Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09554


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*Tm
^"^^i ^^^
L
'i
r

.


4110 nmil IOIERO 98.
, '
Hr tres ti exeta4aiUdsS|00o
Ptr tres lie es Yeaeidos 6|000
<40fr*&^ *&*
TERQi FE11A 2 BE ABMl DE U2.
Por aiie adiintado I9J00O
Porte fra.es par nbserif Ur
PEMAMBIICO.
'
NCARREGADOS DA SUBSCR1 AO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aliiiudrioo de Li-
mo; Natal, o Sr. Antonio M t ues 4a Silva;
Acataty, o Sr. A. 4o Lemos Bu gi; Cear o Sr.
. Jos do Olireira; Maranhap, n Sr. Joaquim
Marqaot Rodrigues; Para, i i tino J. Ramos;
Amaionaa, o Sr. Jorooymo da Cinta.
ENCARREGADQS DA SUBSCll l'CAO DO SOL
Alaaas, o Sr. ClasdinoFalcAi Dias; Baha.
o Sr. Jos Martina Alvos
Joo Paroira Martina.
Rio i i i'anoiro, o Sr-
PARTIDAS DOS CORRBIOS.
Olinda todos oa diaa aa 9)i horaa dodia.
Igaarau, Goianna, o Parahyba naa segundas
a aextes-feiras.
S. Anto, Bezerroi, Bonito, Caruar, Altinbo
a Garanhuns naa tergae-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limooiro, Brejo, Pes-
qaeira, Iogazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viata,
Ouricury o Ei naa qua>taa-feirae.
Cabo, Serinhem, Rio Formoao, Uoa.Barreiroa
Agua Preta, Pimenteiraa o Natal quintas feiras.
(Todos oa correioa partera aa 10 boraada msnha
EPHEMERIDES DO MEZ DB ABRIL.
6 Quarto creacenta aa 4 horia o 31 minatoa da
manbaa.
14 La ebeia aoa 16 minatoa 4a manbaa.
SO Qnarto minutante as 3 .horaa a 21 mina tos da
tarde.
18 Laa nova aa 8 boraa o 45 minutos da manbaa.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro aa4 boraa e 6 minatoa da manha.
Segando aa 4 boraa a 42 minatoa da tarde.
PARTIDA DOS YSPOflES C0STEIR0S.
Para o sol at Alagoaa i 5 o SO; para o norte
ate a Granja 14 e 59 de aada moa.
PARTIDA DOS OMW1BOS.
Para o Recite: do Apipucot s 61 [2, 7, 7 1|S, 8
8.8 lrS da m.; de O/inda s 8 da m. 6 da t.; de
Jahoato s 6 1|2 da m.; do Caxang o Yanta
s 7 da m.; de Btmfica Is8 ds m.
Do Recite : para o Apipueo s 3 1|2. 4, 4 1|4,
4 1|2, 5, 6 1)4, 5 1|2 e 6 da t.; para O/indo a 7
da a. a 8 1(2 da t.; para Jaboatao ia 4 da t.; para
o Caxangi o Varzta i 4 i 2 da t.; para Bemfiea
aa 4 dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES va CAPITAL.
Tribunal do commercio : aegundas o quintas.
Relago: tercas e aabbadoaislO boras.
Pazanda: quintas s 10 boras.
Juizo do commercio : segundas ao meio dia.
Dito da orphos: tarcas e sextas ai 10 boras.
Primoira Tara do eivel: largas o axtaa ao meio
dia.
Seganda vara do efrel: qaartase sabbados i 1
hora da tarde.
| DAS DA SEMANA.
28 Segunda. Oa Prazeres do Nosoa 3sabara.
59 Terca. S Pedro aa. ; S. Hafo ar.
,30 Ouarla. S. Catharina de Sao; 8. Persasriae,
1 Quinta. Sa. Felippe e Thisc* *p*stolos.
S Sexta. S. Albaoazto b.; S. Maalda iatatt*.
3 Sabbado. Iov*ogo da Santa Obi.
4 Domingo do Bom Pastor. A M >lorai4. 4* N. S,
ASS1GNA-SE
[no Raeife, em a lifraria 4a pr age 4a ladossa-
deocia d*. 6 e 8, dos propriatarios Maaoal Fi#*t-
Iroa daFaria & Filhu.
PARTE OFFI CUAL.
GOVERNO Di PR( WCiA.
4* seegao.-Secretaria do go*e rr) de Pernam-
baeo 25 do abril da 1862.
Pela secretaria do go*erno coovi>la-se aos Srs.
mdicos que qoeiram ir prestar ns servigos de
sua arte na provincia do Cesri, o:de acaba de
deseo volver-se a epidemia do i 1 olera-morbus,
a vlrem'declarar na mesma sec-i taris as con-
diges com que aceitam essa con Diisso.
Joo I > U iguts Chavt*
Expediente do dia SS do abril de
ISftS
OIRcio ao Ezm. presidente ti orovincia das
Alagse.O Exm. presidente do < le ir, onda aca-
ba de desenvolver-ie a epideo a do cholera-
morbas solicitou em officio de SU ileste mez que
fossem aqu contratados 8 medie >r, j que nao se-
r fcil ltenlo o incremento quu mista provincia
tem ltimamente tomado aquelle igello. Peco
pois a V. Etc. que sirva-se de 1 otividsr siguas
dos mdicos ah residentes a ir 1 rislar no Cear
os servigos do sua arte, que serio devidameote
remunerados.
Aguardo prompti resposta de 1. Exc. a seme-
Ibsnte respeito.
Dito so presidente da proviosa do Cear.
No offlcio por copia ioclaso do il r ictor do arse-
nal de guerra de 23 do corrate, sc' o. 106 veri
V. Exc. os motivos porque tolisram ainda de
seguir no vapor Iguarass a Mista entregues
V. Exc. para o flm indicado em ni'us offlcios de
12 e 21 do corrate osjobjectos vi 1 1 01 da corte com
destino as provincias do Piauhy, diraoho, Para
e Amazonas. No entaolo ticam 1 acias as conve-
nientes ordena pira que se effei: u- o embarque
desses objectos no primeiro rapo J.a compaahia
Peraambucaoa que para all seg i-.Officieu-se
ao director da arsenal de guerra para embarcar
no vapor que seguir para o norte Df objectos de
que se trata.
Dito ao mesmo.Passo as mi.ii le V. Exc. em
resposta ao seu offlcio de 4 de j meiro prximo
lindo sob ala nota a que se rel< r> o preaidente
da relago ao offlcio por copia i < uso, da qual
consta o estado em que se ach 1 os pro:essos
dos reos Joo Alvos Perreira, ucisco Rolri-
gas dos Passos e Brilo Pereira clu Monte.
Dito ao commaadaate desarmas.Em respos-
ta ao offlcio de V. Exc. datado o 1) do corrate
trsosmilto-lhe por copia para s s ^ioobecimeato
e flm conreoieate a informaco 1 sita Ja pelo di-
rector interino da companbia la Beberibe, oa
qual declara que as faltas d agua 11 ridas no hos-
pital militar nao sao causadas pn o eocanameoto
daquella companhia e sim de 1 olupimento de
ferrugem que aglomera no registre ou regulador
d'agua para o deposito do dito hcsiital.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. 1:. de informar
sobra o que representa o commu idanle 1 do pre-
aidio de Fernando no offlcio iocli d, que me se-
r devolvido, com referencia a fu 511 de liaba all
exislents.
Dito so mesmo.Queira V. Em. ioformar so-
bre o que pede Gertrudes Lud)'ina Pereira ao
ineluso requerimento.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. f i:, de iatormar
acerca do que pede no incluso ol c > o comman-
dante da estsco naval.
Dito ao mesmo. Autoriso s V. E.tc. a mandar
fornecer a enfermara militar di '.'acarat pela
pbarmacia do hospital militar 01 aeJicameotos
constantes do pedido incluso|a qui 1 i refere o seu
offlcio n. 828 de 24 do corrale.
Dito ao mesmo.Passo as mi 01 de V. Exc.
para que se sirva de attender 01110 for justo e
conveniente os dous inclusos rej aerimeatoa que
me foram traasmitlidos pelo caionel commao-
dsote do presidio de Fernando, 11 ti quaes o cabo
de eiquadr Joaquim Sebastiao ) n soldado Vir-
ginio Jos dos Santos, ambos de 1" batalho de
aslilheria a p e all destacados pe lom para serem
coyamente engajados no servico 1 o exercito.
Dito ao chefe de polica.Coi a nuoico a V. S.
qaa veio do presidio de Fernn! >. afim de res-
ponder a novo jury no termo di Independencia
oa Parahiba como V. S. requisiu em seu offl-
cio n. S31 de 15 da fevereiro ulti 10,0 sentencia-
do da justiQa Joo Bernardo de A. aujo, cuja guii
aqni ajuuto para ter o conven .1 ole destino.
Communiou-sa aojuiz manici|i 1 da primeira
Tara.
Dito o mesmo. Sirva-se V. i. de por a dia-
posico do juu municipal da Ia ara osdet oan-
tenciados constantes da inclusa relagao que re-
greaaaram do presidio de Fem ando por terem
cumprido a peoa a que haviam Ido coodemns-
dos. Communicou-se ao juix municipal da Ia
vara.
Dito ao inspector da thesourari de fazenda.
Resiitup V. S. cbbertos com o Ciclo do presi-
dente do coDselbo admiaistrali( do arsenal de
guerra, datado de 28 de margo Itimo, sob nu-
mero 29, a iocluaa coota em do icala dos medi-
camentos comprados pelo meii no conseibo a
Joaquim Martiobo daCruzC0rr3a.com destino
a provincia do Rio Grande do ;> le, afim de que
de conformidade com a aua iofon unco n. 340 de
31 do crrante, mande pagar a 1 uanlia de 469$
em que importa a mencionada coila. Commu-
nicou-se ao director do arsenal 1) guerra.
Dito ao mesmo. Segundo coaita de offlcio do
commandante do presidio de Feriando de 21 do
duas contas que devolvo em duplicata cobertas
com com offlcio do presidente do mesmo conse-
Iho. o. 32, autoriso V. S. a mandar effectuar
esse pagamento. Communicou-se ao conseibo
administrativo.
Dito ao mesmo. Recommeodo V. S., em
sdditameoto ao meu offlcio de nootem, que man-
de pagar a Albino Jos de Aodrade, a quantia de
239^740 por que contratou mandar caiar todas
as casas do fortaleza do Brum, visto j se seriar
feito este trabalbo, segundo coosta de offlcio do
director das obras militaras do 23 do correte,
sob n. 67.
Dito ao mesmo.Anouindo ao que aolicitou o
director interino da Faculdade de Direito, em of-
flcio de hoje, recommeodo V. S. que mande
pagar a JosGoocalves Pereirs a quantia de ris
2220500 porler eocadernado os livros da mesma
Faculdade, constantes da conta junta.Cammu-
nicou-je ao director da Facaldade de Direito.
Dito ao direetor do arsenal de guerra.Ao of-
flcio de V. S., o. 107 e data de 23 do correte,
respoUdo dizeodo-lhe que oo existiodo no hos-
pital de candada, como ae verificou depois, e
aim no arsenal de marioha a baeta de que trata o
meu offlcio de 21 deste mez, poda V. S. mandar
receber oaquella repartirlo 30 pegas, para que dou
oesta data as eonvenientes ordena. Officiou-se
ao inspector do arsenal de marinha para mandar
entregar as 30 pegas de baeta de que se trata.
Dito aojuiz municipal da primeira. vara desta
cidade. Communico Vmc. que regressou do
presidio de Fernn lo 00 tinte Sergipano, como
Vmc. requisitou em seu offlcio de 7 do correte,
o sentenciado de justiga Antonio Monleiro da Sil-
va, coja guia aqui ajau'-o para ter o conveniente
destino.
Dito ao ieamo.Em viata das rszoea expostas
pelo commaadaate do presidio de Fernando, 00
offlcio junto por copia, recommeodo-Ihe que nao
remeta para o mesmo presidio presos que teohsm
de enmprir menos de qaatro anuos da aenlenga,
a que forem condemnados.
Dito ao mesmo.Com a ioclusa copia do offlcio
do commandante do presidio de Fernando, data-
do de 8 de margo ultimo, transmuto Vmc. para
seu conhecimento a parle dada pelo ajudaote do
mesmo presidio, da qual coosla haver desappa-
recido d'alli o seoieociado de justiga desla pro-
vincia Manoel Ramos da Silva no dia 1. daquelle
mez, em occasio que ia pescar, sendo que por
isso se presume ter fallecido afogado.
Dito aojutz municipal de Cimbres. Com este
offlcio lhe serio apreseotados a ambulancia de
medicamentos e iostrucgdes de que tratei em meu
offlcio de 23 do corrale para o trelaotento dos
desvalidos affectados do cbolera-morbus.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de forre.
Para seu coohecimenio e direegao, remeilo-lhe
por copia o aviso da reparligo da agricultura,
commercio e obras publicas, datado de 5 do cor-
reate, sob n. 33, e bem asaim os offlcios a que
elle se refere.
Dito ao mesmo.Fico ioteirado do que infor-
ma Vmc. eui seu offlcio de 17 do corrale, com
referencia aoobjeclo de que trata o aviso da te-
pertiyao da agricultura, commercio eolns-
t>\icnj, oxpeaiao em 14 de margo ultimo, e de
que lhe remetli copia, cabendo-me apenaa di-
zer-Ihe que relativamente a ultima parte do seu
citado offlcio, deve a companhia- da estrada de
ferro pelos raeios que julgar conveoienls eu-
teader-se com a companhia desapropriadore,
urna vez que oo podem deixar de ser cumpridas
as ordaos do goveroo imperial, coudas no res-
pectivo aviso.
Diioao superintendente da estrada de Ierro.
Communico ao Sr. superintendente da estrada
de ferro que pelo ultimo paquete tranamitli por
copia ao goveroo imperial a flm de resolver como
entender em sua sabedoria, o offlcio de 19 do cor-
reate, em que o mesmo Sr. superinteadeate pe-
dia para ser ministrada a directora da compa-
nhia da mesma estrada em Londres urna copia do
relatorio feito pela commisso eocarregada de
auxiliar ali os despenlios do capital garantido a
mesma companhia.
Dito ao presidente da cmara municipal de
Cimbres.Ao offlcio quo Vmc, me diriga em 16
do corrale, cammuaicando o apparecimento de
diversos casos da eoedimia do cholera morbos
oessa villa, respondo dizeado-lhe que j orde-
nei a remessa ao juiz municipal desse termo de
urna ambulancia dos medicamentos ao tratamen-
lo das pessoss indigentes que forem accommet-
tidos d'aquelle mal, devendo essa cmara enten-
der-secom o referido juiz municipsl a lomar as
providencias oecesaariaa a flm de que sejam os
desvalidos promptamente soccorridos e nao te-
ohsmos de lamentar os funestos effeitos desse
emito.
Dito ao bacharel Luiz Mara Goozaga de La-
eerda.Convem que Vmc. aiga para a villa da
Escada a flm de quaoto antes dar principio a
commisso para que foi nomeado pelo governo
como coostou de aviso de 3 do correte, deveodo
entender-se com o director geral dos Iodios a
quem jofficiei para mioistrar-lhe os esclareci-
manios necessarios ao desempenho da mesma
commisso.Fica assim rsspondido o seu offlcio
de 21 deste mez.
Dito so delegsdo de Santo Anto.Haja Vmc.
de ministrar cooduegio dessa cidade at as vil-
las de Garaubuos e Cimbres para as duas ambu-
lancias que aeguem com esse destino, remet-
iendo a conta da despeza para ser opportuoa-
meole paga.
Frsocisco Antonio da Rosa e oetro.Informe
o Sr. ioapector da thesouraria de fazenda.
Ignacia Mara de Santa Anna. Nao tem lu-
Manoel Jos Dantas e outro Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO < DIARIO DE
NAMBUCO.
Hamborgo, 5 de abril.
PER-
Na imprensa prussisna, porm, se manifesta a
viva conflanga am um resultado anti-ministerial
das eteigeee. Os antigos deputados do partido
progresista, assim como todos os outros mem-
bros da cmara diasolvida, que formavam a
maioria pela mogo Hsgeo, foram recebidos com
a maior s^mpsthia nos seus cercos eleitoraes, e
em toda a parle s ha ama opioio acerca da sua
; reeleigo. ha at quem espera que o partido
progressista appsreceri aina msis forte em nu-
mero na nova cmara de deputados. Em todo o
caso esse partido tambera esta vez o mais ae-
tivo na lula eleitora, bem comprehendendo as
' necessldades da siluago, elle nao tomou ama po
no" oliiuM. pelo paquete francez lhe tal- ,igao exclusiva contra os membros da enliga frac-
amos do flm provisorio da crise ministerial na gao Grabow. que nao votaram pela mogSo Ua-
I
Prussia, e da formago do novo ministerio Ho-
healohe-Heydt.
Desde ento o mesmo ministerio nao pdie ain-
da completar-se, continuando desoccapado o pos-
to de ministro do commercio, que ainda admi-
nistrado provisoriamente pelo Sr. son der Heydt,:
ministro das fioangss. !
E' talvez a primeira vez, que na Prussia um
ministerio desse modo nao se pode completar, e
considerando-se a ambigo que reina entre os em-
pregados pblicos da Prussia para postos de mi-
oistros, observa-se uma prora tanto mais evideo-1
te da instabililade das presentes circurnstan-
das. I
. que nao votaram pela moga,
gen. E' de sentir que os Grabowistes nao se pres-
tassem at agora a ara entendimento com o par-
tido do progreaso, porm espera-se ainda, que ao
menos a sua maiqrja se decidir ti o al raen le a fa-
zer uma aljiaoga com o mesmo partido.
As fraegoea decididamente feudaes e absolutis-
taso partido da Gateta da Crur, e ao seu lado
um partido novamente formado de empregados
pblicos, chamando-ae, mooarchico constitu-
cional *, e um outra fraego nova < conser-
vatvs-sonstilucionil cujo programa adhe-
ao sem reserva ao oresente ministerio, esto re-
solvas so mais intimo sccordo reciproco as
, eleigdes. Ao resto nao teremoa d'esperar muito
A isso accresce, como j dissemos em outra tempo pelo resultsdodaseleices, porqae as elei
occasio, que uma parte das outrss pastas de mi-, r5es primitivas devero ter lagar j em 28 do
oistros s pdie ser oceupada, escolhendo-se pes- correte, e as dos deputados em 6 de maio.
soas que sobre isso nenhum direito tioham, oem jo pouco que at agora se acha assegurado
pelas suas antecedencias parlamentares, nem pe- qu,|quer resultado circular: Jagow, apetardos
la aua posigao como empregados pblicos. So-J.aH1 melos drsticos, lo problemtico anda o
ee efi? ,M n0?0 in,.n!,lro. d? I01'- resellado do primeiro acto salvador do novo mi-
S ? Vt i!e Lip,>e M 0T0 ,.a,l,lro.o ,D fnor nistro das fioiogas. da converso do emprestimo
S, dati,*' n/ D070lm,0,,,ro.do cuUo' de 1/2/. deV 1850 e 1852 em emprestimo de
?Li.u "SjS 6m l9,np9, """"*/.. O capital desse emprestimo importa pre-
1^1 "1,-nem du".Dle-S 1*o"Pocom. aeniemeote ainda em 30 milhoes de thalers, e a
^rin^ar^VXOl}mn'^m-*aBlh*aUm' """gardo segundo armo depois da converso
nn\- ...?.n.?eZ?.? d(9seonh9c,oal- =?mo- P/e- flesri assegurad. ao estalo uma economa an-
^,?iiVynttc'11 ? PSr5 ,luaio.0 nul de 150 mil thalers. Dizemos depois do se-
n?.?rH, e dad b0C" d* P0V ~ mi* I "n'10 n. Prq" economa do orimeiro ao-
n lo,..0"1'"'50"" no fie. perdida, porque o Sr. vender Ileydtpa-
h/h. i.i n70 *!f25? ** perd8U temP i 'orecer o resuludo da au. molida. ssegu-
n, .a,meC ,cl,,,ldade- ron credores do estado que aceitaram a coo-
wSL p"'nelro, cl01 sao em ordeRI I Terso. um premio de 1/2 /. pago no aclo d.
i" rim ..i .1 ...i.. ... .^ *ne"o. A' economa de 150 mil thalers, bem
1 um rescripto real, assignado por todo o mi- ; aua n0 ,,
oisterio acerca das elec6es, de 19 de margo ;
Paris 9 de abril.
No dia 24 do prximo passado mez Napololll
recebeu a deputago eocarregada de transmitlir-
lhe a resposta do corpo legislativo ao discurso
do throno, cuja discusio dera lugar debates
to importantes, como os que lhe noliciei oa mi-
nba ultima correspondencia, se bem que o pro-
jecto primitivo nao soffresse alguma allerago, e
fossem regolfadas todas as emendaa propostas.
Nao importa uma e outra vez reiteradas ellas
acabtram por produzir os seus fructos.
Napoleo responden:
A adheso du corpo legislativo para mim
tanto mais preciosa, quanto foi digna de alteogo
a discusso suscitada no sea seio respeito da
resposta ao meu discurso. As opinioes extremas
sao infelizmente as que mais depressa se mani-
festara ;e porque o respeito liberdade da pala-
vra faz que sejam ouvidas em silencio, o publico
toma muitas vezes esse silencio por um tcito as-
sentimento : mas neste caso vem a votago do
projecto de resposta dissipar tolas as ouvens,
mostrar a sltuago com toda a clareza, e resta-
belecer a cooflaoga. Alegro-me, pois, por ter boje
occasio de receber esse novo teatemunho dos
sentimentos do corpo legislativo. Eotretaolu
devo aqui consignar a sorpresa que me causou a
commogo suscitada pelo simples enunciado de
certas medidas fininceira. Um syslema qual-
quer s pele ser bem apreciado 00 seu lodo ; o
que vos foi propostocompreheode sggravagoes e
ao mesmo tempo dimiouigdes de irapostos, re-
cursos por meio de trabalhos extraordinarios qae|bltcad ao mesmo 'lempo em toda alars* in-
te tem sido consideravel o afrouiaaaeate I
portago nos mezes de Janeiro e ievereire.
corlo que realisando oa fabricantes
industrial, facilitando o coosumo ele
prego, e enriqeeendo-ee a ai eroerioe peta
tenso e desenvolviaeoto dos seas aei
nao pela elevago anormal dos pregas, 1
eolra ellea, e tambera mullos operario* 1
por provss bem di Oteis e creis;
trar proveito para a popelage ees feral,
prorjuego se coaeeolrar ees spraeMie*
cimeolos munidos de capital eeel
para ae sustentaren, e irabalhareaa sal
mete de modo que poeseas dar 10 actate ea
seus productos por pregos meaos elaa4ee. ta>
seu lado tambera os freces e prqodie*4ee ae-
caro os meios da reuoir os seas recarsa* e ce
lituir por aua vea cocaplelo* eataaleciaaae*9*.
A Ioglaterra indou s apalpaJetla* sjearaata
sanos, primeiro que iolrodnsisse ae ees
tuigo industrial o principio de liaerdeue.
aua constituigo poltica, e prisaeiro asa
nsse a torga que boje lees, de sapeaeie
I riquesa. Apezar dea resistencias a Frange
: veilar-se-bs de experiencia, e tar e aseases 1
1 mioho em maiio meos teosas. Oi_
I ea de appreheosdes de qaem poaca
, de egostas qae ae julgaa tesados.
Sahio luz ea Paris es dous prii
I mes da obra do grande poeta Vicior Hago miita-
! lade0$ M\eravt\i.1nt pnraeua sarta, qae
' era esperada com prodigiosa nciedade, fei
2* Uma ordem de gabinete cootrasigosda pelo
Sr. ron der Heydt, em data de SI de margo, re-
lativa converso do emprestimo publico de 4 1|S
0|0 dos annos de 1850 e 1852 em am emprestimo
de 4 0,0;
3* Uma circular eleitora do ministro do inte-
rior, de 22 de margo, dirigida s autoridades su-
n?n^,dn7n.^d.'lhM-DStruC?5-e,.',CTa dffl 5?" **'**** m temps do fallecido ministro de
d, ilaari C091 **VM "J ^"^T Bruck- Esse floanceirotiaha pensado poder im-
.n?r^,h^ """am 01D degrad"el ele,, enemente traoiplantar p.ra o terreno da eco-
nl.;! ?.' u i a an a DOa,ia fioancelra o atrevimenlo e s falta de toda
Llenamos seguir o rescripto real de 19 de mar*
go, o qual bem claramente dexa ver o program-
de grande pazo, seria sempre bem
viada, se s maneira pela qual o Sr. voa der
Heydt a levou a effeito, a pressa do seu proced-
meato, e falta de considersgo contra a repre-
aentago do paiz, nao tivesse causado graves re-
ceios oas pragas Prnssianas. Querem ver nisso
confirmados os reeeios concebidos ao principio
pelo chamado do dito estadista oo ministerio das
flaaogas, que elle seguira o systema adoptado
ma absolutista ds nova era, e por isso um do-
cumento impotente.
x Encarrego ao ministerio de tomar immedie-
temenle as medidas oecessarias para a convoca-
gao dos collegios eleitoraes.
c O dever das miohas autoridades nesta cir-
cumstancia ser nao somonte de applicar com
cooscioocia as prescripgoes da lei, mas larobem de
a coasiderago da especulago particular, e o
modo da execugo da converso, faz suppdr que
o novo administrador das floaogae prueaiaoss
julga permilll le Qa ii u- > cousas ideticas.
Nenhum estado porm se acha menos era posi-
go de prestarse experieacias inconsideradas
do que o da Prussia, em proporgo excessiva-
mente pobre em recursos reaes. E' pois muilo
natural que as pragas prussiania receiem de par-
te do novo ministerio das fioangas uma ameaga
aar^^t!lt0re8e^plCi5^e,Se'nan,bi1lUidade,.0* o "edUo publico da Pruss ., e em consequen-
bre os principios do mea goveroo, e obrar cootra
as influencias de insinuages e de sespeitas, que
tem por flm induzir o juizo publico 4 erros, como
foi o caso as ultimas eleicoes.
< Fico firmsmeote addido aos principios qae flz
conhecer em novembro de 1858 so ministerio,
os quaes ou depois proclame! por dtfferentes ve-
zes perante o povo.
_ Esses principios, bem coaprehendidos, con-
tinuarlo a servir de regrs de conducta ao mea
goveroo. Mas as interprendes errneas que a
isso se liga, engendram complicagoes, caja feliz
solugo a primeira misso do goveroo actual.
Para desenvolver a constituigo actual, a legisla-
gao e a admioUtragp devem proceder de princi-
pios liberaes.
c Nao se pode, porm, pensar n'um processo
salutfero, se oo quando ae sabe utilisar os ele-
mentos vividouros das inslituiges existentes, de-
pois d'un exame calmo e reflectido do que ext-
gem o estado das coasas e ss preclsoes reaes.
Ento as reformas legislativas tero am carcter
verdaderamente conservador, em quanto que a
precipitado dos actos obra de ama maneira des-
tructiva.
c E' meu dever, e tenho a firme vontade, de
assegursr constituigo por mim jurada, e re-
presentado do paii, o recoohecimento de todos
os aeus direitos; ass ea quero tambero, e na
mesma medida, preservar os direitos da corda, e
conservar os mesmos com a forga inleira que
necessaria Prussia para que ella posas preen-
cher s sua missio. O eofraquecimento desses
direitos s servira para arruinar a patria.
Esta coovicgo lambem vive no corago dos
meus subJitos. Tudo depende de lhes fazer co- corpos dos offlcios, e com grande maioria vota-
PortariaO vice presidente da proviocia resol-
correote, sob n. 34, eutrou mquella data no /ve conceder ao bacbarel Jos Mara Hoscoso da
exercicio do lugar de eocarregada di enfermarja Vega Pessoa a exooerago qae em data de 12 do
do mesmo presidio o 2a cirurgi o do corpo de
saude do exercito Dr. Cicero a lres dos Santos
por ter sido delle exonerado o Dr. Manoel Gardo-
so da Costs Lobo, oque communico V. S. para
seu conhecimento.
Ditoeo mesmo.Revertendo :l V. S. OS papis
que vieram aonexoa aua infurtu igo de honlem
sob n. 341, relativamente ao pa.; ment que pe-
de ocirurgio do corpo de saud lo exercito, Dr.
Alcebiades Jos de Azevedo Pedr -, de aeus ven-
cimentos durante o lempo em qi i estere anear-
regado do tratameoto de cholerii: s indigentes na
freguezia dosAfogados, o autora) a mandar pa-
gar ao supplicante pelo mioisu io do imperio,
alm das vantsgens que deixou 1 a perceber pelo
da guerra, uma graliticago de II! | rs. diario-.
Communicou-se ao commandam i daa*hrmas.
Dito ao mesmo.Tendo nesls data autorisado
o brigadelro commandaole das i rmas a mandar
fornecer a enfermara militar C.i Tacaratu' pela
pbarmacia do hospital militar >s veacimeatos
constantes do pedido junto, assim o communico
V. S. para sea eoohecimeolo.
Dito ao mesmo.Em vista don inclusos docu-
mentos, oslando elle em tero i s. mande V. S.
pagar ao gerente da companhi Feroambucana
de vapores costeiros, conforme u licitou em offl-
cio de hoje, a quiolia de 81|6ttJ, em que impor-
tan] diversas passagens dadaa i r conta do mi-
nutarlo da guerra, nos vapores < a mesma com-
panhia, como se v de taes doci. lentos. Offi-
ciou-se so gerente ds dita compu ihia. .
Dito ao mesmo.Visto que, sni undo consta de
sos loformago de bootem sob3 nao ha incon-
veniente no pagamento da quu illa de 429J280
em que importara os medicaren iios comprados
pelo conselho administrativo de s seal de guer-
ra a Caors & Barbosa, e bem cono 50 pares de
telas a Joaquim Alvos da Siln Saolos, tudo
com destino o hospital militar, jomo se v das
carrete, solicitou, do cargo de terceiro suppleo-
te do juizo municipal e de orphos do termo de
Nazareih, para o qual tioba sido nomeado por
portara de 10 deste mez, e nomeia para o subs-
tituir a Jos Pedro de Oliveira Mella, Qcando a-
lisla do artigo 7 | 3 do decreto o. 2012 de 4 de
novembro de 1857 organizada pelo modo se-
guiole :
1." Haeoel de Oliveira Mello.
Dr. Symphonio Cazar Coutioho.
Joao Antonio da Silva Cabral.
Jos Correia de Oliveira Aodrade.
Diogo Velbo Cavalcaote de Albaquerque.
Jos Pedro de Oliveira Mello.
do
eia, lambem dos muitos inleresses particulares
ligados ao mesmo, e que por (isso fagam uma vi-
va agitago para preparar impedimeotos con-
verso, e para mostrar ao Sr. Heydt que a prus-
sia nao tem lugar para experiencias Bruck.
A mudanga retrograda oa Praisia, est claro,
foi melhor acolhida pala maior parle dos ontros
goveraos allemaes, do que pela populago Prus-
sians. Triumpha-se como por uma victoria so-
bre a Prussis, e se o rescripto real de 19 de mar-
go, e a declarago repetida pela imprecisa oti-
ciosa da Prussia, que a prussia susleotaria a sua
poltica allemaa at agora seguida, nao tazem ef-
feito agrdate!, bem ae sabe que essa politica,
separndose do liberalismo perdeu todo o apoio
moral oa nago allema. A associago nacional,
e com ella toda a imprensa do partido nacional
abaodooaram o actual ministerio Prutsiano, e s
esperara na Prussis depois ds queda do mesmo
ministerioe da final victoria do partido do pro-
gresso.
Da dieta alleeoSa temos de obiervar, que na
sua ultima sesso ella'adnerio proposta das suas
commisades reunidas aceres da questo do Hols-
tein, e que em onsequencia disso se uni ao
protesto auslro-prussiaoo contra a iocorporago
do Sckleswig na Dinamarca. Em Copenhague
porem nao se toquietam por hora, e suslentam
a antiga politica.
As dietas de Saxe-Weimar, de Saxe-Coburgo e
de Bade, assim como a assembls dos notaseis
em Hsmburgo tem discutido quasi simultnea-
mente projectos de leis scerca da reforma dos
2."
8.
4.a
5.a
6.a
Expediente do secretario
governo.
Officio so I secretario di assembla legisla-
tiva provincial. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda trasmittir por copia i V. S. para
ser presente a assembla legislativa provincial
aa intormagoes exigidas em sea officio de 9 do
cerreate, sob n. 7, relativamente a suspenslo e
prsodo Ia tabelli.o e escrivo de orphos do
termo de Nazareth Ignacio Vieira de Mello, bem
como duas oceurrencias que se deram s res-
peito.
Dito.Pela secretaria do governo coovidam-se
aos senhoree mdicos que queiram ir preslsr
servigos de sua arte na proviocia do Cesr onde
acaba de se desenvolver a epidemia do cholera-
morbua, a virem declerar na mesma secretaria as
condignas com que aceitam esas commisso.
Despachos do dia S de abril.
Requerim'.ntot,
Antoine Delsnssiere e P. J. Jacobs.Informe
0 Sr. iospeclor do arsenal de marinha.
ntrecer as miabas iateugdes em favor do seu bem
estar, com clareza e preciso.
c Quanto miaba poltica interior, e em par-
ticular miaba politica allema, eu resto iava-
riavelmeote addido ao meu ponto de vista ac-
tual.
a O meu ministerio ter cuidado que os prin-
cipios, que eu acabo de exprimir aejam recoahe-
cidos oas prximas eleicoes.
a Poderei, pois, cootar con conanca que to-
dos os eleitores, que sao fiis 4 mo ha pessoa e i
miaba casa.se uairo para sustentar o mea go-
veroo.
c Encarrego o ministerio de muir ss autori-
dades daa instrueges necesssrias e de lembrar a
todos os meus empregados pblicos os seus de-
veres particulares.
c Guilherme.
(Contraslgnado por lodosos minislros.)
Nao preciso fazer observar o modo anti-cons-
titucional, como nesse acto el-rei entra no com-
bate eleitora dos partidos, porque os nonos le -
tores tea a fortuna de serem cidsdos de urna
monarchia realmente constitucional. O anti-coos-
tituclonalismo desse rescripto, foi porm sinds
muilo excedido pela circular eleitora do Ministro
dointerior.oSr.de Jagow. Na mesma circular
se aprsenla aos eleitores a alternativa: ou o go-
veroo do rei, ou o goveroo do parlameoto, e toda
a eleigo em opposigo eo goveroo de sotemo
estigmatisida como sati-mooarcnica, e ainda
mais, como dirigida contra a pessoa do rei. Nao
bastante isso, sa otdeoa aos empregados concur-
rentes os direegao das eleiges, de empregsr to-
do* os meios compstiveis com a verba da le, pa-
ra a realisago de eleigdes ministernes.
Tambem dos outros empregados se espera o
mesmo zelo particular, pelo rei e palo ministe-
rio, e debaixo de todas aa circumstaocias lhe fies
prohibido de tomaren parte em qualquer agita-
gao elsitoral em opposigo ao ministerio como
c iocompatirel com o juramento de fldelidade
preatado a el-rei. Apezar disso tudo, o Sr. de
Jagow cootioi a asseverar o respeito que tem
pela constituigo, e os priocipios e iatengas li-
beraes do novo goveroo aeoeotuados oo rescripto
real de IS de margo, fazem um papel anda mais
emphetico na^cireular eleitora de 21 de margo.
Gomiudo sabe-se, que ao esto do miaisterio Ho-
.... .w.(... uu ai.ouoi uaiuaiiuua. uuwiuuu aave-so, que uu seio UO ministerio ilO-
Fortunata Candida Coelho da Silva.Nao tem | beolobe-Heydt nao cootam com muita certeza
logar. sobre o resultado dos meios empregados.
ram coocordantemente pela introduego de plena
liberdade d'offlcios. Em Weimar, Coburgo e Ba-
da os governos se declarara-n de accordo ; em
Hamburgo ae espera ainda pela deciso do se-
nado. 9
No da 26 do margo eotrou em discusso em
Tieona, na cmara dos deputados do Reichsralh,
o primeiro relatorio da commisso uanceira.
Como sabemos o] Reichsralh ua sua actual com-
posigo, sem oelle tomsr psrte a Hungra, nao
completo. E tambam sabemos que seguodo a
constituigo s o Reichsralh geral competente
para os negocios fioaoceiros; mas visto s impos-
sibilidade de reunir o parlamento geral, o minia
teo por esta vez se decidi, excepcionalraeule,
s por de lado essa detrminego da constituigo,
autorisaodo o Reichsralh restricto, para resolver
as urgentes questoes Qnanceiras. E' liso a ma-
neira austrica de ser csnslitucionsl; porem na
sesso de 26 de margo se mostrou toda adifficul-
dade desse meio de expediente. Qasodo chegou
i ordem do dia o relatorio da commisso finan-
csira, levantaram-se os deputados da Bohemia e
da Muravia, assim como os da Galicia, e em nu
mero de 50, abaodooaram a aesso, declarando
que nojse julgavam autorisados de tomar parte
o'uma discusso fioaaceira do Reichsralh res-
tricto. Dessa maneira, ao mesmo tempo que a
constituigo determina um parlamento ceotral de
811 deputados para as discusses sobre fioangas,
as questoes floaoceiras se esto agora discuti lo
n'uma assembla de apenas (00 membros, e uma
maioria de 51 pode tomar ama resolugo obriga-
toria para todo o imperio acerca dos mais impor-
tantes interesses materiaes.
Nos ltimos dias a Austria perdeu oo maos
do que tres das suas celebridades militares. Pri-
meramente faileceu, na idede de 90 annos, o
celebre marecbal conde 4a Wallmoden, que
se distingui as guerras contra s Franca no prin-
cipio desle seculo. Seguio o mais distiocto ge-
neral de cavallaria da Austria, conde Schlick,
conbecido das ultimas guerras na Uagria e na
Italia; e finalmente o marechal principe Win-
dischgrsetz, lio odiado pelo povo, como estima-
do na corte. Em 1848 elle tinha bombardeado
primeramente a cidade insurgida de Prsgue, e
depois a de Vienns ; mas ns guerra da revolugio
da Uogrla elle se distingui pelas suas infelici-
dades.
se podem ampliar ou restriDgir. Emfim estas
questoes vo ser examinadas de commum accor-
do, e nao duvido de que com ease espirito de
conciliago, que deve todos animar, a commis-
so de orgamento e o conselho de estado se eo-
tendam para dar-lhe uma solugo conforme sos
votos da cmara e ao ioteresse geral. Sede, pois,
meus interpretes, expressai aos vossos collegas o
meu reconhecimeoto pelo seu auxilio, que es-
pero continuar a merecer, e affirraai-lhes que
desejo separar-me muito larde de uma cmara,
cujaa luzes e patriotismo offerecem ao paiz todas
as garaotias que pode elle desejsr.
Oestes expresados resulla que nao ser dissol-
vido o corpo legislativo, e que os representantes
da nago preeoobero o tempo legal do seu man-
dado: oque nao deixa de ser deploravel. O corpo
legislativo deve ser a mais exseta represeatigo
da epinto do paiz : ora essa opioio nao se acha
bem denaida, por quaoto e susceptival de roodi-
ficago, e depende dos acontecimentos e circuns-
tancias que se derem. A gu*erra da Italia, os dis-
cursos religiosos ella relativos, o decreto de 21
de novembro, e ltimamente o relatorio finan-
ceiro de Mr. Fould, tudo isto tem creado um novo
estado de cousas e ideas diverso do de 1857, do
qual oo poderiam ter nogo alguma os emito-
res daquella poca.
Todas as conslituigoes prevem tses mudangas
de opioio ; e e por isso que to las ellas limitara
um certa oumero de anaos o exercicio do man-
dado reyreeeotativo, e quasi todas permitiera ao
governo o direito de dissolugao. A conalilaigo
enUbelace o llanta aloi do qual os deputados nao
podem continuar a ter asseoto, sem que seja re-
novado o seu mandado ; o que ella fiza annos
a durago oormal do que o mximum de dura-
gao. O direito de dissolugao pe o governo no
caso de anlecipar o limite estabelecido, todas as
vezes que o julgar aecessario, e somonte nos
casos opportuuos.
O tpico relativo aos projectos fiaanceiro nao
meaos digno de attengo.
Appellando para o espirito de conciliago que
deve a lodos animar, e declarando que os traba-
lhos extraordinarios podem ser ampliados ou res-
tringidos, o imperador parece indicar, que o go-
verno est previamente resolvido a adoptar as
medidas de modificago, que no correr da discus-
so poderiam ser apreseoiadas para aa coocep-
goes de Mr. Fould.
E, como em apoio disto, o Monitor de 4 desle
mez deu publicidade saeguinlesliohas :
a Quereado encunar as despezas do thesouro, e
entrar desde j as vas de economa que piesi-
dem coofecgSo do orgtmenio de 1863, o Impe-
rador acaba de ordenar uma reduego de 32.000
horaeos no activo do exercito, o licenciamento
dos 101a e 102 regimeotos de infantaria de ti-
nha, e a venda de 2,000 cavados.
O primeiro regiment eslrangeiro e o 103 de
linha j haviam sido licenciados pouco tempo ;
de son que o quadro se acha dimiouido de 4 re-
gimeotos. Nao bastante ; mas j alguma
cousa.
Votada a resposta i falla do throno, e traos-
mittida ao soberano, o corpo legislativo toroou
de novo aua calma do coslume. Na falta de
chos reproductivos das discusses, a opioio pu-
blica se tem alimentado na leilura dos jornses
estrangeiros a respailo ds politica da Franca ; o
Dos sabe de queloucas nsrrages, e ioseosatas
descripgdes nao estsro cheios jornaes tsss como
a c Gazeta d'Ausbonrg, a Gszela de Wessr, > etc.
etc.
E' isto um grande mal esusado pela prolonga-
gao do penoso rgimen impasto imprensa. Em
lodos os esotos da oossa veltia Europa sibe-se
bastante que a imprensa nao livre ns Frange,
todos a julgam menos livre e mais dependente
do goveroo do que o oa realidade. Os jornaes
fraacezes perderam o habito de questionar sobre
os negocios do seu paiz ; ni se tem maia con-
anca nelles, e isto abre um campo vasto aos
joroalistas correspondentes.
Se se di um facto, e os joroaes de Paris guar-
dara silencio4 respeito delle; oo eslrangeiro coo-
clue-se logo que lhes prohibido fallar: se des-
mentem um erro, duvida-se da esponianeidade
dos seus desmentidos. E cumpre ainda accres-
centar que muitas vezes os joroaes fraocezes ae
voem na impossibilidade de desmentir os falsos
boatos espalhados pelos joroaes estraogeiros, pelo
custo com que de ordinario os obleem.
Deste modo a Frang se acha exposta s tergi-
versarles, exageragdea e calumnias, com que
qualquer am busca deprecia-la na opioio pa
blica. O remedio para to grande mal aeria o
completo restsbelecimeoto da liberdade da im-
prensa. Cora isto ganhariamos a vaotagem de
vermos os oossos negocios discutidos eotre us
mesmos, e de oo sermos deploravelmeote com-
pre hend Jos ejulgados pelos eslraohos.
E' triste que seja tudo isto escriplo por uma
peana fraoceza ; mas antes de tudo esta, o dever
que nos manda fallar.
Tem-ae prolongado a emogao produzida entre
os prohibicionistas pelas discusses suscitadas oo
corpo legislativo respeito da crise alimenticia,
industrial e commerctal por que paasamos.
A'proposito do tratado de commercio anglo-
francez' procura-se espalbar o terror, estsble-
cendo-se qu co na Franga, daa pordas que soffre ea virtude
da crise americana. Entretanto tudo o que a
Franga vende 4 Inglaterra sahe do seu solo ou
das suas offleinas. Em 1860 o producto da venda
orgou uos 599 milhoes de francos, em 1861
uos 615 milhoes. Se se deve considerar como
materia de permuta os productos da lerrs e da
industria nacional, claro que a Franga venda
Inglaterra antes do tratado de commercio, e
venda ainda depois duas tres vezes mais mer-
caduras do que aquellas que lhe compre.
Passado o primeiro momento de curiosidade,
nao ae sorpreendeu na franga o menor aigoal de
preleric,io; a respeito dos pianos especiilmea-
duzida em todas as lioguas dos paisa* el
E' esle um grande auccesee Iliterario,
almeole para a Franga, que recese de t
primor de arle, iospiregae do
que nunca esquece o sea pti, apezar
e da distancia, de peosaaeaie
lerneci lo pelos eoffraeealos alacio*. A'
vilbosa concepgo do draaa, a* aatyl*
e esplendidas qualidades 4o eana-aata escripias
accresce desla vez aioda o aeertte 4a aos*
cootemporaoea, e o deseavelviaaat* 4e aos
de problema social.
Alu encootra-se e arte Metiese aa
em todas as suaa obras, asea tersara
para com os poquenos e dsebera*doo,
dadeira accepgo ds palavra
era o qual quasi estril e libare***.
paginas novas foram desde lego devorad!
impelo de irresistiveis svapeai**.
All as miserias de estado eia .
toda a franqueza, explieades a
julgadas com aquella compela*
justiga. Alli v* se o corado ka
os abyimos da consciMcia isiliiiiiea
luz ao mesmo tempe iosplacav*!
lulas eternas da ala*, *** ti
dezas, e o drama da queda, *zpi*c*e,
formago.
Ao percorrer m paginas, e testarla
nece e admira, e nao s se enternece, casa
bem aente-ae msis animado, e e alma sa eleva
fortificad*.
O principal personagem de lo veste coaipeei-
go, aquelle ea torno do eaal se atevea
as oatras persooageos. oa hornera qae
to baito quanto ae pode cahir, e qaa
se por uma metamorpbeee lie alaral
niaravilhosa : ara forgado I Neo tiah* a rala
reza perversa, mas sisa inculta em am -
to de desespero roaboe para 4ar pea itst Is-
milis. Era celpado, m*s ov cilmiesei. Pal
conduzido prisao dos forgados, e asis larda
recolbido por um hispo, que resaaciioa-ln* 'al-
ma a vida do evcogelbo.
E' um espectculo sublime, de tedas o hiatero
msis tcentes do iraaelbeso retorno eo Bees
desss alma deavairada I
Ioglaterra.
Na guerra dos Estedos liodos,
navio de ferro Monitor sslvea a seqseeVa
bloqoeio do Potoaae, e des ea Merriasac a
talba de cinco botas, eujo* es*
actualmente a alteogo de lodo o raasdo,
grande commogo prolozto se as Ioglaterra
muiu espeicalidad*.
O lmiraoiado lomos desd* loga resstsaies 4a
enorme alcance. Oa lord* 4o alrairaatado ara
duziram suas razos oo seio ds samara dea larda,
Indepen Jeolemente daa coostraeges de ferr, j
emprehendidss e projeclsdas, decidirs* sa s osas-
dar construir psvezes em vale nvi** do (sor-
ra. A escolbs receir snsvevelsasaee esos* es
melhores navios da marioha arilassics; es ca-
iros de medeira, que compdea e torea
sclusl da Gra-Bretaob*. ees cei
casos fortuitos; e daa palavras da
pode colligir-se que alli oso ae coosirsir
navios de medeira.
A questo paree* decidida sa Inglaterra, o (er-
ro rae oceupar o primeiro lugar saos a asaseis 4o)
cooatrucgea, e a raadeira ser saoalst*siesta
preterid*. As apparencias de coap!*la ioalso-
rabilidade que spreseoloa o Monitor,
ram a allenco do goveroo iagles pe'* **n
truego semelbaote, i respeito 4a qaal ea
j apreaantadoa pelo capito Cola par salsa
mir desde mailo tempo ss pasta dio laura
A revolugo que comegou. lera provavel*
como resuludo o crear-oe marinha* ailiure* i
tal modo formidaveis s iBvslaer**ow asa
impoleotea umaa cootra as oatras, s *6
ser empregadaa com proveito costra
ges de terr* em quanto se nao losar
o partido de empavesar estas sitiase
guerra martima tari am Sa propereieasde asa
pelo excesso des proprios aslos de alease a
defeza lem creado.
Mr. Gladstooe aprsenlos ae cmara deeesea
rauoa o orgamento de 1862 e 1863. O lerswr-
lax ser aioda atacado por Mr. Bright. Loras las
ael e Palmerales protestaran a* asas syapetaias
proposito de algsaaa inlerpellects asa) a
siluago da Polonia.
Italia.
A continuago do eatado provisoria ae llatse,
a cooservago daa tropaa tristezas oa ora, a
a incerteza que eovolve e questo roaasa vo
produziodo os fructos qse eram de esperar.
As noticiss de aples nao alo boas,
as provincias napolitanas baste* 4o
ros, que procurara tirar proveito dos
inimigos e do descontentamento dos i
fatigsdos de am siluago fatal i
blica seguraoea e aos intereoses. risa
em uma restaaraco chimenea, ma* todas asa
tem que a admioiatrego regular sao coasagair
Qrmer-*e, sno depois da paci6cgao, o asa a
pacificego definitiva nao ter lagar setas i
de constituida a anidado itslisaa.
Todava oe deveaoa exagerar. A
produzida eauslestade so exterior amlliplica-so,
sem conseguir generaliaar-so: atorase*!* es tsa-
bitantes sera comtudo decidi-les. O goteraa
central offereceodo ao general Le Maraes
reforgos, obleve ea resposta que eraa
tes si tropss de que elle geseral dispensa.
As aspirages de toda s Italia para a
ao incoutestaveis; e por esta aesas ra
uoidade uma oecessidade abstate o
Nao a admioitirago de Tunta eaoss
i seaelbante eatado de cesas. O i
desventuras, que as pravianas Besetasee
sao uniess a supportar, est ea loas, e ate
outra parle.
Ha aioda outra canse qae alo e qsoetao
mana aa ioefficacidade da Mr. Beeta:
meltimos da vez psisidi valvar I
ornea,



m^r
*pp

-
pSTX
jUMO DB PUlNAMJD. TE*
1 efleexetlee asIsba o^,| ip[emota
queelo italiana.
A revolopao da llalla onVeso o cu i eiil de alo ter ana revrrtocitn hit or ons*r-
dOT*i; poii oio pode ter em *ecU da revo-
lucionarios a Catoui-, tictaett e ii li. A ver-
nde dos fados 6 eata : o movimeni a iuliaoo de
Nlo falta porm quera julgue qua governo t
o, tal qse, rotas ss negociapdet, taco,
mejiisem as hostilidades. I considere, antes de'nm mez.
A Gaxmta, pblicos tambera a coore-jcao No 1 do torrente, chtgou a Matrid a ft
previsoria que foi celebrada entre oa v>leoipo- '
tenciarios Diados e o ministro mexicano Dobla-
do. O deputado Saluitiaao Olozaga, pedio oo
congresso cxplicapdea ao governo obre aqueile
4 DE ABB1L DE 180V

46, que abortou pMa dtrsio do iie ra et+orpo, j-aocstnento, e tambera por asa e-ccasiao perguo-
or isio mesmo etpalhou entre an populapea tou que medidas lenciooa t> governo tomar para
italianas um instinclo de unidad < i o, mea pa> cora rae*blia* de VaatjzusHe, o*a> te coolisna
deroso. Os numerosos emigaaios < a dwerasa a despate qa) Usted* maj^nesJlteorrtluie. a"
paues italianos, quera depon da letrola *--
aperanpia libertes, o Pimoste ni ereceu
-abrigo e hospilaiidade se bem quii amito
denle*, para all levatam sueAftJiif de futura, docu
idaeque germinara aesppre a* ciaJ sera au m
xlio.
rT* b ,eg*vte < Hatada receatemesto eoocluie.
das saastiftM hetaanheas. Q, emaiaieUtot sao, efo-
uea ra cnraaaattidoj pe** acidados A publica, so
prn- Sr. 01os*g (sM4araaAou a su* aaserco **am
Um ministro da olhat penetran descobrio
i tendencias trnttariaa, pela pro|,i ia vigilancia
que exercia sobra oa emigrados, e i elepoee com
oeiterior: e fot a asi m que msis tvrde, offere-
t;eodo-ee occasiio (avoravel, esse ni imo minis-
tro e sena amigos poliiicos empro lenderam n
realisapao doten programm* reto! cionark> em
proveiio da raooarchia.
Porm nuilo mais difficil imdi der um mo-
imeote qualquer do qne precipita- o ; e uan-
ato ae tem dao trapaleo interesan i populares,
o peen acaba seoapre por entrme ter-ee. Eia
porque,'no cano de que fallamos, a n volupio ruo-
narchicu loruou-se urna revolupae opulsr. Os
hornee*, cujas ideas quizeram aprolitar, recla-
mara a applicapio dellaa nao s no quadro ex-
teeier 4\ id* poltica, como tambe: J no proprio
fundamento das iostiluicpes socian. Elles pe-
Joea que todo a risco ae complete. obra nacio-
nal : izem que transigiram cera i raooarchia
com condicao da que eata lhee tr tria o apeio
do*governo* conservadores, seria :. propagadora
revolucao, e abrir-Ibes-na o a minho para
Soena.
Os conservadores espantaan-se oV tantas exi-
sjoaeias. eeforpam-se per suspender i movimen-
u que elles precipitarim. 'ab a ( esharmonia,
que ai tomando proporc&es de dis 4 o dia. Ora,
nao teodo conseguido os dous movmantos (ul-
ira-tooluciouano e ultra-consert a lor) formar
a4a aa por ai urna materia no mudo parla-
neoto italiano, resulta dah um jef o de vai e
em, de oscillacpes perpeiuta quo collocam o
geverao n'nm falso equilibrio. U n partidista
oa esquerda nao quer era pode aci itar a soli-
daridade de urna poltica aospeita i e coDniven-
ciaa conserva loras: um cooaervadir decidido
to quer nem pode arliar-se ara go -erno amea-
ado de entrar em ideas revoluciouaiias.
Eia porque tanto lera castado i I Ir. Rattazzi
encontrar um estadista, de quem | ossa confiar
a peala dos negocioa eatraogeirot.
Wo obstante cooseguio elle completar o seu
ministerio como se segu:
O mesmo fiattazzi, presiden le d.i conselho, e
pasta do interior; o general Durai. < o, negocioa
atraogeiros; Mr. Cooorti, juslica ; Mr. Matteu-
*i. instruccJo publica ; Mrs. Sella, Pepoli, Pi-
titti, Depresi e Persano, coosernm as suas
Matan
Uaai uoica causa ai aiodasusleaisndo o dif-
ficil ttalu-quo dessa ituago aem su ida : e vem
* aerque a cmara nao ouaa de, vir-se aber-
taaente com o gabinete, porquo sentindo-se
tambera fracs para formar um outro gabinete,
prev qne a dlssoluco seria a coose juencia ce -
ceaaara da aua oppeaico : e do aeu lado o g-
femete nao ousa provocar a hostilidsle da esma-
ca por medidas decisivas, porque nceia igual-
meote a dissolucao, que poderla trzer-lhe de-
sois uih parlamento mais resoluto reste ou na-
que I le sentido, e percooseguinte miis hostil.
Por um decreto real foi determirida a junc-
co do exercito meridional com o o ercito regu-
lar ; medida esta que tem por lim i b:tar qual-
qner daalismo perigoso as forcau nacionaes :
ais o governo declarou expreasanunte que se-
anelhanles fusoea nSo se completaiiam de futu-
ro; e que nio quereodo privar-se n n lempo de
uerra do auxilio doa voluntarios depois da
guerra diesolver oa corpos por elIt t formados.
Esta medida foi apreciada desavorai elmeote.
Mr. Tecbio oble ve a cadeira nn> idencial do
parlamento por urna maioria de 23I rotos contra
t9. A candidatura de Mr. Bicaioli nao foi
diante, provavelmente pela procria vonlade
elle.
A cmara decidi a 3 deste mez que a vo-
taco doa impostos. sello, beoa df mo-morta
etc.. aeria adiada para o flm de maij. Os ulli-
joadebates-alli provocados pelas caadancas mi-
Uteriaes, a incerteza do futuro, a eiperanca de
urna alteracao qualquer na direccao los negocios"
da Europa e da pennsula, nao sao alvez eatra-
- oAos ao motivos que ohrigiiin o pcrlamento a
uscar esse petiode de deacaor.o, o i espea si-
lenciosa. %
A' par daasa neulralisaco de debat ;s, que cons-
litue o mais perigoso dos equilibrio!, o. partido
democrtico vai ganhando ierre k Garibaldi
proaegue na aua viagem. As assod roes polti-
cas continuara a sua obra.
Prussia
Os jornaes de Berlim publicaram nma circular
dirigida pelo ministro do interior di Pruisia
todos os presidentes superiores e < e regencia,
relativamente s prximas eleices.
Esss circular, em qae o ministro i ondulo ex-
pondo a intencao que havia de defiu r-se clara-
mente a poltica real. tao pouco claia como essa
mesma poltica.
Declara, outrosim, que o goverai nao deve
consentir que se menospreze a forja Jo poder do
re. sobre que repoosam a grandeza a prosperi-
oade da Prussia, em proveito de uca pretendido
governo parlamentar.
E'uieto que o governo de Guilherre I est em
opposigo viva com a democracia, uu tenden-
cias tem por fim actualmente trans rir para a
represenlaco do povo o ceotro de | ravidade do
poder publico, que, segundo a historia da coos-
utancao da Prussia pertence coi da : theoria
tM que quaodo menos pecca pela Firma.
O ministerio termiooo aa suas in trueces re-
commeodando-aoa funecionarioa qu i empregas-
sem naqueile sentido toda a auaectindade, aem
WUapasaar os limites qne lfae sao assignados,
aim de nao serem acensados de re Iringir s li-
berdade eleitoral. Entretanto aeho muito diffl-
cil que os funccionarios ae guarden de ultra-
pasar essa fronteira, que no terrena eleitoral se-
parara e zelo da illegalidade.
Antea da deciaao final daa eleicoej j o novo
uoistro das fioancas lomos a inicia Liva de urna
medida maia temeraria lalvez do < ue regular :1
redazo a 4 por cenlo a renda de 1/ i.
JmmediaUmente o corpo munici p l de Berlim
reeoieu por unanimidade apresen i r ao reem-
oolao todos os ttulos perlenoentes i cidade.
Fot um verdadeiro acto de deseo iflanca con-
tra o -ministerio actual; e esta mee i la que ser
o -toda a probabilidade largara He imitada,
zraz^imgolpe peaado primeira opt racao finan-
coi ra de alr. Van-de-Heydt.
Mais uma oonJplicacao reunida i untas ou-
Grecia.
Rao termioou alada a ioaurreico na Grecia:
a idadella do Na.pUa nao ae rend u, e os re-
beldes podiam ainds manter-se poi espago de
quaroznezea. Persisten) em deerar que s
tralarao com o*ei. e mediante coc-1 coes que
este aao pode acceder.
Esaaa condicoea sao: a reintegro ao do oi-
JQiaterio, a dissolucao das amaras, n armamen-
to da guarda nacional, a obrigaco para Othon
designar o aeu .succesaor, esobrelulo a mus-
tia completa e para todos.
Semelhanes reclama;des sao apoi idas de toda
a parle por iosurreiedea parciaes.
O governo se aeba em bastantes ai uros e dif-
iculdades para resolver o problema i a aituseio
qualquer doa meios de que lance n Soseveri-
dade ou indolgencia-pde ter
Jgtotlmenle deaaatroaaf.
G. M.
esnaatn ultimt
ajaer^ao
elo eaajsul a Franca,
auaariaaaa da Inrfsdarra,
ata iaorea da qaeatae de e-
xtco estaa liohas
< A poltica mexicana ett rafa -eerapiieeda
do que nunca estove. Um convenio provisorio
que tioha oblido como preliainar de pas, o aa-
aentimente doa plenipotenciarios extrangelros,
condemnrdo em Paria e ora Madrid, e um almi-
rante frasees foi censurado por ter aaaignado e
convenio de Soledad. A "Franca e rHeapanha,
a pesar de parecer que nao eatao de accordo,
esli a ponto de segura intervengo, com um
Um ue nao eata claramente anounciado.
Nanea a atete, diz ara doe commeotadoree
daa aignQcativaa pairases que Ihe deixo trans-
criptas. Foi ueste ponto que se firmaran lodaa
as nossaa suspeitas. Desda o tratada de Loadrea
e reconbecia que as potencias nao eatavsm
de accordo obre as coueequenoies da interven -
cao. As deacon&aocaa mutaas obrigou-as a man-
daren) juntas aa suas tropea ao Mxico, e entre-
garam o futuro i contingencia dos acooteci-
mentos.
Um telegramma expedido de Madrid (hontem
i noute) para Lisboa diz que a Opinin* Natio-
nal, declara que a Bespaoha perdeu todas aa
illusoes sobre a questao do Mxico.
No congresso hespanhol, em data de 8 deste
mez foi apreseotada uma mocio, que aasignaram
os deputados Alexandre de Castro, Loureoco
Quintana, Diogo Vallejo, Carero, Chrislovao
Herrera, raarquez ae S. Carlos, e Luiz Goozales
Brabo.
Os termos da moco, sao os seguinles :
a Pedimos ao congresso que ae sirva daclsrar
que prestar o maia decidido apoio ao governo
de S. M. para desenvolver no Mxico uma pol-
tica activa e bastante efficaz, afim de que, sera
fallar leltra e ao espirito dos tratados, fiquem
a salvo e satisfeitos os interesses moraes e ma-
leriaea da Hespaoha oa America.
A Correspondencia (folha semi-official do
governo de flespanha, e a poca, jornal minis-
terial } sao de parecer que nao ha noa prelimi-
nares de Soledad cousa alguna que teche no
Mxico o caminho a forcaa alliadas. O que se
nao poder conseguir por meios pacficos e diplo-
mticos, obter-ae-hia pelo valor e esforcada per-
severauca das tropas nespanholas.
Uma destas folhas nega tsmnem o que oulra
aflirmra aobre estar o governo reaolvido s cha-
mar o general Prim Peninauls. Apesar do que
cima Ihe deixo citado do trite de Londres, e
da opiniao de muitos orgaos dos mais acredita-
dos da poltica europea, o jornal semi-official de
Madrid affirraa, em seu numero de 9 do corren-
te, que o governo hespanhol se acha at agora
plenamente saiisfeilo dos servicos do marquez
de los Castillejos (general Prim).
Em Granada foram j sentenciadoa os indivi-
duos que ealavam presos ha muito lempo, e
aecusados de aodarem propagando uma raligiao
differenle da eslholica: Manuel Matamoros,
Angl Alhema e Miguel Tiigo foram conderanadoi
a onze annoa de galea ; Vzquez, Lineira, e Mo-
reno Rebollo a nove annoa da mesma pena. Um
jornal que tenho vista, dando conta deste fado,
diz que a responsablidade de semelhanes coo-
demnaces pesa nao smente sobre os actuaos
legisladores, mas tambera sobre os homeos mais
avaocados da opioiio liberal, que, teodo em suas
raaos o poder em 1S34, depois da revoluco de
julho, nao trataram da abolico deasas leis.
O thesoureiro pagador de Malaga fugio com
o cofre, que continha a soturna de oitenta e cinco
mil piastras.
Sabio no Io de abril de Paria para Madrid
o Sr. D. Fraociaco Xavier Islurir, que tem re-
praseaiado na corte de Londres o governo hes-
panhol, e que vai para a capital de Heapanha
com o lim de tomar posse e desempenhar o
cargo do vice-presidenle no cooselbo de es-
tado.
Em um doa carcerea de Madrid vai effec-
taar-se um matrimonio notavel pelas circuns-
tancias em que hoj se acha o ooiro. este o
processado e condemoado morte na primoira
instancia, Gregorio Sevillano, contra quem na
segunda instancia pedio o ficsal de S. M. a confir-
maco da seoteoes. O reo apresentou um recur-
so no tribunal expoodo os seos desejos de sa ir
unir peloa lagos do matrimonio mulher que fl-
oja ha muitos annos.
Escrevem de Vicha um jornal do reino vsi-
nho.que o.bispod'aquelladioceseassistirem Ro-
ma canonisaco do insigne tilho d'squella cida-
> be?o Miguel dos Santos, e que tambera
ira a capital do orbe calholico uma commisso da
municipalidade, 09010 prova de devocao ao seu
glorioso compatriota.
~~ A ociedade econmica de amigoa do pait
de Malaga,-promove com toda a solicitu !e a pr-
xima exposigo provincial de agricultura, indus-
tria e artes que se hade verificar no mez de maio
prximo futuro. Esiao oomeadas diversas com-
mUsoes para tornar mais luzida aquella festa do
trabalho.
Segundo recentes clculos fundados na ren-
da aonusl, a riqueza urbana da curte de Madrid
pdeavahar-ae em 2,500 milhes de reales, ou
prximamente 112,500 cootos de res, sem con-
tar o real palacio, minialerios, igreja, hospitaes
e mais edificios pblicos. Eotre estes, o de mais
valor o paco, avaliado em 130 milhes. S-gue-
se dapota a alfandega, o ministerio da fazenda eo
hospital geral, avahados cada um em 24 milboei
e logo o real museu em 18. Acrescentando a
estes o vator das cadas, colegios, universidade
e dernais edificios do estado, sommam a quantia
de 467 milhes. Ha 84igrejas, conventos e ca-
pellaa que valem todas 208 milhes, de modo
que a riqueza urbana geral de Madrid podecal-
cutar-se aproximadamente em 3,175 milhea de
r696S.
"~. .jornal hespanhol o Clamor Publico foi
ba das julgado por um artigo que publicou, li-
condemnsdo na multa de um cont tre-
e cincoenta mil res, pouco mais ou me-
nos. w
i^i ElP'0U ha poneos das o seu delicio no pa-
tbulo o de*gracado Manoel Crdenas, assassino
de D, Jos de >llla-Nova. A execucao verificou-
se era Sevilha. O reo esleve muito cootricto na
capeiia, cumpriu com o preeeito religioso e mar-
choo morte com maita reaignacao. Seu com-
panneiro Blanco preaeociou a execuSao com a
argola ao peteoco, devebdo sair brevemente para
o presidio, onde deve passar o resto da
IMli
bido por S. M. o principe cnraaUoo*ir^aVafls/
difunta rsioha de Portugal, S. A. viaja liiiilij
to cora o Ululo de conde de Straxfberg.
Aa principaes povoacoes de HeapanhaT
param-se este aneo para celebrar com o malar
explendor os actos
santa, fe) SeH
geoa Uaaaa se
s ceilsaaoiis ti
Aa alttmea .
naalattara a dajjaf
imaoMdor ispeatapa.
tadsv ^e. tvaf.
asaa martequiao e
cando
zontos
cassequeocias
U3atai,nBa.
Madrid. 10 de abril.
* **? de Marid' publicou m 1 offlcio do
genMalPrna (conde da Heus) comi andante em
befe do corpo expedicionario bespm bol no Me-
*,*pa*"J*oe Ptlcipa ao miniatro dli guerra, em
dau de 20 de evereiro ultimo, que, hafendo-se
convencionado aire os repreaentom ib daa na-
coea alnadas e o governo mexicano 01 abelecer-ae
negociacoes pan o accordo daa reclac cea pen-
dentes. Acarara por asee motivo suri euaaa todas
aa operacoes de guarra ; que duran a ss nego-
ciacses M forcaa alliadaa eccsiparii 1 is povoa-
fioea de Cor do va, Ortzara a Tecbuac,! cheias de
abuadsntaa recursos ecoorealanteoni le situadas
para ae abter a maior comrooddad 1 ooserva-
cao da apode daa tropas; porm, qm o ttre-
aalo, a apesar do aspecto pacifico la anaato
cMtinoarSg *wceber-s# raanign TBsaon
sua
.~ .Vai"*e. mrlilnir em Cartagena ama associa-
cao de traoalhadorea de mioaa, com o fim de
fundar um hospital onde aejam tratadoa oa asso-
ciados nw enfermidades, auxiliados as familias
e subsidiados os que ficarem inhabilitados, as-
sim como aa luvas e orphSas nos casos de fal-
ecimento dos socios em consequencis do traba-
lho as minas.
Tem circulado ltimamente uma noticia, ines-
perada, com relscao viagem dos bispos a Ro-
ma. Ha poucas semanas julgava-ae geralmente
que a maioria dos prelados do visinho reino po-
uSIH ,ITreinen,e nnulr ao convite de Sua San-
tidade, e que o governo, cedendo a altas influ-
enciae chana meios para occorrer aos dispen -
diosos gastos da viagem. Hoje, segundo as fl-
melhores inormaces andn este negocio de
gura. O conselho de ministros oceupou-se da
qaestao e o proprio Sr. Negreto, ministro da jua-
115a e doa negocioa ecclesiaaticos, oppez-se for-
malmente realisacio dos votos da corte de Ro-
ma- Era consequencis desta resolucio fof, ha
poucoa diae. dirigida por elle ama circular a lo-
dos os arcebispos e biapos de Heapanhs lembran-
do-lhes que aa lela do reino Ihea vedam toda e
qualquer viagem a paizea extrangelros sem au-
Mn-'E0. *!*rn; q na circomslsnciae
IkJla Ter,a eom de*eOtto que os preladoa
abandooassem aaauas dioceaes para asiiitirem a
urna simples cenmonia religioaa, e que pot isso
espera que sacrifica rao de 14 a Tontada oVi.ui
oesejos mais ou menos pronunciados a este res-
pailo, aos inceisiotes cuidados que reclamam as
las ovelbas.
Quando sabio do conselho, o Sr. Negreto d-
zis, para um dos seos amigos,|esfregando aa mos:
a Accusam-noa de cega submisso influencia
episcopal, e veris em Rema maior numero de
prelados (raccf re e italianos que bespapbOei.
dg jll^Xifaa
oa io jaaticalo todava opioiio ge-
*.,*> 'ollari pata o Braail como emprega-
oaaaca do governo portugus. A im-
Mao a Parto continua a boatiliaa-lo.
ttldo que o 8c Josa de Vasconcelos o
ervir na edrte do Rio de Janeiro na
de nosso ministro plenipotenciario. E'
a a ultima d'entre muitissimas versos, e ac-
Teenta-seqoe pajtiirj^a^cijveta Barfiolomtu,
tre o go
_ orjse-
quencia disto derara -se u ordena par prirpar;-
ron, m A^^ ^. I t 1 J tk^^m^ ,, i j
*wt m bw luuiviiiaua paoa neapanna leos os pe-
trechos de guerra do exercito de oopaco, o
que dever scaar-ee na Pennsula por oda o
mez de abril.
No dia 5, i nafte, S. M. a raioha de Heapa-
nha acompanhaa* do iflUoductor da enbaiado-
rea, recebeu em audieocia pikada ao miniatro
plenipotenciario da Portugal, o Sr. Pinta da So-
ve ral. quo Aero a honra da entregar a S M. car-
tas d'el-rel o Sr. D. Luiz I.
Os disidentes do congreaso teociooam pe-
dir a redcese dos impostos sobre ebiecioe d
consumo,
O deputado Valeray Soto interpelloo e gover-
no sobre os sssassinatoa bastantemente numero-
sos ^m se ceasraetteu aa Tetoao, ba lempos a
eata parte, de qae sao ictimag oa soldados
hespaobes do exercito de occapacaa, O minia-
tro do reino declarou que igoorava absoluta-
mente o (acto e que o miniatro da guerra, taires
maia bem informado, respondera ao ioterpellan-
le Nao 6 juato que se terse responsiva 1 o *ul-
lao Sidi-Mobamed por aaeaaainatoe n'uao paiz em
que e governo axerce apeona ama influencia
completamente Ilusoria.
Foi oo meada a commisso do governo hea-
panhol juato ao jury internacional da grande ex-
poaiyo de Londres. E' com posta o Sra. Lu-
jan, aenador e amigo miniatro daa otras publi-
cas, marquez de Perales, senador Ardaoaz, di-
rector geral de agricultura e um fabricante de
Barcelona.
Corra em Madrid que o general Rivro
inaugurara o aeu commando era S. Domingas
pela proclamado de uma amnista em favor de
todos os cidadioa exilados sob a dictadura de
Saotana. Aa folhaa ministerios desmenlirsm o
boato.
Foram inaugurados com toda a solemntda-
de, oa trabalhos do caminho de ferro se Granada
a Malags,
L.
CAMBIOS DE MADRIq.
Sobre Paria a 8.
Diaa vista 526. *
Sobre Loadrea a 30 dias- 5015
3 per cesto consol 4990.
3 illendo........4350.
'* ,P*r* ffal erg asadas I Em casa do nosso primajas pasfa o
r m1?" 'Mcriptor o Sr. Antonio Mete** (
utBclsef V Maraocaa: sjnsta-me que tem haaidatTatmao aon
daraor tachar-seo Bimens de leltras par* qlsravosasfi
to do tra- peer as bases em Vadees)paeaaSar o
atad
Lisboa 18 de abril,
Tinha-lbe dte na micha ultima em post-scrip-
lum, maa com reserva, que havia constado aquel-
la hora em Lisbos ter rebantado no Porto ama
osurreigo. Felizmente nao se verificou o boa-
to. A situacao contina muitissimo enigmtica.
O ministerio propozera ao poder moderador o
adiameolo das cortes, contra o qual o conselho de
oslado volou, fliz-ie que para no Inlervallo at
- do correte abril se recompdr econciliaras di-
vergencias queseparavam em -Joas campos quasi
absolutamente rieses s maioria doa deputados.
Est por pouco a fioalisar esse prazo e nada de
novo. A acisio parece cada vez mais pronuncia-
da e irremediavel. Nenbam nome ealranbo ao
gabinete veio aioda modificar Ihe a sigoificscio
poltica. Nada de raeonstraccao ministerial, por
ora. As mesmas, perplexidades, o mesmo estado
de aliernativa em que se scham lodosos nimos.
Ter este governo forja para dissolver a cmara ?
Duvida-ae e muito; como creio ler ji tido occa-
siao de lh'o dizer.
Poucaa pessoas influentes sympathieam com a
idea da dlssoluco ; nao falta mesmo quem asse-
ver que ser esse golpe de estado o signal da
revolta, e varias suas significativas circumstaacias
o dao crer. Rio diasolven lo, poder viver vida
commum com a cmara, retalhada como ella es-
t ? Novas duvidss. Julga-se at que os minis-
tros contara cahir no parlamento com o aeu ulti-
mo projecto de lei (de 11 de marco) ceres do
eosmo publico prohibido s corporacoea religio-
aB la
Disse-se ha dias que o director do camiobo de
ferro do aul, Sebaatio do Canto entrara para o
ministerio tomando conta da pasta das obras pu-
blicas. Esle cavalleiro nio par nem deputado,
e assim, oio se reeompondoa eituacio com ele-
mentoa parlamentarea lograra nio se compro-
metter maia com a fraejo ditsidente. Parece
tambera qae nio passoa de boato.
Quem, nestas slturas fosse associsr-se aos mi-
nistros na dikultosa ailuacio em que ae encon-
trar, nao faria bem a ai nem a elles, diz-se por
ahi. Por outra parle ninguem pensara que o go-
verno tivesse tido torca parajaddiar a cmara, con-
tra a opiniao do conselho de estado, contra o vol
de quasi toda a cmara dos parea, contra dous ter-
cos pelo menos, da cmara electiva, e nio obs-
tante, as cortes foram addiadaa, contra toda a ex-
pectativa.
Acrescenta-se tambem que o augusto chefe do
estado, n*o eat resolvido a decretar a dissolucao
lormam-se e indigilam-se novo ministerios para
uccederem ao actual depois da sua provista que-
da. Urna das verses d o Sr. Antonio Jos de
Avila como presidente de ministros, combinado
com os homens da regenerarlo, e entre elles os
ars. Joaquim Antonio de Aguiar e Fontea.
Falla-se tambem n'um gabinete presidido pelo
Sr. visconde de Si da Bandeira, ev composto de
elementos dssidenles (historeos), de combinacao
eom a poltica regeneradora. Veremos, meu bom
amigo, o que vai de toda eata embrulhada que
tanto preoecupa os noasoa polticos.
E (lectiva raen le o caso pode ser muito serio e
Deus nos livre da guerra civil.
P'*-" qe certo o consorcio de S. M. el-
rei o Sr. D. Luiz I, uns dizem qae ser com nms
neta do archiduque Carloa d'Aueirie; oulroa afir-
mara que ser com a|princeza Mara Rita, filba de
Vctor Emmanuel, e oulroa finalmente que este
consorcio se verificar cora ama princesa da casa
reinante da Gra-Bretanha.MEm todo o caso affir-
ma-se j positivamente que nio ser com a irmla
da fallecida raioha D. Estephaoia, coras fui repe-
tido pelas folhas hespauholaa aqui ha lempos. O
aoberaoo e seu augusto pai teem j apparecido
nos espectculos nestas ultimas noules.
Participam de Vigo a um jornal de Lisboa
que depois de se haver propasado o templo prin-
cipal daquella cidade para se celebrarem exequias
por alma do Sr. D. Pedro V desaudosa memoria,
se recebera ordem do governo de Madrid para le-
var a efreilo aquello acto. Nio aei que funda-
mento baja para esta noticia.
Acba-ae no prelo e vsi sabir por estes diaa um
j ^S? ,ilul ae afamoajaioj para a hittoria
aos fideluumoi reis de Portugal os Sr. D. Pe-
dro Ve D.LuixI. O autor deste eacripto o Sr.
Francisco Aotonio Martios Bastos, meatre que foi
de lalfnidade de SS. MM. e aliezas. Diz o eru-
dito eacriptor que estaa memorias foram em par-
te examinadas pelo finado rei. e que, se nio toa-
se a prematura morte do Sr. D. Pedro V, o livro
nio sena impresso, e s depois do morte o autor
vira a laz publica. A obra tem por fio ,dar
noticia daeducacao e fados particulares que di-
zem respeite aos primeiroa annoa dea referidos
monarchas;
Ji ae fizeraro duas copiosas edices dos Uiti
moi Momento io Sr. O. Pedro V, obra de que
0 mea amigo dever ter conbecimento, que fa-
zem honra peona do Sr. Jos Mario da Andrade
A CiiclTfl a
Annnncia-se outro escripto sobre o mesmo sau-
doso.assumpto: Fufa de S. M. el r* o Sr. D.
Ptdro V pelo Sr. Jos Mara Lattoo Coelho. O li-
vro aera acompaobado doa escriptos msis no lavis
que appareceram noa differentea jornaea portu-
guezea e estrangeiros acerca do auguato fallecido.
Titor BJn,d.ecfal0 b* POUee diae publicado
na folha offlcial, foi declarado Hospital militar
1 DMId? V k^*41 ue Tal ,er con^Wo
na cidade do Porto.
Por estes fados veri que est bem viva oa me-
moria do governo e do poseo aaodoaa rocorda-
eso do principe virtuoso que lio prematuramen-
te se parti desta vida.
Cbegoui oo dis 8 de correte, palo Tuno o Sr;
barao de Moreira, fiesndo no lazareto, d'onde de-
sembarcou no dia 10. Acha-e no hotel Duraod
no largo do barao de Qaintella ao p do Chlado.
Mullas pessoas o teem ido visitar, tasto ao laza-
reto como em Lisboa hospedara. Espera-ae
que eale funcciooario ae juslifiqso das aecusa-
joes gereei qae Ihe leeo Sido feim.
imorado
tilho,
das de
ettabe-
ro coo
eosaPortugai
vapnio aobre propriessade aj
o Braail. Dizem-eznique ora dos mais assiduos
JXiT^uIil^^'^t'an'>fl'''"<''''''"*''^nrl D0*
so ru+o, director -vio Archiva Pittoreico. Vara a
proposito dizer-se que esle cavalleiro foi ha das
elevado i calhegoria de socio effectivo ds acade-
mia real de sciencias de Lisbo, per proposta de
Sr. Rebello da Silva.
Foram tambem eleitos socios effectivos os Srs.
Francisco lonncendo da Silva, autor do Diccio-
nario Biographico, e o Sr. Mirteoa Ferrio, ex-
mtnialro da justica e dos negocios ecclesiasticos.
Todos tres eram socios correapoodentea.
O Sr. Antonio Maris ds Mascaren has, sub-
dito portugus, residente no Rio de Janeiro enviou
para Lisboa oa appsrelhoe que fabrlcou, o que
lionera figurado sa ultima exposicao brssileira,
pbteodo aer galardoadoa cora a primeira meda-
Iba. Ealesjapparethos alo : um electro-motor
movido pala electricidade produzida por uma ba-
tera de seis elementos de Banaaa ; uma certeira
de algibeira, conleodo ama machina electrice de
grsode torga com applicaQio a medicina; um elec-
tro-imn, qae.com uma pilha de Brunsen sus-
pende 160 arrlela e um apparelbo de indueco.
compoito pe ama bolina com 300 "' as io
metlico para magoetUar instantneamente bar-
ras d ac com usa galvaoo, metro para indicador
da correota eleclrica.
Este nosso dialincto com patriota j em 1860
baria remettido para Liapoa a S. M. el-rei o Sr.
U. Pedro V, uma machina por elle asentada
fabricada, com appHcacSo i medicina, e um mas-
sanco de graode presumo para as manipulaces
mineralgicas. Quando o Sr. coode de Tbomar
se reltrou do Brasil, tronxe para Portugal um le-
legrapho eleclrico, fabricado tambem pelo Sr.
Mascarenhas.
Noiavs-se aeate apparelbo uma vaotajoaa mo-
dificagao do systema dos de Morse, tendente
suppressio de uma mola traoamissora, alatanca
daa teclas e alguna fios de comraunlcagio. Neate
apparelho vinha imbutido o aeguiote -
Feito e offerecidv S. M. el rei o Sr. D.
Fernando pelo tubdito portuguet Antonio Maa
de Mairarenhas, Rio de Janeiro, n. 1.
~ A Sra. infaoia D. Antonia e aeu eaposo o
principe herdeiro de Hohenzollern-Sigmariogene
partirm de Paria no dia 3 deste mez, acompa-
nhados pela condeasa de Rensand e pelo barao
de Brautchild. Nos poucos dlss quepassaram era
Pana, estiveram no hotel Breatal e foram visi-
tados pela Imperatrz e pelo imperador.
Ao mesmo hotel chegara nesse dia o prin-
cipe Leopoldo IV filho da raioha da Gra-
Bretanha, acompaohado por lord Fitg-Roy e por
lady Bovater. O principe regressa Inglaterra.
Acha-ae em Lisboa o Sr. Aotonio Augusto Tei-
xeira de Vasconcellos, distiocto escriplor que re-
tidla em Paris ha muitos sooos. Elle cavalleiro
lera prestado aervicos patria, tornando conhe-
cidaa l tora pela impreosa eairaagetra as cousas
qne nos dizem respeito e sio dignas de mencao
especial.
Teodo chegado eata capital oo dia 29 de
marco ultimo o marquez de la Ribera, enviado
extraordinario e ministro plenipotenciario de S.
H. eslholica. dignou-se S. M. el-rei o Sr. D.
Luiz V dar-lhe auoieocia do dia 8 do correte
no paco da Ajada, qualassisliram o Sr. cardeal
palriarcha, oa officiaes-marea da casa real, os
gentis-bomeos da real cmara, oa ministros a
conselheiroe de eatado, oa mioialroa e secretarios
d estado honorarios, o mala passoas qu coetu-
mam aer convidadas para eataa solemmdades. O
marquez de la Ribera, depois de depotitar as
reaes maos de S. M. a asa credencial, prenunciou
um discurso em trences, ao qual respondeu S H.
Em aeguida este acto recebes S. M. em au-
diencia de despedidr o barao de Rosemberg en-
viado extraordinario e ministro plenipotenciario
deS. M. el-rei da Prussia ; e o bario de llama-
rac enviado extraordinario e ministro plenipo-
leDciatio de S. M. o Imperador do Brasil, encar-
regadnda depositar em suas reaesieaioa as insig-
nias da graa-cruz da ordem do Cruzeiro, offere-
cidae pelo aeu soberano ao meamo augusto ae-
nhor.
N'um a correspondencia dirigida!, de Faro
(Algarve)ao Kiriato, jornal de Viaeu, Ic-se o se-
guinle:
O mar, impellido pelos ltimos eodavaes,
levando ape ai areiaa daa praiaa de Qoarteira,
deacobrio vestiglos da uma povoacio romaoa ;
all s encontrara boje aiieercea de differentes
edificios, paredes de varias dimaosea, aendo a
maia commum de am metro de altura. Entre
eatas ba uma de qoetorze paaaoa de comprimeo-
lo, que tem na parle superior urna lioha do mo-
saico j deteriorada pelo lempo e pelo mar.
Tambem ae tem encontrado algumsa moedaa ro-
manea do lempo do imperio. No sitio da des-
oberta, a que chamara Loul-velho, de tra-
dicao ter sido all fundada a aoliga Cirteia. Ple
portaste foroecer muitos dados arcbeologicoa.
lio dia 10 celebren-ae na igreja daa Cha-
gas em Lisboa, por ordej do Sr. ministro da
marinba Jos da Silva Meodes Leal Jnior, uma
missa por alma do bravo leen le-coronel Joo
Francisco do Cassl e dos msis valenies que com
elle perecern as regies d'frica em defeza
da patria e da honra nacional.
A este acto religioso foi convidada toda a offi-
cialidade da armada e do exercifo. A vieva do
tenenie coronel Casal, foi decretada uma
sao.
Parece
pen-
que o conselho admioialralivo da
associacao promotora da industria fabril, trata de
promover uma exposicao geral dos productos in-
duslnaea porluguezea.
A commisso portngaeza para a exposicio de
Loodrea j parti de Lisboa.
Sra. Corvo e Jos Horla.
T~ 9 Sr Antonio Maria Baptials, profeasor do
Ullegio Arliatico Commercial, vai publicar, em
volurae, a eaUtislica' geral daa associsces
^"tina-^KssrrA1
o
ejsatrss
p jurjjs herdade da donaUra comprada por
Rui d. Ganara, dexou de existir em 1752, 4 J*&-?ktr 1*#to" *
aasucar que tas parle do preco da donaUra, foi
produeido na mesma ilha da S. Miguel Asad-
la ilha j prodosio nuilo aasseav Dspoia sais
falta de lenbaa, psaaos a cultivar o pasad ds que
se faz uao na tinturara. Oa tributoa qae D. istia
II ltocoa sobre esta cultura, foram tamanbos,
&I5&*tto%vssis
prohibici* qug houe do sigo Asa Aflaaes
em Port^sssspdaada errtao osa oa pr^aie-
yatetsasBr" "-'*
De jama aataiiasvca psMiaada
diaa, mostea qua no ano* da 1*61
vidos pelo conselho
-* -
wag ateto)
de estado 2,801 recuraos, da
lirna aagu**^ ;-im proteo. ; l,4Miopfo.
'idos ; 15 regeilados por ioconpetantes, e 32 de-
penden lea do loformacas.
a 7" j reme>l>do o antigo commssario dos as-
1"?* geJ,l;,'o de Uaboa. o deio da s patriar-
chai p. Joe Mara Correa de Lacerda Almeids a
Araujo ; foi nomeado para aabaUtui-lo o Sr. Heo-
que Midosi, profeasor do lyceu nacional de
usos, lambem foi exonerado o commssario
dos estudos do districto de Porra legre.
Estas deraisaoes lera carcter poltico, bem
como aa que se tem feito oo pessoai administra-
ll"0
Diz-se que oSr. Miguel do Canto e Castro, go-
veroadorcivM do Porto, insta pela sua demiaao.
Em Lisboa* cono julgo ter-Ihe dito, coopoua
a trente ds adraioistracao districtal o Sr. D. An-
tonio Mana Josa de Mello eMenezea. fllho;do
conde de 8. Loureoco, em aubstituicio do 3r.
general Jeronymo Maldonado que foi nomeado
ogal effectiTo do sappremo conselho de luatica
militar. OSr. D. Antonio de Menezeseraha
lempos gobernador civil de Braga.
Tem continuado aa preteoces do curso supe-
rior de letraa. eom grande concurrencia de ou-
"i ?* 8*11, 8r> D- Lolx aogoindo o exem-
plo da seu finado irmao tem ido algu mas teses
aaaiatir *o lices do Sr. Rebello da Silva.
No fia d este mez fecha o praso do concur-
so dramalico aooual creado pelo decreto do 4 de
outtjbro de!8 60. Parece que neste aooo ha-
tera grande numero de oppositores, e entre elles
cilam-ae j os nomaa doa Srs. Canillo Caslello
Breoco, Jlo de Andrade Corvo, Eroesto Biesier.
Lezar de Lazerda e Alfredo Hogan. 0 novo drama
delOezar de Laeerda Joia de Familia,scha-se em
ensaios no tbealro normal e brevemente Sobe a
acea. Uiz-ae que de effelto aeguro pelo bem
tracido do enredo e animacio do dialogo.
No dia 4 do correte dignou-ae el-rei o Sr.
U. Luiz receber no paco de Pedroocoa a depula-
fiao com yosta dos Srs. Fon tes Pereira de Mello,
e dos negociantes dests praca Antonio Joaqaim
de Oliveira e Rodrigo da Costa Csrvalho, aocar-
regada pela junta administrativa do hoapital por-
luguez beneficente de Pernambaco. deapresen-
jar a el-rei ama mensagem de psames pela sen-
tida morle de el-rei o Sr. D. Pedro V, e de seus
augustos umos os Srs. infantes D. Joo e D.
Femando.
S. M. recebeu a depulaco coma maior bene-
volencia e agradeceu as expresases de seotimeo-
lo manifestadas pela deputacio era oome da jun-
la. 0 Sr. Fontea depuia aolicitoa de S. M. a
8ff5*.i ontDU" seu real Protectorado a o
reiendo bospital. grac.a que obtivera da seu cho-
rado e augusto Irmio.
El-rei dignou-se acceitar o protectorado da
beoetlea associacio, e deu ordem ao Sr. minia-
tro do reino, que eslava presente, que mandaste
passar o competente airar.
A depulaco agradeceu
graca recebida e retirou
mente a commisso de qae lioha sido enar-
regada.
O Sr. D. Luiz I booroa o corpo da armada
real, convidando a jantar no paco de Pedroucos
os officiaes gejieraes superiores de marioha em
commisso.
Assistiram a este jantar oa Srs. ministros da
marinos, bngadeiro Polque director do obaerva-
lofio, capitao de fragata Sergio de Souza, almi-
rante Serinos, (conde de Penha Firme) Celeali-
no Soaret, commandanteda compaobia de guar-
vhi",*r0h"' Al,arBd6 Pin,o. capitio do porto,
wnite, commandante do registro, conde da Pon-
te, vica almirante do corpo dos marinheiros da
rmala red, Soares Franco, chefe de estado
uaaior da mariuha, Gongaivea Cerdoso, inspector
do arsenal, Pinho commandante da Corveta Dar
iholomeu ia, officiaes de guarda do paco, con-
de de Lmhares, e D. Luiz Mascarenhas. A rau-
ea do carpo de marinheiros tocau aenpra em
***. ** V1'* Pro*ln*a ao banqueta. Et-ai
vesta a tarda de offlcial de marinha. O iaotar
terminou aa7 horas da noile.
No dia aeguiote dignou-ae el-rei convidar para
jantar, os offlciaea commaodantea doa corpos
coramaodaoto da primeira diviaio militar o ou-
lroa oulciaea superiores da guarnico de Lisboa.
A offlcialidade doa corpos de laoceiros o 2 e
agadores n. 5 foi ao paco de Pedroucos. agra-
decer a el-rei o Sr. D. Luiz a honra que S.M.
dispensou aos dous corpos, tomando oa ttulos
de coronel de ambos elles.
El-rei trajando um uniforme de lanceiros re-
cebeu os sgradeeimentos da offlcialidade deste
regimeoto ; em seguida sahio da salla e voltou
rpida nenie com o uniforme de capadores n. 5
para receber os outros officiaes. Digoou-se el-rei
dirigir aos respectivos commaodantes as maia
graciosas palavras, e preveuio o Sr. coronel Ma-
galbaes deque resolver ir no da seguiote pela
uma hora da tarde ao castello de S. Jorge para
visitar o batalbio de capadores 5.
Foram j entregues com toda a solemntdsde
ao balalhao de capadoras 5 as bandeiras que se
acharara depositadas no arsenal do exercito e
que peneoceram ao amigo balalhao deste nu-
mero no tempo do Sr^. D. Pedro IV de gloriosa
memoria.
Foi agraciado pelo Sr. D. Luiz I com a
graa cruz da ordem de Aviz o marquez da Bem -
posta Subserra. Este Qdalgo extree importan-
tes funepes na caaa real. E' um honrado ca-
rcter, e porjtodoi.oa motivos merecedor de to
elevada dlstincpio.
Em demoostrapio deseotimenlo pela morle
da princeza Sidonia de Saxooia e da gran-duque-
Sehiram hoje os 'eklembergo Schewerin Augusta Maibilde
Uuilhermloa, mandn el-rei que a corte tornease
lulo por 15 dias.
No supremo tribuoal de juslica julgoa-ae o
recurso de revista sobre a causa crime de moeda
a sua magestade a
se, sendo cumprida pie-
--------------^_____ (3^.. UHVIBVVCO I ----------- VliHiV HW UlUDUd
en Portugal. Por eata til trabalho se conbe- "'recrtente, o nintslerio publicorecorr
cera o deseoToIvinento que oos ltimos annos
teem tido aa associapes populares neata Ierra!
Diz-se que o trabalho do Sr. Baptista feito com
o maior escrpulo.
O Sr. Luiz Sauvages, escriptor fraocez que
ha mezes ae acha em Lisbos, acaba &e aer agra-
ciado com o habito de Chriato.
No principio desta aemaoa cunhou-se pela
primeira vez na caaa da moeda, por ordem do
Sr. ministro da fazenda, dona exemplares ds
moeda de ouro de dea mil rie, relativa ao rei-
nado d el-rei o Sr. D. Pedro V, afim de irem fi-
gurar na grande exposicao de Loodres. A gra-
vara tapio do retrato do fallecido monarcha, co-
mo das' armas reaes. sao obra do insigne gravador
da caa da moda Frederico Augusto de Campos.
Atnrmam pessoas com plenles que da casa da
moda jamis aahira em tempo algara am traba-
lho daquelle genero mais bem acabado, de aorte
que nao s laz honra ao dito gratador, mas na-
pao portuguesa, poique o padro mooetaro o
documento maia publico do estado da arte, e por
elle se julgs, nao s so paiz, como tora delle.
Esteva gravemente enfermo o nosso festejado
romanciata, o Sr. Camilla Caatello-Braoco. Hoje
que se acba qdaai de lodo reslsbelecido, vai con-
tinuar noa folbetioa da Rooolucao de Setembro a
publicapio do aeu interessaote romance Asno
de Proas..
_ Eat prxima a reelisacae do consorcio ds
filba aegunda da casa Palmelta, con o herdeiro
da caaa da Ribeira-Craade. O caaameotoaer em
Londres no mez dmalo. O magnifico palacio
dos marquezes da Ribdra-Grande Junqueira
ILisboa) est-aa preparando com sumptuosidade.
O marques da Ribeira-Grandeo mstor proprie-
tano doa Apones.
' senbar de muites leguas de ricos e fertilis-
simas terrenos na ilha de S. Miguel. Proveio-
lbe eata consideravd riqueza inauiar deRuiGon-
palves da Cmara, filho da sarco da Cmara, o
explorador da ilha da Madeir.
Ral Gonoaltea da cmara comprou a riqueza
que aeaa auceessorea boje potaueu em S. Miguel
por oitocentos mil rds em dioheiro e 100 qaln-
laesde estucar. Foi eale o prepo da donatarla.
A renda foi (sita em 1500 e tantos.
A casa da Ribeira Grande tem poasuido desde
1583 os seguinles lulos : de coatde de filis
Frasca, o de marques de Ponte Delgada, o da
ceede Ribeira Graode, e boje o de marquez
'bem de Ribeira Grande.
do, o conde de Beltrlo.
O ninialerio publico recorrer do accordio da
relapo do Porto que mandara annullar o despa-
cho de pronuncia de primeira instancia, em con-
sequencia do que foi posto em liberdade o reo
conde de Bulhao.
Foi concedida a revista, fioando annullado o
processo desde osommario, afim de se proceder
novamente.
0 Sr. Diogo de Salles Pas Maoiqse apre-
sentou ao publico outro intento aeu.
Consiste, dizem oa joroalistas que forsm pre-
senciar as experienciaa. n'um methodo apparen-
lemente mui simples de fazer parar aa locomo-
tivas, anda que levadas com a maior velocidade.
N uma sala de 14 melroa de compriraeoto havia-
ae levantado ara plano inclinado aa razio de cin-
co decmetros por metro crtente. Por este pla-
no inclinado, e cora o auxilio de duaa.calhaa que
tiohs aos lados, corriam tres carros, cuja peso
nao era maior de 500 kilogrammat. A velocida-
de da corrida, oreara por seis cava los. No ponto
do plano inclinado em que se deaejava qua o pe-
queo cdmboio paraaae, baatava aoltar-ae nma
correle de ferro que havia no primelro carro,
para que immediatamenteaje conseguase a para-
ge ra do tren.
Ora, se n'um plano las indinado ae conaeguio
eale resultado, nelhor dte aer em qualquer os-
tro, cuja ioclinapio nio aeja lio avantajeda.
A correle de ferro eat em contacte com a ma-
china que existe dentro do primeiro carro, e nes-
ta machina est osegredo da iovenpio. OSr. Pi-
na Manique tai a Inglaterra experimentar em
grande o seo invento, que julga deatinado a ser-
vir de grande utilidade, como salvador das vidas
dos viajantes e prevenco para grandes deaaatrea.
Foi este cavalheiro que loventoa o auno pastado
uma machina para aeparar rpidamente os pare-
lhas dos trens ordinarios quando SS casalloe so
desmandan.
No eaUldro do Sir no Porto, acham-ae
acladmente seis navios en construccao, a aa-
6.,,e":U*T**, que tem 151 palmos de quilbo e
mede SWloqeladaa aproximadamente. Pertence
aoa Srs. Manir! Pereira Peona &C. Est promp-
la a ser laceada ao rio.
Galera frica, de 181 pdraos do qeilha e 600
de toneladas, fi* da Sra. tiesa Asevadc 4 Pilhoe.
Dore ser laucada agua por todo este m de
maio.
Bsrca PostataAa. esas 1
r*****1*4*- Cfcrtrasler
<,,.*'Z!,.F i"M'' Sr. Jas*
reltaaWams rasad
satnsa-sciorsV. M.
'raatanoatMtraasdoao
lera Ja 2M palsMO da atibe a 8f
prnatmopids dssfn. Ssssa A Irsti
asa ajHC O^bbbbCsbbb* afaltsa fftOflaall ssTsstfPfaal Basan
Amsterdam de de fvertrs
so dia g daqvdla
dS TsXd S BMktVS, ^
J. R. Sampayo, procedeste a He ea,
para Bremas,
lianesiu-tsai
liznaata toda a traala^ss jom ts bstCt sajes fW-
naraheiros qss --------*-'ra lili rilis '
de vender em, esa sa
consal geral o qae m i
do.
Pelo vapor O. .
ta dea portes d'Atries,
corsneraorapi Sos i
regidas patria, as t
bravoa, capitio de frnete Jas
atajor do etevdts Tssstas
Borges.
Sao offaraddaa sass esnpalrta i
as de melaestU da Afrfca ecdaSt
directores, M. M. Jobs Teyler A
a offarU aa. pritsatr* s'aaa rt
gaodo s'an excdlesls res i
sass, leudo amaos
qus as records sns sts
arrasa s para es doss btisss s vilisln i
Esta dsltcada lenarasca da nnans
bem prava qual a valor das servicos .
d enormes eaadaVdss pas atSsn<
officiaes. cajos ssnrn aiada asa a I
nuilo tempo recordada* en frica l
ee bravura, patroiiaaio tsaldad*. I
daca agradecern o briode
ninas.
Est asiente prto de en kilossstts d tasa
entre o talle da Ragseire s s rairsa ene) si ja
Avelro a Albergara. O res*tiv<
dar ase irebalsisa da asa aaacaa tat
vimento, eatabelecesdo pata tsss -
pi oat Oliveira da Beirro.
Eocontra-se ao jornal a Corrtiooe.
ama beap.obolada qae saersc* i
Ao desembarcaren aa dia alO da .
triealaotes oo patacho biipsaiil ..
oaafragra.trazia a capitio an qsasVe casa e tasa-
gen de Nossa Seabera do C*rat rnrno i
var aolea de abandonar a oavio. Da
tente vendo-o Ibs ais*: Foi
que os salvos, ss qus a cas-Mae i
Pidaneote : Pero leases saa ateas la _
mos s ella, refednis-ao s qss a sao ser ajana.
painel lar-sabia af.adido.
O Sr. Mondes Leal, nwietra
maodos dutribar por leda* oo i
oha porluguea o litro en qe %o
do os excellenta lolbetins ssartta
les Uno Soares. S sn seis costa 11
nutroid que liaba one lemftrac* d"
Foi ooaeado (culuin* > t
oormal primaria de Liaswa, sSr. tomo
Texeira Marques, cirergje cliaica ,
dor de cirurgia da eamals, medies
Lisboa. Parece que a abertura
aera oo dia SI deat sass.
Decrttaram-ss ssvss anifof ste* |
so exercito. O* capotea serio
dos zuavo. E' na iasstaea asese
raen da sob o posto ds vista hjgitsica.
O digno secretario do gavera* ala I.
tugoeza Joaqaim Heliodoro de Caaba Ri
blicou era Nova Coa a litra
a historia natural de Go*. ip
por Manoel Gaitas da Silva. Aa
mmenle recebidaa da* rdadea a
oa leslimunboe da psMbro aastiataat*
que all ae tan feito par alna da Ss.
V. Alcaopan as noticias de 7 i H |__
As obraa publicas pragriden sob a iUaatraaa ad-
moistrapio do visconde do Tenas Novas.
L.
:
*v. c

PERNAMBUCB.
ASSK1BLA LKISL4TIVA MIIMIII.
CONT1NDACO DA SESS.lO DE DE ABRIL
DE 1802.
Prritdencio do Sr. Visemele 4e Cometrooioe
ORDEM DO DA.
Continua a diacussao adiada a srajscU s M
do ano passido, que eleva catbecarU da raa-
triz a capella de Santa Mara Raioha se Aaiee

do esjss linttes eotitsr


de Petrolina.
Vd mesa, lido, acetada a oatra en
sio o seguiote substitutivo :
Em lagar do art. 3* do projecto Mase m tm-
guiote :
Art. >. Ficen deimenbraso da bsgsssis a
Santa Maria da Boa-Vista, a qual coatioaar caes
a mvocapao de Nossa Seo hora a Cscetele, s
pertencen Jo nova fregsezia a Prlrotiaa': pda
margen do rio S. Francisco dna. elasda a* barre
do riacho Puntal at a Pa a Bastada sedo ea-
ta provocia confina coas a da Babia ; a pon
centro desde a barra do nesns riadas Psald
por elle ciase al aa barras dss nacha*
d'Aotaa e Maadsbin, o* qoaes con aa
correren do mencionado nacha Pul ara
lado da Boa-vista Icaria perteacea* I assa fr-
goezia.
Em lugar do art 3* da preteets ts-es:
Art. 3. Ficam lasaban desmembras** da ire-
guezla de Cabrob e pertescesdo hisrswhi de)
Noaaa Senhora daConceipis a Im-iMi aa tr-
renos, que se schaaa s barra racb* sa Ca-
raibas palo rio S. Francisco cina ; s nwas*)
ponto de partida para o centro pds dita racb*
cima at oodo sa encastran ea limita* saottaa
freguezias da Boa-data e Cabrob.ficaaasigad-
mente desmembrado da fregaome a S. Tabaatiio
do uricury.para aer encorporado da Boa tista.
o nacho Perequito, cosiendo aa (atasaa Cacimba
de Zacaras Nana, de Joio Naaas, a Aalasi* a
Araujo, do Mundio o do Cors, e ato deesa Ja
trapa, deade saa foz al Qaetnaa*>, lascada a
Joao Fellppe, cootendo as leseadas Cavslletr,
Vsrzinba, Alaga de dentro e MsadscaU.
Art. addiiivo. A ilha a Panul lea
do freguezia, dentro
compreheodid.
Revogadao aa disposipoes en castran*.
Papo da aesembla pronocal a Peraaa
aoa W de abril de 1802. Fraociaco a Arasia
Barroa.Maneel Neito. ^^
O Sr Araujo Barros:{Nio de voltea sea sis-
curso.; l
OSr. Bario do Marbeca, acdUrla laa afer-
macoes dadas pelo orador qoo acaba de acatar-
te, ae aoubeaae qua lia liaba
tenlos das localidades de qae
o artigo substantivo, porn caasds d* qaa eflo
apenas levado par iofornacoe* a Utedr*. ps-
de-lhe detculpa por aso recebar esaaa iaferna-
coea, eguiar-se antes par dados que Iba mmm
verdsdeiros.
Tendo-oe, no discusaio batida na ala anterior,
affirmado que do Fontal Petrdisa dittavan 14
legua, e daquella ssesns localidaa Bas
10 legase, procoros Tsdflcer a verdad*
lo, para o qae eosaultsa sin nappe s sa
fextos palo engeabairs qss lei ase irriga o
governo geral a explorar a rio S. Frsaanca
ao achou cenis.aada ss nasas dessa
P*cio da Patralina. mas *
ella snora jasto ae Jeeaahro,
dea, gaiado par sn censas** e mu
pa chegou a reeonhsesr qss a liba s
ta 10 leguas da PetrsUas.
Nio quereodo candar atj _
naeacalla do napea csoaaltea raests
pelo dito engeoheira, a mlOsos
esse engenheiro o rio S. Francisca
fluencia do ra daa Tdb**. cnasa o*, j
eom U8 legua, da csrso, a' Psatll esa. -
Boa Vista con 2W. Ora, (M* liba a
e oxteoaao ana legua, segas-aa asa a i
trema a Boa Vate apea** ta das legajas.
ee-lbe que o mesas a rete.ro 71
deas merecer muite naior crarts de asa
pe iaaanlado pete Sr. Cssrss, por
les focan letastadss s asarte** a i
ae Ion alraveaeess essas tesol
tes fuste et iasaaarissa aaat sasteaB
nio parece Isterednil adato a teassasrss ena-
calidedee da provlacia. '

1
e prossits asa
sa^sr1-*


II.m1I
<
i
Vr;.
?*$< *,m S WBWLM 1861.
ss?j-?nr
< Boa Viste froto
r enoe do qt
ameodea que de
i*f <*
a ft e larri to-
>>Ue conheetsnento
i projecto, eeon-
86 o aais eonre-
t e> tartrea alguna membrot
fon ooiMffdos pin substitu-
riosdesase bride, do Ourica
J diia que ote tea rerdn
lociTTdades de que triti
aegaialemeaie nio pode tai
oieele o que nelle m cha ti apeeto, ou o que
seta ft autor do artigo tubil unir etretOeto
* projecto assignado poc peieo coobe-
eedera traqaetwt lea-tres, e til mu atara rtti-
nho do Ourioery, este eo*a Mido que o
fioureise ret internase para g> esa publico, es
rlgsrio uto o apraaeotarla i cta, lauto mait
epemte cera ene riti val < ff.io.der teus i a to-
rales psrUcaia rea, poii que : ninue a aua fre-
fuerfa.
Cbn-rldera que seo faltar ar respetto derido ao
Kan. nM* dMceaaoe poeto n uitotos declinar
de mi nfocmagio o cato pi- note, pac quiote
embra teja S. Etc. autorida: i mu inpurtaote
esa, eert materias, pod delta r da o ter quando
a trata a cartea riachot un fazendaa; de
nai*. Ihe parece, que bao> poatirat ter tido
S. Brc. Rerm. msi informado, mesmo ter em
caotequeoeia da importwato'ji dado pela in-
formtcoe daqualle que o pm arante- e qaa pre-
cisaram de ana informacio i pal a que foi re-
aaettlda a aatembea. Arilta deatai coniidera-
c4et, sen faltar tro respailo durMo aoSr. Mago,
pede Uceaba paca declinar de i aa opiniao acerca
da materia que le ditcele.
Termina declarando que ral ir cootra o subt-
UUto, a a faror do artigo l do projecto.
O Sr. GuoaaFiguaire4o:-;Kla trorolreo o
ea aiacurto.J >
Jolga-eemateria disco ti dn. Posto a rotos o
artigo lubstUutiTo regeitado, seodo ipprorido
o artigo.
Vai masa a apoia-ae o sagiiiote artigo adi-
*e>r
Fica alorada cathegoria le rilla a poros-
gao de Petrooillae para ella uinsferidt a tie
do tara d* Boa- Vista.Som f Rer.
G Sr. Araujo :(Nao derol r ib o aaa diseurs o.)
O Sr. Baria da SI mi baca dit que tendo exami-
nado atteatameate o mappa a a discripQao feita
ltimamente por am-aaaoiieiie que fot manda-
do pelo goreroo geral explorar o rij de S. Fran-
cisco, flcou cootriatsdo com a pintura qaa elle
faz da rilla da Boa-Viata, nao com retalio ao
aeu material como com relaca: a ktdoledo sana
habitantes gente por de maia n:: olete ; e que at-
tendtnde a iseo a a que o luga para que ae quer
transferir a rilla ponto aonde te cruaem aa di-
versa! estrad saque ae diriges paia o Pisuhy,
Cear, Baha, Goya e Mina i, nao exita em
conceder o aea roto ao artigo idiiire, cario co-
mo eat de que easa localidad'} que aa quer le-
var a rilla tem elemento de proeperidade, pro-
mette um [taro risoabo, o qua se nio renflca
pica com a Boa-Viataaoode h tam teda asoom-
modidades e um lugar segn Jo eati informado
inhspito a inaalubre.
O Sr. Souza Reis:Sr. pre i lente, en nio pre-
tendo entrar ni demouslraea i de utilidade ao
artigo additiro porqae por ce i o o nao poderia
fater melhor do que o nobre potado que acaba
de assentar-sa. Apenas occu uei a altengie da
caaa csm a parte do diaeereo lo sobre deputado
que s falln relativamente n nio tancso de
urna molida qua autoritava creago da rilla
d'e Petrolina, e timbem de urna patsagem de
um projecto no meamo sentid: apreaentado pos-
teriormente, para orientar a caa a respeito do
motlo que dea lagar a ialo.
At 1851 nao hai na Patojeo- do Joazeiro
igreja ; foi eati a razio porqu o Sr. preaidente
negou ancgio ao projecto, foi a causa porque
preleodeudo-se anda em 1:55 elerar a rilla
aquella lugar, o Sr. padre Mar l combtteu easa
idea nesii casa, porque realn ente nao- pareca
cooreniente que urna localld. le aonde nem ao
menos hara igreja e eatabahcetae urna rilla.
Foram ettas as raides que tiieiaratn no animo
da casa pora que nao passaiiom os projeetos.
Ealretanto todos sabem qua r. i e ha urna igreja e
hem construida felizmente, rido isso aos ex-
iorcos de um dedieado religkio capuchinho que
em 185$ all estere, a qua flm li nio sabio em
quaoto nio deixou a Igreja a a estado de func-
cionar. .,
Ten do por tanto desappare io a razio porque
at agora ae nio deu & poroa o de Petrolioa a
importancia que nos queremm e deremoa dar-
Ihe, ado que o artigo est nc tasa de pasear.
O Sr. Araujo Barro :[Ni i derolreu, O seu
diiCuro4
O Sr. Bario de kluribeca a i ida reflexiona no
sentido das ideas que emitlio tobre a adopcio do
artigo addltiro.
Dada a hora fica a diseussc adiada.
O Sr. Presidente designa a cirdem do dia e le-
vanta a sesso.
Es
de commtasdss,
losoiSrs.:
lorre Bandeira, para eccleslaslicd.
Loeaaa. par ataiiatica e dirisiofcivil.
Barros Btrreto, par obras publicas.
Contiaea pira ordeW do di de hoje as raale-
rla ji dada,con addt^io do projecto n. tS deste
auno, e quat irata da auppressao do primeiro ta-
btllioaatedo RioFormoso.
. Falo rapar ingles eguiraru para a edrta os
Exms. Srs. rieeonda de Camaraglbe, conego Pla-
to de Campos, a Ir. loie Alfredo, epatados por
esta proviaeia, a que rio toma* parte eos trabs-
Ihos leajIeUlIrea do presente anuo.
Hontem tere comeco o concorso pira pre-
enchimento da raga de i' escripturario di the-
looraria prorincial.
Apresaotaram-se seis preleatdeates, do quaes
Abroa, mbo per* tarta ttcf eneontraios all
naite. /g. I
A' ordeffl do SaJBBfta,' Hanoel Joaqun
Jorge, brinco de ff duoi, oleiro, por embru-
guezf-e Baoedito M Rufidt de Sena,pardo,
de 87 aanoK fedsliro, por ter raptan ama
meaos.
O chafe di leiuttda sec?lo./, G. de Het-
quila.
O rapor ioglez Oneia, aahido para os por-
to do tal, cooduiio a sed bordo os seguintes p*a-
fagelros:
Visconde de Camaragitw e Seriado, Joquim
Pinto de Campos e 1 criado. Dr. Joio Alfredo
Correirde Olirelra e sea criado, Dr. Francisco
Garlo Brandio, Chrittiano A. 1*. de Abreu, Gui-
Iharme Augutto Ricarlo, Manoel I. Pare, Jlo
GaVfloso Pereira.
M oriniento da enfermarla da eaaa da deten-
tomaran-te n prorst escripias a oraes de liogua jio do da ti de abril de 1862.
SESSAO EM 28 DE Al) UL DE 1862.
Presidencia do Sr. barat da Vera-Cruz.
Ao mel dia feita a chamada rerifica-se hirer
numero legal de Srs. deputai'i s.
O Sr. Presidente abre a se: i io.
O Sr. T Secretario l i a da antecedente
que spprovada.
O Sr. 1" Secretario declara nao baver expo-
diente.
' li io, odiado, entra em : iscussio e appro-
va-se sem debate o seguinte cequerimento :
c A commissao de oramen:o e negocios de
cmaras municipaes, requerctm urgencia se pe-
ga pelos canaes competentes i cmara municipal
desta cidadea seguate infor naglo :
Oanto se tem pespendid: com as obras do
matsdouro publico, em quanio foi oreada dita
obra, o estado em qua a mesiua se acha, e quao-
to ser preciso despender-te a oda pela ana con-
clusao.S. R.Coelho Cioir i Veiga Pesaos.
Wilrurio Pinto Bandeira. >
O Sr. Cunha e Pigueiredo \ ta ordem] diz que
pela retirada para a corta do Sr. Pioto de Cam-
pos, e ausencia do Sr. Tito hi-ie Incompleta
a commissao de negocio ec: siasticos pelo que
pede teja alguem nomeado pao ajudar not tra-
baihoi que correm por easa u mmissio.
O Sr. Luiz Filippe pede igu mente que se com-
plete m as commissea de esthiislic* a obras pu-
blicas as quaes faltam dous taambros.
O Sr. Pretideote nomea pan a committio de
negocios eclesisticos ao Sr. Torres Bandeira,
para a de obras publicas ao S Barros Barreto,
para a de eatatislica e divisa. :ivil ao Sr. Pereira
de Luceoa, e para a de saado publica que tam-
bam Ihe coat estar iacom.l.'ti nomea ao Sr.
Drummond e_Netto.
Coi auar-te-fta]
REVISTA C ARIA.
No ssbbsdo abrir ra-se flor 1 sent as poras do
nosso Santa Isabel mullid,!., sdfrega de emo-
edesreaes, a de perfeilo dele lu do espirito, pro-
morido por estas sublimes ni ludias dos maes-
tros italianos, que arroubam a alma elevndo-
teos una atmosphera quasi sleste. Nessa non-
te subi 4 scena a primorosa i sempre applaudN
da oper de VerJi I due 'neari, a qual,
epezir di triste em sen objei i >, agradou extre-
mamente, seotibiilsando por n sis de urna ves
os taraos coragoes de algunas de nostas le-
toras.
A msica, essi harmona cdstle, que ennebria
o coragao e riora o corno, foi perfeltamente
eampreheadida pela Sr." Stda, barytono e te-
star, principaes personaren deasa opera; os
ejeajV mostriram a exttno rj a pureza de soas
vozes. <
A Sr.* Stella canlou com g (a t mariosidade
-o do deaeguodo- acto com n tenor, ao carcere,
o trio, do terceiro acto, qm i (o Jacopo ra em-
barcar. Nessas duas partes |ir ocipalmeote mos-
troa Sr.* Stella qusnlo so >e comprehender a
pertorfsgem que representar., e o peosimcnlo
do maestro, o que mal bem ezprimiram os di-
UUanti ett seus rersdeiros applausos ao m-
rito.
O tenor e o barytono, alm
-triada se ergoertm bastante, t
primeiro acto, procurando im
gat da voz ao sempre estimicl
solo podem tuat torgas; e
-al em que o cooselh exige-l
oel, mani e corea de dog.
Nada diremo sobre os 11 iridias, porqusnto
aromos se procurar augment i seu numero, pra-
zjarando-ot maii algum tanto ilim de que. nao
t tiqaem u Votes sffocsdss nl orcbeslr.
Damo, poi, os nossos emt i as so emprezirio,
pela bella ac^ulsiglo destes i olores, que tanto
fradaram aw publico.
N aenlo de hontem da m lambl prorincial
ocerreu-ie a seganda dlscai-ilo do projecto n.
40, nio sendo perfm TOiido por falttj de n
tero. *
lessas dais veies,
I selle em a aria do
i ir em as mudao-
1 Tamberlick, tanto
i segundo, na sca-
-, s entrega do ao-
nacional e arithmetica, usando transferida pera
hoja adeescrtpMAOBO mercantil.
Io nolso assignaote da rilla da Indepen-
dencia, a fuer dista rint leguas da capital da
Parshiba, qeil-se de que nio recattera Mario
algum de su asaigoators, relativo i este mez de
abril at o dia JO. em que d'ali partir.
Da capital da Parahiba para a rilla da Inde-
pendencia partem ssiafetas nos diss 5,15 e 91 de
lodosos metes.
Pare todo as notaos aseigoante d'ali, temos,
entrettmto, remettlifo os reipectvo Diario em
todaaastegundat e sextas feras, alm de ttrmo-
lo ftito igualmente pelos rspores, cujas sahidat
regulara por semana urna rez, gastando os mea-
mos apenas hora na tua riagem, desta I capital
da Parahiba.
Sirvan estas patarras de consignarlo do ficto,
afn de qu sobre elle se providencia como con-
rean.
-- O subdelegado de Msticota, o Sr. espitao
Borgea Leal, acaba de capturar o crimina de
morte Antonio Msnoel de Helio, que achara-te
homisiado naquelle districlo.
No termo deBuiqoeapresentaram se sores-
pectio delegado de polica os dous criminosos
de tentativa de morte Aotonio Francisco Per-
nambuco e Paulino Jos Bezerrs.
Foi preso pele delegsdo di villa dos Uilagres
da prorincia ds Cear, i requlsigio do d Flores
desta provincia, o criminoso de morte Jos Pe-
dro Moreno.
No eogenho Monjope, propriedade do bario de
Vera Cruz, foi asssssloado por um tal Francisco, o
indiriduo coohecido por Hanoel Moc; o assas-
siao foi preso e estl sendo processado peto dele-
gado de Iguarass.
Foram presos os criminosos de morte Amaro
Borges dos Smtos e Joio Flix de Olirsira, o
primeiro pelo delegado de Nazareth e o segundo
pelo de Gotaona.
Eis o centesimo decimo-setimo e oilsro
a Boleiins offkiae:
< Em tres officios de 25 do correte, dirigido
da freguezia deS. Prei Pedro Googalres ao Sr.
Dr. chefe de polica e por este traosmittidos i
presidencia d prorincia, parlioipou o respectivo
subdelegado, Aotonio Gomes da Miranda Leal,
qne tinham fallecido no di antecedente do cho-
lera-morbos Maris Freir da Conceicao, parda,
de 3 aonos de idade, solleir, natural desta pro-
viaeia e residente no boceo das Miudiahas.e Joio
Ferreira dos Santos, pardo, de 23 aonot de ida-
de, solteiro, natural do Rio Grande do Norte,
pescador e residente aa ra do Pilar, aquella s
9 horas, a este is 7 da noite, e Fiorinda Maria
da Conceicao, parda, de 20 annos de idade, ca-
sada, natural de Santo Antio, resideote no bec-
co das Miudinhas, meia hora da noite ; ac-
cresceotando que ests nada soffris Ss 7 horas da
noite do dia antecedente, entretanto que os dous
primeiros j soffria dos primeiros symptomss do
mal desde alguos das.
A's 6 horas da tarde de 27 de abril de
186S.
Dr. Aquino Fonceea.
Da presidencia da provincia nio recebemos
communieagio offlcial relatiramente epidemia
de cholera-morbut que reina, da qual fagamos
extractos.
< A's 6 horas da tarde de 28 de abril de
1862.
Dr. Aquino Fonseea
Pelo Sr. Dr. Prxedes Pitanga foi praticada
no dia 14 do correle a extirpagio de urna gln-
dula ichirrosa, no seto de urna Sra. de familia,
tendo por sjudaote os Srs. Drs. Moscoso e Poo-
les. A doeote foi prriamenle ohloroformisada,
e se bem que nio eege6e ao eataio de' mesihe -
xifc'aomplj. outt, coVcc pftrf ella mele bsm
a operagao, e a doeote se scha restabelectda. E'
mafs urna gloria para a cirurgia, lio bem exerci-
di por diversas rezes pelo babil medico-cirurgi-
co o Sr. Dr. Prxedes Pitanga.
Felicitamos, poit, este senhor pele triumpho
alcaogado, e operada pelo prompto restibeleci-
mento.
_Pedem-oos lembremos i nuera compete pro-
hibe o miu costume.que tem certos pretos que rio
comprar leoha i taberna n. 14 da ruado Impera-
dor,de partirem as achasns porta da mesan,des
de 6 horas da maohii at 9 da noite, com grave
iocommodo dos rizinhos, e reunio de inmundi-
cias na calgada.
Mais um triumpho acaba de ter o hospital
portuguez de Beneficencia, na cura do orioulo
Haximiano da Conceigio, que para ah fra ata-
cado do cholera, em periodo lgido. O nteres'
se que loma pelos seas doeotes o respectivo me-
dico, e o bom tratameoto que ae ade ali dar, con-
seguiram esse resultado, que mais urna rez pro-
ra a eicelleacta do astabefecimenlo.
De Mamanguape dam-nos as seguiotes no-
ticias acerca do actor Coimbra e da compaa a
dramtica, com que por ali anda :
c No domingo de paschoa, leroa i scena o Sr.
Cuimbra o dramaO rei iusticeiro ou a queda
de um ministro, tendo harido geral satisfago.
Este drams que, com toda a oaturalidade des-
crere a corrapglo da alta sociedade, e destnha o
verdadeiro typo de um rei, teve um desempenho
ptimo.
O Sr. Coimbra esmerou-sa em seu trabalho ;
bem como o Sr. Luccl, que mostrou baver bem
comprehandido sai parte de soldado invalido.
Em geral todos os demais actores se esme-
raran por agradar, e, estamos certos, consegui-
rn..
REPARTIC.O Di P01IGIA.
( Extracto das partes do dia 27 e 28 de sbril).
Foram reeolbidos casa de deteugio no oa 26
do correte:
A' orden do Dr. delegado da capital o crioulo
Patricio, 23 annos de idade; ganhador, etersvo do
Harcolino Antonio Xavier; requiaigao do seu
procurador,
A' ordem do subdelegado da freguezia do Red-
fe, Manoel Joaquim Jos de Santa Anea, pardo,
de 36 annos, canoeiro, por embriaguez, e o criou-
lo Maximiano, de 50 annos, dado agricultura,
escraro de Manotl Ferreira Amoros ; por estar
fgido.
A' ordem do de Santo Antonio, Joio Aires Lu-
zia, branco, de 26 annos, refinador, e Lula, par-
do, de 21 annos, cosinheiro, escraro da Joa Fe-
lippe Martin, ambo por us da armas defezas.
A' oriem do da Magdalena, o africano Libera-
to, de 35 annos, carroceiro, escraro de Antonio
Valentim da Silra Barroca ; i requerimento des-
te para aar castigado.
A' ordem do dos Afogados, Miguel Virisiimo
de Mello, pardo, de 45 aonos, dado i agricultu-
ra ; por connivencia em crime de furto de. ca-
relios ; Jos Mathiaa Ferreira, crioulo, de 20 an-
nos, dadot tambem 6 agricultura, como suspeito
no mesmo crime, e Aotonio ou Benedicto, igual-
mente crioulo, de 28 annos, aerventa, escraro de
um tal Almeida, por fgido.
Dia 27
A'ordem do Illm. Sr. Dr. chefe d polica,
Manoel Jos do Naseimeoto Dexreia, prd, de 62
amos de idade, sem ofQsio, preso pelo soldado
de rallara Amaro Joio da Cruz, por briga.
A' ordem de subdelegado do Rectfe, Antonio
Nery dos Santo, pardo, de 32 annos. pesetdac,
por ae loruar suspeito ; o manijo ingtez Tbomaz
Heory, branco, de 25 annos, e o pardo Joa Frao-
ciaco dos Anjot, de 35 annos, pedreiro.aanbot per
briga ; e kem ssSim o africano Carlea, d 31 ai-
nos, canoeiro, eacraro de um tal Cantillo, pdr f-
gido.
A' ordem do d Santo Antonio, o crioulo Ro-
berto, de 16 annoi, ganhador, escraro de as
Antooio C. Brinco, por ser encontrado depois do
toque de recolher.
A' ordem do da S. Joa, Maria francisca do
Espirito Santo, parda, de 25 annss, oostureir,
por embriaguez
Tirersm baixa pata a enfermarla :
Jos Francisco Catpora ; jjlosriclo.
Benedicto escraro de Jos" Flix de Almeida ;
febre.
Maximino eteriro de Manoel Ferreira de Amo-
risa; shga.
Morimeoto da enfermarla da cass de deten-
gio do dia 28 de abril de 1862.
Tireram baila para a enfermarla :
Jos Joaquim de Sant'Aona Freir ; febre.
Manoel Pedro Pereir ; dem.
Thoafaz Raed ; contuso*.
Tireram alta da enfermarla :
Joio Mximo Etpindola.
Manoel da Motta Binit.
Manoel Minia Falcio.
Joio da Cruz Stzudo.
- IIATADOURO PUBLICO.
Mataram-ae pera oconiummo desta cidsde no
dia 27 de abril, 101 reses.
No dia 28 100.
Obituario ae pa 97 db abril, nocbhiterio
publico :
Cypriano Francisco de Salomeo, aoldado da art-
fice, S. Jos; cholera.
Benta Mari da Conceigio, preta, S. Jos ; cho-
lera.
Faustino, Pernsmbuco, 20 aonos, solteiro, pardo,
Boa-Vista ; cholera.
Jos Airea da Silva, s. Jos; cholera.
Luiz Antonio Mondes, Cear, soldado do 9*'bata-
Ihio, Boa-Vista : cholera.
Saturnina, Pernambuco, 30 anuot, tolleira, est-
erara, Boa-Viita ; cholera.
Anna Maria Swensen, Dinamarca, 18 annos, casa-
da, Recife; desinterla.
Jlo Chrisostomo daa Chsgas, Pernambuco, 60
anuos, casado, Afegades ; retengio.
Maria, Pernambuco, 8 das, escrara, Boa-Vista
etpatmo.
Jos, Pernambueo, 30 metes, Recife; tumor in-
flamatorio.
Manoel, Pernambuco, 6 das, S. Jos ; espasmo.
Maria, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Vista ; ana-
zarca.
Maria, Pernambuco, 1 hora, lea-Vista; es-
pasmo.
Joaona, Pernambuco, 2- aonot; Boa-Vista; ver-
mes.
Da 28
Bella Maria do Espirito -Santo, 20 annos, S. Jos*,
cholera.
Margarida Maria da Conceigio, frica, 45 annos,
solteirs, Boa-Vista ; cerebrlte.
Cordolina Joaquina de Miranda Machado, Per-
nambuco. 38 annos, ctssda, Santo Antonio ;
phtysics tuberculosa.
Maria, Pernambuco, 1 hora, S. Jos ; espumo.
Anua Rosa de Jess, Portugal, 43 annos, casada,
S. Jos ; congetto cerebral.
Miguel Jos da Costa Moara, Portugal, 37 annos,
casado, Santo Antonio; cholera.
Sabioo, Pernambuco, 11 annos, escraro, Boa-Vis-
ta ; cholera.
Bento, Pernambuco, 60 annos, solteiro, escraro,
S. Jos ; cholera,
Joao Francisco Paredes, Portugal, 46 annos, sol-
no comnuoicade i qaa iludimos, contra com-
panbia bratileira de paquetes a rapor. certo
queeausss lstentea, per melte-tenpo dominaran
tm detraotagem da corupaohit, e anda atsim, e
ob a arestio de enormes sacrificio, ella nnnea
deixou" decumprir a ebrigagoes que cootrahira
para cora a goreroo e o" commercio ; e por esse
procdiraewB< louvarel captou| sssympathtas de
todos, e a franca coadjuracao e beoerolencia do
gorerao imperial, coadjurago que o eommuoi-
cante san razao quallfl'ca de patronato.
Em 31 de margo proxino panado foi entregue
ao domlnie publico o relrtorio dt companhia, do
nno de 1861 a 1861, e com prazar remos que
essa emprata se rai libertando das causas que a
apo juetavam, remos que derido aos etforgos do
gerente que|aeabou, o fallecido Sr. Hermenegil-
do Antonio Pioto. secundado pelos os do actual
gerenta o Sr. Fraacisao da Rocha Miranda,
companhia vai progrediado regularmente, e se
nSoesti aioda no peque deaejamo, o aeu esta-
do ji um pouco satisfactorio. Nesta paisa pa-
lenteon o Sr. Rocha Miranda i asrabia garai
dos accioniatat.com cnterio.e lucidos o eetsdo da
conpanhis, e battinte minucioso bina parta re-
la tira aos narfose aos materiaas do aeu eostaio,
e ahi reri o publico, que os navios da compa-
nhia nio ettio no estado que d esc rere o con-
municante, antes scham-se as coodigdes pres-
criptas no tegulamento de 2* de Janeiro de 1860;
e, auppOr o contraria aeris nio una condescen-
dencia, mas urna perfidia atm uomt.
O tacto de ter entrado o rapor cAp de aua
recente riagem do portee do aul, demandando
um ligeiro reparo, derido ao mi lempo, nio
tem igoiQcgao alguma, cousa qaa est acon-
tecendo todoos das, aioa sos melhoret navios;
e a nao ser o desojo do que ludo sirva de thema
para se conseguir |o fim que se tem em vista,
por certo nio ae prestara para objecto de um
comraunicado, tanto mais qvanloecommunican-
te sabe, que esta navio ha poaee sahio do diqu
imperial dapoitde obras bem importantes, e que
est em estado de perfelta naregnbilidade, atsim
como tolosfos mait que ettio em activo aerrigo,
quer na liaba do aul, quer na do norte.
Estamos looge de aiirer a aaiis lere censurs
sos que procuran promover o melhoramento de
qualquer induatria, ou emprez porque ae inte-
ressem, una rez que o facam com a precias dig-
nidade, urna res que o (agam sam qua calcula-
Artlffo
Aos me7*t'M'rne Sri. detembargadores.
Mauoel Jote deSiqueira Pitanga, hontem reio
inpreosa pedir o Srs. detembargadores que
he fltsssen a carida.?*, elle preso, de se reun-
lrem para deeidirara a oalicao de haba $-Corpus
quespretentou ao reneran'lo tribunal da relago.
Hoje, reoorando o pedido* humilde j felo,
offerece os documentos abiixo- pera que se co-
nbega o que i respailo da prisio do dito peticio-
narlo exitt.
Siqueira Pitanga dizem qua est preso', per
canta da relaede nbrcnts qne tinha com Joo
Thaotooio Bezerra: esta retag5s eram Ireitar,
porque te litaitavam compra e renda de objec-
tos de oure fjoiis, e nio moedat) oesta praga.
en casas ratpeilsr> e insutpeilit, com letra
lirmadat pelo negoctanle vendedor, o dito Ba-
zerra, e Pitanga.
Mas aros factos pelos quaes foi preso Thaotooio
Bizarra, nio tem Pitsag a menor parte a rala-
gao : itto ae prov, t. de interrogatorio do dito
Bezerra, no qual ettenaot toada imputa Pi-
tanga, como at nem ne eu nome falla ; 2.# da
Urna cerlidao do procease feito I Bezerra, da
qual certidae eoosta que tem dos acto prati-
cdos pelo juizo, nem do depoimeolo de olio
tettemunhas do mesmo proeesse osla consts di-
rectt, ou indirectamente contra Pittnga ; 3.a
da balxae que se dera-m tanto ra cass commer-
etal, como na de residencia de Puanga, sem que
se aehisae cousa alguma que deponha contra
este. Leam -te o documentos sbtriio, e se Ace-
ra convencido ds tus innocencia.
Sem querer da modo algum importunar aos
respeitireie juizes, Manoel Jos de Sfqueira Pi-
tanga apenas pede que o meretissimo tribunal
da relaqao se reun e decida o aeu habeas-cor-
pu, como for de direito, e com s costumada jus-
tiga.
Entretanto, ponto que na triara situagio de
preso, julga e emenda que lhe permiHldo agra-
decer aos senhorea desembargsdores Pereti, D.
Fraocisco, Motta, Santiago, Ermelinlo, a prom-
ptido eom que comparecern* nos das marcados
para a sesso em que se ia tomar conhecimento
do seu recurso.
Documento n f.
Illm. Sr. Dr. chefe de polica.M-anoel Jote
de Siqueira Pitaog*. preso ordem de V. S..
aprsenla V.S.o incluso documento pelo qua
teiro, S. Jos ; febre amarella.
Manoel, Pernambuco,
soei,
7 dias, S. Jos ; convul-
danente, e por meto* pouco honestos, procurem !se evidencia que nem do interrogatorio de Joo
amesquiobar oarlraa emprezss.
Nj communiesdo que ailudinos anda se_pro-
cura iodispor a compaohia, lancando-sa-lhe ,
pecha de ingrata para eom o gbrerno Imperislo
tratendo por diente o vapor Api, o mesma
que foi offerecido SS. MM. II. par sua riagem
s provincia do norte, como um dos melhores, o
mesmo que nessa poca qassi sossobra tundea-
do ne remanso do porto.
Esta tirada de bom gosto, e ral bem os mil e
tantos contos M E ni verda le, nio isto ums
intriguinha, um mexirieo pouco digno, j nio
dizemos de um caralteiro, mas de qualquer ho -
mem que se etime ? Nao r o communicante
que isto nio pie fazer echo entre as pessoas
sensatas e honestas.?
Saina o communicante que o Apa, foi consi-
derado por pessoas mu competentes, com as
precisar condigfies de transportar s provincias
db norte os augustos riajaotes, e a companhia se
considero mui fel z, por terem SS. MM. se digna-
do embarcar em-um desees nanos, ese por algu-
ma circunstancia imprevista este nario fez agua
no porto desta cidade, e foi concertar ao Mara-
nbao, por este Incidente nio pede com justiga
ser rsepoosarei a companhia, e muito menos ca
ber-lhe a pecha de lgrala, que Ibe quer empres-
tar o communicante, pecha que ella repelle com
a torga de que capaz.
Paramoa iqui, e rogamos ao Ilustrado com-
municante, nos queira perdoar qualquer expres-
so menos cabirel, pois nosso proposito nio
offendar pessoa slgums, e muito menos ao Sr.
con manteante, a quem nio temos a dlstincta
honra de conhecer.
W.
26 de abril de 1862.
CHRONICAJUDICIARIA.
JURY DO RECIPE.
2* SESSO.
Dia 88 de abril.
PHcsinENciA do su. na. muiz
s
DE OIBFI'" ni- SE-
DA SILVA HE1VA.
Sera, Faw A C.
Taz & Lea!.
Luiz Aotaoi 4f Siqacirt.
Luiz de Morsas Gamas Ierrsir.
Ferreira & Araajo.
Monteira Lopes ) C.
Deober A Barrse.
Joio Baptisla Pragoro.
r>#MwKWvClO-
NOVO llMf
FERHAMBDCO
O novo banco pageo 9* dtdtms e
12>por ac^ao.
Praca do Recife 28 de
'abril de 186*.
Vs i-aa.re horas dUrie.
Cttaeies- 4a juila itctrreines.
CataHe Sobre Londres- 4-r. 25 S 4 d. fraias. Assucar par o Caed, race-aer erv thenburgHfc a. Descont de letras. 10 0(0 ao asno. Couros 180 rs. por Mkra. J. ds Cruz Macada John CaO -m par Wev
letnaae 6o-prassdattte. Kretaai*.
UlmaBsWsja. aanutraento do di i1 a **?. dem do di. 2 .... c.33*oa6*; nmmmn
smtmnm
Morlmenie atm stlfmssn Vlmet antradoa ton Paasetsas).. ra
a a om genarear.. 144 = M7 n
Valamaa aahidoa toa faseodae..
a com cesaren).. 2Sr>
CUNDA VAHA, MANOEL JOS
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dino de Gusmo Lobo.
Bicrivo privativo, o Sr. Joaquim Francisco
de Paula Estevtt Clemente.
A's 11 horas da manhaa, achando-se presen-
tes os Drs. juiz de direito e promotor publico, o
escrirao procedeu chamada e renflcou estiren
presentes 38 juizes de facto.
E' aberta a sesso.
Entra em julgamento o proceiso em que reo
Pedro Jos dos Santos, pronuncia lo como lncur-
so no art. 257 do cod. crim. em 14 de dezembro
de 1861, palo subdelegado da freguezia de S. Pr.
Pedro Googalree, o Sr. Jos Pedro das Naves,
sendo cooBrmsda a pronuncia pelo Sr. Dr. Fran-
cisco de Arsujo Barros em 7 de Janeiro prximo
paasado.
O reo acensado pelo facto de baver enlrtdo
no dia 19 de novembro t 9 horas da tarde no
armazem de fazendas sito na ru- da Cruz do Re-
cife n. II, pertancnle Frederico Monhard, e
dahi tirado cootra a rontade de seu dono um mas-
so de chales, seodo preso nesse seto.
Procedendo-se i nomesgo de curador, rlsto
ser o reo menor de 21 annos, deferido o jura-
mento ao Sr. Jos Isidoro Pereira dos Reis, o qual
eacolhe para adrogado do aeu euratelado ao Sr.
/os Rodrigues Pereira Jnior, estudante do 4o
anoo da facoldade de direito deeta cidade.
Eatrando-se no sortaiamento do conselho de
seotenea, sao sorteados os seguales Srst juizes de
facto :
Elias Fraocisco Miodello.
Jos Egidio Ferreira;
Manoel Ju venci de Saboia.
Aotonio Googalres Pereira Lima.
Jos Francisco Pires.
Tiburcio Valeriano Baptisla.
Francisco de Pauta Borges Ucha.
Antonio Jos da Costa Reg.
Francisco Aotonio das Cti-gas.
Francisco Igoacio de Medeiros.
Thomaz Ciroeiro da Cunha.
Dr. Luiz Garlos de Magalhes Breves.
Deferido ao conselho ojuranento dos Saolos
Eraogelbes, procede-se leituri do processo, e
o reo pasea a ser interrogado.
Seguem-se os debates, que tao afinal resumi-
dos pelo Dr. juiz de direito e presidente do tri-
bunal.
Sao propostes se conselho de sentenga os que-
titos, e em vista das respostss do jury o juiz de
direito publica a sentenga, pela qual absolre o
reo, e ceodemna a manicipalidade as castas,
appellaodo no entonto para o superior tribunal
da relagao.
Lavanta-ae a sessio i 5 1/2 horas di Urde,
seodo adiada para o dia 29 s 11 horas di ma-
nhaa.
Communicados.
A compaohia de paquetes a vapor.
Com esta epigraphe, deparamos no jornal do
Recife n. 110 de t do correte um conmunica-
do en que seu autor per um modo desabrido ati-
r-ie contra ees* emprez a.
Nio sabemos rerdadeirameole acertar com os
motivos que aetuacn nu animo do communican-
te, para que com tanto ardor e godamente pro-
cure estignattter utni emprezA de carcter ver-
daderamente braiiteiro, qne cem rerdade aeja
dito, ten) prestado a continua a prestar tao boas
serrijM epata. SV.-por em laxte r%estjs o eun-
munietnte interessado pelo bem de buaaanidade
condosido pala serta ecommodo dos paisagjeiroa!
e querenda cercar de garanta a fortuna dos pr-
ticulsres, Agujando ludo em perigo; por outro
remoi qua lmente, qua ot contot de ris qae
essa enpreza d o gorerao, nao sejam repsrlidos
com as compaohias estramgeirst, e com a Per-
nambucana, incumbindo-ae aquella di con-
dcelo das mallas na linba do tul, e a esta na do
norte, demodo qu nio podemos aUrogir qual o
rerdadetro desdoratom de communicante : n-
eltnamo-no8
a erar que em victo radical emi
A ordem do da Bos-Vista.ea perdee I.ymua- no. neasacottser. a noe o i -rtenes o maligno e
do. de 31 anoo de idade, gaohador, eteraro de pttlto di te-reja o* tuf ftMbrpeee a dtjaVirtnT
Joaquim Frauciaco Franco, requialgio de.te, e Fallando conscienciossmante.oilluMrVaTcom-
Sebastiao de II annos, lamben ganhador, escra- muaieaote, qsm bellamente atg da titorta e li.
rodeDoniogosTelxe.rsIartos.eecrio-.te.aite, rodlo dHPesiar emprea. nSo, tire rJzfo
de 2 8.0.001, canoeiro, eteraro de Jote Andr 4t plsmltel pin exptimr-ie do mi* porque o (ex
Pubiicages a pedido.
A' meia noite por squi psstei
E esta lembrsnga vos deixei.
Como dormes o somno da innocencia 1
Aura tubiil espira* com dogura,
Sor riso anglico te enfelte a fronte
Dormem comtigo as gragas, a ternura.
GL0ZA
Nio se occaltam fcilmente
Sentimentos amorosos
Sa a palxio se arreiga n'alma
Os disfarces sio costosos.
mu
o 3 -r .-
? o "o
0 militarmente.
Ao publico.
O eficaz a poderoso empeoho, que em minha
defeza manifettou o Illm. Sr. Dr. Jurencio Ribei-
ro Aires da Silva, assistiodo a formagiq do pro-
cesso crime por injurias verbae* instaurado con-
tra Antonio Cypriano Padilba, e a mulher com
quem se diz casado, e que contra toda a eviden-
cia das proras dos autos foi pelo Ilustrado juizo
municipal de OUnda julgtdo improcedente, cin-
giado-se i opioiSo do eseriptor Pegas sd Ord. tom.
5* 27 n. 185; e pelo jaizode direito da primei-
ra rara crime em grao de appellagio nullo todo
o processado e seo joigameoio per falta de for-
mulas, que nio (oran observadas pelo juiz pro-
cessante ; a dedicada rontade com que continnou
a defender-me nos arrasoadoi da appellagio e do
recurso de revista interpoato para o supremo tri-
bunal da jnitiga, pela nulldade manifesta da sen-
tenca e njustiga notoria. (Lei de 18 de setembro
de 1828, cap. a* rt. 6o), agenerosidade com que
responder ao adrogado contrario, que o consul-
tara, de barer de mim recebido a remuooragao
de 300$ (nio recebendo de mim gratitlcagio al-
guma pecuniaria, ou cousa que o rslha) aio fine-
za taei que obriga-me a tomar a resolugaolde
fallar considerando qae oceultando a mim mesno
oceultara igualmente os signaei do mea animo
agradecido.
Com aquellas expresadas qae me pode dictar a
granrteza da miobi obrigagio igradago ao Illm.
Sr. Dr. Jure ocio a promptidio con que se pres-
tou i convite meu de ara nodo tio digno ao seu
generoso coracio, quan 1o guiando se pels justiga
di causa, que jalgou sssistir-me, e mi grado seu
rio-me della privado, tanque exigase o vil e mes-
quioho ioteratse pecuniario, que por to extre-
mosa boodade eenfeasra bare-lo recebido, igoo-
rando eu esss oecorrencia com seu collega ad-
rogado I
Desejari que minha fortuna asa potaase algum
da em estado de prorar a V. S. a eilensio de
meu respeiloso agradecimento ; se porm a len-
branga do beneficio recebido, e um coralito agra-
decido podem ser aceilos, acha-los-ha V. S. toda
a minha rida.
Digne-te, portanlo, Illm. Sr. doulor, detcul-
par-me se desejando-lhe por occasio desta san-
(istina solemoidade da resurreigao do Senhor en-
dientes de felicidades em companhia da Exma.
familia, com o desojo mais ardente, que pode ca-
ber nos limites do urna amitadererdadeira, e pu-
blicando este solemne teaUmonho do mea reco-
obecinento oliendo modestia da V. S a quem
rogo queira aceitar benigno etta ingenua e etpon-
tabea consso de meo animo agradecido, senio
lhe podem serrir de adorno meus elogios, pelo
meu pequeo rullo na aoeladade, comiedo nio
serio tem alelo aa miobas eiprenea, por te-
rem is de um coragio animado pelos saolineols
de honre e probidad*, d om sacerdote pobre,
que tem o crime de aio saber queimar o podro
incens da lltonja. e que s sabe beijir a mi
benfazeja, e repellir a sacrilega, qualquer qae
reja a peitoa que a dirija, sem abater-se rergo-
nhosamenle, por iaso que ahumildada nio ceo-
genita com a rilesa, que a repelle com todas ss
torca.
Beberib, SO de abril de 1862.
O padre Francisco Veriiitmo fiomsira.
Theotoqio Bezerra, nem do processo instaurado
cootra este, e sas oilo testemunhas, nem dos
actos praiicados pelo juizo procedente, consta
couj alguma que autorise suspeitas contra o
supplicsnte, no crime praticado pelo dito Theo-
tinlo Betern: portanlo espera qae V. S. o man-
de soltar.
Asslm pede ao Illm. Sr. Dr. chefe de poltcis
deferimentoE R. If.
A prisio do supplicsnte nao foi fita re-
quisico do jais municipal do Limoeiro, mas em
consoquencia das areriguacoes ea que se proce-
deu netla capital edas quaes rusultam indicios
cootra osupplicanie relatiramente ao crime pelo
qusl est preso Bezerra.
Pernambuco 19 de abril de 1862. Viz de
Cirralhaes.
Documento n. 2.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal do termo do Li-
moeiro. Hsooel Jote de Siqueira Pitaog, pre-
so no casa de deteoglo da cidade do Recife,
bem do seu direito e justiga oecessita que V. S.
mande ao respectiro escrirao, que rerendo os
autos crimes iostaurado a ex-offtcio contra
Joio Theotooio Bezerra, por crime de moeda
falsa, lhe d por cerlidao o auto de perguotat
feitas ao mesmo Joio Theotooio ; asalm como e
do processo consta que o supplicsnte tenbs al-
guma parte directa, ou mesmo indirectamente
no crime que i imputado ao menciooado Joio
Theotonio Bezerra ; tado de modo que faga f ;
pelo que pede V. S. digoe-se deferir na forma
requeridaE R. M.
D-se-lhe.
Limoeiro, 17 de abril de 1862. Reis Lima:
Luiz Paulino Vieira de Mello, segundo tabeliis
publico do judicial e notas, eserrrio do crime e
civel ritalicio desta rilla e comarcado Limoeiro,
etc.
Certifico que rerendo os autos crimes de que
faz meosio a petigio retro, delles fl. 10" se acha
o auto de perguntas do theor segaiote :
Aos 6 dias do mez de abril de 1862, nesta rilla
e comarca do Limoeiro, em casi da residencia do
Dr. juiz municipal Marcos Tulio dos Reis Lima,
onde en escrirao de seu cargo abaixo declarado
me achara ahi preaeoU Joo Tbeoionio Bezerra,
o dito juiz lhe (es as perguntas seguintes :
Qual o seu nome, idade, naturalidade e pro
flssao?
Responden chamar-se Joio Theotooio Bezerra,
ter 37 annos de idade, que nao sabe se nascen
nesta comarca, ou em Apu da comarca'de Pi
d'Alho, casado, e que rire de negocio.
Perguntado se elle hontem trocara ana moeda
de ouro de 16- em casa do negociante Manoel
Joaquim de Farias Brasil, e se oio sabia se era
falsa ?
Responden, que trocou s moeda de 16$, em
casa do snpradito negociante, e que sabia que era
falsa, mas que lhe tinham dado para negocio.
Perguntado se e'le oio mandare trocar cinco
patacoes em cass do mesmo negociante?
Respondea que nio os mandou trocar, e sim os
emprestara a Jos Sererino de Souza, por alcu -
nha Jos Cara, para comprar gallinhas.
Perguntado de quem recebera elle esse diohei-
ro par negocio ?
Respoodeu que recebeu de um homem no Re-
cife, mas que oio se record do nome, mas que
mera ns rus do Gordoniz ns freguezia de S. Pe-
dro Googalres, e que nao sabe do numero da casa
porque quaodo l foi recebar esse dinheiro foi de
noite.
Perguntado quantos palaces recebeu delle, e
quaotas noedas da ouro?
Respondeu que recebera de duzeotos e cineoen-
ta duzeotos e aessenta.eque asmoedas de ouro
reeebera pouco mais ou menos aa que exaUm.
Perguntado em que lugar passra osoulros pa-
tacoes que faltaram, visto que oo rarejo que se
deu em sua casa s se acharan cento e quatro ?
Respoodeu que os reio trocando pelo camiaho,
mas que neeta rilla ainda nao patsou pataca o al-
gara, passando smente dua moedas de ouro de
169 una en casa do negociante Farias Brasil,
o outra em caa do negociante Luiz Antonio.
Parguotade para onde ia com essa prata e
ouro ?
Respondeu que ii pin Gariri comprar o que
acbaste.
Perguntado a quem perteocia o dinheiro de te-
dulas acbado em sea bah?
Respondea que 939 eram delle, a o mais que
se eocootrou, era do dinheiro queja tinha pal-
iado.
Perguntado a quem pertenciam as ledras, que
foram tanben encontradas?
Respondeu que eram delle.
Perguntado ae elle tinha maia dinheiro falso?
respondan que linha maia cinco patacea, que os
apreseotara.
E como nada mais rsspoodesse, e nem lhe fos-
se perguntado, tic, etc.
Certifico finalmente qne do processo nada cons-
ta que diga respeito so peticionario, nem nos so-
tos praticado pelo juico processaote, e menea
pelo depoimeoto ds oito testemuntia que jura-
rara no respectiro processo, no dito auto de per-
guntas aqu copiado do praptio original ao qual
me reporte, etc., etc ele.
Documento o. 3.
Nos abaix.0 assignadot, oegeeiantes oesta cida-
de, allealamo, a juramos te preciso for, qua co-
obecemoso Sr. Iftanoet Jos de Siqueira Pitanga,
eatabelecido cesa laja de fazendas na ra do Quet-
mado, como cidadao boneato, respeitador das lei
do paiz, e incapaa de pralicar qualquer facto qu
desabone o alto conceilo qae fazemos do seu se-
vero carcter,
Recife, 91 de abril da 1862.
Cal & Irmios.
F. Sauvage.
KtlkmtQ 4 Irmios.
Antonio Merques de Anorim.
Bario do Lirramento.
M. J. Rimoi eSMra 4pGenro.
Guiltierme Carralho & C.
Daniel, GoimatKei & C.
Joa Jernimo Moa teiro.
J. Relter&C:
RarJno Antonio de Mello.
Jos Antonio de Azorado Santos Jnior.
Henrique & Azeredo.
Dammayor& C.
Antonio Lira Abreu- Azeredo & C.
Wild Jutt.
Francisco Joio de Berros.
Antonio Valeotim da Silra Barroca.
Mello Lobo &. S
Aires & C.
Jos Antonio Moreia Diu & C,
t
DaMarram tro di 29 JeetatV
Barca inglezaNilecarv*.
Barca inglesaIdalia ideas.
Brigue ingle- Jiskafazendaa.
Brigua inglesMerseymercaderiae.
Barca portuguezLima IMasa.
Brigue OremenaeSlad Brasilsarvio el
Patacho tremiese Germaaia aeread
arele.
Barca inglezaTitaniabacalbio.
Brigue inglesMercoryarrio.
Barca inglezalmogeaefazeodae.
Brigue iaglaz aYercury, nodo He
cootigatdo E. A. Burle & C. mauitaatai e> se-
guinte :
270 tonel a das de carro do pedra ;
Brigue holiaodei Joan Jacob, riade do>
Janeiro, consigoado Bastos s-Xs
o seguinte :
3,314 quintaes de carne seces de cbarqpw. il
couros teccos de cobarlar a forra *.a
Vapor ingles Oncida, procedente tte !
lou manifettou o seguale :
25 ciias doce* ; a Marque Barree A C.
1 dita calcado ; a Joaquim Pereir Anatas.
60 ditas rap ; a Tbomax 4o Asjtiss lamorca
Jnior.
1 dita calcado ; a L. A. Siqoare.
1 picote imagen* ; K. Mora*.
1 dito lirroi ; a Amoro roiia*.
1 dito gatelas, 25 caiaa queijos; e laso k-
mios.
5 rolamos mintimeuloe: W. Rtymoad A C
1 caix droga ; a Parale Viaaau 4 &
4 barrica cera. 2 caix* mercurio, 2f calas
cha ; a F. S. Rabello \ Filbo.
40 c-ixas relss de trs v a M. J. C. Ramee e
Sil a & georo.
27 Oitaa queijos ; s H. Fortler &C.
2 ditas calcado ; E. A. Burle & C.
2 ditas lacido de lia, 1 calxieitjaete-se; a Wats)
& Just.
2 ditas chai eos de sol de sed, 8 caiiea teni-
do de algodio ; a J. Keller & 9.
1 dita charutos ; a J. P. Johntlso.
1 dita lecido de s Ja, 2caixes dita da aJgodo-,
a Ferreira 4 Araujo.
2 ditas queijos ; a M. J. G. Ponte.
48 dilat ditos ; a Brander BrandU.
1 dita calcado ; a Ser Ftlhot A C
2 ditas queijos ; s Soathall Meliors 4 C-
51 ditas cha, e 62 ditas wcido de slgudeo ; H.
Gibson.
1 caixa roopa ; a John Silly.
1 dita chapeo* de palba ; ChrislUai Irmas.
1 dlts lecido desls ; a Stbsfbeillio & C
1 dito roup; Vaz i Leal.
1 ou escora ; a J. A. Moreira Bisa J C
1 dita llrros; s II. Gardin.
ditas tecido de algoo, e 59 betrie maatet-
ga ; a Saunders Brothers A C.
2 tina laoguetuga; a Maiheua 4 Bodrifuea.
1 barril manteiga ; a Ryder A G.
100 barris manleiga, 40.caixa* qoaijos ; a Milla
Lathim A C.
2 pacotes objectos de seu uto ; a G. Seooeo
HjoI.
3 caixas bilbetes ;.a compaohia da ra lese.
1 pacole papis ; a al. Siqnsiri.
1 dito lirios; a J. L. Goliat.
1 dito ditos ; a M. Suares.
1 dito gazela ; a C L. Canbronae.
2 caix* lirros ; a A. G. Aire 4 C
9 ditas rinho ; a A. da Silra Campos.
29 rolumes de amostra ; direraos.
1 barrica ignorase ; M>o>el A. SoMae.
ExporUt^aV
Do dia 26 de abril.
Polaca heapiohola Santo A moni-, par a Bit-
da Pnla, carregaram :
Amorim Irmios, 165 saceos coa l.OOi erro-
baa e 24 libras de asaucar.
Brigue ioglez Nadtja, para o- Canal, carraga-
rim :
James Ryder & C 1,500 taceos eom 7.980 at-
bas de assucar.
Brigue portuguez Eiptran-., para Prl.
carregaram :
Manoel Joaquim Ramos e Silra, 1 balitea cana
4 arrobas e 11 libra de atiucar.
Brigue portugus Relmpago, para Lisboa, car-
regoo:.
Anecio Augusto r-'erreira, 2 bar vea coa 9
arrobas e 2sacca cosa 9 airabas tro aria.
Barca ioglez Seraph\n%, para Vai par ai zo car-
regaram :
Johnslon Palar A C. *5D neceo cam 4509 ar-
robas de assuaar.
Bc9btMlorsak ele sMsaaisaaMi tmlnraasts
. Kermes ala Perauafeaen
Hend menta do ia 1 26. 27:3119984
Idtm do di 28 ...... 5534409
27.865fSS4
Cunuateclu provincial.
Rendlmauto do da 1 a 26.
dem de dia 28. .
60 4i6|99O
1:S94|54a>
62:3ii|5
coaa-merefal. "Llsmoa. IR
de abril de 1S6Q.
i*refOi correntes dos genero* de importado ia
Brasil.
Algodao de Pernimboco. %' 200
Dito do Mirinhio e ParS. 200
Dito de Angola..... 160
Dito da India.................. 100
Assucar de Pernambuco b. ($ 1|B50
Dito malcarado ..... tfOO
Dito do Rio de Janeiro aa. 1*400
Dito da Baha b..... 19800
Di lo dilo uscando .... a 19300
iio do Maranhao. m. lf409
DHo do Pira bruta ... 1150
Dito de Cabo Verde..... 29200
Dito da ladia.................. 29109
Agurdente de caona co Brasil P 49p0l0
Alpista............A "O 709
Maesa* Indis. Gfla qq S96OO
ti
19
29509
19759
Arroa da Mtranbo a Paritup.
DH dito b m .......
Dito dito ardinirio.....
Dito ella iniudo.......
CaM ariie primeira sorte. .
Dilo dito segunda dila. .
Dilo dito terceira dila .
4 Dilo de boa escolte. ,
a
a

69909
3J999
H999

ae
ases



Dito d. Cabe Verde .
Hito de S. T. Prucioe.
Dito de Angola.....
Cacao do Par.....
Dito da Baha .----------
Dito de San Thoa.....
Cairo da India.................
Cera amarella de Angola .
Dita dita de Benguela .
Cravo do Marauhao......
Cravo de'Girofe .;.....-
Chifrea.......
Couros aaccoi da Rio ... .
Couros verdes do Para. .
Ditos espichados das Udbs .
Ditos ditos da Baha.....
DiloadiUa de Angola ....
Dilos salgadas do Maranhio .
Ditos ditos de Ptrnambuco .
Ditos ditos da Bahia.....
Ditos ditos de Angola ,
Ditos dilos das Ilhas
Ditos ditos moore.....,
Cominhos.........
Denles de marfun, lei.....
Dilos ditos mel........
Ditos ditos escravelho ....
Ervadooe.........,
Farinba de pao ......
Gomma copal amartilla
carnada...... .
Dita branca......
Dila ordinaria........
Dita diPBrasil........
Liiiho da ludia..............
Melaco............
Olo de copahiba......
Pimenta da India......
Salitre da India..............
Salsa parrilha superior.....
Dita dita regalar......,
Dita dita ordinaria......
Trigo estrangero ....
Tapioca Boa..........
Uruc.............
ncela de Angola e Bengue-
la superior.........
Dita do dita ordinaria ....
Dita de Cabo Verde.....
Vaquetas do Maranhao.
Dita do Para....
Dila de Pernambueo .
^.
DIA1IO DE PERNAM1UCO.
-.! ^> i-
TERgA FtlEA 21 DI ABIIL B i|S.
i
d
N
b
a
,d,

>
M.
A
>

a
*
>
. p
. D
.
.
.
. a
@
e en-
.
.

f
b

>
9
t)
A.
@
>
41800
I#t00
4J090
39300
3A100 39500
7*000 10000
S90 300
300 305
400 500
90 100
253000 800000
180
80
160
120
80
90
90
90
80
150
70
3f300
19160
900
600
39200
500
59OOO
29OOO
I92OO
19400
68000
200
90
180
140
1*0
130
120
120
100
160
100
39400
18200
I3IOO
19200
38100
600
59300
29100
19680
29OOO
9g000
Agurdenle de vinho.
Azeile doce.......
de purgueira .
Amendoa doce era milo
Banha de poreo.....
Batatas...........
Cera branca em grumo. -
Dita dila em velas. .
Ceblas..........
Centeio..........
Cevada ..........
Carne de vacca......
a de porco a
Chouricos........
Farinha de trigo. .
Milho...........
Paios...........
Presuntos........
Sal........
Trigo rijo do Reino. .
Dito moile........
Toucinho. .........
Vinho de Lisboa tiuto .
Dito dilo branco.....
Vinagre de Lisboa tinto .
Dito dito branco.....
*1

urna

-
ExporlacSo.
Ala.


n

Ib.

z>
M
A
A
$
o
309OOO 329000
409OOO 429000
120 130
109000 I29OOO
18J000 209000
129000 159000
99000109000
560 700
19200 296OO
100 J40
109000 129000
69000 99000
79500 IO950O
900 19100
19100
18400
89500
49-200
9500
2990O
49400
500
380
400
140
370
390
2SO00
19800
79OOO
495OO
2f600
3[000
Londres 90 dtd .
Pars 100 d|d. .
Genova 3 mid. .
Haroburgo 3 mid. .
Amslerdam 3 mid.
Madrid 8 div. .
Porto8d|v.....

P.

Cambio.
... 54 i/e
. 53
... 524
. 47,75
... 48.
... 930
. psr.
Melaes.
. 8J020
15*1)00
14{ 100
540
400
420
150
390
400
189000
249000
49000
109000
400
900
4O00
19800
720
780
39000
O5OOO 859000
'0-3000 859000
IO9OOO 429OOO
03000 429000
13OOO
370
B
A
llu;
@
Moio 19500
A 640
a 690
18; 100
4J190
l| 980
30
930
930
3? 530
875
7,900
89040
159200
)49200
189500
49500
29OIO
950
950
950
39550
885
89020
Pesas de 89OOO .
Oneos hespanholas .
Ditas meiicanas. .
Agotas de o oro dos Esta-
dos-Unidos ....
Soberanos (a prata). .
Ouro cerceado (a onro) .
Patacas hespanholas .
Ditas brasileiras .
Ditas mexicanas .
Vinte francos ....
Cinco trancos ....
Prata portugueza (mareo).
Fondos e acedos.
3 por cenlo da assantamento 46 a 4< 1/2
Coupons......46 a 4 1/2
Divida differida 42 a 4St 1/2
Banco de Portugal. 55890)0 a 5629000
Dito commercial do Porto 25090X1 a 2529000
Dito Mercantil do dito. 258a!) X) a 2608000
Revista commercial
Em 12 de marco 11 de abril de 1862.
Desde a nossa ultima revista al 3 preseote o
mercado tem |obtido alguma melilota- de si-
tuacao, principalmente nos genero 1 de impor-
tacao, em assucar e caf, e nos gem os de expor-
tado em vinho e azeite.
No mercado de fundos ba pouco aovimento, e
as lrnsscoes tem sido amito limtalas.
Assucar.Entraran) do Rio de Jioeiro 2 ca-
ase 6 barricas ; da Babia 81 caixai, 6 feixos e
\\ barrica; de Pernambueo 30d barricas e
W&* saceos ; do Para 364 barricas ; Jo Uaranbo
a f *,cco" e 9l b"ric" : do Aracaji 152 calas,
de Cabo Verde 136 barricas ; da Muleira 80 ac-
cos 28 barricas ; e de Londres 23 caixas e 591
aaccaa.
A posicao vantajosa em que este jenero fleava
A sabida do paquete Magdalena, teti-se susten-
ta Jo, e em algumrs qualidades elevaram-se as
cotsQoes, que aeriam mais altas se nao fora os
auppnmenios quevieramde Ioglale ra, e os que
ltimamente acabara de chegar de Pernambueo.
A existencia deste genero 6 boje le
C,5S. FSM8 G' Bancas Saccas
1280 655 607 46JI 33783
Algodo.Depeis da nossa nltime revista tie-
ram. lugar variasraosaeces, e em guraa seob-
teve melhor preco, mas em seguiJi Uveram os
possuidores de ceder a oxeos mais I aixos, prin-
-cipalmeote 00 algodo de Angola, | recoa que se
4ace*.A existencia boje de 41) saceos do
Brasil o 248 tardos dos Estados-Bali ios:
Agurdente do Brasil.Ae transe ecea effec-
tuadaa foram de pouca importancia, e os embar-
gues realizados sao de cooia propha.
A entrada foi de 0 pipas da JE hia e 33 de
Pernambueo.
Aieite.Tem continuado oa en barquea em
randa escala, e o mercado rica ba ante aeiraa-
do, nao s porque est consumido estraogeiro,
nae tambem pela eacaasez do oacioi al.
Arroz.Sem alteracio. O depniito astas
abundante para se esperar melhor ailuacao neate
enero.
Alpiata,Poucaa vendae.
Cal.Entraram no decurso dee'.i Revista 52
naces do Rio de Janeiro.905 de loat da : 1938 de
S. rfaomd ; 391 deCsbo Verde, 56; de Londres.
A cimacio deste genero tem melti< rado aucces
sivamenle, e oa aclualidade vanl. josa, tendo-
.se realiaado diversas iraosacedea eic consequen-
coiss colonias tem parlilhado don a anima^o,
por isao as cotagoes se elevara e^oa mais
ailos. A existencia pode calcular-ie a 2307
saccas do Braail e 8032 ditas das col miaa.
Cera.O abundante depoaito qu tintamos.
e os su oprmanlo* que ebegaram, 1: n feito com
que este gaaero oio mudaise de \ asicao, nao
obstante ama avultada tranaaego qu se effectuou
para reexportaco para Geoova.
- ,poil0 f64* calcular-se anda ?m cerca de
1,600 gamellas.
Cacao.Poucaa vendas.
Couros.Sem alterago. Os deif,i; ir s veis pre-
sos deram logar a effectuarem-i a algiimaf
veudas. "
A Importajao oi consideravel e c deposito
tioje astas abuodaote.
Gomma copal.Continua este geni
curado, a tem-se realizado diversa)
entre as quaes houv* urna de gm
tancia.
SlateTem-se realisado atgamaa vandaa,
e crer que eate ganoso adquira maia rmeza
nos presos em que nlo temos lido iaporlacio al-
folia.
Sal.0 mercado coaeerva-se Rime, e tense
realitado bastantes embarques para o estraogei-
ro. e mesmo para oa porto* do Brasil.
UrzelU.Poucas veoda*.
As qualidadea superiores sao pouco procuradas
e as interiores sao completamente desprexadaa.
Vioho.Tem-ae realisado bastantes embarques
pela maior parte de conti propria, e o mercado
Oca animado e sem receio de baixa.
Embar$ace$ despachadas. -
Pernambueo. Barca portugueza Lima, com
3 Pipas, 10 calxaa e 79 barra de vinho, IX pipas,
10 meies ditaa e 65 barra de vinagre, 193 barra
de azeite, 100 de cal, 945 aaccoa de trelos, 100
de milho, 79 barricas de aardiohas, 160 volumes
de legumes, 94 caixas de cera, 60 de cebolaa, 422
volumes de fructaa e drogas, 50 motos de sal e
varios volumes diverso*.
Patacho portugus MariadaGloria.com 124
pipas, 7 maiaa ditas e 249 barra de vioho, 36
pipas e 22 harria de vinagre, 150 barra de azeite.
61 de carne, 95 de toucinho, 80 de chouricos. 137
saceos de feijao. 150 de farelloa, 110 deaemeas.
130 de milho, 60 caixaa de velaa de cera, 18 vo-
lumes de obras de vime, 21 de drogas e 20 di-
versos.
Brigue portuguez Activo, com 59 pipas, 16
raeiis ditaa. 271 harria e 10 ancoretaade vioho.
56 pipas, 14 meias ditas. 14 caixaa 132 barris
de vinsgre, 8 caixaa e 265 barra de aieite, 8 pi-
pas do dito de palma. 10 barris de chouricos, 25
caixas de batatas, 77 de ceboiae. 45 fardos de
albos, 50 ancorlas de azeitonaa, 45 saccas de fa -
retios, 350 de semeas, 1 barrica de cavada, 178
caixaa de cera, 50 saccas de milho, 18 caixaa de
doce, 20 barricaa de nozo*. 33 volumea de dro-
gas e 18 diversos.
Para.Brigue portugus Tamega, com 8 meias
pipas e 55 barris de vioho, 3 pipaa, 5 meiaa ditaa
e 5 barra de vinagre, 20 barra e 4 caixolea de
azeile, 1 caixa e 25 barria de carnes, 204 molos
de sal, 40_ caixotes de cera, 1U0 Ja batata, 20 bar-
ricas e 35 saceos de legumes, 4 barricas de co-
minhos, 151 barria de cal, 50 pegas de cabos, 10
caixas, 20 meias e 80 quarloa de passas, 78 cai-
xotes de Ogos, 10 volamos com castsnhas. 50
ancorelas azeilonas, 3 barricas de carvo animal,
36 caixotea e 312 molhos de ct bolas, 22 volumes
de drogas e 8 diverso*.
Barca portugueza Fiordo Vez, com 20 cai-
xas, 1 quartoW, 187 barris e 60 ancorlas de vi.
nho, 10 barris de vinagre, 2 pipaa, 44 barria e 95
latas de azeite, 10 barria toucinho, 60 barria, a 2
caixas de chouricos, 1 caixa de linguicas, 45 de
mssaas, 2 barricas de cal, 2 de carvo animal,
100 ancorelas de azeitonaa, 85 caixaa de cera, 2
de cha, 4 de figos, 3 de emihas. 12 de*rap. 5
de doce. 54 volumea de drogas, 4 barricas de fa-
rioha, 220 liga, 10 volumea de passas, 115 molos
de sai, 500 molhos de ceblas, 150 saceos de t-
relos e 75 volumes diversos.
flarro de Lisboa.
Eotradas.
Msrgo 14.Magdalena, vapor, Sawyer, Soo-
thampton.
I7-Bearn, vapor, la No, portos do Brasil.
22Joaephina, Silva, Aracaj.
Feliz Ventura, Silva, Para.
Palmeira, Rocha, Porto. (Arribou com agua
aberta e perda da verga do traquete no dia
26.Unio, Rocbs, Para.
27.Aone Hogan, barca ingleza, Graan, Ceai.
^--ifemadure, vapor, Auber, Brdeos.
Abril 2.Tyoe, vapor, Jelicoe, portos do Brasil.
2.Luiza, Corris, Pernambueo.
3.Norma, brigue brssileiro, Abreu, Pernam-
bueo.
Bom Succeaao, Mesquita, Maranhao.
9.Bella Fgueireose, Lessa, Pernambueo.
**-tigeiro II. Vasques, Para.
12Boa F, Reis, Maranhao.
Sahidaa.
Margo 13.Amazonas, Leite Jnior, Para.
15.Luiza, Santa Anoa, Pernambueo.
* Magdalena, vapor, Savryer, porloado Bra-
31.Extremadure, vapor, Auber,
Abril l. Mara
buco.
4.Palmeira, Rocha, Par.
8.Activo, Oliveira, Paroambuco.
Eaibarcagoes 4 carga.
Pernambueo.Brigue Soberano.
Para. Briguea Tamega, Ligeiro, e Feliz Ven-
POST-SCRIPTUM.
Praga de Lisbos em 12 de abril 3 por cento de
assenlamento.
Compra 46 1|JJVenda 46 3i4.
Coa pona46 1 [4,46 3|4.
Divida differida42, 42 1(2.
Fundos eslrangeiros.
Bolsa de Madrid 11 de abril3 por cenlo din*, a
43, 50 e 43 55.
Bolsa de Pars, mesma data3 por cento fran-
ceza69, 95, 4112 dito a 98.
n." dl {"V**! mesma data.Consolidados de
94 a 94 1(8
Movimento~doaporto.
portos do Bra-
da Gloria, Valente, Pernam-
Navios entrados no dia 28.
Malaga34 dias. patacho inglez a Fanny Pal-
mer, de 210 toneladas, capito W. Bulmer,
equipagem 8, carga viuho e outroa gneros ; a
N. O. Bieber & C.
Penedo3 dias, cter nacional < Emma, de 56
toneladas, capito Francisco Goocalves Tor-
res, equipagem 7, carga oleo de ricino, milho
e arroz ; ao mesmo capito.
Navios sahidos no mesmo dia.
Valparaizobarca chilena Clara Rosala, ca-
pitao N. T. Brant, carga assucar.
Mareeille-patacho italiano < Marcelino. > capi-
to Gerard, carga assucar.
fiditaes.
Pela inapeegao da alfaodega ae faz publico
qe no da 29 do correte, porta da meama
reparligao, e depois de meio-dia, se ho de arre-
malar duas caixas da marca B, nmeros 1 e 2
contando 16 arrobas de figos seceos, valor da ar-
roba 28400 rs., total 389400; e 16 libras de o-
res, valor da arroba 39200 rs., 1600 ; vindo do
Porto no brigue portuguez Espersnca. entrado
em 5 do correte, e abandonados aoa direitoa, no
acto da conferencia do despacho, por Joo Jos
Ribeiro Guimares.
Quarta secgo da alfaodega de Pernambueo, 26
de a bul de 1862. '
O Io escripturatio,
Firmioo Jos de Oliveira.
De ordena do Illm. Sr. inspector da ihesou-
raria se faz publico que fica adiado ara o da 5
de maio prximo futuro o concurso para pre-
enchtmanto daa vagas de praticantea da mesma
tbesourana ; e aoouociado para esta dsfa
Secretaria da theeouraria de fazeaJa de Per-
nambueo em 21 de abril de 1862.
Servindo de offlcial maior, Maooel
Pinto.
Jos
Deciara^oes.
Tribunal do commereio.
Pela secretaria do tribunal do commereio de
Pernambueo ae faz publico que neata data fica
registrado o contrato aoeial de Joo Ourlno de
Aguilar e Maooel da Silva Santos
labelecidos nesta cidade aob
a
annos,
o ca-
par-
0 a ser pro-
transacgdes
ide impor-
A tencu hoje de 88 caixas,
e 1928 aacca*.
43 barricaa
1I0 que ^is-
nomi-
Gomma do Brasil.Sem alterago
sernos em nosss anterior revista.
Melaco.Os pregos podem rapatii -ss
oses pela falla de lraDsacg6er
Marfim.Pouca* veoda*.
portuguezes.es-
- a Arma Joao Quiri-
00 de Aguilar 4 C.t aquelle, gerente e responsa-
vel aolidario, e este commanditario ; devendo
mesma sociedade durar por espago de 3 ai
coatados1 do 1. de Janeiro do correte, com
pttal de 80:0009000 forceado por ambos, em
les igoaes.
Secretaria do tribunal do commereio de Per-
nambueo 25 de abril de 1862.
Julio Guimares.
Offlcial -maior.
Onselhe atjministrativf.
O conselho administrativo, para foroecimento
do arsenal de gCrr, em cumprimento ao art.
S2 do regulamento 1* H dezembro de 1852,
faz publico que foram ac*"** propoatas dos Srs.
sbsixo declarados.
Manoel Antonio de Jesaa :
Po de 4 oncas a 3*840 a arrobl.
Bolacha a 4>160 a arroba.
Joo Carlos Augusto da Silva :
Assucar refinado de segunda sorte 120 rp.
V lbra.
Caf em grlo 1 3 n. a libra.
Cb hyason a 29500 a libra.
Moteig. fraoeeza a700rs. a libra.
Arroz pilado a 140 rs. a libra.
Bacalho a 140 rs. a libra.
Caroe verde a 180 rs. a libra.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 30 rs
Farinha de mandioca a 49 o alqueire.
Feijio preto ou molatioha a 91500 o alqueire.
Azeite doce a 780 ra. a garrafa.
Vinagre a 240 ra. a garrafa.
O conselho avisa aoa mesmo Sra. foroecedo-
rea que deven dar comeco a entrega dos men-
cionados geoeros do 1* de maio prximo vin*
douro,.
Sala daa aessoes do cooaelbo administrativo
para foroecimento do araooal de guerra. 28 de
abril de 1862.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronal vogal secretario interino.
Coaselho admiaislrativo.
O conaelbo administrativo, para fornecfmenta
do araeoal de guerra, tem de comprar oa objectos
aeguintea :
Para o arnaazem do arsenal de guerra.
4 quintaos de ferro redondo de 1 li2 pollrgada
de grossura.
6 qulotaes de ferro toglez redondo de 5 quar-
to* de grossura.
3 quintaos de ferro inglez redondo de i pole-
gada de grossura.
20 toneladaa de carvo de pedra.
Quena quizar vender taes objectos aprsente
as auas propostas em carta fechada na secretada
do conselho, s 10 horaa da manha do dia 5 de
maio prximo vindouro.
Sala daa aessoes do conselho administrativo
para fornecimento do araenal de guerra. 28 de
abril de 1862. *
Antonio Gome* Leal,
Coronel presidente interino.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Capitania do Porto.
Pela capitana do Porto ae taz publico que o
aviso de 8 de fevereiro de 1849 determina que se
Imponha a malta eetaboiecida no artigo 114 do
ragulameoto aos capitaes doa navios mercantes,
que nao rettttuirem o exemplar do mesmo regu-
lamento, que houverem receido.
Capitana do Porto do Paroambuco 22 de abril
de 1862.O secretario interino,
Joao Nepomuteno Alves Macil.
Capitana do porto.
Previne-se aoa eenhorea despachantes que a
capitania do porto ae dar paase aoa navios qae
houverem de sabir, depois de ser-lhe apreseota-
do o bilbete da alfaodega, e entrega do regula-
mento que tor diatribuido pela praticagem.
Capitaoia do porto de Paroambuco 25 de abril
de 1862.O secretario interino,
Joo Nepomuceoo Alves Macil.
Hoje por eata subdelegacia foi preso o pre-
to Antonio, eacravo do alteres Almeida, com re-
finado em Fora de Portaa (diz elle), o qual foi
apprehendido com um gancho de ferro ao pesc-
lo, e ji querendo ae langar ao rio na ponte deata
povoaco, onde foi pegado : qaem ae julgar com
direito ao mesmo, comprela munido com seas
documentes, que provando Iha aera entregue.
Subdelegada doa Afogadoa 26>de abril de 1862.
0 subdelegadoMoraes
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes:
Francisco Ferreira Martina Ribeiro.
Para acompanhia decarallaria de primeira linha.
4 ps de ferro.
2 enchadaa.
Para provlmento do armazem do arsenal de
guerra.
40 varas de lona da Russia.
20 milbeiroa de laxa de bomba daa mais pe-
quenas.
10 milheiros de laxas das msiores.
Para o 10* batalho de infantaria de linha.
365 booet*.
1 par de cbarlateiras.
1 chapeo de palha.
1,825 covados de panno verda.
1,392 corados de panno azul para capoles.
23 covados de cisemirs encamada.
802covados de baeta verdeen azul.
1,365 covados de hollanda de forro.
1,460 varas de cordo preto de la.
4,157 varaa de brim branco.
2,292 varaa do algodiozlubo.
6.876 covados de algodozinho de liata para
enxergo.
182 1|2 varaa de aniagem.
5,110 bot&ea grandeade metal bronzeados.
3.285 diloa pequeos de metal broozeados.
640 parea de colchetea pretos.
Para o corpo da guaroico da Parahiba.
200 covados de panno azul.
Quem qnizer vender taea objectos aprsente aa
propostas em carta fchala, na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 30 do
correte mez.
Sala daa aessoes do coaselho administrativo
para fornecimento do araeoal da guerra. 24 de
abril de 1862.
Antonio Gomes Leal,
Coronel preaidente interino.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela suqdelegacia deate districto foi appre-
hendido no dia 25 do corrente, s 10 horaa da
ooite, um cavallo de cor ciatanho. o qual vinha
sendo conduzido pelo preto Jos Malhias Ferrei-
ra, que diz ser morador em trras do eogenho
Cachoeirioha, comarca de Santo Aotio, e que o
dito cavallo perteocente ao Joo de Hollanda
Cavalcanti, lavrador do mesmo eogenho : quem
se julgar com direito, tanto ao animal como ao
referido Ferreira, visto apresentar lodosos symp-
tomas de ser escravo, apreaente-ae documentado
neste juizo, que provado, lhe ser entregue.
Sabdelegacia dos Afogados 26 de sbril de 1862.
O subdelegadoMoraea.
Por ests sabdelegacia ae faz publico qae se
acba recolhido cadela da ciade da Areia. o
preto Flix,- eacravo do capito Benl) Jos' de
Oliveira, como foi comoauoicado pala cbefaclura
da polica da Parahiba ao Exm. Sr. Dr. ebefa de
policia deata provincia : devendo, portanto, o
dito capito comparecer neata subdelegada at-
ienta as ordene que me foram dirigidas.
Subdelegada de policia da freguezia de Santo
Aotoniodo Recite 26 de abril de 1862. 0 sub-
delegado supplente,
Maooel Antonio de Jeana Jnior.
Rio de Janeiro
0 veleiro e bom conheddo brigue nadonal
tVeloza, pretende segalr al 27 do crranle, tem
lugar apena* para 400 saecs com assucar, quem
qulzer carregar entenda-ae com os seus consil-
iarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ra da Cruz n. 1.
Lisboa e Porto.
O brigue porlaguez Esperaagaa, aegue para
ambos oa portoa, at o fim do corrente mez, por
ter parte do.carregamenlo prompto ; para o rea-
to e paasageiroa trata-ae com oa cenalgoalarios
Marques, Barros & C. largo do Ccrpo Santo n. 6.
Maranhao e Para.
Segu com maiu brevidade o hiale eSobralen-
ae>, capito Ratia : para o resto da carga trata-
ae com Caetano Cyriaco da C. M. & Irmio, no
lado do Corpo Santo n. 23.
Para Lisboa e f orto
sahe at o dia 80 do corrente a nova barca por-
tuguesa Despique II, de primeira clasae, forra-
da e cavilhada de cobre : para o resto da carga
que na falta, e passageiros. trata-ae com Ferrei-
ra & Loureiro, na travessa da Madre de Dos nu-
mero 10.-
Para a labia.
Pretenda seguir com multa brevidade o velei-
.0 ebem coohecido biate nacional Santo Ama-
ro, tem parte de seu carrvgamento prometo
rara o resto que lhe falta trata-ae com os seus
consignatarios Antonio Luiz da Oliveira Azevedo
* t",-D0.,,eB e,cr'Ptorio na ra da Cruz d. 1.
Teodo de partir amanha para o Cearfi o
vapor Comoraoiaa, receber quaeaquer volumes
de medicamentos que para alli ae deitinatem :
no largo da Assembla n. 1.
Direita n. 1*1 pelo agente Guimariea fica trans-
ferido para quando de novo fdr annoneiado.
LEILAO
DE
Urna carrosa para cavallo.
Qaarta-feira 30 do corrente.
O agsnte Guimariea 00 dia cima em seu ar-
mazem na ra do Imperador n. 37. flodo o le- ,
lio da movis vender ama carroga para cavallo I guiada lotera a beneficio
ado sem reserva de prego. fio Pernambucano,
LEILO
DE
Movis, escravos e
predios.
Segunda-feira 5 de maio
PELO AGENTE
Por mandado do Exm. Sr. Dr.juiz da direito
especial do commereio, requerimeoto doa ad-
ministradorea da massa fallida de Maooel da
Azevedo Pontea, procedar-aa-ha a leilio no dia
cima deaignado e pelaa 10 horas da manha no
sobrado o. 40, da raa da Seozala Nora
DB
Diversos movis, constando de mobilia com-
pleta de Jacaranda, marquesaa, lavatorios, com-
modas, carteiraj, armarios, jarros, candelabro
etc., etc.
i
COMPANHIA PERNAIBIJCA1M
DB
JXavegaco costeira a vapor
Macei pelas escalas.
O vapor Perainuoga, commandante Moura
aahir para oa portos do sal no dia 5 de maio
as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 3 ao meio dia. En-
commendaa. passageiros e dinheiro a frete st o
dis da aahida aa S horas: eacriptorio no forte
do Mattoa n. 1.
CWMiM
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 1 de msio espera-se doa portos do snl
o vapor francaz Eatramadure, commsndante
Auber, o qual depoia da demora do coatume se-
guir para Bordeaux, locando em S. Vicente
(onde ha um vapor em correspondencia com Go-
re) e Lisboa.
A companhia ancarrega-ae de segurar as mer-
cadorias embarcadas a bordo doa vapore, aasim
como tambera recabe dinheiro e objectos de va-
lor com destino a Londres em transito por Bor-
deaux e Boulogne,
r.r. .. onorticoea retan patsagens trata-ae
na agencia raa do Trapiche n. 9.
Leudes.
LEILO
A 30 do corrente.
O agente Oliveira far leilio por ordem e ,em
preaenca do Illm. Sr. coneul de Franca ou de seu
delegado nesta cidade, por coota o risco de
quem pertencer, de HDL n. 210, um fardo con-
tendo 49 pegas de brina de linho, avariadoa a
bordo do navio francez Occidente, capito Coin-
det. na aua recente viagem procedente do Havre
para este porto:
Quarta-feira 30
do correte, aa 11 horas da macha e i&pooto,
Avisos martimos,
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
hspera-sa dos portos do sol at o dia 29 do
corrente o vspor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de mar e guerra Gervasio Mancebo, o
qual depois ds demora do costume seguir* para
oa portes do norte.
Deade ji recebem-se passageiros e eagsja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual deve-
ri aer embarcada no dia de aua chegada, en-
commendaa e dinheiro a frete at o dia da aahi-
da as 2 horas da tarde: agencia ra da Cruz n-
1. eacriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Aza-
T600 0 C.
C01PAM1A I BUCARA
*
Navegaco costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Attu\ Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Jaguaribe, commandante Lobato,
sahlr para o* portoa do norte at a Granja no
da 7 de malo as ? horaa da tarde.
Recebe carga at o dia 6 ao maio dia. Eocom-
mendae, psssagaJTOS o dinheiro a frete at o dia
da sabida ao mel dja escripjorio no Porta do
em o armazem dos Srs. F. Souvage & CTrua da
Cruz.
UiMO.
A 30 do corrente.
O agente Oliveira fari leilio por ordem e em
preaenca do Illm Sr. cnsul de Franca ou de seu
delegado neata cidade,de um piano asado pro-
prio para quem tenha de aprender a tocar este
instrumento, ede urna ptima barrado ferro pa-
ra eacriptorio, pertencenlaa aos bens do finado
Joio Eduardo Cbardoo
Quarta-feira 30
do correte, ao meio dia em ponto, no ai
dos Srs. F. Souvage & C, na ra da Cruz do Re-
cite.
LEILAO
A 30 do corrente.
O agente Oliveira fari ieilao por conta e risco
de quem pertencer, e em presenca do Sr. conaul
doa Paizea Baixos, de 17 barria com pregoa cai-
braes, avariadoa a bordo do patacho hollandez
Groo! Zeenyk, na aua recente viagem proce-
dente de Antuerpia para este porto :
Quarta feira 30
do correte, ama hora depois do mel dia, no
lugar da arcada da alfaodega deata cidade.
LEILAO
Sexta-feira 2 de maio.
PELO AGENTE
Parte de S escravos.
DB
vi Cao* lerre* n* rua da Conceicao da Boa-
Urna dita dila na rua da Gloria o. 6.
Um* d| de um *nd" Da treasa do Carmo
ma dita de dous andarea em obra na rua do
LUrameoto n 17.
Urna dita de tres andarea na rua do Queimado
numero S.
Urna dita de dous andarea na rua da Senzala
Nova n. 40.
Duiatercaa partea de sobrado da 2 andares e
solao ns rua da Cruz o. 33.
Um sitio com caaa de vivenda, estribara a
quartoana Paasagem da Magdalena o. 46.
LEILAO
BE
Urna completa mobilia de amarello.cama a fran-
ceza de amareilo, commodaa de jacarandi e
emarello, lavatorios de mogoo e amareilo,
marquesaa, mesas para jantar, espelhos com
molduras douradaa, relogo para cima de me-
sa, cadeiraa e outros movis avulsos, eabidec,
cryalaee, jarroa de porcelaoa, apparadore
c*D<,i^0a g5x* trtDS de coainba etc., etc.
TERCA-FEIRA 28 DO CORRENTE.
Sem reserva de preo.
O agente Guimariea aatorisado por urna fa-
milia que se retira para fora do imperio fari
Ieilao no dia cima pelaa 11 horaa em cass de
saa residencia na rua Direita n. 121, primeiro
andar, ao p daigreja de Nossa Senhora do Ter-
co, doa mencionados objectos.
Pind o leilio baveri serveia.
LEILAO
DO
Hotel Fran-
cisco.
Terca-feira 29 do corrente.
j--"genU J>e8,,D atftoriMdo pelo roprieUrlo
do meamo hotel tara eliarfde todo. V mh er-
tences consistindo em mobilia de sala de Jaca-
randa, relogioa de cima de meaa de apurado
gosto, ricos jarros, toilete, camaa de Jacaranda,
apparadores, guarda loucas, mesa elstica de 2Q
peasoas a 60. marquesas, bancas, toucadores,
quadros, camaa de ierro, apparelho de loocs pa-
ra almoco, dito para jantar, guarda roupa, secre-
taria, vidro, ricas fracleiraa e muitoa maia ob-
jectoa de gosto que se acham patentes ao exame
dos compradorea: terca-feira 29 do correte pe-
las 10 horas da manhis, na rua do Trapiche n.
o onde existe o mesmo bote).
5" ?,esma occasiio vender tambem urna pre-
ta de 25 annoa de idade que cosioha alguma
couaa elava e urna mulatinha de 8 annoa.
Avisos diversos.
Quarta-feira 7 de maio prxima an-
darfio impreterv-elmente ai roda J
ultima parte da primeira e primeira da
do Gymna-
, no consistorio da
igrea de Nossa Senhora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio pelo excel-
lente plano approvado para as extrac-
c/Jes das loteras. O premio de 5:0O0#
ate os de 10$ serio pagos nene mesmo
dia da extraceao de urna hora da tarde
por diante, e os outros no dia segainte
logo que se ten ham distribuido as listas.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se a
venda na thesouraria das loteras, rua
do Crespn. 15, e as casas commis-
sionadas praca da Independencia loia
do Sr. Santos Vieira n. 22, rua Direita
n. 3 botica do Sr. Chagas, rua da Im-
peratriz loja de ferragens do Sr. Pi-
nten t el e rua da Cadeia do Recife loja do
Sr. Jos Fortunato dos Santos Porto
sendo nestas at a vespera da extraetjio
e no dia somente na respectiva thesou-
raria, at a occasiSo de andarem as
rodas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
Collegio de Bemfica
Situado na rua da Aurora edi-
ficio contiguo ao collegio
das orphaas.
Este eatabelecimento de iasiruccio a educado
nao tem ioterrompido aa auas uLcce aaa um
do fatal de agosto, porque acaba da Man
director com a perda de ana virtuosa a I
da esposa.
O collegio conliaaa em conformidad 4$>
estatutos, a recebar alamoos peocioaiata i
pendonistas e externos. ^ue,~uw.'
Contiouam como anle. aa aeguintaa sedalaa *
De enaino primarlo, que coarta da leitara'
escripia, ar.thra.lica pralica, dortria. tttetJm,
historia sagrada, grammalica nacional, hiaSort
do paz e aea topograpbia.
cl2a,iwS.8r'in,B"UCa pn,k,,0PBM J
3.a De l.tim e latinidad*.
4.a De franetz.
5.a De inglez.
6.a De philoaophia raeiooal a moral.
7." De rbetoriea e potica.
8.a De seographia a historia.
9.a De anthmetic, algebra, geoaeuia a ttsas-
nomeln.
10. Da ioirucQo oa Irea raiaea da aatonaa.
11.a D algebra superior e geometra i
INGLEZ
pra-
livro Hez Ma-
dos misionarios
Novo Mthodo para aprender lr,
a escrever e a fallar Inglez em 6 me-
zes, por H. G. Ollendorff: 1 vol. in 8-
encadernado. Vende-se na'rua do Quei-
mado, loja de fazendas, n. 8.
Jos Soares d'Azevedo, professor
de lingoa e litteratura nacional noGym-
nasio Provincial de Pernambueo, tem
aberto em sua residencia, rua Nova de
Santa Rita n. 47, as aulas de
GEOGRAPHIA E HISTORIA
LINGOA FRANGEZA
PHILOSOPHIA
ORATORIA E POTICA.
As aulas sao todos os dias uteis de tar-
de : comecam s 2 horas, e acabam s 7.
Mez de Mara a 1^.
Vende se na livraria n. 6 e 8 da
ca da Independencia o
riano, conforme o uso
capuchinhos a l$s
Precisa-se
de um perfeito forneiro, dase bom or-
denado : na padaria da rua das Cruzes
n. 32 ; na mesma padaria precisa-se
tambem de um menino de 10 a 12 an-
nos para caixeito-
Precisa-se de um bom amassador
que entregue pao com um preto : na
rua da Senzala Velha n 90.
Precisase tallar ao dono de 10
saceos de ourello que existem ba tempo
no trapiche da alandega velha : no
mesmo trapiche com o Sr. Jos de
Mattoa.
SOCIEDABE
nio Beneflcente
MitUima.
De ordem do Sr. presidente scienlifieo sos se-
nhore* ocios affectivos que domingo 4 de maio.
LeI"M bor,, d-' n",Dn". O""* "o da aa-
sembls ge ral aflm de tratar-se do artigo 12 | 3
dos novoe eststatee. *
SecreUrla da sociedsde Unio Beneflcente Ma-
rtima 28 de abril de 186i.
Baltbaaar Jos doa Reta.
.. 1." secretario
rea.., no prl^ro ^r dp^i ^ Jm via^^Mt ? TCkM' rU< "'
Neohuma deslas disciplinas etica
ment alheio a penaio das alamoos.
Mi* o deaeobo, a sica a a daos
ora tem ama d.apeza parad.
O director do collegio da Beaalca pd a to-
da as pessoss que se interestam na dacacSw da
juventude, que vliitem t>em eataK-'- --
qualquer bora do dia ou da loite, a..
docilidade todsa aa adverteacia, aaw aa
tea intendam juatas.
No dia la do correnta mez a anas
racen do poder do abata aaaigaado a
nome Franciaco, da 17 annoa da idade ana teas
bonita figura, todo oa dente, caballea
nhos e ruivos, levando chapeo da teltr a
tambem pardo, teodo sido eaaa parda
Sr. Dr. Antonio Borgea da Fonj.ca,
mir que ande por algaa doa lagares por
mesmo tenhor tem viajado, caaa aaa
rais, Goianna, Parahiba, Campia Grande
coa Nova, Alago Grande, a Ourtcury, la I va?
pret.xio de ealar aioda em sarviee aelte. wmm
que .eguuo uWimamcDlvfota iiil m ,
su : quem apprehender o dilo estrave ataia do
conduii-lo i seu legitimo dona Igaaeta Uta do
Brilo Taborda, na rua do Hoapiclo m. S. ama -
neroaamente reeompensari por esto toabalko.
Ignacio Luis da Brilo Taborda!
. "1 A lu*,-, "'o <|ne foi do Sr. Antonio Car-
los Francisco da Silva, naa Salina*, coa aais
boa cas e maitissimas fracleiraa do diva
Por mandado do Exm. 8r. Dr. jais de direito
especial do commereio, a requerimenlo doa ad-
ministradores da massa fallida de Manoel de
Azevedo Ponte, o referido agente fari leilio no
dia cima designado pelaa 10 horaa da manha
na loja n. 54 da raa da Cadeia Velba no Recife
DAS
Mercadori.s a ntencilioa existentes na mencio-
nada loja a coostsotea do inventario por copla
em podar do dito agente, que daada jl poda
, ser examinado pelos pretendentes.
Transferencia de leilo
O leilio seoancisda para anaudia. (29 do cor-
qualidades, e a'aga-se por mdica proco aea)a
condicio do inquilino aa obrigar ao boa trato-
mento e conserraco daa fructeiras : s tratar aa
rua da Cad.ia do Recife, armazem n. 62.
Attenco.
Passa-se para harmona aileSaa, cavatina
ariaa, duelos, lacertos dsa mais aedoraae ao-
ra, e doa maia acreditado autora, coao : Ver-
di, Donizetli, Bellini, Mayeaber, Webee. Merca-
daote. Potrilla. Pacuri, Pedreti.B.itist, Raaaaai o
outro. Paita-aa accommodando-ae a torea aoa
ioatrumentoa da bania para a qual so Azar a aa
commenda, aflm de que a eiec.cao sej aaawaa
boa. O cathalogo daa operas, em calo aataero
eotram aa aonunciada pela eoapanfcia Ivrlea .
e o preco de eada peca qae ae paaear ach hh'
rua do Queimado, loja de Larra A Itino a. BI
aonde se tratar. ^
S. Benedicto do convento.
Tem da sahir em praca no dia 39 ama jangada
de pescara com aeus utenciiio*. na aorta do Sr
juis de paz de S. Jote.
Arrenda-se o eogenho Amaroma da fra-
guezia de Ipojuca, moenle a corrate, ca lar-
reno para safrejar de 2,000 pies para cima, toa-
do dito engenho inuto bou terreno, o quasi a
miior parte de varze, a excelleotea matas: amasa
pretender, diriji-te saproprielari a Sr. Jeo 4a
Souz Leao, no eogenho Maraobo da ai saa
freguezia.
Joaquim Jos da Costa Pinheiro e se-
nhora aeguem oo prximo vapor para a larapa.
Persuadido, como est, de qne nada dava, leda
via faz cente a qaalquer pessoa que e alfar
seu credor que apreseut. aua conta oa praaa do
8 dias para aer iodemoisado. Recita 9 da abril
U6 100*.
O bacharel Witrovio
da ser pracurado aa
Nova o. 28,sobrado
quina que valta pa
camboad Carao.
4-1
a rna I
daaa I
ara a |
Attenco
O abaixo aaaignado aatiga
da lingas ingleza julga c
lembrar aos aeus numerosos
dos, e para que em cal
aqui apparecido alguna
ensino, niojulgnaa qaa alia eoisa do
a exercer a ana proflssia. Ella
a leccionar partlcularaeala dia
tema de Olendorff, a anal 4 in
o melhor que tea al aoja aakido
to aaim, que o asno tYhialataata .
no principie collegia da Barata aera a
de diveme liagaaa eMnagairaa, paia anal,
cido qae oa ajnalra ditorenlea <
diicipalo abrigado a lazar im _
lato ler. traduzir, aacrovar a fallar,
multo aea divida, para facilitar
coaaento. O a
da atar toanoa
laccionoa
Imana ngtc,
aa rua da Ciarla BJ.'
GooQ.
lembrar, noo iai alia o
*
<
-=



MARIO DE PKWUMiCO. UfA FttaU 1 AE ABRIL DE 1861.

.
i.
Ao pufcfliili).
O balso asaignado faz sclento i qaem pon*
inlerseaar que durante a aua am sucia deala el-
dade flc o Sr. Henrique Vogele." con baalante
procdraclo p tratar dM ten n ocioe. Netle
eatabelecimesrfo se continuar Mi gar pianos, fa-
zer oa eoocettoa doa mssroot coi) i> mema as-
mero e promptide reeonheaiil i codo sampre
prvido dos aelhoree pianoi doi maia afamad**
fabncaotee da Europa e eipara <;i alinear mere-
cer a meama confiaoca.
Joao Podro Vogelejr.
Desejaodo-se fallar con o Si Joaquim Can-
dido Forreira, e nao se podando lii eos Remedios,
roga-ie que, quaado vler ao Red a, se digne de
apparecer na roa da Aurora o. 71.
Precisa-ae de umi ama de I ile para ama-
mentar urna crlanga de 2 mezee : a pessoa que
eiver netla circamstancia, dirij -se i roa daa
Cinco Pootaa, no depotito n. 140, defronte da es-
taglo da via-ferrea, que achara did quem pona
tratar.
Precisa-ae de ama ama di) leita : na na
Direila aobrado n. 131.
Arrenda-te o enger li > Arimbi si-
to na freguezia de Ipojuc a 10 leguas
distante do Recife, e urna da parte do
embarque com urna machina milito
maneira movida por anima es, boa casa
de vi venda, enea ixa ment, casa de pur-
gar, casa deengenho, dita decaldeiras,
duas boas senzalas, tudo ero muito bom
estado, tem bastante trra:; para sane-
jar 1,500 pies annualmc ite, todos os
partidos sao muito perto (o engenho,
tem bom cercado, o que pe de ser apte-
ciado por quem quizer rer Vende-se a
safra que se esta' criando e tambem al-
gn bois e animaet de roda : quem qui-
zer ver dirija-se ao dito es genbo onde
podera* iazer negocio com t pro prieta-
ra.
Precisa-se
alugar am bom cozinheiro, pref i s-ae escravo : a
tratar na ra do Amorim o. 85.
Offeroce-s* para criado de < ni um homem
por poueo ordenado : quem o pro ender, dirija-ae
i ra daa Florea n. 14.
Arreada-ao o engenho Lirx< eirinho, aito na
freguezia da Escada, beirada o rio Ipojaca,
moente e correle com aoimaes: quem o pre-
tender, dirija-ae a travesa do Queimado n. 1,
ou ao referido eogeoho.
Aluguel.
Aluga-aeoprimeiro andar do obrado da ra
estrella do Rosario que volts para a ra daa Trin-
cheiraa, com com modos para familia : na ra do
Livramenlo n. 31, primeiro anda .
O actual potaaidor do depitilo da ra da
Sania Gru n. 2, pretende dlapoi- Jelle : quem se
julgar com direito ao mesrao dop silo entenda-ae
com o proprietario da padaria di ra da Soled*
de o. 13, e iaao deotro do praao < e 3 diaa.
Furlaram no dia 24- do crtenle urna cabra
bicho, toda preta, com falta de e bollos no meio
do etpiohaco, tendo 3 filhos, machos a 1 fe-
mea : quem a levar na ra da Iuperatriz n. 19,
ser gratificado.
Precisase de um cozioh a ro : na roa dot
Pescadores ni. 1 e 3, padaria ; | tga-ae bem.
Lines.
de francez, inglez, grammatica e malyse da lio-
gua portugueza e arithmetica. Da a ot que se de-
dicam ao commercio, das 6 i i liona da noi-
te : a fallar na ra do Cabog n. 3, segundo
andar.
Precisa-se alugar urna
preta e sera va, perita engom-
madeira, para urna casa es
traogeira: a tratar na ra da
Cadeia, n. 37.
O aenhorea devedore 3 loja de cal-
cado do Sr. Joaquina Percira Arantes,
sao convidados a mandar satisfazer as
importancias de suas conl as ate o dia
10 de maio, so procurador bastante do
mesmo Sr. Arantes, que reira de Brito, ra do B ngel n. 52,
sendo que depois desse dia, elle procu-
rador as chamar a juizo, propondo as
respectivas accSes a que deseja evitar.
ama p ira cozinhar: na
Aviso
Manoel Marque* de Gonveia, aatorisado eom
proeurago baalante da ten pai o coronel Joao
Jos de Gouveia, para regare administrar os ne-
i* mesas te- ocioe de aua caaa commercial, pede aoa deve-
dorea ala meama cara que veoham quanto antes
ialdsr teaa dabitM.'pot* aa ataim nao Ozerem no
praao da 30 diaa, serio aotreguea todaa aa dividaa
aem eicepcao alguma a um procurador para asar
doa meiot jadiases. Recife 84 de abril de 1862.
Toma-se 4.000| a juros sobre hypolheca de
am aobrad* de multo maior valor, e que rende
l:0C3$ aonual, poden do-se pagar os juros men-
talmente, ou em qualquer prato estipulado : a
tratar oa ra do Hospicio n. 13, oa na ra da
Inperatriz o. 80.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Mendes Guimares, que mo:
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista
nesta typograpbia.
GABINETE PORTUGUEZ
mm
.1CM
Precias-ae de urna
ra Nova n. 16.
Silvino Guilherme de Barres compra eacra-
vos de amboa os sexos : na ra do Imperador n.
79, primeiro andar.
AtteilyaO
Jos Rodrigues Sordos, teodo e admiltir como
socio em aeu estabelecimento i a roa do Brum
deata cidade a Mtrlioho Lopes los Reis, julga
nada dever a pessoa alguma ; pe rm se com la-
do alguem se julgar aeu credo r, queira quanto
antea apreseotar-te ao anouoci mte munido de
aeaa ttulos para incontinente sin pago.
Precisi-se fallar ao Sr. Jos (uim doa Santos
Braga, natural do Gear, a oenoi lo de seu inte-
rsse : na cidade de Olioda, nc convenio de S.
Francisco.
Precist-se do orna ama p ra casa de fami-
lia, preferindo-se escrava : a tratar na ra daa
Laraogeiraa n. 21.
Precisa-ae de urna sala ou casa terrea para
escriptorio. sendo na freguezia de Santo Antonio:
a tratar na roa dat Laraogeiras :i. 21.
Um oo(o que sabe latim, francez, iogiez,
rhetorica, arithmetica e portugu is, por nao poder
continuar com seus estados poi Ihe faltarem oa
meios, se oflerece para eosinar qualquer dealea
preparatorios ou todos, em el(um engenho ou
villa, mediante urna paga. Ten tambem habili-
tsedes para escriplurago e a iiili sujeita-ae por
pouca paga por tergosio : a tratar na ra larga
do Rosario n. 44, terceiro andar
DE
LEITUMA.
Por ordem da directora convido todoa os se-
nhoret socios accionistas qae se acham em atraso
de mentalidades, a porem-se quanto antea em
da eom a caixi do eatabelecimento; e previno
aquellos que devem mais de um trimestre que,
em conformidade com o disposto no art. 22 dos
estatutot, Ihet fleam deade hoje suspensas as re-
galas de que traa o 6 do art. 12 (usar doa 11-
vros, peridicos, mappas, ate., do Gabinete, na
forma do regulamento interno e disposicoei da
directora) ; e quelles, cujo debito de menaali-
dadea lem j absorvido a importancia da respec-
tiva accan, que, se at o dia 5 de maio vindouro
impreterivelmentenao houverem pago o que
devem, perdero a qualidade de accionistas, em
virtude do disposto no citado art. 2*2 doa esta-
tutos anda vigentes, cujo theor o aegainle :
< Art. 22. O socio accionista que dorante os
primeiroa 60 diaa do trimestre nao tlver feito o
pagamento de que trata o 2. do artigo 13 (sa-
tisfazer promptamente caiza do Gabinete a
qaaoiia de 39 por trimeatre adlantado, e aa mal-
tas que legalmente Ibes forem impostas), ser
avisado pela directora e espirado at ao com-
plemento do trimeatre, nodo o qual, senao satia-
flzer, perder as regalas do 6.* art. 12 em-
quanto o nio Ozer, e r.ao o fazendo ir-se-bo ac-
comulando aa menaalidades que dever, at que
a importancia dealas abaorva a da accao ou ac-
?6es que potsuir, perdendo elle neate caso a qua-
lidade da^cciooittaa ; e aa acedes ssaim amorti-
tadaa sero novamente vendidas, passaodo-se ou-
traa com a neceaaaria resalva.
Secretaria do Gabinete Portugaez de Leilura am
Peroambuco 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1.* secretario.
Gabinete porlnguez de
Leilura.
Por ordem da directora convido os hsrdeiros
dos socios accioniatas fallecidos, e abaizo desig-
nados,* habilitarem-ae competentemente para po-
derem transferir, ou tomar a si as acedes daquel-
es finados socios, em harmona com as disposi-
edes do art. 26 doa estatutos.
Socips fallecidos os Srs :
Anloolo Jos da Cunha.
Antonio Moreira da Silva.
Domingos Antonio de Souza Brito.
Joo Joaquim Gorreia.
Joao Jos de Lima.
Joao da Silva Critpitno.
Joaquim Ferreira Rotachild.
Jos Pedro de Alcntara Lopes.
Manoel Jos Rodrigues Pereirs.
Secretaria de Gabinete Portugaez de Leilura
em Peroambuco aoa 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1.* secretario.
Precisa-ae de um caizeiro que techa prati-
ca de taberna e que di fiador a aua coodncta : na
ra Direila dos Afogados o. 13.
Aluga-ee a grande casa e eic.lltfite sitio,
^*o tai. rUiflUtd r>. W.bel, no F050 ttn Panil-
la, com cocheira, estribiria para cavalloa e vac-
cas, cozinha fora e muilos quarlos para (eilores e
escravot, em aumma esta grande casa tem com-
modos,os maia confortsveis para urna familia por
maior que ella aoja: a tratar na ra da Cadeia
do Recife, armazem n.62.
Aluga-seo aillo n. 1 da Cruz de Almas, em
o qual reside actualmente o Sr. Samuel Power
Johoaton : a tratar na ra da Aurora o. 36.
Arrenda-se o engenho S. Gsapar, sito na
freguezia de Seriobem, com partidos de varzeas
mui lavradiis, de grande ferlilldade, todas i roda
da moenda, pingue cercado, matas e manguea, e
embarque na potla : a tratar na roa do Hospicio
numero 17.
Aluga se o segundo andar da casa da ra
da Senzala Velba n. 76 : a tratar na ras da Cruz
n. 51, terceiro andar.
Pede-se ao autor do annuncio publicado no
Jornal do Recife n. 111 de 23 do correte, de
declarar em que estabelecimeolo se veodeu a re-
talho bacalho a 500 rs. a libra, afirn de que to-
doa que vendem a retalho este genero nao fiquem
expoalos a odiosidade publica.
Casas para alugar.
Segundo andar da casa o. 12 da ra Do Encan-
tamento, loja n. 33 da ra do Vigario, com ar-
msc&o para taberna : a tratar na roa da Cadeia
do Recife n. 33.
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
urna caaa de pouca familia : na praca do Corpo
Santo n. 17.
O abaixo asaignado manda para a Europa as
iuas tres fllbss, Landalina de Albuquerone O'Con-
nel Jersey, Philomens Mioervina de Alouquerque
O Connal Jersey, com 8 aanos, e Olindlna de Al-
buquerquB O'Connel Jersey com 6 anuos, acom-
panbadaa da ama criada portugueza da aomt
Anna Julia Vieira.
Antonio liara O'Cooneli Jersey.
Precisa-se alugar um eacravo proprio para
todo oserico ; a pessoa que o liver, dirija-se a
ra doa Guararapea n 28.
Jos Femandea Ferreira cordialmenle agra-
dece a todos os seus amigos qne se dignaram scom-
panbar ao cemlterio publico o cadver de sen fl-
lho, o pede desculpa se por eaquecimento deixon
de convidar a alguna de-seos amigos.
Precisa-ae do ama ama para casa de tres
peasoas: na rus do Hospicio n. 62.
Precisa-sede am preto ou preta para car-
regar fazandas ; na ra do Hospicio n. 62.
Precisa-ae alugar um preto para o aervi;o
de urna casa da peqaena familia : na ra do A-
morim o. 33, segando andar, das 9 As 3 horas do
dia, onna Capaogs, ra das Crioulas a. 45.
Ama.
Na ra eslreita do Rosario n. 18, segundo an-
dar, precisa-se de urna ama.
Precisa-se de urna ama livre oa escrava
para todo o aervico de casa de pouca familia ; na
ra daa Cruzas n. 22.
Aluga-se urna das melhores casas para ta-
berna ou para ootro qnalqaer negocio, na ra do
Rangel n. 6 ; a tratar na ra dos Pescadores ni.
1 e 3, padaria.
Preciaa-ae de am caixeiro com pralica de ta-
berna para lomar coota de ama por balando, dan-
do fiador a aua conducta, nao se olha a dar bom
ordenado ; a tratar na ra da Santa Cruz n. 9.
|Precisa-se de 3009 premio sobra bypotheca
em urna casa de chios proprios : quem tiver v
a ra daa Crazes n. 1 para tratar,
Preciaa-se de urna ama forra oa escrava :
oa ra do Cabag n. 18, sobrado, entrada pelo
pateo da matriz.
Joo Caetano de Hagalbaes vai para o ter-
tio a cobranzas, deixando o seo caixeiro encar-
regado de seus negocios.
Precisa-se de ama criada para eogommar e
coser, eurna ama para cozinhar: na ra do Quei-
mado n. 10.
C orup^as.
Compram-se garrafas vaalaa qua teoham
sido servidss de vinho do Porto ou serveja bran-
ca a 39 o cenlo : na ra Direila o. 106.
Compram-se dous escravos mocos de habi-
lidades, agradando paga-ao bem : na ra daa Cru
zes o. 22.
Venda.
Convite.
Francisco Jos Corris Guimires previne aos
seus credores que s reonio ptrs que os convi-
deu, deve ler lugar no dia 29 d corre ale i 10
horas da maoha, no aeu estsbtlecimento n. 127
da ra Direita deata cidade.
fiu abaixo asaignado fago a lienta ao respei-
tavel corpo do commercio que teoho dissolvido
amigavelmenle a sociedade que liaba com Fran-
cisco de Paula Mendes, na padar.a da ra da Ma-
triz n. 26, desde o dia 16 do con ente mez, e que
gyrava aob a firma de Carvalha i. Mendes, flean-
do a cargo do aocio Mendes a liquidaclo de lodo
o activo e passivo de dita socie 1, de, e eu livre de
toda a respooatbilidade para c n_ a extincta fir-
ma, de eommum atcordo com operadores.
Recife 26 de abril de 1862.
Jote da Silvf Carvalho.
Na travesea da ra das Cruzes n
2, p.iiuieiro andar, tinge se para todas
as cores com presteza e com rao do preco.
Atten*?o.
No domingo 20 do correte, furlaram de casa
de Mauoel Teixeira Basto, oa Passagem da tfag-
dileoa, am relogio de ouro do systema moderno
de dar corda por cima aem auxilio de chave, foi
furtado juntameate com urna cadeia de ouro,
cunteodo urna chave quebrada. O prejudica-
do nao ae recorda do nomedo autor, e o numero
do relogio e* 7851, e por isso apenas comsig-
naes, pode indicar ser de bella appareocia, des-
coberto, e com um vidro bem saliente em gros-
surs. A quem quer que o deacobrir se gratifi-
car generosamente.
Toda attenco.
Moleq
Na raa da lmperatriz o. 47,
m molaque para alugar.
u.e.
i rceiro andar, ha
Amas.
Qaem precisar de dase amat portuguezas, di-
rija-te a raa do Brum n. 74, en cata de Joaquim
Corris de Rezeode Reg.
Precita-ae de um enferme ro para
gecho diatante deata praca 5 lepas : na
Cruzo. 11.
um
ra
.D-
ttencao.
Na raa Nova o. 61, casa de isite, fornece-se
coudas para fora, e em casa, p ir eommodos pre-
go* ; aasim como a bella mi i a vacea aos do-
mingos, das 3 horas da manbi por diaote, lado
com muito aaseio. x
i- Urna casa etlrangeira pn asa da isst ama
eatrangeira cu bratileira, qae eje perita eozi-
nhaira ; a tratar DO lrg do Ccrpo Ssato o, 27.
1
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao res-
peitavel publico, principalmente a todos os seas
freguezes e amigos, que se mudou da loja da
aguia de ouro da rus da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem coohecida e soliga loja
de miudezaa que foi do fallecido Joto Ceg, hoje
ser coohecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aoa seus freguetes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimeolo,
onde acharao um grande sortimenlo de miudezas,
queaffisoca servir bem e vender por menos dez
oa viote por ceato, do que em outra qualquer
parle.
Attenco.
*
O abaixo aasigoado perdeu oa noite do dia 27
do correte, do Cachsogi ao armazem do sal, e
dahi at a ponte da Boa-vista, a qaaotia de tres
conloa de ris em urna carleira de marroquim ro-
xo, em ootas, tres de 5009, urna dellaa com a
firma de Ferreira de Oliveira no verso, e o maia
em nota de menores valorea. A pettoa que achou
dita quanlia, queira apparecer na ra do Quei-
mado n. 34, loja dos Srs. Larra & Irino. que
ser gratificado com a quanlia de 5009.
Jos Ferreira de Oliveira.
Pede-se a autoridade competente que laoca
sais vistss para urna casa de taboaa existente em
Santo Amaro, dentro da um quintal, onde diaria-
mente ae commelte toda a especie de immorali-
dades em detrimento das familias honestas qne
alli residem, ss qaaes nem mesmo podem ter a
liberdade de chegar a auaa janellaa, pois eslao
expostas a presenciar aa innocentes accoia das
mesaalioas que habllam aquello foco de immora-
lidale*.
Aluga-i osotlo da casa da raa da Viracio
I, 27 : para ver e tratar a qualquer hora.
Pbijip Frita Neodbam vai tu porto: do i,
Lasa320 rs.
Vendem-se modernissimas Uazinhas com pal-
mas a 320 ra. o corado: na ra da lmperatriz n.
60, loja do Pavao.
O Pavo vende a A$.
Pecas de cambraiaa de corinhos braocos e de
todaa as cores teodo 8 1 [i varas a 4* : na raa da
lmperatriz o. 60, loja do Pavo.
O Pavo vende
cortes de cambraia muito fina eom dona babados
e duas saias sendo delicadamente bordados a
4$, ditos sendo todos adamascados a 4j>, cortea
de phaolaaia tazenda finissima a 6g, ditoa a 49500
e 5# : na ra da lmperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo de Gama & Silva.
Panno preto.
Vende-se panno preto muito encorpado a
1|600, 19800 e 29, e dito cor de cal: na ra da
lmperatriz n. 60, loja do Pavao.
Chales do Pavo.
Vendem-se chales de merino estampados mui-
to grandes a 39, ditojde cassa adamascada a 800
rt.: na rus da ImaSMariz o. 60, toja e armazem
do Pavao.e^. israwiK.___.. -
WH%tots e calcas.
Vendem-se paletolt de panno preto fino a 69,
caigas de casemira preta a 49500, paleta de faney
de cores a 69, caigas de dito a 39500 : oa ra da
lmperatriz o. 60, loja do Pavao.
As seroulas do Pavo.
Vendem-se seroulas de lioho fraocezaa a 29 o
par ou a 249 duzia: na ra da lmperatriz o.
60, loja de Gama & Silva.
CHILES.
Grande pechincha na loja do
Pavo
Vendem-se os mais ricos chelea com pona re-
donda e borllas tendo as barras a imitago de
pelucia e assetioadssimitando aa capinhas mais
modernaa pelo baratissimo prego de 48500, ditos
de 4 pontas a 49500, ditoa a Garibaldina aendo
muito grandea a 59: na ra da lmperatriz n.
60, loja do Pavo de Gama & Silva.
Manteletes de fil.
Vendem-te os mais modernos manteletes de
fil preto com modelo de capas chegados pelo
ultimo vapor: na ra da lmperatriz n. 60, loja
do Pavao de Gama & Silva.
Espartilhos inglezes a 3#500.
Vendem-se espartilhoa inglezes que sao oa me-
lhores, pelo diminato prego de 39500 cada um :
na ra da lmperatriz n. 60, loja do Pavo, de Ga-
ma & Silva.
Saias bordadas a 2$500.
Veodem-te saias bordadas muito bonitas a
18500 cada urna : na ra da lmperatriz n. 60,
loja do Pavo, de Gama & Silva.
Bales do Pavo.
Vendem-ae bales de bramante francez com
arcoa, aendo aa melhorea armages, pelo diminu-
to prego de 39 a 3J5O0: na ra da lmperatriz n.
60, loja do Pavo, de Gama 4 Silva."
Saias com arcos de lioho.
Vendem-se as acreditadas saias com arcos de
linho que fazem aa vezea de blo a 3f200 e a ig
cada um, eatas scias s ha oa loja do Pavo, ra
da lmperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
Silva.
Brilhaatna americana.
Vende-se brilhantina americana com lindsi-
mas cores, sendo fazeoda ioteiramente nova e
moderna de 4 e meio palmos de largura a 400 rs.
o covado: na ra da lmperatriz o. 60, loja e ar-
mazem de Gama & Silva.
Para meninos a 4$5G0
Vendem-se vestidinhos de seda para meninas,
muito bem enfeitados, pelo diminuto preco de
4500 cada_um : na ra da lmperatriz n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhsa com golliohaa e manguitos de cam-
braia bordados, fazenda muito moderoittima_a
59000.
Ditas de fusilo com salpicos de cor a 39OOO.
Golliahaa bordadaa com bolozinhos a I9OOO.
Ditas ditaa de gostos a 640 e 800 rs.
Ditas com manguitos de cambraia bordados a
1$600.
Manguitos de cambraia fina bordados a I9OOO.
Golliohaa bordadas a 240 rs.
Romeiras de cambraia enfeitadas para lato a
3S000.
Camizinhaa para senhoraa bem enfeitadas a 3$.
Lencinhoa de lioho com labyrintho para mi
a 29500.
Ditos a imitago do labyrintho a 19 e a 19280.
Luvaa de torgal eofeitadaa de vidrilho a 50o e
e 640 rs.
Eoleites pretos com vidrilhos a 89OOO.
Ricos eufeitea a turca e. Garibaldl a 58500.
Diloa muito bonitos a 29500 e a 39500. .
De tudo do-se as amostras Qcsndo peshor: na
loja do Pavao. rus d lmperatriz n. 60, da Gama
Silva.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
Ra larga do Rosario numero 36.
La de cores sortidas, libra a 69400.
Clchales com duas car reiras a 60 rs.
Ditoa de ums a 40 e 60 rs.
Agalbas frsncazaa curtas e compridas a 60 rs.
Ditas cantoras a 120.
Peotet da matsa para alar cabello a 500 rs.
Ditoa de dita idem (dourados) a I9MO.
Carreteis de retroz de cores a 320.
Escoras para cabello maito boas a 800 e 19.
Cartas de alflnetes a 80, 100. 120 e 140 ra.
Eacovas para unhas maito boaa a 320 e 500 rs.
Franjas pretas com vidrilho a 320 e 400 rs.
Trancas pretas com dito a 240.
Bicos pretos muito bous a 180, 240, 320 a 400
ris.
Carreteis de lioha a 30, 60 e 80 rs.
Eofeites de retrae com franja a 59300.
Meias para senhora (duzia) a 2*500.
Ditas eruas para homem a 29400 e 39.
Tesouraa ordinarias a 80 rs.
Franjea de la estreitas (pega) a 900 rs.
Ssbonetes de bola fios a 640.
Frascos de diversos chiros a 320.
Linha de Pedro Va 30 rs.
Boloes psra caaaveqne a 20, 30 e 40 rs.
sp Paulo Gordeiro (verdadeiro) a 19<00.
Dito gaase grosso e meio grossp a I96OO.
Dito dito fino a 1J280,
seEoutras muitss mais miudezss que com a pre-
tenga dos boas fregaezes se vender4o baratas.
Marmelada.
Vende-te marmelada superior fabricada pelo
primeiro fabricante de Lisboa, em latas de duas
libras por I92OO, e de urna libra por 700 rs.: na
raa da Senzala Nova o. 30,
[Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Cassas francezas de bonitos gostos a
320 ra. o covado, luvaa de trogal pretaa
e da seda a 500 ra. o par, chitas fraoce-
zaa largas escuras a 240 ra. o covado,
ditas finas a 260 e 280 rs., fil de lioho
lito a 640 rt. a vara, tarlatana fina de
todas as cores a 800 rs. a vara, lengoa
braneoa com barra do cor a 19400 a du-
zia e ISO rs. cada am, meiss para ho-
mem a lglOO .duzia a 120.rs. o par,
chitas para coberta de bonitos dese-
nhos a 220 rs. o covado, pegas de bro-
tan ha de rolo a 29, ditaa de cambraia liaa
com 6 1|2 varaa a 39, musselina encar-
nada a 240 rs. o covsdo, calcinhaa para
meninaa de escola a 19 o par, peitos
pata ctmisa brancos e de cores a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 39500, algodo entestado o melhor
a 700 rs. a vara, dito braceo para toa-
lhas a If a vara, eofeites doa mais mo-
deraos a garibaldi a 69. loja est aber-
ra at as 9 horas da noite.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Muito liodas caixiohea e eabazes para meninas,
de 100 ris st 29500: os loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Enfeites para senhora.
Oa melborta enfeites pretot o de cores que ap-
parece a 59500, 69 e 65500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75..
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricot sorlmentos de franjas pretas e de cores
com vidrilho e sem elle : na loja da Victoria, na
ra do Queimado o. 75.
inhasde peso verda-
deras.
Linhas finas de
grandes a 240 ris :
do Queimado o. 75.
peso verdadeiras. meadaa
oa loja da Victoria, oa ra
Milhoefarello.
Vendem-s saceos eom milho ace*nov,
libra a a 5| por aacco, farol la a 3|.V 0
da Madre de Deoaa. 1*.
tt I3S
ba roa
Phosphoros de seguranza
Pbosphoros de seguranga, por que llvra de in-
cendio, a 160 rea a caiza : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75. *
Baleias para vestidos.
Baleias muito grandes e boas a 160 ris urna :
na loja da Victoria, na roa do Queimado n. 75.-
Linha de croxe para la-
byrintho
As melhores linhas de crozel para labyrintho,
no ve los monstros a 320 ris um : na loia da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Attenco
Vende-se um relogio grande patente,
de repetirlo e bom regulador, tem cor-
da para 8 das : na ra Direita n. 82
das 6 horas da manba as 10 do dia e
das 4 da tarde em diante.
Vende se um cabriolet muito mo-
derno e forrado de noro, com arreios,
por preco commodo : na ra do Hospi-
cio n. 07.
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
porgo de ricos espelhos de varios tamaohos para
ornamentos de salas, afliangando-se serem os
melhores em vidroa que tem vindo : oa loja da
Victoria, oa ra do Queimado o. 75.
La para bordar,
La maito boa de todas n cores para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, oa roa do Quei-
mado o. 75.
Sntos dourados para se-
nhoras.
Liodos sintos dourados pira seohoras a S920O,
ditos de ponte cahida a 49, ditos de fita a 1)600:
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linhas do gaz,
Caixinhas com 50 novellos de linhas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a csiza, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ris, brancas epretas: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Gandieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candiairos de gaz que tem vindo ao mercado, por
pregos eommodos : na loja da Victoria, na raa
do Queimado o. 75.
GELO.
No deposito deronte do tbeatro
do Apollo n. 31, vende te g^o a *. a
arroba e 2f5L0 meia arroba libra*
a 160 rs.
4os fabricantes de velas.
O enligo deposito da cera da earaaaba tea
em pao e em velas, eslaewlacid* na lanas m km-
aembla n. 9, madott-se para a raa da Madre ata
Dos n. 28, qaaai defroote da igraja, anda ce*l>-
oa a baver um completo tavtiaaealo aajtiaaa)
gneros, qae ae vcedenpor precoa razaevau.
Vndete am meia da sala : ajaeza ara-
tender, procera a casa t. 12 da raa ata Canctkta
do bairro da Boa-vista.
Cabriolet
Vendase um cabriolet aaa bom eataeta : tus
Cinco Pontas, cocheira d fronte da estaca o nn-
mero 142.
Venda-te oleo de ricino a 800 rs. s garra-
fa : ao largo do Carmo, etqaiaa da raa da Har-
tas o. 2.
Vendem-te 8 vaeeaa boaa leileirse, tanda a
paridaa a 4 aolteiraa, a am boi afuma* da carra-
ca, grande o gordo, eaaa a twanjaaaejnjtta carraca
$asai nova, bem construida ; a tratar aa enera-
zilhada de Bellem com Andrd Alves Gasas.
Aljfar fino imitando perola.
Veode-te a 500 rs. o fio da aljfar loo. ins-
tando perola : na ra do Queimado, laja 'tf aa
branca o. 16.
Attenco.
Lapie.
Vende-se um atlaa de Lapie com 50 cartas, e
as obraa completas de Bocage e de Garret, e o'u-
tros : ns raa doCabeg n. 10,
Vende-se um etersvo pardo, oficial de cha-
ruleiro, de boa figura, de idade 18 aonos, proprio
para pagem : na ra da lmperatriz n.77.
Vende-se ama casa terrea na raa da Matriz
da Boa-Vista ; qaem a pretender dirija-se a roa
da lmperatriz n. 19.
Queijosdoserto.
Vendem-ae qoeijoe doaerlo a 800 rs. a libra :
na roa da lmperatriz n. 88, defronte da matriz,
esquina da do Hospicio.
Na rna ds Aurora n. 44, vende-se urna ez-
eellente machina de lavar roupa. chegada ha
pouco de Londres, propria para um collegio ou
pouca familia.
Sardinhas.
Vende-se sardioha nova : no armazem do An-
nes ao peda alfandega, por prego razoavel.
Vendem-se 12 cadeiraa de pi d'oleo com
pouco aso : na ra Nova n. 16.
Vende-se ou arrenda-ae ama grande pro-
pridade muito perto da praga, com grande ota-
ria de dous foroos, capella, urna boa casa do vi-
venda, diversas casas habitadas, dous graodes
vivelros, muitas arvorea de fructo, incluzive di-
versos coqueiros : a tratar com o Dr. Souza Reis
ou com o major Belarmino do Reg Barros nes-
ta cidade, oa na Magdalena.
Vende-se centoe triota arrobas de gesso em
p6, por preco barato: na ra da Cadeia do Re-
cife d. 43.
Botinas
para senhoraa, as mais bonitas e bem enfeitadas,
tanto pretas como de setim hranco, chegadas to-
das pelo ultimo vapor francez : na ra Nova n.
7, loja do vapor.
Novo sorlimento de l'a-
zendas baratissimas,
NA
Loja do Pavo ra da lmpera-
triz numero 60.
DE
G\MA & SUVA.
Vendem-se as seguales fazendas por procos
baratissimos afim de apurar dinheiro : capas
suissas a imitago de sedas de quadrinhos sen-
do de todas aa cores e cores muito "fizas a 200
rs. o covado, brilhantinas de quadrinhos muito
encorpadaa para veatidos de senhora e roupaa
para meninos sendo muito maia larga que chita
a 200 rt. o covado, gorgaro de linho fazeoda
muito nova para vestidos a 280 rs. o covado,
muttelina branca com 4 1|2 palmoa de largura a
200 ra. o covado, grande e varitdo sorlimento
de csssaa para vestidos tendo os padroes moder-
nsimos e ts coret lisas a 280. 300 e 320 rs.| o
covado, chitas francezas de cOres fizas escuras e
alegres a 240, 260, 280. 100 e 320 rs. o covado,
chilaa inglesas s 140,160 e 200 rs. o covado,
cortes de cassa tendo 7 1|2 varas cada am a
29400 rs., cortea da organdya com barras tendo
12 varas cada corle a 59, cortea de bareges com
2covadot a 59, ditos com as salsa eitas a 59,
laziohaa de corea a 280 ra. o covado, de todas
estaa fazendaa do-se as amostras deixando o
peohor na loja e armazem do Pavo, de Gama &
Silva, na raa da lmperatriz o. 60.
Madapolodo Pavo.
Veodem-se floiiiimas pecas da madapolo com
24 jardea a 49500. 498OO, 59, 5f500 e 69, ditaa
(raneazas eofeitadaa com 14 jardas a 39 : na raa
da lmperatriz n. 60, loja do Pavo dt Gama &
Silva.
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & MEGO
Na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Milita-
res n. 47.
Dm grande a variado sortlmento de
roupaa Teitas, calgadoa a fazendaa e todoa
estes aa vendem por pregoa mnito modi-
fleadoa como da seu costame.sssim como
sejam sobrecasacos da superiores panooa
a caaacoa feitoa pelo a ltimos figuriooa a
269,289, 309 a a 359, paletots dos masmos
pannos preto a 16|, 181, 209 e a 249,
ditoa de cate mira de edr mesclado e da
oovoa padrdea a 149,169, 189,209 e 249,
ditoa taceos das mesmas casemiras de co-
res a 99,109,129 a a 149, ditospretos pe-
lo diminuto prego de 89, 109, e 12J, Jilos
de sarja de seda a sobrocasacadoa a 129,
ditoa de merino de cordo a. U}, ditoa
da merino chinez de apurado gosto a 159,
ditos da alpaca preta a 79, 89, 99 a a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palha da
seda fazenda muito auperior a 49500, di-
toa da brim pardo o de fuato a 39500, 49
a a 495OO, ditoa de fuato branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta a da cores a 79, 89, 95 e a 10, ditaa
pardas a 39 a a49, ditas dabrlm decores
finaaa2|500, 39, 39500 a a 4|, ditas da
brim brancos finas a 49500, 5f, 59500 o a
69, ditaa da brim lona a 59 a a 61, colletes
de gorgaro preto e de corea a SJ a a 61,
ditos de casemira da cor a pretos a 4 $500
a a 59, ditoa defusto branco e do brim
a 39 a a 39500, ditos da brim lona a 41,
ditos de merino para lato a 49 a a 49500,
caigas de merino para luto a 4 500 e a 5f,
capaa da borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhoa: calgaa de casemira
prefa e de cor a 5|, 69 e a 79, ditaa ditaa
da brim a 2|, 39 e a 39500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6f a a 7, ditos
da cor a 69 a a 7f, ditoa de alpaca a(39,
sobrecaaatos do panno preto a 129 a a
14, ditoa da alpaca preta a 59, boneta
para menino de todaa aaqaalidades, ca-
misas para meninos da todoa os tamanhos,
meioaricoa vestidos de cambraia feitoa
Eara meninas da 5 a 8 annoa com cinco
abados lisos a 89 e a 12J, ditos de gorga-
ro da cor a de la a 59 a a 69, ditos da
brim a 39, ditos do cambraiaricamente
bordados para baptiaados.e maltas outraa
fazendaa e roupaa taitas qaa deizam da
ser mencionadaa pela sua grande quanti-
dade ; assim como receba-te toda a qual-
quer tocommeoda da roupaa para aa
mandar manufacturar a que para asta fim
tamoa um completo sorlimento datasen-
daa de gosto e ama grande oficina da al-
faiata dirigida por am hbil mostr qaa
pala suapromptid eperfeico nadadei-j
xa a desajar.
Largo do Terco
numero 23.
O proprietario desle estabeieciment de mo-
lhados est resolvido a vender oa gneros muito
maia baratos do qae em outra qualquer parte,
afiangando se a boa qualidade, manteiga Ingleza
a 800 e 900 rs. a libra, dita franceza da safra no-
va a 680. a da valha a 640, banha da porco refi-
nada a 400 rs. a libra, batatas muito novaa a 140
a libra, em gigo faz-te abatimeoto, toucioho de
Lisboa muito nove a 240 a 280, queijos do vspoi
a 29700, da navio a 29400, cerveja das melhores
marcea a 500 ra. a garrafa ; aasim como se ven-
dem oatros muitos gneros perleocentea a mo-
lhsdos, assim como caf, arros, velas da esper-
msceta e carneaba, e finalmente te vendem ba-
ratissimos no acreditado torrador no largo do
Tare/) d. 23. -
Na loja de ferragena da raa da Imparatm a.
44, de Jote Vietor da Silva PiatenUl, (orara vt*>-
didoa os seguales premios da lotera ao Gyatoa-
sio que corren no dis 10 da correte,um meio b-
lhele dt sorte grande, a oatroailo ata ima-.ed.au.
assim como da loteria da Nasaretb aja* correas
25 deate mesmo mez um moto tilhele da sorte
grande, um dito da de 4009, a maia premio.
Pentes de tartaru-
ga para tranca.
Na loja da raa do Creapa a 4. ieHo psra a pea-
le do Recife, ha para vender por atacado on a
retalho muito boos pentes de tartaruga para lraa>-
ga, sortidos, e de gosto moderno, par prego ra-
zoavel.
Vendem-ae 12 cadeiraa de pao d'oleo cass
poeco uto : na ra Nova o. 16.
Escrava para vender.
Vende-te urna prtta que cozinha a engoman
na raa da Cadeia do Recife o. 33.
Vende-se nma mulata maca carpalenla
de boa figura, con algamaa habilidades a o ta-
ma para qnalquer servico, nevase para engtobi
ou para vender oa ra : a tratar na rna Nova s.
67, segundo andar.
Loja do beija-flor da roa do Queimado
numero 63.
Vendem-se luvaa de pellica de Jouvio brancas
e pretas para senhora e homem, ebegadaa pe"
ultimo paqaete.
Loja do beja-lor da na do
Queimado n. 63.
Vendem-se franjas a traoges, filas da veiludo
preto para a quareama, maia modernas qaa ha m->
mercado, e maia barato qua em ouira queque,:
parte.
Loja do beija-flor da na uo
Queimado n. 63.
Vendem-se fscas llosa, cabo da balanco da 2
botes a 6{800, ditas psra doc a 52800. ditas da
um boto a 6|200, ditaa para doce a5Sj200, ditaa
pretaa cravadas a 3|600, ditaa braocaa s 39490,
ditas rolicat a 39 a duzia.
Loja do beija flor da rna do
Queimado n. 63.
Vendem-se grvalas pretas da se ti a a 19, dilee
estreitas a 19, ditas a 800 ra.. peanas da ac ata
langa, 500, a 720, ditaa de mozoha a 800 1.
Ra da Senzaila Nova n. 42.
Vende-se em rasa da S. P. Jonaston A C
sellins e silbos inglozos, raodietros e castraos
bromeados, lonas inglesas, lo do vals, chiclos
para carros e montara, arreios pon carros ata
um s dous cavallcs, e relogios de onro paune-
inglas.
Aos senhores consumidores
de gaz.
Nos armazent do caes do Ramos as. 18 c 3, -
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, ae ven-
de gaz liquido americano, pnmrira ajaalidade-, a
recentemente chegado. a 14/a lata de 5 galdes,
assim como.latas de 10 e de 5 garrafas, a cas nar-
rafas.
Cabriolet e cavallo.
Vende-se um ezcelleote estrile! casa todos ao
seus arreios, maito forte e qaati novo, a am bo-
nito cavallo rugo do mesmo, aem achaques, o
que se aflanga, sendo este animal a taelbnr ata
cabriolet que eiiate netla cidsda: aa sai basta
de Thomas Jos dos Reis, sa p ata praca ata ca-
pia), junto dt casa do Dr. Sabino.
A banha fina,
em copos grandes, chegou para a laja d'agau
branes, ra do Queimado n. 10.
Sementes
de Hamburgo.
De hortalica e flores.
Vindaa pelo ultimo vapor Ingles : na rna ata Ca-
deia do Recife loja da Vidal Bastos.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Nos armazane do das do Rameo na. 18 a 30 o
na rna do Trapicho Novo (ao lecif) o. 8, so
vende gaz liqaido americano prisaeira qualida-
de e recentemente ebegado a 149 tata do cinco
gallet, assim como ae vendem latas ata cinco
garrafas a em garrafas.
meias moendas.
ferro batido e
Moendas <
Taixas de
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fund
ci de D. W. Bouman.
Vendc-ae na comarca de Hazartth ama
da uipa, alta oaa terrra de Tamatsnanc,
a o liga loja da funlleiro, propria
pessoa qae qaizer continuar eom a i
do por estar mnito afregueaoo caen
genbos, livre e detembsragada : a
Siztr comprar, dirija-se a roo
, loja o. 30, qne echar coca onosn atetar.
Vende-te a caaa a. 25 da roa ata atas
da Boa-Vista, qaem e pretender dirija-ee a
ma roa n. 50 oa a travesea daa Craso n. 4
Velee ie cerneaba a 11 f a arrobo:
oa malla Moda n. 48, sobcaata.
a
spr
I


ua*4 nmmmmatm tmnm
e
ARM4ZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
largo da Peulia
netoi que
faraDtiado
.fllmiw? ***"' ,"1""" '""*< *. n, .m Un lu
S*S **"*" iso "" """m '
yj mls superior que hs no aereado a 2*800 2*500. a libra.
, i imitando a porola, tela sua sup.rlorid.de a 3*000, 2*600 a libra.
a p?e unlco 0| d0) n(M ?ue navio a 2*500 ****** ne,, IM" vapor a 2*800, ditoi chegados no ultimo
QuftiUs \ondrVmo8 ,. _
faz .batimento; d* bom nesle 8enero ,000' a lbra e m Por?5 "
J r o mala superior qu9 tem yindo a este metcado a ,q,, Ub
Presunto aglez paira fiambre
cao ae fara .batimento U* .rito novo a (0 rs. libra, em por-
Cesteletas iastazas nrn ,
p t W Proprlas para fiambre a 800 ra. a libra e em porcao a 700 ra.
I oprior qualidade a 480 ra. a libra eloteiro, 440 r.
* am?mPoS0S SS? ,M P6d9 h>T" Pr "pt. toda hora If libre, o
ToxLcinh* 4o reino.
rl.n.n.UknMAs 'ouitonoToa280ri. a libra, e em barril de 3 arrobaa 7*000.
mento. ** a 640 ra. a libra, em porcao se (at abali-
Latas com euouri ;as,
mercado a 2*000 cada una. J ProaiPlas Pa se comer viadas a primeira vez a este
B aulia de pareo refinada
Wr, ..l J 1 ^" 11 com 10 libras por 4*500 cada urna.
Ban.ua de noven mnil ,
alar melada mperiei i, t A
.. 800 ra. a .ib?., e e po'ilS'fi, b^to0'1'0' m'll0, I-^11 *ti,bM
Latas eom tartas d > doce em calda
ceg, alpexe. o ging,, a (00 rs. cada lata em 8ejS P6"' *">' pe-
Marmelada de alpe xe
m. M DUi 191 ua a hdi
Latas com ameadoau coneitadas
candi, muito proprio pa a mimo,
Boee da casca da gi iaba
Hoce se. eco e emcaVLa -
23500 cada orna. '8 aifferenl" qolidades. em latas de 4 e 5 por
Fund^So d*4urora
Neste vasto estebeleet ment ten, 8epre p'rom-
pto por preco. malle en oM., moendia e mol a o
moenda. por toios os sytetaaa, t.x.s, t.ofcde
ferro batido como fundido, masbioaa para dtver-
aoa mUterea, e todos oa pertencea para eogeohos.
fsteiMs para aUarengea. b.rce?ae ou #mr" quer erabarcaS8o pequea, f.mgena per. qual-
qafr ombercsean, tanto de Telf ebmoTrapor.
etc., etc. *
Lindas braecas de Me-
reates taannos e quali-
dades.
A le) da gete branca seaba de recabar sos
eneommenda de linda, e bem vestidas booew.
francesas de 3 a 2 1,2 palmos de ellnn, a qeees
na rerd.de Tiersm tao perCeiUs e bem arreois-
d.s m queaa as rir lofallivelmeiite deaeja com-
pra-laa, porque um.s alea da formo.ura tem
belloa cabellos cachadoa, outraa bonitos cha-
poiinhoa a Garibaldi etc.. etc., e todas em fim
ss odispeosaveis s.iss balo ; aesirn como rees-
beu igualmente oetro bello sortimento de bone-
caa de choro Unto de mas., como de eere sendo
estes de olhos moredifos a de differetttet lma-
nnos at 3 palmos. Agora peis a nolhor oe-
c.siao de qu.lquer pesaoa mimosear ama meni-
na qeeseja sus fllhs, psrenta oa coohscide. di-
rifindo-se pnmeiro (manido de dinheiro) aloja
da aguiabraoca ru do Queimado n. W, aflm de
comprar ama desi.s booecaa ou outra aualcraer
coaaa de agrado. ^ *
Bandos ou creseentes de
cabellos humanos.
Bandos de dina muito grandes e bem
eitos.
A loja d'.guia branca avisa a todaa as sen hora.
que baviam mandado procurar e encommendar
aa.ea neceaaaroa creseentec de cabellos humano
(e meamoaa que de novo preci.aroml que ellaa
acabam de chegar, tio bem arraoiadoa como jua
lamente.edesejava aendo o aortmeoto de pre-
to., c.aiaobos etc. o muito bem tecidos nos pe-
quenoa pentea queservem psrs prender, tr.xen-
do ao mesmo lempo enchimento, do que resalta
que urna senhora com um par desses creseentes
pode martvilhosamente fater o amarradilho de
sea cabello sem que deixe perceber s falta qu
delles senta, custa cada par 5* ; tambam ha
para anjos.
Vendem-sasa*TOda Searula Nora '. 30. cal-
.JS2!.--,W ?'" walhodo. recommeS-
daveia para os anjos de prodsslo.
Relogtos
do Vi|tno b. 3, um bailo sortiaento de
lologlos de ooro. patn ingM> do um doo miis
ftmaJos fabricantes di Liverpoolf tamben
MM variadada do bonitos irancellin, ptrt .
Polassa da Russia,
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. 4-
bandea de dina mui grandea a bem feitos o me- R''?* de.,ltto uperiores a 40 e
em latas do S lbra por 1*200 cada urna.
con ten do msis confeitoa
proprio pa a mimo, a 2*000 cada urna.
assacar
muito flao s 800 rs. e em porcio se faz abatimeoto.
diffenntos
Cariosa con bollo fi ancez propriog
P&fcsas em eaxittbA le 8 libras
480 rs. a librs.
trigos 4a cmmedre
oor 1500 dita. rnm o m VI n07V em c,iXsde 8 IibrM Pr *tf00. d C0I> *
libra. bem enfeitaoa Por 900rs. cada urna eTretslbo a 320 rs.
para mimo a 560 ra.
muito novas por 2$500 e a retalho a
Ervilbas raneezas o portuguesas e
i. ---- ~ ---- O "* >wvau 1C11U1 V UiO"
mor que em t.I genero se pode dsr e vendem-se
a S* o par, ludo iaeo na bem conhecid. loia do
sguia branca ra do Queimado n. 16.
Milho de superior quali-
dade saceos grandes a
5^600.
Vende-se no srmazem de Nune 4 Irmio. ra
L!2f D,8 n- 5> che8a<> ulmamente do
Ro de Janeiro. ,
h7nT.e~de;8e .D! ******* de Ipojuca o enge-
nho Dlsmante, todo bem montado, com caaa de
viveoda, aenzala, olaria. distil.cio, estribara,
nasa para lavr.dores, tudo de lijlo o cal, m.
d agua e muito bom de produc-So, com terraa
para dar mala de 3.000 pes annuamente. com
torras ainds por deseabrirem mataa : quem nre-
tender comprar, pode diriglr-ae so mesmo enge-
nho tratar com o proprietao. ou noRecife com
o lllm.Sr. commendador Lemos Jnior.
aJZ So"ha11 Mellors 4 c, tendo recebido or-
tSL TrlS "T cre,id0 deposito de rslo-
gios visto o fabricante ter-se retirado do nego-
; convida, portento, is pessoas que quizerem
luir um bom reoslo de ourn n nr.i. a .&.
sem segundo
rt'i!..l?,.do,Q',ein,a',on'M ,0J de miodetss
fodrl Grd2desda,P*DD" "" -c#d*,od" "-
"SS! "Dh*q'" *********** M**
Caisas) de agulhas frsncetaa a
Cateas com alMnetes matto fiaos a
n"sem ,pp"'lb0 Dm 'or me-
Dilaa ditos grandea a
B.r.lhos portuguezes a 12* a
brou do botoes pequeooa para calca a
Tesourss para unhas muito fln.s a
SSU^******* ""ito a-perlore. a
o"?* ,rWM*M* P*'* ^"ote muito fi-
Agulheiroa com sgulhsa- fraoeota* a
caivetes de apara? peonas de 1 folba a
jS*B*J***9* f* '* com 10 vara *
pA-A!"00.* a%,la" d# u,da ores a
mee de sapatoa de tranca de lae a
Csrtaa de alfinetea francezea a
D?Sd" fl d' EK0C* ***** flQa a
uilaa ditaabrancaa groasaa a
Kacovaa para limpar deotea muito finas a
M.aaoa com auperiore grampee a
n?i? *??* ****** daalgum defeito
MENOS DEZ POR CEHT0
NOS ARMAZBRS
PROGRESSISTA
iW@
DE
36
DUARTE C.
ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
9
Os proprieurips desia. TwedffiT CMr"
500
190
110
80
S40
500
200
130
400
400
3*0
80
80
200
800
1|*80
100
320
100
200
40
20
60
100
80
40
80
1*000
160
120
120
a 5 >0 ra.
sra latas de 1 libra, por 640 rs.
mito novas a 320 rs. a libra.
ditas em meiss latas
M&eade tomate em talll de. bra por8(
meiidoas de casca aiolc m
Woxes a 120 braf e g^, a arrobi
A.melx9is traueexas
m lal" com 3 llb" Por 2*800, ditas com 1 1 por 1*500.
A.mixas partusuez is. ,)(l Mk
s^l* i i_ 320 "* a ,lbra e em caixa se l5rS bstmento.
r. no colate nesnuliol .= A ,
aflaos.-se a boqualidacl i **"' d,' '""" ,S20 dil ******** a 800 rs. a libra,
V& ___a> v
na de soda em latas com differentes qulidades, a 1J440 rs.
arlac: s para sr/na i,
Palitose deutee "" -*-- .""r-aj.
^*i osa "' m'h0S 'm maciQho, por 20 e S80 m,l flno.
merejas en frascos coml eljS 1bra por 800 rs>
ll51 t rr" S'" 5?t,ara"1 20 Cflda um- em DOrcao "> batimento
ttoVnxiobi\ nsleza
C imm D0Va merc,<, a320 a llbra em barria 4*500
% para engommar, smUi alva .100 rs. libra e em s.cca se faz abatimeoto.
B -lXe Oi mUlm M" d" m'h0r6 li'vuerjnasetfc
5 *ii ni r :ioeo e,ei'veIa por llbra *760 em "'"a 740 "
sarainnas de Nanle8 em U,M maUo oot>j a m n
1 de superior qualidade a 120 rs. a libra e em barra com 3 arrobas por 75.
de (I.Oferentes marcas e o mais superior que ha a 800 rs. s garrafa
do duque do Porto e de outns mutas marcas acreditadas
rs. s garrafa e em caixa a 12*000 rs.
I e 4*500.
Axelte docereflDad0
e em caixa a 9g.
Vinlios engarrafado j
neste mercado a 1*800
SftlW-J Prl0' F gUera ^,ba M0 agarrafa e em canaoa 8*500. *
rt, e,% d,s ," aediladas nares a 5* ra. a duzia, a em garrafa a 500 rs.
^uamiiasBe A
C^ marcas m 1S suPeriores qae ha no mercado a 15* e 32I00O rs. o glgo
Coguae ingle, ,osooo,,.. e.,, laoo g(ir^
ueacba ie HaUaat a ,,,
Tmaras do Egy m 2 7 "' ""e'""'
ar.___ "6*0 rs. a libra a em caixiobas com 9 a 10 libras por 5
Ge^ebra inglexa. 10| m r,, dMia., retalho a 1OOO a raf|>
^lUtM4g. 2*500 ssgrozs.
a "fiaodo em potes grande. a!i)0 r,. cada aB, em porco so farbatimento.
^ botgjfa ?.Ue.8HbPr.dee S,:.Dr^bGa.8ener0 M ?T "">*>
ment11 de Frana fl ma; Q0" ^ mercado a 280 rs. a librs, em porcao se faz aba-
* muito novo e alvo a 320 is. a libra.
* do reino das marcas I SS e galega a 140 rs. a llbra.
do Maranho alva e cheiroi! a 160 rs. a libra e em arroba a 4*800.
__ *8 ecas muito nov s 160 rs. a libra.
\ elas
de carnauba reaadas a 4< 10 rs. a libra e em arroba a 12*000.
*ei e d0C9 de LUboa a 720 rs gMraUf 4fiina m ^ bM qualdade
nagre d, LUb0,, l40ri % jrrafat % en ^^ a ^^^
?* cher *600 a arrfa e em calxi se f.zabatimento.
,00b.fd%DC4jloo/" ,UPed0r qUe merCad0 prPio Pa" a "O rs. garrafa em
ci
pos.uir um bom ralogib de'ouro Oo'pu do c-
Lfb|?,n.HbriCante Komb^ ProvelUr-ae da op-
porlunid.de sem perda de tempo, para vir aom-
B^USJSSS preso no Mu e,er,ptori0
Argolaa de &go para chaves
vend.m-ae 200, 240, 320. 400 e 500 ris, na ru
Jo Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-ae na ra do Quetmado loja d'acuti branca
n. te, onde se achara completo sortimento.
Existem.
NaruaNovaloiafrancezan.lt, para vender
muito barato urna bonita eideirinha e um ele-
gante palanquim : as pessoas qae preciaarsm de
qualquer delles nao podem achar melhor occa-
siao para comprarem bom e barato.
Borseguins ingtezes.
Na ra ds Imperatriz n. 10. defroat da bone-
?a, loja do Piolo, receben pelo ullimo vapor um
grande .ortimento doa j bem acreditados borse-
guins oglezes, que vende por 10$ e 11$ a diohei-
ro logo contado.
Para liquidar.
Cagalo muito em conta
Na loja do Pinto, ra da Imper.triz n. 10. de*
fronte da boneca, acaba de cbeg.r um completo
sortimento de calcado dos melhores fabricante,
de Pars e Nanles: botinss de Melles, de bezerro
e cordavao, tanto desolla grosss, como de sol,
una, botinas para senboras e meninas, assim co-
mo um grande sortimento de borseguins ingleses
que se vende por menos do que em ontraaual-
quer parte, e todo o mais calcado ; a dinbeiro
avitiO.
RnotS", Uad0 **JS* muit0 Periores a
Bufiadores para vestidos de senhors com 4
C.ixas com colxetes francezea a
Cartas de eloetes de ferro a
Charuteraa muito fioaa a
Tioteir.s de vidro com tinta a
Ditos do barro com tinta auperior a
Arela preta a asul muito fina a libra a
d.pv.naVa reme,a de labyrinlho para veo-
.1* 1pM0' 'orno lenbo tr.oc.a da
Muita attenco.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n. 40, vende se roupas feita*
de toda as qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com
prar porque pechincha.
Algodo da Baha.
Proprio para roupa de escravos e saceos de as-
rWnLlw6"86 5' 'nau d.a Crui Kriplorio
de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C
os nwmm*mm^^Z^I-9m*amtia ********* 9"**b*mmi ss
os meftores *^toTqZL7!Z*^ld* Europ*' ****** ****
para os ecolberom, T JJ1fl Z T" """^ *** *****
r^^l^r^ s tac r
farf .bstimonfe >*""" 'mM* ***!**.
Cha hvsson *a 'nu" 700 *> m mi mWM
Cha huximl^TT*00^0'"'^^
rul ti n,nil8uperior'Bd0'ttimtin********* -I..MI
hJZL\Z*~ -d0 Ri'' ***** f* mm. m
QHeijos do reino c]Mgtios
navio a 2*400 cada um.
Oneljca sirissos. Mi,Mperior.ntU ^.^ m ^ ^^
Pai,^ePctecTse''ri"D0'M,M,-d' ''*'
Latas com lins-uicast* "f^^wiawaiassai
vez ao nosso tno^adoT+St*** **"- **+***>*****
Peixe eoa atSdedivert0|U
ta^t^roM,,0S9 ttMRK
neste ultimo vapor a 29800 o doa i
19*

|^#-# mmm&mm*
| Roupa feita muito
barata.
W Sobrecasacos de panno proto multo fl-
flft no. paletotsde dito, psletou de casemi-
-g. ra de cOr, ditos pretos, ditos de fusto
I ditos de ganga de cores, ditos de brim
S urHCia^V branc08A. C* do casemira
sn Peen a de coro., *n. _br.mo o
decores, ditas de gangas, colletes de
velludo preto e de cores." ditos de gor-
* gurao, ditos de fustio.dltos de brim bran-
co, camisas de linho, ditas de algodo
branca e de corea, seroulaa de lioho
ditas de algodo, chapeos deso de seda
nglezes os melhores em tamsnho e qua-
lidade, Ldo ae vende por barato preco a
dinheiroavista, na loja daa 6 portaa ra
do Queimado emfrente do Lvramenlo
esl aberta at as 9 horas da noite.
Borseguios.
tllXJ*!*******. D-1. ldj do Pinto, ven-
aem-se pelo baralissimo preco:
Borseguins de lustre para horneen a 8*
uitos de bezerro para homem a 8.
uilos de cordavao para homem a 8*.
quidarre8le PreS *6 a,Dh8ro vista pira ,li-
Charutosda Havana.
Vendem-se charutos da Havana d-
supenor qualidade em casa de N. O-
Bieber & C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de meta, praleado.
Em casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores, vendem-se apparelhos completos
para almoco, porta licores, garlos, fa
cas, colherespaiache sopa, galhetei-
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem conbecido metal, pela sua boa
qualtdaieeduracao: na ra da Cruz
n. 4.
Novo sortimento de cascarri -
lhas de seda.
o iiia 5J2?1 b.nDH* acaba do recebar um novo
silo sortimento de cascarrlhas da seda de
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
n. 42.
A boa fama
venda gollinhas e punhos com botoes para senho-
ra. fazeoda muilo boa. pelo bsralia.imo preco de
2* : na ra do Queimado n. 35, loia de miedo-
sas da, boa fama.
Relojoaria superior i
Ra Nova22
por
a 700 e 8tO
abauosoato.
s. a libra.
I Acaba de chegar pelo ultimo vapor
i fraocez um sortimento de relogios de
ooro de todas a qualidades e urna por-
cao de relogioa de prata douradoa pa-
tentes suisaos muito bem doarados e de
qualidade os msis superiores que tem
vtndo a esta praca, affaoca-se por um
auno, e muitos ostros objectos como
magena muito ricas, linternas para
carros, chicotea para carros e cabrioiet,
velas, espelhos doursdos, instrumentos
de musid de todis as qualidades, ocu-
los e lunetas para todas as vistas, dia-
mante para cortar vidros etc., vendem-
se todos os objectos muito em conta.
core, e vende-se 1*500
na ra do Queimado loja
multas a differentes
a 2*508 ris s peca,
d'aguia branca n. 18.
. ~I Veodl'" a ,oJa.de n,D<>"sda ra do Ca-
bug n. 2 B, com todas as fszendasou parte del-
las. ou mesmo a armaco : a tratar oa mesma.
para piano. I
can. a
ca-
Ha chegado I ra Nova- n. 22 um
grande soriimeoto de pecas de msica
para piano intituladas Joven Pernsmbi-
cana polka, estrada de ferro de Per-
nambaco quadrilha, hymno nacional do
Brasil com acompanhamento de piano
e o fanersl de S. M. o Sr. Dora Pedro
V reide Portugal.
al essro
Por boje dei fim so meu rep: torio at a chegada do primeiro vaoor vindo da Eurn. nai^lK-n *.****"!* "m bam bonUo o""0 do c"a-
Novos e lindos
enfeites par vestidos pretos
e de cores, e roupinhaa de
criancas.
Em spropriado tempo receben a loja d'aguia
branca um bello e completo sortimento de enlej-
es de seda psra vestidos pretos e decores, e rou-
pinhaa de criancaa, aendo trancas e bordadoa de
novoa e lindos desenhos, o difficeis tecidos, com
os qaaes pode-se com gosto e modernssimo en-
tintar qnalqaer vestido ou roapinho de crianca.
Ao passo que ditos enfeites a todos gerslmeote
agradam, a coromodidade dos precos snims ao
comprador, e eata verdadeser verificada por to-
dos que as dirigrem dita loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 16, cujos precos esto mar-
cados as amostras, as quaes se darSo com pe-
nrrores. r
Luvas de pellica
Brancas e de corea para homem e senhora. che-
gadaa ltimamente por 2J500 ra. o par : na loja
do viado na ra Nova n.8.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Vende-se o engenbo Carob. na comares
de boisane, distante da mesma cidsde duas le-
goas, dividido do terreno do eogenho Poco, com
matas, aguas boas e correles, e com canoas de
lavradores 4 moer nests safra de 62, comoaca-
bou de moer nesta paseada de 61: quem preten-
der, dirija-ae a cid.do de Goianna aos Srs. la-
vares & rmeos, ou ao engeoho M a rotos ao mes -
mo propriet.no. que tratar do negocio comino-
dementa cotuo (or possjivel.
rauito novo a tSO rs. a libra o 92500 a
tamos para 240 rs. libra e 6*500 a arroba *"*
tSanna de poico i
M ^,^I a em U,*.s com 10 i,brM Pr o 480 a libra,
rmela (la mneraf j. j
mei. e 2 libra, a 750 rs fibfa """"t"* ***'m *" **
Latas com frutas em calda oomau-
, ameiws a giDj8, 700 rs. a lata. ,,m ^ ^ i'mme9' *****-
Vlarmelada de Alnerre ^ ...
v Aipci CCemlaus de 2 libras por 1*000 cada ama
Doce da casca da "oaha ~ .
Ti^P VlAUA ,700rs. e em podri se fari aUtma
JLf oces seceos de dnflMI1U58 quandades em b6ealu n,uil0 hm ttrutim,
i assas em caxinhas de 8 Hbrli .2*ooe6oors.. h^
Flg0S. to .JSKte- *" 8
fcrvilhas francezas e portuguesas a64o 720 .. uu.
nam* de tomate m ltlagde t ,ibrra t800rs.
Amendoas da casca mole Bulto n0VM, 40o rs., i,br..
rfOZeS muito novas a 200 rs. a libra. >
Ameixas franeezisera uu. tmtm pordyoM.aitooa .libra.
^tl COlate hespanhl 200, francosa lOOOoportoga.BOOr.. .lv.
OOI< Xilina d SOda em latas com differentes qualidades a 1*400 a lata.
MaggaS para Sopa macarroeulharima240rs,ahbraaaeaiia
^IXlOlias muio bem enfeitada com pevide, rodinha, estrellinh, tte.
rjailtOS 1IX U10S psra deatag 6m molhos com 20 saaeinhos a 200 rs.
e rejas em frascos de ilbril e mea 1700 rg
AyOlO f ranC.eZ para limpar facis a 180 rs. e era por$io se lar
fispermacete su per ior M avaria a 740 em caixa a 700
^ardinhas de Nantes muto novas a 400 o eoo rs.
AlpiSta muito nova a 180 rs. a libra e 5*500 arroba.
AZeite doce refinado de diverjas marcas a 800 rs. a garrafa e 9D000 a duzia.
t '.' 1 Cll 111 lia nglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra a 49200 a barrica.
varOma muito aiva a loo rs. a libra e 2*500 arroba.
v 1 n 11 OS engarrafados duque do Porto, g entuno. Porto fino, raadeira seeca, Carcavdlo?, bsjc-
tar, feiteria, velho secco, Muscatel a 1*200 a garrafa o 129000 a duzia.
JJI l l 8 em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa a de 4*000 a 4*500 a
nada.
*3erV.-jaS das mais acreditadas marcas a 600 rs. a garra/a e 55000 a duzia.
tull mpaine das mareas mais acreditadas que h do mercado a l4|)e 20> o
UOg'liaC ngler, a 10*000 a caixa e 1*000 a garrafa.
Ginebra d3 Hollailda verdadeira a 7*500 a frasqaeira o 800 rs. o fj
fiZclia II c: S em ancoretas as melhores que ha no mercado a 2* o a 400 rs. a garrafa.
I raC|UeS superiores em caiunhis a 10* e a 3?0 rs* a carta.
Pi. lltvS do gaz a 2*500 a groza e 240 rs. a duzia de caixas.
^M1 reUnauO em pacotes de mais de urna libra a 240 rs. a em porcao ters abatirse
uflte CIO 110 o melhor que ha no mercado a 320 rs. a libra e 9*000 a arroba.
Sevadinha de Franca a mais nova do mercado a 840 rs. a libra.
^ag"U muito novo a 320 a libra.
Farinha do Maranho miuto aiva nova a eo rs. a libra e aaoo a..
roba.
Velas de carnauba e de composi^ao a400. eiii
a arroba.
Vinagre puro de Lisboa ,240 rs. agarrafa I a 1800 a caada.
Gl'O de bCO muito novo a 200 rs. a libra.
PeraS SeCCaS eiU calXllhaSdeoitolibrasa2500 8a640rs. alibra.
lvlarraA(|UnO vardadeiro deura, de limone, caf, menta, genepro
curacu, rosa sublime e outras qualidades de 1*500 a 2* a garrafa.
Kat utas em gigos de urna arroba por 1*000 o 40 rs. a libra.
I^OmnnoS os mais novos do mercado a 800 rs. a libra
Erva doce muio nova a 400 rs. a Kbr.
ArrOS COUI toque doavariaemsa(*os&5arrobasa5a
a arroba.
l^narUtOS verdadeiros superiores a 2* a eaixinha de 50.
Salmn em latas Com duas lbni o mais bem arraniado qaa
eado a 1*400.
IWantega eill latas Com 4 libras a melhor do mnade (aerado
3*200 cada urna.
T 111 agre em garrfoes com 5 garrafas do superior qualidade a 1*20*.
Arar Ufa verdadeira muito nova a 820 a libra.
Alm destes gneros encontrar 6 respeitavel publico em nostos
sormeniQ de tudo tendente a molbados.
ca-

lo.
mandol'aoBara,
ael
ti
loa viada ao naer
um

-

MI


Utlld DI n&MUUJQJ XCMQA Hlft M DI IttUL DB Ult
f
1

*
Airo da

coso toqua-j* rali* I hkm i f
?l liaH i ok, lambe g I;ii i cota batatas
1|: Mt irawu Progroaaivo Progreniata
no Lar* tediMiuli aaadu Croes d. 34.
Oh que pe chin-
cha!!!
Vendem-ae palitos licuados li Ih.eados, finos, .
para denles, doiu missos com-41) moasiohos p*c de encommenda com a maior brevida
4QBm. : na ra da Imperatriz, loja da Arara eeo j^^ apm.0 ^ arte.
^Motlia.
Na ra da Gamboa do Carino loja n.
12, veade-se toda a qualidade de mohi-
lia tanto ao gosto moderno orno anti
ga, phantbasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-je toda a qualidade de obra
I1
Grand?
liquidacao por todo
pre$o, na bt-m co-
n h ecida I oj a d o S er-
tanejo.
[Ra da Queimadi n. 4S.
Barato que admira.
Chitas escuras aai a 160, 180 e 200
ti., cortes da vestido pritos :>ordadoa a
?Hado pelo baratissimo prer.i de 85
658, ditos adamascado! a 509 e 369. sabi-
das de baile da reliado e aeti a a la e
10, camisas pira senbora a ty e a 49,
gollinhas e manguitos a 2S5(D, 33500 a
48500. gollinhas de cambraia cordadas a
720, 800, tj, 1S200 e 12500 n ., ditas de
fll bordsdss a 240 rs., casave uea de fus-
lio a 6, 7$ a 8J, meiaa de i eda brancas
a pretas para seobora a 1880: o par, ti-
ras de babados a 800 e 19, li.de qaadro
eofestadas a 360 e 400 rs. o ci vado, cam-
braia preta a 440 e 480rs. a "ira, orgao-
dys de cores a 680 rs. a var. fil brac-
eo adamascado para corlinadi i a vesti-
dos a 480 e 540 rs. a vara, ce tes da eol-
lete de casemira bordados prj os a 39 e
38500, ditos de velludo de cor e pretas a
49, 59,69 e 79, paletota de I rim braoco
franeezes a 49 a 49500, ditos de casemi-
ra de cores e pretot a 169 e 39, ditos de
alpaca preta e de cores a l 500, 49 e
48500 e 59, camisas da peito le linho a
29500 e 39, cortea de collete le gorgaro
de aeda a 18800 e 28, 22500, i ;J e 49. col-
letes fettos da brim brinco i 29 e 28500,
_ ditosdegorguroa39 e4S,dii; ulecasemi-
ra a 45. 4J500 e 59. ditos de talludo a 69.
' 78 e 88, ditos de fustao de co es a 185O0
e 18800, meias de la para homem e se-
nhora, ditas de algodo crua para ho-
mem duzia 18400, 19430 e 38! 00, ditas a
39.49 a 59 a duzia, ditas pan menina o
28600 e 29800, duzia finas e iveraos la-
machos, altos para minino n 9 e 2g500
a dnzia, pecas de algodo a I! i800, 49 e
49500. chitas francezas finas a 240, 280,
300, 320 e 360 rs. o corado, fll borda-
do e liso, grioaldas brancas :om ramos,
chales de troco, espartilhos, hapeoa de
castor para homam, pannos p ira mesa a
um variado sortimento de nupas feitas
que ludo se vende por barata uno preso.
Ricos
Facas e garfos ce todas
as qualidade s
Veodem-se dnzias de facas e g rfoscom cabos
de msrfim o mais fino que se poi e desojar pelo
barato preco de I69, ditis para sobre misa a 149,
ditas maito tloas de balando a 68- 00, ditas mul-
to finas tamben de bala neo a coc dous baldea a
79. ditas imitando as de balanco 1 (fi, ditas para
sobremesa fazenda multo superior a 58500 e 68,
ditas entrefinas a 28500, ditas tu ra meninas a
320, 400 e 500 rs. cada lalher e al< m destas qua-
lidades outras multas que se v*n iem barato: na
ra do Quoimado na bem conbecica loja de miu-
dezasda bo laama o. a
Para violo.
Vende-s muito superiores corlas pars violo
pilo baratissimo prego de 120 rt. cala urna e
bordao a 160 rs.: na raa do Queimado na loja de
miudezaa da boa fama n. 35.
Ricos sintos domrados.
Vendem-se ricos sintos dourai s bordados pe-
lo barato pre50.de 28500e 39: 01 ra do Quei-
mado loja de miudezaa da boa i na n. 35.
Papel de todas s squa-
lidades.
Aenco
Chegoo para a loja da victoria, candieiroa a
gas de aovoe gostos e modelos, tanto para sala,
como para esceda e quartoi e para outras multas
cousas: na loja da victoria na ra do Queimado
d. 75.
Gestionas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo 6 proprio das meninas iran para a
escola, e por isso bom que va o com pos tas com
ums das novas e bonitas eeslinhas que aa vea-
dem na raa do Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quantidide de fivellas
doaradaa a esmaltadas para cilos, todas da ne-
vos a bonitos moldea, a tambarn douradas quo
parecem de ouro do lei, o qua s com experien-
cia se corihecer nao o serena, estando no meemo
caso as esmaltad is, e assim mesmo vendem-se
pelo barato preco de 2g500 rs. cada ama, na raa
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Palmatorias de vidro e de la-
to para y ellas.
Vendem-se bonitas palmatorias de vidro lapi-
dado psra vallas a 19200, e ditas do lati mui
novas e limpas a 400 rs. : na ra do Queimado,
loja da Aguia branca n. 16.
Peilos de fustao lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se bonitos peitos de fustao lavrado e
trancado para camisas a 500 rs, cada um, fazen-
da mui boa e encorpada : na ra do Queimado,
loja d'eg*ia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras bo
dadas em ambos os lados.
A loja d'aguia-braoca recebeu um novo e lio-
do sortimento de tiras bordadas em ambos os la-
dos, e contina a vender baratamente a 18200
cada lira, a outras de bordados muito largos a
29000, o melbor que possivel em tal genero,
todas ellas, pela largura que teem, podem ser
divididas aa meio, pelo que se toraam baratsi-
mas : na ra do Queimado, loja d'aguia brauca
0.I6.
predio venda
Vende-se casa de dous sudares e sot&o, moi-
gua, no becco das Miudinhas n. 8, svaliada em
2.0008, a qual rende 1 li2 por ceoto ao mez; .na
ra do Trapicha n. 14, primeiro andar, ha pessoa
aalorisada pelo proprietario para effectuar a ven-
da da mesma casa.
Sal de Lisboa.
Vende-se a bordo da barca portuguesa cEipa-
tanga, sal de Lisboa limpo e redondo ; s tratar
na ra do Trapiche n. 17.
Salitre refinado.
Veode-se na ra do Queimado loja de tejrra-
gens n. 13, a 8J50O a arroba e em porcio aa
vender por muito menos.
Liquidacao.
Braga, Silva & C, em liquidacao, convidan)
aos seus devedores a virem saldar seus dbitos
dentro de 30 das, e participam que medidas ter-
minantes serao empregadas contra os que nao
comparecerem.
ahio a luz o
Gallo Vigilante.
Vendem-se resmas de papel c : peso greve o
mais superior que se pode eocont ar pelo barato
preco ds 39400 rs., dito pautade de muito boa
qualidade a 4f500, dito almaco n iilo bom a 39,
cortes de vestidos brancos
* bordados.
Veodem-se ricos cortes de vestidos braceos
bordados com S babados pelo baratisiimo preco
de 59 o corte: na raa do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Veodem-se superiores camisas Inglezas com
pregas largas pelo baratissimo preco de 359 a dn-
zia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas e punhos
com botoes
Veodem-se ricas gollinbaa e pannos de cam-
braia e fustao ricamente bordadas com lindos bo-
toes, pelo baratissimo prego de 29 cada guarn-
cao*: oa ra do Queimado n. 22, na roja da
boa f.
- Vendem-se burros ordo* a mansos: ao
ongariho Jurissacs, do Cabo : a tratar all con o
Sr. Domiogos Francisco de Sonza Lelo.
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linho com duas varas de
largara a 29400 a vara, atoalbado da linho ada-
mascado com duas larguras a 28500 a vara, brim
branco de linho muito superior a 1J440 a vsrs,
dito de cores, (asenda mutlo superior a 19, dito
pardo de linho paro a 600,19 e 18200 a vara, di-
to da quadrinbos muito proprio para calcas, ja-
que tas e paletotspara meninos a 200 rs. o aova-
do, gangas francezas muilo superiores a 400 rs. o
covsdo, cambraisi francezas muito finas* e de
muilo bonitos padrees a 260 e 280 o covado,
cambraia lisa muito fina a 4f, 5 e 69 a peca com
8 1(2 varas, cambraia com salpicos tambem com
8 1|2 varas cada pecas a 49500, dita muito supe-
rior o melhor que ha neste genero a 11J500 a pe-
ca com 17 vares, ou a 800 rs. vsra, chitas fran-
cezas de muito boas qaalidades e de lindos pa-
droes a 240, 280. 300 e 320 o cavado, fll da li-
nho liso muito fino a 720 a vara, taratana bran-
ca e de corea a 760 a vsrs, toalbas de linho psra
mioe a 79 a duzia, ditas pelludas moito superio-
res s 119a duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e gollas de cambala ri-
camente bordadss a 29 o par de manguitos com
ums golla, lencos brancos moito finos com bico,
renda e labyrintho a 1g280 cada um, ditoa de
cambraia de linho para algibeira pelo baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a dmia, e assim um completo
sortimento de fazendas de todas aa qualidades,
que sendo 9 dinheiro vista se venderlo por pro-
cos mui baizoa : oa bem conhecida loja da boa
f, oa rna do Queimado n. 22.
*
Barato assim barato de mais
Sabonete finos.
A loja d'aguia branca recebeu urna crescida
quantidade de sabonetas finos para barbas, os
quaes convm a todos compra-Ios mesmo para
mo, avista do diminuto preco de 39 porqnanto
se est vendendo a duzia. Para aatisfazer-se aos
boos freguezes se vender tambem em menores
porcoea, porm quem mais comprar mais lacrar,
porque assim barato nao ser fcil tornar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimadr
loja d'aguia branca n. 16.
Coraes.
Em massinhos a 500 rs. cada um.
Em fios a 640 rs. cada um.
Em voltas de 3 fios a 28500 esda urna.
Vendam-sa muito nona coraes, em massinhos,
fios e voltas de 3 fios, pelos bsratisstmos precos
cima : oa ra do Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Agua ambreada
para banhos do rosto e do
-oorpo. -----
A loja d'aguia branca acaba de receber nov
remessa da proveitosa a mui procurada agua
ambreada, cujos bons efleitos da refrescar a cu-
tis, tirar o ardor que deiza a navalha qiando aa
faz a barba e acabar o mo balito proveniente
do transpirsr sao j bem coohecidos, assim co-
mo as senhoras por nao andsrem so sol faz
conservar perfeltamente o brilho do rosto. A to-
dos quaotos tem usado d'agea ambreada nao sao
estraohos esses effeitos e ellos serio anda mais
coohecidos por aquellos que munidos de 19 se
dirtgirem a loja d'agaia branca rus do Queima-
do n. 16, onde nicamente se vende.
Ac de
Vende-se ac a 539 o quintal: na ra do Qni-
mado loja de ferragens n 18 ; bem como aa vea-
de oesta miimi loja um completo sortimento de
ferragens e miudezss de todas as qualidades, re-
do por diminuto preco. visto o proprietario que-
rer entrar em lio,oidacao.
Camisas e cero u las
Vendem-ae superiores ceroulss de lloho muito
Boas pelo barato preco de 269 a dusia, dilaa tran-
idaa de algodo, mu de muito boa qualidade, s
79 a dutia, camisas brancas francezas e2*9.248,
26 e 309a duzia, ditas para meninos a 22$ a du-
zia. ditas para homam com abertura de cores a
229 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
na ra do Queimado o. 22.
Lencos, brancos para algibeira.
Anda se veodem lencoe brancos finos para al-
gibeira pelo baratissimo preco de 29400 a duzia :
na loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Met para tenkora.
Vendem-se meias finas pars aenhora pelo ba-
ratissimo prego de 39600 a duzia : na rae do
Qaelmado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Attenco
Guimarea & Luz, donos da loja da miudesas
da ra do Qieimado n. 85, boa fama, participim
ao publico que o seu eetabelecimento se acha
completamente prvido da* melhores mercadoriaa
tendentes ao meemo eetobelecimenio, e muitos
ostros objeetos 4e gosto, sendo qussi todos reci-
bidos de suas proprlaa eocommeodas ; e estando
elles interrameoto reeolvidoa a nao venderem
fiado, afinceos, vender mais barato do que outro
qaalquer ; e-juntamente pedem aoa aeua devedo-
res que Ibes maodem ou venham pagar os seus
dbitos, eob pena de serem justicado*.
Rival
sem segundo.
Na me do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, est dispoeto a vender ludo por preco que
admira, assim como seje:
Frascos de agua de lavando moiie gran-
de* a
Sabonetea o melbor que pode harer a
Ditos grandes muilo flnn.
Frascos com eheiros mw tinos a
Ditoa ditos muito bom., .
Garrafas da agua celesio o melhor a
Frascos com banhs muito superior a
Ditoa dito de urce finieaima a
Fraacos de oleo babosa com cheiro a
Ditoa dito dito a
Ditoa dito nito a
Ditoa para liaopar a cabeca a tirar caspas a
Ditoa dito phitocome do verdadeiro a
Ditos com banha transparente a
Ditos eom superior sgua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Fraacoa de macaca oleo a
Ditoa de opiato pequeos a 320 e
Ditoa de dito grandes a
f em um recto de lavanda ambresda a
Lioha branca do gaz a 10 rs., o tres por
dous, a fina a
Dita da earto Pedro V, com 200jardas a
Dito dito dito com 50 jardaa
Carreteis de linba com 100 jardas a
Duzis da meiascruas muito eneorpadas a
Dito da ditos muito superiores a
Dito de ditas brsncas para aenhora, mui-
to finas 1
Vara de bico da largura de 3 dedos a
Dito de franja para toalbac a
Groza de botea do louca braceos a
Duzia da phosphoros do gsz a
Dito de ditos de vela muito anteriores a
Pecas de fita para coa de todas s lar-
garse s
Fazendas pretas
superiores
Orosdenaple preto muilo
uto preco de 29 o corado,
AtteDcao.
m
Na rna do Crespo n. 7, aonde o respeilavel pu
blico echar um grsndc e variado sortimento de
miudezaa que se vende por precos mais baratos,
10 por cento do que em outra qualquer parte,
assim como seja, franjas pretas com vidrilho e de
dito almajo greve a 896OO e 4S81M1, dito pautaool5ore'',au' de lod" a qualidades, frsnjs e galio
cum 2ft e ,,nno cascarrilhas pretas e de cores, froeos de
todas as cores, os riquissimos enfsites de cabeca,
galozinhos de linho e de seda para eofeltes,
chapeoziohos para crianzas, chapelinhas para ae-
nhora, bonets de panno e velludo muito finos
a 49 e 48500, quartos de papel di cores com 20
quadernoa a 720 rs., dito braoco muito bom a
19 e I92OO, dito de quadriohoa a 9, dito pauta-
do com 40 quaderoos a 22, caixii haa com ^apel
de belradourada al5500, dita com envelopes a
19 e outras mais qualidades de p: pe que se ven-
de barato : na ra do Queimado : 1 bem conhe-
cida loja de miudezas da boa faon 1 n. 35.
O bom e barato na boa
fama.
Vendem-se peales muito fiaos de msrfim pars
bichos viados de Lisboa pelo :u ratisaimo preco
de 640, 800,1(500, 18800 e 29 oda um, ditos
para alizar a 1(600 e 2$, ditos A bfalo pretos
e brancos tambem para alisar e muilo bons a
500e800 rs., ditos eotre-finos 280 rs., du-
zias de carretela de linhas de 20! jardas de na.
50 a 80 a 720 rs., grozas de ba tas finos psra
calcas a 240 rs., ditas de louca ; ancos e pinta-
dichos para camisas a 160 e 24C rt., agalheiros
de martim muito bonitos a 800 1 19 cada um,
ditos de osso torneados imitando os de marfim a
3^0 rs., figas de marflm brancas 1 encarnadas a
310rs. cada urna, agulhetas de marfim para en-
riar a 240 rs., grozas de butes k lito finos ma -
dreperola pira camisas a 640 e SU) rs., teaouras
raoeezas muito finas para cosan e tobello a
28cada urna, ditas com pequeo 'oque de ferru-
gem 18500, linhas de paso a 101 rs. a miada
ditos para bordar a 160, 200 e 301 > rs., dita frou-
xa a 60 e 80 rs. 0 outras muiUii cousas que se
vende por menos do seu vslor : n rus do Quei-
mado loja bem conhecida de m.udezas da boa
fama n. 35.
Perfumaras bam tas ede
boas qualidades.
Vende-se para acabar muito hons sabonetes
creme de amendoss em calzas i) louca a 500
rs., frascos com o bem conhi" ido sndalo a
18500 e 29, frascos com baoha :ranspa 900 rs., ditos pathchoty a 640 rs caizinhas com
nove qualidades de extractos e to os muilo finos
a 29, ditis com 12 tambem muito tinos a 3J200,
frascos grandes com sgua de cola lia muilo su-
perior e bem conhecUa a 19500, tf e 38, pasti-
lhas muito chai rosas de Luben pura conservara
roupa livre da traca a 19 cada |i:ipel, ditas do
mesmo fabricaoto proprias pan defumar a 29
cada caizioaa, duziasde saboaettn muito bons a
600 rs. a outras muitas qualidad 11 que se vende
maito baratas ns raa do Queima< o ni bem co-
nhecida loja de miudezas da boa Tama n. 35.
para meninos, fitas maito chiques para sintos,
manguitos e gollinhas muito tinas, lencos de
cambraia de linho muito finos, e muitos mais
objeetos que se continuar annunciar, pois ven-
de-se ludo por precos baratlssimos por se schar
am liquidado. Na mesma loja se achara um
rico sortimento de amendoas e coneitos proprios
para qualquer mimo, que se vende pelo baratis-
simo preco de 18600 a caizioha.
Vende-se um terreno em Sanio Amaro,
junto ao hospital inglez, com 700 palmos de fren-
te, em muito bom estado : a tratar na ra do
Trapiche n. 44, armazem de Braga, Son & C.
\GENCV\
DA
Fundido Low-Hoor,
Ba da Senzalla Nova n. 4S.
Neste esUbelesimeoto continua a haver um
completo sortimento de moendas a meias raoen-
das pata engenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado de todos os tamanhos
para dito,
armazem de fazendas
DE
Colheres de todas as qua-
lidades.
Vendem-se duziaa de eolheres e metal para
sopa de to boa qualidade que as.: 1 fleam de vea-
do as de prata pelo baratissimo ireco de 1O9,
ditas pava eh a 69, ditas de me'.i principe para
sopa a 55, ditos para cha a 29501>, coaxas para
ffrar sopa muito superiores s 29! 0 cada ums,
ditas para tirar assucar a 800 rs., ilem de todas
las colheres fiaissimas ha oul as qaalidades
mais ordinsriss que se vendem b rato : na ra
do Queimado na bem conhwtda i: fa de miSflo-
! i boa fam p, 35.
Santos Coelho
Hu* do Queimado n. 19.
. Lencoes de bramante de linho i 39.
Cobertas de chito finas a 29.
Ditas a preco da 19800.
Cambraias pretaa muito finas.
Colchas de fustao muito lindas a 69.
Esleirs da India de 4, 5 e 6 palmos de largo
proprias para forro da cama a salas.
Lencoes de panno de linho flao a 29.
Algodo monstro a preco de 600 rs. a vara.
Toalhas de linho para mesa a 49.
Ditas de fustao psra maos, cada urna 500 rs.
N. O.Beber & C.sacccssores.rua da Cruz
n. 4, tem paravccderrelogios para algibeira de
ouro a prata.
Bolacha.
Vende-se bolacha econmica a 33 a arroba :
na roa da Senzala Nova o. 30 e travessa dos Pi-
res n. 9.
Esseacia de aoil para engom-
mado
Esto csaeacia a maia pura e a melhor que
tem apparacido, urna a duas gotas bastante para
dar cor n'aauo boato de gomma, tendo a vanta-
gm de nao precipitar e nem de nodoar a roupa,
como suecede muitas vazes eom a flor da aoil:
vendem-se coi frasqsiahoss 500 ri, cada um : na
, a do Queimado, botica o. 15,
800
320
160
500
19000
19000
240
600
240
310
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
30
29400
4$500
35OOO
120
80
120
240
240
320
Barato e bom.
Brincos pretos a balo, i
outros objeetos para
luto.
Desses objeetos de que boje infelizmente lanas
familias precisara, na loja d'agaia branca acba-ae
um bom sortimento delles, sendo brincos e rose-
tas a balo, pulseiras modernas de grossas e for-
tes contas, alfinetes para peito, ditos tambem pre-
tos, em caizinhas, bonitos e moderno* adereces I
e meios ditos, etnteiros de fitas e fivelas pretos'
enfeites para cabeca, grampos de novos moldes
para segurar cabello, luvas de torcsl de seda e
pellica, meias de sedo e algodo para borneas e
senhoras : com os compradores de toes objeetos
se ter a maior cootemplaco, ltenlo o fim para
que sao: por issoodirigirem-se | ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'aguia branca recebeu urna porcio de
srroelas ou argolas de borrscha, que acertada-
mente se applicam a differeotea fins, como tam-
bera seja para emmassar papis as diversas re-
partieras publicas, nos cartorios, escriptorios
armazens, lojas, boticas, tabernas, etc., etc.
mesmo de alguns particulares, o que na verdide
vale apaa comprar-se pelo diminuto preco de
240 e 320 o duzis, psra poupar-se o trabalho de
atare dssatar um maseo de papis todas as vezes
que se precisa, assim como as maia largas servara
para segurar cajtoirae, e manguitos de senhoras
e mesmo para pulseiras de missangas, adveran-
do, porm, que cada argolo tem sus fivelo ; ven-
dem-ce em dito loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16. v
Agua balsmica para conser-
vaco das dentes, e agr&da-
vel hlito da bocea.
Eisa apreciovel e proveitosa agua balsmica,
cujos bons effeitos de conservar a fortido dos
dentes, fortalecer as gingivas e tirar o mi hli-
to da boecs, sao j bem coohecidos por todos
quanloa della tem usado, e ser anda maia por
quem, prezando esses boos resultados, se dirigir
com 19 dita loja d'aguia branca, ru do Quei-
mado n. 16.
Gravatas de seda pretas e de
cores.
Mui boas e bonitas grvalas pretas de seda com
salpicos de cores a 500 e 640 rs. cada orna, ditas
todas pretas de bonitas sedas de chavisquinhos,
boa fazeoda a 1J, Citas de superior gorgurao eom
ponas bordada a velludo a I96OO, ditas de tras-
passo pretaa*e de cores com alfinetes, o mui pro-
prisa para meninos, sendo ellas de bonitas sedss
forrad as,e cum dous pospontos de seda decrese
19500 cada urna, a muitas outras da diflereatea
qualidades e pracos : na ra do Queimado, loia
d agola branca n. 16.
Meias de cores para homens
Muito boas meias de-cores s 160 o par, e I96OO
s duzis: quem as vir nao se desagradar, poia
que sao boas e bsratisiimas : ns ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Vende-se urna barcaca da lote de 30 calzas,
bem construida, muito veleira, e est bem apare-
1X'a ^J1!01 P'enB8ri dirito-se a serraris da
ra oa rala d, ov.
Vende-se urna secretoria da mogoo V
muito proprio pora um Sr. odvogado por s^
aa ser peco rica, um bolcaTo grande ludo de am
Z amarello proprio para loja da fazendas 5
w e urna balanca romana com 2 jogos do W
pesos (franeezes e portuguezes): na rao B
2 Nova n. 23, loja.
Ultimo gosto,
Gollinhas bordadas e punhos
com botoes para senhoras.
A loja d'agaia branca, onde bem se encootrsm
objeetos modernos e de gestos, acaba de receber
um lindo sortimento de gollinhas bordadas e pu-
nhos com bonitos botoes, o que hoja ultima
moda, e por isso nenhuma senhora se deve ne-
gar a comprar urna dessaa guarnicoea por 29000,
tanto mais quai.to ellas sao necesaarias para
completo ornamento daquellss que tero de apre-
ciar as bellas representares do Marinangeh, e
meamo as que nao forem teem igual direilo de
comprar esses bonitos arrecios ; na loja d'aguia
branca, ra do Queimado n. 16.
Grvalas econmicas.
No loja d'aguia bronco ocho-se um bom sorti-
mento de grvalas de boas e bonitas sedas ingle-
zas, as quaes se vendem demasiadamente bara-
tas sem que tenha'm defeito algam, e s sim por
serem um pouco mais larguinhas, estas o 820 rs.
cada ama, o outras mais estreitos e superiores s
640 e 19- Assim, pois, convem o todos spprovei-
tarem o occasio, porque gravlas boas e por taes
precos ningoem as deiza de comprar: na loja
d'aguia branca, ra do Queimado n. 16.
0 Livro do Povo.
Sabio luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a direceo do Sr. Dr. A. Marques Ro-
drigues, e contm a vida de N. S. Jess Christo,
segundo a narraco dos quatro evangelistas, e
mais os seguiotes srligos: o vigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca, Slmo de Naotua, mximas e pensameclos,
a hygiene, os deveres dos meninos, e o Rrasil.
A publicaco do LITRO DO FOVO nao s tem
por fim umformisar a leitura nos escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
differente, e portento facilitar o trabalho do mea-
tre e do discpulo, como tambem vulgarisar, por
um preco baratissimo, a historia do salvador do
mundo, e oa melhores preceitos de moral.
Vende-se o Livro do Povo, no Recite, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 e8, a
500 rs. o ezemplar em brochura, e a 800 rs. car-
tonado.
S Magalhaes & Mendcs, na ra da Im-
peratriz numero 56, loja e armazem
da arara.
Seda preta.
Vende-se grosdanaple preto muilo encorpado
o I9500,19800 a 29 o covado.
Panno preto e casemira.
Vende-se panno preto para calcas e paletota a
I97OO, 19800 e 29 o covado, cortes de casemira
preta para calca, enfestada, a 39, 39200 e 39500 :
na raa da Imperatriz n. 56.
Laazinhas suissas.
Vendem-se lszinhas suissas muito finas para
vestidos a 560 o covado, cassas suissas de qua-
drinhoa de cores a 280 o covado, fustao de cores
para vestido o 280 e 320 o covado, popelina de
cores para vestidos e roupa de meninos a 240 o
covado, barege de cores psra vestidos a 360 o co-
vado : na ra da Imperatriz n. 56, loja e arma-
zem do arara.
Atten-?O.
Vende-se a casa terrea n. 94 da ra Imperial,
em chaos proprios : quem a pretender, dirija-se
a ra do Nogueira n. 17, que achara com quem
tratar.
Panno de algodo da Bahia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, ns ra da Cruz n.l.
Cambraia.
Vende-se cambraias de cores de bonitos e ele-
gantes desenhos a 280 e 320 rs. o covado: ni
ru da Imperatriz loja n. 20.
Oliados.
Vendem-sc oliados pintados de lindas vistas s
paisagens larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para mesas de jaotar a 25 o covado: na
ra ds Imperatriz loja n. 20.
4llencao! allencaO!
Aos pais de fmilia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-se s
venda um completo a variado sortimento de boas
fazendas, e qae vista de suss qualidades sao ba-
ratiseimamente vendidas, e para maia verscidade
do que fica dito, abaizo vo mencionadas algumas
das ditas fazendas, a aaber :
Gbitaa largas cor fiza a 240 rs.
Madapolo fino com 24 jardas a 59.
Cambraias da cores a 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto e de cores a 29.
Lindeza de cores a 160 rs. o covado.
Lencos pequeos a 80. 120 e 160 rs.
Chapeos da csstor fino s 89.
Chitas pretas multo largas e Boas a 240 rs.
Algodo trancado preto muito bom poro vesti-
dos da escrovoo a 200 rs.
Cambraia lisa com 10 jardas a 29.
Casia de salpicos com 10 ditas s 39.
Cimbrsia bordado pars cortinados com 8 va-
ras a 2/.
No pateo do Carmo o. 1, vende-se doce de
goiibo muito fino em latas de 4 libras, por 25.
Cera, sebo e velas.
No sntigo deposito ds ra da Cruz n. 33, ven-
de-se por menos do que em outrs qualquer par-
le, cera de carnauba, sebo do Porto em velas e
em pi, velas de composteio e pares, csntslrss
com albos.
Chumbo,
Vende-sa chumbo de manicio s diaheiro por
219 o quintal e a arroba por 59500: 00 arma-
zem de Antonio Cesarlo Moreiro Das, rus da
Madre de Dos n. 39.
Vende-se um ezeellento plano horisontal, com
um par de arandelas e (adornas, pelo mdico
preco de 1209 : na ra da Senzala n. 140, legua-
do udar, prximo ao becco do Cipim,
Madapolo a 3#000.
Vendem-ie pecas de madapolo entestado a
8f a peca : na ra da Inperatriz, loja do rara
numero 56.
Roupas feitas.
Veodem-se paletota de alpaca preta e de cores
s 39, 89500 e 49, cilcss de brim e fustao a 29,
paletota de panno preto a 88 e 109, ditoa de ca-
semira de cores a 10 o 129, cilcis de casemiras
de cerss e pretas a 5$500 e 69, colletes de gor-
gurao e velludo a 39500 e 4$, camisas francezas
a 1(600, 28 e 2|500 : na ru da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Manguitos de linho.
Vendem-se maoguilos e gollas de linho s
2f500 e 39, ditos de fustao com boiaozioho a
29500 a 39. gollas com bolozioho a 640, ditas
de traspaaso a 19 ; na ra da Imperatriz, loja e
irmozem do arira n. 56.
Enfeites para senhora.
Vendem-se enfeites a turca pretos e de cores s
29, ditos a Garibaldi muito modernos a 49, 59 e
595OO, sao todos pretos, luvas pretas de seda fi-
naa a 800 rs. o par: na ra da Imperatriz, loja
o armazam da arara o. 56.
Cortes de cambraia.
Vendem-se corles de cambraia de borro e ba-
bados a 39 e 395OO, pecas de bretaoha da rolo a
29 e 295OO, e outras fazendas que se do |mos-
trss para ver : na ra do Imperatriz, loja e ar-
mazem do orara n. 56.
Sacido preto.
Vende-se sacido preto muito encorpado para
vestidos, melbor fazenda que groadenaple a 29300
e 296OO o covado : na loja da arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Gorgurao para vestidos.
Vende-se gorgurao de linho a 280 o covado,
chitas o 160 e 200 rs. o covsdo, ditos frsocazas
a 2i0 e 280 o covado, casso fina a 280 e 320 o
covado: na ra da Imperatriz, loja o armazem
da arara n. 56.
Loja do beija- flor da ra do
Queimado n. 63
Vendem-se cascarrilhas de seda de todas as
cures a 29400 peca ; ricos enfeites pretos e de
cores a 59500.
Loja do beija-fior da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se filas de cs s 320 rs., peca de 10
varas, enfiadores de vestido, de lioha a 120 rs.
escovas para uohas finas a 640, 800, IgOOO rs."
puiceis finos para barba a 320, 500 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se oculos finos de armacio de ro a;
720, 500 rs.; sgulbas francezas de 10 e 20 rs. a
linhas de marca de 10 rs. ; grozas de botoes
brancos a 100, 120 rs. ; ditos pintados a 180 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se cartas portuguezas finas s 19800 ;
ditas francezss a 3(800 ; wisporas a 900 is; linhas
pretas e de cores e brancas do gaz a 800,900
rs ; dita da peso a 120 e encarnada fina a 120;
fivelas para calca a 80 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se luvas nfeitodas o I98OO e 29OOO;
dilaa de fio de Escosaia a 800 rs.; escovas para
roupa a 640. 800. 19000, I94OO rs. ; ditas para
cabello a 320, 500, 640 rs. ; pentes trsvessos a
640 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n: 63-
Vendem-se linhas de Pedro V a 20 ra o car-
lio ; ricos bicos e rendas do Porto, imitando o
da trra de diversas lsrguras, e muito barato.
Vende-se maito barato arroz com casco : a
bordo da barcaca 2 de Julho, chegada do Penedo,
fondeada no caea do Ramos, ou ns rao Dfreita a
tratar com Antonio Alves de Miranda Guimsraes.
D. Pedro V
no o 3, 4, 5, 6. 7 o 9A covado. c
multo fino o 2f, 2*500. 3, 39500 4 Mvotfau
mantos pretas de bloade muito suponorooo |2t
manteletes da superiores groadaaoptou preto* so-
camente bordados a 359, sobroosotoo da patauk
preto muito fino s 309, casacas timbea da acata*
preto multo fino o 309, pilotla da sonso preta
fino o 18 e 20f, dito* de casemira da cor uo**-
5di.a *? Perto"a gravaUabaa aetroitoo a
1$, ditas de letim mico o do grgaro* maula aa-
periores paro dnoa voltas o 29, diua ooiraitiuka*
eom lindos alfioateo a *, ouporior gorgurao sua-
to para colletes o 49 o corto, rices utoiloo proto*
o 69, e assim outras muitos fmodas qua eeoCo a
dioheiro vista, vendem-a* por precos maito ba-
ratos : na ru do Qusimsdo n. 22. a* boca coa na-
cida loja da boa f.
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar em porcio a rctolao Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevado & C-, ao se* es-
criptorio rna da Cruz a. 1.
Rosas artifciaes para ca-
bellos.
A loja do aguia branca recaben bonitas r**a*
das que se eolio usando poro oa caballos, e voa-
de-as oa ra do Queimado loja da aguia branca
n. 16.
Fita branca de borracha.
Esso fila de que tonto falto baria acbo-so boj*
na roa do Queimado loja d'aguia bronca *. 16 ;
aaiim como filoo frouzes ou elsticas brancas o da
cores psra debruir vestidos.
Olheo para o pavad e
leiaiu,
Camisiohas com gollinhas a manguitos
de cambraia bordados, fazenda mo-
dernissima a
Ditas de fuslio com salpicos da cor
Gollinbaa bordadaa com botaoinho
Ditas da todos os gostos s 640 *
Ditas com manguitos do cambraia bar-
dadas a
Manguitos de esmbraia bordidoi ;
fiooo o
Gollinhas bordadas o
Romelras de cambraia eofoilodaa
loto a
Camiainhaa para senbora a
Lencinhos de linho com labyrintho poro
mi o
Ditos a imitaco de labyrintho alfa
Luvao da torzal enfeitadas com vidrilho
Enfeites pretos com vidrilho a
Ricos anfeites pretos e do cores, a Turca
e Garibaldi
Groadenaple prelo a I96OO, I98OO o
Todao estas fazondos vendem-se no ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do navio, da Go-
ma 4 Silva.
aito
poro
500t
3*000
1
19909
240
3*000
2SA0SJ
1C2M
50
6|000
*aow
Calcado
Na ra larga do Rosario antiga raa dosQa^
teis a. 12 junto a botica do Sr. Pialo, ha ara
grande sortimento de calcado com* seja so : bor-
zegains de couro de porco, ditos de cordsvao
eolticos e gaspeados com caaos todos de borra-
cha, ditos de bezerro com preguinhas na frente
como os loglezes sem differenca olgums, ditoa
de couro de lustre, borzeguios psra senhora de
sola e vira e 00 canos de borracha proprio para
as senhoras sndsrem nosactoo do sentaos san-
ta por terem a vantagem de nio tomar sgua com
facilidode. salmeando promptidao ao* obras SJoV*
commendadas.
Pe chin cha
sem igual.
Cortes de chita francesa da saperior quolM***
c de maito lindos padrdes, com H covados cada
corte, pelo baratissimo preco de 29599 coca am :
no loja do sobrado de quatro andaras, a* ra do
Crespo n. 13.
Presten, aencao
O Gallo vigilante na ma do
Crespo n. 7,
tac!* ft pre-oo
luiua
iaitoacto
qae qaer liquidar e vendendo
que admira, como sejam :
Riquissimas bandejoo de chorio do
lidade.
Salvas de motol com ricos lavroro*
prata.
Gopiobo e pralinho de metal proprio para me-
nino.
tfanteigoeira do lindas cores de vidro com tomo*
e pratinho de metal. ~'~
Riquissimos eipelbos com molduro doursd*.
Toucodores com gaveta c do outras qualidades
Binculos com ezcellentes vidros.
Riquissimos loques de sndalo saadreparato.
E muitos mais objeetos que se continuar a-
nunciar e que visto do freguez se far
preso.
Escrayos fngaos.
OU
O Mocjo Velho.
Drama em 5 actos
for
Francisco Gaudencio Sabbas
da Costa,
Autor do drama
Francisco II ou a llberda-
de da Italia.
Bata obra contm os melhores episodios da
vida do III ai trido monareba o Sr. D. Pedro V, do
Sloriosa memoris, e digna de poesoir-se : ves-
*-so na livraria econmica, rus do Crespo n. I.
cid*, extmpiar a 19000 rs,
Fagio no dio 20 do correal* do borda o
patacho Capuan, o eacravo croolo mangases
ro de nomo Antonio, idade 19 anuo* pouco mato
oncenos, siluro regalar, rosto carnario* am
alguns sigues de bezigas, levo* calca comiso
azul : quem o pegar leve-o wsiiotoito i*
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C. rao do
Cruz n. 1, ou a bordo do dito pataca* quo sari
generosamente recompoosodo.
No mez de Janeiro prximo pooeodo fugie
do eogenho Curooby di comarca do Pao 0'Alb*.
um ascravo de nome Padro, cuca oo sssjbm** se-
guiotes : a llura regular, cbto o cora*, cor fute,
dentes limados e perfeitos, pouco barbo retr-
senla ler 24 senos de idade, (si oasisis ato Sr.
Francisco de Paola CivilcanU da Silvo, i
em Peje, e vendido por prcune
Izidoro Jos da Silva Miscoronha* ; dito ,
vo era conhecido por Joa4 Podro, o amagas s* les
sido fartado ou fgido para cito rumor d* Pa-
jea : quem sppreb*ad*r. ss**Us* o* referi-
do englobo Cursaby, o* apoto proco uo roo 4a
Cruz n. 62, terceiro andar, fa* ser g*oio
mente recompensado.
Fugio a 27 de marca am mololiabo ato co-
me Affooso, de idade do 11 asaos, qual toas o*
sigoaes seguidos : oaos groado* '
um sigasl de taino na tocto, eariz estol*,
grande, beicoi groaco* cobalto ere***,
recto, secco do corpo, pos mi* rasje
tem o tallo um pouco ronca, a tari veotiu* d* cal-
ca de azuleo camisa da madapolo, dsscoal*
se ter ido para o moto : quem pagar tova- a
ilhi doa Raloo n. 30, quo itri igcgorgcasis
Gratifica-se com 300JL
Contino o calar fgido o cscrov* molet* d*
nome Rogerio, de idode 24 aonos, pose i
menos, desde o snno de 1853, coi
segnintes : altara regulor ou menos, rooio i
do esquezalado, cor aliriojida, cosa folla
tes, quiodo falla corraga a* I, qu* **i
elle fallar d appareactoa do tato, Uto*
ledos, nsriz cbsto, cabellos omocacado*
quando fuglo linba principio do borb
cestas bem cicatrizadas, aa do* vi
urna cicatriz da ama postela quo tova, am tci-
to espidido o estomagu'*, os pea am
spalbelados com oa toroozato* pasa i
podo inculcar-se ter sido soldado p*r
renitis cicatrizes que tosa aa* es
tanto, aa Illmas. lutoridodoo, tanto ateto
policiiei, que se digoem auxiliar _
cipitea de campo ou pirticuloros uo i
do dito eicrav*. Mr remallado ao asm
senhor, noaangeab*
zia ds S. Cforcnco lo Malta,


X
DIARIO DE PIENAMJCO #* TW^A IBA *9 Dfi 4UlL DE IMl
LiUeraturi.
0 STABAT HATIi R.
i .espanhi, onde
aquello patz, o
E' dedicar-lhe
e execute den-
Era 1832, Rossini viajara ni
enccntrou o celebre bsnqaeiro
Sr. Aguado, tea particular imjgc.
< Mea charo Rossini, lhe disvi o da Agua-
do, tenho pedir-lhe um favor,
Qoal elle?
u abbade Varoll>, pessoa ii (lente de Ma-
drid, diaej ler de li urna obra re igiosa ; queres
tu seotar-te ao piano, e compor mi Stbat ? O
reverendo padre Varella saber ecoohecer dig-
namente o valor deate trabatho.
a tm obra, e consentir que ella
tro da um convento.
Dous mezei eram paliados, ( Sfaat estira
composto, e era remettida ao :>adre Varella ;
Rossini recebia em troca, por ii tervengo d'A-
geado, urna cal de rap, quo le podia aviliar
em cinco mil francos.
Rossini estafa bem longe de osuenr, que, dez
annos mais tarde, eise masmo $ abal sera ob-
jecto de processos escandalosos, i de polmicas
ardentea.
Com effeito, um edictor de a usic de Pars.
Mr. Aulignler. tnounciou en lil a publicigo
flum SCabat de Rossioi, cuj pi priedade dizia
ter adquirido dos herdeiros do r. idre Varella. O
editor eslaa de bj f. Ma o s-i titulo nao lhe
diva direito senao poste do mu usenpto, por-
que a deiicatoria nio lhe din le( smente nem o
direito edigio, nem (ao pouco o de execugo
publica.
Damos em seguila um copia c informe do ac-
to, pelo qual Mr. Aulagnier pre india estar in-
vestido Da propriedade do Stabat.
Eu, abano assigoado, decan vender, ceder
e alienar, i Mr.. Antoioe Aulag iier, editor de
msica, db ra de Valois, Pilis Uoyal, o 9. em
Taris, a partitura original do Slabu Maler de J.
Rx>ssioi, que adquir por acto aulli ntico, e ralio-
so para todas propriedade, para todos os lempos
e lugares, dos testa meo teiros do turereado padre
Francisco Fernandas Varella, que a havia eocoro-
nieodido e pago ao mesmo Rosiioi, como le pro-
?a pelo documento junto e aucr o este titulo.
Declaro, alm disto, ceder M Aulagnier to-
dos os direitos. que me foram d
    to datado do Io de dezembro de 1} 37.
    Esta venda feita mediaot somma de
    dous mil francos, de qua me declaro pago.
    Pars, Io desotemoro de 184T
    F. OlLER ( H.VTARO. J>
    Ao saber esta noticia, Rossini disperto como
    m leao. O illustre maestro sabia, e era isto o
    quemis oinquielava, que essi partitura, que
    contri a saa rootale se quera en regar publi-
    cidade, estiva iocompleti, que a:io compozera
    dalla senai seis parles, e que o rt slo era de Ta-
    uat. ieolio director do canto id theatro italia-
    no de Pars. Sabia, que a orcru. ra, redazida
    prcporgoes demasiadamente simj es, nao era de
    Mioma que saljsfizesse o publica, habituado
    todas as seducgdes da syofonia ioifrumental.
    Escrereu logo, portaoto, i Mr. Proupenas, seu
    editor e amigo, azer-lhe sat que retocava
    loteiramenie a obra informe que lie queriam pu-
    blicar, e ao mesmo lempo am irisa-lo sus-
    pender, por todos os meios legaei, a publicago
    e- a execugo publica do antigo a S.abat dedica-
    do ao padre Varella.
    S: Ahi damos essa carta, onde se ncontra o es-
    pirito faceto, que nunca tem aban 1 .nado Rossini,
    mesmo nos actos ruis serios da < da.
    ,Men charo Troopeoss. Red bi a sus carta
    de 16 do correte, o pode cootii que vou sem
    aemora marcar o meu Stabat pelo metrno-
    mo, como deseja. Na ultima carta, que me escre-
    ve Mr. Aulagnier, faz-se forte cu o a copia que
    posjue para me ameagar um pr< cesso, preteo-
    aS*S** Presen,e. qe eu recabi do reveren-
    do de Hespanha figniflca um cuni. alo de venda
    da minha parle, lstodiverte-me muito. Ameaga
    umbera fazer exacular em um con erto-monstro
    diz elle, osobredito Stabat. Se sso estiver et-
    lectif ament para se realisar, ii tenia que por
    esta carta lhe dou procurado n ena para fazer
    com que os tribifnaei e policii nao deixem
    ejecutar urna obra, da qual cmputos por mim
    sao s seis nmeros.
    o Por este mesmo correio, lhe nvio mais tres
    parles que acabo de compor; s n e resta depois
    o ultimo coro final, que enviarei ni semana pr-
    xima. r
    Remello lambem duas cartas do Mr.Aulagnier,
    ?. SV?*?* >oieoQ6es dille. I*to bem
    iniendido so pira o meu amigo.
    E' conveniente saber egualmciite. que eu j
    Ibe respondque oo contrito Igura de ven-
    da com o padre Varellaque nao 11 mais do que
    dedicar-lhe o aStabil que dt mais a maior
    parte deile nao de mioha compcsicao e que
    finalmente eu eitou disposto a \ erseguir at
    morle, em Franca ou no eslraDgen todo o edi-
    tor que qaizer offeoder os meus dii sitos.
    _ ,., Joaqun Iossimi.
    Hoiooba, 24 desetembro de 1811.
    Esti carta era acompaohada d'um acto de ees-
    sao, concebido nestes termos :
    ' Eu baixo asaignado. Joaquim Rossini, com-
    positor de msica, actualmente roa dente em Bo-
    lacha, na Italia, declaro ceder pe: presente titu-
    lo, sem reservas, Mrs. Troupeni & C., a m-
    sica d um Stabat Mater que uesla cidade
    compax em 1832. Esta cessao, qi e tem porfim
    publicarlo da referida obra pe, forma que o
    cessionario julgar mais conveni acompanhamento de orcheslra, uu com acompa-
    nhamento de piano s, e tanto em Franca, como
    em qualquer oulro psiz sem exc ocio ; esta
    eeisao, digo, feita pelo prego d seis mil fran-
    cos de Franga, pagaveis a 15 de 0 vereiro prxi-
    mo, no domicilio de Mrs. Rolschild IrmSos, em
    Pars.
    a CompromeUo-me reconhecer, sendo preciso,
    toda a cessao, que Mrs. Troupens; &C pode-
    riam fazer da presente composiiao, e declaro
    que nunca dei pessoa alguma., t boje, o di-
    reito de a publicar.
    c Feitoi doui entre ai dus pirl* i.
    t, Joaqv x Rossm .
    BolODhs, 22 de setembro del^ .
    A carta, que se acaba de ler, foi seguida, com
    alguns das d'interfallo, d'outra <; rti dirigida a
    Mr. Aulagnier. Nao sem utilidad) junta la as
    pegas do processo.
    Sr. De folla do campo, acta a sui cirta,
    que me esperara ha quatro das ; >5 o que explica
    a mioha demora. V. sabe que lhe endaram usa
    propriedade d'uma composigao, roe eu nao Oz
    mais do que dedicar ao reverendo padre Varella
    reservando me para publicar que.ido o iulgasse
    conveniente.
    Sem entrar ns especie de roubi, que sa qniz
    fazer em detrimento dos meus int iresses, dero
    declarar-lhe, senhor, que se o meu Stabat Mater
    flr publicado, ou em Fringa, ou un estnngeiro,
    sem i minhi autorlsafao.i mioha v.eugao firme
    6 persegoir-lhe o editores al ararle.
    Alm 'isso, dero dizer-lhe q u i na copia que
    enveiao reverendo padre, nio s< icham teno
    seis partes di mioha compesigao, : odo eneirre-
    ga Jo um amigo de completar enli obra, que eu
    nao podia acabar, por estar eoti o gravemente
    indsposto ; e como nio durido e que V. sej
    oom msico, estoa corto, que ext mioiodo esss
    copia lhe hi de ser faeil descobr: c a differeog
    'estilo d'uma parte e d'outra.
    Depois, pssssdo algum lempo. -- listando res-
    tabelecido acabei mioha obra e d'esse resto
    s em meu poder existe o mtrogm ho.
    Sioto rauito nao poder permtttir lhe s publica-
    rlo do meu Stabat, espenndo occiio mais fa-
    vorivel pira lhe mostrar a disiiocM. conaideragao,
    com que me coafesso
    VOSSO s Tfigoado.
    Joaquim ILossini >.
    "f/olonha 28 de setembro de 1811
    O processo eslava apenas iontt urado, a ji a
    obra comegava a fazer bsralho ao nodo artsti-
    co. Em urna reuniao intima, em tu i de Mr. Zim-
    toerman, cojos saldes foram por i mito lempo o
    rmdezvous da flor dos msicos, fizera-se urna
    primeira leituri do Stabat na prenngadeilgum
    amigos de Rsela!, e o effeito fdrs prodigioso.
    Alguns diis pssssdos, no docai go 34 de ou-
    tabro de 18<1, Mr. Troupenas rBtioiu nos saldes
    particulares de Henrique Herz ilgnos artistas
    cHstinctos, e o principies represe tantes da im-
    prensa.
    Foram ahi cantados, no meic te applsasos,
    seis partes do Stabat'. Ao piano estara Th. La-
    barre, os coros eram dirigidos j(i Panseron, os
    tfous quartetos por Glnrd, e os si los eram mi-
    Ame Viirdot-Gircia, mdame L abarre, e Mrs.
    Alexis Dupont eGeraldy.
    No dia segulnte todo Pars s.n a qua Rosiioi
    tioha composto ums nova obra pruna.
    No entreunto, o processo segu os sana ter-
    mos, e o editor verdadiiro nao ii biaque meios
    ampregar para dar a nova f udi a m Rossini a
    publicidide quaolli mereca. Concuos ao piano
    com na simplei quarteto d'acompanhimetito,
    oso era digno 4o maestro /
    Doui mezes iuIb passaram. Todos ssbiam pe-
    tos tribanaes, que existii urna composigao reli-
    giosa do autor do Guilhtrme Tell. mas cincoeo-
    ta passoas o apuito qae a tiaham oavido.
    Depois do primeiro deaempenbo naquella reu-
    niao particular, oio era possivel pr-se em du-
    vida o succesao que havia de oblar peranta o pu-
    blico. Fanatisados pela msica, e convencidos
    bem de que oos nio eoganavamoa as nessts
    espersngas, fomos ter com Troupenas' para
    lhe pergunlar se quereris ceier-nos o direito ex-
    clusivo de execugo do Stabat durante oespseo
    de trea mezes em Pars.
    Que somma me o He rece ? nos responden
    Mr. Troupenas.
    Oito mil francos.
    A Obra olo me casta senao aeis mil, a por
    isso a offerta agrada bulante. Dentro d'uma hora
    o meu socio, Mr. Masset, estar em sui casa, e
    lhe levar a resposta.
    Nao falto. A resposta foi um cooieotimento.
    lo continenti, lhe contamos oilo mil francos, e
    em troc nos deu urna copia do manuscripto.
    Se porm o editor assim tinhs lio fcilmente
    cedido ios nossos desejos, a razio en porque o
    amedrontarara demaaiado aa difficuldades da exe-
    cugo publica. Goube-noi vez de bter aa por-
    tal dos theatros, e de s encontrar decepg5es.
    Mr. Len Pille!, eoto director da opera, re-
    pon Jeu-nos que o seu theatro nio era feito pira
    a msica d'egrej, e que o Stabat i podia aer
    bem desempenhado na Magdalena ou em S. Ro-
    qe Mr. Dorraoy, que diriga o theatro italiano,
    recasou associar-ae comnosco, e nao eatava per-
    suadido do successo fivoravel. Nao nos restava
    pon mais do que um meio, alugar sil* dos 1 ca-
    lanos, e obter a oossi custi os solos, os coros,
    e orcheslra. Nao hesitamos.
    Para isto o que primeiro era preciso, en ter
    a certeza do coucurso dos primeiros artistas.
    Giulia Griii e Mario nao compreheodenm ao prio -
    cipio todo o alcance di obra, e acolhenm com
    frisza o nosso.projacio. Tamburini s nos com-
    prehendeu ; depois de ter lido duas vezei o Pro-
    peecalis, e langado um olhir lobre o todo di obra
    exclamou Dello. admiravel ; irei fallar a
    Grisi, Albartizzi, Mario ; no entretanto, pode
    cootar inteirimente commigo .
    Naquella mesma noule Mr. Dormoy noi innua-
    cou que estes artistas caotariioi o Stabat. De-
    positamos a somma de seis mil francos para ga-
    rantirs primeirasdespezas, que porfim de con-
    tas, subiram at os oito mil. -A nica reserve
    que fizemos, fui, que nenhuma pessoa estn-
    nba 10 iheJiro fosse admitlida aososaiai.
    No du seguinte, o Staat brilhav em lettna
    g.-rrafies nocartizdo theatro italiano. Dou diaa
    depois, os coros e a orcheslra eram convocados
    para o primeiro eosaio.
    Mais de seiaceotos pedidos d'entridis foram
    dirigidos i Mr. Dormoy, que segundo oque com-
    binari comnosco,leve ue lhe responder negativa-
    mente. Ni sala oo eslavi. no dia da primeira
    prova, pessoa alguma a oo ser os e o director
    do theatro.
    Depois da introducto os artistas estupefactos
    nao sabiam como exprimir a suaadmingio, e o
    passo que se prosegua na leitura pois nio era
    outra cousa mais do que urna leitura os in-
    terpretes do Stoat eram cada vez mais domina-
    dos pela eniocd. O quarteto sem acompanha-
    mento. a aria do teuor, o Inflammatvt e o Tro
    piccatw, puzerim o cumulo ao enlhusiasmo ; no
    nm iodos os arcos baterim nos seus instrumen-
    tos, e do seio da orcheitra e dos coroi se elerou
    um grito unnime d'adniiraqo.
    O effeito deste enssio reliniu bem depressa por
    fora. r r
    N'um s dia torios os lugares foram alugados
    pan a primeira execugo.
    De todos os lados perguntarsm o dis em que
    devia ler lugsr o segundo ensaio ; seria precisa
    ums sala quatro vezes maior da que a dos ita-
    lianos para conter os curiosos, que queriam as-
    sistir. *
    Mssdesta fez aiuda sala ficou completa-
    mente fazia ; essa era a nossa fontade. Desis-
    t'mos de pintar o fanatismo, que se apoderou dos
    executantei nesti segunla profa ; en urna espe-
    cie de delirio.
    Emfim chegou o momento solemne. O Stabat
    de Rossini foi cantado disnt de urna multidio
    immensa, a 7 de jaoeiro de 1842, na aala Veoto-
    dour, s duas horai da tarde.
    O oome de Rossini foi acclamado no meio dos
    applausos.
    A obra completa transpartou o aiditorio ; o
    tnurapho foi Completo.
    Fizeram repetir tres partee; o Inflammatiu,
    o quirt6to sem acompanhimento, eo fro pecca-
    t\t, e todos sahiram do theatro commovidos e to-
    mados de urna admirdco que alcancou bem de-
    presia todo Paris.
    A, entio, o theatro italiano, sob direegiode
    Mr. Dormoy, arrastava urna existencia pouco dig-
    ne de inveja.
    O Stabat vinha trazer-lhe urna ida ora; o
    director comprehendeu-o, e tevepezar de haver
    repellido a associago, que lhe linhimoi pro-
    posto. r
    No dia immediato, ao romper do dia, ahi eata-
    va elle em nona, cas, com o desespero o alma
    pedindo-nos, supplicaodo-tos, que lhe cedesse
    esse Stabat, que devia reslibelecer a sua for-
    tuna.
    Podi recusir-nos a asa para oulras execu-
    goes.
    A amisade que nos liga a Mr. Dormoy, veoceu
    as preoecupages do ioteresse, e bem fundadas
    poique poderiamos ter tirado alguns cem mil
    francos ds explorago do novocapo lavoro,e
    consentimos em ceder os nossos direitos a Mr.
    Dormoy pela quantia de 12 mil francos.
    O 5a6a foi executido quatorze vezea dunnte
    a estago, e deu mais de ciocoenta mil francos i
    direego.
    Dous mezo volvidos, a 10 de abril de 1842,
    Rossini, que nao lo insensivel como se que-
    ra faze-lo acreditar, escrevia-nos carta se-
    guinte :
    a Meus charos senhores.
    t Soube ludo quaolo tendes feito pan a exe-
    cugo do meu pequeo Saiaf afer no theatro
    italiano.
    Nao labia que Mr. Troupenas vos tivesie ce-
    dido os direitos. que eu lhe havia conferido. Fi-
    quti tanto mais satsfeito quinto vejo que o ne-
    gocio foi bom para vos, e que gragas vosaa ex-
    cedente amisade, a obra tere interpretes, que lhe
    ssseguraram o snecesto.
    Recebei os meus sinceros igradecimeolos,
    que espero poder renovar-nbsrm Boloohi,onde,
    segundo me escreve Mr. Troupenas, deveis vir
    brevemente.
    J. Rossini. >
    O processo, que tiohi origioado o Stabat, foi
    emfim julgado ; foram declaradas improcedentes
    as pretenges de Mr. Aulagnier, e Troupenas re-
    conhecido o nico e legitimo proprietario da par-
    titura do maestro.
    Mas nutro processo, bem mais serio sob o pon-
    to de vista d arte, assignalou a apparigio da no-
    va compoiigo.
    Da tela forence foi o debate levado para a are-
    na da critica.
    liase nos eramos deise |numerosuitenti-
    vam que o Stabat de Rossini tinba a cor musi-
    cal, que o aaaumpto exiga ;outrose forma-
    vam uma pequea minorapretendiam qoe nio
    era religiosa aquella msica.
    Obi osbons apostlos I dae-lhei a esses puri-
    tanos intralaveis, caotocho com acompanhamen-
    to de serpeotio I
    O Stabat de Rossini nao bastite religioso ?
    Acaso esaa msica nao religiosa, porque vos
    commove a alma? Acaso na egreja o coragio de-
    ve conservsr-se glido? Na egrej nao se cho-
    ra? nao se sentem dores? a alma nao devela
    star profundamente commorida? O coragono
    bite? A orago nao comporta ardores infinitos
    ba duas especies de oragoesa orago qae im-
    plora a orago de lodoi; i origio que rende
    gneis, das almas escolhidss I Nio oa egrej
    qne se minifestim os grandei iffectos, os gran-
    des abilos interiores? e i msica do Stabat
    que dere ser a msica de todas estas cousas, te-
    mis por ventura, que a sua meloda nao seja
    muilo.expressival
    Mas a esculpala da egreja nio admitte senao
    grandes figuras de mooges, direilaa e auaterasf
    oao admitte lambem bellos aojos ijoelhidos, e
    relindo, ou procurando lomar o vdo? virgeos
    encantadoras de uma belleza Ideal?
    E i pintura da egrej nao comate linio roa
    toa sombros e descorados? Exclue ella acaso i
    riquezi do estylo, o brilho e variedide na
    corea ?
    Recela ella commover com aceoaa dnmaticis ?
    Nao noa moatra lambem belln HagJalenai de
    compridoa cabellos de ouro?
    Ew uma palarrao sedimento religioso DQ
    contm essoBciaamoate um elemento potico ? e
    ecredilaea que a msica va* retirar de si a ai
    poesa |
    Eia o que diriaa os horneas de goslo a propo-
    sito do Stabat e a opiniao poblica poz-sedo seu
    ido.
    Pode dizer-ae que ha laxo demasiado na har-
    mona, as modulsgoea, oos oroimeotosmas
    em geni a obra tem o carcter religioso no sen-
    tido da meloda. E' ama bella munca, radiante'
    de astro e genio. Hoje nao se discute ji leme-
    Ibmte pooto.
    Desda 1842, nao se tem panado uma nica ea-
    tago no theatro italiano, em-que nao toaba exe-1
    cotado o Stabat pelo menos uma vez.
    Em 1854, Ragani quiz ficar fiel a tradico e
    pin dir a obra o maior brilho possivel, condn
    sua execugo i aelitea di ai compaohii. Al*
    boni, Frerzolini. Mario, Grizimi, reforcidoi com
    Eroeiti Griil, Weith, Dalle Aste, Nerl Birsldi e
    Florenzi.
    llouve mrtilo sentimento em nao ser visto fi-
    gurar Tamburini neste programan ; i o seu oo-
    me um oome para lempreinaepiravel do Sl-
    bala de Rossini. A orchailra e edros foram aug-
    mentadoa.
    [Diario Mercantil, do Porto.)
    Variedades.
    ORIGEM E FESTAS DE ABRIL.
    Estamos no mez de abril, no mez da gragas e
    das flores,em que primavera, a princeza dis es-
    tages, coroidi de myrto e rom, orri leda e
    gentil.
    Como este mez era festejido em antigoa tem-
    poi I
    Entre o romanos idolatras foi qiasi todo vo-
    tado solemnidades e regoiijos pblicos.
    Romulo, primeiro rei de Romi, conslituindo o
    aooo de dez mezes, conssgrou este, que era o se-
    gundo, i deusa dos amona, de quem presuma
    deaeeoder. Succedoado-lhe em seguida Numi
    Pompilie, qoe retormoa o uno, dando-lhe dose
    mezei, abril flcoa desde eolio em qusrto lu-
    gar, leo todava perder as prerogativas que o
    ennobreciam e toroavam juncuodo aos olbos do
    povo.
    Com que delicado engeoho Ovidio, incensando
    grsodezi e f aidadei de Augusto, relata em hir-
    mooioioi fenos orlgem de abril I Aposentan-
    do como symbolo di fecuodidide di niturezi i
    formosi Veous, delli faz derif ir o nome deste
    mez todo festival, em que pullulam muitaa plan-
    tas, floreicem e frectificim.
    E' ueste sentido que Lucrecio, no poema Dt
    rtrum natura, Ibe chama Alma Venua, e
    Voltiiie, n'um elegite trecho de poesii lyri'ca.
    tntrt de a nalure.
    A procedencia de abril, comquanto fosse aa-
    sim interpretada cora gsliote agudeza de espi-
    rito pelo autor dos Fastoe, pirece-nos, porm,
    je-la maia clan e conieatioea na descripcio de
    Varro. v*
    Este escriptor presuppde echar no verbo latino
    aperire, que significa abrir, a etymologia de
    apnlit, abril, ediz que com o oome ds abril se-
    na denominado este mez, porque nelle, aperlada
    indi a ierra dos rigores do fri, comeca a abrir
    eua aeioa aos impulsos da vegatagio, como obe-
    decendo s immuiaveis forgas que a teram pro-
    hfica eproducente
    O povo de Roma via neste mez uma poca de
    budancia e alegra. Olhando pira o campos
    conlemplav oiricoi dooa com qne a niturezi le
    idoroi e suiteota os cultpre di tern ; olhando
    pin o circos vii-lhes ibert ai portn; n'umi
    pilavra moatrando-ae-lhe deste modo o panem
    et cxrctnttt, a maia oada pareca aspirar.
    Eis aqu enumeradas a largos trigos as princi-
    pies solemnidades usadas no mez de abril entre
    os romanos:
    as calendas deste mez, que cahsm no pri-
    meiro di, nao havia despacho nos tribuoaei. Ai
    damas, coroadas de myrto, dedicavam a Venus
    um sacrificio. As donzellas adultas offereciam
    tambero nests dii um sacrificio i Fortuna Veril,
    a quem lupplicavim que occnltisse seus defei-
    los corponei aos mancebos que pretendessem
    desposa-las.
    No da 4 eguaes sacrificios enderegavam a Ve-
    nus Pdica as que eslsvim ooivis, afim de que
    esta diviodade Ihes impinsse o curoprimento da
    delidade conjugal, que haviam promettldo a
    seus amantes.
    No dia 3. 2* das nonas, havia jogos tnsjalesios
    em honra da me dos deuses, que daravim oito
    No quinto dia commemonva-te no Monte Qm-
    rmal a dedicaco do templo da fortuna ou -
    o/ica. "
    O stimo dia en consagrado ios jogos de Ce-
    res, e a solemnisar o mniversario di victoria il-
    cincadi por Julio Cenr. depois di batalhade
    l ninalia, coulra Juba eScipiib.
    O da 11 con lava -aer entre o de miior cere-
    monia, porque nelle se celebrara a entrada de
    venus em Romi com procisses, ogoa e varios
    folguedos.
    No dii 13. em que cahii o i* doa idos, nio a
    ae dedicavam grandes testas a Jpiter Vencedor
    como lambem liberdade da pitria, em virtude
    de um voto de 0. Finio.
    No dii 15 en fests fordicilia, na qual se sa-
    crificarlo) trinta vaccaa, chamadas farda.
    No dia 18 funegio figurn toda no circo-
    maximo.com uma grande corrida de cavallo*-*
    outra de raposas cobertis de pilhi, i qual se
    lirgivi fogo para maior divertimeato doa espec-
    tadores.
    Seguia-se odia 19 com a feata palilia dedi-
    cada a Palas em memoria da tundac>o de Roma
    Neste dia lambem ae consummava um famoso
    sacrificio em honra dos deuses immorlaea pela
    victoria alcao^ada por Julio Cesar na Hespanha
    contra os filhos de Pompeo.
    Em 21 fazia-se a fests do vinho, denominada
    vinaia, consagrada a Venus e Jpiter.
    Em 26 celebrava-se a feata chamada robigalia
    por aer dedicada a Robigo.
    Em 28, fiualmente, fiiiim-se as festas oralia
    em hoora de Flora, commemorsodo-ie no Monte
    Palalino a inaugurago de Vate no palacio de
    Auguito.
    Na nossa trra o mez de abril nio ae recom-
    mendi pelos festejos pblicos que nelle hijam,
    mu pela bellezi e esplendor dos seus perfuma-
    dos diis.
    E nio no corscio dis cidadei que mais eo
    perto te paienteiim seus enlevos I
    Pira os podermos gozar mister deitaro apo-
    sento aristocrtico e correr aos campos e s praias,
    onde fulga desaasombndi s miaren.
    B ali que dos regagos da aurora ae v6 orguer
    o rei dos astros dirdejmdo seus ratos de ouro
    entre ai azuladas huvens do cea ; ali que re-
    sam livremeole o cinto sonoroso dn aves, o
    murmurio da fonte crytilioi, e o ciciar dis ri-
    is agitadas pela bria da manhii; ali quo se
    escuta o susurro di viga do ocano, que vem ns
    fice da Ierra desenrolar-se em alvisiisaes eipu-
    mn ; ali que oa corolla das flores resplande-
    cem i tos do sol os orf albos di nouteaeaelhin-
    do peroias e aljfar; ali que ae podem smen-
    te ou vir os primeiros balidos do rebinbo, que
    deixa o eoochego do reodil para povoar tollinas
    e pradoi tipegidoi de verduris e booims; ali
    que se ou vem os primeiros toques do uno da
    ermid annunciando a alvorada e convidando
    oragio oa filhos da f ; ali, pois, que em fice
    de todas oslas harmonas e maravUhas da natu-
    rezi nosss alma se engrandece e levanta al o
    throno da diviodade suprema I
    ESTACIO DA VE16A.
    (JYacoJ.
    EPISODIOS INTERESSANTES.
    Os jornaes de Lisboa vem cheios de episo-
    dios, a que lem dado lugar a entrega retardada
    das carias, que conaervara em seu poder o car-
    tiiro Patrocinio.
    Pelos julgarmos ioteresuntes, ramos trans-
    crere-los com a derida venia doa nossos' col-
    legas.
    RESSURREigO IMPORTUNA.
    A' porli do Sr. F. di S., honndo e abistido
    negociante de trigos, que vire oss miis ioveji-
    veii harmonin domesticas com sos esposa, jo-
    ven liada, i quem adora, ba leu mies de hontem
    um cirteiro do correio geni. Pelas gradea da
    eaocella recebeu criida ama cirli com direego
    para a seabora.
    Esta risgou o sobreacripto e ao ler aa primei-
    ria palavras tornou se paluda. Aos olhoi do
    marido nio passou desapercebido este pheoome-
    ao, e o bom do negociante desejeu ver a epstola,
    que icabivi de entnr-lhe em cita e impreaaio-
    aira a aui metido.
    De quem essa carta, fiihinhi ?
    E' umi carta insignificante..,, da Annica
    das Escolas Geraea.
    Fiseate-te lio bnncaleo le-la....
    E' qae asta lettra....
    Deixam'a ver....
    E' impoislvel; enterra um segredo da ml-
    nba amiga, qna nao deve paanr da mim.
    ~T marido contim-n todos os se-
    gredos.
    -TT S!2 d,lI,d,' '' <>a saa malber;
    porem eate nio ai meu.
    4E,U i,o8 augmentou a ciriosidade do mi-
    rido. o negociante iproxlmou-se de sus mulher
    o laogou ota olhar sobre o papel.
    A espoaa dobrou rpidamente a carta e met-
    an-a no seio.
    Filbiahi.esse procedimento faz-me descon-
    fiar.
    Desconfiar de que? tontnho. Pensaria tu
    que eu s]a capaz de uma tnigio ?
    Quem fallou em Inicio tllhinha ?
    Sentaram-te n'um sof. Trocaram-ae cari-
    cua ; o negociante notoa qae Iremii a mia di
    iua esposa, e nio podeodo conter um impelo
    Rroaaeiro arrancou a carta do aitio em qae ealsra
    guardada. A pobre aenhora aoltou um grito de
    afflicgio e caiu quaii sem sentidoi.
    O negociante lea d'um a folegojtodi a eaiato-
    la at a inlRoitura. Aa suai fices nio so flze-
    nm minos paludas que as de sua mulher.
    A cirt resifi una :
    f Queridioha.Nao possoirhoje ver-teftabn-
    gir-te. A mioha vontide era vor j io teu en-
    contr o cobrlr-tede beijos pan mitir asas sau-
    didei qae me tem devorado.
    < E tu tena pensado em mim ? Neatea longoi
    din, oeitis noutes sem fim, em que ea leoho
    acariciado coro a pbiotsiii os teus labios e os
    leus cabellos, nao me eaqueceate lambem um
    momento ? Um guarda, que vae para Ierra bi
    da procurar-te, e eiplicar-te o motivo da miohi
    demors. Escreve-me ao menos duas lianas a at
    iminha, queridioha.
    A Ultra e i assignatura deali carta eram do
    primeiro marido di esposa do negociante.
    O silencio que se seguiu i leitura foi. solemne
    e triste. Eocsravam-se os esposos, e aa lagri-
    mea corriira a fio pelaa faces dos dous. Ami-
    vam-se tanto ji, que a ressurreigio do marido
    era pan os esposos o acontecimento maia impor-
    tuno qae acaso podia trazer.
    Mas o aignatario da carta tioha fallecido havia 8
    8n?* Da ilna da M allvioa para a afeecflo pulmooar a qae suecum-
    biu ; en certides de bito estavim em ordem,
    e at os resupi mortaes tiaham viudo para Lisboa
    e haviam aido sepultados no Alto de S. Joio.
    Como explicar o que se passava ?
    O afflicto negociante enchugou oa olboa e lea a
    cirta pela.aeguodi vez, porque ludo lhe pirecia
    um aonho. Achou entio nm poif toriptum, pe-
    lo qual linda nio tiohi dado.
    O pott scriptum dizia assim :
    Manda-me o calimbo pequeo, e oito tos-
    toes, a ,
    Estas palavras nio estavam realmente em har-
    mona com a carta que o marido diriga a sua
    mulher depois de oito annoa de ausencia.
    O negociante lerantou do chao o subscripto e
    fia qae i marca do correio en de 1852.
    Estivi ludo explicado. A carta era daa que
    foram encontradas ao carteiro Patrocinio ; falle-
    cido na calcada da Estrella. A esposa lorrio-
    do-se de alegrii lembrou-se de que seu defuoto
    marido, que fra aspirante de tercein classe ds
    Ifiodeg, lhe eicrevera uma vez de bordo do
    registro, uma carta que nio fra entregue.
    OUTRA
    O nosso folhetinista o Sr. Julio Ceaar Machado
    recebeu hontem uma caria pelo correio, convi-
    dando-o para um jaotar d'annos, em Pago d'Ar-
    cos. i 6 horai da tirde do dii 15 de julho de
    1857. O Sr. Michade responden hoje a eata car-
    ta, agradecendo o convite.
    PROTESTOS DE AMOR.
    Uma daa nossas illasires sssigaiates, senhori
    que soffreu dun grandes desgragas, i de casar e
    i de enviuvir, recebeu hoje a aeguiole carta re-
    tardada dn que estavam em poder do carteiro
    da colgada da Estrella :
    a Aojo.Vi-te a aaei-te desde logo. O meu
    peito urna foguera iccendida pelo fogo dos
    teui olhoi iteiidi pelos teui combustiveis sorri-
    soa, e oa qoal arde inceaaante a minba imigi-
    nago.
    Viste crtera do Veaurio em dii de erop-
    gio ? assim a mioha bocea. Viste o mar agi-
    tado em dia de vendaval ? assim o meu cora-
    cao. Vine um navio perdido tem norte aero pi-
    loto prest* a qaatirar-n no cacho pos ? aailm
    a mioha vida m ineertezi do teu amor. Virgem,
    fids, hur myade, amor, ae me nio respondes a
    esta aiaaiva leras depoii de imiohii o mea ne-
    crlogo, porque tu s pin mim o verdidero
    Scyli e Ciribdea. Ou o teu amor ou i morle.
    Teu eterna amador,
    F....
    A lenbon que s hoje recebeu eiti ardeote e
    posit'i opistoli, que lem data de 1850, tere
    receio de que o cirteiro que a releve fosse cauaa
    do suicidio, que ali se aoouociafa, e tratou de
    buscar noticias do amigo adorador.
    Soube o lguiote :
    F. casou oito din depois di diti ds cirt com
    uma viuva rica. A viuva falleceu no fim de aeia
    mezes. F. j havia feilo proteatos i uma rica
    sexagenaria. Casou com ella anoderou-se-lhe
    do cofre, e fugiu para o Brasil-oode casou duas
    vezea. F. rolveu a Lisboa ha dous annos, e an-
    da ha das eacreveu uma carta, lemelhaola a es-
    ii ue ihi fici, i uma amiga da ilustro senhori
    qulno-li eoviou.
    Sao assim os namorados 1
    HALEVI.
    Ha das demos n'um telegrama a noticia di
    morte d'eate celebre compositor de msica, que
    teve lugar em Nice.
    Encontramos n'um jornal estraDgeiro a seguin-
    te biognpbii d'elle.Jaque Elie Manoel Haleri,
    7QQpul de Cherubin.i. maceu a 27 de miio de
    1799, em Pirii, onde deu n primeiria provaa do
    seu talento, e alcaogou na edade de 12 annoa, o
    premio grande no conservatorio.
    Foi dipoia de doas annoa de esludos n'ests
    escoli publica de msica, que priocipiou a apren-
    der oa principios da composigio debaixo di direc-
    gao do immortil Cherubioi, e io cabo de outroi
    dous innos, o mestre coofiouso seu joveo disc-
    pulo a direego das classes durante a visita que
    fez a Londres
    Continuando nos seua progressos. Halevi antes
    dos vinte annos slcongou o premio de compoii-
    gao no Inatituto. e foi enviado a Roma pela aca-
    demia da msica. Ali eicreveu i sui primeira
    opera, Pygmalio, que eaviou i academia de
    msica, onde obleve grande succesao e o aoimou
    a escrever maia. Todirii apeaar d'estea trium-
    phoi, loffreu dures proras antes de poder reco-
    Iher o fructo do seu talento,
    Em 1827 produziu a opera Phidias cuja popu-
    laridade oo tinba anda diminuido quando ap-
    pareceu o Arti/ice.
    Em 1832, empreheodeu acabar a partitura de
    Ludoico, obra que Herold tioha deixado incom-
    pleta.
    Em 1835. Halevi escrereu para a academia de
    msica a opera A. Judia, a qual foi immediala-
    mente representada em todas n capitaes da Eu-
    ropa. Nio cooteole com a sua celebridado como
    compositor no genero de msica dramtica, at-
    trahiu bem depressa a attencao pela aua pera-
    cmica O relmpago1 Depois appareceu a aua
    obra prima, Guido Ginebra, e entio em 1852, a
    Rainha de Chypre appareceu na grande opera.
    No anoo aeguinte'psrs o mesmo theatro produ-
    ziu Cario VI.
    Ai outras opern sao O rti t o Barqueiro,
    produego precoce represeotadi em 1828 ; O val
    d'Andorra, que teve 165 represenisges successi-
    vas, e fez a fortuna di opera -cmica Cuitarreiro ;
    O mosguettiro da Rainha,a Fada dat rosa e a
    Feitceira. A sui melhor obra sem contradieco
    A Judia. v
    Halevi era membro do inatituto, edurante li-
    gase lempo fez is vezes de secretario di Acade-
    mia de Msica.
    OMORNING CHRONIELE.
    Este enligo jornal de Londres, qae con(avi ru-
    da menos de 93 innos de edide, Interrompeu no
    djs 20 do piando a aui publicago.
    O Morning Star, e o Standard tnduzem esti
    interrupgio como a morte do jornal.
    A' excepgo do PueJtc Leiger, era folha dia-
    ria miis amiga da capital da Inglaterra.
    MORTE DE UM PINTOR CELEBRE.
    Aa noticiaa de Paria dio alt fallecido Henri
    S.heffer, autor de muitoi quadro notaveis. Entre
    ello conta-ae o de Carlota Corday, que auaasi-
    nou o republicano Marat;este quadro tem aido
    muito admirado osa erposijaa ae bellas res,
    em que
    trra.
    teta apparacido, em Frang e Iogla-
    -
    RKURSO PAbURIR.
    Um empngido publico demitlido esa certa re-
    partigao, priocipiou a vociferar que se o nio re-
    integraaaem,brevemente lhe morrena muita gente
    as mioa.
    Chamado i polica, o chefe reipectivo lhe per-
    guotou o que elle quera dtzer por aquella amei-
    ga, respoodeu ; Eu nao imeigo nioguem ; o que
    digo que se me nio dio ouira vez o meu em-
    prego, too eatudar medieini.
    MIRES.
    O binqueiro Mires chegou a Doosl ni tarde de
    26 do mez pissado. Uma carroagem de aluguer
    o esperara pira o conduzir ao carcere de Saint-
    Vaat.
    PRINCIPE D'HOHENZOLERN.
    u.1 di* 1* o coente chegou a Madrid e foi re-
    cebido por S. M., o principe pruisiino, irmio da
    defunta raioba de Portugal, e cuobado d'el-rel o
    hI'^-mI 'cT* A.*L '"i' inwgailo com o titulo
    de conde de Slrazfberg.
    fallecmento.
    F 61" "m lj9a 8rcel^1Ptt de Tn,,n St-
    Bate prelado eslava ha dez annoa anaente da
    aua dioceie, por motivos polticos. Era decidido
    sectario di reaeco.
    O que todava nao obilou i celebngio d'exe-
    quias solemnei pelo leu eterno repouao, a que o
    povo coocorreu, demonstrando issim a graodezi
    d alma, de que elle sempre cipaz.
    NAUFRAGIO.
    No dii 31 de jmeiro do correte inno demin-
    dou o porlo-do Fuochil a galera franceza Pana-
    m, para por em Ierra o capitio e dez peuoia di
    tnpulsgio di galera americana Hateltine, que
    Indo de New-Yoilt pin Filmouth, com carga de
    trigo, fra a pique oa latitude n. 49* 25 e loogit.
    5 de Greenwicb, sem que se podesse salvar
    man do que a tripulagio.
    ESTATISTICA VERGONHOSA.
    O Eveoiog-Staodard de Londres, publicou ama
    estatialica cariosa dos aconte distribuidos ao
    exercito inglez dorante o auno de 1860.
    .Na,C4Vallaria bouve 41 horneo catigados com
    19:751 agoutes.
    Na ifaoiera 96 homena com 4:647 agoutes.
    Na artilheria 41 bomense 1:950 sgoutas.
    Nos eogenheiros 1 hoaem e 15 agoutes.
    Na milicia nada.
    Delta singular estatistica reaulta nm ficto que
    parece incrivel ; se 41 soldidos de el vallara re-
    cebaran] realmente 19;751 agoutes, claro que
    perteocem a cada um 481 e uma rsegio.
    E um numero exorbitaote: e o mais notavel
    qae o peridico, que com tamaoha indifferenca
    coordena e publica eases dados sanguinolentos,
    e um dos mais ardentes 6o/'ciont'io da eesravi-
    dao.
    Sem duvida valem menos as carnea de um
    soldado inglez do qae aa costellaa de um negro
    afneano I I
    SUICIDIOS.
    No anao de 1861 houre em Paria 3,899 suici-
    dios, contando-se no numero dos suicidados 864
    mulberes, 3,019 homens e 16 rapazea. O periodo
    da f ida de mais auicidios dos 40 ao 60 annos e
    os mezes mais funestos sio abril, maio, ionho e
    julho.
    (Diario Mtrcantil, do Porto.)
    COMBATE NAVAL NA AMERItV DO NORTE.
    Foi em Fraoga,e nio oo paisclassico dosaper-
    eigoamentos oaraes, que primeiro se curou de
    chapear de ferro o costado dasembarcaedes, para
    melhor resistrem s balas decanbio. Diz-ae que
    ao imperador Napoleo devida descocerla ; e
    em 1854, no msr Negro, figurinm is cinhoaei-
    ni franceza3 courigtdn ilticindo, a desmoro
    nando fcilmente oa reductos da Kioburo.
    A spplicigodosystemiiniriosdo maior por-
    ta oo tardou nos estileiros fnneeses. A fragata
    Gloire foi o specimeu completo di nova altera-
    gao fia tctica doa combates miritimos. Os Io-
    glezei procuraram loilysar detidimenle esse pro-
    cesso de armamento ; e asloformages das pes-
    lon competentes, as expiritncias a que se entre-
    garan), condemnivim formalmente a invengio.
    As pegas crArostrong perfunvira a diatancia
    de uma e du que se reresliam velhos cascos, destinados ao
    onsaio. Os estilbagos produzidos pela fractura do
    metal devlam causar terriveia estragos a bordo
    ea cuamigao ficava exposla a multiplicados de-
    sastres.
    Entretanto, a pratica ulterior abslou essas coo-
    vicgoea. O almlnolado britaooico decidiu seguir
    o exemplo da Frang. Conitruiu-se a eoorme
    fragata couragada iWarrior, pouco depon o
    Black Prioce ; e hoje achsm-se quaai promp-
    i ou doze eabarcagea quasi das mearaas
    dimenses.
    Restava o ensejo de uma lula real para altestar fHM?,B- ^ew,#" *
    mrito oa visos ch.peados. nio ai ea r.li :!TWiV?\22; 131
    a. navio, de m.delr. Pcoma'.na outroa n^ -gjj EXbiSSr*-"
    (Jornalio Comir.trci la
    aoi nivioa de mideiri, como sos outros tambe_
    forridoa de metal, o combate oceorrido a 8 a 9
    do pinado naa aguas do Norfolk, America do
    Norte, pirece haver brilhantemante reaolvido o
    problema.
    O aeparaUstaa, seahorej do maia imporisola flRN, TTP. 01 M. F. DE FARIa FILIO
    aao oacaa-
    vissvaiaea-
    raenal doa EaUdoa-UoMoa. havliaa peala a aula
    * frigiti Merriaaac, boas rthilia ii Tito
    onde irfou ba ilgaas inaaa. rav.^ai, .7
    saa chapas de farro, a adaatoaeto a para a
    A fragati, deseando a aaal, aaaM
    ea trente de um i crvala do 24 tacas a
    laod. a da fragata a 50 pansa
    poaea distancia do forte Huaro*,
    uaaergva ioiUota o primeira m
    vio da vela, obng.olo o outro a nadar-aa Na
    maoba aeguiole eacoatrou advernria lisac-
    oo dalla. A balera coungidi federal taoBaiaa
    di Monitor lecudia i refregs ; a pr amca
    cinco horas daa vivtseiaae imtmmoVeJZ
    ohoesdo ealtaro 60, 80 e fOt. reitraaoTm
    teodores, cada aa para asa lado, sea vulva!
    calibro.
    O do Norte ifflraia* qao i barda
    tor, i excipgie da algaaaa aaeka#
    lado e na coberli, nio boave aa aa (erVoO a
    apenn auppdem que a Maniaao (ai a aiaal
    varadi pelas balaa ea aa aa doa peales da
    coatido.
    Nao queremoa privar os laitore da ailleriwe
    deacripcio do Biitimore o Aaaricaa aa di aa
    penpeciis do combate cm aaa riiraiaaitoetU
    de teatemuoha occalar :
    c A aonotooia aa qae vivieaea aa Oid Fo-
    ol deavanaceu-ae no nbbide, pola vatti a i
    hora da larde, quando aos tatstea %. eeai isa
    b.rc.gao mysierios. er. Merrisaae, caaaaaa.
    dada pelo capillo Buchinm Ttbtada
    can aubmergida coa otolbido ira eTsaa
    cu o canal, procedente de Norfalk. eacaataaa-M
    * biterui aepinlistis de Stwilt'a Paiett. Tarea
    de alarma foram logo dadoe pala corvte eCaa-
    berjind, do commindo de laoaate crio. eU
    fragata Coogreaa. s ordea da taaaato SaaMI
    fendeidaa junio ao rio Jaran. CoaUva-ae eaaa
    uxilio da fragit. v.por MiaaesoU. 4a *t ao-
    gn, commandante Parviaoce, di Incala da valla
    St. Liwreoce, e corveu Boaaoke,
    miu alm. Todos foraa caaaedeo a
    em ierra eocheraa-ae de espectidoras aa
    goea do terreoo.
    Entretanto, o monstro nutico aaaaaaj aa-
    guiodo diiiiucii por doui vapores ce*vacaOei
    "? ?.or D0B" Jowa e Yorkiaire. Ba
    antiga Merrimic ipems sa via ira f-aai a
    eoorme bmdeiri aepinliaU, e laaaacaaa da>
    ,.?' Pr,eulu raageatosimeoU ato pasear Sa-
    well a Poiot; e metiendo a prdi aa ciaai aaa
    conduz a Newport mvegoa ea dreian ana na-
    vios degaerra Cumberliod i r fu Baaos
    Apenas a Merrimic nieva ao alnaca da
    Cumberliod, esta coaeeaa a faga aaa
    grande calibre. Mas aa baleo >tuae aa
    e ncochetavim como ervilbaa sarna a
    eapingirdi|de pao do aaa creaagi. A
    do vaeo aepanliiu caotiaasraaa '
    S 1
    EXPOSICAU DE LONDRES.
    bm quanto que no palacio da exposigo se fa-
    zem prodigios da acttridade, e que se comeg i
    asaeofsrdar e collocar os numerosos objectoa que
    todos os din chegam e se accamulam noa rea-
    pectivoa departamentos ; lerinti-se em frente, e
    como por encanto, um edificio aupplemeniar de
    40 metros de extenso, para oa objectoa daquel-
    lea que nio poderam obler lodo o lugar que de-
    lejanm no palacio officiil, ou quedeiejem ven-
    der oa aeus productos, o que nio permiliido no
    palacio.
    Podem vender-ae as mercadorias ezpoalas, e
    entregues depois da exposigio, mas as traosaeges
    nao podero fazer-se oa expoaigio.
    E'FARQAOUCRIMR?
    A Correspondencia de Hespanha dizque as au-
    toridades de Madrid e outras provincias, soube-
    ram que ha mezes, alguna iodividuoa de certa
    posigao social, pediam a (odoa oa seos amigos
    que, em vez de ioutilisarem oa sellos ji servidos
    daa cartas do correio, os guardaaaem elh'oa ds-
    aem. Eram diversas aa razdee com qao autoras -
    varo O pedido, entre outros o de que os sellos
    servidos eram para forraras paredea de uaa can,
    porque um padre hertico tioha poato eata condi-
    Co a um catbolico que pretenda uma filba delle
    em casam en U>.
    A ainorldrfe. teguollit $, iorttal de Madrid.
    verincou que os seltoa assim collecciooados, lim-
    pos por meio de uma operago chimica, toroa-
    vam a servir com prejuizo das rendas do estado,
    descobando-se que os socioa daa conferencias de
    S. Vicente de Paulo, eram os que ae empregavam
    neata colheita, e queaem Victoria vanoa aocioa
    ds dita irmaodade reuniram 30,000 sellos, por
    commissao que lhe foi dada por uaa irma da
    corte, que a deu por ordem do preaidente da con-
    ferencia.
    A poca, jornal de Madrid, diz na aua folha do
    1* de abril:
    _ Verificadas por ordem do governo averigaa-
    gdes em todas as provincias de Hespanha, aobre
    aa pessoas encarregadas de reeolber os sellos de
    correios j servidos, e sobre os motivos oa cau-
    sas por que aceitarara o eocargo, recoobecea-ae
    que aa pessoas encarregadas da colheita perten-
    cem s classes maia morigeradas e distioctae da
    aociedade, e que julgavam fazer uma obra piadoaa
    incumbindo-se de procurar reunir e enviar os
    sellos s pessoas que Ihes eram indicadas.
    Em Csdiz as que reuniam os sellos eram aa
    principaes senhoras a quem se fez acreditar que
    se offerecera um dote a uma daa educindia do
    recolhimento di Conceigo, no dii em que Ibe
    entregaisem a porgo de sellos preciaa para for-
    rar um quarto.
    O goverooaegue o fio deste trama e nio o lar-
    gar de mo at averiguar ae ns innocencia ou
    criroinalidade noa directoral de uma tari que
    buacaram para inatrumentoa tinln a lo reipei-
    taveis familias.
    Nao sabemos o que nhiri deitia averiguagei
    officiaea do governo hespaohol, o que sabemoa
    que ba mais de anno, oa jornaes estrangeiros no-
    ticiaram como famosa excentricidide i ofterta que
    um ce rio individuo (azia d'um dote considera val
    rapariga que coniegiise reunir a porgio de
    sellos de correio usados, que fosse precisa para
    forrar uma na.
    Quem aabe se o que eolio se tomoa por excen-
    tricidide, seria j uma esptrteza do theor da que
    agora aa descobriu em Heapaoha ?
    !-- vvuuuajriMl MCeMVJaS. # WO
    ar todo o impulso aaebiaa a raaor.
    Ai outrn dan mbircigon aeparaliataa caa-
    gindo ao alcance, comeginm dar kiaOaa'aaaro
    oa nossos navio, o i bileria federal 40 Ncwnect
    caanoneou-aa enrgicamente.
    c A Merrimic icbiodo-o porto da aa
    sea fazer cabedal dos aeas Uros, e 4a nal
    do Coogreaa, applicoa-Iha aaa farsa
    tromba da com o bleo da proa, ibriaoo-iha i
    I"* deixava entrar immtnsa agaa jualo aa por-
    Affaatou-ae parto de 100 jardaa ; daa aaa
    bandi na desmantelad corveta ; a srriiiilaade
    se lobrt o coilido ioimigo pela aaaaaaaal vea.
    viu-o submergtr, divitindo-n a loVaa ceadaal
    trgala, que demorava a quirto de ailka a aa-
    tanci. ^^
    Eate vaso federal lutava coa a aJaaaeatawa
    e Yorktowoo sem muito reauliodo. Oa
    dan te Sailh, e 100 homens da tripouciei
    mortoa, o poro ebeio de feridos, do an.
    ao aproximar-ae o monstro arreo iadiin*t"*
    ciado pruioneiros os officiaea, a o restada
    nigio leve iiceng de retirar pera a forte I
    A Merrimic a os oatroi deu vaporea i
    logo coolra o forte de Newport. Eairataata
    fragata a vapor Miaaaaota, a fragata da valla
    S. Lawreoce, rebocada por vaparaa enrealae
    f am-so ao lagar da paieja. Oa par falto da pi-
    lotos, oa por eogano deite, eaboo t aarlaa ea-
    cilhirim tiro da cinhio do inioilgo.
    A Mioneaot* ipean fisii faga--------------
    tai de proi ; a S. Lawreoce, ra
    com alacridade notavel, piaaaado
    por cima di Merrimic, s daa Wm-
    lome d'agua, a aa qae lhe baiiaaa ato
    effeito sesiveis.
    a A noute sobrereio ; e laa aaaargta aa argaa-
    teos raios aobre a sceo siogreala, a t tina ao
    deicontin.ir.m. o ficto de dim apraaiaiar a
    Mimm.c i Minnasot. us crir aaa kaava al-
    gara iinutro tordo propro pora datar a aaa
    marcha.
    A tripolagio do vaeo federal, aarelkida a i
    cellente a todoa oa reopotto, recen haca
    oo lirava partido oa Ion, a ostra v ae n.
    rada pelo eocalhaaenlo, porque qaaria dar i
    digem io ioimigo, uaico cama '
    tigem.
    Nessi raesraa noute chegeaa a
    Roda a balera coaricadi Moailor ao ,
    mando do lente Wordeo, e aia u'rdava asa
    pOr-ae ao lado da Miaaeaeta para
    da irresistirel iggresslo.
    De minhii avietaraa-sa parfeiUi
    enntendore, armadoa de fono coaa ao
    guerreiros.
    c A Merriaac avaagoa, alto aa tara aa Mm-
    nesot, e travos combata ca a iMaaiien. Aa
    balaa deste bateram no coelada iaialaa iaala sa
    lume digai. Era ngaida a rasa praiieta ca-
    megou a despejar biodia sabaa toatfaa aa tola-
    ra fluctan te, que Ibe responda ao i
    lo. Ora avanga o sepiriliils, ara a
    espago de boraa durou o caahaaaia, qae eaoat-
    ta os contendores ea novena de daaaa fama. O
    Monitor era de melhor aarcha ; a ae aspecto -
    dores dlvisaram no alm coa a pavUMadaa
    liataa e das estrella, oeoveade-se aaa tanta a
    Mrrimas com a presteza da um pito aa i
    qae.
    Estiva t distiocu da 40 judas, a aa
    mea balaa deferiaa ter aoalqailada qaalqaer as-
    vio de guerra de madatra ; aas caira aa *<
    coaragidos nio so dirisava aovidado. Ap--.
    diz a tripolagio do Moailor, qae den Batopor-
    furaram o costado do iaimigo.
    As 11 da aaobia a Miaaasats
    vo fogo contra a Merriaac, aasiliato
    gre Wbilehill. Por espigo de horas aa
    n formidiveii detomgois das Bivios, aaa
    em soluco defioiiiva.
    A Merrimae leo toa repelidn vasas
    biragir-ae do Monitor, para aetter a p.
    Ira a Minnesota, mas a bileria lailaiala
    seguiu sempre metter-se de poraeia. N"
    evolugoes a proa de Merriaac dea 4o
    no coatado do Monitor saa oairo
    maia do que ame forte oscilligia.
    Os vaporea separatiitn aatiliarn
    ram-ae a reapeilavel diilmcii, peto .^
    irem a pique eoa oa liroe da baleria federal.
    Ao maio-dia a aMarriaac |
    ero retirada, oa direego de Sames*
    que ae ichoa debaiso da artillara
    fez signa I de loceorro ; o daaa vaai^.
    quei tomando conta dol, Uvraaa-aa pan
    folk, alfim de reparar aa avarin caja ex
    igaori.
    O Monitor seguiu o iaiaeig algias
    tos, e voltou daodo por teraiaado a cambeta.
    O procedente Sea estabalecido. e delle aa eo-
    duz que oa vaporea cauragados ealio para aa va-
    porea de guerra de madura aa razio destrepara
    os antigoa oavioa do valla.
    Note-ae por oulro lado, qae n fragataaaC
    a Warrior, receoiemeala coastoantoa ato
    ga e Inglaterra, sao de uaa solidez o 4a
    fsigio mu superiores 4 doa vaeao que <
    canoa levaram ao combate.
    A Merrimae foiadapuda aa -t-t ijitaaa fea
    poucos mezas com msUriiei a deaoeu aaaa ia-
    feriores.
    O Monitor foi construida aa aeaa dtos. a
    cuatou duzeotoa e soleen rralsa. epaaato aafaa-
    gatta das dan oiges occjoaaliee laapariinaaea
    ail cootoa de ria cada asan. '
    Pin que Portugal pessaa aa s daatoa oatfear-
    cagea ser miater que aaapaa4a aie da tarde
    cim pirte de todos os atoa raadla a m ea a
    anno.
    Toda ra, indispeosivel aaasi
    ie nao quereaoa ficar a aere de
    lencii miritiaa.
    Os Hnpaakoas proced A a
    i I
    s
    ]
    m.
    i

    c-}

    i
    r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6CKZKYQD_VCD8PU INGEST_TIME 2013-05-01T00:12:04Z PACKAGE AA00011611_09554
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES