Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09555


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO IH MI. IOIERO 99.
t)-.
*

>J
C
<
Ftr
tras Y etesatiaiUM SfOOft
tre hb es vencidos 6|000
ABRIL
PeriBit adiaoUdo ,9|00O
Porle fraiet pira niseriaUr
...

32=
PEMAMBICO.
NCARRRGADOS DA SUBSCR1PC.I O DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aten ndrio de Li-
i; Natal, o Sr. Antonio Marqi m da Silva ;
Araeaty, o Sr. A, do Lemoa Br|j ; Cear o Sr.
. Jos da Oliveira; Maraosa, j Sr. Joaqaim
Marones Rodrigues; Par, Justino J. Ramoa;
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cu: U.
RNCARRGADOS Di SUBSCR11CO DO SOL
Alagdas, o Sr.' Claidino Paleto Dlaa; Babia.
o Sr. Jos Martina Alva* ; Rio do Janeiro, o Sr-
Joao Paraira Martin.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todo* oa diaa at 9)% boras do dia.
Iguarass, Goianna, a Parahyba naa aagundaa
o aextai-feiria.
S. Antio, Bezerroz, Bonito, Caruar, Altiobo
a Garanbona naa tercaa-feira.
Pi d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pea-
Soeira, Iogazeira, Florea, Yille-Bellp, Boa-Vieii,
uricary a Ex naa quai tia-feiraa.
Cabo, Serinhem, Rio Formoeo. Una.Barreiroa
Agua Brota, Pimebleiraa a Natal quintas feiras.
(Todos oa corretea partam ai 10 horaa da manhaa
EPEMERIDES DO HEZ DE ABR!.
8 Quarto creacepto aa 4 boras e 31 mnalos da
man ha *
14 La cheia aoi 16 miniitoi 4a msnha.
10 Quarto miagante asShoraee 21 minutos da
28 La nova n 8 horaa'e 45 minntoi da machia.
- JPRBAMAR DE Hf JE.
riaj#lrp as5 bofas o 18 atentos da manha.
10 as 5 horas s 42 minutos da tarde.
fARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o aul ate Alagoaa & e SO; para o norte
at a Granja 14 e 39 de cada mes.
PARTIDA DOS OMRIBC8. ,
Para 8 Recite: do Apipucot is 6 Ii2, 7, 7 l(t, 8
e.8 1[8 d* m.; de Olinda a 8 da m. e 6 da (.; de
JaBgatGht* 6 1|2 da m.; do Caxangd e Torreo
s Tda .; de Bemfica s 8 di m.
Do ReeiU : para o Apipucot s 3 1|4, 4, 4 1|4,
4 1|2, 5, 5 1|4, 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda la 7
da m. eB 1[2 da I.; para Jaboato s 4 ds t.; psra
o Caxang a Farsea s 4 1 2 da I.; para Bemfica
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES va CAPITAL.
Tribunal do commercio : aegundas o quintil.
Relagio: tergaa o aabbadoa a 10 boras.
Fazenda : quintal s 10 boros.
Juizo do commercio : segundaa ao mete dia.
Dito ds orpblos: tercas e aextaa a 10 boraa.
Primeira vara do civel: tarda e eitaa ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartaa e sabbadoa 1
bora da tarde.
y
! DAS DA SEMANA.
28 Segunda. Os Prazerea de Neeaa fmiiocs,
,29 Terca. S Pedro aa. ; S. Hag ar.
30 Ouirts. S. enharina de Sea; S. Pi
1 Quinta. Sa. Felippe e Tbieaje apeM
2 Sexta. S. Atbanazio b.; S. Mafalda .
3 Sabbado. Ioveogio da Santa Cra*.
4 Domingo do Bom Pastor. A Mstorni. ate M. S.
ASS1GNA-SE
no Recia, em s Imaria 4a prega ate -
dencta n>. 6 e 8,4oa proprietarios Manoel
I roa da Paria & Filbo.
Ministerio do imite rio.
2a eecgao. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocio! do imperio, em 4 de at ril de 1861
Illm. e Eim. Sr. Maoda S M. o Imperador que
em aea augusto nomeV. Exc agndoga aiaeai-
bla legislativa deasa provincia ftlicitagio que
loe dirigi no dia 30 do mez proxli io passido pe-
lo orgao da commtaaio que nomei u para repre-
senta-la na solemnidadeda iniug regio da esta-
tua equeatre rotada memoria do Seohot D. Pe-
dro I.
Daua guarde V. ExcJoi Id. Konso de Soa-
za Ramoa.Sr. presidente da provincia de Mi-
nas-Genes.
Ideotlco aos presidentes das d oais provin-
cias cujas asiemblas proviociaea eaviaram de-
putagoes.
2* aecgao. Rio de Janeiro.
negocios do imperio, em 4 de ab
Illm. eExm. Sr.Maoda S. M. o
em sen augusto nome V. Exc. agr.
as municipaes dessa provincia, co
lacio inclusa, as (elteitacoes que
no dia 30 do mez prximo passi.c
das comroisses que nomearam pa
las na aolemoidade da Inaugura;
equeatre votada memoria do
drol.
Deua guarde V. Exc.=Jos I i
za Ramos.Sr. presdanla da prov
Geraea.
Idntico aoa preaidentes das di
ciss, cojas camaraa municipaes ei
taces.
Ministerio dos
ril de 1862
Imperador que
dega s carca -
: stantei da re-
bes dirigiram
o pelo orgio
a represnta-
lo da estatua
Seohor D. P-
:Konso de Sou-
acis de Minas-
oais provio-
viaram depu-
Uioistario dos
il de 1862.
crelaria de es-
idecer com-
tf cidade a le-
do mez proxi-
issio que uo-
lidadeda ioau-
eohor D. Pe-
amoa.
corporagdes a
a deputagoes,
..lermedio dos
2a secgo. Rio de Janeiro.
negocio do imperio, em 4 de ab
Manda S. M. o Imperador, pela a<
tado dos negocios do imperio, agr
mieaio da prega do commercio de:
licilago que Ihe dirigi oo dia 30
no paseado pelo orgo da corare
meou para represeota-la na solem
gurago da estatua equestre do
dro I.Jos Idelfonso de Souza R
No mesmo sentido s demais
aociedadea da corte que enriara
bem como s das provincias por i
respectivos presidentes.-
ministerio da just lapa.
Quersndo manifestar por actos le clemencia o
profundo respeito que conaagio ac dia de boje,
em que a igreja commemora a Si irada Paixio e
morte de Noaso Senhor Jess Chr to, hei por bem
usando da attribuicao que me coa ere o art. 101
8o da consiituigo, perdoar a Fi hicisco Gomes
de Barros o resto do tempo que Iba falta para
cumprir a pena de viole annos dogales, a que
foi conlemnado pelo jury da cid e de Ouro Pre-
to era data de 30 da agosto de 183 >.
Frabciaco de Paula de Negreiro i Sayio Lobato,
do mecooaelbo, ministro e secr tirio do osudo
dos negocio juaujn, asslm ot icha entendido
e farja execular. Palacio do Rio < e Janeiro, em
18 de abril de 1882, 41 da independencia e do
imperio.Com a rubrica de Sua t ageatade o Im-
perador.Francisco de Paula de liegreirosSsyao.
Lobato.
Por decretos da mesma data fo
doadas:
A Vicente Ferreira Baaloa, o r<
6 anoos de priso com trabalho
'ury do termo de Mogymirim, p
'aulo, em 29 de mugo de 1860 ;
A Manoel Caetano doa Pasaos,
unos de prisio e multes, impoui
de dezembro de 1859 pelo chele
provincia do Rio de Janeiro;
A Gaspar Teixeira de Cuvalhc.
2 annos e 8 mezes de priio e i
por seotenc,! do jury de Nitherob
50 de 1860;
A Jos Antonio de Mello Perra
um anno de prisao, a que foi co
juiz de direlto da comarca de !
de 21 de dezembro de 1861;
A Antonio Rodrigues, ex-mar
mada, a de gales perpetuas, a q
nado por senienna do conselho a
e de justiga de 1842.
Foi reduzida metade a pena
Antonio da Silva, de 8 anuos de
balho e mulla, por senteo;a do
de Queluz, da provincia de Mi:
de marco de 1861.
am mais per-
sto da pena de
imposta pelo
rovieta de S.
o resto da de 6
s em dsla de 7
de polica da
o reato da de
taitas, imposta
de 16 de mar-
c, o reato da de
jdemnado pelo
ende em data
oheiro da ar-
is foi condem-
ipremo militar
imposta a Jos
priso com Ira-
jury do termo
s-Geraea, de 12
60 VER NO DA PROMNGl.
Expediente do dia Xti de abril de
Officio ao brigadeiro command tnte daa armas.
Sirva-ae V. Exc. de exped' s suas ordens
para que sejam recebidoa do co iselho adminis-
trativo aa pecas de brim coost otes da relacao
junta com destino ao hospital militar.Gommu-
aicou-ae ao conselho administrativo.
Dito ao mesmo.Em vista do que V. Exc. in-
forma em seu officio de hootem, aob n. 837, com
referencia petico deAntoain Miris de Borba
Cavalcanti, o autoriso a mandar entregar aup-
plicoote, a ra de ser medicado m sua compa-
nhia, o seu irmo aoldado do-!-.' batalhaode ar-
lilharia a p Manoel Fernandos le Borba Caval-
canti dohoapital militar, por ei ar soffrendo de
alienajao mental.
Dito ao mesmo.Em vista do 111a expe o Dr.
chefe de polica no officio n. 64U la 25 do correa-
te com referencia ao alerea Lojreoc.o Jos Ro-
mlo, que trouxe aob sua goaMi os sentenciados
ultimamaote chegados do pretil io de Fernando
no hiite Sergipano ; sirva-se \. Exc. de provi-
denciar para que ae nao repro lua igual ficto,
do qual pode resultara fuga nos meamos sen-
tenciados.
Dito so mesmo. Sirva-se i .Exc. de, teodo
em vista os inclusos papis, que me sero devol-
vidos, informar sobre a parte 1: ilativa s saaaa-
gena de Tamandar para aata ;:idade do cadete
Jos Hygino Xavier da Fooaeca.
Dito ao ioapector da theaoursa de faseoda.
Annulodo ao que aolfcilou o ge ente da Compa-
ahia Peruainbacana em officio de boje, reeom-
mendo V". S. que Ihe mande pagar a quantia
de 7:0009 proveniente da pres.. cao meoaal cor-
respondente ao mez de abril coi rente, com que o
governo imperial auxilia aquel!.- companbia, vis-
to ter ella cumprido aa obriga( iea do seu con-
trato durante o citado mez.Co nmuuicou-M ao
gerente da Companhia.
Dito ao mesmo Para que cu, poaaa satiatazer
a exigencia do Exm. Sr. mioiatre da fazanda cun-
tida no aviso junio por copia, expedido em 18
de margo ultima, relativamente um terreno na
fregaezia doa Afogadoa, que sei do aforado a di-
versos como de marin o fdi 1 posteriormente
pala cmara municipal de Olio la ao Dr. Ignacio
Nery da Fooaeca, faz-ae preciso que V. S. preste
com brevidade m nucioso eselii ecimentos a ese
rsspeito, leudo em vista o paret sr do procurador
da corda, aoberaoia e fazenda 1 icional, a que aa
refere a sua informacio de f de aetembro 4a
1861.
Dito ao mesmo.Ioteindo sea informacio de 9 do correle, sob n. 290,
dada com referencia da cootadoria dessa the-
aouraria acerca do requer ment qne devolo,
coberlo com offleio do brigadeiro commandaote
das armaa a. 652 datado do 1.* deste mez, no
qual o cirurgio do corpo de aade doexercito
Dr. Amerlco Alvares Gnimares, pede o paga-
mento de seus veocimeotos, a cantar do 1.* al
21 de margo ultimo, tempo em que estere incum-
bido do tralamento daa pessoas indigentes ac-
commettidaa do cholera-morbua na ireguezia da
Varzaa, leobo a dizer que mande V. S. pagar ao
supplicante pelo ministerio da guerra smentt o
odo a qae tem dlreito, e pelo do imperio urna
gratitlcacr) correspondente t\f. vMaJaa|aJ>ohe-
rentes ao seu porto, e mais t8}000 diarios da-
ranta o tempo em que asteve encarregado de se-
melhaote commissao.Communicovi-se ao com-
maodaate das armis.
Dito 10 mesmo.Traeamitto V. S. os Inclu-
sos recibos ern,/duplcala do alnguel pago palo
collector da comarca da Boa-Viata relativamente
casa que foi Decapada naquella villa pelo alfa-
rea do 8.* batalhao de infartara Manoel 4a Geata
d'Affonseca a contar de 16 de detenero de 1860
na importancia de 27-5, a lim de.qa mande pro-
cessar esa* divida que pertence a xacciclos lin-
dos, e deve ser salisfeita por esta thesouraria
quando houverquota, em face do aviso do 1." do
citado mez de dezembro.
Dilo ao mesmoRemettendo V. S. com co-
pia do officio do inspector do araenel de mari-
nas datado de 22 do correte 2 cootas da des-
peza feita com os concertoa de que neceasita o
telegrapho da- torre do collegio, sendo urna na
importancia da 105J320 rs. de objactos vendidos
por ADselmo Jos Duarte Cedrim, e outra de
10$370. ts. proveniente de servicos feilos naquel-
le arsenal, o autoriso a mandar pagar a impor-
tancia da primeira dessas coalas e a indemniar
a reparlicao de marioha do valor da segunda.
Communiceu se ao inspector do arsenal de ma-
rioha.
Dito ao meamo.Por conta do crdito aberto
por officio de 12 do corrente, remella V. S.
com urgencia ao Dr. juiz de direito 4a comarca
de Pao d'Alho Delfioo Augusto Cavalcinti de
Albuquerque, a quantia de qualroeentoe mil ra.
psra soccorrer aos indigentes do cholera naqnel-
la comarca, dereodo eisa quantia ser entregue
Antonio Pedro Cavslcaote de Albuquerque Los,
irmo do predito Dr. Gommuoicou-se ao Dr.
Delfino Augusto Cavalcanti de Albuquerque.
Dito ao iaspectur da thesouraria provincial.
Em vista do incluso pedido que me foi remeitido
pelo director giralda ioairucgao publica com of-
ficio de 23 do correte, sob o. 99. mande V. S.
adiantar superiora do collegio daa orpbSaa de
Noaaa Seohora da Esperance a quantia de 1199300
rs. para occorrer as despezss miudas do mesmo
collegio no mez de maio prximo vindouro.
Commuoicou-se ao director geral da instruccao
publica.
Dito ao mesmo.Con form indo -me com a in-
formacao de V. S. ministrada hontem e sob n.
240 com referencia a di cootadoria dessa thesou-
raria acerca do requerimento documentado que
devolvo e em que o coronel Joto JoaedeGowvei*
na qualidade al procurador do collector do ter-
mo da Boa Vista pede pagamento da quantia de
2666400 reis paga pelo mesmo colltctor e prove-
niento do fornecimento feito aos preaos pobres da
cadeia de Csbrob durante 03 mdzsa de outubro
do anno de 1860, a fevereiro de 1861, do alu-
guel da casa que servio ali de cadeia desde o 1
de julho de 1859 a dezembro do mesmo anno de
1860, e da que foi oceupada pelo alteres do 8*
batalbo de infaotara Manoel da Costa de Affoo-
aeca na villa da Boa Vista, o autoriao a mandar
pagar de conformidade com a citada informago
e no caso de hsver crdito somonte a importan-
cia de 1S5&4O0 res sendo lOSSOOd reis despendi-
dos com o sustento dos referidos presos e 77#00
res com o aluguel da casa que servio de cadeia.
Dilo 10 director geral da inatrucglo publica.
De conformidade com a sua informacio de 23 do
corrente sob n. 98 mande V. S. entregar a Leo-
poldo do Reg Barros as suas duas eoteadas Ja-
ciolha e Paulina, educandaa do collegio das or-
phas.
Dito ao mesmo.Em vista de sua informagio
de 21 do correte sob n. 92 dada com referencia
ao officio de 8 de margo ultimo em que o delega-
do de polica do termo de Papacaga trouxe ao
me conhecimento harer iodividamente e sem
a respectiva liceoga Cezario Augusto Peixoto aber-
to urna escola de iostruegao elementar n'aquella
villa, tenho a dizer-lhe que no caso presente de-
ve V. S. cumprir o disposto na le n. 369 de 14
de maio de 1855, artigo 80 e 99.
Dito ao inspector do arsenal de marioha.De-
ferindo o requerimento do operario Belga.Fran-
coes1 Bal, sobre que versa a aaa ioformagao sob
n: 177 de 25 do correle o autoriao a rescindir se
nao bouver prejuizo da fazenda nacional o con-
tracto que elle celebro* para trabalhar oesse ar-
senal ; bem como a promover o regreaao delle
para a Europa nos termos do meu officio de 3
deste mez.Communicou-se a thesouraria de fa-
tenda.
Dito ao commandaote auperior da guarda na-
cional de Olinda.Para aer deferido o requeri-
mento em que Antonio Manoel da Silva Guima-
raes alteres do extiocto primeiro batalhao da
guarda nacional sob sea com mando superior pe-
de sua reforma, e sobre que ioformon V. S. em
officio de 24 do corrente, con vera que me decla-
re se fez-se ao supplicante a commuoicagao de
que trata a aegunda parte do artigo 70 das ios-
trueques de 25 de outubro de 1850.
Dito ao commandaote do corpo de polica.
Pode V. S. dar baixa de servigo do corpo sob seu
commando ao guarda da secgo urbsna Antonio
Joaquim Padiiha. de que trata o seu officio de
hootem sob o. 179.
Dito ao director das obras militares.Haja V.
S. de tendo em atteogio o que pondera a conta-
dura da fazeoda no parecer junto, que me aera
devolvido com oa de mais papis que o acompa-
nham, resumir o orgamento deque trata o seu
officio o. 37, de 6 de margo ultimo, limitndo-
se uoicameote ao que for naceasario ao retalha-
meoto pedido pelo brigadeiro commandante das
armas em officio de 10 de fevereiro prximo fiodo
sob n. 283.
Dito ao mesmo. Mande V. S. collotar pela
quantia de 80g00,em que est orgada, um bomba
de Japy, no poco exisleote na sreia do quarlei da
companhia de arttOtes, aQm de cooduzir dalli a
agua precisa para o banheiro que ae eal cooa-
truiodo junto ao mesmo pogo. Pica aaaim rea-
pondido. o seu officio de hontem, sob n. 68.
Dilo ao presidente e vogaea do conselho admi-
nistrativo. Recommendo Vv. Sa. que promo-
vam a acquiaigio doa artigos descriptos no pedido
incluso, os quaes sio necessarioe para provimea-
to do aimoxarifado do araenal de guerra. Com-
muoicou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao juiz de direito do &>bo. Pico inteira-
do pelo sea officio de 22 deste mez, So estado da
epidemia que graasa neasa comarca, cabe-me di-
zer-lhe em resposta, que flea Vfflc autorisado a
aproveiter em bem dos desvalidos que forem afec-
tados do mal na Ireguezia de Ipojuca os servigos
de um medico sllemio, que eoosts ser all resi-
dente, e que opportaoameoteierao remunerados.
Eata providencia, porm, ser por Vmc. adoptada
no caso da urgente neceisidade.
Dito ao juiz muoicipil e delegado do termo do
Bonito. Accusando recebido o officio de Vmc.
datado de 17 do corrente, requintando algumas
carteiras homeopathicaa para o tratamaoto doa
indigeotei que forem accommellidoa da epidemia
reinante: tenho a dizer-lhe que os medicamen-
tos adoptados pela junta central de sanda, sao os
que teca-sido remetlidoa para aa dlveraas locali-
dades ende reina aquella mal.
Dito ao juiz municipal da Ia vara. Devoteo
Vmc. a guia 4o- aenteaciado Nieolio Cy rindo de
Andrade, que deixou de ser remetttdo pera *6
presidio de Fernando ao biate Ssrgiptmo. como
declarou o respectiva commandante em eflicio o. I
36 de 22 do mez passado.
Dito ao ioapector da saude publica.Faga Vmc.'
apromplar urna ambulancia sortida doa medica-
melos ,nacessacios 'aa tratatnvnto do cholera,
afim de ser enviada para o termo de Birreiros, I
oode reioausasa epidemia.
Dilo cmara municipal da Olinda.Para qae.
eu poaaa aaliafater a exigencia do Exm. Sr. mi-,
nitro da fazanda, contida no aviso junto por co-
pia, expedido aa 18 de margo ultimo, relativa- .
mente a um terreno oa fraguezU doa Afogados. I
que aendo aforado-a diversos como de marinha o I
foro posteriormente por assa cmara ao Dr. Igna-'
cloNery. da Fooaeca, faz-ie preciso que Vmes.
presiona com brevidade minuciosos esclarecimen- j
los eisa respetta, remetiendo ao mesmo tempo ,
em original oa publica forma o supracitado foral.'
Dito cmara municipal do Bonito. Respon- \
dend o officio que Vmcs. me dirigiram em 22
do correte, relativamente epidemia reinante :
neasa villa, tenho L dizer-lhee que para as direr- [
aas freguezias dessa comarca, tenho enriado me- i
dicos e dado as providencias aeofcMfrUs, sendo o >
centro dellis o respectivo juiz de dSeito, a quem '
ae remelle o dinheiro, e por sesea ambulancia.
Quanto guarda da reapacliva cadeia, tamberr ;
j providencial como convinba.
Louvo o interease que tomouessa cmara pelos
seus muoicipes, e espero que de accordo com '
aquella aulorldade empregue os meios necessa- I
rios, afim de que nao teohamos de lamentar oa 1
funestos effeitoa desse flagello.
Dito ao delegado de polica do Bonito. Res-
pondo ao seu officio de 17 do correule, djzendo-1
Ihe queja foram dadas todas ss prostdanciai que
convioba, relativamente a epidemia' docbolera-
morbua que grassa nesse termo. '
Dilo ao juiz de direilo de Santo Anto. Pelo
aeu officio de 20 do corrate, flquei ioteuaJo de
haver declinado coosideravelmeote desde o dia
18 desle mez a epidemia que reina nessa ci-
dade.
Porta na .0 vlce-preaidante da prov incii, at-
taaddo ao que requeren, o bacharel Vicente
Ferreira Lima, resolve prbroger por 3. mezes, a
contar do 1* da margo prximo- vindouvo, o pra-
zo de iguaUempo, que Iba- fdi concedida pira a
apresentagib do Ululo da sua nomeagao de juiz
municipal e de orphios do termo d* Tacarai.
lodjmando das armas. -
Quartel-geueral do dbmmado das
armaa Je PeraarntrucO 4fo cida-
Isi BecMc Mjgjjti^ *-
n-------crtJRDBat DO DlX N.'aaV^-^-''
O general cotBmandante das armas, tendo ob-
servado que oa iaferiorea, caboa, e anspegadas
doacorpoc em guaroigio ossta provine.a, fazem
usos daa divisas que os deslinguem nos difieren-
tes postos que occapara, em cootravengio ao que
dispoem ordem do dia do exercito n. 148 de
10 de setembro de 1859, ha por conveniente
chamar attengo dos reapeclivos senhores com-
mandantes, para o cumprimento raalricto e hi-
lera I das disposigoas da citada ordem do dia, a
Qm de qaa nao baja a menor discrepancia neata
parte tio importante da unitormidade destas
pragaa.
Faz publico o meamo generaljque no dia 24
se apresentou no quartel general, viudo de Fer-
nando d'onde foi mandado regreaaar, o Sr. alte-
res reformado Loarengo Jos Romio.
Assignado.Solidonio Jos Antonio Ptrtira io
Lago.
ORDEM DO DIA ADDICIONAL A DE N. 68.
O general commandante das armaa em virtude
da deliberagao da vice-preaidencia deata provin-
cia, expreaaa em officio de boje datado, ordena
qae ama brigada commaodada pelo Sr. lenle
coronel Jos da Silva Guimaraes composta do
2, 7* e 9" batalhoes de infamara e da compa-
nhia de artificea, guarneceodo um parque de
artilharia se acbe poetada amaohia a urna hora
da tarde no campo das Princezaa para tetar aa
honras do estylo por occaaiao da posse do Exm.
Sr. Dr. Manoel Francisco Corre 1, nomeado pre-
sidente para esta provincia.
O Sr. lente coronel commandante da bri-
gada eacolberi oa aana empregadoa d'entre oa
Srs. officiaeadoa corpoa que arrumam.
A iofantaria ir munictada para dr tres des-
cargas de mosquelaria, e o parque de artilha-
ria 19 tiros.
A companhia de cavallaria mandar poatar
bora indicada um piquete commaodado por um
offictal subalterno, dando a direita a palacio.
Assignado. Solidonio Jote Intonso Pereira
do Lago.
Conforme. Jote Francisco Cotlho, espitio
ajuJante de ordena eocarregado do detalhe.
Reparlicao da polica.
1.a seccio.N. 25*50.Secretaria da polica da
Baha, 14 da abril de 186J. Illm. Sr. Tendo
apparecido nesta capital aedulas falsas de 5|000,
da nova estampa, qaatro daa qaaes j foram apre-
seotadas nesta repartigo, apresso-me nio sem
dar disto scieocia V. S., como tambem em n-
viar-lhe copia do exeme, que em ama daa refe-
ridas sedulas foi procedido pela thesouraria da
fazenda desta provincia, para queso digne V. S.,
a entender conveniente, manda-lo ah publicar.
Dos guarde V. S. IUm. Sr. Dr chefe de
policia de Pernambuco.O chefe de polica, Joio
Antonio de Araojo Freitaa Henriques.
Secgo n....Copia.Secretaria da polica da
Baha.... de............de 186....
Termo de exame fetto na aedula de 5$000, ul-
tima eatampa, quinta serie, n. 41871. remettida
pelo Dr. chefe de polica.Aos 11 dias do mez de
abril de 1862, oaata Ibesonraria da fazenda da Ba-
bia, procederam ao neceaaario exame, o reapec-
vo tbasoureiro Antonio Jos de Lima e o fiel do
mesmo, Eduardo Pires da Franca, na aedula de
5g000da ultima eatampa, quinta aerie, n. 41871,
remettida pelo Dr. Chefe de policia em officio de
bootem, e em resultado declararam sera mesma
falsa, por ter muilo salientes oa segeintes delei-
tas :0 pspel conlm bastante algodio, a chapa
em ludo grosaeira. a effigie de S. M. o Impera-
dor mal desenhada, e tem a face direila quasi
imperceplivel, de modo que figura que o olbo
desse lado eat eihado, a prelha esquerda est
coberts pelos cabellos, o sombreado da testa
tio forte, qne denota antes um bo'rrio, o tarjado
que guarnece a nota multo imperfelto, no cen-
tro della apenas ha rabiscas, quando as verda-
deras, tem em lettres minsculas o valorsiuco
mil ris-as lettraa o.* antepostaa i numeragao
eatio maia distantes do quen'aquellaa, e sao me-
nores, a eora imperial mal feita ; o noma do
fabricante e a sua residencia collocadas n parte
inferior, e antea do tarjado, aio bem vislvels oaa
veradsiras, e neata nada sa diatiogue, e flnsl-
meote tambem falsi a assigaatura.
E para constar lavrei o presente termo fjue oc-
migo eaerivao das caixas sssigoaram os sobredi-
tos the
vas de
Josd
reiro e fiel. O escrivao, Fabricio Al-
ojo Almelda.O thesoureiro, Aotooio
a.O fiel, Eduardo Pires da Franca.
.Feliciano Jos Teixeira.
EXTERIOR.
Montevideo, 1 de abril.
Do mi eacasso ioterease aio oa acontecimen-
tos que nesta quinzena teom lido lugar no rio da
Prata. _
PreocOpadas aa provincias argentinas com a
qaestaoJBleitoral para cooatituir o congreaao coo-
vocaddSlara 23 de maio, tem-se dado urna espe-
cie de Tfegoas s operagoes da guerra. Sem em-
bargo, acabam aa montaras da Rioja e S. Luiz
de aoffrer nova derrota. Na primeira destas pro-
vineiasandava o caudilho Peaaloaa aaqueaodo
povoacfies e assaaaioando gente inerme, at que,
alcangido pelo corooel oriental Sandea, Ihe dea-
Irogou este a cavallaria, compoata de 300 pregas,
tomando-lbe 60 hornees que eram toda a aua in-
famara, e urna pega deartharia. Na derrota foi
Peaaloaa |reforgado com 200 homena mais de ca-
vallaria s ordens de Lucas Llanos ; mas o coro-
nel Saldes leve a fortuna de tornar a derrota-loa,
nlo poeodo extermioa-los completamente por
filia de cavalhadas.
Entra os officiaes da cavallaria aprisionada
acnivam-se alguna que depoia de terem aceitado
a nova ordem de couaas, fiteram um molim mili-
tar, coamaltando toda a casta de depredagoea,
mqtivoj|orque levava o coragao Sandea ordem de
esping*dea-los seos apanhasse, o que cumprio.
Este fallo, de alguma forma juatiutavel, atten-
dendo-ae nitureza doa criroes commetlilos ser-
vio aoa orgioa do partido federal e do partido
blanco psra levantarem altos brados, comparao-
do-o com a carnificina do Psito e de Passo de
Quinteros.
Outro feto de armas deu-se na provincia de S.
Luiz, perto do rio Quinto, onde o coronel Yseas
derrotou uos 300 horneas capitaneados por Ma-
noel Oyarzabal.
Apezir da activa peraegaigo que o exercito li-
bertador faz mootarias, hao de estis continuar
por algtim tempo, gragea oalureza do terreno e
ao habito que oa caodilhoa leem conlrahido ha
mais de 30 annos de viver vida nmada de erran-
te. Ha de custar muilo a civiliaa'go o a ordem
exterminar o elemento brbaro que pulula no in-
terior da Repblica Argentina.
Consagrada a altangao, como diaae, queatio
eleltoral, j algumas legislaturas elegeram os se-
nadores que devem representa-las no congresso.
Em Buenos-Ayres foram eleitos os Dr. D. Valen-
tino Alsina e D. Rafteo Eiizalde. O primeiro
oppoalo i idea do trazer a capital a Bueooa-Ay-
res federaliaando a provincia; o segundo o
maia ardente campeao de semelhante idea.
^Oa senadores eleiius pela legislatura de Entre-
a, sao: O. Benjamn Victorica e D. Salvador
'ia del Carril, ambos sffectoa ao general Urqui-
s portento pouco inclinados nova ordem de
coasas.
Domingo 13 procedeu-se em Buenos-Ayres
eleigo de depulados so congresso, e contra toda
a expectativa, sabiram eleilos D. Jos Marmol e
e os Drs. D. Adolpho Alsina. D. Paalor Obliga-
do, D. Manoel Quiolana e D. M. A. Montes de
Oca.
Todos estes bomeos esli em oppoaigao ao
pensimento de erigir Buenoa-Ayrea em capital
da repblica, .teoJo-se declarado contra a polti-
ca contemporusdora do general Milre deade odia
eguinte balalba do Pavio. A imprensa minis-
terial proteitou contra o reaultado destaa elei-
Qoae, acbaodo-lhe differenlea vicios: veremos o
que de ludo islo resulla.
Entretanto expedio o governador de Buenos-
Ayres, competentemente autorisado, o decreto
regulando o exercicio da aulorldade oelle dele-
gada por todas aa provincias. No artigo quinto
limitam-se as attribuigdes do poder executivo
nacional de um modo notavel, que pode crear
alguna ealorvoa ao exercicio daa taneces provi-
aorias.
Eis o decreto:
< Art. 1. A autoridade delegada pelos povoa
ss exercer debaixo da deoominagio de goveroa-
dorde Buenos-Ayres, encarregado do poder exe-
cativo nacional.
a Art. 2." At que se rena o congresso e es-
te dispooha a til respeito, autorisarao oa minis-
tros do governo de Buenos-Ayres oa actos que
o encarregado do poder executivo dictar como
tal.
c Art. 3 Devendo dar-ae coota de lodoaeatea
, actos ao congresso geral, parante o qual o encar-
regado do poder executivo nacional respoosa-
vel, correrao todos os sssumptos em que elle in-
tervter pela secretaria dos negocios nacionaea in-
terinamente orgioiaada paralheadar oandamen-
to sem completar a ordem interna daa repartigoes
I provinciaes.
Art, 4*. Pelo que toca aos negocios estran-
geiros, o encarregado dellea se limitar a mantar
aa relag6es com aa oacOes amigas, observando e
tazando obaervar oa tratados qae obrigarem oa
favoreceram a nigio em geral e cada provincia
em particular, noa termos em qaa as provincias
ae tiverem compromettido ; dando solugio ira-
mediata as questes urgentes que nio carecerem
de concurso legislativo, e exerceodo os actos io-
diapeoaaveii para iato, mas sem comprometter
directa nem indirectamente a soberana exterior
da nagio.
c Pflo ministerio do governo ae dirigir aoa
ministros diplomticos e cnsules astrangeiros a
correspondente circalar, dovendo o ministro da-
quella repartlgio entender-se directamente com
os agentbs diplomticos e consulares, tanto oicio-
naes como estringelros, al que o congresso re-
solve a tal reipeito.
Art. 5***Pelo que respeita ao rgimen inter-
no, limilar-se-hao as faocgdes do encarregado do
poder executivo nacional a manter a ordem pu-
blica ; a fazer que as provincias respeilem e ob-
servem a cootituigio nacional; a atlender se-
garanga daa frooteiraa das mesmaa provincias
com aa torgas militares postas s suas immedia-
tas ordens, e caja organiaagio tirer sido por elle
expressamente autorisada : a perceber fiel e
regularmente aa rendaa nacionaea que estiverem
a seu cargo, cuidando da sua equitativa applica-
gio; com obrigagio de dar coolas circumstancla-
dss so congresso ; e a attender aos assumptos
urgentes que iobrevierem.
Art. 6*. Sem prejuizo de se continuaren! a
admitir as slfandegas naeionaea a cargo do en-
carregado do poder execultvo nacional oa docu-
mentos de crdito que nos termos da le vigente
sio admiasiveis em pagamento doadireitos de al-
fa ndega, segundo j ae eatabeleceu para ss sl-
fandegas do Roaario e Santa F, Qca entendido
que o encarregado do poder executivo nacional te
inhibir deiogerir-se por agora em qualquer as-
sumpto relativo a dividas strazadas da nagio, e
em qualquer obrigago que tenha podido contra-
hir o caducado governo do Paran, ali que o
congresso resolva sobre o moda, forma e meioa de
se attender a taes reclimigoes.
Art. 7*. Co ra mu ique ae aos goreroos de
provincia e publiqe-ae. Mitre, a
Foi este decreto acompanhado de outros sui-
penendo os agentes diplomticos sersditados
pelo governo Derqui junto de varios goveroos
estraogeiros, e creando um archivo especial para
os actos do poder executivo nacional.
No provincia de Entre-Rios sentiam-ae symp-
tomas de grande descootentamento. Aos malea
de urna administragio retrograda accrescem os
prejuizos que a secca tem causado nos eslabele-
cimentos de creagio, paralysando as transacedes
e diminuiodo a renda publica. Allegando a fal-
ta de recuraos, demittio-ae de ministro o padre
Pena ; mas um correspondente do Nacional as-
severa que o verdadeiro motivo foi porque a le-
gislatura provincial se dispuohs a ioterpellar o
governo do general Urqniza sobre varios actos
adrninislrativos, especialmente sobre o que pro-
hiba que as alfaadegas as recebessem bilhetes
da thesouraria em pagamentos de direitos. Di-
sta se tambem que em Gualeguaicha ss organi-
sava urna forte opposigao ao general Urqwza pa-
ra a elefgio de deputados 10 congresso, o qae
nio admira, depois de quebrado o preeligi da-
quelle caadilho.
Aa noticias deTucuman pintam all o commer-
cio em estado lamentavel. As differengas entre
aquella provincia e a de Cotamarca ajustaram-se
satisfactoriamente.
Na desgragada provincia de Mendoza houve a 5
de fevereiro novo terremoto, que causou a morte
a dous indivdous e o desmoronamenle das ruinas
que tinbam licado em p depois dos primeiros ca-
taclismas suspendea-se por isso s redificagio da
cidade at que ae proceda a um reconheci-
r ment scienlico do lugar mais apropriado pa-
ra realiza-la. *
Na provincia de Salta honve um pronuncia-
ment que deu em resultado a faga do governa-
dor Tood e domeagio do general Rojo para oc-
cupar-lhe o cargo. Esta mudanga, favoravel
actual ordem do couess. nio custoa singue. Na
provincia de Santa F j o partido reaccionario
se pronunciou por occaaiao daa eleicea geraea.
Oa caodidatoa recommendados pelos clubs eleito-
raea sao todos hostia a ideas dominantes e
pessoa do general Mitre.
Deste saccinto, mas verdico quadro, se ve que
o elemento reaccionario j levanta a ensanguen-
tada cabca, e qae nio seria muilo para eatra-1
nhar que no periodo provisorio se alterasse outra
vez a paz em toda a confederado.
N Repblica Oriental do Uruguay nada occor-
re que altere a ordem mormal. O corpo legisla-
tivo oceupa-se com a revisio de leis velhar e at
agora nada tem aahldo do aeu recinto que valha
a pena mencionar-se. S a 10 do corrale sanc-
cionou a cmara doa repreaentantes a autoriaa-
gao para reconhecer as reclamagea aoglo-fran-
cezas pela forma j sabida. Tendo decorrido um
mez depois do praso fizado no ultimtum, de
suppr que nao lardem ordens terminantes da
Frang e Inglaterra para demonstragoea maia
enrgicas.
A (Ara os exercicios da guarda nacional que fa-
zem abalar toda a populagao para visitar o lugar
destinado ao acampamento, nada altera a mono-
tona de noaaa vida.
A impreoaa animou-se um pouco com a reap-
parigao da Rtforma Pacifica, peridico federal,
redigido por Calvo, um dos pnncipaea concitado-
res da guerra que terminou em Pavio. Ioiciou
este peridico a ana nova marcha com alguma
moderagao, mas possivel que medida que ae
forem desenvolvendo os successos volte a sua
amiga linguagem violenta.
Acabrsm por lim oa receioa de invaaio com
a oomeagio que o governo de Buenoa-Ayrea fez
do general Flores para commandante da frontei-
ra do aul, acompanbando-o o coronel Cara bailo e
de mais cheles indicados para noa invadirem.
Um peridico do interior, o Commercio del Sal-
to, noticia haver ebegado fronteira de Quaraim
um commissario imperial com 40 carrogaa de ma-
teriaes para fizar o marco do limites, masque a
autoridade o intimara qua sahiase do territorio
da repblica no praso peremptorio de quatro diaa.
Por mais absurdo que iato parega, nio o dovido,
por que conhego a a imbecillidade do ebefe po-
ltico daquelle departamento e m.vontade de ou-
tros mullos.
Teve lugar um juizo de lberJade de imprenss
promovido pelo Dr. Palomeque contra o peridi-
co La Discuttion, cujo redactor! o Dr. Carrerea.
Apezsr das sympathiaa doa jurados pelo hroe
de Quinteros, era lio palpitante a justiga do Dr.
Palomeque que o peridico foi coodemoado a
urna multa de 200 pesos e oas cusas do procos-
so. O lim destaa publicagoes contra o chefe
poltico do Cerro Largo reaiabelecer a influencia
de Dionisio Coronel para preparar aa futuras elei-
ces, em cuja combnagio entra o elemento ultra-
blanco, que quer levar futura presidencia um
militar para formar am caudilbo que subsiitus
o general Oribe. Embora islo parega prematuro
certo que j se procura preparar o terreno elei-
toral.
(Jornal do Commercio do Ro.)
O que forsm Geilherme Ittm,
pretendaos nio ser a aaaiarla a cas-
deira expreaao do povo T Naa poda
vida : reecoreram a urna nova anaal
menos o que aaai positivaaeeate e a
a Gazeta da Cruz, orgia por asaallaatsaa ala par-
tido reaccionario. E depose reatar a acata*
entre a revolugao e ra golpe 4 aataate.
J ae v que eu tiva razia qaaada aHaae, fea
alguna mezea, que a quesUo aaMasia. tai
era apreaeolada.compromettia 4a laa a ata
que haviacom tanto cueto retirara jalada
naAllemanba.
A Austria poderia representar gata aaa 1
magnifico ; porque a Praasia afla
bra que sobre ella proj*cU a i
opiniao aristocrtica, qaa oda aaqi__
sado e nada aprendeu do pcaaaaU. vai
mais perdendo a popularidade. Ji
mioente ama divisao aa propno
associacao nacional da Coaoarg.
Erga a Austria o alindara de assa v*..
liberdade constitucional, acaba pac aaaa vez caax
todas as tradicgOes 4o paseado, a ari '
poltica verdaderamente allamAs,
talvez aasim levaotar-ee 4a aova
brilbo dos Hapsboargs, o da novo
tbrono imperial da Atleaauha.
O miniatro estadista Mr. S*iaarliog 1.
petfeiia consciencia do papel aaajaiftca. aaava. a
patritico, a que deve aaeamir a imsaradsi
Francisco Jos: mas elle tambem tea qae laiar
em Vieooa contra o elementa alirasaaaiaaa a
aristocrtico, elle tambem aio tea certeza 4o
futuro.
Em ludo islo sio os estadas sa salas 4a Alte-
rna nha os qae mais razio team-da regeie pato
tranaloroo bavido aa Prassia: o tratado
i iaepesaivel.
CORRESPONDENCIA DO c DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Braxellas 9 de abril de 1862.
Acaboa-te por urna vez a qaadra liberal da
Prussia, e com ella desvaneceram-se tantas illa-
soes o esperances, que a associagio nscional de
Cobourg espalbou cegamente para toda a Alie-
manha.
Onde esli os tractos dessa propaganda unita-
ria, oode os resultados dessa poltica que rene-
gara a Austria, e s quera ver a Allemanha
amoldada hegemona prusaiaoa ? Os seus sac-
cessos foram nenhuna, a a sus derrota boje
manifests.
E com effeilo, foi essa queslo, tal como a
compreheoderam os membros da associagio uni-
taria allemia, que occasionou a dissolugio ds
segunda cmara pruaaiana, a retirada doa minis-
tros liberaes H. M. Scbwerin, Awerswaldt, Ber-
nnth e Patn ; a ella deve igualmente a Pruaaia
a reconstituido deum gabinete feudal, cujo ver-
dadeiro chefe Mr. Von-de-Heydt.
A reaegio triumpha na Pruaaia, o que quer
dizer, que essa naci perde o seu prestigio no
exterior; e a Austria colhe as vantagens da al-
tuagio desagradavel em qae o rei Guilherme I
tem o prazer de collocar o seu paiz. O manifes-
t real, aa circularea doa dlffereolea ministros a
respeito daa prximas eleigoes, a linguagem da
imprsnaa officiosa, reapiram um perfume tal de
absolutismo e antigo regime, que dir-se-hia de
novo ressurgida a poca de out ora.
E entretanto oa lampos estio mudadoa. Se a
corte de Berlim cooserva-se sempre vacillaate 9
pnsillsnime apeaar de saas vistas ambiciosas, aa
o partido feudal teima em aer boje aquillo qae
hontem tdra, o poro porm nio o mea-
mo. Conscio do sea verdadeiro direito, elle rio
com urna traoquillidade sublime e significativa o
rei asar de ama de auas prerogativaa diaaolveodo
a cmara; rio aioda silencioso os homena nos
quies liaba depositado as anas esperanzas, dei-
xarem o poder cedendo o lugar a succeaeem
aberlamente reaccionarios.
O povo vio ludo iito paasivo. e tranquillo ;
mu por toda a parte receben com icclamagoea
enthusiasticas oa seus deputados, quer fossem do
lado liberal quer do lado progreaaivo ; e um a
brado choou por todo o paiz : (Compre que ae-
jm reeleitoa os nosaoa deputados.
Eis aqoi como o povo responden ao rei sigoifi-
cando-lhe qae nos nio viremos mais em tempos
da realezapete ornea de Deusa da politice
1 deo rei o quer.
ultima nac.au acaba de concluir coas a Francaasn
nome da associagio doaneire allesaaa ser pra-
va velm en le ipprovido por ellaa.
viviam aasustadoa e lomeado ama m
Prassia ; boje qae aquella aa musir
da comaigo misma,e por ai BBesaaa aa
querido sem intervencio deaalraaa ; U,
crises poltica e fioaoceira 0 dia a 1
reino de Guilberjia I; alies batea
satufeitos. E quem sabe sa nio al.
esperance de voltar-sa aa tala qno aIMslT
Porm urna illnsio I Felizaaata 4 aaaa
esperanza sem fundamento. A qaeais artar.a
allemia lem captivado a aiteogao da Earepa ;
a maia importante de todas, aarqaa Titas m-
clusive as de Roma. Hungria, Veaecia, Patoaa,
e mesmo Turqua se ligia a alia. Casa
auxilio da torga armada, ai viata a avatana eje
profesas actualmente o pava alleaio para cana a
revolugio, poder-aa-ba atajan* por algas
as aspiragoes popa lares, calcar asa ai
que sent o povo de 1er um tt de ver .,
dualismo perigoso eatra a rtnaasa a a Aaatria :
mas nao se conseguir extinguir esaa tbasama ala
nthusiasmo, que se esteode par todas as '
daquella oagio lio bella, lia adairav*,.
deaenvolvida no ponto da vista lalelleciul.
tristemente escraviaada aa ordeapelitica I
Os govenios aio teem sabido Uaosgi
pora, a nem aatisaaar aa asas padiaaa 1
doa; e poia o para fas a jeremeai
tus. Haja ama guerra geral. aa r
manmenlo em Pariz cantea a 1
ver-se-ba eatio o povo allaaaaa
um s hornera para defender a 1
patria, e tambem para jalgas aa 1
goveroos.
Eolio os borneas polticos 4a Ali
cooheceriaa, que presagateae
urna pequea Allemanha aob 1 h.
aians, abriram a porta reacio, a .
o ral Guilherme a teacar-ae aaa aracaa 1
reaegio para nio ter coaita ai a
os governos sllemias. Qaizeram aa
e foram complelaaaeote derretaeae.
A nica desculpa da sus conducta
sioceridade com que se hoaveraa ; ce.
Guilherme I, e assa coaftaaca foi'iio
quanto o foi a saa descoananca aa i
dua foi a ligio qaa recebaraas, a
cara-Ios da ana ideologa. Ca
a peosamentos iliusorios, e
real e daradoara.
Paasemoa Belgcia. O re .
ba pouco lempo ama dolorasa aaaragaa: M-
nham-se tomada todas as aracaagoaa 4a sarta
quenada traospirasse: a s depoia a smaaaaa a
perigo soube-sa qae o celebre pratico a Paste
Mr. Cirialle riers a Bruxellas para fazer a opera-
gio da extraegio de ama pedra aaa 1
soberano.
Ji baje se scha ella iivra do pa
oecessidade de contiouirno tratasaaatooda
00 aeu castello do Saeckea. Mr. Civislla
beu 100,000 francos como remunera
igeos qae (ez a Braxellas, a aataa 1
pela ultima vez foi condecorado
do rei.
A queslo da Antuerpia caatiaa atar ai
do dia ; porque ali teisaaat am peir ansa
meocia a indemntsegao pelas iirTialiis
res, e s demoligio das cidadellas. Oa
populares com oa seas excasant
laem irritado qassi toda o paiz aw
metropole de Antuerpia.
Boje porem o fado 4a batalba
navios o Monitor a o aTti 1 imai aaaaa 1
qae occapa com especialidaaaaaMaa
mans de guerra, poderia pinatar aaa 1
s reclamagea dos naatteatoa
le. Sem affirmar de aaa
que os representantes ra,.
para reqeisiler par mato 4a aaaa Sanana
Pirla mentar sobra a qaaaUo das ttSadsH
Filla-se 4a pronas reUraa ate ssaatstra n
guerraa bario Cbeeal: a ana impaaananaa
immenaa. Acaba alte ate saetear am
amargo com a decisie 4a corta a
confirmou a aaalanca da iacaaap
militar no negocio ate lafar-
Hiyes, considerando-o boa at..
aionado. Foi par cooseguiote oarigado a canear
ot dous decretos reaaa alertaran, defiera asa al-
legaos, aos quaes sa tratara a iatacti
forms a M. Hayas, sania ama asan 1
beu auoal a saa paaaaa.
Corro o boato a qaa M. Hayas
gir-sa i cmara para pedir a 1
tro pela senteng illegal que 1
maa, ae asaim for, a pedida 1__
mittida a boa f do ministro, ae .
publico e notorio qae o general Cbeeal aa a>
larar em toda esss acea desagradan es par 1
e rancores pessoaes.
Como o bario Cbasal gasa a
teda, a da amisade 4o reiaa
nio paaaam da simples boatos; a laan aa ata-
ques a derrotas porque ha pascada sana a Sanan ato
forma alguma abalaste.
A associsgio liberal 4o BraiaUan rae toaanr
parte nos negocioa: Mr. varnhegaa. eanss ate
longa retirads, qae spiasjasii cansa acanteantes
lomou outra resatncjaa, a acaba a entrar an> pa*
tilica militante, aceiUne a prasiantte aaaa
ciagao. Acba-se convocada a anasal
para o prximo mas a aaio alan ate 1
ali urna proposta tendente a M '
tea de qualaaer eatra r*forma __
na dimiouigao de noaaaa Caatraias w.
Essa fado parece indicar qaa Ir.
outr'ors amigo intimo daa aiaastree sctaeea, n
quedtjanit ,cbacaav caos altea, vsm dtrteais a

1
I !
na.




Rllllll
-*
T1
lobrefeio .endiente com toda > furia. Mioha
ci.a, que e acha em urna elevadlo de 7 a 8 pal-
mos cima da estrada, corrcu inminente risco,
*!* f cot circ.lada de agua, faltando ipeoas
meta pollegada para ser inundada, e fisto estar
vle-snjeita torca das eorreotes do rio Cortado
que lhe paisa pelajrente em distancia de 3 a 4
D1A1IO DB miNiMBUGO. ~ QtUJm FWHA M DB AlfilL DE
--------------'
f
1861.
aados, e sim dos c.tholicoi, cuja minora
ara se torna c4. ves sis iap.ne it>i.
As cmaras nao concl.inm .ind i veteco das
differeiitnleisdeorcuMfKotltiMI. Deneis do
orgaaseote das obras publicas, que oi adoptado
por eoanimidade, diacate-te ag.is aaes
ci. estraugeiros. Hr. ogier, moislro d.tta
pasta, respoudeu n'um discuta nsjiilo .(gao,
bV.gat^do,aJ, a^str. fkg^w da "mln.
oppo.Ja.lei
atr
am
tWfiilv. M
ba.t
;
ao meimo lempo firme, aos .nsjjuu
que lhe fatiam pela demora aaaon
tratada de commercio com s Angl
He, nao sem amargura, que a ln
brara por dem.i os aertigo,aae p
gica em 1831 ; que quaaje sjKgd
paito do Irstado do commercio -o linbam
prejudicadas, mas stm adiada* at c u*acte in-
dustrial em Sand lenha hmmUo# um pouco de
carcter : e quaoto ao tratado de na regaceo, que
a Blgica solicita da Inglaterra, exiliado que es-
U pague sis parte Da amortisaco las portagens
iLSf* Mn *OKlP*nCao das tsnttgens que
awsrece com a abohcao dos din tos de tone-
ladas, pilotagem, etc.o govemo i gler mostra-
Tn-ejs taaste pooto mui pouco diapo to.
Gumpre entretanto, accresceutc j o ministro,
'*,. P*,o' europeas se decism m dra a
abolir esse soachrooisao, ata injuntica bridan-
te de porlagem sobre o Escalda. late rio nao
bell.odez, nem belga, perlaacea lodo o mundo.
*"-* "r'''.a .** de empec-j de ^m^JTtXmZSBESmZ
ArflPPP A lio. i rinlaifili.i4. I
Jote Carrea da Si
comrjaotsadqo i* itw
um palmo. ^
o Os referidos ros Cortado e Serra d'Agua en-
bereai de Ul forma que aiguiasasuie itaTaasa-ae
cinco a seis brabas de profundidade. e sahirsm de
se letto de urna maneira borrivet I
c No Arir e outros lagares dests freguezia e
deram as mesmas occurreocias e prejuizot.
Oixam os *elhoa eradorea destes lugires
onde rirem hi mais de quareota annoi que elo
86 recordam de ler batido urna schente igual,
Le-ie na mesma folha de 5 do correle :
Abriram-se as cstsdupas do co, e aos bor-
botos, ba tongos quiote diae, arrojara agua -
bre a trra I
A abetal.. a cbeia
mos
cito. Decreto ale 2 do correle.
Dr. Manoel Joio dos Re, para segundo cir.r-
giso docorpo de aaude do exerrto. Decreto de
X alo eorreoie.
2.
Eis a palstra oatida
l.0*.... Be,8'" oo loiuuo de itorecer o de-1 contristada 1
*?<-ttimento oo seu commercio tomou sobre si
oaacargo de pagar portodoa t porlagem, nao se
deta eaqgecer que pode tambera, quaodo bem
Ute curaca, deannerar-se deste encargo, que *e
tai tornando cada ves mais pesado.
A cmara applaudio a lioguagem nobre e ener-
i de Mr. Rogier.
Da ceilo lempo para catemos tsto soccede-
i-ae sumptuoios foneraes de majistrados, ge-
ta a*ai *------** .___'
c Na re.hdade, grande* cbaias. devastadoras
innuodagoes teem occasionado as chuv.a destes
ltimos dias ; prejuizos extraordinarios ao sen-
tidos presentemente, e incslculateu aquellos que
para o futuro se bao de sentir.
Entre outros estragos, entre outros prejuizos
occasionadoe pelas aguas, narraremos os aguio-
tes, de que lomos informados :
Na freguezia de Hambucaba deite termo*
ssaarBii-str bfsSmS !'
laatimamoa a perda, bem imporlanle oara as le-
Ua, de-Mr. Bwon. profeisor de :;Lteratura em
a.i*ge. A sua loaga carreira
igual, nem ao menos
nunca tiram
aproximada 1
Julgaram que era cbegada a poca de um
segundo diluvio, e j conthcloe se dpuobam
emboca de nao mui livre tonUde, entregar sua
ia a Dos, pedindo para ella o perdao dos pec-
_ em
A sua loog carreira foi i aosagrada ao
culto das bellas-letras, e aoa deveres do ensioo.
Foi alie quem pretidio reselo di motimenio
litterario ns Blgica; fi el.e quem formou essas cados.
'>' o-lM.1. II. tMMH 4. Vi- fS,", "" '" "" """" """
r,0rn" ,0Clal- I n6D veitigios, todas foram destruidas pelas aguaa
^^"mamBSjBBBaawaBiBaaBMaaaaaaBaaBaBMBat lliTrDIfiD levou.na ua correnle sem
_______111 tnlUn. ode' .
^~r----------------------------- a Iszenda exista urna grande mala virgem
IO DE JA-VEIBII I" raosformou-se em liso campo, aera que foa-
9 de abril. e necesaaria a accao do machado ou do fugo
Pelo tapor Bratil entrado bootem dos portos Da.ra derrabar os grandes e frondosos arvoredos
Bj sul, recebemos datas de Porto-Alegre at 30
dooossado, do Rio-Grande al 3 e de Santa Ca-
tbarina at 5 do crrante.
As noticias sao destituidas deinteresse.
Por acto de *8 do passadu delibcrou a presi-
dencia da provincia de S. Pedro a trorogagSo do
Goocalves, e

dos peges e o
que se saiba para
exutentes As aguas encarregsrarn-se de arran-
car do solo as isizes e com ellas dispersar os
troncos.
Dizem hever perecido um escravo do Sr. No-
gueira e varios animaos.
A estrada deJapubyba.daati cidade. ae acha
orcameoto vigente al que a assemba legislativa complelemenle obstruida por desmoronameolos
>1 decrete o que deve tigoiar no futuro ocasionados pelaa aguas.
exercicio. Etta medida foi preferida de urna
convocado extraordinaria da mesma assembla,
que provavelmeole absorteria o curto prazo da
seaao com a vericacao dos poderc.
Padecer na capital da provincia i capitao te-
oenle reformado Pe Iro Mara Coelhc de Abren.
No da 20 foram julgados e cood( moados pelo
jury i pena de morte os reos Maooe. Bode e Ma-
nuel Grande, assassioos de Saint Mace de um seu
ulho menor.
A directora do banco da provincia convidava
os accionistas a eotrarem com a 7" chamada de
suas accoas, em coosequencia da gr< ade deman-
da de captaes e do ventajoso emprigo que en-
contr va m.
Pela commissao da praca do commercio da ca-
pital tiaha sido eoderecada preaidnocia da pro-
vincia ama representado pedindo providencias
que fagam cessar as continuas reclumacoes que
teem ongem na demora e irregularidades dos cr-
relo?.
Annunciava-se urna digresso do presidente s roi nomaado Antonio Al ves da sTvTCaou-
colomas utuadas as margens do Cihy e do Rio co inspector das escolas da freguezia do Campo
-----, e por consequeocis
compleumenle lutransiUvel.
a Em Capivary, freguezia do municipio do Rio
t^laro, dizem foi tal a cheu que chegou a agua
cima dos balcoes das casas de negocio, e foram
dettruidas algumas pobres cboopaoas.
Na povoa$ao do Sacco, da villa de Mangara-
tioa.escrevem-oos que a encheote lem excedido
a quantas lem auffrido essa povoajo. calculan-
do-se ein mais de cera cootos de ris os prejuizos
a que ella tem dado lugar.
a No entretanto Paraty, cidade cstremameote
haixa, quasi sempre victima das endientes, na
da tem aoTrido, o que nos faz crer que as
aguas carregaram mais sobre uos pontos do que
n Felizmente ests cidade se scha preservada
dessemal: a situaco na declividad6 de urna
montanha, anda que ero graode quanlidade, as
aguas escoam-se com presteza, indo coofundir-se
no ocano.
L-se no Monitor Provincial de hontem :
Foi nomaado
Bello.i
*y" An,e honlem, por occasiao de atracar em
b. Domingos a bsrea qoe lsrgou d corte as 10
oras da manhaa, um individuo de cor parda,
que se achava a dormir na pro*, ficoa com o
oraco direilo bastante contaso,'por haver a
barca aperlado o mesmo braco de encontr a
ponte.
mas exami-
parecia isso
As folhas do Rio Graode dio a noticia seguinle:
Consta-nos que, devido a umetgano. ou m
interprelacao entre a capitana do porto e o Sr.
Pierce, que ainda se nao deu cotseco aos tra-
balhos. aliia lio iiirniameole interesantes para
nos, da abertura da oossa barra. Cu nos, porm
que isso ser de mui curta duragc ; pois que'
trata-se apeoas deiliodar com a pieaidencfa da
provincia se sao 18 palmos ou ps a srofundidade
a qae se dte proceder ; porque quaato so mi,
ludo est concorde oa reconhteida oooveniencia'
de tao til obra.a
O tapor flto-Grandenetrouxe-tios datas de
Jaguaro que alcanzara a 20 do correte.
No dia 12 foi ali assassinado coa urna tacada
o 2o cadete do batalhao U de infantiria Luiz Dias
de Toledo, pelo Io sargento do meaino batalhao
Jos Josquim do Sacramento.
O infeliz Toledo era nttural de Peroambuco
e conlava apenas 18 anoos de idade Sacramen-
to ttihoda Babia e ficava preso r.-spondendo a
conselho de guerra.
O assassinatodeu-se dentro da c dade em ca-
sa de urnas meretrizes.
A parle da barca de hontem (29], tratando da
barca naufragada Greca, que ainda se conserva
em perfetto estado e com gente a bordo oo pro-
posito de verera se podem safa-la do lugar aonde
ae acha encalhada desde 3 de fevere ro diz o se-
guinle :
A barca Graca eatava quasi eni nado, e o
tapor Jaguarfo seguio para l com IS cotral as, e
deu fundo em distancia que podesse rebocar o na-
vio. Foram a bordo em escaieres v pratico Mi-
guel Moreira coro diferentes patroes e marinhel-
ros para dirigir a manobrado a safai ; e quando
na accao de fazer lelarga o navio, pai ando amar-
ra da popa para proa, fsltou o virador, que tinha
abocado na dita amarra tornou a encalhar, fleau-
do mais abaixo do lugar em que estnta. r
9SS*SSSSSS!SS?~* T^-^^^
Foi nomeado senador do imoe; io nala nro. I "?"_?Lrl.'r um,.bo!?' 00. o.ual embarcamos
tincia do Cear
Recebemos do Sr. Carlos Kiokel, engenhelro
til, a seguinte commuuicar;ao :
A mioha estada em Macah, ba dias, tete
por nm principal informar-me da posijao e esta-
do do tapor llermes, que naufrsgou efoi a pique
nesses lugares: Uve tambem o desejo de saber
quaes as pedras sobre que o Hermes batea.
Multas pessoas do lugar eram de opinio que
rt w* Dau,r8a,s nos recifea da Tabu, que
dislam N. N. O. do lugar em que se acha o navio
a praia, mais ou menos meia milha ;
nando nnnaciosamente a localidade
quasi impossivel.
Tentei com continuadas sondagens encontrar
o ouiro recite descoberto ha pouco casualmente
i0r4UJn ,pe8Cador o"0 lugar, chamado Cyprlano
Jos de Abren, o qual ajudou-me nos meus tra-
oamos, e em consequencia disso acertei e fui fe-
liz em encontrar
quaes nao
esias pengosas pedras, as
me descuidei de marcar, estando
munido com os melhores instrumentos para esse
fim.
A 5 do corrente entrn o capitao Albuquer-
que Bioem com o tapor Ceres em Macah, e
aceiiei com prazer a offerta que elle me fez de
acoropanhar-me ainda urna vez com o vapor Ceres
as proximidades do mencionado recite, e aprotei-
lei-me da occasiao para que o oilo Sr. capio
Bioem pudesie coutencer-se da exactido da mar-
cacao.
ido senador do i o, pe o pala pro- 00.sluaaaWJ, m ?' %'"' eml}raos e
- Por decreto de 9 do corrente fo, transferido | MullVS" !"lU uoa,'tV1'' achando reDe"
para a companhis do 9o batalhao le infantaria
o capitao do corpo de guarnido da J'arshiba, Jo-
s Maria Ferreira da Aasumpcao, e para > 2*
companhia deste corpo o capitao e luelle bata-
lhao Jos Anselmo Rodrigues.
_ Foi nomeado o Ret. padre 9si Jaciotho
faoocaltes de Andrade professor substituto dos
cadeiras de Ijlim, treocez e ioglez c o curso de
preparatorios da (acaldado de direitc de S. Paulo.
Foi concedida a liaeoca aos tiiisrio* colla-
dos oas igrejas de N. S. do Bom Successo ds
Cruz das Almas Jos de Araujo Mala-Grosio, -
. 4r.i.b?lon)eu <*a cidade de "
oaVe'unt mesmo, re,uUa O cume mais alto destes rochados acha-se
apeoas 3 pes e 4 poilegadas abaixo do oivel da
agua ; dista da praia pelo lado do norte 1 e 3/4
a imilhas e de OSO, direcQao (igreja Sanl'An-
na ae Hacahj aproximadamente 4 milhas, e para
maior clareza fizamos marcas em cinco pontos
Bxos que sao:
S S E do cume mais
Anna ;
pontos
alto da ilhfl de Santa
S S O o cume do Papagaio ;
O S O a igreja de Sant'Anna de Mscib:
N O o cume mais alto da serra Imbur ;
Fernsodo MeiralleaPinTo Ba7reo,"d4 proViodaf
aroebispado da Babia, pira permuta: em ss res-
pectivas fregueziae.
12-
eeliot" a N0Va PhaM 4e W P,M"do
Foram lio copiosas as chuvas di noite de 25
que produzram consideraveis eslraaij oeste mu-
nicipio.
*,* tueai' do Sr. tenenre-coroiel Josquim
JosTravassos, o rio Japuhybaench;u-sede uma
wi lorms que, sabiado fora de seu .-ite. esten-
*'*o a usa grande canavial, que lodo foi de-
masiado pela impetuostdade daa aguos. Com a
perda desse caastial soffreu o gr. tu neo le-coro-
nel Travasios um prejuizede cerca o< 200 pipas
de aguardeote. v *
De longoa annos nlo ha exemplo iquf de uma
encheote tamaoha.
A estrada, tambera de Jspuhyln multo se
reasentio deaaechover lo exeenito em Tsrias!
pontos aeha-ae eomplelameote iotnisHatel, em
coosequencia de enormes buracos, erdadeiros
abyemos sksaindi.laMm. M sobre iaso
nao se providenciar com bsetidade, tcoito emba-
IW" b5 de.07w'W1e *er o. trawenn-
tes daquelia esrrada.
A mesms olbs 4\i em 2 do correte o siguile:
a regueia da Ribeira eommunica-nos o
oio Auftattd f efwira, morad >r na Serfa \ cei7o di
N o cume da montanha de S. Sebastiaol
Estes rochedos iao multo petigosos para a
navegecao do porto de Macah, e deviam ser
marcados sem demora com uma balisa, e ainda
mais por causa da violenta correnteza o'agua que
e desenvolve em mi lempo com mar cavado
entre a trra firme e a ilha de Sant'Anna em li-
oha recta sobre o rveife em questio.
a Fazer destruir os rochedos com plvora
executatel, mas exigir muila despeza, por isso
scha mais conveniente marcar-se o mesmo com
orna boia de ierro fluctuante.
* Depois de ler examinado e sondado a eosea-
da de Macah.da barra para dentro muitos e muilas
tezes semacharem parte alguma.lugares perigo-
sos, posso admiitir com graode verosimilhaoga,
que jusiamente nestes cima mencionados reci-
m!. r?ched08 T*Por ieraaes bateu, porque o
Z.,T 0L" piqye 8Defla' 3l4 oe milha N. N. E.
oesies rochedos, deveodo acreditar-se, segundo
inhf ". apfareoc'a. que a corremexa o tent
linbam lambemesta direcjio naocessiodonau-
cirurgiao do mesmo corpo Dr. Ablonio
alendes da trox Guianaraea, paia servir na tfio-
tincia do Ceari. Em 3 do correla. ^
Aleies do corpo de eitido-maior de segunda
cisne Antonio Nicolao Monteiro Bseas pareacr-
tir na protiucia do Pari. Em ? do corrente.
r ^t0 f"J8* B,u*a<> "Malaria Francisco
w ?'. Go8l A8iir para secretario domsimo
batalhao.
Dito do corpo de guarnice da Perabrba Her-
menegildo Gomes de Castro e Mello, pira al-
dante do mesmo corpo.
JJito do 7o bstalbio de iofantaria Jesnino Deo-
cleciano de Souxa Bruno, para quartel-aeitre do
mesmo batalhao.
- 17 *"
Foi concedido o titulo de conselheira ao Sr.
Antonio Peferfa -Reboticas.
Ao Sr. Dr. Antonio de Brito Souza Gayoso
concedeu-se s exonerscio que pedir do cargo de
presidenta da arwtioaia do Piauhy. ,
Foram nomeadoa : *^
Presidente da provincia de Cear o Sr. Dr. Jos
Benlo da Cunha e Figueiredo Jnior. ^ -
Presidente da provincia do P auhy o Sr. Dr.
Joie remandes Moreira. **-
_ 18
Como- ortica em lodos os pshes eainolicos.
estete hootem na maior parte das igrejas o San-
lisnmo Sacramento exposlo i adoracio dos fiis,
e em ilgumae dellascelebrsram-se as augustas
ceremonias com que a christaodsde conmemora
o sublime sacrificio do Deos-Homem. S nem
em todas as igrejas foi igual s pompa, em nen-
huma se faltou decencia que exige tao moges-
losa aolemoidade, e em todas numeroso con-
curso de poto fazia com fertor e em recomimeo-
lo as suas preces;
Suas magesladesassisliram ns capella imperial
a testitidade da manhaa, e de tarde n'ama dis
salas do pago praticou sus magestade o Impera-
dor a commotenle ceremonia do letaps.
Esta mesma ceremooia tinha sido celebrad a de
manhaa na capaila imperial, logo depois da ex-
posicao do Santisiimo, officiando monsenhor Nar-
so da Silta Nepo'muceao no impedimento o
r. oiipo conde cspellao-mr, e simularnto doze
ecclenasiicos os discpulos de Jesus-Chrrsfo.
Por mais doloroso qae seja fazer censuras em
oa de tanto amor, nao podemos deixar de esira-
Jibar. porque todos os assisteotes parecern no-
ta-io com iodigoa?ao, a falta de respeito que a
maior parte daquelles reterendos como que fszism
gla de ostentar n'um acto em que s detla hater
humildade. Esta irreterencia contristara nao
so com a natureza da ceremonia, mai tambem
com a altilude grave e respeitosa do officiaole.
Melhor fdre dar a esmols de 9*000 em ouro
que, cada um desses eccksiasltcos receben a ver-
adeiros necessitados, que pelo menos nao ha-
viam de eicaodalisar com os seus modos a pie-
dade dos fiis que sabem entender o espirito de
uma das mais edificantes ceremonias da notsa
rehgiao.
A'noite suas mageslades imperiaes acompa-
nhadas da sus corte tisitaram tarias igrejas, e
viam-seas ras cobertas de poto e pessoas de
lodas aa classes que aodavam em igual viiitas&o.
22
O paquete Tocantim, entrado hontem do Rio
da Prala e portos do aul do imperio, trouxe dalas
de Montevideo e Pono Alegre al 13. Rio Grande
do sul 15 e Santa Catharioa 17 do corrente.
Ua repblica argentina poucas noticias batia
em Montevideo. Apenas se refera que Pena!
lora complejamente derrotado pelo coroael
des oa Rioja, terminando assim toda a resisten-
cia nova ordem de cousas. As proporc,5es detla
que se diz ultima balalha nao foram grmdes.
Com 140 estallos e 30 infaotes bateu Stodes 200
e tantos estallos e 65 infantes de Peoakoza que
trazia comeigo ainda uma pega de artilharis.
O general Manoel A. Urdinarrain e o Dr. D.
Diogenes Urquixa.como senadores ; depulados D.
Apolinano Benitas e D. Augel Elias; suppenles
para os primeiroa, coronel D. Manoel Basabiltaso
e psra segundos D. Olegario V. Andrade passam
por ser os candidatos protaveis de Eotre-Riosao
congresso naciooal, para cujas seseos j se est
preparando casa em Buenos-Ayres.
No Estado-Oriental nada ocorrerra que posea
oteressar-nos. Discuta a impteosa como mate-
ria sujeita a abolico dos psssaportes, concor-
dando-so geralmeote na utilidade da medida
neale sentido proposla s cmaras, mas repulan-'
do-a inopportuna alguos por importar um des-
falque oas rendas do Estado, que continua em
apuros. D'entre as ultimas volages legislativas
apenas apoolaremos por ter alguma referencia a
nos a de uma de sommade 4,000 pesos pata des-
pexas da commisso que dte intertir na eollo-
cscao dos marcos da linha divisoria, entre o Bra-
sil e a Repblica do Uruguay.
De uma eslatislica publicada pelas folhas orien-
aes consta que desde que principiou s tigorara
le de direitos sobre a exportagao do gado em p.
isto desde 29 de dezembro de 1861 at 31 de
margo ultimo, tieram do departamento do Cerro
Largo para o Rio Grande 30,443 notilfaos 7,519
vaccas.902 cabegas de gado de creacSo, 387
malas 388 oatallos. 893 ovelhas e 113 eguas/o
que ludo pagou de direitos 13.263 pesos.
Os peridicos do Par.guaf at 29 de margo
apenas rallara de copiosas chutas, e de uma lei
que decreta penae dez annos de prlsao e uma
multa de 500 a 5,000 pesos pelos crimes de fa-
pnco ou lolrodnrgSo de moeda falsa com curso
legal oo paiz. bilhetes do thesouro ou de qual-
qer banco epprovado pelo govemo. papel sella-
do equaesquer documentos de crdito ou valores
do balado. Cercear moeda legitima ou introduzi-
a cerceada delicio puoilo com quatro annos de
Irebalhos. e multa de 100 a 500 pesos.
De Valparaso recebemos por tia de Montevi-
deo folhas al.14 de mareo, as quaes uenhuma
noticiai de importando encontramos, nem a res-
peito do Chile nem de outra nenbuma das renu-
blicaa do PaetfU "3VU
pro-
qual,
iaJ!^.^^''mvnf,ain,'^'a det-
dclegajaavddo
otgMrviocia de*.iPa__
In Cesario aVaenls) onms de daV.ljo pa
*eblr effaimta%wte-t^Bfeanaira-Ja>rfpenotee
do arsenal de guerra da corla. 2ti-n.in*/w .VJ.Z' *- uea- o mais noiave, ia
pel.ao..fereaaa lpelo eccUsusticadoexer- T.oJIiJr'^Kl?0^jg;|MM^ d. -JL****
planta, xiie para o caes de pedra da cidade do
rtio Uraade levaniou o eapilo Nabor, foi o me-
jor de ejigenheiroa Paulo Jos Pereira encarrega-
que
Sr. Francisco Comea da Silva a demisiao
pedio, do posto de primeiro teueite da armada.
Foi agraciado com o habito da ordem da
o Sr. Hennque LiemmeH, tice comal de 8. A.
R. o grao-duque de Badn, e actual aerale da
casa de Eduardo & Henrique Laemnien
- 16-
Da ordem do dia numero 3GS..-publicada a 1
o da njaatam^.g^ar,
de co
cens
cogle
t S3T.
de ajajMto Dr. *
pe
no
ipri
foi esa
isaao
- especial, sendo porUdor de
murados do nosso ministro em Monte-
a *^ P'esldente da protiocia.
-miSy90 P00C m** 0U m,l,0 noUcit Mer'
smlSS^f* Tu*' no, 9 p,M W 6r"-
WOou a sabir para Montevideo.
uinten ,
iao > eatesto
nio disJjtsaa
rgiiotntr do
vmba.8id0i P?!*D0, h8"ae do Campo Noto,
taateal
sul
Promotia-se
lio do Rosario i
oral Abreu, bario
italha do Rosario.
Comegava-se a sVuvi
co do capitao nestte a
O socio Albioo segaio para a Earopa no pa-
quete ioglex qae parti ante-bontem.
Lm^^'Sf qoe Teiiei" ponto
lempo sociedade na casa e comeeava a sus car-
reira com marcial. ^ -.------'
Em presenga de tio horroroso crime nio ba
se nao a lameotar a cegueira e ignorancia do a*-
crato, que te perverte ao ponto de lornar-se um
moosiro 1 >
!ai- *-
do Nk*_**<^'**<*. inWencia Aa at-
ospbesa *ara isdoaxtr s aMatan butaaaM'ao
tribu
uc
do pela presidencio de organuir uma nota plmu.
Sobre a rubrica-Indios-dix o Corrsio de 10:
t Consta-nos que S. Exc. o Sr. presidenta
.pprotr. .idea de ser transferidos o 1x32
rlbu do cacique Doble do aldeameoto de Santa
n'aD- 'i."!" di Ma*,U am" *00t* C"oros.
o. de NoT.n0'6 iDhm- -Prea.nt.do, par
imtabilid.de earacterMties da mencionada
i.V J xc* *tlM'almente ignora qae ha
h.M!2 B#rBOe otre esaa tribu e as que
nabitam os campo, do Nonobay: que as suas
indicnes e d., cada uma lem o.q..u. limites
l n.r? f-Ti0"0' e qUe "Pesso d.quellea
6praell.s sempre um caso bellico, e Deessiao
de novo, diaturbios e dc.ordens.
* Per conseguinte, a meos de f.zer um mila-
?I lD,oe,'*'""MqoSr. director en I re.li-
rio HZ ? i.8r- ,P"W, como nao tem ai-
ifl '-.lo nunc, desde 1853 ou 1854,
^L2i?. Pla p|,me,ra Tex ^ojou-o peito o Sr
senador Sieirab. ett.ndo ne.ta pre.ideoci.. a
*? D,s ,0,h d0 Ri0 Grande :
mL?n rJgue ntc0, D Momo, com csrrega-
? "fque' Pro"P'o eguir vltgem pira
. n^0'. "r' noo'em (5) o ferro eng.-
i^na^d*0.palachoLF,nff* mP "u"Dha -0 Mt0 i0 P"elo abri
mSSl D0 ^.r,gue' q,w for5 "Mear .
erg. pela muita agua que fez.
AA. r8?uislia,> d0 Sr. subdelegado de polica
i JS50& deSnla.yictori. loi preso em T.him,
fnnS i a e,U Cld,,'e' ^s Joaquim da Silva
udteiado como ...assioo do Oriental Amaro Men-
det, morto oa Coxilha do Silvelra. >
a O patacho americano Martha Kendall passon
L tP/.^rea,d! d0 Sr: ,08 Aolonio Mreir.,
da pr.g. oe Belotas, sob a deoomioagao de Mo-
sea
suicidio;.oro, leaabe osattrtato que
appareca aon esat .6. *
a Ne.ta uasawn.|iMMBjui rioa. arm
ma-'?. ".:.* Por *fr Pecado por pessoa
" pravisMie, j peros motivos
. foi o do cidadao Manoel Do-
mingues Lopes, occorrido no dia 16, aa.rU-fe-
r. de tratas.
fol.5ho*mt? ,r* "ul re,i'00 honiaata, e
vnVn/hl^. eg e ac, dpeto. segund
tox publica, pelo seguinle fsclo
t Tete denuncia a directora d. cita econ-
mica que no respectto cofre he vi. rinde
n,.1T?: """"ente procedeu .11. "o.
neceisanos examea. a recooheceu a verdad, da
denuncia ; eniiodeelarou o ibe.oureiro, q.e o
fllho d.quell. lorelix. que o dioheiro que falta?
?. n. mport.nci. de setenta cont, de-ri. es-
tta emprestado ao Sr. Manoel Jos de Almeida
wmmo, empreg.do publico aposentado, e concor-
wief um. xeapgio i.0 adisa.
O movlm.nto da a<
de pnmeira cima 477. de mSZSnjiffT*
""tw'#. 'Uan tersa rra. i.waaia -
os frote. 5:93o470 |0i.| ltS*
* A daea>eaa tai de 15:8*8*488/,
um aVefMt sfcat9i558. '
. "* *ia*slBajit as copio... chavas *
_ff2^m .iod. oio M ubm s
o Millo de na .11.. goz.m.
.J*-Z*5" ;*ono no rteriptoria
*mTOm*m Jase Antonio Pere.ra I
4 C, e Jos Caet.no Espiaherr., o casi
cerca de 95O00O em tabm
romb.meato. mea ainia aso se
lsdroes.
< O e.mbio sobre Undres censerta-sa M-
SSSSkA. I*-* ^^*
SsrsiM-.-J h.ti. ragrama eapatol a aba-
fa de polica interino Dr. Francisco
Oliteira Ribeiro, da ayndrcaacia ment da sobria*, do fe,.. ^,lil0 d#
anal retulloa serem proauaalsaas sa art.
cod. crim. oa Srs. bario da Ja paral, ba
' 1
2 1.1
I

b i
qusnti.
dou-.e em que se ftria a entrada desta
im mediata meo te.
< Ere um do. fiadores do dito tbesoareiro sea
propno pai, quem nenhum dos directores com-
oiuoicou nada, e mais dous negoci.otes fallidos,
conforme diz o Exm. 8r. B.rro. Pimentel era
sua correspondencia publicad, no Diario de an-
le-nontem, pediodo a inlertengo do goterno e
cen.urando a direccSo. *
Ma. um dos directores, o Sr.S.mp.io, tendo
que se demor.va a entrada do dioheiro, pedio
.o Sr. Doaningae. Lope., pai, qoe lhe trouxe.-
ee uma nota de lodosas seus bensde valor. Eil.
exigencia, combinada com as indir
rectas que ao
iidviuii, eo
infeliz que lhe occalt.ram
te. lhe dirigir, ouito dos directores; em ar de
ula2 Bernardo Jos Pereira, desta praca,
tambem compro, o paibabote .meric.no Salto,
^L^?,0^>0"CO, d" "o Nov.-York, e eremos
que coitiena com a mesma denominagao.
lioba regreisado capital da provincia, da sus
Gagbdo ,dlerior' ehefe de PicU Dr- Dao
De Santa Catharioa nada temo, que noticiar.
Por decretos de 19 do coarente foram tranafe-
a /v Jpa,a 8 D4ta,"o do 12 da me.ma arma Fernando Machado de Soa-
: p.ara este batalhao, o mejor dsqoelle Miguel
o
o
Jerooymo de Notaes; e para a 6* companhia d
1 regiment de cavallaria ligeira, o capitao d.
d da mesma arma Jos Cesor de Mello Sampaio
For outro decreto da mesma data foi nomeado
director do arsenal de guerra da protiocia de
? da 2" clases Luiz Francisco Ienriques.
23
O paquete francs Sainonoe, entrado hontem
loR'o ds Pr.ta, trouxe datas de Buenos-Ayres
at 14 e Montevideo 17 do corrente.
A' carta do nosso correspondente, em ontro
lugar publicada, apenas accrescentsremos, rela-
tivamente eo Paraguay, que o goterno daquelia
repblica decretou uma emi.sao de um milho
om bilhetes de qaatro e cinco pesos.
Da citada carta se t o que se estata passan-
do a respeito de elei;es, assumpto que oeste
momelo mais preocoupa a Republiei Argeotioa,
onde o partido reaccionario principia j a levan-
tar cabega em um ou outro ionio. Nella en-
contrado os leitores tambem o decreto pelo qual
o general Mitre regulou o overno oroviaorin Am
goterno provisorio da
Foram nomeados: membro da junta adminis-
trativa da caixa de amortisago, o veedor Jos
Joaquim de Lima e Silva Sobrinho (decreto de
19 do correle); Io escriptur.rio da sifandega da
Baha, o Io do da thesoursria de fazenda da
mesma protiocia Antonio Pereira Bastos, seo lo
concedida a aposeotidoria que pedio Pranclaco
Muniz Brrelo no primeiro dos ditos lugares (de-
cretos de 16.)
pumo oe PERNMRiir:
blicaa do Pacifico.
As noticias ds protiocia de S. Pedro do Sul
sao igualmente de pouco ioteresse.-
O porto do Rio Graode e o da capital a pto-
tiocia foram inesperadamente visitados pelo va-
por de guerra ingles Sheldrake, da estaeo do Rio
da ma, condurodo a seu bordo p commaodanle
da fragata Forte da mesma eslecao.
A cerca desta tisita, sobre a qual Jazta o pu-
- conjeoturas, diz o C'otWto do Sul
blico vanas
d. 10.
o Temos no porto ha
oeira iogleza,
dous dias uma canho-
13
Por decreto de do corrente foram nomeados:
.U '?'"*?'" da "faodegida Babia, os se-
gundosd.tos Va.co Carneiro de Campos a ~
quias Antonio Jos Coelbo : ^Ma*n
Mala-
2. escripturario da albndega d
ireeiro dito Luiz Canuto de Lemos
3. escripturario desta ultima alfadeaa ., tra
^iiwnia i ..ri. chot. m ,;i oarana da Losta.
te. reUtit.menle grande hU da i ite de24'
Pac a t5 do petsedo ;
Por decreto de 8 do co'rrsou oi concedida
ao
A canhoneira chama-se Sheldrake; sen
commandante o tenente Meave: e trox a bordo
o capitao de mar e guerra Siumarey, vindo em
nao sabemos que commisso do sertigo. 0 Sr
cnsul bntaonico no Rio Grande, Henrv B We-
Sh dr i!mbem Teio com Sr- Saumarey na
a Este nato chega de Montetido e veio em
conserta com a fragata Forre, de 50 pegas que
Ocou crurando na altura da barra, e cujo coa-
mandante o Sr. capitao de mar e guerra Sau-
marey.
Poico ou nenhumo demora literam no Rio
Grande ; e chegondo a esta ante- hontem pela 1
ora da tarde, 4 horas eram recebide. em u-
oMenci. pelo Sr. presidente os Srs. Sanmorey e
Hontem titeram orna segunda entretista com
sr. presidente, e consta-nos que hoie ir S
Bc. Titilar o narlo britaonico com o Sr. teere-
tario do goreroo.
A questio gora saber ao que relo H esss
coohooeirs. Cada qual pensa detla o que quer
6 o due lhe d na c.bect, mas o enigma desta
nova bspbiBgsj aind. nio encontreu o ie% tdtBO.
A Ordem dtx qw tbe codiI. qot, Sheldrake
Peio tapor rindo hontem da corte, chegou o
Exm. Sr. Dr. M.noel Francisco Corris, presi-
dente nomeado ptra esta protincio.
S. Exc. lomar ;hoje. por urna hora da tarde.
a redeas da admioistrago publica, depois de
prestar o competente juramento perante a assem-
bla provincial.
Desejamos a S. Exc. prospera governago. e
que seus esforgos deta a protincia, que lhe foi
conQada, o desentoltimeoto racional de suas
torgas expansivas, bem merecendo assim S. Exc.
dos seus gotero.dos.
Pelo tapor Cruseiro do Sul, entrado dos por-
tos do sul. recebemos jornaes com as seguioles
datas : R,0 23. Baha 26. Sergipe 25 e Al.go.s
w do corrente.
Rxo de Janeiro.Foi suspenso por seis mexes.
do e.mprego e veocim.ctos o commandante do
vapor Prtee*o de Joinvillt, por ter conduzido
passageiros oa ultima viagem que fez ao norte.
Foi concedido o uso da farda de f lenle
d. armada ao commandante do tapor iip. Joa-
quim de Paula Guedes Alcoforado.
jPoiQOnieadopar* cmmandar o tapor Ta-
mandalahy, no Itapura, o primeiro tenente Jos
Antonio da Silra Mais, em consequencia de
ach.r-se impossibilit.do o capitao-tenente Mello
Larrao.
"7.F.oram oomeados : commendador da ordem
de thrislo, tigario Jos Felicissimo do Nisci-
meoto; e official da Roa, Dr. Francisco Janua-
rio da Gama Cerqueira.
- S. M. o Imperadordigaou-se fazer prsen-
le ao estatuario Louis Rochet, das insignias ds
ordem de Christo, com que o agraciara ltima-
mente.
Corra serem em brete publcalos dirersos
"AVameDl0S elaborados pelo ministerio da fa-
zenda, para a reforma do sertigo das alfandegas
e provimeato de empregosde fazenda.
Feio ministerio Ida raarinba foi mandado
proceder conselho de investlgago sobre o tac-
to de ter, o commandante do brigue de guerra
Maranhao, seguido de Pernambuco para Fernan-
do de Noronha, sem receber as ultimas ordens
da presidencia da provincia, resultando desse
acto ncarem em trra 22 sentenciados.
L-se no Comi Mercantil -.
Honlem (9) pela manhaa, das 6 lj2 para as
7 horas, deu-je na casa de cafs da ra Nova de
9. Bento o. 37 um crime horriv.l, qae causou
profunda sensaco.
Jdaquim Affonso Teixeir., socio da firma Al-
bino Jos de Castro e SUra & C, descera do so-
tando para o pavimento terreo da casa, e entra-
ra em um pequeo quarto retirado, quando
^KPfr" !1Ie um Prel0' e,cr" ds "*. de
nomi Abel, crloulo do Rio Grande do Sul, de
a o annos de idade. armado com uma faca, e
rpido det-lhe um profundo golpe no tentre.
f e aaaasstnosrrastoua ticlima pa-
ra rora do quarto e, repellado as tacadas al ao
numero de quinxe, dilacero de um modo hor-
ritel o cadater do infeliz Teixeir*.
t Commettldo o crime, e tendo-se persegui-
do por pessoas d. casi, o preto tirou-se pelo
armaxem fra e correu fugindo em direegao i
Frainha. Cbegando abl e coDh.cendo que era
eguido de perto, deu em si duas tacados e lin-
eo.-se a o mar, Ah conseguio-ie segura-lo.
CentWztdo casa em que se dera o aesassioato
s em presenga do cadver, o preto confessou sr
autor do crime, a dsa como causa o desejo que '
tinha de ser rendido e a snspeita de aua Teixei-
ra.ie oppanha 4 venda.
lrepohi 4o corpo de delcto, o assassino foi
rendo piro I WiWmria 4 tm de 5rrecc5o.
gracejo, revelou ao .
alguma coate grate.
Diaf.rcou o pesar que o mortificava ; despe-
dio-se de lodos, principalmente de seu fllho, a
quem apertou a mo com mais torga do que de
costuro*, foi em seguida uma botica, compro,
uma porgao de arsnico, que foi comeodo por
todo o caminho al chegar casa: ahi bebeu
Merndadc> I ****' POC0 dep0i e8laTa na
.?.?.S' Don,D8ues Lopes Jnior, causa in-
voluntaria desta grande a lamentavel desgraga
ficou em um estilo digoo de comiseragao, e to-
dos lament.m sus condewendenci., aendo
vos publica unnime em coodemoar o Sr.
O abalo que este faeto produzio em nosso
mundo commercial foi irameoso: porque d.u
um grande golpe oa conflanca noa eat.beleci-
meoio.de crdito, que ia rena.ce.ndo. Por acto
de hontem, e para .atisfazer .o pTiblico, o Exm.
w. presidente nomeou uma commisso de nego-
SSS e 'm?e8d0 Pblicos, presidida pelo
disliocto Sr. Manoel Maria do Amara!, para pro-
ceder a um minucioso exame nos litros e no es-
r.kST0!?! e.lodo" e8lao nciosoa Polo ieu
lie" qU8 a,luelle defalle an-
Morreram tambem, o deputado provincial
Hygioo Pires Gomes, mui coohecido no paiz e
os negociantes Joio Rodrigues da Cruz, socio da
rma Carv.lho & Rodrigues, Jos Sabino de Lar-
valho e Manoel Martios Torres, proprietario da
alamada padaria imperial.
A assembla contina funecionar, alera da
discussao do orgameoto, tem-se oceupado com
alguns outro. projectos de utilidade publica.
UDserva-.e que nesta respeitatel corporacao exis-
te um pensamento hostil ao presidente da pro-
tiucia. am minora, na verdade, e escondido, maa
que nao perde occasiao de expandir-se.
a Taltez por isso nao passe a lei aooua at o
nm do corrente, e naja necessidade de adiamen-
to da sessao.
_ A- polica aioda nao arrefeceu na persegui-
do dos criminosos e vadios ; ao contrario, cada
oa desenvolve nota eoergia, emprega notos es-
torgos que rao sendo cordados dos mais felizei
resultados.
*J& J que nao p6de a8radar senSo 4 mino-
ra dos homens morigerados de que se compoe a
sociedade, e que graode grita se ha de ouvir
contra ella.
Uaia dasmeJidas que mais clamor lem le
taotado, entretanto que ha muito tigora oa cor-
le, a de obrigar o senhor do escrato que for
preso tora de boiw.n. ra, a apre.ent.r o com-
petente documento de dominio e poste, bem co-
mo mostrar que tem pago as respectivas laxas,
sera o que nenhum ser sollo : alm da satufac-
gao da multa infringida.
E' uma til providencia, porque hoje na Ba-
nia os escravos crioulos, e as pessoas de edr li-
rrss, teem recebido uma pessima eduesgo, e
nao querem reconheeer sujeigo alguma ; de mo-
do que se vo tornando io.upport.teis. Se .
autondade nao iotertir, nao cohibir fatal io-
amerencae indulgencia dos senhores e sinos, te-
remos de asistir scenas mui deplorsteis.
H aqu um. lucia de capadociot e de eos-
lureyas, que bem precisa receber a educago
que lhe ralta para aprender a conteniente obe-
diencia.
a Pobe da senhors que as tem de supportar
como amoj; pon que assim se cha mam oa crea-
dos oesla Ierra e realmente o sao M
a Anda na madrugada de 21 do crrente o Sr.
r reir .commandante de polica, ceriou um can-
domo^que funecionev. do lugar ,deoomioado
.8kJ<,T' d"s'e80as distante desl. capital, para
as bandas da Itapoan, e prendeu 55 individuos
deambos os sexos, e de diversas cores e profis-
soea, que alli procuravam ventura Eram 26
nomeQS o 29 muiheres. reunidas etn ama caaa
edificada cusa de tao respeitavel, associagio:
e oelia encontrn tambem a polica quatro taba-
ques, um sacco contendo varios objectos como
% '**"?" buz,os quartiobas cm azeile de
dend, barns com saogue e azeite.i pratos com
teijao cozido. gallinha. e gato, trelos, arcas
cheias de roupas e comidas; hateqdo-se morlo
rl qUfll aiod' "? pendurados dous
Hoje detem estar melhor oceunados na casa
da conecgo; onde laltez conhegan quo pouco
tana o santo om quem so confiatam I
Os actos da semana santa foram feitos com
esplendor em todas as freguezias e contento,
desta religiosa cidade: o concursa' de Seis
tantas igrejas, simultaoeameote admirara,
quinti-feira asla, principalmente, em que
templos resplandecan) de luz e ornatos, nao se
poda pmetrar nelles. A ordem (erceira de S.
vT?hCI8.C0 "'""la o a igreja de S. Pedro
veiho, sobretudo, estatam digna, de vr-'ee.
Na porta da primeire, nao a naquelle dia, co-
mo na mis.a da Ressomigo, houve muit. con-
ruiao, alguosfurtos e tiolencias, de que foram
victimas algumas senhuras: felizmente nenhu-
ma deigraga tivemos que lameatar, nem houve
prisao alguma na sexla-feira da Paixo. A Con -
ceicao de Praia, S. Pedro e o Carmo flzeram
procissSes de enterro, atado a deste convento a
mais esplendida de lodas.
No domingo de Paschoe, porm. o crioulo
de nome Exequiel de SanfAnn. Pirandube, ca-
iaiate, morador no Bom-Jesua, districto da Ma-
dre de Dos, encontrando-ae com a menor de 8
?iT'raf.ar'a.crioula' or,h" de P> (
liona tallecido no dia anterior), violentou-a bor-
nvelmente, deixando-a em perigo de tid. corno
bem se pode imaginar. Este monstro foi logo
preso, e deto crer que o jury lhe dar o castigo
que merece para desagravo da sociedade.
Amanheceu no dia 23 do correte oeste por-
to o Paran trazendo a ala direita do 10 bata-
lhao de cegadores que ahi embarcou, cooslando
de S6 pracas.
a Immedietamente hoave um fervei op% no
mundo medico. O tapor cou impedido de se-
guir para o ancoradouro al s dez horas da
manbaa; porque tete que esperar por uma com-
misso de mdicos que S. Exc. o Sr. presidente
mandou bordo pa decidir ae esta tropa detia
esembarcar aqu, ou seguir psra o morro de S.
Paulo, como .a liaba combiu.do anisa
Felizmente a commisue f.i coherente, auna
rez que se admilliam' litre pratica todo. o.
outro. passageiros em aum.ro igual oa aoperier
ma a bordo. tambAia na .u.^ _^;__TI.
da M.ta-Gnaae,
em
e na
que os
Rolemberg M.dureita
eioli JM.dureira. como .otore.
lagatL ae ae Diario do Ca.
Do Bebedooro aoaeaaos.aaia.si tv.
Falleeeodo no Frechal, disireto da 1
ro, um. infeliz que por ali eisaolav. m pia aa
candade, esleve sobre a Ierra per mita d 24 ha-
r s sem qae honvessa, entre laata gante tama s4
pesaos que se eocarragnse do dar-lbe
.'. Dobaldo pedia, rogiva doD.
i.inboa e a quantas pas.at.st.
Nioguem se q.eria prestar a esto acta do ca-
ri dade .pesar de j oio se poder suppartar a tata
cheiro queexhilav. o corpo.
< E' deplor.tel que om paiz em qoe ba
qu. se beoze com o sigo.I da cruz ai
tacto, .emelh.nte. So proprios de amasas *
de antropfagos d. barbaria !
a Commuoicaas-nos d. villa
em data de 13 do correle:
No dia 8 i 6 horas da lerte, oo lagar Tasadla
o ae.ea.io.da por Adri.no da P.z tUlis Paa-
ilcit.V Pr D* qqer,r *** eom r,to?*w
c O assassino nao linha .ido capturado.
NOTICIAS COMMERCiAlS B MARTIMAS.
Buenos Ayrts 14 de atril,
0BCM.-414 1/2.
Descont..o banco empresta om metalice a
meada correle a 7 e recabe a 5 % ao eaao
Na praga regulan do 1 M a 1 Irl M ssa-
Ullica, e de 1 s 1 la OtO, 'em moed.lorreole .
saMaaaa
Durante, quinzen. qoe patsamo. om roritta
tfe?irrj?.T'*.'** "0|" ***
Ola bai<:a. de anacer branca inferior
de Pernambuco em deposito s 16 3,1 rU. f: 35
saces de cal a 17 1|2 pas ; 100 Volca a tama
superior em deposito a 6 Ii2 pata, e 50 dito, baos
. 6 pal*.
Venderam-ae tambem : 750 barrica, oa fstiaha
de trigo oorle-americaoo 8 e 9 pata a checar ala
Motavidto. t.800 ..eco. do Chille a 7 taapatt
por 8 arrobs. ; l.SOO f.ogs. de tal o. JV7%
'le. f. a dmheiro, 1,000 ditas de P.taceaia oa
TSSm^fi pr,I' 2oW *-**
/,zt*J ilitai de Cdiz a igual prece asa ssnida
de tioho tinto Cl.lo a chegar, marca
com outra inferior, a 60 pas, em deo ; t
a chegar de Cetle s 54 pala, em dep.. o
n. d. Bordeo, superior 800 e 820 pa. i
Em cunsequenci. da f.lu de navio, o i
sequente alia do. fretes teem baixaaa os
dosnoMO. productos. Realis.r.m-sa dur.ato.
quinten. .. vend, s.guinl.a :
er 27.000 qaintaoa.
,Couro. algados.23.800 do nanlho ato 4* o
47 rl... o 1,300 de tace, de 40 42 rl.
A malanga d 26.300 couroi, flcaada m tsi.s
berto 9,000, e em ..r igual porcia.
JiaZVfS?' Ptaoolimiii tMin, usbs
4 ?* "'" laasiBeadoa .ata saaaiaaia 43
1|2 a 43 ra., tiendo em er 12,000. Para o Al-
lemanha, 7,000 de 49 a 50 rl... aetade suttlsa
melad, racca. Em aer 12.000. P.r. Fraaea,
Hesp.nh. a IUli.. 9.000. Para Geoov. o T
naJ o'00?.d? 45 rls. De Cordors, 7,1
o < |2 a 41 rl.. Em ser. ae ro -f-rrlBarsr.
fl^Sf*' ,l'000 de Corrieota. o Ratvo-R.a
42*000 COr Montevideo 16 de atril.
Cambio.Inglaterra. 40 40 1 i d. Fraaea
21.2a" Geno:a-*"81' > :
OU94UU ; Buenos-Ayres, so par eom it.staals
Divida publica.Consoldala, 16 rl*. aa c-
lelas do banco Mau ; exigivel. 32 ra. Oin; oovoo
ttulos ou a veocer, 42 a 44 rls. Oiq.
Deicoolos.O banco commercul smotosts a
12 e recebe 8 Oio *o anoo. O banco Man em-
presta 15 e recebo 10 Oio so snoo Na
prag. regulara de 1 1 1[2 0(0 ae taaz.
Fretes.Inglaterra. 55 ib. cooros salgada., 95
sb. ditos seceos e 45 sh. os fardos coss 5 0*o o
capa. Havre,50 frs. couros salgado.. 110 Isa.ti-
to, secco. e 60 frs. os fardo com 10 ajar, oo capa
hitados-Unidos. 3(4 cents, coaras iiis.i. lit
cent, ditos salgado, e 7 pas, os fardos com 5 Osa
de capa. Braail. caroe soecs, 5 o 6 rls. para 7
Rio de Janeiro, 7 psra a Babia o 8 para Pernasx-
ouco, e3 1|2 p.U. a. pipas eom 50'o do capa.
De gneros do Brasil effeclu.ram-so ma aj.
zeo. a. vendas seguioles : Do Jaton, do lio oo
,,ne".l112 oe c.f saperor 20 pt. o
q>.. 70 rolos de fumo negro 98 por arroba, 50 Io-
tas de dito a $11 em deposito, o 500 saceos a
arinh. i 6 rls. por arroba. Do Cravtiro, a P-
raoagu, despachado, erelalhadoi, 250 largos a
mate de boaa marca. 28 rls. Do Destoso oa
rearuambu?0' de, 50ppa.de agurdenle a fT7
e aoo barrica, e 300 meias ditas, de Ia quaJiaaaa
25 li2 rls. Do Ka'ctoria, d. Bahi*. de.p.. 130
pipas, 23 meios e 25 quiolos de agurdente da 19
a 20 a 977, e 200 barricas de assasar braoco 4a
-3 a,!f-d,d6 a M 'I* oe2- 21 rl...
e 214 ditas mascaredo 17 rls.
Dos depsitos rendoram-se : 55 toreos a malo
8i m*2 a St rU- ; "' -i,o*. Tarreo, o 23
"V 5 *cco. de l.rinhs de S.ni. Galbana, a
b rls.; 25 barrica, de asauc.r br.nco. telho, a
-ao rls.; e 8 pipas de .gurdenlo s f 77 esa.
Vender.m-.e tambem : do Lima, de Vio. 87
pipas e 20 meias de tioho lilo sem mam. a f
I

/

u
1
bordo, tambem oa soldado, podiam des-
embarcar, e ssaim retolteu-ea. I~"" ""
.fnf !nte"et\e PUl>t" ""n WI 00-
terno mpensl.por esta deborago logic. a>
uo tnelhw gondyetQr d epidttaia, do que
86, do Lundtvall, de Msl.ga, desp., 350 q.srta-
iss de tiobo secco, mires Ferl.de, a 1 llf; O
Ferru, de Cdiz, a chegar, 1,500 fas gas a. sol
para entregar em Fray Benlo.. a II ra. I.; a tJotr
deposito. 70 qu.rtol*. da tioho secco interior, a
9 112, desp. *
De producios do psiz tendersta-se duraale m
tte,na: 1,00 ** <* hwwr !.;
-,000 ditoi vaceum, a varrer, 59 rs.; S 500ta-
tos americanos s 56 rls.; 693 ditos hespaaboas
60 rls. dem.
Bio Grande, U de abril.
Cambio.As oper.cdea por este paoaele taba
foram imporiaotM, oio s pela falla di
rio, como pe*, difflceis cobran;., que i
tinuem hater.
Sobre Rio, Baha Pernambuco t_
cerca de 140:0009 ao par 60 e 90 tita, o a 3
10 das.
co fona e 25 li4 n. praca.
Fretes.Para a Europa 55 5 Oio ths. p.rs em-
nortul8:'0'- &' 9 1BPW|W *5*tS; ImaWL
Egfjfaygj m"- P"' o Rio de J.oeiro. 40
ir.^.M8?'- prn,meo. Os nscionsas teaas
aic.ng.do 400 por .rroba para o Rio le Jmshs
e os demais portos em proporco.
Assucar.Piea coocluido o carregai
Relampaaa, vendendo-.e todo s 5f I
rica em ser um. pequen. 'listeada i
e o aarregaosenio de Algrele derta
es de roolissgo. Da Bahi. do ,ht
tem-se tendido de 34600
8*800 a 89 o ma.eave/^
Az.ile.-Do qoe cou em aeat. altisna i
ter-so-h. vendido 40 barris, a 480J. A
ca muito pequea, maa o %Xt araco
ibe o coasumo.
Bacalbo.-aie ha nenhum em nrirsefam tata
e no retelho 4 etetsto e iDerior.
Caf.Mullo procorado, ulttms tands a aaO
irrob. de bom. ""
Ctrne seeca.Ouaai nsds so lem falta stsata
artigo por falta do natos, o abnsraf Teeaaaa aaa
lem hrvdo nenes fl.l tem regnlsaa aV \% a bS
tor arroba e ha ab.nd.nci. O saporiar 4 mata
e.cs.o, a conserva-se Arma eaara ffNO a 2f-
Couroi ticcubi Kos.-Tsm seas misis staaaa
^
i

i


MI
'
DIARIO DZ*mXlAtiCO i 0tMtTi PElRA 30 UTJgMlt DE 186!.
I
.
&
,V
i e vendido-te d UTO al 285 ts-
eeeckttiflcecJra-
* Migados.Ha algumas ixisteocia: ten-
na-ee, am oio ha ranfla dii aoiicio not cotn-
nrtfere*, moretate depois di noticias recebi-
dat desta ultime paquet* em .) 01 moradores
a-larapa eatrram em comp i la aparMa anda
Se o tnvarno concoma an | < uco para ate es-
m 'cousas.
rrieaa de trigo.Entran jetea de 9,000
erricae dea Estados-unidos ir-rJo'Rm de-Joel-
: e mercada esti bttttate soliftiearregad* des-
/rttfe a fe maia dttlCil realt. **, atteodendo
asar a maior parte dai existencias da clasaet
nerxee. ltSo*he ates e ai cottcoet regalam (elt noaia ultima
revtrta.
Forana a teitoe oestes utlira.s das, e eremos
eaa e la deaquidar factura. 1,600 barritas, ce-
ja* qualidades eraos muito reatares ene vende-
tta da 11 at 12*500.
A existencia em pnmelra n; in monta a lt,M0<
WBtteaefc
Fumo -
?umo Muito procurado e oiio ha quasi exis-
tencia-para diapor.
Gordura.Devido aoa sper.oiladores de Pe-
lotaa subiram e exigem hoje s l}a graxa b5}o
aba.
Manteiga.Peqaena etittencia em primeira
tal* e vende-te da850 a 900 n. aliara. Ha (al-
ia de boaa qualidades.
Sil, Abundancia principalmente em trra;
ultimas Tenias a bordo a 750 a 800 rs.
Vinagre.Venda-so fcilmente o nacional.
Viuhoe lalos.As eiitteei mi era ntinaelras
aaaoa doa do Mediterrneo eatia qinai concluidas
pele pouco que existe pidem de 235* a 2409 a
P*ga.
Fica esa deapaaho a carga do Lotut, de Lisboa.
Dos braacoa riadas por cabe legara ha abun-
dancia e ficam esa apithia ; tambem a maior
pacte nao agradan.
15 de abril.
Cambio.Leedree 25 1(4, Paria 375, Hamaer-
o nominal. Rio de Janeiro pi r 60 a 90 diaa 3
|( 10 dia*. Peroambuco par 60 das, Bihia par
0 diaa, naoeda nacional 7 Oirj.
Frotes.Rio de Janeiro 400 n., Baha 500 rs..
Peroambuco 600 rs., Inglaterra couroa salgados
35 cha. 5 Oro, cinta nominal.
Rio de Janeiro 22 d: abril.
Cambio.Sobre Eondres 25 5i i por 1J0OO.
A plices.De 6 Ofo 94 94 l|t; ditas de 5
Ojo a 80 0(0 : e provinciaes de Idinae ao par.
AcQes.Do banco do Brasil i 70JQO0 rs. da
premio ; dt> banco Cbmmercia e Agrcola a 5f
idean,
Meltee.Oocas da patria a 3 k.
Chegou, procedente de P. rnambuco, a 12,
o brigue Encantador, com 16 dias de viagam.
Satiiram para Peroambuco: i 9, o patacho
Cssman; a 10, a barca americi na Unio ; eff,
daa dita Conrad; a 12, a barca Atrevida; e a
13, o brigua portugus Lutilani.
PERUUUCO,
ASSEMB11 LEGISUTIYA PROYISClAL.
GONCLUSAO DA SESSAO DE 28 DE ABRIL.
ORDEM DO Di A.
Continuacio da discuaso adiad do projecto
Q. 40 de 1881. que eleva i cathegoria de matriz
a ea pella de Santa Maria doa Aojos de Petro-
(ioa.
O Sr. Netto : Felizmente, sr. presidente,
questio sobre os direitos do poder temporal e do
peder ecclesiastico se echa terminada, e com
quanto ella me oflerecease una bella oecasiao
pira eMreer a tribaua em 101: e car reir polti-
ca, nao a aproveitel, porque j jlguoi sempre do
meu dever oceupar-me das materias mais uteis,
das materias de necesstdade m i palpitante e ur-
gente ; e de mais Ji tem passai o melado de lem-
po de nossos trabaibes- e nada temos feito. nada
concluido (Apoiados.).
Um aditamento ao projecto que se distute,
apreseotado pelo nobre deputado chele da tnaio-
ria ( Ob 1 Oh I) ; chele da malo ib na opioiao do
nosso nobre collega, o Sr. Araujo Barros ( Ah
iefe que quaato i min 6 bastante dig-
no, bastante ittustrado ; foi u n passo de mos-
tr, por quanto, inroirendo urna grande idea, foi
^presentado como a cousa a.a i simples, como
um aditamento qualquer ; o que me lera a erar
que se pretenda que elle pastaste desapercebi-
da mente e sem dlscussio, njra c ue duras verda-
des nio fossem manifestadas.
Senhores, um proiecto da U)'*qo da'W<*ii&
ptrace que uao lo importanl, cerno o da aau-
darca da sede de orna comarca, e de certo nao e
; e, pois, um semelhante neg: o deve merecer a
honra de ser determinado em um projecto, e nao
ser decretado em um simples aditamento como o
que appareceu, o que nao indict aenao urna tc-
tica das usadas sempre pelo nolire deputado que
o apresentou ( Ouvem-se diversos apartes e re-
di maco es ).
Mo houveessa dtscussao serie e precisa, que
de ve tia ha ver. Que o nobre deputado, o Sr. ba-
rio de IIuribeca nao tivesse tomado a palavra so-
aro esta discusso porjmoliros ruara mente politi-
ce*.....
O Sr. Bario de Muribeca : Como ?
O Sr. Netto : Posto mesen coaceder e acre-
ditar ; porm, que fosse levado por principios de
justiga-e equMade 6 o que conleito ; talrez fos-
eara alguos favores e deverea di emlzade.
O Sr. Bario da Muribeca di um aparte.
O Sr. Netto : -- Prometto-lhc que encararei a
questao, e apreciarei alguna dos argumentos do
nobre deputado.
Nada mais te trata do que cuma reforma, e
vos, senhores, vos .que sois oste: si va mente con-
servadores ( Reclamacges)......
Urna voz : Ostensivamente conservadores I
Oque elle quererdizer?
O Sr. Netto :...... nio podis deixar de con-
cordar comigo neste principio ce poltica ; que
sempre que ae trata de reformar urna idea, pre-
ciso mostrar, que a idea reforicadora esl& reves-
tida de mais vantagens do que aquella que se
pretende reformar. Logo, se so quer reformar a
sede de urna comarca, necease lio que ae prove
que o lugar para que se quer tr, nsforir melhor,
oiereca melhores vantagens de que aquello do
qual se transiere. E' tambem principio incontes-
iavel em materia dedireito, qi s aquello que faz
um pedido e allega a quem incumbe a prova ;
em todas, aa quealei civis ao autor 6 que compe-
te provar o seu pedido, e o leo s deve contestar
quaodo apresentam-se estas proras, do contrario
tica della dispensado.
Do doa argumentos apresentacios na casa para
se engrandecer Petrolina, foi qu< por aili pssaa-
va urna estrada que vem da provincia do Piauhy.
Ha engao, essa estrada vera apenaa de urna sim-
ples comarca do Pianby, nio \ estrada provin-
cial ; emquaoto que pela Boa-Vists passa urna
estrada por onde corre todo o commercio do
Ceari para a Bihia....
O Sr. Bario de Muribeca : l'jt mal iofor-
aiado.
O Sr. Netto: Eu tenbo da I s para provar-
Ihe o que acabo de dizer....
Urna voz: Vamos a elles.
O Sr. Netto : Nio os apre.; ato agora por-
que nao me contestam o que acabo de affirmar.
Um Sr. Deputado : Eolio Iti pars ao de-
poia.
O Sr. Netto :Ja mostrei qu'i a vos incumba a
prova, e aeelia tivesse sido a pros rutada eu a con-
testada, mas os argumentos que apresentastes a
casi nada tendo provado nio veje neeetsidade de
entrar em maiores deaenvolrimeEloa.
Seuhores por mais de urna voz ae tem aqui
apreseotado a idea de se transferir a sede dessa
comarca e de ambas easaa veza iietnelhante idea
tea aido derrotada. A primer i vez que disto
se iratou foi em 1851, a segund i vez em 1855, e
dae dittajatas ha vidas oestat o < asioes recooha-
ce-se a, aibilidade de Petrolina apeiado ).
Os deputadus, que tumaram parle contra nes-
ses debales, querendo mostrar o i diculo da pro-
lencie e a miseria de lugar decliaram que ella
apenas contara 11 anea rabea, aonde moravant
alguos poVree pescadores. Eiai lagar de tio
peuca importancia que criando i all urna ca-
.detra de inatrecsie primaria, lii lago removida
por superflua.
> Este estado de cousas, senhori:, tem se contar-
vado al hoja ( reciamaQes ); Petrolina anda
presentemente, nao tem maia di ;!0-e-tantas ca-
eiotaaaide palrn, eduas casas ce ) rtai de telhas,
eennado aa ioiatmioea que laida, recebido....
O Sr. Araujo Barrea : Eu i aho um altes-
iade de juiz de direilo que mn 11 proticuo para
prever a insignificancia deeae lu-< r. |
O Sr. Netto : Aqui esl um a.testado queme
acaba da offerecer o nobre dac j.ado palo qaal
ee v que o paroado. da Boa-Vista leas de 80 a
00 osas, que na comarca nao hi oatra lio lm-
porlsnte a que a reapello de Petrelina dtt.,.. Bu
peese a ler ledo o atlesladeqoe o melhor ; el-
lo (l):
c Atiesto ao primeiro qae o numero de casas
que formsm o povoado da Boa-vista excede de 80
em parta bm construidas, e em pnpulacio carca
de 400 almas: so tegundo c fra de duvida
ser o povoado da Boa Vista um dos qae < pffe-
rece maii vantagens para o asiento da villa e
enl todo o municipio < nentium outro povoado
exltta.qae ofleritja garantas. Xo terteiro, pela
revisto faite este ano na litis dot jurados cons-
ta ser de 70 o numero dos sapplentes; to qnarto
ponto que nio teoho ido so poveado do Joaieiro;
mas, segundo me informara, Ilraita-ae a armas
trlnta casas construidas de madelra, a edet-
vantajosa para ser o amanto da villa em relaci
admimettaeio da jastice, e fita em orna das ex-
tremidades do municipio,
c Villa do Ouricury 18 da marco de 1862;
Sis aenuorea, nma interaseeiie bem authentl-
ca, ntait pedaroaa do qae qualquer tnforraacio
qae poeta dar qealquer ntembro desta ceta, por-
qu,anto este jaiz da direito pertence a comarca o
dava estar kem iaormado des nagadoi della, e
coohecer tedas aa localidades qoiba* pertencam.
O nobre deputado fatlou de urna analyse deum
viajante que foi at a villa da Bea-visti, eque
lallou mullo do atraso em qae achou esta localt-
dade. Poeem, tenbores, este argamaato ole pro-
ceda porque aeria para desejar. qae esse viajante
echaste a villa em melhorea conuQes ; e quaodo,
mesmo o lugar da boa-vita nio offereaease a esse
examinador bastantes proporcjdea para que lhe
merecesse nana bella descrip?o, o lagar de Pe-
trolina ainda est eaj palores condic5es, porquSn-
to passou-lhe desapercebidamete, e nem ao ne-
oa servio -lhe para objetto de urna critica...
O Sr. Baro de Muribeca :E esta I
O Sr. Netto .Kssa transferencia, senhores, nio
pede nao deve razoavehneate ter lugar porque
ella e feite contra a vootade dos povos daquella
localidade, osquaesse oppoem a ella...
Um Sr. Deputado : Pete contrario exlata-at
na casa am pedido de todos os habitantes d'alli
para qae se faea essa transferencia.
O Sr. Netto: O juiz de direito di esse ates-
tado qwe aeatra de ser lido, s cmara municipal e
ostras autoridades se oppoem acertamente e re-
preaentam contra a transferencia, e ainda je nos
vem diier que todos os habitantes d'alli a pe-
dem I
Ora, senhores, quaodo a cmara municipal pe-
de urna cousa qualquer, da>e se entender qae
esse a ventada do municipio...
O Sr. Araujo Barros : Porque a cmara re-
presenta o municipio.
O Sr. Netto :Senhjres, se esta circunstancia
nio bastante...
Urna Voz :Nao.
OSr. Netto:Ser porque talrez seje bastante
caprichosa a opinlio do nobre deputado, e neste
caso i servira pedir e morar os sen limen tos...
Um Sr. Deputado : Vamos agora ao pathe-
tico.
O Sr. Netto:Pedir ao Exm. Sr. Baro de Mu-
ribeca que pelo seu carcter justiceiro, pelos seas
actos mais ou menoa inclinados a opinio publi-
ca, aiods desta vez nio d urna prova contraria
ao aeu louvavelcomportamaoto...
O Sr. Bario de Muribeca :Qada vez fleo maia
firme em nteut*principios.
O Sr. Netto :Ainda me dirigirit a alguna oo-
troa collegas a respeilo dos quats vejo mais en-
raizados os caprichos...
Um Sr. Deputado : A deciaio nio tam de ser
tomada por capricho, e sim dirigida pelos bona
argumentos.
O Sr. Netto : Combato pele lado da intetlt-
gencia, trato do capricho e do sentimento, a de-
pois...
Um Sr. Deputado: S a bala, nio 1 (Rito.)
Outro Sr. Deputado:Nao preciso.
O Sr. Netto: E quaodo pelo lado da intelli-
gencia a do aentimeoto nada se faz, nada ae al-
canza e o capricho persiste, s as vias da fado...
(Riaadas. Muito bem.)
Mas oeste caso extremo, eu confesso qae seria
infallivelmente derrotado, at mesmo aniquila-
do...
O Sr. Araujo Barros:A' vista de urna batera
tio bem servida. (Riso.)
O Sr. Netto :Depois, senhores, do que ante-
riormente tem havido acerca deesa transferencia,
eu nio esperara que della se tratasse por aeme-
lbante manelra, al meamo sem ter sobre ella
sido ouvido o Sr. bitpo, enem o presidente da
provincia...
Um Sr. Depolado: Para a mudanza da sede
de ama freguzia nio neceasario ouvir-ae res-
ees autoridades.
O Sr. Netto: E* verdade que essas informa
?oes podlam ser dispensadas emquanto aoExm.
bispo diocesano, porque urna freguzia acaba de
ser creada em Petrolina.
(Trocam-se apartes entre os Srs. Araujo Barros
e Souza Reis.)
O Sr. Presidente :Atteocio, alten^io.
O Sr. Netto :Sr. presidente, como argamento
nenhnm valioso se apresentou para juatifior essa
transferencia, como nao se provou nada. (Recla-
macea). Porque a nica razio de vantsgem que
apresentam os nobres aeputados haver urna
simples igrejinha do lugar de Petrolina, o que lhe
di taota importancia que faz com que para all
te trantfira a sede da comarca, declaro que an-
da seesqueceram os nobres deputados que acha-
ae multo perto d'alli apenas na margen) opposta
dorio col I oca 1 a urna villa importante da Baha,
e val se fazer com que flquem mui perto uns dos
outros dous juizes dedireito, dotsjuizes muoici-
paes, dous promotores.
Um Sr. Deputado : Isto o melhor.
O Sr. Netto : Se conveniente haver mai-
tas autoridades dessas por aquellas localidades
entio seria coaveniente cria-las tambem na Boa-
Tltl.
Pedi a palavra, Sr. presidente, para manifestar
essas ideas, que tenbo expendido, embora sou-
besse que bem podia dispensar-me dellas. porque
a questio era de, capricho e nio de conveniencia,
sement para mostrar ao publico que nio pactuei
com esse projecto.
Teoho concluido.
O Sr. Bario de Muribeca :Dapois de agrade-
cer sem aceitar por considerar irnicos os elogios
que lhe acabara de fazer o antecedente orador,
procura destruir as proposites emittidas pelo
mesmo, e provar-lhe que argumentos serios e
informscoes importantes foram apreseotados
em relacao a materia que oceupa a atteocio ds
casa.
O Sr. Netto:Senhores, nio podis deixar de
votar contra o additameoto por amor de vossa dig-
nidad e, de vosso carcter. O que disse o nobre
deputado, o Ezm. Sr. Bario de Muribeca ? Nada
absolutamente trouxe para a casa o seu viajante
sera carcter oQkial, sem aulortdade, sem carc-
ter aatheotlco ; e para defender esse viajante o
que fez ? Pez em duvida a palavra do juiz de di-
reito, pez em duvida o ter sido desfavorave[ a
essa idea esta osa por duas vezes, pez em du-
vida a representarlo da cmara municipal da
Boa-vista, e tudo isto para transferir a sde'da
villa para esse ridiculo povoado que nio leve um
alumno para frequeotar a escola publica.
Maa emflm, senhores,precisoduvidar deludo
para se chegar ao resultado de um interesse po-
ltico de algum amigo do cobra deputado. Eu,
pois, senhores, por amor de vossa propria digni-
dad e jolgo que deveis votar contra o addita-
ment.
O Sr. Lucena : (Nio devolveu seu discurso.)
Verificando-se nio haver casa, arequerimentol
do Sr. Souza Reis, procede-se a chamada e nota-
se terem-se retirado os Srs. Pedro Affooso, Luiz
Felippe, Cuoha Fgueiredo, Arroda Falcio, Lopes.
Sania de notoriedade publica, o fallecimanto
do depatado elailo a esta amaaaUaa pio 5*
districto, Dr. Antonio Baptista Giliraoa Costa, a
commissio ds constituicio a podares de pare-
cer qae se offlcla a preetdeocia da provincia, para
mandar proceder a eleicio de ata deputado pare
preeochimento da vaga deixada na caa palo
failestdo.
Sala dan aommitaoet, 29 de abril de 1861.
Barros BarreteSouza Reis.-C. Feoelon.
ncevapowdee autra'eui diecocaio o segeinte
requerimante :
Requeiro que se peca ao presidente ds provin-
cia os documentos tem qae o Dr. loie Jos Pin-
to, instraw a aua patlco par ser aposentado
na lugar de medico docollegio dos orphaos bem
como copis do titulo com qae o mesmo Dr. Pin-
to servs aquella lagar, e dasioformaedea das
reparticoes e autoridades que foram ouvidee sobre
t mesma aposentador!.Bario de Muribeca.
Depois de ligeiras obsarva^das feitaa pela
ordem pelos 9ra\ Laceas e bario de Maribeca
encerra-se a diseuesao e o requaaimenio potto &
rotot a p pro vado.
(Contintaar-ie-Aa.)
REVISTA DIARIA-
e Amaral.
0>-. Presidente designa a ordem do da e le-
vanta a sessao.
SESSAO EM 29 DE ABRIL DE 1862.
Presidencia do Sr. baro da Vera-Cruz.
Ao meio dia feita a chamada verifica-se haver
numero legal de Srs. deputados.
O Sr. Presidenta abre a sessio.
O Sr. 2* Secretario l a acta da antecedente
que approvada.
, O Sr. 1 Secretario menciona o segrate :
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario da presidencia parti-
Oeceeou-se a assembla provincial em aua
sessio de hootem com o perecer da'commissio
de constituicio e poderes, acerca da aposenta-
doria do escrivio da eoHectorie de Ohada, sendo
afina! approvado o mesmo, e regsiiado\m re-
qaermento de adiamanto.
Em segnida oceupou-se do projecto n. 3, que
crea urna freguzia em Cruangy.
A ordem da dia do hoja contina a-ser a an-
terior ceja addiccio do projecto da larca policial
e proj tetar nio aencefonadee.
Terminen hoatem o acto do concurso que
se procedia nataaaaeraria provioeral para preen-
chmenlo di vaga que dA-se all de um tegundo
escrinrarasia.
A prova que du<-se loi a. ds eseriptarsgio
commerdal, cuja arguicio excedeu ao exigido
pele artigo 34 do regulameoto respectivo ; por
quanto consagrando eats qae aquella saja aobre
principios pene de emripeuraco por partidas
dobradeu, forana noeodrettwito dadla trae parti-
das de jMcalienaWes da tketomaria dhfaxen-
da ; ej qae e se atfra- na comprehensSo do re-
ferido artigo, e por conteguiote urna verdad ei-
r aorprera aos concurrentes, a o passo que nao
pode tradnzir-se por ignorancia delles s nio sa-
tiafaco a ellas.
A exiguidade numrica de nosso claro, a
qussi nenhama obediencia que elle prests sos
prelados, faz avallar a neceisidade do restabele-
cimento des ordena religioaas, que postaimoa
hoje quasi que s em nome.
Oeste restabelecimento resultar servido i
Dos ebem-ao estado.
Ao passo que essss orden religiosas nao pe-
sara ao goveroo e neohuaf onoeihe acarretam,
dio pelo contrario fructos de vantagena recoohe-
cida ; equando emcrisesde peste, coreo a ac-
tual, nao se pade obter nos sacerdote aacular,
mesmo por intermedio do diocesano, aflm de ir
acudir ana empestidos com a palavra de Dos,
o claustro em aeu silencio os fornece, e nio ba
respeitoshumanos que os demorara de cumprl-
mento do seu mioisterio.
E* este por certo o mais eloquente argumento
daquella neeessidade.
Alm disto, mesmo no centro das cidade, sao
essas ordeni de utilidade reconhecida. A pepu-
lagio da preferencia raaorra aos conventos para
o sacramento da penitencia, da modo que o re-
ligiosos era sea mioguads numero actual.mal
podem dar venclmento ao grande numero de
fifis, que procurara o conforto da sagrada Sa-
cha rislia. Maa ainda assira, esse resto da velha
guarda da religiio nio se deixa vencer pelafadi-
ga ; ezgota-se, mas nio se dobra ao excesso do
trabalho.
E a essea servigos quaes os inconvenientes que
se posssm oppr como contraste e negaco do
restabelecimento das ordens religiosas ?
A sua ioutiiidade ? Nio, qae prova ah est
de modo irrecusavel.
iA r,e!aSio de costme? Tambem nio, porque
tato alm de commum, pode ser prevenido pela
reforma do iostituto nessa ponto, ou pela regra
fielmente observada, como cumpre s lo.
E, pois, chamamos s atten;io dos poderes do
estado para estas considerarles, aflm de que una
providencia appareca no sentido de consagrar o
restabelecimento indicado.
-.Foi reformada ao mssroo potto o StVCapl-
lao da sotigs'guarda nacional do batalhao do Po-
so da Panella, Francisco Gersldo Moreira Tem-
poral.
"~ Acha-se nomeado o Sr. capillo Antonio
Vctor da Silva Vieira, segundo supplente do de-
legado de Caruat.
Amanhia comecam oa-exercicios do mez
Mariinno, a que muito di-ao a noss populacho
em seus sentimenlos de eatholieismo.
A' bordo do vapor Paran, veio o nosso
amigo Dr. Francisco Ferreira Corra, mui digno
fllho da Faculdadede Direilo desta cidade,. a que
entre nos sempre se distingui na repblica das
letras. S. S. demorar-se-ha algum tempo aqu,
onde velo acompanhar aeuirmao e visitrseos
amigos- e paremos. De nossa parte rendemos-
lhe os verdadeirot emboras da amlzade, por sua
prospera e feliz viagim.
Consta-nos que a companhia lyrica do Sr.
Marioaogeli tem soffildo, spos o ultimo espect-
culo, da ebre amarella, echando-ae j lirresde
perigo a prima-dona e o bartono que canlaram
aabbado.
A sigo otee nossos ds cidade de Areias, ni
Parahiba, nos ioformam que ainda all s tere-
cebe o Diario urna vez por mez, quaodo da ca-
pital ha correio regular todat as tamaas I I
O Sr. Victor Lieuthier, enria-oos o seeuin-
te, acerca do quanto disse o nosso commuoican-
te de Pi d'Alho :
< Sr$. redactores da Revista Diaria.Como
eogenheiro eeearregado da estrada de Pi d'Alho,
corre-me a obriga;o de respooder, em satisfa-
cio ao publico, ao artigo Inserido em a Revista
Diaria de 29 do correte aasigaada pelomor-
cego.
Esse Sr. morcego falla sem conhecimea-
to de causa ou com o proposito firme da fa-
zer pesar tabre mim a retponsabilidade do mi
estado em qae se acha a estrada de Pi d'Alho,
como passo a demonstrar.
A conveniencia de urna ealrada ainda nio
foi eslabelecida porsystema aigum depois que
se ndou o ultimo contracto da arrematago, por
alada nio seachar reaolvida pelo goveroo questio
que existe entre o arrematante e a repartiQo daa
obras publicas acerca do mi estado em que elie
deixou chegar a referida estrada.
a Entretanto ha pouco* dias, para que o traa-
aito publico nio soffresse iolerrupeio, ordenou-
me o Sr. director das obras publicas que eu mao-
dasse fazer algans reparos que fosietn mais ur-
gentes, e que efleclivamente se tem feito a con -
tinua-se a fazer.
a lise v porlanio, que omo estado, em que
jiz eestrada do Po d'Alho, nio devldn a re-
partcao das obras publicas, o ainda menos a
eogenheiro della eocarregado.
c Recite 29 de abril de 1862.
c Vctor- Lituftitr. a
Bis o centesimo dacimo-nono
Boletim oficial.
c Em am offlcio de 17, dirigido de Barreiros
ao Sr. Dr. chefe de polica, e por este traosmilti-
da i presidencia da provincia, communieou o de-
legado em exercicio, Francisco Santiago Ramos,
que o commaodante do descmenlo dessa villa
Ihetioha participado ser verdadeira a noticia de
haver sido accommattida pelo eholera-morbus no
'dia anteoadente a preta Antonia Mara da Con-
cedi, residente na villa d'Agua Preta, que tlnha
ido all ver um preso, e eonclue dizendo que, nao
obstante ter ettado no-periodo lgido dava espe-
ranzas de restabelecimento.
c Em um offlcio de 28 do crtente, dirigido da
freguexia do Poco da Panella i presidencia da-
provincia, trsnsmittio o cirurgo Francisco Jos*
da Silva a nota das pessots fallecidas do chole-
ra morbos nessa freguzia de dia 1 i 24 este
mez, elevaodo-se o numero de onza; a disse que
elle nao liaba sido chamada para ver e raceitar
jas pessoar mencionadas nesss nota.
Em um offlcio de 28 do crrente, dirigido da
dos no dia28 eaf perigo da vida, e que fra da
villa, priaciaalmenie am seae-sujfeutbias, o mal
tioha feito' multas vfetimas, aereltando por iato
que progradia em seus tilragos.
< A't 6 hora da tarda de 29 de abril de
1862.
c Dr. Aquino Fonseca
naptarigio na polica.
tExtracto ds arta do dia 29 de abril),
oram -recolhidot i casa de de tenca o no dia 28
da correte:
* A< ordem ae Illm. 8r. Dr. chafa de politia,
Antonio Maaoel de Mallo, pardo, da 65 aaaas,
sapaleiro, vindo de Muribeca, como criminoso
de mor te.
A' ordem do subdelegado de Reeife, Domingos
de Jess Pereira, parda, de 29 aanos, ferreiro,
por crimede ferimeeto, eo Africano Joaquim, de
30 annoa, remador, eacravo de Manoel Jos Pa-
tricia, 4 rtquiaicio daate.
A* orden do de S. Jos, Manoel Francisco da
Silva, branco, de 25 anana, pedreiro ; Beroardino
Goncalras da Silva, tambem branco, de 19 aonos,
caixalro: os pardea Lutz Antonio de Naaciatento,
da 41 annoi, aapateiro ; Alexandrina Maria do
Espirito Santo, de 19 auno, eegommaeeira ;
Joaquim Jos da Costa, de 23 aonos, carpina, e
Antonio Francisto da Silva, de 50 annos, sapa-
leiro, todos por briga, eeteade o ultimo embria-
gado.
A' ordem do da Boa-Vista, a crldula Bernar-
da, da 25 annoi, anommaeira, eeesava da Anna
da Reg Barres, por aaapetu. da eatac lcida.
A' aedem da da Varzaa, Jote Barreito da Santa
Anas Jnior, crloulo.de 21 annos. qae viva de
agricultura, per crime da estupro.
O ebefe da 2' seceso,
J. G. deMesquita.
, Passageiros da vapor^Craxeiro do Sul rio-
do doa portot do tul: Exm. presidente para
etta provincia Dr. Manoel Francisco Correia, aua
eohora, 2 ulhot, Sesera vos e-2 criados, Dr.
Francisco Ferreira Correa e 1 eteravo, D. Maria
Luisa de Fgueiredo Carneiro de Miranda, 1 cria-
da com 2 liaos e 2 escraros, commendador An-
tonia Gomas Netto, capillo tenante Francisco de
Mirands Rrbeiro, Aotoaio Cea Sanios Vieira, Ma-
noel Viairede Aguiar, D. Fetiatane Maria do Es-
pirito Santo. Marcelino Josde Brillo, D. Maria
da Coneettae, Jas Joaquim do Moraes, James
Kerkham, Felippe Frilh Niedham, Jos Heodes
de lima, padre Padre Joa Carlos. D. Anna Mara
de Jess, D..Mara Leopoldiaa da Silva, Antonio
Martina de Miranda, Dr. Jas Torquato de Araojo
Barros al criado, Luis Brrelo Correia de Me -
nezes, Jeio Evangelista de Souto Maior, Fren-
cellino Pereira, Joa Ribeiro de Campos, Gindido
Jos Pereira, Miguel Jos da Silva, Manoel Bap-
tista da Silva, Jos da Silva Barretto, Manoel da
Silva Lea o, Jos Guedss Nogueira, 1 prese de
justica, 2 pracas que o aaeoitara, Sdeaeriores e
4 pracas do ecercito, i voluntario e 1 escravo a
entregar.
Seguem para o norte :
O Exm. presidente do Ceari Dr. Jos Beato
da Cuoha Fgueiredo Jnior e 2 criados, Jos
Pereira Pasaos. Isidoro Antonio de Araujo Silva,
D. Francisca Generosa de Castro, 1 menor e 1
criada, Suporcio Francisco da S. Bernardos, ai-
res Antonio Monteiro Baeno, D. Brittes e 32 pra-
cas de eiercito.
Passageiro da biate oacsoaal- Vteoiao sa-
ludo para o Aracaty : Melchiades da Costa
Barros.
Passageiros do brigue nacional Velos sabido
para o Rio de Jaoeiro: Manoel Gomea Honhan-
c.a, Antonio Jos Ferreira e 8 esernros a en-
tregar.
Mo'imento da enfermara da casa dedeten-
co do da 29 de atril de 1862.
Tiveram baila para a enfermara-:
Joaquim Jos dos Sao toe ; iatermitente.
Joa Mathias Ferreira : chsga.
Jts Francisco deMoura : febre.
Manoel Ferreira de Azeredo ; cholerna.
Abrahio, escravo de Francisco da Costa
rloa.
Tiveram alta da enfermara
Manoel Luiz de Franca.
Manoel Antonio Sobral.
Matadouro publico.
Mataram-se para ocon9ummo desta cidade no
dia 29 de abril, 94 retes.
Obituario oo oa 29 na abril, mocehiterio
publico :
Francisco Jfathias Jos da Silva, Pernambuce,
24 anos,, case de, pardo, Boa-Vista ; cholera.
Joao Gylo Augusto de Araujo, 26 aonos, caja -
do, S. Jos ; cholera.
Martanna, frica, 60 anooa. pret, Santo Aoto-
nio ; cholera.
Francisco Antonio Gomes, Rio de Janeiro, 28
aono, solteiro, Boa-Vista; pneumona.
Antonia Maria, Peroambuco, 55 annos, solteira,
Boa-Vists : gastrite.
Thom Francisco da Rocha, Poco da Panella, 38
annos, casado ; tubrculos pulmonares.
Fraocellioe, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista ;
ttano.
Anna hidra de Almeida, Peroambuco, 51 annos,
casada, S. Jos ; gaatro interite chroaico.
Felippe, frica, solteiro, 27 aonos, Rectf, pneu-
mona.
Isabel, frica, solteira, 78 annos, eserara, Boa-
Vists : febre perniciosa.
Maria Luisa, Peroambuco, 36 anoos, solteira,
Boa Vista ; ataque cerebral.
de'um anno de prisio aimples e mulla correepon- >oer para o meta aa* lalriali -- ._,
denle i melada do lampo, bem como nanee as --- ? ser era-
cipaodo que a Exm. Sr. Br. Maooel Francisco i villa do Cabo i S. Exc, communieou o delegada
Correa, preaidente nomeado para esta proviocia
preitar o juramento do estylo as raaos da pre-
sidencia da assembla; amanhaa a-urna hora da
tarde.Inteirada.
(Im requerimeolo da masa regadora da irman-
dade de N. S. da Conceicio da Congregaeao deata
cidade pedindo preferencia pare a extraerse das
loteras que lhe foram concedidas A' commissio
de poderes.
i- ajjBi desenvolvida pelo 9r. Ur.
-'! ^IeaatTO de-Acevedo.
da polica, Joio Goacalvea Baceltar, que Infeliz-
mente o cholera morbua noa tres ltimos diaa ii- Seguem-se os debates,
nha se destovolrido nessa villa com maior inteu
simada, eque do dia 25 at hora eos que ea
crevn eme offlcio hariam. auceumbida all tres TaaiManii
pessoas, ficando algumas am tal'astado'qae* tal
vez nao ae podessem salvar; o communieou mais
qae nos dous ltimos dias o Damero dos accom-
nettidos tioha sido muito maior do que nos
' lido e approvaio o seguate requerimento : dias anteriores, achaodo-ae quasi todos os ataca-
chola-
CHRONICA_JUDICIARIA.
Tribunal da Relacao.
SESSAO EM 39 DE ABRIL DE 1862.
PRESIPENCIA DO EXB. SR. COKSELHEIRO ERMELINO
DE LBAO.
A's 10 horas da mauhaa, presentes os senheres
desmttarrgadores Caetano Santiago, Silvelra, Gi-
tirans, Lourenco Santiago, Motta, Perelti, e
Ucha C'valcaoti. abrio-ae a sessio.
Habeas-corpus.
Fui proposta a policio em que Alexandre. Pe-
reira daBrito requeren urna ordem de habeas-
corpas, que lhe loi concedida para odia 3 de
maio vindouro, em sessao, is 11 horas do dia,
ouvida a autoriade competente.
Foi propaata igual paticao de Manoel Jos de
Siqueira Pitanga, pedindo ordem de habeas-cor-
pus, que lhe foi concedido para o mesmo dia,
ouvido o chefe de policia.
Encerrou-se a sessao as 11 horas.
JURY DO RECIPE.
2a SBSSO.
Dia 29 de abril.
'RESIDENCIA DO SR. DR. JLIZ DE DIREITO DA 3E-
GCNDA VARA, MANOEL I0SE DA SILVA NEIVA.
Promotor publioo-, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dina de Guarni Lobo.
Bscrivo privativo, o Sr. Joaquim Francisco
de Paula Stteves Clemente.
A's 11 horas da manha, achando-se presen-
tes os Drs. jcrlz de direito e promotor publico, o
escrivio procedeu i chamada e veriQcou estsrem
presentes 42 juizes de facto.
E' aborta a sessio.
Entra em julgamento o processo em qae reo
Joio Flix da Costa, pronunciado como incurso
no art. 201 do cod. crim. em 10 de maio de 1861,
pelo subdelegado da freguzia de S. Fr. Pedro
Goocalves, o Sr. Antonio Gomes de Miranda.Leal,
sendo confirmada a pronuncia em 28 de oatubro
do mesmo anno pelo Sr. Dr. Francisco de Araujo
Barros.
0 reo acensado por haver feito feriment leve
na pessoa de Angela Maria da Conceico.
Eotrando-sa no sorleiamento do cooselho de
seoteoca, sao sorteados os seguintes Srs. juizes de
facto :
Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
'Elias Fraocisco Miodello.
Joao Xavier da Fonseca Capibaribe:
Francisco Antonio da Silva Cavakantl.
Jos Francisco Pires.
Jos Thomaz de Aguiar.
Manoel Juvencio de Saboia.
Thomaz Carneiro da Cuoha.
Augusto Palor Cesar.
Augusto Cesar da Cuoha.
Fraocisco de Paula Borges Ucha.
Joao Luiz Victor Lieuthier.
Deferido ao cooselho o juramento dos Santos
Evaogelhos, proceder i lettura do processo. e
o reo passa a ser interrogado.
sendo a defeza lucida-
Francisco n-
denle i melada do tempo, bem como pagar as
costas et-causa.
0 advogado do reo, pedindo a palavra appella
da aeoteoca par o superior tribunal da relacao,
raqaerendo que ae tomaste a appeilecio par ter-
mo nos autos.
Levaota-se a sessio is 8 i/2 horss da tarde,
sendo adiada para o dia 30 is 10 horas da ma-
nha.
Correspondencias.
Srs. redactores.Ha seis snnos incompletos
fui nomeado collector do termo da Escada, a exer-
ci este lugar ateo dia 15 do correte mez em que
fui demittido repentinamente. A communicagio
que reeebida thesoararia defazeoda, nio me de-
clara o motivo da demissio. Requer hoja ao Sr.
inspector da theaoararia de fazeada, que me de-
clarssse o motivo porque fui demittido. eo despa-
cho qae tive foi o seguiote :darei a razio do meu
procedimento i autoridad superior, qae m'o
exija.
O fiador da minha respontabilidade pecuniaria,
o Sr. coronel Francisco Antonio de Barros e
Silva, que nunca pedio para ser exonerado dessa
flanea.
Sempre recolhi, oa mandiei recolher os diohei-
ros por mim arrecadados, nos praxoa legaea : tan-
to asslm qae nunca paguei jaros de iadevida da-
tencio doa dinheiros pblicos, nem perdi jimaia
a mioha poreeotagem, o que alies, pelaa leis da
fazeoda deveria ter lido lugar, sa por ventura da
mioha parte houvessa fslta ou culpa. No exer-
cicio dos outros deveres do meu cargo, tambem
nao comtneiti iofricgo oa amissio alguma, por-
que nanea- foi advertido, admoestado, ou sus-
To.
visto portento, qae s miaba demissio pre-
veio de rszes oecnltat, e nao motivos que eu
desse : o despacho do Sr. inspector, mostra que
elle nio tere motivo neohum legal, qae me des-
abone, para demitt'r-me, porque se o tivesse
m'o teria declarado. Osea aeacio e occullacio
do motivo, quer aa communicacao que me fez,
quer no despacho que deu ao meu requerimento,
provam com evidencia que nada de deahonroso
ha na minha demissio. A thesouraria defazeo-
di nio me quiz mais como sea collector, apezar
de ter dado bom fiador, e recolhido oa dinheiros.
em dis. Biti am sea direito, em proeursr ou-
tro agente.
Maa eu tenho amigos, a quem devia, e ao pu-
blico a declaradlo ou explicacio da demlasio que
recebi : para estes que estrevo'aa preaentea li-
nhaa, aflm de ficarem scientes de que ella foi
mero acto de vootade do meu superior, sem ra-
zio conhecida. O documento abalxo mostra a
verdade de quanto expoho, porque nelle nada
se diz qae possa offender se quer, de leve, a mi-
nha repntagio de fuoccionario publico.
Rogo-lhes, Srs. redactores, a pnblicacao pa
presente correspondencia.
Francisco Pereira de Lira.
Recite 25 de abril de 1862.
DOCUMENTO.
N. 51,-0 inspector ds thesouraria de tarenda
de Pernambuco, tendo demittido nesta dan o Sr.
collector da villa da Escada,Francueo Pereira de
Lira, lhe ordena que entregue immediatamente
ao reapectivo escrivio, ABteoio Torquato de Al-
mejda, todos os livros o papis pertencenles i
collectoria ; e que quaato aotea recolha a esta
thesjurara o dinheiro que tiver em seu poder,
proveniente dos rendiments ds mesma csllec-
loria.
Thesouraria de fazeada de Peroambuco 16 de
abril de 1862.Joio Baptispta de Castro e Silva.
Srs. redactores.Teoho visto que, a retpeito
de ama projeclada di visa o da fieguezia de Sania
Maria da Boa-Viata, do sertao deala proviocia, ae
tem agitado pelos jornaese tambem na assembla
provincial urna qeestio, que certamente nao exis-
tira, ou nio teria aurgido a nao haver erro, ou
alguma reservsda intencc da parte daquellea
quea aastentam contra a dlvisao propoata na as-
sembla.
Os dous pontos letigiosos, sao, segundo de-
prehendo do que teoho lido : primeiro, nao ser
a povoagj de Petrolina maia consideravel e im-
portante do que a antiga vitla da Boa-Viata, de
modo que se justifique a projectada transferencia
da ade da villa ; aeguodo, ficar a ilha do Pon-
tal tres leguas abaixo da fez do riacho do meamo
nome, de onde ae quer concluir que na divisio
devora a mesma ilha ficar perleocendo i antiga
e nio i nova fregaezis que te pretende crear.
Ora, quanto ao primeiro ponto, basta atteoder
a que a villa da Boa-Vista, creada deade 1838,
nao tem crescido so. quer na diminuta proporcio
de urna casi por anno, e oem pode augmentar
ltenlo a sua situacio topographica, e que a po-
voaeao de Petrolina ca situada i margena do rio
do S. Francisco, defronte da villa do Joazeiro da
Baha, centro a que convergem diversas estradas
reaea, mrmente a grande arteria de commuoica-
co das provincias do Maranhao e Piauhy com
a da Baha. Esta povoaco nio s asis
farta, mais consideravel e populosa do que a
antiga villa da Boa-Vista, mas est alm disso
em coDdices de ter maior desenvolvimiento. E
sirva ainda de prova de que a antiga villa nao
um lugar commodo, e que quasi todos os juizes
nomeados para a comarca daquella nome tem f-
gido llalli, iodo uns residir em Petrolina. outros
em Ouricury. Neste numero entrara os Srs. Drs.
Alexandre Bernardino Idos Reis e Silva. Joaquim
Pedro d Cotia Lobo, Joao de Souza Res, Joao
Fraocisco da Silva Braga, Francisco de Faria Le-
mos. Laceria, e ultimameute o actual juiz de
direito Dr. Buarque. O proprio juiz municipal
do termo Joa Rodrigues do Passo Jnior oio
pode tolerar a moradia oaquelle lugar e foi obri-
gado a pedir a sua demissio.
Quanto ao segundo ponto, cumpre atteoder a
qae a caria, a que se soccorrem os antagonistas do
projecto de divisio, contera muilssimaa inexic-
lides, sendo urna deltas a situadlo da ilha do
Fontal, que por ficar quasi frontera ao riacho do
mesmo nome tomou aquella desigoacio. Nio
pois exacto que fique tres leguas abaixo da fz
do riacho, e nem ae poda justificar por este modo
a sua iocorporaco i antiga freguetia.
Sa for neeessaro tratarei com maia desenvol-
vimento destes pontos, a respeito dos quaes estou
em circumstancias de dar esclarecimentos.
Sou com a devida atteocio seu etc.
Srs. Redactores.?) -No da 27 de abril de 1861
pedi por escriplo ao subdelegado, o Sr. Manoel
Ferreira Anlunes Villaca, q"ue elle sollicitasse do
delegado, o Sr. Dr. Amsro Jeaqaim da Fonceca
e Albuquerque a minha exonerarlo do lugar de
escrivio da subdelegada de Santo Antonio, por
oio me ooovir mais ser escrivio de policia, o
que cnegou ao connecimento do entio chefe do
policia, o Sr. Dr. Tristio d'Alencar Araripe, e
que por muita attenjao ao Sr. Villaca e nio ha-
ver de prora po naquella oecasiao quem me subs-
tituste, achando-me eu munido de diversos pro-
ceasos da subdelegacia e da reparlicio da policia,
deixei de ficar oaquelle tempo exonerado, mes-
mo porque o Sr. Villaca me fez a honrare de-
clarar-me verbalmeote que, em quanto elle es-
tivesse em exercicio, nio pedia a minha exonera
cao,porque eslava comigo acostumado, gostava do
meu servico, finalmente nio quera servir com
outro de quem nio tivesse tanto conhecimeulo e
eonfianca. Asslm continu! a servir tal lugar, em
vista de tanta honra qua o Sr. Villaca me tribu-
tara (que muito me eocbia de glora ) ; entio au
diste ao Sr. Dr. Tristio Araripe que conliouava
no exercicio, e este Illm. Sr. ( a quem sou muitu
e muito obrigsdo pela maoeira por que sempre
me tratou ) me disse que eu oio podia ser exo-
nerado sem haver quem me substituase, e qne
anda assim.e* acabaste o processo ou processos
fqu-i esta varo em meu podar renettdos por elle,
e tambem dttse ao Sr. Villaga que, visto eu ha-
ver pedido demissio a oio querer mais servir,
serprocuraase quem me substituste, o que foi
cito.
Netle lolerim larga o Sr. ViMaes n
di por te atanr anees, a pana aa
detta cargo aa aapaatati, o Sr.
da Jetea Jarrtor. Ainda tmr
mais de mez, ato qaiz reaseaaesr
o Sr. Dionisio ceatiaaow
Sr. Maooel Antee da Jeeet
diztr, qae antes da Sr. fjaaaat
ea exercieta, ai lar com
bem eotratae em exercicio.
te detejo a contigo sera
lendo da ir para e aalte alie p4ia
Bealinndo-ae o exercicio do Sr.
com o Sr. Dionisio, araboa Acarea lie fritrraaj
mate qae per mais de una vea a Sr.
Antonio ate diste que ettava ataila
o Sr. Dionisio ( a nea era de
trario, porqae na realidada e Sr. Heate 4 I
moco e pelo meoot nada aa cenata ajee a fat
aooe). ^^
Patsoa algua teape, e en per caaataan ce eea
amigo a quem muito eece, poraae ataBjeiea
tem detejado e mee bem. aaaamaanat tan mm aV
Manoel Aetoeio, ditae-lke qee eataea
para entrar ea exercicio 4a atea eenfu.
immediatimeote reaaMaie-ae eo lear e
occatiio tornon a gaber e Sr. Dieei
que ae nio fosee en e reenvi, qee ter
conttnnaria a servir tem e Sr. iheeaate de
maito tinbt gosiado, acereeceataode ana
gottava de atm e qee, leage de ate
demittiodo-ae, coaaervave-ae; ate |
por miaba vootade en qnizeeee destar e lear a
elle eiti veste em exercicio, nenfeom ira7 mas
sua vootade) aoria neMeade seae e Sr.
no. Estivo coa o Sr. Maaeet Anleaia aa
ci, qae, oio obstante seachar
nido comigo ( amor e aaodsde de Sr. I
aflnal conheeeodo-me meHior dea
htm, e al har eataatue aeite ae
ponto do ella per aais de tai tea
honrado coa os sena ofBcieeet gsbee.
Appareceu o decreto manda o Je aee c
vamente os escriviaa da aee, etc.. nreesi
bem escripturas 4a vendas da eacravee.
vtndo-me mais este servido de qee e da aaaan
legaca, da comuna accorde cea e Sr. tjaaaci
Antonio dei parte de dnete, % eatreei para iata
ria mete me tubatilair e Sr. Dintete.
Nio pudendo e nem deveado aaatanaaaa a asi
oba parte de doeale, tiste cono ea eataea ea
eiercicio de escrivio da par, baveed* re awr
maia da aaa ves dito ae Sr. Mease! lalmst de
Jmus que oio querli m.is eelrar ne esemete. da
officio da escrivio da aua-ietegaeia. per ataa aa
convir pastar escriplaras da vendas da licitaos
porque mais gtobava eot retaca ae awaadsaaaas
servico da policia, fui no daa 21 4ate atea_eae-
oerado de semelhante erw:, ceete
cou o Sr. Maooel Antonio aa deu fir
23 deate mez ; agora, porm, qae veje ea ;<-
vxsta Diaria de hoje (24 da abril ) a de*taracee
simplesmante da aiaha demttse acoeteoelteea)
de elogtot ao noaeado Sr. Dionisio ( se awa ave
francamente digo que tenho elle cono aeveeeder
de taes elogios ), e para evitar o alo jaiz ae
parta daquellea qua neo me coebecareat. declare
que fui dispensado do oficio de eacrivae de aao-
delegaciatda freguzia da Sint > Antonio do Be -
cife por oio ae convir maia servir tal emprea,.
pelo menos nests f estoo. ese asir oio re*-
pooda o Sr. Miaoel Aolonit ae Jetee jesar
subdelegado em exercicio, que loi qeea exiga,
minha exonerado do actual Sr. Dr. i
quem oio tenho a honra do coakecer,
com ludo, o respailo.
Sou, Srs. Bedaclores, de Va. Sa. as
ci obrigado.
Joaauim ata Silva
ligo e pel-
COMMsfciaiClO
NOVO KiNCO
DE
O novo banco paga o 8- dividendo de
12$ por acro.
Caixa Filial do Banco.
EM 2 DE ABRIL DC 1SS2.
Arcaiza desconla as letras al 4 aexes a ID /.
e-recebe dinheiro ao premio de S-/-
Praca do Uecife 29 de
abril de 1862.
\s quairo Vioras da Urde.
f.olaccs da junta t csrreltres.
Cambie
Sohre Loadret-90 d|. 25 3| d. por Ia004
. Descont da letras.
10 0(0 ao aono.
J. da Crux Macadoprndente.
Joa batasecreta he.
dtiraaaaeajra.
lendimeoto do dta i a 28 .
dem do dlt 22 ...
Movlmealo da alfa.
Velemos entrados com f axeodas..
ion gneros..
Velamaa aabldos
a >
5.>&e*27s
n38j272
57X181*0
oni ftxeodaa..
com geaaroa..
2lt
ati
ii>
610
-=^ 221
os'daaaiee, apxopaatas otquesittt,
o cmfieTno de sentenee recoTtfe-se sata da con-
ferencia secreta, eam vista dss reapoitas do jury
o jais da direito publica a sen tenca, pela qual,
julgando ao reo iacurso no gro mximo do ari.
201 do cod. crim., o coodemna i soffrer a pena
dito antes da honrara que o Sr. Villaga me fez, e i Cometalaelo
lentes da resolucao de eu-cominear a servir com "ndimento do dia 1 a
o Sr. Villaga de quem sou amigo.
Mesmo aasim, ao depois de das, precise! ir ao
malto, e por eoaseguiote devia haver quem me
substituisati: proourel quem, lembrande-me
ido Sr, DJoeit Ferreira Gavaltante pedi aa Sr.
Viilaca qne o odmeassa interinamente que elle
era pessoa de minha eonfianca, e o Sr. Villaca
annuio ao meu peido, oio obstante ( me conste)
ler um outro aenhor para me substituir. Vortei
de maito para onde tlnha ido, a aqu chegando
diste ao Sr. Villaca que por algum tempo deixa-
va de reassumir o meu lagar por ter 4 rollar ao
matto, e asslm estire nesta resolucao mais da
dous metes Dio podendo, oa nao de vendo maia
(*) Porafflueocia de njaleriaa, tea deixado de
tahtr a presenta corresptndencia.
i A Rcdacfo
Descarregaa: no dia 30 de abril.
Brigue mglezMercurycarvio.
Barca ingieraNilecarvio.
Barca inglesaIdaliadem.
Bn*ue ioglexHebe o lhe Exedem.
Barca ponuguezaLima Imercaderas
Brigue inglezZiskafazendas.
Cter nacional-Emma-geoeros nseionaes.
Brigue ingtezMerseymercadorias.
Barca inglesaImoaeoeidea.
Brigue DrnenseStad Brasilcarvio.
Patacho kremense Geraaeia carreo.
Escuoa inglesaFooy Palmertienee.
Exporta cata
Do da 28 ae abril.
Brigue ingles Nadejda, pera a Canal, eerreat-
ram : "^
Jamos Ryder & C 1,80 saceos com ,0Sar-
bas de aaeucar.
Barca fogleza Seraphina, para Val paraize car-
regaram :
Johntton Pater 4.L. 1405 seceos ea
robas de assuear.
Brigue poriuguez Btperanem,
carregaram :
Ctrralho. Nogueira & C, 200 scese
arrobas de sstaear.
Amorim Irmios, 200 saceos com 1,
baa a 24 libras de assaesr.
Polaca hetpaohola Santo Antonio
da Prata, carregaram :
Amorim Si Filbo, 23 barricas coa 1
bas e 11 libraa de assuear.
Barca portuguesa Despique II, aera
carregaram :
Ferreira a Loureiro, 125 barril Cea 4.504
didaa de mel.
AT3CoRsrddoria ca
eteraaa ato Pesrm
K en di mela de te 1 28. fJ!
Idea da da 24 .
Coneulatdo mr<
7429 ar-
para a recta,
1,404
,0of) arre-
para a lia
Idwm da da 29.
Movimento do porto.
Ifsepips entrados nvU 29.
Rio de Jaoeiro10 dia barca aanatteena Caerf,
de 886 tooetadat. eapttia'W. Setenar}.
equipagem 12. em ltiro ; i Rastren
Si C. Velo refrescar e sega;
New YorkM dita vapor ea*
3x9 toneladas, commiodat 5
pagem 33, ea lastro; i Hea> Poetar"* C"
Rio de Janeiro22 diaa erigec hrantiei
da, da 182 toneladas, siaaUt 4a
Hnques, equipagaaa 11, aanaa 9,140 i
de carne; Marques larra 4 C
i


_i_
\r~z-*
1A110MP
Rio d Janeiro e por tos io termo i r>s5 di e 21
horae piquete a vapor nae; mil Cruzeiro do
Sul, commeodaole o capillo de mar e guerra
Gervasio Mancebo.
Navio tahidos no metoio dia.
AracstyIluto briaileiro Nicoii capillo Pe-
dro Joae Francisco, carga Mffereotes g-
neros.
llarseille Barca italiana Klfreio, ca pillo Gio
Batta Ueiradel, carga aeeacer.
Rio de JaneiroBrigue braaileiro Velos, capillo
Aurehaoo B. de ti Gabral, < irga aaaucar e
ouJroi geoeroa.
CO. te oujata fuiu
- -'
M DI1BLM1 IMS.
aitaeai.
Deordem do lilac. Sr. inspector da thesou-
raria se fai publico qae fica adiado paia o dia 5
de maio prximo futuro o conct rao para o pre-
enchimento das yagas de praticiotes da mesma
thaaouraria ; e aoDunciado para sts data.
Secretaria da theaouraria de Uzeada de Per-
Bambuco em SI de abril de 1862.
Serviodo de offlcial nnior, Hanoel Jos
Pinto.
O Illm. Sr. inspector da theseursria pro-
vincial, em cumprimenlo da orlm do Eira. Sr.
preaidente da provincia de 14 1>> correte, man-
da fazer publico que no dia 18 >< junho prximo
futuro, peraole a junta da faxentli da maama the-
aouraria, se ha de arrematar, a c aem por menos
Czar a obra do cal? melo a (ese--se as ras do
Sebo e Trompe, avallada a breoe qoadrada de
empedramenlo pelo systema Ma.-.-Adam em 309
e de calcamento de podras irregulares em ris
16O0O.
A arrematlo ser feita na forma da lei pro-
vincial o. 343 de 15 de maio de 1854, e as Clau-
sulas especiaes abaizo copiadas.
As pessoas que ae propozeretn a meama arre-
matarlo comparecam na sala das sessdesda refe-
rida junta, no dia cima meociot ado, pelo meio
dia, competentemente habilitad;, i.
B para conatar ae mandor afluir o presente e
publicar peloj Diario.
Secretaria <1a theaouraria pro' acial de Per-
nambuco, 18 de marco de 1862.
O secretario,
A. P. da AununciacSo.
Clausulas especiaes para a arrematado.
1.'O arrematante dar principila obra logo
que for para esae fim avisado pe i directora daa
obras publicas e a coocluir no pr'.so de seis me-
zes contados da data do aviao.
2.aO arrematante obrigado t saguir exata-
mente na execugo da obra, a planta e orcamento
approvados, assimcomo a cumprii restrictamen-
te as inalruccea do eogenheiro incumbido da
inspeccao da obra.
3.aO arrematante fica sugeito a observar em
toda sua pleoitude as obrigaeden c je Ihe alo im-
postas no capitulo 3 da lei provi x ial n. 286.
4.aO pagamento aeri feilo :or ptestscoee
mensa es conforme o numero de biscas promptas,
nio sendo, porm, um numero inferior a aexta
parte da obra total.
5 aO arrematante nao era dito a reclama-
cao alguma tendente a indemn>s< Sao, qualquer
que seja a natureza das allegares em que se fun-
dar para tal fim.
Conforme.
A. F. da Aa mnciaQo
4,19 varas de algodiozioho.
8,876 covados de algodczinho de Hita para
ensralo.
183 1|2 vareado aniagem.
5,110 bolea graodea de metal bromeados.
3.365 ditos pequeos de metal bronzeados.
640 pareo de clcheles pretoi.
Para o corpo da guarnigao da Parahiba.
200 covados de panno azul.
Quem qoizer vender taes objectos aprsenlo as
propostas em carta fchala, na secretaria do
conselho, s 10 horas da machas do dia 30 do
correnle mez.
Sala das esioes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra. 2 de
abril de 1862. .
Antonio Gomes Leal,
Coronel presidente interino.
t Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela suqdalegacia deate diatricto (ol appre-
bendido no dia 15 do corrate, s 10 horas da
noite, um cavallo de cor cistanho, o qual vioha
sendo conduzido pelo preto Jos Mathias Ferrei-
rs, que dia ser morador em trras do eogenho
Cachoeirinha, comarca de Santo Anto, e que o
dito cavallo perteocente ao Joio de Hollando
Cavalcanti, lavrador do moamo engenbo : quem
ae julgar com direito, tanto ao animal como ao
referido Frreira, visto.apresentar lodosos symp-
tomas de ser escravo, apreaente-se documentado
oeste juizo, que provado, Ihe ser entregue.
Subdelegacia dos Afogados 26 de abril de 1862.
O lubdelegadoMoraes.
Por esta sabdelegacia se faz publico qae se
scha recolhido cadela da cidado'da Aroia, o
preto Feliz, escravo do capito BenlD Jos de
Oliveira, como fot commanicado pala chefactura
de polica da Parahiba ao Ezm. Sr. Dr. chefe de
policii desta provincia : devendo, portento,
dito capitio comparecer oeata subdelegaciejgjat-
tenta aa ordena que me foram dirigidas.
Subdelegacia de polica da fregaezia de Santo
Antonio do Becife 16 de abril de 1862. O sub-
delegado aupplente,
Uanoel Antonio de Jema Jnior.
DB
Urna casa terrea.
O agente Eaieblo far leilao no dia S de malo
de urna casa torrea, nova, folla a moderna, con-
tendo46 palmos de frente, 3 jaaellas e porta
corredor independen!, 2 salav, 4 quartos e am
cabinele, cosinbs fon, cacimba, quintil murado,
ospretendeotes qaeiram ir ra da Ponto Ve-
Iha junto ao caes do Gapibaribe o. 1, examinar a
referida casa, devendo entender-se com o mes-
mo agente que estar prompto a prestar oa es-
clarecimentos precisos oa ra da Csdeia do Ke-
cife o. 45, no sea escriptorio.
Decl&raeoeis.
Correio geral
Relscao das cartas seguras exigientes na admi-
.nistracaodo correio desta cidade r,aar os senho-
res abaizo declarados:
Amerino Fabio Freitas Brrelo N .bre.
Agelio Octaviano da Silveira.
Antonio Parias Brando Cordeiro.
Antonio Pires Frreira.
Fraocelioa Francisca Maria da Conteicao.
Francisco Brederodes de Andrade.
Francisco Carvalho Prales.
Francisco Vicente da Vasconcellos.
Hemeterio Jos Velloso da Silveira.
Joaquim Joonas Beierra Montenegro.
Joaquim Jos Alves Albuquerque;
Joaquim Monteiro Cruz.
Joa Auguato de Araujo.
Jos Gomes Frreira.
Jos Machado de Souza P mente.
Joa Thomaz Goncalves Bosario.
Lourenc.0 Guedes Alcoforado.
Luis Maria de Freitas Albuquerque.
Maria Jeronima de Oliveira.
Maria Lins do Espirito Santo.
Manoel Joiquim dos Santos Palor}.
Paulo da Albuqnerque Gama.
Rodrigo Antonio Telles da Silva.
Correio.
Pela admioistracao do correio te faz publico,
que hoje (30) as 3 horas da tarde em ponto fe-
cbar-se-ho as malas que deve conduzir o pa-
quete brasileiro tCruzeiro do Sul, chegado hon-
tem dosportos do sul, e com destino aos portos
do norte.
Conselho administra! ivo.
O conselho administrativo, psra forneciments
do arsenal de guerra, lem de comprar os objectos
segnintes :
Para o arreazem do arsensl c > guerra.
4 quinlaes de ferro redondo de 1 Ii2 pollegada
de grossurs.
6 quiotaes de ferro inglez redou lo de 5 quar-
tos de grossurs.
3 quintses de ferro inglez redon lo de 1 pole-
gada de groisara.
20 toneladas de carvo de pedra.
Quem quizer vender taes objeaos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 5 de
maio prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho udministrativo
para fornecimento do arsenal de guerra 28 de
abril de 1862. 6 '
Antonio Gomes Leal,
Coronel presidente interino.
Francisco Joaquim Pe> tira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Capitana do Porto.
Pela capitana do Porto se faz jublico que o
aviso de 8 de fevereiro de 1849 de'ermina que se
imponha a malta establecida no artigo 114 do
regulamento aos capites dos nams mercantes
que nio reslltuirem o exemplar do mesmo regu-
lamento, que bouverem recebido.
Capitana do Porto de Peroambaco 22 de abril
de 1&G2.O tecretirio interino,
Joo Nepomuceno Alves Macil.
Capitana do ponto.
Previne-se aos senhores despaihaotes que a
apilama do porto se dar passe a>s navios qae
bouverem de sahir, depois de ser- he apreaeota-
do o bilhete da alfaodega, e enlrfga do regula-
mento qae for distribuido pela prat cagem.
Capitana do porto de Peroambiico 5 de abril
de 1862. O secretario interino,
Joao Nepomuceno Alves Mscil.
Hoje por esta subdelegacia foi preso o pre-
to Antonio, escravo do alferes Almeida, com re-
finica em Fora de Portas (diz ell?), o qual foi
apprehendido com um gancho de f ;rro ao pesco-
co, e j querendo se lancar ao rio ca ponte desta
povoaco, onde foi pegado : quem te julgar com
direito ao mesmo, comparece marido com seas
documentos, que provsndo Ihe ser.i entregue
Subdelegacia dos Afogados 26 de abril de 1862.
O subdelegadoMoraes
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, par fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comu sr os objectos
segnintes:
Para acompanbia decavallaria de primeira linha.
4 p de ferro.
2 encajadas.
Para provlmento do armazem di) arsenal de
guerra.
40 varas de lona da Bussia.
20 milheiros de tsxa de bomba i as mais pe-
queas.
10 milheiros de taxaa das maiorei.
Para o 10* ba tal nao de infamara do linha.
365 bpoels.
1 par da charlateiras.
1 chapeo de palha.
1,815 covados de panno verde.
1,392 colados alai panno azul para capotes.
93 covadoa e esssmira encarnada.
802 covados de *' wdeoa azi I;
1.365 covados de >ollande de forro.
1.460 varas de cordio rete r]e I6'-
*%t57 riras aje Drim branca;
ATisos raaritiBaos.
COMPANHIA PE BUCAIU
DE
Navegaco costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Jaguaribe, commandanle Lobato,
sahir para os portos do norte st a Granja no
dia 7 de maio as 5 horas da tarde.
Becebe carga at o da 6 ao meio dia. Encom-
mendas, passageirose diuheiro a frete at o dia
da sahida ao meloda ; escriptorio no Forte do
Mallos o. 1.
de Janeiro
O veleiro e bom conbecido brigue nacional
Veloz, pretende seguir at 27 do crrante, tem
lugar apenas psra 400 saceos com aasucar, quem
quizer carregar entenda-se com os seus consig-
tsrios Antooio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ra da Cruz n. 1.
Lisboa e Porto.
O brigue portuguez Esperance, segu para
ambos oa portos, at o Qm do correte mez, por
ter parte do.earregamento prompte ; para o res-
to e passagekos trata-se com os consignatarios
Marques, Barros Si C. largo do Ccrpo Santo n. 6.
Maranho e Para.
Segu com muita brevidade o hiate Sobralen-
se, capilao Ratia : para o reato da carga trata-
se com Caetano Cyriaco da G. M. & Irmo, no
lado do Corpo Santo n. 23.
Para a Baha.
Pretende seguir com muita brevidade o velel-
.0 e bem conhecido hiato nacional Santo Ama-
ro, tem parte da seu carregamento prompto,
rara o resto que Ihe falta trata-se com oa aeas
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no sea escriptorio na roa da Cruz o. 1.
Taodo de partir amanha para o Cear o
vapor Camaragibe, recber quaesquer volumes
de medicamentos que para alli se deitioarem :
no largo da Asiemblea o. 1.
cipanhia penumbucaim
DB
.Navegaco costeira a vapor
Macei pelas escalas.
O vapor Persiounga, commandante Moura,
sahir para os portos do sal no dia 5 de maio
as 5 boras da tarde.
Recebe carga at o da 3 ao meio dia. En-
commendas. passageiros edinheiro a frete at o
dia da sabida asi horas: escriptorio no forte
do Mallos n. 1.
DAS
Hessagenes imperiales.
No dia 1* de maio espers-se dos portos do sol
o vapor francez Estramadure, commmdante
Auber, o qual depois da demora do costume se-
guir para Bordeaux, tocando em S. Vicente
(onde ha um vapor em correspondencia com Co-
ree) eXisboa.-
A companhia sncarrega-se de segurar a mer-
cadorias embarcadas s bordo dos vaporas, assim
como tambero recebe dinheiro e objectos de va-
lor com destino a Londres em trsnsito por Bor-
deaux e Boulogne.
Para aa condicoee frete e passsgens tratase
na agencia ra do Trapiche n. 9.
Lftiles.
LEILAO
Sexta-feira 2 de maio.
PELO AGENTE
Por mandado do Exm. Sr. Dr. juiz de direito
especial do commercio, a requerimento dos ad-
mioutradores da maass fallida de Manoel de
Azevedo PoBtes, o referido agente far leilao do
dia cima designado pelaa.lO boraa da manha
oa loja n. 54 da raa da Cadeia Velha no Recife
DAS
Mercad orlas a a leoe \liot alistantes na mencio-
nada loja a constantes do inventirio por copla
em podar do dito agenta. ie deada j ppde
er examinado pelos preterais*. r

Conlinuaco do leilo
DO
Hotel I rail
cisco.
Em coosequencia de sa nio poder Qoalissr o
leilao por caass dos muitoo objectoa em exposi-
co coolinaa boje u leilao dos meemos objectos,
s 10 boras da manha na raa do Trapiche n. 5,
primeiro andar.
A.3aim como
vendem-se mais 2 escravos. *
psrs serem retirados os objectos qae tiverem li-
raites o expirando o referido prszo no dia 24 do
correnta, vendar em leilao por todo e qualquer
preso oa objectoa nao retirados no dia cima pe-
las 18 horas em o dito sea armazem na ra do
imperador o. 37. O referido ageote nio obstan-
te ter publico e particularmente avisado a todaa
as pessoas que em sea armazem lem objectos
com limites para os relirarem. de novo faz lem-
brar que no dia (24 do correte) expirlo prazo
marcado.__________
Avisos aitersos.
No dia 1 de maio.
Kalkmann Irmos & C. farao leilao por inter-
venco do agente Oliveira, do mala esplendido
sortimento de miodezaa de todas sa denomina-
res e qualidades, de grande porcao de ferragens
unas e grossss inclusive cutilerias. de muito ar-
mamento a outros artigoa que serio vendidos
para liquidacioe que assas satisfsrao, at em
precos, aoa aeas numerosos freguezes a quem
convidara e caja concurrencia esperara psra me-
lhor aproveitarem seus interesses :
Quinta-feira 1*
de maio, Ss 10 horas da manha, em aeu arma-
zem da ra da Cruz-do Recife.
LEILAO
A 30 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por ordem e em
presenca do Illm. Sr. cnsul de Franca ou de aeu
delegado nesta cidade, e por coota e risco de
quem pertencer, de HDL n. 210, m fardo con-
teodo 49 pegas de brins de lioho, avadados a
bordo do navio francez Occidente, capilao Coin-
del, na sua recente viegem procedente do Havre
para este porto:
Quarta-feira 30
do correte, aa 11 horas da manhia em ponto,
em o armazem dos Sra. F. Souvage & C, ra da
Cruz. ^^
IOU0.
A 30 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por ordem e em
presenca do Illm Sr. cnsul de Franca ou da seu
delegado nesta cidade, de am piano usado pro-
prio para quem tenba de aprender a tocar este
instrumento, e de ama ptima borrado ferro ps-
ra escriptorio, pertencentea aoa bena do nado
Joio Eduardo Cbardoo
Quarta-feira 30
Jo correnle, ao meio dia' em ponto, no armazem
dos Srs. F, Souvage & C, na rus da Cruz do Re-
cife.
LEILAO
A 30 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por conta e aco
de quem pertencer, e em presenca do Sr. cnsul
dos Pases Balxos, de 17 barris com pragos cai-
brses, avariadoa a bordo do patache hollandez
Groot Zeeoyk, na sua recente viagem proce-
dente de Antuerpia para este porto :
Quarta feira 30
do corrente, ama hora depois do meio dia, no
lugar da arcada da alfandega desta cidade.
LEILAO
DE
Umacarroca para cavallo.
Quarta-feira 30 do corrente.
O agente Guimaries no dia cima em seu ar-
mazem na roa do Imperador n. 37, Ando o lei-
lao do movis vender ama carrosa para cavallo
em muito bom estado sem reserva de prego.
LEILAO
DE
Movis, escravos e
predios,
Segundttrfeira 5 fe maio
PELO
PELO AGENTB
,9
Por mandado do Exm. Sr. Dr. jais de direito
especial do commercio, requerimento doa ad-
ministradores da masas fallida de Manoel de
Azevedo Pontea, proceder-se-ha a leilao no dia
cima designado e pelaa 10 boras ds manha no
sobrado n. 40, da raa da Senzala Nova
DE
Diversos movis, constando de mobilia com-
pleta de Jacaranda, marquesas, lavatorios, com-
modas, carleiras, armarios, jsrros, candelabro
etc., etc;
BE
Boa-
Parte de t escravos.
DB
Ums csss Ierres na ra da Coneeicao da
Vista n. 29. V
Urna dita dita na ra da Gloria n. 6.
Urna dita de um andar na traresss do Carmo
numero 12.
Urna dita de dona andares em obra na raa do
Llvramento n 17.
Urna dita de tres andares na raa do Qaeimado
numero 2.
Urna dita de dous andares na ra da Senzala
Nova n.40.
Duas tercas psrtes de sobrado de S andarea a
setao na raa da Cruz n. 33.
Um sitio com casa da vivenda, estribarla a
quartos na Paisagem da Magdalena o. 46.
Por todo e
LEILO
qualquer
preco.
O agente Guimaries lando da temporariamen-
te acabar com aeu armazem e ha vendo annoneia-
f o por este jornal copeedendo o prazo de 8 das
Mez de Mara a \$.
Vende te na livraria n. 6 e 8 da pra-
9a da Independencia o litro Mez Ma-
riano, conforme o uso doi miuionarios
capuchinhos a Ijs
INGLEZ.
Noto Mthodo para aprender lr,
a escreter e a fallar Inglez em 6 me-
zei, por H. G. Ollendorff: 1 tol. in 8-
encadernado. Vende-te na'ra do Quei-
mado, loja de fazendas, n. 18.
Jos Soares d'Azetedo, professor
de ligoa e litteratura nacional noGym-
nasio Protincial de Pernambuco, tem
aberto em sua residencia, ra Nota de
Santa Rito n. 47, as aulas de
GEOGRAPHIA E HISTORIA
EINGOA FRANCEZA
PHU.OSOPHIA
ORATORIA E POTICA.
As aulas sao todos os diss uteis de tar-
de : comecam s 2 boras, e acabam s 7.
LOTERA
Quarta-feira 7 de maio prximo an-
darao impreteritelmente as rodas da
ultima parte da primeira e primeira da
segunda lotera a beneficio do Gimna-
sio Pernambucano, no consistorio da
igreja de Nossa Senhora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio pelo excel-
lente plano approtado para as extrac-
coes das loteras. O premio de 5:0000
ateos de 10$sefao pagos nesse mesmo
dia da extraerlo de urna hora da tarde
por diante, e os outros no dia seguinte
logo que se tenham distribuido as listas.
(J% bilhetes e meios bilhetes acbam-se a
tenda na thesouraria daa loteras, ra
do Crespn. 15, e as casas com mis-
sionadas praca da Independencia loja
do Sr. Santos "Vieira n. 22, ra Direito
n. 3 botica do Sr. Chagas, ra da Im-
peratriz loja de ferragens do Sr. Pi-
mentel e ra da Cadeia do Recife loja do
Sr. Jos Fortunato dos Santos Porto
sendo nesta s at a tespera da extraccao
e no dia somente na respectita thesou-
rara, at a occasiao de andarem as
rodas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O director do intrnalo da S. Bernardo nio leodo evitado it_
os para proporcionar aos seus alomaos urna pereta educacao psUescT
ltc\at} \rllfi0". Qttereceodo-lhea urna hsbiacao com tedia ea^L
.ri_d_,d? ,ib.,, P'o'morea que sao solcitos ezoprepara-laa
gresso.
O collegio tem^a sua sle as elegantes a esnaeosaa propriada4aw sU s
Lasserre e dos Srs. Roberto & Filho. Cspuoga Velha. "^ "*'
Com o flm de tornar mais breves e commodas as communicatea de ,.
correspondentes, o director Ihes avisa que as encommendTa "
ctss poderlo ser entregues na casa da residencie do seu irmo
v... puuemu .c. enu^uea a casa os residencia do aoa irmo o Dr Pereira
ou na loja do Sr. Joaquim Frreira da Coets, i rus Nova n. 5o"
ifiaam-se pianos.
Aa pessoss qae quizarem aflaarpanos, apren-
der a msica e a tocar o meamo, anda que sejs
extramuros, dirijamae a asta typographis, que
achara cum quem tratar. t h
Attencao.
Passa-se para harmona miletas cavatinas,
anas, duelos, tecertos dss mais modernas ope-
ras, e dos mais acreditados sutoras, como : Ver-
di, Donizetli, Bellini, Uayeaber, Webea, Merca-
dante, Petrilla, Pacuri, Pedreti.Battista, Rossioi e
outros. Passa-ae accommodando-se a toreados
instrumentos da banda para a qual se flzer a en-
commenda, anm de que a xecuco seja semreo
bos. O cathalogo das operes, em cujo numero
entrara as annunciadas pela companhia lyrica ,
e o preso*de cada pega que se passar acha-se na
ra do Queimado, loja de Larra & Irino, n. 3.
aonde se traUr. '
Arrenda-se o eogenho Amazonas da fre-
guezia de Ipojuca, moente e corrente, com ter-
reno para safrejar de 2,000 pes psra cima, ten-
do dito engeoho muito bons terrenos, e quasi a
ma10r parte de varzfa, e excelleotes malaa: quem
pretender, dirija-so ao propietario o Sr. Joao de
bouza Leo, no engeoho Maranho da mesma
ireguezia.
Joaquim Jos da Costa Pinhelro e aaa se-
nhora seguem no prximo vapor para a Europa.
Persuadido, como est, de que nada deve, toda-
va faz iciente a qualquer pessoa que se julgar
seu credor que aprsente sua conta no praso de
8 das para ser indemnisado. Recife 29 de abril
de 1862.
99*4
0 bacharel Witruvio po-
de aer procurado na ra
Nova n. 23,sobrado da es
quina que volta para a
camboad Carmo.
MM>
Quem precisar de urna ama portagueza diri-
ja-se a ra dolmperador n. 17, segundo andar.
Precisase fallar ao dono de 10
saceos de ou relio que existem ba tempo
no trapiche da alfandega velha : no
mesmo trapiche com o Sr. Jos de
Mattos.
SOCME
niao Beneflcente
Martima.
De ordem do Sr. presidente acieotifleo aos se-
Dhores socios effeciivos que domingo 4 de maio,
pelas 10 boras da manha, haver aasso da as-
aembla geral afim de tratar-sa do artigo 12 3
dos novos eslatatos.
Secretaria da sociedade Unio Benecente Ma-
rtima 28 de abril de 1862.
Balthasar Jos dos Reis.
1." secretario
Aluga-se o segundo andar na rus do Li-
ramento n. 19 : a tratar no meamo.
Joo Caetano de Hagaihea vai para o ser-
lao a cobranzas, deixando o seu csixeiro encar-
regado de seus negocios.
Precisa-se de urna criada para engommar e
coser, e urna ama para cozlnhar: na ra do Quei-
mado n. 10.
Jos Augusto de Castro
Janeiro.
vai para o Rio de
S Sociedade Recreativa
Cor j llantina.
0 Deordem da directora, tom8da em
sesaode 28 do corrente, sao convida-
dos os Srs. socios, que se acham em
%Jf atrazo em suaa meosalidades, 'a virem
A no prazo de 8 das contados da presente
r data, pagar o que eatlver a dever a mes-
^b? ma sociedade,como clara eexpressameo-
ajbjj te determinan) os estatuios no art. 4
t 2o, usando a mesma directora das alri-
W buigoes que ihe contare o art. 6 dos
^ meemos estatutos, para aquelles que nao
jb o flierem em tempo.
g- Casa da Sociedade Recreativa Cory-
P bantina 29 de abril da 1862.
aft Jeronymo da Costa Lima,
Mt, 1 secretario.
9
Precisa-se fallar ao do-
no de 10 saceos de ourelos
que existem ha tempo no tra-
piche da alfandega velha : no
mesmo trapiche com o Sr. Jo
s de Mattos.
8
A <
IXI
a ^ ^ /^\
ase ^KL *^
C/> Wwr (a^ \2mtr
z ^^0^ m 0 0 b^
ae ^ZOBIO) 0
LU 0 e= 0
aa!
aa
5
:
3-Raa estrella do Rosarit-3
Francisco Pinto Ozorio continua a eol-
ylocar dentea artiBciaea tanto por meio de
molas como pala preaao do ar, nao re-
cebe paga alguma aem que aa obraa nao
flquem a Tontada da seus donoa, test pos
oatraapreparacoeaas mais acreditadas
para conservaco da bocea;
:
Aiuga-se o sitio que foi do Sr. Antonio Car-
los Francisco da Silva, naa Salinas, com muito
boa casa a maitissimas fructeiras da diversas
quaiidade. a aloaja-aa por mdico proco aob a
condicio do inqsnlioo ae obrigar ao bom trata-i
manto e conservaco daa fructeiras : a tratar na
rus da Qjdeia do Recife, armazem p, 62.

-- Gullhwme, Carvalho & C. mudaram seu es-
criptorio e agencia da companhia de Seguros Ma-
rtimos Segundado do Ro de Janeiro para a roa
da Cruz n. 26.
Rpwiand Fisher e Harold Smilh, subditos
Unisnicos, retinm-se para Inglaterra.
Preeisa-se alugar urna preta escrava que
emenda de engommar e lavar, com algum prin-
cipio de costure, para urna casa de pequea fa-
milia : quem pretender, dirija-se a casa em fren-
te ao palacio do bispo oa Soledade.
Eduardo Jos dos Santos Lima relira-se pa-
ra Europa a tratar de aua aaude.
Sitio ecasa.
Est se acabando urna casa multo fresca, tanto
no andar terreo como em cima, com muitos com-
modos. e sitio bem plantado, baixa de capim
etc., junto ao palacio do Sr. Biapo : a tratar n
taberna grande da Soledade sobre o alague!.
Risuin tneatis.
Nos abaixo assigoados declaramos que a publi-
cacao apedido, exarada no Diario do Recife n.
96 de egunda-feira 28de'abril, foram expresses
cabidas do bico de alguma penna estranhs e nao
daquella que subscreveu a primeira publicaco
, sobre a epigrapheE' muito deaejo degovernar
e a segunda sob o tituloAtlendsro, qae a nar-
rajo provoca penna. Os tres verdsdeiros affei-
coadosTenor, baixo bufo, bartono.
Aluga-ae o armazem e primeiro aRdar do
sobrado da ra da Guia n. 62 : a tratar oa ra de
Hortas n. 14-.
Aluga-se o terceiro andar e sotodi casa da
ra do Queimado n. 2, esquios do beeco do Pei-
xe Frito : quem o pretender, dirija-se a taberna
no meamo becco, ou na ra da Florentina n. 18.
D. Iletrada Augusta Pereira de Parias, pro-
tessora de instrurco primaria competentemente
licenciada pelo Illm. Sr. Dr. director gersl de
tnstruegao publica, avisa aos pas de familia, que
ae acha morando na ra Velha n. 7, segundo
andar, aonde anana a 1er, escreter, contar, coser
cha, fazer labyrintho, marcar de todas as faces,
bordar de la, de susto, cscuod, de seda, froco
missanga, ouro, tapessaria e brsoco, e est sem-
pre solicita, no cumprimenlo dos deveres de sea
maternal ministerio, prometteodo eosinar com
disvelo, todas ss disciplinas, prendas e moralida-
des, exigidas to bello sexo.
Monte Pi Popular Per-
nambucano.
Nao se tendo reunido domingo (27} a assem-
bla geral ordinaria como determina nossos esta-
tutos, de ordem do Sr. director sao convidados
os senhores socios a comparecerem quinta-feira,
1.* de maio, s 7 horas da noite, a reuniio da
mesma assembla geral, fago scienie aos senho-
res socios que eatio em atraso com a caixa e an-
da nao satis6zeram seus dbitos, que o preso flo-
da-se no ultimo de malo, e para que chegae ao
conhecimento dos mesmos senhores socios se
tem mandado publicar por este Diario.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
no 29 de abril de 1862.
Bemjamin do Carmo Lopes.
1.* secretario.
O bacharel Joao da Coala Ribeiro Machado,
retirando-se para a comarca de Pao d'Alho, on-
de tem de exercer as faccoes de promotor publi-
co, declara aos seus constituintes que tem substa-
belecido os seus poderes de advogado as pes-
soas dos Drs. Cicero Peregrino e Edusrdo de
Barros, com os quaes se devero entender d'jgo-
ra em diante.
Precisa-se de um feitor para am sitio perto
desta cidade : a tratar no pateo do Carmo n. 15.
Aviso.
Frreira & Irmo declara ao reapeitavel publi-
co, que tem justo a compra da armacao da loja
da entrada da raa do Queimado para a raa do
Rosario n. 3, ao Sr. Guilberma Antonio da Si-
queira ; a quem se julgar com direito a maama,
queira apreseolar-se no praso de 3 das, a contar
de boje. Recife 30 de abril de 1862.
O baebarel Jlo da Costa Ribeiro Machado,
promotor publico da comarca de Pao d'Alho, par-
ticipa ao reapeitavel publico dasta cidade, qne
se encarrega do patrocinio daa causas civais a
commerciaea que se veotilarem ao foro da maa-
ma comarca, e bem assim de cobrancaa judiclaes,
mediante ajuate feito com oannunciante, ou com
os seas collegas os Drs. Eduardo de Barros e Ci-
cero Peregrino, na ra do Queimado n. 26, pri-
meiro andar.
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
sinhar e dormir fora, por casa da rapatea aoltei-
ros: oa ma di Crazas o, 36,
Traspassa-se
a loja de miodezaa da na da Cadeia do Radia
iSPSz rr*Nori- **~~
ellas quem a pretender, dirija-se a saeew
n. 16, loja de Fonaeaa 4 Silva. ^^
i
Atteo^ao.
tai
Parganta-aa a quem soober o
ponder, se bomem que noca
nem tem perteacida a tal prateeks)
mar navios a aaa cargo, improvisando
da mesma arte, sendo a di fe nica
de botes ou lanchaa, a que ac
oem eoteode de tal arta, hoja por
querendo improvisar da mesaaa aa
della ; preciaa que oa ditas agen.es
ae digne tomar coohecimeato para
primarlos qne tem servido por siaJtoa
conbecido pelo commercio. qae Dio ca
reapoosabilidade sobre ellea a falla
acontecer.
Quem precisar de ama creada
andar"** '"* d I"P*r,dor 7*.
SYSTE HA MEDICO HODELLOWAT
. PILULASHOLLWOTA.
Esta inestimavel especifico, cmaoslo in
mente de hervas medicinaos, nao
rio nem alguma oulra substancia
nigno mais tenra infancia, a a
delicada, igualmente prolapso a
deaarieigu o mal na compleaco ma ..
enteiramenle innocente em suas oparacaaa ef-
(eitos; pois busca a renjpve as
quar especia e grao por mais
que sejato.
Enlre mimares de pessoas curadas coas asta
remedio, muitas que j estavam s
morte, preservando em sen aso
recobrar a sauda a foreas, depois da
do intilmente lodos oa ootros
As miis arTlicias nao doten
esperago; facam um
efficazes eSeitos desta aseombrosa
prestes recoperarao o beneficio da
Nao sa perca lampo em tomar asta
Aara qualquer das soguillas

s f
I
XX 1
epilpticos.
eeidentes
Alporcas.
Ampolas.
A reas ( mal de).
Asihma.
Clicas.
Gonvu laes.
Dsbilidade ou extena-Irregularidades
cao.
Debidade ou falla da
foroas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
da barriga.
nos ros.
Dureza no ventre.
Enfarmidade no ventre.
Dilas no figado.
Fabretoda
Gotu.
Hemorrboidaj.
Hydropaaia.
Ictericia.
Indigastoes.
Infla mmaedea.
LnanaWiajsi da lado es-
pecie,
depadrs.
Mnenos na cania,
Abetrnctao do
Phlysica oa
Ci ptslmonar.
Ratania do
R boa ma lis zoo.
Svasptnanaai
Uitas venreas. Tamores.
Cnchaquoca. Tico doloroso,
HerysipeU. Ulceras.
Febre biliosa. Venreo ( mol)
Febre intermitente.
Vandam-N astas plalas no
geral de Londres n. 224, Strand, o Mioja
de todos os boticarios droguista a ootraa peaaaas
encarragadaa da sua venda am toja a mmmJaB
do Sal, Havsna o Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas conlem urna intrneas) am anrn-
guez para explicar o modo do n mar deafaa ai-
lulas.
O deposito gsaal i em can do Sr. Samm
pharmaceut'ico, na ma da Crnz a. 22 ma Per-
nambaco.
AGITADO!! DYM1IC0
DO DOOTOI
SJBH1D (D. 1.
Para a preparaca do*,
men tos btmeo>athtct).
Os medicamentos preparadoa por aata
ao os nicos, com qae ae podeaa resalar
rativo das molestias perigoaar. I cano
CHOLERA MORBUS ama d'aqoe'.lM aaa
admittem de loo gas e experiencias, cusa ore pre-
ferir esaes medicamentos a outros qiaeaqwer, sm
qaizerem tirar da homeopathia os ventajean re-
sultado? que ella aasegura.
Acham-ae a venda carteirae a aseiae saslaassai
especlaea contra o cholera, acoca pealaos*) na
competentes insiruccoee, polos prejos
dos, na pkarmacia especial horneo,
de Santo Amaro (Mondo Nova) o. 6.
Ni B. Os homeos da bom asmn
certamenle que acodo o Dr. Sabino a sonsa
d'onde prnanou a homeopathia am Perrai
e em todo o norte, ella o uaico ii
mente iotere'sado no aoa crdito o aa
gresso, e por conseguate Uo nmeoto saetn
que se pode encontrar arantas, q jer am reie-
co applicaco da scieoca no curativo daa aso-
leatias, quar em relacao i preparecao doa sso-
dicamestos.
Na pbarmacia do Dr. Sabino trabalham costa-
tantemente debaixo da suas vistea sssalas.
nos lempos ordinarioa, doua empregaoao f asm
brasileiro e outro (ranees i quem paga ardeoo
doa ventajosos), os quaes sao ajodedoa pac nasa
tres oa cinco pessoas, quando o eervtco
oa dealillacao do espirito de viabo a 0*1
manejo das machinas, na desecaco
los, na distribuicao daa dilulcpes ote, ose.'
I' evidente que para a Dr. Sabino tu
homeopsthia, coma geralmeato a
preparar medicamento* como par ah
nem eram precisas tantas despeas com a
aoal, com machinas o com a aotaoais auaa a
taociae aa mais puras posan veis, o am
gilaocia e trabalho oa preparecao dos
montos ; mas ella nao n cntnU coa
que j lem feilo, danto homoopaina
laridade da que cosa: alio ejoar
maior grao de perfeico danta nos
a maior iofallibilidade poosivel am moa
0 Dr. Ssbino nio aspira soaaoola n
tartana da vida ; elle n '
vroa estrsogeiros qae a waapropof
nambucetfoi too brilhanU fa aaa
ropa neviAnasa analoga (JORNAL DI
NA HOHEOPATHICA DI PARS, tama 4.
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A
PATHIA, por Granear, pagina ion-, nmaa ama
ambicio muito mata elevada; ama aa antas a
legar aa geraepes tutores om ai
pela gravidade a impartaaau atoa
pola sioceridado da aan eoovltcsa, a
meza do na carcter. E' por toso, a
que alia (rabalha ; a traMna
I
I
m I
S l






MAftiO
- QUAMA illsU 10 M AIWl Di 1MI.
=====
. ^
,
;:
to na ireguez* de'lpqjuct 1$ sefkv
(hitante do Becife, e urna da parte do
embarque com urna machi aa muito
maneira mo|>diiMt fajina ei, boa casa
de vivenda, encaixament, cisa de pur-
gar, casa deengenho, dita ii:icaldeirai,
duas boas ssjsjtiaas, tildo em i imito bom
estado, tem bastante trra para safre-
iar 1,500 paes annualmente, todos os
partidos sao muito perto do engento,
tem bom cercado, o que pode ser apre-
ciado por quem quizer ver. Vende-se a
safra que se esta' criando e t imbem al-
gn bois e aimaet de roda : quem qui-
zer ver dirija -se ao dito engmho onde
podera' fazer negocio com a proprieta-
ria.
Precisarse
alagar m bom cozinheiro, prefeie te escrava : a
tratar na roa da Amorim a. 35.
Arreada -aa o eugenho Lmoemono, tilo aa
freguezia da Sacada, beirada do rio Ipojaca,
moeote a correnta con animaos: qaam o pre-
tender, dirija-ae a travesea do Queimado D. t,
ou ao referido eogenho.
Licoes/
de traocei, ioglez, grammatica e anslyse da lia-
Sua portugueza e aritbmetica, para oa que se de-
icam ao commercio, das 6 i 9 1 ona da noi-
te : a fallar na ra do Cabug a. 3, segundo
andar.
Precisa-se alujar urna
preta escrava, perita engom-
madeira, para urna casa es-
trangeira: a tratar da ra da
Cadeia, n. 37.
Os senhores devedores a loja de'cal-
cado do Sr. Joaquim Pereira Arantes,
sao convidados a mandar satisfazer as
importancias de suas contal ate o dia
10 de mato, so procurador bastante do
mesmo Sr. Arantes, que Caetano Pe-
reira de Brito, ra do Rangel n. 52,
sendo que depois deste dia, elle procu-
rador as chamar a juizo, propondo as
respectivas accoes a que deteja evitar.
Silvino Gallberme de Barros i;ompra eacra-
?oa de ambos os sexos: aa ra do Imperador u.
79, primeiro andar.
Atteaoao
Jos Rodrgaos Sornos, tendo.de idtnittir como
aocio em seu estabelecimento aa ra do Brum
deata cidade a Msrlioho Lopes doi Res, julga
nada dever a peasoa alguma ; poim se com la-
do alguem se julgar aeu orador, (ueira quanto
antea epreseotar-ae ao annunciao e manido de
seas ttulos para incontinente aer pigo.
Preciaa-ae fallar ao Sr. Joaquim doa Santos
Braga, natural do Cear, a negocio de aeu iote-
resse : na cidade de Olioda, no convento de S.
Francisco.
Precisa-se de urna ama para casa de fami-
lia, praferindo-ae escrava : a tratar na ra daa
Laraogeiraa n. 21.
Preciaa-ae de urna sala ou ca la tarrea para
esctiptorio, sendo na freguezia de Santo Antonio:
a tratar aa ra daa Larangeiras o. 21.
Um moco que aabe latim, friocez, iDgiez,
rbeterica, aritbmetica e portuguez, por nao poder
continuar com seua estados por lie faltarem os
maios, se offerece para ensinar qualquer destea
preparatorios ou todos, em alguia englobo ou
villa, mediante urna paga. Tem timbem habili-
tsces para escriplurac&o e a iato sujeita-ae por
pouca paga por ter gosto : a tratar na ra larga
do Rosario o. 44, teroelro andar.
Eli absiio aiigaodo l. tavel corpo do commercio que tenho diaaolvido
amigavelmente a aociedade que tiiiba com Fran-
cisco de Paula alendes, na padaria da ra da Ma-
triz n. 26, desde o dia 16 do correrte mez, o que
gyrava aob a firma de Carvalho cz. tiendes, flcan-
do a cargo do aocio Mendea a liqutdacio de todo
o activo e passivo de dita sociedad*, e eu livre de
toda a responsibilidade para com a extincta fir-
ma, de commum accordo com ose odores.
Recite 26 de abril de 1862.
Jos da Silva Cirvalho.
lianoel Marques de Gonveia, aatorissdo eom
proeuracao baatante de seu pai o coroael Joo
Jas da GouvsU, par* reger e administrar os ne-
gocios di aaa casa commerclal, peda aos deve-
dorea da moama eaaa que veobam quanto antas
saldar aeua deailou, potnae aasim nao Qzarem no
praao de 30 diaa, aerio antreguea todaa aa dividas
aem excepeo alguma a um procurador para usar
dos maios jadiciaea. Roelfe 24 de abril de 1862.
Toma-se 4.000 a juros sobre bypotbeca de
um aobrado de mallo maler valor, e que rende
1:000$ annual, podndose pagar oslaros men-
aalmeate, ou em qualquer praao estipulado : a
tratar na ra do Hospicio n. 13, ou na ra da
Imperatriz a. 80.
Preciia-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Hendes Guimares, que mo:
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista
nesta typographia.
POETUGUEZ
DE
Ama.
Ns ma licita do Rosario n. 18, segando sn -
dar, pracisa-ae de ama ama.
Praeisa-se de ama mu, livre ou escrava
pata todo o nrtica de casa de pones familia *, na
roa daa Cruzcs n. 22.
Aluga-se urna das malhores essss para ta-
berna oa para outro qualquer negocio, na rus do
Rangel n. 6 ; a tratar na rus. dos Pescadores ns,
1 e 3, padaria.
Precisa-se de um ealieiro com pratlca de ta-
berna para tomar sonta de ama por balaoco, dan-
do fiador a aua conducta, nao ae olba a dar bom
rdenado; a tratar na ra da Santa Cruz n. 9.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava :
na ruado CabagS n. 18,*sobrado, entrada pelo
paleo da matriz.
Rival
sem
GABINETE
IJITIUA
I
I
i
compras.
as ii T^mam
salsa
Por ordem da directora convido todos os se-
nhores socios accionistas qae se acbem em atraso
de meosalidades, a porem-se quanto antes em
da com a cai\ do eatabelecimento; e previno
aquellos que devem mais de um trimestre que,
em conformidade eom o disposto no srt. 22 dos
estatutos, lhea ficom desde boje suspensas aa re-
galiaa de que trata o 6 do srt. 18 (usar dos li-
vros, peridicos, mappas, etc., do Gabinete, na
forma do rcgulameato interno e dieposiedea da
directora] ; e quelles, cujo debito de meosali-
dades tem ja absorvido a importancia da respec-
tiva arelo, que, se at o dia 5 de mato vindouro
impreterivelmentenao houverem pago o que
devem, perderlo a qualidade .de accionistas, em
virtude do disposto no citado art. 22 doa esta-
tuto ainda vigentes, cujo theor o seguinte:
c Art. 22. O aocio accionista que dorante os
primeiros 60 diaa do trimestre nao tiver felto o
pagamento de que trata o 2. do artigo 13 (sa-
tisfazer promptamente i caiza do Gabinete a
quantia de 3J> por trimeatre adimtado, e as mul-
tas que legilmente Ibes forem impostas), aera
avisado pela directora e esperado at ao com-
plemento do trimeatre. Gado o qual, senao satis-
flzer, perder aa regalas do 6.* art. 12 em-
quanto o nao fizer, e oio o fazendo ir-se-hao ac-
cumulaodo as meosalidades que dever, at que
importancia deatas absorta a da aoco ou ac-
;3ea que possuir, perdeado elle oeste caso a qua-
lidade de acciooiatas; e as acedes assim amorti-
sadaa serio novameote vendidas, paasando-se ou-
tras com a neceasaria resalva.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Pernambuco 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1.-* secretario.
Comprasisa"garrafa vaina que lenham
aido servidas de vinbo do Porto ou serveja bran-
ca a 38 o canto : na rus Dfreila n. 106.
Compram-se duas tteravaa mojos de habi-
lidades, agradando paga-se bem : na rus das Cru-
zes n. 22.
Compram-se peridicos a 48 a arroba : no
largo do Csrmo, esquina da ra de Hortas nume-
ro 2.
Yendas.
Miudezas e rap.
la larga do Rosario numero 36. '
Lia de corea aortidas, libra a 6*400.
ColcOeles eom duaa carreiraa a 60 rs.
DitaBde urna a 40 e 60 rs.
Agulhas (raocazss curlss compridas a 60 rs.
DiUa caotofas a 180.
Pentaa de matsa para alar cabello a 500 rs.
Ditos d dita idem (doaradot) a 18200.
Carretela de rstroz de coree a 320.
Escovaa para caballo maito boaa a 800 e 18.
Cartaa de alfloetes a 80, 100, 120 e 140 ra.
Eacovsa para unhas maito boas a 320 e 500 rs.
Franja pretas com vidrllho a 320 o 400 rs.
Trancas pretas com dito a 240. -
Bieos pistos muito boas a 180, 240, 320 o 400
ris.
Carretela de linha a 30, 60 a 80 rs.
Enfeitei da retroz com franja a 58300.
Meiaa para senhora [duzia) a 28500.
Ditas cruas para bomem a 28400 e 38.
Tssouras ordinarias a 30 ri.
Franjas de lpa estrellas (pega) a 900 ra.
40
azes para
trazereni
Caixiiihase
as menina
no bra^o.
Maito lindas eaiiinhas oabezes para meninas,
de 100 ris at 28600: ns loja da Victoria, na rus
do Queimado n. 79.
Enfeiies para senhora.
Os malhores enfeites pretos e de cores que ap-
parece a 58500, 68 e 6S500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado a. 75. r y \
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos sortimentos de fraojaa pretaa e de cores
com vidrilbo e sem ene : na loja da Victoria, na
ra do Queimado n. 75.
inhasde peso verda-
deras..
peao verdadeiras, meada
na loja da Victoria, na ra
de
Moleqae.
ha
Na ra da Imperalriz o. 47, tercero andar,
um moleque para alugar.
Preciaa-ae de um enfermeirc para um eo-
genho distante desta praca 5 lego: a : na ra da
Cruza. 11.
Attenco.
Na ra Nova o. 61, casa de pasto, fornece-se
comidas para fora, e em casa, por nommodos pre-
sos ; asaim como a bella mi de acca aos do-
mingos, daa 3 horas da mauba p :>r dianie, ludo
com muito aaseio.
Collegio de Blica
Situado na ra da Au rora edi
ficio contiguo ao collegio
das orphas.
Este estabeleciment de iastruc;ao e educacao
nao tem interrumpido as suaa fuaccoee, apezar
do fatal desgosto, porque acaba do passar o aeu
director com a perda de sua virtuosa e bem ama-
da esposa.
0 collegio continua em confort idade de seus
estatutos, a receber alumnos peocionisUs, semi-
pencionistaa e ezternos.
Continan: como antes as seguiulee cadeiras :
1.a De ensino primario, que coista de leitura,
escripia, arilhmetica pratica, doutrioa christaa,
historia sagrada, grammatica nacional, historia
do paiz e sua topograpbia.
2.* De grammatica philoaoph.c e analyae dos '
classicos.
3.a De latim e latinidade.
4.a Defraoesz.
5.-* De ioglez.
6." De philoaopbia racional e moral.
7.a De rhetoric e potica.
8.a De geographia e hiitoria.
9.a De aritbmetica, algebra, ge ometria e tigo-
nometria.
10.a Deistracco aos tres reinos da natureza.
11.a O algebra superior e geometra analtica.
Nenbuma destas disciplinas exige outro paga-
mento alheio a penao dos alomo oa.
Maa o desecho, a msica a daas, ainda por
ora tem urna daapeza separada.
O director do collegio de Bem ac pede a to-
daa aa peasoss que se interessam aa edncacSo da
juventade, que viaitem o aeu es abelecimento a
qualquer hora do dia ou da coito, a receber com
docllidade todas ss advertencia, qae oa visitan-
tes intendam justas.
__No dia 12 do correte mez t auno desspps-
receu do poder do sbaizo assigosdo o pardo de
nome Francisco, de 17 sanos de idsde, que tem
bonita figura, iodos os denles, obellos carapi-
chos e ruivos, levando chapeo da feltro e patetot
tambero pardo, teado sido eaee pnrdo eaeravodo
Sr. Dr. Antonio Borges da Fooaei a, de presu-
mir que ande por aigum dos lugares por onde o
aaeamo aeohor tem viajado, como aejam, Igua-
raaa. Goianna, Parablba, Campina Grande, Ala-
go Nova, Alsgoa Grande, a Ourrury, tslv'ez aob
pretexto de ealar ainda em serv;) delle. sendo
que segundo ltimamente fora fisto em Ignaras-
a : quem apprebeodar o dito e-cravo, bala de
aondasi-lo i ssu legitimo dono Ignacio Luis de
Brito Taborda, oa ra do Hoepkl:' n. 6, aue ge-
nsrosameate recompensar por ete trsbalbo.
Ignacio Luiz de II ito Taborda.
~- Precisa-se de um bo a gmastador
que entregue po com um preto : na
ra da Sexuala Yeiba n. 9(.
Gabinete portuguez
- Leitura.
Por ordem da directora convido os hardeiros
dos aocioa accionistas fallecidos, e abaixo desig-
nado, babilitarem-ae competentemente para po-
derem transferir, ou lomar a ai as aecee daquel-
lea fioadoa socioa, em harmona com as disposi-
(5es do art. 26 dos estatutos.
Socios fallecidos os Srs :
Antonio Jos da Cunha.
Antonio Moreira da Silva.
Domingos Antonio de Sousa Brito.
Joo Joaquim Correia.
Joo Jos de Lima.
Joo da Silva Griapiano.
Joaquim Ferreira Rotsehild.
Jos Pedro de Alcntara Lopes,
lianoel Jos Rodrigues Pereira. ,
Secretaria de Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco aoa 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1.a secretario.
Aluga-se a grande casa e excellente aitio,
que foi da fallecida D. Isabel, no Poco da Panel-
la, com coebeira, estribara para cavalloa e voc-
eas, cozinha fora e muitos quaitoa para feilores e
ascravos, em summa esla groad casa tem com-
modo;,o. mata coutottavels para urna familia por
maior que ella aoja: a tratar oa ra da Cadeia
do Becife, armazem o. 62.
Aluga-se o sitio o. 1 da Cruz de Almas, em
o qual reside actualmente o Sr. Samuel Power
Johneloo : a tratar oa ra da Aurora o. 36.
Arrenda-se o engenho S. Gaspar, aito oa
freguezia de Seriohem, com partidos de varzeas
muilavradiis, de grande fertilldade, todas roda
da moenda, pingue cercado, matas e mangues, e
embarque na porta : a tratar na ra do Hospicio
numero 17.
Gasas para alugar.
Segundo andar da casa o. 12 da raa do Eocan-
tsmento, loja n. 33 da ra do Vigario, com r-
enselo para taberna : a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. 33.
Na travesa da ra das Cruz es n.
2, paimeiro andar, tinge-se para todas
as cores com presteza e commodo preco.
Vsnde se a taberna sita no largo do Pillar
n. 17, oo bsirro do Recife : os preteodenles po-
dem dirlgir-se ao meamo eatabelecimento, sobos
acharan com quem tratar. '
Vende-se oleo de ricino em latas de 30 li-
bras : no armazem do Teixeira, defronte do che-
fariz, no caes da alfandega, a saceos. da arioha
muito boa, e arroz 6*6 caaes.
Vende-so por precieio urna escrava crioula
de meia idade com habilidades, por preso com-
modo : na ra da Praia, primeiro andar, n. 47.
Vende-se ou troca-se ama eacraja de meia
idade, que lava, engomma
negrinha ou mulatinha de
andar com ama enanca, fassndo-se o negocio que
ae poder convencionar : quem o pretender, diri-
ja-so ao Remedio, sitio da quina juoto a poote,
defronte das olarias.
Vende-ae um tonel que leva para maiade
100 caadas de azeite de carrapato, vende-ae em
couta : do largo do Carmo, quina da ra de Hor-
tas o. 2.
Sebolas a 610 rs.
Vende-se a 640 rs. o cento de sebolas: na tra-
vesa do pateo do Paraizo n. 16, frente amarella.
Velaa de carnauba a 11$ a arroba '. ven-
dem-se na ra da Roda n. 48. sobrado.
Vicente Tiburcio Ferreira MalaDgunso e Sr
Beltro Jorge como encarregadoa da liquidaco e
continuadlo do negocio do fallecido Jos Josquim
Jorge, psrticipsm que mudam seu escriptorio de
commissoes pira a casa aita oa ra da Guia n. 7,
primeiro andar.
Las a 320 rs.
Vendem-se modernissimas liazinhas com pal-
mea a 320 rs. o covado : na ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavo.
O Pavo vende a A$.
Pecas de cambraias de corinhos brancoa e de
todas as cores tendo 8 1(2 varaa a 4f : oa rus da
imperatriz o. 60, loja do Pavo.
O Pavo vende
corles de cambraia maito fina com dona babados
e duas saiaa sendo delicadamente bordados a
4#, ditos sendo todos adamascados a 4$, cortea
de phaulaaia iazenda finissima a-60, ditos a 4$500
e 59 : na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo de Gama & Silva.
Panno preto.
Vende-se panno preto muito encorpado a
18600,19800 e 29, e dito cor de cal : na ra da
Imperatriz o. 60, loja do Pavo.
Chales do Pavo.
Ssbonstes de bola finos a 64
Fraseos de diversos cheiros a 320.
Liohade Pedro Va 36 rs.
Baldes par* casaveqoe a 20, 30 e 40 rs,
Rap Paulo Gordeiro (verdadeiro) a 19600-
Dito gaaee grosso e meio grosao a 19600.
.Dito dito fino a i|280,
seE outrae multas maia miudezas que com a pr-
seos dos bous freguezes se veodero baratas.
Harmelda.
Venda-se msrmelada superior f brizad a pelo
primeiro'fabricante de Liaboa, em lalaa de duas
librae p*r 19200, e de urna libra por 700 rs.: na
e coziuha, p'or urna | roa da Senzala Nova o. 30,
12 a 14 aonos para
Loja
das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Cassas (rancezaa de.- bonitos goatos a
320 rs. o covado, lavas de trocal pretaa
e da aeda a 500 ra. o par, chitas trance-
zas Isrgss escuras a 240 rs. o covado,
ditas finsa a 260 e 280 rs., fil de liona
liso 640 rs. o vara, tarlatana fina de
todas s cores a 800 rs. a vara, lencos
brsncos com barra de cor a 1f400 a du-
zia e 120 rs.cada um, meiaa para ho-
rnea s 1$*00 a duzia e 120 rs. o par,
chiUa para coberla de bonitos dese-
nhos s 220 rs. o covado, pegas de bre-
tasha de rolo a 29, dilaa de cambraia lisa
com 6 li* vsras a 39. muasalina encar-
nada a240 rs. p covado, calciohes para
meninas de escola a 19 o par, pe tos
' para camisa brancos e de corea a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 39500, algodo entestado o melhor
a 700 ra. a vara, dito branco para toa-
lhas a If a vara, enfeites dos mais mo-
dernos a garibaldi a 69, a loja est aber-
ta at aa 9 horaa da noite.
Linhas fioss de
Srandea a 240 ris :
o Queimado n. 75.
Phosphoros de seguranca
Phosphoroa de seguranca, per que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa: na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Baleias para vestidos.
Balelas muito grandes e boaa a 160 ria urna :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linha de croxei para la-
byrintho
As melhores linhas de croxei para labyrlotho,
novellos monstros s 320ris um : na loja da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
satas.
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
poTco de ricos espelhos de varios tamaobos para
ornamentos de sirias, s.ffiaocando-se serem os
melhores em vidros que tem vindo: na loja da
Victoria, na ra do Queimado o. 75.
La para bordar,
La maito boa de todas aa cores para bordar, a
79 s libra : na loja d'a-Victoria,-na ra do Quei-
mado o. 75.
Siiitos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados para seohoras a 29200,
ditos de ponta cabida a 49, diloa de fita a U6CG .
oa loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linhas do gaz,
Caixinhas eom 50 novellos de linhas muito fi-
nas do gsz a 900 ris a caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ria, brancas e pretas : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Nova exposi-
cao de candieiros
a gaz.
O proprietario da nava esposico avisa a todos
os consumidores de gex hydrogtaio que teas r*-
eebldo aovameate ama ajaessdsde da gas sassev-
fioa, ssaim coma lasabess da todas aa qaaliladee
commuss que os veesdesa oeate mercada, g-.ran-
tindo o mesmo prapretario a qualidade que
vende nesta de fsleiflcacdes. Tambase svisa que
tem recebido grande remeasas da eaodieins qaa
vende em porco e a retalho pelo prceo tu fac-
tura, cuja vaotagem pode ser ceabecida pele*
preteodenles. tendo sempre ueste esubaleci-
mento todos oa atencilioa pertsasanisn ao con-
sumo de candieijos i (< : si naa Nova o. 29 e
24, loja do Caroeiro Viaooe.
NOVA
O proprietario da nova exposicio avias ao pu-
blico que seus estabelecimeotos se acaaaa todos
os das abortos at as 9 horas da ooile il.omina-
dos com o mesmo gaz hydrogenio cont odo aos
mesmos estabelecimeotos nasa riqaiaeias galena
ds quadros que muito iotretsr a curiosila !e das
familias que quizeiem visitar astea esUbeleei-
mentos, assim como asa numerata BarHmesjSe
de objectarias que por gosto se podeaa comprar,
garanti do aos concurrentes a frasquera do in-
gresso em seus estabelecimeotos : aa roa Nova
d. 20 e 24, loja de Caroeiro Vanos.
J>IOT!IM.
A o$ ocovado.
Paono fino bom cor de rap. Uzeada que va i
79, vende-se para acabar, enegaam eras 4 muito
brato : oa ra do Queimado a. 47.
A 1^200 ocovado.
Grosdenaple preto muito bom : oa raa do Quei-
mado o. Al-
Vende-ae sud eogenho oa ribetea de Uoa.
moente e correte, muito bom de terraa e cerca
do, com todas ss obrss novss, tem prnparqe-:
para safrejar 2,000 pies annuaea, distante dw
embarque legoa e meia, ou Iroca-aa par aredieM
nesta praca : s tratar no pateo do Carmo o. 15.
Vende-se excelleola bolseas ptopria pan
pre;o da 3*200.
por arroba : na raa doa Quarteis
em bom uso : na raa
Attenco
Vende-se um relogio grande patente,
de repeticao e bom regulador, tem cor-
da para 8 das : na ra Direita n. 82
das 6 horas da manhSa as 10 do dia e
das 4 da tarde em diante.
Vende se um cabriolet muito mo-
Vendem-se chales de merino estampados mui- derno e forrado de novo, com arreos,
por preco commodo : na ra do Hospi-
cio n. 37.
Attenco-
No domingo 20 do correte, furtaramde caaa
de If aooel Teixeira Basto, na Paaaagem da Mag-
dalena, um relogio de ouro do systema moderno
de dar corda por cima aem auxilio de chave, foi
furtado juntamente com urna cadeia de ouro,
tonteado urna chave j quebrada. O prejudica-
do nao se records do oomedo autor, e o numero
do relogio e'7851, e por isso apenas comsig-
naes, pode indicar ser de bella apparencia, des-
coberlo,~e com um vidro bem saliente em gros-
sura. A quem quer que o descobrir ae agratiQ-
car generoaamente.
Toda attenco.
Custodio Jos Alves Gaimares avisa ao rea-
peitavel publico, principalmente a todos os seus
freguezes e amigos, que se mudou da loja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo o. 7, para a bem coohecida e soliga loja
de miudezas que foi do fallecido Joo Ceg, boje
ser coohecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar oo dito estabelecimeoto,
onde acharo um grande aorlimento de miudezas,
queaffisnee servir bem e vender por menos dez
ou viole por cento, do que em outra qualquer
parte.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros de gsz que tem vindo ao mercado, por
precos commodoa : na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Attenco.
6 abaixo assigosdo perdeu na ooite do dia 27
do corrente, do Cscbaog ao armazem do sal, e
dahi al a ponte da Boa-vista, a qaaotia de tres
contos de ria em urna carteira de marroquim r-
xo, em ootaa, trea de 5009, urna dellaa com a
firma, de Ferreira de Oliveira oo verso, e o maia
em ola demenores valores. A pessoa que achou
dita quantia, queira apparecer oa raa do Quei-
mado a. 34, loja dos Sis. Lavra & Irlno. que
sei gratificado com a quantia de 5009*
Jos Ferreira de Oliveira.
mk
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
ama casa de pouca familia : na praca do Corpo
Santo o. 17.
0 abaixo assignado maoda para a Europa as
suas tres dinas, Laodelina de Albuquerque O'Con-
nel Jeraey, Philomena Mioervloa de Albuquerque
O'Coonel Jersey, com 8 aunos, e Olindina de Al-
buquerque O'Coonel Jersey com 6 anuos, acom-
paobadaa de urna criada portegueza de nome
Anna Julia Vieira.
Aotooio Maris O'Cooneli Jersey.
Precisa-se alugar um eacravo proprio para
todo oservieo ; a peasoa que o tiver, dilija-ae a
ra dos Guararapea o. 58.
Precisa-se ds urna ama para cais de tres
pessoas: na ra do Hospicio n. 62.
Precisa-sede um preto ou preta para car-
regar fazeodea ; na ra do Hospicio o. 62.
Preciss-se alugsr um preto para o servico
de urna casa da pequea familia : na ra do A-
morim o. 33. segundo andar, das 9 is 3 horaa do
dia, oa as Ceptgs, rvs ds* Cridlas n. 49,
to grandes a 39. ditos de caasa adamascada a 800
rs.: na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem
do Pavio de Gama & Silva.
Pfifletots e calcas.
Vendem-ae paletota de panno preto fino a 69,
calca de caaemira preta a 49500, paleta de faney
de cores a 69, calesa de dito a 39500 : na ra da
Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
As seroulas do Pavo.
Vendem-se seroulas de linho fraocezaa a 29 o
par ou a 249 duzia: na raa da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva:
CHALES.
Grande pechincha na loja do
Pavo.
Veodem-ae oa mais ricos chales com ponta re-
donda e borlotaa tendo as bsrras a imitaco de
pelucia e asseliosdss imitando as cspinhis msis
modernss pelo bantissimo prego de 49500, ditos
de 4 ponas a 49500, diloa a Garibaldina aendo
maito grandes a 59: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavio de Gama & Silva.
Manteletes de fil.
Vendem-se os msis modernos manteletes de
fil preto com modelo de capss chegados pela
ultimo vspor: na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo de Gama & Silva.
Espartilhos inglezes a 3$500.
Vendem-se espartilhos inglezes que sao* os me-
lhores, pelo diminuto preco de 39500 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo, de Ga-
ma & Silva.
Saias bordadas a 2$500.
Vendero-se saiaa bordadas muito bonitas a
28500 cada urna: na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo, de Gama & Silva.
Bales do Pavao.
Vendem-ae bales de bramaste francez com
arcos,aendo aa melhoreasrmacdes, pelo diminu-
to prego de 39 a 31500: na rus da Imperatriz n.
60, loja do Pavo, de Gama & Silva.
Saias com arcos de linho.
Vendem-se aa acreditadas saias com arcos de
linho que fazem as vezea de balo a 36,200 e a 4$
cada um, eatss saias s ha na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
Silva.
Brilbantina americana..
Veude-se brilhantina americana'com lindissi-
mas cores, sendo fazenda ioteiramenle nova e
moderna de 4 e meio palmos de largura a 400 rs.
o covado : oa ra da imperatriz n. 60, loja e ar-
mazem de Gama & Silva.
Para meninos a 4$5G0
Veodem-ae veatidiohos de seda para meninas,
muilo bem eofeitados, pelo diminuto preco de
43500 cada um : na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhaa com gollinhaa e manguitoa de cam-
braia bordados, fazenda muito moderoiasima a
59OOO.
Ditss de fusilo com aalpicoa da cor a 3c000.
Gollinhaa bordadas com botioziobos a I5OOO.
Ditas ditas de gostoa a 640 e 800 rs.
^Ditas com manguitos de cambraia bordados s
1S6O0.
Manguitos de cambraia fina bordadoa a I9OOO.
Golliohas bordadaa a 240 rs.
Romeiras de cambraia enfeitadas para lato a
3S0OO.
Camizinhas para senhoras bem enfeitadass 3g.
Leacinhoa de liana com liibyrinlho para mo
a 29500.
Ditos s imitaco do labyriotho a 19 e a I9S8O.
Lavas do lorcsl enfeitadas de vidrilho a 500 e
e 640 rs.
Boleitea pretoa com vidrilhoa a 89000.
Ricosiifeites a turca a Garibaldi a 5J500.
Diloa muito bonitos a 29500 e a 39500.
Da ludo do-se aa amostras Bcando peahor: na
loja do Pavio. ra da Imperatriz n. 60, do Gama
* Silva.
Lapie.
Vende-ae um atlaa de Lapie com 50 cartas, n
aaobraa completas de Bocage e de Garret, e ca-
iros : na raa do Cabugi o. 10,
Vende-ae um escravo pardo, officialde cha-
ruteiro, de boa flgura, de idade 18 aooos, proprio
para pagem : na ra da Imperatriz o. 77.
Velas de cernsuba a 11$ a arroba: vende-se
na ra da Koda n. 48, sobrado.
Vende-se urna casa terrea oa ra da Matriz
da Boa-Vista ; quem a pretender dirija-se a ra
da Imperatriz o. 19.
Queijos do serto.
Vendem-se queijos do serto a 800 rs. a libra :
na ra da Imperatriz o. "88, defronte da matriz,
esquina da do Hospicio.
Millio e farello
Vendem-a saceos com milho superior, de 136
libraa a 49500 por sacco, e farello a 3S500 : na
ra da Madre de Dos n. 12.
Vende-se ou arrenda-se orna grande pro-
priedade muito perto da praca, com graode ota-
ria de dous foroos, capella, urna boa caaa da vi-
venda, diversas casas habitadas, dous grandes
viveiros, muitss arvorea de frncto, inclusive di-
versos coqueiros : a tratar com o Dr. Souza Reis
ou com o msjor Belarmioo do Reg Barros nes-
ta cidade, ou na Magdalena.
Vende-se cento a triota arrobas de gesso em
p6, por preco barato: na ra da Cadeia do Re-
cife n. 43.
Bolinas
para senhoras, aa mais bonitas e bem enfeitadas,
taoto pretaa como de setim branco, chegadas to-
daa peto ultimo vapor |francez : na ra Nova n.
7, loja do vspor.
Novo sorlimento de l'a-
zendas baralissimas,
NA
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
DE
ftzVMLVk SlLsW.
Vendem-se aa seguintes fazeodas por procos
baratlssimoa aflm de apurar dinheiro : capas
suissas a imilago de aedas de quadrinhos sen-
do de todaa aa corea e corea muito fizas a 200
rs. o corado, brlhantinaa de quadrinhos muilo
encorpadas para vestidos de senhora e roupas
para meninosaeodo muito mais larga que chita
a 200 rs. o covado, gorgaro de linho fazenda
muito aova para vestidos a 280 rs. o covado,
musaelioa branca com 4 1(2 palmos de largura a
200 ra. o covado, grande e variido aorlimento
de cassas psra vestidos sendo os padrdea moder-
nisaimos e as cores fizas a 280, 300 e 320 rs. o
covado, chitas fraocezaa de cores fixas escurss o
legres a 240, 260, 280. 300 e 320 rs. 0 covado,
chltaa loglezaa a 140,160 e 200 rs. o covado,
cortes de cassa tendo 7 1)2 varaa cada um a
29400 rs., corles de organdys com barras tendo
12 varaa cada corlo a 59, corlea da ba reges com
22 covados s 59. ditos com as' saiss feilas a 59,
lazinhaa de corea a 280 ra. o covado, de todaa
estas fazeodas dio-ae as amoatraa deixando o
peohor na loja O armazem do Pavo, de Gama &
Silva, oa raa da Imperatriz o. 60.
Madapolo do Pavo.
Vendem-se fiaiaaimaa pecas da madapolio com
24 jardss a 49500. 49800, 59. 58500 e fl>, ditas
fraocezaa enfestadaa com 14 jardee a 39 : na ra
da Imperatriz o. 60, loja do Pavio do Gama &
Silva.
Acaba de
chegar
ao noy o armazem
DE
BUSTOS & IEG0
Na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Milita-
res n. 47.
Dm grande o variado aorlimento de
roupas feilas, calcados a fazendaa e todos
estes se vendem por precos maito modi-
esdos como da sea eosUme.assim copo
aejam sobracasacos da auperiorea pannoa
e casacoa feitoa peloa ltimos figulinos a
269,289, 309 359, paletota doa mesmos
pannoa prato a 16f, 18f, 209 o a 249,
ditos de caaemira de er meaclado e de>
novoa padrdea a 149.169, 189.209 e 249,
ditos saceos daa meamaa casemiras do co-
res a 99,109,129 a a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto prego de 89,109, e 125, ditos
de sarja de aeda a sobrecasacadoa a 129,
ditoa de merino da cordao a 12 J, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
ditoa do alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditoa saceos pretoa a 49, ditoa da palha da
seda fazenda muito superior a 49500, di-
toa da brim pardo a de fuatao a 39500, 49
a a 495OO, ditoa do fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de easemira
preta a da coras a 79, 89, 99 o a 10, dit ss
Sardas a 39 a a 49, ditaa da brim decores
naa a2450O, 39, 39500 a a 4J ditas de
brim brancoa flnaa a 49500, 5f. 59500 o a
69, ditaa da brim lona a 59 a a 6f, c elle tea
de gorgaro preto o de corea a 5| a a 6 J,
ditoada caaemira da cor o pretos a 41500
a a 59, ditoa de fuato branco o da brim
a 39 o a 39500, di toa do brim lona a 41,
ditos de merino para luto a 49 o a 49500,
calcas de merino para luto a 4f500 e a 5 j,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos ostamanhos: calcas de easemira
5reta e de cor a 5g, 69 a a 79, ditaa ditaa
a brim a 2$, 39 e a 39500, paletota sac-
eos de cssemira preta a 6j a a 7, ditoa
da sor a 69 o a 7g, ditos de alpaca a|8f,
sobrecaaaeoa da panno preto a 129 a s
14, ditoa da alpaca arata a 59, bonete
para menino do todaa as qualidades, ca-
misas para meninos da todoa oa tamanhos,
meios ricos vestidos do cambraia feitos
Sara meninas da 5 a 8 annos com cinco
abadoa lisos a 89 e a 12|, ditoa da gorga-
ro da cor a de la a 59 e a 69, ditoa da
brim a 39, ditoa da cambraia ricamente
bordadoa para baptisados.a muitss outraa 1
fazendaa e roupas sitas que deixam da
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade ; assim como receba-aa toda o qual-
quer encommeoda da roupaa para aa
mandar manufacturar a que para este flm
temoa um completo aortimento de fazen-!
daa de gosto a ama grande officina da al-
faiate dirigida por um hbil mestra que
pala aua promptida e parfaico nad adei-
xa a deaajar.
IR
Largo do Ter numero 23.
O proprietario deste eatabelecimento de mo-
Ihadoa est resolvido a vender os gneros muito
mais bsestos do qae am outra qualquer parte,
alancando-se a boa qualidade, manteiga iogleza
a 800 e 900 rs. a libra, dita fraoceza da ssfrs no-
va a 680, e da velha a 640, banaa de porco refi-
nada a 400 rs. a libra, batatas muilo novaa a 140
a libra, em gigo. faz-ae abalimento, toucinho de
Lisboa muito novo a 240 a 280, queijos do vspoi
a 29700, da navio a 29400, cerveja das melhores
marcas a 500 rs. a garrafa ; assim como se ven-
dem outros muitos geoeros pertencetfles a mo-
lhados, assim como caf, arroz, velss da esper-
macete e carnauba, e finalmente ae vendem oa-
ratissimos no acreditado torrador no largo do
Tarca 0. 23.
casa de familia, pelo diminuto
39840 e 49160
numero 16.
Vende-se um bal cao
da Praia n. 54.
A taberna grande daSo-
ledade
vende manteiga ingleza a 880 o 19120. fraoceza a
720, en i muilo bom a 2JO0O. baixo a 29400, preto
a 2g, caf lavado a 280, queijos novoa a 2J8C0.
doce de goiaba a 800 rs., msrmeleda a 800 rs. a
libra, lata de masss de tomate a 890 ra.. charutos
unos de varias qaalidadea e precos, vinho da Fi-
gueira e Lisboa a 560 rs., e do Porto a 800 ra..
saceos com milho novo, trelo a feriaba a 69, 5a)
e 49, e muitoa outroa gneros noves a boas : aa
taberoa grande da Soiedade.
Galee e volantes, trinas e espiguilbas mui-
to em coala: oa ra da Cruz, armazem a. 33.
Vendem-se dous pavees:
nesta typographia.
Loja do beija-lor da ra do Queimado
numero 65.
Vendem-ae luvaa de pellica de Jouvin braersa
e pretas para aoobora e bomem, ebegadaa pelo
ultimo psquele.
Loja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 63.
Veodem-ae fraojaa a traoeao, ates da veiiudo
preto para a quareema, maia modrame qae ha Ss*
mercado, e mais barato que em outra qiiaiquat
parta.
Loja do beija-lor da ra o
Queimado n. 63.
Vendem-se fsess finas, cabo do balacea da 2
botoes a 6j8O0, ditas para doce a 3J800. ditas a
um botio a 6j200, ditaa para doce a 59200, di:e
pretaa cravadaa a 3(600, ditas braceas a 39* 0.
ditas rolicas a 39 a duzia.
Loja do beija flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se grvalas pretaa de setim a 19, ditas
estreitss a 19, ditaa a 800 ra., peanas da ac,o da
lenca, 500, a 720, ditaa de mozioha a 800 rs.
Ra da Se 11 zalla Nova n. A2,
Venda-se em casa de S. P. Jonbitcn & C.,
sellios e silhdes inglazos, candieiros e carneaos
bromeados, lonas ioglezas, fio da vais, chicles
para carros e montara, arreios para carros da
um a dous csvallcs, e relogios da onro patenta
ingles.
Aos senhores consumidores
de gaz.
Noa armazens do caes do Ramo ns. 18 e 36, e
na ra do Trapiche Novo (oo Recife) a. 8, aa ven-
da gaz liquido americano, prisacira qualidade, a
recentemente chegado, a 14/a lata de 5 galdes,
ssaim como.latas de 10 e de 5 garrafas, a em gar-
rafas.
Cabriolet e cavallo.
Vende-se um excellente csbriolet eom lodos os
aeua arreios, muilo forte a quaai novo, o um bo-
nito cavallo ruco do meamo, aem aebeaues, a
que se afianca, sendo esta animal melhor da
cabriolet que exiate nesta cidade : aa coebeira
de Thomaz Jos dos Reis, ao peda traca do ca-
p m, junto da casa do Dr. Sabino.
A banha fina,
em copos grandea, chegou para 1 laja d'aguia
branca, ra do Queimado o. 16.
Sementes
de Hamburgo.
De hortalica e flores.
Vindaa pelo ultimo vapor ingles: aa ras da Ca-
deia do Recife loja de Vidal & Bastos.
Aos Srs, consumi-
dores de gaz.
Noa armazona do caes do Ramos ns. 18 a 3*3 a
na na da Trapiche Nova (00 lactsvl a. 8, aa
vende gaz liquido americano primeara qoalida-
de o recentemente chegado a 149 a uta da (inca
gallei, assim como se vendem lataa da ciaca
garrafas a em garrafas._____________________
Moendas f meias moendam.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Bodas d'agua.
Rodas, dentadas,etc., etc.
Ru do Brum n. 38, funtiicio
de D. W. Bouman.
Vende-se na comarca de Nazavuta
de taipa, aita naa torrra de Tasaataape,
antiga loja do funlleiro, nfOfeta para
pessoa que quiztr continuar ooeo a m
co por estar multa afregaezada
genhos, livre a deeeaDsracoA
quizer comprar, dlrlja-eo a roa
ro, loja n. 98, qao achara com
m



v


ni
.-
F'
-,'
.

-
we
ARMAffl
Francisco Feraandes Duarte
Larg; 4a renlia
Vende-se oeste nrmazem de molhados os melhores m-
ceroi que rem iMti mercado e p< r meuoe 5 a 10 por cuto te ana en Ira uitaur nlrta
aranltndo-ae a boa qu.lid.4i. por itio rog,-se todo. mSrfc tepHM Vt^ rfmttSo'
f.orde mand.rem su.s encomm oda. .o armazem Fruaos? atas mm SirMUdt
preco aalidad. que r.z. .a foMt compra*om outrMa^Var^rteV *
^ aStmro*. **" ,,e,)riB,ir 800 e 19000 a llar.,e e barril nM
r!& V ^omaisauptrforqaeha no mercdo **00, 8500,t libra.
a .111 imitando pOToIa, pela aua su psrioridide a 8|000.' e 29*08 a Ubre;
<$U ** ^ J*J**tfcedoi oeste .timo vapor a 29800, dito, chegadoo oo ultimo
O u i i os londximoi
faz ate^ntoT^ '" ,bm BMU g9ner0 ,*000, 1,br' e *" tm^9 ,e
^ I V** o mais saparlor qae tora viodo a este mercado a 1SW a lt*e.
Premnto inglez pura fiambre ,. aM .
ci .. (.^batimento. m"Uo MT 6Wr*' t**3 # *""
C 8te\eUs UgYezaa proprl part flaobrf ^ r>; t # ^
Preiunt* de reine ,, J,..
. d apenor qualid.de a MFrt. a libra eioteire, *W r,>
& *m?m|i?r^ho"?0o'" '"' P6de h"*' P" *',ar prpmPt0 ,0' ho" llbj* '
Toueiane do remo ,'*'
-, mail a 280 ra. a libra, e em barril de 3 arroba, a 7#000.
C kiouricas e palos de lombos ua, v,
ment0# 40 ra. a libra, en petate M (ax abat-
Latas eom enou ticas
mercado a 29000 cada uma. J prBpU' P'" ? C0B,er Tind" 9^*" e8le
Banna de pareo re inada. JnL
a u. a ""***** m lala com-10 librea por 4*500 cada urna.
Banna Ae paveo ,,, flna aWa 480 r8>, llbra % em ban a wo a
Miar melada mperi ..
a 800 ra lih J"J'"""?0 ^rom d* oat,0 m"llM 'WteeteeJte Li.boa
a cju ra. a libra, e era porcao se (az batimento.
Latas com frotas 4* doce em calda
ceg, alpexe. e giog,, 800 rs. cada lata Cm ,e,l "' Mtmelada de alim .rx.e
Latas com ameqdotks eonfeUadas ,. ** ,
candi, multo proprio ,,r. mimo. SX^"" ** tMt0' ",BC"
oee da c%sca da roiaba ,. ,
... .no n,ul,0 flno a 800 rs. e em porgio se fai abatimento.
wce scceo e mea da a
2500 cada urna. dlff9r,nle ****. em lata, de 4 e Mi por
C*noe* com bollo 1 rancex nrnn tM
> P&asas em caxinn>a de S libras ma(tn ^^
480 rs. a libra. n,uil nor Por *$500 e relalho a
FigoB^a c^mmadT't .
, a.. V TH? O9ro*j am canas de 8 libras por z500. ditas com ?
por 18500, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900 rs. cada urna e a relalho a 320 re.
ii Drs.
dTv&lbas (raneezai:. e portnsnezas .. u
ditas em mei.slata. 500 pT^^^ ** ,at" % ^ P' 6* "
M*m*m tomate em Wu da, libr, pw800 rs
^mendoas de casen mole mnil0 noT a 3M libra
i% Wt.es a 120 rs. a libra, e 3j(i 10 a arrobi.
A.waeixas france&ai. m lata, com 8 llbras por S|MOi dtai eom. li2 por f#500>
Ameixas pottngntLas. 3201.. m. .m Ml ,e f,rt .b.tlo,tt,o.
a! de 80(ia em latl, com dirTereDlea qulidades, a 1|440 rs.
1 IV* A A *fl^1,lri* macarraoetlh"'n-*00rs. alibraeemcaiMpor85000rs.
Palitos de dentes liK8(l0,. molhol com 20macinho, por m el80 ri BtI|0 BBOl<
. 8m ra8C0S C0Qi 1 e 1 2 libra por 800 rs.
francez para limjjar faca a 200 rs. cada um, em porcio se faz abatimento
v mai <> lo mereado aSWrs. a llbra em barrica a 49500
aBK para engommar, mu to alta a 100 rs. a libra e em sseca se faz abatimento.
lrfl\C1'
J de posta em latas das melhores qulidades de peize que ha em Porlegel a 19600 rs.
nrmasete attperior, ciDt0, 8eis velas por libM a 760 N t tn ciira 1740 n
S j-dmnas d8 NaDtes em, ltag muit0 noTa| a 400 r#
. a *a\ de 8uperior quaiidada a 110 rs# a 1Drt 1 refloado d.; differentes marcas e o mais saperlor que ha a 800 re. garrafa
.". !!n!S d0 "1aB ,d0 Pot' -e de *" muUa > creditadas
Desle mercado a I9IO) rs. a garrafa e em caia a 12$000 rs.
l ^ e^ P'P* Porto,FigueiraeLisboa a560 agarrafaeem canada35O0, 49e<500.
J* das mais acreditada) marcas a 59 re. a dezta, a em garrafa a 500 r.
Y S das marcas iiais superiores qee ha no mercado a 15$ e 22J000 re. o gigo
Cwguae inglez. lom) rl.. eaixa e iaoo ri a gajraf<
Ginebra de Hollarla YerdadeiraamrMqueira a|000.ra.. o fraaeo a560ra
X amaras do ^gy ||i., 6l0 tt;, Ilbra, m ca.tlDHig eom, a w lbra por 5|
Uenebra ingleza. 1(J000 rs dMia a a retalh0. lf900 a garraf,
P*.lits da g*z, o^.-,
w -x a 29o0(' irs. a groza.
refinado era potes grandes i !00 rs. cada om, em porco se far abatimento.
' Jr&i ?,U.VieibPr-dee '.SIV"*'0 83 "' lb" "* "*"' d,i B'U
Sev adiaba
ment.
a*Rmenlo noro e Iro s-M r. aiibra.
do reino daa trarca J.SS e galega a 140 rs. a libra.
do Miranho aira a cbelrcu a 160 rs. a libra e em arroba a 49800.
llervUbas acaa muUo a0Tli a 160 ra a libra>
de carnauba refinadas a 4(10 re. a libra e em arroba a 1000.
ta**tf)doca de Llaooa a 7ae fu garraf>i afiin5a$e a boa quaUdade_
uiagre da UaDOa a 240ri# n s;srrafa( e em canada a i>g<^
wibo
ftito
Fuadk&o d
" ierra balido coa* faodido. aaMnas ara diar-
,ato!!^aBfr*, --'>-^--P^*-n0** Ptr$jfcfi.
fHsf
te., ote.
L^ 1^^^ de (W
rentes tamanhos e qtitfy
eeeommeette te IMdM e bem *e*ttdii tteeeai
francez.r te t-*1 palmea te eltora, M ,m
na verdete tenas o perfeitu a benf .rr.oj.
dae q.e aaitetBiatllTelrtete tesej.cam-
- ataa. afem da formesora tem
' ida, oatr.s boqitos cta-
----------------. .. etc., toaae em Im
bte gdatmente otrtte bello aortlmeato de boaa-
taa de choro Ualo demeaaa como te sera saado
ssawar Artes
sise de quhiaar paaaoa mimoaar ufcameai-
na qseseja aua fllba, prenla oa conhlcid, di-
riflndo-e pnasaito faiwWo de dinheirb) aloja
da agu* branca m. da Queimate n. lfafllite
comprar ama deseas bonacas ov outre aualoaer
soasa te agratei isaiajawr
Bandos ou crescwitfti e
cabellos bumtoos.
Bandos de dina milito grandes ,fc bem
ekos. >
A lojs tl'guia br.nca aiaa>atoeMaaa-aeahoras
qua naT,m manate procarar" a eocoaamendar
----------tesaaantM de Sello, batuco

wiy;D9m-?t*t,,**tatH Kara n. SO, eel-
Relogios
Veude-ea em can de lhoMoai Patar de CU
.^doVigarto n. 3, um bailo souimeato-te
giaa te oarsa, pasate ia^laa, te nortea nate
10* fkfirmuiM te Litar pool; timbeas
urietete da booitos trancan i ni para 01
meamos.
Poassa da Bussia.
Ve^-timw* de&ff fajter
C, successores, ra. da Cruf.'
efundo
ISatea? ,",,*,,pw,^ui* ""* 1
CrJa4ai4a,P*Dn" od,todM V*U-
MENOS DEZ POR CEUTQ
NOSARIaUMPS
ipiaixsia^
DE
Oa propriaurior
WllTEAC.
a fc Grmes de Santo Antonio 36.

ee i iiabaiaios ireeeactes d. Sello, teman
LK/V* d*,P*Waat qte elle
aoabam techegar, toa baca arr.olfdo* catno iua-
ament aedewjaT. .ende o sorrfmeato. te re*
tos, ustaobos ate a muilo beta teeldos nos pe-
qe^speeilaaqae.ecmePaca Ree^^tra^
do ao meamo ttmpo enchtroento, do que resolt
que urna saetera com uaa p.r desaes crssceatee
pode mauTiUtosamenla fazer o amarradllho de
sm cabello-sem que dein perceber a falta a..
ffi 'T**^*** ;c,d* p" 5 ?
Mads de cima mu grandes e bem feitoi o me-
Ibor que am tsl genero se pode der a raodemte
* te o Bar, tudo iaso na bem conhecid loia da
agota branca ras do Quemado n. 16. >
Vente-a m fregnaxia de Ipoiuta o enjie-
he Di.anante, todo bem montado, coa casa de
Tienda, eesala, otarte, drsttlacio, estribara.
casss para lasradom, todo1 d tijolo a cal, moa
d agua e muito bom de produecio', eem trra
para dac matate 3,000 paes annuaimeale com
tetras ainda por descabrirera matas : quem pre-
tender comprar, pode dirigir-ee ao mesngo enga-
nno- tratar como proprietario. ou no Redfa com
o IIIm. Sr. commendador Lemos Jnior,
- So.h.ll Mellors & C. (ando recebtd -
i'i-S!^*8nde' 8e"crKitedepeeisMersIe-
gioa rpate o fabritante terse retlraele de nego-
ate ; Marrida, portanto, s peeson qswaiterem
poasiilr um bom relgio de oero oa prava de e-
aT5*lv59Bto '^""y. a aproTeitaVi da op-
portuoidate sem perda de lempo, para tir aoai-
pr*-tos^or eom modo prejo no sea eapriptorio
ra do Trapiche d. 18.
Argolas de ac para chaves
rendem-se 200. 240,820. 400 e 500 ris, aa rea
de Qoaimado loja d'ageria branca b. 10.
Froco fino, e seda frouxfc para
bordar
Teade-eena rea doQeeimade loja d'agaia branc.
n. 16, onde ae achara completa aorlimento.
Existem.
500
120
120
M
240
m
260
no
eW
400
SfO
801
80
laHJ^te linha qepero tamanbo a todo
aapiram a
Caixaa de agulhaa fr.acezu e
Caiiaa eom alfinetea meito finos a
ieweeaem app.retbo pete ntrete- aee-
Dnaenitoagraadee a
B.ralhos porluguezes a 120 e
Taaouraa par. enh.s muito flnaa a
RrTl?r*rWto, m,it0 !**<"> a
sae a nce** pift *0,ete mullo fl-
^P^waomagull^ireteew .
feeaa te traeca de la. com 10 rar.s a
'testaedearfineies francez es a #io
uSSZS-1WZ"fl0 d' EkocU n,n,t0 fln 320
Oita* dita, br.ncas grosaea a {(M
"cotas para Umpar dentes muito finas a 200
r5!c,MB*UDMlore,T,mPOa 40
* de d,l "u periorea a 40 e 60
affl'V de fuQdo de a5 to superiores a 100
.Kofiadores para vestido, de senhora coa 4
?ras a o
Galxacom colzetea francezes a
Cartea da alunles de ferro a 80
loaruleiras muito finas a t*ana
Tlnteiras de ridro com tinta a 160
Ultoa de barro com tinta auperior a lao
Arela preta e azul muito fina a libra a 120
Tente ora remessa de labyrintho para ven-
.fl Pr_,0(,o Pr?o. aaaim cerno tenbo treocaa de
aKSSmsarvendei muV*
Muita Bttmq&.
Na loja de Silra Cardozo, raa do Im-
perador n. 40, vndese roupas feitas
de todas s qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os fregueses com-
prar porque pechincha.
Algodo da ttahia.
Proprio para roupa de escravos e saceos de as-
euear : veode-se na rus da Cruz n. 1, escriptorio
oe Antonio Luiz de Olireira Azevedo & C.
Na ruaNoya loja francesa n. 11^ pasa vender
muito barato ama bonita cideirinha e-um ele-
gante palanqaim : aa peeeoae qua precisar.m de 11
qualquer del les nao podem echar melhor occa-1
siao para comprarem bom e barato.
Berseguins ioglezes.
Na rte da Imperatriz n. 10. defronte da bone-
5a, loja do Pinto, recebeu pelo nllimo Tapor um
grande sortimento dos j bem acreditados borse-
guns inglezes, que rende por lQJe llg a diohei-
ro logo contado.
Para liquidar.
Calcado muito em conta
M. I-. j.n- ._ ____
g Roupa feita muito
barata.
Na loja do Pinto, ruada Imperatriz n. 10, de-
froote da boneca, acato de chegar um completo
sorlimento de calcados dos melhores fabricantes
de Pars e Nantee : bolinas de Melles, de bezerro
e cordavao, tinto de sol, grossa, como de .olla
ana, bolinas para senhoras e menioas, assim co-
mo um grande sortimeotfl de borseguins ingieras
que se vende por menos do que em outra au.l-
quer parte, e todo
avista.
leos do que em outra qu.l-
o mais calcado ; a dinbeiro
I Sobrecasacos de panno prelo muilo fl-
l no. paletotsde dito, paletoiade casemi- S
ra de cor, ditos pretos, ditos de fusUo, 2
ditos de ganga de cores, ditos de brim 9
i decrese brancos, calcas de casemira f&
I preta e de cores, ditas da brim branca e 1
te core., m- *,, BauBan bllete, de
velludo preto e de cores, ditos de gor- $1
; gurao, ditos de fustao.ditos de brim bran- -fi
co, camisas de linho, ditas de algodo W
braocas e de coree, seroulas de linho,
ditas de algodo. chapeos deso de seda-A
inglezes os melhores em tamanbo e qaa- s
lidade. tedo se vende por barato preco a W
dmheiro avista, na loja tes 6 portas rus t
doQueimsdo emfrente do Livrsmento ate
est sberta at as 9 horas da noite. W
eso Carnao 9
iSBSllu no]htim
orJaMrWa^0o^,Tio|^qaep7S^JP," ItT??!!^- *-------------
PVa o. colter.an. *i-l. SaTi0^t^^ *
f.f* abatimoS, *tiimn ^'li^ Ufc. m
o qai ni da melhor nee genero a 29500 e 39000 a
CU E mtoit 8UPM*,0, ,Bd0 Prim ven ao
UJ2E!E" ^ ^ d -* tor mO0 -
OaeifM suidos.., Mpwior. a. fiW^ ^ ^ m
S8f teprlto^.~^^-~li' *+i
Latas com.IiniTuicaS* -
vez ao noseo mercado a 19800. a I*

1
Borseguins.
de
Fr.nca a m risnera do mercado a 280 rs. a libra, am porcao se le ab.ti-
i Msicas para piano..
Ha chegado ra Nova n. 22, um 9
9 grande aortimento de pecas de msica db
para piano intituladas Joven Peroambu- ^
cana polka, eatrada de ferro de Per- V
A n.mbuco quadritha, hymno nacional do M
^Bt Braail eom aeoaopaohsmenlo de piano
ge o faoeralde S. M. o Sr. Dom Pedro'
W V rei de Portugal. m
No deposito defronte do theatro ra
do Apollo n. 31, vende-sa gelo a 4| a
arroba e 2#5oe meia arroba e libraa
a 160 rs.
c.n^^BC4Ojt|00.,U ,UP6ri0r qU ,4 n P P-A-ta- 0 ra. a garrafa em ^la^ J^i?.^
Por boje del fim ao mea repilorio al a cheaada do orimeiro Taar viada d. Rui-oo. Dl.I^f^-^J?"iq, ,erfl90' n>eaeapeea eagenho
! ero novo aorlimento e nao a ai pregulco.o TtgJa^3^&lrHt P ^11?, .e^te i.r.'"' ""
'cherez a 19600 a garral'i e em calxs se faz abatimento.
Ra da Imperatriz d. 10. loja do Pinto, ven-
dem-se pelo baratissimo preco:
Boraeguin de luatre para homem a 8i
Ditos de bezerro para homem a Bf.
Ditos de cordavao para hornera a 89.
Por eate preco s a dinbeiro a vista para ,li-
Charutos da Havana.
Vendem-se charutos da Harana d-
superior qualtdade em casa de N. O-
Bieber & C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de meta, prateado.
Em casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores, vendem-se apparelhos completos
para almoco, porta licores, garios, fa-
cas, comeres para chae sopa, galhetei-
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem conhecido metal, pela sua boa
qualtda le e duracSo : na ra da Cruz
n. 4.
Novo sortimento de cascarri-
lhas de seda.
A. loja d'aguia branca acaba de receber um oero
e bello aortimento de cascarrilhaa de aeda de
maltas e diflerentes edres, e veude-se 19500
e 295OO ris a peca, na ra do Queimado loia
daguia branca n. 16.
Vende-aa loja de miudezas da ra do Ca-
bug n. 2 B, eom lodaa aa fazendas ou parte del
las, ou mesmo a-eatnac&o : a tratar na
Arados americanos e machinas
para lavar roupa t em casa de S. P.
Johnston & C ra da- Senzalla Nova
u. 42.
A boa fama
venda gollinhas e punhos com boles para senho-
ra. f.zenda muito boa, pelo baratissimo preco de
29 : na1 ra do Queimado n. 35, loja de miude-
zas da boa fama.
i Relojoaria superior
%21Rua JYovan%
M Acaba de chegar pelo ultimo vapor P
v trancez um sortimento de. relogios de 2
w ourode todas ss qualidades e urna por- 1
$8 cao de relogioa de prala dourados pa- |
A lentes suissos muito bem dourados e de
.. qualidades os mais superiores que tem ^
P vindo a esta praca, aQlnca-se por um I
Q anno, e muitos oilros objectos como |
* mageaa muito ricae, linternas para !
* carros, chicotes para carros e cabriolet, t
W *elas, espelhas dourados, instrumentos d
^ de msica de todas as qualidades, ocu- 2
sa los a lunetas paratod.s aa vistas, dia- ;
P mante para cortar vidros etc., vendem- 9,
se todos os objectos multo em conta. J
Novos e lindos
enfeites^ar vestidos pretos
e de cores, e roupinhas de
criarjjpas.
Em apropriado lempo recebeu a loja d'aguia
branca um bello e completo sortimento de enfei-
tes de seda para vestidos pretos e de coras, e rou-
pinhas de enancas, sendo trancas a bordados de
novos e iindoe deaenhos, e difflceis tecidos. com
os quaes pode-ee com gosto e modernissimo en-
fetar qualquer vestido ou ronpinho de erianca.
Ao paaso que ditoa eneitee a todos geralmente
agradara, a commodidade dos precos aina ao
comprador, e esta verdade ser verificada por to-
dos que se dirigirem dita loia d'aguia branca,
ra do Queimado n. 16, cajos pregos estio mar-
cados as amostras; as quaee se daro com pe-
nhores.
Luvas de pellica
Brencas e de coree pera hornera e'senfaora, che-
ged.s ultimamante per SfSOO rs. o par : na loja
do vlado na ra Novan.8.
ba da SenxaUa Nova n. 42.
' 13 aa 1
lXe em Ifttas dediversos tamanhos, savel, sardo, pargo. pescada, cavaii
dos fritos, atm marenao, robllos e lulas de tlgeUda;de 19300. 2*>Ot> \ UtT
!2LtmTlrw,'ta' -note. trabS-
lentos para 240 re. a libra e 69500 a arroba. ^^
Bailha d^porcO em Uta. com 10libra, por 400 e 480 a libra.
"^e a Hbr^7Psraf k* ^ "~ e '-
meta es libras* 750 rs. a libra
Latas COttl fiuiteS em Calda comosejamp*. mm .este Int
te, ameites e gig^ 7tj0 rs. lata. ?" ^im ** *"?' ""^W' **"-
Mar melada de Alperce^uus de 2.brpor itoM^ '
Doce da casca d goiaba roo .m p* M.
IJOCeS SeCCOS |g diHarentes qualidades em bcetas muito bem arranjadas a
. i a toaras as raDjs superiores que tem viodo ao mercado em esixinhas eteraaiaajaaNa ea-
feitadas a 2?>500 e 600 rs. a libra
i^assas em coxinhas de 8 HUr-is .*ooe6oor,., u,..
r IgOS da Comadre muto novos em eazfote de 8 libras e mura bem eafratato
. 29200 e 320 rs. a libra.
Krvilhas francesas e portuguesas ,64o 720 re. a uto.
MaSSl de tomate emlaus del Ubrra aSOOrs.
Amendoa8 da casca mole Bulto no,M, 400 rs.. libra.
OZes muito novas a 200 rs. a libra.
Amexas franeeZ^S 0Ia latas com 5 libras por 4f000 e a 19000 a libra.
Cil aclate Ilespanhol i,mo, franca, loOOOeportognwa fK> re. .lite.
oOl^xillha d SQda emialascom differentes qualidades a 19400 a lata.
MagflaS pa ra SOpa macanio e ulharim a 240 rs, a libra e a caita par _
A-'aiXllinfiS muito bem en{ejtadai com pevide, rodinha, estrellioh, ele. a 70t e
v ailtOS IIX a (IOS paradeates em molhos com 20 aeinhos a 200 rs.
~~" JLJjOIO rafiCeZ para limpar facas a 180 rs. e em porfi se far a-jatimento.
Espermacete Superior aem amia a 740 e en exa a 7CO n. Ubra.
Sardinhasde Nantes mUiu) novas a 400 e eso rs.
AJpiSta muito nova a 180 rs. a libra e 51500 arroba.
AZCltf doce refinado de diverjas mareas a 80U rs. a garrafa e 99000 a duna.
liOiaCllllllia iogleta. mais nova do mercado a 300 rs. alibra 49200 a barrica.
vrOtna muilo alva a 100 ra. a libra e 2#500 arroba.
VIIIII OS engarrafados duque do Porto, g enuino. Porto fino, madeira saos, Caw.felee. naav
tar, feitoria, velho secco, ataseatel a 19200 garrafa e 129000 e dazia.
O' t O8 em pipa Porlo. figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa e de 49000 9*0* a ca-
ada.
SeTVt. ja8 das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Ltll1:111 pailII das mareas mais acreditadas qua h no mercado a 149o 209 .gago.
Cognac ingiez a 109000 a eaixa e 19000 a garrafa.
Ginebra de Holiailda verdades a 79500 a frasquera e 800 rs. o fraaeo.
AZeitan&S em aneoretas as melhores que ba no mercado a 29 e a 400 rs. a garrafa.
1 raCJUeS superiores em caixinhes a 109 e a 320 rs* a carta.
Ph lltCS do gaZ a 29500 a groza e 240 rs. a duzia de anisas.
!S. I refinado em pecles de mais de urna libra a 240 rs. em porcao te ateiiaaeaHo.
Cafe do RO o melhor que ba no mercado a 320 ra. a libra e 99000 a a
SeVadnha de FranCci amis nova do mercado a 240 rs. a libra
^agU mujt0 novo a 320 a libra.
Farinha do MaranllSLO mnitaaWa a ama lOOrs. alibra e
roba.
Velca de carnauba e de composico a400 rs. .br. a
a arroba.
Vinagre purO de LSboa lio ra. agarrafa e a 19000 a csate.
Gl) de,bico moito nova a 200 rs. a libra.
Peras seccas em caVxi n h as da 0io libras a 29000 a 40 r*. a
Marrasquino verdadeiro de zara, de liraone, caf, manta, geoepro, matees'
curacu, rosa sublime e ouiras qualidades d 19500 99 a'garrafa.
BatOtaS era g'ajos de urna arroba por 19000 e 40 rs. a libra.
CominflOS os mais novos do niefcado a 800 rs. a libra
Er Va doce mato nova a 400 ra. a libra.
ArrOE COIU toque do a Varia em saeoosde5arrobasa59a u
' a arroba.

\
^
.
i
'
ia oa semaua Nova n. Al. n* r^T
Neste estabelecunento vender: ta- ^narulOS verdadetros superiores a 2 a caixinha de 50.
is de ferro coado libra 110 r r(m Snlmnn s^iii lufas ... i^i:i_...!.i. --
chai de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120r$.
4os fabricantes de velas.
O aotigo deposito' te cara de carneaba e sabe
em po a em velas, eatetetoette no lergo.de Aa
aambla n., m.dou-se-para rea da Madre de
Dees n. 28, qaasi devreota de igrejs, onde conti-
na a baver um completo sortimento equailts
gneros, qae se vendempor preees razoavek.
Salmn em latas com duaslibnsomaisbea .rranjado que esas viodo a
este a 19400.
Manteiga eill latas coo>4libraia melhor do mercado
39200 cada urna.
Vinagre em girrfoes eom 5 garrafas da superior qnaiidate a 19200,
Arar lita rerdadein muito nova a 320 a libra.
Alm desles gneros encontrar o respeitavel publico tes
aortimenio de ludo laadeoie a molbados.

. i



I
i
i?*


1W Atm fe India
r

m t,0liS,de T n uhm c. 5 arrobas a
Sio 1*000 arroba, tambe* gigoi com. batata*
alf: noi armazem Progmsivo Progresista
no largo do Carito p.IiuiOm <'.'inane n. 3i.
Oh! que pe hin-
cha f
Vendem-se palitoa lichadoa a folhJido*. fios,
para dentei, dou manos cota 40 rx mimos por
4Wrt: na ra da Imperatr. leja n. 5.
Grande
liquidacao por toda
o prec^o, na beni co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
[Ba do Queifflad i. 45.
Barato que admira.
Chitas escuna unas a 160, 18(1 e 200
r., cortes da veatMo preto* bordada*
?Iludo pelo baratissimo pr*co do 85 a i
5, dito* adamascados a SO e 1169, sabi-
das de baile de velludo e aetim a 159 e
169. eamiaa para senhor* a SeJ e s 4t,
golliahas e mmguitoa a 2*50(1, 39500 e
41*00. gollinhas de cambrsia to dadas a
720, 80, lf. 19200 e 18500 rs., dilss de
fil bordadas a 240 rs., casaveqnus de fus-
to a 6, 7f a 8J, meias de seda brancas
pretas para aeobora a t#800 par, ti-
ras de babados a 800 1, lasa c a qaadro
eofeetadaa a 360 a 400 re. o co"( do. eaffl-
braia prela a 440 e 480 rs. a vam, organ-
era* cores a 680 rs. a Tara, f bran-
ca adaaaaMioo par corlinado v*iti-
dos a 480 e 540 rs. a ara. cortea da eol-
leta de caaemira bordadas preto a 3$ e
99600, ditos da reliado de cor e prelas r
4, 5, 6 e 7, paletoU de bri n braoco
rancezes a 4 a 4&500, ditos do casemi-
ra de cores prole* a 16 e 189 ditos do
alpaca pret e de corea a 3|5C0, 4 e
49500 e 59, camisas da peito de lioho a
9900 99, cortes de colleta da gorgstrao
de seda a 19600 a 2, 2$500,30 o 49, eol-
letes (tos de brira brsnco a ;' e 29500,
diteed* gorgurao a 39 e4S,ditoda caaemi-
ra a 48,48500 e 59. ditos de velludo a 6,
79 e 89. ditee de fueteo de corro a 18500
*f800, meias de la para botn m e se-
nhora, ditas de algodao crias ara ho-
aaem dusia 19400. 19450 e 39* ( ditas a
SIS 49 a 59 a duiie, ditaa para oeoina a
2&600 29806, doria 8nas e dlrorserta-
maobos, ditos para minino a 29 e 28500
a dusia, pecas de algodio a 3980D, 49 e
49500. chita* francea* finas a 510, 280,
300, 310 e 360 re. o corado, CU borda-
do e liso, grinaldae braocaa coc ramos,
cbsles de troco, espartilhos, clu paos de
castor para homam, panooa para mesa e
un variado sortimento de roujis feitas
que ludo se rende por baratissioio preco.
- jo*s*ruw*fii 1 aa^svs*vM
Facas e garios de todas
as qualidades
Vendara-so dunas de facas e garloseom cabos
de msrfim o aais fioo que se pode desojar pelo
barato preso de i69, ditas para sobre meaa a 149,
ditas maito (loas de balanco a 69400, ditas mui-
to Boas timbera de balanco e com o.j baldes a
79. ditas imitando as de balanco a !;J, ditas psra 1
sobremesa fazeoda multo superior a 5 .$500 e 69,
ditaa entrefinas a 29500, ditas para meninas a
320. 440 e 500 rs. cada tilher e leca -le.to cua-
lidades outraa muitas qae se venden barato : na
ra do Oeaimado na bera conhecida laja de miu-
deas da boa (ama n. 35.
Para violo..
Vende-se muito superiores corda1 para violo
pelo baratissimo preco de 120 rs. :ala urna e
bordo a 160 rs.: na ra do Queimtc o na loja de
miudezas da boa fama e. 35.
Ricos sintos donirados.
Vendem-se ricos sintos donrados 1 ordados pe-
lo barato preco de 9500 e 39: na rua do Quei-
mado loja de miedosas da boa fama 0. 35.
Papel de todas as qua-
lidades.
Vendem-se resmas de papel de piso greve o
mais superior que se pode encontrar pelo barato
preco ds 39IOO rs., dito pautado t muito boa
qualidade a 48500, dito almaco muil > bom a 39,
ditoalmaco greve a 39600 e 48800, dito pautado'
a 49 a 49500. quartos de papel ae i res com 20
quaderoos a 720 rs., dito braoco nmtio bom a
19 e I92OO, dito de quadrinhos a 1;!, dito pauta-
do com 40 quaderoos a 28, aixinhai com i>ap
da beira dourada a 18500, dita com invelopes a
19 e oatraa maiaqualidadea de papol que se vea-
de barato ; na rua do Qeeimado na t .m conhe-
cida loja de miudezas da boa fama .3 35.
O bom e barato uta boa
' Na rua da Cambo* do Carmo loja n.
12, vende-se toda qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti-
ga, phanthasia etc. por pretjo maii
cotu modo do que em outra qualqaer
parte, faz-3 toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Attenco
o
Chegou para a loja da victoria,, candieiroe a
gas de dovos gostos e modelos, tanto para sala,
como psra eseeda e quartoa e para eutraa muitas
couaas : na loja da victoria na rua do Oeaimado
n.75.
Cestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O tempo proprio dea meninae irem pera a
eooota; a por iaoo bom que vio coropostae com
ama da novas e bonitas eeatinbae que se ven-
dem ca raa do Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba do roceber por
amostra urna pequea qaantidade de fivellas
douradas o esmaltadas para cintos, todas de ao-
vo* e bonitos moldes, e tambem douradss que
parecen de ouro de lei, que s com experien-
cia se conhecer nao o serena, estando no mesmo
psTo as esmaltadla, e assim mesmo vendem-so
,blo barate prego de 2S500 rs. cada urna, na rea
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Palmatorias de vklro e de la-
ta o para v ellas.
Vndem-se bonitas palmatorias de vidre lapi-
dado para vellas a 19200, e ditas de lati mui
novas e limpas a 400 re. : na rua do Queimado,
hija da Agaia branca d. 16.
Peitos de fusto lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se bonitos peitos de fusto lavrado e
trancado para camisas a 500 rs, cada um, azen-
da mui boa e eocorpada : na rua do Queimado,
loja d'agaia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras no
dadas em ambos os lados.
A loja d'agaia-branca recebeu um novo e lin-
de sortimento de tiras bordadas em ambos os la-
dee, e contina a vender baratamente a 19200
eoda tira, e outraa de bordados muito largos a
29000, o melhor qne poeslvel em tal genero,
e todas ellas, pela largura que teem, podem ser
dvididaa ae meto, palo que ae tornam baratissi-
mas : na na do Queimado, leja d'aguia branca
n.ls).
predio yenda
Vende-se a casa de doua andaree e sotao, mei-
agua, no becco das Miudinhas n. 8, avaliada em
2.0009, a qual rende 1 1 p2 por cento ao mex; na
raa do Trapiche n. 14, pnmeiro andar, ha peesoa
aatorisada pelo proprietario para efectuar a ven-
da damesma caa.
carteado vestidos brancos
bordados. '
Vendem-se ricos cortea de vestidos broncos
bordado* com 8 babados palo baratleaiaso preso
de 59 o corte : na rae do Queimado n. 22, aa
bem conhecida loja da boa fe.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas ingleaa eom
pregaa largas pelo baraAiaeicao preco de 359 a du-
aia : na loja da boa f, aa rua do Queimado Da-
mero 22.
Ricas gollinhas e punhos
com botoes
Vendem-se ricas gollinhas e punhos de cam-
braia e fnatio ricamente bordadas com lindos bo-
toes, pelo baratissimo preco de 29 cada guarn-
Sio : na raa do Queimado d. 22, na loja da
oa f.
Vendem-se barros gordos e mansos : no
eogenho Jurissaca, do Cabo: a tratar all com o
Sr. Domingos Francisco de Soasa Lelo.
Fazendas barat-
simas
Superior bramante de linho eom dus varee de
largura a 29400 a vara, atoalbedo da linho ada-
mascado com duas larguras a 29500 a vara, btim
braoco de linho multe superior e 18440 a vara,
dito de cores, faaenda mullo superior a 19, uto
pardo de linho paro e 800,1 e 1&200 a vare, di-
to de qoadriaboa muito proprio par* caigas, ja-
queles e paleto!* para meninos a 200 rs. o cova-
do, gangas frsncesa muito superiores a 400 rs. o
corado, cambraiae francezas muito fina* o de
muito bonitos padrdes a 260 e 280 corado,
casnoraia Usa muito fina a 4|, 5 e 69 a peca com
8 1|2 varos, cambraia com saipicos tambem com
8 112 varaa cada -peeae a 49500, dita muito supe-
rior o melhor qee ha oeste genero a 11J500 a pe-
ca, com 17 veras, oh a 800 rs. a vara, chitaa fran-
cezas de muito boa* qaaiidadee e de lindos pa-
dree a 240, 280, 300 e 390 o covado, 1116 de li-
oho liso muite fino a 720 a vara, larlatana bran-
ca ede cocea a 760 a vara, toalhas de linho para
mao* a 79 a dazia, ditas pelladas muito saperio-
res a 119a duzia, gollinhas de cambraia borda-
dta a 800 rs., manguito* e gollaa de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o pac de manguitos cora
urna golla, lengos brancos muito finos com bico,
renda e labyrioiho a 18280 cada so, ditoa de
cambraia do linho para algibeira peto baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um complete
sortimento de fazendas de lodaa as qualidadea,
que sendo s dinheiro vista se venderao per pro-
cos mui baiio* : aa bem conhecida loja da boa
f, na raa do Queimado n. 22.
Barato assim barato de mais
Saboncte fino.
A loja d'aguis branca recebeu ama crescida
quantidade de saboneta* fino* para 'barbas, os
queco conven a todos compra-Ios mesmo para
mos, avista do diminuto prego de 39 porqaanto
se esta vendendoe duzia. Para aatisfaser-se aos
bons reguezes se vender tambem em menores
poredee, porm qaem mais comprar mais lacrar,
porque assim barato ne ser fcil tomar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na rua do Queimadr
loja d'aguia branca n. 10.
Vende** ac a 23f o quintal: na rae de Quei-
nado loja de ferragens n 13 ; bem come se vea-
de ncala masma loja aa completo sortimento de
ferrogen* e miudezas de todas a qualidadea, tu-
do por diminuto preco. visto o proprietario que-
rer entrar em liaaidacao. .
Camisas e ceroulas
Vendem-se superiores ceronlaa de lioho multo
fina* pelo barato preco de 269, a dusia, ditaa tran-
(*adss de algodio, mas de mello'boa qualidade, a
79 a daiia, camisas brencas francezas a 229.249.
26 e 309 a duzia, ditaa para meninos a 22f a du-
zia, dilss para hornera com aberturas de core* a
229 a dusia : na bom conhecida loja da boa f
na rua do Qneimedo n. 22.
Lencos brancos. para algibeira.
Anda se vender lencos brancoa flnoa para al-
gibeira pelo baratiaaimo preco da 2*400a duzia :
na leja da boa f, no rua do Queimado n. 22.
Meias para senbora.
Veodem-ae meias finas pare aenhora pelo, ba-
ratissimo preco de 39600. a duzia : na raa do
Queimado n, 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Attenco '
Guimariaa & Luz, dono de loja do miudza
da rea de Queimado n. 35, boa fama, participsm
ao publico qae o sen eatabelecimento se ch*
completamente prvido das melhores mercadoria*
tendentes ao meemo eatabelecimento, e muito*
entras objectos de gosto, sendo quasi todos rece-
idos de suas proprlaa encommenda* ; e estando
ellos hrteiramente resolvidos a nao venderem
fiado, afiancan. vender mais barato do que outro
qualqaer ; e juntamente pedem aos seas devedo-
res ee Ihes mandem ou venham pagar oa seas
debito, sob pena deserem justicados.
Fazendas pretas

sem segundo.
Na raa do Queimado n. 55, defronte do sobrado
JT0 ,l* di*polo vender tudo por proco que
admira, aaeim como seje :
Frascos de agua de lavando muito gran-
deaa
Sabooetes o melhor que pode haver a
Ditos grande multo fino a
Frasco com eheiroa muito fino a
Dito ditoa multo bonitos a
Gtrrafa* de agua celeste o melhor a
Fraacoa com baoha multo auperior a
Ditoa dita de urce finisiima a
Frasco* de oleo babosa com cheiro a
Dito* dito dito *
Dito* dito nilo a
Dito* para llsapar a cabeca a tirar caspas a
Ditos dito philocome do verdadelro a
Dito com banha transparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Frascos de macaj oleo a
Ditos de opiata pequeos a 320 e
Ditos de dita grandes a
Tem uro recto de lavando ambreada a
Liona branca do gas a 10 rs., e tres por
dous, e fina a
Dita de eartao Pedro V, com 200jarda
Dita dito dito com 50 jarda
Carrateis de linha com lOOjirdsi 1
Duzia do melaa cruaa muito encorpadaa a
Dita de ditaa muito auperiores a
Dita de ditaa branca* pira aenhora, mui-
to finas 1
Vara de bico da largura de 3 dedo* a
Dita de franja para loalha* a
Groza de botoes de louc.a brancos a
Duzia de phosphoros do gaz a
Dita de ditoa de vela muito superiores a
Peca de fita para cs de lodaa as lar-
guras a
800
320
160
500
I9OOO
I9OOO
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
90
29400
48500
38000
120
80
120
240
240
superiores.
Groadenapl* prole ouite setperier pelo dimi-
nuto preco de 29 o covado, panno prei muito fi-
no a 3, 4, 5, t, 7 e 9$ o covado, aaeoonire tra!
multo fin* 28. 29500. 3, 29500 49 cavado.
mamas prelaa do bloode muito peare* a 129.
manteletes de superiores groadon*ploo preto* ri-
camente bordados a 359, aobrecaaaca* de piano
preto muito fino s 909. casacaa tambem de paaoo
preto multo fino a 309, palelol* de coooj preta
fino a 18 e 209, ditoe de caaemira do cor moo-
- I..* ,8* 0P 19. dita de setim maceo o do gosnaioo otoia su-
periores par* duaa voltea a 29, dita* eelreitu.baa
com lindo* alOneles a S9, superior gorgoreo pre-
to para colleles 1 49 o-corta, rico* cefeisao preto*
aja, e assim outra* ailas faxeadao qae acodo a
dlobeiro vista, vendem-se por preeeo muito ba-
ratos : n.ru* do Queim.don. 22, o* boo conhe-
cida loja da boa f.
Superior calda Lisboa.
Attenco.
cEsp*-
a tratar
fama.
Vendem-se peotes muito fino d; oarm para
bichos vindos de Lisboa pelo baratiasirao preco
de 610, 800,18500. 19800 e 29 cada id, ditos
para alizar a 18600 e 25, ditos de bfalo preto*
brincos tambem para alisar e naito bons a
500e800rs., ditos entre-finos a '.-D rs., du-
zias de carreteis de linhas de 200 j 1 rdas de ns.
50o 80 s 720 rs., grozas de botm finos para
calcas s 240 rs., ditas de louca brancos e pinta-
dinhos para camisas a 160 e 240 re,, sgulheiros
de marfim muito bonitos a 800 o :lj! cada um,
ditos de osso torneados Imitando o ie marfim a
320 rs., flgas de marfim brancas e encarnadas a
3t0rs. cada ama, agulhetas de matf m para en-
fiar a 240 re., groza de butes mu ni fios ma-
dreperola para camisas a 610 e 800 !., tesouras
raacetas maito finas para costura n tabello a
2$ cada urna, ditas com pequeo torne de fecru-
gema 19500, linhaa de paao a 100 n>. a miada
ditas para bordar a 160, 200 e 300 rs,, dita frou-
x a 60 e 80 rs. e outraa muitas e :rsas que se
vende por menos do seu valor : na re 1 do Quei-
mado loja bem conhecida de miadutas da boa
fama n. 35.
Perfumaras baratas ede
boas qualidades.
Vende-se para acabar muito born saboneles
creme de ameadoas em caitas de louca a 500
rs., (rasco* com o bem conhecMo sndalo a
I95OO e 2f, fraseos com banha (riiipaieote a
900 re., ditoi pathcholy a 640 rs c 11 liabas com
nova qualidades de eiscfos e lodo; muito fiaos
a 29, ditas com 12 tjtfbem mullo lieos a 38200,
frascos grandes com avua de colonie muito su-
perior e bem conhecida a 18500, 29 39, pasti-
liaa muito cheiroaaa de kubea para :onservar a
roupa livnda traca a 1!JI .ada pap,, dita do
meamo fabricante proprlas para d>t untar a 29
5i* c,lxin'ia. duziasde sabonetes bijiio bons a
600 rs. e outraa muitas qualidadea ; 1 so rende
muito baratea na rua do Queimado c 1 bem eo-
nheeida loja de miudezaa da boa faina n. 35.
Colheres de todas a; qua-
lidades.
Vendem-se duziss de colherea do metal paro
sopa de to boa qualidade que aada J itn deven-
do as de prata pelo baratiaaimo prx.o de 109
dilss para cha a 69, ditas de metal inincioe oara
sopa a 58, dilaa para cha a 29500. mas pora
tirar 100.1 mullo aupsriores a 29500 :ada ame.
ditas para tirar assucar a 800 r., alende todaa
estas colheres fiaissimas ha ontras qaalidadea
mais ordinarias que se vendem bara'uina rua
d Queimado na bem conhecida loja te atlTao^
zas da boa (ama o. 35.
Sal de Lisboa.
Vende se o borde da barca portugueza
tanca, sal de Lisboa limpo e redondo ;
na rua do Trapiche n. 17.
Salitre refinado.
Vende-te ne ru do Queimado loja de teraa-
gene n- 13. a 88500 a arroba o em porcto oe
vender por mallo meero*.
Liquidacao.
Braga, Silva & C, em liquidacao, convidara
aos aeus dovodore* a viram saldar aeua debito*
dentro de 30 da*, e participara que medidas ter-
mioantea aero empregadas contra os que nao
comparecerem.
Saho aluzo
Gallo Vigilante.
Na roa do Creapo o.7, ande o reapeilavel pu-
blico achara um grande e variado sortimento de
miudezu que se vende por preco mai baratos,
10 por cento do que em outra qnalquer parte,
assim como aoja, franjas prelas com drilho e de
cores, fita* de toda* aa qualidadea, franja e galle
de linho, caicarrilhaa pretas e de cores, troco* de
todas as coras, os riquissimos enfeiles de cabega,
galaozinhos de linho e de seda para enleitea,
com'Lanel chaPeozQnos para crianzas, chapelinhaa para ae-
nhora, bonete de panno e velludo muito flnoa
para meninos, filas muito chiques para sintos,
manguitos e gollinhas muito finas, lencos de
cambraia de linho muito finos, e muitos mais
objectos que se continuar annunciar, pois ven-
de-se todo por prego* baratissimos por se ochar
sm liquidago. Na mesma loja ae achara um
rico sortimento de amendoaa o coneitos proprios
para qualquer mimo, que se v*nde pelo baratis-
simo prego de 18000 a c*iiinh*.
Vende-se um terreno em Santo Amaro,
junto ao hospital ingles, eom 700 palmos de fren-
te, em muito bom estado : a trotar na rua do
Trapiche n. 44, armazem de Braga, Son & C.
AGENCIA.
t
Vende-se amo secretaria, da mogno
maito propria para um Sr. advogado por
ser pega rica, um balcao grande tudo de
amarello proprio pira loja de fazendia
e urna balanga romana com S jogos de
pesos (frantezes e portugueses]: na roa
Nova n. 23, loja.
s
320
Barato e bom.
Coraes.
Em masainhos a 500 re. cada um.
Em fios a 640 r*. cada um.
Em voltas de S fio* a 2500 cada urna.
Vendem-ae muito non* corsea, em massioho*,
fio* e voltas de 3 fio*, pelo* baratiaaimo* pregoa
cima : na rua do Queimado loja d'aguia branca
o. 16. .
Agua ambreada
para bauhos do rosto e do
corpo.
A loja d'igula branca acaba do reeeber nova
remessa da proveitoaa e mui procurada agua
ambreada, cujos boo* effeitos do refrescar a cu-
tis, tirar o ardor que deisa anavalha quando se
fas a barba o acabar o mo balito proveniente
do transpirar ao j bem conhecidos, assim co-
mo na aeohoraa per nao andarem ao. sol fe
conservar perfeltameateo brilho do rosto. A lo-
dos quintos tem usado d'agua ambreada nao sio
estranos esses effeitos o ellos sero sinda mais
conhecidos por aquellea que munido do 19 se
dirigirem a loja d'agaia branca rua do Queima-
do n. 16, onde nicamente se vende.
Brincos pretos a balo, e
outros objectos para
luto.
intimo geste.
Gollinhas bordadas e punhos
eom botoes para senhoras.
A loja d'aguia branca, onde bem ae encootran
objectos modernos e de gostos, acaba de reeeber
nm lindo sortimento de gollinhas bordadas e pu-
nhos com bonitos botoes. o que boje ultima
moda, e por isso nenbuma senbora se deve ne-
gar a comprar nma dessas guarnigoes por 29OOO,
tanto mais quaoto ellas sao oecessarias para
completo ornamento daqoellaa que terao de apre-
ciar as belfas representares do Marlnangeh, e
mesmo as que nao forem teem igual dimito de
comprar esses bonitos arranios ; na loja d'aguia
branca, rua do Queimado n. 16.
Grvalas econmicas.
Na loja d'aguia branca acha-se um bom sorti-
mento de grvalas de boas e bonitas sedas ingle-
sas, as quaes ae vendem demasiad amen le bara-
tas sem que lenham defeito algam, e s sim por
serem um pouco mala largainhas, estas a 320 rs.
cada uw, o outraa maia ealreitas e superiores a
640 e iV^iiim, pois, convem a todos approvei-
tarem 1 ^a^siSo, porque grvalas boas e por taes
precos iMgeem as delia de comprar; na loja
d'aguia bratca, raa do Queimado n. 10.
^ Livre do Poyo.
Sat iux publie* o LIVRO DO POVO, publi-
cado sob a ireceo do Sr. Bv. A. Mjrq.es Ro-
drigue*, e cootm a vid* de N. S. Jess Christo,
segundo a oarrago dos quatro evangelistas, e
mais os seguintes arligos: ovgario, o professor
prinsrio, o bom bomem Ricardo, a moral prali-
ca, Simen de Nantua, mximas e pensomentos,
a bygiene, o devorede meninos, e o Brasil.
A publicarlo do LIVRO DO POVO nao s tem
por flm unlformisar a leitura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
differente, e portento facilitar o trabalho do mos-
tr e do discpulo, como tambem vulgariaar, por
um prego barsusaimo, a historia do ailvador do
mundo, e os melhores preceitos de moral.
Vende-se o Livro do Poto, no Reeife, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 e 8, a
500 ra. o ezemplar em btochura, e a 800 r*. car-
tonado.
S Magalhaes & Mendes, na rua da Im
peratriz numero 56, loja e armazem
da arara.
Seda preta.
Vende-se grosdensple preto muito encorpado
a I95OO, 19800 o 29 o covado.
Panno preto e caaemira.
Vende-se panno preto para ealcaa e palelole s
I97OO, 19800 e 29 o covado, cortes de casemira
preta para calca, entestada, a 39, 39200 o 39500 :
na raa da Imperatriz n. 56.
Laazinhas suissas.
Vendem-se lazinhae suitsa muito linas para
vestido* a 560 o covado, cassaa auissas de qua-
drinhos de corea a 280 o covsdo, fusto de corea
para vellido a 280 e 320 o covado, popelina de
cores para vestidos e roupa de meninos a 240 o
corado, barege de corea para vestidos a 360 o co-
vado : no rua da Imperatriz n. 56, loja e arma-
zem da arara.
Tem para vender em porcio e o retalio Anto-
nio Luix do Oliveira Azevedo 4 C, no seo *-
eriptorio rua da Craz n. 1.
Rosas artificiaes para ca-
bellos.
A loja da aguia branca recebeu benitao rejas
da*que se esiao usando pora oa caballea, e veo-
de-aana rua do Queimado loja da agota bronca
o. 16.
Fita branca de borracha.
Em* fita do qae tinta falta havia ocho-oe boj*
n* rua do Queimado loja d'aguia branca a. 15 ;
aaeim como fita* frouxas ou al slicas braceas e de
cores paro debruar vestidos.
Olheur para o pava e
ieiam.
DA
Fundico Low-Moor,
Ba da Senzalla Nova n. 48.
Neste estabelesimento continua a haver um
completo sortimento do mocadas meias mona-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado de todos os lmannos
para dito,
sil
ariuazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Vta* lo Qm\ad n. \.
Leocoee de bramante do linho a 39.
Coberta* do chita fioas a 29.
Ditas a preco do 19800.
Gambraias pretas muito finas.
Colchas de fusto muito lindas a 69.
Esleirs da India da 4, 5 e 6 palmos de largo
propriaa para ferro do cama aalaa.
Lencoee de panno de linho fine a 29.
Algodio monatro a preco de 600 rs. a rara.
Toalhaa de linho para mesa a 49.
Dita de fusto para mao, cada ama 500 ra.
N. O.Blobor & G.sacsessores.rua da Crai
n. 4, tem para vender relogios para algibeira do
ouro o prata.
Bolacha.
Vende-se bolacha econmica 1 3 1 arroba :
na rua da Seozala Nova n. 30 e traressa dos Pi-
res n. 9.
Essencia de ail para engom-
mado.
Esta essencia 4 t maia pura o a melhor qne
tem appareeido, na a duas gotea bastante para
dar cor n'oma baca de gomma, tendo a vanta-
gem de nio precipitar o nem de oodoar a roupa,
como succede muitas veso eom a flor de ail:
vendem-se em r*qiobo* 500 r. cada ata : na
rua do Queimado, botica n. 19.
Desses objectos de que boje infelizmente- tantas
familias precisara, na loja d'aguia branca acha-se
um bom sortimento dellee, sendo brincos e rose-
tas a balo, pulaeiras modernas de grossas e for-
tes contaa, ilflnetes para peito, ditos tambem pre-
to, em caixinhas, bonitos e modernos aderecos
e meios ditos, cinteiros de fitas e Arelas prelaa'
enfeites para esbeja, grampos de noros molde
para segurar cabello, lavas de torcri de teda e
pellica, meias de sed* e algodio para faomens e
senhoras : com os compradores de taea objectos
se ter a maior contemplaglo, atiento o flm para
que sao: por isso dirigirem -se rua do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'aguia branca recebeu urna porcio de
srroelas ou argolas de borracha, que acertada-
mente se applicam a difieren tes fina, como tam-
bera aeja para emmassar papis oes diversas re-
partieras publicas, no* cartorioe, escriptorios
armasen*, lojaa, boticas, tabernas, ote., etc.,-o
mesmo de alguns particulares, o que na verdadn
vale apena comprar-se pelo diminuto preco de
240 e 320 a doua, para poupar-se o trabalho de
atar e desatar um masso de papis todss tu vezes
que ao precisa, assim como aa maia larga* servem
para aegurar carteirai, e manguito* de senhorss,
e mesura para pulseiras de missaagas, advertin-
do, patm, que cada argola tem aua fivela ; veo-
dem-ae em dita loja d'aguia braaa..ruo do Quei-
mado d. 16.
Agua balsmica para conser-
vaco dos dentes, e agrada-
vel hlito da bocea.
Eaea apreciavel e proveitesa agua balsmica,
cojo boas effeitos do eonsorvar a fortidio dos
dentes, fortalecer as gingiva* e tirar o mi bali-
to da boceo, sio ji bem conhecidos per todo
quanloa dola tem usado, e eeri anda maia por
quem, prezando esses bons resultados, se dirigir
com 19 i dita loja d'aguia branca, rua do Quei-
mado n. 16.
Gravatas de seda pretas e de
cores.
Mui boas e bonitas grsvatas prelas de teda com
salpicoa de cores s 500 e 640 rs. cada urna, ditas
todas pretss de bonitas sedas de cbnvisquinbos
boa fazeoda a 1$, ditas de superiorgorgurio eom
pootas bordad* a velludo a 19000, ditas de tfa-
passo pretas e de cores com alfinetes, e mui pro-
priaspara meDinos, sendo ellas de bonitaseda,
forradas,e com dous pospontos de seda decorosa
19500 cada urna, e maltas ostras do diferentes
qualidades e procos : na roa do Queimado, loja
d'aguia branea n. 16. '
Meias de cores para homens
Multo boas uieias de coree a 160 o par, e I96OO
a duzia: quem a* vir nio se desagradar, pois
que sio boas e baratiaiimas : na roa do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Na rua da Aurora n. 44, rande-se orna en-
cllente machina do lavar roupa. chegada ha
pouco do Londres, orofris para nm collegio ou
pouca familia.
Patino de algodao da Baha.
Vende-se no escriptorio de Antonio Lniz de
Oliveira Azevedo & C., na roa da Craz n. 1.
Cambraias.
Vende-se oambraias de cores de bonitos e ele-
gantes desenhos a 280 e 320 n. o covado: na
rua da Imperatriz loja n. 20.
Oliados.
Vendem-se oliados pintados de lindas vistas e
paisagens Isrguras de 6. 7, 8 e 9 palmo*., pro-
prio* para mesas dejantar a
ruada Imperatriz loja o. 20.
2$ o covado: na
Mencao! allenca!
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da roa da Imperatriz acha-se a
venda nm completo e variado sortimento de boas
fazeoda*, e que i vista de anas qualidadea sio bs-
ratissimamente vendidas, e paramis veracidade
do que fica dito, abaixo vio mencionadas algumas
das ditas fazendas, a saber:
Chita* largaa eer flxa a 240 rs.
Madapolao fioo com 24 jardas a 59.
Cambreias de cores a 280, 320 o 400 11. o co-
rado.
Velludo preto o de cores a 29.
Lindeza de corea a 160 ra. o covado.
Hpcos pequeos a 80, 120 e 160 rs.
Chapeos de castor fioo a 89.
CMtie pretaa mnlto largas e fioas a 240 rs.
Aigoilio^ttanjado prelo muito bom para veili--^
dosds escravora 200 r*.
Cambraia lia* eom 19 jarda* a
Gmsb de saipicos com 10 ditas i
Cambraia bordada para cortinados com 8 va-
re a 2|.
Cera, sebo e velas.
No antigo deposito da rua da Cruz n. 33, ven-
de-se per menos do que em oulra qualquer par-
te, cera de carnauba, sebo dororto em velss e
em pao, velas de composic,io e puras, esnastraa
com slho.
Madapolao a 3000.
Vendem-se pecas de madapolao enfeetado a
3JJ a peca : na rua da Imperatriz, loja da arara
numero 56.
Roupas eitas.
Vendem-ae paletots de alpaca preta e de cores
s 39, 89500 e 49, calcas de brim e fusto a 29.
palelole de panno preto 18$ e 109, ditos de ca-
semira de core a 10 o 129, caldea de caaemiraa
de ceras e prelaa a 52500 e 69, colleles de gor-
gurio e velludo a 39500 e 4J, camisas francezas
a 1S600, 2ge 2J500 : na rua da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Manguitos de linho.
Vendem-se manguitos e gollas de linho a
2J500 e 39. ditos de fusto com boliozinho a
295OO o 39, gollas com boloziobo a 640, ditas
de traspano a 19 ; na rua da Imperatriz, loja o
armazem da arara n. 56.
Enfeites para senhora.
Vendem-se enfeitea a turca preto e de cores a
29. dito a Garibaldi muito moderno a 49, 59 e
59500, sio todos pretos, luvaa pretas de seda fi-
na a 800 ra. o par: na rua da Imperatriz, loja
o armazem da arara n. 56.
Cortes de cambraia.
Vendem-se cortes de cambraia de barra e ba-
bados a 39 o 39500, pegas de bretanba de rolo a
29 e 29500, e ostras fazendas qae se dio Imos-
trss para ver : na rua da Imperatriz, loja e ar-
mazem da arara n. 56.
Sacido preto.
Vende-se sacido preto muito encorpado pare
vestidos, melhor fezenda quegrosdenaple a 29300
e 296OO o covado : na loja da arara, rua da Im-
peratriz n. 56.
Gorgurao para vestidos.
Vende-ae gorgurao de linho a 280 o covado^
chitas a 160 e 200 rs. o covsdo, ditas franeazas
a 240 e 280 o covado, casia fina a 280 e 320 o
covado: na rua da Imperatriz, loja o armazem
da arara n. 56.
Loja do beija-flor da rua do
Queimado n. 63
Vendem-se cascarrilhas de seda de todas as
edrea a 29400 p'eja ; ricos enfeites pretos e de
cores a 59500.
Loja do beija-ior da rua do
Queimado n. 63.
Vendem-ae filo de cs a 320 r* peci de 10
varaa, enfiadorea de vestido, de linha a 120 rs.
eaeovas paro unhaa finaa a 640. 800, 10000 r..
piuceis fino* para barba a 320, 500 ra.
Loja do beija-flor da rua do
Queimado n. 63.
Vendem-se oculos finos de armaco de 50 a;
720, 500 rs.; agulbas fnncezas de 10 e 20'rs. a
linhas de marca de 10 rs. ; grozas de botoes
brancos a 100, 120 rs. ; ditos pintados a 180 rs.
Loja do beija-flor da rua do
Queimado n. 63.
Vendem-se caries porluguezaa finaa a 19800:
ditas francesas s 3$800 ; wisporas a 900 ss; linhaa
prelas e do corea e brancaa do gaz a 800,900
rs ; dita de peso a 120 o encarnada fina a 120:
fivelaa para calce a 80 rs.
Loja do beija-flor da rua do
Queimado n. 63.
Vendem-se luvaa enfeitadas a I98OO e 29000;
ditaa de fio de Escossia a 800 rs.
Csmisinhss com golliohas e maoguitos
do cambraia bordadoa, fasenda mo-
darnissima a 50000
Dita* de fuslao com salpico* de cor
Gollinhas bordadas com botozinbo
Dilaa de todos os gostos a 640 o
Ditas com manguitos de cambraia bor-
dadla a
Manguitos de cambraia bordado* maito
finos a
Gollinhas bordadas a
Romeiraa de cambraia enJeitada* pora
lato a
Camisiohaa para aenhora a
Lencinho* de lioho com labvrlotho para
mi a
Ditos a imitacio de labyrintho a lf a
Luvaa da torcal enfeitaoa* com vidrilbo
Enfeites pretoe com vidrilbo
Rico* aofeitea prelo* e de cores, a Tarca
e Garibaldi
Grosdensple preto s I96OO, I98OO e
Todas estas fasendes vendem-se no rua aViaa-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavio. d* Ga-
ma & Silva.
irooo
809
1*600
Uooo
140
a^oo
39009
2?500
1|0
no
600
6S000
23100
Calcado
Chumbo.
,.ye,l'6TM ehumbo de munieao o dinheiro por
M 1U"W o o arrobo por 59500: no srma-
f"** A*no Cesirio Horeiri Dia*. rua da
Madre do Daos n. 32.
Na rua larga do Rosario antiga raa dos v.r-
teis n. 12 junto a botica do Sr. Pinto, b um
grande sortimento de calcado como aojas : bor-
zegains de couro de porco, ditos do eor.i.a
entneos e.gaapeados com canos todoooo borra-
cha, ditos de bezerro com preguinhaa na fn.nl*
como os Ingleses sem differenca sigua*, dito*
de couro de lustre, borzeguios par* senhora da
Isola e vira o oa cios de borracha proprio para
as aeohora* andarem nos acta* da saman .an-
ta por lerem a vantagem de nio tomar agua com
facllidade. affiaoQaudo promptidao naa obraa en-
commendadas.
Pe chin cha
sem igual.
Cortes de chita franceza de aupohor quelioade
e de muito liodoa padres. coso 11 cavadas c*o
corle, pelo baratiaaimo preco de 29599 cada an ;
na loja do aobrado de quatro andar, na roa do
Crepo n. 19.
O
Presten allenca
tai
po
Gallo vigilante ua rua do
Crespo n. 7,
qae qaer liquidar o vendead tudo por prego*
que admira, como sejam :
Riquissimas bandejas de charao de muitos ca-
lidades.
Salva* do metal com rico* lavrore imitado
preto.
Copioho e pratinho de metal proprio pora
nio.
Manleigueira de lindas cores de vidre eo
e prstinbo de metal.
Riquissimos espelbos com moldara dourada
Teucadorea com gaveta o do outra qualiiadcs
Rinoculo com escolente* vidros.
Riquissimos laques de Modelo o madreparola.
E muitos mais objectos que ao continuar an-
nunciar e que & vieto de fregus se tari uto
preco.
Vende-se oleo de ricino o 890 rs. a serra-
ta : no largo do Gsrmo, esqaino 4a rna de Mor-
s* o. 2.
Veodem-ae 8 vaccaa boas lettoireo, oeado 4
parida* e 4 solteins, e um boi ptimo do carro-
?i, grande e gordo, com a competente carraca
qwaai nova, e bem construida; a tratar a* eoeru-
zilhada de Bellem com Andr Alvos Gam.
Aljfar fino imitando perol*.
Vende-ae* 500r*. o fio de aljfar iuo. ii-
tando perola : na rua do Queimado, loja o'iguto
branca n. 16.
. Veodem-ae 12 cadeira de pao d'eleo coa
poseo uso : na roa Nova n. 16.
EscraTos fagioo
; escoras para
eaiu" Y&nPSt* V' lm> l d,,M P" 0" "i'' """ "' "*
a 320; 500, 640 r. ; pentes trsvessos a
cabello
640 r;
Loja doj>eija-flor da rua do
Queimado n: 63-
Vendem- linhaa de Pedro Va 20 ra o car-
lio ; ricos bloos e rendaa do Porto, imitando o
da ierra e de diversas larguras, e muito barato,
v 1 T. v*"** "'0 bml "oz com caaca : a
bordo da bercaca 2 de Julho. chegada do Penedo,
tandeada no caes do Ramos, ou na roa Direita a
tralsr com Antonio Alvos de Miranda Guimir&es.
Fagio no dia 20 do correte do boro* do
patacho Capuam, o esclavo crioolo anariobei-
ro de nomo Antonio, idadel9 annoa peoru o,a.e
o cea*
D. Pedro V
ou
Pentes de tartaru-
i ga para tranca.
. N* loja da rae do Crespo o, 4, indo psra a pon-
te do Reeife, ha para vender por atacado ou a
retsTho muito bons pentes do tartaruga para tran-
ss, sonidos, e d* gosto modsrno, por prego ra.
loavet.
Escrava para tnder.
Vende-** um preta que coiinh o engomas:
na fea d* Cadei do *eife a. 93. B
O Moi?o Velho.
Drama em 5 actos
ron
Francisco Gaudencio Sabbas
da Costa.
Autor do drama
Francisco II ou a liberto-
de da Italia.
Esta obra eoutem os melhores episodios da
vldadoillostrsdo monsreba o Sr. D. Pedro V, do
glorio** mentoria, e digo* de poisuir-se : vea-
do-so na livraria econmica, ru* do Oreopo n. 1.
cada emptor o 19000 re.
algn* aignaes de bexiga, levou calca o caatieo
azul : qaem o pegar leve-o ac oocrtotain ca
Antonio Luiz do Oliveira Azevedo C rua da
Craz n. 1, ou a bordo do dito patacho *> aer
geoeroaamente recompensado.
Fugio a 27 do mar;o um mulaioho Bo-
rne Affooso, de idade do 11 snnoa, o qual i*- ae
aignaea aeguiqlea : olbos graodea assorierif,
um sigosl de talbo n* testo, oasis chato, bocea
grande, beico* grosso* o cabello orospo, cufla rente, secco do coroo, peo o mi* resjoUrr,
tem a falla nm pouco rosco, o foi veotieo o cal-
ca de azalio o camiaa da madapolio, desoofis-
se ter ido psra o mato : qaem pegar ** o
ilh do* Ratos n. 30. que aer recompon***.
Gratifica-se com 300$
Contina a estar fugidaC*- encruvw mulato 4o
nomo Rogerio, de idedo 24 asset, pono i >* ou
menos, desde o snno do 1899, eom o* aignaea
aegutote* : altura regular ou roneo, rosto reanu-
do eaquextlado, cor alaraojaoe, coso falto o<> den-
tea, quando falla carrego no 1, que oureitoa-ao
elle fallar d spparencias de tato, otoo .aral-
lados, naris chafo, eabeiloo ama enea gao rato*.
quaodo fugio tinba principio 4o horho, ao
costas b*m cicstrzada, em um do* >*** #
um* cicatriz do urna poatesna quo aovo, 4 ton-
to espetfido e estomagado, o* pon ns o4
pilhetodo* com oa toraosoioo nota 4on>ir>>, alte
podo Inculcar-** ter Sida *ot4*4o fot e*n da*
multa* cicatrizas quo toas non cnoto*: tuuw, pmr-
Unto, s* 1 limas, utoridodoe, tonto at*t* ra*ot
polieiae, que oe dignem aaxUaot noj *twro
espitie* de campo oa partlculatoo na apprrH-o
do dito **ertrvo, o *er reotoltido oo seu s-arumo
senhor, no eogenho Pin4ohtnho, sito na hi~-
sia de 8. Loarenrjo do Harto, comarco 4 n-cie*.
JoaLtizde


**#
DIARIO t PMflAMICO. CURTA flIAA SO D* AE1L D iil.
Littersilura.
n'-BTT-lll
LUZ A DE FRANCA
Condesas ] lash,
O coronel do regiment ia lortnandia.
Num dot ngulos do pitido de Versailles, e
pira -o lado sobra oceiro ao K arque, cslavam aber-
taa as jaoellts d'um grande sali
Este salao, forrado de ne la da Ipdie, aiul e
"""j" ."erecta ao meamo lempo extrema aim-
pcidade e extrema raagtiilicencia. Os movis
erim e:n verdade aumptuoeis, mas nao estavam
soorecarregados por aquellas superfluidades, com
que a oda da poca invadir os aposentos dos
principes.
Sobre a elevada e larga e'iamin, um relogio
e candelabros douradoa." Sibre as mezas e os
bufetes, nem ama Bgra da fritas, nem urna por-
celana. as paresdes, n-niuns outros quadros
slem a'um Christo de Tk:ioo e d'um Luiz XV
em corpo inteiro.
As cadeiras, semelhant/M n (apegara das pare-
oes, ditpunham-se aymett.c mente em derredor
da sala.
Tudo emfim, neste vasto rocilo, exbalava um
perfume de modestia e de grandeza, muito diffe-
rentes das pbantasias d'aquelle seculo XVIII, lio
celebre de luxo e prodigalidide.
Duaa peisoas elhavam pan o parque, onde a
mullidlo dos pasteantes se apinhava aguardando
a muta do rei e a bora das audiencias.
ma detlas, mulber de \ inte e cinco annos
pouco. mais ou menos, nao c:mseguiu accrescen-
tar urna graga mais ao nata encantador com a
riqueza do seu vestido p l r iurio, nem com a
profuso de fitas e lagos quu ) guarnecan), nem
com os diamantes que Ib s estrellavam os ca-
bello*.
Olbos pretos rasgados, briliaotes como rubis,
rosto cor de lyno e rosa ; bucea tio pequea e
rubra, qe pareca urna cerej-i ; e principalmente
o nariz com uma seductora inflexio ; ludo con-
tribua para conferir sua pbyaiooomia, uma
graga, uma seducgo rresisli'ais.
Ao lado della um rapaz, nielhor uma creanga
de dezeaeis annos, a examia iva com uma ttr-
rjura quaii malicia. Trazia o uniforme do regi-
ment da Normaodia, realca do pelas dragonas de
coronel.
Caosado de esperar respe -t a uma pergunta,
que fazia pela terceir* vez, (ocostoa o brago
jinella, e bateodo de leve ico o punbo sobre o
peitoril de mar more, repet u com voz impa-
ciente.
Prima, quer-me dizer > que procura deste
lugar, em vez de me prestai iltengio ?
~~ Silencio I exclamou ajj'eo; quer estar ca-
lado ? Madama esl no orate do: se a perturba,
nao poderi aqui vir mais de aaoha.
Ora abi est o que eu perguotava ha mais
de uma hora, sem a prima se dignar com a res-
posta. Entio est no seu oratorio minha madri-
Uia ?
Sim, seohor, e se o pra o tiver juizo, far-
lhe-ha o favor de o'apresenlii ao rei depoia da
missa.
E o rei deixar-me-ha ir para o meu regi-
ment ? v B
Com certeza.
Nao havia dovida que a o r osa dama nao es-
cutava. O mancebo procure j a direcgo do seu
olhar, e viu-o suspeoder-se i.'im grupo de rapa-
ces oobres, no meio du qual su distioguiam mul-
tos uniformes escarales.
Nio verdade, condes; que o Sr. duque
de Cumberland lem um desl. i brante traje ver-
melbo ? um perfeito cocheiro do duque d'Or-
leans....
A condessa descarregouo le(|uo sobre oa dedoa
do mordaz.
Sr. marquez de Sancerre se cooiiaua nes-
se gosto, pode dizer adeus sua partida para o
regiment. Como ha de a Ncrmandia acceitar
por commandante um mogo o maligno como
um escudeiro ? Madama, a era tudo. Pode
contar.
Perdi...... Madama i melhor
que a
condessa ; rt das miabas lnu uras, mas nanea
me ralba, Tambem verd.id i, que para ella
nao ha um principe ingle?, que seja a arca santa,
e ao qual nao possa a Iludir sem receber cor-
recto.
Continua ?
Sim, minha prima, conliiuo, e conlinuarei
sempre. Nao posso ver as nossas mata bellas
seoboras metterem-se cara i ates estrangeiros,
como se a corte de Franca nic fosae a primeira
escola do mundo em materias d< galantera e bom
gosto I
Meu Deua I quem pensa e n se meller ca-
ra de alguem ? O marquez i.m verdadeiro pa-
pagaio, repetindo o que o mu humor dicta a al-
guna loacos, lio ufanos de si oaesmos, como se
livessem feito brilhanles conq listas, s porque
conduxirsm uma vez no seu ex ha a menina Du-
th ou a menina Aroould. Niio cultive, primo,
esse genero ; a cada um o sea papel. Previno-
o que madama nao soffreria gr icaa neste capitu-
lo, e que....
Madama um aojo ; ; a condessa..... a
condessa um lindo demonio. Madama nao se
importa, ae ha no mando anm menina Aroould
ou uma menina Duth ; nao cuida senao em orar
a Deus por todas as injusticias de Frange. Do-
mis, nao della que ae trata, da prima. A
prima ama o principe Henriq ie, e elle, ama-a,
como verdadeiro inglez, com uma paixio ter-
na, romanesca; norrivelmente vaporosa.
A condessa est douda por este passatempo,
que ssenla sobre uma raridad neste bom paiz.
Como se nio deva lisonjear o seu amor proprio
agradando a um doa mais bellis homens da Eu-
ropa 1
Diverle-se a tortura-lo com ciernes ; faz-lbe
perder a caneca, se que elb inda a possue : e
depois de o raivar por tres di i, envia-lhe o per-
dio. Ulbe ; oeste momento, e ti a condessa
moslrar-se nesta janella para lie dar a saborear
o prazer 4a a olhar, porque, lio tem, ceiando em
casa da marechala do Luxetmi arg, nem sequer
se dignou dar por elle.
Entio eslava muito trisl; disse a condes-
sa, sorrindo-se com gosto.
Se eslava triste I Posso ssegura-lo ; e na
verdade elle tinha bem de que. A todos os seus
olbares. ea todos os suspiros a condessa nao
respondeu seno com o glacial : tem passado
bem 1 e ama cortezia conv nientissima para
uma alteza real, porem mais que intufficiente pa-
ra um amante.
Diabrele! viu lado I
Oh 1 sem duvida. Vejo lado, e aproreito
tudo, Acredita que eu me illa lo com estas cou-
sas,.... ea ? Nada ; comtigo as tenho educa-
do em boa escola ; iustru:- ca estudando-a.
Agora nio haver quem meeoi;ane.
Eis-ahi uma honrosa experiencia adquirida
a escutar fia portas 1 Decididamente, o mea ca-
ro coronel da Normaodia vta-senos tornsndo
multo esperto, e pedirei a mdame qae o no-
meie primeiro escudeiro da Sra. Dubarry.
Nada de gracejos. A Sra. Dubarry liad
como um aojo, e sua mageitat e o rei de Franca
muito feliz.
Cale-se cle-se 1 falla-a i assim aqui 1 to
prximo do oratorio da mais ura o mais caata
princeza do mundo 1
Sim, verdade ; ella pura e casta ; tem
os mesmoa encantos no olhar que na conversa-
rlo. Al uma cousa mi ep nta e vem a ser
que se toaba oomeado a conde isa- para aeompa-
nhar todo aquello compendio da virtades ; a con-
desas, tao jovial, tao folgazn, tio garrida, que
nao ama qo mundo seno a i r llette e o seu cao-
zinho I
E o que i pelor, agora t\? empenho as fuoc*
gea de dama de honor. A di cellenle princeza
de Ghistel foi tratar de seu par, que est a mot-
rer con ataque de m*rainu> na sua ausencia,
occupo-lhe o lugar, e nao sel ae madama est
satisfeita.... *
Safiafeita isso nao de terto ; alara-vos,
como por torga de penitencia. A aaa resignado
anglica ae sujeita a ver a prima como uma ne-
cessldade impoata. A condes a est tio pouco
perspicaz I
Ella j o nao eseutava; mas segla com os o-
lbos a mullidlo. Tanto aa dab-ugou, que o pon-
teado ae prenden janella, o un doa lagos Qcou
abj suspeoso ; O marquez s.ln disise nada, a foi
escoodendo-o no bolso. Di sois de um curto
silencio, a Sra. de Maaliea, ruplicou :
Nio acha, primo, qae hi lia qobre deque de
Cumberland elegante e foi uoao ? que aa diz
delle na corta T
Diz-se que qaer esposar madama Laiza.
Ora T esposar madama Luiza I
Joslameole, nada ma i posaivel. Acre-
dito-o mesmo, assim como tar bem acredito, qua
elle pensa mais na condessa, do que natta, bem
atendido, por motivo multo Ufferiole,
Esposaf madama I am frneipa protestan-
te I nio creio.
Um paqaeoo tumor ioterrompoeu o dislogo,
fszeodoos rollar a amboa e estremecer so mes-
mo tempo. A porta, qae Ibes eslava naa coatas,
abriu-se, a madama Laisa entro, com o livro
de horaa aa mi.
A mais nova das Albas do Luis XV era como
se ataba de dizer, ama santa eiqti9tida do meio
da desmorallsada corte. Paracia-se no rosto
com .seu pao, porm ama qaeda na edade deoi-
to annos a assignalara com am defelto carvando-
lbe o corpo.
Com aqnelle carcter de deroco to exaltada,
madama leris aido a- sombra implacavel para o
rei e os cortezios, se a sua boodade indul-
gencia nao traoquillizassem. Raro leris havldo
exemplo de um aojo ataim ; raro se teria depa-
rado tamanho gran de perfeicta.
S ae lhe conhecia um defeito, se o era ; o de
fazer muito exceaaivamente da sua qualidade de
fllha do rei, exigir de todos, como de ai propria,
o maior reapeo por aquella posico. Se nao
foase chriatia, teria sido orgulhosa. Mas so ais-
so, por qusndo ninguem haveria mais afJavel,
mais benvola para com todos, do que ella, e a
martyr expiava em st as Taitas dosoulros, como
dissera o marquez de Sancerre.
O rei tinha-s quasi obrigado a receber sua -
maole, a condessa Dubarry. Por maior que li-
vesse sido a repugnancia, fe-lo, e nunca uma
patarra amarga lhe iahiu da bocea, quer filiando
aquella mulber, quer fallando della. J suas ir-
maas nio eram assim ; a cada pssso mostravam
menos submissio, e sobretudo menos ar senho-
ril ; repreheodia-aa brandamente, edizia com a
tranquilizada habitual :
Para que accuiar assim a pobre craatura ?
abemos por ventura oque taarnos nos no seu
lugar ? nao o quer assim o rei?
Naquelle da trazia um vestido de tafel de ra-
magens, com um manto irmio. Nada denuncia-
va em si pretendi; seguia a moda em a prece-
der, e naosoffria uma reflaxo a este respeito.
Com uma passageira inclinacao de cabega retri-
buiu a saudagio e cortezia do marquez e condea-
aa, e dirigindo-ae a eita perguntou-lbe, ae havia
recebido noticias da princeza de Ghistel.
Nenhumas, minha senhora, depois da ana
partida.
Pola tenho-as eu ; nao voltar nestea seis
mezes. Precisa de todo este lempo para termi-
nar os negocios, lano della como de sea pae.
Sancerre, spere-me na galera depois da missa.
Apresenta-Io-hei ao rei senhora condessa, veja
se eatao promptas as damas ; vamos j para a
capaila.
A condessa abriu a porta de oulro sali ; tres
damas, que a esperavam, dlriglram-se a mada-
ma Luiza, e fizerara-lhe cortesa, a que ella Ibes
correspondeu com um sorriso.
Vamos, disse entio, j nio est pessoa al-
ga ma no terrago ; o rei vae aahtr de sus c-
mara.
Prima, disse baixinbo o joven coronel se-
nhora de Maulieu ; c levo uma fita do seu ao-
feite. Promeilo-lhe gajuda-la esta nouta a en-
raivecer sua alteza real, o duque de Cumber-
land.
It
A mista do rei.
A capella de Versailles offerecia naquelle dia
expectaculo maravilhoso ; ouro e diamante rea-
plandeciam de todos os lados.
Era a 25 de agosto de 1769, dia da resta de
S. Luiz, em que todos corriam a prestar homena.
gem aorei Luiz XV. Mulheres com as mais lu-
xuosas gslas enchiam as galeras superiores ; os
cortezaos ficevam em baixo, e a familia real oe-
cupavs, com o re e os principes de sauaue, a
tribuna central.
O olhar de Luiz XV ia, chelo de amor, para
uma das gradea da esquorda, onde se encherga-
va ama senhora de pequea eatatura, porm da
mais admiraval belleza, coberta de pedrariaa e
rendas. Trocavam-ae ardentes entre ellos oa
olbarea, e o rei corresponda sempre com um
sorriso quasi de proteego. Era o alvo destas
alteogoes a Sra. Dubarry, ultima amante official
dos reis de Franga, e ultima de Luiz, o Bem-a-
rziado.
A' direita do rei, suas filhas estavam ajoelba-
das en. almofadas de velludo. Pareciam todas
absortas ea meditago ; principalmente ama, a
ultima de todas, diriga ao cu ferventes ora-
gdea.
Olha para madama Luiza, dizia a condessa
Dubarry marechala de Mirepoir, sua fisiona :
uma perfeita Santa Tbereza.
Sim, minha querida madama ora por todos
os que aqui estio, e por isso que lio poucaa
distracgdes ella tem.
Comprehendea a condessa de Maulieu ao
p de madama Luiza 1 j viste duas peasoas ma-
nos Basadas, para virerem juntamente ?
Nunca, de certo. Nao abi, mas acho o quer
que de estraoho em ludo Uto. Madama Luiza,
lio boa, lio indulgente para com todoa, lem a
sea pezar um nao sei que de orgulho, qundo
diz coodesaa, que a acompanhe. Noto-lhe
certa altivez, quando lhe d uma orden. Se ma-
dama Luiza foase uma crealura como ai outras,
aeria capaz de acreditar que ha em tudo ialo
uma rivalidade de amor; mas como pensar tal
della ?
dessa impacisocia na nossa nobraza.
campadas esli sempre segara o re .
belUeeeo barde; Sr. marquez, nio ..
murto de ser psgem, e provavel que ai
abandonasse a academia. Que edade' tesa
Dezeaeia annos a meio, senhor.
Nio me engaara. E onde est o sen regi-
ment t -
Nss frootelras de Flandres, senhor. DU-le
que, se romperem as hostilidades ser sil que se
comegario.
Quem o Instrua to bem das intenges do
mea goveroo ? aeria i aua madrioha T
Minha nobre madrioha, reapondeu o man-
cebo inclinando a cabega, nunca me ensinou se
nio a obediencia aa ordens de vossa magostado,
e a mais respeitosa dedicigio pela real pessoa
de voasa magestade.
Muito bem respondido, Sr. coronel. Pois
bem ; en pensarei. E' necestario' primeiro con-
saltar o duque de Langevllle, seu pae, e saber
delle, se approvaesta detarmioagio. Causar-me-
hia grande deagosto ir contra a vootade d'um dos
meas mais Deis subditos.
Eo ret continuou sao caminho. Madama Laiza
liaoogeouo seu protegido com um olhar de be-
nevolencia. A menina de Maulieu disse-lhe ao
ouvido :
Maldita creanga
roubou.
esconda essa fita, que me
E' verdade ; o rei ootou-m'o hontem. A
proposito, sabes que e esta nouta, que o Sr. de
Bouhainville me Iraz a famosa selvsgem, de qae
me quer fazer presente, para pendant do me
preto Zamora I? Ja lhe teoho escolhido o nomo
Alzira. Tenbo de a conduzir sos aposentos do
rei, porque as senhoraa suas Albas deseja-
ram ve-la e gosar o seu espanto dianta da corte
de Frange. u
Minha cara condessa, como es feliz em te
divertirea com esses dixes I A Sra. de Pompa-
doar pensara em ontras cousas. Ai I nunca pal-
ears de uma creanga.
Pois, sim, sim. Sabes tambem, que aua
magestade me traz o Sr. duque de Cumberland
para celar esta noute ? Ped muito Maaliea
para vir ; nio ae convida um aem oatro. uma
paixio digna de Amadis e Oriane.
O que nio obsta, a que ella tenha ama da-
zia de galanteadores em forma sem contar os nio
reconhecidos. Tambem elles tem razo ; uma
encantadora mulber; depois de ti, a mais mais
formoaa mulber da corle.
Minha boa marechala, eslamoa a dar es-
cndalo com aa noasaa maledicencias. Calmo-
nos ; os devotos titam-nos de am modo, que pro-
meti um bom numero de tezoaradas. A Sra.
de Coss deita-nos uns olbos...
_ Pobre duqueza I Deixa-a em pax tem ra-
zoes para voa querer mal. Nao- lhe eofeitigas-
te o marido ? Maa parece-me melhor calar-nos.
Ai princezas poderlo amonar-se, e nio con vem
indispo-las contrs ti.
Senhora condesas, disse ama voz ao ouvido
do da Sr. Dubarry, madama Luixa apreaeota-me
ao rei depois da missa para lhe pedir qae me
deixe ir para o regiment. Poaao contar com o
apoio da Sra. condessa ?
Pois nao, mea eslouvado. Deixe-me aeom-
panhar a missa, e venha eeiar esta noute aoa
quartos pequeos. Continuarei a apresentacio
de madama Luiza, e aupponho que taso nio pre-
judicar.
Est bem livre d'isso. Pelo contrario, mos-
tra-la-hel por toda a parte. Serei parvo como
os outrot, mas ao menos nio me cuata muito a
brfpDadeire.
A condesas, obrigada a acompanbar a corte,
fez-lbe um aigaalde ameaga e ausentou-se.
Sancerre, que te diase o rei ? pergunlou o
joven conde de Cboiaeul.
Sr.de Saocerre, nio primo da Sra. de Mau-
llen ? acrescentou o duque de Cumberland algum
tanto perturbado.
E' verdad, Sr. duque ; a condena hnra-
me com as suas attencoes particulares, e preten-
de a todo o transe ser mais nova um auno qae eu
respondeu o marquez ao principe com o ar mais
inscientemente zombeteiro. Entretanto voa usan-
do das suas cores; d-me isto um certo caricter
cavslleiro, que lhe agrada sobremaneira. Mau
charo Choiseul, o rei disse-me que nunca dirul-
gasse o que elle se digna dizer ; embirro muito
com a tua omnipotente curiosidade. Meas se-
ohores, s suas ordens.
Siudando respeitosamente o principe e mala
circunstantes, foi dlreito ao aposento de madama
Luiza.
Pequeo tratante I exclamoo o duque de
Cumberland. A creanga diablica I
Sr. duque, naquella cabegs to louca ha mais
aagacidade, que dabaixo da cabelleira de chao-
celler. Zomba de nos tontinuamente, replicou
o conde de Choiseul.
Madama Laiza acabava de entrar no seu ora-
torio, e despeda as damas, quando o marquez se
apreaenlou. i
Reaervo-lhe meia hora, meu filho : conver-
saremos bem, ss lhe aprouver, e depoia trans-
mittira as ordeps do rei a sea pae. Miaras que-
ridas amigas, podem voltar a horadejantar. Esta
noute o rei vie as salas de madama Adalaide, ahi
iremos todos.
S com o sea aniado, a princeza, quasi que
se deixou cahlr sobre ama cadeira, como fatiga-
da por duradoaro o cooatranghsento: e disse ao
marquez, que se asseotasse aosseus ps sobre um
coxim.
Entio. Sancerre, est contente comigo ?
Contente, senhora ? Contenlisslmo7No sei co-
mo provar minha gratidao. E'de madama a mi-
nha vida. Porm, depois das ultimaa palavras do
re, temo que tenhamot perdido o nosso tempo.
Como assim ? quar me explicar isso ?
Se preciso consultar mea pae, a causa
ser certa.
Mas o marquez tinha-me assegurado o coo-
sentimento d'elle.
Foi s para obter o de madama, respondeu
Sancerre abaixando os olhos.
De maoeira que me enganou, fez-me dar
um man passo, que iodispor o rei contra o mar-
quez e contra mim. Alm do mal, as peasimas
consequencias. O marquez aera o primeiro puni-
do pela colera de aeu pae, e pela recala certa do
Ha talvez um meio de evitar isto vem a
aer, que madama ae digne fallar ar pao da
vontade expressa por aua magestade.
Maa o rei nao sigoificou senao a de nio
desagradar ao duque de Lsngeville.
Meu Deua 1... cono atoa ambara
aei como dizer a madama... Ss ell
ae... se......
A princeza, havia um inatante, Unh.
flxoa sobre o lago da fitas esaarlate, qua o
quez trazia oa casa d'um dos aeus botoes.
Deixemos isso ; fallarei com o pae do mar-
quez, e pedir-lhe-hei por si. Fiquedescangado.
Ora diga-me : que eata fila, que o marquez
aprsenla aos olhos de todoa ? Se o aigoat d'ama
auccedida fortuna, bem publica ella.
E>ta fita I Ota I madama I d'uma bella
condena, e deanai-a a fazer morrer de raiva
ama alteza real. Anda bem que ama alteza
britnica.
Qtie ? o Sr. duque de Cumberland ?
Sim, minha senhora, e este lago ornara de
manhaa o ponteado da condessa de Mauliea.
Sim, parece, que me record. Masque tem
isso com o Sr. duque de Cumberland ?
Nio ha ninguem na corte, a nio ser mada-
ma, que ignore, que o principe est loucameote
uamorado de minha prims, a que ella cioao at
a ferocidade.
E o marquez quer fazer-lbe acreditar, que j
na aua edade o tem como temivel rival ?
Porque nia ? Na minha edade pode-aa ca-
sar, pode-se fazer uma futura duqueza de Lao-
geville, uma deade j marqueza de Sancerre,
e maia vale isto que ser amante d'um priniipe
eslrangeiro, que dentro em oito dias pode-se ir
ambara.
Madama Luiza emmudeceu por um momento.
O marquez muito creanga para esaas ideas.
Emfim, que lhe importa ? ama por acaso a con-
dena ?
Nio, minha senhora, apezar da boa rontade
d'elle.
Mas ea que nio vejo bem o fim do mar-
quez.
Simples'mente divertir-me acusta d'um es-
lrangeiro, com que antipajfaiao.
K porque mereceu elle essa anlipathia ?
Eu bem o aei I
N'uosa paiavra, o que foi ?
Chamou-me pequea creanga, e ea lhe pro-
varei, que ae engaa.
Olhem que grande injuria 1 O pobre princi-
pe muito para lastimar.
Mais do que madama pensa. Firo-o no
amor, e como tenho a certeza qae o amor lado
para elle, a ferida ha de ser bem pungente.
Madama Laiza levantoa-se repentinamente, e
redarga imperiosamente :
Saia, marquez; nio poaso ouvir fallar de
aemelhaotea cousss.
O pobre rapaz ioclinou-se afogueado de veraa-
nha, e dirigiu-se para a porta. A princesa alis-
ta daquelle ar contrito, voltou a al, e cuamou-o.
Perdooa-lhe, Sancerre, mas tenha mais
ags/*o I Nao
II'B uites-
h.ajri lhos
qua o mar-
Agradecido, Sra. condena mea Deas I co- fjuho. Olhe, ahi est a aua amiga Roseta, que
me a coodeaaa formoaa 1 nao ha cousa tio bel-
la como a condesas, senio o seu retrato.
Cale-se, Sr. de Sancerre. Decidamenle j
nos notsm, inlerrompeu a marechala.
A miaaa proaeguia sempre, canton-seo Domi-
num Salvum, e todoa os que assfstiam cere-
monia, ae levantaram durante oa tres verslcalos.
Madama Luiza olhou ptra aea pae, lancoa um
olhar de deslenlo para a grade da Sra. Dubar-
ry, juntando as mos, continuou a rosar. Este
olhar e eata orago a ninguem eacaperam ex-
cepto ao rei, qae pouco se oceupara daquellas
cousss.
Depois do 11$ mitta est, sahiram todoa da ca-
pella, encamlnhando-se para a galera grande.
Os costezos, as damss das princezas iam sps
ellas. Todo aquella ex'.endsl de vestidos borda-
dos e deslumbrantes d'ouro, de mantos de cauda,
de riqaissimos esletos, formavam espectculo
magnfico a nio poder ser maia.
O rei aaudava todoa com a habitual afiabilidade.
Aa princezas seguiam-no ; fallava-lhea elle ds
quando em quaado, interrompendo-se apenes pa-
ra dirigir duaa palavras a esto ou aquello dos cor-
tezios favoritos. Cbegando quasi ao meio da ga-
lana, madama Laisa pediu para Iba apreaentar
ama poeses.
Uma recommendagao, senhora I realmen-
te para espantar, qua tomassa sobre si easo ia-
commodo.
Senhor, trata-se somante A'am moa ania-
do, o marquez de Sancerre, que anesia pela hon-
ra da commandar o sao regiment, que se ea-
(aatia aa meio ds ociosidada da corte.
! -Jal aito sedo, EalnHuito gODUnos
tem tio bonitos enfeites como os seas. Vio am-
bos comer biscatos, que mais proprio da aaa
edade.
O marquez beijou a mi da prioceza, e sahiu
com Roseta, galante cadellnha branca, decollei-
ra de fitas zoes celestes.
III
O oratorio.
Madama Luiza acompanhou com am olhar me-
lanclico o aeu joven afllhado, at elle desappa-
recar.
Quando a porta ae fechou, nella fixoa a vista,
e uma lagrima aaltindo-lhesdaspalpebras.veiu-
Ihe cahlr sobre a mi.
Mea Deua I exclamou a prioceza ; fraque-
xa de mais. Piolado para mim I
Depoia chegou-ae ao aeu genuflexorio, o sjoe-
lhou. Eslava a prioceza negligentemente venida
de tafet braoco. Nem ella nem suas irmlas
abandonavam este aimples traje, excepta, ou ando
recebiam pesaoaa de frt. Nem ama* so fita lbe
sdoroava o penteado porque com o vestido da
missa havia largado todoa oa enfeitea.
A alcova em qae eatava o oratorio, ora muito
pequea. Armada da dimasco escaro, tiabs o
mesmo carcter da simplicidado qae o reato do
qaarto.
N'ama especia de rotunda eatava tollocado am
altar consagrado Virgem, cuja estatua fia mar-
more braoco apparecia circundada de flores e luz.
Um genuflexorio do reliado preto, ao p da me
da Christo, eslava earragtdo de llvros piadosos o
rosarios.
A' rolla deste silencioso recinto, imagent sa-
grada! psndiam.d.u bi4Mi do tem ama oa-
I
pada ds alabastro. Alguna aasentos de damasco.
sem espaldar, eram (a antea mobilla; procarar-
aa-hia em lo ama cadtars pars a princeza. Dian-
te de Daos tiohs-se ella por uma simples mulher
poceadora, como aa outras.
Em frente da capella de Mara, am crucifiro de
msram de primoroso lavor resabia da parode.'Aa
Janeilss, hermticamente fechadas o cobertas de
duplicadas cortinas, aio daixarsm chegsrds frs
ruido algum. Uma ampulhela o um crneo re-
cordsvam a brevidads da vida.
Madama Laiza gostsvs tambem de conservar
flores seccas as jarras, porque se deliciava em
se cercar das imagens de deatrulcao. Ao lado da
Virgem, em dous altares pequeos, ficavam di-
reita S. Luiz, rei de Franca, esquerda S. Hen-
rique. imperador da Allemaoha. Finalmente,
preciosos relicarios, cnttosss rendas, innumeraa
pedrariaa enriqueciam o pequeo aantuario, e
frisaram o cootraato com a simplicidado do
mais.
Era a testa do rei naquelle dia, como disssmos.
Era tambem a de madama Luisa, e por isso ten-
tou ella orar so aeu patrono, acabando, porm, a
agitagao, que a aobreaaltava, de aer auperior
tentativa. '
Levantoa-se, e deu muitas vollas no qurto ba-
teado no peito e derramando copioaas lagrimas.
Parou diante do Christo o orou ; voltou-se para
a Virgem, o orou ; tudo foi baldado. Perdendo o
ultimo alent, cahia sobre o tapete suspirsndoe
aupplicando ao Senhor, que affaatasse de si to
horriveis tentages.
O Seohor ouviu-a sem davida, porqae lhe acu-
da ama sbita inspiragio, e, erguendo-se, cor-
rea a um pequeo cofre de oaro guarnecido de
rubis, tirou ds cints uma pequea chave, abriu
respeitosamente a catxa, e tomou d'ali uma earts,
cujas dobraa meio-rdtaa denuaciavam frequente
maaaaeamento. Beijaodo-a, e poado-se de joe-
lhos, leu o que se segu :
Minha fllha, vou deixar-te, e a incerteza do
leu futuro o nico tormento, qae me dilacera o
corago neste momento solemne. Depois que
voltaste a esta corte, a que o deatino nos adscre-
veu a ambas, estudet o teu corago, e conheci
com pesar, que ea tinha transmitido ss funestas
qualidades, que fazeoc neate mundo a iofelicidade
da mulher.
A toa alma, terna e generosa, est devorada
pela oeceisidade de amar, e como nao podars
achar a reciprocidade deaentimentos, que pede o
teu desejo, procurars nateralmente em Daua a
colale alegra, que phantaaias. Minha fllha, voa
ver este Deus, que me est chamando, voa trocar
a frgil corda, qae me rozeia a fronte ba lautos
annos, pela corda de eterna gloria. Orarei por
ti; e orarei para que, nos momentos de angustia,
que eu prevejo, a minha lembranga surja como
aojo salvador.
< Se bem, que nio deixo no mondo, quem me
aubititua ao p de ti; o rei, aa toas irmias, nun-
ca te compreheoder&o. S teu irmio.... maa
perdeste-o I Vae vagar s nesta vida tio outra da
que ambicionaras. Animo I nao desesperes nessa
isolamaoto. Ama o prximo, o sobretudo a teu
pae, serviodo-lbe de providencia. Combate aa
influencias infernaos, de que tica assalteado, e
protege-o com aa las azaa de aerafim.
c Quaodo a deseeperacao vier acabruohar-te,
quando, fatigada com tantos esforgos ioeteis, sen-
tires desfallecer-te o animo, lembra-te de tua
mi, qae ir velar por ti. Nao deixes aeaenho-
rearem-se do teu corago aentimonlos extranboa
a nossa familia. Nos, aa princezas, nio temoa
senio deveres. As oossss aleigos aio forgadas
a calarem-se diante da razio de eatado o diante
do reapoilo, que devemoa nossa jerarchia.
c Se algum dia o destino seguir os leus votos,
nio escutes mus cooselhos. Nuiles so compen-
diara todas aa atlribniges da minha existencia.
Foge de qualquer intriga e exageragio, e confia
em Deua.
c Adeus, minha fllha. Nem tenho j viata,
nem mi para te continuar a eacriver. Recebe a
minha ultima bengao. Esta carta ser-to-hs en-
tregue depois da minha morte. Oxal que aeja
um balsamo para as las fondas, e que nunca te
esqaegas, que oro por ti. _
Maa Usctinska.
Depois de ter guardado de novo a carta, a prin-
ceza Qcou por muito lempo eaeolbida em profun-
da meditago. Poueoa pouco as lagrimas lhe ma-
rejaram nos olhos, e por flm, assenboreada de
novo pela paixio, exclamou :
Tbhaa razio, minha santa me; ninguem
me ama. Eatou bem 16 neste mundo. Dae-me
animo, meu Daus I
Caloa-se por instante, maa bem depresaa pro-
segua :
Vou rezar. E' a minha nica esperanga.
Meu Deua, salvas o rei, protege! a Frang, e cha-
mae-o vossa preseoga I
Mas nao.... nio. Para looge eata prece....
para looge eata imagem I S vos, meu Deus I com
a lembranga de minha mi, de meu pae, de mi-
nha familia, de meas deveres. Que horrivel an-
gustia l Nio me deixeis, meu Deus, cabir em ten-
tagio, tende piedade de mim i
Neste momento, oeu onze horaa o relogio do
saleo. Madama Luiza enxugou oa olbos, e le-
vantou-ae, como ae um impulso invisivel a sacu-
diese.
Onze horas I Eitio a chegar.... nao devem
aaber que cborei. Uma fllha do rei I qae pesar a
poder affligir ?
_ Sorriso tristemente irnico lhe assomou aos la-
bios. Bateram porta interior ; madama mes-
mo a foi abrir, e a agafata entrou. Depois das cor-
teziss do estylo.
Quo vestido qaer madama trazer boje ?
E' a festa do rei, minha querida marqueza,
preciao quo eu apparega bella. Escolba o qua
for mais magnifico.
E que joias?
Diamaotes, todos os meas diamantes. E
principalmente nio esquegam os brincos da Mi-
nas. A proposito, diga-me, Sra. de Dufort, a
condessa de Maulieu maodou ao Delpbim a espa-
da, que lhe mandei fazer 1 O meu querido aobri-
nho deve ter tambem aeu quinhao neata testa.
O Sr. Delpbim trazia-a de manhaa, quando
eatava na misn, e at agradeceu o mimo a ma-
dama.
Sim, sim, verdade. Agora me lembra.
Que cabega e minha I E' imperdoavel. Oh I mi-
nha lioda Roseta, tambem tu andas garrida 1 Di-
gam-me, ae o marqaez de Sancerre eateve muito
tempo a brincar com ella? Dei-lhe este castigo
s para o punir pela aua vaidade, porque afinal
am ptimo rapaz. Agora vamos ao toacador ;
dei liceoga Sra. de Maulieu para s vir ao jaa-,
lar. Vamos, a nio gaatemos mais de meia hora "j
j lampo do mais perdido. /
Madsma Laiza entrn no gabinete do toucsQor,
seguida palas sass damas, s quem dirigiu\/h ex-
preasoea malsaffavaia a carlnbsss. Jr
Quasi que nem se d pela auseocid/da con-
desas de Mauliea. A miaba cara marquesa suba-
titue-a a mil aiaravilhas. Miabas Irmaas nio
terio boje qua ma notar; eatoa prteitamente
moda.
Quando deu meio dia, um mordomo vea avi-
sar a princeza, qae podia ir, a enlio paaso* ella
.aos quartoa de madama Adeliide, a mais velha
daa Olhaa de Luiz XV. Ahi ae reaniaaa aa prin-
cezas para a aaa reteico.
IV
No toucador.
Quando madama Luiza despedir sssuss damas
i sabida da misas, a condessa de Maulieu met-
teu-se na sus sege, qae a aaperara no pateo de
Marmora, o partiu para aua casa.
Como s exercia interinamente o aeu cargo de
daasa.de honor, obtivara licenga de nio fiear no
palacio, onde a princoza de Gbiatel, verdadeira
aenhora do lagar, tinha a aea qaarto especial.
Por isso a formoaa coodeasa ha bita va uma encan-
tadora casioha meio eacoadida por denao arvo-
redo, o bistante aproximada do palacio, para qae
nio fatigasse o paaseio at l.
A grsde de am delicioso jardim acabava de gi-
rar noa seas gonzos, quando a condesss, deitan-
do a cabega pela porltnhola, avialoa um abbade
ainda mogo, qae falla va com o porteiro, e pare-
ca muiio contrariado pela saa amencia.
Vaaha, venha, gritou a condena para o im-
paciente. Estoa livre por duas horas. Vou pon-
tear-mo, em quanto madama fica no orato-
rio......
E' muito rasoavel, iaterrompea o abbadesi-
nho, a cada am a ana oceupagio.
A condessa nio reapondeu a amabilidade tao
irnica, e cootiouou na carraagem at porta
do sea gabinete de toacador, qae dava para o
tarrago. O abbade deu-lhe a mo para aabir da
sege.
Santo Daos I como listo liado I exclamou
elle ao entrar.
Effectivsmenla com diculdade ae podara
concebar mais elegancia, mala fiados (permu-
tara ao tradastor asta substantivo Infantil), do
que o qae se oBoiecitm & Tifia n'aquelle gabi

neto, capar de oscurecer o laxo do mais faustoso
camarim. Jpl
O tecla era uma estancia de amores. A tapo*
garia, a soda de toara cor de roas, caberla ain-
da com mousselioa bordada, dar aa rosto nma
cor agradabilissima, embelesando-o muito. Uaa
grande quadro de Boacher, em qae a aenhora de
Maulieu era reprosentsda os ligara de Venas
emergindo da onda, vestida com singelo senda!,
altrahia togoas valas pelo delicadeza daa formas
e o brilfao do colorido.
Flores, esparzidss com profuso pelas jarras
da cnamio e as mezas, vasos recendendo per-
fumes, embriagaran) perigosamente os que as-
piraran) aquella atmosphera olorosa.
Depois mil figuras cbinezas, monos bellos de
caricatura, pastores de vestia de setim branco e
calgesazues celestes, com suaa paatoras a caja-
dos, grinaldas, joias do alto valor, nlnbarias da
moda, emfim toda a qualidade de extravagantea
ornatos qae, n'aqaells poca, distioguiam o
que ae chamava eolo ama ptttte-maitreste.
O movel mais appareote e mais iodispeosavel
do quarto, o toucador, era de madeira daa ilhas,
embutido do tartaruga o marfim, realgada poj
caprichosas douraduras. Os utensilios de porce-
lana de Sevres, engastados em ouro, oslavsm si-
mtricamente dispostos, de maneira que nem um
s ae perda de viata.
Um grande espelho de Veoezs, com caixilbo
de_ filagrana, eatava iuvolvido por cortinas ir-
mias lapegara, formando docel ecahindoat
ao chao. Em frente deate constlhtiro da formo-
tura um aopb ostentara os mais nacidos coxios,
Tres grandes espelhos pendiam entre aa jenellsa,
o pela parte posterior do sopb um qaarto fir-
mara-ae sobre o friso do fogo.
As portaa oram eapelhadas, e meio cobertas
por luxuoaoa repoateiros. Bem ae via em todo
isto, que o dona do quarto era formoaa ; o cui-
dado, com que tratara de multiplicar a aaa ima-
gem, era a mais sufScienle prova do aitribato.
No canto mais recndito, sob uma especie de
caramaochiosinho, uma cama em ponto peque-
no, o de damasco de edrde rosa, adornadas com
pequeolnas cortinas de casia,molduras doaradas,
tufos de plumas aoa caotoa e uma profuso de Alas;
servia de habitago a uma pequea bola de nev,
da grossura quasi de am punbo, que mostrava o
focinbo o os olhos pretos no meio de um nove-
lo de sedas de prata.
Era um ciosinho de Havana offerecido con-
dessa por um amante, que expreasameote flzera
a viagem para lhe trazer aquella mararilba. Es-
te fabuloso animal nunca tinha o trabalho de an-
dar, porque qusodo sabia do ninho. era para se
abrigar na manga da aua formoaa dona.' Cbama-
va-se Oengu, e nio se sustenta va senio de bis-
soitaa (silos de proposito para elle, e assim mes-
mo nio os coma, se nio eram do mesmo dia,
ou se os nio achara bem doces. Seis vezes se
tinha modado j de loja para o contentar I
N'aquelle instinto repousava no seu pequeo
colcho, coberto de cambraia e guarnecido de
rendas egaaes a das cortinas do toucador, rea-
das das maia caras, que vinhsm de Inglaterra,
de prego msis fabuloso qae o proprio Dengu*.
A condessa tirou o manto, poz um perneador,
e deixou-ae cahir naa almofadas do sophi, orde-
nando s suaa criadis, que s deixasssm por a-
quella meia hora, e depoia a viessem arranjar
para o jantar daa princezas.
O abbade nio se ssciava de contemplar aquel-
los lugares encantadores, que noa versos, que j
lhe ferviam na imaginagao, fazia tengo do rimar
com olhos vencedores. A rima nio era das mais
felizes, mas era su luciente n'aquelle bom tempo
para um abbade a para ummadrigat
Querida condessa, etou n'um palacio do
fadaa. Onde foi buscar este tapete do oriente ?
como que esta liodissima cscala, refrescando
tao agradavelmeote o ar, cabe nesla baca de a-
labaalro ? ha que tempo mandou a coodesaa fa-
zer tudo isto?
Logo depoia do flm do meu lucto, abbade.
Depois da morte do defunto Mauliea, eslava j
lao cantada de ver a egas e pannos pretos, que
me qsiz alegrar alguma cousa. Quanto per-
gunta sobre procedencia de todo ialo, nao sei,
pergunte-o, se quer ter esse iocommodo, ao meu
tapeceiro.
E onde est o Uenguel Trago-lhe bichas e
Bascantes.
E' escusado. Nao querer uma nem outra
cousa. O Sr. de Boufliers encheu-lhe hontem a
caainha de bolinhos, para que elle nem ae qaer
olhou, e o Sr. duque de Cumberland maoda-ihe
todaa as manhaas doces, qae elle oeoa quer qae
se lbe apresentem. Guarde o seu preseQle, ab-
bade, o Dengue e eo estamos saciadoa de ice-
pipes e poesa. O nico favor, qae Iba posso
fazer, dar-lhe ficeoga para m'o trazer aqui.
E posaivel que o morda, mas que tem isso ?
O abbade a pro limo u-se do caosioho, que ae
lbe arremessou a mangas sem ceremonia, fa-
zendo-lh'as em tiras. A condessa ra s gsr-
galhadas.
Com effeito, condessa, tem dous favoritos
bem malignos o seu cao e o marquez do San-
cerre ; nio sei qaal doa doas maia ma a maia
travesso, replicou o abbade quaai eocolerisado.
Como, abbade, por to poueo tio aaogado
contra os meus caprichos? Olhe que Acarnos'de
mal. Que horas aio ?
Dez horaa e meia.
Chame aaminhascraadaa, e diga ao lacaio,
que espera os miobas ordens no jardim, que o
porteiro pode deixar entrar.
Aa creadas onlraram ; o abbade obedeeu, a
bella preguigosa levantou-ae do sopb, e aseen
lou-se n'um banquinho dobradigo diaote do ea-
pelEo principal. Alguna minutoa depois; sonan-
cia ram :
Sua alteza real, o Sr. duque de Cumber-
land.
A condessa levantou-se de novo, o dea dona
panos para a sua nobre visita, cuja bella phy-
aionomia trazis impresso am verdadeiro sofiri-
mento.
J, senhor I disse ella com a maior graga.
Anim ae digna assistir to cedo aoa preparati-
vos da minha toilette ? E' realmente ama fi-
neza.
O principe iaclinoa-se sem responder, tima
creada grave apreaentou-lhe uma cadeira, em
qae elle se senloa, conservaado-so a p o ab-
bade. A condessa esteva para ss pontear ; pelo
menos' tiravam-lhe da cabega os rabls e fitas
escarlftes, para os substituir por outros ador-
nos
'_' O escarate anda muito em voga na corte,
nao ? disse o duque gravemente.
Com effeito, pareco-me, que mnitaa ssnbo-
ras traziam essa cor hoja da manhaa ; ah tem
por que vou mudar a cor do mea traja.
Eolio mudaram todos, exclamou o abbads;
nao trss a condessa atraz de ai todaa aa Gracaa a
todoa oa Amores ?
Nio andoa mil, abbade, replicou a condes-
sa de Maulieu, qae estar a afir um sigaal na
cara, aorrindo-ae a daixando ver loaa renquea
de perolaa n'uma granada, pbraaa obrigada
que nao podia escapar ao abbade, lio emolo de
Doral.
O principe emmudeceu s ponto de resistir s
meiguices mais provocadoras. A condesas quaai
ae aiemarisoa, e percebea qua s am favor nota-
vel podia venter, e encher-lhe de novo o corago
de alegra.
O acaso proporcioooa-lhe s occsslio. Havia
am momento, qae o abbade olbava, com cara do
laatima, para a rsods, que o ciozinbo Iba pozera
em tiras.
Nao so pode dizer com verdade, senhor,
que a condessa tem duaa fantazias cada qual mais
difflcil de ser soffrida pelos seas amigos T
Quaes, quer-me dizer ?
O cozinho Dengue, e o primo, o pequeo
Sancerre.
Ah sim ; a coodeaaa ama-da multo, a pa-
rece qae tanto a am como a oatro, porqae os
trata perfeitameote da mesma maoeira ; soffre-
Ihes todas ae loucuraa, e adoraa-os com aa suas
fitas smarrotadas.
E' chegada a oeeaaiio, peotou s coadaaaa.
E' verdade, senhor. Hade concordar, que o lagar
nio ma, e qae ae qatsaase fazer o meemo ao
daque, nio havia de gottar pouco. Ora experi-
mentemos. Aqui est am laca azul celeste, qua
eu sinda nem trouxe ; quer qae lh'o pouha ni
caaa do bolao ? lito hide-se arvorar em moda,
e dentro em pouco todas os cortezaos se entalla-
rao assim, stnda que tenham elles meemos da
comprsr aa fitas.
O principe ajoelhou todo jubiloso, a recaben
o liado presenta beijando a maa, qao lh'o efier-
tava.
E au ? parguntou o abbade.
O abbade ? Ah 1 aqui tem rosetas asura-
das ; para quem basta lata.
Jura-me, condessa, qae niogaem mais tra-
ta deataa ? disse o daqaa, omqaaolo a abbade
dlapatava s creados alguna topes velhos.
A condessa fitoe-o, o tinado do caballo Mu,.

M
I
quezas e loras, aaa j tinha ,._ .
s oreiha aaaaarda asi laca aass .
manta Irmio do qao acatarra a alar
EHa raspaeta mads airara? da
bre namorado, a m-Mm urna ..
des, que pasesaa lio dapraaaa, am so
cara pelas ssadadae que dsiiam.
0 Sr. marquez 4$) Tillasen I
Este nome, laogado ao anata da tal
concerlou as pasaoaa praaoa4as
senhora de Maaliea, ,ue. cama -
regosijavs de rer crescer as diflcalaaaaa am tor-
no de si.
Por isso receben ella o caraos! caaa ar fia ass-
Iho, lio difireme do eotaraeclaaaaaa ama ca-
tara a apparenlar, qae o principa lasa asara ri-
lando.
c Cbegae-se, mea prieto, a rira a aoswfia. Aa-
cusam-n o, s aa aio sai que allagatr aea saa a-
tesa, lio grave a aecasecio. Parama a Deesas
devoroa as mangas a ae dedos da abafis. asta
elle a odeia-lo do morte. letanaafis orna 4 ajaaam
lhe entina aquellas babilidadsa. E
ama questio da fitas, qae oreeiao
Olha que tato muito erie, muito !
Querida prima, asta-ata a tm_._
que ? son eu reapooaavel pelo que fas a
Se elle despraza as etttacdae tt Sr
ea quo tenho a culpa I so ella tras
val ha, sao oa qae ltr'a poabo I se sile
se tem ciamos delle, aioda a falla saia
Dsus I Pars msis difldl de cor
tsl bichiobo I
O principe eo trille ce a de or j
Que peass disto 1 diana a t
Pens, senhora, qao o rol fes aaa -
goveroo de Loeienoes so preto do Sra. I
e que a condessa nio faria pear esa fiar
gaeauma creanga.
O marques faz-se escarate coate aaaa aeeeja.e
mal poda reprimir um asavtaaaato ala aaaaaa.
Apenas se satisfaz com iaciiaar a esa ac a tm-
darguiu :
Lembro ao Sr. duque, qae aaa I
via muitas croaacas corno aa.
Duvido, Sr. marquez, qua a/asB
som o Dengue tivesssm mostrado
como o sanbor.
So o Sr. duque ma di liaeaca, wat-
muito fcil provar-lbe qua toaba leal*i
oos brioqaedos de eolio.
Silencio I marquez ;
O Dengue mordea o abbads, a aa
mas elle muito bem edasada
qae ha pessoaa com quem aa i
mente, aioda qae aeja o ci
rainha.
E por isso meaaao, quo
aoaa fazem daa sass, maratn? a
creanga.
Eslava terminado o paatosdo fia _
padia ao daque de Cambartaofi Iba |
sa liaba de vestir da novo. Avia
bora do jantar das princezas, o o saa
rava-a.
O principe, ainda maito caaaasamfia, i
a sabia olheado sobraaceirai
nel de Normaodia.
A Sra. de Maaiioa asaatpsal
achoa meios de a tranquilizar
lidadas.
Entrando de aovo aa gat
quez a esconder no balso
leste inteirsmsnte egaal aaa
dassa.
Qae greca I exclamou alia, amar aa
ra indiapor-mo com o genero boaaaae f
Nio, coodesaa, isso aorta so o ario r a i
nhas torgas. Por fim viriste a tasas aa ai
sempre. Mas ha-do coovir em aoa o
soberanaoteele gat alteo
loras dos seas viola a eaoo aataao o
eado.
Que feito do abbade t
Bscapou -se para a jardim. r
mais para sr achir a sos cata
ioimigoa. O coodesss, somata aaatiol__
tretaoio beido lbe diaar qaa aa oafib parataado
com aa meninas da S. Cyro. ratafias ala Sw Late
v, uma brincadeira aaecaata.
Qae ma importa ? sam lautte ano lie finita
de ser linda.
Se o abbade nia sa Uva*
tants presea, j teria posto saa
duzis de Venas, e um reg meato _
(as.... Eo eo loaba da aaaa olOos,aaaasfio a to-
pada, o latvez que aio oetoM mi'
Ora fag*-ma com toso oaa _
em como nao capaz da o fizar.
O marqaez poz-te da joelboe, ao
e Com a mesma graga do principe.
Qaer apostar comigo ? pas _
ter olhos psrs a admirar, caraefia para a
espada para a defender ?
Est bem, aal bom, meo inlsisssanls
nelxinho. V-so boa qae 4 d.scipoto do i
chai da Ricbeliea ; ba i% ca sajas sm por
Prophetiso-lh'o.
E' levaatando-o, beiiou-o
testa. '

atasaja*
Tinhem as Albas do Lois XY m
em separado, porm I bata fia n
ae todas nos qaartot da prioceza
velba do todaa.
Aqu ora sampre o lagar da
rei as qaaria ver.
Orna campaioba rnnnpssaia I
cada orna deltas, o par asta aaotca a b.
Aaoiaido chamara a prioceza Viatorte, asta a i
cezaSopbia, o floaiasaate asta i
qaa. quaodo chogava, ara so para i
podidos de sao pao.
Nem o lempo das visitas ar meato,
to grandes as psssas da ariaeasa mata i
murto paqueos oa corredoras a aa
correr.
N'aquelle dia a ral, apota a tar
viaita-las, mindo-lhe atan- pala aootrorto, ama
fossem aaa aposoatoe dallo, isto a podio fia Sr.
Dabtrry. qao saMa maito aaa
zaa se aborrecan do a raeaaar,
agradar-Ibes, poapoa lias ae*
lido o cuidado do tasar valar a
influencia.
O jantar j liaba sato tipia fia. tjoaoda o So."
Mauliea entrou de ampia a
pekiu braoco, com Brotado a
trplice ordam da admirarais
oulro eoeito maia doqaailia azai
caballo; aom orna jota, aoaa ao atoa
davia tota siosplicidade rofiobrava-lbo a
sata.
A readseea tas aa .
proxlmou-ae da masa para
coas da saa cargo.
Eolio daa d'ella t .
disse em tom quaai altiva, a
benevolencia babilaal:
A senhora demorn se
toucador.
A coodeasa iocliooa a cabega, a .
que aua ama eslava irritada. o toa aaa i
demaia princezas, qaa alafia mi
scbavsm.
Msdama Victoria diosa pota ,
bem alto, pon qaa sa oevisee:
Aquella excedente priaansa a
va ir caidaado am vir. para ver, i
Luisa toma um aspecto cooviolla
Ibafalo Qca-lhe lio mal....
O resto do jantar tssoossta sa com------
dei e urna cooversagao aeria; eooalaaeao fio Waajar.
edade a carcter das fllbae fia tal fifi rioata. ama
depois de ae tereus levaatado logo osa ossjaadooo
jantar, iam para am aaliotiobe da laaaams, otado
ninguem as dsva ir perturbar.
Porqae rolo lia tard.,,. Sr.a fia aaaoammt
dase ama das aias da madaa.a Stibia. Bsoaamat
nio eatava contante ; -oocaa vezes s loaba assja
visto encolerisada.
Eocolerisada I aaW "is Laisa I Fot tatos!
em que "nunca a vimu, ateta
crladaa.
seo-Ibas perdi,
coa ar.de Miaba.
aeraos a muiio altiva. Sa etia
seria am demonio. Qaa ato 4
que me liaba ioteirsmnato pa-
sa eatava pars partir, qusodo
carrea atraz de mim para ave .
meemo ns saga. Confesa qaa fot aaa
aoaa qaom sotTraa, tai oa aoe aoari ia__
dtestms, a mais de viola vezas sativa pasa
gar o vealido.
A'e fiase horas o ral meado j STeveoJr a
satas, qua fleava i espora datlaa, a oao
por momentos a sproseotoefia a sai



(Caaiaaar-as Aaj
PIRN. TTP. DI M. r. DI PAUa FIU 1
a .:rr
T7T


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFSA5BTTS_7H4DM0 INGEST_TIME 2013-04-30T21:05:32Z PACKAGE AA00011611_09555
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES