Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09539


This item is only available as the following downloads:


Full Text
------- v_______, ------- .. i
"

uiommiuno 83.
Hr trMMnsa4iaiUii5|000
fffr tres sexos reicHos 6|000
o
QilT FEIRA 10 BE ABRIL DE 1112.
0IIT1
!
P*r an atiutrit 19|0flO
Parte frtie pan t nlMcriptor
r

'?
DE PERMMBIICO.
RMCARRRGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrtno de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
Arasatr, o Sr.*. da Leaoa Braga; Ceari o Sr.
. Joto da Oliveira; Maraahlo, o Sr. Joaquina
Marques Rodrigues; Psri, Justino J. Ramo;
Amaionat, Sr. Jeronymo da Coala.
ENCARREGADOS DA StmSCRIPCAO DO SOL
Atoadas, o Sr. CUudino Patolo Diaa; Babia,
o Sr. Jos Mirtina Alves ; Rio da Janeiro, o Sr-
Jote Pereira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Ollnda todo oa diaa aa X hora* do dia.
Iguaraaa. Goianaa, Parahyba na aguada
aexUa-feiraa.
S. Antao, Bexerroa, Bonito, Garaar, Altinho
Garaohuoa na tergaa-fein.
Pi d'Albo, Nazaralb. Liaaoeiro, Brejo, Pea
Suein, Iagaieira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viata,
urieery e Ex naaquaitaa-feiraa.
Cabo, Serin hiera, Rio Fornoao, Una.Barreiroa
Agua Preta, Pimentelraa Natal quinta feira.
(Todoa oa eorreioa parten aa 10 boraa da manha
EPHEMERIDES DO HEZ DE ABRIL.
6 Quarto crescente aa horss Si minutos 4a
manha.
14 Lia ebeia aoa 16 minuto 4a mandil.
10 Quarto mineante as 8 horaa a 21 mina toa da
Urde.
98 Lia noT aa8 boraa 45 minato da muhie.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro ao 54 minato da mandil.
Segando aoa 30 mnalos da tarde.
rARTIDA DOS VAPORBS COSTBIROS.
Psra sol it< Alagoaa I & SO; para o norte
at a Granja A 14 o 29 de eada mes.
PARTIR DOS MNIBUS.
Pao Retlfe: do Awimeo*61|2, 7, 7 i|2, 8
a 8 lr2 da m.; de Olinda i 8 da m. a 6 da t.; de
Jahoeto s 6 1|2 da mv, do Caxang e Varxt*
as 7 da m.: de Btm/tco is 8 da m.
Do Beaifa : par. o Apipueoi la 8 112. 4, 4 1|4,
4 1|2, 5. 5 li4, 5 1|2 e I da t.; para Olinda la 7
da m. s 8 1(2 da t.; para Jaboalo s 4 da t.; para
o Caxang e Varzta is 4 1 (2 da t.; para Btmfica
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES ya CAPITAL.
Tribual do ommereo: aegundi e quinta.
Relajo: tercas asbbadoais 10horas.
Fazenda: quintal is 10 horas.
Julio do sommercio : segundas o meio da.
Dito de erphaoe: toreaa e aextaa lia 10 horas.
Primetra Tara do ctoI: tareas e extas a* meie
dia.
Segunda rara do eivel: qairtai a sabbados 1
horada tarde.
DAS DA SEMANA.
7 Segunda. 8. Epifaoio o. ; S.
8 Terca. S. Amnele b. ; 8.
9 Qaarta. S. Demetrio b.; S. Atarte a,
10 Quinta. S. Ezeqeiel prepbeta ; 8
11 Sexta. Aa Dores de Nossa Seaber
12 S.bbado. S. Vctor aa. ; S. Veeeto .
13 Demiogo de Ramos. 8. B
ASS1GNA-SE
no Redfe, em a Horaria i
denci na. 6e 8,des
roa de Faria & Filho.
M1TE 0FFICWL
GOVERNO DA PROVINCIA.
\ Ex|Mdie>m*jB do dU W de abril
de 186*
Oficio ao eommandinta dea arma.Fico sci-
ena de haver V. Eic, como me communicou
em officio n. 685 de 5 do corrate, mandado pu-
nir o soUado de civallsria Cario Maooel de Je-
ss pelo faeto relaUdo em dito officio.
Dito ae mesmo.Darolto aa inclusa conta do
gas consumido no quartel em que estove o 8* ba-
talhio de infamara, no mete de jalho e agosto
de 1840. e a que alinde o officio de V. Etc., aob
n. 2,083 de 17 de dezembro ultimo, aflm de que
se airra de emittir seu jaizo scerca do paga-
meato dellee, leudo em vista as iotormaees jun-
tas da theaoucarta de fazeuda. '
Dito ao meamo.Em aolaco ao officio de V.
Eu., aob n. 657 e data do Ia do correte, teaho
a declirar-lue que o paisano Diogenea Francisco
Pesaos, dee ser enriado ao capito do porto aflm
de aer alistado na manaba ae (or considerado
apto pare isso.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Arista daa iaclusa copia doa officio do briga-
deiro commaodaate daa armaa, datados de 17 e
21 de marco ultimo e de coolormidade com e saa
informaste o. $54 de 31 do meamo mez mande
V. S. abonar ao cabo de esquadra Glaudiano de
Soasa a aoa soldados invlidos Joo Frsocisco
- Antonio Damiio Pereira da Costa, todos do 10a
batalbo de infantera o empregados no hospital
militar de cholencos, urna gratifleago menaal
_ de 124, a contar do dia em que principiaram a
servir como enfermeiroa do meamo hospital e
emqainto forera neceaearios oa eeus sertigos
nesaa qaalidade.- Comtnunicon-ao ao commao-
daate das armaa.
Dito ao meamo. Recommendo i V. S. que
mande pagar a Manoel Cabral Borgea, como j
se ordeoou em 2 do correte, a quaolia de 500,
por que alagou am carro para levar a Santo An-
tao o Dr. Flix Moreno Braodao, que se acha ali
insumbido do tratamento dos desvalidos atacados
. do cholera -morbos.
Dito ao meamo. Recommendo i V. S. que
mande pagar ao Dr. Symphrooto Cesar Coulinho,
como pede no incluso requerimento a quaotia
que e estirar a dover ao Dr. Ermirio Cesar Cou-
tioho, proveniente da gratiflcacao de 409 diarios,
que se lhe arbrou, como reauoeracao de aeua
- aervicos prestados desde 12 de Janeiro al 21 de
fevereiro deate aono, na comraisso medica de
que esteve Incumbido para tratar a pessoas po-
bres accommetiidta do cholera-morbus na co-
marca de Nazaralh.
Dito ao meamo.Ao Dr.Sympronio Cesar Cou-
tinho, como pede no incluso requerimento, man-
de V. S. pagar o que ae lbe esliver a dever da
gratiflcacao de 408 diarios, arbitrada como paga
de seua servigos medico prestados na commis-
so de que foi incumbido para tratameoio doa
indigentes accommettidoa do cholera-morbus na
comarca de Nazaretb, a contar de 12 de Janeiro
at 21 de marco deste anno, dia em que deu-se
por linda a mesma commiaso.
Dito ao mesma. De cooformidade com a aua
informaco de 4 do correle, aob n. 280, autori-
so i V. S. a mandar pagar a Francisco de Souza
Guerra, como pede do rsquerimento que devol-
vo, a quantia de 48|. proveniente do aluguel ven-
cido noa mezes de outubro a dezembro do aono
prximo passado, da caaa de aua propriedade
que serve de quartel ao destacamento de guarda
4 nacional da Villa Bella.
Dito ao meimn.Expeca V. S. as suas ordens
psra que aeja arrecadada a quantia que esli a de-
ver Joaquina Pues Carneiro Monteiro, engenhei-
ro civil adjunto ao engenheiro em ebefe fiscal dos
irabalbos da ponte de ferro deata capital de sello
a emolumentos pela portara expedida em 19 de
margo ultimo pelo minisiro da agricultura, com-
mercio e obraa publicas, concedendo-lhe tres
mezea de licenca sem vencimentos.
Dito ao meamo. Reverlo 6 V. S. coberto com
a informaco do director do arsenal de guerra n.
-~ 79 de 20 de marco ultimo, o requerimento do-
cumentado em que Henrique Jos Vieira da Silva
mestre do hiato oaciooal Sergipano, pede o pa-
gamento da quantia de 9850800 ra. de transpones
dados no meamo hiato por conta do goveroo, para
opreaidio de Fernando, e dalli para esta capital
a diversoa passageiros e a 33 faroa com sapatos,
am de que mande pagar somante a quantia de
9050800, conforme indica a cooladoria dessa lhe-
aouraria no parecer a que ae refere a informaco
de V. S. de 4 do crreme, aob n. 282, eanlo ae-
aim reduzidas a metade as pasaageos dada aos 4
filho do teuente Manoel Verissimo da Silva.
Dito ao meamo.Transmitlindo por copia i V.
S. para seu conhecimsnto o aviso n. 27 de 20 de
marco ultimo, expedido pelo ministerio da agri-
cultura, comraercio e obraa publicas, com refe-
rencia ao officio de 28 de Janeiro passado, em
quo V. S. deu parte de teram sido pagaa ao en-
!;eoheiro civil eocarregado da obra da poute de
erro entre o tbeatro de Santa Isabel e a ra da
Aurora, Joaquim Pires Carneiro Monteiro, aa gra-
tifleage que se estavam a dever-lhe correspon-
dentes aoa mezea de outubro a dezembro de 1860,
tenbo a declarar-lbe que de oatro aviso firmado
em 25 de tavereiro deate aono, coaala ter aido
approvada a deliberarlo que tomou a presidencia
de mandar pagar ao predito eaginheiro a grati-
cacao rblaliva aquello mez de Janeiro.
Dito ao meamo.Remetta-me ?. S. nma rela-
co doa eogenheiros que aa acham empregados
naa obraa a cargo do minutario da agricultura,
sommercio o obraa publicaa, mencionando quaes
os venclmento* que cada um dslles percebe.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Autoriao i V. S. nos termos de aua informaco
da 5 do correte, aob o. 172, a mandar pagar
ao preso Joao Mariano Espindola o que aa lhe
estiver s dever da seus salarios, como machinis-
ta que foi daa obras da caaa de detencao, e islo
indepeadenle da a presentado da respectiva ca-
deneta que perdeu-se, aegundo allega o mesmo
preso.
Dito ao mesmo.Aonuindo ao que aohcitou o
director geral interino da instruego publica, em
oficio o. Si, recommendo i V. S. manda entre-
gar a aupariora do collegio daa orpbias de Noasa
Senhora da Esperanca, a quaotia de 1032700 rs.,
consuntas do incluso podido para aa deapezaa
aaludaa do mesmo collegio no presenta mez.
Commanicon-sa ao director geral da instruego
publica.
Dito ao meamo.Em vista da conta junta min-
ia V. S. pagar a quantia de 63, proveniente da
nacadernago de 3 volumea de colleco de Leu
4o Brasil, feitaa na linaria Acadmica para a se-
cretaria desia presidanejs.
Dito so comneodaote superior de Olinda e
Igusrsss.Expeca V. S. aa suas ordeus para
que o 9 baUlhao de iafanUria da guarda nacio-
nal de Olinda preste, na hateado iuconveaiente,
ama guarda da honra para aoompanha* a precia'
- Jejos dasMwyrioj, que tem de
S. Joao Bapiuta naquell ei-
sorreple is.t e meia horas di
correte as 7 boraa da noite.do convento do Carme
para a igreja caihedral daqaella cidade, mas tam-
bera acompiohe no da aubsequente a prociaso
do mesmo Seohor.
Dito ao Inspector do arsenal de marinha.A'-
vista do que pondera V. 8. em aeu officio n. 167
do 5 do crrente, nao ple aer preatada para
autopsias a caixa de instrumentos existente na
enfermara desse arsenal, e que serve para ope-
rarles em vivos.
Dito ao commsndante do corpo de polica.
Pode V. S. alistar como voluntario na secgo vo-
lante do corpo aob aeu commando, oa psissnos
Aotooio Joaquim de Souza e Jesuina Joi do Sa-
cramento, que para isso ae offereceram, viato que
fnram consilerados aptoa para o servico, como
V. S. iolicou em sau officio n. 147, datado de 5
do corrente.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faca V.
S. embarcar no primeiro vapor da Companhia
Pernambucana que seguir com destino ao norte,
para que ficam oxpedidia as convenientes or-
dens, os medicamentos que ltimamente foram
comprados pelo conselho administrativo para a
enfermara militar da provincia do Rio Grande
do Norte. Offlciou-ae ao brgadeiro comman-
dants das armas, para mandar por os medica-
mentos dispojicao do director do arsenal de
guerra e ao gerente da Companhia Pernambuca-
na, pira faze-los transportar, e communicou-se
ao Exm. presidente daquella provincia.
Diio ao director das obrss militares.Ao seu
officio aob n. 54 e data de 31 de marco ultimo,
respondo declarando que deve V. S. mandar
collocar urna porta na abertura que di entrada
da sala dos interiores pira a secretaria do com-
mandante da companhia fixa de cavallaria no
respectivo quartel.Communicou-se ao brgadei-
ro commsndante das armas.
Dito ao vigario da freguezia de Bezerros.
Respondo o seu officio de 3 do torrente, dizendo
que procure Vmc. soccorrer com os medicamen-
tos que lbe foram remeiiidos os indigentes anec-
iados da epidemia ah reinante, requisitaodo no-
va remesas quando julgar necessaria. Convm
oulrosim, que Vmc. promova entre aa pessoas
abastadas oessa freguezia urna subscripto para
auxiliar o goveroo nos soccorros que tiver de mi-
nistrar.
Dito ao inspector da sade publica.Mande
Vmc. fornecer com urgencia ao Dr. Manoel Al-
ves da Costa Brancaole os medicamentos indica-
dosem a nota junta, para tratamento das pessoas
indigentes que foreru accommettidaP do cUolera
na freguezia dos Afogados.Communicou -se ao
Dr. Maooel Altes da Costa Braocanle.
. Dito ao Sr. gerente Francisco Ferreira Borges.
Communico a Vmc. que por decreto n. 2985 de
22 de fevereiro ultimo, constante da copia in-
clusa, foram approtsdos os estatutos da Compa-
nhia Vigilante encarregada do servico de reboque
por vapor, deolro e fra do porto desla capital.
Dito ao gerente da.Companhia Parnambucana.
Em os lugares de estado de qae dispe esta
presidencia, mande Vmc. dar passagem para o
porto de Macei ao pratico da costa Jos Fran-
cisco Firmioo, cujas comedorias sero pagaa por
elle.
manete is construeces nataes do arsaaal de
marinha, a aob a qual deve ser construida urna
corpo do exercito detida curveU de 187 ps de compriment a 26 da lar-
por toda parte difflcnllam o gura
oe-se dos batalbes, nmeros 2, 9 a 10 de in-
famarla, 4* de artilbaria i p, companhia de ca-
vallaria, companhia do artideea do arsenal de
guerra e corpo fixo de guarnico em Tacarat.
Todoa estes corpos acham-se muito desfalcados
e redusidos quasi nicamente ao pessoal de offl-
ciaea.
86 o 2* baUlho tem maior numero de solda-
dos. Esea deficiencia de pracis, de que se resen-
tem qussi todoa os
aoa embaracos, qus
servico do recru ta ment, recebido feralmente
com a maior repugoancia da populacho.
E' provavel que com a medida, que acaba do
tomar o goveroo, creando recrutadorea, especial-
mente encirregadoa dease serlro, melhore eaae
estado de cousas e poasamoa ter forca numero
e bm disciplinada. J enviei ao goveroo nma
propoata de divisio desta provincia em distrlcios
de recrutadorea pela maoeira, que me parecen
mai conveniente.
O distincto geoeral, que ae acha encarregado
do commando daa armas nesta provincia, a cuja
looga pratica e pericia se deve a disciplina e re-
gularidade, com que feito o aervico militar, da-
r i V. Etc. promptameate, como coatama, quaes-
quer ioformacoes miU circumitsnciadsa de qae
poasa precisar.
FOR(* NAVAL.
A estacao naval deat provincia conta apenas
dous vaaoa de guerra: o brigua-barca lt*mara-
c e o brigue Fxitliiait.
Este ultimo nsvio acha-ae presentemente nss
Alagis, para onde seguio ha pouco lempo i
requisico do presidente daquella provincia.
Reata por Unto para o aervico deata o primeiro
dos referidos natos, o qual nao pode prestar-se
em toda e qaalquer clreumsUosia a urna emer-
gencia fra do porto desta cidade.
J repreaeotei ao goveroo imperial obre a ne-
cessidade de ser augmentado o numero de n to
da estagao, e de esperar, que seja isto tomado
em considerago.
CORPO DE POLICA.
Redusido a 400 o oumero da saas pragas por
torga da le proviaclal, o. 502, de 29 de maio do
anno passado, para execago da qual bsixei o
regulamento de 2 de aelembro do meamo aono,
compe-ae actualmente de 2 secges: a urbsna
de 150 pragas, formando trea companbUa, sob a
direceo de seus respectivos chafes, destinada ao
aemgo da cidade esius suburbios ; e a volaote
de 250 pragas para as deligenciaa do interior da
provincia.
Adstricto ao peasamento di lei citada, que deu
a eegao urbana a mesma organisaco do antigo
corpo, composto de 500 pragaa conservei nella o
mesmo pessosl de quatro capitea, quslro tenan-
tes e oito alteres, alem do estado-maior.
Esas orgsoisaco evidentemente irregular, e
pecca contra as leis e usos militares.
Com a reduego desse pessoal, em hsrmonia
com a forrea existente se far bem proveilosa eco-
noma dos dioheiros pblicos.
Ambaa as seccea acham-ae fardadaa e arma-
na guarda dos objeetoe e disciplina do pessoal sil
empregado.
boa tontide, com que preatou gratuitamente e
por duas vezes o vspor Camara\i; aflm de con-
A realisacio deasa idea depende, porem, do duzir soccorros para a cidade de Goiaona, qaan-
avuluda deapeu e de mais grsve ipreciigo da do so dessnvolvaa all a epidemia do cholera-
ilgumas destantsgens, que ella oHarece. i morbus.
O goveroo imperial sulorisou a compra de urna Foi am acto meritorio, e um servico huma-
cobertera de ferro, que servir de estalelro per- nidsde,que nao deye lear em olvido,
THESOURARIA PROVINCIAL.
RSPARTigdES A.NKXA9.
Autorissdo pelo art. 20 da lei o. 511 de 18 de
junbo do anno passado a reforma a tbesoursria
Essa cobertura custou cerca de 50:0000000 res,' e consulado provtnciaea, formulei alguns traba-
s acha-ae j fincada e prompU para' o mistar, s
fue se destins, eom alguos defeiloa, porem, que
foderiam ter stdo evitedosfem tempo.
NoU-se principalmente que aa saas columnss
variara lev pelo menos mais seis ps de eleva-
Fooccionam regularmente e eom bastsnte pro-
veito |oesse estabeleeimeoto as seguiotes offlei-
nas: de machioaa, de ferreiro, de tuodico de
etaea, de calderelros de ferro, de carpinteiros,
de calafatea e de ciraploas. Com o tempo e ex-
Ibos oeste sentido, que ficam sobre a meaa do
gabioele, e que aobmetto ao eaelarecido criterio
de V. Exc.
Quaado, porm, tioha de dar oxecugo a eiss
reforma, occorreu-me o peasamento, que consi-
dero muito msU proficuo, de refundir em urna s
esssa duas repartieres com dimiouicao conside-
ravel de pessoal e despezs.
Essa organisaco, dando aquella estages pu-
blicaa mai ceolralisagao e mais directa inapecgo
a par de mafor economa e simplitagao em seus
perieocia, com a coostante solicitude por -parte trabalhoa, concorrer muito para conaegulr-ae
do governo, que j tem maodado alguos artistas melbor a maia preveitosa flsealisagad das rendas
brasilairos estudar na Europa, casas oficinas se
nao aperfeigoando, e prometiera lisopgeiros re-
seltsdos.
A providente a utiltssima iostituigo de duas
campanilla, urna de artfices e outra de aprend-
an marinheiroa, creadas nease arsenal, dotar no
futuro esta provincia com um pessoal numeroso
provinciaea. A aua conveniencia boje um facto
que poder ser invocado.
O feliz multado que obteve o governo centra-
lisando aa attribuiges rlscaes do extiocto consu-
lado geral na repartico da alfaodega, demonstra
altamente a vsntigem dessa medida, que eatou
convencido a expetiencla e os tactos acooselhs-
ii operarios nacionaes precisamente habilitados ; ram a sus geral adopeo.
do
en conatruegoes navaes, dlspenssndo assim o au-
xilio de eatrangeiros tio caro aos cofres pblicos,
e ji actualmente fornsce a armada marinbeiros
etnvenieotemente eduesdos e aptos para o seu
sarvigo.
Vencido pelos fsetos e pelo exemplo o preeon-
cailo popular, que resaben com repugnancia es-
es instituigao em sea comego, considerando a
oecupacio qae shi tinhsm os menores como de-
gradante e prejudicial a aua aale, essas duas
companhia sao hoje aaylos de orphoa e desva-
lido, que vivem contentes e bem tratado, on-
de reeebem educaco, que os tornar alela a si e
sopaiz, e nella existem menores das mais im-
portantes familias da provincia. Nio esli em
sau estado completo: a de aprendizes, da qual
foram remettidos para o corpo de imperiaea ma-
rinheiroa 49, tem hoje 407 menorea, e a de art-
fices mais de cera.
OBRAS PARA MELHORAIBKTO DO PORTO.
Est fechada a barreta das jangadas e em breve
tarde
mesmo.-Expeca V. S. aa auas ordena
baUInioraa inauUria da guarda
J le de Olinda,ao s preateama
para acampaahar iaagaatdO
Passos da Graca, no dulO do
Expediente do secretario
governo.
Oficio ao commandsnte da estago naval.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar V. S. em resposla ao seu officio n. 31 da
4 do corrente, que nesta data officiou ao agente
da Companhia Pernambucana, para dar trans-
porte em lugar destinado para psssageiros de
estado, ao pratico da costa Jos Francisco Fir-
mioo. _
Dito ao commandsnte do corpo de polica.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda re-
melter V. S. o processo do conselho de julga-
meoto a que responden o soldado da quarta com-
panhia do corpo aob aeu commando Franciaco
Jos de Sanl'Aona, aflm de ser cumprida a sen-
tenga nelle proferida a fl. 24, pela junta de ulti-
ma instancia.
Dito ao Dr. Joo Francisco Duaite Jnior.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de
clarar-le que pelo aeu officio de 17 do mez
passado ficou inteirado de haver V, S. nesta dala
reassumido o ejercicio do cargo de juiz munici-
pal e de orphos do termo de Garaobans, por se
haver apreseotado o juiz de direito da comarca
Dr. Tbeodoro Machado Freir Pereira da Silva. -
Communicou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. Tbeodoro Machado Freir Pereira
da Silva.S. Exc. o Sr. presideofe da provincia
manda declarar V. S. que pelo aeu officio de
17 do mez passado ficou inteirado de haver V.
S. reassumido nesta dala o exercicio do seu car-
go de juiz de direito da comarca de Garanbuns.
Communicou-se thesourarie de fszenda.
Dito ao primeiro secretario da assembla le-
gislativa provincial.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia minda remetter 4 V. S. para aer pre-
sente assembla legislativa provincial duas
collecgoes de leis c decisoes do goveroo relatlvaa
ao anno de 1836 e 1837.
Despachos do dia ? de abril.
Requerimentos.
Antonio Fernn jes Velloso da Silveirs.In-
forme o Sr. engenheiro fiacal da estrada de
ferro.
Msjor Candido Emigdio Ferreira Lobo.Infor-
me o Sr. director das obras publicas.
Joo Mximo Espindola.Dirija-se thesou-
raria provincial.
Jos Eustaquio Velloso da Silveirs.Informe
o Sr. engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Jos Joaquim de S Brrelo Informe o Sr.
Dr. juiz municipal doiermo de Nazareth,
Libania Hara da Conceigo.Informe o Sr.
Dr. director gerai da instrueco publica.
Thomaz da Cunha Lima Canteado.Informe
o Sr. tospectords thesouraria provincial
Rea torio com qae o Exm. Sr. com-
Bieudailor Dr. Antonio Marcelino
aues Goncalves entregou a admi-
nistraco da provincia ae Exm. Sr.
Dr. Joaquim Pires Machado Per te i la,
segundo vice-presidente da mesma.
(Concluaio.)
FORCA PUBLICA.
GUARDA SACIONAL.
Durante o anno prximo passado nio se deram
alterages na orgaoiiagao da guarda nacional. A
sua torga tem sido augmentad, segundo se de-
dua dis iaformagSes mioistradas por alguna doa
commandantea superiores, mas nio posiuel
demonstra-la com precisio, por nio ter batido
regularidade na remessa dos mappas exigidos no
ft 6* rugo 1* do decreto, o. 1751, de 6 de abril
de 1854.
Estiveram em srtigo de destacamentos nquel-
lo anea e em differentea municipios 14 offleises,
17 inferiores, e 540 guardas, cuja despeza correu
pelo cofres geraes. Hoje, porem, esta essa for-
ca redueida a 146 pracas, que j nio teem sido
pensadas em raso di deQoieocia de tropa de
imeira liona, e por ser dimiouia a forca de po-
i muratha em construeco sobre ella subir i al- criptarario.
,_____ j-_____:._ _n__ j*___.__________ A_____l.J. _. ,.,...
Infelizmente parec-me que a autorisacio con-
cedida para essa reforma, nos termos da lei cita-
da, nao era bem ampia, para que podesse ser or-
ganisada naquelle aentido, e nao me restava alm
diato tempo para tanto.
Entretanto por acto legialativo poder ser re-
cebida e decretada essa to alil medida.
Attendeodo a neceasidade de dar exscugSo ao
art. 31 da lei do orgamento vigente, organisei a
tabella de 21 Janeiro ultimo, distribuiodo a por-
eantagem, que compete aos empregados do con-
sulado provincial.
A igualdade imprescindivel em urna tal dis-
tribuigao foi, porm, prejudicada pelo facto de
ficar o porteiro daquella repartico com venci-
mentos maiores do que oa dos terceiros escriptu-
rarioa. Essa anomala, porm, resultou da mes-
ma disposigao do citado art. 31, pelo qaal de ta
aquella empregado, queja lioha um ordenado li-
xado por lei, ser contemplado para a percepgo
da porcentagem com a calhegorii de terceiro es-
Cootioa a archivo da
erdern.
Todos os papis entrados si* tollaccioaaaca e>
bem eocadernados, pari torosa anlia i
qaa Ibas di o regulamento.
Nao i mais posaivel proBciadk-sa
oavamente sigues litros da
e da ordens regias, que elm da
dos, vai-ae extioguinde a letra i
em breve nio se podar mais e
urna certidio, como ji tem
E' tambera neeeasarlo orgz
lo qual ae poasa tazar asa doeeae li
V. Exc. lembrar-ae-ba sem duvitfa sw paar
aaaembla provioclal urna quoU para daafwa
a fazer-se eom essas (rabslbos, que ae jasta
veohim a pesar aobrs oa empragadea.
Todos os empregados da aecreUria
nham Mtisfacioriasaeote as
acham encarregadoa, oa filiara aa
rigorosa iustiga, ae nio Iributasee aaai aa
vores de que se torea creder a disiasts
desU repartico, bacharel Joo lodrigaea Ce-
te, pela zeloaa e rauite aclarecida dirtcee, qaa
sabe dar aos respectivos trabalho,
anda mai pela sua nunca deimei
talioaoa ttulos i alaba estima e
aoga.
EXPOSIC&O PROVINCIAL AGRCOLA E
LNDMSTR1AL.
Por aviso de 31 ds julho do inno paseada *a-
termioou-me o Exm, ministro esecroUha da sa-
lado dos negopios" da agricultor, rsmmsuls
obrss publicas que procede immaattoUmaala
tura do recite, aflm de evitar que, deaviada por
ahi a correateza dos ros, ae accumulem as areiaa
iomcoradou.ro.
Continua a escavacio do banco, defronte do
pharol, em que aa emprega conatantemente urna
barca de escavaco.
Acha-se parausada a obra do caes do norte,
iS muito endientado, e a que convm dar anda-
mento.
Estas obras e outras de menos importancia teem
das; porem outro taotoae nio pode dizer quinto do feitaa nestea ultimo mezea com a mala ea-
.'4 inilrnnp^n n/\p .A tnktraiYi .. an.. nrll-IB IITTt .ntniln.. a.^nnivi. n .rv *\*mmr\ ma am A tnfln
instrueco, por ae acharem as saas pracaa aa
servico continuado e incessante na capital a fra
delta, damodoqua nao ha lempo para ministrar-
Ibes i instrueco, que convinba.
Daqui se v que insufficiente esss forca para
as oecessidsdes mais urgentes do servico publico,
que em grande parte sao satisfeitas pela primei-
ra linha e guarda nacional. Todava vai-sa pres-
tando ao fim, a qae destinada.
A saa escripturagao e contabilidade sao feitai,
como no exercilo, e, aegundo declarou o seu
respectivo com mandante, est o em dia : seu eqnl-
pameoio, muoico e utensia achsm-ae em bom
estado.
Consta o seu estado efectivo de 398 pragas a
saber :
Secco urbana Secci > volante.
Promptoa 23 28
Em servigo 71 26
Destacados 15 162
Em diligencias 12 14
Prezas 5 11
Doentes 15 4
Com licenca 2 1
Faltam para completar 7 4
150
250
A diaria destinada para o fardsmento da aecgo
urbana deve aer elevada a 100 reis pelo menos,
por que com a actual de 80 reis nio se poder
farda-la de conformidade com a tabella annexa
ao regulamento de 2 de dezembro de 1853.
O seu quartel est bastante arruinado e recla-
ma coocertos; porem convinba antes izer um
novo com as necessarias accommodaces e con-
diges exigidas pela hygiene em local para esse
fim escolbido do que conservar o qae existe i
casta de repetidos reparos.
ARSENAL DE GUERRA.
Por aviso de 19 de outubro do aono passado
maodou-se reduzlr o pessoal dos opsrarios e ser-
ventes so absolutamente indiapensavel para as
urgentes necessidades do aervico e executar por
empreitada todas as obraa e artetactoa, que se
podessem obter no mercado, e determinou-se,
que osconcertos ou reparos oecesasrios ao edifi-
cio do araeoal, e cuja deapeza excada de cem mil
rea nio stjam realisados sem que primeiro se
proceda ao necessario orcamenlo, e se autorise a
despeza.
Teve a devida execugao esse aviso, e actual-
mente os irabalbos d'aquella repartigo feiloa por
oiteota o cinco operarios e trinta serventes, alem
dos empregados; e s por mel de srremiticio
ie obtem a factura de artigoa de fardamento e de
oulros objactos oecessarios aoa corpos do exerci-
to em guarnico nesta provincia e em outras,
conforme ss ordens imperiaea.
Nenhum concert, porem, foi oecessirio fizar-
le deade eolio.
ltimamente encarregou o governo ao brga-
deiro commaodante daa armaa de inspeccionar o
arsenal, e ease general ae apressa em dsr execu-
gao s semelhanie commiaso, para deaempeoho
da qual ji foi nomeado pela presideocia, na con-
formidade do aviao de 11 de fevereiro ulUmo, o
chefe de aeccio da tbeaouraria de fazenda, Fran-
cisco Jos Martina Penns, que deve coadjuva-lo
nos respectivo trabalhoa.
Em tudo mais progride esse estabellecimento,
obsertando-se ordem e boa direcgo de seus Ira-
balbos, e at belleza e lymetna em algumas
obra, qne nella teem sido manufacturadas.
Sio dignos de louvor o zelo, actividsde e es-
torcos psra attiogir esse resultsdo de seu director
o coronel Antonio Gomes Leal.
ARSENAL DE MARINHA.
Um dos principies melboramentoe a realisar-se
nesse estabelecimento, que ganha cada dia de
importancia pelo asselo e ordem, que nelle se
observa, pelas coastrueges, que se emprenen-
dem, e pelo proveito em fim que delte pode re-
soltar, seria estabelecer os seua edificios e de-
pendencias na parte baohada palas aguas do mos-
queiro, fazendo-se as desaproflziagbe necessa-
rias a dar-the mais espac,o a aIndispensatel ca-
pacidade.
Neate sentido ji algum cousa se tem felto, de-
sapropiando-ae diversas casas contigua! n'aquel-
le lado.
Dividido por urna ra publica, que separa a
residencia do inspector do que proprtameote
arsenal, sari aempre difflcll a fltcalisaco dos
crupulosa eeooomia, e ao passo que em o anno
paseado gastou^e o duplo do crdito de ris....
150:0008000, votado para taea obras no exercicio
de 1860 a 1861, pode-se asseverar, que o cr-
dito do correte exercicio ser suficiente psra as
desperas ji reslisadas, e que se tem derealisar no
mesmo exercicio.
V de auppor que essss obras ss concluim com
a possivel presteza, perfeigo e economia, atien-
to a vivo ioteresse e esforcos que merecem so
digno inspector do arsenal de msrinhs, o caplto
de fragata, Hermenegildo Antonio Barbosa de
Alneida.
CAPITANA DO PORTO.
Ha nella matricutadoa 1,329 homens livres e 45
escravos, que ae empregam na' tripolaco das 475
cintas e barceces, qae navegam nos rios da pro-
vioia.
Keferindo-me ao que tongamente disse o meu
antecessor em sea relatorlo acerca doa priacipaea
dedea rios, nio me parece comtudo intil repetir
o seguinte:
(i rio Una, cuja barra de largura inferior i
oitc braga com o fundo de dez a doze palmos,
e qie e di entrada e aihida de meia mar para
cima, presta-se a considersvel oategago e com-
mexio.
0 Seriohiem tem mais de vinte e cinco leguas
de orto curso, e com um esnal de tinte dous
pilaos alm da barra, a qual por obstruida s
em dons tercos da enchente des marea pode aer
demudada.
O Ipojues, ao sal do Cabo de Santo Agostlnho,
de cuca de 160 bragas da largura na foz oito
palio de fundo, muito navegado por canoas e
barcigas, que exportara muito assucsr. Tem ta-
nas iorots que precisara ser rebaixadas.
O Pirapama e Jaboatio: este de 140, e aquella
de 60 a 70 bracas da largura na foz ; tem ambos
20 palmos de tundo, com lages solas, a slgumas
deltas descobertaa na ban-mar, que dessgusm
oa barra das jangadas.
O Capibaribe e o Goiaona : este ultimo de quasi
sete leguas de extensio ao occidente, cerca de
150 bracas am sua foz? e 20 a 25 palmos de (an-
do, em coja ttirra outr'ora os navios bordejavam
para aahir, o mais importante por sua nitegago
de ciadas e barcacas, acha-ae obstruido por co-
r a de arele, a com grandes tollas para chegar
a cidade.
Merecem seria atteogao : e posto qae as barcas
da escavacio nio tragam o melhoramento com-
pleto, que s o corta daa voltea a profundago
doa lei tos podem dar nos rios, todavU muito con-
veria soprega-lae para libertar oa barcos qae na-
tegam nos de que tenho de filiar daa aatadaa
foreadis sio que obrigados a tazar i espara de
mires.
Eotraram no porto deata cidada de Janeiro de
1861 23 de marco diste anno 1,121 natos e sa-
bina 939.
NAVESACiO COSTURA i VAPOR.
Existe nicamente a companhia Pernambucana,
ereaia pelo decreto n. 1,113 de 31 de Janeiro de
1853. Effectua quatro viagaaa por mes, atado
dan para o norte at o Ceari daaa para o aul
al ia AUgoaa.
Si nao com pillamente proapero o seu astada,
aaimador e lisoogeiro o futuro, que prometa,
cootiouando cobre a gerencia ds Sr. Francisco
Ferreira Borgea, caja pericia a ticanaavel activi-
dad tem conseguido regenerar aeaa emprea.
Tem a aeu aervico tres vaporea: o Iguarau,
de 514 toneladas a 28 pessoas de tripolaco, in-
clusive o eomaaodanle; o PertinuRf a de 423
toneladas e 2A pessoas da tripolaco; ajfMa
pasar* de 458 toaeladas a 80 pessoas da tripo-
laco.
Nsahuma reckmigio chegou ao meu conheei-
aento acerca da aervico daaaee va parta.
COMPANHIA ViajLASTU.
Eocorporada por foroa da decreto n. 1,511 de
30 dezembro da 1854, eprovado pela lei n. 801,
de 26 de junbo de 1856, e aeaa auxilio algna doa
cofres publico, oceupa-se da servigo da reboca-
gem oa natos dentro e (ora da barra por meio
da vapor Camaragibe, sumare prorapto para o
fia a que destinado e para os soccorros mri-
tiaos, onde ha prestado griode utilidade.
MoNaa a paga, que percebe pelos seus ser-
tieoe, anda mato por fornecar a sua coala os ca-
tana para isso necaasanos.
Dato valer-me da opportuoidada psra agrade-
Acha-aejem execuco o novo regulamento,
que dei aa collectorlas provinciaea em 15 de ae-
lembro do anno passado. Era urgente prover so-
bre a irregularidide, em que ae conservava dea-
de muito esse importante ramo do aervico pu-
blico, em pura perda das rendaa da provincia.
A thesouraria provincial manteve-se em boa
ordem, e conveniente regularidade, que ae devia
esperar da illuslraco e experimentado zelo do
sen digno inspector o commendador Jos Pedro
da Silva.
REPART1C.O DAS OBRAS PUBLICAS.
O seu pessoal acha-se presentemente reduzido
em observancia do disposto no art. 12 da precita-
da lei n. 511 de 18 de junbo de 1860, que aop-
primio um dos lagares de sjudanles da enge-
nheiro, os de agentes pagadores.
Tendo alm diato demittido por falla com-
meltldas no desempenho de seus deveres o eju-
dinle de engenheiro Jos Hara de Carralho, en-
tendi nao dever prover por ora esse lugar. O
trabalho Interno da repartico e a iospecgo das
poucas obras a seu cargo tudo ae faz sem incon-
veniente, e para islo bistim os empregados, que
actualmente aervem.
Nao a primeira vez que V. Exc. ter ouvido
fallar na conveniencia de separar-ae o cargo de
director da repartico das obraa publicas do de
engenheiro em chefe da mesma. Reconhego
boje a necessidade dessa medida indiapensavel
ao regular andamento do servico, e a melhor di-
receo elnspecco daa obras de que care-
cemos.
Nao permittido ao maior esforgo e actividade
de tm s hornera dirigir o expediente, ji avulta-
do nesaa repartico, que se torna cada dia maia
importante, e ao mesmo tempo inspeccionar dif-
ferentea obrss em pontos diversos e muito dis-
tantes, onde muitas vezes elle nao pode ir, a
por caja boa execugao deve entretanto ser res-
ponsavel.
O estudo, a contetgao das plantas, a direcgo
vigilante e cuidado daa obras na provincia, em
1 que ellas sio tintas e Uo variadas com a coodi-
go de aua perfectibilidade e seguranga, consti-
tuem a exclusiva oceupago de um babil profes-
siooal, que cortamente nao pode ser o mais apto
j para dirigir o expediente, escripturagao e conta-
bilidade de urna repartico publica.
Com ralo, poia, insta o honrado e iotelligente
director daa obras publicaa pela separagio dos
trabalhoa tecbnicos a seu cargo daquelles que o
nio sio.
Convirla muito que a assembla provincial at-
tendesse a esse reclamo.
S-ORC/A DO BXSRCITO.
A forca de linha exilente na provincia com- aeua trabados, a Urda ratitas vezes a vigilancia, cer as garanta d.eaa companhia a promptidio a
SECRETARIA DO GOVERNO.
A affluancia de variadissimos Irabalbos e su-
prema direceo de mltiplos negocios, que ooe-
ram cada dia maia a presidencia desta provincia
tem augmentado progressivamente o expedante
e servico diarlo dessa repartico, para a qaal ji
nio parece suficiente o seu pesaoal, que nenha-
ma alteraco soffreu ltimamente.
Desped trea addidos chamados para coadjuvar
o servico de registro, qne ainda hoje nao eat em
dia, sendo porm muito menor o sea atrazo.
E nem fcil conseguir esse resultado, em-
quanto o expediente diario absortar todo o lem-
po til da trabalho, continuando sempre al aa
quatro e meia e cinco hors da tarde;, e muitea
vesea i notto a noa diaa santificados.
Avslia-se bem desse trabalho, veado-se que
pato aecretaria foram espedidoa do l" da Janei-
ro ao ultimo de dezembro de 1861.
Officioa differentea autoridades....
Portaras* ..................'
Paasapartea de pessoas..............
Dito dt navios......................
Despachos .........................
organisagao de urna expoetcio provincial,
la e industrial.
Parecendo-me que o governo ia
em vista com aquella reolugo
effeitos de nao lerem sido exhib lo aas
precedentes exposiges ge rae, i
si nenhuns productos brasilairos, >
juvar quanto em mim coabasaa lia patritica ta-
lento, e por outro ledo reemanda qa
populosa e rica provincia, correase
de Ccar abaixo das auas iraiat, n'uma i
em que se schavam empeoheata ta brisa i
naes, esforcei-me para digoiaeaU
coqQ inga do governo, e aa que
tioha o direito de esptrsr de mia.
Congregando na commuso directora, qaa aa-
meei, os cididos quo pela aoa illuatrafta t ea-
nhecimeolo de estranhas exposicoe, pala aaa
poiigao social oa relages comaorriatt,
efficaz anxilio podiim presUr-me, lite t
(agio de ae ver coidjavado com a maia talad-
ligente e rara dedicago.
Parecan quasi insupirateii as diBBceldedae
pars se organisir rpidamente naa t!|
digna da importancia desta provincia, par
haver fabricas, que vieseesa abastece-la
seus artefactos, nem minas qae desata i
metalrgicas, nem suficiente varieaae de pro-
ductos agrcolas, capaz de coastiioir am
dadeirs exposigio.
Verdade que entre nos os producas
neos da naluresa abundam mato da I
maior parte daa outraa regise, mas nal
semanas que me eraa concedidas para
ssr e abrir a exposicio toroava-sa abeolat
impossivel formar urna collecgo desate pro-
ductos.
A commissao directora da exposicio desda a
sua primeira reuniio me ponderan qaa aa ana
vontade e real dedicga nio caba a impaaaiial,
e que s para nio parecer que aattpaaha a re-
ceto de um deiar ao sen amor pelo paiz se reaag-
nava |i coadjuvar-me naquella honrosa, ass
difficil e arriscada empresa.
Quanto mais todos nos reconbecismos aa se-
rios obstculos, e de mais dt ams espacie, coa
que nio hamos de lutar, tanto malar devia atea
nosso commum e coostante aapenho para avi-
lar qne por mingas de deligeaciaa i
a ficar dessirado o boa rtaaae da praviacia.
Pelo regiatro das seus das sasooas ato
misso directora poder V. Esc. ver qaaaa
aa medidaa que se tomsrsa, os pedidos a
nuages queso fizeraa, e aaa parta ata i
Cos tentados para levar a effeito, jsale
vel, a exposicio e para em todo casa por i
sideocia e a commisso auxiliar acotara de
pooaabllidade por iodifferenca ao axila desta p-
meira tentativa de exposicio.
Gragas a essss medidas, a nio meaos aaa aa-
forgos inditidaaes dos dignos memores la ceas-
misso, nio s a exposicio excodea a
mo has esperances, sanio tambero ao
co, e principalmente aa das pe
assistido a exposiges loeses esa talraa
e con hocen do a difiraos doa
para tal proposito, como qae adairavaa a i
lado oblido. -
Mostrou o povo corto enthasiasaa ao
piar os artefactos qae sil pateatearaa a goaio ar-
tstico de seas concidadiot, a aa aaaotraa da al-
guns dos productos, aoa qaa a natartta aaa ai-
ra oseia.
Esse enthusiasmo agouro carta aaa a Ha
estimulo para a concurrencia artstica,
amplidade, esplendor daa (aturas expusicos, i
tambera para virmos um dis a colher os ~
cos resultados que aa exporigoas loem dada am
oatros paizes,
O agradecimenlo que o goterno imperial aja
incumbi de dar aos membros d cooaaieso as-
as maoifestam a sua opiniao acerca da noasa
exposigio, t consta-me ser alia pirtilhida pata
commissio central.
E' certo que a exposicio da praviacia pelo qaa
diz respeito ao numere doa oajsalea oshtbidoe di
incompiravelmente maior do qaa a prsaoira jaa
se fes na Europa. Sa na Infancia das aafloaalt-
dades em parta algama ae viraos grandes faitea
artsticos, aoa por laso se pode descoebecer aaa
alguna tos artefacto expoatoa revelaa a patata ar-
lUtico doa Pernambucaaos.
Tornos-se ella bem patento na madeja da
peca de revolver do mancaba Tertuliano. aa
aioete em relevo da menor Jutiina, amata me-
ninos do arsenal de gaerra, a boa itsia na asa-
china tachigraphiea do padre Frsncisco Jada da
Azevedo, e nos bellos modelos dt cas
nutica do arsenal da marinha.
A urgencia qae havia na prompto
23,143
Alm de termos de jarment e de contracto,
do regiatro da toda a correspondencia oficial,
das ordenado thesouro nacional, daa carlea im-
periaea, patente de oficiaos da guarda nacio-
nal, doa relatorioa dos presidentes, dos regula-
manise leis provinciaes, dos editaea, de infini-
dades dt copias, e do extracto do expediente
qne ae publica, e circulares a ditersas autorida-
des, que nio foram multiplicadas.
Lambro, poia, urna medida proposla pelo meu
antecessor, de imprimir-se o registro a cargo dos
empregadoa, de maneira que possa ser entader-
nado em livroa que tenhim a precisa durapio.
Far-se-ba somonte t registro manascripto doa
ratarvadoa, e ficari o pessoal litre dease peso e
desembaragado para o sertigo commum.
A despeza com essa protideocia nao ser
avultada e nio correapeader Ultez a que ae
tem de fazar com mais doua ou trea empregados,
que actualmente s loman iodispensiteii.
O expediente do governo publicado com a
maior regularidade, tres diaa depois du expe-
dido.
objectos, que llnham de figurar aa expeeiele na-
cional da cOrte, inaugurad iaa dia 1 do deaem-
bro, nao permittio que a exposicio da
se esteodeese mala de 7 das, a dtente
foi a aSeeetia da pavo aecumeeede naa i
a ella distinidis, que sabio s 14,308 e i
dos visitantes de todas ss elasoea.
Ainda nao foram devolvidos ;oa objeetoe I
dos i exposicio nacional ; mea I de astpar faa
brevemente Uto veaha e icontocer, visto j sa
aehar atnella eacerrede.
INSTITUTO AGRCOLA.
Nomeado peto governo imperial presidente do>
instituto agrcola desta provincU. o mea priaoi-
ro cuidado foi estudar oe matae pvailete palea
quaes to til iostitaicao pantana preciar pret-
cuos servgos.
Estou convencido de qne t etaiae pratiat a
agricultura o mais acertado eaatana pava eae-
girmot aquella fim, tanto maia fea olto o ead-
ao meio de instruccla ultex pae ee adapte ie
condigoes actuaos da provtaai, Oe "astas
que dispe ictualmante o taajatota o aleta I
parean, 6 verdade,
envolver os eeus grande
d'entre estes, potia.t-nnt-i


~--------otf \
_ ^.aa aatasaa L-
..


BIAWO DE NRNAMBUOO.
ihWo mfora^m peqtrara E
t TT f,
saWIoreniuora^ffl pdtJHtl6l,*e1iaescn-
siste no estabeiecitnente de t "" I ii|r gateis
Considerada soles debsixo do ponto de vista de
oma-Faxeoda modelo0Mfj*o> dita4ett;|rre-
priameotedita, ella ptelerivel, a todos oseata-
boiecimeoioa desUoawV*Mw*d*'Vtit1
tara.
BrDori lerrna-
O eosino doutrioal eTocblHITlB'oW b ftlif Ifca o mal oo tem
para iostil
miDhas
pode/oso auxiliar
cera eatere era
completameate ; o meios
moa, nio oos permittem a
ludo rom a pralica, cora q
j mai* esta aUiogir grao
doutrina. Mais tarde
'cursos do ioslituto sfdtou
esta provincia auxiliar os seus
ucontestavel nocessidade que a pralica a-so-
hreunir o eosioo dos diversos ramos, quer da
economa rurstrq*i cola. ,
Cum, o um de reilisar o meu pensa ment pro-
curei colher dados, que me esclareceaaem sobre
* melbor organisacao do novo esta be leci meato, e
para isto obtive os estatutos, regulameiHes e ios-
iruccoes das priocipaes casas de eosioo agrcola
us Europa, Uescomo a deGrigaon ern-Franga,
o instituto agrcola de Gembloux e a escola de
Horticullara de Geadbruge, {ambos oa Blgica,
aam aasioa dos que j exialem montados em
aUumas proviocias do imperio.
Cora estes elemeotos e outros nao menos im-
portantes cqafeccjonei um piano de.orginisacao e
no orojeclo de iustrucco e varios dados para
om reguUmenlo interno, que fcilmente peder o
ser adoptados 4 nossa escola pratica.
Estes trabalhos, que V. Exc. eaconlrar sobre
mesa, servir jo da auxiliar a entro mata comple-
to, que por ventura teuha V. Exc da offerecer
tpnsiderac.au do instituto agticola.
loutil rae parece entrar alada aqu em maior
Jeseavolvimenio acerca deste assumplo, por Uso
que V. Exc. com o iotoresse, .que tem pelo pro -
resso da agricultura, melhor poder apreciar as
amageos que devem provir da applicaco da
minria ideia, restaudo-me uuicamenta eccrescen-
tar qu, embi>ra a importancia das subscripgoes
promovidas em favor do.instituto seja superior a
E0.0005000 pouco mais de 30:0001000, o que
al o presenta tero sido possisel arrecadar, e a-
cha-se recolhiJo a um dos baiios desta lilaila.
CONCLSO.
Aqui ponbo Urmo.as wfosnifceaquemecum-
pre tranamittir V. Exc.
Talvez meracoasem malor desenvolvimento al-
guna do variados assumplos de que veabo de
occupar-me. Uupenssm-me poror, dessa obri-
jgacao a reconhecida llustracao de V: Exc, a pra-
lica administrativa e sobretedo o perfeito coohe-
ximealo que tem dos negocios da provincia, que
muito teta a esperar do civismo de um dos seus
mais distinctos fllhos.
I-azendo sinceros votos pela proiperidade e
engrandecimento desta parte do imperio con-
rtulo-me por ver os seus deslios confiados sos
esclarecidos cuidados de V. Exc, a quem desejo
urna feliz administraeio, prevalecenJo-me da
nccasiao para por mais urna vez, renovarvlhe as
prolesticoes de miaba aflectuosa estima e dis-
lincta consideradlo.
Kecife, 20 de marro de 1862 Illm. e Exm.
Si. Dr. Joaquim Pires Hachado Portella, 2o vice
presidente desta provincia.
Antonio Maiicellino Nunes Gonc.ai.ve8.
COIHAXDO DAS ARMAS.
Quartel-general do eommando das
amina Je Pernanibuco na eldade
do Recite em 9 de abr I de 186S.
ORDEM DO DA N. 59.
O general commandante das armas tendo em
vista a muda oca da ettaco determina que 'ora
rm diante o servico da guarnicao se faja de uni-
forme azul, e que a parada diaria da mesma
ejuaroicio tenha lugar s 9 horas da maoha, e o
loque do recolher s 8 horas da noite. Faz pu-
blico para os lins convenientes que nesta dota se
apreaentou no qmrtel geoeral viudo da provincia
o Rio Grande do Norte o Sr. alteres Thomaz
Pompen Theodoro de Souza, que ficou reunido
o 9o batalhao de iofantaria a que perteoce ; e
que den a sua approvacao ao eognjamento que
ao dia 7 do correte contrahio o soldado da quar-
a companhia do dcimo batalhao de iofantaria
Joao Baptlsla, para servir por mais 6 annos no
mesmo batalhao, nos termos do decreto e regu-
lamento do primeiro de maio de 1858, segundo
participou o respectivo Sr. teoente coronel com-
mandante em officio' de honlem datado sob o n.
328.
Assignado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme. Candido Leal Ftrrtira, capitao
ejudaote de ordens eucarreg'ado do detalhe.
_ _ria terJs-doVcfefS tesletnunbos irrefnga-
de eos largos coo-hecimeotos, de sua peri-
cia, dosuHiabilidade, finalmente de sua eH-
cttad"vJe*lheoria, e applicarto da arte qae cem
laclo proaeilo ealudou.
-< Coticluo aqui por estar entraodo o Jagua-
ribe, dizeodo-lhe que dos mais pontos da pro-
bem merecido da provinoia, cajassymp
acorapenhario qualquer parte.
Ao fallar de partido, deve-se seguir
Sen
lera atlas 1
nio obttan
cao do aov
sido lio grande como -oe
' tica, nao
00U01
te
dos jornaes ; o que O jornal, coja apparicao lhe anouo
no castalio ; pois hooveram propottas pa
*a?ao das hostilidades que tomavam todo
ca e xlensio.
de um
a Itt>dei;
regulsttiVd
inexpadarnte, futras atra|
ment : o que au-sa tTcep'fJoes,
tomnarcio, -que TM>ra--prde poe
hors por lrzar-se^ como succede com os ne-
gociantes e lavradores de tora, que sera para es-
ta pracs aura de seguirem para esss praja, veres
ha, qu* quaodo cliegam j nao alcancam o va-
por que chegou, aeguio antecipadment .- ou-
tras, que gaatam aqui qiiatro e cinco dias ed-
chendo eatas mas de pernal, ou deitadas em ca-
sa do hospide omer, dormir, e tocejar.
Agora uccedeu, que de motn-se multo o
Jaguaribe. que aqui aportou sexta-era 4 do
correte ; quaod o vi entrando, arrume! a mi-
aa correspondencia toda s pressa, e maodei-a
para o cortis, antes que ficesse em trra, como
j tem succedido. Em vez de partir pata disote
como-ea-pensaba, entrou no da 5 para Guwa- do partido conservador '-quando'
pes recebar carga do major Fabricio ; diziam
DURIO DE PERNflMBUCO-
Pelo va; or Jaguaribe recebemos cartas e jor-
naes do Cear at 3, do Rio Grande at 7, e da
Parabyba at 8 do corrale. De amas e oulros
colhemos o que segu.
Ctar.L-se no Pedro 11 :
1 Consta que no lugar Cajazeiras distante
do Ico duas leguas morrea do bolera um homem
que viera de Souza buscar alguna remedios.
Consta mais que em Souza tem morrido al-
sumas pessoas, a que de novo pediram do Ico a
S. Exc. a ida de mdicos e outras providencias.
Oala nao passe isso de terror pnico.
a Ele o trecho de um carta que recebemos com
Cata de 22 ,de inarc.0.Um individuo viodo da
cidadede Souza ver remedios aqui cabio do cho-
lera no lugar denominado Cajazeiras (distante da-
qui 2 leguas) e morrea 1 estamos perdidos, nao
tarda apparecer o cholera aqui. Em Souza tem
morrido maita gente.
Rio-Grande.A seguinte carta de nosso cor-
respondente dix quaoto ha de importante :
4 de abril -
A demissao do ax inspector da tbesouraria
provincial, Joo Carlos Waoderley, de que j dei
noticia Vmc, fez a nova liga declarar guorra
aberla pela tribuna, e imprenta a administra-
Cao do Sr. Dr. Leo Velloso.
No dia 22 do paseado, seguinte ao da demis-
sao referida, prorompeo o depulado Dr. Moreira
Brsodao em hostilidades, pronunciando um ex-
(eosissimo discurso contra a administracao. Da-
bi poucos dias o oulro depulado Dr. Jerooymo
Cabral, tambem Ipronunciou o sea |uo mesmo
sentido. A maioria, qe sustents a administra-
rse correu i postos, e. defendeu, segunde ougo
diier, por que l nao vou, o presidente da pro-
vincia por urna maneirs que nada deixou de-
sfijar.
A' 29 reappareceu o Rio-Gruiente do Nur-
1$, em formato maior do que o amigo, occapan-
4o-se quasi esclutivaruente com Sr; Dr. Leo
Velloso. Em resposla a uns, e ouiros sahio-se o
Crrete Jiatalente de 3 do correte, e por tal for-
ma lgico, e coQcludenle, que plaatou convic-
io em todos os que o leram degapaixonadoa de
que eraan erdadeirat ama por ama daa proposi-
coes, que proferir.
, < Temos pois trsTaJ,eDcarni(tdaaMD(e a luta
la nova liga como presidente da provincia, e a
maioria conservadora daassemblA*.
Felizmente esta exploso como que tem ser-
vido de bem, tanto para n distinguir, quem
amigo verdadeiro, e iuimjgp descocerlo, o que 4
tima vantagem, como para acrisolar mais o pa-
triotismo da maioria, que passoude urna coo-
demnavel tibiase ama louvavel energa, e acli-
idade. Mais assidna em sussreuoioea, mais e-
ciinda em seus trabalhos, mais cerrada em suai
*otaces, ella j tem eilo passar algumis le
Uis provincia, e-ae extorca por anda concluir
otttraa^ue.^ eslo prepoitas.
A guerra, como lodos os-ou Iros malea, nao tem
todos os .lados minos, per enlreeslesl sppare-
ce um, que bom; ella erliflca oaenlimento da
aacoaalidade, crea.na hbitos da discipliaa.en-
ana a abedieneia, e moatra pritca/nente, que da
tniao aaece a Jorga, a desta sera dirigida a rie-
tojis. Antea da aeclarago da guerra, nao va-
anos squi aeolo besitacAes, frieza, simuleces, e
incerteza j agara.aim aclararam.ae os borison-
la* coma dase Corrsw XataknM, j se distin-
gue quem ttego, ou troiaano, cada um reate o
nater marcha para osea
jltobBjfc^nacclo ; as
extrava da senda, qaa lhe
****!? t T 4#S,ae^ -Udade.
4 0*rwler .fisttiMu uaiaa trala lintit
peaaoas J parVja.comafca de geiid ; pi*e,
JMHI. para all o4)r. Firmlio Jos Doria, a
Mdo.aqui muilo scrediiaA.eoaua-eUnicev
aataral qoa dapoit da vencer o inimiga, a salvar
aquellas povos das garras dalle, entre brav aas-
ta aatkda ornado as pessoa que gabera desloa cousas, que elle s
voltaria hoje para seguir amanhaa terca-feiro 8
do correte : entretanto elle ah est desde hon-
lem s quatro oras, e segae boje (se seguir) pa-
ra a I'arahiba.
O mesmo, mutatis mulsndis,. se d com a
companhia brasileirs. Sabe Vmc. que, a regala-
ridade a segunda vantagem dea vapores depois
da primeira, que a sua 'hrevidade desapps|eca
aquella, eesta dimioue muito do mrito : pre-
ciso que urna d as mos outra,para que ambas
juntas eonsigam o grande fia -da inveoco de
Fulton prttlexa e rigularidade.
Cbegou aeate Jaguaribe, a delegado de
Mossor, Clemeotioo de Ges Nogaeira, com
quem se dea o fado da prisSo, e evaao do i o di-
ciado Geraldo Joaquim Guilhermo de Mello. Pelb
que contra o delegado, o principalmente agora,
que elle retirando-ae para ir i esse Recite tratar
de seus oegocios commerciaes, passou o exerci-
cio do cargo ao supplente, Simao Balbino, ho-
rnera prudente, e bem-quisto nnquella v'lla, tem
desapparecido todo o risco de perturbado da ar-
dera, e socego publico, embora o indiciado sem
embargo de haver sido preso pelo delegado, se
che (ora da priso, mas sempre dentro da villa,
e alurmando que nao se retira ; o qae se dimi-
nue o risco de desordem, nao dimidoe o escan-
da 1, pois que um preso nao pode tomar seu
arbitrio orna villa por homenagem, nem mesmo
dentro da cadeia occupar o Fugar que bem lhe
perecer. Sao consas l do mato, e que tem por
base intrigas de poltica ede localidade, a qae
por isso os prejadicados nunca peaaam que
juslica que se Ibes est fazendo, e aim penegui-
580, como succede no caso ver tente, que o indi-
ciado Gerldo persuade-se qae o delegado foi
desenterrar este negocio de urna dintertridade,
supponbo eu, de mais de'dez annos, e qae tal-
rez j eslivesse prescriplo, para o fazer valer
agora.
Seja como for, o que certo que j nao
necessaria a commisslo especial do ehefe de
polica Mossor, e que basta que o Dr. Anto-
nio Feroandes Trigo de Loureiro, apenas se en-
cerr a sesso da assembla, de que memoro,
siga immediatamente parala, e entraodo logo
no exercicio interino da vara de direito, de que
o primeiro suppleote como juiz muoicipal dos
termos reunidos daquella comarca, e com a ana
presenca e residencia naquella villa, procure fa-
zer respeitar a lei, e acalmar oa espintos dessa
gente, antes agitada por iotriguinhaa de aldeia,
do qae demovida por nenhum seotimento de jus-
Uca.
Foi justamente para evitar estes e ostros
conflictos que a sabia organisaco jadiciaria por-
tugueza, ruim para o Brasil, tmente porque nao
se adsptavs nosso clima, a nossis condicoes
geographicas, nossos usos e coitdmes, creou
os juizes de Fora por tres snnos, e que s por
excepco de regra eram recondazidos em seus
logares, isto juizes qae estavsm inteiramente
alheios as affeicoes e odios dts localidades, ao
espirito de partidos das mesmas, e s exigencias
de familia : adoptemos o mesmo systema e sere-
mos mais* felices em nossa administraeio de jus-
lica civil, criminal e policial ; do contrario te-
remos muito que soffrer das adminlstraces dos
homens, que sao Gibas do lugar onde exercem
jurisdico, que relies sao casados, tem compa-
dres, comadres, prenles, amigos, correligiona-
rios, oimigos, adversarios, et fui (juanv.
No Serid o cholera est mais adiaotado, do
que se presuma que o fizesse: hoje mesmo par-
te para l o Dr. Doria ; em mais outros pontos
j vai elle se introduzioda com ps de lia, de
sorte que, se continuar astim, em pouco lempo
teremos toda a provincia invadida. Assim mes-
mo ninguem est esmorecido ; ser o que Dos
quizer.
a Ha muitos dias, que nao temos sesso de
nossa assembla provincial, por que nao poden-
do haver easa sem o concurso da opposi;o, e
havendc-se esta retirado, ou por outra, nocom-
pareceodo ali u*m e membro della, delxa por
isso de haver numero suCficiente para se traba-
Ihar, pois que os membros presentes da maioria
sendo 10, tino podem por si s faier casa, quan-
do esta necessita de 11 pira abrir-se. E'isto
sem duvida um plano, da opposlcao que nao po-
dendo vencer a maioria, iouiiltsa-a por este
meio parlamentar o que resta saber agora se
esle plano aproveita, ou faz mal provincia ;
o tempo o decidir. Falla-ge jem prorogaco, i
fim de ver, se chegaodo dous deputados, que se
esperara, com elles se trabalhs, e concluem-se
as medidas, que esta o pendentes, e que, se diz
sao de muito alcance para nos salvronos da
crise, que nos esmaga. NSo tenho tempo pafa
mais.
Parahyba. O nosso correspondente diz-nos o
qae digno de'tneoco occorreu :
O Jaguaribe desta vez demorou-se mais do
ordioarlo, o que deu lugar a conjectoras, e mul-
ta gente j o suppunha perdido oetsat prsiat do
norte qae 080 sao aa melhore.?, n principalmente
no tempo de invern, como o actual, que se moa-
tra pesado.
Por fallar em inverna devo dizer-lhe qae tem
cahido sobre esta capital agua bastante, para per-
mittir a aavegeftHidede do rio Parahyba em toda
a sua exteosao, se fuste possival roani-la e rar-
lhe a propriedade que tem de evaporar-ae e mo-
ver-ae.
* *' ato a perros o bom e nico detejo qaa nu-
tro da possuic esta provincia em mel natural da
transportes de pessoas e mercadorias, e forca mo-
triz de tanto alcance industria.
A epidemia tem desapparecido de alguna pon-
toa ; aendo que aluda ao conserva tazando estra-
gos no dislricto da cidade da Aia ; sendo qut
prncipioa 00 municipio de Mamanguapo, onde
vai fazendo eatragoa no lugar denominado Telha,
o dentro da villa de Ssnsneiras al a ultima data
hviam, apenas auocumbido duas peaaoaa.
Nesta capital o numero daa victimaa monta a
pequea .cura de vitte a duas peaaoas ; -atraan-
lo que em teda a sroviao* o numero chega a al-
ia cifra de 2,700 I
No*i se o mal neata capital esl em decli-
nagao ou seH)m principio; o que desejo, porm,
que nos vejamos livres deio iocommodo hos-
peda, que parece nio se den mal sas cereanias de
tantos pe*odos cresta e.desaa. provincia, onde
lem frito derramar ros de lagrimea.
o estado penoso em que aos acharamos,
quaoto a caresta de gneros altmootkiaa do pri-
meira a quolidiana neceasidade; potaa fariafca era
saotlida. aiqueire aovo de 12*600 a <<# de 80960
10 DE ta& DE tH.
'{entrac
novo peridico, sob o titulo jornal"da
Parabyba^lan^u^-mBrtfico spbre ajuera fojte
o primeiro a quebrar a flitrfad'a.' '
Maa succedeu que'd'epdft 8c abertttWdo tea-
lamento,.so que teluro eurnpra-se Bregistre-
sedo;uir e o visto dos initretiaot. qae s apre-
sentasse um eOtficiflo, no qual o quebrantsmento
da f jurada se manifest a toda hz: verdade se-
ja que o coJicillo nao traz ti cumpra-se do jufz,
e portante igual ausencia se pota no visto dos in-
teressades.
8m ser prppheta pens qaa.a pattilhs do
leo di fbula inda urna tez se traduzio em fac-
i. Quaoto a mim pens qae haver perfeitr uniao
00 partido conservador-qaenqo o egoifBio ol
supplantar as justas e fundadas aspirscoes dos
seus membros; e qae ninguera pode diier e* sot
o chefe e vos nao sois dos nossos.
Casta de peridicos e vamos so mais.
' Ni se realisou o adirerfto da assembli
provincial, -como te dizia em diversos circuios,
com o qual nada lucrara a ptorineia.
a Appreximi-se entretanto a poca da reunii
dos notos Licurgos da provincia, e (azaraos rotoi
para qae de saaa deciios renba os beneficios 1
que a provincia tem direito de esperar de seu
eleitos.
dsde manter-sa clara e incontestada
paroefaial, afim do se evitarem actos
cuja validado ae poasam suscitar
pertrbelo as conscieocias dos fiis ;
ommissio de parecer que seja appro-
_ iole resolucie ;
mbla legislativa provincial de Pernam-
baco resolve :
2.a Ficam rev^9|taB Iposlcoes
urna represeot*so da cmara municipal do
IppanslQ jUju BU Eitr;Hant>rrA .Alrasferencia daquella
villa para a povoagao de Granitos, examioou com
alteoci ettnoiivoa que, ao coaceito da referida
cmara, aeonselbam esta medida, e effectlva-
mente-reconheceu qaa sao valiosos, e que eslo
de perfeito accordo, nao s com os ioteresses p-
blicos, cerno coro a aommoaidad dos povoss
',* P't. detejsado acommissio que seja satis-
fetta esss to justa reclama;io. de parecer que
seja adoptado o aeguifote projecto :
A assembla,legislativa provincial de Pernam-
baco, resolve ; *
r irlig0 1, A de da vjlla. do Ex.,flca trans-
erlda para a povosgo de Granitos, do mesmo
a"?* i a.aeoomins5o devilla de Granitos.
AiL-l," Fkam levogadaa-aa diapesi^es em
coutrario.
Sl daa commisses 8da abril de 1862 Pinto
de Campos.Ferreka de Aguiar.
(Continuar-ss-ha).
Nao leoho tempo para mais.
PERMMBUCO.

te. qu*.
b4o; Vapq
oim a Impren
e oemoor Ha primeira res que o
ASSEMBLA L
?5sSaTeM9 DE ABRIL "DT862..
Presidencia do Sr. Visconde de Camaragibe.
Ao meio da felta a chamada verifica-se. haver
numero legal.
O Sr. Presidente abre a sesao.
O Sr. V Secretario 16 a acta da sesso e reuna)
anteriores que sio spprovadas.
O Sr. 1* Secretario menciona o segainto
EXPEDIENTE.
Um officio do secretario da presideuca remit-
iendo orojectps de posturas das cameras n uoicipais
das villas da Escads, Ex. Buique, Santa Maris
da Boa-Villa, Ipojuca e Garanhuus.A commis-
ses de posturas de cmaras.
Outro do mesmo, remetiendo o lo artigos de pol-
leras da cmara do Recife, approvados proviso-
riamente pela presidencia.A mesma commissu
Outro do mesmo, remetiendo um officio da c-
mara de Tacaralu, pediodo a approvacao de pos-
taras que ja submetteu considerado da asaom-
blea.A mesma commissio,
Outro do mesmo, remetiendo um officio da c-
mara de Buique pediodo autorisscao para pceo
basta publica os diaimos de miuocas do seu mu-
nicipio, e applicar os respectivos rendimentos a
obras do seu cemitero A commissio de orna-
mento de cmaras muaicipaes.
Outro do mesmo, remetiendo o ballaoco a or-
ramoto d cmara deS. Beato, bem como um
officio da mesma cmara, no qual expem as ne-
cetsidadea de seu municipio.A mesma com-
missio.
Outro do metmo, remetiendo 3 nmeros do
Diario de Pernambuco, nos.quaes se acha trans-
cripto o compromisso da Santa Cssa de Misen
corola desta cidade.A commissio de negocioi
eccleaiasticos.
Um reqae rmenlo da mesa rege dora da ir man-
dada de Nossa Seobora do Livramenlo de Santo
Antio, pedindo que se providencie de maneira 1
que possa correr a lotera concedida para as obra
da sua igreja.A commistio de petijes.
Outro de Antonio Joaquim de Mello, pedindo
auxilio pecuniario para a impressio do quario
volume das Biographias de que autor.A mes-
ma commissio.
Oulro de Joao Francisco do liego Maje, arrer
matante d18 tanjo da estrada de To d'Alho
pedindo ama indemnieacio pelos prejuizos que
soffreu.A commissio de ornamento e obras pu-
blicas.
Outro de Jos de Mello Cesar de Aodrade, ex-
procurador c a cmara de Olio da, pediodo provi-
dencias afim de que a mesma cmara ajuste con-
tts com elle.A commissio de sontas muoici-
paes.
Outro do bacbarel Francisco Ferreira Martins
Ribeiro, chefe da aeguoda seceo do coosulido
provincial, repreaentindo contra o modo porcue
o Exm. presidente da provincia eiecutoa o !
do art. 91 da lei provincial o. 510 de 18 de u-
nho do anuo paseado.A commiaslo de leais-
iacao. ^
Ou tro-de Antonio Alves da Miranda Guimaies
primeiro testamenteiro do finado Joio Viiira
Lima e procurador dos htrdelros deste, pedirdo
quese vote quota no orcaraenta provincial pira
a restituigo da quantia de 9:0OO$0OO, que inle-
vidameote recolheu de sello e heranca instituida
a favor do hospital Pedro 11.A mesma comtrJs-
sao. .
Sao successivamente presentados, lidos, in-
tram em disauasio eappcovam-se sem dbale os
seguales requerimentos.
A commissio de fazenda e orcameoto, raqier
que pelos canses competentes se exija com ur-
gencia da estencao respeeliva a proposta do orpa-
mento para o exercicio prximo vindouro, iem
como os balancetes do passado e do primeirose-
mealre do vigente, devendo ser apresentadosem
maouscnpto, se s dempra di remessa provea da
impressio.
Sala dos commisses 7 daebril de 1862.lar
roa Bareto.ssSouza Reis.
Requeiroqu pelos capaes competentes stjam
solicitadas as seguintes informecoes.
1. O numero exacto dos presos de todas aa
cadeaseeasa de deUnio da provincia cora es-
pecilicagao das entradas e sabidas de oda a po-
der-te obter a medida a'elles ao primeiro semes-
tre do exercicio vigente.
2/ A diaria morcada en*cada municipio para
sustento dos presos pobres durante o mesmo se-
mestre.
3 Finalmente a despeza euecloada por esta
verba 00 corres do dito semestre, 7 do abril de
1862.Barros Brrelo.
-Sio lidoa e remeliidos a commissio da polica
os seguate requerimentos;
lodico que se oomeie urna commissio especial
para-rever o regiment da casa, e propor asmo-
dificaeoes e aileracoes de que eareee principal-
mente oa parte relativa a* setsoes preparatorias
addisiaosado o seguale artigo :Qaando m ca-
da discussio da projectos, pareceres ou requeri-
os erUoa seja aa oa* ousin 4 discarsos, e appa-
recerem vezet pediodo falos, o prasidaale con-
ruliar a cssa sobre o encerramento da< mana
disc.u8sao.-*..R.-J. Mallo ftego.
Iniltco que a mesa proponba a reforma do re-
gimeale da casi no sentida de lerem as postiras
maaioipaese os comaremisaesda rmandades las*
sVdisceoeso, aujeiUodo-se todava s emeedas
spprovadas a ama outra discussio sm outra tes-
sio,, amo as dos domis prQJedos.-7 de abril de
1862.Barroa Brrelo. ,
Sae dos, julgadoa objaatos do deliberaco e
msadsdos mpumir para eDtqa/ na ordein los
IrsbaJasM oa aagatotoa aHrojaotoe :
Foi ommeltidooo. acame da cammissao de 00-
EM(^f*'^* M.iopraaieiitacoo da casara
rauntcipal de vtUa BeU, em que pede a esta
lado, repilo, ora mullo pesada a rida material
nesta capital: ludo Uto est me Inorado, gracas o
meios indirectos de que S. Exc. o Sr. Araajo Li-
ma laocou mi. .
a Desde C do correte qae populace aati te
sipprindo com carne boa e barata, isto a cueto "m os seus moradores recorrido
dopSeO 4#460.
\ Espera-se pelo Ignaras* *m -carregamanto
do farinh mandado vir poa 8; Bao. pata vender
a pobreza por barato preco t anda quaodo sejs
preciso dar algum prejuso aos cofres da provin-
cia.
a E' assim epela promplidio com que S. Exc.
ha precedido na remessa de aoccorras a interior
da provincia onda a epidemia iavade e mais por
havar, por assim dizer, salvado as enancas da
prearte, o porJtjMo mostrado sempre aaperior
t paltes dps ssyrWos que o Sr, Araujo Liras bt
'"" iujutoo wv ira i mm iMf VMU|.W
a 101*210 a arroba a carne, peto lo acougue, 00
de taberna, que sao muito semelhsniee; oeaae ea- auv^*aMm*ta^uo hsja em sata sabedora de
dofipir mpit laiomepto ama paite^oa limite* da
freguezia de Serra Talhada com a do Floresta
visto como, perttocoodo, desdoUnfo. teaaai,
primeira o httodiidttaaminartoi idaaoa J nr-
tinho, como ara-va. a cNttmosancia do bare-
._, om
sua QKeteidadet MpiriUaesoo ptrocho d Ber-
ra TaUatda, nfctltrulrigisatanBla.no eM te
raapettJTajbawttsitsUet .ttieet que, por ttr
sido ans deawido este ponto aa lei qae resureu
a di vUio das sbreoslas fregueajss, ae ha ja m da-*
doconflietea de jarisdtco entra as autoriladtt
civis e eclesisticas; coasiaindo por otosrvar
Equella carnerea qet e muito mait comroasJ aot
taneiontdet overadarooaottancerem anteo i Sepa-
ra Talbads, qae a Floresta, pela differenei de
dUUndss, ^
E porque recorjhece commissio fue A'
Wscnrso do Sr. depatado Nelto, na ses-
so de 4 to corrente.
O Sr. Netto :Taires, senhor presideole, nio
devesse eotrar hoje os presente discussio ; per-
qu nao me acho disposto a lntar, ou porque es-
leja disposlo a dizer todas aa verdades ; entre-
tanto julguei do meu dever tomar a palavra e tra-
tar da questao que nos oceupa como julgsr mais
cooventente.
^Bespooderei, senhor presidente,.aos ergumen-
os apraseolados pelo nobre deputado da opiniao
contraria, o-Sr. i* secretario, o qual entendo que
o poder competente a assembla geral para
estabelecer o precetto eleitoral, procurando pro-
w......
O Sr. Lniz Pelippa :Nio disse tal; o que
disse foi que era o poder competente para esta-
belecer as circuoscripcoes dos eolleglos e dis-
lricto.
O Sr. Netto :Acceito : em primeiro lugar que
segando os artigos e peosamento do decreto nu-
mero 1,082 de SKostode 1860, o collegio de Agus
Preta foi legalmenle constitaido ; porqae dando
s paroebia mais de 20 eleilores harendo ali urna
villa e urna cmara legalmenle constituidas.....
O Sr. Feoelon :Este que o poni princi-
pal.
O Sr. Netlo... dereria necesariamente pelo
mesmo decreto haver ali um collegio ; e em se-
gundo lagar que quando mesmo hoavetse algama
falta, esta serta to accidental que nio poderia
trazer a oalltdade da eleicio.
Quaoto ao primeiro pooto direi que a legali-
dede de nm acto nio depende de urna lei pos-
terior a ene acto e sim de ama lei anterior ; e
por consegainte a ralidade, ou nullidade do col-
legio de Agua Preta deve ser regulada pela le
que exista em vigor quando foi elle estabelecido
e esta lei o decreto vitado de 1860.
Ja mostrarei a cita que, segando os artigos e
peosamento desse decreto, o collegio de Agua
Preta foi legalmenle constituido.
A divisio qae fez esse decreto a queme retiro
nao foi a de collegios eleitoraes, foi sim de dis-
trictes, porque era isto o qae convinha a boa re-
gularidade das eleices, ( ouvem-se apartes ).
Eis o qae eispoe o 2 do art. 1. As provin-
cias do imperio serio divididas em districtos elei-
toraes de 3 deputados cada um.
J o decreto numero 842 de 19 de setembro de
1855, prescreveu queas provincias do imperio
fossem divididas em tantos districtos eleitoraes
quaotos fossem os seus deputados a assembla
geral, e o de 26 de julho de 1856 disse no art. 1
a provincia de Pernambuco tica dividida em 13
districtos eleitoraes.
O Sr. Luiz Fellppe :Isto jb caducoo.
O Sr. Netto :Foi apenas alterado, por quanto
as leis posteriores foram conservando districtos,
tanto que sempre que essas leis posteriores fal-
lam de divisio nunca fallara de divisio de colle-
gios, e sim de divisio de districtos (reclamaces).
O art. 2 desse decreto de 56 diza presente di-
visio de districtos nio pode ser alterada senao
por lei.
Este peosamento da lei aioda se corrobora pela
segundi parte desse art. 2o com o qual fez alarma
o nobre deputado o Sr. 1" secretario.
Por esta seguods parte v-se que o qae a lei
preveoio foi que paroebiss desmembradas de um
districto bio pertencesse a outro dislricto, e eis
como a lei foi previdente, porque recelando os
legisladores qae a alleracio daa paroebiss po-
deasem trazer alterego nos districtos, estabele-
eeram que quando houvesse divisio de parochiis
que podessem alterar a divisio de districtos,
ellas conttnusssem votar onde linham votado
at que por lei geral se deiigoasse a quo dis-
trictos deveriam pertencer.
Um Sr. Deputado :De sorte que a le s qoer
os existentes districtos, ou psrochias e nao col-
legios ?
Outro Sr. Deputado :-41a de ser isto, e quem
quizer que arraoje o seu collegio a vontadefeon-
linuam os apartes)
O Sr. Netto :Logo, se essa creagio de paro-
chias pela assembla provincial, nio trouxeue
alteracio aos districtos parece que se tornera
detnecestaria a lei geral.
A alteragao, por tanto, nao foi a respeilo de
collegios, porem de districtos e a vista de sua
disposicio se vg que ella nio se importa quesera
ser pela assembla geral sejsm alterados os col-
legios, ama vez que se nao alterem os districtos
( ouvem-se spartes 1.
Em vista pois do g 3o ari. 1* do decreto que
regula a materia. Haverio tantos collegios elei-
toraes qu antas forem as cidades e villas do im-
perio, julgo que o collegio de Agua Preta foi le-
galmenle constituido.
E por isso repito qae a regularidade de um ac-
to depende de leis anteriores e nio posteriores e
qae por conseguate qUsnto a eleicao de Agua
Pretadevemos nos regalar pelasteis anterioras a
ella que sao os deoretos analisados e nio por es-
sa lei geral posterior com quesonham alguna no-
bres deputados e que nunca ha de apparecer ;
portanto se nessa occastio j all existia ama vil-
la e j existia ama cartrers. (Nio apoisdos.] An-
tes da eleijio j extslia em Agua Preta ama c-
mara.
O Sr. Souza Reisd um sparte.
O Sr. Dramood :Havia e at processada e res-
ponsabilisads.
O Sr. "Witruvio:E aquella oftlcio da presi-
dencia ?
O Sr. Netto: [Continuando J e dava a paro-
cha mais de 20 eleitores devia existir alli col-
legio.
Ptssarei ao segundo ponto da questio.
Apenas manlfestei a minha opiniio a respailo
do primeiro, porqae entendo que a alteracio a
respeilo de collegios em nada importa, urna vez
que oa districtos nio sejam alterados.
A segunda proposfeio osiabelecida pelo nobre
deputado foi que a eleicao em seas fundamentos
nio era nulla se nio no proeesso eleitoral....
O Sr. Laz Felippe e Nao disse isto. Disse
que era aulla por ter-se reunido o collegio em
lugsr Incompetente.
O Sr. Netto : EMsto mesmo; nulla quanto a
forma do proeesso.
E se a allelo de Agua Preta nio nulla em
seus fundamentos e natureza, parece qae essa
pequea falta, quando mesmo falta houvesse nio
devia constituir nullidade.
Senhores, nos recorremos em casos omissos t
legitlacoetextranhaa etiodt mais, recorremos s
opioiio doa jurisconsultos para estabelecer os
principios de jsrstica conforme ao direito : a isto
nip se di sement a respeilo da iaslica civil,
mas aioda a respeito da juslica criminal, os le-
glslaco orphsnalogics, assim como a respeilo de
qalquer oalra legiaiaco. ra administraeio po-
litica, tambem nos casos omissos, quando a li
nio prevC am cato especial devemos dos regular
pelos pjiocipios seguidos em outrss uacoes.
As nullidsdes quando nao sio capilaes, Srs.,
quando nio traxem um mal claro e terminante,
nao mereeem rerdadeira alinela psra aquellos
queaanilisem. J a JegUlacao romana eslabe-
leca, que a pana de nullidade s ao pedia, dar
naa leis prohibitivas, 6JiJooaa.prescriplrii; e
rteata legiilijao ttflbefsce tambem que dis
leis prescriplivas nio ha nullidade ae nio quaod
hs um vioio palpitante. (Ouvem-se apartee.J"-
A lei que regula a materia preterpUva
nao prohibitiva....
O Sr. Witruvio :Neste caso pode dada um
azer a eleicao em sua casa. (Riso '
a ne..e ^e^e WMMtilWZft ?<
se-hia m f, e conteria nullidade.
Estes pr;
tsdos pe '
como n
de fallas.
vicio q
Urna
se proce
Pies qiltMKabo.arO exssorso afltop-
ossaJegislaaao nao s s>ocomniat>io
i", e o nopre daputadoque acabou
oot maateou qoal foi o mal en o
oxeatsa pequeoIslta.
vSjuirjeonxf eteaoia do-lagar em que
a ttWcao. t
O Sr. NOSAooA iutempetercia do lugas a
falta que se discute, mss qual foi o mal que
trouxe essa falta ?.... Tal vez que votar em Bsr-
reiros e nio em Agua Preta trouxesse maior vi-
cio porque a distancia em que Barreiros est de
Agua Preta poderia ser causa de que muitos
eJfulotaa daixaasem de maaiiesisr a sua opiniao
na repreaentacio provincial.
Porei termal ao meu discurso dizendo que te
acnando o collegio de Agua Preu naa condicoes
do 13" do decreto de 1860, que tendo urna au-
torisscao do goverao para consiituir-aa em eolle-
gio, que teodo eleito a sua cmara municipal
quo tendo constituido-se villa, qae estando esta
cmara juramentada, devia formar collegio, e
que a eleicao aasim procedida deve ser respeita-
da por esta casa, porque este o respeito devido
ao voto, ao direito daquelles que nos mandaram
como seus representantes.
saber
REVISTA DIARIA.
.Occupou-se a assembla provincial em sua tot-
ao^l" hootem da 1 discussio dos projectos os.
40 e 41 do anno prximo passado ; os qutes fo-
ram approvados. ;
O primeiro trata da elevecio matriz da ca-
pella de Santa Mara Rainha dos Aojos de Pe-
trolins ; e o segundo da remocio dos professores
pblicos.
Continua para boje as materias mais votadas
da ordem do dia anterior, bem como varias pos-
turas addicionaes desta cidade, e a leitura de
projectos diflerenles.
Ante-hontem esperava a companhia de me-
nores do arsenal de guerra, segundo no-la infor-
mara, a iuapecsio de S. Exc o Sr. brigadeiro
commandante das armas ; o que todava nao reali-
sou-se por ser S. Exc. distrahido com outros
snazeres no mesmo arsenal.
~" .^xin' Sr- vice-presidente dando providen-
cias sobre o estado da cidade deCaruat, onde o
cholera tem assumido proporcoes de algum al-
caoce, alm de outras medidas louvaveis e promp-
(a, obteve do reverendissimo prefeilo da tenha
a partida para alli do reverendissimo frei Egidio,
curando assim de urna neceasidade palpitante.
Os nossos agradecimentos a S. Exc. por! laes
actos.
Hoje andam infallivelmente as rodas da 6
parle da 1" lotera a beneficio do Gymnasio Per-
nambucano, no consistorio da igreja de N. 5. do
Rosario de S. Antonio. O respectivo theso reiro
oag*r os premios desde o de 4:000g000 at os de
85000, logo que se acabar de extrahir, e os] de-
mais no dia seguinte, depois da publicacib da
Por nosso intermedio, solicita em nosso
assigoante da parle do Sr. theaoureiro das lote-
ras a publicagao dos nomes das pessoas, qae 11-
rsrem os premios maiores ; e para salisfazT-lo,
aqu consignamos o pedido, bem que tejamos de
opposto pensar. .
Que utilidade geral pode provir de urna seme-
Ibanle coocesiio a curiosidade do um ou mais
individuos em numero limitado?
Essa publicaco por ventura revocar a sorte
para os curiosos ?
E com ella poder-se-'ha electivamente
quaes os felizs hatajados pela for lela ?
A concesso deste tal pedido vai de encontr
a qualidade do jogo, desvirta a sua natureza ; e
demais, nao consta quo em parte alguma tal
publicaco se faca.
Eoviam-nos a seguinte noticia :
Consta que o Sr. Francisco Romano Stepple
da Silva 1* teoente da armada, pedir ao gover-
no imperial exonerarlo do eommando d> com-
panhia de apreodixes mariuheiros, e juntamente
ao Sr. inspector do arsenal de marinha, dos ser-
vicos do abservatorio, encargo, que independen-
te de estipendio algum, mu dignamente desem-
penhavs.
Lamentamos, pois que os desgostos do Sr.
Stepple, o levassem a pedir laes exonerac.C1.3s,
pois os seus trabalhos do observatorio eram de
muita regularidude, que nem um s minuto con-
tava-se de atrazo no calculo das horas, o que
hoje j se dio dffereo;as de 7 e 8 minutos ; e
como commandante dos aprendizes, era um ver-
dadeiro pai daquelles infelizes, que se achavam
debaixo de suas vistas, e que de certo muito
sentirlo o amor paternal de seu mu digno com-
mandante.
0 Sr. Stepple um mo?o dedicado, inlelli-
gente e probo, por isso eremos que, se o governo
imperial lhe conceder tal exoneracio, de certo
ser para melhorar-lhe a posicio com outrss
vaotsgsns de que merecedor.
Em virtude de participacoes officiaes viudas
da auloridade policial do Limoeiro, o subdelega-
do; de Santo Antonio e o Sr. Dr. promotor pu-
blico proeederam i vigorosa busca na cata em
que mora, ra das Flores o cidadio Joio An-
tonio Bezerra, e ah appreheoderam varios pa-
pis e cartas dignas de importancia.
Assisliram como teslemuobss i esse acto os
Srs. Vicente Villas Boas e Manoel Goocalves, os
quaes como peritos proeederam exame em va-
rias modas que foram encontradas, recooheceo-
do a sua legalidade, tanto no uzo como na qua-
lidade.
Sempre que a auloridade deseovolve activida-
de, a imprenta deveapplaudi-la, publicaodo os
seus'esforcos.
O vapor Jaguaribe, ainda sahir esle mez
no dia 14, em consecuencia de nio ter podido
chegar ao corte a noticia das transferencias das
sahidas.
data.
ortal Dt vespera da sapraeittda
anBa) sm otJtebWihotMl, dirigido da eetaeio
'J!La A Jifr.Weammmaam e reepective cese-
itoiraott^wffcisco l.v|
Ldsr-oe pela nr'
RfTarSaraect
m
leoao.
caso geouiae de cho-
em ama praca do baUlaio
bavra informado o Dr. chele
o, seodo e deente i ai m slala
, enfermara de raaraha.
I i"fH a tarde de 9 de abril do 1819.
bu ^kL* Dt' ^fl^tsw Ftmetem. >
Illmv o EtJjftSr.-Honlem polas se barao
da tarde ebeguol a esta cidade, que eacasstoi tea
om estado extremamente aterrador e 1 latn -
a reassumiade immedtatotsf to o 1 ssssliie da
faneces de meu csrgo, tratei de dar aa previ-
dencias eligidas paia stasele, il tala T.^u
nimar a populaco consternada, e ebaia da loas-
sivel desanimo, principiando por vtsiUrca
Francisco Marciano de Araajo Lista,.ae
qae nesta cidade schsvass-se accamai
epidemia reinante, qae por aa ai i Untes viao
tem ceifado ; e pelo dito Dr. (eram hs ranHneali
applicados aos doentes oa medicaatoottat sta*a
dos ao estado de cada om. aoodo qoe do iiaflsm
e ni
Eis o nonagsimo nono
Bolttim oficial.
4 do corrente, dirigido da
Em um officio de
cidade de Caruar i presidencia da provincia, io-
formou o juiz de direito do Bonito, Dr. Julio Bar-
bosa de Vatconcellos, a respeito do estado sani-
tario deisa localidade, e, parecendo-noa digna de
ser lida sua communicajo official, vai abaixo
transcripta.
Em Outro offlcio do dia seguinte, e em addi-
tamento ao de 4 (teste juez, dirigido da mesma
cidade a S. Exc., disse o mesmo juiz de direito
que tinham sido sepultados 22 cadveres de pes-
soas accommetiidas pelo cholera-morbos, e qae
lhe consta va que at s9 horas da manbia do dia
5 j tioham.fallecido 10 ou 12 pessoas, seodo ex-
cessivo o numero dos doentes, porquaato de 11
horas da manbia do dia antecedente at bora
indicada baviam sido medicadas urnas setenta pes
soas, contando-se entre estss algumas de febre
ama relia, sendo o maior numero dos accommei
tidos oos subarbios, onde a pobreza em maior
escala.
Disse mais qae o Rvd. vigatio, tendo eahido
da cidade pelas 10 horas da manhia da vespera,
s se havia recolhido s 10 horas da noite debai-
xo de copiosa chava, depoia de ter administrada
os soccorroe espiritases a. grande amaro de
doentes, acrescentando que alo tloha expressdes
pato deecrever o pro*diment desse sacerdote
que era.diguo de immensos louvores, pois que ha-
via sabido cumprir aeus deveres ; e, coocluto di-
zeedo quo acaba va de ser informado que o cho-
lera ia-se csonrolreodo com iotonsidade ero Be-
terrea.
Em um offlcio de 5 do corrente, dirigido de
Conceicio dos Milagrea ao delegado de Olinda,
Jos Antonio da Rocha, e per ate tranamittido ao
Sr. Dr. chefe de polica, dase o Dr. Francisco
Goocalves de Motees qae a epidemia reinante con-
tinua va a deseovolver-se, e qae deade o dit 3 ba-
viam aido accommetiidas doze peaseas, aendo 4
em Pao Amarello, 2 em Noasa Senhora do O', a 6
na Conceicio dos Milagrea, quasi todas benigna-
mente, cando em convaleaceaca o deente que
tinha offrido do lypho ; e disse mais que havia
fallecido tt vespera do cholera-morbus Manoel
Martins da Rocha, braoco, viuro, de 45 anots da
idade, negociante, o qual, oocultaodo a malaatia
de que soffria dous dias antea, s tinba tetwntde
Jmadiciaa quaodo esta nada poda fazer, vista
o astado adiaotado do mal.
Em um officio de 6 do cerrette, dirigido do
1 districto do Allinho ae delegado do termo a
Csruai, dase o respectivo subdelegado, Joaqaiot
Pereira da Silva Duro, que com a ora trorastda
do dit 4 desta mez a eholera-roerbus tinha ae-
com manido ti arrabal des daquella porosclo.Ie-
rindo (rea mulheres, dst quttt duas tcbtrsm-
para hoje at a presente bora (II da maabbajl
sido medicados viole, oto ase cooataoeO,
delles hsja succumoldo senio am. Iqac (oto tJa>
commettido da febre amarella
duzen tos, pouco mais oa tienes, o.
fallecidos em diversos pontos desta
desde que o mal se deseavolvaa
Embora, como flea dito, a e|
diversos ponteo da fregnezia, e
aei necesaario que en
elles levados, todava o Dr. Aneje
nio sanio da cMade.e nem podo-ae*
numero dos doentes qae Moda a el la ha, o a pW-
aibilidade da serem accamataaladao tsMaOfasssaaao:
ssim, pois, faz-se iodispeaaavei, quo f.
mande outro medico para
medidos em antros poaleo
cujo numero muito masar o
Por maior que eeja ze+o e
possa cootiouar a desenvolver e Rvd.
freguezia, que at agora naa leas deisaoO 1
pessoa alguma sem os adiases
tuaes pelo qoe se torna digo* doa
recidos elogios, absolutamente is
s como se cha, nao venoa por toa o <
se, e mi grado sea Bear privada OO
todas as suaa ovelhas, como ella
Peco portanto, encarecidamente ?.
digne-se de convidar a am dea roas
sionarios capuchinbos para vir ajaaHr a*<
gario ; a, em quinto elle a o ebega, 1
reverendo coadjutor da freguezia do I
quem mandri chamar, vira coas
os seus servicos nasta freguezia.
Devo notar i V. Exc. i acaoi 01
cidade no maior abandono ; porqaaotoi
legado effectivo com ledo o
quioze diss, (ora da comarca
elle em diligencia, de quo por
ou pelo Dr. chefe de polica fot
tu lo entendo, que nio abroo I
xando a cidade quaodo Della j se has
alguns casos, se bem qae poseas, do
noa flagetla.
A' vista do abandone
3lo se p le cootar com a guarda
quaoto por aqui reinar a taldratat
delegado do termo do Benita, o 00 dsraetor da
colonia militar de Piaaeateirae ali
para guarnece-la emquanloi
legado, ea V. Exc. dar pr
tender mais acertada.
O suppleote do delegado, ejoo est
mente em exercicio. anda nao as
cidade depois do dseovolvan
-diz estar doeote, seodo elle o dice '
qae tem a delegacia deste tanto
occasiio para pedir i V. Exc. a
pessoas qoe propaz ao Dr. chote do .
os lagares de supplenles qaa esta o vaga*.
Sendo squi excessivo o nasaero
qae precisam de socrorros ao govs
assim demasiado insufflcienta a qaantia fw re-
eebi da thesoararia, para 0 fim do aaccarrr aeo
pobrea, e por isso peco V. Exc baja de reaaet-
ter-me a quaotia da qulobeotos mil rsa par in-
termedio do missionsro capacbinbo, qaa anal-
mente solicito de V. Exc. faca em breve aatjaer
para c, caso algum acceda ao convite do T.
Exc.
Tambem neeessario qae V. Exc. remeta
com a maior prealeza os madtcaaaeatee qae podo
o Dr. Araajo Lima na retaco iodos*.
Cabe-me aioda acientiflear V. Esc qaa aa
Grvala, fregnezia desta comarco, por ande paa-
sei em minha vioda para squi, chai ama chola-
rica, a qual foi logo medicada pelo referido Dr.
Araujo Lima, com quem vim seotapsebado dee-
sa cidade ; e que deade a povoacie de lentiw
tambem desta comarca, al entrarmao a Mis ci-
dade o mesmo doulor medico* a maia
seis pessoas, tendo oos encontrado mais d
em coovalescenca, e harendo morrilo ato 1
antecedentes quatro peasoaa na peve-acia do .
zerros.
Tenho dado ai mala enrgicas
para qae os eaterramenlos sejam
maior rapidez poaaivel.
Antes de terminar, permita-me T. Cae no
eu me sirva desta opportunidade, para desda la-
go communicar V. Exc procedase te qao
comigo leve o delegado de Santo Aatie, feto
que nio s.negou-me os auxilios, qoa Iba 1
para sem demora aeguir para aqi, carne at 1
rocoou a Maooel Barboza da Silva pan "
com o reapeito em preseoea do joit
daquella eidade, o qual melhor de lado e qae an-
ta o occorreu poder Informar i V. Exc, o ae nao
fra o cidadio Paalino Teixeira de Carvalho. aja
vista de semelbante procedimento do delegado
por pedido do Dr. juiz mesrideol pode me ar-
raojar dous cavailos, aa ainda alli estara.
Coaeloiodo, devo manifestar i V. loe, qao
Ilimitada a cenflaoca qaa deposito am V. Exc,
e, por tanto qao nio espero vir V. Exc sgot me
qualqaer das providencias qoe cima ped.
< Digoe-ie V. Exc de aceitar os 1
minha estims e sabida consideraei3.
Dos guarde V. Exc Cidade de 1
em 4 de abril de 18d2. lllm e Bato. Sr. ate
Joaquim Prea Maebade Portella,
ce-presidente da provincia. Julio'
Vasconcellos, juiz de direito da cotatrea de Bo-
nito.Conforme.Antearlo Leite de Pinito, a
ReARTicio da policaExtracto dae parte*
dos diaa 8 e 9 de abril.
Feram recolhidos essa de detena* aa dsa 7
do correte :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de peMa,
Bellarmioo de Alstoida, pardo, 25 aaae*, agri-
cultor ; Severieo Aires da Silva, parda, de 20
anuos, aaricallor; Antonio Rorim do F
do, de 87 oos, vive da negocio, tM
crutas; e Joao Joa da Silva, traeca, de
nos, agricultor, por sas pella de ser
morte no termo de Escads.
A' or Jeta do subdelegado de
Dionizio Gomes de Urna, parda,
carpios, por suspeila da
Nevee doa Saatee, perde, de fl
cairo por deserdem.
A' ordem de subdelegado do S. Jet oe |
guasea Antelo Jos de Melle, de id 1
roceiro; e Silvestre Heariqaes da Parra.
annos, carroeeiro, ambos por triga.
A' ordem do doe A togado* I
de Brito, preto, de 25 anuas, .
Herculaoo da Silva, pardo, da 2
por embrisgaez a deeordeires.
DU8
A' ordem do Illm. Sr. Dr.
Eugenio Clementine da Mam
annoe, carpios ; a GsMtne. proto, de 21
gncaltor; ambos por crime de leal ~
te no termo de aguaraes* ; Jeta
Mego, pardo, da 20 anos, podreir,
cruU.
A' ordem do sabdelogsda da S.
'!
providaasiae.
Jos Rsymaado, prea>7 > W aaaoa,
por intratlo da peeterae.
O cbofa do 9a asele. 7. t7. dt
Movimeato da eaJarasarta da
Unci do da f da abril da
Tiveram alU pe"
1 Visete de Otiveire
Neaea Pareire.
Atsaa Marta da Caaaaicda
. Jureras* batea pon a
Jaoqaim fraoosa
Anteoio Joa de
PatttMitoao
Albuquerqaa, Joaquim

* -


LA ja* a*BB*T% aTtjp-aaa 1


i I
mam mRiusroco i-^jwu RjaHMffWiMit.ftm*Mt.


Thom Baptista Barbosa e 2 escravot, Joo Evsn-.
alista de Mello Brrelo Francisca da Silva Grillo,
oaquim di Silva Saldanha Juniar, Eufratio Al-
Tes de Oiiveira, Clamen tino de '
Coime Rodrigue* da Coata, Joa
Saotoa, Jos Pedro da Cuaba,
Coata e Silva, alferea Thomax
ro de Souza, Manoel Xavier de
Maria da Conceico, Jos Joaquim
Fraociaco Theotonio de Crvallior.solo,adQ Fran-
cisco Pinto, Jos Jamarla Arani. 0.%L Jolt'ri,
Silreatre Joi Ferrax7oj|ui *ri d% Alem
1 eacravo, 'Lucidito Pereira Lima, Francisco
Ferreira Novaea, T. B. Brovrn, Joo da Silva No-
ves, Jos Francisco de Oiiveira Petisco, W. H.
Offeosooat.
. Hjnxatxiv Mataram-ae para o consummo desta cidade do
dUS.da abril,90reas.
MORTALIDADK DO DA 9 DE ASR1L :
Anloao da Cruz Rosa Carvalbo, Ceari, SI annos,
solteiro. Boa-Vista ; febre amarella.
Manoel Ferreira de Horaes, Portugal, 19 annos,
solteiro Boa-Vista ; ebre amarella.
Joanoa, frica, 35 annoa, solteira, escrava, Ka-
cife; aneurisma.
Manoel, Pernambuco, 27 dias, S. Jote ; con-
vulses.
Bernab Jos da Silva, 40 annos, pardo, sol-
teiro, soldado, naval, Ucie; cholera.
PublicaQoes a pedido;
Aos Brasileiros, e ao cnsul de minlia
aacao era Macei.
E' preciso que'no desamparo em que me ve-
i, Upa 'WasllWiuf' brade, e procure pelalmpren-
a a proteecio do consal portuguez em Hacei
ODtra os ioimigos de minba fortuna.
Inofensivo.teabo vivido entre os brasileiros,
procbwniio < casta do rrreu trabalho adquirir
melos de paasar honestamente, e gracas Deas
pelas minhas.^ceoomiaa pede comprar um en-
genho, e nadadero. Mas nao obstante atoar-
me retirado das quesles mesquinbas desta lo-
calidade, sou a cada dia atormentado, j soffren-
do eabulhos em mioha -propriedade, j mea BIho
procssesds, j ea mes.no criminoso, afora o di-
nheiro que tenho gasto para comprar um socego
que nao tenho encontrado 1 I
Mas aperar de todos os meus sacrificios, os loi-
atgoe, oueobicoses de mioha pequea fortuna,
proeuram (azer-me toda a casta de males ; e
agora mesmo se levanta contra mim urna calum-
nia, com o tim de algum esperto locupletar-se,
como ji succedeu com o prtmeiro processo de
inau (Uno, eos que gaslei um cont,de ris, e
hoje se acha pelo meamo crime processado l I
E' preciso muita sede de ouro, ou muita perver-
sidade para contra um velho de sessenta annos
atlribuirem-se crimes, que horrorisam a huma-
nidde ? Mas urna realidade que se est dando
comigo!
Sou iudigitado de ter envenenado a Sra. D. An-
tonia dos Pasaos Lios, viuva outr'ora do Sr. te-
nante-coronel Sebastio' Lias Vaoderley Padri-
nho, casada que fdi em segundas nupcias com o
meu fllho Maaoel Jacinlho de Msdeiroi Sampaio :
esta senbora que ji conlava mala de sessenta an-
nos soiTria erysipelas, e vindb-lhe um tumor no
baixo ventre, delta succumbio, depoisde tres se-
manas-de setf rizo autos, visto como naoquizodito
tumor vtr -a aaporacao.
Depois de fallecida, procurei dar sepultura ao
eu cadver na matriz de S. Benlo, donde sou
paroeataao, e com effeilo, solemnemente foi se-
pultada, assistindo ao seu enterro o procho, tres
sacerdotes mala e varias pessoas, por mim con-
vidadas : tendo remettido para a villa de Porto-
Calvo o testamento desta seo hora para ter o cum-
pra-se do juiz : e qnando descansado me jul-
gava, e preparado para dar a inventario os pou-
cos bens que restam da grande fortuna do tenen-
te-coronelr Padrinho, soube que um sub-de-
legado da S. Bento ao delegado do termo de-
nunciara dizeodo ter sido envenenada a minba
ora l
Sabe-se, e eu sel tambera donde parte esta ca-
lumnia : nao duvido que hajam testemunhasque
jurem ter eu propinado veneno a urna senbora,
que sen io rica, morreu pobre, estando distante o
seu marido, por te aebar processado, e nao ter
querido dar um cont de ris |a um Joao Bertho 1
Sim, a grande fortuna {do tenente-coronel Pa-
drinho para em mos estraohas ; e su della res-
tara cinco esoravbs velfa.es; contar essa historia 4
muito longa : basta dizer que meu Olho nio a
deitou tora.
Sou ignorante, sou ruatico, dayo abafar pro-
cesaos com dinheiro, e desherdar meus Albos em
vida, aBm de satisfacer a gana dos machioadores
de processo l'urm engaoam-se, nao cederei
meus bens aos perversos desta comarca; peco do
alto da imprensa protaeco ao cnsul de mioha
nago em Macei, para que em nome de S. M.
tdelissima peca providencias, afim de que em
la, eu e outros subditos sem garantas nao sa-
jamos delapidados.
Esiou resolvido a declarar pela imprensa don-
de parte a calumnia ora levantada contra mim, se
bodverem autoridades que se preslem a manejos
ioiques.
Publican io os Srs. redactores estas liohas mui-
to obrigaro a quem se aasigoa.
Antonio Jacinlho de Medeiros Sampaio.
Porto Calvo, no engenho Connoto, 4 de abril
de 1862.____________________________________
OMMKi#C>!0
i
NOVO BANCO
DE
170 sacces com arroz pilado, 100 ditos com
400 arroba* da farelo de arroz ; a ordem.
Brigue prusiiano Prinx Regtnt, viodo de Li-
verpool, consignado a Sauoders Brothers & C,
msoifeslou o seguinte:
10 figos louca, 1 caiza arrelos, 1 dita damasco,
11 dita* SO fardoscaasas, bros fazendas de ai-
dio e da linho ; aos consigo:tarios.
.JM barateas cerveja ; a C. J. Astley A C.
8 fardos tazeudas de algodao ; a RaDB Schmet-
tau*&C..
Si fardosizeadas de algodao ; a H. Gibson.
51 ditos ditas de dito; a Jos Baptisla da Fou-
ceca Jnior.
2 caixas fazendas de linho e de algodao; a i.
Keller & C. ,
2 caixas e 10 fardos (azoadas de linho e de al-
godao ; a Ferreira Araujo.
1 caixa bicos; a Mello Lobo 4 C.
59 ditaa miudezas; a Isidoro Halliday ex C,
15 ditaa fazendaa de algodao, 6 barda estanto ;
a Patn Nash & C.
9 caixaa fazendas de lia; a Kalkmano Irmaos
4C.
66 caixas faxendaa de algodio; a Adamsoo 11o-
wie d C.
22 caixaa e 10 fardos fazenda da algodio ; a
Mills Latham & C.
1 caixa fusto, 1 dita toalhas de algodio; a A.
C da Abren.
20 toneladas carvio de pedra, 7 fardos e 55 cai-
xas fazendaa de algodio; a ordem.
1 Caixs miudezas; a Alvea & C.
4 fardos fazendas de algodao, 1 feixa cauros,
2 volumes tinta, 2 ditos oleo ; a Roatron Rooker
4C.
Vapor nacional Jaguaribe, vindo dosportos do
norte, consignado a agencia, manifestou o se-
guate :
43 meios de sola; a Jos Rodrigues Fer-
reira.
329 meios de sola, 8 couros salgados, 5 cai-
xas velas de carnauba; a Joao Jos de C. Mu-
raos.
2 barris toucinho; a baroneza de Cimbres.
115 caixas algodio, 22 couros salgados, 44
melos de sola ; a Manoel Goncalves da Silva.
150 meios de sola, 2 saceos goman ; a Vieira
& Netto.
77 meioa de sola ; a Sebastio Jos da Silva.
28 saceos algodio ; a Maooel Jos P.
12 ditos cera do carnauba ; a C. Irmio & C.
24 ditos dita dita ; a Tasso Irmaos.
21 molhus courinbos curtidos, 18 saceos cera
de carnauba ; a Vieira & Gulmares.
2 pseotes chapeos de palha, 2 barris peixe, 10
meios de sola, 70 courinhos curtidos ; a F. A.
de Pioho.
4 saceos algodio, 4 ditos lia, 36 meios de sol-
la, 36 molhqs courinhos curtidos, 38 couros sal-
gados, 1 pacote penoas de emma, 1 dito ignora-
se ; a L. B. de Cerqueira. I
153 molhos courinhos, 32 couros salgados, 10
saceos cera de carnauba ; a Bernardino Jos Mon-
teiro.
2,000 saceos algodio ; a Manoel Ignacio de
Oiiveira.
9 barricas assucar; a Bastos & Lemos.
1 dito toucinho, 2 saceos farinha de mandioca;
a Joio B. de C. e Silva Jnior.
23 couros salgados, 178 meios de sola, 5 ros salgados, 2 pacotes peonas de ema, 30 mo-
lhus pelles de cabra, 33 saceos cera de carnauba ;
a Antonio Francisco de Oiiveira.
32 saceos cera de carnauba, 50 meios de sola,
5 molhos pelles, 100 esleirs, 1 pacote peonas ;
a Antonio Darle Caroeiro Vianna.
85 saceos caf, 24 ditos gomma, 20 barris sebo,
112 saceos cera de carnauba, 3 pacotes pennaa,
66 couros salgados, 37 molhos courinhos, 511
meios, de sola, 20 molhos esleirs, 2,700 velas
de carnauba, 3 caixas ferros ; a ordem de di-
versos.
Barca nacional Marianna, vinda do Rio Oran-
de do Sul, consignada a Manoel Ignacio de Oii-
veira.
9,231 arrobas de charque, 60 ditas de sebo ;
aos consignatarios.
Exportado
Do dia 8 de abril.
Brigue inglez Glaueui, para Liverpool, carre-
garam :
Saunders Brothers 4C. 1,300 saceos com 6,500
arrobas de assucar.
Barca ingleza Olinda, para Liverpool, carre-
garam :
Saunders Brothers & C, 24 saceos com 131
arrobas e 20 libras de algodao.
Brigue portuguez Relmpago, para Lisboa car-
regara m :
Thomaz de Aquioo Fonseca50 pipas com 9,000
medidas de caiaca.
Barca portugueza Despique II, para Lisboa,
carregaram :
Ferreira & Loureiro, 80 cascos com 3,060 ca-
adas de mu.
Barca portugueza Traviata, para Lisboa, carre-
garam :
F. Dragn, 600 saceos com 3,000 arrobas de
assucar.
Barca portugueza Silencio, para o Porto, car-
regaram :
Feliciano Jos Gomes, 100 barricas com 500
arrobes de assucar.
Manoel Ferreira da Silva Tarroso, 100 saceos
com 580 arrobas de assucar.
Jos da Silva Loyo &C. 200 saceos com 1,000
arrobas de assucar.
Barca nacional Rtcife, para o Rio da Frata, car-
regaram:
Feliciano Jos Gomes, 230 barricas com 1,782
arrobas e 22 libras de assucar.
Hec geraes de Pernambuco.
Rendimentododia 1 a 8 9:712$187
dem do dia 9.......1:13*1420
t saceocoro urna cal^a de alfdioeiitniJre-aio^-
valorl* t.t 1 coleto da algqio 1*600 rt.:
2 tualhas de panno de linho para maos com bico,
valor urna ZJfOO 45000; 1 lenco de
do, valor 200 rs.; cujos obj estos lorain
bandidos pelo guarda nacional do
correrte o va-popCr\tttrv&Sul, cc-mmandante
0 capito. de mar guerra ttervazlo alejeabo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os> portos do norte-.
Desda j recebeue-ae passageiros
el a cajgs que o vapor poder conduzir
e engajs-se
a qualdere-
artilharia, Christovio Januario Vieira de Bur, -: r ser embarcada no dto de sua chegada( n-
que se achava.de sentinella na nout do dia 6 do commendas e diaheUo a treta at q di* da sahi-
corrente o forte do Malta, e por serera estes da as 2 horas da trrdje r* agencia rtrajda Crnz p.
objectos suieites a jBoriupeaa, vio ser arrewa-, 1, eicriptono de Antonio Luiz de Oiiveira zt-
taks daj4wiLiTe \ok 1 ijsftc^:4> arCgoia> & ik. Z. \* \J {Z?
756 do regulameoto das alfaodogss.
regulameoto das alfaodogss
Alfandega de Pernambuco, 9 de abril de IBItj)
O 1* escriptarario
Firmino Jote de Oiiveira.
Declarado?.

..
Juizo dos Feitos da lazenda.
Praca.
, Quinta-feira 10 de abril, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda, as 10 horas
do dia, ae nio de arrematar em praca publica a
quem mais dar, os ascraros segualas) *. Narciso.
com 39 annos da idade por 200$; Mana com 11
annos por 4009 ; Igaacia com 10 annos por 4003 ;
Jos com 9 annos por 5003 ; a Vernica com 5
anaoa or 400; os quaes foram penhorados pej
axacacao da fazenda nacional : os pretndanlas
podero comparecer na sala dos aupitorios no da
a hora indicados.-O solicitador do juito,
F. H. P. da Briso.
Tendo a directora das obras militares d
mandar proceder a alguns concertos oo quarlal
dolO.0 batalhio de infaotaria. convida as pas-
soaa que desta servico se queiram incumbir *
apreseotarem suas propostas na dita director
nos dias 9,10 a 11 do corrate mes, das 9 horas
do dia A 1 da tarda.
Directora das obras militares de Pernambuco
8 da abril da 1862.O esoripturario,
JoaoMonteiro da Andrade Malvina.:
DAS
Messagenes imperiales.
At o xlla 14 do crrante aspera-se da Europa
o vapor francas Eitrcmaduri, commandante Au-
nar, o qal depois da demora do costume segui-
r psra o Rio de Janeiro,tocando aa Bahia : para
paaaagens etc., trata-se na agencia ra do Ira
picha n. 9.
Leiioes.

LEILAO
ysos mariUmos.
kk

G01P.NUA PEUMAIBLCaSA
DE
i\avegacaocosleiraa vapor
Macei em direitura.
O vapor cPersinunga, commadante Mousj,
san ir em direitura no dia 15 do. crranle as 4
horas da tarde.
Recebe carga ateo da 14 ao meio dia. Ei-
commendas at o dia da sabida ao meio dia e
passageiros at as 3 horas.
Advarte-se que nenbum passsgeiro ser reci-
bido a bordo seo bilhele da gerencia : asaripti-
rio no forte do Mallos n. 1.
Rio Grande do Sul pelo Rio de
Janeiro,
segu em breves dias o brigue nacional uLtt,
por ter engajada a maior parte de seu cariefa-
mento : trata-se com Bailar & Oiiveira, na ma
da Cadeia do Recite n. 12:
Sabbado 12 do corrente;,
DE
s ID horas.
O agente de leude Camargo faa'
leilao a mandado do Exm Sr. Dr. juiz
do com mercio e a requer ment dos de-
positarios e curadores da massa de An-
tonioiJacintljo Pacheco, das dividas do
mesmo fallido na ra da Cadeia n. 3,
prtmeiro andar, os Srs. pretenden tes
poderlo desde ja examinarem a relacao
das mesmas.
B1V1BAS.
IHI.MHKMO
O novo banco paga o 8* dividendo de
128 por aeco.
COMPANttfl BRASILE1RA
E
adusiss- i iwm.
Al o dia 19 do corrente esperado dos prtos
do norte o vapor nacional Paran, com manan-
te o capitao-tenente Jos Leopoldo de Noooba
Torrezio, o qual depois da demora do coaume
seguir! para os portos do sul.
Desde ji recebem-se passageiros, e engrja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a quil de-
var aer embarcada no dia de sua chegada,dnhei-
ro a frete e encommendas at o dia da salida is
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luiz de Oiiveira AzeTedo
Haranhad e Para.
Segu com brevidade o biate Sobralense/> ca-
pillo Ralis, para o resto da carga trata-sa com
Caetano Cyriaco da C. M. & lrmio, ao laco do
Corpo Santo o. 23.
Sabbado 12 de abril as 10 horas
NA
Ruada Cadeia a. 3.
O agente Camargo fara' leilao por
mandado do Exm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio e a requerimento dos
depositarios e-curadores da massa falli-
da de Jos Fernn des Agr, das dividas
do mesmo fallido ; os pretendentes po-
derlo desde ja examinar as mesmas na
mSo do mesmo agente na ra da Cadeia
n, 3, primeiro andar.
Loriitii
As i odas da sexta-parte da prmseira
lotera a beneficio do Gymnasio Per-
nambucano andarao impreterivelmente
hoje 10 do corrente mez no con
sistoiio da igreja de Notsa Senhora
do Rosario de Santo Antonio pelas 9 f 2
hora da man has. Os premios de
4:000$ at os de 8$ serao pagos nesse
mesmo dia da extraccSo de urna hora
da tarde por diante, e os outros- no dia
seguinte logo que se tenha feito a dis-
tnbuicao das listas. Os bilhetes e meios
bilhetes acham-se a venda na tbesoura-
ria das loteras ra do Crespo n. 15 e
as casas commiasionadas do costume
ate a vespera da-extraccao as 10 horas
da noite, e no dia soraente na respecti-
va thesouraria ate' o momento de an*
drem as rodas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
Acham-se a venda os bilhetes e meios
bilhetes da primeira parte da primeira
lotera a beneficio da matriz da cidade
d< Nazajeth cuja extraccSo tera' lugar
pelo novo plano abaixo transcripto ap-
pcovado pelo Exm. Sr. presidente da
provincia para as extracqOes das loteras.
O motivo que levou o abaixo assigoado
a propor na forma da le a reforma do
plano transacto foi o ser elle de grande
quantidade de bilhetes para o actual es-
tado da nossa prac,a, sendo a prova dis-
to a grande porco de bilhetes que em
todas as loteras lhe tem icado por ven-
der, donde tem tido prejuizos; entre
tanto espera que pelo actual plano to-
dos os bilhetes se yenderao por serem
elles poucos. adequado assim as torcas
da provincia. O dia impreterivel do
andamento das rodas sera' brevemente
annunciado.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PLANO.
2800 bilhetes a 5..............
Beneficio e sello de 20 por ccnlo.
14:000000
2:80OSO00
Liquido.
11:2003000
1 Premio de............ 5:000*
1 Dito de. ....... 800
.1 Dito de................ 400*
1 Dito de............ 200J
2 Ditos de 100S........ 200J>
5 Ditos de 409........ 2009
2009
2109
793 Ditos de 5}........ 3.990J
840 Premiados.
1960 Brancos.
Q bllhftem- 35A Ja sexta pacte
da primeira lotera do Gymnasib Vr-
nambucano, pertence a fcxma. Sra. P.
Mara Adelina Gomes Con a de Miran-
da, residente na provincia do Ama-
zonas. '
No dia 11 de marco correte, depois da au-
diencia de Sr. Dr. juis dos orphes, aer arrasas-
lado por venda um terreno n bairroda Boa-*ia-
ta, em seguimeulo do becco dos Ferreiroa, cata
100 palmos da (reate a 220 da fundo, o qoai as
davolalo a iorelro, taodo a freale par o saaa
mo becco, e o fundo para urna aova ra projec-
tada, avallado em rt. 800$, visto aio ter bavitfe
quem .lanc*se aa primeira prc na que mea-
mo terreno foi avallado em rs. 1:2009, a i i
praca por eaecnco da HaBorl Adio Coafsl-
vas coaira Urbano Uamede de Almeida, cosa*
inventarianle do casal do fioado Francisco Ma-
mede da Almeida e sua mulher.
O Sr. teoeote Manoel de Awvedo do N*-
eimenl rogada para aparecer ni travesea) do
Carmon. 1, primeiro andar, negocio ase stie>
igaora
Perdeu se ulna lata coa fumo do Rio m
Janeiro, de um carro de boi, desda a alfandg
at a Pssagem da Magdalcoa : queaa a liver
aebado poda entregar no Recifa, Iravecaa te Ma-
dre de Daos, Jos Viceole 4e Lisa*.
O proprielario do eogeaho Ptnhtu sor pre-
cisar vende o miemo engenho moente e correan?,
sendo muito forte o'agoa, com 4 sinos da lavra-
dores rea es, e mais outros menores, cosa gasate
estelo de terreno, margeos predscii* para
aa(re>ar pelo menos 4000 pes, distaata desta
praca 3 legaaa, boa aslrsd real, a laaaasae aa>
arrenda pelo menos 6 safras, coaa 30 escsajaaav
30 bois, mansos, 3 carros aovaa,2 aradas do ser-
r, e mata accessoriaa: aualqoer preteaaaat
quanto antes se enfedele com asa casaate t*r.
Estevao Cavalcanti de Albaquerqaa, raa tea Flo-
res n. 37.
John Reynard retira-se para Europa.
Attenco,
Roga-se aos aenhores abaixo declarados o fa-
vor ae virem a ra dos Mariyrios a. 4, a negocia
de seus interesses:
Joao de Barros Araujo (engenho Iaajaea.i
Jos Carlos do Reg Valeoca.
Jos de Oiiveira Campos.
Joio Nunes da Foaseca Galvao.
Caetano de Mallos Si ai des.
Francisco Antonio de Carvalbo Ceqoeir.
George Smitb, subdito ingles, retira-se para
Inglaterra.
O abaixo assiguado faz puMieo qaa pardea
orna letra de rs. 1:0695700 ve acida, acatas por
Antonio Joaquim de Souto Lima, e atis tres
sendo duas de 509000, e urna da 48300 tarabeas
j vencida, aceitas por Manoel Jos d- Albuq-iar-
que Mello, e mais nos val de rs. 589000 a asigna-
do por Joaquim Urbano Maria I.onaack, t.iattem
ji venaido, e'mais6 valea na importancia de909
rs., assigoados por Joio Miguel de Oiiveira sao-
rardo, e mais nma letra da quaatia de 37|tOO.
aceita por Virgilio Vieira da C.'Sta Piala : todos
estes ttulos perteocenlaa s dividas da massa do
fallido Joao Paul de Sonsa, arrematados pe
abaixo asaignada, o qual de novo prot<*l* do
nao levar em conta qmlquer pagamento frito a
oulrem, alm de proejder contra queas indevida-
meate ae apresene cobrando taes ltalos.
Recite 8 de abril de 1862.
Vicente Ferreira da Silva.
11:2009000
10:844S607
Consalado provincial.
A barca portugueei, Silencio eapitio Irn ti
cisco Martina deC arvalho, praande aahir un 16,
do corrente, anda recebe alguma carga e fassa-
geiros, para os quaes tem bons commodis: a
tratar coro o consignatario Manoel Ferreirt da
Silva Terroso, na ra de Apollo n. 28.
Segue]aara o Aracaty o hiate Exhalaca ;
para carga e passageiros trata-se na ra da 3a-
deia do Recite, primeiro andar a.98.
Rendimento do da 1
dem do dia 9
a 8
Praea* do Reeife 9 de
* abril de 1862.
Ajfrquatf o horas da tarde.
Colaces da junta de correto res.
Cambio.
Sobre Londres 90 div. 25 3i4 e 26 d. por
IfNO.
1. da Cruz Macedopresidente.
John Gatissecretario.

Alfandeg-a.
Rendimento do dia i a 8 .
ldsm do dia 9 .
. 167:771*700
. 41.5685047

209.339J747
20 656133
7:392539
27:9489672
Movfment da alfandesra.
Va'ames entrados aomfatendaa..
a ora ganaros..
Valames sahidot
c
com fazendas..
com gneros
100
519
254
'Jtr- 365
319

J
Descarragam hoje 10 de abril,
portuguezEsperance diversos gene-
Brlgae
ros.
Patacho italianoMariaidem.
Patacho italianoMarcelinomercadorias e sal.
Barca americanaCordelia farinha e bolachi-
nha.
Polaca hespanhola Maria Lloberas carne de
.charqae.
Barca fraocezaMaria Nicolacarvo.
Brigue inglezMary Winckcarvo.
Escana prussianaPrinz Regentidem.
Brigue inglezNadrydeidem.
Barca ingleza Bonder mercadorias.
Brigue tremenseStadt Brasildem.
Escuna bollandeza Grootidem.
Importafao.
Barca iogleza Castor, vindo de Cardiff, consi-
gnada a Scotl Wiiaen C, manifestou o se-
guinte: > "*
1,100 tenetadas de carvo da pedra ; aos mea-
mos.
Hiate nacional Giganta, vindo do Rio Grande
do Norte, consignado a Jos Das Pimenta,
prielario, maniaatou o seguale ;
cavado; a Ignacio Praoeesco de lloura Pegado
proprielario..
Hiato nacional Caaiaraoiia, vindo do Alagis,
consignado a JesuJna Machado Malheiros Braga,
proprielario, mantestoa o seguinte:
150 laUs coa 4,500 libras de oleo de ricino,
310 saceos coa 930 arrobas de arros pila jo ; a J.
Augusto de Ara ojo.
Movimento do porio.
-----------------------------------------------------------
Navios entrados no dia 9.
Granja e portos intermedios9 das vapor nacio-
nal Jaguaribe, commandanta Manoel Joaquim
Lobato.
Rio de Janeiro11 dias, brigue hespanhol Santo
Antonio, de 196 toneladas, capito Joaquim
Doral!, equipagem 12, em lastro ; a Amorim
& Irmo.
Observsco.
Suspenden do lamaro para Troudhyen, o pa-
tacho noruegueose ordstxemen, capito F,
Wangberg, com a mesms carga que trouxe do
Rio de Jaoeiro.
Havre Galera franceza Sourabaya, capito
Molim com a mesma carga que tronxe de Iqui-
que.
Fundeou no lamaro a barca nacional Santa
Maria Boa-Sorte, vinda do Rio Grande do Sul,
mas nao teve communicaco com a trra.
Editaes.
Por ordem do Illm. Sr. inspector se faz pu-
blico que no dia 10 do corrente aera levada a
hasta publica, os porta desta alfandega depois
de meio dia, 120 petes de tartaruga para tranca
pesando 4 libraa e 14 oncas maia a 408 total
1969250 rs., 12 vestidos de chita a 6JJ 728, 6 so-
brecasacos de panno a SOS 1809,3 duzias de gr-
valas de seda simples pesando 1 1(2 libra a 20>
309, 21 pares de boldes de pechibeque dourado
para grvala pegando 12 oitavas tudp por 929,
6 chales de fil de slgodio pesando 2 libras a
2$ 49. que em virtnlo (oram apprehendidos pelo
primeiro confereote Barros Csvalcante na confe-
rencia de sabida, os qaaes objectos sao arrema-
tados de eooormidade com o arl. 756 do citado
regulameoto.
Alfandega de Pernambuco 8 de abril de 1862.
O 1* escriptarario,
Firmioo Jos de Oiiveira.
Por ordem|de Illm. Sr. inspector se faz pu-
blico que, no dia II do correte, ser le ral a Ji
basta publica na porta desta alfandega, depois
pro- de meio dia, 3 barrilinhos com azeitonas, pesan-
do tres arrobas e quairo libras, arroba IfiOOO
Rio de Janeiro
Pretende seguir com multa brevidade o vetei-
ro brigue nacional Veloz, tem parte de eu
carregamnto prompto psra o resto que lhe falta
trata-ae com os sena consignatarios Antonio Luir
de Oiiveira Azevedo & C no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Sabbado 12 de abril.
mili?.
Ao meio dUi
: Dragn (ara* leilao por intervenro
do agente Vicente Camargo de 450 bar-
ricas com cimento, vindas de Marceile
no patacho italiano Marcelino no ar-
mazem do bario do Livramento, no
caes do Apollo, ao meio dia.
Importante leilao
DE
Urna rica mobilia de Jacaranda com tampo de
pedra, 2 grandes espelbos de sala moldura de
Jacaranda,4candelabros da crystal, 12 jarros d
marmore, 2 redomas com figuras de jaspe, 1 lus-
tre de atlo do sala, 14 qoadros grandes com fi-
nas gravuras. 3 cestinhas com finas flores, 3 cor-
tinss de Janella com badelas a graaapas de metal
doaradas, 2 soeretarias, 1 estante, 1 mesa de
cbario, t mesa elstica com 24 paliaos de com -
primento, S apparadorea, meio-apparelho para
1'antar, dito para chi, vidros e crystaes, 1 porta-
icdr, um selim ingles a ostros objectos.
Sexta-feira 111 do corrente.
Leopoldina Amalia Alves Rodrigues, viuva de
Maooel Jos Rodrigues Pereira, tendo de rett-
rar-se desta provincia far leilao por iotervenco
do sgnte Pinto, dos objectos cima menciona-
dos existentes no sobrado de um andar n. 26, da
ra dos Guararspes, os.quaes objectos podero
sar examioa'ios pelos pretendentes na vespera e
dia do leilao.
Principiar s 9 boras em ponto afiat de ven-
der-se ludo no mesmo dia.
Aysos dWersos.
Grande laboratorio de la-
Aiten^o.
Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o britue
escuna Joven Arthur, tem parla de sea carre-
gamnto prompto: para o resto que lhe falta,
trata-se com os seus consigpitarios Antonio luiz
de Oiiveira Azevedo & G., no sea escriptorio -na
da Cruz n. 1.
Para Lisboa c Por lo.
A aova barca portugueza Deapiqee II, capi-
to Maooel Lope Duart, de primeira classa. for-
rada e cavilnada de cobre, vai sahir com toda 1
brevidade por j ter parle da carga, e para o res-
to e passageiros qua lhe falta, trata-se com Fer-
reira & Loureiro, oa travesa da Madre pe Deo
n. 10, ou com o capito na praca. ,
Para o Cear
o hiate aGaribaldi, mestre Custodio Jos Van-,
na, sshe impretdVivelmenta no dis 6 do correle
com a carga que tiver: a tratar com Tasso li-
maos.
200 saceos con WO.artobis de anexar mas- 3#125; 2 (atas can 27v libras da paioa, valor da
libra 300 rs.8#100 ; 1 aacca cora 16 libias de
nozes, valor da arroba 3920019600 ; 1 dito com
seis libras de caelaohaa piladaa, valor da arroba
2J.400450 ; 1 aacco com 3 libras de carne en-
sacada, valor da libra 300 rs,900 ; 8 libras de
molho, valor da arroba 800 rs,200 ra.; 1 trou-
sa com urna camisa de chin, valor 834 rs.; 2 sa-
clas da algodao, valor ama 730 rs.total 19500:
iwav
Parar em direitura,
Sahe brevemente o bem conhecido e veleir
brigue escuna Graciosa, capito Joo Jos ds
Souza, por ter parte do asa carregamnto contra-
tado : para o resto trata-se com os consignata-
rios Almeida Gomes. Alves & C, roa da Cruz nu-
mero 27.
Parta Baha.
Pretenda seguir coa muita brevidade o vele-
ro e Lem conhecido hiate nacional Santo Ami-
ro,a lem paria da seu carregamnto prompto,
para o resto que lhe falta trata-se com os sess
consignatarios Antonio Luiz de Oiiveira Asevero
& C, no sea escriptorio na rus ds; Cruz o. 1. I
COWPANHU BRAS1LEIRA
DE
Espera-se dos portos do sul at o dia 13 la
vagem.
Os donas |dos nmeros abaixe mencionados
podem mandar buscar as roupas que esto prom-
ptaa : 223, 176, S56, 342, 338, 203, 44.
Smente he permit id o
pagar a .assignatura deste dia-
rio a 5$ por tres mezes, den-
tro de 15 dias de seu comer
90, e depois deste dia s se
2800 Bilhetes.
N. R. As sortes maiores de 4009 esto sugei-
tss aos descontos das leis. Thesouraria dss lo-
teras 7 de abril de 1862.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Approvo.Palacio do goveroo de Pernambu-
co 9 de abril de 1662.Portella.
Conforme.Antonio Leiteda Pinho.
Ama de Ieite.
Precisa-se de urna mulher sem fllho para ama
mentar urna crianza de dous mezes, paga-se bem:
a tratar na praca do Corpo Santo n. 19.
Aluga-se o terceiro andar e solio da casa
na esquioa do becco do Peixe Frito a ra do
Queimado n. 2: a tratar no mesmo becco oa ta-
berna n. 1 ou ra da Florentina o. 18.
Sexta-feira 11 de abril vae a leilao ao meio
dia, a luja da ra Nova u. 28, pertencente ao
cassl do finado Venlurs Pereira Peona.
CMCIIMiriat fiMfiaWS 9KS9&3R3
Ins-i ajaaaja aaaar asajsa a-asa ^/~~*~r aaa- saaaa a~aa ansas
I Aflictos ]
O Sr. Joaquim Llns da Costa Wanderley
fllho do Sr. Jrfaquiru Jos da Costa arre- 1
matante da barreira do Mangulnho, quei-
. ra ter a bondade de dirigir-se a ra da
Imperatriz n. 16, aura de ultimar o ne-
gocio que nao ignora.
BMeeieireiesfe enea m$m\
Ao corpo cemmercial
de Pernambuco.
PERGUNTAS:
Ser licito guardar sem ma dinheiro do infeliz, que morre em trra estra-
nha, frustrando assim as diligencias das autori-
dades?
Ser licito nunca mais dar urna noticia satis-
factoria aos que sabiam do *facto e a quem o
guardador dizia haver sido constituido deposita-
rio pelo finado, para fa?er remessa do dinheiro
familia?...
E o guardador eslava s como infeliz em seus
ltimos momentos e desamparou o cadver por
amor do deposito I....
Eo mesmo guardador Ua fortuna do infeliz
estrangeiro que morreu no Recifa e de quem
muito temos que fallar, apresenta-ae tambem
por morle de um outro fallecido em Lisboa, co-
mo socio de seu armasem sem ler documento al-
gum quer publico, quer particular, e nem mes-
mo constar dos livros do finado, porm como era
O abaixo assigoado jolgaodo nada dever a ->*-
soa alguma desta praca, nao s dividaspstii.-
lares como contrahidaa por trensaecoes eommer-
ciaes, declara que estar promplo a satifaa*r
qualquer debito que se lhes aarosentens no es-
pago de 3 dias a contar desfa data.
Reeife, 10 de abril de 1862.- Vicente Forreara
Pinto.
P-
receber 6f 000-rs.
INGLEZ.
Novo Methodo para aprender ler,
a crever e a fallar Inglez em 6 me-
w, por B..V" ndorff: 1 vol. in 8-
encadernado. Vende-se na ra do Quei-
ruado, loja de fazendas, n. IS.
Jos Soares d'Azevedo, proessor
de lingoa e tteraturanacional noG) m-
nasio Provincial de Pernambuco, tem
aberto em su*T*resid^ncia, ra Nova de
Santa Rita n. 47 as aulas de
GEOGRAPHIA E HISTORIA
LINGO A FRANCEZA
PH1XOSOPHIA
ORATORIA E POTICA.
As aulas sao todos os dissutejs de tar-
de : comeram s 8 horas, e acabam s7.
testamenteiro do fallecido
zem retira sem dar tatisfaejio
que entenieu lhe pertenc
A alma
encent ao Sr Ma-
e desembarazada, se
lo estrangeiro.
Acha-se justa e con Talada a taberna da
ra dos Copisres n. 12, per
noel Jos da Silva, livre
alguem se acbar com dirijito
annunciar no prsze de 3 d as.
de 1862.
liquidante do arma-
alguma a qoanlia
Monte Po Popular
nambucano.
De ordem do conselho administrativo scieatift-
co aos senbores socios effectivos que esa aassaVo
de 5 do correle foi concedido o praso. a corror
desta data ao ultimo de maio proiisso pasa
aquelles que estiverem em atraso pagaren seos
dbitos i caixa. Assim, pois. sao convidados oo
que se acharem nealis circumslancias. a qaa nao
possam ser encontrados pelo cobrador, oa ir S
casa do senhor thesoureiro, a comparecer na ca-
sa das sessoes, onde sa reuoir o predilo conao-
Ibo todas as quinlas-feiras a noite.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuea-
no 4 de abril de 1862.
Bemjamin do Carme Loprs.
1. secretario.
Irmandade de N. S. Hi dos
Homens.
Convido de ordem da meaa a todos os noasoar
irmaos s romparecerem na igreja da Malre da
Dos a 5 1|2 oras da raanbaa lo dia 13 do cas-
rente mez, para depois de encor jora !us acompa-
nharem a procisso do Snhor aos enfermo ie
tem de sahir da matriz de S. Fr Pedro Goocal-
ves*0 escrivo,
Jos Antonio Pinto Serodlo.
Irmandade do Seuhor Bom
Jess das Portas.
De ordem da mesa e a coavile da irmaadada
do SS. Sacramente da matriz da S. Fr. Pedro
Goncalves, convido ao oossoa irmaos coasaa-
recerem oa igreja da Madre de Dos no da 13 do
presente mez s 5 1|S horas da roanbaa, ala ata
encorporados acompanbarem a procisso doSo-
nbor aos enfermos, qae lem de sabir da atestas
igreja.O escrivo,
Jos Antonio Piala Sero lio.
No dia 11 do correla, depois qaa finaos* a
audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da 1.a vara.
tem de ser arrematada por veoda nasa quinta
parte do sobrado de dous andares 33, sita sa
ra da Matriz da Boa-vista, em cbSes presos.
avallada dita quinta parte por l;M8tM6, pesbo
rada dita parle a Joaquim Vicente Maniata par
execuQo de Domingos Jos Marques Guimatss
Irmaos.
Precisa-se de 2 negros para slagsr, prefo-
riado-se algum que j tenha pralica : na podara
do Varadouro de Olinda.
AUen$o.
a mesma queira
Reeife 7 de abril
16Ra da
O Dr. Bocha Bastos
dos os dias.
Cura radical e em
molestias syphiliticas
nite-orinano.
Contullas de gracs
4a manha.
Aluga-se poranno u
tris de Versea, com sitio,
tas frncteiras, e junto da
quenas tambem com sitio
tas ou cade ama d par si
que se fizer : quem pretender dlrjja-se ao pateo
do Carmo, sobrado novo o. is bota a frente para a
ruada Horlas n. i, primero andar.
Cruz-16
d consultas to-
pouco lempo dss
i dos orgos ge-
dts S horas as 9

na grande casa na roa-
tendo no mesmo mui-
aesma duas mais pe-
alugam-se todas juo-
- confrome o negocio
que digoem-se liuminar aa saaa portas,
idas, aura da prehaneho-so araa.djaa akao
Ama,
para
Joaquim GoDcalves Guerra vem agrade-
cara todas a peasosa qua se dignaram
acampaohar ao ceoaiterio publico no dia
daste mez o cadver da tos muito pre-
lbo Chrittovao Goncla Guerra, e
lesds j convida ao masmaa pesaoaV para
[tassislirem a ama misaa do stimo dia, s
1 7 horas da manha do dia II do cerrante, ]
II malriz da Boa-Vista.
coziohar os ser-
homem aolteiro
loja de chapeos, pre-
qbe tenha alguma prati-
Precisa-se de urna ama
gvicoa internos de urna ca la de
na ra Nova n. 20.
Na raa Direit n. 61
csa-se de um pequeo
ca d ar|a de onapeleiro.
Plsta typographia precisa-se Tal-
lar ao Sr. Joao Goi calvo* Rodrigues
Franca que morn < m Olinda e i zem
morar nesta cidade c q Reeife*
A mesa regadora da irmandade da Nossa 5
ohora do Rosario da Boa-Viats, polo orgia 1
suaa commissOes, tea de sppresoatsr a vista
dos fiis catholicos, no dia 12 do correlo, po-
las 6 horaa da tarde, urna procisso da encon-
tr no largo da igreja Santa Cruz, bivendo oesta
occasio sermo, percorreodo depois as ras so-
guinles : ra do Rosario, Cunseic.ao, Frac, raa*
do Hospicio, Aurora, Imperatriz, da Matriz, Glo-
ria,da Santa Cruz, Veiba, traveseado Veras.
do Arago e> Rotarla, a recoiher-se bsv
tambem sermo. As commisses abaixo as
nadas encarregadas i alquirir esnaola para
Sos, roga aos fiis catholicos, qae os cosrijnv
oa cccisiao em que elles adarem esmoiaoJo
para o dito acto; assim canto a aaesssa, porto
aos ditos deis das ras on-i* a procisso les
passar,
e vareadas,
da penitencia.
Romualdo Antonio da Sacrra
Eofrosino O lilao da Circunciso
Maooel da Ora de Fallas.
Canuto Basiliano Ramos.
lonoeoacio Jos de Sao'.a'Aaaa.
Joio Siivoaire Fraoasaca oMoUo.
Precisa-se urna ama forra ao oacrava. ajos
saiba eogommar para casa do sestea familia ;
tratar na raa do Amorim, arasaeMsaatt. 9tx
Nao sabondo a abaixa.aaoigaado da atorada
do Sr. Jos Col usa bino da A* sjo Hat, roga-Uva
o favor de dirijir-so a toa ca* no pateo 00 C*o-
mo o. 43. qua dasejs-lhe fallte, alai 8 aat kasatt
da manha, ou aa 3 da Urde. ____
Joto Joaqaia da Ssrra.
Augutt Huoder vai a Eorep. ajooaa tftar
caulas contra elle aaaaaealo-a pars saresa pasas]
na rus Nova n. 67.
Quem. perdau usa msnlelet* pralo da raa do
Crespo i na da Iporalaia>; rga-j 4 M) aa*
Cadeia a>> Recite a. tW. 1*fl$4,v
naet competentes Iba aera entr*!**, pogasrao
respectivo innancio.


It
mm
Para as provincias de Pernamtmco, Parahiba, Rio
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Folhinha de porta, contendo o kalendario, pocas geraes, naoionae, das
de galla, tabella de lalva, noticia planetaria!, eclipses, partida!
de correioi, audiencias, e resumo de chronologia, a reis .160
Dita com almanak, contendo o kalendario,. pocas, noticias planetarias,
P5"das <* correros, tabellas de imposto, etc. etc. e almanak __l
ce?il, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a res.........10000
PARA
ESCRIPTORIO.
Aluga-se o primeiro andar da caa da roa da Cadeia do Recife n.-60, coa una grande aala
dm Icova, moitopropria para qualquer escriptorio ou moradia de-pequea familia, e tambem
aluga-ae o armazem e o primeiro andar com grande commodo da cata da rus da Grax no Recife D,
14: a tratar tom Thomas feixeira Basles.

KA DO aiEIMDO WM
PMNDEMTIMEIiT0
OASEROUPKSF
Sortimeoto completo de aobrecaaacos de panno a 259, 28*. 30#e 359, eaaacoi muito bam
.lta. 25|, 88f, 30$ e 85J, paletots acaaacadosde panno pretode 18 at 159, ditos de caaemira
de cor a 159,181 e SOS, palttots aaccoa de panno e casemira de 89 at 149, ditoi saceos de alpaca
m eiin a la de 49 t 69, sobre de alpaca a merino de 79 at 109, calcas pretal de casemira de
89 at 14$, dito de corde?9 at lOf, roapaa para menino de todoa os tamaobos, grande sorti-
mento de roupas de brins como sejam caigas, paletots e colletes, sortimento ds colletea pretoi de
setim, casemira o relindo de 49 a 9J, ditoa para caaamento a 59 e 63, paletots brancoa de bra-
jnante a 49 e 5f, caigas braocaa muito fioaa a 5|, e um grande aortimento de fazendaa fina a e mo-
derna, completo sortimento de casemira ioglexaa para bomem, menino e aenbora, seroilas de
linbo a algodo, cbapeoa de aol de seda, luva. de seda de Jouvin para homem e senhora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos encommendas de grandes obras qae para
isso eat sendo administrada por nm hbil mestre de semelhante arte e um pessoal de mai de
incenla obreiros escolhidos, portante execulamosquslquer obra com promptidao e mai barato
do que em oetra qualquer casa.
ARMAZEM
R07P A FEITA
Joaquim F. dos Sanios.
4t-lu k Queimado40
Defronte do becco da Congrega cao letreiro verde.
Neste eslabelecimento ha sempre um aortimento completo
todas es cualidades e tambem se manda executar por medida
xes para oqae tem em dos malhore professores.
de roupa feita de
rontade dos fregae-
Caiacas ae panno preto a 401,
85f e 309000
Sobrecasacosde dito dito a 359 309000
PaleloU de panno preto e de co-
rea a 359, 809, 259, 109.18 e IOSO00
Ditoa de casemira de cores a 229,
15J.123,7* e 99000
Ditoa de alpaea preta golla de
Telludo fraacexas a lOsOOO
Ditos de merino setim pretos e
de cores a 9$ 89000
Ditos de alpaca de corea a 59 a 39500
Ditoa de alpaca preta a99,79,59 e 38500
Ditoa de brim de corea a 58,
49500.49 0 r 39500
Ditoa de bramante de linbo b an-
eo a 69. H e 48000
Ditoa de merino do eordao preto
.*** 8*000
Calgaa de easmira preta o de co-
rea a 19. 109,-Bf, 79 69000
Ditas de princeza e merino de
cordo preto a 59, '69500 e 45500
Ditaa de brim branco ede cores a
-59. 495OO e 28500
, Cale* da ganga da corea 1 35000
Cllete de Tellado preto e de co-
res lisose bordados a lf9,99e 89000
Ditoa da caaemira preta e da co-
rea lisos o bordados a 69,
S*500,59 3J500
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorguro de seda pretos
s de cores a 79, 69, 49 e
Ditos de brim e fuslo branco a
3500, 29500 a
Stroulas de brim de linho a 29 e
Ditas de algodo a 19600 e
Camisas de peito defuato branco
ede cores a 2*400 *
Ditas de peito de linho a 59, 49 a 89000
Dltaa de madapoln brancas e de
cores a%^580 29 e
Chapopretos'de masaa frincaza
forma da ultima anda a 10J,
8|5O0a
Ditos de feltro a 69,59, 49 e
Ditos de sol de seda ingleses a
fraacetea a 14f, 1S, 11J a
Colarinhoa de linbo maito fines
oros feitioa da ultima moda a
Ditos de algodo
Relogios de ouro patente e nori-
contal a lOUf, BO9. 80$ a 70|000
Ditoa da prata galvani.ados pa-
tente e horizontaes a 409 e 30100o
Obra, de oaro, aderecos e meios
aderecos, palceiras, roxeUs e
aneis a
Toalhas de linho duxis 10$, 69 a 9c
Ditas grandes para mesa ama 39 e
59000
59000
59OOO
89000
29200
19280
29200
1S600
79OOO
29OOO
79OOO
9800
9500
- MA D EAli -
Deposito de chapeos de sol de seda
das fabricas franceza e ingleza.
Veudem-se em porco e a retalho.
a?.d0?0 d.Mte oro 'bejecimeato, na iu. recente ilagem Europa, honrado com a confian-
ca dos pnmeiros fabricante oeste* geoeros, veos offerecer so publico es prodaetos daqosllas la-
incas, en por procos nuoea vistos nacU praea, orno coacta na tabella abaixo :
Chapeo, de sol de sed. franecze. de 10 e 24 polUgadas por.T'.. 49800
dem dem idees de 36 ditas, ...................._.............. 59880
!:ix::a;,,a6,,si................................s
j*m um id. de 30 :^^;:::;:::::::::::::::::::;;; SS
PRESOS FIXOS,
e em porco de 1 duzia para cima.
15 por cento de descont.
AS SENHORAS.
LGJA AMARELLA
23Ra da Cadeia-23
VESTIDOS PRETOS.
Superiores festidos pretos de moreantique de ceda por 429 o corita a 39 o co-
rado, esta laxenda a mai apreciada para realidos e muito em moda as Drincioaes
preces ds Earopa e do Rio de Janeiro. v
GROSDENAPLES.
Preto de diferentes precoe e qoalidadee para >, 29400 e 21600.
M ANTE LE rKS DE PILO'.
os mais modernos manteletes de fil preto.llsose com babados a 909 e 259. e
ditos muito ricos do leilio de capa a 509.
MANTELETES DE SEDA.
Comprldos ao rigor da moda, abaohados de saperiores franjas de seda a 259 e 309.
CAPAS A PROPHETA.
Sao as que msis se vendem presen tenante por catar maito em aso e qae temos
receido per vene da eaceaxaiende para dhersos, o de feitios elegantes e conten
em si os prepara* para ama aenhora, preco 509 60.
VEOS E MANTAS.
Preias do fil de lin*o maito boas a 109, que sempre le vooder.m por 169 e 189.
NOVIDADE.
Chapeos a Garibaldi, ditoa a hespsnhgla, chapelinas, todos eofeilados com a
mesmapalhae pluma ; vestidos de blondo com manta, capella etc., ditoa de cambraia
bordado., ..partilbo., leqees,lavas, maoguio, cintos, enfeitee para caneca, cassas fi-
na de core, lanxmhaa, aediohaa Usas e de cuadros, saias a b.lio, perfumarias, ves-
tuarloa para baptisar encocas o maitas oatras fazendas que seria antadooho mencio-
nar ; de todas dam-se o maodam-se amostras.
APPROVACaO E ADTOHSACltO
DA
mmmk opibm m ieddsdia
E JUNTA central de hygiene publica
CftMs
dlCSRACE
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas CHAPAS-ELECTo-MAGNETicAS-EHfpasticas obtem-se urna cora radical n-
fallivel em todos os casos de nflammaco ( tatmya at falta de r espira pao ), sejam internas ou
externas,como do figado, bofes, estomago, baco, rirs, ulero, peito, palpitacao de coracao, gar-
gsata, olhos, erysipels, rheumatlsmo, paralys'a e toas as affecces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as difieren tes especies de tumores, como bbinhos escrof ulas etc., seja qual 6r o seo
tamanho e profundeza per meio da suppuraco sirao radicalmen O uso dallas aeonselhado e receiudas por habis e distinctos facultvos. sna efBcaia in-
contestavel, e ss innmeras caras obtidas o fazem nerecer e conservar a confianea do publico
que j tem a honra de merecer, depoisde 24 snnojl le existencia e de practica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por sscripto, tendo lodo o cuidado
de fazer as necessarias explicaeoes, se as chapas sao para homem, senhora ou criansa, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, parna, pe, ou tronco
doeorpo, declarando a cicumfereneia e sendo inclacoes, feridas ou ulceras, o molde do seu
fsmanho em um pedaeo'de papel e a declarscao once existem, afin de que as chapas sejio da
toimaj da parteaffecuda a para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar \ir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanbadas das complanles explicaeoes e tambem de lodos os acces-
orios pan a c ollocaclo dallas.
Cusa: seas pessoaa que o dignarem honrar com a sua confianza, em seu esariptorio, que
acbaru abarloe todos os das, sem excepcao, das 9 toras da manhaa s 2 da urde.
||9 Ra do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
fmmmmv
Para as encommendas ou informacoes dirijamos a
ra do Qbeimado n. 15.
pharmacia de JosAlexandre Ribeiro
IMPERIAL INSTITUTO
DE
Nossa Senhora do Bom Conselho.
t a mSh l;blcimento, I rea da Aurora n. 50. recebem-se pencionitaa e me
w a oaaa de 18 annos, e estudantes externos de toda a idade.
qe ae d'eiDnaCdM ** *imiuho T,riam Mf,Ddo" reeipleodo a oataraza de astada a
Prm"1?0* 1M 8,,i 8e T,CD0' segainte :
teeMSkS*iS!^' C0Bprehendendo leirur, calgraphia, pelo yitema de adlcr, arllbasalka
aeoaranh'.5 .'' doul,na cn"" e elemeoto dacivilidade, gr.mm.tica portagaexa e a
Phlfracloa'l Tt8.ilal,D!fran,MI? D8I". geographia e hi.toria, rhetorica e potica,
"onaie moral, anthmeca (at logarlthmo) e geometra.
sbertoa lojo que haji alumo.0' eMrM', "" ,gticuU"r' e 0Bt" de '.
recebar.rS0 *m q"e^fuocc,0.n" oImpeiUl IoctilatoUm commodces necBsaariM para
dasaaJ-d* DTerv d6 P^iooista.. e pelo seu asUdo de acaio e r"' "'"['t iTnihl a7-
coDdiccoes de hygiene e de commodidade para o .lumooi externo, e mo-owd> brtaij.
cidadeSo f!tr. 2 e"be'c>,<>. que ha cerca deoito anoo. ,e Um ,oUdo ai euH?*Ts.-
honroiaX ? *4Aedlc85l d que.caP"' teodo rec*bWo '""SSSMs da S. H. c la
belacui! DCl?d0 d" "mu ,n,Per'. d<> -Imperial- para a ae _
Ha ?~ que l enlroa no quart0 'Dno de ein. compreheode qae ove eadar l
ees exforcos pira manter ao laatituto o crdito que tem adquirido.


a.
BOTICA FRANCEZA E GASA DE DROGAS.
38-Rua do Imperador38
P. Maurer & C, tendo aberto leu eitabelecimeoto de pharmacia na ra
do imperador n. 38, com um completo sortimento de drogas, aaMafcsaajaaaJjsj
especialidades pharmaceuticas. Os Srs. doutores em medicina e o publico em
geral encontrarao neste novo estabelecimento todo o cuidado e attencao ucees-
sana no aviamento de qualquer receita que a seu estabelecimento mandara
em pregando para isso medicamentos novos e especialidades verdadeiras.
~ No segundo andar da casa da ra
do Imperador por cima da loja de al-
faiate, precisa-se de urna ama que saiba
cosinbar o diario para urna familia pou-
co numerosa.
British Consulate,
Pernambuco, april 7 1862.
Theadjourned meeting of British Residente for
tskiag into consideratton tbe sffairs o the hoa-
pitsi aad remetery, wiU be beld at ibis office
on Wrdnesday next tbe 9 th ioaUnt at wooo.
Ghennon Hunt
... H. B. M's cnsul.
A abano astignada ?iaa do oado M. A.
r. autorisada pelo Dr. juii de orpbaos desta ci-
aade rende para pagamento doa credores de seu
Ct"n ler9" Par,e> qc possue no enge-
nho Deaterro da freguezia de Igasrass, o qual
se acna moenle e correnle e tem ptimas Ierras,
mallas, legrdouros, pastos, ulencilios e obras,
que se acnam em bom estado de coaservaco.
A annuncianle adverte que se acba na posse do
mencionado engenho : as pessois que pretende-
ren! dinjam-se a raa da Imperatriz n. 4, pri-
meiro andar, a tratar com a meema aununciante.
Bita J, de Mendonca Pereira.
Precisa-se de -urna criids e um criado es-
cravos oa forros, para urna casa de familia es-
trangeira, a qual consta de 2 pessoas e 3 meni-
oos: a tratar defroote da casa de saude a qual-
quer hora do dia.
Especial hOmeopathieo
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
Reste consultorio pode ser procurado o respeeivo proprietario qualquer hora, havendo
ah sempre grande sortimento dos verdadeirosmedcamenlos homeopalhieos, preparados em Pa-
ns (as unturas) por Caiallan e Weber, os mais aceditados pharmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de homeopathia.
O proprieurio desta consultorio nao pretende todava, que sejam os seus medicamentos
inaHivsis, porque nada ha mfalliveJ em factos humanos; nem tao pouco superiores aos que por
shi se preeonuam, porque ceno que o que nos fizamos, outro o pode egualmente fazer lo bom
senao melhor. Mas afiance que netie nao ha raficancia, a que o servico da preparacio corre
pelo mesmo propasaUno, que nao tendo grandes ommercio de carteiras, aeba-sa suficiente para
satufazer s necesidades daquella preparagao.
Neste consultorio achara-se venda elementof da aomeopethia, acommodados inuUigeneia
de qualquer pesaos ; assim como presta-se gratu lmante o seu proprieurio, com seus esforeos e
medicamentos, i todas as pessoas necessitadas, tem distinecao alguma, qua o procurem, pois
que o seu maior prazer ser til humanidade sffredors.
Consultorio medico-eirurgieo
3-i\\3AB\ GLORIAciSA DO 1T\3MAO -3
Consulta por ambos os syslenas,
--------------------- --'" wmMffiwtm oaa awi us lOVI meUlCameBtOB.
n.h m^ ^* ^* d*-ra**o doa^ tabelecimento nao se confundam
nenhum oatro, riato e grsasde crdito ale qne aempr* gozaram e goxam ; o proprietario
! P?8?".^0 d,?p todos os^rtalos, d,Teado ser considerados coc
dos todos aqaellea que forenrassiesanUdos sem eataiaarca, e qaando a pessoa que es a
prar quelra ter maior eestaza aeaspanaar ama cea .Mirnaa. nelo orirb^Mn?.^
com os de
tem tomado
Outro im : acaba de recebar <
medica estes de summa imporUneia
mdicos allopathas empregam-as
Os medicamentos aralsos a\
O proprietario desUesUbelt
saffleieates para recebar alcana escraToai
operaeao, amaneando qae serio tratadoa
aquellos qaa i teas Udo eraros di
A aituacao magnfica da casa, .
gens para o prompto resUbelecimente
As pessoas qae quizerem fallar H a anw
a de tarde daa 5 em dianw, fora destas horas achai
pder as raa da Gloria b. ? casa de raadlo.
rcaode
leeaiotlv
B^ii* tcoaii belladona, re-
ta* os mesaos Sra.
tiaetaraeafNtarle a tfa ridro.
mu cuentee e amigos qae tem commodos
j sexo doeatef oa qae preeisem de alguma
disrelo e preaaptidaa, corno sabem todoa
le.
baahos salgados ale eatras tantas venta-
nte derem procura-lodo manha al 11 .hora
' OB (isa pessoa cosa quem ae poderlo an-
Dr. pie Motcoxe.
Precisa-se alogir orna escrara para to- ,
do serrico e qae saiba cosinhar e eogom-
mar: na ra do Imperador n. Ai, primei-
. ro andar. m
^a}#9 m99 )
Mills Lattam & C. teem para vender duas
machina a vapor de ara doa melbores fabricantes
escossezes, urna de forga de 14 cavallo eoutra
de 12, como tambem urna porcao de rame em
fardos : na ra da Cadeia do Recife n. 52.
Toda attencao.
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao res-
peitarel publico, principalmente ao corpo do
commercio, queamigarelmentedisiolvera em 31
de Janeiro prximo patsado a aoeiedade que ti-
nhacomseu tioo Sr. Jos Aires Silva Guimaraes,
na loja da agula de ouro na ra do Cabug
n. 1 B. que gyrava aob a firma de Custodio Jos
Alvos Guimares & C, cando o aocio Jos Al-
ves da Silva Guimaraes eocarregado do activo e
passivo do dito estabelecimento. Ji achando-se
o dito Custodio Jos Alves Guimaraes estabeleci-
do na ra do Crespo n. 7, na bem coohecida e an-
tiga loja de miodezas qae foi do fallecido Joao
Ceg, pede so respeitavel publico, prlncipalmeuo
te aos. seus amigos e freguezes, qae o queiram
procurar no dito estabelecimento, sonde acharao
um completo sortimento das mais ricas mercado-
rias tendentea i miudezas, que afianca servir
bem e vender pelo menos preco que fr possi-
vel.Custodio Jos Alves Guimaraes.
Na ra Direita, sobrado de um andar n. 33,
defronte do nicho, veodem-se doces de calda e
leccos de drenles qualidades, tambem se r-
ranjam banolljas de bolos de differentes modelos,
proprlos para casamentes, bailes, e eofeilados
com ramos, figuras do modo que forem apeteci-
dos, tambem se faz po-de-l, bolos ioglezes,
fraocezes, arroz de leile, pistis de nata de car-
ne, podios, pasleloes, tortss, tremedeira, e tam-
bem se faz a comida diaria para alguma pessoa
que precisar, com asseio e commodo preco.
Primeiro andar.
Alaga-se o primeiro andar da raa da Cras
40: a tratar do armazen. da aieeasa caca.
ese* .* *
*9 O Dr. Casa-Nova, mv._
9 seu cousultorio homeopetbico da
9 ra das Cruzes, para o largo da
$$ da matriz de Santo Antonio casa
n. 2, aonde pode ser procurado
^ a qualquer hora.
*
Precisa-se de um oa doua amsaaaeataa, ana
entendam perfeitameote do fabrico da pea e bc-
lacba : na raa larga do Rocario n. 16 '
quartel de polica.
f eeaa oaaa
I
S
i
O Dr. Carolioo Fran-
cisco de Lima Santos,
madoa-ae da ra das
Crazea para a do Im-
perador, sobrado a.
17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
de contina no exerci-
cio de sea pronssio de
medico.
>!

Aluga-se um 4 .andar com excellentes -
9 commodos: ra da Cruzn. 53. m
CONSULTORIO ESPECIAL HOSEOPATHICO
DO DOCTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6,
Consultas todos os di as atis desde as 10 horas
at meio dia, acerca daa segaintes molestias :
moltstias da mulhtrtt, moltttiat da erian-
Si, moltttiat da ptllt, moltttiat dotolhot, mo-
tiat typhilitieat,todat at ttpteitt de ftbrtt,
ftbrtt inttrmittenttt i tuat conttqvtnciat,
FHARJUCU ESriCUL HOBIOPATHICA .
Terdadeiroa medicamentos homeopathicos pre-
faradoa som todaa as caatels necessarias, in-
ailiveis em seus effeitos, tanto em tintara, como
esa glbulos, pelos precos mais commodos pos-
N. B. Oa medicamentos do Dr. Sableo sio
nicamente vendidos erx sua pharmacia: todos
qaa o forem fradellaaao falsea.
Tedas as carteiras o acompanhadaa de um
Impressocom um emblema em relevo, tendo ao
reopr aa aeguintas palavras: Dr. Sabino O. L.
Pinho.aaedico brasileiro. Bste emblema posto
fanalmeateaa lista doa medicamentos qua se pe-
de, Aa carteiras qae naoleraremesseimpreaso
saaim marcado, amborat enham natampa o no-
ate do Dr. lebino ato falsos
Precisa-se alagar aaaa aasa
va para o servico interno a externe da aaaa _
de pouca familia : aa raa estreita do Becario a.
10, segundo andar.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15.
Frederico Gaotier, cirurgio deatista
fas todas as operaees desna arte a a co-
loca denlas artificiaos, ludo com -adela
rioridade e perfeico que as pessoas-teB
tendidas lhe reconheeem.
Tem agua e pos den nucios,
SM.WNHBMMH
O Sr. lente Gama do bobo balalbao, to-
cha a bondade de concluir aquella negocio, polo
qual passoa ama procuraco baataate da axerd-
cios flodos i parlo de doaa annos a reeabea-ot
><
O bacharel Witruvio pe-
de aer procurado aa raa
Nova n. 23, sobrado daea
quina que volta para a
camboad Carmo.
X
8
MM
Preciaa-se de ama ama forra para casa de pou-
ca familia, qae sirva para comprar, cozlnhar, e
eogommar : a tratar na raa do Queimado n. 39,
priaeiro andar.
iHswiwitmiinnm
rrecisa-se Oe una ama para costo*"-
comprar: na rus do Imperador o. 17,
andar, entrada direita.
pWaaMaw aswreewM^aBMp
Consullas medicas.
Serao dadas todos oe dias pelo Dr. Cos-
me de Si Pereira no sea escriptorio, tmm
da Cruz n. 53, desde a i at s 10 horas
da manhaa menos aoa domingo sobra:
1.* Molestias de olhos.
S.* Molestia, de coracao a de peito;
3.* Molestia, do. orgos da geraco a
do anas.
O eume dos doentes sari fei to aa or-
dem de sus entradas, comecndo-se po-
rem.por aquelles qaa aofirerem '
olhos.
Instrumentos chinacos, a cu sucos e p-
ticos sero empreados em soas consal-
ta joes e proceder com todo rigor e pra-
deDcia para obter certeza, oa ao aseaos
probabilidad, aobre a sede, Balaron e
causa da molestia, e dahi deduzir o plano
de tratamento qae deve destrui-la oa
curar.
Varios medicamentos aer oambesn
empregadoa gratuitamente, i pela cer-
teza qae tem de sua verdadeiraqualid.de,
promptidao em seas effeito*, e a neceaad-
dade do seu em prego urgente qaa se asari
dalles.
Praticari ahi mesmo, oa esa casa dea
doentes toda e qualquer operscio qaa
julgar conveniente para o renubeleci-
mento dos meamos, para cajo lira se acba
firovido de asas completa colloccio da
ostrumentos tndispeasavel ao medico
operador.
-,
I

AUenco
Joao Antonio Coelho, aaogrsdor e dentista, avi-
sa a todos os seas frsgaezes e ao respeitavel pa-
blico, qae ee madoa da rta cainita do Rosario
para a do Imperador o. 0, aoode pode aer pro-
carado para sangrar, tirar deates, oo limpar e
calcar oa meamos, para applicar ventosa e bi-
saos, todo com perfeico e delicadeza, e laaabem
M alagam e vendem-se ezcellenle. bicha, de
Hamburgo, a. m.lbore qae h. no mercado.
Jamos Bus!, subdito britnico, relira-ee ps-
ra a Baropa.
3S-lm
O abaixo assigaado rega o tasar de teda
pessoas qae der.m im.gcas para sacra.!
maito lempo da ss vir bascar na amo do 8
do eootrario serio trocadas para asa aagasai
Rocif. 9 da abril de 1892.
Antonio Pereira Lagos Gaiasarass.
- Prerisa-aa .lagar asa atete torra eao sato
opUmo bolceiro: a tratar aa raa Imperial a. 9S.
- No dia 10 ao meio dia aa na do ateras aa
aorta da casa a. M, se ha de
/le da finada Marta Magdalena

<'. i

^T^-^rim


DIARIO DI PBIMMMM. QBIKA IWU 10 M laftlL DI 1161,
?
/
MU
lio* ama coa boa leiu : qusm pretender di-
tji-m ra do Burgo d. 7, roeife.
Aos aenhores agricultores.
fcTeodo-se do vender algum o alpina beoa do
henee* do Acato Joa Fernando da Cruz para
oceorrer ao pagaaen to da divdae, respectiva
herdeira toveauriaote est resalvids a reqoe-
rer ao jaixo do invesrtario autorteaeio pan a
Tanda do eogenho Quiaombo, contiguo ao enge-
nho Pinto, do torra escolenle : portanto em
quanto.e trata do requerer I respectivo autorisa-
Sao, o aenhores agricaltores quo quizaren exa-
minar dito ecgeobo ou abter lnformec.de, podem
dirigir-.* meama herdeira, do Dgenho Pinto,
ou ao mu filho Joao Fernando da Craz, reaidento
na raa Nora desU cidade n. 65, segando andar.
Pede-ie ao Sr. theaoureiro da lotera qae
nao pigae o bilhete n. 1850 da lotera do Gym-
naaio, qae roubaram do abaiso aasigoado, no da
8 do correte.Marciano Carmo Leite.
Preciaa-ae de um menino porluguez para
caixeiro de aaa nadara, que nio tenba miis de
ISaaoos de idade : quem pretender/ diriji-ie
raa da Soledad n. 18.
Mari Ribeiro da Silva Noia agradece aoa
amigo de aea fallecido Albo a lembranca de
meodarem dizer urna miaaa por aua alma, e se
conten* por meio deat annanclo eternamente
grata.
SOCIEDADE
AttenQo
Arrenda se o engenho Tapipir No-
to, moente e correte com motor de
animaes, Uto na freguezia de Iguaraj-
tu', de grande prodcelo e com capa-
cidade para sairejar tres mil paes an-
nuaes; OS pretendentes dirijam-se ao
engenho Tapipir da freguezia de S.
Lourenco da Matta, do major Manoel
JuliaO da Fonseca Ftnho onde acharao
com quem tratar,
!
Saques sobre Portugal.
O abaiso aeaigoado agente do Banco
Mercantil Porluense neata cidade, saca
effeclivaaento por todos os paquetea so*
ere o mesmo Banco para o Porto o Lia*
boa, por qualquer somma avista e a pre-
so, podando logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, aa razio
de 4 por canto ao auno aos portadores
que assim lhe eonvier : na ruu do Cres-
po n. 8 oa do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Fartaram am cavallo rugo, carnudo, capa-
do, com pintas amarellas, cabano, cascos pretas,
com urna baiza naa eostellas, ripado, com a caa-
da curta, mancha vermelha no qnelxo,' com ama
pisadura na coatella miodlnba qae nunca naacea
cabello, cujo cavallo ferrado nos qaartoa e no
queixo : quem o ichsr entregue na prenaa de
Manoel Ignacio de Oliveira Lobo, que ser grali
fleado, ou em Pedra Tapada, no lugar Capella de
S. Vicente a Jos Belarmlno de Assampcao, seu
egitimo dono.
ltenlo.
D- se dinheiro a premio sobre peo sores de ou-
rd ou brllbantee : pa raa do Gueimado n. 45.
Convite.
Palo presente se convida a quem qaer que so
julgue credor ds Anida D. Antonia Mara de Cas-
tro a comparecer no escripterio dos Drs. Epami-
nondaa e Codeceira, na rua do Queimado, afim
arem os litlos, e tiatar-se de seu
pagamento, isto no prazo de 8 das.
Attenco
John Wetsoo, cidadao norte americano, ten-
ciooa por todo o correte mez rellrar-ao para o
Mxico ; alguna doa seohores de engenhos da ca-
pital qae queiram fallar-lbe antes dOsSua partida,
quojram dirigir- raa do Trapiche, armazem
o. H>, da aeohora viuva Raimond.
Precisa se de um caixeiro para taberna, de
10 a 12 anoos, preferlndo-se destes ltimos che-
gados : a tratar na ra da Guia n. 42.
Na ra do Amorim n. 51, ou eatrada da
Joao de Barros, sitio de Candido Alcoforado, ha
para alugar-se urna preta escrava para todo o ser-
vico por 239 meneses.
Na travesea da ra das Cruzes n.
2, paimeiro andar, tinge se para todas
j as cores com presteza e commodo preco.
- Precisa-se alugaruma escrava para todo o',,- No ennho Curaahy, na comarca de Pao
servico : a traUr na ra da Alegra o. 18. I f.Aln0. Precisa-se de um eitor que aaiba Usba-
1 lhar e seja diligente, paga-se bem, agradando
. AHia. [seu servicos : a pesaos que se achar neata cir-
No primeiro andar do aobrado n. 43 da ra ea- cumataneias, pode dirigir-se ao dito engenho, ou
treita do Rosario, precisa-ae de urna ama para na rua da Cruz o. 62. terceiro andar, e o que nao
cozinhar e comprar para trea pessoa*. [ tiver aa habilitaces assim ditaa nao toma o in-
k liifro ,qp j commodo de comparecer, deixe-se estar em casa.
o sotao do sobrado da rui do Caldeireiro n. 2,
por preco commodo ; a tratar na rua do Cabug
n.l A.
Precisi-se de urna criada para eogommar e
coser, eama ama para cozinha ; na rua do Quei-
mado n. 10.
Mr. Mercier, alfaiate trances, precisa de offl-
ciaea para toda a especie de obra, e ccetareiraa:
na roa da Cadeia de Recite a. 18, 1* andar.
Guilherae Augaslo Ricardo val se Rio de
Janeiro.
Aluga-i o 2* andar aa raa d* Livramento
n. 19: a tratar no aeae.
Aluga-aa ua quarto independeete entra
ele, proprio para algama peesoa que aja a : a
trali^eb^rrnL^rBolojidebarbtiro^^^^
Migul Jos de Atmeid^TeroTuiDucob
seus Albos agradecem cordialmente aquel-
las pesaoaa que se dignaram asaisjir txe
qaiaa de sua finada apopa mi, e eipe-
ram qae mus amigos comparecam .no da
1* do crranle pelas 7 hora* da manhaa na
igreja da Conceicao do Militar, e as 9
horas oo cemiterio, afim da assistirem aa |
aissas do setiao dia.
Minoel da Craz Rosa Camino Jnior e
Triato de Alencar Araripe mandara dizer
urna miasa pela alma de aea fallecido ir*
mi e primo Antonio da Cruz Roaa Carva-
Iho, e pedem a seus amigoa o obsequio de
assistirem a essa ac to da religiBo e carida-
de, qae ter logar na matriz da Boa-Viata
no da 11 do crrante mez pele 8 hora
da manhaa.
Sao convidados todo os irmoi para reunio
geral, que ter lugar boje pela 6 1|2 hora da
tarde, afim de tratar-ae de negoeio muito urgen-
te, e qae reclama toda a considerado do corpo
social.
Secretaria da aociedade Amor so Prximo em
9 de abril de 1882.
Theodoro Orestes do Patrocinio.
Primeiro secretario.
John Rsynsrd, subdito britsnico, retira-se
para Earopa.
A mesa da irmandade do S. Sacramento da
parochial igreja de S. Pr. Pedro Goncalvea, con-
vida seus irmos para s reuoirem no prximo,
domingo de Ramos (13 do correte) pelas 6 horas i verfl(
da manhaa, afia de acompanharem a solemne
prodaeio do Senhor ao enfermo*': issim como
pede ao que tenham capa* nio possam com-
parecer, o obsequio de mandar enlrega-la ao
nosso irmo theaoureiro.O escrivio,
Miguel Joaquim da Costa.
Precisa-se de urna ama : no pateo do Terco
numero 26.
SOCIEDADE
Philosophica LiUeraria.
De ordea do Sr. presidente effectivo scienlifi-
co por meio deste a todos os bocios, que boje,
pelaa 10 hora a da manhaa, haver sessio ordina-
ria no palacete da rua da Prata.
Secretaria da sociedade Philosophica litleraria
10 de abril de 1862.
J. M. Loareiro Tarares,
1. secretario.

Antonio Jos Moreira, empregado no trafica
do porto, fas publico que, em razio de apparecer
onira peaaoa de igual nome muda o sea de An-
tonio Jos Moreira psra Antonio Jos Borges Mo-
reira.
Recite, 9 de abril de 1862.
Aona Francisca da Fonceca Pimente, viuva
de Jos Domiogues Pimente, fss sciente aos ora-
dores de seu casal, qae o inventario ae est pro-
cedendo pelo jnizo de orphios escrivio Facundo,
psra que legelisem suas dividas.
Enfeites.
?endem-*e eneilea pratoa e de coru. os maia
modernos que ha, para senhora, a 6#, 3a e 2, e
m completo sortimento de miudeas qae se
vende por manos da qae ea qaalquar parte: na
na raa da Imperitriz, laja da boa le n. 74.
T8? ^?6 **" Ul*,B A C, aa rua da
Cadeia do R*cife n. 52. rende-ae ;
Vinbo do Porlo engarrafado de maito superior
quslidsde.
arrala brinca e preta de diversas Barcas, e
da muito acreditada marca Teaoent.
Sellia para aooUria de hornera, de patente in-
gles, de aa dee aelboree fabricantes.
Palle de coaro deporco per selleiro.
Alvaiade de zjnco.
Pedra-hume.
Sulfato da farro.
A sardo.
Secante.
Phosphoros do gaz.
1 Vendam-se no deposito da travassa ds Madre
de Dos n. 16, armaam de Perra ir a & Martina,
por mdico preco, en porcio e a rstlbo.
Ratos e baratas-
Psra destruir completamente ratos a bsratis,
vande-ae ama preparicio rinda de Londree em
frasquinhos a 19 eada um : oa travena da Madre
de Peo a. 16, arauem de Ferreira 4 Martina.
Iseravos.
Vemdem-se muito ea conla na roa larga do
Rosario n. S4 cioc aaeraros peca ebegados do
Cear oo vapor Jaaaarise, san do am mulato de
18 annea, um cabra de 20, am crioulo-de 7, urna
crioula fula de 15 e autra crioula preta de 13 :
si? tesravos de boa figura e com babilidadea, sen-
do a crioula de 13 snnos propria para criada de
casa de familia.
Vestuarios para meoinos. 4 vipf nra
Chegou loja do fiado, na rua Nora n. 8, ri- \ f 1 V/|fUI Id
Chegou i loja do viado, na rua Nova n. 8, ri-
cas capss do falli para menino, obra muito
moderna neata mercado, palo baratissimo prreo
de 4f eada ama.
Espelhos de mordura
dourada.
Bicos aapelhos de mordura dourada, com ex-
celentes r id ros, e por diminuto preco de 4 e <$
eada um : aa rae Nova n. 8, loja do viado con-
fronte o camboa do Carmo.
Estalna equeslre
DO
O
Na rua do Queimado n. 75 jun-
to a loja de cera.
VENDE MUITO BARATO.
Clcheles franceses bons em cartio a 40
o cartao.
Alflneles
a carta.
Papis com-cento e lentos alneles a 40
o papel.
Lionas victoria em cirritel coa 100 jardea

r.
franceses eabeca chata a 199 re.
Compras.
Compram-se cabellos compridos: amado
Queimado n. 6, casa de cibelleireiro.
Compra-se ourelos em qnalquer quantida-
de : na rua do Vigario n. 9, primeiro andar.
###-
A No trapiche da compaoma largo do
Corpo Santo n. 19, *ontinua-aa a com- ^
Atteoco!!!
t
prar eacravoa para exportago, paga-sa
bem e d preferencia a preto crioalo de
boa gura de 14 a 20 anuos de idade.
mm t
Compra-se na raa da Seczila Nova o. 57,
dous estravos de 10 a 20 anoos.
Na loja da rea da Cadeia do Recie n. 55, van -
dem-ae lasas pretasde Joavin, assim como bran-
cas e da cftr do caana; a ella antes que se aca-
ben
Attenco
o
Chegou para a loja da victoria, candieiroa a
gas de novos goi.os e modelos, tanto para sala,
como para escadi e quarto e para outraa muilas
cousss: na loja a victoria |oa raa do Queimado
n. 75.
D. Pedro V
ou
Criado.
Precisa-se de am criado forro que sirva para
todo o servico da casi de um rapaz solteiro, tan-
to para externo como interno : a tratar na rua da
Cruz, armazem n. 26.
OSr. lenteII K. dad'
Gama
do 9.a batalho, queira cumprir o aeu dever rela-
tivo a procuraco bastante de esercicios findoa
qae passou a perto de dous ancos, do contrario
explicar-se-ha todo o seu procedimento a res-
peito, e a antoridade competente ftr o que for
jaato.
Aviso ao publico.
Albert A'choff avisa ao respeitavel publico e aos
seus freguezes, que mudou a sua officioa de relo-
joarii da rua da lmperatriz n. 14 para a da rua da
Cruz do Recite n. 11.
John Ingleton, subdito britnico, retira-se
pare a Europa.
Desappareceu no dia 1* de novembro do
anno prximo paseado do sitio denominado Ca-
tle da freguezia de Cajazeiras, termo da cidade
de Soasa, provincia da Parahiba, am menino de
S annoi e 9 mezes de idade, branco, tem cabel- '
JGabinete medico cirurgico..
Rua das Flores n. 37.
: Seriodadssconstllaa medicas-cirurgi-j
ca pelo Dr. Estevio Gavalcanti de Alba- ]
0 querque da 6 s 10 horas da manhia, ac-
0 cudindo aos chamados com a maior bre- (
sa vidade possivel. / i
aa l- Partoa.
aa t.* Molestias de pella.
S.* dem do olhoa..
gj 4.* dem dos o rgaos genitaes.
aa Praticar&toda equalquer operaco em
ea aeu gabinete ou em casa do doeote con-
*m forme lhe fr maia conreoiente.
aa
^ Compram-se escravos crioulos
@ aue tenham de 12 a 20 annos f&
@ de idade, e que sejam de bonita ^
9 figura, paga-se bem: na rua do
Queimado loja de ferragens nu-
mero 13. %
#o@#aat# mm+mmvm
Compra-se urna rede para pescara, que te-
nha de 16 a 25 bracas: na rua Nova o. 16.
Compra-se ama can terrea que tenba boa
quintal: na rua do Sol n. 13.
"Vendas.
O Mo Drama em 5 actos'
POR
Francisco Gaudeacio Sabbas
da Costa,
Autor do drama
Francisco II ou a liberda-
de da Italia.
Esta obra centm os melhores episodios da
vidadoillustrado monarcha o Sr. D. Pedro V, de
glerioaa memoria, e digna de poasuir-se : veo-
de-se na livraria econmica, rua do Crespo n. 2,
eada;eiemplar a 18090 rs.
Sociedade bancaria.
Amorim, Frsgoao, Santos Si C. sacam etomam
saques para a praoa de Lisboa.
Precsa-ie fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Hendes Guimaraes, que mo>
I rou na rua da Conceicao da Boa-Vista :
I nesta typographia.
O brigadeiro Huniz Tavares, que tem de
se retirar desla provincia, convida aos senbores
que pretendereis comprar urna mobilia de jaca-
randa gosto moderno e em muito bom uso se
dirigirem a casa de sua resideocia aobrado n. 2
1 contiguo a igreja do Senbor Bom Jess doa Mar-
. tyriosdas 7 horas da maohia at as 11 e das 3
I da tarde ea diante am de-verem a dita mobi-
. lia e tratarem.
Francisco Durao Soares, subdito hespanhol,
l retira-se pare fora do imperio.
L. H. B. Mulsovr vai Europa, levando sua
roa"umVoaco"fo"uroVe anVdo."erpo""daa"d"o. I 8enhos % ^J^T'-^" de0s" ,a?de'
feices miadas e bonita e um igual .obre o e*- I u~ ? S.0I?Jll"d'" m"?"n? 6 ?eg0C,ian"
toaago, nio padeceduvida de que fra furtado i tede,{? *39k"2%Z!&*$E* ,ih
e Bogando as informacoes que se tem podido ob- ~ H;.:.?"n" re,1'a;8? p,ra a Eu,roPa- K
ter, de crer que tenba sido coodusido psra es-!, ~ PW.,M6, dehUID ue ro que tenha bas-
ta provincia ou pare al. O slR0.es indica- ''n'eA n"llJ?"*tabn"" a ,ratar n0 Paleo do
deaco- TerS-?' ** seguudo andar.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Tabocaa
distante [desta cidade 7.leguas, na fregqezia da
Las, sito oas margens do rio Tapacnri, com eujaa
aguas pode com suman fscilidade moer. Tem
maltis, e terreno de immensa prodcelo para sa-
frejar maia de 3,000 piea annualmenle. Oa pre-
tendentes-dirijam-se ao mesmo engenho, ou ao
Recie, i loja de|oorives do Sr. Manoel Antonio
Goncalves, na rua do Cabag o. 3.
Graxa.
Vende-ae a verdadeira grasa 97 : no armazem
da rua da Craz, de Joa Antonio Moreira Das &
C n. 26. ja
Nilhoe arroz.
Calcados
Fundador do im{erio,
Sr D. Pedro I.
Receberam-se copias, e vendem se na loja
exposicao da candieiroa a gaz, na raa Nova
24, loja de Carneiro Yianna.
Largo doT<5r numero 23.
O propriatario deste eslabeiecii ieoto de mo-
Ihadoa est resolvido a vender os eneros muito
maia baratos do que em outra q alquer parte,
afianzando- se a boa qualidade, mi oteiga inglesa
a 800 e 900 rs. a libra, dita trance: a da aafra no-
va a 680. e da velba a 640, banha le porco refi-
nada a 400 rs. a libra, batatas mu o novaa a 140
a libra, em gigo faz-ae abatiment toucioho de
Lisbos muito novo s 240 e 280, qi eijos do vapor
a 2p700, de navio a 2*400, cerrej das melhores
marcas a 500 rs. a garrafa ; assim coao se ven-
dem oatroa muitos gneros perte cenles a mo-
lbados, assim como caf, arroz, rilas de esper-
macete e carnaaba, e finalmente o vendem ba-
ntiasimoa no acreditado torrado no largo do
Terjo o. 23.
Vende-se a propriedade, ei cruzilhada na
ribeira do Orob, freguezia do Boti-Jsrdim, com
400 bracas de testada e 800 de undo, propria
para engenho ou plantaces de ca: assim como
a propriedade Touro, com 200 bi icm de testada
eama legoa de fundo, ezcellente para algodo,
milho e feijio : a pessoa que pret nder, dirija-ae
a rua da Cadeia do Recie, loja n, 50, a qualquer
hora do dia.
Loja do beja-flor da rua do
Queimado o. >3.
Vendem-se franjaa e trancas, fi ss de velludo
preto psra a quareama, maia mode as que be no
mercado, e mais barato que em tutra qualquer
paite.
Loja do beija-llor d a rua d o
Queimado u. 33.
Vendem-se facas finas, cabo de balaceo de 2
botoes s 65800, ditaa para doce a 5$800. ditas de
um bolio a 6|200, ditas psra doc > a 59200, ditaa
pretaa cravadas a 3|60O, ditas brancas a 39400,
ditaa rolicaa a 35 a duzia.
IB.
a 60 re.
Ditaa de J00 jsrdaa de Alexander a 900 r*. a
duzia
Ditas de 100 jardea brancas e de corea a 30
rs. o carritel.
Ditaa de Pedro Y em earlao brincas e cores a
40 r. o cordo.
Ditaa de miada de peso verdadeiras a 1W ib*
a miada.
Ditas de dila cibera branca e eacarnada a
120 rs.
Grampos maito boa. a 40 e 50 rs. e asee.
EoQadorea branco* de algodao e linee a #0 e
80 rs.
Carteiriohaa com sortiaeato de agalhsa a
5UU rt.
Phoaphoroa do gaz muito bons a 290 rs a auia.
Ditos em caira de folha a 100 r. qae s
caira val o dinheiro.
Di'0* de aegurauca porque evita inceadie a
160 ra. a caixa.
Ditoa de cera caixis grandes a 400 rs. a celia.
Franjaa de borlla para cortinado a 4}200 a
peca.
Ditas sem ser de borlla a SleOO a peca.
Ditaa estreila brancas e de oree a 1*0 rs. i
vsra.
Feotes de balis para alisar a 240, 380, 310 *
400 rs.
Camisss de aeia finas a 700 rs.
Capailas e ramos psra noivas a 4*500.
Enfeites de flores muito lindos s 4/.
Caivetes finos de duas ollm psra pana a
200 rs. ^^
Ditos de urna folha a 120 rs.
Agulhaa francesas o melhor possivel a 140 rs.
a caixa.
Enfeites modernos para aenhera a 5J a 61.
Meiaa para hornera a 140, 160, 00, 240 280
rs. o psr.
Ditas para senhora a 240,280,320 e 400 rs. o
par.
Ditas para menina e menioo a 160, 900 e 140
rs. o par.
Fitas de linho a 40, 50 a 60 rs. a peca.
Linhas crozel nvelos grsndea a 310 rs. o no-
velo.
E oulras muitas miudeas qae so vende auito
barato.
Loja do beija-flor a rua do
Queimado n.
Vendem-se grvalas pretas de
estreitaa a la, ditas a 800 ra., p mnas de ac de
63.
Isetim a 18, ditas
provincia ou pare o sal. Os sigoaes
dos e o appareetmentode urna criaoca
nhecida em qualquer parte, que sem duvida
um faci que nao pode deizar de dispertar a ca-
rioeidade dos que a virem, sao meioa auffictenies
psra fazer fraatar qualquer plano erimiooso. O
annunciante nio determina urna quantia certa
Precia-se de urna ama psra todo servico
de urna casa de pouca familia : na raa da lmpe-
ratriz n. 74.
Collegio de Bemfica.
Este estabelecimento precisa da urna pessoa
como recompensa aquello que dr noticia do ci- que esleja as circumstanclaa de oceupar o lugar
tado menino, porque oinguem ignora que um de prefeito. Tambera carece de alugar um ea-
pae que ae acha privado de um filho por tal ma-
neira, sacrifica tudo para ve-lo ; portanto quem
der noticia delle em Cajazeiras a los Antonio
de Albuquerque ou no Recite ao Sr. Antonio Fer-
reira da Silva Maia, pode ficar convencido de
que aer generosamente gratificado*
Precisa-se alugar urna ama de leite quer
aoja forra ou captiva : quem tiver e quizer alagar
dirija-se a rua do Alecrim n. 4, que achara com
quem tratar.
O corpo commercial de Per-
uambuco nao responde as
almas do outro mundo.
OBSERVA rOREM QUE
Quem vae em um jornal publico fazer alluades
acciatosas honradez de pessoss collocadas na
primeira espnera de oossa sociedade, serviodo-se
do aoonymo para ferir traicoeiramente a sus re-
putago firmada ; nio s tem um carcter femen-
tido e desleal, como deve ser reputado ganha-
dor e indigno da attenco de urna classe eleva-
da, como a claase commercial que despreza os
zoilos, e aquellea que nio tendo f na justica da
propria causa, procoram desabafar na imprensa,
por calumniosas insinuares, indignss de ho-
mm de boa sociedade.
A alma do estraogeiro > deve estar salisfeila
porque, ae o dinheiro foi guardado, foi tambem
fielmente entregue i sua familia. Nio poderam
oa eapertos lancar-lhe aa anhas como Unto de-
sejaram, foi ua desspontameuto.
Sa < o guardador da fortuna do Infeliz > tea
oa nio documentos de ser socio do srmazem, ia-
ao nao para o Diario, aoa Uibtiaaea qae c-
sea questea se ventilara. Este cavaco rnen-
te dado ao publico, para que ole faca juuoate-
merarioa. Eocarregou-se disto um amigo do
alladido, que lbe aconselha nio da cavaco a am
Procurador peliotra.
Vendem-se saceos grsodes com milho a 4V50O,
ditos com arroz de casca a 39500, era cnia a 200
rs.: na travessa do pateo do Paraizo n. 16, fren-
te de amarello.
Vinagre a 1,20.
Vendem-se garrafoei cheios com 5 garrafaa do
vinagre a ljJzOO cada um : na travessa do pateo
do Paraizo n. 16.
Vende-se urna morada de casa terrea o. 19,
sita na rua de Horlas, com porta e janella, 1 sa-
las e 2 quarto., cacimba e quintal, ea bom es-
lado : quem a pretender dirija-se a rua de San-
ta Rita n. 43 para ajustar com sua proprietaria.
Vende-se urna casa terrea na raa Augusta
com oplimaa accommodacoea : na rua do* Pires
numero 58.
Vende-se leite puro : na esquas do becco
dos Ferreiros, taberna.
Progresso nacional.
Rua da lmperatriz numero 4.
Vende-se barato para vender-se
muito o seguinte :
Latas com superior jalea de goiaba a 19500.
Ditas com ervilhas a II.
Ditaa com doces de caldas, pecegos, peras etc. a
700 rs.
Manleiga ingleza superior a 1f e lflOO.
Dita francesa multo boa a 720 rs.
Cha byason superfino a 2880.
Pao-oe-16 francs em caixiohas muito proprios
para tomar com cha a 240 ra.
Ceblas em molho com maia de 100 a 19, e ou-
tros muitos gneros que se venderlo bsrato.
A' iloja do Porto, esquina da rua da Madre de
Dos, acaba de chegar um completo sorlimento
de calcados dos melhores fabricantes de Pars e
Nantes, entrando neste sortimeoto os afamados
borzeguios e sspate de Nantea para meoidos ;
e tambem vende um resto de calcados com de-
leito por barata preco. Na mesma loja ha um
completo sortimento defazendas e roupas feltas,
e perfumaras.
Vende-ae no armazem de Nunes Irmao
asccaaeom aino mallo grandes, e de maito boa
i qualidade ; armazem ao p da Madre de Dao n. 5.
Cambraias.
Vndese cambraias de core de bonitos e ele-
gantes desenhos s 280 e 320 rs. o corado: na
raa da lmperatriz loja n. SO.
(Miados.
Vendem-se oliadospintadoB de lindas vistas e
paisagens larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para mesas de jantar a 2$ o covado : na
rua da lmperatriz loja n. 20.
Reos cortes de se-
da preta com babados.
Na rua do Queimado o. 18 A, loja de Carva-
llio & Baatos tem para vender ricoa cortes de
aeda preta com babadoa seda muito encorpada.
4 dinheiro
cravo qoe carregue agua e faca qualquer outro
aervico semelhante.
Aluga-ae urna escrava para andar com en-
ancas, a qual perita para este fim por ser muito
cuidadosa : quem pretender dirija-se a travessa
das Cruzes o. 4, loja de calcado.
D. Seohorioha Francisca Vieira declara ao
respeitavel publico e especialmente ao corpo de
commercio, qoe desde o da 5 de marco deixou
de aer seu procurador seu canhado Joaquim Luiz
Vieira, por assim convir a seus interesses, e em
sea lugar fica encarregado de todos seus nego-
cios seu irmio Joa Francisco Bitencourt.
Recite 7 de abril de 1862.
O abaixo aasigoado, veodo as artes um pou-
co amortecidas, com particularidade os artistas
de ediQcago, pela qual sempre foi spaixonado,
mas como nao possa edificar todos os terreos
que anda lbe reatara, por detras da rua da Con-
cordia, com 4 frentea cada quarteiro, convida a
todaa as pessoas amantes da edcaco, qae tea
resolvido dispr do resto dos seus terrenos por
meos dez por eento dos que j tem disposto an-
teriormente ; offerecendo todos os miteriiea de flnissima qualidade a 49 cada peca" ditas bran-
dara com cinco por cento de menos que o
de igual qualidade : os pretendentes podara .
tender-se com o sbaixo aasigoado, na rea la
do Rosario n. 16. ^.j*,"./
- Manoel Antonio de Je**Ja.
Precisa-se de um caixeiro para tiborna com
pratica ou sem ella, dando nanea a sus conduc-
ta : no Hospicio n. 28.
Jos Pereira de Miranda retira-s para fora
desta provincia. "^
Ama.
Ensioo particular.
Teaa-sa liedea ea essss particulares
de feaocez, ioglez, granadle* e aoaly-
se da liogua portafeeza, arilbmetica e
ariaeiraa UUsa* : a fallar na raa do Ca-
bag a. 3, segundo andar. .
I de 2:500f000 a premio sob hypo-
theea em propriedades .livres e desembaracadaa,
quem quitar dar dirija-se a travessa ds rus. das
Crazas a. ll; liberna de Jos Barbado
No segundo andar da casa da rua da lmperatriz
a. 42 precias-se de ama ama para o servico de
esss.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 snnos
de idade para deposito : a tratar na raa Imperial
a. 179, oa aa rus estreita do Rossrio n. 29.
Aluga-se o segando indar, soto e mirante
do sobrsdo da roe do Padre Floriano n. 38 : a
tratar aa rua do Queimado n. 52, loja.
Cambraia doqneza de Or-
leans.
A mais moderno que tem vindo ao mercado,
cores fixas pelo mdico preco de 600 rs. a vara :
ns" loja da rua do Queimado a. 43, esquina que
volts pira a Congregado.
A ellas freguezes 'a
que se acabem.
Lindaa cambraias com aalpicos braocis .
cores com81|2vsrss cada peca, largura regular,- Sr,B?,Pe, oe differentes cores
eu a prazo veade-se a loja de barbeiro da rua do
Raogel n. 6, propria para qaalquer estabeleci-
mento, aasim como um relogio de parede, nm
pianode mesa, urna coramoda de Jacaranda fei-
ta ao Porto, um coamorama com 40 vistas, Ta-
os aapelhos redondos de duas faces, um diccio-
nario claisico e um de Fooseca e Roquet.
Attenco.
Graude california para liqui-
daco, na rua Nova n.18
Os novos proprietarios deste estabelecimento,
leodo ea vistas sortlrem o mesmo, axpoem as
fazeadaa existentes & disposicio do publico para
serem vendidas por todo e qualquer preco : por-
tento convidam a todas ss pessoaa que se quize-
rem enroapar com penco dinheiro, de irem a
mesara loj ver como se qaeimsm ssfszeodas se-
Tsguintes :
Vestidos pretos bordsdos a velludo, proprios
para a quaresms.
Minteletea pretaa e de cores.
Sobre-casacas pretas e de cores.
Casacas pretas e de cores.
Paletots a fobrecisacados de differentes cores.
Calca* de caaemira pretas e da eores.
Golletes de casemira e velludo de differentes
core.
gapeos de castor e de seda pretos.
toa do Chile Unos e entrefinos.
cas lisia muito finas marca bispo \ 5)500, d
pooco menos s 49. ditaa de mais baixa qailid
a 8), ditaa pretaa muito finas a 600 a vara, m
salina finas padrd moderno com palmas
"aa propria para vestidos de teohora e meni-
s 100 rs. o covado : na bem conhecida loja
lernardo Joa da Silva Maia na raa do Qal-
o n. 43, esquas que volts para a Gdngre-
WCo.
Ampliado armazem e de-
posito
langa, 500, a 720, ditaa de moz nha a 800 rs
Vende-se ns freguezia d< Ipojuca o enge-
nho Diamante, todo bem monti do, com casa de
vivenda, senzala, olsria, disli lacio, estribara,
casas psra larrsdores, tudo de lijlo e cal, me
d'agua e muito bom de producto, com trras
psra dar mais de 3,000 pies aunualmente, com
terraa anda por deacubrirem mataa : quem pre-
tender comprar, pode dirigir-ae ao mesmo enge-
nho i tratar com o proprietario, ion no Recite com
o lllm. Sr. commendador Lemos Jnior.
4os fabricantes de \elas.
O anligo deposito de cera de carnauba e sebo
em pi e em velas, estabelecido ao largo da As-
sembl n.9, madou-se para a ra da aladre de
Deoa n. 28, qaasi defronte da igreja, onde conti-
na a haver um complato sortimento daquelles
gneros, qae se vendempor precos razoaveis.
Quadros de moldura dou-
rada e preta.
Lindos quadios de moldura dourada e preta
com estampas a 48500 cada um: na loja da vic-
toria na rua do Queimado n. 75, junto a leja de
cera.
Malas para viagem
Vendem-se malas psra viagem, de qualidade
mediana, e tambem da niellipr qualidade que se
fazem na Europa : na rua da Cadeia n. 36, arma-
zem de Auguato C. de Abreu.
Bandos ou crescentes de
cabellos humanos.
Bandos de clina muito grandes e bem
feitos.
. A loja d'aguia branca aviss a todas as senhoras
que baviam mandado procurar e eocommendar
eaaes necessarios crescentes de cabellos humano
(e mesmo as qae de novo precisaren)) que ellas
acabam de chegar, to bem arraojados como jus
tamenteaedesejava sendo o sortimeoto de pre-
tos, castanbos etc. e muito bem lecidos nos pe-
queos pentes que servem para prender, trazen-
do ao mesmo lempo enchimenlo, do que resalla
que urna senhora com um par desses crescentes
pode maravilhosameole fazer o amsrradilbo de
aea cabello aem que deixe perceber a falta que
delle* senta, custa cada par 5S ; tambem ha
bandos de clina mu grandes e bem feitos o rJe-
lhor que em tal genero se pode dar vendem-se
a 20 o par, tudo isso na bem conhecida loja da
aguia branca rua do Queimado n. 16. .
Vende-ae o 1, 2e e 3 tomo das biogra-
phias de alguna poelaa e ontros homens illustrer
da provincia de Pernambuco pelo commendados
A. J. de Helio, com bellaa poeaias, acias, pn-
cio. muitas patente d capilies na guerra dos
Hellaodezes, entre u quaes achario aa dos seus
ascendentes muitas das familias, nio s de Per-
nambuco, mas tambe da Parahiba, Rio Grande
do Norte, Babia e Rio de Janeiro, e outros mui-
tos documentos histricos.e polticos, nio s
curiosos, mas de grande importancia. Em mo
do autor.
en-
e
640.
640

Attenco
Precisa-se fallar ao Sr Jos de Si Lailio Ar-
noso, depatado provincia), e ampregado publico,
aa cidade de Manas, a negocio de aea iateresse:
aa rua do Queimado a. 47.
Joio Luiz Pereira Lima faz publico que dei-
xou de ser socio da firma Ackwrignt r des-
d o dia 34 de marco.
de roapaa com um completo e variado aorlimen-,
to para homem e menleo, por multo menos pre-
o que em outrs qualquer parte, como sejam:
alelte de caaemira de cor fino aaccoa e sobre-
cuscos cada um 10j).
Ditoa ditos de meia casemira preto e de coree
cadaum5f.
Ditos ditos de alpaca preta_e de s 4| e 6f.
tolcasdee
Ditas ditas a
Ditaa prineasTVIaa a 4.
Dita* de ganga e brira de todaa as qualidades : na
raa do Qaeiaado o. 43, eqiaa qu volta pe>
' ra a Congregaeao.
Vende-ae por dezoito mil rea doas diccio-
narios geographtces de Booilet, em. perfeillssiroo
estado : quem o pretender, dirija-ae i asta ty-
pographia, qae N dir quem vende.
Sedinhia de quadro* de differentes cores.
Luvaa par homem e senhoras.
Botinss de selim branco.
Sapalos para bornea.
Meiaa de seds para homens e senhoras.
Ditas de algodio para bornea, senhora e me-
ninos.
Franjas de todas ss qualidade.:
Onspelinaa para senhoraa e meainas.
Vestuarios para meninos e rjaasjBM.
Chltaa ioglezas, e oulras aaTafsptAzenda., qae
seria enfadonho manctoaar-a ; aflancando-se
aos fregus que leeaado daaelro nio voltario
fizoadaayjg ,
Oabriott e cavallo.
se am Mlmaie cabrlolet com todos os
multe tortea qaaai novo, e um bo-
rneado miao, aera achaques, o que
eado ete animal o melhor de cabrio-
oesta cidsde: ns cocheira de Tho-
leis ao p da prsca do capim jaa-
do Dr. Sabino.
Fazendas pretas
I na loja do pavao, raa
da lmperatriz n.60,
de Gama Silva,
Vende-se baratissimo por ser teapo de qua-
resma as fazeoilas seguiotes :
Ricos manteletes de velludo preto rica-
mente enfeitadoa com fraojas largaa os
mais modernos que lem vindo a 30|000
Modernissimos enfeites pretos s turca a
Garibaldi
Ditoa mais simples a
Ditos de vdrilbo muito modernos a
Chales pretos de merino bordados coa
vidrilbo a 1
Ditos de fil preto muito fino s
Grosdenaples pritos fazend* muito
corpada a 19500, l;600,1*800, 2f
Sarja preta hexpaobola, covado a
Meas de seda pretaa para senhors a 1*000
Ditas de l e de laia para padres a 1*600
Luvasde retroz bordadas com vidrilbo e
sem vidrilho a 500 rs. a
Ditas pretas lisaa de seda muito Boa a
Alpaca, pretaa muito finas a 560, 640,
800 e laOOO
De lado do-se amostras com penhor : a raa
da lmperatriz n. 60, loja e armazem de Gama k
Silva.
Pannos pretos e casemiras
Na loja do Pavao.
Vende-se panno preto maito boa fazenda a
19600, 1*800 e2$ o covado, e dito qae val 89 a
4*500 o covado, casemira* pretaa entestadas a
39, 3*200 e 3*500 o curte, dina de aa* sd lar-
gura de todos os precos e qual.dade, setim pre-
to da China para calca, paletots e rolletes coa 6
palmos de largura a 3| o covado: na rua da Im-
pera trz n. 60, loja e armazem de Gaaa & Silva.
Chajes.
Grande pechincha na loja do Pari.
Vende-ae os mais ricos chales com pona re-
donda e bolotas, tendo as barras de velludo oo as-
selinadas, imitando as capinhaa mais moderna,
pelo baratissimo preco de 49500 cada um e ditoa
de quatro ponas a 45500, ditos a Garibaldiaa
sendo muito grandes a 5|: na na da lmperatriz
n. 60, loja do Pavao de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,500.
Vende-se espartilhos ioglezes que sio os ae-
lho-es pelo diminuto preco de 3*500 cada aa :
na rua da lmperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao, de Gama 4 Silva.
Attenco.
mi
e candieiroa de novos modelos e por preco coa-
modo : na rua Nova loja de farragem n. 39, de
Joaquim da Costa Msia.
Camas de ferro fraoceza de diferentes lma-
nnos : na rua Nova loja de ferragem n. 39, de
Joaquim da Costa Maia.
Nao ha quem venda pelos
pretjos,
Viado,
n 8.
s na loja do
na rua Nova,
4000 rs.
Eali vendendo luvas de torca!
melhor que se poda encontrar
com vidrilho
em bordadoa
800
Lavas tambem de retroz aem serem bor-
dadas a.........: 640
Ditaa ditas de dito psra meninas a 500
Ditaa ditaa de seds psra ditas a *. 500
Ditas ditas de dita para senhora a 1*000
Ditas ditas de dita bordadas para seaho-
ra
Dita* ditas de seda de todaa as cores a t
Danheiros de folha de zioco imitando a
more e por preco commodo : na roa Nova leja
de ferragem n. 39, de Joaquim da Costa Msia.
Salvas prsteadas para copos de diflerenle l-
mannos e por preco maito commodo: aa raa
Nova loja de ferragem n. 39, de Joiquim da
Costa Maia.
39
Facaa e garios de cabos prsleados gosto a
derno e por preco commodo: na roa Nova a.
<| loja de ferragem de Joaquim da Costa Maia.
. Vende-se um ptimo sitio de tr-
ras na villa de Iguarauu' baii ro de S.
Sebaittao, com grande e bem construi-
da casa de pedra e cal e viveiro a mar-
ge m do rio : os pretendentes dirijam-
se ao engenho Tapipir' do major lia-
noel Julio da Fonseca Pinho, onde
acharao com quem contratar por pre-
co commodo
fas com firelo novo de Lisboa a 4|: noa
araan de Taiso Irmlos.
Teade-se na raa da Saaxala Nova a. 37, al-
goo ti m de urna peaaoa que se retire.
?eadem-ee 9 bois e carro da alfandega em
multo boa oslado, ou a dinheiro ou a praso, coa
l garanta: aa pateo do Terco a. 98.
19600
19600
Facam fogo no viado.
Seda lavrada a melhor qae se pode encontrar
de bom e delicados gostos, que a vista do preco
nio ha qoem deixe de fazer um rico vestido pre-
to psra quareama, pois, aproveem a occasiio,
pois quem nio flzer agora, nao faz tio cedo ;
esta loja fica bem conhecida, por ficar bem con-
jroote a eamboa do Carmo, e ler o viado pin-
tado.
Manteletes de fil.
Vendem-se os mais modernos msnteletes da
fil preto em modelo de capas chegadoa pelo ul-
timo vapor : na roa da lmperatriz n. 60 loja a
armazem da Pavao, de Gaaa Silva.
SrSa acadmicos
a
i
cosf
Nio acrediten!, vao rr.
Vendem-se tactos completos de supe-
rior casemira de cores escuras viados de
Inglaterra em diceitura pan a boa i
ejFtrtMeid loja de Gulaariea & Tillar:
tt raa do Crespo n. 17.
W*ff Wn
N. O.Bieber & C.iaccaMorea.raa
a. 4,tela paravnderrelogioparaalgibelra da
oaro a prata.
Existem.
Na raa Nova loja fraocaza a. II, para
muito barato aaa bonita cadetriaaa ai
gante palanqaim : aa pea ana ara
qualafur delle nio poden eeaar aelhat
laiio para.eoapraraa boa e barato.


^
DUMftDKF
mu.
s
NH
armazem PROGRESSO

Francisco Fernandes Duarte
Largo da IVnlia
.
o que ha da bom oeste genero a 15000, a libra e em porcao te
muito doto a 500 rs. a libra, e .em por-
Veade-se neste armazem de molhados os melhores ge-
eroi que rem a este mercado e por menos 5 a 10 por ceoto do qae en outra qaalquar paite,
garantindo-se a boa qualidade, por iaso togi-se a todoi o Sri. dapraca, de engenho aterradores o
favor de mandaren) suas encommeadas ao armazem Progresso, afim de Torem dlfferenca de
preco e qualidade que faz, se fosaem comprados em outra quaiquer parte.
aalteiga lllglexa depriin9ira quaii(jaue a 80o e 1*000a libra, #m barril te fari
abatimento.
$laiitoig& tiictii a mais nova, 640 rit>, ijdu e ,m bartf 600 rii
*&WM. liySSOH 0 mas aup6ror que ha no Brea ViUa UUX11H muan(i0 a perola, pela sua snperioridade a 8*000, e 2*600 a libre.
O IVA pr\0 unico para M doentgj que se tra,am cam a homeopathia a 29500 a libra.
'JaeiJOS QO *!* ,hegedos neate lltlmo T,por 2*900, ditos cbegadoa do ulmo
nario a 2j500
Qutijos londrtaos
faz absmenlo.
^|UC1 JO ptalO 0 maif 8uperior que tem yD(Jo a e8te matca,i0 a 15oo a Hbra.
ProntaU ingVoz pa?a fiambre
cao se far abalimeoto.
C> PiaXUH\0 AO TOIHO d9 lup,rior qu.ujade m r>. a libra einteirb, a 440 rs,.
SaiaiIlO meihr pelisco que pode haver por estar prompto a toda a hora a 1| a libra, e
em porcao a 900 rs. -
TofAaUo ao reino muit0 novo im aUbra> e embarrilda3arroba a7*000.
Cbourieas e paios de tombos m libra> em por2ao 8e u. .b.tt-
ment.
"V** ja prompas para se comer rindas a primeira vez a este
mercado a 2jOO cada urna.
Baata de poreo retinada em lala com 10 llbrai por 4,500 unia.
Banna de porco mu^0 flDa alva a 480 rg a libra 6 em bmll a 400 rs
Alarmeada imperial d0 afamado Abrea e deoatros mellos fibricantea da Lisboa
a 800 rs. a libra, e em porgao se faz abatimenlo.
Latas eom tratas de doce caUaWMBOHlopir.idilBMCOipi.
ceg, alpeje, e gioga, a 800 rs. cada lata.
Mermelada de alperxe em latM de 2 Ubra por 1J}200 cada uma.
Latas eom amsndoas conteitadas conteQdo msi. confeUoa aacat
candi, muiio proprio para mimo, a 2*000 cada uma.
Boee da el sea da goiaba mttUo flD0. m r8.. em porSo 8e .batimento.
Boee scco e escalda de differente8 qailidadeii em utli d,4(Se 5por
2o500 cada uma. w .."
.Cavtoe eom bollo traneez propriO para mmo. 560 ri.
Pasae em eaxM&v& de 8 libras muit0 novas por 28500 a retalh0 ,
480 rs. a libra.
igos 4a e aminadre muit0 aorott em caJx de 8 libras porS#5oo, dita eom 4
por 1$500, ditas eom 2 muito bem enfeitadas por 900 rs. cada uma e arelalho a 320 rs.
libra.
^rvilbas traneexas e portngntxas em tata> de, Iibrti por 640 rl.
ditas em meias latas a 500 rs.
Haeaat tomate em utas de i ut por soo rs.
\mendoas de case* mole muil0 a0Tal a m m libra
^iOXCS a 120 r8. a ubra, e 3#000 a arroba.
Amei^as vraneexas e m lat8 com 3 Hbras por 2JS0Oi dita8 com j ll2 por 1JI500#
Am^lxas portugntxas. 320 rs. a libra e em caiia se far .baliBent0.
^bocolate bespnhola 18500| dil0 [rancez, iim dil potUg(iei a 8Q0 r8> a libr>t
aGauca-se a boa qualidade.
DOlaXinna de soda em la,88 com diflerentes qulldades, a 1J440 rs.
HlaC, S para S9pa letrla> msCarro e talharim. a 400 rs. a libra e em caira por 8SO0O rs.
PailtOS QO OenteS iXad03 moihos com 20 macinhos por 200 e 280 rs. muito Anos.
merejas em frascos com 1 e 1[2 libra por 800 rs.
m i-J-JlO francez para limparfaeas a 200 rs. cada um, em porcio se faz abatimento
*l01S.Xinna inglexa a maiJ nova d0 mercad0 a 320 rs. a libra a em barrica a 4500
W ulUll pard eiJgommari muit0 aiva aioo rs. a libra e em sacca se faz abatimenlo.
rOe de PsU em latas das melhores qualidades de peixe que ha em Portugal a 1^600 rs.
l&SpermaSete 8uperi0r de ciDCoeseis relaspor libra a 760 rs. aem caixa.a 740 rs.
N^rdinnas de NaDtes em iatas mul0 n0TaJ a 400 rs>
VlplSia mul0 novo a 160 rs< a iibra e em arroba a 4J500 rs.
O'^O retinado de diflerentes marcas e o mais superior que ha a 800 rs. a garrafa
e em caiza a 9
^ nnos engarraiados d0 duque d0 Porto e de outrt muiiasmarcas acreditadas
peste mercado a 1-;200 rs. a garrafa e em caiza a 122000 rs.
Vinbo ea pipa
Vestidos a 3^08*3 2^500
Vende-se certas de Testfdos brancos com bar-
r s a babadds -, 39 e 39900 na ru a a a I mparaUiz
n.60. loja e armazem do Pari, de Gama A
Sllta.'
Satas bordadas a 2^500.
I Vende-ee sai as bordadas mallo bonitas a 11900
cada ama : na rus da Iarperatriz u. 60. loil do
Paao, deG.m.* St.. '
BAli5eado-Pa\fto,
Vende-se balo* da bramante tranoei eom ar-
tos so4o os qia tom aaakhat armario plo di-
miouto preco de atV o ftsMO i na rada I mper-
triz n. 60, loja e armazem da Parte, de Gama
& SUra.
Saias com arcos de linho.
Vende-se aa acreditadas salas com reos do li-
nho que faxem as rezes de balo a 39200 a a 4
cada ama, esta (azoada s ha oa loja do-Pari :
ra da Imperatriz n. 60, loja a armazem de Ga-
ma & Stira.
Madapolo a Z$.
Vande-se pega de madapolo entestado com
14 jardas a 3fl a pega: na tu da Imperatriz n.
60, loja e armazem de Paro,
Grande pecbincha em cortes
de rest i dos I na loja do < Pavo.
Vende-se Baisalatas cortes .de cambraia bran-
ca bordados com t b.hados grandes e de deas
saias pal baratissimo aroc.0^6 4f. ditos da cam-
braia da seda com babados bordados a49500, di-
tos de phantasia fazendaqae empre se Tendea
por 12 pelo baraiisslmo prego de 6j> cada am":
na ra da Imperatriz n. 60 leja a armazem do
Pari, de Gama Sfla,'
Brilhantinas americanas.
Vende-se brilkantinas americana com lindis-
simaa cores sendo fazenda inteirameato< nova e
moderna de 4 1|2 palmos de largura a 400 rs. o
corado : na roe da Imperatrh iu 40, loja e ar-
mazem de Gama & 8i4e'- 'flan
Para meninos a 4$500rs
Vende-se restldiobos de eeda pare meninas t
ditos de fastio qara meninos maito bem enfel-
tados pelo baratiasjmo prego de 49500 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao. ^^
Gorguro de linho a 280 rs.
Vende-se gorgurao de linho 4o quadriotios e
mesclados proprios para senhous e roupas de
meninos e meninas a 280 rs. o corado: na rea
da Imperatriz n.60, loja do Pawo, de Cama &
Sra.
Ra da SenzallaNova n. 42;
Vende-se en casa da S. P. Jonhston & C,
sellins e silhes ingleos, candiairos e castiga es
bronzeados, lonas ioglezas, fio c'a vela, chicotes
para carros a montara, arreios para carros de
um a dous cavaHos, $ relogroi: 4e onrotpltente
ingles.
Libras stterHnas.
Veadem-se no escriptorio de Manoel Ignacio
da Olireira & Filho, prags do Cerpo Santo a. 19
Ricos espelhos'
Vendam-se dous magoiScbs espelbos em pon-
to grande, eom moldara adarada : a tratar na
rea da Cruz n. 27, primeiro andar, ou em biixo
no escriptorio.
Capachos
verdadeira em frasqueira a 6&000 rs. e o frasco a 560 rs.
Porto, Figueira e Lisboa a 560 agarrafa e em caada 39500, 49 e 49500.
OCTVcJsa dgs majg acredtadas marcas a 59 rs. a duzia, a em garrafa a 500 rs.
UaSspagae das marcas mais superiores qee ha no mercado a 159 e 229000 rs. o gigo
VaOgnaC ingleX a jotOOO ra. a caiza e 1200 rs. a gaarafa.
tienebra de Hollanda
Ginebra delaranja a 7mo .. doxia, inl hastot.. 640 rs.
txenelira nglexa a 10S000 rs. a dazia e a retalho a 19000 a garrafa.
PaliUs d$ g*x a ^300 rsagroza
*ai rennado em-poles grandes a 500 rs. cada nm, em fotqlo se far abatimenlo.
*-*"le lavado o que se pode desejar oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba a OSSOO. dito mais
baixo a 280 rs. a libra e 8$000 arreba.
SevaOinna de pranca a mais ora do mercado a 280 rs. a libra, em porcao se fax abati
ment.
glV moil0 D0V0 e alv0 a 320 rs a iiba-
arinba
Bita
do reino das marcas SSS e galega a 140 rs. a libra.
1 do MaranhSo aira e ebeiroza a 160 rs. a libra e em arroba a 49800,
n.er\iinas seca8 moo n0Ta8 a 160 rl. a ubra.
w de carnauba reQnadas a 400 rs. a libra e em arroba a JJKMM).
i\Xeiie doce de Luboa a 720 rs< a garrafai afjn5a.8e fl boa qualidade.
W lliagre de Lilboa a 240ri- Sgarra[ai a em caada a 19800.
l IRnO cbefet 19600 sf garrafa e em caixs se faz abatimento.
*lw branco e mais Superior que hi no mercado propio para missa a 640 rs. a garrafa e em ca-J
caada 4JB0O
o par.
Vende-te meiaa pretas de seda, e de mpi oda
qualidade, para aeohoras, e padres & I90M) o
par, por eslarem principiando a mofar, e estando
ellascalgadas nade ae coohace, aa ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.'
Loja do beija-flor da ra do Queimado
numero 63.
Veadem-se luras de pellica de Jouvln brancas
P6r hoje de fim ao roeu_ repretorlo at a chegda do primeiro rapor rindo da Europa, pelle pretas para seohora e homem. ebegadaa elo
poslesero hoyo sorlimento e nao sere preguicoso em o publicar ao resoeitarel publico. |ultin:o paquete. *

Vendem-se capachos redondos e'compridos e
de dirersos tamanhos, e oe- melhores que tem
rindo a este mercado, pelo-baralissimo prego de
600, 700 e 800 rs. cada um, e tambera ha capa-
chos muito grandes e proprios' para sof e mar-
3uezas para ljjiOO cada um : na roa doQueima-
o, na bem conhecida loja de miudezas da bea
(ama n.35.
Taixas
para engenho.
Grande redueco nos precos
para acabar.
Braga, Son & C. tem para rendar na ra da
Hoeda taixas de ferro cuado do mui acreditado
fabricante EJwin Maw, a 100 rs. por libra, as
mesmas que se rendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dirija-se a rae do Trapiche n. 44, armazem
de fazeadas.
Soahall Uellors & C, tsndo recebido or-
dem para reoder o seo crescido deposito de rslo-
gios visto o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portante, ispessoas qoe quizerem
poasuir um bom ralogio de oro ou prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproreitar-ae da op-
portunidade sem perda de tempo, para vir com-
pra-loa por eommodo prego no sao escriptorio
roa do Trapicho n. 18.
Cera de carnauba de pri
meira Qualidade.
Vende-se em porga o o arelalho de uma sacca
para cima, e por eommodo prego: na ra da Ma-
dre de Dos confronte abotica n. 30.
A 1,0280 ocovado.
Grosdeoaple preto muito bom: na rata do Quei-
mado n. 47.
A 15^000.
Paletols da panno fino forrado de seda : na ra
do Queimado n. 47.
Charutos da Hvana.
Vendem-se charutos da Hvana d-
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber & C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de metal prateado.
Em casa de N. O. Bieber & C. succes*-
soies, vendem-se apparelbos completos
para almoco, porta licores, garios, fa
cas, colheres para chae sopa, galhetei-
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem conhecido metal, pela sua boa
qualida ie e duracSo : na ra da Cruz
n. 4.
Vende-se oa arrenda-se o engenho Tabocas
distante deala cidade 7 legoas, na frecaetta da
Luz, aito as maxgent do rio Tapacur, com cu-
jea aguaa pode, com summa facllidade, moer, tem
matas e terreno de immeosa produegao para sa-
frejar mais de 3,000 pee aonuaimeote 1 os pre-
tendemos dirijem-se ao mesmo engenho, oa ao
Recite, loja de ourirea do Sr. Manoel Antonio
Gongalres, na ra do Cabugi n. 3.
Novo sortimento de cascarri-
lhas de seda.
A loja d'aguia branca acaba dereceberum novo
e bello eorUmento de cascarrilhaa de seda de
maites e diflerentes cores, e rnda-se i 19500
e 295OO ris e peca, na ra do Queimado loja
__ d'aguia branca n. IB.
Meias pretas de seda 1:000
Mi.
------deN.O Bieber 4
C, successores, ra da Cruz n. 4-
* ?$
Moircantiqae e co-
res bonitas a 2 000?
f e %500 covado
g^^Rua-do Crespo n. 17, Cuimari
Guimaraes &
m
......m
mse
s.
MENOS DEZ POR CEKT0
NOS ARMAZENS
Mmiim?
DE
_5 toja de miadexaa
_-lzeredo Maia e Silra, esti rendendo
i ae miudezas por precos j sabidos e cof
ectdos :
osee de peonas de a;e de todas aa qaali-
_aaees a
fotos de linha qoe pelo tamanho a todos
admiram a
i de egulhas francezas a
im alflnetes maito finos a
apparelho para entreter me-
500
1
69
DiUs ditos grandes a
Baralhos porluguezes a 120 e
Groia de botoes pequeos para caiga a
Drtls"
Tesooras para unhas muito finas a
Ditas pata costura muito superiores a
Baralhos francezes para voltarete muito fl-
noa a
Agulheiros com agu has francezas a
Caivetes de aparar peonas de lolha a.
Pe?as de tranca de lia com 10 varis a 200
240
500
200
120
400
400
320
80
80
DUARTE 36 ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
sos freu^a?nn^fBde8te8 ienii^' maxen*TmolMos participara sos seos
par. os ecolrirem, t.Sb rZl. liT! TT8-- em d,YeW? ^^ *' 5*
roga-se a lodos os Srs. da prZ arZL a C T ^F* e? m*\qM,qUer P""' *" S
far abatimenlo fnm"* qMUi,de a 80 e lf "' Vlhn Wrril s
Manteca franceaa mais nova (700 rs.. Ubra e 8m barr1, m .
rht ?^SS.n **" suPor qoe ha no mercado a M00 o 2*1800 a librs.
UM lUllllll oqUi nad9 melhor nestegenefo a 2>500 ( sjwo ^ ib^
Cl A Pret n"l 8Upeil0r Vind0 *Ta*n vez no8so '' 22W a libra.
J$S& **'vem do Rio*em Uts d*uma ubra pr mw a *"*>
rMas de tranca de laa com 10 varis a 200
sapatot de tranga de laa a 1J280
csrrw de alflffetea francezea a 100
Pares de luraa fio da Essocia muito finas a 320 OU61 IOS SUMrSOS .;. .... ...
100 V 'eJ, MaiS 8Uper,0r a mils fre8C08. V *in*> o mercado a 1* I
Ditas
Escoras para limpar dentes muito finas a
rsoscom superiores grampos a
100
200
40
Lartoes com colxetes de algum defeito a 20
Ditos de ditos superiores a 40 e 60
Dedaes de fondo de ago muito superiores a 100
Baadores para restidos de senhors com 4
rana a grj
Calas com cohetes franceses a 40
Cartas de alfloetea de ferro a 80
Charuteiras muito finaa a 1$000
Tinteiraa de ridre com tintas 160
Ditos de barro com tinta superior a
Arela preta e azul muito loa a libra a 120
Tenho nova remessa de iabyrialho para ven-
der por todo prego, assim come tenho trancas de
seda differentes cores para Tender por todo di
nheiro que offerecerem.
Maita attenco.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n. 40, vende-se roupas feitas
de todas as qualidades petos presos
mais baratos possi veis que se pode Ima-
ginar, pois pode vir os fregueses com
prar porque e' pecbincha.
Algodo da tahia.
Proprio para roupa de eseraros e saceos de as
sacar : vende-se na rus da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Lalz de Olireira Azeredo & C.
Roupa feita muito 1
t barata.
Sobrecaaacos de panno preto moito fl-
^ no, paletols de dito, palelots de casemi- l
S ra de cor, ditos pretos, ditos de fust&o, '
W ditos de ganga de cores, ditos de brim I
^ decrese brancos, caigas de casemira *
ja preta e de cores, ditas de brim branco e
* de cores, ditas de gangaa, eolletes de '
ejp reliado preto e de cores, ditos de gor- {
A gurso, ditos de fustao,ditos de brim bran- j
co, camisas de linho, ditas de algodo )
nraocas e de cores, seronlas de linho, '
J0 d'ts de algodo, chapeos de sol de seda f,
^b ioglezes os melhores em tamanho e qua-
Iidade, ludo se rende por barato prego a *
dinbeiro avista, na loja das 6 portas ra i
fi do Queimado emfrente do Lirramento, l
gf, est aberta at as 9 horas da noite.
Caivetes finos pa-
ra pennas.
Caivetes finos para aparar penna, de duasfo-
Ihaa, a 200 ria cada um : na loja da Victoria na
ra do Queimado n. 75, junio a loja de cera.
Gaixiuhas para confeilos e
presentes.
Muito lindo sorlimento de caixinhas muito lin-
das para se botar confeilos ou mesmo com ellas
razias se mimosear uma menina, pelos baratis-
simos pregos de 3i0 ate29500 cala uma : oa lo-
ja da Victoria oa roa do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura don-
rada e preta.
Liados quadros de moldura dourada e preta,
com eatampaa, pelo barato prego de 59 que s a
moldura val o dinheiro: na loja da Victoria n
ra d.o Queimado o. 75, junto a loja do cera.
Panno de algodo da
Babia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luis de
Oliveira Azeredo & C, ra da Cruz n. 1.
Novos e liados
enfeites par* vestidos pretos
e de cores, e roupinhas de
criancas.
Em apropriado tempo recebeu a loja d'aguia
braoca^im bello e completo sortimento de enfel-
IM d* orn nara reiHriht nrolnt a Ao mraa a rnn-
igradam, a commodidade dos pfecos anima ao
irifi<
conaprador. e eU verdade aera vericada por to-
iIab tina. i4ii*i*M dita l<\a il'qiriiii Krinna
cados as amostras, as quaes se daro com pe
nhores. y...-, .
Luvas de pellica
Brancas e de cores para horneas seohora, che
Klas ltimamente por 2t00 rs. o par : na lej
viado na raa Nova n.8.
Ra da Seozalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chad de ferro coado libra 110 rs. idem
d Low Moor libra a 120 rs.
QUIJOS prato como nunca veio ao nosso mercado a 1100 a libra e inteiro a i\
aios e enour 15a s muil0 novos a 560, aiibra eeB L^ m ftTt thm
Lata8 com Iinffuiasjpr0Bplasparaieconeratadah da$ |b
vez ao nosso mercado a 1}800.
areiXe em. lataS de diversos umanhos, savel, sardo, pargo. pescada, avalla, lingui-
) rrs dos "itos, alum maraado, robfflos e lulas de tigelada, de 1300 a 25-000 a lata,
lOUClIlllO dO reillO mniWnovoa820rs.librae95#Oi arrobe e tasabmn
temos para 240 rs. a libra e 6500 a arroba.
Banha (le pul CO em latas comlO libras por 400 e 480 a libra.
Marmelada imperial de todos os conservaos de Lisboa,em laus de libra ,
meia e 2 libras a 750 rs.
LataS COm frutas em Calda comoMj.m pera, pecego, danusco, alper-
xe, ameixas e ginja, a 700 rs. a lala.
>Jarmelada de Alperceemiaiasde 2r,braspor wmmmmL
Doce da CaSCa da gOiaba a700rs. e em fr*far aUtimmuo.
U JCeS SeccOS de differentes qualidades em bcetas muito bem arranjadas a 3*HMX>.
J. oinaraS as mais superiores* que tem vindo ao mercado em caixinhas elegantemente en-
feitadas a 29500 e 600 rs. a libra
Passas em caxitinas de 8 libris a 2*200a440rs. a libra.
? lg"OS da COmadre muito novos em cixinha de 8 libras e rouite bem enfeitadas
a 2200 e 320 rs. a libra.
tfrvilhas francezas e portuguesas a64o 720 n. a iau.
MaSSl de tOmiite emlausde 1 librra aSOOrs.
AmeildoaS dej CaSCa mole nuito novas a 400 rs. a libra.
J3 OZes rauito novas a 200 rs. a libra.
AmeiXaS franceZ-)S era latas cora 5 libras por 4000 e a 1W00 a libra.
Ch ^COlate heSpailhol a l200, francs a UOOOepo-tugoer. a 800 re. a libra.
Bol i X i lilla d SOda emlatas com differentes qualidades a 19400 a lala.
MaSSaS pa ra SOpa macarrao e talharim a 240 rs, a libra e a eaixa por 59*09.
v/aiXlHil&S muito bem enfeitadas com pevide, rodinha, estrellinha, ele. a 700 a 899
PalitOS X iloS paradeates era molho3 com 20 macinhos a 200 r.
?-''--rejaS em irascos de libra e meia a 700 rs.
liblo FranceZ para limpar facas a 130 rs. e em porcio se far abatimento.
Espemiacete Superior sem avaria a 740 e em caixa a 760 rs. a rilara.
Sa 1" el i lili as de N antes muito novas a 400 e 600 rs.
Alpista muito-nova a 180 rs. a libra e 5#500 arroba.
AZdte doce refinado de diverjas marcas a 800 rs. a garrafa e 99O#0 a duzia.
Bolacllilllia inglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra e 49290 a barrita.
Goma muito alva a 100 rs. a libra e 20500 arroba.
V n h OS engarrafados duque do Porto, g enuino. Porto fino, madeira seeea, Carmellos, nc-
tar, feiteria, velho secco, Muscatel a 1*200 a garrafa e 129000 a dona.
DitOS em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 ra. a garrafa ede 4*000 a if 500 a ea-
nada.
SerVti Ja9 das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Gil a mpaulie das marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 o gigo.
Cognac inglez a 10900|0 a caixa e 19000 a garrafa.
Ginebra de Hollatlda verdadeira a 69500 a frasqueira e 600 rs. o fraseo.
Azeita nSS 6m ancorejas as melhores que ha no mercado a 2 e a 400 rs. a garrafa.
Ota ingle Za a 99 duzia e 800 rs. a garrafa.
P& llt'S do gaZ 3 29500 a groza e 240 ra. a duzia de caixas.
S 1 refinado em | acotes de mais de uma libra a 240 rs. o em porcio teta abatiseato.
Cafe do Rio 0 n elhor que ha no mercado a 280 rs. a Ubra e 80500 a arroba.
Sevadinha de Franca anua nova do mercado a aiO ra.a Uka.
SUgtl muito novo a 320 a libra. .
Farnha do MaianhOLO mnito ** nova a 160 n. a tUn a 19900 a ar-
roba. .
Velas de carnauba e de composicfto .4oom. ..u .. m
a arroba.
Vinagre purO de LSboa a240 rs. agarrafa e a 198OO a caada.
Gl'O deblCO muiu novo a 200 rs. a libra.
caixinlias dotio wm 129500 umojm r*.
Peras seccas en
Marrasquino verdi deiro de zara, de Hmone, caf, mente, genepro, mandel'a
,l rn nMima e outras qualidades de 19500 a 29 a garrafa.
curacu, ros sublime e i
tes de seda para vestidos pretos e de ceras, e ron- f> ftAA oa in>
pinhas de crianzas, sendo trancas e bordados de 15at fita 8 em gigos de una arroba por 25P00O e 80 rs. a liara,
norotr o lindo* desechos, e dimeeis tecidos, com o s j oaa rk#
oa quaes pode-se com gosto e modernlssimo en- \_>OIO I lili OS os mais novos do mercado a 800 rs. a iwra
feitar quaiquer vestido ou roopinho de crianca. -m^ .
Ao pasao que ditos enfeites a todos geralmente l^rVa UOCC muito nava a 400 rs. a libra
dpaidaipw sk f*nsnmnrli rl H a rlne r\&af*na anima si n *.'_
- v^aneila superior a 1?? a libra,
dos qve se dirigirem i dita loja d'aguia branca, .
raa do Queimado o. 16, cujos pregoa esto mar- ivliarillOS verdadeiros superiores a 2* a caixinha de 50.
cados as amostras, as auaes se darao com ne- es i^ la... _. ___.___:_j, ^____
Salm 011 em lataU com duas libras o mais bem arranja*> qa Wm fiado ao amal-
eado a 18400.
- Mailteiga eilllataS com4librasa melhor do mercado lacrado armotic
31200 cada uma.
Vinagre era garrfes c. m 5 garrafas de suptrior qualidade a 109.
Arar Ufa verdB^elra m lito nova a 320 a libra.
Almdesiasgooeroseotontrar o respeitivel publico em nossos m
1 sortimenio de tuto- tendente a nolnados.
T-.

asm


I*

atfcaifrPinttMmtuqam qnMBpma^anw inBmt
-----Vwufefe^fviBb* de Fontana
chegada nesta semana : no armaren* de
miS^rr^^W^^rm do
MatO. -il*q fti* 101; i ' Nora toja deburWfaro na mi o Vtgario n. 44,
reodesa-sebous bixas cbegadas ltimamente de
Hambsrgo,rcndc-ie a a)aga-ae em porfo ;
mola- toda qatalqoer ferramenta, tiram-se
dentes, iDgra-ie deitara-se ventola tudo com
bastante perfeigo e mais barato 4o qae c ou-
tra qaalquer parte.
" [9H9K3i6CI69t3-9K
Atten$ao.
Vete-e ara homtm do p at ca-'
por diversos presos : na lo ja de Na-
I & C, na raa Nota d. 2.
HtWWHft SMOIMKrj
Ycadem-ie manrelete de efla prta, a
dita de lond, mantas de fil : na
de Nabuco <5 C na raa Non n 2.
f
bega
prata,
loj,
Vendem-'ae meias pretas e lia para
padre : na loj* de Nabuco & C, na ra
? Nora o. 2.
^aWjawr^aai' \
> MQ939K9H QW4KM&'
Vendem-ae capas de borracha, per- 1
neiras de borracha, ipatos de borracha,
meias de la pretas da ores,, crnica i
de las e ditas de flaoella : na loja de Na-
; anco i C, n ra Nova o. S.
iHMMIiW OH QMM
\GKNClrY
DA
Fundiijo Lew-Hoor,
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Neste eslibelesimento continua a haver um
completo sortiraenlo de moendas a meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado de todos os tamanhos
para dito,
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca aeaba de raceber por
amostra urna pequea quantidade de Gvellss
douradas e esmaltada para cinto, todas de do-
to bonitos moldes, e tambem ddaradas que
parecem de ouro de lei, o que s com experien-
cia a conheeer nao o aeren, estando no mesmo
caso-aesmaltadts, e assim mesmo vendem-se
pelo barato prego de 23500 rs. cada ama, na raa
do Qaeimado loja d'aguia branca n. 16.
Cestihas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprio daa meninas irem para a
escola, e por isso bom que vo compostas com
roa da novas e bonitas cestinbaa que se ven-
der na raa do Qaeimado loja d'aguia branca
n. 16.
9tVR MMflrMaV M9MI 'aWBflHMaVflMK
^alwatorias devidro e ao paraellas.*
Veodem-se bonitas palmatorias de vidro lapi-
dado para relias a 19200, editas de Jalao mui
oras e limpai a 400 rs. : na raa do Qaeimado.
lo'* d gata mM'ihh. atBT
Peilos defuatao lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vndem-se bonitos paitos de fuslio larrado e
trancado para camisas a 500 rs, cada um, azen-
da mui boa e eneorpada : na raa do Qaeimado,
loja d'aguia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras b6
dadas em ambos os lados.
A loja d'aguia-bnnca recebeu um doto e lin-
do sortimento de tira* bordadas em imbos os la-
do, e contina a vender baratamente a 1*200
cada (ira, e outra de bordados muito largos a
29000, o melhor qae possivel em tal genero,
e todas ella, pela largura que team, podem ser
divididas ao meio, pelo que se tornam baratsi-
ma : na raa do Queimado, loja d'aguia branca
a. 16.
predio venda
Vende-se a caaa da dona andar e sollo, mei-
gua, no beeco das Miudinha a. 8, avallada em
2.000$, a qual rende 1 1|2 por cenio aomex; a
raa do Trapiche n. 14, primeiro andar, ha pessoa
aatorisada pelo proprietario para etroctuar a Tan-
da da mesaia casa.
ntremelos
bordados em cambraia
transparente.
Na loja d'aguia branca ae acha um bello sorti-
mento de ntremelos bordado em fina cambraia
transparente, e como de seu costuro est ven-
dendo baratamente a 15200 a pega de 3 Taraa,
tendo quantidade bastante de cada padrao, para
vestidos ; e quem tiver dtnheiro approTeitar a
occasio, e manda-lo comprar na raa do.Quei-
mado, loja d'aguia branc D. 16.
ajase ataca
.. *

*.afl* oaiWa.b s lal
arta* b
le a -
,oao i a
1 i.sjp .*r>no o vtnttm eshomi ata/ "
cortes-de vestidos brWCQ&
vbr^achwir Mo*"v*
Veodem-se ricos orle de Tes'uub branco
boraados com 3 babados pelo baratissimo prego
de 59 o corte : na ra do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa l. ,,
Camisas inglezas.
Vendem-ae uperiore carnisi ioglexa coa
prega larga pelo baraliaaimo prego da 350 a da-
lia : na loja da boa f. mero 22.
Ricas .golliatas e punhos
com botoes
Veodem-se ricas gotttabas e punhos de csjn;
braia e foitio ricamente bordadas com lidos bo-
tes, pelo baratissimo prego de 2J cada guirni-
cao : na raa do Qaeimado n. 22, na loja da
boa f.
Vendem-se burros gordos e'mansas : no
engenho Jurlssacs, da Cabo : a tratar all com o
Sr; Domingos Francisco de Soaza Lelo.
Fazendas baratis-
? 1V
>p a ir
'8scrlftfVfttfla.!
Vende-se um prsto bom carreiro, paoprio para
apgaaaet eaaa fscrawa qae tem algaraaa aabi-
hdade, por preco baratlttimoi: a tratar com
o Sr. e-edro de toga, ara dan Creces ou
aaruadoCraaaoii.U.


simas
,-c afc*
ndas pretas pa-
aresma na loja da
ruft'tta Imperatriz
es & Men-
ra a
Arara
n. 56
des.
Veode-is groa*niple preto aoeorpado a 1J000,
11I30O, S, 2(200 o corado, alpacas pretas a 500
400 # 720 r. evado, sarja preta da la a 'pata
clcs e_pletolji 560 e 640 r o corado, rel-
iado pr#ta*!fW0 corada, enfeites preto e de
cares a JaOO, 8, 5|500 a f.
Panno preto.
Panno prato ^n ticas e ^afatots a 1700,
1 o eordo, corte da catemlra
30, 3*500 e 49 para calcas, eor-
: coa 13 co vado a 2J1500. dito
21T5C0, ditos de popelina a
e 200 ri. o carado, dtfran-
>*, atorado, wrte de fattio
>,'Jditos da brim a lf80 e
de algodao a 1|
1*800,'* .
preta enfestad
tes de ehHas
de rtaeadothi
2*600, Mas a
ceii a 240 e
par carea a 1
1*600,. cobertor
Semeotes
Dehortalica c floral.
Vinda pelo ultimo vapor ingles: na roa da Ca-
dela do Reclfe loja de Vidal & Basto.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Nos araVizeos do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
na roa do Trapiche Novo (oo Recite) u. 8, se
rende gaz liqaido americano primeira quslida-
de e recen tete en te chegado a 14* a lata de cinco
galloes, assim como se renden) latas de cinco
garrafas e em garrafas.
M
Algodao e
"U
Acaba d
chegar
novo armazem
DE
B4ST0S k REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm and a rariado aorlimento d
roupas teitas, calcados fazeodaa e todoa
aates veodem por procos maito modi-
fleados como i de seu eotume,assim como
sejam sobrcasacoa de superiores panno
caaacoa feitoa peloa ultimo figurinoa a
M*,28*. 80* a35*. paletot doa mesmo
pannos preto a 16|, \8|, 20* e a 24,
ditoa de caaemtra de 6r mesclado a da
boto padroea a 14*. 16*. 18*. 20* 24*.
ditos saceos daa meamas caaemiraa d co-
res a 9*. 10*. 12* a a 14*, ditoa pretoa pe-
lo diminuto prego de 8*. 10*. e 12$, ditoa
de arja de teda a aobrecasacadoa a 12*,
ditos de merino de cordo a 12*, ditoa
de merino chines de apurado gosto a 15*,
ditos de alpac.a preta a 7*, 8*. 9* a a 10*,
ditos saceos pretoa a 4*, ditos de palha d
aeda tazenda muito superior a 4*500, di-
tos da brim pardo a de fuatao a 8*500, 4*
e a 4*500, ditoa de fuatao branc o a 4*,
grande quantidade de calca de casemira
[ prata e da cores a 7*. 8, 9* a a 10, ditaa 1
pardea a 3* a 4J, ditas da brlm de cores '
tina a 2f 500, 3*. 3*500 a a 42, ditas da
brim brancos Una a 4*500,5J, 5*500 a a
6*, ditas da brim Ion a 5* a a 6|, collet
de gorguro preto a da cora a 5f a a 61,
ditode casemira de cor a preto a 4J500
a a 5*, dito de (uitao branco a da brim
a 3* a 8*500,dito de brim lona a 4f,
ditos de merino para luto a 4* a 4*500,
calca do merino para 1 ato a 4500 a a 5f,
capas de borracha a 9*. Para menino
de todos os tamanhos : calcas da casemira
preta a da cor a5f, 6* a 7*, ditas ditas
da brim a 22, 3* e a 3*500, paletots sac-
eos de caaemira prata a tj a 7, ditos
de cor a 68 a 7g, dito de alpaca a|3*,
lobrecasacos d panno preto a 12* a
149, ditoad alpaca preta a 5*. bonets
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos da todos os tamanhos,
meio ricos resudo de cambraia feitos
para menina de 5 a 8 annoa com cinco
babadoa luoi a 8* e a 12f, ditoa da gorgo-
reo da cor a de la a 5* e a 6*, ditos da
brim a3*, ditos da cambraiarieamenta
bordados para baptisados.e muitas outras
fazendaa e roupaafeitaa qae deiiam de >
ser mencionada pela aua grande quanti-
dade ; assim como recebe- te toda a q aal-
qaer ncommenda da roupaa para
mandar manufacturar qu para ato fira
tamo m completo sortimento defazen-!
daa de goato a ama grande oficina da al-
aiat dirigida por am hbil mestre qaa
pala aua proraptid aperfeicaonadadei-j
xaadaaaiar.
Liquidacao.
Braga, Silva & C., am liquidacao, convidam
ao aeua deredores a rirera saldar seas dbitos
dentro de 30 da, e participara que medidas ter-
minante erao emptegadas contra os que nao
eomparecerem.
Agulbas imperaes.
Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca tendo em ristta sempre
vender o bom, mando vir, a acabam da ebegar
aqui (pela primeira re) aa superiores agulbas
imperiaes, com o lando dourado e mui bem fei-
taa, sendo para allaiatea e costareiras, e custa
cada papel 160 ra. A agulha aasim boa anima
adianta a quem coa com olla, eem regra sao
maia barata do qaa as outra; quem aa com-
prar na ra do Queimado, loja d'aguia branca o
16, diratempre bem d-eaa.
CollecQes de estampas.
Acaba de chegar a loja da aguia branca ama
pequea quantidade de colleccoes de fina e
grande estampas a fumo, representando elles os
martyrioa do Senhor em 14 quadros, oa qnaea
sao bem icertadoa para qaalquer igreja ou mes-
mo casa de quem tenha gosto da aa possuir ;
chegou igualmente outra pequea porco das
procuradas aatampis a morte do justo e a mort
do peccador : acham-se a renda aomente na raa
do Queimado loja da sguia branca n. 16.
Tal ha res para cr i ancas.
A loja da aguia branca acaba de receber a sua
encommends dos preciosos talbares para enancas
e os est vendeodo a 320, 400 e 500 rs. confor-
me a superioridadedelles : aa ra do Qaeimado
loja da aguia branca n. 16.
Attenco.
Po-de l fraocez
cEspe-
a tratar
em caiiinhas a 320 rs., muito proprio para to-
mar-se com cb : na ra da Imperatriz n. 49.
Novos bonets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'aguia branca vende-se mui bonitos
bonets de velludo, e marroquim dourado, oa
quaes sao agora mui nacessarioa para os meni-
nos que vio para a escola e quem os quizer com-
prar mal baratos 4 dirigir-se ra do Queimado
loja d'aguia branca n. 16.
As verdadeiras pennas ingle-
zas caligraphicas.
A loja d'aguia branca acaba de receber su
encommenda daa rerdadeiras peonas de ac
inglezas caligraphicas, dos bem conhecidos e
acreditados fabricantes Perry & C, e apesar da
falta qae baria dessas boas pennas, com ludo
vendem-se pelo antigo prego de2/000 a caizinha
do urna groza, qaantidade essa que aa falsifica-
da nao trazem. Para lirrsr de engaos, as ca-
xinbas rao marcadas com o rotulo que diz. Loja
d'aguia branca ra do Qaeimado n. 16.
Sal de Lisboa.
Vende se a bordo da barca portugueza
tanga, aal de Lisboa limpo e redondo ;
oa ra do Trapiche o. 17.
Veode-s um terreno em Santo Amaro,
unto ao hospital ioglez, com 700 palmos de fren-
e, em muito bom estado: a tratar na ra do
Trapiche n. 44, armazem de Braga Son & C.
uvas pretas de torzal
para meninas a 500 rs. o
par.
Vendem-se loras pretas de torcsl em bom es-
tado para meninas de diversos tamanhos a 500
rs. o par: na raa do Queimado loja da aguia
branca n.16.
Agua de lavander e pomada.
Vende-se superior agaa da larander ingleza
pelo baratissimo preco de 500 e 640 rs. cada fras-
co, pomada mwilissimo fina em paos grandes a
500e al*, rende-ae por to barato preco pela
grande quantidade que ha : na ra do Queimado
na loja de miudezaa da boa fama n. 55.
Bicos de linho barato.
Y.ende-Be bonitos bico de linho de dona a
qualro dedo da largara fazenda muito aaperior
pelo baratieaimo prego d 240,320, 400 a 480 rs
a rara, vende-se por tal prego pela razio da ea-
tarem muito pouca cousa encaldidos, tambem se
veodem pegaa da rendas lisaa perfeitamente boas
com 10 raras cada pega a 720, 800 a 19, ditas
com salpico muito bonitas a diversas larguras a
1*200,1*600 e 2* a pega, ditas de seda a 2* ca-
da um pega: a ra do Qaeimado na bem co-
nhecida loja de miudezaa da boa fama n. 35.
Linhas de cores em nvelos.
Vende-se linhss de core em novelo fazenda
em perfeiiisaimo estado pelo baratsimo prego
de 1* a libra : na roa do Qaeimado loja de miu-
deza da boa fama o. 35.
Superior bramaste de linho com duas rara de
largura a 2*400 a rara, atoalbado da liaba ada
mascado com duas larguras a 2*500 a vara, brim
branco de linho muito superior a 4*440 a rara,
dito de corea, teaanda multo superior a 1*, dito
pardo de linho paro a 800, 1* a 1*990 a vara, al-
to de quadriohos muito proprio para alca, ja-
quetas e paletots para meninos a 200 r. o cara-
do, gangas francesas muito uperiore a 400t. o
corado, cambraia franeezas maito fina e de
muito boaitoa padroea a 260 e 280 o corado,
cambraia lisa maito fin a 4|, 5 e i* a peca coa
* 1[2 varas, cambraia cem lpico tambem com
8 1(2 ratea cada pecaa a 4*500, dita muito supe-
rior o melhor qaa ha neste genero a ll|500a pa-
ga com 17 raras, ou a 800 ts. a vara, chitas fran-
eezas de motlo boaa qualidade a deHodo pa-
droea a 240, 280, 300 e 820 a aovado, fil de li-
nho liso maito fino a 720 a vara, larlatans bran-
ca e de core a 760 a Tara, toalbas da linho para
mios a 7* a duzia, ditas pelludas maito aaperi-
res a ll*u dazia, gollinhaa de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e gol las de cambraia ri-
camente bordadas a 2* o par de manguito cera
um goUa, lencos brancos muito finos aera bico,
reoda e labyriotho a lg-280 cada am, ditoa d
cambraia de linho para algibeira pelo baratiasimo
preco de 4, 5 e 6* a duzia, a aasim um completa
sortimento de fazendas de todaa aa qualidades,
que sendo a dinbeiro vista ae vendero por pre-
co mui baiioa : na bem conhecida loja da bo
f, na ra do Queimado n. 22.
Barato assim barato de mais
Sabonete finos.
A loja d'aguia branca recebeu urna crescida
quantidade de sbonetes finos para barba, os
quaes conreos a Hodo compra-Ios mesmo para
mica, arista do diminuto prego de 3* porqaanto
se est readendo a dosis. Para aalisfazer-se aos
bons freguezes se renderi tambem am menores
porcoes, porm quem mais comprar mais lacrara,
porque assim barato nio ser fcil lomar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimado
loja d'aguia branca d. 16.
Coraes.
Em massinhos a 500 rs. cada um.
Em os a 640 rs. cada um.
Em rollas de 3 fios 2*500 cada urna.
Vendem-ae muito bona corsea, em massinhos,
fios o roltas de 3 fios, pelos baraltsaimos pregos
cima: na ra do Queimado loja d'aguia branca
n.16.
i*f. c r:i-m vmv m wmm wmm mJm ww ^ww otvmim


I
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qaalquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda-com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
para anjos.
Veadem-sena raa da Senzala Nora n. 30, cal-
liabas com doo por prego com modo, reeom men-
eares para a anjea de proeisalo.
Relogios.
Vafta-sa am cata da lohastoo Pater A C,
Ka de Viga rio a. 3, um bello sortimento da
itlogiof de ouro, patala inglez, da um dos mais
afmalos fabricantes da Liverpool; tambem
urna TMiadada da boaitos aseaUias para s
m Mirtos.
Papel de peso a 2$ a resma.
Vende-se na raa do Qaeimado toja de miade-
zaada boa fama n. 35.
Salitre refinado.
Vende-se a ra do Qaeimado loja de frra-
geoa o. 13, a 8|500 a arroba e em porgo se
rendr por multo menos.
Genuino e verda-
deiro vinho da Madeir, l-
timamente chegado.
Vende-e na raa do Vigario n. 9, primeiro an-
dar, escrfptorlo de Carvalho, Eogueira 4 C. '
36 Roa Nova 36
Grande sortimento ^leculos para to-
das as vistas.
Grande
liquidacao por todo
o pre | nhecidalojadoSer-
| tanejo.
lita do Queimado n. 45.
Barato que admira.
Chitas escuras finas a 160. 180 e 900
rs., cortes de rostido prstos bordada a
velludo pelo baratissimo prego de 859 a
659. ditos adamascados a 50 e 369, ani-
das do baile de reliado e setim a 15$ a
169, camiaas pira senhora a 39 e a 4>,
golliehaa e manguitos a 29500, .39500 e
49500, Rolliohas de cambraia bordada a
720, 800, lg. 19200 e 10500 rs., dita da
fil bordadas a 240 rs., casaveques de fas-,
to a 69,7$ 85. meias de aeda branca*
a pretas para senhora a I98OO o par, ti-
ras de babados a 800 e 19, laaa de qaadro
eofestadas a 360 e 400 rs. o corado, cam-
braia preta a 440 e 480 rs. a rara, organ-
dys de cores a 680 rs. a rara, fil bran-
co adamasesdo para cortinados e vesti-
dos a 480 e 540 ra. a rara, cortea da col-
lete de caaemira bordadoa pretos a 39 e
39500, ditoa de relindo de cOr e pretas a
49. 59. 69 e 7f, paletots de brim branco
franceze a 49 e 49500, ditos de casemi-
ra de corea pretos a I69 e 189, dito da
alpaca preta a da cares a 33500, 49 a
49500 e 59, camisas de peito de linho a
29500 e 39, cortes de cohete de gorguro
de seda a 19800 e 29. 2|500,39 a 49, col-
lete feitos de brim branco a 29 e2#600,
dito de gorguro 39 e 4$,ditos de casemi-
ra a 4g, 41500 a 59, ditos de reliado a 69,
79 e 89, dito daaitao de eores a ig500
e 19800, meias de la para hornea a *b-
nhora, dita de algodao crua para ho-
rnera dazia 19400, 19450 e 39900, ditas a
39, 49 e 59a duzi, dita para menina a
25600 e S9800, duiia unas e diversos ta-
manhos, ditos par menino a 29 e 21500
a duzia, pegas de algedio a 39800, 49 a
49500. chitas franeezas finas a 240, 280,
800, 320 a 360 r. o corado, fil horda.
do aliso, grinsldas braocas com rmo,
chales de froco, espsrtilho, chspeos de
castor pera homem, pannos para mesa a
_ um variado aorlimento de roupaa feitaa-
tt que todo se veode por baratiimo prec.
ycggsMa* asAMoaa} dKM&MOtaaMttiv
S lijjagalhSes & Mendes.
. Vende-se pe;a de algodao trancado america-
no com pequen toque de cupim com 20 jardas a
pega a 39500 e.49, pega de m a da pola o enfastado
sem deleito s 39, urna duzia de meias crua pa-
ra homem por 15-200 um par 120 r*., ditas finas
20400, urna duiia de lenga branco com barra
por I92OQ um lenge 120 rs., parea de meiaa para
senhora a 240 320 r. maito fina, urna duzia
de abertura oa paitos para cmiaas 2J400 urna
abertura 200.rt., mantinhae. da crox para se-
nhoras andar por caaa 200 rs. cada urna, paca*
de chitas de caais escutas com pequeo toque
da mofa porm logo qae ae lave fita pereita com
38 covados por69 corado 160 r., laziofaaa para
restidos a 280 e 400 rs. o corado, siot doura-
do a 29.
Laaziiihas suissas para ves-
tidos
Untabas msbis para vestidos de senhora e
roupa para meninos maito finas fazenda que si
pode larar a 560 rs. o corado, cassas suissas de
qadrinhos para restidos > 280 rs. o corado, fas-
tao de quadrtnhoa muito finos para restidos de
enhora a VA a 390 rs. o covado, papalina de
corea a 240 ra a corado para restidos, gorgurio
de linho para vestidos e roupa psra meninos a
180 rs. o corado, chitas dora-aquille propra
para roupas de senhoras com llsmnhas moito fl-
oas a 280 rs. o corado tem 4 palmo de largara,
lata s na arara oa ru da Imperatriz loja a ar-
mazem n. 56.'
Ac de lilao.
Vende-se ago a 239 o quintal: na raa do Qaei-
mado loja de ferragens o. 13; bem como se ren-
da nesta mesma loja am completo sortimento de
ferragens e miudezaa de todas as qualidades, to-
do por diminuto prego, visto o proprietario que-
rer entrar ero liquidagao.
Camisas eceroulas
Vendem-se superiores ceroulas de linho muito
fina pelo barato prego de 269 duzia, ditaa (ran-
eadla de algodao, mas de maito bos qualidade. a
179 a duiia,camisas brancas franeezas a219,249,
26 e 309 a duzia, dita para meninos a 22f a du-
zia, ditaa para homem com aberturas de corea a
219 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
na raa do Qaeimado o. 82.
Lenqos brancos para algibeira.
Alada so veodem lencos brancos finos para al-
gibeira pelo baratissimo prego de 19400 a duzia:
na loja da boa f, na ra do Qaeimado n. 22.
Mci % para senWora.
Vendem-se meiss fina pars senhora pelo ba-
ratissimo prego de 99600 a aoia : na raa do
Qaeimado n. 22, na bem conhecida toja da
boa f.
Pechincha
Pechincha admirarel na
loja do Pavo a 10$
Vende-se pecas de bramante de inho
Euro bastante encorpado prOprio I para
ncoes, toalbas, seroulat, camisas pas
1 rtotsetc etc tendo cada peca 2, va-
ras pelo baratissimo preco de 10$ 7 pe-
ca, e tambem se vende meia peca po-
5# ou se retalha a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60} loja e arma-
zem do Pavao, de Gama & Silva.
Rival
sem segundo.

Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
doto, est disposto a render tudo por prego que
admira, aasim como aeja:
Frascos de agua de lavando muito gran-
de a
Sabonete o melhor que pode haver a
Ditos grandea maito finos a
Frascos com cheiros muito Anos a
Ditoa ditoa muito bonitos a
Gairaae de agaa celeste o melhor a
Frasco com banca maito superior a
Ditos dita da urgo fioissima a
Frasco de oleo babosa com cheiro a
Ditos dito dito a
Dito dito nito a
Ditos para limpar a cabega e tirar caspas a
Ditoa dito philocome do verdadeiro a
Ditoa com baaha transparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandea a
Frascos de macag oleo a
Ditoa de opiata pequeos a 320 e
Ditos da dita grandes a
Tm um resto de larande ambreada a
Liaba branca do gaz a 10 rs., e tres por
dous, e Ooa a
Dita de carto Pedro V, com 200 jardas a
Dita dito dito com 50 jardea a
Carretela de liaba com 100 jardas a
Duzia da molas craas maito encorpadas a
Dita de ditas muito superiores a
Dita da ditaa brancas para senhora, mui-
to fina a '
Vara da bico da largura de 3 dedos a
Dita de franja para toalbas a
Grasa de botoes de louga brancos a
Duzia de phosphoros do gsz a
Dita de ditoa de rea muito superiores a
Pegas da fita para coa de todaa as lar-
garas a
Garteiras com agulhas.
A loja d'aguia branca acaba de despachar car-
teiraa com agulhas de mui bOa qualidade, e ez-
cellente aorlimento, e as es& vendendo a 500 rs.
cada urna ; assim como recebeu igualmente no-
vo aorlimento das agulhas imperiaea, fundo dou-
rado, que continuam a ser rendidas a 160 ria o'
tipel, isso na raa do Queimado loja d'aguia
ranea n. 16.
Argolas de ac para chaves
ren-lam-se 200, 240, 320, 400 e 500 ris, na raa
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frpuxa para
bordar
36 Ra Nova 36
Completo sortimento de relogio de
prata dourada a 12$, 14$. 16$ e 18$ e
de superior qualidade a 28>, 30$ e 3#.
Encarrega-se tambem de concertos per-
tencentes a sua arte, todo e qualqucr
concert ser remettido em termo para
o dio e hora qae se prometter. 0$ con-
certos e as Yendas sao amaneadas.
Aboafama
rende Arelas para cintos o mais bem dourado f u
poaairel e do maia lindoa goato qaa lea riada
a este mercado, pelo baratissimo prego d 29508
cada urna, carteiras com agulhse a maia aem
(ortidaa que ae pode deaejar, e em quanlo a qua-
lidade nao pode harer nada melhor, pelo barata
prego de 500 rs. cada cartejr, pennas ds seo ea-
ligraphia rerdadeiraa a 20 cada caizinha coaa 12
duzia, ditas de laoca verdadein n. 134 a IjMf
cada groza, ditaa maito boa inda nao cooberi-
daa a 500 ra. a groza : na raa do Qaeimado, ata
bem conhecida loja de miudezaa da lea fama aa-
mero 35.
Agua ambreada
para banhos do rosto e do
corpo.
A loja d'aguia branca acaba de recabar nov
remeasa da proveitoia e mui procurad agua
ambreada, cujoa boa efleilos de refrescar a cu-
li, tirar o ardor que deiza anarslha quando s
faz a barba e acabar o mi hlito prerenienta
do transpirar sio ji bem conhecidos, assim ca-
no as senborsa por nao anda rea ao sol Ut
conservar perfeilaasente o brilbo do reato. A la-
do quantos tem usado d'agaa ambreada u ai*
ealranhoa eaiea effeitoa e elles serio siada aai
conhecidoa por aquelle aua munidos do 1} aa
dirigirem a loja d'sgaia brinca raa do Qaeima-
do n. 16, onde uniesmente e rende.
800
320
160
500
1^000
19000
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
30
2*400
4JJ500
3(000
120
80
120
240
240
320
Attenco
Guimsres & Luz, dono da laja da miudezaa
da raa do Qaeimado n. 35, boa fama, participio
ao publico qae o sea estibelecimento ao acha
completamente prorido daa melhor mercadoris
tendentea ao meamo eatabelecimelo, o ji
oatros objectos de gosto, sendo quasi lodos race-
bidos de.suas proprlss encommenda ; a eataad
elles inteiramente resolridoa a nao rsudatam
dado, aflangam render mais barato do que aadra
qaalquer ; e juntamente pedea aoe aeua dorado-
res qae Ibes mandem ou renhara pagar aa aeua
dbitos, sob pena de serem jusligado*.
Escrayos fgidos.
8
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 do ra 4a Imperatriz icha-K i
renda um completo e rariado aorlimento da boas
fizeodas, e qae riata de uiqualidade alo ba-
ratmimameate vendidoi, e pra mala vereidde
do qae Oca dito, abaixo rio mencionad ilgumi
da dita fizeodis, a saber:
Chitas larga cor fiza a 240 r.
Madapolao One cea) 24 jardea a 5*.
Cambraia da cores a 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto e da cara a 2f. o*
Lindeza da cores a 160 rs. a corado.
Longos peaeano a 80,120 a 160 r.
Chapeo de castor fino a 8#.
Chitas pretas muito largis a fin a 240 r.
Algodi tringedo oreto maito bom para reti-
dosda escrara a 200 r.
Cmbria lisa com 10 jarda a 2*.
Caa de lpico comtO jrdaa aSS.
Cambraia bardada para cortinado cem 8 raras
a 3M00.
.
Cbapeoa de sol da
Qaeimado n. 44.
640,
panno a 640 : aa fu 4a
Na loja de 4 portas da ra do
Crespo d. 8.
Madapolao com pequeo toque de
a varia a 4$.
Dito largo fino a 5$ a peca.
Algodozinho liso encorpado a 2$800
e 3$ a peca.
Chitas largas de cores fixas a 220 rs,
0 corado.
'Ditas rxas estreitas com pequeo to-
que de mofo com 58 corados a 5$500 a
peca e em corados a 1 tiO rs.
Meias pretas .de seda:
, Vende-ee meia de seda prelas para aedBo
fazenda muito uperior pelo baratissimo piego
de 1? o par : na raa do Qaeimado %a bem co-
nhecida toja da- boa fama n. 85.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior pelo dimi-
nuto preco de 29 o corado, panno preto muito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9$ o covado, casemira preta
muito fina a 2|J, S&5O0, 3, 33500 e 49 o corado,
mantas pretas de blonda muito superiores a 129,
manteletes de superiores grosdensples preto ri-
camente bordados a 359, eobrecasacas de panno
pretd muito fino 800-, casaca tambem de panno
5reto muito fino 309, paletots de panno preto
no a 18 e 209, ditos de caaemira de cor mes-
ciada a 189, superiores graratinhas estreitas a
1$, ditos de setim maeSo e de gorguro muito su-
periores para duas volt a 29, ditas estreitinhas
com lindos alQoetes a 29, superior gorguro pre-
to para colletes a 4$ o corle, ricos enfeites pretoa
a 69, e assim outra muitas fazendas que sendo a
dinbeiro I vista, rendem-se por pregos maito ba-
ratos :. oa ra do Queimado o. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Superior caldo Lisboa.
Tem pora Tender am porgao a a retalbo Anto-
nio Luft de Olireira Azarado & C, no sea es-
cripterio raa da Cruz n. 1.
Objectos de phantasias
pulseiras de missangas.
Aloja d'aguia branca acaba da raceber um
bello e eeeolhido lortinento da pataeiras de mis-
sangas com borls pendentes, obra de mito gos-
to, e o que de mais perfeito o pode dsr em tas
objectos, s est rendando a 19500 cada urna,
tanto para enhora como para menina, a pala
noridad da goato e apuro da mod nao tardarla
ra acbar a qae ha aa loto d'iguia branca,
ra do Qaeimaoe n. 16.
arUficiaes para ca-
bellos.
Aloja da aguia branca recebeu bonitas rosal
daa que ae esto asando para os cabellos, e ven-
de-a aa ra do Qaeimado,loja da agola branca
a. 16,:
Pita branca de borracha.
Emi fita do qae taata falla hara'.acha-se boje
na raa da Queissoeo loja d'aguia branca o. 16;
aasim tamo: tes fra xas a eluticas brincia a da
1 coros para debraar reatido.
rende-ae na raa do Qaeimado loja d'aguia branca
n. 16, onde ae achara completo aorlimento.
Oh! que pechincha
Vende-se palitos lindos e foliados finos para
denles 2 massos com 40 masaioho por 400 rs. na
ra* da Imperatriz loja da Arara n. 56.
armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Ra do Queimado n. 19.
Leogoe de bramante de linho a 39.
Cobertaa de chita finaa a 29.
Dita a prego da I98OO.
Cambraiaa preta moito fina.
Colchas de fustao muito lindas a 69.
Esteiras da India d 4, 5 e 6 palmo de largo
propriaa para forro de cama e salas.
Lengoes de panno de linho fino a 29.
Algodao monstro a prego de 600 rs. a rara.
Toalhaa de linho para mesa a 49.
Ditas de fusilo para mos, cada urna 500 rs.
Baldea para meninas.
Loja das 6 por-j
tas em frente do
Livramento.
Cassas ranczaa de bonitos gostos a
320 rs. o corado, luraa de trogal preta
e da aeda a 500 rs. o par, chitas franee-
zas largas escuras a 240 rs. o corado,
ditas flaca a 260 e 280 ra., fil de linho
liao a 640 rs. a rara, larlalana fina da
toda corea a 800 rs. a rara, lenco
braneoa com barra de cor a 19400 a du-
zia e 120 rs. cada um, ocia para bo-
rnea) a 1JB00 a duzia a ISO ra. o par, -
chita para coberta de bonito deae-
nhoa a 220 r. o corado, peca de bre-
taoha da rolo a 29, ditas de cambraia liaa
com 6 li2 raraa a 39, masselrna encar-
nada a 240 rs. o corado, calcinhsa para
moaini de escola a 19 o par, peito
para camisa brancos e de corea a 200
rs., pecaa de cambraia branca da salpi-
co a 39500, algodao enfeatado o melhor
a 700 ra. a rara, dito brinco para toa-
lhaa a 15 a vara, enfeites dos maia mo-
deraos a garibaldi a 69. a loja eit abor-
ta al as 9 bocas da noite.
Escravo fgido.
Fugio no dia 1.* do correle o escravo crioule
de nome Antonio, com os slgnaeaacguiatea: bu-
zo, corpo regalar, cor fula, sem barba, tem em
urna das orelhas na parte superior cortada, sen-
do o signal maia saliente umaferlda na persa di-
reita, cujo escraro foi comprado poacos dias an-
tes da fgida I Illma. Sra. D. Joaana Bezerra da
Andrade, senhora do engenho Uruai, comarca da
Goianna ; pede-se a todas as atondaJes poli-
ciaes qae delle tiver noticia, da mandar appre-
hende-lo, e aasim aos espilles decampo de o pe-
garem e condazirem ra da Cadeia do Recite
o. 7, que ser bem recompensado.
100$ de gratifieaeo.
Do engenho Garap, prximo a villa do Cabo,
aaaentou-ae no dia 27 de jaobo de 1861 os mu-
lato de nome Jacob, idade 20 auno, poueo mais
ou meoo, com o sigues a*goinles : estatura
regular, corpo robusto, cabega rodeada, cor avtr-
melbada, cabello ruivos, olhos vivo, nariz re-
gular, deotes perfeitos, cara larga, aem barba,
boa figura, falla bem apretsado, costuras incul-
carse por forro, e gosla de andar bem vestido,
natural do Aracaty, e foi Tendido no referido
engenho senhora D. Anna Delfn Paca Barreto
em abril de 1860 pelo Sr. Joo Francisco Caroci-
ro, rendeiro do engenho Serra : quem capturar
dito acraro e entregar no engenho Garap se-
nhora D. Anna Delfina Paca Brrelo, re cebera da
gratificago 200$,.
S0,OOOrs.
Fugio no dia 16 de marco praximo paasado, da
casa de sea senhor, o escraro da nome Laurenti-
no, crioulo, de idade 24 aonos, pouco msis oa
menos, com os signses segaintes a alto, ebeio 4o
corpo, porm nao muito, roato redondo e picada
de bezigaa, cor preta, bastante umbigudo, poi
que differengs-se bem, falta de dente na frente
da bocea, falla gago, lem am poueo grosaae aa
cinellas dss perais, filho de Nasarotb, foi es-
craro do Sr. teoen le-corooel Manoel Gome, mo-
rador no lagar doa Palos, do qae se roca a esto
mesmo senhor qae no csso d'elle por la Iba ap-
parecer o mandar prender e manda-lo lerar a
aeu proprio seohor no lugar abaixo mencionado,
lerou camisa e caiga de algodao, sendo a camisa
de riscado e a caiga de azulio, quando aads
bastante apreassdo, procurara urna pessoa par
lhe dar urna carta para procurar senhor tora aca-
ta cidade em nome de seu aeobor ; por io re
ga-se aos capeles de campo oa qaalquer paaaaa,
e autoridades policiaea, qae o prendara e leras
padaris do paleo da Santa Cruz n. 6. O escravo
tem aigoal de caloa as costaa da mos de amas-
ssr farinha.
Fugio no dia 20 do correte da borde de
patacho cCapuam, o escraro crioalo mariohoi-
ro de nome Aatonio, idade 19 annae poueo aeaia
ou menos, altara regalar, roato comprido e cem
alguna signaes de pexigas, levou caiga a caaaiaa
azul: quem o pegar lere-o ac escriptorto da
Antonio Laiz de Olireira Azerodo C rea da
Cruz n. 1, ou a bordo do dito patacho que aera
generosamente recompensado.
lua da Imperatrir, 55
Sempre ha para render renezianaa de diverso
tamanhos com fitas de linha e lia, corda rerde ;
tambem concerta as meamaa par proco commodo
Vende-so a rofinana e confeilaria da ra
ora de Santa Rita um dos bons eatibeleeimen-
t neste genero, vende-se a dtnheiro oa a prazo,
como melhor convier ao comprador: quem o
Eretender pode dlrigir-ae 'ao mesmo a qualqaer
ra.
Arados americanos 1 e machinas
paral lavar roupa: em casa deS. F.
ohnston & C ra da SenzaUa Nova
u. 42.
100SOOO
Di-se a gralificagio de 1009 a quem pegar a
eacraro lianoal conhecido por Manoel Francisco
cujo escraro do abaixo aisignado, tea os ssfl-
nses seguales: cor mulato, estilara regular, ca-
bellos carapioho, oa dous denla de cima da
frente grandes, rosta comprido, quando anda i
muito espigado, muito desembaragado no fallar,
bam feito da pea a mios, diz qaa coca soaMvoi
de alfaiai, este escrsro foi do loado nanla-
coronel Bernardo Antonio de Minada aeabor de
engenho do Brum.no Cizangi acode foi nacet-
do e criado e muito conbecldo naquelle lagar,
tendo sido rendido pelo Sr. Dr, Graciano da Pau-
la Baptiato no dia 22 d erereiro prximo paa-
sado fugio na dia 26 do mesmo mez, coto ea-
craro ji catare fgido qaando era do Sr. Boftto-
t, para aa bandea da cidade de Olinda ou Babeo
ribo a vlnha vender carreo nesta ddsde tonto
qae foi pegado na ra da Guia com orna
de arrio, muito de auppor que toaba
o neme e qae ae intitule de fono : rega-a* u
autoridad* policiaea e espitiee da campe a at-
prehemio do dito escraro, aasim come se grati-
fica com a qnanlia cima a quem o tremer em
der noticia certa aonda oeti aasim como deade ji
se protesta centra quem quer que o tenha anu-
lado.
Albino da SUra Leal.
Fugio a 27 de marco ojo saulauabo do no-
me Aflenso de idade da 11 anace, e igoiea segaintes : olboa grandea amaaSanaae,
naris chito, bocea grande, bcieeeexo
bello crespo, cortado reate, 'acee d
e mica regalare, e lem a felU am **.
e foi resUdo da alga de aautoe a miaj
dapelie : quem o pegar lera-a i liba ees
OVIO,"fie sotlresaorp^sau*.
M*


Literatura.
A TBINDADE MALDITA.
( Contot no boteqtsim.)
I
(ContinuBio.)
As mi has pa laras, as miabas loucas
teotalivas, aa insanas temeridades que por rossa
causa, lei, de fronte calma, encarado, sao um ve- dessa.
hemenle e solemne protesto contra o menor lalro
de duvida ou de descocfianga de rosss parte s
miohas rerelsges.
E aquelles labios escandecidos depozeram
por urna effusio espontanea e quasi omoipoten-
r S. Exe. o Sr. Dr. Henrique da Sstra t
Elle proprio. O que que* f
y < A seo hora condena inconMa-ne da sig-
nificar a 3. Ele qae hoja ato ara eosairel.
t Nao era possivel? I ... O que ? I ... per-
guntou com dissimalada ignorancia.
Pr miaba alma que ignoro o qae aeja,
torne! lhe.
< Elle cooservoa-se am segando inactivo.
c Bem : disse-me depoia. Recommenda-
;5ei e le m brangas de ai i o ha parla senhora aon-
ptts a ga
te. am sculo de fogo sobre a branca a aadosa
maozinha da condessa, que elle apertava entre
as suas, tremol, frioreota* e glidas.
Um instante da mudez se saccedeu ; o no-
to esteva deslumhrado ; seus olhos grandes es-
pargiam chamnas de rolupia. *
Oepois ella cootinuou :
a Margarida, eu morro a me definho assa
sofTreguidlo de tantos dias I... Nao percebels... ?
c A condessa intorrorapeu-o :
Nio ; boje nao possivel. As horas j
vio apreaaadas e o conde nao deve tardar.
a Enganae-vos. Elle foi looge, ojtojjo pode
Toltar agora.
E apresentando o relogio bella e encanta-
dora francesa, acrescantou :
E' apenas meta noite I
Naia noite 1 repeli ella, como sorpreza.
Oh I definitivamente o conde se acha muito per-
to. A' meia-noite disse-me que ae acharia aqu.
c Hentique metteu o relogio na algibeira, mu-
do, como urna campa. A condessa crendo tl-lo
desagradado em extremo com to directa decep-
Cio, fallou-lhe assim :
-f Amanhaa, podis rir sem recelo. O Sr.
de Villemer ral fazer urna outra visita ao mar-
quez de Praia Vermelha e podaremos eoto ex-
pandir-nos por algum lempo em oossas (alias.
Hoje imposiiTel I
Eoto para que exigiste que eu riesse hoje ?
Ah I Henrique, qaaodoae sentem cham-
mas no coracao, os maia (elizes infantes sao os
que se leram ao p do objecto idolatrado 1 Ig-
noraos isto ?.... Parece que nao me arasesI....
c Amo-ros como nao sel, nem posso di-
zer-vos I....
Dase e repito. Parece-me que nao sea-
tes por mim o que dizeis sentir, senhor doutor,
repela Margarida como em despeito.
Parece-ros isto 1 pergontou o sonhador
com uos certoa longea d# receio e tristeza. Se
soubeaseis, Margarida.... I !
a J sel, j sei. Conheco perfeitameote
qual o amor' que se tributa mulher de um
conde, disse ella com ironia.
Oh 1 en tos amo tanto, tanto, que espe-
rar at amanhaa urna morte para mim Essaa
vinio e quatro horas de espera ralem o mesmo
que um secuto de soTrirnenio para a miaa al-
na I....
E o mogo Ievou pela segunda vez aos labios
a mo azul-ieiada da condessa, a qual, como se
houvesse sido tocada de un choque elctrico,
estremeceu desde os ps at a cabega.
Margarida, fallou anda o deputado, com
a voz sensivetmenle alterada de emogoes libidi-
nosas, Margsrlda, amanhaa urna eternidade, o
infinito I....
Nao, ajunlou a condessa levantando-se
de chofre, qual se tivesse medo de ceder s aup-
plicas ou s lamentacdes dolitterato. Amanhaa,
as 10 horas, achar-vos-beia aqu ; na escada en-
contrareis onaocy, a quem dirs que sois o
poeta e ella tos introduzir no neu gabinete,
que estsr s escuras. Nada temaes. as tro-
vas do quarto encontrareis ama mo trmula e
fra de recelos e de amor, pegar da Tossa ; ser
a mo da rossa, Margarida.
Henrique s ergJIu-so ebrio a hallucioado
de lascivia. Achegou-se para a condessa, to-
mou-lhe as m'os simultneamente, beijou-as
com avidez e disse :
Adeus, Margarida. At amanhaa.
At amanhia, s 10 horas, meu poeta.
Nesse iolerim ouviu-se o rodar de urna car-
ruagem, ao looge.
c E' o conde que volta, disse Margarida.
a Eu desci e entrei para o mea quarto. Em
seguida ouvi o tropel de Henrique, quedescia, e
logo depois os do conde e de Eugenia, que vol-
tavsm da visita.
Neste ponto da historia o narrador interrom-
peu-se, e, dirigindo-ae ao taberneiro, exprimiu-
se deste modo :
Vinho, senhor Germano. Vinho e charutos.
Sim. acrescantou Eduardo, a aeja logo.
Estuu soTrego por ouvir a cooclusao de urna nar-
rago, que tanto me tem interessado.
Como era espertalbo esse senhor Henri-
que disse Jorge por sua vez.
E que parisiense que provava ser a tal Mar-
garida Lamorieire I retrucou Eduardo.
O mestre Germano derramou vinho sobre os
copos ; todos beberam. Carlos cootinuou :
a No dia seguiote, cinco minutos antes das
dez horas, achei-me porta da ra do palacio
do Sr. de Villemer.
A's 10 horas em pino, parou defronte da mim
urna carruagem, da qaal saltou o deputado. Fui
ao sen encontr e fallel-lhe:
^" '
FOLHETIM
0 PAIZ DO MEDO (*)
POR
A. DE GONDRECORT.
< E saltou para a carruagem, qae
lope.
O que foi que sobreveiu eoto, parguotou
Eduardo ao historiador, que iraoilornou par tai
modo a execuflo desse convenio nocturno f
Por sem duvida, proaeguiu Jorga, o Sr. da
Villemer, velho impotante, cabla nena noite da
ataques hemorrhoidaaa, ou a condessa do bairro
de Saint-Honor feiaccommettida de urna ayo-
cope hratrics. .
Estaes em erro, a e caso o seguate ; es-
catae-ne.
< Nio me delive embaixo am instante. Sub.
Ao topo di escada aio encontr! Noancy, como
esperara ; ella proravelmenta naaae momento
apolrilhara o sea cabello lolro para parecer en
cantadora ao aeu nanorado da foodjfa da quin-
tal ; entrei para o indicado gabinete a condes-
sa, o qual efectivamente eslava sem luz, a nes-
ss occasio senti pegar de nioha nao una no-
zinha avellanada e algente.
Era a condessa que abracou-rxe.
< Henrique? ... perguntou
Margarida, quanto sois boa I ... respondi-
lhe em seguida imitando perfeitaneote o netal da
roz do original Henrique.
E depoia ? pergur/tou Jorge.
Depoia... Foi un norrer farta, entre de-
licias a gozos, entre anplexos estreitos e sculos
chammejantes de sensntlidade I
O narrador rirou-ae para o taberneiro.
Mais vinho, Sr. Germano, articuloo elle.
Continua, fallou Eduardo.
c A'a onza e neia a condessa leraotoa-aa
cambaleante e doente, pegou-me da mo e dis-
se-me :
c At qoando, mau Henrique ?
c At quaodo ordenardes, MsrgarJa, rea-
pondi-lhe :
c Eoto at amanhaa s mesnaa horas,
conviodea ?...
a Porque nio? 1 ... Sois um anjo. '
< l'oia bem, ide. O conde est a ahogar.
c E um sculo mutuo eslaltoa entre os nos-
sos labios fe bri cu mies. Foi um sculo delicio-
so e doce, orno um favo de mel.
Sahi. Desci ao neu quarto, onde espere!
sofreg que o relogio apoatasse neia noite.
Meia noite ? E para que ?
Escutae.
Garlos cootinuou anda :
c Logo qae o nea relogio narcoa doze ho-
ras, e a la snbiu aos pincaros das mootanhas,
como um viga noctarno, levantei-ma, aubi, pss-
sei pelo quarto do conde, em que era tumular o
silencio que ia, atraressei Tastos corredores do
palacio e fui bater duas pancadiohas porta de
am quarto que Jicara contiguo espagosa sala,
em que o Sr. de Villemer guardara as anas Isr-
gaa estantes de Irnos.
a Esse quarto era o de Eugenia.
O taberneiro empallideceu, mo grado os srre-
biques, que o calor do Xerez lhe aeendera as
faces macilentas.
< Eugenia me havia promattido urna entre-
vista. Entrei. Senti depois ella pegar-me amo-
rosamente do braco, deixei-me cooduzir sem re-
sistencia at ao mais recndito do leu quarto,
para ao p de orna janella, qae se abra para
urna ra deserta, ao p do mar.
< Eu senlei-me e tambem ella.
Carlos,eu nao ros smo,eu vos idolatro.e me
ha Hacino, por ros disse-me a pudibunda nocinha
com todo o dnlcor da sua candida expresso. Por
vs, mea Garlos, deslembro. sem saudades nem
remorsos pise futuro de felicidade e prazeres, de
opulencia e de ouro, que se me aotolha vista ;
por vs desdenho deveres palpitantes e a que em
lempo nenhum devera prestar um tomo de ol-
vido ; por vos figo ludo. Renuncio ao cass-
neoto con Alberto, para unirme a ros ; por-
que eu nao experimento por elle urna partcula
de amor, e entendo que duas personalidades s se
derem unir em matrimonio em conaequencia de
urna paixao reciproca. Mesmo agora resolri-me
a communicar a meu pae a mioha inabalarel
resoluto ; quero decid-lo. Com o (libo do
marquez definitivamente nao me ltgarel nanea ;
s comtigo, comtigo smente eu me reputarei
supremamente feliz.
c Aparar meu, trem de sorpreza ; as miohaa
obrepces e tramas tinham produzido um effeito
alem do esperado.
c Oh I... disse eu, quanto me tomo de
ventura ao ouvir lats expresados dos teus la-
bios I ... Si eu te adoro com tanto extremo
Olha. S por ti vivo ; privem-me d tua pro-
senca, daatuas altengdes, dos teus excessos por
mim, e a vida correr-me-h desde logo fra e sem
alelo, cono as praias daquelle nar. Mas, so
passo que o teu amor me prodigalisa encantos da
bemavenluranga e de gozos, eu sinto-roe desco-
rar e empallidecer ao s pensamtnto de qae teu
pae nao ha de acceder a esse consorcio 1 ...
Que inporta ? ... balbuciou a moga, que
(Costurnes dos nmades.)
SEGUNDA PARTE.
(Conlinuaco.)
IX
Duas horas antes de ananhecer os spahis le-
vantaran] as suas tendas em virtude de ordem que
receberam para se irem juntar columna prin-
cipal.
Arnold dirigiu-se ambulancia, e Pompidou
exclamo apenas o aristn :
V. Exc. ebega bem proposito, Sr. baro.
Desojara muito fallar-lhe, maa nao me atreva a
interronper o seu somno.
Aioda nio dorm esta noute, Pompidou, e
fez muito mal em nao mandar cbamar-me, ae
que precisara dealgumacousa. Diga-me prmei-
ro como rae do aea hombro 1
Nao o hombro que me inquieta: este ha
de asrar, aiada que nao j, como asserararam.
E'isto justamente o que me affiige, poa agora
mais que nunca precisara eu de estar junio de
V. Exc.
Eoto porque ?
E' c urna idea qae nao est bem definida
oo meu cerebro, maa qua nao doixa de tar a sua
importancia. V. Exc. abe que costumo a reter
muito em lenbranca os nones e os semblantes
daquelles que tenho visto...
Sei qua neste ponto possae urna memoria
prodigiosa.
Pas bem, nea charo Sr.bsro ; se eu tor-
nasie a ver nademoiaelle Magdalena reconhe-
ce-la-hia, por mais que o sol da frica lhe hou-
vesse tisoado a cuttadesle quinze anuos, em que
Dio a tenho risto. Htopareee una historia.....
nao importa, V. Exc. me comprebende.....
A' que ponto qtrar chegar, meu pobre Pom-
pidou 1
Ao ponto de asserarar-lhe que nao eitimos
looge de encontrar a sua linda filhinha.
E d'ondelhe reta esta esperanza?
Sr. baro, teoha a bondade de mandar rir
minha presenta o Beduino, que apresionataos
hoolem noute, e que poz-me em estado de nao
poder preslar-lhe os meus serrigos. Ha eeta ho-
ras de relogio que esse bregeiro me (em feito an-
dar a cabega roda.
Explqae-se. i
Pois la rae. Quaodo o ntajor aesbou de II-
gar-me o hombro, e embrulha-lo sua rontade,
sent abrandarem as dores o proeurei dormtr. De
repente, porm, acord sobresaltado : dir-se-hia
que um escorpiao ou ama vbora, que muito abun-
dam neste infernal paiz, acabara de picar-me o
cerebro. Nio era am escorpiio, nem urna vbo-
ra. Sabe V. Exe. o que era :
Nao posso saber.
O caso que uen au tsnban : as certo
qae o neu cerebro foi mordido por urna records-
c.o eatranha, que eu buscara definir con a* albos
-
(*J Vide o Diario a. 81.
fechados, e que o nao consegu depois de abr-
tos: certo que trata?a-se de V. Exc, de mada-
ma Thereza, da menino Magdalena, e dos malva-
dos qne a arrebatara!. Parecia-me ver esses
dous malvados: o baro de Walter e o mendigo
Klein ; trajavam burnous pretos e brancos tal
qual como na estrada de Blidah no dia em que
Ihes fugi; e at mesmo parecia-me que elles fal-
la vam comigo. O maia importante, porm, que
o som de urna das duas'vozes soara meu ou-
vidos como a voz do palife, nosso prisioneiro.
Ora, a minha imaginario, presa dease pansa-
ment, tem engendrado ama grande porcao de
erentnalidades mais oa menos provareis. Nio
reparei bem no Beduino ; j eslava escuro quao-
do deparamoa com elle ; mas ouri-o fallar: e
isto basta Joio Pompidou pira pr-se de pre-
vengao. Mande-m'o V. Exc. c, e ver como di-
ffo-lbe na face que elle Walter de Seelorf ou
Francisco Klein.
Foi am sonrio, meu amigo. Coohego mui-
to Walter para que un diafarce, qualquer qua
elle seja, o possa subtrahir ao neu odio e pes-
quizas.
Pois eu digo que V. Exc. o coohece tio pon-
co, que deixou-se illudir qusndo o encootrou na
Treib na estalagen do pae Mesner, que Deus
haja 1
Foi oaquelle tenpo ; as d'ahi en diente
quar nos neus sonbos, quer as ninhsa vigilias,
tenho sempre seguido esse maldito com os olhos
do peosamento.
Mas emfim mande-me sempre o prisioneiro,
qaero desenganar-me por mim mesmo.
Infelizmente, meu amigo, nio Ih'o posso
mandar; porque o prisioneiro esta hora est
lirre.
Pois V. Exc.osoltou,Sr. baro? perguntou
Pompidou admirado.
Nao; elle meamo tere esse cuidado.
Misericordia I E porque V. Exc. nia tomos
maiorea precaaedaa ?
Arnold conloa o qne ae haria passado durante
a nouta.
Pois nio riu logo V. Exc. que os rugidos
eran un aigual dado ao seo prisioneiro, a que
esaa naacarada era destinada a favorecer-lhe a
evaao ?
A' principio nada desconOei; a fugo foi qne
ne esclarecen.
E como conseguiu sabir elle da leuda, cuja
entrada eslava sendo guardada.
Deseovolvendo toda a astucia e agihdade da
un selragem, o que prora bem que nio era esse
carallelro algn dos nossos intnigos Walter oa
Klein. Eu mesmo vi-o deitar-se no fundo da
tenda, e por debaixo da cabeca.0 burnous de tan
dos nossos spahis. Desta maoeita, sem trshir-se,
pdde suapeoder o panno qaa servia de parede, e
com as unhas fazer um boraco na atea.
* Vaina-me Deua 1 Nao era isso cousa que se
nao podesse prever; se as formigas abrem gran-
des passagens debaixo da ata,.m homem pode
mui fcilmente abrir um boraco.
Sim i mas era preciso que podassemos pre-
ver ludo, en especialmente! Oh 1 meu Ponpi-
dou, porque razio deixou que lhe quebrassen o
hombro f
E' verdade, Sr. baro, eu son o culpado, eu
s, responden Pompidou conmovido con o lom
pesaroso do sea nobre amigo o amo. Fie1 en um
instante tantea asoeiras e loucuraa, que un aa
cardte nio m'os podara absorrer o'um dia intei-
ro. Se eu nio me risse oeste lastimoso estado
importa que alia aio aoaaejo f fr Ttatra
nao o quero eu ?
To t
t Sim. E' o qaa beata pan a realieaco
do neeeo fin.
r s,^9,* ^."** -*%* ** *.
una lha-familt.s ; e aaxn pobre homem ojo*
< Oe ditoo, Crie ? o nosso fin des-
fructarnos as delicias do nosso; paro amor, a pa-
ra asta fim nio sa ha niater da7 am desses o6jec-
loe do que te oceapis.
Maa, ha-se misler de inhelro, disae-lha
eu com mtengio.
. < Dinhairo? Tono-lo quanto seja safflelen
ta para proporcionar-nos urna exlstaoeia obscu-
ra jgnorade, rerdade, aorn tranquilla,
feliz, innocente e jubilosa.
aE,,.U 'f1 *Mr *" Wl H o-
tro dalla tiroa un eofresubo da abano, que dea-
ne, dizendo eitas pslarras :
"Ai" JJ*^- Aee#ta-o.
< Abra o cofre, qaa estar atulhado de in-
uoidade de joias de brilhante e do ouro ; ps-
ou-no palo aorabro asa idea hedionda, que
difneilmente repeili.
Oh I..acsraaaantei aogo a (ealumbrado.
Aqullt porgio da ralasas pegas poda ser
eonsidarida cono ama eicellente fortooa.
c Sin, contiauou alia; nada oes falta.
a Quiz reatituir-lhe o cofri, mas alia reca-
aou-o.
Cos I.. Cono es boa, cari Eugenia I..
c Eapproxinel-na dalla o paz a ninha dex-
tra sobro a sai delgada cintara.
Eugenia traneu, a, pegando-ne di nao es-
querda, fallou :
Garlos, quanto te au amo 1.. Parece*me
que atu a o henen desta mundo I....
< Obrigado, minha linda, Ua alase:
Depoia fui a depor-lhe um beijo oa face
da jaspe, quando ella, desrlando laramente a
cabega, tornou-me con un ar de corta exproba-
cao amorosa.
Nio, Curios I..
c E aecrescentou depois :
c Eugenia da Viitanar s tua ; as ha I..
respeita-a, aa ta pego dorante lodo o tenpo en
qne alia te nio pertancer legtimamente.
Fiquei descorgoado, porm, concertando de-
pois o meo deiarranjo, produzido polas pene-
trantes phraaea da mogoila, retruquai-tha:
Sin, perdoa-me I Eictdi-me um poa-
co, mu grado neu I.. Oh I., que boa qae tu s,
Eugenia I....
Da certo, disse o meatre Germano, que at
eoto ce conservara nado. Qua boa alma era a
dessa pobre menina I....
Damorei-na um peueo maia deepedi-me,
beijei-lhe con terror a melindrosa a delicada
nao o deaci pora o au quarto.
a No outro dia eeeruri ana carta a Haurique,
am nono da condassa concebida oestes tor-
nos :
Caoneem que nio viiiuit por ates dias a
cata do Sr. de Villemer. Quaudo foropportu-
no recebertu recados da votta Margarida.
E fui eu proprio en poaaoa entregar estas
lacnicas phraaea ao apaixooado amante, de
quen recebi a eegaiote reaposta : .
c Fieo arto do que m diztis i porm Um-
ora9-vos,\Margarida, dequteu morrerei halluci-
nado e doudp H tonga for a inlerrvpco danot-
sa communiajio. Henriqae.
c Eu hara trtonphado em umaarriscadissima
baUlha. O deputado estara auaente da caa do
conde, e eu continuara a fazer-lhe as rezes para
com a condessa.
t Na noute desse dia nio esqueci de porpm
pratica a minha risita amorosa. Foi o mesmo,
sempre gosos a prazeres inexprimireis; sempre
horas esquecidas a paasar deitado sobre os roli-
gos bragoa ns de Margarida, ou a conserrar a
minha cabega reclinada ao eolio ajbonitente da
mgica Francesa, ou a espriguigar-me lasciria e
sensualidada sobre oajoelhoa alabastrinos o vo-
luptuosos da fogosa malher do Sr.de Villa-
mar.
c Um nez conpleto deccorreu aaaim nesse le-
ra r as nootea as ondaa de languidez de um go-
sar infernal.
c Um dia, porn, o Iludido litterato, disposto
e audaz como era, a j fatigado de tanto esperar,
tomn a deliberagio de ir.acaaa do conde.
c Estara en nesse momelo no gabinete do
mesmo, o qual se achara ausente, quando o mo-
go se fez annunciar.
c Eolron, fallou framente com Sra. de Vil-
lear e depois escatei o segainte :
c Cono L.Qae dizeis?l.... articulouMar-
garida interdicta.
c Nio retiro a exr"*sao. Sois una ingra-
ta o zonbaea de *"- puros affeclos I.. '
< ajo* Deua, qua ougo ?l Porreolura ter-
to-riao halluctnado essas noates de insonnia,
passadas ao p de min ?!....
< Acbaea pouco ridiculo ? Ha an mes
inteiro que nos Oao vemos I
c A condessa devera ter sentido um desmato ;
maa se esse tevejagar paaaoa as sbitas, porque
quasi no mesmo instante ouvi da sea bocea :
c Ha um nez inteiro qaa nos nio vemos!..
Pois hontem nio paeeestes una grande parte da
ooute comigo, Henrique ?!..
Eu?!.. Oh!.. Margarida que genio fa-
^^.y ** *tras sobre o
asea aoottaorl... 4-v-
amTn!ftSi W* ** k,U "* B0,t
f?*10* aja)atoffallar-Too.
Naaae ialarin eotrou o sonde, que cumpri-
ssootoa aruiaiaala Henrique. o qual arraatou-
" N*0 Petuatiro.
QmbIo i condoaaa alo alnogou. oan jantou
nesse dia, qae toda lerou enclaustrada en aeu
quarto aconjacturar.por sen duvida sobre esss
eatranha aventura.
< Peto ana ne diz raapeito, tire eotio medo. i
u engao ia sar desmentido e cerlarneote saber-
ae-hla qoem representara o supposto Henrique.
Tive mdo coofsso-o ; porque a morte se me
omouaon todo o aea cortejo de circumatan-
22 **"* 5 Julgaei-ma rielima inevitarel da
justa rioganga doa dous amantes.
f Em taes coojectaras, um peosamento divino
illumoou-mo a fronte; divino chano-o i,
porque aomente elle poderla por-me asalrodo
golpe innioente.
a Peguei da panna, alterei o melhor possirel
o carcter da minha letra o eacreri a aeguinte
carta aoonraa ao conde de Villemer, a qual,
ama hora depoia de coocluida, fui eatregar-lhe
duendo-lhe qne naquelle nesno instante m'a
hsrfam dado.
a VmaptMoa (que te nao qntr dar conhe-
ctr) ietcobnu por am fortuito que em osjo ca-
sa sa Aso panado tunat dignas da vosta alten -
fy,*" ? lodavia nao Undeso menor co-
nhttmmnlu: Em tuo %t$o o que tmente toffre
w2^? T"* <*'* certificar voi da
srioWoda do de que se coi fax iciente, hoje
anata noute tomadas as devidas providencias,
tdeao quarto da conde, vosea consorte. >
cQaando o Sr. de Vftaner concluiu a leitura
moa carta, alia escorregou-lhe dos dedos, cono
por influencia aobranatural, ello insensirelmeote
se deixoa cahlr sobre ama adeira, lirido taires
naiede pudor, do qae de colera.
c Depois do jan tar cnamou-me confidencial-
mente ao aea gabinete, cuja porta trancos sobre
si, o, depoia, aanundo-oe defronte de mim, ex-
preasou-se aoato modo :
j- Carlos, toa pae foi o amigo maia desre-
lado e extremoeo, que hei coobettdo. Por bem
de mim arratou por maia da urna rez perigos
tocompreneastrea, a a saa Adeudada nevo o con-
eognimento do maitoa fias que me propaz slcan-
*a h{^*> '* *" nigo dedicado o %er-
dadeiro ne falta, e qae nio obstante, euaioto
urgente neceseidade de ama fiducia eatranha, po-
derei acaso depara-la em ti, qaa s sea Albo ?
. < Senhor, disse-lhe con estadada commo-
go de eatupefaegao e de ioterease, por ros me
aventurarei a perigos at contra a minha propria
vida I..
c O conde sorriu-se de jubilo, mssesse sorri-
so fei terrirel qaal aeria o de un tigre, se os ti-
gres aorrissen.
Bem. Tem-se neceseidade de muita dis-
posigo e coragem para o fim de urna expedigao
esta noata. Nada te ha de faltar. As onze horas
deree achar-te em meu gabinete, aam que toda-
va se saiba que eli ests emquanto que eu, tin-
glado Ir ao baile do marques de Praia Vermelha,
as onze e meia tambem me acharei nesse lugar.
J vs que o negocio de que se trata, da mui-
to interesse ; a para qae melhormeote o saibas,
l esta carta.
c E o conde deu-me para 1er a carta que eu
lhe havia eacripto pela maohia.
Fiogi toroar-me interdicto, immudeci e per-
di a cor do rosto ; o meu retrato, que se reflec-
tiu no eapalbo do gabinete, deu-me as paricen-
(aa do de am cadver de p.
Prometiendo executar fielmente todo quan-
to me havia ello recommeodado,e hareodo mes-
mo combinado entre nos s respeito do melhor
camioho a seguir nequella eicurso, aahimos
do gabinete. >
O narrador parou um pouco para banhar a
gula com as ultimas gottas de vinho que ha-
ran ficado no fundo de aeu copo. Os ourintes
estsram ltenlos e immovis, como as estatuas
de umtemplo.
O narrador, depois de harer aorvido osse l-
timos tragos do licor espumante e atirado ao ar
ab&fadigo desse quarto aperlado algumas fumabas
braoco-ciruleas ao seu charuto, prosegoiu oestes
termos :
e Harism j tres diaa que, para pdr com-
plemeoto essa tirada de actos torpes o satni-
cos, um riera collocar-me fronte enrilecida o
o estigma tte reprobo. Fra o aeguiole :
< Aproreitando-me do anor estremecido
qae essa menina, s cegas, no dedicava, por
noio da estrategias a palavras persuasivas, que
alta por fin accadeu, porque contra ana paixio
exaltada da rirgem nem o derer tem poder, eu
arraocira-lbe da fronte, para arroja-la ao p do
desprezo, a sua estemna de pureza e castidade.
O taberneiro suspirou profundamente ; Carlos
disse :
Logo qae o Sr. de Villener partiu para
o baile do marques, aubi ao quarto de Eugenia,
que achei prostrada diante do aea oratorio (ara-
da en lagrimas.
c Ao ver-me ae ergueu pausadanente, enxu-
gou as lagrinas con as trongas esentoo-se.
< Que tens ? pergunlei-lhe.
a Renorsos I respondeu-me ella.
c Remorsos 1 De que teos renorsos ?
Ella nio responden. Depois fallou desta na-
neira :
mes-
miiareolera-
testara am
nada disso auccederia... Quando conseguiu elle
carar o borato, o que fez ?
Aproreitoa-ae da immenaa algazarra qae
faziam os mascarados do achoura, e cobrindo-se
com o burooua vermelbo da qu ae aerria como
Iraresseiro, escapou-se da tanda lirremente. Os
nossos o temsram por um dos seas; e assim con-
seguiu ganbar o ponto em que prorarelmente o
Arlequim da tropa lhe deixra fiesr cavallos; o
caso 4 que ambos sumiran-se n'on instante.
Mas cono deixsran o Arlequn deaappa-
recer?
Nio seu estara diatrahtdo con o capitao,
e nada t. A feetirldade do achoura tio ha ter-
minado ; oa comediantes arrecadaram tranquilla-
nenie a sua esportula; quando dei pela falta do
neu prisionvjiro. Pozeno-nos innedistanente
en sea enealao, as debalde; e cono que de
proposito por un desafio ouvimos os mesmos ru-
gidos de principio.....
E foi am desafio em regra. ialerronpea
Pompidou : ludo isso foi muito bem represanlsdo,
meu charo Sr. bario, e to bem que eatoa agora
perfeitamente convencido de que os Arabea dea-
las paizes sao mais sstutos e malignos que todos
os das tres provincias reunidas. Paciencia 1 Cam-
pre recomegar a taris, e nao desanimar. Corne-
jo a erer qua o neu aonbo desta noute. a minha
nemoria eimagioacio desta res trocaran de tal-
ao. O prisioneiro era un perfaito Arabo, un Ara-
ba de paro singue ; porgue an chriitio nio to-
ril a facilidade para sahlr-ae ben de to cas-
tosa enprezs.
A conversarlo do baro e do sea fiel conps-
nheiro foi inlerronpida pelo serrigo da ambulan-
cia ooa preparatiroa da riagen. A pequea co-
lumna expedicionaria poz-se en msreha, e che-
gou boa borsao acompenlo do corpo princi-
pal, o qual baria j operado directamente sobra
o goum do eberif, matando-lhe alguns homens,
e arrancando-lhe groseoa despojos.
Apenaschegado ao acampamento, Arnold sou-
be que ae tratara de enriar um esquadrio de ce-
gadores at aa proximidades de Laghoaat para o
um do reeoohecer ama partida de caralleirea que
ae suppunha rir do sul con a iotencio da pene-
trar na praga. Oa nossos cagadores encarregidos
dessa reconbeotmento receberam ordaos do es-
barrar o inimigo, atacando a disparsando-o, se
elle nio dispozesse de torgas mui coosiderereis ;
pois no caso contrario dereriamlimitar-ae i una
ai m pies obserraco.
O bario d'Amitadt, asando ds pernisso que
tioha, de seguir como lhe aprouvesse todos os
noTimentos das neesas tropas, raootou outro ras
cavallo, e foi poitr-se na vanguarda do eequa-
dro que aeguia am pouco adianto desta para des-
cubrir campo.
Vencida a distancia, os nossos cagado rea, acha-
ram-se em presenga de am considerare! gvum,
em que oolaram grande numero de caralleiroe
meatdos em sobarbas cavalgadaras ricatasate
ajaezadas. Contra o costume os rabes limitaram
a sus manobra em fazer caracolear oa aeua caval-
los, maa fra do alcance dos.tiros do inimigo, e
nao deicarregaram as suas armas.
Os cagsdores j muito habituados is sslucias
de am Inimigo, contra O qual convinha estar
sempre precivido, nao quizeram em peonar-ae
o'urca lula decisiva sea prineiro estudaro terra-
do.' Os Arabas se foram retirando ragarosamen-
te, parecendo querer atrahir alguna emboscada
es aoaaos caralleires, que oe aoajaian. no iotuito
de impelll-loi una grande planicie ; e ellea pa-
reciam tomsr esaa direcelo, qaaodo um dqs seus
10a que se
enrolrei-
a Carlos, para qae (e emei ea t para qae
na amaste tu I T Se isto ae nao Boa ves ia dsdo, eu
hoje aio serla a malher mato daagr coda darte
mundo I..
t Desgragada ? I...
a Queres saber por que razio igora
no nio pooho termo 4 esos minha mi tares
da existencia f I..
E ro *tro da aaa c.ta de _
punhalinho de prata, qae mostrando m'o, scin-
lillon aos meus olhos.
c Queres saber? repetiu ella.
Dze-o.
e E' porque j hoje em dia coodukoem mi-
nhaacntranhaa urna vida, que, embori aioda am
germen, nio deixa todava de eer-meihare.
Ao pronunciar estas expressoes, alago-
n ama toalba de prantos, qae lhe arras saraos ao-
lugoa abalados.
< Calei-me e aahi.
Eram onza horas ; ful metter-me atraz da
porta, que dava para a escada e atoen I.
Pouco depois ouvi o som do pa
dirigiam para cima.
a Treni. Un calefrio de torcaos
se-me por todo o corpo ; e o na* panhal. des-
nuado brilhou oeaaa eacuridio de brnthro.
e m instante depois urna raga sombra de ho-
mem assomou, quasi imperceptivel, em freote
dos neus olhos.
c Peguei-o por detrsz e cravoi-lhe o nea aga-
cado punhal na nuca, seguindo-ae apOnas o ba-
que da ama queda.
a Accendi ento un coto de rea que reser-
vara para tasa fim ; e, qoando a sua luz parda-
eenta ae derramou aobre o rosto do defundo, e
eu eaperara dealioguir n'elle aa feicoea lascivas
de Henrique, descobri os traeos desmaiedos e
seots do conde de Villemer !
c Nio sel cono nio rolel sobre esaa materia
eosaoguentada e lirida. Nao foi aomento espanto
e eatupefaegao o qne me tomou nesse critico mo-
nelo ; foi un terror de ssphyxiar.
c Mas, de repente, levado pelos instiactoa da
propria conserrago, reiu-ne mente una idea
salradora.
a Heoriqae convenciones con a condessa
que riria meta noite aua caar; corr
prassa eocostar um ngulo do corredor o ca-
dver do conde e precipilei-me em aeguida i co-
sa da antoridade, quem dase qae liaba rszdes
para suspeitar que o deputado Henrique ds Silva
pretenda naquella noite aasaastnar o ministro do
imperio fraocez, o conde de Villemer. A antori-
dade ouriu-me, acreditou-me e expeda ordeos
terannaotes_ & respeilo.
c A urna hora e meia da noite, qoando o ooa
so litterato rollara da conversar com a condessa,
fi-lhe na escada intimada a ordem de prisio,
porque os agentes da polieis, j teodo feilo, com
precaucao, as convenanles pesquisas, hsviam
deparado com o cadver do conde.
c Mo outro dia fiz-me de rla para a Ioglater-
ra, com o aupposto oome de Antonio da Caoba.
a Paasaram-sa oito aonos. De l soube, pelos
jornaea, que Henrique, tendo sido condemnado
prisio, e nao podendo eom resigoagio suppof-
ta-la por um crime que nio commetieta, suici-
dra-se.
< Egualmente soube que, alguns mezes depois
da morte do conde, a aua consorte propinara-se
reoeno ; e procedeodo a junta medica do Rio
exame de ristoria, declarara ae achar alia grvi-
da de um menino, que malhematicimeate derra
ser mau filbo.
c ltimamente, ao deaembarcar do rapar, no
porto do Rio de Janeiro, urna pobre malher, ape-
nas coberla com alguns immundos trapos, e con-
duzindo nos bragos queimados e magros urna
pobre criancinha, approximou-se de mim com
interesse, e depois que paraceu reconbecer-me,
disse-me em pranto o que se segu :
a Sr. Carlos Dumonf, ama esmola pelo
amor de Deus psra o lho de Eugenia de Vil-
lemer I...
c Era ella.
Treni ao ouvir articular ease nome 1 E como
julgaese que elle poderia despertar nos circuma-
tsntes serias euspeilas, rpido desappareci do
meto dessa multldo, agglomerada em roda da
misera vel mendiga
Eis a minha historia 11
E oa tres aveotureiros, ae houvessem nesse
iostaote filado o Sr. Germano le-lo-hiam visto
derramar duas grossas lagrimas por sobre as suas
faces encovadas e emmagrecidas.
Carlos bebeu aioda vinho.
Jorge priocipiou assim :
IV
: A mioha historia tambem triste e ter-
rirel, aenhores; triste e terrirel, como um antro
de bandido, ou qual urna pistola em roaos homi-
cidas, preatea a deafechar-se sobre urna victima
iodolonte. Mesma assim queris ouri-la ?
. E' porque nao se chegou a tua rez? relie-
xionou Eiaardo, a ae enrolar mais e mais as
quentes e negras roupagens do seu capote relio-
so. A chura contina a cahir em catrselas r
tas, o rento, que rae principiando a agitar-se,
glido, como as bramas do invern, os queixos
batem de fro; e justamente ao dealisar deasas
noutes de geadas e treras, entre o estomagar al-
vaceoto e vaporoso de um charuto e os repelidos
tragos d'um copo de vioho, que as historias ne-
gras e tristes, como bandos de corros que esroa-
gam por aobre um cadver apodrecido e ftido,
sao doces e suares as orgias.
approximou-se da nosss geote agitando urna ban-
dairinha branca presa no cano da espingarda.
Era nn parlamentario ; e Arnold reconhecea
logo sob o kaick do guerreiro o Arlequn do
achoura.
Debbah apreaeotou-ae con altivez aochefedos
cagadores, e olhou para o baro con deadenhos
indifferenga. Arnold ter-ae-hia langado aobre o
mekatib, ae o respeito que elle deria ao nosso
uniforme nio lhe impozesse a cruel obrigago de
OOrir pacientemente o parlamentario.
* O qua nos queres 1 pergeotou o official.
Carta (t) ; reapondeu o negro tirando da
saa bolsa de couro ama carta moi ban dobrada.
E tazando o asa carallo eiacutar urna gracio-
sa curra, estendeu o papel co'a mo firme.
Espera a reaposta, disse o official, qua rol-
lando-so pars Arnold encarregou-o. de lerar a
missira ao capilo conmandsnte.
O baro parta galope, e cheio de eaperanga
ebegou ao encontr do capilo.
A historia doa Seelorfs edo rapto de Magdala-
aa era aabida por todoa oa officiaea do exercito, e
aada qual ae inlereasara sinceramente peloa in-
fortunios desss oobre finida.
Leia dapresss, capitao, disse Arnold ; tenho
ben fundadas esparaogas de que esse despacho
traz alguna cousa qae me diz .respeito.
Com effeito, Sr. bario, urna carta dirigida
4 V. Etc., disaa o capitao depois de ter rasgado
am prineiro envoltorio : aqui a tem, leia.
O bario apoderou-ae da corla, cujo sobscripto
em altamioera assim concebido :
Ao Sr. baro Arnold do Seelorf d'Amstsdl,
voluntario ao aerrgo da Franca, am Laghouat
E' eatreaho que haja no Sahara quem falle
ailemo 1 esclanou o capilo. Ji 6 lato un bon
agouro ; abra depresaa esta earta nysteriosa.
Trmulo de commoco Arnold raagou a obris,
a lea 4 meia Tas a que ae segu :
c V. Exc. me ha de ter na conta de un rabe
mjiiiriaaa a aan f, Sr. bario d'Anatadt: na
appsraocii nada mais exacto ; porn os realida-
de falso easa juizo e rea prora-lo. Disse-
ne V. Exc. qaa eu aeria lirre desde o momento
em que o pozesse no presenga do raptor de sos
Qlha : era isso cooceder-me a liberdade imme-
diatamente, porque essa rsptor sou eu Fran-
cisco Kleio, muito humilde criado do Sr. baro.
a Em compeniagao do bom tralamento que me
dspensou dero-lbe um obsequio ; a permtta-me
V. Exc qua dalle ne pooha quitos, causando lhe
una alegra sen limitas con a noticia que passo
a dar-lhe.
c A aua Qlha Magdalena o mais lindo orna-
mento do deserto, onde os esplendores da crea-
gao niscem todas cano por milagro. A aua ftlba
Magdalena gosa de ums saude ina Itera vel: a mo -
cidade e a vida, a graca, a nobreza e a rirtude
noem-se em suave e casto eqleio aobre a froote,
as faces, o sorriso o as caocoes dalia. E' feliz a
ana filha. Se. baro $ e eu por Jpiter I an-
da o aou maia ; porque dentro da algumas sema-
nas ella atri miaba espesa.
t Divirta-se em tocar a cidade do Laghouat
ferro e 4 tojo : essa dislracgao costar caro, e
cada apcf&att a V. Etc. peasoalmeala ; por-
quanto a arfetaa uotn, o meu futuro e pretendido
astro, eoor nao sonoa to ainplea que nea
delxanoa eah.tr oa ratoeira.
Capitao, oio di pelen para que se carre-
til Patarra da algararia tnourieca empregada
por todoa os Arobee pera destaur que ao porta-
dores do ilgum despacho,
gue sobre essa gente ? perguoteu o bario com
os labios pallidos, o coracaoarqueiante, e asmaos
trmulas.
Podemos dar-nos a este prazer, respoodeu
sorrindo-se o capitao ; mas ser urna correra
imprudente, porque os nossos cavallos J muito
fatigados suecumbirao de todo sem o menor pro-
reito.
Arnold oio esperou o Qm da phrase para pre-
cipitar-se do lado em qae eslava a raoguarda :
quaodo chagou jnoto ao official qua tinha deixa-
do com o parlamentario, diase-lbe :
Csrreguemos I carreguemos I
E' Urde, reapondeu o official : os bregeiros
sabem o seu officio, poa pozeram-se cautelosa-
mente ao largo.
Porm o parlamentario ?
Oh I quanto este rae tio bem montado
que nao pode recetar cousa algama. Veja cono
elle zomba de ns I
Pola irai eu s.
O que faz, aenhorl exclamoao official con-
tando Arnold. Esquece que esae caralleiro
um parlamentario, e est sob a minha salva-
guarda ?
E' rerdade, marmurou o baro, rerdade l
Perdoe-me, senhor,eu sou tao infeliz 1
Oebbsb, posto qae muito confissse da extrema
ligeireza do aea carallo, todaria nada ponpou
para melhor assegursr a sua retirada. Fiogindo
caracolear por nro prazer aos olhos dos nossos
cagadores d'Atrca elle se foi atestando pouco
pouco ; at que dei toa o carallo galope, o acha-
ra-se ji a nao pequea distancia, quando Arnold
ae reuoira de novo vanguarda.
O lostincto do ralete negro prerio a resolu-
go tomada pelo capitao de mandar caraagar ao-
bre oa caralleiros do goum, e sem esperar qua
as nossas trombetas dessem o signsl do svsngar,
elle dearlou-se por una neiaduzia da eroluges
msgolficas, ioclinou-se sobre o pescogo do caral-
lo, e partiu toda a brida, fazendo gyrar a looga
espingarda cima de sua cabega por mera pban-
tasia.
Foi em rio que os cagadores carregaram. Os
csralleiroa do goum hariam desapparecido por
detras de umdos grandea cmoroa, que a leste
poroam o oasia de Laghouat, e apenas oa nossos
se approximaram dos jardins,foram recebidos por
ama rifa fusilada dirigida por ruaos inrisi-
veis.
O capilo maadoa tocar i retirada, oio quereo-
do expor a sua tropa um fogo a que nio podia
corresponder.
O bario Arnold, inpellido paro aeu ardor,
avaoou aioda alguna passos: naa tere logo de
reaigoar-ae, e roltou com o coragao transbordan-
do de raira, a olhar errante aa vasta planicie,
onde procurara deacobrir os restigios do raptor
de Magdalena.
Na tarde desse nesno dia, Pompidou lhe
dizia :
Eotio. aanhor bario, era eu surdo, eogo a
sem menora, qusndo julguei ter rocoahecido
um doa nossos malfeitores, smente por ouri-lo
fallar?.... O qae est fenest feito; nao quei-
ra agora esnorecer; l<*aVe-se da madama The-
reza, cuja resigosgao e coragem nos dio o exem-
plo a todos. A pobre senhora aaecumbia ha
quinze annos: morrta porque suppunha mora a
ana filtia ; mas deadotydia em que aquella agra-
darrol coticiaergoai^a leito, como se ergue a canigo acogado pelo ven -
to ; e de enlio paro co uinguen mala a riu cho-
rar nem maldlter-iwantes trabalhi cora ardor
reoeo rioho,
- Norte Oao
hletoriaeor.
0 Uberaeire apfeaeetoo-laa _
qaa altoaanaamia ajoaat a'.m ala.
1 priocipiou par artas palaaras 5
c lindara am baila ana dar, solas
tlgade das daaaas. o nio aaaUarta aso en
quinas da ra, coaserraado a cbsaoo
para diaola, para ao aar raahucKr en
algaen qaa tinha da desear a awtato
t Foi un socalo de ioqaiataefte.
c Entretanto anda nio tiobam dk
oa convidados; hariam das nioatoe
o baile.
c Afioal passoa-na palas olhos aos _-
marioba franseza, bonito rapagio do rtato i
som o brago direito antrelegado coa
poaa, ana linda noeo loira,
dansado.
c Era ana Hespanhola. Era ana w
lherea, coja presenga, par nato ralez a
perpasse, deixa slereolypado aa im '
ss a febricitante dos mancebas o saa
luptuoso e divino, de enrolla aam am
daaejos, qba corroan a
cancro no peito.
c Araei-a, amei-a mato do qaa
anar-se a ama mulher halla. Anei-a
no otervallo, que madeiou eotre ana
urna qusdrilha, i am canto de rarai
lhe ha ver revotado todo o eearena* de ..
ragao de mancebo, depasaaara ama as aaae i
dldaa mioa an osalo da lego.
A Hespanhola corea da rergoah afanan r-
dante e desvairoeo beijo. atoase ajeo ae aetuenaaeo.
do pejo lhe hsviam nacarado aa faces Raspee d
seda branca; depois vi ellas tara aran-so rtves,
paludas, quasi lvidas.
c Saa mi de jaape, qae ea aioda
collada s niabaa, cono mms> i
froa-ae de aebito, e, en seguida, no dea dejas a
revolver da valsa, ao contacto de mau oorpo
abrazado e febril, ea senti o sea corpo molleasea-
te lnguido tremer e tremer, como heneas bati-
dos palaa rajadaa.
a Como ros diese, ella pasooa por mim, de-
hombro a hombro eom o sea marido. Srgai-e*:
aodmos maito: chegaran por fin a ai
e entraran. Eu parei porta.
< A noute era escura e calligiooaa; ao
pedes estavam extjaetos; ao pee basa ce.,
cor a topographia da caea, para con ella atinar ao
dia aeguinte.
< No entinto um peosamento sbila esoaltoe-ane
a mente. Tirei o mea paahel de eco para, tarima
no brago sen a meoor hasitagio, e can a enea
proprio sangue aeeellei o palacio da miaba aada
fugitiva com ana cruz rermetaa en aane das
portadas.
Ao cano de alguna diaa.... a'ume aoato da
la, o capitio partiu para am doa portea da fr
ga s o neesa mesma noata, ovrrs-maT i_
ma ooute, qae o refleto de an liado cea raga-
mente Iluminara, eu achei-ne oo quarto da
Hespanhola.
Quaodo entrei lado en caea ia ia esltoeae
Eu baria corrompido ama criada reina, qaa Ih
servia de aia, para iolrodnzir-ne aa aaa caa-
ra ; assim succedeu.
Se me houresseis ralo nesaa occasio, con-
dnzidopela mi d'essa harpa ooeluraa, eocom-
panhando-a machioalmeote, qaal ao fosea a aaa
sombra, tomar-oos-hieis por dous ieaaarae dea
trevas, qae se contratassem para urna den in-
fernal.
a Atravessmos corredores e corredores, salas
e salas, sem que arlicolassemos em toda aaae tra-
jelo um Tocbalo, ae qaer ; o maia ligatre rai-
do poderia despertar os criados, e frustrar sor
cooseguiete a mioha empresa, que era a que ea
precisamente tinha determinado- evitar.
A fio-ai chegnoa i ports do quarto do moga.
A relha despegos sua mo encarquilhada a ner-
vosa da mioha, e o sea espectro hediondo- oo-
queroso deslecou-se pausadamente da meu
gelado, que permaneca immorol, loarte o i
acgo, como um calunga de cera.
Logo que, ao ioeerto e desmaado retoste do
caodieiro, que arda no intimo do qaarte da dor-
mida, e eujoe raios morbidoa Iranaparectoas atre-
ves do diapbaoo crrsial dao rMracaa, esaa saaa-
bra repugnante se perdeu na deasidado daa ara-
ras dos corredores, en entrei psra e es se ea as da
Hespanhola.
< Ella dornia a bom dornir. Tinha
traogaa lotrsa desamarrada*; pareciaa .
dsaolutas e dertendidas ao loogo daa oraeeae a
diaphaoas espadoas della. ondas de oare qaa ca-
hissem n'um ciborio de Sao jaspe : estar en
um perfeito desalinbo sobre o seu leito fofo a se-
doso, n'esie desalinbo voluptuoso e I oare, caes
que as mulheres sabem tanto preader a feaerter.
Era ums imagem de alabastro, qae e mais-hbil
estatuario iavejra para- modelo dos saae peina.
J vistes algoma re, s calladas da ano
noute lmpida, coliados de receio e de aslnpssosj
ci portada de am quarto, ao esmorecida bra-
xolear do ama alampada da ridro, ano I
que dorme tranquilla a aoeegada, qaal an
no en um bergo?....
(CeN(taaar-e*-aa>.)
para tornar a rer aaa alegra. Qae malher 1 S*a-
Ussima Trindade I Qaa mulher I t V. lac. ser
menos energa do que ella, V. Ese.aa
de ferro e de bronze. braro e destimiea <_
Cozar 1 lio ha qaa rer 1 Saa filha viva ; bel-
la, para e adora vel cono aua nie, a arto sen rae
de causar-1 he prazer, faz com qae em sea* oibeo
se leia naia odeaaaimo do qaa a esperases___
Tone sentido, senhor bario ; aio aoja iejesto,
nao seja ingrato con s Prorideneiel....
lias, interrompea Arnold, a laaelanrledee-
se miseravel Klein, desse bandido txoerarei, no
eocbea de terror. Qoanln mais bella fe*
ii 1 ha, mais ameagada ha da aer.
Deixo-ae disso; ss molheres do
precisara para defender-se; eilaa t*_
o unhas ; e se o bandido nao egraoor 4 _
mademoiselle, o que maito de preaanii, aaa
vista da enorme diOerenga da edade, ella ha 4a
saber muito ben como coate-to.
Nao sabes que aa jovaos Arabea nanea aio
consultadas qaaodo se trato de saa uoiae? O pae
rende, o marido compra; a malher aas eajecto
que se rende tonto mais csro, qaeeie naia anata
rosa a aaa familia.
Set de lado tolo : nss, fallando de made-
moiselle Magdalena, permita V. Man. qaa o ig-
norante, porm dedicado PompteOe obsecra qae
se sua filha foi educada can cuidado a das
por sea primo Walter que esto sposar do
to malvado dedieou-se coas aereara 4 sao riett-
ma. Ors, dsdo o caso maito ostaral da qaa essa
sne ternanente 4 madaanoisetto Magdalena-
como conciliar-ae aa nupcias dalla cees Francis-
co Klein ? Tenho por crtama aaaaa eSaelUir a
posiibilidade daquillo ene ao tenpreaoaeo.
Crea-ne, aenoor barocy aeaSa ao meu tosanla
de raposa : aou capas de apartar a miaa estoco.
em como mademoieelto Magdalena delante ias-
tiacttrameulo 4 llata, e em eomo Klein gae-
se para pregar uns poce e V. Exc.
Aroold estendeo o nao s Pempidoa, a Iba atoan
com oa olhoa onda brilhava a alegra:
Tena o poder da ne reaainar, nonaaniga :
a tua prudeneto a coragem egaslsn dnattcsLia
que t me satas. Da qae modo recnnWeaca os
teus preciosos sarvieas?
Eu lhe digo: tratando-ma d'um, am disote
por t coevo acaba agora do toser.
De auile boa vontade, reaJtoaa AraaM.
Vamos, mau amigo, procara quanto aaaonasaat :
sem U ea nio sei o que de nin ser! Datio-ta
para aproreitar o correio qae parle para Arda!,
Voa escrorer 4 baronesa : derar-lhai-bei soasar
ludo?
Creio que sim : ocoaltor-lhe algam* coaaa
sera cruelneote offend-to.
k noute, a columna-expedicionaria partida da
Dijelfa, receben orden de adr-ee prenota pata
marchar ao emenbecer. ,- .
Antes de dizer qaaae eran aa lineando gene-
ral commandante..dessa coluaaaa, inlisnn sm
Laghouat para sorprender a diipaaseiae a
inimigo, e ao meamo lempo eonhacersa Chreatoa)
dist'era a rerdade, aonsoalaaOO qaa aaa
contrsdo no oasis caso tosan esse tenadanespe-
rsdo Tira torga.
(Confioaor-as-no-J
ii ...............mi n i
PtRN.TTP. DE M r, DE FAnl. 4 FILBO. 1
~
^reatot)
a espa- -J
J
x


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXCIOVL03_63V7HS INGEST_TIME 2013-04-30T23:10:50Z PACKAGE AA00011611_09539
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES