Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09549


This item is only available as the following downloads:


Full Text
>-

?.
AHO XltVIU. IOMERO 93.
% ""?*Bj"r'^Bj^l^e**"*>aBnsBnj
tres neies adan tafs tf f OOO
Ptr tres ev.es reieidts 6f 000
3* ,

OOiRTA FEIli 23 DE ABRIL II MI
Por aaso adiantade iffOOO
Parte fraaea tara a ntariittr
MARIO DE PEMAMBICO.
fNCARREGADOS DA SUBSCRI CAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alixandrno de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Maiques da Silva;
Aratity, o Sr. A. de Lemos Bnga; Cear o Sr.
. Jos da Olireira; Maranhc, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Justino 1. Hamos ;
Amazooaa, o Sr. Jeronymo da l osla.
ENCARREGADOS DA SBSCFIPCAO DO SOL
Alagoaa, o Sr. Claudino Falfio Diaa; Bafi,
o Sr. Jos Martina Airea; Rio ce Janeiro, o Sr
Joo Paralra Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Oiinda todoa oa diaa aa X nor* do da.
Iguarass, Goianna, Parahyba naa segundas
aextaa-eirae.
S. An to, Bezerroa, Bonito, Caruar, Altinho
Garanhuns naa tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoeiro, Brejo, Pea-.
queira, Iogazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viata,
Ouricury e Ex naa quai tas-feiras.
Cabo, Seriohem, Rio Formoao. Una.Barreiroa
Agua Preta, Pimeotelraa Natal quintas feiraa.
(Todoa oa correioa partem aa 10 horaa da manha
EPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
6 Quarto crescenta aa 4 honi 31 minatos da
manha.
14 La cbeia aoa 18 mioatoa da manha.
10 Quarto miagante as 3 horaa e 21 mina toa da
Urde.
28 Laa ora aa8 horaa a 45 minutos da manha.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 10 horas e 54 minutos da manha.
Segaado aa 11 horas e 1 mioatoa da tardo.
PARTIDA DOS VAFORES COST1ROS.
Para o aul ata Alagoaa a 5 e SO; para o norte
at a Granja 14 a 19 de cada mas.
PARTIDA DOS OKHIBDS.
Para o Recite: do Apipueot a 6 Ii2, 7, 7 lil, 8
e.8 1|2 da m.; de Oiinda s 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboato s 6 1)2 da m.; do Caxangi o Varzea
s 7 da m.; de Bemfiea s 8 da m.
Do Recita : para o Apipueot a 3 1|2. 4, 4 1(4,
4 1|2, 5, 5 li4, 5 f |2 e 8 da t.; para Oiinda s 7
da m. a 8 1f2 da t.; para Jaboato s 4 da t.; para
o Caxdng a Varzea s 4 Ii2 da t.: para Bemfita
as 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES va CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas a quintas.
Relajeo: tercas o sabbadoa s 10 horas.
Pasanda : quinta a fO horaa.
Julzo do commercio : segundas ao meto dia.
Dito da orphioa: taigas e sextas a 10 horas.
Primeira Tara do eral: tergaa altas aa meio
dia.
Segunda Tara do lval: qaartas a sabbsdos 1
hora da tarde.
I DAS DA SEMANA.
21 Segaoda. S. Anselmo are.; S. Siltimm
22 Terga. SS. Sotar a Caio asa.; S. T ah.
23 Quera. 8. Jorga sa. ; S. Adalberto h. .
24 Quinta. S. Fiel de Sigoserl*ga ., 5. H
5 Sexta. S. Marcos Evangelista ; 9.
26 Sabbado. 9. Padro da Ralis b. a.; 9 .
27 Domiogo. Fgida de N. Sra. para BfvpIcC
ASSIGNA-SE
no Rdcif, em a Imana a praga ala
deneia ns. 6 a 8, doa proprietarioo ~
roa da Paria & Fiiho.
PARTE OFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediaete do dia 19 de abril de
ts
Officio ao Exm. Sr. presidente da proTiocia da
Baha.No Tapor Paran que dee largar ama-
nha deata porto segu para esn provincia na
forma das ordena imprises a ala esquerda do
10 batalho de iafantaria aob o commando do
respectivo major com a torga de 38 pracas inelu-
aive os officiaes.
Dito ao meamo.Solicito de V. Exc. provi-
dencias aQm de quesejam eoviailae quanto antes
para esta provincia, como requisitou o brigadeiro
commaodante das armas no officio de 17do cor-
rete constante da copia junta, o achivo e maia
objectoa pertenceotes a bagagem do 7o batalho
de iafantaria.
Dito ao commaodante das armas.Paaso aa
mosde V. Exe. para aer traosm ttido ao delega-
do do cirurgio-mr do exercilo a ioformago
ministrada pelo facultativo da colooia militar de
Pimeoteiraa acerca da deteriora; ko do assucar, e
medicamentos para que pedio consumo o mesmo
facultativo.
Dito ao mesmo.Para terem o conveniente
destino pasao aa moa de V. Etc. aa incluaas
guias de aaseotameotos e soccorrimeoto do sol-
dado do corpo de guarn cao Franc seo de Azevedo
Csrvalho de Siqueira Varejo, e lo somante de
aoccommeoto do soldado do 2 bilalho Ernesto
Alexaodriao de Almaida, que veio com aquello
para esta proviocia, como me fot declarado pela
repartido da guerra em 23 da a arco ultimo.
Dito ao meamo.Em ariao de !9 de margo ul-
timo declarou-me o Exm. Sr. ministro da guerra
haverdeterminado que o alfares do 10 batalho
de iofantaria Constantino Leandro dos Santoa,
continua na asela do tiro do Catapo graode em
substituido do aliares Carlos Jos Vao-Nes, qaa
foi transferido d'aquelle batalha para o numero
13 da meama arma : o que declaro V. Ex?, para
aeu conhecimeoto.
Dito ao mesmo.Passo aa moi de V.'Exc. por
copia para aeu coobeeimeoto o aviso circular da
repartigo da guerra de 22 marco ultimo provi-
denciando nao s sobre o (orneciinenio de bonete
aos recrutes durante o aosino, aas tambem a
respeito daa pegas da tardamente a que ellas tem
direito quaodo cooclaam o ensino no primeiro ou
no aaguodo semestre do anno.
Dito ao mesmo.Junto achara V. Exc. a rea-
gao daa pragas que segundo deca cou o Exm. Sr.
ministro da guerra em aviso da 4 do correte,
foram mandadas desligar dos torpos da corte
com destino aos da guaroigao dasta proviocia,
pelos quaes devem ser desttibuidos como melhor
convter ao servigo.
Dito ao masmo.Passo as naos de V. Exc.
para terem o conveniente destioo aa guias
de ssseotsmeoio a soccorrimerto dos aoldados
Joo Hemeterio de Freitas Seyo Msooel Jos da
Silva a Bellarmioo Fideles, que Foram transferi-
dos do 1 regiment de cavallara ligeira para a
companhia de cavallara desta proviocia.
Dito ao meamo.Paaso aa mai de V. Exc. por
copia para ter execugao na parte que Ibe toca o. lhe que aa peticoes
aviso do ministerio da guerra de 6 de margo ul-
timo declarando que nao deve por ora ter execu-
gao o aviso da 17 de fevereiro doste anno pelo
qaal se maodoa responder a cooselho de guerra
o alteres reformado do exercito Ilanoel de Paria
Lemoa, pelos seontecimenlos que tiveram lugar
na cidade de Camar visto estar o predito alferea
pronunciado em coosequeocia dos mesmos acon-
tecimeotoa por crime civil.
urgencia ao segando teoeote do 4* batalho de
artilharia a p Gabriel de Araujo a Silva e um
inferior que vo em aerrigo a provincia do
Para, os veocimeotos correspondentes ao presen-
te mez.
Dito ao meamo.Da cooformidada com o oiB-
cio do brigadeiro commaodaote daa armaa, cons-
tante da copia juota, manda V. S. pagar hoja aa
gratiUcagoes que segundo a folha juota em du-
plcala veoceram oa soldados do 10 batalho de
iofantaria Maooel Moreira a Victoriaoo Lopea
Feitosa.
Dito ao mesmo.Pela leilura do aviso da re-
pariico do imperio de 7 do correte da que lhe
remeti copia ficar V. S. inteirado de ter sido
approvada a deliberarlo que tomou a presiden-
cia de abrir o crdito da 10:0009000 de que V.
S. deu ccieocia aquella repartigo em oficio o.
6 de 19 de margo ultimo.
Dito ao mesmo.Expaga V. S. as sais ordena
para que oa recebedoria de rendas internas aoja
arrecadada a importancia doa direitoa a emolu-
mentos que eat a daver Aotooio Pita Marioho
Falco por ter sido oomeado ajudante do poriei-
ro do arsenal de marioha, como eonstou de avi-
so do ministerio da marioha de 21 de margo
ultimo.
Dito ao mesmo.De cooformidada com o dis-
posto no sviso da repartigo da guerra de 3 do
correle constante da copia juota, autotiso V.
S. a maodar abooar ao primeiro escripturario
dessa thesouraria Joaquim Pereira Bastos, a
quantia de 1509000 em compenaago daa despe-
gas por elle feitaa e dosdprejuizos que soffreu
quaodo esteve em commiaao oo preaidio de
Faroapdo, examinando o ealado do respectivo al-
moxarifado, deveodo essa deapeza ser levada ao
indicado oo citado aviso.
Dito ao meamo.Remello V. S. para aeu co-
ohecimeoto copia do aviao da repartigo da
guerra de 24 de margo ultimo communicaodo-
me que Saa Magostada o Imperador toi servido
por immediata e imperial reaolugo de 15 de
aquelie mez declarar que o cabo de eaquadra re-
formado Calisto Jos dos Aojos compele o sold
por ioteiro desde a data de aua reforma.Com-
muoicou-se ao commaodaote das armas.
'Jito ao meamo.A'vista das folhss a pret que
I! i torem apreseotados por parta do commao-
daote do 10* batalho de infamara mande V. S.
pagar hoja a importiocia dos vencimentos de to-
do mez corrente da forga do meamo batalho
que oa forma do aviso de 24 de margo ultimo
tem de seguir amanha para a Bahia no vapor
Paran.
Dito ao mesmo.Transmuto por copia V.
S. para seu coohecimeoto o aviso da repartigo
da agricultura, commercio e obraa publicas da-
tado de 5 do correte autorisando a preaideocia a
applicar aoa gastos com a commisso de que se
acha eocarregado o bacharel Luii Maria Goozaga
de Lacerda a quantia de 5:920} diatribuida eata
proviocia por eoola do correte exercicio a Ter-
na colooisago.
Dito ao meaoio. Traoamitiu por copia a V. S.
para aeu conhecimeoto, o ariao de 26 de margo
ultimo, em que o Exm. Sr. mioiatro da fazeoda,
dddara que beca respoodeu a preaideaaia ao Jais
municipal do termo do Rio Formoao, dizqndo-
aubmettidas a despacho no
foro, devem pagar o sello de 100 rs., a nao de
200 rs., sendo escripias em papel de ditcensdea
ordinarias. Junto achara V. S. em o exemplar
da circular a que aliada o citado aviso.Com-
muoicou-se igaalmeote ao juiz municipal do ter-
mo do Rio Formoso.
Dito ao meamo.Transmiti por copia V. S.
para aeu coobeeimeoto e execugao na parte que
Ibe toca o aviso de 7 do correnta em qua o Exm.
ito ao meamo.Em vista dos inclusos offlcios Sr. ministro do imperio uo s declara que man-
eo director daa obras militarea e do inspector da doa iodemoiaar o ministerio da guerra das quao-
thesouraria de fazenda queira Y. Exc. emitiir o tiaa de 1:9189000 de objectos fornecidos pelo sr-
eeu parecer acerca doa vencimentm que aa devem aeoal de gaerra ao hospital de cholencos oa c-
abooar ao capitao do corpo do oogenheiros Do- dade de Goiaooa, e de. 1:0989920 de deapezas
miogoa Jos Rodrigues actualmente addido a re- feitaa por igual motivo7mas tsmbem eslabeleceu
partigao das obras militares. o modo por que devem ser pagas nesta provio-
Dito ao meamo.Sirva-se V. i:xc. de informar
acerca do que pede Aotooio Maria Borba oo in-
cluso requerimeoto.
Dito ao meamo.Remello V. Exc. para terem
o deatino conveniente, as certldies de assenta-
menios dos alferea o 10a batalhuo da iofantaria
Deocleciaoo Augusto Coelho dos Santos
tant'oo Leandro doa Santos.
Diloao meamo.Queira V. Exc;" maodar pos-
tar junto ao caea da 21 de Novembro amanha
as 4 horas da tarde a tropa de primeira lioha
qua esliver disponivel, sfim deatsislirao embar-
que do Exm. ex-presidente desta proviocia o Dr.
Aotooio Marcallioo Nuoes Googilves, providen-
cia semelhaotea deapezas.
Dito ao mesmo.De eonformidade com o dis-
posto oo aviso da repartigo da agricultura, com-
mercio e obras publicas de 4 do correte cons-
tante da copia junta mande V. S. nao s sbooar
em oa devidos lempos o veotimento arbitrado ao
Cons- bacharel Laiz Mana Gonzaga de Lacerda que toi
oomeido para a commiaso, de que havia sido
eocarregado o coronel Conrado Jacob de Niemeyar
mas tambem adiaotar-lhes s quantia de 500$000
por eanta do que elle tem de perceber pelas bra-
cageos oa razo de oiteota ris por braga crran-
te de medigo.
Dito ao mesmo.Em
otando V. Exc. ao mesmo lampo para que a for- declarou-me o Exm. Sr. ministro da guerra ha-
taieza do Brum d a aalva do ea.ylo a hora em ver approvado a deliberacao que tomou a presi-
que demudara barra o vapor Pirana que coo- deneia de augmentar o qaaotitativo da etapa daa
n? t P"8 o r." <* .r o KWS de Dret lotae neata capital com dez
w 22Jne*mo*"~ReSebl oBcio de v- Esc- t9, diarios para urna rago de aguardante darn-
sob o. 776 e data da 18 do coneote, e teoho a
dizer-lhe em raspoata que ni s approvei a
providencia que V. Exc, dea < requiaigo da
agencia da Computla de Paquitas da mandar
para bordo do vapor Apa am off cial subalterno
a um inferior, afim de tomar corta doa soldadoa
insubordinados que all existem com destioo
provincia do Para, mis tambem que coorioha
oa ida do pradito official e iotari >r em diligencia
at aquella provincia, para o qu i Gcam expedi-
das as convenientes ordena de coiformidade com
o sen citado officio.
Dito ao preaidente da relag).Sirra-ae V.
Exc. de informar acerca do que >ede no incluso
requerimeoto o partidor do juizc da orphos do
termo do Recite Firmioo Pessoa da Gama.
Dito ao provedor da Santa Caa de Misericor-
dia.Nesta data declaro ao Dr. hete de polica
que solicite directamente do mo-domo da Santa
Casa di Misericordia que estiver de semana os
instrumentos necessarios a autotsia de qualquer
cadver ; o que commuoico v. Exc. em res-
te a qnadra da epidemia que aqui reas, deveodo
porm cassar aemelhaote medida bem como o
que autorisoa por aviso de 10 de margo ultimo
com o restabelecimenlo do estado sanitario local
o que copmaoico V. S. para seu conhecimeoto.
Dito ao meamo.Remeneado V. 8. oa reque-
rrnoslos des officiaes do 10 batalho de infanti-
na indicados oa relago junta o autoriao a mao-
dar abonar em oa dividoa tampoa as preatagoea
mensaea que elle preteodem consignar de seas
sidos oeata provincia.
Relago dos officiaes do 10 bstalho de iofanta-
ria que solicitara permiaao para consignar
prestagea por conts da sens sidos nesta pro-
vincia.
Tenante Joaquim Rodrigues de Souza.-Pre-
toade consignar 15J000 mansaes a contar do 1
de abril a 31 de outubro tudo do anno crrante.
Teoente Jos Francisco Machado.-Idem a quan-
tia de 289000 meoaaas a contar do 1* de maio
deste anno a 30 de junho de 1863.
Alteres Braz Avallioo Freir.dem a quaolla
posta ao seu paleto de 11 do aorreote, para que de 209000 meosaes a coolar do' 1* de iuoho deate
neasa sentido expega aaaa ordens.Officioa-sa anno at 31 da agesto de 1863.
mochete de polica. j Alferea Lioo Aoguslo de Carvalho.dem....
Dito aoSr. Juan Aoglada vlct -cnsul da Hea- 209300 meoaaea a cootar do mez de maio a 31 de
Sanha neata prorincia.Em sol cao ao que am dezembro do snno correte,
ata da 15 da novembro do anoc panado.repre- ;
sentn o Sr. Jaan Aoglada JJijc vica-conaul de
Heapaoha oeata provincia, teoho a daclarar-lbe
qua em aviso de 26 de margo ultimo commuoi-
coa-ma o Exm. Sr. mioiatro da agricultura,
commercio o obras publicas ha ver-se expedido
ordem ao administrador do carreio nesta pro-
vincia para que da corresponden :ia consulsr offi-
cial somante se exija porta daqui lia que fdr coo-
dasida pales paquetes franceses, por oa estar
ella isanta na respectiva comanfio, daveodo
traoamiitir livre toda a mais que rasa ao correio
ou sejs de dentro ou da tora do imperio.Reno-
v ao meamo Sr. vice-coniul os meas protestos
de eatima a considerago.
Dito ao inspector da thesouraria da fazenda.
Devolvendo V. S. cobortoa con a copia do pa-
recer da cootadorla deaaa thesouraria, o pret am
duplcala a qaa se refera s> aas informago de
hootam sob n. 315 relativo aos rancioentos dos
Surdas nscionaaa destacados oi> dislricloDaas
arras no mez da dezembro di anuo prximo
pasudo, teoho a dizer que mande pagar a pessoa
indicada feo oflacio da presidencia de 22 de fe-
vereiro ultimo, sontnte a quantia de 2119260
ra. asa ajti segundo o masmo parecer importim
taca vaonmenlos.
Dita ao meamo.Mande V. i
Alteres Antonio Vicente Ferreirs da Foneecs.
. ',8"..* ('aan,to Aco juono desto tfao at dezembro da
Dito ao inspector do arsenal de msrioha.Ex-
pega V. S. as suaa ordena para que amanha aa
4 hars da tarde esteja postado janto ao caes 22
de Novembro o escaler desee arsenal, aflm de
transportar para a bordo do vapor Parando Exm.
ex-preaideote deata provincia o Dr. Aotooio Mar-
cellioo Nuoea Googalvea que segu para a corte.
Dito ao masmo.Ordene V. s. a Antonio Pitta
Marioho Palco que trate de pagar oa recebedo-
ria de rendas a importancia dos direitos e emo-
lumentos correspondentes a sus oomesgo de
ajadanta do portelro desse arsenal sem o que nao
pode ser-lbe entregue o respectivo titalo que
existe na secretaria do governo.
Dito ao commandanta do preaidio de Fernando.
Eavie-me V. S, com a possivel brevidade nma
relago doa sentenciados que existem sem guia,
neaae preaidio, alm doa indicados na reUgo
que acompanhon o saa officio n. 48 de 22 de ja-
lao do anno passado.
Dito ao director do arsenal da guerra.Mande
V. S. fornecer ao 10 batalho de iofantaria a ao
corpo de guaroigao conforme determinou o Exm.
Sr. ministro da guerra em aviso de 26 do margo
ultimo, os artigoi da fardamento a vestuarios
constantes das notas por copia inclusas de ns. 1,
2, e 3 seudo as primeiraa para satiafazer os pe-
didos do dito batalho relativos aoa Tsocimentos
do correte aooo e a ultima, por ajuate de cn-
ica do referido corpo dos vencimentos concernen-
tas so anno passaoo.
Dito ao juiz de direito de Plores.Sciente do
qua Vmc. me communicou em data de 31 do
mez passado, com referencia a epidemia reinan-
te nessa comares fenho o dizer-lhe que em data
da 20 daqualle mez eaviel para ah urna ambu-
lancia de medicamentos proprios para o trata,
meoto do mal e se acaso este se desenvolver
autoriao Vmc. a designar urna pessoa que alr-
va de enfermeiro aos desvslidos affectados e des-
de j a nomaiar ama commisso beneficente com -
posta das peasoss que Vmc. jalgar maia idoneaa
para o melhor e maia prompto aoccorro dos
mesmos desvalidos. ConQo no saa zelo a dedi-
cago pelo bem publico qaa Vmc. nao poapar
esforgoa para evitar oa funestos effeitos de seme-
jante enfermidaJe.Officiou-ae ao inspector da
sanie psra mandar apromptar urna ambulancia.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Transmuto por copia Vmc. para ter a devida
execugao o aviso da repartigo da agricultura,
commarcio a obras publicas, datado de 2 do cor-
rente, mandando adoptar as obserTagoea feitaa
pelo seu antecessor em officio de 6 de margo al-
timo, e determinando que nem um transporte da
especie de que trata o citado officio se faga oa es-
trada de ferro sem que seja acompaohado do
competente passe ou permisso por escripto.
Dito ao juiz municipal da primeira vara deata
cidade.Em resposta ao officio que Vmc. me di-
rigi em 12 do correte, remetto-lhe por copla a
relago doa sentenciados desta provincia que exis-
tem sem guia no preaidio de Fernando, -^
daoUrou a respectivo cuujuiauUante em officio
de 22 de juluo do anno passado.
Dito ao Dr. Maooel Adriaooo da Silva Pontea.
Sciente de que tem Vmc. de seguir brevemen-
te para a corlo am cumprimeoto da ordem impe-
rial como declarou-me em aeu officio de 15 do
correle o dispeoaei neata data de prestar os seus
cuidadoa mdicos as pesaoas indigentes accom-
mettidss do cholera-morbas no terceiro districto
da freguezia da Boa-Visia, a em outros lugares
da mesma freguezia, e aproveito eata opportuni-
dade para agradecer os bons servigos que Vmc.
preatou naquella commiaso.
Dito ao delegado da Agua Preta.Attendendo
ao que expz Vmc. em officio de 15 deate mas,
dirigido ao ehefe de polica, e qae me toi presen-
te, acabo de ordenar que lhe seja enriada ama
ambulancia de medicamentos e algaos folhetos
de prescripges psra tratamento doa indigentes
qae ah torem affectados do cholera-morbus, e
bem assim urna pega de baeta. Vmc. far diatri-
buir ealas prescripges e medicamentos por pes-
soas inteligentes, e que pastam fazer delles coa-
venientes spplicagoes, leudo toda a actividade a
telo em que os pobres sejsmpromptamente soc-
eorridos para o que far s requisiges que julgar
necessarias. Respooden-se ao ebeta de poli
cia.
Dito aos agentes da companhia brasileira.Po-
dem Vmcs. fazer seguir para oa portos do norte
a hora indicada am seu officio de 16 do crreme
o vapor Apa, visto que estao feitos os concertos
de que alia oecessitara.
Dito aos mesmos. Respondo ao officio qae
Vmcs. me dirigiram em 18 do correte, declaran-
do-lhes que asshida do vapor Paran paraos
porlos do sul, dora ter lagar amanha as 5 horss
da larde, viato que tem de levar a torca do dci-
mo batalho de iafantaria destinado a provincia
da Babia.Communicou-ae ao commandanta das
armaa.
Dito aoa meamos.Em additamento a portara
deata data em que mandei dar transporte a forga
do dcimo batalho de iofantaria destinada a
proviocia da Bahia, transmiti inclusas Vmcs.
para seu conhecimeoto duas relaces contendo
os nomes dos officiaes e cadetes comprehendi-
dos na dita forga a daa pragas qae levam familia.
Portarie.O rice-presidente da proviocia at-
tendeodo ao que requereu o bacharel Francisco
Augusto da Costa, juiz municipal a de orphioa
do termo do Cabo, resolve conteder-lhe oito das
de licinga com vencimentos para tratar da saa
saude nesta cidade.
Dita.O Sra. agentas da companhia brasilei-
ra de paquetea vapor, fagam transportar no va-
por Paran por conta do minutario da guerra a
torga do dcimo batalho da iofantaria qae tem
de seguir para a Bahia na forma daa ordena im-
periaes, e bem assim aa familias a bsgagens dos
officiaes a pragas que aa tiverem.
Dita.Os bra. agentes ds compsnhis brasilei-
ra de paquetes vapor, mandem dar transporta
por conta do ministerio da guerra no vapor Apa,
nao s ao segundo tenente do quarto batalho de
artilharia api Gabriel da Araujo a Silva, e um in-
ferior do mesmo batalho qua vio a servico ao
Para, dirigindo os soldados que viaram da corte
com deatino aquella provincia, maa tambem a
mulber do pradito tenante a ama filha menor.
Dita.Oa Srs. agentes da companhia brasilei-
ra de paquetes vapor, mandem dar transporte
que. Pisie portara eoneedendo a liceoga pe-
dida.
Capito Bazilio de Auorim ffezerra. In-
forme o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Padre Dimazo da Aarampgo Pires. Passe
portara eoneedendo tres mezas de llcenca.
Dr. Francisco Angasto da Costa.Passe por-
tara conceden lo a liceoga requerida.
Joo Francisco Gomas Peona.Informe o Sr.
Dr. juiz municipal de Limoeiro.
Jos da Moraes Gomea Ferreira. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda oavindo
o da alfaodega.
Fre Noberto da PariOeago Paiva e mais espi-
talares da coovento da NjMsa Seohora do Carmo
desta cidade.Juntemab documeuto ds que
trata a pilico.
Romana Maria'd'Aonufeaiago.Informa o Sr,
Dr. chafe de polica.
EXTERIOR.
tEttSk?***"* d" ,0" Ba*dU,Oela como de manair. ...a. **+
V do acto federal, maa antea cacao
cm a eaaancra com a conavilaieaa da
A Gazetade Vienna publica o texto do despa-
(Assignado ] IFerner.
vapor.
... ., _. P" a edita no vapor Paran por conta do mi-
i2i Edu,td0 Viganuo.A qaantia da nistsrio da marinha a onza raeruUs, cajos nomes
1D9UW mensses a contar de junho do auno cor- conatam da relaco junta,
rente a margo de 1863. Retagio a qae ae refere
*** Pedro 'oaquim Alves.A quantia da Luiz Francisco do Reg.
108000 mensaea a contar do maio a actembro do Joa Bezerra da Silva.
a portarla desta data.
auno correnta.
Alteres Heorique Carneiro da Almaida.A
quantia de 309000 mensaes.
Alteres Sabino Jos Ferreira da Silva.A quan-
tia da 209000 mensaes a contar do mez da maio
do anno correte a 30 de junho do 1863. *
Dito ao inspector da thesouraria proviocial. i Jas Justioo do Naecimento.
rieaiituo & V. S. o pret a atleatado junto am da- Simdee Telxeira da Silva,
plcala qae vieram annaxaa a aua informago da
7 do correle aob n. 196 afim da qaa quaodo
houvar crdito, mande pagsr ao coronel Joio Jos
da Gouraia, conforme solicitoa o chafa da poli-
ca am officio do 1* de outubro do anno prximo
passado n. 982 a quantia da 337JMO roU am qua
segando o referido prat importamoofeadmentoa
, da escolta da guardas nacionaas qaa Tato daqeelle
termo para asta capital a para alli eoaduzio cri-
minosos, sfim de respondern, ao jury.Gom-
adiantar com' mualcou-se ao chafa de palela.
Marcoa Jos Florentino.
fiento Jos da Silva.
Gustavo Joa Carlos.
Bernab Vicente Ferreira. .
Damio Ruma rio Lina.
Joio Moreira do Espirito Ssnto.
Maooel Joaquim da Silva.
Dita. O Sr. garanta da companhia Pernam-
bucaja de navagaglo costeira, manda dar urna
pasaagem da proa para o Caari em lagar desti-
nado para paaaagatro da estado a Maooel Pereira
Marques Vianna.
Despacho* de dia 19 de abril.
Reqtmimtaitt.
K Amaro Joaquim da Fonssca de Albaquer-
PRL'SSIA.
Em seguida publicamos extrahida da Gaztte
di l'Etoile, a nota qua o governo prassiano, por
via do seu representante am Vienna, dirigi ao
gabinete austraco, acarea da reforma federal:
c Vienna, 14 de favereiro de 1862.
cO abaixo assigosdo, enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario de S M. el-rei da Pras-
sia, toi eocarregado de daraseguiote reaposta a
Dota que o enviado da Austria dirigi em 2 deste
mez, ao ministro dos negocios ostraogeiros, con-
de da BernstoriT.
< As obsarvagoea que o dito enviado toi eocar-
regado por aquella oota de recommeodar ao exa-
me do governo de el-rei, referem-se as opioldes
manifestadaa pela Prassia ao governo real de Sa-
xonia julgando as propostis de reforma federal
do baro de Benst, como base mais salutar para
ebegar a reforma da coofederago.
a Estas opioides resumem-se principalmente
no seguale : que urna tentativa feits para trans-
formar toda a confederars pelo eatabelecimeoto
de um poder executivo effieaz, com representado
do povo a legialago commam em um ioteresse
federativo, tem perigos serios para a existencia
da confederego, emqusnto qae esta existencia
nao sers de maneira alguma ameagada, ae man-
tendo-sa as bases internscionaes da unio se en-
trasse nocaminho do livre accordo, em vista de
urna aoio mais iotims do seus membros oo cam-
po do direito publico interno, e se as iostiluiges
pro postas para a unlo, a aaber : o poler execu-
tivo (commando militar superior e represeotago
unitaria junto do estrangeiro ), represeotago do
pavo e legislago coromum, fossem fundadas em
limites maia*Mtreiloa d'esta nstureza.
a O governo imperial da Aastria julgou conve-
niente declarar, sobre a maneira porque vio ex-
p"Msar a Prussia ao govorao real de Saxe, que,
com profundo sentimeoto, os seus deveres e as
suaa ceoviegoas lh probibiam igaalmeote adhe-
rir a aemelhaote idea. .
c O governo real da Prassia, recebando este
despacho, que oo faz maia do que confirmar um
tacto de que anteriormente j tinha conhecimen-
t, teria podido limitar-so a dar a certeza de que
elle tambem partilhava deste sentimeoto. Mas
como o governo austraco sa aotecipoa mais e
jalga dever, debaixo do ponto de vista dos inte-
resales genes da Allemanha, asaim como do c di-
reito positivo e recordando as coosequeocias
funestas que aa tendencia reformadoras da Prus-
sia tinbam tido em pocas anteriores, responder
com am protesto em forma contra a maneira de
ver da Praasia, o governo d'el-rei nao quer dis-
simular que na sua opioio lhe nao parece exis-
tir nem motivo sufflciente, nem jusiificago qasl-
quer para um semelbaote partido.
< Esta maneira de proceder, que parece tanto
mais singular quaoto foi ao meamo tempo apre-
aeotada em notas idnticas, por muitos goveroos
federaos, corresponde to pouco ao carcter de
combinago proposto pelo governo real de Sa-
xonia sobre a reforma federal, caja necessidsde
urgente se reeonhece em toda a parte, nao pa-
rece de natureza a engajar o governo de el-rei a
entrar de qualquer maoeira na discusso daa ideas
oppoatas expressadas na nota do enviado aus-
traco.
c Aim disso, estss ultimas foram appreeiadas
segundo o sea justo valor pela Prtssia em urna
poca anterior. Pelo que toca aa consequencias
funestas que teodenciss anlogas teriam conju-
rado na Allemanha naquella oecasio, ser bom
recordsr que nao foram os eiforgos feitos pela
Prussia em presenga da reforma da conatitaigo
tedaral que ameagaram apreaeotar essas coose-
qaeocias, mas aim a attitude dos goveroos, eoo-
tra a resistencia dos quies se malograram ento
esses esforeps. E' a alies que a Allemanha deve
o restabelecimenlo sem modifieago da antiga
cooatituigao federal, assim como o germen da-
radouro de difflculdadea anlogas. Se pela men-
cionada obiervago da nota da 2 de fevereiro, as
mesmas difflculdadea hoja deasam ocessio de
apreaeotar eaae tacto na aua verdadeira luz, a sa
invocasse a este respailo a solicitada qae impe
a aeguraoga a a paz moral da Allemanha, que se
diz amoscada pela Pruaala, o momento tanto
menoa felizmente accolhldo para talo, quanto ae
obrgado ao masmo tampo a recoohecer a ni-
cessidade de reforma, qae j daixou da se fater
opportunamente.
< Em lado quanto diz respeito a cumprimeoto
conaciencioso dos deveres federaas, a deflexa dos
iotaresses verdaderamente alternaos, aos serios
esforgoa para dar sstlsfago aa exigencias naci-
naes legitimas, o para aa fazar aceitar pelo outros
goveroos federaos, o governo real da Prussia
oo cede o primeiro logar a oenham dos seus
confederados. Mss tendo a conseiencia de ha-
ver fielmente cumprido o aea dever, nao deatruio
o direito da dar na passo aamelhante aquelie
que se deu contrs a Prussia pelas notas ideoticaa
do que ae trata por parte doa governoa signatarios.
c O governo d'el-rei devia ver na realiaaeo daa
idaa de reforma indicadaa no m da nota, aa-
guodo as quaes se estabalecia para toda a cont-
derago am poder axcativo effieaz, legialago e
repreaeotago do povo commam, o qual po-
derla ligar-ae facilmeote a tendencia da urna
ulterior c conaolidago politiea com territorios
oo allomaos, cojo pensamento sa v j no des-
pacho do governo austraco da 5 da novembro
ultimo, am perigo muito mala grava para a exis-
tencia da coofederago, do qaa as reformas con-
cebidas no sentido indicado pela Prussia no des-
pacho da 20 da dezembro de 1881. Todava, o
governo d'al-rei est bam longe de querer oppdr
um protesto a urna aimples msnifeftaelo daa
anas Idaa sobre aa bases da reforma, alga pe-
lo contraro demorar o seo julgamento definitivo
a reapaito d'astas ideas, at que tenha receido
communicago da qualquer projacto de reforma
determinado am que ae poasa conhoaar comple-
tamente aa ideas do governo austraco.
c Por agora a impraticabilidada de ama re-
forma baseada as presentes indiesges goraes
parece indubitavel ao governo d'el-rei ; eomo
astas indicagdes esli em eontradieco perfeila
edm o ponto da vista qae se spresentou, nao )ul-
go conveniente entrer am dellberscoes a respei-
to de naa reforma fondada em semelhantaa bases.
O abaixo aasignsdo aproveita eata oecasio
para ter a honra de renovar V. Exc. o minis-
tro dos nagacios estrangeiros "Austria^ canda
cho entregue a Mr. de BarnitorfT, mioiatro dos ne-
gocios eslraogeiros da Prassia. pelo coude de
Kazoliji, enviado d'Austria em Berln, acerca da
reforma federal.
' Eia a traduego :
Berilo, 2 de fevereiro.
a Na eonformidade daa iostrueges que lhe
teem sido dadas, o abaixo assigoado, embaixador
e mioistro plenipotenciario do imperio da Aus-
tria, tem a hoora de recommeodar as segniote
observsgoes meditsgo esclarecida- do ministro
dos negocios estrangeiroa, o conde de Berns-
toriT.
a As proposlas de reforma, a presentadas pela
Saxonia, levaram o governo prussiaoo a dar ex-
pllcagea de muila importancia e que tocam mul-
to de porto na essencia do tratado federal alle-
mo, assim como nos ioleresses dos diversos es-
tadoa-allemee, para que deixassem d merecer
s maia aria atteogo do governo do abaixo as-
sigoado.
a Desta maoeira, oo despacho que o gabiaeta
jo Berlid dirigi em 20 de dezembro de 1861 ao
embaixador d'el-rei. em Dreada, Mr. de Savigay,
em resposta s propostas de que se trals, a Prus-
sia adherio, oa queslo federal alleme, idea
fundamental de que, na conveogo federal qae
compreheode toda a Allemaoha, ae deve maoter,
em toda a sua pureza, o carcter legal da coofe-
derago, raservaodo-se comludo urna unio mais
intima de urna parte dos membros ds coofedera-
go no terreno do direito politico interno para ser
concluido livremeote entre os goveroos ioterea-
aadoa, aem ae pronuociar em detalbe quaoto a
bases faodameotaes, e quaoto exteoso de urna
aemelhaote unio mais restricta; o gabinete
prussiaoo oo pareceu querer excluir o caao em
que easa coofederago ae daaeovolvesse oa con-
venci al um, por assim dlzer, eatado federal,
em que as attribaigdea mais importantes oo esta-
do fossem coniiadas a um poder central, e que
reunase nolavelmeute em urna s mo o com-
mando em ehefe militar dos diversos estados, e o
direito de os represeotsr ao estraogeiro.
O governo prussiaoo nao julgou recoohecer am
um aemelhaote accordo entre os estados da coo-
federago, aeno urna perfeita applicago legal
do direito de confederago, concedido pelo art.
11 da coovengo federal, a o governo prussiaoo
toi da opioio, de que proseguindo na execugao
da sua idea, n&o daria aos goveroos qaa nao to-
ma m parte na confederago maia restricta, o di-
reito de a sepsrarem da grande confederago e de
que aa garantas actaaes para a existencia des-
sa coofederago', oo aoffreriam modificig5ea.
O vivo desejo que o governo imperial da
Austria deve aentir. de oo tratar a quealo de
urna reforma de coostitoigo federal allema, ae-
oo de perfeito accordo com a Prussia, lhe fez
sentir aioda maia profundamente ter visto a corte
real da Prussia, a reapeito daa bypotheaes polti-
cas e jurdicas incitadas por esta reforma, maai-
featar idaa a que o governo austraca nao pode-
rla adherir, porque a aua eonvicgo e os seus de-
veres lho prohibiam de urna maneira positiva.
Julga antes do seu dever protestar contra o so -
bredito despacho, expedido de Berlin para Dres-
da, tanto debaixo do ponto de vista dos ioleresses
geraes da Allemaoha, como debaixo do ponto de
vista de direito positivo.
Para o governo imperial impoaaivel recoohe-
cer, oo desejo de que o lago nacional qae recae
aspe
todos os Allemes seja rigorosamente redazido
sigoiQcago de urna cooveogo que dimane do di-
reito das gentes, a jusiificago da reforma da coo-
federago allema ou a expressSo exseta da ne-
ceasidadeiocooteatavel de urna unlo, neceaaida-
de qaa exista entre o povo allemo.
c O gabinete austraco convida o governo prus-
siaoo a abservar quanto era difiranle o ciao em
qua a Prussia cooperon, como confundadora da
coosarvigo allema, na convengo federal, por
oecasio das deliberagSes do congresso de Vien-
na, e o governo austraco julga do sau dever de-
clarar com franqueza que considerarla como gta-
ve ameaga aeguraoga e anidada da Allema-
nha, a sua paz moral, e a eaperaoga que tem de
ver desenvolver-se a cooveogo federal, se a
Prussia peosaase em voltar de aovo idea de
reunir urna parte dos estatutos allemes em urna
coostituigo ceotraliaada sob am nico chafe, em-
quaoto que as relages entre aquella parte a as
demais partes da coofederago fossem regadas por
simples tratados, como os concluidos entre as na-
coes estrangeiras.
c Em vez de entrar em explicagdee mais am-
pias, bastar recordar as cooseqaeociaa funestas
que, em ama poca anterior, ameagaram da se
fazer sentir pa Allemaoha, em coosequeocia da
urna teotativa do meamo carador.
c Alm disao, o governo imperial deve carac-
terisar qualquer enssio, que tende a quebrar a or-
ganisago da confederago por urna confederago
meaos extenss, o lato com s msis profunda eon-
vicgo, como incompativel com o direito conreo-
cioosl positivo.
O artigo 2.* do acto federal allemo concede
canamente aos govarooa allemes o direito do
coacluirem convengoes de qualquer oatureza,
mas desta disposiglo que pode resultar de msis
claro, seoo que o aeto federal suppoe a existen-
cia da membros da confederago, que bao de
mantera aua independencia, a por cooaeqaencii
a sua aptido para coocluir tratados? E' claro
qua o acto federal nao quiz fallar sanio do coo-
veagdes entre goveroos iodepeodentes. Aquelie
artigo quer que oa goveroos allemesconser-
vero o direito de concluir convenges de qualqaar
natureza, urna vez qaa sa nao dirijsm contra a
seguranga da confederago oa contra membros
solados della.
c Um astsdo que aa aabmette a ausfcjsder cen-
tral de eatadoa confederados ou mesmo diroc-
go diplomtica e militar de outro astado, poda-
ra talvez aoncluir tratados relativos & questoes
administrativas, mas nao poda adherir de ama
maneira independenta a urna allianfa.
< A coovengo qaa fundassa aaia submisso
nao podara cortamente aer considerada como
ama allianga propriamante dita. Um aamelhante
tratado seria am tratado de vaualagtm.
Finalmente, aa o meamo artigo 2." do acto
federal, considerado isoladamente, podessa ser
applicado da maoeira porque o govarno prassia-
no daaaja, a maia simples recordago de oulraa
dispoiigoas essencisea daa convenges federaos
baataria para excluir, de um modo absoluto, a
possibilldsdo Isgal dessa applicago.
a A confederago ailoma foi fundada como
urna communldada de catados autonmico!, io-
depeodentes antro ai, com direitos a obtigagoaa
cooveneionaea mutuaa. Toda a aea organisago
assenta oeste principio fundamental, a no nume-
ro da votos, fizado palo acto federal. Maa um a
outro, o principio fundamental assim eomo a or-
ganisago qua dalle so dedus, seria lavado 4 ana
completa ruina por urna confederago monoa ex-
tensa. Porqae a cooatituigao unilariaoa d'aquelle,
feria desapparecer a igualdade da aaua membros
sacante a lei, tiraodo-lbe a faculdada da eiarcer
um direito de voto iodapendeute naa questoes po-
litices a militarea maia importantes.
c O governo imperial v-se poia (oreado a do-
clarar qua dave considerar a fandacio de um cha-
mado estado federal msis restricto na Allaminha
rago a Hernia, e como implicando si
gao de tacto neo de direito.
c O abaixo assigoado foi alea dSBM -
do, de juntar 4 expretso preseadMte as <
do sau governo, a declarable de fes i
com cooflanga que a corte da Pruaais, i
bedoria, e oa aua dedicago palas
dameotaesde direito, oo dar i n da naife
ioterpretago da qoeatio federal alleeasa. enees-
contra objecgdea leo imprtanse eaire as casis
derados, e qua oo pedera ear aapHaasssaam
volver s Allemaoha ne cossssat s i qua? se sjis>
poderis ligar aem embarager aaSSjiiaSi tiailee
aa e o aperfeigoameolo da i
tal como existe legalmeote. O^
recoDheceu vivamente, ne rasartsasde da
dirigido para Oreada, que o govorao de
maoifaatou francamente a coavece qae I
de que era oeeeasario am reforma gara I.
< O abaixo a saiga ido o usa aaaegarer qae asa
goveroo partilha igualmeate desta ceaviccie. f>
goveroo imperial profuodsmeale raapaosliads
da verdade de que o principio se qualquer refor-
ma deata naturaza, deve ser e do daaasislii
melo orgnico da coostituigo federal esiasasa*-
que liga toda a Allemaoha,. julga que ea peda
riam verificar sobre esta bese, asa s auxilio do
todas as modificsgdes importantes, am turnearte
com o progresio do desenvolviaaeDlo interno ds
Allemaoha. Eaire estss costa ella a sisadlo de>
um poder executivo da confederago allessiev
maia positivo, sssim como regulsmsato de pe-
sigo setiva da confederago na qaeetie de essa
legislago commum allamae. comprehaoseado
delegados daa dietaa allemaa.
c O goveroo imperial recebara cea Mliafacie
urna resolugio doa goveroos reunidos de Alle-
manha, que toroasoe possivel iaci taren-as dss-
cusses sobre a reforma federal debaixo de hacas
igualmente juataa para todos e am harmona ceas
a posigo da Allemanha.
c O abaixo assigoado aproveita cata assjsjna
para ter a honra de renovar S. Ese. e randa de
Bernslorff, a expressio da saa mais diatinct i
siderago.
c Larolfi.
Para complemento da cerreapeadaada que pu-
blicamos, icerca da retorna federal, deesas aas
seguida a nou qua o conde de BeresteraT dirime
ao representante praaaiano am Viesas. Esie do-
cumento traduzido da Tesata de Ceesarao
Emquando V. Ese. fasta a lei tara se i
de Rechberg daa neasaa apreciagdes __
formaa fadaraaa prepoeUe pela Saxonia,
do-lho ama copia a mea pasada, astsvs-ss
que o gabinete de Viesas L
peito a maior reserva, sis seas sssascia
lar, aoque paraca ; de maoeira que as ae i
semoa conhecimaolo pelee jarse as, da -
deocia trocada a aaae rsopaste, ea ai
parta deaaa correspondencia. Algas
que ae emittlram. a qae dtzeee rspate a
posico na confederago, sie da sel aaS
oo julgaao* devar guardar rompais i
< O primeiro daapaose de coa da da
de 5 da novembro do 1881, dirigido a*<
dor d'Austria, axamisa effrctivaneole s _
de saber se a Auslris pode, sa favor da an prin-
cipio dualista, reoiociar
meira potencia altama. Deesgse a
alternado (oo qual proferira
a preaideocia da Dieta) con
mo, caja grande imprtasete ee ae _
prehensivel sent pelas esplcacjeea de i__
mora qaa acompaaaa o despache, tele assa
ravindica para a Aastria assa paacss i
te prevegiada na Allemanha.
a Nao terS escapado peaescaese s V. I
quaoto esta maoeira de ver a sal sala ai
smenlo que por tintas vezas veo leas
do o ministro austraco seo estrsvMss sai m-
vosco tem tido, a saber, qae a Aastria ase lidia
deixar exclair-se ds Aitsaeaaa pata Praaaia.
que devia pretender a completa igualdad* das di-
reitos. Nos documentos do asa sa trata, sao sa
diz ama palavra dsaaa igaaldada daa ataaeassassas
potencias allemaa sa confederago.
a A posigo prevegiada de Aasarta tasas sato
contrario aa maia singular** dineaeeaase lasas
expostas palo aator daa c eaaarvaciaa gas asa a
respeito do projacto de Dreada. Esto dais *
re vindica effoeiivaaesta saa s ltele ata s I
de procedencia >. direito ajas i
do aaatriaco de presidir a
anas deliberagca, aas inportaacia ana aas s6
est am completa contradice! esas asi '
faca, mas qae excede loase i
que al agora lom chafada ss
meoto.
c O direito de presidencia i
siglo privilegiada coalada i corte'
rounlio dos principes olloaiao as I
da Ailemaaha, a representara as osbssl-.
fandada pelo acto federal, a toras ailara
interna cono exteraanaat*.
c O National Verein alisis .
dade qua nio apparsa asta peale ata i
maitoa adveraanoa da AlU
tha dessa direito de Sfasnwaeta a i
termo da coofedaraco, eaassssa ana a
tbsido a ama torna unitaria
raso allemes oo deixa
tu oda menta fundada oa dlretle.
c O aator da Msmoris __
da co m p a ra os efleitos da Sreass ss <
gao da America do Norte esa as
que podara ter aaa altercece aa,
depoia de ter deata a Metra elevado
presideosia da Aastria altara de i
do praaidencia da propra i
tria, que a Memoria d a Jaato
do direito assim tranaforaado. dect
Aastria nio sedera
a usina nao podara reaaaciar, aea iinsria
um ataque aaa digaidade. ster*enes*e dapaa-
sidenaa permanente, salvo q*aad* iodo a terri-
torio daa duaa grandes psisaras
resse compresesdido sa alltasco atalantasen,
coofederago.
a Ba presases dietas propestas trsslia an.
blicidade, a qae daixm malte essas ata a s i
udade, parece-nos asssasarta, sata a
recordar a verdadeira aitaiflogi* da
deaigaada coa o ssao da direiie de [
qaa a Austria revtadiea. Redas-so esas i
federal, aa primeiraa palavraa de artife & da i
federal, qaa concebido castas anana :
c A Aastria presida s dista fsdsisJ s
c Na meamo artigo isdica-ae s dsaalada ana
dave aebstitair a prstaoste oestes taairlaa. 1
ji suffirisnte para qaa na
menta davidar de qaa a aenraasava s
neira ampliada sea ultinea das
cea ais liaba por la seis s
anatas
d Mu podea tamben recordar-se se i
gocs expresase, qaa as
prorogativa fot rancajada,.
neira? dira estad 4
Prusaia, a B a viera a a !
desda ae sis devia
raegio doa a asocios.
As declaracea aatattacea faUaa pata .
de todas, a ano foi fi m aneara* ata a
da dieta, proferido peta ceses Baoi!


3R=
*^W,^,,
~=-
E
DIAMO DE PERNAMBUCO. ? Q4mT*\ fllfia 2a DI ABRIL DE 186*.
oatfcNk 5 oriUt^^lQllrV ccaoabi- Sala das tommissoee SI de abril de 1868.
alaoestee termos : i Barros Barreto.-Souta Reis.-C. Fenelon.
5* "; l "operado? da Ausliia) nao v na A assembla legislativa provincial de Pernam-
preudencia da dieta qw iuafoi coBeedida. urna buco
erdadeir* prorogativa koliiica, maa aim usa! "Resolv
honra, auim como umieioetleaiedNpoticioqae
lhe confia a direccio dos negocios
etteWm
andicaqde
a Quaodo depon de ter lsatbtadsduaj* ddei-
ra tigoiticacio de direito de presieneia se chega
os detenvolvisseetos da Me
n-se difflcil acreditar que
dido dizer seriamente que r
podia reuuncier a eise dir
ataque i sus dignidade, u
que a confederlo germao
tema defensivo a toda ajlu
-
Torna-se-nos imposiivel esta >elecer uma re-
l$i* qatlqutr entre um acto de lio grande im-
portancia, pelo qual a coofederscao poria tem
devida termo ida actual eiisteti ia recooliecido
peloa tratados emopeaa, bem loe ge de chegar a
urna coneolidscao poltica tal cobo o sonhou o
autor da Menora, e uma queslao lo secundaria
como a da uitimtco na direcci o dos negocios
Compre haodemos muito bem que a idea de
um direito horrorico tradiecooa que os potos
austracos podem ligar ao direi.o de presidir a
Dieta, poisa ter u m valor particular pars o go*er-
do austraco ; mas para a Prusiis, cu jo direito
europea, por consegainte cora a Austria, e que
livremeale cedeu Austria o direito de dirigir os
negocios da dieta, o restabelecimento da alterna-
$e nessa presidencia nao tem o ciesmo valor es-
pecialmente. E apeoaa carece di dizer que nao
poderia aer seriamente seno cuesio de uma
compensado.
a De mais, as precedentes occasioes, o gabi-
nete de Vieooa nao ligou a sua -enuncia pre-
sidencia da dieta, a uma condic) de to grande
alcance, tem por isso ter atacade a sua dignida-
de. Esta renuncia, leve lugar em n vitas occasiei,
especialmente na sesso da diet de 12 de julho
de 1848. e por occisio da formado da commis-
*io central provisoria da confederaos.
Em virlude dessa convenci, concluida rela-
tivamente a este ultimo por mim e pelo conde de
Schawarliemberg, em data de 30 de deiembro
da 1819 as duas grandes potencias allemas tur-
nar m, com direitos completamente iguaes, o
exercieio do poder central pela co ifederacao ger-
mnica em nomo dos governos coofederaces.
Os arligos V e 3o desla cor, venci provam
quaoto a maoeira de ver da Aiatria concorda
com a nossa, que sustentamos aula boje. Por
essat artigos indica m, como termo dainterina-
*}em, a continuaco da confederarlo germnica
como uuio do direito internac onal.e indicara
que durante a iulerinagem, a quostao de cousti-
luico allema, abandonado aos lirres ajustes dos
overnos, assim como os negocios (inslituicoes
orgnicas, medidas de ulilidade commum) que o
artigo 6' do acto federal reservj ao plenum da
assembla federal.
Se do lado da Prussia a alternacao da presi-
dencia da dieta tem sido em muitis occasides in-
dicada como desejavel, eseainda considerada,
orno desejavel, e se anda considerada hoje
como tal, principalmente porqt.e essa allerna-
cio ofereceria a prova positiva dequeasduaa
grandes potencias, Iguaes em diruto na confede-
rado reconhecem francamente eita igaaldade.
Na nosss maneira de pensar, favorecer-se-
rna aasim na Allemanhs o accord > e a concordia,
nicas coutas que sao capazes de formar do laco
federal, um laco de verdadeira iniio. e sem os
quaes falta confederado a garanta mais impor-
tante de forja e de duraco. r>o se nos pdde
occultar quanlo a Austria est l.oje longe desta
maneira de comprehender a alternacao das duas
grandes potencias.
Tambera vemos isto.com grande sen ti ment
na proposicao fioal das observices geraes em
que se profere, por motivos face s de adevinhar,
A alternacao das duas grandes i oterfeias, que a'
presidencia da dieta aeja exercida auccessivo-
menle pelos tres. (Asslgoado)
Conde de Bernstorff.
[Jornal doCommercio, de Lisboa.)
ERRATA.
Na parteExteriordo a. di bentero deve
ler-se o titulo t-r*nca logo >ps o discurso
do re da Suecia, o qual deixou t e sabir por erre
typographico.
ve que se adopten os seguintei artigos
addnivos ao regiment da casa : g
Art. 1* As posturas das cmaras munieipaes e
urna ambulancia, partindo em seguida para .
aquella freguetia, onde, como o sea divino Mee- erivao pro
tre. desenvolve e prallca a misso de consolar o
espirito e de curar o corpo.
Taes actos sao moralmeote bellos, j rio fal-
lando no cuoho divino que Ibes imprime* reli-
gio ; e a imprensa importa consigna-Ios esn re-
proaMaoadeirmaodades religiosas lerao uma conhecimento da sus oriffem csridosa
que m
ASSEMBLA LEGISLiTIVA PROVINCIAL.
SESSAO EM 22 OE ABRIL DE 1862.
Pretxitncia do Sr. VUconde de Camaragibe.
Ao meio dia feita a chamada i enfics-se estar
presente numero legal de Srs. Jepuladoa, fal-
tando sem causa participada os Srs. Witruvio
Vunhs e Figueiredo, Arruda. Tile, Amaral e Ba-
rio de Mwribeca.
O Sr. Presidente abre a sesiao.
O Sr. V Secretario l as atlas das ante-
cedentes, que sao spprovadas.
O Sr. Io Secretario menciona o seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do secretario da pretideoci remet-
iendo a oformacao do inspector da tbesouraria
provincial sobre o descendido con o expediente
de diversas reparliQoea provine! aes,A.'
fez a requisicao.
Outro remetiendo em manuscr pto, visto i
rjavar impresso o balanco da reosila e despeza
provincial do anno financeiro fln.lo e proposta do
orgamento futuro.A' commissa > de orcameoto
provincial.
Um requerimenlp de Thomai os da Silva
Gusmao Jnior, tbesoureiro da ihesooraria pro-
vincial pediodo a realituifo do i ue Iba foi des-
contado quando esteve no goso da iiceocs que
lhe ro dsda pela presidencia.i: commisso de
petlcpes.
Outro de Csrlos Eugenio Duaiche Mavignier
pediodo que no orcameoto muniupal se consig-
ue quota para a cmara municipal do Cabe lhe
pagar o que lhe deve.A' commisso de orea-
ment municipal.
Oatro de M a noel Clemente I;ibeiro Varejio
pameiro tabelliao de notaa da villa do Cabo pe-
diodo a suppresso do officio de segundo tabel-
liao da mesma villa, salvo o direito adquirido
pelo actual srveoluario.A' ccmmisso de le-
gislagao.
Outro da mesa regedors da irmaodade de
Nossa Senhora do Livrameolo recta na matriz
do Rio-Formsso pedindo a appiovacao do sea
compromisso.A' commisso de negocios eccle-
siasiicos.
Outro de Joaquim Francisco dt Piula Eateve
Clmenle, escrivao do jury desta capital pediodo
que na le do orcameoto se coos,goo quota para
que a cmara municipal desla c dade lhe pane
a quaniia de l:115|ris de que be devadora.
A commisso de orgament n uoicipal
ulro dei Joo Hyppolilo Meiro Lima arrema-
tante de1076 bragas do empedr nenio da estra-
da da Victoria pedindo uma iod imnisagao peloa
prejuiaos que soffreucom a encnmpacao da obra
de que foi arremaUnteA' cor imissao de obraa
publicas.
Outro de Herminio Delpbino do Nascimenio
Lima, escrivao interino do jury c o termo do Li-
moeiro, pedindo a suppreaiao dt officio de pri-
meiro tabelliao dsquelle termo. -A' commisso
de legislsgo.
Oatro da junta adminiairalia do Hospital
Portuguez de Beneficencia pedio, lo a iseocao do
pagamento de dcimas palia casis do sitio Ca-
jueiro aonde se acha erecto o meemo Hos-
pital.a' commisso de orgame ito provincial.
Uma pe liga o de Antonio Joiquim de Holl
pediodo que se mande archivar a coileegao de
iograpbias, que remelle, publicadas por ella
com o soccorro dos cofres protiociaes.A' ar-
dhivar.
O Sr. 1* Secretario communici que o Sr. di-
putado Plato de Campos Ibe llura solete para
er presente a assembla que delta da compare-
cer d'ora em diante aos trabslho da casa por ter
de Ir asslilir aos trabalhos da ornara des Scs.
deputsdos na qoalidade de dei utado por esta
provincia.
V lido, julgado obiecto do del beracio e mao-
"aio Imprimir para entrar na or iem dos traba-
nios oi projecto que fita a fores policial para o
ooo financeiro de 1862 a 1863.
Sio Igualmente lido e tem o meimo destioo
os seguiotes ptojectos oflereci.los, o primeiro
pela commisso de cnostil-ic* i jZy o
egaado pela commissio^Xa *
A assembla Iegialativa_pro.ical de Peroam-
fiaco, resotve :
Art. nico. O subsidio e ajuiia de custo dos
membros da assembla proviucial na legislatura
sremso oelow.
discussao emque podero ser emendados.
ArU l As.,axTtthfs fus tivaaai sido apoia-
"M- taj* a|jppetf-ij. aTello Reg.
& po, atusa am discusulo e dita adiado por
5"eSn l*SP"- Anj-jip ftrT, o fiwinte
a Ajcoinmieaao de coaaUluicao-a- poiaaas to-
mando conhecimento da razo pela qutl S. Exc.
oSr. presidenie-da provincia deiiou desaneco-
nar o projecto'de lei, que coacedia a Joaquim
de AlmeiJa Pinto o previlegio exclusivo por 15
annos para o fabrico do ail, a qoal a (alta de
competencia da assembla para conceder previ-
legios, que nao sejam relativos a obras publicas,
estradas e navegaco no interior da proviocia em
vista do 8 do art. 10 acto addiciooal, doulrina
esta que vem confirmada no a ro da 1860, basoado na consulta do cooselho de
estado d 37 de aetembro de 1859, explicando o
mencionado e arts. do aviso addicional; e ven-
do que nao obstante a razo dada, S. Exc. aanc-
cionou na mesma occasio o projecto de lei que
concedeu a J. Faiqe outro previlegio exclusivo
por.... anuos para o estabelecimento dexarros
de prega nesta cidade, que se acha em iguaes con-
diges, d'onde sedeiuz que S. Ex. ou achou que
a competencia da assembla para conceder pri-
vilegios fra daquelles restrictos caoe, era reco-
nbecida e fra de queslao, ou que obrou iocona-
tiiu ionalmente, saneciooando este ultimo pro-
jecto de le, bypotheae esta que a commisso oo
admitte ; de parecer que o projecto de lei de
que tem tratado seja adoptado pela assembla
pars que os poderes competentesdeliberem o que
fr conveniente e legal, quer com relago ao pro-
jecto saoccionado, quer com relago ao que dei-
xou de o ser, de uma maneira uniforme, e de
modo que veoham a ser hsrmooisados actos que
parecem contraditorios.
Salla das commisses da assembla legisla-
tiva provincial.de Pernambuco 22 de abril de
1862.C. Fenelon G. Alcoforado.Souza Reis.
Barros Brrelo.
E' igualmente lido e entrando em discussao
tica adiado por pedir a palavra o Sr. Lucena o
seguinte parecer :
A commisso de coostituigo e poderes a
quem foi a presentado o projecto de lei de 12 de ju-
nbo de 1861 em virlude da qual ficava o presi-
dente da proviucia autorisado a conceder a Joo
Gongalves Rodrigues Pranga, escrivao da collec-
toria das rendas provincias da cidade de Oiinda a
aposenladoria proporcional na razo dos anno
de servigo que tem naquelle cargo, projecto que
foi devolvido a assembla provincial S. Exc. o
senhor presidente da provincia, vislo haver-lhe
negado sanecao, alieodendo que as razos em
que se funda S. Exc. sao deduzidss dos, 7e II
ao art. 10 do acto addiciooal que smente
coofere as assemblas provinciaes competencia
para legislar sobre criago e suppresso de em
pregos provinciaes, fixago deaeus ordenados, e
sobre os casos e forma porque podem os presi-
dentes de provincia noniear, suspender e ainda
mesmo deraillir esses eropregidos ; e dos avisos
da 21 de novembro de 1857 e 12 de outubro de
1859 baseados em consulta do conselho de esta-
do ; e considerando, que se as assemblas pro-
vinciaes nao tem competencia para legislaren)
sobre a aposentadora, deste ou d'aquelle empre-
gado pode com ludo determinar os casos em que
essa apresenladoria pode hever lugar.
Considerando que no projecto da lei que tem
em vista nao aecretou a apresenladoria e apenas
autorisou o presidente para concede-la determi-
nando tmenle no arl. 2* a maneira porque se
devjam contar os vencimentos; consideran lo
que os avisos a que se refere S. Exc. em sua ex-
posiQo de motivos ainda que baseados em con-
sulta do cooselho de estado, nao tem (orga obri-
gatoria para esta assembla, rojos actos s po-
dem ser revogados deixando de ser approvados
jpela assembla geral; considerando que a lei
provincial numero........ dando ao presdeme
da provincia autorisago pars aposentar ao col-
leclor Francisco das Chagf* Salgueiro sendo
saoccionado, leoebcu a detila execugio, coi
que fosse revogada por acto dt assembla geral:
considerando que a aposentara, ainia que con-
cedida pelo presidente da provincia nao pode
receber execugo alguma sem que seja approva-,
da por lei provincial; e que por tanto aa ieis que
autorisam os presidentes para concede-las nao
sao mais do que uma
deraodo aalmente
sidj lambem incsnsavel ahi o Sr. Viaona
>ood. dt>,iiiiaa aaa
o (Je,
c
d
hado
alho sutiOjsueg
Amauhaa fjm
raria, profifi.i;.,?/or^ci
ros pata -o -coUogfo-d
Dr. juiz de-direito e Dr. promotor publico, o es-
envao proaleu cbsmada e verificou eaUrem
presantes 31 juradts.
i^N2 ^.f*10 onit^recido numero legal, o Dr.
Jim de direito proceden sorleio dos joizes sup-
piameutares que sao os seguiotes. aos ouaea ao
oTajjwir*
exercieio.
perante
de vari
'Olioda,
engommado de roupa
approvagao previa
que assim se nao
coosi-
cerceia
attribuigao alguma do presidente, porque a au-
torisago facultativa c nao imperativa; de
parecer que o projecto seja adoptado porque em
conformidade do art. 16 do acto addiciooal deli-
btfrem os poderes competentes.
Sala das commisses, 22 de abril de 1862.
C. Fenelon Guedes Alcoforado. Barros Brre-
lo. Souza Reis.
E' lila e approvada a redaeco do seguinte pro-
jecto. r
Artigo nico. Os profesores a velaos que esli-
verem actualmente functionando no Gymnasio
Pernambucano, e aquelles que de ora em diante
forem chamados a servir effectivameole naquelle
estabelecimento, e servirem cumulativamenie
com os outros professoros, tero direito a igual
graiitkago destes, pelo lempo que servirem, re-
vogadas as disposiges em contrario.
Sao successivamente lidos, apoiados, enlram
enr discussao, e approvam-se sem debate os se-
guiotes requerimentos.
1*A commisso de (azeoda e orgsmenlo re-
quer que pelos canses competentes se pega o
seguinte:
IoA demonstrago dss dividas de exercicios
(Indos e do exerc'cio correte, de modo que se
conhegs a proveniencia de todas ellas, e o sea
quaoto parcial e total.
2*Uma nota do producto do imposto arreca-
dadoat a ultima dala em virlude do art. 48 da
lei do orgamento vigente com declarago do nu-
mero dos escravos sugeitos ao mesmo imposto e
do valor de cada um delleSouza ReisBarros
Barreto.
2oRequeremos que pelos canses competentes
sejam solicitadas as seguiotes informales :
IoQual o estado das obras da estrada de Ta-
mandsr 6 propriedade, contractada por A. Milet.
2oQual a somma j recebi Ja pelo contraclan-
te por conla da construego da mesma estrada,
qual a importancia a que lera ainda direito na
forma do seu contrato 21 de abril de 1862Bu-
arque de MacedoLopesIgnacio LeoLuiz
Fehppe Manoel NetloC. Cavalcanti Pedro
AlfonsoAraujo {BarrosDrummond.
lConlinuar-$e-ha)
k revista O-aria-
a assembla provincial-oceupou-se com adis-
cussao do projecto sobre a villa Petrolfoa.
A ordem do dia de hoje :
1." discussao do projeoto o; 3 desle anno, pa-
receres adiados, e as materias anteriormente de-
signadas.
Asiumio o Sr. capito Jos Francisco Coelho,
o exercioia^do lugar de ajudante de ordens do
commaado das armas desta provincia, para o
qual fra nomeado pelo goveroo imperial.
As noticias de Caruareo em declioago o
mal all, apezar de haver-ae Irradiado pelas im-
mediaces da cidade.
Os Srs. promotor publico e juiz de direito ha-
viam iJo levemente aceommellidos, mas ti-1
nham-se restabelecido sem maior perigo.
Sao concordes todos em considerar altamente
oa servrgos prestados pelo Dr. joii de direito, que
se ha reproduzido de maoeira sobrehumana; Em
taes crises de deeolacio e horror, consola e (alia
em pro) da bumanidade a pratiea de semelhan-
tes praticas de abnegago.
Foi honlem desproDunojodo pelo Dr. juiz
municipal da primeira vara Hermogenes S-
crates Tvarea de VaMonctlos, o tenante quar-
tel-mestre do eorpo de policia Manoel Fernan-
dos d'Albuquorque Mello, o qual se acha resti-
tuido a Ivcerdade.
De Gravis aa noticias nao sao alterado-
ras, achando-se esta localidade eom meios para
ater face ao iaimigo, os quaes S. Exc. para all
eipedio por solicitaco e ciencia que leve da
invasao da epidemia naquelle povoado.
E' digno do mengao o proceder eminentemente
louvavel do Rvm. vigario Tilo, o qual achando-
se nesta eidade devidamente impedido e por
conaeguiote tem ama desculpa irrecusavel para
conservar-se -lora do ibeatro da epidemia e das
suas consequeocias, ao trepidou todava em di-
rigir-ao incooUoeote presidencia, e della obter
t
rf
bem como a lavagem e
-dos foliefliaes-
Do Limofljro lenjoa, as spfuioUs noticias :
p delegado tinha regreaaado aquella villa,
deixando o Bora-Jardim, onde prestara impor-
tantes servijs na prsenle quadrajdo cholera.
Acha-ae pronunciado em crime de introducir
moeda falsa oa circulago Joo Theotonio Be-
xerra, cuja sppreheoso j noticiamos anterior-
mente.
Da proouncia recorren pata o Dr. juiz do di-
reito. ^ '
Diia-se que na cadeia confesira elle ser
aquelle o seu negocio ha obra de qualro-aanos,
accrescenlaodo que o prefera (urtar cavallos ;
de molo que oelle contiuoaria, quando fosse II-
vre da presente alrapa.lha.da. liem dizia o ou-
tro, que muilo se cusa va a viver com honra I
Da cadeia fugira Aotonio Manuel de Farias
Leiie, que all se achara recolbtdo ordem do
Sr. Dr. -chele de polica.
Foi (erida na (ce uma certa Lolaia, por um
agente de polica em exercieio, bem que seja
suppleote, em coosequencia de razo que live-
ram entre si. Assim vo maisaummarios os ter-
mos policiaes, e feliz da trra que possue taes
agentes 1
Succumbirs do cholera p sargento do destaca-
mento, estacionado naquella villa. -
Nao tem sido possivel reunir a camaia muni-
cipal, apezar dos esforgos de um vereador, que
ha tomado na crise actual a respoosabilidade dos
seus actos.
Pernote o juizo de direito da comarca leve
provimeolo o recurso inierposlo pela promotoria
no processo dos Sannos. Tinbam estes sido
pronunciados como incursos oo art. 205 do codi-
ko crimiaal, mas o juix .municipal auapleote em
exercieio eotendeu dar ao delicio oulra classlfl-
cago, incluindu-o oo art. 201 do-mes no cdigo,
e por (orga do provimenlo. ficou subsistente
pronuncia primitiva, o elles sujeitos s penas do
art. 205
Depoia d'amaoha, no consistorio da igreja
de Nossa Senhora do Rosario, de Santo Aotonio,
pelas8 1(2 horas da maons, se devpr extrahir
a primeira parle da primeira lotera a beneficio
da matriz da cidade de Nazsreth.
O nosio amigo o Sr. administrador do ce-
mlterto publico enva nos o seguinte :
Sn. redactores da Revista Diaria :E' do
meu dever, como administrador do cemiterio
publico, responder commuoicacao do Sr. pro-
curador da cmara municipal, Jorge Vicior Per-
reira Lopes, na sua Revista do Diario de hon-
lem, cerca da relago que a Vmca. [o enviada
do cemiterio publico, dos 27 obtuarios do dia 19
do correte, e mais que o mesmo Sr. procura-
dor remetleu de 24, ao 0orto do Recite, de-
monstrando o da do allecimeoto destes.
Cumpre-me dizer, que no dia 18 (sexta-feir
da Paixao) ao anoilecer, leram cooduzidos ao ce-
miterio 5 cadveres, sendo 3 de pessoas falleci-
das do cholera, e 2 de febre amarella, acompa
nnando A aquelles guias da policis, e foram se-
pultados no aabbado 19, pela meohaa ; nesse
mesmo dia chegaram ao cemiterio 22 cadveres,
succumbidos de diversas molestias, com guias da
cmara municipal, com a mesma data de 19, ra-
zo essa por que Vmcs. enviei o supraditoob-
tuario de 27 pessoas no dia 19, e nao de 24, co-
mo e de meu costume para com Vmcs., e do
mesmo Sr. procurador da cmara municipal,
para com o Diario do Red fe, de enviar aa rela-
goes das pessoas que passam as guisa naquello
da e eu das que licam sepultadas oo cemiterie
publico, em viaia das mesmas guiaa^a.ccrescendo
os cbolericoa que sao remeitidos pela polica.
Recife, 22 de abril de 1822.O sdmioislra-
nnr. Mannoi un Vires.
No vapor Paran, aeguio paca a Baha a
ala esquerda do dcimo batalhJo t*oianlaria,
com88pragaa, inclusive osoificiaea.
Eis o centesimo-dcimo segundo
bolttim oficial.
Em dous oflcios ue Ha 14 do correle, dirigi-
dos da villa do Limoero presidencia da pro-
vincia, remelteu o respectivo juiz de direito, Dr.
Jos Quintino de Castro Leo, os bolelios da
mortalidade, em coosequencia do cholera-mor-
bua nessa vilU e seus. suburbios, o 1 de 30 do
mez passadoa 5 ho correte, comeado o numero
de irese iudividuos, e u i' de 6 a 12 desle mez,
contendoo numero de doze individuos.
Em um officio de 19 do correte, dirigido de
Pao d Alho S. Exc, disse o respectivo delegado
de polica, Joo Anaslacio Camello Pessos J-
nior, que, j aendo commuoicado em 16 deste
mez que a epidemia reinante eslava dizimando a
populago da villa, oovameole communicava
5. Exc. que a mesma epidemia tinha recrudes-
cido com mais (orga nos ltimos das, a ponto
de morrerem de qualro a eilo pessoas diariamen-
te dentro da mesma villa ; e disse oais que a
ambulancia, ltimamente remettlda por S. Exc.
eslava esgotada, mrmente em quauto aos reme-
dios que se spplicam iodependeotemente de me-
dico ; accrescenlaodo que oo sabia, como oa
quadra actual se podia estar sem um facultativo,
visto que o malltinha apreseotado carcter lerri-
vei, pelo que a populacad ae acbava muito auc-
cumbida, nao havoodo meios para aoccorrer os
desvalidos, e manter-se urna enfermara.
Desde hornera S. Exc. dau as oecesssrias
providencias, e envin uma ambulancia e alguna
soccorros para Peo d'Alho.
A's 6 horas da larde ce 22 d'abril de 1862.
Dr. guio Fonseca. x>
nEPARTir.Ao da polica. Extracto do dia 22
ue abril.
Foram recolbidoa casa de detencao oo dia 21
do correle.
A' ordem do subdelegado da fregueaia do Reeie,
Luiz, africano, de idade de 29 annos, farreiro,
escravo de Msximiarro Medeiros de Mallo, por
embriaguez.
A* ordem do de S. Jos. Manoel Jos de Oli-
velra, pardo, de22 annos. ferreiro, por brina.
O chele da 2a teccao./. g. de Mesquif.
m ~Z p"Vg?lro d0 Palach<> ""llez ersey, vindo
de New-Yoik :Thaodoro E. Barrot.
Passigeiros do vapor nacional Ignaras*',
saludo para os portoa do norte Victoriano da
Silva Lima, Thomaz Baplista Barbosa e 1 criado,
Victoriano Augusto Borges e 3 sobrinhos, Ma-
noel Fereira Marques Viaona, Nicolao Fixma.
Jeocuodo Fixioa e 1 filho, Francisco Vieira
Netlo.
Maxadouro publico.
Mataram-se para oconsummo deata cidade no
da 22 de abril, 95 retes.
nt OBTtJARlO DO DIA 22 DB ABRIL, SO CEMITERIO
PUBLICO :
Arcelina, Pernambucs. 4 meses, Boa-viata ;
gastro entente.
Luix Biuao. Belga. 35 enoos, viuvo, Recife :
molestia interior,
Luiz, Pernambuco, 4 meses. Santo Antonio ; es-
pasmo.
Bernardina Herculana do Senna, Pernambuco. 60
annos. aolteira ; erysipela.
Mari*. Pernambuco, 6 mezea, Santo Aotonio :
meoingite.
Juvenaio Jos Bello. Chile, 40 annos, solteiro
Boa-vista : febre amarella.
Jacob Brulhon, Dinamarca, 38 annos, solteiro.'
Boa-vista ; febre amarella.
Francisco, A(rca. 50 annos, esaravo, solteiro S
Jos ) cholera. '
Jos Ignacio Pernamboco, 60 annos. casado
Boa>viata ; snozarca e dyarrha.
Antonio, Pernambuco, 32 diat, lUcife ; {broca-
iAlTaMl*
Maooel, Pernambuco, 8 dias, S, Jos ; espasmo.
CHRONICA JUOICIARIA.
JDRY DO RECIPE.
2* SESSO
PRESIDENCIA DO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA j
GUSSA VARA. MAHOEL JOS DA SUVA NK1VA.
P/omotor publico, o Sr. fir. Frawwo Leopol-
dina de Gusmao lobo, ^^ ,
Escrwao privativo, o Sr. Joaquim Francisco
de PauU BtHvet Clemente.
A's 11 hora do dia, achando-se presentas o
que sio os seguiotes, aos quaes se
tazer notitlcago pelos officiaes servigo
do tribunal : *
Francisco Alexandrlno de Vasconcellos Callics
bristovao Santiago de IB-aua. LC"v,-^u,Sa-
omiogos Usnriquf Masnu
iguel Francisco de Sou*salefto.
>s Pedro das Neves.
homsz Caroeiro 4* Cu
os Marcelino daa^ibrajs
gostinho Ferreira4os SanJJj,
ufooio Francisco da^iUa^avaloeeli.
Antonio Jos da Costajl.ego.
Augusto Cesar da Cu oh a*. '
Dr. Joo da Silva Ramos.
Andr de Abreu Porto.
Jos da Coala Dourade.
Francisco Geraldo Moreira Temporal,
Domingos Alfonso Nery Ferreiro.
Em seguida, foram por varios motivos dispen-
sados de servir na presente aesso os saguintes
f julres de (acto, attendendo o presidente do
inbuosl ss escusas legaes que exhibirn):
Corooel Aotooio Gomes Leal, director do arsenal
de guerra.
Antonio Gongalves de Moraes.
Coronel Antonio Pedro de S Barreto.
Coronel Jos Carlos Teixeira.
Dr. Carolino Francisco de Lima Santos.
Foram impostas as multaa legaes aos jurados
que nao comparecerm sesso. que (oi adiada
para o da 23 do correte, a 10 horas imprete-
Oommunicados.
Daas palay ras sobre o tr*tamento do
cuolera-morbus, e da iofallibilidade
da ipecacoanha na diarrha, conhe-
cida por cholerioa.
Escrevo para aquellos que me conhecem e sa-
bem que eu prefiro a verdade a ludo : escrevo
para aquelles que, como e, sabem queeeple
ser medico sem ser impostor, e muito principal-
mente sem despreztr o honroso habito de medico
para tomar os asquerosos andrajos do desvergo-
nhado charlaio, e que falla de merecimeoto
procurara preeocher com oa embustea com to-
do quaoto capaz de aogariar os incautos e ig-
norantes : dirijo-me aos homeos de tenso que
sabem distinguir o homem honrado do velbaco,
o homem Ihano do astucioso, e o medico sizudo
do charlato sem brios e sem sentimeotos.
Em 1856, pouco dapois de haver assolado a
esta cidade o lerrivel cbolera-morbus, publiquei
um avulso, que em 11 dejaoeiro do correte ao-
no reimprim nesle Diario, aob o titulo Ma-
neira de cada um ae tratar do cholera -morbus
em que Qz sobresahir o valor da ipecacuanha
para atalhar immediatameolea diarrha cholen-
ca, a que os escriptorea lem dado o oome de cho-
lerioa, e a que outros e com mais razo tem cha-
mado principio do cholera : foi depois de ob-
servar muitaa centenas de doenles affectados da
diarrha no lempo de epidemia, que publiquei
esae avulso, em que classiQcava a ipecacuanha
como o mais poderoso remedio, mesmo como in-
fallivel, para cura-la : muitos doentes, mesmo
depois de chegarem ao perodo lgido, dereraro
aua salvagio a esse poderoso agente medicinal ;
porque entregues ao principio allopalhia ou t
curiosos homopalhas, ti una ni esgotado todos os
recursos e no estado de desespero que me pro-
curavam : leodo elles tomado grande numero de
remedios, eu recorra Ipecacuanha e oo pou-
cos foram os que nella acharara sua sslvago.
Actuslmente est to conhecida a efficacia des-
te remedio, que poucos sero os que nao leoham
ouvido contar milagres delle, e os fados sao to-
dos os dias a confirma-la : asseguro que mais
deduzentos doentes tem tomado a ipecacuanha
da terceira dyoamisagao e segunda colherada
tem vislo desapparecer a diarrha como por eo-
caoto : nao (alto smente daquelles doentes que
procurara receitar-se logo que apparecem os pri-
meiros iocommodos, porque destes o menor
numero; fallo daquelles que esto soOrendo 6
tata* oa.i,o uias sem ao menos pdrem-se em
oiew : alada ha u utas nmi muine. do iomd-
ta aonos, pouco maia ou menos, oa ra do Co-
tovello, estando ha qualro dias com diarrha e
j um pouco resinada, tomou a ipecacuanha, e
duaa horas nao eram passsdas, eslava livre desse
grave iocommodo, que um momento depois po-
dia ser-lhe fatal : o mesmo acontecen com um
velho de setenta annos no becco das Barroiras.
A vista de to grande numero de casos por
raim observados, e de outros muitos observados
por outras pessoas que spplicam a homopathia,
posto assegurar que aquelles que tomarem a ipe-
cacuanha, logo que apparegam os primeiros
symplomas tero a certeza de dahi uma ou duas
horas estarem livres de cholera-morbus, e oo
correrem o risco de se verem i bragos com uma
molestia que coegada que aeja a cerlo periodo
pouca ou nenhuma esperance pode dar de cura.
Oquesedixda iofallibilidade da ipecacuanha
os diarrha, pela qual principia o cholera, pde-
se dizer da camphore, secundada pela tintura de
sulur, quando a molestia vem sbitamente, epor
conseguinte com sympatmas aterradores : nestes
casos parece que a nalurea rene todas as suas
forcas pira reagir de uma vez contra os prio-
cipios mrbidos que a querem destruir, e dahi
vem essa repentioidade e violencia dos symplo-
mas, como seja a syocope, a grande dr e afilie
?ao que seote-se no corago, o reifriameo-
to total do corpo, oa vomitoa. a diarrha, etc.
eem casos taes que um medicameoto podero-
so e que tenha a propriedade de actuar no sen-
t Jo do direito dessa reaego, pode ser de grande
utilidade. e at boje outro se nao coDhece de mais
vaotagem que a camphora e se eUa em poucos
minutos oo provoca oa abundantes taores que
parece trazerem por fra do organismo os mias-
mas ou principio morboso, ah vem a tintura de
eoxofre iofallivelmente provocar uma transpira-
gao abundantsima, apt da qusl o restabelecl-
menta da saine nao se (azesperar.
Em mi ha opioiao, baaeada em muitos f actos
bem observados, enteodo que os (res remedios
priocipaes para curar o cholera-morbui com
promplidao e eficaciato: Io, a ipecacuanha
quando a molestia principia por diarrha simples ;
de qualquer cor ou qualidade que seja, mesmo
iiavendo principio de resfriameoto nss extremi-
dades, oa puxus fortes com grandes dores de
barriga e roncos: teobo aebido-a to efflcaz e
enrgica que atrevo-me a dizr que se alguma
cousa pode haver de matbematico em medicina
a Ipecacuanha para curar o cholera-morbus ; 2o,
a camphora quaodo o ataque vem repentino como
j diste, e logo depois o solfur se a camphora oo
um de alguna minutos nao tem feito suar.
O que teoho observado com multo cuidado
que assim como camphora remedio capital,
quando a molestia vem repentinamente, lambem
ioefficax, e direi mesmo que faz mal, (nao ha
regra sem excepeo) quaodo t diarrha existe al-
guna lempo 9 a algidei adianlada com euor vie-
guento: uestescasoa convir outro qualquer re-
medio menot camphora : ao menos a experiencia
me tem levado a pensar assim.
CoawUirei dizendo, que s maia das veiea o
cholera-morbua principia pela diarrha, a que
chamam choleras : quem ae achar ueste ealado
e tiver o bom tenso de so reoolher, abtter-ae de
comer, e tomar um soluto deteia ouoitoglbulos
de ipecacuanha ou de uma gotta de tiotura da
terceira dyaasaisago, na segunda ou terceira co-
lherada, repetida de meia em oeia hora, ao Um
de 2 ou 3 boraa estar iofallivelmente curado da
cholerina, e se conservar a dieta e resguardo por
doua ou tres dias, ficar fra da qualquer perigo.
A molestia se aggrava o pausa ao periodo el-
kx poE4ue as Pessos que sao atacadas da diar-
rha, nao se importam com olla, cooliouam a
andar ao sol e chuva, e as mais da vetea a co-
mer, e de ludo: eolo do lempo a que veoba o
resfriameoto, que um sigoal de que os centros
nervosos etlo gravemeoteaffectadoe, que a mo-
lestia tem produzido leses profundas no organis-
mo, e que a medicina ou nada pode facer ou con-
seguir alguma cousa com muito trabalho.
Nesle periodo da algidea ainda a ipecacuanha
remedio poderosiasimo. ahi est no becco das
Barreiraa um crioulo, que quaodo fui v-lo* se
achava fro completamente, com aquella ancie-
dade que um aympiomt de morte prxima, a
que hoje te acha qaasi restabelecido a oa tomou
aenao ipecacuanha. at que parou a diarrha e
priocipiou a reapparecer o calor; depoia do que
continuando as aaciat, a
grande afflicco, dei-laa mu vmica que ptimo
retulkdo produtio : nao digo que aju udjfo
doente, maa aera um dos muito poucos que ten-
do cnegado qaelle estado tenha escapado.
Tenho ioteira conflanga na ipecacuanha; por
etsa razo s maia das vexes insisto astuto salla ;
aquelles que acreditarem em mim, facam o met-
mo ; e ot maia (agam o que quizertm.
Cooaulorio, ra da Gloria n. 3.
Dr. Lobo Moscozo.
Hoje parti Wat, .tu. Wfca ^i da pro-
vincia o-fc. caaatto o htcbatel Jej Pedro No-
lasco Perata da Cunha.ex-delegado deste termo
com ""-fiPHtJt acempanbamento de teua de-
vo ados.atfgo^2Liixendo ^^s dallat aandotoa
pela sua.aMeoaAa, o que nana pre-a bem tig-
nincativa4 aau dignoawnjpotamanto durante a
sua assistencis neste termo.
Na verdede iogoera dir de boa f, que da po-
lica do Sr. espillo Nolatco cao reaullou grsode
bem eate municipio, qur em relago a perte-
g^ico dot crimiooaot, que ae viram obrigadoa a
" i i fo"gdoe para eacaparem priso, qur em
reiagao preseoca dos crmes e qur porlando-
ae de modo tal, que haveodo perpassado pala po
ca eleitoMl que leve lugar neste municipio em
outubro do anno prximo passado, pleito para o
qual ambas aa parcialidades dissidentes nesta
traguezu se pronunciavam com a maior tenden-
cia e nao leve lugar o menor bar alho, uma s
contestagao que reclamasse a intervenco da au-
tondade.
Sarvigoa lio notiveii e relevantes nao devem
ser esquecidos ; e se ha occasio, em que elles
podem ser applaudidos com publicidade, esta a
mais aproprlada, por iaso que, o Sr. capito No-
lasco j nio mais delegado ; j oo exslem
mais circunstancias que fagam acreditar que o
oleresse o motel que ioduz-nos a lisoogea-lo ;
pelo contrario a itto somos levados pelo justo e
prudente aprego que damos aot seut feitot.
Aceite, poit, o Sr. capito Nulasco estas maoi-
lestagoes, como uma prova ioequivoca do judi-
coso sprego que se d aos seus servicot, e do
oem que not legn como habitantes do termo que
policiou ; e o pubico Ilustrado como um des-
mentido solemne s falsas impulages com que
individuos imprudentes e malintencionados pre-
tendern marear a sua reputago, com o fim tai-
vez de Taze-lo detgostar e arreda-lo da polica.
E nao se enlenda que esta a primeira vez
que pegamos da peona em favor do Sr. Nolasco.
t-m das do anno passado, constando que se ma-
chioavam manejos tristes e execraveis contra elle,
grande numero das pessoas mais gradas desle
municipio fizeram um commuoicado desmentindo
as aecusagoes que alludimot, e manifestando a
i>. Exc. o Sr. presidente da provincia e ao lllm.
w. Dr chele de polica, que eolo era o muito
digno Tritlo de Alencar Araripe. o fim com que
eram dirigidas taes aecusagoes, maa succedeu que
sendo esse commuoicado remetlido um amigo
do Sr. capito Nolasco oa capital para tze-lo im-
primir, este julgou conveniente nao faze-lo, agnar-
dando-o,para depois que alguma cousa contra o
Sr. Nolasco fosse publicada, o que nunca fizeram
os seus desarrasoados desaffeclos, porque nunca
liveram cooscieocia no que pretendala conlra esse
digno capito.
Queiram, Srs. redacloret, dar publicidade a
a estas liohas no seu conceituado Diario, que
muito obrigados Ibes flearo os abaixo assig-
oadoa.
Villa do Buique 5 de abril de 1862.
Manoel Camello Pessos Cavalcanti.
Antonio Marques de Alouquerque Cavalcanti.
Pedro Leite de Albuquerque.
Miguel Archaojo Teixeira Osorio.
Joaquim de Albuquerque Cavalcanti.
Aotonio Cavalcanti de Andrade.
Jos Cesario de Vasconcellos.
Jos Jernimo de Albuquerque Mello.
Alejandrino Marques de Albuquerque Cavalcanti.
Jos Monteiro Cavalcanti.
Manoel Aotunes Bezerra.
Joo Hyppolilo de Souzs.
Joaquim Eptphanio de Mello.
L. Bezerra Cavalcanti.
Doriudo da Cunta Lima.
Poociaoo Cavalcanti de Siqueira Cavalcanti.
MaDoel Marques de Albuquerque.
Francisco Vaz Cavalcanti.
Jos de Albuquerque Cavalcanti.
Jos Ceaar de Vasconcellos.
Licerio Bezerra Cavalcanti.
Antonio Bezerra Cavalctnli.
Acrisio Bezerra Calvalcanti.
Manoel de Albuquerque Cavalcanti.
(Eslava reconhecido.)
Correspondencias.
Sr. redactores.Acabara de informar-nos hs-
verem sido designados, para examioadoraa no
coocurso para o preenchimento de uma vaga de
segundo escripiurario na tbesouraria provincial
duus prolessores de primeirts lettrat, um dos
quaes dever examinar sobre partidas dobradas.
Na verdade irrisoria uma tal designago, me-
uos que se tenha em pouco aprego o preenchi-
mento de semelhante encargo, ou que ae preten-
da beneficiar alguem. Ha dous annos que existe
o Curso Commercial Pernambuco, e durante elle
se tem sempre preterido o mui digno professor
da respectiva cadeira, Dr. Witruvio, quaodo se
trata de exames de partidas dobradaa eescriptu-
ragao merciotil; agora, porm, que elle se acba
com asseoto na assembla provincial, deixa-te de
parte seu legitimo substituto, e em vez de esco-
iher-se uma dss pessoas que entre nos praticam
semelhante arte, busca -se um leigo para sor exa-
minador. Deduasums: ou se illudio s boa (
de alguem, ou se menospreza to bella iostituigo
com e o Curso Commercial, olvidaodo-se assim
a dedicego e os servigos de teut proletsoret ;
o que por certo deve molesta-los bastante pis
que sao posios margo m uas occasiea mais im-
portantes.
i..
O inimigo dos escndalos.
ERRATA.
Na correspondencia do Rvm. D. abbade de
Oltnda, em respoala ao annuncio da junta admi-
nistrativa da Santa Casa da Misericordia, deram-
se os seguiotes errot:
Na lioba 5a da columoa 3% em lugar denoa
prezals-senos priva.
Na 4a columna, em vez depadre provincial
lea-sepadre ex-geral.
Na mesma columna, em lugar deetteuder
tfia-teditpender.
Publicares a pedido.
Illm. Sr.Hontem, depois dtt 5 borss da tar-
de, recebi o officio de V. S., datado do mesmo
dia, pelo qual de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia, e para satiifazer a exigencia da as-
sembla legislativa provlocial, exige que eu de-
clare qaantas publicages de biographiasle do-
cumentos histricos da provincia tenho feito, eu
em virlude de autorisago legal, que para laso
uyvt
Declaro a V. 8. que tenho dado luz pela im-
prensa tret tomos da obra em que V. S. me falla,
sendo de cada tomo mil exemplares, tendo sido
de cada um dos tomos distribuidos e entregue a
cada um dossenhores deputsdos provinciaes um
exemplor ; podendo todava haver algum senhor
deputsdo novo, que por esta razio os oo rece-
bssse, e so qiml serio dados, logo que se digne
quere-los haver : e maodarei hoje entregar na
secretaria da assembla nma collecgio, que i-
cando no' seu archivo poder ser coQiultada,
quando iito cohvenba.
Os tres temos impretsos contm especialmente
as biogrsphias de Jlo Nepomoceno da Silva Por-
tella. o padre Manoel de Souza Magalhea, o pa-
dre Jos Gomet da Cosa Oadelht, Felippe Ban-
deira de Mello, Pedro de Albuquerque, Manoel
Cselsno de Almeida e Albuquerque, o padre Fe-
lippe Benicio Btrbosa, o vigario Francisco Ferrei-
ra Barreto, o padre Antonio Gomet Pacheco, Luiz
Francisco de Ctrvalbo Couto, Jernimo de Al-
buquerque, Alvaro Teixira de Mtcedo e Joio
Antonio Salter de Mendonga ; e o maootcripto,
que est prompto, do quarto tomo contm at
biographlat do Dr. Josa da Natividade Saldanba
e Gervasio Pires Ferrera ; abraogendo esta ulti-
ma a completa historia poltica da provincia oo
grave periodo de 1821 a !8M, com lodos ot do-
cumentes respectivos, o ainda arespeito de al-
guna ntoviBaeotos polticos al 1836.
Aleado que ca declarado, existem promptat
para faisraaa parte do quinto tomo at biographiat
de Agosta* Barbalho Bezerra, Joio do Reg
Barrot, a laiiaAkve Pinto ; e adiantadas, como
ja declare!, as eomposigoes dss do corooel Joa-
quim Ignacio ei.lma, e Joo Lopes Barbalho.
Nos trea teutoa impressos, oo msnuscripto do
I quarto, e nao tret Wographias promptat pira en-
Urarem no quinto, esto inserios 417 documentos
inditos, em alguna dos quaes so descanreas aarf-
toii nomes de v6et Ilustres, deir.ahttid- .*
entao. Reatan avnlaae, .fcfjfe. de Lita-, lia f
Jtnairo e Baha, 83 documentas e caaiadaa m\Z
eu punho de d...,, r-pmtKos frti ridsai
60 patautee 4 wHiUre* so ai dislMclaa M gaavr*
dos Hollandezes, as quaes ae decar
^tw. dJtanmJe gr.ade aprego
Duvidoque alguem. ota aainhas
cine, pdeme (azar maia. o oato afirmar qaa ]
toa nem Unto. ^m'
A expretto de V. S.-em virt.de de a.ta,,
cao iegalae ate loma eq.ivoca, ae nao iaiatel-
ligivel; salvo sa autorisago legal aa
votos com que aa assemblas da miaba larra
feito entregarem-aa-me somatas <
para a acquitigio da documeotoe,
impresaio de semelhante trabalho.
Podra anda ir longo oeste aatump*,
vo couler-me not limitas que me tio prut_.
De, 8u" Illm. Sr. Dr. Joo Rodrigoaa Chavet, dig._
mo secretario de provincia.antevio Jomqmim a
Keflexes sobre o setena eleittraL
No (olbeto que comette titulo acaba de sor a-
blicado pelo Exm. Sr. contelbeiro Aalraa. en*
qual vem incluidas doas lices miobat sobre at)
vantageot da eleico directa, acba-ae remtala
mente traosloroada a ordem da corapotico des-
las ; porquenlo, lodos os paragrapboa TTttidaa
na segunda ligio desde a p Mas quando mismo no- chtgam, la., eu.
at pagina 34, onde acaba j-dasfr rrt
pria, real e legal de cada cidado ;__perteacaaa
primeira ligo, e deveriam ser eo'lloeados pa-
gina 47, depois do paragrapkoque Onda pelas pa-
la vrase de diploma de diputado. Figo ata
declarago para que nao me sejam impaladee es
disparates que de tal deoarrenjo resultam t qae
devem correr por couta nica doa infractoret
Recife, SS de abril de \M.
Dr. Zoilo Silniru de Souza.
DfiVANEIO.
Nts boros do silencio tristemente
Ao longe vaga meu pensar atoa :
Qual na amplidio dos onduloaae raares
Vaga, aem remador uma esna.
E te no leu vagar, meu penaamento,
Tu eocontrarea a mulher que adoro,
Dize-lhe bem naquelle ouvido santo.
Que junio d'ella rio, aueeote chore.
E se ella mui dir e deshumana
De meu soffrer iosano escarnecer,
Vem me consolar, porque talvez,
Mioha alma tritle cette de viver.
Foi um doodo talvez, dizendo oatr'ora.
Que lhe vota va um amor violento ;
Porque minhstpeltvraa desi retadas
Surniram-se e morreram alera comente.
Ao annlversarlo aim
sempre chntelo
alo tee ate dsO amarlo I
artilliaria a pe Ai
teltuarte Pereira, ao
abril de 1801.
Faz hoja um anno que o nome da melhor das
meua amigos foi apagado daa paginas dan *1vm
e inscripto nts negrss e lvgubre* folbaa i
de Iivio da morte.
Morreu Americo Clemente Doarte Pereira
xando iocouaolaveia seus paes, irmos e amifua I
Americo maocebo de 26 anuos de idade, mor-
reu quando alm, l no sen horisoote aa acettdia
um pbsrol illuminando com raios bnibaaUs
luiuro de sua vida I! .. morrea com* a lar ja
desabrochando entre aun eraa folhas, tulla
mente agoulada pelo faracae da Trmps'slsds. e,
emurchecendo, deixa caair ama a anta tasa mi-
mlos ptalas!...
Pobre Americo 1... morreu I... tostada!., lio
cheio de vida, de esperancaa e da aavnr I. .
Infeliz Ame-ico I Quando aa esperaacas indas
da vida pareciam sorrir-te o lufao da aserto vas-
reu-te a existencia I Pobre flor taada ae spro
abrasador da morte, lombas-te da ata ja* t*
soslioba, e fosies confundir-te no p do
lo I... Aioda honlem tanta vida I... t*
apeis lagrimas pungidas roladas sobre a
que te encerr 1... aioda hontem a gloria
familia, o cootentamenlo da teas amiga*
hoje? I... apeoaa a lembranca de zae Metal.!.
Elernidade I e quem poderi rasgar vea enea
que cobrea oa teua arcanos! Nefanda sexta I
quem poder comprehender os tees caaticstee!
Pobre Americo. infeliz amiga, aterraste, asee
abi ficarsm teua paea a lena amigas cajea la-
mentos devero tem dovida pasear paca qee
te tapara dos vivos como verde. inhala da
tuas virtudes. Morrea-te ; mas leu aam* aera
por todos nos iocessantemenle repetida ceas e-
voco e reapeito I...
Cootolemo-not, amigos, coaaolee-ves ata* in-
feliz, irmiot detJitosoe e pee deagracada, par-
que ae boje faz um anco que e perseas**, las
lambem um anno que ana alma para (ai
peloa aojoa em suas mimm d'eare a atea
Creador I
Recife 21 de abril de 1862.
___________________ C.P.T.
COMMK1ICIO
SOVO B.NCI
>K
PERMANBUCO.
O novo banco paga o 8* dividendo de
12# por accao.
iraca do Recife 22 de
abril de 1862.
Vs nuatro horas da larde.
Colacocs 4a iuU de wrreUres.
Cambio.
Sobre Portugal 90 d|v. 106 e 107 OjO
Acges.
Novo Banco de Pernambuco i $ ama.
mi.
Companhis de Beberibe5J cada urna.
i. da Cruz Macadopreatdaate.
Jobo Calissecretario.
Caixa Filial do Baie#.
>v-

EM2SDE AMIL 1*1
A caixa descoma aa letras at 4 i_.
e recebe diuheiro ae premio de /..
NOVO BAUCO
ni
Peroambuco.
EM 2-2 DE ABRIL DB 18.
O banco descorita na psente atjame a 10V
ao anoo at o prazo de 4 mezea, e a 12 */a al a
de 6 mezes, e toma dioheire em conten i
simple* e com joros pelo
coovencionsr.
premio e presa qnasa
Rendlmento do dia I a SI.
Mam de dia 23 .
Movimiento 4a
valamea entradoa eom lateadas..
tom gneros..
mama
m
lia m u_uTm. .-


DIARIO M WflMBCO ~ QOaMH'A FEtt M ABML Di 186 i.

-


Velamos sabidos
>
eom fixen les.,
eom gene o..
130
405
515
Descarregam do di* 21; de abril.
Birea ioglezaNilecarvo.
Deteeho bremeneeGermaoia I
Brigue DremeoseSud Br*tlearvi o ferro.
arca inglezaIraogeneme cadarte*.
Barca francesaMara Nicolacarreo.
Barca ioglezsCastoridea.
Patacho ioglez-Villafn afeUHr|asn..
Bngae ioglei-Hebe o tae Er.e~idam,
Barca ingleza Seraphinalateadas.
Im por tcito
Brigue icgle Adalia, vis do de New-Cstle,
consignado a C. J. Aitiey, mu Ifeitou o leguinte :
438 toneladas-da ante de i edra; sea asamos.
Patacho brmense Germatia, viudo de Loo-
dree, coosigaaeo a Rolan & Bidoulac, maaiastou
o seguate:
4 birris estecho, 3 ditos tt la, 1 caixa tiaU de
oscrever, I dita peo o ai. 5 roles chumbo ; a Jos
Antonio Mareira Diai & G.
50 barricas carreja ; a Krab'i Thora & C.
1 caixa obras de lati, 1 dit. chafara de pedra ;
a Taaso lrmaos.
1 csixa tecido da lia, a dit is mappa* geogra-
(ices, caixiahaa c banquinl as, 1 fardo tapetes
pira sof, I caixa levas de a godo, fitas de se-
da, isocoa etc., 2 ditat chapios de (eltro a de
palha, 1 dita booets. I emb albo amostras ; e
Kalkmaqo lrmaos & C.
150 barricas csrTeja ; a Saunders Brothers
dt.C*.
' 1 lardo eauros preparados, t caixa tacldo de al
godio, 1 dita tecido de akgoao, t dita lencos da
seds, 1 dita camisas de slgedio ; a Wild Jusi.
2 caitas objectos psra a po ite da Boa-Vista,
candelabros ; a II. Graaa & C
32 ca xas obras de ferro, a f irdoa fio, 1 dita ca-
bos, 1 barril farro, 1 caita eiouras. regres, 4
calas objecin de acoplarlo, 1 dita formas, im-
presa*, ato, SO ditas cemoat y ; a companhia da
estrada de ferro.
240 barris tinta. 5 barri, oleo de liohaeo ; a
lohoston Pitar & C.
2caitas cobre; a Brender i Braodis.
31 fardos tecido da algodo, 11 caitas dito de
dito, 1 caita lencos de cambraia ; a Ferreira &
-Arabio.
25 caiaa queijos ; a F. G. ile Oliveira.
12 ditas esmisas, 1 dita ehacosda sal a 2 bar-
ra tinta ; a P. Gomes de Oliveirs Sobrinho.
21 amarrados canos da chambo, SO chumbo,
25 barris salitre; a Prenle \ iaana.
1 caita tecido de (iaho; a J. 8. G. Alcoforado.
6 ditas cogtnc, 4 dita viobo, 1 dita Iones, t
dita objectos de selleiro, 100 ditas a 30 barricas
cerveja, 1 barril raaoganella; a ordem.
400 barris plvora; a S. P. lohntton A C.
400 ditos dita ; a Adsmson Howie & C.
50 toneladas carreo da pad a, 35 a meis ditas
dito coke ; sos consignatarios
50 barris salitre ; a H. ibioo.
120 ditos plvora ; a Seott Vilioo & C.
Ilute nacional Nicolao I, \ iodo do Aracaty,
consignado a A. de Azevedo P maaifeslou o se-
guinte :
100 saceos fir aba da mandioca, 1 caita pea-
oas da ems, 193 meios do sol ; a Francisco Go-
mes de Mallos Jnior.
178 motos de sol, 108 mol tos pella cortidas,
78 couros salgados, 92 saceos cera de carnauba ;
a Gurgel lrmaos.
2 caitas velas de carnauba, 2 saceos cara de
dita ; a Bastos & Lemos.
197 saceos farinhc da maniioca ; a Tasso Ir-
anios.
1,130 palles a 44 molaos de cabra cortidos, 30
secos carrapato, 12ditos algalio em pinina, 45
ditos er de carnauba, 20 ditos fariotn de man-
dioca, 53 meios de sois; a Pirante Vianna G.
60 saceos farinrn de mandioca, 2 barricas as-
pa tos ; a Vianna & Geimerei'.
5 buriess sebo em rama ; Jos de Si Leito
lami r.
Exporta*; ao
Do da 21 de abril.
Brigue iagle Nadtjda, pa a o Canal, earrega-
ram :
Jamos Byder & C, 700 sectas eom 3,500 arro-
bas de aisucar.
Barca chilena Claro Rosal a, para Valparaito,
carregaram :
Amorim lrmaos, 1,600 sacct s eom 8,000 arrobas
de assucar.
Palaeho italiano Maa, para Gibraltar, carre-
garitn:
Baatoe & Lemos, 1,537 sac tos eom 7,685 arro-
bas de aasner.
Barca italiana Alfredo, para Matseille, carre-
garam :
Tisset freres, 2,300 saceos :om 11,500 arrobas
-de assucar.
Sumaca hespanhola Mari i Lloberas, para o
Rio da Prata, carregaram :
Amorim lrmaos, 400 barritas eom 2,801 arro-
bas e 22 libras de assucar.
Polaca hespanhola, Santo Antonio, para o Rio
da Peala, carregaram:
Amorim lrmaos, 600 barril as eom 4,786 arro-
bas e 25 libras.de assucar.
Brigue portuguez Btperai-co,,, para o Porto,
carregaram :
Marques Barros & C. 900 si ecos eom 4,500 ar-
robas de assucar.
Brigue portuguez Relmpago, pan Lisboa, car-
regaram :
Jos da Silvs Loyo & C, 610 saceos eom 3,000
arrobas de assucar.
fhomaz d'Aquioo Fooceca, 200 ssccos eom
.OlXI arrobas de aasucar,
Pstacho italiano JfarceUin?, para Marseille,'
carregou:
F. Dragoo, 1,407 saceos om 7,035 arrobas de
cancar.
Beeebedorla de rendas internas
sjreraea de Pero ambneo.
Bandimento do dia 1 a 21. 21:3021118
Idam do dia 22......15581575
Agu pormez....................... 19&2O0
Azeite de carnpato e vallas da car-
neaba, por mez................v. 399000'
Livagam, eugemmado e concert de
relpa.pacmaz................... 55*000
A arremata ci sari feita por tampo de ssis
caceas a cantar do primeiro de malo so ultimo
de outubre protimo futuro.
Ao pesiis que quizerem (azer dito fornecimen-
t comparegam na jala dae seasoea da referida
janea ao dia suprameaciooado, pelo meio dia e
canspetentasente habiltalas.
E para constar aa mandos afflxer o presente a
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Peraam-
bueo, 11 de abril de 1862.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Aonunciacio.
O Illm. Sr. inspector de thesouraria pro-
vincial meada fazer publico para coahacimenlo
dos intdraeeedos o art. 48 da le provincial n.
150 de 18 da juoho do crrante aano.
Art. 48. B' purmittido pagar-ce e acia iza
tos eoeravoc comprados em qaalquer lempo an-
terior a data da presante lea independent de re-
validaQio e multa, ama ves que oa devedores
acUaes deate imposto, o facam dentro do eierci-
cio de 1861 a 1862, os que nao o fizerem ficaro
sujeitos a revalidacao e malte em dobro. sendo
m targo para o denunciante. A Iheseuraria fa-
r annunciar por edital nos primeiros 10 Asa da
cada mez presente disposigo.
B pare constar ae maoiou affirar o presente e
publicar pelo Diarto.
Secretaria da theiouririi provincial de Per-
nambuco, 8 do julho de 1861.
. O aecretario,
A. F. da Assnmpgic.
Illm. Sr. inspector da thesoursria provin-
cial, em cumprimeoto da resolucio da junta da
faienda, manda fazer peblico, que no da-24 do
corrento vi nnvamaate a praga pa aerarre -
matado e-quem nfats der a renda das casasabai-
to mencionadas, perleoeentes ao patrimono dos
orphos, as qaaaa ae acham desocupada!, e as
chavea recolhidas i thesouraris.
Rui do Sebo.
Caa tarrea o. 12.160&OOQ de renda por anno.
Ra do Rosario ds Boa-Vista.
Gass terrea n. 14.2018000 de renda por aano.
Ruada Lapa.
Casa terrea n. 41.182JO0O de renda por anno.
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 65.3008000 de renda por anno.
Ra dos Bargas.
Gasa terrea n. 68.2059000 de renda- por anno.
Ra da Sanzalla Velha.
Sobrado de dous anlarca e loja n. 79.65O$0O0
de renda por anno.
Sobrado de dous sedare* eloja a. 80.650J0O0
de renda por aooo.
Ra da Guia.
Gass terree o. 83.162*000 de renda por anno.
Gasa terree n. 84.163*000 da renda por anno.
Ra da Madre de Deas.
Cisa terrea n. 35.-1:621*000 de renda por anno.
Ra de Pilar.
Gaaa terrea n. 96.-157*000 de renda por anno.
E para constar ae mandou affiter o preeente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da theaeurarla provincial de Pax-
nambuco, 7 da abril de 1862.
O secretario,
A. F. d'Aunanclacao.
O Illm. Sr. Inspector da thesoursria pro-
vincial, em cumprimeoto da ordem do Etm. Sr.
presidente da provincia de 14 do corrente, man-
da fecer publico que no dia 18 de jenho protimo
futuro, perante a janta da fazenda da meama the-
souraris, se hade arrematar, a qaem por menos
fizar a obra do calcameeao a faaec-so naa ras do
Sebo e Trompe, avallada a braca qnadrada de
empedramento pelo sysiema Uac-Adam em 30*
e de calcamento de pedraa irregularea em ris
16*000.
A arrematicao ser feita oa forma da le pro-
vincial n. 343 de 15 de miio de 1854, e as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propoterem a meeaa arve-
mstscao comparecam na sala das sesese da refe-
rida junta, no dia cima mencionado, palo meio
dia, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o presente e
publicar pelo | Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 18 de margo de 1862.
O secretario,
A. P. da AonunciagSo.
Clausulas especiaes para a arrematicio.
1.*O arrematante dar principio i obre logo
que for para ease fim avisado pela directora den
obras publicas e a coocluir no praso de seis me-
zes contados da data do aviso.
2.*O arrematante 4 obrigado a seguir etata-
meate na execac&o da obra, a planta e ornamento
approvados, aisimcomo a cumprlr restrictamen-
te as instruccoei do eogenheiro incumbido da
iospeccao da obra.
3.aO arrematante fiea suseito a observar em
toda sna pleoilude s obrigagoes que lhe sao im-
postas no sapitulo 3 da lei provincial n. 286,
4.aO pagamente aeri feito por presticoes
meneaos conforme o numero de bragas promptas,
nao sendo, porm, um numero inferior a sexta
parte da obra total.
5 "O arrematante nao era dito a reclama-
go alguma tendente a indem que seja a natereza das allegages em que se ten -
dar para tal fim.
Conformo.
A. F. da Annnnciago
do rancho da companhia dos menorea do arsenal, lugar apenas para 400 saceos eom assucar, quem
de guerra, nos metes de maio e iunho prximos qeizr carregar eotenda-ie eom os seus coosig-
eatseanei inlital* t*..I. ta_ r*,t ..._.
vindonros.
Pi da 4 oucas, bolachas, menteige franceza,
cha hysson, caf em grao, assucar refinado de
segunda sorte, carne verde, dita leica, firinha
de mandioca de primeira quiRdade, toucinho da
Lisboa, arrot do Maranhao, fsijio preto on mu-
latioho, bacalho, azeite doce de Lisboa, vinagre
de dita.
Qnem qaizer fszer o forneelmenlo cima men-
cionado, pode apresentar es suss propostis em
carta fachada na secretaria de eoosatho aa 10 bo-
ris da msnhia do dia 38 de correte mez.
' Sala dae secados do es ceiba administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 21 de
abril de 4862.
Antonio (Jome tcal.
Coronel preeideate interino.
Francieeo Juaquim Pereiro Loeo,
Corono) vogal aecretario interino.
Conselho admiaislrativo.
0 conselho administrativo, para lornecment
do arsenal do guerra, Um do comprar oa objectos
segnintes:
Para a enfermarla militar de provincia do Cear.
50 comer ras de forma cyhadrica, vidros, altu-
ra eom a cobertura 300 milmetros.
50 frascos de abertura ordinaria tapados a es-
meril, vidro branco 4 litros.
50ditoe.de 2 litros.
50 ditos de 1 litro.
50 ditos do 500 grammaa.
50 ditos de larga abertura tapados a esmeril,
vidro de 500 grammas.
50 potes de p do podre formo de eylindrica
10 ceotimeetoa de altura.
4capsulas da porcelana eom bico e fundo re-
redondo da 250 milmetros de dimetro.
4 ditaa de fnndo choto.
1 gral de raormore eom mo para 18 oncai.
1 grel da marmore eom mo pisa 2 libras.
1 pooeira fina de rame eom tambor.
1 dita grosss de rame eom tambor.
Quem quizer vender tees objectos aprsente
aa anas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horaada manha do die 28 do
corrente mez.
Sala dae sessoes do conselho administrativo
pare fornecimenlo do araanal de guerra, 21 de
abril de 1862.
Antonio Gomes fteoi.
Coronel presidente interino.
Francxtco Joaquim Pertra Lobo,
Coronel vogal aecretario interino.
CoRselho de compras navaes.
Tendo-ae de promover em aessio de 26 do
crrante mes, sob as eondigbes do estylo, a com-
pra doe objectos sbaizo declarados, do material
da armada, manda o cooselho convidar aoa pre-
teodantea a entregaren) saas propoitas nease dia
al as 11 hons da minhia, em cirtas fechadas,
eom as amoatraa dos mesmos objectos.
Pere o navios, arsenal e phirol da barra.
i arrobas de cola da Rabia, 10 libras de linha
era, 50 arrobas da oleo de linhace, 80 libras de
pregos de cobre pafa batel. 6 pedrea de amolar,
50 moloc de acia da ierra, 12 dutiaa de taboas
desmarello para aisoalho, 10 dorias de taboas
de pinhode 3(4. de pollegadaa, 10 ditas de dito
de 1 pollegede, 19 ditas de dito da 1 1(2 pollega-
da, 10 ditaa de dito de 2 pollegadw, e 60 grozss
de torcidas francesas.
Salado conseho de compras naraei em 19 d
abril de 1862.O secretario,
Alezandre Rodrigues dos Aojos.
Correio geral
Bolaceo das cartas segurae existentei n admi-
niitracao do correio deeta cidade para os senbo-
res absito declarados:
Del8no da- Atevcdo Villaroaco,
Pilippe hiena Callado da Fooseca.
Francisco de Carvalho Prats.
Frsnciwo Josliarlins Penoa.
Francisco Vicente de Vasconcelloi.
Guimare & Alcoforado.
Juveocio Augusto de Atahyde.
Ignacio de Si Lopes Fernandos.
Joaquim Rodrigues Chaves,
Joaquim da Silva Castro.
Joo Alves Mergulho.
Icen Ferreira dos Santos Jnior.
Jos Thomsz Goncalves do Rosario.
ttanoel Joaquim dos Santos Pstory.
Manoel Varella do Nascimento Jnior.
Loureogo Trigo de Loureiro.
tarro Antonio Luiz de
rus da Cru n. 1.
Olireira Azeredo di C.
Para Lisboa e f orto
cabo al o dia 80 do correte a nova bares por-
tugueza peepiqu II, da primeira dasse. farra-
da e ecvUhada da cobre : pere o reato di carga
ajee Iba falla, o aoeeegairos. trata-ae eom Ferrei-
ra & Loureiro, na Ira vasca da Madre de Dtoo nu-
mero 10. ,
GovvAMu rmmtaiu
DI
J>iavegaco costeira a vapor
Mcei *e escalas:
O vapor tPareincoga, eom mandan te Moura,
aabiri para oa porto do sul tocando as ascilas
na dia 25 do crrante as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dta 24 ao meio dia. En-
commeodas. paasagaire e dinhero frote ot o
dia da sabida as 2 horas: escriptorio no forte
do Msltosln. 1.
Para a labia.
Pretende eegulr eom meita brevidade 0 velet-
ro e bem conhecido hiits nacional cSanto Ama-
rte tem parte de eeu earrtgamento prometo,
para o reato que lhe falta trata-se eom os seas
?onsignstarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no sec escriptorio na ra da Cruz n. 1.
Para em direitura.
Sahe brevemente o bem conhecido e velsiro
brigue eseans cGriciosa, capitio Jeio Jos da
Sonta, por ter parte do sea carregamento contra-
tado : para oralo trata-se eom o consgnate-
rioa Almeida Gomea. Alves & C, me daCrcs nu-
mero 27.
Para Lisboa
sebe impraterivelmente por lodo eate mes o bem
conhecido brigue portugus Relmpago ; para
o resto ds carga e pasesgeiroe, a qaem onerece
os melhores eom modos, trata-te eom o consigna-
tario Thomaz de Aqaino Fonsecs, na rus do Vi-
gario n. 19, primeiro andar, ou eom o capitio na
prace. .
Lisboa e Porto.
O brigue portaguez Esperengs, segu para
ambos os portos, st o fian do corrente mez, por
ter parle do carregamento prompte ; para o res-
to e pasasgeiroa trata-ae eom oe eensignatarioa
Marques, Barros & G. largo doCcrpo Santo n. 6.
Para o Aracaty
ssho impreterivelmente no dia 28 do corrente o
Male (Nicolao I, mestre Pedro Jos Francisco,
teme carga quasi prompts, e deve eahtr no dia
cima mareido, para entrar oa lea cheia : para
o reato da carga, trata-se eom Prenle Vianna &
C ra da Csdeia. n. 57.
Aviso.
AtiMMwm-
E^cropUuUs ou alporcas.
E*U eoferaaidede coemOcaCa
*cl i em eoeisoeueocja cacao, taco naor ao
O agente Guimare tndo de temporerismen- co que o Sr. Ricardo Xirk eom ewceietocto rao ato
te deitir seu armeiem, previne a todas as pes- '
sois que nelle tiverem objectos eom limites que
OS hajam de retirar nasses 3 das s contar da
data do presente, do contrario serio os meamos
objectos veodidos em ieillo pelo maior prego
obtido. Recite 25 de abril de 1862.
22:860*693
Consulado ssrovtaelal.
eadimento do da i a 21. 51:511*714
Cdem de dle 22. ; 1:655*392
53.1675106
MovinifiHto do porto.
Navio entrado nc fia 22.
New-York 35 dina, patacbi inglez Mtrsty, de
124 toneladas, capitio Pheippe, equipagem 8,
carga madeira, ferinha de i ligo, gelo e outros
gneros ; a Wild & Just.
Navio$ sahidot no nesmo dia.
?ortos do norte Vapor biaiileiro Iguarass,
commaodante M. M. Vianna.
Caaal Brigue escuoa proa llano Prnceza Re-
gente, capitio C Lemeck, suatsamm
lmfeli
-v O Illm. Sr. iospeclor d; thesouraria provin
cial em cumprimento da ordem do Eim. Sr. pre-
sidente da provincia de 22 i o corrente, manda
ieoar paaMtso, que o concurso para o logar de 2*
scripturario da mesma tbea luraria, lera lugar
no da 28 de abril prozimo viodouro, devendo
os preteadentes ser etamiaa< os na grammatica
de lingua nacional, escriptura ;ao por partidas do-
CradM, arbeieiica a auca appcages, eom es-
peoiilidade a reJucgio de moda, pesos e modi-
d s, oo calculo de descont, e juros simples e
ompostos, sendo preferidos i} que tiverem boa
lettra a souberem liogoas eil angeirai.
O prelendentes deverao areseniar seus re-
querimentos nesta thesourarii. eom cerlidio em
que provem que sao maiore le inte annoi.
E pan constar se manden atBxar o presente e
publicar pelo Mario.
Secretaria da tbesooraria provincial de Per-
zambuco, 24 de margo de 1811
O secretarlo,
Antonio Perrei a d'Annanciago,
Oe ordem do Illoj. 9r. i ispect9r da tfaesou-
raria ta fax publico que fita adiado pas o die 5
4e malo prximo futuro o ci ocurso para o pre-
oachimeolQ dai vagas de pr licanles da meama
(heceurarie ; e aoouociadp pira esta data.
Secretaria da theseuraa i le fizenla de Per-
oambuco em 21 de abril de 1 $62.
Servindo de offlciei maio Maooel Jos
m*. Sr. inspector da l xesVari* provin,-
rtar, om cumpnmenlo de reolugio da junta da
azeada, manda tazar publica, que ao da 24 do
cotreataoe b de arrematar i quem por menos
Deelaracoas.
THEATRO
DE
Santa Isabel
COMPAMIIA LYRIC1
LHles.
DE
Pela subdelegacia dos Afogados foi appre-
hendido um preto por nome Amaro, o qual diz
aer escravo do negociante Joo Francisco de Bar-
ros ; quem se julgar eom dimito, apresente-se
legalmeote que ser entregue.
Subdelegacia dos Afogadoj, 26 de margo de
1862.O subdelegado, alones.
A directora das obres militares tendo de
mandar proceder ao concert de que precisa ama
das prisdes do hospttsl militar, convida aa pes-
soas que do mesmo se quizerem incumbir a apre-
sentarem suas propostas nos diss 23, 24 e 25 das
10 horas da manha a 1 da tarde ne mesm di-
rectora. Directora das obras militares de Per-
nambuco22 de abril de 1862.
O escriplurario,
Joo Honteiro de Andrade Malvinas.
Secretaria da polica de Per-
nambuco 26 de marco de
1862.
Acha-ae recolhido a cesa de detengan, prsso
pela subdelegacia da freguezia da Boa-Vista, o
preto Maihias qae diz ser escravo do finado Joo
Mirtins de Oliveira, e achir-se fgido a miisde
30 annos,sendo a familia do tinado moradora na
fazenda do Sap em Gariris-Novos, quem for seu
dono apresente-se nesta repartiefio eom docu-
mentos legaaa para lhe ser entregue.
O secretario,
Dr. Joaquim Jos da Campeo.
Vice consulado de Espana en
Peroambuco
La cancillera del vice eonsolado.de Espaio ae
ha mudado para la calle de Amorim o. 35.
Peroambuco 22 de abril de 1862.
El vice cnsul de S. sf.
Juan Anglida Hijo.
Capitana do Porto.
Pola capitana do Porto ao fas pnblico que o
eviso de 8 de fevereiro de 1849 determina que se
imeonha a mulla eetonelecide no artigo 114 do
reculamente aoa capitei dea navios mercantes,
que nao restltuirem o etemplsr do mesmo regu-
lamento, que hoaverem receido.
Capitana do Porto de Pernambnco 22 de abril
de 1862.Osecretsrio Interino,
Joo Nepomuteno Alves sfaril.
Tribunal do commercio.
. Pela secutara de tribunal do coamcfoio de
Pernambueo se faz publico que a sociedade O
Miguel Jee. Baiboaa Guimaxies Jos de Al-
meid Nuuei Lveaa, eatabeleecos noato tocada
eeb a ira* O^iimaraeo fk 'nn. 1o*s ansds
ea 31 de desembro o asna nodo, seiororogadi
per meis um aano, eom
SecreUria do tribcaal
ocmbuco21 de abril do
Ulfal
O emprezaro previne aos dilettanti dos espec-
tculos de Operas Italianas, que leodo chegsdo
eom sua companhia para completar os tres mezei
que lhe faltara cumprir o aen contrato, tem
abarlo urna assignalura de viuie recitaa, para a
quil aioda restara alguns camarotes e cadeiras.
Aos senhores que encommeodaram assignalu-
raa, pede-aa se dignem mandar buscar oe compe-
tentes recibos at o dia 24 de correte, no escrip-
torio do ineatro.
A estra da companhia ter lugar eom a GRAN-
DE OPERA de VERDI em tres actos, intitu-
lada,
I Due Foscari,
Oa pregos e numere dae entrada dos camaro-
tes sao os mesmos que da ealago paasada.
O empresario nada diz para exaltar o mereci-
roento da sua companhia ; o publico desta capi-
tal to Ilustrado, que sem duvida alguma por
a mesmo dar o seu jaizo sobre os artistas, como
j elles o mereceram do publico de Roma, Milo
e Turim, onde liveram a honra de sar spplau-
didos.
O repertorio de operas que o empresario com-
pran na Italia to novo e escoltado que nada
deixa a desejar.
UN BALLO IN MASCARA, ultima opera de
Verdi. SAFFO, MARCO VISCONTI, LUIZa M1L-
LER, sao chefe d'obres de Donizelti, Pacini, Ver-
di e Petrella, que ninguem pode contestar ; por-
tento, artistas e emprendo ludo esperam da be-
nevolencia do publico, durante as poucas recitas
que aquidaro antes de seguir psra o Rio.
A 24 do coFreote.
Augusto C. de Abren far leilo por interven-
cao do agente Oliveira, da grande aortimento de
azendea inglezas ss mais proprias do mercado:
Quinta-feira 24
do crtente, s 16 horas da manha, am sau r-
maseos na ruada Cadeia do Recife.
Importante leilao.
Sexta-feire 25 do correte haver leilo
muitos e diversos movis, de algumas obras
prata e de metal principe e de dous carros
ra da Cadeia u 14.
LEILAO
PE
Um escravo pintor.

Ctuelhf
0 conselho sdmioiitca
do irtSMl de guerra tem
frisos martimos.
COMPANHIA BRASILEIRA
w
Wmt I a Vaffill.
Espera-se dos porto do sul alo o dia 29 do
corrate o vapor Cruzeiro o Sul, commaodante.
o capitio ele mas a guerra Cervario Manceba, o
qual depois ds demora do costme seguir psra
os portos do norte. ,.
Deidc ji recebea.ee peasagairos e eogaja-se
s carga que o vspor poder onduzir a qual devo-
ra ser embarcada no da de sua obogeda, o-
commendM e diobaire a cete at e die descaer
ds a* 8 bocaj da tarda ; agencia ra da QrW
1. eicriptorii de Antonio Lniz de Olireir* Aso-
vedo & "
O veleiro e bom conhecid
Velo, pretende eegulr at
PELO AGENTE
Em seu armazem na ra do Imperador
numero 37.
SEXTA-FEIRA. 25 DO CORRENTE.
0 referido agaale far leilo, por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz municipal d primeira vara a
requerimento do testamenteiro dos baos daixa-
dos por fallecimento de Pilippe no lugar e dia
cima pelas 11 horas, de am escravo de naco,
moco, eom officio de pintor.
LEILAO
A 23 do corrente,
DE
Cerca de 400 saceos eom ar-
roz avariado, 46 caixas de
4 latas oleo de mamona, 11
ditas de gemina lacea, 3000
libras cobre de forro velho,
1 HMstro usado para navio.
r. N. G. Schmeidt, cspilo do brigue bsmbur-
Suez Georg Heinricn (consignatarios N. O. Bie-
er & C. secessores) far leilao precedido a
complente autoriaago do Illm. Sr. inapector da
alfandege, em presenga de am empregado deeta
repartico para o effeito nomeado, e do Sr. vice-
cnsul de Hamburgo, por conta e risco de qaem
pertencer e por inlervenco do agente Oliveira,
de todos os gneros mpramencionados, sendo
parte do carregamento descarregado do dito bri-
gue neste porto, onde arriboa eom agua aberta
para concertar na recente vlagam que fazia pro-
cedente de Calcuta eom destino a Bamburgo :
Quarta-feira 23
do corrate, ao mel dia em ponto, no armazem
alfandegido do biro do Llvramento, oo caes
d'Apollo.
LEILAO
Um piano, urca rica mobilia de Jacaranda eom
tampede pedrs, urna dita de amarell, urna
secretaria de magno, 1 meca elstica, 8 appa-
rsdores, 1 guat> roups, lauca dores, cadeira,
.lavatorioe, me^o^zas. cndokbrodo,e^sUl,
1 reiogio, candiejros de gaz, lanternaa. jarros,
am apparelho Ce lac Pr JftlM, Sim dito
pan almeeo, ceaptein, copo, garrafal de
crjalal e mallos outros objectos.
Sexta-fera 25 do correte.
le prego doi Qbjsctoj cima menuonidos no dli
f>I.D,u-e.tr.SM oo.cwento na w ,0> C'deia do
Recife n. 14, onde ae peder exammsr os mes
mos objectos na vespsre e di do leilo.
Nesta meima ocoasio veodfM luis duzias de
tacaa, e garfa a um Unleiio, ligo C praU; as-
dM'WMMP apparelho de metal' principe para
OTl,.%rws, colberes e salvss de electro prstea-
AT!SO$ 4tveraos.
INGLEZ
Noto Mtliodo para aprender lr,
a eccrever e a fallar Inglez em 6 me-
ses, por H. G. OllendorrT: 1 vol. in 8-
enea der na do. Vende-se na ra do Quei-
mado, loja de fazenda, n. 18.
Joi Soares d'Azevedo, protesaor
de lingoa e litteratura nacional noGym-
naci Provincial de Pernambueo, tem
abertoem sua residencia, ra Nova de
Santa Rita n. 47, as aulas de
GEOGRAPHIA E HISTORIA
LINGOA FRANCEZA
PHILOSOPHIA
ORATORIA E POTICA.
As aulas sao todos os das atis de tar-
de : comecam s 2 horas, e acabam s 1.
LOTERA
As rodas da primeira parte da pri-
meira lotera a beneficio das obras da
matriz de Nazreth, andarao impreteri-
velmente depois d'amanlia 25 do cor-
rente, no consistorio da igreja de N. S.
ra do Rosario da freguezia de Santo
Antonio pelas 8 1|2 horas da manha.
Os premios de 5:000$ ate os de 10$ se-
rao pagos no mesmo dia da extraeco
de urna hora da tarde por diante, e os
outros porem no dia seguinte logo que
se tenlia feito a distribualo das listas.
Os billietes e meios bilhetes acliam-se a
venda na thesouraria das loteras, ra
do Crespo n. 15, e as casas commis-
stonadas do costume, sendo que netss
s se vender' at a vespera da extrae-
cao a notte, e no dia somente na res-
pectiva thesouraria, at a hora de an-
darem as rodas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Claudio Dubeaux man Jando vir no dia 12
do corrente trea burroa para Apipucos, estra-
viou-se um em Parnameirim, tendo-se msndado
procurar nao tem spparecido : roga-se a quem o
tiver echado quelra dizer a algum dos seus bo-
lieiros para o_mandar buscar e se lhe dar os
sigases por ser bastante coohecido e se gratil-
car a quem o trouier.
Msats mmunmmm mm
fJC Rogase aos Srs. abaixo a bondide de
n dirigir so a ra do Crespo n. 17, a neg-
S ci qae os mesmos senhores nao igRo-
J ram. Acodo certos que em qasnto nao
I apparecerem na dita loja sero chamados
S por este jornal
I Joaquim de Almeida e
Silva
Dr. Auierico Fernando %
Trigo de Loureiro.
Kan M99KSMM6 tMMHMIMM
Gabinete portuguez de
Leilnra.
Por ordem ds directora convido os herdeiros
dos socios accionitas fallecidos, e abaixu desig-
nados,a habilitarem-se competentemente para po-
derem transferir, ou tomar a ti aa acrei daquel-
iei finadossocioi, em harmona eom as disposi-
Qoei do art. 26 dos estatutos.
Socios fallecidos os Srs :
Antonio Jos da Cunha.
Antonio Mereira da Silva.
Domingos Antonio de Souza Brito.
Joo Joaquim Crrete.
Joo Jos de Lima.
Joo da Silva Grispiano.
Joaquim Ferreira Rotscbild.
Jos Pedro de Alcntara Lopes.
Manoel Jos Rodrigues Pereira.
Secretaria de Gabinete Portuguez de Leilurs
em Pernambueo sos 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1. secretario.
Pergunta-se ao ;Sr. inspector da thesouraria
provincial, quaas as razdes em que se fundou
para regeitar um attestado que lhe foi apresen-
lado por um empregado para justificar a sna au-
sencia na repartico ; ae ignora qae regeitaado
am atteitado faz urna injuria ao medico que o
passou.
*
Aluga-se urna negra de lsenos para an-
dar eom menino*, comprar na rus e fazer mata
servico de casa : a tratar da travesa da Concor-
dia n. 61.
Precisa-se de ama ama forra para casa de
um homem aolleiro : ni ra Direita n. 81, loja.
Aluga-se um bom cosiobeiro escravo : no
largo do Corpo Santo n. 13.
No becco do Lobato n. 10, taberna, precisa-
se de ama ama de leite, para ama crieaga de cele
mezes; nao ss olba a prego.
Precisa-se alugar ums eserava, oa mesmo
urna pessoa livre, para o servico de urna pequea
familia ; na rus da Uoio n. 40.
QsKaK^MNS-aa?fil!l^Mt
2* cePOwBlwi^n Bill* SU.S vnvanB%rW9V*aWM
{ Escriptorio d'advecaca
NA RA
Do Imperador n. 37, !.
andar, esquerra.
Neste esiabelecimento trabalha o advo-
gado Joaquim Borges Carneiro (formado
emceieneas soclaes e juridicsi pela fa-
culdade de Diretto do Recife) das 9 ss 3
horas do die.
Advege em todos os jnizos e tribunaes
desta pra;a, e d coueultas para fra eom
a conveniente prstela:
Recebe gratuitamente, e. trata eom o
necessario nleresse, as causas dos desva-
lidas ; nao podendo, cova,' cada um
daile* trazar maia de naa per ves.
Abi tambero ae solicitam llcencas, t-
tulos, patalas de guarda nacional emsis
papis adnaitistraiivos dos empregalos
pblicos e officiies do interior da provib-
Parto n. 119 corea no corto
coa a applicaco da sua*el
eper aeio de supuiacao, am _
padeca ha multo teso so daeecraphccoe oo a*>
poreaa.
Por este mealve leo Bce mue agr
por ser vareado aeigaei o pre
na de & Jos e. 99. Ro de
Hilarin
Pillas pailistans
contra toda as molestias
ves, e febres de qualqer
natureza, seguiudose o
que diz a guia.
Tenbo mnitee provea contra ae baxigao. smm
querendo deixer formar a pastis, lakando ave
exaelido ae dses de 6 em horas. A
i o bordo do bom mfdie.
Um senher n# ra da Imooralrit
eom o resto a corpo enfados, e naM sats)
eadora, aegaio eate preteiio, ar<
eom urna bexigan'na dos Oceoa o pe-
ca iu semeihente acceden coa col
rea d Quitanda, flaando-lha taaskx_
xiga no braco esquerdo. Na caca 4a Sr.* D. I
Ales um preto Mina, muilo robaste, eterna
e febre 48 horas, o qasl ociando, .carava i
quanto encontrara no qaarlo; coeooe
erem o aolretenimeot o dito preso. Ao
paulistanae (oram-lhea dadas a loanoo ;
sarou, o nao lhe apparecen naa a bexiga.
A um pardo da Sr.* 1). Mara Orlla, i
da Exm.* Sr.* marquesa a Saateo, s
aeonteceu, e a mcitas ostras pecase.
Contra a difficnldade dee oornao, as
palas sao verdaderamente eSeasas,
o que diz a guia, moleiiiss graves ; l ,
ebronicas, nunca haver perigo do sor ass-J
dido.Quetro ma;os, toasaaOO ireo pitniso Salo
de noite, e tres dites n. 1 de aseaaae, o swn
sem dieta*.
A retencao daa ourinaa nao tese ontro vicio
que os intestinos sujos, e a ypneho meieinc
Tezec urna ompingean ie forma naa visa e*n-
nsrias.
AGENCIA PRINCIPAL
No Rio de Janeiro ra do Parto n. 119.
E EM PERNAMBUCO
Na pharmacia do Sr. Jos Alexamre
Ribetro ra do Queimado n. 15.
Precisa-se de um eaixeiro ooitogaec ooo to-
aba pratica de liberna e que afliaoce >aa eoo-
ducta: na ra da Senzale Velha a. 15, aa ew
quem precise.
Precisa-se alugar urna aoaa pasa
andar somente eom urna enanca de IS
mezes, preerindo-se urna negrinha de
JO a 12 annos: na ra ora de
Ritan. 65.
Precisa-se do um rapas de 10 a 141
que ten ha pralics da taberna : se
ftita n. 93.
roa o
I
I
I
I
I
K
i
Dentista de Parts.
15Ra Nova15.
Frederico Gaulier, eirnrgiio d
de
de
na
fas todas as oprac>tf doaia ara a c co-
loca denles artificiaos, todo coa -aisla
rioridade e perfeieo que a s pessoas-,ce
tendidas lhe reconheoja.
Tem agua e pos den uncios,
As pessoas que teena obras tiafaaj
na travesa da ra das Cruz* n. 2, pa-i-
meiro andar, ten ham a bondad* de aa
procurar at o fim do mez, do coatra-
rio sero rendidas para embolso da tin-
tura.
Aotooio Jos de Parias, sabdilo porlnaaor.
retira se pera Portugal, e deixi por soco vao>-
radore.i em primeiro lugar o Sr. laacjSl a
Silva Costa, em segundo o Sr. Bernardo Jos do
Rocbs, em terceiro o Sr. Joo Ferreira n
Silva.
ca, que para uno se devem dirigir p,
Boato e Soiaana.
ormeeo.
Attenco!
Sr
Bb
i
r subst
, pelo
Alee
kroB.ae
pos.
acatos a*-
IclbfaVps Bracon
i*ai e, eos O oirelOo*-
Dr. Jeaenim Joan al
Declaramos que at a preacnte ata ficamao li-
quidados de contac ae libamos, preveis*!**
ds sociedada qae tinnamoe conlratoo no tala
belecimento aito na rea da Prono a. 33. accaSo
ambos sem direito algum a erocaoor icalis
oa outro sobre qaalqaer protesto qae for tieCnn
so mesmo negocio, viato qao cnenmom xcar-
do fquemos desonerados. Recife 14 o abril m
1862.Jos Ribeiro da Cunan GnimeraecJ
quim Simdes dos Santos.
Quem se jalgar eom diraito a nasa saejaco*
trouxa de roupa que a as mas sppsisi en
mos de ums Iara ra do Vigario n. 18. primeiro andar, jan i
seus sigoaes a pagando a lavagoss,
t egue,
Preciaa-ae da ama ama para comprar co-
zlnhar em casa de poaca familia : aa tan Tetan
numero i".
Ama de leite.
Offereee-oe ama malher de boa rndenla para
amameotar ama crianga ; aa travesea do faeno
n. 6.
Precisa-ae de 400 % e jareo, onde-so asa
segurante obras de prata, ou ana acera aj j
quem convier, aonnocic ana morada para ser
proenrsdo.
T ha de o Zangar i, subdita itaiiano, re
para fora do imperio.
Manoel Gomes Menaonca, Medita
gees, reure-ao pere n Bio de Janeiro.
Precisa-ie de om amascedor a codete :
tratsr na ra eaUeila do Rosara n. 2 A.
Bienain Emite Augusta, aa adata fraaces.
retirase pera o Par.
Attenco.
Hermioo tiuques Ferreira, morador na
o de Noaaa Senhora da Pilar ala H
o termo de Igusrasso. onda ha 4 j
estabelecido eom easa da negocio a
versos, tendo soffrido mu tas contra risiaisn i
raole esse lempo e ae peqcenoc prejaizM, ce-
se sobre modo embaracade para Indeanaaar ana
seus credorea; e porieao, reecfveaoO-ao aUsor-
lhea ceno de todos os sene nona, asaeteo ae-
cSrs para ac pagamento, a vendo qao taco o anas
activo corresponde mal ao sen pasalta.
late convide aos seus credorea i cama
no prazo e viole diaa ne lugar a reside acto a>
abaixo aeeigaado, ana da coas olio coave
rea no moda porque devem sar peana, ra
ae eolre elles eom ignaldaoo tonca o aoae s-
reitos e ac;es, pare ano nao aijia |iisfsieoi|ac
prejudiciaes a qualqaer dallac.
Pilar de Itimarac. 33 do abril ce 1BS3.
O abaixo aesicnado rsa> \94*m ae aoa o-
-dores o ina taberna na roa oa enMtfiia sa-
mero 38 que vaohaa aaMar nona e>*e!oa.aajaa-
i a, uioia dina. eoojfr dato eat*. tVafo an
qu.i passar a colKariNdictaAesantc, em
ao roga ae pesccae que tea
ira
aoovirem Urarn#dHe
Iba para
jd*s qae fesem todo
Vires a. 54.
Irervteo dd^eal1
4

ros.
->n>i
preetande
' parador n. 35,


MAMO DB PERIUMBCO. -* QUAWA F1A |ft-AMIJ* .jjf.
AttCMftt
Perdea-se ea quiot felra si na a nott% urna
palaeit de ouro .em esmalte, d 1 ra 4o Creapo
t Carmo, toda pe. r#. cas Trincbeiras :
qtiam a tiver tobado quitar ei trega-la, ter a
beudade de taza-la 4 ra da Cedeia do Recife,
lo ja b. 24.
Precm.ede urna oa : 03 paleo do Terco
numero 26.
Atten^o
AUen<(>
O mil intencionado ilh Ir. Francisco Bote-
lho de Aadrade, medio eica dalo.ameote ao
Exm. Sr. Bf. juii do comraercio, quando lbe dig-
as que eu liaba, fgido e me 1 chava em lugir
iocerto, V' abano aaslgoado foi Pwahiba da Norte eGoiaa-
na tratar de tem negocio*, que como geralraen-
te se sabe, os tem all de graodti vulto. Sirvam
estas, liohas de desabafo a miaba coosciencia, em
quanto que voa recorrer ia lea 'lo paiz e nos tri-
banaea competente, olemaemeot. pafitestar con-
tra o dito Bolelho, nao t por jerca daremos
como limbem pelo cnrae de io'urh. Recife 19
de abril de 1861. >s>
Joi ile Faria.
Oabaixo attigmdo, coma erciaote, mora-
dor em Gamekeira, tarceira tercio da estrada de
(erro, tendo mandado 00 dia 10 do correte o
sea caixeiro. Gaapar Albino de klagalhae., Por-
tuguez, ao Recife, para entregar > um aeu credor
a quanlia de 2709. e bem aaaim o produelo de
urna letra da quaoiia de 200 que liona de rece-
bar do Sr. ataooel Filippe, morador nat proxi-
midadea da villa do Cabo ; e como chegasae a
noticia ao aoonnciaote da que o referido Maga-
lhet nao lenha fielmente cumpr do eaie paga-
mento, apressa-se em prevenir ao publico e es-
pecialmente i autoridades poliiiaes, para pre-
venirem qualqaer extravio que pirventura poeta
haver, que o referido Hagalhaea tem os .igoaes
seguintes : cabellos preto, espe ados, idade 20
annot, pouco maisou meos, alto, secco, pouca
barba, olbos pardos, nariz afilad >, cor morena,
ps grandes, tendo um dente da :rente por cima
do oulro, maf trsjado, com patetct de riscado e
calca estrella, chapeo de feltro ordinario. Game-
leiral? de abril de 1862.
Ignacio Ferreira Lima Baracuhy.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Alendes Guimaraes, que mo>
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista :
nesta typographia.
Escriptura fo.
Urna pessoa habilitada em escrioturaco mer-
cantil por ambos ossystemas se o Lerece a tomar
conta de algumas escripias: a tistar na ra do
Imperador n. 81 2* andar.
Precisase fallar ao Sr.: Jos de Sa'
LeitSo Arnozo, depurado provincial e
eospi-egado publico, na cidade de Ma-
te a negocio de eu intereue: na ra
doQueimado n. 47.
Gasa em OJinda.
Arrenda-so urna excelleote casa em Olioda na
ra de S. Bento, propria para familia por (er
muitos commodos : quem pretender dirija-se
ra da Cruz n. 45, primeiro andar, que achar
com quem tratar.
&SM9MNSIIS MHMMttMKdWXI
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado agente do Banco
Mercantil Porlaeoae nesta cidade, asea
effectivatoeote por todos os paquetes so*
br* o mesmo Banco para o Porto Lis-
boa, por qaalquer somma avista e a pra-
10, podendo logo os saques ai prazo serem
descontados no mesmo Banco, na raz&o
de 4 por canto ao anuo aos portadores
que assim lheconvier : as ras do Cres-
po n. 8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Precisa-ae de urna criada para eogommar?
coaer, euma ama para cozinha ; na ra do Qaei-
mado 0. 10.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Joao Goncalves Rodrigues
Franca que morou em Olinda c dizem
morar nesta cidade do Recife.
Pede- se ao Sr. Dr. Filippe Carneiro de Olin-
da Crepello o favor de quando vier- ao Recife ap-
parecer em casa de A. & C que se lhe deseja
aliar.*
te<

Moraes Filho, roga a todos ca aeus de- ej
SB vedores que venbam saldar si us dbitos 9
a$ em quanto antes, e previne des le j a to- ea
# do aquelle que o nao Qzer po estes 15
9 dias, que usar de meios judiases sem a #
j menor excepcao. #
* I !
Precisa se alugar um primeiro
ou segundo andar sendo r as ras se
guintes : Imperador (do lado do Pas-
seio) Auiora e pateo da ribdra : quem
tiver ou mesmo querendo lazer qual-
quer negocio compareca oa ra do
Queimado loja de ferragens 13, que
se dir' a pessoa que quer.

:
O Dr. Carolino Fran-
cisco de Lima Santos,
en mudou-se da ra daa
% Cruzea para a do lm-
& perador, sobrado o.
ca; 17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
an de continua no exerci-
0 ci de sus. profissao de
m medico.
S
O bacharel Wimuvio >-
de aer procurado na i ua
Nova o. 23, sobrado da es
quina que volta part a
camboa d Carmo.
J
Troca-se um sobrado ce dous an-
dares muito novo em um dos princi-
paes pateos do bairro de Santo Anto-
nio, por um de um andar que seja
grande e novo em qualquer das prin-
cipaes ras do mesmo bairro: quem
tiver e quizer fazer este negocio diri-
ja-se a praca da Independencia n. 6 e 8.
Traspassa-se quatro ancos de lenda do en -
geoho Lobo, freguezia deSeriohem distante le-
go a e ireia da eslacio da via- terrea em Game-
leira, muito bom d'agaa, de excedate prodc-
elo, com espacidade para asfrejar 3,000 pies,
convenientemente montado de obras ptimo cer-
cado, e com 5 sitios de lavradorea, todos com ci-
cas de telha e seus competentes cerc idos, e mala
5 casas de telha para pequeos planli dores, todo
bem como os sitios se acham oceupados. Pre-
fere-ie fazer negocio com pessoa c ue compre a
safra que se est criando, por desojar o actual
rendeiro retirar-se para o Recife com mais bre-
vidade : a tratar no mesmo engenln .
No mez de Janeiro prximo pi ssado fugio
do engeob Qur.ahy da comarca de Pao d'Albo,
um ascravo de nome Pedro, com os sigoaes se-
guintes : altura regular, cheio docorpo, cor fula,
denles limados e perfeitos, pouca barba e repre-
senta ter 24 annos de idade, foi escravo do Sr.
Francisco de Paala Cavalcanll da Suva, morador
em Paje, e vendido por procuucar desle por
Izidoro Jos da Silva Atasca recias ; o dito escra-
vo eraconhecido por Jos Pedro, esippe-se ter
sido furtado ou (agido para o cito 1 igar de Pa-
je : quem o apprehender, condeza-o ao referi-
do engenho Cursahy, ou nesta praca na roa da
Cruz o. 62, terceiro andar, que aea generosa-
mente recompensado.
Precisa-se de um caixeiro pira taberna,
que seja diligente para o btele, e que o conhe-
cimento de sua conducta: a tratar na travessa de
S. Jos n. 22.
Precisa-sede um menino com ilguma pra-
tica de taberna ou deposito ; ao p di Santa Cruz
no Recife n. 1.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
Precsa-se alugar urna caza terrea para pe-
quea familha, com grande e bem plantado quin-
tal e boa cacimba, dentro desta cidade ou perto
d'ella. Nao se duvda pagar adiaotado. O anun-
ciante mora na travessa do Vigario o. 3 segundo
andar entrada pela ra do Encantamento.
Eogomma-se com perfeicio, promptido e
por prego commodo : na ra do Nogueira n. 43.
Jos Benevides, subdito portuguez, sua mu-
her e 2 filhoa menores vo Europa.
LEITUMA.
Por ordem da directora convido todos os se-
nhores socios acciooistaa que se acham em atraso
de mentalidades, a porem-se quanti antea em
dia com a caixi do estabelecimento; e previno
quelles quedevem maisde am tritiestre que,
em conformidade com o disposto nc art. 22 dos
estatutos, lhes fie a ai desde hoje sutpinsas ss re-
galas de que trata o 6 do art. 12 |usar dos II-
vros, peridicos, mappas, etr., do Gabinete, na
forma do regulameoto interno e diuposicdea da
directora) ; e quelles, cujo debito de mentali-
dades tem ji absorvido a importancia da respec-
tiva accao, que, se ateo dia 5 de maio vindouro
impreterivelmentenao honverem pago o que
devem, perdero a qualidade de accionistas, em
virtude do disposto do citado art. 2; doa esta-
tutos.
Secretaria do Gabinete Portuguez d< Leitara em
Pernambuco 19 de abril de 1862.
Joaquim Gerardo de B tstoi.
1.* secretario.
Arrenda-se a excelleote casa ds tres anda-
res da ra da Croa n. 7, muito propria para os
sanhorea negociantes : tratar Ha ra do Impe-
rador n 85.
Aluga-se urna casa na ra do Socego da
Boa-vlsU, com 4 quaitoe,2 salas, quintal, etc.:
a tratar na roa a Impsratriz a. 49.
.. T herdeiroe da asa o. 8 da ci lade de O-
llnda, da ra da Bica dos Quatro Cantos' tem
contratado venderem : quem se fuli;sr com^i-
reltoa elh, nb praso de g dias anouncle.
Joaqpim Meodea Freir Vianm segae em
am dos pnmeiros vaporea para Esrojs, leranda
em sua companhla sua aenhora.
Acha-se contratada para veod ir-se a casa
terrea sita oa rea Imperial n. 99 ; e se houver
quem tan ha de sa oppor a dita vend, o dever
fazer no prazo de oilo dias. contar ila data des-
te. Rfeifettdeaptfdeim
Tendo a abaixo assignada noticia que sea ma-
rido Arsenio Antonio Carneiro da Cunba Miran-
da, tem dito que vae passar lettraa com dataa
atrazadas, com o fim de dispdr de alguna bens
perteoceota ao casal, por venda ou outraa tran-
sacedes illegaes oa illicitas, visto que o referido
seu marido ausentou-se de casa desde o dia 16
do correte, sem motivo algum, e a mesma abai-
xo assignada veodo-se s e sem recursos, recor-
ren a seu genro em compendia de quem est ; e
por que todo e qualquer negocio que se faca ser
nullo, porque a mesma abaixo assignada est
convicta de que o referido seu marido nao tem
at hoje coitrahido divida alguma e nem passa-
do lettras; pelo que a mesma abaixo assignada
est disposla a proceder com todo o rigor da lei
contra quem Qzer qualquer negocio sem seu con-
sentimento. Recife 20 de abril de 1862.
Rosa da Cunts Miranda.
William Wrigkt sbito inglez retira-ie pa-
ra Europa.

m Aluga-se um 4 andar com excettentes
| commodos : na ra da Cruz n. 53. ejk

Attenijo,
Lava-se e engomma-se com toda a perfeicao :
as pessoas que qulzerem, difijam-se a ra de
Santa Ritan, 21.
Jos Antonio da Silva relira-se para fora
da provincia.
REMEDIO INCOMPAIUVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos de todas as naedes
podem testemunhar as virtudes desteremedio
ncomparavaleprovaramcaso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seucorpoi
membtost n teira men te saos depoisde haver em-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer dessascuras ma-
ravilhoas pela leitura dos peridicos, quelh'at
ralatam todos os dias ha muitos annos; a i
maior parte dellas sao to sor prndenles qui
admiram os mdicos mais celebres. Quantai
pess.oas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedur
permanecido longo lempo nos hospitaes.o te
deviam soSrer a ampuiaco I Dellas ha imu
cas que'ivendo dexado esses, asylos depade-
timenios, parase nao submeterem aessaope-
racao dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfusao de seu recen
nhecimento declararais estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados,sfim de mais autenticaren aua afirmativ
Ninguem desesperara do estado desande ss
ti vesse bastante con flanea para encinar este re*
medio constantementeseguindo lgum tempo e
tratamenio que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar i ncontestavelmante.
Que tudo cura.
O ungento he til, mala part leu
rmente nos seguintes casos.
O commendador Antonio de Souu Leao
tendo da retirar-se para o Rio de Jrneiro no va-
por aParaoit a tratar de sua saude e nao po-
deado ptaaolmente depedir-se de lodos oa aeus
amigoa pela presteza de aua viagem, pede-lhe
esculpa por esta filia involuntaria afferece
o sea dimsauto preatimo oaquelle lugar.
Perdeu-ae no aabbado noite no baile do
cea 'Apollo, um relogio ingles aendo de ouro
com mostrador tambem de ouro e de vidro oa
freote : a pessoa que o acbou querendo entregar
pode dirigr-ae ao pateo de S. Pedro n. 11, que
ser generosamente recompensado.
Alaga-se o sitio n. 1 da Cruz de Almas, em
o qual reaide actualmente o Sr. Samuel Power
Johnslon : tratar na ra da Aurora n. 36.
Arrenda-se o engenho S. Gaspar, sito na
Ireguezia de Serinhjem, com partidos de varzeas
muilavtadias, de grande ertilidade, todas roda
da meenda, pingue cercado, matas e mangues, e
embarque na porta : a tratar na ra do Hospicio
numero 17.
O eacrivao de
zla do Recife
nova, caaa n. ,
lavrar escripturas
eraros.
d 2.a districlo da fregue-
, para a ra da Senzala
pode ter procurado para
ruprai e vendas de es-
?UiDM.________
Para as provincias de Pernambuco, Paralaba, Rio
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Folhmhade porta, oontendo o kalendario, pocas gerae, nacionaes, dias
de galla, tabella de salvas, noticias planetarias, eclipses, partidas
de corraos, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .. .
Dita com almanak, contando o kalendario, pocas, noticias planetarias,
partidas dos correos, tabellas de imposto, etc. etc. 6 0 almanak
cevil, judiciano, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
tria!, desta provincia, a ris......... 1000
160
.
Alporcas
Caimbras
Callos.
ancores.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos mambros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Dius de anus.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchacpes.
nflammacao do figado.
Inflamaaco da[bsxigi
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olbos.
Mordeduras de reptis.
Pieadara de mosquitos.
Pul moas.
Queimadelas.
Sarna.
Supura$5es ptridas.
Tinha, cal qualquei
parla que seja.
Tremor de ervos,
ulceras na bocel.
do figado.
das articlaseos.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-sel este ungento no nitiplirimrntr
geral de Londres n. 544, Strand, e na loja
de todos os bdfkario* drogaiata e outras pes-
soas eucarregoAs* de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespanha.
VenoVse a 800 rs cada boceiinna eontea
urna istraecio em portuguez para explicar o
modo de faxer uso diste ungente.
O deposit geral I em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, ni ra da Gru n. 82, m
Pernambuco.
N.RABOQHJBIMADO M?A6
p/lt>hlGBMDlt01TMBIlT(Slflir\;
%ASEROUPKSF^
Sortimento completo de aobrecaaacoa de panno a 259, 28*, 300 e 35f, casacos muito bem
faltas a 25j, 281, 30$ e 851, paletola acatacadoa de panno preto de 16 at 259, ditos de casemira
de cor a 159,18 e 20J, paletots saceos de panno e caaemira de 89 at 149, ditoa aaccoa de alpaca
m enn e l de 49 at 69, sobre de alpaca a merino de 79 at 109, calcas pretas de casemira de
89 at 14$, ditos de cor de 79 at lOf, roupaa para menino de todoa oa tamanhos, grande sorti-
mento de roupas de brina como aeiam calcas, paletota e colletas, sortimento de colletes pretos de
selim, casemira e velludo de 49 a 91, ditos paracaaamento a 59 e 69, paletota brancos de bra-
mante a49e M, caleta brancas multo finas aSg.eum grande sortimento de fazendas finas e mo-
dernas, completo sortimento de caaemiras ioglezaa para homem, menino e aenhora, aeroulas de
linho e algodo, chapeoa de aol de aeda, luvas de seda de Jouvin para homem e aenhora. Te-
moa urna grande fabrica de alfaiate onde recebemoa encommendaa de grandea obraa, que para
isso ett aendo administrada por um hbil mealre de semelhante arte e um pessoal de mais de
cincoenta obreiros escolnidos, portanto ezecutamoa qualquer obra com promptido e mais barato
do que em outra qualquer caaa.
ARIflAZEIH
ROOPAPBFPA
JaOMsBa
Joaquim F. dos Santos.
40Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neate estabelecimento ha aempre um aorlimento completo de roapa feita de
todaa as qualidadeae tambem ae manda executar por medida vontade doa fregae-
zea para o que tem um doa melhorea profeuorea.
Casacas ae panno preto a 40J,
851 e
Sobrecaaacoa de dito dito a 359 e
Paletots de panno preto e de co-
rea a 359, 809. 259.109,189 e
Ditos de casemira de cores a 229,
151,129.79 e
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo francezaa a
Ditoa de merino aetim pretoa e
de cores a 91 e
Ditos de alpaea de corea a 59 e
Ditos de alpaca preta a 99,79,59 e
Ditos de brim de cores a 51,
49506,49 e r
Ditos de bramante delinho b an-
co a 69,51 e
Ditos de merino de cordio preto
al59e
Calcas de casemira preta a de co-
res a 129, 109, 91, 79 e
Ditas de princeza e merino de
cordo preto a 59, 69500 e
Ditaa de brim branco ede corea a
59.49500 e
Calesa de ganga de cores a
Collete de velludo preto e de co-
res lisos e bordadoa a 129,99 e
Ditoa de casemira preta e da co-
res lisos e bordadoa a 69,
59500,59
309000
309OOO
209OOO
99OOO
IO9OOO
89000
89500
81500
395OO
49OOO
89000
69000
49500
21500
81000
89OOO
31500
Ditos de setim preto 59000
Ditos de seda e aetim branco a 6 e 59OOO
Ditos de gorgurao de seda pretoa
e de cores a 79. 69, 49 e 5J000
Ditos de brim e fuslo branco a
31500,29500a 39OOO
S rou las de brim de linho a 29 e 29200
Ditaa de algodo a 19600 e I928O
Camilas de peito defusto branco
ede corea a 29400 e 29100
Ditaa de peito delinho a 59, 49 e 39000
Ditaa de madapolo brancas e de
cores a 89.29500, 29 e 11600
Chapeos pretos de massa francesa
forma da ultima moda a 10a,
81500 e 79000
Ditos de feltro a 69. 59. 49 e 29OOO
Ditos de sol de seda inglezea e
fr.ncezet a 141,129, 111 e 79000
Colannhoa de linho maito finca
novosfeitioadaultimamodaa 9800
Ditoa de algodo 9500
Relogioa de ouro patente e hori-
aontal a 1001, 09. 801 e 701000
Ditoa de prata galvaniaaios pa-
tente e horizontaea a 409 e SOJOOo
Obras de ouro, adereces e meios
aderecos, pulceiraa, rosetas e
aneia a )
Toalhaa de linho duzia 10J, 69 e 91000
Ditas grandes para meaa ama 39 e 4900o
W&
Deposito de chapeos de sol de seda
p das fabricas franceza e ingleza. *
Vendem-se em porco e a retalho.
Q dono dei te novo estabelecimento, na tua recente viagem Europa, honrado com a con flan-
ea dos primlfee labricantte destes gneros, vera offerecer ao publico es productos daquellas fa
brisas, e per presos nunca vistos nesla praca, como consta na tabella abaixo :
Chapeos de sol de seda francezesde X e 24 pollegadaa por......
dem dem idem de 26 ditas......................................
dem idem idem de 28 ditas.....................................
dem idem idem ingleses da 26 ditas.............................
dem idemidem de 28 ditas.......................................
dem dem idem de 30 ditas....................................
.t PRESOS FIXOS,
eem porco de 1 duzi
15 por cento de descont"
49800
89000
9000
109000
1
IMPERIAL INSTITUTO
DE
Nossa Senhora do Bom Conselho.
-. t^^sfft^^ssi s. a.T.ar p",donirtM '*
que ae destina'50** ** 'dm9"0 T,rUm unao =l"e do recipiendo e a natureza
O enaino, qae alli ae recebe, o seguipte :
M"giSK SiS^^ W? 5 pcetic'.
aborto, lojo Sl&S.S' dU* e"r,0,' Um de ***** ? -to. que
receber0**^'0 *" hned0l,a "-Imperial Iosliloto-tem as acommodaeea Dcceeaurtaai
daa a. codirr ^7T d-6 Peocj,onlsla- e P"lo seu e.tado de aceio e pe". l^ei^eS! t
o'T9 bBe?e de ^olidade para os alumnos ... -!?- r^fTaMeT^
Cidade cornea. l "'ejecimento que ha cerca deoito annos se tem VoUd7.o^iee^uL
honro,.80, ?d" .' d?dlca?a!' d q" c.p.z. tendo recebldo ultim.m.nf de S. M. TLl
bel.cimni* C d0 U' d" *rm,i in)Peflae'. e do titulo de -Imperial- mn m toe*
tTlSk^.t^'0* n T^ V00 de *$**> >"Ph5d qa dVv rn"d.?Sio?
'" Pa maaier ao Instituto o crdito que tem adquirido.
BOTICA FR4NGEZ4 E CASA DE DEOGAS.
38Ra do Imperador38
P. Maurer 4C, tendo aberto teu estabelecimento de pharmacia na m.
do Imperador n 38, com um completo sortimento de droga, medc*u>?l
especialidades pharmaceuticas. O, Sr.. doutore* em median e 61* J
geral encontrarao neste novo estabelecimento todo o cuidado e attencSo^J?
sana no aviamento de qualquer receita que a seu estabelecimento mindram
empregando para isso medicamentos novos e especiahdadei Terdadeiras.
4PPR0VACI0 B AlTOWSACiO
DA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ClfrS S5C5iCSiACt
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo fiirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-elkctro-magneticas-epispasticas obtem-se ama cara radical in-
fallivel em todos os casos de inflammajao ( camayo ou falta de respiraco ), sejan inlernas oa
extemas.corao do figado, bofes, estomago, bajo, rins, ulero, peito, palpitaeao de coraco a-
giata, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affeccoes nervosas, etc., ele. Igu.l-
mente para as differentes especies de tumores, como lobinhos eserof alas etc., seja qual fr o asa
tamanho e profundeza por meio da snppurago serio radicalmente exrpados.
O uso dellas aconselhado e receitadas por habis e tlistinctos faculutivos. sna efficaia ia-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a eonfianea do publico
que j tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo lodo o cuidado
de fazer as necesarias explicacoes, se as chapas sao para homem, senhora oa enanca, decla-
rando a em que parle do rorpo existe, se na cabeca, peseoco, braco coxa, perna, pe, oa troneo
do carpo, deolarando a cicumferencia e sendo incliacoes, feridas oa alearas, o molde do sea
Camanho em um pedaco de papel e a declaracao onde exislem, aum di que as dupas teji da
tojmaj da parte affectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicares e tambem de lodos os acces-
orios para a c ollocacao dellas.
Cnsa: seas pessoae que o dignarem honrar com a sua confiaBca, em seu esarptoro, que
acharu abertoe todos os dias, sem excepcao, das 9 horas da manhia is 3 da urde.
||9 Ra do Parto ||fl
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para as encommendas ou informaces dirijam-se a pharmacia de JoeeAlexandre Ribeiro
ra do Qbeimado n. 15.
Especial liOiiteopatMeo
Pateo da Matriz de S- Autonio o. 2.
Resta consultorio pode ser procurado o respectivo propietario qualquer hora, naveado
ahi sempre grande sortimento dos verdadeiros medicamentos homeopalhicos, preparados en Pa-
rs (as tinturas) por Caiellan e Weber, os mais acreditados pharmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de bomeopathia.
O proprietario desta consultorio nio pretende, todava, que sejam os seus medicamentos
infalliveis, porque nada ha infallivel em fados humanos; nem to pouco superiores aos que por
ahi se preconisam, porque ceno que o que nos fazemos, outro o pode egualmenie fazer lio bom
sead melhor. Mas afianca que nelle nao ha traficancia, e que o servico da preparacao eorre
pelo mesmo proprietario, que nao tendo grandes commercio de earteiris, aeha-se sufficinle pava
satisfazer is necessidades daquella preparacao.
Reste consultorio acham-se venda elementos da homeopathia, acommodados intelliasncia
de qualqapr pessoa ; assim como presta-se gratuitamente o sea proprietario, com seos esforeos
medicamentos, i todas as pessoas necessitadas, sem distinc^o alguma, que o procrese, poie
que o seu maior prazer ser til- humanidade soSredora.
Consultorio medicocirurgico
a-K\3Xl>A GL.OHIA CASA DO FTOiDAO-3
Consulla por ambos os systemas,
*w
o. de
cima,
Em consecuencia da mudanca para a aua nova residencia, o proprietario desta estabeleci-
mento acaba de faier urna reforma completa em todos os seus mdicamente..
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nio se confundam coi
nenhum oulro, visto o grande crdito de que aempre gozaram e gozam ; o proprietario tea
a precaucio de inscrever o seu nome em todos os rtulos, dereodo ser considerados como _
doa todo, aquelle. que orem apresentados sem esta marca, o quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhari urna conta assignada pelo Dr. Lobo Moease e em pa-
pel mareado com o sea neme. *
Outro aim : acaba de receber de Franca grande porco da tinetera de acnito e belUdeaa re-
medios estes de summa importancia e cujas propriedades sio Uo conhecidas que os mesases Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tobos qur em tincturas cuslarao a 1} o vidro.
O proprietario deate eetabelecimento annencia a seas clientes e amigoa que tesa
cfflcieotes pera receber alguas eeeravos de um e outro sexo doenfts ou qee prcetsoaa de
operacio, amaneando que serio tratados com todo o disvelo e promptidio. como sabem
aquellas qorli tem tido eecra vo. na casa do anonadante.
A atases! Magnifica da casa, a commodidade doa banho. salgados sie eutras tantas
faosparaqi ote resteoeletsaento dos doentee.
As pese* que qulzerem fallar com o .anunciante devem procura-lo de atanaia ate 11
a de tarde uf VUat alante, e fora destas horas achario em caaa pessoa sosa auca ee
teMer na na da Gloria a. I casa do Feadio. ^BiTiSTVpi
i tedeo
Mi
~rTT"


DltfUO 1>I PEMAM1UOO. *- QUARTA FfilRA 23 DE ABRIL DE 1*61.
y

22:
wntATiic
Casaem Olida.
Aluga-se a cas de um aadn te principio da
ra de S. Beato em Olinds : a trattr no Recite,
ruado Trapiche b.14, 1 dai.
COFiSULTORU
Ra de SanUr gfro inundo
Novo) n. (5.
Consultas todoa oa das tela deidt 10 horai
* J!2:io di"' re* laa aagaiutea moleatlu :
molestias ata mulhtru, moltitias das crian-
gas, molestia* da psllt, moltttat dot olhot, no-
toma* typhiliticat,toda as cscete* d* febru,
rtbrti \nttrmitttixtes mas constqutncias,
PHARMACIA ESPnClAL HOMI10FATB1CA .
Verdadeiro* medicamento! h laradoa lom todas aa cautela neeoaaarias. -in-
alhveis em seua efieitos, tanto em tintura, tomo
em globaloa, pele precos mai i commodo pos-
eivaia.
N. B. 0 medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua tharmaeia; todoi
qus o forem ra della a (alau.
. Todasaatarteiras io acorzpanhadas da am
Impresse com um emblema em relevo, tendo ao
reopr a seguintas palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinrio, medico braaileiro. Estt emblema poato
igualmente na lista domedicamentos qu pe-
de, Ascarteirasque naolevan emeueimpresio
ksitn marcado, emboratenharr natampa o no-
me de Dr. Sabino aio falsos
Loja para alagar.
Aluga-se a loja da ra Direiti n. 47, com ar-
maclo, proptia para qualqaar estsbelecimento :
s tratar na ra doQueimado n. 46, loja de Goes
-& Basto.
Soeiedade ba[icaria.
C. aacam e tomam
ira todo o servico
: na praca do Cor-
), carnudo, capa-
no, cascos pretoa,
pado, com a cau-
queizo, com ama
]ue nunca naaceu
nos quirtoa e no
io na preoaa de
>o, que aera grali-
) lugar Capella de
AssumpQo, seu
Amorim, Fragoso, Santo &
saque para presa de Lisboa.
Precisa-se de urna ama p
de urna casa de pouca familia
po Santo n. 17.
Fortaram um civallo ruc,
do, com pialas amarellaa, cab
com urna baia as toitellas, ri
da curta, mancha vermelha no
pisadura na coalella mindinha
cabello, cujo cavallo ferrado
queixo : quem o achsr entreg
Hanoel Ignacio do Oliveira Lol
ficado, ou em ?edra Tapada, n
S. Vicente a Josfielarmino d(
legitimo dono.

Gabinete medico rurgico.S
JRua das Flores n. 57.
Sero dastasconsaltaa medleas-cirargi- aa
cas pelo Dr. Estevo Garaloanti de Albu-
Squerque da 6 as 10 horas da manhia, ac- O
cadiodo aos chamado com a maior bre- f)
Svidade possivei. m
l*o Partos. ^ Z
% S.* Molestias de pella. Z
8." dem do olhos.
en 4* dem dos orgios geni taes. 9J
*s fraileara toda equalque operacfco em m
gj eu-gabinete oa em casa do doantea con- m
s formo ibes (dr mai conve iente. en
AGITADOR DINMICO
DO DOUTOR
SUMID i. L
Pata a preparacae dos medica-
mentos homeopa ricos.
Os medicamento preparadon por eata machina
cao oa nicos, com que se podem contar no cu-
rativo da molestias perigosaa. E como seja o
CHOLERA MORBUS ama 'aquellas que nao
admittm delongaa eexperien:ias, cumpre pre-
ferir esses medicamentos a outro quaesqaer, se
quizerem tirar da homeopatbi i o ventajosos re-
sultados que ella assegura.
Acham-se a venda carieira. e molas carteiras
especiad contra o cholera, acompanbadaa das
competentes instruccoes, pelo precos conheci-
dos. na pharmacia tspeciai ,iomiopath\ca, ra
de Santo Amaro (Hundo Novo) n. 6.
N. B, Oa homena de bom enso 'reconhor-am
certamente que sendo o Dr. Sabiuu a foote pura,
d'ondeemanou a liomeopathii em Pernambueo
em todo o norte, elle o nico immediata-
mente interetsado no aeu crdito e no aeu pre-
gresso, e por conseguale tao somonte nelle
que se pode encontrar garantas, quer em rela-
S'o applicacao da sciencia c o curativo daa mo-
itias, quer em relaco prr psraco dos me-
dicamentos.
Na pharmacia do Dr. Sabino trabalhant cons-
tantemente debaixo de saas "islas immediatos,
nos tempes ordinarios, dous empregados [um
brasileiro o outro francez quem paga ordena-
dos vantjooos), os quaes sao ajudados por mais
tros ou cinco pessoas, quaodo o servico o exige,
natfesiillaeao doeapirito de vioho e d'agua, no
manejo das machinas, na desocacao doa glbu-
los, na distribuida o daa dilufees etc., etc.
1 evidente que para o Dr. Sabino exercer a
homeapathia., como geralmente a exercem, e
preparar medicamentos como por ahi preparan,
nem cam precisas tantas deapezas com o pes-
soal, oom machinas e com a obtenso daa aubs-
tanciac-os mais puras possivei, e nem tanta vi-
gilancwe'trahalho na preparico dos medica-
mentos mas elle nao se con enta com o bem,
que jateos feiio, dando honeopathla a popa-
laridade de .quo goza: elle quer eleva-la ao
maior grte de perfeigo dand > aea seus remedio
a maior ia.llibiUdaJe poasivol em aeus effeitot.
O Dr. Sasiiao oao aspira somente os gozos ma-
terias da vida-; olla se desvaieee em ler nos li-
vros eslraageiros que a suap-opaganda-em Per-
nambu.co'Joi tao brilhante gut nao Uta .na Eu-
ropa nenhuma analoga (JOR HAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PAK1S, toma A.\ pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PAFHlA, por Granier, pagin 102); mas a sua
ambicio muito maia elevad, ; ella m dirige a
legar as geraedes futuras um nomo astimavel
pelagravidade e importancia doa seas servicos,
pelacinceridade de suas convlcc5es, e pela fir-
meza do seu carcter.E* por isso, e para ie*o
que elle trabalha ; a IrabaUa muito...
5Ja travessa darat das Cruzes n
2, pjimeiro andar, tntese para todas
ascores.com presteza e commodo preco.
Gopeiro e cozinheiro.
Alugam-aa dous escravos, um bom copeiro e
outro que tambem cosinba, pira iodo o servigo,
ambos sabeaa muito bem conpraj-; na ra da
Jmpsralriz.lojan. 6.
Attenco.
Me domingo 90 Ao corrent
de Hanoel Teixeira Bailo, na
daleas* um relogio da ouro di
de dar corda por cima m ai
furtado juntamente con um
contando urna chave j queit
do nlo se records do nome do
do relogio e'7851, e por iai
caes, pode indicar ser de bell
coberio, e com um vidro ben
aura. A quem quar que o d<
cara generosamente.
Precisa-se de um caixeir
pratUa de taberna, e diligent
ces, dando fiador a sua coi:
Cruzes n. 22.
Quem precisar de urna ai
das as qualidade, e boaa habili
nado de Souza Leio, qus dir
alagar.
Precisa-se alugar um ;
Praa ti. E
Precisa-i
alugar um bom cozinheiro, pn;
tratar na rea do Amorim o. 3
Os abaixo assignados faz:
tavel publico eao corpo do coi
gavelmente deaapartaram a o
na firma de Sonto & Coila,ci
do crranle em diante respooa
vo a passivo o Sr. Anionis Per
Reci 22 de abril de 1862.
Aotonio Perei
Minoel da C 3, furtaram de casa
Passagem da Hag-
i ayslema moderno
ixilio de chave, foi
i cadeia de ouro,
tda. O prejudica-
autor, e o numero
e apenas comsig-
i apparencia, dea-
i aaliantfl em gros-
acobrir se agratifl-
) de 18 aonoa com
i m seas obriga-
ducta : na rasTdas
aa do leite com to-
dades, procure Ig-
quem a tem para
reto : na ra da
e
fare-se eseravo : a
m saber ao respei-
imarcio, que ami-
iedade que gvnva
odo deade o dia 16
ivel por todo acti-
Jira Souto.
ra Souto.
rta Raballo Jnior.
OSr. Jorge Ferreira Ferandes
Siqueira, com a possivei brevtdade solver duas
lettras de seu aceite, sacadas por Jo8o
Paulo de Souza, sendo urna da quantia
de 1:000$ eoutra de 3:53l#620 rs., as
quaes tendo sido endossadas pelo abaixo
assigndo a pedido do dito lacador, o-
ram nos vencimentos pagas pelo mesmo
abaixo assigndo a' caixa filial, por falta
dos oulros responsaveis.
Joaquim L. Monteiro da Franca.
O Sr. empregado publi-
co que recebeu differeotes
quantias para pagamentos de
objectos de sua repartico e
noospagou, queira mandar
entregar essas quantias que
existem em seu poder como
deposito, alias se publicar
seu nome e mais contas pelos
quaes se prova a existencia
deste negocio.
Arrenda-ae ou vende-se a padariano lugar
Cachaog, se o local o torna recommendavel,
tambem d-se soeiedade a urna pessoa que en-
tenda do trafico, entrando com o seu trabalho, e
e de fiador a sua conducta ; faz-ae qualquer ne-
gocio, mesmo a praao, por sea propietario echar-
te doente, e tem de fazer urna viagem Europa :
a tratar na Torre, com o Sr. Francisco Jos A-
rantes, que para iato acha-se autorisado.
Germain Crtevance, subdito francez, retira-
se para fora do imperio.
atanoel Joaquim da Cuoha participa ao com -
mercio deata praca e com especialidade ao publi-
co, que por haver outro de igual nome se assig-
nar-se-ha de hoje em diante como vero assig-
ndo o que abaixo est eicripto.
Manoel Joaquim Augusto da Cuoha.
Aluga-ae, vende-ae ou permuta-as um bom
sobrado aito na freguezia do Poco da Panella, em
chaosproprios, com bons commodo para familia,
cocheira, estribara, casa para criados, cacimba e
jardim, por casa na praca ou litio perto : a tra-
tar oa ra da Imperatriz n. 19.
Precisa-se de 2:600$ a juros sobre hypolhe-
ca decaaaa terreas : quem quizer dar pode en-
tenderse com Frederico Chaves, que est auto-
risado para tratar e indicar as casas : na ra da
Imperatriz n. 19.
Ensino particular.
O professor de mathemathicas no Gymnasio
Provincial, ensioa particularmente arilhmeiica,
algebra, e geometria : oa aenhorea que quizerem
aprender qualquer dostaa scienciaa, ou todaa, di-
njam-se casa de sua residencia, na ra Direita
n. 74, para se matricularem. Aa ligues comeca-
ro no dia 1. de maio, ae houver numero su lu-
ciente de alumnos.
O abaixo assigndo retira-se para Portugal,
levando em ana companhia aua mulaer e 2 filhos
menores, e deixc por seos procuradores, em pri-
meiro lugar ao Sr. Domingo Bernardino da Cu-
oha, e segundo ao Sr. Joo Luiz Fooseca Ribeiro,
em lerceiro ao Sr. Antonio Martina de Carvalho
Azevedo.
Francisco Fooseca da Silva.
Quem annuociou tomar a premio 4005000,
apparca na ra da Imperatriz o. 51, loja.
Precisa-se de um homem que seja bom tra-
bajador, para um sitio de planta de capim : na
loja de fazendas na raa do Passeie Publico n. 7.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 sa-
nos para urna taberna, podendo dirigir-ae a ra
do Sol o. 29, taberna, que lhe dir quem precisa
do mesmo.
Aluga-se urna preta que sabe cozinhsr e
lavar, para o emjo interno : na praca da Boa-
vista n. 19.
No dia 12 do correte mez e anno desappa-
receu do poder do abaixo assigndo o pardo de
nome Francisco, de 17 ancos de idade, que tem
bonita figura, lodos os denles, cabellos carepi-
ohoa e ruivos, levando chapeo de feltro e paletot
tambem pardo, tendo sido esae pardo eseravo do
Sr. Dr. Antonio Borgea da Fooseca, de presu-
mir que ande por algum dos lugares por onde o
mesmo enhor l6m viajado, como eejam, Igua-
ro.o, boianna, Parahiba, campia Grande, Ala-
goa Nova, AlegoalGraode, eOuricury, talvez aob
pretexto de eatar anda em servico delle, sendo
que segundo ltimamente fora visto em Ignaras-
s : quem appreheoder o dito eseravo, haja de
conduzi-lo seu legitimo dono Ignacio Luiz de
Brito Taborda, na ra do Hospicio n. 6, que ge-
nerosamente recompensar por este trabalho.
Igoacio Luiz de Brito Taborda.
S. Jos da Agona.
O secretario da contraria de S. Jos da Agona
convida a todos os seas irmoa a compareceris
domingo 27 do correte, pelas 10 horas da m-
nba, para em mesa geral elegerem os novos
fanecionarios que tem de servir de 1862 a 1863.
Manoel Francisco dos Santos e Silva.
A pessoa que annunciou precisar de 400JJ,
dando por seguranza urna escrava, dirija-se a ra
do Sebo- n. 15, d*s7 s 9 horas da manha, o
das 4 da tarde em dianle.
A pessoa que acfeou a fronha de cambraia
bordada que cabio na ra dos Ferreiros, na Boa-
vista, querendo entrega-la no terceiro andar da
casa da ra da Imperatriz n. 39, receber 10 de
gralificaco.
Offereee-se um rapaz com idade de 16 an-
nos para caixeiro de taberna ou de pidaria, aabe
bem ler, eacrever e-cootar s quem quizer utili-
sar-se, dirija-se ao pateo do lferc.0 n. 38.
Precisa-se alugsr urna casa terrea que seja
no bairro da Boa-vista, e que o sea aluguel nao
aaja muito elevado: no becco do Tambi n.-6.
Alaga-se um sobradinho, altos e baixos
quintal e cacimba, muito freico, e vista para
mar, na praia de Santa Rita n. 58.
Bwleeiro e copeiro.
Aluga-se am eteravo mojo com as quali-
ades cima : na ra de Santo Amaro o. 26.
compras.
Compra-se m toreador com caixa para ca-
f; no becco Largo n. 1.
Cempra-ae ama balan; grande coas 3 pe-
sos, sendo 2 de duas arrobas, e 1 de urna arroba:
quem livor anoancie, ou a tralar-ae na ra do
Crespo n. 14.
Precisa-se comprar urna escrava moca que
saiba cozinfcar e engammar com perfeicie : na
rus da Praa o. 53.
Yendas.
Madeiras.
Vendem-se travos e enxams de quslidade, de
todos os comprimentos e grossaras, por preco
commodo ; a tratar na ra da Praia n. 53.
se ni
Rival
igual
Calcado
Miudezan rap.
Ra larga do Rosario numero 36.
Lia do corea aortidas, 4j ira a 6)400.
Clchete com duas carta1 .460 r.
Ditos de urna a 40 e 60 ruf*
Agulhas rancazaa curtas e compridas a 60 rs.
Ditas caotofas a 120.
Pentes da mawa para atar cabello a 500 rs.
Ditos de dita idem (dourados) a 10200.
Carretela de retroz de corea a 320.
Eacovaa para cabello maito boaa a 800 e 10.
Cartaa de alfletes a 80, 100,120 e 140 rs.
Escovas para unhas maito boaa a 320 e 500 rs.
Franjas pretas com vidrilho a 320 e 400 rs.
Trancas pretas com dito a 240.
Bises prelos muilo bons a 180, 250, 320 e 400
ria.
Carreteis de lioha a 30, 60 e 80 rs.
Enteites de retroz com franja a 50300.
Metas para senhora (duzia) a 2s500.
Ditas cruaa para homem a 20400 e 30.
Teaouraa ordinarias a 30 rs.
Franjas de la estreitas (peca) a 900 ra.
Sabonetes de bola finos a 640.
Frascos de diversos cheiros s 320.
Linha de Pedro V a 30 rs.
Botoes para casaveqne a 20, 30 e 40 rs.
Rap Paulo Gordeiro (verdadeiro) a 10600.
Dito gasse grosso e meio grosso a 10600.
Dito dito fino a 1J280,
seEoutras muitas mais miudezas que com a pre-
sen; dos boaa freguezesse vende rao baratas.
Fundico da Aurora.
Neate vasto estabelecimento tem sempre prom-
pto por precos muito em conta, moendas e meias
moendaa por todos os systemas, laxas, lauto de
ferro batido como fundido, machinas para diver-
sos misterea, e todos os pertences para eogeohos,
fateixas para alvarengaa, barcadas ou ostra qual-
quer embarcarlo pequea, ftrcigena para qual-
quer eoibarcsco, tanto de vela como a vapor,
etc., etc.
Mar melada.
Vende-se mermelada superior fabricada pelo
primeiro fabricante de Lisboa, em latas de duas
libras por 10200, e de urna libra por 700 rs.: na
ra da Seozala Nova n. 30,
Attenco.
Antonio Cosario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n. 32, e est venden
do por menos do que etnou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e amanea a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Na roa larga do Rosario antiga roa dos Qaar-
teisn. 12 junto a botica do Sr. Pinto, ha am
grande aortimeoto de calcado como aejam : bor-
zegains de couro de porco, ditos de cordavo
entneos e gsspeados com canos todos de borra-
cha, ditos de bezerro com preguinhas na frente
como os Ingleses em differenca algama, ditos
de couro de lustre, borzeguios para senhora de
sola e vira e os canos de borracha proprio para
as senhorss andarem nos actoa da semana san-
ta sor lerem a vantagem de oio tomar agua com
facllidade. afflincaado promptidao as obras eo-
conmeodadas.
Para liquidar.
Calcado muito em conta.
Na loja do Pinto, ruada Imperatriz n. 10, de-
froite da boneca, acaba dechegar um completo
lortimenlo de calcados dos melhores fabricantes
de Pars e Nantes: botinas de Melles, de bezerro
e cordavo, tanto desolla grossa, como de sol
fina, bolinas para senhoraa e meninas, assim co-
mo um grsnde sortimento de borseguins inglezes
que se vende por menos do que em outra qual-
quer parle, e todo o mais calcado : a dlnheiro
avista. ^
Borseguins iaglezes.
Na ra da Imperatriz o. 10, defronte da bone-
a, loja do Piolo, recebeu pelo allimo vapor um
grande aortimeoto doa j bem acreditados borse-
guins ingleze, que vende por lOg e US a diohei-
ro logo contado.
Preservativo universal.
45Ra Direita48
Olhem !...
Urna das iotelllgenciaa melhor esclarecidas na
scieneia de Hipcrates, depois de longos annos
de exercicio de curar e malar coovenceu-se afi-
nal, que o nico preservativo infallivel de qual-
quer epidemia, por maia mortfera que foss, era
conservar a cabeca fresca, ventre desembarazado,
e PS QUENTES. Ora, viajando por ahi urna
epidemia,que mata gente como qualquer outra,
occasiio de pormoa em pratica eates principios,
usando pouco do chapeo e sempre som-
bra ; tomando de 15 em 15 dias um laxante de
sal de glaaber, o maia acrrimo inimigo da epi-
demia, segundo a opioiao a pratica de um dos
ornamentos da nosa magistratura ; e laocando
ao cisco lodo o calcado velho, dirigindo-se iodos
ao armazem, da ra Direita n. 45, onde o respec-
tivo proprietario a todos receber com cortezia,
aturar aa maasada, aquecer os ps com ex-
cellente calcado, segundo o gesto, e estado -
oanceiro de cada um, e vejam :
Homens.
BORZEGUINS dos melhorea fabricantes, a>
francezes, ingleze e brasileros a 131.
120,110, 10J. 90500, 80 e...............
SAPATOES a 70500, 6S500, 50500, 50,
40500 at................................ 20000
Meninos.
Caixinhase cabazes para
as meninas trazerem
no braco.
Muilo lindas caixinasse eabazaa tara menioas,
de 100 ris al 20MO: na laja da Victoria, aa raa
do Queimado o. 75.
Enfeites para senhora.
Os melhores enfeites pretos e de cores que ae-
parece a 5)500, 60 o 6J500 : na loja da Vctor,
aa ra do Quatcsado a. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos sortimentos de fraojaa pretas e de cores
com vidrilho e seo ella : oa loja Oa Viciara, na
ra do Queimado o. 75.
inhasde peso verda-
deras..

5*500
Lichas Cois de
grande a 240 ria :
do Queimado n. 75.
peso verdaieira*. meadas
ns loja da Victoria, aa raa
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Casaas fraocazas de bonitos goatos a
320 rs. o covido, luvas de trocal prelaa
e de seda a 500 rs. o par, chitas Trance-
* l.rgoa escoc, a 040 .. n cOVldo
ditas unas a 260 e 280 rs., fil de llnho
liso a640 rs. a vara, tarlatana fina de
todaa as cores a 800 rs. a vara, lencos
brancoa com barra de cor a 10100 a efu-
zia e 120 rs.cada am, meias para ho-
mem a 1(200 a dazie e 120 ra. o par,
chitas para coberta de bonitos dese-
nlio* a 220 ra. o covado, pecas de bro-
tan ha de rolo a 20, ditas de cambraia lisa
com 6 1|2 varas a 30, musselioa encar-
nada a 240 re. o covado, calciohas para
meninas de escola a 10 o par, peitos
para camisa-brancos e de cores a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 30500, algodo entestado o melhor
a 700 rs. a vara, dito braoco para toa-
lhas a 1$ a vara, enfeites dos mais mo-
deros a garibeldi a 60, a loja est abor-
ta at as 9 horas da noile.
Na ra dos Pires n. 18, ofcina de carros
de Carlos Hesse, ha um ptimo carro novo para
vender, afiancando-se aer am doa maia bem fei-
tos que se tem construido nesla cidade : quem
o pretender dirija-se mesma officina, que acha-
ra com quem tratar.
Vende-se urna negriuha de 9 annos propria
para dar de presente e por prego commodo : a
tratar na ra Direita n. 123.
Yecdem-se duas vaccs boas de leite com
cria por commodo prego : n Capuoga porto do
Lasserre. cesa n. 3.
Vende-se ama taberna na Passagem da
Magdalena ae p do sobrado grande.
Vende-se urna barceca de lole de 30 caixas,
bem construida, maito veleirs, a est bemapare-
lhada : quem .pretender, dirija-se a serranada
ra da Praia n 59.
Vende-se urna taberna com poucoa fuados,
e muito propria para um principiante, aendo o
aluguel da casa muito' em conta ; o dono da mes-
ma a vende porque quer retirar-ae para fora do
imperio : a tratar-na mesma, na rus Esperases
da Eoa-vists, Camioho Novo n. 41.
' A banha fina,
em copos grandes, cfaegou para s loja d'eguia
branca, rea do Queimado n. 16.
Vendem-se 2 vaccas paraacoague: no si-
tio da Estancia comfrooie a igreja sobrado de 2
andares, por preco muito em conta.
Cabriolet.
Vende-se um cabriolet am bom estada : nss
Cinco Pontas, cocheira derooe da estacao nu-
mero 142.
Venda-ae ama meia mobilu de Jacaranda,
em meio uao: na raa Velha da Bea-viata n. 79.
RETRATOS E PAISAGENS
Daguerreotjpe, ambrotypo, phelographia ele.
*

Vende-se ama excelleole machina com doua objectivoi da fabrica do grande SECRETAN,
nao io trabslha com o menor lempo possivei como d oa mais peqaenoa detalhe, est completa
Com todoa aa apparelhoa necesaarias a arraajada de auaeira para trabalhar por qaalquer doa sys-
temas cima mencionados, podendo-se fcilmente tirar quatqaer retrato ou paissgem sobre lamina,
vidro, papel etc.: asta tamisan completa de anmica, iemluM, papel, vidrosa com am rice serli-
meaio (! qaadrioboa e caixiohas guarnecidas de vellido e madreperola para a collocacao doa re-
tratos, palaagena etc.: as chirolas e mils objecfosMm Igtalm'enle-eomprso'ca as primeirss ca-
sis : vende-se por preeo mullo raoive!, o arnaiem de Thontx TeUefca Basto, mi 4< CadaU do
Recife a. 10,
Borseguins,
Phosphoros de seguranza
Phosphoros de seguranza, por que livra de in-
cendio, a 160 ria a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Bale i as para vestidos.
Baleias muito grandes e boas a ICO ris urna :
oa loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
sapates a 5S5OD750*70r3*53o a i6oo|Linha de croxel para la-
Senhoras
BOTINAS de fabricantes francezes, ingle-
zes, allemes e americanos federaes
60,50500, 50, 4J500, 3JS00 a........... 2500
300000
68000
20000
800
120000
3J0O0
2$500
20000
10000
10600
640
640
10000
na raa
di
Ra da Imperatriz n. 10. loja do Pinto, ven-
dem-se pelo baralissimo prec,o:
Borseguins de lustre para homem a 80.
Ditos de bezerro para hornera a 8f,.
Ditos de cordavo para homem a 80.
Por este prego s a dinheiro a vista para li-
quidar.
Cabriolet e cavallo.
Vende-se um excellente cabriolet com todos os
seus arreios, muilo forte e quasi novo, e um bo-
nito cavallo ruco do mesmo, sem achaques, o
que se aQanca, sendo este animal o melhor de
cabriolet que existe nesta cidsde*: na cocheira
de Thomaz Jos dos Rea, ao p da praga do ca-
pim, junto da casa do Dr. Sabino.
Vendem-se dous pavoes : a tratar
nesta typogrphia.
Fazendas pretas
f oa loja do pavo, ra
da Imperatriz n.60,
de Gama Silva,
Vende-se baralissimo por aer lempo de qua-
resma as fazendas aeguintes :
Ricos manteletes de velludo prsto rica-
mente enfeitados com franjas largas oa
mais modernos que tem vindo a
Modemissimos enfeites pretos a turca e
Garibaldi
Ditos mais simples a
Ditos de vidrilho muilo modernos a
Chales pretos de merino bordados com
vidrilho a
Ditos de fil preto muito uno a
Grosdenaples pretos fazendi muito en-
corpada a 10500, 10600,1(800, 2$ e
Sarja preta hespanhola, covado a
Meias de seda pretas para senhora a
Ditas de la o de laia para padres a
Luvas de retroz bordadas com vidrilho e
sem vidrilho a 500 ra.
Ditas pretas lissa de seda muito Ona a
Alpaca pretas maito fnaa a 560, 640,
800 e
De ludo dao-se amostras com penhor : .
da Imperatriz o. 60, loja e armazem de (ama
Silva.
Pannos pretose casemiras
Na loja do Pavo.
Vende-se panno preto muito boa fazenda a
10600, 10800 e 20 o covado, e dito que val 80 a
40500 o covado, casemiras pretas entestadas a
30, 30200 e 30500 o corte, ditas de urna s lar-
gura de lodos oa precoa e qualidadea, aetim pre-
to da* China para calcas paletots e rolletes com 6
palmos de largura a 3$ o covado: na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem de Gama & Silva.
Chales.
Grande pechincha na loja do Pavo.
Vende-ae oa maia ricos chalea com ponta re-
donda e bolotas, tendo aa barras de velludo ou as-
setinadas, imitando aa capinhaa maia modernas,
pelo baralissimo preco de 40500 cada um e ditos
de quatro pontaa a 4$500, ditoa a Garibaldina
sendo maito grandes a 5} : na ra da Imperatriz
o. 60, loja do Pavo de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,500.
Vende-ae espartilhos ioglezes que s&o os me-
lhores pelo diminuto prego de 30500 cada am :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo, de ama & Silva.
Lindas bonecas de diffe-
rentes taannos e quali-
dades.
A loja da agaia branca acaba de receber a sua
eneommenda de lindas e bem vestidas bonecas
francezes de 2 e2 \\2 palmos de altara, aa quaes
na verdade vieram tao perfeitas e bem arranca-
das que quem as vir Infallirelmente deseja com-
pra-l, porque urnas alem da formosura tem
bellos cabello cachiados, outras bonitos cha-
pozinhos a Garibaldi etc., etc., e todas em fim
as iodispensaveia saiae balo ; assim como rece-
beu igualmente outro bello sortimento de bone-
cas de choro tanto de maesa como de eera sendo
estas de olhos movedicoe e de differeules tama-
nhos at 3 palmos. Agora pois a melhor oc-
cisiode qaalquer pessoa mimosear urna meni-
na que seja sua fllha, parala ou coohecida, di-
rigindo-se primeiro (munido de dinheiro; a loja
da aguia branca ra do Queimado n. 16, adra de
comprar ama deesas bonecaa ou outra qualquer
coasa de agrado.
Bandos [ou crescentes de
cabellos humanos.
Bandos de dina muito grandes e bem
feitos.
A toja d'aguia branca avisa a todaa aa aenhoraa
que haviam mandado procurar e encommendar
ene necassarioa crescentes de cabellos humano
(e mesmo as que de novo precisarem) que ellas
acabam de chegar, to bem arranjadoa como jus-
tamente edesejtva endo o aortimeoto de pre-
tos, caatanhoa etc. e muilo bem tecidos nos pe-
3usaos pentes que eervem para prender, trezen-
o ao mesmo ttmpo enchimento, do que resalta
que urna senhora com um par dessea crescentes
pode maravilhoaamente fazer o amarradilho de
sea cabello aera que deixe perceber a falta que
dalles antis, cusa eada par 50 : tambem ha
bando de alia mai grandes a bem feitos o me-
lhor que sm tal genero ae podo dar raid esa se
s tf o par, lado isso na bem cenhealda loja da
aguia branca raa do Queimado n. 16.
Milhode superior quali-
dade saceos grandes a
5,0600.
Vende-se no armazem de Nanea & Irmao, rea
da Madre de Deoa n. 5, chagado ltimamente do
Rio de Janeiro.
Vende-ae am rico e aovo piano de magno
dos acreditados fabricantes Pleyelft C da Paria :
s Cspunga porto do .asierre casa i, 5.
Meninas.
BOTINAS a 40500 e...................... 40000
Um completo sortimento de sapalos para se-
nhora de couro de lustre virado a 500 re., de ta-
pete a 800 rs., de lustre Ins. 32 e 33) a 800 rs.,
de tranca francezes a 10300, portnguezes 20, sapa-
los de borraia para homem senhora e meninos,
maito couro de lustre, de porco,cordavo,marro-
quim, bezerro francez, sola de lustre, courinbos,
vaquetas, sola etc., que tudo vende-se como em
nenhama parte.
I a
byrintho
e vidraceiro.
Grande e nova olicina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contrarlo os freguezes o mais p" r f o i t o, bem aca-
bado e barato no aeu genero.
URNAS de todas as qualidade?.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIROSde todos os lamanho.
SEMICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas as grossuras.
PRATOS imitando em porfeicao a boa porcel-
lana.
CHALEIRAS de todas as qualidade.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e (landres para qaal-
quer sortimento.
VIDROS em caixas e a retalbo de todoa oa ta-
mandando-se maohos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, concertos, que tudo ser desempenhado
contento.
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Bieber & C, successores,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descaro;ar milho.
Ditas para cortar capim.
Selina com pertences a 100 e 200.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixas de 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Aradoa e grades.
Brilhantes.
Carrosas pequeas.
Fazendas baratas.
Santos Porto desojando acabar com as fazen-
das antigs que anda existem em sua lojs da
ru do Queimado n. 7, a qual acaba de comprar
ao Sr. Joa Goocalves Villaverde, tem resolvido
vender ditas fazendas por baratos presos como
sejam : cambraias de cor vara a 320, 440 e 560
rs., princeza preta covado 500 rs., gangas de edr
covado 400, 440 e 500 rs,, chapeos de castor
brancos finos a 110, velludo encarnado superior
covado 20500, dito preto a 30500 e 40500, panno
Uno preto covado a 30 e superior a 5g, casemira
alvadia.covado a 20e30, fuslo braoco Uno co-
vado 800 rs., merino fino de cor covado 2(200,
sediohas dequadro covado 640 rs., grosdenaple
amarello covado 10, tafet covado 500 rs., cha-
pelinas finas para senhora a 120, cortes de fas-
to para collete a 500 rs ditos de gorguro a
800 rs., ditos de velludo a 50500, briozinhos de
cores covado a 180 ra., manteletes de 016 preto
a 180, paletots de brim a 20500, ditoa de alpaca
de cor a 30500, ditos de panno a 150, so bre casa-
ca a 250, camisas bordadas para senhora a 6J,
cortes de vestido de seda pretos a 283, e diver-
sas perfumaras que tambem vende-se por mui-
to mdico preco.
Aos senhores consumidores
de gaz.
. Nos armazens do caes do Ramos ns. 18 e 36,e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se ven-
de gaz liquido americano, primeira qualidade, e
recentemenle chegado, a 14/a lata de 5 galdes,
assim como'.latas de 10 e de 5 garrafas, e em gar-
rafas. -
\mm9nm namm mmms
Leandro di Miranda. 8
Ra do Crespo n. 8 A. m
Vende-se lias com lindos deseohos a 280 I
rs. o covido.
Gollioha bordadas urna 500 rs.
Manguitos de cambraia bordado a 20.
Organdys miudioha a 560 rs. a vara.
Saias de cambraia bordada a20400-
8 E outras muitas fazendas por baralis-
simns prego.
xmemmm mmm nhkmiS
ahio luz o
Gallo Vigilante.
Na rfia do Crespo n. 7, aoade o respeitavel pu-
blico achara um grande e variado sortimento de
miudezas qae aa vende por prego mala baratoa,
10 por ceoto do qae em outra qaalquer parte,
anim como seja, franjas pretas com vidrilho o de
cores, fitas de todas as qaalidades, franja e galio
de llnho, cascarrikaa pretas e de corea, frocoa de
todas as coros, oa riquissimos anfeitea de cabeca
galiozinbos de linho a de seda para enfeites,'
chapeozinhos para enancas, chapelinhas para se-
nhora, boneU de panno e velludo muito finos
para meninos, fitas muito chiquea psrs sinios
manguitos gollioha maito Boaa, lesee de
cambraia da linho muito aoa, ^ muito mais
pajelos qae se continuar annaoeiar, poia ven-
de-se lado por precos baralissimo por se athar
em liquidadlo. Na meama loja se achara um
rico sortimento ala amendoaa e confeitoa proprios
para qualquer mimo, qae ae vende pelo barata-
simo proco de 1*600 a caixinb.
Vende-se um terreno em Santo Amaro.
janto ae hospital ingles, com 700 palmos do fren-
, te, em maito bom salado ; a tratar na raa do
Trapiche n, 44, araaiem de Braga, Son Si c.
As melhores linhas de croxel para labyrin'.bo,
no vellos moostros s 320 ris um : na loia da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chcgou para a loja da Viciara urna pequea
porcao de ricos espelhos de varios tamaobos para
ornamentos de salas, afllaocando-se seres os
melhores em vidros que tem vindo : na leja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordan
Laa muilo boa de todas as cores para bordar, a
"0 a libra : na loja da Victoria, oa ra do tai-
mado o. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados psri sanheras a 2?-!CO,
ditos de pona cabida a 10, ditos tfe fita a UotVJ :
oa luja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Linhas do gaz,
Caixinhas com 50 novellos de liabas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caixa, ..tas com 30 ro-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos trrsadei
a 700 ri, branca e preta: ns loja da Victorw,
na ra do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros de gsz que tem visado ao mercado, por
precos commcds : na loja da Victoria, na ras
do Queimado o. 75.
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DR
BASTOS k 8EG0
Na ra Nova junto a Cou-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande e variado sortimento roupas eitas, calcados e fazendas e todos
estes ssvendem por precos muito modi-
ficados como de seu costuroe,assim corno
sejam obrcaaco de superiores panno:
e casacos feitos pelos ltimos figulinos a
260,280, 300 o a 350, paletots dos meamos
pannos prsto a 16|, 181. 200 e a 240,
ditos de casemira de cor mesclado # de
novo padroea a 149,16>, 180,200 e 240,
ditoa saceos das mesmas casemiras Ce co-
res a 90, 100,120 a 149, ditos prelos pe-
lo diminuto prer;o de 80, 100, e 123, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados a 120,
ditos de merino de cordo a 12 J, ditos
de merino cbinez de apurado gosio a 150,
ditos de alpaca preta a 70, 80, 90 a a lOf.
ditos saccoa pretos a 40, ditos da palba de
seda fazenda muito auperior a 40500, di-
tos do brim pardo o de fuslo a 00500, 40
a a 40500, ditos de uslao braaco a 40,
grande quantidade de calcas de casemira
preta o de corea a 70, 80, 90 e a 10, ditas
pardas a 30 e a 40, ditsa de brim da cares
finas a 28500, 30, 30500 a a 4 j ditsa da
brim brancos finas a 49500,5f, 50500 a
60, ditaa da brim lom a 50 e a 6f, colletes
de gorguro preto e de corsa a 5| a gf,
ditos de casemira de cor a pretoa a 4f 500
a a 50, ditoa defusto branco a io brim
a 30 e a 30500, ditos de brim lona a 4f,
ditoa da merino para luto a 40 a a 40500'
ealcaa de merino para luto a 4f 500 e a 5f,
capaa da borracha a 9}. Para meninos
de todos oatamanhoa: ealcaa do casemira
Srefa e de cor a 5J, 6} o s 70, ditas ditas
a brim a 2f, 30 e a 30500, paletots sar-
cos de casemira preta a 6J a a 79, ditos
d< or a 60 a a 7 j, ditos da alpaca at30,
obrecaa*oa de panno preto a 120 a
14, ditos da ,'lpaca preta a 50, Donata
para menino detoJ** as qaalidada, ca-
misas para meninos de ^do* os tamanhos.
meioa ritos vestidos de 'mbraia feitos
Kra meninas da 5 a 8 aanoe ** !
bados lisos a 89 es 12f, ditos ae ."rl"-
rao de cor o de lia a 50 e a 9, t <
brim a 39, ditos de cambral.ricameau
bordados para baptisados.e mullas outra
fazendas a roupas taitas qae deixaa de
aer mencionadas pela sua grandaqsau-
dade ; auimcomoreaebe-aatodasaial-
quer encommoada de rouaaa para as
mandar manufacturar ojae par. ,.le f*
temos m completo aerttmealo da f a
*.
iSLtilflJ "" de al-
ala1' dirigida por am hbil mostr q.e
pala sua proraptida o arfa id. a. ,2...
xa a desojar.
s^aMaaasisatauaaai iai ------------ .
MW^aff^B^BBj-ajB^-gBBB^sja^jja^ajaj|fsaa
Largo do Ter$o
numero 23.
O proprietario deata aaUtaliilmasiu ala me-
lhadoa est resolvido a vea4at aa saina malte
mai b ratos do qae am satis taalaaer aatti
afiancando-se a boa qualieoae. aalalaa mL.'
' ^J.900 '- IL^4,to ^-nTaUSK
va a 60. e da velha a 140, beaba a Batee reV
oada a 400 ra. a libra, batata msiU avoT. 199
f ^"' ".#lg0 *"-* ^t. toe
Lisboa multo novo a 240 o 280, aeesjea
1 *' dA?af1 ***. a*naia*a7i
marcas a 500 r. a garrafa ; assim casas) aa vsa-
dam oatroa m sitos generes tortease olee bm-
Ihados, assim como cafe, arrea, vase dm eesm-
mace te a carneaba, a la >*< aa van lia ba-
rasimoa no acreditado lerrader aa Iatats ato
Terco d, 23.


DU1U0 DB BEAMMaUDO QOlTA flIR* 01 MA Dft 19J*
NO
ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
liarlo da Penlia
aeras qu
uraando
(ato* do mandarem anas encorn tandas ao armaiem Progresso, aflm de verem a differonca de
P^ euaudade que faz, se fosem comprados em outra qualquer parte.
tga i gtexa de priQiaira qualjda(le a 800 e 1$000, ,ibr,, tm barrll l8 farS
abatimento.
Stantelg* (rii. mai nor,.70 ri.t, llbr, im barr,^ri
B UySS U 0 m,if ,Hf Mor q(|9 hi no meresd0 t jjgQQ # sysoo, libra.
na uuxim i-ttaMo perolSf peU Ml gUptriorldlde a d#jWi e 29600 ubr.
* prew unice ps M loenta8 qu9 |e (ratam com a homeopBtMi a tjaoo atibra.
^fUGljOS <10 TClmO|,#ge(l0, ne|te M,Mmo Tapor a j,^ dtot d,^^, D0 alUmo
iuto a TS500
" onanaos 0 que ha dt bom ntjjl ro i i^m t bM e (ai abatimento.
.gueij yraio 0 mal gaperior qut tem ?iad0 a erte mercad0 a 19M0 a libra>
Pfeznnto ing\ez pava fiambre m
?ao ae far batimento
estlelas iagUzis
fliimta da reine
Salame
f-*^.ttz^ssr
mito novo a 6JO rs. a libra, etn por-
proprias para fiambre a 800 ri. a libra e em porco a 700 rs.
da superior qualidade a 480 ra. a libra ainteiro, a 440 ri.
o melhor peliaco ft a pode haver por eatar prompto a toda a hora il|i libra, o
em porgao a 900 ra.
\'<*-%%i a ha 4o reine mail0 D0?0 a280r, a Hbra> eembmilde3arrobM a^^
*, Wricas e palos de lomnos 640 rs libra em por?ao m (al ablll.
ment.
Lates wm chamicas a 8ecomer fl>dli, lmeira m Mte
cercado a 2J00 cada urna.
^araAia ae parco Te! inada em,.,, com 10 braa
Baiiua de parco ma^ flns ilfl a 480 rs a hbrt, e
Marmelada mpOtUl d0 afamad0 Abre- t daoutt0i mtltM (.DrieanlM a 800 rs. a libra, e m porgao sa tai abalimenlo.
Latas com (rutas ceg, alpete, e gioga, a 800 rs. cada lata.
Mermelada de alporxe em llllt d. Ubra por 1|M0 cada uma.
tatas com amenaons confeUadas contendo ul]BtuMtM
randi, muito proprio tara mimo, a 2J00 cada uma.
Hoc da c^sca da goiaba It0 flno,
1* ce s eco e en cal da d9
23500 cada amo.
por 49500 cade uma.
em barril a 400 ra.
como sejio pera, damascos pe-
aaaacar
Vestidos a 3000 e 25500
Veasayeasaairtea de vestidos brancoa em bar-
rn e batala i '
o. 60, le* e a
Wm bordadas a 2<5W.
Vende-se ssias bordadas muito bonitai atfOO
aoa urna : na roa da Imperatriz n. 60. loja do
revio, de Gama & Silva. '
Baldes do Pavo.
Vende-ee baldee de bramante franeex e ar-
aoeaeodo oa-que teea melhor armaeao pelo *i-
mioeto preco de 3| a 3500: na rea da Impera**
trit n 60, loja a armazem do PatSo, da Gana
& Silva.
Saias com arcos de linho.
Vende-se a acreditadas saias com arcoa da li-
nho qae fazem ai vezea da balao a ajzOO e a 4|
cada ama, acta (azeoda *6 ha na loja do Paf ao :
ra da Imperatriz o. 6t, loja a armazem da Ga-
ma & Silra.
Madapolo a 3$.
Vaod*-ae peca da madapolo entestado com
14 jardaa a 3f a paca: na ra da Imperatri: n.
60, loja a armazem do Pari,
Grande pechiacha em cortos
de vestidos na loja do Pavao.
Veode-ae floissimoa cortea da cambala bran-
ca bordado! com i babadoa grandea a de daaa
aaiaa pelo baratiasimo proco da 49, ditos da cam-
braia do aeda com babadoa bordado* a4f900, di-
tM dP">l fazandaquevaempra ae vende
por lSy pelo baratiaaimo prego de 69 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60 loja a armaaam do
Pavao, de Gama & Silva.
BrUhantiaas americanas.
Vende-se brilhaotinas americana com (indis-
simas cores sendo fazooda ioleiramente nova e
moderna de 4 1|1 palmo* de largura a 400 ra. o
covado : na ra da Imperatriz n. 60. loja e ar-
mazem de Gama & Silva.
Para meninos a 4#500 rs
Vende-se restidinhos de seda para meeJnaa
ditos de fusto qara meninos muito bem earei-
tados pelo baratiasimo preca do 9600 cada m :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem d
Pavao.
Gorguro de linho a 280 rs.
Vende-se gorguro de linho do quadrinhoa a
mescladoa proprioa para senboras e ronpas de
meninos e meninas a 280rs. o covado: na rea
da Imperatriz n*. 60, loja do Pavao, de Gami &
Silva.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Vend#-se em casa da S. P. Jonbston 4 C,
sellis o silbos inglezos, caodieiros e castices
bronzeados, lonas inglezas, fio da vela, chicles
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavados, e relogios de onro patenta
ingles.
Hf Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti -
ga, phaothasia etc. por preqo mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-te toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
rs. e em porgo se tac abatimento.
difiereotes qatlidades, em latas de 4 (> e 59 por
Gavt&e* com IvoUa ufanen propri08 para mimo. 560 ra.
pasaf< em caxinn^ de 8 libras
480 rs. a libra.
Fisov* &n c^mm^dr*
maito novs9 por 2g500 e a retalho a
5'
muito novan, em cairas de 8 libras por 2J500, ditas com 4
por 1(500, ditas com 2 riuito bem enfeitadas por 900 rs. cada uma e a retalho a 320 rs.
libra.
Erv\i&8 traneezai e portngnezas e
ditas em meias latas a 500 rs.
A* tomate
m latas de 1 libra, por 640 rs.
&>! maro em latls d8 l libra por 800 rs.
emendo as de casca mole mait0 n07as, 320 ri. a libra.
Tloxes
a 120 rs. a libra, e SfOdO a arroba. -^"^
k.mz\x.fkn ifaucexas e m latai ^m 3 llbras por t^i00i dUal com x ll2 por ttM.
&m*A*S pOf tgliei.aS 320 r.. HI a em caixa se lar .batimento.
UOCOiate neSplinO \a 1S500f dil0 (rancez l200 dil0 port.gaez a 800 ra. a libra,
aiiau^i-se a boa qualida ;e.
n0%aX\nna a 80da etn latl, com differentes qulidades, a 1J440 rs.
8 paf a S^pa i6lr s> maCarro e talharim. a 400 rs. a libra e em caia por 85000 rs.
aUtOS de deliteS lira30Ji moih0J com 20 maci(lh0J pot 200 6180 rs. mallo finos.
aa
em frascos com e 1 :2 libra por 800 rs.
a 1VJ (raBcez para iimr.arfat: s a 200 rs. cada um, em porgao se faz abatimento
OaX\llua ingiexa mals noya d0 mefcado a3t0 rs. a libra a em barrica- a 4J5O0
(StOsnaVaata
^ixe
para anjos.
Vendem-aena raa da 8aculsNova n. 30, cai-
zinbaa com doce ar prafb ao as modo, raeommen-
daveia para oa anjos de procaalo.
Relogios
Vaide-sa em casa de Johnston Pater 4 C,
. do Vigatio n. 3, um bailo sor timan to de
i elegios de onro, patale ingle, doam dos neis
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
ama variedede- da bonitos trancollins para os
mesmos.
Polassa da Russia,
Vende-se em casa deN. O Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. 4-
Atten^o.
800
120
110
60
140
500
200
1S0
400
400
para eogommar, mui.o alva a 100 rs. a libra e em sseca se faz abatimento.
de posta em latas das ra -Inores qualidades de peixe que ha em Portugal a 1J600 rs.
E&per msete iuperor d cincoeseie velas por libra a 760 rs. eem calxa.a 740 rs.
3>ii Vftlilll*9 de Nanies eta i!tas muito novas a 400 rs.
reaa.A.0 aU.Ul de superior jualidade a O rs. a libra e em barril com 3 arrobas por 7f.
fVteiie OlOCe reflD1do de I0sreotea marcas e o mais superior que ha a 800 rs. a garrafa
e em caixa a 9$
11 SunOS CngarratadoS do duque do Porto e deoatras muitas marcas acreditadas
oeste mercado a ljjzOl rs. a garrafa eem caiiaal2SO00 rs.
VmnO esa pipa pOrlo,ligueiraeLiaboaa560 agarrafa eem caada 3500, 4e4J>500.
^QSrVcja das ffiaf8 acreditadas marcas a 59 rs. a dazia, s em garrafa a 500 rs.
-U&asipagaC das mareaa mais superiores qae ha no mercado a U| e 229000 rs. o gigo
Cognac inglex, mm rl> a cai e 1200 ri., gairafa#
ixeBiet}r& tle lVOliania verdadeiraem fraiqueira a 6J000 ra. e o freeco a 560 re.
a Amaras dO ILgy tC> a 6W rs. a libra e em caiiinhaa com 9 a 10 libras por 5J.
JSeikeif ra ngleZa iojooO rs. a dazia e a retalho a i000 a garrafa.
PaUB dft g%X 2,50o .. s gtou.
2al s
<'*ss-B- refinado em potes grandes a S00 rs. cada un, em porco se far abatimento.
\aiC iavado o que se pode desej r oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba a 93500, dito mais
baiso a 280 rafa libra e 8g000 arroba.
OCVaOlnna de praoca a ma:s Q0Ta do mercado a 280 rs. a Ubra, em porco se faz abati-
mento.
^^vS^ maito novo o alvo 320 a. a libra.
f inna d0 reino da, nutcas-lSS e galega a 140 rs. a Hbts. ^
Hita do Maranhtojilva.e ebeiroz i a 160 ra. a libra e em arroba a 49800,
Her vUnas ^^ mtiw n0TM ^ 160 a iifcr,.
- ^* de carnauba refinadas a 496 rs, a Ubra e em arroba a ltjOOO.
^**"*^'deee-d Lisboa a 7-20 rs. i garrafa, aflsnca-se a boa qut!Mde.
Vinagfe tftUs*ea SMOn. agattef, e em caada a 1JO90.
Vlata^nere a 1600 a garrsa e em calce-'se f*i abatimento.
UlrtO tranco e miis zaperior que h no mereado propio para missa a 640 rs. a garrafa e am ca-
sca4a4IBM>>

Lentflha fraiceza, primeira qoalidade, a 300
ra. a libra, tomando uma arroba a 79680, para
acabar: na raa Nova n. 21.
Vende-se na freguezia do Ipojuca o enge-
nho Diamante, todo bem montado, com caaa de
vivenda, semale, olaria, distilagio, estribara,
casas para labradores, tudo de lijlo a cal, moa
d agua e muito bom de prodoec.Ao, com ierras
para dar mais de 3,000 paes annualmente, com
trras anda por tender Comprar, pode dirigir-so o mesmo enne-
nbo tratar com o proprietario, oa no Recua com
o IlIm.Sr. commendador Lemoa Jnior.
Vendem-se 4 caaas terreas sitas na cidade
de Olala, as quaes foram do monsenhor Antonio
Jos Coelbo, sendo ama oa roa do Bomfim, duaa
ao lado da igreja da S, e outra no Desterro em
Santa Thereza : quem as pretender, dirijase ao
largo ea Assembla n. 10, que achara com aera
tratar.
Soahall Mellors & C, (ando recebido or-
dem para vender o seu creKido deposito do rslo-
glos ?[sto o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portan lo, aspessoas que quizerem
poasuir um bom rologio da oaro oa prata do t
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-ae da op-
portunidade aem parda da tempo, para vir com-
pra-Ios por commodo preso no sao escriptorio
roa do Trapicha n.28.
Argolas de ac para chaves
vendem-se 200, 240, 320, 400 e 500 ris, na raa
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-se na ra do Queimado loja d'agaia branca
n. 16, onde se achar completo sortimento.
Existem.
Na ra Nova loja francesa n. 11, para vender
muito barato ama bonita esdeirinha a am ele-
gante pslanqaim : as peesoas qae preclsarsm de
qualquer delles nao podem achar melhor occa-
sio para comprarem bom e barato.
Garteiras com agulhas.
A loja d'agaia branca acaba de despachar car-
teiras com agulhas de mui boa qualidade, e ez-
cellente sortimento, e as est vendendo a 500 rs.
cada ama ; assim como receben igualmente no-
vo aortimento das agulhas lmperiaea, fundo dou-
rado, qae contiouam a ser vendidas a 160 ris o
papel, isso na raa do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Charutos da Havana.
Vendem-se charutos da Havana d-
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber & C. ucceitores, ra da Cruz
n. 4. (
Obras de metal prateado.
Em casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores, vendem-se apparelhos completos
para almoco, porta licores, garios, fa
cas, colheres para che sopa, gaihetei-
roe, copos e outros muitos objectos des-
te bem conhecido metal, pela sua boa
qualida ie e duracao : na ra da Cruz
n. 4.
Novo sortimento de cascarri-
lhas de seda.
A loja d'aguia branca acaba da recebar usa novo
e bello sortimento da aasoarrilhas da seda da
maltas a differentes cores, e vende-so i 1|500
sem segundo
Na raa do Queimado n. 55 loja de miadezaa
de Jos de Azevodo Haia e Silva, est vendendo
todas as miadezaa por precoa j sabidos e eo-
nnecidoa :
Croias de peonas do acoda todoa as qa.lt-
dadea a *
Nvelos de linha que peto tamanho a todos
admiram a
Calzas de sgulhaa francesas e
Caixas com alflnetes maito finos a
Caixas com apparelho para enlreter me-
nioosa
Ditas ditos grandes a
Baralbos portugoezes a 120 a
Groza do botdea pequeos paro calca a
Tesoarss para uohas maito fina a
Ditas para costura maito superiores a
Baralhos frtncezes para voltarete muito fi-
nos a 3jQ
Agalheiroa com agulhas francesa* a 80
Caivetes do aparar peonas de 1 toma a 80
Pecas do tranca de la com 10 varas a 200
Ditas da tranca da la da todaa aa core a 800
Parea de sapa toa da trenca da la a 11280
Cartas de alfioetea francezea a 100
Pares da luvia fio- da Escoca multo tinas a 320
Ditas ditas brincas grossse a 100
Escotas para limpar denles muito fina a 200
Masaos com superiores grampo a 40
eirtes com colietes ds algum deleito a 20
Ditos de ditos superiores s 40 e 60
Dedses de fondo de ago moilo superiores a 100
Cofiadores para vestidos de senhora com 4>
varas a 80
Calas com colzetes frsncezes a 40
Cartas de alfioeles do ferro a 80
Charuteiras muito finaa a tyOOO
Tinreiras de vldro com tintas 160
Dito* de barro com tinta superior a 120
Arela preta e azul muito fina a libra a 120
Tanbo nova remesa de labvrinlho para ven-
der por todo prego, assim como teobo t rangas da
seda diferentes cores para vsn'der por todo d-
nheiro que offerecerem.
Muita attenco.
Na toja de Sitva ardozor ra do Im-
perador n, 40, vende-se roupas feitas
de todas as qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porque pechincha.
Atgodo da Baha.
Proprio para roupa de escravos e saceos de as-
sacar : vende-se na raa da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Luiz de Oliveira Asevedo 4 C.
#^@- m *> -$mm
Roupa fetta muito g
barata. m
Sobracaaacoa de panno proto maito fl-
no, paletots de dilo, paletn de casemi- C*
ra de cor, ditos pretos, ditos da fusto, 5
ditos de ganga de cores, ditos de brim V
de corea e brincos, caigas de casemira dK
preta e de cores, ditas de brim branvo e
de cores, ditas ds gangas, colletes de ^
velludo preto a rf '' dito* h pnr. 4Si
guro-, ditos de fustao,ditos ds brim braa- fk
co, camisas da linho, ditas de algodo J
brancas e de cores, seroulas de linho, V
dita de algodo, chapeos dsaol de seda ^
ioglezes os melhores em tamanho o qua- gst.
lidade, tado se vende por barato prego a *
dioheiroavista, na loja das 6 partas ra 9
do Queimado emfreote do l.ivrsmento, fk
esta aberta al aa a> horas da noite.

5500 ris s peca, na raa
sfaguia branca n. 16.
Meias pretas de seda 1:000
iia.ui, Par-
Vende-eaimeiaa pretas do seda, e de mas i boa
quslidade, para seohoras, a padros 1>000 o
par, poOVstaTem principiando r mofar, e estando
ellas calcadas nada se conhece, os rus-do Qaei-
raado loja d'aguia branca n. 16. '"
Loja do beija-lior da ra do Queimado
numero 63.
Vendem-se luvas da pellica de Jouvia brancas
Atleco,
Grande california para liqui-
datjo, na ra Nova n. 1 i
03 noYos propietarios deste estabelecimento,
tendo em vistas aortirem o meamo, espoem aa
fazendas ezistentes dlsposigo do publico para
sereno vendidas por todo e qualquer prego : por-
tanto convidam a todas as pessoas que se quize-
rem enroupar com poaco dioheiro, de irem s
mesma loja ver cmase qseimam asfazesdas se-
guintes :
Vestidos pretos bordados a velludo proprioa
para a quareama.
Hanteletea presea e de corea.
Sobre-caaacas pretas e de cores.
Cssacas pretas e de cores.
Paletots a sobrecisacados de differentes corea.
Caigas de casemira pretas e de eores.
Colletes de casemira e velludo de differentes
corea.
Chapeos de caator e de aeda pretos.
Ditos do Chile finos e entrefinos.
Groadenaples de differentes cores.
Sedinhas de quadros de differentes cores.
Luvas para homem e aeohoraa.
Bolioaa de aetim branco. ,
Sapalos para homem.
Meias de seda para homens e senboras.
Ditas de algodo para homem, senhora e me-
ninos.
Fraojaa de todaa aa qualidades.
Chapelinas para senhorss e meninas.
Vestuarios para meninoae meninss.
Chitas ioglezaa, e outraa muitaa fazendaa, qae
aaria enfadonho mencionar-se ; aflangando-ae
sos freguezes que levando dioheiro nao voltaro
fazendas.
Novos e lindos
enfeitespara vestidos pretos
e de cores, e roupinha de
criaocas*
Em apTopriedo tempo receben a loja d'aguia
branca'um bello c completo sortimento da enfei-
tes da seda para vastados pretos e doceres, e rou-
pinbas de cnangss, sendo trancas e bordados de
notos e lindos deaenhos, e difficeia lecidoa, com
ea quaes pode-ae com gosto e moderntssima eso
teitar qnalqaar vestido ou ronpinho de crianga.
Ao passo que ditos enfeites a todos feralmente
agradam, a eosnmotfeadB Oes pnegoe aeiraa a*
do (>uim/i"*uu somprador, e esta verdad? ser verificada por to-
MENOS DEI POR CEWTO
NOS ARMAZENS
PROGRESSISTa
mimri
DE
DUATE e* Co
ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
36
sos tt*JZ%2Z *"" "^'J' *>">*doe parepamaos
rniSTl? F ?* n T,Prw e B'ios ^ Europa, receben isjasMm
os melhores gneros, pois que par, oo tem
9 l*rgo o C:
pora m emlherem, iosveaien por *.rio^^UTTELTJ
Manteiga ira nceaa mai8 ^, 700 B., ^ a m ^ ,^
rhA vJ9SPU "P*'0' qw > do moreedo a 2oM00 39800 a libre.
Cha preto
muito superior vindo a primeira vez ao noeeo
a IfiOO a libra.
hySSOll o melhor que vem do Rio, em latas de ama libra por 19800 a eso
se far abalimenlo.
Queijos do reino ^
navio a S9400 cada um.
os oeste ultimo vapor a 29800 e dos ebesjados ao
Queijos suissoe ,s guperiort m,a frefC06. ^^
nbra.
Uta
-
o.
QUIJOS pratO como nonca veio ao nosao mereado a 19100 i libree
I aios e eh^mr^m^.------------r i il^ i p^ p m
Latas com Unffui>aSjDr0Biplw ,,,,, ^ b4m
ver ao nosso mercado 19800.
reiXe em latas dodrvotsoe tamanhoa, savei, sardo, pargo. pescad, cavada, BaW
dos- frrtos, alum mareoade-, robllos e lulas de tigsiada, da 19300 a 29000 a lata.
rOUCinho dO re.lO ^^^ iWi.* ** 99500 a arroba taa*.
temos para 240 rs. a libra e 69500 a arroba.
Batala de porcO m luss-eom i0 |bras por mm 4W a libra.
Marmelada imperial de todos os conservemos de Lisboa, em 1.a* de libreo
meta-e 2 libree a 750 rs. libra
Latas com frutas em calda comosejantper,.p9eago,d.
xe, ameixas e ginja, a 700 hk a lata.
Vlarmelada de AI per ce em utas do 2 libras por mm***
Doce da Casca da gOiaba 700 r*. e em poerto se (ar abat....
UOCeS Sf ecOS dodiOerentes qualidades em bcetas muite bem arranjadas a 99990.
3 Illa raS a( mis superiores que tem vindo ao mereado em eaixinhas elegantemente enV
feiadas a 29500 e 600,rs. a libra
Pascas em caxinhas de 8 libras a 29500eeoors. a libra.
v IgOS da Comadre muito novas em caxinha V8 libras e muito bern enfeiiadas e
a 29200 o 320 re. a libra.
Krvilhas francezas e portuguesas, 4o 720 a wt.
MaSSi de tomate emlausde t librra a800rs.
Amendoas da casca mole BUito novas a 400 > libra.
x~ OZeS muito novas a 200 rs. a libra.
AmexaS francesas em lataecom 5libras por 49000ea 19000 a ibra.
Cll'COlate heSpallllol a 192OO, francez a laOOOepoitogueza 800 t. a libra.
Bol; a i lilla de 80da emlatas oom differentes qualidado a 19400 a lata.
MasgaS pa ra SOpa macarrao e talharim a 240 rs, a libra e a caixa por 59909.
vfllXlIlRS muito bemenfeilada com pevide, rodinha, estreUinhi, etc. a 790 e899
a dlltOS llXadoS para de.nes era molhos com 20 aaaoinhos a 200 rs.
**G.la^ m frseos de ufara e meia a 700 rs.
L \JOU) r FanCeZ para limpar facas a 180 rs. e em porcio se far abaiiraaou.
Bspermacete Superior sem averia a 740 e em aaixa a 760 rs. a libra.
Sardiffhas de Nantes nmito^ovas a400 e 600 .
AlpiSta muito nova a 180 rs. a libra e 59500 arroba.
AZeite doce refinado do divercas marcas a 800 rs. a garrafa e 99090 a doxio-
Bola Cll i II ha ingleaea mais noya-do mercado a 909 w. alibra a 49290 a barrica.
GrOina muito alva a 100 rs. a libra e 29500 arroba.
V nhoS engarrafadosdaque do Porto, g enuino. Porto fino, madeira seeca, Carenveilos, oc-
iar, feitoria, velbo aecco, Muscaiel a 19200 a garrafa e 129000 a duzie.
Dt08 m pipa Porto, figueira e Lisbo de 500 a 600 re. agarrafa ede 49900 a 49500 a ca-
sada. -
SerVe jaS das mais aeseditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a dazia.
CilampaIIhe dw marcas mais acreditadas que hi no mereado a 149 o209 o gigo.
COgliaC ingiez a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ginebra de Hol lallda verdadeira a 69500 a frasqueira o 000re. o fi
Azeta naS m ancoretas as melhores que hi no morcado a 29 e a 400 rs. a garrafa.
Dita llgUza a 99 a dua e 800 rs. a garrafa.
5* llt S do gaZ a 29500 a groza e 240 rs. a dusia de caixas.
Sft 1 refinado em pacotas de mais de uma libre a 240 ra. em poreio tari
Cafe do Rio 0 melhor qoe ha no mercado a 320 rs. a libra e 9909 a arrobo.
Sevactnha de FranC* amis novado mercado a SaOn. a libra.
ag"U muito novo a 320 a libra.
Farnha do MaranhaO mmtoalva en9vaal69rs. alibn->49S99 i
roba. .
Velas de carnauba e de composicao .499 re. air. a
a arroba.
Vinagre puro'de LSboa aatore. a garrafa s a 1900 a eaaaab.
GrO de bCO muito novo a 200 rs. a libra.
Peras SeccaS em CalxnhaSaooitolibraaa29500ea949ra.a
MarrajliUinO verdadeirodeura, dolimooe, eako,manU, geoepto, nsasadal'
curac rosa sublime e entra, qualidade. de 19500 a 99 a garrata.
Bat etas em gajos de uma arroba por 29000 a 80 rs. a libra.
Com UllOS os mais novos do mercado a 800 re. a libra
Er Va doce muito aova a 400 rs. a libra.
Canella superior a 19 alibra-.
CharUtOS verdadeiros superiores a 29 a caixinha de 50.
lmon em lataS com duas libras e mais bem arranjado quema riodo
Por hoy deiflm ao raeu repietovio at i chegada do primeko vapor rinde da Europa, pelo pretas para, senhora e ijotnam, chegadn
u*t\ osero noy o artlawnto e o*> Oerei progn^oto em o publicar ao respeitavei pobrlcn, ultimo peqoji,
polo
dos que ss dlrigirem dita loja d'aguia branca,
aua do Queimado o. 16, cajos precos estio mar-
eados as amostras, as quaes se darao com pe-
nhorea.
Luvas de pellica I <*}* >1*400-
Brancas e de cores para homem e senhora, che-|ajfante'a dll lataS com 4 libras a melhor do mercado laerado
Ruada, Seoalla Nava b. i%\) kMWre ^-.^'^'l-i''til-','B,,
NeUe etablecBiento yende-te: ta-l A-rftTlllia majliira aouito aoia a 320 a libre.
Cha. de ferro ceado litwa, XO t. ide Atrn deste. gonoros oaooairar. o reapoUavel publtco em neaaoi ar
de Low Ifoor-libro a taOy \**um* da tuto teotante a motea*)..
oa


_,
m&*fWV**S* TilQttAflTl FI4U M W*WL DI imi
::
Allem^io.
Azetle doce, marea Plsgmo), m ealxa de 12
nafas, Vermoulh suaorior e vlobo te Bordean!
vanas qaaltdadas :.em eaaa do J. Moadibaura
& C, tua do Trapicho n. 34.
Oh! que peehin-
cha!
Vendem-e palito licuados e blheedo, flooa,
para den tea, doac mataos cota 411 maaainhos por
400 ra. : na ra da Imperatriz, loja di Arara
D. 56.
Ricos
liquidaco por todo
o pre^o, na bem co-
nhecida toja o Ser-
tanejo.
[Ra de Queimado n. 45.]
Barato que admira.
Coilas escuna una a 190, 180 e 100
ra., cortes do vestido pratos bordado a
velludo pelo baratissimo prega de 859 i
659, dito adamascados a 50) e369, sahl
das do baile de velludo e sel m a 159 %
169, camuai para senhora a 39 o a 49, B
goltiohaae manguitos a 295H0. 39500
49600, golLnhaa de cambraia bordadas s
720, 800, lf. 1920O e 18500 ri ditaa de
016 bordadas a 240 rs., cesave jues de fus-
ilo a 69,7$ e 8f, oeias de teda brsocas
e pretas para senhora a I98OO o par, li-
ras de babadoa a 800 e 19, lies de quadro
enfestadss a 360 o 400 rs. o corado, cam-
braia preta a 440 e 480 ra. a Tara, orgao -
dys de eores a 680 rs. a vara, fil bran-
co adamascado para cortinados e vesti-
dos a 480 e 540 rs. a vara, cortea da eol-
lete de casemira bordadoa pmtos a 3$ e
395OO, ditos de velludo de c e pretas a
49, 59. 69 e 79, paletots de Drim branco
francezes a 49 o 49500. ditos de casemi-
ra de cores o pretos a 169 e 189. ditos de
alpaca preta e de eores s 'JO, 49 e
49500 e 59, camisas de peito de lioho s
295OO e 3, cotlea de collete de gorguro
de seda a 196OO a 29, 21500. :i9 e 49, col-
letes feitos de brim branco a 29 e 25500,
ditosde gorgurioe 39 e 48,ditc de casemi-
ra a- 4S, 48500 e 59. ditos de velludo s 69.
79 e 89. ditos de fusilo de cores a 1500
e 19800, meiaa de l para, ha mam e e-
nbora, ditas da algodo cruai para ho-
mem duzia 19400, 19450 a 39 00, ditas a
39.49 e 59 a duzia, ditas pan menina a
29600 e 29800, duzia finas e iireraoa ta-
maoboa, ditoi para mtoioo a 29 e 24500
a duzia, pecas de algodio a 2ft8O0. 49 e
49500. chiUa fraocezas finas a 240, 280,
300, 320 e 360 rs. o covado, fil borda-
do e liso, grioaldaa braocaa cora ramoa,
chales de froco, espartilbos, chapeos d
castor para hornera, pannos (ara meaa e
um variado sorlimeoto de r>upaa feitaa
K que tudo se veode por baratsimo prego.
3KCW9N NMMM3 MSdK'M&lMsMSM
Facas e garios de todas
as qualidades
VeoJem-se dozias de facas e gurfoscom caboa
de marfim o maia fioo que se pote desejir pelo
barato pre;o de 169, ditas psra sobre masa a 149,
ditas moito finas de balaoco a 65 00, ditas mul-
to finas timbera de balaoco e con: doua buloe a
79. ditas imitando as de balaoco 1 68, ditas para
sobremesa faseoda muito superior a 59500 e 65,
ditas entrefinas a 20500, ditas para meninas a
320. 400 e 500 rs. cada talher e al am deataa qua -
lidadea outraa muitaa que se vemlem barato: na
ra do Queimado na bera conheci la loja de miu-
dezss da boa fami n. 35
Para violo.
Vende-se muito superiores corlas psra violao
pelo baratissimo preco de 120 rs. cala urna e
bordo a 160 rs.: na ra do Queimado ns loja de
miudezas da boa (ama o. 35.
Ricos si utos do lirados.
Vendem-se ticos sintos dourad s bordados pe-
lo barato preco de 29500 e 39: na ra do Quei-
mado loja de miudezas ds boa fama n. 35.
Papel de todas as qua-
lidades.
Vendem-se resmas de papel di peso greve o
mais superior que sapode encontrar pelo barato
prego ds 39400 rs., dito pautado de muito boa
qualidade a 4J500, dito almaco muito bom a 39,
dito almaco greve a 39600 e 4880), dito pautado
a 49 e 49500. quarlos de papel d i corea com 20
quadernoa a 720 rs., dito branco multo bom a
19 e I92OO, dito de quadrinhoa a 19, dito pauta -
do com 40 quaderoos a 2f, jixiibas com papel
de belra dourada a 18500, dita ce m anveiopea a
19 e outraa maia quejidadea de pi pe que ae ven-
de barato .*oa ra do Queimado na bem coohe-
cida loja de miudezaa da boa lama n. 35.
O bom e barato na boa
fama.
Vendem-se pentes muito unos de marfim para
bichos vindos de Lisboa pelo bi ratiesimo preco
de 610, 800,18500. I98OO e 29 cada um, ditos
para alizar a 18600 e 28, ditos da bfalo pretos
e brancos tambero para alisar 11 muito boos a
500e 800 rs., ditos entre-finos a 280 rs., da-
lias de carreteis de iinhn de 20(1 jardas de ns.
50 a 80 a 720 rs., grozas de botos finos para
calcas a 240 rs., ditaa de looca brancos e piola-
dinhoa para camisas a 160 e 240 rs., agulheiros
de marfim muito bonitos a 800 ti 19 cada am,
ditos de osio torneados imitando os de marfim a
320 ra., figaa de marfim brancas o encamadas a
320 rs. cada ama, agulhetaa da narfim para eo-
flar a 240 rs., grozas de bu toe n ito finos ma-
dreperola psra camisas a 610 e 800 rs., tesouras
raneases muito Boas para costa a e :abello a
25 cada ama, ditas com pequeo loque de ferru-
gem 1 I95OO, habas de paso a 10) rs. a miada
ditas para bordar a 160, 200 e 30) rs., dita frou-
xa a 60 e 80 rs. e outraa muitai causas qae se
vende por menos doseu valor : na ra do Quei-
mado loja bemcoohecida de miudezaa da boa
fama n. 35.
Perfumaras baratas e de
boasqualidaces.
Veode-ae pars acabar muito doqs aabonetes
crema de amndose em caitas rs., fraseos com o bem condecido sndalo a
19500 e 29, frascos com banha transpeiente a
900 rs., ditos.patheholy a 640 rs cafxiohas com
nove qualidades de extractos e tolos muito finos
a 29, ditas com 12 tambera mui ti finos a 3f200,
frascos grandes com agua de colonia muito su-
perior e bem coohecida a 19500, 29 e 39, pasti-
llas muito cheirosaa de Luben pi ra conservsr a
rouna livreda traca a lf cada fapel, ditas do
mesrao fabricante proprias para defumar a 2{S
cada caixioaa, duzia de seboneUs multo boos a
600 rs. e outras muitas qualidades que se vende
muito baratas na ras do Qaeimslo ns bem eo-
nhecids loja de miudezaa da boa fama n. 35.
Colheres de todas as qua-
lidades.
Vendem-se duzia de colberes de metal psrs
sopa de to boa qualidade que aa ia ficam deven-
do as de prata pelo baratissimo preco de 09,
ditas para cha a 69, ditas de mete 1 principe psra
sopa a 58, ditas pars cha a 2#(0, conxas para
tirar sopa muito superiores a 29:00 cada urna,
ditas para tirar assucar a 800 rs., alem de todas
esta colberes Anissims* ha outrss qaslidades
mais ordinarias que se vendem barato '. na rus
-fo OnairnadiT "*"- -..* i- a.
xas di boa fama 0. 3$.
Chegou para a loja da victoria, candiairoa a
gas de novos gostos o mtelos, tsnto psra sala,
como psra aseada e quartot para outraa mullas
cousas : va loja da victoria na ra do Queimado
o. 75.
Engenhovenda.
Veade-ae o engento Harmona, na fregusxia da
Bocada, perto da estrada de ferro, assim como
outro enganho que o propietario esta levantando
as trras daqaelle, teas cass de viseada, bas
torras, e tudo o mais necesssrio para prodazir
-boas safras, ou permuta-se por predios neata
praca : a tratar com o propietario no mesmo
oogenho, ou na ra do Trapiche o. 14, primeiro
aodar.
Cestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprlo da menlnss irem para a
eacola, e por isso bom que vio compostas com
ma das novas e bonitas cestinha que se ven-
dem ca ra do Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quantidade de fivellas
douradss o esmaltad para cintos, todss de no
tos e benitos molds, e tambera douradas que
psrecem de ouro de le, o que com oiperien-
cia so ceoheceri aio o serena, estando no meamo
oseo se eamalladss, e assim masmo vendem-ee
pelo barato preco de 28500 rs. esds ama, ns ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Palmatorias de vidro e de la-
teo para vellas.
Vendem-se bonitas palmatorias da vidro lapi-
dado para rollas a 19200, o ditas de lalo mui
novaa e limpas a 400 rs. : ns ra do Queimado,
loja ds Aguia branca n. 16.
Peilos de fusto lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se bonitos paitos de fusto lavrado e
trancado para camisas a 500 rs, cada um, azeo-
da mui boa e encerpada : aa ra do Queimado,
loja d'aguia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras b6
dadas em ambos os lados.
A loja d'aguia-branca recebeu um novo e lio-
do soxtimento de tiras bordadas em smbos os la-
dos, e contina a vender baratamente a 19200
cada tira, a outraa de bordados muito largos a
29OOO, o melhor que possivel em tal genero,
o todas ellas, pela largura que teem, podem ser
divididss se meio, pelo que se tornara baratas!-
mas: na ra do Queimado, loja d'aguia brauca
o. 16.
predio yenda
Vende-ae a casa de dous sudares e eolio, mei-
agua, no becco das Miudinhss n. 8, avallada em
2.OOO9, s qual rende 1 lr2 per sent ao mez ; ns
rus do Trapiche n. 14, primeiro andar, ha petaos
aolorisada pelo proprietario para effectuar a ven-
da da mesma casa.
Sal de Lisboa.
Vende-ae a bordo da barca portuguesa cEipe-
tanca, ssl de Lisboa limpo e redondo ; s tratar
na ra do Trapiche n. 17.
Salitre refinado.
Vende-se na ra do Queimado loja de (erra-
gen n. 13, s 88500 a arroba e em porclo se
vender por muito menos.
Liquidaco.
Brsgs, Sila & C., em liquidaeo, convidam
aos seus devedores a viren) saldar seos dbitos
dentro de 30 diaa, e participam que medidas ter-
minantes sero empregadas contra os que-nao
comparecerem.
cortes de vestidos brancos
bordados, v
Vendom-ae ricos cortes de vestidos brancos
bordados com 8 bebsdos pelo baratissimo preco
de 58 o corte: ns roa do Queimado n. 92, na
bem conhecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Vendem-se superior* camisa inglesas com
prega largas pelo barattsatmo preco de 359 a da-
lia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas e punhos
com botoes
Vendem-ae ricas gollinhas e pachos de cam-
braia e fusto ricamente bordadaa com lindos bo-
toes, pelo baraliaaimo preco de 2} cada gurat-
elo : as ra do Queimado n. 22, na loja da
bo. f.
Vendem-se burros gordos a mansos : no
oogenho Juriasac, do Cabo: a tratar alli com o
Sr: Domiogoa Francisco de Soasa Leao.
Fazendas barats-
simas
Superior bramo ate do linho cora duss varas de
largura a 29400 a vara, atoalhado da linho ada-
mascado com duas larguras a 29500 a var, brim
branco ds linho muito superior a 18440 a vara,
dito de cores, faseoda mullo superior a 19, dito
pardo de linbo puro a 800, 19 o 1&200 a vsrs, di-
to de quadrinhos muito proprlo para caigas, ja-
que ios e paletots para meninos a 200 ra. o cora-
do, gangas francesas muito superiores s 400 r. o
covado, cambraia francesas multo finas e de
muito bonitos padrees a 260 e 280 o covado,
cambraia lisa muito fina a 48, 5 e 69 a pega com
8 1(2 varas, cambraia com aalpicoa tambero com
81|2 varas esda pega a 49500, dits moito supe-
rior o melhor que ha oeste genero s 118500 s pe-
ca com 17 varas, ou a 800 rs. a vara, chitas fran-
ceses de muito boas qualidades e de lindos pa-
droes a 240, 280, 300 e 320 o covado, fil de li-
nho liso muito fino a 720 a vara, larlatana bran-
ca e de corea a 760 a Tara, toalhas de linho para
mos a 79 a duzia, ditaa pelludae muito superio-
res a 119 a duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e gollas de cambraia ri-
camente bordadas s 29 o par de manguitos com
urna golla, lencos brancos muito finos com bico,
renda e labyrintho a 18280 cada um, dito de
cambraia de linho para algibeira pelo baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um completo
sorlimeoto de fazeodas de-todas as qualidades,
que sendo s dioheiro vista se veaderao por pro-
cos mui baixoa : na bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Barato assim barato de mais
Sabonete finos.
A loja d'egaia branca recebeu urna crescida
quantidade de sabonelea finoa para barba, oa
quaes convm a todos compra-los mesmo psra
mioa, avista do diminuto prego de 39 porquanto
se est vendendo s duzia. Para atisfazer-e aoa
bons freguezes se vender tambera em menores
porces, porm quem mais comprar msis lucrar,
porque assim barato nao ser fcil tornar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimadc
loja d'aguia branca n. 16.
Ac de Milao
i
Vende-se ac a 239 o quintil; oa ra 00 Quei-
mado loja de ferragens a. 13 ; bem sonto ae vea'
do aoets maesas leja uas completo aortimeoto de
ferragens a miudesas de todss as qualidades, tu-
do por diminuto proco, visto o proprietario que-
rer entrar em lqida$ao.
Camisas eceroulas
Vendem -se -superiores eeroulas de lioho muito
fiass pelo barato preco de 269 a duzia, dilaa irn-
cadas de algodo, mas do muito boa qualidade, a
179 a duzia, omit, brincia francezaa a 229.249,
26 o 309 a daxla, dlUa para sseniaos a 22f a du -
zia, ditas psrs homem com asertaras de coros s
229 s duzis : ns bem conhecida loja da boa f
na ra da Queimado n. 22.
Lencos brancos para algibeira.
Alada se vendem leocoa brinco flooa pera 1-
gibeira pelo baratissimo proco de 29400 a duzis :
na loja da boa f, na ra do Queimado o. 22.
Mei..s para senbora.
Vendem-se meiss fina psrs senhors pelo ba-
ratiaiimo preco de 39600 a duzia: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
oraes.
Bengalas
a 240, 320 e 400 rs. cada urna: na rus do Cres-
po sobrado smsrello n. 18.
JNo duvidem que na ra
do Crespo n. 17, loja de
Guimares A Villar.
y Veste se urna senhora dos
ate a cabera.
Principiando pelos ehspeos de p
Garibaldi e chapelioas de plha de Italia
SLoi maia superrores que tem viudo de
g Franca.
S Manteletes de gros bordados, capas e
* casacoes a Luiz XVI, aedas de cores e
moireaotiquea prelo e de corea e aca-
bando pelos respeilaveis baldea de crox
e de musselinas e que vendem baratis-
simo. Senhoris fregaezss a vists faz f,
mandara ver.
os pe*
islha a Jg
\craNcirY
DA
Fnndioao Low-Moor,
Ba da Senzalla Nova n. 48.
Neste esltbelesimeato continua a haver um
completo sortimento de mocadas e raeias moen-
das para engento, machinas de vapor e laixas
de ferro balido e coado de todos os tamanhos
para dito, t *
Em raassinhos a 500 rs. cada am.
Em flus a 640 rs. cada um.
Em voltas de 3 fies a 29500 cada urna.
Vendem-se muito bons corss, em raassinhos,
flos e voltas de 3 fios, pelos barstissimos precos
cima : na ra do Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Objectos de phautasias
pulseiras de missangas.
A loja d'aguia branca acaba de receber um
bello e eaeolhido sor limen to de pulseiraade rois-
aogascom uurias pendentes, oora ae multo goa-
to, ,o que de mais perfeilo se pode dar em taea
objeets, aa at vendando a 19560 cada urna,
tanto para senhoras como para menina, e pela
novidade do gosto e apuro da moda nao tardaro
em se scabar as que ha ns loja d'aguia branca,
ra do Queimado n. 16.
Fariuha de man-
dioca.
Vende-se farinha de mandioca, muito superior
qualidade a 49000 e 49500 a sacca : na ra do
Trapiche n. 14, primeiro andar.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston & G ra da Senzalla Nova
u. 42.
[Ra do Crespo n. 20 B, loja de
Alvaro A Magalhaes.
Vendem-se chapeos de pilbs da Italia para se-
nhora, ltimamente chegados de encommenda
propria, a 369. lindas lss muito largas a 640 rs.
o covado, bales modernos para senhora a 71, e
outras muitas fazeodas de bom gosto por mdico
prego.
Na rus do Imperador o. 14, vende-se junco
a 500 rs. s libra, em pequenss porgos.
Calmarles & Luz, dono da loja da miudezas
da roa do Queimado n. 35, boa fama, participam
ao pahllco que o seu estabelecimento ae acha
completamente prvido das raelhores mercadoriaa
tendentes so masmo estabelecimeoto, a muito
ostros objectos 4e goslo, sendo qussl todos rece-
bidos de suas profera encommendaa ; e estando
elle inteiramente resolvidos s nao venderem
fiado, afisneam vender maia barato do que outro
qualquor ; e juntamente pedem aos seus devedo-
res que Ihes msodem ou venham pagar os seas
dbitos, son pena de aerem justicados. .
Agua ambreada
para banhos do rosto e do
corpo.
A loja d'sguia brinca acaba de recebar nov
remaasa da proveitosa o mui procurada agua
ambreada, cujos bons effettos de refresesr a ca-
lis, tirir o srdor que deixa a ns vaina qusodo ss
tas a bsrbs e scsbsr o meo hlito proveniente
do trsnspirar aio-j bem conhecldos, ssslm co-
mo as senhoraa por nao aodarem ao sol faz
conservar perfeitamento o brllho do rosto. A to-
dos quaotos tem uaado d'agua ambreada nao to
eslraohoa esse effeitos e ellos serio sioda msis
conhecidos por aquellos que munidos de 19 se
dirigirem s loj d'aguia branca ras do Queima-
do n. 16, onde anicimente vende.
Brincos pretos a balo, e
.outros objectos para
luto.
Desses objectos de que hoje infelizmente tantas
familias precisara, na loja d'aguia branca acha-se
um bom sortimento delles, sendo brincos e rose-
tas a balao, pulseiras modernaa de grossas e for-
tes cootas, alfinetes para peito, ditos tsmbem pre-
tos, em csiiinhss, bonitos e modernos aderemos,
e meios ditos, cinteiros de fitas e Ovalas pretas,
enfaites para caneca, grampos de novos moldes
psra segurar cabello, luvs de torgsl de seda e
pellica, meiaa de seda e algodo para homens e
senhoras: com oscompradorea de taes objectos
se ter a raaior contemplarlo, atiento o lira para
que aio: por isso dirigirem-se ra do Quei-
mado, loja d'aguia braoca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'sguia branes recebeu ama porrao de
arroelas ou argolas de borracha, que acertada-
mente se spplicam a differentes fios, como tim-
bem aoje para mnma*r p.pei* aoa dirot.., 10-
particois publicae, no cartorio, escupinos,
armazens, loja, botiess, tabernas, etc., etc., e
mesmo do alguns psrllculsres, o que na verdsde
vale apena comprr-se pelo diminuto preco de
240 e 820 s duzia, para poupar-ae o trabalho de
atar e desatar um masso de papis todas as veses
que se precisa, assim como ss msis larga serven)
para segurar carteins, e manguitos de senborss,
o mesmo psrs pulseirss de missaogss, adveran-
do, porm, que cada argola tem aua fivela ; ven-
dem-se em dita loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Rival
sem segunda.
Ma roa do Queimado a. 55, defronte do sobrado
aovo,-est diapealo a vendar tudo por proejo qua
admira, aaetm como aejs :
Fraacoa deagua de la va oda muito gran-
dee-a
Sibonelea o melhor que pode haver a
Dilosgrsndes muito finos a
Frasco* am chaires mallo fiaos s
Ditos dato* maia bont I os a
Garrafas da agua celeste o melhor s
Frasco com banha muito superior a
Ditos dita da urco flnissima a
Fraseos de oleo babosa com chairo a
Dito* dito dito a
Ditos dito nito a
Ditos para II m pe r a eabeca a tirar caspss a
Ditos dito philoeome do verdadaro a
Dito* com banha transparente a
Ditoa com auperior agua da colonia a
Dits, fraseos grandes a
Frascos de saacaci oleo a
Ditos de opiata paqueos s 320 e
Ditos da dita grandes a
Tem um resto de Isvsnda ambreada a
Lian branca do gas a 10 rs., a tres por
dous, o fina a
Dita de car to Pedro V, com 200 jardas a
Dita dito dito com 50 jarda a
Carretela da linha com 100 jardea a
Duzia da meiaa cruas muito encorpadasa
Dita de ditas muito superiores a
Dita da ditaa brancas psrs senbora, mul-
lo finas s
Vara da btco da largura de 3 dedos a
Dita de frtnja para toalbaa a
Groza de boles de Iouq braoeos s
Duzia de pboapboros do gtz a
Dita deditoe de vela muito superiores s
Pecaspd* Al para coa de todas ss lar-
guras a
vista
re-
800
320
160
500
19009
19000
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
90
80
29400
45500
31000
120
80
120
240
240
Vende-se cambra! da asna de bemitee .
gantes desoehos s 9bD a
ra da Imperatriz laja n. 20.
diados.
Vsodem-se oliado* pialado da Ilsteaa
psisageos larguras de 6. 7, 8 a 9
prias para mesas de janiar a M
ruada Ira per atrh laja a. 28.
Fazeodas pretas
superiores.
Grosdenaple pele moito
uto proco de 29 o covado. 1
00 a 3, 4,5, 6, 7 a 9f aeeatJe.
muito Oos s 2f. 29500. 3, 3f00 o 49
mantea pretas da blondo 1
manteletea de auperteaea i
cemente bordadoa a
preto muito fino a II
reto muito finoa 309, pslalete
ao a 18 e 209, ditoa de oa*
clsds a 189, eaperiore* ana
19. diti de satis* saetea* a de 1
perfores psra duas valsee a !
com lindos ilUaetes a 29, ae seriar 1
to psra colletes a 49 o
a 69, e usim outraa su
diobairo vista, veatdem ae per preces)i_ _
ratos : na rus do Queimado o. 22, na seos 1
da loja da boa fe.
Superior cal de Lisboa.
Tem para veoder am prela *
nio Laiz de Oliveira Azorado <% C, ee sao sav
crptorio ra da Cruz n. 1.

320
Barato e bom.
Kosas artificiaes para ca-
bellos.
A bjs ds sguis branca .
das que se estao asead* pera ae caaellea,
de-ss oa ra do Qoeimedo laja da
o. 16.
Aeoco.

armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Wua do Quelmadm n. 19.
Lencoes de bramante de linho a 39.
Coberlaa de chita finas a 29.
Ditaa a pro^o da I98OO.
Cambraiaa preta* muito finss.
Colcha da fusto muito lindss s 69.
Esleir ds Iodla de 4, 5 e 6 palmoa da largo
proprias para forro de cama e salas.
Lencoes de panno de lioho Bno a 29.
Algodio moastro a proco de 600 ca. a vara.
Toalhas da linho para mesa a 49-
Ditas da fusto para mos, aada ams 560 rs.
N. O.Biabar & C.uccssores,rua daCrts
n. 4, tea paravenderrelogios paraalgibeir da
ouro a prata.
Bolacha.
Vende-se bolsch econmica a 3J a arroba :
pa ra da Senzala Nova n. 30 e tcareasa dos Pi-
res n. 9.
Aspas e coz para balo.
Vende-se na rus do Queimado loja .d'sguia
branca o. 16.
Vende-se urna parte do sobrado da roa de
Santa Rita, esquina da rioeira a. 1 : a tratar na
ra Diraila, obrado o. 127, primeiro andar.
Essencia de auil para eugom-
mado.
Esta essencia mais para e a melhor que
tem appareeido, urna a duas gotas bastante para
dar cor o'ama bacia da gomms, toado s vanta-
gem de nao precipitar a nem de nodoar a roaos,
como mece de amius vesos cosa a flor do astil c
vendem-se em frssquinhoss 500r. cada asa : na
rus do Queimado, botica o. 15.
Vende-se ama taberna tita na ra dp Im-
peratriz, muito propris para swiacipiaate per ter
poneos fundos, o meamo ae veedora comearte a
rma(o : s tratir oa mesas ra* a, 59.
Vende-se ama secretaria de mogno
muito propria para um Sr. sdrogado por
ser pees rica, um bslcao grande todo de
amarello proprlo pira loja de fazendia
e urna balanza romana com 2 jogos de
pesos (francezes e portugueses]: na ra
Nova n. 23, loja.
4ttencao! attencad!
Aos pas de f*milia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatris schs-se s
venda um completo a vsrisdo sortimento de boas
fazeodas, e que i vista desuss qualidsdes sao ha-
ralissimameote vendidas, e para mais varacidade
do que (lea dito, abalzo veo menciooadas algumaa
das ditas fszendas, a saber :
Chitas lsrgss cor fis a 240 rs.
Madspolao fino com 24 jardea a 59*
Cambraiaa da cores s 280,320 e 400 rs. o co-
rado.
Velludo preto o de cores a 29>
Lindeza de cores s 160 rs. o covado.
Lencos pequeos s 80, 120 e 160 rs.
Chapeos de castor fino a 89.
Chitas pretas multo lsrgss e finas a 240- rs.
Algodio transado preto muito bom para vesti-
dos de escravoa a 200 rs.
Cambraia liaa com 10 jardas a 29.
Casia de lpico com 10 ditas 1 39-
Cambraia bordada par* cortinados com 8 va-
ras a 2/.
4os fabricantes de velas.
O soligo deposito de cera da carneaba sebo
em pi e em velas, estabeleetd* no largo da As-
sembles n.9, mndou-se para a roa da Madre de
Deo n. 28, qassi defronte da igrejs, onde conti-
na a haver um completo sortimento daquatlss
geaeros, queso vendem por precos rateareis.
Manteletes de fil.
Vendem-se os mais modernos manteletes de
las preto am modelo de aspas chegados pele ul-
time vapor: na rae de Imperatriz n. fO loja a
armazem do Psra o, de Gama & Silva
Agua balsmica para conser-
vaco das denles, e agrada-
vel hlito da bocea.
Esas spreciavel e proveitosa sgoa balsmica,
cujos boos effeitos de conservar a foriidao dos
denles, fortalecer as gingiva e tirar o mato hli-
to da bocea, sao j bem conhecidos por todos
qusntos dola tem usado, e ser anda maia por
quem, prezando esses boos resultados, se dirigir
com 19 4 dits loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Gravatas de seda pretas e de
cores.
Mui boas e bonitas gravstas pretss de seda com
alpicoa de cores s 500 e 640 rs. cada urna, ditas
todas pretss de bonitas sedas de chuvisquinhos,
boa fazenda a 1*. ditas de superior gorgnrio com
poetas bordada 1 s relindo a 1S600, ditas de tras-
passo pretas e de cores com alfinetes, e mu pro-
prias para meoinos, sendo ellas de bonitas sedas,
forradas,e com dous pospontos de seda decorosa
19300 cada urna, e muitas outras de differentes
qualidades e pnco : na ra do Queimado, loja
d'agaia branca u. 16.
Meias de cores para homens.
Moito boas meias de cores* 160 o par, e 19600
s duzia : quem ss vir nio se desagradar, pois
que sio boas e baralisiimas : na rus de Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Pee hincha
Pechincha admira vel na
loja do Pavo a 10$
Vende-te pe {uro bastante encorpado propno lpara
encoes, toalhas, jeremas, camisas paa
1 rtotsetc., etc., tendo cada peca 2, va-
raspelo baratissimo preco de 10$ 7 pe-
ca, e tambem se vende meia peca po-
5) ou se retalha a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma*
zem do Pavo, de (sama & Silva.
Sementes
de Hamburgo.
Dehortaliqa e flores.
Vindaa pelo ultimo vapor ingles: na ras ds Ce-
dis do Recite loja de Tidal -Basto.
Aos Sis. consumi-
dores de gaz.
Nos amareos dociet do Ramos ns. 18 o 38 e
ia rea do Trapiche Novo (no Recite) a. 8, so
venda gaz liquido americano prlmelra qualida-
de a recentementechegados 149 a lata da dato
galr&cs, assim como a* vendem latas ds cinco
garrafas* em garrafa.
S Magalhaes & Mendes, na ra da Im-
peratriz numero 56, loja e armazem
da arara.
Seda preta.
Vende-se grosdenaple prelo muito encorpsdo
s 19500, 19800 e S9 o covado.
Panno preto e casemira.
Vende-se psnno preto para calcas e paletots s
19700, 19800 e 29 o covado, corteo de caaemira
preta para cale*, entestada, a 39, 39300 e 39500 :
na roa da Imperatriz n. 56.
Laazinhas suissas.
Vendem-se laazinhas suisas muito Qnaa para
vestidos a 560 o covado, cassas suissas de qua-
drinhos de core* s 280 o covado, fusto de cores
psrs vestido a 280 e 320 o covado, popelina de
coras para veatidoa e roupa de meninos a 240 o
covado, barege de corea para veatidoa a 360 o co-
vado : na ra da Imperatriz o. 56, loja e arma-
zem da arara.
Madapolo a 3#000.
Vendem-se pecas de madapolo entestado s
38 a peca : na ra da Imperatriz, loja da arara
numero 56.
Roupas eitas.
Vendem-se paletots ds alpaca preta e de cores
s 39, 89500 e 49, calcas de brim e fusto a 29,
psletots de psnno preto a 8S e 109, ditos de ca-
semira de cores s 10 a 129, caigas de cssemirss
de ceros e pretaa a 5S500 e 69, colletes de gor-
guro e velludo a 39500 e 45, camisas fraocezas
a 18600, 2f,e 28500 : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Manguitos de linho.
Vendem-ae manguitos e golla de linho a
2)500 e 39, ditos de fusto com botiozinho a
29500 *39, gollas com botaozioho a 640, ditas
de traapaaso a 19 ; na ra da Imperatriz, loja e
srmazam da arara n. 56.
Enfeites para senhora.
Vendem-ae enfeites a turca pretos e de cores a
29. ditos a Garibaldi muito modernos a 49, 59 e
59500, aio todos pretos, luvas pretas de seda fi-
nas a 800 rs. o par: na ra da Imperatriz, loja
o ruiDiom d. a D. OD.
Cortes de cambraia.
Vendem-se cortes de cambraia de barra e ba-
badoa a 39 e 39500, pegas de bretsoba de rolo s
29 o 29500, o outras fazendaa que ae dio {moa-
tras psra ver : na rus da Imperatriz, loja e ar-
mazem da arara n. 56.
Sacido preto.
Vende-se sacido preto maito encorpado para
vellidos, melbor fazenda que grosdeoeple a 29300
e 296OO o covado : oa loja da arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Gorguro para vestidos.
Vende-ae gorguro de linho a 280 o covado,
chitas a 160 e 200 rs. o covado, ditas fraocezas
a 240 e 280 o covado, cassa flos a 280 e 320 o
covado: na ra da Imperatriz, loja e armazem
da arara o. 56.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63
i Vendem-se essearrilbas de seds de todas ss
cores s 29460 pega ; ricos enfeites pretos e de
core a 5$500.
Loja do beija-ior da ra do
Queimado u. 63.
Vendem-ae filas de cs s 320 rs., pees de 10
vsrss, enfiadorea de veatido, de linha a 120 rs.,
escovss para unhas finas s 640, 800, IfOOO rs.,
piuceis finos psra bsrbs a 320,500 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se oculos fios de srmsgio de co a;
720, 500 rs; sgulbas fraocezas de 10 e 20 rs. a
Unhas da marca de 10 rs. ; grosaa de botoes
brancos a 100, 120 rs. ; ditos pintados a 180 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se cartas portuguezts finss a 19800 ;
ditas fraocezas o 3J800 ; wisporas a900ss; lio has
pretss e de c&res e brancas do gaz a 800,900
rs ; dita de peso a 120 e encarnada fina a 120;
fivelas para caiga a 80 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se luvas enfeitadas a 19800 e 29000;
ditaa de "fio de Esctala a 800 rs.; eacovas para
roupa a 640. 800. 19000, 19400 rs. ; ditaa para
cabello a 320. 500, 640 rs. ; pontea travessos a
640 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n: 63-
Vendem-se liabas de Pedro Va 20 re o car-
lio ; rice* Jatea* e rendes do Porto, imitando o
4a larra da divert larguras, e muito bsrato.
Vende-s* multo bsrato arrox com casca : a
bordo da bsrssoa 9 de Julbo, chegsda do Panado,
fondeada no caes do Rsmos. ou ns roa Dirait a
tratar cor* Antonio Alvss de Miranda Guimares.
Fita branca de borracha.
avW
5ff*6
39006
IJTt
390S3
3954*
1|2M
Essa fila de qua tanta falta atavia
oa ra do Queimado loja d'aguia sra
assim como filas fraaxas oa alaotk
core* psra debruar vestido.
Olhem para o pavao
leiam
Csmlsinhis com gollinhas o manguitos
de cambraia bordadoa, faseoda sso-
deroisims s
Ditss de fustio com lpico de cor
Gollinhas bordsdss com bolsoziabc
Ditss da todos os gostos a 640 a
Ditss com manguitos do cambraia bor-
dadaa a
Manguitos de cambraia bordado maito
finos s
Golliohss bordsdss a
Romelras de cambraia eofeitadsa para
lato a
Camieinhaa para aenhore a
Leocinhoada lioho com lebyriatbo para
maoa
Ditos a imilacio do labyrintho a lf a
Luvas da lo real eofeitadaa com vidrilbo
Eofeitea preloe com vidrilbo a
Rico anfeitee pretas* ds eores, a Tarca
e Garibaldi
Grosdentple prelo s 1#600, 1*600 o SatVOO
Todas estsa fazendaa vendem-so aa roa da Im-
peratriz o. 60, loja e armazem do pavo, d* Ga-
ma & Silva.
Loja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-ae fraojn a trancas. Otas da vallada
preto psrs a quaroam, mais modernas qaa ha na
mercado, e mais barato qua aa outra qaalquar
paite.
Loja do beija-flor da ra d o
Queimado n. 63.
Vendem-se facas finss, cabo da balance da i
botoes a 638OO, ditas psra ao* a 5fB0O. ditas da
um bollo a 61200, ditoa para doce a 59900, ditas
pratos crsvadaa a 3*600, ditas branca* a 34Cf>.
ditas rolle a 39 a duzi.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se grvala pretaa da satis* a 19, ditos
estreitss s 19, dita a 800 rs., peonas da seo da
lauca. 500, a 720, ditoa da maozinha a 800 rs
Vende-se nm eseravo parda da 13 anacs.
pouco mais ou menos, muito bonito larora : a
tratar na ra do Roaario da Boa-vieto *. 56, de-
fronte da ra do Aragio.
Escravos fugioofc.
Gratica-se
bem a quem apprehender o eseravo crioalo da
oome Antonio, o qual fugio no Si 6 da corrala,
e tem os signses seguiules : cor preta, altara re-
galar, cheio do corpo.com algasia barba, a urna
malha na eabeca, represento lar 26 annos, laven
vestido esmisa branca, calca da casemira do ejoa-
drinhos e clupo de fellro pardo : queso o pasme
leve-o praca do Corpo Santo n. 13, que sari
gratificado. Sappe-se qae asta eseravo tomases
o cam.nho da Garsobaas.
No sabbadoa ooite fogio o mulato da asme
Francisco, com idade da 17 annos, a qual foi da
Sr. Dr. Borges ds Fooseca, tem bonito figura, to-
dos os denles, cabellos earapioaoa a roivae, s*p-
pde-se que esteja pela cldade da 011 oda oa pele
Poco, em razio da mi ser lavadeira oeste logar,
6 urna preta forra, da Costa, loveu chapeo do mi-
tro pardo e paleto! lambem pardo : quem o pa-
gar pode levar roa do' Hospfcis a. 6, ose de
Ignacio Luiz de Brilo.Taborda, que ser recom-
pensado.
Fugio ao dia 20 do correnta do bordo do
patacho cCapuam, o eseravo crioalo mariohei-
ro de nome Antonio, idade 19 anaos pooco mais
oa menos, altara regalar, rosto comprido o coa
alguns signses de bexigss, levou calja camisa
azul : quem o pegar leve-o a* eecripioriu do
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo a> C rosa da
Cruz n. 1, ou a bordo do dito patacho que sari
gensrossmente recompensado.
1001000
qaempegar
D. Pedro V
ou
O Moo VelhOo
Drama em 5 actos
POR
Francisco Gaudencio Sabbas
da Costa,
Autor do drama
Francisco II oa a llberda-
de da Italia.
Bata obra contera es melbores episodios da
vida do llluattadu monsrebs o Sr. D. Podro V, da
Srotfosa memoris, o digas de pessutr-se : vea-f
e-se na livrsris eeooomic, ra do Crespo d. 2,
cada extmplar s IfOOO r.
Di-se s grslincs;so da lOOf a
eseravo Maneo 1 cooaoddo por
cujo eseravo do abala* an
mes seguinles: cor malslo,
bellos csrspiobos, a* deas do*tas
frente graodes, roclo comprido,
muito espigado, ntuito desasa
bem faito de pea a mioa, dls que
de alfaiaie, sste eseravo foi 1'
coronel Beruord* Aatoaio A*
oogenho do Bruto, a*
do o criado muito
toado sMo veodido
la Baptiosn o* Asa toldo
sado a fugio no dio 16 do
cravo ja eateve fgido
ta, para aa bandee di
ribo a vnba vooder
qae foi pegsd* a* roa da Gato aoa asa*
docarvao, osoito o oaaoor ama i
o neme e que a* mtitoto d* torro
aa ton todas poiteieos aa
praheoaao do dito aornve,
fies com a qaaatta eosma a asm *
der ooticia corto M
ia protesto cootra as
todo.
Fugio s 97 de
me Alfonso, de loado de 11
sismes soguintas:
naris chslo, boosa
bol* crespa, cariada
* rnsoe regalares, o tasa a
a foi v Pttido do ca'
dapoiee, deaeoofis-s* toe
o pagar leve-o Urna dos
rasompensado.
raa*MM*:em**a
a. 39, aja smof
X
I

/
/


PUMO DE PBWAMBGO, QtJ.TJ.TA fBl*\ DI 4B81L D 116.
Litteratura.

DocumeuUs inditos par^a historia de
Penumtaco.
(C0OIOBg0.)
1.* faltidade. **
Diz Vmc. que reeebeu por tu de Manoel Car-
valho de Medeiros, urna mensa/;em da prega de
Perasmbuco, para ir revelar ao | enera 1 da capi-
tana a aupposta conjuragio. Se Vmc. chima
praga o ajuntaniento de logislaj, e lguns poucos
dos mais insignificantes negociantes, que com
Vmc. e os olliciaes generae, lireram repetidos e
occullos conventculo nai lojai de Manoel Cae-
tao de Pinbo e Mondonga e de Franciico
Luiz Morein, e na botica de Antonio Pedro das
Heve, alm de deifigurarem e corirem de
negro, at ai at-gde. mais innocentes dos miseros
Pernambucanos, enlaose exprise Vmc. confor-
me a verdade. Mas por Deus Juem jamis as-
nm denominla ama farragem di chatios e mas-
cates, com eiclusio dos negociantes de maior res-
peito, ji pela sna probidade, j pelos seus cabe-
daei? Diga entraram na men; era os respeta-
reis Bento Jos da Costa, Aotonio Marques da
Coala Soares, Congelo Joa da S iva Lisboa, Gre-
gorio da Silva Reg, Maooel Rodrigues de Aguiar,
Joaquim Jos Mendes. Jos Jaaiiuim Jorge Gon-
aIvs, Antonio da Silva & C, Simao de Souza,
Aotonio de Queiroz Fonsaca. Aotonio Jos Fer-
reira da Silva, e al Jos Joaquini Jorge To
Joio da Silva Reg, Joaquim Antonio Coocalves
de Oliveira, Andr Alves da Silva, Elias Colho
Cintra, Joo Francisco Ctrneiro Minteiro. Jos
de Oliveira Ramos, que seria bogo enumerar T
Fico que nao chegar a sua ousidia a asseverar
o qoe taolas testemuohas desmcotitio um vez
quasi todos elles sao anda vivos, e apesar de el'
guma ridicula rivalidade, nao ccnsenliro que os
seus nomes passem enxovalhadot i posteridade
nem quererio sujeitar-ae a assc carar por amor
de Vmc, a colera daquelle que ve os fundos dos
corages, pesa a ouro e fio as icgoes humanas,
be pon a mor parte, e de mala p< so da praga de
Pernambaco, nao eotrou na mecsagem, ou antes
conloio para a parda dos Peroi mbucanos, com
que face, com que consciencia su abalanza Vmc.
a aflirma-lo perante o Exm. geot ral da capitana
2.* faltidade.
Queixa-se Vme. que a ana casa, na noite do dia
b para 7 foi invadida a forga armada, por vinle e
tantos bomens, que Vmc. segundo o seu costume,
Jioora com o nomede assassinos. Que provastem
para dar o nome de asssaasinos a urna patrulha
commandada por um official de graduarlo e fa-
milia respeitavel que nada mais fez do que cor-
rer a sua casa, e buscar prende-1 o, e que leve o
cuidado de tratar com a maior decencia a sua
mulher casi ? Nenburaa cert mente, mu que
o desejo de fazer amerciarem-te da sua sortt
inventando perigos sonhadoi e alelando com no-
mes arbitrarios, e nao merecidos, os seus presu-
midos perseguidores. Pode admirar-te em ver-
dade, que teodo sido Vms. o lotefogo de Per-
nambuco, e urna das primeiras causas das suas
desgranas, aquellos a quem ti.iha laucado no
abysmo, psrtendessem apoderar se de sua pessoa
e pela sua prisao tirar-lhe os meios de anda Ibes
fazer mais mal I
Todo o procedimenlo dos amotinados foi o
mais natural e o que se pasma a moderacao
com que se conduziu a patrulha nandada a pren-
de-lo, e islo s de aobejo pira convencer de
falsa e injusta a qualiiade de aiaaisino que to
liberalmente lhes altribue. H
los jaogadeire. na raia de PUiaab. fei casual-
mente encontrado na basca qoe ^feriara de Do-
mingo Rodrigue dos P.sso, callosos em or-
dem algamado gteroo prortiorlo, e d'ahi a ro-
gos seui. conduzldo por Joaquim Manoel Ctroet-
ro di Oaah que abi se achara para a casa da
padre Francisco Vax, no eogenho dt Misericordia
ontre neos. am sia plena liberdide. sem guarda
nem vigi, esperando o resaltado de seas offere-
cimentos ao gorerao. Ora >ode chamar-ae pri-
sao a hospedagem que lb f.ria um digno eccle-
aiaalico que em nada lbaimpeciaoa movimentos.
nem Ibe eslorvara as acedes ; ao menos n&o
esta a idea que tem-se de pristo.
7. faltidade.
E pasmoso o modo porque Vmc. se contradiz
sobre os effeitoa qne diz fez nos nimos do go-
verno provisorio a noticia da ana retengio ; no
mesmo momento applaudem com vivaa, e ee re-
gozijam de poderom prestea devorar a presa, e
no mesmo momento com a simples ligio da ana
carta as algazarraa de prazer traoimudam-se em
pranto de ternura.
Que orador se perden em Vmc. ; que efficaz
forca foi a da sita carta 1 Sem oa aocorros dos
gestos, e da pronuncia, parte que Demostbenes
contemplara pela primeira da eloqaenci, urna
so carta lida por pessoas que Ihe eram desafec-
tas, tem mais effeito que o arraeosdo de Cicero
para srrancar Ligario colera de Cesar I Com
mais facilidade do que o orador de
Vme. meemosabe que nunca recebe oTdem su-
perior para ser assessor do juiz da polica, e ajee
o seus eerrigos prestido* a eise em pregado fo-
rera eapoatsneos. O goferudor nro^ttrtf. qe
exiate, e aa da., pessoas qu. .srialUm *r or-
den aa sessoes e o juiz da poUclt eomprovam o
.E?-.no 1,iUBr. prenotando-*.
e durldando o governo se a devia exacotar por
nao postuir o poder judiciario, fleou por*
Uto retido o frade, ate crear-.e aTtS
ppellac&ea que defacto crearam, mi* vio/lio
entrn em funegSe, por se furUrom a tito es
membros nomeados. ^^^
MAcBLent?DC.' Di0 ,oi,ra**d'. nem conservada
na retiradr doa rebeldes, ao mesmo lempo em
iqhUfteniCTBmlram.nV,!,()S ""roa, papis, e se
Ihe nao voltaram mais faltos a despichar, nio foi
por d.sconQanca qa. de Vmc. coebe.m. ou
gorerno. ou o juiz d. polica, ma ,|m poroio
Btw,o/0> fe.to, que decidir. E' lacrirel que o
/' Ci ,he '' o eonhado debate, nao
J""10'" i""?, como porque aenJo pre-
so no da SI. e s pdenlo te-lo Ti.to oo dia 20
em que sereslaurou oRecife. no meio da confu-
so natural em aemelbantes circumslancias, nio
Ihe poda sobrar lempo para enlrete-lo de mie-
flaraar. ao, ^^MmaT^Sf. 5^"c o *mtfltiSS? SBrASfafi!
ambicioaos de Feppe. converle Vmc. lobo, rai- eoumear e ,mq Vm. to?*U 2 Z Kift'i
vosos em m.y.o.o, homens, .b.l.nc.ndo-.e s- s.cceJido': sobeja porenT S JS" fi.1*
mente a resistir forca de emoco os coraces pre-me dar um corto ponm verirtir8"J"S"
impederDidoa de Domingos Jos Martina, e padre sua conducta, ante, do moim din. ^fu !
Joao Ribeiro, os qu.e. comtudo porfim nio po- e.pero fazer- he ver que nioft o ol* 2
deram deixar de abrandar-ae. Baata porem de dirige a penoa. Maluere^as Lit x E" m.e
zombaria. o/.co que todo o aeu cooto de fa- dade froslr.da, mTSSVldiSSSS1, "i*
da. nao existi. sua carta foi lida com sisudez, baseado, sobre *ruina era? ftJ,,"enl 8'nda
conheceu-se que Vmc, nio teria feto M nao a' mtmiWJSS^S^SSSSVSlS.
oa obng.gao, e.tar convencido da verdade sa, de Luiz kutoioSmiMai^^'^0'
da pretendida con.piracio, duTido.-.e sement ttadre SS^tS^STSM **
da pureza do seu. motiTos, mas aisentarsm ser existam despresiTeis rivalidades nfii '1 e
nobrezaonoesmerilha-los. apez.r di.so pare- gaezes europeo^ re.f,Lie ^ m Pern.mVur I
ferVi 8ne-frme P;u<,eoei?' 8 b0 Plili" re" Portaguezes d.ifo *d^Teatecme afo
lerem-no por emqaauto. e nao o expon me.- gaear o. animo* e exaaarar inS...?
mo 4 Tiogang. de inimigos que o aborreciam. marcha a que elle, SnKriW<> '
Esta opiniio foi geral, ninguem a contr.disse. nha todVo que prectMTa Sa 3.t!n,?.'0n? *
emeopa que todos o padre Joo Ribeiro. qu mes de outrem par* a? ?edlT .*" ?'**
bem criminoso, e ataseado no lameiro da reVoita, t tuna. C edlflci sua Of-
cooserrou no meio da reTolugo, os costumes Tal foi causa das aaaoriira .... i--
doce,, e carcter suave e melgo que sempre o da- mencionada. Infezmote 'm,. ,0,,!,"elJ,a
Un.... E' TiToum il?*** pro- ^BSLTSttAffS^StS
ff l ,0 ,/,ban<>? T*o grande Mr*ic
mA"^ ?* ?oaeriaa:
S* b! *Ta al-r,i v" ni ?ra
. a'} dar.' """Wade e darr.mar o aao-
gn dos ftaiiiios, a eapalhar oa aoiloa e lagri-
n^ILti.11!?' "''"i intira, fazeodo calar por
nae***idde> o* entimento* mais naturaea ao aeu
real coracio. Sem Vmc. nio se teria
e agolado
*H.Ia' ,pm' nem ProinO' ?Ju entr.8 BrP'" e naturaes, nem se
terlim semeado nos espiritos, rescentimentos. e
odios, que a consumada prudencia e boadade
de um governo, justo e paternal virio acabo de
extrp.r. Mas oio ero fazer-lhe encarar por
mais lempo o quadro das sua, loucas aeces, e
dos seas effeitos, sobre a felicdsde publica. t0.
w""?* "lo entregue auaa reezoes: o
o
ho-
"sono, e multa, das pessoa! que aarisliam por da intriga, fez melade dr.mtX n lorcicol*
que
3. 4. e 5.a faltidades.
Continua Vmc. a sua narragi... a avanga H
e publicara no da 7 urna amniatia, e qoe com-
tudo fra a sua cabega proclamada no campo do
Erario por Domingos Theolonio I prego de aeis-
centos mil reis, e posta de aedesso sendo mili-
tar o que o matease, e que na n esma no.te fdra
a sna casa atacada. 7
Em todas estas tres cousss fal ou Vmc. ver-
dad?;
! O governo rebelde nunca rublicou amnis-
ta alguma. Amniatia o perdD, acto de es-
quecimeoto dos crimes commet.idos, dados por
um goveroo soberano aos seus subditos : suo-
poe existencia anterior de governo ; os amoti-
nados s no dia 7 dataram sua segiranga pol -
tica qaando empurrado, pela to-rente ds acon-
tecimentos. e cuidando ser aque le o uniTo meio
o !V .fia0' ,e er'8>rm em governo provisorio.
tnSL r,1BDse' 18no o touvessem. eram
.pm J2 ""I"- t?remais elles nun" olharam.
das leu m..lh.ar Vmt- C1n, "'I"" fce
M lei, mas sim como um hom naao, e moralmenta impiouo, aoore quem porem
as le, ordinarias nio linbsm p|;a.
O facto que nunca honra an oistia publicada
por acto algum do governo, proclamagao ou b.n-
do e que o governo provi.orio, no que s cui-
dou depois de installado, fot en reatabelecer a
tranquillidade fazendo que cada um roltasse s
suas antigs oceupages.
V E' aec'damenle falso, que fosse procla-
mada a sua cabega, Vmc. sabe e nunca aposen-
tar o testemunho de urna s pessoa de crdito
das que se acharam naquelle d a no campo d
trario. Accresce a impossibilidade da que s
obre Vmc. cantase a excepgio, e nao fossem con-
templado,, Manoel Carvalho de Medeiros, Luiz
Antonio SainarMoscoso, e outros, que os amo-
tinados nao desconheciam seren os princiaaea
motinadores de seus miles. E cjmo combina-
re! tanta sanha, avista do modo ioce, com que o
tratavam depois de preso. O furor devia anda
ourar aua chegada, nem lol>os como Vmc.
pinta os amotinados perdem a fjreza n'um Ins-
tante.
3.* E" da mesma estofa da* duaa primeiras aa-
aergoes o ataque da sua casa no da 8, nao ha pes-
soa slguma que ignore, que oa anotinadoa depoi*
fle7, oio peraeguiram a ninguen e queso o de-
sejo que tem Vmc. de carregai a pintura doa
seus riscos, para excitar a compaixio do publico,
o debaixo deaia egida escapar i raaponsabilidad
a que o sugeila a sua conducta, bi que o obrigoo
a publicar entidades, dividiodo en dous o s ata-
que do da 6.
_ 6* faltidade.
Desflgora Vmc. p facto da aui prisio de um
modo que Ihe nao faz honra : sabido que fu-
gindo Vmc, e aendo roabsdo, e abandonado pe-
> que digo
8.a faltidade.
Continua Vmc. em falsificar os factoa, e altri-
bue a ai cousaa em que nunca tirara parte. O
sargento-mr Jos do Reg Barros tramara com
Joao Francisco Caroeiro Mooteiro, entregar a for-
taleza do Brum, iodubilavel, mas falso que o
agente dessa negocigao fosse Beroardioo de tal,
que por sna vi. faliava ao dito sargento-mr. O
medianeiro desse projecto era o preto Maooel
Antonio, era ajudaole ao regiment novo de Hen-
nques, e entao capitao de cagadores negros, qne
estava na guacnigao da dita fortaleza, e que ti-
nha com o mencionado Joo Francisco religos
como agente que era dalle.
E' de eguallalsidide o plano de molhar a pol-1 tnha*rra*tdo
I?"vl.ma,".?-C?Immani?8r-le d8 lilharia,_em !l. em poder ae
alteza de crimioabil-
goagem foram erguidos
dade.
pJhi?!l'nt,,T mMr" qa tloha parte
r?t. rt9 10'eDlado a Sa mercantil,
limar... I8,*0 5en,ral,da aPi". cuja indo-!
i?.m "S6 era-lhe b8,n notoria Coota
funda .eU,.,>-d,,He al.aobre a soa Ptobid.de.
an:ra0-!o:,ee.erzl-o'e<,,?a0' C00MgU9 em fl
r.ff-Sl -s e' aeiradoa conseihos, e loa-
6 de m.rc5oea,VeD,a de,ra'ado **
ra S2' ?c* q"9Im a eonc'encia clama-
Ll,lTn aUlo da ,i0 Mnd0 desventura,
M P JS.S^"-*0** attilhoado Plos remor-
m, e recu.ndo. a re.cgao dos offenddos, qne
ao abysmo da involuntaria revol-
que Vme. diz ter do parte"cb" Vp^^'m^m^^^J^L^^^j}^ doa
nlzio. Como condiz islo com a sua conhecida co- parordo neC0MUara,a conducta, foge es-
Jimi"va,e c00,a"da Pr \mc- m.n>> Quem I Abandonado na praia do Pitimb .....
como Vmc. estara em continuo tremor, quem ae 'do por aca.o, no retiro em Viii, .. le,DCOnlra-
dar por morto a cada reboligo. como se reres- corre a pro occ&o a!Z5St u."U\V' r-8"
tiu de repente da precisa coragem p.r. conspira- da Canhaquo o.briM lran,of, n l?"
'L Como foi sobranceiro ao risco inminente'gar, n*nmin^ttln!XnJ!.*}H"n~
de rida ? E' incrrel a metamorphose. salvo se Ilegitimo d ^PeTnambuco dfi. i gS*'a0
o sacramento da penitencia com que s. preparo* car! Vmc. com choradeir' l w" \ ^V
n.,u.fga calgou de triplica agu aeu &S ,.. receia seS $' S$ *
9 a fahidad, n neIn?.oece"'dd aa adhe.io aos princi-
. ratdade. pos polticos, que os reroltosos s por neceas -
-.osoante ao seu r/irrl..r I- dnit* li.k.n .l.i____.. ""?"". eu.pur uece.si-
tribue
Jara obrar Vmc. cooso.nte a'o seu carcter at- dade lioham Hm^rSE&Z*7SEZ
- intervengio do deao de cia com Ignorar"q oHa tZ2ZZ TtiZZSl
Olinda, cuja generoiidade n>W ...^.^^ au ?..^r_4> eiiea lenaeasem liberdide
de desbotar com
a sua soltura
'"8vVme-rfiiera- ,89 esle ecclesiastico sabia do buac.r pruo^ pelo ^hdu pJrn, T.A -.d
noqran^nm.C|feI.e^a-imp0Ssi7e, quo lon,a38 "^MM?UMfUUV
Ztt&Sff^B&S^*** SlfSJN Cinco Fonufriell '
tura, asstm com
na fortaleza do
FOLHETIM
O P4IZ DO NBDO O
POR
A. DE GONDRECdRT.
(Costume- dos nmades.)
SEGUNDA PARTE.
(Cootinuago.J
XIV
Em quinto Brahim e Slamia < bedeciam aa or-
deni de eu pao, este entreliahi-se com osea
socio (jhrellab n'ona conreraago, cajo* ponto*
principie* julgimoi conveniente reproduzir, por
isso que podem dar ao leitor altana idea sobre
os aodicoo* projecto* de Franctaco Klein.
Muito bem I xclimou eati ultimo apena*
se nu a s, cora o seu amigo a j>gando-ae indo-
lentenente sobre una espade le dirn coberto
de ricos la petes. Cada re te el< tras niis na ni-
nha eiiimi, meu caro bario; pois que ioubete
crear pira ti urna exirteocii deSUrap* neste pait
terrirel en que o Manan nada i orla, se nio do-
minaste a natureza. Tirante o pe der de fazer con
que a agua brotaste aestaa aru irdentei, rebee-
taaaan aa berra*, aaacesaon a craeceasem a ar-
rores, an anana abrieeen aa i torea: mandute
conatrair un palacio, aobtlia-lo aon todo ogoa-
to, e prov.relnoate ha de aar i airilisador dea-
te paites. Dou-te, portante, i teneos psrabeos.
Porn diz-meatn reboca taris porrentura
cansado desta noeea ridaeoirago a, loria saudade
do nosao pistado que rae loaaa ?
Eal E porque?
O panado baba tamban u *u l*do*bom,
onfaaaamaa lata aqu entre aos,
Sent* falta do tea b**tio eacola do men-
xissasr *"-***
Bsmo temao* nem por iaso foram tio miui,
a ou seria injusto te deMonhaceme alguna gozoa
Msanaoiiato: antea
neodicidade, ... do crma ft i an dot dito'aos
da trra; pooaui naito aro, empregaei oa
~"n Vla IHarto n. 92. .
de que ^tW, ialf- d.V.V0"p."p...VportV q'ue'en3!.%:
Rr. rem5So- homen.gem qaeio nio pode ter effeito. I re^uerendo Vmc
a siira de quem se fui valer namnia p._ '
quem se foi raler seu prente Fran-
cisco Aotuuiu ue UUVelia Vui .Uh u Mena
Labega, fez que os goveroadores provisorios an-
nuissem a acelerar a sua lib.rdade que s por
motivo, poltico, retardava. Se o deao de Olin-
da tere parte neste negocio, seria somente por
ra da familia de Benlo Jos da Costa, pois que copiadas.
Domingos Jos Martin, que foi dos goreroado- I Foi emftm no dia 6 de maio tollo n !< .
^t.^U?ma,S TU,ade m0,lf0" ". di- KT8"o Pto o ir.m0 d fideUd.de a
rectamente nem apparecen em aeu faror. e nem cou incumbido da edaccio de una aautai a.
C 5vJS,,.*,M8 laBpo nao mi,0 8e8S6es fnaz?pdde ex9tB,,r' ^BmVJSSuS
*.ni chamada "0 berai pela, pequea.
V !.?M em ,e,u DOme Preentou o gorer-
n. JHS**1 \mo capi,a Maooel de Aaoredo do
^..cimento, aa quaea existem, e no &m irao
10 a 11.a e 1 J.a falsidadet. i, tTZ P' Rm a "ua "'". pretando-se a
Amootda Vmc. s no. 9.a a 10 'da sua car-' reroli!S!& P'" int? d,a eaPilu>?ao que os
|. tres r.laidad... e afirma 1.a que sendo sollo, I re, e o iS.rai &&> eoo^i\< "
Ihe encommend.ra o gorerno prorisorio. umlidV&tll^%t^^?k^\namMl Carla
carta sobre a repblica, e a redaccio da nazeta Mal ., f* L**?"* Lobo.coo> eria aucce-
V qe de.pach.ra como ae,,or d'o jal poli I. ?01, que o alieZt'ZV?^ i' ins'8ente.
ca de ordem superior: 3 a que da, re, senten-: nlmili dito marechal j o tinha tratado con
que dera nessa qualidade" ura. *ob?e umT.l I A rifta de. m.^h. ~U "rl*oneiro,-
fre Bento, teado antea harid grande debate en aa. m. ni .hk .0ria qua Tan,a8em a Vmc
ira o. Des. Antonio Crio, e Cid.., segundo lh, S ^SS^^Sf?VP**"**** can,
referir esta Dr. Caldas, depois da reit.uracao.(ih oTI..,.? *" IW" cou.a que ae
tora aflnal ra.gada. e o frade retido, eque dh que .e ?he L ^t. poar,eerl0' offerea o
en dlante nao Ihe roltaram mais feits para des-' Zl mJ?JSbL*2 des?r"er da "r
pachar. Detflguroa.Vmc. a rerdade no primeiro t0, Par. nu fina "" a '5"-8 ***
rrogando-ae du.aj commi,6es : 0Pfacto I engos e anJ Vmc S? &&*"-***
de -d.r Vrac. na aala do gorerno. ?,"; ?flS'd ri'deM,"?
adhesao. se .he encommendo; a | uTBJffJLXSSJ^
oxtremar-e da nassa geral
justiga em o por ao nirei doa mis. Cuidar
caso
que depois
juramento de
redaegio da gazeta pelo dito gorerno, e ae Ihe
enou. que visto as nolicia. nao poderam en-
Qual foi
homa sempre foi o maior inimigo i
mem.
o ator?tta,"ral ei*m9 d* fundamen,o 1
O Ia fundamento ambiguo, e mo.tra seu
P.ouco. conhecimento de aotbropotoiia. A
vida tun inslincto naturalnao quer dizsr na-
dao amor da rida aeolimento natural, com-
prehende-ae bem ; maa chamar instlncto, con-
fusao de ideas; in,tinelo faculdade com razio,
e a guia dos animaes, como a razio do, ho-
men,; dizer poia que a rida instincto, dizer
2?e p.fl.da aa.t direito natural dirioo e positiro.A ex-
pressao ambigua, po Je significar ou que os
arenos nos ordenara que riramos, ou que o.s
amansara a rida. Era ambos os sentido, falta
a universal; as leis diriaas, naturaes e huma-
nas, iim nos mindim rirer, quindo com a noasa
viaa se promove o suprimo bem. mu timbera
nos preterevem a morte. quaodo com ella avan-
gamos ao bem geral. Ai meamaa lea no 01-
angn as rida inpondo ao nais horneo o
dever negativo de nao no-la tiraren, qaando o
o.m da sociedade o que perteocemo, e o da ha-
manidade era geral lucra niaso. na* ellas mesmo
nos rectifican a sua proteccao, e ordenam a
nossa morle. se ella pode ervir para o adianta-
meoto e perfeigao geral.
mlu f1dai?aol. Par,e da act0 e pi "
dlreilo, tambera falao, e nao o aatorisa como
piusa. Se por fugir e ser preao, f.zendo nisto
como er o sea derer. o que queslo. legiti-
masse toda a sua conducta posterior, poropposta
que fosse aoa aaua dereres. teamos o absurdo
principio, que basta oo comego obrar bem, e
pode-so depoi, obrar mal sem rasponsahilidade.
no que creio Vm. nao concordar.
O 3 fundamento de eterna rerdade, onde ha
forga desapparece a libirdade, e por conseguinle
a imputagao, mas adrirla Vmc, que a forga mo-
ral, ou de coragdo nao anniquilla o lirre arbi-
trio; resla-lhe a escolha de resistir, e poda bem
preferir a morle ao abaodooo das auaa obriga-
goss. Nem de outra man.ira se extremaram oa
grandes homens os Leonila,, os de Assas. os
Martins de Freitas.
O 4a fund ment a repitigio do 3.
f i fundamento em parte rago, e em parte
talso. Todos os horneo* esli entregues a Deus,
e nisto nao se differenca Vmc. dos mais. E'
falso que eatiresse entregue aos seus inimigos: e
nenbum conceito que aempre formaram da* suas
[acuidades mentaes, e morae, fez sempre olha-lo
como abaixoydo odio. E' carto qua estar s
entregue a si, e nio podi, aitar entregue em
peores mao.
O 6a fundam.nto, falso que *e reduzsse
este estado por Sua M.gestade qu.ndo lirre, isto
uppoe que antea de obrar preresse Sua Msg.s-
tade, ou Ihe occorratsem ot risco, da sua fortu-
na, se assim fosse, fico com quaotos o conhecem
que nio dara patso algum que o compromet-
tesse, e o que depois obrou comprora o que
affirmo. H
O 7a fundamento inegavel, mas nunca pode
ser utado como meio juttlflcalivo maa s atte-
nuante.
O 8, que a* lis dormem algunas rezo, e
callara-,a sempre entre as armas, sentenga com-
mam, e que nio sei como Ihe aproreite, melhor
soara na bocea doi chefes da forga armada, para
desculpar algum acto riolento do poder, que at
leu deiapproratsem.
O 9a. Nioguem pode segurar que a su norte
teja sempre intil i causa publica, as violencia,
ae um governo, alienara o, animo, do povo, e
fazem que este o deseje arruinar, e o poro que
seriamente deseja, quasi sempre cootegue. o qae
O 10a fundamento nao tem objeego contra
Oi M fundaineulu 6 appilc.iisu da 10, o foUo,
endo tomado aem excepgio, pois s tem rigor
no ca.o, em que ao militar fica i su derAipcao
oorar como entender, o que aa mais das rezes nao
succede; quem mandado defender um posto
dere eu,ienla-lo, e morrer nelle, aem Ihe com-
petir indagar ae seria melhor larga-lo, e salrar a
rida para tempo mais opportuoo.
O l fundamento, inegarel que o m.rtyrio
mesmo aenao dere procurar indiscretamente, e
que a egreja, nao dere recoohecer em tal caso
sernelhjntes martyres.
Mas adrirta prineiro que falso que a egreja
nao tenha recoohecido narlyres que o foran or
indiscretos, misler que Vma. nenhuma licao
lenha da historia ecdesiastiea, e dos martyrolo-
gicos. basta-lhe por ora un Sao Policulo, cuja
historia pode rer en Sureos, e que ao menos
por compor a fbula de urna das pessoas celebres
do grande Corneile, nao deria escapar-lhe. Do
mesmo teor sio maitos outros. Segundo para se
chimir mirlyres indiscreto, era preciso que o
martyr fosse elle mesmo prorocar a morte, po-
dendo erita-la, aem perigo da f que profeaaa-
ja. quindo porm ae exigase dalle a riolago
oa. suas promes.as e abnegagio dos principios ds
tus religiio, deri, sempre deipresar a rida para
o 6 ser boco. Dirersi. sao as bitolas per ue ae raedera
Certo asacgoeem un aso. 'outro. nio ondenno
pol como t, os que por prudencia ae deran a
inpeluoaa torrate da rerolugio, que nunca ro-
conheceu barreiraa, nem obstculos, censuro sim
a tmpropriedade com que Vmc. buscou, pan
eeorar-M, um principio ioappUcarel ao pr-
seme caso, e que em rez de preetir-lhe auxilio
O rruinaTs.
Qt3 fan lamento falso am todo lie, e delle
ainrar-e-hiam at mais peroiciosis cooaequan-
cias. Sena criminoso o gsaeroso aentioelia que
surprehendidu pelo inimigo aatepde a rida qee
este Ihe concede para que nao grite: acumpri-
mento do seu dever grita, e aira oa sea* mi-
radas, e cabe traipassado. Que seria de leu a-
me, bravo capillo do regiment de Auregne in-
trpido de Assas com aimithante principio 1 Te-
ria dando a tua respeitavel familia, ,6 a leu o-
ra* o *o,do, que por aeculo* goaou at o siso fe-
mtnino ? Nao por certo : quera ae deixa matar
en campamento das suaa obrigige, bem que
o poasa evitar. nane. foi taiaftl. : a tanto ao
t. ?me.X,^"gaQci,, ". Ma qusndo
i.i ;fuada(n,at0. de eterna f.l.idadequan-
o d? .ffiT B,aterialiSQ"> conduzao.de.pre-
o da vida, o avesso : a creogs de una outra
r da que pode menoa acabar actual : ,e
i.d C "' como VflBt- eonfesta, porque a
Urgir por seu goilo, quen nada mal. e,per. ?
"en menos possoe, mais se agarra ao que tem.
Anda mais eograg.do etcolher Vmc. os apu-
cunstas par. o fazer suicida,, o. apostlos dos
prazes convertidos am precooissdoree da aoiqui-
lacao, e nisiuradoa con o orgalhoso pensador
do Por ico que .pirara a perfeicio imaginaria
de confandir-aa con a grande alma do mundo I
ue dearano I Abra o. ano... da Grecia, e rer
2! ne*",lerra cleaaica. oessa maa de todas as
teit, philosophicaa nio eran raro os suicidios,
e ae eram frequantea entre oa Romano,, deve-
h7. f caraclar Porlieadar. e eaUdo da socie-
dade eotra este poro rei.
O 15a fuodamento. em

1
II
que responde aos ex-
emplos de Catao e Bruto, qae com tanto decoro
compara cora a tua metquinhez, nio deixa po-
rn de ser rerdadeiro. O suicidio indabilarel-
n.rnll e.SeUsar'UeQlas a circurastanci*,
t'..!^" Jenha(a dea.rro,oado. o
que o, ten atacado ; certo qae em qu.nto o
!W 1 .ledo de .ua, pait.. ..,!
Z ni!''"""o roragem da eternida-
aa&&Z P.,0:ar' 6 l"Potirl q-e a faga
era qua a Prondeocia o colloeou, nao pode fur-
""!?, a,u "" in*l*S p"a perfeigo,raeoto proporcio-
oa ff hU0,ana' d9 1Q9 era n,81D'ro. o
So?BilB-M 0t,r,gaa iodiaPe"a'a> da
O 16 fundamento
achara desmentidos.
otro?--"6a---- egu.ilmenta f>ao. como
consta de fictos que j se
quasi todos : acharam-ae alguna em
! f'r,CU[nlacias, e obraram differentemente.
".,od de*corogoaram : a coragem era di-
JfmVn'i "r"ffl",e tXm todo,a f0f? osseonte-
cimentos, e aguardaran no fundo d'alma aem-
pre ardeudo o fogo vital da Qdeiidade para a aeu
tempo o des.nrolrerem com maisbrilho.
O seu fundamento 18a errneo, licito ma-
rUJt ***.***& alando da outro modo nao
podemos .airar a rfda nao porm licito ja-
5ftH&*mm r?pe,,ir raude c fde a
ntJ tas!,d,da i"8 logltin* o primeiro acto, nao
nao se d no segundo.
n.Pa? 19 ["ndamen">. oo antea exclamiglo
patentea a nenhuma liberdade, doa seus princi-
pios, e generosidade do seu coragio. Desejar
que Perece e direito quando nao Ihe fosse licito
salvar a vida, qae se extiogam aa leis, que en-
insam as paixoes e dirigem as aeges ao airo do
maior bem s por que nio ralem a um annel da
rasta cadeiasocai,que|egoismol Igoora porreutu-
i*? E**. Nmi Iwatcaa
Cidadio son* ido*.
E i potria offoraeanea
Malhere. filhoa ...ridos,
Oh braros Perambaeo.
Exemplo. doee prineiro,
Asama,a*arMotaaa
Geawrosoa Braailekoe.
1?
Venhan os tigraa da nudo
Veohan da Europa o, led*.
Temos ralorosao brago*
Magoaaimo, coraeea.
V
Troveje o raio da guerra
Corra o a.ngue p| chao
Aos sros roen os neabro,
P. S.-O anor da rerdade pode k.ja do recti-
ficar o engao n qaa liaba cabida, por nal la-
formado. Eu Uaha araacado como ama d.s J.
til fac hdadea auaa.qae Vmc. nao recabara i
do gorerno para aar oasoaaor do ioii da
con razio, por nio te ter tratado en
lemelhiote materia, na. canpre-ne r*
a i que retobeo arden pora i.to da aaasasaria i ea-
a -dre Miguel Joaqain deAlneida Caotro. atoan
Mi qoe aoaaalhaoio dacanaato xiata aaTnaoo
f?aaJ5ada' a Uu a orlsedo do gorot
Ibe nio ordenar, o aacreror ao jais da
daa,cari.* exLteat*. aa eaie Jtvmt
ra, recheadaa do naaiapaa ioeadiri.,
aos .... prineipioe a awc reta., o ,
nio maodeu e meooo dtoloo oa tai
Iroogoea que Vme. raaattoa a aaav
ucriptaa oo aspirito da Toacbae a SamleJrL,
e elle liretee a barbaridad de iiazkM m7
ri. Pero trabuco oo .aune doa smid*ij_ a>
el-rei. ^
IUm, Sr. Jo ti Pedro im Cotia **--
Tendo-me rindo j.ioa. oearial e iacrirel
cumpra-te, qoe V. S. pez en oa procelaria m
por mira Ibe foi dirigida, radlei por alaan toai-
po ae ihe mereca dar aa aoracidas pala
cono a croanga boligoaa e nal cr.ad, a i
lo da taa ignorancia o grossarie, oa oa
calar-rae, para nio nedir-no con lia 4
rol campeio. En faror do Meado estara'7at-
ona dignidade litteraria que parda da tabaja en-
trando em liga cootra caralleiro lia oov.l
mai certeza que V. S. een qoe eu o aootre a
nedio e lito do seu ..pecio, a con vaso o oo*
da sua fronte, p.teolei. o vaste da sa* abac i
quem tenha ainla a mai. .aperad.I aoeaataa
regra. de Larater a da Cali. A deceoci. aoraa
ea ju3tia, me clamavam que nj devia eixar
impune eu de,ma*cardo ardimaoto, ooobrataaa
a caridade me instigara a mostrar-1 be o* sea
roa, e a acomelha-lo a nio ae abalaaear a
prezas para que nio feto. Sobropajon
tao santo, derer a lod.a as conaideracoeo
pato a analysar o aeu cerebrioo detpacho.'
AQirm* V. S. redoodamootc ao dito apa
eber eos ura papel periodUo, inser,,, Vnc. da- HE FU* ",?1 >
curw obre a naturesa dos diverso, gorernos, e' 'du tllll IV B i,a!l0' que pox reaaU a
-antagen, re,pectf>a, f.zn-1 ftrttSo^S^
enhumasem duri- -conaerrar intacta a alias se por nedo tegirer-
eram, nao tem que sars, e negara, era un ril apostata, separado
, faz-se-lhe tnteir. da communhio dos mais fiis. Applique isto o
IIH Mala I 'aMaJ aoa mmr, L .1 __
dP;e^nK receriPremio,t Que
lho.eri. rUto por Joa Luiz de Heodonga. .-IteS',^
V?rel'ne.Pararel0- Q"a ha da eommBn '"
Vmc. o elle*? Com que Ululo aboc.nha de la-
dos nembroa do gorerno.
Egualmente deafigurada
a 2. n.rragao.
tatitfagio daa mais loucas phanlasias. Tenho
deaie tempo s.udosas recordagea; e hoje que sou
rico como um Romano doabona da, pergenio a
mim meamo ae nio seria prudeota rollar Roma
uto a todaa eisaa oinhariu do nando clrtli**.
do, que anal de contia polen aer rerdadeira
condicao do bem rirer.
Parece-ne qoe sooho, oariodo esta tua lin-
guigen I
E a nim pirecem um sonho aa recordagea
destes ultimoa aonot I
Maa eolio porque guardaste para hoje etlas
toas confidencias, e nio m'as Qzestee hontem.ou
em entro qualquer dia?
Porque bontem diragara eu pelas aras,
n un perfeito Sahara : con os olhos effeitos so
acampamento dos nono* rabe*, ao* tosco, e po-
bres ksour, e i niserarel indigencia que circula
por tqda a parte em naaso imperio, eu tinha de
algum, aorta perdido a nogio do boa viver euro-
peo. Hoje, porm, que tu me recabe n'um rer-
dadeiro caatello, onde a fadrque te obedece ludo
ten transformado con aoa mgica rarioha, nio
para estranhar, antea muito perdaorel que me
venha o capricho de aentlr ai ninhaa delicia, de
outr'ori...
Ioseos.to I exclanou Walter; percebo;
o semblante de urna mulher quo te desperla a
lembraoga deaits delicias imaldigoad** I
Fingido I replicn Klein com alegre zomba-
ria : pois nio .abe. que a mulber ou mal. oa
nano, faz parte de Udo quanto h. do bon ou de
nu neite pobre noodo ? B ji que ne falta ene
elemento do bem do mal, justo...
Qoe to chegue* a desja-lo! Maa para isao
nao ha oecessid.de de recorrer ao pinado. Nao
ettao a ooataa tribus poroida* de nulheres en-
tre ae quaea podea escolher a Ua rontade, poia
ieao permuten a toa fana, rlqaeza, prestigio o
p o,i gao ?
Por V.nus I acho-te multo eograg.do
oe.te ponto. Fase-ne o faror de diser ae por
ero capricho que anda hoje caltiva a memoria
de tua linda prima a baronesa Thereza d'Ana-
tadt ?
r- Mi a* pode amar verdaderamente mala do
qne ana t rez{ wpondea WalUr abalxando a
aboga perturbado.
o preseras qoe no fornocaren o aeu. andrajo*. > "~ Pilata, patarata, meu caro I Podo-aeanar
i da pokraii, da miseria, da ?"ioJ,a"Ua '". aanpre can a neana iince-
ridade, ae quinheaUi nilherea quixer.m dar
ao Irabalho da aeduzir-noa ada umi por sai
Ellas ta condemoando UaUMme; porque
aqol ai pbantatii* do leu coragio o do leu espi-
rito nao sao aujeitas a disciplina alguma; o tu
a Se8"8** "*propheta' irohir-ia poetada
Ditnhr-me, aim; naito bon de dizer-
aaaaayl'S f '*2 que-tenla PPetUe. Ora,
perguato-te eu: o qae sao a* nalhere* daat
Ben res qaa a ninha Slamia...
..T i0 ptoa'8,a a tu 8l*i nio Urca non
SH'.u,a!r0Mmprfepara no* amlo bella
Magdalena de Seelorf ; o nanea linde ler o po-
mu B" r*,ha. orie"' l dourou o seu
aenblante elegante; auaelna ae achaimpregna-
Lne-.oni1a,.dem p0Ma qua reina M dMe*' ;
emfln ella tornou-ae mais seductora, cooaervao-
do sempre o typo da aua raga. Oori-a apena,
fallar; mas o ion da aua roz, a riraeidade da
sua phytionomii, o brilho doneu. olho, e a ele-
gancia do seu g.sio, despertaran-no por fatali-
dafa,rf-cordaS, d nalher chrietaa, a mulher
que foi tio amada da minha mocidade. que eu
procure detettar no* meu dia* de colera o m-
mtropi*, o de qua fugi *am razio, poii que ei,-
-KWf,lro ao aaoecl dM ioon. imi-
gem do ideal n um paz em que o amor nio ion
aenUdo nem idia*...
Neste caso, ioterrompeu WalUr tio sati.fei-
to com o. louvore, prodlgaliudo* a Slamia que
nao penetro a* iotengoes de Fraociaeo ; ocote
caso te coofessas fatigado da rida doa Nonades. e
pensas talrez em atrareasar de norooaaarea?
QuerMasalra rollar para a Europa, para a Suiss.
e a Allem.oha, enfin para a.ses paite*qae aban-
donte com o coragio chelo de odio, tranabor-
dando de raira e de dr, para et.es paizea onde
encontrar, em duridoa mulhtr qoe foi a caos*
de todo* a tuaa rain... o oa horneo qaa te en-
amarara a deepreza-loa o e deaprezar a ti mes-
mo 7... Pobre CaUlina 1 cono U laalimo I Os leus
tarares anootoadoa contra o genero humano dii-
aiparan-ae, cono te distipam no Pait do Modo
essa nuren negra accumulada, por .ateas tem-
pestades : ellas pait am nos ares, obscurecem o
sol, abrem-se para dar pastigem o doui outros
coriseos, o sadeatisem sen despejar ana a gota
d agua. Sid-Ghrellab, terror daa cararaoa, oo-
bre c i r.l (airo, rico donioador, o ybariU orgu-
lboao, nada Un* mudado do quiote eamoapara
el: s aind* a mendigo da Treib I con a diffe-
r.nga da que aotio pedia* eanola a leu migo.
* hoje podo* pis a tena inimigo I
Por Mercurio, filho de Jpiter o den* d* elo-
queocia 1 exclamou Ghrellab rapriaindo an no-
aeu caao, e rjase o aatorisa o fundamento era
quese estribou.
Nao aou porn tio injusto que nio conhega
que o argumento nio do mesmo peso qaando
applicado s obrigacoea polticas, ah se pode, e
mesmo ae dere algunas rezes nascarar op-
oioas, e parecer abrag.r o que ae detesta na es-
peranga de nelhor conjeclura ; isto, o que
Vnc. podn fazer e o qae fizeran en Peroam-
ra que o iodividuo desapparece no to Jo,que a per-
teigao d arte de governar extinguir a uoidade in-
dividual ua multiplicidade aocial ?.Pelizmeote o
aeu roto nao pode aer ourdo; a leis aempre
exi.tiram embora aoffra Vmc, ellas tem seu a-
poio oa aociabilidade inherente especie humj-
na, coetnea ao caao, e que s pode etviecer
quaodo ella tambem desapparece.
Ch.ma por ultimo Vmc. no .eu 20 fundamen-
to sua rida um milagro eridente da Proriden-
cia, e assigna isto como razio, que autorisou o
eu comportameoto. Coofeiso que o nio enteo-
ao : que tem que a su rida fosse, ou nao mila-
nh!-,?.,"/ f.mc*. dever. o nio derer obrar como
oorou r E milagre rirer um bomem, a quem
ninguem quiz matar, um hornera qae nio offreu
e nao urna prisio, e muilo mais doce do que
a aoa mais? Um hornera queie nao impertigou,
2! T,?9 dObrar- dema.iadameote aos uc-
cesaosr m bomem cuja cooscieoci, commoda
nao ae refusou a cumprir com ot seus derero, ?
terto nao tem idea de quo milagre. o ae tem
aigaroa de religiio como alardeia, corra-ae da
pueril presumpgio, cora que d a entender que
a Proridencia ae ioteresta particularnente por
un muero ente.
Eis fiudp o que me tinha proposto. Conren-
ci-o de falto, mostr! o frgil da aoa conducta,
que tanto trabilhou por caooniaar, e ltima-
mente caeio que flz sentir a lerezi das tu as cha-
mad! ratos. S me resta certificar-lha que a
oem nu grado meu aolapei Ihe oa alicercea mo-
vedigoa tonre que construir o edificio da aoa
juiiucagio. Vmc. naopoupou a ninguem, nem
fez escrpulo de Logar mi de tudo, at das
calumnias, com tanto que aerrissem s tuaa
miraa.
Na guerra aa rapreaaliaa sao permitlidia, na*
eu tenho sobeja generoiidade, e respeito a mim
neamo para Ihe imputar conta qu* Vmc. nao
nzesse. A rerdade tem sido aempre a minha es-
trella do norte, ei* por qae ainda meassigno
Sea veneradorPhilatellit.
rimento de clera. Pallas admirarelmente ban,
quando querea : comtudo, pego-te que attenda
a qae, ae eu fiz alguma, observages retpeito
do meu plisado, tu foate culpado diaio. Ha quin
ze annoa que percorro as arfiaa qua habito de-
balxo de urna tanda, e que nio rejo um i dot
espectculos que ae tioham habituado o* olhoa
aa minha noctdade : eis que de repente trans-
porl**-ne para um palacio onde rejo urna joTen,
cuja belleza deslumbradora enrergonha na terri
o Paraizo de Mahonel. Esaa joreo ehriitia,
veiu do paiz que eo abandone! talrez aen razio,
eisto faz-me oascar o desejo de rollar elle :
nada mais natural para um bomem himeneo
como eu I Hoje grande no deterto, poderei ser
amanhaa, se til fr a minha phaata.ia, plebeu
em %"[' ou ,m s- Peter.burgo. O que tena com
tttor Crearte para ti urna exiitencia esplendida,
com oma companhia que te causa prazer, pois
que nao tena remoraos : nesta joren, violenta-
mente arrancada sos bragos de sua mi, encarta
duaa mulhere ; Magdalena o retrato rlro de
Theresa d Amttadt, sa bem que mais embellecido
anda. Tua feroz ptixio pela mi ae farta in-
eeaeentemenie na contemplaglo da filba. e como
8**. P" Perpetuir a illuaio, rii Slamia em
Magdalena, Uto am *er ao nesno tenpo ideal
ereil qu* pode* m.r i tua rontide. Foi en
rio que te expatriaste : o leu lar donettico nio
eiti no Paiz do Modo, as sim em Seelltberg.
Lita, em conpleto simulacro, e o ru ficticio
qoe fateint-te a risls, ama s res se ha de des-
pedag.r, infelizmente para aempre n'oma hora
tdrri?8l I
T .Da*qi,a 2" fa,, u? Pglou Walter
que, tendo oorido. entregue sombras refiexdes
c*l a vqaa ,ha di,Mra ,aB companheiro. nio
pode dofonderaa de ana rira ioquieufiio ia ul-
tima palarraa detle.
O* neu Deus I Etperaa ter conquistado para
enpre o en leo proroito aoneote eaie thetouro
roubado n um momento de criminla indigoa-
CAO T
mita UU *a edu,lu#i 8IalB,, fil deUa mlnlw
Nio ha duvida ; por isao meamo que lo I*
seite teu pao, cumprtr. e itso con toda a corte-
za, ligar o seu deslio, ao da an honen, en i
ra tambera l'a roubari____ "^
D ragar, interrompeu Walter, tenho ci o
neat projecto, i ra.peite.
Oiarolo I axcltmou francisca
rombaria o procurando ler ae* olho.
go. Nio tioba pantado *m tal coa*- a qaa U-
m
CANTIGAS.
I
r-
cun-
pra-se, que mandar prender sem calp, femada
u cootra a lei, e nio declara, nen taires o .
Pra-
idilatoe
ootar a V.
n ia-
Susprada liberdade
Salve .aire, to oaudamos
Querida filba dos cu,
Reverente te adranos.
do prerejo 1 Cootaa desposar a tua priuioha Mag.
d.leoa ? Ah I charo bario, s mais esperto do
que eu pensara......
Wallor mostrou-se inpasdrel: depois frico
sorriso enlretbriu-lhe os fabioa, e elle abaixou a
cabega aem responder.
Realmenle, prosegua Francisco, estimo
nata isto ; porque o peosameoto de rer nede-
moisella de Seelorf perteacondo i um Aribe,
fosse elle^ico como eu, e niente como nos am-
bo,, cootrialar-ne-hia sobre nodo.
Eitit certo do quedlzes? perguotou Walter
com una especie de irooia.
..T.Myl,; De mai$ e5,e 9*il B*o esU lirre
da invasao fraoceza : ie, coate dizen, os calcas-
rermelhas e conserrtrem avUfhoaata cau-
k..? ?i,f flca,r ir"nWlt*lnente perdid..
K*ar-Djend que faz a tua rentara, seri Tiritado
?aJ.m.inowf' ,1tilH,i0, : "oa qae te oio
!.4?.ilta,.4.el,aa. q orido. nio *ei onde
poder. refogiar-te com a tua idolatrada familia.
Trjnquilli*-te, o deserto r.eto....
E Deus 4 grande 1 Ioterrompeu Francisco
que asaim continuo : E' o ne*mo ; recelo que
d aqu i alguna neses, rindo a bandaira francesa
remolar nos nossoa oaaia, Iquoa. rodazido i nao
erp.r. offerecer tua prloia, baroaeza in par-
ifi.01 a" d q"? S **fv:i,, e a lut Mlm
ertrella. Oa negocioa dy.propheta rio mal de
certo tempo para ci; a ponirel qoe por pro-
eaugio eu procuro per ah algurea um nfobo po-
ra oa meu, relho. di...
n."ICo^uq',ha,a ; M o*o 1 Abi rollan
os neoa filhoa.
Mioa I obra 1 dina contigo neano Fran-
cisco reodo Slania e Brahim entrarem na eala
de raaos dadas.
Entio, filhoa, fieam dadas toda* aa ordeoa?
Eerguntou Mansonr. Os meus hoapodee torio
omagaa.lho?
Sin, pao. reapondeu ooranaoto Slania.
Sin, aenbor, acejescentou Brahim con a
eerenonii reapeitoaa qae os naoceboa arabaa
nuaea deixen de praticar para com o chafe da,
taranta. *
ifitl4 fo,"nt- P* deManaour.^
[^nqatttaa*nte paro Ghrellab quo tio p>dw
r o bnlho roaplaodaceoto daqae'.ia*
iharii no olbar da joren coma q/M Dni
?ci d'alna. ingoo.. e cartoao r.',S!
aVU?" S8*' ** a aaocUncii porUrboaa do b*a-
4V%Zf* 5ra' <"wl> ^.rar" Sr-
-W qaa fora. olla taaada da ana tv^ul-
contra que lei. En rerdade na ord. Mr. 5 UC
.pr* V aanm M determina en rearo, ans
nao leu V. S. excepgio derta regra n. les da ra-
formagao da juatig de 6 d dezenbro do 1813
9 14 ; ao a leaae reria que o juiz poda atada
prender aem culpa foraada, en todaa oo casos
que provado, merecen pena do aorta Batatal o
civil. Ora craio que dere saber qoe aa foraao da
ord. 1. 5*$ 60 prioc. o furto de mareo de pr.U
e dah para cima, ten-peni de norte, o aeU ca-
so claro que ben decretada foi por nin o ari-
*ao ante da culpa formada cootra boaaeas .cea
sado, de roubo, de 6OO3 r.. como da procatoria
te re. Poderia V. S. contra isto argir, qn* taa-
do cabido em de.uso a pena de norte aoa criaos
de furto*, aio pode aproreit.r o citado } 14 da
l*i da reforaagio de jeaiiga para jottiftcar a or-
io determinada ; aa* todo o iuriacaaaalto par-
tuguez nao igaor.. que usos contra lei escripia
como o presente theee, oio aio bou *
abusos, lei de 18 de agoato de 1769, o aaa 1
maa ordeoage. a. regeilaa o cada aeeea.
00 liv; Ia tu. 62 9 73. lir. t til. 45 J M.
outro muito tugare, qaa seri toawoa
rar. Demos porm qae tal oso tira
grado aeu cootra a lei, aen oaaia aalaatat* V.
>. um passo, porque seodo ampliado o 14 do
le da reformagao pelo, airar, do tt 1"
de 1751, o 5 de margo de 1790, a tt.
perminio fie te decretar prisio salea do* colpa
formada a todos 01 esos qoe proridoa
a pena de agoites, 00 de degredo do nais alo i
aonot, inegavel que sendo ao farta grave.
como o da noa questio, senpre partea aa*
degredo de oito. dez a mala aoooe, estio oa oc-
cusado, nos tornos de podaran aer presos oaoaa
de se Ibes formar culpa. Esta doulrioa podar V.
\ far xPen(llda em P*,choal Jote de Mello **-
relra e Souza, primeiraa liaba, do preceoea ari-
mioalLeuio do Ioquicitiooubut, Forratra
tica crimtnsl. Mortea de exoeaUooiboa etc.
da Ihe cabana areogar, ae pora isao tireasa i_
e. Trese, qoe sonare para decretar priseede-
ria proceder preaaoao iofornatorio, o aaa .inples
denuncia, naa alia de que nao ha texto do oada
tal ,e deduza, o contrario d doteraiaada aa las
da reformagao. o Mello Freir o diz aaa iast lar
crin, lizit. no til. 1 i g 5a aortas foraaes arra
Incremenibu capit.libu. de aiadaadjlatea ca-
pera aemiliter protat.Bolera maia
S., nao coartara qae ji ao nio estira
formagde*.
Acreace que devendo o, juize, deprecadoscaa-
pnrem ai precitoriat cooitiodo-lbaa o. poderes
do, deprecle., a nao podando ooaca V S
di.p.tar-me o ju.gl.dei......inoioiii
qoe a lodo ot juizea dettei reino taolaberee-
tea doria V. S. cumprir o naa procelaria, son
seintronetter a opinar, o decidir deeortezaeai
obre o .buso, ou nio abuso qaa ea lacia deoao
direito. Talvez embica.m tambaa V. S. coate
animal m.nboso, o. p.l.vr. prisio aereeoda
Ibe nioaarproprio, oao ala a do cuatedie pata
os catas de qae ae trata de segarar une pasoso
qua anda nao reo; maa qua colpa taaba aa a
sua ignorancia e nandrieira. E,ia psU*r. asa-
da no mesmo sentido o casa, pela rilado lei da
reformagao, e alv.ri. novi.rio,o., e liaamaowai
legal nao pode aer relegad, con taota nata ro-
zao qu.ndo metra de todas os loxfceara-
phot. Vid* Morae* aaa pelarreo praodar-
prisio. (Coaftaaar-s* km)
rio* na pretenge do e.rr.tco do oa naa. a aaa
reconhecla raganeoU an inimigo aerial aeaoa
pereon.gem ..tentado 10 ten lar por an acata
Ha muito, deaoes aenblaatea que
una deconfnca lastioctir, aaa loa
ainiatro: o naMoa iofortaoio. aao
roz interna qae a reeoabece cea a .
para a iocrodaloa aaa aula ia ano
naato. '^
Gbrellib conpreboadoo ano arara
nir-aa 00 axane. o qae catan aaatdo
por aala de algaaa direroie.
Aqui aatia aaaeo bata beaiUe, -
con a ros perfeitanaata firae.
sootoos trophos ospaaoo* a* _
d* al* dos hospedes, trepbooscon aa ao
van de enrolla tyntlriaanaal. 00
nodoloe da. arma orieoteee Mtigaa
na* denle conpride arabia,
abra carro at hualato acc. a
Lastimo, porn, qoe tanto aoote peala
dattrbaigio os pMip ta
do gorto doa cootoate* aa
r-'ses grandes aertra a aala _.___
espant.r ea entrisUcar aa otboe aa aaaa
convid.dos ao prazer, con a
Gocreirea e nortifera*. A.
destinadas recabar, cono
blana* apropriados i cada
porn abi vera a ceida,
interronpendo-ao o olhaodo
.ttooit. o oKatav.. Ceianoa. pata ana
os cravo carregadoa da ota ajara* aaaaat
No tirada ceia reltarai A
eos ronaaas, paraaa p
ihot te iatareeaan por a11*.
M.niour franaira o aobc'eUie aaaa jaa
botpeda comegra tao oatsaab
O qae eaU ella ditaade
aoa ivmie BaiMn. Do aa |
ReiVondo-me ta, qae aabeo Uataa
E aio paaso a aa* pobre porta
minhirni. Stdi iTlaallab t aa a
rindo-o podarenoa priw anta 1
Slamia roltoa-ae laotanoota psra
Kroio. odaeta ro* aaaacaa aaa a
en ae e curiosidad* ae aproxinaro ora a otf^
nUagio do qaa o recala.
( Con ritmar or an. |
PIBJf. TTP. DI M. P. DI FARM 1FIUM1

"-----
'*
1 .-------
III I""
1% JI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERZUE34A3_NIBUH7 INGEST_TIME 2013-04-30T22:35:05Z PACKAGE AA00011611_09549
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES