinhado qw todo este horrivel
barulho provioila de urna lula desesperada tntre
ello e en que me esforcava para impedi-lo de
descer ao sali.
Felizmente o barulho da cau>DiI>bs. PP'a-
cou-o e abafou-1'je oao''10*-5 *'B' ouviram de-
poia gedaidoa cootuaos, iodistioctoa, que em dis-
uucia pdder-ae-b lomar realmente por queixaa
de um (arioso fechado contra a rontade pelos
aeus" guardas.
Quando cessou todo o baruUio, oque Mr. We-
ber eutrou- de novo na aalio,*dizendo que tudo
estava em ordem, o doutor disse : 6 eoferroeiro
esquecea-se, quando- achoa esta carteira do de-
funto, e qae tenciono* entregar-vo la, que a ca-
sa tinha como regr tnTnrlnl s entregar ana
parentes, e, na falla dalles, em casa dos amigos
do defunto,.os papis que lbe pertonciam em-
quanto vivo.
E' esta orna medida, bem o derem oomprehen-
der, aeohores, ordenada pela mais simples pru-
dencia.
Nada tem de offensive para qaem quar que sa-
ja, porque -geral. V-
Estas paJevTas do doutor doveriam fazer reflec-
tir. herrvaimenle eate dous bomens-;. porm
pouco iriipertava agora o qae aa paseava nefTs
neste momento decisivo;, para" ter a carteira era-
Ibes preciso resolutamente indicar am prente do
defunto, apresenta-lo ao administradores da ca-
sa, oa indicar aua morada Nao hava outra al-
ternativa.
Se elles dessem urna falsa indicago, a mentira
daamaacaravalogo aua criminosa contracta, a car-
teira seria aserta immediatamente e sera escrpu-
lo oenbum.e eolio ae descobriria....
O-que nao se descobriria entio?... Porm dar
sua morada, nio ira cabir no lago de onda elles
jtilgavam jVter escapado? Qoe taca fazer?. Qae
decidiram ?
Block respondeu afoutamenle ao doutor que a
prudencia da eeea nio admittia censura alguma,
axigiodo garatiaa certas, quando restitua papis
oa dioheiro. "
Depois continaou-:
Mr.. Maldeze e eu, nao somos mais que ami-
{Conftnuoco do n. 147.)
Confeaao francamente que multo me casta con-
tinuar eata historia de tantoa sotlrimentoa aem
compensagio alguma.
A assiduidade no trabalho exercida pelo pobre
Elliott ia-lha enfraqaecendo os orgios visases;
j elle comecava a queixar-ae de aoffrer dores
agudas oas rbitas ; parecia-!he rer brilhantes
faiaess voltearem em torno de auas pupillaa fa-
tigadas, i um cireilo arroxead ao redor da luz
que o allomiara.
Porgado a trabalhar durante a nonle, e a ter oa
olbos flxos no branco e preto dos manuacriptoa,
astava a ponto de perder a.viata. Julguei do
meu dever adverti-le diaso. O pobro_moc.o cj-
cebeu esia noticia com verdadeiro desespero.
O' meo Deus I exclamou ella. Poupae-me
a vista I A* miseria j eu estara affeito : era a
raioha sorte, nao a eatranbara mais. 1
so. ceg... meu Deas I
Nio poaao nem dere illadi-lo : ama apph-
car.ao continuada, a que o rejo entregar-se desde
que o conbego, ha di neceosariamanto projudl-
car-lhe a vista.
Ab doutor, replicn alie com im lom
cheio de amargura ; isto multo tacrtl de diser-
te. Mas entio o que doro faxor O Sr. aconae-
Iha-me o repouto : como hei de vivar ? Lome
alimentar minha mulhir e Albos? O dtnbmro nao
cae do cu. O que ser de nos ae ter onde
buscar outros recursos, aem esperanga e sem fu-
turo E agora qio Mara eati prxima a daj a
luz 1 Deus louvado, ella nio ourie o que o Sr,.
acaba de declararme ; naolh'o diga, doutor. eu
lhe pego. Oh I quanto lastimo hoje que Hallo-
rv nao me tivesse feito deportar ou mforur 1
Maria e eu aeriamos menoa dasgracedos : eotri-
tauto se minha morte pnoooWmenW lhe.podesle
sproreilar 1 ... I
E assim fallando deixott eahir a cabega entrei
as mos, e as lagrimea britaraa-lhs dea olbos.
Nesse ioterim oavimos o paaao fatigad i de ma-
dama Elliott que tubia a escoda : ella lootou-ae
junto de mim, e encarou-mitristo eiwocloei.
Seu marido me fez signal para qoe me calaaae
e os olhoe da pobre mulher continoavam tttoa
em mim como se ella presentase ama ora d
graja. Ltmilei-me a dizer-lhe que serie bam
quesea marido trabalhaeee o menos -possivel
noute, porque (acrasceotei) a melhor riela diffi-
cilmente resiste ao effeito combinado da cham-
ma reculante, do papel branco, e da tinta preta.
Durante oa oito diaa que seguiram a eata en-
aoffreu algumas perdas
exiatir ; nm aeu irmio, capitao de navio, pereceu
egualmeote n'um naufragio, e o qae mais con-
tristou Hallory foi te-se sepoltdocom aquello
as ondas ama carregagio preciosa s ambos per-
tencente.
Lord Scamplelt, qne se havia tornado aeu ami-
go intimo, foi preso por dividas, e langado na
prlsio da Fiotle, onde saieldoa-ae. Tinham-me.
dito que todos esses aeontecimentos fortuitos
prodatirm frande lmpressio no animo dsquel-
le hornera crael que eu nio conseguir commo-
rer. Converso! muito tempo a este respeito com
madama Elliott, qio resolver, como ji disse,
nao ex por-se mais Ss brutalidades de seu pae :
porem parecia-me que melhor occasiio e mais
faroraral nio podia offericer-ae. Hallory esta-
r s mondo, e talvez que o remorao comegaase
a ter entrado em seu coragao.
O estado de gravidez de madama Elliott acha-
va-se bem adiaotado ; a saude di EageBio dimi-
nua sempre: cumpria poia nao desprezar-se to-
do e qualquer meio de aalracio. Ells consenta
chorando, em procurar de noro seu, pae. Euge-
nio era do meu parecer ;.deu-lhe o-brago at*
e fieou-a eapereuee junto a
egreja de Toossaint e fleta-a eaparauo junto
etaa egieja. s
__Mti^iJtiiou o braco de seu mando tem nada
dizer, e *dirigiu-se<*e-*o|cor*gaa palpJtaBte para
o lado deasa habilagao paterna, que ae achava
com as janellaa fechadas depoia da morte de sua
lia, e cijo aspecto s a faxla tremer. LS chegan-
do apolou-ae grade de ferro, di que oio orna-
da aa casas de Londres. Sua mi morrera ali;
ali aeffrera ella acerbas angustias : e ali tambem
habitara seu pae implacavel e mortalmente
offendido.
A moga tentn animar-te ; aaa nao podando
rencer a sus perlurbigao, fez signal ao marido,
que corren a dar-tbVo brago, e ambos flteram'
um peqoaoo. rodeio. Aifcaodo-ae tn poseo
mala traarqullla parqu finaVmenV
Ul, dianaaaioaa p'*ta que- lhe
vel iHafrtiet-como aeu pae,
suspandeu o martello.
E mea pae ? pergantoa.com a roz tio bsixa qae
Jos adevinhou antes patarra do qae ousia.
Seu pae nao lera novidade : oa pmeiros
momentos da dor passaraa.
E se elle soabesse qua aqui estoa ?
Oh 1 senhora ; e anda pergunta I; te soa-
besse como seu pae so tem tornado severo 1 dis-
se-Bos qae o primeiro que a deixaaae aqui en-
trar seria inmediatamente despedido. Ros nos
temos muito afQigidopor sea causa : todos cho-
raram a sua ausencia. A aenhora feria bem am
entrar no quartada dispenseira qua estimar mui-
to tornar a ve-la. Entretanto, a acontecer algu-
ma cousa podar sahir pela porta de detrtz asm
que ninguen a reja.
Nio, nio, mea boa. Jos, sao quero qae
se comprometaos por mea respailo. Esperare!
na ra a reaposta desla carta,
O porteiro tomn a carta hesitando, e abaoou
a cabega.
Oh I pego-lhe, Jos, qua tome esta carta,
e a lire ao seu destino; nella-s pego a meu pae
odlohoiro necetsario para comprar a ruupa de
luto, pois nio Uobodinbelr.....
,._; Pobre senhora Qaem nio se sacriQcasia 1
Sim,- eu- vou levar a carta Nao develon
que tenho medo, cootinuou Jote abaianawa voz,
I deesa'malvada aias Gubbley que taz tufo-in-
dar neata caaa como ella quer. Nio ti. para a
ra, eapere-me aqui mesmo; basta o/se aaii ae
me vir tossii na aseada.
Jos desappareceu aubindo oa degrus da as-
eada eam poaao rpido. O noa de misi Gub-
bley fizera revirar no espirito de Maria ama jm-
preasfiode desguato, e quasi de horror. Aa pul-
aagea do aeu coragio tornaram-se rpidas, o
encommodas. Emfim Jos voltou.
E' impossirel, disse elle, chegar-se '
junto .do Sr. seu pae. Eocontrai mita (Wbbley
na galera qae rae ter ao gabinete do ralbo,
fa- Essa mulher odiosa arrancou-me a cuta daa
maos, e anaagau-me da ser despedido se crea-
se n'ontra ; alm disto chamou-me atrevida, in-
solente e nrtaerarel 1 Qamdo aoube'qaa ase
g0J2nWix' "Wra (I
aniarmoiro i com
cas
rado imigo.^BjB^Mi,]
aHetanba a profatencla.
Se, no iotoraaae a am aileoclo lndiapenaarol a
tnardar, nio julgaota, 4 propolito-ioatralr i prin-
nnte do accidente acontecido a
aeu infeliz primo, aomoa hoje obrigadoa pelo ca-
rcter das circumslanzias a violar esta dis'ericao.
Vamos preveoi-lo, e dentro im urna hora lili es-
tar aqu. t
diste modo ludo ae arraniari, dase o
doutor; aariem-noa esto prente,a a carteira lhe
ser )ogo entregue, paseando ella am recibo.
ipois deitas explicagoea, osdoui estrangeiros
retiraram-se. '
a duvlda com a fronte ambigua, coa o
l, e impressSes' indecisas, apode-
taimas como neste dia entrando no
lous personagens que o doutor, acon-
^MfrMr. Weber, racebra da maneira qae
;amor logo, anteo de axpAr o partido no qual
^detireram, qae Mr. Weber, assim que el-
les sabrram do hospjtal, dase ao doutor:
Nao h.i mais que da vida r, aio elles o* doua
aiiassiiros I. fio iadiesram a aua morada. En oa
esperara; elles rlersm; esli seguros!
fodaria, replico 1 o doator, nio esqueja-
mos, que deixmos que eseolhessem, ou de man-
dar-nos aqui am t ante, ou de indicar-nos a tai
morada. Escolheram ; explicaram-se ; preferi-
rn mandar am parante. Portento nao rejo.......
Nao ha parete 1 respondeu Mr. Weber;
nio ba 'parlte, digo-lhe en. Dos dous meios
que se lhe offereceram, escolheram aquello que
I bes dar lampo'pata reftoctirem no partido que
deveriam tomar.
Se. assim, sanio ba prente como o asea-
gara, disaa o doutor, entio aaiba qae nio rolla-
rio mais: o seohor diixoo-os escapar. Elles
oio derejram nada mais que isto; a juslica nun-
ca os akancar.
Eogana-ee t regra geral, ebaro Sr. Fonte-
nay, qu os incendiarios rodeiam sempre as pro-
pnedid, jk. 3 >itaram fogo ; o incendio fas-
cioa-os, attraBHBaa|P^fios prende eate lugar.
Querem rer $ ehammas, depois a fomaga, as co-
zas, e asta curiosidade. providencial o entrega i
jusliga.
E' possivel; porm aqui nio ha racen-lo.
Engana-ee ainda ; ha.
Nao o comprebendo.
Tenha paciencia. Prmeiramente a nota1 qae
elle* pediram para avisaren a eate parete e ea-
via-lo aqui, nio decorreu aioda, e j que pensa
que elle viri... Taires que aenhor tenha- razio,
este parete ha de rtr.
Emquanto esperavam qae rieses aa nio o dou-
tor Fontenay e Mr. Weber foram ter com o doen-
te, afim de cootarem-lbe o que se baria patsado.
Como exclamou elle, quasi apoderando-se
de nova exaltacao, porque os nao malarim ia-
medlalamente r Porm o que eaparam ? qae mais
prova querem de qae elle abo oa meus assassi-
nos ? Porque nio se dirigiram ao procurador im-
perial, e aocommiesario de polica? Em um ins-
tante lado estara acabado ; aeriam presos, julga-
dos a eondemnados, e meas qaarenta mil franco
serme-biam entregues.
Charo seohor, drsee-lhisonrod Mr. Weber,
haveria ama grande imprudencia em obrar deste
modo espedido. Primeiramente foi s agora quo
caaos eerloa de que o duplo crime do roubo e
do aasasainato foi commettido por elle, c tentar
prende-lea inmediatamente, era expor-nos a Ter-
mos fugir um e aermos assassinados pelo oulro.
A respesfa de Mr. Weber nio satiafex inteira-
mente ao doente, que cootinaou a chamar saaim
ainda que ni eatiresse msi doente. como to-
das as peesoafe exaltadas, elle passoa de um ex-
tremo a ootro. ^Priociptira per nio querer ad-
mittir cuifrtbindada oa* duas pessoas que encon-
ttara-no"*>'ij'dou, e agora gritara qoe anda-
ram muflo devagar para puni-Ioe.
Neate entretanto um criado casado reiu dicera
Mr. Fontenay que um estranho desojara fsilar-
ibe da parto dos dous aenbore que ha pouco
aqui esliveram.
E' o patento 1 disse Mr. Weber, e disse Qui-
lo-baixo ao ouvido de Mr. Fontenay ; so a eu
qisem va> aer, em aeu lugar, o douior, do- mestao
modo que ha pouco foi o anfermeiro-.- Corro a re-
ceber esto parete. Nio preciso mudar de tra-
jo. O'&onor assistir a entrevista cmo segundo
medien da cas*.
0'doanto motttave-ae naHo admirado por tudo.
o que oavia, e que niocomprebendla. Aderinha-
va que se tratara delle, e nada mais.
Mr. Weber, e o doutor desceram so-aelao, onda
os esperava um bomem bem trajado, cojas prt-
meiras palavree foram para declarar, sem o me-
nor embarago, que se- apresentara a mandado do
Mr. Block eMaldrze, para reclamar ama car-
teira de aeu prente morto am duello.
Webe? "enh0r *,Wr p,r8n,e?r Pergoitou Mr
Soa aeu primo!
Tea o meara nome que alie ?
Nao, aenhor.. Son aeu patento por parto da
aua mulhar. *<
Nio importa. Basta que perteooa a aua fa-
milia para que restituindo-lh esta carteira, noa-
aeresponsabiiid.de fique ealra- O senbor com-
promelte-ae a entrega-la soa familia.
- aqui ha alguna dias, ou irei eu mesmevon
mandara! algn correspondente.
Poia bam. O senbor far o favor de asatgnar
este ampies reeibo atlestandoque a carteir. foi-
Ihe ntrege por no.
O individuo lomou a penns e assigoou o recibo
com o nome de Baptisla Joubert.
A carteira dd marroquim preto foi-lha entre-
gue, eelle retirou-se logo, paren sem se-nostrar
apressado. (Continuar- te -fia.J
alguna minlos com os- olhos erguidos para o
cu, em quaoto Jos profundamente connovido
confunda com as della as suas supplicas: De-
pois levantou-se silenciosamente, e encaminhou-
ae para a porta, lando deposto aobre a meas oa
tres guineos, e dizendo ao velho ciiado que que-
na aioda a sostor e guiar:
*Ni preciso; j estoa melhor. Eugenio
espere-ae na ra.
Pubre mogo I exclamo Jos ahaland
aa beca para cabr urna lagrima., e tentando no-
vameute paassr as mios de madama Elotl o
tres guseos imbralhadbsn'um papel.
Nio, nao, repticou Mara : nao doro tomar
o qua Iba perteace, e nem aceitar o que pertene-
ce a elto. Deus nao ha de permittir queeu mor-
ra da lome I
E. aasim dizendo abriu. a porta, e retirou-se
com o. paaao maia firmado que quando entrara.
Seu marido a esperara parlo dali $ e conezio-
do-a para caaa aentu*lhe a mo tremer no aeu
brago. ,
Eolio? perguntou.elleVom -V aDa"
fada.
Maris, aponloo para a casa de seu pee, res-
pondeu :
-- Daonell lado nada maia daremos espe-
rar !
."O desgranado nao pude conter-ae murmuroo
urna aurda inprecacao.
Teohamos porm espersnoa em Daos, re-
piicou-lbe a dedicada esposa. E' s qaem te-
mos por na : Elto nio nos deixar morrer.....
Mas apresaemos o pasto ; Henrque talrez eneja
a chorar..^,'
O mancebo nio disse maia ama palavra : o
sobr'olho enrugado, a o semblante carrancudo,
mostravam fas alie nio partilhava da tranquil-
la resigoagto de sua eiposa, quenista mearos
devia a umagraga do cu qua a auslenlava. Na
existencia dos homens ha -urna aitnsgio.
ueram ? prguntoU rirrjmdbtoT hora aqui eslava exclamou baando a cabega :
osEti de^oooUo. *iE'bom digna da aoa aorta I Diga-fta qul por
Quero fallar a Jos.' <* -* a faier ; seu-pa nao a qjber ver
que
para a saude inte-ior o mesmo qoe sao oa in-
commodos para a aada phislca : am desgasto
profando a incuravel om abandono de si mesmo,
um aojquilamenlo mais,horrivel anda que o
teonlrognei a madama Elliott rite libras eater
linaa, resallado de ama aubscripgio qae minha
mulher promoveu am favor delles,. e- pedi-lhe so
mesmo tempo em nome della que deixasse o me-
nino irpsea nossa casa rt que se rase lirre dos
incommodos do paito. Esto teelemunho de af-
feigio pareces extraordinario amadama Elliott,
que desfez-se em lagrimas.
Vou conar-lhe urna causa, doutor, me
diste afn al, um plano que conceb. Paco-lhe
que nio busque desraoeeer-oe delle; poia seria
ama aem razio, ealm disto nio o conseguira.
Onosso aposento muito pequeo, meu marido
est soffrendo, e o Sr. aioda que de am carcter
ailo generoso o nobre tem comtudo outros de-
reres a cumplir.. Na miaba silusgio nao pode-
re! obter os cuidados aioda os mais ordinarios,
sem affligr e causar grandes encommodoj a meu
marido. ^mt^
Fez nma pequen pausa e olhon rizamente pa-
ra mim. Ea escatara-a com toda a attengio.
Tenho pois pensado seriamente em tuda ja-
to, continuou ella. O doutor nio podar conse-
guir qua ea seja admittida no hospicio da Mater-
nidade? Estou resolvida a ir pera ali; bem me
costa eate paaao, mas foi um bem pensamenlo
que tire :. serei bam tratada, a pouparei a Euge-
nio desoezjs e IrabalhosU DtCna--1 ->M ni pre.
Eu nio sabia o que responderse i aquella ex-
cellente senhora, a esposa dedicada. Esse con-
trasto de tanta coragem jnnta a tio grande mo-
cidade Commoveu-me, e as lagrimas vieram-me
eos olhos. Ella com o rosto oceulto .no sea ton-
go chorava tambem amargamente.
Meu marido teri todos os dia noticias mi-
nhas, e se Deus permittir dentro de un, mes ae-
remos outra vez juntos para consolarme nos mu-
tuamente.. E, doator, prosegua ella em solu-
gos, se nio | eo com modo ter meq filho em aua
casasu agradecer-lhe-hei muito ase faror...
Eoonnodonenhum, alaba aenhora. Qaanto
ao se* projeclo estoa certo de que Sea marido
nio ha de noli conaentir; por sao seT^fm inn-
feia oa pisaos que eu desse a este respeito.
Eo sei, do*torr-quaEugeniO'me"fpa mufc
cou : eu nao podia supporlar a idea de augmen-
tar os tees soffrimentos com o espeetaculo dos
meas. Agor delxemos paeser alguna dias 5 ti-
nhamos um pouco de coragem eis oque ara-
ciso. Su breve 00a tornaremos a reunir, o Deus
dar-nos-ha depoia diaa mais venturosos f Oh l
Eugenio, pego-te que nio te agestes eentig'o ;
nio lerna i mal esto passo, qae eu jalgo ar.ito
til e raeoavel. O doator affianga que serei nem
tratada; elle aabe do .testamento quese-cw.uma
a dar no hospicio da Maternidade, para oaa vou.
Ainda ama vez, Eugenio, coragem :. tu 3 a ani-
sa conaolaglo da minha vida, tu a a un ca deli-
cia que o eu me concedeu 1 Moito ton'ao orado
por ti, a maito hei de orar! Deiso-ta a minha
Biblia ; rel na minha ausencia as
juntos liamos. E* absolulameota
aaias, e passeies em ez de estar appllcando* a
vista, e debilitando as forcea corr o
sempre. a
1 P. S, Aihara sobro aera algum, roupi-
nha que apromptei para Henriqrje. Tal era a mi
nha afflicgio quando elto parta que esqueci-mo
de manda-la. O doutor dis-ae que podes ir ver-
me todas as tarde/ antea de eu ter o meu suc-
ceaso. Vem, Eugenio, rem.
Hadan Elliott fez-me prometlor-lhe qua n'a-
faltei a essa promossa. ---------*
^ Como se echa, o Sr.
paginas qae
preciao qua
faxes quasi
neo
y aero iauar a jase. j .
Jos irntim relho porteiro que ririr-naa-
tres dias inda repela a aua pbrase
cer.
NaO tildn moito ira acudir ao-e^MaV <'Bfffra v-e uf P&**W
Joe, Joa, disse madama EW6Jtniii1Ca>0' W '
muito fatif#ftt; diixe-me acatar aV
Jofa* priri de langar a *xala o^MiVcle ai,
3
Ob 1 meu Deas I Minha pobre ama I
E rendo-a prestos a desmatar suaterc-a, fe-lt
entrar, e senter-se na sua grande poltrona : de-
pila foi batear um copoeom agua que lhe offe-
recea, teodo-lhe anlea molbado aa tontea, coa o
qa a faz rollar ao uso dos sentidoi.
Tomo a ai, mademols4le.., madama, que-
ro dizer, replicn elle; Socegue, tranquilliae-se;
ereio que oio ha perigo ; todos oa criados ellio
occapadoa agora : a tenho mido do mita Gub-
bley. J aabe, senhora, 8 daigraca que aucco-
deu ?
trovista o Sr. Hallory aoffreu algumaa peraasj Maria fez aigoal coa a cabega quo aim, e at-
oara um bomem como elle a morte di parentes. creaceotou sologando :
A relia iuna, a quem iratai, tinha cenado de[ Minha pobre ta I K Ella tm amav tanto I
'tas moi .qitenelt*-1
u*t ovjao>naq 'atfero
Staf ib Ollar
entrego
condicgo de
dt^toaaia os dea
ido mais un, e proeurou
sua antlga am. Em q
oio fez o menor niovi
jsjm o tom pausado, e
Obrigada, Jos.
estou lio traca qae
rantar-me desta caderaam|
Joa saliere-: apias de p a
nbora deixou-se cabir da joelhoa,
qoe via a debilidad!, ea que ella
nuara aempre a suste-la.
Marta erwi W *oi na peito, 1
sismada:
os pro*
ulpa foi
rdoadi.a.
lo mea-
ara dar-
aqui
accretcen-
mios di,
va Maria.
al dase
torna-ae machina ; os recataos d vida aio me
chanicol,; e o corpo mal pode sustentar o peso
ordloerlO da existencia, porque a almaesta
tem j daacido ao tomlo 1.... Divorcio fatal qua
coodaz ao aulcidio a maia de um misera vel !
' Em quanto a pobre aenhora com o sqrrisonos
desespero. bomem vancip- palo pensamenlo to ; por isso nada lbe direi. Quaado estiver tu-
do prottpto relirar-mi-hei em oaaooiio om que
toaba alie ido i aua consulta do costeme : na
volta achara urna sarta minha.
No da aeguiote o r. Elliott entregoa-me o seu
fllhiah: lembro-me ainda do ar d rearfuagio
e da melanclica resolucSo com que fei alto pro-
Elliott i pergantei i
7. E,l> s/ "oulor; maocoilado I desdo aua
KK.';: ssfr nao qttU toc"aina-ne*
Subi ao aposento da Elliott, o encontrei-oaen.
tadci aa frente da mesa, onde ardi. a haca fu
di um. candela Diente de si tlnha aaat. ?
1 que aaa mulher lhe isererera. ApVnaa
trei. argueu a cabega. e dase-ma >
Ah I doutor I E'
on-
Els-me a ostra res s I
' }"**!a-lto torrirell
.-
i
I

/
labioa a perla va de encontr ao sea coragao o fi- prio levar o ioooceolinho at o meu cabriolet.
um favor:
as paa le-j
me, ajade-
lnfeliz se-
0 porteiro
Ira, cooti-
oro por
Ibioho querido, a qaem estara preates a dar um
o, Eugenio aentava-se macbinalmente i aua
eia de trabalho deixando cabir a cabega entre
maos ; a meditando no horror de sua situa-
ibraa, que troixara aua mu-
;someote; e
costuras a bordados em que ae empregava iam
lurante o seu
ma oio podia
tambem trabalhar, Eu o aconaelhei que ae fos-
e entender com o doutor F.....que di consul-
tas gratuitas no hospital ophtalaico, ixcillinte
ioetltuiclo de Londres, dirigida com baatante
criterio.
Qaanto a Srs. Elliott pareca dobrar de affectos e
coidadot a medida que se aproximara o dia de
urna aeparacao, qae seu marido ignorara.
Este admirava-se de que nio se cuidaaae doa
preparos para o oaseimento de seu noro filho ;
mis a saude de Maria, que nio apresentara indi-
cio algum assustador para o|csso, o trtnqailllia-
ra o consolara om pooco. Quando ella pos em
ordem todo o qne lhe pertencla-escrerea a seu
mando a aeguiote caita, qm achei nal tocante,
e por iaao conserve! de memoria:
i Meu querido Eugeoio, E* chegado o mo-
,l? ?e Pamrn"> por ama proraclo, para a
j qual todava eu eslava da ante-mao preparada.
?.'l;:r.'- arras .-
rir"m1&.ni,ut'' -
iijuata- verdade : mu aempre a oal-
lo do um-pael A minha cabega ae perdeea
o.. Esta carta do Maria desiruiu toda a mi.
Oh tesologio, abateu a minha coragem. JE' exac-
to, doutor, que ser ella bem. tratada ?
Quanto falo, affirmo-lhe qae exacto : o
at mesmo avaogo que poicas casas rices obleera
a casta do ouro os cuidados que essa iostituigio
prodigalia a mulherea que se refugiara no seu
seio. Prometto-lhe, Sr. Elliott, ir visitar aua
esposa todas as aaahaaa, bem qae nio seja Uto
neceasario,
(Confuor-#e-na.}
I
N'uma manha em quo elle se Vton WMr-iTlatonumtoto de um lio, e DeW n^eiadl-
PIRN ,TTP. DI U, I.DI PARIA FILHO, IMS,
C
.
11LEGfVE-

iiMaiMii


t'
AI10 niVIII. SPPLEEEITO AQI0IER0149
i ^ ..
Nr tres mezesadiaatados 5$00o
Por tre aeze vencidos 68000
/
,>
MU
DIARIO
tlIU FEUA I DE JOLHO DE IIIL
m s
For uit aiiaiUdo 19|00O
Porte fraict tara t nbstriftor
t-..
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO. >
Londres, 8 de junho de 1862,
Pelo vapor Oneida, chegado a Soulhamp1 00
dio 8 do correle, recebemoi a mala do *~ .,{ tez da malo ultimo. ,
As ooicas noticias polticas que a .oraai pu-
blicadas* vin Jas do imperio se rcff 4 & aber-
tura da assembla legislativa. da 4dotuez
prximo pastado, e probebi .de de qae o mi-
nisterio Tiease a dar a sua r"" .ssao proximesen-
te, atlendendo a que a av ,ia da camera se ma-
oifestava contra elle.
O cambio do BraV .^bre Londres foi colado a
5 7(8 d.; e o deaV pra/ga sobre es priacipaes do
imperio foi destr* vez Wociado a 24 d.por mil
rpa. *-'
\
ris.
No paquea Maqdale
viagem de/^uthanipt
Vi.-cqjr eslio a
quim/^ ( Caroeiro
ngenheiro ci
uateiro est
jm t... PTnh*4^oQ _
rpnrhar no Brasiles cenj
, que amachas seguir
para o Rio de-Janeiro,
rnambuco o Sr. Joa-
leiro, Gibo deasa pro-
m'uito distitrerov O-Sr.
eleceu aqui de accordo
SK^'r. -: ente es
eo~to8 e



\\
3(?
"ligresso
* "urooa
tos acerca
de mo-
er no
heiro
gressos da
uropa aer-
< da eoge-
10 offe-
erexa-
provou
iquelle
de re-
uma casa
it fluencia
a excee-
9 de babi-
onleiro se
acerca de
Deus que
Vii
ua-eogeoharia civil e suas dopendenc
de que a sede dessa empreza que
Restfe sob a direccio daquelle noss
seja constantemente informada dos
ficioQcia e dos meios praticos que n-e
vem para executar as grandes obr
oh aria.
Escusado ser demonstrar, por ser 1-;, prmeM
iniuico, a conveniencia de urna sem nacle e8.
eciaco, especialmente om um patz c no 0 ot)S_
o, em que por falta de esclareciment. ? exact0J
mprehendemos aiuitas vezes grsndesijijrascom
usto excessivo e sem os necessarioa VJelaihe
Ora, tendeado aquella esaociajao a r,ar "
xemplo semelhaules inconvenientes, \i0 ej,
que a sua utilidade eminentemente-pi|lica<
Consta-me que o mesmo Sr. Garneiro 'oni*eiro
fizera examinar aqui pelo eminente ei tflhero
Clark, o plano da ponte quo ba algum tei
recera ao goveroo imperta! e que deveria
utado sobre o Cipibatitx?. 'Mr. Claik
completamente esse plano, a vista do qi
tratalho do nosso jovto engenheiro ac
ceber o cuobo de auloridade d'um no .
dheiru ioglez. E' pola de presumir queji^g ^e.
jamos executada pelj Sr. Honteiro aqu'jjj r3H.
deobra, se como natural o govern. imperial
vier a adoptar para esse Um o mencioi do p|aQ0
*e esperanjoso Brasileiro lera lam em 0 pf0'
jeclo de iotrocuzir no Brasil o uso da: iai>iiar6e
construidas de ferro, e para semelhar Qm cl.
ta-me que ja mandou ir pata o Reci
daquea especie.
_ Hoje parece ser demonstrado qut
elbcLospherica dos paizes, onde o el
altamente queule, nada prrjudica o '
tardes consliuidas de ferro ; e o Sr.
prope a fazer no imperto .um .-en*'
um melhoramento atilisiimo. rerd
os eEor.Qos desse nosso dislinctj en
jam coroados do mais feliz xito para
prio e da patria que elle desoja aervir.
O Sr. tjirneiro Uoateiro segu para
com sua esposa, bavendo recentemente c
do matrimonio nests capital com urna
menina ingleza, pertenceote ums (am
linda por sitas virtudes e esco'.hida educ-
As accoes das nussai estradas d en
coladas pelos seguiotes precos :
As de Pernambuco com o descont de .
3 1(2 por aplice ; as da Baha com o
de S 11(8; e as de S. Paulo com o de i
7i8 (ambem W?""?"-
O algodo di Pernambuco tem sido ven
12 3i4 d. por lrr* ; s o do Maranbo a ir
Cacao do BreP'1 de 5* 04* per cwl.
Caf primeiral1u',lidade 68" 84s; segn
0S 67'; e ordinr0 52s 59s per ewt. / '
Pao Brasil 75l P,r tonelada.
Assucar bran(9 de Pernambuco e da P
24' 6 d. 29s pe cwl 5 mcatado 17s 24*
branco da Bahil 26' 0 d. 28' 6 d.; e Bj
iV 6 d. 2*. ..aA
Coairas salgados^ P 7 d.; secc
8 li2d. e seceos\*'gdos 5 d. a 7 d. 1
Do Brasil cbegarX1 diversos portos
trra na-ultima qu \00a oaseguintes navios
DaParabiba AltX2* Falmoutb ; do M
nhao oEdilh Aon 26 irpool; da Para
Margarel 23 a Cree ** Bhia cMar
29 a Falmouth ; de Pea -<>uco Rosalie
Clyde; de Macci aFusl" 2 a Liverpool
Parabiba Hindoc 3 aVverpool ; de Perc
. buco Clara Novellc 3\Ll,erpool; e da P
hiba James Hall 5 a FV&outb.
De Inglaterra seguirn!0 '"os porto
Brasil 00 mesmo decurso V eguiutes navio
De Liverpool Uary Blal*^ Para Pernan
co ; de Liverpool Margar!, neane 29 pa
Babia ; de Deal Atlantic 21Y"" Pernambt
o de Liverpool Lord Defferin.1 Para a Bibi
No dia 3 do corrente regresso^8 oh VV.
or vindo da Escossia. Sua m stade demor
se-ha neasa residencia at o di..'0. quando p
lira piraOsborne am de ah as .'"' QodiAlice.
prximo mezso casamento da piwg" ien(j0 j
comyr ^ iis-l' rogo que aquella moco in-
Io"' censura ministedo, sendo o seu
U-tt jcar um voto da cmara cintra a admi-
r .ao ; e pois, recorretfl sua axlraordios-
actics parlamentar, encarou a siluacao de
-nte, oppondo mo?fode Mr. SI' DSeltl urna ou-
ica sua, que elle declacou ser quest&o de b-
nete.
Nessa oulra moQo declarou o primeiro minis-
tro da Inglaterra, que comquanto toda & econo-
ma fosse para desejar e mesmo cumptisse ao grf-
veroo reaiisarsendo possivel, nao devia acamara
todava perder de vista a seguraoca do paii e a
defeza de ana influencia exterior.
Neslas circumstancias foi encelada a diacusaao
oa camera acerca das duas mo?oes, sendo pri-
meirameoto debatida a de Mr. Stausfeld. Aoppo-
slgao dirigida por Mr. Oisraeli atacou entao o mi-
nisterio em forma, aecusaodo-o de conservar sem
necessidade os tributos de guerra a qne eslsu-
jeito desde muilo lempo o coetribuinle inglez, ao
passo que os armamentos coolinuam sem harer
urna razo que os justifique, visto como a Ingla-
terra se acba em paz com s mundo ioteiro 4 e
por conseguate conciuto que a cmara deveria
reuzir as despegas qu* p. pait eal (azeodo em
tao grande escala.
Lord PalmerstoB, porro, havendo collocado a
questo nos termes que menciooei, couseguiu
que a mo^o Staosfeld fosse rejeitada por urna
maioria da 367 contra 65, e que a sua moco
substitutiva foase adoptada, sem fjfie a cmara ti-
vesse de darum veto especial.
Por osle modo a oppueico vio-se completa-
aeo> derrotada, e pelo contrario o mioisterio
Palme ston encootrou um feliz ensejo para ga-
libar nova popularidade.
O partido Tory havia reunido todas assuasor-
Cs para guerrear o oiaisterio neala questo fi-
nanceira, mas leve o desprszer de ver os seaaes-
forgos desta vez sem feliz resultado. Lord Derby
hara reunido seas amigos polticos.
A inteivencao fraoceaa no Mxico est boje in-
quietando vivtmeote a Europa, qae, v oaquelle
passo do gabinete dasTulberias um estratagema
para firmar a influencia da Franja no cominete
americano. Alualmeute a imprensa europea
meca a espalhar qae o imperador apoleao, ha
vendo desiatido do seu plano de enthronisar
Mxico o archiduque Maximiliano d'Anstria, pe/0
saem eatabelecer ali um protectorado france'a
sombra do qaal venba a franca a dominar na '."
I? pas e nos qu o eercam. Segundo varia'lute1'
Ibas, o povo mexicano vira por aquello aya' 0"
ter um poder legislativo, que todava de' ,e?a \
da augo do protectorado, a quem em t Penllera
competir js funegoes administrativas ; j"0 caj
quo por este meio a republics mexicana oe .m000
Jetada conforme a regra segundo a qus ,era mo
no britanoico rege as ilhas Jnicas. I R0*8'"
por que est paseando a questo me Esla. Pna.se
la vivamente a Inglaterra, a Hesp xl.C8tu ln1w'
ludo os Estados-Unidos ; entrtan/"'n8> e obre-
desses paizea nao tem por emq#t0 goveroos
protesto algum contra a politi*1"010 ormuiaflo
Mxico. d Fraoja no
As ultimas noticias do Me
mez prximo pasvm'n. Nass
a re''
ara
kunltrietJfir
Saio'r pait
1 se aehava naqueila
ponto, onde linba
va, o generalBeaure-
suas torcas, teod
general Bragg com
[aderado. Todas aa
1 de Nora York,
,1erados opporo
huiond : a ha-
avancada^lp exrrcito fec
data oincowilbss dcste
chegado,
gara com
todava deixW>mCorint
urna tivisao^o eiercito
commtinlcaco. poim, t
sao concordes \n que os c
.boa reaislenciaV defexa i-----
fian ellea exercVp j urna forte Je"'nr a
divisodo genersk ederal BankJr6ODeguinuo te-
pellir de Front Ro iM o coroneJOecey, a quem
the-ram mullos priJpneiros, asfn_d Wa* mr-
tos e feridos. Por oV '*'
forcas confederadas s* (<
para o forte Samd )lpb\
As folhasde Menphi
dra federal chegr i a
aem ter encontrado resi
Val seguir com duecc*
PERIVAMBICO.
-'" Jl -"'tft** '' ---------
luea | nos Asalm pode estaVbem persuadido de que Esta questo parece termioada, principalmente direcQo do grande cami
VinhaU ogoverno auStrisco et^no\io. proseguir dapoi,t.medidasadoptad, pe1 PneiP. -UJ: te movimento parece ind
nos. A.'sim pode estsr^bem persuadido de que
o governo austraco estS^soNido a proseguir
naa negociacoea para um aceojdo Uali
a da mesm
tiris com
smnsu-se que as
im do forte Wrigbl
Fnunciaai quo a esqua-
*vsburg no Mississipe,
icia algama ; e que
lemphis.
Mr. Mercier, m nlre d
ton, ha va regressdo a ca
digresao a Riclyulond, ten
suas impressoes) d ) viagem
e a Mr. Seward, Isiecretario
correte em Wasliiogton e
fraocee nada podora conse;
A crela geral < ue a gu
durante o vero, 1 menos
sol urna revoliflQat em favr
eventualidade/ nao da pr
espiritos dacuelle| lado s
exaltados cbntra o re
Notfelk o general
a declarar ""
D!'Pa.lld/e recuso'
inile^uadrsfede
nal 4 drcastxan\
fia presas d
tuijo do v
illegal a ca
ran;a em Wasbing-
,lsl da Uoio da ana
j-commuoicado *s
presidente Lincoln
'estado. A opiniio
1 que o diplmala
ir em favor da paz.
ra continuar! anda
'que se manifest no
do norte ; mas esla
umir, por quanto os
acbam cada vez mais
en federal, a at em
t^^t -.'.'Voel se vira obrgado
T io tflJ consequencia do
""'o.vcujo chefe da mu-
;"\r Juramento de obe-
Wfcfhiogton.
1 havia capturado o vapor
-ntode K>y Wesl. O tribu-
Estados-uiloa decretara a
r britaonico la&uan.por haver
ra daquelle na^rio.
j-de mengo a proclimaco do
emancipando os escravoS\ua Ca-
Georgia e na Florida. \
I porem acaba de serHesaVpro-
0 Times afflrma que o marqaez da
portador de um ultimatwn em que ~ Tap.a
deve ser coovidado a recoohecar a Italia onlV"
mittir o direito do parlamento italiano a exere^r
Esta questo parece termioada, principalmente
depois das medidas adoptadas pelo principe ele-
lor. que teVa de certo em-vista evitar as conse-
rfazend^Todala cncess6ea compa.- Iquencias de urna recusa enrgica.
a a saa bonVa e os seusHntensses. ( q casamento da princaxa Alice de Iogla-
alett, ierra com o principe Luis de Hesse ser celebra-
do em Otborne 00 1* de julho.
O principe de Salles, que ltimamente viaitou
r.onstantioopla, d'onde sabio com direcce 4 Athe-
L no dia 27 do prximo Godo mez, recebeu do
n >, pelas mos de Ali-Pach, o grande cor-
do u ordem impetial da Osmania.
A^esles do Ofieote cada vez tomam um
carcter mat grave, e tanto que se afflrma exislir
urna circnlar *P governo russo aos seus agentes
consulares no L>anle eodo-lbea ver a gravi-
dade da sitaagao e^ quanto estao imminentes as
complicacoes. v
Em Alepo tem bavido ultimsmeote algumas
deaordens contra os chriaUo" Parece 1ue cor_
po diplomtico exigir do govet.oo ottomano me-
didas promptas para por termo s>eameioauie es-
tado, e tanto que o commissario eSF"ordlQar10
da Porta ns Syria parti logo de Be\'
Alepo.
O Courrier de l'Orient dix que ali ae coaNPel
teram cerlos excessos contra varias pessoas c
corporaces, havendo alguna ferimentos entre os
cbrlalaos.
elro a- PaDholas havi
be" 'ritorio daq'issado a
linba re"g>recedido r
nham p/dade s a
aclua]#> o Mxico,
em chefe,
mmunicaodo 1
contra a capital t
postadas na ser
pro-
raail
ahi-
lo sa
dis-
u..,
0 frao
/eral 1
''era
ti a 9 do
n ter-
>'tm
(Jas faci di
general lluote
rolioa do Sul.
Esse acto ouf siddnte Linelo, que ter
vado pelo pnvou nao haver autorisado aq9alle>
mente decav melfiaue fim. No seu man
ficial para se/j!n, que esse acto do general Hi]
diz Mr Linc/n-iiierao nullo e sem effeito, v
deve ser colpratic-lo nao bavia elle recebido a
como para i asiente!; e que s a elle, na qualida-
torisaco hlneiro magistrado da na^&o, perlence o
da de priri tomar sea,elhante expediente, quando
direito deAceiiado p conveniente.
o julgar erno de Washington reconheceu logo o
O gov ie urna medida tao extrema, que por cer-
perigo 1 alienar da Uoio a povoac&o "dos estados
lo ira yssuem escravos dtlrimento da poltica
que pMiciliacao com que anda esta especulando o
de oo/deole L>ovold ; e por coBsaguinte nao po-
presideixar de ret-rpvar o acto que o general Man-
dii f prattcou par aeju proprio arbitrio.
ter.Pala prxima mala do .Nova-York esperamos
eceber aqu importantes noticias do tbeatro da
rauerra em Ricbmood. E' provavel que teoha-
Jmoa conhecimeiitu.de algum grande successo oc-
Icuirido entre os dous combtanles.
as suss fuocses em Roma ; a mandar deputa-
dos dos seus estados esse parlamento, e a per-
mittir que o exareilo italiano oceupa oa seas
estados. Em troca deataa concessdes ser ga-
rantido ao Papa o patrimonio de S. Pedro, sen-
do-lheao mesmo tempo restituidla as Marcase
a Ombria.
O governo fraotez reduzio o corpo de oceupa-
co em Roma urna nica di'iso, que ser
composta de tres brigadas s ordene do general
Mentebello, ajuaante de campo do imperador.
Segundo eacreve um jornal de Cracovia, o im-
perador da Austria tinba dirigido ao Papa urna
carta aulhograpba oa qual declarara que nao po-
Oia oflerecer um asylo em Venexa sua santi-
dade ; que por ae achar eata cidade prxima ao
q*idrllalero, o imperador aconselhava suasan-
tidade que sahisse de Roma, succedesse o que
saccedesse.
Viole e um cardeaes e duzenlos e quarenta e
tres bispos dirigiram urna mensagem sua ssn-
tidade deplorando a oppresso da igreja. Neste
documento declaram que o poder temporal do
sasomo pontfice oecessario para man ter illas
a independencia da santa s, e coovidam o go-
verno pontificio a maoter e deffender enrgica-
mente os seus direitos.
Sua santidade na sua allocuco por occaaiao
da canontsacao dos martyrea do Japo, deplora
os erros, as oppressdes, as violencias commetti-
das contra a igreja e a guerra que se tem feito
ao poder temporal. Exhorta oa bispos a aug-
mentaren! o seu zelo em combater esses erros.
Il2
mi
l8a
Jo a
,Jd.
dita
hiba
Dito
alo
**?Ste
t Pth
^f
CTLTj
do
aqu
o, o principe
Suas altezas
a do corren-
.es figuram
- anteceden
per ai seus
tantevldo
is carnes
"neoos-
pelaa
Acham-se actualmente em Lol
conaorrido para visitaren) axpos
de Carignan e o vice-rei do Egypto.
demorar-se-hao nestacapital al o
te mez. <
Na exposi$io internacional de U
tambefb, conforme j alludi em minhl rnerica taes
te carta, os pequeos estados da A hile Per e
como Buenos Ayres, Montevideo, C
Equador, apreaeotando cada um de
productos oaturaes bem conbecidos.
figura ali tambem pelo espcimen de
saccas reputadas de pcimeira quu: ;_3
Ayres pelo malte; ?ef pelo gdw,
-amostras de prata superior. Cada um
zes apresentou igualmente alguna produ
nufacturados, mas de lio interior qualid
nam ao dignos de especial menco.
A Turqua, a China e Japo brilham igu
te 00 grande concurso internacional de 18l
primelradestas uacosa figura sbi com seas ta
bordados de ooro, productos cbimicos e est
mente pbarmaceaticos ; a segunda pelo ch
superior qualldade, embora geralmenta cons
rado inferior ao nosso, pslos seus primorosos
balhos em marfim ; e a tarceira finalmente .
excellente porcellana do Japo, objectos de mi
fim primorosamente trabalhados, a variaa pee/,,
de bronze fundidas e magnficamente trabalhada \
por artistas desse imperio. Tal em geral lud
que se contm 00 grande edificio da expotico.
c.i. armnn emureza. a aum o publico tem au-,
Esta grande empreza, a quem
gurado mui prospero successo, sob o ponto de vis-
ta da interesse pecuniario, Dio por emquanto
considerada vingads ; porquanto aa receitas rea-
lisadis esto ainda longe de cobrir o capital dea-
pendido com a coostraeco do edificio, sem fallar
no juro desse dinheiro. O palacio cestou perto de
trezeatas mil libras esterlinas, nao entrando nes-
se prego varias obras propriamenle de adorno ; o
segundo os srtigos do contrato, emquanto essa
aomma no^stiver coberta' pela receita dos visi-
tantes, a empreza daexposiclo reputada em na-
co debaixo do ponto de vista mercantil.
E' todava de eaperar que em breve possa a Em-
preza oa a aua directora contar victoria, pois
que a sffluencia do estrangeiros e de gente dos
condadoa e coloniaa inglezaa comega a ser consi-
deravel todoa oa diaa. Entrar actualmente na
exposico diariamente mais de trinta mil pessoas,
como termo medio ; os precos slo j reduidos
i um schilling por pessoa.
A nossa prlncaza de Joiaville estere ulUma-
menta na exposi(o, onda foi expreasamenle para
visitar o compartimento brasileiro. Sua alteza real
loi alli recebida pelo ministro do Brasil, palo se-
cretario e pelos addidos desta mesma miaso.
O parlamento britaonico acaba de entrar nova-
mente em ferias de alguna das por occaaiao da
festlvidade do Espirito Santo. Antea porm de
encarrar-se leve lugar na cmara dos communs
urna discnsso calorosa sobre a moco do depala-
do SlansfeM, qae convidara a cmara a declarar
aa no estado actual das cousas as despezaa mi-
tares da Inglaterra eram exageradas, cumpnn-
4o ao 'parlamento limita-las. Lord Palmerston
1 cHfflb;// um glorioso combate "0Dsegoir#~" desaljalas,
Qcando assim desembocaba a marcha do aeu
exercilo sobre o Mxico ; nessa eccao as tropas
fraucesaa perderam trjbu homeos oolro mortoa
e feridos, e aa mexicanas cima de quatroceotos
homens. Varios cagimentor de zuavos; tres de
caladores 'Arica, e tresentos cavallos, compu-
nham a diviso ftaoceza quesusteotou a mencio-
nada acQo. Na data cima referido corra em
Vera-Cruz fje o general Lorence havia entrado
em Puebla, sendo provavel que a esta hora esteja
j no Meico, depola de haver expellido d'ahi
Jaarez e o seu governo.
O general Ataonta cootinuava na propagado
da sua trela mooarcuica, teodo conseguido in-
surreccionar em favor de suas ideas algumas po-
voacoes, entre as quaes se falla em Vera-Cruz.
Mas constara ali que o presideote Jurez manda-
ra a Paria ltimamente o irmo do geoeral Do-
blado, com a misso de explicar ao governo fran-
cez o engao ana que o general Almonte induzio
o imperador apoleao, afirmando que no Mxico
existe um psrtido monarenico. Qualquer porm'
que seja o caso, parece-me que o gabinete das
Tulberias far nesta questo aquillo que Ihe dic-
tarem as suas conveniencias, sem importar-so
com os esclarecimentes do goveroo mexicano
nem mesmo com o qae em Pars possa ter dito o
general Almonte. .
A noticia da tomada do Mxico, capital da re-
publica desse nome, aqut brevemente eaperada,
visto como segundo aa noticias alludidas o gene-
ral Lorencez entrara j em Puebla.
Sua magestade al-rei Vctor Emmanuel aeacha
de rolla em Turto, depois da sua digrojso pelas
provincias do aul do reino ; e o principe apo-
leao, que fora a aples visitero rei seusogro,
chegou a Pars no dia 5 do corrente.
Os saccessos de Breacia e Barga mo, que feliz-
mente foram atalhados tempo pela energa do
goveroo, tem servido de thema para grandes dis-
cusses na impreosa italiana, que todava tem
condemnado quasi unnimemente aquella loucura
poltica. A opposi;ao republicana parlamentar
tem buscado justificar os successos polticos ai-
ludidos, dizendo qae os patrilas oelles envolvi-
dos.lioham em vista eOectuar* aquella expedicao
alm-mar a nunca contra o Tyrol e Veneza, ba-
vendo previamente recebido o consentimento do
governo que Ibea prometiera o aeu apoio, dinhei-
ro e muDicdes ; mas o ministro Ratlm cooies-
tou categricamente semelbaote idea, afilrman-
lo qae jamis entrara na poltica do gabinete se-
lelhante expediente. O ministerio mostra-se fir-
9 no meio de urna tao seria emergencia, que
-coi duvida o tem altamente inquietado. O go-
verno de Turin acaba de decretar a orgauisajio
de mais seis brigadas de infanlar.
O imperador d'Austria tem concentrado nume-
rosos reforcos no Tyrol e em Vanesa depois dos
recentes aconlecimeotos de Breacia e Bergamo.
Varios rsgimentoa Hngaros tem sido substitui-
dos por outros da Bohemia.
O marquez da Lavalelte, embaixador francez
em Roma, seglo finalmente para o aeu deslino,
lepois de se haver encontrado em Marselba com
principe apoleao no dia 4 do corrente. Esse
olomala francez leva instrucefies positivas, so-
ndo afflrmam varios jornaea bem informados,
a instar com o governo pontificio acerca da
ci da questo romana ; qaal aera porm o
> favoravel dessas instancias, quando aabi-
e a curia romana nao quer ceder volunta-
ile? Ninguem, pois, confia oestes novos es-
; e a nio ser qaa o pontfice romano ve-
;ancar-se do abandono em qae vive no,
me aober \ e n*^ral qae lenbamos de presencear
por m\ t0 lempo ainda o statu quo da questo
romn
noticiis da Europa de qae foi portador o
por inglez Magdalena, tem dalas: ds Ham-
burgo, 6, de Bruxejlas e Paris 7, de Londres 8, do
Porto 11 e de Lis toa 14 do pastado. Eis o resu-
mo dellae :
As provincias do norte de Portugal esto j em
completo socego, i devido ialo s providencias
acertadaa que o governo tem dado, confianca
que elle merece no paiz pelas suas idaa liberaes
e falta de fundamento das exigencias daquel|r*
poros Iludidos por especuladores. Ao bum-si
so e cordura do geral do povo aa deve tambem
nao tereco tomado maior incremento.
v Acamara dos deputados approvou por granae
maioria e depois d aturada dlscusso, o projecto
de lei sobre aa congregares religiosas, e sobre
o ensino.
No dia 9 de juohqsahiram de Lisboa na fraga-
ta francesa a vapor Orenoque, lodaa aa irmias de
caridade e padrea lazaristas que aa achavam em
Portugal. Foram mandados chamar pelo padre
Etinne auperior da congregado em Paris, por
accordo do governo francez com o gabinete de
Lisboa..
Esta solacio airosa para Portugal, e que vem
atestar um pouco da discordia contentona maioria
da naci; entretanto o partido lazarista, que tem
querido reagir sempre, nio soffreu este golpe com
res'goa^j, e abaodonou ao mesmo tampo lodos
os as) los, expulsando as crianciohas. O partido
liberal abracou as criaocas, e no espaco de pon-
eos dias recofheuas, e fundou novos asylos ; a
subscripcio geral, ponco ou multo todos vem
concorrendo com o seu bolo. No dia da sahi-
da do paquete de Lisboa, aa subscripcoes subiam
ao seguinte, em metal........ 2:90-2>z!z5
Em intcripc.oes........... 25:800jj00
Corneja de novo a fallar-se no recoobecimento
do reino da Italia pela Prussia a pela Russia.
Os boatos da demissio de Rttazzi foram des-
mentidos. A maneira porque o governo procedeu
em presenga da conspirado de Brescia, mereceu
os applausosdo partido liberal ; a actividade que
deseovolveu em tal conjuntara graogeoa-lhe
matas sympatbias".
^^AsNdetermina$5ea lomadas palo governo ita-
lialc-de dUsolver ama escola de tiro nacional,
instituida por Garibaldi, abrange a famosa so-
ciedade de Genova, qee parece querer fazer rece-
ir sobre o .governo a aua influencia no parla-
mento.
A tentativa de Breacia corneja a eaclarecer-ae:
Morcini eotrou em MilSo antes do ultimo acoate-
cimento, e apeuaa se malogrou aquella exped-
cao, parti para Calaiss d'ali para Inglaterra.
Leu-se na cmara dos deputados urna carta de
Garibaldi, negando qae as associacoes, cajo exer-
cicio foi prohibido teniessem invadir o Tyrol.
Bixio confirma esla dectaracao. O presidente do
;ooslho declarou Igualmeole. que nem o filho de
Idi nem Bixio consentiran) jamis em ex-
illegaes. A cmara approvou um voto
ase M.n por 180 votos contra 33.
Em Londres tem sido muito importante a
discutso nasdus casis do parlamento, sobre a
dlminaicao das verbas consignadas no orgimeoto
eooslho
mt I aribal
-Jigo es
_ oor 180
O governo turco obrgado a dar aalisfaedes, ps-
toce que o flzera saisfaloriamante, segando ve-
mos das correspondencias; e a imprensa olloma-
naclassifica os actoade faoaliamo, praticados co-
mo am jogo de creangss, contra os irmios da opi-
niao de S. Jos.
O rei da Grecia promulgou alguna decretos
com o fim de regular definitivamente a amnyslia
concedida aos que tomaram parle na ulttma in-
surreljo. A amnyslia comprehende todoa os cri-
minosos d'alta traico e de rebellio, sendo ape-
nas exceptuados um militar e nove paisanos.
Foram dissolvidos os dous cooselhos manici-
paes de Nauplia e e lleranapolis. Mais algumas
disposiepes se tomaram para manler a ordem,
sendo postos em dispooibililade varios militares
e outros lunecionarios.
Na Malvaaia e na ilha a'Ezyoe foram intimados
differenlea individuos perleocentes ao eiercito, e
qae ae tomaram suspeilos pelas suas opinies.
Todos osofficiaea que tomaram prteos revolta
vio entrar de novo as fileiras, ficando outros
sujeilos medidas temporarias.
A questo do Mxico preoecupa muito o mi-
nistro da fazenda em Franja pela necessidade_ que
tem de equilibrar as verbas do orcamento nao s
em relajo s medidas econmicas que tem pro-
jectado, mas porque a commiaso respectiva do
corpo legislativo exige de Mr. Fould corlea ex-
plica joes aobre o augmento votado para a despe-
za militar.
O general Miramon, cujo desembarque linba
obstado o almirante ioglez, vai partir para o Me-
ral
m
e
xico, am de reunir a sua influencia < Almonte, para eposeguirem o pronun
11 djfl'erentas.oyrjTos da lejmbjica. no,
mate
v
se
xl
do
riat
fori
oba
O ge. alGoyon acaba de ser nomeado sena-
dor do i ''?.! general conde de Montebal-
28:702flS25
fora grande o numero de olleras emroapaa e g-
neros alimenticios.
O caaamento de el-re D. Luiz deve ter lugar
no prximo mez-de setembro, segundo se da ;
ainda nao oficial o nome de futura rainha de
Portugal e por isso uns a escolhem entre a fa-
milia austraca, e outros entre a familia real ita-
liana, segundo o sea modo de pensar; entretanto
esta ultima veraao 6 a qae offerece mais funda-
mentos da verdade, o a qae mais bem recebida.
Vem oeste paquete para exercer interinamen-
te o lugar de cnsul geral no Rio de Janeiro, o
Sr. Nazareth, que era director iaterioo da alfao-
dego municipal de Lisboa. Esta nomeacio lem
encontrado grandes sympathiaa em Portugal.
O eatado de rendimeolo daa alfandegaa maio-
res do reino.comparado com 0 dos anooi anterio-
res, mullo lisongeiro.
Continuam a fazer se importantes cobcessoes
de lerrenre baldos na proviocia de Angola.
Reuni- ie o conseibo da ministros para com-
binar oa oomee qae oovem ser elevados ao para-
lo. A lisia dev% sea superior a 40 ; eata tornada
tem por fim principal a reforma da cmara alia,
coodicio esta que se impde aos novos proceres.
Esta medida torna-ae urgente para o governo
nio levar cheque na cmara alta, na.questo das
irmias da caridade.
A Franca parece querer combioar urna allian-
ca com a Austria ; parece que para isso j ha ne-
gociacoea eatabelecidas, e que o general Fleury,
ajudante de campo do imparador, deve ir a Vicu-
a eocarregado da promover a solugo da ques-
to italiana.
A necessidade de um desarmamento que sob o
ponte de vista finaoceiro, se faz sentir lio impe-
riosamente na Austria como na Franja; o desejo
igual dos doua lados, de firmar a pai sobre bases
solidas ligam-ae este plano de alltance. A Aus-
tria mostr-se agora muito bem disposta a fazer
concessdes, ao passo que a Franja pelo sea lado
ae acha reaolvida a sabir por meio de um com-
promisso da sitqacio difficil e perigoaa que to-
mou na qaestao italiana.
A Austria spoia francamente a Franca nat suas
Na cmara alta lord Darby e os ajus partidarios
insistiram na npcaeaidada de restringir aa despe-
zaa publicas, conservando no paiz um exercilo e
urna muinlia poderosamente armados.
Na dos communs a discuisio encelou-se por
urna mojio de lord 'nsteld em que ae sustn-
tala que era possivel diminuir asdeapezaa do or-
camento, sem comprometlar a seguranca, inde-
pendencia e a inflaencia legitima do paiz.
O governo fez deste assumpto qaeslo ministe-
rial, e lord Palmerston por parte do gabinete op-
poz oulra moco pela qual a cmara, mostrndo-
se satiafeita do que i ae linba feito para diminuir
os encargos pblicos, deixava aabedoria e ao
patriotismo do governo as reduccoes que ulterior-
mente fosse possivel realisar. A cmara appro-
vou o voto de confianca.
Na Russia ainda reina alguma agitajao em
alguna pontos do imperio. Prepara-ae um pro-
jecto de lei para abolir os cortejos corporaes, e
du-86 que a iniciativa devida ao proprio im-
perador, que quer olemnisw com um acto desl/
oaturexa a festa do Ravik que se deve celebrar'i
18 de aetembro.
Esta noticia moslra qaa o imperador tem ideas
mais avancadaa do que grande parta dos aeua sub-
ditos, alguns dos quaes fetn grande opposijio
esla medida.
O conselho do imperio adoptou unnimemente
a'uma dea auaa ultimas sesses, as bazes de urna
orgaoisaco judicaria, que comprehende a publi-
cidade dos debatea, e a iostituic.o do jury. D'aqui
por diaote s os tribunaea poderaO pronunciar
qualquer indemnisajo.
Temos lido noticias.
Apezar porm de todas estas reformas no cami-
nho do progresso o imperio agita-se, e a fermen-
ta jo lavra em muilaa partes. O eaiado de sitio
existe em dezoilo cdades; e os Cossacos do Don
e do Mar-Negro pedem a reatiiuicao das suas
franquias.
O presidenta Jurez rejeitou a proposla do.
missarios francezes, a qual estatua nao p
aqnelle vender, ceder, nem bypothecar amgo
rerno eslrangeiro parte algama do territorio me
xicano. A 28 de abril assigoou Jurez am tratado
com o ministro dos Estados-Unidos, ea.pulaodo
um emprestimo de 25 milboes de duros, dando
em garantia para o pigamento as melhores pro-
vincias do Mxico.
O embaixador de Franja em Washington foi
encarregado da manifestar ao preaidente Lincoln
qae o dito tratado contrario todos os princi-
pios, e ser considerado nullo pela Franja.
A Patrie diz que a retirada das tropss inglezas
da expedijodo Mxico foi decidida porbavarali
s um corpo de oitoceotos homens, em um gran-
de estado de inferloridade em presenga dos seas
seus alijados, circamatancia eata qae impreaaio-
nava vivamente oa povos, e qae na eua epiniao
dimiouia o prestigie do seu nome na America ;
mas que retirando-se da conveoco por este mo-
tivo, os Ingleses se nio oppunham ao estab ^ci-
mento d'um goveroo duradouro, regular oo M-
xico, e que o Seu ministro, que de novo vai reto-
mar aa anas funecoes oa capital, poder por ai
mesmo julgar da regularidade das operaedea que
vio levar-se efiaito para consultar o pvo me-
xicano quanto ao governo qae entende dever to-
mar para o futuro.
Referiodo-se Hespanha a Patrti tambem de-
clara que Mr. Thouvenel enviara para Madrid
urna nota em que dizia que a Hespanha sa reti-
rara da expedlcio, porque lora posta de parte a
candidatura de um nlho da Hespanha ao throno
do Mxico e no emtaoto que fora s a Inglaterra
quem regaitara a propoata. Quanto Franja, no
caso em que oalrss repblicas mexicanas se trans-
formasaem em monarchiis, ella viria sem desgos-
to um principe hespadbol entrar em concurren-
cia esse throno, comanlo que esse principe nao
fosse o duque de Mootpenster.
A resposta de' Caldern Collantes foi benvola,
segundo ae diz; e parece que a Hespanha ae tor-
nar a reunir expedicao-.
direcjo do grande caminbo de ierro do asi. Es-
te movimento parece indicar que os confede rados
tem cortado a retirada.
O congtesso votou loavores ao general Mac-
Clellan pela sus dedicajo.
Pelos despachos racebidos pelo nsso corres-
pondente de Lisboa, consta que depois de reuni-
da peleja em que Bank foi derrotado, os confe-
derados levando de vencidos os federaos lam em
sua persegeicao. Reina por este motivo grande
pnico em Washington.
Eoviaram-se alguns reforcos para defender
Mac-Clellan que Coi igualmente batido.
Os confederados do sal esto em lUch-
mond,em numero de uns duzentos mil. Espera-
se todo o momento ama grande batalha.
Lincoln, instancias ds Franja ajuslou celebrar
um tratado com o Mxico, logo que esteja termi-
nada guerra desta repblica com a mesma
Franca. ?
Proseguem com muta actividade as negocia-
rles entre a Franca e a Inglaterra para se eata-
belecer urna commum mediaco na America do
Norte e conseguir reslabelecer a paz naquelle
.err;torio.
__ q josso correspondente de Hamburgo da-
nos as segu.'rl9S noticias commerciaes:
O estado do m^'cdo Dao soffreu aN"Ga<> du_
rante as ultimas e>ans,limitando-ae as vendaa
ao supprimeoto do con.,umo*
Csf.-As transactoes qu>'iverm ,08" ^J0'
ramprfaasprecisoe. do co^um. e "nd"
de caf do Rio e de Santos nao l** de "ad*
importancia durante todo o mez C '
Os prejos se sustentaram com
mercado, porm, te moatrou mais firme
caf do Rio de Janeiro, ao mesmo lempo qu.
de Santos nio encontra compradores pelo mo-
mento. Todas as traosaejes em caf brasileiro
nao excederam a 18,000 saceos no mez de maio.
Para a Hollanda se ven i erara sais carregamen-
tos, importando em 12,258 saceos de Santos e
2,900 saceos do Rio.
O correio do Rio de 9 de maio que acaba de
chegar e neohuma influencia exercea sobre o mer-
sedo, continuando em esiagnajo o commercio
para o interior. --
Colamos :Caf reguiar ordinario do Rio: 6 5i>
6 7[8 schillings.
Importajio do caf at fins de maio.
1S58 24 9(10 milhes de librss.
1859 31 ll2
1860 39 2i5
lac< 1.9 U2
nSv- 1(10
Em ser em fins de maio :
1858 22 UiO milhoesde libras
difflcu.'dade ;
oara o
* o
n-
e>N
do
do faW
1859 12
1860 15
4QCI 7
186121
>
s
Esperavam-se do Rio.58
loa 30 mil saceos de cafe.
mil saceos e de Saa-
Asaucar.O mercado nao sabio do seu estado
deprimido, e s se realisavam vendaa com re-
da ce ao de um marco por cem libras. NaOba-
esp eranja de melhoras, e anticipa-se urna ra-
duejao maior. S se venderam durante todo o
mez de mala 160 caixas e 300 saceos de assucar
branco de Haroim a prejos que se ignoram.
Importacio de assucar at fias de mai;
1858 11 milboes de libras.
1859 181i2
1860 14
1861 22 Ii2
1862 20 li2
Em ser em fins de maio :
1858 3 1|2 milhes de libras.
1859 6 li*
1860 7 li2 '
1861 10 # >
1862 10 i i2
lo foi es
aquella n
Roma. O
pare aeu p
Teve con
deate mez a
resjaponezes
reunidos asi
hido pelo imperador para substituir
commando daa tropas (rancezaa em
ovo eommandante francez seguio j
to.
leilo logar em Roma no principio
remonta da canonisajo doa marty-
e por eaaa occasio os prelados ali
taram um memorial dirigido a
Ni Polonia as medidas represadas adopta-
das pelo general Suders, lem produzido extraor-
dinaria exasperajao nos nimos. Para se fazer
idea at que ponto chega essa repressio, basta
dizer que para ae uaar urna bengala, preciso ob-
ter urna licenca da polica.
A pedido do arcebispo, o geoeral Suders con-
cedeu am armisticio de quarenta e oilo horas,
dando-se licenja durante esse lempo para se can-
tarero as diversas igrejaa qualquer hymno pa-
tritico. Os efleltos desta especie de convenio
terminaran) oo dia 9 a desde eolio ouviam preces
todos os que ousaaaem levantar a vos para fazer
ouvir esses bymoot.
Q jornaes do paiz publicaram 'essa concesto,
mas nio produzlo o resultado que ae esperava,
Jorque o povo racuaou cantar em virlude daquel-
a licenca, e ainda que aa igrejaa eativeram net-
ses dous dias cheias de povo, nem urna vos se
ouvio.
Alguns correspondentes fallam com corto mya-
lerio de urna conspira jo militar entre a officiali-
dade da guarnijo de Varaovia. Afflrma-ae que
foram presos muitos officiies e qae se fizeram
muitaa vieitss domirillsras, sendo oellss com-
prehendidos alguns offlciaes generaos que oceu-
pam posijoes muito elevadaa.
Tudo ialo tem cario carcter de gcavdade que
augmenta, quando vemos que dos officiaes presos
ou considerados suspeilos, nenham polaco, maa
propriamente rasso.
Por cartas do Mxico se confirma a noticia da
entrada daa tropas francesas em Puebla de los
Aogelos, sendo recebida com as acclamaQoes do
poro.
A' noite a cidade illaminou-se exponlanea-
mente.
A cidade de Puebla declarou-se desde logo
favor dos Francezes. Apenaa estes ebegaram
maodou urna depulacio ao almirante Lagravire,
que eslava em Vera-Cruz.
Em todo o caminho desde Oribaza,oe Francezes
foram recebidos pelos povos, como libertadores.
A proclamado do almirante espalhada em gran-
de qasnlidade produzio bom effeito em todo o
paiz.
Consta que os Mexicanas cortaram aa commu-
nicajoes dos Francexea com o mar, oceupaodo
Soledad a Cardo va. A ser verdade esla noticia o
exercito francs acbar-se-ba n'uma situajo bas-
tante critica.
A Patrie publica ama carta do Mxico em que
di coota do combate dos Comoros. V-se que a
diviso francesa teve de entrar toda em fogo e
sustentar um renbido combate pelo eapajo de
matas horas, edeixar bastantes cadveres no
campo.
O general Balles.quando tomcu poete da Nova-
O.povo responde desta maneira ie conceasoeal^^nj em nome ao govecoo federal.faz ooeupar
tentativas em Roms, com o filo de urna trinsac- da ajjtorlade; a a voz do opprimiw,6sentida pe-,' r0 abosulado francez, da Hespanha e dos Paizes-
Pio IX, em qu
der temporal p
espiritual. ,
Temos noliu
maio ultimo. I
Ma Clellan havit.
Bottons Bridge
declararam a neceaaidade do po-
ntificio para o livre exercicio do
dos Estados-Unidos at 24 de
a parte do,exercito do general
traveseado o Chickahonlne, am
ima aegunda divisSo paasra
asae meamo rio em\ 'ew Bridge, aete milbas ci-
ma daquelle peulol eolio mil has distantes de
Richmond, capital V confoderaQio. A guarda
>
Confessaram qae nio experavam encontrar tao
grande valor e resistencia no exercito ntesjs}*
cano.
As ultimas noticias da America eao bastan-;
le gravas.
V
Couros.Apezar de ter havido algumas traa-
sacepes em couros do Brasil, os de outras proce-
dencias nio foram procurados.
Em maio ae venderam :
9,540 couros do Rio Grande do Sul cerca de
9 V[8 schillings termo medio e 3,120 da Baha a
6 1|27 schillings, e cerca de 2 mil couros do
Rio Grande averiados foram vendidos 28
schillings. Restam em ser cerca de 49 mil cou-
ros de lodaa as qualidades.
Algodo.Com tendencia de aubida, e o algo-
dio de Pernambuco ae vendera nesta praca com
felicidada; 427 balas de Pernambuco flacluanles
foram vendidas 1213 schillings.
Tabaco.O tabaco do Braail nio foi muito
procurado no mez passtdo, sobretodo nao que-
rendo os possoidores fazer concessdes nos pre-
jos..
Cacao.Vende-se i precos redondos.
Jacaranda.Venderam-ae 600 mil libras com
reucjao nos prejos.
cao sobre a questo romana.
O arcebispo de Paris est eocarregado do urna
misso junto ao summo pontfice ; parece que
est encarregado pelo imperador de convencer o
santo padre, a fazer concesses, e a aceitar o pro-
jecto de solu jo de que a Austria acceilou as bases,
Um correspondente de Vienoa escreve que a
< Austria nada mais tem a etpersr da Pruaaia o
c da Russia do que urna profunda hostilidad;
c ba alli interesses contrarios ns sociedad) ger-
c mantea, e na sociedade slava. A arHap?a de
Inglaterra trahio-oos em 1859, e ltimamente
lord Palmerston, incitando os italianos o pfo-
psito de Veoezs. Nio temos, pois, mais do
'que ama allianca que nos ?ossa ser til: a
da Franja. Desde qae foimosde accordo com
ella sobre a Italia, easa allianja tornar-ae-ha
a possivel e eproreitavel, tanto i Franca como i
moratn as ideas de
j
da
>
Russia foi nomeado
los coraqes nobres em que
liberaade,
O princip
vice-rei da
-r Na Prawia hiospersiija de que a op
na camera nao seje- lio hostil ao governo c
principio se suppunha.
A maioria dos depatadba mostra-se favoravel
s ideas monarebicas, com quanto se affastem da
peKa tegiids pelo gabinete.
Aiada se nao sabe qual.Mja a'rssolaco que
a Prussia tomou em relscao ao assumpto de Cav
sell. O eleltor pela aua parte aceitara ademiaaiodo
miniaterio, confiando a formajio do gabinete ao
publicista militar Sossberg ; caja candidatura se-
tistes o psrtido constitucional,
Baixoa assim como muitaa bancaries apoderndo-
se em eaaa do cnsul hollando? de -urna quaoti-
deoito caotormil doliere que era- destinada ea-
aa hoje de Amaterdam para pagar o jaro dasobri-
gsfSes emiltidss.pelos citados crfnfederados. Pu-
blicou depola ama proclamatao em que ae exci-
ta vam os pobres contra os ricos, prom'eiudoa
Ibes ums Urga destribuieo de carne e as-
sucar.
Estes fados sao inacreditaveis. Coovm eape-
rar novos esclarecimenlos que. sirvam para se
poder formar um bom jaizo.aobre estes aconleci-
mentos,
O presidente Lincoln chamou s armaa 50 mil
homens de voluntarios.
O general Mac-Clellan reauiodo-sa com o ge-
neral Franklin e Burnside acha-se am Wildoit na
Pouco depois do inglez, fundeoa o vapor fran-
cez Btarn, vindo do Rio e Baha, adlantando
doua dias de cada urna dessas provincias.
Rio.O senado nio funecionou por falta de
numero. A cimita dos deputados adoptou a
proposta de fixajo de forjas de trra, com al-
guna additivos.
O cambio regulou : Loodrea 25 7/8; Ham-
burgo 693 rs.; Anwers 366 rs.
< Chegar a m proceden toa do nouo porto, o
brigue sueco Emil, com t% dial, e a barca in-
gleza Contmsa, com 8.
Bfhia.Nos dias 28 e 29 i Urde percorreram
as ras ds capital oa bandos aununciadorea dos
festejos de 2 do correle.
J se ochava de volts o Exm. presidente da
provincia, tendo Titilado 8. Goncalo, Feira da
Sanl'Ann, Cacboeka, S. Flix e Moriliba.
O cambio regulou : Londres 26; Parla 363
870; Hamburgo 684 e 685; Lisboa 106 i
no. m

PIRH .TTP. DI M. F.DX PARU ot FILHO. 1868.
i
MLHOR EXEMPLAR ENCONTRADO L. 1 MOTIL
1111 Ji .' < ~, L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8XG6CQI9_HH0OQV INGEST_TIME 2013-04-30T21:02:10Z PACKAGE AA00011611_09556
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES