Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09541


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AI10 IXIVI1I. IUMER0 tS.
.w a STi v \ X
/
Ptr tres Mezes adiantad os 5$000
Ptr tres anexes vencido* 6J000
-
SABBADO 12 DE ABRIL DE UM.
i m j m
PoriuBo adiaita.e lfOOO
Porte fraiee para nmrifUr
DIARIO DE PERMMBIICO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Ll-
mi; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra ;
Araaaty, o Sr. A. de Leaos Braga; Cear o Sr.
. Jos do Olireira; Maranhio, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Pera,' Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SDBSCRIPCAO DO SOL
Alagas, o Sr. ClaudinoFalco Das; Bahia.
O Sr. Jos Martina Airee; Rio do Janeiro, o Sr-
Joio Psreira Martina.
PARTIDAS.DOS COBREIOS.
Ollnda todos os dias as 9y horas do dia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba naa segundas
sextas-feiras.
S. Aato, Beseiros, Bonito, Garuar, Altinno
Garaohuoa as tergas-feiras.
Pao d'Aiho, Nazaretb. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, logezeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex as quaitas-feiras.
Cabo, Sernhem, Rio Formoso, Una,Barreiros
Agua Preta, Piba en tetras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem t 10 horas da manhaa
EPHEMERIDES DO HEZ DE ABRIL. ;
6 Quarto creseente as 4 horas e 31 mnalos'da
manhaa.
14 La cheia aos 16 minutos ds maoha.
SO Quarto minutante asS horas e 21 minutos da
tarde.
28 La nova as 8 horas a 45 minutos da manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro a 2 horas o 30 minutos da manhaa.
Seguido as 2 horas e 6 minatos da tarde.
ranTjBA dos vapores costbiros.
Para o sol at Alagoaa i 5 e SO; para o norte
t a Granjea 14 e 29 de cada mas.
PARTIDA DOS OSNIBl'S.
Para o Recite: do piaucot s 6 li2, 7, 7 liS, 8
e 8 1|2 da m* de Olinda s 8 da m. e 6 da t.; de
Jaboato s 6 i |2 ds m.; do Caxang e Yanta
a 7 da m.: de Bemfica s 8 da m.
Do Recite : para q Apipueot s 3 1|S, 4, 4 1(4,
4 1)2, 5, 5 1|4, 5 113 e 6 da t. ; para Olina la 7
ds m. 8 1(2 da t.; para Jaboato a 4 da tapara
0 Caxang a Varzea i 4 1)2 da t.; para Bemfica
aa 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES va CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas o quiotes.
Relagao: tercaa o sabbades s 10 horas.
Fazsnda : quintas is 10 horas.
Juizo do commercio : segundas ao meio dia.
Dito de orphaos: torcas e sexta a 10 horas.
Primeira vara do cirel: tercaa e extas ao meio
dia.
Segunda rara do cirel: quartas o sabbados 1
horada tarde.
DAS DA SEMANA.
7 Segunda. 8. Epfanio n. m. ; S. Refino
8 Ter;a. S. Amando b. ; S. f ranas aa.
9 Qearta. S. Demetrio b. ; S. Acacio a.
10 Quinta. S. Ezaqeiel propbeto ; S. Peeseeea.
11 Sexta. As Dores de Nossa Senbora.
IS Ssabado. S. Vctor m. ; S. Vaasia w.
13 Domingo de Ramos. S. Hermenegildo
ASSIGNA-SE
a lirrsria da praea da
no Recite, em
deneia na. 6 e 8, do proprietarios
roa de Paria & Filho.
Figee-
PARTE OFFICIaL.
60VERN0 Di PROVINCIA.
Expediente do dia 9 de abril
de 1868
Officio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahba.Opportuoamente aera remettida para a.
corte a correspondencia official, que para ter
esse deatino V. Etc. me enviou com o seu oQlcio
?. 3292 de 8 do correte.
Dito ao commandaote das armas.Transmiti
& V. Etc. para seu conbecimento copia do aviso
expedido pelo mioisterio da guerra ao Exm. pre-
sidente da Parahiba em 24 de marco uliimo,
communicaud/Jler sido oomeado commandaote
das armas ta Baha o brigadeiro Manoel Muoiz
Tarares, quederera segair immediatameate
assumir as uneces do seu cargo.Igual copia
trsnsmiltio-se ao predito brigadeiro e ao inspec-
tor da thesoararla de fazenda.
Dito ao mesmo.Transmiti V. Exc. para ter
o conveniente destino a guia de soccorrimeoto
do soldado do oitavo balalho de iofantaiia Fran-
cisco Pinto, que leudo sido desligado do corpo
de guaroigo da Parabiba, a que se acbeva addi-
do na qualidade de camarada do secretario do
brigadeiro Manuel Muniz Tarares, reio para esta
provincia afim de ir reunir-se qaelle batalbo.
Dito ao mesmo.Sirva-ae V. Exc. de informar
mar acerca do pagamento que pede o padre Luiz
de Olireira Deniz no requrimento que aqui
ajuoto, coberto com o officio do iospector da
thesouraria provincial de 8 do-corrente.
Dito ao mesmo. Commuoico V. Exc. que
em officio de St de margo ultimo declarou o
Exm. presidente do Rio Grande do Norte ter ex-
pedido ordeni, afim de que o alteres Thomaz
Pompeo Theodoroda Silva veohapara esla pro-
vincia a reunir-se ao nono balalho de infantaria
que pertence.
Ditoao chefe de polica.Expediodo uesla da-
ta ordem thesouraria de fazenda para entregar
so thesoureiro da reparticao de polica a quantia
de 500$, afim de ser remeilida ao juiz de direiio
de Caruar para occorrer aos desvalidos aT-cta-
dos da epidemia reinante, tecommendo V. S.
?ue d essa quantia ao reverendo capuchinho
rei Egydio de Catania, que segu prestar na -
quella comarca os servidos do seu ministerio,
afim de ter o predito destino. Offlciou-se ao ios-
pector da thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector da thesouraria de fazena.
Tranamitto V. S. para o flm conveniente os dous
inclusos arlaos do letlras na importancia de2459
secadas pela thesouraria de rendas da provincia
do Rio Grande do Norte sob essa e a favor de Jos
Joaqun) de Carralho Siqueira Varejao, e de Jos
Joaquim de Lima. Commuoicou-se ao Exm.
presidente daquella provincia.
Dito ao mesmo.Mande V. S, pagar os ve'nci-
mentos relaiioos ao mez de margo ultimo, dos
offioiaes do exercito, cornetas, clarins e tambo-
res empregados nos corpos ds guarda nacionafJaUtite daquella obra da importancia'
deste municipio, urna vez que eslejam nos ter-
mos lgaos os inclusos documentos que me f-
fam remettivos peio respectivo commandaote su-
perior com offlcio de hontem, sob n. 17.Com-
municou-se ao commiodanle auperior respec-
tivo.
Dito ao mesmo. Recommeodo 4 V. S., que
estando nos termos legaes os inclusos documen-
tos, mande pagar aos negociantes desta praca
Mendos & C, procuradores do capito quartel-
mestre da guarda nacional da comarca de Gara-
nhuns, conforme solicitou o respectivo comman-
daote superior em officio de 16 de margo ultimo,
sob n. 15, a quantia de 4449270 rs., em que im-
portan) os vencimeutos relativos aos mezes de Ja-
neiro e fevereiro deste anno dos guardas nacio-
naes destacados uaquella villa.Commuoicou-se
ao respectivo commandaote superior.
D.lto ao inspecior da thesouraria provincial
Transmiti V. S as cootas e mais papis que
acompaoharam a saa Thformsgao de 21 de agosto
do anno prximo passado sob n. 408, relativos
ao pagamento que pede o pharmaceutico Leoca-
dio Jos Figueiredo, na importancia de 5339320
rs., proveniente de medietmentos por elle for-
necinos para o tratamonto dos presos pobres da
cadeia de Goianna nos mezes de Janeiro a junho
do mesmo anno, afim de que mande effecluar
esse pagamento' em vista do parecer que vai co-
brindo os referidos pspeis dados pelo pharmaceu-
tico Joaquim de Almeida Pinto.
Dito ao mesmo. Remeti V. S. a inclosa
conta da despezafeita com o sustento dos presos
pobres da cadeia da cidade de Olinda nos mezes de
fevereiro e de margo deste anno.afim de que, es-
tando ella nos termos legaes, seja paga a saa im-
portancia (659800) Thomaz da Silra Gusmo,
conforme requisitou o chefe de polica em'officio
de hontem, sob o. 541.Commuoicou-se ao befe
de polica.
Dito ao mesmo.De cooformiriade com a sua
informacao de hontem sob o. 204, mande V. S.
pagar ao procurador adjunto da aula de instruc-
$o elementar do segundo grao da freguezia .da
Boa-jieta Francisco Sllrerio de Parias Jnior, os
seus vencimentos relativos ao mez de sgosto do
anno prximo passado,'e para esse fim devolvo o
requrimento e mais papis que rieram annexos
citada iaformaco.Communicou-se ao direc-
tor geral da instraccao publica:
Ditoao commandaote superior do Recite.Ex-
-peca V. S. ss soss ordene para que um dos cor-
pos da guarda nacional desta capital preste urna
guarda de honra para acompanhara procisso do
Sr. Santissimo Sacramento aos enfermos que tem
de sabir da matriz de Santo Antonio no dia 15 do
correte s 7 horas ds'maoha.
Dito ao eapito do porto.Mande V. S. por em
liberdade o recruta Joio Diogo da Costa, que pro-
tou ter isengao do recrutamento.
Dito ao presidente e rogaes do eonselho admi-
nistrativo do arsenal de guerra.Recommendo
V. S. que nos termos do regula ment de 14 de
dezembro de 1852, promovam a compra dos me-
dicamentos e mais objectos'mencionados no in
cliso pedido da pharmacia do hospital militar.
Communicou-se ao cata mandan te das armas e ao
inspector da thesoorarii de fazenda.
Dito ao Dr. Joaquim da Silva Gusmo. Ten-
do-se desenvolvido em signos pontos do termo
do Bonito a epidemia do cbolera-morbus, e sen-
do para receiar que ella ae torne mais extensa,
cumpre que Vmc. preste os soccorros de sua arte
aos indigentes que forem aneciados do mal nos
lugares prximos a essa colonia, emquanto lhe
permittir o servigo da mesma, o qus lhe hei por
muito recommendado.
Dito ao iospector da saade publica.Alm do
que a Ilud em meu officio de hontem, mande
Vmc. apromptar com urgencia ama ambulancia
dos medicamentos necessarios ao traiameoto do
cbolera-morbus, afim da ser enviada para Ca-
ruar.
Dito ao Dr. Francisco Gongalves de Moraes.
Recommeodo Vmc. que faca risitas diarias ao
forte de Po-Amarello, incumblndo-se de medi-
car a respectva guaroigo se tirer necessidade de
soccorros. Comouoieou-e ao commandaote
dss armas.
Ditoao juiz de dreito da Boa-Vista. Chiman-
do a atleogo de Vmc. para o officio incluso por
'copia que desta dats dirijo ao delegado desse
termo, recommeodo. Vmc que de accordo com
aqaella autoridade pond.o-se a frente, das provi-
dencias necesssriss pira soceorrar promptamen-
te os r iigentes que form affectados de febre
oeroiciosa, que ah se desenvolveu, e que j lem
feito algumas victimas, tenba lodo o cuidado e
actividade na direceo desse servico afim de evi-
tar que o mal se torne mais funesto em seus ef-
(eitos ; conviodO que com brevidade me partec-
pe o que a semelhante respeito for occorrendo.
Dito ao juiz de dreito do Bonito. Acabo de
receberoaeu officio de 6 do correte, notician-
do-me o que por ahi vai occorrendo, acerca da
epidemia reinante : e em resposta tenho a di-
zer-lho que j hontem Ihecommuoiquei que para
ahi segua o missionario Fr. Egidio, com 5009 rs.
para areos entregues Vmc. e a ambulancia pe-
dida em seus officios de 4,e 5 do correte, e ago-
ra lhe remeti a outra ambulancia sorlida de
medicamentos proprios par o tra.tameoto desse
mal. Pico deligeociando a ida de mais um me-
dico para ahi como solicitou Vmc, em seu dito
officio.
Dito ao delegado de Ouricury.Aileodeodo ao
que solicitou o Dr. chefe de polica em officio de
31 de marro ultimo enviando copia do que lhe
dirigi Vmc. com data de8 do mesmo mez, com-
municando que nesse termo desenvolver-sa urna
febre peroiciosa de que haviam j fallecido algu-
mas pessoas, inclusive um soldado do destaca-
mento dessa villa*; remeti Vmc. 100 exempla-
res impressos de prescripges medicas e urna
ambulancia de remedios indicados pelo Dr. Joa-
quim de Aquioo Fonseca, para tralamento dessa
enfermidade. Vmc. far destribuir essas pres-
cripges e medicamentos por pessoas inteiligen-
tes e que possem fazer deltas convenientes ap-
pl.caces, empreando toda actividade e zalo para
quesejam promptameote soccorridos os indigen-
tes que sofTrerem daquelle mal; informsndo-me
cm breridade acerca do que for occorrendo a
semelhante, respeito.
Dito ao delegado de Sanio Anto.O conduc-
tor d presente, o Io cadete Io sargento do S bs-
lalhao'de infantaria de linha, Antonio Gongalres
da Silva, entregar Vmc. os 5009 a que alludi
em meu officip de hontem.
Dito a Minoe! Nunes de Barros. Ao officio
de 28 de nbvembro prximo passado, em que
Vmc. na qualidade de cesslonario dos impostos
proviociaes arrematados na comarca da Boa-vis-
ta, pede esclareeimentos acerca da cobraoca d
mei'a sizs na venda dos escravos, dos 8 dor cento
sobre os coaros salgados e de 19200 por libra de
tabaco nao fabricado, respondo remetiendo por
copia a informacao que a esse respeito ministrou
o inspector da thesouraria provincial em 7 do
correte sob n. 194, com a qual concordo.
Dito ao director das obras publicas Pode Vmc.
como pede em seu officio de hontem, sob n. 66,
mandar lavtar o termo de recebimeoto definitivo
da obra da bomba do eogeaho Paulista oa estra-
da do norte, por isso que segundo consta do ci-
tado officio, acha-se ella concluida com o respec-
tivo orgamento, nsiotelligencla de que nesta da-
la expego as convenientes ordens para que, 5 vista
do competente certificado, seja pago o arreme-
da prestago
a que iiv'er|direflo.Communicou-se ao iospector
da thesouraria provincial. ,
/Dito ao thesoureiro das loteras. Atteodendo
ao que Vmc. expoz em sea officio de 7 do cor-
rente resolv nesta data approvaj o plano que me
apreseolou para exlracclo das loteras desta pro-
vincia, do qual lhe remeti copia para ter a de-
vida execugao.Remeiteu-se igua.1 copia ao ins-
pector da thesouraria provincial.
Portara.Os Srs. gerentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor fa;am transportar por
conta do ministerio da guerra no vapor que se
espera do norte, para a provincia da Bahia n de
sertor do 8o batalbo de infantaria Amaro Fran-
cisco de Mello,e para a corte o 1 cirargiio do cor-
po de saude do exercito Manoel Adriano da Sil-
va Pontos e o desertor do 1 balalho da arlilha-
ria a p Jos Gregorio.Communicou-se ao com-
maodanle das armas.
Expediente do secretario do
governo.
Officio ao secretario da assembla legislativa
provincial.S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia manda remetiera V. S. para ser presente a
assembla legislativa provincial nao sd o requ-
rimento em que Bartbolomeu Francisco de Souza
e JosCaetano de Carvalho propietarios de urna
ra de casas em seguimentn a da Concordia pe-
dem a collocaco de lampedes de gaz naquelta
ra e em directo ao Aterro dos Affogadoi, mas
tambam copia da informacao ministrada pela
thesouraria provincial, afim de que a mesma as-
sjmbls se digne de.tomar em considerado de-
cretando o augmento da deapeza para isso reces-
sari a.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc o Sr.
presidente da provincia transmiti a V. S. para
ser prsenle a assembla legislativa provincial o
orcamento de conta documentada das desperas da
cmara municipal da villa de Pao d'Aiho, relati-
vas ao exercicio de 1860 a 1861.
Despachos do dia 9 de abril.
Requerimentos.
Bibiana Jovinina de Mello Albuquerque.In-
forme o Sr. Dr. disector gral da lnstrucco pu-
blica.
eoamandante das armas obviar de algum modo
semelhante inconveniente pelo profundo respeito
o acatamento que consagra religlio do estado,
determina que de ora em diante,, depois do to-
que de recolher. sempre que nos corpos que se
acham sqaartellados as differentes freguezias,
ouvirem o sigual dado pelo aioo das respectivas
matrizes, fagam marchar immediatamente 16
pragas commandadas por um inferior para a
mesma igreja apreseotarem-ae aos reverendos
sacerdotes, afim de que lomando as competentes
opas acompanhem o Santissimo ao lugar qae
se dirigir, rollando do 'mesmo modo logo que se
tirer concluido to sacrosantos deveres.
Das pragas cima mencionadas IS msr desarmadas e 4 armadas, para irem duas destas
na trente do aeompanhamento e daas na reta-
guarda, e todas com armas no brago e deseo-
bertas.
Se acontecer que ao chegar a torca a matriz o
Santissimo tiver de sabir em carruagem, ella
rollar para o quartel.
Os senhores officiaes de estado-maior dos cor-
pos fleam responsareis por qualquer omis&lo
que se der oa exeeuco da presente ordem, e
obrigaro as sentinellas das guardas dos qaarteis
a lhe participarem immediatamente sempre que
ouvirem o toque do sino, para fazer sabir a
for?a.
Assignado. Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme. Candido Leal Ferreir, capi(ao
ajudante de ordens encarregado do detathe.
e suas disposlcdes eslo previstas do regla-
mento dado para a illumiuace a gaz.Barros
Brrelo.
VeriCando-se nao htver casa, o Sr. presiden-
te desigoa a ordem do dia e levanta a sessao.
Reparticao da polica.
Subdelegada da Ireajnezla de San-
to Antonio do Heelfe 9 de abril
de 1868.
Illm. e Exm. Sr.Em cumprimento a ordem
de V. Exc. de 8 do correte, que cubri o officio
por copia do proredor da Santa Casa da Miseri-
cordia, dirigido ao Exm. Sr. rice-presideote da
proriocia, de 31 de.marco prximo passado, re-
presentando cootra o tacto de ter sido abando-
nada oa porta do hospital Pedro II, no dia 15 do
referido mez de margo, por um soldado da com-
panhia urbana, a enferma Thereza Maria da Con-
ceigo, que segundo dizem escrava de Manoel
Jos da Costa Reg, nao obstante haver a presi-
dencia expedido ordena no sentido de ser repri-
mida esta pratica, tenho dizer a V. Exc. que
haveodo chegado ao meu cooheiimento que na
ra de S. Francisco se achava urna preta forra
gravemente enferma, e em completo estado de
miseria, Qz condozir acompanhada porum officio
para o referido hospital do mencionado dia 15,
ignorando tudo mais quanto a tal respeito se
passou.
E' verdade que nenhama recommeodacao fiz.
ao urbano que a conduzio, porque at eolo ne-
ohuma ordem havia a tal respeito, sendo que, a
que bsixou da presidencia oeste sentido data-
da do dia 17, posteriormente aquella remessa, e
mesmo por que nao sabia que os conductores dos
doentes tornaseos o alvilre do os abandonar na
porta do hospital quaodo ahi nao podessem ser
recebidoi, visto que j anteriormente haveodo
eu remetlido pelo ordenanza um infeliz que fra
encontrado abandonado no caes do Ramos, eno
havendo allt-vaga voltou na mesma padiola, ven-
do-me entao obrigado a prestar-lhe em miohs
casa alguna soccorros para nao o ver impamen-
te de novo abandonado por filis de caridade pe-
lo que, e mesmo em vista da circular de 19 da-
JSjpalle mez, vi-me no extremo embaraco de re-
moller para o referido hospital, por nao saber se
all havia vaga, um belga que, cnido as osea-
das do pago da relacio aonde infelizmente espi-
rou sotes que se podesse saber se no hospital
Pedro II havia vaga para ser elle alli recebido e
tratado.
Deixando de fazer observagao alguna acerca
deste e oulros tactos que infelizmente se obser-
vara pelas ras desla capital, porque fleam a mo-
ralidade e cobres seotimentos de V. Exc. a sua
apreciagio.
Dos guarda a V. Exc. Illm.- e Exm. Sr. Dr.
Jos Antonio Vaz de Carvalhaes, muito digno
chefe de polica da provincia. O subdelegado
supplenle, Manoel Aotonio de Jess Jnior.
< 6*. Finalmente. Quaodo termioa o prazo do
contrato fei com o eogenheiro Martineaa.S. R.
Joaquim Mello Reg.
(Continuar-te-ha.)
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
CONCLUSO DA SESSAO DE 10 DE ABRIL
DE 1862.
Presfencta do Sr. Viseonde de Camaragibe.
Artigo 7* Fies rovogado o art. 16 das posturas
addiciooaes de 4 de jnlho de 1855, podendo os
carros e mnibus ser puchados no tiro da frente
por tres carelios as ras largas e estradas.
E' approrado.
Art. 8o A disposico da postura addiciooai de
8 de outubro de 1856, permiltiodo a ediQcago
de predios com S2 pslmos de frente e oites
simples, tica esteosiva ao lugar de Santo Amaro
das Salinas.
E' approrado.
Entra em segunda discusso
o seguioie artigo
Tenente-coronel Braz Nunes de Magalhaes. de postura da mesma cmara, presentado em
Passe portara concedendo a liceoca requerida.
Diogo Baptista Fernandos.Junte cerlido de
idade.
Irmandade do Senhor Bom Jess da Via -Sacra
da igreja da Saeta Cruz do bairro da Boa-Vista
desta cidade.- Dirija-ae ao Sr. commatidante su-
perior da guarda nacional do Recite.
Jos Joaquim Pinto de Mello.Remetlido ao
Sr. capito do porto para attendr ao supplicante
no que requer.
Jureutio Temporal.Informe o Sr. iospector
da thesouraria provincial.
Izidoria Hara Lopes.Informe o Sr. Dr. chefe
de polica.
Jos Thomaz do Amaral e Mello.Informe o
Sr. Dr. director geral da instruegao publica.
Jos Pereira Alcntara do O'.Ioforme o Sr.
director das obras militares.
Luiz de Azevedo Souza.Passe portara.
Vicente Lopes Duarte- Informe o Sr. iospec-
tor di thesouraria de fazenda.
[ERRATA.
No expediente do gororno, publicado hontem,
00 sexto officio, ao inspector da thesouraria, on-
de diz de margo junho deste anno, leia-ie
do 1" de maio 30 de junho deste anoo.
Commando das armas.
Qaartel-general do commando das
armas de Pernambuco na cida-
de do Becile em 11 de abril de
186t
- ORDEM DO DIA N. 61.
Observando-se que oas horas mais adaotadas
da noite, quaodo alguma daa igrejss matrizes,
fazosignal para chamar os fiis 1 concorrerem
ellas, afim de acompanharem o bantissimo Sa-
cramento que levado aos enfermos na hora ex-
trema de sua existencia, acontece frequeotemen-
teque poneos sao os que conaorrem s mssmas
matrizes para actos to solemnes, resultando ser
o Santissimo acompanhado quasi sempre por
qustro ou seis pessoas, e quereodo o general
16 de margo deJ860, o qual approrado sem
dbale. ^
Art. nico. As pessoas que caiarem ou piota-
rem as portas das casas e com taes obras damni-
ficaren) os nomes das mesmas ras, e os nme-
ros dos edificios, devero repd-los em seu per-
feito estado: os infractores soffrero a multa de
1000, e o trabalbo ser feito i cuita delles.
Entra em discusso o segoiote artigo de pos-
turas da mesma cmara:
E' prohibido apagar os lampedes de gaz fe-
chando os registros, ou de outro qualquer modo,
ou per qualquer forma damnificar os apparelhos,
sob pena de 208000 de multa, alm da satisfaego
do damno causado.
O Sr. Buarqne de Macedo:Sr. presidente,
creio que ha um regulamento fiscal, que at es-
tsbelece multas avultadas para evitar que se
damnifiquem os apparelhos e em geral todos os
objectos de illumtoagao publica.... -
Um Sr. Deputado :E* exacto.
4 O Sr. Buarque de Macado:Suppoobo mes-
mo que este regulamento foi approvado pela ca-
sa, oa pelo menos, tem torga de lei, e a adop-
gao ds postura ser por isso ama especie de
; cootradego. Recordo-me mesmo que para o
caso previsto se marcou maltas, creio que de
70J0OO, ou saUsfagao do prejuizo causado ; pelo
que me parece de nenhama conveniencia a pos-
tura.
Um Sr. Deputado:Mas previoe esse regu-
lamento todas as hypotheses?
O Sr. Buarque de Mscedo Previne at mais.
Eu me record de ter lido um regulamento bas-
tante desenvolvido que previne muitos casos,
por isso creio que a casa nao deve votar a pos-
tura sem examinar isto.
(Ha um aparte]
O Sr. Buarque de Macedo:Parece-me at
que ha alguma coDtradicgao___
O Sr. Souza Reis :Sehto est previoido___
O Sr. Buarque de Macedo .Est prefinido
no regulamento fiscal, estou certo disso.
Vai mesa e apoia-ae o seguinte requri-
mento :
c Requeiro o adiameoto da postura em dis-
cusso, at que a cmara respectiva informe,
c SESSO EM 11 DE ABRIL DE 1862.
Pretideneia do Sr. Viteonde de Camaragibe.
Ao meio dia feita a chamada verifica-se haver
numero legal.
O Sr. Presidente abra a aesso.
O Sr. 1* Secretario l a acta da sessao ante-
cedente, que spprorada.
Achaodo-se na anta-sala o Sr. deputado Ig-
nacio Joaquim de Souza Leijk ioireduzido
com as formalidades de eslylo, presta juramento
e toma asiento.
O Sr. Io Secretario menciona o seguiste
EXPEDIENTE.
Um officio do secretsrio da presidencia remet-
iendo poetaras da cmara de Villa-Bella.A'
commisso de posturas de cmaras.
Outro do mesmo, remetiendo urna peticao de
alguu proprielarios do primeiro districlo do jui-
zo de paz de Garenhuos, em que representan
contra posturas que prohibem s criacao de gados
em dito districto.A' commisso de orcamento
muofeipal.
Outro do mesmo, ;remetiendo posturas da c-
mara ds villa de Flores.A' commisso de pos-
turas de cameras.
Um requrimento de Jos di Roeha Paranhos
lembraodo medidas que julga convenientes a sa-
lubridsde publica, e offerecendo-se para proce-
der as desiofeeges dos teos miasmticos que
existem e possam existir nesta cidade, medanle
nicamente a paga dos agentes necessarios para
esse servido.A* commisso de saude publica.
Outro'dos moradores da freguezia de Santa
Msria da Boa-Vista, pediodo a mudaoca da sede
de sua freguezia para a povoacode Petrolina.
Sao successivameote lidos, jolgados objeclo de
deliberacao e mandados imprimir para entrar na
ordem dos (rabalhos os seguintes prejectos :
a A assembla legislativa de Pernambuco
reunir.
Artigo Io Fica revogaia a lei o. 494 de 29
de maio de 1861.
a Art. 2o Os empregados de qualquer cathego-
ria dos estabelecimeotos de beneficencia, qee
percebera ou perceberem dolaces anonas dos
cofres proviociaea, s serio admittidos por con-
tratos, no qual de cooformidde com a presente
lei fiquem expressamente estabelecidos:
Io Os vencimentos que perceberem e a dura-
gdo do contrato.
2 Queso lero fu aos vencimentos no exer-
cicio do emprego.
3 Que Ibes nosero spplicaveis quaesquer
dlsposigoes das leis que concedem sposeotadorla
e jubilages aos funccionarlos proviociaes.
a Art. 3. Logo depois de promulgada esta lei
as aiimBistragoes dos] estabelecimeotos de que
trata o artigo antecedente serao obrigadaa a fazer
eogajamento pelo tempo que lhes convier conven-
cionar com os empregados existentes nos respec-
tivos esta beleciaasy)tos.
a Art. 4. Asubv'eocao votada annualmecte para
soccorros de beneficencia nao ser paga pela
thesouraria proviocial, sem que as administra-
goes respectivas desees estabelecimeotos provem
alli que effectuaram com os seas empregados
contratos em observancia das disposicoes des-
ta lei,
< Art. 5* O presidente ds provincia de accor-
do com a admioistrsco da Santa Casa da Mise-
ricordia promulgar os reglamentos precisos
para a t>oa execugo desta lei.
Art. 6a Ficam revogadas ss disposigdes em
cootrario.11 de abril de 1862.Barros Bar-
reto.
c A commisso de estatistica, teodo oa mina-
do e apreciado a representago que esta assem-
bla dirigi id grande numero de habitantes das
fregueziss de N. S. do desterro do Itamb. da
comarca de Goianna, e de N. S. da Conceicao de
Nazaretb, da comarca do mesmo nome, em que
se pede a reetaurago da freguezia, creada pela
lei proviocial o. 155 de 31 de margo de 1816 e su-
primid a pela de n. 275 dsjsj de abril de 1851: atten-
deodo que um semelhante pedido lhe parece de
toda justiga, nao s porque a grande extensjo da
freguezia do Itamb nao pode permittir prompta
administrarlo dss soccorros espiritases, embora
o zelo e melhor vootado de seu respectivo paro-
dio, porm anda porque os habitantes que re-
presentara, fieam evidentemente em urna distan-
cia que, nem mermo lhes permute a solicitago
de tats soccorros, inconveniente este tanto maior,
qaaoto arultado o numero dos freguezes que
assim ficam fatalmente prejudicados: atienden
do finalmente, que essa necessidade foi reconhe-
cida pelo Exm. prelado diocesaoo, que em data
de 16 de meio de 1861 prestou de bom grado a
sua aonencia restauraco da freguezia suprimi-
da, de pareeer que seja adoptado o seguinte
projecto :
c A assembla legislativa proviocial de Per-
nambuco resolre:
< Art. 1*. Pies restaurada a freguezia de Cruan -
gy da comarca de Goiaooa, teodo por matriz a
capella de N. S. do Rosario de Cruaogy.
a Art. 2*. A linha de cireumscripgao da oora
freguezia, partiodo do cume de Serra Mascare-
nlns, onde termina a freguezia de Bom Jardim,
al a oascenga oriental da Serra. dahi seguir
at o Capibaribe-meirim, desmembrando-se todas
as aguas que peodem do riacho Cruangy, at a
confluencia delle com o Capibaribe-meirim, das
frsguezias de Nazareth e do Itamb para a aova ;
dahi proseguir a mesma linha pelo aireo do
Capibaribe-meirim cima, at a confluencia do
riacho da Cruz, e desta confluencia at limlar-se
com a provincia da Parahiba, separando-se o
territorio quem da dita lioha da freguezia do
Itamb para a ora : e acompanhara os limites
da provincia da Parahiba at o referido cume da
Serra Masca reohas.
Art. 3. A ora freguezia perteoeer a co-
marca de Goiaooa.
c Art. 4. Ficam rerogadas todas as Jis e dis-
posigdes em contrario.
Sala das commisses. 11 de abril de 1862.
Ferreir de Agolar.Plato de Campos.
E' lido, apoiado e entra em discusso o segua-
te requrimento-:
< Requeiro que pelos canses com peleles se
peca com urgencia o segoiote :
< 1*. Copias das informages da thesouraria
proviocial dadas sobre os crditos sap pie me ota-
res, abortos por conta do ornamento vigente.
2. Copias das alteragoes feitas ao cootrato
de Jos Marioaogeli, do acto da presideocia que
espagou para eate auno os espectculos lyricos,
e das informages qae a precedern).
< 3. Nota da importancia despendida com o
sustento e curativo dos presos pobres da provin-
cia, de junho al 31 de margo ultimo.
4o. Informages sobre o pagamento de ris
6:50*5 feito a Germeoo Francisco de Olireira por
conta das verbas das evenluaes da lei rigente,
declarando-se de que provem essa despea, e a
causa porque foi paga pela referida Mea*.
a 5. Copias dos contratos feitas pafrA atimen-
tago dos presea pobres 4a caaa fa tangi, e
tratameoto dos doentes tora dessa pililo" toa hos-
pital particular.
Discurso do Sr. Dr. Luiz Felippe, na
sessao de 4 d eorrente.
ama entra que o nebre depuUdo leu aa
que suppunha ter ioteiro rigor, a qual
( l. J
Aqui estio, senhores, os motivos peles quea o
presidente da proriocia se negou a dsr a Agua
Preta o carcter da eollegio....
O Sr. Baro de tturikeca d oa aparto.
O Sr. Luis Felippe:V. Exc. qae toato 4a*a>-
java saber desses motivos, abi os tea, peta
nao ser coocludeoles oa sus opioio, sea* ollas
existem e sao esses qae se vca da porta-
O Sr. Bario de Muribeca :o motivas aa
pretextos?
O Sr. Luiz Felippe :-Ora abi temes o i
deputado que psrece nio eonhecer
vos, a prxiri fazeodo iosiouaces a respeito da
validado delles. O oobre depalsdo nao oa arlado
ler, e oo os coohecendo j os quahBca de pre-
textos I
O Sr. Baro de Moribeca : -Nao os qaalifico ;
podum ser motivos e podiam ser pretexto*.
O Sr. Luiz Felippe:Ors nio estando a villa
de Agua Preta devidameole constituid, ai* es-
lava as coodicoes que o decreto o. 1882 exigi
para que constituase eollegio. Esto decreto astaa-
; do deiermioou qee a villa toase eollegio, julgoa.
declaro 4o* eolidade villa estivesse creada peteila.
O Sr. Luiz Felippe:Sr: presideote, por mais
de um motivo sinto-me cootrariado por ter de
oceupar aioda a atleogio da assembla em um
assumpto, que sobremodo ms desagrada. A cir-
cumstsocia de importar a approvaco do parecer
da commisso a excluso de um collega que de-
sojara rer permanecer eotre os, e a de ferir o
mesmo parecer ioleresses, que eu desejra oo
ler motivos leno de respetar...
O Sr. Drummond :E' o choque dos iole-
resses.
O Sr. Luiz Felippe :... pesam muito sobre o
meu espirito e causam-me urna sensago bem
deaagradavel; entretanto como eu devo estas
considersges aolepr o cumprimento de deveres,
oo tenho duvida alguma em arrostar com aa coo-
sequeocias que de meu procedimeoto possam re-
sultar.
O Sr. Drummood :Por miaba parte .
ao aobre deputado, que nao tenho o menor res-. B1,s Agua Prela oo era villa devidaaeute
seotimeoto do seu proceder. Est no seu dreito tiluida, alli nao exista cmara municipal, oo
pronunciando-se pro ou cootra a miaba eleigo. DAV.'a ejeices de juizes de paz.
O Sr. Luiz Felippe :Sr. presideote, eu peosei'
que tinha demonstrado quaodo falles pela ultima
vez nesta casa, que a eleigo de Agua-Preta oo'
podia por modo algum ser approvada por os....
O Sr. Baro de Muribeca :Pois eogaoou-se
perfeitameote.
O Sr. Luiz Felippe :O oobre deputado que
me interrompe, e tambem alguns outros nossos
collegas, que depois de mim fallaram sao de pa-
recer que eu eoganei-mo perfeilameute, por isto
verei agora, Sr. presidente, se poderei restabe-
lecer fe um modo concludente a justiga da causa
que advogo. *
A eleigo de Agua-Preta oo direi urna
monstruosidade, porque em sua origem ella oo
se receote de vicios...
O Sr. Drummond :Aceito a coofisso.
O Sr. Luiz Felippe:... eoem lajpcei aqui pro-
posiges agora, ou da primeira vez que fallei, que
posas d-lo a eoteoder... Mis urna grande ir-
regularidade, porque no seguimenlo do processo
eleitoral desprezaram-se formulas que a lei creou
e estahaleceu para melhor garanta e pureza dos
votos dos eleitores.
Sr. presidente, principiarei recordando a casa,
que felizmente para a causa que defeodo, ha bem
poucos dias se tomou aqui urna deciso idntica
em seus resultados a aquello que o parecer da
commisso propem. Nao foi urna s deciso,
(oram duas. A casa por sea voto e grande maioria
aaoullou os rotos dos eleitores deSalgueiro, pelo
motivo de se ler reuoido em Cabrob...
Um Sr. Deputado:Aoade elles se tinlmm reu-
nido ?
O Sr. Drummond :Em urna casa particular.
Outro Sr. Deputado:Mas atiesta o nobre de-
putado que ha diversidade de especie entre esta
queslao e a que nos oceupa.
O Sr. Luiz Felippe :Nao ha tal, em urna em
oulra deu-se a incompetencia de lugar para o
eollegio se reunir. Aaoullou os eleitores de Ssl-
gueiro, e os de Bezerros, creio que por idetico
motivo.
Urna voz :Sim, senhor I
O Sr. Luiz Felippe :Eis ahi urna questo bem
oova e decidida pela casa a cinco ou seis dias, e
eu oo vos veoho pedir seoo a coofirmaco dessa
deciso, s quero que ros mostris cobereotes, e
nao eslabelegais duas bitelas para medir a justiga
que tiverdes de distribuir, segando os iateresses
das localidades.
(Ha um aparte.)
- Sr. Luiz Felippe :O principio cardeal o
mesmo, a falta de competencia do lagar em que
os eleitores se reuoiram.
Feito este reparo, rou agora oceupar-me do
'discurso que foi pronunciado pelo oobre deputa-
do pelo terceiro districto, que acabou de fallar.
Elle dividi o seu discurso em dous pontos ; oo
primeiro pretendea demonstrar que Agua-Preta
estava em condigdes de constituir eollegio ; no
segundo que o acto da cmara dos Srs. deputados
nao prejudica o direito de qae por torga do art.
2 do decreto n. 1082 oUa devia estar de posse...
Um Sr. Deputado : Est que a questo, e
aonde est mioha duvida.
O Sr. Luiz Felippe :Sr. presidente, at agora
oioguem contestou, se bem que se podesse taze-
lo com mu bons fundamentos, que Agua-Preta
podesse constituir eollegio; a propria commisso
o recooheceu, e recommendoo at, que se pro-
carasse fazer effectira a responsabllidade, do pre-
sidente que ndevidaroente, oo sea pensar, havia
excluido Agua Preta desse direito...
O Sr. Bario de Muribeca d um aparte.
C Sr. Luiz Felippe :Nao, senhor; oassa oc-
c-asiao a commisso pensava assim e eu tambem,
mes, a cmara dos Srs. deputaios poder compe-
tente e nico para estabelecer regras a este res-
peito...
O Sr. Baro de Muribeca :E' a nica l para
a sua casa.
O Sr. |Laiz Pelippe:E para aqui tambem.
(Apoiados e reclamagdea) Porque nao podemos
crear poderes especiaes, oo podemos crear col-
legios aonde nos parecer...
O Sr. Baro de Muribeca:E nem eu digo
isto.
O Sr. Luiz Felippe :igora, Sr. presideote,
dito islo, e demoostrado que sem embargo de
Agua-Preta reunir as coodicoes para por si for-
mar eollegio, oo tora peto poder competente
empossada oo gozo deste direito, porque a c-
mara dos Srs. deputados oo Ih'o qulz outor-
O Sr. Drummood :Nao faga essa njustiga a
camsra dos Srs. deputados.
O Sr. Luiz Felippe :... eu vou ver se posso
levar ao aoimo dos meuanobres collegas a con-
viego de que Agua-Preta oo podia constituir
eollegio...
Um Sr. Deputado :Veremos : isto ha de ser
curioso.
O Sr. Luiz Felippe :O art. 31 do decreto o.
2,621 de 2 de agosto de 1860 di: (l):
V-se que por torga desta disposigo os eleito-
res de Agua-Preta que tora incorporada Bar-
reiros.. .
O Sr. Drummond :Ao cootrario Barreiros
que foi iocorporado a Agua-Preta.
(Trocam-se diversos apartes.)
O Sr. Luiz Felippe: Portaoto, senhores,
eleitores de Agua Preta anda quaodo o-collegi
oo livesse sede reconhecida em Birreiros pe
poder competente, por torga do artigo que aca-
ba de ser lido por mim, deviam rotar em Bar-
reiros___
O Sr. Drummood :Of eleitores do Agua Preta
nunca rotaram em Barreiros.
O Sr. Luis Pelippe:Agora, seohor presiden-
te, rejamos porque motivo o presideote que como
o nobre deputado que fatlou a pouco, contestou
e recooheceu ser o competente para designar,
para estabelecer a cireumscripgao dos collegios,
negou a Agua Preta essa attribuigao que o oobre
Um Sr. Depotado:Como prora o nobre depu-
tado isso. .
O Sr. Luiz Felippe:A portara parto aa se-
cretaria do goreroo e oos dere merecer toda
coofianga.
Ora, senhores, a rista de taes ceadiedes reda
se a assembla pode approrsr a eleigo leila em
Agua Preta, que em resultado mande para aqui o
oobte deputado.
Mas, seohor presideote, estas questes aera
mim oo tem importancia porque os tomos a
fonte legitima, que neste caso s e nica poda
dar a lei, e a cmara dos senhores deputados :
temos o recoohecimeolo qae elle fez, embora se
dissesse aqui que lhe tora arraocado subrepticia-
j mas isto oo se demonstroa ; temos, digo o acto
. da cimara dos senhores depatados revestido de
toda a autoridade, e pelo qual s Barreiros aa-
quelle termo revestido do carcter da eol-
legio.
Senhor presidente, o oobre deputado eslabele-
. ceu urna dontrioa cerebrioa ea seus efleitos.
Disse que os podemos dar decisoes aqui aa sen-
tido contrario a aquellas toaadas oa cmara dos
senhores deputados....
O Sr. Pedro Alfonso:Na rbita dss neasas at-
tribuigdes.
O Sr. Luiz Feiippc :O oobre deputado tinha
fallado em these. Jisto urna modiueagio que
folgo oavir do oobre deputado. Mas o disse que
podamos dar decisoes em cootrario das tomadas
na cmara dos senhores deputados porque ella l
recoohece os seas membros, e os sqi reconbe-
cemos os nossos. Mas, seohor presideote, aa
enteodo que entre os dous ramos do poder legis-
lativo geral e proviocial deve-se guardar toda a
liorraonia, respeitarem-se certas relaces mu ne-
cessarias....
O Sr. Drummond :Siga o oobre deputado os
precedentes da cmara dos senhores ''epatados,
eu os aceito.
O Sr. Luiz Felippe :Eu respeito o que a c-
mara dos senhores deputados estabelecea de
tsrminqu com torga de lei e antes quero segair
urna lei do que precedeoles, porque estes nao
tem e ounca liveram a torca de obrigar....
O Sr. Pedro Alfonso :Mas quem nos affiang
que a cmara dos senhores deputados ha de ap-
prorar as eloices que hontem aqui apprera-
mos?
O Sr. Luiz Felippe:Parece-me, seohor pre-
sideote, qae os oobres deputados que tem com-
batido o parecer da commisso estio pisando sem-
pre oo mesmo terreno....
O Sr. Baro de Muribeca :E at aa ba cousa
melhor; sigaal de que esto firmes ea sama
principios.
O Sr. Luiz Felippe :Porm nada se adianto a
fica-se estacionario....
Porque. allegaco de que Agua Pretsjderia coos-
lituir-se eollegio por torga da lei o. 2662, oa op-
ponho a portara de 21 de janeire de 18*1 ss ins-
trueges que foram dadas para execuge daquella
lei, e o decreta a. 1062; e so falso seppeeto de
que effectivamente ella o constitue, aa raspeado
com -o acto da camsra dos seoberaa dapatadse
peio qual s se recooheceu eollegio ea Birreiroe.
Temos leis, e ellas oo podem ser destruida* esc
meras presumpges.
Assim, rotarei pelo parecer a comatosa*,
aalro se demonstraren) de modo positivo, que
Agua Preta constitue eollegio, ou qae aaaaUa-
dos os votos de seos eleitores, fleari e nearecan-
didato com o lugar que dispula.
Julgo impossirel prorer um e outro quesitoa, e
por isto permaoeco oas ideas qae tenho asaltos-
tsdo. na loteira conviccao da que presto aa rota
accorde com mioha conscieucia, e determinas!
pelos mais solidos principios de direito.
REVISTA DIARIA.
Oecupou-se na sasso de hontem a sseeaUa
proriocial das materias dadas psra a raspstira
ordem do dia, sendo rolado ea 1* alsaaaai* a
projecto n. 33 de 1859, que erige ea asairiz a
capella filial de Santo Antonio Ce Correales, eat
Garanhaos.
Na discusso de posturas addiciooaes 4 cma-
ra municipal desta cidade, foram algumas a paro-
radas a outras reproradas, senda apprevaaaa
para a da cmara do Cabo relativa edincecio.
Achando-se na ante-sala um deputado Igna-
cio Joaquim de Souza Leio, iotroduzido aa re-
cinto peio Srs. Pedro Affonso a Witrarie, a pres-
tando juramento, toma asiento.
Constitue a materia da ordea do dia de heje a
2a discusso de projecto o. 40 do aaae pseas*,
que eleva matriz a capella da Pelretiaa ; a 9a
dita do projecto o. 43 do mesao aaae, qw
torisa a presideocia a contractar sea L. C
broone o estabelecimento de caoos para o
de sguss pluvises; a finalmente a clscuasaa
posturas das cmaras da Estada, Baiqae, lia
Formoso e Brejo.
Do Poco da Psoella temos reclemacoes acar-
ea da falta de ua proessor do iostruccAo ca-
mentar all; porque apezar de harer aaa ea-
deira'creada por lei naquella locatidade, coas
tudo 'pelo abandono do respectivo proessor, acha-
te o referido poroado sem esse recurso para aa
eniaos dos respectivos moradores.
Sobre este estado deve por certo ter t o avada
ma medida, pois a inslrucgao publica soflre ae-
la>elmente com essa ausencia de proessor na-
quella localidade. E* de esperar, per;, qua sa
prorideocie no sentido de sanar semelhante in-
conveniente, cojos efleitos desastrososaaecaaae-
cidos, e oo carecem por tanta da dsaeeetufie
Acha-se approrado um ero plaaa para aa
loterias da provincia, sendo a extracee da ere-
xima j realisada oa cooformidde celta.
Coutem este plano 2.800 bilhetes esa saa
lidade, daa quaes ao 840 s**Bato*e*ae*ea
de 51000, casto do bilheto, SI *J Wt.
I 20*000.5 de 40*000,2 de lOOfOOO 1 CV
deputado lhe quitdar...
Um Sr. Deputado :Nao negou. _.,.---------,, s
O Sr. Luiz Felippe :Eis aqui orna portara, 1 de lOOtOOO, 1 de 800f000. el fioslaeate
cuja dita, i de 17 de Janeiro de 1861, posterior a 15:0009000, qae 4 o msor premio.
_____


'Os moradores
m
t toa Poraoja,''
i do princVpi.
escrevem-nos, do lado da T_ .
clamam pela lerceira vez da auloridade coaope-
=
.icita 'c era OUIUUUSU.V v*vaupo~
lale, que e digne e nter leitoi1 nadita ra
: de ea}ylho. ttim de arelando
easulho. *i de.Brelapdo
a* kgoM;' qs*j lotiMm rlH
alguraat csrr'ogss
lerreno, subslituir a
urna alagos,
feco de miasmas, que
deseuvolvimento das epidemtoassteautss **
Ha poneos dias aparecer. na ilrtma Sa
anesma ra alguna trabalhaaces, *jte pelo
-itrri{o fizerem escoar as agr estajeadas,
all ae achavam ; maa at hej tem ido eta
esperados que residera a* extrsoia epp
obre a votia delles para cooSavarvt. ooerv
' por rtso que estes vottem, szsr es tnago. obre a qual aguardas) providencias.
r
DIARIO DE PHINAMBUCO. ** SOBADO i 2 DI ABRIL DE 1861.
" II -------------. I II Si _________
%a} !?. I?00 0cu,1 da Cruz Marlios-iaara tbrmar-se processo, e darse Julgameolo, o Ricardo Freir de Arauio
nflo o registra da procuragao que lhe cont-1 que nao veriflca-ie no caso presente nao *6 Mttrf tiaksiM Lomsde? And de
m Antonio Jo.quira Bis, Medrar.be. Regia- oefeilo. da.cinco to.Um.Dhat. como por^S SpJoTdfs.nt! Ano.
seus depo.mentos nao proven, o qutzile esse- Francisco Ignacio da Silreirs.
sial, ou de ter -sido distribuida, oo mnao Ja* "teaa.1 Cafdoso de Macado.
ldol.no fctympio Baptiata de Mello.
Manoel Francisco de Barros,
procesio, que nao (orara baervadas as formali-
e.
trente:,
Outro de Joo feraandes Baptiata, pedindo -
lunera o registro de urna procuraco. Regia- carta, que deu causa a queia, e aeatnaa
e conrertem-IMlJIIf dJUBt .tatele, (ha mais de quioze peso.a) e.te Dentf
tuea ^ de Frederico GulllrermeArkwrghte Joao -
,v-.. =v-. h-' -6-.u.m piuiautios. uutro as Augusto iFederico dos Santos Porto,
- Acaba de Hectuar-te o disto. irras urna deheenea nnlioi.l nnn,urii> A*,;. j.______*.._ r _-_____, L-'o'r'
^H-_- vu .....,*,*...-o, uw uhihiTO une uuag
Barras urna deligeocia policial imprtente devida
aos esforgos do* ubdetogado respectivo o Sr.
fructuoso Das Alves da Silva, o-qual de corabi-
oacao can oSr. tenento coronel Coriolano, dele-
gado de Sennliaer, conseguio capturar e crimi-
noso de mor te Manuel 3 oaquira de Carvilho, ha
couito homiciad no enajeho'Botn Succeaao, pro-
derley
OSr. subdelegado do'Recife, Antonio Go-
me de Miranda Leal, fez ante-hontem recolher
.4 casa de dteselo i Claudio. Pinto de Borba,
pronunciado -m Ferio Calve da provincia das
Alagoas por crime de estelionato.
Evadiram-se da cadeia do termo de Florea,
por meio de arrombameflto, quatro presos, fe-
lismeoje de pouca importaacia, e o delegado res-
pectivo o Sr. Pedro Peasea de Siqueira Campos
fazia todos os esforcos para que fossm nova-
mente capturados.
o Sr. capuo Antonio GoncalvesdeMoraes,
actual aubdelegado do primetrodistricto dos Ato
gados, acaba de condemoar i Victorino Jos Fer-
reira 37 dias de priso, e multa correspondente
meta je do lempo,'como incurso no grao me-
dio do artigo297 Jo cdigo criminal por crime-de
armas prohibidas.
Nao podemos deizar aqu de lamentar que, es-
tando e rao preso desde 11 de outubro do anno
prximo passado, smente agora leona sido pro-
ferido o julgaroento inal da (eito, eataodo al.As
o secutado indiciado em crime de tal oatureza
em que o reo ae poJe livrar solt, menos que
teja vagabundo u sem domicilo certo. Has,
cumpre no em tanto confasar que cria omino
depende de circumstancias ponderosas, as quaea
ueixam coberto de qualquer responsabilidade a
repu acao do actual subdelegado, e seu anteces-
sor, pessoas estas dignas da eslima e eonsideracao
publica pelo zelo que deseorolrom no zercicio
de seus cargos.
Centesimo primeiro.
- tolelim ofjicial.
a .Da presidencia da provincia nao recebemos
communicacao alguma otficial, da qual Qzeste-
mos extracto.
A' vista das ultimas noticias procedentes de
Caruar, S. lisc. resolved que para essa cidade
seguisse outro_ facultan vn, am de que auxilie
o que all se acha do traiamedlo das pessoat
accommettidas, ou preste seus servicos em ou-
tro pomo da comarca.
a As 6 horas da tarde de 11 de abril de 1362.
Dt Aquino Fonceca. #
Rbpart;qo da policaExtracto daa partes
doa dias 10 e 11 de abril.
Forera recolsidos casa de delencao no Ha 9
do correte :
A' ordem do Ulm. Sr. Dr. chefe de polica,
Luiz Rodrigues Damaceuo, preto, de 25 annos,
eitivador, para recrata ; Manoel Xavier Carneiro
la Cuuha, pardo, de 27 annos, agricultor; Lucio
Jos dos Santos, pardo, de 25 annos, agricultor,
ambos por briga.
A' ordem do subdelegado do Recie, Mathiaa
dos Santos Braga, branco, de 7 annos, para ave-
guaedes, e Joaquim, Africano, de 30 annos, es-
craro de Alvaro Augusto de Almeida, requisi-
caode seu^senhor..
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Anastacio do Livranrento, pardo, de 38 annos,
caooeiro, por saspeitas de ser desertor; Vicen-
te Malinte, branco, de 33 anuos, calafate, por em-
briaguez.
A' ordem do de S. Jos, Jos Emigdio Ma-
noel doa Santos, pardo, de 21 annos, sapaleiro,
por haverdado urna tacada ; Rogerio Simoes da
Silva.; Aotero Jos Rodrigues, pardo, pescador,
por infraccao de posturas.
A' ordem do do Poco da Panella Joaona, pre-
ta.de 40 annos, lavadeita, escrava de Joslga-
nacio Pereir'a da Rocha, para averiguaces, e
Fraocisco, preto, de 35 annos, escravo do Jos
Cavalcaute, por fgido
Dia 10.
A' ordem do Ulm. Sr. Dr. chefe de polica,
Jos Carneiro de Mello, Indio, de 3 annos, agri-
cultor, por crime de mortono termo do Cabo.
A' ordem do aubdelegado do Recie, Cleudiuo
Pinto Barbosa, pardo, de 35 annos, agricultor,
por crime de eetilionato.
A' ordem do de Santo Antonio, FirmiaoJoe
Francisco, pardo, de zO annos, por briga.
Na ausencia do official da 2* secc.o, o ama-
nuense. A.A. de Salles Dutra.
Passageiios da barca brasileira Thereza, viu-
da do Rio Grande do Sul :
Manoel Lopes, e Manoel Jos Martina.
. Passageiro do hiale brasileiro ralaco.aa-
hido para o Aracaiy : Luiz Antonio Pinto.
Movimenlo da enfermara da casa de de-
tengo do dia 11 de abril de 1862.
Tiveram baixa para a enfermara :
Manoel Antonio Espindolacholerina.
Joaona esccava de Ignacio Pereira da Roehf
anemia.
Tiveram alta da enfermara :
Manoel Antonio de Lima.
Joaoescraro sentenciado.
Franciscoescravo de Guilheraae de tal. '
M0H.TALIOAJ1E DO DIA 11 DB ABRIL :
Candido, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos; con-
vuloes.
Manoel, Pernambuco, 13 mezes, Santo Antonio ;
meningite. .
Franceliaa Alhanazia Moreira Lima, Pernamb.co,
11 annos, Santo Antonio ; creuss.
Pedro da Costa, Pernambuco, 40 annos, solteirp,
Santo Antonio.; pneumoQia.
Rosa, Pernambuco, 10 mezea, escura, Santo Au-
tonio; convulsOes. .
Ilaria Eoserenciaha, Pernambco, 4 mezes, Santo
Antonio; losse.
Frederico Wallor, Allemanlii, 40 annos solteire,
Boa-Vista; deaib.se puruleuta. .
Amaro. frica, 56 annos, solteiro, escravo, Boa-
Visla; pfathysica pulmonar.
Fetnandes, PernamiMlcoT-i-anoos, S. Jos ; es-
pasmo.
Maria da Ceeisaa, Afeica,* 4$ annos, solteira,
Boa-Vista; phthyaica pulmonar.
Manoel, frica,.60 anuos, solteira, eterav, Boa-
Vista ; bydrapesia.
Joao Lonrengo, Alagoaft, soltairo, 30 annos, Re-
cie ; bexigas.
Christovo, Pernambuco,2i annos, solteiro, et-
cravo, Santo Aotooio ; cholera.
Jernimo Jesuino Goncalvea, Pernambuco, 19 n-
oos, solteiro, Recifej phlhysica pul mocar.
Manoel de Jess -Borges, Baiia, 31 annos, soltei-
ro, pardo, Umbor, Boa-Vista ; cholera.
Mana, Pernambuco, 8 mezes, Santo Antonio;
puimonile.
o uhso. Atsigd. a
Outj* de Ssasvaaj^ Ceaato
gtslrd tita. sraSbco mm
requeajeto.
Outro de Augusto Frederico dos Santos Porto,
tMBaatattatl f\ ratrtt-rn fin li*r%lr\ i+. em 4im n
rw.uw v lOljiOMV uv tttuiu uta tUUI|iia ajo ima c
pertences que fez a JoaoGoncalves Villa-Verde,
Como requer,
Outro de Horacio Tiburcio da Cruz Muoiz e
Freocisco da Sitva Machado Lobo, pedindo o re.
gieire do seu contrato social.Vista ao Sr. dae-
embergedor Qacel, ,
Nada maia houve.
SESSAO JUDICIARIA EM 16 DE ABRIL
DE 1862.
PACSIDEMCIA DO EX.. SR. BE9E.BARGADH
SOUZA.
Secretario, Julio Guimaret.
A' meia hora, o Exm. Sr. presidente abrie a
eesseo, estando presentes os senbores desenrtrsr-
gador Silva Guimares, e deputadoa Reg, Co-
rnos, Bastos e SlWeira.
Lltfa, fol approvada a acta da sesso anle-
rior.
Appellante, Joao de Siqueira Ferrp e outro ;
appellados, Southall Mellors & Companhia.
Designado o dia de hoje
Sorteados os Srs. deputa.los Reg e Lemos.
Relator o Sr. desemoarador Villares.
Adiado a pedido do Sr. Lemos
FAS8AUEKS.
Appellante, Jos Teizeira Leite ; appellados,
Manoel Joaquim Novaes de Cfmpos e outros.
D. Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
deaembargador Villare.
D1STR1BUBS.
Appellaotes, appellados, Flix Souvage & Com-
panhia ; appoJlanies, appellados, Sev, Filhos
& Companhia.
Ao Sr. desembargador Villares. *
Nada mais havendo s tratar, o Sr. presid.ote
enceirou a sesso.
CorrespondenciaSc
*^MW..M*nMHWM.M*
Sr. Redactores.Os bomens perversos, aquel-
los que s coohecem direilos e nao cumprem
seas deveres, medindo os outros por si, nenhu-
ma duvida tem de calumnia-las, quandono en-
coolram em sua vi ja actos que os deslustre;
eis o quo se d no Apostata, autor doAo pu-
blico,inserto no seu Diario de honiem, tratan-
do do Sr. Viclorioo Jos de Souza Travassos, ci-
dado prestante, ptimo pai de familia I Quaes
forara, porm os actos que encanlrou esse apos-
tata, praticados pelo Sr. Travassos,. qua mere-
cessom censura? Occupar o lugar de subdelega-
do da povoa(o de Beberibe e de j.iz de paz do
mesmo districto 1 O prjmeiro por eleicjio do go-
veroo, o segundo do povo; oo eotretanto que
esseiovejoso, nao tem podido obteriguaes, luga-
res nem mesmo urna ctpelania, qujga do Catucl
A terceira aecusago, que fez esse Caifaz, foi
na thesouraria da irmaodade de Beberibe, cujo
patrimonio rende um como e seiscenlos mil ris,
o que para elle ura thesouro.; mas quem co-
nhece asdespezasdaquella irmandade, quera sa-
be o que rendiraenlo, ri-se de semelhaute mi-
seria, e anda mais por er esta aecusacao taita
ao Sr. Travassos, proprietario abastado, homem
laborioso, e que sabe viver com seus (eodimeo-
tos sem ser pesado alguem ; descance, pois. o
mesmo Sr. Travassos, que semelhautes aecusa-
coes revertem sobre quem as produz, e crea que
achara sempre na lice paran deffender
O seu occullo am go.
Srs. Redactores.Ot caracteres mais illibados,
os horaeos maij honestos, nao esto livies de
serem mordidos por aquelles queso tema mira
no rnteresse, e que pouco se importara ferir a
quem quer que lr, comanlo que lhe resulte
interesse. em cujo caso est o autor das porgun-
las eitas ao respeilavel corpo de coramercio
desta cidade, e qu,eJorsm publicadas oeste Dia-
rio de honiem, somenle com o Qm de morder
ou de intimidar, para ver ae com tal publicaco
colnio. algum dativo de proveito; oo eolr^tan-
to que nao Ignora elle que esse dinheiro foi
competentemente entregue a quem competa, e
de que existe titulo legal, assim como as outras
aecusaces nao prdeedem, avista dos documentos
que exislem, como j foi respondido, por um
amigo do alludido, no Diario de hontem.
Desengese, pois,A alma doeslrangelro,
que essa pessoa a quem elle quiz ferir ainda tem
amigos, que quebretn urna laoca em defeza da
probidade e da honra, sendo um delles .o
lnimigo da calumnia.
- a ,ili.
CHROItlCAJIDICJARU.
. Tribunal do e#mmmio.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 10 DE ABRIL
DE 1862.
rnEAWEKCU DO EXH. SR. BESE.BAaGADOR
T. A. DE SOUZA.
A110 horas de mentas, reunidos os Srs de-
putidos Reg. Lemot, Batios e SUveira, o Sr
presidente dectarou aberta a sesso, sendo lide
e approvada a acta da ultima.
EJfEDIESTE.
Forara presentes as cotaedes officiaeg io pre-
oa correntet da prafia, da" ultima semana.Ar
chive-te.
DESPACHOS.
Um requ.rimento de Olimpio Ferreira da Sil-
, valo pelo Sr. desembargador fitcal, pedindo
er nomeado agente de leudes desta pract___
na torma do parecer fitcal.
Outro de Joao OaWoo de Aguilar, pedindo o
registro de sua socade em commandila com
Mtooel da Salva Santos, tambera visto.Addic-
ciooando ao Razio adoptada a expraesao com-
panhia que nao envolve o nome de ocio com-
manditario e coowguintomente tem sua respon-
sabilidade alera do tundo em commandila e s-
mente indica que o socio solidario no e'iti j ;
P'fanflD Cl dovos e T.Ihos dirtltos, r
tre-fe.

Srs. redactores.Vo\a primeira vez recorro a
mprenst, e logo para dar um publico lestemu-
otiodemeu reconhecimento. ao venerando triba-
nal da relaco do districto, pelo acto de summa
juslica, que acaba de, praticar mandando-me por
em Uberdadea vista do processo monstruoso e tvi^
dentemente uullo que contra mim se urdi em
banto Antao por um phantastico crime de injurias
em cartas particulares qua me imputen o Sr. Dr
Pedro Bezerra Pereira de Araujo Bellro.
Sinto grande di.fficuldade em echar expresadas
bem significativas para reproduzr todo ..acriso-
lado reconhecimento que devo a to Ilustrados e
inlregos magistrados,*que somonte pr amor a
JustiQa, e em obsequio da lei, de que sao os mais
tiea e restrictos executorea zeram baquear
aquella molla. JBBienta da perseg-icao de que
idfehzmente all me conatiluiram viciima, aem
alias eu a haver merecido.
E pois. ao nSo me dadu exprimir exactamen-
te todo o senUmento d. sbita gralido q*e pos-
suo para, -conj lao dianctot juizes, ao menos
uano-me de fazer ella a mait solemne conOs-
sao com todas as vacas do meo oraco.
Eotretanto-nao su^or minha ndole, e educa-
Sao como pe o meu carcter sscerdolal, e poroa-
B7arer.Chpl,tai1 ^""a* a0 dlo Sr. Dr"Pedro
mjQsues, e niqua perseguico que contra mim
promoveu os graves eocommudos o profun-
dos desgoslos que me causou, bem assim os
airozes^ultrajes que me dirigi, rroer no .cio da
aecusacao, quer nos respectivos aquo, quer oes
suas eotrespondencias, quer emfjm oes excelieo-
tes cotas por sua propria letra, escripias mar-
gem do predito processo com referencia a mim,
por meequinhos Interesses. como por exemplo
tTmirfa.''1 de'"re- de almo* Por nove mezes!
lempo e&le, que fui seu capello. sendo precise
'11" I"6 "(i,luerer eu Wretr.r.raer
godepoiada mlasa elle me obrigavaeacceitVr o
seu moco para agora langer-ae em rosto..."
Beus algum da julgardevidamento todo eaae
procedimento do Sr. Dr. Pedro Bezerra PereS
de Araujo Bellrao que nara comido leve, com
que unicameote desde t me dou por mui salie-
teito. Os bomens .sensatos porm o araliem
como l Prevaleco-me da ocTaao, Srs. redactores,
para agradecer-Ibes muito muilo, todo o empe
nho que Va Sa. demonstraram em seu concei
VI p
cin
loal
vid.
icumprBj
le artig
cdigo.-
am, pottsPo.Bbse|lo Sj|,Dte imme
latamente solt : naodam mais que se proce-
dy^jnno^oT trcTrtirrto-tanio cuutn o jtrrrTnuTrt-
cipal que formoa tal prooesso e deu a sentenca
de tolhss como.costra e j.iz dedireito aue a
occasiSo ds appelle^ao nao repardutao Ragrao-
teanullidades.e althancioou-at quodo apenas
limitou-ae a mediear a pena imposta.
Beterminam, qoetire-ae copie .uthentica de
-todo procetso, o teja remettida ao iolz de di-
reto de Sent Antao, bem assim outra igual
copia para ser entregue ao desembargador pro-
motor da justiga pata promover a responsabilida-
de dojnrzde dtreHo. J *
Recito oito de abrftde'nfiloitocentos e sessen-
tae doos.Leao P-, Loufenr;o Santiago vencido
quanlo a responsabilidade. Silveira.Gitlrana
vencido quanto arotpOBsalrHidadeihr\viz dp d-
reito como de juiz municipal.MollaUchoa
Cavalcar/ti.
E' o que consta do referido accordS exarado
no processo dehabeas-corpusde Fr. Hercu-
lano do Coracio de Jesut Brilo, ao qual me re-
porto. "
Recie novo de abril de mil oitoceolos e ses-
senla e dous.
Domingos Iffonto Ferrair.
i^ePa tKi
Ulm. Sr.Para obedece* ao .fflceo de V. S
i Tflat}0J lUm- Dr-->e e policia,
tado de 30 de marco do ser rea te sast que me
ipoe a obrigeQo4e reetwnder. uta Uecho do
jarto eocommendado-atesto (rflgsrMtt. Manoel
Paulino de Souza.em que se refere a mioha p.es>
|e. d^-V. S. primeiramento perniuir-mra ftft-
lorie a cansa da intriga desse vigario conmigo,
o farol muito apezar rnag, porque toodo recebi-
do ums educagao, apreodi a reapeitar a todoa os
meus semelhantos, com especialidade ao clero ;
mas comsitado, para salvar a. mioha repntacSo e
honra lio atrozmente mordida por um homem,
que deve ameoto exercer actos de caridade e de
religiosidad*, mormeoto quando o seu officio in-
serto no Diario de Pernai&tieo, nao lido so-
monte nesto comarca.na qual j se ha aquilatado
muito bem os costnmes desee vigario, e sim por
mutlas triras partea, onde a a elle teremos
desconhtcidos, me corre a necessidele e dever
oe dar ama nota, para que bem se forme urajui-
ro a bosso respeito,pecialmente V. S. e o Ulm.
sr. ur. chefe de policio que bem ao nos con he-
C0r8
Teodo esse vigario viodo residir nesta povoa-
Qao como simple padre, principiou por exeroer
actos alrabilenos, ecomplelemenle incompelives
com o teu magieterio, o por itso foi eabindo oo
deaagrtdo dat autoridades, a menos que nao tos-
t aquella que litongeasse teus detregMdos de-
satinos o caprichos. Neste sentido iotrigoo-se
com o subdelegado tenenle-coronel Manoel Xa-
vier Carneiro da Cunha e quem insultando pes-
soa I mente, munido de urna pistola oi'pelo dele-
gaoo da comarca preso,, processedo e remettido
para as prisoes da capital desta provincia: com o
alteres Manuel do Nascimento e' Azevedo hoje
capitao. quando subdelegado do districto, e com-
maudanie do destacamento : e finalmente cont-
raigo logo que fui oomeado subdelegado para o
mesmo lugar, principiando o tocto da maaera
seguioto : Entrando en no exercicio, esse pa-
dre abusando da emizade que comigo mantinha,
gabou-se em mioha preseaca de ter esbofeleado
a Vicente Ferreira de Meodonca nesta povoacao :
em seguida, na tacrislia da capella, hoje matriz,
na mesa em que se preparara para ir celebrar
musa, voltaado.se para as pessoas que all se
pulvi, it te pulverem^^rurie fp^uTos's^o I f^SSS^SSSiXS'^T P bi^i0- d"
ot espiraos heroicos, que, compenetredos do de- CSSl I. "<'' ">e dado um Uro em um
ver seorguem era generoso soccorro do "fflicto., fUcIr- atuuS?*^ 8eU qui?lal- 6 M*B"do
e sobretodo da classe pobre e desvalida mas T.n\ fff"* p qU9 ,0,lr**- *"> logo que s.rgem os primeiros ."or de ",\ Su!'6 *e um oulro dia encontrei-o cora
almosphera menos c.rregada -'loga?w"abo- Sfm f "S-0* ed'Me-me ler nanea, por graca divina, acea e Man reanimar v.A > momeal f -P.-l. os cabeca do mesmo
os ab..,doa e dispertar o's indilerente, o" 1?!,^'?. r wrcujo. tactos dignos
APm a promeasa do seu gozos, nao f.U.m^con- I Ht J?' 'fiff&Aitt!& a*PV>ente. par.
crranlas p.rlilba I ma densa quvem de zan-1 InuLulV^&^m-V'' *Va*" a '? "
goesoaosa^deixa. eapertr, e vem em dism.u i h! 8 m .,: rom Poaco tive necessidade
dess. imm.rcea.ivelco,dadeglori. que.6 e s6. Uu.n'f'?' ****"* ds subdelegaela para os
mente deve ciogira. frontes dos que'.Vostando uZ2i em Cl)J. lemp exerce taM ,aClos e
os perigos dispenderam seus commodo! seu. re- i \1Z1~S~~.9***-*** 1u8 ch00
curses, sea lempo e cooselhos para mi'noraL mSftJ!V*L ** PoUc,s'e P"Ot s- E.
dos miles que p^avam sobre seus eem^lhantea I !? Sr' blSp d,ocen>- Finelmeoto. entro
Assim corriam ascS**..\VSSEt' 1VSIX^S^* C e,-me Umbem fle
co de 1856, e corrern, revelia, ara .a voz toe2 SS %?*"* Vlgar'0' CAge6 *6
contestante ; agora, porra. nos ib.iio assign- ^"dl?!^.iUdrerer subJu4 ""
dos, moradores nesta povoacao de Nossa Seoho-
ra do O, e seus arrebaldes, comarca de Goianna
victimas como fomos do mais doloroso abandono
contra as valas e diligencias do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, nao estamos diepostos a em-
mudecer ante a repettoao desse egostico eauda '
COMMERIO.
frfTt ftiii
Praca do Recite 11 de
abril de 1862.
*** uw XV/VaHt mi^aasj^ptaaj
Colantes U juta fecorretores.
Nao aouveraaa cotacoei.
J. da Cruz MtJaalo-prestde.te.
, Jn Ga8asecretario.
Rendimento do dia 1 a 10.
idra u0:1rl. .
247:786|617
. 20.7341873
268 521|492
- Movimento da alfandesjrm.
Yaiameeanlradoteomfazendaa.. 53
ora gn.roi.. 278
Velamsa aahidoa com f a rendas.. 210
com gneros.. 238
= 334
Srt. Redactores. A verdade deve em todo o
tempo ostentar-ae pura, clara etingella, como na-
turalmente repeUi.do os atavio da riseoja, os
ealelos fascinadores creados peto condescendencia,
pelo nepotismo, e ouira qualquer peizio menos
honesta, e oTjnsiva da juslica. ,
A cada um o qwe lhe pertorree.
Redile qua sunt Cataris, Cojsari, et qm sunt
Oe, Deo $ e muito principalmente em nbjectos
transcendentes, que affectam imraediatamente os
interesses pblicos, e a -vida do povo.
Ko decurso daa calamidades, quando s se ou-
vem, a cada canto oa gemidos da miiera huma-
nidade quando o pavoroso e luctuoso pregoei-
.tfiSStt^^ x ar*-2 m peM."que iiiaa
coso espelaculo nao queremos coacorrer pelo
nosso silencio, pare a eolhronisac.o da cobar-
da e para qne o mrito real se veja nivelado
se nao confundido com o demerito, e se anniqui-
le pelo espirito de patrooageea esse grandioso
otlimulo das accoes heroicas e gloriosas em pro-
veno da humanidade, e com prejuizo at do co-
fres pblicos.
Sim, verdade, nao fomos olvidados por S
Esc o Sr. presidente da provincia, na cnse ape
toda por que acabamos de passar um homem
com as falsas reverendas de medico e chris-
jOado com o phosphorico e immerecido titulo de
Dr. Amenco Alves dos Guim.raes.noafoi aqui-
nboado, munido de urna ambulancia bem soriMa
e sufficiente ; mas cumpre-nos declarara quem
lumra ouvir, cumpre-nos gritar em voz aiiieo-
nanie, que seja ouvida por todo o mundo qua
4 despeno de to louvaveise paUroae intoncss
do governo, nos vimos bracos com a morte e
tetiemuuhamos o acabameolo de oossos fllhs
irmaos, pareles e amigoa leetemunhamos
devaslagao do povo indigente e desvelido, sem
que ttvessemos o consol de ver esse medico
nosso lado, sem que o vlsseraosao p do leito de
ums enfermo: porque elle, deixando-teaco-
) mais elevado ponto, viva clausurado
era urna casa ; durante as nmtes niagem abria s?JmZE?Z2 "re"ta.Bd
aporta, ninguem allava para evitar o-r-ton^ q r '. 'f apre? 00 eotendimento.
., .. i: # .. -"" uiaguouj auna
a porta, ninguem allava para evilar o-relemo
nat manhaas pare eviter os miasmas, que paira-
vana sobre a povoago, e s abra urna -delias
pelas nove horas, e isto mesmo forc de pao-
cadas do subdelegado, quando lhe bradava tres
quatro e cinco vezesi para- almocar, dou-
lur, o almoco est sobre a mesa, est estriando :
u.i u .""5018 ^J""8; na. h agora doen-
I ele. etc. > durante c resto dos dias a
prichos desordenados, e a urna auibic/ao desmar-
cada pare enriquecer, ainda mesmo que pooha
em alvensria e relazaco oa mysterios mais sa-
grados de nossa santa religiao, em cuja occasio
nao trepida perante considerado eiguraa I I I
Nao respeita a moral publica, e menos leva em
linha decoota a aquellas autoridades, que o pre-
tendam bridar na carreira de seus mos feitosl
Approzimtndo-se da nos a epidemia cholerict,
e combinando eu com os Ore. Souza e Americo
em um lugar que mais commodosofferecesse para
ai inhumecoea doa que perecessem, oi designedo
e etcolhido o mesmo lugar, que aquella vigario,
enlo simples sacerdote, de coxbioaco commi-
go mesmona qualidado de particular, na epide-
mia de 1856 escolheu para o mesmo Qm ; porm,
o seu genio sempre disposto para resistencia a
toda e qaslquer deliberarlo da policia, e sempre
contradiloiio em si, para logo o levoa a umaop-
posico completa, e resistencia formal nossa
deliberacao, e designando por ti outro lugar para
ano cemiteno, tutorisando indirectamente a qual-
quer do povo a enterrar seue cadveres indistinc-
tamente.
Conheceodo o Dr. Americo o prejuizo par ia -
lubridade publica de um procedimento de se-
melhanle ordem, ofliciou ao Exm. presiden-
te di provincia, scientilcando de ludo, e apezar
ae s Exc. ettranhar a esse vigario um proce-
dimento tao reprovado.aioda assim pertinazmen-
se conserve no proposito de se oppor a todas as
ordeos aupenores, conUouando i sustentar que
ocemiteno noseja no lugar escolhido. u-
por elle approvado, pretextando niageas
--. _r.^. .u. cuicuuiuieuio.
Contrariado por na e por S. Exc, exarcerbou-
sa a tl ponto-que entendeu dirigir-me todo e
qualquer Insulto,, ainda mesmo imprestando-me
aquelles actoa, que s elle aoube praticar quan-
do capello oo Trigueiro de WaHreth.feaqui mes-
mo nesta. p.voacao.
Felizmente. Illm. Sr., esta caraira nos conhe-
ce. e meito bem abe. que teoho levado urna
vida_ tsenta de crime, cujo iuizo nao ser per-
de200je30DSr. por umaholl I I *t a offer,a "J^"!^ifccusicp, que me fez pr.oi. o
Declinada a epidemia, relirou-.e par. a cid.- cao?dH5?*t\,"*' lnc0rr9:'* Pbriga-
de, de Goianna, e eutregou a ambulVooie atai' nU algumaiC0UM 'espetto.
tntacfa. ao digno Dr. Jos Joaquim FUratoo rtLiS ^ V,gafto fl0n uns dou noeiros
este vina da prova autentice di^22L i nuiU5"i-al,a^ C^fll0/ de mai,os 'icior t?rBCi-
d,ue lhe toram; dadas, excllraou perale d^eZs"' PB .,V.te f^i ,0S F'oreoci. i* d pesipa, incluiive o profesior d primekas lekM i ,i!fU*. B *' i*0 heiro e J ** lomando seu
desta povoao. Jort.JlSfiSSSsT^tSSJ^ defender de qualquer caitigo,
v.0h! doutor.a ambulanc U ea nu.ei oomn1 US?!!****1* D0 detcamento a que ptr-
seu zelo eaciivid.de. ^'oo^^m-^Z1^^^ deTa ">ar o laclo ima-.
bitos. -' nuai dos ginerio, que levbu ao conhecimento de S. Exc. ;
A fores desta censara nio Bfl c.o.z d'a faz?r sSl? a'S^c qoe' P de aua rolaxasao;
chegar o rubor as Taces do pntUlMlme aue tu- ,., ,^U ^o .stenur ets afeive, ma
do soffria snbmisso, que a ludo"ae !iA.q,.V calum.!"a ,ao lesenxabida ; serfdo argido a Ial
*.. ., _,.' Ll 9 tonto que o nao orjatiera a 'iis'sV7m ob"-
iSSS^-i "" u^ >el.raioi e ot ana-
themas dos que sobreviveram nesta povoacao e
ees arrebaldes, e perderam leus doenlet de-
verdadeiros trophos de gloria "_ qu o
p.blico e o governo cotloquem.sobTe a cabeca do
hnr."^ AIadIr?l da PPul"o a NosssSe-
martes. *^ Dr> AmerC(> Ai do< Gui-
.0L"]!^ a,9i*n<1" aceitara perante Deus e
Sito responsabilidide ao que levam
Nossa Senhora do 6 de marco de 1862.
Cap ao Joaquim Jos Gomes de Ollveira.
. Capitao Manoel Bezerra de Menezet.
r pl!a0 f";,a.no Calcanle da Cunha Reg.
ia^.'!:'!)iSri0 clan?aPdo in6esantmto"Mn7re Capillo rtio ManoeTde'Meneiei1
?af,.d ^SS*-"1^0-* qU9 U QQceniemente Q J^'^ de paz Joo da Costa Ribeiro r
arrastrado, ^^verdade vulto procedimento ou "*"" --.....
nao poda esperar do.cavalleirUmo, eapirito im-
parcial e jusuceiro quo sempre dislioguirem a
Vs. Si., principalmente em favor dos que toffrem
qualquer oppreaaao, sendo que elernameoto Ibes
-agtadecerei todas f-ssas aezas.
Outrosim, peeolbas Srs. Redactores a prompta
ublicacao dest. mioha correapoudooei, bem
pmo da certidao que a acompanha do colleudis-
limo accordao do conspicuo tribunal da relaco a
ilSh"1.?" alludl oda'>do restituir o oso de
ratnh. Ilberdade indebitamaole violent^li.
Preao-me de ter de Vi. Si. atiento venerador e
obrg.do patricio uoor e
ZLi^UlAtt d0 ** Jius Brilo.
Domiogoa Aonso Fexreira, cavalleiro da or-
dem de Cbristo, e aecretario da relacao de Per-
nambuco por S. M. o Imperador consiftucion.l e
defensor perpetuo do imperto do Brasil
Bm ilude do despacho suppre certifico ser o
aceordaodo theor segainte:
, Accordao em relacio, etc. Que vistos e rele-
tadoa oa autos eoocedara sollura pedida peles
paciente Fr. Herculauo do Coraco de JeaneBri-
|
8- nu
f.
, qu
lo
------------- -- ww- y~- v vuatj. Ul 1 -
porqusulo ainda quaodo paiiesse haver bate
Tenenle Manoel Uattot de Gouvei. ''
Tenente Fraocisco Cezar de Alboqneroue
Tenente Ignacio Bento de Albuqueraue Helio
Tenente Jos Mara Peixoto de And7.de
Teoente Joio Peixoto Ferreira de Aodrade
Tstate Feliciano Cavaleanti da Cunha Vascon
Altores Manoel de Araujo e Souza
Altores Cosme Sabio Cavaleanti.
SS 823 Z onGr.ria MeneM-
vtSS Ferre?. H?W "<"**>
Antonio Gomes Ferreira,
Antonio Jote da Luz.
Bellarmino Francisco de Salles.
Jos Carloe d. Araujo Aodrade.
Galdino Coelho de Moura.
Joao Ribeiro de Araujo Lima.
Jos Alves Cavaleanti.
Joo Baptiata Guedes.
Viceote Atoes Ferreira.
Francisco Gomes Pereira.
Manatdds Silva Sampeio.
Manoel da Costa Henriqoes.
afflirmando ser falsa e calumniosa semelhaot
impulaeSo ; o^ue se poder bem conhecer se
toroovldo o dito altores para quem completa-
mente appello.
Finalmente, Illm Sr., pel, que levo dito deve-
ra v. s>. ter conhecido da minha innpeepcia, por
demaia conhecida neat. comarca, e da barbara
ateivoaia desse vigario cuja coosciencia desde
sua infancia, quando criado sob auspicios de po-
bres sapateiros alera de suas torcas, hoje os olha
com desorejo e detdem sem se lembrar desses
paes nicamente por elle conhecld. : desde a
;**Vina de'eonari8ta, onde incorreu (segan-
do e publico) em excomunho solemne; desde
o acto de sua ordenarlo,, toda fllha do ompe-
nho e protecrjio.e nao te seus merecimentos.me
justiuca e leve a ullima.conviec&o, que um ente
coberto de tontos toctos immerecidoa.oo trepida
perante qualquer cousa para|manchir a reputaco
aaquelle que cabio no aeu dessgr.do, nem mes-
mo par. desobedecendo a prim6ira auloridade
da provincia, e cohonestar esse seu novo crime,
deprecar providencias para ser garantido aea
asylo, honra e vida, como contsndo por eerto,
qe o sua leivosia, alias completamente pueril,
ecnoaite no animo de pessoas superiores-
Julgo saaim ter retpondido o offlcio de V. 8. a
I06"1 Dus guarde por muilos annos.
ti. t* Senhora d<> O'. 8 deabrildejfl2.
illm. Sr. mejor Alexandre de Barros e Arouquer-
que, muito digno delegado de polica da comar-
ca de Goianna.
Vicente Ferreira Coelho da Silva,
Subdelegado.
Nos abnxo atiigoados attestamos ser a assig-
nat.ra supra do proprio Vicente Ferreir Coe-
lho da Silva, aubdelegado de Nona Senhora do
o de Gofan.a, o que juraremos se or neces-
Nfflv
Recito. 11 da abril de 18M.
Jns Coelho da Silva A.
_ Miguel dot Aojos Barros.
Estovara selladas e recoabecidas as duas r-
oes.
-=-. 44g
Desearragem hoje 12 da abril.
Barca americanaGordelie farinha e bolachi-
nha. ,
Escuna hollandezaGroockmercadoria.
Patacho italianoMari*dem.
Brigue bremeoteStsd Brasilidem.
Barca fraocezaHara NicoUc.rvo.
Escuna prussianaPrioz Regentidem.
Brigue portuguezEsperanca dirertot gene-
ros.
Potoce hespanhola Ilaria Lloberas carne de
charque.
Brigue inglez-Mary Wlnckcarvo.
Brigue inglezNadrydeidem.
. Iniportac&o.
Brigue bremenie "a Brasil, vindo de Lon-
dres, comigoedo a Rolhe & idoulac, maoifeitou
o aegaiote:
10 barris salitre, 4 ditos cios de chumbo, 21
toneladas carvo decolte.lO ditas dito de pedra;
aos consignatarios.
350 barris plvora, 40 dito i tintas ; a Saunders
Brothers 4 C.
30 barra salitre, 20 ditos Icatro, 4 caixas co-
bre ; Prente Viann. & C.
50 barris graze ; a James ( ablree 4 C.
Tn1108 a,ilre a S> P' j011,lon c
400 ditos polvor. ; a Ad.mson Hovie &C
00 barricas cerveja ; a Kra b Thom & C.
1 can. ether sulfrico ; a C, Walter.
4 ditas cobre; Chrittiani,
.6 ditas bolachinha ; a Tasa i Irmoi.
1 dito meiaa de lia ; a Vez i Leal.
2 ditas chapeos de sol; a tetn Nash & C.
1 dita charutoa ; Linden wflTd & C.
6 ditas camisas de algodo ; D. P. Wild
& o.
1 dita fazeoda de algodo, i dita chapeos de sol
de seda; a A. C. de Abreu.
25 ditas queijos ; a F. G. db Oliveira.
1 ceixa fazendaa de algodo, 1 dita chapeos de
sol de seda ; a ordem.
50 barra tintas, 1 caira lapis; a J. Halliday
ot c.
170 barricas e 104 caixas cerveja, 22 volumes
cha, 5 caixat gomma-lacca, lo ditas thereben-
Una, 1 dita effeitos particulares]; a ordenu
1 caixa e 1 barrica objeclot telegrapbicos, 1
volume saceos para carvo, 1 dito e 1 caixa li-
nbo, la, canos de lato e de obre, 1 caixa ser-
ras e escovas, 19 eixes ferro im'bsrra, 5 fardos
refugo de algodo, 3 caixaa pettencee de escrip-
lorio, 1 barrica liropadores de patente ; a compa-
nhia da estrada de ferro.
, 65 trilhos, 33 chapas, 21 gorr is, 25 molduras,
peJestaes para lampees, 2 es ac, 1-2 caixaa e
3 barricas, 6 ditas carvo ; a H, Green & C.
Brigue escuna nacional Guenioara, preceden-
te do Rio Grande do Sol, coosigolado a Amorirn Ir
maos, manitostou o aeguiole:
9023 arrobas de carne de char iue, 238 dilaa de
graxa em bexigaa, 1 barril con i 320 tainbas em
aalmoura, 1 dito linguiB dita,4( courosraecuos;
sos mesmos.
Bergantim nacional Maria liabel, precedente
do Rio de Janeiro, consignado a ~
oifesiou o seguioto:
530 saceos caf, 4011 alqu liras farinha de
mandioca. 32 rollos fumo, 230 meiaa barricas
vasias, 3 latas cha, 2 caixolea goiabada : a or-
dem. p
Exportado
Do dia 9 de abr ,.
Barca iogleza 0/irftt, para-Li rerpool, c.rre-
garam :
Kalkmann Irmos & C. 59 sa :cos com 306 ar-
robas e 21 libras de algodo.
Brigue inglez Coila, p.ra o
ram :
N. O. Bieber 4 C, 2,000 saceos com 10,000
arrobas de assucar.
Galera iogleza Hermione, p.ra
regaram :
Johoston Pater & C, 1,600 sacc >s com 8,000 ar-
robaa de assucar.
Brigue prassiaoo Prine Regen para o Canal,
carregaram :
Ssunders Brothers 4C. 700 saceos com 3,500
arrobas de assucar.
Brigue sueco Anno, para Stockholm, carre
garara :
N. Bieber & C, 900 couroi salgados com
Zb'7U.Jigras, e 310 saceos, 2 bar cas e 4 meias
com 1.784 arrobas e 9 libras de a sucar.
Barca porlugueza Silencio, o
regaram :
Antonio Luiz de Aodrade 69
com 1,878 libras.
Feliciano Jos Gomes, 100 ba
arrobaa e 3 libras de assucar.
Dia 10.
Patacho Inglez ^onAus, para
garsm :
Krabb Thom & C, 2,900 tecco.ixom 14.500 ar-
robas de assucar.
Brigue inglez Rozalie, para Greenoct, carrega-
ram :
Krabb Thom& ft, 1,50 saceos
bas de assucar.
Barca fraoceza Azu,. para o
rara :
Tisset freres, 1,000 co.ros com 46,272 libras.
Brigue hanoveriano Johanntt, para o Canal.
carregaram :
u K[kamenq Irmos, IOS taccaalcom 569 arro-
bas 16 libras de algodo
Brigue prusaiaoo Prinz ititM, para o Canal,
carregaram :
o nrartunderw Brolher & C., 1,800 saceos com
9,000 arrobas de assucaj.
Barca dinamarqaeza Foders ffiuie, para Gi-
braltar, carregaram : *
Patn Nash 4 C, 2,55X)iaccos com 12,750 ar-
robas de .sucar.
Barca portuguez a Silencio, para o Porto, car-
regaram :
.JL"*VL Ferrra da Silva Tarroio, 350 saceos
com 1,750 arrobas de assucar.
Barca porlugueza Dwpioue 11, par*Ltiboa,
carregaram :
Fireira & Lourelro, 45 pipas e 40 barra com
9.72U medidas de agurdente.
Brigae portuguez Relmpago, para Lisboa car-
regou :
Thomaz de Aquino Fonseca 20 pipas com 3,600
medidas de agurdente.
Barca nacional Rtcife, para o Rio da Prala car-
regou :
Manoel Gongalves da Silva'235 volumes 1,497
arrobaa e 10 libras de assucir. '
Becebedorla de rasadas Internas
aferaes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 10. 12:2691837
dem do dia 11......1:071|457
Canal, carrega-
Liverpool, car-
- 2i,,fe.^Teira Mato, eq.ip
I
-ll.atn
a AajoriaaIr-
9.000 arrobas i.
mi.
lio Gre.de f. gol n ft u
j* rti vy pauch *om **
-!i-.X?r]5!", ""totg.ei 8.cara SOO.r-
Idl!!tt,??,?fc" : ,,,a'4 ..
M4 toneladM, c.pitao Firmiao Meru Taiui-
\7- equipefsjssW. cerga 13.000 arr.Ne d.
" aecee ;a Balter fj Ollveira. ""
Idem-18 dias, barca ilaeaa fraato. d. 331
toneladas, xapttio Gio Batta Meirald. oauai'
gem 12. em lastro : BatM. Ueate. '
Navios sahidos no mesmo dim.
Canal-Etcana iogleza Flortnst, ceeitaolE ^
P.rtridge, ewg.w.wr. ^^ ** I'-
Liverpool "Barca togleze Flitn, Fisk, eafttao
Tbomez Elyborn, cerg. tsese.ro .Igsdis.
Aracaly-Hiate nada^irirxite/.^, eiaiQ. Tra-
jino Aotunet da Costo, carga Isxesdas -
generot.
Obeervieo.
Sutpeadeo do ltmtri. para Maeei a berta
gtoza Arr?ipo, cepitas H. Back,
lastro que irouxe de Santos.
Fuodwu a Umareo a, tan.
nao leve communicacao coas a ierre.
Pela iospeceo da elandeg a. tas Mabitas
que poda lt do correal, snlcts. a basta
ubhca na porta desia resarticio, dea*i, ,
19*200
395W0O
ra o Porto, car-
(ouros salgados
ricas cora 406
o Canal, carre-
i;om 7,500 arro-
llavre, carrega-
13:3415294
Consulado provincial.
tendlmento do dial a 0. ..30.8828511
dem do dia 11. .....; l:661684
32:5449095
NOVO BlPiCO
DE
I*LKYt>Iltt(0
O noto banco paga o 8- dividendo de
ljg_por accSo.
_Movimento dB port*T"
JVdviot tntrado* so dia 11.
Rio Grande do Sul 40 dias, patacho nacional
meio-die. 2 cana, ds marca MT .a. 89 e 90 c-
tendo 2t garrafas com frucleS. DtaaDda 79 lilk .
a 400 ri. 289800 Ni. ; 8 dito! sTaSrai Ll
dh garrafas de biller, pessode 126 libra. I_
da. 89 libra, a 666 rs. 599274 ris ; 10 Ha.
? T com ,,S -ma. de vermoaiar..-
"oSna^A' a-'" D *,i0cado Ot
f. 2205446 ria ; dutt dilaa da mes ese etrea S
absynth, medindo quatro caadas atetad mi*
a 49400 179600 ris; 6 ditas a aes^Mc?
com 72 garrafal de cognac mediad. 8 ea.adas
de alcool puro e 39200 255600 ; ? atoas Tbmw-
ca (o) com 48 garrafa, com vinho ebamoeaVa
medindo treze caadas a 49800 629400 reto ea
quaes fortm apprehendidtt no acl. ato vito* ato
deacargs de berca fraoceza iiua peto comatea
dente da companhia doa guardas Joaqaiai da
Cunha Figueiredo. *w^ -
Alfandege de Pernambuco 10 de abril 4.1802.
O primei.ro escriptarari..
n n ^ f"'so Jos ds Oliveira.
O Dr. Tristao. de Alencar Araripe. offlci.l im-
perial ordem dt Ron e uiz de direito etoeciel
do commercio desta cidade do licito e M. ter-
mo, capital da provincia de Pernambae., por
S. H I. e C. o Sr. D. Pedro II, que Usssgsar-
Fago saber aos que o presente edital tire as s
delle noticia tiverem qae no dit 19 de meio ee
ha de arrematar por veoaa a quena mais dar eat
praga publica deste joizo na tala dos enditaras
urna cata de sobrado o. 64. cito ne rea Imperial
e sotao, com 200 palmoe de frente i fuodo 42
de largura, teodo quintal murado coaa a largura
do oitao do aobredo a encontrer eo litio qae fot do
tinado Maciel, cootendo dentr. do oiu ejsteui
estribara grande, cocheira, um armazem Se ato-
posilo, poni de ferro que bote pera a travesea
que vai ter a margen do rio Cepibeiib., toado
mais ceoto e quareola palmoa de fundo oo terre-
no em que esti comprehendido algrele aM
est tora do numero cima mencionado,' cuto
terreno com prebende toda a largura desde o asu-
ro da travesa qoe vai margem do Cepissrib.
ao lado opposlo, perlenceote ao sitio 0 tarta
Maciel, avaliado por quarenta e teto coates ds
ris, o qual ra peohorado i Antonio de Silva
Gusmao por execugao que lhe move a caixa filial
do banco do Brasil oesta cidade.
E por falta de licitantes teri arrematado pete
prego da adjudiesgao.
Para ch.gar eo coohecimento de todos te p-
blicou e afTizou na forme de lei.
Recie, 11 de abril de 1862.
Eu Manoel Maria Rodriguea do Ntsciacato
escrivo o subscrevi. *
Trisio de Alencar Araripe.
Illm. Sr. inspector da thesoarara provin-
cial, em cumplimento de resolugo a jante da
fazeoda, manda fazer publico, que do da 24 ato
corrate se ha de arrematar a q.ea por att.ee
fuer o oroeclmento dos objectos precisos 10 cl-
legto dos orphSos de Santa Tbereza em Olind.
os quaea vao abaixo declarados:
Agua pormez.......................
Azeite de carrapato e vellat de car-
nauba, pormez...................
~ reupj, por mez................... 5*000
A arrematogo aer feila por teapo d. seis
meses, a contar do primeiro de maio ao .lilao
de outubro prximo futuro.
As pessoas que qulzerem fazer dito forneciate.-
to comparegam na sala dat aastdea da referida
junta no dia tuprameociooado, pelo aeio dia .
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn affixar o presento .
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per.am-
buco, 11 de abril de 1862.
O aecretario,
Antonio Ferreira d'Aonunciaco.
O Illm. Sr. inspector da Iheeouraria pr.viu
nal, em virtude de resolugo da junto da fazeoda
manda fazer publico, qoe t trrematigio o atier-
ro fazer-se desde a ra do Sebo e Tr.ap. at
a entrada do Mondego, fica Iraoiferida para dia
lo do correte. *^
E para constar se m.ndou a/fixar o prente .
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 10 de abril de 1862.O aecretario An-
tonio Ferreira da|Ano.nciagio.
Olllm.Sr. inspector da thesoarara pro-
vincial manda fazer publico para coobeciaento
iiX atd""ad.o o *. 48 da lei provincial a.
Jt0 de 18 de junho do correle anno.
Art. 48. E' permittido pagar-se a meia siza
dos escravoa comprados em qualquer lempo an-
terior adata da presente le independente de re-
validago e multa, urna voz que os devedores
actuaes deste imposto, o fagam dentro do exerci-
cio de 1861 a 1882, os que nao o zerem fieario
sujeitos a revaliago e malla em dobro. sendo
um tergo para o denunciante. A thesouraria to-
ra annuocat por edital nos primoiros lOdiat d.
cada mez a presente dlsposfgo.
E para constar se maolou afiliar o presente .
publicar pelo Diarto.
Secretaria da thesouraria provincial d. Per-
nambuco, 8de;jqlho de 1861.
O secretorio,
... A. F. da Anumpgc.
Illm. Sr. inspector da thesouraria provt-
cial, em cumplimento da reolugao da junta da
fazenda, manda toser publico, que 00 da 24 do
correte val novatoente a praga para ter arre-
matado a quem Otiis der a renda daa casas abai-
xo mencionadas, 'perleocenles ao patrimonio das
orphos, as quaes se achara desocupadas. as
chavas recolhidas thesouraria.
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 12.-1889000 de renda por ano..
Ra do Rosario da Boa-Visto.
Casa terrea n. 14.-2015000 de renda por aano.
Ra da Lape.
Casa terrea n. 41.I8250OO de renda por uno.
Ra de Cacimba.
Casa terrea o. 65.3009000 de renda por anao.
Ra dos Burgos.
Caaa terrea n. 68.2059000 de renda por aano.
. Ra da Sanzalla Velha.
Sobrado de dous andares e toja n. 795509000
de renda por anno.
Sobrado de doua andares toja n. 80.65OJ00O
de renda por anno.
Roa da Gnit.
Cas. terrea n. 83.1629000 de renda por ana..
Casa torrea a. 84.I6S9OOO de renda por anno.
- Roa da Madre de De.s.
Caa terrea n. 35.-1:621*800 de renda por anao.
Rea do Pilar.
Caaa terrea n. 98.1579000 de renda por aano.
E para constar se mandn afiliar o presente a
publicsr pelo Mario.
Secretara da thesoarara provincial de Per-
oambuco, 7 de abril de 1861. *
O aecretario,
n ni a "A" d'Annoaeiaeio.
u illm. Sr. inspector da tbeaouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Iza. Sr.
presidente da provincia de 14 do corrate, asa-
da fazer publico ano ao dit 18 de junho proilmo
futuro, perante jaula da fazeoda da mtsaa Iba-




- ------K. -___- :m '



DUIUODI fBWttUttfUCai ^,lABBiDa^ljaiULllE iffftl.
r
souraria, se hi de arrematar, a qaem por meos
flzer a obra do ealcameolo a faxe*ae oh roas do
Sebo e Trempe, avallada a braja qaatfrada da
empedrameoto pelo aystema Majt-Adajn esa SOS
e de calcamento de pedraa irregulares em tete
16|000.
? arrematicao ser feita oa IMm 4a- le pro-
vincial o. 843 de 15 de maio de 19* l-
sulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a mesma arre-
matado comparecam na sala AaMbetedas da refe-
rida junta, do dia acina meofisfadb, fePo nfeio
da, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou affliar o presente4
publicar pelo|Diarto.
Secretaria da ibeaouraria provincial de Per-
nambiac, 18 do msc; dl8*2.
O secretario,
A. P. da Aonunciacio.
Clausulas etpeciaes para a arrematlo.
1.*O arrematante dar principio obra logo
que fbr para esse flro avisado pela directora das*
obra* publicas e a concluir no praso de seis me-
zes contado* da dala do aviso.
2.*O arrematante obrigado a seguir exata-
meate na eiecujao da obra, a planta e ornamento
approrados, assimcomo a cumprfr restrictamen-
te as instrucQoes do engenbeiro incumbido da
inspedjo da obra.
3.aO arrematante flca augeito a observar em
toda sua pleoitude as obrigares que Ibe 3So im-
postas no capitulo 3 da lei provincial n. 286.
4.*0 pagamente ser feito por prestarles
mensaes conforme o numero de bracas promplas,
nao sendo, porm, um numero Inferior a sexta
parte da obra total.
5 *O arrematante nio ter dito a reclama-
S'o alguma tendente a indemnisa'$So. qualquer
que aejs a natureza das allegacet em que se fun-
dar para tal flm.
Conforma.
A. F. da Annunciaco.
iJeelarages.
Directora geral da instrrcco pu-
blica.
Pablica-se por eata repartico o quadro num-
rico dos alumnos que frequentaram as escolas
publicas da nstruccao primaria de um e oulro
sexo da provincia, em o qaarto trimestre do anno
passado segundo os mappas receidos.
Sexo masculino.
71
Recite (Ia cadeira.)
Forar (Je Portas (2*
dita].............
Santo Antonio (1.a
cadeira}.......... 159
dem (1* cadeira). 103
S. Jos............
Boa-Vista (1.a ca-
deira)............
dem (2. cadeira).
Afogados,..........
Peres..............
Vanea.___........
Venda Grande.....
Muribeca..........
S. Lourenco.......
Jaboato...........
Poco da Paoella
('8)............
S. Pedro Martyr...
Curato da S (vaga)
Beberibe...........
Para ti be...........
O' deOIruda.......
Igoarass..........
Itamsraca.........
Pilar de dito.......
Itapissuma........
Cabo...............
Nazareth do dito...
O' de Ipojuc.i......
Ipojuca (vaga).....
Rio Formozo......
Abreude Uno......
Una (vaga).........
Sertuhaem.........
Barreiros..........
Agua Preta........ 27
Goiaona (1.a cadei-
ra)......>....... 100
dem (2.a cadei-
ra)............... 72
O' de Goianoa.....
quim Pires Hachado Portella, tomado conta do
goverao da provincia, na qulidade de vico-pre-
sidente.
Secretaria da instrucQao publica de Pernambu-
co 3 de marjo de 186.
.' O secretario interino,
Salvador Henriqu de Albuquerque.
Atsos martimos.
44-
COMPANHIrV PERNAMBUCA.NA
Navegado costeira a vapor
O vapor Jaguaribe. sabir para os porto
do norte at ao Acaracfl no dia U as 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o dia 12. Encommendas, pas-
sageiros o diuheiro a frote at o dia da sabida :
escriptorio no largo da Assembla n. 1.
Maranlia e Para.
Segu com-breidade o blata tSobralense, ca-
pito Ralis, para resto da carga trata-se cooi
Caetaoo Cyriaco da G. M. & lrmo, ao lado do
Corpo Santo n. 23. *
Para o Cear
o hiato eGaribaldi, mestre Custodio Jos Vian-
na, sshe impreterivelmeote no dia 6 do correnta
com a carga que tiver: a tratar com Taaso Ir-
Leudes.

LEILAft
Sabbado ifc correnite.
rtae, Hortae, larga do Cirmo. Gamboa, ra das -.{lo
Flores. Nova, Cabina a recolber-se : roga-ss en-' em laila
carecidamente aos moradores das ritas por onda las:
a proeissao teta de tresitar, o obaeqaio delim-
flaM*flsta*)8 daa respectivas casis pira mais t
tacH transito da mesma. Conaistorio da ir man- Q
dadedoSenhorBom Jess das Gbagas 11 de sbri
de 1861.-0 Jcrt'io.
fraanaVco da taula da Patrocinio.
DB
de
Dividas, as 10 horas.
O agente de leudes Camargo fara'
leilao a mandado do xm. Sr. Dr. juiz
do co comercio e a requer ment dos de-
positario e.curadores da massa de An-
tonio Jacintho Pacheco, das dividas do
mesmo fallido na ra da Cadeia d. 3,
pnmeiro andar, os Srs. pretenden tes
podero desde ja examinarem a relacao
das mesmas.
DB
m
aos.

105
111
174
74
5*
79
29
19
35
40
63
124
16
31
61
36
53
40
54
21
93
62
32
56
63
Cruangy........... 51
Podras de Fago.... 68
Ponta de Pedras...
Timbaba. (Provida
sem exercicio.)
Nazareth .......... 65
Tracuohem....... 32
Vicencia........... 24
S. Vicente (vaga)..
Pao d'Alho........ 76
Gloriado Goit.... 39
Luz................
Limoeiro............ 41
Rom Jardim....... 71
Taquaritioga...... 37
Victoria............ 96
Escada............. 48
Bonito..'.......... 23
Bezerros........... 58
Ciruar........... 41
Altioho............ 39
Panellas ..........
Quipap...........
Gravat............. 24
Rrejo.............. 30
Pesqueira.......... 23
Alagoa de baixo... 35
Garanhuns........ 32
S. Bento.......... 57
Papacaca.......... 65
Aujs-Bellas...... 30
Correles.......... 34
Buique[vaga}......
Flores............. 20
Baixa-verde....... 26
Villa-Relia........ 26
Tacarat,.......... 16
Ir.gazeira.......... 16
Boa-Vista (vaga)..
Ouricury........... 26
Granito do Exq.... 18
Cabrot............ 31
Salgueiro.......... 34
GOIF AMIA PERNAMBIICAIU
DB
.Navegado eosleira a vapor
Macei em direitura;
O vapor cPersinongaa, commandante Houra,
sahirfi em direitura no dia 15 do correte as 4
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 14 ao meio dia. En-
commendas at o dia da sabida ao meio dia e
passsgeiros at ss 3 horas.
Advarte-se que nenhnm passageiro ser rece-
nido a bordo sem bilhete da gerencia : escripto-
io no forte do Mallos o. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
E
At o dia 19 do correte esperado dos portos
do norte o vapor nacional Paran, commandan-
te o capilo-tenente Jos Leopoldo de Noronba
Torrezo, oqualdepois da demora do coslume
seguir para os porlos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, e engaj-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada.dinhel-
ro a frete e encommendas at o dia da sahida is
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antooio Luz de Oliveira Azevedo
&C.
Rio Formozo...... 32
Serinhaem (vaga)..
Cabo............... 25
Goiaona............ 40
Nazareth......... 21
Pao d'Alho........ 42
Limoeiro.......... 38
Victoria............ 32
Ronito ............ 42
Garuar............ 10
Garsnhuns (vaga)..
41
< Sexo femlnino.
Recife (ts cadira.) 21 O" de Ipojuca.....'.
Fora de Portas (2a
dita.)............ 28
Santo Antonio (l.*
cadeira)......... 93
dem (2.a cadeira
)............
S.Jos.............. 150
Boa-Vista.......... 87
Afogados.......... 63
Curato da S......
Iguarass (vaga)... '
Itamarac.......... 27
Observares.
Bxislem.9 cadeiras vagas do sexo masculino, i
saber
Poro da Panella. x
Curato da S.
Ipojuca.
Una.
S. Vlcente.-
Aguas-Bellas.
fiuique.
Boa-Vista (Santa Maris)
Ouricury.
Do sexo feminino existem vagas 6 cadeiras,
saber :
Recife (Ia cadeira.)
Santo Antonio (2a dita.)
Iguarsss.
Seriobem.
Caruar.
Garanhuns.
Providas interinamente do sexo masculino 3
Aguas-Bellas.
Cabrob.
Ouricury.
Provilas interinamente do sexo femtaino 2 :
Recife (Ia cadeira.) V, J*
Cruaiu.
Do aexo masculino deizaram de mandir os
mappas do qusrto trimestre 5:
Beberibe
Pootas de Pedras.
Luz.
Panellas.
Quipap.
Do sexo feminino apenas deixou de enviar o
mesmo mappa a do Curis da-S.
Secretaria 9a instrucco publica de Pernambu-
co, 10 de abril de 1862. ,..,
O secretario ioterino,
Salvador Henriqu de Albuquerque.
Tribunal do commercio,
Pela secretaria do tribueal de commercio de
i'ernambuco se faz publico que Basta data (oram
inscriptos no liyro de matricula dos commercjan-
tes os Srs. Lutgardes Aureliano' de Figueiredo e
Hermlo Egidio de Figueiredo, Bnsileiros, cpm-
merciants de (azendas a relalho, aquelle eslabe-
lecido na Parahiba do Norte, a este Basta cldade.
Secretaria do tribunal do conomeraio da Per-
nambuco 11 de abril de 1862.
Julio Gtrfmaraes.
OB.eiat-Baior.
Conselho admioistrativo. M*
O conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra tem.de comprar ps'objeclos
sefrulntet: ,.'." '" ,
Pafa* os afmazeos do arsenal de guerra.
90 resmas de papel paalaHlu.
O^n-cog de obreia. .
50 garrafas de tinia preta. ,,Mvx
20 duzlas da Ubo-s de Biabo americano,
50 arrobas de caio de inbf seibo.
Quem quizer venovr taBro6jctos aprsente as
propostas coasellio, ti 10 horis da manriaa do dia 19 do
correle mes. -A
*aataa-*ea seaaes do caaaelho datlarSttatfvo
pas*aiOinteeiaaaH(t tJt arfeaataaP, 10 de
abril de 1862. .n\ ofcara
"l Antamt, Ctomie leal,
_ A barca portugueez Silencio capito Fran 11
cisco Martina deC arvalho, prosado sahir em 16,
do cor rente, ainda recebe argrfma carga e passa-
geiros, para os quaes tem boos commodos: a
tratar com o coosiguatario Manoel Ferreira da
Silva Tarroso, na ra de Apollo n. 28.
Para Lisboa e Porto
_ A nova barca portugueza Despique II, capi-
to Hanoel Lopes Duarle, de primeira classe, for-
rada e cavilnada de c.ibre, vai sahir com toda a
brevidade por i ler parte da carga, e para o res-
to e passageiros que lhe falta, trata-se com Fer-
reira & Loureiro, na travesa da Madre pe Dos
n. 10, ou com o capito na praca.
Para em direitura.
Sihe brevemente o bem conhecido e veleiro
brigue escuna Graciosa, capito Joo Jos de
Souza, por ter parte do sen carregamenlo contra-
tado : para o reato trata-se com os consignata-
rios Almeida Gomes. Alves & O., roa da Cruz nu-
mero 27.
Sabbado 12 de abril as 10 horas
" NA
Ra da Cadeia n. 3.
O agente Camargo fara* leilo por
mandado do Exm. Sr. Dr. iuiz, especial
do commercio e a requerimento dos
depositarios e curadores da massa falli-
da de Jos Fernaodes Agr, das dividas
do mesmo fallido ; os pretendentes po-
derao desde ja examinar as mesmas na
mao do mesmo agente na ra da Cadeia
n, 3, prmetro andar.
LEILO
Sabbado 12 de abril.
DB
mmo.
Ao meio dia.
Dragn fara' leilao por intervencSo
do agente Vicente Camargo de 450 bar-
ricas com cimento, vindas de Marceile
no patacho italiano Marcelino no ar-
mazem do barao do Livramento, no
caes do Apollo, ao meio dia.
LEILAO
POR TODO E QUALQUER PREgO.
Segunda f eir 14 do cor rente.
PELO AGENTE
GtmLVBS.
O referido agente sem nenhuma reserva de
prego em Seu armazem na ra do Imperador o.
37, no dia cima pelas 11 horas do dia vender
por conta e risco da quem pertencer para fechar
conta as seguintes fazendas : cbapelinas de seda,
ditas de seda com molas, ditas de palba, cortes
d vestidos de fuslao, caaaveques da dito, cssa-
veques e capas de musselioa e ontras muitas fa-
zendas de gosto e phantasia qoe na vespera e
dia do leilao estar ptente a viita dos Srs. pro-
tendentes. Fiado o leilo havercerveja.
rraawkco da Rauta da Patroc
LOTlKIi
Acham-se a venda os bi I he tes e meios
bilhetes da primeira parte da primeira
lotera a beneficio da matriz da cidade
de Pazareth, cuja extraccao tera' lugar
pelo noro plano abaixo transcripto ap-
provado pelo Exm. Sr. presidente da
provincia para as extraerles das loteras.
O motivo que levou o abaixo assigaado
a propor na forma da lei a reforma do
plano transacto foi o ser elle de grande
quntidade de bilhetes para o actual es-
tado da nossa praca, sendo a prova dis-
so a grande porcao de bilhetes que em
todas a loteras lhe tem fcado por ven-
der, donde tem tido prejuizos; entre
tanto espera que pelo actual plano to-
dos os bilhetes se venderao por serem
elles poucos, adequado atsim as torcas
da provincia. O dia irnpieterivel do
andamento das rodas sera' brevemente
annunciado.
O thesoureiro,
Antonio Jos' Rodrigues de Souza.
PLANO.
2800 bilhetes a &.............. 14.O0O9000
Beneficio e sello de 20 por cento. 2:800S000
^^S.\S^'I^'^1KY.>S,M9I^<^- d0*Alodios I.- de am-il
esaotiodeThomaz Leudan. de 1862.
M6flNr-8MrfilMlt8 A Asna-se raool|idq cas. de deteoca, por aa-
. 9 dar rugido, e preto escravo diz ella ser do nes;o-
*MftT | leanle FraneMcO Joo- 6e Barroa ; quem se jul-
garcom #retta> ao mesmo, apreseoie-ae leal-
menle qae ere- entregue.O subdelegado,
1 Moraei.
Dentista de Pars.

15Ra Nova15.
FredericoGautier, cirurgiao dentista
'faz todas as operace dess arte a e co-
loca den tas artificiaos,, todo com -sdaln*
rioridade a perfeijao que as pessos3-rep.
tendidas lhe reconhecem.
Tam agua e pos dentiScios, etc.
g iiDi agua e
O Sr. tenente Gama do nono batalbo, te-
nha-a bondade de concluir aquella negocio, pelo
qual passoa urna procuracao bastante da exercr-
cios flodos perto de dous anoos e recebeu os.
m
w
O Dr. Carolioo Fran-
cisco de Lima Santos,
madou-se da ra das
Cruzes para a do Im-
perador, sobrado n.
17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
de continua no exerci-
i ci da aua prossao de
medico.
Club eoniiuema!.
do correte mez ter logar

Liqaido. 11:2003000
1 Premio de............ 5:000
1 Dito de........ 800
1 Ditodo................ 4008
1 Dito de............ 200
2 Ditoa de 1008........ 200
5 Ditoa de 40*........ 200
10 Ditos de 20jJ........ 200
21 Ditos de 10......... 210
798 Ditos de 5........ 3.9905
840 Premiados.
1960 Brancos.
---------11:1001000
O Dr. Casa-Nova, mudoii
s^u cousultorio homeopathico da
ra das Cruzes, para o largo da
da matriz de Santo Antonio casa
n. 2, aonde pode ser procurado
a qualquer hora.
Para Lisboa
sabe impreterivelmeote por todo este mez o bem
conhecido brigue portuguez Relmpagos; para
o resto da earga a passageiros, a quem'offerece
os melhores commodos, trala*-se com o consigna-
tario Thomaz deAquino Fonseca, na ra do Vi-
gario o. 19, primeiro andar, ou com o capito na
praca.
Para a Baha.
Pretende seguir com .muita brevidade o velei-
ro ebem conhecido hiate nacional Santo Ama-
ro, tem parte de seu carregsmento promplo,
para o resto qu lhe falla trata-se com os seus
consignatarios Antonio Lulz de Oliveira Azevedo
& C no-seu escriptorio na ra da'Cruz n. 1.
COMPAHHU BRASILEIRA
DE
Espera-se dos porlos do sul at o dia 13 do
correte o vspor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual ddftois da demora do costume seguir para
os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e eogaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual deve-
r. ser embarcada no dia de sua chegada, en-
commendas e dioheiro a frete al o dia da sahi-
da as 2 horas da tarde : agencia ra-da. Cruz n.
1, eacriptorio da Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
-
Rio d Janeiro.
Espera-ae qualquer dia vindo do Ase o bri-
gue Trovador, que partir logo para aqvelte
porto e recebe oa escravos frete, que lev a.
parewr: a quem coaviar dirlja-se a seas ooosig-
'vnatarlos M. J. Rimse Silva: & Cemroe, a ra
do-Vigario a.10, armaieow .eonmlna ?
!-.-
-
i
Corovjel avesideote latefinc
#^aaaca*o- Jmiqmim Penirt Uto.-
Coronel *dg MoreUrio intevirro.
9r^n^fearWitot^
,oiia![Std
r
i mo aa i
dia 28 (Td coi
>.l'
si
lab ai
(CillPMllJL
DAS '
- '
I-30B

LEILAO
a-
DE
tou
Linguicas e
cinho.
Ter^a-feira 15 do corrate.
O agente Pestaa vender por couta de qaem
pertencer 50 barris comlingnicsa desembucaflas
recenlemeote e 25 barris de toucinho de 4 arro-
bas e 50 libraa, ditos de arroba a 24 libras o tu-
do ser vendido em lote* a Vontade dos com-
pradores : terca-feira 15 do correte pelas 10
horas da manhaa, no armazem do Sr. Annes, de,
fronte da alfandega.
DE
SO manteletes
Seganda-feiral4 do corpwite.
O agante Pestaa por conta de quem perten-
cer far leilo da 50 manteletes de boa fazeoda
e ezcellentes gastos, a vontade dos compradoras
que comparecerem : segunda-felra 14 do cor-
rente palas 10 horas da maoha, no armazem do
Sr. Villar, ra do Vigario n. 11.
Queijos flamengos
Segunda-feira 14.
!|0 agente Oliveira far leilao por conta e risco
e querm pertencer de 25 caixas com 24 queijos
ffameBgos desembarcados no dia 12 do andante
mez, em lotes a vontale dea pretenderles
Segunda-feira 14
do correte, as 11 horas da manhaa, no arma-
zem do Annes, defronte da alfandega.
Atsos diversos.
2800 Bilhetes.
N. B. As sortea maiores de 400$ eslo sugei-
tss aos descontos das leis. Theseuraria das lo-
teras 7 de abril de 1862.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Approvo.Palacio do goveroo de Parnambu-
co 9 de abril de 1862.Portella.
Conforme. Antonio Leila de Pinho.
Dessppareoeu no dia 1* de novembro do
anno prximo pistado do sitio denominado Ca-
tle da (regoeiia de C*j*zelras, termo da cidade
de Souza, provincia da Parahiba, um menino de
2 anno e 9 mezea d idade, branco, tem cabel-
los um pouco louros e anclados, corpo delgado,
felces miadas e bonitas o um sigoal sobre o es-
tomago, nao padece duvids de que fdra furtado
e segundo as informaces que se tem podido ob-
ter, de crer que tenhs sido conduzido para es-
ta provincia ou para o sul. Oa aigoaes indita-
dos e o apparecimento de urna criaoca desco-
nhecida em qualquer parte, que sem duvida
um facto que nao pode deizar de dispertar a cu-
riosidade dos que a virem, sao meios suffictentes
para fazer (rustir qualquer plano criminoso. O
annunciante nSo determina urna quanlia certa
como recompensa aquelle que dr noticia do ci-
tado menino, porque oinguem ignora que um
pae que se acna privado de um fltho por tal ma-
neira, sacrifica tudo para ve-lo ; portaoto quem
der noticia delle em Cajazeiras a Jos Antonio
de Albuquerque ou no Recife aoSr. Antonio Fer-
reira da Silva Maia, pode flear convencido de
que ser generosamente gratificado.
O abaixo assignado, vendo asarles um pou-
co amortecidas, com particularidade os artistas
de edificacao. pala qual aampra foi apaixonado,
mas como oo posaa ediQcar lodos os terrenos
que ainda lhe reslam, por detraz da ra da Con-
cordia, com 4 frentes cada quarteirao, convida a
todas as pessoas amanteada edifieacao, qua tem
resol?ido dispdr do ruto dos anus terrenos por
meos dez por eento dos que j tem desposto an-
leriormeote ; ollerecendo todos os materiaes de
olaria com cinco por cento de menos que outros
de igual qulidade : os preleodentes podem en-
tender-se com o sbsixo assignado, na raa larga
do Rosario n. 16.
Manoel Antonio de Jess.
&eN8fe9iSMB ttttKan v*mm*
{ Saquea sobra Portugal. 8
O abaixo migo a do agenta do Banco jb
Mercantil Porrnense nesta eMSde, saca g
edeclivamente por todos os paquetes so o
bre o mesmo Banco para o Porto e Lis- 3
boa, por qualquer somma avista e a pra- S
zo, poleudo logo os saques a prazo serem *! descontados no mesmo Banco, na razo B
t de 4 por cento ao anno aoa portadores 1
[ que assim lhe coavitr : as russ do Cres- M
* po u. 8 ou do Imperador n. 51.
Joaquina di Silva Castro.
$'gf&?i6Si6S6gW -Wg'Ji6gi6SI6?iS3aE
Furtaram are o vallo rugo, carnudo, capa-
do, com pintas amsrellss, cabano, cascos pretos,
om urna baixa as coitallis, ripado, com a can-
da curta, mancha vermelha no queixo, com ama
pisadura oa coslella miodinha qae nunca nasceu
cabello, cujo cavallo ferrado nos quartos e no
queixo : quem o echar entregue na prensa de
Manoel Igoaci da Oliveira Lobo, qua ser grati-
ficado, ou em Pedra Tapada, no lugar Capella de
S. Vicente a Jos Belarmino de Assumpcao, seu
egitimo dono.-
Mills Latlam & G. teem para vender duas
machinas a vapor de um doa melhores fabricantes
escossezes, urna de forca de 14 cavallos e outra
de 12, como tambem orna porcao de rame em
fardos: na ra da Cadeia. do Recife n. 52.
A reuoio familiar
aa noue do dia 19.
CONSULTORIO ESPECIAL HOIEOPATBHId
00 DOCTOR
n SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todoa os diaa a tala desda aa 10 baria
at molo dia, acerca da seguiutea molestias :
moU$tio$ ala mulhere, mohttiat dat erianr-
Oa, mtlettiaj da ptlli, moltuias dot olhot, m-
lestiot $yph\lilicai,todat a* Mftein it ftbret,
f*br$sintermitientet suat eonuqueneiai,
rharbaci ssrscuL Hoaaorathica .
Verdadeiros medicamentos homeopatbicoa pra-
(aradoa som todas as entela neceasaria. ia-
alliveisem seus efleilos, tanto em tintura,eam
am glbulos, pelos prejos mais. commodos poa-
slvais.
N. B. Os mediesmentos do Dr. Sabia sao
anicamante vendidos em saa pharmaeia ; todo
qua o forem (ora della aa falaas.
Todas as carteiras ao acompanltadas d na
lmpresso com am emblema em relevo, tendo ao
reopr aa segaintaa palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Esta emblema posto
Igualmente na lista dos medicamentos qua na-
da. As carteiras qae nao lavaram eseeimpreo
assim marcado, amboratenham na lampa o no-
me do Dr. Sabino ato falsos
O brigadeiro Muniz lavares, que
tem de retirar se desta provincia, convi-
da aos senliores que pretenderen! com-
prar uma mobilia de Jacaranda gosto
moderno, e em muito bom uzo- se diri-
jirem a casa de sua residencia, obrado
n. 2, contiguo a egreja do Senhor Bom
Jess dos Martyrios, das 7 horas da
manhaa at as 11, e das 3 da taFde em
diante, aura de verem e dita mobilia, e
tratarem.
;
3Raa estreita de Rosario3
V
INGLEZ
^ &*
me-
K^o.ls^^idoipafava
arotct%|er e auftftar.&g
zes, por H.-G. OllendorF: 1 vol. in 8*
encadernado. V de-sena'na do Qoei
rnado, loja de fazendas, n. 18.
Grande labrSferio dela-
Ygein.
Os dono do* nnm^818birltdatirncfondb
podem msndar buscar as roupas tftfe es<3o Bferm-
tss: 289, m, 35,210, **, 44. '
Irmaudade do Sealior Bom
res im periaies.
kAl o dU 14 ido correla eewia-M. o> Europa
vapor raaca* aUrarMidurs, Mamsn4aa*a Au-
ir, q ojeaj.d*pai<|4a damora^o^ioatiaav segui-
.ra para o, Rio da laBeiro.toeaado aa B*bUtf para
no .ssagens etc., trata-se na agencia ra d Tra-
piche n, 9.
:." *
O bacharel W.itri;vio po-
de ser procurado na ra
Nova o. 23, sobrado da es
quina que volts para a
Gamboa d Carmo.
I
I
:

. '
Precisa-se de uma ama para csiohar o
comprar: na ra-do lnrparador n. 47, 'aegundo
andar, entrada disolta.
. Attfnco :
Arrenda-s o engenho Tapipir Noj
/o, njoente. corrate .cfm motor d
animaos, sito n -fragwesiia de Iguaras-
su', de grande produeco e com capa-
cid/di par|\.s^iejsA:tfev.ml^ei^n.
nuaes: os pretendentes. dirijam>se ao
tt^nte^atnjr |,fteguezia de S.
Lourenco da Matta, do major Manoel
*W$d4'Fdse-ca,ftnho. rjhcj achaco
coa qutm Preelsa-sa e nnV speniao para.eaixirde
urca padaria, e que tambaTHatiaa. da rarosm*. que Ba tenha m>U da-l anno4a >a>j : .eaa
pretende^ iafota-a* a raa dr SaledasSe*.**.!^
.>i araqoU ao>itT|resa da m
Francisco Pinto Uzorio continua a col-
locar denles artificiaos tanto por meio de
* molas como pela presso do ar, nao re-
aeba paga alguma sem que aa obras nao
# fiquem a vontade de seus donos, tem pos
# oulraa preparacoe a as maia acreditadas
9 para conservacao da bocea; m
mm 3
AGITADOR YMIICO
DO DOUTOR
L
Para a preparaco dos medica-
mentos lionieopatliieos.
Os medicamentos preparados por esta machina
alo os nicos, com que se podem contar no cu-
rativo das molestias perigosas. E tomo seja o
CHOLERA MOR.BUS uma d'aquellas que nao
idmittem deloogas e experiencias, cumpre pre-
ferir esses medicamentos a outros quaesquer, -se
qnizerem tirar da homeopalhia os vantsjosoa re-
sultados que ella assegurs.
cham se a venda carteiras a meias carteiras
especiaes contra o cholera, acompanhadas das
competentes instruccoes, pelos pregos cooheci-
dos, na pharmaeia especial homeopathica, ra
de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6. -
N; B. Os homens de bom senso reconhecem
certamenle que sendo o Dr. Sabino a fonle pura,
d'onde ernanou a homeopalhia em Perrarcbuco
a em todo o norte, elle o nico immediata-
mente inieressado no seu crdito e no seu pro-
gresso, e por conseguinte tao somonte Delle
qoe se pode encontrar garantas, quer em rela-
co i applicacao da scieocia no curativo das mo-
lestias, quer em relacao preparaban dos me-
dicamentos.
Na pharmaeia do Or. Sabino trabalham cons-
tantemente debaixo de soas vistas immedialas,
nos lempos ordinarios, dous empregados (um
braaileiro e outro fraocez quem paga ordena-
dos vantajosos], os quaes sao ajudados por mais
tres ou cinco pessoas, quando o servico o exige,
oa destillacao do espirito de vinho e d'agua, no
manejo das machinas, na deseselo dos glbu-
los, na distribuida das dilul;des etc., etc.
E evidente que para o Dr. jabino exercor a
homeopalhia, como geralmen/e a exercem, e
preparar medicamentos como por ah preparara,
nem erara precisas tantas despezas com o pes-
soal.com machinas e cora a bleoslo das subs-
tancias ss mois puras possiveis, e nem tanta vi-
gilancia e trabalho na preparaco dos medica-
mentos ; mas elle nao se contena com o bem,
que j tem feito, dando fi homeopathia- a popu-
laridade de que goza: airo quer eleva-la ao
maior grao de perfeicao dando aos seus remedios
s maior iofallibiHdade possivel em seus effeitos
O Dr. Sabino nao aspira somente os gozos ma-
teriaes da vida; elle se desvanece em ler nos li-
vros estrsogeiros que a sua propaganda em Per-
nambuco]foi too brilhante que nao tem na Eu-
ropa Mn/iuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo A.*, pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PATHIA, por Granier, pagina 102); mas s sua
ambico muito mais elevada : ella s dirige a
legar as geragoes futuras um nome eslimavel
pela gnvidade 6 importancia dos seus servidos,
pas sinceridade de suas coovic^oes, e pela fir-
meza do seu carcter.*-E' por isso, e para liso
qoe elle trabalha; e-trabalha muito...

Aluga-se em Olinda, na ra dos Quatro Cantos,
o sobrado da esquina que lem frente par a la-
deira da Misericordia, est pintado da novo lem
bastantes commodos, para alagar: na ra da
Cruz d. 33, armazem.
C. A. Auatin, subdito ingles, val fi Macei.
Aluga-se uma casa ns eutrada do Cachan-
ga com commodos pata grande familia, cocheira
para 5 cavallos e carro de passeio : quem preten-
der, flirija-se a ra da Senzala Velha n. 84, qu
achara com quem tratar.
Lembranca.
O Sr. qua pedio so abaixo assignado a chapa
de irmo confrade da ordem Carmelita para man-
dar fazer outra igual, queira fazer o favor de a
mandar entregar na ra do Livramento o. 34, se-
gundo andar.Firmino Jos de Oliveira.
Precisa-se alugar um preto para fazer o
servico de uma casa de familia : oa ra larga do
Rosario n. 38, loja de miudesas, que se dir
quem precisa.
Aluga-ae o segundo e lerceiro andar da ca-
si da ra da Cruz n. 49 : a tratar no rmaseos da
meama.
Aluga-se um primeiro andar de am sobra-
do na ra Direita : quem pretender falle na raa
das Cruzes, no penltimo sobrado n. 9, lado Oi-
reilo, quem vai da ra do Queimado para S.
Francisco.
MM
Precisa-se de uma ama : na ra nova de San-
ta Rita n. 54.
;ufe Precisa-se alugar uma escrava para to- dSJj
X do servico e que seiba csiohar e engoet- ^
W mar: na ra do Imperador n. 44, pn- aP
^ meiro andar. d
~~ Aluga-se a sala e alcova do primeiro ava-
dar do sobrado da rus do Crespo n. 18-, propno
para qualquer seuhor advogado : a tratar oa loja
do mesmo sobrado.
Precisa-se de uro amasssdor : ns ra da
mslrix da Boa-Vista n. 26.
Aluga-se um sitio ns estrada da Tor-
re, com excellente casa, muilas a-vores
frucriferas e lugar para plantar rapios :
a tratar na ra da Imperalriz n. 47, pri-
meiro andar.
>^
Aviso.

Atiendo

/oo"Antonia Coelho, rtdgrador e danlista. avi-
sa a todos OS seus frageles e ao respettavet pu-
blico, que se mudou da ra estreita do Rosario
para a do Imperador n. 69, aonde pode ser pro-
curada para sangrar, tirar denles, ou limpar e
calgar os seamos, para ajrpljcar jentoeas e bi-
chas, ludo com B*wtei?5o eaa^SHa, a Uaabsm
Quem se julgar com direito a om escaler,
queira dirigir-se a Ponte Nova de Saata Isabel.
que. dando os signae e pagando a importancia
deste annuacio ser-lhe-ha entregue.
A abaixo assignsds tem nesia dala encar-
regsdo a sen sobrioho Vicente Tibarcio Farraira
Malangunzo e seu filbo Luiz Beltrao Jorge, pa-
ra tratara) di ltquidacfio e eooiiou;ao do ne-
gocio de seu fallecido filho Jos Joaquim Jorge.
Recife 11 de abril de 1862.
Pulcheria Maa do Carmo Ferreira Jorge.
Attenco
O abaixo assignado soligo professor parlicadar
da lingua ingleza julga conteniente fazer-s*
lembrar aos seus numerosos assigos a couban-
dos, e para que em cooteqoencia Ue terem por
aqui apparecido alguna novos eoocorrenta oesa
ensino, na,oju!uein que elle devxa da cuui.oaac
s exercer s saa prollssio. Elle ainda ccotiaaa
a leccionar particularmente dita lingua pelo sys-
tema de Olendorff, o qual iacoatestavelaseaiav
o melhorque tem al nojesahilo do prl; Un-
to assim, que o nico anualmente adoptatf
nos principaea collegios da Europa para o ensw*
de diversas lingusseatraogeiraa, pois estfi coah*-
cido que os quatro discenles exerdcios qu o
discpulo abrigado a fazer ao mesan teas.
islo ler, hadaxir, escrever a fallar, coaeo*va
muito sem duvida, para facilitar o seu aperfci-
cosmento. O mesaso professor Soasa a liacrMe)
de fazer timbera levbrar, qae foi elle priaxia-
ro que Isccionou nasta provincia p*lo referito
mettiodo s lingua ingleza, assim eotno atada
ra na mesma ra da Sloria a. 83.
Geo Q. Marinar.
se alugam e vendem-se excell
Teado da sahir esa. proaasfo t)sso{t4aVraa
convido, portento, aoa senhoras irmos compa
recerem no (jomiaga.-.ll do coHaVera,,hor e
asi da larda do raferido.di. aOau de asamUram
>ojaf actolaolmn-iiAaotjaaadaar.-- ,. -wa
rwaseako>araiajs,: ,ao aabic pateo do Pa*ajzo, -..A i*Band/i do Saa ki sai ata Aaeraaswi ta doa^
ra dos Quarteis. praga, ra das Cruzes, S. fraav Jra Pna1oitloaija4aa^'i4nito. olates a aua se->
cisco, poAte-do IMfilo, raa da Co*is, Madr aj ,taaiBa.piciss8, jDeos, Amorim, Cordooiz, Vigario, largo do Corpo a^io%l>3aJmoLalaaadalsjSs^dUnsaa a%ada^
Santo. |.rnoel*.'rM,d# GrMA aovok^r. ru* 4a #ft. tajaja]M ana i. CIMSTULWLW' ,',i '
D'j JV-;. ,-, 1<>U$49] siaq se Id
Cadeia, ^oaia r# dolmpaaaSo, pra^a da fedro) as Na atlfMaaas ^aa ^aa>Ma>4sajaas)a
11, Qaaimade.Uvraaaeao, Direita, paleo do Ter- pr^ctassa. 0nti*mmjimp* W^^Kl
So, Cinco Ponas, Peixolo, raa Augusta, Marty- suas casas a juaca-laa d folhis aromticas.
%Stt$iK$flg
. 19": a tratar no mesmo.
Precisaba jIbu
captiva y
Tr
bichas de
rcado. '.
vramoSo I
nestas circumstanc
rijs-se s ra Direita
que ac,har com que .
"-tRbO qa n;olti"'d"o dia 9 d
estaVi'CfiouTa de norto Cosma,
nos. baixa, ten
go, a qual pert
engenho Iohs
uerendo conlratar-se
14, que serfi gr
ri^at>Brow
Remedio intallivel contra as gaor-
^tea antipas e recont.; Usis depo-
to na botica fran ceta rila da Cfitz as.
ca,*l.^sgwde andar, jM.' f>rerjo-D'.
m tratar, i ^ jy -
A03 In^. vSrsv acadefkos
No.becco da Kaia casa Rr ti uo Torta do Mi
tos. a auna fatsUia eUraaMU. qaeTaaawca -
midas.almo;o-a jaotar H^HnWrl0" *anoa aa-
IbMIliPajsIlMB H ?*!?
pa presos mal CuUaaofaa < |
oulra*qaalouer parle. Na meama eaa he pea
'ielmentacoromodoa qaaaa m.
menta satisfeilo.
torTeote u
, e idarde Wi.
rJWd'esrru'eTdb Irasibte ^fc-
a famrlla da^9r. 'srawrfo
uenia pegar tavo-r a tra-
adlo Antoio, sobrado n.
do.
Mr. Mercier, alfaiaU focezfjrJcftaf<|B'
Staes para toda a especie da oJM^JsaaadHsr
aa rus da Gadaia do Recife n. "8, Ia andar.
-
a
taaaataH


'" ''"' ": '." :- '.- -



DIAMO OB tCRMAMMJGO. i* SABBiDO ti Of A'dllL />.? it6.
5WW&
Para as provincias de Pernambuco, Parahiba, Rio
Grande do Norte, Cear-e Alagoas, a sabe*:
Folhtnha de porta,, contendo ojtalendark), poca geraes, naoionaea, das
de galla, tabella de salvas, noticias planetarias, eclipses, partidas
de correios, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .160
Dita com almanak, contendo o kalendario, pocas, noticias rilniisjiii m,
partidas dos correios, tabellas de imposto, etc. etc. o amanak
cevil, judiciario, administrativo, agricola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a re"*. .. 1#06G
PARA
ESCRIPTORIO.
Aluga-se o primeiro adar.da caa da ra da Cadeia do Recite n. 0, com urna grande -sala
e daaa alcoraa, muito prepria para qualquer eacriptorio ou morsdia de pequea familia, e tambero
aluga-se armezem e o pnmeiro andar cem grande commodo da casa da ra da Cru no RecKf n.
14: a tratar com Tbomai Teixeira Bastos.

Mk M QEIMADO W.A6
hGBANDEMTIMEliT0
NDASEROUPKSf
Sortimeoto completo de aobrecaaacos de panno a 25)1, 28$, 305 e 3&, caaacoa multo n*m
jaitas a -25J, 2Sg, 30$ 85J, paletoU acasacado* de panno preto de 16 at 25$, ditos de casemira
de cor a 15$, 18J e 2og, paletots saceos de panno e casemra de 8$ at 14, ditos saceos de alpaca
m enn la de 49 at6, sobre de alpaca merino de 7J at 10, calca pretas de casemira da
e al 148, ditos de cord*7$ at IOS, roupaa para menino de todos os tamanhos, grande sorti-
mento de roupas de brlni como sejam alcae, paletots e colletas, sortimeoto de colletes pretos d
etim, casemira a Telludo de 4& a 9f, ditos para ca a ment a 5$ e 6, paletota brancos de bra-
mante a4e 5|, calchas brancas muito finas a 5J, e um grande sortimento de fazendas flm s e mo-
dernas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora seroalas de
lnho e algodo, chapeos de sol de seda, luvaa de seda de Jouvin para homem e senhora Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos ncommendas de grandes obras que para
isao esti sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um pessoal de mais de
eincoeota obreiros eacoloidos, portanioexeculamos qualquer obra com promptidao e naia barato
do que em outra qualquer casa. r
ARMAZENI

ROUPA FUTA
jaE2
Joaquim F. dos Santos.
40Ra' do Queimado-40
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo da roana fsita de
todss as qualidades e tambem se manda executar por medida i Tontada dos fregue-
ses para o que tem am dos malbores professoras.
Casacas ae panno preto a 40$,
35f e
Sobrecasacosde dito dito a 35} e
Paletots de panno preto e deco-
res a 359, 309, 259,109,189 e 209000
Ditos de casemira de cores a 229,
15f, 129.T e
Ditoa de alpaca preta golls de
velludo francezas a
Ditos de merino setim pretos e
de coro a 9$ e
Ditoa de alpaca de cores a 59 e
Ditos de alpaca preta a99,79,59 e
Ditos de brim de cores a 51,
49500,49 6 r
Ditos de bramante delinbo b an-
co a 9, 5J e
Ditos de merio de cordao preto
a 159 e
Calcas de casemira preta ede co-
res a 129, 109, 9|, 79 e
Ditas de prioceza e merino de
cordao preto a 59, 69500 e
Ditas de brim braceo ede cores a
59. 4*500 e
Calesa de ganga de cores a
Collele de reliado preto e de co-
res liaos-e bordados a 129.99
Ditoa de casemira preta e da co-
ree lisos bordados a (9.
5*500,59
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorgura de sedi pretos
ede cores a 79, 69, 49 e
Ditos de brim e fusto branco a
8|500, 29500 e
Saroulas de brim de linho a 29 e
Ditas de algodo a 1)}600 e
Camisas de peito defuatio branco
e de cores a 29400
Ditas de paito de linho a 59, 49 e 8*000
Ditas de madapolao brancas e de
cores a 39, 2*500, 2> e
Chapaos preto de massa francesa
forma da ultima moda a 109.
8J5O0a '
Ditos de feltro i 69,59, 49 e
Ditos de sol de seda ingleses
franceses a 14J, 129, UJ
Colannhos de linho maito fines
novoi feitios da ultima moda a
Divos de algodo
Relogios de ouro patente e hori-
santal a 10US, 909. 80| a 70f000
Ditos de prata galvanisados pa-
tente e horizontaea a 409 e 301000
Obras de ouro, aderecoa e meioa
aderecoa, pulceiraa, rzalas e
aneis a y
Toalhes de linho duzis 10$, 69 e 9S000
3J50Q Ditas grandes para mesa nma 39 e 4900o!
309000
309000
99000
109000
89000
89500
8S500
39500
49OOO
89000
69000
495OO
28500
39000
89000
59OOO
59000
59000
39000
292OO
19280
292OO
18600
79000
29000
79000
9800
9500
- _i -f a -
Deposito de chapeos de sol de seda
das fabricas franceza e iogleza.
em porco e a retalho.
ia sos redaste tiagem Europs, honrado com confan-
os, Tem offerecer 10 publico os productos daqaellas fa-
praca, orno consta na tabella absixo ;
1 de 20 e 24 pollegadas por......... 498OO
....................,,.._...^,.i. 5 imiti
Vendem-se em porco e a retalho.
O dono deste n**o estabelecimento, na sos reeeale riagem Europa, honrado com a conflan-~
ca dos primsiras fafcricantss destes gneros '
brieu, e por procos nunca vistos nesta
Chapoi de sol de seda francezes
dem dem idem de 26 ditas,...........................'...+.',. J." 5*000"
dem dem dem de 28 ditas........................................ 6*000
IiamidemidesBingUzoada26dJta................ ............... 89900
l*****1***** <*......... ................................ 99000
Idea dem lem de 30 d'ss........*,i.19..............^,.....IO9OOO
e em porco de 1
15 por ceato de descont'
AS SENHORAS.
LOJA* AMABEllA
23Ra da Cadeia$$
VESTIDOS PRETOS.
Superiores restidos pretos de moresntique de seda por 429 o corte e a 39 o co-
rado, esta fazenda I mal apreciada para restidos e muito em moda as prteigaes
pracas da Europa e do Rio do Janeiro.
CKOSDENAPLES.
Pretos do diferentes precos e qualidades para 2$, 29400 e 28600.
MANTELETES DE FILO'.
O* maismodernos manteletes de fil preto,Usse com babsdos a 209 a 2*9
ditos muito rice* do ertio de capa a 509.
MANTELETES DE SEDA.
Comprados ao rigor da moda, abanhados de superiores franjas de seda a 259 e 309.
CAPAS A PROPHETA.
Sao aa que mais se vendem presentemente por estar muito em uso e que temos
receido per rezes de encommenda para dirersos, aio de feitios elegantes e contera
em si os proparos para ama senhora, preco 509 e609.
VEOS E MANTAS.
Pretas de fil de linho muito boas a 109, que sempre se renderam por 169 e 189.
NO VIDA DE.
Chapeos a Garibaldi, ditoa a bespsnbola, chapelinas, todos eofeitados com a
mesma palhae pluma ; restidos de blonde com manta, capella etc., ditoa de cambraia
bordados, espartilhos.-leqaee, loras, manguitos, cintos, enfeites para cabe?a, cassas fi-
nas de corea, lsnzinbss, sedinhss lisas e de quadros, saiaa a balao, perfumaras, res-
tusrlos para baptiasr enancas a omitas o-itras fazendas que seria enfadonho mencio-
nar ; de todaa dam-se e maodam-se amostrss.
approvacao e adtomsacao
DA

ftfiAKUCfi Mmtkl M HG)C(gCI
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
Cftf AS aCOtCHIAES
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem ncommodo
Coro estas Chapas-electro-magneticas-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
allivel em todos os casos da inflammac,ao ( cansado ou falta de respiracao ), sejam internas ou
xternas.como do figado, bofes, estomago, baro, rins, ulero, paito, palpita^o de corajao, gar-
gsita, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affecees nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as di Serenes especies de tumores, cmo lobinhos escrof olas etc., seja qual fr o seu
tamanho e profundeza por meio da suppura^ao serao radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receiladas por habis e disiinctos facultativos, sna efficaia in-
eontestavel, o as innmeras curas ob'tida o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer,- depois de 24 annos de existencia e de pralica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por sscripto, tendo todo o cuidsdo
de fazer as necessarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, brago coxa, perna, p, ou tronco
docorpo, deolarando a cicumferencia e sendo inchacSes, eridasou ulceras, o molde do sen,
famanho em um pedacode papel e a declarara onde ezistem, afim de que as chepas sejo da
tojmal da parte)affectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaceo e tambem da todos os acces-
orios para a collocacao dellas.
Cnsa: seas ptssoae que o dignarem honrar com a sua confianza, em seu esariptorio, que
acbaru abertoe todos os dias, sem excepc,ao, das 9 horas da mahaa s da urde.
119 Ra do Parto ||!)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
e em f tMhmma
IMPERIAL INSTITUTO
DE
Nossa Senhora do Bom Conselho.
" -25."%^ ^ntonU,M
loe-se d'eMin',1566' 4* adBMao segundo a classo do reciplendo e a naUresa do estad*
Prime?0' I"6 a,H ,e ^'cebe, ""inle :
(s4operc6e^8rtn!l^*, """P^hendendoleirura, calligraphia, pelo systeaa de Adler, arilboMlica
ographisi- h'nor,0,uol,n"a cb"laae elementos de cii!idade,grammatics portuguaia noedeo do
Pbia raciona'] mr!ii$& ?'"!' lf*1. eographia e historia, rhetorica e potica, pflL-
EstSo creda ,.fiUb?e.tlca.(al lo*ithmos] e geometra. K "sa-
bertos logo que"aja alumnos.0' CUr,8' Um d6 'rieBllBn e ontro de =oo, qM serio
"ceber^na-enuE^ ^amot^n necessarias par.
das s condirr. ? peDCI0Dlsla. e pelo seu estado de aceio e pela siiuaco pretnebe a ta-
oTSr dn ^h6?6 e C0mtD0ddade para os alumQ0 eiternoae mXpl^BdSaki
Wda com tod/. SAV beci"eo*'x qU8 ha cerca de oil anD0S ae len> *lo> StaanTsisj-
honrosid?. U^V*?Wf *" que .capaz' ,endo receb,do nente de S. M. ^ZZuST
Wecl5.qK?u?n.^!21! hDPer'aea. ? d0 de -Imperial- P.r. o Mm!Z^St
** exforco. .r.'i., *5 a.Dno de xislencia. compreheode que dar enridar
'urgos pira manter ao Instituto o crdito que tem adquirido?
BOTICA FRANCEZA E CASA DE DROGAS.
38-Rua do lmperador-38
P. Maurer &C, teado aberto leu estabelecimento de pharmacia na ra
do Imperador n. 38, com um completo sortimento de drogas, medicamento, e
espeaahdadcs pharmaceuticas. Os Srs. doutores em medicina e o publico em
gerai encontrarao neste novo estabelecimento todo o cuidado e at tencao nece
sana no aviamento de qualquer receita que a seu estabelecimento imndarem
empregando para sso medicamentos novos e especialidades verdadeiras.
JeiroUlheme Au8ttSto Ricar,Jo rai ao Rio de
16-Ruada Cruz-16
O Dr. Rocha Bastos d consultas to-
dos os dias.
Cura radical e em pouco lempo das
molestias syphiliticas e dos orgaos e-
mte-urinsrios.
Consultas de graga das 8 horas as 9
da manhaa.
i.~j wga*'" por,DDO urna grande casa na ma-
n da Varzes, com sitio, tendo no mesmo mui-
tas fruc airas, e junto da mesma duas mais pe-
queas tambem cora sitio, alugam-se todas un-
tas ou cada urna de per si, coDrome o negocio
que se rker : quem pretender dlrija-se ao pateo
aoiarmo, sobrado novo qae bota a frente para a
ra de Hortas n. J, pnmeiro andar.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Joao Goncalves Rodrigues
Franca que morou em Olinda e dizem
morar nesta cidade do Recie.
Ama de Ieite.
Precisa-se de urna mulher sem filbo para ama-
mentar urna crianza de dous mezes, pagase bem:
a tratar na praga do Corpo Santo n. 19
immtmm tmmm *******
i Afflictos. I
O Sr. teoeote Hanoel de Atorado do Ifaa-
cimento rogado para apparecer na travean do
Garmon. 1, primeiro andar, a oearocio oae aio
ignora.
Attencao,
Roga-se aos seohores abaixo declarado* o fa-
vor de virem a ra dos Martyrios n. 4, a neaarte
deseus interessss: """"
Joao de Rarros Arsojo (eogenho IpoiucaJ
Jos Carlos do Reg Vslenca.
Jos <)e Olireira Campos.
Joao Nones da Fonseca Galrio.
Gaetano de Mallos Simos.
Francisco Antonio de Carralbo Ceqaeira.
George Smitb, subdito ingles, retira-a para
Inglaterra.
AUen^o.
Para as encommendas ou informac.es dirijam-se a
ra do Qbeimado n. 15.
pharmacia de JosAlexandre Ribei ro
Ispeeial hOmeopatiiieo
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
; Nesta consultorio pode ser procurado o respectivo proprietario qualquer hora, havendo
ahi sempre grande sortimento dos verdadeiros medicamentos homeopalhicos, preparados em Pa-
rs (as unturas) por CatalUn e Weber, os mais acreditado* pharmaceuticos do universo como
repiradores de remedio* de homeopathia.
O proprielario deste consultorio nio pretende, todava, que sejam os seus medicamentos
infalhveis, porque nada ha infallhre! em factos humanos; nem tao pouco superiores aos que por
ah se preeomsam, porque corto que o que nos fszemos, outro o pode egualmente fazer tao bom
senao melhor. Mas afianca qua nelle nao ha traficancia, e que o serrico da preparacio corr*
pelo mesmo propriotano, que nao tendo grandes commercio de carteiras, acha-se sufficiente para
satisfazer is necessidades daquella preparacio.
Reste consultorio acham-se venda elementos da homeopathia, acommodados intelligencia
de qualquer pessoa ; assim como presu-se gratuitamente o seu proprietario, com seus esforcos e
medicamentos, todss as pessoas necessitadis, sem distincfo alguraa, que o procurem, pois
qua o seu maior prazer ser til hamanidade soffredora.
Consultorio medicociurgico
Consulta por ambos os
ment a^rOm^^^^
O desejo que tem de que oa reaaedioa do sea estabelecimpnto nao se couodam com os da
nenhum Mira, ruto o grande rdito de que sempre tiaramo jozam ; o prpiitario m tomado
a precauclo de iaaxjrew nomo em todos os rtulos, dorando sor considerados comofalssfica-
ff ^"f 'Vy^'FMS? aoantado.Mas esU marca, e qu.ndo .'tttaaoaq"cIwndS.
prar qaeira sor maior cortesa aooBsoanhari ama conta assignada pelo Of. Lobo Mosaozo aas^aa-
pel marcado com o sen nome. ,, -s*-
m.M J!2S.l^ili!eJ!2S**'5*I>Vgrin med oe oateade summa impOrUncia ecir}M propmd*es >io tao coabecidM q-a oa mesmo* Srs
mdicos allopathas empregam-as constantomante. nw. or.
Os medicamento**?^aur em tobos qur em lindarasenstarSo a 19 e ridro.
O propneUrjo aw*MM(a*)iocimenlo.snnanda a sou* clientes e amigos que leas commodo*
snfficieotes parareceber alguna escraroa de um e eatro mi* d**ase* oa preelNm o* alnma
* serio tratado* coa todo o diirslo promptidio, ramo ssksm todra
*js9CC*lT sMfniflca da caaa, cwnmodidad* do* banho* salgado* ato eutras tanta* ranta-
oporaco, aaaocaad* sjm
aqaalio* qao rajos* ttdo
^ ***'* aragntlc,
|*l* para* prompto ra*Ubeeclmento do* omtm.
It^ASfSttSaStoXSZfV'TKSV**"" Pur-lod*j.aaMa atII hora*
O Sr. Joaquim Llns ds Costa Waoderley
filbo do Sr. Joaquim Jos da Costa arre- 1
matante da barreira do Mangulnho, quei- q
ra ter a bondade de dirigir-ae a ra da jf
Imperatriz d. 16. afim de ultimar o ne- S
gocio que nao Ignora. |f
mmmmm mm ewMoewS
Precisa-se urna ama forra ou escrars, que
saiba eogommar para casa de pouca familia : a
tratar na ra do Amorim, armazem o. 56.
-- Nao sabendo o abaixo assignado da morada
do Sr. Jos Columbino de Araujo Ltma, roga-lhe
o faror de dirijir-se a sua casa no pateo do Car-
mo n. 43, que deseja-lhe fallar, das 8 as 9 horas
da manhaa, ou aa 3 da tarde.
Jos Joaquim da Silra.
August Hunder rai a Europa, quem tirer
coutas contra elle apresnle-as para serem pasas
na ra Nora n. 67.
Quem perdeu um mantelete preto da ra do
Crespo ra da Imperatriz : dirija-se rtia da
Cadeia do Recite n. 51, loja, que dando os Big-
uaes competentes Ihe ser entregue, pagando o
respectivo annuncio.
iviso ao publico*
Retirando-se provisoria-
mente para a Europa o abai-
xo assignado, pede a toda e
qualquer pessoa que se julgar
credora com o mesmo de apre-
sentar suas cntas nestes 8
dias da data deste para ser
mmediatarneute satisfeita.
Pernambuco 11 de abril de
1862.Joao Pedro Vogely.
Alejandre Ferreira Camiohs. como repre-
sentante, nesta cidade, de Santos Camioba & Ir-
mio, est na ra larga do Rozsrio n. 24, o que
communtca aoa Srs. credores da ezlincta firma
Caminha & Filbos. para que se dignem de com-
parecer desde j, por si", ou por seus agentes, al
o dia 15 do correte, em que se vence a primelra
prestacio ds coafjardata, que ser poolualmente
sitisfelts.
Irmandade de N. S. Mi dos
Homens.
Convido de ordem da mesa a todos oT oossos
irmaos a comparecer oa igrejr da Madre de
Dos, ia 5 i\i horas da manhaa do dia 13 do cor-
rente mez, para depois de edeorporados acompa-
oharem a procissio do Senhor sos enfermos que
t*m de *ahir da matriz de S. Fr. Pedro Goncal-
Tea*O escrivao,
Jos Antonio Pioto Serodlo.
Irmandade do Senhor Bom
Jess das Portas.
De ordem da mesa e a convite da irmandade
do SS. Sacrameoto da matriz de S. Fr. Pedro
Goncalves, convido aos nosaos irmaos compa-
recern na igreja da Madre de Dos ao dia 13 do
presente mez is 5 1)5 horas da manhaa, afim de
eocorporados acompanharem a procissio do Se-
nhor aos enfermos, qte tem de sahir da mesma
igreja.O esetivao,
Jos Antonio Pinto Serodio.
Precisa-ae de 8 negra* para alugar, prefe-
nado-sa algum que j tsn|a prati** : na padaria
do Yaradouro de Olinda.
?apgaio lugido.
1^000
Fugio do terceiro andar da casa da ra da Cruz
n. 1, u.m sapagaio manto muito tallador, tem o
rato cariada poie asi : queaole*r Booacrip-
torio de Antonio Luiz de Olireira Auvedo ra
cima, reeeber a gratiOcaelo de 101000.
O abaixo assignsdo julgaodo oada dever a pes-
soa alguma desta praca, nio dividae particu-
lares como contrahidaa por transaccoes rsianr
ciaes, declara que estar prom po a satisfazer
qualquer debito que ae lhe* aprsenles* ao es-
paco de 3 dias a contar desla dala.
Recife, 10 de abril de 1861-Vicente Farreir*
Pinlo.
9#e9 & me
A A mesa regedora da irasadad*
jjjk SS. Sacramento da fr*R**sta do gt_..
* Antonio conrid* todos o* sera irmaos
fS a comparecerem no dia 15 do crrante,
g s 7 hora* da manhaa, afim de acosapa-
= nharem a procissio do Senhor ao* en-
V termos que tem de ssbir da mesma igre-
i- O escrivao,
^ Francisco da Silra Reg.
Italiano, reUr*-a*
ratira-M
>*
dsd* do Z
do Saoto I
is irmaos m
I
I
Borla Malteo, subdito
psra (ora da provincia.
John Ingletoo, subdito britnico,
para a Europa.
Criado.
Precisa-se de um criado forro que sirva
todo o serrico da casa de um rapaz solteira, lan-
o para externo como interno : a tratar na ra* da
Cruz, armazn n.'26.
Gabinete medico cirurgico.J
:Rua das Flores n. 37. ,
Serio dadasconsaltaa medicaa-cirarai-1
ca pelo Dr. Eitevao Cavaleanti do AlbV ,
qusrque da 6 ss 10 horas da manbii, t-
ajfcudindo aea chamados eom a maior kre-
*j vidade possirel.
8 1'* Partos.
. Molestias de pello.
8.* dem do olhos.
dj 4.* dem dos orgioa geaitaes.
j Praticaritoda eqaalquer opersjio su
j seu gabinete o* em cass do* doantea coi-
forme lhes fr rcaii conveniente.
'
Dr
ora Moteo*. i
, I
tl^!". Bre5!Mr 't'E*0!!^?^0'diri^ retirare aar* a larapa.
ja-se I ra* do lome 38, *rt*flelr andar.
' Msttoel da Campo* rtira-se paft o Rio de
aMlra. -
H. H. Suift, cidadio americano negociaa-
te desta prac, retira-se para os porto* do sal.
Na travesa da ra das Craza a.
2, pjimeiro andar, tingese para todas
as cores com presteza e commodo preco.
...17.No D8nho Cor*ahy. na comarca do Pao
d Alho, precisa-se de um feitor qae saiba traiaw
Ihar e seja diligente, paga-a* boas, rgradaeid*
seus servicos : a pessoa que so acbar nesta* *Jr-
cumstancias, pode dirigir-se ao dito s*g en
na roa da Cruz o. 6. terceiro andar, o qoo oio
tirer as habilitares asiim ditas nio tosa* o iav-
commodo de comparecer, deis*-** estar ei
Ama.
No segundo andar da casa da raa da Imperatriz
n. 42 precisa-se de urna ama para o serrico do
casa. ^
Attencao
Precisa-se fallar ao Sr. Jos d* Si Leilo Ar-
noso, deputado provincial, amprega** p*Mico.
na cidade de Manaus, a negocio de seu intaresce:
na ra do Qaeimado n. 47.
Sociedade bancaria.
Amorim, Prafsaw, Ssntos c. sacan taaaaaa
saques para a prs*s de Lisboa.
-- Precisae fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Alendes Guimaraes, que mo>
rou na ra da ConceicSo da Boa-Vista :
nesta typographia.
John Rarnard, subdito britnico, retira-so
para Europa.
Precisa-se de urna ama : no pateo da Tasco
numero 28., r
Precisa-se alugar as* aerara para lodo
rrico : tratar na raa da Alegra a. ti.
Ama.
No primeiro andar do sobrado n. 43 da raa ca-
tre! la do Rosario, precisa-** do aasa aasa para
coznhar a comprar para tras |sarasa.
Aluga-se
o solio do obrado da na do Caidesrair* a. 9.
por preco commodo ; a tratar na raa d* Cabaga
o.l A.
Pra*ia*-s* de nasa criada para engs *
coser, o mm ana para oiioha ; aa na do Owa-
mado o. 10.
Preeiaa-M d* caixtir* pora apasi-
to qu* seja port*|*x: m raa Diraita n. dO.
Proctaa-M d*ata* aasa aIsas aaiaadks
Moeda *. 5 primeiro andar.
*!^rvtr..'Wtf&:ss
Franetaco de Catiro Gaintaraos, '
-j-se nata mnlher pera ama *3a
casa eatraogeira, asuacaade na assiM i
lamas; a tratar ao bsew do rfarcaaa a. f.


L


M>
DIARIO DB PE11NAMBUCO. SaBBADO 12 DE ABRIL DE 1861.
_____________' _______;___________________
Compras.
.
Compra-se
Um papagaio contra-feito, na loja do
Porto, praca da Independencia n$. 37
e39.
Cmpramete cabellos comprldoa: na ra do
Queimsdo n. 6, caaa de cibelleireiro.
#&- -##
% Compram-ie escravos crioulos
O que tenhara de 12 a 20 ancos
8 de idade, e que sejam de bonita
figura, paga-se Lem : na ra do
9 Queimado loja de ferragens nu-
A mero 13.
s
- Compra-se ama caaa terrea que techa bom
qaintsl : na ra do Sol u. 13.
Compra-se um relogio de ouro palele in-
glez, e um correntio iem feitio : na ra estrella
do Botarlo, loja de relojoeiro.
Compra-se
ourelo em qualquer quantidade: na ra do Vi-
gario o. 9, primeiro andar. .
Alienad! altencaO!
Ao s pais de familia, bTn e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperattiz acha-te
renda um completo e variado aoitimento de boaa
lazeodat, e qae villa de auas qualidadea sao ba-
ratittim a mea le vendidos, e para mais Teracidade
do que Oca dito, abaixo to mencionadas algumat
daa ditas faieodat, a saber:
Chitas largas cor flia a 340 rt.
Madapolo fino com 24 jardas a 5#.
Gambraias de corea a 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto e de corea a 2*.
Lindeza de corea a 160 rs. o covado.
Lencos pequeos a 80, 120 e 160 rs.
Chapeos da caator fino a 8*.
Chitas pretas multo largss e finas a 240 rs.
Algodo trancado preto mullo bom para vesti-
dos da escravos a 200 rs.
Cassa de salpicqs com 10 jardae a 3$.
Cambraia bordada para cortinados com 8 varas
a 29000.
640.
Vendas.
Ra do Crespo a 20 A, loja de
Alvaro & Magalbes.
Vendem-se chapeos de palha da.Italia para se-
iihora, ltimamente chegadoa de encommeoda
propria, a 369, lindas lat mallo largas a 640 rs.
o covado, baldes modernos para senhora a 7g, e
outrat muitas lateadas de bom gasto por mdico
prego.
Vendem-se ou arreodam-se por pensos
' muito commodas os eogenhot Brago e Cmara,
na freguezia da Victoria, com trras muito pro-
ductivas, ealando o primeiro qasi prompto a
moer com agua : a tratar com o bicharel J. A.
deS. Beltro de Arajo Pereira, em Baila Rosa.
Milho novo.
Vendem-se saccat com milho muito novo, t-
relo de Lisboa e farioha de mandioca, ludo min-
io barato : na taberna grande da Soledade. .
Predio a venda.
Vende-ae o sobrado de tres andares e soto da
ra do Amorim o. 19. bastante largo, e contendo
doua armazeos, por proco commodo, por preci-
sar de alguos concertos : ni ra do Vigarlo n. 19,
I primeiro andar.
f Milho a 1,000 o
sacco e farello a 5$.
No armazem ds Estrella largo do Paraizo nu-
mero 14.
Vende-se um bol muito manso tanto para
carro como para carroca, porque seu dono reti-
ra-sai para lora, e d-te a experimentar: na tra-
vesa dos Pires n. 1, acharo com quem tratar.
No escriptorio de Cavalcanti & Irmoa, ra
Nova n. 50, primeiro andar, vende-se moedas de
ouro de 20$ e 168 como diminut cambio de 3
por cento.
Vendem-se ps de larangeiraa de umbigo,
e da China, sapoti, fruta pao, limo e pitao-
ga, para cercas, por prego muito em conta ; na
ponte de Ucha, sitio da vluva Garroll.
Vende-se um terreno em Saoto Amaro,
junto ao hospital inglez, com 700 palmos de fren*
te, em muito bom estado : a tratar na ra do
Trapiche n. 44, armazem de Braga, Son & C.
Oh! que pechin-
cha!!!
Vendem-se palitos lichados e folheados, finos,
para denles, dous massos com 40 massinhos por
400 rs. : na ra da Imperatriz, loja da Arara,
n. 56.
Chapeos de sol de panno a 640 : na ra do
Queimado n. 44.
mmmmm-tmmmmm*
Grande
liqridacao por todo
o pre?o, na bem eo-
nhecida loja do Ser-
tanejo. *
j Ra do Queimado n. 45.j
Barato que admira.
8 Chitas escaras Unas a 160, 180 e 200
rs., cortes da vestido prstos bordados a
K velludo pelo baratissimo prego de 859 e ,
65, ditoa adamascados a 503 e 369, sahi-
das de baile de velludo e setim a 158 e
R 16$, camisas para senhora a 3$ e a 49,
| gollinbas e manguitos a 29500, 39500 e
1 ic5C3, gollinbas de cambraia bordadas a
i 720, 800, lj, 19200 e lg500 rs., ditaa de
i 016 bordadaa a 240 rs., casaveques de fus-
tao a 69,7$ a 88, meias de seda brancas
e pretas para senhora a 19800 o par, ti-
| ras de babados a 800 e 19, lasde quadro
I entestadas a 360 e 400 rs. o covado, cam-
al braia preta a 440 e 480 rs. a vara, organ-
g dys de cores a 680 rs. a vara, fil bran-
II co adamascado para cortinados e vesti-
H dos a 480 e 540 rs. a vara, cortes de col-
m lele de casemira bordados prelos a 39 e
2 39500, ditos de velludo de cor e pretas s
I 49, 59, 69 e 79, paletots de brim braceo j
(rancezes a 49 e 49500, ditos de casera- .
5 ra de cores e pretos a 169 e 189, ditos de j
alpaca preta e de coret a 38500, 49 e
4^500 e 59, camisas de peito de lioho a ;
829500 e 39, cortea de collete de gorgurao
de seda a 9800 e 29, 28500, 39 e 49, col- !
flt letes (eitos de brim branco a 29 e 29500,
ap ditos de gorgurao a 39 e 4$,ditos de cose mi-
j ra a 4$, 48500 e 59, ditos de velludo a 69.
w 79 e 89, ditos de fusto de cores a 1$500
I e 19800, meias de 11 para homem e se-
5 nhora, ditas de algodo cruas para ho-
m mera duzia I9IO, 1*450 e 39200, ditas a
S 39,49 e 59 a duzia, ditas para menina a
m 2$600 e 2*800, duzia finas e diversos ta-
maohos, ditos para menino a 29 e 2J500
a duzia, pecas de algodao a 39800, 49 e
49500. chitas fraocezaa finas a 240, 230,
300, 320 e 360 rs. o covado, fil borda-
do e liao, grioaldas brancas cora ramos,
chales de troco, espartilhos, chapeos de
castor para homem, pannos para mesa a
um variado sorlimento de roupas feitas
que tudo te vende por baratissimo prego.
[Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Canas fraaeazas de bonitos gostos a
320 ra. o covado, luvas de troca 1 pretas
e da teda a 500 rt. o par, cbitat trnce-
las largas escuras a 240 rt. -o covado,
ditat finas a 260 a 280 rs., fil de llnho
liso a 640 rs. a vsra, tarlatana fina de
todas is coret a 890 rs. a vsra, lencos
bradeos com barra de cor.a 19(00a du-
zia e 120 rs. cada um, meias para ho-
mem a 18200 a dazia e 120 rs. o par,
chitas para coberta de boniloe dese-
chos a 220 rt. o covado, pegas de b.-e-
tanha de rolo a 29, ditas de cambraia lias
com 6 1(2 varas a 39, mutselina encar-
nada a 240 rt. o covado, aalciohas para
meainaa de escola a 19 o par, peitos
para camisa brancos e de coret a 200
rs., pegas de cambraia branca de salpi-
co a 39500, algodao enfettado o melhor
a 700 rs. a vara, dito brsnco para loa-
lbaa alga vara, enfeitei dot mait mo-
dernos a garibaldi a 69, loja est aber-
al as 9 horas da noite..
!
8
Apessoa que annunciou precisar de 4009000
sobre a hypotheca de ama escrava, qaeira ap-
parecer na ra de Apollo n. 27 primeiro andar.
Na ra estreita do Rosario n 47 txiste ama
carta para o Sr. capito Antonio Francisco de
Avila : na mesma casa compra-se um sellim
asado.
Trata-se qualquer quantidade de capim dia-
riamente por qualquer tempo, se'obrigando a por
no porto, desde o lugar Sant'Anna at o Recite,
iatosem haver falta : quem tlver preciso onun-
ele para se ir tratar do ajuste, que ser vaotajoso
para quem liver preciso,pois s se quer a certeza
Jo ajuste.
Precisa-se de um caixeiro com pratica da
taberna : na ra da Florentina n. 32.
Ao Sr. Ignacio Pinto dos Santos Soares se
deseja fallar na padaria da ra da Matriz da Boa-
vista d. 26.
Aluga-se, vende-se ou permula-se por ca-
sas nesta cidade um sitio com excelleole casa, no
priocipio da roa da Gasa Porte : a quem convenha
qualquer dos arraojos, dirija-se a ra do Queima-
do, loja de ferragens n. 13.
Aos senhores agricultores.
Tendo-se de vender algum ou alguns bens de
heranga do finado Jos Fernando da Cruz para
occorrerao pagamento daa dividas, a respectiva
herdeira e inventariante eat resolvida a reque-
rer ao juizo do inventario autorisacio para a
venda do engenho Quiaombo, cootiguo ao enge-
nho Pintos, de Ierras exceilentes : portanio em
quaotose trata de reefuerer respectiva autorisa-
q..os senbores agricultores que quimera exa-
minar dito eogenho ou obter informales, podem
dirigir-se mesma herdeira, no engenho Pintos,
eu ao seu filho Joo Fernando da Cruz, residente
Ba ra Nova desta cidade n. 65, segundo andar.
Csostando ao abaixo assignado que certo in-
dividuo tem procurado receber de alguns de seus
devedores nesta praga, previne aos meamos seus
de ved oree e ao publico, que os nicos encarrega-
dos cesta praga para dito recebimento, sao os
seuhores Gaetano Mendea da Cunha Azevedo e seu
caixeiro Lauriodo Persiliano de Garvalho Gama.
Recite 10 de abril de 1862.
Jos Goocalves Malvina.
mmmnm mm mm ceieaN
Euso particular. tt
Toma-ee ligues em casas particulares .
da feancez, ioglez, grimmatica e aoaly- 3%
se da lingua portugueza, aritbmetica e |
rimeiras lettras : a fallar na ra do Ca- 1
bsg a. 3, segundo andar.
rnmmv mmm-mammmm
Sociedade
' Df-e sociedade ou vende-re ama das melbdres
tabernas nesta cidade, seu dono e propietario, e
o negocio oegoro : para informacoes, na ra
larga do Rosario n. 22.
Precisa-se para urna compra de 2:5009000,
dando-ce para garante propiedades nesta cida-
de : quem quizer qaeira aonunciar.
William Wright, subdito inglez, retira-se
para Europa.
-?^^^"^ssv ^asvusnvsvwv WwTsWwSfBFwS^Bwa^wsaj%
Fazeadas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior pelo dimi-
nuto prego de 29 o covado, panno preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 98 o covado. casemira preta
muito fina a 28, 29500, 3, 39500 e 49 o covado,
mantas pretas de blondo muito superiores a 129,
manteletes de superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordados a 359, sobrecasacas de panno
preto muito fino a 309, casacaa tambem de panno
preto muito fino a 309, palelols de panno preto
fino a 18 e 209, ditos de casemira de cor mes-
ciada a 189, superiores gravaliohas estrellas a
19, ditas de setim maco ede gorgurao muito su-
periores para duas voltas a 29, dilas estreitinhas
com lindos alfiaetes a 29, superior gorgurao pre-
to para colletes a 49 o corle, ricos eqfeiles pretos
a 69, e assimoutras muitas uzeadas que sendo a
dinbeiro vists, rendem-se por pregos muito ba-
ratos : na ra do Queimado n. 22, na bem eouhe-
rida loja da boa f.
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar am porco e a retalbo Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sea es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Objectos de phantasias
pulseiras de missangas.
A loja d'aguia branca acaba de receber um
bello e escolhido sorlimento de pulseiras de mis-
sangas com borlas pendentes, obra de muito pos-
to, e o que de mais perfeito se pode dar em taes
objectos, e as est vendendo a 19500 cada urna,
tanto para senhoras como para meninas, e pela
novidade do gosto e apuro da moda nao tardaro
em se acabaras que ba na loja d'sguia brancr-,
ra do Queimado n. 16.
Rosas artiflciaes para ca-
bellos.
A loja da aguia branca recebeu bonitas rosas
das que se esto ussndo para os cabellos, e ven-
de-as aa ra do Queimado loja da agaia branca
n. 16.
Fita branca de borracha.
Essa fita de que tanta falta havia acha-se boje
na rea do Queimado loja d'jguis branca n. 16 ;
assim como fitas tronzas ou elsticas brancas e de
cores para debruar vestidos.
Olliem para o pao e
ieiam.
Alage-se urs 4* andar com exceilentes
cosmoslos: ra da Cruzo. 53.
Aluga-se um qaarlo independate a entra-
da, propria par* algama peasoa que seja to : a
tratar ao neceo Largo loja de bjsrbeiio.
Antonio Jos Moreira, empregado no trafico
do porto, fas pablico qae, em rszio de spparecer
outra peasoa da igual Dome muda o sea de An-
tonio Jote Moreira para Antonio Jos Borget Mo-
reira.
Recite, 9 da abril de 1S62.
-- Anna Francisca da Fonceca Pfment, ftaw
de Jos Domiogues Pimenta, faz sciente sos ere-
dora* de seu caaal, que o inventario se esli pro-
cedendd pelo juizo de orphaosescrivo Faenado,
para que legalitem suas dividas.
Alaga-te am cozinheiro crioulo e moco ; na
ra di Cruz o, 33, artnizeBi.
se 111 igual.
Miudezas e rap.
Ra larga do Rosario numero 56.
La de cores sortidas, libra a 69400.
Golcheteacom duas carreiras a 60 rs.
Ditos de urna a 40 e 60 rs.
Agalhas francazas cartas e compridss a 60 rs.
Ditas esotofss a 120.
Peotes de massa para alar cabello a 500 rt.
Ditos de dita idem (donrados) a 19200.
Carreteis de retroz de cores a 320.
Escovaa para cabello muito boaa a 800 e 13.
Cartas de alnetes a 80, 100, 120 e 140 rs.
Escovas para unhas muito boas a 320e 500 rt.
Franjas pretas com vidrilho 320 e 400 rs.
Trancas pretas com dito a 240.
Bicos pretos muito bons a 180, 240, 320 e 400
ris.
Carreteis de lioha a 30, 60 e 80 rs.
I Eofeites de retroz com franja a 59300.
Meias para senhora (duzia) a 23500.
Ditas cruas para homem a 29100 e 3?.
Tesouras ordinarias a 30 rs.
Franjas de la estrellas (peca) a 900 rt. '
Saboaetes de bola finos a 640.
Frascos de diversos cheiros a 320.
Lioba de Pedro Va 30 rs.
Botoes.para caaaveqoe a 20, 30 e 40 rs.
Rap Paalo Gordeiro (verdadeiro) a 19600.
Dito gaase grosso e raeio grosso a 19600.
Dito dito fino a 18280,
seE outras muitas mais miudezas que com a pre-
se nga dos boas fregnezes se vender ao baratas.
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DB
BASTOS & REG i
Na ra Nova junto a Con-!
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande a variado aortimento da
roapas fettat, calcadot a (azendas e todos
estes se vendem por precoa muito modi-
ficados como t do seu costume,assim como
sejam sobracasacot da tuperiores pannot
a casacos feitos paloa ltimos figurinoa a
269,289, 309 e a359, paletots dos mesmos
pannos preto a 168,188. 209 e a 249,
ditos de casemira de er mese lado a de
novot pad roes a 149.169, 189,209 e 249,
ditoa aaccos das mesmas casemiras da co-
rea a 99,109,129 a a 149, ditoa nretos pe-
lo diminuto prego de89,109, e 28, ditos
de sarja de seda a aobrecasaesdos a 129,
8 ditos de merino de cordo a 129, ditos
de merino chines de-apurado gosto a 159,
S| ditos da alpaca preta a 79, 89, 99 a a 109,
ditos saceos pratot a 49, ditoa da palha da
2 teda fazenda muito tuperior a 49500, di-
tos da brim pardo o da fusto a 89500, 49
e a 49500, ditoa de fusto branco a 49,
grauda quantidade de caigas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 99 a a 10, ditaa
Sardas a 39 a a 49, ditas de brim de eorea
as a 28500, 39, 39500 a a 48, ditas da
brim brancos finas a 49500,58, 59500 a a
69, ditas da brim lona a 59 a a 6J, colletes
de gorgurao preto e de coras a 58 a a 61,
ditoa de casemira de cor a pretoa a 4J500
a a 59, ditoa defuato branco e de brim
a 39 e a 39500, ditoa de brim lona a 4|,
ditot da merino para luto a 49 a 49500,
calcas de merino para luto a 4J50 e a f>$,
capat de borracha a 99* Para meninot
de todotottamanhos: caigas de casemira
prefaede cor a 58, 69 a a 79, ditaa ditas
da brim a 28. 39 e a 39500, paletots sac-
eos ce casemira preta a 68 a a 7, ditos
Ce cor a 69 t a 7f, ditos de alpaca ajlf,
tobrecasasos da panno preto alija a
149, litoa da alpaca preta a 59, bonete
para menino de todas asqualidades, ca-
misas psra meninos do todoa oataxganhoa,
meios ricos restidot de cambraia (eitot
para meninas de 5 a 8 annoa com cinco
oabadot lisos a 89 e a 128, ditos de gorgu-
rao do cor o de la a 59 e a 69, ditos do
brim a 39, ditos da cambraia ricamente
bordados para baplisadoa,e multas outrat
fazendaa e roupas feitas que deixam de
aer mencionada pela aua grande quanti-
dade; assim como receba-se toda a qual-
quer encommenda da roupas para se
mandar manufacturar a que para atte fim
temot am completo lortimento de f azen-
das de gosto a urna grande ofilcia de al-
faiata dirigida por m hbil meatra qaa
pela suapromptida e parfeigo nadadei-
xaa desajar.
Enfeites.
Vendem-se entalles pretoa e de coret. Of mait
moderoot que ha, para senhora, a 69, 39 e 29, e
om completo sorlimento de miudezas que se
venda por menos do qae em qualquer parte: na
na ra da Imperatriz, loja da boa f n. 74.
Em casa de Milla. Lalham & C, na ra da
Cideia do Recite n. 52. vende-se ;
Vioho do Porto.eogarrafido de milito tuperior
qualrdade.
Carreje brtnca e preta de diversas- marcas, e
da muito acreditada marca Tennent.
Sellim psrs montara de homem, de patente io-
glez, de am dos melhoret fabricantes.
Pellesde coaro de porco psra selleiro.
Alvaudede zinco.
Pedra-huma.
Sulfato de ferro.
Azsrcio.
Secante.
Phosphor os do gaz
Vendtm-te 00 deposito da travesa da Madre
de Dos n. 16, armazem de Ferreira & Martina,
por mdico prego, em porgo e a retalho.
Ratos e baratas*
Para destruir completamente ratos e baratas,
vende-se urna preparaco vtnda de Londres em
frasquinhos a 19 cada nm : na travessa da Madre
de Dos a. 16, armazem de Ferreira ex IIartios.
Eseravos.
Vemdem-se muito em conta na ra larga do
Rosario n. 24 cinco escravos pegas chegadoa do
Cear no vapor Jaguaribe, sendo um mulato de
18 annos, am cabra de 20, um crioulo de 7, urna
crioula fula de 15 e outra crioula preta de 13 :
sao eseravos de ba figura e com habilidades, sen-
do a crioula de 13 annos propria para criada de
casa de familia.
Alicncao!
Na loja da ra da Gadeia do Recite u. 55, ven-
dem-se lavas pretas de Jnuvin, assim como bran-
cas e de cor de canna; a ellas antes que se aca-
bem
Attencao
Cnegou para a loja da victoria, candieiros a
gax de novos gostos e.modelos, tanto para sala,
como para escada e qnartos e para outras muitas
coasas : na loja da victoria na ra do Queimado
n.75.
D. Pedro V
ou
O Mocjo Velho.
Drama em 5 actos
POR
Francisco Gaudeucio Sabbas
da Costa,
Autor do drama
Francisco II ou a llberda-
d da Italia.
Esta obra contm os melhores episodios da
vida do Ilustrado mooaf'cha o Sr. D. Pedro V, de
gloriosa memoria, digoa de possuir-se : vea-
de-se na livraria econmica, ra do Crespo n. 2,
cads|exemplar a 13000 rs.
para meninos.
Cbegou loja do viado, na ra Nova u. 8, ri-
caa capas de fusto para meninos, obra multo
moderna oeste mercado, pelo baratissimo preco
de 4f cada urna. ,
Bspelhos de mentara
dourada.
Ricos espelhos de mordura dourada, com ex-
ceilentes vidros, e por diminuto prego de 4 e 68
cada am : na ra Nova n. 8, loja do viado con-
fronte o camboa do Garmo.
Estalna equeslre
DO
Fundador do imperio, o
Sr D. Pedro I.
Receberam-se copias, e vendem-se na loja da
expsito da candieiros a gaz, na ra Nova n.
24, loja de Carneiro Vianna.
Largo do Ter numero 23.
O proprielario desle estabeiecimento de mo-
Ihados est resolvido a vender os gneros muito
mais baratos do qae em outra qaalquer parte,
afianzando- se a boa qualidade, msnteiga ingleza
a 800 e 900 rs. a libra, dita franceza da safra no-
va a 680. e da velha a 640, banha de porco refi-
nada a 400 rs. a libra, batatas muito novas a 140
a libra, em gigo faz-se abalimento, toucinho de
Lisboa muito novo a 240 e 280, queijos do vapor
a 29700, de navio a 29400, ceneja das melhores
marcas a 500 r?. a garrafa ; assim como se ven-
dem outros muilos gneros perteocentes a mo-
lbados, assim como caf, arroz, velas de esper-
macete e carneaba, e finalmente so vendem ba-
ralissimos no acreditado torrador no largo do
Terco n. 23.
Loja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se franjas e (rangas, fitas de velludo
preto psra a quaresma, mais modernas que ba no
mercado, e mais barato que em outra qualquer
parte.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se facas finas, cabo de balanco de 2
botos a 6j8O0, ditaa para doce a 58800. ditas de
um botao a 68200, ditas para doce a 59200, ditaa
pretas cravadas a 3|600, ditas brancas a 30400,
ditaa roligas a 39 a duzia.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se grvalas pretas de setim a le, ditaa
estreitas a 19, ditas a 800 rs., pennas de aro de
langa, 500, a 720, ditas de mozinbs a 800 rs.
Vende-se na freguezia de Ipojuca o eoge-
nho Diamante, todo bem montado, com casa de
vivenda, aenzala, otaria,Tdistilaco, estribarla,
casas para lavradores, luda de lijlo e cal, me
d'agua e muito bom de qroducc.ao, com trras
pau dar mais de 3,000 pales annualmente, com
trras ainda por descubrirem matas :. quem pre-
tender comprar, pode dirif ir-se ao mesmo enge-
nho tratar como propriet rio, ou no Recite com
o Illm. Sr. commeodador 1 ,emos Jnior.
4 victoria
Naruado Queimado n.75 jun-
to a loja de cera.
VENDE MUITO BARATO.
em cartao a 40 rt.
caheca chata a 120 rt.
com 200 jardas
a 900 rt. a
coras a 30
cares a
240 n.
Calcados
A' loja do Porto, esquina da roa da Madre de
Dos, acaba de chegar um completo sorlimento
de calcados dos melhores fabricantes de Paria el
Nantes, entrando oeste sorlimento os afamados
borzeguios e sapates de Nantea para menidos ;
e tambem vende um resto de calcados com de-
leito por barato preQo. Na mesma loja ha um
completo sorlimento de.fazeodas e roupas feitas,
e perfumara*.
Vende-seno armazem de Nunes& Irmo
saccascom milho muito grandes, e de muito boa
qualidade; armazem ao p da Madre de Dos n. 5.
Cambraias.
Vende-se eambraiaa de cores de bonitos e ele-
gantes desenhos a 280 e 320 rs. o covado : na
ra da Imperatriz loja n. 20.
Oliados.
Vendem-se oliados pintados de lindas vistas e
paisagens larguraa de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para mesas de jantar a 28 o covado: Da
ra da Imperatriz loja n. 20.
Ricos cortes de se-
da preta com babados.
Na ra do Queimado o. 18 A, loja de Carva-
lbo & Bastos tem para vender ricos corles de
seda preta com babados seda muito encorpada.
Aos fabricantes de velas.
O antigo deposito de cera de carnauba e sebo
em pao e em velas, establecido no largo da As-
sembla n.9, madou-se pira a ra da Madre de
Dos n. 28, qnaai defrontelda igreja, onde conti-
na a haver um completo sorlimento daque'.lea
gneros, que se veodempor presos fazoaveis.
Progresso nacional.
Ra da Imperatoiz uumero 49
Vende-se barato para ventler-se
Clcheles francezea bons
o cario.
Alnetes francezea
a carta.
Papis com cento a tantos i(lales a 40 rt.
o papel.
Linbas victoria em carrital
a 60 rs.
Ditas da 200 jardas de Atezan ler
dazia
Ditas da 100 jsrdaa brancas e da
rs. 0 carritel.
Ditaa de Pedro V em cario brancas a
40 rs. cordo.
Ditas de misds da peso verdadeiraa a
a miads.
Ditas de dita cabeca branca e emearoada a
120 rs.
Grampos maito boas a 40 e 50 rs. maco.
EnQadores brancos de algodao e lioho a 90 a
80 rs.
Carteiriohas com aortimento de agalhas a
300 rs.
Phosphoros do gsz maito bons a 290 ra. a anda:
Ditoa em caia de folha a 100 rs. qaa ti
caiza val o dinheiro.
Ditos de segurtoca porque evita iacaadio i
160 rs. a caiza.
Ditos de cera calzas grandea a 400 rt. a caita.
Franjas de borlla para cortinado a 4*300 a
pega. # ^"
Dstas sem ser de borlota a 2800 a paca.
Ditaa estreita brancas a da cores a 120 rs. a
vara.
l'eales de baleia para alisar a 240, 280, 320 a
400 rs.
Camisas de meia finas a 700 rs.
Capellas e ramos para ooivas a 49500.
Koteites de flores muito lindos a 4/.
Caivetes finos de duas folhis atara pana a
200 rs.
Ditos de urna folha a 120 rs.
Agulbas fraocezas o melhor postivel a 140 rt.
a caixa.
Eofeitea modernos para senhora a 50 o 6f.
Meiaa para homem a 140, 160, 200, 240 e 280
rs. o par.
Ditas para senhora a 210,280,320 a 400 rs. o
par.
Ditas para menina e menino a 100, 200 a 240
rs. o par.
Fitas de lioho a 40, 50 a 00 .s. a pega.
Linbas croxel nvelos grandea a 320 rs. o no-
velo.
E outras muitas miudezas qae se vende ailo
barato.
Fazeadas pretas
f na loja do pavao. ra
da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva,
Veode-se baratissimo por ser tempo da qua-
resma as fazeadas seguales :
Ricos manteletes de velludo preto rica-
mente enfeitados com franjo largaaoa
mais modernos que tem rindo a 30*000
Modernissimos enfeites prelos a turca a
Garibaldi 68000
Ditos mais simples a 2*000
Ditos de vishilbo muilo modernos a 800
Chales pretoa de merino Dordadoa cos
vidrilbo a 12*000
I
I
Camiainhas com gollinbas e manguitos
de cambraia bordados, fazenda mo-
dernissima a
Ditas de fusto com salpicos de cor
Golllnhaa bordadas com botozinho
Ditas de todos os gostos a 640 e
Ditaa com manguitos de cambraia bor-
dadaa a
Manguitos de cambraia bordados maito
finos a
Gollinhaa bordadas a
Rofflelras de cambraia enfeiladas para
lato a
Gamisinhas para senhora a
Lenciohos de linho com lahyriolho para
maro a
Ditaa a imitado de labjrintho a 18 e
Lufas ds torcal eofeitadas com vidrilho '500
Enfeites pretos com vidrilho s 800
Ricos anfeitea pretoa e da cores, a Turca
e Garibaldi 00000
Grosdeniple preto a 1*600, 1*800 e 2*000
Todas estas (azendas vendem-*e na ra da Im-
peratriz n. #0, loja e Mm do pavo, de Ga-
ma & Silva. .
Na ra Vaina, casa deroni? do n. 4. ven-
dem-se tf cadeiraa, 1 (neta redonda, J.onsolos
a 1 sof, esli em bom uso, e taz-se algum bati-
mento. Tillo o OP ler de reflrir-se desta pro-
Tiocii.
59000
3*000
1*000
800
1*800
1*000
240
3*000
3*000
1
A ellas freguezes antes
que se acabem
Lindaa cambraias com salpicos brancas e da
cores com 8112 varas cada peca, largura regalar,
floissima qaalidade a 4) cada peca, dilas bran-
cas lisss maito finas marca bispo a 5*500, ditas
Sonco menos a 4*, ditas de mais b#ha qaalidade
j 3*, ditaa pretas maito finas a 600 a vara, mas-
lulioii finas padroes modernos com palmas de
cores propria para vestidos de senhora e meni-
naa a 800. rs.o covado: na bem eonhecida loja de
Bernardina) Jos da Silva Hsia na ra do Quei-
mado n. 43, esquina qae volta para a Congre-
gecio.
Ampliado armazem e de-
posito
de roupas com nm completo e variado sorlimen-
to para homem a menino, por muito menos pre-
eo quoem outra quslquar parte, como sejam
muito o se.
Latas com superior jalea d
Ditas com ervilbaa a 1g.
Ditas com doces de caldas,
700 rs.
Manteiga ingleza superior
Dita franceza muito boa a '
Cha bysson superfino a 2$8
Po-e-lfraocez em caixiihas
para tomar com cha a2'0 rs.
Ceblas em molho com ma
tros muilos gneros que
(iinte :
goiaba a 1*500.
pecegos, praa etc.
18 e 18100.
20 rs.
SO.
muito proprios
s de 100 a 1*, e ou-
le vendero barato.
ou a prazo veada-se a loja de barbeiro da ra do ,
Raogel n. 6, propria para qaalquer estabeieci-
mento, assim como nm relogio de parede, um
piano de nieta, urna commoda de Jacaranda tei-
ta no Porto, um cosmorsma com 40 vistas, va-
rios espelhos redondos de duas faces, um diccio-
nario clatsico e um de Fooieca e Roquet.
Attencao.
letots de casemira do-cor fino saceos
casacos cada um 10*.
Ditos ditos de meia casemira prato e de coras
cada am 5f.
Grande california para liqui-
daco, na ra Nova n. 18.
Os novos proprietarios deste estabeiecimento,
lendo em vistas sortirem o mesmo, txpdem as
fazendaa existentes dsposic.o do publico para
aerem vendidas por todo e qualquer prerjo : por-
telo convidam a todas aa peaaoaa que se quize-
rem enroupar com pouco dinheiro, de irem a
mesma loja ver como se qaeimam asfazendas se-
guinies :
Vestidos pretos bordados a velludo, proprios
para a quaresma.
Manteletes pretos e de cores.
Sobre-casacas pretas ede cores.
Casacas pretas e de cores.
Psletots s sobrecasseados de difieren les cores.
Caigas de casemira pretas e de eores.
Colletes de casemira e velludo de differentes
cores.
Cbspeos de castor e de seda pretos. ,
Ditos do Chile finos e entrefinos.
Grosdensples de differentes cores.
Sedinbss de quadros de differentes cores.
Luvas para homem e senhoras.
Botinas de setim branco. :
Snalos para homem.
Meias de seda para homena e senhoras.
Ditaa dalgodo psrs homem, senhora e me-
ninos.
Praojas de todas ss qualldades:
Chapelinas para aenhras e menina.
Vestasrios para meninos e meninas.
Chitas inglezas, e outras muitas azendas, que
seria enfadonho mencionar-se ; afiangando-se
aoa fregueses que levando dinheiro nao voltario
fazendaa.
Cabriqlet e cavallo.
Vende-ae um excellente cabriolet com todoa oa
sega arreios, muito lorte e qai novo, e um bo-
nito covallo ruco do mesmo, aem achaques, o qae
se afiance, sendo eale animal o melhor de cabrio-
let qae existe nesta cidade : na cocheira de Tho-
mazJoi dos Reis ao p da praga do capim jun-
e sobre- to a casi do Dr. Sabino.
Vinagre a 1,200.
Vendem-se garrates chiios com 5 garrafas de
vinagre a lftSOO cada um : a travessa do pateo
do Paraizo n. 16.
Vende-se urna morad i de casa terrea o. 19,
sita na ra de Hortas, com porta o janella, 2 sa-
las e 2 quartos, cacimba < quintal, em bom es-
lado : quem a pretender cihja-sa a ra de San-
ta Rita n. 43 para ajustar com sua proprielaria.
Gra? a.
Vende-se a verdadeira g axa 97 : no armazem
da ra da Craz, de Jos Ai tonio Moreira Das &
C. n. 26.
Bandos ou crecentes de
cabellos humanos.
Bandos de el na muitlo grandes e bem
feito!.
A loja d'aguia branca avila a todas as senhoras
que haviam mandado procurar e eocommendar
esses necessarios erescentes de cabellos humano
(e mesmo aa qae de novo nrecisarem) que ollas
acabam de chegar, to bem] erraojadoa como jus
tamentesedesejava sendo o sorlimento de pre-
tos, cattanbos etc. e muito bem tecidos nos pe-
queos pentes que servem para prender, trazen-
do ao meamo tempo enchimento, do que resulta
que urna senhora com um bar desses erescentes
pode maravilhosamente fazer o amarradiibo de
sea cabello sem que deixe perceber a falta que
delles senta, cusa cada par 5* ; tambem ha
banda de dina mui grandes e bem feitoa o me-
lhor que em tal genero se pode dar vendem-se
a 2* o par, tudo isso na bem eonhecida loja da
aguia branca ra do Queimado n, 16.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
42.
Ditos de fil preto muilo fino a 38000
Grosdenaples prstos fazenda maito en-
corpada a 1*500, 1600, 1*800, 2f o 2|50O
Sarja preta bespanbola, covado a 2*000
Metas de seda pretas para senhora a 1*000
Ditas de l a de laia para padres a 1*100
LuVssde retroz bordadas com vidrilho e
sem vrdrilhp a 500 rs. a 640
Ditas preTartVa* de seda muito Bna a 640
Alpacas pTsn muito finas a 560, 640,
800 e- Da ludo do-se amostras com penhor : na ni
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama di
Silva.
Pannos pretosecasemiras
Na loja do Pavao.
Vende-se panno preto maito boa fazenda a
15600, 1*800 e as o covado, e dito qae val Of
4J500 o covado, casemiras tretaa entestadas a
3*. 3*200 e 3*500 o corte, ditas de ama s lar-
gara de todosos pregos e qualidadea, setim pre-
to da China d%a calcas paletots e colletes com 6
palmos de largara a 38 o covado: na roa da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem de Gama (Silva.
Chales.
Grande pechincha na loja do Pavao.
Vende-ae oa mais ricos chsles com poota re-
donda e bolotas, tendo as barras de velludo ou as-
setinadas, imitando as capiohas mais modernas,
pelo baratissimo prego de 4*500 cada am a ditos
de qustro pontas a 48500, ditos a Garibaldina
sendo muito grandes a 5> : na raa da Imperatriz
n. 60, loja do Pavo de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,500.
Vende-se esparlilhoa ioglezes qae sao oa
lhores pelo diminuto prego de 3)500 cada na
na raa da Imperatriz n. 60, loja e armases
Pavo, de Gama & Silva.
~ Vende-se um ptimo sitio de tr-
ras na villa de Iguarassu' bairro de S.
Sebastiao, com grande e bem construi-
da casa de pedra e cal e viveiro a raar-
gem do rio : os pretendentes dirijam-
se ao engenho Tapipire do major Ma-
nuel Juliao da Fonseca Pinbo, onde
acharo com quem contratar por pre-
__N. O.Biabar & C.saccesscres.rna daCras
a. 4, tem par atender r elogios para algibeira da
ouro a prata.
do
u.
12$
Ditos ditos de alpaca preta a de coree a 4* e 6f> Saccaa com fari
Caigas de casemira prata fina a 78, 8 a 10*. armazanade laaso
Ditaa ditaa mata dita a 40.
Ditas princeza dita a 4*.
Ditas de ganga e brim de todas ss qualidadea : na
ma doGoeimao o. 43, esquina qut TOMa pa-
ria Congregaso.
i,000 rs.

trelo novo de Lisboa a 48,: nos
rmeos.
Vsndo-aona raa da Saosala Nova n. 37, al-
guna trastos de urna peasoa que te retira.
VenUMS-ee 2 bois o carro da alandega em
muito bom estado, ou a dinheiro ou a puso, com
jirsrjtia ; no pateo do Ter$o o. 98,
Borzeguins de Milis,
ltimamente chegadoa : vende-ae na ra do Cres-
po n. 23. ~ *;
Vende-se por dezoito mil res dous diccio-
narios geographicos de Bouilet, sos perfeilissimo
estado : quem os pretender, dirija-se eata ty-
pographia, que se dir quem vende.
Manteletes de 16.
Vendem-se os mais modernos manteletes de
fil preto em modelo decapas ebegados pelo ul-
timo vapor: na ra da Imperatriz n. 60 loja a
armazem do Pavo, de Gama & Silva?
peixe barato
Pesca-se na quarla, quinta e seita-feira da se-
mana santa no viveiro do Muir, no aterro dos
A togados.
, Na cidade nova de Santo Amaro, segunda
casa do Sr. Gomes do Correto, precisa-se alagar
urna ama forra ou captiva, que saiba engommar
coaer com perfeigao.
Deseja se arrumar como caixeiro de algu-
ma tsberna, um menino de 13 annos, recente-
lente chegado 0 Ierra ; trata-se (U tu larga
D Rosario n, 39.
Existem.
Na ra Nova loja franceza n. 11, para vendar
muito barato ama bonita cadelrnba a ele-
gante palanquim : as peasoas qae precisarem ale
qualquer dellea nao podem aehar melhor ocea-
sio para compraren) bom a barato.
Carteiras com agulhas.
A loja d'aguia branca acaba da despachar car-
teiraa com agulhas de mni boa qualidade, ex-
cellente aortimento, e aa est vendes* s 500 rs.
cada urna ; assim como recebeu igualmente no-
vo sorlimento das agolhaa Imporiaea, feudo Osa-
ndo, que continuam a ser veodidaa a 100 rie o
apel, isso ns ras do Queimado laja d'aguia
ranea n. 16.
Argolas de ago para chaves
vendem-se 200,140, 3. 400 a 500 ris, na raa
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxt para
bordar
vende-ae na raa do Queimado loja d'aguia branca
n. 16, onde sa achara completo sprUaeonto.
Atteocao.
36 Ra Nova 36
Completo sortimento de retogk Jo
prata dourada a 12$, U$. l&f e 1*1 e
de superior qaalidade a 98f, 3tf e 35f.
Encarrega-se tambem de concertos per-
tencentes a sua arte, todo e quadqsjnr
concert lera remettido em terk*^ P>rm
o da e hora que spronetter. O
I certoi o as venda to atIUncodo*.
1 '




DIAJBft DK PER1UMBCO JABEADO 1* DE AMtt, IB 18 ti
*_______
NO

ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
Largo da Penlia
proprias para fiambre a 800 ri. a libra e em porco a 700 rs.
Vende-se neste armazem de iriohados os uielhores ge-
nerot que vea a este mercado e por meos 5 a 10 por canto do qae em outra qaalquer parte,
araotindo-se a boa qualidade, por isso rogi-se a todos osSrs. dapraca, de engenho elavradoreso
favor de mandarem suas eDcommeodas ao armazem Progresso, fin de rerem a differeoca de
prego e qualidade que faz, se foasem comprados em outra qualquer parte.
ntarntei^a lllgleza de primeira quaiidade a 800 e t*000-a libra, e em barril se far
batimento.
MAUtaiga trncala a mais'nova a O r., a Ubu e em barril, 800 rs.
**** ayasoii 0 mais luperor que ha no mercad0 a ^g^, ^o, a Hbri#
VjUa liaXim imiUQi0 a perolSi pela W1 sup,riordaae a 33000, e 29600 a libra;
tlIVVl pfeVO unlco para 0$ doentes que fle lMUm com a hon,eopath|a a jj5oo a libra.
AfUaljOS Jf*1* ehegedos neste ultimo vapor a 2*800, ditos chegados no ultimo
navio a28500
valijas onariaos 0 que ha at bom nasle ro 1>000 a Ubra em o.
faz abatimento.
uei j pravo 0 mai8 8peror que tem ?iDd0 a esle mercad0 a lft200 a Ubr,#
Pf rauta inglez pata ftambw muit0 noyo. 500. .-.. em Por-
gao se far abatimento.
Costoletas iaglraas
WaZUaia aa Taina da lupiror quaiidade a 430 rs. a libra elnteiro, a 440 rs.
SaiaiuQ 0 meihor petisco que pode haver por estar prompto a toda a hora a 1) a libra, e
em porco a 900 rs.
i. ou^vaiiJ ao reino mail0 n0T0 a28() rg a libr| e em barr1 de 3 arrobas a -^^
Gnoari^aa e paios de lombos a
ment.
lalas eom cliouricas
7^ ,**V*0j promptas para se comer viudas a primeira vez a este
mercado a 2&000 cada urna. ^
Banaa de porco retinada em Uli com 10 libra, por ^ cada uma.
Baaua de porco mul0 flna alva a 480 n a libra t em b|rtil i 400 rg
armelada imperial d0 afatnad0 Abreu t de ontroi milt0i fabrlMntM d, LIib01
a BOU rs. a libra, e em por$ao se faz abatimento.
Latas com tratas da doce em calda
*w*"' vn*w como se,ao pera dama$cos Pe-
cego, alpexe, e ginga, a 800 rs. cada lata.
Marmelada de alperxe em latas de2 libra porl200 cada umi
Latas com amendoas confeitadas contendo & confeitos assucar
candi, muito proprio para mimo, a 29000 cada uma.
"Doce da casca da goiaba muit0 flno. w e em porQSo 8e faz abaUment0.
Hoce saeea a em calda de differenle. qailidadeS) em Mud% 4(? e
2^500 cada uma.
Cartn com bollo Jrancez propriO para BiBD. 560 n
Vataa* em caxiuWfc S libras muil0 novss porSg500e retalh0 .
480 rs. a libra.
lgoaa comlllftd?a mult0 Qoroi. em caixasde8 libras por nsMt dUas com4
por IJjOO, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900 rs. cada uma e a retalho a 320 rs.
libra.
Vestidos a 3^000 e 2$500
/ Vende-se cortes de vestidos brancos com baf-
rni e babados a 3| e 29500: na ra da Imparttriz
n. 60, loj* armazem do Pavao, de Gima 4
ollT
Saias bordadas a 2J500.
VeDde-ae Saiaa bordadas muito bonitas a 28500
da urna : ?a ra da rmperatriz n. O. loia do
ivao, de Gama di Silva. '
Baldes do Pavo.
cad
Pavo

640 rs. a libra, em porco se faz abat-
em latas de 1 libra, por 640 rs.
muito novas a 320 rs. a libra.
Erviluaa fraueezas e poriuguraas
ditas em nieias latas a 500 rs.
Slaca&e tomate em lat de, libr por800 M.
\mendoas de c&sca mole
Kozes a j20 rs a librai e ^jqqq a arroba
.mevxas irancezas e m Ul com 3 llbras por f9mt diUg com, 1[2 por 19500_
Xmelxas pattugatzas. m r, Iibra e em caixa 8e fsr abatiment0.
.Cbocolate bespabola 1S500i dit0 france a 1S200 dil0 potlag(iez, 800 r8> llbra
auauci-se atoa qualidade.
DOiaXluua de soda em lalas com dffer^ies quiidades, a 1|U0 rs.
9aa$* 8 paTa S^pa letriai macarfao e t,ihrm. a 400 rs. a libra e em caixa por 8SO0O rs.
irUtas ae denles 1iad0Si molhos com 20 macinh09 por 200 e280 mnUo Dnog#
erejaS em ftascos comi e j.2 lUua por 800 rs.
J francezpara limparfacasa 200 rs. cada um, emporgao se faz abatimento
niaxinuA agleza a mais nova d0 mercad0,320 ra a libra, embarrica,4}500
", Para engommar, muito alva a 100 rs. a libra e em sacca se faz abatimento.
; de posta em latas das melhores qualidades de peixe que ha em Portugal a 1JJ600 rs.
peTlnaseie Uperior de cinco e seis velas por libra a 760 rs. e em caixa, a 740 rs.
abS'aiiiiife.s de Nantes era utas muit0 noyas a 400 rj
r eixe a hUm de SUperor qualidade a 120 rs. a libra e em barris com 3 arrobas por 7j.
refinado de differentes marcas e o mais superior que ha a 800 rs. a garrafa
e em caixa a 9
\ las engarrafados doduque d0 Porlo e de outr#g muila8 mareag acreditad
neste mercado a 1?}OO rs. a garrafa e em caixa a 128000 rs.
U I H Pipa Porto, Figueira e Lisboa a 560 agarrafa eem caada35O0, 49 e 40500.
-* v"ja da3 mas acreditadas marcas a 5} rs. a duzia, em garrafa a 500 ra.
nmwpagae das marcas m8$ superiores que ha no mercado a 158 e 22|000 rs. o gigo
ViOgnaC lBgleZ a i0sooo-rs. a caixa e 1200 rs. a gaarafa.
Genebra de Hollanda rdadeiraem fra.queir. a 6000 rs. e o frasco a 560 rs.
aamavas doILgypto a 6l0 rs. a libra e em cajxiohM clu 9 miomn por 5S
Genebra ingleza. mm rs. duzia,. relalh0, im> ,,,.
P*lit*sd*gxa295ft0rs.,agro^
Vende-sebsloes da bramante francs com ar-
cos stodo oa que tea melhor armaci palo di-
minuto prego de 3* e 3j>500 : na ra da Impera-
triz n. 60, loj a e armazem do Parlo, da Gama
4 Silva. '
Saias com arcos de linho.
Vaode-se as acreditadaa aaias com arcos de li-
nho que fazem aa vezes de bslo a tyzOO e a 4j>
cade uma, ella fazenda s ha na ioia do Pavo:
ra da Imperatriz o. 60" loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Madapolo a 3^.
Vande-ae pega da madapolo eofeatado com
14 jardas a 3) apees: na ra da Imperatriz n.
60. ioja e armazem do Pavo.
Grande pecbiacha em cortes
de vestidos na loja do Pavao.
Vende-ae flniasimoa cortee de cambraia bran-
ca bordados com z babados grande e de deas
saias pelo baratissimo praco de 49, ditoade cam-
braia de seda com babados bordados a 4(500, di-
tos de phaotasia fazenda que sempre se vende*
por 12J pelo baratissimo prego de 69 cada om :
na ra da Imperatriz n. 80 loja- armazem do
Pavao, de Gama & Silva.
Briihantiaas americanas.
Vende-se briihantiaas americana com liodis-
simas cores sendo fazenda inteirameote nova e
moderna de 4 l|l palmos de largura j 400 ra. o
covedo: na ra da Imperatriz n. 60, loja e ar-
mazem de Gama A Silva.
Para meninos a 4J500 rs
Vende-se vestidinbos de seda para meninas e
ditos de fustn qara meniooa muito bem enfei-
tados pelo baratissimo prego de 49500 cada om :
oa ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Gorguro de linho a 280 rs.
Vende-ae gorguro de linho de quadrinhos e
meaclados proprios para senhoras e roopas de
meninos e meninas a 280 rs. ocovado: na ra
da Imperatriz o. 60, loja do Pavao, de Gama &
Silva.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C,
sellins e silhoes ipglezos, candieiros e castigaos
bromeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, o relogios de onro patente
inglez.
Libras sterlinas.
Vendam-ae no oscriptorio de Hanoel Ignacio
de Oliveira 4 Filho, pracs do Corpo Santo n. 19
Ricos espedios1
Vendem-se dous magnitkos espelhos em pon-
to grande, com moldura doarada : a tratar na
ra da Cruz o. 27, primeiro andar, ou em baixo
no escriptorio.
Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Taixas
Sal
.
refinado em potes grandes a 500 rs. cada'um, m porgao se far abatimento. '
\
aO '
B lavado o que se pode;desejar.oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba a 9S500, dito mais
libra e 8JO0O arroba.
baixo a 280 rs. a
Sevatlinna
-ment.
^* S^iannito novo e alvo a 320 ra. a libre,
Vrlnna
Hita
de Franca a mais nova do mercado a 280 rs. a libra, em porco ae faz abiti-
do reino das marsjaftSSS e alega a 140 rs. a libra.
l''5* dp Maranko alva- a cjhorola ar<60 rs. a libra e em arroba a 4JJ800.
".rvilnas aecag m[t0 D0T a 160 rj a li)ra>
Vela. ... .f n* .
de carnauba teQoadas a 400 rs. a libra e em arroba.a ISfOOO.
A (Toce de Lisboa a 720 rs. s garrafir, aflinga- sVa boa qualidade.
_*vM*3 *^bM*!?(aftrs,,a,gTfafa, o em:c,ana4a a ljr300,
tlfe*Cnre< a \&m iatraftnlpm'cBwa'ae fat abatimento.
Dito
y.ni-
I
.
. ofc I
para engenho.
Grande redaeco nos precos
para acabar.
Braga, Son & C. tem para vender na rua.da
Moeda taizas de ferro cuado do mu acreditado
fabricante Edwin Maw, a 100 rs. por libra, as
mesmaa que se vendiara a 120 rs. : quem preci-
sar dirija-se a ra do Trapiche n. 4, armazem
de fazendas.
Souhall Mellors & C, tendo recebido or-
dem para vender o seu crescido deposito de rslo-
gios visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portento, s pessoaa que quizerero
possuir um bom relogio de amro ou paarta do c-
lebre fabricante Kornby, a apreveiter-se da op-
portunldade sem perda de lempo, para vir eom-
pra-loa por commodo preco no aeu escriptorio
roa do Trapiche n.28.
PHOTIKM
A 1^280 o covado.
Grosdenapie preto muito bom: naVna do Quei-
mado n. 47.
A15$000.
Paletots da panno fino forrado de seda : na roa
doQueimadon. 47.
Charutos da Havana.
Vendem-se chatutos da Harana d-
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber & C. successore, ra da Cruz
n.4.
Obras de metal prateado.
Em casa de N. Oi Bieber & C. succes-
sores, vendem-se apparelbos completo
para almoco, porta licores, garfo, fa-
cas, colhere para chae sopa, galbetei-
ros, copos e outros muitos objecto des-J
te bem conhecido metal, pela iua boa
qualida ie e duracSo : na ra da Cruz
n. 4.

Vende-se ouerrenda-ae o engenho Tabocas
distante desta cidade 7 legoas, na freguezia da
Luz, sito as margeos do rio Tapacur, com cu-
jas aguas pode, com aumma facilidade, moer, tem
malas e terreno de immensa prodnceio para sa-
frejar mais de 3,000 pies annualmente : os pre-
tenden tes dirjam-ae ao mesmo engenho. Meo
Recite, loja de ourivea do Sr. Hanoel Antonio
Gongalves, na ra doCabugi n. 3.
para ajo*.
^ZfSH'ilK "l1 Sfwal* Nova n. 30. eai-
'" < ** pot BeaJ eommodo, racommen-
daveis para os anjoi de procissJo.
Kelogios.
Vande-sa em casa de Johnston Pater 4 C,
'jL^ ^'*,rH) n-' ^ nm D#"0 aonimento de
teMgiw de orno, patenta ingles, de um dos mais
afmalos fabricantes de Livarpool; tambem
MM variedada da bonitos trancallins para os
mesmoa.
Potassa da Russia.
Veade-se emeasa deN.O Bieber*
C, successores, ra da Cruz n. 4-
surVaiL
sem segundo.
J\* "?\do QU8B>a,,o o- 55 loja d miudezaa
aeJos de Azevodo Mais e Silva, eslf vendendo
todas as miudezas por precos ji sabidos e co-
nnocidos :
MENOS DEZ POR CENTO
NOS ARMZENS
PROGRESSISTA
DE
36
Grotaa de peonas d ac de todas as quali-
dades a H
Nvelos de Iinha atrpelo tamanho a todos
admiram a
Calzas de agulhafrancem
Caizas com alfioetes muito Anos a
Caixas com apparelho par* enUeter me-
niooa a ^
Ditas ditos grandes a
Baralhon portugueses a 120 e
Groxa db botoes peqoenos para cate a
reioures para unhas mnito finas a
Ditas para costura muito superiores a
Baralhoa francezes para voltarete muito fi-
nos
Agulheiros com agulbas fraocezas a
Caivetes de aparar peonas de 1 folha a
Pegas de tranca de lia com 10 varas a
Ditas de traoca de lia de todas as cores a
Pares de sapatoa de tranca de lia a
Cartas de alflnetes francezes a
500
120
ISO
60
240
500
200
1*0
400
400
DI1HTE C.
ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
isao
ancommendaa
gneros e differeoca de precos.
primeira qualidade a 800 e 1 rs. a libra e em Barril m
320
80
80
200
800
1J280
100
Pares de luvss fio da Escocia multo finas a
Ditas ditas brancaa grossas a loo
Eacovas para limpar denles muito finas a 200
Masaos com superiores grampos a 40
Cartoes com colzetes de algum defeito a 20
Ditos de ditos superiores a 40 e 80
Dedaes de fondo de ac muito superiores a 100
Bufiadores para vestidos de senhora com 4
varas a grj
Caixas com colzetes francezes a 40
Cartas de alfioetes de ferro a 80
Charuteiraa muito fina a 1*000
Tinteirasde vidro com tinta a 160
Ditos de barro com tinta superior a 120
Areia preta e azul muito flna a libra a 120
Tenho nova remessa de labyriolho para ven-
der por todo preso, assim como tenho trancas de
aeda differentes cores para vender por todo d-
nhsiro que offerecerem.
Muita at ten cao.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n, 40, vende-se, roupars feitas
de todas as qualidades pelos precos
Oais baratos possiveis que se "pode ima-
ginar, pois pode vir os reguezes com-
prar porque pecbincha.
Algodo da tahia.
Proprio para roupa de escravos e saceos de as-
sucar : vende-se na ras da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G.
Roupa feila muito
barata.
RS Sobrecasacoa de panno preto muito fl-
f no, paletots de dito, paletots de casemi-
^ ra fie cOr, ditos nretos, ditos de fustio,
P ditos de gaoga de cores, ditos de brim
g decrese brancos, caigas de casemira
ra preta e de cores, ditas de brim branto e
Jg de cores, ditas de gaoga, colleles de
fjp velludo preto e de cores, ditos de gor-
te gurso, ditos de fustao,ditos de brim bran-
co, camisas de linho, ditas de algodo
brancas e de cores, seroulas de Hubo,
3$ ditas de algodo, chapeos de sol de seda
m ioglezes os melhores em tamanbo e qua-
lidade, tudo se vende por barato prego a
dinbeiroriata, na loja das 6 portas ra
ag do Queimado emfreote do Livramento,
^ est aberta al as 9 horas da noite.
Os DronrieurW a 9 adargo do Carmo 9
sos ftgM;MVriZ^,^^.'?Td,~U^ PwWfM-at -a-
os melhores gneros, pois que nar ul. Eurea' na>hom Sua proPrU etMmu^*
par. os ecolharem, eos 3BJLSK?! e"eafreg,das em dV6rso? Pntes *">*.
roga-se a todos os Srs. da praca di ZZll ,P 2S? d,que era oatn 'a,,,aer Parle- Pr '"*
.os noasos arceos, *>%* < J-J- ^f.vor de mandare a. **-
3|antei^3 ingleza ^
far abatimento. .
Cli" h ^a ra nceBa a mais nova a 70 "a ,ibr*e *m b,rril o "
p.. 7 n mais superior que ha no mercado a 29400 a 2&800 a libra.
p, lUXlm que hada melhor neste genero a 2|500 e 3W)00 a libra.
Cl A PrCt0 mUl ,up"ior Vind0 a Prm se^Ibl^f" ^ ~ d R' "* da 1b ** **<*>
Queijos do reino chegados
. navio .29400 cada um.
Queijos suissos 0
libra.
Quijos prato
I
neste ultimo vapor a 29800 e dos chegados no ultimo
mais superior e rmis frescos] que tem viudo ao mercado a 19 a
Caivetes finos pa-
ra pennas
Caivetes finos para aparar peona, de duas (o-
Ibas, a 200 ris cada um : na loja da Victoria na
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Caixiuhas para confeitos e
prsenles.
Muito lindo sortimeoto de caiziohas muito lin-
das para se botar confeitos ou mesmo com ellas
vazias se mimosear uma menina, pelos baratis-
aimos precos de 320 at2500 cala uma : na lo-
Jada Victoria na ra do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura'don-
rada e preta.
Lindos quadros de moldura dourada e preta,
com estampas, pelo barato prego de 5$ que s a
moldura val o dinbefro : na loja da Victoria n
ra do Queimado o. 75, jnnto a loja do cera.
Panno de algodo da

Novo sortimeoto de cascarri-
lhas de seda.
A leja d'aguia branca acaba de recebar um novo
e bello aortimento de cascarrilhas de seda de
multas e differentes cores venderte i 1*500
a t>500 ris a pja, na ra tfo Qdrma'do loja
d'aguia branca n. 16i
fdeias preta d&5da 'ft.fcQtW
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz da
'"Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
Novos e lindos
dos que sa dirigirem dita loja d'aguia
na do Queimado o. fO.ldu^plegos esta
PMJ!
braoca,
estao mar-


'Lojadobeja-abrtf^ru d0 .Quefriif R. da Sto^alla, N^Ya 42.
,tet)S,W!WW^r ,!,B k ** metCadb propio J,arami,,a a 640r, 8".f^em'-*j i'^-l 'mumimOi* : Neste estabeleciiWntefrr
, Vendem-ae lavar db aeliicM Jouvin brancas i
,,,i .. J del fi ao meu.reprainno atAa chogarJa donrimeho vapor vindo da Europa, pelle preta pera sesfaor < lomeo. chVffades neto
po>l esero. nqT.sqrttmeBto a na>rei v^m^e o pulrUcar ao rtspeitavel publfto. P JeHisantiCwte, cuffi^i pero
M
C j r. aiv como Mnca vei0 aQ nMgo mercj|do a Jf 10() b ]br| ^ jntro ^ ^^^
61Xe^?S?n. *taS ^diversos uraanhos.savel, sardo, pargo. pescada, eav.ll., lingna-
dos fritos, atura marenado, robllos e lulas de tigelada, de 1300 a 29OO0 a lata.
-1 oucinlio do reino muit0novo a m rs a Ubrt e 9|500 a mobj
temos para 240 rs. a libra e 6#500* arroba.
Banlia de patCO em latas cora 10 libras por 49400 480 a libra.
Marmelada imperial de todos os mmmt Lisboa,era km d. ubr,
meia e 2 libras a 750 rs.
Latas com frutas em calda
xi ii ii.-, em tdtua como seiam pera, peeego, damasco, alper-
xe, ameixas e ginja, a 700 rs. a lata.
Jarnielada do Alperceem latas de siiimpor ioooada...
OCe ta CaSCa da goiaba .700rs.e em pocrioMf.r.Utimu,.
JLfoCes SeCCOS de diHerenies qualidades em hcelas muito bem arraniadas a 3*000.
I ti IT? l Ps- ' ao as ma,s superiores que tem vindo ao mercado em caixinhas elegantemente en-
feitadas a 29500 e 600 rs. a libra
Paisas em caxinhas de 8 Iibris 329200 e440r.. br..
noOS (la COmadre mul0 novos m minha de 8 libras e muito bem enfeitadas t
a 232OO e 320 rs. ajjhra.
Firvilhas franczase portuguesas a64o 720 rs.. km.
Massi de tomate emuiudei mm.soors.
Amendoas da casca mole Bullo nov.s a 400 rs. a iu.
^ OZes muito novt8 200 rs. a libra.
AlUeiXaS frallCeZ iS em latas cora 5 libras por 4000 a 1*000 a libra.
CIl ^COlate IleSpailllol a 1J200, francez a 1*000 epouuguez. 800 rs. .libra.
Bol- Xilllia d SOda emlatas cora differentes qualidades a 19400 a lata.
MaSSaS p8 ra SOpa maCarrao e talharim a 240 rs, a libra e calza por 59000.
vsaiXlflll&S muito bem enfeitadas com pevide, rodinha, esirelliohi, tic. a 700 e 800
a ailtOS liXadOS paradeates em molhos com 20 macinhos a 200 r.
^GrejaS em frascos de libra e meia a 700 rs.
y DIO Je4 ra UCeZ para limpar facas a 180 rs. e era porc,ao se far abatimento.
Espermcete Superior sem avaria a 740 a em caixa a 760 rs. a libra.
Sardiuhasde Nantes mUiu> n0v.s.400 600 rs.
AlpiSta muito nova a 180 rs. a libra e 5500 arroba.
AZeite'docerefinado de diverjas marcas a 800 ra. a garrafa e 99000 a duzia.
ISOlacIlllllia inglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra 49200 a barrica.
ixOma muito alva a 100 rs. a libra e 2|500 arroba.
11111 OS engarrafados duque do Porto, g enuino. Port fino, madeira secca, Carcavellos, net -
tar, feitoria, velho secco, Muscatel a 19200. garrafa e 129000 a duzia.
DltOS em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4*000 a *500 ea>
nada.
&erV<'|8S das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
ln?.mpanne das marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 ogjga.
UpgiaC inglez a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
(ginebra de Hollallda verdadeira 69500 a frasqueira e 600rs. o tnaeo.
AZeita UaS em ancoretas as melhores que h no marcado 29 e 400 ra. garrafa.
Dita llglfc Za a 99 a duzia e 800 rs. a garrafa.
I i, llt S do gaZ a 29500 a groza e 240 rs. a duzia de caitas.
^(i. 1 retinado em pacotea de mais de uma libra a 240 rs. a em porco lera abatimento.
Cllfe do K O o melhor que ha no mercado a 280 rs. libr. e 8500 arroba.
SeVadinha de Franca .m.is novadomercdoa240rs.lifi.
5agll muito novo a 320 a libra.
Far II lia do Marailhilo mnito alva o nova a 160 rs. libra e 49800 a ar-
roba.
Veiag de carnauba e de composico a4oo. aiibr. u
a arroba.
Vinagre purO de LSboa a240 ri. agarrafa e a 19800 acarada.
GrO de bCO muito novo a 200 rs. a libra.
PeraS SeCCasem f^xi lili aS deoito hbrasa 29500e a 640n. .libra.
M a r ra S(JU TO verdadeiro de zara, de limone, ci, manta, geae.ro, mandol'ai
curaca, rosa sublime e outras qualidades de 19500 a 29 a garrafa.
enfeitea part vestidos ]iretos
,'a de cores, t -xupi-alaa de
criacas.
Em apropna*o lempo recebVu a loja d'aguia" -'
branca aa bello a completo lottimento de enfei-
tes de seda paca vestidos pretoa e de cotas, e roa- 0
Sl.,d?'cI?M,/i' tBd0 "SWI lMt,a,fle patetas. 6m os de uma arroba Dor 29000 e 80 rs. a Hbra.
novos e lindos deaenhoi, e dificeis tecidarj- com 7Z, 8* B'
os. qaaea pode-ae com gesto e modemiaaimn en- tOD) Itt h OS os mais novos do mercado a 800 rs. a libra
tenar qualquer vestido ou ronpioho de. cuenca, n, ,
j*Jg Vo ditos 2SS5S2" -* lodo "I'mo* ftrva .dO.Ce muito nova a 400 rs. a
a
?
Caneila superior a. 19 a Uhu
CharntOS verdadeiros superiores a 29 a caixinha de 50.


^
meicauv mraiv
...
I &boa |
p^mm^
'; '-A'' "buy
re ero gwrioaa eom 5#arrafaai4ajpparwr qual*d*4a a 19209.
a\ni. zal
I

raruta r^i,, lailiW(Wa.ik^20alJ.ra.
AKmtfcMH gneros enaarar* -4 tiapaiMval' publko em
^?*a,1S!10^ "

i
i'-4'' )gaaia mm m anjaa
a-. MOa9anji


r
ICARIO DE .MIlNAMIUCQ tABBADO 11 Dfi MIL #R 1 SOS
;

i
Vende-se farinha de Fontana
ehegada berta semana s lio trmszem de
Vicente 'errera dS Coita, Forte to
Mato.
gsasaesaeeiedK mmmmmn
Attnco.
Vete-ie um homem dos pea .14 a a
aeca Por diversos presos : na loja de Na-
baco 4 C, na na Nora n. 2.
Vendem-se manteletes de seda pret,
dita* de slond, mantas de 016 : na loja
de Nabuco & C na raa Nora n. 2.
Vendem-ae meias pretas 'de lia para
padre : na loja de Nabato & C, na ra
Hova o. 2.
Vendem-se capas de borracha, per-
! neiras de borracha, sapafos de borracha,
meias de lia pretas e do cores, camisas
de las e ditas de flaoella : na loja de Na-
J buco & C, na raa Nova n. 2.
AGENCIA
DA
Fuodicao Low-Moor,
Boa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estbeles i ment continua a haver um
completo sortioiento de moendas a meias moen-
das para engeirho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido' e coado de todos os tamanhos
para dito,
Fivellas dou radas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'agaia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quantidade de vellas
doaradas e esmaltadas para cintos, todas de no-
vo e bonitos moldes, e tambera douradaa que
parecem de ouro de lei, o que s6 com experien-
cia se conbeceri nao o terem, estando no mesmo
caso as esmaltadla, e assim mesmo vendem-ae
pelo barato prego de 2(500 rs. cada ama, na ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Cestiohas ou cabases para as
meriioas de escola.
O teaapo proprio daa meninas irem para a
escola, e por isso bom que vio compostas com
ama daa novas e bonitas cestiohas que se ren-
den] ca raa do Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
arinazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Una do Queimado n. 19.
Lengoea de bramante de linho a 39.
Cobertaa de chita unas a 2$.
Ditas a prego de 1J800.
Cambraias pretas maito finas.
Colchas de fusilo muito lindas a 6*9.
- Esleirs da India de 4, 5 e 6 palmos de largo
proprias para forro de cama e salas.
Lengoea de panno de lioho Ino a 20.
Algodao moostro a prego de 600 rs, a rara.
Toalhai de lioho para mesa a 49.
Ditas de fustao para mos, cada ama 500 re.
Palmatorias de vidro e de la-
to para Vellas.
Vendem-se bonitas palmatorias de tfdro lapi-
dado para relias a rjflOO, editas de lati mui
dovis e limpaa a 400 ra. : na na do Queimado,
loja da Agota branca a.- 16;
Pe tos de fustao lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se bonitos peitos da fustao lavrado e
trancado para camisas a 500 ra. cada um, fazen-
da mui boa e encorpada i na ra do Queimado,
loja d'agaia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras bo
dadas em ambos os lados,
A loja d'agaia-braoca receben nm noto e lin-
do sortimento de tiraa bordadas em ambos os la-
dos, a contina a vender baratamente a 19200
cada tira, e entras de bordados muito largos a
29000, o melhor qoe pdssivel em tal genero,
e todas ellas, pela largura que teem, podem aer
dividida a meio, pelo que se tornara baratsi-
mas : na raa do Queimado, loja d'aguia branca
n. 16.
predio yenda
Vende-se a casa de dous andares e otao, mei-
agua, no becco das Miudinhas n. 8, avallada em
2.0009, a qual rende 1 1(2 por cenlo ao mez; na:
ra do Trapiche o. 14, primeiro andar, ba pesaos
aatorisada pelo proprietario pira electuar a Tan-
da da mcsma casa.
Sal de Lisboa.
Vende se a bordo da barca porfugdeza Espe-
tanga, sal de Liaboa limpo e redondo ; a tratar
na ra do Trapiche n. 17.
Vende-se um terreno -em Santo Amaro,
unto ao hospital ioglez, com 700 palmos de fren-
e, em muito bom estado: a tratar na ru do
Trapiche n. 44, armazem de Braga Son & C
Salitre refinado.
Vende-se na ra do Queimado loja de ferra-
gens n. 13, a 8J50O a arroba e em porcSo se
vender por muito menos. *
Genuino e Verda-
deiro vinho da Madeira, l-
timamente chegado.
Vende-se na roa do Vigario n. 9, primeiro an-
dar, escrlptorio de Carvalbo, Eogueira A C.
Attnco.

- <.t.
36 Ra Nova
36
a os a> o
CA ff -a
S 5SJ Bb
2
2. o. 2.
5" =
o-
,^go

S.
~ 5=5-0
W 9 -^'
osts 2 2 n o
O 21 o H **
- K S B i S
o'og~
eres
a
o
o
CD
ffe
n s O
?H!
u o .
.2.
,oo 8 5
" -
2 5 S =
so
-. 9
a.
o
a x ~ d"
B o 3" m B
~ o ZT o -a o SajaBa**
O.SC" c,'oixr. <
O^SrS-^O^ aaaaaaa.^
HJ5-B-g?.2 "Si
sis.- 3-2 = ssr
a a 9 w & O S mmtm
S2S--gs"
3B
\
0
I
-c "O
Q.
O
03 ai i. o ce 1 ^^2
o, a. a a B crS
o j. j= 2 a
"do JP&9 *
m q o .aQ an
s o 3 *
O n
s
2.a

m
o
O 50
89K
O. S'"S, a
O bom e barato na boa
fama.
Vendem-se pentes muito finos de marfm para
bichos vindos de Liaboa pelo baratissimo preco
de 610, 800,15500, 1JJ800 e 2# cada am, ditos
para alizar a 18600 e 2g, ditos de bfalo pretos
e braocos tambem para alisar e multo bous a
500 e 800 rs., ditos entre-finos a 280 rs., du-
zias de car retis de linfaaa de 200 jardas de os.
50 a 80 a 720 rs., grozas de botdes fluos para
caigas a 240 rs., ditaa de loaea brancos e prota-
diuhos para camisas a 160 e tr-., sgulheiros
de marfim muito booitos a 800 e 13 cada nm,
ditos de osso torneados imitando os de marfim a
320 ra., figaa de marfim brancas e encarnadas a
3Z0rs. cada urna, agalhMas de marfim para cu-
fiar a 240 rs., grozas de butoes muito finos ma-
dreperla para camisas a 640 e 800 re., teaouras
raocazas osuito finas para costara e cabello a
Sf cada urna, ditas com pequeo toque de ferru-
gem a 1J500, lionas de paso a 100 rs. a miada
ditas para bordar a 160, 200 e 300 rs., dita frou-
xa a 60 e 80 rs. e outras muitss cousas que se
vende por menos do seu valor : na raa do Quei-
mado loja bem conhecida de miudezas da boa
fama n. 35.
Perfumaras baratas e de
boas qualidades.
Vende-se para acabar muito boas sabonetes
reme de amendoas em calas de louca a 500
re., frascos com o bem conheeido sndalo a
19500 e 2$, frascos com banha transpatente a
900 rs., ditos pelacholy a 640 ra eaiaiohas com
nove qualidades de extrsetos e todoa muito finos
a zg, ditas com 12 tambem muito finoa a 3f200,
irascos grandes com agua de colonia muito su-
perior e bem conhecida a 1*500, 2* a 3, pasli-
lhas muito cheiroaas de Labeo para conservar a
roups livreda traca a 9 cada papel, ditas do
mesmo fabricante proprias para defamar a 20
cada caiiinaa, duziasde sabonetes maito bous a
600 rt. e outras maitas qualidadaa que ae vende
muito baratea na ra do Queimado na bem co-
nhecida loja de miudezas da boa fama n. 35.
Colheres de todas as qua-
lidades.
Fendem-se daziaa de colheres da metal para
aopa de tao boa qualidada que nada fleam deven-
do as de prata pelo baratiaaimo preco de i0$,
ditas para cha a 68,-ditas de metal principe para
fopa a 5$, ditas para cha a 2#500, comas para
tirar stfps muito superiores a 20500 cada urna
ditaa para tirar assuear a 800 rs., alera de todas'
ealaa colheres finiasimas ha ontras qaalidades
maia ordinarias que se vendara barato : na ra
do Queimado na bem conhecida loja de miude-
zas da ba fama o. 35.
Grande sortimento de oculos para tor
das as vistas.
Liquidaco.
, Braga, Silva & C, em liquidaco, con vidam
aos seus devedores a virem saldar seua dbitos
dentro de 30dias, e participam que medidas ter-
minantes serao empregadas contra os que nao
comparecerem.
Facas e garfos de todas
as qualidades
Vendem-se duzias de facas e garfoa com caboa
de marfim o maia fino que se pode desejar pelo
barato prejo de 16$, ditaa para sobre mesa a 14$,
ditas muito linas de.balaoco a 6*400, ditas mul-
to finas tambem de bslanco e com dou but5es a
7*. ditas imitando as de balando a 63, ditas para
sobremesa fazenda muito superior a 5*500 e 6*,
ditaa entrefinas a 2*500, ditas para meninas a
320. 400 e 500 rs. cada talhere alem deatas qua-
lidades .ootras muitas que se vendem barato : na
ra do Qatimado na bem conhecida loja de miu-
dezas da boa fama n. 35
Para violo.
Vende-ae muito auperiorea cordas para violo
pelo baratissimo preco de 120 >s. cada om>
bordao a 160 rs.: na raa do Oi'omuo na Toja de
miudezas da bo. fama 0. 35.
Ricos sintos dourados.
Vendem-se ricos sintos dourados bordados pe-
lo barato prego de 2*500 e 3*: na ra do Quei-
mado loja de miudezas da boa fama o. 35.
Papel de todas as qua-
lidades.
Vendem-se resmas de papel de peso greve o
maia^uperior que se pode encontrar pelo barato
prego da 3*400 rs., dito pautado de mnito boa
qualidade a 4|300, dito almago muito bom 3
dito almaco greve a 3*600 e 4J800, dito pautado
a 4* e 4*500, quartoa de papel de corea com 20
quadernoa a 710 rs., dito braoco muito bom a
1* e 1*200, dito de quadriobos a 1*, dito pauta-
do com 40 quadernos a 2$, caixinhas com papel
de belra dourda a 1(500, dita com envelopes a
1$ e ontras mais qualidades de papel que se ven.
de barato : era ra do Queimado na bem conhe-
cida loja de miudezas da boa fama n. 35.
Attnco
Na ruado Trapiche n. 15, es-
criptorio de Bastos A Le-
aos.
Vendem-ae os seginles gneros DQr preces
commodos:
Cadeiras italianas singelas com paliaba.
Dita dita de braco com dita.
Dita dita de balancu com dita.
Sofisdits com encost com dita. Estes trastes
sao muito recommendaveis para casas de cam-
po por serem omito leves a de elegante mo-
delo.
Farelio novo em saceos grandes de 3 arrobas ca-
da um.
Poteajju talhai de barro vidrado de dlfferentes
tamaohos proprios para deposito d'agua, de
mel ou de qsmlquer outro liquido por serem
maito fortes.
Almoxarjzes de marmore com sua competente
mi de madeira proprios para casas de fami-
lia. .
lijlos de dito de 7, 10 a 12 poftegadas quadra-
das cada urna.
Enxofre de canudos em caixas de 3 arrobas cada
urna.
Chapeos de palha de Italia amarello e escaro pa-
ra homem.
Fio de algodao da Babia para paviosda velas oa
para redes etc.
Massa de loma tes em latas de 4, 8. 16 e 32 li-
bras cada urna, de superior qualidade.
Vende-se um piano ioglez da mesa em
muito bom estado ; na praca da Boa-Vista no
segundo andar do sobrado o oito para a raa de
Arago, abi achara com quem tratar.
cortea-de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ricos corles de vestidos brancos
bordados com 3 babados pelo baratissimo prego
de 5* o corte : na- roa do Queimado o. 22, as
bem conhecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Vendem-ae superiores camisas inglesas com
pregas largas pelo baratissimo prego de 35* a du-
zia : na laja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas epunhos
\ com bpioes
Vendem-se sicas gollinhas e punhos de cam-
braia e foelio ricamente bardadas con lindos bo-
tdes, peto baratiisimo prego de 2* cada Ruarni-
go : na roa do Qaeimado n. 12, na loja da
boa f.
Vendem-se barros gordos e mansos : no
engenho Jurissaca, do C"bo : a-tratar all com o
Sr: Domiogos Francisco de Souza Lelo.
Fazendas baratis-
-
C1IYIW
ijllllUU 'DlC>
Superior bramante de lioho com duaa varas de
largura a 2*400 a vara, atoalhaoo da linbo ada-
mascado com duas larguras a 2*500 a vara, brim
branco de linbo muito superior a 1J440 a vara,
dito de cores, fazanda mutio superior a 1*, dito
pardo de lioho paro a 800, 1* e 1*200 a vara, di-
to de qaedrinhos muito proprio para caigas, ja-
Saetas e paletota para meninos a 200 rs. o cova-
o, gangas frsncezas muito superiores a 400 ra. o
covado, cambraiaa francezas muito finas e de
muito bonitos padroes a 260 e 280 o covado,
cambraia lisa muito fina a 4J, 5 e 69 a pega com
8 1(2 raras, cambraia com salpicos tambem com
8 1(2 varas cada pecas a 4*300, dita muito supe-
rior o melhor que ha oeste genero a U|500 a pe-
ga com 17 varas, bu a 800 rs. a vara, cbilaa fran-
cezas de mnito boas qualidadea e de lindos pa-
droes a 240, 280, 300 e 320 o covado, fil de li-
oho liso muito fino a 720 a vara, tarltana bran-
cae de corea a 760 a vara, toalbas de lioho para
maoa a 7* a duzia, ditas pelludas muito superio-
res a lija duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitqs e Rollas de cambraia ri-
camente bordadas a 2* o par de manguitos com
urna golla, lencos braocos muito fiaos com bico,
renda e labyrintho a 1J280 cada m, ditos de
cambraia de lioho para algibeira pelo baratissimo
prego de 4, 5 e 6* a duzia, e assim um completo
sortimento de fazendas de lodaa ae qualidades,
que sendo a dioheiro vista se venderso por pro-
cos mui baixos : na bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Barato assim barato de mais
Sabonete fiaos.
A loja d'aguia branca recebeu urna crescida
quantidade de sabonetes fino* para barbas, os
quaes convm a todos compra-los jnesmo para
mos, svista do diminuto prl;o de 3* porqaanto
se est vendendo a duzia. Para satiefazer-ae aoa
boos_ freguezes se vender tambem om menores
porges, porm quem maia comprar mais lucrar,
porque assim barato, nao ser fcil toroar a ha-
ver, e mesmo agora s havfea ra do Queimadc
loja d'agaia branca n. 16.
Vende-ie ago a 23* o quintal: na raa do Quai-
mado loja d ferragena o., 18; bem cerno se ?en-
de nesta messaa leja en complete aortiaaenlo de
ferragena e miudezas da toda as qualidades, tu-
do por diminuto prego, visto o propietario que-
rer entrar em liquidaco.
Camisas eceroulas
Vendem-se superiores ceroules de lioho muito
fioaa peto barato preco de 26* a duzia, ditaa tran-
cada de algodao, aaae de maito boa qualidade, a
179 a duzia, camiaaa brancaa francezas a 219,249,
26 e 369 a duzia, ditaa para meninos a 22J a du-
zia, ditas para homem com abertura de cores a
219 a duaia : na bem conhecida loja da boa f
na roa do Queimado n. 22.
Lencos brancos para algibeira.
Anda se vendem leogos braocos finos para al-
gibeira pelo baratissimo prego de 29400 a duzia:
na toja da boa f, na toa do Qaeimado n. 21.
Mel.s para senkora.
Vendem-se meias Anas psrs seafaora pelo ba-
ratissimo prego de 3*600 a duzia : aa raa do
Qaeimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Coraes.
Em massinhos a 500 rs. cada um.
Em Sos a 640 rs. cada um.
Em vollas de 3 fios a 2*500 cada urna.
Vendem-se muito bons coraes, em massinbau,
fios e voltas de 3 flos, pelos baratsimos prego
cima : na ra do Queimado loja d'aguia branca
o. 16,
[Manteletes superiores de
grosdenaple.
Na ra do Queimado n. 18 A, esquina qae vai
para a ra eslreita do "Roaario, loja de Garvalho
& Bastos, tem para ueoder ricos manteletes de
grosdenaple prelos, sendo pelo diminuto prego
de 10*. ditos melhores a 25*. ditos superiores a
30*. No mesmo estabelecimeoto tem grosdena-
ple preto de varias qualidades, asodo a 19700,
dito a 2*500, dito saperior a 2;800. enfeites pre-
tos de retroz, turas de torcal, chales pretos mul-
to fios bordados a vidrilho, e outros muitos ob-
J6ctos proprios pira aquaresma, ludo por pregos
muito commodos.
Engenho venda.
Vende-se o eogenho Harmona, na freguezia da
Escada, perto da estrada de ferro, assim como
outro engenho que o proprietario est levantando
as ierras daquelle, tem casa de vivenda, boas
Ierras, e ludo o mais oecessario para produzir
boas sifras, ou permuta-se por predios nesta
praga c a tratar com o proprietario no mesmo
engenho, ou na ra do Trapiche n. 14, primeiro
andar.
Farinha de man-
dioca.
Vende-te farinha de mandioca, muito superior
qualidade a 4*000 e 49500 a sacca : na ra do
Trapiche n. 14, primeiro andar.
Vende-se
I
8
Nao duvidem que na ruaj
do Crespo n. 17, loja de
GuimaresA Villar.
***>~Vette-te urna senhora do p!
at a cabeca.
PrTncipiaad*pelos chapeos de palha a
Garibaldi e chapelinas de palha de Italia
oa maia auperrores que tem viudo de
Frange.
Manteletes de groa bordados, capas e
casacoes a Lulz XVI, sedas de cores e
moireaoliquea pretos e de cores e aca-
bando peloa respeitaveia baldea de croz
e de musselioaa o que vendem baratia-
aimo. Senhoris fregaezas a viata faz f,
mandem ver.
Vendem-se
biebas da Hambargw as melhores que tem vindo
ao mercado e chegidas niamente no vapor,
por prego o mais barato qae em oatra qualquer
parto : oa raa da Cr n. 68.
a verdadeira graxa n. 97, em barricas com 15 du-
zias de petes, e-latas grandes e meias .atas com
bolachioha agnada :no armazem a. 4, defronte
da alfandega.
Vende-se
cognac de superior qualidade em caixas de ama
duzia de garrafas, em casa de Soutbatl Mello
raa do Torres n. 38.
55 Raa da Imperatriz 55
Sempre ha para vender venezianae de diversos
tamanhos com fitas da linha ela, corda verde ;
tambem concerta aa mesmas por prego commod
Lindas bonecas de dife-
rentes tamanhos e qali-
dades.
A loja da aguia branca acaba de receber a sua
encommenda de lindas e bem vestidas bonecas
francezas de 2 e 21i2 palmos de altura, as quaes
na verdade vieram to perfeitaa e bm arranja-
dss que quem as vir lnlsllivelmente deseja com-
pra-las, porque umss alem da formoaura tem
bellos cabellos cachiados, outras bonitos cha-
pozinbos a Garibaldi etc., etc., e todas em fim
as iodispensaveia aaias balso ; assim como rece-
beu igualmente outro bello sortimento de bone-
cas de choro tanto de massa como da cera sendo
estaa de elhoa movedizos e de differeutes tama-
nhos at 3 palmos. Agora pois a melhor oc-
casio de qualquer pessoa mimosear urna meni-
na qae seja aua filha. prenla ou conhecida, di-
rigiodo-se primeiro (manido de dinheiro) a'loja
da aguia branca raa do Queimado n. 16, am de
comprar ama dessas bonecas ou oulra qualquer
cousa de agrado.
Bengalas
a 240, 320 e 400 rs. ctda ama: oa ra do Cres-
po sobrado amarello n. 18.
Sacido preto.
Vende-se sacido preto maito encorpado para
vestidos, melhor fazenda qae grosdenaple a 29300
e 2*600 o covado : na loja da arara, raa da Im-
peratriz n. 56.
Gorgurao para vestidos.
Vende-ae gorgurao de linho a 280 o covado,
chitas a 160 a 200 rs. o covado, ditas francezas
a 240 e 280 o covado, cstsa fina a 280 e 320 o
covado: na ra da Imperatriz, loia t armazem
da arara n. 56.
Na loja de 4 portas da ra do
Crespo n. 8.
Madapolo com pequeo toque de'
a varia a 4$.
DHo largo fino a5|ape AlgodSozinho liso encorpado a 2$800
e 30 a peqa.
Chitas largas de cores fixas a 220 rs,
o covado.
Ditas rxas estreitas com pequeo to-
que de mofo com 38 covados a 5$500 a
peca e em covados a 160 rs.
Atteocao
Guimares & Luz, dooos da loja de miudezas
da. raa do Qaeimado n. 35, boa fama, participam
ao publico qae o seu estabelecimento ae acha
completamente prvido daa melhores mercadoriaa
tendentea ao meamo estabelecimento, e muitos
outros objectos de goato, sendo quasi todos rece-
idos de suas proprias encommendas ; e estando
lies ioteiramenta resolvidee a nao vanderem
fiado, afiancam vender mais barato do qae outro
qaalquer ; e juntamente pedezn aos seus devedo-
res que Ibes mandem oa renbam pagar os seus
dbitos, aob pena de serem juslicados.
Agua ambrada
para banhos do rosto e do
corpo.
Aloja d'aguia branca acaba de receber nova
remessa da proveltosa e mui procarada agua
embreada, cojos bons effeitos de refrescar a cu-
tis, tirar o ardor que deixa. a navalha quando ae
fas a barba e acabar o mo balito proveniente
do transpirsr sao j bem coohecidos, assim co-
mo as senhoraa por nao andarem ao sor faz
conservar perfectamente o brilho do rosto. A to-
dos quaotos tem usado d'agaa embreada nao sao
estrsohos esses effeitos e elles serio ainda mais
coohecidos por squelles qae manidos de 19 se
dirigirem a loja d'aguia branca roa do Qaeima-
do n. 16, onde nicamente se vende.
Brincos pretos a balo, e
outros objectos para
lulU.
o.m oDjectosde que hoja infelizmente tantas
familia* precisara, na loja d'aguia branca acha-se
um bom sortimento delles, sendo brincos e rose-
tas a balo, pulseiras modernas de grossas e for-
tes coolas, aloeles para peito, ditos tambem pre-
tos, em caizinhaa, bonitos e modernos aderecos,
e meioa ditos, cinleiros de fitas e fivalaa pretas
enfeites para cabega, grampos de novos moldes
para segurar cabello, luvas de torcsl de seda e
pellica, meias de seda e algodao para homens e
senboras : com os compradores de tea objectos
se teri a maior contem plagio, atiento o fim para
queaio: por isso dirigirem-se ra do Quei-
mado, loja d'aguia braoca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'aguia branca receban urna porgao de
arroelas ou argolas de borracha, que acertada-
mente se spplicam a difiranles fins, como tam-
bem seja para-emmassar papis aas diversas re-
partigees publicas, nos cartorio, esenptorios,
armazens, tojas, boticas, tabernas, etc., etc., e
mesmo de alguna particulares, o que na verdade
vale apaa comprar-se pelo diminuto prego de
240 a 320 a duzia, para poupar-ae o trabalho de
atare desatar um masso de papis todaaaa yaz
que se precisa, assim como aa maia largasservem
para segurar carteicaa, e manguitos de senhoras,
e mesmo psra pulseiras de missangas, advertin-
do, porm, quacada argoja tem sua Qvela; vea-
dem-se em dita loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Aguabalsamic* para conser-
vacao dos dentes, e agrada-
vel hlito da bocea.
Bssa apreciavel e proveitosa agua balsmica,
cojas bons effeitos de conservar a foriidao dos
denles, fortalecer as gingivas a tirar o mo bali-
to fla bocea, sis'ji bem coohecidos por todos
quaatos deliasara usado, a sari ainda mais por
quem, prezando esees bons resultados, se dirigir
com |f i dita loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 18.
Gravatis de seda pretas e de
cores.
Hu boas o bonitas grvalas pretas de seda com
salpicos de cores a 500 e 640 rs.toda urna, ditas
todaa pretas de bonitas sedas de chovisqainhos,
boa fazenda a 1$, ditas de saperior gorgnrio eom
poetas bordadaa a vellido a 19600, ditas de tras-
passo pretas e de cores com alflnetes, e mui pro-
prias para meninos, sendo ellas de bonitas sedas,
forradas,e com dous pospontos de seda decorosa
19500 cada ama, e maitas oatras de difiranles
qualidades e pragos : na ra do Queimado, loja
d'agaia branca n. 16.
Meias de cores para homens.
Muito boas meias de cores a 160 o par, e 19600
s duzia: quem as vir nao se- desagradar, pois
qae sao boss e baratisrimas : na roa do Quei-
mado, loja d'aguia branca a. 16.
Barato e bom.
S MagalhSes 4 lleudes, na ra da Im-
peratriz numero 56, toja e armazem
da arara.
Seda preta.
Vende-se grosdenaple preto muito encorpado
a 19500,19600 e 29 o covado.
Panno preto ecasemira.
Vende-sepaano pret psra calcaa e paletots a
I9700, 19800 e 89 o covado, cortea da caaamira
preta para alca, entestada, a 39, 39300 e 89500:
aa raa da Imperatriz n. 56.
L&azinhss suissas.
Vendem-se liszlnhss suissas maito finas para
vestidos 1KO0 covado. casias suissas de qua-
dnnbos de cores a 580 o covado, fustao de cores
para vestido a 280 e 310 o covado, popelina de
cores para vestidos e roupa da meninos a 240 o
covado, baregede cores para vestidos a 360 o co-
vado : na roa da Imperatriz n. 56, loja e arma-
zem da rala.
Semeotes
de Hamburgo.
De bortazic/t e flores.
Vindas pelo ultimo vapor Ingles: na ra da Ca-
ftfeia.do Recife loja de Vidal & Bastos.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Nos armazens- (-es do Ramos ns. 18 a 36 e
na roa do Tr vul Novo {00 Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira qualida-
da e recentemeote chegado a 149 a lata de cinco
gallees, assim como se vendem latas de cinco
garrafas e em garrafas.
Pee hincha
Pechincha admiravel na
loja do Pavo a 10^1
Vende-se peqas de bramante de inho
{uro bastante encorpado i ropriolpara
encoes, toalbas, seroulas, l misas paa
1 rtotsetc etc., tendo cada peca 2, va-
raspelo baratissimo preco de i Os 7 pe-
ca, e tambem se vende meia peca po-
5# ou se retama a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo, de Gama & Silva.
Rival
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, eat diaposto a vender ludo por prego que
admira, aaiim como atja :
Frascos de agua de lavaoda muito gran-
des a 800
Sabonetea o melhor que poda haver a 320
Ditos grandes muito finos a 160
Frascos com cheiros mnito finos a 500
Ditos ditos muito bonitos a 19000
Garrafal de agua celeste o melhor a 19000
Fraacos com banha maito superior a 240
Ditos dita de urgo finiaaima a 600
Fraacos de oleo babosa com cheiro a 840
Dilos dito dito a 320
Ditos dilo nito a 500
Ditos para Um par a cabega e tirar caspai a 720
Ditos dito philocome do verdadeiro a 900
Ditos com banha transparente a 900
Ditoa com superior agua de colonia a 400
Dita, fraseos grandes a 500
Frascos de macag oleo a 100
Ditos de opiata pequeos a 320 e 500
Ditoa da dita grandes a 800
Tem um resto de lavando embreada a 500
Linha branca do gaz a 10 rs., e tres por
dous, e fina a 20
Dita de car to Pedro V, com 200 jardas a 60
Dita dito dito com 50 jardas a 20
Carreleia de linha com 100 jardas a 30
Duzia da nielas cruas maito encorpadas a 29400
Dita de ditas mnito superiores a 48500
Dita de ditas brancas para senhora, mui-
to finas a 3J0O0
Vara da bico da largura de 3 dedos a ISO
Dita da franja para toalbas a 80
Groza de botdes de louga braocos a 120
Duzia de phosphoros do giz a 240
bita da dilos de vela muito superiores a 240
Pegas de fita para coa de todas as lar-
garas a 320
Madapolo a 3000.
VAnitom. pac.* de madapoln oofott^do
3| a pega : na raa da laiperatriz, loja da arara
numero 56.
Roupas eitas.
Vendem-ae paletots de alpaca preta e de cores
a 39, 89500 e 49, caigas de brim e fustao a 29,
paletots de panno preto s 88 e 109, ditos de ca-
semirade cores a 10 129, caigas de caaemiras
de ceras e pretas a 51500 e 69, colleles de gor-
gurao e velludo a 3$500 e 4|, camisas fren zas
a 18600, 38 e 28500 : na ra da Imperatru, loja
da arara n. 56.
Manguitos de linlio.
Vendem-se manguitos e gollas de linho a
2|500 e 39, dilos de fustao com boliozioho a
29500 e 39, gollas com botaozioho a 640, ditss
de traspasso a 19 ; na ra da Imperatriz, loja e
armazem da arara n. 56.
Enfeites para senhora.
Vendem-ae enfeites a turca pretos e do cores a
29, ditos a Garibaldi muito modernos a 49, 59 e
595OO, sao todos pretos, lavas pretas de seda fi-
nas a 800 rs. o par: na ra da Imperatriz, loja
e armazem da arara n. 56.
Cortes de cambraia.
Veadem-se cortes de esmbraia de barra e ba-
bados a 39 e 39500, pecas de bretanhs de rolo a
29 e 295OO, a outras fazendaa qae se dio |mos-
trss para ver : na ra da Imperatriz, loja e ar-
mazem da arara n. 56.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63
Vendem-se cascarrilhas de seda de todas as
cores a 29400 pega ; ricos enfeites pretos e de
CALCADO
Preservativo universal.
45Roa Direita45
Oihem!...
Urna das inteltigencias aaclbcr
scieneia de Hipcrates, depois ala
de exercicio da carar a matar coai
nal, que o nico preservativo laUllival i
quer epidemia, por maia morlifer <
conaerva r a eabwca fresca, veatrs) itww
e PS 0UENTKS. Ora, viajaado por abi
apilemia.que mata gealacosm enaVaswr oira.
occaiio de porotos eaa prattea aaSao ptfsM
usando pouco do chapeo a saaaais
bra ; tomando do 15 esa 15 dtaa usa anaa
aal da glaober, o mais acrrimo iaiaaif* a epi-
demia, segando a opioiao a praliea ia atoa
ornamentos da nossa magiatratara; kaveaaato
ao cisco todo o calgido velbo, diriga do-so Saetea
ao irmazem da roa Direita n.45, oadaaraaaec-
tivo proprietario a todos recebar cot carteis.
aturar as massadas, a aquecer oa pea coa en-
cllente calcado, segando o gosto, a astado 1-
nanceiro de cada nm, a vejase :
Homens.
BOBZEGU1NS dos melhores fabricante,
fraocezea, inglezes a bramleiraa a 131,
129.119.108. 99500, 89 a...........3
SAE,S, 7500' I*00, 5*5, 5f,
490W) al.....,.........i,, i, i
Meninos.
SAPATES a 58500. 59, 49. 3#5*>a......
Senhoras
BOTINAS de fabricantes francezes, ingle-
zes, allemes a americanos Maraes
69,59500, 59, 48500.3|800 a...........
Meninas.
BOTINAS a 49500 a...................... 4sjMS)
Um completo sortimento de sopetea pata w-
nhora de couro de lustra virado a 500 rs., aa to-
peta a 800 rs., da lastre (aa. 3^ e 33) a 880 ra.,
de iranga francezes a 19300, portagaezes 29. apa-
los de borraza para homem senhora a si sainas,
mallo couro de lastre, do porco.cordavao.saarra-
qaim, bezerro francez, sola de lastra, eoarinnoe,
vaquetas, sola etc., que lado veode-se como asa
n en huma parta.
iroileiro e vidracein.
Grande e nova oficina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Keste rico e bem montado eatabalecimeolo ea-
contraro oa freguezes o maia perfeilo, bem aca-
bado o barato no sea genero.
URNAS de todas aa qaalidades.
SANTUARIOS que rivalizara eom o Jacaranda.
BANHEIROS de todos os tamanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem dem.
BACAS dem Mam.
BAHUS dem dem.
FOLHA em calzas de todas aa groasuras.
FRATOS imitando em perfeigao a boa porce-
lana.
CHALIS.AS de todas as qualidadea.
PANBLLAS idem idem.
COCOS. CANDIEIROS e flandrea para qaal-
qurr sortimento.
VIDROS em calzas a a retalbo de todos oa to-
maodando-se manhos, botar dentro da cidada,
em toda a parta.
Recebem-se encommendas de qaalqaer asta-
raza, concertos, qne tado ser desessaeobade a
contento.
* Altenco.
Azeite doce, marea Plagmol, en caita de 12
garrafas, Vermouth saperior e vinho de Bordeaox
de varias qaalidades : em casa da J. Mendibaore
!& C., ras do Trapiche n. 24.
Vendaaaa casa terrea na raa Angosta
:om ptimas sceommodagoes : na roa dos Pires
numero 58.
.r
cores a 59500.
Loja do beija-fior da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se filas de eos s 320 rs., pega de 10
varas, enfladores de vestido, de linha a 120 rs.,
escovas para unhas finas a 640, 800, 1JOO0 rs.,
pinceis finos para barba a 320, 500 rs.
Loja do beija-llor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se oculos fios de armagio de go a;
720, 500 rs.; agulbas francezas de 10 e 20 rs. a
linhaa de marca de 10 rs. ; grozas de boloes
brancos a 100, 120 rs.; ditos pintados a 180 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se cartas portagaezas finas a I98OO ;
ditaa francezas a 38800 ; wisporas.a 900 as ; lio has
pretas e de-cores e brancas do gaz a 800,900
rs ; dita de fusos a 120 e encarnada fina a 120;
fivelas para caiga a 80 rs.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se lavas enfeitadas a I98OO e 29000;
ditaa de fio de Escossia a 800 rs.; escovas para
roupa a 640. 800, 19000, 19400 rs. ; ditas para
cabello a 320, 500, 640 rs. ; pentes travessos a
640 rs:
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n: 63
Vendem-se linhas de Pedro V a 20 rs o car-
lio ; ricos bicos e rendas do Porto, imitando o
da trra e de diveraas larguras, e muito-barato.
Milhoe arroz.
Vendem-se saceos grandes com milho a 49500.
ditos com arroz de casca a 39500, em cuia a 200
rs.: na traveaaa do pateo do Panizo n. 16, fren-
te de amarello.
Cambraia duqueza de Or-
leans.
A mais moderno que tem vindo ao mercado,
cores fizas pelo mdico prego da 600 rs. a vara:
na loja da raa do Queimado a. 43, esquina que
Volts pa a Congregagao.
Escrayos fugiVu?
Eacravo fgido.
Fuglo nosjsB 1.* do correle o escravo criauio
de nome Antonio, com os sigaaes segualos bat-
i, corpo regular, cor fula, sem barba, tas em
urna das orelhaa na parte auperior corlad*, sen-
do o signal maisssliente urna ferias na pera di-
reita, cujo escravo foi comprado pouco* das an-
tes da fgida Illma. Sra. D. Joanna Bezerra de
Aodrade, senhora do engenho Uruai, comarca da
Goiaona ; pede-se a lodaa as aatonda les poli-
cises qae delle tlver noticia, de mandar appre-
bende-lo, e assim aos capites da campo de o ao-
garem e condazirem roa da Cadeia do Recife
n. 7, que ser bem recompensado.
50,OOOrs.
Pagio no dia 16 de margo prozimo pasaaaa, da
casa de aea aenhor, o escravo da nome Laareoti-
no, crioujo, de idade 24 sonos, pouco mata aa
menos, com os signaes seguales : alto, caeio *
corpo, porm nio maito, rosto redondo e picado
de bezigas, cor preta, bastante umbigudo. eate
que differengs-ae bam, falta da dentea aa freaia
da bocea, falla gago, tem um pouco groes** aa
candas dss peruss, filbo da Nazireth, foi ea-
cravo do Sr. tenenie-coronel Maooel Gomas, aaa-
rador no lugar dos Palos, do qae se roca a asta
mesmo senbor qae no caeo d'elle por l Iba ap-
psrecer o mandar prender manda-Io Uvar a
sea proprio senhor no lagar absizo mencionado,
levou camisa e caiga de algodao, sendo a eaanaa
de ciscado e a caiga de azulao. quando aaaa
baatante apreasado, procarava urna pesio para
Iba dar urna carta para procurar senhor tora dea-
la cidada em nome de san senhor ; par isao re-
ga-se aos capites de campen qualquer pessoa,
eaucridadea policiaes, qae o preodsm e levase
padaria do pateo da Santa Cruz n. f. O eecrave
tem signal de caloa nascealas daa mos de aesae-
ssr fsrinha.
Pagio no dia 20 do correnta da bordo ao
patacho cCapuama, o escravo ciioulo mariabet-
ro de nomo Antonio, idade 19 annoa pouco saas
oa menos, altera regalar, malo comprldo e cea
alguos signies de bezigas, levou calce e ceaaiaa
asal : quem o pegar lave-o ao eocriptorio a
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C. raa da
Cruz n. 1, ou a bordo de dilo.patacho qae ser
generosamente recompensado.
100SOOO
D-se a gratificado de 1009 a quero pagar a
escravo Manoil conheeido por Maooel Fraacisca
cujo escravo do abaizo assignado, tem oa sig-
naes seguintes: cor mulato, eststara regular, ca-
bellos aarapiohos, es dous denlas e ciase a
frente grsndes, rosto comprldo, quedo m 4
muilo eapigado, maito desembarsgado do fallar,
bam feito de ps e mos, diz qae eoee loffrltel
de alfaiaie, asta esersvo foi do finado teneele-
coronel Bernardo Antonio de Miranda seeber 4a
engenho do Brum, no Cazaog aonde fot nuci-
do e criado e 6 mnito conheeido Daqaelle logar
tendo sido vendido pelo Sr. Dr, Graciano de Pio-
la Baptlsts no dia 29 do fevereiro prozimo pli-
sado a fugio oo dia 26 do meamo mez, este ea-
crsvo j eateve fgido quando era do Sr. Bps-
ta, para as bandas da cidada de Olinda ae
ribo e vinha vender cirvo nesta cid'de
3ue foi pegado na ra da Gala coa assa
e carvao, multo de suppor qae tenba roedid-
o nome e que se intitule de' forro : raga aa aa
autoiidadss policiaes e espilles da campo a ap-
Srehensio do dito esersvo, assim cama sa grav-
ea com a qnsntia cima a qaaas a treeser aa
der noticia certa aonde est assim coas* aaeea j
ae protesta contra qnem quer que a taaaa aaaa-
tado.
Albino da Silva Leal.
Fugio a 97 de marco asa lanah a ne-
me Affonso de idsda da 11 snaas, a aa*l tasa aa
signaos segaintes : olhos graades aaaevliiilaaa,
naris chato, bocea granea, setsngT.....o ca-
ballo crespo, corlado reate, seseo de carpe, ps
e mos regalares, e tea a Ma aa paaa
e foi vestido de caiga de azulo a caats* a
dapollo : quem o pagar leve-o liba ee
o. 30, qae ser resompeosado,
T77 .-


DIARIO DE PE1NAMBCO -* BABBADO 1S DE AlRlt D i Mi
Litteratura.
REUGI10.
Domingo de Hamos.
Hoianns I HoHnaa I Glora i Deus no mtis
do ous e bemdicto aquelle que rem en nona
do Seobor I
Que manifestscoes de alegra So estas? Que
significan), em torno das egrejas, essas florestas
de Dores, e de ramos verdes ;a tantos sigoaes
de esperanza e de alegra, em am lempo de pe-
nitencia, e anda quando as imagens do Chrislo
e dos seus santos se achara cobertas de luto ?
C que neste dia a santa egreja celebra a entra-
da trumphal de Jess na cidade de Jerusalem.
Ahf rae coosnnmar elle o sanguinolento sacrifl-
cio de sua rida ;e, nao obstante, biilbam, en
seu gesto aagealeop, os raios de urna celeste
alegra; en presnoca de todo esse poro, que jun-
es de flores, e de ranos o camioho por onde
passar, e pela 3alvagao do qual vae, em pouces
horas, derramar a ultima gota de seu precioso
sesgue.
O saoio Evsngelho nos refere siogelanente a
historia desle grande da :a Tendo Jess se di-
rijido I Betbsnia, seis das antes da Paseos, en-
trn en casa de Si mo o leproso; seotou-se i
mesa con Lscaro, que pouco tenpo antes tinhs
norrido, e a quera ressuscitra.
Nessa occasio, en qaaoto caminham. Ma-
a, irma de Lttaro. aproxima-se de Jess,
ajoelha-se, derrama-lbe nos ps un oleo de
grande prego, e o eoiuga depois con seas ca-
bellos.
Un dos discpulos diz entlo : a Porque nao
rendeste este perfume ? tresentos dinheiros que
elle custasie podan ser destribuidos pelos po-
bres.
c Jess Ihe responden : Deixae que ella
curapra seu desejo, pois qee havia guardado este
perfuma para nioha sepultura. Tereis sempre
pobres em rosas conpanbls ; mas nao tereis sem-
pre a mira, x
c No dia seguiote, Jess parlu da Belhania
para Jerusalem. Harendo chegado a Bethpha-
g, junto ao monte das oliveiras, disse a dous
de seus discpulos : Ide ao castello, que ros est
defronte, e logo que ali entrardes, acharis um
jumento preso, e anda uao domado. Soltae o,
pois, e trazei-m'o. E se alguem tos pergnotar,
porque o solaos? Dizei: porque necessarlo pa-
ra o Seobor. E logo o deixar. Tudo isio foi
feito, para se cumprir o que escrevra o profe-
ta : a Dizei a filha de Sio, Aqui ven o teu rei
pacifico, montado em urna jumenta, e um ju-
nentioho, filho de una sugeita ao jugo.
< Indo, pois, os discpulos fizerem o que Ibes
ordenara Jess. E acharam logo um jameoto
preso porta, da parte de [ora, onde se encon-
traran) dous caminhos, eosoltaram. Disseram-
lhes ento algans dos circumstantes: Que fazeis
rus, que soltaes o jumento? Ao que responde-
rn), como lhes mandara Jess; e os deixaram
ir. Conduzndo, pois, o jumento a Jess, Ihe
pozeram em cima os seus rostidos, e o fizerarn
sentar sobre elle. E as gentes que linhsm rindo
a festa, oorindo que Jess camiohara para Jeru-
salem, tomaram ramos de palmas, esahiram-lhe
ao encontr, clamando: Iiosanua, bemdito o que
rem em norne do Senhor, o rei de Israel.
Assim falla o lirro dos lirros.
Foi em memoria deste acontecimento que se
instituiula fesla da ominga de Ramos, qee se
chama tambem Pascoas floridas.
Esta iustituicao de corto, antlquissima ; pois
que, desde o 5 seculo, que os religiosos, que se
tinham retirado ao deserto para se prepararem
ahupara a festa da Pascoa, nao deixaram de v.ol-
tar aos seus mosteiros para celebrarem a de Ra-
mos.Crfi-se que foi na Palestina que essa festa,
chamada festa das palmas nesse paiz, foi primei-
ramente estabeleeida, e que d'ali se propago de
pois por todo o Oriente, e Occidente.
Vejamos, pela narrago de um autor do secu-
lo undcimo, qual era em sen lempo a ceremo-
nia deste dia : a Preparsrs-se deante do altar-
mr urna cadeira ou urna mesa, milito bem or-
nada, onde se punba o lirro dos Erangelbos, co-
mo para represeotar a Jess Chrtsto. Todo o
tl.ro se reuna em torno, o lngara as heneaos
sobre os ramos e flores que a estago permlllia
colher.
Depois da destribuigo dos ramos, dous dico-
nos toma van. o lirro dos Esaogeltjjf, e punham-
no em cima de um aodOr, no meto ae um nui.
tido de cirios, e de incensos continuos, prece-
didos do clero, e acompanhados do pvo. Sahia-
se depois da egreja. a rolla, a procisso para-
ra na porta principal da egreja, que estar fecha-
da, como era d'uso na entrada solemne dos res
e dos senhores, as cidade!. La caalara-se.o
hymoo Gloria lats: depois do que bata-se na
porta, repetiado Ires vezos eslas ajaJams de uoi
psalmo : Attolile portas etc., is'.o^, abri vossas
portas, e o rei da gloria entrar. A porta se
abra, e o lirro dos Erangelhos entrara em trium-
pho. Todo o poro ento se prostrara, inclinan-
do respeitosamente seus ramos, e suas flores, e.
cantara Hosanna 1 al que os padres chegassem
ao altar.
O inesmo se pralica, pouco maisou menos ho-
je, em todos os paizes calholicos. Na domioga
de Ramos, aos prlmeiros claros da mtohaa, os
adros das egrejas, nascldades, apparecem cheios
de urna multido de Tendedores de flores e ra-
nos verdes:nao ha, oeste dia, um so fllho da
egreja, que entre na casa do Senhor, sen levar
na mo um ramo verde, em memoria daquelles
que foram, ha quasi dous mil annos, como que
os precursores do sigoal da nossa rodempgo;
Na cidade, muito maior anda as egrejas a
abundancia de flores e ranos verdes;mas nao
se encontram ahi mercadores de flores no pata-
nsr e degrus do templo ; cada um ten a satis-
faco intima de colher, com suas proprias naos,
em seus jardios, as flores e ramos que derom
ser beatos: horneas, mulheres, meninos se ac-
colhem sob abobadas de rerduras, symbolos de
espranos, formados em grande parte de loaros,
e alecrins. Todos os deis esperam, a p firme,
e com respeitosa impaciencia a beogo de seus
ramos:ella dere cahir sobr'elles como um or-
ralho celeste, destinado a ririQcar estas tres
grandes virtudes.F, Esperanza, e Caridade.
Em primeiro lugar, o officiante langa a beogo
sobre tudo o que se acba no santuario ; depois
percorre a egreja, continuando a beozer, e pe-
dindo a Deus que derrame suas gragas sobre to-
dos os que trazem os seus ranos, em memoria
do santo mysterlo da cruz, qoe eria consum-
mar-se cinco das depois da entrada trumphal de
Jess Cbrislo em Jerusalem.
Ento comega a procisso :padres, cantores,
fiis sahem da egreja cantando. Depois de per-
correrem ao redor um itinerario de ante-mo,
Tollam ao portal, e ahi, hoje, como ha mil an-
uos, o officiante bate a porta com o tronco da
cruz, dizendo em ros alta : Miolite portas etc.
abri-vos, portas eternaes, e dae passsgem ao Rei
dos Res I
Urna parte do clero e dos fiis, que se achan
dentro da egreja, perguntan ento :
a Quem esse Rei dos Res? s f
E' o Rei da gloria.respoode-se di psrte
de (ora :- o Senhor Todo Poderoso, a quen
nada poder resistir:postas eternae, abri-
ros I
Estas perguntas e respostas se renoram tres
rezei, e cada rz o oQlciante bato a porta con o
tronco da cruz.
Depois da terceira reuposta, os htente* das
portas rolan em seus eixoe, e aprocisso osrtrt
no templo cantsodo ; dizendo :
a Jesns entrou em Jerusalem, no meio de um
poro inmenso, que cantara seus loiyrorns:
Jeso o profeta gritaren ellos :*o Massas
prometlido por Deus seu poro lHosanna Tho-
sanna I Gloria eterna ao fllho de Dard I >
A missa comega ; bastante looga, por cansa
do Evsngelho do da, que ontra cousa. nao que
a pairio de Jess Chrislo,isto a narrago dos
solTrimentos, dos ultrages, o da morte ignomi-
niosa do Salrador, que roluatariamenta se sub-
melteu a todas oasis turturas, para nos abrir os
caminhos da salrago eterna.
Terminada a misas, os fiis se retiram (eran-
do seus ramos abencoa ios;ramos preciosos,
que sero cuidadosamente guardados, ou depo-
sitados aoa ps da imagem de Gbrsto, ou da
Virgem, como urna reliquia de mais que dere
concorrer para expellir da casa o genio do mal.
E aonbra desse rano tutelar, que o agricultor
conjara urna rioleota tenpestada, que Ihe anea-
ga destruir, e rarrer as searas;a ne carioho-
sa tira algans galhinhos, .para oroar o horco do
seu recen-nascido, adra de chsnar sobre elle
as heneaos do cu.
Esses costara es e praticas sao tocantes como
am poema. A religio urna fonte fecnndissima
de poesa ; cada urna das ceremonias do culto
catholico respira a mais sabline poesia I
A baste da berra que trenula ao mais lere
roproda brisa, nos revela a grandesa o o poder
de Deus, semelbaoga do cedro altivo cuios
galhos perdem-se audaciosamenle as regioes
das nurensl
FOLHETIM
ORIGINAL 00 DIARIO OE PERMIBUCO.
nsintM mmtwL
cv
Summario. O Sr. deputado Tarares Bastos e o
Sr. ministro da narinha.
Est em noda no Brasil um terrirel syttema de
fazer opposigo, que rae produzindo os mais ma-
lignos resultados.
Qual arma de dous gunes, este neio pernicio-
so de que se serrem nossos polticos de hoje,
tanto tere o adversario, como aquello que o uti-
lisa.
Nada se respeita : urna rez no gorerno, derem
os sete homeos que.dirigem a ou do estado fa-
zer proriso de urna rirtnde evanglica, de nma
paciencia toda prora; para onrircon cslma as
mais infames aecusaces; as mais degradantes
calumnias; para assistir disseceso de sua rida
intina na praga publica; para rer negados seus
aerrigos importantes; para soffrer sftronta sobre
affronta, nartyrio sobre martyrio.
Desta forma gaslam-se os mais nobres carac-
teres, barateara-se os neis onioentes servigos,
innocula-se na populago a dnrids, a descreoga
nos homos mais honestos e mais capases, e tor-
na-se irapossivel a gorernagio; porque sera con-
fianza, aem coasldereeo, nao ha admimstrago
que possa marchar.
E como de auno em sano ha um ministerio, e
A TRIUDADE MALDITA.
( Conloa no bolequim. )
(Cootinuago.)
Ah meus senhores, se em miaba mo
repouzasse agora o cabo daqueile esguio p.unhal,
que ha pouco roubaste-me, cusa de dados fal-
sos, talrez que neste momento nao ros fosse mais
permittido articular um monossyllabo. Ha ins-
tantes disse-ros que nuoca encruzaria o meu fer-
ro com o de um salteador; mas retrato-rao: "sal-
teadores do rosso jaez irapossivel reeusar-se
um retruco, porque os seus trucos sao por de-
maia grosseiros, descommedidos, v quiga, petu-
lantes.
a Sifae o rosso chu uniforme e entregse-
me a cruz, que ros ganhei, pobre mendigo, tor-
nou-me o atrevido, toroou-me oatrerido compa-
triota de Byron, acompanhando estas patarras de
nm rizo meio sardnico de enfurecer um mance-
bo italiano. .,
* Mendigo mendigo 1...-repet halucina-
do. Infame raga do Caim renegado da Escriptu-
ra, se desojaos conhecer. ate onde rae a coragem
de nm Italiano, mutilado no seu melindre, resti-
tu- me o meu pnnhal I
E pegando,: pela abertura, da camisa, na
moha nica reliquia da casa paterna, urna for-
te sacudidella, parti s Ata, que a prenda ejo-
guei-a com rawa sobre a mesa.
O ioglez, naturalmente oretendeado ser to-
mado por um noro Roido do Garlos Magno, pe-
gou pela ponta o puntiil, que me gaobra ao jo-
go, e atirou-m*o com desdm. Agirrei-o nos
ares pelo cabo : ambos apreciaram por nm rpido
morimento do admirago que me nao escapoo, a
minha espeneza e agilidade.
Iodo as cousas oeste p de seriedade con-
jecturei um pouco sobre o modo de captar de nma
rez o terror daquelles energumeoos. A queslo
cifrara-se em por eu em realisago ama aeco de
nalureza e notabilidade tal que aogarrasse-me o
respeito ou a estupefaego da parte dellea para
desse modo furtar-me s suas maos de Rolantes;
por outro meio ser-me-hia impossirel ebegar ao
conseguimento desse fim, porque, de um lado a
evaso ou a fuga, alm de repugnar com os meus
senlimentos de digoidade, me seria inexequirel,
e de" outro a lula comeases dous coIossqs de ma-
teriaimporlaria mathematicameote o meu total
anorquillimenio.
Eduardo iolerrompeu-se, lomou alguna goles
de cognac, soltou aos ares algum as fumaradas
esbranquigadasdo seu charuto e fallou aos que
ltenlos escularam-n'o com sepulchral silencio :
Sibeis o que praliquei para derramar na-
qnelles corages rioosos de britanoicos influios
de respeito e renertgo por mira ? Ouri.
Empertigaei-rae, como um nosqaeleiro en
fila, Ctei-os com olharesde pantera, apertel com
toda a potencia do meu brago o punhal na mo e
bradei-lhes:
c Nao tremo; pagaos abjectos e satnicos;
bem o redes. A eacorra de rossos revolver! de
certo nao ateiarao cbamma contra mim, porque
o rosso dedo inerte para incendia-la. Agora
se compreheodeis que o paludo napolitano, que
ros falla neste momento, ficar eamagado sob o
peso do rosso corpo de gigante, laogae-ros a elle.
Oh I Sim, ladrdes ou roubadores sem carcter e
sem rergoohs, se a tanto se arenturar o rosso
descomedido orgulho de sicarios, em brere goza-
re! a reotura e o prazer de espetar-ros na ponta
deste punbal con a moama facilidade, com qoe
vou espetar a cruz de ouro, que acabaos de rou-
bsr-me.
a E pronunciando estas palarras com o mais
expressiro accento de colera concentrada, rpido
crarei o sacrilego ferro sobre o topo da reliquia
santa sem o menor lairo ou vislumbre de escr-
pulo, ceremonia oa considerado, derida essa
imagem veoerjnda do Harlyrda moatioha, como
ae o ferro houvesse penetrado na fronte snareota
e rubra de am dos meus antagonistas.
Destes, um recuou espavorido e horrorisado
aquella lernrel scena de desrespeito e diablico
desdn ao docl do Chrislo; representado por
mim ; o outro insensirelmaatte deixou cablr da
mo trmula e glida o revolver engatilhado,
que, contuso no srdido tijolo da taberna, dis-
parou-se com infernal estampido. O melhor,
porm, de toda esta aventura que, quando o fu-
mo do tiro esraeceu-se, nao restara no recinto
daquella taberna, como lembranga dos dous filos
de Albion, seno as suas grandes pegadas Im-
pressas na carnada lamacenta, qoe o tapetara,
como urna alcatifa de 10Jo, e o eofumagsdo re-
volver que, (em boa hora o digo) atguns niatos
depois vend por dous soberanos ao proprio dono
da immunda tasca.
Depois de ama ligeira interrupgo, o historia-
dor rollou-se para os seus dous companheiros
quen dirigi estas expresjes. semelhanga de
quem quera reriflcar-ie'VscutaTam:
Dornes, mancebo?....
Pareces un tolo, Eduirdo, disse Carlos con
os honeos apto* nao sejan mullos, segue-seque
em nm certo periodo eslo todos gastos.
A mxima naia conmum doa philosopbos da
Grecia, no lempo em que este paiz floresceu sob
o reinado da liberdade, era que se doria sacrificar
o interesse particular, e at i rida ao interesse
geral, e salrago do estado, e que, por tanto,
ou se deria retirar dos negocios polticos, ou nao
rer nelles seno o bem publico.
Pythagoraa, Phals, Anaxagoras, Scrates, Ar-
chitas, Plato, XenopHonle, Aristto, o muitos
outros espalharam esta excellente doutrioa, e
edacaram com ella perfeitameote os seos com-
patriotas, que foram inrencireis, emquanto a se-
guirn), o nao se diridirm, nem desprezaram
seus cidados prestantes.
Mas nossos philosophos, nossos polticos, nos-
sos Catoes caricatos pensam d'outra forma ; so-
guera um rumo opposto e assim rao carando a
ruiua ds patria.
Estas reflexes foram-nos suscitadas pela op-
posigo que ae tem morido ao Sr. ninlslro'^a na-
rinha, que est pagando o peccado original de
ser offiexal de marinha, gente que, na opiniode
certosTarluffos, inda precisa de tutores; por-
que oo cuegou por ora edade da emancipa-
S*- \ 'i
Com effeito, para dar o caraco :T\er-se um
trabalho immenso para crear-se mais nma pasta,
que era una nova pasta que muitos appeteciam,
o rer ona das antigs passar para as mos d'aquel-
les de quem ninguem se lembrara; mas que a el-
la tioham jas incontestarel, o que redara lado
ao estado anterior... nao ae pode aupportar.
Deste modo o Sr. Tarares Bastos que, logo que
slcaogou o diploma de deputado soohou com o
ministerio da narinha para sua estrs, e aLgou
enfado. Acaso iporas que nsssaa nontes do |n-
rernada a do galo, quando os membros se oon-
trahen ao fri a os msculos se eoguraoaiohaan
ios beijosdas Ufadas nocturnas, a nao dormtr-ae
sobre an coto offeginte de Gauthier, o somno
tao irapossivel, como sobra am canplnal de
nerea ?!....
PoU ealo tscnlae anda, retrucou o napo-
liUoo da fronte amarelloota a afervorada.
Beben, fnmoa o disse:
t Uns rez, em Pars, pelo correr de una
noute umbrosa, aiphyxiei nms rirgemzloha eos-
turaira, por se nao querer prestar-ne sociedade
da un deleite libidinoso de denonio, sob una
das lodosas arcadas do Lourre, e ontra rez, na
AUonanha, separei a cabeca a an cardeal, que
riajara a seryigo do papa, por saber, nalbor do
qne eu, atirar ao airo. Que qoeteis? Son an
denonio en pessoa, taires o proprio Satn hu-
manado ; oo possirel mesmo que por toda essa
vasta espbera lerrastra hsja quem arraete, aos
poacoa annos da nioha edada, un nanto deper-
digo to eosangueotado e hediondo, cono o qoe
me cobre o perfil. E, so o daridaea, ouvi-me
anda un pouco.
O tabernero apresentou-lha um copo de cog-
nac : o perdido rason-o da um aorro a conii-
nuou :
Um cu a allginoso enrolara ama noute
a cidade do Madrid.
a Era ana hora da noute. En sahira, canba-
leaote de ralra por nao ter podido dornir alguos
quartos d'hora ao laito norno da nolher de nn
negociante, eomo hrtanos conreocionado en
consequeocia de un incidente imprevisto, ora-
gara pelas roas da grande cidade, arrancndo-
me os cabellos e dizendo-me anatbemas.
Andei muito, as sen runo o sen destino,
como un rsdio, at qne fui ter aos destrogos da
um templo cabido. Ji eslava fatigado do nuilo
andejar; sentei-me de fadiga.
< Um qnarto da hora permanec naqnella so-
led a de, fsepu liados na nudez desse cloquele retiro
das ruinas de nn templo, contemplativo e absor-
to, cono nn poeta aos ps de sua amante. De-
pois, ao peso do canasto e ao frioreoto das des-
horas cahi de somno.
Quando despert!, madrugara. Mas, cono a
atbnosphera ia plmbea e nublada, fazia escuro
alada.
c Ao cabo de algn tenpo un vago snssarro
de rozes abafadas reiu ferir-ne os ouridos. La-
vanlei-me presto o apalpe! oas trerea o msu pu-
nhal. Eram dous vultos psrdos que fallaran, e
cujo apparecineolo pude distinguir sp6s essa ca-
rnada negra, qne se rae antoloara, como urna
cortina de tinta.
Logo qoe alies passaram am frente dos frag-
mentos de paredes que me abrigaran, pude co-
nhecer que ana dessss sonbraa noeturnss era
nn homem, o a ontra una nulher. Ento un
Sensanento infernal gerninon-me no cerebro,
abeis-lo?.... Era o de prirar da existencia a
nn homem para serrtr-na algans niatos de
ana nulher, que eu nao sabia aer aojo ou har-
pa, sobre os pedagoa de lijlos carcomidos e mus-
gosos dessas ruinas silentes. Era una idea san-
grenta e maligna, porm cuja exeengo ninguem
se me opporia, porque a fono do gozo de sensua-
lidad ne corroa aa entranhas.
Dei un passo para diante; aorarem-me,
ambos pararam eguamente, como se um s pen-
ssmento os assaltra naqnelle ioatante.
Sola ragabuodos? perguntet-lbes.
Somos estraogeiros, respondeu-ne o ho-
mem.
a Aproxiraei-me e disse :
E oo sabis que as oossas lea probibem
expressamenle o traosito publico antes das seis
horas da manh* e depois dos dez da noute?....
< At ao presente ignorsraraos.
Muito bem, tornei-lhe. Mas como a ig-
norancia de direito nao aprorolta a ninguen e
ros formalmente acabaos de transgredir urna lei
rigente, convido-ros a me acompanhardes a pri-
sao.
ti! prisSo I......disseram ambos, como
que machinalmente, recnando.
J ro-lo disse. As nossas leis sao ine-
xorarais ; nao ha qoe retrucar.
A' prisao, A priso I repetirn elles, re-
cuando sempre.
Dissereis que urna allurio mmensa de re-
miniscencias ou peosameotoa dolorosos aquella
micha palarra lhes despertara fatalmente na me-
moria on na imaginago, alientas asemogdesde
duridaa, perplexidade, horror ou receio, que
claramente ressumbrsram do seu perfil confuso.
reinado'; rS3SiV ~<""' **>""*
a Sim ; que de extraordinario achaet. nis-
to ?......pergantei com azedume e enfado, e j
agarrando pela .abertura da blouse ao incgnito
estrangeiro.
o Oh I isto nao torra, nem polica I bra-
dou o individuo profundamente encausinsdo com
o mea modo inslito de policiar e, certameote,
ainda mais com aquella miaba phantasiada dis-
posigo de lei. Soltae-me senhor I Nao veles
que seria tyrannia ou despotismo eocarcefar um
homem, ebegado aqui, apenas ha dous dias, e
que por isto nao tem razo de conhecer as leis
do paiz ? 1....
Oh 1 sim, deitae-o, deixie-n'os pelo cea I...
faltn pela primeira rez a aoa conpanheira.
E aquella voz fina, grave e retumbante, pe-
oetron-ne naturalneote at ao anago d'alma.
Apostiria que ella me na era desconhecida,. se
n'aquelle nonento alguen houvesse querido a-
postar comigo aobre tal objecto.
Mas eu nada disse.
a E como o ostraogeiro se obstioasse en per-
manecer na firme e Inabalarel rosoluco de nlo
querer acanpanbar-ne cada, dei-lhe ama
bofetada, empurrei-o con torga e elle, tamba-
leando, cahiu con a face sobro os meus s-
palos.
A nulher despenhou-se tambem aos meus
ps, porm, cono hallucinada, da joelhos o con
as mos postas.
Senhor, exclanoa n'aqaella suppllcante
posico, ten des ne, tendes pte, teodes II-
|hos? I I; Por rossos paes e por rossos filhos
imploro o rosso perdopara elle, a deixae-n'os
passar I ....
Estas ultimas palarras foram ditas an pro-
fundos solugos.
Tudo p'orm foi debalde, por que a nioha
iolengo era firme e estara tonada.
a O estrangeiro lerantbu-se alada tropego, e
deitou-sea nin con furia e atirou-ne, nn gol-
pe de faca, qoa pegou-no ;n'nn braco. Arre-
messei-me sobre elle, arranqael-lhe das mos o
ferro ensanguentado a rojei-o ds noro ao chao :
a mulher, sem tirifra sem proouaaiar um s6 ro-
ca bulo, ia a rioha, ao derredor de nos, descre-
yendo um simicirculo, con os cabellos en des-
orden, tiritante de canaaco e de hortor, e con
os trajea en conpleto .desarranco. Pareca donda,
ou una furia das trevas ; e despertara horror ou
conpsixo no corago de qualquer que nao fosse
Lucifer en corpo e alna I
c Em vista da pnssiltaoinidaile de anio on
iocapacidade pnysica do descoahecido enteedi
que o enprego do meu snohal, eomo meio de
desarar-ma a'elte, ora ignominioso. Apootei
por isto a ralha maotilha da eatrangelra, que ja-
a aos meus ps, psssei-a en roda do peacoco
[fral estrsngeiro e fui pendara-lo, cono
'*"" arrora, a un doa bracos da
ernz de pedra, que ainda arultara, inabalada o
a, i frente das ruinan silenciosas do templo.
Eolorqoai-o.
Oh I niorossai expressar, nem por alto, o
Me a rista d'easa imagen oscillante o pendente
a airares d essa cruz reneranda, produzia no a-
nimo sobresaltado e Unido da pobre nulher I...
Praotos, sonidos, inprecagas, supplicas tudo
occorreu qoelta personalidade aensirel, fraca e
irritada I
Depois peguei-o por on dos bragos e arras-
tei-a para as ruinas.
Senhor, natae-no, natae-ne logo I ....
Wl... lato sera agora a minha maior felieida-
da I....
a Matar-ros I .... disse-1 he an, con n roz
sensivelraente modificada pelas enoces de las-
civia. Nao sabis que eu tenho sida de gozo,
como um prisioueirp de rinte annoa? I .... No
almastes sinds, que a norte do rosso barrego
tere por fin conserrar-ros a rida psra saciar-
me, sos rossos labios, a fona da seosagdes ro -
'Pinosas, que ne abucanha, cono ana frei-
r deshonrada ? !....
A nalber, aquellas palaras, nordan-ne osa
naos psra npedtr-ne de arrasta-la, e especou
os p* o lamagal eacorregadio da lubrica espla-
aada, para poder resistir-me.
Foi am rao. Snspendi-n o transporlei-a para
as ruinas, ondedellei-a a nn recento de parede
meio cabida. A aatraogeira permaoeceu ali d'a-
quella inalterarel poaigo.en que eu a colloera
calma.socegada a qnieta.qual si una resignago
erangelica houvesse substituido o seu anterior
trasguear. Foi una nethnorpbose radical, cuja
explicaco eu pedia a nin nesno, sen que
toda vis ne podesse dar. Ednardo calou -se e ps<
receu reflectir: |dirieu, ao eneara-lo n'aquelles
pequeos iostsntes de profunda neditago, que
nm pensamento horroroso perpassra n'aquelle
momento, airares da sua fronte esbraseada, lar-
ga o mareeda pelo fumo doentio dos vapores de-
letrea das bordis.
Cansaste, Eduardo ? perguotou-lbe Jorge.
. ."". A 18 termo attlagin a tua arentura na-
dndense ?.... interrogou-lhe Carlos.
des j sabe-lo, disse o interrogado.
E depois de barer ainda libado algnns pingos
do licor irritante, as primeiras palarras, qne se
Ihe escaparan dos labios hmidos, foram estas :
c Um instante depois de urna emogo de
deleite apercebi-me que havia gosado n'una
mnlher cadarer. A eatrangeira, dorante o lem-
po em que conduzi-a para aa ruinas, batera-se
com a cabega a um portal esgofo, que ainda se
conserrara de p, comoum phantasma de pedra,
e suicidara-se.
Eduardo tornou a absorrer os derradeiros tra-
gos de cognac, qne restaram no copo, o eon-
cluiu :
c Mas sabis o qne ha de nais ioteressan-
te an tudo isto? Atiende!:
< Quando amanheceu de todo, a eu roltei ao
theairo infernal d'aquella scena de horror, ama
mnltido innumeravel, "agglomerada em roda
d esse lugar medooho, adnirra as duas victi-
mas innocentes, urna ainda oscillante e penden-
te da trara da cruz de pedra a a outra destendi-
da e engolphada n'una grande pdga de aangue
coagulado, no naio da lijolada lodosa do tem-
plo cahido. O enforcalo, ouvi.....o enforcado
era meu pae, e a mulher das ruinas, em cujos
.labios frioreotos eu delibera alguna tonos de
gozo, era ......nimia me I ...
Basta I basta I bra dou Jorge. As tuss
historias sao realmente luctuosas I. Estamos
asss satlsfeitos de narragdes negras ehorrireis I
O mestra Germano estremecen todo desde s
plantas at cabegj qual nma rara abalada
pelo p.
Carlos conegara a nodorrar.
VI
Os tres aventrenos qaasi resonaram, quan-
do o mestre Germano se leranton patudo, ma-
cilento e escareirado, para tambem contar a sua
historia.
O candiairo principiara a derramar um raio de
iuz lnguida e esquiva, o vento agita va, a reba-
tes, os encerados e as esleirs do bolequim, a
chora continuara a cahir a pesadas gottas.
Antes porm, de dar eomeeo aua narrago,
o Sr. Germano arranaou de um dos intersticios,
formados pela juoccio das diversas esleirs, um
Snnhf.2JarB.folP!'' e dirigju-so par* o gru-
po, formado pelos tres arentireiroa.
Em frente d'ease grupo embriagado, que roo-
cara profundamente, elle parou calmo e graTe,
conserrou-sede p e disse :
f Sabis quem son eu, senhores ? Sou um
irmo de Margarida La morder, a infeliz condes-
as de Villumer, sou Gancalo Orsini, em pessoa,
o desgrasado esposo de Maria, a heapanhola a-
dultera, sou ainda nm fllho do enforcado de Ma-
drid e de saicida das rnloaa, o irmo primog-
nito de Eduardo, o pintor areotureiro I Ago-
ra conhecels o que quero, o que procuro, como
oconseguimeoto de todo o meu perigrinar mun-
dano ? Escutae:
c Quando no Rio de Janeiro, depoia de harer
desembarcado, sofreg por unir em um amplexo
fraternal, a boa Margarida ao mea peito offegan-
o tambem para depor S face candida de Eugenia
de Villemer nm sculo do sincera amizade e pu-
ra affeigo encontrei a primeira escareirada
e mrbida a debater-se aem proreito contra as
terrireis consequencias do suicidio, no leito da
morte e da deshonra, e a segunda tambem des-
honrada, descida ao nais baixo gru da ignomi-
nia e do deaprezo, chorse, paluda, quasi desrai-
rada de rergooha a da arrepeodimenio, protestei
por uma jura iofallirel, pronunciada a cruz deste
punhal, riogar essas nodoas de saogue, alirada
s honras deltas, no proprio que as cuspio, se
por ventura o cu naperniltiase deparar con el-
le nn dia I ....
E o tabernero abalando con a nao esquerda
a Carlos, que resonara, bradon-lhe con forga :
Carlos Damoot, ea preciso de rioganga I .. J
Continuou depois asein i
Quando una noute, en Madrid, de rolla
de una excurso martima, fui encontrar no sane-
tnario da minha cmara conjugal una mulher
aem pjo o sen alna adulterando con um ho<-
mem aem coosciencia de ai e aem conheelenenlo
do derer, a depois da iulgar t-lo morto, elle es-
capon-se-ne dss raaos, cono que por nma in-
fluencia sobrenatural, protestei anda-, esraido
em aangue.e quasi nos ltimos paroxismos ds
morte, por um juramento pronunciado cruz
deste pnnhal, apagar a nodos de deshonra, cas-
pida por elle & nioha face con o sen proprio e
infernal aangue l....
E o taberneiro abalou con a nao esqnerda o
esguio corpo de Jorge (que apenas renexen-se )
e disse :
- Jorga araaturairo, ou preciso o teu aan-
gue t ....
P~ taberneiro prosegua :
esta idea con canario; e outros candidatos os
raesma especlatira, perdern a tramontana quan-
do viram um tfllcial de marinha tnterpor-se no
meio da to esplendidas esperancatV e adia-les
para ben looge.
Era preciso por tanto, quebrar eate obstculo
serio, e inneditanenle tol combinado o plano
de canpanha.
O joven deputado ronpeu en opposico ao mi-
nistro da narinha ; fallou por naia de dnaa horas
para os bancos que o ouriran con un religioso
silencio, para o 1" secretario, e psra o ministro,
que estara presente, e s cooseguin proraa que
estara muito aquem da presumpg&o de talento de
que ae orgolhara.
Nao satisfeito ainda elaboron nm colebre pare-
cer, qne abalou profuodamento a ptoio de al-
gnns que ainda criam em sua cipacidade admi-
nistrativa, de que se fazia calculada oatentago ;
o cheio di si, suppondo-se um homen neces-
ssrio, consta-nos qoe, quando chegou secre-
tara declarara ao director geral que, quera aer
passado para a Ia seeco; c por que estar na
opposigo !!'
Ora, o reino narioheiro qne adaHttia c a op-
posigo do deputado na cmara coma un diretlo,
nao poda encarar a opposico do anpregado na
secretaria aeoo cono una falta ; o pois resol-
Tea denittir este, riito tar-se ^cbllocado en
ana aituaglo iaadmissiral.
Caro, mai caro tem pago o Sr. ministro ds na-
rinha'esta deliberaco, en que foran solidarios
todos os seus distiuctos collegas.
Despenarlo por asta temisso lera, feito o Sr.
Tarares Bastaajajajer os -relo* da imprensa op-
posiclonisla da (Arte com arttgos riruleatos,
tr o qojso o ahes (ef facsodali
homeos honestos de todos os partidos, que nesto
procedimento nao eoxergam seno ama ringanga
inteiramente particular, que ae encapota com o
titulo pretencioso de interesse publico.
Entretanto .o nobre ministro ia segaindo seu
caminho sem se embarazar com elle, nem se en-
volver as respostas, tamben irritantes, que a
redaegio do Correio da Torda, inteiramente por
seu lirre arbitrio, Ihe dar an represalia tan-
tas e tao descomraunaes prorocaces, que ebega-
ran ltimamente ao maior auge, qne ae pode
imaginar.
O joren bacharel, qne ainda agora comega sna
rida publica ; que derla corresponder ao mnda-
lo que Ihe conferiu a distncta prorincia das Ala-
goaa propugnando pelos interesses de lis, prono-
rendo o sea desenrolrineoto, esqaece-se com-
pletamente destes sagrados deveres, para guer-
rear o ministro que ten nostrado mais solicilude
por essa proriocia, mandando por tros ratea ex-
plorar o porto de Pajuesara, estudar as coodigoes
de seu nelhoranento; porque nelle reside a fu-
tura grandaza de Macei l
E baldte materia, faltando-lhe o que censu-
rar na admimstrago inlelligente, honesta e juata
do hbil general da armad*, laoga-ae ao aeu pas-
sado, e desencavaodo dos pda do archiro da se-
cretaria un desgragado documento que slli jazia
enterrado, ousainainaarqae o illustre nariohei-
ro un cobarde, e assin procura abalar a f pu-
blica sorprendida por esta estraoha rerelaeo I
j Desgragado paiz aquello em que am represen-
tanta da aago sem criterio, sen refl,exo se faz
echo d sfeisosias to infamantes, ello face de
se destruir cono a de qoe ae trata, so com fin
da aanader o sen adreraario t
aj-KtimtM BmIqj pctmidaBdo toniliiM*
f .."tfaQl,,D<0 uma n>snbas, en Madrid, ainda
attrahldo porjm boato horroroso, en fui divisar,
| pendente da una ernz, o nao pobre pae aofor-
1 cedo e mergulhado am seu proprio aangue u ca-
dver de minha ne, que ea ignorara tar-aa sui-
cidado, protestei por un juramento solemne, pro-
nunciado ernz deste pnnhal, riogar na pessoa
da sen assssslno, essas pobres rictimas innocen-
tes ....
O taberneiro agilou com a mo esqnerda a ca-
bega loira de Eduardo, qeal si quizesse desper-
tado do aeu profundo lelhargo e gritou :
Eduardo parricida, o puohal de teu irmo
Congelo Orsini precisa da tua rida I ....
Houre am momento de silencio, durante o
qual apenas se ouriam os roocos dos dormidos.
O taberneiro, comprehendendo que nao baria le-
raotaren-se por ai daquella somnolencia da mo-
ribundos, agitoa-os ainda : s Edusrdo abra as
palpebras.
Senhores, disse Goncallo, desafio a todos
ros para nm dullo de morte I ....
Ananbaa, amanba, tartamudeou Eduardo.
B cabiu ao peso do cogote.
O taberneiro atrareason o seu largo punhal an-
tro os denles, e com ambaa aa mos, abalou
lentamente Jorge e Carlos.
Sr. Carlos, Sr. Jorge, leraotae-rs presto,
temos importantes contas que ajustsr.
E snspendeu-os eguamente pelos bragos iner-
tes. Ambos abrram a custo os olhos dormen-
tados, mas racillaodo, cahiran de somno.
Diabo I .... exclanoa o taberneiro no re-
quinte da desesperscio. Oh I .... eono a em-
briaguez cobarde I ....
Em seguida aperton o seu pootagado ferro en-
tre oa dedos macilentos, ranglu os denles de co-
lera, e articulou con nn son da roz rouco a
abafado :
~~ Pr seren cobardes, iofanemente cobar-
das, nao pensem, demonios, que bao de esca-
par-me 1 ....
E erarando o pnnhal na garganta de Carloa,
disse profundamente :
Carlos umont, o brago de Eugenio de Vil-
temer quem te vibra o golpe da riogaoga I ...
Uma raga de ssngue innundou o eorpo do
apunhalado : o tabtroeiro approxiraoa-se de
Jorge.
Jorge, o arentnreiro, a honra infanada de
Gongalo Orsini quen exige o teu saogue para
com elle larar-se di macula de ignominia f ....
proseguiu com dm aspecto horroroso de tigre,
embobando simultneamente o ferro homicida
as arcas do peito do embrisgado, que n'um mo-
mento librou-se em um lago rermelho. Mas nao
ncou lado nieto.
Gongalo estenden as suas mos empsrelbsda
a esse jorro de saogue, qoe a flux brotara do
coragao do perdido, como outr'ora a lympha
crystalina e pura do rochedo batido pela rirga do
Israelita naquellajposico demorou-se at que
transbordassem, e depois banhou o seu proprio
rosto esgrorinhado e paludo com essa porgo de
licor tpido, terroroso e lorro. Estara Tinga-
do I .... m
Quem. ao flta-lo naqnelle momento horrirel
de desabafo aelragem, poria dorda am julga-lo
a imagem sanguinaria do homicidio oa da rin-
ganga ? ....
Toma-lo-hieis sem receio de ros enganardes,
si por rentura o houveaseis distinguido broxo-
leante flamma daqueile candieiro semi-extincto,
trmulo de emogoes desconheeidas, o olhar tor-
ro, as papillas dilatadas, o labio inferior nm
pouco destendido a sorrer os pingos veimelhos
que se escorregaram da fronte pegajosa do .rin-il,' .""'.-'
*>dor. pelo genio da morte em esseVcis, simula? "IZ^^&LS*1'^',1*
do por una mascara de ganga rubra I ,... Era ,raTa-,e conreresgo, lilil
terrrrel como um iostrnmento da jnstiga do cu,
on como um indio selragera tragar com deqtes
esfaimados os membros palpitantes e erus delirn
corpo de chriato I.... >,
Ao cabo de um minuto, o taberneiro echegou-
se de Eduardo, que dorma a bom resonoar,
qual si no seu crneo de aasassino nao germi-
nassem remorsos. Eosopou-lne no coragao offe-
gante a sua larga lamina e bradou :
Eduardo parricida, as aimaa do enforcado
de Madrid e da suicida das ruinas reclamara a
tua rida para a sna salrago eterna I ....
E os longos cabellos loiros do infeliz mance-
bo italiano oscillaram um momento "superficie
espumosa de uma pdga encarnada I .j..i.........
Minutos depois tres corpos inanimados, impel-
hdos pelo bragos athleticos de um mito rugo e
sombro, rolaram simultneamente pela encosta
alcaotilad do medonbo despenhaUeiro, que ae
soabre ao lado direito da branca ermidinba de
ti. S. do Monte, em Olioda. Eram os ltimos
'-"|,0'"< da triofade maldita.
. rm*SIda V ""2 "'bro das treras atirou-
se tom loda a forga do giganteo laamUa. de que
loram capaze os seas ps rigorosos, deniro do
profundo ralle do despenhadeiro. Foi Gongalo
Orsini, o ringador, que ae precipitou no abysmo.
Uma desabrida lutada do leste arrancn ento,
ao seu sopro- de uraco, a coberta de eateiras e
pannos encerados do bolequim do Sr. Germano..
O candeeir de (landres derraraon um ultimo
fio de luz embaeiada e parda, e exiinguia-se.
Um momento ainda, s caladas da noite, re-
soou uma ribraco contusa e lgubre, produafda
pelo rolar doa tres cadveres fralda do daope-a
ohadeiro, deseocrarando os seiios musgosos, e
amarrotando as parasitsa do valle.
..................................] ..............
Frankli Tavora.
Mas dirigente para a melo-dia,
que eu reo garerasr mt anata. Nao ra
oa meamos pontos cardases. Boa riagan. O'ano
slnto aomente oo podar assistir s tnu ana-
cas. ^^^
-' Nio aa trata da nupcias.
Nao raes Perigueoa ?
fr r9a''' *u *
Slla, qnnm ?
.,7uEll "emI Un perfeito nodl* iandac sa-
bido ha pouco do uao keeptoke osan idSel roa-
lisado I estatura de nympha. bel.eu da ttarara
sabes que Shakespeare chama a Inglaterra nn
oiobo da cysnes ? e que olhos I qoe becsaf
que nariz I...
Diabo I que photographia I Aloph*, Frsack
e Petit nao fazom nalbor I
Nao zonbas ; ano, a estou decidido i ae-
gnl-ls at o fin do mundo, ae o mando tasa asa
fin.
E' un tsnto longe. Mas tas prina ? .
gara o teu casamento tratado.
Sonho I utopia I Una donzella que as
ri ; alguna selragen perigardins, fais, (__
canbaia talrez. Nao, nio ne cssarei por ialer-
mages. Soo da escola elctrica, sai o qae aa-
colher a escolbi essa. *
E onde a rate ?
No hotel Folkstone, defronta da arlaban ja-
nellas. *^
E a chamma ateou-se da un lado a ra
para o outro.
p.T".AlMr*,*"hl" d* c,uu "* aro***, da
Cherbourg para Nerr-York. '
Un barulho de louga quebrada, lnferronaeo
Athanasio. m
Voltel a cabaca.
Era un rsso da China qne o aturdi acabara
de quebrar.
Nao te affljas, disse-Ihe eu ; sopada ano
ests en tua casa.
Ves que pfereui o que diasaste ; pairan* I
tens era tua casa um raso fabricado peina atss -
gos ds patria ? Recebaras por reatara os pon-
ches do Arlaxerxes? Teriu rendido loa paiz 5
China ? *^
Assim fallando, Athanasio abrir as garetea de
minha comnods, a, tirando con ambas as nio*
camisas, leogos a graratss, neltia ludo aa aoa
rasca.
ahTl EOlS' exclamei eo VP dl,b0 inM *
Homen ceg ou sen prscaugio, nao ?**
que estou acondicionando tna roapa branca ?
Ters perdido a razia Penses qae U
aconpaoho at o fin do nundo?
Eu te conflarei a ma, a aia ou lia, nio sai
justamente o qae ella Mas aria-te asa nono
da amizade I Sao seis horas a aseia ; ellas rao
partir; eu as ri preparar as malas. Ab I infeliz,
ae te demoras, derer-te-hei a desgrana de ni-
oha rida inteira I
E dizendo isto agarrou-me pelo brago ; a ae-
ralha cahiu da nio e qoebrou se oo soalho.
Pagar-te-hei ootra, dase alie. Sa eieeilea-
tes na Inglaterra. Vem. Partamos-.
Mas ... alada nao acabei de fazer a barba.
E le lastimas porisso?! Ella assim te se-
senta perfeitsnente, palarra da honrar fices
com aras pbysionomis muito destinis.
Pois nao l... deixa-me l...
Cimprehendes qae oeceesilo de nm con-
panheira de riagem, de um coafldenta. Essas In-
I glezas sao muito desdeohosas ; ae fOT ey sao ea
pazes de me tomar por nm iventureiro; casa
ten-se- sari san,
--------rsagao, insina-se. fasnaa,
ramos, nofars que ten amigo pares aasa occa-
sio da felicidade. Sempre tire a idea de casar-
me cora uma Iaaleza ; urna idea patritica,
porque msis se esjtreita assim a atliaoea asara ao
duas naoes. E tu oso perders con iaso ; a*
nro de rinte annos dar-le-bei nioha filha mais
relha en casamento ; dotasl*-bei de todas* as
rirtude. Vem, rem, mea snigo ; nio no faca*
desesperar.
Havia j algans diss qae ea Decesaitara do- im-
previsto ; deixei-ne arrasiar por aaaa lorrenta
de lonca eloqaencia.
Passsdes rinte niatos, estarn os ao eober-
cadooro do oeste.
Isio rao s nil nararilhas, diss*Atbsisasa.
tu queras paaaear pelas costas normandee. Ab I
cruel anigo, foi preciso que lame la rogsaa
Mas ellas? nao aa rejo I Entretanto, diaeniasa
no no hotel Falkslooe qne rollara para Ia-gaa-
terra pelo Havre. Ab I ae podessemee riafar so
Uma mnlher do ntr. '
Eu ne levantara um certo lia s seis horas
ds marhaa, e oceupava em bi rbear-me con a
precisa graridade, nao obstante ler esse um catV
dado rulgar, qq.ando ri entrai en minha-casa
um dos maiores loncos que, dep ds de Anaxago-
ras, tere a preteogo deoosinar sabedoria.
Era um joren snbstituto bordelaz, futuro pro-
fessor de philosophia, cujo lugar tem de ser an-
da designado nos bancos da escola!normal.
Vestido de riscado branoo e teodo na cabega
un panana, costume do caralleirp tourista, tra-
zia.na mo uma maca.
Cono, disse elle, alada nao astas pronpto?
Pronpto, para que-?
Para que, para partir l
Tenho nuilo tempe.
Mss nao tenho eu.
Tu, possirel ests sempre apressado
quando chegam as ferias. Pois
gem I Meas comprinentos teu
reapeitos tua prima.
Collocado diante de un espelko con a nara-
Iha na mo, mediado as palarfuijcom eiigia a
operago, pouco farorarel i eloqdeoeia, que ab-
aorria as miohas faanldades, tioba as-'costas rol-
ladas para Athanasio. (Desculpad*fhfresse engas-
to nome que Ihe dea seu padriohoTmnito pane-
gyrists dos Gregos, sen dunda m-prariso de
seus destinos I
Nao se trata de leus resp 4tos minh
prima, replicou elle. Vamos, rao-1 anigo, aria-
te, aria-te I
bem,
lio
boa rta-
meus
noeso anigo rocha Tarpeia, eleron-o ao Capiti
lio ; deu-lbe occasio para alcanga o mais com-
pleto triumpho.
Para prora de qae nio iraprorisamos, pedimos.
aoa dignos leitores da ReteHhm Atarilim, que
aprecien com atteogo i>m feiga publicado no.
fomttl ato Commereio d 10 do coijreote.'com o
titulo de nosso summario, no ql pncootraro a
refntago maia solemne desta reroltaot calum-
nia. Mas... agora nos laramos que para o brio-
so poro peroambucano oo ha necessidade desta
leilura ; porque elle fas juatiga ao vlenle oficial
de marinha., que bateo-aa ao sau solo cora deno-
do afrente de seus destinidos imperiae nart-
nheiros, pelo triumpho da ordem, qua marcou
uma ora era di felicidade para, eata rica pro-
riocia.
Sem pensar oo que fazia, patentpou o Sr. de-
putado Tarares Bastos todo, Q Bissil a jastiea
de sai demissio ; porque, 'niara descobrlr o tal
officio do bario do Rio da PraTa*que tanto pra-
zer Ihe den, dizm qne abosou de sus posigo de
empregado publico, aftas,,de rerolrer os archivos,
entregues sua cooftaga, e escolher neltes as
j armas edm que pretenda depois ferir io sau su-
I perier legitimo, na reparligio em qne serria.
OSr."Tarares Bastos pecca por precipitado;
nio desanime, nen desatina; porque talrez an-
da seja ministro da narinha, quod Deus avertat.
S. Exc. mogo baataote ; pftde esperar alguos
annos sen inconreniente. Assin cono a nari-
nha foi administrada 'dnte rinte e um annos
por hachareis [ a algans! o.uaes dere muito )
deve ser agora por nm snrtorlo egual gorernada
por offlciaes de mannha.para depola ae comparar
oa dona periodoa,4u|a*nfbacer-e quaes os mais
glOa para es,te mistr,
maaaao compartimento I
Porm debalda procuramos as staaaaa Ioglezas:
a hora da partida soou ; fomaa obriassdaa a taaaar
lagar en qualquer compartimant. *
E nao sabes o oona d'essa que anas? per-
guntai ao insensato. Nanea Ihe fallaste ?
Seu nona ? que inporta ? Qoanta a ter-
ina fallado, oh I tivocora ella conrers^ea Infss
e amorosas. Nossos olbos eran aa interprete*.
De una jsoella a ootra estabelecamos ubi wemtt-
de suspiros.
. Ma* essa eacapada far zangar tea ato. Que-
na casar-te com tua prima, e so opaor a aaaa
tua preiengao..
-. Canoi ? porque ? Nao, aa so zaagar ; ai
ir uma s pslarra, primeiro, porque aoa seober
le minhas aeces, dapois porque o CMaasoato
nm contrato serio em qae os contratantes i
ter plena liberdade, e finalmente poraae
ba tres mezes.
Logo que ebegamos ao Harr, Albaoaaio dia-
se-ne:
Vaa ao hotel de Earopa, ieei ter comtigo .
dero procurar as miohjs deacouheoidas o
oode rao alejer-se. ^^~^--^
Atirou-me a naca lauco* aa cono on
pelo neio da mullido enpurrando aa riaj'a.
com a irapetuosidade de aeu careeter mttiimai,
aqueeido por un aol de trnta a- sois grus a am
amor de setenta e dous. Un mamario da.co
lera se lerantara sua bassagen.; algos*l
cujos toilettes elle machucara griUraaa
d'elle. Era iodefiferete aos clamares. Mas un
persooagem.menoa paciente qpe aa oui:os,. a*
cojos dedos- dos ps erara maia aensireiay deo-
lhe ex-obrupl am violento socco.
Corr em soccorco do era, amigo.
Esse personagen era un ioglez reatada casa
extrema elegancia, e qne pareca perfeitas
oducado inglezs.Tomando a poaiciodioi
est costanado s jogar o nutro, alta pravoca
se para entrar em combate, quaado s* i
ran una dosszella e ama matrona.
Atkaoaaio chamou o logia* a parto, _
elle o seu carto, depois rio a nim, raadla oaa-
tremecendo da alegra.
Ora r l, dase ella.. A nao sot e
John Bull talrez nio a aacoDirataa l<
E' a tua deeceahecida?
. Sen duvida. Bola eieeripgao jua d'<
tiz, deverias t-la recoahacido.
Mas U9 ioglez.,.. r, ello di o braga.a.na-
trooa. E' qnn aa coausaca.
Para tirar eata eencloeio ci 4 praaiaa aer
muito lgico.
( Coafiaar-aa-Aav].
E felizmente a narinha da aaorra tan alada
genera es. tem atada muitos offlciaes- aasaanaraa
qoe possam sncoader so Sr. rainistr* actaal op-
portuaamentat a aproreilat os recnaraua qoe aHa
sabiamente tena accnmulado em aun corta a
guerreada admioistrago,. para daaa&ralvii
desta for^a, qae nos dias de perge ha ae aer
pre a egida do Brasil, ba de oceopsr a Tangnsiin
da defeza de san territorio, de aua integridad*,
de sua independencia ; e nos dias da fortana ba
de oppdr a dadicagio iodiffereeca, o patrtoaia-
mo ao egosmo, o camprnento do derer, entaa.
ingralidio.
Nao gritem, por ora ; nia tacara lauto baralha
que nao 6 tonpo da decidir a qaeetia.
O Sr. chafa do esqosdra Joaqun Jos ja*acia
j, ten dado bastantes pravas do qoa am aaartal
do marinha pode melhor do que outro qaaaajoac
homen administrar a narinha; as an aaaa
pouco para fazer toda quanto alta aecaaoila;
principaissonte quaaia nao ba diabatro, o o go-
reroo sa adstringo ao nais rigorosa praceito do
economia.
Esperamos pala experiencia de H annos,
to a historia inparcial de nn a entro parlada
ser o juiz competente, e prooUmsri naissnsris
nenie a rsntagen da admi*Utracu dm aerial
pela marinha.
Terminando, julgamos indispensarei saadar
disliocto escriptor o Sr. S. P., pola brlhaate
completa defeza de nosso amigo, qua a?raneat
ao iilustrado publico da capital do inferi.
Babia, 22 de margo.
B. A.

| \\
PIBN.TTP. OS M P. DE FABIA r FaHO.18.

r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP4WUMMG4_ZOGX7W INGEST_TIME 2013-04-30T22:50:20Z PACKAGE AA00011611_09541
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES